Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11828


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*
?
I),
I
ANNO XLl. NUMERO 96.
PAEA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE.
Por fres ntoxs-abantados'. ........... .
Por seis ditos idem. .... ......
Por um auno idem........\............
Cada numero avuiso.............. .
" 6,8000
l2^000*
24.S000
.5320
QUWT1 FEIBA 28 DE ABRIL DE 1869.
PARA* DENTRO. E FO&A BA PROVIHCIA.
adiantados......
tem. ....... .
idem .............
i......# ....... .
647110
130500
20#W0
270000
^
Propriedade de Manoel Egugra de Faria & Filhos.
SAO ACEJnfllSS*
OsSrs. Gerardo Antonio Al ves A Filhos, no Para; GoncalvesA Pinto* no MaranMo; Joaqnim Jos de Oliven-a, no Cear; Antonio de Lemos Braga, noAracatj; Jo5o Mara Julio Chaves, noAs9; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joaquim
Guimaraes Pancada, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na ViUa da Penlia; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Anto; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth; Francino Tavares da Casta, em Alagas; Dr. Jos Martins Alves, na Bahia; e Jos Ribeiro"Gasparinho, no Rio de Janeiro.
PARTE OFHCIAL
Cioverao il:i provlacia.
RHMM ASSIC.VADO PKI.0 EXM. Sn. CONDE DK BAR*
PE.VBT, PtlHSIDENTE DA PROVINCIA, NO DA tO D3
UE AMIIL 1869.
N. 438 Portara ao Dr. Manoel do Nascimento
Machado Portella, segundo viee-presdente da pro-
vincia lv vendo retirarme para a corte, aflm de
(ornar MHOIKO na cmara temporaria, como depu-
Ujeleift p -la provincia d > Itio de Janeiro, e alm
di' adnr-se tora desu provincia, sendo tambem
depulado pela da Parahybi, o primeiro vice-presi-
dente desembargad or Francisco de Assis Pereira
lorio ; t:iiho a honra do convidar i V. Exc.
para a-sumir amanhaa a adininisiraco desta pro-
vincia, e entrar no offeetivo exercicio d'ella. Apro-
veito a oocasfio para reiterar V. Exc. os protes-
tos di1 miiilia ]erfeita estima e distincta consido-
r.iro.
\ 439.Circular ao bisno diocesano.Devendo
.retirar me para a corte, atmi de lomar assento na
amara temporaria como deptilado pelo Rio de
Janeiro,, entrego amanhaa a administrocao desta
orovincii .o Exm. Sr. Dr. Manoel do nascimento
Hachado Portella, na (|ualidade do seu segando
vice-presidente, por nao estar presente e ser lam-
be depulado o primeiro. Fazendo esta communi-
caoio. aproveito a opportunidade para agradecer
v. Exc. a coadjuvaco que prestou-me durante o
lempo cm que exerei a presidencia desta impor-
tante provincia.Igual aos directores daFaculda-
de de Direito, da instraceo publica c da escola
normal, eugennero fiscal da estrada de ferro, ad
miuistrador do correio, commissaro vaccinador
provincial, superintendente da estrada de ferro,
inspector da sade publica e da do porto, mutalis
mtsndit.
& 440Dita acamara municipal do Becife.
Devendo retirar-me para a corte, afim de tomar
i-nto na cmara temporaria, como depulado
pelo Itio di Janoiro, entrego amanhaa a adminis-
trara desta provincia ao Exm. Dr. Manoel do
Nascimento Alachado Portella, na qualidade de seu
segando vice-presidente, por niio estar presente c
ser tambem depulado o primeiro. Fazendo esta
comniiinicarfio, aproveito a opportunidade para
agradecer cmara municipal do Recife a eoad-
juvafo que prestou-mc! durante o tempo em que
xerci a presidencia desta importante provincia.
N. 'i No mesmo sentido as demais cmaras
da provincia.
Y 2.Porlaria aos agentes da enmpanhia
brasilea de paquetes a vapor.Pdem Vnics. fa-
zer seguir pira os portos do su I o vapor Cruzeiro
'. aoianhaa, i hora indicada em seu offlcio
lefia data.
N. 443.Bita ao mesmo.Os Srs. agentes da
companhia Brasileira de paquetes a vapor mandeni
dar transporte para a corte, por conla do ministe-
rio da guerra, no vapor Cruzeiro do SiU, ao sol-
dadu do ileposito especial de instruccao, Jos
ei.-co dos Santos, e aos reerutas Francisco
Antonio Pereira dos Santos, Galdino Jos dos San-
ti-, Jos Baptista Chaves, Jos Antonio Eustaquio.
Manoel dos Santos, Manoel Joaquim do Nascimec-
to e Manoel Francisco de Assis.
31. 444.Dita ao gerente da rompsnhia Per-
nambucana.O Sr. gerente da companhia Per-
nambncaua mande, dar transporte para o presidio
le Fernandj do vapor Giqui, por canta do mi-
nisterio da guerra, aos guardas-nacionaes que
para all destacara, Cosme Jos da Silva, Manoel
Castaa Honorato e Joo Rufino de Santa Anna,
Osles do oilavo batalhao do infantaria e aquelle do
primeiro da mesma arma.
N. 148.Dita ao mesmo.O Sr. gerente da eom-
I achia Pernambucana maude recebere transpor-
tar para o presidio de Fernando, por conla do mi-
nisterio da guerra, no vapor Giqui, os volumes
dates : 2 carias, 2 barricas, 1 lata, 2 rolos,
nido contenilo medicamentos, comprados por con-
ta da fazemla pelo corrector geral tcnente-coronel
Francisco de Miranda Leal Se ve, com destino
pharmaeia do mesmo presidio.
N '. I 6.Dita ao mesmo.O Sr. gerente da
c impanhta Pernambucana mande dar urna passa-
|i n de estado a r, no vapor Giqui, que segu
amanilla para o presidio de Fernando, D. Anna
Maria Marques Tavares, mulher do secretario da-
quelle presidio.
N. 147.Deliberan!.0 presdante da provin-
cia, em frsta do offlcio do director geral da ins-
tracao pnlilica de 8 do corrente, sob n. 109, re-
1 conceder ao Dr. Mondo de S liarreto Sam-
jiaio. a exoneradlo que pedio do cargo de delega-
do Iliterario do districto de Agua-Preta.
N. 148. Dita.O prndente da provincia, at-
tendendo ao que requeren o professor publico da
cadetra do instracelo primaria da povoacao da
Cachoeira do Roberto, tenente-coronel Alexandre
de .Menear, e em vista da informa-
do director geral da instruccao publica de 8
do corrente. loh n. 10.. resolve remover o mesmo
professor daquella cadeira para a da villa de Sal-
ytieiro.
N. 449.Dita.O presidente da provincia, de
con formulado com a proposta do director geral da
nstruerao publica, de 8 do corrente, sob n. 109.
resolve nomoar delegados litterarios, para Agua-
Preta, o cidadao Francisro Machado Teixeira Ca-
valcanti, e para Trombutas o Dr. Pedro Alfonso
Fer reir.
.N. 4r0.Dita.O presidente da provineia.de
couforinidade com a proposta do director geral da
instruccao publica, de 8 do corrente, soh n. 108,
resolve exonerar o cidadao Venancio Jos Ferrei-
ra da Cruz, do cargo de delegado funerario do
districto de Panellas.
X. 431.Dita.O presidente da provincia, em
i-la da proposta do director geral da instruccao
publica de 8 do corrento, sob n. 108, resolve no-
mear para o cargo de delegado litterario do dis-
tricto de Panellas, o lente Jos dos Santos e
Silva.
N. 43i.Dita.O "presidente da provincia, em
vista do que expoz o director geral da instruccao
publica e;:i ollcio de 8 do eerrente sob n. 109, re-
solve dividir em duas a delegacia litteraria de
Agua-Preta. Picando ama em Agua-Preta e outra
em Tiiaul
N. 433.Dita.(presidente da provincia, at-
tendendt* a<> que requeren o Dr. Joao Capistrano
Handoira de Mello Fdho, lente substituto da Facul-
lade de Direito do Recife, resolve conceder-lhe 3
mezes de lieenea com ordenado, na forma da le,
para tratar de sua sade.
N. 434.DitaO presidente da provincia, at-
tondendo ao que informou o director geral da ins-
truccao publica, em offlciot ns. 88, 93 e 113 de 5 e
8 do'correntc, resolve remover os professores p-
blicos de instruccao primaria, Manoel Francisco do
Roao, da Ci.deira'do Abreu de Una para a de Nossa
Scnhora dn O' de Ipojoca, Loorenco Guedes Aleo-
forado, da de Qoeimadas paca a do Abren de Una,
.* Manoel F'elix do Nascimento, da villa da Be*-'
i para a *> Queiraadas, por assim o haverem
pedido. ,. .
N 453 Dita.O presidente da provmcia, em
vista do que exnoi o diwetor feral da iastruccao
publica, en oflicio de 8 d crrante, sob n. 107, re
solve cooeedar a eMBernco 400 ** ?.nito
Januario^untdeSonza. do c*rgn on oetefado
litterario do districto de Tacara*.
N. 4*6.--Dita-OpeaaBte a provincia, i
cjcfennid4> eom o era npo dimiar tem aa
instrucci publica, cm oflicio d* 8 do arrente, sap
H, re;Mve nowear o cidadao Fascisco Caval-
canti de Aibuquerque, para o cargo de delegado
litterario do districto de Tacarat.
EXPEDIENTE ASS10NADO PELO SR. DR. JOAQUIM CORREA
DB ARAUJO, SECRETARIO DO OOVERNO, EU 10 DE
AlIRn. DE 1869.
1* seccao.
N. 437.Offlcio ao Exm. general commandantc
das armas.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente
da provincia, declaro a V. Exc.,- em resposta aos
seus ofncios desta dat, sob ns. 209 e 212, que fl-
cam expedidas .as convenientes ordens ao gerente,
da oampanhia Pernambucana para fazer jeceber
e transportar ao presidio de Fernando os tres guar-
das nacionaes mencionados em seus citados offl-
eios.
N. 458.Dito ao mesmo.Communlco a V. Exc.
de ordem de 8. Exc. o Sr. presidente da provincia,
que o commandante do brigue-barca Uamarac
lem ordem para fazer apresentar a V. Exc. um in-
ferior e dez pracas, pelas dez horas do dia d'ama-
nlia, alim de esVolt.rcm os sentenciados milita-
res que seguoin para o presidio de Fernando.
3.* seccao.
N. 459.Offlcio aoDr. chefe de polica.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia manda declarar a V.
S., em resposta ao sen offlcio de hontem, sob n.
308, que a thesouraria provincial lem ordem para
pagar a quantia de .294,3209, constante do citado
oflicio.
X. 460.Dito ao mesmo.0 commandante do
brigue-barca Uamarac tem ordem para fazer
apresentar na casa de detenco, pelas 10 horas do
dia d'amanhaa, um inferior e dez pracas para o fim
de que tratam os oflicio? de V. S ns. 512 e 513 de
9 e 10 do corrente ; o que communico, de ordem
do Exm. Sr. presidente da provincia.
N. 461.Dito ao commandante superior a
Suarda nacional de Palmares.0 Exm. Sr. presi-
ente da provincia respondendo ao oflicio de V.
S. datado de 8 do corrente, manda declarar qu
transmittio thesouraria provincial para os lins
convenientes o pret em duplcala, que veio annexo
ao citado oficio.
N. 462.Dito ao commandante superior da
guarda nacional de Santo Antao.Nesta data au-
torisou-se a thesouraria provincial p3gar ao sar-
gento Deomedes Francisco das Chagas os venci-
mentos constantes do oflicio de V. S. datado de 8
do corrente. o qual fica assim respondido, de or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia
N. 463.Dito ao juiz de direito da comarca da
Roa-vista.Tendo sido, por deliberac^io de 9 do
corrente, removido da proniotoria publica de Ga-
ranhuns para a dessa comarca o bacharel Joaqnim
Francisco do Amula ; assim o communico a V.
S., de ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia.
X. 464.Dito ao-'jnh de direito da comarca de
Garanhuns.Tendo sido, por deliberaQao de 9 do
corrente, removido da proniotoria publica dessa
comarca o barbare! Joaquim Francisco de Arruda,
e nomeado o bacharel Jos Francisco de Ges Ca-
valcanti para aquello cargo; assim o communico a
V. S., de ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia.
N. 463.Dito ao juiz de orpbaos, bacharel
fiaucisco de Carvallio Soares Brando.O Exm
Sr. presidente da provincia monja r ra
cebimenlo do offlcio de V. S. de hoje datado, em
oue participa ter nessa dala deixado o exercicio
da vara de orphaos desta capital, por ter tomado
a-sent como depulado na assembla provincial.
N. 466.EdilalPela secretaria do governo se
convida aos Srs. Drs. Manoel Innocencio Pires de
Figuciredo Camargo, Luiz da Silva Gusmo. capi-
tao Joao Ferreira Villela, Evaristo Velloso da Sil
veira, Joao Baptista do Amaral e major Vicente
Ferreira Padilha Calumby, a irem ou mandarem a
administraeao do correio pagar o porto de seus
requerimentos, para que possam. seguir para
corte.
3" seccao.
N. 467.Oflicio ao inspector da thesouraria de
fazenda.Tendo sido, por deliberaco de 9 do cor-
rente, removido da promotoria publica da comarca
de Garanhuns para a da Boa-vista o bacharel Joa-
quim Francisco de Arruda, e nomeado o bacharel'
Jos Francisco de Ges Cavalcanti cara a da pri-
meira das referidas comarcas; assim o communi-
co a V. S., do ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia.
N. 468.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presn
dente da provincia manda communicar a V. S.,
liara seu conhecimento e fms convenientes, que,
segundo participou o Dr. Francisco de Carvalho
Soares Brandao, em oflicio de hoje, nesta data dei-
xou o exercicio da vara de orpbaos desta capital,
por ter, como depulado, tomado assento na assem-
bla provincial.
41 seccao.
N. 469.Oflicio ao director geral da instruccao
publica.Tendo resolvido S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, por deliberaco desta data e em
vista da" proposta dessa directora de 8 do corre-
le, sob n. 109, dividir em dous o districto de dele-
gaca litteraria d'Agua-Preta, licando urna na villa
deste nome e outra em Trombetas, e nomeado
delegados litterarios, para o 1" daquelles districtos
o cidadao Francisco Machado Teixeira Cavalcanti,
e para o 2o o Dr. Pedro Alfonso Ferreira ; assim
o manda communicar a V. S. para seu conheci-
mento, enviando os ttulos dos nomeados para te-
rem o conveniente destino.
N. 470.Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, communico a V. S.
que por dehbera?oes desta data e em vista da pro-
posta dessa directoria de 8 do correle, sob n.107,
foi exonerado do cargo de delegado litterario de
Tacarat o cidadao Januario Nunes de Souza, e
nomeado para o substituir o cidadao Francisco Ca-
valcanti de Aibuquerque, cujo titulo remetto para
ter o conveniente destilo.
N. 471.Dito ao mesmo.Por deliberaco desta
data, eem vista do offlcio dessa directoria de 8 do
corrente, sob n. 108, S. Exc. o Sr. presidente da
provincia resolveu exonerar do cargo de delegado
litterario de Panellas o cidadao Venancio Jos Fer-
reira, e nomeado para o substituir ao tenente Jos
dos Santos Silva; o que a V. S. communico, de
ordem do mesmo Exm. Sr., para seu conhecimento,
emiando-lhe o titulo do nomeado para ter o con-
veniente destino.
DESPACHOS DA VICB-PRKUBENOIA DO" DIA 26 DE ABHTL
IB 1869.
Antonio Joaquim de Mello.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Antonio Francisco Paes de Mello Barreto.
Aguardem o- suplicante o resultado dos exa-
mes e averigaaces, a que se esta procedando
peta repartico das obras publicas, como infdrma
o engenbeiro chefe da mesma, e qae deve servir
de base a decksao que solicitan).
Alexandrina Maria do Passos Guimaraes.
A'vista da informaoio nao ha que deferir.
Arma Rosa do,SacramentoDirita-se ao Sr.
desembargador pn vedar da Santa Casa de Mise-
ricordia em sesso da jmU.
Padre Agostinho de Godev e Vasconcellos.
Encaniinhe-se.
Baro do LKramalo. Ao Sr. inspector da the-
souraria provincial para informar.
Sapaneco Alves Bibeieo.Sejam entregues me-
diante recibo.
Hermino Egidio de Fiaueirdo.Seja aggrega-
do ao 1." batalhao de artillara da guarda nacio-
nal deste municipio.
Isidoro Marinho de Cesar.Gonceda-se o praso
de trinta das improrogiveie, contados de I da
corrente para entrar o snppcante no exercioia
de sua nova cadeira.
Joao Hermenegildo Xafer de Salla.N5o ha-
vendo anota para a cadeira que requer, nao pode
o supplieante ser attendida.
Jos Muniz Teixeira Guimaraes.Indeferido.
Joao Mauricio de Sena.Dirija-se a cmara
municipal do Recife.
Coronel Jos Cavalcante Ferraz de Azevedo.
Informe o Sr. Dr. director geral da instruccao pu
blica, ouvindo o rajedor do gyrnnasio.
Luiz Elias da Srva e Aibuquerque.Conce-
da-se.
Maria Joaquina de Jess.Seja posto em liber-
dade.
Manoel Pereira da Silva.Indeferido.
Manoel Theodoro dos Santos.Indeferido.
Manoel Luiz Ximenes.Ao Sr. Dr. chefe de po-
lica para informar.
* Manoel Flix do Xascimento.A'vista das infor-
macoes da directoria da instruccao publica n. 124
de 21 do corrente, conceda-se praso improro-
gavcl de trinta (fias para o supplieante entrar no
exercicio de sua nova cadeira.
Manoel Eduardo Lins WanderlcyXomei^sc.
Padre Miguel Viera de Barros Marreca.Sejam
entregues mediante recibo.
Sociedade uniao beneflcentc dos artistas sellei-
ros.Seja nomeado Auspicio Antonio de Abreu
Guimaraes.
Theresa de Jess Pedrosa.Satisfar o disposto
no artigo 18, e no % 2. do artigo 17 do regtfla-
mento annexo ao decreto n. 2613 de 21 do julbo
de 1860.
4.* seccao.Secretaria do governo de PeKpam-
buco, 28 de abril de 1869.
EDITAL.
Pela secretaria do governo se faz publico que,
tendo, o Exm. Sr. Dr. vice-presidente da provincia,
de dar execucjio a lei n. 833, de 22 de roaio do
anno passado, "abaixo transcripta, se convida no-
vamente todas as possoas que qdizerem contra-
tar a illuminacjio a gaz das cilades de Olinda,
Goyanna e Rio Formoso.a apresentarcm ao mesmo
Exm. Sr.no dia 13 de maio prximo vindouro ao
meo dia suas propostas em cartas fechadas sob as
bases e condicoes mencionadas na mesma lei.
LEI X. 833.
O barao de Villa-Bello, presidente da provincia
de Pernambuco:Faco saber todos os seus ha-
bitantes, que assembla legislativa provincial de-
cretou e eu sanecionei a resolucao seguinte:
Artigo 1. Fica o presidente da rfrovinca aute-
risado a contratar com Joaquim Pires Carneiro
Montero, on com quem maiores vantagens olTere-
cer, a illuminacao a gaz das cidades de Olinda,
Goyanna e Rio Formoso, sob as seguintes bases:
l." Todas as obras precisas para se levar a ef-
feto a referida illuminacao correrlo por conta do
contratante.
2." Cada combustor dever dar luz equivalen-
te a doze velas de espermacete.
3. A cdade de Olinda dever ter at cento e
cincoenta combustores, e os de Goyanna e Rio For-
moso at sessenta cada urna.
| 4. As despezas com cada combustor nao po-
dero exceder em Olinda a 8000 mensaes, e as
outras cidades a 9^000.
o." A despeza do costeio e conservarlo d*
apparettius iicuessartus para aTiirsimi imirnmacao
correrao por conta do contratante.
6. 0 contratante dar fiadores idneos.
Art. 2.' Ficam revogadas as disposicoes em con-
trario.
Mando, portante, todas as autoridades, a quem
o conhecimento e execuco da presente re>oJuco
perteiirer que a cuinpram e facam cumprir fio in-
teiramente como nella se contm.
O' secretario do governo desta provincia a faca
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernasibuco, 22 de maio
de 1868.-47 da independencia e do imperioL.
S.Barao de Villa-Bella.
Sellada e publicada a presente resolucao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, aos 22 de-
maio de 1868.O secretario, Dr. Francisco de Pau-
la Sales.
Registrada a folha do livro de leis provincaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, aos 22
de maio de 1868.O escriturario, Theodoro Jos
TavaresO secretario, Dr. Joaquim Correa de
Araujo.
em arherio com Antonio Jos Limeira, regressou
para casa ; que logo que all chegou, apresentou-
se prta o dito Limeira, armado com urna faca
de ponta pedindo agua para beber, e nao sendo
satisfefto repeli o pedido ; e sendo entilo attendi-
do, no momento em que beba recebou um tiro
de pistola sobre o peito que Ihe deu Moreira, do
qual fallecen instantneamente ; sendo que de-
pois lisao e de machucar Morara a cabera do
morto agolpes de machado, drigio-se ao lugar
onde se aeliava sua mulher e assassinou-a com
dez lacadas, machucando tambem depois com urna
podra a cabera da infeliz. Apenas acabou Morei-
ra ile perpetrar semelhantes alternados, foi aprc-
sentar-se a elle delegado, a quem narrou todo o
o occorrido, em consequencia do que foi recolhi-
do eadeia e est sondo processado. No dia se-
guinte procedeu-sc as competentes vestorias nos
cadveres dos dous infelzes.
Eui offlcio de 13 do corrente participon-me a
mesaia autoridade, que no dia 13 entregou-se all
prisao Joao Baptista de Oliveira e Silva, pro-
nunciado naquelle termo por crime de esteliona-
to, afim de tratar de sua defeza.
Em dala de 19, tambem deste mez, parleipou-
me o delegado de polica de Flores, que no dia 16
fora preso na povoacao de Baixa Verde daquelle
termo, e recolhido'cadia o criminoso de marte
Lucio Lopes de Squeira. o qual foi entregue por
seu proprio pai, o capilo Antonio Lopes de S-
queira Braga, que a isto foi furcado em conse-
quejicia da perversidade de sen 'dito filho; e que
no lia 18 fura tambem rccolhido a prisao, or-
den do respectivo Dr. juiz municipal, o tenente
reformado Foi tnate Montero Cavalcanti, Indicia-
do em crime de furto de urna escrava, a qual foi
aprehendida e remettida a seu legitimo senhor na
Sao repelentes os factos que me emprestou Jos
Francisco de Souza, perante o lllm. Sr. Dr. chefe
de polica, e quizera nao julificar-me delles se
nao que pelos meios legaes fosse elle concitado a
exhibirlo de provas a respeito de cada um delles.
Mas incube-me informar a respeito delles, como
por V. S. ine foi ordenado ein oflicio datado em 13
do presente mez.
Nos dias de entrudo eu me conservei oceupado
na matriz de S. Lourenc/i, de volta a este povoa-
cao de Ponta de Pedras, fui informado que Jos
Francisco em suas orgias com outros mascaras ha-
via soffrido urnas diibatadas de um dos seus com-
paubeiros. O facto foi praticado entre elles e nn-
guem veio a este subdelegada queixar-se. Mas
Jos Francisco de Souza, sempre..venenoso contra
esta subdelegada, qne tem tomado o cuidado de
ostorvar a continuacao de hbitos que incommo-
davam aos habitantes de todo o districto, cntendeu
Ai nivelar-me aos seus consocios e emprestarme
aquillo que so a elle pode caUbr. E por isso
que disse a V. S. que muito desejava que a res-
peito desses factos se concitasse Jos Francisco a
urna prova plenaria.
Quanto ao facto que se diz praticado com meu
cunhado Domingos Martins Ribeiro, permtta-me
V. S. que a respeito nada diga, visto como a sua
impossbiiidade moral est no mesmo facto e dis-
pensa que um juiz sensato se demore na sua in-
vesllga(o.
Esta subdelegada ignorava que Joao Paulo e
Antonio Jos dos Reis, houvessem sido leridos :
fez indagaces iiosteriores c nao pude proceder a
respeito ollicialmente, porque forarn factos parti-
culares, e os offendidos nao vieram ao juizo com
suas quexas.
Assim respondo o offlcio de V. S. e informo com
prorincia das Alagoas, onde foi commettido o de- a verdade que me propria sobre os factos que
licta. me foram argidos por Jos Francisco de Souza,
-' sempre inimigo daquella autoridade policial, que
nao fr negligente na repressao de seus hbitos
heus guarde a V. Exclllm. e Exm. Sr. vice
cepresidente da provinda Dr. Manuel do Nasci-
mento Machado Portella. O chefe de polica,
Fiaucisco de Faria Lemos.
V o ni ni and o das armas
UARTBL-GENRRAL DO COMMAKDO DAS ARMAS DE PER-
NAMBUCO, 28 DE ABRIL DE 1869.
Ordem do dia n. 436.
O brigadeiro commandante das armas faz pu-
blico que a presidencia nomeou, em data de hon-
tem, o Exm. Sr. brigadeiro reformado Jos da Sil-
va Guimaraes para servir o lugar de director do
arsenal de guerra desta provincia durante a au-
sencia do Sr. major Francisco Raphael de Mello
Reg, que segu para a corte afim de tomar assen-
to na cmara temporaria; e bem assim, que tendo
de ir Europa no prximo paquete que se espera
do sul, o Sr. Dr. Joao Ferreira da Silva, afim de
tratar de sua saude, podio em 26 deste mez dis
pensa do servico que expontanea e gratuitamente
prestava como memhro da junta militar de saude.
O brigadeiro commandante das armas seiilindo
em extremo, ver-se privado por semolhante mo-
tivo dos serviros de to distincto facultativo, faz
votos ao Todo-Poderoso para que seja prompto seu
restabelerimento e regresso, e faltara ao seu dever
seno fizesse constar e agradecesse os bons serv-
eos que presin o mesmo Sr. Dr. que se bouve
sempre de boa vontade nao so para o servico da
referida junta, como antes de fazer parte della,
aos convites para conferencias na enfermara mi-
litar. .* .
E' nomeado para substituir ao Sr. Dr. Ferrara
na junta militar de saude o Sr. 2 cirurgio refor-
mado do exercito Dr. Ernesto Feliciano da Silva
Tavares.
Determina o mesmo commandante das armas,
que na inanh do dia 1 de maio vindouro se passe
revista de mostra em seus respectivos quarteis a
companhia de operarios militares do arsenal de
guerra, e deposites existentes nesta provinria pela
ordem seguinte:
As 6 horas a companhia de operarios; as 6)4 ao
deposito espedal de instruccao; as 7 ao dos recru-
tas;e7'/i as do prisioneros de guerra para-
guayos.
AastgnadoJoaquim Jos Goucalves Fontis.
ConfwrmeEmiliano Ernesto de Mello Tambo-
rim, tenente ajudante de ordens encarrogado do
detalhe.
1" seccao. Secretaria da polica de Pemambu-
c, 24 de abril de 1869.N. 396.lllm. e Exm.
S'.Tendo a assembla legislativa provincial, so-
lititad > informaroes sobre o espticamente do pro-
fessor jubilado Jos Francisco de Souza, que o at-
tijbuc ao subdelegado do districto de Ponta de Pe-
dias, Antonio dos Santos Medeiros de Aguiar, em
obediencia ao despacho proferido por V. Exc. no
olBcio que devolvo, da niesnia assembla, cabe-
nit informar o seguinte :
Due em data de H de feverciro do corrente
amo exig do delegado do termo de Goyanna, c-
pil 11. 1, urna exposirao rircumstanciada a respei-
toda qucixa verbal qne iterante mim deu o ra
ftido Jos*'; Francisco, ordenando-lhe na mesma
octasiao, que procedesse logo na forma da lei, no
caso de serem verdadeiros os factos relatados em
dita queixa.
Ojie o delegado respondendo ao meu offlcio, re-
feriese inteiramente, copla n.' 2, informacao do
subdelegado de que se trata, e que este defendeu-
se ptrfeitnmente, copia n. 3, da aecusaco que
dio asa.in suoradito professor, mostrando com
toda clareza itTrnpiuuum.uuu <. mouum wum
cao, que por isso nao leve seguimonto ; sendo que
o queixoso a quem disse qne apresentasse a sua
queixa em forma, visto ser o crime contra elle
commettido de natureza que nao admittia o proce-
dimeutu oflidal por ser o crime afliancavel e par-
ticular e nao ter sido preso em flagrante o delin-
quente, nisto concordou o nunca mais me appa-
receu.
Se a iinpiitarao nao provada a urna autoridade
de um facto criminoso, praticado como simples ci-
dadao, feita pelo oflandido, bastease para, mudan-
do a natureza do delicio ; autorisar o iroccdinien-
to ex-offlcio, por certo c iber-me-hia no caso ver-
tente toda a respon>ablid;:de, mas o contrario diz
a lei, e assim j procode muito modernamente
nesta cidade um dos meus antecessores, sobre um
facto attribuido a um subdelegado de polica, que
era membro da assembla provincial, sem ter in-
currido em seusura.
Finalmente devo declarar a v. Exc. que fez-se
corpo de adicto na pessa do quexoso, e qne_o
respectivo auto acha-se no archivo do escrivao
deste juizo, por nao ter o mesmo queixoso reque-
rido a sua entrega.
ELs o que me cumprc informar a V. Exc. afim
de ser transmitlido assembla legislativa provin-
cial.
Deus guarde a V. Exc lllm. Sr. Dr. Manoel
do Nascimento Machado Portella, vice-presidente
da provincia. O chefe de polica, Francisco de
Faria Lemos.
negligente na repressao
deshonestos.
Deus guarde a V. Slllm. Sr. capilo Antonio
Guedes Gondim, dignissimo delegado de polica do
termo de Goyanna.O subdelegado, Antonio dos
Santos Medeiros de Aguiar.
PERNAMBUCO.
i" Seccao.Secretaria de polica de Pernambu-
co, 11 defeverero de 186.).X 932.Quedndo-
se Jos Francisco de Souza, professor jubilado, que
o subdelegado do districto de Ponta de Pedias,
Antonio dos Santos Medeiros de Aguiar, sem mo-
tivo algum o tem perseguido a ponto de no dia 3
do corrente, as nove horas da noute, em pe&soa,
armado de un reffle e mascarado, tc-lo ferido,
deixando nessa occasio um chapeo de castor
bronco.
Alm desse facto foi o mesmo subdelegado a
casa de seu cunhado Domingos Martins Ribeiro,
e entrando por ella (ez diversos estragos com
urna espada que levava, matando um perequito
e picando urna cama franceza e outros movis, lu-
do isto em presenea do Dr. Joo Juvend Ferreira
de Aguiar. A tudo ato accrescem os seguintes
factos 1
No dia 12 do mez prximo passado, Joao Paulo,
preto velho, soffreu um ferimento feito por Joo da
Itoelia, do qual anda se acha docate, nao tendb o
subdelegado procedido a corpo de delicto, nem da-
do providencia aiguroa ; procedendo do mesmo
modo a respeito do ferimento feito em Antonio Jo
s dos Reis, por uta tal Joao Caringa, em dias do
referido mez passado.
Dando a Vmc. conhecimento de todos esses fac
tos, tenho por conveniente exigir que sobre elles
me informe circumstanciadainente e com urgen-
cia ; recommendando-Ihe que proceda desde logo
na forma da lei a respeito dos raesraos factos,
quando sejam verdicos.
Deus guarde a Vmc-0 chefe de polica,. Fran-
cisco de Faria Lemos.Sr. delegado de polica do
termo de Goyanna.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSO EM 20 DE ABRIL DE 1869.
PRESIDENCIA DO SR. AUGUSTO DE SOMA LEAO.
(Concluso)
O SR. FRAXKLIX TAVORA. (Nao devolveu seu
discurso.)
Encerrada a discusso, o requerimento appro-
vado.
ORDEM DO DIA.
1. discusso do projecto n. 39 de 1867, creando
no consulado provin.ual alguns lugares de feitores
conferentes E' regeitado.
1." discusso do projecto n. 74 de 1865.
Art llni.. K.i-i [vi-milliiLi yw
nedictinos de Olinda, darem sepultura no seu con
vento smente as pessas de sua communidade.
E' regeitado.
2.* discusso do projectb n. H de 1868 :
t Art. 1. Pica creada urna escola de ensino pri-
mario para o sexo ferriimno na povoacao da i're-
gueza da Luz da comarca de Pao d'Alho.
Revogadas as disposicoes em contrario.
t Sala das commissoes da assembla legislativa
provincial de Pernambuco, 13 de marco de 1868.
Maximiano Duarte.
2." discusso do projecto n. 22 de 1868 :
t Art. i. A blbliotheca provincial de Pernam-
buco dever estar aberta desde s 10 horas da
inanha at 1 da tarde: e depois desde s 4 horas
at s 9 da noute.
t Art. 2. Alm do bibliothecario haver um por-
tero com 3005 de ordenado e 200a de gralilicacao.
t Art. 3. Ficam revogadas as* disposicoes -em
contrario.
Sala das commissoes da assembla legislativa
provincial de Pernambuco, 19 de marco de 1868.
S. R Fmnklin Tavora.
2." discusso do projecto n. 3 de 1868 :
Art. 1. aTpresidentj da provincia fica autori-
sado a contractar com urna ou mais pessas nacio-
naes ou estrangeiras, formamdo companhia, o for-
necimento de agua potavel para a villa do Cabo,
extrahida do riacho que banha a propriedade de-
nominada Cutrim. ou de outra qualquer prxima
a aquella villa, por meio de aqueductes, chafai izes
e mais obras indisponsavel.
c Arl. 2. O presidente uf, provincia fixara as
condicoes do contrato, -sob as seguintes bases:
t 1. A companhia apreseotar ao presidente
da paovincia o plano da obra^contendo a natureza
e qualidade do material a empregar na obra e a
direccao desta, o tempo necessario para a prompti-
ficacao e concluso, que nao exeeder de seis an-
uos da data do contracto.
2. O presidente da provincias, depois de exa-
minado o plano por engenheiros competentes, ap-
provar ou nao, ampliar ou restingir o plano,
seguindo-se depois o contracto.
8 3. O presidente da provincia estabelecera
multas companhia pela infraeco do plano ap-
provado para a obra at a abertura do fornecimen-
to d'agua. ... ,
i 4. A companhia nao podera abrir o tornen-
ltepartl?o da ptritela.
2* seccao.Serretarla da policia de Pernambuco,
28 de abril de 1*69.
N. fiiO.lllm. e Exm. Sr.Tenho a honra de
levar ao conherimento de V. Exc. que, segundo
consta das participacSes recebidas hoje nesta re-
partico, foram hontem rocelliido ana de deten
cao as seguintes individuos :
A ordem do subdelegado do Red fe, Manoel.
Theodoro do Nad ment, per offensas physicas.
ordem do de S. Jos, Laurentino Marques de
Jess, por briga; Eduardo de Lima e Silva, por
desorden ; Manoel Jos de Sant'Anu, por deso-
bediencia e Antonio Francisco de Barros, como in-
diciado em crime de furto.
For offlcio de 40 desle mez, partieipou-me o;
delegado de polica de Villa-Bella, qne no dia 8 do
mesmo mez no lugar denominado Barra da Cana-
cas daquelle termo, Manoel Moreira de Soma aot
chegar a sxra casa, de volta d* tinta cometta del
mel, n) aehando alli sea mulher Harta VteriMaf
de Jnws, foi procura la e coftitaate no tnattof
Delegacia de Goyanna, 22 de feveretro de 1869
lllm. Sr.Tratei de investigar a vertade dos
tactos, que foram argidos ao subdelegado do 1"
districto da freguena de S. Lourenco, Antonio dos
Santos Medeiros de Aguiar, peta piofessor jubila-
do Jos Francisca de Satu, como me foi ordena-
do por*flkio de V. S. datado de 11 do presente
mez, c nada mais padfl' conseguir qne alterasse a
informacao do mesmo subdelegado, que em pro-
prio original remetto a V. S.
npfKKtf w^^pC' WTmmwt a itragar sonre uTtos
facto, e e atgmna rousa de mata obliver que
ikauntata a taforsaacio do subdelegado, levarei
nnntediatamente ao conhedaieoto de V. S.
Dous guarde a V. S.lllm. Sr. Dr. Fraacisco de
Faria Lemos, muito digno chefe de polica* Per-
nambnco.O delegado de policia, Antn tntuedes
Gondim.
ment publicovd'agua potavel sem commumeacao
ao presideate'da provnola e approvaco desle.
< I 5. O presidente da provincia lixaro nume-
ro dos ebafarizos, as suas localidades, podwido
augmental-os de futuro, e marcar os casos de
fornecimento gratuito d'agua. ,
Art. 3. A companhia ter o privilegio exclu-
sivo por sessenta annos para si e seus successo-
res de vender agua potavel na villa do Cabo, al
vinte ris por balde, on por qualquer vaso que
comporte a mesma quantidade d'agua.
Art 4. Fmdo o prazo de sessenta annos, con-
tados da nbertura dos chafarizes ao publico, toda
a obra com os seas accessorios passar para a te
zenda provincial, sem ndemnisaco alguma com-
panhia, sendo do ento o fornecimento publico
d'agua potavel e conservacao da obra custa do
cofre provincial, pondo o presidente da provincia
em arremataco publica os chafarizes com as fl-
aneas e cautelas necessarias.
c Art. 5. As despezas das desapropriacoes ner
cessarias obra, sero feitas pela companhia a
sua eusta, sem que o cofre provndal concorra
para esla, ou para toda a obra, com quota al-
guma pecuniaria. _
Art. 6. O prosidente da provincia para a aber-
tura dos chafarizes ao puSlico, dar regulainento,
estabelecendo o servico do romeamente d agua,
as horas da abertura e fechamento dos chafarizes.
____.^. .-. niumn t\ flP*lllO'l.
tonio Dbmingues de Scuza, relativamente a passa-
gem de rio Jacnipe.
Art. 2. A resdso de qjie trata o artigo arte-
cedente nao despensar o mencionado Antonio Do-
mingues do Souza do pagamento dos dias deeor-
ndos de 3 de outubro de 1867 a 11 de novembro
do mesmo anno.S. .Demosthenes Lobo.Soa-
res Bntndao,
2," diseusao do projecto n. 2 de 1888 :
Art. 1. Fica elevada a catlH^oria do villa a
povoacao de Cachoeira do Roberto na comarca da
Boa-visla.
Art. 2. O novo termo lera por limites os mes-
mos da freguezi do mesmo nome.
Art. 3. Ficam revogadas as disposicoes em
contrario.S. R.Tiburtino ttogueira.Apes de
Barros.Silva Burgos.M. Amorim.Barcellar.
Junten.
Sao todos esses projectos regeitados.
2." discusso do projecto n. 61 de 1865 :
Art. 1. Os empregados da secretaria da as-
sembla e qnaesquer outros necessaros para a
guarda e polica da casa s poderao ser creados
Sor projecto de le apresentado |iela comnusso de
e policia.
Art. 2. Ficam revogadas as disposjoes em
contrario.
Verificndose nao haver numero legal, o Sr.
presidente designa a ordem do da e levanta a
sesso.
SESSAO ORDINARIA EM 21 DE ABRIL DE
1869.
PRESIDENCIA DO SR, AliUUSTO LEAO.
Ao meo da, feita a chamada, acham-se pre-
sentes os Srs.: Silveira Lobo, Amvnthas, oncalves
da Silva, Mergulho, Ci ero, Felisbino, Emigdio
Marques, Miguel Arnorim, Lipes Machado, Ayre-
Gama, Arminio Tavares, Columbano. F. Tavora,
Amaral e Mello, Hisbollo, Augusto Leo, E. Pina,
Andr Cavalcanti, Reg Barres, Araujo Bellrao,
Soares Brando, Ermiro Coulinho, Epaminondas
de Barros e Tiburtino Nogueira.
Ahre-sc a sesso, e lida e approvada a acta
da anterior.
O Sn. 1." Secretario d conta do seguinte.
KXPEDIKNTK \
m oflicio do secretario do governo, remmet-
tendo a planta o orrainento para a edificaro da
casa do mlrcalB da villa do Cabo.=A' commissao
de obras publicas.
Oulro, transmitlindo a informacao dada pelo
Exm. hispo diocesano, em resposta o que^olici-
toD esaa as-embla.A' quem fez a reqoMpe.
Oulro, remetiendo a copia do contracto celebra-
do com a companhia Pernambucana.A' coinmis-
so de legislarao.
Urna petiro dos Drs. Francisco Pinto Pessoa e
Manuel de Figueira Faria professores do extincto
curso cominercal, pedindo pagamento de todos os
seus venrimentos ntegraes, desde o dia em que
foram destituidos de seus empregos, at que sejam
empregados em outros lugares de igual ordem e
ratbegora. A' commissao topettgttoa.
Outra, de Jos Cavalcanti de Aibuquerque l.u
esrrpturario do consulado provinciil, pedindo um
anno debeenca, com todos os seus vencimentes
uaiaFdS stnrsaniic A' oommw*) ticoes.
Outra de Antonio Marques da Silva, pedindt
um abate no prego porque arrematou o imposto
sobre as cargas de fariuba vendidas no mercado
desla cdade. A' commissao do peticoea.
Outra de Francelina Maria da Silva Aibuquer-
que professora publica da cadeira da luirrusilha-
da do Rosarinho, pedindo que se marque quola
para seu pagamento.A' commissao de orcamen-
to provincial.
Outra, dos moradores do povoado Duarte Oas,
na Victoria, pedindo a creaeo do urna cadeira de
instruccao primaria para o sexo masculino n'a-
quella ocalidade. A' commissao de instruccao
publica.
Sao julgados objectos de deliberaco c manda-
dos imprimir os seguintes projectos.
A assembla .legislativa provincial de Pernam-
buco, resolve:
Arl. 1." O prosidente da provincia mandara
vir dos Estados Unidos ou de oulro paiz onde se
adiar mais aperfotcoado o fabrico do assucar da
canna, dezeseis mestres de assucar e outros tan-
tos mestres de as-'.enlmenlos, i>ara exercerem
suas profissoes no districto qne a cada um for de-
signado.
Art. 2. Os mestre de assenlamentos exercero
sua prolisso nos^ngenhos de seu districto pelos
respectivos proprietarios ou reodeiros, sendo obr-
gados a receber os discpub que se Ibes apresen-
larem percebendo pelo ensino de cada um a gra-
tilicacao que fr convencionada.
Art. 3." Os mestres de assucar durante a co-
Iheita das safras sao abrigada! apercuior lodosos
engenhos de sea districto, examinar o fabrico de
cada um, notar os defeitos do assucar, e suas cou-
sas, e ensinar os meios de inelhoramento, e por
esle trabalho terao a gratilicago que se conven-
cionar.
Art. 4." Pdente exercer sua prolisso em um
dos engenhos mais centraos do ma disircto, que
mais vantagens offerecer, onde recehero os disc-
pulos que se Ibes offerecem medanle as gratiliea-
crs que por cada um so convencionar.
Art 5.* As gratificacoes de que tratam os ar-
tgos sntecedentes sao pelos cofres provinciana.
Art. 6." A zona agrcola da provincia lica de-
vidiila em dezeseis districto^ da forma seguie
Io comorehendo as freguezas de Afogados, Ja-
boato e Muribeca; 2o Varzea e S. Lourenco da
Malta; 3 Maranguape, Iguarass e Uamarac;
4 Pao d'Alho, Gloria e Luz; 5 Victoria; 6o Es-
cada ; 7o Nazareth; 8 Trar.unhiem ; 9* Cabo ; 10
Ipojuca; 11 Goyanna, O' e Tejucupapo; 12 Seri-
nhem oGamelleira: 13 Rio Formoso e Una; 14"
Preta e Montes; 16 S. Vi-
se
de
seu nessoai e sua cuuse .ay, ~~.^.<---------
cao inclusive de toda a obra, e coacessao de penas
'agua para casas particulares, sem preiuizo do
,B .ramniia dhs chaParlzos e de toda a obra
Subdelegada do 1" districto da fregttB do S.
.LonrenQo de Tejucupapo, 20 de fverefro de 1869.
'fflm. Sr.Quando somos extraaos a fictos que
se ms anruc^aii^ ios outra defeza, se
tjo a^oefa qn mf'ratidarle.
o seu pessoal c sua conservacao, asseio e flscalisa-
co inclusive de toda a obra, e c
d'agua para casas particulares,
publico, e garanta dbs chafarlzos
contra as aggrcssoes particulares, salvo forca
maior, e multa pola infraeco do regulamento.
c Art. 7. Ficam revogadas as disposiQfles em
t Sata'das romrmssCes da assembla legislativa
provincial de Pernambuco, 24 de marco de 1808.
-Andr Cawkinte de AgWFf*:*
3." discusso do projecl*. 8 de ipo .
Art. 1. 0 presidente da provincia Ara auton-
sado a mandar qne indino o contracto
pola cmara mTirmH](aMe tarreiros, eom A-
Barreiros; 15 Agua
cente e Itamb.
c Art. 7. Para a execuco da presente tai
consignar no orcamento da despeza do. anno
1869 para 1870. a quantia de trinta contos
ris.
t Art. 8 Ficam revogadas as disposicoes em
contrario.
t Sala das sess5es, 20 de abril de 1869.Felis-
bino. >
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve:
Art. nuieo. Fica creada nma cadeira do im-
troceato primaria para o sexo femmino na pofoa-
co de Duarte Dias; revogadas as disposicoes em
t Paco d'assembla 21 de abril de 1869. A.
Beltrao.Amaral e Mello.
O SR. GO.NCALVES DA SILVA. Sr. presiden-
te, como membro da commiaso nomeada por cata
Ilustre assembla para felicitar o Exm. Sr. coaaa-
lheiro Dr. J.-o Silvoira de Souza. como membro
do gabinete de 3 de agesto pela maneira distinc-
ta porque deixou o poder venho dar cenias casa
do resultado da tarefa honrosa que nos foi ceta-
liada.
A commissao, felicitando a S. Exc. tan o dis-
curso seguinte:
t lllm. e Exm Sr. conselheiro Dr. Joo SS|wi^
de Souza.A assembla legislativa provincial de
Pernambuco em sesso de 13 do corrente mez de
abril, nomeou aos abatao assignados, para qpiegf"
commissao vies3em felicitar a V. Esc, para
'-Ihe o jubilo de qu
neira honrosa e
o ministerio de 3
llEGtVEL
V


Diario de Pemambuco Quinta feira 29 de Abril de 1869.
V. Exc. tao preslimoao ;>orttnte eni-
bra.
Simftun. Sr. a awemb
nauabuco no de vi a
la de um facto tao grana tem enchido de
Unto e to nobre orgull. e ^moro-
so partido, ao qual ella pcrtence : faeto que *eudo
appfctdido era todo o njpeck, repercuti do modo
mato significativo no saio da representacao nacio-
nal, dando lugar a qu os dessidaktcs de hontem,
se congregassem para .applaudircm o eoraporta-
raeuto ilo ministerio de 3 de agosto, Atando deste
modo tao unido e compacto o partido liberal do
paiz, que se pode der, sem medo do errar, que
*iin tempo algum, elle foi tao forte e cheio de vida,
eomo hoje, nao obstante os tormentos e asperse-
guicoes por que o ha foito passar jj partido domi-
nante.
O ministerio de 3 de agusto podo tero desvaae-
'imento de dizer, que a su inerte foi tao flloriosa,
qaanto a sua vida. I'ara^ubir, foi rogado^or urna,
duas e tres retes, para qae o fizesse : para deseer
tambem foi rogado-pelo niesino numero de vezes,
para que o nao kesse.
Este procedimento do peder irresponsavel sem
tuvida que indica muilo apreco ;u]uelle ministerio,
o neahum outro cm nosso paiz a comecar mesmo
de sua independencia, ja tevetamanha honra.
Quaado em um paiz constitucional se dao aconte-
cimentos de tal ordem, elles nao podem dcixar de
invorrer ideas de muito alcance e cheias de bons
auspicios para o mesmo paiz.
X V. Exc. e aos seus dignos eompanheros cabe
sem a menor contestarn a maiesubila honra, pelo
papel brilhante, que representaran) na emergencia
poltica que ento se deu; por quanto Mudo o m-
isterio de 3 de agosto solidario no pensamento do
serem os ministros responsaveis pelos actos do po-
der moderador e sendo esta thcoria a nica com-
patvel com o systema que nos rege, nao dcvia re-
frendar o decreto, que escolheu senador pela pro-
vincia do Rio Grande do Norte ao Sr. Torres Ho-
uiem, por lhc ter parecido desacertada esta esco-
lha, e neste caso a demissad ora o passo que V.
Exc. eos seos tUaftres collegas deviaiu dar.
A aaeao brasileira applaudio com vivo enthu-
siasmo semelbante arocedimento e dizemos a na-
eo brasileira, porque a cmara dos Srs. debuta-
dos que a representa, o approvou por urna inaioria
de 8o votos contra 10.
Ha quedas, Exm. Sr., que sao una verdadeira
elevaeo e que muito nobilitam aos que as do. No
facto cima alludido est a grandeza c a impor-
tancia do partido liberal do Brasil e podemos aflir-
mar a V. Exc, que muito elle ganhou com a reti-
rada do ministerio de 3 de agosto, porque ella de-
monstren de modo claro e decisivo quanto podem
as Meas liberaes neste paiz e no secuto actual.
O partido liberal vive boje contente como nun-
ca, e espera que em breve serlo traduzidas em
tactos os suas agjHraedes, tendo lugar as reformas
redamadas pelas necesidades publicas, e contando
en V. Exc um importante auxiliar, est convicto
de que sero niantidoi os seus principios e satis-
eitos os seus desejos.
Receba pois V. Exc. as congratulaos da as-
amblea provincial de Pernainbuco e sejam ellas a
expressao maiseloquente da gratido, estima e alto
apreco, que ella tributa pessoa de V. Exc.
Reeife, 1G de abril de 180!).Luiz Goncalves dn
silva.Agres de Albuquerque Gama.lodo da
Silva famoi. >
S.Exc. o Sr. conselbeiro Silveira de Souza res-
pondeu felicjtaro que llie foi dirigida nos ter-
mos seguintes ; (le).
Srs. menibros da commisso.E' com o maior
prazer e reconhecimento me recebo a honrosa fe-
licitaeo, que' a assembla legislativa da provincia,
por vosso intermedio me dirige, pela maneira por
que se retirou do poder o miuisterio de 3 de agos-
to, de que fui membro.
Era espinhosa a posicao desse ministerio sobre-
todo nos seus ltimos dias. De urna parte una
deploravel divergencia entre os seus proprios cor-
religionarios, e as constantes e cada vez mais alei-
vosas machinacoes do seus adversarios, e de ou-
tra, no exterior, urna guerra fatal que llie absor-
via todos os cuidados, energa, c recursos que em
epocajiormal seriam despendidos nos grandes me
Ihoramentos que o paiz reclama, accumulavam en-
tao na atmosphera poltica elementos que todos os
exploradores do ptwer convertan! fcilmente con-
tra elle em armas de descrdito e destruico.
Entretanto o ministerio prosegua firm no sa-
crificio mu nso que Ihe impunham o seu dever e
a honra nacional, e escudado na alia confianca da
corCa e no prestigio de que ella poda rodeia-lo.
sentia-so capaz de realisar atravz de todos os
obstculos a sua misso de paz pela victoria no ex-
terior, e de liberdade no interior pelas reformas
bem pensadas.
Mas aqaaUa alta confianca e aquelle prestigio
me (alharam de sbito no da em
-nuneiaila esBOfba Rio-Grande do Norte a que alludis ; 'escolha que
O ministerio julgou desacertada, e que professando
a doutrina, nica admissivel em um paiz livro, de
ii'sponsabiidade ministerial nos actos do poder
moderador, elle nao podia referendar sem lavrar a
sua propria condemnacao ; e pois retirou-se.
Esta retirada nao foi nicamente um acto hon-
roso para o ministerio ; ella marca urna poca
importante no paiz ; a aurora de urna nova era
em que as facetes vio ser substituidas pelos par-
tidos regulares, cm que a poltica do individualis-
mo tem de desapparecer no antagonismo das ideas,
em que a rotina e a subserviencia cedero o ter-
reno a una poltica mais elevada e mais digna de
orna naco que aspira aos foros de civilisada e
tvre.
Aquelle acontecimento por assim dizer-se, a
primeira palavra da revolucao pacifica, que_ bre-
vemente nos arrancar do torpor e degradacao po-
ltica em que at aqu temos jazido. Em futuro
talvez pouco remoto as quedas e subidas de minis-
terios nao podero ser mais esses meros iogos de
nomos proprios que a cada momento se substituem
na mais ingloria e criminosa das trelas, a de per-
petuaren! o desgoverno que a passos largos nos vai
levando dissolueo social.
Era j tempo do acordarmos. O partido libo-
ral hoje forte e unificado por aquelle aconteci-
mento que Ihe veio revelar e ao paiz toda a pro-
undeza da chapa que corroe o nosso corpo poli-
tico, e a necessidado de remedio prompto e eflleaz,
nao querer mais, de certo, subir ao poder senao
levando em punbo e erguendo bem alta a bandeira
salvadora das reformas; dessas a que a naco
aspira, que a opiniao publica todos os dias pro-
clama por seos innmeros orgos de um extre-
mo do imperio a outro, e nicas capazes de o fa-
zerem entrar as vas de um goveruo realmente,
representativo e livre em que as cmaras nao se-
jam meras chancellaras do poder, nem o appello
ao povo as dissolucoes urna farca vergonhosa
destinada a dar sempre razad ao absolutismo.
E' portanto com razan que a assembla legisla-
tiva desla provincia heroica, que mais de urna vez
tem sido a atalaia de nossas liberdades e berro de
tantos e tao gloriosos de seus martyres, applaude
o modo por que caho o ministerio de 3 de agosto,
o contente espera delle no futuro os mais felizes
rebultados para a sociedade brasileira. Tacs fo-
ram tambem os motivos pelos quaes to solemne-
mente o applaudiram a cmara liberal de entao,
e a grande maioria do paiz, cujas manifestaedes
nesse sentido anda echoam por toda a sua vasta
extencSo.
Por minlia parte, depo3 de haver contribuido
aara aquelle faelrTcom a minha insignificante per-
sonalidade. resta-me acompanhar em seu nem
fondado jubilo e esperanzas a assembla legislativa
da provincia, e a todos os cidadaos que prezam a
verdade e oaperfeicoamepto do systema que nos
rege; e serao para mim os das mais felizes de
minha vida aquelles em que possa ainda, como
simples soldado do progresso e da liberdade, pres-
tar para o triumpho de sna causa santa o fraco
auxilio de minha intelligenc>a.
Muito mais valioso Ib' o poder offerecer, sem
duvida, a mocida'de rica de talento c de patriotis-
mo que compde a assembla legislativa provin-
cial : dizei-lhe pois, senhores, que eu faco os mais
-3rdentes votos para que elle na> arrefeca um rao
ment nessa obra grandiosa, e:n que todos deve-
roos empenhar o mais decedido esforz e dedica-
c5o.
Dignai-vos finalmente apresentar-lhe os meus
protestos do mais profundo respeito e considera-
5o.
Recife 17 de abril de 1869.lodo Silveira de
Souza. >
Sr. presidente a provetando-me da palavra, qne
V. Exc. se dignou de conceder me, peco a V. Exc.
qne consulte a casa, se consente, que sejam trans-
cripto na acta os dou* discursos, que acabo de
lr: pei, qne mais um augmento de trabalho,
que vai pezar sobre o nosso digno collega o nobre
segundo secretario; mas sei tambem que elle Aca-
ra compensado pela dedicacSo e esmero, que elle
emprega n desmpenbo do carpo, que tao digna-
mente ocenpa, e ainda mais pelo fogo sagrado da
tib rdade, que de dia para dia, cada vez mais se
ateia em sen peito ainda tao joven, e por isso es-
pero que elle debom grado anna, ao meo pedido.
Sr. presidente pens, minha opiniao, qne estes
iacursoj muilo exprimen) sol>re a poltica que ca-
os) : que
robustos
asseuv-
da harmada e eoborencia
D'um laoo Srs. u mos a assembla em sua tota
bdade approvando o applaudindo o ministerio de 3
de agosto, -pela saa retirada do poder, quaado lbe
faltou a confianzada eora, em que elle floto se
apnpiava : de outro lado temos um membro emi-
ueme dacjuello ministerio, um brasileira distncto,
nm denodado atlileta Jas liberdades patrias, o
Exm. Sr. conselbeiro Dr. Joao Silveira de Souza,
se congratulando cora esta assembla por seuie-
Inante acoirtechnento, que sem duvida Irar dias
propicia* ao nosso impeno (muitos apoiados, mui-
to bem).
E' por isso que cu desejo, que sejam transcrip-
tos na acta dos uossos t abalhos os dous iscursos,
que ha pouco vos li, aflm de que fiqnem archiva-
dos na secretaria d esta assembla, paraconstarem
em todo o tempo e poaereinattestar a ded*cac;ao,
a harmona de vistas e o patriotismo da assembla
provincial da iliustre e sempne heroiea provincia
de Pernambueo. (Muitos apoiados) muito bem,
muito bem.
Consultada a por unanimdade,
OEDEM DO DIA.
Primeira discn*sao do projecto numero S deste
anno.
O SR. AMARAL E MELLO: Sr. presidente,
espere alguns momentos, depois da leitara do
projecto n. a deste anno, que alguem se apresen-
tasso neste recinto pergunlando qoem ousava pe-
dir disposicao de lei, que retirasse dos estabeleci-
mentos aonde se pratca a vrtude da caridade, os
estrangeiros ([uo ensinam a caridade a este povo
que nao a sabe exercer.
Sr. presidente, parece ousadia minha erguer a
voz contra esse pensamento que tem sido muito
bafejado pelos instrumentos do poder, do se julgar
neste paiz como necessario, como indispensavel
para a paz domestica, para a virtude entre os ca-
sados, para as hijas doutrinas, para o exemplo fi-
nalmente que nos nao podemos adiar eutre os
brasilciros... a presenea dos estrangeiros bons
mestres desses principios...
O Sr. Emiro Coutinho :Refere-se s innaes
de caridade nos hospitaes ?
O Sr. Amaral e Mello :Refiro-nie a quem
diz que indispensavel nesta trra irmaas de ca-
ridade para cnsinar a viitndc, essa gente, que an-
tes j a pratieavam no paiz.
O Sn. Ermiro Coltinho :Mas oeeupa-se del-
las quanto aos servcos que prestam nos hospi-
taes T
O Sr. Amaiial'e Mello : preciso que se fei-
che essa porta aos estrangeiros, e que se abra a
brasileiras liabilitadissimas tambem para pratcar
essas virtudes. (Applausos no sal5o e as gale-
ras.)
Entretanto, senhores, parece-me ouvir, que
umitas l dizem comsigocomo ousaes erguer-
vos contra esses exemplos de virtudes ? Se me
parece ouvir isso, eu quero responder a esses que
nao fallara, mas que pensara assim...
O Sn. Silveira Lobo :Nesta casa todos tem a
franqueza precisa para manifestar os seus pensa-
uientos.
O Sr. Amar \l e Mello : Nao me reflro aos
nobres deputados, fallo aos que aqu nao teem as-
senlo, fallo opiniao plantada pelo jesuitismo, a
esses que eu fallo.
esses digo eunos temos tambera brasileiras que
sao capazes de praticar essa virtude. (Muitos apoia-
dos no salao e as galeras.)
O Sr. Lopes Machado :E sem ostentacao. (A-
poiados.)
O Sn. Amaral e Mello :Sem ostentado.
para e.-ses que cu fallo.
Eu nao pretendo, senhores, deraorar-nie na
sustentacao de urna idea que pens aceita por
todos os meus nobres collegas. (Apoiados.) P< uso
que todos os meus collegas, como eu, entendem
que necessario mostrar quo o Brasil nao est
tao atrazado que precise de estrangeiros para nos
Minar a virtude. (Applausos no salo e-nas ga-
leri:.s.)
O Sr. Presidente :Attencao.
O Sn. Amaral e Mello :Pois bem senhores,
se esse o pensamento da assembla, nao me de-
morarei sobre o assumpto, di re apenas quoo meu
lini foi tao bem abrir urna porta para o brasileira
achar servico, achir trabalho, porque incontes-
lavel que nsses estabelecmentos existem erapre-
gos em que se trabalba lucrando, incontestavel
que no Brasil o pao custa caro, nao ha muito aon-
da o ganbar, nao ha no Brasil profisso que per-
tenca ao brasileira. Qual a profissao que per-
lenco a nos os brasileiras ?
em que ihe foi ll-_ O.Sn. -Bec Bahiuis :A Lia armai.
pela provincia do O Sa. Lopes Machado :Trabalhar para as ir-
maas de caridade. (Risadas.)
O Sr. Amaral e Mrllo :O meu fim, pois, co-
mo ia dizendo, pedir rfue se deixe s virtuosas
brasileiras o lugar que est sendo preenchido por
virtuosas estrangeras, que fiquem esses lugares
tambera para ellas.
Um Sn. Deputado : Que nao fazem monopolio
da virtude. (Apoiados.)
O Sr. Amaral e Mello :Eu nao quero levan-
tar minha voz aconipanhando a esses que olham
para os jesnitas, para os irmos e irmas do je-
suitismo como entes absolutamentes prejudiciaes
sociedade, nao, nao os acompanho nesse terreno
Eu digo, porm, que entre nos a virtude nao est
banida. Que precisamos educar-nos, urna ver-
dade, mas temos quem nos eduque.
Nos collegios, nos estabelecmentos a cargo da
Santa Casa de Misericordia existem muitos lugares
que eslao sendo exercidos por estrangeiros; es-
ses lugares podem ser oceupados por brasileiras,
porque nos temos gente habilitada para isso.
Foi esta a razao do projecto que apresenta-
mos; nada mais quero accrescentar. (Muito bem,
muito bem.)
Encerrada diseusso o projecto posto vo-
tos e approvado, sendo o intersticio dispensado
requerimento do Sr. Lopes Machado.
1* discussao do projecto n. 7 deste anno, ap-
provando diversos crditos supplementares aber-
tos pelo goveruo.
Contina a primeira discussao do projecto n.
61 de 1863, determinando que os empregos da se-
cretaria da assembla so possam ser creados
por projectos apresentados pela commiss') de po-
lica.
Vcriicando-se nao haver casa fica a discussao
adiada.
O Sr. Presidente designa a ordem do dia e le-
vanta a sessao.
ras da villa para venderem-se mcrcadoria, g
eros e legarnos nos dias de feira ; e as multas,
que serao cobradas ejecutivamente pela es nara
municipal do Cabo.
t Revocadas as dsposieoes em contraro4-Pa?o
d'APsattbla Provincial, 15 de abril de 1B69.4-.1m-
dr CoMleante a"Atbuqiurque.liego Barris.U
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINCIAL.Na sessao de hon-
tom requerimento d9 Sis. Gaspar Urummond e
Andiv Cavalcante lu Bornean urna commisso
composta dos raesmos aeahoree e do Sr. Amaral e
Mello para examinar* estado dos estabelecmentos
cargo da Santa Casa e propor medidas inve-
nientes ao melboramento de seu estado finan-
ceiro.
Occupon a attencao da casa o Sr. Miguel Amo-
rm %)bre alguns tactos criminosos que se deram
no distncto de Capoeiras praticados pelo subdele-
gado daqueha localidado, sobro os quaes faltou o
Sr. Gaspar Drnramond justificando o procedimiento
da autoridade. -a
Ouvio-se depois ao Sr."Amaral eMellona juHF
ftcacao de nm reqturiraento que apreseritou pedn-
do informaces ao governo sobre os factos que
tiveram lugar na tarde do dia 25 do corrente no
pateo de palacio.
A discussao flcou adiada por falta de numera.
A ordem do dia para a sessb de hoje a 1*
discussao do projecto n. 11 deite anno, 2a do pro-
jecto n. i do mesmo anno, e posturas da cmara
de Tacarat
1NSTRUCC0 PUBLICA.Para reger interina-
mente, mediante a gratificaco de 6005 annuaes, a
cadera de ostrueco primaria de Nossa Senhora
da Luz, foi nomeado, por deliberacao da presiden-
cia do 26 do corrente, Manocl Eduardo Lias Wan-
derley.
NIO BENEl-'ICE.NTE DOS ARTISTAS SEL-
LEIROS c'or deliberacao da presidencia d pro-
vincia, de 26 do corrente, foi nomeado presidente
desta sociedade o Sr. Auspicio Antonio de Abreu
t u i maraes.
NOVAS LLNHAS DE VAPORES.Segundo diz
um perisdico inglez, D. Aiture de Marcoartu vai
estabelecer urna linha de vapores expresm entre
Londres c as repblicas do Prata, que farad aira-
vessia do ocano, de Lisboa Montevideo com
una rapidez extraordinaria, pois s empregaro
15 ou 16 dias.
E' tao consderavel o progresso do commercio
daquellas repblicas que teem hoje as seguales
linhas de vapores: a subvencionada pelo governo
britannieo, a subvencionada pelo governo francez,
a subvencionada pelo governo belga, a subvencio-
nada pelo governo italiano, duas linhas inglezas
mais que saeni de Liverpool e de Southampton,
oulra linha que parte de Marselha, e outra de Ge-
nova. Assim cada 3 ou 4 dias se teem agora noti-
cias na Europa daquelles palcas.
AUTORIDADES POLICIAESPor deliberacoes
da presidencia, de 22 o 24 do corrente, foranide-
mittidos: Jos Joaquim Barbosa da Silva, de 1
supplente do subdelegado de Iguarass; e Antonio
Jos Barbosa Bahiano, de subdelegado de uri-
cury.
PARA A CORTE.-Seguiram hontem abordo do
Paran, alm dos vindo do norte, os Srs. senador
visconde de Suassuna, e deputados Drs. Manoel
^Ji?H(,nCeS-e5'ltt'3dlze'nflUC ^Sfa.Vaenntmo Carneiro daCunha, desem -ilor
do caridade servem para no< ensinar candado, a Ajvaro rja|
Como >ixas--e de ser collocado em lugar com-
petente na sessao da assembla provincial de 12 do
corrente, damo-Io aqui para conheciraento dos
leitores.
PROJECTO .T 1.
A assembla provincial de Pemambuco, re-
solve:
< Art. 1. O presidencia da provincia autori-
sado contratar, com qualquer nacional ou es-
trangeiro, o levanta ment d'um telhniro com as
accommodagoes necessarias para o recolhimeoto,
guarda e venda das mercaderas, generas e legu-
mes trazidos feira da villa do Cabo, observndo-
se o seguinte:
1." O presidente da provincia dar o plano do
edificio, com deolaracao da sua extructura, forma
e qualidade do material, que indispensavelmente
ser de tijollo ou pedra, e o tempo para sua con-
clusao.
_ 2." O telbeiro dever ser levantado no lado do
oitao da matriz, fazendo-se um paredo qne ligue
ao outro j existente no fundo da mesma matriz,
procedendo-se s escavades e demolieres neces-
sarias do pequeo monte que jaz em dito oitao, re-
servando-se nao menos de vinte palmos do monte
para a igreja.
3. Etabelecer multas pela infraccio do pla-
no dado, em favor do cofre provincial, at que o
edificio se ache conforme o plano.
i Art. 2. O eraprezario contratante ter a posse
do edificio por seis annos, a contar do dia de sua
abertura ao publico, percebendo a taxa das mer-
cadorias, generas e legumes entrados e guardados
no edificio da feira, mareado pelo presidente da
provincia no regulamento.
Art 3." Findos os seis annos, o edificio da fei-
ra ser entregue ao presidente da provincia, no
mesmo estado era que foi aberto ao publico, sem
indemnisaco alguma do cofre provincial, que nao
concorre com quota alguma para a fundacao d >
edificio, e desapropriacCes necessarias, passando
entad ser propino da cmara municipal da villa
do Cabo, com juz ;i cobranca das taxas marcadas.
< Art 4.a O presidente da provincia, ouvindo a
cmara municipal io Gibo, dar regulamento so<
ore a polica da feira, a fiscaiisacao, asseio e con-
servacao do edificio, as horas da abertura e fecna-
mento d'este nos diaada feira, qne sero em todos
os sabbados, e mais nS dias vesperas de Natal, de
Paschoa e Espirito Santo; a taxa cobravel pelas
mercadorias, genero* e legumes, entrados e guar-
dados no edificio da feira; a prohibfcao de levan-
tomento de quitandas, barracas e balcoes etc. as
Barbalho Uchoa Cavalcaute, Francisco Ra-
phael de Mello llego, Tlieodoro Machado Fitre
Pereira da Silva, baro de Mamamguape.
MEZ MARIANO.Cora permissao do Rvm. gur-
diao, pretende o Rvm. frei Joao Baptista do Espiri-
to-Santo dar comee ao piedoso exerccio do mez
mariano no convento de S. Francisco, na madri-
gada de 30 do corrente. Aos devotos de tao pe-
doso exercico pede elle queiram concorrer c*m
suas esmolas, para adjutorio das solemnidades.
DINHEIRO.O vapor Paran levou desta praca
3:0003 para Maeei, e 8:083? para o Rio de la-
nero.
ILLUMINACAO A' GAZ.-Com o praso di 40
dias, a vencer em 31 de maio prximo, acha-se
aberta a concorrenca illuminacao gaz de Oln-
da, Goyanna c Rio-Formoso, devenda as props-
^is, em carta fechada, ser entregues nesse dia na
secretara do governo. As condicSes principies
sao transcriptas no lugar comp tente.
ASSASSINATOS.No dia 8 do corrente, no lu-
gar Barro das Cabacas, do termo de Villa-Billa,
Manoel Moreira de Souza, encontrando sua, niu-
Iher, Mara Florinda de Jess, era adulterio. com
Antonio Jos Limeira, deu um tiro de pistollaneste
e esmagou-lhe ao depois a cabeca cora um ma-
chado, indo em segnida ao lugar em qit g" acha-
ra ana muiiior, onro .id3sinou-a com dez faca-
das, fazendo com urna pedra em sua caneca o
inesmo que fizera ao cmplice. Em seguida foi
entregar-se prsao, narrando o corrido.
PRISO DE CRIMINOSO.No dia 16 do corren-
te o capit Antonio Lopes de Siqueira Braga
entregou prisao, na villa de Flores, seu filho
Lucio Lopes de Siqueira, criminoso do mone.
ANNIVERSARIO NATALICIO.-Fez hontem 27
anqos S. A. o Sr. conde d'Eu. Durante o dia es-
tveram embanderados os navios de guerra e esta-
Soes publicas, havendo urna hora da tarde a salva
o estvllo.
NAVIO DE GUERRA. Fundeou hontem ao
escurecer no lamaro una curveta de guerra
italiana.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.Hoje o ulti-
mo dia em que os vapores Ipojuca e Giqui desta
cumpanliia lomam carga para os portos do norte
e sul, conforme j se acha anuunciado pela mesma
companha.
LOTERA.A que se acha venda a 104', a
beneficio da matriz da Escada que corre do da
o do corrente.
BILHETES OFFERECIDOS. Numeracao dos
blhetes da 104* offerecidos pelo thesoureiro das lo-
teras para auxilio das despezas da guerra :
Blhetes ns. 1148 1137.
Producto dos blhetes
7:6025200.
CEM1TEHIO PBLICO.-Obituario
abril de 1869.
Henriqueta, Pemambuco, 10 annos, Santo .Anto-
nio; tubrculos.
Flix, Pemambuco, 6 annos, Boa-Vista; pulmo-
nite.
Francisco, Pemambuco, 22 annos, solteiro, Boa
Vista; indigesta.
Mara, Pemambuco, 12 dias, St;. de Oliuda; es-
pasmo.
Mathcs, Pemambuco, 7 annos, Poc; febre.
Germino, Pemambuco, 2 mezes, Santo Antonio;
convulsoes.
Armina, Pemambuco, 9 mezes, Boa-Vista; es-
pasmo.
Vicente, Pernambueo, 12 mezes, Santo Antonio;
inchaco.
Candida Cicilia da Cuneeiga Mott';, Peruambuco,
35 annos, casada, S de Olinda; antojos.
Maria da Conceicao Pereira da fiilva, Pemam-
buco, 60 annos, viuva, Boa-Vista; gastro inte-
nte.
Jacintho Jos Cardoso, Bueno-Ayres, 40 annos,
solteiro, Boa-Vista; infrecao pulmonar.
Mariana da Silva de Jess, Pernambueo, 70
annos, viuva, Boa-Vista; disenteria. -
Luiz, Peroamboco, 1 anno, Recife; convnlsoes.
Mara Marques da Silva, Peraamboco, 52 annos,
viuva; cancro.
Sebastiao, frica, 80 annos, Boa-Vista; diarrhea.
offerecidos at hoje
do dia 26 de
Calheta, 32 annos, soltaba, Santo Antonio;
pthysica pulmonar.
Dr. Jeronymo Villela de Castro Tavares, Per-
namboco, 54 annos, casado,; benorrhagia cere-
bral.
Florinda, Peraamboco, 10 mezes, S. Jos; nepa-
lte aguda.
Lanriana Maria de Lima, Pernau buco, 40 annos
casada, Boa-Vista; vlvulas.
annos, viuva, Recife; pericardite.
Anna Joaquina do Sacramento, Pernambueo, 75
annos, viuva,S. Jos; congostoc Manoel, Peraamboco, o dias, Santo Antonio;
ttano.
PUBLICACOES A IPEDIBO.
Sr^JRcdactores.Lemos urna correspondencia
ese.ripa no seu Diario de 3 do corrente, a qual se
inscreveUm aitentado impune i.a provincia das
Alagos.
Neaaa correspondencia, em que se trata do tiro,
gue soffrau o portugnez Manoel THxeira Machado
Jnior, se faz ama immerecida censura ao chefe
de polica desta provincia, o Dr. Deifino Adgusto
Cavalcanti de Alhnquerque, que piocedaQ-nocao,
como Ihe curapria, segando se v do o/flcfi, qne
por occasiao de til aeoakeimenio dirigi elle.
presidente, e gue se acha na folha offlcjal de. 8 de
feverero; c da publicar, quo proposito da
mencionada correspondencia seje hoje na mssraa
folha (Diaiio das Alal/as), assiflada pelo Dr. Jo-
s Antonio de Magalhaes Bastos, publicaco o ofll-
ci, que Vrac. lera a bondade deieprodiuir aba#
xo desta.
O Dr. Deifino bem conhecido, principalmente
em Pernambueo, para precisar de mais justifica-
cao, c seu proeediincuto as Alagas tem sido
sempre pautado pela moderaco e jusjica ; tanto
que, estando aqu lia oito mezes; e tendo assistido
s eleigdes.; nada solfreu anda das folhas opposi-
cionistas. '
Maaei, 21 de abril de 1869.
J. .
-----.
N. 34.Secretara da polica em Maeei, 29 de
Janeiro de 1869. Illm. e Exm. Sr.Montera daa
nove para dez horas da noite na ra da Boa-Vista
desta capital, teve lugar um facto que, com quan-
to seja raro, so ba todava dadaem as grandes ci-
dades ainda as em que poTcia dispoe dos mc-
lhores recursos ; Manoel Telxeira Machado Jnior,
ao recolher-sc paracasa, foi aggredido por dous
homens que, arraadw de cceles e pistola, o pro-
curaram arsassinar, e nao o conseguiram em vir-
tude da resistencia opposta pelo 3ggredido, que re-
cebeu ainda dous ferimeutosum na cabeca, re-
sultante do forte cacetada e outro de um tiro na
ino direta.
Apenas tive conhecimento do attentado, apre-
sentei-me em casa do offenddo, onde j me lia
vam precedido o delegado e subdelegado, quq.lo-
go fez o competente auto de corpo de delicio.
Os criminosos fugiram pelo becco do sobrado
em que mora o capitao Menezes, eni busca do
Morra que fica atraz da ra do Sol, e por cujos
mattos se entranharam.
Logo que cheguei a casa de Machado, Iratei de
saber quaes s possas, sobre quem se faziam re-
cahr a autora desse crme, e ouvindo o propro
offendido mandei por, pouco depois em cerco
parte da ra do C?mmerco, a boje IU conduzir a
esta secretaria o negociante Josephino Martinho da
(xtsta e mais dous cscravosum de Jos Teixera
Machado e outro de Antonio Ferreira Prado; o o
negociante Bento Estrella, e procedendo a interro-
gatorios, me convenc de que nao baria contra el-
le; presumpcao que podesse autorsar nma prisao
previa; entretanto prosigo as indagac/ies preci-
sas para descubrir os criminosos, e cont com o
auxilio das autoridades polciaes, e especialmente
com a inlelligencia e actividade do Dr. delegado de
de polica, que sempre vejo a meu lado nessas e
ouiras occasoes.
Nao devo esquecer de declarar que o capitao
Sarniento, commandante interino do corpo de po-
lica, nao s me prestou promptamenle" a forca
que Ihe exig, como esteve sempre na ra at boje
s nove horas da manha, quando mandei retirar
o cerco das casas por j haver conseguido o fim,
que tive em vista, e era evitar a fuga daquelles,
aqs quae3 j me refer, o que tudo communico a
V. Exc. a quem
Deus guarde.Illm. e Exm. Sr. Dr. Jos Bento
da Cunta Figueiredo Jnior, presidente desta pro-
vincia.O chefe de polica Deifino Augusto Caval-
cante de Albuquerque.
Factos desta ordem nao precsam de commeii-
tarios, porque, alm de tudo, o advogado de Jose-
phino espalhava que contava com a autoridad*
Li este tpico em um artigo publicado no Dia-
rio de Pemamauco, e transcripto no Liberal desta
provincia n. 8.
Devo resposta, porquo o Sr. Josepluno Martins
da Costa me deu una procuracao para- defender
seus direitos caso fosse preciso.
O Sr. Manoel Teixera Machado Jnior soffreu
offensas physicas, evadindo-se seu offensor, ou of-
fensores, a qoem nao conheceu.
Motivos particulares Ihe lizeram suppr que li-
nha sido o mandante o Sr. Joscpliiuo, maj sem
pravas nao pode intentar queixa contra elle.
Hequereu, porm, para andar armado ao Illm.
Sr. Dr. chefe de polica, que Ihe concedeu pe mis-
sao, e que alm disto mandou rondar a residencia
do Sr. Machado, e ainda manda, como me consta,
por policas disfarcados paisana.
Nao contente o Sr. Machado com tantas garan-
tas, requereu mais para ser obrigado o Sr. Jo-
scphino, a assignar termo de seguranca de sua
vida.
Coniparcceu o Sr. Josephino Martins da Costa;
e emquanto nao se abra a audiencia, acnando-se
n'outra sala o Illm. Sr. Dr. chefe de polica, o
escrivo para adiantar servico fez logo o auto de
qualifica^o, a que se recnsou assignar o Sr. Jo-
sephino suppondo que era o termo de seguranca;
porm nao chegando o offlcal de justica que se
mandara chamar, e nao podendo por conseguinte
ICr lunnn noala dlw. m |.>ojo.ijo, o lili. C-. !>*.
chefe de polica adiou-o paja outro dia, deixando
de providenciar sobre a recusa, como fosse de lei,
se se tivesse j aberto a audiencia.
No segundo dia marcado comparec entao como
advogado do Sr. Josephino, e deixou de so proce-
der, porque o escrivo como eleitor se achava no
collegio eleitoral.
Ficou tudo parado, porque o advogado do Sr.
Machado, tendo de fazer urna defeza no jury da
Imperatriz, obteve do Illm. Sr. Dr. chefo de poli-
ca, que se esperasse por sua volta, no que de
certo annuio o Sr. Machado, porque era acto de
seu advogado.
Voltando este, e requerendo novo dia para se
principiar o praces o, vio o Illm. Sr. Dr. chefe de
polica que nao se tratava de negocio tao grave e
urgente, pela demora havida vontade uo Sr. Ma-
chado, e para nao disirahir-se das suas complica-
das obrigaces, mandou que o Sr. Dr. delegad >
procedesse na forma da lei.
Nunca mais foi citado o.Sr. Josephino, que ve-
jo pelo artig a que me refiro, que nao ser obri-
gado mais a assignar termo de responsabilidade,
porque o Sr. Machado s confia va no Illm. -"r. che-
fe de polica.
Eis o que houve, e creo que o advogado
do Sr. Machado nao me dexar faltar a ver-
dade.
Nunca, como advogado, me blasonei de nimbas
relaeoes de annsade com as autoridades, peante
3uem tenho de requerer : dexo-lhes nteira liber-
ado, porque a quero a meu turno.
E ainda quando tivesse este mo costurae o
Illm. Sr. Dr. Deifino Augusto Cavalcante de Al-
buquerque como magistrado hornera da lei,
e nao se deixa levar por considerares pes-
soaes.
Julgo que o Sr. Machado me ha de fazer justica
e ao Illm. Sr. Dr. chefo de polica, o qual a ter
tambem da parte do advogado do Sr. Machado,
que mlhor do que ninguem poderla responder o
artigo a que me refiro.
Escrevendo estas linnas, cumpri um dever.
Maeei, 20 de abril de 1869.
Josi Antonio de Magalhaes Bastos,
P:
3.Ra Direita3.
As legitimas pilulas de velame.o xarope al-
cohlico e o ethereo tambera de veame, re-
centemen te feitos conforme a formula do fi-
nado pharmaceutico Prannos, assim como
os pos refrigerantes acham-se venda na
botica de Francisco Antonio das Cbagas
ra Direita n. 3, defronte do armazem de
molhados denominado Veado Bronco. Estes
medicamentos, ha muito conhecidos pelos
benficos effeitos que blo produzido em
nao pequea parte da populacho d'esta pro-
vincia, na do Maranhao e Alagas, incontes-
tavelmente sao dos mais enrgicos agentes
auxiliadores da natureza no vencimento das
doencas, servindo de grande alivio a huma-
nidade soffredra; e por isso se tornam
Joao, Pemambuco, 1 anno, Boa-Vista; varilas.
Maria Vctoriana de Jess, Pemambuco, 80- asss recommendados e prefenveis para as
pessoas que sotfrera de rlieumatismo, gln-
dulas enfartadas, ulceras, impigens, asthma,
tosse, amenorrha ou suppresso de mens-
truo, erysipla, amarellidad e menstruaco
difficil; sendo porm usados conforme a
direceo escripia que os acompanha.
Illm. Sr. Francisco Antonio das Chagas.
Soflrendo eu de rheumatismo e gota n'um
joelho e tendo usado de muitos remedios
aconselhados para o referido mal, nao tirei
resultado algum no periodo de um anno;
neste estado recorr ao veame a venda em
sua botica roa Direita n. 3, e gracas
a Deus, com urna s garrafa e urna calxinha
de pilulas acho-me restablecido. Agrade-
co-ihe portanto e espero que faca publico
este facto, aflm de qoejoutros as mesmas
:i
nnstancias aproveitem o seu proficuo
demedio.
Recife, 31 dejjarco^i8fJ9.
Julio fo da C0a.
Illm. Sr.*Francisco Antonio dat Chagas.
Beberibe, 1 de abril de 1869.Com o
maior prazerlo^) ao seu conffecimento, q>ie
a garrafa do*xaroje ethereo de veame e
os pos que comprei na sua botict ra
Direita n. 3, Hpderam extinguir a dr que
senta no4eto, tosse e febre que tanto me
flageuava, de /rma que me julgoarestabe-
lecjda.Desta sua criada obrigadissima
Marta JoaqaiiKfda Silva.
Trilhos Urbanos para
Jaboato.
Lista dos subscrlptoreMle ac-
^5es para a forina^So de una
coiupanhla.
Joao da Cunha Wanderley.... 100 20:000^000
Vicente de P. Oliveira V. Boas. SO 10:00000
Ferreira & Matheus.......... 50 10:000000
Thomaz de Aquino Fonceca e
Fillios....................
Joao Fernandos Lpez........
Henrique Gbson.............
liento Magalhaes.............
Demetrio Acacio de Araujo B.
Americo Nunes Correia......
Dr. Claudino de A. Guiraares.
Francisco Goncalves Netto___
J. F. S. Porto................
Augusto Frederco dosS. Porto
30
20
10
10
10
13
5
10
5
S
Jos Alexandre llbeiro.......
Dr. Esteva Cavalcanti de A..
Antonio Jos da Costa e Silva..
Luir. Jos da Costa e Silva
Jos Alvos da Silva Guimares
Jos Joaquim Lima Bairo....
Joaquim Jos da Costa e Silva.
Antonio Cesario Moreira Dias..
Jos Antonio Moreira Das.....
Jos Antonio da Silva Jnior..
Antonio Bapteta Nogueira-----
Bento dos Santos Ramos......
Antonio Augusto dos S. Porto..
Jos Fernandes Lima.........
Francisco Fernandes Duarte...
Antonio Jos C. Guimares___
Joao Evangelista do S.......
Antonio Moreira de Mendonea.
Jos da Costa Bispo..........
Paulo Jos Gomes............
Dr. Symphronio Cesar Coutinho
Domingos Teixera Bastos.....
Jos Antonio de S Leitao....
Bernardino Correia de R. Reg
Manoel de Abreu Macedo.....
Manoel Joaquim Baptista......
Tiburcio Valeriano Baptista...
Modesto do Bogo Baptista..... 10
Justino J. de Souza Campos... 10
Jos Moreira Lopes.......... 20
Antonio J. P. de Carvalho.....
Dr. Francisco do R.B.Barreto.
10:000 OOO
4:000 000
2:O00O(X)
2:0004000
2:000000
3:000000
1:000$000
2:0003000
1:0003000
l:000000
1:0003000
2:0003000
1:0003000
1:0003000
2:000*000
1:0003000
1.GW3000
2:0003000
2:0004000
2:0003000
1:0003000
2:0003000
1:0003000
2:0003000
1:0003000
1:0003000
2:0003000
1:0003000
1:000301 |p
1:0003000
5:0003000
1:0003000
1:000300.
1:00O300O
1:0003000
10:0003000
10:0003000
2:0005000
a-.oi-oooo
4:0003000
5* 4:0005000
50 10:0003000
&
5
10
5
5
5
5
25
5
10
25
25
50
25
Baro da Soledade........... 50 10:0003000
Francisco Ferreira Borges___ 50 10:0003000
Conselheiro Jos Bento da Cu-
nha Figueiredo............ 1 2:0003000
Dr. Jos Bento da Cunha Fi-
gueiredo Jnior...........
Antonio Pinto de Barros......
Manoel de Souza Tavares.....
Parisio Belrmino de Moracs P.
Tenente-coronel Francisco C.
M. Ros Jnior............
Manocl de Souza Leo........
Jernimo de Souza Leo......
Jovino Coelho da Silva.......
Joao G. da Cunha Soares.....
Jo oJoaquim da C. Lete.....
Dr. Ignacio J. de Souza Leo..
Alfredo Jos A. Guimares... }
Manoel de Mosquita Barros W.
Thomaz Lns de Barros W...
Dr. Gaspar Cavalcanti de Al-,
buqnerqoe Uchoa......... 5 1:0003000
Joao F. Cavalcante de Albu-
querque.................. 2
Conimendador Antonio de Sou-
za Leo.................. 250 50:000*000
Joo Manoel do Mesquita Bar-
i us wauueney............
Adolpho Wanderley Lins.....
Vicente Mcndes Wanderley...
Coronel Antonio G. Leal.....
Francisco Manoel de Sonza e
Olvera..................
Dr. Francisco E. do R. Dantas.
Dr. Jos Honorio Bezcrra de
Menezes.................. 5
Laurentino J. de Miranda..... 20
Dr. Manoel do Nascimento Ma-
chado Portella............. S
Joaquim Salvador Pessoa de Si-
queira Cavalcanti.......... 25
10
5
5
5
13
25
1:0003000
1:0003000
2:0003000
1:0003000
1:0003000
1:0003000
1:0003000
5:0003000
l:00030oo
2:0003000
5:0003000
5:0003000
10:0003000
5:0003000
4003000
2:0003000
1.0005000
1:0003000
1:0005000
3:0003000
5:0003000
1:0003000
4:0003000
1:0003000
Dr. Joao J. Pinto Jnior....... 5
Jos Francisco P. S. Jnior... 5
Dr. Luiz Salazar Moscoso da
Veiga Pessoa.............. 5
Jos Cesario de Mello........ 5
Dr. Antonio Joaquim Buarque
Nazareth................ 5
D. Mana Amelia de Gusmao
Lira....................
Major Francisco de Gouva e Souza
Dr. Antonio Venanoio Cavalcante
Albuquerque................. 5
Ernesto Arcelino de Barros Franco 10
Francisco Manoel Wanderley Lins 5
Major Joo BaptstaPaes Barreto.. 10
0003000
0003000
0003000
1:0003000
1:0003000
1:0003000
10 2:0003000
40 8:0003
1:0003
2:0003
i :0003
2:0003
5:0003
4005
2003
2:0003
Dr. Feppc de Souza f.eo....... 25
Jos Joaquim de S Barreto.'.___ 2
Ignacio Jos da Silva............. 1
Antonio Pereira da Cmara Lima 10
Francisco de Paula de Albuquer-
que Lima.................... 5 1:0005
Jos Pedro Carneiro de Albuquer-
que .,...................... 2
Manoel Theodoro Mendes Lins 2
Antonio Oolumbano Seraphicode
Asss Carvalho............... 2
Jos Francisco de Albuquerque
Maranh.................... 2
Dr. Migue) Felippe de Souza Leo. 25
Tenente-coronel Joaquim Maximi-
no Pereira Vianna............ 50
Jos Rufino Barbosa da Silva..... 25
Dr. Manoel Gentil da Costa Al ves. 25
Albino Jos da Silva............ 25
4005
4005
4003
4005
5:0005
10:0005
5:0005
5:000J
5:0003
5:0003
5:0003
2:0003000
2:0005000
1:0005000
4:0005000
2:0005000
Jos Caetano de Albuquerque.... za
Candido Alfonso Moreira......... 25
Adriano Augusto de Almeida Jordao
Manoel Jos Dantas...............
Joo de Castro Guimares.........
Francisco Goncalves Netto.........
Albino Jos Ferreira da Cunha.....
Bento de Barros Fej............. 5 0005000
Antonio Augusto Ferreira Lima..... 2:0005000
Bernardino da Silva Costa Campos.. 1:00O500O
Andr do Abren Porte............. 2:0005000
Dr Manoel Thomaz de Bittencourt
Corte Real..................... 1:0005000
Bernardo de Siqueira Catro Monteiro 2:0005000
Thomaz Fernandes da Cunha...... 2:0005000
Jos Lucio Monteiro da Fonseca Filho 1:0005O00
Dr. Manoel de Figueira Faria..... 1 0005000
Alexandre dos Santos Barros....... 1:0005000
Manoel da Cimba Wanderley Lins.. 5:0005000
Miguel Jos da Costa.............. 1:0005000
Bernardino Jos da Silva Maa...... 5:0005000
Antonio de Souza Guerra.......... 1:0005000
Jos Antonio de Almeida Cunha..... 1:0003000
Antonio Jos da Cunha............ 1:0005000
Luiz Manoel Rodrigues Valenca.... 1:0005000
Manoel Pedro Noronha............ 1:0005000
Francisco do Bega BaptisU. ...... 3:0005000
Protectora das fami-
lias.
Esta associaco caminha as vias de prosperi-
dade, nao sem os entraves inherentes emprezas
grandiosas.
Contratos CaaM
Em 30 de junho de*
verte-se em apollces da divida publica nacional de
y/ov iVoo se pode dar mlkor garanta. Sana
liipothr-se do quebrar o Brasil c que essa aasoeia-
clo podesolTrer; urna especie demonte pi de
grande utilidade para as familias.
Para conseguir com toda seauranca o maior e
mais instante desidertum da vida do houiem, que
tr para o tuturo um capital certo e urna ren-
da infalhvel, para si, seus filhos e familias, bastar
fazer um calculo (cada qual conforme seus pro-
prios ha ve res) de que pode dispr durante o pe-
riodo de cinco annos; signalada que seja a quan-
tia ser esta dividida em duas classes de contratos,
0.1 um chamadontrato de capital e outro de renda'
Estes dous seguros devero sausfazer-se em cinco
annudades consecutivas, e depois de passados os
cinco anuos o contribuinte Picar livre doonusdos
pagamentos das animidades snbsequentes.
Estas duas classes combinadas produzein resul-
tados maravilhosos para o futura.
Por exemplo, um pai que quizer formar para o
futuro um capital e urna renda vitalicia para eada
um de seus filhos, conseguir este importante ftm
despendendo para cada um delles a quantia du
1:1555, que se pagara da seguinte forma :
Direitos de entrada.. 1553
No primeira anno___ 2005
> segundo > ___ 2005
terceiro ___ 2003
quarto ..... 2005
quinto .... 2005
Ter despendido no fim de cinco
annos a quantia de........... 1:1535
tendo creado para cada lilho um capital para o fu-
turo, que conforme a idade dos segurados ser de
33:0005 a 47:0005 e urna renda vitalicia de 1005
annuaes.
Admittem-sc contratos de maiores e menores
annudades, sendo os lucros sempre proporcionaes
ao producto dos seguintes factores : o valor da
contribuico, o risco de morte do segurado
e a duraeao do contrato (art. 38 do regulamento).
Para effectuar as formalidades dos contractos
dirigir-se-ho ra do Livramento n. 19, tratar
com o Sr. N. F. de Vital, encarregado pelo Banco
rural e hypothecario do Rio de Janeiro, quo pre-
sentemente acha-se em commisso nesta provincia.
Attenpao.
Com quanto nao seja desconhecido o carcter
social e particular do major Paulo de A. Salgado
Jnior, pedimos ao publico que suspenda seu jui-
zo acerca dos factos referidos as missvas de
Uarreiros, publicadas nos numeras 59 e 60 do
Liberal de 21 e 24 do corrente : mis alm de aa-
tarein elles completamente deturpados, acham-se
submettidos s autoridades competentes, cuja de-
ciso final aguarda-so para entao deraonstrar-se
a m fe com que foram narrados.
Recife, 25 de abril de 1869.
COMMERCIO.
1868 tinba regis-
trado .............
Durante o semestre de
30 de junho a 31 de
dezembro de 1868..
Estado dessa aesocia-
caoem 31 de dezem-
bro de 1868,.......
O capital desea associaco iluminado e con-
3936-----5^68:678*970
1406-----2,173:4255920
5342-----8,042:1015890
963:1275691
MOVJMENTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados com fazendas 467
dem dem com gneros 783
Volumes sabidos com fazendas 135
dem idem com generas 825
1*50
960
Descarregam boje 29 de abril.
Hate americano-Jokn fio-=mercadorias.
Barca francetalean Baptistetiem.
Lugar francezRio Grandemercadorias.
Escuna inglezaEdith Jlw7an=idem.
Brigne inglezRrtmaidero .
Lugar inglez -Aune rV4ea Barca inglezaJfctwrfcacalbo.
Brigue inglezMerabacalno.
Barca ingfea Bori*ar-ferro e carvao.
Brigue iogleatnrrttobacalhao.
Barca inglexaLnanlarvao.
Escuna portngnazaOMwiravarios gneros
Escuna ameneana Edwtrd Brumetttabeado
H.ECEBEDOR1A DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendnentodo dia i a 27. l:26W13l
PRACA DO RECIFE 28 DE ABRUL
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Couros seceos salgados 250 rs. por libra fhoff-
tem).
Cambios sobre Londres 90 d/v 18 5,8 d. por
I3OOO (hontem).
Dito sobre dito90 d/v 18 5/8 d. e 18 3,4 d. por
15000 (hoje).
Cambio sobre Pars 90 d/v 315 rs. por franc->
Cambio sobre Hamburgo avista 970 rs. por
m. b.
Frete de algedo da Parahyba para Liverp> >1 i/i
d. e 5 0/0 por libra (hontem).
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
CASADECAMBIO
Teodoro Simn & C.
Compram e vendem por conta propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
letras de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontara letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaccoes, dn cobranca de letras da
ierra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e^i prazo fixo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
ENGLISH BANK .
O Rio de Janeiro Limited
Descinta lettras da praca taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
BANCO AUA C.
Ra do Trapich n. 34.
Desconta lettras commerciaes a taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente.
Gonfere crditos, saca sobre as primeiras
pracas do imperio, Rio da Prata o Euro
pa, e compra cambiaes sobre as mosmas
pracas.
Encarrega-se, por commisso, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes de
Dompanhias, da oobranca de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
quer outra operaco bancaria.
O expediente para o publico comecar
s 10 horas da manha, e terminar s 4
horas da tarde de todos os dias uteis.
CASA DE CAMBIO
Theodoro Simn & C.
Vendem
Libras sterlinas 134700.
Ouro nacional e portuguaz a 54 o/o de pre-
mio.
Sedulas do govarno de I a 50000 I por /
de premio.
Largo do Corpo Santo n. 21
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 27. f 30:503lW
dem do dia 28......3:ij093
.

.
-
'



_
Diario de Pernambuco Quinta feira 29 de Afcil de 1*69.

dem do da 18
1:338*328
11.06*1
CONSULADO PROVINCIAL
llcndimontoMo da 1 a 27.
dem do di* 28. .
i 11:010*280
5-. 144*603
117:054 *88
M0VIMENT0 DO PORTO.
Vario sakido no da 26.
LiverpoolBarca ingJcza Glenfrecin, capitao Fan-
lev. carga lgoda*.
Navio entrado no da 27.
Goyanna7 horas, vapor nacional Piirahyba, de
104 toneladas, commandante Mello, equipagem
16, em lastro ; companhia Pernambucaua.
Navios sahidos no mesmo dia.
Porto? do sulVapor hrasilciro Paran, comman-
dante capitao de fragata Santa Barbara.
MarseilleBarca franceza Zebre, capitao Bonson,
carga assucar e outros heneros.
0t*KTMffiO.
Sospendnram do lunario os seguintes natos:
Vara a l'arahyba, a barca inglcza .4' Whete, com o mesmo lastro que trouxe de
Montevideo.
Para Bnrbadoes, a barca inflen /. H- Hea Folktr,
com o mesmo lastro que trouxe de Montevideo.
Para New-York, a barca inglesa Zincu. capil.io
BrewB, carga a mesma que trouxe di: Macei.
EDITAES.
de Antonio de Aieveo Camino, foi diri-
ga ao mt'ii antecessor o tbutor juiz espe-
ci.il do comnn istito du Aleuc* Arari-
rfio do i #ite ,,lm- Sl
l)r juiz'tfv iSrCiO. Diz An-
tonio de Azevedo CarvrUio, como credor
dos abaixos mencionados, precisa que se
interrompa a prescripc3o de suasletras.sea-
do nina do padre Jos Pereifa dos Santos e
Silva dajjuantia de 3950380 reis, que se
vence em 19 de novembro do correte; urna
de Joaquim piunes Correia Passarinho da
quantia de I00t000 reis, que se vence a
29 de aDTil do corrente; 3 ditas deEmigdio
Ferreira do Mendonra, a, primeira de
(97$780 reis, que se vence a 6 de outu-
brodo corrente; a segunda de 1KM3&260
reis, que se vence em G do novembro do
corrente; a terceira de 4020#)76 reis, que
se vence a de Janeiro de 1870,- urna de
Joaquim Badcia d.i Silva, da quantia de
:i()7;)0>)Tps. que se vence cm (> de julbo
do corrente: acbando-se os snpplicados em
lugar incevto e nao sabido o supplicante
vem requerer V. Exc. na conformidade
do artigo 453 do cdigo do commercio, se
digne de mandar tomar por termo o sen
protesto, intimandos por .cartas de edictos,
afim de que contra elles fique interrompida
O Dr. Francisco de-Assis de Oliveira Maciel,
juiz de direito da primeira vara criminal
e substituto da do especial do commer-
cio em excrcicio nesta eidade do Recife
de Pernambuco por S. M. I. etc.
Faco saber aos qur o presente edital vi
viren e delle noticia tiverem que por par-
te deAlmeida Borges &C, foi dirigida ao
meu antecessor o Dr. juiz de direito es
pecial do comaibrcio Tristo de Alencar
Araripe foi dirigida a peti?o do theor se-
guinte :
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio.Di-
zem Almeida Borges A C, que devendo-
Ihe Luiz Jos da Franca Carioca a quantia
de 7855G65, proveniente dos documen-
tos juntos quj mostram ter o supplicaao
comprado no estabelecimeiito dos suppli
cantes gneros de dita importancia nces-
sitam os supplicantes a bem de seu direito
que V. S. digne-se mandar notificar para
a primeira audiencia deste Jateo ao me>mo
supplicado alim de fallar aos termos de
urna acco ordio: ria em que os supplican-
tes pretende pedir-lbe o pagamento da di-
ta quantia, sendo essa citaco feita sol)
pena de revelia.
Em tempo declaran, os supplicantes que
baseam sua aeco nos documentos que of-
ferecem na prova testemunbal.Nestes
termos.Pelea V S. deferimento. E re-
cebera merc.O advogado Jofio Teixeira.
Na qual deu o meu antecessor o despa-
cho seguinte:Cite-se.
Recife, 19 de abril de 1869.Alencar
Araripe.
Em vii tude da qual fra a mesma pelicao
distribuida ao escrivo deste juizo Manoel
Alaria Rodrigues do Nascimento. E nao ten-
do sido encontrado o supplicado, como
consta da certido dos ofhciaes deste juizo,
foi pelos supplicantes dirigida a seguinte
replica:
Illm. Sr. juiz do commercio.Diz Al-
meida Borges & C, que ha vendo requeri-
do a citafo de Luiz Jos de Franca Ca -
rioca para fallar aos termos de urna aeco
ordinaria em que os supplicantes pretende
pedir-lbe a pagamento da quantia de------
7850665 accontece que procurando os
officiaes de justica dar cumplimento ao
despacho de V. S. que ordenou dita cita
tacao, nao o poderam Une por ter desap-
parecido o mesmo supplicado como se v
da certido junta, pelo que requer o sup-
plicante a V. S. digne-se ainiitti-los ajus-
tificar a ausencia do supplicado para que
tenha lugar sua citac3o por editaes na for-
ma da lei e sob pena de revelia. Nestes
termos.Pede a V. S. deferimento. E re-
ceber merc.O advogado Joo Teixeira.
Na qual deu ainda o meu antecessor o
despacho seguinte : Justifiquem a ausen -
cia do dia 23 do corrente mez as 11 ho-
ras da mauha.
Recife, 21 de abril de 18GD.Alencar
Araripe.
E tendo os supplicantes produzido suas
testemunhas, sellados e preparados os au-
tos subiram a minha conclusfn e nelles dei
a sentenca seguinte :Hei por justificada a
ausencia, e mando que o reo seja citado
por edictos de 30 das na forma requerida
as fls. 2 pagas as custas ex-causa.
Recife, 2i de abril de 18G9.Tristao de
Alencar Araripe.
Por forra da qual o escrivo fez passar
o presente pelo qual chamo cito e hei por
intimado o dito supplicado para que com-
prela neste juizo dentro do dito praso
afim de allegar o que fr de justica.
E para que chegue ao conheci ment de
todos mandei passar o presente que ser
publicado pela imprensa e afixado no lu-
gar do costume.
" Recife, 27 de abril de 1869.Eu Ma-
noel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
Francisco d'Assis de Oliceira Maciel.
Paco da cmara manicip l do \ecife,
de abril de 1869.
Bmn'fo Oe Mu-beca
Prg&iden tu
Francisco Camilo da Dooviag&m
Secretario.
19

Santa Casa da Misericordia
do Reife.
A Hlrlr* junt administrativa -da Santa
Casa da Misericordia do Recife, precisa con-
tratar com que melhores vantagens offere-
cer, ria sala des suas sesses pe as 4 horas
da tarde do di%..29 do corrente, o forneci-
mento da carne verde que hoiverem de
consumir os estabelecimentos seu cargo
nos mezes de maro e junho. %
Secretaria da Santa Casa da Misericordia
do Recife, 2G de abril de 1869.
O escriviio
Pedro Rodrigue* de Sonza.
a sua prescripeo n'este termopede
V. Exc. deferimento. E receber merc.
Como procarador de Antonio de Azevedo
Carvalho Antonio Domingues Alves Maia.
Na qual deu o meu antecessor o despacho
do theor seguinte: Sim, justificando no dia
21 do corrente mez as II horas da manhaa.
Recife, 19 de abril de 1869.Alencar Ara-
ripe. Em virtude do qual fora mesma
petico destribuida ao escrivo deste juizo
Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, o
qual tomou o termo de prostesto do theor
seguinte : Termo do protesto aos 16 de
abril de 1839, na eidade do Recife.emmeu
carturio; appareceu Antonio de Azevedo
Carvalho por seu bastante procurador o
solicitador Rernardino de Sena Dias e disse
pecante mim c as testemunhas infras as-
signadas.que reduzia a protesto o contteudo
de sua petico retro.a qual offerecia como
parte do presente que fica sendo, e de como
assim o disse e protestou lavrei este termo
no qual denois de lido se lirmou com as
ditas testemunhas, eu Monoel Maria Rodri-
gues do Nascimento, escrevo escrivi.Ber-
nardino de Sena Dias, Francolino Olimpio
Pereira do Oliveira, Francisco Joaquim Pe-
reira. E tendo o supplicante produzido
suas testemunhas sellados c preparados os
autos subiram a concluso do meu antecessor
e nelles deu a sentenca seguinte:Hei por
justificada a ausencia, e assim mando que
os reos ausentes sejam citados por editos
de trinta dias para o im requerido a folhas
2, pagas as. custas ex-causa. Recife, 23
de abril de 1869.Tristo de Alencar
Araripe. Por (brea o qual o escrivo fez
passar o present edital, pelo qual chamo
cito e hei por intimados os didos supplica-
dos para que compareco n'este juizo den-
tro do dito praso.afim de alegarem o que
for de justica.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente, que ser
publicado pela imprensa e offixado no lugar
do costume. Recife, 27 de abril de 1869.
Eu Secundino Heliodoro da Cunha, escre-
vente juramentado o escrivi. Eu Manoel
a dia quinla-fcira 29 do corrente, depois
de Anda a audiencia do juiz de pa:: do segundo
districto da fregoiMia da Bou Vista is4 horas da
tarde, toen de ser arrematados diversos movis
por execucao de Viriato de Fn-ilas lavare?, con-
tra o seu devodor Jos Maria da Silvt. Machauo.
~~ :No dia 30 do- eorrente mez de abril, depois
da audiencia do Illm. Sr. Dr.'juiz de orphaos e
ausentes, tem de ir pra?a por vend) urna grande
casa terrea e sitio com bastantes arvoredos, situa-
da em chao foreiro,.no lugar do Giqu freguezia
dos Alogados, avallada por 4:000OOO, cuja casa e
sitio vai i*aca |ur exeeooio quo move Francis-
co Goncalves Netto em qualidade de tutor do me-
nor Arihur, fllho do fallecido Manol Pedro de
Mello, contra a heranca do fallecido Antonio Joa-
juin de Mello.
Principiar as 84wras.
limos martimos?
COilPMHIl
DAS
Mcssageries imperiales.
At o dia 30 do corrente, mez esperarse dos por-
to9 do sal o vapor francez Navarre, commandan-
te Massenet, o qual depjis da demora, dft costume
seguirflara Brdeos tocando cm Uakant^rc) e"
^tra cndieiies, fretes epassagens trata-se na
agencia roa'do Commercio n. 9.
Santa Casa
do
COMPANHIA PERNAMIiUCANA
M
Xitregacao osteira por vapor.
Camaragibe em direitura e Macei.
O vapor Parahyba, commandan-
te Mello, seguir para oa portos ci-
ma no dia 30 do corrente a meia
uolte. Itecebe carga, encommendas, passagei-
roS e dinheiro a frete no escriptorjo do Forte do
Manos n. 12.
Para o Indicado porto pretende sabir cm pon-
eos dias a veleira e bem eonhecida barfa Social'
capitao Rocha, por trfr a raaior parte do sou car-
regamento prompto, e para o resto que lhe falta
e passafiros, para os quaes tenlbons commodos,
trata-se com o consignatorio Joaqnim Jos Gon-
calves Beltrjo, ra do Trapiche n. 17.
LEUDES.
LEILO

Maria Rodrigues do Nascimento escrivo o
sbscrevi.
Francisco de Assis Oliveira Maciel.
DECLARACOES.
O Doutor Francisco de Assis de Oliveira
Maciel, juiz de direito da primeira vara
criminal e substituto da do especial do
commercio em excrcicio n'esta eidade do
Recife de Pernambuco por S. M. I. etc-.
Faco saber aos que o presente edital vi-
rem e d'elte noticia tiverem que por parte
De ordem do Illm. Sr. inspector ca thesou-
raria de fazendade3ta provincia se faz publico que
tem de ser contratado perante a mesma thesoura-
ria por quem por menos flzer o fornecimento de
medicamentos enfermara militar desta capital.
Os prctendentes deverao dirigir suas propostas em
cartas feqhadas ao Illm. Sr. inspector at as 10
horas do dia 29 de maio prximo, e ser-lhes-ha
franquiado na thesouraria o receituario que con-
ten os medicamentos preparados e os sens procos,
alim de que possam regular-se as respectivas
proposta?.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco 26 de abril de 1869.
O olllcial-maior,
Manoel Mamede da Silva Cosia.
anta Casa llccffc
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordi
do Recife se faz publico que a Illma. junta admi-
nistrativa em sessao de 8 do corrente resolveu que
fossem convidados os prenles dos orphaos em se-
guida declarados para viren requercr a presiden-
cia a sua retirada do mesmo collegio, visto que j
tendo completado a idaue de I i annos nao podem
alli continuar como dispoe o respectivo regla-
mento.
Francisco Pereira de Aranjo, protegido do viga-
no Camillo de Mendonea Furlado.
Francisco Antonio do Monte.
Antonio Leocadio do Reg Barros, filbo de Ignez
Maria de Mello Reg.
Laurindo Fortunato de Menezes L\ ra, filho de
Gertrutles Lourenca de Araujo.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 9 de abril de 1869.
g O escrivo,
Pedro Rodrigues de Sonza.
Perante a cmara municipal desta ei-
dade, estar em praca nos dias 22, 26 e
29 do corrente, para ser arrematada por
quem menor preco offerecer, a obra dos
reparos de que necessita a estrada munici-
pal que conduz povoaco da Varzea, or-
eada na quantia de 350j>000 : aquelles que
pretenderem arrematar a dita obra, podem
comparecer em os mencionados dias no
paco da mesma cmara, munidos de fiador
idneo.
O orcamento acha-se na respectiva secre-
taria, onde pode ser consultado.
da misericordia
llecife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas essoes, no dia 29 de abril, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vantagens offorecer, pelo tempo de um-
tres annos, as rendas dos predios en seguida de-
clarados : __
ESTABELECIMENTOS E CALIDADE.
Ra da Imperatriz.
Casa terrea n. 68, por anno ...........320^000
Ra da Moeda.
Primeiro andar do sobrado n. 37, poi anno 7G&000
Segundo andar, idem.................. 96O00
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1, por anno..............IOO5OOO
Ra do Padre I'loriano.
Casa terrea n. 43, por anno............170,3000
Rua da Conccijao.
Casa terrea n. 5, por anno..............2193000
Rua das Calcadas.
Casa torrea n. 36, por anno.......... .. 178000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua do Pilar.
Casa terrea n. 100, por anno........2013000
Sitio t. i do Forno da Cal, idem ........ aOOO
Os prctendentes deverao apresen lar no acto da
arrematacao as suas flaneas, ou coinparecerem
acompanlados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 22 de abril de 1869. O escrivo.
Pedro Rodrigues de Souza,
No dia 30 do corrente mez, iepois da au-
diencia do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da primeira
vara, a qual ter lugar pelas 11 horas do referido
dia, e na sala publica das andiencir.s tem de ser
arrematado por quem maior lan offerecer, os
bens seguintes : Um terreno proprio com 12o
palmos de fundo c 50 de frente, sendo esta para a
rua dos Pires, e o fundo fazendo frente para a
travessa do Pires, onde se acha em aberto, tendo
dentro oito quarlinhos em mo estado, avahado
em 2:00C ; um sitio com 400 palnos de frente e
2W de fundo, chaos forciros, con urna senzala
dentro, dividida em 17 quarlinhos, casa de viven-
da de pedra e cal, e estribara, dmdindo pelo sul
com a rua nova da travessa do Pires, e pelo norte
com o sitio do coronel Barata e E'. Margarida ; e
pelo poente com o terreno do desembargador Fi-
gueira de. Mello, e pelo nascente com o terreno
cima mencionado, e fundos das casas da rua dos
Pires, avahado em 7:300.1, cujos bens vio praca
a requerimento de Francisco Ferreira da Rocha
Leal, como inventarame e herdeins dos bens que
fiearam por fallecimento de D. Rosa das Neves
Ferreira Leal.______________________________
O abaixo assignado, lancador da recebedoria
de rendas internas desta eidade, tendo de proce-
der aos lancamentos dos impostes pessoaes e os de
industrias e'profissoes da freguezia de S. Frei Pe-
dro Goncalves, para o exercicio de 1869 a 1870,
pelo presente avisa aos moradores e donos dos di-
versos estabelecimentos da rua da Cadeia e Cruz,
que d< Io de maio prximo futuro em diante te-
nham promptos os seus recibos, papis de arren-
damentos e tratos para serem aposentados, em
vista dos quaes ter lugar a deduecao das quotas
relativas aos ditos impostes. Igualmente avisa aos
donos de fabricas e de oftlcinas, que deverao apre-
sentar urna relacao do numero dos seus operarios
como determina a 1" parte do art. 19 do regla-
mento de 23 de marco deste anno, para nao incor-
rerem na pena das seguidas partes dos artigos 18
e 19 do mesmo regu lamento.
Recebedoria de Pernambuco 28 de abril de
1869.
Jos Jeronvmo de Souza Limoeiro.
Lisboa
Segu com brevidade a barca porkigueza Perei-
ra Borges por ter parte da sua canga prooipta :
para o restante e passageiros, trata so eoui Olivei-
ra, Filhos & C, largo do Corno Santo n. 19._____
ClMPASHIa BRASILrT
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 7 de maio o vapor
Tocantins, commandante J. M
Ferreira Franco, o qual depois
da demora do costume seguir
para os do norte.
Desde j recebem-sc passageiros e engaja-sc a
carga que o vapor poder condozir, a qual dever
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das c dinheiro a frete at o dia da sua sabida as 2
horas.
NTiosereeebemcomo eneommendas senao ob-
)ectos de pequeo valor e que nao excedam a dua
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medieao
Tudo que passar destes limites devora ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia rua da Cruz n. 57.
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
3)e um relogio de prata e corrente, urna
ivea, um anel de ouro e v.m nali com
roupa usada.
O agente Marlins far-leilao dos objectos cima
por ordem do Illm. Sr. Dr. cnsul de Portugal
jertencen es ao espolio do subdito portuguez An-
tonio Joaquim Pereira do-S.
UMHB
No armazem da rua do Imperador n. 16, as II
loras do da.______________________________
LEILAO
De tres terrenos devoluto e um delles alagado na
travessa do Trindade.
Um terreno n. 152 na rua Imperial onde tem casa
Francisco das Chaga.
Um dito n. 149 na mesma rua onde tem casa Ti-
burcio Valeriano Baptista.
H4MI2.
O agente Martins far leilio por ordem do Illm.
Sr. Dr. cnsul de Portugal dos terrenos cima
pertoncentes ao espolio de Joaquim Jos dos San-
tos Andrade.
No armazem da rua. do imperador n. 16, as H
horas do dia.
O l>r-*Ton Baptista Casanor
medico homeopalha, achaudo-se restate-
lecido da grave molestia que soffreu, conti-
na no exerekio de sua profisso, ao pateo-
da matriz de- Santo Antonio n. 2 sobrado,
onde p4de ser procurado qutlquer hora
do dia ou da noute.
sal>aixo assimados, esposa, niha e geuro do
Dr. Jeronvmo Vitella de Castro Tavares, fallecido
em 23 do corrente. agradeeem de eoracao aquella
pessoas amigas que Ihes prodigalisaram seus va-
liosos servicos durante a rpida o fatal, mas tra-
balhosa molestia que o arrebaten a vida ; assim
camo confessam-se eternamente iienhorados para
com o Ilustrecomo acadmico e mais ravallieiros
ipiese dicnaran de acompanhar o cadver at a
derradeira morada do homein.
Sendo opportuna oceasio, aprovertarana os
abaixo assipnados para convidar a todos esses
amigos e affcicjoados, que j urna ved provaram a-
alra estima c consideraeo que votavam ao morto.
para a visita sua sepultura, que terjngar no
eeiiiilcrio publico as 7 lloras di manhaa de ter-
ca-leira prxima vindoura, 3 de maio.
Anna Aecioly Lins Vilella.
Maria Egypciaca Vilella do Reg
______________Joaquim Francisco d<> Bego.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavesav eostelra por vapor
Macei, escalas e Penedo.
O vapor Giqni, commandante Aze-
vedo, seguir para os portos cima no
dia 30 do corrente as 3 horas da
tarde. Recebe carga at o dia 29 as 3 horas, en-
eommendas, passagens o dinheiro a frete at as
2 hora* da tarde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
LEILAO
DE
1/m sobrado de 9 ailares e so-
to sito arna do Pilar n. 83,
em solo proprio, e um sitio
na Torre em solo proprio.
O agente Pontual competentemente autorisado
por diversos, ^cadera em lcilao o sobrado cima e
um sitio na Torre, com casa de tijolo e cal o qual
est situado detronte da ponte de Sant'Anna e of-
ferece todas as eommodidades a urna familia re-
gular, tendo o sitio de frente 200 palmos e 300 de
fundo mais ou menos e muitas arvores fraetiferas.
Terea-feira 4 de maio.
No 1" andar dosobrado n. 62, rua da Cruz,
as 11 horas.
Os Srs. prctendentes poderao examinar o sobra-
do e o sitio notando-se que no lugar do sitio at
agora nao chegou cheia alguma.
AVISOS DIVERSOS.
Precisa-se de um feitor para um pequeo
sitio : a tratar com Antonio Jos Rodrigues de
Souza, na rua do Crespo n. 13, ou em seu sitio no
Monteiro.
THEATRO
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DE
oaaaia aswiaQaa.
IIOJE.
Quinta-feira 29 de abril.
.lt \\i: NOVIDADE
BENEFICIO DO
JAittLJJlJJ
Representar-se-ha 0 grande drama em 3 actos :
CHRISTOL
Toear-se-ha a nova quadrilha
O M ART limo-
Segue-se pelo benedeiado a aria
O Boleeiro apaixonado
Terminar com a comedia em 3 actos
II
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Savegaco eostelra por vapor.
Fernando de Noronlia.
O vapor Giqui, commandante Azevedo, seguir
para o porto cima no dia 10 de maio, ao mcio dia.
Recebe carga at o dia 8 s 3 horas da tarde, en-
eommendas, passageiros e dinheiro a frete at s
W horas do dia da sabida, no escriptorio do Forte
do Mattos n. 12._______________________,
Para o Porto
Segnir com a maior brevidade possivel a mui
confcecida e veleira barca portugueza Scguranra
por j ter a maior parle de seu carregamento en-
gajado ; para o reste e passageiros., aos os quaes
offereee ricos e excellentes commodos, trata-se
com Cunha rmaos & C., rua da Madre de Dos
n. 3i, ou com o capitao a bordo.___________
Para o Porto
pretende seguir com a maior brevidade possivel a
mui eonhecida e veleira barca portugueza Clau-
dina por j ter a maior parte do seu carregamen-
to engajado ; para o resto e passageiros, para os
quaes offereee ricos e excellentes commodos, tra-
ta-se com Cunha, Irmos & C, rna da Madre de
Dos n. 3i, ou com o capilo a bordo.__________
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
DK
Mavegaco eostelra por Tapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caty, Cear, Acarac e Granja.
O vapor Ipojuca, commandante
Martins, seguir para os portos cima
no dia 30 do corrente as 5 horas
da Urde. Recebe carga at o dia 29, eneom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12. ^^___^_
INSTITUTO VnCIIEOLOdICO EGEOGRAPHICO
llavera sesso ordinaria quinta-feira 29
do corrente mez pelas 11 horas da ma-
nhaa.
Pareceres
ses.
Secretara
18G9.
ORDEM DO DIA
e mais trabalhos
de commis-
Irraandade do Divino Espirito
Sanio.
Em conformidade do que dispoe o % 18 db art.
40 do nosso compromisso, sao convidados todos os
irmos maiores de 18 annos, para no domingo, 2
de-maio, pelas 9 horas da manhaa, comparecerem
em nosso consistorio, afim de reunidos e paramen-
tados de capas, assistirem a missa vitiva, linda a
qual ter lugar a elcicao da me?a regadora que-
tetn de dirigir os negocios da Iroiandaaa no anno
de 1809 a 1870. Recife 29 de abril de 1869.
Manoel Goncalves Agr,
Escrivo interino.
ATTENCAO
o
Nos abaixo assignados, Antonio Louren-
co Collares, Jos Lourenco Collares, mora-
dores nesta eidade do Ico, e Manoel Fran-
cisco da Cunha, morador na eidade do
Aracaty, fazeinos scienle ao respeilavel pu-
blico e com especialidade ao corpo do com-
mercio, que temos dissolvido a sociedade
que tinhamos com a firma Cunha A limaos,
licando toda passivo da exlineta firma,
cargo do ex-socio Manoel Francisco da Cu-
nha : e fica formada entre nos urna socie-
dade commercial, sendo seu gyro por de-
baixo da firma Collares Irmo & C. e seu
domicilio nesta eidade, na dirccco dos
socios Antonio Lourenco Collores, e Jos
Lourenco Collares, e na do Aracaty ao so-
cio Manoel Francisco da Cunha, encarre-
gado de promover to ios os negocios que
entender a bem dos interesses da mesma
sociedade. Declaramos mais que o socio
Manoel Francisco da Cunha, fica com seu
estabelecimento commercial na mesma ei-
dade do Aracaty, continuando com a firma
Cunha & Irmos, independente do contrato
em 4 do corrente da firma Collares Irmo
& C. Picando esta sem responsabilidade al-
guma pelas suas transaces.
Esperara os abaixos assignados a conti-
nuado da confianza de que gosavam. Ico.
5 de Janeiro de 1869.
Antonio Lourenco Collares,
Jos Lourenco Collares,
Manoel Francisco da Cunha.
do Instituto, 26 de abril de
Jos Soares de Azevedo,
Secretrio perpetuo. ___
O Sr. Joo Pinto i'cdroso, tem urna
carta de importancia viuda de Portugal:
na rua das Cruzes n. 4i, escriptorio.
Jos Joo d'Amorim e sua familia agra-
deeem aos seus amigos, s corporaces re-
liosas e a todas as mais pessoas que assis-
tiram as exequias e acompanharam ao ce-
miterio os restos mortaes de seu muito
presado irmo e prente Manoel Joo d'A-
morim ; e, de novo os convidam para a
missa de Rquiem com memento, que pela
sua alma se ha de celebrar na igreja do
Corpo Santo no dia Io de maio prximo s
8 horas da manhaa._______________
S3____l-BE_BESSSSBSSBSS-S
Precisa-se de urna ama para casa de homem
solteiro : na rua da Praia n. 42.
Baha
Impreterivelmente nesVs poucos das sabe o pa
Ihabole aribaldi para .1 Rabia : para carga tra-
ta-se com o capitao Custodio Jos Yianna, ou no
escriptorio de Tasso Irmos.__________________
ARACATY
Segu comjbrevidade o palhabote Sobralense,
ainda recebe alguma carga : a tratar com S
Leitao Irmos, rua da Madre de Dos n.l.
FiJU. O PORTO
Deve seguir com a maior brevidade possivel a
barca portugueza Nova Sympathia, de 1* marcha,
por j ter prompta a maior parte de sua carga :
para o resto que lhe falta e passageiros, aos quaes
offereee ricos e excellentes commodos, trata-se
com Paitar Oliveira A C, ma do Vigano n. 10
Para o Rto de Janeiro
pretende seguir para o dito porto, o mais breve
que for possivel, o brigue brasileiro San(o Amaro;
quem quizer carregar ou dar escravos a frete,
queira dirigir-se Marques, Barros & C, no lar-
go do Corpo Santo n. 6, z- andar.
DECLARADO
O abaixo assignado retira-se com sua senhora
para Europa, c deixa durante sua ausencia, oomo
seus bastantes procuradores : cm Io lugar o Sr.
Joo Fernandes Lopes, encarregado de todos os
seus negocios; em 2o lugar o Sr. Jos Faustino de
Lemos ; e em 3" lugar o Sr. Dr. Jorge Dornellas
Ribeiro Pessoa. Declara que at esta data nada
deve. Recite 26 de abril de 1869.
Julio Cesar Pinto de Oliveira.
Os abaixo assignados dissolveram amigavel-
mente a sociedade que gyrava e m Mamanguape
sob a razo commercial de Gomes & C, ficando
perlencendo o estabelecimento ao ex-socio Gomes.
Pernambuco 27 de abril de 1869.
Joo Ferreira da Costa Soares.
Joo Jos Gomes de Souza.
Trilhos Urbanos de
Olinda.
Os abaixos assignados, membros da di-
rectora da assembla dos subscripto-
res para a companhia dos trilhos urbanos
desta eidade do Recife a de Olinda com
ramal para o Beberibe, convidam a todos
os Srs subscriptores, para que no praso
de 13 dias (a contar-se do Ia de maio pr-
ximo futuro) facam effecliva a entrada de
5 por i0 sobre numero d'acres que ti-
verem subscripto : aquelles que dentro
do termo de 15 dias marcados nao tiverem
realisado da entrada dita prestaco, a que
esto sugeitos segundo os estatutos da
companhia, reputar-se-ha ter feito renuncia
tacita dos direitos que tinham sobre as
eges subscriptas.
A importancia dos referidos o por (
ser paga ao thesourciro da directora,
casan. 35 da rua das Cruzes, 1 andar, de
quem recebero o competente conheci-
mento, devendo para dito fim ser o
mesmo thesoureiro procurado das 10 horas
da manhaa as 3 da tarde. A importancia
assim recebida pelo thesoureiro ser no
fim de cada semana recolhida ao bancoEn-
glish Bank of Rio de Janeiro, limited, rece-
bendo o thesoureiro o competente titulo do
recolhimento.
Recife 27 de abril de 1869.
Jos Joaquim Anlunes
Presidente.
Luis Lopes Castello Branca
Secretario
Amaro J. F d'Albuque.
Thesoureiro.
Perdeu-se um relogio de ouro, pequeo, de
sabonete, com corrente, da estacao do Manguinho
at a rua da Aurora: a pessoa que o achou que-
rendo restitui-lo, ser gratificado na rua da Au-
rora n. 84, 2- andar, ou rua da Cadeia n. 16, ar-
mazem de fazendas. ___________
Preclsa-se de urna ama livre ou escrava que
seja de boa conducta, para cozinhar para urna
casa do familia : na rua do Vigario n. 5, terceiro
andar.
1MA
Precisa-se de urna ama para servico de pouca
familia na rua das Larangeiras n. 22.__________
Precisa-se de um caixeiro. para taberna que
tenha pratica e afiance sua conducta : na rua do
Rangel n. 73.
ffi
RUA
qDO
CABUG
esquina
da roa larga do
Rosario.
AO ANNEL DE 0110
RUA
to
CABUGA H
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,! esquina
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender. -a rua ^^q
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.l 5
6araiite-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras#flnas por prepos muito ele- Rosario,
vados.
A loja est aberta at s 9 horas da noute. ^


Diario
comida
que ein o

r par
Procisa-se de urna ama que saiba eoziuhar
na ra do Livramento n. 18.
| itenoa
n. t5,fornece-se Previne-se aopuahco que nao facam transac-
asseio e prom- gao alguma con a taberna da ra das Ctaeo Pon-
por menos do tas, perteneente ao r. Antonio Joaquim da Costa,
por existir urna aecTio cin juizo contra o tnesmo
Costa.
Precisa-se de urna ana de leite e'ae bong
- Jos Antonio Macado Lodos telara que nada asumes : a fallar na ma do Queimado, loja de
deve ^xilnm" ma de Vasconcelos & Lopes !?<*<1m n. 31, on ero Ol.nda, no pateo de S. Pe-
ou arrenda-se um sitio com muitos arvoredos de
fructo, com grande casa de yivenda, com coeheira.
Attenco
Alugvse um sitio na estrada do Rosarinio com
boa casa de vivenda, acrommodaeoos para escra-|
estriarrccquartos para criado e feitor, cacimba J08. coeheira, e-tribaria, du-s cacimbas, tanque,
. " ra do Mondegon. 51.
cora milito boa agua de beber e tanque, defronte
da estacao do Caldeireiro : a tratar na Boa-Vista,
Prancisco Gailoto tendo perdido um docu-
mento que o banco London & Brasilian Bank Li-
mited fie pacaun sob o n. 12002, como recibo do
ter elle rccolhido eni o dito banco em 23 de abril
do correntu auno, a quantia de 600.3. Previne a
Sualquer pessoa quo o possa ter adiado, flcar este
Dcumento sern valor algum, por j se ter enten-
dido como mesmo banco, de nao pagar a mencio-
nada quantia, outra qualquer pessoa, senlo ao
propei#nnmicante.
Caf Santa-Isabel
O dono (leste estabelecimento previne ao respei
tavel publico e principalmente aos m na numero
sos fregnezes, que mudou seu estabelecimento de
para capim : quem o pretender ala-
gar dirija-se aprac da Boa-Vista botica n. 6.
O conselheiro JooSiheira de Sou-
za, tem aberto o seu escriptorio de
advogado, na ra do Imperador n.
41 primeiro andar ; entrada pelo
becco.
EscravM cozinheira
Precisa-so de urna escrava boa cozinheira e de
bom compoi lamento, paga-se bem : na ra dos
Pires, sobrado n. 27.
Precisa-se alugar urna ou duas escravas que
sejam boas quitandeiras, e paga-se bem: quem as
deptsito de cerveja nacional da fabrica de llenri- < ihrV c a r|]a fopetfll. 27, que ahi acha-
que Leilen e C, da ra da Horont.na n. VH com em ,ralar
para a nesma ra, esquina da nn ieSauta-Isa-l n_________________________
bel n. 2, onde achaiib todos os din lunch, eafJ Preesa-se fallar ao Sr. Domingos Goncalvea
>be qualquer eneommcnila do almo-1 j|ur,.a a negocio de seu wteresse : no escriptorio
co, jantar. etc. O dono deste ostabelocimonto es-
pera do publico pernambucano a sua concorreo-
eia.
O/ferece-sc
um hornera cora pratiea de j.tr.m e plantajes e
tambein de cosiulfar : a tratar defronte de Sania
Thereza n. 27.
do Joaquim Gerardo de Bastos, ra do Vigario n.
IC, 1 andar.
AMA
Precisa-se de urna ama
! 18, 2o andar.
jia ra do Crespo n.
CGMPAMIA PEMAMBCAM
DE
CASA DA PONDR
Aos 4:000-1!
Biltetes garantidos.
k ra do Crespo n. 3 e casas do costyme.
O abaixo assignado tendo vendido nos seusjmui-
to felizes billietes garantidos 1 meio n. lxit) com
a sorte de 4:000j, i inleiro u. 3792 com a sorte
de 202, e outras umitas surtes do 10, 40t e
203 da lotera que se acabOU de extrabir em be-
neficio da isreja .i 1 de Abreu de Una
{&&'), convida aos pos.iuidorcs a virem reeeber
seos respectivos premios sem os descontos das
leis na casa da Fortuna ra di Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2a parte da lotera a
beneficio da matriz da Banda (101), que se ex-
trahir quarta-feira 3 do maio do corronte anno.
Procos.
Bilhete.....4*000
Meio.....2,3000
Quarto.....1*000
Emporcae de 100/1 jara cima.
Bilhete.....33500
Meio......13750
Quarto..... 873
Manoel Martms Pinza.
BARTHOLOMEU fr C.
*
Attenpo
Precisase de una ama que p isinhe, cempre e
engomme : na ra estro ta di) Rosario n. 27, i
andar.
Aluga-se a casa terrea 1. 03 da ra do
Mondego : a tratar na ra da Gamboa do Carmo
n. 36.
OITenve-se nina ama para engommar e
cosmhar, para casa de Ikhiiciq solteiro : quem
precisar dirija-se ;i becej do Pocnho n. 24.
fr mandudo do Diviao Ksplrito
Wauto oroa 110 comento de
sauto Antonio do Recite.
Convida a indos os nossos charos ir-
rnaos para no domingo 2 de maio pelas 9
horas do da comparecerem no consistorio,
aim de hovirem a missa do Divino Espirito
Sauto e rispis reunirem-se em mesa geral
spara elegerem a tuna mesi que tem de
f'nnccionar o anno 1809 a 1870. Consisto-
rio da irmandade, 27 de abril de 1809.
Albino Jos ios Santas,
Secretario.
C'OSKEJIO DE 111 ilH O
Os Senhores.Saunders Brothers & C, Tasso
Irmos, Luiz Antonio de Siqueira.
0 SE. F. F. BOBflFS
Restando ainda emittir algnmas acrocs d'esta coinpanhia, da (juantia noBima! de
2O0000 cada urna, das quaes s se nceilam em virtnde da lei, 20 .', ou 404000 por
cada acf2o; convida-se pelo presente ao publico em geral e especialmente aosSrs.
capitalistas e interessados no consnercio, qoe queiram dar emprego seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de accoes que lhes approuver.
Algumas destas accoes ja tem sido tomadas por pessoas que conhecem a vanlagem,
do na presente occasiao (conhecidamente a mellior), empregarem o dinheiro de que
sdi
Trocam-8e
is notas do banco do Brasil c das caixas filiaes,
:om descont muito razoavel : na praca da inde-
tendencia n. 22.
Forneiro e amassador
Precisa-se de dous horneas, um forneiro eoutro
amassador, para urna nadara na provincia do Rio
Grande do Norte : quem estiver ueste caso, piule
tratar no escriptorio de Tasso Irniaos, ra do A-
morim, vendo dar conheoiejeafo de sua conduc-
ta e de sua pessoa para o mister quesequor.
liHBHKBi^Hl
*
podsrem dispbr em objectos de valor real, como vapores, predios etc., quo Ibes garan- JpsPercira da Gmiha,aus
i '-. Cimba Jnior, uaiiool Pt
tam seus capitaes. mino Perera da Cnnha,
Candido Alberto Sodr da Mora, coinmendador
da Cunha, ausente. <: ios Prreira da
Pern-, da iCuBlia, l'ir-
..... Joao Pvira da Cu-
A coinpanhia possue hoje 10 vapores, 0 intemimente novos, e destes oultuno esta nba, Francisco Ferreira Hallar. David Ferreira
a chetrar de Inglal rra, onde foi construido expressainenle para ella. .Bailar, Antonio Cardse de Qariron Fonseca, Jo-
Alm isso est edificando vastos armazens, no terreno que possue no largo d'As- (
sembla.
Seos dividendos tem sido de 10 '/ ao auno, nos ltimos l annos.
dio, Samuel Halliday e bariio de Nazari ii.
Mssuidosilo oais doloroso sonlimento agradectm
a todos os seus amigos o caridoso obsequio de
As accOos que se emiltirera gozam dos mesmos dircitos, 'e percoberao o beneficio j assistirem as asamiaade sua extrennsa ospoaa,
dos mesmos dividendos que os antigos em proporoo da entrada.
Reeebem-sc assignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
Assenibla n. 12
3 a 1/: 3 .-. c; *^jjl
S =" ,J"- ^Hflft
S -- '- 3 4M
"' 2
If 1 TI

330e;
W -- fta a- CD
P*li 5^s *l M
O -O 0
-a.a 0 ^ 0
1: pi- 9
2.^3 0 5" a

2 S.S-S 3 5
3 To'gS? 0 = g 0 GC
?aj a. P-
ij D "i Ti C
^^
B O U S P T M 2 g

5 ri
2 s S

0 2 S3 g-
ils^.
i'dip. ifi
3.2 a S a a 0 i 35. t
- 3 1 n ^ 3sr T3
are" 3 i 3 s is ri t se
3 _. 3 -1 T5 3 r- l 9

~ 0 0 9
O ~ 3 as
m
s.
.
M LARGA DO ROSARIO S. 37
lillia. rmaa e cansada 1>. CanJiJa Cecilia da Cu
ola Motla, t de novo rogm a essaa mesinas pes-
goas o especia! favor de assistirem a missa do'"
dia que polo etert.repoupo de saa alma ser ce-
ebrado na (apella ne cemiterio publico no dia
i-feir 'tO do eotreato pelas v horas da i la*
nhaa.
PAR.V USO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES
Xarope de jurubeba garrafa. 1<9*000
Vinho de jurubeba garrafa. 1#600
Pilulas de jurubeba vidro. 1(5(600
Tintura de jurubeba vidro. (4(
Extracto hydracoolico de jurubeba. 12io00
PREPARADOS C0MP0ST0S.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2#000
Xarope ,de j urubeba ferruginoso garrafa. I #G00
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2^5000
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurubeba pote 640J
Emplastro de jurubeba libra. 20
PARA USO EXTERNO
pA JURUBEBA.
Esta planta hoje reconhecida como o ms poderoso torneo, como um encl-
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do figado e baco, as
hepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas Com anazarchas, as inCammacoes
subsequentes as febres intermilentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores giandulosos, na aaazarcha, as hodrope-
zias, erysipellas ; o associada es preparacoes ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, chloroses, faltas de menstruaco, leucorrheias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica-e pobreza de sangue, etc.
0 que dizemos affirmam os mais dislinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquina Fonseca, Sarment, Seve.
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Siha etc. Todos elles reconhecema excellcncia d'este
poderoso medicamento sobre osdemais at hoje conhecidos para todos'os casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicaco.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, e
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes iniproficuo un;
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos proparados s foram apresentados depois de havermos conveniente-
mente estudado
priedades
dose conv
ao raaior grao de perfeico possivel, para o que nao poupames esforcos^ nao^nosim-
portando o pouro lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarcm recorrer aos nossos preparados podem ter a
corteza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
velcura de qualquer dos soffrimenlos, quo deixamos innumerados, se forem em tmpo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolher as nossas va-
riadas preparacoes, aquella que melhor ihe podeconvir, j pela fcil applicaco, c j pela
complicado das molestias, idade. sexo, ou jinda nalureza de cada individuo.
As nossas preparagoes ferruginosas sao feitas de forma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
como taes estao hoje reconhecidos.
Para aquellos que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applicaco de nossos preparados, deslribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folhelo, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
Botica e drogara
34Ra larga do Rosario34.
PEDIDO
Pede-se ao Sr. Manoel da Costa Pereira,
praticantedarepaiticao das obras publicas,
ora em Jaboatao; que comparec a ra
Augusta'sobrado n. 102, alim de saldar o
seu debito ou pagar o que puder. e isto
com brevidade.
ESII.U6S
Precisase alujar quatro eteravos para -ervico
debaixo de-coberta, paga-se 30 e d-se comida :
a tralar na ra do Brum, saboaria do ReoHe.
Aos devotos do mez
Mariano.
Na ra estreita do Rosario, .sobrado de
um andar n. 35, preparam-se palmas, arcos
capeluhas e rosas proprias para eafeitar
os altares e oratorios, para o nn de naio:
enfeitam-se as vellas com llores de cera, pa-
ra altar e faz-se toda encommendade flores
para fura, por mais barato do que em outra
qualquer parte e teni muiias ores promp-
tas para vender; enfeitam-se velas boni-
tas para baptizados c faz-se b< para
casamente eoacrvos nitoracs e as lilas
bordadas a ouro, bcupiets para i rrfeitar
belos, tudo por prtfo muito connDodo a
preparam-se com todo aceio baud.'ja com
bollir.hos finos do toda a fsafidode para
casamentos e bailes.
Joao Franeisco i entira ha o% tendo
contratado com Dionizio das Cbagas l'ires
comprar-lhe a loja de calcado da roa do
Lhlamento n. 37, con ida n quem fftr erc-
dor da mesma a entender-se ci m o annun-
ciante al o dia 30 do correute.
dvocacia
O hacharelLuiz Emigdio HodrigU-s Vlanna mu-
dou o -cu cscriplorio de dvocacia da na do
Queimado para a ra do Crespo n. 1. nrimtiro
andar.
VB
Moiquiades Manoel dos Santos L.ma ocovida a
todos os seus prenles e amigos e aos de seu ti-
nado lio e padrinho Antonio Flix dos Santos pa-
ra assistirem a missa que manda rezar na ipreja
da ordem terceira de S. Franciseo as 7 horas da
maullan- do dia 29 do correte trigsimo dia do
seu fallecimcnto. __________
Tendo montado urna completa ofiicina para concert e afinaco de pianos
ter.do contratado para o mesmo fim o experimentado contra-mestre Sr. A. Rastoui
chegado da Europa pelo ultimo paquete.tem a honra de recommendar este seu estabele
cimento s Basas, familias Pernambucanas, promcttenrlo promptido e perfeico nr
trabalho.
Hua Formosa n. 14
Preci?a-se de um criado
Santo Amaro : a tratar em a
numero -"i.
em o collegio de
ra do Commercio
D-se 1:000^000 a premio com hvpethe-a :
na ra da Praia, terceiro andar, u. 47. se dir
quem d. ^^_^^___
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
amilia : na ra do Caldeireiro n. 60.
Precisa-se de urna criada que s:iiba
cosmhar e comprar, ra das Cruz n. 9
2 andar.
Gymnasio provincial
Precisa-se de dous serventes pan toda a espe-1
ci de servico centro e tora do estabelecimento.
Precisa-se de urna ama que atiba coanhar'e j
engommar: na ra da Roda n. 48, 1 au lar.
Frederico Maia
Cirnrglo dentista pela escola
de medicina
do IKio de Janeiro.
Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capital e sens suburbios, que tem aberto o
seu gabinete de consultas e operacSes dentarias a
ra Direita n. 12, piimeiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da manha as
3 da larde. Elle acha-se competentemente habjli-
tado para com perfeico colloear denles artiflciaes
por qualquer dos systemas, o bem assim desempe-
nhar qualquer outro trabalho concernente sua
profissao. O mesmo, reconhecendo que nem sem-
pre possivel s senhoras ou crianzas sahirem a
procuiar o remedio, offerece-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tarla qualquer chamado sem que issoinflua cousa
alguma na commodidade dos precos de' seus traba-
mos, e quando para fra della assim mesmo ser
precedido de um ajaste rasoavel, garantindo elle a
segurangae perfeico de seus ditos trabalhos. Em
. seu gabinete se encontrar constantemente excel-
I lente pos dentifricio, elixir e cutres medicamen-
tos odontalgicos : ra Direita n. 12, primeiro
andar.
IEMPRESTIMO SOBRE!
Este acreditado estabelecimento augmenta
de da era dia quanto possivel para che-
gar.o cume do bem vitar.
Alm dos saborosos manjares 'infeccio-
nados com o melhor awio, tem bellos apo-,
sentos de hospedagem, tanto para urna so
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e hygiene, temo-la sempro em abua-<
dancia para facilitar excellentes banhos.
Ha tambem urna boa bibJiotheca e perio-
dieo nacionaes e eatrangeiros, piano para
reaeio, buhares, etc. etc.
Sendo ociosa qualquer n^commendagao
para tao acreditado estabelceimento, ofhit-
timos mais prembulos, fazendo ^er por
6m, que o bom servico, ordeai e moralida-
ie Imperam n'esta casa, como observancia
fiel do regalamento que possue.
CHAIUTERIA E PETIT RESTAIRAST
Annexos ao Hotel Central, roa estreita di
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infinit
de charutos de Havana, Rahia, Rto, etc. qw
exjstem ueste novo estabelecimento pres
cindimos dos annuncios pomposos que ge
ramente se fazem, reduzindo-nos apenas i
tres letras que sSo tres bbb bom, bonito t
batato. A! vista do genero annuuciado po
de-se julgar de nossa veracidade. Estacas
gosa tanem das condiejies de um elegante
e peto tettaurant onde se pode ver a es
peeialidad dos fiambres e salames de Lioi
para lanches e at fa:r urna boa eolac3o.
juntamente com os principaes vinhos d<
mercado, sobresahindo entre o bom a pun
e fervenie champagne, o mu saboroso Rhe
no, a primorosa cerveja, o licor espirituoso
I o quanto pede urna mesa. Faz-se uouU
Oomedorias a la oarte.
J sorvete e variedade de refrescos.
(SEM LIMITE.)
\a travessa da rea
i das Craios n, 2, pri-
meiro andar, da-se qual-
ijiior quaiilia sobre ouro.
e filias preciosas,
O dono deste estabeleiimento,
competentemente autorisado pelo
governo, esta as condicSes de ga-
rantir a tranaaeco que se fizefem
sua casa, promettendo todo e zelo
c considoraco as pessoas que se
dignarem do honra-io em f eu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra- se ouro,
prata e brilhantes.
SEGURO
Fundipao da Aurora.
Neste vasto eslabeleciinente sempre se encontra
um completo sortimeuto de taixas de ferro batido
e fundido, fabricadas recentemente, e se fabrican)
de qualquer. molde a vontade dos compradores, e
reos .razpoaveis.
Em casa-de" TEODORO CHRISTI-
ANSEN, roa da Cruz n. 18, encontram-se
electivamente todas as qualidades de vinho
Bordeaux, Bourgogne e do Rheno.
Precisa-se de urna criada livre ou escrava
(|ue saiba cow, engommar e fazer os arranjos
domsticos de un.a familia composta de4 pessoas:
dirija-se a ra do Trapiche n. 14, 2o andar, con-
sulado francez.
RIO DE JANEIRO
no
agen-
IMRITIIVIGS
COITRAFOGO.
A Companhia Indemnisadora, estabelecida
esta praga, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: a
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Ama
Pr ecisa-se de urna ama forra ou escrava par
comprar e^cozinhar para una casa de pouca la-
mdia : na roa das Cruzes n. 28, Io andar prele-
re-se escrava e paga-se bem agradando.
Ainda restam algumas collecgoes de
Biographias de alguns poetas, e outros ho-
| mens filustres da provincia de Pernambuco,
tres tomos escriptos pelo commendador A.
J. de Mello : ra Augusta n. 94.
Zeferino d'Almeida Pinto, advgado
Rio de Janeiro e com escriptorio de
cia na ra dos Pescadores numero 68, on-
carrega-se de todos e quaesquer negocios
judiciaes e administrativos, mediante hono-
rarios e commissoos rasoaveis e mode-
radas.
As pessoas que de seus servicos se qu;-
zerem utilisar, poderao dirigii-.se pessoal-
mente ou por carta ao escriptorio cima ou
a casa de sua residencia, Cllete n. 172.
acompanhados de todos os documentos
precisos e com indicaco da pessoa com
quem se possa tratar.
Para mais informacOes dirigam-se a bo-
tica da ra larga do Rosario n. 10, nesta
cidade.
Gustavo Wolicliard convida a lodos i>- ai
de seu fallecido innao Ernesto Wolieba I, a ai
sistirom a missa de Reqoicm qoe pelo mi i
etflroo do sua alma manda celebrar
do correte as6 horas di inanhaa, .: .
son passamnito, na i^ivj.i de S. Fd
No coegio da Concec5o preeSsa-se
urna criada porlugueza; paga-se bem.
de
COMPRAS.
Cow muito maior vantaycm
^ Compra o Curasao de Ouro, n. 2 D
;, moedas de onroe prata e podra pi eeioeafl
Vende-te moa latera na
13 : a tralar na mesma.
ra do PUu %
-Na pra^a da independencia n. .T, luja de ou-
nves, compra-seouro, .rata, e peoras preciosas,o
tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
todo e qualquer concert.
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se mn-o, prata
epedras preciosas por precos mais vanlaiosos do
que em outra qualquer liarte.
ouro e n
Compra-se moedas de ouro e
bem como libras slerlinas, na ra
bug n. 9, relojoaria.
prata e
do Ca-
Compra-se moedas de ouro e prata, bem
como libras sterlinas por maior proco que
em outra parle: na ruado Crespo n. 16
primeiro andar.
Compra-se garrafas de meia champagne,
vasias: na botica da ra Larga im Rozario
n. 34.
Manoel J>s na Fonseca retira-se para f(Jra
do imperio e julga nada dever nem nesta pra e nem fra dell, porm e algnern se jutgar mu
credor, podo apresentar-se no largo da alfandega
n. t, que seado jnsto ser pramptamiintepago.
A abaixo assignada, viuva de Jos Bernar-
des do Souza, pede a todas as pessoas que s jui*
garem credoras de su finado maridj, que apre-
santein seus Ututos, ou comas dentro de prago de
tres dia. a contar da data do prese oto annunoio,
na casa n: 8 do,largo do Pilar, ftocife 28 de
abril de 1860;
mj Roya Tellfs de Meneaoi Souza.
HfWlsa-se de urna ama de leite que nao te-
nh,a filho : quem estiver ne9tas condicoe. appa-
reca na ra i|a Praia n. 54,1 andar.
Precisa-se de una ama pata couabar para cas*- do anda'
de homem solteiro : na ra do Csio n. JO.
Quera qnier ser feitor Je um *io, ba-
ao largo da rlbeira de S. Jote, obrado n. 6.
A quem precisar, vendem-se bichas ambur-
gueza superiores, em grandes e pequonas por-
coes, e tambem se alugam : na ma do Imperador
n. 28.
ATTENCO
' abaixo assicnado declara ao corpo do com
njercio e ao publico, que nao foi elle quem com..
prou a taberna sita no becco das Barreiras n. 19
e que loi annuneiada em um desses ltimos lias
com sua assigntura, mas sim o seu ex-caixeiro
Antonio Raposo de Alvaanaes. Faz o presente'
para evitar duvidas futuras. Recre 26 de abril
de 1868.
Antonio AgiutinJu Sexo* du Fonceca,
Alaga-so um sitio na Passagem da Magdalena
ao p d.o logado viveiro, com boa casa e muitas
arvores de fraelo : a trotar com Francisco Igna-
cio Pinto, na ma da Cruz n. .'18, Io andar.
Adoogado
O bfdnrel Jok> Darbalho cha Ca-
valcanti. actualmente incumbido das
causas confiadas aos Drs. Joao Alfredo
Correa de Oliveira, Francisco Teixeira
de S e Joaquim de Souza Res, pode ser
procurado eos sen esenptoto praca de
Pedro II (pateo do Colleeio n. J9, i
andar.
Engommadcim
Lava-se e engomma-se com perfeico, por pre-
co commoi : na ma do Sebo n. 9.
Preei*a-se de urna preta que cozihhe e en-
gomme, paja casa de pouca familia : na ruado
Queimado n. T>.
Compra-se urna escrava peca de \ a 2o an-
nns de idade, sadia, de conducta auaaoada, que
nao seja de ra e sirva para compiar, conoar
e engommar : a tratar rua do Brum n. W, la-
berna, ou annuncie para se ir ver.
Compra se nina ou duas casa- pequeas ou
mei-apuas. em chaos proprios, dentro desta prr-
ca. preferindo-se na freguezia de S. Josu : a tra
tar no pateo do Terco n. 19.
VENDAS.
HEZ DE MARA
Vende-se este livro, ediro dedicada ao
fallecido hispo D. Manoel de Mcdeiros, con-
tendo alm de todas as orafes e uxenipios.
uma grande collecco de versos canucos
adequados feslividade do mez de maio,
ao preco de I>Of)0 o ejemplar: M (dici-
na typographica n.l'i, defronte do convento
de S. Francisco.
A quem precisar, ra do Imperador n.
28, la bixas hamburguezas superior, vendem-se
em grandes e pequeas porcoes tambem se alu-
Precisa-se
alugar um sitio, ou casa com grande quintal, que
tenba oommodo-para grande familia : preferm-
do-se na freguezia da Boa-Vista%SoIedade, .Balan-
cia ato o Manguind : quem o tircr toscos condi-
cBetr. pode dlngir-se rna do Crespo, loja dos Srs.
Jos dos S "s & Irmao, ou a ra do Pires
n. 36", que adiar com quem tratar.
Ama
Preci-S8 de urna ama para casa de
pessoa : na ra da Senzala-velha n. 128,
urna so
segun-
Precisa-sede urna ama Itora ou escrava para
na casa de cinco pessoas \ na roa Nova n. 51,
Io andar.
Fbrtarai da Estrda-Nova sitio junto bom-
la grande, ao amanhecer na quartafeira 21, um
burro- castanbo-esenro- de tamanho regular, som
ferro de qualidada alguma ; tem no eacontrips
espaduas urna hita de cabellos proveniernWe
cangalha, < de um lado do espinhaco um pequeo
signa) de cabellos proveniente de urna ferada j.
sa : elle 6 bem conhecido na Estrada-Nova e Ca-
punga, onde transitava todos os dias : quem der
noticias d'elle no sitio cima dito, ser generosa-
mente recompensado.
.ana negvinha della 12
para o servicio de catt: na raa do Imperador nu-
mero 50,3o andar.
Vende-.-e urna taberna na povoacao do* A-
fogados, propria para principiante por W\' pouco,!
fundos, bem afreguezaJa, e tem commodos para
familia : a tratar na mesma poroaeao. ma Direita
n. 32. '_______________________________
Cal de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa chegada ha. poneos da*
a;tratar na ra da Cruz n. 27,1 anitar, e>np;,-
rio da Ramo*-* Teroiioral.
Attencfta
Vende-se urna armacao completa em mnito JMv
estado propria para taberna : na ra da (>>-.
n. 31.
Setroz
Tem para, veador saqnim Jos loiioalvos B(-
i'o no seu escriptorio rna do Commoreio n. 1"
Pechincha.
V i i.i a M e 4*500 com 20 jardas : na ra do Qk -i-
CXlon. 29.__________________________^
Vnde-se por commodo preco um carro n
de quatro rodas com um boi : na ra do Jasoi.io
n. 87.
Libras 8teriina
Vende oaquitn Jos Ramos, na ra da Cruz n
8, andar.
\
*>.



Diario de Pernanibuco QuiiRa feira 29 de Abril de 1869-
/

Alegrai-vos myopes, e presbytas, j po-
dis ver de longe, j podis ver de pe lo,
n3o lia mais vistas cartas, nem caneadas.
F. J. (crin.-inn acalKi de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortimento de
oculos, lunetas, piore-nez, face--main,
lorgnons, de ouro, pra'.a, tartaruga, mar-
te, ac, bfalo, ncar, unicornio e mol-
.liior ; assim como binculos do una a tros
mudarlas para theitro, campo e marinlia,
da ultima invenga >: duquesas, vienezas ile (
8 e 12 vidros, tudo dos melliorcs fabri-
cantes da Europa.
O mesmo viportrou- ;om 8 palmos de largura, adamascado, a lizas transpare
xc urna exceliente ma- 200 a vara; dito de linho fazenda milito sas tendo mais
china para graduar t uperior a 35200 a vara ; guardanapos de presos de oM
para graduar
observar o numero dos
vidros que se necessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem escolenles slerioscopos, instrumen-
tos de mathemalica, barmetros, vidros de
chrystal de rocha, e de cores para resguar-
dar a vista : concerta todos os objectos e
precos i'ommodos e com promplidao; tira
o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
eneommenda relativa a ptica.
Recebeu tambem os exceentes relogios
do antigo e afamad.) fabricante Bobcrl G ni,
& C, os qnaes vende ;i probos commudos
gamitado a ma superior gualidade.
RWAL seh segundo
Roa do Queimado n. 'i9, luja de miudaau d
Jos do Axevedo M;ua Silva, lera para vender os
artigos aistxo declarado?, tudo boa e baratte*-
iio, <|uo sao pan acalcar.
Duna do sabtMMs imrito linos a 7iV) re.
Pares desapaios de tapete para I: >:uem a 15280.
hilos de tranca para creanga i 1!>
Tramla do Puto, bordada, a mdiior a KX) rs.
hita do Porto liza, da melhorquatMade a 100, 120,
160 e 20J rs.
a 3H0Q.
iad papel almajo, tizo superior
Dita I.' papel atina ;<> paatadb a i.
Lhrro de missSes abreviadas a ti.
Gaitilbas cora toda a doutriiu e umitas resas a
329 re.
silabarios portu^Ui JZfiS rom estampa-; a .120 rs.
Baralbos francezes aiuito Baos a lOOe 2W rs.
Sala i fngtez superior tiualidade a .'00 e 14.
(rayalas pretas e de caresiraoJto tan i 8W rs q ^ftQQ, dilas muto fi|ias tant
Danade metas para senhora, fezenoa uaaaa*. ,rvJ___.... hwmi ,.nnn
Redes prctas lisas para segurar cabello a 320
GRANDE LIQUMCO
A DiNHEIRO NA LOJA'E ARMAZEM
DO
Qaoa m niai?aaa,i?a2a* e
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
0 proprietario d*cste estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tem de fazendas, tanto da moda como
le lett o as pessoas que negociam em pequea escalla, tanto da pra?a como do matto-
esta casa podero fazer es *eus sortimentos em pequeas e grandes porpes, venoen-
io-se-lhes pelos pregos que se compram as casas inglezas ; assim como ;is excellenus,
simas familias, poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
nos levanem suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se este c.itabelccimen-
o aberto constantemente desde s 6 horas a manha s 9 da noute.
0 atoalhado do Pavao AS CAMBRAIAS DO PAVAO ,
Vende-so superior atoalhado de algodo i Vendem-se finissirnaa pecas de cambraia
adamascada a | lizas transparentes tanto inglezas como suis-
dc vara de largura, pelos
000 at 105000 a peca, assim
como finissimos organdys branco liso que
servo para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a t$000, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperalrizn. 00, de Flix Pe-
reira da Silva.
Alpacas tarradas
Chegaram pelo ultimo vapoi as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
se vendem a 1 JOCO, o covado,
tendo tambem cor de canna a
800 rs, ditas mescladas muito linas a 1:200,
o covado, e outrs muitas fazendas de gosto
o moda que se vendem mais barato do
que em oulra qualquer parle, no armazem
m ootra qualquer parte, assim como espar- i do Pavo, ra da Imperatriz n. GO. de Flix
albos dos mais modernos, no armazem de i Pereira da Silva.
Flix Pereira da Silva, ra da Imperatriz; Roupas para hoitiem
1# 60. Vendem-sc superiores palitts do panno
IITfl UniSnAnC SObreeisaeOB forrados de alpaca e de seda,
ALIA N U VIU A U C. | camisas inglezas c francezas com os peitos
A LOJA DO PAVO de esguiao, ceroulas francezas de linho e al-
Gurguro de seda jgodo, meias cruas inglezas superiores, ca-
Chegaram pelo ultimo vapor os mais bo-i misas de lanella e de meia de iaa, assim
aitos gurgurces de seda, proprios para ves- j como neste estabelecimento existe um grande
inlio adamascados a 45500 a duzia e muito
inos a 85000, e ditos econmicos a 30500
i duzia.
Pustcs para vestidos brancos
a O.
Vendem-sc os mais modernos fustoes bran-
:os flexiveis com padrees de listas e de
salpicos proprios para vestidos e roupas de
nenino a 640 rs. o covado, na loja e arma- \ cores, que
'.em do Pavo ra da Imperatrizn. 60, de'dit
Flix Pereira da Silva.
BABADINHOS
Vendem-se finissimos babadinhos, tiras
cordadas e cntremeios, mais baratos do que
ROUPAS FEITAS
Na loja do Leo da porta larga
PORTO.
Ra.da Imperatriz n. 52, junto a loja de ourives.
N'este estabelecimento se encontrar ra da Imperatriz n. 52, loja do Paredes
sempre um cempleto sortimento de roupas Porto.
feitas de todas as aualidades. Gomse-, Neste estabeiecimento encontrar o respei-
jam: paletots de alpaca, de merino, de tavel publico um completo sortimento de
casemira, bombains de panno preto, fra- fazendas e roupas que, se vende pelos pre-
ques e sobrecasacos de brins de crese eos seguintes:
pardos.
CAMISAS E SIROULAS.
FAZENDAS BRANCAS,
Madapolo de diversas qualidades e pre-
Encontrar sempre o respeitavel publico eos commodos, cambraia de 3fla00 40500
ii bonito sortimento de todos os nmeros, e 5,5, ditas victorias de 5^500 a i%% pecas
;idos, sendo lisos elavradinhds, com muito
uslro, garantindo-se que a fazenda mais
inda e de maisphantasia que esteanno tem
Aegado a este mercado, e vende-se por
preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
\. 60, de Flix Pereira da Suva.
CAMBRAIA BRANCA A 35500.
Vende-se pecas de cambraia branca
transparente, com 8 e meia varas pelo ba-
Vuras de transa de seda de todas a adres a Mt rs.
Paras de brincos doarados coai maozinha e pe-
dras a 320 rs.
CartSee oin eoreheMi de don orden* e sao de la-
ti a 20 rs.
Abo'ua.lnras de vidro para coleto muito linas a
120, tW e 400 rs.
i'ares de botoes doarados para pauten a 160 rs.
Gaixtt de pennas de ac muito linas a 210, 320 e
300 rs.
ea m dtenla* jardas de liaha Jo fabri-
cante Alt'xamlre a 103 rs.
''.ana< de pennas de aro, a verdadeira penna a
1A200.
barritis de liaha Aleandre ns. 70,80, 100 at
200 a 100 rs.
i- eo o superiores obreias de massa ,i 40 rs.
>:arril.'is com dun oitavas de retroz preto a 500 rs
H deagullias para machinas a 25-
' ibras de pregos francezes de todos os tamauhos
a 240 rs.
irrwoMrlptnradoe para rol de roupa a 120 rs.
CaitBt com papel amisademuilo lino a 700 rs.
"aitas eom ce'.n#nvelopes da nielhoi qualidade a
00 rs.
Talheres para meninos niu'to boa fazenda a
240 rs.
LlV KO \VO
l'ARA
0 WL DE Mtik
Acabam de sabir luz e acliam-se ven-
da na fivraria fraaecza.
E HV.WOS DEVOTOS
PAR V
s. .apadas como transparentes 4io00, 55000,
rs
i$500, 75000 e 8)000, assim como organ-
li muito fino tanto lizo, como de listas e
juadros na loja e armazem do Pavao ra
la Imperatriz n. 60 de Flix
1 ALPACAS LAVRADAS PARA LUCTO.
Vende-se na loja do Pav2o, as mais mo-
lemas alpacas lavradas paralucto, sendo
nuitolargascpelo barato preco de800rs. o
ovado, so na loja e armazem do PavSo, ra
la Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da |
Silva.
sortimento de pannos pretos, c de casemiras
inglezas de cores, e que so manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-lhes que sero servidos
com a maior promplidao e muito mais ba-
rato do que em outra quidquer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 125000 rs. cada par at 250000 rs,
Pereira da | sto na ra da Imperatriz h. GO, de Flix
Pereira da Silva.
Cretone para lenc/Ses com 10
palmos de largura a 2$,
Acaba de chegar esta nova c exceliente
fazenda branca propria para lences de um
s panno, garantindo-se que um metro e
urna quarta ou um metro e meio d um
Cassas lnglez*s a 440 rs o metro | exceliente lencol de um s panno, assim
Vflndw-sfl urna ffrandfl por$3o de bonitas como esta boa fazenda tambem muito
urna grande
graudas como
miudi-
DE MARA
Um votme nttidameple improsso em
Caris.
Qaadernado de eouro. 15600
Encadernaco de mar-
f oquim dourado.......25500
Voude-se genebra de HoUoBda a mais
pon cliristalina c de .'xceik-nte palladar
que tem apparecido no mercado, em boti-
jas e frasco.
Genebra de iaranja, Gapeor e verdadei-
ia de Feckee.
Genebra de lima superii/', nanea vista
ueste mercado, de delicioso paladar e re-
rigerante; exceliente para a estaco cal-
mosa : no deposito da roa do L ma n. 30,
em Santo Amaro, nico lugar onde a en-
coiilrarao pura 6 perfeitaucte fabriadL
Oaprecos destas genebras soincentesta-
velmente mais baratos que era qualqacr
outra parte.
Vende-se
xissas inglezas tanto
ibas e de cores fixas pelo barato preco de
UO rs. ometro,garentindo-se que 7 metros,
lo um vestido para qualquer Sra. s na
loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A o000.
Vendem-se colchas de fusto adamasca-
das para cama, pelo barato preco de 5$,
grande pechincha, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
COBERTORES INGLEZES A i!, 45500 E 5.
Vendem-se os verdadeiros cobertores
nglezes, de pura 15a, pelo barato preco
de 4#, 4fS500 e >?, assim como colchas de
fusto de cores, pelo barato prego de 3$, na
loja e armazem do Pavo. ra da Impera-
1 trrz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Madapolo eiifestado a 8 $500
Vende-se superior madapolo entestado,
sendo muito encorpado, para carnizas, e
tendo cada peca 24 jardas, pelo baratsi-
mo preco de8j5ioOO, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
propria para toalhas de meza, rosto etc. e
outros mystres e vende-se pelo baratsi-
mo preco de 2 MOCAMDIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Chegou para a loja do Pavo um elegante
sortimento dos mais bonitos mocambiques
proprios para vestidos cora as cores mais
modernas e que se vendem pelo barato
prego de 500 rs. o covado.
ALPACAO UE 09RD0 PARA VESTIDO A 13
Chegou esta nova fazenda com o nome
de alpaco, sendo de cordo e com mais
largura do que a alpaca, com as mais lindas
cores, como sejam Rismark, lyrio, perolas,
roxo, cor de cauna, magenta etc. e vnde-
se pelo baratissimo preco de 10 o covado.
ESGUIAO DE LINHO DE 12 J Ai IDAS A ioS.
Vende-se pecas de esguio de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada pega, a
um
MEIAS CRUAS.
Sortimento de todas as qualidades, de
3$ a 5$, assim como tambem sortimento
de lencos de linho brancos e com barras
de cor, cliinczes, bonitas grvalas prctas e
de cores. Ra da Imperatriz n. 52, por-
ta larga.
PARA ACABAR.
Urna grande porgo de calcas ordinarias
para trabalho a OJO c 800 rs. cada um par,
pechincha na loja do Leo junto a loja de
ourives.
GRANDE PECHINCHA,
Cassas he cores a 160 rs. o covado, na
160 RES 0 COVADO
Chita preta pelo barato preco. de 160 o
covado na ra da Imperatriz n. o na loja
que lem um Leo pintado.
PANNO DE LINHO
Paredes Porto recebeu um sortimento da
pannos de linho, com 27 varas a peca c
17^000 e 185000, na ra da Imperatrizn.
oi.junto a loja de ourives de porta larga.de.
Paredes Porto.
LENCOS DE LINHO
Vende-se lencos brancos de linho a n>,
a duzia para acabar na loja de Paredes Por- j
to. Ra da Imperatriz n. 52 loja da porta
larga que tem uin Leo pintado, de Paredes
Porto. I
No armazem do Leo, ra da Imperatriz n
de cassa liza o mais fin que lia no merca-
do a 9, 10, 120. cora 12 varas, e vara
de largura
SEDAS DE LIS TRAS.
Recebeu-se um bonito sortimeuto d'esta
fazenda que se vende a 26500 o covado.
CHITAS.
Vende-se chitas escuras a 280, 300, e
320 rs. o covado.
GUARDANAPOS
Vende-sc esta fazenda de linho, fazenda
boa a 4;O00e :J:>(X) a duzia.
MEIAS PARA HOMEM
Sortimento de meias inglezas para ho-
rnera a 4&S00 5#W0 e 6800 fazenda boa.
THOALBAS
Sortimento de toalhas de pelucia a 11)5
a duzia.
LENCOS BRANCOS a 2/5200
Para acabar lencos de -algodo a 2#200
a duzia,
2^000
Vara de bramante de linho superior e
tem 10 palmos de largo.
CALCAS E COLETES.
Tem sempre* no mesmo sentido um sor-
timento completo a preco commodo.
e 52, junto a loja de ourives.
11--RUA DO QUEINADO-11
DE ;_.
AUGUSTO PORTO & C.
Receberam superiores vestidos de blond com manta e capella para noivas, que
vendem-se por pregos mais mdicos do que em qualquer outra parte.
SVHD\SDE BULEde cachemira branca ede cores o que ha de mais lindo.
BASQUINES-de renda preta, e de gorguro preto, o que ha de mai,
elegante. ,
CHAPEOS DE SOLpara seuhoras delicadamente bordados.
BALOESbrancos e de cores para senhoras e meninas, espartiinos, saias doi-
dadas, e saias de la com barras de cr. mflrpan
GORGUROde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
tque branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, borabaz.nas pretas,
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados. nom0 wHid-w
CAMIZ4Sde linho para hornera de diversas qualidades. camisas Doraackis
lira noivos,'sobretodos, capas de borracha brancas e pretas, brim de cores e branco,
panos finos e casemiras pretas e de cor por commodos precos.
TAPETESgrandes e pequeos para sof e cama, tapete e alcatitas em pecas
para sallas, e conlinuam sempre a vender por mdicos precos as estribas da india para
SALLAS.
Capsulas de Raquim
Os bons cffeito distas capsulas par fazer ees
har os gonorrheas acham-s-; oomprovadas pelas
experiencias de muitos annos.
Os medieos de todos os piues a^ recomraendam
pela sua cflkada.
VENDE-SE
XA
Pharmacia e drogara
DE
BARTHOLOMEi: & C.
Ru34a larga do RosarioU
i 10,5000. -
1LTA
CHAPELINAS
P.
NOVIDADE
JgSiiftfcAgcj!
DA
ULTIMA MODA
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas e mais modernas chapelinas rica-
mente enfeitadas, com afeites c fitas de
setim e de todas as crese com ricos bicos
de blond e as mais lindas e linas flores,
vendendo se cada urna pelo barato preco de
15^5000, garantindo-se seren muito mais
bolitas do que outras que se vendem em
outras partes a 20-5 e 250, e entre ellas
ha mais do que um modello, tambem tem
muitas de pratinbo, proprias para mocas e
meninas, isto na na da Imperatriz n. 60
loja do Pavao, de Flix Pereira da Silva.
Explendido sortimento de
roiips feitas
NA LOJA DO PAVAO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este gMBde estabelecimento com-
pletamente sonido das melhores roupas
BOA PINGA
do Donro
Em caiado Folix Pereirat:i s\.:, rua dalm-
|H!rtriz n. iW, vendem-ss harria de >' e 10^ rom
puro viudo do li ^uro, (ai "nao tem
" tneltioi
sendo calcas palitts e coletes dejasemira,
de panno, de brim, de alpaca, e" de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesma loja
tem um bello sorliraeuto do pannos casemi-
ras, brins, etc. etc. para se mandar fazer
qualquer peca de obra, ivni a maior promp-
lidao ventado do freguez, e nao sendo
obligados a acceita-las, quando nao stejam
completamente ao seu contento, assim como
n'esto va!o estabelecimento encontrar o
Bonfeie-. afennra ; neste genero o mcttior que ltSneitavel publico um bello sortimento. de
lem vindo a eate mercado, e mnrto pronrio pr
usar as horas da comida,
razoavel, n* loja do Pavo.
TI
e venderse por urn^
d superiores qualidada, a pr na
ra do Vigario n. 10, I e3#ptorio- de
Joaquiai GfrardodeJBail.i____
CELA DOS CALLOS.
ata
Pomada galoiipeau.
Depowto esperial
> Pharmacia de Bartholomeo & C.
Si------Ra larg do Rosario-------34
Loja do Pavao.
GURGUROES PARA VESTIDOS A ljJOOO,
O COVADO.
Chegaram os mais modernos gurguroes
, para vestidos, sendo de todas as cores, como
i sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
| rxo & de tendo quasi quatro jialmos de lar-
gura e vende-se pelo baratissimo preco
de 1(5000, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na ma da
Imperatriz n. 60.
Cirosdenaptas preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores giosdenaples pretos, lanto lar-
gos como estreitos, sendo de 2s000 rs. o
covado at iiJOOO re. garantindo-se que
n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
qualquer parte, na^rua da Imperatriz n. 60,
de Flix Pereira da Silva.
2, OS BALDES DO PAVAO.
Veodem-se -superiores baloes america-
nos de trinta a quarenta arces, tendo as fi-
tas bastante largas, sendo muito fcil trans-
forma-los para outro qualquer novo modelo,
e liquidam-se pelo barato pn^o de 2j$ cada
um, sendo fazenda que sempre se venden
a 75 e 8(, isto na loja e armazem do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
As S.OOO vara a 500 rs.
Vendem-se as verdadeiras cambraias
francezas, com lindos padrees o cores fixas,
sendo tapadas e transparentes, pelo barato
preeo de 500 rs. a vara, ou 300 rs. o co-
vado, sendo fazenda que ningnem vende
por menos de 7 ou 8 tustes, e liquidam-
se por este barato preco, por se ter feito
urna avultada compra, na loja e armazem
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60. De
Flix Pereira da Silva.
Grande expsito
DE
CASEMIRAS DE CORES NA LOJA DO
PAVAO
Chegaram as mais bonitas e mais moder-
nas casemiras de cores proprias para calcas
coletos e-pafltots, tendo at dis mais Aftas
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis
lain
Tintura indelevcl para fingir os cabellos,
sem manchar a pelle. .
A bem conceiluada agua-florida de Guis-
lain que ento era desonhecida cm Per-
nambuco, j boje estimada e procurada
por seu cflicaz resultado, e ainda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
Ditos com ditas de velludo, outros imi-
tando charo machetado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guarnicSo, dourada ou prateada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
todos de madreperola, raadreperola e seda,
sndalo, sndalo c seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
Ocordeiro providente
Ra do Itseimado n. 1G.
Novo e variado soriimente imarias
finas, e outi
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que efiectivaniento est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
ntavel pela variedade de objectus, sujierioi i-
dade, qualidades o commodidades de pre-
cos; assim, pois, oCordeiroPrevidente y
e espera continuar a merecer a aprociai.au
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se ate-
tando elle de sua bem couhecida mansid^
e barateza. Em dita loja enconlraro i.
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira. de Murraj ; Lainraan.
Dita de Cologne inglcza, anieiicana, fran-
ceza, todas dos raellrores c maisacrodiiados
fabricantes.
Dila balsmica dentrificia.
Dila de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odonlalgico para oonservaflo do
asseio da bocea.
Cosmeliques de superior qualidade e c!ni-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos cun dita japoneza, transparente,.
eouli as qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
franeczes em frascos simples eenfeitadcK.
Esseocia imperial do finoeagradavel el
ro de violeta.
Ondas eoncentrad$a edecheiros igoal-
mente linos c agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oeo de superior qualidan;
com escolhidos cheiros, em frascos de 'i
ferentes tamauhos.
Sabonetcs em barras, maiores e menc
para m5os.
Ditos transparentes, redondos c enl fig"-
ras de meninos.
Ditos muito finos 0Ucalimba pora barbe.
Caixinhascom bonitos saboneles imitando
fructas.
Ditas de madeira nvernisada contendo fi-
nas perfumnias, muito proprias para pn
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfuraaris finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, o k '
moldes novos e elegantes, com pdetr
e boneca.
Especial p de arroz sem composifSode
cheiro, e por isso o mais proprio para r.iai-
cas.
Opiata inglcza c franceza para denles.
Pos de camphora e outras lffcrenles
qualidades tambem para denlos.
Tnico oriental deKemp.
Aluda m&is coques.
Um outro sortimentos de comics de no-
vos e bonitos moldes com filets de idiil,
e alguns d'elles ornados de llores <
esto todos expostos aprecia
os pretenda comprar.
GOLLINILAS E PUM10S DORl'Ai
Obras de muito gosto e perfei
rivelias e fitas para ealos.
Bello e variado sortimento de tar-
tos, ficando a boa escolha ao gosto o
prador.
FLORES FINAS
0 que de melhor sepdeencontnu in&m
genero, sobresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para viageni.
Bolsas de tapete ecarteiras de couro; por
precos commodos.
Chapelinas de palha da Italia niui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
ro presentes a quem se dirigir dita toja
do Cordeiro Previdente a ra do Queimae
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS.
CHAPEOS E COQUES.
0 Cordeiro Previdente ra do Queima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidade de precos.
ALEM D'AQUELLES.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de galloes de la, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va
riedade de gosto3 os tornam recommenda-
dos e apreciados ; comparecao pois os pre-
tendentes que sero servidos a contcnt.
TO BE RECEBEU.
Novo provimento de bicos c rendas dv
gaepure.
LVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homerr
como para senhoras., constantemente achara
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
ra do Queimado n. 16. .
A agua-florida de Guislam composta uni- j com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
camente de vegetaes inoffensivos, tem a de flores.
camisas fraucezas e inglezas, ceroulas de
linho e algodo e outros muitos arligos
proprios para homens e senhoras promet-
tendo-se-lhe muito mais barato do que era
outraqualquor pule. Na ra da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Pcrei-
ri^a Suva.
TlETALIIOS PARA LUTO TA LOJA DO
PAVO.
Vende-se urna grande qnantidada de re- que tem vindo ao mercado com fios de seda
tamos de chitas e seas pretas por prco e vene-se mais -< tarafe) do (jweem ootra
muito barato, e ipaanto maior for a porcia qualquer parte, por haver grmde sortlmen-
qne o fregu comprar, mais baYato se lheto de varios precos, .na loja e armazem do
-ender na ruada imperatriz n. 60 de Fe- Pavo, rur Emperatriz n. 6h, de PeUx
lix Pereira da Silva. pereirtr da Silva.
propriedade extraordinaria do dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
cos, e Ihes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranquecer, sem
ser prejudicial de modo ahjum
E' porm necessario fazer conhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
soas threz suppohham, mais sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
elogo se obter o fim' desejado, como bem
provam testemunhos de pessoas insuspei-
las, e d'ento por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre eom o bom
eiito, podendo a experiencia ser feila em
ootra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
roa do Queimado n. S,
A Aguia Branca, contando com a protec-
Clo de sua boa freguezia, tambem cprcha
;em nao Ih a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
a honrara, e em prova ao que fica dito, di
como exemplo {o explendido sortimento
me acata de receber, ainda mesmo achan-
io-se bellamente provida do que de bom
e melhor se pode desejar nos gneros que
3o de sua competencia.
Haja vista aos necessarios hvros de missa
e oraco, obras de apurado gosto e perfei-
3o, sendo: com capas de>madieperola e
tocantes quadros em alt relevo.
Ditos com ditas de marflm ipUwmW
bonitos.
Bonitas volt grandes de aljofares azues.
Voltas a> cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torral, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, mulheres e
meninos.
Golhnhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios finos tapados e transparen-
tes com delicados bordados' e proprios
para enfiar fita.
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para creancas.
Bonitos catases ou boinhas de pelica
e setim para menina* ou sentar.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas de vidro enfeitadas
com podras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
Pineeis oa bunecas para po de arroz.
Novos e delicados ramos de flores eom
marrafes para enfeitar eoques.
Bello sortimento de trancas de palha.
Fitas largas para ciatos.
Cintos de fitas largas com benitas rama*
Brincos e alunles de madreperola.
Ditos esmaltados, obras noYas e bonitas.
Barato que admira,
Manteiga ingleza (lora M100 a libra, dila fran-
ceza a l, cli mado a 34100' dito fraudo a 3/.
caf a 20 re., MbAo a BO, aiVfsta a 240. arroz i
100 r?., passas a440, irtt'in qnaftos com t Ubrs
por 2"2O0, vinho a 400 rs. a garrafa, azeilc doct
de Lisboa a 900 rs., caixinhas com ameixa?, pjM-
sas, figos e pe as, proprias para mimosa 1J60.
latas com doce a 300 rs. : s na esquiua da ru-
da Penha n. 8.
umn
1ASILE180
DE
POMTA DGGMM1BA
COIIPOST'O PI1EPAT1ADO
Pelo pharmaeentlco
Jos da Gruz Santos.
Esta planta cujas Virtudes mediemaes
existiam desconhecldas para a maior par.:
dos nossos facultativos, devendo-se a soa
descoberta ao uso que d'elle faziam
nossos indgenas qtie.mooscatavam cen
a sila applicacJo de lodos os sofrintRtt..
ulmonares, hoje conbeddo como ome-
Icamento mais eflica para a cura de as>
thma, bronebito c*qtaehKhe, pneme
e at a phtysica, produzindoum effeito ni-
lagroso e prompto.
Para um adulto 3#t'oolhere8 de s*pr
ao da puro ou em postmento peti
Criancasfc 3 4 comeres do cha.
Preco %5000 d franco.
Pernamhuco. ra Nova botic.
Cera de carnauba
Vende-se nrua d Qaemwdo n. 13, priRMir;
andar.
Vende-se un esccavo, offlcial do
vmdffTilmMMiH*- *r le : no escripten
J|o!m Jos GiSTi&tinr Btltt^o, i roa do Trapi-
che n. 17,


6
Diario de Pernambuco Quinta feira 29 Je Abril de 1869.
3t
Grande liquidado de miudezas!
Modso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em saa
oja ra do Queimado a. 55, resolveu annunciar as mesmas miudezas, para que o pu-
blico se certifique do diminuto prego porque as est vendendo, a saber:
Abotoaduras paracolletes a
La para bordar (libra) .
Caixa de linha do gaz com 50
novellos.......
Frascos com tinta a 100 e
Garrafa com tinta.....
Frascos com banlia a 320, 400,
500 e .^.....
Frascos com agua de Colonia
(Piver) a......
Penies de travessa para meni-
320- Leiiros brancos para mos
G08O
600
160
800
1200
10000
320
Ditos com chapas de metal a 400
Novellos de linha com iOOjar-
60
Caixa com papel amisade a . ' 700
Ditas com 100 envelopes a . 500
Pecas de tranca e caracol lisa a 40
Sabonetes de todo prero a 80,
200
Frascos com oleo babosa a
320, 400 e ..... 500
Pinceis para barba a. : 200
Tubos ou chamineis para can-
320
Pavios para ditos (duzia) a . 200
Globos para ditos a 10500 c . 20000
Frascos com agua de Colonia a
320, 400 e . 500
Pentes com costas de metal para
penteiar cabellos a . 320
Ditos pretos para dito a , 240
Ditos para tirar piolhos a *. 200
Escovas para fado a 400, 500 e 600
Gravatas de seda de cor a . 280
Ditas pretas a 400 e . 500
(duzia) a......
Carteira de marroquim a .
Par do suspensorios para ho-
rneas a.......
Frascos com cheiros a 400 o .
Linha de marca, caixa com 16
novellos a......
Meias cruas para homens, boa
fazendaa 30, 30600, 40 e. .
Ditas ditas para meninos a .
Pares de botes para punhos
(B manca) a.....
Peas do fita para debrum de
vestido a......
Rosetas preta para luto (o par) a
Brincos (o par) a
Linha de cor para aliar vestido
(libra) a .... .
Puiiinda familia a 160 o .
Baralhos de cartas francezas a
Ditas portuguezas a 120 e
Botos d'oro para calca a .
Ditos de metal (caixa) a .
Brincos de cores (par) a .
Linha para bordar (miadas
grandes) a ......
Bonets de oliado para meninos a
Linha com 200 jardas (duzia) a
Cailao com colchetes com 2
ordem a......
Coques boa fazenda a .
Ditos muito finos a .
Caixa com agulha franceza a
Pegas de babadinhos e ntre-
melos a 500,600, 800, 900 e
2? 400
400
200
500
ALTAS
LOJA
NQVIDADES
DO PASSO
Ba do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador.
PARA CASAMENTOS, BAILES, THEA-
TROS, etc. etc.
Lindos cortes do blond, conteado setim,
240 mantas e grinaklas.
Requissimos cortes de sedas assim como
40500 para covados.
Tnico de Jayme, contra a caspa e a calvice.
320
240
500
160
240
10000
200
200
160
200
400
120
240
10000
1*300
80
10000
20500
16o
10000
..;
Do xarope Vegetal Americano, especialldade de Bartholomeu 4k C
34RA LARGADO ROSARIO34
Nao costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei
xamos que sua applicago e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceita
los, Ihesdeem crdito evoga; porque sao sempre os attestados considerados gratuito
e delles que langa mo o charlatanismo; mas, nao querendo offender as pessoas qu
espontneamente nos offereceram os que abaixo vo transcriptos, os fazemos publicar
manifestando-lhes nossa gratidao pela attengo, esperando que venham elles corrobora)
o conceito, e acceitago que tem merecido nosso xarope.
Bartholomeu & C.
ATTESTADOS
lllms. Srs. Bartholomeu A C. com a mais subida satisfagao que declare
ser o xarope Americano de urna efficacia extraordinaria, pois que soffrendo ha dias d<
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamento!
que tomava, a elle recorr e naterceira colher fui alliviado, e'de todo me acho hoje res
tabelecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois% esse resultado mani
festo a Vv. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado.Ma
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu & C.Penhoradissimo com o favor que me fizeraa
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua compesigao, quando me acha
va bastante doente de urna constipago, que me tornou completamente rouco e qut
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus deveres de cantor di
empreza lyrica, vou agradecer-lhes meu completo restabelecimento, que obtive com un
so vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tratamentos. Desejare
que outros como eu reeorram ao seu xarope para se verem alliviados de to terrive
incommodo, tao fatal neste paiz. Com maior consideragq contino a ser de Vv. Ss
attento, venerador e obrigado.Luiz Cremona.
Recife, 25 de setembro de 1868.
lllms. Srs. Bartholomeu & C.O xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. teen
ex posto venda de toda efficacia para o curativo d*asthma, conforme observei appli-
cando-o a meu fho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'esse flagello, que aU
ento por espago excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de grand
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expresso altamente sincera de meu reco
nhecimento ao meritorio servigo que lhe prestaram com o indicado xarope, acreditan
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obrigado.Americo Netto de Mendonga
Recife, 2 de outubro de 1868.
SAO UTO HABATAS
Superiores saias brancas bordadas a 50, 60, 80 e 100000 cada urna.
Ditas de cambria de escocia transparente ja feitas a 60000 cada urna.
Na loja das Columnas na ra do Crespo n, 13 de Antonia Correia
Vasconcellos & C.
de
"""11 UH111 """
Iffrmp
d jcdeta
k atitau
fcParii
EJLULAS
IODllTo.ffio-jtfANGANF.SF.
deBUHINduBUISSon
Pbarmaculko
lanreadt
k
academia
0 tutaniento dasaffecsoeschloroticu, lympbaticas on escrophulosas sempre lentis-
simo, e muitasvezes essas molestias resistem s preparac5es ferruginosas ordinarias. As
indagatoes feitas pelos professores Hannon de BruxeUas, Gensoul e Petreqoin de LySo e
berzehus e Trousseau de Paris, tem provado que a causa d'essa persistencia era a completa
ausencia do Manganese, elemento que sempre deve-se acbar no sangue junclamente com
o ferro. Estas pilulas supprem, pois, na Uierapetica urna falta importante, e por este
moiivo ellas tem merecido a ipprovacSo da Academia de Medecina e das principaes socie-
dades medicas. Deposito em Pernambuco, em casa de Maorc* O'.
: iiiiiiiih
Gurguro branco.
Moircantique branco azul e ajtrde.
Gros-de-naples brancos e de cores.
Setim branco macau.
Setim, branco, azul, verde, c5r de rosa
e amarellos.
Fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas saias.
Chales de gurguro de seda de cores.
Camisas bordadas para homeris,
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho bordadas com primor.
Lengos de cambraia de linho bordados.
Riquissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
Chapelinas de pal ha da Italia, assim
oemo de seda.
Enfeites para cabega de senhora.
Espartilhos para senhoras.
Meias de laia para padre.
Ditas de la
Ditas de seda fio da Escossia e algodo.
para senhoras e meninas.
Lencos de labyrintho.
Fronhas de labyrintho.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas cambraias de cores, percales,
las, e outros muitos artigos de gosto e
de alta novidade, isto s
Na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.
OLEO DE HOGG
DD
Figados frescos de bacalko
Para cura certa de phtisica, alTuccoes escrofu-
losas, to?seclironi<\i, flaqueza dos mrmhros e dc-
bilidade gernl, recoiiiinenda-se a excellencia deste
oleo ainda por ser ajrradavel no paladar
VNDESE
NA
Pharmacia c drogara
M
BARTHOLOMEU & C.
34 = Rita laraa do Rosario = 34
"COMPANMA
V
Fabrica de tecitjos de a godao de
Fernao VeJho.
O superior panno de algodao desta fabrica, mui
vaniajoamente conliecida nosta provincia e as de
Pernambuco, Paraliyba e Rio de Janeiro, pela sua
perfeicao de tecido, elasticidade e fortaleza, conti-
na a ser vendido no escriptorio da mesina com-
panhia praea de Pedro 2o desta cidude, casa nu-
mero 4.
Afim de que os numerosos e imporiantes senho-
res de engenho, bem como os senhores exportado
res de assucar, tanto desta provincia como das
cima mencionadas, possam com faoilidade pro-
ver-se das manufacturas desta fabrica, a gerencia
da companbia annuncia que as ha i venda nos
seguintes lugares :
Nesla cidade-noseu cscriptono e as casas dos
Sra. Domingos Jos de Farias e Jos Nunes Gui-
maraes. rga do Coinmercio.
Em IVrnajnbueona casa dos Srs. Oliveira, Fi-
Ihos 4 C. **^
No Pilarem casa do Sr. Joao de Albuquerque
Mello.
Na Castanlia Grandeem casa do Sr. Norberto
Cavalcanti de Albuqnerque.
Em Camaragibena casa do Sr. Joao Vieira de
Lima.
Alem do panno apropriado ao ensacamento do
assucar, a fabrica possuc mais urna qualidade de
panno mui forte, adoptado ao systema que tem os
senhores de engenho do norte da provincia de
mandarem despejar nos trapiches de Pernambuco
o assucar que alli rao vender, com o que os sac-
eos servem para muitas safras.
Para ronpa de escravos ou de trabajadores do
cu i ipii. e para Mal lias e lences do servico diario,
ha una superior qualidade de panno de 28 polle
Sadas de largura, muito forte e espesso, parecen
o-se bastante com meia lona. Os precos sao os
mais mdicos possiveis. Macei 30 de' marco de
1869.
'I
Ra do Queimado n, 49 loja d(
miudezas de Jos de Azevedo
Mam e Silva conhecido por Jos(
Biyodinho.
Est queimando os objecos abaixo declarado?
pelo diminuto preco, a saber :
Frascos com agua de Colonia verdadeia a 15.
Garrafas com agua Florida verdadeia, que se ga-
rante a 15*00.
Pentes para regatar cabello de meninas a 320 rs.
Thesouras muito finas para unhas e costuras
500 rs.
Tintciros cheios de tinta muito preta a 80, 100, 16d
e 400 rs.
Varas de franja branca de linho para toalhas a
lOrs.
Caixas de phosphoros de segnranca a 20. 40 *
160 rs.
Navalhas de cabo de marfim e que se garante a
qualidade a 2.
Libra de laa para bordar a 7.
Pegas de fita branca elstica milito snperior a 200
c 300 rs.
Novellos de linha branca com 400 jardas a 60 rs
Resmas de papel de peso liso muito fino a 250ti
Latas com superior banha a 200 e 400 rs.
sCaixasom seis frascos de choiro muito fino
o 800r -
Caixas com doze frascos, fazenda s boa a 15200
e2500.
Fraseos eom superior oleo ftlocome a 500 rs.
Calungas de sabo transparente muito bomlo e fi-
no a 240 rs.
Duzia de paos de pomada do Reino, da melhot
qualidade a 240 rs.
Pecas de tiras bordadas mnko finas a 50O, 600
800 rs.
Ditas de babadinhos com dez varas a 600 rs.
Carritcis de linha de todas as cores, para acabaj
a20rs.
Garrafas com agua divina a 1,8500.
Fraseos com superior macaca perula a 320 rs.
Caixas de vidro com doze didaes, que s a caita
vale dinheiro a 200 rs.
Ditas de madeira com altinetes, o qnc ha de me-
lhor a 320 rs.
G rosas de botocs de louca, lisos e bordsdft*
160 rs.
Caixas redondas para rap emittando tartaruga
UMfe
Pecas de fita para eos da mellior qualidade i
o rs.
Escovas para limpar dentes, fazenda que s a vis-
ta a 240 rs.
Ditus para limpar unhas de superior qualidade *
500 rs.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAD
Remedio por excellencia para cura rpi-
da completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convuislvas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
VEWDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomeu C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
LOJA
DO
1
| i |
Scbonete de alcatrdo.
n
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que t5o boa
acceitac3o tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura cert
das impigens, sarnas, caspas e todas a
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu & C,
34ra larga do Rosario34.
AO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
Para senhoras.
COQUES da ultima moda, enfeitados e lisos, gran-
de sortimento.
CHAPELINAS de palha da Italia, guarnecidas com
delicados e elegantes enfeites brancos e de cores
CHAPEUSINHOS e gorras de velludo e de pennas
(alta novidada t) de palha da Italia, a emuacao,
especial sortimento.
CINTOS de cores e pretos, rico sortimenio ulti-
ma moda.
CAMISAS bordadas porcommodos precos.
LENCOS bordados e com letras, novidade neste
genero
LEQUES a emitaeao de marfim, gosto novo e de
sndalo.
GOLINHAS e punhos, a emitaeao de guipnre.
ENFEITES pretos e de cores para cabeca, lindos
moldes,.
GARNigAO alta novidade I a Marie Rose, lti-
mamente usada em Paris.
CORPINHOS de guipare brancos e pretos lindos
modelos.
BORNOUS de lia e seda, cores claras, elegante
moda em Paris.
GRINALDAS de floree finas.
ESPARTILHOS superiores.
MEIAS supe ior.es de fio de Escocia.
LUVAS de pelica chegadas pelo ultimo vapor.
ADERECOS de coral verdadeiro e camafeo, gosto
delicado.
de Palha
GARNICES para vestidos,
TRANCAS para enfeites de coques.
BOTOES lisos e com pingentes para vestidos.
CINTOS alta novidade.
FLORES finas, grande sortimento.
GRINALDAS de ditas para coques.
LAQOS, flvelas, penachos para enfeites.
Para tioiuens.
de li-
CAMISAS com peitos, colarinhos e pannos
nho fino, lisos e bordados, moda.
COLARINHOS de nho e alirodao.
PUNHOS de ditos.
GRAVATAS de todas as qu.ilidades.
BOTOES para pnnhos e guarnices para eoletes
COR RENTES de plaqu a emitaeao do ouro. lin-
do gosto.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
lidade superior.
CHAPEOS de seda, para sol.
MEIAS de superior qualidade.
BENGALINHAS finase chicotes.
LUNETAS aro de ac e tarluraga.
Para crianzas.
TESTUARIOS completos para baptisados.
SAPATINHOS de merino e setim enfeitados.
MEIAS de seda e fio de Escocia.
CHAPEUSINHOS de palha da Italia.
TOUCAS de fil e setim entortadas e de chroch.
BUNECAS vestidas, raiitc bonitas e diversos
brin quedos.
Perfamarlas finas.
AGUA FLORIDA verdadeira de Murray & Lan-
man New-York.
TNICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA de E. Goudray e superior agua e
essencia de Colonia.
ESTRATOS e essencias finas e de agradaveis aro-
mas para o lenco.
VINAGRES aromtico para toilet.
POS DE ARROZ para sunaciar pelle ; enr^iacr-
tes e ricas caixinhas com artninho.
POS snperior para limpar os dentes.
COSMETIQUES de fina qualidade.
SABONETES, grande sortimento deste genero e
de superior qualidade.
LEOS de philocome, babosa o antiqties.
BANHA fina para os cabellos.
AGUA de flores de Iaranja.
CREME de sabao para barba
Caixas preparadas com perfumaras finas.
Miudezas finas.
SUPERIORES fitas de grosdenaples de~toda
cores ejarguras de veludo preto <; de cores, e
gurgnrao para cintos.
BABADINHOS e ntremelos bordados.
GUARNICOES de seda de cor para enfeites de
vestidos.
TRANCAS pretas com vidrilhes e pntenles.
BOTOES de cores, brancos e pretos com vidrilhos
lisos e com pingantes.
DEDAES de maa. aperla, de marfim, de co e
metal.
THESOURAS finas para costara e unas.
CAIVETES finos com quatro folhas. E muitos
outros artigos de miudeas qne se torna enfa-
donho menciona-los.
GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo n. 9
Os proprietarios deste bem conhecido estabele-
cimento, alm dos muitos objectos que tinham ex-
postos a apreciacao do respeitavel publico, man-
daram vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sortimento d
finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
tao resolvidos a vender, como de seu costume,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas coros.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha do mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
. Lindos e riquissimos enfeites para cabeeas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
lhos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio da Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205,
alm destas, temos iambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
Iuanlidade de outras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc..etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, e do mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para ehcher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das raelhores per-1
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsdes, e
facilitam a denticao das innocentes enancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les .que delles precisaran, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verdv
deiros coleares, e os quaes attendendo-se ao fim
pare que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dosebjectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
TASSOIMOS
Tem para vender em scus armazens, alm de ou
tros,os seguintes artigos':
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Grevc pautado e liso. '
Yinhos em caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Hery.
Madeira.
Hermitage.
Chainblis.
Licor de enraco de Hollanda em caixas de vin-
tee quatro botijinhas.
GESSO,
Nos armazens de Tassolrmaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmaos
C AISIIIXIIOS DE FERRO
Para servieps de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou caixes de um para outro, lado pelo
mdico preco de 12000 cada um.
Farinlia de trigo c Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento das memores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de fariiiha de trigo do
Chile
Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens do Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydraulico 12$
O melhor para tudo que sao obras para agua, co-
mo assentamento de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, tanques d'agua, etc., etc.: em porces de
cincoento barricas se far reduccao no preco : nos
armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Portland
0 verdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De differentes qualidades para cercados de ani-
maos, chiqueiros para galnhasou jardins: nos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos.-
CANOS SE BARRO
Na ra Nova de Santa Rita, na antiga fabrica de
sabio, ha para vender por preto o mais mdico
possivcl, canos francezes para edificacoes c esgo-
tos de toda a qualidade, superiores a todos os que
aqui tem apparecido pela sua sohdcz.
PUEQOS.
i 400 por cano grande de 3 e meia pollegadas.
1 200 por dito de 2 e tres quartos de dita.
lOOO por dito de 2 e um quarto c dita.
500 ris por pistoleta de 2 pollegadas.
Cotovellos,curvase canos do maior grossura,a
vstase far o preco. Compras maiores de 200
tem 5 por eento de descont por prompto paga-
mento. Pde-se ver as amostras nos armazens
de Tasso irmaos.
Tijolos francezes
Para ladrilhar casas terreas com asseio e precos
mdicos, muito convenientes e pronrios para larri-
Ihos de cosinhas em sobrados, pelo seu asseio e
evitar a passagem de aguas para o andar inferior
e mesmo o perigo de fogo, aos precos de 30000 a
45*000 o milheiro: na ra Nova de Santa Rita, na
antiga fabriea de sabao, e compras maiores de 200
se far 5 por cento de descont por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
ternas de carras: noarmazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto lino superior: no armazem
de Tassolrmaos.
O melhor cognac Gauthier Freres: no arma-
zem de Tasso Irmaos.
Esteiras da India
Em casa de Tasso Irmaos vende-se esteiras da
India de diversos padroes e larguras, por prego
commodo.
Macarthy
Machinas le descaroear algodo.
Hoje que est reconhecido que as machinas de
serrote prejudicam e quebram a fibra do algodao,
preciso recorrer a machinismo menos spero,
que produakido o mesmo servico que aquellas, e
facHidade no traballio, nao quebrem a fibra da la,
para que essa possa obter-nos mercados europeos,
a differenca que ha entre o algodao descarocado
por aquellas mencionadas machinas, que estao Pi-
cando em deuzo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga bolandeira, que nao pode competir
pela morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se tornam as mais proprias para o
nosso algodo, porque ao par da fcil idade e
promptidao conserva a fibra da laa, que limpa por
ella, qualificada na Europa a par da melhor bo-
landeira, valendo assim entre 11 20 por 0/0
mais do que a laa limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
estao adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
do daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 a g por
0/0 mais do que o nosso : vendem-se a 150*000
nos armazens de Tasso Irmaos.
Oleo de aniendoas
Em caixas de 8 latas, cada caixa 100 libras :
nos armazens de Tassolrmaos.
Charutos da Havana.
Excellentes charutos da Havana e por baratsi-
mo preco : em casa de Tasso Irmaos, ra do
Amorim n. 37.
Relogios de ouro.
Relogios de ouro de patente com balanoo de
chronometro do famigerado actor John Rogers, no
escriptorio de Tasso Irmaos.
Pianos inglezes.
Pianos inglezes do bem conhecido autor Charles
Cadby, no escriptorio de Tasso.
Ac de nlao.
Nos armazens de Tasso Jrmos.
BARRIS DE SALITRE
Nos armazens de Tasso Irmaos.
A NOVA ESPERANQA
21= Ra do Queimado-=21
Advertencia!
A Nova Esperanca, na do Queimado
n. 21 tendo em deposito grande quantidade
de miudezas, e como se apprexima o lem-
po em que tem de ser dado o balanco, por
isso desde j previne ao respeitavel publi-
co, que est reslvida a vender suas mer-
cadorias pelobaratissimo preco, para assim
diminuir a grande quantidade dos que
tem: assim pois, venbam os bons fregue-
zes, e os que nao forem venliam ser fregue-
zes, em tempo to opporluno quando
NOVA ESPERANCA convida-os pecbincha-
rcm, pois que para comprar-se caro, nao
falla aonde e aquem...
PARA O MEZ DE MARA
A Nova speranca, na do Queimado
n. 21, recebeu pastilhas para queimar-se
em lugar de insengo, para aromatisar no
oratorio dos devotos do mez de Mara.
Elle quer e ella quer
E' sempre assim.
Elle (correspondente de Paris) quer sem-
pre primar em nos remetter objectos de
gosto e perfeicao, e ella (loja da Nova Es-
pe'ranfa) quer sempre dividir com seus fre-
guezes o que de bom constantemente rece-
be, e por este lidar continuo (d'ambos)
Nova Esperanza ra do Queimado n. 21,
alm do grande sortimento que j tinba,
acaba de receber mais o seguinte :
Bonitos broches, pulceiras e brincos de
madreperola.
Papel c envelopes bordados e mati-
sados.
Papis proprios para enfeitar bollos e
bandeijas.
Brincos pretos com dourados (ultima
moda).
Fitas largas para cinto.
Modernos galles, franjas e trancas de
seda e de la, para enfeites de vestidos.
Botoes de todas as cores e moldes novos
para o mesmo fim.
Trancas pretas com vidrilhos sendo com
pengentes e sem elles.
Botoes pretos com vidrilhos com pmgen-
les e sem elles.
Luvas de pellica, camurga e excossia.
Finas meias de seda para senhora e me-
ninos.
Delicados leqne de madreperula, mar-
fim, osso e faia.
Espartilho simples e bordados.
Bengalas de baleia.
Finalmente, um completo' sortimento de
miudezas ra do Queimado n. 21, na
Nova Esperanza.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as convulfes das
crtancas.
Nao resta a menor duvida, de que moito
collares se vendem por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis perqae muito
pato de familias nao creem (comprando-es)
no effeito promettido, o que s podem dar,
os >erdadeiros; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsificaro principalmente no
que respeita ao bera estar da humanidade.
fea urna encommenda directa destes collares
e garante aos pais de familias, que sao o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
gas tem salvado do terrivel incommodo d
convulg5es, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanga a ra do Queimado
n. 21 comprare o salva vida, para sen
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando ent5o ser i-
flicil alcangar-se o effeito desejado, embor
sejam empregados os verdadeiros collare
de Royer.
Para familias
Grande Bazar, roa Nova ns. SO e
29, deCarnclro Viannafc c\
Acaba de chegar a este estabeleeimento
grande porgao de machinas para costaras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposiro de Paris, as quaes cozem com
dous pospontos toda a costura, e tem a
vantagem de ser to suave o movimento,
que qualquer crianga de ito annos fcil-
mente trabalha, e pode, com este ntrete-
nimento, levar vantagem ao servigo diario
de trinta costuraras. A comprehensSo 6
simples, pois em um quarto de hora se fi-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar,
franzir, marcar e bordar, como apresentas
os desenhos que acompanham-nas. Os pro-
prietarios do estabeleeimento se encarre-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e
garantem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de n5o traoalhar com
perfeigao a machina vendida, nao tendo,
porm, soffrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabeleeimento machinas
do autor Grovver A Baker, de trabalho sim-
plesmente mo, e outras com movimento
dos ps; e mxime todos os pertences das
mesmas machinas, para vender avulso.
Tudo se vende por presos bastante commodos.
PASTILHAS ASS11CARADAS
DO
DR. PATERS0N
De bismuth e magnezla.
Remedio por excellencia para combate'
a magreza, facilitar a digeso, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu & C.
34-----Ra larga do Rosario------3.4.
PILULAS, "VINHO
xarope:
DE
JURUBEBA
PREPARADOS
PELO
PHARMACEUTICO
Joaquim d'Almelda Pinto.
As preparagoes de Jurubeba, sao hoje
vantajosamente conhecidas e preconisadas
pelos mais habis mdicos, tanto di Euro-
pa como do paiz, pela sua efficacia nos
casos de anemia, chloroze, hydropesia,
obstrucco do abdomen, e tambem nos de
menstruacSo difficil, catharro na bexiga, etc.
Vendem-se em porgao e a retalho na ci-
dade do Recife, pharmacia do seu composi
tor, ra larga do Rosario n. 10, junto ao
quartel de polica.
CARNAUBA
Vende-se superior cera de carnauba em ifc
cas, por prego mais barato do que em outra qna.
quer parte na loja do Pavao, ra da Imper*triz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
Tintura japoneza
Instantnea para ungir os cabellos e a
barba, a ItJOOO o frasco.
E' a nica approvada e recommendada'
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. ra da Cadeia n. 51.
GAZ GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster &
C, ra do Imperador, um carregamento de gai
de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
e a retalho por menos preep do que em outra qual-
quer parte.
FUNDICAO DOBOWMaN
Ra do Hruui n. 5.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna. x
Taixos de ferro, batido fundido.
Rodas dentadas, paia moer com agoa.
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
FormaS'ipira purgar assucarr
E outros muitos objectos, etc. etc., pro'
piios para agricultura. ____________
Luvas duqueza
A nova Esperanca roa do Queimado n. SI ca"
ba de receber por este ultimo vapor luvas de Jou
vio, duqueza, brancas, pretas e de cores, 'para
nomease senhoras; a ellas, antes que seacaibem,1
f
^
4

V
.




Diario de Pernamhuco Quinta feira 29 de Abril de 1869.
<
t
A ESMERALDA
I
a
9
r'hyr~
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
praqa, e por presos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciossas.
IV. 5 III l DO ClIMil \ :.
LIMA, LESSA & C.
H.-RM IVA NH,
O respiavel publico encontrar nesta officina habis raestres e bem conhecidos
na arle, affianeaado-se o melhor desempenho conforme o gosto e vontade do freguec,
assim como a maior pontualidade na entrega das obras:; recebemos de Pars, por todos
os vapores, os mais modernos figurinos para Bao haver nada a desejar; iem como
varias eacommendas de casimiras modernas e outros rticos proprios par homens;
temos grande deposito de reupas feitas de toda a quakdade, como sejam: camisas
francezas, ingieras, chapeos de sol de seda trancada, o sortimento de meias, colaririhos, punhos e grande novidade em gravatas modernas, e
finalmente completo sortimento de fazendas finas e roupas feitas, endo os precos os
mais baratos possiveis.
VENDE-SE
junio a villa de Touros, no Hio-Gran ama boa propriedade de tenas virgens frescas,
com rio eorronte, c a melhor para agricultura,
com una legua de comprido e meia de largo, de-
baixo de quatro marcos ; tcm haixas para plantar
caima, sewi perigo de seeca, para um bom enge-
nho. Alm de outras plaqias, tem tresentos pes
de coqueiros, que do bous fruelos. Vende-se a
dinheiro, ou praso, todo o negocio se faz. .Quem
o pretender dade do Natal.
Vndese mna mulatmha de 13 a 14 anuos,
c um cabrinha. de* li auno?, amios pecas: na
ra do Fogo n. 9.
| PIMAS, TIMM E XMOPE
DE
SICUPIfiA
Empregaflo contra as dores rheumatica?, affec-
cocs gotosas, syphiys secundaria, elleito* do mer-
curio, molestias chronicas da pelle, hydropesia etc.
nico deposito botica de J. de A. Pialo, rua
larga do Htrio n. K>, junto ao quartel Jicia.
FARINHA DE
MANDIOCA
Vende-se farinlia da trra em saeeos grandes,
prr preco muito eonsmodo: na rua da Moeda nu-
mero 47.
0 MUSEO DE JOIAS
C2
GOMES DE MATTQS IRMAOS
tendo feito comp ta mudanza em seu antigo e
acreditado esta ,ecimento de joias, com o flm de
dar-llhe maior proporpoes e elegancia, convidam
ao publico 6.a geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto -a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RUA DO CABUGA N. 4
onde encontraro um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREMOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualulade dos objectos vendidos.
zn
ea
C/2
Vendem Augusto V. de Oliveira & C. rua de
Gummercio, B. 42.
Vcnde-se urna e*crva moca e de boas '|u;,-
lidades : a tratar na rua do Appollo n. 55 leg
andar.
ESCRAVOS FGIDOS.
100$ de gratiOcafio
Pugio uo da U do Janeiro do correute ac,
do cngeubo Balatura, fregueiia da Escada, o es-
cravopreto, crioulo, de 24 annos de idade .lla-
mado Marcelino, que foi do Sr. Joao da Cunta
Pern, cuio escravo estove no deposito geral, e
tem ossignaes seguintes: alto, secco do jorpo
rosto muito marcado de bexigas, falla de demos
na frente, cor preta, sahio de chapeo do cnl letot c calca de castor, levando um banuzmho de
llndres com mais roupa, e supp5e-?e estar na
freguezia do Cabo : quem o apprehender leve-c
ao dito engenho, ou rua da Senzala-nova b. 38,
escriptorio do Sr. Bernardino Pontual, que rece-
ber a gratilicacao cima.
0 MUSEO DE JOIAS
mi
XAROPE PEiKOR AL
DE
RABO DE TAT'
. PLANTA DO BRAZIL.
E' expectorante e recommendado as
afleces - moptise, e tosse chrocica.
PREPillMIM)
Joaquim de Ameida Pinto
pharm&c i:i 'tk-o
Pernambuco rua lardo ae
Rosario n. 10.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Ntmes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos of
conbecidos, j pela certeza de -seu resulta-
do, e j pela fcil applicacao as creancas.
quasi sempre mais atacadas de.to terrivel
emuitas vezes fatal -sofnmento.
NICO DEPOSITO
A
Pharniaeia drogai Ja.
Barthomeu & C.
$Ra Larga do Rosario 34
PINTO PHARMACEUTICO
Ao commercio.
As nielhores tabellas com indicador para de
momento se-conhecer -a reduccao exacta dos an-
tigos pesos, para os nessos, que o kilogramma,
assim como para conhecer-re o preco correspon-
dente ao mesmo sistema de pesos; acham-se
venda na na do Imperador a. 28, armazem do
Campos. Recommenda-se principalmente aos do-
nos das casas de retalho, padarias, refmagoes, ar-
mazens de-estiva, de carne secca, lojas u ferra-
gens, fundjeoes, trapiches, e a tedos que compram I
e vendem a peso. _____________
ASTfflA E PTISICA \
1 ni descobrimento spanloso!
O xarope de fedegoso, de Pernambuco,'
preparado pelo pharmaceutico J. de A. Pin-
to, cura radicalmente a ptliisica e asthma, e
todas as molestias dos pulmo's.
Podem ver-se os attestados de curas no
nico deposito das preparaces de fedegoso |
d'este autor, rua larga do Rosario n. 10
junto ao quartel de polica. .
Xarope de salsaparrlllia do Para
ou
DEPURATIVO DO SANGUE
Fugio de bordo d palhalwle nacional Ama-
ro, um mulato claro de nomo Justino, estatura re-
gular, cbelos rarapinhados e meta rivoB, pouca
barba, tem urna pinta preta no canto do olho direi-
to c um talho as costas ao mesmo lado,; levou
vestido camisa de chita com listas verdes, e usa
de una cinta com borla encarnada para apertar
as calsas, natural de Sania Anna do Matto na
provincia do Rio Grande do Norte, para onde talve
qneira ir, tambem muito deseinba-arado no fal-
lar. Recommenda-se aos mestres de barcaca <.u
a qualquer pessoa que o agarrar, e levar a rua
do Trapiche n. i ou a bordo do referido nano que
ser generosamente gratificado.
1001000.
C0GMC.
De superior quabdade da mu accredita-
da fabrica de Bisqoit Duboucb & C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consmalo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just, rua do
commercio n. 32.
Tabtma
Vende-se o establscimeJito sito no paleo da Pe-
nha n. 12, com poueos fundos, e /tcm commodos
para lamia : a tratar no i.iesmo.
Fazendas de gado.
Vendem-se seis fazendas e gado na ri-
beira do Serid, denominadas Boa-Vista,
P de Serra, Muting, Mundo Novo, Ing e
Serrote, todas muito boas de criar e de um
ser bem conbecido naquella ribeira : os
- pretendentes podem dirigir-se rua do Vi-
gario n. 31, Io andar, escriptorio do Baro
de Henifica.
Cimento inglez
De primeiraqualidade em barris grandes,
que se vende por menos do que em qual-
quer outraj)arte: na rua Larga do Rozario
n. 34 botica.
Vendem-se 37 saceos com farinha da trra,
com mais de um al.ueire cada sacco : rua da
Praia n. 4.
Usado as molestias de pelle, impigens do-
res rheumalicas e ulceras venreas.
______Rua larga do Rosario n. 10.
Vergonteas de pinho para mastaros, verga'
e retrancas, todas de superior quaiidade. Tintas-
Verde Paris, branco de zinco c preta, em latas de
li e 28 libras, j preparadas, oleo de linhaca em
barris : no armazem de deposito da companhia
Pernambucana, no largo da Assembla n. 10.
Meias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes meias elasti
cas de borracha contra varizes e erysipellas
Vende-se na
Pharmacja e drogara de
Bartholomeu & C
34rua larga do Rosario34
Livros de direifb.
Vendem-te os seguintes:Ortalam 7000, Ou-
dot por 75, Beline 9, Lagranjc 1^300; e os se-
gnintes para preparatorios:Charm l$? Barbe
33, Jerus J 3, Historia Sagrada 1S, Historia do
Brasil is, Magnum Lcxicum 5, Virgilio (3 to-
mos) 2, Cicero 1$, Tito Livio l, Epitome 1-5,
Sintaxe Dantas 1, Atlas Geographica 3, Gaul-
tiernovo 3 na rua da Imperatriz, loja n. 58.
Vende-se urna machina de costura, nova,
muito bouila, por precio multo em conta, por seu
dono se retirar para fra, e o xaroqe de curar
molestias no peito ja pronunciadas, vindo do ser-
tao, e banha jirodigiosa contra a queda dos ca-
bellos : no Corredor do Bispo n. oo.
Vendem-se duas easas terreas na rua do
Cxo, na cidade de Olinda, tendo urna frente para
os Quatro Canta : quem as pretender dirija-se ao
pateo de S. Pedro-novo, uo sobrado da esquina n.
1, que achara com quem tratar.
Engenho a venda
Vende-se o excellenie engenho Montevideo sito
em Ipojuca : na rua do Livramento n. 19.
Fugio do engenho Poco, freguozia de Ago Fi-
ta, na noile de domingo) 18 do correte, para o
ainanhecer de segunda-feira 19 do mesmo, o o-^-
cravo Benedicto, que ut comprado no Recife 40
Sr. Antonio Jos Vieira de Souza no da 7 de abril
do correte mez, cujo oseravo tem os signaes se
guiles : crioulo, de 32 anuos de idade, cor preta,
altura regular, corpo regular, testa muito carnu-
da, rosto um pouco descarnado, nariz alilado, poik-
ca barba, falla de dentes, pe e nios bem fettop,
chapeo do Chile ja velho 011 bonel, boa cami
madapolao (k prega larga ou de algodao brance,
levando a roupa dentro de um sacco ja velho, o
qual deve ter a marcaPoco: quem o pegar
leve-o ao engenho cima in senhor, ou na rua
da Praia a Genuino Jo-e da Rosa, que reeeber
100-5 de gratihYacao. Desconfla-se ter ido para
Porto Calvo, d'onde era escravo de Francisco? -
gueira Castello Branco.
FUGIO
no no da 2C do correnle.epaga-se bem a quen. ap-
prehender, levar ao vivara Muniz, o escravo or-
uerto, preto. de idade 20 annns, cambeta, orelhas
pequeas, bocea pequea, cara bexigosa, btixo,
com marca de chicote nas coctas.
Tendo desapuarecido o mulato Zelerino, do
idade 30 annos, soffreodo de anemia (friald
com os signaes seguintes : cabello estirado, a
regular, clieio do corpo, tem o dedo do p dir
afastado dos outros dedos, falla mansa; e -'-jiiio
consta quo esla acontado, desde j protesta -1:
contra qualquer pessoa que o tenha em sea 1 -
der : quem o pegar leve p'narniacia do Pin: ,
que gratificar, ou rua de Santa Rita n. 12.
ESCRAVO FGIDO
Ausentou-se no dia 21 de abril do coi-
rente, o escravo Andr, do cor preta .
com 2 annos de idade, natural do .Porto
de Pedra, com pouca barba, e de altura :c-
gular, tendo nas costas do lado esqueroo
urna cicatriz, levou calca de algodao 82 I
e camisa, mas a camisa tem Natas brancas,
chapeo preto de feltro copa baixa, o escra-
vo foi comprado ao senhor do engenho C
Batalha, Lino Manoel de Castro Araujo,
quem o aprehender leve a Fra de Portas,
rua do Pilar n. I i, que ser generosar
le recompensado.
Recommenda-se a captura do escravo
gilio, que no dia 12 de Janeiro fugio de bord
vapor Guar, no porto desla cidade, tem os
naes seguintes : mulato, com 30 annos, tem
boa dentadura, e bom oflicial de sapateiro :
quem o capturar pode-o entregar nesta cida.I- ...
Sr. Francisco Ignacio Pinto rua da Cruz n. 9!
no Cear na cidade da Fortaleza ao sen senhor n
tenente-coiimel Antonio Percira de Brito P
que pagar generosamente a quem o pega:-.
I.
LISTA GERAL
105."
DOS PREMIOS DA PARTE DA LOTERDV CONCEDIDA POR 1EI PROVINCIAL N. C05, A BEEFICIO DA IGREJA DE S. JOAO DE ABREU DE UNA, EXTRAH1DA EM 28 DE ABRIL DE 1869.
XIS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
I
4
36
39
43
47
64
68
71
81
82
84
M
87
91
95
103
7
8
11
15
21
25
29
3
36
38
41
43
46
47
60
68
75
79
84
86
90
99
201
6
14
17
32
33
39
41
47
48
49
i*
20*
1008
4*
63

73
75
85
87
95
98
306
8
10
12
26
30
38
43
57
58
61
68
69
72
71
88
92
94
98
-I 99
8* 402
4*
40*
4|
8
10
15
18
19
20
21
27
32
39
00
6'*
68
73
74
79
81
87
9*
V*
8*
fcj
m
i*
NS. PREMS. NS. PREMS.
497
501
10
15
17
18
26
29
30
30
37
41
46
61
72
79
81
81
86
89
90
93
600
2
7
12
20
22
23
25
31
34
39
50-
56
59
68
69
71
75
78
82
13
88
90
95
704 -
14
18
718
20
21
25
26
30
36
40
41
47
51
60
67
70
77
80
81
808
9
24
27
36
40
41
42
77
82
84
85
90
92
93
96
98
904
9
11
15
18
31
42
49
56
52
55
56
57
60
2
4*
8*
20*
4*
8*
4*
966
68
72
74
75
76
83
84
85
66
91
93
96
98
1002
7
9
12
16
20
22
29
44
45
60
65
67
70
77
79
82
88
95
1105
7
8
10
25
47
48
53
61
65
69
73
78
84
89
90
i*
NS. PREMS.INS. PREMS. INS. PREMS.
U95
99
1200
4
9
10
12
13
14
17
20
26
33
35
41
43
45
46
47
49
52
56
6-
65
67
71
72
73
76
77
79
88
92
1303
12
24
31
33
37
40
46
56
57
59
73
75
83
85
92
4i
1394
95
96
97
98
99
1401
4
10
II
17
19
25
26
3G
38
58
59
75
78
79
87
91
92
93
99
1504
5
17
19
20
26
29
55
60
64
72
86
1603
5
12
17
22
25
33
39
44
54
57
4
8
4*
8*
4*
8*
4*
.4*
4*
1658
70
71
78
84
91
1702
9
12
19
20
23
24
25
30
38
39
42
4o
46
48 ,
50
58*
60
62
79
80
82
90
92
94
95
96
1802
4
9
20
21
24 8|
26 4*
38
39
40 4:000*
43 4*
44
45
48
52
57
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. .NS. PREMS. NS. PREMS. NS. TREMS. NS. PREMS. mS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREi=
1865
70
82
85
87
88
90
92
93
97
1904
11
17
26
32
36
42
45
46
52
53
58
62
63
69
71
76
78
80
82
86
93
%
$006
9
17
18
31
33
40
53
58
66
72
74
81
82
85
90
4*
8*
4*
8*
i4*
8*
4*
2091
' 94
95
96
97
98
2106
8
9
11
12
15
24
25
28
35
-37
45
50
51
55
62
66
73
78
80
82
86
93
96
2209
11
15
22
23
26
27
31
33
35
44
49
50
53
58
59
68
74
79
4*
8*
4*
20*
4*
2283
88
92
2300
4
8
10
14
16
19
24-
25
26
27
37
42
43
54
64
65
71
77
79
81
92
98
99
2408
28
34
46
52
53
69
74
90
92
2501
3
4
15
21
25
27
35
38
41
46
48
4*
8*
4*
8*
2549
53
58
59
62
67
69
70
78
80
82
2604
8
9
20
21
25
28
33
34
39
40
41
42
47
49
50
68
80
81
84
91
94
95
2709
20
31
36
38
41
48
52
56
64
66
69
71
74
79
4*
20*
8*
4*
8*
4*
2783
86
88
92
5
97
98
99
2804
12
16
17
18
22
29
32
41
45
47
51
73
81
82
85
90
94
2902
3
9
13
33
40
43
45
49
50
57
67
68
69
72
74
77
3013
14
20
25
4*
20*
4*
3043
46
47
50
55
59
61
66
67
84
86
89
91
94
99
3103
7
9
13
15
17
32
44
48
59
62
63
65
69
70
'72
73
78
80
81
84
94
96
97
3200
5
7
8
10
35
40
41
66
60
4* 3269
71
77
79
89
81
86
91
3303
6
11
18
19
21
M
33
37
40
41
47
48
67
69
77
79
90
92
3401
2
i
6
10
18
23
24
27
38
40
41
43
52
SI
55
58
60
61
65
69
4*
8*
4*
8*
4*
40*
8*
4*
3485
92
93
94
95
3519
23
26
27
28
29
55
5G
57
63
64
65
66
70
71
75
78
79
82
90
92
93
3600
3
5
8
9
21
22
35
42
50
52
53
54
63
6!
77
81
83
86
3702
3
4 3704
8
20*
20*
4*
9
10
12
15
20
24
29
35
37
38
39
47
f,
4*1 49
53
55
62
63
64
75
92
3806
17
23
27
33
34
37
40
61
62
68
71
78
81
84
93
3900
3
7
12
17
36
39
40
42
43
44
202*
4*
8*
4/
3950
57
69
73
74
76
83
84
86
90
94
98
4001
2
5
6
10
11
23
30
32
44
47
51
53
55
58
59
62
68
74
75
79
80
81
88
96
99
4108
12
14
21
23
24
31
56
64
68
74
41
8*
4*
40*
4*
8*
4*
8*
4*
4182
86
89
92
93
94
95
96
4202
3
8
16
18
26
27
36
37
40
41
43
57
61
62
71
72
76
78
79
92
94
97
4311
14
15
26
27
30
31
36
62
70
78
80
83
85
86
91
4406
22
4*
85
4429
32
38
41
49
54
59
65
73
77
79
87
90
97
4501*
4
8
9
11
13
19
22
35
37
60
63
81
82
85
87
90
93
95
4660
1
4
11
14
21
25
30
48
56
67
70
73
76
91
94
U
8*
4*
700*
4*
8*
4*
*
I


8
Diario de Pernambuco Quinta feira 29 de Abril de 1869.


mTE&ATUM. -
CHS
La voix de l'uuivers ;i ce Dieu me rappelle
La terre letublie.....
Racioe.
Nos tempos infantis, quadra volvida
Entre amor e sorrisos,vi o mar
N'uma tarde sombra a palpitar
Ergnendo aocu a voz u'ardente lela.
Outra vez, vi o raio esclarecer
O recantoS do mundo em seu claro....
Depois o brado immenso do trovo,
Fez a trra, mugindo, estremecer.
Vi o cedro brotar por sobr'o monte,
Sombreando no slo s verdes reivas.
Mtivas, vi voar aguias das selvas,
Sumindo-se as nevoas do borisonte.
Vi majs no ceu azul, junto s estrellas
A la, astro formoso, era quente estio...
As aguas sussurrando vi do rio,
Ao correrem. por entre as marceas bellas.
Vi o bomem, depois, cantar so'rrindo
Delicias do viver, qu' to risonho...
Gracnca mal disperta hda do sonho
Crendo estar no ceu que vio to lindo.
Vi sorri nos albores a mauha,
-'Presagio^certo de risonbo dia;
E scismei porque mal eu comprehendia,.
Quem da fresco a urna aurora qu' louc.
Ento mente torva q" eu bavia,
Vaga idea dum Ser, meiga irrompeu...
E n'aurora que lia poucoamanheceu
Ti ve acrenca de Deus qu'eu j senta,
Senlror. disse eu ento, madrugada
Destc luze frescor; tal minb'alma
Dai crenca e dai provir; amor e calma
f Dai aos cantos gentis d'esta alvorada....
Recife, 17 de abril de 1869.
Luiz de Amlrade.
POTJCO DE TTJDO.
ENGAO TE1UUVEL. Garlos Cagliari,
de Verona, ofoial de um batalho de ber-
saglieri, que est fazendo a guarnico de
Carsoli nos Abruzzos. csteve em grande
risco de perder a vida por um engao. Um
jornal taliam transcreve a segqinte narra-
cao feita pelo proprio official, para nao exa-
gerar, ou alterar uenhuina das crcumstan-
cias,
No da 3 do corrente parti com cinco
bersaglieri e um soldado'de infantaria, to-
dos disf lirados, vestidos e armados como
os salteadores, para explorronos as monta-
nhas por seis das completos, isto at ao
dia 9; percorremos todos os covis e recon-
cavos mais recnditos sem encontrarmos
pessoa alguma.
No dia 9, s tres horas da tarde, estava-
mos emboscados n'um matto muito fechado
quando de repente sentimos urna descarga de
cinco ou seis tiros de espingarda; nenhum
de nos foi ferido. Preparamo-nos para nos
defendemos, resolvidos a resistir aos ag-
jressores, que julgmos serem os salteado-
re;, que havendo conhecido o nosso disfar-
ce por isso nos perseguiam. Infelizmente
> caso era muito dilerente; tinhamos dian-
te de nos um destacamento da guarda na-
cional de urna povoacao visinha, que toman-
do-nos por verdadeiros salteadores, dis-
punha-se a atacar-nos. Gritei que nao fi-
zessem fogo que eramos bersaglieri, mas
nao me acreditaram, e urna nova descarga
fez cair um dos meus companheiros.
NS i saliendo o que havia de fazer decla-
rei que nos cntregavamos e que depunha-
006 as armas. O fogo cessou e fomos de-
sarmados.
Inimediatamente nos vimos cercados por
qtnreeta homens entre guardas nacio-
eamponezes. Pedi para ser apresentado
i ichefe, e indicaram-me um individuo com
una plisionomia sinislra e feroz. Entre-
/uei-ihe o salvo-conducto que nos trazia-
n is. Em resposta disse-me militas injurias
que o salvo-conducto era falso.
\I iiidou-nos ajoelhare deu ordem a qua-
tro homens da sua forca que nos fuzilassem!
E'este momento, confesso que me lem-
broi da mffiba familia; estas tristes ideas ea
angustia de corceo qoe me produziram li/.e-
ram-me esquecer por um momento a nossa
triste situaco. Ajoe hamos todos, olhei
tara os meus companheiros, todos estavam
silenciosos e resignados. Tentei ainda fal-
lar, e dirigindo-rae ao commandante da
guarda nacional, expuzlhe em poucas pa-
lavras as mirillas razes, mostrando-lhe que
ia comm rtter um crime horrivel, e arriscar-
se a soffrer um severo castigo mandando-
nos fuzilar, sem verificar a verdade do que
allegavamos.
A minlia insistencia em sustentar que era
bersaglieri e official ainda o eneolerisou
mais, e nao contente com as injurias deitou-
se a mim maltratou-me c rasgou-me o fat >.
N'estes entrementes chegou um camponez
que disseram ser o syndico de urna aldeia
'visinha. Dirigi-me a elle e pedi-lhe que
concedesse ao menos quatro horas para es-
crever ao meu capito, o queme concedeu,
fazendo nos conduzir para a povoacSo. Ah
pedi a este honrado ridadSo que raedis-
sesse se o soldado que cahio ao meu lado
tinha morrido ou estava somente ferido.
Urna hora depois o soldado foi trazido em
bracos, estava gravemente ferido.
Ao cabo de tres horas chegou o meu ca-
pito, a toda a pressa, em vista do billiete
que lhe escrevi. Eu e a minha gente fomos
logo reconhecidos e postos em liberdade.
Posso dizer que escapei por urna unha ne-
gra.
FOLHETIM
OS DLUUS DE QYEWt
P0K
lie Berthet.
-, XVIII
Consequenclas de urna evaso.
(Continuacao don. 94)
Julgmos intil mencionar os soffrimen-
tos de Bertoray n'aquelle dia c noute se-
guinte. A febre ardente jrescia; depois
retirava-se por m )mentos, recrudescendo
mais enrgica para abalar profundamente
aquella organisaco j gasta.
Miguel passava sem cessar por vicisitu-
des de esperanza e de desalent, nao ven-
do n'esta lula suprema outro recurso alm
do de ajudar a natureza. No terceiro dia
porm, depois de um accesso mais longo e
intenso do que os anteriores, nao pode
conservar a illusao: a prostracao do en
fermo era tal, que toda a lula pareca im-
possivel, devendo a primeira crise acabar
rom elle.
Bertomy, deitado na sua cama de cani-
, tinha o presentimento do seu prximo
fin. Recobrara os senti los e segoia com
a vista todos os movimentos do surdo-mu-
do, exprimindo no sea olhar urna ternura
o gratidao evidentes. Por flm fez-the um
CORAGEM DIGNA DE IMITAGAO To-
dos os dias esto os governos condecoran-
do capites de navios pelos actos de huma-
ndade e de heroicdade que praticam no
mar. Diz um jornal que madame Maguire
tem incontestavel direito a urna remunera-
C3o d'esta natureza. O navio Cheiftain, de
1:300 toneladas. capito Maguire, largou
era 28 de outubro de Galcutt para Nova-
York. Qnando se fez de vela era excellen-
te o estado de saude a bordo; mas cinco
semanas depois da partida, o capito, ac-
commettido da febre de Calcutt, vio-se
impossbilitadode poder fazer o seu servi-
50. Para maior mfelicidade, toda a su:i
equipagem secompunha de homens inex-
perientes. Chamou poissua mulher.
Ha vinte annos que me acompanhaes
as minhas viagens, lhe disse elle. Desejo
que tomis o commando do navio. Que-
ris faze-lo?
Quero,, foi a resposta.
E madame Maguire subi para o tomba-
dilho do navio, reuni toda' a equipagem, c
dirigio-lhe as seguintes palavras:
Por ordem de meu marido sou eu o
commandante do (Meiftain. Obedecaiu-me
todos.
Desde aquelle momento a corajosa mu-
deu as suas ordens, commandou a mano-
bra, annotou o livro de bordo, e finalmen-
te desempenhou todas as funecoes de ca-
pito, nao abandonando o convez, aonde se
conservava de dia e de noite, senao por
alguns instantes em que ia cmara para
prestar a seu esposo os soccorros que o seu
estado reclamava.
No dia 10 de Janeiro o Cheiftain tocou
em Santa Helena, demorando-se alli alguns
dias. O consu! dos Estados-Unidos, jul-
gando, em presenca da opinio dos mdi-
cos, que Mr. Maguire estava perdido sem
recursos, quiz dar outro capito ao navio.
Mas madame Maguire oppoz-se com todas
as suas forjas, e fez-lhe ver quaes eram os
seus direitos. Retomou portanto o seu
commando, e a i de marco o Cheiftain en-
trava em Nova-York, depois de urna via-
gem feliz. Accrescentaremos que a senten-
ca de morte pronunciada pelos mediecs
contra o capito Maguire nu se realisou, c
aquelle bravo maritimo est j em conva-
lescenca.
----------
ROMA.Na sexta-feira santa celebrou na
capella Sextina o cardeal Reisach, acompa-
nliado do Sacro Collegio, da prelatura e de
urna nujuerosissima concurrencia de fiis.
Sua santidade adorou em seguida a cruz,
precedendo n'este solemne acto os carde-
aes, patriarchas, arcebispos, bispos, sena-
do, corte e chefe das ordens.
No. sabbado santo assistio Pi IX missa
cantada na capella Sextina pelo cardeal Mo-
naco Lavalette. A concurrencia de povo
era exlraoi diara.
Na semana que proeedeu o domingo de
Ramos, chegaram a Roma 40,000 pessoas,
e nos dias seguintes o caminho de ferro
nao cessara de trazer mais gente.
A 27, depojs da missa, sua santidade re-
cebeu urna porejo de fiis, que tinh|ni con-
currido a pedir-Ihe a sua benco. Quando
se despediram, dirigi-Ibes estas palavras:
Antes de nos separarmos, meus filhos,
vou dizer-vos algumas palavras que devem
Ircar como urna recordaco da peregrina-
gem que tendes feito a Roma a fim de re-
ceber aqui a benco dos santos apostlos
Pedro e Paulo. .
Que devo eu dizer-vos, meus filhos?
So urna cousa, o que a igreja nos diz hoje:
Jess Ghristo resusejtou.
A ressurreico a rnaior prova, amis-
evidente, a mais gloriosa da divindade da
igreja catholica eessa prova constitue a nos-
sa confianca e a nossa forca.
Se Jess Ghristo nao livesse resus;ita-
do, a nossa f seria intil e sem fructo;
mas Deuslouvado, Jess Ghristo resuscitou.
Est no cu cercado de milhes de anjos e
de santos, de martyres que lhe apresentam
os seus triumpbos, de confessores que lhe
offerecem as suas penitencias, de virgens,
finalmente, que depositam a seus ps as
suas coras.
t E as alturas dos cus tem escriptos
os nomes de todos os que esto aqui, de
todos os que tem vivido e de todos os que
devem nascer. Olha-os, e apresenta-os a
seu pai defende a causa de todos os pec-
cadores, por isso quo, meus fi hos, pecca-
dores somos nos todos e todos carecemos
de um advogado como o Padro Eterno, de
um advogado como Nosso Ssnhor Jess
Christo, que nos chama, e nos espera no
cu. Alli nao liaver, neo pera, nem do-
res, nem lagrimas, mas s pez, alegria e
felicidade eterna. Alli seremos todos di-
tosos por Jess e era Jesu*.
Mas para se ataf^re8|au;raca supre-
rti, preciso, meus filhos, mexce-la. To-
dos somos cliristos,' c todava, com fre-
quencia deixamos ifc viver con.o cliristaos.
Muitos dos que blasonam de catholicos, se
nao conduzem como christos o como ca-
thoKcos, quando se afastam do espirito da
igreja, quando nSo respeitam os seus mi-
nistros, e se descuidam dos sacramentos.
t A vos, senhoras, por isso que muitas
vejo aqii, recommendo-vos que oris ; pois
que desde o principio haveis sido escolhidas
para afirmar a resurreicjio de Jess Chris-
to.. Postes as primeiras a visitar o sepul-
cro, e as primeiras que alli levastes os
perfumes. Jess Ghristo folia ressusdta-
do, e vos desUs a oticia.
t A vos, senhoras, compete a mais bel-
la empresa, a de levar perfumes a Jess
Ghristo. E esses perfumes tuaes sao ?
As boas obras, e as boas oraces.
t Que seriis sem as boas obras e as
oraces f A graca engaosa, a formosu-
ra va, e s a mulher que teme o sehor,
vive eternamente.
Trabalhae, pois, augmentae os vossos
morecimentos. Altrahi a aUeiiro de Deus
para a vossa vida, e no momento da vossa
m rte Deus vos estender os bracos, e vos
elevar ao seu paraso ao lado de Nosso
Senhor Jess Ghristo.
Aos homens que tenho diante de mim,
direi: Sede chrstos, alira de que a vossa
alma possa bemdizer a Deus por urna eter-
nidade. Orai, orai, e eu coravosco ora
rei.
E agora lanco-vos a todos a minha
benco, a vos familias, a vos amigos, e a
toda a sociedade.
Ah oremos juntos, oremos pela so-
ciedade humana, to agitada e estremeci-
da, que procura a paz, nao a encontra, e
s poderia acba-la no seio de Deus. Essa
sociedade perturbada carece de oraces,
e eu lhe lauco, assim como a vos, a minha
benco em Nosso Senhor, pelo tempo, e
pelaeternidade.
O CORPO DIPLOMTICO ESTRANGEIRO
E O PRESIDENTE GRANT.No dia 11 de
marco verificou-se a apresentafo official do
corpo diplomtico ao presidente Grant. Os
representantes estrangeiros iam de grande
uniforme, acompanhados dos secretarios e
aggregados das legaces respectivas.
O baro Gerolt, ministro plenipotenciario
da Allemanha do Norte, tomou a palavra
era nomo dos seus collegas e disse o se-
gninte j^
Sr. presidente: os representantes das
nafoes estrangeras, acreditados junto do
governo dos Estados-Unidos, teem a honra
de renovar n'esta occasio a seguranca de
seus sinciJros desejos pelo bem estar de V.
Exc. o pela prospeidade da nav') que vos
confiou o poder e.xecutivo dos Estados-
Unidos. m nome de meus collegas, ma-
nifest sinceramente a esperanga de que as
relaces de amisade que exstem actual-
mente entre os Estados-Unidos e as mais
nacoes coolinuaro debaxo da vossa admi-
nistraco. A ella dedicaremos, Sr. presi-
dente, todos os nossos esforcos.
presidente responden :
Senhores do corpo diplomtico, agrade-
co-vos sinceramente os bons desejos que
manifestaes pelo meu bem estar e pela
prosperidade da naco que me escolheu
para seu primeiro magistrado.
Podis estar seguros de que meu cons-
tante cuidado ser manter as relaces de
paz e amisade que ex.istem entre os Estados-
Unidos e as potencias que representaes, e
me felicito que este seja tambera o vosso.
Os representantes estrangeiros foram
apresentados ao presidente pelo Sr. Vash-
burne.
t Considerando que o duque de Mont-
pensier principe francoz ;
t Considerando que o seu matrimonio
foi o aeto mais impopular do antigo partido
moderado, e urna das causas da queda de
Luiz Filippa.;
t Considerando que no seu palacio de
Sevilha assistiram, sem commover-se, s
deportares, aos fusilamentos, horrivel
perseguico contra todos os liberaes ;
Considerando que acola to smenle
dorara protecco e impulso a urna litera-
tura neo-catholica, que foi o germen de
tantas ideas reaccionarias, a peste moral do
nosso seci o ;
t Considerando que pertence a essa fa-
milia do Orleans, verdadeira praga dos li-
beraes da Europa ;
Considerando que essa familia de Or-
leans suffocou a imprensa, nbstou dimi-
nuico do censo, assassinou o direito de
reunio, corrompeu e debililou a Franca ;
* Considerando que um dia poder rei-
nar em Ilespanha e por esta causa, como
o mo exemplo contagioso, o seu genro
em Franca, o que faria com que o equili-
brio europeu se transtornnsse completa-
mente e fosse urna anteara para a paz do
mundo ;
Considerando todas estas causas, que
demonstrara a impossibilidade de seme-
Ihante rei, o paiz, unnimemente o rejeita ;
o pai/, que nao qner monarchas france-
zes ; o paiz, que fez urna revoluco por
que nao quer Bourbons.
CALNAL DE SJRZ.J entraram as
aguas do MiJitorranea ni bv;ii An Lagos-
Amargos.
Ovice-rci d Egypto eos principes de
dalles assistiram entra 11. Eis o llegrajl"
ma que o viorei dirig) ao sju embiixa-
dor em Paris, com a auspiciosa noticia.
Qkkfeedjvd do egypto (vice-re) a S.
Exc. Nubar-l'ach. em Paris. Serapeum,
18 demarco de 18(59, I hora c l mi-
nutos da tarde. Acabo de porcorrer e visi-
tar toilo o canal, e assrsti entrada das
aguas do Mediterrneo nos Lagos-Amargos.
Torno ao Cairo cheio de admiraco e de
enMisiasmo por esta grande obra, e de
confianca na sua prompta concluso./s-
mail.
Este telegramun foi publicado pelo jor-
nal olficial do imperio francez, e pelos prin-
cipaes jornaes de Pars e dos departamen-
tos.
Entre Mr. de Lesseps e o imperador Na-
poleo foram tambem trocados os seguin-
tes telegrammas:
Mr. de Lesseps SuaMagestade o Impe-
rador dos francezes. Serapeum, 18de maree
de 18S9, ao meio dia. A entrada das aguas
do Mediterrneo na bacia dos Lagos-Amir-
gos acaba de ter lugar, com una-, completo
successo, na presenca do vice-rei. Lesse-
ps.
O-imperador dos francezes Mr de
Lesseps.Paris, 18 de marco de 1859, s
li horas e 3) minutos.
Recebi cora omiior prazer a nolicia
ao feliz resultad- da vossa empreza. A
imperatriz ajunta as suas felicitai-es s mi-
nhas.Napoleao.
leve signal para que se approximasse d'elle,
e,.quando Miguel se inclinou sobre elle com
maior anciedade e altenco, Bertomy disse-
Ihe com voz sumida :
Comprehender-me-has ? E' provavel,
porque Deus deu-te um instincto admiravel
era troca das faculdados quo te faltara.
Pois quero dizer-te que nao vale a pena
affiigires-te por minha causa : bem vs que
se preencheu a conta e que nada obstar a
que d'aqui a momentos... E nao ha que
lastimar, porque eu de pouco sirvo... Tu
e Josephina merecan), um melhor pai I Ti-
veram a coragem de deixar o nosso formoso
paiz para virem consolar n'esta colonia
maldita um pobre expatriado I final as
cousas terminam talvez como devia ser I
Miguel, apesar da sua facilidade em com-
prehener pelo simples mover dos beicos,
nao tinha talvez consubslaaciado todas s
illuses d'este discurso, mas percebera o
sentido geral, porquanto derramava copioso
pranto, apenando ternamenlej mo de seu
pai. Vendo-o calar-se, fez o signal da cruz,
e mostrou-lhe com a ponta do dedo, pela
abertura da cabana, o ceo a?ul o resplande-
cente de luz.
r Sim, coraprehendo-te: queres dizer
que rae lerabre da salvaco da alma.. flo
pensei muito n'issso#em toda a yida e
agora j nao cedo, mas Deus ouvir os
teus rogos e de tua irm'a, bem como os
de urna santa mulher aue est ha muito
em cima, e que eu nz bem desgrasada
n'este mundo I
Ficou por algum tempo j absorto em re-
cndita oracfo. Miguel, d-joelhos, orav'a
DUQUE DE MONTPENSIEK. O jornal
dos Sucesos publica a seguinte sentenca :
Considerando que o duque de Mont-
penser descendente de Luiz XIII como
o proprio Filippe V, e Bourbon como
Isabel c Carlos VII ;
Considerando que o duque do Mont-
pensicr casado com urna filha de Fernan-
do VII, do verdugo de Riego, do Empecina-
do e de Torrijos ;
Considerando que esta filha de Fer-
nando VII excede em fanatismo e em es-
pirito neo- catholico a sua irma ;
Considerando qne a rainha Isabel no-
meou o duque de Montpensier infante de
Hespanha e capito general;
i Considerando que nomeou infantes os
seus numerosos descendentes ;
Considerando que Ihes deu um asylo
quando nao tinham patria, e elles conspi-
raran! contra sua irma ;
tambem, chorando. Depois tirou do peito
urna pequea cruz de nutal amarello, que
sua irma lhe dera em pequeo e que
nunca abandonava, e, approximando-a dos
labios do pai, este beijou-a fervorosa-
mente.
Ao cabo de longa pausa, o enfermo pro-
seguio, esforcando-se por dar a voz um
accento mais intelligivol :
O tempo urge : sinto um calefrio pre-
cursor de novo accesso, que por certo o
ultimo... Escuta-me, infeliz mancebo, e
toma bem nota. Em eu morrenq>, conti-
nuars, som perda de tempo, a la jorna-
da para chegares onde te esperam Jos
phina e o capito Grandval. J decorreu
o praso de tempo marcado e afllige-me a
idea de que tu os nao encontres no recre
do Diabo. Portanto, logo que nada possas
fazer junto d'este veltio estropiado, irs
deprossa : esta a minha vontads.
Ao mesmo tempo, bem que com dolo-
roso esfbrco, tradujo ello esta} ideas em
um acionado cora que se fez com,'>rehender
do surdo-mudo, o qual da mesroa forma
lhe exprimi quo seriam compridos os seus
desejos.
Esta asseveraco parecen causar lenitivo
a Bertomy, o qual sentindo o accesso de
febre a lugmentar-lhe, proseguio com voz
trmula :
Ouve, meu rapaz. Procara na minha
algibeira urna carteira, que tu a tua irm*
conservarlo como lerabranca minbVe n'ella
acharis alguma cousa til.
Miguel obedecen -ao gesto do que eram
acorapanhadas estas palavras, e' Tirou da
FRANCA.-No dia 23 de mareo, foi con-
vocado as Tulherias o conselho d'estado,
para discutir o projecto de lei relativo sup-
presso dos lbreles dos operarios. O im-
perador Napoleao pronunciou n'essa sesso
o seguinte discurso:
Senhores:Quiz presidir hoje ao con-
selho d'estado para vos dizer q dem das ideas em que me coJJoquei, quan-
do convidei os ministros a submetter-vos
um projecto de lei relativo suppresso
dos libetes dos operarios.
E' preciso reconheeer que a nossa socie-
dade contera nao poucos elementos contra-
rios. Nao vemos nos, eEfectivamente por
um lado aspiraces legitimas e justos dese-
jos de melhorar, e por outro theorias sub-
vensivas e copicas eulposas ? O dever do
governo satisfazer as primeiras com re-
soluco, e repelir as segundas com firmeza.
Quando se compara o quo o estado
actual do maior numero com o que era no
seculo passado, devenios felicitar-nos dos
progessos alcancados, dos abusos destruidos
e da suavidade dos costumes pblicos. To-
dava se se sondarem as chagas dos povos
mais florescentes, descobrem-se ainda sob
as apparencias do propriedade nao poucas
miserias immerecidas que excitara as sym-
pathias de todos os curaces generosos, nao
poucos problemas nao resolvidos, qae so-
licitam o concurso detodasasintelligencias.
E' n'este sentido que tendes elaborado
leis e as haveis approvado no corpo legis.-
lativo, urnas inteiramento philantropicas,
como as leis de beneficencia, de soccorros
mutuos e de seguros, no caso de accidentes
ou de morte; as outras autorisandoos ope-
rarios a associar as suas economas, a op-
por a solidariedade dos salarios a solidare-
dade dos capites, permittiudo-lhes debtel-
os seus interesses era reunies, e fazer
acreditar, finalmente, a sua palavra peran-
te a justica.
algibeira de seu pai urna pequea carteira
sebenta e usada. Ignorando qual seria a
intenco do pai, abri a carteira, que ape-
nas continha algumas palavras safadas, e
bem assim urna carta de jogar, sobre a
qual se va um desenho tosco com urna
nota intelligivel. O doente ainda lhe pode
fazer um signal, que signilicava dever elle
guardar aquelle desenho cuidadosamente,
mas ao mesmo tempo apoderou-se d'elle a
febre com tal intensdade, que lhe nao per-
mittio dizer mais urna s palavra ou fazer
.qualquer acionado.
Ainda assim, s na noute immedata se
BnQcoa a catastrophe prevista. Depois
de urna crise horrivel, durante a qual o
surdo-mudo com difficuldade segurou seu
pai, sentio-o elle sbitamente irwrte e des-
animado. Como esta scerta se passasse
dentro da cabana s oscuras, pilgou ftbgael
3ue o enfermo experimentava um d'esses
ebquios que se alternavam com os espas-
mos e delirios ; todava, como tal rao-
bilidade se prolongasse, sabio precipitada-
mente da cabana e lancou sobre a fogoeira
um punhado do crneos seceos.
Foi ento que, clandade quo se operou
de sbito, Miguel pode certificar-se da tris-
te verdade.
Ao principio custou-lhe a acreditar que
jdo estivesse acabado. Deu-se pressa em
banhar as fontes da cabeca de seu pai com
agua fria eestorcou-se por Ibe fazer aspirar
o/rasco de amoniaco, mas estes cuidados
foram nuteis. O pulso cessra de bter e
o peito de arfar : j alli nao havia mais do
que ura corpo inanimado.
A suppresso dos libretes, reclamada
sobretudo como urna satisfaalA moral, afim
de emancipar os operarios oPTormalidades
incomraodas, ha do completar a serie de
medidas que os ho de enllocar no direito
commum, e os exaftam aos seus proprios
olhos.
Nao nutro o pensamento, de que, se-*
guindo esta poltica, farei cair todas as pre-
vences, desarmarei todos os odios, e aug-
mentarei a minha popularidade: mas do
que estoubem convencido, e de que toma-
n.'i n'ella nova energa para resistir as ms
paixes. .
Quando se adrnittirem todos os melho-
ramentos uteis, quando se tiver feito tudo
quanto bom e justo, mantem-se a ordem
com mais antoridade; por isso que a forca
ento se apoia na razo e na consciencia
satisfeilas."
TELEGRAPH SUBMARINO.Formou-
se em NewYofk urna companhia aaonyma
com o Hm de estabelecer outra nfcrtele-
graphica transatlntica, qje ser a quinta
que exista ; principiar na Costa de Mas-
sachusetts, e tocando as Unas occidentaes
terminar em Franca.
A companhia tenciona empregar nm novo
invento americano, por meio do qual po-
dem, ao que parece, duas distinctas cor-
rentes elctricas oceupar ao mesmo tem-
po o cabo e percorrc-lo em oppostas di-
recces.
QUESTO CURIOSA. Ha 60 annos,
suscitou-se era Franc urna questo mui
curiosa entre um pequeo propietario ha-
bitante do Trocadero, em Paris, e o impe-
rador Napoleao I.
Dapois do nascimento de sen filho, o
imperador projectou mandar construir um
soberbo palacio era frente da ponto de Jena.
Devia ser cluiraado o palacio do rei de
Roma.
O governo imperial tratou de expropriar
as casas situadas no ponto escolhido.
Succedeu que no terreno onde, segundo
a planta, devia alevantar-se a fachada do
lado direito, estava situada urna casinhola
pertencente a um pobre tanoeiro chamado
Bonvivant.
Esta casinhola podia valer quando muito
mil francos.
Bonvivant fez como os expropiados da
actualidade, e pedio dez mil francos pela
sua propriedade.
Informado imperador de urna tal exi-
gencia, ordenou que se comprasse a casi-
nhola por este preco.
Quando as pessoas encarregadas d'esta
transacr-So foram ter com Bonvivant e o in-
formaram do consentimento de Napoleao, o
propietario empertigou-se todo, sorriu-se
com desdem, e, retorcendo os bigodes, de-
darou arrogantemente que nao venda a sua
casa por menos de trinta mil francos I
Apezar d'este preco, Napoleao autorisou
os negociadores a satisfazerem as preten-
cjs de Bonvivant.
Um dos negociadores, que era M. Fontai-
ne, arcliitecto'do projectado palacio, foi ter
com o orgulhoso proprietario do Trocadero,
e lhe offereceu os 30:000 francos.
Porm este tinha outras ideas.
Podio 50:000 francos.
O architecto Fontaine, confuso, mal se
atreveu a proferir esse algarismo elevado
deante de sua magestade.
Aquelle veUiaco abusa da minha pacien-
cia, disse o imperador ao saber que Bonvi-
vant attribuia ao seu casebre o valor de um
bom predio.
Pois bem nao comprarei a tal casi-
nhola, a qual ficar de p como um mo
numento do meu respeito pela proprieda-
de. Senhor Fontaine, riscae urna nova
planta !
O tanoeiro foi victima da sua rapacidade.
D'alli a pouco a sua casa cahio era ruinas e
desappareceu com os vestigios dos alicer-
ees do palacio do rei de Roma, depois de
1815.
ASYLO DOS INFELIZES.Em Nova-
York, a polica estabeleceu casas de refu-
gio para os infelizes, que esto sem asylo
durante a noite.
No anno de 1868, cerca de 93:000 pes-
soas acharam alli um abrigo hospitaleiro,
se se pode dar tal nome a esses covis in-
fectos. Vejam o que diz um folhetinista
americano, que foi visita-Ios :
O ar, que alli se respira, 6 sulTocante e
est carregado de varias exhalaces. N"u-
ma sala, oue poderia conter 20 pessoas
veem-se apinhados 59 infelizes.
Como pdem .elles viver 12 horas em
semelhante atmospbera? Um caLdiero de
gaz, espalha urna luz dnvidosa sobre as
formas pliantasticas, que se enxergam aqui
e acola Attendendo ao excessivo calor.
que faz n'estes asylos, os dormentes de
ambos os sexos esto em fralda de camisa.
Aqui est-se aquecendo um preto cham-
ma fuliginosa do carrito vegetal. Acola
n'um canto, tres ladres esto tracando o
seu plano do rapia para o dia seguinte.
Entra um hornem que comprimentado
O surdo-mudo sentio verdadeira deses-
peraco quando lhe nao restou duvida a
semelhante respeito. N'aquella alma sin-
gela, mas enrgica, havia lugar para pou-
cas impresses, porm essas eram pode-
rosas e violentas, sendo a mais forte o amor
filial. Por isso era digno de ver-se como
elle se abandonava a desvairados transpor-
tes de dr : cobria o corpo do pai de bei-
jos, rojava-se por trra .e dava gritos hor-
riveis. Estes clamores reperentiam-se du-
rante o socego da noute na araplido im-
mensa do deserto, e os jaguares e outras
fr.is que iam rugindo era busca de sua
presa, e os crocodilos arrastando-se em
volta das lagas, de certo pararam, esco-
tando admirados aquellas vozes desconhe-
cidas.
Assim passou o infeliz o resto da noute
sem tomar expediente algum. Ho podia
resolver-se a deixar os despojos-mortaes
do seu querido pe, mas a leinbrancada
expressa determinaco de Bertomy e o de-
sejo de ver sua ima vieram arranca-lo
d'aquella inaeco. Junto la matta de bam-
bs abri cora as mos e ponta de sabr
urna fnda cova, na qual collocou o corpo
vestido dos seus htmildes farrapos ; depois
cobrioo de trra, e, arranjando urna cruz
de dous troncos da canico, po-la em cima
4a sepultura*. Entl, prostando-se dejoe-
Ihos, esteve por longo tempo orando.
Cumpridos estes deveres, s lhe restava
por-se a caminho. Com effeito, a isso se
dispoz, mas quando ia a deixar aquelle s-
nistro lugar, novo transporte do dr o fez
pela chusma. E' o professor dos ladres
e dos assassinos, aos quaes eusina, segun-
do dizem, todos os ardis, que illudem o
olho vigilante da polica. A nao ser isto,
a sua conducta irreprehensivel. A's sete
horas e meia da mantilla, um empregado
abre a porta e annuncia, no invern o des-
pontar da aurora. Todo aquello, que nao
se levanta immediatamente, recebe na cabe-
Ca orna leve pancada.
Sabem todos, porm nem todos sao pos-
tos em liberdade; porque os politmen
examina-os medida, que vo sahindo e
prendera os suspeitos.
EXCENTRICIDADE.A America deci-
didamente o refugio de todas as excentri-
cidades.
ltimamente, em Thornton (Estados-Uni-
dos), alguns sentenciados pena ultima,
gosando, ao que parece, de muita liberda-
de na sua priso, reuniram-se em meeting
na capella do edificio, e alli discutiram a
questo da abolico da tena d3 morte.
Elegeram para prcslpir o meeting um
tal Jorge King (rei), o 'qual na verdade
o rei dos assassinos naqella trra. Esta
hmrada assembla redigio a seguinte pe-
tiCo: Dirigimo-nos aos cidados e legis-
ladores philantropos e christos do estado
no nteresse da sociedade, que se vai tor-
nando brutal e que multiplica os crimino-
sos imprimindo ao castigo um carcter
vingativo, e Ibes pedimos que nao retro-
gradem de 25 annos, restabelerendo o ca-
dafalso, esse resto dos tempos barbaros, e
que nao se exponham ao perigo de derra-
maren) o Hiuigue innvente.
Dous dos condemnados foram mrumbi-
dos de fazerem chegar esta petiro cma-
ra legislativa do Maine.

NAUFRAGIO20 VICTIMAS Acaba de
nos chegar a triste nova do naufragio do
excellente barco a vapor Italian, proprie-
dade da companhia ingleza denominada
Liverpool and mediterrean steam ship
company. O Italian ia de Trieste para
Liverpool quando no dia 20 de marro deu
em um rochedo, H milhas ao ,N. E. do
cabo Finisterra, submergindo-se instan-
tneamente. Tres passageiros e 23 tripu-
lantes foram logo tragados pelas ondas.
O commandante e 12 marinheiros foram
salvos pelo vapor Leda, que os conduzio a
Plymouth, onde chegaram no dia 26.
O Italian era de-lote de 1,500 toneladas
e tinha quatronastros.
IMPORTACAO DE TRIGO EM INGLA-
TERRA.Durante o anno de 1868 mpor-
tou-se em Inglaterra trigo no valor de ...
22,069,35 libras sterlinas, contra.....
24,985,096 Ib. em 18S7, e 12,983,098 Ib.
em 1866. N'este total o trigo russo figura
por 6,337,135 Ib. era 1868 contra ....
9,747,004 em 1867 e em 1868 4,823,361.
O trigo prussiano representado por... .
3,358.296 Ib. em 1868, contra 4,359,800
Ib. em 1867, e 2,810,851 Ib. em 1866, e
o trigo americano por 4,385,601 Ib. em
I5tj8, com 3,284,213 Ib. em 1867 e ..,.
375,020 Ib. em 1;0G.
O CALOR NA AUSTRALIA.Dizem da
Australia que o calor este anno chegou alli a
um extremo como nao se tem conhecido
nos paizes habitados. Os animaes domes-
ticos morrena de repente, e muitos dos
habitantes teem perecido tambem. Se
esta temperatura continuar algum tempo
mais, temem-se alguns grandes desastres,
Quasi todas as abelhas teem morrido e a
cSra tem-se derretido as colmas.
PORTOS VBERTOS AO COMMERCIO.
Segundo noticias olficiaes, est aberto ao
commercio eslrangeiro o porto chinez de
Chaochowfere, contiguo ao de Swatow. O
governo japonez abri tambera ao com-
mercio das nares que esto era reanlo
com elle, os portos de Yedo e Neegata.
com a condico de que os estrangeiros que
se dirigirem a elles vo munidos do com-
petente passaporte.
0 IMPERADOR DO JAPAO E UM IN-
TERPRETE.Um imperador do Japo, de-
pois de ter recebido una embaixada ingleza.
mandou chamar o individuo que lhe tinha
servido de interprete, e lhe disse.
Observei, que tu traduzas em muitas
palavras o que o embaixador dizia em
muito poucas.
Senhor lhe respondeu o truchimn : con-
siste em que a lingua desses barbaros to
concisa, que, por exemplo, a palavra pi.
significa, muito me alegro que stejaes
bom o os meninos.
NOVO REFORGO.Falia-se em Paris
em reforcar a guarnico franceza de Roma
com 20,000 homens.
INSECTOS NA ARGELIA.Noticias de
Argelia dizem que se teme soja destruida a
colheita pelos gafanhotos. As larvas d'este
insecto cobrem litteralmeote o solo na re-
gio quo se estende ao sul do Tell.
cncaminhar para cima da sepultura e alli
prostado recomecou chorando em solucos.
Tres vezes tentn partir, e outras tantas
urna for?a irresstivel o fez retrogradar para
orar e chorar sobre aquella s.epqUura, que
jamis nenhum ser humano tornara a ver.
Custa a crer que Bertomy, nao obstante
as suas faltas, deixasse do praticar algum
grande bem em sua vida para poder inspi-
rar urna affeico to grande e pura, e
para que a sua morte deixasse igoaes sau-
dades I
Finalmente Miguel, por um supremo cs-
lorco de coragem, affastpu-so a passos len-
tos. Intrnando-se na planicie, voltava-se
de vez em ijuando para ver ainda urna vez
a cabana de juncos que deixra de p, a
cruz.de pao elevada sobre a cova e a es-
pessura de bambs que lhe fazia sombra
com a sua pobre folhagem, mas pouco a
pouco a cabana, a cruz e os arbustos, tu-
d desapparecia, confundindo-se no parda-
cento borisonte da planicie. Miguel pro-
segua no sen caminho profundamente en-
tristecido e na disposiro em que se achava
de affrontar .sosinho os perigos qne se lhe
antolhavam nao se lembrava por certo de
que podia de um momento par outro suc-
cumbir como seu pai p'aquellas horriveis
solidesjfc que nem ao menos teria, como
etle teve, urna compassiva m3o para o se-
pultar, om ente querido para chorar I
TTP. DO DIARIO- Rl i MS CRUZES H.




V
-i
i
i
V

-
I
-4
.-{1
wm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKY8Y14XD_AFL1OQ INGEST_TIME 2013-09-14T01:03:12Z PACKAGE AA00011611_11828
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES