Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11823


This item is only available as the following downloads:


Full Text

IMIO XLV. NUMERO 91.
1

I

n
PARA A CAPITAL E LUGARES OWE NAO SE PAGA PORTE.
Por tres mezes adianUdos..................
Por seis diles idem. -...............!!!.
Por um anuu idem........!!!!!...!!..
Cada numero avtdso......'........... .
6J000
litOOO
24^5000
#320
SEXTA FEIRA 23 DE ttfllL DE 1869.
PARA DEITBO E TORA DA PROvTWIA
Por Ires mezes adiantados...............
Por Svs ditos idem.............. .'
Por nm i ditos idem................
Porumanno...................
i*
13W
OjK
27108
'-
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
v
1 .....
i

o AcnE^nrm
Os Srs. Gerardo Antonio Alves d- Pilhot, noPar; Gonnalves & Pinto, ao Maranhao; Joaqnim tos^de Oliveira, no Cear; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty; Jo3o Mara Julio Chaves, no Ass; Antonio Manjoes da Sirva, no Natal; Antonio Jotqm
Guiaaaraes Pancada, em Mamanguspe; Antn AJeaandrmo de Lima, na Parahyki; Antonio Jos^Gomes, na Villa da Pehba; Belarmino dos Sanios Btelo, em Santo Antao; Demingos Jos do Costa Braga, '
em Nazareth; Francino Tarares da Ces.'a, em lagim; Dr. Jos Martms AJvea, na Babia; e Jos Ribeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
PART OFFICIAL
HinlMlerio da -erra.
clacao nominal dos officiaes e numrica das .pra-
cas morios, feriaos, contusos e extraviados toa
vatklha e embates abaixo mencionados.
*VTAI.HA OK 11 DE DF.ZKMIMO DB 1868.
Batalhao de engenkeirot.
Morios: 1 furriel e 1 soldado.
Feridos : 1 sargento, 2 cabos e 3 soldados.
Contusos : 2o tenente Antonio Bezerra Teixeira
'.avalcant>. e 2 suMados
8' regiment 4 cavallaria ligeira.
Morto : 1 soleado.
Feridos: 1 abo, 1 anspegada e 1 soldado.
Contuso : alferes Floteado Pereira Garca.
/ corpa provsirio -de cavallaria da guarda
nacional.
aterios : capitao Clejuaentino Jos de Oliveira e 1
.toldado.
Feridos : capitao Claudino Soares das Neres, 1
sargento, 1 cabo e 2 soldados.
Contusos : alferes Manoel Marques do Prado e 1
soldado.
9 oorpo dito.
Moras : 2 sargentos.
Feridos: 2 sargentos, 2 cabos e i soldados.
13 carpo dito.
Morto : 1 cabo.
Kerides : 1 sargento, 1 cabo e 9 soldados.
Contusos : 1 sargento, 1 cabo e 2 soldados.
17 corpa dito.
Feridos : alferes Victoriano de Medina Netto, 1
sargento, 1 cabo e 2 soldados.
Conlusj: 1 sargento.
18 corpo dito.
Morios: 1 sargento e 1 soldado.
Feridus: tenante Laurindo Umbelino fe OR-
veica, 1 sargento, 2 furncis, 2 cabos e 4 soldados.
Contuso: 1 soldado.
8 batalhao de infantaria.
Morios : 3 cabos e 2 soldados.
Feridos : 1 sargento, i cabos, i auspecadas e 33
aaldidat.
Cintusos : alferes Luiz da Franca Ferreira, 1
sargento e 1 soldado.
# batalhao dito.
Morios: tenente-coronet Franeiseo de Lima e
Silva ; capitaes Joo Jos Baptistu u Antonio Jos
Fernaudw i tenente Francisco de Paula Barros;
.iiiL'i'os Antonio Joaquiui Corroa de Menezes, Fran-
colino Jos Rodrigues e Antonio Ldiz Marlins da
Cunta Sooto-maior, 1 sargento, 1 furriel, 6 cabos,
4 anspecadas e 41 soldados.
Feridos : capias Cicero Kodrigues de Oliveira
e Constantino Marlins Fernandos ; alferes Basilio
Jos de Barros, Antonio Gomes Morena, Pelippe
Bezerra Cavalcanti e Joaqun) Candido de Oliveira
Margues, l sargento, 1 furriel, G.cabos, 3 ansie-
cadas, 6y soldados e 1 corneta.
* Coiitusos : alferes Joaquim Jorge de Mello Filbo,
1 a lu e 8 soldados.
Exteatiados : 1 cabo, 8 anspecadas e 13 solda-
dos.
lo bataiholdito.
Mortos : 1 furriel, 1 cato e 6 soldados.
Feridos ; lente Alexaodie Francisco da Costa,
alteres Antonio Fernandas Lisboa, 1 sargento, 3
cabos, 4 anspecadas e 20 soldados.
14 batalhao dito.
Mort os : raajor fiscal Antomo Luiz da Cunha, 2
3iis|>ecadas o 13 soldados.
Feridos : alferes Haymundo Menrique de Lima,
2 sargentos. 5 anspecadas, 57 soldados, o 1* cade-
te Antonio Joaquim Carneiro Lea o o 2 dito Fre-
derico Severo de Souza.
Contusos : capitaes Luiz Augusto Goelho Cintra,
Antoaio Pinto de Almeida Goulait. tenente Jos
Marcelino ik- Andrade Vasconeellos. 1 sargento e
2 soldados.
15' batalhao dito.
Mortos : tiente Mano**! Antonio Sudf, aiferes
Andr Jos:' Gummi, 2sargentus, 1 furriel, 1 ans-
pecada, 11 soldados e o cadete Deodato de Al-
mena Nobre.
Ferido) : major Pedro Guilherme Meyer, alferes
Augusto Cesar Gaspar, 1 sargento, 4 cabos e 60
soldados.
Contuso: alferes Fausto Monteiro de Oliveira
Lina.
Extraviado : 1 soldado.
31 corpo de voluntarios da patria,
Feridos: capitaes Antonio Affonso Coelho, Au-
gustojos Pereira, Ernesto de Araujo Ges, tenen-
te Joao Moutetro de Toledo, alferes Jos de Souza
Mnezes, 1 sargento, 1 furriel, 2 cabos, 29 soldados
e 1 corneta.
Contusos: major conimandante Joaquim Anto-
nio Ferreira de Assumpcao, capillo Joaquim Ma-
noel de Medeiros, tenente Emilio Ferreira da Silva
Mattos. alferes Joao Rodrigues de Parias, 2o cadete
Luiz Leal Lopes Lima e 4 soldados.
.W rorpo de voluntarios da patria.
Mortos : 2 sargentos, 1 furriel, 2 cabos, 2 ans-
pecadas a soldados.
Feridos: capitao Rozendo Gomes de Abreu, al-
feres ajudante Francisco Luiz Moreira Jnior, al-
feres Pedro Celestino Coelho, 1 sargento, 1 furriel,
3 cabos, 7 anspecadas e 39 soldados.
Contusos : major Ferraz Pedreira, 3 cornetas, 3
cabos, 4 anspecadas c 7 soldados.
4t corpo de voluntarios da patria.
Mortos : major Domingos Carlos 5e S Miranda,
alteres Franco Antonio Sancon.S fumes, 1 cabos,
18 soldados e 1 corneta.
Feridos : alferes Antonio Jos ue Paiva, 2 sar-
gentos, 1 cabo, 2 anspecada*, 28 soldados e 1 cor-
neta. '
Contusos: 1 sargento, 1 cabo, 1 corneta-mr e
4 soldados.
17 de nciRaano t W6I.
/ s* corpo provisorio de cavallaria da guarda
nacional. .
Feridos: alferes Pedro Faustino da Silva e um
cabo.
21 DE DEZEMBRO DE 1868.
17a c-rpo provisorio de cavallaria da parda
nacional.
Morto 1 soldado.
Fereos: 1 sargento, 1 cabo e um soldado.
W corpo provisorio de cuvaltaria da guarda
Feridos: 2soldados.
Hr corpo provisorio de cavallaria da guarda
nationat.
Mortos : alferes Luiz Vleente Rodrigues, 1 cabo
e 3 soldados. "^ '
Feridos : capitaes Joio Anas a Costa e Jo5o
Teuwira 4a SMva, alferes tinte Madal Cesar, ij
sargentos, 1 furriel, 6 cabes a.i soldadas.
Contusos: major Sebastfio Jos'lo Coulo e un
soldado. i
*f corpo de cavallaria da mtarda nacional.
Mortos: 1 cato e 3 soldados.
Feridos : tenenle Jesuino Jos Bibeiro, e 3 sar-
gentos, 2 cabos e 9 soldados.
# cvrpo provisorio de cavallaria da guarda
naoml.
Morios : 1 cabo e 3 soldados.
Feridos: alferes Jos Chati* Aives 4a Cruz e
Trisfio Jos Severo, 1 sargshW, 1 cabo e 2 sida-
diio
Caaipello, 15 rabos, 7 anspecadas e (00 solda-
dos.
Contusos : alferes Jos Joaquia de Oliveira
Mello e 3 sargentos.
Extraviados: 8 soldados.
batalMo de infantaria.
Mortos : alferes-ajudante Luiz da Franca Fer-
reira, 1 sargento, 2 cubos, 1 anspe$ada e ti sol-
dados.
Feridos : alferes Anacleto de Abreu Camino
Contreffas, Antonio de Bastos Varella, Joaquim
Machado de Novaes, Meiciades Marinho de Queiroz
e Jos Quirino Gomes, 3 sargentos, 8 cabos, 10
anspecadas e 5t soldados.
Contusos: capitao Jos Longunho da Costa. Lei-
te, 2" cadete 2* sargento Evergisto Leopoldo de
Andrade Costa e 1 anspecJida.
Extraviados: asoldados.
9 iratalhdo de infamarla.
Mortos: 1 sargento, 2 cabos e 2 soldados.
Feridos: alferes Prancisco Jos Machado dos
Res, 4 sargentos, 1 furriel, 3 cabos, 5 anspecadas
e 57 soldados. .,
Contusos : capitao Joao Jos Cardosdf, alferes Vi-
cente Alves de Carvalbo, 1 sargento, 1 soldado e 1
corneta.
27* corpo de-voluntarios da patria.
Mortos : tenente Antonio Candida de Araujo Pe-
reira, alferes Dionisio Antonio do Otiveira, 2o ea-
deto Porfirio Jos Fernandes, 1 furriel, 1 cabo, 1
anspecada e 8 soldados.
Feridos: capitao Satnstiano Luiz Ferreira, alfe-
res Antonio Jos de Araujo Coelho, 4 sargentos, 2
cabos, 6 anspecadas e 49 soldados.
Contusos : capitao Pedro Adolpho Rumillac, t-
tente Antonio Lopes Guimaraes, 1 cabo, 1 anspe-
cada e 4 soldados.
32 cotpo de voluntarios da patria.
Mortos r 1 sargento e 9 anspeeadas.
Feridos : major commandante Herculano Mar-
tins da Rocha ; capitaes Bornardino Antonio de
Paiva, Joao Christovo de Oliveira Lopes e Anto-
nio Pereira Martns; alferes Jos Late da Costa
Sobrinho e Manoel Jos dos Santos ; 1 sargento, 4
cabos e 52 soldados.
Contusos : capitao Manoel Antonio Carrilho, 1
furriel, 1 anspecada e 3 soldados.
Extraviados : 1 anspecada e lo soldados.
86 batalhao de voluntarias da patria.
Mortos : 1 sargento, 1 furriel, 3 cabos, 2 ans-
pecadas e 9 soldados.
Feridos : capitaes Joaquim Antonio da Cunha,
Candidb de Souza Loraa e Jos Raposo Ferreira ;
tenente Jos Alves da Silva ; alferes Jos Candido
Ya rao, Thaotonio de Souza Rodrigues e Joao Eu-
genio Pereira de Mello ; 2 cadete 1 sargento
Jos Avelino Marlins Bezerra ; 2 sargentos, 4 fur-
rieis, 9 cabos, 8 anspeeadas, 68 soldados e 2 cor-
netas.
Contusos : canotis Raymundo Joaquim Pinhei-
ro Humein e Silvestre Antiutes Pereira da Serra ;
alferes Baltbazar de Unto Lima, 3 sargentos, i
furriel, 1 cabo, 1 anspecada e 11 soldados.
38 Gorpo de voluntarios da. patria.
Mortos : alferes Francisco Innocencio de Paula
Ferreira, 1 sargento, 1 cabo, 1 anspecada e 11
soldados.
Feridos : capilTms, fiscal 1>olycaroo Ferreira
Campos e Jesuino Liberato Caf ; tenenie Gandido
de Barros Vasconeellos ; alfares Manoel Ferreira
Lias, Raimundo Nonato Pinhefro PreRas e Policia-
no Perreira de Sooza ; 3 Rargentos, 3 furrieis, 3
cabos, 6 anspecadas e 47 soldados.
Contusos : alferes Segismundo Augusto de Men-
donca Lobo, 1 sargento e 2 soldados.
Extraviados : 4 soldados.
40 corpo de voluntarios da patria.
Mortos 1 cabo e 3 soldados.
Fendos : major commandante Carlos Magno da
Silva, major fiscal Joao da Gama Lobo Rentes Ju-
venis. 6 v sargentos, 1 furriel, 15 cabos, 6 ans-
pecadas, 43 soldados e 1 tambor.
Contusos : tenente Domingos Jos de Amorim
Jnior, alferes Antonio Correa dos Santos, Emi-
liano Pereira de Araujo e Jos Ferreira Guterres,
1 2* sargento, 5 anspe ;adas e 5 soldados.
Extraviados : 2 cabos, 1 anspecada e 14 sol-
dados.
47 corpo dejeoluntarios da patria.
Mortos : coronel Luiz Ignacio de Albuquerque
Maranhao, capitao Marcelino da Costa Teixeira, 1
corneta-mr, 1 sargento o 6 soldados.
Feridos : major Antonio Pedro da Silva, capitao
Antonio de Freitas Saldanha, alferes Bernardino
Rodrigues Caja, 2 1M sargentos, 1 2" dito, 1 fur-
riel, U cabos, 7 anspecadas e 51 soldados.
Contusos : major Fortunato de Campos Freir,
12
Feridos : capito Graiuliuo de Araujo Costa,
alferes Demetrio Acacio da Silva, 1 2* sargento,
i furriel, 3 cabos, 2 auipecadas, 17 soldados e 2
cornetas.
Contuses: 1 anspecada e 7 soldados.
10 batalhao de infantaria.
Morios : 1 furriel, 1 cabo e 2 soldados.
Feridos : 1 sargenta, 2 furrieis, 3 cabos, 3
anspecadas, 20 soldados, I corneta e 1 tambor.
Contusos : 1 1" sargenio,.l cabo e 1 saldado.
13 batalhao de infantaria.
Mortos: 1 cabo e 2 soldados.
Feridos : alferes Silvano Jos Goncalves Ferrei-
ra Simoes, 3 cabos e 19 soldados. .
Contusos : capitao Jo Francisco da Silva, 1
anspecada e 2 soldados.
i6 batalhao rk infantaria.
Mortos: 1 cabo e 4 anspecadas.
Feridos : 1 cabo, 4 anspecadas e 14 soldados.
Contusos : capitao Custodio Plos da Suva
Cardoso, alferes Mermes Correa de Ifciraes, i 1*
sargento, 1 2" dito, 2 furriel*, 3 cabos e 7 sol-
dados.
27 corpo de voluntarlos.
Mortos : alferes Jos Moreira de Mattos,
sargento, 1 anspecada e 9 soldados.
Feridos: 15 soldados.
40 corpo de volunttrios da patria.
Feridos : 2 soldados.
Contusos : 1 2 sargento e 1 soldado.
54 corpo de voluntarios da patria.
Feridos : 3 soldados.
Contusos : alferes Miguel Francisco de Mene-
zes, 1 sargento, 1 corneta-mr, 1 furriel, 1 cabo e
i soldado.
DA 27 BE DE7.EMBIIO DE 1868.
9 corpo provisorio de cavallaria de guardas-
nacionaes.
Ferido : 1 soldado.
13 corpo provisorio "de cavallaria.
Mortos : capitao Jos Joaquim Ferreira Jnior,
e 1 auspecada.
Ferido : 1 cabo.
Contuso : 1 soldado.
1T corpo provisorio de cavallaria de gaardas-
nacionaes.
Feridos : 2 cabos e 2 soldados.
24 corpo provisorio de cavallaria de'guardas-
nacionaes.
Morto : 1 cabo.
Feridos tenente Duarte Antonio Collm, tenen-
te-ajudante Laurindo do Santos Correa, de Mene-
zes, 2 1- sargentos, 1 cal e 8 soldados.
Contuso : alferes Demetrio Jos dos Passos.
2 batalhao de infantaria.
Feridos : 4 soldados.
J&> batalhao de infantaria.
Feridos : 1 2 sargento c 3 soldados.
Contusos : capitao Joaquim Agrepino Purtado
de Mendonca e-2 soldados.
28 corpo de volnttarlos dn patria.
Mortos : 1 anspecada e 2 soldados.
Feridos : cadete Jonmiim de Castro-'e Souza
Jnior, 2 cabos, i anspe?ida e 10 soldados.
Contusos : 5 soldados.
Secretaria de estado dos negocios da guerra,
em de abril de 1869.Mariano Carlos de Sbz
Corren.
dos.
8 battihao e infantaria.
Menos 2 cabos, i awpMaoa 1 soldad*.
teos: capitaes Carlos.froderico da Cuaba e
wS"^ "0411" <*a Sufrir, teaenles Bernarda
V3l** "*** e Mauoei loMlo, alferes Antonio1
Jos daStrreira e Arue*o Truclwao de Costa
1 furriel, 2 cabos, 2 anspecadas, 8 soldados e 1
corneta.
Extraviados : 3 anspecadas e 13 soldados.
49 coipo de voUmtarios da.patria.
Mortos : 2 sargentos quartel-mestre, 1 sar-
gento, 7 anspecadas e 14 soldados.
Feridos : capitaes Joaquim Manoel doNascimon-
to e Joaquim N'ery Muniz, tenente Modesto Aato-
nio Diamantino Mayer, alferes Jos Antonio Vieira
Christo e Luiz Alves Dantas de Amorim, 2 1" sar-
gentos, 2 2- ditos, 1 furriel, 7 cabos, 7 anspecadas
e 72 soldados.
Contusos : alferes Severiano Jos dos Santos,
Firmino Antonio Pinto e Saturnino Augusto de
Mendonca Lobo e 12 soldados.
50' corpo dito.
Mortos : tenente-aiudante Amelio Augusto Car-
los Bezerra, 1 cabo, 2 anspecadas e 7 soldados.
Feridos : major Carlos Angusto de Car val ho,
capitao Licero Augusto Pereirautenente Jos Paes
de Azevedo, alferes Jos PedrajNi Silva Souto, Co-
sario da Silva Couto, Jos Ataliba dos Santos e
Manoel Martns de Jess, 2* cadete Jos Antonio
de Lima, 3 sargentos, 4 2" ditos, 2 furriela, lo
cabos, 15 anspecadas e 72 soldados.
Contusos : tnente-coronel Joaquim Cavalcanti
de Albuquerque Bello, 1" cadete 1* sargento Jus-
tiniano Bento da Silva, 2* cadete Francisco Damas-
ceno de Abren, f sargento, 1 2*'dito, 1 anspe-
cada e 14 soldados.)
DU 25 DR IIBSKMDBO DE 1868.
13' corpo provisorio de cavallaria.
Morios : 1 cabo e 3 soldados.
Saridw : 2 Ia* sargentos, 1 2* dito e 4 soldados.
Contuso 1 2 sargento.
/* corpo provisorio-de cavallaria de guardas-na-
cionaes.
Morto : l soldado.
Feridos : 1 cabo e 1 soldado.
IT corpo provisorio de cavallaria.
Mortos : 2 soldados.
Feridos: tenente Candido Antonio Vieira e a
soM&nos
18 corpo provisorio de caoaWaria.
**""'"; i ato o i .soldado. I
Ferido alfares Joao Francisco fe Almeida, 2
samtftM, t furriel a i toldados.
Contuso : i Soldado.
2 batalhao de infantaria.
**jo alerei.ias Jqaqaim de Oh reir Mello,
y*g: leneote TorMcto dos Santos Andrade.
atfttw Oofifio Carvsdgo de Andrade, 4 cabos e W
soldados. m
____ bat 'los: 4 soMaoc.
Feriaos : cjfip Firmino Luiz dt Vasconcelos
Ferwira, alferes Aotuoiu Mariano de Cerqueira,
i !Z> Majia Pereira d Lago e Francisco Fer-
nandee da Ufa,* cadete Luiz Antoaio de Al-
ria, 1 anspecada 46 toldados
Cwtfwos alferes Maano to-de Satta
Ansa e Antomo l^etle da Costa,
0 batalhao de infantaria.
f/oftw : 1 espesada efcaoWadea,
CtoverM riti prevlucia.
EXPEDIENTE ASSIOIf ADO l'BLO EXM. St. CONDE Dli
DAEKNDT, PBESIDENTE DA PROVINCIA, EM 7 DB
ABRIL DE 1869.
V seecao.
N. 247.Portara ao general commandante das ar-
mas.=Mande V. Exc. nr em liberdade o recruta
Maximino Estevao d Esririto Santo, visto ter pro-
vado iseneao legal.
N. 248Dita ao mesino.=Fiquei inteirado pela
participacao de V. Exc. em officio de 21 do mez
prximo lindo, se I lio haverem apresentado, vin-
dos de Fernando de Noronha o coronel da guarda
nacional Francisco Joaquim Pereira Lobo e o ca-
pitao de voluntarios da patria Antonio Gracindo de
Gusmao Lobo. E era resposta a segunda parte do
dito ofllcio tenho a declarar-lhe que havendo-me
requerido este capitao voltar para a campanha
centra o Paraguay, enviei seu requerimento ao
Exm. ministro da guerra para se servisse toma-lo
em consideracao visto uaD julgar-mc autorisado a
deferi-lo. Convm, pois, aguardar a resolucao do
mesmo Exm. ministro, p&ra lomar-se a providen-
cia do aviso de 17 de agosto do anno passado se
nao for auendida a mencionada pretencao.
N. 249.=Dita ao conseho de compras navaes.
=Autoriso o conseho de compras navaes a promo-
ver nos termos do regulamento de 20 de fevereiro
de 1858 a compra dos objectos de material da ar-
mada mencionados em seu officio de 6 do corren-
te, visto serem necessarios para provimento do al-
moxa'rifado do arsenal de marinba, como deelarou
o mesmo conseho.
2"seecao.
N. 236.Portara o.Dr. chefe de polica.Era
resposta ao officio de V. S. de 6 do correte sob
n. 486, em que participa ter o delegado do termo
de Bonito removido o quartel do destacamento
d'aquella villa da casa em que se achava, perten-
tencente ao padre Manoel Francisco Pereira, cujo
aluguel era de 10000 mensaes, por oulra do pa-
trimonio da cmara municipal, qujo aluguel de
53000, tenha a dizer-lbo que approvo a mesma
deliberacao.
N. 237.Dita ao commandante superior interi-
no da guarda nacional deste municipio.Expeca
V. S. as suas ordens para que seja dispensado do
servico do aquartelamento o guarda do 1 hala-
Ihao de artiltiaria Joaquim Antonio Rodrigues Das,
de que trata seu officio de 5 do corrente sob
n. 54.
N. 238.Circular a toaos os cemuiaadantes su-
periores.Tendo approvado as mstruccoes apre-
sentadas pelo commandante superior i* guarda
nacional dos municipios de Garantidas, Buique e
Bom Conseho redigindo-as com as moditica^des
indicadas pela thesouraria de fazenda, remotto a
V. S.a inclusa copia das inesBastsu-ucc3es.para,
que as faca observarlos corpo da seu ooimnan-
uo superior. \
Copia das instruccoesfara regularidade dos des-
tacamentos, eorganuacio dos respectivos prets
a que se refere a circular supra.
Ari 1. Os eomraanoaotes de corpos da guarda
nacional remetiera* ao eliefe do estado maior urna
rolacao nominal iomoi'o das pracas, que forem
destacadas, e o ->iridade civd do lugar em
que estiver'o dr f mencionando a compa-
nbia a que pr y&> mosmas praeas.
Art. 2." De ^_$^Mte das os comman-
dantes de 4*: .^Jpjfct tfganisarao duas lisus
iguaes das pracas, que te aoharem aquarteladas,
e enviarlo urna ao commandante do oorpo que
houver prestado o destacamento, e outra ao ehefe
do estado maior, ambas rubricadas pela autoridade,
a cuja disposicao se aohar o destacamento.
Art. 3." Nestas listas s as desercoes e trocas de serrieos fao que defe-s
observar o disposto no art. 36 de decreto n. 1354
de 1854), como toda e qoatauer falta da eompare-
cimento, ainda que justftL-ada por motivos legti-
mos, cumprindo ao commandante do destacamento
requsitar do eommandarite do corpo as providen-
cias precisas, afim de qao o ctestacantento se con*
serve tompre completo.
Art. 4.* Os prets devem ser proeossado por du-
plcate de 1 a 15, fe Wt ao ultimo, ou de 1 ao
rao ser orgam'sados depois que o commandante do
respectivo corpo tiver scioncia do estado da forca
aquartelada, o qual ser communcado -Aft com-
mandante superior por intermedio do chefe do es-
tado maior, quandn transmittir os prets para terem
o cenveniente destino, indicando nesti occasiao a
pessoa a ouemdevc ser paga a importancia delles,
devendo dar-llie para esse fim proeuracSo bas-
tantes. .
Art. 6.' Opret mencionar em columnas distinc-
tas os das de vencimentos de sold, etapa, e far-
damento de cada praca, a sua importancia, e o
total dos voncimentos, 'e dever alm disso ser ru-
bricado pelo respectivo commandante superior.
Art. 7.* Nao serio aceitos e pagos os prets que
forem organisados sem as formalidad* presenp-
tas nos artiges antecedentes.
Art. 8. Sempre que forem substituidos os des-
tacamentos se observar o disposto no art. t
Art. 9. O sold depois de recebido ser entregue
ao commandante do corpo a quem pertencer, cum-
prindo que se the passe recibo para evitar duvi-
das
Art. 10. O tenente-coronel chefe do estado-maior
empregar, como Ihe cumpre, toda solicitude na
observancia das presentes instruccSes. procedendo
as indagaedes e pesquisas, que julgar neceasa-
rias.
Art. 11. Os commandantes dos corpos remette-
r5o nao s ao offlcial que comraandar as praeas,
do corpo sob seu enramando, como a autoridade
civil residente no districto em que eSIiver o desta-
camento urna copia authentica destas nstruc-
Cdes.
N. 239.Dito ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Transmiti a Vmc. a deliberacao
junta designando os officiaes que tem de compdr o
conseho de iulgamento do soldado do corpo sob o
seu commando Amonio Gomes de S Leitao, para
que tenha a dpvlda execucao, devolvendo-he o
conseho de iulgamento a que allude o seu ofllcio
n. 149 de 5 do corrente.
N. 260Deliberacao.- Para o conserho de Iul-
gamento do soldado do corpo previsorio de polica
Antonio Gomes de S Leitao, indiciado em crime
de fuga de presos designa :
Presidente, o major Antonio Feitosa de Mello.
Auditor, o promot r publico dn capital.
Vogaes.Tenente-ajudante Miguel Nunes de
Freilas, uniente Joao Pereira Lago, alferes Manoel
Aprigio de'Moraes, Joao Ribeiro de Moraes, Sebas-
tiae Antonio do Reg.
DESPACHOS DA VlCE-PRBSIDENCIA DO DA 21 VE ABRIL
DB 1869.
Antonio Francisco Paes de Mello Barreto.In-
forme o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Antonio Augusto Macial.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Berjiardino Jos dos Santos.Informe o Sr. ins-
pector do arsenal de marinba.
Coronel Coriolano Velloso da Silveira.Conc-
danse por tres mezas.
Francisca Rosa de Barros.D-se.
Padre Germino Gomes Pereira. Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Ignez Mara de "Mello Reg.Informe o Sr. ide-
semhargador provedor da Santa Casa da Miseri-
cordia.
EngeDhtiro Joaqnim Gomes ffOliveira e Silva.
Passe^tortaria na forma requerida.
Mara Clara d'Assumpcio Sa)palo.Jante-se a
petteao a que se refere esta e informe a thesoura-
ria de fazenda.
Frei Pedro da Purificacao Paes de Paiva. Se-
jao entregues mediante recibo.
Thereza de Jess Pedrosa. rnforme o Sr. ins-
pector do arsenal de marmita.
occasies de mostrar coragem. Perteito ongano !, piU, a Jg paraguava
E na abertura de picadas no meio das florestas, a ceremonia Z .,
cheias de inimgos,^. no espcimen* de^inha j^^Z S%SttSS BT
Ha ouiro faci clamoroso.
E' o do coronel Conrado Bittencoort. Esee ofi-
cial, qup se acha na eampanlia ha aaais de qua-
tro anoo$, tendo vindo capitao, tem merecido por
seu zelo, latelligencia e bravura taes promoces,
que se acha coronel. As duas ultimas promoce
foram por actos de bravura nos feitos de dezen>
bro. Ah eslo snas duas patentes, que sao as
mais honrosas. Too elle um atteslado do general
Osorio, que seria o orgulho do qualquer official va-
lente. A sua f de officio urna successao de ttu-
los de gloria. Foi lambem esquecidoi Por que
seria isso ?
Talvez dependesse a falta por crer-se^pe un
commandante de batalhao de eugeuheiros nao tem
occasies de mostrar rnracrom Pprloiht anifano '.
guayo, que se unem vritoriamuK) i risao
piiragnaya ia existente no exercilo arceaao, m*
o cominaado de Iturbur. emapn ms alliados
evitar qualquer fratricidio oa parriei*o eecasio-
nal. Denwis se o pcR8amea entre os tres miniatros foi e fazer apparaeer uro
ele nenio puramente paraguay, rnatnhamfe pa-
ra a redtnwcao daquelle pov), e dispeste para ser-
vir de ncleo as povoaedes apersas, ene virio
sera duvida em busca de sea teres, i sombra de
seu pavilUao, e segucos da pwr'e do dirrito, que
buscaran, em voao redor do tvraano a quen
aiehojeamda por tesgraca segeme obedecem.
e claro que o meihor lugar para formar o aaclet
' da nova populacao a capitaL Fiqoe, poi* na ea-
~ tiltil '1 (i**-)J-... T.-.^.-.,
civnrp
de frtifieacoes, em frente das bateras inimigas
qua bombardeam a cada momento, ah que est
a verdadeira coragem. Nao a coragem do phre-
nesi dos combales, ao clangor das cornetas, aa em
hriaguez do saogue que reflete com la sinistra os
raios do toL no tumultuar da batallia.
Nestas occasoes ha fabre do combate, o delirio
da guerra, que conduz o hornera como que sem
consciencia. Mas ha outra coragem. E* a cora-
gem fra, calma, tranquilla do militan que arrostra
os tiros do inimigo na escurido da noite esca-
lando trincheiras, levantando bateras, e na occa-
siao das bal a I lias estendemlo as pontes entre os
dous axercilos combateiites, alvo, tranquillo e va-
lente de todas as balas. Era urna dessas occasies
foi ferido o coronel. De mais, alm das forlilka-
eoes que tem feito em frente dos canlides iniraigos,
o Sr. coronel Bittencourt ( as quaes, como j dei
idea urna vez, tem salvado o exercito de grandes
derrotas e ao imperio de grandes vergonhas ), elle
tem demonstrado muta bravura as accoes em
que seu batalhao tem entrado como combteme.
Ah esta 24 de maio, ahi est 11 de dezembro, ah
eslo suas duas promoces por actos de bravura.
Ao governo s resta um dilemmaou dar a me-
dalba de bravo aos officiaes que foram promovidos
por actos de bravura, ou sujeita-los a conseho
para provarem o dreilo dessas promoces. Feliz-
mente ha duas especies de bravos. Os das ordens
do da e os do exercito.
A opinao, a que chamara a rainha do mundo,
o transumpto do bom senso universal tambem
no exercito/ AJajla'rtais. Qntndo no ministerio
Zacaras, etn prineipiot do J807 se cer esse esse novo imposto sobre a vaidade, afllr-
mou-se em defeza da ordem noan do mrito mili-
tar que era a medalha de bravura, e como tam-
bem a cbamaram Creada para se poder galardoar
o valor das pracas, a quem por certas razSes nao
se poda dar as outras condecoraces do imperio.
Agora, na distribuicSo da medalha de bravnra pa-
ra galardoar as victorias que tem sido consegui-
das por um exercito, cujos feitos mais gloriosos
tem sido devidos as patentes de capitao para bai-
xo, por que sao esses os que mais pelejam, nao se
achou se nao um alferes, e nenhum soldado digno
de tal dlstnfecao. A bravnra foi aristocratisada
apezar do.hospicio de invlidos da patria estar
provando que ha multo soldado bravo. Felizmen-
te o exercito est convencido de que por mais jus-
tos qne sejam seas resentimentos, esses nao po-
deriam valer nunca o enorme sacrificio de victi-
ma tap augusta como a dignidade da patria. E
ahi vai sempre, dpo de si e do imperio, para a
campanha novaa das cordilliciras. Que colliam
nossos soldados virentes louros E as heneaos
da patria lhes ho de dar a devida remunera<;ao
no coracao do povo.
No da 22 as tropas de nossa vanguarda, que
estao sob o commando do coronel de voluntarios
da Baha Francisco Lourenco, tendo mandado uin
batalhao a dcscobrimentos," esse encontrou urna
para assis-
foi aceeito, a
ASSI MPCAU, 31 DB MARCO BE 1869.
Nos primeros das do mez da abril deve mar-
char o i. corpo do exercito para coiuecar cora o
1. asoperaedes da nova campanha.
Esperava-se por urna outra locomotiva e por ca-
valhada, mas sei de boa fonte que o exercito se
pora em marcha a 3 de abril, ainda quando nao
chegae a locomotiva nem a eavalhada toda.
Sahe felizmente o exercito daquella funesta apa-
thia a qne o reduziram durante tres mezes.
Sao sem duvida dignos de elogio a abnega$ao e
o patriotismo de nosso exercito. Sua resignacao,
j de si lotrvavel perante os perigos ds toda ordem
3ue soffreu, torna-se mais bella e admiravel diante
as injusticias que Ihe foram ltimamente feitas
com a distribuicao da medalha do mrito militar.
Muitos de nossos valentes militares se resentiram
da publicacao no Jornal do Commercio de 23 de
fevereiro do decreto da distribuicao da medalha de
mrito militar, vendo excluidos seus nomes do nu-
mero dos agraciados.
Foi com effeito inopportnna aquella publicacao,
nos momentos que preciso convencer ao exercito
da necessidade de sua marcha. Ha susceptibili-
dades que os governos devem respeitar.
Para o")ter boa disciplina, diz Durat-Lasallo, nao
basta estatmlecer, ainda com prudencia, urna sene
de penas efneazes : nao sao elementos menos po-
derosos as recompensas. Dadas com justisa e ais-
cernimento, mantem a disciplina ; espalhadas com
profusao, e multas vezes a quem nao as tem mere-
cido, enfraquecem todos os lacos da obediencia.
J o ministerio passado tinha ido alm do justo Ha
dwtribuico das coudecuracoes, que elle ebamou
imposto sobre a vaidade. &' prova da decadencia
dos governos a di-tribuicM das grandes recompen-
sas por pequeos servigos. Os peiores imperado-
res romanos foram os que deram mais, foram os
melhores os mais econmicos dellas. Nesta parte
o ministerio Zacaras foi excessivo. Ouvio de mais
a cyropedia banda-de herosmos que os proprios
hroes ignoravam. Agora o novo ministerio, que
pareca querer ser parco de tantaahonras, distri-
buio a medalha do mrito militar na peior occasiao
possivel.
Pablicar o governo ato-a, quando o exercito em
campanha tem necessidade d estmulos para en-
celar as novas operaodes, a lista dos agraciados
do mrito militar, eomprohendendo nella, pela
maior parte, os nomes do3 estados-maiores dos tres
generaos que se retiraram para o Brasil, foi atirar
as faces dos militares que flcaram na campanha, e
que vao conlinua-la cusa de-todos os sacrifi-
cios, am doleroso sarcasmo.
Longe de mim a idea de negar o mrito de todos
os agraciadlos naquella lista, mas ea censuro a
inopportundade da publieacio e o esquecimento
de muitos nomes de rerdadeiros bravos.
Eu nao me faco orgo de todas as queixas que
se tem levantado no exercilo contra aquello decre-
to. Mas reconbeno a injuslica que nella foi cora-
meitida. Por maiores que lossem os erros do Sr.
viseonde de Porto-Alegre, esse militar denwnstroo
muita coragem, muita bravura improprias derro-
tas, 92 de setembro de 1866 e 3 de novembro de
1867 ahi esli. Por que foi esquecido ua lista dos
bravos*
Outra cousa notavel. Todos ot fRmes do.es-
tada-awr do marqnet de Caxias, qae oaeonma-
nharam na prempta retirada para o Brasil, foram
agraciados. Bxeluio-se tmente o que ncou no
theatro da guerra. Foi o tenente-coronel Jos Ma-
ra de Ateneastro, qoe no mesmo qttmael-general,
m mez antes, lora promovido a teimato-coroBri
dattacafet on acomptmhalos-fe rataofiot atfeaes
Has.
Art 5.* Os prets e rriaWs nomioaos a* pode-
tica a um quarto de legua daqoi, e aataaVef?
neral Mure cornos Argentinos.
Ogeneral Mitre veio na quinta-feira Santa a es-
ta cubile, onde se demorou at domingo, eem o
luu de convidar as novas autoridades
tiren) queha ceremonia. O convite
estiveram iresentes quasi todos.
A grita desesperada que levantaran) cnica
nos os diarios de Buenos-Avrc3 e Montevideo, cim
pretexto de saqoe e de dosasseio, j vai dai-
numdo.
A Nacao Argentina, em sna revisia qnizenal des-
te mez, aillrma que reina agora era Assumpcao a
maior ordem e regiilaridade.
A Tribuna em um artigo seu afflrma o mesmo
Tacto, attribuindo-o vinda do Sr. conselbeiro Pa-
ran nos.
Nao obstante, nm celebre Deeond, cidadao pa-
raguayo, que esteve em fevereiro nesU odade,
publicou na Voz de la Patria urna descabellada
verrina contra nos, attriburado-nos o proposito de
estragar as casas e edieios que oecupamos, e d-
zendo quo o desasse de Assumpcao evkio aos
brasilciros. urna calumnia atrevida do tal De-
coud, que est despeitado contra nos por certos
motivos.
Felizmente a esta hora esta calumnia est devi-
damente desmentida na Esperanca.
No da 19 sabio dente porto', eom o fim fe re-
ceber doentes e invlidos para conduzi-los ao
Brasil, o vapor feaetta, hospital lluctuante, cujo
director o Dr. Homem de Carvalbo.
A meu ver aquello hospital lluctuante deve pres-
tar muitos servicos ainda.
A reinocao prompta dos doentes e invlidos dos
liospitaes de Humayi para o Brasil me parece ur-
gente pelos motivos que tenho apontado j umitas
vezes.
Nao vejo razio para conservar-se em Humayt
urna lao forte guarnilo, quando as opetatoes do
exercito vo se tornar serias, convindo empregar
nellas homens j adunados no Paraguay.
A razan de ser preciso conservar em Hnmayt
depsitos de armamentos ou eanhes, nao parece
procedente.
No Cerrito flcam muito bem guardados esses de-
psitos o esses eanhes, sem necessidade de bata-
lhes de artilharia e de cavallaria para defeza, co-
mo o exige Humayt.
O recelo de que possam os Paraguayos ir oecu-
par Humayia irrisorio. Que iriam all fazer os
inimigos, se sUas bateras estao destruidas ? E, sa
ellestivessem a velleidade de oceupar Humayt,
porque nao teriam antes de oceupar Anguslura
ou Villeta, que Ihe ficam mais prximas das cor-
dilleras ? claro, pois, que nao ha fundamento
racional para ter-se ainda to grande guarnicSo
em Humayi, se nao temos nenbuma em Villeta,
nem em Angustura.
Removidos para o Cerrito os depsitos de arma-
mentos e eanhes, que devem ir para o Brasil, e
partida de paraguayos, bateu-os.
fugirain deixando quatro mortos. Nos tivemos
cinco feridos, sendo um gravemente.
As obras da ponte do Jequerv vao indo mui-
to bem, entregues ao cuidado e zelo de dous ha-
bis engenheiros.
Em mitro lugar se est construino tima ponte
de chalanas.
Dous dias antes tinham do a Jequery pela
estrada de ferro os Srs. ministro Prannos c gene-
ral Guilherme, e combinaram, depois de exame
minucioso das localidades, em providencias que es-
tao sendo tomadas com urgencia.
Reassumio a 25 deste o commando de sua
brigada o coronel Pedra. Consegurado agora res-
tabelecer-se de seu grave ferimento do da 11 de
dezembro, ei-lo, o valcnte cabo de guerra, fren-
te de> seus commandados. As paginas honrosas
que tem sabido escrever o coronel Pedra com a
ponta de sua espada na brlhante historia ae sua
vida militar, devem ser apreciadas polo paiz. A
morte, que de tao perto ameacou-o com aquelle
grave ferimento na cabeca, respeitou-o por flu.
Aquelle vulto imponente, que no meio das me-
tralhas marchava com um lenco, branco ensopado
em sangue, alado na cabeca, frente de seus sol-
dados, um vulto homrico e venerando. Aquelle
sangue que em borbotees Ihe espanejava da feri
da, escorrendo-lhe pela face, ensopando a farda
honrada, e est j de novo ao servico da causa da
pairia. E' o mais aotigo dos coronis do exercito.
Seja o governo justo para com elle.
A semana santa foi solemnizada nesta capital
e em Loque com toda a gravidade e pompa, pelos
e8lbrcps dos capeiles brasileiros: frei Fidelis, co-
nego Seraflm e padre Fortunato, nesta cidade, e
frei Salvador era Luque.
Por um telegramma tinham sido chamados o co-
ronel Hermes, hbil amador de msica, o apllao
Juvencio, capillo de voluntarios, e otros officiaes
subalternos, que, como o coronal Hermes se pres-
tara as msicas religiosas.
A missa de Ramos esteve solemnsima. Nesse
da foi bento urna bandeira do batalhao do tenen-
te-coronel Guimaraes Sampak), que pertonce bri-
gada do coronel Prannos.
A quarta-feira de Trevas,a quinta de Endoen-
cas, a sexta-feira Maior, o sabbado da Alleluia, e
domingo de Paschoa, todos esses dias tiveram suas
solemnidades prjwrias.
A procisso de Enterro do Senhor foi solemnis-
siraa. Na groja eram dignas de respeito as vozes
dos capeiles brasileiros unidos dos padres pa-
raguayos, junio ao altar. No coro era Igualmente
respeilavi o espectculo de nm coronel, no meio
de capitiom, alferes a soldados entoando oe cauti-
cos do Sennor. A tupermacia era igual. Nunca
me parecern) to solemnes o augustas as cere-
monias do christianismo. No mesmo templo se
ajoelhavam os Paraguavos e Brasileiros. Ja nao ha
vencedores, nem vencidos. Sao filhos de urna mes-
ma reagiao. tao irmaos en urna mesma crenea :
sao christaot. Ochrlstlanismo a paz.
Hontem leve lugar a benco da bandeira pa-
raguaya, que foi entregue divisao paraguaya,
pelo accordo tomado entre os ministros argentino,
brnsilain).' oriental, como se v da Tribuna fe!
15 fe corrente.
Agora a nacionofidade paraguaya, que se trata
de rewpiw,seTaarettolaa^
ra, martbMfe aolafe feo4fas das oaffles allia-
-das. Ao moa-areola &***> qnoaoato de ter
sua bandeira. nao-devia acompanhar os exeroitos
para as oordHbeirae.
Alm dos perigos que aaria e^ialqnr eaaaaa
fjomafea"feootaw aafe "amos eomtiMer, ha
mnmiwos i lraxdos de una vez para Assumpcao os que sao
OS UaniJ,U.l)U ure(ls(.s .,.._ n,4 nMMlA>. ,>.,mU, ^
uHimo fe eafe mea,'ooa*0'a aoawt darprama* poractes febvwra. E* ourioeo I RomoMcaav alada a razio fe **** f*" ne
se por marittinWWlar.ao bravos que fotam naife1
imiten, eoqaeetdo o que fat em san posto de
boan,. promovido por ato de braftwa 1
os Para-
Bajaa aosm am ootoito a sett pas, irmaos e
naueates. E por mais arden tes que sejam nossos
precisos para as novas operaces, a guarnicao de
Humayia nao tem mais razan de ser, quando a
base de operaces esta cidade. Ficari tambem
dispensado aquelle immenso funecionalisrao.
Tratidos para esta cidade os utensis de hospi-
taes, que l estao guardados era Hnmayt, onde o
numero de doentes e de invlidos somente dos
que devem ser levados para o Brasil, terao ao me-
nos os doentes que se acham em Assumpcao len-
(oas, colches e leitos, o que 15o tm ainda. A
esse respeito o hospital de Assumpcao, apezar de
ser um bom edificio, que para esse lim tinham os
Paraguayos, contm nossos doentes sem os preci-
sos cqmmodos.
Estao passados j tres mezes depois da oceupa-
cao de Assumpcao, e nossos infeiizes soldados
doentes e feridos esto ainda em grande numero
pelo chao neste hospital, porque os leitos que exis-
tem ahi sao os dos paraguayos, que sendo mni
largos ocoupam muito espaco as enfermarias.
Ainda mais, os leitos dos paraguayos estao ainda
ns, como foram achados, sem colches, sem len-
Ces, sem travesseiros. Nestes sai deitados nossos
doentes (ainda os de molestias mais graves, como
pneumonas, dysenterias agudas), expostos as rpi-
das iniidaneas de temperatura e aos incmnniodos
desses leitos, que sao feitos com urna rede de cou-
ro cr. cujas tirinhas magam e lerem o corpo dos
doentes.
E esse facto, depois de tres mezes decorridos
em Assumpcao, tanto mais lamontavel quanto as
molestias crescom na razio directa da deficiencia
de meios para combate-las com toda a energa
que demandara s vezes, ou se nao creseem, se
nao se aggravan, sua cura, ao menos, se prolon-
ga muito lempo.
A molestia inevitavel, eu o sei. Mas, por gra-
ve que seja, os recursos da sciencia postos em ju-
go em lempo opporluno, assistencia esmerada, o
repouso moral do paciente quando se v no leito
de modo commodo e tranquillisador, cercado ao
menos de algumas conveniencias destinadas a ins-
pirar-lhe alent e conuanca, esse conjuncto ina-
preciavel luta vamajosamente omtra a enfermi-
dade, e frequentemente della trinmpha. pois,
de lamentar que nossos miseros sonados snraiir
ainda falta de objectos tao essenciace, quando ha
delles abundancia em Humayt, por once passam
sempre dous vapores por mez, fin dos do Rio fe
Janeiro. Como diese am urna das anteriores, eom-
praram-se no fervet opus quatro mil e tantos col-
ches para aquellos hocpiaes, alom dos qne exis-
tan!. Temos 677 doentes em Assunipcio, e esses
nao tem oolcnoes nem leades ...
Afflrmam-me que o Dr. Oliveira, delegado da
saude des circunscripco, cuja aotlvatede e zelo,
sou o primeiro a reconbecer e applaudir, tem por
diversas vetes reclamado contra (esas-mitas, toa
o que posso afflrmar que at boje, 10 de marco,
os doentes estao no penoso estado a qae me re-
tiro.
Como j dsseem urna das anteriores, a respon-
aabilldade do servico de saude se acha muito suli-
drridife, e dahi vem todo o mal. Ha urgencia de
reformas no regnetmeuto do corpo fe saade. Urna
cousa fojo eu digna de notar. 6 a supremaca do
galio. Por essa supremaca, que dada pelas pro-
moces ou por outras causas, o medico qae su-
perior deve, em certos easos, apezar dos eonbeci-
meotos qne tem adquirido pea pratica, deixar de
ver e corar doentes a feridos.
a chefe* do corpo, oe delegados, quetcajetan-
to devem ser os mais gradoadot, tao privados de
curar: nao tem enfermara*. A piafe* medica e
amrftea estragada peto p^omocio. Onfras ve-
zes acontece qaaos lugares lio aadw a mdicos
mais gradoadot, afeato m abHimoet_proci-
sas. Osprimeiros rirorfie. e artraMmaamdmos
mufaaem fea Ficam eatio i
,,i na>lii^it^c ilV
atajos de apTOfaftarmoB a dowoacio dos' para- servico do da, om qoe ot pede dar urna aemor
t
"I



O t fttfll ftTX32 Biarie de Pmiwmibueo Sexta feira 23 de Abril de 1869.

rhagiae outros casos giaves de socarro remato,,
privados da pratiea dos-cheles do servico, e entn-
gue, como tenho visto oo.excreito, a sludantes do
3 e fc. anuos, os quaes, per inais habis que se-
jam, nao tem,-concluido o curso, aern lm pra-
tica.'
Aila ra tw : o art.-30 do cegulamento,.que tra-
ta da nomeaeSo dos delegaos, deixaido a letra
e na interpretaco j^le, como as>mnpto 1}e con-t
flanea essa noiueaff), atitonscto no W. r. Boni-
facio de Abreu a riomear delegados do corpo de
saude tres cirunfile-mWs de brigola taodernos.
todos dignos e habis, atraanlo. .
Ora, o espirito lo rofafanienio c a tara da le
as arts. 23, 41 (na 2' part,) V,) c 3, tendo ad-
mittido o principio de antigoidule e o.d**radua-
cao para a superiocidadedos eiiuiregos, aniuaram
cirurgioes-mares de brigada a protestare con-
tra aquella* nwaeSes, e.a r<*usaron>e a*ervir
ob as orde** dos nwisJrtodemos, ^ioaqiie a>ca-
xe militar nao obedecer o official mais antigo ou
mais graduado a outro mais moderno. Essa lula
entre o principio de confianea c o da superieri Jade
,do galao tem produzido pessimos resultados ro servido de saude. E' por isso flue tenho^eom-
batido a organi^arao militar no servido de acude
,ao xercito.
Ainda mais: o chefe do corpo.de saude lem
dous mdicos ao seu lado, uin secretario e uin as-
sisiente. Os delegados tem cada unv, uin asrten-
te, fiante maior o numoro de chelas do come e
dos delegados, tanto maior o numero do jnedk os
distrahidos dos verdadeiros flus da proiissao. Fe-
liuucnte no cor"po de saude da armada, se ha gra
duaeao militar, nao fea tanta militarismo-do ser-
vico! Nao ha mdicos assistentes e socr-tario*.
Bu pens, pois, que seria til acabar co a mili-
taristas- dos eorpos tle saude.
Ao, menos esse ponsataento est de aceordo com
asresokicoes do congreMO internacional da Suissa,
que coasiderou medico*, capellaes e nlermeiros
-tomo nao militares, de modo que ero urna batalna
node servir ndillerenlmeiite nos dous campos
rmmigos, tendo urna erm wrmellia no braco.
Aqui poderia eu imitar as palavras de um gom-
le orador portuguez. O militar um bravo nos
combates, ardido as pelejas, e como todos os va-
leates, soldado que corre ao angue das batalns.
i) medico, o missionario opposto. Rcsascitn mul-
tan vezes os Lazaros que a espada dos valentes ti-
nhadeixadp por morios, e naluta.de eu amor
com,o gladio do anjo, tambem elle yonce,como Ja-
cob. Eu quero a desiailitarisaca de queua salva,
e laHiitHiisw^io de quem mala.
Ao pisso que o hospital do axeretto esta como
cima tase, depow de tres meies da permanencia
do excrcito nesta cidade, o hospital de maniUia,
-eatabeteeido nesta uiesma cidade nao ha mais de
*inte di is, tem todos os seus doentes com todos os
de corpo de saude da armada, zeioso e activo como
, tomou tres bell-s edificios na vtsnluwa do por-
to, e ahi organiSbu o hospital.
Sabio anto-hontem para o Brasil o vapor
Guayeitr que v. fazer concert nesta corte. Leva
0 doentes ; sua viagem de*e ser niuito demorada.
.Nu sei porqus leva doentes agora, quando vai des-
concertado. Eu pugno pelo transporte de doentes,
mas em bons vapores.
O hospital lluetuatite do cxercito D. Fran-
risco, em razio do rombo que tinlia abaixo do leme
d'agua, loi a pique um pouco abaixo da Assump-
cae no inez passado. Felizmenlo nuo carregava
doentes enlo. O proprielario reclama o pagamen-
to de eu vapor, porque attribue as avarias a um
eneouracado brasileiro, e a razao de ser contrata-
do para servico em que se achava at eonclu-
sao da guerra. '
E' triste a sortc dos hospitaes fliifluantes do x-
ercito. O Epomnn incendiou-se junto da barran-
ca de Curuz tendo doentes dentro. O D. Fran-
cisco foi a piquo junto do Chaco, vindo para a As-
sumpcao. Deus ampare o Anicota.
A esse respeito a armada tem sido mal* feliz.
Desde Paysando. teve um nico hospital, o Onze
de Junho, que conserva ainda.
Acha-se entre nos o Dr. Paranhos, ilho do
con-elheiro. Em razao da viagem chegou doente.
Tratou-o o Dr. Luiz Alves, e hojo acha-se bom.
Fica no commando desta praca o coronel Her-
mes, cuja reputacao a mais segura garanta da
escolha. E' seu secretario o ca^itao de volunta-
rios Jiivencio Alves dos Santos Fortes, que na
campanha se tem distinguido muito, tendo j en-
trado cm 11 combates e 3 batalhas.
I Devem :acmipaBi alK oUtazonts e a
erveta Vial'de^Olh
Na mobilia encontrada.na-alfandesa de Bnenos-
Af res, pertenceino ao dictador do Para&aay, uts
dirigida a madama Lyneh,-e qual loi posta em.lei-
lao nesta emana,acliou-ne o molde em fesso e
Hita qoro* imperial, quctem dado lugar a railas
eonjeciurai.
1 Sjmpde-se ter sl) encemmendjidji por Un*
' #ara mandar piepajar fura elle a ceroa qu
dominac,aa o ledt Pratta.
9o Paraguay ala detianiortaaia. Miiitojaovi-
ento na esquairae noiAserciio, a efpcianean'is
fesultadoi das oper<-'ie frue sa vio emprehealer.
B'.evta a verdadekai sitaacao dW encas ai-
les; adjuntos da asesina rqpart'rcao m praticantes
Braulio da Costa Concia e.Lvdio a Costa Ol
veira.
por
vra-
Sentem, i1, aoi.u da tu de, entrm
Mter neste .[, ua-dhafada oi lqjr<,
as de guerra srwl ntralfcoraannro, nri
te eaudada em honra alta personagein
pamagem nelle vtnha do llio de Janeiro;
as baodeiras doinperio e do Estado O
inularam juntas em cumprimento ao p
assuraira a dire^o daguerra no Paraguay, e a
papala^ao se alvarotou curiosa uo caes e malhes
da cidade.
Dos seis dias de viagem que trouxera, os dous
primeiros haviam sido agradabilissimos, o mar era
chfl, o lempo sereno o fazkuuse regularmente 7
a 8 lutfhas por hora ; eom a mudanca, parm,
daipifliias condicdeA, teveo de arribar a Santa
Cathariaa, onde reeebeivsfiisattpriaiento de ear-
vao e tojfiou-se um pratic^ para seguimento da
derrota.
Sua Alteza, no curta tem que naquella cidade
estove, visitou, entre varios outros edificios o quar-
tel, cujas aeeomodacoes permittem a sua transfor'-
uiacao completa eni hospital para inais de mil
doentes e fondos, alm do que ppd'-ser aprovef-
tado das caarias do deposito de 'armas e das do
Jfcji'no Jesus 'um dos arratialdes do Desten'o.
A 2 sarpou o AKce ijc Santa Catharina as 7 l,'*
horas da nunhia, e dfisde cntJp sujeito mais od
menos ao pampeiro e ao SO, a que os marojos
chaiaam rebojo, veio sulcando aguas cavadas e po
vezes encapelladas. Apear do navio jogar pouco,
a:marcha era lente, e fo, pbis, contra a expecta-
eio que hontem apoj-tou-se aijui e pode j sobre a
tarfc, Sua Alteza, depois dos curaprimentos a
bordo, seguir para a residencia do ministro' bra-
silero Gondim, onde e hospedera.
0 conheimento que -nessa crte tenvse de Mon-
tevideo dispensa qualflner descrip(;ao : da barra, a
rinta c pittaresca, entremto os olhos ferasilciros
emhalde praenram as magnificencias nSturaes
que adornam os potitos do litoral do imperio :
falta-lhes a grandeza daqnelles espectculos, o as
obras dos hotnens'prendem-lhcs so as vistas, cos-
tumadas magestde das obras de Deus.
Havia grande acodamento em ver o principe ; a
imprensa tem commetitado o faeto daquelhi-vinda
com seriedade, e a popnlaeSo parecen pos9nr-sc
do Bcottmenm do respeito que a poltica do lira-
sil, na escolha do general que etvio as su as for-
ca, deve inspirar.
Comprehendendo o valor da lhanez e cortezia
as relaces com os afRad",' Sua Alteza, acompa-
nhado de numerosa officialidade, fot lioje, ao meio
dia, cumprimentar o presidente da repblica, o
esse acto de cavalheirismo deve rimenrar forte-
mente a uni5o dos dous paizes, (&o necessaria
obteoco de nm grande flm.
O desenvoMnrente que se nota diariamente nos
estados platinos 6 iminenso; urna divida c gra:
tidao que se junta em favor do imperio ; as rep-
blicas tcitamente o comprehendem e gvernos
sensatos, sopeando aspirares odientas e mesqui-
nhas, nao trepidam em rcconhectl-l.i.
A uttinut hora.Hoje salic o yapm* para Baenos-
Ayres, onde Sua Alteza pretende denlorar-se pou-
co" lempo, demandando logo a capital do imperio.
O Marcilio Dias, que veio de conserva, foi direc-
tamentes despachado para Assumpcao.
f
-
INTERIOR.
.
Itio de Janeiro

MOSTRVIDKO. 6 DE ABRIL DE 1860.
Contina a eslar na ordem do dia a questao
bancal a, que nada tem adiantado para a sua so-
lucfu). Entretanto avizinha-se o dia 1 de junho,
data em que se finalisa o tempo concedido para o
pagamento das contas correntes ao banco Mau.e
os homcDS praticos dos negocios, que nao estad
cegos pelo odio aquella casa, consideran! com tris-
teza os males que vao resultar ao paiz de tanto
disparate.
O pensamento do governo a respeito acaba de
ser perfeitamenlc definid) no relatorio que o Sr.
ministro da fazenda apresentou honrada casa
dos representantes. E'ura documento bm escrip-
ia, importante em todos os sentidos, e digno de
apreco, principalmente pela franqueza com que
S. Exe. descreve a desgranada situacao financeira
da repblica, o mostra que sero impotentes para
melhora-la os palhativos communs que teem sido
lembrados ao governo pela mesma casa, como re-
duegao de empregados em reparliees que ao con-
trario precisam de augmento, rigor de liscalisa-
cao onde nao se apontain os abusos, etc.
O remedio heroico proposto pelo digno ministro
consiste na crcaco de nm banco nacional com
emissao garantida pelo estado, o qual ter conta
corrente com o governo, recebendo todas as ren-
das, que serao a base desta operaeao.
Para sustentar o seu plano, o ministro comeca
por dar cmnd'Vnuito solido o crdito nacional, que
nenhum, e que perder o resto de conianca,
que ainda tem, com esta creacao.
Um grande directorio, que dar lugar para ad-
mittir todas as summidades iinanceirjt que teem
feito guerra ao bancos actuaes, sugar toda a sei-
va do novo estalieleciment, e no tim de dous ou
tres annos de experiencia, em lugar do curso for-
rado temporario, com garantas reaes, teremos de-
finitivamente est belecido o curso forcado perma-
nente, o papel inconvertivel do governo deprecia-
do, depois de ter tambem concorrido para a ruina
de todas as fortunas.
E' esta a perspectiva que vai assustando ans
proprios que entraram nesta alluda de boa' te, e
que reconhecem agora que serviram smente de
instrumento a meia duzia de espertalhSes que es-
to arranjando ninlto que os ha de agazalhar.
Por islo sei que em poucos dias ser apresenta-
do por um deputado ao corpo legislativo um pro-
jecto coueedendo a moratoria de 60 mezes aos ban-
cos que teem emissao para liquidadlo de seus ne-
gocios, e bem assim o mesmo prazo para os deve-
dores destes bancos saldarem suas contas. Ignoro
as condicoes estipuladas para o liel cumprimento
do que fcar esta belecido pelo dito projecto, mas
de crer que offerecam garantas para cortar
qualquer abuso e realisar o pensamento que tem
aquella deputado.
E' o nico meto de salvar esta praca, ao gover-
no e a toda repblica das desgranas que a auiea-
eam, e talvez at de urna terrivel revoluco.
Provavelmente ser tal projecto approvado na
cmara dos depulados, apezar do apoio que teve o
Sr. La vina, presidente da cmara, na excepcional
moelo de nao ser attentendido nem recebido nella
projecto algum tendente a restabelecer o curso for-
cado ; no senado pode ser que encontr opposicao
mas ser tambem approvado. Depois, porem, da
exposicao feita pelo Sr. ministro da fazenda em
refaci ao assumpto, e do que por mais de urna
vez tem dilo em nome do governo, pode se esperar
que semel liante lei receba a sanecao do poder
executivo ?
Provavelmente nao, a menos que nio se retirem
os ministros actuaes. Isto nao se obter delles, c
portanto preveio grandes novidades. Por outro, o
presidente Batle tem-se incarnado tanto na questao
que nao ser sufficiente a mudanca do ministerio
para tornar possivel esta sanecao.
Consta-nos que aiuda recentemenle S. Exc. dis-
sera a um negociante distincto desta praca. que
seria mais fcil atirarem-o pelas janellas fora da
cata de governo, do que obriga-k a adherir a
Sualquer resolucio que importe na prolongano
ocurso forcado alem do m-azo eslipulado na lei
de 18 de julho de 1868. Vamos a ver a que chega
este negocio, qoa hoje o mais importante d'aqui,
e deve laaikem ter umita inleresse para o Brasil.
rjue na questao financeira se tem querido fun-
a questao poltica, cuasideraad-se a queda da
casa Maua como a qnebra da fatal iniluencia do
iaaano nos negados internos deste paiz, tomo lhe
chama o circulo conservador.
Hontem tarde chegou a este porto Saa Altez;
o Sr. conde d'Eu, no vapor Mtu, e desemaarooo!
pouco depois para a aaaaa tagaeio.
Depois a> ter visitado boje ao meio-dia ao pre-
ilaata la repblica, que o reeabeu com todas as
hourasdevidas sua alta hyerarehia militar, Sua
Aavsza pretendo seguir boje luetno para Buenos-
jm.
dito bacharel Joaquim Josa Teixeira
dito Dr. Bernardino Alves Machado,
dito consellieiro Tliomaz Gomes
dos
9 DE ABfilL DE 1869.
Por cartas imperiaes de 6 do corrente mez fo-
ram Horneados :
Io vice-presidente da provincia da Parahyba o
bacharel Silvino Elvido Carneiro da Cunha.
3o dilo dito Dr. Jos Evaristo da CruzGouwa.
.> dito dito bacharel Elias Frederico de Almeida
e Albuquerqua
ii dito dito Jos Innocencia Poggi.
1 dito dito da provincia de I'iauliy Theolonio de
Souza Mendes.
Secretario do governo da provincia do Para,
Joao Brigido dos Santos.
Io viec-presidento da provincia do Rw de Ja-
neiro desembargador Diogo Teixeira de Maclo
2o dito
Leite.
3o dito
4o dito
Santos.
Por decretos da mesma data foram exonerados,
a pedido :
0 Dr. Simplicio de Souza Mendes do cargo de
vice-presdente de Piauhy.
Bacharel Luiz Cavalean de Albuqucrque Buri-
ty do da Parahyba
Bacharel Eduardo Pindahyba de Mallos do do
Bio de Janeiro.
Foram exonerados :
Andr de Albuquerque Maranhao do cargo de
vice-presidente da Parahyba.
Jos da Costa Machado da mesma .provincia.
Joao de Azeredo Carneiro Maia da do Bio de
Janeiro.
Bacharel Antonio Francisco de Almeida Barbosa
da mesma provincia.
10
S. M. o Imperador, acompanhado de seas sema-
narios, visitou hontem o laboratorio do Campinno
e examinou minuciosamente o estabelecimento e
suas dependencias, a nova capella e o ramal da
estrada de ferro do Camplnho Cascadura, assis-
tindo em seguida a experiencias de algups artifi-
cios de guerra.
Pelo ministerio do imperio declarou-sc ao pre-
sidente da provincia de Pernambuco que, tendo o
director da Faculdado de Dtreito do Recite parti
cipado em setembro de 1867, que n3o acceitaria
daquella data em diante qualquer justificar;!) que
^presentarse -o lente substituto conselheiro Jos
Liberato Barroso, que deixra de comparecer na-
quella Faculdade para excrcer as respectivas
funcedes, e continuando a ausencia do referido
lente, sem licenca do goverm, d suas ordens para
se fazer effectiva a disposiejio do art. 104 parte 1"
dos estatutos vigentes..
O capitao de fragata Francisco Jos de Oliveira
foi era data do 8 do corrente exonerado, como pe-
dir, do lugar de ajudante do inspector do arsenal"
de marra ha de Pernambuco, e nomcado para ser-
vir interinamente de capillo do porto das Alagas.
Por portara de 7 do corrente foi nomeado secre-
tario do commando das armas da provincia da Ba-
ha o capitao do 16 batalhao de infamara Gurrit
Eloy Pessoa da Silva.
Por prtaria de 8 do corrente concedeu-se a
Jos Anastacio Monteiro a exoneracao que pedio
do lugar de amanuense do extincto hospital mili-
tar da provincia de Matto-Grosso; e bem assim ao
capitao reformado Joaquim Manoel de Oliveira,
licenca para residir na capital da provincia de
Goyaz.
capital
O subdelegado de polica da Barra do Pirahy,
Joaquim Jos Teixeira, acaba de effectuar a im-
portante prisao do faccinoroso Fructuoso, escravo
do capitao Simio Das dos Res, que no dia 38 de
marco prximo passado, no lugar das Larangeiras,
na Parahyba do SuL assassinara brbaramente a
Joao Bibeiro e sua mulher Januaria, a um escravo
e a Luiz Teixeira Pinto.
Este criminoso sendo interrogado peranle o sub
delegado confessou que alm das mortes cima re-
feridas commettra mais tres em laroinbo e lan-
cara os cadveres ao rio Parahyba.
^ -11-
Por portara de 9 do corrente foi nomeado o te-
en te-coronel do corpo de estado-maior de arti-
Iharia Jos Joaquim de Lima e Silva, para o lugar
de secretario do commando da mesma arma
Por ltalo de 9 do correte foi nomeado Felinto
Xavier Pereira de Bri a para o logar le official de
descarga da alfandega do Rio-Grande do Norte.
Por portaras datadas de-6 do corrente foram
demlilos, na forma da proposta do director geral
dos lelagraphos, Romualdo Augusto de Oliveira
Santos do lugar de adjunto da mesma repartlcao,
e Antonio Jote Alves II
pliistn.
e Antonio Jos Alves Ramos do lugar da telegra-
Por portaras da mesma lata foram nomeados
estacionario le i' classe o do V Carlos Jos Van-
Ror.daeretos de 10 do corrente foram nomea-
do? :
tehirel Francisco Ignacio Werneek, juiz
municipal e de rnanos do termo de Oliveira, na
pra^ciajyBasJGeraeay. ^aa^-^ajr-
mutlcipal a de (wptis" % lermoAle 'taju!, na5B Majlgat 21 do eor,renla.
mesaia previnria.
Fai roeontlutid.) al|clinre1 Pra*eis*o de Owi*
ra1 Pinto Dias no lug^rde juMniunicfa^H or
pitaos do termo do AcaK.. na mesma jirlncia.
DIARIO DE PERNAMBUCO
BKCIFE.2DE ABIUL DE 8'J.
NOTICIAS-DO SUL DO IMf'ERIO.
('.hpjpii 4ioiite.n o vapui GiMH't. trazeudo
aislTiio de lanlro at 15, da Rabia at
m

PERNAMBuTO.
REVISTA DIARIA.
* ASSEMBLEA PUVIXCIAL.Na sesso,de hon-
tem uvfu a ass'emfjla na hora do expediente ao
Sr. Lopes Machado Ha justificarlo de um projecto
que aprcyiTmi prohiaiads nesta aronocara exis-
tencia de. padrea jesnJus, lazarfetas, ou de outra
entado, a-s*
do MaraattaS
[t.dide.
l'nsaV -ano
ruesrno Ittgae, ;e* oftleiBjde.
u hontem da Assiimpcart, 6jOTW
loe
va-
guayt
mar
aj
.'flfflroa
30 d passado, o transpon te de guerra Isabel.
dicavayse naaM o dia J de abril oamo o deViv
aiiiO* *$<*$ Pa> exsrriio laarottiraan 1*P
coa'cordilheira, onde se acnava Lop%Jl- cbm
zem que em um ponto ehamado Askunra, a lo le- J
guas da Assumpcao. Nesse mesmo dia 3 teucio-
nava o Sr. conselheiro Paranhos desear para Bue-
nos- Ayres alim de tratar a II i da or^au&a^daiunJ
governo provisorio para o ParagilayT'^ r *
A nossa ciirrespondeucia da ssunuicio, eiu ou-
tro lugar publicada, refere as ultimas ocenrrencias
que Mi se teem dsido. >
Saa folhas do Buia>Ajfc o MoateAido, que
chegam a 4 e 6 do eorrenle, nada encontramos
de. jiitarosse. No ponteiro oajte da Repblica Ar-
gentina sublevarau-se al^umas uracas eotre-rianas
pertpneentes divsao all estacionada, mas foram
faeilinehte sullmettlda e passadas pelas armas.
A 3 chegou o Alia- a Mohtetido, salvando sua
entrada todos os navios de guerra surtos no porto.
9. A. o Sr. conde d'Eu esperou que fosse noitepara
desembarcar, e foi hospedar-so ua casa da legacao
braslleira. No dia segulnte visitou o presidente
da'reprfblica, c terido derpachado o Marcilio Dias
directamente para a Assumpcao, parti no mesmo
dia Ayres, onde tencionas'a demorar-se um dia, e se-
guir depois para o Paraguay.
Publicamos qnia carta de Montevideo em que se
dad mais algumas noticias sobre a viagem do priu-
cipe.
- 13-'
S. M. o imperador, acompanhado. do seus sema-
narios, visitou hontem as offleinas de machinas do
ar-enal demarinuaj em seguida dirigio-se ilha
das Cobras, ohde percorreu varias-offleinas e veio
desembarcar no arsenal de guerra, cujas depen-
dencias tambem visitou.
Por cartas imperiaes de 10 do crreme mez :
Foi nomoado eavalheiro da ordem da Rosa Al-
fredo Lindbak, teneute da marinha da Suecia e
Noruega.
Foram naturalisados cidadaos brasileiros os sub-
ditos porluguezes Antonio Jos de Lima e Jalo Al-
ves Teixeira, e o subdito inglez Jlo King.
Foram concedidas as honras de prgador da im-
perial .-apella a Fr. Joo de Santa Tliereza de Je-
ss, religioso franciscano do convento da Baha;
e as ii conego da mesma imperial capella ao pa-
dre Gregorio Fcrreira Lustosa, parodio collado da
freguezia de Sant'.\nua c S. Joaquim da cidade de
S. Jos de Mipibd, na provincia ao Rio Grande do
Norte.
Por decretos da nieama data:
Foi nomeado eavalheiro da ordem de S. Bento
de Aviz o capitao do 1" crpo de caladores a ca-
vallo Luiz Manoel das Chagas Doria.
Concedeu-se dispensa do lapso de tempo ao ba-
charel Guilherme Cordeirp Cuelho Chura, alim de
que possa tirar cariado eavalheiro da ordem de
Quisto, de que teve merc por decreto de 4 de
abril de 1867.
Por decretos de 3 do corrente tol ApolinoTasa-
res de Macedo. exonerado do lugar de escrivo do
almoxarifado do arsenal de marinha do Para, e
nomeado para o de secretario da capitana do por-
to da mesma provincia.
Por decreto do 9 do corrente mez foi transfe
rdo da 2' para a Ia classe do respectivo quadro,
na forma das disposicoes cm vigor, o 1" tenenle
Domingos Jos de Azevedo Jnior.
Por outro da mesma data mandou-s addicio-
nar ao tempo da servido do escrivo do l1 classe
reformado Jos Pedro dos Santos, o decorrido de
9 de outubro de 1837 a 17 de junho de 1868, per-
cebendo 18 vegesimas quintas partes do respectivo
soldo. /
Por decreto de 10 do corrente foi concedida a
Bernardino da Silva Azevedo a demissao que pe-
dio do lugar de pagador da pagadoriaJilial da the-
souraria do S. Podro, da cidade do Rio Grande.
Por ttulos de igual data foram nomeados :
Amanuenses da recebedoria de Pernambuco os
praticantes Jos Del ti no da Silva Car valu e Jos
Mendes Pereira de Vasconcellos.
Praticante da dita repartirlo Manoel Leite Pe
reir Bastos.
Por portaras de 9 Uo crrente una iiaraai no-
meados Gregorio Ant"*k> dos Res e Augusto Ce-
zar de Macado Brite, offtciaas papelistas da admi-
nistracao^io correio-da provincia do Maranhao,
com o veueimcnto marrado na tabella n. I da lei
n. 939 de t% de setembro dcjJ837.
lii
S. M. T) Imperador, acompanhado de seus sema-
narios, visitou hontem a estrada de ferro de D.
Pedro chegaudo eslaclo do Campo s 10 ho-
ras da manhaa. Ahi foi rece do pelo Sr. minis-
tro da agricultura, director da estrada, inspector
do tralego e engeoheiro em chefe. Sua Magestade
examinou todos os armazens, escritorios e depo-
sites, tomou conhecimento dos planos e estudos
em andamento para o prolongamento da estrada
pela Sapucaia ao Porto-Novo do Cunha, dos estu-
dos para o prolongamento da i* seccao, dos pro-
jectos para melhoramenlo da estarlo central o das
experiencias para melhoramento do servico tele-
Sraphico achando-se nesta occasiao presente o Sr.
r. Capanema.
A' meia hora depois do meio dia parti Sua Ma
gestade para as offleinas de S. Diogo a p seguido
pelo mesmo pessoal que o recebera e acompanha-
ra e mais o 1 engenheiro Ellison e engenhein>
chefe da linha e Sr. George Rademaker Greenwald.
All foi Sua Magestade recebido pelo chefe de trac-
cao o Dr. Joao Nery Ferreira e chefe das offleinas
Dr. Jos Carlos de BulhCes Ribeiro. Sua Mages-
tade examinou os planos para os projectaJos edi-
ficios das novas offleinas e traccao e projectos para
melhoramento do material rodante, e visitou com
minuciosidade Ddasas offleinas e apparelnos. Re-
gressando pelo trera imperial estacao do Campo,
rerou-se as 2 1|2 horas da tardo.
Por aviso datado de 9 do corrente fo nomeado
na qualidade do commissaro especial do governo
imperial para proceder medicao e discriminaQo
das trras da ex-colonia de S. Leopoldo, na pro-
vincia do Rio Grande do Sul, o engenheiro Luiz
Antonio de Souza Pitanga.
Por decretos de 12 do corrente:
Foi designada a comarca do Rio das Mortes, de
21 entrancia, na provincia de Minas-Geraes, para
nella ter ejercicio o jaiz de direito avulso Daniel
Accioli de Azevedo.
Foi declarado avulso o juiz de direito da comar-
ca da Victoria, na ^provincia do Espirito-Santo
Didimo Agapito da Veiga, por nao ter reassumido
as respectivas funecoes depois de (Inda a licenca
que lhe foi concedida.
Foi removido o juiz de direito Francisco de Sou-
za Cirne Lima da comarca de Santo Antonio da
Patrulha. de 1* entrancia, na provincia de S. Pedro
do Rio-Grande do Su), para a da Victoria, de 2a,
na do Espirito-Santo.
Foram nomeados juizes de direito:
O bacharel Francisco Ferreira Correa, da co-
marca da Bagagem, na provincia de Minas-Geraes.
O bacharel Francisco Nunes de Seabra Peres-
trello, da comarca de Palma, na de Goyax.
O bacharel Joaquim Jos de Almeida Pires, da
do Rio-Paran, na mesma provincia.
O bacharel Joo Clemente Pessoa de Meno, aa
comarca de Tacaratu, na de Pernambuco.
O bacharel Manoel da Silva Reg, da comarca
do Jardim, na do Cear.
Foi tambem nomeado o juiz de direito Antonio
Vicente de Siqueira Pereira Leitlo, para a comar-
ca de Santo Antonio da Patrulha, na provincia de
S. Pedro do Rio-Grande do Sul.
Por despacho da mesma data marcou-se:
Ao juiz de dir te Daniel Accioli de Azevedo o
praso de quatro mezes; e a ajada de custo de 4004,
por nao constar que leona familia.
Ao juiz de direito Francisco de Souza Cima Li-
ma, cprazo de seis mezas e na hum- ajuda de
cusi, por ter sido a reme^ao a seo pedido.
. as rubricas Exterior e Interior vao por ex-
nso Hnoticias mais importantes ; alm das |
T1IRATUO DA OOMBIA.
aHiisterio da guerra recebeu os dous c-
oiniajaiBcios:
a CMijBndo cm chefe interiao do er.-ito bra-
ileiro em operacM contra
Qtfariel general emsfumpcao,z7 de
de 1869.
Im. e Exaj^r Ramettend# a ii. Eac. a
radam acrJc? corpo de cav
da nacional, tenho a honra de assim inteirar a V.
Exc. do encontr que teve esse corpo com urna
forca paraguaya por occasiao da exploradlo feita
enjii do corrente, por ordem do commando das
forra! m vanguarda, e na qual teve o j referido
eqrpo quafro pracae /eridas e o nin)igo, seis mor-
ios, deixados no campo, inclusive o capitao Benito.
%o Deus gaartle a V. ExcIllm. e Exm. Sr.
coaselheiro tarad de Maritiba, ministro e secreta-
rio de estado dos negocios da guerra.Uuilkerme
Xacier de Souza, raarechal de campo.
JJlui. e Exm. Sr.Tendo marchado hontem s
o' horas da manha, pouco mais ou menos, eom o
18. eorpo provisorio de cavallaria do meu Mav
mando, conforme ordenou-me V. Exc. antes d
hontem tarde, afim de descubrir o iniraigo at o
povo de Itagua ; pouco alm, pqrm, do de Are-
gu foi pelo priinciro meio esquadrao que fazia a
vanguarda, sentida urna sentinefla inimiga, que
immediataiiientc disparen um tiro.
O ,Sr. capitao Pedro Jos Rodrigues, quo
commandava aqnelle mefo esquadrao, tendo como
proteceo o terceiro de lanceiros, mandn tocar
ao galope, a pouco adiante encontrando um pi-
quete inimigo eomposto de 30 cavalleiros, mais
ou menos, mandou-me parte desta oceurrencia :
vista, pls, do que ordenei-lho que, sempre que
o terreno permiltisse, carregassem, cumprmdo es-
te official fielmente esta minlia ordem, avancei
cpm_a mais forca do corpo a todo galope de pro-
tecgo aquellos dous meios esquadroes, que se-
guramente meia legua levaram desbaratado o ini-
migo, que em urna ponte alm do lugar denomi-
nado Patinho-Cu, apoiado por mais cavallaria c
alguma infamara, que all se achava protegida
pelo matto e bauhados, fizeram tenaz resistencia ;
resultando destq encontr ficarem no campo seis
mortes do inimigo inclusive o capitao Benito, que
loi reconhecido pelo alferes paraguayo que V.
Exc. dignon-se dar-me para vaqueanp, e em nos-
so poder a lanca c o chapeo do mencionado capi-
llo Benito e tres cavallos arreados.
De nossa parte temos a lamentar seren fori-
llos gravemente um cabo e um soldado, e leve-
mente dous soldados.
E'-me satisfactorio declarar a V. Exc. que
tanto os offlciaes como as oraras que temaran)
parte oeste pequeo, porem, glorioso feito d'ar-
mas, niuito bem cumpriram com o seu dever,
lornando-se dignos"da consideracao de V. Exe. a
quem, cumprndo- um dever ae justica, tenho a
honra de recommenda-los: os Srs., capiuto Pedro
Jos Rodrigues, alferes Antonio de Oliveira Fon-
seca, cabo Quirino Alves da Silva e o soldado
Manoel Feudo dos Santos, dislinguindo-se o pe-
nltimo por ser quem matou o capitao paraguayo,
lutando com elle a ferro fri.
< E' o quanto tenho a honra de levar ao co-
nhecimento de V. Exc. a quem Deus guardo
Rlm. Exm. Sr. brigadeiro Vasco Alves Pereira,
digntssimo coinmandante das forcas da vanguarda
Quartel do commando do 18. corpo provisorio de
cavallaria em Juquery, 23 de marco de 1869.
Ijrael Ramiro da Silva Soulo, teuente-coronel.
Lemos no Diario do Rio : .
Informara-nos que brevemente vai constituir-
se urna associaclo anonyma sob o titulo Empreza.
Predial, cujo Orn emprestar cipitaes desde
l.OOOOOO at 20:000JSOOO a quera quizer com-
prar predios nesta corte, finando estes hypotheca-
uos empreza, e pagando os mutuarios urna pres-
tadlo mensal na qual esto j incluidos juro e
amortisacao do dinheiro adiantado pela eompa-
nliia, sendo para maior vantagem do publico os
praso do longa duracao desde 7 at 27 annos
< Consta-nos que a idea foi bem recebida por
importantes capitalistas desta praca; e que o
Exm. Sr. veador J. J. de Lima e Silva Sobrinho,
commendador Manoel Salgado Z-nha e Antonio
de Serpa Pimo sao os memoras da directora pro-
visoriaj ou fundadora; e bem assim que deram
favoarte* pareceres a respeito da mesma empre-
za os Exm*. Srs. conselhciros Antonio Jos de
Bem, A. N. Tolentino, commendador Dr. Agosti-
nho Marques Perdigo Malheiro, Dr. Manoel de
Oliveira Fausto e Dr. Francisco de Assis Vieira
Bueno.
A alfandega da curte rendeu de la 14 do
corrente 1,313:957*770 rs.
Eis as noticias commerciaes da ultima data:
i Effeetuaram-se pequeas transatoes em cam-
bio sobre Londres a 18 3/s e 18 '/j cular.
c Negociaram-se 6,000 soberauos a 133460 a
dinheiro, e 10,000 ditos a 13i80 c 13d500 a pra-
zo ; varias partidas de apolices geraes de 6 % a
81 %> dous pequeos lotes de ditas do empresti-
mo nacional de 1868 a 46J e 483 de premio. >
Sahio para Pernambuco o brigue Isabel.
s. PAULO.
reina va com intensidade
o ty-
Em Iguapr
pho.
baha.
No dia 14 do corrente teve logar a abertura
da assembla provincial.
A mesa administrativa ficou composta dos Srs. :
Joo Dantas, presidente; Antonio Moniz e Augus-
to Guiraares, secretarios.
Os estudantes do 6." anno da Faculdade de
Medicina elegeram, para orador no acto da for-
matura, o acadmico Eugenio Marcelino Guiraa-
res Rabello.
Arribra.com agua aberta o patacho americano
Seorita, que iado Rio de Janeiro para Baltimore,
com carregamento de caf.
O tribunal do commercio reformou a sen-
tenc_a do iuizo especial, na causa intentada por
parte do banco da Bahia contra os ex-directores
que serviam quando se deu o desfalque de......
266:0004000.
Tendo o Sr. Marinangelli, emprezario lyrieo
do thcatro da capital, offerecido um espectculo
em beneficio das familias dos voluntarios da patria,
o Exm. presidente da provincia nomeou urna com-
misso, composta dos Srs. Domingos Americo da
Silva, Joaquim Elysio Pereira Marrano, c Jos Lo-
pes Pereira de Camino, para se encarregar da
distribuidlo dos bilhetes e arreeadacao do pro-
ducto.
Lemos no Jornal:
t No 2. districto de Santo Antonio u'esta cida-
de, fallecen hontem ao meio dia, envenenado por
seu proprio pai, o menor Jos Antonio de Carva-
Iho Pinheiro na idade de 13 para 14 anos.
< Estando ligeiramente doente o referido me-
nor, o pai Antonio Gomes Pinheiro compran um
purgante de sal para dar-lhe, e na mesma occa-
siao um ponro de veneno para mattar as formi-
gas de sua roca. Cbegando em eaa, no logar de-
nominado Saboeiro, antas de hontem por noite,
lirou do bolso um dos embrulhos em que sup-
punha eslar o sal, e deu a sua mulher para ap-
plicar pela manha ao menor doente, sanindo elle
em seguida para sua roca onde ia dormir.
t Hontem ao accordar^/buscando o papel que
tinha de veneno, vio quaestava trocado .pois era
o sal inglez. Atterrado, e v^S^agra^a corre casa
para ver si rate ^VQpaMM', porm, j o
menor havia tonta./qup\v:^fi)iueio dado pela
mo de sua irml nis velha, e j apresentava
todos os symplhomas de dnvenenamento. Irome-
diatamente applicaram-se remedios,. foi chamado
o Dr. Reqnilo, mas ludo foi debalde.
O Dr. delegado do 1. districto, tendo noticia
do faci, se dirigi casa do Sr. Pinheiro imme-
diatamente, indagou d'elle, e deixou o subdelga-
lo respectivo para fazer o corpo de delicio e inter-
rogatorios as pessoas da familia.
< Sirva-este tacto da exemplo contra as facili-
dades. *
O cambio regulava: sobre Londres 18 Vs d-
esobre Pars 903 a 510 rs.
A alfandega rendeu da 1 a 17 do corrente
531:0681720 re.
ALAOOAS.
Tentara suicidar-se, no logar Miitange,o sub-
' portugus Antonio da Souza Jnior, conhe-
crao por Aaonia, erapregado na fabrica dePernao
Velho, dando nm uro no ventre. Altribue-se a
desarranjo inleDeetual.
i
ft
quali|uer ordem, exceptuando soraento os missio-
narios capiic l linhos.
Em segu-1 a ouvu ao Sr. Silvdra Lobo a respei-
to do parecer da co mmisso de consuuile>o de po-
deres acarea la indicado apraaentala. peh) Sr.
Amara! a,.Mello para se representar aos poderas
geraes eoatra o decreto lo ininisterio do imperio
que dissobeu o orpo eleitorai que devia eleger
um senadaj- pela vaga lexada pelo liaaio conse-
lheiro Antonio Colho de Se "Albuquerque. Fal-
laram em favor do parecer os Srs. Amaral e Mello
"TU
_ provado o parecer.
Entrando em 1.- discussd o projecto n. 14 de
1869, verillcou-se nao haver casa.
A ordem do dia para traje i mesma.
INSTRUCCO PUBLICA.-?or deliberaco^s da
presidencia, de 20 e 21 do corrente, foram nomea-
dos :
Censor do Gymnasio Provincial, o Rvm. Tito de
Barios Correa.
Delegados Iliterarios: de Nazarcth do Cabo, pa-
dre Juvttocio Verissim dos Anjos; de S. Jos de
Ingazeira, Francisco Miguel de Siqueira ; e de
Varas em Ingazeira, Manoel Jos Nunes.
Para dirigir interinamente, e sem veneimentns,
durante o impedimento do effectivo, as obras ge-
raes da pRWineia, o Sr. Joaquim Gomes de Oliveira
e Silva.
DINHEIRO.0 vapor Guar, troxd*as segun-
tcs para:
Bnlc of Rio de Janeiro......... .j0:000000
LOndon and Brasilian Bank___ 20:000000
D. C. & C. C. Siflipsou 4 C..... i8:000000
Augusto F. de Oliveira........ l0:000fKX)
E.A.Burfo&C.............. 3:000*000
Joo dos Santos Vieira........ 2:000000
Carvalho, Zenha & C......... 1:860*000
J. J. Gonalvcs Beltrao........ 1:377*430
Fortunato Ribeiro Bastos...... 600*000
Marques, Barros & C.......... 6O0O00
Jos da C. de Oliveira Fgueiredo 5005000
Carvalho & Nogueira........... 400*000
Luiz Jos da Silva Guhuares.. 400*000
Maneel da SlvaMendoncaVanna 400000
Jos Simplicio de S Estoves... 400*000
, Esse vapor trouxe para as provincias do
norte Hfc ,.
Parahyba.................... 200*000
Cear....................... 14:140*000
Maranhao.................... 2:800*000
Para........................ 49:380*0(X)
O vapor Jaguaribe, levou hontem paraMacei
190 600*000.
PRONNCIA.-Pelo delegado de Serinhem foi
pronunciado Joo Gomes da Silva, conhecido por
Joao Garre i ro, as penas do art. 192 do cdigo
criminal, pelo homicidio perpetrado no escravo
Justino.
Gl'ARWEste vapor tira a mala hoje, s 3 ho-
ras da tarde, no correio, para os portos do norte
do imperio.
COLONIA MILITAR DE PIMENTEIRAS.Por
decreto do ministerio da guerra, de 3 foi extincta
esta colonia.
ARCEBISPO DA BAHA.Por aviso do ministe-
rio do imperio, de 14 do correaje, concedeu-se
licenca do Exm. e Rvm. Sr. conde de S. Salvador
para deixar sua diocese no mez de setembro, afim
de comparecer no concilio geral ecuuenieo, con-
vocado para 8 de dezembro prximo.
JOGO DE GANHA E PERDE. Informam-nos
que na freguezia de S. Jos existe organisada e
funecionando urna companhia dejogadore?, que
despoja quanto incauto lhe cahe a mo. com o
jogo da lita e outros, tendo os pontos "principaes
do tal di ver ti ment a via frrea, a ra da Praia e
a nocir do peixe. Chamamos para isso a autori-
dade competente.
RA DO ENCANTAMENTO.Moradores da ra
da Cadeia e do Vigario reclamam contra a ester-
queira da ra do Encantamento^que tantos mias-
mas exhalam com ineommodd nao s dos habitan-
tes dessa ra, como mesmo dos transentes. Re-
eommendamos, ao Sr. fiscal do Recife, um passeio
por essa na.
L0TERIA.=A que se a ha a venda a 103.' a
beneficio da igreja de S. Joo de Abreu de Una,
que se extrahir no dia 28 do corrente.
PASSAGEIROSO vapor nacional Guar, en-
trado hontem dos portos do sul, conduzio a seu
bordo para o nosso porto, os seguimos: John
Dowley, Manoel Franciseo Bandeira de Mello, Joo
de S Cavalcante de Albuquerque, Christovio Paes
de Mello Hollanda Cavalcante, Pedro Alexandre de
S. Martino, Ernesto Augusto de Alhayde, Joo
Evangelista. 2 lente Joao Egydio Castro Jesus,
capitao Antonia Jos de Andrade, Joo Nepomucc-
no, Joaquim Ramos Machado, Manoel de Oliveira
Rodrigues e 1 escravo, Joaquim Trajano da Silva,
Mine. Barry, Roberto Francisco Nogueira, Andr,
PauloCahin, Alberto Henschel, Peter Waldemar
Lauge, Carlos Agostinho de Laprife, Christiano
de Almeida Moraes, sua senhora e i menor, Fran-
cisco Jos Doraingues, Jos Bom Ramos de Olivei-
ra, Antonio da Costa Miranda Bastos, Galleto de
Felia, Dominico Mateo de Vito, Antonio Maria do
Nascimento, Henry Willinez, Joaquim Francisco
dos Santos Maia, Francisco de Vasconcellos Men-
lonca, Franciseo Xavier da Silva Marques, Pedro
Antonio da Silva, Jacques de B meln. Jos Luiz
Soares, Jos Guedes Nogueira, Joo Teixeira Ma-
chado, Casimiro Jos da' Silva, Cupertino Guima-
raes Bastos e i escrava, Marcionillio Gomes Couti-
nho, Bayarol L. da Silva Gnimares, 1 escrava e 1
menor, Francisco Joaquim Alves Rodrigues, Do-
mingos Jos de Souza Peixoto, Gentil Homem Ro-
drigues de Souza.
Seguem para os portos do norte a bordo do
mesmo vapor, os seguintes: Perfeito Honorio
Bastos, alferes Antonio Leal de Amorim, tenente
Joao Jos da Silva Viveiros, tenente Delfino Jos
Ferreira Para, Dr. Auguslio Teixeira Belford Ro-
cha, e 16 pracas.
Seguiram tambem para o Rio da Prala, a
bordo da barca portugueza Amuade, os seguin-
tes : Jacinthii Pereira da Luz, Joo Jos de Medei-
ros, Jovenlino Fiock Romano.
Tambem trouxe a seu bordo o vapor nacio-
nal Mamaiujnape, vindo do Rio Formoso e portos
intermedios: Pedro Vianna de Lima, e uin es-
cravo. -'
CEMITERJO PUBLICO.Obtuario do dia 19 do
corrente:
Amaro, Pernambuco, 3 mezes, Santo Antonio;
tumor.
20
Adelaide, Pernambuco, 6 annos, S. Jos; vari-
las.
Recem-nasfljjp, Maria, Pernambuco, Santo Anto-
nio ; espasmo.'
Manoel, Pernambuco, 9 mezes, S. Jos; coavul-
soes.
Jos, frica, 70 annos, soltero, Boa-Vista;
amolecimento cerebral.
Felicidad?, Pernambuco, 1 anno, Santo Antonio;
denticao.
Joaquim, 40 anuos, frica, Boa-Vista; anemia.
Umbelina Maria Jos de Freitas, Pernambuco,
19 annos, solteira, Boa-Vista ; tubrculos pulmo-
nares.
21
Francisca, Pernambuco, 3 mezes, Santo Antonio;
convulsSes.
Ricardo Francisco de Souza, Pernambuco, 26
annos, casado, Santo Antonio; anemia.
Carlota Ludovina de Carvalho Azevedo, Pernam-
buco, 17 annos, solteira, Boa-Vista; tubrculo
pulmonares.
Maria Joaquina do Espirito-Santo; Pernambuco,
30 annos, soltero, S. Jos; asthma.
Manoel Jo- do Carmo, Pernambuco, 35 annos,
casado, Boa-Vista; hepatiie ascite.
benficos effetos que hlo produzido em
nao pequeua parte da popularlo d'esta pro-
vincia, ardo Maranhao e Alagas, incontes-
tavelmeHte s8o dos mais enrgicos agentes
auxiliadores da naturaa* ho vencimento des
doencas, servindo de grande alivio a huma-
Ljjlade ^a||dra^e-jfwr isso se tornara
issls rewBnendado.s jreferiveis para a
pessoas qu soffrem de rfceumatisrno, gln-
dulas enfartadas, nlcerts, impigens, asthma,
tosse, ainenoi-rha ou roppressao de mens-
truo, eryipla, amareUklao e menstruac5r>
dillicil ; seodo porin usados conforme a
jdireocrio esefiptt ajue es companha.
Illm. Sr. Francisco Antonio das Chagas.
Soffrendo eu de rheumatismo e gota n'um
joelho e tendo usado de muitos remedios
aconselhados para o referido mal, n3o tirei
resultado algum no periodo de um anno ;
neste estado recorr ao veame a venda em
sua botica ra Direla n. 3, e gracas
a Deus, com urna s garrafa e urna caixinha
de pilulas acho-me restabelecido. Agrade-
Co-lhe portanto e espero qoe faca pubfico
esle facto, afim de que, outros as mesmas
circumstancias aproreitem o seu proficuo
remedio.
Recife. 31 de marco de 1850.
T I T'
Julio JtttmUiio da Costa.
--------
Illm. Sr. Francisco Antonio das Chagas.
Rcberibe, i de abril le 18*9.Com o
maior prazer levo ao seu conhecimento, que
a garrafa do xarope cinreo do veame e
os pos que comprei na sua botica ra
Direita n. 3, poderam extinguir a dr que
senta no peito, tosse e febre que tauto me
ffagellava, de forma que me julgo restabe-
lecida.Desta sua criada obrigadissima
Maria Joaquina da Silva.
Protectora das fami-
lias.
Esta associacao caminlia as vias de prosperi-
dade, nao sem os entraves inherentes emprezas
grandiosas.
Contratos Capital
Em 30 de junho de)
PUBLlCACOES k PEDIDO.
PREPARADOS DI VELUH
3.Ra Direita3.
As legitimas pilulas de veame, o xarope al-
cohlico e o ethereo tambem de veame, re-
centemenle feitos conforme a formula do fi-
nado pbarmaceutico Paranbos, assim como
os pos refrigerantes acham-se venda na
botica de Francisco Antonio das Chagas
roa Direita n. 3, defronte do armazem de
molhados denominado Veado Branco. Estes
medicamentos, ha multo conhecidos pelos
1868 tinha regs-}
trado.............)
Durante o semestre de
30 de junho a 31 de
dezembro de 1808..
Estado dessa associa-
em 31 de dezeni
cao
brode 1808.
cia-1
em- V
3936-----5,MMI8|970
1406-----2,173:423*920
S3-----8,042:1013890
O capital dessa associacao iluminado e con-
verte-se en apolices da divida publica nacional de
6 % AWo se pode dar mellior garanta. Se na
hipolhese de quebrar o Brasil e que essa asocia-
grande utilidade para as familias.
Para conseguir com toda secnranra o maior e
mais instante desidertum da vida do iioine n, que
crear para o luturo um capital certo e urna ren-
da infailivel, para si, seus fUnos c familias, bastar
fazer um calculo (cada qual conforme seus pro-
prios haveres) de que pode dispr durante o pe-
riodo de cinco annos ; signalada que leja a quan-
tia ser esta dividida em duas classes de contratos,
am chamado contrato de capital c outro de renda.
Estes dous seguros devero satisfazer-se em cinco
annuidades consecutivas, e depois do passados os
cinco annos o contribuinte flcarlivre doonusdos
pagamentos das annuidades subsecuentes.
Estas duas classes combinadas produzem resul-
tados niarvi I liosos para o futuro.
Por exemplo, um pai que qnizer formar para o
futuro um capitel e urna renda vitalicia para oada
um de seus lilhos, conseguir este importante (im
despendendo para cada um delles a quantia de
1: loo*, que se pagam da segninte forma :
Direites de entrada.. 13-11
No primeiro auno 200i
> segundo > .... 200
terceiro 20OJ5
quarto I 200*
quinto 200*
Ter despendido no fim de cinco
anuos a quantia de........... 1:153*
tendo creado para cada fimo um capital para o fu-
turo, que conforme a idade dos segurados ser de
33:000* a 47:000* e urna renda vitalicia de '." .
annuaes.
Admittem-se contratos de maiores e menores
annuidades, sendo os lucros sempre proporcionaes
ao producto dos seguintes factores : o valor da
contribuicao, o risco de morte do segurado
e a duracao do contrato (art. 38 do regulamento).
Para effectuar as formalidades dos contractos
dirigir-se-ho ma do Livramento n. 19, a tratar
com o Sr. N. F. de Vital, encarregado pelo Banco
rural e hypothecario doRid de Janeiro, que pre-
sentemente acha-se em commissao nesta provincia.
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 22 DE ABRIL
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Assucar Cuial=3*150 por arroba (hontem).
Algodao de Pernambuco l sorlo = 174000 por
arroba (hontem).
Descomo de letras=8 0.0 ao anno.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
CASADBCAMBIO
Teodoro Simn & C.
Compram e vendem por conta propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
letras de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros Utu-
tos commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaceftes, da cobranza de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebera quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
ENGLISH BANK .
Of Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da pra?a taxa a con-
vencional
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Peloumno n. 7
BANCO AUA i C.
Kna do Trapiche n. 4.
Desconta lettras commerciaes a taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente.
Confere crditos, saca sobre as primeirag
pra?as do imperio, Rio da Prata Euro
pa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pracas. .
Encarrega-se, por commissao, da com-
pra e venda de fondos pblicos eaccSes de
Dompanhias, da oobranca de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
quer outra operaclo bancaria.
O expediente para o publico come?ara
is 10 horas da manhaa, e terminar as 4
horas da tarde de todos os dias atis.
*4U


<



Diario efe Pernambwco Sra feir 23'
fMH/ __^.____ u:------- '-----------
de- Abril de-
<.i--------__J;
S69.
CASA DE CAMBIO
Theodoro Simen & C.
Veadem
Libras sterlfeas t 130700.
Ouro natiaiMl eportugiwz a 54' o/0 de pre-
mio.
Sedulas do governo de i a 3S000 1 por %
de premio.
Largo do Corpo Santo n. 21
ALFANDEGA.
Rendimento do dia i a SI. 771:527*014
dem do dia 22......:)8:089*939
quuerem fazerehegar ao- m\ conhacimenta, que
pelo presente oJital, sao riiamados compareaer
no qajrM diivsiilonfiadoefnim:indante superior
,l(,n,i A, i .lados da data dtole
:cno dirn emp'>, ser nomear fc
do o cqsaltfc dd inftsttac* para verificar a sua
i do f 2> do decreto n. ;i,Rtt
ausencia, nos termos
de 25 de iovesbro de lilao, visto teram se ausen-
tado do batalhlo sem lieenca, dasde o mez de se-
SmbW do anno prximo pasado, como me parti-
paratn por* oficios os sehhnres eomtnandantes de
batalhio. .!_ .. ... ... .
(juartel do enramando superior, 19 de abril de
1869- ,~. P
Domingos Affonso Nery Ferreira.
809:6164951
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados com faiendas
Idein dem com gneros
Volumes sabidos com fazendas
dem dem com gencros
217
-----601
183
1012
-----1193
a J. F. da
Silva Novaes.
J. Gon?alves
Doscarregam hoje 23 de abril.
Vapor inglezGladiatormercadorias. ci
Lugar mglez7u/wdiversos goneros.
Barca portugaezaNova SympathiaUg^-
Barca inglezaBorlochnv earvao.
Eocuna americana Ednad BrunHfarinba de
trigo.
Imporapao.
Vapor brasileiro guar, vindo dos
portos da sul do imperio, manifeslou :
110 rolos de fumo ; a C. Alberto Sodr
da Motla.
0 ditos dito ; a A. L. de Oliveira Aze-
vedo 4 C.
50 ditos dito
50 barricas alpista ; a J.
Beltrao.
33 fardos ignora-so ; a J. M. Palmeira.
Encommendas. 2 volames a C. A. So-
dr da Motta, 3 a F. Joao de Barros Jnior,
3 a Fortunato Ribeiro Bastos, 1 a J. L.
Bourgard, 1 a Joo Walfredo de Medeiros,
7 ao Bario do Livrametito, 1 a J. Th. Lam-
bley, 2 a Jos Gomes de Freitas, 3 a A.
L. de Oliveira Azevedo & C. 1 a Mau & C,
i a J. J. Gonealves Beltro, 1 ao Baro da
Soledade, 1 a Manoel Joo de Amorma, 3 a
Lailhacar A- C-, 1 a A. A. de Carvalho Ve-
ras, 1 ao Dr. Paulino Chaves, 1 ao Bario
de Tabatinga, 1 ao conseltieiro J. Silveira
de Souza, 1 a Miguel Joaquim de Carvalho,
1 a A. Hyvornat C, 1 a Manoel da Silva
Maia, 2 a Cramer Frey tC:, 1 a Joao da
C. Soares Guimares, 2" a H. Forster iV C,
1 a T. Barreto de Menezes, 1 a Manoel de
Araujo Ges, 1 a Baroneza da Victoria, 1 a
D. A. Matheus, 1 a Jos Ferrcira de Arau-
jo Pinho, 1 a Adolpho Carlos Sanchos, 1 a
Benedito Leal Roma.
UECERIiDORlA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimentodo dia 1 a 21. 33:5614621
dem do dia 22......" 1:2434302
34:8044923
CONSULADO PROVINCIAL
Bendiraento'do dia 1 a 21. 93:6904513
dem do dia 22....... 2:7634597
96:4444110
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios mirados no da 22.
Rio de Janeiro e portos intermedios6 das e 20
horas, vapor brasileiro Guar, de 999 toneladas,
commandante o 1 tenente Pedro H. Duarte,
equipagem 52, carga differentes gneros: a
Antonio L. de O. Aievedo & C.
Rio-Grande do Sul23 dias, patacho hespanhol
Tkemoteo II, de 111 toneladas, capitao Ezequiel
Pages, equipagem 11, carga 7,779 arrobas de
carne ; a Ainorim Irmos.
Rio-Grando do Sul41 dias, barca portugueza
Btinacr, de 331 toneladas, capitn Joao Maria
de Souza, equipagem 13, carga 16,000 arrobas
de carne ; a David Ferreira Bailar.
New-York32 dias, palhabote americano Eduaid
Bornelt, de 191 toneladas, capito Piuder; equi-
pagem 8, carga 1,760 barricas com farinha de
trigo; a Saunders Brothers & C.
Havre37 das, lugar francez Rio-Grande, de 204
toneladas, capitn Liniere, equipagem 11, carga
fazendas e outros gneros ; a A. Burle 4 C
Rio-Forraoso e portos intermedios8 horas, vapor
brasileiro Mamanguape, de 633 toneladas, com-
mandante Oliveira, equipagem 16, cm lastro a
companbia Pernambucaua.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio da PrataBarca brasileira Amizade, capito
J. Ferreira Pinto, carga assucar.
BarcelonaPolaca hcspanhola Viagert, capitao
Joao Ctireli, carga algodao.
Macei e PenedoVapor brasileiro Jaguanbe,
commandante Moura.
ParahybaPatacho inglez Conrade, capitao A.
Scott, cm lastro.
Observares.
Suspendeu do lamara > para Mhat Indies, a bar-
ca ingleza Atlantic, capito Genite,
lastro que trouxe de Montevideo.
com o mesmo
EDITAES.
O inspector interino da Alfandega, faz
publico, quefica transferido para o dia 26
do corronte, por falta de licitantes, o lei-
lo de um bote e duas bateiras, que fui
annunciado para boje, era edital de 19.
Alfandega de Pernambuco 22 de abril de
1869.
O inspector interino,
____________1. de C. Paes de Andrade.
Domingos Affonso Nery Ferreira, coronel e chale
de estadft-ma ior do ominando superior da guar-
da nacional do municipio do Recife e comman-
dante superior interino da mesma guarda, por
sua magestade o Imperador, a quem Deus guar-
de, etc., etc.
Faco saber aos senhores oficiaes, lente Joo
Francisco Maia, alteres Aman de Hollanda Caval-
canti de Albuquerque e Antonio Carneiro Rodri-
gues Campello, e a todos aquelles que poderem e
DECLARACOES.
cisco Antonio da Gama, swtftor dg< engenbo
Agoa-Fria na .comarca de Porte Calvo.
O-sftfodfelqfadn,
Xldonio Mortwa de {ten
Santa "Oasa^Wsncordia
do Recife.
A" Illm* Junta administratii precisa contratar
con quem maiores vantagen^oBewer o Corna-
ment de carnes verdes que precisarem os esta-,
belecimentos a seu cargo nos mezas de malo e ftt-
nllo vindouros.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia d(>Re-
oie, 16 de abril de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
O administrador da recebedoria de rendas
internas geraes faz publico qtie neste corrente mez
e no de maia prximo futuro, visto estarem con-
cluidos os laoeamentos, e qnp os devedores do
imposto pessaal, relativo ao etcercicio corrente de
868 a 1859, residentes as ficguezias do Recife,
Santo Antonio, AlTogados, Poco da Panella, Vanea,
S. Lourenjo da Malta, S. Amaro de Jaboatao, c
Muribeca, team de paga-lo, Uvre da multa de 6 0/0
e rom ella tlapo's d referido prazo.
Recebedoria do Pernambuco 3 de Abril do 1859.
Ha noel Cumetrode. Souza Laeerda.
No dia 27 do corrente mez, deuois da au-
diencia do Illm. Sr. Dr. jniz municipal da primeira
vara, a qual ter logar pelas ll-huras do referido
dia, e na salla publica das audiencias tem de ser
arrematlo por quem maior Janee offorecer os
bous seguintes : um terreno propriq^om cento e
vinte cinco palmos do fundo e rtncocnta de frente
sendo ampara a ra dos Pires, e o fundo fazendo
frente pWi a travessa da masma ra onde se
acna eui aborto, tendo dentro oito qiiartinhos em
mau estado, avahado em 2:0004000. Um sitio
com quatrd centos palmbs de frente e duzenlo3 e
quarentade fundo, chaos foreiros, com urna sen-
zalla dentro, dividida em dezecete quartinhos.
casa de vivencia do pedra c cal, e estribara, devi-
dindo pelo sul, com a rna nova da travessa do
Pires, pelo norte, com o sitio .do coronel Barata, e
D. Margarida, a pelo poente com o terreno do des-
embargador Figueira de Mello, e pelo nascente com
o terreno cima mencionado, e fundos das cazas
da ra dos Pires, avahado cm 7:500000 aojos
bens vao a praca a re rudimento diL Francisco
Ferreira da Rocha Leal, como inventarame e her-
deiros dos bens que ficaram por fallecfcnento de
D. Rosa das Noves Ferreira Leal E' a ultima
praca. O escrivaoSaraiva._______________
Mauta Casa de Misericordia do
Itecifc
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia
do Recife se faz publico que a Illma. junta admi-
nistrativa em sessao de 8 do corrente resolveu que
fossem convidados os parantes dos orphaos em se-
guida declarados para virem requerer a presiden-
cia a sui tirada do mesmo eollegio, visto que j
tendo completado a idade de 14 annos nao podem
all continuar como dispoe o respectivo regula-
mento.
Francisco Pereira de Araujo, protegido do viga-
rio Gamillo de Mendonca Furtado.
Antonio Rezcrra de Mello, sobrinho de Francisco
Ribeiro da Silva.
Manoel Felippe de Souza Magaihaes, fllho de
Toaren Fabroaa Estevas Alves.
Francisco Antonio do Monte.
Antonio Leocadio do Reg Barros, fllho de Ignez
Maria'de Mallo Reg.
Joaquim Candido da Silveira, filho de Maria da
da Gloria Silveira.
Laurindo Fortunato de Menezes Lyra, filho de
Gertraes Lourenca de Araujo.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 9 de abril de 1869.
O escrivao,
Pedio Rodrigues de Souza.
Perante a cmara municipal desta cidas
de estar em praca nos dias 15, 19 e 22
do corrente, para ser arrematada por quem
menor prefo olFerecer, a obra dos repa-
ros do atorro da estrada, que da ra Im-
perial vai ter a Cabanga, oreada na quantia
de 8145000 quem pretender arrematar essa
obra compareca nos indicados dias, no pa-
co municipal, munido de fianza idnea.
O orgamento da dita obra acha-se na se-
cretaria da mesma cmara, onde ser apre-
sentado ao que o quizerem consultar.
Paco da cmara municipal do Becife, 12
de abril de 1869.
Ignacio Joaquim de Souza Leda.
Pro-presidente
Francisco Canuto Ba-Viagem
secretario.
Conselho de compras
navaes.
0. conselho promove no da 24 do corrente mez,
sob as condlc5es do estylo e avista de propostas
recebidas at as 11 horas da manhaa, a coirpra
dos objectos do material da armada, seguintes :
Para provimento do almoxarifado.
1 ancora de 6 quintaes, 6 pecas de arribem, 6
barris de alcatrao, 2 bules de ferro estanhado, 6
barra de breu, 50 baldes pequeos ferrados para
escaleres, 20 cadinhos de lapis sonidos, 6 arrobas
de cola da Bahia, 20 libras de cera preta para
corrame, 500 folhas de cobre de 28 oneas, 1
peca de cabo de linho de 3 polegadas, 1 peca de
cafio de linho de 2 1/2 polegadas, 3 pe^as ae cabo
de linho de 1 polegada, 10 arrobas de estopa de
algodao, 20 resmas de lixa de esmeril em panno,
34 pecas de lona larga, 8 livros de soccorros im-
pressos de 100 folhas, 8 ditos dito de 59 ditas, 6
arrobas de mialhar, 10 libras de obreias france-
zas, 13 arrobas de oleo de linhaca, 5 duzias de
pratos de ferro estanhado, 500 libras de pregadu-
ra de cobre, 1 regiment de signaos para navios,
20 pecas de sondarexa, 3 terrinas de ferro estanha-
do, 1,000 tijolos de fogo, 20 tira-linhas, 500 libras
de tinta preta, 60 grosas de torcidas para pharoL.
e 8 arrobas de zarcao.
Para enfermara de marinha.
200 camisolas de bnm, *00 pares de chinellas
de couro, 50 fronhas de brm, 200 lencoes de dito,
e 50 toallas de dito.
Tambetn o eensaiio no mencianado dia 24 do
correnta maz, da igttal forma, contrata o fornaci-
mento 4e baralho pan os navios da armada a es-
tabeieciiuencos de marinha no trimestre crrante.
Cotaotto de compras nivaes de Pernambuco 21
de abrH 1809.
O saarqlario
Aiea^oirq ftoOriaM 4s Anjos,
Pela subdelegada da fregpiezia de S. Jos
do Recife. e faz pMico qu fftra captura-
dos os escravos, Antonio e Ignacia, esta
com urna filha do uro anno e meio de ida-
de os quaes dizem ser escravos de Fran-
Conselho- de compras do arsenal
de guera.
0 con?elho de compra* do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte : r .
1 fole grande com 32 pollegadas, W arrobas de
plvora de boa qualidade.
As pessoas que quizerom vender ditos artigos,
apresenlem snas propostas acompanhadas das res-
pectivas amostras, na sala do conselho, as 11 horas
do dia 26 do corrente. *
Conselho de compras do arsenal do guerra de
Pernambuco 20 de abril de 1869.
F. Baphael de Mello Rege,
Presidente.
Jos Baptista de Castro Silva,
Secretario.
arreMataqo
Sexta-feira 23 do corrente, depois (da
audiencia do Dr. juiz municipa da primei-
ra vara, ir praca a preta Maree!!, do
parao, de idade de 60 annos por 2OO1000;
o preto Jacintho, crioulo, de idade de 40
annos, por 800-^000, 3 eguas 20*000 cada
urna, e um cavado ruzilbo por 60000:
tudo penhorado. .n Joo da Cunba Pe-
reira.
deixar de agradecer ao Hlustrado corpo acatemi-
ca, a distinctaclasso ivxwniircial e ao rcspeilavel
publico percainbuonnuj.v* obswiuios q^e Uittteam
prestado.
Por esta subdelegacia so faz publico que fe
acha em deposito urna egoa nidada cor de cinza
anida nova, appreliendida por suspeiH-de ser fur-
lada; quem se julgar eom direito a mesma com-
pareca que provando Ihe ser entregue. Subde-
legara ao Peres'17 de abril de 1869.
O subdelegado 2. supplente em exercicio
Jotqnim Thomaz de Barras Qampello.
Biia nova Jte Santa Rit&nn^
ineio 1. .
Sabbado.tj-,ii^ffl- o-*a4e baile a eameter,- e
nos entervalte toar-sw-h no piano divmas mo-
dinhas e cimtadds pelo* annn-s desta bom-^osto.
No domingo 85 havan o- eaf concert atnmer-
cial, o qrpede a todos os socios qae eompare-
t-am no dte aprasado, hovera lunch a sorvate. Sera
cumplidoflelmonto nogiamento policial.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANIftA PGRNJUlBUCANA
DE
Navegaf eostclra por vapor.
Macei, escalas e Penede.
O vapor Giqui, commandante Aze-
vedo> seguir para os porlos cima no
_ dia 30 do corrente as 5\ horas da
tardo. Recebe carga at o dia 29 as a hnrasv en-
commendas, pasa&gens e dinheiro a frete at as
2 horaj d^ tardp do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 1^.
Lieboa
Segu eom brevidade-a Imwug portiifltwwi Pfiei-
ra-wga por ter parte; d* m;> carga |mpta :
par o resante e pass^iairoa, trata.*) mOlivei-
ra, Filho A C, largo do Corpo Santo n. *.
'LEim
T
LEM0
Filamento.
Os Srs. Keller A C farao. leflib por atervpncao
do> agente Olivai'ra, a por. eota.e W9e.dei|neHi
perteneer, da carta de fretamento da tarea fran-
cckv S. Louis, capitao Andouard, lotujao de 277
Uinoladas francezas, a classiflcacao n Vevitas 3/3
A-1.1, para carregar nesle porta asecwr ou al-
godao, sendo porm. 1/2 do earregamento em as-
socar ensacado, oo.dotin* a Marsellia, Havre,
Bordeaux, ou St. Nazaire, tendo o aavk) de ser
carregado at 10 demaio prximo.
1IOJB.
ao meio diaem ponta, na As60Ciaclo. Cfimmercial
desta pra?a.
Para o Porto
Seguir com a maior fcrevidade pasivel a mu
conherida e veleira barca portuguaza. Segnranca
par j ter a maior parle de seu carroganunto en-
gajado ; para o resto e pas--ageiro's.i. es os- "quaes
offeroce ricos e excel lentes comaiodos^ trata-se
com Cimba Irmos & C, rua da Madre de Dos
n. 34, oaeom o apito a borda
THEATRO
DE
S. ISABEL.
EMPKEZA DRAMTICA
DE
Sabbado 24 de abril de 1869.
Bepresenta-se o muito aorelitado drama em 5
actos
0
iy\
Personagens. Os senhores
O general Roquebert. Eduardo.
O Sr. de Taverny.....Thomaz.
Simao, cabo de squadra. J. Augusto.
Picard, carador.....C. Rocha.
Um oflcia de ordens. Guimares.
Um ajudante de campo. Santa Bosa.
Pedro Frochard.....Brochado.
O tabellio Germon. Victorino.
Potichon.......Jordani.|
Pigoche, recruta.....Hartinho.
Um criado. ... Florindo.
Luciano........P. da Costa.
Mim de Ranuberg.....Maria Velluti.
Emelina Roquebert.....Carolina.
Mariotta........Clelia.
Catharina........Francisca.
Soldados, camponezes etc.. etc.
O primeiro acto em um acampamento francez
em Allemanha em 1807 es outros 4 em S. Lou-
renco 16 annos depois.
D fim ao espectculo a cansoneta cmica pelo
Sr. Martinho.
o jiii m.\no
Come^ar as 8 horas.
Propara-se para a prxima semana a drama
de grande espectculo em S actos
(I
Os senhores que nizerem bilhetes podem des-
de j fazerem suas encommendas.
Para o Porto
pretende seguir com a maior nevidade possivcl a
mui eonhecida e veleira barca portugneza Clau-
dina por j ter a maior parte do seu earregamen-
to engajado ; para o resto e passageiro, para os
quaes otlereco ricos e excellentes commodos, tra-
ta-se com Cunha, Irmos 4 C. rua da Madre da
Dos n. 34, ou com o capito a bordo.
mim BRASILEIRA
DF.
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 28 do corrente o vapor
Paran, commandante o capito
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do costume seguir para os do sul.
Desde j recebem-s passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no diado suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua saluda as 2
horas.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
jectos de pequeo valor equenSoexcedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicas.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia rua da Cruz n. 57.
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
Eio de Janeiro
Segu com muita brevidade para o porto cima
a escuna dinamarqueza Elise, tem a maior parte
do seu earregamen o engajado : para o resto que
Ihe falta trata-se com Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C., rua da Cruz n. 57, Io andar.
De um .sobrad de una andar e
sotn> sito rua da .Mocila
n. $. em sol; proprio.
O agente Pontual competentemente autorisado
vender o predio cima no dia
HOJE.
No 1" andar do sobrado n. 63, rua da Cruz,
as 11 hozas.
Os Sr* pratendentos poderao examinar o dito
predio.___________
COMPAKIIIA
B
Fabricnde teeido&tte algodao de
Ferno Velho.
O luperii-r panno de algo*'daste fcbrfca^mui
*antajo?arante eonhecida n-sta. proviKia e as de-
Hniambimo, Parahyba t l*de Jateiro, pela soa.
parCairo dk.-tacilo, elasticjiUda eteialeza, eonli-
iMia a ser vendido no escriptorio da mesma com-
nasbia i finca de Pedro 2 dtslb cklade, casa nu
i-aere 4.
Alija tic qpa os numeroso o importantes wiho-
Rs-da ii>mh, bem como m leabaeR exportldf.
res de assucar, tanto clest.i provincia como das
aetaiH. mencionadas, possanrsOM facilidade pm-
irerSe da mnf8eturas des< Ihbrifs. a gerencia
da companhia annuncia i;uc as ba venda nos
seguintes hilares :
Nesla cidadenoseu escriptuno e as casas os
Sr*-. Domingos Jos de Farias a Jos Nunes fiui-
mates, ma do Commereio.
Km Pernambucona casa.dws Srs. Oliveira Fi-
lhos&.C.
No Pilanem casa do Sr. iiao de Albuquertroe
Mello.
Na Castanha Grandeem casa do Sr. Norberto
Gavalcaoti de Albuquerque^
Em Camaragibena eaa do Sr. Joo Yuaira de
Lima.
Alem do panno aproprisio ao ensacamento do
asucarr a fabrica possue inais una qualidade de
panno wui forte, adoptado ao systeina qae tem os
sanhoies de engenbo do norte da provincia de
mandaren) despejar nos trapiches de Pernambuco
o assucar que alli vao vender, com o qe as ac-
cos servem para muita safras.
Para roupa de escravos ou de trabalhadora dth
Eampo, a para toalhas e lences do servio diario,
a urna superior qualidade de panno de 28 polle-
gadas de largura, muito forte e espesso, parecen-
do-se bastante com meia lona. Os precos sao os
mais mdicos possiyeis. Macei 30- de marco de
1869.
Precisa-se
1!
Da armaco, gneros, gaz, balanra e mais
pertences da taberna sita na rua da Cruz
n. 34.
tiE
O agento Pestaa legahnentc autorisado far
leilo dos gneros cima mencionados e para pa-
gamento dos credorca por quem seu dono sc-
acha auto isado, o leilo tara lugar na sexta-feira
23 do corrente as 11 horas da manha na mesma
taberna.
THEATRO
Gymnasio Campestre
ASSOCIACO ARTSTICA
Ia recita de assignatura.
Sabbado de abril de 189.
Representar-se-ha a interessante e graciosa co-
media em 2 actos, ornada de msica, original do
distincto escriptor brasileiro o Sr. Dr. Joaquim
Manoel de Mac do, intitulada
OPRIMO DA CALIFORNIA
Tomam parte as Sras. D. Jasuina, D. Olympia
a os Srs. De-Giovani, Silva, Pedro Augusto, Bra-
ga, Emiliano, Serian e Ilcnrique.
A msica o composlcab do Sr. Colas Filho."
Terminar o espectculo, a pedido, com a chis-
tosa e entusisticamente applaudida ostra vagan-
cia burlesca ornada de msica e dansa. denomi-
nada
Uina noite de carnaval.
Tomara parte as Sras. D. [Jesuina e o Sr. De-
GiovanL
O resto dos bilhetes acha-se na casa do Sr. Go-
dofredo, cabe leireuo a rua do Crespo, no thea-
tro e na eslaeao dos trilhos urbanos, pelos precos
l's I 'I Iit*lt'l'Hlll>
N. B. O trem especial dos Srs. assignanltes par-
tir do Recife as 6 1|2 horas da tarde, tocando
em todos os pontos at o Calairero, en cojo te-
rao passagem gratis, as pessoas que comprare m
bilhetes para esta representacao, assim como, de-
pois da mesma haver igualmente coilducco gra-
tuita, pftra as mencionadas pessoaa, do Caldeirei-
ro para a cidade.
O espectculo principiar as 7 horas e maia,
afira de terminar pouco depois das 10.
A associajao artstica desta thnatro nao pode
PjLP.l O FOB.TO
Deve seguir com a maior brevidade possivel a
barca porlugueza Nova Sympathia, de 1' marcha,
por j ter prompU a maior parte de sua carga :
para o resto que lho falta o passageiros, aos quaes
olTerace ricos e excellentes coinmodos, trata-se
com Rallar Oliveira & C, rna do Vigario n. 10
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir para o dito porto, o mais breve
que for possivel, o brigue brasileiro Sanio Amaro;
quera quizar carregar ou dar escravos a frete,
queira dirigir-se Marques. Barros & C, no lar-
go do Corpo Santo n. 6, 2" andar. _________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegacao costelra por vapor.
Mamanguape.
O vapor Coruripe, commandante Penna, seguir
para o porto cima no dia 28 do corrente as 6
heras da tarde, recebe carga, encommendas, pas-
sagens e dinheiro a frete at as 3 horas da tarde
do dia da sahida no escriptario do Forte do Matos
n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
DE
Mavegaco costelra por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caty, Cear, Acarac e Granja.
m*T\w O vapor Jpojuca, commandante
9A Martins, seguir para os portos cima
11 W nrf i"1 dia 30 do corrente as 5 horas
da tarde. Receba carga, at o dia 29, encom-
mendas, passageiros e flinhelro a fres at as
3 horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.-
LEILAO
De differentes movis, I jogo de bacatella, 2 cau-
diciros a gaz, 4 castigaos e mangas, gosto an-
tigo) 1 guarda roup, quadros, retratos, 1 ca-
ma franceza, differentes mappas e outros ob-
jectos.
Sabbado % de abril as 10 horas em ponto.
Por intervanrao do agente Pinto, no Io andar
do sobrado da rua da Cruz n. 53.
Desde j ae previne aos compradores dos re-
feridos objectos que devero temar conla dos
mesmos (indo o leilo visto ser preciso entregar
as chaves da casa no mesmo dia 94.
de urna ama de Icite ou mesmo ascrava, coa tanto
que soja liinpa e sadia, e tcnia parido ha ponen
lempo : na rea das Crnzcs n 35, 2- andar.
| Precisase de una aiua para rasa de pouca
familia na Soledade : a tratar na sota do sobrad*
n. 21 da rua do Livraincnto.
Na rua de Santa Rita n. 101, offerecem-se
duas amas urna para eagommar outra para co
Sobar.
. Dao-se 300OOCt a premio de 1 pur cento
com hipotheca em predios na rua do Roaario
Larga n. SO i." andar.
Escravo fgido.
Ausentou-so na madrugada do dia 21 de abril
do corrente, o escravo-Andr, de cor preta fula,
com 22 annos de idade, natural de Porto de Pe-
dras, com pouca barba, e de altura regular, tendo
as costas urna cicatriz do lado esquerdo, levou
calca o camisa de algodao azul, chapeo preto de
feltfo, copa baixa ; quem o apprehender leve
rua do Pilar n. 14, que ser generosamente recom-
pensado.
AMA
LEILAO
Do grande sitio da estrada d'Agua-fria n. 5, eom
nina casa nova de pedra e cal de 32 palnos de
frente, cacbeira e quartos fra, cacimba com
bomba, o sitio tem 900 palmos de frente, muito
fundo, baixas, trras para plantacoes, e criaco
de gado, mata, um riacho permanente no mes-
mo sitio, muitos coqueiros a outros arvoredos.
Terca-feira 27 de abril as 11 horas em
ponto.
O agente Pinto far feilao precedida a compe-
tente autorisaco da casa e sitio cima mencio-
nado as 11 horas do dia cima dito em seu es-
criptorio rua da Cruz n. 38.________________
Procisa-?e de urna ama de bons cbstumes que
saiba bem eng mimar e cozinhar : a tratar na rua
do Imperador n. 63, 2 andar.
Precisa-se do urna ama para engommar e sa-
hir a alguns mandados : na rua de Hortas nume-
rosa__________________________________
U
m: CHARUTOS
O Mente Oliveira far leilo por ordem dos Srs.
Rabe Schamettau & C, e por conta e risco de
quem perteneer de urna porco de paixas e meias
caixas de charutos da Bahia! de differentes mar-
cas e bem sortidos.
Segunda-feira 26 do corrente
as 11 horas em ponto da manha, no seu escrip-
torio rua da Cadeia u. 4, 1 andar.
Para o indicado [Mirto pretende sahir em pou-
eos dias a veleira e bem eonhecida barca Sociaf
capitao Rocha, por ter a maior parte do seu ear-
regamento prompto, e para o resto- que Ihe falta
e passageiros, para os quaes tem bons commodos
trata-se com o consignatorio Joaquim Jos Gon-
calves Beltrao, rua do Trapiche n. 17.
AVISOS DIVERMS.
O Dr. Joo Baptista Casanova,
medico homeopatha, achando-se pestabe-
lecido da grave molestia que soffreu, conti-
na no exercicio de sua proflsso, ao pateo
da matriz de Santo Antonio n. 2 sobrado,
onde pode ser procurado qualquer hora
do da ou da nndte.
Protectora das Fami-
lias.
su
A commissao encarregada de dirigir as traba-
mos da mesma, convida a todos os socios para com-
parecerem no domingo 25 do crrante, as 10 ho-
ras da manha, na rua do Trapiche n. 20, 1* an-
dar, para elegerem o seu conselho directorio, em
vista do respeitavel despacho do Exm. Sr. presi-
eente da provincia.
Andr de Abren Porto.
Manoel Jos Malheiro Braga.
Jlo Bodrigues Randeira.
- Precisa-se de urna ama livre on escrava :
na rua do Cabug n. 18. ______
O abaixo assignado declara ao Sr. Domingos
Alves de Souza, morador na ilha de Itamarac,
que a sua escrava de nome Honorata, hontem pe-
las 7 horas da noite, Ihe apparecera em sua casa
para a comprar, devendo o mesmo Sr. Souza vir
busca-la ou dispor deHa se Ihe convier, visto que
por ella nao se responsabilisa ; na rua do Caldei-
reiro n. 72.
Guilheeme Bessone de Almeida.
Caixo.

Na rua da Cadeia n. 80. Io andar, existe um
caixo com tampa de papefo e com o endereco
paraRio Formoso :-quem se julgar com direito
a elle, dando os signaes eertos, apresentando a
factura do que contm e pagando as despezas, Uie
ser entregue.__________________
fociaco e
Para o Porto
vai seguir com muita brevidade a barca portugue-
zo Saphira por estar quasi carregada : para o
resto e pasageiros, tratase com os consignata-
rios T. de Aquino Fonseca & C, rua do Vigario n.
19, 1* andar. '______________ i '________
Baha
Impreterivelmente riwites poucos dias sane o pa-
lhabote Garibaldi para a Bahia : para carga tra-
ta-se com o capitao Custodio Joj Vianna, ou no
escriptorio de Tasso Irmos.
Estado desta
1869:
Contribuintesil,.
Capital subscrio.#is.......... .8,57:771
Capital em apofices de 6 %..... V&0:100
Aeencia de Pernambuco rua do Livramento
n. 19.
N. F. de Vidal.
Jos Soares de Azevedo, professor de
lingua e litteratura nacional no gymnasio
provincial do Recife, tem aberto em sua
casa, rua BeHa n. 37, um
CURSO DELINOA FRANCEZA
DE OEOGRAPHIA E HISTORIA
DE PHILOSOPHIA
DE HHETORICA E POTICA.
Os estndairts ono prelenderem frequen-
tar qualquer destas discipliuas, podem diri-
gir-se' indicada residencia, de manhaa at
as 10 horas, e de tarde a qualquer hora.
Offerece-se
nma pessos com bastante praiiea de molhados *
escripturacio commercial, e mesmo de eobraacas,
para temar conta de alguma taberna, d fiador e
attestado de sua conducta : a tratar na rua do
Qnartel de Polica n. 16, Io andar
l'EDE-SE
A'cmara municipal que repare para as precos
que estipnlou para a fencao dos pesos d* lystema
mtrico decimal, pois o aferidor passa aos nego-
ciantes o dobro do que martam s posturas da c-
mara, e abada impoe etn que pague o dobro do
pie havi* pagar._________________________
O deseinbargador B. M. da Costa Doria vai
a Sergipe a d' rolta, que ser breva, agradecer
posealmente a todas as pessoas que o compii-
mantaram.
ATTENCAO
Previne-se a quem conviar, a para prevenir
questes futuras, que o sitio denominado doVi-
veiro, no aterro dos Afogados, exposto yenda
por annunckw neste Diario, nao tem os limitas
que se inculcara, poia qwe nesta comprehensao
pertenee a ontros preparatorio, como en lempt
a por modo competente brevemente se vai provar.
mo presento previ-
a rua da
= Manoel Josa da Koncaca j
na aos indinos das casas ns. !
Cruz do Recife que contina a receber o alaguis
das ditas casas adn a, porm to sement as
quantia? que pertencem aos lhos de Febx da Cu-
nha Teixeira e Maria do Rosario da Foncara Ma-
lheiros. Recife 22 do abril de 1869,
CABUG
esquina
i
| da rua larga do
Rosario.
DE 01R0

Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do pre Oarante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados.
jm A loja est aberta at te 9 horas da nout&
CABUG
esquina
da rua larga do
Rosario.

VI



'r,*

Diario de Pemambuco Sexta (eir 23 de Abril de 1869
(i

COPiraiA PERRAHBDCAKA
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite sem filho
tratar no Cqracao dfr Onro.n, 2 P, rua da Cabo
S
Os Senhres.---Saunders Brothers & C., Tasso
Irmos, Luiz Antonio de Siqueira.
(GERENTE
O SR. F. F. BOEGFS
Restando ainda emittir algumas accoes d'esta companhia, d;i quantia nominal de
200^000 cada urna, das quaes s se aceitam em virtade da le, 20 V^, ou 405000 por
cada acclo; convida-se pelo presente ao publico em geral e especialmente aos Srs.
capitalistas e interessados no eommercio, que queiram dar emp-ego seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de accoes que Ihes pprouver.
Algumas destas accoes j tem sido tomadas por pessoas que canhecem a vantagem,
de na presente oecasio (conhecidamente a melhor), empregaren o dinbeiro de que
poderem dispdr em objeclos de valor real, como vapores, predios etc., que lhes garan-
tan seus capitaes.
A companhia possue hoje 10 vapores, 6 nteiramente novos, destes o ultimo esta
a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressamenle para ella.
Alm disso est edificando vastos armazens, no terreno que possue no-largo d As-
Seus dividendos tem sido de 10 / ao anno, nos ltimos 4 nanos.
As accoes que se emttirem gozara dos mesmos direitos, e pirceberao o beneao
dos mesmos dividendos que os antigos em proporcao da entrada.
Recebem-se assignaturas no escriptorio da companhia no s>)U edificio ao caes da
Assembla n. 12
Club Pe
A partida do correrte mez,
na noute do dio i.
WRCfflU.
Resta venda um escolhido sortiuiento de ob-
ectos de marcineria, como sejaui, mubilias de ja-
jarand. mogn e ama relio, olira nacional e estran-
jeira, d apurado gw-to e por preoo* razoaveis :
la ra estrella do Rosario n. i. .Nesta mesma
:asa fazem-se com perfeieao'todos os trabalhos de
palhlnha, pomo sejarh, enipalfiamentos de lastros
para camas, eadeiras e sephs.
PEDIDO
Pede-se ao Sr. .Manoel da Costa Pereira,
pratteantedarepaitiro tas obrts publicas,
ora em Jaboato; que compareea a roa
Augusta sobrado n. 102, aflm de saldar o
seu debito ou pagar o que puder, e isto
cora brevidade.
MPRESTIMO SOBREN
Joaquim Jos Gon-
(jalves Beltrao
RA DO TRAPICHE N. 17, l. ANDAR.
Sacca por todos os paquetea obre o Ban-
co doMinho, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
GuimarSes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalicab.
Lamcgo.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
(SEM LIMITE.)
Na Iravcssa da roa
das Cruzes n, t pi*i-
ini'iro andar, da-se qual-
quer quantia sobre onro,
piala e pedias preciosas.
O dono desta estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condigoes.de ga-
rantir a iransacco >|ue se izer em
sna casa, prometiendo todo e zulo
e consideragao s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecimento.
Na mesma casa comp a-se ouro,
prata e brilhantes.
Sil
Gosinlieiro.
Precisa-se de um cosinheiro na ra da
Cadeia. Loja de Alfredo A C.
BARTHOLOME & C.
ITIXIDABE w
Aos 500 parea de brincos.
Chegou e vende-se no Coracao
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
mosmhas com urna franja penden-
te a um rico desenlio e ouro de
le, pelo pequeo prego de 15#000-
cada par. baratsimo.
Precisa-se
ni
alugar dous escravos, agradando pagase bem :
na fabrica a vapor de cigarros na antiga ra do
Quartel do Polica n. 2).

DO
BRASIL E PORTUGAL
Jos Vital de Negreiro, com loja e
officiua de ourives ra do Impera-
\ dor n. :iO. vende. U'Ota, concita, ps
e compra loda e qualquer obra ~i 'M
ouro ou piala, por preco rauilo I
mais barato que em oulra qualquer m
m paite, para oque tem sempre com- %
\ pelo sortimento de jolas de esme-
" rados gastos e feitio?, assiiu como
tem bons artistas, para desempe-
nhar todo e qualquer concert ou
encommenda, no prazo menor pos-
si vel, e a contento, como seu
coslume, o que todo preces commodos.
No collgio da Conceico precisa-se de
urna criada portuguesa; paga-se bem, 1%^-^-
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
Jas digestoes dificeis ecompletas, acalmar
as dores gastralgicas, c reparar as torcas
produzindo urna assimulaco completa dos
dimentos; sendo mais um excedente tnico.
PHARMACIA e drogara
ICaiiholoiucu *fc .
34RA LARGA DO ROSARIO34
O Dr. jlaibel nedino Hega Valeaca
pode ser |>rocurao para o oxercicio de
sua prolfesao de medico a ra da Gam-
boa do Carmo n.21, l0andar.
RikT'POPTJLAR
DA
TABRICA NACIONAL DA BAHA
DE.
TEIXEl&i FREDERICO & C.
Acaba de chegar a.este mercado urna porqao
dcste ptimo rap, nico que pode supprir a falta
di princeza de Lisboa por ser de agradavel perfu-
me. E' faljrieado pelo systcma do Arela Preta,
i porem tem sobre este a vanbigmn de ser viajado,
' o ipie para este artigo urna especialidade. Na*
i niaea?daBahia, do Kio de Janeiro e outras do
i imperio tem o Rap Popular sido asss accolhido,
e provav.ilmente aqui Maten o ser, logo que
seja conhecido e apreciado. Acha-se veuda
or preeo commedo, e pora quem comprar de 30
ibras para cima, far-se-ha tmr descont de 5 0/0,
e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no escriu-
irio d? Joaquim Jos Gongalves Beltrao, ra do
Precisa-S8 de una ama para todo o seri'ico de
duas pessoas : na ra Ponwisa &
s, ti\ttr\"e mm
DE
SrCUPIRA
J^aprarado conUa as dores rbeniuaiii-*-. mc-
Qes gotosas, syphilis secundaria, effeitos do mer-
curio, molestias chronicas dapelle, hydropesia etc.
nico deposito botica de J. de M. PmJo, ra
larga do Rosario n. 10, junti ao quartel de po-
lica.
SJUndoem am dos bairros mai*centraes de Papis sendo oas inunediaces dot
1 rincipaes Iheatrofi e outfos muitps vertimeios, o assim das eatces das- caminaos d*
ferro para todos os pontos da EUropa, acabado de ser inteiraaiente renevao, nlo se
teodo poupado o sea< nevo proprietario a despezas para seu completo embellesamento e
aoeio, torna-se portanto vantajosamente recommendavel aos senhres brasileiros e por-
tugueses, a onde encontrarao sempre aquella convivencia desejada em paiz estranho,
por ser coostaatemente frequentado por seus compatriotas. O Uatamento superior a
iodo o elogio, mesa redonda, ou a carta, ou servida nos apOKeu)6; babitacoes conve-
nientemente despostas para familias, e quartos para urna s pessoa, o servico feito
com a precisa regularidade: os presos mmto rasoaveis eao alcance tambem d'atjuellas
pessoas que se queiram limitar.
Gabinete de leitura com os principaes jornaesdos dous paizea, aalo de recepcaoe
de msica, et. etc. Todas estas vantagens podem ser applicodas igualmente aos senh-
res- passagetros das repblicas do Prata; porque altmda seuMlhanca da lingua, ali en-
contrarlo muitos senhres hespanhoes, por quem tambem esta casa bstanle fr
CASA DA FORTHA
Aos 4:000^
Bhetes garantidos.
A ra do Crespo n.23 e casas do costume.
O abaixo assignado feudo vondio nos seus mili-
to feliies bilhetes garantidos i (juarto n. 2810
com a sorte de 4:0o04, 1 niew n. 2057 com a sor-
te de 7004, 1 inteiro n. 62l com a sorte de
202, e outras muitas sortes de 10W, 40# e 20*
da lotera qu se aoabou d extrahir em benefl-
eiada igreja de S. Sebaso do Bonito (102"),
convida aos possuidores a virem recebar seas
respectivos premies sem is descontos das leis
na casa da F^itiioa- ra 'lo (.'.rvsjM a. 33.
Acham-seti vena os da-1* parte da lotera a
beneficio da igreja de S. Joao de Abreu de Una
(103), que se extrahir quarta-eira 28 do cor-
rente mez.
Precos.
Bilhete.....4*000
Meio.....2*000
Quarto.....liOOO
Em porcas de 1001 para cima.
Billete. 34300
Meio......U750
Qurta*.... 87
Manoel SUrtins Fim*.
Joaquim Pei^iii Duarto tdi uo
LiaMS aa ra do Commereio a.
!! AMA

c
PARA USO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES
Xarope 'de jurubeba garrafa. 1(5000
. Vinho de jurubeba garrafa. i600
Pilulas de juxubeba vklro. 1|J600
Tintura de jurubeba vidro. 64(
) Extracto hydracoebeo de jurubeba. 12)5500
PnEPABADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2 1000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. lkiOO
Piktlas de jurubeba ferruginosa vidro. 20000
Oleo de jurubeba viros. 640
Pomada de jurubeba pote 6i0|
Emplastro de jurubeba libra. 2^500
PARA USO EXTERNO
M JURUBEBA.
Esta planta hoje reconhecida como o mais poderoso torneo, como um excel-
lente desobtruente, e como tal appcada nos engorgitamentos do figado e bago, as
hepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflammaces
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nostumores giandulosos, na anazarcha, as hodrope-
zias, erysipellas ; e associada as preparaces ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias,, chloroses, faltas de meastruaco, leucorrheias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobrOTa de sangue, etc.
O que dizemos affirmam os mais distinctos mdicos desta cidade. entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a excellencia d'este
poderoso medicamento sobre os domis at hoje conhecido3 para todosos casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicaco.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fim gencralisar mais o uso d'este vegetal,' fazendo desappaiecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, e
mais das vezes repugnantes a iragarem-se, e que tinham ainda a desvantagem de n5t>
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes nprocuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de havermos conveniente-
mente estudado" a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bemconliecer aspro-
priedades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas, fructas ou bagas, e a
dose conveniente a applieacSo, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de pereicao possivel, para o que n5o poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
velcura d qualquer dos soffrimentos,(pie.deixamos innnmorados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolher as nossas va-
riadas preparaces, aquella (ue melhor Ihe pode convir, j pela fcil applicarao, e j pela
complicacodas molestias, idade, sexo, ou ainda natureza dcada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
como taes eslo hoje recoiibecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applica:;5o de nossos preparados, desti huimos gratuitamente
cm nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
lio lea e drogara
34Ra larga do Rosario34.
Tendo montado urna completa oflicina para concert e afinaco de pianos
tendo contratado para o mesno fim o experimentado contra-mestre Sr. A. Rastouil
chegado d Europa pelo ultimo paquete.tem a honra de recommendar este seu estabele-
cimento s Exmas. familias Pernambucanas, prometiendo promptido e perfeico no
Rua Formosa n. 14
Frederico Maia [Fundi(jao da Aurora.
Cirurgio dentista pela escola
de medicina
do Rio de lancero.
Precisa-se alugar urna ama, forra ou es-
clava, de muito bons costumes, para cosi-
nhar e engommar em urna casa de familia.
Pagar-se-ha bem, s for perfeita em urna o
oii-acousa'. Diiigir-se .rua Bella n. 37,
sobrado de 2 adares.____________^__
Trocam-se
is notas do banco do Brasil c das caixas filiaes,
jom descont muito razoavel: na praca da Inde-
)endencia n. 22.
ff^
Tem a honra ib participar ao respeitavel publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem aberro o
seu gabinete de coniUas/e-operactJes dentarias a
rua Direita n. 12, primeiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias das 8 huras da mai,L..a as
3 da tarde. Elle acha-se competentemente habili-
tado para com perfeico coocar dentos artitlciaes
por qualquer dos systraas, e bem assim desempe-
nhar qualquer outro trabalho concernente sua
prolissao. 0 mesmo, reconhecendo que nenisenv
pre possivel s senhoras ou eriancas saliirem a
procciaroresaedio, offerece-se a rejnoner qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tar a qualquer chamado sem que issoijiflua cousa
alfuma na commodidade dos presos de pena traba;
Ihos, e quando para fra della assim mesno ser
precedido de um ajuste rasoavel, garantindo elle a
segurancae perfeico de seus ditos trabalhos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente oxcel-
lenteps denlifricio, elixir o oulros medicamen-
tos odontal
andar.
II UBfii BO K0SA1U01.37 ] CWL1MA PET REfHRAl
Weacre^tdowt^^einiliitotugmnta wHoeI Central, ita estretta do
de di. emla qtfento tof vel farsf che- *o*o n. 4 A, andar tepe,
g a cume do bem viver. Para dar a conhecer a vaneMe ttit
Aito dos saborosos manjares :onfeccio- de charutos de Havana, Rabia, Rio1, etc. qdt
nato! com o u*W nei, din bellos app| (gi&fr mUi^o^ &Ubekm4to, *res
seaDl de hospedagm, tanto para urna # elbliAos ms- mdtm prtnps qw g
psMI, como para numerosa familia. ramente se fazem, reduzndo-nos apenas i
A agu, indisjfiasafel ementa para a tres letras que sao tres bbb bom, bonito
ida e ljfjfietei.Wm*Wa sempre trbup- bar0. A* vista*do genero awwmciado po
iancii para facilitar exceBentes banhos. fle-Sfrjelfar 6% woss* wwrtfode. Estadal*
Ha tambem urna boa bibWtheca e perio-' osa JjaibcaLdaf condwOes de um,eieganU
]\cm nacionae e e&Cranges, piano par* Vpetk terttMHtnt wde se pode vw | e*
- ucxete, buhares, etc. etc. pecialidade dos fiambres e salames de Lkw
Suido ociosa qualquer recommendacao- para lanches e at i'azer urna boa colacSo
ara tfio acreditado eatabelceimento, omit- jantamente com os principaes vinho* d(
irnos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresihindo entre o bom a pon
lina, que be mvifo, oi*wa awiiili > fainln hiiuir i. mai nlirn T^itfti
fiel do regulamento que possrje.
Itoe4rias a U carte.
Je imperan n'esta easf, como tixtttms ab, a primor eeraja; v Bcr eipaiHuo ^ ^ZT vende a a mesn i
o qua^frpwfe-umrtoesa. P%js ntU
wrvete e variedade de refrescos.
- Precisarse de nm cakeic- que tttth\ pratira
taberna, e fue atieste su* condaett, paga-sc
bem : a trat- do pateo da ameira n.-P_______
Precisaisc du na caixeiro portuatiei'. de !4
a 19 annos, com pratica d< taberna i no largo do
Gamn. 13. _________________^____
i'Tccisa-sR le um caixeiro de U)WHia do 14
;5annos: naria dCordctt.|i 7.
Precisaba de ama ama para comprar e
zinhar para tres pessoas : na roa de ^feas-Ver
des ii. 18, 3 andar.
Deaappareceu. do ;itk> viwlro do Munizruma
varea de cor raposa com urna mama branda Se
um lado junto dos vasios,
ella nao e grande : quem a neo
com os ctifres fu
mtrar leve-a ao
i. Fcrrelra vil lela.
Photographo da casa imperial
premiado em diversas exposi-
<;5es.
Na sua photographia rua do Cabug n.
18, entrada pelo pateo da matriz tira retra-
tos por todos os systemas photographicos.
Em porcelana Em vidro
Em talco Em papel
CART ES DE VISITA A 9 A DUZIA.
06 retratos carte-de-visite s5o collados
eiii cartab de luxo bristal ou porcelana,
dourados ou lithographados, quadrilongos
au vinhetas-para oque existe urna varieda-
de de 12 modelos a escolha de quem se re-
tratar. Para as outras especies de retratos
temos caixjnhas, passe-far-touts, quadros
3 molduras domadas e p retas cas soletas de
ouro e alfiueles simples e com podras pre-
ciosas, hayeado aos aifinetes uxua mknosa
wnedade de ttmm.
Q. nosso estaogleeimento photogjrapbico
ist sempre em ala cora os aelhoramentos-
9 progressos que na America do Norte, na
Europa ou no Rio de Janeiro se consegue
aa arte photb|raphica, J?ap alcancannos
al fim nunca poupamgj dapezas nem sa-
jrificioa, de sorte QuflRp08 numerosos
freguetas pedem tar^CTiBw de que sem-
eacontrarao m nosso estabelecimento
qunto a arte*e a moda offerecer de
no nova e velho mundo aas amantes
Pbotographia. i LmmM
|Acha-se contratada a. botica drn;
n. 88; quem ti ver de opd*T venda, appareca dentro de T mira "rua ttflMpA
radov a, 12 lo>ai caito de qu* jo o. Blando, .a
otnpff) seri flUMMl* e i Hitinrul nalliaifll
se attaader.
' -H^e44pWiatpr^r^k^ykrd<.
de 14 anno, e ontro creoulo de 15 annos, dima-se
rua da Florentina n 28. Na mesma casa lava-
se, engomma-se com acceio e promptido : quem
pretender 4,%f&* diI* '"*^-e mpnlia,at as
horas, e
Yeade-se mu cavallo
maiaina d trsb
i.mado |
massas.
CH DOS CALLOS.

Pharmacia de Bartholomeo i C.
' 34.-----Rua larga rio losario-^4.
Atirt
. Na rua da Cruz, no Reeife, n. 45', 2 andar, pre-
cia-:e de urna ama deleite sem filho.
propri para pagarla : na rua da 'enzal
O. 84.
Joaquim Paes Pereira da Silva, tendo com-
ptado aa Sr. Autonio Ctrra Pereia Oardoio, a
cocrolram frente'ao rlogc do arsenal de mari-
nha cora b n. 3 ao lado da rua do Agolto, .sendo
MPi llvre e desanbaraiata ele qnShner
JEf preente a vito para fmar de du vidas
Recie, 19 de abril de 1869.
Jgicos : roa Bireita n. 12, primeiro
Precla-se alngar, na na da flrat 33,
urna preta ou preto eoiinheiro, com preferencia
escravo, papase bom aluguel.
Rqjj-se aos moradores da rna Direita, roa
da Viracao e pateo de S. Pedro, isto a aquelie
que apanhou um papagaio grande, Bastante lid-
iador, e com um pedaQO de corrente do !'"rro no
p, o favor de o mandar entregar na rua Direita
o. 36, 2a andar, que exigtodo, ser ben recom-
pensado. __________^^
MARTIMOS
Neste vasto estaheleelmente aaattl so encontra
um completo sortimonto d taixas de ferro batido
e fiuidido, fabricadas rocentemente, e se fabrica ni
de qualquer molde a voniade dos compradores, e
recos razpoaveis.
8e tbr bom.
Pagar-se-ha bem um moleque que se pretende
alugar : na rua larga do Rosario n. 44, andar.
Em casa de THEODOKO CIUUST1-
ANSEN, raa da Cruz n. 18, encontram-se
efJectivamente todas as qualidades de vinho
Bordeaux, Bourgogne e do Kheno.
Bul ostias do \w\Ui
A farinha de S. Rento o nico alimento capaz
de ser supportado pelos estmagos fraros, 6 o mais
conveniente pelos seus bons resoltados s pessoas
atacadas de molestias do peito, aos convalescen-
tes, s pessoas enfraquecidas por toda a (pialidade
de exccssns e s leuhoras que teem perdido as
cores pelas perdas dcsaneue : nico deposito, nm
pharmacia de Pinto, rn larga do Rosario n. 10.
Precisa--e de urna criad* HM0 BU Wrava
3ue saiba coer, engomnar e tiztr os arranjos
omesticos de uira- familia eompota de i pessoas:
dirija-se a rua do Trapiche 44, 2o anear, sidado francez.
Precisa-a de una ama
zes n. 39, loja.
na rua das Cru-
E
contra foc; I
Par cosiaha
Precisa-se de om escrava que cosinhe bem: a
ruado :res|ion.2.'>._______________
O Sr. Dr.'Jetulio Moreira de Castro Lima,
queira apparecor rasa do 8. Gftisjoan, rua da
Floajatinan. l't, a negotiode seu jnteresse.
- Wythre Pego, commerciaues esta-
bellecidos no.povoado dos .Montes, tetm
da villa d'Agua-Preta, desta provincia vea
pelo presente scienlificar ao.respeitavel pu-
blico, e especialmente ao corpo do cora-
A Companhia Indemnisadora, estabelecida mercio desta praca que nesta data dissol-
aesta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregapientos e contra fogoi
ana aditicios, mercaduras e mlilias: a
roa do Vigario u. 4, pavimento terrea
Ama
vera amigaveimente amesmafiraia> licand-i
activo epassivo aeargo da socio Pego.
Mfontes, 19 de abril de 1860.
Preciawe de urna ama forra ou eserava pa
omprar e'eozinhar para urna casa de pouca ai
aiilia : ama das Cruzes n. 18,1 .dar preta*
re-se eserava e paga-se bem agradando.
Ainda.restam algumas poaces de
Biographias 'de algHns poetas, e outrvjs ho-
iena Ilustres da provincia de Pernafnbuco,
tres tomos es|:riptos pelo eooimendador A.
. de'Mallo ^aua Augusta n. Si. J -
Muga-se
ama pre*v eMnva, boa cozinheira, e de muito
boa conducta, a qual compra e faz os mais.se/vi-
COi e una can de familia : na rua d ttanauei-
ra n. 6.
- Pncs;^,) tvwt un* ifii.-w-eB hju
uso, ec6palmoH, paeomais ou njonos; ^e coi-
printenlo na ruada Imperatriz,n. 1
. EtacMOrae o moul ama db-kxmR eosunes,
,que saiba bem, engommar e cozinhar ; na ,rua to
rlmaar|or. 3,1 andar.___ ^_ >
Quem quizer ser feitor de um sitio, dirija-se
Na padaria da rua Direita n. 84 precisa-se
alngar um escravo para o servico da mesma.
Caixfiro
Precisa- -'o de um caixeiro bratiisire d' ii> a 18
adnos de idade para perial b. 849, de VaWivino da plvora.
AtteftfOD
Precisa-se fallar com o Sr. Paulino Rodri guti
endej da Silva na na do Crespo n. 16, pii-
eiro andar.
DiEmilia Assiimpcao Tavares da,Cunha, 41.
Mam do Sacramente Cuahi, vaqjim Jce da Lu-
nha, esposa, mai c ianaoyA vnao los] da Cu-
nta, cauvidan aos paajat aiiigas db meaiuo
tinado para, a missaque manflun Teibral r
sua alma no da 25 do corrente, pelas 7 li
na matriz do Corpo Santo primeiro anniversn
do seu fallecimentaV
Recibe, 2i de abril de reetV
Hiu am 'incali na,djlsta^cia.do ''ineateguss
desta capil e juia'.k ama du trada de ferro, precisa-sede um professor ou bt-
fessj^com habilitacoes, a ensmar grammaUra
:norai|aeza e lngua/iWMaJB**tic e geogiu-
phia, aindo-se pr*imi>Staiafcuber majtea
ao^dag^^e3^^^'^" SjSt- fr rua larga do Rosario n
Jas Domingues Maia vai ao Rio de Jam
e deixaiencarrsgado do seus negocios o Sr. J
qnim Hodrigues Doarte.
aixeiro.
Piwfca-se de um caixeiro : na rua As (
Poatas a. 33,
.{_ iuKD

*


>
.
DiarJUL.fe JPenWfttbuflQ Sexta fe"* 23 de Abril de 1809.
Atteacao
Cerlo por me Mt uliA#o divetso^
amigos importantes dt> fci.wfDr. VeHwoJ
sem duvida (/MAinnaii liiti a*) e um
dos muis impertantos e ccnierjjo des-
tc termo, quMeft.t oabalavel pro-
pesito deuaAgcw d%aurt m quf ta
m collocado aj^^rpB?Tlr{r-rWpoftoer as,
1 tinas coittloniJM^as^.fjqe el te to|ubN
car neste Diarto copias de urna denuncia
assignada pelo mesmo Firmino contra o
ilito Sr. doutor, tomo eu o pesado encar-
go de ebegar at elte para responder-lhe
simplesmente declinando os nolnes dos di-
versos cidadbs todos inde^ender.tes e res-
peitaveis, cujas declaracoes juradas e toma-
das no juizo municipal deOlnda com assis-
toncia do Dr. promotorflubco, servirSOde
base a defeza que perinte o Dr. chefe de
polica apresentou o mismo Illm. Sr. Dr.
Vejloso.f
Coronel commandante superior Joaquina
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no sea estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5. (junto a
loja de cera) acabam de reabridlo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
praca. e por presos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciossas.
\ s un do cuna \ 5.
Cayalcanti de Albuquerque.
Vigario Thom Narcizo Pereira de An-
drade.
Capitaos: -
Jooquim Elesbo Cavalcant de Albuquer-
qao.
Jos Cavalcanti de Lacerda Campello.
Aceres Manoel Cavalcante do Ucerdn
C.
Eleitores:
Joo da Chago Ferreira.
Joo Antonio Htbeiro.
Lai e Franca Gnedes.
Matwel Joaqtiim dos Santos Chtelo.
1'fOprietanost
.heqiiim Aywfckik Almeida.^'.
Jofio Francisco Bandeira d MeHo.
Lyupno Gabriel Pereira de Lyra.
Fraacteeo de Arwdai;amarv
Negociantes:
Thomaz Dinkc da. Oly$ira..
Theotouio Ana;inck) de Senaa Cavaloanli.
Inspectores:
Francisco Manuel de Stswza Um.
silvano Marcelino da-Sita.
Helarmii Pereira Brigaei.
Administrador JoJo gnacio.
Maricota lo de abril de 1869.
Unidos 19 jarates.
pela^egunrfa val que nos sentimos da in-
pfcerjBarpara lemjjrar.o renwi|avcl publico desta
canyaj oua continuamos a prenarar as pilula- <
xsWp* do vegetal velada. Se bem qu
liciencia do meios, at q presente entra dos nao su
taina estadado ehiiiiicaaieute a eoistitji iraointi-
itf* da se vegetal, para pdennos 4enion*rai
a ciencia, suas pioprjedades llierapeu:.
tudo resta-nos as provas da experiencia, Suc in-
dubitlveuiBcte ; sao as mus sedncpii'as. K mu-
guen! pof corto'ignora os importantes reatados
obilos com o uso restular das preparares annun-
ciadas ,
Sabe-se que ha pouco eram ellas .especialidade
do pharmacentico Prannos, porm ht]c em con
sequencia de seu fllectoieuto,e danecessidade de
socc rrer a poputacao, temos o substituido cera
primazia, j porque fomos os primeiros a..apresea-
ta-las, e ja por haverroos leilo um grande mellio-
ramento, empreando todas as regras pVescriptas
pelas scicncias pharniaeeuticas.
Prcco de cada garrafa .... 30O
Frecode cada caixa de pilulas U0O0
Na pharmacia do largo do Terco n. 135.
' _______ Ignacio Pesso da Silva.
MI MML
preparacao especial Dp chimico-
PlIAttMACEUTlCO
Ease xarope tem por base o sueco de mn vege-
tal indgena da faoali das Sotaneas, e A de'lima
elllcacia incontestavel, na,nevrose couliuciua pelo
uome de a^tliuia.
Ingcftdo na economa |>elas pj-imeiras vias, tem
a 4M'Ofriedao de, por una acopio pliyslco-chimiea.
excitar o estoaiagu de modo a oniduzir (por aeco
t-eexaj o vomita; iaU-odaziili|'Ue^s ua ccuU.
tao,vai pela proariedadii dynauca. i!iiren(c ih
|il*tas ((aquella familia, actuar sjbj'
sa secum
aUcncio.
ique ra oceunu a

DE
LIMA,
li-Mi M l
LESSA & C.
14
O respeitavel publko encontrar nesta ufficina habis mestres bem conbecidos
na arte, aliancando-se o raelhor desempenho conformo o gosto e ventade do freguez,
assim como a maior i>ontualidade na entrega das obras ; recebemos de Pars, por todos
os vapores, os mais modernos figurinos para nao haver nada a desejar; bm comoN
arias enoammendas de casimiras modenias o outros artigos proprios para homens;
temos graide deposito d roupas teitas de toda a quatidade, como sej4m camisas
francezas, Inglezas, chapeos de sol de seda trancada, 0 que ha de melhor, grande
sortimento de. meias, colarinhos, ninhos e grande novidade em gravatas modernas, e
finalmente compl-to sortimento de fazendas finas e roupas feitas, sendo os precos os
mais baratos pssive.
\ ^1V
Prcisa-se de urna ama par| esinbar e
engommar:[ IraUrma-ra Nof-numcro 37
seguadd andar._______________
Aquetu precisar, wndem-se bichas ambur-
guezas superiores, 'un grandes e pequeas por-
rees, enambeo *e alugatn : ha roa do Imperador
n.28. n^.
o nossoxarope aR-astlimatico.
Cemento de Portland
Vende-ll*^ no armazem de Vicente Ferreira
osta & Fillio, na ra da Madre de Dos n. 21,
harria Krande.
RIVAL 8EM SEGUNDO
Rugido .fiueimaUon. 49, kja de raiudezas de
Jos dij Azcvedo aia e Silva, tem para vender os
artigs abixo declarados, tudo bom o baratissi-
ino, que sao para acabar.
Duzia de sabonetes iuuito fmos a 700 rs.
Pares de sapatos de tapete para homem a 15280.
Ditos de tranca para en>anra a' If.
Tramoi* do-Porto, bordada', a melhor a 200 rs.
Dita doiforto liza, da melhor qualidade a 100, 120,
' 100 e 200 rs.
Resma dte papel almaco,- lizo superior a 3J2O0.
Dita de papel almace pautado a 4*.
Livro de. missoes abreviadas a 2fi.
Cartillias com tuda a aoutrina e muitasdesasa
320 rs.
S^barios portugueses com estampas a320rs..
Baralhos-francezes mnito finos a a(X) e 140 re.
Sabao inglez superior qualidade a 500 c i.
8ravata*pretas e do cores muito finas a 300 rs.
Duzia de mcias para senhora, fazenda fina a 4.
Redeorttas lisas para-segurar cabello a 320 rs.
Yaras de transa de s^da.dc Jodas as cores a 600 rs.
Pares de brincos dourados com maozinha e po-
dras a 320 rs.
Cart&os com corchetes de duas ordeus e sao de la-
to'alOrs.
Abotuaituras de vdro para coleto muito finas a
120, 240 e 400 rs.
Pares de-botocs dourados pora pnnhos a ICO rs.
Caixas de nennas de aqo muito tinas a 240, 320 v.
-, 500 rs.
Cartdes; ,con dazentas jardas de Italia do fabri-
cante ,\lcxandre a too rs.
Caixas e nennas do ac,o, a verdadera penna a
14180
Carriteisde linha Alexandro ns. 70, SO, 100 at
.. 200 a 100 rs.
Jftixns cora superiores ohreias de massa a 40 rs.
ASTIla E PTISICA
Um dcsefbrimeuto eepaatos*?
0 xarop -de fedegoso, -de Pernambuoo,
preparado pelo iphaimaceutico J. de A. Pin-
Wj cura radicalmente a pthfsica e asthma.e
todas, as molestias des pulmes.
Podem ver-se os- attestados de caras r.o
nico deposito das prepawfOe de fedegose
d'este autor, ra larga do Rosario n. 10
jonto ao quartel de polica. '
'Vendcm-se 37 'Saceos con/ fal inTTa da
com mais de um
Praian. 4.
I cric,
al ueirc euda uro : na da
_-------
De superior qualidade da mu accredita-
da fabrica de Risquit, Dubouch C, em
cognac uma das que mais agurdente de
cogqac, forneccm para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Yende-se em casa de TI, Just, rna do
commercio n.
------------------------- .-
32.
actuar sobre, q^ centro. -
innei vadores, mdifteaudo-us a ponto le se oppu- Carriteis com duas oitavas do retroz preto a 500 rs
mo aos spasiaos da taervaco reaitiratatta. ciu- Ihzias Ae agulhas para machinas a 2r5-
".secundaria do laai >queora oceupu a aossa labras de pregos francezes de todos os tamaunos
a 240 rs,
Eis'-ahi q modo ivlo q4ial tem caradi a a-thma Jivrpsescripturad< para rol de ronpa a!20 rs.
O^ixas cem papel amisado muito fino a 700 rs.
.Nao pretendenios contar prodigio, rprovar Caixas, com cem ivelopos da melho qualidade a
COMPRAS,

seus etterioa com agradeenneutbs epistolares I 600 rs.
eoiiid algiin de oogso oellegas : apeBak*onvid,i-' Tallreres para
mos o itrastrad publk. para aceitar o producto
de nossas t rabalhiH. e asar dell con valiente wen
te alim o convencer- eom exluibitancia. do qaV
cima ennuRciamos. Entic- rr'star-wts-te t gto |^
ria deolferecer um benefici a hnrnanidade.
Acha->se( nosso xarope na pharmafia o> lafgo
do Terco n. 13->, actaalmerite anioo deposito, l'-ada
garralilia que enva <}IJ09, levar o retui tubri-
cAdn rom a nossaHrma, sem o que, pode-se con-
skto-ai-l-'atsiioairio. ] .
Aiiiu-iw S'iare Raposo.
H HIIHII" I II 1UIB1II i
meninos nraito boa fazenda a
P4STIUIAS AS81XARADAS
o
DR. PATERSON
De fcisinutla. e uiagaezia.
*] Remedio por excedencia para combat
aiiagreza, facilitar a digestao, fortificar
$tomagetc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Phaimacia de Rartholomeu C.
34-------Rua larga do Rosario-------34.
XAROPE PEIRGSAL
DE
RABO DE TAT'
PLANTA DO BRAZIL
E' expectorante c recommendado as
affecowe to peito, bronchite ohreotea ho-
moptise, e tosse chrocica.
PREPARADO
POR
Joaquim de Amerda Pinto
PllAR.l C Kt:TICO
Pornambuco rua lardo ao
Rosario -n. 10.
Con rtutt'to jnaior cajdaycm
Compra o Coragaojde Ouro, n. 2 D
^a, moedas de ouro prata e podras preciosas.
H,
Cumpra-ae inuedas 09010 libro* sterlinas por maior pre?o u
-em outra parte, na. rua do Crespo n. 16
', andar.________ "'.
Ouro e prata
^ m moeda e-em obras Inaladas, comprare por
, no l^=m^ rhL!*g.gtt: *J^ da ulependenm n. 2l
ia praca daln8epenleacja n. 33Joia
ives, compraAouro, prap, e f'-iim ^l
loubem se faz, quafcper el>ra fe
'ntonr.
DOENCAS das CRI ANCAS
XAROPE de RBANO IODADO
DE GRINIALT E 3 P-UF.MACEUTICQS EM PARISJ
Este medicamento goza en Pai e no mundo Inleiro de urna fama justamente mereadt, por
achar-se intimamente combiuado nelle o iodo com o sueco das plantas anscorbeltcas, eujaeffkacia
bem conhecida e as quaes j aaturalmente existe o iodo. E' com este motivo que elle sappre
eom vantagem o Oleo de figedos de Bacalho, qne deve, secundo os homena soienficos, a sna
cfBcacia i presenca do iodo. E' preciosa no uatamento das criancas para combater o lymphatismo,
as obstruceftes das glndulas do pescoco, e as diversas erupedes do rosto, t5o freqoentes as
criancas de posea idade. Tnico e depurativo ao mesmo tempo, elle excita o appetite, facilita a
digestio, reetifce aos tecidoe a sna nraieza e vigor naturaes. E cada da receitaoo peks medios
especialista para eoobater as diversas affeccaes da pelle.
Deposito em Pemambuco, em casa de Mmum O*.
O ahaixii ;w c^ieiystidade. a corito do commoTcio (|ue couv
(ico-a tabensa ui no becco das-Barreiras n. I!
ao Se M^ijttui'l ojnw MartiiiSjtwe e desentda-
rwadsde ipuaVper dehito, bfflfc> a praca cuati jriTes, compraouro,praj, e
ItaftttfJar e se %uu) s j'.ilg eom areit-* tiianibem se faz, quak|B mesa, queija ter a liomla^te bi apresentir-ie todo e-qualqticr ot>ncefto.
no pq-^o de tre* dis h canter 4a da deste sotoe [ ^J~ *' V" t~~
pena*e nao ser attemlida n-lauiat,y akuma pa*- \J. 1fflffl(5toc%6 lOlftS
MBV fntZo Wtillt&mtVnw Na,rtta f*a<** *< WfWiWo. prata
^ .intoniv ^wiw "r"""*' fnwr. e pedr^ preciosas por precos mais vantajosui, do
CHifraria de K S. d !^^^, wr
Livramento
Fonaiile*da,R03apro~ideati' da com-
.ea*la, eumpriuJu o r^-ajK'Uavel fcjespa-
Sr.'juMcT capeta?, om nata "de m
aez, aoe uiaja^a nrooeder a eleicio
dos botos funeciouarius o domingo (2o). Sae
portanto convidados indos os rraaos da mesm
couraria de N. S. o vramenlo a compareoerem
i em nosso consistorio pelas 9 horas da manha do
indicado dia, para reunidos proeedor-se a raesma
etcaa. Consistorio, 22 de abril de 1861. _
0 presidente da commissao.
Jo>uuim FernaHdst da Rosa.
Gomppa-ee moedas do ouro e -prata c
bem edmb TBras sterlinas, na raa do Car
boga n. .9, relqjoaria.
4-- Compe sa wa^eerava ^pie eozinhar,
engommar bem e que tenha boa conducta : na
rua do Crespo n. 2a. k
Conejira-se urna legrinba que sseji l)(5oi pre-
ta, com idalli-. de 12 annos, outra de rei idade
qae saiba ezinhar e engommar : na rua do Hos-
picio n. 47.
No armazem de Henrique d- Azcvedo
.ma da Cadeia n. 34, ha para vender vi-
ribos puros, das marcas seguintes:
EM A.W.ORETAS
Collares.
Alcobfia.
Bucellas.
EM CJUXAS p3AlUlAFADO.
* Alcobaca."
I Bastos.
:'RraflC0 fino (de Torres Novas).
i Bucellas.
, Carcayellos.
Porto, branco e tinto.
Mo^Batel de Setubal._____________
f Scbonety de alcatrdo.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos oe
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicac5o as creancas,
qua'si sempre mais atacadas de tao tcrrivel
e muitas ~\rezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO.
KA
Fhaimacta e drogai'la.
d|
Barthomeu &C.
34-Rna Larga to Mt osario 34
Vende-sc fumo de Garanituns
muito em emita, chegado a pouco
Camboa do Carnio n. 10.
Vergonteas de pinito para matareos, vergas
e retrancas, toda* de,superior qualidatte TinUts
Verde Paris, branco de zinco e preta, etn latas de
lie 28 libra*, j preparadas, oleo do buhara wn
barris : no annazem de deposito da companiua
Pernambucana, no largo da Assefthli'a n. 10.
innito lu m e
na rua da
Cera de carnauba
Vende-se na rua do Quenado n. 13, primeire
andar.
I'K
Antonio Nunes de Castro.
ste acreditado preparado, que to bot
itacao tem merecido n'esta provincia
lito se recowmenda para a cura cert
impigenSf sarnas, caspas e todas a>
)lestas. de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu A C,
34rua larga do Rosario34".
" / !'r / ,"-
DOENCAS DO PEITO
XAROPE D'HYPOPMOSPHITO
CAL
GRIMAULTeC* PHARWIACF.UTICOS EM PABIS
A efflcaa d'esta prepara?io estestabelecida oesde 4857, pelos maisoelebresmedios, Desde I
en lio mutas imitaes tem.sido feitas, mas nenhumapoude sustentar a compareci com o
producto apresenlade pela nossa caza. Por isso excitamos o publico para qie exiga sempre
este xarope com orna sella cor de rosa, nunca branca, e eom a nossa assjfnalura roda do
frasco.
Sob a na influencia, a tosse acalma-se, os snores nocturnos cesslo e o doente volve rapida-
im-ute sade. O sen empreo dd tamben os mais brilhantes resaludos oes deflmos, eatar-
rhas, bsocchites, irritaoaea do peito. etc.
Deposito cm Pemambuco, em casa de aaaorer c.
: t&#:? 4 l i .' *yc*1>s -'
Irmandade do Divino
Espirito Santo
O procurador geral da Ir manda di*, abaixo as-
signado, lena a honra4e convidar aos nossos mu
dignos irtnSos ex-juizes o bemfeitores, para no
domingo prximo 25 do eorrente mez pelas 9 ho-
ras da manha se reunivem no nosso.consistorio, e
ali congregados darem execuijo as que dispoem
os artigos 97 e 98 do nosso eompronusso.
Consistorio da Irmandade do Divino Espirito
Santo 22 de abril de 1809-,
/. .4. dos Santos Coelho.
Procurador geral.
Atteii$io
Precisa-se atusar um eacravo : na padaria da
raa da Praia n. *f- ________
tymwM provincial
Predisa-se de dou> serveutos para toda a espe-
eie de servido centro e tora do estabelecimento.
Hoeda de prata
i'.ompra-se-ctn quantidade : na rua do Vigario
a. 2, escriptorio.
UiXIlJLli
Compra-se garratas de meia
1
Champagne,
ziias : a botica da rua larga 8o Rosario n. H.
va-
VENDAS.
0
GOMES DE MATOS IRM*0S
tendo feito completa mudanza em seu antigo o
acreditado estabelecimento de joias, com ofimde
dar-lhe maiores prqjcr^oes e ^t^nria, coirnam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecer em pessoalmente || ^C
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RUA 00 CABUfiA H. 4
onde encontrarao um completo ^ortimeajio 4o que ha de waia elegante,
bello e precioso em brilhaates, esmeraldas, rubina e tudo que em obras]
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ftDEREQOS DE BRILHANTES, ESMEBALD&S E RUBINS
de no vos gostos, assim cjalo gfapde vajriedade 4e salvas e paliteiros de|
prata contiasteda e- de.gosta fa. q^o gto, e oompleto sortimento objectps de prata para uso das "tgvejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem,
aquaUdaded^sobjectos vendidos.
ATTENCiO
96 Mara Palmeira, tem para nentrer no
seu .escriptorio largo do Corpo Sata n. 4
Io aadar.
Fo de algodo. )
>PodlO'
Panao de algodao. )
La barriguda.
Colla.
Galha.
Caparo6a.
Oleo deltnlia^a.
Sag em garrafes.
Vinlio Bordeaux,
/ A
OMUMIDIJfflAS
sup.rii q^adade,L
garrafas grandes, caixas de lu*ia.
Ervilhas francezas em latas. _
Vinho dorguera.!J|aJrL,eo
mais superior que vem ao mercado.
Salitre.
Enxofre.
Fio de vella.
Cimento portland supeiiur.
ik> romano dito.
em bou- c
:t>
h
Vender geoebra de IfoJlamiit a. naja,
pura, christalna e de exccJlme paUaaar
que tem appareeido no mercado,
jas e frascos.
Genebra de laranja, superior e verdade-
ra, de Feckoe.
Gepebra d lima superior, uujua vialat:
neste mercado, de delicioso patedap e >.
frigerante; ceUente para a eslacp. cal-
mosa : no deposito da roa do Lrma n. 30,
em Santo Amaro, nico lujjar .onde a eo-
oontrarSo pura perfeftanrenle bricada.
Os precos destas genebras sao incontesta-
velmente mais baratos qwj em qu
optra parte. ,
BOA PINGA
do Douro
Em casa de Pelrx Pereira da Silva, rua da Im-
pertria.n- 0, vendem-e barris de 5* e 10* eom
porp vinho do Douro, garantindo-se que nao tem
conjei?* alguma; neste genero o melhor que
tem vindo a ento mercado, e .muito proprio para
uear as horas de comida, e vende-se por preco
razoavel, na loja -i- Vende-se a sa i)a roa do pilar n. 107 eom
um.sobradinh) no tunda : a tralar da ruatko Pi-
lar l. 20.
Meias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes mews elas
cas de borracha contra varizes e erysipellas.
Vende-se na
Pharmacia e drogara de
Bartholomou & C.
34^rua larga do Rosari 0 ntlsmo'vaportrou-
xe urna exceTl'enle ma-
china para graduar e
observar o numer dos
vidrQS que se nccessil
conforme a vista d(
qualquer pessoa.
Tem excellentes sterioscopos, -instrtrmer.-
tos de mathematicj barmetros, ridrbs de
chrjstal de rocha, e de cores para resguar-
dara vista; concerta todos,s ohjcrtos a
presos commodos e com prohiptido : tira'
o mofo des vidros c encrre$r-se de toda a
encommenda relativa a ptica.
Recebeu tambem os exceflerites relogios
do antigo e afamado fabricante fbbert Gerih
garantindo a sua superior qualidade.
Vende-se a antiga refmaeao da rua do Ara-
gao. n. 19, esta refinado est en wn dos melho-
res'lugares da praca, esl muito bem alreguezada
etejnconiinoditladejS para morar, familia, dentro
ydo laesmo estabeeeimento assim como tem todos
oertnces a mesina elnaeo: quem ella pre-
idnderAi'iH-^a. uwsuia o,ue achara com quem
tratar.
urna armaeao de taberna, sendo parte envidra*,*a-
da, |eneanaento de gai, uauteiros e heuifeitwia
e-u$ttes.ua Uja do sobrado a. 1 nos yualro Gant,
los idaJoa-Vist : a tratar.com o ageqto Martins,
raJS Imporxlor a. 46, ou na da Matriz da
n. 44. 1 addar._____________^_^_
Gal de Lisboa
Vende-se cal do Lisboa rhegada lia poueos dias
a'tratar na rna Crm n. 7, Io andar, escripto-
ri'o.daJBainiH 4.TenuxiLal.
Aos donps de cocheiras e forra-
dores de carros.
Na antiga cocheira da rua .Nova n: 50,
de Yk'ira & C. tem para vender (sempre)
o seguinte sortimento :
Pelea de vaquetas "miuto grandes para
cobrir carros.
Encorado lopa,,para gua?da chuva dos
mesmos. lili i |i IJWT?anffg
Ditos de cores para forro interior dos
mesmos.
Jjla azul e panno da mesma cor.
Sojarg "estrato.
Sola para arreios.
DrtS a'fustPO. i
ctcOtes para cabritfkt.
Latas com graxa para mpar os arreios.
Escovas~paTS lavar os cavaltos.
es, njfCe\s Hra forro dos carros.
de 20 annos ti1
IOS,
per-

MT,V*W"
GENEBniS. )p MEZJEMilA
, Acabam de sabir luz e acham-se ven-
;r da, lia Ib raa franceza.
, 08 CNTICOS E HM DEVOTOS
PARA
0 MEZ DE MARA
,s volme intHamecte impresso em
is.
IWX)
Quadernado de coyro.
Encadernacao da mar-
rojqoim dourado.......2300
Vende-se superior cera
i. 60, de Flix Pereira da Silva
T,-------;.iiiiTiiu n
.lf#flip-saflma
nos, boolt* figui
im achaques, tem prim
'o, Uva bem, esperta m
se dir o motivo da venda
80.
trai.r
08 PARA LUTO.
I, deAp-
n4f yrtfc
proipade.
^TendenHs^hit'ns rolos de sirupira : na es-
o Jos Looes.
Xarope de salsaparrllha do Para
ou
DEPURATIVO DO SANGUE
l'mdQ moi molestias d> pelle, impigens in-
ris rkmmaticas e ulceras wnereas.
%a larga do Rosario n. .0.
[[ Moja de jahlr.aa.rua tViCaJug a. H] de Ab-
- |p lio Seraftfc da Silva, ree*beu um grand Wf-
m lo de jotas, e iuetataeiit*. briasoa
m m gosto para lulo da saitlwa?: B WW~-
^MiaT^SoitV da Koaa. bapit^ua Ilusa e Gbrts'
- W"rti"1* na)flc4|va.fttM. 1
,11= Vende-se
um
carro americano da quatro
aentos e quatro rodas, para um o dous cavallos:
|ta ruailaFlotaais^fti^ti-__________'"
'i'J Vende-be u
1 : t&taPli*
Fazenda dp;gado.
Vcndem-^e seis fazendas de fado na ri-
beii do Sefido, dentrnifit!* 'ftoa-Vista,
PJ do Serra, iluteng, MandoHoyft,1'Ig c
Serrote, todas mu'tto boas de criar e do um
ser bem conhecido naquella ribera : os.
prptendents'pbaem dirigu4l?f!roa flo Vi-
rio n.aia UiKto> e*QriBijnft.(Jo Barr*.
Blwaifl*._________________
. Vendt-sfr a.graiid^.ppjijejjade deno-
minada sitio Novo do Gawltoiro, om Tki-
pi, tregueria.'dos Aflogaogk::cijil casa de
sdb,r^,mui^s cagas para se alugar,, um
grande" acune, sanzalla ijarS .
ftiria, cacimba de pedra.? ^milita,. -
ms fructferas, trras para plantat;3o
anna ele,etc. 'Trata-s^a. Sttw'ri Jos
ffWras de Meneze
rreira.
na taberna
naesma.
na rua
do
Pilar n.
Vende-se duas escravas sendo urna negra
^S^S^SSxS^PS^a^SSS^ST^^Sj^
apibas_coin habilidadest
andar.
I Vndese duas
chaos proprio, em
rua do Lima p<* tutu d* *MW
IflOOttOfJSr'. W
deiros defronw do dgmfMrqtie, qne dH* <
navo,
daru
'130C
I liHttli 1
i wrcarr: -=
.-r


6
Diario de Pernambuco : Sexta fera 23 e Abr! (fe 18G0.
.4,
------_;--
T


Grande liquidado de miudezas !
, Alonso Moreira Temporal, querendo liquidar as mindezas existent6 em sua
jOja a ra do Queimado n. 55, resolveu annunciar as mesmas miudezas, para que o pu-
onco se certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a saber:
Caixa
com 16
com agulha franceza a
Caixas com 100 enveloppes a.
Pecas de babadas o eatre-meios
a 500, 600, 700, 800 e. .
Pe?as de fita de coz com 10 va-
ras a .....
Liana de marca, caixa
novellosa .
Coques milito finos com red, s
a rede val ...
Frascos com santos minio finos
a......
.Latas com banha (familia), a
160 e. .
Catufo com alfinetes a ',
Copo com opiata muito fiio
400 e.....
Cartas francezas a 200 e '.
JJUas portuguesas a 120 e .
^'xa de liaba do gaz branca 50
novellos a .
Fiasco com finta a'100 e .'
frascos com banha a 320 e. .
'ascos cora agua de Colonia
Piver a. .
cutes de travess para "caj/ell
Je meninas,, s a vista faz
fe, a. .
La para bordar," tira'
NotoUo de linda grande com
400 jardas, 6 a vista faz
fe a.....
Pares de liga de borracha ara
pernas de senhora, muito '
boas a ,
Franja branca para t'oalha vara
3
160
500
10000
500
240
imo
1J200
200
Resma de papel almajo, multo
boa fazenda, com 85 cader-
nos a........
Caixa com papel amisade a .
Jugo de vispra a.....
Sapatinhos de 15a para meninos
a.........
Pec^s de tranca e caracol a .
Sabonetes de todas as qualida-
des a 80, 160 e
Frascos com oleo babosa a
400 e......
Pinceis para barba a. .
, Gaz a........
100, Frascos com agua de Colonia a
320, 400 e......
500! Pentes- com costas de metal .
240 Carteira de marroquim a ,
160 Pentes pretos para tirar piollios
iBsx'ivas para1 eabe.llo a 400,
600 500 e .......
160 Garrafa com agua divina a. .
400, Gravatas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Botoes de louca para camisas, a
Garrafa de tinta roxa a. .
Lencos brancos para mos
a.........
Ptw de suspensorios para ho-
jaiens a-.......
Espc4ho de toucador a. .
Frasco com eheiro mnito fin
a .........
Buidej para copos a .
Meias croas narT homens, boa
fazcndfta H, 3,9600, 40 e. .
200 Abotoaduas para colletes a .
lO0O
320
6800
60
66
2^800
700
400
320
40
200
600
200
320
500
320
400
200
600
1A500
320
500
160
800
240
200
2^500
1,5000
400
4*500
320
ALTAS NOVIDAHES
LOJA DO PASSD
Ra do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador.
Riquissima^ colchas de damasco de seda,
i.r. arae Vegetal Americano, espe clalldade de Bartftofamen mm
34RA LARGADO ROSARO34
Nao costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e d*
y irnos aue sua appbcaco e os resultados obtidos pelas pessoaa que se dignaran asceit
os Ihesdeem crdito evoga; porque sao sempre os attestadc*- enerados gratuito
. dclles aue iancamo o charlatanismo; mas, nao querendo offender a* pessoas qu*
osnontaneamentenos offereceram os que abaixo vao trnsenlas, os |WH pnlUear
SeS-lhcsnossa gratidopela attenco. esperando que venhar* elles corroer* |
o conceito, e aceeitacio que tem merecido nosso xarope.
Brthohnmt '& C
ATTESTADOS
Bartholomeu A C com a mais
tholom u A C-* cun mais subida satisfaso- que deel are
>er o xarope Americano de urna effieacia extraordinaria po.s que soffrrado ha oas d.
u eSsa Se, ponto fie nao poder dormir a no.te a despego mesmo dte mediato.
oTtomavl"a cEe recorr e naterceira colher fui all.v.ado, ede todo me acho hoje res
tabcSo^iowo somente de quasimeio frasco: grato, po.s, i esse resultado man i
fsto a Yv SV. meu reconhecimento.-De W. Ss. amigo, venerador, e obr.gado.-M a
noel Antonio Yiegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868. -
Illms Srs Bartholomeu 4 CPenhoradisstmo com o favor que e fizara n
de aconselhar o uso di. xarope Vegetal Americano, de sua compelo, quando me ach a
{SS,dte de urna* constipado, eme me tornou completamente roaeoequ.
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumpr.r os meus deveres de cantor-di
emnezXica vou agradecer-Ibis meu completo restabelec.mento, que obtiw, com un
so v do dyo m^smo xarope, depois de haver recorrido a ^^^f^r^^
que oulWs como eu recorram ao seu xarope para se vejem aliviados de^oterrive
1Tcommdo, to fatal neste paiz. Com maior considerado continuo a tar. de W. Sa.
attento, venerador e obrigado.Liu'z Cremona.
Recife, 25 de setembro de 1868.
PARA CASAMENTOS, BAILES, THEA-
TROS, etc. etc.
Lindos cortes do blond, contendo setim,
mantas e grinaldas. *
Requissunos cortes de sedas assim como
para covados.
Gurgurao branco.
Moireantique branco azul e verde.
Gros-de-naptes brancos e de cores.
Setim branco raacau.
Setim, branco, azul, verde, cor de rosa
e amarello.
Fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas saias.
Chales de gurgurao de seda de cores.
Camisas bordadas para homen.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas *.
Fronhas de linho bordadas com primor.
Lencos d cambraia de linho bordados.
Na loja do Passo ra do Crespo n.
assim como de .seda e algodao.
Ditas de crochepara cama.
Chapeos de seda Iiordados, para sol,
Poil de chevre de Jindas cores.
Alpacas de lindas cure.
Chapelinas de palba da Raba, assim
oemo de seda.
Enfeites para cabefa de senhora.
Espartilbos para senhoras.
Meias de laia para padre.
Ditas de 13a '
Ditas de seda fio da Escossia e algodao*
para senhoras c meninas.
Lencos de labyrintho.
Fronhas de labyrintho.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas eambraias de cores, percales,
15as, e outros muitos artigos de goste e
de alta novidade, isto s
7 A, esquina da do Imperador.
y& "*(' .*'/,-
Approtocio
da tcadmi
ii ParU.
s^POS
As
nara^es ferrmginosas liquidas tem desde
35 mdicos, porgue ellas obrao mais mido e
5o mais fcilmente toleradas pelos oentes. Os Pos ferre*iangaicos possaem a
especial
mnito* annos merecido a
seguramente do que
approTacto
i plalas, e
inappre-
a>r de gos
ciarel vantagem de poder offerecer n'um instante ama agua ferruginosa gazeo
agradatel, mais activa do qoe as agoas mineraes, e comeado de mais ura elemento* precioso,
o Haaganese, qpe sempre se acha ae sangae, jnetamente mi o ferro? Empregio-ae em
todas as molestias que tem por cansa o empobreciir.eato do sancuo, assim como par vigorar
os temperamentos debis e lymphatiee*. A chlonte, as Pettttu Jn-ancas, dores d'estomago,
tirrefularidade da meiutrmcio e amentrrha ob sappress de>menstrn, cedem rapida-
mente a sea emprego. Devemos mencioier aqal um raelo HOUvef, isto que ee doente cara-
dos pe agua preparada com estes pee esli miito menos esuoatos recadas d qoe
aquelles que foro tratados pelas preparaede* ferruginosas ordinaria.
Deposito em Pernambuco, em easa de mm o*.
TOSSES
CATARRHOS
PASTIIHAS PEITORAES
E LOUP.O GERSJO
IRRITIfOES
DO PHTO
Por
tem adquirido ra-
aeonselaS contra
E' este o mais boto e delicioso confeiio at agora coahecido.
pidamente a popalaridade de qae goaa. Os mdicos os mais distincto
as tosset, defluxos, calarrhes, tosse* eonvulsas, cafrrhos epidmicos, irrttacSes do peito. Com
grande empenho o proenrio as mies de familia, assim para ellas como pura as ensacas, pois
primeiro que ludo inoffensivo, a ss suas prepfiedades adeoantes nio aerado nada a desejar.
Deposito em Pernmmbuco'emeist de >nm-e C
E!srt Bartholomeu 4C.-0 xarope Vegetal Americano, qae Vv.. Ss. teen
esposto venda de toda effieacia para o curativo d'astl.m^contone
obsorvei appli-
d'esse flagekV), que atf
.,n,if> r. a mm iho Joaauim, menor de quatro annos; victima
Pn 5n no? Snaco^excedente dous annos havia resistido a outros xaropes de grandt
rameada OuTraS pois Vv. Ss. acceitar a expresso altamente sineera de meu reco
nSmmto m^S'torio servido quelhe prestaram a.m o indicado xarope, acreditan
do-Srpaa sempri Hv. Ss.'crifdo, altero e obrigado.-Americo NeUo de MendoBC,
Recife, 2 de outubro de 1868.
VERDADEIRAS
PILULASdeBLANCaRD
^
='*'
CON IOWPHTO DO PERRO HMLTCRMTEL
" rjtPPROYAJhkS PELA ACADEMIA. BE MEDICINA I PAR, ETC.
p Fotgolndo u propriedadesde-Udto- et do Sarro, eonaen especialmente as AfffKOote
BCRoniLOSAS, Tsica no principio,a framuem di eaiparsmsnto taasbem nos casos da
Falta bk cor AirerioRaHKA.em ejae precisareagir sobrx o sangu seja pararestituir
ihe a sus riqueza a abundaneM normaes, a para provocar regular osea cues peridico.
If. B. O iduitd ferro iapow attarad* aiadMDanta bIM,
IrriUnle. Codo prora 4e pnreu athtneUwh du TwSaMiM B*S>
!rS, deye- oanair um aSh a praSl
dosm lia, aqai reprodosids, qao m aeha.na parto iafnior
rsalo varOV. Oora-ss dsseoonar das filleisei.
PharmimiHe, aae Amejierf.
TASSOIRMAt)S
Tem para vender em seus annazcos, alm de ou-
tros, os segaimes artigos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Vinhos em caixas de doze garrafas
Bonrgogne.
Hery.
Maaira.
Herritage. I
Chamblis.
Licor de curago de Hollanda em caixa de va-
te e quatro Lutijinhas.
GESSO,
Nonrfnazen's de TassoIrni5os.
Grades de ferro
para jardins^ porteiras ete.
Nos armazens de Tasso limaos
CARRIIHOS li: FERRO
PaBavsefvifos de grandes annazens, para remo-
ver barricas ou caixfies de um para outro, lado pete
mdico prego de 12000 cada um.
Farinlia de trigo de Trieste
Das memoras mareas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortiinento das memores marcas de
tarinhas americanas.
Saceos de fariuha de trigo do
Chile
Todas novas; ehegadas altimamente ros arn-
zens do Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydraufrco 12^
Omelhor para tudo qae sao obras para agua, ro-
mo assentameato de caaos de esgotc^ algerozes, de-
poso, tanque d'agua, ete, etc.: em porcSes do
cincoento barricas se far redcaow prego : ns
armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Portlan*t
0 verdadeiro cemento PoWland em eaBas de Tass9
Irmaos^
Grades de ferro, cercas-, por-
teiras, etc,, etc.
De dirTerentes-qnaHdades pira rercados^e nni-
maes, cbifjueirospara-galinhaaoB jardias-: aos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com ftreu
Nos annazens de Ta*so Irmao*
CANOS DE BAEBO
Na ra Nova'de Santaflita,' natigafabriea de
sabo, ha parai; vender por preco- o mais mod-ico
poseivel, canos fraocezes-para edlficagoes easgo-
tos ietoda a isalidade, soj>eiiore a todos os-que
aqu tem apB3reeido pela-sua solidfea.
PRESOS
1(400 pore.wo grande-de 3 e mota pollcgsdas.
1 (200 por (tode> 2 e tres qaarto^die dita,
i 000 por dito do 2 e um-quarto de-dita.
630 ris por pistoleta de 2 pollegac.-
Ctovellos, curras c canos de maior grossrrm,a
vistse Tara o preco. Compras maeres de 2tw
tem a por censo de descont por pnwnpto pa;ja-
merao. Pdc-so ver as amostras ase armazaa
de ISsso Irmaos-.
Tijolos francezas
Pira ladrilhapeasasterreas comaosoioe presos
moilieos, muito eonvenientw e propries para ladi-
Mho de cosinha em sobrados, pelo sou asseio e
evitar a passagent de aguas para o sadar :nferk>r
I e mesroo o perigo do fogo, aos precos- de 305000 a
45i W9 o milheiro: na ra Nova de Santa Rita, aa
ant'is-fabricadesabao,ecompras maioresde 209j
se faniS por cena de deseante por prompto pa.ia-
meila Podenvsa ver as aaiostras nos armazens
do Oasso Irmaos.
Velas de esaarmacei verdadeiras para lan-
ternae de carro*-, no armaaem de Tisso Irmaos.
Vinho do Porto Uno- superior: do armazem
de lasso Irmaos.
6 inelhor cogjnac Gaathier Frores: no araaa-
zer de Tasso aftaaos.
Esleirs da India
ESsvcasa de-lasso Inaios veoda-ee esteirao- da
Ind de divenas padree* e largonas, por p*<;o
comando.
A
IU MITO BARATAS
Superiores saias brancas bordadas a 50, 6,5, 85 e 1O0JOO cada urna.
Hitas decambria de escocia transparente j fetas a 60000 cada urna.
das Columnas na ra do Crespo n, 13 de Antonia Correa
Na loja
Vasconcellos & C.
de
OLEO M HQGG
DI
Figados frescos de bacaio
Para cura certa de putisica, affeecjoes escrofu-
Moss, tosse chroniea, fra^ueza dos- memhros o-de-
.bilidade gacal, ceuumraoada-se a excellencia Ueste
oleo anda por ser agradavel no paladar.
YENDE-SE
KA
Miarwaela e daegari
DE
BAJHOLOMEU k C.
34 = Ra larga do Jtosan'o = 34
[]
[i LERAS DOTJTOREMSCIENi
jnpi ferruginosos; por esta razi
UJLUb os mais eminentes mdicos
iperamento delicado, eujo desenvolvin
s"senhoras que padecem destas dOres d'estomago intoleraveis, causadas pela
mu
m-
aENfilASJ
onvem muito s meninas de temperamento delicado, eujo desenvolvimento i lsWt|<
(ras que padecem d'estas dores d'estomago intoleraveis, causadas pela chWrose,
menslruacao on leucorrha, as enancas d'ama eompleico palhda e delatada, e a
Debaixo da forma d'um liquido sem sabor.
anlogo a urna agua mineral, este medica-
mento raae os elementos que eonstituem
os ossos e o sangue. E' o mais racional dos
ferruginosos; por esta razio o adoptarla
os mais eminentes mdicos do
todas as pessoas que tem o sangae empobrecido pelasi doencas. Effieacia, rapidez saC*.
cura pereila, sem constipacto de ventre nem accao sobre os denles, ues sao as laies que
imperio para que os senhores mediata o preserevao aos seus doentes.
Deposito esa PemoatOuco, em casa de Mwr O*.
^-^."^'O-"^-
CAPSULAS MOLES
ALCATRA
Remedio i>or excelencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, hroachites,
catarrhas, tosses convulsivas, escarros sao-
guiaos e outras molestias do peito.
V;\IH>fcE
NA
PHARMACIA E DROGARA
DB
Bartholomeu & C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
NOVA ESPERHP
21-= Ra do <&eimk = 2]
E parajreseiites
A Nova Esperanca, ra do Queimado
i. 21- tem um variado sortimealo de objec-
tos de gosto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresahindo entre eiles ritas caixi-
nhas de bano com Anas perfumaras, cos-
tureiros de chagrn, agulbeiros de madre!
peroia : assim, pois, quemquizer fazerum>
linda offerta, dirigir-se Nova Esperanca,
ra do Queimado n. 21.
Collares anodinos cllectro-magntU
coi contra as convulge* das
crcancas.
NSo resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ah intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
pais de familias nao creem (comprando-os)
no effeito promettido, o que si. pdem dar,
os tendadeiros; a Nova Espwanca, porro
que detesta a falsificaclio principalmente no
que respeita ao bem estar da fcwmanidade,
fez umaencommenda directa destes collares
e garante aos pas de familias, que sao oa
verdadeiros de Royer, que a tardar crean-
cas tem salvado do terrivel incommodo de
convulce, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimad
n. 21 comprarem o salva vida, para sen
fiiiiilws. antes qu? estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando entSo ser- di-
fficil alcancar-se o effeito desejado, embor
sejara empreados c verdatiros collares-
de Rcqrer.
Para extinguid as sardas fr
panno
Rectften a N*va Esperance* ra de
Queimado n. 21rleite de rosas, especia)
para extinguir sardas e pannos.
B0NEA DE CERA
A No'-a-Esperanza ama de Queimado n.
21, acali de receher um eompleto sorti-
raento de Unas bonecas de cera de diver-
sos tamanlos, send j as maiares do com-
primento drum covado ; estas bonetas tra-
zem bonitos- coques e botinas, bavendo en-
tre ellas algtnnas qu fallam e outras que
clioram de serte que-facilmeo* podem ser
preparadas, e fazer-se um presente denrait
acceitacSo.
Fmas caixa de tartaruga para- rap ven-
dem-se a rur do Queimado n. 21'na loj
da Wova Esperanca.
Moderaos drincos d sandalov-s- se en-
contraro' na Nova Bsperancaa ri*i do
Quefeado n. 21.
MEIAS-DI LAA
A Nova Esperanca a za do Queimado n.
21; acaba de receber tm especial'sortimen-
tod* metas de 15a par* hornero e senhora.
CONTOA AS C0NGESTCES-
mal terrivel a congesto futamante:
de repente leva um indrvido, d'eeta para
milhar vida, sem dar-lbe tempo- de reeeber
conversa medica; demndo a mais das
veses-mulher e filhos na mais amargando
prant; a Nova Esperanza que ieseja pres-
tar servicos racorreu a Vojer, o qual ma
mandou ann%e elctricos magnticos, como
o UEieo pressrvativo para semelhantamala
elles antes que se acaoem : na Nova Espe-
ranza-
NAVAhMAS
Av Nova ESparanca a ra a Queimado
n. "M recebe um sortrmento d Bavalhas,
de cualidades, e tamanhos especiaee assim
como afiadores e raassas para as- mesmas.
AO BAZAR DA MODA
Ba Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
LOJA
DO
GALLO VIGILANTE
lt na do Crespo u. 9
O propriejarios iWe bent eonitecido eslabele-
ciiuento, alin dos muitps objectos que tinbaoi ex-
posos a apreiaeao to resiieitarei publieo, nwn-
daitim vir e a^abam de recebe? polo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sorliuseato de
linas e mui delicada* especialidades, as qaaes es-
tSo resolvidos a vender, coibo do seu oostume,
por precos muito baratinhos % commodos. para, to-
dos, con* tanto que o Gallo.-.
Muito superiores luyas de- pellica, pnrtas, hran-
eas c de mu lindas cores.
Mui boas e bonitas golfeabas e punkos.para >--
nimia, neste geaero o que ha de mais modqrno.
Suppriores pentes de tartaruga para coques.
Lindos c riqusimos enfeites para caberas das
Exmas. seuhoras.
Superiores trancas piitas e de cires com vidri-
IIms e sem elles; esta Gazcada o que pode- haver
de nu-lliu' e mais bonita. .
Superiores e bonitos leques de madreperola,
mai fim, sanilaio e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, a estes prstos.
Muito superiores meias flo de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se vendern por oOOUO
a duzia, entretanto que nos as vendemos por W,
al i des tas, tomo tambeiu grande sur time uto'de
outns qnaildades, entre as qnaes algumas muito
linas.
Doas bengalas de superior taima da india e
rsalo de marlim com lindas e enea ni adoras figu-
ras do mosmo, neste genoro o.qne de elhor se
pode desejar ; alm destas temos tamaem grande
Macarthy

Para senhoras.

COQUES, da ultima moda, encitados e usos, gran-
de sortimento.
(,ll M'Kl.lN AS de palha 4a Italia, guarnecidas com
delicados e elegantes enfeites brancos e de cores
CHAPEUSINHOS gorras dp, velludo a de peanas
(alta novidada t) de pafta da Dalia, a emtiacao,
especial soriimento.
CINTOS de cores e pretos, rico sortimenio ulti-
ma moda.
CAMISAS bordadas por commodos precos.
LENCOS bordados e oom letras, novidade ueste
genero ,_ ,
LEQUES a emitacio de marfim, gosto novo e (
sndalo. ,
GOLINHAS e probas, a emitacao de guipare.
ENFEITES pretos e de cores para cabeca, lindos
moldes,.
GUARNICAO alta novidade I a Marie Rose, uln-
mamente usada em Pars.
CORPINHOS de guipurs brancos e pretos lindos
modelos.
BORNOUS de laa e seda, cores ciars, elegante
moda em Pars.
GRINALDAS de flores finas.
ESPARTILBOS superiores.
MEIAS supe iores de fio de Escocia.
LUVAS de pelica ebegadas pelo ultimo vapor.
AERECOS de coral verdadeiro e camafeo, gosto
delicado._____
DE PALHA
GUArUrcCESpara restidos.
TRANCAS para enfeites de coquea.
BOTOES lisos e com pingentes para vestidos.
CINTOS altt noridade.
FLORES finas, grande sortimento.
GRINALDAS de ditas para coques.
LA(;OS, fivelas, penachos para enfeites.
t
II. t
Prft horneas.
mi
del i
roNic
TNICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA de E. Coudray e superior agua e
essencia de Colonia.
ESTRATOS e easencias (mas e de gradareis are-
mas para o lenco.
VINAGRES aromticos para toilet.
. POS DE ARR055 para amaciar a pelle : em pacr-
CAM1SAS com petos, colarinhos e pannos de li- jes e ricas caixinhas com armlnho.
nho fino, lisos e bordados, moda, POS superior para limpar os denles.
COLARINHOS de linho e algodao. COgMETIQUES de fina qualidade.
PUNHOS de ditos. SApOETES, grande sortimepto deste genero e
GDAjPJ'AS de. todas as (realidades. Je SflpeVior qualidade.
I a piaVws e ftafmofa* para coletos. f)LEOS de philocome, babosa e antiques. -
mantidade de outras qualidades como sejain, ma scripaorio de Tasso Irruios.
de plaqu a BBiifacao do floro, lin-
.'i
;tt4.0l
coa
do gosto.
CHAPEOS de pello de seda, fdrtra a Rotehil, qua-
lidade superior.
CHAPEOS de seda, para sol.
MEIAS de superior qualidade.
BENGALINHAS finas e chicotes.
LUNETAS aro de ac e tarturaga.
Para crlaacas.
VESTUARIOS completos para baptisados.
SAPATINHOS de merino e setim entenados.
MEIAS de seda e flo de Escocia.
CHAPEUSINHOS de palha da Italia.
TOUCAS de fil e setim enfeitadas e de chroeb.
BUNECAS vestidas, muito bonitas e diversos
brinquemos.
Perfumarlas fina.
BANHA fina para os cabellos.
AGUgfcr de flores de laranja.
CREB: da sabio para barba.
Gaixa preparadas com prfumafias I




nindezas finas.

_eira, haleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos enlcotlnbos de cadeia e
de entras qualidattes.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Reas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Nitvalhasaabo de marfim e lartarufra para farer
barba ; sio muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas peloTfabrieenje, e nos por nossa vea tam-
bein asseguramos sua qualidade e delicadesa.
Linda a bellas capellas para noiva.
Superioti^gulhas para marhina epara crnt#:
I.inha muito boa de peso, frotrxa, para encher
labyrintlin. '.o.ih
Itsns haralhos de cartas para voltarcte, assim
como os teMos para o mesroo fim.
Grande e vanado sortimento- da raelhores per-
fuinarias Q_dos rnelhores e mais conhecidus per-
fumistas. 5.
COtARES DE ROER.
Faeolrree'^nagaotcos contra as convulsSes, e
facifctam a denticlo das innocentes enancas. So-
mos! desde janito^recebedores destes prodigiosos
collares, j^cgnp'numos a recebe-los por todos os
va|re.-_nmde que nunca faltem no mercado,
couio j tm acpnleoido, assim pois pqderao aquel-
les |ue"a*Blles"pTe41sarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, a onde souipre cncontraro destes verda
SUPERIORES (tas de grosdenaples de todas as
cores e larguras de veludo preto c de cores, c
gurgurao para cintos.
BABADINHOS e eotremeios bondades, r .
GUARNICOE8 de seda de cores |ara eaeites de
vestidqe. .
TRANCAS pretas com tfdrillos e |ifte#t< F
BOTOES de cores, brancos e pretos com vidrlhos
lisos e cora pingentes,.
DEDAES de macn ^petla, de marflm..'lte .Oqq e
THESORAS finas para costura e unbas.
CJVinylfrES finds com quatro folhas. Emnitos
AGUA FLORIDA verdadera de Murray & Un- tros artigos demiudezas que se torna enla-
man New-York.' donho menciona-los.
doirbs a||aj^i e os quaes attendendo-se ao fim
uar qtre353Ppl|eado, se venderio com um mui
aimjnuto lucro.,
gajno^Ttil.s, avista dos objectos que deixamos
decbrao^sTlWnoBsofrfreguezos e amigos a virem
irar por precos muito razoaveis loja do gallo
Tigfante, rfflNo prespo n. 7.
Tudo se vende por presos btistaute commodos.
Capsulas de Raquim
(h bons effeitos, destas capsulas para fazer ees-
bar-os gonorrheas acham-se comprovadas pelas
experiencias de muitos annos,
Qs mdicos de iodos og pales as recommendam
ola sua effieacia.
VNDE-SE
NA
Pharmacia e drogara
IL_. BARTHOLOMEU & C, .
*,HWW*B8TffgP^|P^WBlWfc-a;,l
UehiDas de dosearo^ar algodSo.
Hi>je qiie esta recoiteeido que as machiuas de
serrote prejudacam e qu^bram a. fiara do algodao,
pjeciso recorrer a niictiiisiuo menos spero,
quoproduzindo o mesmo ser.Ti'co que aquellas, e
facdade no trabalhov nao quebron a fibea da laa,
|)wa que essa possa. obter-nos morcados aurppeos,
a differencaique Centre o agodao destaropado
por aqueiau mencionadas maoUsus, qoe. esto fin-
cando em ile-uzo, pelo prejuizo que tem causado.
e-o daanliga.buliiiaAwra, qu nao p pala morosM&de de seu trabalho. E" assim que
estas maehinas se-tornam a~ mais proprias pana o
nosso algodao, ntinme ao par da facilidad c
promptido consuva a fibra, da laa, qne limpa, por
ella, e qualificad na Europa a par amelfwfl bo-
lai,deir, vafeado assim entre 1* 20 por 0/0
mais do que a lia limpa pela machina de sarrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ka muito
estao adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, e por sso o algo-
dao daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de r a S por
0/0 mais do que o nosso : vendem-so a 150^000
nos armazens de Tasso Irmaos.
Oteo de ainondoaa
Em caixas de 8 latas, cada caixa 100 libras:
nos armazens de Tasso^Irmaos.
Charutos da Havana.
Excellentes charutos da Havana e por baralissi-
mo preco : em casa de Tasso Irmaos, a ra do
Amom o. 37.
Eelogios de ouro.
Reiogios de onro do patente com bataneo de
ekronooietro do famigerado actor Joan Rogers, no
Vendem Augusto
Qomntereio, n. 42.
h
F. de Oliveira. & C. ra ic
-


Pianos higlezes.
Pianos ingleaes do bem conheeido autor Charles
Cadby, ne esoriptork) de Tasso.
Ac de milao.
Nos armavw do Tasso frmaos.
BARRIS DE SALITRE
Nos armazens de Tasso Irmaos.
PJUJLAS, VliXHO
X A. JiOPK
DE
JLRUBEBA
?* PREPARADOS
. PELO
PHARMACEUTICO
loaquim d Vh'jc Ida Pinto.
As prepararles. deJurubeba, sao hoje
vantajosamente conhecidas e preconisadas
pelos-.mais habis mdicos, tanto da Euro-
pa tomo do paiz, pela sua effieacia nos
casos, de anemia, chloroze, hydropesia,
obstrueco do abdomen, e tambem nos de
raenstraacaodifficil, catharro na bexiga, etc.
Vendem-se em porco e a retalho na ci-
dade do Recife, pharm'acia do seu composi
tor, ra larga do Rosario n. 10, junto ao
qnartel de polica. u
Saias modernas
Elegantes, e moderataimas saias d laa acaba
de recebar loja defAsM. Rolim C,
ra do
em-te douacytnros em b'omMafeo, pro-
1 $*los para_padaria, por mdico preco quem os
Para familias
Ciraade nazar, rua.9toTa ns.tO a
**. de rarneiro % lnn:t O. C.
Afiaba de ch*par a ete estabeJecimentc
grande porcio de machinas para costaras dr>
autor Wheeie* Wilsoa approvadas-na ultir
roa exposicae de Pars,, as quaes ceem con
dous pospontos toda a costura, e tera
vantagem de ser t suave o isovimentoy
que qualquer criaugai de oito annos fcil-
mente traialha, e pode, com este entoete-
nimento, levar vantagem ao servido diario
de trinta, costweiras. A cottpr>ehns3o
simples pois eat um quarto de hora se fi-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do a raesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar,
franair, marcar e bordar, como apresentam
os esenhos que acompanham-nas. Os pro-
prietarios do estabeleciaento se encarre-
gam de mandar ensiaar n'esta cidade, o
garanten, entregar o importe dispendido at>
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeij^o a machina vendida, n3o tendo,
porm, sufrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabelecimento machinas
do autor Grovrer d Raker, de trabalbo sim-
plesmente mao, e outras com movimento
dos ps; e mxime todos os pertences das
mesmas machinas, para vender avuteo. '
Tintura japoneza
Instantnea parttingir os cabefloe e a
barbaba 1(5000 o frasco.
E' a nica approvada e recomiaefdada
por ter sido reconhecia superior a todas
as tinturas "este genero.
venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. ra da Cadeia n. 51.
GAZ GAZ GAZ 7
Chegou ao antigo deposito de Heary Forster &
C, ra do Imperador, um carregamedfc de'tai
de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
e a retalho por menos preco do que em ontra oaal-
quer parte.
FUNDICAO DO BOWMAN
lina do Bru n. 5.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de cana.
Taixos de ferro, batidor fundido.
Rodas dentadas, paia moer com agoa.
vapor e animaos.- *
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assocar.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro-
prios para agricultura._______ _
Luyas dnqueza
A nova Esperanca roa do Queimado n. H ca
ha de receber por este ultimo vaporluv
duquea, brancas^ preto
hoens e ttBswaP^^




Diario de Peniambuco Sexta feira 23 de Abril de 18G9.
V

GRANDE. LIQUIDACAO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
saaaa oa diaipaiafiviaiaa a *
DE
Flix Tereira da Silva, successor de Gama
& Silva
' 0 propietario d'este estabetecimento convida ao respeitavel publico dsta ca-
pital a vir surtir-so no grande estabelecimento que tem de toteadas, tanto dampda como
fie lei, e as pessoas que negociam em pequea escalla, tanto da praca como do matto-
nesta casa poderao fazer os seus sortimentos em pequeas e grandes porpes, venen-
do*se*lhes pelos precos que se compram as casas inglezas ; assim como as exceilens,
simas familias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossstaixeiros, para o que acba-so este estabelecimen-
to aberto constantemente desde s 6 horas da manhaa s 9 da noute.
O atoalhado do Pavo. AS CAMBRAIAS DO PAVA
Vendo-sa superior atoalliado de algodao Vendenvse finissimas pecas de cambraias
com 8 palmes de largura, adamascado lizas transparentes tanto iuglezas como suis-
FEITAS
Na tajado Leo da porta larga
DE
PAREDES PORTO.
Ra daImperatriz n. 52, junto aloja deourives.
N'este estabelecimento se encontrar roa da Imperatriz n. 52, loja do Paredes
sempre um cempleto sortimento de roupas Porto.
fcitas de todas as qualidades. Como se-1 Nesteestabelecimentoencontrarorespei-
jam: paletots de alpaca, de merino, de tavel publico um completo sortimento de
casemira, bombains do panno preto, fra- fazendas e roupas que, se vende pelos pre-
ques e sobrecasacos de brins de cores e eos seguintes:
pardos. FAZENDAS BRANCAS,
20200 a vara; dito de linko fazenda maito
superior a 3^200 a vara ; guardanapos de
linho adamascados a 4#300 a duzia e mito
finos a 80000, e ditos econmicos a 35500
aljduzia.
Pastees para vestidos hf ancos
a 44.
Vendem-se os mais modernos fastes bran-
co* flexiveis com padioes de listas e de
lpicos proprios para vestidos e roupas -e,
menino a 640 rs. o covado, na loja e arma-
sem do Pavo na da Imperatrizn. 60, -do
PeHx Pereira da Silva.
BABADINH0S
Vendem-a finissimos babadinhos, tiras
bordadas e ntremelos, mais baratos do que
m outra tnos ds mais modernos, no armasem de
Flix Perora da Silva, ra da Imperatriz
n. 60.
ALTA NOVIDADE
A LOJA DO PAVA
Gurgurao de seda
Ghcgaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos $urgures de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos elavradinbos, com muito
lustro, garantiddo-se que a fazenda mais
linda e de maisphantasia que este anno te
ihagado a este mercado, e -vende-se por
preco muito ratoavel, na ra da Imperatriz
n. 60, de Felii Pereira da Silva.
CAMBRAIA BRANCA A 3J300.
Vende-se pecas de cambraia branca
-yansparente, com 8 e meia varas pelo tea-
Tato precede 3^500, ditas"muto finas tanto
tapadas como transparentes i 46500, 55000,
6jJ500, 7-5000 e 8.-5000, rasim como organ-
d muito fino tanto tizo, como de listas e
quadros na loja e armazem do Pavao ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
ALPACAS LAVRADAS PARA LCTO.
Vende-se na loja do Pcv5o, as mais mo-
dernas alpacas lavradas para iucto, sendo
muitolargas e pelo barato preco de 800 rs. o
covado, so na loja e armasem do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
Cassas Iuglezas ailOisomcro
Vende-se urna grande porco de bonitas
cassas inglezas tanto graudascomo miudi-
nbas e de cores fixas pelo barato preco de
440 rs. ometro,garentiado-seque7 metros,
d5o um vestido para qualquer- Sra. s na
loja do Pav5o ra da. Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva.
COLCHAS PARA CAMA. A 55000.
Vendem-se colehas cte fustao adamasca-
das para cama, pelo barato preco de 55,
grande pechincha, na loja e armaeem do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
COBERTORES INGLEZES A 45, 4550 55-
Vendem-se os verdadeiros cobertores
inglezes, de pura la, pelo barato prego
de4<5, 45500 e 55, assim como colchas de
fustao de-cores, pelo barato preco de 35, na
ioja e armazem do Pav3o. ra dadmpera-
triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Madapolo enfestado a 8#500
Vende-se superior madapolSo enfestado,
sendo muito eneorpado, para carnizas, e
Sendo cada peca 24 jardas, pelo baratsi-
mo preco de 85500, na leja e armazem do
Pav5o, ra da Imperatriz*. 60. De Flix
Pereira da Silva.
CHAPELINAS
sas tendo mais de vara de largura, pelos
preces de 55000 at 105000 a peca, assim
como nissimos organdys branco liso que
servo para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a I5O0O, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Fex Pe-
reira da Silva.
Alpacas lavradas
Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que se vendem a 15000, o oovado,
ditas lisas tendo tambem cor de canna a
800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:200,
o covado, e outras imitas fazeodasde gusto
e moda que se vendem mais barato do
que em utra qualquer parte, no armazem
do Pavo, ra da ioiperatriz b. 60. de Flix
Pereira da Silva.
Itonpas para ImmM
Vendem-se superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas inglesas e francesas com es peitos
de esguio, oeroulas francezas de Hubo e al-
godao, meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e de meia de lia, assim
como neste estabelecimento existe om grande
|-sortimertto de pannos pretos, e de casemiras
inglezas de cores, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-ltes que serlo servidos
com a miior promptidSo e murto mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da SHva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dosme-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a I25OO0 rs. cada par at 255000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
Cretone para lenqoes com 10
palmos de largura a 2$,
Acaba de chegar esta nova e exclente
fazenda branca s panno, garanndo-se que um metro e
urna quarta ou um metro e meio di um
exeellente lencol de um s panno, assim
como esta boa fazenda tambem -muito
propria para toa I has de meza, rosto etc. e
outros mysteres e vende-se pelo barattssi-
mo preco de 25 cada metro.
MOCAMBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Cliegou para a loja do Pavao um elegante
[sortimento dos mais bonitos mocambiques
proprios para vestidos com as cores mais
modernas e que se vendem pelo barato
preco de 500 rs. o covado.
ALPACO DE CQI1D0 PARA VESTIDO A1J
Cliegou esta nova fazenda com "o nome
de alpacao, sendo de cordao e com mais
largura do que a alpaca, com as mais linias
cores, como sejam Bismark, lyrio, peroas,
roxo, cor de canna, magenta etc. e vende-
se pelo baratissimo preco de 15 o covado.
ESGUIAO DE LINHO DE 12 JARDAS A 100.
Vende-se pecas de esguiao de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada peca, a
105000.
ALTA NOVIDADE
A
Loja do Pav&o.
GURGUROES PARA VESTIDOS A 15000,
0 COVADO.
Chegaram os mais modernos gurgures
para vestidos, sendo detodas as cccs,como
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
rxo & & tendo quasiquatro palmos o"e lar-
gura e vende-se pelo baratissimo preco
de 15000, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na ra da
Imperatriz n. 60.
CSrosd nap!es preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
Ihores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como e6treitos, 6endo de 25000 rs. o
covado at 45000 rs. garantindo-se que
n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
qualquer parte, na.rua da Imperatriz n. 60,
de Flix Pereira da Silva.
A 25, OS BALOES DO PAVO.
VeBdem-se superiores baloes america-
nos de trintaa quarenta arcos, tendo as fi-
tas bastante largas, sendo muito fcil trans-
fsrma-los para outro quakpier novo modelo,
e liquidam-se pelo barato preco de 25 cada
um, sendo fazenda que sempre se vendeu
a 75 e 85, i&to na loja e armazem do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
As JOOO varas a 500 rs.
Vendem-se as verdadeiras cambraias
com lindos padroes e cores Oxas,
um bonito sortimento 4e todos os nmeros
MEIAS CRUAS.
Sortimento de todas asqualidades.de
35 a 55, assim como tambem sortimento
de lencos de linho brancos e com barras
de cor, chinezes, bonitas grvalas pretas e
de cores. Ra da Imperatriz n. 52, por-
ta larga.
PAR acabar.
Urna grande porc8o de calcas ordinarias
para trabalho a 640 e 800 rs. cada um par,
pechincha na toja do Lcao junto a loja de
orives.
GRANDE PECHINCHA,
Cassas he cores a 160 rs. o covado, na
160 RES O COVADO
Chita preta pelo barato preco de 1601 o
covado na ra da Imperatriz n. 52 na toja
que tem um Leo pintado.
PANNO DE LINHO
Paredes Porto recebeu ua sortimento da
pannes de linho, com 2? varas a peca e
175000 0-185600, na ra da Imperatrizn.
52,junto a loja de ourives de porta larga.de
Paredes Porto.
CAMISAS E Encontrar sempre o respeitavel publico eos commodos, cambraia de 300 411500
1 e 55, ditas victorias de 55500 a 125, pecas
de cassa liza o mais fino que ha no merca-
do a 95, 105, 1. com 12 varas, e vara
de largura
SEDAS DE LIS TRAS.
Recebeu-se om bonito sortimento d'esta
fazenda que se vende a 25500 o covado.
CHITAS.
Vende-s" chitas escuras a 280, 300, e
320 rs. o covado.
GUARDANAPOS
Vende-se esta fazenda de linho, faxenda
boa a 45000 e 55000 a duzia.
MEIAS PARA HOMEM
Sortimento de meias inglezas para ho-
rnera a 45800 55800 e 6800 fazenda boa.
TIKULHAS
Sortimeato de twaluas de pewcia a 115
a duzia.
LENCOS BRANCOS a 25200
Para acabar lencos de aigodo a 24200
a duzia,
25000
Vara de bramante de linho superior e
LENCOS DE LINHO
Vende-se lencos brancos de lirmo a 35, tem 10 palmos de largo,
a duzia para acabar na lja de Paredes Por-! CALCAS E lAMAit.
to. Rui da Imperatriz n' 52 loja da porta1 Tem sempre no mesmo sentaiofcm sor-
larga que tem um LeSo pintado, de Paredes tmenlo completo a *reco commodo.
F No armazem do Leo, ra da Imperatriz n. e 52, jutfto a loja de ourives.
DA
ULTIMA MODA
Chegaram para a loja do PaviSo as mais
ricas e mais modernas chapelinas rica-
mente enfeitadas, com enfeites e fitas de
setim -e de toda6as crese com ricos bicos
de blond e as mais lindas e finas llores,
vendendo-se cada urna pelo barato preco de
155000, garantindo-se serem muito mais
bonitas do que outras que se vendem em
outras partes a 20$ e 255, e entre ellas
na mais do que um raodello, tambem tem
limitas de pratinho, proprias para mocas e
meninas, isto na ra da Imperatriz ti. 60
loja do Pavao. de Flix Pereira Silva.
Esplendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVO A RA DA
IMPERATRIZ N. 60
Acha-se este grande estabelecimento com-
pletamente sortido das melhores roupas,
sendo calcas palitts e coletos de casemira,
de panno, de bnm, de alpaca, e de todas
as mais fazendas que os compradores pos-
sam desejar, assim como na mesnia loja
lem um bello sortimento de pannos casemi- .
^^A9** Se mandar f3Zer sendo tapadas e U-anaparentes. pelo barato
^T^t^^r^zz ?rXnadavs sssr-is
ingados xeita-las, quando nao ste J*>'^^t fJSt^St
11--EIU DO QUSDSAD0--11
DE
AUGUSTO PORTO & C.
Receberam superiores vestidos de blond com mafita e capella -para noivas, que
vendem-se por precos^nais mdicos do que em qualquer outra parte.
S\I11D\S DE BAILEde cachemira branca ede cores o que ha de mais wiuo.
BASQUINES-de renda preta, e de gorgurio preto, o que ha de mais
flMMlte *
CHAPEOS DE -SOLpara senhoras delicadamente bordados.
B.lLdESbrancos e de cores para seolioras e meninas, espartanos, saias Dor-
dahs, e salas de 13a com barras de cOr. mAir^nn
GORGURO-Hto seda branco e preto para vesdos, sedas de cores, mrean-
tique branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, bombazinas pretas
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados. ^.,_*
CVMIZASde nho para Jwmem^ diversas uadades, camisas ooroauas
para noivos, sobretodos, capas de borracha branca? e preUs, bnm de cores e branco,
panos finos e casemiras pretas e de c6r por commodos precos.
TAPETESgrandes e pequeos pai-a sof e cama, tapete e alcatifas em pecas
para sallas, e continuam sempre a vender por mdicos .presos as esteuus da inbia. paba
SAtLAS.
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
completamente ao seu contento, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar o
respeitavel publico um bello sortimento de
camisas francezas e inglezas, ceroulas de
bnbo e algodao e outros muitos artigos
proprios para bomens e senhoras promet-
teodo-se-lhe muito mais barato do que em
outra qualquer parte. Na roa da Impera-
triz n. 60, loja e armazem de Flix Perei-
ra da Silva.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVAO.
se por este barato preco, por se ter feto
orna avultada compra, na loja fi armazem
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60. De
Flix Pereira da Silva.
Grande expsito
DE
CASEMIRAS DE CORES NA LOJA DO
PAVAO
Chegaram as mais bonitas e mais moder-
nas casemiras de cores proprias para calcas
coletes e palitts, tendo at das mais finas
I
Vende-se orna grande quantidade de re- que tem viudo ac mercado com fios de seda
tamos de chitas e cassas pretas por preco e vende-se mais barato do que em outra
muito barato, e quanto maior for a porcao qualquer paite, por baver grande, sor time n-
queo fregu comprar, mais barato selhe tode varios precos, na lopfe armazem do
Tiender na ruada mpejatri n, 60 de Fe- PavSo, ra da Ixiperatrra n. 6k, de Flix
Hi Pereira da Silva. Pereira da Silva.
Agua-florida de Guis-
lain
Tintura indelevel para tingir os cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem conceituada agua-florida de Guis-
lain que ento era desxtnbecida-em Per-
nambuco, j boje estimada e pfocurada
por seu efficaz resultado, e ainda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislain composta ni-
camente de vegetaes inoffensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem bran-
cos, e Ihes restituir o brilbo perdido, e as-
sim como preservar de embranquecer, sem
ser prejudicial de modo algum
E' porm necessario fazer conhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
joas talvez supponham, mais sim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo se obter o fim desojado, como bem
provam testemunhos de pessoas insuspei-
tas, e d'entao por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
ra do Queimadon. 8,
A Aguia Branca, contando com. a protec-
co de sua boa freguezia, tambem capricha
em n3o lh'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel cora que
a honram, e em pi ova ao que iica dito, d
como exemplo o explenaida sortimento
aue acaba de receber, ainda mesmo achan-
do-se bellamente provida do que de bom
9 melhor se pode desejar nos gneros que
o de sua competencia.
Haja vista aos necessai os livros de missa
a oraco, obras de apurado gosto e perfei-
c3o, sendo: com capas de njadreporola e
tocantes quadros ean alto relevo.
Ditos com ditas de marfim igualmente
bonitos.
Ditos com ditas de velludo, outros imi-
tando charo machetado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guarnico, dourada ou prateada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
todos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc. etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas deten-ente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abortas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas dalgodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torcal, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de 15a para homens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios finos tapados e transparen-
tes com delicados bordados o proprios
para enfiar fita.
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e coliares Royer para creancas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas devidro enfeitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novo* e delicados ramos de flores com
marraorpara enfeitar coques.
Bello sortimento de trancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonitas.
0 cordeiro previdente
Ra do Qtzciuiado n. 141.
Noto e variado sortimento de perfumarlas
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
marias, de que efectivamente est prvida a
loja do Cordeiro Prndente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notaxel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
cos; assim, pois, o Cordeiro Providente pede
e espera continuar a merecer a apreciacSo
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansido
e barateza. Em dita loja encontrado os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray i Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
cesa, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor d larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgia) para conservac5o do
asseio da bocea.
Gosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agrada veis.
Copos e latas, "maiores e menores com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
e outras qualidades.
Fos extractos inglezes, americanos e
fraacezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do linoe agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo philocouae verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, era Irascos de dif-
ferentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mies.
Dites transpa-entes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
Tructas.
Ditas demadeira nvemisada contendo fi-
nas perfumirias, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaris linas.
Boajtes vasos de metal coloridos, e de
moldes ovos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composico de
cheiro, eporissoomaisproprio para crian-
cas.
Opiata ingleza e francezapara dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tamnem para defltes.
Tnico oriental deKemp.
Ainda mais roques.
'Um outro sortimentos de coques de ne-
vos e bonitos moldes com liletsde vidrilhos.
e alguns d'elles ornados de llores e fitas,\
estao todos expostos apreciacSo de quem
os pretenda comprar.
GOLLrNHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicSo.
Flvellas e Otas para ciatos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
O que de melhor se pode encontrarnes se
genero, sobresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para viagem.
Bolsas de tapete e cartiras de couro, por
precos commodos.
Cbapelina de palha da Italia mui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
rao presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdene a ra do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PABA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.,
O Cordeiro Previdente ra do Queima-
do 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidade de precos.
ALEM D'AQUEyjSS.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de gallSes de la, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va.
riedade de gostos os tornam recommenda-
dos e apreciados; compareci pois os pre-
tendentes que ser3o servidos a contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homen-
como para senhoras, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
roa do Queimado n. 16.
Ra do Queimado n, 49 loja de
miudezas de Jos de Az'vedo
Mata e Silva conhecido por Jone
Rigodinho.
Est queimando os objectos abaixo declarados
pelo diminuto pre^n, a saber :
Frascos com agua de Colonia vordaoevft aj.
Garrafas com afiua Florida verdadtira, que.se ga-
rante a 1^200.
Pcntes para regarar cabello de nemnas a 320 n.
Thesouras muito' Unas para untias e costuras
800 re.
Tinteiros cheiofl de-tinta muito preta a 80, i,0O, 160
e 400 rs.
Vara? de franja branca de linbo para toalnaa a
160 rs.
Caixas de phosphoros de segnranca a SO, 40 #
160 rs.
Navalbas de cabo de marflin e que se garant* a
qualidade a $.
Libra de lia para bordar a 7/.
Pecas de fila branca elstica muito superior a 200-
e 300 rs.
Xovellos delinha branca com 400 jardas a w) re-
Resmas de papel de peso liso muito fino a 2sMX>
Latas com superior banha a 100 e 400 rs.
sCaixas om seis frascos de cheiro niuo lino
o 800r
Caixas com doze frascos, fazenda s boa a 1S00
Frascos com superior oleo Alocme a 800 re.
Calunpas dfl sabao transparente muito bongo e fi-
no a 2-40 rs. ,k .
Duzia de paos de pomada do Reino, ua meinor
qualidade a 240 rs. '
Pecas de tiras bordadas muito Tinas a fcOO WO
0 rs.
Ditas de babadinhos com dez vaias a G00 r=.
Caniteis de linha de todas as eres, para acaba
a 20 re.
Garrafas com agna divina a il300. '
Fra*eos' com superior macaca per-ul *. ** rs.
Caixas de vidro com divze didaes, que ao a cana
vale dinheirn a 200 rs.
Ditas de madeira com alfinetes, o que na oe me-
lhor a 320 rs. ,.
Grosas de betoes de loua, lisos e horda"*
160 rs.
Caixas r.'dondas para rap cmittandp tartanig-..
15500. .
Pecas de fila para eos da melhor quaUdadc a
500 rs. i- .'
Escovas para limpar denus, fazenda que so a vis-
ta a 240 rs. m
Dilus para limpar unhas de superior quaBdade a
500 re. *___.
Armaco
Vende-se urna arma{3ft envernisada e envidra-
cada que serve para qualquer estaheleeimento,
como (te sapalos, miudezas, ou outro qualquer ne-
gocio, por preco commodo; na ra u\> Yigano
n. 26.
ESCRAVOS FUaiDOS.
Barato que admira.
Manteiga ingleza flora 1 400 a libra, dita fr.in-
ceza a M, cha miado a 34100, dito graudo a 3/,
caf a 220 re., sabao a 180, alpista a 240, arroz a
100 re., passas' a 440, dem qaartos eom 6 libras
por 2200, vinho a 4UO rs. a garrafa, azeite doce
de Lisboa a 900 rs., caixinhas com ameizas, pas-
sas, figose peas, proprias para mimos a i4600.
latjs com doce a 500 r?. : s na esquina da ru
da Penha n. 8.
100S de gratifica^
Fugio uo da II de Janeiro do correne anno,
do engenbo Batatnra, fregoezia da' Estrada, o es-
cravo preto, crioulo, de 'iannos de ida*, cha-
mado Harcfilh, que foi dajSr. Jao da Cunta
Pereira, cujo escravo estvBho deposito gerai, a
lem os signaos seguintes: alto, secco do corno5
rosto muito marcado de bexigas, falta de denles
na frente. letot e calca do castor, levando un bahuzinho ua
flndres com mais roupa, e snspe-se Mtar na
freguezia do Cabo : quem o auprehender leve-e
ao dito engenho, ou ra da Senzafa-nova n. 38,
escTiptorio do Sr. Bernardino Pntual. que n -
ber a gratificacao cima._______^^
Fugio da casa de seu selor,
na povoaco do Monteiro, a paida Anna
de IG annos de idade, pouco mais ou
menos, estatura regular, ullios castan: ,
testa eslreita, cabello* corridos, que usa
enrolar pela parte dodetraz e levantar
na frente; tem alguns signaes de be-
xiga no rosto : vesta na occasio da fu-
ga um vestido* de cbita novo com listrs
rouxas e brancas, e levou sapatos d mai-
roquim. Foi vista eraApipucos e de
no Poco c Caldereiro, descona-sc que es-
teja aooulada, c desde j se protesta pro-
ceder com todo o rigor da lei contra quem
a houver homisiado.
Pede-se s autoridades policiaes c a
qualquer peesoa que a aprehender ou po-.
der informar alguma cousa a sefl respeito.
de participar no largo do Corpo Santo ..
19.
Fugio do engenho Jacobina, comarca do ('.:.-
no, ao amanhecer do dia 13 do correntc me?, e
anno, do abaixo assignado, um escrav preto ue
nome Antonio, conhecido por Candes, idade de 26
a 30 anms, ponco mais ou menos, alto, ps gra-
sos, tem urna das juntas do mesmo um pouto
grosus, andar banzeiro, levando chapeo de fero
ja usado, camisa de algodao azul e seroula de ai-
godo americano, cujo escravo veto de Buique pa-
ra Pao d'Alho, para onde se desconfia ter seguido:
roga-fe a qualquer autoridade policial ou capita
de campo a captura do dito escravo, levando ao
engenho cima, ou a ra do Caldeireiro n. 42, ao
Sr. Francisco Quintino Rodrigues Esteves, que
ser generosamente gratificado.
Antonio Carneiro Lins e Mello.
Fugio do bordo- d palhabote nacional Amy
io, um mulato claro de nome Justino, estatura re-
pular, caltelos carapinhados e meios remis, pom a
barba, tem urna piula preta no canto do olho diiei-
to e um talho as costas ao mesmo lado,; levoa
vestido camisa de chita com listas verdes, e usa
de urna cinta com borla encamada para apertar
as c.tlsas, natural de Santa Anna do Matto na
provincia do Rio Grande do Norte, para onde taives
qneira ir, tambem muito desembarazado no fal-
lar. Recommenda-se aos mestres de barcaca a
a qualquer pessoa que o agarrar, e levar a ra
do Trapiche n. 4 ou a bordo do referido navio que
ser generosamente gratificado.
XAROPE PEITORAL BMS1LEIR0
DE
PONT A DIIHIMIItA
COMPOSTO E PREPARADO
Pelo pharuaceutico
Jos da Cruz Santos.
Esta planta cujas virtudes medicinaes
existiam desconheeidas para a maior parte
dos nossos facultativos, devendo-se a sua
descoberta ao uso que d'elle faziam os
nossos indgenas que menoscabavam coro
a sua applicacSo de todos os soffnmentos
pulmonares, hoje conhecido como o me-
dicamento mais efficaz para a cura de as-
tbma,
e at a phtysica, produzindo um effeito mi-
lagroso e prompto.
Para um adulto 3 4 colheres de sdpe
ao dia puro ou em cosiraento peitoral.
Crianzas, 3 4 colheres de cha.
Preco 25000 o frasco.
Pernambuco, ra Nova botica n. 51,
Pennas de ema.~
Vende-se roa do Queimado n. 13, primeiro
andar.
Acha-se fgido desde domingo de entrado o
moleque de nome Tito, com 21 annos de idade,
estatura regular, olhos afumacados, com todos os
denles, esperto e bem fallante, tem no estomago
urna cicatriz de urna queimadura pequea, tem
um dedo da mo direita aleijado em consequencia
de um pauaricio ; e o' p esquerdo mais grosse
do que o direito : quem oapprebender leve aos
Afogados, casa do Dr. Jos Roberto de Mora- e
Silva, que indicar a casa, de seu senhor. que e-
coqyensar generosamente.
Fugio do engenho Guararapes um mulato de
nome Alfonso, alto, cilios amortecidos, cor bastan-
te retinta, ps grandes e chatos, vestido de calca
de brim branco e camisa branca, o qual j ttin
sido visto aqui no Recife : pede se aos rapitaos de
campo que o peguem e leveni travessa do Que-
mado n. 3, ou ao referido engenho, que se recem-
pensar generosamente. ^^^_____
i
1VIS0.
Fugio da Estrada Nova do Cixang, da cas
Sr. Sebaslio de Arruda Puntes, domingo 18 do
corrente, as 3 horas da tarde, o cabra Francisr >.
pertencente ao abaixo assignado, n m os signam
seguintes : cor alvacenta, com idade pouco mas
ou menos de treze para qoatorze annos, caneca
bronchite, coqueluche, penemonta. grande, cabellos de negro e cortado rente, olh;s
:.-v : un, pouco espantados e tmidos, testa pequea, 'wa-
ca do rosto altas, bocea gwnde, falla mansa e
muito demorado no responder, muito mettido a-
thusiasmado, quando olha para alguem por al-
Sam tempo torce a bocea do lado direito, pe>
no, altura regular para a idade, cujo osrw
comprado em marco de 1867 ao Sr. capitn Si;,
no Guilherme de Barros, boje bario de Nnzarelh.
Roga-se, portanto, at antoridades policiaes, capi-
pitaes de campo e mesan particulares, ou a qoei
o conhecimento chegar, a aprehendam e euti -
guem no Recife ao capitao Francisco de Albnq
que Mello, no caes do Apollo prensa de afg
ou na Estrada Nova-do Coug -
de Arruda Pontos, quo n goaeroMaiento r<-
composados. tman
Estrada Nova, de abjfl de 1889.
Joaquim Pacifico* ArMaMifo
Vende-se um escravo, offlcial de ferreiro,
?hado ahlnumente do norte : no escriptono de
Joaqotai Jos Goncalves Deltrao, ra do Trapi-
c*ea i7.
/
i
ftBW 1


8
Diario de Pernambuco Sexta feira 23 de Abril de 18J9.
LITERATURA.
Vlagan?a por rlnganc*.
MAMA EM 4 ACTOS PELO DR. C. GOMES PE SOUSA
Ju-
alma
I.
Na grande officina da humanidodc a Gre-
cia o primeiro artista; tomando do ouro
c do marfim, para formal- a estatua de
pter Olympim, gravou parte da sua
aessa hyperbula do bello.
Os deuses, deixando os peristilos cor-
rectos, onde cada columnata representara
ira symbolo. vinham tomar logar as as-
ambleas do povo.
Tbespis introduzio o monologo as festas
bacebicas: dalii um tbema donde se dedu-
ziram variaces t3o abundantes como os
nares da Loma, conduzindo em sitas vagas
a Venus artstica.
Bscbylo, porem. Euiypedes e Sophocles
envolvcram os deuses de Homero as gasas
de urna poesa transparente como um raio
da la, embalUndo-os no rilhmo cadenciado
e-doce como o rumorejo dos caaicos.
O paganismo teve tambera os seus here-
siarcas: Pindaro sacrificando as cranlas
da sua pocoa a iaspiraco das suas estro-
phes e Anacreonte, na lascivia das suas
cancoes, antepondu a sua lyra belleza dos
seus dogmas. v
O Prometheu de Escbylo tem urna forma
sorprendente! Jungidoao Caucaso, applica
o ouvido ao velho ocano que o aconselha
emquanto que, pendidos os bracos ao longo
de quasi toda a altura do rochedo, parecem
dtias ideas avassailando dous mundos I
Prometheu a historia do homem desde
que surge nc berco at fitar o tmulo ao
clario baco da derradeira lagrima.
K' a esperanza, mas a esperanca que
crea, que se prende ao co porque 6 o
instrumento nico da verdade eterna sym-
bolisada no Ghristo.
E' por isso que de Eschylo a Isaas existe
apenas a distancia que va da pergunta
resposta; do Prometheu ao Christo a diffe-
eenca entre o problema e a sua resoluco.
Quem diz Prometheu diz humanidade,
mas humanidade que caminha para o tra-
balho, para o infinito, guiadi pela razao.
S' o problema da sociedade antiga, e o
Christo a sua resoluco na sociedade mo-
derna.
Eurypides, substituindo a mascara e o
eotnurno pelo manto rocagonte e desenvol-
vendo mais a arte, creou a tragedia do sen-
timento. At ento as aceites grandiosas
dos hroes, a luta dos deuses e semi-deuses
e a sua influencia directa sobre o destino
dos horneas eram o assumpto das epopas
dramticas.
Mas assim como a calma vem depois da
tormenta, "b riso depois do pranto, Aris-
tophanes succede na comedia a esses pro-
phetas de tanta civilisaco nascente.
Na aza diapbana de um sorriso de urna
irona pungente, o sarcasmo voava ao
olympo e apagava o raio das divindades-
No coro das ras o nctar mistura-se com
o veneno, o perfume dos myrthos com o
fumo dos sacrificios.
Aristophanes trazia s pravas publicas os
vultos mais eminentes para cobril-as do
ridiculo: Scrates ePerycles foram expostos
aos motejos desse povo que contava os
seus annos pelo numero dos seus jogos.
A comedia marchava assim triumphante |
por essas trilhas pedregosas, quando Me-
nandro veio-lhe ao encontr, deu-lhe nova
direccSo e conseguio com as facecias do seu
gonio' disfarcar-lhe tanta ironia grosseira.
Ento os spinicios de Terencio e Plauto,
como esses orvalhos que descem do co
sobre as flores da Syria, coroaram-lhe o
evito louvavel.
Aqui houve urna reticencia de seculos e
na profunda noute em que se abysmara a
Grecia, o theatro igualmente desapparecra.
segurado as pejac
lerendo deu realce comedia e ennobre-
ceu o theatro. Cornelle rene em si os.
poetas trgicos e cmicos da Grecia : e
Cid e D. Sancho de. Arago despertaran)
renliidas discussoes sobre Q genero a que
pertenciam.
Na divergencia de opinfes apparece
Diderot que se pronuncia pelo drama j
iniciado por Pkuto nos Captivos, e o D.
Sancho de Arcqao o Cid tdrnaram-se
modelos de escola.
Alexandre Duval, no Eduardo da Escocia
sustenta-se radioso como essas- estrellas
que reflectindo-se nos lagos, servem de
guia ao peregrino que caminha.
Shakspeare e Schiller sao dons tHans
o sonho de urna noute de estio e Macheta, w
Salteadores e Guilherme Tell s5o traeos
grandiosos e imponentes como o granito
das sphynges. *
A poesia de Byro'n como essas hamo-
nas mysteriosas e sublimes que o vento da
noute acorda as florestas do Novo Mundo e
fazem que, o viajor, tpmado de um religioso
medo, se refugie na idea deDens.
O seu Caim foi urna novidade, assim co-
mo o Fausto de Goethe e o Napoleo de
Quinet. No meio, porm, dessacalma amp-
rente urna onda quebrava-se, ainda outra,
mais outra anda: os adversario* doclassis-
mo e os do romantismo inquieta vara-se
com o sucesso de qualquer produecao.
O Cromwel! protestou contra a9 injusti-
Cas e collocou-se entre todos os certamens:
o pontfice da litteratura hodierna canoni-
sou o drama.
uminosns de Wauto e Possnindo em si alguma consa de Musset
e Shakspeare, ouve concert mystico e can-
ta, conhece o coraco hunviK) e dramatisa.
Esso poetar da Vinganca por Vinganca, o Sr. Dr. C.
Gomes deSouza.
III
Para que a tragedia pudesse sraprexis-
r, era necessario que unidade da aceito
se alliasse a dos caracteres.
Christovo Colombo pode ser una per-
sonagem trgico, porm segue-se que os ga-
les que o acompanharam tambem o fossem?
Embora a excentricidade allemo apr-
sente um rei dialogando com um burguez, a
inverosimlhanca palpavel; a desigualdade
das condigoes s poder servir para desta-
car os contrastes.
No meo de toda essa prole de gigantes
que illustrarara e Ilustrara os seculos em
que nasceram, lancemos um olhar para o
Brasil, e leremos nesses horisontes largos
como a mmensidade o seguinte trecho de
Dante : t (Jmamova roca desee do co.*
IV
Ainda echeavam aos ouvidos de urna mul-
lida) que tinha sede de ideas os versculos
da Castro de Ferreira, quando urna voca
Cao poderosa se levantava no Brasil.
Essa vocaco atirava-se sem peas para
um mundo desconhecido de illusoes; era a
aguia que, varando a noute de um co de
tempestade, voava, voava em busca da
luz.
Antonio Jos da Silva com a Guerra do
alecrim e mangerona reformou o theatro
portuguez. Desgracadamente, porm, so-
brevieram as Iotas intestinas, o Brasil.con-
centra todas as suas attences no drama
poltico interno e o poeta tornou-se ento
ave de outros climas; nao pode mais en-
contrar brlho no co, nem explendor as
estrellas; e um orvallio de sangue cresta-
va-lbe as azas.
A luta de dous principios: ani satuao
da Ijtva.e voltaado para a treva. o mitro
sainado da luze voltandopara a luz, eis a
substancia do drama.
No meio de um apparate fasciwmto de
peripecias que tendem todas para a conso-
lidaco de urna idea til, o poeta v passa-
rem todos os vallo; a que a sua imagioa-
Co dora urna forma.
Aprsenla aos arruidos de urna salade
baile o vicio que rasteja, como o-sacerdote
da lew|ue mostrasse urna serpente de de-
serto, escondida no Sonda sanctonim.
I A%0ta4o, aponta-lhe o abysroo e a que-
da inevitavol.
i; Avirtude, porm, que solitaria e bella
passa no mundo, como a amera da alvora-
da onde se reclina um raio do aol, merece-
Ihe paginas pomposas. Fa-la surgir como
a ar-vore de coral, do ocano das lagrimas.
Esta a virtode do evaogelb!
gratido veneranda memoria do seu bera-
fetor, consagra ao filho deste a mais dosin-
teressada e sincera amizade.
Hyreaeto fcreaaca que esmola ao men-
digo : a creado de urna lagrima de anjo,
a luz reepiandecente na brtmia, que requi-
"Wia o vicio que passa e aljhia a virtude que
caminha.
Bis a synthese do drama, eis a estatua
velatfe-por urna cortina de ouro. Mocida-
de e inspiraco refulgem msssas paginas
como osraios da la na esmeralda do ocano.
II.
Entretanto, no meio de toda essa escu-
ridade, a cruzada religiosa, como a sala-
mandra de azas de fugo comeca a despidir
seus vividos lampejos.
Em Franca os Irmdos da Paixo, con-
tando as legendas dos combates ao povo,
zeram surgir de novo a arte dramtica
dentre as sombras em que jazera por tanto
tempo sepultada.
Etienne Jodello, com a exhibic3o de suas
tragedias em presenca de Henrique II,
celebrou urna festa de arte.
Moliere no Amphytrio e no Avarento,
FOLHETIM
OS DM14S DE C1YEM
POR
Elie Berthet
xvn
Sceaa Incrlvcls.
(Continuaco do n. 89)
Miguel, na suapantomima, o que mais
quera dizer era que deitassem fna a co-
mida que tinbam entre mos, mas debalde
repeta os gestos de.indignacao e horror,,
que os Toreados parecam nao comprehen-
der. Na maior impaciencia, concebeu urna
demonstraco decisiva : agarrou no erabru-
lho' de folhas e cipos que o Rongou trou-
xera, desfe-lo e estendeu o contedo alli
luz da fogueira.
Nao restou, portanto, a menor duvida :
eram bocados de carne humana.
A esta terrivei declaraco, os esfaimados
reunidos em voltada fogueira nao poderam
conter um movimento de hesitacSo. S
um, porm, cessou de comer e deixon cahir
o bocado que tinha na m5o ; os demais,
tendo hesitado por momentos, proseguiram
alinal com voracidade na sua horrivel re-
feco.
O Rongou observara inquieto as physio-
nomias dos assistentes em quanto Miguel
faz.a o sen relatorio; animado, porm, cora
o proceder d ellas, disse, chacoteando :
Tigre deixar pequeo bocado de car-
ne de Bouche-en-Coeur; mi achar a elle e
trazer para os camaradas. Assim n3o se
perder tudo 1 n
Bertomy, conaprebendendo eatSo o mo-
tivo porque sea I 'Jne-tirara o pedapo
de carne da niio, ,toz um sigoal de horror,
Penna, com o crneo replecto de ideas,
creou a comedia dos costumes; o Moliere
brasileiro deu realce litteratura de Beau-
marchais. Agrario de Menezese Magallius
fundiram em grandes moldes com maravi-
lloso resultado a epopa dramtica.
Domingos da Fonseca e Castro Alves cul-
tivam o drama histrico; o primeiro escre-
ve Beckman e a altura da concepcao exce-
de muito o merecimento do protogonista;
o segundo escreve Gonzaga.
Evocado das sombras eternas pelo genio
poderoso do dramaturgo, o here da incon-
fidencia assume proporcoos mais grandio-
sas, sent arder-lhe no peito maia vivo e
puro o fogo do patriotismo e entaa liber-
dade patria cances mais bellas e entu-
sisticas.
Pinheiro Guimarifes e Bocayuva s3o in-
contestavelmente no Brasil os luzeiros des-
sa nova escflia denominada realista ou cas-
sica.
Talento, porm, nao menos notavel, mas
de certo menos ventajosamente coabecido,
colhendo o que ha de melbor as escolas
classica e romntica, vem colloear-se entre
urna e outra.
porm Rigaut, ferrando os denles em um
bocado de carne ainda gotejando sangue,
dizia :
Com mil diabos! A necessidade nao
tem lei I Este Bouche-en-Coeur era nm
tanto velbaco e ento nao quero mal ao
Rongou por nos haver desembarcado d'elle
ile cumplicidade ou nao com o jaguar.
D'esta forma ao menos o tal sujeito pode
ser til para alguma consa !
E por sua vez fez ouvir urna gargalhada
feroz, que os companheiros imitaram.
Miguel contava que a sua revelacSo pro-
duzisse nos outros urna impresso seme-
lbante sua ; vendo-os, porem, continuar
a comer e a rir, retrou-se para o lado pre-
cipitadamente, manifestando profunda ad-
miraco.
D'Chimbo, animado pela approvaco de
Rigaut, nico por quem tinha deferencia,
eomecou dando largas sua asquerosa jo-
vialidade.
Miter comido muitos pretos, dizia
elle, fazendo varios tregflitos ter comido
muitos indios, porm brancos ser este o
primeiro I Branco ser melhor, mais tenro,
mais delicado... Mi j nlo quer comer se
n3o carne de branco I
Safa gritou Rigaut, rindo-se
Este goloso capaz de fazer o que diz I O
mais gordo de nos que se acautele '
E Fancou um olhar sobre Bertomy, que
se poz a tremer como varas verdes.
Cada vez mais entusiasmado, o Rongou
ergueu-se e poz-se a dansar em roda da
fogueira, canta rolando na sua liDguagem
intelligivel. Agitava por sobre a cabeca um
bocado de carne meio assada, ao qual pa-
reca dirigir a sua barbara melopea, .e met
tendo-o successivamente i cara de cada um
dos circumstantes. Assim chegou diarjte
de Miguel, que recuou para o evitar.
O selvagem parou, mterrompendo a can-1
tarla, e, dando sua physionoinia hastial
toda a expresso de malicia -de que era
sasoeptivel, pro9eguio na Hngaagem cceoula:
~ Porque nao quereres tu S0$r ? Se-
Em Romualdo mofa rico, com o coraco
a sobrenadar de affectos para todos os sen-
tiraentos grandes e,generosos, v-se Julio
D'ormelv inexperiente na carreira da vida,
trocando ura punhado de ouro por um de-
linqui de prazer, ouvindo as fallas de um
demonto e deixando-se arrastar pela sua ma-
gia, atira-se a todos os desregramentos de
urna naturesa impetuosa: tem sede de goso
e empunha a taca innebriante; acredita
que luz do co o relmpago tredo que fu-
zila na retina pardacenta do genio mu; e
dejxando-se guiar por ella, bem tarde per-
cebe que se apagara aos rigongos do tem-
poral desfeito ; e se arrepende, mais tardo
tambera o arrependimento!
Guilherme 'i o genio mu do misero Ro-
mualdo. Pliysonomia luciferBa, legiona-
rio das sombras, entranhas que s se es-
tremecen! por amor do crime, a sua alma
n3o estremece entre um copo de veneno e
a ponta luzida de um puubal.
Como o tufo que corre do norte ao sul,
os seus passos na trra s imprimiram des-
trocos. Reclina a fronte n'ura errao de es-
parances e s desperta, quando ouve os
gritos da .victima que se debate no histeris-
mo da agonia.
Astucioso at o crime, perverso at a
morte, trava-luta com a humanidade; come-
Ca por assasarnar as trevas o bespanbel e
o guarda livres dest; compramatte o ami-
go e ordena que matem sua propria mulberl
Carlos -Meor, revollando-se contra a so-
ciedade, pela qual vio-se trahdo, e assig-
nando o pacto de bandido as tascas de
Allemanha, tornou-se o archanjo pavoroso
da destruico. Debaixo, porm, daquella
libr de homem perdido havia urna historia
bem pungente de magoas, um poema pro-
fundamente doloroso de agonas.
Sahindo de pontos muitos diversos, s
se encontra com Guilherme na occasio da
vinganca, porqu os ins como os principios
que os dirige sao diametralmente oppostos.
Entre um e outro existe undespenhadeiro.
Elvira a sombra que o persegue inces-
sante e inexoravel; o echo, dos seus re-
morsos, o genio da dcstraicao que djarme
no seio do mysterio para que o abutre vele
na cabeceira da montanba.
Que importa, porm, que a ave negra
desdobre o v i? O seu mundo o de-
serto e o cacador que a persegue nao
perder de vista.
Romualdo, chorando vnte e cinco annos,
sobre os ferros da calceta, com a cabeca
curvada ao peso de tanta affronta, a in-
nocencia que, dialogando com a rano, os-
tenta-se pura como a tnica do Christo.
Guilherme, decorrido um quarto dese-
culo, e transfigurado em opulento capitalis-
ta norte-americano, volta ao Brasil, rapta
a filha do visconde do Piauhytinga e, en-
contrado face a face com o mendigo.
A voz do forcado, troando-lhe aos ouvi-
dos, foi-lhe mais aterradora de que a gar-
galhada unsona de um milhao de espectros
que se alevantassm de um tmulo em tor-
no delle.
A aeco inteira do drama corre vigorosa,
bem sustentada e na mesma- altura. Os
caracteres sao perfeitamente desenliados.
O visconde do Piauhytinga, no seio da opu-
lencia e da grandeza, nao desmente o po-
bre orphSo que em tributo de respeito e
quanto o governo contar com o auxilio
seus proprios capitalistas no paiz.
de
VI

Quando as verdadetra3 vocacSes desdo-
bram seus vos de aguia, quando os gran-
des talentos avigorando-se d sua seiva.
atiram-se para Deus e no esparo que ;per-
correra, v3o deixando um rastro luminoso,
nao applaudi-los, nao s urna falta, tam-
bem um crimeT
Na decadencia da arte dramtica em que
tantas palmas tem rendido o enthusiasmo
de mo gosto ao Vrpheo na roca, Baro-
neza de Qt^ap, ao Traga-mocas, etc. Vin-
ganca por vinganca deve ser urna decep-
Co.
*
Vmgamca por vinganca, como os Mm-^
raveis do Dr. Agrario de Souza Menezes, e
um marco miliario transposto pela intelligen-
cia na senda do futuro.
Nao um elogio que Ihe fazemos, por-
que o Sr. Dr. Gomes de Souza o dispensa, (rfencia, de sua honra e de sua dignidade.
nem mesmo uina animaco, porque nao
precisa delta ; apenas um sonriso c um
aperto de mo com que o felicitamos.
PROOLAMACODOS GENERAES ALIJA-
DOS XO POVO PARAGUAY. Ha quatro
annos que as naces alliadas, provocadas
por um despota sanguinario que pretenda
a/Tender sua honra e tornar Ilusoria sua in*
tegridade, viram-se coagidas a armar-ae em
dafesa de seus direitos e nteresses e a exi-
gir de Francisco Solano Lpez, reparaco
de suas inexplcaveis injusticas.
Os povos ligados por um interesse coW
mum para fazer a guerra ao injnsto invasor,
carainhavam tranquillos na senda do pro-
gresso ao fim de suas a^piraces qua eram
sen proprio engrandecimento na ordem, no
limite da justica e no respeito a seus visi-
nhos. Pois bem: a raivosa sanha, a des-
medida ambicio, a estupida vaidade de um
despota insolente obrigou-as a abandonar
seus pacficos labores e a armar seu robus-
to braco para lavrar as sangrentas offensas
que lhes tinbam sido feitas.
Desdeentonlopouparam sacrificio algum
para levar a feliz termo seu proposito, por-
que comprehenderam que se a paz o me-
lhor dom que a Divina Providencia pode fa-
zer aos povos -honrados e laboriosos, com-
prehenderam tambem que estavam obriga-
des a armar-se em defesa da sua indepen-
0 escriptor da filha do Salineiro sum
mo sacerdote na litleratura patria. Fran-
queando o limiar desse templo de alabastro,
onde o sol de urna gloria immorredoura
peneira-se atravez das columnatas de por-
phyro, tem nos seus livros um thesouro
inexaurivel de harmonas.
Descancemos pois, a sombra desses mo-
numentos ; elles sao para o espirito o que
orvalho para a flor o oasis para o pere-
grino do deserto.
Ao poeta sonhos e phantasias, ao drama-
turgo enthusiasmo e xito feliz.

Mello Moraes Filho.
Nos invocavamos esse passado nunca
desmentido para pedir ao povo paraguayo
que tenha f as promessas das naciies al-
tadas. Como teem ellas procedido al
agoia-continuaro a proceder, sem afast-
fm-se, por qualquer circomstancia qu
seja, do cawnho Iracado. Suas promes-
sas foram selladas com o seu sangue, com
seus thesouros derramados a mos cheias
e com sacrificios dff todo o genero.
NTo se realisam taes obras sem ter por
norte a honra, e os soldados da allianca
por mais de ama vez teem provado sua
Uonra, valor, nobreza ep#rseveranea.
Responda pois o passado pelo presente,
e o presente pelo futuro.
Os generaos alliados escolheram de pro-
posito um dia solemne para dirigir-se aos
habitantes desta infortunada trra.
As legies paraguayas que comnosco
teem comparlilhado das glorias, dos perigos
e das fadgas desta larga campanha, rece-
bem hoje de nossas mos bandeiras que
irepresentam as cores de sua patria.
.
res bem tolo Estimavas Bouche-en-
Coeur ? Elle nao era amigo de ti I Mi
querer reconciliar os dous I
E apresentou junto da cara de Miguel o
bocado de carne humana que tinha na mo.
O surdo-mudo desviou-se ainda impetuo-
samente, porm o canbal nao o deixava.
Mea rapaz,disse elleeu nao que-
rer que insultes pobre cantarada Bouche-
en-Coeur Eu mandar que sejas amigo
d'elle l
Miguel esforcava-se para escapar a esta
tortura ; os outros toreados riam-se s gar-
galhadas, o que animava cada vez mais o
asqueroso lobo.
Afinal o Rongou chegou a collocar o bo-
cado de carne sobre os labios do joven
Bjrtomy, querendo introduzir-lh'o na boc-
ea torca.
O surdo-mudo, porm, ao simples contac-
te de to repugnante objecto, deu um salto
prodigioso, que o livrou dos bracos do ad-
versario. Ento soltou um grito semelhan-
te ao rugido de urna fra, e, tirando da al-
gibeira urna pistola, apontou-a aabeca do
negro e o tiro parti.
O Rongra vacillou como quem ia cahir :
o sangue corria abundaute por entre o ea-
bello chamuscado. Comtudo esta descarga
de chumbo miudo pareceu nao produeir
sobre aquelle crneo do ferro mais effeito
do que produzira n'outra occasio o rewl-
ver disparado por Grandval.
Miguel, porm, julgando te-lo matado,
ficou estupefacto.
Bertomy, esqueoendo que o surdo-mudo
nao entenda, gritou-'lhe :
Foge, meu rapaz, rog tiepressa t...
Olha que te matara I
Elle reparou que todos os iarcados se
levantaram em tumaho, ao mesnw tempo
que o Rongou se perfilava de pntthos fa-jl
chados e o olhar toammejante. Salndo BO1*
atado de estupefacco, Toftau-se sbita-
mente e correo para o bosque, oa*e3ales-
apparaceu.
POTJCO DE TUDO.
CRDITO DO BRASIL. Na folha in-
gleza Morniug Herald, de 17 de marco ul-
timo, l-se o seguinte:
Os Srs. N M. Rotschild d- Sons como
agentes financeiroa do Brasil, annonciaram
segunda-feira passada o pagamento usual
dos juros devididos pelos diversos empres-
timos brasileirqs. Ao mesmo tempo an-
nuncaram que estavam habilitados para
pagar as apolices existentes do emprestimo
de 1839.
E' facto bem sabido que os possuido-
res de apolices brasileiras nao desejam des-
fazer-se dellas, porque representara seu
primitivo valor. E'portanto, para admirar
que, pela influencia dos especuladores, essas
apolices sejam coladas no Stock Exchange
pelos actuaes precos inferiores, ao passo
que as de outros paizes, que seguramente
nao teem os mesmo > recursos e crdito, e
nunca satisfizeram seus compromissos, a
nao ser por meio de novas operacoes de
crdito, como por exemplo, emprestraos,,
sao cotadas, comparativament;, por mais
altos precos.
O crdito brasileiro est firme; sua
renda augmenta diariamente, mesmo duran-
te alonga guerra em que tem estido em-
penhado, e elle, tem podido sustenta-la sem
appellar para dinheiro dos mercados estran-
geiros. Um emprestimo e o seu crdito
internos teem-lhe fornecido as enormes
sommas precisas, e, mesmo agora, depois'
de concluida a guerra e quando tem de.ser
reconhecidas despezas extraordinarias, diz-
se que se poder recorrer a um novo em-
prestimo interno, sendo evidents que, na
actuadade, nao pode ser questo de em-
prestimo estrangeiro na falta da necessa-
ria autorsaco das cmaras legislativas,
que s se reuniro em maio prximo ; de
s.orte que, se o governo imperial pudesse
ter semelhante intenco, nao a poderia por
em execuco antes do fim do anno, cousa,
porm, que nao natural aconteca, em
D'Chimbo, rugindo, dispoz-se a segu-lo,
mas Rigaut embargou-lhe os passos, dzen-
do-lhe em tom de autoridade :
Deixa-o por esta vez I Elle prestou-
me outro dia um servico e quero ficar agora
quite. N'outra occasio permittir-te-hei que
o trates como quizeres. Demais, tu pro-
vocaste-o e elle defendeu-se.
E, vendo a disposico do ferido, gritou-.
Ihe :
Ento, bruto, querers desobedecer-
me ?
E' duvidoso se o Rongou, no seu accesso
de furia, estara muito disposto a obedecer,
a nao se dar a circumstancia de ter de-,
perado com grande escurido no bosque,
ignorando completamente o destino do fu-
gitivo. Alm d'isto, tinha os olhos cerrados
pela torca do sangue que corria da ferida.
Voltou, pois, sobre os seus passos, fazendo
exclamaces inintelligiveis, que deviam ser
blasphemias ao uso do seu paiz.
Por fim socegou, e, depois de ter lavado
com agua a ferida, que pareca insignifican-
te, disse em tom feroz :
Ea matar a elle, se elle voltar I
Amanha seguir a pista d'elle e corta-lo om
bocados muito pequeos para comer a
elle i*
Est dito Iredarguio RigautEspe-
remos at manha. A nouie traz reflexo.
e entretanto, como estamos fatigados e te-
mos a barriga cheia, tratemos de dormir e
nao me quebrem mais a cabeca com estas
asneiras I
E dirigio-se para a barraca.
Os companheiros, atordoados pela refei-
Co e indifferentes a qualquer commeoSo,
dispunham-se a imrta-lo, para o que come-
caram a.tomar as devidas disposcBes.
Era costume cada um d'elles velar per'
seu turno, afim de vigiar o acampamento
na deinar apagar a fogueira. w'esta vez
Jertonty, posto tioe mais fraee e abatido,
foi que* se dffereceu para ftsar n'esss
noute de Viga.
Teem derramado com profuso seu san-
gue nos campos Tle batalha, teem consumi-
do grossos thesouros na sostentacao da lu-
ta mais colossal de que tem sido theatro a
rica e frtil America doVul, teem prodigali-
salo sacrificios pessoaes, abnegaco, valor
e quanto encerra de mais nobre o eoeacab
do homem, c hoje que esto no fim dessa
jornada qoerem dirigir urna palavra aos ha-
bitantes do Paraguay.
No meio da sanguinolenta luta que neste
lapso de tempo teem sido obrgadas a sus-
tentar, as naces alliadas, jamis perderam
de vista o que a humanidade, a civilisaco
e seu proprio decoro lhes prescreva.
Faaiam a guerra a um governo aberta-
mente hostil que as tinha offenddo sem
poder justificar suas insoli as agressoes,
nem se quer com a sombra de um protes-
to ; porm, jamis, nem mesmo as situa-
Coes mais criticas, esqueceram que nao era
ao povo paraguayo que corabatiam, mas a
seu desptico dictador e s aquelle tem
soffrido as inherentes consequencias do es-
tado de cousas em que necessara e fatal-
mente se via envolvido. Justas e ainda
quic necessarias teriam sido as represa-
lias, pois s cora ellas se poderia por cobro
s barbaras e inhumanas vingancas qjue
sobre nossos indefesos prisioneros exercia
o marechal Francisco Solano Lpez.
E nao obstante ah esto os milhares de
prisioneiro6 feitos em diversas occasioes-
em nosso poder, al>i esto para dar vivo e
irrefotavel testemunho do tratamento que
se Ibes d. Elles dirao com esaontaneida-
de propria da verdadb, que, depois das sce-
nas de sangue a que o despota nos arras-
tava, em vez de inimigos, achavam em nos
irmaos, irmos que pensavam suas feridas,
cobram-lhes a nudez, matavam-lhes a tome
e repartiam com elles suas escassas com-
modidades.
Ai)aar do ardor da luta, apezar do des-
gosto que deixava en* seus coracoes a per-
da de tantos seres queridos, os exercitos
alliados jamis olvidaram os principios pro-
clamadas ao iniciar esta homrica cruzada:
guerra ao desptico governo do Paraguay;
compaixao ao povo qme getne sob seu jugo
de ferro.
Emquanto nossos soldados eram br-
baramente degolados pelo iniraigo, nos al-
liviavamos a precaria sorte dos seus: em-
quanto os soldados da allianca erara escar-
necidos, martyrisados e morriam pelo cri-
me de ter cahido na luta ao p de sua ban-
deira, nos estancavamos o sangue dos que
momentos antes liaviam derramado o dos
nossos bravos; finalmente, emquanto nos
praticavamos com os soldados do tyranno
nao s os sentmentos que devem caracte-
risar todo o po*o chrisiao e civillisado, e
ebegavamos ao ponto de privar-nos do ne-
cessario para dar-lhes, elle fazia suecurabr
lentamente na tortura, ou victimas da tome,
os nossos soldados que tinham a desgra-
Ca de cahir em seu poder.
Era fcil comprehender que elle contava
ver chegar o filho*; mas, acceite o olfereci-
mento, cada um tratou de descansar.
S o Rongou quera ficar a vigiar Ber-
tomy, na inloncao de se vingar, caso Miguel
voltasse.
Com effeito, por muito tempo o negro
feroz lutou contra o somno que o persguia,
porm todas as vezes que so punha alerta
para othnr em roda de si nada se Ihe olfe-
recia vista. No bosque nao se ouvia mais
do qne os gritos do macaco ululante ou o
miar dos gatos bravos.
Alli mesmo, Bertomy, tristemente deitado
ao lado da fogueira, mal poda de vez em
qnando lancar ao. togo ajguns ramos sec-
eos.
D'Chimbo, ^erdendo a esperanca do re-
gresso deufliguel, acabou por ceder im-
periosa mwessidade da natureza, adorme-
cendo profundamente.
Quando, ao romper do dia, os seus com-
panheiros despertaram, ficaram admirados
de nlo terem sido acordados por alguma
voe de soccorro, mas logo virara o mo-
tivo.
A fogueira harf-se apagado completa-
mente, e Bertomy, segurado o exemplo do
indijk;Zo, tipha desapparecido.
O Rongou eomecou por se encolersar
horrivelmente.' Revirava os grandes ollws
e rangia os dentes, correndo de um lado
ao outro como urna fra embravecida e di-
zendo :
. Ea seguir a eies j f Elles estar
muito fracos e nao poder estar longe. Eu
matar graade e pequeo Tomyl
E, inclinando-st sobre o chao, procurava
luz do sol nascente as pizadas que os
Bertomv deviaoi ter deixado uo slo, porm
Rigaut iaterveio ainda, dizendo :
Ora pois, visto que aquelles idiotas
nos deixaram, no faHemos mais d'elles...
0e os lvelo diabo I... Estos farto d'elles
ha mrito $*treiQ impossiyet chegarmos a
ver o tal navio, ode afioal jfte pontas, se-
De hoje em diante sombra do pavilhao
patrio, combaterao pela liberdade de seu
paiz; de hoje em diante as glorias qne esses
cornos conqiiistarera se encarnarSo no pa-
vilhao nacional o que gloriosamente cahir na
peleja ao menos cahir envollo as dobras
da bandeira de seus antepassados.
Que todo aquelle que odeia a tyrannia e
sent pulsar dentro do peito um coraco
amante da liberdade de sua patria, aggru-
pe-se em torno desaas bandeiras que hoje
se distribuem para servir de ponto de reu-
nifio no campo da gloria e da honra^JJm
esforco mais, e a obra, que tantos',,IWrih-
cios tem custado ficar completamente ter-
minada.
O poder do tyranno acha-se quasi extrac-
to eso'falta os ltimos golpes para acabar
de pulverisa-lo.
Gloria ao que cahir com valor no campo
da batalha defendendo a liberdade do solo
que sastentou seus antepassados I
Nao esquecaes que o resultado da hita
a liberdade do Paraguay, do Paraguay que
desde entao comecar a fazer parte da com-
iniinho das naces livres e independentes
do continente americaeo. A perspectiva
nao pode ser mais animadora.
Assumpcao, 28 de marco de 1889.E.
Mitre.GnHherme Xavier (k Souza.Hen-
rique Castro.
PROCLAMACO DIRIGIDA A LEGIO
PARAGUAYA PELO GENERAL D. EMILIO
MITRE, NO ACTO DE ENTREGAR-LHE A
BANDEIRA DE QUE FORA PADRINHO.
Paraguayos.Em nome do Deas Omnipo-
tente, arbitro e senhor do destino das na-
Ces, acabaes de receber e jurar a bandeira
da patria que daqui em diante fluctuar em
nossas fileiras impellida pelas suaves brisas
da liberdade que os- alliados ardentemente
desejam ver firmada era vosso farinoso
paiz.
Soldados legionarios! Urna espantosa ty-
rannia opprime hoje vossos compatriotas;
nada ha sagrado para o- brbaro tyranno de
vossa patria: muflieres, creancas, veihos.
todos cem sob o feroz cutello do tyranno,
quando nao os faz perecer na miseria e ao
desamparo, arrastando o povo todo emmas-
sa aosseus acampamentos onde, emquanto
elle passa a vida na abundancia, as mfelizes
familias perecem de tome, de prwa?es e
acabrunhdas pelo trabalho ou pelo brbaro
trato que recebem.
Soldados.! Ante o espectculo do desgra-
nas que affligem vosso paiz, seria preciso
nao ter sangue as veas para que nao es-
tivesseis decididos a combater em pro de
vosso torro natal e era* honra da bandeira
qpe acabaes de jurar e de todo o novo para-
guayo que gerae e chora sob o latego san-
grento de despota e suspira por sua re-
derapcao.
Camaradas I Em breve eslaremos era
frente aos ltimos restos do exercito, que
ficaram com Lpez dbpois das sanguinolen-
tas e repetidas derrotas que Ihe fizeram
soffrer os exercitos alliados para tornar o
Paraguay livre, feliz e independente.
Alli tocar-vos-ha urna parte as fadigas e
perigos que teremos de arrostrar e tereis
occasio de fazer brilhar vossa iraraaculada
bandeira, fazendo-a fluctuar aos ventos da
victoria, da gloria e da liberdade.
Soldados.Viva a repblica livre do Pa-
raguay.
riamos recebidos a tiro de espingarda !
Decididamente o melhor e voitarmos-nos
para o nosso antigo projecto, dirigindo-nos
a raargem do rio. Ahi devereraos encon-
trar habitaces, e, como somos em numero
teremos meio de procurar com que refa-
zer-nos at que possamos lancar mo de
algum barco. Ainda temos carne do Bou-
che-en-Coeur para um ou dous dias... Que
dizem a isto ?
Cagnard e Mardoche, recejando talvez
ama sorte igual de Rouche-en-Cour, con-
cordaran com a proposta do seu o Rongou nao presto va attenco e continua \ a
a esforcar-se por descobrir no solo 'a direc-
Co que Bertomy tomara, guiado talvez por
seu lilho.
Rigaut, encolerisado, proseguio:
Vamos, d'Chimbo, cabecudo, na\> per-
camos tempo I Que te importa eom esses
dous tolos? Assim abandonados, "^fo para
ahi morrer victimas do seu plano de ehega-
rem por trra defronte do recito do diabo :
isso corresponde a querer agarrara iua !
Se eu acreditaste na menor probabitidade
de efles escaparem, seria o primeiro a ir-
Ihes na pista, mas estu certo de qne den-
tro de vinte e quatro horas ambos estaro
mortos, salvo se o pai devorar o filho ou o
filho o pai I Portanto abandonemo-los i sua
sorte e partamos,
O Rongou, porm, nao se conformava:
o seu raiicor pelos fugitivos ero superior ao
respeito para cora a autoridade de Rigaut.
Ea coadmir a vos ao Marowdizia.elle
com aspecto feroze depois eu voltar para
Cayeana, atas primeiro querer achar a pis-
ta do grande e pequeo fomy para matar a
J elles I Eu querer isto por torea !
E com urna enacidade que dava indicios
de iaveaeivel proseguio aa sua busca.
(Continuar-*e-ha.)
TTP. DOMIrW-HrAWClTXBI.
i4


*m


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3U2FEDSR_IOZVCL INGEST_TIME 2013-09-13T22:05:15Z PACKAGE AA00011611_11823
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES