Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11820


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*
ANNO XI.V. NUMERO 88.

PARA A CAPITAL E L1IGA1E5 OHDE .IAi SE PAGA PORTE.
Portes mezes abantados.
Por Mismitos idem. .
Por um awo idem. .
Cada numero avulso .
420000
24*000
#320
TERCA FEIRA O DE ABRIL DE 1869.
PARA DEHTRO E FORA DA PROVIHMA.
vv
Por tres mezcs adiantados.
Por bcs ditos idem. .
Por don t ditos idem .
Por um anuo.....
750
3JUQ0
200250
27*000
DIARIO DE PEMAMBUCO.
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
.-.

SAO AGENTE: '
ara; GoncalvesA Pinto, no MaranbSb; Joaquim Jos de Olrreira, no Orar / Antonio de Lemos Braga, no Aracaty; Jo5o Mara Jujo Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joaqun
Guimaraes Pancada, em Mamaoguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gome, na, Villa da Penlia; BetaBiino dosi Santos BuJcao em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
eni Nazareth; Prancino Tavares da Casto, em Alagoas; Dr. Jos Martina Atas, na Baha; e+xe tobare Gaspannho, no Bio de Janeiro.
Os Sis. Gerardo Antonio Alves-d- Filhos, no Para;
>;-
1
PARTE 0FF1CIAL
ftovrrno da provincia.
do batalhao n. 14, do 2 dos referidos municipios
do modo scguinte:
." eompanhia.Villa e seus arrabaldes, os ep-
genl os Sapucagi efe baixo e de cima, Mtirici, Sao
Jos e sinos deMeodonlia e djese MathcnsNa
villa.
2.' dita.Engenhos Alegra. Crimea, Bom Suc-
cesso, Rua-Nova, Piramira, Sao Matheus e Norue-
ga.No engenho Alegra.
3.' dita. Engenhos Vrue i, Tapuama, Aguas
N. 7i.-Portara aoExm. general commandante aar|8 e ^^ Tapada.-.Veste engenho. .
da* armas. Mande V. Bxojt hberdade o 4/ (nta._Engpnn03 Cassupim, Boa Sorte, Barra
remita Severmo Augusto de Oriveira visto ter sido de Malapissuma, Mameluco, Taqura, S. Vicente,
julgad. incapaz do servico do exercilo, como se | Lim()ernno e Recreio.No engenho Mameluco.
EXPKBTeVTf: ASSIGNADO PELO EXM. SU.
IOHMT, l'RBSIDE.NTB A PROVINO \,
AIWIL DE Ut9.
1' seero.
CONDE DE
KM 3 DE
v do termo de uspeecao que veio annexo ao seu
oficio do i da correle sot> n. -188.
N. 7.".Dita aodirertor do arsenal de guerra
Autori-o V. S. a rednzir nao s os jornaes que per-
bem alguns operarios desse arsenal e que nao
siaoeui relacao com os serviros que prestam,
mas timhrm "o numero dos mesmos operarios,
que sera elevado quando for preciso, ludo de
conformidade com o seu cilicio de 2 do corrente
-.,b ii. .';7. a que respondo.
.N 76. Dita a. eomuiandante do presidio de
Fer.iaudo de Noronba. No priiueiro vapor que
seguir para esse presidio rao os sentenciados
conjuntes da reiacao junta por copia soto a. i. aos
quaes aeuiupanham is respectivas golas, indo
ililnmiilo as dos que tata a de u. 2, tambem por
copia, os qaaes ja so acbaui nesse presidio.
V 77. Dita ao mesmo.Naprimeira occasiao
opportuaa. enve Vine, para esta capital, ao Dr.
chefe de polica e com a precisa segurancia, o sen-
tenciado Ignacio Beserra, que pelo juiz municipal
da primeira vara em;ofllcio de hoje reclamado
uur averiguaces.
X. 78. Dita ao.engcnlieiro militar. Mande
Vmc proceder, de conformidade com o orcamenlo
constante do oflicio incluso por copia du liscal da
llnmiaapiff a gaz de 2 do correte sob n. 131 aos
cunenos precisos na iluiminacao do quartel do
deposita de recrutas e da enfermara militar.
N. 79. Portara. O presidente da provincia,
a bem do >ervico publico, resol ve suspeuiler do
eaerririo d.s seus empregos os mestres das offici-
nas da larceira e sexta casse do arsenal de guer-
ri Candido de Goes Telles, e CasimiroReis Gomes
da Silva.
I. oDitaO presidente da provincia nomea
a Manoel Hodrigues do O", para servir interina-
luefit" de inestre da olFicina de G elasse do arsenal
fle goetta
2.a secco.
V. 8T. Portara ao Dr. chefede polica. Re-
v'.i os '.llicios de V. S., datados de 1 o 2 do
con-enl* sob ns. 4B1 e 46a. No piimeiro dando
V. S. (.arte de aue por occasiao dos festejos que
se fazem por orto dias na igreja do- Praseres do
districtn de Muribeca, o povo que all concorre
rommette disturbios alem de iminoraliMN, pnn-
cipaJmente no da 11, que o ultimo dos niesmos
festejos, |.,-Je ou que estes sejam prohibidos, ou(
ue, na falla de forra siifllciente, se dilleolte pela
etrda de ferro a ida de trens para aquello ponto
M haieado da. No segundo oflicio aprsenla-me
V. S. a requisicao do subdelegado o referido ds-
trcto de for?a policial que estacione no lugar du-
rante os dias dos festejo*. Em resposia declaro a^
' S. que vojfcttaMtojWene ao IBM
do corp^ jir*ni W policia que pi
(broa que i>or V. S. Ibasc cwgida para aquelle
lim, tendo mandado recollier a c?ta capital, para
augmentar o n. de pracas disponiveis, os destaca-
mentos que se acham "em Serinhiem e Hio For-
i|ue respeita aos livns da estrada
de ferro, que temarei oppartunamente providen-
II..- n e-> e em qualquer seutido, as quaes serao
communicadas a V. S. para seu governo.
N. 88." Dita ao commandante superiorfnten-
no do Recite. Tcndo em vista de sua informaiao
de 31 de marco ultimo, sob n. 30, autorisado
a tliesoiirasia provincial a pagar os vencimentos a
contar de-Di de abril a lo de maio do anno pro-
vmiio paasado dos guarda- naciouaes do 6." bata-
Ihao de infaiitaria aquartellado'parao servio da
p dicia, 1 arreiras e ordenanzas de diversas auto-
des, com exclusao dos que dizem respeito as
duas pne que demais iguiam no pret cerres-
pondeataa segunda qminzena do citado mez de
abr asia o declaro a V. S. para seu eonheei-
ineato e diroccao. Recomrnendo-lbe pois, a expe-
diecae de, suas ordena para que sejam responsa-
bdi.-adas as (ssoas que concorreram para que
>e lirasse dos cofres, maior somina do que a de-
vida pracas que estiveram efectivamente des-
t.n'.iJas
N. 89. Dita ao mesmo. Inteirado de quanto
V. S. expde em seu oflicio de boje datado, tenho
a declarar i i e que flcam expedidas as convenien-
tes orileos para ser prestada pela guarnicao do
brigee barc Itamarac a escolta de que trata o
seu -dito oflicio.
N. 90.Dita ao mesmo.Km roposta ao oflicio
de V. S. de 3 do mei indo sob n. 30, tenho a de-
ciarar-liie, que segundo informa o chele de polica
i i afileo de 2 do corrente sob n. 2301, foram
dadas as providencias precisas para evitar-se que
( itiiiui'iii a ser Meneados guardas nacionae; para
< -. lunares de inspector de quarteirao.
N. 91.Dita ao commandante superior interino
da guarda nacional de Santo Anta>. Transmiti
a V. S para sea eonhecimento e execucao. a deli-
bepacao desta data junta por copia marcando os
distfietea e paradas das companltias do batalhio
n. 24 de infamara da guarda nacional do munici-
pio Ja Rscada, sob o seu caminando superior.
N. !)i.Dita ao Sr. lenente-curoael ualter Mar-
ti .ano de Alencar Araripe commandante superior
iiilerino da guarda nacional de Cabrob.Em res-
Sisla ao seu oflicio do Io do mea ndo, lenho a
larar-lhe. quo havendo V. S. recebido sua pa-
t.;ite o prestado juramento do posto de chefe do
tHtado-maior da guard nacional desse municipio,
io precisa va de ordem desUi presidencia para
assumir o respectivo commando superior no iinpe-
i nento do offlcial effeclivo, que o exercia.
fl. 93.Di;:t ao juiz de direito de Flores.Com
'dlicio junto por copia do inspector datnesoura-
na de bzenda de 2 do corrente, reipond ao de
V. S. de 1*J do mez lindo, acerca do pagamento dos
prete do destacamento existente na villa de Plores.
N. 94.Circular a todos es jnizes de direito com
r-xcepcao dos da capital.Para cumprimento do
iispusto no regulamento que baixon com o decre-
ta do 30 de dezenikro de 1863, remeta-oV. S.
at o fina 4e jiaho da corrente uno, os mappas
parciaes, que seonndo o citado regnlaHento. deve
esse juiz, os demais dessa comarca ministrar-me
para teraucao' da aatatiMica jodciarla. eonvindo
que as do>izes de paz indique a munaraoM dos
respectivos dfstrfctos.
N. 95.D.ta ao commandante do corno proviso-
rio denofleia fiampre trae Vmc. mande eem ur-
gencia retirar para esta capital toda a lorca io
curpo do aeu couiuand>,que se aeha destacada em
Seriuliem e Piio-Forraoso.
N. 96. Bita a mesmo.Pbde Vine, engajar no
corno wt s-en eommando os paisanos'Manuel
Joafnim deSantABaa, Jos Doangoe PoMo, e
Manoel Jos da Silva don-njunes trata seu effi>:io
n. 143 de S do corrente, tendo elles a inoralidade
necessaria para serem alistados om dito cerpo.
N. 97.eUbetacao-.O presidente da provin-
cia, lando m *u aptnpostn dn-neanundanta
sjperienin4bno>4%innjii naninnal damunici-
pios da 3nnta Anti ,** de ttde Uvereir
iiime. resalvo da conmnidadn o art, H> da leu
n. W, de 15 de setembro d IW, e tA'H 1.6
dodeCTntan.W2dedeoutui)rn duManno,
aerear ns dtairlctns eas paradadas wminnbia*
5." drta.Engenhos Massanass, Malapissuma,
Dous Bracos de baixo, Dons Bracos de cima, Barro
Bramo, Caipora, Camassari.No engenho Massa-
nas.-d.
6." dita.Engenhos. Jindii-Meirim, Oaca, Cam-
j pestre, Jundi Rolla.No enf;enho Campestre.
7.' dita.Engenhos Bcm-Jardin, Bom-ftm, Scrra
Nova, Boa-Vista, Frerheiras e sitio do Arro-
deln.No engenho Frecheirai.
8.' dita.Engenhos Liberdade, S. Manoel, Jiqui,
Arandii, Arumannan Cabrunema.No engenho
Arando.
N. 98 Dita.O presidente da provincia, de
conlbrmidade com a proposia do chefe de polica,
em oflicio n. 412 de 20 de marco ultimo, resofc-e
nomcar para o lugar vago de subdelegado do 2o
districto da freguezia de Maranguape do termo de
Oferta, a Joaquim Cavalcante de Albnquerque
iJunior.
3." seegao.
N. 99.Portara ao inspector da thesouraria de
fazenda.Recommendo a X. S.: que em vista das
inclusas cuntas e documentas, nue me remetleu'o
chefe de polica, com offieios de 11 e 27 de feve-
reiro e 17 de marco deste armo, sob ns. 208, 297 e
399, mande entregar ao thesuureiro daquella re-
parli?ao, por conta do creilito de 5:0003 aberto,
por portara de 30 de maio ultimo, para soccorro?
pblicos, a qnantia de 8*17*260 ou a que se liqui-
dar, das despezas feita- com soccorros prestados
.aos habitantes dos lugares que foram inundados
pela ultima cheia do rio Capibaribe.
N. 100.Dita ao mesmo.Tendo por delibera-
co desta data, notneado a Manoel Rodrigues do
O' para servir interinamente de mostr da offlcina
da 6* elasse do arsenal de uerrn ; ssim o com-
muniro a V. S. para seu xmheciraento e direc-
c3o
N. 101.Dita ao mesmo.Autorisando o enge-
nheiro enearregado das obras militares a mandar
executar, de conforraidade com o ornamento cons-
tante do oflicio incluso por copia do fiscal da iHu-
minacao a gaz, de 2 do corr-jnte sob n. 131, os con-
certoe precisos na illum-nacao do quartel do
deposito de recrutas e da enfermara militar; assim
o ommunico* a V. S. paralen eonhecimento e
direccao.
N. 102.-w-Dila ao m\smcTendo por delibera-
fa,o desta data suspendido do excrcicio de seus
empregos os mestres dasofficina de 3* e 6' elasse
do arsenal de guerra Cand do Jos de Goes Telles
e Casimiro Reis Gomes da Silva, assim o commu-
nico a V. S. para seu conhicimento e direccao.
N. 103.Dita ao inesiro.Autorisando nesta
a o director do arsenal de guarra a fazer w
offleinas desse stabeteeiment" a redu-
qlo constante da nota junta, e bem assim a dos
jornaes que percebem alguns operarios, e que nao
correspondem ao servieo que prestou; assim o
communieo a V. S. para seu eonhecimento, e em
respnsta ao seu oflicio de 23 e junno do anno pr-
ximo p?ssado sob n. 459.
N. 104.Dita ao mesmo.Transmiti por copia
a V. S. para seu eonhecimento e execucao o inclu-
so aviso expedido pelo ministerio do imperio em 20
de marco prximo tln do, no qual se declara nao
poder ser reconhecida a divida de exercicio findo1
na importancia de 761*640 constante do processo
Je Squidneao que acompanhoa o ofBcio de V. S.
dirigido qnelle ministerio em 17 de fevereiro ulti-
mo sob n. 2. reclamado >elo padre Joaquim Gra-
ciano de raujo como substituto das aulas de
rhetoriea, philosophia, histpria e geographia do
curso de preparatorio annexo-a Faculdade de Di-
reito, visto que o figurado credor nenhum direito
tem ao augmento de vencimentos que se Ihc
contou.
N. IOS.Dita ao mesmo.Devolvo a V. S. o
incluso reqiterimento documentado, em que a
vi uva eherdeiros do bnrao de Beberibe, pedem
permissao para transfer rem a Jos Alves da Silva
corrente, com o jardim do palacio da presiencia-
fknndo aberto verte das eventuacs, creditasnp-
pleinentar de igual qoantia para ess despeza.
N. 112.Dita ao mesmo.Dovoro a V. os
dous. jnetusos pret^, tirando vencimentos, cortar
de 16 de abril 13 de mato do anno proximo^pas-
sado, paita os guardas naeionaes do G batalhao inraatar, que estiveram aquartelladws para o
sefwco o polioia, barreira n-erdeDafas de di-
versas autoridades, afim de-que em vista da iufor-
macao junta por copia, do eommandaBtesuporior
dwte municipio, datada db 31 de mar^o nltimo,
sob n. 50, mande pagar laes vencimentos, cora ex-
clusao dos que dizem i -esperto as duas pragas, que
de mus figurar no pret correspondente segunda
quinaena do citado mez de atl, conforme- V. S.
indica em seu offieio n. 466 do 1* de agosto da-
quelte no, com referencia ao-parecer ua conta-
doria dessa thesouraria.
N. U3.^)ita ao mesmo.Er resposta ao sili-
cio de V. S. datado do Io do corrente, sob n. 169,
declaro-me que deve offlcar ao fseal da collecto-
ria do Pi d'Albo, pora que nos Serros e exemplo
do que dispde o 12 do art. 5 d regnlameuto *
13 de setembro Je 1861, nomeie eora approva^ao
dessa thesouraria pessoa idnea para exercer u>-
terinameme as funccScs do lugar vao dacollec-
tor daquelle uuiniciino, at que seja feito aefinitl-
vamente o respectivo provimento por esta presi-
dencia.
N. 114 Dita ao mesmoDeclaro a V. S. pa_ra-
seu conliecimentoe fins convenientes,, qoe por de
liberacao desta data resolv nomear a Ma
N. 130.Dcllberacao.O presidenle o*a provin- qual se faz aecessario ofcina de 4" elasse do
anoel Lei-
tao Figoeira e Manoel Jos da Silva Jnior, para
os empregos : o 1 de collector c o 2* de esenv^o
da collectoriade rendas provinciaes do municipio
de Barraros, creada por outra detiberacao de
hoje. .
N. 115.Dita ao mesmo.Transmiti por copua
a V. S. para seu eonhecimento e devida execucao
a deliberacao desta data, neta qual resolv crear
urna collectoria no municipio de Barrriros.
N. 116.Dita ao mesmo.Depois de liquidada,
em vista da conta junta "m duplicata, a despeza
feta nos mezes de dezembro do anno prximo
passado i fevereiro ultimo, com o forneeimento de
luz e agua para o quartel do destacamemo da villa
do Pao d'Alho, mande J. S. pagar a importancia
de tal despeza Antn! Gomes de Sant'Auna,
conforme solicitou o chefe de polica em oflicio do
Io do cwrcnte, sob n. 1,053.
N. 117.Dita ao mesmo.Autoriso V. S., nos
termos de sua informacao de hnntem, sob n. 170,
com referencia a da contadoria dessa thesouraria,
acerca do reqoerimento que incluso devolvo, a
mandar pagar a importancia da 3* prestacao. a
que tenj-direito Bento Joaquim Gomes, na quah-
dade de arrematante da pente dos Remedios, como
se v do certificado annexo ao mencionado reque-
lmento.
N. 118.Dita ao chefe da reparticao das obras
publicas.Tendo resolvido, de conformidade com
a sua informacao de hnntem, sob n. 130, conceder
a licenca que' solicitou Manoel da Silva Santos,
l>ara construir um cano de esgoto na sua proprie-
dade, sita ra da Conreicao n. 6, urna vez que ;
elle se snjeite as mesmascondicoes impostas ou-
tros em idnticas circumstancias ; a^sim o declaro da gnardvnacional
c leudo em vista o que ponderou a cmara mu-
ucjpui do llecife, ein offlcio de 12 de marco pr-
ximo Ondo, s^l n. 9, rcsolve appmvar provisoria-
mente nos termos do art. 2* do decreto de 23 de
outubro de 1SM, os artigos depoetura-i addicio-
naes ateixo transcriptos.
Artigo 1. N< fronfoos das casas- de esquinas
permtafcio abertura deneenl< r dejanrllas
eom as dimensoes sipilladas as posnras ra vi-
gor para as janellas das sota.
Art. 21* Ficam revogadas- as d*J|>eeicG em
cuotiario.
BWBDIESTE ASSIONADO" PELO SR. DR. I0A.4UM CORKBA
DE ABAUM, SEimiTMIO DO OOVBRffO, EAf 3 DE
ABRIL DE 1869.
1' seero.
N. 131.Offieio ao Exn. general commandante
das armas.De ordem de S. Exe. o Sr.-presidente
da provinera dertaro a V. Exc. em resposta ao seu
oflicio de 2 do cotrente, seb n. 189, que fica expe-
dida-^ cuuivuienta orden ao gerente da eompa>-
nliiaR>rnanibucana, para fazer receber e trans-
portar para o presidio do Firnando de Noronh no
primevo vapor que para a seg-iir e guarda na-
cional do batnliiae-de infamara desle municipio1
Qftnino ile Sant'Anna Guedi-s que vai substituir
outro no destacamento do mesmo batalliao
N. 132.Dito ao mesmo.S. Exc, o Sr. presi-
deute da provincia proTideneiaiido nesta data m>
sentido d serem feilos os coocertos precisos na
illuminacao do quartel do deposito de recrutas e-
da enfenuaria militar assim o manda communi
ear a V. Exc. em resposta an seu offlcio de 13 de
uian-o ultimo, sob n. 146.
2a seceo.
N. 133.Oflicio ao Dr. chefe de polica.O-Exm.
Sr. presidente da provinoia manda declarar a V. S.
que, nesta data, se expedio ordem ao gerente da
eompanhia Pernambneana para fazer embarcar no
primeiro vapeftaue seguir para Fernando as pra-
cas de que IKta o seu offlcio-n. 52 de 2 do cor-
rete.
N. 134.Dito ao mesmo-.O Kxm. Sr. presiden-
te da provincia manda transmiltir a V. S. o titulo
junto de nomeacao do cidado Joaquim Cavalcante
de Allnumerque Jnior para o lugar vago de sub-
delegado da freguezia de Maranguape do termo de
Oliivda, de conlbrmidade com a proposta de V. S.
ein ollii-io ii. 412 de 2d da mez-lindo.
N. 133.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. pres-
demela provincia, respoudendo o offlcio de V. S.
do Io do corrente. sotan. 1033. manda declarar que
a thesiiniaria provincial tem ordem para pagar a
Antonio Gomes de San! Amia a quantia de 185000
constante de wu citado oflasba,
N. i:Ui.Dilo a mnsnm8. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S. em res-
posta aos sous offlcioi de ti e 27 de fevereiro e
"117 de marco" deste anno, sob ns1. 208, 297 e 399,
que a tliesouraria de fazenua tem ordem para en-
trenar ao thesourero dessa reparticao a quantia
de 8974260, ou a que se liquidar das despezas fe-
tas com soccorros prestados aos habitantes dos lu-
gares, que foram innundados pela recente chela
do rio Capibaribe.
N. 137.Dilo ao-commandante superior interino
I de Flores.O Exm. Sr. presi-
nesmo arsenal.
N. 151.Ficam approvados os contratos que
em 3, 10, 15 e 20, e segundo os termos annexos
ao offlcio de 23 de marco ultimo effecluou' esse
conselhe com diversas pessoa* para forneterem os
vveres, dietas, fardamento e outros artigo* de
consumo aos navios da armada e eslabeleciiuen-
tos1 de marinha durante o trimestre corrente de
abr* a junho.
i seceo.
N. 152.Portara ao Dr. chufe dVpocia.Au-
toriso V. S. a mandarproceder aos tafos de que
necessta acadea da villa de Cimbres,_e que, se-1
gundo o eu relatorio sobre prisoes, estSo oreados
em 400*.. jwdeudo eucarregar o delegado de poli-
ca daqueBe termo a despender con taes reparos
at a meitrionada quantia.
N. 153.Dita ao juiz de direito da comarca de
Caruar.Informe V. S setore o que representa
a cmara municipal da villa de S. Benlo no one-
ci junto por rupia de 19 demarco prximo IVndb
con referencia ao archivo da mesnia cmara, pro-
videnciando pora ioe a justie seja bem e regu-
larmente administrada nessa cuoiarca.
N. 154.Dita ao eummandantc do corpo pro-
visorio de polica.Verificada a incapacidad* phy-
sica do lurriel Francisco Pereira de AssK cabo
Jos -Marcelino da Cuaba Fragoso e soldado J6ao
ateeiro Mendes Btezerra, todos do eorpo sobasen
commaodo, como- consta do seu offirio de 3 do
corrente e dos attestadbs que o acotnpanharam;
autoriso- a Vmc. a eliraina-los do referido corpo.
N 153tDito au delugado de polica do terme
Je Cimbres.Constando de oflicio db inspector db
thesouraria de fazenua de 2 do corrente sob re.
1S6, nao haver essa delegaeia reinettdo, como se
exigi em oflicio de 3 de dezembro de 1867 o pret
nominal e mais documentos, que se fazem preci-
sos para legalisar o pagaiuedto que na mesma
data tnanduu a presidencia effectuar sob a sua
responsabilidade, na importancia de 669 j>300, e
proveniente dos vencimentos de urna escolta que
conduzio recrutas desse termo para esta capital, e
das despezas feitas com captura de taes recrutas,
recommendo a Vmc. que envi taes documentos
at- 31 de maio prximo yindouro, conforme soli-
cita o mencionado inspector.
3* seecao.
PC 166. Portara ao inspector da thesouraria
de facenda.Sendo-me declarado por art*0 Uu mi"
nisterio da guerra de 27 de fevereiro ultimo, que
o crdito de 639 ViSD, de.que trata a informaca)
de V. S. n. 37 de 20 de Janeiro foi destinada cons-
iruccao dos boeiros das forjas de ferreiros do ar-
senal de guerra, oreada na quantia de 380A380; ao
pagamento-de 2il*H0a Jos Pereira de Alcntara
do O, por concertos feitos na coberta do quartel
do Hospicio, e 413090 para outros reparos do mes-
mo quartel; pelo jine solicitara-se do ministerio
da lazend a expenicao de ordens para ser aug-
mentado coma quantia de 109690 emque foram
oreadas a* despezas, que em 22 de Janeiro autori-
sei, para concert e remocao doboero da offlcina
de latoeiro, para a de ferreiros do mesmo arsenak
assim o faco constar a V. S. para sua intelligencia
edireccab recomraendando que para cumprimen-
to do citado aviso informe com brevidade se ja se
a -a en eonhecimento e devidos effeitos, I dente da provincia manda declarar a V. S. epijjge-! Irealisaram os pagamentos das quantias que prea-
'i-la o sen oflicio do 1 de marco ultimo, qomM^ wn Ccredito primitivo de 639#"80.
N. 119.Deliberacao.Opresidcnte da provin-
cia, rcsolve conceder ao bacharel Francisco Coi- pedio-se ordem a thesouraria
nelio da Fonseca Lima a demissao que solicitou do
lugar de ajudante do procurador fiscal da comarca
de Palmares.
N. 120.DitaO presidente da provincia no-
meia, na conformidade do art. 53 do regulamcnjo
de 21 de julho do anno passado, a Manoel Leitau
.'igueira c Manoel Jos da Silva Jnior, para os provincia, transmuto para os
empregos : o Io de collector, e o 2 de esenvao da inclusa copia da portara pe!
collectoria das rendas provinciaes do municipio de
Barreiros, creado por deliberacao desta data.
N. 121.Dita.0 presidente da provincia, to-
mando em consideraban o que representaran 178
habitantes do municipio de Barreiros. acerca do
ncommodo c prejuizos que sofrem quando teem
de recorrer, para pagamento dos respetivos im-
nostos collectoria das rend..s*provinciaes dter- .manda declarar a V sv para sen conheemento e
(ie fazenda para pa- jf.
gar ao altere5 Jos Raymnndu Pereira, ou ao seu
procurador Joao Teixeira da Rwha os vencimentos
constantes ile seu citado offlcio.
3a seecao.
N. 138. -Offlcio ao inspector d thesouraria ito
fazi-ndaDe ordem de S. Exc o Sr. presidente da
fins convenientes, a
a qual se concede ao
alferes reformado do exercito J aquim dos Santos
Nevos, a etape de lOW diarios, conferid i por de-
i reto n. 1256 de 8 de Julho de 1863, aos offlciaes
que lervtram no exercito dnrante a Iota da inde-
pendencia.
N. 1311 Dito ao inspector da thesouraria pr i-
vincial.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
157.Dita ao mesnap.Tendo nesta data au-
.torisado o consclho de compras do_arsenal de
guerra a promover a compra do lato em Icncol
mo d'Agua-Prcta, que dista daquelle municipio
mais de dez leguas de mos caminhos, sobre tudo
na estacao invernosa ; delibera, depois de ouvdos
os membros da junta da thesouraria provincial,
crear, como effectivamente crea, nos termos do
art. Io doregulamento de 15 de setembro de 1861,
urna collectoria para arrecadac,ao dos imposto do
sobredito municipio de Barreiros, o qual fica des-
Guimaraes pela quantia de 9:000, o dominio til i ligado da do termo d'Agua-Prcta, a que at agora
do terreno de marinha ti. 69, sito a ra Formosa pertencia.
no bairro da Boa-Vista, afim de que proceda a
e.-.se respeito de conforraidade com a sua informa-
do de hontem sob n. 182, depois de pagos os foros
e direitos respectivos.
N. 106.Dita ao mesmo.Mande V. S. satis-
fazer ao visconde de Camaragibe, conselheiro Jos
Bento da Cunta c Figueircdo, desembargador Al-
varo Barbalho Ucha Cavalcante, Drs. Joaquim de
Souza Reis, Francisco do Reg Barros Barrete,
Joao Alfredo Correa de CMiveira, Theodoro Macha-
do Freir Pereira da Silva, Joao Juvencio Ferreira
de Aguiar, Joaquim Pires Machado Portella, Au-
gusto Frederico de Oliveira, e Manoel Clementino
Carneiro da Cunha. coneg Joaquim Pinto de
Campos, e major Francisco Raphael de .Mello Re-
g, a indemnisacao para as despezas de viagem de
da e vofta, o que tivorem direito na sessao do cor-
rente anno, como deputados eleitos por esta pro-
vincia a assembla geral, de conformidade com a
tabella annexa ao. decreto n. 1137 de l.de abril de
1853.
N. 107.Wta ao mesmo.Haja V. S. de mandar
pagar a Luiz Francisco de Luna a quantia de 10*,
em que importam as duas contas juntas de des-
pezas com a illurrinac/io da sala de cortejo do
palacio desta presidencia, no dia 29 do mez pr-
ximo Ando, por occasiaj de solemnisar-se o anni-
versario do juramenlo da constituicao poltica do
imperio.
N. D8.-Dta
o mesmo.Attendendo ao que
solicitou nomcltrso requerimento o juiz dedireiio
da comarca de Palmaros, Dr. Joao Ferreira da Sil-
va Braga, resolvi rousiderar abonadas as faltas
por elle dadas desde 16 a 23 de marco ultimo, afim
de que possa ser pago integralmente de seus ven-
cimentos corresponaenVs aquelle mez. O que
declaro a V. 9. para sen eonhecimento e devidos
effeitos.
N. 109.Drta ao mesmo.Expeca V. S. suas
ordens para que em vista das fblhas, relacSes
nominaes e prets, jjnlos em duplicara, que me
remetteu o commandante superior interiao da
eomarea dePtrw, com offlero do i, demarco
ultimo, sejam Huuidados e pagos ao alferes Jos
Raymundo Pereira, ou ao seu procurador Joa
Teixeira da Bocha, os vencimentos, corresponden-
tes aos metes de cuttrbro do umto passado e feve-
reiro prximo Ando, do offlcial e pracas da guarda
nacional desueada* em Villa-Bella, pois que, se-
gundo consta do cttado offlcio a respectiva collee-
torta na te* dinbeiro pira esse nagamente.
N. 110.Dita a hwh.Em viste das inclu-
sas contas em duplcate que remetteu-me o ebefe
da reparticao das obmpubKcas, mande V. 5. pa-
gar Vicente Jos* 8 OKWelra, a nnanria de m*,
nravnntentkda dnepe faite mano as matee de
dezembro mar i*i*imo, enm a. illuainncao o
palacio da pre^ieam.
M Mr.Beta ao-ft^peetor da thesouraria pro-
vincial.Ammindo ai> une siUeitone- ebefe da re-
t*r*to d*etei*s.pHWtc tw otkio homtem,
rffMwnd a V. S, qn%nm.tete das
N. 122Dita.O presidente da provincia, at-
ienden Jo ao que requereu o arrematante das obras
da ponte sobre o rio Massangana, na estrada do
sul, Joaquim Manoel da Cosa, resolve, de cunlor-
mdade com a informacao do chefe da reparticao
das obras publicas de 31 de marco ultimo, sob n
128, conceder dous mezes de prorogac,ao para a
condusao de taes obras, a contar do dia em que
se findou o prazo para esse fim marcado. Esta
ser apresentada as estacoes competentes para
ter a uevida execucao.
4"seecao.
N.. 124.Portara ao desembargador provedor
da Santa Casa de Misericordia.Respondendo ao
offlcio de V. Exc. de 19 de marco ultimo, sob n.
1,812, tenho a dizer que pede a junta administra-
tiva dessa Santa Casa contratar com Bento Jos de
Miranda o arrendamento que pede dos sitios das
Salinas ns. 15 e 18, pertencentes mesma Santa
Casa, sob as condicoes mencionadas no parecer do
respectivo mordomo, que vero annexo ao offlcio do
V. Exc. de 31 de julho do anno passado, *>b n.
1,480.
N. 12.Dita ao mesmoAutoriso V. Exc,em
vista de sua informacao de 2 do corrente, sob n.
1,823, a mandar inscrever nos respectivos qua-
dros, afim de serem admittidos nos collegios dos
orphaos e orphaas, quando houvcr vagas, o fllhos
de Senhorhiha Maria do Valle, de nome Manuel
Nunes do Valle e Emilia Petronilla do Valle; de
quem tratam os attestdos o certidocs inclusas.
rf. 126.Dita cmara municipal do Recife
Transmiti por cop'a cmara municipal do Re-
cife, para sen eonhecimento e para ser observado
desdo j, o acto desta data, pelo qual resolv ap-
provar provisoriamente nos termos do art. 2" do
decreto de 28 de outubro de 1831, a portara ad-
dicional, a qne se retere o-offlcio da mesma c-
mara de 12 de marco prximo Ando, sob n. 10
N. 127.Dita cmara municipal da cWbe de
Olinda.Declaro cmara municipal da ciflaae
de Olinda, em resposta ao sen offlcio de 18 de
marco prximo fimo, que approvo, nos termos do
parecer junto por" copia, do procurauor fiscal da
thesonraria provincial, de 2 do corrente, o contra-
to que a mesma cmara cplebrou com Isabel Ma-
na Wpis, para o tjpamento de um neceo junto -
sna casa swa ncHrpl dh Amparo de-sa cidade, o
qual, segundo' informa essa cmara, de nenhumn,
utilldade presentemente serve.
N. 128.Dita a gerente da eompanhia Pernam-
buean*.O Si*, gflnmte da eompanhia Pernambn-
eana transporto1 no primeiro vapor que seguir paca:
o presidio de Pewtudo de Noronha, por conta dn
ministerio da guerra, as pracas da guarda nado
drcccao,que nesta data coucedeu aobach irel Fran-
cisco Cornelio da Fnnseca Lima, a demissao ijue
solicitou, do lugar de ajudante do procurador fis-
cal de-sa thesouraria na comarca de aginares.
fl. no.Dito ao procurador fiscal dalhesoura-
ria provincial.O Exm. Sr. (.residente da provin-
cia manda declarar a V. S para seu eonhecimen-
to e devidos effeitos qne nesla data concedeu ao
bacliarel Francisco Cornelio da Fonseca Lima, a
demissao que" solicitou do lugar de ajudante dessa
procuradoria fiscal na comarca de Palmares.
N. 141 Dito ao chefe da reparticao das obras
publicasNesta data autorisou-se a thesouraria
de fazenda a pagar a quantia de 308000 constan-
tes do offlcio de V. S. datado de hontem e sob n.
134, o qual fica assim respondido de ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia.
N. I**.- Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provinoia manda declarar a V. S. em res-
posta o sou offlcio de honlem, sob n. 132, que a
thesouraria provincial (em ordem para pagar, ein
vista das competentes folhas, a quantia de 441469o
constantes do citado offlcio.
EXPEDIENTE ASS1KNADO PKI.O EXM. SR. C05DE DE
B.VBI-ESY. PKEMDBNTK DA PROVINO.!. EM 5 D3
ABRIL DE 1869.
Ia seecao.
N. 146.Portara ao Exm. general commandan-
te das armas.Inteirado do conteudo do seu offl-
cio de 30 de marco ultimo sob n. 175, tenho a de-
clarar-llie, em resposta que, segundo informou o
major director do arsenal de guerra no final de
su oflicio de 3 do corrente sob n. Tnilo tem-ha-
vido descuido da parte daquelle estabeleeimento
no forneeimento da roupa necessaria a enfermara
militar, cuja factura so aeha em actividade.
N. 147.Dita ac director do arsenal de guerra.
Ficam approvados os contratos que V S. cele-
brou com Manoel Joaquim Ferreira Estoves, e
Manoel Antonio de Jess, este para forneeer pao,
e aquelle gneros alim mticios necessarios ao ran-
cho da eompanhia de educandos menores desse ar-
senal, no trimestre de abril a jnho deste anno, e
constantes do termo que veto annexo ao seu offlcio
de 31 de marco ultimo sob n. 67 : o que declaro
a V. S. para seu eonhecimento.
N. 148.Dita a* eapitao do porto Em obser-
vancia de aviso do ministerio da marinha de 10
de fevereiro ultimo, rocommendo a Vmc. que de
ora em diunte os navios velhos que tlverem de
ser desmanchados, e nao o poderem ser inmedia-
tamente sem elfos fcar residuo, o sejr.ra sobre a
parte do recito desde o lugar em que sa acham
tundeadas as barcacas at a barrete das jangadas,
constante do pedidojunto por copia, sob n. 4. assim
o communieo a V. S. para seu eonhecimento.
N. 158.Dita ao mesmo.Annuindo ao que so-
licitou o chefe da reparticao das obras publicas no
offlcio junto por copia, datado de 3 do corrente e
sob n. 137, recommendo V. S.. que. em vista da
folha e contas inclusas em duplicata, mande en-
tregar a Rufino Manoel da Cruz Cousseiro, por
conta do crdito concedido pelo ministerio do im-
perio de 16 de novembro do anno prximo passa-
do e ordem do thesouro nacional n. 211, de 20 do
citado mez de novembro. a quantia de 4574290,
sendo 137*290 provsnicnte as ferias dos opera-
rios empregados nos reparos do palacio da presi-
dencia na semana de 22 de marco ao Io de abril
corrente, e 3203 de materiaes comprados para
taes reparos.
N. 159.Dita ao mesmo.Ao sargento Antonio
Augusio de Souza, mande V. S. pl|r, depois de
liquidada e em vista da folha e pret juntos em
duplicata, que me remetteu o commandante supe-
rior da comarca de Goianna, com oflicio do Io do
corrente, os vencimentos relativos ao mez de mar-
co ultimo do offlcial e pracas da guarda nacional
destacados naquella cidade. .
N. 160Dito ao mesmoTransmiti a >.
para os fins conveniente?, com attestado do facul-
tativo respectivo, as inclusas contas documnta-
las dos medicamentos fornecidos enfermara mi-
litar desta cidade pelo pharmaceulico Joaquim
Jgnacio Ribeiro, na importancia de 653*314 rs.,
a contar do Io de Janeiro a 31 de marco do cor-
rente anno, inclusive os que forneceu para os
prisioneiros de guerra paraguayos, e recrutas de
marinha tratados na mesma enfermarla, como se
v das contas em separado.
N. 161Dita ao mesmo.Tendo nesta dala ap-
provado os contratos das copias juntas que o con-
selho do compras navaes effectuou com diversas
piasoas para fornecerem vveres, dietas, farda-
ment e outros artigos de consumo dos javios da
armada e estabelecmentos de marinha, durante o
trimestre corrente de abril a junho, assim o com-
munieo -V.S. para seu eonhecimento.
N. 162Dita ao mesmo.Tendo nesta data ap-
provado os contratos constantes do termo junto
por copia, que o conseiho de coaipras navaes cele-
brou com diversas pessoas para fornecenam objef
tos de material da armada necojsarios para provi-
mento do almoxarifado do arsenal de marraba, as-
sim o communieo V. S. para seu eonhecimento.
N. 163 Dita ao mesmo.=Por conta do crdito
de 5:00W aberto a essa thesouraria para soccor-
engeirho Rosario, visto nao se achar a mencionada
quantia' incluida no pedido mental, relativo a este
mez.
N. f 7.Dita ao mcsio.=Tendo nesla date au-
torisado o chefe de noticia a en- arregar o delega-
do do termo de Cimbres a despender at a quantia
de 400* com os reparos de que precisa a cadeia
daquella vifta. assim o declaro V. i. para seu eo-
nhecimento e flns convenientes.
N. 172.Dita ao mesmo.Mande V. S. por em
basta publica os concertos de que necessila a ca-
deia da cidade oV Victoria, servindo de base a essa
arrematarlo o oPcamento jumo por copia, na im-
portancia de 2:3ri e a que se refere o offleio do
ebefi" da reparticao das obras- publicas datad de 3
de novembro do armo prximo passado n 385.
N. 173Dita ao mesmo.Attendendo a* ejw
Antonio de Moura Rohm provo por justifleaco'
produzida perante o jtizo djs feitos da fazeud.iv
qne desde M65 a 1868 s leve caixeiros brasifeiroy
em seu estabeleeimento de fazendas n. 31 sito
ra do (Jueimado, e estando por issOn<*Vaso de
gosar da k-ewo conferida pela le provincial n
590 de 9 de maio de 1864 e 687 de 3*; de maio de-
1866 art. 45 3 21 quanfo ao anuo financeiro d-
1866 a 186-7, o que reconheceu o consulado por
despacho de 3 d marco de 1866, como se v da
certidao annexa a primeiro de seus reqoerimen-
to, e que depois- desse deferiinento |>roferido peto
proprio consulado, nao poda o recurrente recla-
mar sem ter scieneia do acto, que o colfecten para
pagamento do imposto de 20 por rento sobre casa
de commcrcio-e db de 400 por vender roupa fei-
ta en paiz eslrangeiro-, acto que por nenhnm modo
se lhe fez constar, conforme se evidencia dos pa-
pis e inf-rinaeoes, que foram presentes essa
presidencia, o ujue ufes era indispensavel em ob-
servancia do denosto no art. 42 da lei n, 3W d 7
de maio de 1852, resolv dar provimento ao re-
curso interposto pelo referido Rolim, recommendo
V. 8: a expedirn- db ordem para o rceorrenle
ser dispiusado do pagamento dos s.ibredites iin-
postos relativos ao anno de 1866 a 1867.
N. 174.Dita ao ch-fe da repartirn da9 obras
publicas.Nesta data recommendo ao inspector da
thesouraria provincial quo mande por em hosla
publica os concertos. de que precisa a cadetada
cidade da Victoria servindo de base a essa arre-
inataeae o orcamento que na importancia de
2:310*000-veio" amiexo ao oflicio que Vine, me
dirigi em-3-de novembro do anno prximo pa-
sado sol) n. 38o, o qual lica assim respondido.
X. 175 Dita ao mesmo.Tendo nesja data au-
torisado*) clwfe de polica a encarregar o delega-
do do termo de Cimbres a despender ato aquanlia
de 4005080 com os reparos de que precisa a ca-
deia d aquella villa: assim o declaro a V. S. para
6eu conliecimento o fins convenientes.
4." seecao.
N. 170.Portara a cmara municipal do Ke-
cife. Autoriso a cmara municipal do Recife a
proceder de conformidade com o seu parecer de
23 de marco prximo lindo sob n. 13 sobre o lem-
po das arrematacoes dos diversos talhos de acou-
gue da ribeira das freguezias de S. Jos e da Boa-
vista feitos por Libante Candido libeiro 4 C. e
Landelino Antonio Ferreira.
N. 177.Dita a cmara municipal da villa de S.
Bento.-Inteirado do quanto communicou a cma-
ra municipal da villa dr- S. Bento em offlcio de 19
de marco |>roxiino (indo relativamente ao archivo
da mesnia. tenho a dizer-lhe em resposta que na
falla do Uno das actas para os trabalhus do suas
sessoes cuinpre que se n.una de novos lvros nao s
para aquelle lim como para qualquer outro que
fr necessarios a regularidade de suas funecoes,
os quaes devem ser rubricados e conter termos de
abertura e encerramento. Quanto aos impostes,
nao arrematados pela cmara transada onvm
que sejam postes em hasta publica, ou arrecada-
dos por administracao se nao forem arremata tos
pelo lempo que faltar para completar o anno li-
nanceiro corrente. .
N. 178.Dita ao mesma.Inteirado por QUHO
de 19 de marco prximo flndo de ter a nova cma-
ra municipal da villa de S. Bento prestado jura-
mento e entrado ein exercicio 110 dia 18 do mes-
mo mez, tenlw em resposta a dizer a referida c-
mara que remella com urgencia a esta presidencia
urna copia aiithentica da acta da nova apuracao
geral dos votos para vereadores. a que se mandn
proceder por portara de 22 de Janeiro do corrente
anno, em virtude Je deliberacao de igual dala.
N. 179.Dita a cmara municipal da villa do
Cabo.Remello a cmara municteal da villa do
Cabo em resposta ao seu offlcio de 2 do corrente
sob n. 228 a inclusa copia da acta da eleicao do
collegio eleitoral da villa de Serinhaem para depu-
dos geraos pelo 3" districto desla provincia, e di-
zendo a mesma copia fiear no archivo da secreta-
ros pblicos, mande V. S. pagar Clarindo Clao
& C. a quantia de 135*400 rs. em que, segundo a
cont, junte em duplcala, que me remetteu o Ins-
pector da sade publica com offlcio de 4 de marco
ultimo, importam os medicamentos por elles forne-
cidos para o tratemento das pessoasdesvalidas
atacadas da varila no termo de Serinhaem.
ft 164.Dita ao mesmo,Tendo nesta. date ap-
provado os contratos que o maior director do ar-
senal de guerra celebren em 31 de marco ultimo
com Manoel Joaquim Ferreii a Estovo* -o Manoel
Antonio de Jess, este para forneeimento de pao de
primeira qualidade, e aquelle de gneros alimenti-
cios necessarios ao rancho da eompanhia dos edu-
candos menores do mesmo arsenal, no trimestre
ra do governo, expeco nesta data as necessapa-
ordens a cmara municipal da mesma villa de Se-
rinhaein para enviar igual copia a essa cmara
que dever devolver-me a de que cima trato.
N. 180-.Dita ao gerente da com]anhia Pernam-
bneanaO Sr. gereute da eompanhia Pernambu-
c-ana mande dar transporte no 1 vapor que se-
guir para o presidio de Fernando por conta go
ministerio da guerra aos guardas nactenaes do >
batolbao de infantera deste municipio, Jos Ana-
cido Diniz. Innocencio Jos Ricardo, Manoel r ra11-
cisco da Ijiz, Laurentino Alves da Franca, Platao
Candido Jos Machado e Iteymundo Manoel 1 erei-
ra, 0quaes vao destacar n'aqueie proemio.
K. 181.Deliberacao-O presidente da provin-
cia attendendo ao que requereu o continuo da se-
cretaria do governo Archanjo Chrspinano de
Gouva Cavalcanti resolve poorogar por 3> ineze-
com oidenado sement a licenca que lhe fu con-
cedida por portara de 19 de deaembro do anno
prximo passado, para tratar de sua sade.
BED1ENTK ASSIONADO PKLO-S. URJOAqUM CORREA
DB ARAUJO, SECRETARIO DO GOTERNO, EM 5 DK
ABRIL DE 1869.
1.' seecao.
N. 182.Offlcio ao Exm. general commandant-
das armas.De ordem de S. Exe. oSr. presidente
da provincia, declarla V. Exc. ero resposta ao
seu offlcio de 3 do eorronte sob n. 191, que tica
expedida a ordem necessaria ao gerente da eom-
panhia Pemambueana, para fazer receber e trans-
nortar ao presidio de Fernando no vapor que
para all seguir os seis guardan nariaiaes^do^ 3o
ou na pTate do'norte da. furlaleza do Brum quatt- de abril a junho deste anno, e oonstonlesdp termo
do por seu calado d'agua nao possam ser alli, obri- junto por copia, assim o communieo a
garrdo-se ns respectivos prrprretilfls ou cotpigna- seu conhecimeno.
terios por termo lavrad nessa fepartoip a tez-
|o dentro dfe prazo breve, o a inderanjp! as des-
pezas que se flzerem no c.so de abandono, de con-
formidade com as informacoes d$*i capitana n.
1T1, de?6 de fevereiro e n. *5,ik> f do corrente.
% 19;Dita ao presiden dn^nraeUwik com-
pras navaes. ftesnonuo o oraejo que V. S. me
dirigi em 22 de margo ultimo, dedaraado-lhe que
flcam approvados os contratos que o BOnselho de
'nal one fbrem-ltie apre*mtedas. e qne vo alli des
--owras que devem regres- MmPf*
tacar, em s
sar es
ft O?.
panfrfs
por oft^ilotaMMtfb t-i
Sr%^aJd^rW'TrfWwrrf< ..
"ttH*-0" rtWVl-'iNHnMH' 9j t* v taJh!
rtt mk mamte euy.nto aWajrfttrt
em 2r> daquelte mez, para fornecimente de objec-
rjmestao.-ft Sr.erenda eom, tainecessairos avatoxatifto do arsenal de ma.
f*3J.-WthTmec^eetho * |8eTni.--4.utdrK o coosfWw de wmprasdn
1|atlaV.urt a proratrrer* eoropt* lio tW
teihjp?^ coustantt dr; jmmo tana sob a. M
N. 169.Dita ao mesmo.Expeca V. S. uas
ordens, para que em vista das inclusas contas e
relacoes, sejamliquidadas as despeas feitas com o
sustento dos presos pobres di. cadou do termo de
Garanhuns, durante os meiss de janeiro eJeve-
rro deste anno, e pagar sua importancia aos-ne-
gociante* Lopes A Paiva, naransse fim >owos
em oSEo doXfe de poliou.datedo de 3 do cor-
"^^r^aolmasma^romando emeonsi.
decacab o que poz o choTe o^ reparti, da
portar ao presu
para alli segu.i ..o w. Pi.........-
batalhao de infantera deste municipio que fleaia-
cam para aqueito presidio.
i.' seecao. .
N. j.-Oflleio ao Dr. chefe de P0''0"^-^*0.
o Sr. presidente da provincia, maM.^hr" -
V 8. m resposta o offlcio dessa repartido de1 do
setembro do anno prximo passado- sob n. bW2,
que nesla data antorisou-so a thesouraria provin-
cial a mandar por em arrematecao os concertos
de que precisa a cadeia da cidade da Victoria.
I? l&VOito ao mesmo.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V S. em respos-
ta o seu offleio de 3 do corrente sob n. 471, que a
thesouraria provincial tem ordem para, pagar aos
negociantes Lopes A Paiva a quantia de 225*200.
N.W3. Do ao eommnndttnM superior da
guarda nacional de ttoyantia.Neste date auteri-
sou-bc a (hesonrarih de temida a pagar ao-aa-J
i gente Antonio Aagusto do Souza os veoeimenos,
constantes do oflmo de V. S., datado do t do cor-
wnte- o ijuai ftca- assim respondido de ordem do
Bsm. Sr. presidente da ppovmoia.
N. *86\~Dto ao Dr. jui de diraw da eoma*a
do Bonito,Be ordem do Exm. Sr. prndente da
provincia aecuso o recebimento do offl
JS Srat. {M^^^['
t jabeado e Wr|.para,o aitatot fla xartea. do l'que ao mesmo nao acoropMmon o olmo en
a^Rmnaii


Diarie de PernniJwco Terga feira 20 de Abril de 1869.
post* a porlaria do Exm. Sr. eonselfceiro presi-
dente do supremo tribunal de jwtica sobre a re-
claimcao de antiguidade do jua 4e"direito Ignacio
Joaquim do Paiva Freir de Andrade que V. S.
dira tcr reracttuJo.
3"seec5o.
N. i87.Offlalo ao inspector 4a thesouraria de
fazenda.O Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. para sea eonheeimento e
flns convenientes que no roqueriawnto da ii man-
darte do Divino Espirito Santo, erecta na greja
dos extractos jesutas, a que se refero a sua infor-
macao de 3 do corrente, sob n. 183, lancta o des-
pacho segainte: Obrigando-se snpplicaate a le-
vantar o muro com as dimensdes rutadas em termo
lavrado e assignado perante a thesouraria de fa-
zenda e a derooh-lo no lim de dons annos, se an-
tes nao lhe r exigido, dirija-se ao Sr. inspector
da mesma thesourariaPalacio do governo de
Pernambuco, 5 de abril de 1869.Conde de Bae-
pendy.
N. 188.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda transmittir a V. S. com-
Setentemente despachados os requerimentos do
acharel Juao Paulo Monteiro de Andrade e Jos
Thomaz _de Aguiar Jnior, a que se refere a sua
informaejio de 3 do corrente, sol) n. 183.
N. 189.=Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S. ero res-
posta ao seu oflico de 2 do corrente, s b n. 182,
que nesta data exigi novamente do delegado do
termo de Cimbres a romessa dos documentos de
que trata o citado offlcio.
N. 190.Dito ao chefe da repartieao das obras
publicas.O Exm. Sr. pre-idente da provincia
respondendo o ofllcio de V. S. datado de hoje, e
s)b n. 139, manda declarar que a thesonraria pro-
vincial tem ordem para entregar ao Uiesoureiro
dessa repartido os 2:2005 constantes do citado
oficio.
N. 191.Dito ao mesmj.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S. em respos-
ta ao seu odicio de 3 do corrente, son 137, que a
thesouraria de fazenda tem ordem para entregar a
Rufino Manoel da Cruz Cousseiro a quanlia de
4574290 constante de seu citado oflico.
DESPACHOS DA VICE-PRKSIDENCU DO DA 16 DE ABRIL
DE 1869.
Antonio Jos Leal Reis.Encaminhe-se.
Antao Francisco Rodrigues. Indeferido.
Candido Tueotoio da Cmara SantiagoInfor-
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Ciciliano Mamedo Alves Ferreira.N'esta data
se
F
plicante o que allega.
Dr. Hisbello Florentino Correa de Mello.In-
forme a thesouraria de fazenda.
Ignez Maria da ConceicaoInforme o Sr. ins-
pector do arsenal de marinha.
Joao Damasceno Barros.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Joaquin Francisco de Rarros DarretoNesta
data se providenciou a respeito do que pede o sup-
plicante.
Maooel de Barros Barreto.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Mauricio Jos dos Santos Ribeiro.Informe o
Sr. Dr. chefe de polica.
Octavio Afon-o de Mello.Nesta data se provi-
denciou no sentido que o supplicante requer.
Sociedade Beneliccnte Dezesete de Janeiro. In-
coriiol Joaquina Thooclor* Gisniro, lia comarca
do Cabo, estando dominio ultimo a (impar usa la-
vinote d- ubi morador ilo dito ngenho, esteflis-
parou-se, :ii)preando- >e a carga que elle cauli
ulia n'uma milher de rome Alxandrina, fue na
oceasiSo sahi ii m. Apenas lhe constou o
faeto, o Si o-eecravo aoTCsp.'i-
tivo delegado de polica, que vai instaurar* pro-
cesso.
COMPAWMA l'ERSAMBCCW A.-f) vapor Ja-
gaaribe dosta coripaala sahir para Penedo, com
osala por Macei, no%a 12, s 5 horas da larde,
'loado anda hoje o amanlia carga para os
portea to seu destino, conforme o amtuncio da
inesm**compnnhi;i.
L0TER1A.=A (jue se ama a venda a I05.va
I enelieio da igr 'J3 de S. Sebastiao do Bonito, que
corre hoje.
PASSAGEIROSDo vapor Mamang atipe, wido
de Goyanna :
Alfonso de Alhuquerque Mello, Jos Yieira de
Mello, Joao Duarto Pimenlcl, Lauro Augusto Hcn-
riques da Silva.
providenciou no sentido que requer.
Francisca Soares da Conceicao.Prove a sup-
forme o Sr. desembargador presidente do tribunal gui de volta para a villa do
do comniercio. a nm explendido baile.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Nafegaqiio fluvial dos rios Ca-
juaragibe e Manguaba ao nor-
te das Alagas.
Na noute do dia 31 do mezpassado o Exm. Sr.
Dr. Jos Beato, presidente das Alagas, aeompa-
nhado do Sr. Borges, do seu ajudante de.ordens o
de alguns amigos que tambem o quizeram acom-
panhar, einbarcou-se no vapor Parahyba, da eom-
panhia de navega^ao costeira de Pernambuco, e
seguira.m para o l'asso de Camaragibe com o fim
de proceder-se explorar1) daquelles dous rios
ao norte.
At o dia 13 ainda achava-se S. Exc. no Ga-
mella da (larra Grande.
No vapor Mossor, tambem da mesma cotnpa-
nhia seguio o Sr. Borges aguas cima daquelle pri-
meiro rio que foi r ;conhecido capaz de navegar-se
depois de alpms melhoramentos, o vapor navegon
inais ou menos livremente cerca de cinco leguas.
S. Exc. tem sido bem recebido e bastante obse-
quiado por todos os lugares por onde tem careci-
do transitar.
Na villa do Passo um concurso numeroso de
pessoas mais gradas veio receber e cumprimentar
S. Exc. com as mais vivas demonstrares de rego-
sijo : o Exm. Sr. Dr. Manoel Joaquim de Mendonija
Castello Branco nada poupou para que se tornas-
se esplendida c faustosa a recepc5o de S. Exc.
Nessa mesma noule o Exm. Sf. Dr. Jos Bento,
aeompanhado de muitos e distictos cavalleiros se-
guio para o engenho do mesmo Sr. Dr. Manoel
Joaquim onde lhe destinou este o mais confortavel
e primoroso acolhimento e a todas as pessoas da
comitiva de S. Exc.
A residencia de Buenos-Ayres de muito reo-
nhecida pela elegancia e boni gosto com que aquel-
le tao distincto proprielario tem conseguido embe-
lesa-la tornando-a ao ver dos melhores entendidos
um engenho modelo.
Alli urna bella sociedade de cavalleiros e sc=
nhoras tornaram o mais aprasiveis as horas da
hospedagem de S. Exc, depois du dous dias,.se-
Passo, onde assistio
Ere.'* aos mais as provas do seu regosijo e ca-
vaHonisaw transportando6. Exc. e seiis comfft-
nheirosde v'meem para a povoacao do Gamella,
onde eram esperados.
All os iruiaos Banes, negociantes abastadas*
nota veis peIa,pohdez de sea trato, acompanhaes
de muitos outros proprietarios, negociantes e es-
sas do jpovo esperavam a heira mar o desembar-
^no da S. Exe. Res e depois do qual numerosas-J
gyraodolas de fguetes.atroavain os aros.
Ao desembarque d > S. Exc. um dHes kn-antou
vivas a Sua Magestaie Imperial, ao Exm. presi-
dente da provincia c ao* cavalleiros que o ;icom-
panhavam, vivas que respondidos geralmente com
enthusiasmo forain agradecidos por um dos habi-
tantes do Gamella.
< s irmaos Barres ondoziram S. Exc. e a comi-
tiva que o acompanhava a um aposento ricamente
mobiliadorom gosto e elegancia, onde depois do
conveniente repouso toi servido um lauto e ex-
plendido almoco, no qual nada absolutamente fal-
tn para preencher o desejo dos mais severos
apreciadores.
Ahi licou hontera 13 do corrente, o Exm. Sr.
Dr. Jos Bento, com ilteucao de visitar os morros
do Camaragibe e concluir a exploracao com o Sr.
Borges, quo t5o bons servicos lhe tem prestado
neste empenho* aflauoso, tornando-se por elles aiu-
da mais digno de muilase repetidas saddes e bvin-
d's querecebou e:i) differentes jantares, nos quacs
era recordado seu zelo, actividado'c dedicado pe-
lo melhorament da navegacao costeira das pro-
vincias do Pernambua e suas vizinha> ao norte
e sul, as quaea o neme daquelle distincto ca-
valIeiro*por certo icar immortal.
A bordo do vapor Paraliyln, 10 de abril de 1869.
Sociedade Benelicente dos Artistas Alfaiates.
Designo para director o socio Joao Correa de Car-
val lio.
Valeria.Provea supplicante o que allega.
lepar! J^c la polica.
2' secyo.Secretaria da polica de Pernambuco,
19 de abril de 1869.
N. 538. Illm. e Exm. Sr.Tenho a honra de
levar ao conhecimento de V. Exc. que, segundo
consta das participa^oes recebidas hoje nesta re-
panicao, foram recolhidos casa de detencao nos
dia?, 17 e 18 do corrente os seguin'.es indivi-
duos :
No dia 17, ordem do subdelegado de Santo
Antonio, Rita Maria da Conceicao, por desordem, c
Manoel Goncalvcs Galipo, a requisicao do eapitio
do,porto.
A ordem do de S. Jos, Manoel. escravo de Ma-
noel Zefcrino Dias Barreto, por disturbios.
No dia 18, ordem do subdelegado do Recite,
Epiphana Maria da Conceicao, po"- insultos; Joao
Baptita de Lemas c Manoel Dias Borges, por cs-
pancamciiti.
A ordem do de S. Jos, Firmino Herculano da
Silva, por desordem.
A' ordem do da Boa-Vista, Justino Luz Jos de
Franca, por insultos.
A rdein do da Varzea, Jos Francisco dos San-
tos; conhecido por Jos Cavallaria, como crimino-
so no termo do Nazareth.'
Em ofleio de 11 desfo mez, parlicipou-me o
subdelegado do districto de Carsuipe do termo de
Agua-Preta, que, pelas onze horas da noite do dia
anterior, na povoacao dos Montes d'aquclle distric-
to, Galdino de tal, ferira mortalmente com urna
facada a Laurentino Ferreira; que lizera proceder
a competente vistoria no offendido, e deligenciava
capturar o ili'linquente, contra quem a proseguir
nos nlteriores termos da le
Por ofIicio desta data participou-me o subdele-
gado de Santo Antonio, que hontem amanhecra
enforcalo em sua propria casa, na travessa do
Ouvidor desta cidade, o pardo Antonio Luiz da
Cunha, olicial de pintor; que. apenas soubo de
semelhante facto, dirigise casa do morto, que
resida s. e fez proceder competente vistoria,
da qual se verificou que o infeliz Antonio Luiz se
havia suicidado; e que. segundo se suppoe fra
levado a praticar uu tal altanado por desgostos
de nao poder satisfacer algumas dividas que havia
contrahido.
Deus guarde a V. Exc. Illm. Sr. Dr. Manoel
do Nascmento Machado Portella, vce-presiden te
da provincia. 0 chefe de polica, Francisco de
Faria Lentos .
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINCIAL.Na sessio de hon-
tem a assembla na ordem do dia continuou a
apreciar em I dscussao o regeitou o projeclo n
23 de 1868 empatado na sesso anterior creando
no povoado do Gqui urna cadeira para o sexo
mascolino.
Regeitou em 2- o de n. 78 de 18C8 que concede
urna subvencao,a Victoriano Palhares para estudar
lireito ; o de n. 21 do mesmo anno que crea lu-
gares de cjcrivaas de orphios c do cvel em
Jtamb.
Approvau em 2* duas emendas offerocidas as
posturas de Buiqae e Nazareth.
Approvou em o de n. 48 de 1868 creando
hospicios de meninos surdos e cegos nesta pro-
vincia.
Regeitou em i* o de n. 79 de 1868 que autorisa
a factura de urna ponte sobre o rio Inhumas em
Garant uns.
Regeitou em I* o de n. 107 que eleva a catego-
ra de villa a povoacao da Alagoa de Baixo, com
o nom. de villa de LeopolJina, tendo fallado con-
!ra o mesmo, o Sr. Miguel Amorim.
Entrando em l dscussao o projecto n. 3 deste
anno, que revoga os arta. 1 Sda le n. 819 de 11
de maio do anno passado fallou em neu favor o
.Sr. Miguel Amorim e ficou adiada |wr falta de nu-
mero.
A ordem do dia para a sessio de hoje : al'
dscussao dos projecto ns. 61 e 74 de 1863, 39 de
4867, 69 e 116 de 1868 ; 2" dos de ns 8, 11, 22 e
3i de 1868 ; e 3a do de n. 20 de 1M8.
RETIRO ESPIRITUAL.Comecaram hontem, na
igreja do convento de S. Francisco, os actos reli-
glosos mandados fazer por S. Exc. Rvma. o Sr.
hispo diecesan c sob sua presidencia, para o re-
pouso das almas dos sacerdotes residentes as ci
dadesdo Recife e de Olinda e em sous suburbios,
por nieiode meditacaodas verdades da f,da con-
sideracjio dos seos devers sacerdotae3 e da ora-
?ao.
Cumpareceram 76 sacerdotes, que, depois de te-
rem assistido ao santo sacrificio aa missa, celebra-
do por S. Exc. Rvma., ouviram urna longa predi-
ca^ fcita pelo Rvm. padre jesuta Carlos Can-
No da seguinte, noute, seguio S. Exc. para a
villa de Porto de Podras, aeompanhado de muitos
cavalleiros e alli chegando pelas 8 horas da tria-
nliaa, foi recebido pelas prmeiras pessoas da villa
com vivas demonstrares de regosijo.
D'ahi seguio S. Exc. aguas cima do rio Man-
guaba no vapor Mossor, aeompanhado do Sr. Bor-
ges, e das pessoas da comitiva de S. Exc.: o va-
por largou logo depois de meio-dia, e serian) 4
horas da tarde, quando no porto da villa do Porto
Calvo no logar Varadouro. gyrandolas de fogo an-
nunciavam a chegada do S. Exc. : o vapor rcho-
cava um salva-vidas, no qual desembarcaran! S.
Exc. e sua comitiva.
O Exm. Sr. commendador Jacintho de Mendon-
ca acompanhava S. Exc. por tcr ido recebe-lo na
villa de Porto de Podras.
Numeroso concurso das pessoas mais gradas de
Porto Calvo, Drs. juiz de direito, juiz municipal e
promotor publico interino, oficiaos da guarda na-
cional, proprietarios, senhoraj) de engenho e mais
pessoas do povo acompanharam S. Exc. do porto
casa do Sr. niajor Emygdio, que estar prepa-
rada para o recebi ment de S. Exc.
Neste trajelo rcrebeu S. Exc. as melhores pro-
vas de sua-boavinda aquello lugar : em frente da
cadeia urna guarda de honra fez a S. Exc. a devi-
da continencia e mais de cem duzias de fogos do
ar annunciavam o regosijo dos habitantes da ami-
ga villa pela chegada do Exm. presidente da pro-
vincia, em honra de quem levantavam repetidos e
unsonos vivas.
Depois das horas de descanso, o Sr. major
Emygdio offereceu S. Exc. e aos amigos que o
acompanhayam um explendido jantar, no qual
diversos brindes foram feitos com animacao.
A noute illuininarani-se a casa do Sr. major
Emygdio, onde se achava hospedado S. Exc, a
elegante c nova casa da propriedade e funecoes da
cmara muicipal, cujoasscio principalmente de-
vido ao zelo e civismo do vareador, presidente in-
terino da mesma cmara o Sr. padre Jos Gomes
de Lima, o edificio da cadeia e varias casas par-
ticulares.
No dia seguinte, 6 do corrente mez, S. Exc. vi-
sitou as aulas da villa, edificios pblicos, conse-
guio ainda observar as ruinas de algumas fortale-
zas, obrados Hollandezes, dond mandou recolher
para bordo do Mossor duas ou tres grandes ba-
las, depois do que servio-se um lauto almoco, em
que nada fallou que podesse confortar es vian-
dantes.
Seria urna hora da tarde, quando S. Exc, acce-
dendo ao convite do Exm. Sr. commendador Ja-
cintho de Mendonca, aeompanhado de mais de
sessenta cavalleiros, seguio caminho do engenho
N ivo, urna das propriedades deste.
O engenho Novo demora urna pequea legua de
distancia da villa do Porto Calvo, inquestiona-
relmente pelaextensfio e natureza do terreno, pe-
las suas vastas e elegantes obras entre as quaes
se distingue o palacete da residencia do senhorio,
o primeiro engenho daquella e talvez das outras
comarcas da provincia.
A proporcao que S. Exc. e as pessoas que o
acinpanhavam se aproximavam "do engenho no-
vo, onviam subir ao ar gyrandolas de foguetes,
at que ao entrar as porteiras do cercado o conti-
nuo e crescente estrepito dos fogos e o som de
urna banda de msica marcial em frente do pala-
cete, toniavain explcndida c magnifica aquella de-
monstrado de regosijo pela chegada de S. Exc.
Pcnetrando-se os umbraes do pavimento ter-
reo daquelle elegante edificio nao sabiam S. Ekc
e seusibmpauheiros, do que de preferencia se re-
gosiiassem-so,se do gosto,asseo e sublime elegan-
cia do interior daquelles primores e habitacao, se
da jovialidade e bondosa complacencia do Exm.
Sr. Dr. Jacintho de Mondonga e de sua Exraa. fa-
milia.
Mesa vasta e lauta provida dos mais saborosos
manjares, do que se pode desejar de confortavel
aos mais caprichosos apetites, servida com gosto,
promptidaoe asseio, na qual polidez da prata
rivahsavacom as numerosas luzes, ou com a cla-
ndade do da, foi o que effectivamente offereeeu
com alfahihdade e nobreza o Exm. Sr. commen-
dador ao Exm. Sr. Dr. Jos Bento e aos seus com-
panheiros de viagem, que alguns dias se multipli-
cavam e triplieavam, sera quo entretanto taltasse
cousa alguma do que se poda desejar
Fa lidioso seria e talvez incrivel referimos todos
os brindes e sades que durante oito dias se fize-
ram a moitos e diaiinetos cavalleiros e persona-
gen?, e differentes e variados assumptos.'
Ajuize-os quem sabe eoraprehender o enthu-
siasmo de urna sociedade escolhida nos effluvios
de tantos prazeres, na expansao dos sentimentos
de gralidao, de venerarlo das doces recordaedes
da vida. ^^
Verdade que naquelles folgares modestos nao
se observara o que ha de picante e malicioso na*
Xazareih. O de abril de I8G3.
Ha muito que nao lhe dou noticias desta boa
trra: a tranqulidade, de que gozamos, tem
motivado o meu silencio. Deixando aos Hlustres
cerrespondenles C. C de seu Diario e Jardinet-
ro do Liberal as discussoes polticas, ressrvo-me
a mencao de factos de outra ordem.
Cumprindo essa missao, que me impuz, cbe-
me hoje Mtieiar-lhe a partida para essa capital,
onde foi flxar sua residencia, do Dr. Ermirio Cou
tiiho, um dos mais distinctos lilhos desta comar-
ca. A retirada do Dr. Ermirio cousiderada
Suas urna calamidade publica pela sociedade
e Nazareth. E os Nazarenos teem razao ; [Jor-
que deixaram de ter junio si um cidado mora-
lisado, um amigo leal e dedicado, um medico il-
lustrado e philaitropico. No dia 3 os amigos do
Dr. Ermirio offeroceram-lhe um explendido sa-
ru, ao comecar o qual o Sr. Bellarmino Carnei-
ro recitou o discurso, que lhe envo, ao qual o
Dr. Ermirio respondeu n'um brlhante improviso.
No dia 6 tarde mais de sessenta cavalleiros
acompanharam-no at a povoago de Tracunhaem,
dando-lhe assm urna ultima prova de apreeo-c
considera^ao. Mais signilicativa do que estas de-
monstrares de estima o gratidao, que recebeu o
Dr. Ermirio, a impressio de tristeza c saudade,
que se nota na physonomia de todos, dos ricos e
grandes, e principalmente dos pobres e pequeos.
Desejando-lhe mil venturas, posso assegurar ao
Dr. Ermirio, sem recio de ser desmentido, que
ter sempre nos habitantes de Nazareth amigas
sinceros o dedicados.
Eis o discurso do Sr. Bellarmino Carneiro :
Sr. Dr. Ermirio Coube-me bem immerecda-
mente o elevado e honroso mandato de saudar-
vos, em nomo dessa brilhante e distincta assochv
cao de amigos, que aqu se reunem, chelos de
jubilo e sincera emoeao, e, em oatopriinento de
um sagrado e inqucstiohavel legado dos coracoes
agradecidos, se appressam a dar um solemne tes-
temunho de seu prol'uaJo reconhecimento ao con-
cidadao benemerilo, ao amigo leal e dedicado, ao
medico que mais nobi e nente esposou a humani-
dade e a candado, crgueudo-se por isso altura
de seu grandioso dever e conseguutemente ao
fastigio do mcrecimento,
E' pena, que a minha acanliada e tmida voz
fosse a escolhida para exprimir o verbo sublime
do sentimento de tantos, quando tontos entre os
esclarecidos vultos, que me escutam, poderiam
abrlhantar cora mais ftgidas phrazes este mo-
mento para mim e para todos to solemne c jubi-
loso, em que todos os labios desprendem um sor-
riso o todos os coraedes estremeeem de commo-
cao, recordando essa passado, em que, na vossa
convivencia, foi-lhes dado admirar tantos rasgos
de gencrosidade, abnegar^ao e philantropia, por
vos postos em pratica, ora consolando a afiliccao
da familia, que ia perder o paternal amparo; ora
soccorrendo a indigencia, que defiuhava e morria
entre as angustiosas onvulsoes da fome ; -ora
enxugando a lagrima viuva, que perder seu
marido, ao orpho, que chora va abandonado;
ora esforgando*vo3 por arranear s garras do s-
nistBp anjo da morte o enfermo que j gondia
borda do tmulo sem esperanza de salva?ao.
Que bellos laureis de gloria I que esplendidas
palmas de conquista cingem a vossa augusta fron-
te, mcu nobre concidadao e amigo, or compen-
sadlo de tanto labor I Sao os que drais vos ser-
vema pratica do bem. *
E' bem grato o dever que me incumbe desem-
penhar para com aquelle quem devo a mais
preciosa parte de mirha educa$ao, aquelle que
franqueou-me por esse modo o vestbulo grandio-
so do mundo da sciencia, que en mais tarde
transporia difflcilmente, baldo desse manancial
opulento de illustracao, em que pude beber as
nosoes do saber I
Faltam-me (cu o confesso de coraejio) phrazes
que bem signifiquem o que agora se passa no
fundo de minh'alma. Isto na realidade inexpr-
mvel. fr'altam-me sobretudo palavras, que benj
possam interpretar o que de sensacao e estreme-
cmento vai por tantos coracoes nobres e agrade-
cidos, que de mira se acercam. Essa mesquinhez
de phrazas, que emmudece .os labios, porra a
eloquenerada sinceridade, que limitase ao cora-
cao.
Eu concluo, pos, Sr. doutor, offerecendo-vos,
como orgao dos sentimentos desta plyade de
verdadeiros amigos aqu reunidos, a festa dos
adeuzes, que todos viemos tributar-vos, em man-
festacSo da cordeal gratidao e profunda estima,
que vos consagramos.
Bem comprehendemos que ella sobremaneira
exigua c flbil expresso de nossos sentimentos ;
mas acceitai-a tal qual que se lhe falta a gran-
diosidade do cxplendor, sobra-lhe o mrito da
sincoridade.
as vesperas desse sentido apartamento, que
nos vai desolar, o adeus da despedida por ven-
tura mais sensitivo e menos doloroso, confundido
aos eftluvios harmoniosos da orchestra e ao rerao-
rejar deliroso das dansas, do que o amplexo de
saudade, todo orvalhado de lagrimas e tristezas,
que so d no moraeuto da partida.
Tenho concluido.
trada, e at as vesperas em qao foi demittldo : O
Sr. Dr. Gervasio, dove onhecer loelhor dos feitos
do Sr. Mariuna c sem duvida ).a motivos bem
justos para confirmar a sua m l; pelo menos so
espalhou de ter elle sido demittido por nao querer
annuir a tantas patotas, e espertezas daimolle ar-
rematante ou contratante ; o Sr. Mariuna qucixa,
va-se por ahi de nao poder levar a cffeito tudo
quanto quera uas obras publicas, petos obstculos,
que encontrava da parte do" director, e o depois
se aeulcava, e se ufanava de ter sido a base fun-
damental, em acabar com o cataonismo do Sr. Dr.
Gervasio, tornando-se seu Inimigo, e tratando-o
tao sement pelo o Cuto ; (Iquei por tanto admi-
rado de ver agora o Sr. Mariana o tratar pelo dig-
no Dr. Gervasio, naquelle tempo se via a petulan-
cia, boje se v o cynismo ; tambem o provoco so-
bre pena da um vil calumniador que aprsente
certido oo documento algum que prove se algara
diadev e se devo a thespuraria provincial.
De certo quem me eonhece o condece o Sr. An-
iio desea profiri
i, jara lis poder dirigir
i,
o facto, ou falso,.pois
rmanii iso quo a polica
, para providenciar como
0 sino da matriz.
Pela simpleleiuira de tao obarde e infame ac-
eusacao se deprehende qual o rancor solapado e
taciturno do raen desalTecto, que ni tendo bas-
tante coragem e dignidade para se apresontar, va-
le-se do um testa de ferro para ferir-me das trevas
emque seenvolv..'
Primeiro que tudo nunca, pela nalavra nunca
me passou pela cabeca er. chele do partido con-
servador na Escoda. Os nossos amigos polticos
d'alli e os d'aqui sempre tem considerado a meu
respeitavel pai como tal, n a meu nao menos res-
peitavel tio, coronel Francisco Antonio do Barros
e Silva, como seu imnieduto. Os chefes sao esco
toaio Francisco Paes d Mello Darreto M.tfiuna, lidos pelos outros e nao feitos por si. Quando
nao deixar do rir-se e ao masmo terapo indignar
se da brusca resposta que deu. A petulancia do
Sr. Mariuna tal que sendo contrariado por ser
levado ao conhecimento do publico o procedimento
que tem tido respeito de nossas transacc/ios c
o qnepio d.evc, diz que escarnecer dos que o
rmlieeem e disse que nos fazia adiamntenlos, se-
r por que lhe fazia pedidos para pagamentos das
ferias de sua parte e de dinheiros meus, que como
j declaroi, sempre me ficou a dever em .ajustes de
comas, j de pagamentos que liz a trabajadores
que Ihes ced, e que s foram com a condicao de
serem pagos por mim, por que talvez tivessera por
noticia do que se dizia do Sr. Mariuna costumar a
pagFaos trabajadores por menos do ajuste; e
mesmo Sr. Mariuna, (o publico que avalie ) tendo
eu e o Sr. capitao Queiroz empregado escravos,
bos, carrosas, e logo toda a ferramenta necessaria
e tendo urna parte de trabajadores livres, quera
o Sr. Mariuna que alm de empregarmos de nossa
parte o que cima tica dito, que eorresaH as des-
pezas dos trabaltiadqres livres por nossa contk c
asslm quasi succedeu, por que d'este dinheiros
foi parte que me pertenria, se apresentar todas as
minhas contas de ve apparecer urna em que lhe flz
esta reflexao ; levei para o engenho Coqueiro
quando foi para este trabalho 8 bois mancos, urna
boa carrogas, dous eicravos, e toda a ferramenta
e utensilios que eram necessarios para o sorvco,
por que de la muito trabalhava n'estes servidos.
Quando infelizmente me associci ao Sr. Mariuna a
pouco tinha sido socio e tambem o Sr. tenente
Monteiro no empedramento de Bento Velho, arre-
matado pelo Sr. capitao Francisco de Pind Bor-
ges, flndou-se com toda darmonia sem que hou
vesse entre nos a menor duvida, por que ? sem du-
vida pela boa ndole dos socios, e serem todos de
pura consciencia ; os Srs. Pinho e Monteiro iofor-
maro a meu respeito, e se quando part para a-
quelle trabalho levei bois, carrera e escravos que
me pertnciam para empregar no mesmo trabalho;
e assim eslava eu as condicSes que diz o Sr. .Ma-
riuna ? ou nao falsidade ?' Como pode julgar-
se prejudicado o Sr. Mariuna com a faca e o quei-
jo, isto qne escarnecer dos que o conhecem !
para que nao reclamou no ajuste de contas da
priraeira esegunda prestarlo, porque ainda tinha
relacoes de amisade comigo, e ainda esperava des-
fraciar-nie, rogando-ine para contiuuar a fazer o
empedramento, que ninguem quera o fazer. E"
verdade Sr. Mariuna sabendo que o Flix Lieu-
ther seria o encarregado para acabar com as nos-
sas contas, dirgi-me a elle por duas vezas, e pe-
dindo que concluisse esta missao, respondeu-me
que nada havia a fazer ; ao depois que entrn no
conhecimento do negocio e que j tinha dito ao Sr.
Mariuna que nao achava razio da parte d'elle ; e
quanto mais que as contas nao davam prejuizos e
antes lucro, e que o seu,dever era pagar-me, vis-
to assim entender, e ser para elle caso de honra,
estou bem corto que o Sr. Lieulhier nao faltar a
verdade em sustentar o fue me disse.
OSr. Mariuna diz que nao me quer ver, .por-
que sem duvida tem remreos, eu sou o cijntrario,
gosto de ver o Sr. Mariuna para analysar aquelle
seu todo, e s suas gentilezas, e se podesse o metti-
ra em pessoa em urna rodoma, nem s para o
meu divertimento como para o apresentar ao pu-
blico e torna-lo mais conhecido.
O Sr. Mariuna sem duvida dir que nada deve
ao tenente Julio, da Victoria, do empedramento
que o Sr. Mariuna j achou feto por aquelle se-
nhor no erino que arrematou, e como arromante
recebeu este dinheiro em uovembro de 1867, c at
o presente o tenente est no desembolso; quanto
aos mais com quem o Sr. Mariuna assocou-se ge-
ramenle por ahi se diz quo Ihes pagou como quz
e quando quiz, a falta quo hou ve lica por conta
delles, o que verdade e passa por certo que o
Sr. Mariuna nao melle prego sem estopa. Tambem
direi se eu tiresse aceitado os consclhos de muitos
que talvez com experiencia propria o conheciam e
perguntavam-me, como vai vosi cora o seu socio
Mariuna! e eu por me condocr de tantas preven-
5ocs e aecusaces que se faziam, responda sempre
vou sollrivelinente, replicavam, c dizam, voss se
arrepender, e assim se eu exigisse um documen-
to nos ajustes de contas, e mesmo um papel de
contrato entre os tres socios, e nao me julgasse
garantido por um simples laucamente em um 1-
vro que ficava em seu poder, de certo nao tena
um devedor tao remissu, e audaze nem o Sr. ca-
pitao Queuuz se despedira de ser socio. Sr. Mariu-
na I as nossas transacc/ies, c o que o senhor me
deve nada tem coma poltica, pague-me priraeiro e
depois diga o que quizer que lhe perdo; s nao
dispenso o mcu dinheiro, tera razao, o menino
quando est grande e gordo que,se lhe tira a ma-
ma, difflcil consolar-se, s lhe pesso tenha cui-
dado, e nao perca-a cabera do todo, nao d copia
do m educado, os seus amigos polticos da fre-
guezia desaprovam o seu procedimento, e dlzcm
que calculo seu inculcar-se martyr do partido
com vistas gordas, e de ser aqu tudo, para por
em pratica, o que com todo garbo j diz, que cer-
tos e determinados proprietarios, e outras pessoas
nao continuaro a morar nesta fregueza quando
subir ao poder Sr. Mariuna; o hornera poe e Deus
dspoe.
V cuidar em trabalhar que por hora a teta es-
t secta.
Recife, 19 de abril de 1869.
Jos Francisco do Reg Barros.
um Infortunio qualquer nos privosse da direecao
poltica de meu pai e de meu tio, nao seria eu
anda o escolbido, porque no partido conservador
da Escada tem entre os seus membros mais proc-
mlnentes pessoas superiores s minhas habilita-
qiies, servicos e influencia.
Agora explicarei o facto do fratricidio:
Em 1838, quando cu anenas tinha cinco annos,
brincava com meus maos Henriquo, Belmino e
Rogaciano 110 ribeiro de Matapiruma, onde eramos
vistos de nossa respeitavel mai, que costumava
observar-nos de ama janella quando tomramos
banhi>.
Tendo eu sabido do banho, eslava a descascar
urna caona com um caivete de aparar pennas,
que havia recebido, como premio de entrar na es-
cola, quando meu irinao Rogaciano, e nao Anto-
nio, como diz o calumniador, mais velho do que
eu quatorze mezes, querendo passar o ribeiro para
o lado onde ca eslava, me pedio o ajudasse cora a
mo, o que iz, passando o caivete e o troco de
caima para a niao esquerda, e dando-lhe a direita.
Infelizmente ao pjr o pem falso n'uma pedra
cabio no ribeiro, e cu arrastado na queda tain em
cahi com elle: e em tal emergencia ferio-se elle
na ponta do caivete, perto do umbigo.
Tirados ambos do ribeiro, por nossos dous ir-
maos mais velhos, Hcurique e Belmipo nao soffri
de meus pais a mais leve reprehenso, porque
tudo fra casual, c o que succedeu fatalmente
meu irmiio poda ter succedido a mim proprio.
O feriiuento do meu irmao nao inspirouo receio
de ser mortal: chamou-se 'inmediatamente o fa-
cultativo, mas ou fosse trataniento infeliz, ou em-
im eslvessem contados os dias do mcu irmo,
elle morreu ; e foi enterrado na capella do enge-
nho Jundi, rujo proprielario, c todas as familias
dos nossos vsinhos nos dorara por essa occasiao
provas inequvocas de umita consderacao, tanto
mais de apreciar, quanto se dava a circuinstancia
de nos termos mudado havia um mez da ilba de
Fkires para Matapiruma.
Depois da simples e ingenua exposeao, que aca-
bo de fazer, e que foi e geralmente sabida na lo-
calidade, veja o publico qual o quilate da sanha
de meu gratuito calumniador, que nao trepidou
em ir desenterrar um facto todo casual, c succe-
dido ha niais de trala annos para me alcunhar de
C m. Se como iiouve um Caim, que matn inno-
centemente a seu irmo Abel, tal comparaco nao
me applcavel, antes poder ser a algum Caim
pojtico, que para especular alraicoou os seus ir-
raoa Abis.
Mas se ha males que vem por bem, devo resg-
nar-uie e regosijar-me com taes e tao nefandas
calumnias, porque querem ellas dizer, que duran-
te o longo perodo de trinta anuos, em que tenho
exercido alguns cargos publico^ e tido immensas
transaeces e relaccs, deixou-se todo este periodo
de urna idade, que responsavel por seus arlos
para irem desenterrar o cadaversinho de um ir-
mo querido, em cuja morte /ui tao innocente,
como elle proprio.
Assim mesmo vou chamar a responsahilidade
perante os tribunaes o cobarde infamador. J sei
que uao encontrarei o meu real detractor, e sim
algum miseravel que a troco de alguns mil res
assgne tao cobarde aleve.
A esse pobre hornera, quem quer que (or, alm
do perdo com que j pode -contar, darei o duplo,
o triplo, do que elle recebeu para assignar o pas-
quhii, se declarar lealmemte quem foi o cobarde
que ide propoz semeldante responsablidade.
Recife, 8 de abril de 1869.
Marcionilio da Silveira Lins.
------
Protectora das fami-
lias.
Esta assoeiacao caminha as vias de prosperi-
dade, nao sem os entra ves inherentes emprezas
grandiosas.
Contratos Capital
Em 30 de junlio de)
1868 tinha regs-}
trado.............)
Durante o semestre de
30 de junho a 31
dezembro de 1868
Estado dessa
Iiypo-
rua urna
?ao em
bro de
re de)
II de}
68.. j
lessa associa-i
1 31de dezem- >
1868........)
3936-----5,868:6754970
1406-----2,173:425*920
5342-----8,0i2:l0l890
Ao publico para 1er com at-
ten$o.
Respondedo o Sr. Antonio Francisco Paes de
Mello Barreto Mariuna, ao pedido que lhe Qz para
o ajuste de nossas contas e pagamento da quantia
que me deve de GOOiOOO, felizmente nao negou
de todo a divida, mais em parte; por qae contan-
do urna historia toda falsa, com grandezas, rique-
zas, honradez c insolencias, s toca na tereeira
ircstacao qae cabio em linauceiro, mais nao me
alia na quantia de 274202 rs., que me ficou a
dever no ajuste de contas da segunda prestacao :
tao bem fallou o Sr. Mariuna uo capitao Queiroz
mais nada disse e at oceultou a entre-vista que
tvemos em saa propria casa n'esta povoacao aon-
de pernoitamos e combinamos o nosso negocio, e
de laanhaa partimos todos no mnibus para o Re-
cife, e logo fomos a repartieao das obras publicas,
o alli (leamos conordes ; e n'esta oecasiao o Sr.
Dr. Miguel Felippe de Souza Led tratou de ceder
urna parte do lance, qae pretenda arrematar, ao
dito capitao Queiroz, como effectivamente sa deu,
e entrn na nossa sociedade; para se ir conhecen-
do da falsidade invoco o testemunho d'estos senho-
res e al do tenente-coronel Joaquim Maxiuiino
PERIMEXTO MORTAL-No dia 10 do crrente,
as II horas da manhia, Galdino de tal ferio mor-
n Z5H^mu faca,,a, a laurentino Ferreira,
no povoado dos Montes, do termo do Agua-Preta
O criminoso consegno ovadir-se.
IMPRESSOES DE VIAGEM.=Sob ewfl titnlo h
moshojeem nossa 8- pagina um ,rXi io 8r*
Amerieo Alvares Guimaraes/ diBtinclTmM^^Jr
*pano. Chamamos para elle a aTnffK'

A8SAMINAT0 CASAL.-0 escravo Euzebio
do proprietario do engenho CasUllo, o Sr. U&&1
SSrS^t'ZS^0 V^ Rra ViannaT^ue ta^lra S^ZJ^S
racao.
Passados alguns das, seguio S. Exc. cora alguns
amigos para a coloniaLeopoldina,de cuja jor-
nada oecupar-nos-hemos de outra leita pela co-
piosidade e variedade de episodios que nella se
daram.
De volta, pa3.ando ainda S.Exc no engenho No-
vo, e ahi se demorando dozo dias, seglo para
Porto Calvo, dalli aguas abaixo no Mossor pelo
rio Manguaba para Porto de Padras, onde foi re-
cebido pela segunda vez com omitas demonstra-
rles de regosijo, hospedando se em casa do Sr.
Nunes, que a todos offereceu utna lauta mesa, bem
servida e asseiada, embarcando S. Exc a sua co-
mitiva na manbaa seguinte no mesmo vapor, don
de passou para o Purabyba, cajo commandante a
8r, Trajino dispensou eom summo agnUo 4 S.
o eratnteressad com o Sr. Dr. Miguel ; fleando
o depoiaapnelle senhor sorprehendido quando sou-
be da eeperteza do Sr. Mello Barreto Mariuna. e o
mesmo tenente^orone! Maximino deve se lembrar
do conselho quo me deu no engenho Cumar, o
que davia eu a o eapitio Queiroz fazerraos com a
parte que tinha cedido o Sr. Dr. Miguel, e eu lhe
respond quo nao queramos parecer-nos com o
Sr. Mariuna no seu procedimento. Para qne traz
o Sr. Mariuna nomes do carcter do Sr. Dr Ger-
vasio Campello para suas falsidades ; pos eu o
desafio, aprsente urna declaraco daquee senhor
infirmando o quo Vmc disse a meu respeito&u
algum documento oficial, e para ver-se a calum-
nia o saber-ee do contraro, vo a repartieao das
obras publicas, ou a thesouraria que encontrarlo
diversos documentos rubricados pelo Sr. Dr. Ger-
vasio, de trabamos exaculados por mim n'esu es-
0 SR. CAPITAO MARCIONILIO DA SILVEIRA LINS E
O LIBERAL.
Desde os primeiros nmeros do Liberal, tem o
seu correspondente da Escada, e at a sua propria
redaccao mencionado diversas vezes o meu nome,
e sempre com flagrante injustica, e com o propo-
sito de i se desconceituar.
Dedicado exclusivamente minha vida de agri-
cultor, nao me sobra lempo para entrar em pol-
micas de iornaes ; e por isso tenho deixado sem
resposta de contesta^ao os aleves e calumnias
que se me tem irrogado.
Agora, porm, que a raalignidade da calumnia
toraou um carcter infame e cobarde, desatoran-
do um facto deploravel que so deu quando eu
apenas tinha cinco annos, rejo-me toreado nao s
a apparecer em publico para explicar o facto in-
criminado, como tambem a comparecer perante os
tribunaes para desmascarar o meu gratuito ini-
migo.
Antes de expr o facto, permtta-se-me urna ex-
plicacao pessoal.
Nasci as doutrinas e prinaipios do partido con-
servador, e sempre o tenho aeompanhado com a
mais constante e firme dedicacao ; mas facto
que nunca contrahi desafTecoes por motivo de po-
ltica, nem rae mostrei reactor, quando urna ou
outra vez tenho oceupado algum cargo publico.
A poltica dos partidos na Escada foi sempre
tolerante, at que certo individuo entondeu que
devia desertar das fileiaas conservadoras e ir es-
pecular urna posico as fileiras contrarias. Das-
de ento nao tem faltado um proposito Arme de
abalar o crdito pessoal e poltico de nossa fami-
lia, a aa tendo sido o alvo principal dos tiros da
calumnia. Assim mesmo tenho por tal forma pau-
tado o mea procedimento, quo nuaca quebrei rela-
coes por motivos de poltica, antes pelo contrario
tenho mantido as melhores relacoes de cortezia
com o chefe liberal da Escada, com o proprio
chefe do partido liberal na provincia, o Exm. Sr.
Barao de Villa Bella, e at com o proprio redactor
do Liberal, aos qua^s censtyaro e prezo, como
pessoalraente raerecem.
J se v pos, que a propria redaccao do Libe-
ral im sorprendida ; o que as calumnias de seu
correspondente da Escada nao,.Ibram examinadas
o avalladas cora o indispensavel criterio.
Alias ella nao admittiria emaua columna o se-
guate:
Pede-se ao Sr. capitao U ircionilio da Silveira
Lins, que deixe-se de andar dizendo asneiras in-
culcando-so aqu como chefe dopaxtido conser-
vador. Pos a infeliVdada da Escada lera chegado
ao ponto do ser tido, como chefe do ptrtido, um
homem em quem pina a maldicao qae Deus deu
^BP Pr *" mor o seu rinao Abel 1 E nao
ara cousa at muito notoria que comraetteu se-
melhante crirae aase Marcionilio das IrMinarias
matando a sea Irmao Antonio ?
O capital dessa assoeiacao illimittado e con-
verte-se em apoliecs da divida publica nacional de
6%. Nao se pode dar melhor garanta. Sena
hipothese de quebrar o Brasil c que essa assoeia-
cao pode soffrer ; 6 urna especie demonte po de
grande iitiidade para as familias.
Para conseguir .cora toda seauranca o.maior e
mais instante desidertum da vida do hornera, que
crear para o luturo um capital certo e urna ren-
da infallivel, para si, seus filhos e familias, bastar
fazer um calculo (cada qual conforme seus pro-
prios havores) de que pode dispar durante o pe-
rodo de cinco annos ; sgnalada que soja a quan-
tia ser esta dividida em duas classes de contratos,
um chamado contrato do capital e outro de renda
Estes dous seguros devero satisfazer-se em cinco
annuidades consecutivas, e depois de passados os
cinco annos o contribuinte icar livro doonusdos
pagamentos das annuidades subsequentes.
Estas duas classes combinadas produzem resul-
tados maravlhosos para o futuro.
Por exemplo, um pai que quizer formar para o
futuro um capital e urna renda vitalicia para cada
um de seus lilhos, conseguir este importante fim
despendendo para cada um delles a quantia de
l:I33, que se pagara da seguinte forma :
Diretos de entrada.. 1553
No primeiro anno___ 200*
segundo ___ 200
terceiro ___ 200
quarto ___ 200$
quinto ___ 200*
que elle pratica nos templos vestido de
habito talar,faxtndo via-sicros com o sem-
blante kypocrlamente des Hgnr ador, discipli-
nndose fias noutes de qiiarta-feira de tre-
tas de todos annos nos amigan catacumbas
fazendo estaedes com os bracos abertos em
das de jubof de certo que nao, salvo se
quer por este meio ver se ototem sor
nomeado advagado de partido.
Que conceito pode merecer um advoca-
do que requerendo a abertura de urna fal-
lencia, na occasiao em que se proceda ao
inventario da massa, recpiereu ao probo
juiz do commercio que man'lasse retirar
a familia do fallido.composta de sua senho-
ra e de tres creancas*que oceupava o inte-
rior do estabelecimenlo, cujo requerimento,
foi indeferido, por isso fie, o estabeleci-
mento feixado interiormente, communica-
cao alguma tinha com o interior oceupado
pala familia !
Que tal o espirito religioso deste
crita que quera por no meio da
senhora e tres enancas ?
Que conceito pode merecer um advogado,
que a mais de um anno (um mez depois do
fallecimento de um seu collega), propoz
urna aeco arbitral para pagamento de seus
salarios, e que at o presente acha-se pa-
ralizada por ter a parte adversa apresentado
embargos? o que se deve concluir de seme-
lhante abandono ? isto icar para outra
vez se for necessario. Sacul.
PIPAlUDOfi non
3.Ra Direita3.
As legitimas pilulas de veame, o xarope al-
cohlico e o ethereo tambem de veame, re-
centemente feitos conforme $ formula do ti-
nado pharmaceutico Paranhos, assim como
os pos refrigerantes, acham-se venda na
botica do Francisco Antonio das Cbagas
ra Direita n. 3, defrohte do armazem de
molhados denominado Veado Branco. Estes
medicamentos, ha muito conhecidos pelos
benficos effeitos que h5o produzido em
n5o pequea parte da populacho d'esta pro-
vincia, na do Maranho e Alagas, incontes-
taveimente sao dos mais enrgicos agentes
auxiliadores da natureza" no vencimento das
doengas, servindo de grande alivio a huma-
nidade soffredra; e por isso se tornam
asss recommendados e preferiveis para as
pessoas que soffrem de rheumatismo, gln-
dulas enfartadas, ulceras, impigens, asthma,
tosse, amenorrha ou suppiessao de mens-
truo, crysipla, amarellidao e menstruacao
difficil ; direceo escripia que os acompanha.
Illm. Sr. Francisco Antonio das Chagas.
Soffrendo eu de rheumatismo e gota n'um
joelho e tendo usado de muitos remedios
aconselhados para o referido mal, nao tirei
resultado algum no periodo de um anno :
neste estado recorr ao veame a venda em
sua botica ra Direita n. 3, e gracas
a Deus, com urna s garrafa e urna caixinha
de pilulas acho-me restablecido^ Agrade-
co-lhe portanto e espero que faca publico
este facto, afim de que outros as mesmas
circunstancias aprovetem o seo proficuo
remedio.
Recife, 31 de marco de 1869.
Julio Juvencio da Costa.
Illm. Sr. Francisco Antonio das Chapas.
Beberibe, 1 de abril de 1869.Com o
maior prazer levo ao seu conhecimento, quo
garrafa do xarope ethereo de veame e
os pos que comprei na sua botica ra
Direita n. 3, poderam extinguir a dr que
senta nopeito, tosse- febre que tanto mo
flagellava, de forma que me julgo restabe-
lecida.Desta sua criada obrigadissima
Maria Joaquina da Silva.
Agua florida de Mura*ay e
I.anuan.
Alm da sua avantajada superloridade como
um perfume sobre as mais valiosas composiges
estraitgeiras; esta deliciosa qno deleitavel es-
seneia floral, forma una agradavel lavagem para
os denles e gengivas servindo de conservativo pa-
ra os mesmos, e como applicarao suave e modili-
cante para a pelle do rosto depois de se havor
feto a barba, diluida em agua. Um lenco mo-
Ihado cora alguma's gotas da mesma o applicado
testa e fontes, promptamento dissipa e faz de-
sapparecer as dores de cabera as mais violentas.
as_ sennoras, que prezam sobretudo una coin-
pleicao clara e transparente, acompanhada d'uina
pelle nuca e avelludada, acharo quo ella ex-
tremamente til, em remover cbullicdes, esp-
nhas, sardas, sapinhos, maculas, assim como to-
das as mais erupcoes externas e descoloridos que
militam contra a pureza, transparencia e flexibili-
dade da pelle.
COMMERCiO.
Ter despendido no fim de cinco
annos a quantia de........... 1:15SS
tendo creado para cada fdho um capital para o fu-
turo, que conforme a idade dos segurados ser de
33:000* a 47:000* e urna renda vitalicia de 100$
annuaes.
AdmiKem-se contratos de maiores e menores
annuidades, sendo os lucros sempre proporcionaes
ao producto dos seguintes factores : o valor da
contribuico, o fisco de morte do segurado
e a duracao do contrato (a*. 38 do regulamento).
Para effectuar as formalidades dos contractos
dirgir-se-hao ra do Livramentn n. 19, -a tratar
com o Sr. N. F. do Vital, encarregado pelo Banco
rural e hypothocario do Rio de Janeiro, que pre-
sentemente acha-se cm commissao nesta provincia.
Protectora das familias
Em cumplimento do prevenido no artigo 29 do
regulamento, se convida a todos os senhores oon-
tribuintes dosta associagao, que ainda nao tiverem
apresentado as certidoes de idade dos segurados,
para que facam entrega dellas na ra do Livra-
mento n. 19, Io andar, aflm do ser expedidas o
mais breve possivel para a inspectora geral do
Rio de Janeiro. As certidoes devem ser selladas e
reconhecidas por tabelliao. Recife 15 de Janeiro
de 1869.O representante,
N.F. de Vidal.
Um advogado
Que conceito pode merecer um advogado
que pondo em duvida a competencia de um
juizo para conhecer de certo inventario, e
que julgando-se incompetente, este mesmo
advogado requereu por outro juizo, e que
depois do respectivo termo de juramento,
tambem poz em duvida este mesmo juizo
perante quem requereu ?
Que conceito pode merecer um advoca-
do que em vez do sustentar o direito da
PRACA DO RECIFE 19 DE ABRIL
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Algodo de Macei 1* sorte 183500 por arroba
posto a bordo, a freto de 5/8 e 5 0/0
Cambio sobre Londres 90 d/v 18 5/8
1J000
Descont de ietras=10 O.'O ao anno.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
d. por
parte, trata de calumniar A,arte adversa ?
este procedimento estar* de acconfceem o I
CASA DE CAMBIO
Teodoro Simn & C.
Compram e vendem por conta propria
metaes, moedas nacionaes e estrabgeiras,
letras de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros titu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaeces, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo flxo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
nf EHGLISH BANK
Ul Kio de Janeiro Limited
Desoonu leUras da praca taxa a con-
vencionar.
RecebV dinheiro em conta correte e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e iraitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelounolio n. 7
BANCO MAUA1 C.
Roa do Trapiche 84
Deaeoota lettras cOTimerciaes a taxa cou-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta correte.
Confere crditos, saca sobre as prmeiras
*
#


Diario efe- Pernambuco Tewjr feira 20 de Abril de 1869.
_:-_____________________________________ ________________________________________ ____________________________
pravas do imperio, Rio ca Prrta e Euro
pa, e compra camines soirre as memas i
pracas.
Bpcacreg^-se, por coramissao, da com- [ i
pra e venda de fundos pblicos e acgoei
Tiompaahias, da oobranca de lettras e di-
videndos ou de sea pagamento, e de qual
quer oulra operac5o bancada.
O expediente para o publico comecar
as 10 horas da manhaa, e terminar s 4
horas da tarde de todos os dias uteis.
CASA DE CAMBIO
Theodoro Simn & 0.
Vendem
Libras sterlinas 13&70Q.
Curo nacional eportuguaz a 5i o/o de pre-
mio.
Sedulaa do governo de i a 500 1 por" o
de premio.
Largo do Corpo Santo n. 21
ALFANDEGA.
Kendimento do dia I a 17. 66t:391:|71
dem do dia 19......51:82;>GJ
710:219*064
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Vohimes mirados com fazendas
dem idem com gneros
Volumes sahidos cora fazendas
dem idem com gneros
239
145
------38i
300
409
------ 709
Descarregam hoje 20 de abril.
Vapor inglesGladiatormercadorias.
Barca inglezaBoWorfcauferro.
Lugar in'ilezJ'i/'odiversos genero?.
Barca portuguezaNova Sympatliialagedo.
Barca ing!eza=/nw/#n-carvao.
Barca inglezaLevantidem.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimentod dia 1 a 17. 28:033J*>96
dem do dia 19....... 3:006*607

i
Muribeea, teem de pag
e com ella depo> do referido prazo.
Recebedoria de Pernambuco 3 de Abril de 1859.
Manoel Cmaro de "So'za Lacerad.
mee! Os pretendertedewrao insfrever-*e no men-fc
i.ea kiade de 21 ai
-aberem gwuuroatir
BBgna nacional, principio de escrqituracan por
idas dbbrad**! aryhmetica e sua* applicaeoes.
Inspeeco do-arsenal de marinha d* Pernambu-
co le iua.<;o de 1865.
O secretario,
Alexandre Rodrigues do Amo?.
31:040*203
CONSULADO PROVINCIAL
Rendm.nto*do dia 1 a 17.
dem do dia 19.
77:717*907
8:309*844
86:027*7^1
Santa Casa de Misericordia do
Reclfe
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia
do Recite so faz publico que a Illma. junta admi-
nistrativa em scsso de 8 do crrente resolveu que
fossem convidados os prenles dos orphaos em se-
guida declarados para virem requerer a presiden-
cia a sua retirada do mesmo collegio, visto que j
tendo completado a idade de 14 anuos nao podem
all continuar como dispoe o respectivo regula-
raento.
Francisco Pereira de Araujo, protegido do viga-
rio Cantillo do Mendonca Fnrtado.
Antonio Bezerra de Mello, sobrinhode Francisco
Ribeiro da Silva.
Manoel Felipue do Souza Magaihes, lilho de
Thcreza Febronia Esteves Alves.
Francisco Antonio do Monte.
Antonio Leocadio do Reg Barros, filbo de Ignez
Mara de Mello llego.
Joaquim Candido da Silveira, filho de Maria da
da Gloria Silveira.
Laurindo Fortunato de Menea Lyra, fllho de
Gertrues Lourenca de Araujo.
Secretara da Santa Casa de Misericordia do
Reclfe 9 de abril de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Perante a cmara municipal desta cidas
de estar em praca nos (lias lo, 19 e t
do corrente, parador arrematada porquem
menor prero offerecer. a obra dos repa-
ros do aterro da estrada, que da ra Im-
perial vai ter a Cabanga, oreada na quanlia
de 814?>000 quem pretender arrematar essa
obra comparera nos indicados dias, no pa-
co municipal, munido de flanea idnea.
O orcaraento da dita obra acha-se na se-
cretaria da mesma cmara, onde ser apre-
sentado aos que o quizerem consultar.
Paco da cmara municipal do Recife, 12
de abril de 18).
Ignacio Joaquim de Souza Lco.
Pro-presidente
Francisco Canuto Ba-Viagm
secretario.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado na dia J8.
(A' tarde).
Ikivanna 6 luirs, vajior hrasileiro Mamanguape,
do 333 toneladas, co/nmandante Oliveira, equi-
pagem 16, em lastro ; a companliia Pernambu-
cana.
Nnvio-saliido no dia l'.K
Rio-Grande do SulBrigue nacional Arroio Malo,
eapilao Vctor los da Hotta, carga asspcar.
Obsrvame*.
Nao booveram entradas.
EDITAES.
THEATRO
DE
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DK
10* RECITA DA ASSIGNATURA.
Quarta-fcira 21 de abril de 1869
Ultima representadlo do muto applaudido dra-
ma em quatro actos /
NOBREZA.
Prlmeira representacao da comedia vaadeviflc
em 2 actos toda ornada de musiea
COKIJIO
ou
0 PRINCIPE CAIADOR
IVrsonagens. Os sennores.
Cosimo........Martnho.
0 principe Henrique. Eduardo.
O marquez de Farambulo. Brochado.
O conde Slrans......Guimaraes.
Mathcus. ....... Florindo.
A condessa Elzida.....Carolina.
Angela........Julia.
Convidados, criados etc.
Comear as 8 horas.
FAIU. O FOE.TO
Bcve seguir com a maior brevidade possivel a
barca portugueza Nova Sijmpalhia, de 1" marcha,
por j ter prompta a maior parte de sua carga :
para o resto quemo falta o passagero?, aos qjiaes
offerece ricos e excellentes commodos, trata-se
coaa Baltar Oliveira 4 C, ra do Vigario n. 10
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia, manda fazer publico que
tem marcado o dia 4 de na o prximo vindouro,
para o concurso que so tcm de abrir nesta mesma
thesouraria para prcenchimonlo das vagas de pra-
ticantes existentes nesta reparticao, na alfandega e
na recebedoria.
Os ex ames versarlo, sobre as materias de que
trata o g 1* do art. do decreto n. 3,114 de 27 de
junho de 1863, a saber, leitura, analyse grammali-
cal e orlliographivarillinietica e suas applicaeoes
ao commercio, com especalidade a reduceao de
moedas, pesos e medidas, calculo de descont, ju-
ros simples e composto*, theoria de cambio e suas
applicaeoes.
Os concurrentes everao previamente apresen-
lar seus requerimentos instruidos de documentos
3ue provem idade completa de 18 annos, isencao
e pena e culpa e bom comportnmento na forma
do art. 3o do decreto n. 2,549 de 14 de marco de
1860.
Secretara da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 27 de marco de 1869.
O olficial-maior,
Manoel Mamede da Silea Costa.
Pela secretaria da Santa Casa da Misericordia
do Recife se faz publico, que nos autos de execu
cao que a mesma Santa Tasa encaminha jielo juizo
municipal da Ia vara escrvao Baptsta, conlra
Felippe Mena Callado da Fonseca e seus filhos e
netos para haver o sitio denominado cruz das al-
mas malinlia na freguezia da Boa-vista foram pro-
feridos os seguinles acordaos.
Acordao em relacao etc. Que vistos e expos-
tos estes autos confirmara a sentenca appellada;
com deelaracao, porm, que o valor dar ao alu-
guel e mais rendas da sitio para que se proceda a
liquidarlo determinada na sentenca deve ser re-
gulada pelo estado actual, que tem taes cousas,
i'aguem as custas os appellantes. Recife 12 de
julho de 1839.
t Acordao em relacao etc. Que vistos e rela-
tados os aulo?, despresam os embargos quer os de
folhas 285, quer os de folhas 289, com dclaraco
porm, que a renda do sitio ser feta e calculada
segundo o valor actual sem attenelo as bemfeiio-
rias das quaes serlo somente liquidadas as que fo-
rem uteis e necessarias. Por tanto, e o mais dos
autos, faca o acordl) livre.-transito pela chancela-
ria. Paguera as custas os appellantes e Jappella-
dos na divida proporcao. Recife 10 de marco de
1863. ,
A vista dcstas decisoes que passaram eni jul-
gado, nlo ha mais razio de ser, para os oxecula-
uos conservarem a posse do sitio, e se a conser-
vam porque Santa Casa deseja tomar posse do
mesmo sitio no acto em que receber a renda, que
dever ser compensada com as bemfeitoras uteis
: necessarias, para o que teem de ser avahadas as
mesmas benfeitorias, e a isto se tem opposto o
executado Mena Callado, sem duvida para estar
na posse do sitio ; posse que nlo d direito a ne-
nhum dos executados para arrendar o menciona-
do sitio ou fazer outro qualquer contrato.
Secretara da Santa Casa da Misericordia do Re
clfe, U de abril de 1869.
O escrvao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa da Misericordia do
Recife
Pela secretara da Santa Casa da Misericordia do
Recife se faz publico que o Illm Sr. thesourciro
cominendador Jos Pires Ferrara, no sallo da casa
dos exposlos, as 9 horas da manhaa do dia 20 do-
corrente, far pagamento do qnartel de Janeiro
marco s amas que coniparecerem, jrazendo as
enancas que Ihes foram confiadas, nao o fazend)
aquellas que nao trouxerem os inesmos menores.
Secretara da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 14 de abril de 1869.
O escrivao,
_______Pedro Rodrigues de Souza
O inspector interino da alfandega, em vir-
tude de autorisaco da thesouraria de fazenda, em
portara n. 49 de 15 do corrente, faz publico, que
no dia 22, a hora da tarde, porta da mesma
alfandega, serlo levados hasta publica um bote
e duas baliera, os quaes cram do servco desta
repartilo, e se actiarn inutilisados, ficando a ar-
rematarlo dependente da approvacao da referida
thesouraria.
. Alfandega de Pernambuco 19 de abril de 1869.
O inspector interino,
L. de C. Paes de Andrada
| Pelo juizo de orphaos desta cidade, escrvao
Guimaraes, tem do ir a praca, (Indas as tres au-
diencias, 4 casinhasde madeira, cobertas detelhas,
sem numero, sitas na ra do Nascente, freguezia
de S. Jos, prximas a ra Imperial, per'encentes
aos menores herdeiros da finada Joanna Francisca
de Menezes, avahada cada urna em 100*.
AVISOS MARTIMOS.
Rio de Joneiro
Seguocoiivmuita breyidade para o pprto cima
* escuna dlmi*nnrque7;i Elise, lew a uiaioF parle
ii earrejpnien o engajado : para o resto ae
II falta trata-se com Antonio Luiz da Oliveira
AzwedoA C^ ra da Cruz n. 57, andir.
Para o Porto
vai seguir com muila brevidade a barca portugue-
zo Saph ira por estar quasi carregada : para o
resto e pasogeiros. trata-so com os consignata-
rios T. de Aquino Fonseca 4: C, ra do Vigario n.
19, 1" andar.
Baha
COMPANHI PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco costeira por vapor.
Porto deGallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Mamanguapr, com-
mandantc Oliveira, seguir para
osportos cima no dia 20 do cor-
rente a meia note. Recebe car-
ga, encommenda?. passageros e
dinheiro afrete no escriptorio do Forte do Mat-
tos n. 12.__________________________________
Para o Porto
Seguir com a maior brevidade possivel a mui
condecida c veleira barca portugueza Seguranra
por j ter a maior parte de seu carregamento en-
gajado ; para o resto e passageiro?., aos os quaes
offerece ricos c excellentes commodos, trata-se
com Cunha frmlos & C, ra da Madre de Dos
n. 34, ou com o capitlo a bordo._______________
Para o Porto
pretende seguir com a maior brevidade possivel a
mui conhecida e veleira barca portugueza Clau-
dina por j ter a maior parte do seu carregamen-
to engajado ; para o resto c passageros, para os
quaes offerece ricos e excellentes commodos, tra-
ta-se com Cunha, Irmlos & C, ra da Madre de
Dos n. 34, ou cora o capillo a bordo. ________
Impreterivelmente nestes poneos dias sabe o pa-
lhabote Garibaldi para a Baha : para earga ira-
ta-se com o capillo Custodio Jos Vianna, ou no
escriptorio de Tasso lrmaos._________________
COMA MASMEf
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at e dia 28 do corrente o vapor
Paran, coniniaiidanle o capillo
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do eostume seguir para os do sul.
Desde j recebem-se passageros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a quai dever
ser embarcada no dia de suachegda. Encommcn-
das e dinheiro a frete al o dia da sua saluda as 2
horas.
Nlo se recebem como encommendas senlo ob-
Jectos de pequeo valor e que nioexcedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de mediclo.
Tudo que passar dcstes limites devora ser embar-
cado como carga.
Prevne-se aos Srs. passageros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
r andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
COMPANHI PERNAMBUCANA
Navegaeo
COMPANHI PERNAMBUCANA
DF.
Navegaco coste!ra por vapor
Macei em direitura e Penedo.
O vapor Jaguaritie, commandante Moura, segui-
r para os portos cima no da 22 do corrente.
Recebe carga ateo da 21 as 3 horas da tarde,
encommendas, passageros e dinhro a frete al
as 2 horas da tarde do dia da sabida no escrip-
torio do Forte do Matos n 12..
LE&O
de 20 pipas- com> wnho do> Porto-.
Quartafiw 22* lo corren!.
O agente Pestaa tara leil* por con e risco
de quem perteni-rr de 20>plj|pniarca ancora I)
a esquerda F a (imita e I jBmcio coa vinho do
Porto para mesa, desembarcado esta semana em
um ou mais lotes a vmstade :. quarta-fcira 22 do
corrente as 11 lwras no trapicho do Cunha Forto
do Mallos.
LEILAO
da otaria n. 5 no lugar dos CoeUios
O agente Bernardino Guimaraes autorisado por
Zeferino Carneirode Almeida com airar de li-
cenca do juizo de- orphaos, vender essa olara
actualmente arrendada e pertencente aos herdei-
ros da finada D. Auna Theodora Carneiro de Al-
meida, podendo ser examinada por quem pre-
tender.
Quarta-fcira 21 do corrente as 11 horas
na mencionada olarla.
DE
Mobilias, loicas c eryslaes.
A 22 do corrente.
Tendo-se retirado para Inglaterra a familia do
Rvd. Sr. Charles Addison, o agente Oliveira far
leilao de todaamobilia e mais artigos da casa que
fura da sua residencia, consistindo era linda guar-
n cao de sala de visitas, um rico lavatorio com pe-
dra marmore e utencilios de porcelana dourada,
toilette, e magnifica machina para costura, ele-,
gantes guarda-veslidos e guarda-louca, eadeiras de
encost e outras usuaes, ptimas conimodas de Ja-
caranda e de ainarello, magnifica estante para li-
vros, mesas redonda desala e para jantar, apara-
dores modernos, um retrete patente, cama de fer-
ro para casal com accessorios de superior quali-
dade, sof e marquetas, apparelhos de loucas finas
e dourados p"!ira jantar, almoco e caf, garrafas,
copos e outros artigos de crystal, gelosias para ja-
nellas.-candieiros e casticaes, enfeiles, esleirs e
tapejes, quadros, trem de cozinha, e varedade de
outros objectos uteis, como necessaros para orna-
tos de casa decente, e cuja nomenclatura sera por
demais deelarar-sc.
Qoarta-feira, 22 do corrente
s 10 horas da manilla, ra do Trapiche Novo
(modernamente do Commercio) n. 16, nos 2o e 3?
andares, por cima do aimazein de fazendas do Sr.
Simpson.
Protectora das Fami-
lias.
Estado desta associaclo em 10 de marco de
189
r.ontribuintos................. 556.">
Capital subscripto res.......... 8,427:7714890
Capital em apolices de 6 %..... 2,500:100*000
Agfvwi de Pernambuco ru' Livramentr.
n. 19.
N* F. de Vidal.
"~^- Jos Soares de Azevedo,.professorde
lingua e lilteratura naconil no gymnasio
provincial do Recife, tem aberto em sua
casa, ra Bella n. 37, um
CURSO DELINGTA FBANfflB V
DE GEOGRAI'IHA E HISTORIA
DE PHILOSOPHM
DE RHETORICA E POTICA.
Os estudantes qne pretenderem frequen-
tar qualijuer destas disciplinas, podem diri-
gir-se indicada residencia, de manhaa at
as 10 hoias, e de tarde a qualquer hora.
Roga-so a quem achou um embrulho do pa-
pel, coutendo requerimentos de ai furrias e um sello
de bronze com as armas de S. Benle do Mosteiro
de Olinda, que se perdeu desde o aterro dos Ale-
gados at a capella dos Prazeres, indo pela estrada
do governo, de mandar entregar ao Exm. Sr. D.
Abbade, em Olinda, ou no Recife, nh ra Nova,
em casa- do Sr. Dr. Sabino, que ser generosamen-
te recompensado.
Para o indicado porto pretende sahr em pou-
eos dias a veleira e bem conhecida barca Social1
capitlo Rocha, por ter a maior parte do seu car-
regamento promptb, e para o reslo que lhe falta
e passageros, para os quaes tem bons commodos,
trata-se com o consignatorio Joaquim Jos Gon-
galves Beltrlo, ra do Trapiche n. 17._________
Lisboa
Segu com brevidade a barca portugueza Perei-
ra Borges por ter parte da sua carga prompta :
para o restante e passageros, trata-se com Olivei-
ra, Flhos & C, largo do Corpo Santo n. 19.
Grande leilao de movis
SEHDO :
Cia mobilia de Jacaranda composta de um so
f, 2 consolos, 1 jardneira com tampos de pedra,
18 cadeiras razas, 4 ditas de bracos, 1 tocador
Offerece se um hornera de meia idade par
cobranzas, e com pratica de moHiados, mesmo
liara tomar conta de alguma taberna, danlo fia-
dor a sua conducta : a tratar na ra Nova n. 38.
O Sr. Dr. Jetulio Moreira de Castro Lima,
queira apparecer casa do Sr. Grosjean, ra da
Florentina n. 14, a negocio de seu interesse.
Quera precisar de uraa pessoa para admi-
nistrar ou contratar obras de pedreiro, carapina,
pintor e caiador, pessoa habilitada para estes ser-
vicos ; dirija-se roa da Santa Cruz n. 36, para
trataran-.
lf..
Aluga-se urna escolente eserava de boa con-
dacta, que faz cera perfeico todo- servco de urna
casa de famiiia : airaz da matriz da Boa-Vista n.
20. 1 andar ; aonde tambera se vender um lindo
muiatinho com idade de 12 annos, proprio para
eopeiro.
Havcndo-se perdido o grande sello da ordem
do Mosteiro do S. Bento, na oceaso em que era
conduzido por um fmulo do mesmo Mosteiro,
gratifica-se a quem o tiver achado e o queira en-
irear ou no Mosteiro ou no Recife, ra dos Ta-
noeiros n. 1, em casa do Sr. Mathias Gomes Fer-
nandos. Outro sim, se avisa a quem possa nte-
ressar, que sendo necessario usar do referido sel-
lo, vai o Mosteiro mandar cunhar outro, sendo sem
saei.isiK..i, i mar- _,..._, javk. An anno18(59.
LEILOES.
DR
Santa Casa da Misericordia do
Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da1
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sessoes, no da 22 de abril, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
quem mais vanlagens offerecer, pelo tempo de um
tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra da Imperatriz.
Casa terrea n. 68, por anno............320000
Rua de Hortas.
Loja do sobrado n. 41, por anno........ 120000
Rua da Moeda.
Priraeiro andar do sobrado n. 37, por anno 76000
Segundo andar, idem.................. 9G000
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1, por anno..............100000
Rua do Padre Floriano.
Casa terrea n. 43, por anno .. .:__........ 170000
Rua da Conceiclo.
Ca3a terrea n. 5, por anno..............249000
Rua das Calcadas.
Casa terrea n. 36, por anno............178^000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Lapa.
Casa terrea n. 41, por anno............ !55'0O0
Rua do Pilar.
Casa terrea n. 100, por anno........201*000
Sitio n. S do Fomo da Cal, idem ........1505000
Os pretendentes deverlo apresentar no acto da
arrematadlo as suas flaneas, ou compareccrem
acompanliados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 17 de abril de 1869. O escrivao.
Pedro Rodrigues de Souza,
Santa Casa da Misericordia
do Eecife.
A Illm' junta administrativa precisa contratar
com quem maiores vantagens offerecer o forneci-
mento de carnes verdes que precisarem os esta-
belecimentos a seu cargo nos mezes de mao e ju-
nho vindouros.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 16 de abril de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
costeira por Tapor.
Goianna
O vapor Mamanguape, comman-
dante Oliveira, seguir para o
porto cima no da 26 do corren-
te as 9 horas da note. Recebe
carga, encommendas, passage-
ros e dinheiro a frete no escriptorio do Forte do
Mattos n. 12. ________________________
Bio de Janeiro
Para o indicado porto segu com muita brevi-
dade o veleiro e bem conhecido brigue Adelaide.
por ter a maior parte do carregamento tratado ; e
para o resto que lhe falta e escravos a frete, tra-
ta-so com o consignat irio Joaquim Jos Goncalves
Beltrlo, rua do Trapiche n. 11,_____________
COMPAMUA BMSILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 22 do corrente o vapor
Gnnrti, commandante o primero
tenente P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do costurae se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de suachegda. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do di da
sua sahida.
Nlo se recebem como encommendas senlo ob-
jectos de pequeo valor e que nlo excedam a_ 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medcao.
Tudo que passar desteslimites dever ser embar-
cado como carga.
Prevne-se aos Srs. passageros que suas passa-
gens s se recebem na agencia rua da Cruz n. 57,
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.________________________________
COMPANHI PERNAMBUCANA
DE
Navegaco costeira por vapor.
Mamanguape.
O vapor Coruripe, commandante Pcnna, seguir
para o porto cima no dia 28 do corrente a 6
liaras da tarde, recebe carga, encommendas, pas-
sagens e dinheiro a frete al as 3 horas da tarde
do dia da saluda no escriptorio do Forte do Matos
n. 12.
LEILAO
vestido, 1 guarda louea, 1 mesa
queza, 1 mobilia do amarello raiz composta de 12
cadeiras rasas, 1 sof, 2 cUsolos, 2 cadeiras de
bracos,' 2 ditas de balanco, 1 mesa redonda, 1
banca de p de cama, 1 dita para jogo, 1 appara-
dor, 1 carteira, 1 cadeira pasa orinol, 2 mesas de
pinho, 2 bahs de folha, 1 quartinheiro, 1 berco
com colxao, 1 tapete grande, 2 ditos menores, 6
ditos peqnenos, 1 rolo de esteiras, 2 pares de
jarros de porcelana, 1 par de serpentinas, 1 can-
dieiro a gaz, o casticaes, 1 apparelho do porcelana
para jantar, 1 dito de dito para cha, 1 dito de
jantar para uso diario com algumas faltas de pra-
tos, 1 duz a de facas grandes com cabo de marfim,
1 dita pequea, 2 duzias-de garfos de metal do
principe, 9 colheres de dito para sopa, 9 ditas de
dito para cha, 2 compoleiras de vidro, garrafas,
copos, clices para vinho e campagne, galeteiros,
paliteiros e muitos outros objectos que
patente aos concorrentes no dia
Quinta-feira 42. do corrente.
estarlo
De urna grande casa de campo sita a Ponte
deUcha n. 17.
O agente Pontual vender em leilao a casa ci-
ma, junto a establo dos trunos'urbanos, que a horas em ponto,
entrada da ponte da Torre, com os commodos se-
guintes : grande sala de visita estucada, dita para
janiar, seis grandes quartos, cozinha, um terraco
atraz da mesma de 40 palmos (coberto), fra da
casa 3 quartos, cocheira, deposito d'agna doPra-
ta, um tanque de marmore para banhos, um dito
para lavagem de roupa, sendo o sitio plantado e
tendo 400 palmos de fnndo dividindo com o rio.
Os Srs. licitantes poderlo examinar a dita casa
e concorrerem ao leilao.
HOJE.
No Io andar do sobrado n. 62, a rua da Cruz as
11 horas.
sendo novo com a devisa do anno1869.
Fr. Antonio do Patrocinio Araujo,
D. Abbade de S. Bento, em Olinda
Oferecp-se urna ama par,a casa de hornera
solleiro, cozinha e engomma : a tratar na rua da
Roda n. 36._________________________________
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de taberna, e que atieste sua conducta, paga-se
bem : a tratar no pateo da Ribeira n. 9.
Fugio do engenlio Mussuripe, no dia 10 do
corrente, em occasilo de feira, em Pao d'Alho,
um escravo,*nado do Mosteiro de S. Bento, de
nome Tito, de idade de 20 annos, cor fula, esta-
tura regular, beicos, corpo e ps grossos, rosto
largo, e andar banzeiro, levou duas calcas, .urna
de algo laozihho azul e outra de riscadinho, urna
camisa branca de algodlozinho e outra de chita
roxa, e um camsio de estopa a manera de pale-
0 agente "jiartis "comne^lemetite autorsade I tpt, e urna espingarda !*da;foi visto o g
por urna pessoa que retira da provincia, far '
eillo dos objectos e movis cima relaciona os
LEIliO
De
dividas ua importancia de
3:fl.3-SS2?>.
O agente Martins far leilao por autorisaco dos
procuradores dos herdeiros de Joaquim Francisco
da Silva Coelho das dividas activas pertencentes
ao espolio do mesmo Coelho na importancia de
7:103*729.
HOJE
No armazem da rua do Imperador n. 16, as 11
horas do dia.
no armazem da rua do Imperador n. 16, as 10
IHIIAO
De 30 barris de 5o com vinho verde, 25
canastras com alhos.
QUINTA-FEIRA 22 DO CORRENTE.
O agente Pestaa far I eillo por conta e risco
de quem pertencer de 30 barris de 5o com vinho
verde de excellente quaiidade e muito novo por
ter desembarcado esta semana e ser vendido em
um ou mais lotes : na quinta-feira 22 do corren-
te as 11 horas da manbla no trapiche do bario
do Livramento.
lio de Jaguaribe do Mosteiro, d'onde ha poaco n-
nha sido mudado para o dito engenho alie 13
do corrente : roga-se as autoridades policiaes e
captlee de campo a captura do dito escravo, le-
vando ao Mosteiro de S. Bento, que se recompen-
sar com generosdade,
COMPANHI PEILNAMBLCANA.
DE
DECLARACOES.
O administrador da recebedoria de rendas
luspeceo do arsenal de
marinha.
De ordem do Illm. Sr. inspector faco publico que
acba-so marcado o praso de sessenta dias, a contar
da data do presente, para o concurso a que se vai
proceder nesta inspecelo, tanto para provimento
dos lugares de escrivao do almoxarifado e sen
ajudaute, como de dous amanuenses da secretaria.
llavegaco costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caty, Cear, Acarac e Granja.
m*r\w O vapor Ipojuca, commandante
^41 Martins, seguir para os portos cima
m no da 30 do corrente as 5 horas
da tarde. Recebe carga at o dia 29, encom-
mendas, passageros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da .sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
LEILAO
De SO barris com foauha de
porco.
HOJE AS II HORAS.
O agente Pestaa far leilao por conta e risco
de quem pertencer de 60 barris com banha de
porco em um ou mais lotes : hoje as 11 horas da
manilla no armazem do Annes defronte da alfan-
dega. ______ .
De diversas obras de ouro e prata, urna porcao
de tijolos de alvenaria grossa e batida, cal pre-
ta e de Lisboa, enxameis, caibros, ripis, solei-
ras de pedra, 'bancos para marcneiro, ferra-
menla, diversos movis velhos e dividas activas
na importancia de 2:777930.
Quarta-fcira 21 do corrente.
O agente Martins (ara leilao a requerimento do
testamenteiro do fallecido Joao Antonio Peres de
Moura e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de or-
phaos das dividas o objectos cima pertencentes
ao espolio do dito Moura. No Camlnho Novo rua
da Esperanca n. 37, as 11 horas do dia, onde ter
lugar o leilao.
AVISOS DIVERSOS.
________________________________ ^ ______
Convite especial de Fructuoso
Martins Gomes
Aos que nao sabem do nosso estabeleci-
mento de cestas o balaios, os convida-
mos a vir a rua larga do Rosario n.
36, ah encontrado todas as obras de
palha e de vime fabricadas na ilha da
Madeira em Lisboa, Franca p Hambur-
go, sendo cestinhas linas muito elegan-
tes para meninas de escola e maiores para
senhoras, bercos para recem-nascidos, ba-
laios de todas as qualidad s para costura
groca, depoisito de papis rasgados nos
escriptorios, grandes para depositar roupa
suja, de men nos aprender andar, cestas
para compras no mercado, bandejas de vi-
me, cadeiras, condecas, capachos de espar-
to compridos e redondos, maracas, ninhos
para canarios, tudo feito com seguranca
e perfeico, aos que nos honram com a sua
amizade solicitemos sua preferencia aoton-
summo do nosso excellente pao, bolaxa e
massas doces de araruta torradas; cerloa
de que envidaremos nossos maiores esfor-
gos para sempre serem bem servidos.
Desapiiareceu no da 17 do corrente, da fa-
brica de cerveja, rua do Sebo n. 35, um cachor-
ro de raca do Rio Grande, com os seguintes sig-
naos : cor de cinza e malhas pretas, frente o ps
blancos, levando ao pescoco urna collera de cou-
ro : quem o achar leve na mencionada fabrica,
que ser gratificado. ____________
Precisa-se por aluguel de 'una moleca de
12 a ti annos.: na rua Direita n. 79, 2 andar.
VERDADERO LE ROY
deloctor SIGNORET, nico&EBsor,
RU DE SEINE, 5i
PABI*.
Prix:6fi
M
Z Ha
TOg
licual
C'iMi estos l
preciosos rt-1
tos ha des-
U codicia
jran daciu
da falsicadores; jor
Unto deba exigiraa u
TERMSiio La Bot, cnjro
ritulo impreso en negro sobra
un fondo Tetaado de uixariUo
UfM h, urinas La Rot i la ana,
u cvmo mi nombre S1CK0BKT
ia la misma. rasTA >n rano.
'. B Sobre al corcho, debajo del papal
azul que llera el sella reuaaiACia Corr
Te pegado
por el irires del
cuello de la boteil
rotlo amarilla con
rlaiLLO mL oana.io
ritHCts.
Por todo enri de un tlo
de DOO francos aceptable so-
bre Pars 6 Londre, se haca <^- .
el mayor descuento poaibU.______________________
RESIDENCIA
" O Dr. Cosmo de S Pereira mudou sua residen-
cia para a rua do Imperador n. 22,1 e 2o anda-
res, onde continua no exercicio de sua profissao
medica, para o que pode ser procurado a qual-
quer hora do dia ou da note, nos casos graves.
Todos os dias das 6 as 9 horas da manhaa, menos
aes domingos, dar consultas indostintamente a
qualquer pessoa, sobre qualquer ponto de sua pro-
nssao, e com especial cuidado sobre molestias de
olhos, do peito, e dos orgos genito urinarios ; e
quando o caso for cirurgico, praticar as opera-
coes que julgar conveniente para o restabelec-
mentc do seu cliente.
RUA
CABUG
esquina
da rua larga do
Rosario.
AO ANNEL DE OURO
RUA
EO
CABUG
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual, esquina
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender. da rua larca do
vista da quaiidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.l 5
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele- Rosario,
vados.
A loja este liberta at s 9 horas da noute.

........m


Diario de Pemambuco Terqa feira 20 de Abril de 1869.
COMPAMA PERRAHBUGAHA
1 ltEC\\0
Os Senhores.Saunders Brothers & C, Tasso
Irmos. Luiz Antonio de Siqueira.
nunni
0 SR. F. F. BORGFS
Restando ainda emlttir algumas accoes d'esta comparada, da quana nominal de
206,51000 cada urna, das quaes s se aoeitam em virtade da iet, 20 /,, ou 40^000 por
cada accJo; convida-se pelo presente ao publico em geral e especialmente aos Srs.
capitalistas e inleressados no commercio, que queiram dar emprego seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever numero de accSes que lhes approuver.
Algumas destas accoes j temsido tomadas por pessoas que conhecem a vantagem,
de na presente occasilo (conhecidaraente a melhor), empregarem o dinheiro de que
poderem dispr em objcctos de valor real, como vapores, predios etc., que lhes garan-
lam seus capitaes. ...
A companbia possue boje !0 vapores, 6 inteirunente novos, e destes o ultimo esta
a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressaraente para ella.
Alera disso esta edificando vastos armazens, o terreno que possue no largo d As-
sembla.
Seus dividendos tem sido de 10 / ao auno, nos ltimos 4 annos.
As accoes que se eratttirem gozara dos mesmos direitos, e percebero o beneficio
dos mesmos dividendos me os antigos em proporco da entrada.
Rccebem-se assignatnras no escriptorio da companbia no seu edificio ao caes da
Assembla n. 12
3
IS
re er
S i
u re
So- S
g re cr
A S. S o. 5"
lili
2 3 o *.
|SfB@
co
s-wS*
s
o,__
M 5? re-
w .
3
05 3 = 5.
3 a- o^>"S
o s w^ o

sr i? c- -j
os a> o
9 o a
|Pjf
W CD t co
i i
-3 re
1 2 S
5*80*
S I f B
? a: 5 a* _
g a.- cd
I,,
re
"3
o
c
m
o
re
DO
BRASIL E PORTUGAL
Situado en um dos bairros mais centraes de Paris, sendo as Immediacfjes do*
principaes theatros e outros muitos divertimentos, e assim das estacSes dos caminhos *
ierro para todos os pontos da Europa, acatado de ser inteiramente renovado, nao se
lendo poupado o seu novo propietario a despezas para seu completo embellesamento e
aceio, torna-se portanto vantajosamente recoiamendavel aos senhores brasileiros e por-
tuguezes, a onde encontrarSo sempre aquella convivencia desojada em paiz estranho,
por ser constantemente frequentado por seus compatriotas. 0 tratamento superior 3
todo o elogio, mesa redonda, ou a carta, ou servida nos apozentos; habitacoes conve-
nientemente despostas para familias, e quartos para urna s pessoa, o servico feito
com a precisa regularidade : os precos muito rsoaveis e ao alcance tambem d'aquellas
pessoas que se queiram limitar.
Gabinete de leitura com os principis jornaes dos dous paizes, salao de recepcaoe
ile msica, etc. etc. Todas estas vantagens podem ser applicadas igualmente aos senho-
, res passageiros das repblicas do Piala, porque almda semelhauca da lingua, ali en-
ntrarSo muitos senderes bespanboes, por quem tambem esta casa bastante fre-
cuentada.
^?????????????gg^ft
iSTHli
orPHIRSi
icfoucIq
Todos os meLos at boje preconisados con ira a aslhma nio tem sido mais do que palliativo*
debaixo de (odas as formas, lecdo por base a belladona, o estramonio ou opio. Recentes expe-
riencias feitas em Allemanha, repetidas em Fran<;a e na Inglaterra, tem provado que o cnamo
indio de Bengala possue as maie notaveis proprieades para eombater cssa temivel affeoco,
assim como a tosse nervosa, a iwomnia, a lysi'^a iaryngea, a roaquidlo, exiinccio da vos
e as nevralgias facaos. E' pois com o apoio da ciencia que fferecemos estes cigarros, pre
eos con o eatraoto de cnamo das Indias, que no importamos de Bombaim.
Deposito ojd Pernambueo, em casa de W C.
,nrepar
Ama de Mte.
Precisa-se de unu ama de leite sem flllio : a
tratar no Coracao de Onro n, 2 D, ra do Cabug.
Club Pernambucano
A partida do crrente mea, ter lugar
na noute do :
Resta venda mu eseelhJd) sortimento de ob-
ectos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
caranda, mogno camareMo, obra nacional e estran
jeira, d apurado gosto e por pre;o razoaveis
aa ra estreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
jasa faiam-tie com perfei?rio todos os trabalhos de
palbinha, como sejam, empalhamentos de lastros
jara camas, cadeiras e sophs.________
Aluga-se um arnazem proprio para qual-
quer negocio : a tratar na ra da Concordia nu-
mero 12
11X1 lUiiUliiiUHU l^J X^lXXi.XXJ!TT

PILULAS
bWHBB^-HiMiCAl.F^
M. Ferrelra llllela.
Photographo ila casa imperial
premiado em diversas exposi-
q5es.
Na sua photographia ra do Cabug n.
18, entrada pelo pateo da matriz tira retra-
es por todos os systemas pbotographicos.
Em porcelana Em vidro
Em talco Em papel
CART ES UE VISITA A 9-J A DUZIA.
Os retratos carte-de-mite sao collados
jiu carto de luso brislal ou porcelana,
lourados ou lithographados, quadrilongos
)U vinhetas para o que existe urna varieda-
de de 12 modelos a escolta de quem se re-
catar. Para as oulras especies de retratos
amos caxinbas, passe-par-totils, quadros
} molduras douradas e pretas cassoltas de
mro e alfinetes simples e cora pedras pre-
:iosas, havendo nos alfinetes urna mimosa
variedade de feitios.
0 nosso estabelecimento photograpbico
t sempre em dia com os melhoramehtos
j progressos que na America do Norte, na
Europa o no Rio de Janeiro se consegue
la arte photographica, e para alcangarmos
ial fim nunca poupamos desp'ezas nem sa-
;rificios, de sorte que os nossos numerosos
freguezes podem ler a certeza de que sem-
pre encontrarao em nosso estabelecimento
iudo quanto a arle e a moda offerecer de
bora no novo e vellio mundo aos amantes
ia photographia. ________________
Joaquim Jos Gron-
palves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minbo, era Braga, e sobre os segura-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Gui maraes.
Coimbra.
Chaves. #
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalicio.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
*Beja.
Barcellos.
PEDIDO
Pede-se ao Sr. Manuel da Costa Pereira,
p raticanteda repaitc3o da obras publicas,
ora em Jaboatao: que compareca a ra
Augusta sobrado n. Ift2, alim de.saldar o
seu debito ou pagar o que puder, e isto
com brevidada.
PERFUME im:\tnclivel.
Para o Li:m:o, Toccadob, e Bamio.
1TII.IIIABE -.
Aos 500 pares de brincos.
Chegou e vende-se no Corac3o
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
m5osmhas com urna franja penden-
te a um rico desenho e ouro de
lci, pelo pequeo preco de 15^000
cada par. baratissimo.
Precisa-se
alugar dous escravos, airradando paga-se bem :
na fabrica a vapor de cigarros na antiga ra do
Quartol dePolician.at.____________________
Vinho degestivo de
chassaing*
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
das digestes difikeis e completas, a calmar
as dores gastralgias, e reparar as forcas
produzindo urna assimulaco completa dos
ilimentos; sendo mais um excedente tnico.
VEMIE-SE
NA
PHARMAQA E DROGARA
DE
Bartholoiiien fc C
34RA LARGA DO ROSARIO34
|3 O I)r. Manoel Enedino Reg Valen i;a fia
g pode ser procurado para o exercicio de as
sua prolTssao de medico a ra da Can- J>gJ
boa do Carino n. 91, 1 ;.-ndar. ^i
,CASA DA rORTDHA
Aos 4:000$
Billietes garantidos.
A ra do Crespo n.23 e casas do costume.
O abaixo assignado lendo vendido nos seosmui-
| to felizes billietes garantidos 1 mco n. 2936 com
a sorte de 4:000, 1 meio n. 3523 com a sorte de
700, 1 inteirb n. 280 com a sorte de 2025, e
outras militas surtes de 1003, 405 c 205 da lotera
nue se acabou de extrabir em lMJneficio da igreja
de Nussa Senbara do Livramento de Pao d'Allio
(101), convida aos possuidores a virem receber
seus Mspeclitas premios sem os descontos das
leis ria casa da Fot tuna ra do Crespo n, 23.
Aeham-se a venda os da 1" parte da lotera a
beneficio da igreja de S. Seliastiao do Bonito
(102), que se oxtrahir ter^a-feira 20 do corren-
le moz.
Precos.
Bhete.....41000
Meio.....2*000
Quarto.....15000
Emporcao de 1005 .para ciina-
Bilhete.....3*500
Meio......15750
Quarto..... 875
Manoel Martins Fiuza.
O abaixo assignado previne ao publi-
co de que est tratando de propr, por
via de seu cessionario Mathias Lpez da
Costa Maia accSo de sunegados pela pri-
meira vara municipal desta cidade, contra
Jos Joaquim de Castro Moura, como tes-
tamntelo e inventariante dos bens deixa-
dos pelo finado Jos Joaquim Borges de
Castro ; para que ninguem faca contracto
algum, gratuito ou oneroso sobre os bens
do dito Moura, que esto sugeitos a resti-
tuico dos sunegados e da pena legal, do
duplo valpr delles ; e para que nao se pos-
sa alegar ignorancia ou boa f, faz o pre-
Recife, 43 de abril de 1800.
Jos Mara de. Castro.
0 tratanmto das affeoc*e*chlorotica, IjwAatica on eseropholas* sempre lent-
simo, e multas vcxet essas molestias relatele as preparaces ferraginesas ordinarias. As
indaip^es feiUs pelos professores Haanon IrateUas, Gensoal Ptrefain de Lyio e
Benelins e Troossean de Paris, tem provado que a cansa d'essa persistencia era a completa
ausencia do Manaanese, elemento que sempre deve-se acbar no ssngne joaetamenteeom
^ ferro. Estas plalas aopprem, pois, aa uerapeAtka nma falta portante, s por este
motivo ellas tem oereoio a anprovaco da Academia d Medecua e dat prinoi^aes socie- ,
dades medicaa. Bepoaiso em Psmas*iuja, om casa e Hhw r.
A MH AFAMADA
AGLA DE FLORIDA,
DE
MURRAV afc sLANUJ.
He o mais delicado e mimoso e ao mes-
mo tempe o mais estavel de todos os per-
fumes, e encerra em si, no seu maior auge
de excellencia, o proprio aroma das verda-
deiras flores, quando ainda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Como um meio
seguro e rpido allivio contra as .dores de
cabega, nervosidade, debilidade, desnudos.
flatos, assim como contra todas as formas
ordinarias de accidentes bystericos; de
summa efficacia e nao tem outro que g
iguale. Igualmente, quando destemperada
com agua, torna-se um dentifricio o mais
agradavel e excellente, dando aos dentes,
aquella alvinae aperolada apparenCH t5o
altamente aprccialla e desejada pelas Se-
nhoras.
Como um remedio contra o mau balito
da boca, depois de diluida em agua,
summamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda dos dentes e das gengivas,
tornando-as dulas, sadias e d'uma linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
permanencia do seu fragrant aroma, ella
por ceito n5o tem igual : e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se un meio mu excellente, para fazer
remover de sobre a pello do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulices, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinbas.
Quando se queira servir del la como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
desteidisfiguramentos, e que tanto desfei-
am awlndas feices do bello sexo; devora-
se usal-a n'um estado de dilluicao, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porra no
tratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua foi-ca. Final-
mente como um admiravei meio de cpm-
municar as feices trigueiras e paludas,
urna pelle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-lhe urna nda cor de ro6a :
para um tal lim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado at ho-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agl-a de Fi.omda de Mi iui w A
Lanman.
As imitaces que se tet eito na Franca,
Allemanha, assim como em outras partes ;'
sao inteiramente inuteis e invaliosas ; por-^ do rae9m.. armazem de gneros.
tanto recommenda-se mu especia meute 85 rn---------. .
as senboras, que tenl.am toda a precaugo
e cuidado, de quando comprarem, estejam
certas que compram.
A Genl'pa
p AGUA DE FLORIDA
DE
JsUJURAY A- LANM \N.
A qual preparada stunente pedos uaicos
Proprietaiios,
LANMAN & KEMP, DE NOVA YOWL
Adtf-se a ienda nos eitabelecimeutos de
A. Caors, J. da C. Bravo, d C. P. Mau-
rer & C. A. A. Barbosa Bartholorneu, C.
Arremla-se o engeho Dous Bracos, moeole e
coirenle, d'agua, ten boas varzeas pala piaata-
co, maltas e dista una tegua da estarlo deGs-
leHeira. Tambem se faz negocio foju a safra
creada: a tratar con un pr'*rtetnrioAlbiao |
Ferrara da Cunta Largo ffeS. Pedro n. 17.
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEIXEIBA FREDERICO fe C.
Acaba de chegar a este mercado urna porgao
deste ptimo rape, nico que pode supprir a falta
do princeza de Lisboa por ser de agradavel perfu-
me. E' fabricado pelo systema do Areia neta,
porm tem sobre este a vantagem de ser viajado,
o que para este artigo urna especialidade. as
pracas da Babia, do Um de Janeiro e outras do
imperio tem o Rap Popular sido asss accolhido,
e provavelmente aqui tambem o ser, logo que
seja contiendo e apreciado. Acha-se veuda
por preco commodo, e para quem comprar de *i0
iibrasjpara cima, far-ee-ha um descont de 5 0/0,
e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : no escrip-
torio de Joaquim Jos Goncalves Boltrao, na 00
Commercio n. 17.
Precisa-se de urna criada livre ou escrava,
quesaiba cosiiihar bem e comprar, para urna s
pessoa: paga-se bem, rua de li rtas n. 66.
Alga-se o segundo andar do sobrado da rua
da Madre de Deus n. 36, bastante limpo e com
excellentes commodos para familia : trata-se na
15 annos : a rua do Cordonis n. 7.
taberna de 14 a
AMA
BARTHOLOMEU ft C.


MMM.
PruriG ac e ama ama para servio de *
familia : na rua das Laraogetras n. ti
Precisa-se alugar ama ama, forra ou es-
erawa, de muHo bous costumes, para cosi-
nhar e engommar em urna casa de familia.
Pagar-se4ia bem, se #or perfeita om ma e
oufra cousa. Dirigir-se rua Bella n. H7,
sobrado de i aadares.
Francisco Moreira Pinto Barbosa vai Por-
UigaJ, lavando ew ua ouaspaohia sua multwr,
dous fimos e urna riada; e taates procuradores, durante o lempo (Ui sua au-
sencia, em lugar seu soeio o Sr. Francisco dos
Santo* Macedo,-em *>#-&-. Jolto Perora Monteiro,
PARA USO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES
Xarope de jurubeba garrafa. 10000
Vinho de jurubeba garrafa. 1C00
Pilulas de jurubeba vidro. 1/>GOO
Tintura de jurubeba vidro. 64.
Extracto hydracoolico de jurubeba. 12^500 s
PREPARADOS C0MP0ST0S.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 1$G(X>
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2#000
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurubeba pote 640
Emplastro de jurubeba libra. 2500
PARA USO EXTERNO
M IL rA JURUBEBA.
Esta planta e hoje reconhecida como o mais poderoso torneo, como um excel-
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do figado e baco, as
hepatites pfopriamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inf!amma?oes
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores giandulosos, na anazarcha, as hodrope-
zias, erysipellas ; e associada as preparares ferruginosas, aida de grande vantagem
as anemias, cbloroses, faltas de menstruagao, leucorrbeias, desarranjos atomeos do
estomago,'debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos aflirmara os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illras. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira do Carrao, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconbecema excellencia d'este
poderoso medkaraento sobre os demais at hoje conhecidos para todos^os c*>os titados.
tanto que todos os dias fazem d'elle applicacSo.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparada da juru-
beba, tivemos por flm generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados hnpiricos d'elle, e
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a desvantaem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de havermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
priedades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas, fructas ou bagas, ea
dose conveniente a applicacSo, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeico possivel, para o que n5o poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a pronipta e infalli-
vel cura de qualquer dos soffrimentos, frac deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolber as nossas va-
riadas preparar/es, aquella quemelhorlhe podeconvir, j pela fcil applicaiT:o, e j pela
complicaco das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nosas preparages ferruginosas sao feilas de forma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
como taes esto hoje reconhecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propiedades d*
jurubeba, e saberem a applicacSo de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
Botica e drogara
34Rua larga do Rosario34.
I
Tendo montado urna completa offisina para concert e* akinaoo de maros
tendo contratado para o mesn lira o experimentado contra-mestre Sr. A. Rastonii
chegado da Europa pelo ultimo paquete.tem a honra de recommendar este seu estabele-
cimento s Exmas. familias Pernambucanas, prometiendo promptido e pe feicio d
trabalho.
Hua Formosa n. 14
Frederico Maia
Clrurgio dentista pela escola
de medicina
do Rio de Janeiro.
Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o
seu gabinete de consultas e operacoes dentarias a
rua Direita n. 12, primeiro andar, onde pode ser
Srocurado todos os das das 8 horas da mantea as
da tarde. Elle acha-se competentemente habili-
tado para com perfeico collocar dentes artificiaes
por qualquer dos systemas, e bem assim desempe-
nhar qualquer outro trabalho concernente sua
prolissao. O mesmo, reconhecendo que nem sem-
pre possivel s senhoras ou crianzas sahirem a
proen; aro remedio, oflerece-se a remover qnal-
quer obstculo, declarando que na cidade se [ires-
tar a qualquer chamado sem que isso influa cousa
alguma na commodidade dos presos de seus traba-
lhos, e quando para fra della assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavel. garantindo elle a
seguranQac perfeico de seus ditos trabalhos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente excel-
lente pos dentifricio, elixir c outros medicamen-
tos odontalgicos : rua Direita n. 12, primeiro
andar.
CURA DOS CALLOS.
PELA
Pomada galonpeaa.
Deposito especial
Pharmacia de Rartholomeo & C.
34------Rua larga do Rosario-----34.
SEGUROS
MARTIMOS
CO\TUA FOGO
A Companbia Isdemnisadora, estabelecida
esta praca, toma seguros maritimos sobre
navios e seus carregameotos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: a
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Para cosinha
Precisa-se de ura escrava que cosinhc bem: na
rua do Crespo n. 2.'t.
Fundipo da Aurora.
Neste vasto estabeleciinente semine se enronlra.
um completo sortimento de taixas di: ferro batido-
e fundido, fabricadas recentemente, e se fobrieam
de qualquer molde a vontade dos compradores,
reijos razpoaves.
8e for bom.
Pagar-se-ha bem um muleque que se pretend*
alugar : ua rua larga do Rosario u. 44, 1* andar.
Era casa de THE0D0H0~CHRIST1-
ANSEN, rua da Cruz n. 18, encontram-se
eflectivamente todas as qualidades de vinho
Bordeaux, Bourgogne e do Rheno.
lloieslias do pei(o.
A familia de S. Dent o nico alimento capaz
de ser supportado pelos estmagos (races, o mais
conveniente pelos seus bons resultados s pessoas-
atacadas de molestias do peito, aa< convalescen-
tes, s pessoas enflaquecidas |r toda a quadadV
de excessos e s senliuras que toara perdido as
cores pelas nenias de sangue : nico deposito, na.
pharmacia do Pinto, rua larga do Bosario n. 10.
Precisa-so de urna criada livre ou eserava
que saiba coer, engommar e fazer os arranjos
domsticos de urna familia emposta de i pessoas:
drija-se a rua do Trapiclie n. 14, 2o andar, eon-
siilado francez.
Josefina Benvinda da Cunha Souto-
Maior, autorisada pela directora geral da
instrueeo publica desta provincia, a ensi-
llar, o sexo femtnino : faz sciente ao publico
que em virtude da autorisaco, prepe-sc
a ensinar nao s primeiras leltras, como
tambem a grammatica portugueza, liordar.
labir}"ntho. trabalhos de la, tlor de cera
etc, para o que tem aberto a sua aula na
casa de sua residencia, rua da Imperatriz
numero 63 primeiro andar, onde poder
ser procurada.
Precisa-*! de una ama que coziiilie >m jer-
feicao : na rua do Vigario n. o, tonretoa andar.
AMA
B886MBBIS
SB O abaixo assignado tem escriptorio a
g raa do Imperador n. ^, Io andar, e ah
H pode ser procurado para os niisteres de
'JS sua profissao de advogado e negocios:
SE narticuares das 10 horas da manbaa as
SI 5 da tarde. .
Manoel Joaquim Sllveira.
l5aatmmMM OBMSflS
Ama
Precisa-se de nma ama forra ou escrava par
comprar ercoanaar para urna casa de pouca la-
milla : na rna das Cr.ues n. 28,1 andar prele-
re-se esorara e patca-w bem -agradando.
Precisa-se de una eigomraadeira, para casa de
pouca familia : nudo Cabugn. 3 sejundo an-
dar, entrada pela das I.arangeiras. Xa mesiiia casa,
vende-se um piano de mesa proprio para apren-
der, por preco mdico.
No dia 16 do correte, no tejadillio de mu
dos wbgdes do trem das i 1/2 horas, que partiiv
para Aqipucos, por esquecimento flcou um cha-
peo de sol de seda cor de eaW miasi novo : quer
oachou, qncrendo restituir, dirija-se a rua estrei-
ta do Rosario n. 47. que se recompen-aru.
xxoma-ae
4Mtaa4ebaoe^ ftmmk fes Misas Aba*
xminsolommitrmmei: u pneaaiwle-
temimnt a. ML
Ainda restam algumas cofleccoes de
Biographias de algans poetas, e outros ho-
mens Ilustres da provincia de Pemambuco,
tres tomos escriptos p<;lo commeodader A.
t de Mello: fu Augusta n. 9i.
Precisa-se de urna ama
33, andar.
Ama
na rua do Vigario .
AMA
Precsa-se alagar urna ama jara casa re
mocos solleiros. Aua do Jardim n. 7, aos I '_ Preesa-w de moa ama rom,lerte
Coelhos. I do Briun n. 3. larfo do snaariz.
O Sr. Jos Joaquim Karneiro tora urna carta
no eseriptorio de Joaquim Jos Gonc.alves Uelt nio
raa do Trapiebf n. 17.
Irmaiiiade do Divino Espi-
rito Santa
A mesa regedora em'Sessifl de 12 do oorn
mez, a pedido do muitos irraos, deliberando &iti
a festa. de seu Divino Padmetro com simpiiwda.
ca tenle a procissao, visto ir j dar coinew a-
obras da capella-mr, o.nio Ibes acc.posiwl fi^^f
a sobredita testa com aquella noaopa c mapiiflceri-
cia costumada, am de nio cancar aos ira<>i-
com tao repetidos bolos, pois que fc'i do os mi-
ooramodar para as obras ; pedejiois,aquelles w
voluntariamente ^enaaiooHOOCTor coosnaet~
molas pwa a procissao, de o faserera, dirMip-s<>
ao thesoureiro o Sr. Manoel Bodran da Iva.
aa rua do Queiraado n. 37, concillando por -esta
lamia os desejos que muitos teem manifestad a
nao deixar de ttsr-se os dfto!yt' \^^
Esarinai'
I
'
narro



Diario de Pemambuco Terqa feira 20 de Abril de 1869.

t\
ZMf -
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no sen estabelecmento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
praca, e por prepos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciossas.
x s in do curt \ :.
EMPRESTHRO
(SEM IMJTE.)
Na travessa da na
das Cruzes n, % pri-
Dieiro andar, da-se (|iial-
per quantia sobre oaro,
prata e podras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
governo, est as condicSes de ga-
rantir a transaeco que se flzer em
sua casa, prometiendo todo e zelo
e considerado s pessoas que so
dignarem de honra-lo em seu esta-
belecmento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
ESTABELECMENTO EM 1832
Salsaparilha de Brtstol.
LEGITIMA E ORIGINAL
KM FRASCOS GRANDES
ATTENCAO
Manteiga ingleza flor a 1$ o ISOO.a libra : no
antigo estabelecimeuto denominado orla larga,
ra das Cruzes n. 41.
l'reeisa-se de um bom feitor, agradando pa-
ra-se bem : do armazem da ra la Cadeia nume-
ro 51
Aluga-se
LIMA, LESSA & C.
U .MU NOVA NHi
ugia preta escrava, boa cozinheira, o de muito
boa rondana, a qual compra e faz os mais sen*-
cos de urna casa de familia : na ra da Manguea-
ra n. 6.________________________________
Precisa-so comprar una carteira era bom
, uso, com 6 palmos, punco mais ou menos, de couv
primento : na roa da tmporatria n. la.
;~~STtiFouengenho
Precisa-se arrendar u:n sitio que seja muito
grande de terreas, ou um engenho porto t!c em-
barque por agoa ou por trra : a tratar na ra
dos Prazcrcs n. 16.
_ Julio dos Santos Pe reir leudo seguido para
! o sul a negocio de sen marease, deixa como sea
I procurador al sua volta o Sr. major-Joaquiui de
A'buquerque Mello,_______________________
Manoel Cavnlcanti de Albuquerquc e S,-do
engcalio Gainpo Alegro, comarca de Santo Antao.
faz seiente a quem possuir urna letis de seu acei-
te, vencida hontem lo do currente mn, para apr-
senla^ no dito cngcnlio, ou no Rerife em casa de
Orreia c C, ra do Livramento n. 20, que sera
promptamente paga ; e desde j -se declara nao
pagar os juros que a mesuia for vencendo.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado n. 49, loja de miudcsas do
Jos de Azevedo Mara e Silva, ten para vender os
arligos abaixo declarados, tudo bom e baralsst-
mo, que sao para acabar.
Duzia de sabonetes maito finos a 700 rs.
Uoincut a 15280.
COMPRAS.
OGRANDE PURIFICADO!! DO SANGE !
Esta excelente e admiravel medicina, e
preparada d'uma mancira a mais scientifi-
ca por Chimieos e Droguistas mu doutos c
d'uma instrueco profunda, tendo tido mui-
tos anuos de experiencia ao par d'uma lori-
ga e laboriosa pratica. ,
A sua composico nao consiste d'um sim-
ple extracto d'um s artigo; mas sini,
composta d'extractos d'um numero de rai-
les, nenas, cascas, e folhas, possuindo to-
das ellas, sua virtude especial ou
em curar as molestias as quacs leem sede
ou essento, no sangue ou nos humores;
e estes dilerentes extractos vegetaes, afham-
3e por urna tal forma combinados ponto
de couservarem em toda a sua forca, o cu-
rativo especial de virtude, que cada um de
per si possue. A mi da planta d Salsa-
parcillia, producida as Honduras, a que
nos usamosnesta prepaiacio, sendo a f|na-
litlade que* todos os mdicos mais pivzam
e estiuium. Na composico da Satoa-
parrilha de Bristol entra mais de60
por rento deste Concentrado extracto. Ella
nao encerra em si cousa algara?, que pos-
sa por leve ser perigosu Jti Injuriosa
sade; e tanto n'este, mo cm quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramente
diversa de todas essas mais preparan us,
as quoes debaixo do nomo de Salsaparri-
lha, sao accondicionadas ou postas em gar-
rafas pequeas, sendo receiUula em doses
mui diminutas d'uma rollicr de cha por
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARRIUY DE MUS 01, .
cm frascos grandes, e assim por este modo,
dividimos c-om os consumidores, o grande
proveto e vantagem alcancado por aquelles
que acondicionan! sua preparacae em gar-
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa Kalsaparrillta le Bristol
oonteem a messa quantidade igual porcio
cuntida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue ainda muito mais forca e
virtude medicinal do que aquella, que por
(Jom muito maior vantaycm
Compra o Coracao de Ouro, n. 2 D ruid C
, moedas de ouro e prata e pedras precios a*
MHMU-SE
Compra-se moedas de ouro e prata, 'i
como libras slerlinas por maior preco ue
em outra parte, na ra do Crespo n. IG
Io, andar. '________^_
Ouro e prata
em moeda e cm obras inutilisadas, compra-se por
bom preco : na praca da Independencia n. ti.
Na praca da Independencia n. 33, loja deou-
rives, compra-se ouro, prala, e pedras preciosas, e
tambem se faz qualquer obra de cncommeuda, e
todo e qualquer concert.
PASTILBAS ASS11CARADAS
DR. PATERSON
De blsnuth e magnezta.
Remedio por exeellencia para combater
a magreza, facilitar a digestSo, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu & C.
34------Ra larga do Rosario------34.
Cera de carnauba
Vendo-sc na ra do Queimado
andar.
n.
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas pnr procos mais vantajosos dojchrystal de rocha, e de cores para reagOtf-
13, primei
Meias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes meias elas
cas de borracha contra varizes e crysipeHa*.
Vende-se na
- Pharmacia e drogara de
Bartholomeu & C.
34ra larga do Rosario34
0 mesmo vapor trou-
xe urna excelente ma-
china para graduar e
observar o numero do?
vidros que se necessita
conforme a vista t
qualquer pessoa.
Tem excellentes sterioscopos, instrumen-
tos de matheinatica, barmetros, vidros e.
que em outra qualquer part?.
*60e200rs,
Rt*ma de papel almaco, o superior a 3^200.
Dita de papel tinaco panudo a 4|.
Lhrro de misses anreviadns a 23.
Cartilhas com teda a-outrina e mitas resasa
320 rs. _
f ilabarios nwrtu(niezes ttaraUws fraaeezos ui*o finos a2O e 2iO rs.
H9 respeitawl publico encontrar nesta efficina habis mestres e bem corfeecidos! Sabio ingiw superior jnalidade a m *J^
na arte, affiancando-se o melhor .desempenho conforme o gosto e vmtade do freguez,! gjwa* PJgL?r\TnC^fanda fina 5.
assim como a maior pontualidae na entrega das obras ; recebemos de Paris, por todos Redes pretas lisas para segurar cabello a 3 rs.
os vapores, os mais modernos figulinos para nao haver nada a desejar; be?n como Varas de transa de seda de todas9 cores_aOWrs.
varias encommendas de casimiras modernas e outros artigos proprios para iomens;
temos grande deposito de ronps feitas de toda a qualidade, como sejam-: camisas
francezas, inglezss, chapeos de sol de seda trancada, o que ha de melhor, grande
sortimeRto de meias, colarinlios, punhos e grande novidde cm gravatas modernas, e-
finalmente completo sortimento de fazendas fias e roupes feitas, sendo os procos ss
mais'baratos posfiveis.
Pares de sapatos c tapete para
Ditos de tranca para creanca a i.
Trairoia do Porto, ^^ \or *^WO rs. t tda dentrQ de
Dita do Porto lita, da meUtor quahdade a too, 120,4 ------1 nnMmn ,.im,nlin plir.
OURO E PRATA
Compra-se moedas de ouro e prata e
bem como libras slerlinas, na ra do Ca-
bug n. 9, relojoaria.
Compra-se una escrava que saiba cozinhar,
engommar bem e que tenha boa conducta : na
ra do Crespo n. 23.
VENDAS.
No armazem de Henrique & Azevedo
ra da Cadeia n. 34, ha para vender vi-
nhos puros, das marcas seguintes:
EM ANCORETAS
Collares.
Alcobas-a.
Bucellas.
EM CAIXAS ENGARRAFADO.
Alcobaca.
Bastos.
Branco fino (de Torres Novas).
Bucellas.
Carcavellos.
Porto, branco e tinto.
Moscatel de Stima!.
dar a vista ; concerta todos os ohjectos z
precos commodos o com promptido ; lira
o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
encommenda relativa a ptica.
Becebeu tambem os excellentes relogios
do antigo e afamado fabricante abcrt Gerih
<& C, os quaes vende precos commodc*
garantndo a sua superior qnalidade.
-ii'A L4KA do mnm % 37
Bsle acreditado estabelecmento augmenta
de dia em da fuanto 6 possive! para clie-
gar &o cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem'bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indwpensavel elemento para a
vida e hygiene, temo-la sonpre em abun-
dancia para facilitar excellentes banhos.
ffa tambem urna boa bibliotheca e peri-
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para
recreie, bilhares, etc. etc.
Sendo ociosa qualquer recommendaro
para -to acreditao estabelceimento, omit-
limos mais prerabalos, fawndo ^ver por
lim, que o bom servico, ordem e raorada-
de tmperam nesta casa, como obsenancia
fie! do regulamento que possue.
Gemedorias a la carte.
CfLVRUTEMA E PETIT ESTAURAM
Aanexos aoloiel Central, ra Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infiaiu
de charutos-de Havana, Bahia, Rio, etc.-qu
osistem ne^e novo estabelecmento pres
iludimos dos annuncios pomposos que ge
ramente se fazem, reduzindo-ns apenas i
tres letras que sao tres bbb bom, bonito i
berato. A' wsta do gosero annunciado po
de-se julgar de nossa veracidade. Esta cas;
gosa tambem das condiooes de um eleganb
e petit restaHtmnt onde se pode ver a es
pecialidade dos fiambres e salames de 'Lioi
para lanches e at fazer urna boa colaco
juntamente com os priacipaes vinhos d<
mercado, sobresahindo estre o bom a pun
e feHenle champagne, o hu saboroso 'Rhe
no, a primorosa -cerveja, o licor espirituoso
o quanto pede urna mesa. Faz-se uoet
sorvete e variedade de refrescos.
Pares de brincos dWHrados eom maaiinha-e. pe-
dras a 320 rs. ,
Cartes-rMw corelies de duas ordenseade ta-
to a- Abotuadwas do-Ttdro para-oiete mnitoltnas a
120,2*0 e M rs.
Pares de 1)0te dourados. par punhos <60 rs.
Cafaus de pcnus do acp ujntwflnas a 9M, "390 e
500 .. v.tfcJ
CartSes'-oom dwntas lardaste linha flo fabn-
eanle Jtlexamlre;* iOOre.
Caixas e pennas Carriteis'de linha Alexandre *s. 70, O, 100 at
200 a 100 rs. ,
Caixas om supersres obnwts de masa a M rs.
Carri*ei9Com duas-oilavasde-rctroz pretoa oOOrs
Dunas Be agulhas para macWBas a 25-
Libras fie pregos francezes de todos ostamanhos
a2i6>rs,
Livroseecripturados para rol de roupaal120 rs.
Caixascom papel srmL Caixas am ccmenwloies tia melhoi qualidade a
600 re. ...
Talheres para mainos muito boa faeenda a
2i0-re.
Fazendas de gado.
Vendem-se seis fazendas de gado na ri-
beira do Serillo, denominadas Boa-Vista,
Pe de Scrra, Mulung, Mundo Novo, Inga e
Serrote, todas muito boas de criar e de uto
ser bem conhecido naquella ribeira : os
pretendentes podem dirigir-se ra do Vi-
gario n. 31, Io andar, escriptorio do Baro
de Bemfica.
Veudem-se dous cylindros em bom eslado, pro-
prios para padaria, por modico_prcQo : quem os
dirija-
= Vende-se um carro americano de quairo
assentose quatro rodas, paraum o douscavallos:
na ra da Florentina n. 14.
A novk mesa regedora da ^evocao ifle Xossa
Seuhora >aa Lu, erecta mi i^reja de S. los de
Riba-Mar, convida a wuva, pawntes e amigos do
nosso tiuarlo irmao Epiphanio Jos de Suiza, para
assislirem urna missa, que e manda edeirar no
dia 21 do oorrente s % horas da nianha, trigsi-
mo dia do-seu fallecinwnlo.
Recifel9eatiril de 180(1.
o secretario, .
Joatt Joaquiui Feniandea.
seis garrafas de pequeo tamartlio. Por-
tanto mui natural, que aquelles, que se
acliam oceupados em preparar e vender as
suas pioduccoes, em garrafas pequeas,
raanniraiB e grtm contra os nossos fras-
! eos grandes: proclamando, que a nossaMUatf-
sap'rMhaKc Urtetol naorpossue a
menor virtude; porm quao elfeovamen-
lesS elles postos em sikmcio, quaado indi-
camos, ou siraflesmente rferino-nos para
de -todas s olasses da sociedade, n*s qiwes
plentimente altestam o poder curativo e vir-j
UKles maravilhosas da nossa.
^U^AI'ARHUIA 0. BWSTOL.
A vantagem de termos os .pcios agentes naquettes lugares aondeas
iifferentes raizes, drogas, nervas, o plan-
tas de que se compoem as nossas medicinas,
3o prodnzidas, que nos habilita exer-
cer aqiielle conitarrte cuidado e disvelio na
minuciosa -escoltar, e o que assegura ga-
rante unifermida.de e exeellencia.
Em quanto que, por ontro lado, nos nao
nos ponpamos nem dinlieiro, nem dili-
gencias; afim de alcancarmos o memor
e nicamente o eftorde cada um artigo
ou ingridiente que -entra na sua composi-
co ; peis levadas e compenetrados da
mais firme e persuasiva conanca; que po-
demos afoutamente -dizer aos deeates de to-
das as naces, e de todos os paizes, que na
ftalsapairrilha 4e Bristol. possuem
um remedio mais efficaz e seguro; do que
nenhumoMtro, queros tenlia sido offere-
cido at 4wje, e o qiial por certo nao hade
mallograr voasas expectativas, na prompta
e effectKa eura das seguintes enfennidades:
Scbonetedealcatrdo.
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que t5o bo
aoceitacao tem merecido n'esta provincia,
mudo se recommenda para a cura cerU
das impigens, sarnas, caspas e todas a*
molestias de peHe.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu A C,
34ra larga do Rosario34. __
Vendem-se 37 saceos com larinba da trra,
com mais de um al ,ucire cada sacco : ra da
Praia n. i.
0
DE JOIAS
GOMES DE MOTOS IRMftOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecmento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
onde eneontraro um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de no vos gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualidade dos objectos vendidos.
Escrfulas,
Chagas antigs,
ulceras,
Heridas Ulcerosas,
Tinha.
SypoiUs.oflMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidadesdo
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilidade Geral,
Febra e Malignas e
Febre e Sezes
Biliosas,
Tiumores
Abscessos Apostemas,
Erupces,
Heq)es,
Sateagem
Impigens,
Lepra, febres intermitientes e remitientes,
liydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontio-sim, achar-se-lia, qne para o bom
resultado eperfeito earativodetodas aquel-
las enfermidades aeima apontadas o adian-
tamento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesmo
lempo -das nossas mui valiosa pitillas
vegetae* assiiearadas de Bristol,
tomadas em doses moderadas em connec-
C3o ou eonjunctatnente com a Salsaparrilha;
ellas faxem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendem e livre-
mente circulam espalhados pelo systema,
isto causado pelo uso da Salsaparrilha; o
por esta forma facilita a volta e o exercicio
normal das operaees funecionaes,
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo 4C..P. Maurer
C, M A. Barbosa, Bartholomeu d C.
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Bisquit Dubouch &C, em
cognac urna das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consommo do
Reino da Inglaterra.
Vende-se em casa de Th. Just, ma do
commercio n. 32.____________________
Vendem-se ps de laranja de umbigo, de
cravo, de clela c da china, dito de sapoli, fructa-
pao, dito de lima de uiubigo e palmeira : na Pun-
te de Uehoa n. 40._______________________
Vende-Fe a botica que foi do fallecido Para-
nhos, na Direita n. 88 : a tratar na ra do
Queimado n. 13, andar. ____________
Ra do Queimado n, 49 loja de
miudezas de Jos de Azeoev
Mata e Silva conhecido por Jim
Bigodinho.
Est queimando os objectos abaixo declarados
pelo diminuto preco, a saber :
Frascos com agua de Colonia verdadeira a i/.
Garrafas com agua Florida verdadeira, que se ga-
rante a I .>--'! m.
Pentes para regacar cabello de mei.inas a -120 fs.
Thcsouras muito finas para unhas e costuras
500 rs.
Tinteiros chcios de tinta muito preta a 80, 100, 1W>
e 400 rs.
Varas de franja branca de linbo para malhaya
160 rs.
Caixas de phosphoros de segnranca a 20. 40
160 rs.
Navalhas de cabo de marfini e que se garante a
qualidade a -i.
Libra de lila para bordar a 7.
Pecas de fila urania clstica muito superior a OP
e300rs.
Novellos de linba branca com 400 jardas a CO r?
Resmas de papel de peso liso muito fino a 250u
Latas com superior hanh.i a 200 e 400 rs.
sCaixasom seis fiascos de eheiro muito fino'
o 800r
Caixas com doze frascos, fazenda s boa a 1#3W
c 23500.
Frascos com superior oleo filocome a 500 rs.
Calungas de sabao transparente milito benito r-*-
no a 240 rs.
Duzia de paos de pomada do Reino, da Dielho
qualidade a 240 rs:
Pecas de tiras bordadas muito loas a 500, "OC
800 rs.
Ditas de babadinhos com dez varas a (100 r>:
Carriteis de linha de todas as cores, para acata
a20rs.
Garrafas com agua divina a 1JB00.
Frascos com superior macaca per la a 320 rs.
Caixas de vidro com doze didaes, que s a caix
vale dinheiro a 200 rs.
Ditas de madeira com alfinetes, o que ha de me-
lhor a 320 rs.
Grosas de botdes de louca, lisos e hativ*
160 rs.
Caixas redondas para rap emittando tartaruga
15500.
Pecas de fita para eos da melhor qualidade ;.
Escovas para limpar denles, fazenda que s a vis-
to a 240 rs.
Ditus para limpar unhas de superior qualidade a
500 rs._______________________________
XABOPE PEIRORAL
DE
RABO DE TAT'
BOA PINGA
do Douro
Em casa de Flix Pereira da Silva, ra da Im-
peratriz n. 60, vendem-se barris de 5o e 10 com
puro vinho do Douro, garnlindo-se que nao tem
confeic" algnma ; neste genero o melhor que
tem vindo a esto mercado, e muito proprio para
Hsar as heras de comida, e vende-se por preco
razoavel, na loja do Pavao.
Precisa-se de urna ama de Dons costumes,
ue saiba bem engommar e cozinhar : na rna do
mperador o. 65,2 andar.
Um bom professor francez deseja encarre-
f-ar-sc do ensiiio dessa lingua em algum engenho.
'oder tambem encrregar-se de ominar geogra-
phia, niathematicas, pnysica e latim : pode ser
Srocurado a ra Nova n 25, ph: rmaoia do Sr.
r-er.
Quem quizer ser feitor de um sitio, dirija-ge
o largo da ribeira de S. Jos, sobrado n. 5.
Precisa-aealugar um moleque ou um preto
4e maior idade para distribuir pao e bolacha : a
ir atar no pata ido Torco n. 63.
Vende-se um escravo, olcul de ferreiro,
vindo ltimamente do norte : no escriptorio de
Joaijuim Jos Goncalves Beltrao, ra do Trapi-
che n. 17.______________________________
Luvas duqneza
A nova Esperanca ra do Queimado n. 21 aca-
ba de receber por esto ultimo vapor luvas de Jou-
vin, duqneza, brancas, pretas e de cores, para
homens e senhoras ; a ellas, antes que se acabem.
Cemento de Portland.
Vende-se no armazem de Vicente Ferreira
Costa & Filho. naruada Madre de Dos n. 22,
harris irrandes.
Vendem-se alguns mos de steupira.: na es-
trada do Arraial, sitio de Marcelino Jos Lones.
Vende-*e a casa da ra do Pilar n. 107 com
um sobradinlia na fundo : a tratar da roa do Pi-
lar n. 20.
Vende-se a taberna da rna do Pilar n. 15
a tratar na mesma.
Ama
Na ra da Cruz, no Recite, n. 43, 2 andar,Jire-
aisa-se de urna ama de. leilo sem ilno.
' Precisa-se de urna ama pan feo o t*r*eie
feas pessoas : na ra Formosa n. 6. __
k, Precisa-se alngar mMa itf>i.y;B ti
ka ra: no pateo de S. Pedro n.'l.
Botinas de couro com bicos de metal para me-
nino a 2*000. ,'u .
Sapates de salto para senhora, sondo de Justte a
2 000.
Chiquitos paraflieniBO. a 500 re.
iotiaas-Aapeluca para senbere aH.
BoUnas iojileas*ara,aoinem-*.
S se venTem a dinheiro, e amostra eom penhor
de dimheiro : na praca da Independencia ns. 13 e
13, loja do Atantes^
Boas ecrouw
rradtoiMe'9 escravasde Ma^ t* *
com tamarn&i habilidades, 1 mutafinna de idade
anoos. reeoinda. mnito Uabilidesa, 1 mukto
_ .da* Ma**.* wrialKiro ecriado : na
travessa doCarmon. I.1
PLANTA DO BBAZ1L.
E' expectorante e recommendado as
affeces do peito, bronchite chronica lie
moptise, e tosse chrocica.
PREPARADO
POR
Joaquim e Ameida Pinto
PII'.RMt CEIMCO
Peraambuco ra lardo ao
Rosario, n. 10._____
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermifogo efficaz, e preferivel a todos o?
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicaco as creancas.
quasi sempre mais atacadas de t3o terrive'
e militas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharutac-U drogara.
DE
Barthomeu d C.
34Rna l.arga do Rosarlo34
i Vende-se urna escrava boa cosinheira,
sem vicios, na Carabea do Carino nume-
ro 2i._____________________________
Vende-se fumo de Garanhuns muito Dom
muito em conta, chegado a pouco: na ma da
Camhoa do Carino n. 10.
Jos Mara Palmeira tero para vender no
escriptorio largo do Corpo Santo n. 4, pnimift
andar.
Fwde.algodM ) PedrM0.
Panno de algaaao)
Laa barriguia.
Colla.
Galha.
Canarroza.
Oleo de linhaca.
u, em .garraloes.
mho IBordeaux superior qualMade garralv
grande? caixas de duzia.
Ervilhas francezas em latas.
Vinho da Figueira em barris JLG o mais supe-
rior que vem ao mercado.
Salitre.
Enxofre.
Fio de Vela.
Cimento'Portland superior.
tito romano dito.
H------ .. .i
Boa acamsiejo
Vende'ieoiftcaaal de burros de rafa a&fcfci
acabados de chegar por via de LiAo* M *Wt
portuguez Julio: qnem pretende-lo para ver esta
ejjjto na coca*ra ^Bteira ae retogio de arw-
Brab^arioha, nai.nofocio tratase no I*rg
do Corpo Santo n. 6, 2 andar.


f

bvbb




q
Diario de Pernambuco Tenja (eir 20 Je Abril de 1869.


Lindos cortes de cassa de cor com barra.e com figurino indicando o molde do vesti-
i pelo baratissimo proco de 3:>500 o corto
Ditos do percalia muito modernos com duas saias a 35000 ris
Na loja das Columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vascon
JlosAC.
Grande liquidado de miudezas !
Affonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
ioja raa do Queimado n. 35, resolved annuncioi as mesmas miudezas, para que o pu-
blico se certifique do diminuto prego porque as est vendendo, a saber:
Caixa com agulha franceza a
Caixas com 100 enveloppes a.
Pecas de babados e entre-meios
a 300, 600, 700, 800 e. .
Pecas det fita de coz com 10 va-
ras a ." .......
Linha de marca, caixa com 16
novellosa......
Coqaes muito finos com rede, so
a rede val......
Frascos com santos muito finos
a.........
Latas com banha (familia), a
160 e....... .
CartSo com alfinetes a .
Copo com opiata muito fino a
400 e .....
Cartas francezas a 200 e .
i)oas portuguezas a 120 e .
Gaixa de linha do gaz branca 50
novellos a......
Fiasco com tinta a 100 e .
Frascos com banha a 320 e. .
Frascos com agua de Colonia
Piver a. r ...... .
Pentes de travessa para cabello
de meninas, s a vista faz
f, a........
Laa para bordar, libra .
Novello do linha grande com
400 jardas, S a vista faz
f a.......v
Pares do liga de borracha para
pernas de senhora, muito
boas a .......
Franja branca para toalha vara
a.........
160 Resma de papel almajo, muito
500 ba fazeiula, com 83 cader-
nos a........
li^OOO Caixa cm papel amisade a .
Jogo de vispra a.....
300 Sapalinhos de la para meninos
.a.........
240 Pec^s de tranca e caracol a .
Sabonetes de todas as qualida-
1^500 dos a 80, 160 e .
Fraseos com oleo babosa a
1-5200 400 o.......
Placis para barba a. .
200 Gaz a........
100 Frascos com agua de Colonia a
320, 400 e......
500 Pontos com costas de metal .
240 Cartera de marroquim a .
160 Pontos pretos para tirar piolhos
E> as para cabello a 400,
600 500 e .......
160 Garrafa com agua divina a. .
400; Gravatas de seda de cor a .
Dilas pretas a 400 e ..
UOOO Bofflcs de louca para camisas, a
Garrafa de tinta roxa a. .
Lencos brancos para maos
320 a.........
6#800 Par de suspensorios para ho-
mens a.......
Espolho de toucador a. .
60 Frasco com cheiro muito fino
a.........
Bandeja para copos a .
60 Meias cruas para homens, boa
fazendaa 35, 3#600, 4 e. .
200 Abotoaduras para cohetes a .
2(5800
700
400
320
40
200
600
200
320
500
320
400
200
600
10500
320
500
160
800
240
200
2,5500
i 5000
400
4i500
320
Do xarope Vegetal Americano, cspccinlidadedc KwrtlioSonaeu k
34RA LARGADO ROSARIO34
Nao costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei
xamos que sua applicnro e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceit
los. Ibes deem crdito evoga; porque s2o sempro os attestados considerados gratuitos-
e delles que lancamo o charlatanismo; mas, nao querendo offender as pessoas qu
espontneamente nos offereceram os que abaixo vo transcriptos, os fazeiaos publicar
manifestando-lhes nossa gratidopela attenco, esperando que venham elles corrobora-
o conceito, e acceitacao que tem merecido nosso xarope.
Bartkolomets- t C.
ATTESTADOS
lllms. Srs. Bartholomeu & C. com a mais subida satisfaga que decan
ser o xarope Americano de urna efficacia extraordinaria, pois que soffrendo ha dias d<
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noito a despeito mesmo de medicamentoi
que tomava, a elle recorr e na terceira colher fui alliviado, e de todo me acho hoje res
tabelecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois, csse resultado man
festo a Vv. Ss. mcu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obWgado.Ma
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
Illins. Srs. Barlholomeu & CPenhoradissimo com o favor que me fizeran
de aconSelhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composigao, quando me acha
ta bastante doente de lima constipagao, que me tornou completamente fouco e qu
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus deveres de cantor dj
empreza lyrica, vou agradecer-lhes meu completo restabelecimento, que obtuve com un
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tratamentos. Desejare
que outros como eu recorram. ao seu xarope para se verem alliviados d tSo terrive
ineommodo, 13o fatal nesto paiz. Com maior consideradlo contino a ser de Vv. S.
attento, venerador e obrigado.Luiz Cromona.
Recife, 25 de setembro de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu A CO xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. teen
exposto venda de toda efficacia para o curativo d'asthma, conforme observei app
cando-o a meu fho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'esse flagello, que aW
entao por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de grandt
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expresso altamente sincera de meu reco-
nhecimento ao meritorio servico que lhe prestaram com o indicado xarepe, acreditan
do-me para sempre de Vv. Ss.. criado, attento c obligado.Americo Netto de Mendonc
Recife, 2 deoutubro de 1868.
[d^LERASdotjtori
Debaixo da forma d'um liquido sem sabor,
anlogo a urna agua mineral, este medica-
mento rune os elementos que constituem
os ossos e o sangue. E' o mais racional dos
ferruginosos; por esta raz3o o adoptarlo-1
os mais eminentes mdicos do mundo in-
teiro. Convem muito s meninas de temperamento delicado, cujo desenvolvimento tardio,
s sennoras que padecem d'estas dores d'estomago intolcraveis, causadas pela chlorose,
anemia, menstruaclo ou leucorrha, s enancas d'uma compleicao paluda e delicada, e a
toda as pessoas que tem o sangue empobrecido pelas doencas. Efficacia, rapidez d'acjo,
cura perfeita, sem constipac9o de ventre nem accSo sobre os denles, taes sao as razfes que
imperto par que oa senhores mdicos o prescrevao aos seu doente.
Deposito em Pernambuco, em casa de Itaarar O*.
ALTAS NQVIDAES
LOJA DO PASSO
Ra do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador.
PARA CASAMENTOS, BAILES, THE V-
TROS, etc. etc.
Lindos cortes do blond, contendo setim,
mantas e grinaldas.
Requissimos cortes de sedas assim como
para covados.
Gurguro branco.
Moireantique branco azul e verde.
Gros-de-naples brancos e de cores.
Setim branco macau.
Setim, branco, azul, verde, cor de rosa
e amarelos.
Fil de seda, branco e preto,
Cortes de seda com duas saias.
Chales de gurguro de seda de cores.
Camisas bordadas para homens.
Saia* bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho bordadas com primor.
Lencos de oimbraia do linho bordados.
Na loja do Passo ra do Crespo n. 7

Riquissimas colchas de damasco de seda,
assim como do seda e aigodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos do seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
Chapelinas de palha da Italia, assim
oemo de seda.
Enfeites para cabeca de senhora.
Espartilhos para senhoras.
Meias de laia para padre.
Ditas de la
Ditas de soda fio da Escossia e aigodo.
para senhoras c meninas.
Lencos de labyrintho.
Fronhas de labyrintho.
Bicos, rendas e grades.
Finissmas cambraias de cores, percales,
las, e outros muitos artigos de gosto e
de alta novidade, isto s
A, esquina da do Imperador.
Approtati
aa uaimia
iiWieciM
ia Part.
J]
lwPS
II]
PhamactvHco
laurtait
t academia
it matutina.
liquidas tem desde muitos annos merecido approvacSo
especial dos mdicos, porque ellas obrSo mais rpido e seguramente do que as pillas, e
As preparares ferrnginfl
! dos mdicos, porque en as onrao mais rapu
sao mais fcilmente toleradas pelos doenles. 0 ros ferro-manganicos possuem a nappre-
ciavel vantagem de poder offerecer i'iim instante urna agua ferruginosa gazeosa, de gosto
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de mais um elemento precioso,
o Manganeso, que sempre se acha ao sangue, junctamente com o ferro. Emprego-se em
todas as molestias que tem por cansa o empobrecimento de sangue, assim como para vigorar
oa temperamentos debis e lymphatico. A Morse, as Peraas brancas, dores estomago,
a irregularidade da menstruaeit e amenorrha ou suopressao do menstruo, cedem rpida-
mente a seu em prego. De vemos mencionar aqu um faci notavtJ, isto que os doenles cora-
dos pela agua preparada eom estes pos esto muito menos expostos a recadas do qoe
aquelles que forte tratados pela preparares ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, m casa de M o*.
TASSO IRMAOS
Tem para vender em seusarraaxens, alm de ou-
tros, os seguate* artigos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
V'uios em caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Hery. #
Maduira.
Hermilage.
Chamblis.
Licor de curado de Hollanda em caixas de vin-
te e quatro botijinhas.
GE8S0,
Nos armazens de Tasso Irmos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmaos
AII m.HON DE FERRO
Para servidos de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou caixoes de um para outro, lado pelo
mdico prego de 12^000 cada um.
Farinka de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento da* melhores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de fariiiha de trigo do
Chile
Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydraulico 12$
Omelhor para tudo que sao obras para agua, ce-
I mo assentamento de canos de esgoto, algerozes, do-
| psito, tanques Tagua, etc., ?te.: em poreoot de
- cincoento bnmeas se far redcelo no prego-: nos
1 arnrazens de Tasso Irmaos.
Cemento Porfland
Ojrerdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., ete.
De diferentes qualid&des para cereados de ani-
21
A NOVA ESPERANZA
Ra do Queimado = 21
t para presentes
ova Espcranca, ra do Queimado
' tem um variado sortimento de objeo
.Vvo:. :y\ -s '-,t ^:^y>^:^^;^^;^:' f>//?>:
maes, chiqaeiros para galinlias ou jardins : nos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris eom brea
Nos armajwis de Tasso-Irmaos.
GAFOS DE BABEO
TCSSES
CATARRHOS
PASTILHAS PEITORAES
E LOURO GEREJO
IRRI7AC0ES
DO FEITO
E' este o mais novo e delicioso confeito at agora conhecido. Por isto tem adquirido r-
pidamente a populan Jade de que goza. Os mdicos os mais distmetos o aconsethao contra
as totses, definios, caiarrhos, tosses convulsas, catarrho* epidmicas, irritacocs dapeitoA'.orp ]
grande empenbo o procurto as mies de familia, assim para ellas como para as enancas, pois
primeiro que tudo inoffensivo, e as suas propriedades adocantes nao deixSo nada a desejar.
Deposito em Pernambuco*em casa de-Mannr c O*;
VERDADEIRAS
PILULASDEBLANCARD
n^
. CO I0DURET8 DO FBmO IMM.THAVCL
'APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DI PARS, ETC.
r Possuindo u propriedades do lodo et do rorro, conts ospoekbjwte na Amccots
BSCROFulosas, a TisiGA no principio. fraqueta da trm/ptrament o tambem nos easo do
Falta dk c6r, amenorrha, em que precisa reagir sobrx o sangue sej pan restituir
lhe a sua riqueza e abundencia normos, ou para provocar o regular o seu curso ooriodieo.
N. B. O tedarct* de ierro impar oa ahorade sai BMdieaaMaM infiel,
Irritante. Como prora de poreu e de anthrncidade da wtrmmSrmm
Isa ale rjlaacard, dere-ee exigir noiit mtMm ete prata eeenllT
nosso O, aqoi reprodnsida, que Je aeba na paru oJerur de
(!>vorae. Dere-Mdeaeonfiax du ndiiScacaei.

PhomacetH,
N;: na Nnv:>. de Santa Rita, na antiga fabrica de
sabo, lia para vender por preco o mais mdico
possiwl, canos- francezes para edificaeoes e esgo-
tos de-toda a qunlidado, supeiiores a todos os que
aqui tem apparecido pela sua solidez.
PREQeS.
1*400 por can grande de 3 e meia pallegadas.
1 200 por ditode 1 e tres-quartos de dita.
1000 por dito de 2 e um quarto de dita.
500 ris por pistoleta de 2 pellejradas.
Cotovellos, curras e canos de maior gwssnra, a
vstase far o preco. Compras maiores de 200i
tem 5 por cento ae descont por prompto paga-
mento. Pode-se ver as amostras nos armazens
de Tasso- Irmaos.
Tijolos fraBcezes
Para ladrilhar casas terreas com assei presos
mdicos", muito convenientes e proprios ira ladri-
Ihos de eosinhas em sobrados? pelo seu- asseio c
evitar a passagem de aguas para o andar :nferior
n.fl
tos de gosto e phahtasia proprios para prv
seotes, sobresahindo entre elles ricas caixi-
nhas de bano com Anas perfumaras, cos-
turaros de chagrn, agolheiros de madrei
perela : assim, pois, quem quizer fazer urna
linda offerta, dirigir-se Nova Esperance,
ra do Queimado n. 21.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as convulco'es das
crean gas.
N3o resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ah intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitoi
pais de familias nao creem (comprando-os)
noeffeilo promettido,o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperance, porm
que detesta a falsificarao principalmente no
que respeila ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collares
e garante aos pais de familias, que s5o os
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
cas tem salvado do terrivel mcommodo de
convulces, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a rea do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seui
tilliinhos, antes que estes sejam acommetti-
dre do terrhel mal, quando ento ser di-
fficil alcanear-se o effeito desejado, embor
sejam empregados os verdadeires coliare
de Royer.
Para extinguir as sardas e
panno
RecfcDen a Nova- Esperanca, rea do
Queimado-n. 21, leite de rosas, especia)
para extinguir sardas e pannss.
BONEGA DE CERA
A Nora esperanca a ra do QueimadO' n.
21, acal' d receber um completo sorti-
mento de firras bonecas de cera de diver-
sos tamanho, sendo 33 maiores do com-
priment d'ura covado ; estas bonecas tra
/.em bonitos eoques e botinas, bavendo en-
tre ellas alguraas que fatlam e outras qu*
choram de sorte que fcilmente podem ser
preparadas, e fazer-se un presente de muit*
acceitacao.
Finas caixas de tartaruga para rap ven
dem-se a ra do Queimado n. 21 na loja
da Npva Esperanca.
Mtiernos brincos de sndalo, s se en-
oontrarO' na Nova Esperanca a raa do
Queimado n. 21.
MEIAS DE LA
A Noto Esperanca a ra do Queinwdo n.
21, aeaba de reaeber um especial sortimen-
to de meias de 15 para homem e senhora.
CONTRA AS CONGESTOES
mal terrivel a congesta fulminante:
de repente leva- um individo, d'esta para
milhor vida, sem dar-lhe teapo de reoeber
conversa medica; deixando as mais das
e mesmo operigodefogo, aos precos de 30ooo a: veses njaiher e fifhos no mais amartrurado
>rade Santa Hita, na, prantQ ^^ Eftperanca ^deseja pres-
tar servicos recerreu a Vojer, o qual lhe
antiga fafcriea de sabio, e compras maioresde 200
se far 5 por cento do descont por prompto paga-
mento. Dodem-se ver as amostras nos armazen
de Tasso Irmaos.
Velas de esparmaecte verdadeiras para lan-
ternas de-earros: nearmazem- de Tasso Irmaos.
Viidni do Porto fino superior: no- armazcia
de Tasso Irmos. ,
O methor cogaac Gauthier Freres i: no arms
zem de "Pjsso Irmaos.
Esteiras da India
Em casa de Tasso Irmaos vende-se esteiras a
India de-diversos padres e larguras por praeo
' eonnnoda^
OLEO DE HOGG
DD
Figados frescor de bacaIhoJ
Para cura certa de phtisica, affecces escrofu-
losas, tosse chronica, fraqueza dos memhros e de-
bilidade geral, recommenda-st- a excelieneia de'i
oleo anda por ser agradavel paladar.
VENDE-SE
NA
Phturmacla e drogara
na
BARTft&LGMEU & C.
34 Ra larga do Rosario = 3
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRA
Remetlio por excellencia para cura rapi-'
da e conripleta das coqueluches, bronchites,
catarrb os, tosses convulsivas, escarros san-
guino?,, e outras molestias do peito.
VEWDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGiVRIA
DI
Barlholomeu & C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
AO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
Para senhoras.
COQUES da ultima moda, enfeitados e lisos, gran-
de sortimento.
CHAPELINAS de palha da Italia, guarnecidas com
delicados e elegantes enfeites brancos e de cores
CHAPECSINHOS e gorras de velludo e de pennas
(alta novidada I) m palha da Italia, a emtiacao,
especial sortimento.
CINTOS de cores e pretos, rico sortimento a ulti-
ma moda.
CAMISAS bordadas por commodos precos.
LENQOS bordado e com letras, novidade neste
genero
LEQl'ES a emitacSo de marfim, gosto novo e de
sndalo.
OOLINHAS e punhos, a emitao de guipure.
KNPEITES pretos e de cores para cabeca, lindos
moldes,
GUARNIQAO alta novidade I a Mare Rose, lti-
mamente usajla em Pars.
H08 d guipure brancos e pretos lindos
T!!. "* ^cIar*8'e,eante
GRINALDAS de leres finas
ESPARTILHOS superiores
MEIAS upei lores de fio de Escocia
ADFRcoTd^5fS2f el Ullimi) vaPr-
deScaS? wdae.ro e camafeo, gosto
DE PALHA
OARNICOE8 para vestidos.
TnAjWIAS para enfeites de coques.
BOTOM lisos e comi pingente para vestidos.
CINTOS alta novidade.
FLORES finas, grande sortimento.
GMNALDAS de ditas para coques.
LA(;OS, fivclas, penachos para enfeites.
Par
a homens.
deli-
CAMISAS com petos, colarinhoe e punhos
nho fino, lisos e bordados, moda,
COLARINHOS de. linho e aigodo.
PUNHOS de ditos.
GRAVATAS de todas as qualidades.
BOTOES para punhos e guarnic,oe3 para coletes.
CORRENTES do plaqu a emitaco do ouro, lin-
do gosto.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
lidade superior.
CHAPEOS de seda, para sol.
MEIAS de uperior qualidade.
BENGALINHAS finas e chicotes.
LUNETAS aro de aeo e tarturaga.
-. Para crlaneas.
VESTUARIOS completos para baptisados.
SAPATlNflpS de merino e setim enfeitados.
MEIAS de *eda e fio de Escocia.
CHAPEUSTNHOS de palha da Italia.
TOUCAS de fil e setim enfeitadas e de chroch.
BUNECAS vestidas, muito bonitas e diversos
brinquedos.
Perfamarias finas.
AGUA PLORIBA vwdadeira de Murray 4 Lan-
man New-York.
TOXICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA de E. Coudray e superior agua e
essencia de Colonia.
ESTRATOS e essencias finas e de agradaveis aro-
mas para o lenco.
VINAGRES aromticos para toilet.
POS DE ARROZ para amaciar a pelle ; em pacf'-
tes e ricas caixmhas com arminho.
POS superior para limpar os dentes.
GOSMETIQUES de fina qualidade.
SABONETES, grande sortimento desta genero e
de superior qualidade.
LEOS de philocome, babosa e antiques.
BANHA fina para os cabellos.
AGUA de llores de laranja.
CREME de sabo para barba.
Caixas preparadas com perfumaras finas.
ludczas finas.
SUPERIORES fitas de grosdenaples de todas as
cores e larguras de veludo preto e de cores, e
gurguro para cintos.
BABADINHOS e entremeios bordados.
GUARNICOES de seda de cores para enfeites de
vestidos.
TRANCAS pretas com vdrilhos e pingentes.
BOTOES de cores, brancos e pretos com vidrilhos
lisos e com pingantes.
DEDAES de mao> aperla, de marfim, de co o
metal.
THESOURAS finas para costara e unhas.
CAIVETES finos com qttatro folhas. E muitos
outros artigos de rmodeas que se torna enfa-
donho menciona-los.
, IiOJTA
DO
GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo n. 9
Os propietarios deste beiu conhecido eslabcte-
cimento, alm dos muitos objpctos que tinham ex-
pustos a.apreciacao do res^eitavel publico, man-
daram vir e acabam de reemer pelo lllimo vapor
da Encopa um completo c variado sartimento de
linas e>mui delicadas especialidades, as-quaes es-
tao resol vidos a vender, eomo do seu costume,
por preco9niuito baratinhos e commedos para to-
dos, com tirito que o Gallo....
Muito superiores luva& de pellica,, prelas, bran-
cas e de mui lindas cures.
Mu boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Supriores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabecas das
Ex mas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de- cores com vdri-
lhos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melttor e mais bonito.
Superiores e bonitos loques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estos pretos.
Muito superiores meias fio. de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se vendern) por 30000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20$,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes alguraas muito
finas.
Boas bengalas de superior caima da India e
castao de marfim com lindas o encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode de?ejar ; alm destas temos tambem grande
ananlidade de outras qualidades, como sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chiconhs de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de i a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para farer
barba; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vex tam-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina epara crox.
Linha muito boa de peso, frouxa,' paraencher
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para Voltarete, assim
como os-ten tos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoas, e
facilitam a dentico das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, aflm de que nunca falten) no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que delles precisaren), vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deiros collares, e os qnaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderao com um mu
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis aloja do galio
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Macarthy
Tudo se vende por prepos bastante commodos.
Capsulas de Raquim
Os bons effeitos destas capsulas para fazer ces-
sar os gonorrheas acham-se comprovadas pelas
experiencias de muitos annos.
Os mdicos de todos os paites, as recommendam
pela sua efficacia.
VENDE-SE
Pharmacia e drogara
DI
BARTHOLOMEU C.
r_ii}44 Larga
Machinas de descarocar aigodo.
Hoje que est reeenhecido que as-machinas- de
serrote prejudicam e quebnam a fibra do algedao,
preciso recorrer a maehinismo menos spero,
que paoduzindo o mesmo servico q$je aquellas, e
facilidade no traibalho, naaquebrem a fibra da 13a,
para que essa possa obten-nos mercados europeos,
a diflerenca que ha entre o algodo descarorado
por aquellas mencionadas machinas, que esta li-
cando em decuzo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga kolandeira, que nao pode competir
pela morosidade de seu IrabaHio. E' assim que
estas machinas se tornan) as mais proprias para o
nosso aigodo, porque ao par da faoilidade e
ppomptidao conserva a fibra da 15a, que limpa por
ella, e qualificada na Europa a>par da melhor no-
tondeira, valendo assim entre il 20 por 0/0
mais do qne a laa- timpa pela machina, de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois qae ha muito
estao adoptadas' no Egypto, aonde as de sertotc
foram inleiramente abandonadas, e per isso o aigo-
do daqnella procedencia, sendo da' qualidad do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 a g por
0/0 mais do que o nosso : vendom-se a I38000
nos armazens de Tasso Irmaos.
Oleo le amendoas
Em caixas de 8 latas, cada eaixa 100 libfas
nos armazens de Tassa'Irmaos.
Charutos da Havana.
Excellentes charutos da Havana e por baratissi-
mo proijo : em casa de Tasso Irmos, ra do
Amorim n. 37.
Eelogios de ouro.
Relogios de ouro de patente eom balando de
chronometro do famigerado actor John Rogis, no
escriptorio de Tasso Irmaos.
Pianos inglezes.
Pianos inglezes do bem conhecido autor Charles
Cadby, no escriptorio de Tasso.
Ac de milito.
Nos armazens de Tasso irmaos.
BARRIS DE SALITRE
No armazens de Tasso Irmaos.
PILULAS, VINHO
E
XAROPE
DE
JURUBEBA
PREPARADOS
mo
PIlARMACETICO
foaqnim d'Almcida Pinto.
As prepararles deJurubeba, s5o hoje
vantajosamente conhecidas e preconisadas
pelos mais babes mdicos, tanto da Euro-
pa como do pai, pla sua efficacia nos
casos de anemia, chloroze, hydropesia,
obstrucc5o do abdomen, e tambera nos de
menstruac3o difficil, atharro na bexiga, etc.
Vendem-se em por?o e a retalho na ci-
dade do Recife, pharmacia do sea composi
tor, ra larga do Rosario n. 10, junto ao
quartel de polica.
Saias modernas
Elegantes e modernsimas saias d la, acaba
mando anneis eleetricos magaeticos, eomo
o nico preservat'o para semelhante mal 4
elles antes que se acabem : na Nova Eape-
rauca*
rAVALHAS
A ffova Esperanca a rua> do Queimado
n. 21 recebeu um sortimento de aavalfias,
de qualidades, e tamanhos especiaes assim
como afiadores e massas para as mesmas.
Veadem Augusto F. de Oliveira & C raa do
Comsoercio, n. 42.
Para familias
Grande Bazar, raa Nova ns. SO o
2 2. de Carniro Vianna Acaba de chegar a este estabelecimentO'
grandeporfo de machinas para cdsturas do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma eiposigo de Paris, as quaes cozem com
dous pospontos toda a costina, e tem a
vantagem de ser to suave o. movimdBto,
que qualquer crianga de oito annos fcil-
mente trabalha, e pode, com este entrete-
nimento, levar vantagem ao servico diario
de trinta costureiras. A -comprensao
simples, pois em um quarto de hora se fi-
ca.senhor do movimento da machina, ten-
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar,
franzir, marcar e bordar, como apresentaa
os desenhos que acompanhanwias. Os pro-
prietarios do estabelecimentO se encarre-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e
garantem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de n5o trabalhar com
perfeicao a machina vendida, nao tendo,
porm, soffrido ella alguma avaria. Ra tam-
bem no mesmo estabelecimentO machinas
do autor Grower & Baker, de trabafto sim-
plesmente mao, e outras com movimento
dos ps; e mxime todos os pertences da
mesmas machinas, para vender avuUo.
Tintura japoneza
Instantnea paratingir os cabellos e a
barba, a 15000 o frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido reconhecida superior a toda
as tinturas d'este genero.
venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. ra da Cadeia n. 51.
GAZ GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster &
C, ra do Imperador, um carregamento de gas
de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
e a retalho por menos pre?o do que em ontra qual-
quer parte.
men a^i^HiameiiB
FUNDICAO DOBOWMAN
Una do Brnm n. *.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batidoj fundido.
*Rodas dentadas, pal a moer com agoa.
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar.assucar.
E outros raptos objdos, etc. etc., pro
prios para ag ieoltnra._______
Cal de Lisboa
de Lisboa chegada ha poneos dias
da Cruz n. VI, i andar, escripto;
rio da Ramos & Temporal.
?J
*i



Diario de Pernambco Ter<;a fera .20 de Abril de 18G9.
I o.
I
~*
1
GRANDE LIQUIDACAO
A DINHEIRO NA LOJA E ARNIAZEM
DO
ea-aaa m aiaipaiaawiaiiasi @
DE
Feliz Fereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprietario d'esle estabelecimento convida ao respeitavol publico fiesta ca-
pital a vir surtir-se no grande cstabelecimento que tem de fazendas, tanto da moda como
de lei, e as pessoas que negociam em pequea escalla, tanto da praca como do matto-
nesta casa podero fazer os seus sortimentos em pequeas e grandes porcoes, veooen-
do-se-lhes pelos precos que so coinpram as casas ingleas ; assimcomo as excellentis,
simas familias, poderao mandar, buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se este estabelecimen-
to aberto constantemente desde s 6 horas da mantea s 9 da noute.
O atoalhado do Pava AS ClMBRAIAS DO PAVAO
Vende-se superior atoalhado de algodSo Vendem-se finissimas pecas de cambraws
Tsom 8 palmos de largura, adamascado a lizas transparentes tanto inglesas como sais-
2d00 vara; dito de linho fazenda multo
superior a 30200 a vara ; guardanapos de
linho adamascados a 4#o00 a duzia e omito
finos a 8)5000, e ditos ecoaomicos a 3$500
aljduia.
Fvatdes para vestidos broncos
a 411.
Vendem-se os mais modernos fustoes bran-
eos flexiveis oom padres de listas e lo
ealpicos proprios para vestidos e roupas de
menino a 640 rs. o covadb, na leja e arraa-
senvdo Pava ra da Impcratrizn. 60, de
Flix Pereira da Silva.
BABABINHOS
Vendem-se nissimos babadinhos, tiras
bordadas e entreraeias, mais baratos do que
em outra qualquer parte, assim como espar-
tilhos dos mais modernos, so armazem de
Flix Pereira da Silva, ra da Imperatriz
v. 60.
ALTA NOVIDADE
A LOJA DO PAVAO
Gurguro de seda
Chegaram pelo-ultimo vapor os mais bo-
.nitos gurguroes de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos e lavradinhos, con muito
lustro, garaatindo-se que a fazenda mais
linda e de mais phantasia que este anno tem
chegado a este mercado, e venderse por
preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
CAMBRAIA BRANCA A 30509.
Vende-se pecas de cambraia branca ra da Silva.
transparente, cora 8 e meia varas pelo ba-
rato preco de 30300, ditas muito finas tanto
tapadas como transparentes a 4:r>o00,50000,
60500, 70000 e 8000, assimcomo organ-
d muito fino tanto lizo, como de listas e
Cuadros na loja e armazem do Pavo^ ra
a Imperatriz a. 60 de FeUx Pereira da
Silva.
ALPACAS LAVRADAS PARA LUCTO.
Vende-se na loja do Pavo, as mais mo-
dernas alpacas lavradas para ludo, sendo
muitolargas e pelo barato preco de 800-re. o
covado, so na loja e armazem da PavSo, ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
Cassas inglezas a -I40 rs metro
Vende-se urna grande porcao de bonitas
cassas inglezas tanto graudascomo miudi-
ahas e de cores fixas pelo barato prego de
440 rs. ometro,garentindo-se que 7 metros,
dio um vestido para qualquer Sra. so na
^ja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A 50000.
Vendem-se colchas de fusto adamasea-
das para cama, pelo barato preco de 50,
grande pechincha, na loja e armazem, do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
COBERTORES INGLEZES A 0, 40500 E 50.
Vcndem-se os verdadeiros cobertores
inglezes, de pura la, pelo barato preco
de 40, 40500 e 50V assim como colchas de
fusto de edres, pelo barato prego de 30. na i
loja e armazem do Pavo. ra da Impera-
triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Madapolo enfestado a 8$500
Vende-se superior madapolo enfestado,
sendo muito encorpado, para carnizas, e
tendo cada pega 24 jardas, pelo baratissi-
mo prego de 80500, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
CHAPELINAS
sas tendo -mais de vara de largura, pelos
precos de 50000 at 100000 a pega, assim
como fimssimos organdys branco liso que
serve para vestidas de bailes, por ser muito
transparente a IJKOOO, a vara, na laja do
Pavo ra da Imperatriz n. 'GO, de Flix Pe-
reira da Silva.
Alpacaslavradas
Chegajam pelo ultimo vapor asais mo-
dernas afpacas lavradas oom as mais lindas
cores, que se vendema 10000, o covade,
ditas lisas tendo tambem cor de canna a
800 rs, ditas teseladas muito finas a 1:260,.
o covado, e outras inultas fazendas de gosto
e moda que se vendom mais barato -do
que em outra qualquer parte, no armazem
o Pavo, raa da baperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
Roupas para horocm
Vendem-se superiores palitts de panno
sobrecasaoos forrados de alpaca e de seda,
camisas iuglezas e francezas oom os peitos
de esguio, ceroulas francezas de linho eal-
godo, meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de Uanella e fie meia de la, assim
como neste eslabelecimento existe um grande
sortimento de pannos pretos, e de casemiras
inglezas de cores, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-lhes que serio servidos
com a maior promprido e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
Cortfnados
Para camas e janeas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
mores e raaiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 120000 rs. cada par at 250000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
Cretoue para lenqes com 10
palmos de largura a 2$,
Acaba de ohegar esta nova e excelleote
fazenda branca propria para lences de um
s panno, garantindo-se que um metro e
urna quarta ou um metro e meio d um
exceflente lengol de um s panno, assim
como esta boa fazenda umbem muito
propria para toalhas de meza, rosto etc. e
outros mysteres e vende-se ^elo baratissi-
mo prego de 20 cada metro.
MOZAMBIQUE PARA VSTmOA500 RS.
Chegoa para a loja do Pavo mh elegante
sortimento dos mais bonitos mocambiques
proprios para vestidos com as cores mais
modernas e qpe se vendem pelo barato
prego de 500 rs. o covado.
ALPACAO DE CORDOPARA VESTIDO A 13
Chegou esta nova fazenda com o nome
de alpaco, sendo de cordo e com mais
largura do que a alpaca, com as mais linda*
cores, como sejam Bismark, lyrio, perolas,
roxo, cor de canna, magenta etc. e vende-
se pelo baratissimo prego de 10 o covado.
ESGL'IAO DE LINHO DE 12 JARDAS A i0.
Vende-se pegas de esguio de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada peca, a
100000.
FEITAS
Na loja do Leao da porta larga
DE *
PAREDES PORTO.
Ra da Imperatriz n. 52, junto aloja deourives.
N'este eslabelecimento se encontrar ra da Imperatriz n. 52, loja do Paredes
sempre um cempleto sortimento de roupas Porto.
feitas de todas as qualidades. Como se-: Neste estabelecimento encontrar o respei-
jam: paletots de alpaca, de mermo, de tavel publico um completo sortimento de
casemira, bombains de panno preto, fra- fazendas e roupas que, se vende pelos pre-
ques o sobrecasaoos de brins de cores e gos seguintes :?
Pardos. FAZENDAS BRANCAS,
CAMISAS E SIROULAS. Madapolo de diversas qualidades e pre-
Encontrar sempre o respeitavel publico cas commodos, cambraia de 30500 4A500
um bonito sortimento de todos os nmeros. ;e 50, ditas victorias de 50500 a 120, pecas
MEIAS CRUAS.
Sortimento de todis as qualidades, de
30 a 50, assim como tambem sortimento
de lencos de linho bnincos e com barras
de cor, chinezes, bonitas grvalas pretas de cores. Ra da taperatriz a. 52, por-
ta larga.
PARA ACABAR. *
Urna grande porcao de calcas ordinarias
para trabalho a 640 -e 800 rs. -cada um^ar,
pechincha na loja do Leao junto a loja de
ourives.
GRANte PECHINCHA,
Cassas he cores a 160 rs. o covado, na
160 RES O COVADO -
de cassa lisa o mais fino que ha no marca-
do- a 90, *O0, 120. oem 12 varas, e vara
de largura
SEDAS DE LISTRAS.
Recebeu-se um bonito sortimento d'esta
fazenda-que se vende a 20500 o oovaG*.
CHITAS.
Vende-se chitas escuras a 280, 300, e
320 rs. o covado.
GBMtDANAPOS
,. Vende-se esta fazenda de Kfio, fazenda
boa-a 40000 e'80000 a duzia.
MEIAS PARA HOSEM
Sortimento de mias inglezas para ho-
Chtta preta pelo barato prego de *60 o Jneffl a *^'SS!X1e1Jf?W fazenda 'boa'
covado- na ra da Imperatriz n. 52 na loja '_. a lOALHAS
que tem um Lao pintado. Sortimento de toalhas de pelucia* 110
PAJfllO DE LINHO a doua-
Paredes Porto recebeu um sortimento da t VKrfe m* iNrfv; vjivnii
pannos de linho, com 27 varas a pega e LENCOS BRANCOS a 20200
170000 e 180600, na raa da Imperatriz n. Para acabar lengos de algodo a 20200
52,junto a loja de ourives de porta4arga,de,a fluaa' aunnA
Paredes Porto. 1*UUU
LENCOS DE-LINHO Vara de bramante de linho superior 'Vende-se lengos brancos de linho a 30, tem 10 palmos de largo.
a duzia para acabar iui loja de Paredes Por- CALCAS E COLETES.
tb. Ra da Jmperatr 4i. 52 loja-da porta Tem sempre no mesmo. sentido um sor-
larga que tem um Leo .pintado, de Paredes tkaento completo a prego commoflo.
Porto.
No armazem do'Leo, raa da Imperatriz n. e 58, junto a toja de ourives.
0 cordeiro previdente
Ra do iluelmad* o. ltt.
Novo e variado sortimento de perfumaras
linas, e outros objectos.
Alm, do completo sortimento de perfu-
maras, de que efectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
gos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciago
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansido
e barateta. Em dita loja encontraiao os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa. *
Dita dos Alpes, e vilete para toitet.
Elixir odohtlgico para conservago dg
asseio da bocea.
Cosmetiqoes de superior qualidade e chei-
ros agrada^'cis, *
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
eoutras-qualidades.
Fiaos extractos inglezes, americanos e
franceaes em frascos simples e enfeitados.
Esaencia imperial do lino e agradavel chei-
r* de^violeta.
Oulras concentradas e de eheros igual-
mente finos eagradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Estrado d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de dif-
fereotes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
-Ditos transparentes, redondos eem figu-
ras de' meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinkas com bonitos sabonetas imitando
-fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
ncas perfumnias, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papeloigualmente bonitas, tam-
bem de perfumaris finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com pd de arroz
e noneca.
11-EA DO QIJEINADO-11
DE
AUGUSTO PORTO & C.
que
Receberam superiores vestidos de blond cem manta e capella para noivas
vendem-se por precos mais mdicos do que em qualquer outra parte.
SAHIDAS DE BAILEde cachemira branca ede cores o que ha d mais lindo.
BASQUiNESde renda pret, e de gorgwo preto, o que ha -de mais
elegante.
CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
BALESbrancos e de cores para senboras e meninaft espartilhos, eaias bor-
dadas, e saias de la com barras de cor.
GORGROde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
tique branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, bombazinas pretas,
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados.
CAMIZASde linho para Domam de diversas qualidades, camisas bordadas
para noivos, sobretodos, capas.de borracha brancas e pretas, brimde crese branco,
panos finos e casemiras pretas e de cor por commodos precos.
TAPETESgrandes e pequeo?para*sbfa'e cama, tapete ealcatifas empegas
para sallas, e continuam sempre a vender por mdicos pregos as esitibas da india para
sallas.
...*MA !..
ALTA NOVIDADE
A
DA
ULTIMA MODA
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas e mais modernas chapelinas rica-
mente enfeitadas, com enfeites e fitas de
setim e de todas as crese com ricos bicos
de blond e as mais lindas e finas flores,
vendendo se cada urna pelo barato prego de
150000, garantindo-se serem muito mais
bonitas do que outras que se vendem em
outras partes a 200 e 250, e entre ellas
ha mais do que um modello, tambem tem
muitas de pratinho, proprias para mogas e
meninas, isto na ra da Imperatriz n. 60
loja do Pavo. de Flix Pereira da Silva.
Explendido sortimento de
roupas feitas
NA LOJA DO PAVAO A HUA DA
IMPEBATRIZ N- 60
Acha-se esto grande estabelecimcDo com-
pietanente sorlido das melhores'roupas,
sendo caigas palitts e coletos de casemira,
de panno, de brm), de alpaca, c de todas perera da Silva
as mais fazenda* aue os compradores pos i Q '
sendo tapadas e transparentes, peto uarato
prego de 500 rs. a vara, ou 300 rs. o co-
Loja do Pavo.
GURGURES PARA VESTIDOS A 1,5000,
0 COVADO.
Chegaram os mais modernos gurguroes
para vestidos, sendo de todas as cores, como
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
rxo <4 dr tendo quasi quatro palmos de lar-
gura e vende-se pelo baratissimo prego
de IjSIOOO, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na ra da
Imperatriz n. 60.
Grosdcnaples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, send#, de 2(5000 rs. o
covado at 4i>000 rs. garantindo-se que
n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
qualquer parte, na^raa da Imperatriz n. 60,
>le Flix Pereira da Silva.
A U, OS BALES DO PAVO.
, Vendem-se superiores bales america-
nos de trinta a quarenta arcos, tendo as fi-
tas bastante largas, sendo muito fcil trans-
forma-Ios para Outro qualquer novo modelo,
e liquidam-se pelo barato prego de 2$ cada
um, sendo fazenda que sempre se vendeu
a 75 e 8#, isto na loja e armazem do Pa-
vSo, ra da Imperatriz n. 60. De Flix

&UA
E_^V $ ^
-^: ys
6^ ^EIMA156
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis-
lain
ras, bnns, etc. etc. ar se mandar fazer
qualquer pega de obra/coma maior promp-
tido vontade do fre^uez, e n5o sendo
obrigados a acceita-'as, qi?ando n3o stejam
completamente ao sen contft.^to, assim como
n'este vasto estabelecimento encontrar n
DE
vado, sendo fazenda que ningnem vende
por menos de 7 ou 8 tustes, e liquidam-
se por este barato prego, por se ter feito
res| Re soflimentode Ti a?,tada T?' ^^ S?^T
camisas fricas e fcgle s, V-ula. de o Pavao, r*. da Imperatriz n. 60. De
linho e algod5o e ootros' muutos .Ttigos Fohx plftira ******
proprios pan bomens e senhoras pro.met- brande expOSIQaO
tendo-se-lhe muito mais barato do q'ue e'jn
tra qualquer parte. Na ra da toq^ra-
z n. 60, fcja e armazem de Flix Pei.'e>-
da Silva.
RETALH08 PARA LUTO NA LOJA DO *"** casimiras de cores proprias para calcas
PAVAO. colotes e palitts;, tendo at das mais finas
Vende-se urna grande qnanficade d re- que tt ^ vndo a,> mercado com fos de seda
talhoa de chhaa e cassas pretas por prego e vende -se mais ^r.ito do qne em outra
muito barato, e quanto maior for a porcao qualquer p'arte, j>or
qoeo freg comprar, mais barato se toe tode npoi wecos
ZS "/^ aperatriz n. W de F- Pavo, na da mp
CASEMIR.VS IE CORES NA LOJA DO
PAVAO
Chegaram as raais bonitas e mais moder-
Tintura indelevel para tingir os cabellos,
sem manchar a pello.
A bem conceiluada agua-fiurida de Guis-
lain que entao era desonhecida em Per-
nambco, j boje estimada e procurada
por seu eftcaz resultado, e anda mais se-
r, quando a noticia de seu bom effeito e a
experiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislain composta ni-
camente do vegetaes inoffensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, qusndo esliverem bran-
cos, e Ihes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranquecer, sem
ser prejudicial de modo algum
E' porm necessario fazer conhecer, que
o bom resultado produ2ido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muitas pes-
cas tal vez supponbam, miis sim ser pre-
ciso fazr uso d'ella, trez ou quatro vozes,
e logo se obter o fim desejado, como bem
provam testemunhos do pessoas insuspei-
tas, e d'entao por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sompre com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
>utra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-llorida acha-se ven-
da na bem conhecida loja d'Aguia Branca
ra do .Queimado n. 8,
A Aguia Branca, contando"com a protec--
g5o do sua boa freguezia, tambem capricha
em n3o Ih'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel copj que
a honram, e cm prova ao que fica dito, d
como exemplo o explendido' sortimento
ue acaba de receber, ainda mesmo achan-
o-se bellamente provida'jp que de boin
e melhor se pode desejar nos gneros que
$5o de sua competencia.
Haja vista aos necesarios ]ivros,'dejmissa!
ob|ia de apurado gosto c perfei-
capaf de madreperola e
em alta relevo.
StaLde marfim itfuat
Ditos com ditas de velludo, outros imi-
tando charo machetado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guarnigao, dourada ou prateada.
Coras e tergos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
todos de madreperola, niadreperola e seda,
sndalo, sndalo e teda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas" de cerrante de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torgal, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de 15a para homens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
ntrenmelos finos tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita.
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para creangas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas,
aneadas caixinhas devidro enfeitadas
com padras, aljofares, etc.
rtarugapaiajoias.
Bonitot^Rons com msica.
Pinseis fbunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafea^ara enfeitar coques.
Bello'wrtimento de trangas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos da fitas largas iiom bonitas rama-
gens
Brincos e alfi tetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obr e bonitas.
Especial p de arroz sem composigo de
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
gas.
Opiata ingleza e francezapara dentes
Pos de camphora e outras dilferentes
qualidades tambem para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Ainda mais coques.
Um outro sortimentos de coques de ne-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos.
.e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
esto todos expostos apreciago dequem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeigo.
Fivellas e utas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto o com-
prador.
FLORES FINAS
O que de melhor sepdeencontraraesse
genero, sobresaliindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para vlagent.
Bolsas de tapete e earteiras de ecuro, por
pregos commodos.
Chapelinas de palha da Italia mui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
r5o presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a ra do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente ra do Queima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trangas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidade de pregos.
ALEM D'AQUELLES.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de gallees de 15a, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade de gestos os tornam recommenda-
dos e apreciados ; comparego pois os pre-
tendentes que serao servidos a contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homen
como para senhoras, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
ra db Queimado n. 16.
ASTMA E PTISICA
Ulll dorol.i t.uiUo O xan de lVmambuao,
preparado pelo phannaceulico J.'de A. Pin-
to, cura radicalmente a pthisica e asthma, e
todas as molestias dos puimoes.
Podem ver-so os attestados de curas no
nico deposito das preparaces defedegoso
d'este autor, rna larga do Rosario n. IG
junto ao quartel de polica.
"PINTO PH.VRMACEIT1C0
Xarope de salsaparrllba do Para
ou
DEPURATIVO J)0 SANGUE
Usado as molestias de pclle, impigens da-
las rhetmaticas e ulceras venreas.
Ra larga do Rosario n. 10.
Vergonteas c pinbo para nastarM. vergas
c retrancas, todas de superior qualidade. Tintas-
Verde Pars, branco do zineo e preta, em laias de
14 e 28 libras, j preparadas, oleo de linhaea era
barris : no armazem de deposito da conipannia
Pernambuf an.a, no largo da Assembla n. 10.
L.1VKO xovo
IARA
O MEZ DE M4RIA
Acabam de sabir luz e acham-sc ven-
da na livraria franceza.
os curas e Ksm devotos
PARA
O MEZ DE MARA
volume nitidamerte impresso em
. 06OO
Um
Paris.
Quadcrnado de couro.
Encadernago de mar-
roquim domado. '
23500
BRINCOS PARA LOTO
A loja de joias na ra do Cabug n. 11, do An
tonio Seraflm da Silva, receben um graoii;^.
ment le joias, e juntamente brincos pretos de
bom gosto para luto de senhoras e meninos, cha-
pas para omcial da Rosa, e hbitos da Rosa e Chris-
lo com as suas r*snectiv, litas.
HESCRAVOS FUttDOS.
IOOS de graliieacio
Fngio uo dia 11 de Janeiro do corren te anno
do cngenbo BaWlura, firguezia da Escada, o es-
cravo nreto, criulo, de 24annos de idade. cha-
mado Marcelino, que foi do Sr. Juao da Cunha
Pereira, cujo escravo estere no deposito geral, e
tem os signaes sognintes : alto, secco do corpo'
rosto muito marcado de bexifas. falta de denles
na frente, cor preta, sabio de chapeo do chile, pa-
leto! c calca de castor, levando um bahuzinho dn
(landres com mais roupa, e suppoe-se estar na
freguezia do Cabo : quem o apprchender leve i
ao dito engenho, ou ra da Senzala-nova p. 38,
escriptorio do Sr. Bernardino Pontual, que rece-
ber a gratificacao cima.
Fugio do engenho Jacobina, comarca do Ca-
bo, ao amanhecer do dia 13 do corrente mez e
anno, do abaixo asignado, um escrav preto de
nome Antonio, conhecido por Canda. idade de 26
a 30 annes, jiouco mais ou menos, alto, ps gros-
sos, tem una das juntas do mesmo un pouco
grossas, andar banzeiro, levando chapeo de fcllrn
j usado, camisa. de algodao azul e seroula do al-
godo americano, cujo escravo veio de Ruique pa-
ra Pao d'Albo. para onde se desconfa ter seguido:
roga-se a qualquer autoridade policial ou eapita*
de can)po a captura do dito escravo. levando ai.
engenho cima, ou a rna do Caldeireiro n. 42, ao
Sr. Francisco Quintino Rodrigues Estoves, que
ser generosamente gratificado.
____________A ojn o Carnefra Lins e Mello.
Fugio de bordo de palhaboie nacional Ama-
o, um mulato claro de nome Justino, estatura re-
gular, cbelos carapinhados e meios rnivos, pouca
barba, tem urna pinta preta no canto do oibo direi-
to e um tal lio as costas ao mesmo lado,; levos "
vestido camisa de chita com listas verdes, c usa
de una cinta com borla encarnada para aportar
as calsas, natural do Santa Amia do Matto na
provincia do Rio Grande do Norte, para onde talve
queira ir, tambem muito desembaracado no fal-
lar. Recommenda-sc aos mestres de barraca '.u
a qualquer pess.ia que o agarrar, elevar a' rna
do Trapiche n. 4 ou a bordo do referido navio que
sera generosamente "ratificado.
Acha-se rugido desde domingo de entrudo o
moleque de nomo Tito, com 21 aunos de idade
estatura regular, cilios afumacad. s, com todos os
dentes, esperto e bem fallante, tem no estomago
Barato que admira.
Manteiga ingleza flora 1*100 a libra, dita fran-
ceza a 14, cb miudo a 3*100, dito graudo a'3#.
caf a 220 rs., sabao a 10, alpista a 240, arroz a
100 m, passas a 440, idem quartos com 6 libras
por 2200^vinlio a 400 rs. a garrafa, azei'$ doce
de Lisboa a 900 rs., caixinhas com anieixas, pas-
sas, figos e pe as, roprias para mimos a 1*600,
latas com doce a aOO rs. : s na esquina da ru
da Penha n. 8.
de
do que b direito : quem o apprehender leve'o ao*
Migados, casa do |)r. Jos Roberto de Moraes e
Silva, que indicar a casa do sen senhor. que re-
compensar generosamente.
a escrava de nome Francisca, de cor fula, cara
toda marcada de bexigas, beiros trombudos, bar-
riga grande, rom nina peina cachada, estatura
mediana, vestido de chita escuro e cttes aznl da
mesina fazenda. e cun>ta andar nesta cidade
quom a pegar leve-a ra do Imaerador n. 27
2o andar, que ser gratificado.
I
Acha--.' fgida a escrava de aoroe Lniza, pre-
ta, idade 22 annos, pouco mais ou menos, cara
redonda, altura regular, seios um pouco ere**.
dos, e bem corpulenta: roga-se as autoridades
polieiaes e a qualquer pessoa que a apprehendain
e condiizam-na casa de seu senhor, na cua Pi-
reita n. 137, que generosamente gratificar, pro-
testando desde j usar dos meios que a lei Ihe fa-
culta contra quem a tiver occulta ainda mesnie
sob qualquer pretexto.
PETORAL IIRAS1LEIR0
liK
POJVTA IM IflKAIBA
COMOSTO E PREPARADO
Pelo pharmaecutieo
Jos da Cruz Santos.
Esta planta cujas virtudes medicinaes
existiam desconhecidas para a maior parte
dos nossos facultativos, devendo-se a sua
descoberta ao uso que d'elle faziam os
nossos indgenas que menoscabavam com
a sua applicacSo de todos os soffnmentos
pulmonares, hoje conhecido como o me-
dicamento mais efficaz para a cura de as-
thma, bronchite, coqueluche, penemonia.
at a phtysica, produzindo um effeito mi-
lagroso e prompto.
Para um adulto 3 4 colhers de spt
ao dia puro ou em cosimento peitoral.
Cnancas, 3 icolheres de cha.
Preco 20000 o frasco.
Pernambco, ru Nova botica n. 81,
Penuas de ema.
Vende-se rna do Queimado n. 13, primeiro
andar.
Quey os do sertac
Vendexn-se superioreg queijos frescos do erto:
na roa da Madre de Dos n. 1.
Do engenho S. Paulo do abaixo assianaito
fugio no dia 4 do corrate mez, o seu escravo Ja-
ciniho de cor parda clara, idade 18 annos, baixo,
corpolenlo, cabellos caixados, com falta de den:-'
no queixo superior, com um talho- na testa c
trisado, levando camisa de madapolo, calca do
brim pardo trancado, chapeo debaeta ou de'palha
de carnauba; e tendo na mesma occasiao desa-
parecido, tambem do mesmo engenho, um cavao
castrado, desconfia o abaixo assignado, que di'.o
seu mulato, fugisso montado em o dito cavallo,
sendo os signaes do cavallo, que se lembra o mes-
mo abaixo assignado, os seguetea : alazao, bem
estradeiro, pequeo o gordo. Ro;?o, portanto, a
todas as autoridades polieiaes, de presiarem
auxilio a Francisco Antonio de Soma Largatixa, ou
a quem qjier que com cst-- ent,,i pac
conseguir a captura do mencionado escravo c do
cavallo,obriganJo-se o mesmo abaixo assignado.pcr
qualquer despeza
Engenho S. Paulo, 8 de abril de 1869.
TrajanoCkcro de Medrhos Pinto.
llll
Fugio do engenho Campo Afe j, comarca de
Santo Antao, um escravc,natural do Brejo da Ma-
dre de Dos, de cor preta, cheio do corpa Bes bem
fetos, falta de tres dentes
e altura regular, levou ve
misa de algodo e chapeo
descansado : roga-so a ^.
capites de campo o apprebenda
engenho, ou.ao Rceifi;
queserao n
Fugto
nome Aonso,
te retinta, '
de bi
sido \
cam;
pensar gJ
aaaaaaaatca
ive*sa do Qu-
que se reccio-
/
al


8
Diario de Pernambuco Terqa feira 20 de Abril de 1869.
I
f-

IfflERATB.
A liberdade
OBE
Lbertt nom sacre profan par cetae,
fhk louj'tun dansmon cacarador tonttnage,
Udau'atix jour* d'Umile el de Lenidas
f adrirentjadis le libre el l'Rurotas...
Acrela virgem (Veste somn mirado
De sinistras cores um painel- se gera
Se vencida res n'essa luta immensa
Triste infortunio!a perdicao te espera.
E ella indolente despertar nao quer,
B um anjo negro se approxima delta !..
Desperta virgem de fugir tens terapo ;
Salva, per eus, a virginal capella!
Libert! tunas,en acrmndrequetmmme.
Sur la penterapUeo* rouUenpatxlonchar,
m vois vulle Urutus...masoadoncest Cesar?
^Lamartine nouv.., mea....
0 Freedom tltou art not, as poeto dream!
=Bryan(.
Longe a lyra onde canto os meus amores !...
Muza, moza do bello,
at>! traz-me o plectro de oiro onde por vezes
liei os heres cantado!
Eu quero em novo estylo, em novo metro,
soltar agora um canto I
Al!
E ouvir nao quiz esta voz afilicta,
E no somno impuro procurou jazer...
Ai coitadinha criancinha louca t
Tao cedo ainda a perdido quiz ver!
Triumphou porfiara sedoeco do mundo
Pobre florzinhajdo liastil cahida!...
Tristonha sina foi a sna oh Deus !
Durmi to pura e acordou perdida!...
J. Borges Carneiro.
vem, muza gentil, vem cordada
de loiros e de myrthos;
na m'nha solidad eu quero agora
pulsando o pleetr de oiro,
cantar a Liberdade de Deus Filha,
por elleabengoadat
E tu, Filha celeste e predilecta,
porquem me abrazo eimflamno
lo fugo dus mais santos sacrificios,
desprende de minh'alma
os ferros de um amor, que Uve outr'ora...
Eu quero cantar livre !
E' por ti aspirado que ora cnto
mea canto no deserto :
por ti inspirado, sim, que vivo
cantando livrementet
Hoje, a P.;.:ia me anima e no meu peito
o seu amor se ateia!
Alil sim, como o Ocano vejo-me hoje
da tyrannia livre!
Sim, despert du torpe servilismo
sorrindo agora e sempre
ea amo a Liberdade de*Deus Filha.
a vida dos humanos I
E quem nunca almejou ser livre sempre ?
E que mortal existe,
que vendo-se lo livre como o Ocano,-'
nao ame a Liberdade ?
E" por ellaguiadosque seguimos
a estrada da virtude I
Sim, por ella que nos nao mais queremos
a escravido abjecta I
por ella que nos livres p'ra sempre
hoje, vendo os oppressos,
queremos libertados desses ferros,
que nos prender quizeram!
Filha de Deus, que trra appareceste,
santa Liberdade!
tu, sempre viveras na minha mente;
e possa sempre e sempre
eu ver-te derribando os oppressores,
salvando a tua prole!
Muitos depon de natos que foram
do despotismo livres I
muitos, muitos sentiram inda os ferros
da escravido abjecta;
mas eu (piando nasci, nasci hem livre...
j.i tu, aqui reinavas!
Ati! desde o berro meu que me ensimaram
amar-te eternamente!
Outr'ora nao sabia onde o teu throno ;
porra hoje que o vejo,
: soto que sou livre... sim, eu sinto
que te amo Liberdade !
ulubro de 1808.
F.dmrdnde Cnrvalho.
Perdeii-He !...
Desperta virgem d'este somno mprno
O ardor (Pun sonho te provoca o seio ;
Tu j descoras na sombra luta,
Tu te enflaqueces em subido enleio.
(formas tinto, este somno longo,
Desperla e foge do combato enornn
Tu'alma fraca, a seduego forte ;
/ victoria d'esta se a fraqueza dorme.
Desperta e foge do inimigo astuto
Embora taire o seu perdido trama
One importa ao naufrago, q' da morte foge,
Que o mar raivoso contra elle brama I?...
FOLHETIM
OS DR4MAS DE CAVETO
POR
Eiie Berthet.
(Connuago do n. 86)
XVI
\o deserto.
Era effectivamente um caso serio para
os-Bertomy e mesmo para os outros de-
sertores a' desappargo do indio.
Zo era all o nico conhecedor d'aquelle
perigoso paiz : s elle tinha a pratica do
viver n'aquelles bosques e a possibilidade
dj adquirir dia a dia com que nutrir todas
aquellas boceas esfaimadas, agora sobre-
ludo, faltando as provises de que iam
mridos. .
O Rongou era incapaz de substituir o
honrado e industrioso Gallibi. Tivera a
habilidade, quando viva nos arrebales de
Cayenna, de illadir as pesquisas encarniza-
das da polica e da forca armada ; conse-
guir por artes diablicas, mesmo quando
- pespitastomaram o carcter de um
i vantamento geral, transportar-se por trra
as colonias penitenciarias do Maroni, guiado
pelo seo instincto sclvagem ; porem, nas-
rido na frica central, onde passra a maior
parte da soa vida, n5o tinha eonhecimenlo
perfeito dos productos naturaes da Guianna
para poder servir de auxilio a seis euro-
p'eus perdidos n'aquelles desertes. Depois
i.ohavia nada a esperarle um malvado,
el, cuja in
oaercia para o mal.
i.mprkssks da linda cidade 00 recife ;
sla minuciosa de.scrlpr.ao ;e o acce-
i.erado incremento, de que ella k a
sede :Pelo Dr. Americ* Alvares Gui-
MARB.
1
Grata, e sempre grata por sem duvida
a ideia, que se inspira e, borbulhosa, sugge-
re-se mente do viajante, quando sua
vista approxima-se e s'espraia por sobre
os elevados campanarios e zimborios de
urna cidade, ou sobre as empinadas e en-
cadas serras, e rasos e distendidos valles
de um paiz, que tenciona e vai visitar,
onde a civilisago, se abalanzando as li-
geiras e volateis azas do progresso, que
desassombrando segu veloz seu indeter-
minado itinerario, de mos dadas riso-
nhas e magestosas produccoes da natureza
increada e eterna, se ostenta bella, com
todas as suas galas, revestida de toda sua
pompa, de todos seus esplendores.Seu
corago, entao agitado, meio convulso,
ahrindo todas as suas vlvulas um mar
d'ineffavcis praseres, se amplia e expan
de-se de indizivel jubilo : seu cerebro,
conhecedor de todas essas agradaveise
suaves sensac5es, que, a seu turno, Ihe san
transmittidas, aguga sua percepeo, e se
robustece em o seu nobre funcionalismo:
os ervos, esses admiraveis fios elc-
tricos humanos, tornam-se mais sensiveis
s modificaces do mundo externo :os
msculos ganham mais vigor :o sangue
como que mais rubro e com mais vida, cir-
cula com maior celeridade em os vasos,
que o coiitem :a gustacao mais pro-
nunciada c exquisita aos corpos spidos:
os orga )s acsticos apoderam-se de maior
delicadesa s doces impresses das ondas
sonoras;o apparelho ptico, abrindo-se
com maior preciso, recebe feixes de luz
mais scititulante, e descortina e devassa
mais ampio e diaphano horisonte:em
summa, um bem estar geral. instantneo,
como a fugaz passagem d'uma scentelha
elctrica, se diffundindo sbitamente por
todo o corpo, reerguendo-lhe as exhaus-
tas foreas, que pareciam j cm caminho das
invariaveis leis da materia, parece intensa-
mente electrisa-lo, prepara-lo conveniente-
mente contemplago do bello e sublime,
que em inexprimiveis c indescnliavers pa-
noramas, se desenrolando 'ante seu campo
visual, vo fiel e seductoramente se daguer-
jeotypar em as suas vidas retinas.-
De impresses taes c-se frequentemen-
te apossado ao lobrigar-se em as suas sem-
pre candidas vestes a americana Veneza de
Nassau, ao avistar-se a gentil e loucan ci-
dade do Recife, esse aletear le encantos,
esse heiroco berco de grandes vultos so-
ciaes, esse activo foco de acrysolado patrio-
tismo. E que ser pensante, e que alma
sensivel dexar de s-lo. vendo di) movel,
cerleo campo ocenico do lmpido e salso
imperio neptunino, se lhe imprimir a gra-
ciosa imagen deesa brasilia Amphitrite ?
sse facetico e harmonioso grupo de jas-
pos e alegres predios, extendido em longa
cinta, pouco pouco, boiante, erguer-se
do verde-azul seio de irritadas e espumo-
sas vagas, cujos limites parecem ser traca-
dos por urna comprida corda de verdejan-
tes outeiros, que no horisontesimulam estar
gravados ? E qum, ainda, deixar de re-
cebe-las, tendo-se previamente sciencia de
que se avisinha urna dessas mais ful-
gurantes eonstellacoes do gigante imperio
do Cruzeiro, a um desses mais lucidos e
diaphanos diamantes do magestoso diade-
ma da Cabralia trra, aonde par da pro-
verbial hospitalidade e cordura de seas ac-
tivos e numerosos habitantes, de seu trato
urbano e Ihanza, superabundam todos os
O Rongou disse no seu tom fanfarrao :
Se mi sior Rigaut quer, eu poder se-
guir a pista do Gallibi e trazer a elle aqui,
e, se Gallibi nao quer vir, eu matar elle
com sabr!
Nao precisodisse Rigaut. Esse
indio um bruto, um covarde NSo pen-
semos mais n'elle... Tu mesmo nos guia-
rs, D'Chimbo.
Masque hei do eu fazer e meu fllho?
exolamou Bertomy desesperado Nao
acharemos o noso caminho... e este negro
ser capaz de arranjar de comer para ufa
todos ?
E porque nao '!respondeu Rigaut
D'Chimbo bomem de habilidade.
Eu aclftr caca (mando for preciso \
disse o Rongoucoui olhar sinistro.
Este dito causou calafios a Brtomy, sem
saber porque.
N'esse caso, era bom que mostrasse
a sua habilidade desde j, porque temos
fome e nao poderemos caminhar com a
barriga vazia!
Esta observado pareceu justa, a todos,
que no se conformavam com a possibili-
dade de um dia de jejum como o anterior.
Resolveu-se, pois, que se uvidissem em
dous magotes, afim de procurarera um al-
moco .^ualquer: um magote composto de
tres forcados ira sob a direcc3o de Roa-
elementos, que evidentemeile demonstran
a existencia do alto grao de civilisaeo de
um povo ? E quem ha r.ega-lo ? se simi-
Ihante engracado qaadro sedesenha e de-
buxa com tamanha e ntida perfeigo e es-
mero, n'essa bella e importante porcSodo
mundano palco ? se estas qoalidadee so-
ciaes, que venho de exhilli, j pertencem,
nao aosespiritos deturpados, cegos e ira-
eos, embora por antiphrasie appellidem-se
de fortes, e cujos olhos esto cerrados p*
rendemente ao facho da (roscante luz da
veriade, mas, sim, ao mundo, que empu-
nha o nobilissimo sceptro da Intelligencia,
e que site banhar-se as puras aguas do
arroyo da moral; essas cahecas .esclare-
cidas, que surgem doa limbos sociaes, e
que vivem aquecidas, em urna palavra, pe-
los benelicos influxos desse infinito e vi-
vificador lume, emanado e causa das cau-
sas, do Ente Omnisciente.
De feito, surgida, qual unaad essas gen-
tis Nyades das frescas campias das bta-
vas plagas, e, como que fluctuaste, do sul-
so e poderoso liquido equoreo, que limita
e abraca os continentes, e que, quando ex-
citado pelas correntes areas, figuradas
pelas forcas d'Eolo. s'encrespa desenfreiado
e cm horriveis escarceos se levanta;
Andida, alva, sobre urna grande parte da
extensa bacia alluvial das amenas trras
pernambucanas, e que corre entre as aguas
ocenicas do Atlntico e urna semkurva
serie do jocundos e nunterosos montes, que
ericados rompem as regios ethercas e in-
commensuraveis do espago ;collocada sob
os brandos e benelicos influxos dos tropi-
caes e rutilantes raios, dar-leja los de Plie-
bo;lavada por perennaes auras; qua-
druplamente dividida pelo serpentiamento
dos lmpidos e serenos rios Capibaribe o
Beberibe, cm cujas crystallnas aguas ella
parece .mirar-se;ornada d'um extensa
linha de barcos de todas as dimensoes ;
prnlegida por tres heroicas c valorosas for-
talezas ; amparada porum natural acrec-
fe de escuras e duras penhas, onde enca-
pellado e estrepitoso brame Neptuao;
acompanhada.alfim, de sua pittoresca e so-
brancera irmaaa ciclad.' de Onda, assen-
te sobre os cabfos e fraldas de outeiros
tapetados de alvas praias. d'essa Slde, d'on-
de irradiam-se as mais gratas recordaces
de denodado herosmo, desse centro, para
onde convergem todSB as vistas e pesquizas
de historiadores Ilustres rella, cercada de
tantos adornos, de tanta loucania, se mos-
tra to graciosa, to seductora de belleza
aos olhos vidos do viajor, que engolphado
cm maravlhsso e iuetTavel xtasis e envol-
to em urna* inxtricavel teia d'enlevos, elle
profundamente a admira e contempla mat.
II
Essa importante cidade, capital da pro-
duca de Primambueo, situada 8o de Ia-
titudc austral, e 17 de longitude occidental
da lha do Ferro, e influenciada por um
doce e salutar clima, de que evidentemente
gosa.
N'ella, assim corno as demais paragens
sub-equatoriaea.si'i se dostinguem duas esta-
?es,que medeiam aos dous cqunoxios.ede
que urna a hiemal, que tem comeco em
margo e termina emiulho, e outra a es-
tival, que cune de agiste fevereiro. Du-
rante a priraeira d essas estagoes sopram e
sibylam frequenteniente do polo antartico
ventos impetuosos e hmidos, que irtos var-
rem essa nuvem mephitica, que vicia o am-
biente da cidade, e pesadas nuvens, prenhes
d'aguaem vapor, e que o horisonte obscu-
recem, pela condensago que experimentam
por causas outras meteorolgicas, desatam-
see preciptam de seus rotos bjos chavas
copiosas, e muitas veses torrenciaes. Na se-
gunda, porm, a atmosphera se acha s
mais das vezes daphana, e s poucas ve-
zes obumbra-se, quando a electricdade,
esse fluido imponderavel, que tem servido
de tao brilhante phanal s raonumentaes ca-
beras de Wall, Ikifai/, .Vottel, Franklin,
Galvani, Yolta. Farodat/ e de outros mais
fulgurosos astros, que resplasdece*no ho-
risonte da sciencia, fim de estabelecer
suas leis de compensag5o, entao violadas e
destruidas por cortos phenomenos physicos,
agita-se iracunda na celestial abobada, dan-
di, lugar ao li >iri*el rbDinbar dos troves.
A temperatura thermonietrica n'essa esta-
co marca, termo medio, 28* de Reaumur.e
as suas mais intensas e sensiveis oscilla-
goes tem indicado como extremos 26 e 31;
mas esse "calor trivialmcnte mtigato pela
fresca accSo d'essas frequentes e fagueiras
brisas, to communs aos paizes intertropi-
caes, e que tanto prenderam a attenco do
immortal Laplacc. As nooes, anda em
semelhanta quadra. sao commummenle pla-
cidas, claras e refrescadas por. suavissmas
auras, mostrando-se, alm d'isso, ben'po-
ticas, pelo constante scintillar d'essa ingente
myriad de lucidos diamantes celestiaes,
que vivamente prpjectam seus innmeros
algumas
edificios
suas ar-
raios de lux l dos pramos infindos do fir-
mamento, onde.esto mutuamente librados
para a face, eno obscurecida pela ausen-
cia do re dos esplendores, d'este opaco
planeta, que-tora pelo ditino areopago dado
cm apanagio ao Soberano da crearn
esse frgil e vaidso mammifero bpede,
dolado derazSo, (|ue tanto ignora e ignora-
r, c que se intitulahomem.
Seus quatro bairros, do Recife, Santo An-
tonio, Ba-Vist? e S. Jos, destinctamente
separados uns dos outros pelas r.-midcaroes
dos predtos rios. que mansamente os ba-
nda, apresentame sustentam urna populacao
nada menor de 120:000 almas. Sao entre
ai unidos por meio (le elegantes, ricas c
bem construidas pontes, em geral, de ferro,
e preparadas segundo o systema que Ua de
mais moderno em semelhante genero: sen-
do que algumas exhibem longo compr.men-
to, c ttlas graciosamente curvam-se sobre
as azuladase mansas aguas daqueles nos.
Suas ras, j bem crescidas em numero,
sao geralmente largas e rectas, calcadas a
paralielepipdos.adornadas de passeios e de-
coradas de bonse elegantes edificios pbli-
cos e particulares, assobradados e terreos,
construidos de alvenaria eem g:ral catados
de branco : da mesma maneira suas diver-
sas pracas, aformoseadas com frondosos
arvoredos, ap*resentam bellos e lindos pre-
dios, bella elinda perspectiva. Pelas mar-
geos dos rioscorrem diversos caes d'alve-
naria, que se acham4ioj.*mbollesados por
urna arborisneo, emborTembryonaria ain-
da, disposta m renques, e por urna serie
dupla de correntes de ferro, que se pren-
dem de espaco em espaco pequeas e
alvas culumnas de p'dia lioz, imitaro
da praca da Constituicao, e mais
outras do Rio. t
D'entre os seus mais notaveis
sobresaem estes, pelo primor de
cliitecturas. 0 palacio do governo, assente
em um dos lados da melhor de suas pracas
a das Princezas, hoje ajardinada; edificio
grande, de urna fachada de gosto o simples
e cercado de jardins: serve elle de residen-
ca ao presidente da provincia, c n'elle fono-
ciona sua secretaria. O theatro Santa Isa-
bel, edificio tambemlindo,acceiadoe de gos-
to moderno, construido igualmente sobre
um outro lado da mencionada e quadrangu-
lar praga das Princezas. A alfandega, gran-
de, de um exterior agradavel e ornada de
quatro grandes torrees truncados cm os
seus quatro ngulos. O hospital de Pedro
II, magnfico estabelecimento humanitario,
de esbelta perspectiva e de grandes propor-
ges. O gymnasio, vasto edificio litferaro,
cuja frente magestosa c constituida de tres
secgoes symetricas, que lhe dao um grande
realce. 0 hospital
construido modernamente e de fachada bella
e elegante. A casa de defendi, garboso e
acceiado edificio penitenciario, que mde
grandes dimensoes, e o melhor'incontesta-
velmente n'esse genero em todo o imperio.
O palacio do hispo, residencia do prelado, e
sede das principies repartiges eclesisti-
cas, edificado com apurado gosto, smgeleza
e esmero, e precedido de extenso jardim e
giadil de ferro. O cemitero de Santo
Amaro, de grande estenso, figurando urna
cruz grga, com urna linda capella em esty-
lo gothico, e ricos e artsticos mausoleos de
fino marmore branco, ou preto : ah jazem
restos-de notabilidades nacionaes, (fue fo-
ram j entregues voragum aberta pela lei
universal da mortalidade.
Oarsenal de marinha, grande e importan-
te eslabeleciraento naval, contendo um ele-
gante, elevado e interessaste observatorio
astronmico sobre urna alta torre, collocada
em a sua parte anterior, e com excellentes
estaleiros nara vasos de guerra: n'elle qjio-
tiianamenfe se fazem observaces meo-
rologicas. A praca do comraercio, lindb e
grande edificio, onde funecionam a Asso-
ciagao Commercial e a bolsa.
.IRiitos e sumptuosos femptos a decorara,
e por ella se cham diffuniSdos. Entre
elles primam os seguintes: as- quatro mo-
trizes, que existem na cidade-, e sao as
do Corpo Santo-, de Santo Antonio, da Boa*
Vista e S. Jos, sendo todas quatro grandes
magestosas e aceiadas, porenv realcando
entre ellas, pelos seus bellos frontispicios,
as da Ba-Vista, cuja fachada toda pre-
parada com fina pedra de cantara, e de Si
Jos-, cuja primorosa architectura e gran-
deza a collocam em primeira ordem entre
os diversos templos da cidade. ^md'essas
igrejas, outras ha importantes tambem, as
quaes saoas da Madre de Deas, Concei-
co dos Militares, Paraizo, S. ftdro, Mar-
tyrios, Livramenlo, S. Gongalo, Espirito
Santo, Congregaco. Santa Rita, S. Jos de
Riba-mar. Terco, Gloria, Santa Crnz, S0-
ledade, Rosario, S. Jos do Manguinho,
Penha com um hospicio da monges italianos,
e S. Francisco e Carmo, com seus respecta
vo3 e espagosos conventos. Existem tam-
bem urna linda capella, consagrada ao
culto protestante, um reeolhimento di
virgens, o da Gloria, cobertas ctm o mo-
desto manto da indigencia, e um outro,
fundado expensas do monsenhor Muniz
Tavares, e destinado recepgo d'essas mu-
Iheres que, arrependidas da sedica vida
prostibularia, desejam coetrictas modelar
seus actos pelos de Santa Maria Magdalena.
Nota-se ainda o convento de Santa Doro-
tha. de freirs professas.
fContinuar-se-h)
velho
amigo
e col-
POUCO DE TTJDO.
FUNERAES DE FUAD-PACHA'.O jor-
nal lAtant Times, no seu numero do 1 de
margo, publica os seguintes promenores,
acerca dosfuneraes de S. A. Fuad-Pach.
No domingo teve lugar o enterro dos
restos mortaes de|Fuad-Pach, ex-gra-visir,
e em presenga de um grande concurso de
povo, como nunca se rio n'esta capital
(Coastantinopla). Foi depositado n'um tur-
bech levantado no mosteiro, erigido por
elle em Fazl'r Pacha prximo do sulto Ach-
med.
O.'paquete imperial de Franca, Renard,
para bordo do qual tinha sido transportado
do Latouche, em consequencia de um acci-
dente que tinha occorrido este ultimo na-
vio, logo depois de ter largado de Nice,
chegou aqui hontem pelas 9 horas da. ma-
nhaa, indo lancar ferro em frente de To-
phan. Segundo a pratica n'estas circums-
tancias, a bandeira turca que fluctuava no
mastro grande do Renard, esta va meio
pao em signa! de luto, e muitos navios es-
trangeiros, que se acham actualmente no
porto, imitaran o exemplo do vapor fran-
ecz, que era a nica embarca, o que dava
um tiro de meia em meia hora.
0 aviso da chegada do Renard, foi
immediatamente communicado Sublime
Porta, assim cmo embaixada de Franca,
e logo depois Mr. Outrey, conselheiro da
embaixada, e primeiro drogman da mesma
nagSo, acompauhado de urna parte do pes-
soal da embaixada, dirigio-se bordo. Um
pequeo barco de vapor do arsenal, que re-
ceben ordem de ir ao encontr do Renard,
trahsportou o corpo do defunto para trra,
desembarcando no caes de fiaktche Capous-
son, prximo alfandega de Stamboul,
aonde o esperavam S. A. o gao-visir acom-
panhado de todos os dignatarios do imperio,
a Um grande numero de escaleres se-
que coeduzia o ca-
pertence tambem o seu
lega gr3a-visir actual.
Logo que o pequeo barco de vapor
tocou em trra, S. A, AaH-pach, seguido da
sjia comitiva, sabio da alfandega, avangou
para o caes, onde o caixao tinha sido depo-
sitado, e cizendo-o collocar immediatamente
sobre estrados, foi erguido, secundo os
usos, por seis pessoas, as quaes eram fre-
quentemente sabstituids por outras. Todos
pareciam anciosos de pagar aquelle ultimo
tributo ao Ilustre finado, como se pratica
entre os musulmanos, c mesmo entre todos
os christaos do Oriente, isto o caixo
conduzido por pessoas que voluntariamente
se offerecem, e nao por homens pagos,
como acontece na Europa.
Logo depois aluns imn rabes en-
toaram um cntico montono, que continua-
ran por rauito tempo durante o caminho.
Os concorrentes queimavam incens ; nota-
va-se acompaiihando de perto o caix5o S.
A. Aali-pach, que testemunhava urna com-
mogo profunda, e ao qual algumas vezes
se viran correr as lagrimas.
Nao podemos ver se o cortejo era
acompaoliado por algum prente, ou pessoa
ligada cora o finado. O prestito poz-se em
marcha, precedido de um corpo das guar-
das municipaes de uniforme verde, e por
urna banda de msica militar, que se absleve
de tocar.
Muitos pachas seguiam o cortejp de
carruagem, precedidos por officiaes degrau-
de uniforme. Omer-pach, o Serdar-Ekrem
contava-se n'aquelle numero, e escoltado
por urna forga de dragos. Entre as pes-
soas que seguiam o cortejo nao elevemos es-
quecer o Mushawer-pach, (o almirinte sir
Slde, cavalleiro do Banho) que ia a ca-
va lio.
guio o pequeo barco
daver, mas a nica erabrcago ofiicial qua
militar, grande predio, se notava com europeus, era aquella em
que ia Mr. Outrey, acompanbado do estado
maior do Renard, e de algons membros
da embaixada de Franga.
O corpo que tinha sido embalgamado
em Nice. foi retirado do sarcfago de chum-
bo era que vinha a bordo, e depois de ter
sido reconhecida a soa identidade foi en-
cerrado n'um sarcfago turco. Segundo
os usos do paiz, o corpo do defanto foi
aado a extremidade do caixo,.o qual foi
envolvido em estofos de seda de Brousse,
langando-se ao acaso pelo lado de cima,
alguns chales de cachemira ; foi depo tu-
do collocadojsobre umquadr'ado de seda
cirmesim bqrdado com monogrammas- sa-
grados turcos.
Desde~ muitas horas que as immedfa-
ees da alfandega, o adro do mosteiro de
Vemi-Bjaiui, onde costume celebrarem-se
os funeraes turcos-, assim como todas as
a (Juando chegaram ao largo da mes-
quita fez-se alto, e o sarcfago foi deposi-
tado nos (legraos prximos da porta de en-
trada, onde se acha va um grande numero
de ulemas e dimans.
AHi o Cheik-til-islam avancou, e eon-
servando-se ao lado do caixo, com os bra-
cos estendidos para a frente, e n'nma atti-
tude de orag3o particular do3 musulmanos.
recitou o Namiz do estylo.
A maior parte da gente que eslava
reunida tomou parte ueste acto dos mais
sagrados e dos mais solemnes de todos os
actos da devoco dos musulmanos, e com
a preciso calculada daquelle rito; a mul-
tido responda com amins, repetidos com
intervalos iguaes e com profundo fervor, e
mais particularmente ainda coro urna emo-
go de um effeito que impressionava, pro-
duzido pelas respostas cadenciadas que se
davam. como um murmurio lamentavel.
Esta oraco. que durou un dez m-
Ora pois, camarada, visto quete pre-
sas de ser bom jogador, devemos jogar com
caria dcscoberta. Quando se tratoa de nos
safarmos da penitencia, tu oceuttaste-te
de inim e eu de ti : ealamos pago*, o que
nao impede de ficarm-^s amigos. Deves
saber o meu plano e o dos meus compa-
aheiros. Depois de passarmos algons dias
escondidos nos bosques, approximar-nos-
hemos do rio e apoderar-nos-bemos de
um barco. A cousa nao facir e.davido
mesmo que se consiga ; mas, resoividos a
morrer antes do que voltar prisa >, sem-
pre nos arriscamos. Ora tu, deixando a
colonia, deves ter combinado as cousas me-
IUor. Explica-te com franqueo e lembra-
e de que nao me podes illudir fcilmente.
emeo quero enganar-te,replicn
pertomy atrapalhado e tambem, depois
quo aquelle bruto de Gallibi nos deixou,
nj temos melhor esperanza do que tu de
bom resultado para a nossa empresa.
Rigaut escutava-o attentamente."
Bortomy relatou-lho como Grandval de-
via espera-lo no navio no recife do Diabo e
a probabilidade que tinha de salvar-se, n5o
bavendo contratempo na jornada.
Ora pois, o plano nSo pode ser me-
lhor I Um navio as tuas ordens I Com
mil diabos 1.. Visto que preveniste as cau-
sas tan bem, nao devemos perder a bella
nulos, e durante a qual a assembta guar-
dava o mais profundo e absoluto silencio,
que s era interrompido pelas respostas
do auditorio, tudo isto constituio a cere-
monia religiosa dos funeraes.
Quanto a ceremonia do estado pode
dizer-se que a nao houve. porissoqea
presenga das tropas habitual em taesocca-
sioes para manter a ordem publica; e pelo
que diz respeita a presenga do gra-visir,
provavel que ella tenha sido devida a
sua intimidado peseoal com o finado, mait.
do que- ao carcter ofiicial que elle repre-
sentasse como o mais alto funcionario do
imperio.
Logo que esta tao curta como simples
ceremonia esteve concluida, o eorpo fsi
transportado to rpidamente, quanto o
permitte o estado das nossas ras, sua
ras por onde devia passar o cortejo, ti- ultima morada, na praga das mil e urna
nham sido invadidas por urna multido
compacta e cerradas na sua grande materia
indgenas. Todas as janellas estavam cheias
de espectadores, euos telhados- das casas
via-sc imi grande numero de curiosos.
Muitas mulheres envolvidas nos seus fe-
redjs de diflerentes- cores, concorriam de
todos os lados, e muitas outras esperavam
no adro do mosteiro. S notamos urna se-
nhora europea; era urna inglesa. Urna
ala dupla de soldados, por meio da qual
passou o cortejo, servia, ao mesmo tempo
para coater o choque das masaos, que se
lornava inevitavel, em consequencia do
grande numero de pessoas que estava em
movmento.
No caes estavam reunidos muitos ofli-
ciaes turcos, de grande uniforme, assim
como um grande numero de nfemas, de
turbantes verdes e brancos, e um corpo de
derviches Mevlivie, tendo frente o seu ve-
neravel cheik, e cuja.p-esenca fez conjectu-
rar, o que nao podemos verificar com exac-
tido, que o Ilustre finado faza parte da
ordem, a que, como todo o mundo sabe,
columnas, e do tmulo- do sulto Mahmond.
para all se conservar de futuro, devendn
ser sem a menor duvida objecfo de um
interesse lastorico, pelomenos igual ao que
se iiga as duas reconfecOes dos tempos
antigos e Btodernos. >
gou ; o outro, formado de Rigaut e dos sorte que se nos depara, e acompanaar-te
doas Bertomy, ira explorar as planicies.' hemos todos ao recife do Diabo.
C.:.____:_n;-n .aoi mam ronnir.cn ---- POrU!. 'RCailt. tftITini inf-i tUftCV
Feita a primeira presa, inam reunir'Se
n'aquelle mesmo ponto.
Foram, portanto, uas para o bosqae e
os outros dirigram-:se para oeampo.
Miguel levava um sabr e urna pistola
carregada a chumbo ; afwtra pistola e-sa-
br levavam-na os outros eipisradores da
cia apionas se I Qoresla. O surdo-mudo ia na- frente, e o
1 pai e Rigaut. ao lado um do outro, par1
Os lus Bertomy comprebendeTam todo' ciam abaervidos n'uma conversa qie os
isto, mas 03 outros forcados nao ligaran nteres* raciiirooaMnie.
lanU importancia i fuga de Zio. Ufutdaia coa carto ar de frioqasta :

Porm, {Rigaut, jemos amd tamos
ias de jornada para l chegar por disertas
5o perigosos; que nocreio Q^pessanjos
(vencer.
ORongou goiar-nosha. E (fpois,
para chegar ao ponto onde o navio espera,
essencial approximar-nos doanar, se-
taindo sempre pela costa.
Nao tenho irig^y^ algoma tK>teu
^ggai-fep1icoiitlmTOK!ameuie1%rtomyr;
Se te lembraes bem das trac5es que
iez ao csjftSo Onmcrtal, o2o deves adni
rar4e de que este se opponha a receber-
vosa bordo.
Haver meio de o obrigar a isso-!
redarguo Rigaut em to spero Quantos
homens ha a bordo ?
Bertomy respondea ao acaso que a tripo-
lacio se comporia de uns trinta homens.
Eram por certo alguns de rais, masfcigaut
nao se espantou.
Seja assim, mas dadas certa3 cirenms-
tan ;ias favoraveis, apoderar-nos-heraos do
navio e faremos chegar a razo esse mal-
dito Grandval E, se por ultimo o nao
ponseguirmos, tomar-lhe-hemos urna das
anchas, em que nos transportaremos co-
lonia ingleza.
Bortomy quiz fazer algumas objecc5es,
porm Rigaut interrorapeu-o com violen
cia:
Ah t sim, velho matreiro, porisas que
mangas comigo e que nao sei o teu piano ?
Eslava muilo bem combinado : ias embar-
car com tea -fllho no navio em que te es-
pera a choramigasde tua filha, que confiaste
guarda do capitao. A bordo abencoarias
os dous esposos, e votando Franga, do-
ta-los-hias com os dez mil francos, escon-
didos em certo lugar de Bolbec... Entre-
tanto Rigaut, condemnado a degredo perpe-
tuo, arrastar-se-hia na miseria, com o que
pouco te importavas I... Sim, a cousa a
s mil maravilhas, mas nSo vai co'mft pen-
sas, meu rapaz I Visto que te apanhei, j
te nao largo Iremos todos ou nao ir
nenham I Ou vena comnosco para nos
safarmos pelo Maroni ou iremos comtigo
ao recife do Diabo I Toma cntala ; olba
que nlo desisto*
Cornaduras mal, Rigaut. Eu n56
.podia lembrar-me de voltar Franga ; seria
cedo de mais: o mea plano era passar aos
Estaate-Unidos. Qoio a minha filha e ao
ppRSk) Grandval, jtrtgas que receberiam
^|pa qaantla, sabendo etts a suapfo-
Nao me fio n'esse palavriado, e o me-
lhor e mais seguro nao te largar. Iremos,
pois, ao recife, quer tu queiras, quer nao ;
eu que me n5p deixo engodar por ti !
Bertomy conhecia o carcter do seu col-
lega, e por isso xM se atreven a contrara-
lo abertamente, mas disse-lhe:
Devo fallar-te com franqueza : nao
faremosnada com geito na companh a deste
Rongou Contam-se d'elle-cousas abomi
naveisi depois, quiz roubar minha ftth,
sem fallarmos das trigaos armadas a
Grandval 1 Por is,so, quando este o vir;
nao s vos nao receberia a bordo, mas at
talvez me repelffese a mim.1
D-te isso cuidado? Pois nao re-
ceies tal d'esse pobre diabo, que so nao
lembra de dentar Cayenna ; contentar-se-ha
de nos acompanhar at costa, como noss>
guia, e voltar a Cayenna, onde temas sua
affeiges. O Rongou nunca poderia servir-
nos de embarazo.-., e, em quanto ao que
elle Tez ao tea amigo martimo, ignoras que
foi poffordem minha ?
J*'o. suspeitava... Mas diz-me : como
que exerees tal influencia sobre este ne-
gro? N*mmfta opiftio, ro deverfas fiar-
te assim n'um animal '-feroz !
Nlo me pode ser faHo : nos eonhe-
i-mlto ee9 sei-lhe o fraco.
cemos-nos
TEM GR V\ Um velho achacada* que
e apresentou n'uma igreja para casar com
ama joveiwde iri anuos, vendo que a-cura
eontinuava distrado sem. [-estar arteneao
Ma pessoa, disse-lhe:
Sr. cura, parece-me- que estn espe-
rando.
Cavalaeiro, lhe repHeoa cortezmonte o
cura, se vos procuraes a pia baptismal, dai
mais alguns passos e daris com ella.
Como se entende? repcou o octo-
genario, eu venho casar-roe.
Queira o Sr. ento desculpar-me. lhe
disse o cura, eu julgava que vinheis bapti-
sar eSsa menina.
Selvagem eos** parece, nwve-se a um
olhar mea e basta designar-lhe um inimi-
go para qee ette o fira sem hesitar, anda
mesmo conr risco 'de vida I
Em seguida entren em promenores bio-
graphicos a respeito 'de Rongou, explicando
os motivos da sua influencia sobre elle.
J sabemos -que D'Chimbo, no tempo er.
qae estvera aa? .minas de oaro do Apr -Z.
vage, rrajoniamnado a-pris%> por .(
roubos. Foi enUTo qne eofd00ioa J
com varios tcados a d^iiraadar^.^Z]Z
pgant, emS.a,>S^S/
ror sua pBne( 0 Hbngoa^ a pardea
seus terriveis instinctos, mostraaa ama
simplicidade de creanca. notara a-ascen-
deocifl quo Rigaut exercia sobre todos os
eompanheiros. Descubrindo n'elto analoga
de sentimeotos e sobre isso urna ihti'lligen-
cia superior, senlio por elle irresistivel res-
peito. Evadindo-se da prisa) para passar
nos arrabaldes de Cayenna aquella vida par-
versa que o fizera considerar o flagello da
colonia, nao deixaram de continuar as suas
relagoos de amizade com Rigaut e outros
forgados, estreitando-se mosmo por sarvi-
gos prestados reciprocamente. Quando,
por exemplo, as- autoridades se dispnnham
a fazer urna sortida para o pronderem, Ri-
gaut faza passar-lhe aviso por via de algum
Forgado. temi- at combinado entre sixim
complexo de signaes com que se corres
p.mdiam. \
Assim se explica a facidade com que
elle escapava- s i>ersgaitBes da justica.
Tambem o nVulnerstvel negro, pqr sua
parte, nrestava a\^ Careados valiosoa ser-
vigos. Ooando a^im d'ees sa evada,
era D'Chimbo que b guiava e oceutava.
Se era nfeciso ex.e'.cer urna vinganca coa-
ira um habitanto da colonia ou cooU<* viga iacomnyjdaUo, D'ihimao uedia a
conspiracaVi B p:,nhara em pratica com iaata
destreza tom croeldc, VVaiar^o obw-
gado a almidonaros arrabaldes da Ciyenoai
dtrii;a-se a S. Lourenco do Slarom. o, ot>
co'io 'aos bosques, tivera m
wn contacto com Rigaut.
in
Fdra elle qua,
..ligado poreste. fg^S
deserta e por ultimo. qu,y ^^
veaevadr-se, (*!* m *"w w
toa os meios.
'2*
rQ^tff,uiir~6era. >.
l^^vDSiMiwiwrt-^ -
man
tt
f

v



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETKV9JX01_TTLMPV INGEST_TIME 2013-09-14T02:52:27Z PACKAGE AA00011611_11820
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES