Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11829


This item is only available as the following downloads:


Full Text
h
f
1

_____________ANNO XLV. NUMERO 97.
PArlA A CAPITAL E LUGARES OHDE IA SB PAGA POBTE.
Poptremwewiantl(M........f!......., 6*000
Por*eisditsi4( ,................. lWoo
Por tina auno dem. ,............... 3*8000
CadaHBroavplso .......... !..........' 320
ydt, b ., SEXTA FEIRA 30 DE ABRIL DE 1869.
PfflW DOTHO E FORA DA PElMlfClA.
PorWsmezes adhmtado!............ tUTHo
Por si ditos dem........,......'.'.'.' (um
Por non ditos idem.............. 20*280
Porumanno. .'.................... ifjooo

Propriedade de Manoel Figneira de Farfa & Filhos.
.
-------!-------
-------_
----------
X___________i_______________'-

AO ACRWB
*
Os Srs. Gerardo Antonio Atoes Fithos, no Para; Connives Pato, no MaranhJo; Joaqnm Jos de Oftwira, no Cear; Antonio de Lemos ft-aaa, no Aracaty; JoSo Mara Julio Chaves, no Aas; Antonio Marque da Silva, rio Natal; Antonio Joaqnija
Gnimaraes Pancada, em Maman^ape; Antonio Ateaandrfro de Late, na Parahyba; Antenio Jos Gomes, na Vifla da Penlia; Belarmino dos Santo BticSo, eft Santo Anto; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth; Prstoclno Tavares da Csta, em Alagftas; Dr. Jos Marns Alve^ na Baliia; e Jos Ribeiro Gasparinbo, no Rio de Janeiro.

PARTE OFFTCIAL.
ttorermo da provincia.
rcrtmwTE assig!ado nao exm. sr. dr. manoel
UO mtSClVCVTO MACHADO FORTKLLA, VICE-PRESI-
1H*T* \ PROVINCIA, KM 1 i DK ABRIL DE i869.
1* seccao.
N. 471 Portara aoExni. Sr. general comman-
danto da* armas.Sirva-se V. Etc. providenciar,
para que le dem as salvas do esrvlo por oceaso
d demandar a barra o vapor Cruzeiro do Sul,
que sae boje tarde, e conduz para a corte o
Exm. Sr. Made di- Haepwi.ly. presidente desta pro-
vincia.
X. 473Circular ao commandante das armas,
arsenal de riiarinha, .dito ,dc guerra, capitao do
porto, colonia militar dWimenteira?, presidio de
Fernando de Nnronha e engenheiro das obras mi-
litares. Tendo, na qiialdade de segando vice-
presidente, a-sumido boje a administraeao desta
'irovio'-ia, |tor ter o Bxm. Sr. Conde de Baependy
de ir para a curte, aflm de tomar asiento na cma-
ra temporaria ; assim o commnnico V. Etc.
para sua intWligencia e dlreecao.
N. 47i.=Portaria ao capitn do portoCommu-
nieand-me o*Sr. Bcntmek W. Doyle, cnsul de
IngfateWa, que durante a vihgemqne val fazer
Europa deixa encarregado daqoelfe consulado o
rrsn'-ctivi) vice-consul Richard C. Corfield ; assim
> declaro .1 V. S. para seu conhecimento e di-
rerro.
Y 175.Dita ao cnsul de S. M. Britannica.
Inteirado pelo sea offlcio dedtontem, de que o
Sr. Bentioek W. Deyle, cnsul de S. M. Britanni-
ca, tendo le ir para a Europa n) vapor La Plata,
em cumprimento de ordeui que recaben de seu
governo, deixa encarregado da gerencia desse con-
sulado durante a sua ausencia o Sr. vice-consul
Richard drield, cabe-me agradecer e retribuir
dirige o
2* seccao. da informarlo da thesouraria nao- lea' iugar o que
N, 494^Porteras aos presidentes dos tribunaes requer.
da relacao e do commercio.Remotta-me V. Exc.
at o Om do mez de junho prximo, os mappas
q\ie dve ministrar para fortnacao da estatislica
judiciaria.
N. 495.Dita ao commanante do corpo pro-
visorio de polica.Transmiti Vmc. para os
devidos fins, a deliberacao junta, designando o l-
ente Joaqum da Mott e Silva para substituir
ao capitao Manoel Carneiro Macnado Freir no
conslho de julgamento dos soldados do corpo sb
o seu commando Emiliano Alves de Oliveira,_Joao
Galdino de Oliveira, Victoriano Carneiro e
tono Gomes de Oliveira, de que trata o seu
n. 144 de i do correte.
N". 496.Del beracao.Para o conselho de jul-
gamento dos soldados do corpo provisorio do po-
licia Emiliano Alves il'itlivra-, Joo Galdino d'O
veira, Victoriano Carneiro e Tlieotonio Gomes d'O-
liveita e em substituifao ao capitao Manoel Car-
neiro Machado Freir, que foi exonerado, designo
o tenente Joaquim da Motta Sdva.
3" secao.
N. 497 Portara ao inspector da thesouraria
de fazenda.Em vista da folha, relacao nominal e
prets juntos em triplcala, que me remetleu o com-
mandantc superior da comarca de Olinda, cum of-
licio de 3 do corrente, mande V. S. liquidar e pa-
Sar os vencimentos dos offlciaes e pravas destaca-
as as fortalezas do Bru e do Buraco, e do cor-
neta do 9 batalhao de infantana Francisco Xa-
vier da Silva, sendo os dos offlciaes relativos ao
mez de marco ultimo, os das pravas a segunda
Juinzena do niesmo mez, e os do corneta a contar
c Janeiro marco j citado.
. 498.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.A Flix de Figueira Faria, mande V.
S. pagar depois de nrocessados, em vista da folba
e pret nominal, juntos em duplcala, que me re-
metleu o commandante superior da comarca de
Santo AnJiio, com offlcio de 6 do corrente, os ven-
as benvolas cpmsfc que me dirige o mesmo, ^^ ^^^ ^ ^ ^ ^.^ do of
da guarda nacional destacadas na
Sr. consol", d.ucm renov os protestos
perfeta estima e distincta c msideracao.
N. 476DHa ao cnsul da Blgica.Tendo,na
lualld :d.- de segundo vice presidente, assnmidc
boje a administrarlo desta provincia, por ter o
Exm. Sr. conde d Baependy do ir pata a corte
aflm de tomar assento na cmara teinporaria ;
n*sim o commnnico ao Sr. confu da Blgica,
quein a presento os protesa de minha perfeila es-
tima e distincta eonsideracSo.
2a seccao.
N. 478.-Portara an Df.'fhce depoticia.Com-
miiiiic.itido-me o Sr. Bentnek W. Doyle, cnsul
da Inglaterra, fpae durante a viagetn que vai fazer
:i Europa del* encarrr-gado daq'tclle consulado o
respectivo vice-consul Richard u Corfield : assim
i declaro V. S. para sen conhecimento.
N. 479.Dita ao commandante superior interi-
no da guarda-nacional aVste immicipip.Recom-
ieiidando ao tenente-eoronel cominaft^lpite da
Jn-n.T'ional aqnartelada nesta cidalle. que fa-
<;a aprescniar a forra necessarta para fazPr as hon-
ras devidas ao Exm. Sr. Conde de Baependy.' pre
silente desta provincia, por oecasiSo do seu em-
barque para a corte boje tarde; assim o commu
nico V. S. para sen conheciinetito.
N. 480 Circular aos prrsidentes da relacao e
do tribunal Jo commc-rcio, chefe de poHcia, com-
manda-nte superiores, juizes de direito e mumei-
paes, promotores publicse commandanted) cor-
po provisorh de polica.Tendo, na qmldade de
se?uiv!i v'.rp presidente, assnfflrao hoje a admi-
ni Conde de Baependy de ir para a corte, atim de
tomar assento na camira temporaria ; assim o
ommunieo V. S. para sua intelligenca c di-
reccio.
N. 451.Portara ao tenente-eoronel Deco de
Aqnino Fonseca.Da torea acuartelada faija Vmc.
apresentar no Can>po das Pnncezas a que fr.ne-
cessaria e do estylo para fazer a- honras devidas
11 K\m. Sr. Conde de Baependy, presidente desta
provincia, por oeeasiao do sen embarque para'a
corte, boje as 4 c meia horas da tarde.
3" seccao.
!V. 48.'.Portarla ao inspector da thesouraria
de fazenda.Communicandi-me o Sr. Bentinek
W. I> eyle, cnsul da Inglaterra, que durante a
vagem que vai fazer Europa deixa encarregado
da picllc consulado o respectivo vice-consul Ri-
chard C. Crfteld ; assim o declaro V. S. para
seu conhecimento, e aflm de que faca constar ao
bKpeetor interino da aliandega.
4* seccao.
N. 486.Circular aos presidentes das provincias
do norte e sul do imperio. Participo V. Exc,
que por ter o Exm. Sr. Conde de Baependy depar-
tir para a corte aflm de tomar assento na cmara
temporaria, assumi boje, na qnalidade de segundo
vice (iresidente, a adininistracao dosta provincia,
por estar ausente o primeiro. Aproveito a oppor-
tund.ide para apresentar V. Exc. os protestos
de minha estima c distincta consideracao.
N. 487Dita no Exm. Sr. bispo diocesano.
Tendo, na qnalifiade de segundo vice presidente,
assmnido hoje a administracao desta provincia,
por ter o Exm. Sr. Conde de Baependy de ir para
a corte, afim de tomar assento na cmara tempo-
raria ; assim o commnnico V. Exc. Rvma. para
-:>a inteligencia e direccao.
N. 488 Iguaes aos directores da Faculdade de
t) rcito, da instrucQao publica c da escola normal,
engertheiro fiscal da estrada de ferro, administra-
dor do Correio, superintendente da estrada de fer-
ro, instituto da agricultura, commlssario vaccina-
dor, inspector da'satine publica e do porto, e
is as cmaras municipaes da provincia, Muta-
li- mutandix.
N. 489Portara aos agentes da eompanhia
brasileira de paquetes a vaporOs Srs. agentes
da companliia brasileira de paquetes a vapor man-
dem transportar para corte no vapor Cruzeiro
4o Sul, por conta do ministerio da gnerra, ao sol-
do dep'isito especial de nstrocijo Jos Fran-
cisco da Costa.
N. Wl-Dita ao gerente da eompanhia Pcr-
dambucana.O Sr. gerente da coripaahia Per-
namhucana mande dar transporte para o 'presidio
de Fi mando de fforonha, por cbnta do ministerio
da guerra, no vapor Giquia, aos guardas nacionaes
do terceiro hatilhao de infantaria Innocenco Jos
Ricardo, Jei Anacido Diniz, Manoel Francisco da
Luz, Lanrntino Alves da Fonseca, e Pl'atao Can-
ddo Jos Machado.
etPKwntnn assignado p.o sr. dr. joaquij cor-
rea BB HAJO, SKC.RRfARM DO GOVBRTO, KM II
DK ABRR D* 1869.
1* scelo.
N. 491OBclo ao Exi. Sr. general comnYan-
dante da armas.& Ex. o Sr. iuu piouiduulu
da provincia, dando as cmvenieirtes ordens para
que sejam transportado a cdlb de Fernando
ao vapor Giqul, os o guardas do terceiro bata-
thao de infamara, e bem assim para a corte no
vapor (SqMiro th 8vl, o sol tado tto dqpositb es-
pecial de instrac.cao h< Francisco da Costa ; as-
sim o minda Com-ntinicar V. Bxc, em respeta
awsens-oflMds desta da, sohiB il. e llt.
BtrtlMWTK ASfGJfADO PgLD Slt DR. MATOl D0JAS-
CBrUKTO MACHADO Pt)RTtLA, VTCR-PRESIDfflrrf: DA
r-n0VINil. EX II Wt ABRIL W8&.
lr secc|o.
Jf. m. Portara o Exm. general comman-
dante das armas.Mande V. Etc. pflr em nMrda-
dTWfftunas Jos Ltrh? Fraitra Manoel Ro-
drigues Dimasccno, visto terem sidq julgwWS to
rjtpaies p^ata o *rtn^ flo etart*)', como constado
termo que veio annexo a swti HflMff desta ltw
s.* n. 116.
Jacinfha Ifaria de Jess.F.. indetoridb' o re-
querimento a que se refere.
Martnbo da Silva CosU.Conceda-fle a licenca
pedida porm sera vencimentos.
Mara Clara da Assumpgao Sampaio-.Shn, pa-
gos os direitos devidos.
Sociedad- Uniao Beneficente Manik).Dosig-
ne-so a Andr de Abren Porto.
fical o pracas
cidade da Victoria.
N. 499.Dita ao mesmo.Intiirado de quanto
V. S. expz em sua iuformacao de 6 do corrente
sob n. 180, acerca do offlcio do chefe da repart-
cao das obras publicas n. 100, de H de marco ul-
timo, relativamente as obras encampadas da pon-
te de Jaboato, de que era arrematante Francisco
de Pinlio Borges, tenho a dizer que proceda de
cqntormidade com o final de sua citada informa-
, a respeito do pafamenta da quantia 'de 433*,
que rotara avalladas as madeiraS enontradjis
junto a mesma ponte.
N. 300.Dita ao mesmo.Depois de liquidados,
em vista da folha, relacao nominal e pret juntos
em duplicata, que me remetteu o commandante
superior da comarca de Olinda, com offlcio de 3
do corrente, mande V S. pagar os vencimentos
do onVial e pracas da guarda nacional destaca-
das na cidade de Olinda, sendo os daquelles rela-
tivos ao mez de marco ultimo e os destas a* se-
gunda quinzena do mesmo mez.
.. N. 501.Dita ao ebefe da reparticSo das obras
publicas Tendo resolvido em vista de suaiotor-
macao de 10 do corrente sob n. 144, conceder
permissao que solictou Antonio da Silva Ramos,
para fzer construir um cano de esgoto na casa de
sua propriedade, sita ra nova de Santa Rita,
urna vez que elle se sugeite as mesmas condicoes
impostas a outros em idnticas circunstancias;
assim o declaro Vmc. pata set^conhecimento e
los convenientes.
N. 501Dita ao mesmo.Attendendo ao que
solictou o Exm. presidente da provincia do Para,
em offlcio de 22 de marco ultimo, recommendo a
Vmc. que contrate um mestre pedreiro, a quem
por sua aptidao se possa confiar um piano com
certeza de boa execucao, afim de ser empregado
as obras publicas d aquella provincia, por cuja
conta deverao correr as despeas com o seu trans-
porte.
N. 503. Dita ao mesmo. Certo de quanto
Vmc. expz no seu offlcio de 11 de marco ultimo
sob n. 100, relativamente as obras encampadas da
ponte de Jaboato, de que era arrematante Fran-
cisco de Pinho Borges, julgo conveniente rcmet-
tei-lhe por copia a iaformacao ministrada a este
respeito pelo inspector da thesouraria provincial,
a quem acabo de recommendar que proceda acer-
ca do pagamento da quantia de 433*000, em que
foram avahadas as madeiras encontradas junto a
mesma ponte, de contormidade com onal da ci-
tada informacao.Assim respondo o seu precita-
do offlcio.
4* seccao.
N. 505.Offlcio ao vice-presidente da provincia
do Maranho.Por offleio de 4 do corrente lique
inteirado de ha ver V.'Exc. naquella data assuini-
do a adminietracao dessa provincia, na qualidade
de Io vice-presidente, por ter de seguir para a
corte o desembargados Ambrosio Leito da Cunha,
afim de apresentar ao senado a carta imperial pela
qual foi escolhido senador. Cabe-me por esta oc-
casiao apresentar a V. Exc. a seguranca de minha
estima e consideracao.
N. 506.Dito ao presidente da provincia do Pa-
ra.Ao ministro brasleiro em Franca encami-
nho nesta data o offlcio que para ter esse destino
enviou V. Exc. i esta presidencia, em data de 31
de marco ultimo.
N. 507.Portara ao dosembargador provedor
da Sarta Casa de Misericordia.De contormidade
com a sua informacao de 9 do crrante, sob n.
1,847, pode V. Exc. mandar admiftir no coilegio
das orphaas a menor Adelaida, obrigando-se Joa-
quina Marques Velloso, em eompanhia de quem
ella se acha, apresentar a respectiva certidao de
baptismo.
N. 508.Dita ao mesmo.Annutndo ao que so
licitou V. E\c. era sen ofifciu'de do corrente, sob
n. 1,848, autoriso-o a mandar admittir no coilegio
das orphaas a menor Paulina, cujos pais fallece-
rn), deixando-a em completo desempato, como as-
severou o respectivo mordorao, e consta do citado
offlcio. Reslito a V. Exc. a certidao de idade da
referida menor.
N. 509.Dita ao administrador do correig Fa-
ca Vmc. seguir seu destino o incluso offlcio que
para ser enviado ao conselheiro barao de ttajuba,
enviado extraordinario ministro plenipotenciario
do Brasil em Franca, loi remettido a esta presi-
dencia pela da provincia do Para.
Reparlvo da pftliela.
2' seccao.Secretaria da polica de Ptraaiabnco,
29 de abril de 186.
N. 63.Ulm. e Etna. Sr.Tenho a honra de
levar ao oonheeimento da V. J5xe. que, segundo
consta das partietpaeoes recebidas bojii nesta re-
panicao, foram houtem recolhidos casa de deten-
cao os seguintes individuos :
A' minha ordein, Francisco Avila de Mendonca,
como sentenciado; Roma Venite e Manoel, osera-
vo de Adtomo de tal, vndos de S. Lourenco da
Matta, o primeiro como suspeito de ser desertor, e
o ultimo por andar fgido.
A' ordem do subdefogado do Reclfe, Lonrenco
Dias Vieira, por disturtwo.
A' ordem do de S. Jos, Manoel Olegario da Fon-
seca, como sentenciado; Constantino Felipjfo San-
tiago e Adolpho Gustavo Santiago ou Dutaga, por
desordem.
Em offlcio datado de hontem partcipou-me o
subdelegado de S. Jos, que, pelas oito horas da
noite do dia anterior na ra da Conoonlio daquel-
la fregnezia, tora feride com urna estocada sob as
costas o inspector de quarteirao Simio Jos de Aze-
vedo Santos, na occasiao que procurava spaziguar
urna desdrdem, e ronduzr um dos desordeiros
presenca delle subdelegado; sendo qne ignora-se
ainda quera seja o autor do delicio; nao obstante
as diligencias empregadas para descobril-o.
Deus guardo a V- ExcIllm. e Exm. Sr, vce-
ce-presidente da prpvincia Dr. Manpel do Nasci-
mento Machado Portella. O ehee de polica,
Francisco de Fmia Jarnos.
Mri
OS. G. Dhunmuhb :fiem dovida, mas nao foi
a poltica do nobre deputado que es roamlou, foi a
poltica liberal.
>Siu AttkAsM, b Mbllo : Apcndo, foi a polti-
ca libera*'
O Su. F. Tavor* :Refiro-me a aduunistracao
do Sr. Castello Braoco>, presidente da poltica pro-
gressisla.
Sr. presidente, abrevare o que tenno de dizer.
O pemainento iniciado pelo thron, toi om pen-
samento de vonlatle arbitraria, pleno dominio do
entender pmoai, despirzo completo as kit do ptiiz.
(Apoiadosj.
- llaver barmoaia eutre todos os brasileiros,
disse a core*........
<>Sr. reai\ obO ;Disse p&inq.
*S. F. Valora : mas quem nao safe em
que consistto.essa harmonio dvs brqgjl/ii os pro-
CBkHfi
mo p pensamento do gabinete foi reafcado na?
provmcias, ou antes n'esta provincia.
O Sr. G. DmumoND :hu nao poderei arom-
panhar o nobre deputado neale terreno, porque
uao m'o consentir*).
O Sn. F. Tavora :Sr. presidente, toi modera-
do e justo o vice-presidente Assis Rocha, nomean-
do para cargos polidaes individoos processados,
reos de polica conbecdos ? (apoiados).
O Sn. G. Dni-MM i.nd :A palavra do nobre de-
putado rnofto respeitavel, mas neste negocio en-
tendo que nao deve avancar ama proposicao sem
apresentar as provas.
O Sn. F. Tavora :En satisfago ao nobre de-
putado. Peco a casa que preste attencao. (L.)
Fej (|ue tentou assassinar o professor do O*
delpojuca Curtos-fos Dias da Silva, tm quem
chegou a fazer um grave ferimento, Ivi processa-
a pe imperante i O assalto de t& de jnlbo | do por esse en me e pronunciado.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
SE9SO EM 20 DE ABRA DE 1869.
PRESIDENCIA DO SU. AUGUSTO DE SOVZA E.OL.
OSR. FRANKLISTAVORA.Sr. presidente, en-
tro multo constrangido n*este debate, porque, sen-
do parte interessada na qnestao da nradoria ge-
ral dos orphos, visto cmne eaarcia esse logar
quando, por deliberacao do vice-presidente da
provincia, o men distincto collega, deputado pelo
2o districto, reeeheu intkna^o para que flresse
recahir a nomna?ao sobre promotor mbco, pa-
recer, talvez, que ergo minha vea n'esta casa s-
mente cem o flm de defender o inlcresaj que possa
para mim resultar de boa declsao da qiiestao,
Hunos Sns. DEPitAbos:'Pooalh htem Js-
lica.
GSn. F. Tavora .Mas, 9r. presidente,
dizer com toda a franqueza c ^cooscienaa
d*vo
de un
DESPACHOS DA tlca-PESfliNCIA DO A 27 DE AURIL
Andr de Abreu Porto.Concedo os prawps g-
didos para apresentcao das plantas e construccao
das pontes,. qne deteriWser teite* do ccordo com
a informacao do engenheiro chefe da reparticlo
das obras publicas de 31 da marco prxima (indo,
sob n. 127, podendo o suppTicante fazer ps passa-
dicos pVovisorios lambem de accordo cm u que
na mesma informacao xig femlla repartlcao,
onde o supplicame dever asignar o respective
termo, no qual se oteigar ~* aojesentar conclui-
das as pontes nos prazoL ;iqh pena de sere'm ellas
feftas pela reparfrcah flafcPas t*ncas por cun-
do supplicante, par f0 Mvffi lirestar
taca. -
Antonio Dias do-., Santo?.Seja posto em libela
dado A fc 4l ^.^.. _,
tor-
nan
ivit 4qop teaaaa, antaAMrtmtko
| Capitao Joaquim Antonio e Moraoa^-' viata
representante do povo, que nao posso acceitar a
discusso n'esse terreno, e qiv a unic?. raza.) qoe
me impelle a empenhar-me na discuss?',-.> somon-
te ter em vistas contribuir com o meu voto e com
as minhas iracas consideraeoes para qne nao pas-
se como le urna heresia jurdica (palavra multo
da moda).
Entretrato, pondo de parte, por agora, a ques-
Oo de que se trata, permita V. Exc. que eu faca
algumas reflexoes geraes, que muito entendem
com e assnmptu.
Sr. presidente, a crise era tremenda. Estaya-se
em um momento de suprema agona. .Jweoao
naiz poltico rolavam nuvens negras ijrecnrsoras
do prximo desabar de atrapoeclla. fJbrraes e
progresistas, at esse momento afastados por vaos
resentimentos, lancando olhar judcioso sobre a
sorva physionoma da situacao caminham ims para
os outros, aproximam-se, congregara se, dao-se as
maos. O que nao consegniram annos, conseguiu
um instante de apprehensao. E' preciso conjurar
a tormenta. Mais do que nunca a arca santa das
lberdades publicas se acha em perigo; mais do
que nunca cumpre que"os amantes sinceros das
liberdades patrias se eoneracem e estabecam a
unificacao que deve dar sofidas garantas a essas
mesmas Hberdades. (Apoiados; muitc bem/
Tardo foi, porm o accordo. J nao tempo de
evitar o golpe. A nuvem prenhe de tempestades
deixa escapar o rato que deve fulminar o paiz in-
teiro. t O poder moderador, destinado a dissipar
conflictos em voz de creal-osna elegante phrase
do conselbeiro"Silveira Lobocontrapiie-se e per-
turba a marcha regular do syslema. >
Parto enfezado do absolutismo eom o pharisais-
mo conservadora actual situacao nasceu de um
connubio Ilegitimo e condemnado pela vordade do
systema representativo e por todos os principios
de hooestidade poltica. (Apoiados e n5io apoado.)
E Ilegtimo toi o acto imperial de 1 > de julho,
como disse com toda a loica de independencia e
de lgica no senado o consoiheiro Nabuco; illegi-
timo, sim porque a nao sl-o a poltica determina-
da pela maiona do parlamento daveria ser a de
preferencia acceita no paiz. (Muitos aiwiados).
Foi sob estes auspicios que foi chamada a eerir
os affaseres publico esta actualidade i minan te.
At hontem condemnada proserip.^to pela co-
rda, em virtude de seus desacertes e diseus vicios
(apoiados e nao apoiado), de Orna honi para entra
eil-a que apparece transfigurada, perfehamente
idnea, aos olhos do throno, para gaiantir os di-
reitos e dirigir o progresso da patria.
Sr. presidente, n'cstas conjuncturas o que pen-
sar? Que dla, que poltica essa ? Onde fei
buscar o poder irresponsavel semollMinte alvitre?
A opposieo desenfreiada vera ocbupar as posicoes
e a direccao publica; a situacao deminante vai
occapar os arraiaes da opposieo, e ah todos os
martyres do diepotismo imperial agrapam-se em
torno da bandeira da lberdade e 9ofrfem as maio-
res tlagellacoes I (Muito bem).
E toda essa nverso sem una razan de ser!
IJiiiitem es~i-s adversarios.vaiq atirar improfe-
rios e prevocagSes aos deputado* da provincia ;
mais tarde a casa de urna autoridade de cathego-
ra apedrejada; depo^abretnre as portas de
urna priso (em Pao d'Alho) 9 dase soltura cri-
minosa a sentenciados e commettem-se, divensas
liomicdios em soldados da broa pnlMlca; segue-
se a tomada de recrutas, destinados a seguir para
o sul, ootn as armas naa mi, para ah vindica-
reo) os bros da patria ultrajado 1 (Muies apoia-
dos).
0 que fazem tpdos estes attontados sao chama-
dos ao poder; os que sustentara as mstltntpea,
os direitos e os bros nacionaes, slo victtmadOd at
capricho de um wnhor! Ingrata poltica do Bra-
zil I Innato tsrono I
0 Sr. Prksidknte Lcmbro ao nobre depotado
tute o que est em discusso um requeriraeoio
pedindo informardes; nao se trata de fteUtic*
geraX _.
0 Sr. F. Tavora : Mostraf^que. o que
dizendo teTrelacao com aouauoo reaoi*ei,
Q Sr, G. Drummond :-Donde viej'a oa yola^
irlos de corda f Do lversariw |iolUcos da no-
re
iliz ludo. Temos aqu o programmada cora des-
mentido pela propria coro;i. Vejamos agora o
programma de gabinete, desmentido pslo proprio
gabinete.
Modcracae e jnsMea-, respeito rengsoM aos di-
reitos dos cidiulos, escrupulosa ftscalisa^o dos
dinheiros publieos palavras do Sr. Itaborahy,
as casas do parlamento, fezendo a proflsso de f
do ministerio, de que elle era presidente. Desea-
mos applicacao; e nesas intuito V. Exc. me per-
miltir fazer a" leitura de algumas pecas que evi-
dentemente provam quanto o programma do-ga-
binete tem sido imprudentemente sopbismado.
O Sn. Su.vKHtv Lodo :Comecou por ser moe-
deiro falso.
_t Moderacao e respeito s leis e aos direito^dos
craad >s urimeira parte.
Ora, um dos primeiros actos do ministerio, que
fazia essa promessa solemne .liante das cmaras e
do paiz, toi um aviso do ministro da justiea, re-
eommendando aos presidentes das provincias, que
nao sanrcioncm leis das assemblas provinciaes
creando comanas.
Om Sn. Deputado :Hecommendando, nao, or-
denando.
O Sn. F. Tavora :Ordenando.
O Su. G. Dr.i'MMONu :Veja o que tez oSr. Fur-
tado e .nitros.
O Sn. Soases Brandao :Cite o nobro deputa-
do om aviso neste sentido.
O Sr. F. Tavora :A rasa sabe que as assem-
blas provinciaes tem o direito, concedido peto rt.
10 do acto addicional, de crear comarcas, consul-
tadas as necassldadcs da provincia; ora, ordenar
aos presidentes que nao sanceionem teis creando
comarcas mitilisar attril>uieo conferida s
assemblas pelo acto aiSrional, esse tabernculo
do p incipio democrtico no Brasil, eaabretado
itnpor caprichosamente que palpitantes neeussida-
des publicas d.a prarnca, que determmarem a
crea cao de urna comarca, nao sejam salisntas.
11 Su. Sii.vr.niA Lomo :Quanto ao acto addicio-
nal, j l vai; preciso faa-lo de novo.
O Sis. F. Tavora : O segundo acto de moefern-
rao e respeito x leis, do ministerio, foi um aviso
do meemo Sr. Jos de Aleiic.tr ministro dt:justiea.
es abeleceudo orna nova doutrina sobre um caso
de incompatihilldade.
o raso: O aviso n. 89 de 4 de junho de 1847
determina que Sao cargos ncompativeis, desde
qne se verifique um certa bypv.tbse, os de yuta
municipal supplenie e engennetro de obras publi-
cas.
A hypothe cia d FiaAihy ronsider a hypothese existente e
offlcia ao ministro da justiea communicando o oc-
corrido. S. Exc. responde com o sc^guinte aviso :
Rio de Janeiro, 13 de fevereiro de 1869.
Illm. e Exm. Sr.Em offlcio n. 44 de 30 de no
vembro do anno findo, expoe V. Exc. que, tendo
sido nomeado supplente do iuiz municipal o Dr.
Newton Cesar Burlamaque, engenheiro das obras
provinciaes e encarregado de outros trabalhos pelo
inisterio dos negocios da agricultura, commer-
cio e obras publicas, parece-Ihe inconveniente ao
trrico' publico a aeciu':'-co do exerccio das
respectivas funcede-. verificalail-aa Dosle caso a
terceira hypothese do aviso b. 89 de 4 de juaho de
1847. E -ua Magostado o Imperador, quera toi
presente o dito offlcio, houve por bem mandar de-
clarar a V. Exc. que entre os dous cargos existe
incompatibilidmle poro impedir a nomeaco, e nao
l>yt,a cafta-la, estando j feilo.Sr. presidente da
provincia do l'auhy. Jos Martiiuano de Alen-
cur.
V a casa a decsao do Sr. Alencar. A incora-
patibilidade existe antes do facto, depois do facto
cessa. Temos a incompatibilidade na- lei, e a com-
pat.:bildade tora da lei; a theora dos factos con-
summados.
O terceiro acto de moderacao e respeito as leis
o aviso do mesmo Sr. Alencar, mandando ao pre-
idente da relacao da corte que nao curapra acto
algum do ministerio da justiea, sem que delle
conste registro ne secretaria de estado.
Ora, o decreto n. 4,159 de 22 de abril de 1860,
que reformou a secretaria da justiea com autori-
sacao do corpo legislativo, determina no % 2" do
ai 60, o seguinte :
Fica dispensado o registro dos avisos, ordens,
oflicios e portaras do mesmo ministerio, etc.
Em consequencia de tal dsposicau, o presidente
da relacao da curte, fazendo della strieta observan-
cia, incrreu em censura do Sr. ministro da Justi-
na, que em opposieo ao determinado to expres-
sameqte no citado decreto, raandou por aviso fa-
zer justa ment o contrario ao disposto no decreto.
Eis atii realsado o programma de justiea e de
respeito s leis e aos nimios dos cidadaos.
E quanto hscalisacao dos dinheiros publieos?
Vjame*.
0 primeiro acto de fteealisacao dos dinheiros
pblicos, platicado pelo Sr. Itaborahy, foi a rem-
tegracao de um funecionario de fazenda, demitti-
do pelo, antecessor desse ministro, o Sr. conselheir
ro zapliaras.
O or. Presidente : Pego ao nobre deputado
que cinja-se a materia em discusso, que um re-
querimeto pedindu informacoes.
O Sr. F. Tavora :Perde-me V. Exc. o regi-
ment permitte que o orador se estehda em conai-
deracoes que se prendara questo, o o que estou
dizendo tem intima relacao Com a materia em dis-
cusso.
Ora, a prconisada Hscalisacao dos dinheiros pu
bucos, do Sr. Itaborahy consiste nada menos n i
qae passo a expor, um fcto : Um funecionario
le lazcnda bavia t*&a deniitiido de seu earge
conseif^ncrfi de rVegoctar com os dinheirns p
eos. -se a exonerado depois de serias averl-
guacoes, capazes d revarem ao animo ao governo
easeloso e prudente a mais robusta eontfcefe da
ecto. Em om bello dia sebe a poltica Sr.
Itaborahy e a esse funecionario de fazenda, eonhe-
damnt'e negociador eom os fundos palmeos; e
Feij interpon recurso para o jia de direito.
gares-, tjaando ereaos-, ser titaUeki. Coito se
narmomsar a vitalieiedade do curador com a tem-
porariedade do pioraotur t
Ainihi trardwi i, o farte- constante de nun-
ca ter *id exercida a curadora dos orphos des-
la cotnaava por promotores pblicos desde 183,
poca daquella lei, at o auno pa<*ado, quando o
actual M de orphos, por tote* dos citados avi-
sos, atteivdeu preferencia pera preferencia, e
nao obrigncao de noraear os promotores como pa-
rece ao Sr. Assis Rocha) concedida a estes func-
cionaros pelos mesmo avisos.
Aiuda oiura pro va que em 18(4, ha vendo o
Dr. Angelo Henriquc da Silva reinierido ao gover-
no feral o provimento do lugar de curador a esta
capital, leve por despacho que fe lugar nao se
ochava- creado por lei, cabendo <> protimenfo inte-
rino aojuiz devrphilos-
Ainda outrajMova que em 1842 o conde da
Boa-Vista (entao baro da Boa-VHjta), sendo pre:
so'L'instXcT* SeB,e,,ga PrfeI,la Pre9"i Lft^^K^W?^ cnxador geral>s
tem
ti-lo n breve restituido ao emprego sem mais [fofA peraes
bem mais, com escndalo mandito do pi m-
Matl
i Segundo acto do gabinete, de seu zlo pelos di-
nheiros d paiz : o aetnal ministro da foaeAda, o
O delegado actual o Sr. Manoel Casta nomea-
do pelo Sr. Assis Rocha, era lugar de mandar re-
colher Feij priso, al que se prepare o proces-
so para subir ao jolgaraento do jury, mandou-o
chamar para seu engenho, onde Fej est pin-
tando as portas c as paredes da casa. Parece que
o servico de pintar feito pelo criminoso, servir de
paga sua impunidad..'. >
O Sr. G. Drummond :Este facto rofere-se ao
terceiro districto, eu o couheco : Fej respondeu
ao jufy e toi absolvido.
O Su. F. Tavora :=Nap Ihe serve este ?
O Sr. G. Drummond : Feij toi urna das victi-
mas de 1863, foi o escrivo de .paz, que foi preso
no dominio da liga. ?
O Sr. F. Tavora :Foi nomeado subdelegado
da Victona Joao de Gees Cavalcanti.
O Sr. Lopes Machado :Vejamos quem este
senhor.
O Sn. F. Tavora (lendo) :
Este hornera, apresentando-se-lhe urna vez um
seu credor em pesada, cobrando-lhe o pagamento
de urna letra, exigi o documento anlhcntico a
pretexto de o averiguar ; e urna vez com elle oas
maos, o metteu ua bocea para engult-io.
0 credor mais depressa que um gamo salta-
Ihe sobre a garganta, que aperta, e gracas ao seu
desembarace e aeco, faz Ges tancar o documen-
to. Veja qu tal o carcter desse individuo "
Mas sui nao tudo. Gees aeh-se processado
por furtos de cavados. Mesmo agora requer cer-
tidao das pecas comprobatorias deste enme, e lo-
go qoe a tenlia em mmb maos, rnroetto-lh'a para
que a publique, e possam ahi os homens de hon-
ra eonhecer que calamidades nao te n trazdo a
esta infeliz provincia a nefasta vi ce-presidencia
desse Sr. Assis I Elle ha de ter o pago; espere-
mos em Deas. Ninguem as faca, que nao as pa-
guediz o rifo.
O Sn. 6. Dtwmmond : Porque nao procederm
contra elle em tempo ?
Um Se. Dctttado :' Nao era antoridade poli-
cial.
OSn. Araujo Bbltrao :Esteve na cadeia por
ladro de cavallos.
OS. G. Drumkond :V. Exc. nao capaz de
proyar islo.
O Sn-. Araujo Bei.trTo : Esteve no dominio
conservador.
O Sr. F. Tavora (AoSr. G. Drummond) :0 no-
bre deputado pedio-me fact03 ; ahi os tem.
O Sa. G, Dbummond :0 nobre daWtjjQ os^
allegando e eu poco-lhe provas.
O Su. F. Tavora : Provas f Desde que um
tacto, publicado pela imprensa, no contestado,
entende-se verdadeiro.
O Sii. Soabh Brandao (ao Sr. G. Drummond) :
O nobre deputado que o conteste, prove o con-
trario.
O Sn. G. Drummond iAdmra-me que um ju-
risconsulto diga islo I
Q Sr. Suares Brandao :Nao estamos em um
tribunal judicaro.
O Sr. G. Drummond :N'outro tempo nao ad-
mettiamesta theora.
0 Sfl. F. Tavora :Nao qnero fatigar a bene-
volencia da assembla. Tudo que ahi fica dito
apenas o prtico deste grande edificio de sangue e
luto, de cynismo e de horror, erigido nesta pro-
vincia pelo vice-presidente Assis Rocha. Nao que-
ro entrar uo edificio ; vou adiante, vou tratar da
questo da curadora geral dos orphos, na qual
esse presidente indecente mostra o maior exeesso
de sua subserviencia e cynismo. (Voltando-se pa-
ra o Sr. G. Drummond.) Pergunto ao nobre depu-
tado : acceita os avisos do governo imperial, ou
acceita a lei de 1836 ?
0 Sr. G. Drummond :Acceito os avisos para os
lugares em que nao est o caso determinado
por lei.
O Sn. F. Tavora : Acceita os avisos para os
termos em que nao se acha creado o lugar de cu-
rador geral dos orphos ; ora nesta comarca nao
se acha creado o lugar de curador, segundo foi
declarado por aviso de 1854 ; logo os avisos so-
bre a especie procedem e condemnam a causa do
nobre deputado.
O Sr. G. Drummond :Mas a lei de 14 de abril
determina quem deve exercer esse cargo, logo
O Sr. F. Tavora :Antes de tudo, a lei de 14
de abril nao creou o lugar, como passo a provar.
O Sr. G. DnuMVOsn :Tambera nao ha lei algu-
ma que o cree, porque curador de orphos
um advogado.
O Sr. F. Tavora :Quando tive oceasiao dees-
crever alguns artigos coto relacao a questo e que
foram dados estampa no Jornal do Commercio
da corte, expend as seguintes consideracoes que
passo a 1er a casa. (L) :
Quem primeiro se lembrou de contestar a re-
vogacao, unvversalmente aceita pela consciencia
publica desta provincia, da le provincial n. 13 de
14 de abril de 836, foi o S. Dr. Joo Thora da
Silva na sua rplica ao Dr.juiz.de orphos, depois
d ter-se cnhecido derrotado no terreno dos avi-
sos do governo.itnperial.
O Sr. Assis Roca aceitou o ingrediente indiges-
to que so podera preparar um charlado ambi-
cioso das bagatelas da curadora, e ei-lo em offlcio
de 22 de agosto, dirigido ao juiz de orphos, a re
produzir qpasi as mesmas palavras do Sr. Dr.
Joao Thora.
, f,... Esveciilm+nte dia o Sr. Assis Rocha,
em vista da terminante d'isposico do art. 8a da
lei provincial 13 de 14 de abril de 1836, que
bao foi revogada nos termos do art. 8o da lei in-
terpretativa de 12 de maio de 1840, hoja Vmc.,
sem perda Se tfmpo, de prover rio cargo dt cura-
dor (eral dos (frphftot ao actual promotor publico
testa comarca, Dr. Joo fliom da Suva.
Ora. o que do art. 8* da Kl de 14 de abril de
1836 que os promotores pblicos seao os cura
de ipMos ni suas respectivas co-
disse o r.


J referido 8r. vsoonde da Itaborahy arrertda os
efloitos das capatnzias da enro a urna aociedafle
romraanditaria, d qual
i Rodrgaos Torres,
tirana principal o Sr.
rmib do proprio
deputado?
Sr. F. Tavora :O 'ndbrjj,
_* provincia l*$an;
de voluntarios, qae i
ram voluntarios Tolujftm
deve,-
l,,k!ttla-;
a;fo.
las Joaquim
Sr. Itaborahy I
Vw,B*:-0hl Oh I
0 Sn. F. Tavora :Senhores, efl nao coroinento
fcste facto.
Um*Sb Dbputabo : E' um arranjo de lartl-
' Sa, F. Tavora :O que tenho dito um 4>e-
trt ared.
Mas, como muito assisaj.
juiz de OTphaps, estas paJvTaj, do rt. 8 nao con-,
$gn; potaMitha&ato lujates depura
dores; nf*to ule fntraflo, delxSft ve^ Que se
referem a* caso de afcharem creados estes lu-
garei. SerO curadores > dlji a Vi ; 4 0o*t'
fe dksess* : Arhando-se. creados Os l,,'POe'^
fedradores, os promotoros pabltoos ^.,a nVr"e
ueclda : Fica a-edlU,
twada ftrffmla,
ou qual empregn t
E a pova invH#
nreadea es-
!83 cimen da paulica geral; passemos a arina/cc- P-^'.e,samehle qne o provimento de taes 1
nao seac
. pife M de 14 dea.
n. 115 de 27 de abril de
orphos o De. Antonio Joaquim de Moraes e Silva
A imprensa eonleslou vabmcnteuente (e com ra-
z.n ao presidente a oupetencia, para fazer no-
meato, que de mera confiaiira do juiz de or-
plulos, mas wto disse que os citidotes deceriam
ser os promotores, nem assim o eniendeu o presi-
dente, signal de que a le de 1 i tlu abril de 1836
era tida, j uusse temix, como ampbmerjte revo-
gada. E de fcto o lugar de curador dos orphos
..nire nos existe por torea da orikoac.).
Todas estas consideracoes, porm, sao por de-
mais, como bem disse o juiz d OBpliaos, visto que,
se a lei de 14 de abril de 1836 na est revogada
pelo art. 8" da lei de 12 de maio de 1840, cst-o
expressaraente peto ait 124 da le de 3 de dezem-
bro de 1841. De agora em diante qne apparece
o Sr. conde de Bacpendv.
Q ai t. la da lei m i de dezembro de 1841 nao
poda invalidar a mui clara e positiva disposiQo
do art. 8" da lei interpretativa do arto addicional
de 12 de maio de 1840, porque a clausula nellc
coulida geral e acompanha todos as leis ; e an-
da mais porque a referida lei de 3 de dezembro
de 1841 nada dispoz sobre curadores. Estas pala-
vras ;-o do Ilustre conde de Baependy, era ssn
offlcio de 27 de agosto dirigido ao juiz de orphos
a quem pelo mesmo offlcio recommendava que
executasse a ordem do seu antecessor (o Sr. Assfe
Rocha, em suas citadas expressoes no oficio de
22), af que 0 governo imperta!, a quem affectata
a questo, deliberasse o que fosse conveniente (ex-
pressoes textuaes do nobre conde.)
Admitamos por mera hypothese que a lei de
1836 ereu os lugares de curadores, e vejamos o
art. 8" da lei interpretativa de 12 de maio de 1840
citada pelos Srs. r. Joo Thora, Assis Rocha c
de Baependy.
As leis provinciaes, diz o art. 8 ), que forcm
oppostas interpretaco dada os artigos prece-
dentes, nao se entendem revogadas pela promnl-
gacao a esta lei sem que expressamente o sejam
por ocios do poder legislativo geral.
O argumento do Ilustre Sr. de Baependy, ci-
tando este artigo, o seguinte : Que, determi-
nando este artigo que as leis provinciaes que se op-
puzesseui de 12 de maio de 1840 s se entenderium
revogadas por acto expresso do poder legislativo
geral, a lei provincial de 1836 nao pode entender-
se revogada, porque o nao foi por acto expresso
do poder legislativo geral.
Mas o rt. 124 da (*j geral de 3 de dezembro dev
!~! 1&) consignar una expresso revogaro da
le provincial de 14 de abril de 1836 !
A (Tirina categricamente o Ilustre conde que
nao : 1", perqu a clausula contda no art. 124
da lei de 41 geral e acompanha todas as leis ; 2"
poique a le de 41 nada dispoz sobre curadores.
Vamos por partes:
Diz o art. 124 da lei de 41 Ficam revogadas
todas as leis geraes ou provinciaes que se oppuse-
rem presente, como se !> cada urna dellis se /f-
esse expresso meneo.
Ser ou nao provincial a lei de 1836 ? Creio que
o Ilustre conde nao dir que nao. Pois bem : a
ei de 1836 provincial; conseguintemente est
no caso de ser aleaneada pelo art. 124 da lei de 41.
0rpoe-se ou nao a lei de 36 de 41? Creio que o
Ilustre conde nao dir que nao. Pois bem : a lei
provincial de 36 oppikse le de 41; logo, a lei
provincial de 36 esta no caso de ser aleaneada lelo
art. 124 da lei de 41 que falla de leis geraes ou
provinciaes que ellas se opponham.
Falta-nos verse as palavras cada urna deltas
podem compr.-'hender a lei de 36.
A le de 36 urna le; a lei de 36 nao s trma
lei, mas tambera una le provincial; dizendo o art.
12i os vocabulos Mita urna Sellas, e refenndo-se
o pronome plural ellas leis geraes ou provinciaes
que se oppozernn de 41, creio que o Ilustre con-
de nao dir que a lei de 36, que provincial e que
se opp'e de 41, nao esteja no caso de ser apa-
nhada pela delerminaco do art. 124 da lei de 41,
quando diz como se de cada urna (cada urna
aqui quer dizer esta ou aquella, seja qual fr, em
fiin qualquer lei geral ou provincial que se oppo-
nha) dolas (o dellas aqui quer dizer leispiorirt-
ciaes ou geraes) se fizesse expi essa menco. (E'
preciso explicar a consa assim ao Ilustre conde.)
Ora, dando o art. 124 como revogadas as leis
aim ou provinciaes que se oppoiessem de 41,
nao fez menco da de 36; mas enipregou estas pa-
lavras : ficam revogadas, como se de cada urna
dellas ti fizesse expressa menco.
Portaoto, Sr. conde, na vale o nao ter se feto
expresta menco da lei de 36, para que se diga
que ella nao foi revogada; desde que o art. 121
dizorno se fizesse expresso mencoentende-se
ter feito exprtssa menean. (E' preciso explicar a
cousa assim ao illustre conde.)
Logo, a lei de 36, qne era urna lei provindai,
que existia antes da de 41, e que a este se oppu-
nha como j se demonstren, est no caso de ser
altiogida pelo como se della se fizesse expressa
menco do art. 124 da le de 44- e portante est,
revogada.
O sr. G. Drummond :Nao sei si foi em 1846 ou
em 1847 que o finado Dr. Manoel Caolano Soares
consullou em uota questo idntica, e o governo
geral disse qne pela lei de 14 do abril era o pro-
motor publico o competente.
O Sn. Soabbs Brandao :-esde 1840, s ceme-
(aram a ser curadores es promotorest quando en-
trei a exercer o lugar de joiz de orpbaos.
O Si. F. Tavora :Sr. presidente, V. Exe. per-
mitta-me 1er ainda urna parto da serte da artigos,
que mapdei publicar no Jornal do Commercio do
Rio. (l:)
f Sen embargo da lgica demonstraca do ar-
o antecedente, die o nobre conde que a lei de
nao est revogada, porque a formuin do art. 124
da lei de 41 geral e acompanha toda as leis.
. Quer elle dter com isfo que as palavras do U
124 da loi de 1841 sao mera formalidad^ ,.ommmn
todas as leis, e por isfo enhuw_*or? ^ ^ ^
1 aali a formula ^- que acompamka*
r sta:Ficam revoaadas as dispo-?
kjiv contrario formula que ninguera dir
.o o nnbre conde, qae sabe-se que nao ho-
rnera de letras.) poder coufundir-se cero esU oMlra f
Ftrafy Mbogadas todas s teis geraes ou jrovH-
ciaes ott se tippozerem presente, amo se fe. cada
Urna dejlas se fizesse expressa menfao-Pela pri-
\fimi, tormulacam revoaadas as disposicSes em
prnrarioum re podo flar em parte revogada
c l*\ parte subtistindo, porquesendo a. la
kbTnpTPXo de mipd*Yo>j e, detej
formula que ficardo revogadas tm .q dii
m corrfrVo, sfu-se qne, deaqne a I.



20 J
AT3 \ V>
HO



ver, alm das disposiedes contraria* ao di
na le revogaturia, outras disposicoes qne1
disposto nao .sejain contrarias, flcaro valendo es-
tas dUpoietes, que nao forain alcaldadas pela Tor-
ea revjgatsria (fe formula, teremos urna mesma le
revogada em aliumas do suas disposiroea, e valida
m alguma outras, e com este iriesuio modo de
entender^estio de accordo os propros Srs. Dr.
JooThom e Assis Rocha, que chegam ja a rcco-
ahecer (o que nao pausa para ujjiu) jue a tai ae
14 de abril de 1836 aelia-se, em parte, revogada:
por exemplo, na parte em -que creou preferios e
sub-prefeitos de poBela, ou por outra, em todas as
saas parles, menos smente na que trato de cara-
dores I ....
Se pois, com a primen formulaficam revo-
cadas as dispos'rs em contrario d-se o que
acabamos de ver: eotn a segunda formulafiaam
revogadas tom as leu geraes ou provinciaes que
a esta se oppozeiem, eomo te de cada nma dcnas
sefizesse expresfa mtnredo-9e resultados benT
differentes, como se vai ver.
Desde .que a lei conliver qualquer opposicao
materia da lei revogatoria, car revogada n to-
tiim, e o que d-se com as leis de 14 de abril
de 1836 e de 3 de dezembro de 1841, a prmeira
das quaes creava na provincia urna orgauisacio
policial e judiciaria, que se achava em manifesta
opposicao com o que a segunda creou em cada
Srovincia do imperio; e por isto a seuwda, usando
a formula ficam erogadas todasw leis geraes
ou proviteaes que se oppnserem presente. re-
vegou tnteiramente a lei de 14 de abril de 18.16,
porque se nao- quizesso revogal-a inteiramente,
teria ditofleam revogadas as disposicoes em cou-
UAriouaoOcam revogadas as leis em contra-
ro.Logo, a formula comida no art 124 da le de
18 to formula geral que acompanha todas
Depois accrescc que mesmo a clausula geral
que acompanha todas as leisficam revogadas as
disposiedes em contrario-nao e urna clausula pu-
ramente tabcllia, como o nobre conde deixou en-
trever que Ihe pareca. Nao, Sr conde, ella tem
sua razao.de ser; n?b vera as leis por simples
ormalidade; vem as leis precisamente para de-
terminar que ficam revogadas todas as diyosicoes
em contrario ao que as ditas leis se dispSe: e se
urna formalidade, ella esseneial e necessana
para o cabal cumprimento das leis. ....
E, porem, diz o nobilissimo conde: A le ce
36 tto e?t;i revogada, uao s porque a clausula
contida no art. 124 da lei de 41 geral e acompa-
nba todas as leis, mas ainda porgue a refmda let
de 3 de dezembro nada dispoz sobre curadores.
Ora ficou j demonstrado que a formula ao art.
124 da lei de 3 dezembro de 1841 nao era urna for-
mula geral que acompanha todas as leis, como pa-
rec aT> nobilissimo corteza ; e que, ao contrario,
era muito especial e tinha abrangido a le de 14
de abril de 1836 Vejamos entretanto se a le de
41 nao tratou de curadores.
A lei de 41, certo, mo tratou de curadores
assim como a de 36 nao tratou de curadores senao
incidentemente tratando dos promotores.
Mas a lei de 41 deftoindo a natureza c altribui-
cocs dos promotores pblicos, e nao so a lei, mas
anda o rcgulamento n. 120, qne regula a exceu-
cao daquela le, tratando extensamente da natu-
reza, altribuicoes e limites das attnbuicoes dos
promotores pblicos, nenhuma palayra disse, nem
a le nem o rcgulamento, qnanto as pretendidas
funcedes de curadores falsamente a [tribuidas pe-
los Srs. Dr. Joao Thom, Assis Rocha c de Baepen-
dv, quelles funecionarios, prova evidente de que
a lei de 41 nao reconuecia ou nio quiz reconliecer
nesses funcionarios laes attrbuicoes, porque se
assim o nao fosse, tratando ella de assignalar a
extensao das func.-ocs dos promotores pblicos, te-
ria uecessaria e expressamento declarado entre as
eutras attrbuicocs as do curadores, que vem na
lei de 1836 como urna mera dependencia dos car-
gos de promotores.
E demais, exactamente porque a le de 18J0 co-
)itou de curadores, ligados a promotores, e a de
841, cogitando de promotores, nao lhes lign at-
trbuicoes de curadores; que a le de lJb se
acna revogada pela de 1841, que dsse que fiea-
ram revogadas todas as leis provnciaes mii geraes
que se lhe oppozessem. Ora, a lei do I8.)b anne-
\ando curadores promotores, se oppunha clara-
mente de 1841, que nao reconheceu nos promoto-
res nenhuma das altribuicoes de curadores: logo,
a le de 1836 est revogada pelo art. 124 da le
1841..
O Sr. G. Drummond :Mas os lugares de cura-
dores nao sao de'attribuicao dos promotores p-
blicos, sao logares annexos.
O Sn. F. T.woiu;Pela lei de 1836, o lugar de
curador era urna dependencia do lugar de promo
tor
Sr G. Dai'JioND : Ha una confusa na dou-
trina d> nobre deputado, isto o nobre deputado
considera o lugar de curador como attnbuicao do
promotor, o que eu vejo. _
O Sn Soares Br.vxdo :A le de 1836 nao tra-
tou do curador senao accidentalmente, tratando do
promotor publico. .
O Sr. F. Tavora:Tiremos as conclusdes lgi-
cas.
Depois de todos csses abusos e violencias, o que
segue-se? Que illegitimidade do acto do poder mo-
derador autorsou e produo a illegalidade e o at-
tentado nos actos do ministerio, e a barbaridade e
o cijnismo ios actos dos presidentes de provincia.
Logo, a poltica iniciada e mantida pela coroa
reduz-se a isto: vontade arbitraria em toda a sua
amplilude, (leo governo absoluto de facto, como
dsse o Sr. conselhciro Nabuco; completo desprezo
das leis do paiz.
Tenho concluido.
pelo cura* DnFifiNiflita;': aJnMfumeros da
OpUiif-mKtonal, Sr tente c'AfWtoe, pelas res-
pectivas redaccSes: um exemplar do relatorio
aprsentelo presidencia da provincia, pelo direc-
tor da repartiere da obras publicas, Dr. Pedfo
Barbajho l'choa Cavalcanti, offertado pelo mesmo
senhor.Todas estas offertas sao recebdas com
agrado e mandou-so archivar.
Entra em discussao o projecto de orcamento
|W o corrento mac xc.notmco da 1869 a 1870,
e, depois de ter o miior Salvador Ciliado em *m*
tcotacao deuui de seta arttgos, onws.no appro-
vado.
Entre igualmente' en discussao o tpprovado o
parecer da coinmissao de admissSo de socios
adiado da sessao pastada.
Corre o escrutinio sao eleitos soaje correspoa-
deBtesosSrs. Drs. Jlo loaquioi Fo09ei de Afcu-
querque e Manuel Joaquim Francisca de Moura.
Vem a mea, o i remettlda a rejpcctiva *-
"Hfllsao, urna propo.U para um socio hoaera-
rio.
GATASTROPHE NO MARNo da Wuegtt-amttt'.
para o mar, pescar, Jos dos SantosVtsft Fa- V*g9
cisco Macacheira por apelido, a ineia-aoute passou
por cima da jangada urna barca, do que resultou
fallecer Jos dos Santos Veira do choque que
soffreu a jangada, seu companheiro trouxe para a
ierra o seu cadver, e acha-se presa As pessoas
que tem visto o infeliz, dizem que a sua morte foi
o ferro do navio que esmlgalltou o crneo. A jaa-
ganda d indicios por se acbar todacUea de verniz
e outros sgnaes.
ESTOCADA Anto-hontem noule, na raa da
Concordia, foi ferido, com urna estocada sobre as
costas, o inspector de quartoirao Simio Jos de
Azevedo Santos, na occasao em que procurava
apasguar urna desordem, c conduzir um dos des-
ordciros presenta do subdelegado respecti-
vo. Apesar das deligencias empregadas, nao se
ple descobrr o autor desse crime.
CORRECCO ESSENCTAL.No officio do Sr.
Dr. chefe de polica, publicado nontem na 4* co-
lumna da 1" pagina, paragranho que comeca Se
a imputariio nao provaila, nouve um trocadilho
na coinpo'sio, tornou-o nintelligvel. A redae-
cao desse paragranho a segunte:
Se a imputaeao, nao provada, fcita pelo offen-
dido urna autoridade, de um facto criminoso, por
esta praticado como simples cidadao, nao bastasse
para, mudando a natureza do delcto, autorlsar o
procedimento ex-offlcio; por certo etc. etc.
PASSAMENTO.Foi honlem dada sepultura no
cemtero publico ao cadver daExma. Sra. D.
Leopoldina Carolina do Fonseca, esposa do Sr.
commendador Thom.iz de Aquino Fonseca.
A' seu inconsolavel esposo damos nossos pesa-
mes.
NAVIO DE GUERRA. Enlrou hontem pela
manhaa para dentro do porto a curveta italiana
Guiscardo, que ante-hontem noutinha funaera
rt Um Galdino Jos de Lucena. Appellanto, o (liza; ap-
pellado, Joao Pedro dos Santos Appeltante, Ma-
nuel AWes Alfonso; appellada, i. jastica.
ji *rw^t fltiiuii>u appeimua, s. jusilla. ->-------- k
Ao Sr.-deaambargador Domingues da Silva Ap- De outra vez nos entregaremos melhpr ao Ira-
pellacao cive}: appellanto, Joao Alves de Carvatlio
Cesar: appellado, Bartliolomen Pereira de Vas-
coucott*s
Do Sr. desembargado!' Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque.vAnpella-
coes ciimes; afollante, o"u'm; appertaa*oTg*Fj
nio Jos VitleVerreiri Apiiellaiito, o J*;
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINCIAL.Na sessao de hon-
tem o Sr. Soares Brando justiticou urna indica-
cao que apresentou para se representar ao gover-
no geral sobre a necessidade de ;r melhorado o
porto desta provincia. A indicaca^o foi remettida,
na forma do regiment, commissao de obras
publicas:
Seguio-sc na tribuna o Sr. Andr Cavalcanti,
jstiicando um requerimento que foi approvado,
pedindo que seja augmentada, com a nomeacao de
mais 2 membros da casa, a commissao incumbida
de examinar os estabelecfmentos cargo da Santa
Casa. Approvado o requerimento foram nomea-
dos os Srs. Goncalves da Silva e Pina.
Justificou tambem o Sr. Migoel Amorim um re-
querimento que foi approvado, pedindo informa-
coes sobre o assassinato que se dera em Joao Do-
ningues no termo do Bonito e quaes as providen-
cias havidas para a punicao dos culpados.
Na ordem do da entrando em 2* discussao o
projecto n. 7 deste anuo approvando diversos cre-
dictos supplcmentares abertos pela presidencia, foi
apresentada urna emenda pela commissao de orea
ment provincial e approvado tanto o projecto
como a emenda.
Approvou em 1* discussao, o projecto n. 11 deste
anno que manda admttir no Gymnasio Provincial,
Francisco Libanio do Reg Barros, dispensado
o interstrieio requerimento do Sr. Andr Caval-
canti.
Approvou em 3' o de n. 8 de 1868, que manda
rescindir o contrato feito com Antonio Domingues
de Souza pela cmara municipal de Barreiros.
Approvou em 2* o de n. 4. deste anno qne appro
va o regnlamento da Escola Normal eom nma
emenda do Sr. Ayres Gama sobre a qnal fallou,
dispensado o intersticio requerimento do mesmo
senhor.
Regeitou en' 1* o de n. 61 de 1865, determinan-
do que os empregos da secretaria da assembla so
jwssam ser creados por projecto de lei.
Entrando em 1* o de n. i deste anno, que man-
da stabelecer no novo pavilhao do hospital Pedro
II o asylo de roendicidade creado nesta provincia
licou adiado por falta de numero.
A ordem do da a continuacao da anterior e
mais a 1* discussao do projecto n. 15 e 2 dos de
iu. 7 e 11 deste auno.
INSTITUTO ABCHEOLOGICO PERNAMCANO.
Reunio-se hontem esta sociedade, sob a presidencia
do Exm. conselheiro monsenhor Muniz Tavarc
com assistencia dos Srs. Drs. Aprigio Guimares,
Soares de Azevedo, e os Srs. coronel Leal, padre
Lino, major Salvador e Ferrara de Almeida.
^' "-i- e approvada a acta da antecedente.
O Si\8ecrer<0 P61**1110 menciona o seguintc
^fumTmcio do Sr. Osuna l^^^JS*
pando qne, de volta esta provincu, njo fara
mente reunir-se seus collegas, o que ^ -
na frsente sesead, por seachar oceupado em
vico do seu paiz.inteirado.
* Ontro do Sr. coronel Coriolano Velloso a Sil
vejra, aceitando e agradecendo a sua elei?ao de
socio correspondenteInteirado.
* Ootro do Sr. Dr. Antonio Joaquim Boarqe
Naiaretb, fazendo idntica commanicacJo.Intei-
rado.
0 mesmo Sr. secretario perpetuo di coma das
segnkites offertas:
* Varios nmeros do Diario I llanto;
appellado, Aar; Aveljao Cavd|Ule.
Do Sr. (tesemb;ygajtr AIiivJmji Albuquerque ao
Sr. desemtarwdor Murta.Appfilap.ao- criaie: ap-
iiell^iitq, Jos Francisco de Arnufe ; anpedados,
.Manoel Ferreira da Silva e outr
Conflicto #ejiiris(l<;ad entre gjjlizes mnniol|MS
do lirejo 4a Madre de Deis e ^amimhres
Do Sr, esembargador Mota Mr. asembarfa-
dor Doml^ues da Sil va.AupdiBes rimes: af-
pellante e appellado, a jusUea e Jos Goncalves
, -ppUado, _
Do Sr. desembargador Domingues da Silva aobr.
desembargador Souza LeaaAppeUaeao crime:
appellahte, o juizo ; appellado, Francisco Jos de
Mara.
ffexo do, entreunto de passa geni levanto um
brado Joaquim Augusto, Cou.to Rocha, Thomaz
e Eduardo.
balho.
Ao theatro I
ao Lauro!
"*""
A cadeira aculsa D.
Thfeatro
Lzaro o Paaor.
Quande esteve entre nos esse volto do proscenio,
cu jo. no me ni respoito pronunciamos filhos d'arte
dramtica, Joao Caetano, foi' pelo publico d'esta
provincia manifestado rdante desejo de ver em
scena o appirato vimos hontem representado no theatro de Santa
Isabel, Lzaro o pastor, razoes esconheeidas po-
nos entao, coneorreram para qne nao fosse repre-
sentado por aquelle autor de saudosa memoria,
bem como por outros diversos^ que entre nys tm
estado, at que Bnalmento o actual mprezarie
driniatieo o fez representar, com o hixo da epoena
da aceao e apurado gosto.
O que o drama nao nos dado dizer porque a
escola a que pertence o recommenda a par do
I nome de seu autor. Tendo por base de toda
ac-
Do Sr. desembargador Souza Lelo arta'8|M- fJoaeeMca e a audacia de um dos Mediis (Judael),
bargador Dcha Cavalcante.Appellarao crime: papel condado ao Sr. Couto Rocha, que mu con-
appellante, juizo; appeiia), Francisco Nery de venientenienle o representou, de um enredo
Santiago. n \ digno da poeha de seu passamento, que entao
Do r. desembargador Frefcis Henrquesao Sr.
desembartalor Gitirana.AppHac3ocivel: appel-
lante, Feliciana Mara Olimpia; appellado, Jos
Ferreira Colho.
Dbugencj\ crime.Ao Sr. desembargador pro-
motor da jastica: appellanto, Joao Manoel Frazao;
appellada, a justica.
Assignon-se di para julganMnto dos seguinles
fetos:
Appellacies crimes.appellanto, o promotor;
appellados, Francisco Antonio Negreiros e ou-
tros. Appellanto, o juizo; appellado, Joao Texei-
ra de Lemos. Appellanto, o promotor; appella lo,
Joio Vicente Ferreira. Appellanto, Manoel Alves
de Lima; appellada, a justica. Appellanto, Manoel
Simplicio dos Anjos; appellada, a justica.
A 1 hora ancerrou-se a sessao.
nolamard. E' um bello navio, todo de madeira,
movido a rodas, montando 6 peijas de grosso cali-
bre, e com 110 pracas de guarmeao. E' comman-
dado pelo Sr. capitn de fragata D. Antonio Sadri.
Este navio vem do Bio da Prata, pelo Rio de
Janeiro e Baha, e segu para a Europa, com esca-
la pelos portos do norte do imperio.
Seu digno comniandante vai tomar assento no
parlamento italiano como deputado.
MISSAA de Rquiem com memento que se
tem de celebrar pela alma do commendador Ma-
noel Joio de Amorim, dever ter lugar na ter-
ca-feira 4 de inao prximo na igreja do Corpo
Santo, como do convite na rospccliva sessao desse
jornal.
MEZ DE MARA.Comecam hoje as 7 horas da
noute os exercicios do mez mariano n igreja da
Santa Cruz, com ladainha cantada. Dorante o
mez ha vera missa todas as madrugadas, com pre-
dica pelo Rvra. 8r. Antonio Mara Ferreira Bote-
Iho.
LOTERAA que se ada i venda a 101', a
bandido da matriz da Escada que corre do da
3 do corrente.
LEILO.O agente Martins faz hoje leilio de
diversos terrenos, roupa, relogo de prata e cor-
rente, e outros objectos como do annunco na
columna dos leilSes.
CEMITERIO PUBLICO.-Obtuario do da 28 de
abril de 1869.
Vicente, 60 annos, Boa-Vista; apoplexa.
Francclino, Pernambuco, 2 mezes,S. Jos ; diar-
rhea.
Mara, Pernambuco, 2 annos, S. Jos; bron-
ciite
Mara, Pernambuco, 3 annos, Sanio Antonio,
bexigas.
Jo. toxica.
Mara Francisca das Dores, Pernambuco, 67
annos, Boa-Vista; ascite.
Anastacio, Pernambuco, 56 annos, Boa-Vista;
gastro intero colit.
Joanna, Pernambuco, 20 mezes, Recife; dent-
cio.
Jos,' Pernambuco, 5 annos, Boa-Vista; gastro
interite.
Geraldo da Fonseca Coutinho, Pernambuco, 26
anuos, solteiro, Boa-Vista; febre purulenta.
Antonio, de tal, Pernambuco, 2o annos, solteira,
gastro hepatite.
CHItOMt A JUDICIARIA.
TRIBUNAL DA ItKI. tCJAO.
SESSAO DE 27 DE ABRIL DE 1869.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR SANTIAGO.
As 10 horas da minhaa, presentes os Srs. desem-
bargadores Gitirana, Lourenco Santiago, Almeida
Albuquerque, Molla, Domingues da Silva, Souza
Leio e Freitas Henriques, faltando os Srs. desem-
bargadores Guerra procurador da cora e Ucha
Cavalcante, abrio-se a sessao.
Passados os feitos deram-se os seguintes julga-
mentos:
Recursos crimes.Rcccorrente, o juizo; reccor-
rido, Manoel Paulo dos Anjos.Relator o Sr. des-
embargador Gitirana, sorteados os Srs. desembar-
gadores Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque
e Motta.Improcedente. Reccorrente, o juizo ;
reccorridos, Carlos Pereira de Alencar e ou-
tros.Relator o Sr. desembargador Lourenco San-
tiago, sorteados os Srs. desembargadores Souza
Leao, Freitas Henriques e Almeida Albuquer-
que.Improcedente. Reccorrente, o juizo; rec-
corrido, Jos Antonio de Albuquerque.Relator o
Sr. desembargador Lourenco Santiago, sorteados
os Srs. desembargadores Gitirana, Motta e Almeida
Albuquerque. Improcedente. Reccorrente, o
iuizo; reccorrido, Pedro Soares de Oliveira Re-
lator o Sr. desembargador Almeida Albuquerque,
sorteados os Srs. desembargadores Domingues da
Silva, Motta e Lourenco Santiago.Improceden-
te. Reccorrente, o juizo; reccorndo, Manoel Fran-
cisco de Souza.Relator o Sr. desembargador
Motta, sorteados os Srs. desembargadores Souza
Leao, Almeida Albuquerque e Lourenco Santia-
fo.Improcedente. Relator o Sr. desembargador
reitas Henriques.Reccorrente, o juizo; reccor-
rido, o vigarfo Jos Buvelaque.Sorteados os Srs.
desembargadores Lourenco Santiago, Domingues
da Silva c Almeida Albuquerque.Improceden-
te. Reccorrente, o juizo; reccorrido, Jos Vicente
Lopes Rbero.Sorteados os Srs. desembargado-
res Souza Leao, Intta e Gitirana.Improceden-
te. Reccorrente, o juizo; reccorrido, Manoel Joa-
quim da Costa.Relator o Sr. desembargador
Domingues da Silva, sorteados os Srs. desembarga-
dores Freitas Henri'pies, Gitirana o S. Leao.Im-
procedente. Reccorrente, o juizo; reccorrido, Mi-
guel Rbero Dantas.Relator o Sr. desembargador
Souza Leio, sorteados os Srs. desembargadores
Lourcngo Santiago, Gitirana e Domingues e "Sil-
vaImprocedente
Accravo de pbtk;ao.Aggravante, Gabriel An-
tonio; aggravado, o juizo.Relator o Sr. desem-
bargador Lourenco Santiago, sorteados os Srs. des-
embargadores Souza Leao e Domingues da Sil-
va. Negaram proWmento.
Ar-pnxAcoBS crwbs.Appellante, Salvador An-
tonio Rodrigues Lima; appellada, a justica.Jnl-
gou-se perempta a aecusa^ao, absolvdo o appel-
lante. Appellante, o juizo; appellado, Jos Rodri-
gues.Improcedente. Appellante, Antonio Jos
dos Santos; appellada, a justica.Improceden-
te. Appellante, Manoel Ignacio; appellada, a jus-
tica. Mandou-se ver o processo original. Appel-
tanto, o juizo; apellado, Antonio Correa da Sil-
va.Improcedente. ADpellanto, o juizo; appel-
lados, Manoel Mendes%a Silva e outro.A' novo
PBLICACOES A PEDIDO.
Auleniaria do llr. ierouyuo
Villcla de Castro 'Tarares, len-
te cathedratico da faendade
de direlto do Recife.
Urna bella morte honra
toda a vida.
(Proverbio italiano.)
I
Oh morte, que fizeste ?
Por ventura elle nao ora sabio, grande e justo,
e por tanto digno de existir para nos vivificar com
as suas luzes, e alentar-nos com seu exemplo 1
Por que razio aquelle luminoso astro tomboiuia
note do sepulchro ?
Por que razao as lagrimas apagaram os risos, o
crep enlutou gala-i, e a monotona contemplativa
veio substituir o afn do talento ?
O Dr. Jeronymo Villela de Castro Tavares ca-
dver !... Que mundo de rellcxoes e sentimen-
tos dispert n'alma esta simples phra.se.
Ella nao indica smente o termino de urna exis-
tencia, diz mais ainda urna urna liccao tre-
menda para os vivos, que Pican, a aurora do
viver melhor para o que j 14 se foi.
A morte !___nao s um corpo era decompo-
sicao ; e mais___e inuito nu.a.... um espirito
que quebra os lac.os da numauidade para elevar-
se ao seio da dvindade.
Morrer coinecar urna nova vida.
As nossas mais sentidas lagrimas nao choraro
um tio lamentavel desastre.
O Dr. Jeronymo Villela.de Castro Tavares mor-
reu !
Isto quer dizer que a igreja. perdeu um filho
piedoso, o estado um membro conspicuo e devota
do i causado povo, a sciencia um incansavel e in
telligente cultor das lettras, a familia um amoroso
e digno chefe, e a mocidade erifirn um mentor ze-
loso e infatigavel em guia-la pt la estrada escabrosa
das locubracSes scentificas.
Beati immaculati in via, qui ambulant in lge
uminiidtz o Rei Psalraista (CXVIII, 1).
Ah .' Pernambuco, m desventurada, que assis
tes com o coracao pungido do acerbas dores, e os
olhos lavados eni pranto a hecatombe infausta de
teus mais caros filbos.
Racliel plorans fUios na, enoluit consolare
non sunt (Jeremas).
Hontem foram Si e Albuquerque, Feitosa
Abreu e Lima___boje Villela 1 amanha ser
p e lama como j o sao S o Albuquerque, Fei-
tosa e Abreu e Lima___e Abreu e Lima sob
lage de um sepulchro que a mi do estrangero
abri cardosa.....
III
Sao porm os grandes homens semelhautes aos
meteoros, que deslisando-se em note trevosa pela
atmosphera deixam aps si un trago de luz.
O Dr. Villela Tavares, anda que se tenha part
do d'esta verdadeira patria das desventuras na
phrase do padre A. de Macedo, nao morrer na
memoria dos vindouros; por que as virtudes e os
talentos nao se somera na campa, este prtico
silencioso do outro do mundo no dizer de Cha-
teaubriand
Esforzado paladino da lberdade esta alma das
lettras, creadora da eloquencia e da poesa no
pensar de Villemain, nao teve de certo urna vida
de gosos, os espinhos da inveja vieram mais de
urna vez imiscuir-se com os festes de oliva que
lhe aderecavam a fronte.
E' a triste sorto da humandade, colher as rosas
de mistura com as syrtes nos areaes da vida
As ideas, diz A. Esqueros, fazem o seu cami-
nho no mundo pelo martyrio.
Qur subisse a tribuna parlamentar, quer etn-
punhasse a sonorosa lyra de poeta qur cmfim
curasse do alto desempenho do magisterio supe-
rior era sempre o mesmo : a erudicio correndo
parelhas com a eloquencia, a >;ontlancaem Deus, e
o amor para o prximo ; era. um noinem como
poucos.
Inda me parece ouvir o echo melodioso de sua
autorisada palavra, que j mais deixou de estar
repassada d'essa verdadeira felkidade de que falla
o padre Croisset (Exeix. de Pi'.i) : o conheciraen-
lo de Jess Chrsto.
Autor de varios escriptos, dcxou-nos o Dr. Vil-
lela a prova inexcquivel de urna continuada appli-
cacao o consciencosos estudos.
E no entanto a vaga impetuosa do destino arro
jou-o sobre as praias negras da morte !... Homo
natas de mullere, brevi vivens tempore repletur
multis miseras; exclamava com razio o Job bi-
blico.
Ah I morte, que Gzeste ?
Mais assim era myster, por que essa foi a von-
tade de Deus.
rv
E quando o bronze saudoso do campanario
plange sentidas magoas, quando amigos e parentes
carpem em angustiados suspiros perda do bom
filho, do bom pai, do bom amigo, do bom cidadao,
que pasee a minha ddr___
Permita a sombra veneranda do mestre, que o
seu mais humilde discpulo venha desfolhar sobre
o seu tmulo murchos goivos, e depois verter urna
lagrima dtfvivissima saudade, justamente no mo-
mento de minha inteira independencia escolstica
para eom elle.
Adeos, raen mestre at um da......
A trra lhe seja levo.
Recife 26 de abril de 1869.
_^________ M. S. Amar al,
abundava as traiooes, niortocmios e roubos por
entre os foros da nobreza do vellto continente, a
par da gralido e abnegacao por affeicao, que em
todos os lempos se revelara no genero humano,
este lado sympathico e nobre do drama que cons-
titue toda a sua grandeza, revela-se, na familia
das Salviats, protegidos pelo duque de Mediis.
Raphael Salviats, representado por Joaquim Au-
gusto, o mndo doS qunze annos, o lzaro foi mais
um diamante, que erftre nSs se engastou na cora do
artista nobre, lapidado nos lances importantissimos
da scena do 3 acto.
O duque de Mediis foi representado pelo Sr.
Thomaz que trabalhou bem sobresahndo no trans-
porte occasionado pela imputacio falsa do adulte-
rio da anqueza de Mediis sua mnlher por Judael
de Mediis.
Finalmente o drama foi representado como mui-
to se desejava concorrendo para isso o gosto de
diversos actores, capricho do emprezario a quem
felicitamos, por ter preparado o drama tio bem.
Agora lembramos aos distrados da scona, qne
o cuidado em quem trabalha um dever, para
que nao mais perca m as dexas o venha in pro-
curabas na caixa da msica.
F.
S
W
2S
25
50
2o
W
5:0004000
5:0004000
10:000 JOQO
5:000*000
2:0004000
i.ooopooo
1:0004000
1:000401)0
:i-.0004000
5 104000
1:0005000
4:0005000
1:0005000
o:0005000
1:000 000
1:000000
1:0005000
l.OOOOOO
3.Eua Direita3.
As legitimas plalas de veame,o xarope al-
cohlico e o ethereo tambem de veame, re-
centemente feitos conforme a formula do fi-
nado pbarmaceuco Paranhos, assim como
os pos refrigerantes, acham-se venda na
botica de Francisco Antonio das Chagas
ra Direita n. 3, defronte do armazem de
molhados denominado Veado Branco. Estes
medicamentos, ha muito conhecidos pelos
benficos effeitos que h3o produzido em
nao pequea parte da populafo d'esta pro-
vincia, na do Maranho e Alagas, incontes-
tavelmente so dos mais enrgicos agentes
auxiliadores da natureza no vencimento das
doencas, seoindo de grande alivio a huma-
nidade soffredra; e por isso -se tornam
asss recommendados e preferiveis para as
pessoas que sotfrem de rheumatismo, gln-
dulas enfartadas, ulceras, impigens, asthma,
tosse, amenorrha ou suppress3o de mens-
truo, erysipla, amarellid5o e menstruacao
difficil ; sendo porm usados conforme a
direccao escripia que os acompanha.
Illm. Sr. Francisco Antonio das Chagas.
Soffrendo eu de rheumatismo e gota nrum
joelho e tendo usado de muitos remedios
aconselhados.para o referido mal, nao tirei
resultado algum no periodo de um anno;
neste estado recorr ao veame a venda em
sua botica ra Direita n. 3, e grabas
a Deus, com urna s garrafa e urna caixinha
de pilulas acho-me restabelecido. Agrade-
CO-lhe portanto e esperfl que faca publico
este facto, afim de quei outros as mesmas
o i re u instancias aproveitem o seu proficuo
remedio.
Recife, 31 de marco de 1869.
Julio Juvencio da Costa.
loa oJoaquinj da C Laite..
Dr. Ignacio J. de Souza Lea..
Alfredo Jos^ A. Gujmares-----
Manoel de Mosquita Barros W.
Thomar Lifts de Barros W...
Dr. Oaspar Cavalcanti deAl-
. buquergue Ucha..........5 1:000000
Joio F. Cavalcante do Albu-
querque.;^^............. t .^J)0j000
Commenda- Antonio de'Sou-
za Leaai.................. 258 50:0004000
Joio Manoel de Mesquia Bar-
ros Wanderlev............ 10
Adolplio Wanderley Lins..... 5
Vicente Mendes Wanderley... &
Coronel Antonio G. Leal...... 9
francisco Minoel de Souza e
Oliveira..,....... 15
Dr. Francisca E. do R. Jantes 25
Dr. Jos Honorio Bezerra de
Menezes.......... 5
Laurcntino J. do Miranda..... 20
Ur. Manca! do Nascimento Ma-
chado Penda.........
Joaquim Salvador Pessoa de S-
queira Cavalcanti....... 23
Dr. Joio J. Pinto Jnior....... 5
Jos Francisco P. S. Jnior.'.'. 5
Dr. Luz Salazar Moscoso da
Vciga Pessoa.............. g
Jos Cesario dMello......1 5
Dr. Antonio Joaquim Buarq
Nazpih............... 5 1:0004000
D. Mana Amelia de Gusmao
Lira.............. 10 2:0005000
Major frrancisco de GouvOa e Souza 40 8:0005
Dr. Antonio Venando Cavalcante
Albuquerque................. 5
Ernesto Arcelino de Barros Franco 10
Francisco Manoel Wanderley Lins 5
Major Joio BaptistaPaes Barrete.. 10
Dr. Felippc de Souza Leao....... 25
Jos Joaquim de S Barrete...... 2
Ignacio Jos da Silva............ 1
Antonio Pereira da Cmara Lima 10
Francisco de Paula do Albuquer-
que Lima.................... 5 1:0005
Jos Pedro Carnero de Albuquer-
que ........................ 2 4005
Maqpel Theodoro Mendes Lins 2 4005
Antonio Columbano Serapliico de
Assis Carvalho............... 2 4005
Jos Francisco de Albuqnerque
Maranho.................... 2 4005
Dr. Miguel Felippe de Souza Leio. 25 5:0005
Tenente-coronel Joaquim Maximi-
no Pereira Vianna............ 50 10:0005
Jos Rufino Barbosa da Silva..... 25 5:0003
Dr. Manoel Gentil da Costa Alves. 23 5:000.5
Albino Jos da Silva............ 25 5:0005
Jos Caetano de Albuquerque___ 23 5:0005
Candido Alfonso Moreira......... 23 5:0005
Adriano Augusto de Almeida Jordao 2:0003000
Manoel Jos Dantas............... 2:0003000
Joao de Castro Guiraaraes......... 1:0003000
Francisco Goncalves Netto......... 4:000000
Albino Jos Ferreira da Cunha..... 2:0005000
Bento de Barros Feij............. 5 0003000
Antonio Augusto Ferreira Lima..... 2:0003000
Bernardinoda Silva Costa Campos.. 1:0003000
Andr da Abreu Porto............. 2:0003000
Dr Manoel Thomaz de Bittencourt
Corte Real..................... 1:0003000
Bernardo de SiqueiraCastro Monteiro 2:0005000
Thomaz Fernandcs da Cunha...... 2:0003000
Jos Lucio Monteiro da Fonseca Filho I -.0003000
Dr. Manoel de Figueira Fara..... 1:000000
Alexandre dos Santos Barros....... 1:000s000
Manoel da Cunha Wanderley Lins.. 5:0004000
Miguel Jos da Costa.............. 1:0003000
Bcrnardino Jos da Silva Maia...... 5:0003000
Antonio de Soma Guerra..........' 1: OOO3OOO
Jos Antonio de Almeida Cunha..... 1:0005000
Antonio Jos da Cunha............ i -.0003000
Luiz Manoel Rodrigues Valenca___ 1:0005000
Manoel Pedro Noronha............ 1:0005000
Francisco do Reg Baptista........ 3:0004000
1:0005
2:0005
1:0003
2:0005
5:0005
4004
2004
2:0003
Confere crditos, saca sobre as primeiras
pracas pa, .e compra cambines sbte as mesmas
pravas. .
Encarrega-se, por comlhiMSo, da com-
pra e venda de fundos pubUcos e acc5es de
awpanhia^^a oobwn(*~ videndos ou de sea pagamento, e de qual
raer outra operado bancaria.
0 expediente para o publico comecar
s 10 horas da manhaa, e terminar s 4
horas da tarde de todos oodas uteis.
CASA D CAMBIO
Teodoro Simn & C.
Compram e vendem por conta .propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
letras de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por cont alheia das mes-
mas transaccoes, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo ixo.
Largo do Gorpo Santo n. 21.
ALFANDEGA.
Rendimento do da i a 28. .
(dem do da
29
T63:1275691
52:3825277
1,0155094908
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Voluntes entrados
dem* dem
com fazendas
com gneros
Volumes sahidos com fazendas
dem idem com gneros
184
22'2
174
82G
Deacarrecam hoje 30 de abril.
Hiate americanoJohn /k)re=mercadoria3.
Barca francezaJean Baptisteidem.
Lugar nglezAnne Hyftffaon=idem.
Escuna inilezaEdith Morganidem.
Brigue nglezRetinaidem
Brigue inglezNetabacalbo.
Barca inglezaMeteor bacalho.
Barca ingleza Borlochauferro e carvao.
Escuna portuguezaOliveiralagedo.
UECEBEDOIUA DE RENDAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBUCO.
410
994
GE
Bendimcnto do dia 1 a 28.
dem do dia 29 .
42:6264431
1:3894551
44:0164010
CONSULADO PROVINCIAL
Rendiraento'do dia 1 a 28.
dem do dia 29.
Illm. Sr. Francisco Antonio das Chagas.
Beberibe, 1 de abril de 1869.Com
maior prazer levo ao seu conhecimento, que
a garrafa do xarope ethereo de veame e
os pos que comprei na sua botica ra
Direita n. 3, poderam extinguir a dr que
senta no peito, tosse e febre que tanto me
flagellava, de forma que me julgo restabe-
lecida.Desta sua criada obrigadissima
Maa Joaquina da Silva.
Trilhos Urbanos para
Jaboatao.
Lista dos subscriptores de ac-
edes para a foruiaeo de nma
contpanhla.
acedes
Joao da Cunha Wanderley----- 100 20:0003000
Vicente de P. Oliveira V. Boas 50 10:0004000
Ferreira & Matheus.......... 30 10:0003000
Thomaz de Aquino Fonceca e
Flhos.................... 30
Joao Fernandes Lpez........ 20
Henrique Gibson............. W
Bento Magalhes............. 10
Lzaro o Pastor.
. C7'Tir ente- Appellanto, Carlos Jo*>
da CoJ,; ^^^^Jr^w-proceden-
te Amwllanw -,0HA;*a(',[laea8Cravero; aapel-
La a iusr-i- eforma?a "nca. parW
gsu Sfl *rfaSii.pf
aj?enu
PAMAWRS.
Do Sr. deseubarckdor Girana ao 5* tosemfcir:
gador Lom-enc^o Sinliago.Appellac/>>> Bme
appellante, Anonip Pereira Monteiro, ap^dtoda,
Acha-se aetualmente em scena no Santa Isabel
um dos mais bellos dramas que tomos visto re-
presentar-se.
Lzaro o Pastor um bello apandado da histo-
ria de Mediis colorida com Untas preciosas por
nma habilidosa maode mestre.
O drama acha-se montado com decencia e mui-
to bem ensaiado.
O eslylo de Lzaro bello, o por vezes o autor
va e arrebata ao espectador ntelfigente.
A scenas obeas de meeidaile brilham em al-
euns actos pela accao energic, pelo choque dos
factos e desenlace das situa^. -
O Lzaro tem de muito belio o final.
E o crime castigado, o delincuente pnnido e
a jnstoca distrionida oor mito virtuosas ii-
Das.
Oisempenhofoi bom no ?eral on gneas
vexes suocede.
AigOm se enearregar* por certo de apreciar
o papis e os artistas limitir-me-bei ao qne
Demetrio Acacio de Araujo B. 10
Araerico Nunes Correia...... 15
Dr. Claudino de A. Guimares. 5
Francisco Goncalves Netto___ 10
J.F.S. Porto................ S
Augusto Frederico dos S. Porto o
Jos Alexandre Rbero....... 5
Dr. Estevao Cavalcanti de A.. 10
Antonio Jos da Costa e Silva.. 5
Luiz Jos da Costa e Silva.... i
Jos Alves da Silva Guimares 10
Jos Joaquim Lima Bairao___ 5
Joaquim Jos da Costa e Silva. 5
Antonio Cesario Moreira Das.. 10
Jos Antonio Moreira Das..... 10
Jos Antonio da Silva Jnior.. 10
Antonio Baptista Nogueira___ 5
Beato do* Santos Ramos...... 10
Antonio Augusto dos S. Porto.. 5
Jos Fernandes Lima......... 10
Francisco Fernandes Duarto... 0
Antonio Jos C. Guimares..'.. 5
Joao Evangelista de S....... 10
Antonio Moreira de Mendonca.
Jos da Costa Bispo..........
Paulo Jos Gomes............
Dr. Synjphronio Cesar Coutinho
Domingos Teixeira Bastos.___
Jos Antonio de Si Leitao....
Bernardino Correia de R. Reg
Manoel de Abreu Macedo..... 5
Manoel Joaquim Baptista.___ iJO
Tiburcio Valeriano Baptist.. 5
Modesto do Reg Baptista.....' ift
Justino J. de Souza Campos... 10
Jos Moreira Lopes....... 30
Antonio J. P. de Carvalho"..'.'.' s
Dr. Francisco do R. B. Brrelo. 50
Barao da Soledade........... srj
Francisco Ferreira Borges.... 60
Consemeiro Jos Bento da Cu-
nha Fignei rede.........
Dr. fos Bento da Cunha Fi-
gueiredo Jnior.........
Amorto Pinto de Barros....
Manoel de gonza Tavares.....
Parisio Betarmino de Mores P,
ftnente-coronel Francisco C.
M. Ros Jnior............ s
Manoel de Sonta Uao........ S
Jernimo de Souza Leio...... 3
Jovino Coelho da Sirva....... 23
Joio G. da Cunha Soares..... 5
10:0004000
4:0004000
2:0004000
2:0005000
2:0004000
3:0004000
1:0004000
2:0003000
1:0004000
1:0004000
1:0004000
2:000*000
1:0004000
1:000000
2:0004000
1:0004000
1:0004000
2:0004000
2:0004000
2:0004000
1:0004000
2:0004000
1:0004000
2:0004000
1:0004000
1:0004000
2:0004000
1:0004000
1:0004000
1:0004000
3:000*000
1:0004000
1:000400.
1:0004000
1:0004000
10:0004000
1O0094000
2:0004000
2:OnO4O00
4:0004000
4:0004000
10:0004000
10:0004000
10:0004000
Protectora das fami-
lias.
Esta associacao carainha as vas de prosperi-
dado, nao sem os entraves inherentes emprezas
grandiosas.
Contratos Capital
Em 30 de junho de)
1368 ,tinha regis-} 3936------5,868:6754970
trado.'............
Durante o semestre de
30 de junho a 31 de
dezembro de 1868
Estado dessa associa-
cao em 31 de dezem-
bro de 1868........
O capital dessa associacao
de)
de>
1406------2,173:4254920
5342------8,042:1014890
iluminado e con-
verte-se em apolices da divida publica nacional de
6 /o- #o se pode dar melhor garanta. Se na
hpothese de quebrar o Brasil e que essa associa-
cao pode soffrer ; urna especie demonte po de
grande utilidade para as familias.
Para conseguir com toda seeuranca o maior e
mais instante desidertum da vida do homem, que
crear para o luturo um capital certo e urna ren-
da infallivel, para si, seus filhos e familias, bastar
fazer um calculo (cada qual conforme seus pro-
prios haveres) de que pode dispr durante o pe-
riodo de cinco annos ; signalada que seja a quan-
tia ser esta dividida em duas classes de contratos,
03 um chamadontrato de capital e outro de renda
Estes dous seguros deverao satisfazer-se em cinco
annuidades consecutivas, e depois de passados os
cinco annos o contribuinte ficarlivre doonusdos
pagamentos das annuidades subsequentes.
Estas duas classes combinadas produzem resul-
tados maravlhosos para o futuro.
Por exemplo, um pai que quizer formar para o
futuro um capital e urna renda vitalicia para ida
um de seus filhos, conseguir este importante fim
despendendo para cada um dclles a quantia de
1:1552, que se pagara da seguinte forma :
Dreitos de entrada.. 1554
No primeiro anno.... 2004
> segundo > ___ 2004
terceiro 2004
quarto ..... 2004
quinto ..... 2004
Ter despendido no fim de cinco
annos a quantia de........... 1:1554
tendo creado para cada filho um capital para o fu-
turo, que conforme a idade dos segurados ser de
33:0004 a 47:0004 e urna renda vitalicia de 1004
inmuno.
Admittem-se contratos de maiores e menores
annuidades, sendo os lucros sempre proporcionaes
ao producto dos seguintes factores : o valor da
contrbucao, o risco de morte do segurado
e a duracao do contrato (art. 38 do regulamento).
Para effectuar as formalidades dos contractos
dirgir-se-hao ra doiiivramento n. 19, a tratar
com o Sr. N. F. de Vital, encarregado pelo Banco
rural e hypothecario do Rio de Janeiro, que pre-
sentemente acha-se em commissao nesta provincia
117:0544885
2:60259G
119:6574481
MOVIMENTO DO PORTO.
A'acio entrado no da 20.
Baha3 das, curveta vapor italiana Gwscard>\
commandante captao de fragata D. Antonio
Sandro.
Greenoclt34 das, barca ingleza Rosamond, de
355 toneladas, captao L. Bruce, equipagem 14,
carga carvao a Johastou Palor & C
Baha9 das, sumac hespanhola Gabriela, de
162 toneladas, capilao J. Ramenlal, equipagem 7,
carga 9,000 arrobas de carne ; a Amorim Ir-
mao. x
Barcelona48 dias, polaca hespanhola Modesta,
de 184 toneladas, captao Agosn Maristany,
equipagem 13, carga vinho e outros gneros ; a
E. A. Burle & C.
Navios sahidos no mesmo dia.
MamanguapeVapor brasileiro Coruripe, com-
mandante Penna, carga differenles gneros.
Santa CatharinaPatacho brasileiro Carolina, ca-
ptao Manoel Berlnk da Silva Jnior, carga as-
sucar e cocos.
Havre--Barca franceza Adle, captao Robert, car-
ga algodo e couros.
CanalBrigue iaghz Cigana, captao Citado N.,
carga assucar.
LisboaBarca portugueza Humihlade, captao Car-
los Ferreira Soares, carga assucar e outros g-
neros.
AracatyHiato brasileiro Novo Invencivel, captao
Vicente Ferreira da Costa, carga varios gneros
PortoBarca portugueza Saphira, capitao Jos F.
da Cunha, carga assucar e outros generes.
PluladelphaBrigue dinamarqus Jeanette, capi-
tao Funck, carga assucar.
ECITAES.
COMMERCIO.
PfiACA DO RECIPE 29 DE ABRIL
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TABDB.
Algodao de Macei sorte 184600 gor arro-
ba Dosto a bordo, a frete de 9/16 d. e o 0/0
Cambios sobre Londres 90 d/v 18 3/4 d. por
14000.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ENGLISH BANK
O Rio de Janeiro Limited
Desmonta lettras da proca Uxa a con-
vencionar.
Recabe dinbeiro
em conta corrente e a
prazo flxo.
Saca a vista ? praso sobre as cidades
10 2:0004000
&
3
10
5
1:0001000
#1:0004000
1:0004000
1:0004000
OOIK
prinoipaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte carta* de crebito,
para os mesaos lugares.
Largo do Peloorinho n. 7
4.* seccao.Secretaria do governo do Pernam-
buco, 28 de abril de 1869.
EDITAL.
Pela secretaria do governo se faz publico qu',
tendo, o Exm. Sr. Dr. vicepresidente da provincia,
de dar execufo a lei u. 833, do 22 do maio do
anno passado, abaixo transcripta, se convida no-
varaente todas as pessoas que quizerem contra-
tar a llumnacao a gaz das cidades de Olinda,
Goyanna e Rio Formoso, a apresentarem ao mesmo
Exm. Sr. no dia 13 de maio prximo vindouro ao
meio dia suas propostas em cartas fechadas sub as
bases e condicoes mencionadas na mesma lei.
LEI N. 833.
O barao de Villa-Bella, presidente da provincia
de Pernambuco -.Fago saber lodos os seus ha*
hitantes, que assembla legislativa provincial de-
cretou e eu sanecionei a resoluijao seguinte:
Artigo 1. Fca o presidente da provincia aulo-
risado a contratar com Joaquim Pires Carnero
Monteiro, ou com quem maiores vantagens offere-
cer, a illuminacao a gaz das cidades de Olinda,
Goyanna e Rio Formoso, sob as seguintes bases:
1. Todas as obras precisas para se levar a ef-
feto a referida illuminatao correrao por conta do
contratante.
2. Cada combustor dever dar luz equivalen-
te a doze velas de espermaecte.
3." A cidade de Olinda dever ter at oento o
cincoenta combustores, e os de Goyanna e Ro For-
moso at sessenla cada urna.
4." As despezas com cada combustor nao po-
dero exceder era Olinda a 8$000 mensaes, e as
outras cidades a IfcOOO.
5. A despeza do costeio e conservaban dos
apparelhos necessarios para a mesraa illuiniuacao
correrao por conta do contratante.
6." O contratante dar fiadores dneos.
Art. 2.* Ficam revogadas as disposiedes em con-
trario.
Mando, portanto, todas as autoridades, a quem
o conhecimento e execuco da present rcsolucao
perteueer que a cumpram e facam cumprir tio in-
teiramente como nella se contm.
O secretario do governo desta provincia a faca
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernasibuco, 22 de maiu
de 1868.47 da indepenjencft e do imperioL.
S.Barao de Villa-Bella.
Sellada e publicada a presente resolucao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, aos 22 do
maio de 1868.O secretario, Dr. Franciscoe Pau-
la Sales.
Registrada a l'olha do livro de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, aos 22
de malo de 1868.O escripturario, Theodoro Jos
Tavares.O secretario, Dr. Joaquim Corre de
Araujo. aj.
DECLARACOES.
De ordem do Illm. Sr. inspector ajJiesou-
raria de faznda desta proviucia se faz pnico que
tem de ser contratado peraote a mesraa tbesoura-
ria por quem por menos fizer o fornecimento do
medicamentos enfermara militar .desta capital.
Os pretendeotos deverao.dirigir suas propostas em
cartas Techadas ao Illm. Sr. inspector at as 10
horas do dia 29 de maio prximo, e sor-lhes-ha
franquiado na tbesouraria o receituario que con-
DAIIPn MI II A O C tm os medicamentos preparados e os sens pregos,
DARvU mAUA OL V* afimdeque possam refiar-se as respectivas
llua m Tranlrk* m AH proposlaj.
r,10TT" : T w Secretaria da tliesouraria de azenda de Pernam-
Descooto lettras commerciaes a taia con-' buco K a0 abril de 1809.
vencioqa!. Recebe dinbeiro, a premio con-1 o officai-maior,
vgncional por lettras e em conta corrente. I Manoel Mamede da Silva Cosa,
*,
4
*-

V
\
f
!
i


Diario de
8 i ?
Pern ambuco Sexta feira
30 de
f;______
Abril
de
H'f
1869.
oiii__L
3
Manta casa Pela secretarias M~feMalCit Jb Misericordia
nistrativa ftin sessSo di' fl do ornete resMveu fine
foasem convidados os prenles dos orpboj em se-
guida declarados para viren requere/ a presiden-
cia a sua retirada do mesmo collegio, visto que j
tendo completado a Idafm d (4 annos nSo podem
ani continuar coma. dispoe raanto.
francisco Pereira de Araujo, protegido do viga-
rio Camiilo de Meadonra Furtado.
Francisco An|oio Antonio Leocadio lo Bego Barros, lho de Ignez
alaria de Mello Bego.
Larindo Fortunato de Mencze3 Lyra, fllho de
Gertrudes Loureoca de Aranjo.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite 9 de aurilde 18lk>.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
'/
7
1
t
f Mfkeo municipal da vara.
Na q|irta-feira a do corrate, Qnda a audiencia
lo jiiiz'i' municipal da 2' vara, se vender cm
praca publica, para eumpriraeiito de testamento,
a ca'sa t ?rrea sita raa do Jardim n. 18, con SO
palawn de largura e 48 de cumplimento, com 2
salas, 2 quartos, cezinlw fra, pequeo quintal
innrado, cun cacimba meieira, com um solao eom
2 quartos, avahad* pir V.fWOj, pertew-ente a he-
ranea da finada Joanna Mara da Soledade.
Rocite 30 de abril de 499.
O esecivao,
_______Galdino T. C. Vasconcellos.
' O abaixo assignado, lanzador da recebedoria
de rendas internas geraes, tendd de proceder ao
lanramento dos impostes pessoal e de industrias e
proiissf.es para o exercicio de 1869-70, no da i"
de maio prximo futuro, o qual ter eomeeo lelas
ras do Imperador, caes 22 de Novembro, etc.,
avisa aos moradores da freguezia de Santo Anto-
nio, que tenliam promptos os seus recibos e pa-
pis de arrendamento das casas que ocenpam pa-
ra Ibes serem apresentados no acto do mesmo
lancamento : outro sira faz sciente aos donos de
fabricas e offlcinas, que deverao dar urna relacao
do numero de seus operarios, como detormiua a
dentro oitrr qTrartmhos em mo- estad, avahado
em r.W$ ; mi> sitio com O) palmos de frente e
liO de fundo, dios ft.reiro* e:r -una
ieutto, divididal 17 (uitttmlios, tasa de fiven-
i3 depedra ty;aL e csiricaria. divdmdo pelo sul
com a rtl fs/li J*ve^#flP*e pelo Borle
com o silo trtorwel Harata Margan* ; e
pelo poiutte com o -terreno do deseiabargador Fi-
gueira de Mello, e pelo nasetnte eom o terreno
cima mencionado, e fundos das casas da ra dos
Pires, avllfado em'7:5T, eujos bens vao a praca
a requerimento de Francisco Perreira da Rocha
Leal, como inventariantu e herdeires dos bens que .
flearam por fallecimenlo de D. Rosa das Neves
Ferreira Leal.____________________________
O abaixo assignado, lancador da recebedoria
de rendas internas desta ciflade, tendo de proce-
der aos lancamentos dos imposlbs pessoaes e os de
industrias e'prolissoes da freguesa de S. Frei Pe-
dro Concalves, para o exercicio de 1869 a 1870,
pelo presente avisa aos moradores e donos dos di-
versos estabelecimentos da rus da Gadeia e Cruz,
que di Io de maio prximo futuro em diante te-
nham promptos os seus recibos, papis de arren-
damentos e tratos para serem apresentados, em
vista dos quae* ter lugar a deduecao das quotas
relativas aos ditos impostas. Igualmente avisa aos
donos de fabricas e de ofllcinas, que deverao apre-
sentar urna relacao do numero dos seus operarios
como determina a 1* parte do art. 19 do regula-
mentode 23 de mareo deste anno, para nSoincor-
rorem na pena das seguidas partes dos artigos 18
e 19 do inosmo regularoenlo.
Recebedoria de Peruaubuco 28 de abril de
1869.
Jos Jeronvmo de Souza Limoeiro.
THE1TR0
DE ____
S. ISABEL.
THEA.TE0
Gymnasi* Campestre
assogiagAo AiamwA
(Sal>bad 1 de Mal Je S
2* recita1 de*ss4giatara.
ESTBA DA AOTIlB B*ASIL8IUA TIRBNIA DrMIWOS.
Primeira representacao ta alta ornedia em 1
acto, traduzida nvreWnte dotra ee% pelo flumi-
nense A. P. dos Santos Leal, intitulada
O papel de baroneza de Villedeil, ser desem-
penhado pela Sra. D. Virginia de Itarros.
Segue-se a exhibido da nov. comedia em i
acto, ornada de msica, original Lrasileiro do dis-
lincto acadmico o Sr- Jos de Camino Cesar, de-
nominada:
(te esiudanles na pradeira
reiBONAfiENS. ACTORES.
Flavio, 5o annista...............Sr. Silva.
Siqueira, 4" dito................
Eduardo, calouro...............
Mendon^a, eascabulhe...........
Duarte, msico.................
Silva, negociante................
Jos, opado...................
Manod, gallego.................
D. Rosinha....................
P. Augusto.
Flaviano.
Emiliano.
Serian.
Braga.
De Giovani.
Hennque.
). Bernardina.
EMPREZA DRAMTICA
l'K
primeira parle do artigo 12 do regulamento de 23 i ri\Ti/^(^l*W (la'Tkir?ii'7ir:>/i\
de marco ultimo, licando sujeitos inulta do art. llJJilcil II 3 V'nSIJlSvUMO
48 do raesmo regulamento os que o nao fizerem. n ,, ,t toco
Rccecedoria de Pernambuoo 29 de abril de 1806 i baboado 1' C mato de lHoy.
Jos Tlieodoro de Sena.
Arrematando
Apraca das casas nos Afogados, aununciada
para o da 28 ficou transferida para o dia de
maio, depois da audiencia do Sr. Dr- juiz munici-
pal da 2* vara, escrivo Baptista.______________
Conselho de compras do arsenal
de guerra.
0 conselbo de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguate :
42 davinas a Mini.
80 pistolas dita.
2 thesouras para torar cavados.
4 sellins.
1 syringa de metal.
1 fule grande com :t2 pollegadas.
46 arrobas de plvora para salvas.
As pessoas que quizerem vender ditos artigas,
apresentem suas propostas cm carta fechada.
acompanhadas das respectivas amostras, na sala
do conselho,as II horasdo*a 7 demaio vindouro
Sala do conselho de compras do arsenal de
guerra de Pernambuco 29 de abril de 1869.
"Jos da Silva Guimaraes,
Director interino. -
Jos Baptista de Castro Silva,
Secretario.
O administrador da recebedoria de rendas
internas geraes faz publico que neste corrente niez
o no de maio prximo futuro, visto estarem con-
cluidos os lancamentos, e que os devedores do
imposto pessoal, relativo ao exercicio corrente de
4868 a 1839, residentes as freguezias do Recite,
Santo Antonio, Affogados, Poco ca Panella, Varsea,
S. I. o o renco da Malta, S. Amaro de Jaboatao, e
Muribeca, teem de paga-lo, livre da multa de 6 un
c com ella depojs do referido prazo.
Recebedoria de Pernambuco 3 de Abril de 1839.
Manuel Caineiro de Souza Lacerda.
Instmceo Publica.
Faoo constar a quem convier que o Illnr
Sr. Dr. directorgeral interino tem designado
e dia 13 de maio prximo vindouro, pelas
iO horas da manhaa, para ter lugar nesta
secretaria^-fj concurso s cadeiras de ins-
truc?ao primaria, do sexo feminino, que se
acham vagas.
As senhoras habilitadas que quizerem se
oppr a ditas cadeiras, deverSo inscrever-
se nesta secretaria na forma das instruc-
ces de H de junho de 1859, at o dia
12 do mesmo.
As cadeiras sao as seguintes localidades
Rom Conselho, S. Bento, Buique, Ingazeira,
Villa-Bella, Boa-Vista, Granito, Ouricury e
Salgueiro.
Secretaria da instrueco publica de Per-
nambuco, 23 de abril de 1809.
O secretario,
Aureano A. P. de Carvalho.
O inspector interino da alfandega faz
publico, que do Io de julho prximo futu-
ro em diante, ter vigor o decreto n. 4343
de 22 de margo do corrente anno, man-
dando executar a nova tarifa das alfaude-
gas e suas disposices preliminares. E
para que chegue ao conhecimento dos in-
teressados, se manda publicar o presente.
Alfandega d Pernambuco, 2i de abril
de 1869.
O inspector interino,
L. de C. Paes d'Andrade.
No dia 30 do corrente mez de abril, depois
da audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos e
ausentes, tem de ir praca por venda urna grande
casa terrea e sitio com bastantes arvoredos, situa-
da em chao foreiro, no lugar do Giqui, freguezia
dos Afogados, avahada por 4:000*000, cuja casa e
sitio vai praca por execucao que move Francis-
co Goncalves Netto em qualidade de tutor do me-
nor Arthur, lilho do tallecido Manoel Pedro de
Mello, contra a beranca do fallecido Antonio Joa-
quim de Mello.
. No dia 30 do corrente mez, depois da au-
diencia do Illm. Sr. r. juiz municipal da primeira
vara, a qual lera lugar Jfclaj 11 horas do referido
dia, e na sala publica das audiencias tem de ser
arrematado por quem maior lanco offerecer, os
bens seguintes : Um terreno propino com 125
palmos de fundo e 50 de frente, sendo esta para a
ra dos Pires, e o fundo fazendo. frente para a
travessa do Pires, onde se ada em aberto, tendo
Segunda representacao do frenticamente ap-
plaudido drama om 1 prologo e 4 actos
0
Personagens do prologo.
Mediis. Sr. Thomaz.
J. Augusto.
P. da Costa.
Drochado.
C. Rocha.
Florindo.
Jos Victorino.
> Santa Rosa.
Jordanl.
Julia.
em
Cosme de
Raphael Salviati. .
Juliano Salviati.
Jacome, taberneiro.
Judael de Mediis.
Baptista, esbirro. .
Galeotto. .
Um aguazil. .
Matheus. .
Nativa Pazzi......Sra. D
Lavradores, esbirros etc.
A scena passa-se na estrada de Florenca
1440.
No drama.
O duque de Mediis. Sr. Thomaz.
Ogovernador Judael. C. Rocha.
Galleolto....... Jos Victorino.
Juliano, porta-estandarte. Eduardo.
Lzaro o pastor..... J. Augusto.
Um archeiro.....> Guimaraes.
Matheus.......Jordani.
Silvia....... Carolina.
A dnqueza de Mediis. Sra. D. Julia.
Archeiros, dalgos, o algoz etc.
Em Florenca 16 depois.
Designacao dos actos.
PrologoO envenenamento.-O scenario repre-
senta a taberna de Santa Mara na estrada
de Florenca.
1 actoMa e filhoNe pabelo Ducal.
2o actoArcheiros do palacio alertadem.
3o actoO mudoas prisdes do estado
4 actoA justieaNa sala do conselha.
Dar fim ao espectculo a chistosa aria pelo Sr.
Martiaho
O Boleeiro apaixonado
Comecar as 8 horas.
CONCERT MUSICAL
COMPANIIIA PI< RNAMBUCANA
"avegaeiio CMt'eW 4>apor.
Camaragibe fm (Jireitura e Macei.
^}y Q vapor Pm-atiyba, commandan-
A/i\.. te *feHi seguir para ef ortos ati-
aKV ma nn dia 30 do corfrftfe a.mela
nolle. Jtecebe carga, encommendas, passagiM-
ros e dfntfeiro a frete no escriptork) do Forte do
Mattos n. 1*.
Lisboa
Segu eom krevidade a barca porlogueza Perei
ra Borges por ter parte da ua carga prumpta
para o restante e passageiro, trata se com Olivei-
ra, Fhos & C.r largo do Corpo Santo 19.
LEILOE!.
\mM
D.
d'Azevedo Carvalho Siqueira
Varejo.
NO
Sallo de Santa Isabel
Hoje 30 de abril
s 8 horas em ponto comecar.
Sene i.'
1." Andante final da Lucia de Lammemoor, por
Thalberg, executado no piano pela beneficiada.
2/ Grande dueto do Barbeiro de Sevilla, exe-
cutado na rabera pelo distincto artista Abrahao,
acompanhado no piano pela beneficiada.
3.* Urna marcha militar transcripta ha quatro
maos pela beneficiada e executada com sua ir-
maa.
4.* A Martha, cantada pelo insigne cantor Jos
Cecilio, acompanhada pela beneficiada.
5.* Aria variada de Laurel, executada na cla-
rineta pelo insigne artista Francelino, acompanha-
do no piano pela beneficiada.
6.a A Luna de Lammemoor, executada na flauta
pelo insigne artista Candido, acompanhado no pia-
no pela beneficiada.
Sari 2.*
!. Phantasia do Trovador a 6 mos no piano,
pela beneficiada e sua irmaa e irmao.
2.* Um Romance executado na rabeca pelo dis
tincto artista Abrahao, acompanhado pela benefi-
ciada no piano.
3.' Rigoleto a 4 maos no piano executado pela
beneficiada e seu irmao.
4." O Juramento, Aria, cantada pelo insigne
cantor Jos Colho, acompanhada pela beneficiada
no piano.
5.* Belizario, de Donizetti, executado na clari-
nete pelo insigne artista Francelino Theodoro,
acompanhado no piano pela beneficiada.
6.* A phantasia da Norma, executada no piano
com urna s mo pela beneficiada.
A beneficiada extremamente penhorada pelos
seus irmaos da arto pelo acolhimento benigno,
desde j assegura igualmente os seus prestimos.
E ao respeitavel publico, de quem espera obler
animacao completa, de que se reconhece grata.
A msica composicao do Sr. Cotas Filho.
Depois, representar-se-ha, pedido, a espiri-
tuosa comedia em 1 acto, ornada de msica de di-
versas operas, original poringner, denominada :
BOLSA E CACHIMBO
Tomam pai te a Sra. D. Jesuina e os Srs. norm-
do e De Giovani i i. .
Terminar o espectculo com o muito chistoso
dueto, original brasileiro do sempro lembrado poe-
ta o Sr. Larindo, intitulado:
0 ESTIME E A LVVADE1M s
cantado pela Sra. D. Virginia de Barros e o Sr.
Flaviano. .
'Os bilhetes acham-se, desde ji, na estacao dos
trilhos urbanos, no Recife o no tlnatro.
Aviso especial.
A direccao deste theatro, que nao se descuida,
um s instante, em cogitar nos meios de nao des
merecer do grandioso e benevelo conceito que o
RKsrarrAVEL r-imuco pernxmbucano, a seu respeito
ha formado, resolveu, de accordo com o digno ge-
rente da companbia dos trilhos i ruanos, o br. w.
Rawlinson, do qual tem recebido ineqiuvocas pro-
vas de affectuosa coadjuvacao, qiie, nao so os brs.
assignantes, mas tambem todas as pessoas que de
hoje avante dignarem-se honrar as nossas repre-
sentacoes, tenham passagem grults em quttlruer
Irem e a qualquer hura, antes dos espectculos ;
havendo, por consequencia, na estacao do Recite,
pessoa encarregada da venda dos bilhetes de ca-
marotes, cadeiras e geraes. as vsperas o das dos
referidos espectculos, at s 6 horas da tarde.
Outro sim, previne, que teriio igualmente con-
duro gratuita, depois dos mesmos.
A direccao, vista dos reconhecidos esrorcos
que tem empregado para a susteritago do Gymna-
sio Campestre, espera que o illustrado povo desta
capital continu a favorece-la com a sua Ilustrada
proteccao, nico incentivo, para rao aze-la tremer
ante as tempestades que tiver de affrontar.
O espectculo principiar s 7 Vi horas em
ponto.
CONCERT
DE
Piano no Club Pernambu-
cano.
Madnme De Barry, pianista, discipula de
Thatlerg, tem a honra de participar 10 respei-
tavel publico desta cidade, que pretende dar
na semana prxima um concert no Club
Pernambucano. Cujo annuncio ser pu-
blicado ; e espera a coadjuvacao do publi-
co desta cidade, sempre dispensador de
seus favores, cuja protecelo se colloca.
OALCACAR
Ra nova de Santa, Rita nu-
mero 1.
O administrador deste ostabeleciment
participa ao respeitavel publico, que sab-
bado 1 de mato ter lugar um brilhante
baile Darticular em benfico, para o que
desde j antecipa-se em prevenir que, nao
haver bilhete neste dia, no qual s tero
entrada os convidados pata tal im por
meio de ingresso passado pelo beneficiado,
que espera obter toda benevolencia de seus
amigos.
No domingo 2 de maio ter lugar no ca-
f Cantante Commercia!, os divertimentos
do costume, e roga-se aos senhores accio-
nistas que leve os recibos para poder ter
entrada, admiltido-se ainda algum socio
para este recreio aos domingos tarde pela
insignificante mensalidade de 1#000 paga
adiantada, os avulsos pagaro de entrada
500 rs.
No mesmo estabelecimento se alugam
cortinados, espelhos, resposteiros, langas e
bandeijas tudo novo.
O recreio aos domingos principiar s
3 horas da larde, e findar-se-ba as 6 e
meia.
coMMiA mmm
DR
Paquetes a vapor.
Dos portos n> sul esperado
attr o dia 7 de maio o vapor
Toeantius, commandante- J. M.
Ferreira Franco, o qual depois
da demora do costume seguir
pw'a os do norte.
Desde j recebem-ee passageiro e engaja-se a
carga eme o vapor poder conduzirf a qual dever
ser embarcada no dia de sua ehegada. Encommen-
das edinheiro a frete at odiadasaa saluda- as 2
horas.
Nao se recebem como encommendas sena ob-
jectos de pequeo valor eque nao exeedam a dua
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medieao
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas possa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz a. 57,
laudar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevodo it C.
COMPANHIA PERNAMMiCANA
DE
Xivega^o costeira i*r vapor.
Macei, escalas e Pened.
O vapor Giqui, commandante Aze-
vedo, seguir para os portos cima no
dia 30 do corrente as 5 horas da
tarde.- Recebe carga at o dia 29 as 3 horas, en-
commendas, passagens e dinheiro a frete at as
i hora) da tarde do dia da sahida no eseriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
ua
2L
COMPANHIA PEHNA.MBUCANA
DE
\ravegaco e-osoira per vapor.
Fernando do Noronha.
O vapor Giqui, commandante Azevedo, seguir
para o porto aeima no dia 10 de maio, ao meio dia
Recebe carga at o dia 8 s 3 horas da tarde, en-
commendas, passageiros c dinheiro a frete atw s
10 horas do dia da sabida, no eseriptorio do Fbrte
do Mattos n. 12.
PARA LISBOA
O patacho portugnez Mara Barbara, capitao
Francisco dos Santos Cunha, pretende seguir para
o indicado porto com a maior brevidade possivel;
recebe carga e passageiros : a tratar eom os con-
signatarios Marques, Barros A C, no largj) do
Corpo Santo n. 6, 2o andar, ou com o capitao no
pavimento terreo.
De tres temos devoluto--em dalles algalo na
travessa do Trindade. 1.
l"u< terreno u 152 na ra Imperial onde tem rasa
Fralcisco daS ChagasT^ '
Um dito n. U3 na mesuia ra onde tem casa T-
burcio Valeriano Haptista.
UM.
O agente Martina far leilio por ordem do Illm.
Sr. Dr. rbnsnl *e Pnflngal dos terreno^ cima
pertencentes ao espolio de Joaqaim Jos dos San-
tos A mi ra la
No armazn d.i ra do imperador n. 16, as 11
horas do dia.
c cafe, um ptimo .calirWet com belk cavallo e
arreios novos. vacca de leite, utensilios'de cozinba
:s artigas iadipetisawis :
TetfUrfcin 4 de maio
as 9 para 10 horas da manhaa. na casa o sitio do
Sr. Arnorim, ra da Jo$o Femandes Vieira n.
31, prximo i groja da Soledade.
LEIO
De O calvas com qiieijos Ha-
meagos.
me.
O agtote Pestaa fai leilo por coala e risco
de quem pcrtencer-tUj 20 eaixas com exeelfentes
queijos ttaaiengos desm^rxados esta semana, o
leiBo ter lugar hoje as 11 horas da manhaa no
Aunes defronte da alfandega. ._____
LEILAO
De mu billiar, cadeiras, mesas, bancos, quadros,
lavatorios, copos pora sorvete, sorveteiras, 1
pipa para deposito de vinho, um relogio de- pa-
rale, 3 espelhos, una urna para imIi'-. um an-
n > para eobrir o hilh.tr e outros ofcjectos
al>l>a O agente Martins far leilo por autorlsacao de
Motta.'Irmao do buhar e objectos cima piuten-
ceutes ao hotel Lisbonense ra do Rosario n.
11, onde ier lugar o leilo as 11 lloras do dia
aeima
DK
l m sobradoxle 2 anulares, e so-
to sito a roa do lilar n H3,
em solo pi-oprio. e um vicio
na Torre cut soloproprio.
O agente Pontual competeHemente aulorisado
por diversos, vender em leo o ?ol>railo aeima e
um sitio na Torre, eom casa de Hjolo e cal o qual
est simado delronte da ponte de SaiitAnna e of-
ferece todas as eommodidailes a urna familia re-
pular, tendo o sitio de frenle 200 palmos e 300 de
fundo niais ou menos emulas arvores fructferas.
Terra-feira 4 de maio.
No Io andar do'sobrado n. 62, ra da Cruz,
as 11 horas.
Os Sfts. pretendemos poderao examinar o sobra-
do e o sitio notando-se quo no lugar do sitio at
agora nao ehegou cheia atgomft.____________
Para o Porto
Seguir com a maior brevidade possivel a mui
conhecida e veleira barca portugueza Seguranca
por j*ter a maior parte de seu carregamento en-
gajado ; para o resto e passageiros,, aos os quaes
offerece ricos e excellentes commodos, trata-se
com Cunha Irmaos A C, ra da Madre de Dos
n. 34, ou com o capitao a bordo.
Para o Porto
pretende seguir com a maior breaidade possivel a
mui conhecida e veleira barca partugueza Cltu-
dina por j ter a maior parte do seu carregamen-
to engajado ; para o resto e passageiros, para os
quaes offereco ricos e excellentes commodos, tra-
ta-se com Cunha, Irmaos & C. ra da Madre de
Dos n. 34, ou com o capitao a bordo.
QOMPANHIA PERNAMBUCANA.
DF.
avegaco costelra por vapor.
Parahyha, Natal, Macio, Mossor, Ara.
caty, Cear, Acarar e Granja.
O vapor Ipojuca, commandante
Martins, seguir para os portos cima
no dia 30 do corrente as 5 horas
da tarde. Recebe carga at o dia 29, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da sahida no eseriptorio
do Forte do Mattos n. 12. .
autorisado
De un sobrado de 9 andares e
soto sito ra da Senzala
Novan. 10, em solo foreiro.
O agente Pontual competentemente
vender em leil) o sobrado cima.
Terca-Mra 4 de maio.
No Io andar do" sob*do nJJ, ra da Cruz as
11 horas, onde tambem haver loilo de predios.
Os Srs.>retendentes poderao examinar o dito
predio ________^^^^^^___
AVISOS DIVERSOS.
Precisase de u*i feitor para um pequeo
sitio : a tratar com Antonio Jos Rodrigues de
Souza, na ra do Crespo n. l.'i, ou em seu sitio no
Monleiro.
Jos Joo d'Amoiim e sua familia agra-
deivrn aos seus amigos, s rorporafes re-
liosas e a todas as mais pessoas que assis-
tiram as exequias e acompanharam ao ce-
miterio os restos morais de sen muito
presido irmo e prente Manoel Joo d'A-
morim; e, de novo os convidara para a
missa de Rer/Hiem com memento, que pela
sua alma se ha de celebrar na igreja do
Corpo Santo lio dia 1 de maio prximo s
8 horas da manhaa.
O Dr. Joo Baptista < asa nova
medico .bomeopatlia, achaado-se restabe-
lecido da grave molestia que solreu, eonti-
na no exercicio de sua pruss5o, ao pateo
da matriz de Santo Antonio n. 2 sobrado,
onde pode ser procurado qualquer hora
do dia mi da noute.
Os abaixo assignados, esposa, nilia e genro do
Dr. Jeronvmo Yilella de Castro Tavares, fallecido
em 25 do crvente, agradecem de roracao acuellas
pessoas amigas que Ihes prodigasaram seus va-
liosos servifios durante a rpida e fatal, mas tra-
balhosa molestia qiie o arrebato a vida ; assim
como confessam-se etornamentn penhorados para
com o illudtre corpo acadmico e mais cavalaeiros.
3ue se diiuiaran de acompanhar o cadver at a
erradeira morada do hoiiicm.
Sendo opportuna occasioy aproveitam-na os
abaixo assignados para convidar a todos esees
amigos e alfeinados, que j uiua vez pmvaraiu a
alta estima e considerarao qo votavam ao morto.
para a visita sua sepultura, que ter lugar no
cemiterio publico as 7 horas da manhaa ele ter-
ca-feira prxima vindoura, 3 de maio.
Anna Acctoly Lins Viletla.
Maria Egypciaca Vilella do Reg
______________Joaquim Francisco do Reg.
Irmandade do Divino Espirito
Santo.
Em conformidade do que dispoe o 119 do art.
40 do nosso compromisso, sao convidados todos os
irmaos maiores de 18 annos, para no domingo, 2
de maio, pelas 9 horas da manhaa, comparecerem
em nosso consistorio, alim de reunidos e paramen-
tados de capas, assistirem a missa votiva, linda a
qual ter lugar a eJeicao da mesa regedora que
tem de dirigir os negocios da irmandade no anno
de 1869 a 1870. Recife 29 de abril de 1869.
Manoel Goncalves Agr,
Escrivo interino.
2L
IEIIAO
da armaqao, gneros, utenci-
lios e dividas, da taberna da
ra do Rosario da Boa-vista
n.43.
O agente Martins far leilo por autorisacao
dos credores de Manoel Jos Pinto Martins, e para
pagamento dos mesmos da armacao, gneros, uten-
cilios e dividas da taberna cima, muito afregue^
zada e bem localisada, garantindo-se a casa
quem comprar o estabelecimento.
Terqa-feira 4 de maio
s 11 horas do dia na mesma taberna. O balancO
da casa pode ser examinado em mo do agente,
ra do Imperador n. 16. _____^______
LEILAO
AVISOS MARTIMOS.
(OHI'WIIIl
DAS
Messageries imperiales.
Baha
Impreterivelmente nestes poucos das sabe o pa
Ihabote Garibaldi para a Babia : para carga tra-
la-se com o capitao Custodio Jos Vianna, ou no
eseriptorio de Tasso Irmaos.
\i\i;\n
Segu comjbrevidade o palhabote Sobralense,
ainda recebe alguma carga : a tratar com S
Leitao Irmaos, ra da Madre de Dos n. 1.
?R O PORTO
Deve seguir com a maior brevidade possivel a
barca portugueza Nova Sympathia, de 1* marcha,
por j ter prompta a maior parte de sua carga:
para o resto que lhe falta e passageiros, aos quaes
offerece ricos e excellentes commodos, trata-se
com Bailar Oliveira & C, ra do Vigario n. 10
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir para o dito porto, o mais breve
que for possivel, o brigue brasileiro Santo Amaro;
quem quizer carregar ou dar escravos a frete,
queira dirigir-se Marques, Barros & C, no lar-
go do Corpo Santo n. 6, 2" andar._____________
DE
Urna casa terrea a na Imperial n. 295, cm
chaos proprios, com 2 salas, 4 quartos, cosinha
fra e quintal murado.
Urna dita na mesma ra n. 148. tambem em
chaos proprios, com os mesmos commodos da de
cima, tendo o quintal maior.
Lina dita na ra da Gloria n. 48, em chaos
proprios, com t salas e 3 quartos, "cosinha fora e
quintal murado, travejada para sota.
Cordeiro Simes
far leilo das casas cima descriptas as quaes
podem ser examinadas por quem pretender, tendo
lugar o leilo no dia
Terca-feira i de maio
as 11 horas em ponto porta do predio que foi a
Associacao Commercial largo do Corpo Santo.
At o dia 30 do corrente mez espera-se dos por-
tos do sul o vapor francei A'aearr*, commandan-
te Massenet, o qual depais da demora do costume
seguir para Brdeos tocando e n Dakar (Gore) e
Lisboa.
Para condicoes, fretes e passagens trata-se na
agencia ra do Commercio n. 9.
Para o indicado porto pretende sabir em pon-
eos dias a veleira e. bem conhecida barca Social"
capitao Rocha, por ter a maior parte do sen car-
regamento prompto, e para o resto que lhe falta
e passageiros, para os quaes tem bons commodo,
trata-se eom o consignatorio Joaquim Jos Gon-
calves 'BeltrSo, ra do Trapiche n. 17.
I
de mobilias, lougas e crystaes.
a 4 de maio.
Por ordem do Sr. F. B. Bloxhan, o agente Oli-
veira far leilo dos apreciaveis o muito superio-
res artigos da casa de sua residencia no campo,
consistindo as mais perfeitas, bellas e uteis mo-
bilias de salas, saletas e de quartos, assim como
de crystaes, e outros objectos fra do commum
pela superioridade e bom gosto como difficilmente
sao encontrados em casas de familias de decente
tratamentq, e que nao sao indicados por brevida-
de, sendo-o smente tapetes magnficos e esteiras,
quadros e gravuras hndissimos, enfeites, candiei-
ros e castices, um magnifico como lindo e sonoro
piano de Jacaranda do afamado fabricante Broad-
wood, um bilhar tambem novo e perfeito com os
pertences, machina para engommar, cama de ferro
para casal com colxao % motas e cortinados, ou-
tra para solteiro com pertences, toilletes superio-
res, lavatorios, commodaft guarda-vestidos e guar-
da-roupas, estantes para Tiwos, magnifica mesa
elstica para jantar. aparadores, appareJJios de
loueas e porcellanas para mesa, sobre-mesa, cha
Trilhos Urbanos de
Olinda.
Os abaixos assignados, membros da di-
rectora da assembla dos subscripto-
res para a companbia dos trilhos urbanos
desta cidade do Recife a de Olinda com
ramal para o Beberibe, convidam a todos
os Srs subscriptores, para que no praso
de lo dias (a contar-se do I9 de maio pr-
ximo futuro) facam effectiva a entrada de
5 por oi sobre o numero d'accoes que ti-
verem subscripto : aquelles que dentro
do termo de 15 dias marcados nao tiverem
realisado da entrada dita prestaco, a que
estao sugeitos segundo os estatutos da
companbia, reputar-se-ha ter feito renuncia
tacita dos direitos que tinham sobre as
ccSes subscriptas.
A importancia tos referidos 5 por \
ser paga ao tbesoureiro da directora,
casan. 35 da ra das Cruzcs, i andar, de
quem recebero o competente conheci-
mento, devendo para dito fim ser o
mesmo thesoureiro procurado das 10 horas
da manhaa as 3 da tarde. A importancia
assim recebida pelo thesoureiro ser no
fim de cada semana recolhida ao banco En-
glish Bank of Rio de Janeiro, limited, rece-
bendo o thesoureiro o competente titulo do
recolhimento.
Recife 27 de abril de 1869.
Jos Joaquim Antunes
Presidente.
Luis Lopes Castello Brarrco
Secretario.
Amaro J. F d'Albuqne.
Thesoureiro.
AMA
Precisa-se de urna ama para ser vico de pouca
familia : na ma das Larangeiras n. 21._________
Precisa-se de um caixeiro para taberna que
tenha ortica e afiance sua conducta : na ra do
Rngel n. 73._________________________
tlMDO
Precisa-se de um criado qara o servico do eaf
commercial: a tratar ao mesmo caf, largo do
Corpo Santo n. 9.
CABIJG
esquina
|da roa larga do
Rosario.
' -X
ANNEL DE OURO
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.
(Jarante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro^ prata e pedras finas por presos muito ele-
vados. \ i
A loja est berta at s 9 horas da noute.
RA
EO
CABUGA
esquina
da ra larga do|
Rosario.
--



**
Diario de Pernambuco
,'

Sexta feii-a 30 de Abril de 1869.

pjr ;"" "
3EE
^r
n=r
=
1 ,:'.,
fr-
*
COMPAMIA PERK&MBUCiRA
de J
(018i:iJI0 DE DIREH\0
Os Senhores.Saunders Brothers & C, Tasso
Irmaos. Luiz Antonio de Siqueira.
O SE. F. F. BRGFS
Restando ainda eraitlir algumas accoes d'esta companhia, da quaatia 0f*jP1 ^
2000000 cada urna, das quaes s se aceitara em virtude dalei, 0/., ou iO?>000 por
cada acci ; convida-se pelo presente ao publico era geral o especialmente aos Srs.
capitalistas e iuteressados no commercio, qu queiram dar emprego seguro ao seus
capitaes, disponiveis, a sub6crever o nfraero de accSes que Ihes approuver.
Algumas destas aceta, j temsldo tomadas por pessoas que conhecem a vantagem,
de na presente occasiio fconheridamente a melhor), empregarem o dinhetro de que
poderem dispor em objectos de valor real, como vapores, predios etc., que mes garan-
tam seus capitaes. _^
A companhia possue hoje 10 vapores, 6 inteiramente uovos,.e deste* o ultimo est
a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
AWm disso est edificando vastos armazens, no terreno que possue no largo d'As-
sembla. *
Seus dividendos lem sido de 10 /ao anno, nos ltimos 4 annos.
As aceta que se emittircm gozara dos mesmos direitos, e percoberao q benefiao
dos mesmos dividendos ijoeos ;.r-.iigos era proporco da entrada.
Rccebem-se asignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes la
Assembla n,, 12
wm
C.4S4 A FORTUNA
Aos 4:0001
. Bhetes garantidos.
\ ra de Crespo n. 23 e casas do cosfSme.
0 abano assignado leudo vendido nos scusmui-
to feliies bilhetes garantidos 1 mcb a. 1840 com
a sorte de 4:0d0i, i inteiro n. 379:! com a sorte
de 208*, c outras limitas sort#s de 1O0J, 40 e
20* dA lotera que si1 acato) Aa extrabir em be-
nelleio da ipreja de S. Joiio de Abreu de Una
(103), convida aos possuidwes a virem rebeber
seus respectivos premios sem os descontos das
leis na rasa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2' pane da lotera a
beneficio da malrii da E-cada (iO'u, que se ex-
trahir quarta-feira 5 de maio do crrante anno.
Precos.
Blhcte.....QOO
Meio. .... 2WW
Quarto.....1*000
Em porche de 100* para cima.
Bhete.....3*800
Meo......U730
Quarto..... 78
Manoel Marti m Futra.
Attencao
Precisa-se de urna a-na q:ie eoslnl, compre e
engorante : na ra estreita do Rosario n. 57, !
andar.
Aluga-se a casa torrea n. 3 da roa do
Mondego : a tratar na ra da Canih.ia du Carnio
n. 3*.

S?
', a
S i
5
o
H > rC
a-
< S, ET a. *
fM
s-g
m
"1
lo'
9
g-fl
g g.

S^FS
a o>
-
OieOO
a 3 M O
? 3 n-
< 33
I a
5 3
9<3 cr-
is o fD 7.
ES '/>
Iiitt
fi|!|
a. o as
|ai
S!s

^^.t 2
H .2
OITerece-se una ama para enjoiwnar
cosinhar, para casa de homem solteiro : qmm
precisar dirija-se becco do Pocinho n. 2i.
rniaudatfe lo Divino Espirito
Manto creta no convento de
gante Antonio 4o Keeife.
Convida a todos os nossos charos ir-
rftiopara no domingo 2 de maio pelas 9
lioras do dia comparecerem no consistorio,
aura de bovirem a raissa do Divino Espirito
Santo e depeis renniem-so era m*ba geral
para elegerem a nova mesa que tew de
funecionar o anno 1*3) a 1870. Consisto-
rio da irmandade, 27 de abri! de 1869.
Albina Jos oos Sanios,
Secretario. -
BARTHOLOMEU ft C.
J
--
rixKiJuu-se
.; notas do banco do Brasil e das caixas filiaes,
m descont maito raioavel : na pra<:a da Inde-
iendencia n. 22. __________
Forneiro amassador
Precisa-se de dmis hoineno. nm forneiro e outro
anaasador, para urna padaria na provincia do Ho
("rande do Norte : uetn estiver eto-caso, pode
tratar no eacriptnrio de Tas^o liniu. ra do A-
morim, dovwi.) dar eontiecimewo-ftua conduc-
ta e de sua pessoa pain o mister que se qwir.
= Precisa-se de urna ama qne co/.inhe : na ra
das r1r3ii Ama de leite.
Prccisa-e de urna ama de leite: a tratar na na
do Queimado n. (i9. ______
Tendo o agente Puntual nnnunciado leilao do
sobrado de don loares e sotao roa do Pilar n.
83. sobrado que pT>itencc ao caal do tinado Agos-
tinho a Silva Vernt dteWa^M que tendo sido a
partilba de-te casal embargada per uullUladu, por
ora nao jx'f le tal sobrado sea vendido. -*
Precisa-se de tima criada fflie sniba
cosibar e comprar, 3 ra das Cruz n. 9
i andar.
l'recra-e d una auia .
engonunar'r na rna d?. Il^la n
. iTc"7.m!i.ir e
! I" la lar.
PARA USO INTERNO
REPAHADOS SIMPLES
Xarope de jurabeba garrafa. 1,5000
Vmlio de jurubeba garrafa. 10600
Pirulas de jurubeba vidro. 15600
Tintura de jurubeba vidro. 64(
Extracto hydracoolico de jurubeba. 124800
PREPARADOS C0MP0STOS.
Vwiho d jurubeba urruginoso garrafa. 20000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 10600
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 20000
Oleo de jurubeba vidros. 6i0
Pomada de jurubeba pote 640J
Emplastro de jurubeba libra. 20500
PARA USO EXTERNO
"A JIIM BEBA.
Esta planta hoje reconhecida como o mais poderoso lomeo, como um excel-
leote dsobStruente, e como tal appltcada nos engorgitamentos do figado e' ba^o, as
hopaUa propriameate ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflammaces
subsecuentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
rjeciataente do tero e abromcti, nos tamores giandulosos, na anazarcha, as hodrope-
zias, erysipeUas; o asioejada as preparafes ferniginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, cWoroses, faltas de raenstruago, leticorrheias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos afflrmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira 4o Carao, firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecema exceBencia d'este
poderoso medicamento sobre os demais at boje cdnnecidos para todos.o* casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicac5o.
Apresentando aos mdicos e ao-publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tiveraos por fira generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desaparecer a
repugnancia que at boje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, e
mais das vezes repugnantes a tragarem-sc, e que tinbam ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo uro
raedicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de havermos conveniente-
mente estudpdo a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer aspro-
priedades medicamentosas d'esta planta em suasraizes, folhas. osetas ou bagas, e a
dose conveniente a applicac3o, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
o maior grao de perfeic5o possivel, para o que nao poupamos esforgos, nao nos ira-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
vel cura re qualquer dos soffrimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolher as nossas va-
riadas preparaces, aquella que melhor lho pode convir, j pela fcil applicc5o, e j pela
coraplicago das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de fcrma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
como taes est3o hoje reconhecidos.
Para aquellos que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a appcaco de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados +>
Botica c drogara
34Ra larga do Rosario34.
y-**--------
*
PEDIDO
Pede-se ao Sr. Manoel da Costa Pereiray
praticanteda repartico daa obras publica,
ora em Jaboatio; croe eompareca a roa
Auguta sobrado n. 102, afirn de saldar
seu debito ou pagar o que puder. e isto
com brevidade.
1





iEMPRESTIMO SOBRE!
FEIOffi
mmmm
RIJA LARGA DO ROSARIO 137
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia era dia quanto possivel para che-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para -a
vida e hygiene, temo-la sempre em abun-
dandl para lacilitar exceUentes banhos.
Ha tambem urna boa bibliotheca.e peri-
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para
recreio, buhares, etc. etc.
Sendo ociosa qualquer recommendacao
para t5o acreditado estabelceimento, omit-
timos mais pream^wlos, fazendo ver por
fim, que o bou senrifo, ordem e moralida-
de imperara n*esta casa, como observancia
fiel do regulamento que possue.
Oomedorias a la carte.
GHARIIBRIA E PETIT RESTAURAN!
.\nnexos ao Hoiel Central, roa estreita d<
Rosario n. i A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infiniu
de charutos de Havana, Rahia, Rio, etc. rju
existem neste novo estabelecimento pres
cindiraos dos annuncios pon^osos que ge
ramente se fazem, reduando-nos apenas s
tres le-as que sao tres bbb bom, bonito
barato. A' vista do geaero annunciado po
de-se julgar de nossa verapidade. Estacas;
gosa tambem das condices de um eleganti
e petit restaurant onde se pode ver a es
pecialidade dos fiambres e salames de Liot
para lanches e at fa*er urna boa eolaco
juntamente com o principaes vinhos di
mercado, sobresahindo entre o bom a pon
o ferventc champagne, o mui saboroso Rhe.
no, a primorosa cerveja, o. Ikior espirituoso
o quanto pede urna mesa. Faz-se i nouti
sorvete e variedade de refrescos.
na
pri-
(SESJ LIMITE )
\a Irawssa da
das Cruzos n. 2.
meiro andar, da-se |m|
quer quantia sobre nmo.
iral e pedras preciosas.
O dono destt estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicesi de ga
rantir a transacclo que se fizer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e consideraclo s pessoas "rae se
dignarem de honra-lo em seu esta- S
belecimento.
Na mesma casa comprarse ouro, v&
prata e brilhantes. U
'atiBRaCtfiB
mmmm
Tendo montado urna completa ollcina para concert e afwaco de pianos c
tendo contratado para o nesmo fim o experimentado contra-mestre Sr. A. Rastoui'
chegado ila Europa polo ultimo paijuete,tem a honra de recemmendar este seuestabel*
ciraeuto s'Exmas. familias Pemaihbucanas, prometteodo promptidio e perfeioo w
trabfbB. i k.'LL/.
lina Formosa n. 14
Mhkio Jos na Fon*ea retira-^ para fra
do Mporio e juina nad.t Wwr uain nenia prnra
e ero Tora delta, porm se alguem se jutgar seu
ereilor, pdfl apresontar-se no largo da alanUega
n. 4, i|ue sendo usio ser promptamente pago.
A abaixo asignada, viuva de Jos -Bernar-
des de Souza, pede a todas as pessoa:. que se jul-
garem credoras de >>n tinado maride, rroe apre-
sente seus Ikulos ou coritas dentro do pra&o de
tres diae. a contar da data lo presente annuncio,
na can n. 8 du largo do Pila.. Rocife 28 de
abril de 1869.
Rosa Tellcs de Meneze-; Souza.
Precisa-se de urna ana de leite que nao te-
nha tilho : qaem estiver nestas comlieOes, app*-
re^a na rna da Praia n. 5i, 2o andar.
GRANDE HOTEL
DO
BRASIL E PORTUGAL
n

Precisa-sc de lima ama- para cozinhar para casa
de hnmem solteiro : na ra do Crespo n. 20.
Quem quizer ser feitor de um sitio, dirija-se
ao largo da ribeira de S. Jos, sobrado n. 5.
Caf Santa-Isabel
tavoi
Uilc e^ulwlecnent previ ajj.afl respei-
ico e iwincipalmeole aos -eus nuroro-
sotrapiiraa, que oauaou seu eslabilecinwuto d'
dep qne Lcide-* <:., da rua^dft iPintentina n. 3
nara a rreima ra esquina; 4a ra ite Sauta-Isa-
VI n. i, oadi: aehjarao toaos os das lunch, caf,
aorvot-;. p ecebe qualquer eacomiMada de almo-
(o, jantar. etc. (/dono daste estabetecimento es-
per;i do publico pe^naBllJ^Cn,' a sua c eia.
Frederico Maia
Cirurglao dentista pela escola
de medicina
do liio de Janeiro.
Tem a honra de participar, ao respeitavel publi-
co desta: capital e sens suburbios, qne tem abeito o
seo gabinete de consultas e oporooes dentarias a
roa Oireila n. 12, primeiro andar) onde pode ser
procurado todos os das das 8 horas da nuu.L" a as
"3 da tarde. Elleacha-se competentemente habili-
tado para com perfeicao collocar dentes artificiaes
por qualqoer dos systema, e bom assim desempe-
nhar qualquer outro trabalho concernente sua
protissao. O nesmo, reoonliecendo que nem sem-
pre possivel s senhoras ou criancas sahirem a
procm aro remedio, offerece-se a rcmoTcr qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tar a qualquer chamado sem que isso inilua eousa
alguma na commodidade dos precos de seus Iraba-
Ihos, e quando para fra delta assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavel, garantindo elle a
segurancae perfeicao de seus ditos trabalhos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente excel-
leuteps denUfricio, elixir o outros modicamen-
tos odontalgicos : ra Direita n. 12, primeiro
andar. _______________
jJjuUiUij
MARTIMOS
COMTRAFOCO.
A Companhia Inderanisadora, estabelecida
esta praee, toma seguros martimos sobre
navios e eos carrefamentos e contra fogo
em edificios, "mercadorias e mobifias: a
rna do Vigario n. 4, pavimento terro.
Ama,
Precisa-se de urna ama forra ou escrava par
comprar e^cozinhar para urna ca*a de pouca la-
nilla : na'roa das Cruies n. 28, Io andar prete-
re-se escrava e paga-se bem agradando.
Fundi$o da Aurora.
Xeste vasto estatwleclaiente sempre se enconlra
um completo sortimento de taixas de ferro batido
e fundido, fabricadat recentemente, e se fahricam
de qualquer molde a vpniade dos compradores, e
recos raz|waveis.
Era-casa ce TItEODUO CHRISTI-
ANSEN, rna da Cruz n. 18, encontram-se
eflectivamente todas as qualidadcs de vinho
Bordeaux, Bourgogne e do Rheno.
Precisa-se de urna criada livre ou escrava
que saiba $ONtt, engommar e fazer os arranjojs
domsticos de uma liunilia ccmposla de 4 pessoas
dirija-se a ra do Trapiche n. 14, 2o andar, con
sulado franrer..
_ c
Precisa-se alugar quatro eyeravos para scrvici
debaixo de coberta, paga-se 30| e d-?e comida :
a tratar na ra do Bru, saboaria do Rerifr.
Aos devotos do mez
Mariano.
Na ra estreita do Rosario, sobrado de
um andar n. 35, preparaA-se palmas, arcos
capelnbas e rosas proprias para enfeitar
os altares e oratorios, para o mez enfeitam-se as vellas com flores de cera, pa-
ra altar e faz-se toda encommemla t'e flores
para fra, por mais barato do que era outra
qualquer parte e tem muiias llores 'romp-
as para vender; enfeitara-se telas boni-
tas para baptizados e faz-se botujiiels para
casaraentos comcravos naturaes e as litas
bordadas a ouro, bouquets para ci.fcitai
belos, tudo por preco mnto couimodo
preparam-se com todo aceio baiidej. s com
bollir.hos finos de toda a qualidado para
casamentos e bailes.
Advocada
O bacharel Luiz Emigdio Rodrigue* Vianna rau-
dou o eu escriptorio do advocacia da rna do
Queimado para a ra do Crespo n. 2, primeiro
andar.
MiraEZA
No collegio da Conceico precisa-se de
urna criada portugoeza; paga-se bem.
Precisa-se alugar urna ou duns now qu<-
sejam boas quitandeiras, e paga-se han : qceu as
tiver dirija-se a ra Imperial n. 27, ijue aU acha-
ra com quem tratar.
Prccisa-se fallar ao Sr. Dmninci < <;7.i7r.ijves
Mur^a a negocie de sen ipleresse : ii i escriptorio
de Joaquim Gerardo de Bastos, rna do Vigario n.
16, Io andar.
na ra do QffVB.
Precisa-sc de urna ana
18, 2 andar.__________
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedia por excellencia para cura certa
das dgestes diflkeis e completas, acalmar
as dores gastralgias, e reparar as forcas
produzindo uma assimulacao completa dos
jumentos; sendo mais um excellente tnico.
% \Ilk-SI
NA
PHARMACIA E DROGARA
Bartholoineu A C.
' 34RA LARGA DO ROSARIO3i

Ainda resiam algumas collecgbes de
Buyyapliiafi. da algHfls. poetas, e outros ho-
raens illastres da provincia de Peruambuco,
tros totiws escriptos pelo commendador A.
J.dfi Mello: ra Augusta n. 94.
RIO DE JANEIRO
Zeferino d'Almeida Pinto, advgado no
Rio de Janeiro e cora escriptorio de n^en-
e na ra dos Pescadores numero 68, en-
carrega-se de todos e qnaesqtier negocios
judiciaes e administrativos, mediante hono-
rarios e commissoes rasoaveis e mode-
radas.
As pessoas que de seus servidos se qu:-
zerem utilisar, podero dirigir-se pessoal-
mente ou por carta ao escriptorio cima ou
a casa de sua residencia, Cllete n. 172,
acompanhadas de todos os documentos
precisos e com indicaco da pessoa com
quera se possa tratar.
Para mais informacTies dirigam-se a bo-
tica da ru larga do Rosario n. 10, tiesta
eidade.
Jos Maria PalmeiiM. tem para vender n.
seu escriptorio largo > do Coi-po Sanio *. \
Io andar. X
Fio de algodo. i
SPedroso.
Panno de algodo. )
Laa barriguda.
(Ma..
Galha.
Caparosa.
Oleo de linbaca.
Sag era garraoes.
Vinho Boitleanx, superior qiiilktalu,
garrafas grandes, caixas de du/ia.
Ervilhas francezas era latas.
Vnbo do Figueira embaris TL6i
mais superir qlie vem ao Bieixado.
Salitre.
Enxofre. \
Fio de vella.
Cimento portland superior.
Dito romano dito.
Jos Soarcs de Azevedo, professor do
lingua e lilteratura nacional no gymuasio
provincial do Recife, lera aberto era sua
casa, ra Bella n. 37, un
CURSO DELLNGl'A IBANCRZA
DE GEOGBAMO.V E IIIT0Hi \
DEPHII.OSOPIIIA
DE BUETOBICA E POETICE.
Os estudantes qne pretendervm frequen-
tar qualquer destas disciplinas, podemdin-
gir-se indicada residencia, de manlia ale
as 10 hoias, e de tarde a qualquer hora.
_-----h
Advogado
O baeharel Joao Barbalho Ucha Ca-
valcauli, actualmente incumbido das
causas contiauas aos Drs. Joao Alfredo
GorrAa de Olivein, Francisco Teteira
de S e Joaquim de Souza Rcis, pode ser
procurado em seu escriptorio praca de
Pedro II (pateo do Collegio n. 39, 1"
_andar.
>-
Precfca-se d uma ana de. le!* e de
costumes : a Tallar na ra, do QMkaado, loj
fazendas n. 34, ou cu Olinda, no pttiEea d" S
dro-navo, sobrado que vira para a ladeira da S.
1
Attencao
Ama
ptJOapaes tbeatms e outros muitos nivcrnnreuBm.erassimudB ^rav^^'i"= > -n""OT--ydlusBarsa*psra cpim : quem o Bretederfru-
3ro para todos os pontos da Europa, acabado de ser inteiramente renovado, nao m gar dirija-se a pra^dsw^Yi*|a,b)cfji^W n* "
^ndo poupadoo sen nova Dronrietario a despezaspara seu completo embellesamento e au flgaMBlWTa"ttummimt^ ** ft-seia amaiaia para coziakat-: na ra
*mo, forna-w pommo vmtajosaniento. rtcwtowUvl ai septums, bpaJtixa* po. ftf^SA ^-______________-
ttgnezes.a onde encontrado sempre aqelra m/nkenan desej(ki p*a estranho-W Oeowelheiyp Jo6#iveif e-9o.S iSSde0- ?ewhod* lego-s disoa
pop ser constaj^rjiej\te/ijuentado porgan comfU-rat- 0 taWauaio ^gofirioc.*. pta,!le^r^et4 0 6e^ escfiplorjp de
t.lo o elogio, mesa redoada, ou a car!a> ot> serrid nos aprizeriw-; haJitac*e ^on^*
uieateraeiite despostas para familias, e quartos para uma s pessoa, o seno e feito
coa a precisa regularidade: ot precos muito rasoaveis e ao alcance tambem d'aquella
peaoas que se queiram limitar.
Gabinete de leitura com os principaes jornaes dos dous paizes, sal3o de recepcSoe
de mica, etc. ttte T-L>a-^'- ^""qrr%nn()iimllia8aflpfcgilyg iffifli"Wff np "fpftp-
res passageiros das repblicas do Prata, porque alea da semoihanfa da hngu, ali en-
contraro muitos senhores hespanhoes, por quem tambera esta cjs* bwttmte f-
^roeouda.
Precisa-se de urna
AtagS-se um sftw na estrad *j Rosarintwreem owarasa *5 emeo pessoas
boa casa de vivenda, aceommodac3es para escra- i" andar.
Situado mt. nn doKi*n\* mais atlm* de Pai*. se^do aas .ranwuucSee do. *&*!#*
dWtfneSps, e assim das e*tocc>9 tKts ranrAos* &1S5p
A quem preciiarji vendeiu-s bichas ambur-
guoaa >u*riires, em grandes e pequeas por-
cuas, e taiiMiem se alugam : na ra do Imperador
i________________________
Aluga -> um sitio na Passagem da Magdalena
p ao liifar d riTeiro, eom boa easa muita*
arvores de fructo : a tratar com Francisco Igna
ato Pinto, na ra da Cruz n. 1 andar.
livre ou escrava para
na ra Wva n. 5i.
wmmmmmm
Engommadetra
Lavara* c engonunasc com perfejflio, por pre-
co coiamodo : na ra do Seh n. 9.
A^aem precisar, ra do Imperador n.
28, ha bias hamburgueza superior vendem-se
i(i:^iiii:\4 s %
O Dr. Cosmo de S Pereira mudou sua re*ifn-
cia para a ra do Imperador n. 2, e f anda-
res, onde contina no exjfrcicio de sua profeta
medica, para o que pode ser procurado a qual-
quer hora do dia eu da noite, nos casos prav**
Todos os dias das 6 as 9 horas da maniia, n;
sm domingo, dar consutas indestfntamentc ;t
qualquer pessoa, sobre qualquer ponto de su pro-
tisso, e com especial cuidado sobre molestias d
olho* do peito, e dos orgaos genito urinarios ;
quando o cas fer cirurnie*v praltear as b^era-
eues que jujear eomanieat* aan o restaWf 1-
mentc 1 sen eUents.
em grandes e pequeas por{des tambem se
gam
alu-
ad\ugle, na roa II primeiro andar ; entrada pelo
becoo.
E^r^- eosnheim.
Preetsa-se tk uma escrava boa conieira**
bom comportaraento, paga-se L>m ; na roa ios
Pires, sobrado n. J7,
estacao de Agea-Preta,- tem todas as obras
laiswim nM*virHm : quem imun-
ija-se ma doQuemedo n. 24, da7 ho-
ras da manhaa as o da tarde.
O f. Joo Ferreira da Silva nao Ihe
seodo-possivel despedirle de todas arpes-
soas do suajimisade pede-lhas disculpe, e
offerece-ibes o seu diminuto prestimo em
Paris no poseo tempo que alli estiver.
Dorante sua ausencia ficam encarregados
de sua crinTa os Srs. Drs. Pereira do Car-
om e Ue*i, -4'.d e seu manrr o-harharei MaOoel-Perretra da
Lfor%"i .firrATj
.\pruveita a osio para dedarar que
aada d, alera favoto,
Reeife, ?de abrtf de f86>.
Aluga-se
1 amnda-M um sitio-' can muitos aworedos de
fructo, cora grande casa de vivenda, com cocheira,
riOarto, e mwwnpwnniuoB MtoR- tmtmim
om imttto bu intdt beber e tennue, daronte
a rttcao do Qfajrau : a tratar na Bo*-V*,
ra do Mondego a. 81.
~ Fug i*>-i*|genb***fno Aa Cat- o- wcravo
Joio as liSg*, mnlatoaeaboclade, de ahora re-
gular, ebeio do corpo, inuito ronhecido em Olii.
da : quu o pegar leve-o ao referido ongenhoatt-
ra, ou na ra da Cadeia n. 24, qe sera genero-
samente gratieade.
Precisa-sede urna ana qne saUn bentoMhar,
a km so para dttn pfsseas ; m ma de Livramei-
to d. iC, .2 andar.
VERDADERO LE ROY
del Doctor SKWQHiT, nico Sucesor,
ROE DE SEINE, 51, em UBI
%ix;6fis
51
m*
v-
"S l-Si
!el>fla}
u. .
raciatQMO
Difrlit'S Id I
un gaa iimr* l
lo tanto dckt ni|vJtif
vuiiMIO L Mt, ^p
Uv I trmu Le Ror i u b
aa coa* ni nombre SIGNOVl
1 i ma* m*I* nnu
o.dcbj4l|
M I* LA II. "ft I
1 n pipdo -
I ItiTM dal M
(acia I
Y*
cull* UWulla,
rotlo tmtriU toa
tlO BU MIH'I
>imcti.
"


^ :
S
llffiVIl 1


Diario de Pemttobuco Sexta fira 30 de Airtl de 1869*
r
Moreira Duarte & C. eudo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug jl 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
praca, e por pre vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciossas.
Pf: 5 lili DO CABUG II5.
*,S*
Vehi
Photog&Ao ^cwk' *mPen
premiado em divertas espos-
(jopa. r
Na stta photograpMa rea do Cabug n.
i8, entrada pelo pateo da matriz tira rela-
os por todos os systemas photognaphicoB.
En porcelana Em vidro
Em talco Era papel
CART ES DE VISITA A 9* A DUZIA.
Os retratos carte-d*-we sao collados
cartao de luxo brislal m porcelana,
lomados ou lithographados, quadrongos
jo vinheUs para oque existe urna varieda-
ie de 12 modelos a escolha dj quem se re-
tratar. Para as outraa especies de retratos
temos caixinhas, pass&-par-*6*as., quadros
3 molduras douradas e pretas casaoltas de
uro e alfinetes simples e com pedras pre-
ciosas, haveado nos alflnetes urna mimosa
variedade de feitios.
O nosso tistaoelecimento i*otograpbioo
ist sempre em dia oes o* welhoramentos
a progressos que- ua America do Norte, oa
Suropa ou to Rio de Janeiro se consegre
aa arte plwtographka, e para alcancarmos
al flm noaca poupamos despezas nem sa-
:rificies, de soriegue os nossos numerosos
freg*ezes ptjdem ter a certeza de qe som-
bre encontrar* tm n*sso estabeecimento
tud qtajito a arte e a moda oflferecer de
bom no nove e vefoo mundo aos amantes
' la photographia.
^ -ESTABELECIJENTO EM 1832
Salsaparilba e. Iristoi.
LEGITIMA ftiRIOMlL
EM IRASCOS <;n
;i
I
LIMA, LESSA & C.
HHHft HA \v
fl
O respeitavel publico encontrar neste eflicina habis mestree e bem conhecidos
na arte, a3iancando-.se o melhor desempenho conforme o gosto e ventade do freguez,
assint cmo a maior pontualidade na entrega das obras; recebemos de Paris, por todos
os vapores, os mais modernos figurJBos para nao liaver nada a desejar; bem como
varias encommendas de Manirs modernas e outros artigo propios para homens;
temos grande deposito de roupas feitas de toda a qualidade, como sejam: camisas
fnmeeaas, inglezas, chapeos de sol de seda trancada, o que ha de melhor, grande
sortimento de meias. eolarinhos. punhos e grande novidada em gravatas modernas, e
tnalmente completo sortimento de fazendas linas e roupas feitas, sendo os precos os
mais baratos possiveis.
Joaquim Jos Gon-
palves Beltrao
#UA DO TRAPICHE N. 17, I.9 AKDAR.
Sacra por todos os paquetes sobre o Ban-
; co do Mino, em Braga, e sobre os -seguin-
teslogare/ em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Guimai'ies.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos -de Val de Ye*.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Faoratocao.
Lamcgo.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
FABRICA DE PIANOS
DE
J. VIGNES
55 Ra do Imperador 55
SUCTRSSOR
JUSEPH MAME RAIGAS
Avisa ao respeitavel publico em geral, e com especialidade aos angos
fregueses do seu estabelecimento, que alii se ada prompto a sasfazer qualqoer tra-
balho de concert e a alimono e pianos : e qm brevemente ter disposieSo do pu-
blico grande *r#ied .de de mmicas e piano?.
^PHOSPHATQLzrERRO
; LERAS DOUTOR EM SOENGIAS..
Debaixo da forma d'um liquido sem sabor.
anlogo a ama aga mineral, este medica-
mento rune os elemectos que constiuiem
os ossos e o sangue. E? o mais racional dos
ferrogiaosos; por esta razio o adoptarlo
os mais -eminentes mdicos do mundo in-
teire. Convem muito s meninas de temperamento delicado, cojo desenvolvimanto tardo,
s senhoras qne padecem d'estas dores d'estomago intoteraveis, cansadas pela chlorose,
anemia, menstruaco om lencorrha, s enancas 3'uma compleicio paluda e delicada, e a
todas as pessoas que tem o sangue empobrecido pelas doencas. EfBca.;ia, rapidez d'accSo,
cura perfeita, sem conaiipacSo de ventre nem acjio sobre o* denles, taea rito as ru0e> que
imperio para que os sechores mdicos o prescrevio aos seos doentea.
Deposito em Pernambuco, em casa de Haoiar O*.
DA
FARRICA NACIONAL OA RABIA
DE
TSIXE1B FBEDEHfCO A C.
Acaba du chogar a este macado uina prg5o
8este ptimo rap, nico que pode supirir a falta
do ptiuecza de Lisboa por ser de a^radavel fera-
me. E' fabricado pelo systema do Areia Preta,
por tem .suhre este a vantagem de acr viajado,
o que para este artig'; urna erpeeialila/ie. as
praoas da Baiia, do Kio de Janeiro c outras o
imperio tem o Rap Popular sido usas aceuiido,
e provavolint'uto aqu taaibc.m o ser, log* que
seja contiendo e apreciado. Acha-se a. wuda
por f reco cwuiuodd, -e iwra quem compsrix de 30
libras para cima, far-ae-ha um -descont de5 0/0,
e de 3w libras para aiflU o de 8^)/0 : no escrip-
lorio de Joaquim Jos Concalves fteltrao, raa dti
Francisco da Ojaha (lardoso, scientifica
quera intersesar qe deixou de ser eai
xeiro ds Srs. Jos de SouzaSoares & C.
desde o dia 6 de abril, e regido na ra
Bella.
Precisa-se de uuw ama para
soiteiro : na ra da Praia a. ii.
de hoiueni
Os abaixo assignados dissolvt-ram amigavei-
iiieute a sociedade que rata em Slanianguape
sob a razao eommerrial de Come & C, flcando
fierlencendo o estabdecjnwnto ao ex^ocio Comes,
emambuco i? do abril de 1869.
Jorvo Ferreira da ('osea fioares.
Joo Jos Comes de Sonsa.
AMA
Olert'ce-se orna ama pomigae. pam servico
kaerno de umaeasa de poucs familia : tntrua da
Irtperatriz n. 46.
0 MUSEO DE JOIAS
GOMES DE MATTOS IRMAOS
tendo feito completa mudanza em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores propor ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUG R. 4
onde enconlrarao una completo sortimenlo do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata- e platina se pode deseja/.
ADEREMOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de no vos gosto*,- assini como grande variedad e de salvas e palileiros d
prata contrastada e de gosto aihda n5o risto, e complet sortimnto d^
objeetos de prata para uso da* grojas,
C^
.
Gompram e trocam qual<|u<* joia ou peda, preciosa e oarantem I
a qualidade dos objectos vendidos.
0 MUSEO m JOIAS

'

MI
OGH\NDE PURIFICADOS DO SANGUE 1
Esta excellente e admiravel medicina, e
preparada d'uma matieira a mais scientill-
ca por Chmeos e Droguistas mu doutos t
d'umainsUuccio pifmida, leudodo mu-
U)& annos de experiencia ao par d'uma lon-
gae laboriosa pratica,
A sua composito ni5o consiste d'um sim-
ple extracto d'um s aiti^o; mas sim,
composta d'extractos d'um numero de rai-
les, hervas, cascas, e famas, possuindoo-
das ellas, sua virlude especial ou poder
em corar as molestias as quacs teem sede
ou essento, no sangue ou nos humores :
e estes diterenles extra.'los vegetaes, acham-
se por urna tal forma conminados ponto
e couservaraa em toda a sua forca, o cu-
rativo especial de -\irtude, (jue cada um de
per si posse. A rali da pwnta de Salsa-
laiiillia, produzida oas Hou nos usatos Bosta proparafiio, seudo a qia-
lidade fue todos os dieos' wk piv.ifcm
e estimam. Sa epmposicao da ttalsa-
| parrilka de KrK por oeuto desie concentrailo i'xti.icLo. Ella
nioODWWW -em si cousa atcrun', (po pos-
sa por leve ser perigosa Ta injuriosa
same; e tent n'esfe, cwno em quasi to-
dos os mais resperos, t olla inteiramente
diversa de ludas essas inais piqjaiaj'oi's,
as quaes 'debalxo do uome de Salsaparri-
ma, sao accondicionaas ou postas em gar-
rafas pequeas, sendo receitada em (mes
mui diiRinutas d'uma colher le cha poi-
cada v&z. Nos pele contrario engarrafa-
mos a
SALS.VPARIHKA DE BRKTOL
em frascos grandes, assim poreste modo,
dividimos com os-wnsumidores, o grande
prov<^ito e vaotagifln alcanrante por aquelli-s
que acondiciojam sia preparavo em gar-
rafas pequeas. 'Cada ,um dos frascos da
noasa *al*a|*nri-illia le BritiAol
ooBleem a essa cuantidad* igual pon>;o
coatidanaquellas ganafas pequeas, e am
dtsjjo, possue aiuda muito mais for?a e
virttide meicifHl do queaquella, que por
ventura se possa adiar centida dentro de
seis garris fle pequen tamanho. Poi-
tauto naoi ntaral, que aquelles, que se
adiain suas prwhicies, em garrafas peqvenas,
'iiurmureiB e^jritem contra os nossos fras-
cos grandes: proclamando, que a nossa ftal-
saparrJfba de Brintl nao possue a
menor virttide; poim^quao efl'eotivaraen-
tes5o eltes.^ofts em silencio, quando indi-
camos, ou mplesmeute rel'crimo-uos para
com cssas centenares -de certidoes e tes-
temunnos atlienticos, por nos reeebklos
de todas sclasses da soedade, nos quaes
plenamente -attestam o poder curatrw e vir-
tudes nuravidiosas da >nossa.
SALSA:\RRILHA DE BRISTOL.
A vantagem du-ennos os nossos pro-
tui.K ageutos ua.qutile* lugares awwle as
differentes raines, dnjfas, taervts, plan-
tas de que se compoem astrossas tnefteinas,
sao produzias, que nos habilita i exer-
cer aquelle constante cuidado e disvello na
oiiuudusa e*c,olha: c o que-assogura e ga-
rante unitoruidade de scellenoia.
Em quaite ojue, pr aitralado, mis nao
uos poupames nem mlielro, nem A dili-
gencias ; a d ajpucannos o melhor
e unicamenle o ineiior de cada um artigo
su ingridii-tLa fe entra na sua composi-
to; poi levados e comiwnefradus da
mais Ilrme e persuasiva ooBiianca; que jui-
emus afouUnteute (lizer aos doentes de to-
das as nacoes, e de Unios os pai/.s, que na
Kalsaparifot derUtol. possuera
um remedio mais eficaz e seguro ; do que
nenhum outro, .que vo tofdui sido oltei-e-
cido at hoje. e o qual por corto nao hade
mallograr vosas* expectativas na prompla
e Afectiva ctt-a'*l,>*^guniescnfoiTfifdadef:
Escrfulas
Chagas antigs,
Ulceras,
J
Ferias ulcerosas,
Tinha,
Syphilis,ouMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Scxo"
Fenino,
Nervo*d*ie.
OewUda!- Geral,
Febta e Malignas e
Fehre e-Sezfs
Biliosa,
I
Resta venda um escoltdo sflttunfento de ob-
ectoa de marcineria, como sejam, nwbilf* de ja-
."and.mognoeainarello, obra nacionaleestran-
jrfra, de -apurado goH e por pre$o razoaveis :
a a ectr^ita do Rosario n. 31 Nesta mesma
'asa fazem-se com perfeicao todos os trabalhos de
jalhinha, como sejam, empalhaineatos de lastros
para camas, cadeiras e sophs.
COMPRAS.

u Vende-te una taberna na ra do Pilar n.
13 : a tratar na mosnia.
Na praca da Independencia n. 33, loja do ou-
rives^ compra-se mire, prata, e jiedras precio?a8,e
tambem se faz quolqucr obra de enceminenda, e
to 0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. i comprase ouro, prata
e pedras preciosas por precos mais vantajosos do
que em outra qualquer parte. .
1R0 PBATA
Compra-sc moedas de ouro e prata e
bem como libras skrlinas, na ra do Ca-
bug n. 9, ivlojoaria.
Coropra-se medas de ouro e prata, bem
comd libras stcrlinas por maior preco que
em Otitis parte: na ra do Crespo n. 10
primeiio andar. __________
Corhpra-?e una esrrava peca de 18 a 23 an-
nos de tlade, sadia, de conduela alianeada, que
nao seja de ra c Mrva para comprar, CDsinliar
e eagoomiar : a tratar i ua do Ilrum n. o'i, ta-
berna, ou annuncie para se ir ver.
Compra se una ou duas casa^pequenas ou
mei-aguas, em chaos proprios, dentro desta pra-
?a. preferindo-seiia (regueria tar no pateo do Terco u. 10. ____
Com muito maior vanfttycnt
Compra o Coracao e.Oiu-o, n. 2 D ra do Cabu-
g, moedas de ouro e piala e pedras preciosa*
_JLJ-JJ-l-------------------------------ggg
VENDAS.
HEZ IME lltilll
Vend-se este livro, edirtlo dedicada ao
fallecido hispo 1). Manoel de Mediros. con-
tendo alm de todas as oraches e exemplos,
urna grande collecco de versos e cnticos
adequados festividade do m.ez de maio,
ao preco de lOOO o exemplar: na oflici-
na typographica n.1.1, defronte do convenio
de S. Francisco.
Cal de Lisboa
Vende.-sc cal d Lisboa chegada ha poneos dias
a'.tratar na ra da Cruz n. 27, 1 andar, escripto-
riO da Hamos & Temporal.
Atteiicao
Vendo-so urna arnaco complet em muito bom
estado pronria para taberua : na ra da Crnz
n, 34.
Retroz
Tem para vender Joaquim Jos Goncalves Bol-
rao no seu> seriptorio ra do Commercio n. 17.
Pechiiiclia
Vnic-a^al{odo encorpado com toque de ava>
ra a M e 4*500 com 20 jardas : na roa do Quei-
niado n. 29.
Vende-se por comroodo preco urn carro novo
de quatro rodas com um boi : na ra do Jasmim
i 27.
Meias elsticas de borracha
As melhores e excellentes meias elasti
cas de borracha contra varizese erysrpeHa*.
Vende-se na
Pharmacia o drogara de
Bartholomeu & C.
____34ra torga do Rosai'io34
Vendem-se 37 sacros com farioha da trra,
com mais de un al ,utire cada sacco : ra da
Praia n. 4.
ASTMA E PTISICA
I mi dc>Mi>bi-iuieulo e^panioM* !
O xarope de fedegose, de Pernambuco,
preperado pelo pharmaceulieo J. de A. Pin-
to, cura radicalmente a ptbjsica e asthma, e
toiat as molestias dos pulmes.
Potlem ver-se* os attestades de curas no
unioe deposito das preparares de fedegoso
d'#te autor,, ra larga do Rosario n. 10
junto ao quartel de polica.
Turnares
Abseessos Apostemas,
Erupc&es,
Herpes,
Salsageu
Impigen,
Lepr; febres tntenntttente e-remtttentes,
hydropesia e ictericia, ^...et*.
Ontro-sim, achar-se-ha, que pwa erbom
resultado euerfeito cuiativo^eioaiiaqjieJ-
jas enfermidades cima apontadas o adian-
tamento da cura, i/iMKentiNttr piomuvi-
do e apressurado; usando ?rj at mesmrr
tempo das nossas mui valiosa pilulas
vegetaes assocarada^ de Brltol.
tomadas em doses moderadas em connec-
co ou conjunctamente com a Salsaparrilha;
ellas fazem lemovrr e expdllr. grandes
quantidades d materias. rnortcas Q hu-
oaores: viciados que se dag^euikm-o Iwre-
mente circulam espalhados' pelo RyrteBa.
jsto causado pelo uso da Salsaparrima:
por estt forma facilita" a votta e.d exerccio
normal das opera$oe* funscJotiaeH,
Acha-se a vend me estabetoennento&'de
A. Caer, J. da C. Bravo *C, 9. Mnorer
C, Md: \, Barbosa, BarthalOrneu A C.
Fazendas de gado.
Vendem-se seis fazendas *do gado na ri-
beira do-Seml, denominadas Boa-Vista,
P de Serta, Mulung, Mundo N*o, Inga e
Serrote, todas muito boas de criar e de um
ser bem conhecido naquella rfbeira : os
Inretendentes podem diiigir-se ra do Vi-
gario n. 3K, 1* andar, eeciiptorio do Baro
le Bemlica.
ftIVAL SEM SEGUNDO
i *i fueiniado n. 49, ldja de niiudezas de
nownitmMeto Maia e Silva, tem i.ara vender os
artigo abaixo declarados, n$0 DOiu e baratissi-
mq, qftfc'awi para atbwr.
Duzia de sabonetes muito tinos a 700 re.
Pares desapatos de lapetc para hornera a 1#280.
Dito* de tranca para creaiwa a is.
Tramoia do Porto, bordada, a aiethor a 200 rs.
Dita do Porto liza, da mellwr qualidade a OO, 130,
160 e 200 rs.
Resma de papel alinaco, lizo superior a ^5200.
Dita de papel almaeo pautado a *.
Livro de missoos abreviadas a 2.
(iirtilhas com toda a doutrina e mui'asresasa
320 rs.
Silabarios portuguezes com estampa^ a 320 rs.
Baralhos francezes muito Hns a 200 e 240 rs.
Sabio inglez superior qualidade a 500 e l
Gravatas pretas e de cores muito linas a 500 rs.
Duzia de meias para senhora, fazenda flna a 4J>.
Redes pretas lisas para segurar cabello a ;*20 rs.
Varas de transa de seda /de todas as cores a 000 rs.
Pares de brincos dourados com maoxJnba e pe-
dras a 320 rs.
Cartees coin corchetes de duas ordens e sao de la-
to a 20 rs.
Ahorcaduras do vidro para colele jnuo linas a
120, 240 e 400 r.
Pares de botoes dourados para piuihos a ICO rs.
Caixas de pciinas de ac muito linas a 2'i0, 320 e
500 rs.
Cartees eom duzentt jardas de liniu do fabri-
cante Alexandre a 100 r-.
Caixas de pemias de aro, a verdadi ira penna a
i 200.
Calillis de linha Alexandre ns. 70.80, 100 al
2 Caixas mu superiores obreias "de mr.ssa a 40 rs.
Cardis com duas wtavasde retroz nreto > ."00 rs
Du/.ias de agulhas para machinas a 25-
Libras de uregos francezes de todos os tainanhos
a 240 rs,
Uvroscsoriptiirados para rol de ronpa a 120 rs.
Caixas com papel amisade muito lino Caixas rom cera envelopes da melboi qualidade a
690 rs.
TallnTos para meninos muito ha fazenda a
240 rs.
XAEOPE PEIRORAL
DE
RABO DE TAT'
PLANTA DO BIUZ1L.
E' expectorante e rcrommendado as
alfecoes do peito, bronchite ebronica he-
moptise, etosse chroeica.
PREPARADO
M
Joaquim de Ameida Piulo
I 1U1IA (BvITUO
PeniamlMCO ra lardo ao
Rosario a. 10._____
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nuiles de Caslro.
Vermfugo eficaz, e preferivcl a lodos os
conhecidos, j pela certeza de sen resulta-
do, ej pela fcil applicaro as creanfas.
quasi sempre mais atacadas de to lerrive
e muitas vezes fatal sorment,
NICO DEPOSKO
HA
Phai'iu.icla c drogai'I;.
DE
Barthomeu A C.
34Ba Larga do Rosario- 31
Vendem-se duas casas tnrc- i. ria d.-.
Cxo, na cidaile de Olindn, tendo ttttin !'ei!o -.i a
os Quatio Cantos : quem asprelend.r irljtf-sc ao
paleo de S. Pedro-novo, no sobrado da eitjnina n
1, (|ue achara com ipiem tratar.
Vende-se ou arren-
da-se
Veude-se o excetleute ongeuio Moii.v.dio sil
emlpojuca : na ra do Livramoulo a. 19.
WKIVAC.
A UTILIDAUE Z
Aos 500 fAres de brincos.
Chegoif '^%/8b*itr wr <3braco
d'Quro, ra do Cabug, brincos de
mWsrrtha cari ana #a^N)HM#Mu
ftetnn ricf> desenhd 9 oHW- d
lei, pelopimjeaa yt^M t^60S\
w par Wiaiiiw.
Perde'u-se un rlogio de uro,
jabonete, con earrene, da eeta^ao- i
ite a-ra da Aurora: a pesoa que .
rendo restiiuihk, iari gatifHido. nin m
gr.eurMV^G***,
PiUiUS, TJVTLM l XABOPr
De seperior qualidade da mui accredita-
da fabrica -de Bisquit Dubouch d C, em
co^iac urna das que mais agurdenle de
cognac, forneeem para o oonsummo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just, na ilo
commercie L 5T.
~Tiberm
Vende-se o eMabetaiininto silo no pUeo da Pe-
nna n. 12, cora poneos fundo, e tem eonimodos
para familia : a nwar no iiiegme.
H'ToThaIvMACSitk;!)
\sirope de salsapnrrilhu do Par
ou
DEPtAiTlVO IX) SXOJi.
Usado as molestias de elle, iinpiyens ^lo-
res rhttmmtitas e ulceras venreas.
Rua larga do Rosario n. 10.
, Vergontea de piuho para, tnssiaros, vi
e retrancas, twfas de superior qualidade. Ti:
Verde Pari^ brafleo de-nitro-e pwta, era lat
44 e 38 libras, j prefarad, oleo de linhaeen
barris : no man de deposito da eompaanL.
Pernamburana, no-lnrgo da Assenibla n. 10,
mi
Gnento iiiglez
De primeira qoatdade em barris grandes.
qua se vende- ijjr menos do mw em qual-
quer ohIiw parto* na roa fcarga do Rozari-i
n. 34 botica.____________________
Venu>so utn# machina de costura, nova.
mino bonita, pr j^co muito em costa, por seu
kuM.se remar paaJura, e o xaroqe de curar
molestias no peito ja pronunciadas, vindo do ser-
^ha^^^os^c^a^quedadosca.
BOA PINGA
do Donro
Em casa de Pela Pereirad Stlfa, i ua da Im
peratriz n. 60^ Tendem-se barris de s> e t> con
puro vinho do Doiro, Raran!iodo4e qne nao t;tt
oonfeiii" alguma ; oeste genero o meibor qur
tem vodo a esto mercado, e multo proprio (ai a
asaras hora deraaidn, e teude-so por prero
Vende-se farinha da trra em saceos grande, .razoavel. na loja do Pavao.
t preco muito commodo : na ra da Mwda nu-
mero 47
SICUPIRA
Empregad cantea hi dure* detiraltear-, alTec-
coes gotosaVfi>i4iiiif.secundaria, enjutos do mer-
curio, molestias enronicas da pelle, hydropesia etc.
Ubico deposito botiea do l. de A. Pinto, ra
uuejfee umbxo a. Mt, jutf ao qeartel de po-
FARINHA, DE
MANDIOCA
- Vend-se nm escravo de Idade t2 annos,
Ifura !
ra do
crenlo, para1 todo servico, e i de* benita ftfura
uem profisar dirija-se Fora de Portas-,
fiHr" ii. 4, ott na assoeiaejio dhB praticos
Libras sterlnas
. Precisa-se de urna
eja de boa conducta,
asa do familia : na u
Indar.
{ Vende-se em
Iras stcrlinas,
leiro.
casa de Theodoro Slmoft i O., IH
ouro e preta nocional e estran-
Parina de mandioca.
Vende-sarfrifiba da trra em secoe -andes,
or prefOiMMio coramoo: na ra da ***** mi
tero 47.
^ dtee nfto amarga lf
O bom doce de guiaba
O mais barato possivel
Venham_ freguezos ver
IriMW
iI
?mMMI
ara depoi de jantar
Na travesea do Queimado n. 1 teto- o te
- cozinbar para urna lelo sortimento de doce de guiaba e gelea, e ven-
wa do Vto5o.a. S, wretera ie mti, beeaf d* tu* a onra,-{rt*.: Nter r Vpod
Mte qne .eaie. f autor,
!
s : na
*n* do Wgartfr W, 1* afMSfi escriptorio o>
oaquim Gerardo de. Bastos.
liiiao
Ao commercio,
j As melhores tabellas com indicador nafa de
fromento se conbecer a Hlnaftef* eajMa dbe ae-
igos pesos, para os nos% m* ^a-tlLMifna,
assim como pireiWt n eh imife weon
lente ao neta* tittmut it-.mtm ; aoteUa-s a
mh* de Inventor M, jtetem do
Recoramenda-se principalmente aoedo-
easas de retaJM, plMias. refloacSes, ar-
ms de estiva, de rnftniltowi|itejI'"lM' fWnr
ens, fundieres, TMpjiiii i s Mili njri nprem
iouim
s ste
^^l^tamos, na roa da Cruz "
1


- r<;.
ul


6
Diaria ldt>'PKmibuco Sexta fcfra 30 Je Abril Je 1869.

Grande liquidado de miudezas 1
, Alfonso Moreira Temporal, quorendo liquidar as miudezas ostentes em sua
foja ra do Queimado n. 55, resolveu annunciar as mesmas miudezas, para que o pu-
blico se certifique do diminuto prefo porque as est vendendo, a saber:
Al'Otoaduras para colletes
Lia para bordar (libra) .
Caixa de linha do gaz com 50
uovcllos.......
Frascos com tinta a 100 e
Garrafa com tinta. .
Frascos com banlia a 320, 400,
500 e ......
Frascos cora agua de Colonia
(Piver) a......
Pentes de travessa para meni-
nas a.......
Ditos com chapas de metal a
Novellos de linha com 400jar-
das a .......
Caixa com papel amisade a .
Ditas com 100 envelopes a .
Pc;as de tranca e caracol lisa a
Sa>onetes de todo preco a 80,
ICO e ,. ...
Frseos com oleo babosa a
890, 400 e .....
Pmceis para barba a. .
Tubos ou charaineis para eait-
dieiroa gaz a.....
Pavios para ditos (duzia) a .
Globos para ditos a 1500 e .
Frascos com -agua de Colonia a
iO. 400 e .
Pentes com costas de metal para
penteiar cabellos a .
Ditos pretos para dito a ,
D.ios para tirar piolhos a .
Escovaspara fado a 400, 500 e
Grvalas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e
320
6#S0[)
OO
160
800
B200
I 000
320
400
O
700
500
40
200
500
200

320
200
24000
500
320
240
200
OOO
280
500
pira maos
Lencos brancos
(dusia) a .
Cartcira de marroquim a .
Par de suspensorios para ho-
nans a.......
Frascos com cheiros a 400 e .
Linha de marca, caixa com 16
novellos a......
Meias croas-para homer.s, boa
fazendaa 3;?, 30600,10 e. .
Ditas ditas para meninos a .
Pares de boloes para punbos
(Bonanca) a .....
Peras de fita para debrum de
vestida a......
Rosetas preta para lulo (o par) a
Brincos t. (3 par) a
Linh:i de cor para aliar vestido
(libra) a .
Pomada familia a 160 e .
Baralhos de cartas francesas a
Ditas portuguezas a 120 e
Boloes d'oco para calca a .
Ditos de metal (caixa) a .
Brincos de c6res (par) a .
Liaba para bordar (miadas
grandes) a ......
Bonete de oliado para meninos a
Linha com 200 jardas (duzia i a
Cario com clcheles com 2
ordem a.......
Co(|ues boa fazenda a .
Ditos muito linos a .
Caixa com agulha francesa a
Pecas de babadinhos e entre-
NOVIMDES
DO PASSO
20400
400!
200
500
Ra do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador.
PARA CASAMENTOS, BAILES, THEA-
TROS, etc. etc.
Lindos cortes do blond, conteudo setim,
240 mantas e grinaldas.
Requissimos cortes de sedas assim como
40500 para coyados.
Gurguro branco.
Moireantique branca azul e vijrde.
. Gros-de-naples brancos e de cores.
Setim branco macau.
Selim, branco, azul, verde, &r de rosa
e amarellos.
Fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas san.
Chales de gurgurSo de seda de core.
Camisas bordadas pora homexs.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
. Fronhas de linho bordadas com primor.
Lencos de eambraia de linho bordados.
meios a 500, GOO, 800, fiOO e- ."
lomeo de Jayme, contra, a caspa e a calviee.
320
240
500
100
240
1*000
200
200
160
200
400
120
240
10000
10300
80
10000
2.500
46o
10000
Riquissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodao.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas core.
Alpacas de lindas cores.
Chapelinas de palha da Italia, assim
oemo de seda.
Enfeites para cabeca de senhora.
Espartilhos para senhora.
Meias de laia para padre.
Ditas de 13a
Ditas de seda flo da Escossa e algodao.
para senhoras e meninas.
Lencos de labyrintlw.
Fronhas de labyrintho.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas- eambraia de cores, percales,
Ras, e outros- muitos artigos de gosto e
de alta novidade, isto s-
Na toja do Passerua do Oespo 7 A, esquina da do Imperador.
OLEO DE HOGG
DO
FigadOS freSCOS de temlkm'Rua do Queimado n, 49 loja de
Do xarope Vegetal Americano, especialldade de Bartlio!
34RA LARGADO ROSARIO34
Nao costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei'
xamos que sua applicac3o e os resultados obtidos pelas pessoas que se. dignaran* accefti-
los, lhes deca crdito evoga; porque sao sempre os attestados considerados gratuitos
e delles que lancamo o charlatanismo; mas, nao querendo offender as pessoas qno
espontneamente nos offereceram os que abaixo vio transcriptos, os fazoos publicar
manifestando-lhes nossa gratidao pela attenc3o, esperando que venhi.ni elles corroboran
o conceito, e acceitafao que tem merecido nosso xarope.
Bartholomeu & Q.
ATTESTADOS
Illms. Srs. Bartholomeu C. com a mais subida satisfacao- que declara j
ser o xarope Americano de urna eicacia extraordinaria, pois que solTrendo. ha dias d*i
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamento i
que tomava, a elle recorr e naterceira colher fui alliviado, e de todo me acho hoje res-
lablecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois, esse resultado. man>
festo a Vv. Ss. meu reconhecimeuto.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado.Ma-!
noel Antonio Vicgas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu & CPenuoradissimo com o favor que me fizeraa
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, (piando me aeha,
va bastante doente de urna constipado, que me tornou completamente ronco e qut
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus deveres de cantor t
empreza lvrica, vou agradecer-lhes meu completo restabelecimento, que obtive com un
so vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tratamentos. Desejare
que outros como eu recorram ao seu xarope para se verem alhviados de tao terove
incommodo, to fatal neste paiz. Com maior considerado continuo a ser de Vv. Sa.
attento, venerador e obrigado.Luiz Cremona.
Recife, 25 de setembro de 1868. ... ~ .
Illms. Srs. Bartholomeu & CO xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. teen
Para car certa dcrphli(*a, aflece?** escrofn-
losas; tosse hronfea, ikniueza dos roefnhros e de-
bilidade peral, recomraemto-se a exceitencia dusl j1
oleo anda por ser airradvel no palada*.
ve-se
ms
Pharnad e drogara
DARTH0L9MEIT k C.
34 = Rita larga do fomiio = 34
COMPAIVHIA
Fabrcasele leculorffar a
Fernao "Vt*I:bo.
abaiKo- deparados
golSo de
exposto venda 6 de toda efficacia para o curativo d'asthma, conforme observa apph-
cando-o a meu fliho Joaquim, menor de quatro annos; victmia d'esse flageilo, que aU
ento por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de grandt
nomeada. Queiram, pois, W. Ss. acceitar a expressao altamente sincera de meu reeo
j.hecimento ao meritorio servico quelhe prestaram com o indicado xarope, acreditan
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obrigado.Amcrico Netto de Meadonc
Recife, 2 deoutubro de 1868.__________________________________,, ,
10 MIJITO BARATAS
O superar panno de algodso *sta fabrica mu
vanlajosanmntc-e'inherida nesta pivincia enas de
Pemamlmo, Farahyba Ritde teieiro, jta a
perfeioao dfttefido, elasticidad?e fchlaleza. attnli-
n* a'ser -ndido no cscriptarto i mesraa^eom-
piiihia pra* de Pedro 2 iSMta rid.'ide, casnu-
mero 4.
Afini de en os nuaerosos &inifrantes .atie-
res de engento, bem romo o^senhons ex panado
jires de assucar, \jai> desta roviKia como las
j cima mencienadas, possam aom facilidadi^pro-
ver-se das manufacturas desta- lima, a gareacia
da companiia anniueia que-as ha. a vcKa>BOE'
seguintes lugares :.
Nesfca cidaeno ss escriptrm e tas casa dos
Sr>\ Domingos Jom'- A'Parias d -tose Nune Gt_--
maraes, roa do Coimaercio.
Em Peruunbucona casa bs-Sirs. Olrveira,.Fi-
IIkir A e.
Nfi Pilarem cnsa i Sr. ii< de Albuqnerqae
Mello.
Na Castssii.i Grandaem cosa,do Sr. Nsrberto
Cavalcanti de AllmiiJierque.
Em Gamatagibeaa casa d= _t Joao Vfeira- de
Lima.
Alem i1. panno-apropriado atvensaMonto. do
assucar, a fabrica pessoc mais- unta qualklade- de
panno raviiforte, adoptado ao sistema que ten os
senhores e engenb do novte- da provincia, do
niandarefttdespejarnos trapnbB de Pen_atnlnco
o assucar. que all vaa vender, coaa o q\t& oa sac-
eos servo para.muitas safras.
Para roapa de esoravos ou d* trabalbadores do
campo, para toalhas e lenci'-ft da servido- diario,
lia umaswporior qaalidade de panno de 28 pole
padas de largura, muito forte espesso, parecen
do-se bastante coia meia lona Os precas- sao os
mais mdicos possiveis. Mae9i 30 de marro de
1869.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAQ
nrkrdezas de Jos de Aztvtd Mana e Silva eonhecide'por Jos
Bigvdmho.
Esta (fnenando os fcjetfos
pelo dimiBUto preco, a saber :
i fraseos CMd agaa de Coibma verdadeha a M.
garrafas eom agua Flord verdade*a; qjgtt m ga-
rante a *,$280.
Pentes pan-reparar cabello de meninas a 380 rs.
'Itiesouras muito* finas para un has o costtnras
500 rs.
'Xnteirns ebeios de tinta imiit preta a80,' 100> 16(>
e 400 re.
Varos de franja Iffanca de Habo pa-ra- to&lhas a
160 rs.
Caixas de pl!9spiros deaegnranfa a 20,'40*
160 rs.
Ka-ralbas de robo ie niarfiroe- que s'garansa
qnadade a .
Libra de laa yira bordar a 7]L
Pegas de fita Branca elastic&suhto superior' a 290
m 390 rs.
Neveltes de linha- branca com 400 jaras a 60 r
Resmas de (MfMi de peso liso< muito fin* a 25i>
Lat com snpwior banha a 200 e 400 re.-
saasom seis- frascos de ebeiro DWkto fino
9 880r
Gateas com dece frascos, fazeada s boa a 1J126*
Fraseos con snperiar oleo fi'.arome a 5*0 rs.
Calandras de abao- transparente muito bonito e fi-
no a 240 rs.
Dniia de pao de pomada do Reino, ia melhet
twafida.ie a 24# rs.
Per? d tira bordadas muito finas a. 500,600
OOrs.
Dita de babatabos com dei raras a C90 rs.
CanBeto di; lnfta de todas a cines, para acaba
a20rs.
Ganafas oom agua divina a.lo00.
Frascos -con superior macar perula a 320 rs.
Caisas de v'idro eom doze dlilaes, que s a cai.
vale dinh'ro a 200 rs.
Ditas de n.i.ideira com allicetes, o que- ha de ms-
Ibor a 390 _,
Grcsas de botes de loua, Usos e bordados
lOfcrs.
Gaas redjoadaspara rap emittnndr. tartaruga
1*500,
Peoas de fita para eos da melhor qualidade
Eseoras para Kmpar denes, fazendaie s a vi-
taaSWJrs.
Bitus para Ikupar indias de supero; qualidade a
500 re.
TASSOffiMiaS/
Tem para vender cm eui rmaiens, alm de ou-
tros, os seguintes artigo :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Grave pautado e liso.
Vinhos em caixa de doze garrafas
Bourgogne.
Hery.
Madeira.
Hermitage.
Ghamblis.
Lteor de curaco de Hollanda em caixas devin-
te e quatro botijinhas.
GESSO,
Nosarmazens de Tassolrmios.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens tle Tasso Irmaos
i AIS ?{I mos de ferro
Para ser vicos de grandes armazens, para remo*-
ver barricas ou caixoes de om para outro, lado pela
mdico preco de 12^000 cada *m.
Farinha de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panoniafverdadeira) Fon-
tana e grande sortimeato das memores marcas da
familias americanas.
Saceos de farinha de trigo do
Chile
Todas novas, chegadas- ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano-
Nosarmazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydraralico 12$
O melhor para tudo que sao-obras para agua, co-
mo assentamento de canos de esgbto, algerozes, de*
psito, tanques d'aja, etc., eft.: em por^oes d
cincoento barricas se far redujo no prero : nos
armazens-de Tassolrmios.
Cemento Port'Ind
0 verdaeiro cemenoPortland jmcasa de Ifesso
irmaos.
Grade de ferro, cercas, por-
taras, etc., etc.
De difieren: qualida&s' para ceirados de aniJ
ntaes, chiquei?i>si)ara gallabas ou japdi: uosar-
nasens de Tasso Irmaos.
Bairis com brea
Nos armazens de Tasso fomaos.
CANOS DE BABEO
ama Nova d-Santa Ritav na antiga fabrica de
sabio, bapara vaader por preco o mais mdico
posshei, canos lancezes pava edificares eesgo-
tos detAda a qualidade, superiores a toaos- otrque
aqu tem appareclde pela sua solidez.
PREQOS.
Ij4C*porcano grandde3"-ft meia peilegadas.
1*200 por dito i-e- 2 e tres quartos de dte.
1 ixx* (x>r dito de- 2 e um quorto de (Uta.
500 ris-por pistoleta de 2 poltejradas.
Cotovetls.curvas-c canos de maior gressnra.a
vstase far o preco.- Gooipra maiores de"860#i
tem 5 t r cento de descont por prompto paga-
mento. POde-se ver as amostras nos araraaens
de Tasse-Urmaos.
Tijolos francezes
Para Sidrilhar cas terreas comasseioe pneeos
mdicos, muito convenientes e prtprios paraladVi-
Ihos de eosmhas em 9<>brados, pelo scu asseio e
evitar apassagem de-aguas para>o andar inferior
e mesmo operigodefigo, aos preras de 30*00 a
45000 o iililln'in>: ra ra .Nova-ie Santa Rita, na
antigaf;iJii.-adesabaoyecompras maioresd- 200
se far 5 por cento de dsoonto pee prompto paga-
mento. Podem-sever-a amostra nos arraazeas
.de Tasso Irmaos.
Velas-de esparmaeete verdsdeiras pan lan-
ternas de carros: no armazem de Tasso Irma>sv
Vinbo do Porto-tino superior: no arraazem
de Tassolrmios.
O melhor cognaoGauthier Ifcercs: no arata-
zem de Tasso Irmaos,
Esteiras da India
Em casa de Tasso irmaos reade-se esteirn da
India da diversos padrees e largaras, por pre^o
commodo.
Superiores saias brancas bordadas a 50, 00, 85 c 105000 cada urna.
Ditas de cambria de escocia transparente j feitas a 6(5000 cada urna.
Na loja das Columnas na ra do Crespo n, 13 de Antonia Correa
Vasconcelos & C.
TTTTfTTT
de

Fharmaceutiet
lauread*
Ja
acabaa
0 tratamente das affeccoes chlorotica, lymphaticas ou escrophulosas semp
imo, e mu i tas vezes essas molestias resistem s preparaedes ferruginosas ordi
ir lentis-
inarias. As
rao
indagacSes feitas pelos professores Hannon de BruxeUas, Gensoul e Petrequin de Ly5o e
Berzelius e Trousseau de Pars, tem provado que a causa d'essa persistencia era a completa
ausencia do Manganese, elemento que sempre deve-se-achar nti&angiie junctamente com
o ferro. Estas plalas supprem, pois, na teraputica urna falta importante, e por este
motivo ellas tem merecido a approvacao da Academia de Hedecina e das principaes socie-
Pe
dades medicas. Deposito em
ernambuco, em casa de Mhiw O*.
Illlllll

LOJV
G1LL0 yiGMNTE
ta do < i-s|>o n. 9
Os propietarios d .. j cimento, avm dos moitos obiecfc que tinhatn x-
Remedio por excellencia para, cara rapwIpoetos aapreciacao do respeitare publico, man-
dae complete das coqueluches.. broncnites> | daram vi e acabam de receberpelo ultimo vapor
eatarrhos, tosses convnislvas, e^arros san-
guinos, e outras molestias do peito.
TKKDEH
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartbolomeu de C.
34RA LARGA DO ROSARIO-34
Schonete de alcatrdo*.
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to boa
acceitacSo tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das iiapigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu d* C,
34roa larga do Rosario34.
AO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
Para seohoras.
COQUES da ultima moda, enfeitados e lisos, gran-
de sortimento.
CHAPELINAS de palha da Italia, guarnecidas com
delicados e elegantes enfeites brancos e de cores
CHAPEUSINHOS e gorras de velludo e de pennas
(alta novidada I) de palha da Italia, a emtiacao,
especial sortimento.
CINTOS de edres e pretos, rico sortimemo a ulti-
ma moda. II .
ilAMISAS bordadas por commodos precos.
LENCOS bordados e om letras, novidade neste
genero ,
LEOUES a emitacio de marfim, gosto novo e de
sndalo.
GOLINHAS e pdnhos, a emiuco de guipure.
ENFEITES pretos e de cores para cabeca, lindos
moldes,
GUARNIGO alta npridade a Marie Rose, lti-
mamente osada en Pars.
CORPINHOS de guipure brancos e pretos lindos
modelos.
BORNOUS de lia e seda, cores claras, elegante
moda em Paria.
GRINALDAS de flores Anas.
ESPARTILHOS superiores.
MEIAS suponeros de o de Escocia.
LUVAS ie pelica ebegadaa pelo ultimo vapor.
ADERECOS de coral rerdadeiro e camafeo, gosto
delicado.
BE PALHA
GUARNTCOES para vestidos.
TRANCAS para enfeitas de coques.
BGTOES lisos e com pingentes para vestidos.
CINTOS alta novidade.
FLORES finas, grande sortimento.
GR1NALOAS de ditas paca coques.
LAQOS, fivelas, penacho? para enfeites.
Para horneas.
deli-
CAMISAS com peitos, eclarinhos e punhos
nho fino, lisos e bordados, moda,
COLARINHOSde linho e algodao.
PUNHOS de ditos.
GRAVATAS de todas as qualidades.
BOTES para punhos e guarnieses para coletes.
CORRENTES de plaqu i emittcap do ouro, lin-
do gosto.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
lidade superior. ,_
CHAPEOS de seda, par?, sol.
MEIAS de superior qualidade.
BENGAL1NHAS finas e chicotes.
LUNETAS aro de aoo e tarturaga.
Para crlancas. ,^
VESTUARIOS completos para baptisados.
SAPATINHOS de merino e setim enfeitados.
MEIAS de seda e fio de Escocia.
CHAPEUSINH0S de palha da Italia. .
TOUCAS de fil a setim enfeitidas e de ehroch.
BUNECAS vestidas, multo bonitas e diversos
brinquedos.
Perfumarlas floas.
AGUA FLORIDA verdadeira de Murray & Laa-
man New-YorK.
TOXICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVCA de E. Coudray e superior agua e
esseneia de Colonia.
ESTRATOS e essencias finas e de agradaveis aro-
mas para o lenco.
VINAGRES aromtico! para toilet
POS DE ARROZ para naciar a pelle ; em paco-
tes e ricas caixmnas com arminho.
POS superior para limpar os dentes.
COSMETIQUES de fina qualidade.
SABONETES, grande sortimento deste genero e
de superior qualidade.
LEOS de philocome, baboss. e anrques.
BANHA fina para os cabellos.
AGUA de flores de laranja.
CREME de sabSo para bi-ba.
Caixas preparadas oom -aeriintari; finas.
Miudezas finas.
Macarthy
SUPERIORES filas de grosdenaptes de todas as
cores e larguras de veludo preto e de cores, e
gurguro para cintos.
BABADINHOS e entremeios berdados.
GUARNICOES de seda de cores para enfeites de
vestidos.
TRANCAS pretas com vidrilho e pingentes.
BOTOkS de cores, brancos e pretos com vidrilhos
lisos e eom pingantes.
DEDAES de madi aperla, de marfim, de oco e
metal.
THESOURAS finas para costura e unhas.
CAIVETES fiaos com quatro tolhas. E muitos
outros artigos de miuderas que se torna enfe-.
donho meaciona-los, ,
da Europa um completo e variade sortimento de
finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
to resolvidos a vender, como de sed: costme,
por presos.muito baratinhos o-eommodsspara to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superior Invas de pellica, protas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas c boaitas gollinbas e puahos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais- moderno.
Superiores pentes de tartaruga pana coques.
Lindos e riquissimos enfeites pana, canecas das
Exilias, senhoras.
Superiores trancas pretas e de eres eom vidria
Mws e sem elles; esta fiienda o-quo pode haver
de melhor ornis bonito
Superiores e bonito leques. de madreperola,
marfim, sanilalo e osso, sendo, aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores raeias fio do Escossia para, se-
nhoras, a$ quaes sempre se veoderam por 300O0
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205,
alm desias, temos tambem grande sortinoento de
outras qualidades, entre as quaes algurnas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da nidia e
casto de marlim com lindas e encanladosas figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
Santidade de outras qualidades, como sejam, ma-
ra, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinbos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para me*-
nas de la 12 annos de idado.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas, e de mais a mais sito ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem aseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capeuas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para croxc.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os testos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais eonbecMos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as cqnvulsoes, e
facilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
como > tem acontecido, assim pois podero aquel-
les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deros- collares, e os quaes attendendo-se ao fim
Sara que si applicados, se venderlo com um mui
mnalo lucro.
Rogamos, pois, avista dos cbjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
iPstTLIlAS ASSU AHVDAS
Tudo se vende pbr presos bastante commodos.
i*.
DO
DR. PATERSON
De blsmuth e magnezia.
Remedio por excedencia para combate*
a majjreaa, facilitar a digestao, fortificar
estomago etc. y
DEPOSITO ESPECIAL. *
Pharmacia de Rartholomeu A C.
Roa larga? do Rosario34
Haehlnas de dscaroear algodao.
Hoje que est reermbecido que as machinas de
serrote prejudicam s-quebram a fibra do jlgodao,
preciso recorrer a macliinisao menos spero,
que pcodnzindo o musmo servido que aquellas, e
facilidade no trabalho, nao quebeem a fibrana lia,
para que essa possa obter-nos-mercados enspeos,
a differenca que La entre o algodao des*are?ado
por aquellas mencionadas machinas, que esta fi-
cando em deuzo, pelo prejuizo que tem oausado,
e o da antiga bolaadeira, que nao pode competir
pela.iporosidade de seu trabano. E' assim que
e-i-.s machinas so tornam as mais proprias para o
nosso algodao, porque ao par da faaiiiade e
promptidao conserva a fibra da laa, que Itmpa por
ella, e qualificada na Europa a par daelhor bo-
landeira, valendo assim entre 'A 20 por 0/0
mais do que a laa limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que- ha muito
estao adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
forain inteiramente abandonadas, e por.isso o algo-
dao daquella pro^dencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obiem hoie iIj 10 a' por
0/0 mais do que o nosso : vendem-sa a 150Oad
nos armazens de Tasso Irmaos.
Oleo de amendoas
Em caixas de 8 latos, cada caixa 100 libras-:
nos armazens de TassoIrmos.
Charutos da Havana.
Excellentes charutos da Havana e por baralisi-,
mo preco : em casa de {Tasso Irmaos, ?ua do
Amorim n. 37.
Kelogios ^e ouro.
Belogios de curo de patente com bataneo- de
chsonometro do famigerado actor John Bogers* no
eseviptorio de Tasso Irntes.
Pianos inglezes.
Pianos inglezes do neo conhecido autoc Charles
Cadby, no eecriptorio de Tasso.
Ac de milito*
Nos armaz*ns de Tasso irmaos.
RARRIS DE SALITRE
Nos armazens de Tasso Irmaos. .
CARNAUBA
Vende-so superior cera de carnauba em de
cas, por preco mais barato do que em oirtra quas-
quer parte : na loja do Pavao, ra da Imperatriz
n. 00, do Felbc Pereira da Silva.
A NOVA ESPERABA
21-= Ra di Queiido 21
Advertencia!
A Nova Esperance, a roa do Queimado
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, e como se approxima o tem-
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est resolvida a vender suas mer-
caduras pelo baratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade dos que
tem: assim pois, venham o bons fregue-
zes, e os que nao forem venliam ser fregue-
zes, em tempo lo opportuno quando i
NOVA ESPERANCA convida-os pecnincha-
rem, pois que para comprar-se caro, n3o
falla aonde e aquem...
PARA O MEZ DE MARA
A Nova Esperanca, ruif*do (Queimado
n. ii\ receben pastilhas pna queimar-se
em lugar de insenco, par aromatisar no
oratorio dos devotos do me de Maria.
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Etfe (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter objctos de
gosto e perfeirao, e elft (loja da Nova Es-
peranca) qer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos)
Nova Esperanza roa do Queimado n. 2",
alm do grande sortimento que j tinha,
acaba (ie receber mais o seguinte :
Bonitos broches, pulceirat e brincos de
madreperla.
Papel e envelopes bordado* e mati-
sados.
Papis proprios para enfoitar bollos e
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima1
moda).
Fitas largas-para cinto.
Modernos galles, franjas e tranfas de
seda e de laa, para enfeites de vestidos.
lotes de lodas a cores e incides novos
para o mesmo fim.
Trancas pretas consvidrilbos sondo eom
pengentes e sem'lles.
Botoes pretos-com vidrilhos com pingen-
tes e$f melles.
Jjuva* de jieilica, carrta e exoossia\
Pina meias de-sed* para senhora^e me-
ninos.
Delicados loque de nadreperala; raar-
liai. oseo e faia.
Espnrtilho simr+ e- bordados.
Bengalas de baleia.
Feanteate. um complete sortianento d
mkidezae- ra da-Quoinado n. 21, na
Nova Esranca.
CUn* tmodim^et^Hro-magneti
oos emtra as- comnelces das
craanqer.
Nao resta a menor dlvida, de que muito
coiteres se vendem por aiti intitulados c
verdadeires de Royerv e e porqao moito
pas- de familias nao cree, (comprando-os)
no finito premettids, o que- s podan dar
os verda&iffos ; a Nova Esperanca, pora
que detesta a falsificaolo principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade.
tez urna encemmenda directa destes ellarea -
e garante a6 pais d familias, qu sao o
verdad6res de Rojer* que a tanta crean-
Cas tem salvado do- terrivel1 incr.odo de
convulooes, assiB\nois-> preciso, que ve-
nham a Nova Esperaaf a a ra do Qneimado
n. 21 coprarem e-sal va vida, para sera
filbinkosy antes que eetes sejam acoinmetti-
dos do terrivel mal, quand ento*-ser >
fficil alcancar-se o efeito dtesejado^ embort
sejam empregados os verdadeires coliare
de Boyer.
Para, amilias
Jrandr azar,, ra Xova ns. 30 e
i 2. de (arneire % ianna A fj.
Acaba de cliegaj- a este estabelecimento
grandeporcodsraacninas para costuras do
autor Wheeier "Wlson, approvadas na ulti-
ma exposiro de Paris, as quaes cozena-com
dous posponas tola a costura, e ten a
vantagem de ser to suave o movinento,
que qualquer criaoca de oio anuos fcil-
mente trabalba, e pode, com este entrete-
nimento, levar- vantagem ao servieo diario
de trinta costureiras. A compreheoso
simples, pois em um quarfo de bora se fi-
ca senbor do movimenlo da madiioa, ten-
do a mesnia a propriedade de faaer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar,
franzir, marcar e bordar, coma apresentam
os desenhos qne acom^anham-oas. Os pro
prietarios do estabelecimento se encarrn*
gam de mandar ensinar n'esta cidade, t-
garantem entregar a importe dispendido ao
comprador, no caso, de nao trabalhar com
perfeicao a machiaa vendida, nao taido,
porm, soffrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabelecimento machinas
do autor Grower & Baker, de trabalbo sim-
plesmente mo, e outras com movimente
dos ps; e mxime todos os pertcnces das
mesmas machinas, para vender avtdso.
Tintura japoneza
cabellos
os
e a
GENEBRAS.
Vende-se genebra de Hollanda a mais
pura, christalina e de excediente palladar
que tem apparecido no mercado, em boti-
jas e frascos.
Genebra de laranja, superior e verdadei-
ra de Feckee.
Genebra de lima superior, nunca vista
neste mercado, de delicioso paladar e re-
frigerante ; excellente para a estaco cal-
mosa : no deposito da ra do Lma n. 30,
em Santo Amaro, nico lugar onde a en-
contrarao pura perfeitamente fabricada.
Os precos destas genebras sao incontesta-
velmente mais baratos que em qualquer
outra parte.
Instantnea para Ungir
barba, a 1)5000 o frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
A venda em casa de Gustavo IJervelin n.
5!. roa da Cadeia n. 51.
I.IZ GAZ CAZ
. Chegou ao antigo deposito de Henry Forster *
C, ra do Imperador, um carref amento de gai
de primeirafraalidade; oqual se vende em partidas
e a retalho por menos preep do que em outra qual-
quer parte. w.
FUNDICAO DOBOWMAN
Ra do Brum n. &.
'i
CUBA DOS GALLOS.
1 MU i \TI '
"ornan" galoupemn.
\*i Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo & C.
34-Rua largt do Rosario*i|i
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna. ->i m
Taixos de ferro, batido fundida.
Rodas dentadas, para moer con agoa;
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucar.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro*
pt ios para i agricnltara.___________________
IfVffts duqueza
A nova Esteranca ra do Queimado n. 51 ea*
ba de receber por este ultimo vapor lavas de Jou
vin. duqueza, brancas, pretas e de. confinan
boiflfijis e senhoras; a ellas, antes que '
k



s.
<
*\


.>*


7
I

> r

v-
t
1
GRANDE LIQIDACO
A DINHEIRO NA LOJA E ARIMZEM
DO -^
8(Datoa g>& uiaipaiaiwaiaa*
DE
Flix Per eir da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tem defazendas, tanto da moda como
de le, e as pessoas que negociam em pequea escalla, tanto da pra^a como do matto-
netta casa poderao fazer os seus sortimcntos cm pequeas e grandes porcSes, venaeR-
do-so-Ihes pelos precos que se compram as casas inglesas ; assjm COfflo as excellenus,
cimas familias, poderlo mandar buscar as amostras de todas as mondas, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeires, para o que acha-se este estabelecimen-
to aberto constantemente desde s 6 boras ja manhaa s 9 da noute.
O atoafhado do Pavao. AS CAMBRAIAS DO PAVO
Yende-se superior atoalhado de algodao
eom 8 palmos de largura, adamascado a
2*200 a vara-; dito de linho fazenda muite
aperior a 31200 a vara ; guardanapos de
finho adamascados a 40800 a duzia e mnito
finos a 8 a duzia.
Vnstes para vestidos forneos
mm.
Vendem-se os maismodernosfustoes fran-
cos flexiveis com pedrbes de listas e de
lpicos proprios para vestidos e roupas de
menino a 640 rs. o covado, na loja e arma-
xein da Pavo ra da Imperatrizn. 60, de
Flix Pereira da Silva.
BABADINHOS
Veadem-se finissimos babadinhes, tiras
bordadas e ntremelos, mais baratos do que
em oatra quaquer parte, assim como espar-
tilhos dos mais modernos, no arraazem de
Flix Pereira da Suva, ra da Imperatriz
ALTA NOVIDADE
A LOJA DO PAVO
Gurgurao de seda
Chegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos gurguroes de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos e lavradinhos, com muito
lustro, garantindo-se que a fazenda mais
linda e de maisphantasia que este anuo tem
obegado a este mercado, e vende-se por
preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
CAMBRAIA BRANCA A 30500.
Vende-se pecas de cambraia branca
transparente, com 8 meia varas pelo ba-
rato preco de 3 $506, ditas muito Anas tanto
tapadas como transparentes 4#500, 5#000,
64500, 75000 e 85000, assim como organ-
d muito fino tanto lizo, como de betas e
quadros na loja e armazem do Pavo ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
ALPACAS LAVRADAS PARA LUCTO.
Vende-se na loja do n\lo, as mais mo-
dernas alpacas lavradas paca ludo, sendo
muitolargasepelo barato preco de800rs. o
covado, s na loja e armazem do Pavao, ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
Cassas inglezas a 4-iO rs o metro
Vende-se urna grande porgo de bonitas
cassas inglezas tanto fraudas como miudi-
.nhas edecres-fitas pelo barato preco de
4fff?r_01!lStTO,garentndo-se que 7 metros,
do um vestido para quaquer Sra. s na
ioja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de
Fei Pereira da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A 55000.
Vendem-se colchas de fusto adamasca-
das para cama, pelo barato preco de 55,
grande pechinclia, na loja e armazem do
Pavlo, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
COBERTORES INGLEZES A 45: 45500 E 55-
Vendem-se os verdadeiros cobertores
inglezes, de pura la, pelo barato preco
deiiJ, 45500 e55, assim como colchas de
fusto de cores, pelo barato preco de 35, na
loja e armazem do Pv5o. ra da Impera-
triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Madapolo enfestado a 8$500
Vende-se superior madapolo enfestado,
sendo muito encorpado, para carnizas, e
tendo cada peca 24 jardas, pelo baratissi-
mo preco de 85500, na loja e armazem do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
CHAPEUKAS
ULTIMA MODA
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas e mais modernas etiapelinas rica-
mente enfeitadas, com enfeites e fitas de
setim e de todas as cores e com ricos bicos
de blond e as mais lindas e finas flores,
vendendo-se cada urna pelo barato preco de
155000, garantindo-se serem muito "mais
bonitas do que outras que se vendem em
outras partes a 205 e 255, e entre ellas
ba mais do que um modello, tambem tem
muitas de pratinbo, proprias para mocas e
meninas, isto na ra da Imperatriz n. 60
loja do Pavo, de Flix Pereira da Silva.
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVAO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Vendem-se finissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas coma suis-
sas tendo mais do vara de largura, pelos
precos de 55000 at 105000 a peca, assim
come finissimos organdys branco liso que
serve para vestido:; de bailes, por ser muito
transparente a 1$000, a vara, na -loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Alpacaslavradas
Chegaram pelo ultimo vapor asiaais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
ceres, que se^endema 15000, o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de canna a
800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:200,
a covado, e outras muitas fazendas de gosto
e moda que e vendem mais barato do
que em outra gualquer parte, no armazem
do Pavo, ra da Imperatrizn. 60. de Flix
Pereira da Silva.
Konpas para hornean
Vendem-se-superiores pahtts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas inglezas c francezas coro os peitos
de esguiio, ceroulas francezas de linho e al-
godo, meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e de meia de la, assim
como neste estabelecimento existe um grande]
sortimento deepannos pretos, e de casemiras
inglezas de cores, e que se manda fazer
quaquer obra a contento dos Srs. fregue-
zcs, e promette-se-lhes que serio servidos
com a maior promptido e muito mais ba-
rato do que em outra quaquer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Yende-se um grande sortimento dos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas-e para janellas, que se ven-
dem a 125000 re. cada par at 255000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
Cretone para lenqes com 10
palmos de largura a 2$,
Acaba de chegar esta nova e excellente
fazenda branca propria para lences de um
s panno, garantindo-se que um metro e
urna quarta ou um metro e meio d um
excellente lencol de um s panno, assim
como esta boa fazenda tambem muito
propria para toalhas de meza, rosto etc. e
outros mysteres e vende-se pelo baratissi-
mo preco de 25 cada metro.
MOZAMBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Chegou para a loja do Pavo um elegante
sortimento dos mais bonitos mocambiques
proprios para vestidos com as cores mais
modernas e que se vendem pelo barato
preco de 500 rs. o covado.
ALPACO DE CORDO PARA VESTIDO A 13
Chegou esta nova fazenda com o nome
de alpacao, sendo de cordo e com mais
largura do que a alpaca, com as mais lindas
cores, como sejam Bismark, lyrio, perolas,
roxo, cor de canna, magenta etc. e vende-
se pelo baratissimo preco de 15 o covado.
ESGUIO DE LINHO DE 12 JARDAS A 10.
Vende-se pecas de esguio de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada pega, a
105000.
NOVIDADE
A
Loja do Pavo.
GURGUROES PARA VESTIDOS A 15000,
O COVADO.
Chegaram os mais moderaos gurguroes
para vestidos, sendo de todas as cores, como
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
rxo A & ten'do quasi quatro palmos de lar-
gura e vende-se pelo baratissimo prego
de 15000, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na ra da
Imperatriz n. 60.
Cirosdcnaples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
Ihores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de 25000 rs. o
covado at 45000 rs. garantindo-se que
n'este genero ninguein tem melhor fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
quaquer parte, na ra da Imperatriz n. 60,
de Flix Pereira da Silva.
A 25, OS BALES DO PAVO.
Vendem-se superiores baloes america-
nos de trinta a quarenta arcos, tendo as fi-
tas bastante largas, sendo muito fcil trans-
forma-los para outro quaquer povo modelo,
e liquidam-se pelo barato prego de 25 cada
Diario de Peruambuco Sexta feira 30 de Abril de
ROUPAS FEITAS
Na loja do Leo da porta larga
PAREDES PORTO.
Ra da imperatriz n. 52, h' aloja deourives.
N'este estabelecimento se encontrar m .i Imperatriz n. 52, loja do Paredes
sempre um completo sortimento de ronpis \r
feitas de todas as qualidades. Como h-
jam: paletots de alpaca, de merino,<
casemira, bombains de panno preto, IV -
ques e sobnJcasacos de bros de corfs e
pardos.
CAMISAS E SIROULAS.
ste estabelecimento encontrar o respei-
' 'el publico um completo sortimento de
uzeadas e roupas que, se vende pSlos pre-
cos seguintes:
FAZENDAS BRANCAS,
Madapolo de diversas qualidades e pre-
Encontrar sempre o respeitavel publico eos commodos, cambraia de 35500 411500
um bonito sortimento de todos osnuaeros. ,*#, ditas victorias de 55500 a 125, pecas
MEIAS CRUAS. de cassa liza o mais fino que ha no erca-
Sortimento de todas as qualidades, de
35 a 55, assim como tambem sortimento
de lencos de linho brincos e cem barras
de cor, chinezes, bonitas grvalas pretas e
de cores. Ra da Imperatriz b. 52, por-
ta larga.
PARA ACABAR.
Urna grande poroao de calcas ordinarias
paro trabalho 646 800 rs. sda um par,
pechincha na loja do Leo junto a loja de
owrives.
GRANDE PECHINCHA,
Cassas he cores a 160 rs. o covado, na
160 RES 0 C0VA80
do a 95, 105, 18& com 12 varas, vara
4e largura
SEDAS DE USTRAS.
Recebeu-se -um bonito sortimento d'esta
fazenda que se vende a 25500 o covado.
CHITAS.
Vende-se dhHas escuras a 28, 300, e
320 rs. o covado.
GUARDANAPOS
Vende-se esta fazenda de linhe, fazenda
boa a 45GOO e 55000 a duzia.
MBIAS PARA HOMEW
Sortimento ^e meias inglezas para ho-
Chita prS ^ratT^ de 160 -o \ *** "ffig08 teeDda ^
Sortimento de toalhas de pdhicia a 115
a duzia.
ovado na ra da Imperatriz a. 52 na loja
CTie tem um La pintado.
PAJNO DE LINHO
Paredes Porto recebeu um sortimento-da
pannos de linhe, com 27 varas a peca e
175000 e 185600, na ra da Imperatri&n. ,
"52,junto a loja de ouiives de porta larga,de
Paredes Porto.
LENCOS DE LINHO
Vende-se lencos brancos- fle linho a 3-5,
a duzia para acabar na loja de Paredes Por-
to. Ra da Imperatriz n. 2 loja da porta
LENGOS BRANCOS a 35200
Para acabar lencos de algo*o a 25260
25000
Vara de bramante de linho superior e
tem 10 palmes de largo.
CALCAS E COLETES.
Tem sempre no mesmo sentido um sor-
larga que tem um Leo pintado, de Paredes tmenlo completo a preco cemmodo.
Jtorto. I
No amezem do Leao, ra da Imperatriz n. e 52, junto a loja d ounves.
11--RUA DO QUEINAD0--11
AUGUSTO PORTO & C.
Receberam superiores vestidos de bload com manta e capella para noivas, que
vendem-se por precos mais mdicos do que era quaquer outra parte.
SABIDAS DE RAILEde cachemira branca e de cores o que ha de mais lindo.
PASQUINESde renda preta, e de gorgurSo preto, o que ha de mais
elegante. ,
CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
BALESbrancos e de cores para senboras e meninas, espartilhos, saias bor-
dadas, e saias de la com barras de cor.
GORGURAOde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
tique branco, e grosdenaple branco, de cores e preta, princezas, bombazinas pretas,
alpacas de muitas cores., e lindos cortinados bordados. ...
CAMIZASde linho para hornera de diversas qualidades, camisas bordadas
para noivos, sobretudos, capas de borracha brancas e pretas, brim de cores e branco,
panos finos e casemiras pretas e de cor por commodos precos.
TAPETESgrandes e pequeos para sof e cama, tapete e alcatifas em pecas
para sallas, e continuam sempre a vender por mdicos precos as esteiba da india para
SALLAS.
ALTA
Acha-se este grande estabelecimento com- Um, sendo fazenda que sempre se venden
pletamente sortido das melhores roupas, a 75 e 85, isto na loja e armazem do Pa-
sendo calcas patots e colotes de casemira, V50> rua a imperatriz n. 60. De Flix
de panno, de brim, de alpaca, c de todas pereira da Silva,
as mais fazendas que os compradores pos-, ^ j oo varas a 5o rs
sam desejar, assim como na mesma loja Vendem-se as verdadeiras cambraias
tem um bello sortimento de pannos caserai- franCtza3 com 1ndos dr5eg COres fix
WiT^Si"rL;e.^3nJSm ^P3038 e transparentes, pelo barato
quaquer peca de obra, com a ma.or promp- d ^ J ^
tjdao vontade do freguez, e nao sendo ^ d f ^ d
obngados a acceita-las, quando no stejam d ?e ^ e liquidam-
completamente ao seu contento, assim como "c"u; Srtn nwn ^r m ir fSn
vasto estabelecimento encontrar o M por 6ste tarat0 p,6C' por M tr fe,t0
n'este
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
linho e al^jauo e outros muilos artigos
proprio para homens e senboras promet-
teado-se-lhe muito mais barato do que em
ontra quaquer parte. Na rua triz n. 60. loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
RETALBOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVO.
urna avultada compra, na loja e armazem
do Pavjto, rua da imperatriz. n. 60. De
Flix Pereira da Silva.
1 DE
CASEWRAS DE CORES NA LOJA DO
PAVAO
Chegaram nas casemiras de cores proprias para calcas
soletes e patots, tendo at das mais finas
Vende-se urna grande quntidade de re- que tem vindo ao mercado com fios de. seda
talhos de chitas e cassas pretas por preco e vende-se mais barato do que em outra
moito baram, equanto meior (Ora porcao qualqoer parte, por haver grande sortimen-,
que o fregu comprar, mais barato se lho to de Vanos precos, na loja e armazem do
tender na ruada imperatriw. 60 de Fe- Pato, rua falkkmw n. 6h, de Flix
UxPreira*iva. Pereira ta SHvaT^
rtmiam*..
S236?
[RGR^
6u
'S&r** .

A 60 $UtMA2e
NOVO EXPLENDIDO SORTIMNTO
Agua-florida de Guis-
lain
Tintura indelevel paratingir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem conceiluada agua-flerida de Guis-
lain que ento era desionhecida em Per-
aambuco, j hoje estimada e procurada
por seo eficaz resultado, e anda mais se-
r, quando a noticia de seu bom efeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislain composta ni-
camente de vegetaes inoffensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
cos, e lhes restituir o brilha perdido, e as-
sim "como preservar de embranqoecer, sem
ser prejudicial de modo algum
E' porm necessario fazer conhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
oas tal vez sopponham, miis sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o fim desejado, como bem
provam testemunhos de pessoas insuspei-
tas, e d'entSo por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser ferta em
outra qnalquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
rua do Queimado n. 8,
A Aguia Branca, contando com a protec-
(2o de sua boa fregnezia, tambem capricha
em n5o lb'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
a honram, e em pro va a o que fica dito, da
como exemplo 40 explenado sortimento
aue acaba de receber, airida mesnw achan-
Ditos com ditas de velludo, outros imi-
tando charlo machetado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guarnicao, dourada ou prateada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
todos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerrante de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodao, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torcal, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, mulheres e
meninos.
GoHmbas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios finos tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita. .
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para creancas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cesnhas bordadas a roco, e lisas.
Delicadas caixinha devidro enfeitadas
com pedias, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
o-se bellamente provida do que de bom, Piaseis ou bunecas para poz de arroz
e melhor se pode desejar nos genero que
sao de sua competencia. ,
Haja vista aos ne-cessaries livros de missa
e oraco, obras de apurado gosto e pertoi-
cao, sendo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto releve-
Ditos com ditas de martm igualmente
bonitos.
Novos e delicados ramos de flores com
marra fes para afeitar coques.
Bello sortimento de trangas de palha.
Fitas largas para cintos.
Ciatos de. filas largas eom bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de maraperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonitas.
O cordeiro previdente
lina da Queimado n. A.
tfvo e variado sortimento de perfumaras
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que electivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela vaiiedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
cos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciafo
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao so afas-
tando elle de sua bem conhecida mansido
e barateza. Em dita loja encontrarlo os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Laminan.
* Dita de Cologne inglesa, americana, fran-
ceza, tedas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa
Bita dos Alpes, e vilete para teilet.
Elixir odontalgico para conservaco do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
}e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do inoeagradavelchei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de dif-
ferentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos eem figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfum iras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
bem de perfmalas linas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de

Alegrai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortimento de
oculos, lunetas, pince-nez, face--main,
lorgnOM, de miro, prata, tartaruga, mni-
lim, ac, bfalo, ncar, unicornio e mel-
chior; assim como binculos de urna a tres
mudancas pura thealro, campo e marinha,
da iiliiina invencao; duquezas, vienezas de o'
8el2vidros, tudo dos melhores fabii-
cantes da Europa.
O mesmo vapor tro u-
xc urna excellente ma-
china para graduar e
observar o numero dos
vidros que se necessita
conforme a vista de
quaquer pessoa.
Tem excellentes sterioscopos, instrumen-
tos de matheniatica, barmetros, vidros de
chrystal do rocha, e de cores para resguar-
dar a vista; concerla todos os objectos a
pregos commodos c com promptidSo ; tira
o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
encommenda relativa a ptica.
Recebeu tambem os excellentes relogios
do antigo c afamado fabricante fobert Gertk
& C, os quaes vende precos commodos
garantindo a sun superior qualidade.
IilTRO \0% 'O
PARA
O MEZ DE MAMA
Acabam de sabir luz e acham-sc ven-
da na livraria francesa.
OS CNTICOS E RVKOS DEVOTOS
PARA
romos \ molde^ov.s.clc^les.c.c.pd^rozrj ||fj fj MARlA
Especial p de arroz sem composiclo de
cheiro, e por isso o mais proprio para enan-
cas.
Opiata ingleza e francezapara dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambem para dentes. -
Tnico oriental deKemp.
Anda mais coqnes.
Um outro sortimentos de coques de no-
vse bonitos moldes com filetsde vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
esto todos expostos api eciacao de quem
os pretenda comprar.
GOLMNHAS E PU.NHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Flvellas e Otas para luios.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLOBES FINAS
O que de melhor se pode encontrarnes se
genero, sobresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para viagem.
Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
precos commodos.
Chapelinas de palha da Italia mui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
rao presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a rua do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS.
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente rua do Queima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques- etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidade de precos.
ALEM D'AQUELLES.
Becebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de galles de la, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va
riedade do gostos os tornam recommenda-
dos e apreciados; compareci pois os pre-
tenden tes que sero servidos a contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimenlo de bicos c rendas de
guepure.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homen-
como para senhoras, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
rua do Queimado n. 16.
Um volume nitidamerte impresso era
Paris.
Quadeinado de couro. I>>6(H)
Encaderoacao de mar-
roquim domado.......25500
Capsulas de Raquim
Os bons cfTeito* dcstas capsulas para fazer ee*-
sir nsgonorrhen* acham-se comprovadas pelas
experiencias de muitos anuos.
Os mdicos de todos os paizes as recotnmeniiaw
pela sua effleacia.
VENDE-SE
NA
Pharmacia e drogara
DE
BARTHOLOME & C.
Ru3ia larga do RosarioJU
Barato que admira.
Hanteiga ingleza flora iMOO a libra, dita fran-
ceza al*, cha miudo a 3J100, dito graudo a 3.
caf a 420 rs., sabao a 180, alpista a 240, arroz a
100 n., passas a 4i0, dem quartos com 6 libras
por 2200, vinho a 400 rs. a garrafa, azeitc doce
de Lisboa a 900 rs., caixinhas com amoixas, pas-
sas, figos e pe as, proprias para mimos a 15600.
latas eom doce a 500 rs. : s na esquina da ru
daPenha n. 8.
Vendem Augusto F. de Olivara & C. rua de
Commercio, n. 42.
ESCRAVOS FUGIEGS.
1008 de graliGt'ai'o
Fugio no dia 11 de Janeiro do corrente annr.,
do engenbo Ralaura, freguezia da focada, o <*-
cravo preto, rrioulo, de 24annos ,de idade, cha-
mado Marcelino, que foi do Sr. Joo da Cnaha
Pereira, cujo eseravo esleve no deposito geral. t>
tem os signaes seguintes : alto, serco do nw] fl'
rostomuilni.-iicado de beiigas, falta de dent-s
ua frente, cor preta, sabio de chapeo do efaile, pa-
leto! c calca de castor, levando um bahuzinho iJe
tlndres com mais roupa, e sUpp9e-M estar ni
fregnezia do Cabo : quem o apprehender. k
ao dito engenbo, ou rua da Sen ala-nova n
escri[)torio do Sr. Bernardiuo I'ontual, que
befa a gralifieacao cima.
Fugio de bordo d palhaboie nacional Ani-t-
ro. um mulato claro de nome Justino, estatura re-
gular, cbelos carapinbados e meios ruives. p ni a
barba, tem tuna pinta preta no canto do olho direi-
to e um ralbo as costas ao mesmo lado, levos
vestido Camisa de chita com listas verdes, e n.<*
de urna cinta com borla encarnada para apenar
as ealsas, natural de Santa Anna do Matto na
provincia do Rio Grande do Norte, para onde tatv^s
queira ir, c taml>ein muito desemh iracado no fal-
lar. Recommenda-se aos mestres de barr -. i a
a quaquer pessoa que o agarrar, e levar a na
do Trapiche n. 4 ou a Ixirdo do referido navio ..
ser generosamente gratificado.
OU^OO.
XAROPE PB1T0RAL BRASILEIRO
t DE
POMTA DEEMB A IB 1
CiIMPOSTO E PBIPABADO
Pelo pharmacentlco
Jos da Cruz Santos.
Esta planta cujas virtudes medicinaes
existiam descohecidas para a maior parte
dos nossos facultativos, devendg-se a sua
descoberta ao uso 'que d'elle faziam os
nossos indgenas quo menoscabavam com
a sua applicago de todos os soffnmento
pulmonares, hoje conhecido como o me-
dicamento mais eficaz para a cura de as-
thma, bronchite, coqueluche, penemonia.
e at a phtysica, produzndo um efeito mi-
lagroso e prompto.
. Para um adulto 3 4 colheres de sope
ao dia puro ou em cosimento peitoral.
Criancas, 3 4 colheres de cha.
Prego 2d000 o frasco.
Pernarnbuco, rua Nova botica n. 51,
Cera de carnauba
Vende-se na rua do Queimado n. 13, primeirc
andar.
Fugio do engenho Poco, freguezia de Ag-
a, na noite de domingo^ 18 do crrente, para
amanbecer de segunda-feira 19 do meMin>.
cravo Benedicto, qne f>i o mprado po R^cfe a
Sr. Amonio Jos Vieira de Souza no dia 7 d i ,ibnl
do correnle mez, enjo esciavo tem h ligan % m
guildes: crioulo, di- 32 asnos de idade. rr
allura regular, corpo regnlar, testa mnito carnu-
da, rusto um pouco d( -.-a/uado, nariz afilado.;
'ca barba, falla de dentes, ps e mos bem 1
chapeo do Che-j velho ou bonet, bua camisa .:e
madapolo do prega larga on de algndio hr
levando a rcupa dentro de um sarro ja Trlho,
qual deve ter a marcaPoco: qma o perv
leve-o ao engenho cima a i n .enix.r, on na riia
da Praia a Genuino Jos da Rosa, qu receber
100 de gralifieacao. Dweeafia-M ter Un para
Porto Calvo, donde era escraro de Fraariseo T4*-
gueira Casiello Rranco.
Tendo desapiiarcids^MmjLilo/t-ier r ^
idade 30 annos, soffrendo de aaemia (frialdad*),
com os signaes seguintes : cabello estirad*, atora)
regular, cheio do corpo, ten o dedo do pe direto
afastado dos outros dedos, falla mansa: coa
consta quo est aroulado, desde j proMta
contra (pialquer pessoa que o terina en sra jo-
der : quem o pegar lere pfcanraria to Piwa.,
qne gratificar, ou rua de Santa Rita o. II
ESCRAVO FGIDO
Ausentou-so no dia 21 de abril do
rente, o eseravo Andr, de cor prela f
com "ii anuos de idade, natural do Porio
de Pedra, com pouca barba, e de altan re-
gular, tendo as costas do lado esoKrdo
urna cicatriz, levou caira de algodio sal
e camisa, mas a camisa tem listas branca;,
chapeo preto de fellro copa baia. o esera-
vo foi comprado ao senbor do engenbo to
Batalha.liuo Manoel de. Ca4ro Araojc.
quem o aprehender levo a F.a de Portas,
rua do Pilar n. 14, que seri'i
te recompensado.
v|ndo ultiman
Joaqoim Jos
che n. 17.

ra>
oflteiai de ferreire,
no escriptono de
\ i rua do Trapi-
Rocommeato-se a eapaun d< e>rn^'l
gilio, que do- dia 12 de Janeiro fu* o de bordo
vapor Guar, no porto aerta, riftt- *to '
naes seguiMes : mato,
boa dentadura, e boaa oaVial .de >
quem o capturar poda-o torefar Mpl
Sr. Francflie IgnacioJWa ro*. da nrm
no Cear n eidade da F*rto>za v se^
teneat -oerwiel Antn* rtoinf*
que pagar fenertuaBWle a !""


J



8
^Wjrio^.d Pern^nhuco SeyUt feira 30 de Alfil, de }S$f.
^z:
l
LHTERATUSA.
O bispo de Peraantfene*
E
OS N0V08 HEKOIOJ AORES
! '
A questin suscitada e amplamente dis-
culi 11 nesta provincia, por cauja da de-
negic) val Abren e tfnw. tom sido debatida na
corte onde o Sr. Dr. Heorique do Reg
Barros piihlieo dous artigos, censurando
speramente o nosso prelado diocesano.
S porqueras blasphemias e heresias,
que ojeasionaram per tim a interdicclo do
general Abreu e Lira, foram proferidas
por elle ni discusso que sustentou com um
membro do partido conservador (que se
refutou cabalmente); oceuparam-se todos
osjoraaes da opposicito em censurar o vir-
tuoso prelado, a quem attribuem sentimon-
tos mesquinhos; e envolveram com a po-
ltica urna quesllo puramente religiosa.
A lingnagem desabrida e injuriosa enfpre-
gada oralmente por aquelles que toem
escriplo contra o Sr. D. Francisco Cardoso
Ayres nos havia arredado da discusso.
Outra razo milito valiosa influio em nosso
animo, e. a ser desagrada ve I o fallar dos
erros de urna pessoa fallecida.
Mas observando essa repugnancia _em lo-
dos os seus antagonistas, e a delicadesa
excessva com que estes se referiam aos
motivos da decislo episcopal; foram os li-
beraos se animando a contestar aquillo mes-
mo queconfessavam, ou que nao ousavam
negar, e assim buscaran collocar-se cm
mellior terreno.
A- principio pediam que se nao aprecas-
sem os escriptos do general Abreu e Lima,
pois nao havia necessidade disso para se
resolver a questlo. Concedemos por hy-
pothese, dizia o Liberal n. 52, e s pela
necessidade da argumentarlo, que o Ilus-
tre general commetteu erros e desviou-se
em vida de alguns principios cardeaes da
nossa santa religio. O que se quera sa-
ber scelle deraem algum momento sig-
naos de arrependimunto.
Mas depois comecaram a dizer que o
general Abreu eLima foi sempre um lilho
obediente igreja, c que nunca cscreveu
contra as verdades que ella ensina.
Da referencia vaga religiosidade e or-
thodoxa do mesmo general passaram as-
severacio formal de que elle, em seus es-
criptos, vio atacan a nenhum dos dogmas da
religio catholica apostlica romana, como
diz Sr. Dr. Henrique do Reg Barros, no
Jornal do Coinimrcio n. 8It, procurando
mostrar que a religio catholica s tem dous
dogmas, a existencia de Deus e a immor-
talidade da alma I Emfim j nao mais a
simples negaclo de que o general Abreu e
Lima tivesse commeitidn heresias, a apo-
tneose de seus principios, a exaltaco fre-
ntica das mesmas heresias! A Idea L-be-
ral n. II diz o seguinte:
A existencia do general Abreu e Lima
i foi til a todos os respetos; e a pagina
mais brilhante da vida desse distinti per-
s iambucano por sem duvida o papel,
que elle desempenbou como camplo de-
nodado contra a hipocresa, a crassa
n estupidez, a especular-o e os anachroni-
eos proconceiUt e privilegios, que por
desgraca da nossa Ierra ressuscitam valen-
tes, atrazandoeste povo, e plantando um
dominio absMuto sobre a razo humana
nesta epocha de civilisaco, em que a
c philosophia, as luaes do seculo e o ver-
il dadetro caihoUmmo nicamente devem
i imperar.
Grandes servicos prestou em tal causa
o distinctogenrale Deusqueiraque para
bemda mrdaeira religio cutliolica ap-
pareen continuadores da misso por elle
11) nobremente encetada.
Santo Dausl O general Abreu e Lima
constitaio-se apostlo do protestantismo,
como diz um jornal da corte; sustentou os
principios da seita protestante; foi por ella
sm toilos os pontos de divergencia em que
s' ada com a seita calholica (como elle'di-
zia); tomando asi a tarefa de corregir
crenca, o cuito exterior e a disciplina (pri-
in iro artigo da reforma protestante): prin-
cipiou dizendo que um protestante to
cliristlo, sendo moti, que qualqucr de nos,
e acabou contestando as verdades mais san-
ias do eatholrismo: a bondadede Dens de
Moyss; o purgatorio: os santos; o culto das
imagens; a incorruptibihdade, e existencia
no cu do corpo de N. S. Jess Christo,
a autoridade decente da igreja; e at por
fim (quando j se a chava em seu leito de
dor a despedf"*e da vida) a Santissima
I'iindade !!
pedir o ;llt0 tlo C1T0?
de quem nao mais dste mon>, JMS
quando se procura reerge los em" rroife
do povo e para o povo; quando se faz a po-
those da impiedade, e se preparamcunti-
nmdores da missio enceMttr preciso
combate-Ios antes que se nwrllipTlqeem e
robustecam.
Nao por defender o virtuoso prelado,,
que j est sobejamente defendido ; nem
por vingar um Ilustre amigo dos remoques
e insinnacjs desloaos da imprensa liberal:
a ainda menos pelo gosto de tomar parte
em urna discussao desagradavel,> que va-
mos escrever: mas porque conhecomos o
nal que se est provocando cora a memo-
ria e os escriptos do general Abreu e Lima.
Tambera conbecemoe o flm dos provo-
cadores. Assim como a anarchia traza iin-
piedade, assim tambem a impiedade traz a
a anarchia; incontestavel a estreita affni-
dade destos dous males.
Quando se faz o elogio das maiores be-
resias que se teem dito em portuguei, e
sao recoinmendadas como constituindo a
verdadeira religio catholica (que o ,
segundo os nossos adversarios, a do Sr.
D. Francisco e de Po IX); quando sedSz
que o general Abreu o Lima foi um deno-
dado campeao contra a hypocresia, a crassa
estupidez, a specnlac-o e os anackromos
preconceitos /quando se escreveno Demcra-
ta Permmbucano que o bispo de Pernambuco
nm impostor e opadre]protestante um justo,
e que procurou-se mostrar a verdade da r -
ligio protestante; quando a redaeco do
raesm jornal declara solemnemente que re-
nuncia sepultura ecclesiastica, e pede ao
Sr..bispo quemando tomar por termo se-
melhante renuncia; quando se diz que, se
a tolerancia e a caridade j sao s gundo a
opinio do Sr. bispo, palavras vaos e let-
tra mora na religio do Crucificado, nao es-
loo ellas felizmente banidas da biblia ios
protestantes: o que nao dirao contra nos e
o nosso escripto?!
Sabemos o que nos espera.
J dissemos que a linguagem dos nossos
contrarios tem sido desabrida e insultuosa.
A Opiniao Nacional n. 87 aprecia leste
modo o acto do Sr. D. Francisco Cardoso
Ayres:
E assim, apaixonadameute, pharisaica-
mente, jesuticamente, foi enchotado como
3 o cadver de um cao, que devesse ser-
vir dS pasto aos corvos, o corpo de um
pernambucano Ilustre, o corpo de urna
creatura de Deus!
to do Sr. bispo diocesano prohibir que Infelizmente nSo nos podemos conformar
* o ceiniterio-publico,' /Mptrar | corpob#st| uffilocoto wctdimento de S. Exc;
< inanimado a^J|reMaiiiuo... 0^po\dJerairts)/^sfumprefazerjustica
odio e a injosljcj d
ram denegrir e infamar a memoria
Iitterat-itioe I de patriota vy$
ocura-
do
FOLHETIM
OS DR4M4S DE CAYENN4
'Elie Berthet.
Mas, emfim era prciso, porque infe-
lizmOTte (a historia o diz) a igreja tem
tambem sua poltica.
a O cadver do general Abreu e Lima
foijulgado bom pasto para almas talvez
- to denegridas, como as roupetas que
vestem os corpos de seus donos.
A Idea Liberal n. 19:
Felizmente indicativo esse silencio :
o silencio, triste arma de que a bypocre-
sia sempre se serve, manifestaco solem-
ne tte requintada cobarda, tambem as
vezes eloquente e sincera confisso...
Os conselheiros, confidentes, e inte-
ressados no fado dessa prohiblco sao
fiis sua regra:ostreras, o sigillo, a
intriga, o crime,acalitoinia,(ramesum-
pre sero meios predilectos porque o flm
de taes horaens o inleresse.
O Liberal de 10 de marco.
O odio e a injustica dos homens pro-
curaram denigrire infamara memoria do
litterato insigne e do pratriota virtuoso.
Sabemos o que nos espera.
Os artigas do Sr. Dr. H. do Rogo Barros,
publicados no Jornal do Commercio de 23
e 2.' do mez findo, sero o nosso ponto de
partida.
Comecemos a analvsa-los.
II
O Sr. Dr. H. do Reg Rarros, estando fo-
ra da provincia, recebendo apenas as infor-
macoes ministradas pelos jomaos, jurou na
palaviadas que Ihe raerecem mais confian-
ga, os da opposico. O seu primeiro arti-
go um reflexo do que dissera o Liberal
e alguns outrosjornaes.
Por exemplo diz elle no Jornal di Com-
mercio de 23:
Nosso fim hoje muito diverso, vamos
tornar bera patente o procediinento do Sr.
bispo de Pernambuco .prohibindo que o
cemiterio-publieo recebesse o corpo ina-
nimado do Ilustre pernambucano,. deni-
grindo e infamando o litterato insigne e o
i patriota virtuoso, o que o odioe a injusti-
?a dos Zoilos nunca o podero conse-
i guir!!
O Liberal tinha dito :
Tem-se recebido com estranhesa o fac-
(Continuaco do n. 1)6)
XIX
O Reelfe do nial-
Tinham decorriflo mais de oHo das de-
pois d) termo flxado para a ebegada dos
dous Bertomy e do sen guia indio ao Re-
cife do D;abo, e o Ifrigue Prosperidad*,
fuodeado n'aqucUa bibia, nao tinha d'elles
a menor noticia. Todava a demora n'a-
qnellas paragensofferecia bastantes dillicul-
dades e perigos. O R Te do Diabo con-
sista em urna pefuena enseada, cuja en-
trada obliqua, defttdida por baixios e ro-
chedos, nao era pralicavel seno para al-
gum piloto experimentado ou hbil marti-
mo, conbecedor exacto de toda a extenso
da costa, como era Cf and val. De um lado
e de outro da entrada projectavam-se csses
imraensos arbustos, cujas hastes superiores,
reclinando.se sobre a agua, se vio entrela-
zando, e formando ao longo do mar c na
enbocadura dos ros dCaianna dma espe-
cie de redafcto de fomagum. Np interior,
porm, da baha, para a trra, o slo era
arenoso, em partes pedregosa," desappare-
cendo all a singular wgetaco que men-
cionamos, deixaodo assim ao observador
alongar a vista pela Horra dentro, aonde at
aos limiten do horisonle nao podia desco-
brir mais do que pianicies deserto o flo-
restas virgens..
Um crozeiro d*estt ordem boa podo
suppor-se que nSo seri| muito db agrado
da tripolai;3o. O brif ue, posto qm esti-
E assim^^Bahtey
Sr. Dr. H. do Rogo Barros augmontoi7 ain-
da mais as sonrtHs deste triste qMm. O
Liberal refeHo-se ao o eMjiutica dos
homenSfj) Sr. Dr. accrescenta um epitheto
injurioso: o. odio e injustica 4o.s 7. tilos o ti.
berat dsse que o odio e Jnjostica dos ho-
mens procuraran denegrir e infamar, o
Sr ftr. assegura. que obispo de Pernambu-
co nao s procuro u, mas efectivamente de-
negri e inlumou.
E note-so ainda que os Zoilos quiseram
que 'tnnmoria do general Abreu e Lima
licasse infamada e denegrida ainda em mu
rida! (jun pretenco pjlurdia!
Contina o Sr. Dr. H. do Reg Barros:
< Nao ha, segundo pens, quea ignore
que o geaeral Abreu e Lima, sob o pseu-
donimo do Christo Ye fe, sustentou nos
dous ltimos anuo- urna polmica religio-
sa com o monsenhor Joaquint Pinto de
< Campos.
Todos os jornaes a noticiaran) e es es-
criptas correm impressos em todo o iai-
perio.
t Xcuria romana e o Exm. Sr. bispo
diocisano tiveram pleno eonheciraento da
discussoe das iitas neHa ennunciadas,
e nada preoidenciaram! h
Veja-se a contradicho palaar destas pala-
vras comas que inmediatamente se segu:
A curia romana limiton-se a escrever
urna carta a seu prelado domestico mon-
senhor Joaquim Pinto de Campos, agr
decendo a defesa por elle feita; e o Exm.
bispo, logo depois de sua nomeacao, es-
t crevende Roma ao general Abreu e Lima,
fazeodo-Hic ver o terreno inconveniente
que ia tomando a discusso e mostrando
a desejos de que eila nao continuasse; o
que cumprio o general Abreu e Lima.
O Sr. I). Francisco logo deps de sua no-
meacao, estando ainda em Roma, tratou
de curaprir o seu de ver de Pastor espiri-
tual, fazendo-o com o maior cuidado. Es-
creveu logo ao seu diocesano sobre os
erros deste, pedindo-lhe como de suppr,
que volvesse verdade.
Dizemof como 6 de suppr, porque o
nobre articulista d a entender o que nos
parece impossrvel: qae o Ilustre e virtuoso
prelado apenas fez vfr que a discussSo ia
tomando um terreno-inconveitie*te, e n>s-
tron d sejos de que etla nio continuasse.
Nao vimos a caria do Sr. D. Francisco, o
Sr. Dr. H. do Reg Brrros, provavetmenU"
a nao leo, mas imposswel que vista do
opsculo intituladoO Deus dos Jadeas e o
Deus dos Christos, cujo assumpto a
absurda demonstracTio da divergencia dos
dais Densos; iiupossivel que vista da
contestago formal das verdades funda-
mentaos do catholicismo, oSr. D francisco
apenas pzesse ver que a discusso ia to-
mando um terreno inconveniente, e ficasso
salisfeito com a sua nao continuacao.
Nao I Dzer a ovelha desgarrada que nao
v mais longe, e nao dizer-lhe que volte
donde est; deixal-a tosando hervas
damninhas beira dos abysmos em vez de
ndicar-lhe o bino caminho, e chamal-a ao
aprisco: nao ha de ter sido e procedi-
inento do pastor, que appressou-se tanto
em procural-a E nao foi, como -adiante
veremos.
Nao s por ter sido escripia aquella
carts pelo proprio chefe da igreja Pernam-
bucana, como porque, se ella nao bastasse
elle dara outros passos quando estivesse
na diocese, nao era preciso que o Summo
Pontfice dossea respeto urna decso so-
lemne. Entretanto elle escreveu ao mon-
senhor Pinto de Campos louvando-o pelo
servico que prestara a religio.
Nao era preciso que o general Abreu e
Lima fosse desde logo declarado vitando,
sem empregar-se nenhum outro dia mais
brando par'cbainal-o ao gremio da Igreja.
O remedio deve ser proporcionado ndole
do doente, est na consciencia de todos que
urna excommunho no faria mais que irritar
o general Abreu c Lima, e leval-o aos l-
timos extremos.
Elle nao proseguio na diecusso, nem
podia fazcl-o com vaatagem depois da es-
plendida refutaco do seivopuscute; e nao
toado escripto mais depois da carta do Sr.
D. Francisco, com maioria de razo de va
este nutrir esperancas, e nao lancar mo
do ultimo recurso.
Contina o artigo :
Tomando o Exm. Sr. bispo conta da
t diocese, nao teve procedimento algum que
sereferisse discusso havida..
vuttoso- gumaeswrejicfc bes podi|6 era insuffi
*Ms-nftl.e-9^ueV,ci>H: X.txc*; to ;quCTia s<
vesse bem carregado, achava-se fundeado a
poucas bracas de trra, podendo a menor
borrasca comprometter a sua seguranza.
Alm d'isso, era preciso evitar ser visto pe-
los navios do Estado, que navega con-
tinuamente entre Cayenna e o Maroni, por
que qualquer capillo poderia ter a curiosi-
"dade de querer saber o que fazia um navio
mercante naquelle sitio. E' verdade que
Grandval, para maior precauco, fuera ar-
rear mastros e vergas, afim de que mais
fcilmente se occullasse o navio, que nao
era natural descobrir-se do largo. Alm
d'isso, salvas raras excurces que o capillo
permittia se fizessem torra, toda a tripo-
laco eslava rigorosamente a bordo, para
que, em caso urgente, se podesse appare-
Ihar sem de'mora.
A tripolaf lo da Prospendade supportava
pois, com extrema impaciencia este longo e
desagradavel abrigadouro, cujo flm-.ignora-
vam, e, apesar de todo o respeito e atfei-
co pelo sea joven commandante, nlo ti-
nham dixado de ouvir-se certos murmu-
rios no caslello da popa. Havia, comtudo,
alli a bordo duas pessoas cujas impressoes
eram bem lrorriveis e pungentes : eram Jp-
sephinae o proprio Grandval. Ella nlo po-
dT*deixr de admirar-se da demora, que
exceda tolia a espectativa e que levava a
tristes conjecturas. Passava dias inteiros
sobre o tombadilho a ornar para ierra com
um oculo e a maior parte das vezes a inuti-
lidade das suas observacoes causava-lbe ajrme para nlo garrar,' bem c uno a sofi-
accessos de desespero.' dez do cabo. DesemBaratram-se as'ver-
Ao principio tentara o capitSo anima-la : gas e as velas para que pedessjm icar de
..i .i lKrt Qljn arf> amnr07ao Vo/inull' wrnmnln /Qcrv tinocUM: Mil fvA,i>_oa an \K*-
e, posto que tentasse ainda reanimar o es-
pirito abatido de Josephina, nao podia dis
simular completamente os cuidados que o
preoecupavam, em cujo numero figurava o
receio pela situaclo perigosa em ^ne se
achava o navio.
N'uma d'essas ultimas noutes esta situa-
co tornou-se mais critica do que nunca at
alli o fra. O sol, muito antes da hora
habitual do seu occaso, tornra-se nublado
de urna maneira singular. No mar, como
na Ierra, reina va o mais profundo silencio:
n) havia a menor viraclo; sobre a infinita
superficie do occeano nao se distingua urna
ruga. O calor, era vez de dimiaoir, cres-
cia progressivamente, tornando-se cada vez
mais insupportavel ; o ar quo se aspirara
pareca abrasador. Urna especie de fumo,
erguendo-se do mar e da trra, subir len-
tamente para o zenith onde* pareca con-
fundase com oulras evaporaees suspen-
sas, nlo tardando que todo o firmamento,
ooberto de nuveas de um escuro carregado,
projectasse o seu sinistro reflexo sobre as
aguas tranquillas.
Eram estes os indicios precursores de
urna d'essas tormentas tropicaes, que ape-
'sar de serem de curta durarlo, offerecem
Orna intensidade indomavel. Por isso.o
inlelligente capillo da, Prosyeridade se
apressou a ordenar as manobras 'para a
seguranza do brigoe.
Certificaram-se de que a ancora <$stava
moslrara-Ihe que em emprezas d'aquella
ordem nal'fallariain didiculdadtse obsta-
culos a vencer por parte de Seu pai e i-
mo ; que mil causas imprevistas teriam. quando a tempestade i*ebtUi8se.
podido,relartiar oe vi^antot se quede
tal demora se devesse recetar pera sua vida;
a tendo coBseguidc venee-la, ebegra
da a resigoar-se.
Nos uliaos tres djas. porto, o proprio
Grandval pareceu conceller siuistros receios
promplo, caso tivessem de fflej-se ao lar-
go. O toldo que eoftria o'be#fez fot tf-
neado para nao fezer reietefli *o vente,
Tomadas, pois, todas i precaucbes, ita-
do-se o de que eslava tudopreotvlde^ra as etes-
uilidade* iBamieeWes, subi triste e i-
quieto ao tombadilho, onde comava encon
^ar-se cot* JWfephina.
>reu e Lima podia
serum bom indicio, poda fazer nasceral-
Bfc"
quera ^smente que
elle se calasse, mas que reconhecesse a
verdade; o silencio prevena um novo es-
cndalo mas nlo sanava o que j exista
\ssim pois o Sr. bispo, ^que de o longo e
tio depressa dutgio-se ao seu diocesano
pedindo-lhe lima refractarlo, devia insistir
ainda em procunr bbtel-a. Mas como?
Mandando fallar-lhe por algnm seu ani.go*
ntendendo-se para isso com atguma pessoa
respeitavel por sua idade, intelligencia e
illustrac-So, c que nao fosse suspeito de
intolerancia... Mas acabemos o periodo
que ficou intorrompido.
E' melhor principiar de novo :
f Tomando o Exm Sr. bispo conta da
diocese, n3o teve procediinento algum
que se refcmse discossae havida, k sd
KM PINS DO Mitt6 PASSAno FOI O MI. JOS
SOAREi DE AMCVEDO ENCARRECADO K
KALLAR A UM AMIGO l'.VRA eON8800lR DO
^eSBRAL ABREd E .IMA FU RCTUACTAC U)
DB S1TA OHMlACS REI.HMOMS K Pllll.OSO-
PHKTAS.
Ah I Isto outra cousa! Nlo deviamos
ter tomado o recado porta da escoda.
Pouco importa que B Dr. II. do Reg Barros
diga que o Sr. bispo nada providencion,
pois, ao passo que diz isto, vai mostrando
o contrario I
... o general Abreu c Lima respondeu
que nada tinha que retractar-so por-
quantonlo tinha atacado os dogmas da
* nossa religilo, entretanto estava prsmpto
para dar qualquer explicaco : de seme-
liante resposta lev.; sciencia oDr. Soares
de Azevedo, que necesariamente a havia
de Iransmetlir a S. Exc.
Isto era sustentar o que tinha dito, e
offerecer-se a discutir no mesmo sentido.
Neslas mesmas disposiees permaneceo o
general Abreu e Lima al o dia do seu falle-
cimento, como se doprehende de um trecho
transcripto no artigo a que respondemos,
e q e adiante apreciaremos:
O Sr. D. Francisco logo depois de sua
nomeaclo escreveu urna carta *ao general
Abreu e Lima, depois mandou fallar-lhe por
um seu amigo, c depois foi fallar-lhe pes-
soalmente ; entretanto se diz que o Sr. bis-
po nada proviene-ion, nao teve procedi-
mento algnm que se referiste discusso
ha vi i la !
Nesse estado de cousas adoece o go-
neral Abren e Lima, a molestia tomou
um curso rpido e nos seus ltimos mo-
< mentes se vio cercado de jesutas de so-
taina e de casaca, que pretendiam ar-
rancar-lhe urna retractadlo. I!
O general Abieu o Lima s estove cer-
cado dos seus amigos e sectarios. Depois
que o Sr. bispo teve o ultimo e principal
desengao, quando foi visita-lo, s um pa-
dre este ve em casa do mesmo general
como se vai ver.
Diz o Liberal n. 52, no inuito do cen-
surar, que nenhum sacerdote exista como
assislente junto ao moribitndo, c prtanlo
nenJmm sacerdote ha que possa informar
cousa algnnta; que o padre que a chama-
do Id foi, penos entrn na ala olhon pora
o doente e retirou-se immediatamente.
Notd-se que esse padra nlo jesuta
era estrangeiro, o padre Agoslinho lio
conhecido em toda esta cklade pela fama
de suas virtudes ; o capelllo do convento
da Gloria.
Se nenhum outro padre l estove, c o
virtuoso padre Agostinho esleve muito lon-
ge de querer*arra/icar urna retratacelo ao
moribundo; quem sao os jesutas de selai-
na, do que falla o nosso adversario ? Di-
zei o norae de um s!
N9te-se tambem, per accidens, que o Sr.
bispo nlo jesuta, nem lia um s jesuta
no palacio episcopal.
Nao o conseguirn! (arrancar urna re-
< traerlo) e entao vingaram-se negando se-
pultura no cemiterio publico sob pretex-
to de que nos ltimos instantes o illus-
tre finado nao estava dearcordo com as
doutrinas da igreja catholica e apostoli-
< c"a romana.
Pondo-se de parte os jesutas de casaca
e de sotaina, cercana) um enfermo e pro-
curando arroHcar-lhe urna retrataeco; o
que, com a maior evidencia, resulta dosto
trecho, 6 que o general Abren c Lima per
maaeceu sempre nos seus erros.
O Sr. Dr. II. do Reg Barros,trausereve
urna grande parte do artigo do Diario n.
37, e depois responde do modo que va-
mos ver.
O general Abreu e Lima nao macn os
dogmas da religio catholica, pelo con-
trario Kce.\utOi-os e lESPtiiu-Oi>.
< A IIOSSUS LES E HEC"LAMENTOS S rC-
conhecem dous dogmas: exintncio de
Deus e a iminortaldade da alma ; ludo
o mais eti sujeto a d&cuss&o, n+ton-
fbrmiihnle dm arts. 9 fie 278 ico*
I digo crimnit.
Isto muito, demais! Dizer qu o
purgatorio nao existe, e urnaespeculacao
dos padres; que o culto das imagens
urna iduhrtria ; que o purgatorio e o mes-
mo culfe slo duas instituiees paglas;
que a canonisaro dos santos outra ins-
tibiico pagBa; que foram os pagaos que
inventaran que Jesus-Christo conserva a
firma humana, depois de sua assenco ao
cu, onde nao podia existir a materia cor-
rnpticel (materia corruptirel o corpo de
Deus \) ; dizer que a tradieco, quando ha
a palavra escripia, s serve para viciar o
texto ou para illud-lo; cum acervo de
lugares communs dque se serve a igreja
para sahir do apuros; que o papa (o suc-
cessor de S. Pedro !) nlo vigario de Je
sus-Christo mas de Anaz ou de Caifaz :
aizer tudo isto e muito mais ainda, nao
atacar os dogmas da religio catholica; ao
contrario, muilo ao contrario, muitissmo
ao contrario rcconhece-los e respeita-los]
Oh !... E' muito, de mais!
A vossa religio s tem dous dogmas!!!
A autoridade docente da vossa igreja a
assembla legislativa e o poder executivo !!!
A vossa Biblia o cdigo criminal e os re-
gulamentos !!!...
Permetti, senhores, que digamos a vossa
igreja, do'mesmo modo que o general
Abreu e Lima o dizia, dirgindo-se ao seu
adversario. Assim como vos rcpellis a
nossa greja, nos repellimos a vossa, que
anda oslis edificando.
Em vossa opinio' os arts. 9 2 e278
do cdigo criminal conteem a saneco, ap-
provaco, reconhecimento* ou como quer
que chamis, dos dogmas da existencia de
Dous, e da iinmortalidade da alma ; sane-
cao, approvago ou reconhecimento indis-
pe. savol para que ellos tivessem vigor,
fossem recebdos entre nos.
A crenca na existencia do Dous o na iin-
mortalidade da alma se considera principio
fundamental da socodade bem constituida.
Urna sociedade de homens que nlo acre-
ditassem nestas verdades seria mpossivel
e quando podesse existir, seria um chaos,
um inferno. Apesar disso a sociedade ci-
vil nao impoo a mesma crenca, como nao
impi nenhuma outra; mas prohibe que
ella soja disrespetada publicamente, e pu-
ne os contraventos desta prohibilo. Mas
nlo o pune como herege oublaspbemo, sim
como propagador de principios subversi-
vos da ordem social.
Voltemos ao artigo do Sr. Dr. II. Reg
Barros.
Na discusso havida offendeu o gonc-
ral Abren e Lima a religio do estado e
a moral publica !
Nao?
Vale a negativa se a religio do estado
como querem os novo's reformadores, os
sectarios do cdigo criminal; mas se a re-
ligio do estado a catholica apostlica ro-
mana, o general Abreu e Lima nao s a
offendeu, nao deixou s de crer ou fazer
alguraa cousa do que ella manda e ensina,
mas praticou contra ella grandes excessos.
As consideraces com que termina o ar-
tigo sobre signaos de arrependimento, slo
reproduzidas do Liberal, o j perfeitamen-
te apreciadas no Diario e no Jornal do Re-
cite ; onde publicou-se um artigo, tratando
especialmente deste ponto.
Depois de perguLtar porque, exigindo
as constituigoes' do arcebispado a asseve-
raco de urna pessoa fidedigna, para se
provar os signaos de arrependimento, nao
foi acceita a assoveraco as pessoas dis-
tinctas que foram ter com o Sr. bispo :
exclama o nobre articulista:
Cortamente as pessoas que foram ter
i com S. Exc. nao eram fidedignas, nos
termos da constituirlo do bispado, S.
Exc. alm do parcial foi pouco amavel
Como se disse em um artigo publicado
no Diario n. 57, e nao foi contestado, an-
tes foi confirmado pelo Liberal n. 42 : al-
guns dos amigos do finado pretenderam
que tivesse elle dado signaes de arrepen-
dimento ; e fundados nisto dpntaram al-
gumas possoas distnctas ao Exm. diocesa-
no, com o fim de obter a rovogaca da or-
dem que negara a sepultura cm sagrado.
Logo tacs pessoas distnctas nao tinham
testemunhado os pretendidos signaes de
arrependimento. Fizeram o seu pedido,
mas quando o Sr. bispo perguntou por
quem presenciara aquelles signaes nlo ap-
pareceu ninguem, nem ao menos foi indi-
cado.
S. Exc. nio fez offenta as pessoas que
Me roram Tallar, exigindo-fhes urna tesle-
munha, pois nenhuma dallas se cosidera-
va tal. E como nlo fui salisfeita urna exi-
geiela.o justa ? Porqao de tonto ami-
gos e sectarios do general Abreu e Lima,
nao boa fe um s, notai bem. nlo houve
um s que fosse dizer a S. Exc o que ti-
vesse presenciado? Ainda quando a exi-
gencia fosse injusta, sendo o fcil de sa-
tisfazer, e dependend. de sua satisfaro o
lefanlamcnto da interdiccao: porque dei-
xaram ir o corpo do sen amigo para o ee-
miterio protestante ?
As leis devem ser citadas cora a mais es-
crupulosa lidelidado, nada se deve omitir,
nada se deve alterar. A simples troca de
urna palavra por outra de significacao se-
melhanle pode alterar o sentido. Assim,
dizendo as constiluicoes do areeb*Hpadorqne
basta o dito do urna testemunha fidedgna,
que testifique os signaes de arrependimento,
diz o autor do artigo, que a constHmco do
bispado exige a asseveracao de urna pessoa
fidedigna. Urna pessoa que assevere a
existencia de um factono ser sempre ama
testemunha que o testifique.
O primeiro arligo que anaiysamos termi-
na com estas palavras : Mas admitamos
que o general Abreu e Lima fosse um
< atheo c que nenhum signal de arrepeodi-
mcnlo t nba manifestado nos seus ultimes
i momentos, podia o Exm. Sr. bispo ter a
procedimento que teve ?
E como se deixou a solucao desta ques-
to para um outro artigo, facamos a mesaaa
cousa.
(Continuar-se-ka.)
Estava ella, com effeito, no sen posto
ordinario, sempre vestida de luto o o oculo
em punho prescrutando anciosa ao longo
da costa. Os movimentos que se haviam
operado em roda da joven nlO tinham po-
dido distrahi-la das suas observacoes e s
quando o capillo se approximou que ella
se ergueu, pousando o oculo tristemente.
E entao ?perguntou Grandval, mais
por formalidade do que por esperar obter
resposta satirfatoria.
Nada sempre nada !respondeu Jo-
sephina, chorando Nao ha que duvidar :
ellos morreram a'esses pestilenciaes dese-
los e nunca mais os veremos !.,. Meu
desgranado pai, e devia ser cu a causa de
sua marte ?... Sror Rosala tinha razio :
elle bem podia l licar vi vendo reconciliado
c un Deus o com os bomens... Nao fostes,
porm, ves* Sania Virgem. que me animas-
tes a trabalhar para a libertadlo di meu
.Insensata que fui!.. B nao fui'enigual-
que impelli meu querido irmo a
este; acto de denudo, sem rao lerabrar de
que poderia exceder as suas forcas ?... Di-
ga-me ao monos se meu irmo se poder
salvar, se o tornaremos a ver ? Diga-me
depressa I
Grandval, confundido, respondeu:
Sim, de certo... Mas a situaclo ar-
riscada do navio nlo me permiltir conti-
nuar a permanecer n'este ancoradouro. Bem
vA qued m momento ao outro posso ser
compeHlldO a retirar-me : agora memo o
faria, se se taje deparasse urna virajio que
ajudasSe a manobra.
Eolio Josephina, olhaodo cm volta, re-
parou que o co e o mar estavam ameaca-
PWdee-me efTectivamente que se pre-
para, urna tempestade, redarguio eHa dis-
trtnidamente mas nao baver grande pe-
rige n'esta proximidad* da tetra.
E1 etrtam,ente a proximidaiie da
fia que nos ceflfiftlr' era prig, se o vento1
tirtr b mar. r,fre caso, o unio recqrso
POUCO DE TUDO.
CANTORES ALLEMAES.-Aopareceram
ullimamonto em Paris, pela.'primera vez
cantando melodas populares do seu paiz.
O que distingue osles cantores, alm da
bellosa o igualdade do timbre das suas
vozes, a rara e admiravel preeisio no ata-
ipic das notas, e o colorido que em mara-
vilhoso conjuncto dio s pecas que inter-
pretara.
No primeiro concert celebrado nos sa-
los Kriegelsteio, se cantaran as preciosis-
sinias melodas composlas por Silcher e Ch.
Mayer.
O effeito que produzirain foi immenso.
Ao mesmo tempo caulava no theatro ly-
rco outro quarteto sueco de estudantes.
dolados de vozes sympathcas e melodio-
sas.
Estos mancelios, pertencentes a familias
aristocrticas, impedidos pelo desojo de
viajar; paixlo muito comraum no norte da
Europa aproveilam assim o seu talento mu-
sical.
Cantaram, no meio de applausos estri-
dentes, um canto nacional sueco, um canto
allemao o urna canfio noruegueza. A exe-
cu^lo foi na verdade irreprehensivel.
R.VPTO.Se dennos crdito ao trish
Times, ebegou ha pouco a Quenstown, na
Irlanda, um principe de Bourbon querou-
bou urna joven de Cuba.
Chegou a pouco, diz aquelle peridi-
co, no trena que conduzia as malas da Ame-
rica, um joven e duas senhoras, inscrip-
tas como simples passageros no barco a
vapor, com o noiue le Luiz de Bourbon,
Mad. Ilamil eMde. Ilafni\. ^_____
A belleza da joven attrahTfl 9 ttteicao
gcral ; mas como faltavam elementos para
conjecturas, lodos pensaram que se tratava
d'um simples rapt.
Entretanto as pesquizas feitas por urna
pessoa que trabalhava como cnsul d'uma
repblica da America do sul, descobriram
que o joven era nem mais nem menos do
que o principo D. Luiz de Bourbon, o que a
dama era...
O peridico nao diz mais nada ou por
ignorancia ou por discripclo.
HISTORIA SOBRE VAGCINA.Para ce-
lebrar o centenario da introdcelo da vacci-
na moscovita, ofiereceu aquelle governo um
prtmiode 10,000 francos ao actor da melhor
Historia de taevina.
As memorias devcrlo ser escripias era
urna das lingua3 europeas.
seria fazor-me ao largo, supposto quo para
isso haveria difficuldades a vencer,ern ra-
zio da tempestade, e passagens estrellas e
tortuosas. Aiossa situaclo pode tornar-
se mais grave, c, sem fallarmos agora da
nossa saude, devo pensar igualmente na
existencia d'esses bravos martimos, cuja
sorte nos confiada.
Mas a tempestade nlo poder durar
muito redarguio Josephinae logo que
olla passo poderemos voltar para esto lugar.
Diga-me : o que seria de meu pai e de
meu irmo, se, ao chegarem aqui, nlo en-
contrassem o navio ?
Grandval ficou por um momento sem
responder. Soffria por se ver obrigado a
destruir aquella osperanca, que ora pareca
extincta, ora se va renascer mais viva.
En suppanhadisse Grandval'que
j se acbava convencida da nutilidade de
esperar por mais tempo. NJo digo que os
nossos pobres viajantes tenham morrido,
como parece reeeiar, porm pode ser que
tenham voltado para traz, assustados dm
os perigos da empreza; talvez mesmo te-
nham sido agarrados pelos agentes da au
toridede ou pelos negros Boshs e levados
para a colonia. Em todo o caso, esta par-
te da colonia muito doentia e a sua saude
teria a resentir-se da prolongada conserva-
rn aqui.
Ooe Ihe importa a minha saude ?
replcou ella com ura ar amargurado que
o capillouec presenciara A seguranza
do seu navio -lhe* demasiadamente, pre-
ciosa... Pois bem4 snhor, mande-me por
em trra e pajta : fiea/ei e esperarei aqu
sol
Granqval olhava para a joven profunda-
mente irapressinadi), dizendo-lne em se-
guida .-
Smto que me falle n'a6se& termosr Jo-^
pephioa T. KSquece sem duvida as provas
didWicacQ que sempre Ihe hei dadoT
Itro craprehend tambera quq, se por, um
todo se lana infisp^osavelajenle argento a
LIVROS CONDEMNADOS.Por um de-
creto da congregafo de Index foram con-
demnadas oito obras, entre as quaes se con-
tara duas do conde Maraiani Um nmvo
diritto publico, e ftorica delta regione e
dello stato, urna recente carta de Foulkes
ao arcebispo Manning e o peridico Eman-
cipalione cattolico.
I



nossa retirada d'aqui, por outro se nos de-
para o mais terrivcl desenlace, regressando
nossa trra sem obtermos o fim principal
d'esta viagem ?
Josephina aperlou-lhe a mo, continuan-
do a chorar.
Perdi, meu bom amigo I disse
ellaConheco que fiz mal : esqueca a mi-
nha injustica e ihgratidSo !... Sim, tem ra-
zio : elles de cerio j nao existem Devo
perder a esperanca de os tornara ver I...
Leve me d'aqui para fra I Seria grande a
minha responsablidade perante Deus", se
aqui suceedesse algum sinistro a esta pobre
gente, quo tanto se tem arriscado por mi-
nha causa t Nao me opponho, pois, sua
resoluclo, nlo exijo maior sacrificio sen :
atienda smente sua consciencia e ao sea
dever.
Ao mesmo tempo, e como qqe machinal-
mente, pegou no oculo, que estava sobre o
empavezaiiienio, o olhon. eom elle ainda
uma ultima vez por sobre as vastas exten-
soes das costa. I-jci
Grandval disse-lhe com ar triste :
A sua dr dilacera-me o coraco,
querida Josephina, e bem quereria ou es-
perar ainda aqui um ou dous das. Que
fazer, porm, contra a necessidade ? le-
ceio que ainda esta noate sejamps frpados
a fazermos-nos de vela.
Josephina alo dizia palavra : pareca pw-
oecupada por alguma cousa que sppareodra
sobre a costa. De repente pesgonteu com
voz trmula :
O que aquillo que se distingue l
ao longe ? Parece que se agita um len^o
como quem faz um signa1..
fCoHimuar-se-haJ
rMBki-mxHf^miwn,
\

f
>
*-
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
--71


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EA63HJQXN_IF6BAE INGEST_TIME 2013-09-13T22:12:50Z PACKAGE AA00011611_11829
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES