Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11818


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUMERO 86.
PARA A CAPITAL E LUGABES WBS MA0 SE PAGA PORTE
Portres meees abantados................... .
Por seis ditos dem....................
Por um auno idem. ....... ...........
ada numero avulso.................. fc
60000
usa
3*0
SABBADO 17 DE ABRIL DE 1869.
PARA DEITHO E TORA DA PROVUCI.
Por tre-flfiezes adiantados............,.....
Por sv* ditos idem......*........ .....
Pof nos i ditos idem...................
Por rail anno.......... ....
W750
435500
300250
270006
Propriedade



SAO ACUESTE
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Fhes, no Para; G(?alves d- Pinto, no Maranhao; Joaquim Jos de OJrfeir-jb no Cear; Afl Ito de Lemos Braga, no Aracaty; Jo5o Mara Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio JoaqB
Guimar5es Pancada, em Mamanjuaf-e; Antonio Atexandrtno de Lima, na Parahyba, A*nio Jos Gomety na Vill^da Penha; Belarmino dos Santos Buido, em Santo Ando; Domingos Jos da Costa Braga,
era Nazareth; Francino Tavarflsda Gssta, em Alagos; Dr. Jos Mantos Alves, na Baha; e Jos Ribeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
PARTE DFFICIAL.
Itl'l \IOltlO
AMBIENTADO ASSl.UItLKA LEO.ISTATIVA PRO-
VWCIA, PF.L0 EX.M. SI. CONDE DE BAF.PEN-
DY, PHESIDUNTE DA PROVINCIA, NA INSTAI.-
LACO DA SESSAO DO CORnENTE \NN0, EM
10 DO CBRENTE HEZ.
(Conlinuacao.)
Obra publica*.
V repartie.au, a oujo cargo se acha esto impor-
tante rimo de servigo, rege-se ainda pelo regula-
monto de M de julho de 1866.
testa de sua direccao est o mteHgente e ze-
loso cngeiilieir civil Pedro I!arbalh < Uchoa Ca-
valcanti. Horneado em 5 de agosto do anno passa-
do, em -ubstituigo do engenheiro Bernardo Jos
la Cmara, exonerado por acto do Io do mesmo
niez.
Tenda sido tambem exonerado, a sea pedido, em
9 de novembro ultimo, o engenheiro Ernesto de
Garvalho Paes de AndradCjOue tinha a seu cargo
o quinto districto, nomeerwpara substilui-lo na
mesma data, o engenheiro Henrique Augusto Mil-
let, que at ento ac!iava-se incumbido de diver-
gs trabalhos graplcos ao sul da provincia, per-
eebeodo vencimeatos iguaes aos dos outros enge-
uneirj* de distreto.
Por deliberarlo de 3 de julho do mesmo anno
foram nomeads para os lugares de agentes paga-
dores Perkinno Augusto cha de Gusmo e Julio
Pires Ferreira ; o pela de 20 de Janeiro Hltimo, no-
meei para prcencher o- lugar vago de escrevente
.la repartieao a Octavio Alfonso de Mello; que me-
diante concurso na forma do citado regulamento.
eu provas de habilitago para exercer esse em-
No seu extenso e minucioso relatorio, que vos
njr oppprtunaraente aprefcntado, suscita o enge-
nheiro ciiefe a Idea, ja em outras occaside* aven-
tada, de ser a parle technica da repartieao sepa-
rada da administrativa, visto como, achando-se.
essa* 'lias funegoes accumuladas no engenheiro
eliefe, nao pode este exercer continentemente urna,
*ou> prejuijoda outra.
Em wrdade, cabendo ao engenheiro chefe toda
a dirucead do servigo interno, tal como a escriptu-
rago, a eontabilidadc, a fiscalisago dos pagamen-
tos, a eonfeecao de todos os inappas e informages
que- tiverein de chegar a presidencia, e biu as-
sim a expodicao dos competentes certificados, com
que os ai rematantes houYerein de recelrr as de-
vidas prestacSes. servieo aRs constante e conti-
nuado, que nea preterido desde que o meamo che-
i h ausenta do centro da repartirn, mal pode-
r:i elle ewtrcer a inspeceo suprema que a lei im-
poe sobre os trabalhos externos e assumir a res-
ponsabilidadfl delles, tanto no que toca ucu:
dio dos ornamentos, como ao que diz respeito
boa exceugio das obras sem que, por assim dizer,
acompanho ases trabalhos em todas as suas pha-
sev E todava o chefe das obras publicas e ncm
pode dci\ar de ser, responsavel pela ba ou m
execue.ao desses dous servieos, que nao podem ser
feitos simultneamente.
Nao obstante esse inconveniente, porm, seme-
Ihantc ida nao tem sido acceita as diversas re-
formas porque tem passado a repartieo das obras
publicas.
Tin grande embarazo, no meu entender, se op-
pe sua lealfeacao ; e vem a ser, a difliculdade
de be.ii discriminar o fue teclmico do que
administrativo. Ha pontos em que as funcefles do
servieo interno e do que parece puramente de
expediente, ligam-se por tal modo ;is do externo,
que se nao pode bem determinar a linha diviso-
ria entre urnas e outras. Dahi resulta que a crea-
ra i de duas entidades em urna mesma repartieao,
edffi .'t!trb'jces, que umitas vezes confundem-
16, ha de necessariamente acarretar conllictos,
que longe de facilitar o regular andamento dos
negi>cias o on.baracarao.
Entietanlo, me parece que a maleria exige es-
tndo.e qucaiguma cousa convm fazer no sentido
de obviar os inconvenientes, que presentemente se
.l.io. assim como os que no futuro possam dar-se,
no ca de que se tente levar a effito nessa par-
te, una reforma no regulamento.
\- vubsis luies e criterio submetto essa ques-
tao, que fe nao foi dado estudar conveniente-
mente no pouco lempo que Uve para oceupar-me
.iella.
No mencionado relatorio acharis nao s a des-
cripcao dos trabalhos executados durante o anno
ultimo, quer por -admini^tracao, quer por arre-
matacao, e a nota das despezas que cada um del-
les exigi, como tainboni a iiidicacad dos (|ue mais
urgentes parecem, e (|ue de preferencia devem
-er executados.
InfeliiBieote, no que toca a esta ultima parte,
nao possivel acompanhar aquellf .funecionano
as suas-louvaveis aspirares de dar prompto des-
envolviniento a certas obras de que necessila a
provincia, c para cuja execueao pede elle no exer-
cicio futuro, cpmo verei?, nada menos de.......
810:000^000.
Se em circumstancias favoraveis esta quantia
nao pode deixar de ser considerada avultada c
neinsempre ser fcil di>i'ir della com applica-
cao s obras publicas ; na siluacao., em que ac-
tualmeute se. acham os cofres provinciaes, coin-
jiletanftnte imi>ossivel urna tal eonsigna^ao.
Aln disto, a extraordinaria cchente de 8 de
fi-vereiro, de que tendes conheennento, e que tao
avultados cstf igos causou, dos qnaes adiante fal-
larei, a inda maispfecaria veio tornar essa situa-
cao, de tal mockf que, mesmo quando a provincia
r a:-Insse desassodiDrada de onerosas obrigacoes
pecuniarias, e pudessemos jMjnsar em emprehen-
dor novas obras, deveria ser o primeiro cuidado
da adniinistracao, depois de um o lamentavel
acontecimento, appliear, antes de todo, os recur-
sos dos cofres em reparar os estragos e damnoe
por elle causados.
Cui.ipre notar que ne-s >- r paros inclnem-se
as pontes de C.axang e Magdalena, que devem ser
substituidas, c que nao podem execlltar-se conl a
presteza -que fura para desejar. Para estas, a con-
sgnaeao rpie tlverdes de votar pode estender-se
at o futuro exercicio ; ao passo que para aquel-
los, convm que votis reconos extraordinarios,
com os quaes a aitnistracao se ache habilitada
para lew-los a effelto, visto qo os'meios oidina-
rios consignados na lei do onjamenio vigente sao
iosuluciatites.
As-im,;porttntoj meu nensar, que ante de se><
rom repitradS os estragos que solTreram as estra
rio Capibaribe no anno de 1813, desabou pela en-
chente de 8 de fevereiro ultimo, licando apenas
em p os muros de encost. O engenheiro chefe
piv para para ser-vos brevemente apresentado, um
projeclo de novaponte por outro systeina, e in-
formou-me que seu cusi au podem exceder di
50:0005000.
muito sensivel a falta dessa ponte, collocada
em urna estrada por onde chegam ao mercado dcs-
la capital todos os gneros alimenticios exporta-
dos pelos municipios que della se utilisam.
O transito actualmeni faz-se pelo rio, que de-
l>os da cheia, baixou a ponto de dar vo; mas
apenas comecem as aguas, necessario proporcio-
nar outro meio de passagem, que nao pode ser
senao em jangadas.
PONT*: DA PAttCMi DA MAGDALBNA.
Niio desabou romplelamente com a cheia de 8
de fevereiro esta ponte ; mas flcou em tal estado
que necessario sitbstiiui-la por outra que me-
lliur possa resistir a qnalquer acontecimento idea-
tico.
Fez-se, para dar passagem provisoria, um pas-
sadico, que nao pode ter a precisa solidez para
que se consene por muito tempo.
O engenheiro trata de concluir um projecto pa-
ra coustruccao de urna ponte ; o quat ser-vos-ha
presente com o respectivo orcamento.
O system adoptado o de gradil de ferro com
cinco vaos de 2*n. 15. #
MMH DA BOA-VISTA.
Esta ponte, pela sua importancia, pelo servieo,
que presta ao transito publico, deve ser de novo
construida por um outro systema, e sob condicoes
que nielhor satisfacam as hecessidades a que ella
destinada.
No estado em que se acha, com alguns esteios
cahidos e demais abalada pelos galhos de arvores
e madeiras, que a cheia de fevereiro trouxe sobre
ella ; n5o parece acertado despender se a quantia
de 4:000j000 rotada pela assembla, em repa-
ros que mportariaui em pouco menos'dessa quan-
tia c de pouco proveito seriam.
Minha opiniao e com ella est de accordo o en-
genheiro chefe, que se trate de construir nova
ponte.
POXTF. DOS AFOGADOS.
Se bem que o transito por est ponte nao tives-
se sido interrompido com a cheia, a que tenho-me
referido, com tudo prudente que se trate desde
i dos meios de substitni-la, pof nao prometter
longa duragao palo seu estado de ruina.
Ser-vos-ha apresentada a planta com o orca-
mento respectivo.
PONTE DK JABOATAO.
Os reparos desta ponte foram arrematados em 8
de abril de 1868 par Francisco de Pinho Borges.
Nao tendo, porm. elle feito os reparos, deposi-
tando apenas no lugar da ponte a madeira preci-
sa, ajiezar de haver solicitado .e obtido urna pro-
rogaeao de quatro mates, na conformidade do art.
76 do regulamento respectivo^ foi multado e pos-
teriofmente rescindido o contrato, mandando-se
executar a obra por administraeao, ficaado o ar-
rematante Erigido para com os cofrjg provin-
ciaes por qualquer excesso de despalme baja
na sua factura.
O arrematante requereu contra esta delibera-
cao, allegando que, nao tendo dado comeco aos
trabalhos, nao eslava sujeito disposico daquel-
le artigo, mas a cTCumstaneia de haver juntado
materiaes, de pedir prorogaco de prazo e de ob-
ter certificado para pagamento da primeira pres-
tacao do contrato, segundo se achava estipulado,
depoe contra estas allegacoes.
PONTE SOBRE O RIO l'.NA, NO LUGAR TROMBETAS.
Acha-se levanUtda a planta para a construccao
desta ponte, autorisada pelo 18 do art. 15 da lei
o. 852 de 5 de junho Jo anno passado, tendo sido
oreado o seu cusi na quantia de 31:240.
E' muito convenienie executar-si) a referida
construccao, porque sem esta ponte pouca utihda;
de prestar ao transito a estrada, com direccao
colonia de Pimenteiras. de Una ao Riachozmbo,
cujo primeiro lance est concluido. ^
das e patios; oao se deve cuidar em exeentar ou-
tras obfl, salvo alguma, qae pela sua urgente
aecesidade, ou pelo pouco valor de seu custo,
iKissa ser eitaao mesmo teuipo, taes reparos.
Em refago a construccao de novas pontes, cuja
urgencia minMWla, me parece conveniente que
seja aatoriaada a presidencia a contrata-las com
quent melberes coodieoes offereca, mediaa'.O' d
ajuste de ser paga a importancia de cada urna em
prestaedas annuaes de vinte a vinte e cinco por
cento d sen emto.
isaiii' fotVt eOBsegoir a execueao drffias
obraasam malor gravae para os cofre prpvin-
oiacvt talvx attender a outras, igualmente ur-
Aqui menciono-as diversas obrls que me pdre.
cemiui necMsMlH, e sa ellas :
pwtoacAJUJWA.
A ponte pensil construida esta lugar sobre o
ESTRADA DO NORTE.
A concluso desta estrada, entre a chan da
Mangabeira e o engenho Bujary, na extenso de
1869 -, 38, foi contratada com o Dr. Joao Caval-
eanti de Albuquerque, Joaquim de S Cavalcanti e
Antonio Francisco Paes de Mello fcarreto, com a
clausula de executarem as obras dentro de ous
apnos, devend ser miade no primeiro.
Nao tem os empre leiros cumprido esta clau-
sula.
Em agosto de 1867 obtiveram seis mezes de
prordgacao para concluir essa primeira parte da
obra, e em 22 de julho de 1868 um anno para da-
las todas promptas.
As prestacoes pagas, no varar de 71:886i6fi't.
demonstram que, sendo as obras contratadas da
importancia de 165.8801723, alm de 10:957*000.
prego da ponte da varzea do engenho Bujary, an-
da metado deltas nao est executada, principal-
mente deduzindo-se dessas prestacoes 6:186*884,
correspondentes aos dous tercos da ferragem da
ponte sobre o rio B, que'se bagou na forma do
contrato, por estar ella ao p da obra.
ESTRADA DE G0YANNA A PEDRAS.DB FOGO.
O primeiro lance desta estrada, na extenso de
'i.92u-, 76, foi em agosto de 1866 contratado com
Luiz Francisco de Paula Cavalcanti de Albuquer-
que Lacerda. Estavn quasi a concluir-se, quando
o arrematante, jmr falla 0k pagamento pelos co-
fres provioeiaes das prestares vencidas, allegando
esta e outras ciroumstancias, requereu a resciso
do contrato. Aehando*ponderosos os motivos alle-
gados, conced tjnvlS de dezembro ultimo a res-
ciso.
Julgo conveniente nao se deixar de proseguir na
abertura desta estrada al o seu limite em Pedras
de Fogo, segundo os projectos apresentados a esta
presidencia, e que vos serao enviados.
ESTRADA DA VICTORIA.
At o lugar denomilitdo Hoes, na cidade da Vic-
toria, onde essa estrada est construida, tem ella
de extensa 57 k TOOJDtros, e sua prolongacao
alm da cidade dove'Ir at povoago de Gr-
vala.
Poucas obras se executaram durante o anuo
findo: fizeram-se apenas por contrato os reparos
de empedramenlo em diversos pontos, e os reparos,
da ponte de Tapacur, dos qnaes contratanto Joao
Florentino de ues Cavalcanti.
Esses reparos nao foram executados segundo as
prescripcSes do contrato e orcamento, empregan-
do-se no soalho da ponte madeiras de quafidade di-
versa e de meno* grossura.
Emendando o engenheiro ebefe ser pouco sensi-
tel a dinerenca da madeira, acceitou a obra com
clausula de abater-se no preco o valor correspon-
dente dimmiriro da grbssnra.
Fe-te tambem por administraeao alguns repa-
ros da pentftobre o rio-rJ)iia unas1-, que, apa-
zar delles, poucu duracao pode ter ; convindo por
isso que opportunamenta seja substituida por ou-
tra, que nao de re ser de madeira. A construccao
detona areGs de alvenaria na opiniao do enge-
nheiro.- mtis vantajo-a e econmica.
Fjmo tambe.n coin regularidade a conservacao
da.frrada, sendo em certos pontos por adminis-
tracin e em outras por arrematacao.
m etmtratawe dos reparos do lance pedid r>
eBao do contrato, depois de er feito quati hnp
dftda,obra. Altendendo as razoes que allegou,
Ib a conced em 14 le dezembro do anno prximo
passade.' r
i Os-WI|>#Keltl%Hilnmaawne
semra-ie.tvriiMR rioematte esUndo em alguns pontoan
bu-
engenheiro mandou-o reparar pelo pessoal epwrer
gado na conservacao de estrada.
ESTRADA DA BSCADA.
Esta estrada, que comeca no povoado de Jaboa-
lao, foi projectada antes de construir-se A
forrea do Becife S. fra_
da aos gneros de produccao das proximidades
villa da Escada, e da zona comprehendida entre
esta villa e a cidade da Victoria.
Est feila na extenso de U k, 124 desde Ja-
boalao at o engenho Garana, e sua eontinnaeao
contratada com Antonio Francisco Paes de Mello
Barreto e Antonio Reira da Cmara Lima, na ex-
tenso de 4,782 sob a denomiuacao do 9, 10,
11 e 18 lances.
Fez-se regularmente a sua conservacao, tendo-se
despendido a quantia de 2:2295, ou 1855750 por
kilmetro ; devendo-se isso ao pouco transito ue
ella tem, comparativamente da Victoria.
Em 17 de setembro ultimo participou-meo en-
genheiro chefe que havia sido mudada a direccaqjj
nos quatro lances da estrada.
Parecendo-me, assim como ao dito engenheiro,
que nao se devia proseguir em taes trabamos, sem
que fosse reconhecida a melhor direegao, sem
que se organisasse o orcamento e plantas, mandei
parar todas as obras, determine! que se proce-
desse com brevidaft aos estudos necessarios para
conhecer qual a melhor direccao, por onde deve
ser levada a estrada.
Os arrematantes apresentaram um protesto con-
tra essa deliberacao, e depois pediram que fosse
rescindido o contrato, ao que acced.
ESTRADA DE UNA A IUACHA0ZI.NH0.
Foi concluido e recebido provisoriamente este
primeiro lance de estrada contratada pelo bacha-
rel Pedro Alfonso Ferreira, que j recebeu tres
prestacoes, sendo 18:057*160 no exercicio pas-
sado.
O governo imperial contribuio com una parte
das despezas ; e ainda ltimamente, tendo o arre-
matante requerido o quarlo pagamento, submetti
os papis ao mesmo governo para ordena-lo, visto
ser a estrada especialmente aberte para prestar-se
ao servieo da colonirde Pimontewas.
CONSERVAgAO E REPAROS DA ESTRADA DE C.AXANG.
A m natureza do terreno, em que foi construi-
da esta estrada, torna muito dispendiosa sua con-
servagao, e o nico meio de torna-la transitavel
pelo invern estender-se-lhe una carnada de
ara.
Este servieo exeeula-se quasi todos os annos,
mas as grandes enchentes do rio Capibaribe, la-
vando o leito da estrada,, tira toda a ara ahi
posta.
Seu estado actual relativamente bom. Em
1867 a dirceloria apresentou orcamento-para cal-
car-se esta estrada, na importancia de 108:000,4 ;
mas as circumstancias dos cofres provinciaes nao
permittirain ainda que fosse executado esse ser-
vico.
Tendo a estrada umitas cas em urna e outra
margem, alguns habitantes deltas nao querem su-
jeitar^e a fazer os competewtoa s^ivados ou pe-
queas pontos Mibre as vallas ; o ue traz cons-
tantes desmoronamentos dos taludes, e obstruccao
das mesiuas vallas.
CONSERVADO E REPAROS DAS ESTRADAS DE OLINDA E
CAMPO-GKANDE.
E' por demais pesada a conservacao da estrada
de Olinda, o que devido m qualidade do ter-
reno c falta de empedrameuto n'uma grande ex-
tenso, tendo-o apenas desde o Pombal at a pon-
te da Tacaruna.
Desta ponte al a cidade de OHnda, segundo o
orcamento apresentado, tem de despender-se.....
46:520*.
A cama municipal reclama com instancia a
execueao desta obra, que eu considero urgente.
A estrada do Campo-Grande foi recebida defini-
tivamente a |7 de junho Je 1868, tendo, logo de-
pois, carecido de alguns reparos por estragos re-
sultantes das graneles mares.
Declara o engenheiro que, em quanto nao se fi-
zr um pontelhao para dar mais prompta sahida
s enchentes e vasantes das mares, a sua conser-
vacao ser sempre dispendiosa.
s pontes de Santo Amaro, Tacaruna, Arronza-
dos e Varadouro, situadas todas na estrada de
Olinda, carecen) de reparos.
Na de Santo Amaro, e as de Tacaruna e Vara-
douro, necessario substituir-se algumas estivas.
A ponte dos Arrumbados precisa de um enro-
chamonto junto aos muros de encost.
Na do Varadouro substituiram-sc algumas es-
tivas.
CONSERVAgAO E REPAROS DA RLA IMPERIAL ESTRA-
DA DOS REMEDIOS.
Foi regular a conservado destas duas estradas
durante o anno findo.
A grande quantidade de gado, que passa pela
estrada dos Bemedios, e que dirige-se para os pas-
tos, caua nella grandes estragos, principalmente
nos taludes. E' por isso dispendiosa a sua con-
servacao.
A ra Imperial precisa ser brevemente empe-
drada de novo, alteando-a mais, e tornando os pas-
seios mais regulares.
CANAL DO ABBEU DE UNA.
Para abertura deste canal consignou a lei n.
852 de 5 de junho do anno passado a quantia de
6:000*. ..11
O engenheiro Heariqus'Augusto Milletjoio en-
carregado por meu antecealpr da execueao desses
trabalhos, com os qua. despenden-se a quantia
de 2.767*320 rs.jwincluslve a de 133*720 rs. gas-
tos com as respectivos eitudos grapnicos, at 3 de
outubro ultimo, em que foram dados por con-
cluidos. ,
Nos primeiros das prcencheu o canal aberto
o elleito desojado ; e esperava-se que o ri apro-
fundasse, faZendo por elle o seu curso. Mas. assim
nao aconteceu, porque ls aras levadas do isthmo
polos ventosNEe pela corrente das aguas na
vasante, formaram na extremidadeSdo canal
um banco em toda a sua largara, deixando ape-
nas una profundidade de 0-, 20 d'agua na baia
mar, de modo que at nos preamares precedentes
e seguales s mares c'aguas moras as tarcaga9
carregadas nao encontrm profundidade para
sahir e entrar e sao Coreadas a esperar as mares
d'aguas vivas de 13 em 15 dias.
Segundo o parecer do engenheiro chefe da re-
partieao das obras publ cas, para tornar alli a na-
vegagao fcil em qualquer mar, ndispensavel
1. Proceder escavago do baneo formado na
extremidadesuldo canal.
2." Aprofundar e alargar o leito do canal em
toda sua extenso.
3. Abrir o antigo leitMo rio desde a extremi-
dadesuldo canal at o Abreu, fazeudo escaya-
coes naquelles pontos, onde a profundidade fdr in-
terior a 1 em baixa-mar.
4. Finalmente obstruir o arrombamento' do
isthmo. .
Sem a ultima destas medidas nao se podera oo-,
ter resultado permanente : mas dependendo a sua
'realisago de quantia superior de 6:000* vota-
da, da qual j foi dedudaade 2:767*320, de que
cima falle, adoptei a esecugao dos trabalhos in-
dicados em prmsiro, segundo e terceiro lugar,
com os quaes se coaseguira vantaipso rsMiMajto
por algum tempo, me alante a despeza de 1:CW*
que autorisei > e mandei proceder a aovo estu-
dos para tornar permanentes as obras que eonve-
uhalfaxer no rio para .i sua franca nateme|o, os
queTvo*erao 'oflport jnameSte apteanJUbi cm
o respectivo orgameato logo, que me c
rnat
EKCAJfAMBttO D AGVA.POTAVKL PAIjtOUNDA.
' A valla' destinada a coriduxir agua' do rio BeBe-
rit* para abastecimento da cidade de Olinda, que
tanto necesMti desse beneficio, nao preenche
o sen fin. E' cora dilllciikfcide que se pode obter
agua na calta do Varadouro, e, segundo informa
} engenheinjebefe das obra9 pblicas, urgente se
fazer^ibras accessorias e tomar-sc entras
ividencias, sem as quaes esse canal nao pres-
r a necessaria atilidade.
Tambem convm que se trate da obra precisa
para qfle dessa valla se forneea agua ao collegio
das orphaas em Santa Thereza, do que fallo em
ofltro lugar.
ACUDE DA VICTORIA.
Tem por fim a constrnecao desta obra represar
as agirs do riacho fatub e formar orna hacia de
deposito para abasiecimeato da cidade da Victo-
ria ; e considerada como a preliminar de um
etic.nnament ou aqueducto para aquella cidade,
estabelccendo-sc um ou maw chafariz s nos pon-^
tos convenientes.
Foi contratada em 17 de dezembro de 1866 com
o coronel Jos Cavalcante"Ferm d'Azevedo ; e s
em Janeiro de 1868 deu elle comeco aos trabalhos
que se a<-ham presentemente paralysados, em con-
sequencia de embargo" que llies fo posto por man-
dado do jniz municipal do termo, a requerimento
de proprietarios doAerrenos adjactntes ao agude
qne julgaram-se prejudicados, e nao quizeramcon-
cordar amigavelmene em receber a indemnisacao
que lhes lora arbitrada.
O procurador (iscal exigi ltimamente a planta
dos lugares, em que se allega va terem-se dado os
prejnizos, allm de servir de base ao calculo da in-
demnisacao.
CAI.gAMENTOA CAPITAL.
Os trabalhos desta empreza, que esto i cargo
do Baro do Livramento, por contrato de 24 de
marco de 1863, novado por mais 4 annos pelo ter-
mo de 16 de jnlho de 1868, tem continuad, se-
gundo informa o engenhir* chefe, com a pos-
sivel regularidade, sendo entretanto de notar
que as disposigoes do mesmo contrato nao hajam
sido rigorosamente cumpridas.
O calgamento nao teve o desenvolv ment que
era para desejar, havendo muita demora na fac-
tura dos passeios das ras que se calcam. O
engenheiro chefe attribue isto falla de lages
ipie sao importadas de outra parte.
Chamo a vossa attengo para a parte do relato-
rio deste empregado, que se refere ao calgamento,
e numero de ras que o tem recebido, e as consi-
deracocs que elle faz acerca do pouco asseio em
que se acham as mesma?. Sobre este ponto offlciei
cmara miiniripal e ao cheffi de polica.
Al dezembro de 1868 importou a despeza feita
com o calgamentrTexecutado na quantia de,......
1,055:556*5729, da qual nao est ainda paga a de
48:967*.
Ntrtrimestre ultimo apresentou obra no valor de
36:!5*730 r*.
Km concluso dir-vos-liei que a despeza com
obras publicas no exercicio passado foi de.......
655:855*700 rs.f dosiquaes 203:924*559 despen-
deram-*e jpor dmirtfirago, e 452:931*141 por
arroinaHcao.
No primeiro semestre do corrento exercicio im-
Sorton a despeza com as mesmas obras em......
37:160*133 rs., sendo por administrago......
101:143*655, e por arrematacao 23 Prlses*
Americanos........... 8.
Portuguezcs.......... 127
Francezes............. 12
Inglezos.............. 32
Hespanhes........... 18
Allemaes............. 4
Italianos......:....... 12
Africanos......... 114
De outras nages...... 24
Foram reeolhidos por ordem das seguiutes auto-
ridades :
Chefe de polica.......
Delegado do Io districto
do 2
Subdelegado do Rccife.
de Santo Antonio
de S. Jos......
da Boa-Vista___
da Capunga.....
f da Soledade..."
f da Magdalena...
dos A logados....
do Peres........
doP. daPanella.
dj Varzea......
de Muribeca
de S. Lourengo..
Juiz de direito da I' vara
< da i* i
municipal da 1"
t da 2*
de direito especial
do commercio.....
< d% feitos da fazen-
da...............
Juizes de paz.
701
65
2
320
330
234
157
23
14
35
36
5
28
12
4
4
3
1
8
2
. 13
1
3
Os crimes que se lhes imputavam foram :
Morte.
Tentativa d%morte.____
Roubo................
Furto................
Estellionato...........
Ferimentos e offensas
physicas............
Estupro..............
Armas de fez as........
Briga, disturbio e des-
orden)..............
Averiguagoes..'........
Embriaguez...........
Offenaas a moral publica
Infraccao de pesairas..
Desobediencia.........
DesergSo.............
Insultos e injurias.....
Falta de cumprmento
de deposito.........
Tomada de presos.....
Para correcgo........
A requisicao dos consu-
. les.................
requisicao doa senho-
res................
Escravos fgidos......
Cora-excepcao da casa de detencao" desta capi-
tal, a maior parte dos edificios que tcem o noma
de cadeias, nao satisfaz s necessidades dos luga-
res onde estao col locados. .
Vi! e cxamiiei alguns, reconhecendo esta ver-
dade.
De cada um dellesoceupar-me-hei,informando-
vos do seu estado e condicoes, afim de quepossaes
habilitar a presidencia a iivjlhora-los, estabelecen-
do nm plano regular de construegao, que traga
vantagens para a boa administraeao e classilicacao
dos presos, e sua seguranga.
A facilidade com ijue se evadem dessas denomi-
nadas cadeias os reos, que a ellas sao reeolhidos,
parece-mo que contribne em grande parte para
augmentar o numero dos crimes, contando seus
autores com semelhante meio de evitar a punigo
das leis.
E' muito exigua a consignacao decretada na le
do orcamento vigente para occorrer s despezas
com a construegao e reparos de todas as prisoes.
Conviria, se fosse contar com a prompta extrac-
cao,, conceder annnalmente algumas loteras, com
que se lizesse face ao pagamento de taes des-
pezas.
Desta ferina poder-se-bia appliear maior somnia
dcsto servieo, ganhando muito com isso a adminis-
trago da justica.
Outra providencia, a meu ver, mereca ser por
vos tomada, e que se nao installasse municipio
algum, em ijuanto nao possuisse elle certos aditi-
cios, como cadeias. e casas para as sessoes d*s
cmaras e jury, que servissem tambem para au-
diencia das autoridades.
Os povos, interessados na creago desses muni-
cipios, tomriam sem dnvida sobre si taes cons-
trueges.
Cam de deleii^o da capital.A 14 de setcmSro
do anno passado foram reeebidas definitivamente,
depois de alguns reparos fetbs, as obras do raio
de liste Testa prisio, que Jos Augusto de Aran-
jo havia arrematado.
Dorante o mesmo anno lzeram-se algus reparos
no raio do norte, e outras obras em diferentes
partes, do edificio, com o que se despendeu.............
6:2814240.
Ainda se tornara precisos outros reparos nos
raios do norte e sul deste edificio, que sao oreados
em 5:940*000.
O movimento desta prisao do de Janeiro ao
fim de dezembro do anno prximo passado, foi o
seguinte : '
Existiam em 31 de de-
zembro dp 1867. pre-
sos..... ......... 296
Entraram duraite o an-
no de 4868......... 2001
Regrossaram no mesmo
anno.V.............. 120
Sahiram.............. 2142
Falleeeram........... 16
Fiearafc em 31 de de-
uMvTtmW:.... 239
Dos presos entrados eram :
Brancos.............' 459
Panto* i-.........-;.. 850
Indios................ 52
Pretoa..........w.... 640
Casados-.......r-
42
11
6
51
7
98
1
20
161
69
30
13
30
12
5
28
3
1
338
66
196
,;
386
43
152
8
513
1488
o seguinte des-
369
380
10
12
8
16
1363
Viuvos.
502
98
SoUeiros............. 1401
PerteneanV; -
Ao setVnasculino
Ao feminiao.
Eram :
Ltvres................
Libertos..............
Escravos..............
1$?!*:::::
a40...........
1730
271
1475
11
515
377
811
590
20
W
22
ov
Sentenciados..........
Pronunciados.........
Sem declarago.......
Sera partcipago......
S biam 1er............
Eramanalphabetos.....
Aos 2138, que sahiram, dsu-se
tino:
Bemettidos a diversas
autoridades.........
dem ao presidio de
Fernando...........
dem a quarteis milita-
res.................
dem a outras provin-
cias................
dem casa de sade..
Fallecern)...........
Foram postos em lber
dade...............
O administrador desta casa o bacbarel Rulmo
Augusto de Almeida, serve com zlo e intelligen-
cia.
Olinda.A cadeia desta cidade um antigo edi-
ficio do dous andares slidamente construido e
com as precisas divises para conter presos de
ambos os sexos, tendo no pavimento terreo, alm
de lugar proprio para a guarda, a prisao dos sen-
tenciados, no primeiro andar a dos simples deten-
tos, e no segundo as acommodagoes convenientes
para funecionar a cmara municipal, para as au-
diencias dos juizes e as sess5es do jury.
Acha-se porm em tal estado de ruina a cober-
ta do edificio, que ameaca desabar.
Examinando eu este edificio, e vendo que era
ndispensavel o seu prompto reparo, nem s para
evitar aquelle desabamenro, como outras ruinas,
que fazem com que nao se possa muito confiar na
seguranga das prisoes, ordenei ao director das
obras publicas que orgasse a importancia das des-
pezas, que se tornavam precisas para todos os re-
paros ; e tendo-me elle remettido o sobredito or-
camento na importancia de 15:400*000, e a des-
cripgo das obras, nao pude ainda manda-las exe-
cutar por deficiencia da verba autorisada para re-
paros e construgao de cadeias.
Iguarass.Serve de prisao ueste municipio o
pavimento terreo do edificio, onde funeciona a c-
mara municipal. Divide-se esse pavimento em
duas salas, em que os presos se acham separados
par sexos.
. Cada una pode accommodar at 12 presos.
Tive eccasiao do examinar todo o predio, e rer
conhec que nao ha sufflcente seguranga, nem
commodidades para os presos.
Nao sendo ppssivel, todava, construir outro com
as necessarias proporgSes, mandei orgar as despe-
zas com os reparos d'aquelle.
Goyanna. proprio provincial o edificio, onde
se acha nesta cidade a respectiva cadeia. Tem a
Srecisa seguranga e accommodagSes para classi-
cagao dos presos; dos quaes pode receber at
sessenta.
Nao bastante salubre, pela inconveniente col-
locaglo das latrinas dentro do edificio.
Nazareth. boa a- cadeia desta cidade, nova e
asseiada, e com as necessarias accommodagdes pa-
ra os presos que sao separados por.sexos.
Linoero.Ncato municipio a cadeia, cujo pavi-
mento superior serve para as sessoes da cmara
municipal, jury e para as audiencias dos magis-
trados, urna das melhores que possue a pro-
vincia.
Sua construccao, porm, tao iraca que com
facilidade se tem evadido della alguns reos.
o anne passado foi por deliberagao de meu an-
tecessor autorisado o luiz de direito da comarca a
mandar fazer ne9ta cadeia alguns reparos para sua
maiorseguranca, os quaes estavam oreados ern^
8:2581000. Nio tendo porm ha vida quem quM
zesse incumbir-se dessas obras, por deliberacao
de 11 de marco prximo ndo, mandei-as execu-
tar por administraeao do engenheiro do respectivo
districto, a quem autori-ei a despender a quantia
oreada, fazendo-se nos trabalhos projectados as
modifieagoes que recnheci necessarias,
visitel aquelle. municipio. ,
Pi /W-Fica tambem no pavimento terreo
do paco da mumdpaiidade a cadelA desta villa;
ma est tao prxima, do rio Capibaribe, que com
agratide inaurida^p do dia 8 de levereiro (leste;
ados em :310|
cadeia deste mu
collocada no pavimento terreo do edifiefi, onde
jury funeciona.
Mandei^ executar esses reparos, attendendos
reclamagoes das autoridades do lugar, fundadas na
necessidade de acautellar fugas de presos ; o qne
j tem acontecido algumas vezes.
Escada.Nao pode merecer o nome de cadeia o
predio alugado, que reeolhe os presos neste muni-
cipio, e pelo qual se paga annualroente rs.......
180*000. .
Alm de mnito arruinado, contera apenas nma
sala sem nenbuma seguranga, circunstancia esta
que faz coin que os presos de crimes mais graves
sejam enviados para a casa de detencao desta ca-
pital.
Na villa nao existe outro predio qne se possa
obter para esse fin, e portante urgente construir-
se um por conla da provincia.
6'noo. Serve provisoriamente de prisao nesta
villa urna casa particular, que foi alugada, em-
quanto se concluem os reparos do proprio nacio-
nal destinado e servir de cadeia.
Esses reparos, que foram arrematados por Jos
da Rocha Prannos, pela qaantia de 1:940*000,
acham-se quasi concluidos, segundo informa a re-
partigo das obras publicas.
Tendo havdo necessidade de mais algumas
obras para maior solidez do edificio, o que foi por
mim obsefvado quando visitei esta villa, autorisei
em 2 de novembro do anno passado, para leva-las
a cffeito o dispendio de mai> 917*000, em qne
montn o orgamento feito.
Sehnkem. de propriedade da cmara mu-
nicipal o edificio, onde existe a cadeia desta jritla.
Occupa o pavimento terreo, e to/n as necessarias
divises para classilicacao dos presos e separaeao
des sexos.
As prises alm dessguras, sao salubres; ape-
nas a de mulheres necessila de algumas tarimbas
e ladrilho.
No anno passado estiveram ahi reeolhidos 40
individuos, sendo 25 do sexo masculino.
fio-Formoso. Pagam os cofres provincias a
quantia de 144*080 por um predio particular, que
nao tem as necessarias accommodagoes e seguran-
ga para servir de prisao ; sendo de mais insalubre
c achando-se em pessimo estado.
A difflculdade de encontrar outro edificio de
melhores proporgoes tem feito cora que ainda se
guarde n'aquello' os presos de crimes mais leves,
send os de mais graves enviados para esta ca-
pital.
Barreiros. Est quasi as mesma eondicfies
da precedente, a casa particular que serve de pri-
sao nesta villa, e pela qual pagam os cofres pro-
vinciaes o aluguel de 200*000 por anno.
A nica differenca que se Uto nota adiarse
dividida em tres sallas, duas das quaes so.desti-
nadas aos presos, e a tercera para a respectiva
guarda.
.toKi-JVfiu. de propriedade particular o
pred'o, onde sao reeolhidos neste municipio os
presos respectivos; e por elle se paga o aluguel
aiinual de 300*000.
Nao offerece seguranga, e por esse Tm*ir9
presos ahi s se demorara, emquanto se procede
tormagao da culpa, sendo logo depois removidos
para a casa de detengo da capital. Assim, tor-
na-se tambera urgente a construccao de urna ca-
deia alli.
Bonito.Nesta villa a cadeia urna pequea a
antiga casa de taipa de pessima construegao, sem
seguranga alguma, e em tal estado de ruina que
sao repetidas as fugas de presos.
Ai-ha-se levantada a planta para construegao-
de um edificio apropriado, o qual oreado em...
13:834*800.
Os motivos que expend, quando tratei da ca-
deia de Olinda, tem-me privado de mandar come-
car as obras deste edificio.
Caruar.Pertence provincia o predio, que
serve de cadeia nesta cidade ; tem 60 palmos de
frente e 120 de fundo ; estdividida emdous com-
partimentos, um dos quaes serve para sessoes da
cmara municipal e do jury, e para as audiencias
dos magistrados, e a outr subdividida em duas
partes, para prisao e para quartel do destaca-
mento.
Nao possue por isso as accommodagoes neces-
sarias, una diviso conveniente para separago
dos sexos; nem mesmo tem seguranga e salubri-
dade.
Brejo. Tambem propriedade provincial o
edificio, onde est collocada a cadeia desta villa:
tem as necessarias proporgoes e serve igualmente
para as sessoes da cmara municipal, mas, estan-
do arruinado e precisando de reparos, sobre pro-
posta do delegado de polica, mandei-os executar
por arrematago pela.quantia de 400*000, em que
foram oreados.
v

10,
Cimbres.E' proprio provincial o edificio, onde
nesta villa se recolliem os presos. Precisa de con-
certos que o chefe de polica calcula se Carao com
o dispendio de 400*000, e os mandei fazer.
Garanhuns.I-'.' talvez a melhor cm todo o serto
a cada desta villa. Tem seguranga, boas acom-
modagoes, e dividida em tres compartimentos, que
servem para separago dos individuos prdsos cm
custodia ou para correcgo, dos pronunciados e
condemnados definitivamente.
Alm d'aquellas, ha no pavimento Superior mais
tres divises, em urna das qnaes so recoHtidas as
mulheres.
Buique.E particular e edificio, que tem o no-
me de cada desta villa: nao serve para o fim a
qne applcado, por nao ter sufOciente capacidade
para acommodacao dos presos.
Bom Conselho.as mesmas condigdes se acha
o predio particular que serve de prisao nesta villa.
e pelo qual pagam os cofres provinciaes o aluguel
de 60*000 por anno.
Flores.Em um edificio muito antigo, completa-
mente* estragado, e sem nenhuma seguranga esto
reeolhidos os presos desta villa.
Villa Bella.Pagase a quantia de 120*000 de
annuaes pela casa particular, onde se recolheui
os prlos.
*uas divises sao tres pequeos quartos, que
servem para separago dos presos de ambos os
sexes.
E' tal o estado de ruinas que nao offerece se-
guranga alguma-J
lngazeira,~-As condicoes do predio, que nesta
villa serve de prisao, sao idnticas as do prece-
l'aga a provincia por elle o aluguel de 191000
annnleB.
Tacarat A cada desta villa coolm apenas
urna sala, que pode admittir oito presos Nao tem
a menor seguranga; predio particular, pelo qual
paga-se o aluguel de 60*000or anno.
Floresta Nesta villa, creada recentemente, nio
ha prisao publica. Os criminoBos sao recomidos
ao qnartel do destacamento.
Boa- Vista.E' n'um edifleif) pequeo e de aca-
nhadas proporgoes que sao toColbido os presos.
Pertence elle ao estado.
Ourkury,E' de'propriedade nacional o predio,
onde se acha a cade*.
Em 1864 ftzeram-se-lue algpns reparos, ^ue a
tornaraul segura, h$m. arejad e. salubre,
Tem as Ka^mmodagoes precisas para dassiflea-
gao dos presos e separaeao dqs sexos.
NecesslUpara tornl a uiais segura, qne se sub-
as do ferro,
municipios
penase
repa
\

1

i
^
si
~


lf
-

m\ 30. jii
V
Diario de Peraumbuco Sabbado 17 de Abril de 1869.
,00
Estrada de trro da Ilecie .
Fraaelsea.
Achara-M em gcral em bona estado o bera con-
servadas m obra quer de trra, quer d'arte desta
estrada de ferro; e foram de pouca importancia os
reparos noe nellas se iir.eram durante o anuo prc
^temoWmentos .le trra, resallante, do levanta-
n,ent.p 2rpa,n.-..to do< aterro, desbstenlo
do*cortea de outro. traualuos, elevaram-se a
cubioos, de,ii|uiuns do seguate
aos outros tre aeei darte* rasdMM apena-?
pequeos atraios aa* partidas e -cfccgadas das
trens.
A commissao enearrsjtada da liquidacao da*
cocUdeje* estrada de ferro proceden liquida-
cao dos dous semestres prximos findos, da qtial
resultou ser a reeeita total lu|iidada de.........
8tt:8S6*W0,'ea'dos'pc/.a de 376:9>786, tedo
sid o saldo em favor da garanta de juros de
27:6ii8:i't.
A preporcifo da clespeza ticjniloda para a rea-'
peetiva reeeita foi no r 'IVrido mirto de 61,33 *^
tendo sido no auno anterior de 6,15 %
'Os joros pagiis |*lo estado por onta dos 7 /
importaran! em Txf-.Vu 83i, dos quaes pertav
cei ao governo eei-ad 3.63:6035138, dt ao govecoo
rrsxz 'WgisgL -^f
divida ph)vmcial proveniente da pastal addicio-
_ nal que contina a ser satisfeita'petooverno
gem
Contrato Hornay.
Autorisada pela lei provincial n. 649 de 80 de
marco de 1866, contratou a presidencia em 83 de
om Eduardo Mornay, urna
" ertrada de fer-
l.to,3
1.331,2
5.673.1
17813,8 metros
modo:
1.* seccao.
.
3."
4."
Entretanto, aina a 1
alargados alga* dos seus atorros, e
os taludes de diurnas excavares
As grandes efeias qae tiverain .lugar no pnnc
nio de tevereiro ultimo, pouco damno causaram
as obras da estrada: lia apenas a mencionar o es-
boroamento de ama das alas da >onte de Afoga-
004 via nermaneite Wtt em boas condicoes, ha- | mai do mesmo anno eom EduanK
vendo apenas a notar a raudo falta de lastro em Italia de trainwaw que,partmdo da
muitos lupares, medio nao s pela insulliciencia do material ro-
dante, como pela neeessidade de transportar da Ia
seccao o lastro preciso, vista da diiculdade de
encontrar material jpropriado esse destino nos
outros pontos da linha.
Pelo seguiQie resumo do numero de metros c-
bicos de lastro de areia lancados na linha, durante
o-anno prximo passado, v-se claramente o {mi-
co que so fez adra de melliorar nesta parle a va
que
permanente:
!.
2,"
3'
V*
seecao.
c
vi
<
Total
967
476
13
4* Pelo que diz respeko aos dorroeotes, ternaes>
trada ao contrario niclhorada progressiN amento,
c se acha boje em perfeita segurauca. sai,,-ae
Durante o auno reeeboraiu as diversas serenes
os seguintes dormentes
1.* seceo.
2."
3.-
l.
Tolal
1,697
2,178
1,736
1,137
7,018
Parte dos eoloeadoaaa l seecao foi destinada
as duas novas linhas de decios ausentadas na es-
tario das Cinco l'ontas. Alm disto foram substi-
tuida na referida seccao 69 demientes de Gr<--
"roram tainliem enllocados na linha 130 buhos,
sendo 142 na !. seccao; l'Ve?S1S
mas destes omento 20 os foram em substituido
de outros arruinados, leudo sido empacados o*
130 restantes as linhas de desvos, ja reteri.i>.
E' satisfactorio o estado do seguranza das obras
darle de toda a linha. ,>>
Fizeram-sc durante o anuo pequeos reparo*
em algnus boeiros. .....
Algumas dos paes de ferro reclaman! pintan.
Em duas das pontos da 1." seccao, foram substi
luidos os trilhos de poules sobre dormentos longi-
tudinios por outros iguaes aos de toda liuia, e as-
sentados como aquellos sobre donnente* transyor-
saes. O mesmo far-se-ha brevemente as ouiras
pontos, em que anda existen os amigos trunos.
As estacos intermedias foram pintadas e conser-
vam-se embora estado de solido/., exeeptuando-se
apenas o armazem de mercadonas da estacamlo
Cabo, que nao olTereco perfeita seguranca e Heve
ser brevemente reconstruido.
Ainda continuam a receber mercadonas os ar-
mazens provisorios de madeira da e cada. Brevemente serao all construidos os ar-
mazens permanentes, para os quaes .destimii-m.,
por oceasiao do recebimonio da estrada, a quanua
*A "etocSo central desla cidade, que contina no
mesmo todo e local, cada dia offerece maiores
dilllculdades ao servico. Abm do attenual-a-. I-
train -e durante o anno passado var.as obra, c
que resultou o augmento do pateo interno da es-
tacad e de mais duas linhas de desvos.
V.on*truo-so um longo caes; e elevou-se sobic
o nredi da fortaleza das Cinco Ponas um muro
que, prolongado at fren'.e da estopa, tem de fe-
civil-'l
Entretant.). nao s nio ilferece atada a estaco
oscommodas noeessarios. como.nao se acham es-
r'I,muiilos de modo a facilitar o servico>
-rando movimento de passageiros c mercadonas,
*me para all allluom. Torna-so, portanto, da maior
hteneia a sua remocao para um local mais con-
veniente e espacoso.
O moviinoiVdos trens fez-so sem mlerrupc.to
e cora regularidad*, durante todo o anno, tendo
tenido somonte algumas pequeas demoras aos
accidentes qae se dorara na estrada.
Esw rendeu, segundo as cuntas da companhia, a
quinlia de 615:6*90, provenientes das segum-
tes verbas :
Passageiros...................
Bagagens.....................
Mcrcadorias..................
Viiimaes.....................
Annazenagem.................
Transportes do governo........
Tolegraplio elctrico.............
Multas......................
Transferencia de acepes........
Despeza geral annullada........
Juros de depsitos.............
Beceita nao classficad.i........
229:967 330
31:381^330
326:729^710
12:3723i:W
3:8895610
3:6395690
4:483/180
330J0OO
35360
935980
1:6115770
7285600
133:3735601
A demezafoi de.......
Distribuida pela eguintc forma:
^.:::::::::::: S88S
Beparos de carros e waagons.....
Vdininistracao e nutras despezas.
lelegrapho elctrico............
Heparos de edificios............
Pa sagens e ajudas de custo
Indemnisacoes................
Differencas de cambio..........
Depezas saniurias.............
Ditas judiciacs.....
A reeeita excedeu
17:6715981
7.27159 i 1
1:0165062
3685390
8915233
31:13 s| ii 3
3015100
2-3035600
do anno anterior em.....
lo''3U74S, e a despeza em 18:6035164. Este ac-
crescimo proveio principalmente das despezas de
traocao, difforencas de cambios, reparos e reno-
vac3os de carros e wagons.
X proporcao da despeza para a receito loi de
70 30 / tendo sido no anno anterior de 69,30 /.
Circlaram dunntes o anno 182,207 1/2 passa-
geiros, foram transportados nos respectivosi trei.s
774,800,.' kikvgrammas de bagagens, 40.928,./
kilogrammas de raerc3dorias, e 5,602 aiiimaes.
Foram tambera transporta los por conta do go-
verno 2.450 militares e presos, 316 empregados
eivis, 87 cavallos e 10.690 kilogrammas de ha-
gagom.
A desoeza media de traccao por kilmetro per-
corrido foi de 659 rs.
Os trens pereorreram 191,883,207 kilmetros.
Contina a sentir-se cada vez mais, a falta de
material rodante, quer para os passageiros, quer
para as mercadonas.
A autorisacao concedida pela lei n. 1:301de 36
de setembro de 1807 para so prover do aafnent..
do referido trera, nao produzo resuludo algum.
por ter a compaaWa recusado accei'ar o empres-
timo sem juros, aue Ihe conceda a mesma le.
Na ultima soosao da cmara dos deputados foi
approvada urna autorisacao, proposta pelos re-
presentantes desta provincia, para o governo tra-
tar com a companhia da mesma estrada, conforme
melhor entendesso, sobro o accroscmo do trein
rodan,e- 1 I A.
Em consequcncia, porem, di dissolue.io di re-
ferida caura fieou paralysada esta importante
providendE
Entretanto o material de transporto est se ar-
ruinando cada vez mais pela impossibidade de re-
parado devidamenle, vista do servico activo e
incessanle a que sujeito ; e sao continuadas as
queixas, que cora justica se fazeiu contra a demo-
ra nos transportes das mercadonas e passageiros
durante os uieze* da safra ; demora que tem sido
ineviuvel por-pai* da companhia.
Centre os accidentes havidos durante o anno,
dous tiveram consequencias fataes. Do primeiro,
aue. occorreu a l Je abril, no lugar Aramaragy,
resultou a morte ae engatador do trem de merca-
dorias, de nome Saturnino, que se achava no res-
pectivo carro de freios. que desencarrilbou. O se-
gundo, acontecido a 3 do mesmo moz, proveio de
ter o trem de nercadorias, na sua volta para a
villa do Cabo, esmagado na Emberttwira, um bo-
mera que se achava deitado sobre a lima. Amos
estes acetantes, verificeu se pelos -exames a qae
ae procedeu, q/k tinbam ido easoaes.
Segundo os termos do contrato era a empresa-
rio obrigado a ipreaedtar as plaataa, penis e or-
' camentos detalhado das obras al 33 de maio o
nno seguiute. Tendo sido, porem, esse contrato
modificado de conl'ormidado com a autorisacao
concedida pela lei n. 757 de 5 de julho de 1867, foi
aquello prazo prorogadJ at 7 de novembro ulti-
mo. Em data de 8 de marco do anno passado, re-
metteu de Londres o mencinalo einpiyzano o que
elle chamava plantas c orcanieutos do tramway
entre Frodioiras e Bezerros. Submeltklos esses
irabalho* io examc da direcloi a das obras publi-
cas, informou esta em 15 de jiiulio, que oconces
sionario nao havia cumplido integralmente as dis-
posiedea doart. 8 d3 contrato, pois tendo-se obli-
gado a apresentar as plaas, perlis, orcamento e-
talhado e descripao das obras para a conslruc^io
de una linha com a largura entre os trilhos igual
estrada de ferro de S. Francisco, e de outra que os
estudos mostrassem ser mais econmica e conve-
niente, apenas aprsente va a planta dos lugares,
um perfil longeiudinal, urna nota das despezas a
fazer-se e urna descripcao niuilo resumida dos lu-
gares por onde a estrada devia passar, sem nada
detalhar, como Ihecumprla; que, portanto, aolia-
va-se a directora na itnpossibldade de vennear
a exactidao do orcamento, tanto pela deficiencia
do perfil lougetudinal, como pela falta dos trans-
versaes, e igualmente des perfis das obras d arte,
notando, todava, erros no calculo e no custo das
obias oreadas, segundo o resumido orcamento ou
nota aprsentada, erros que infelizmente redunda
vam em prejuizo da provincia, elevando iacusto
dos trabalhos. Bemettdos todoa esses docume i-
tos ao engenheiro fiscal interino da estrada de
ferro do S. Francso, que foi tambein ouvido, en-
tendeu elle igualmente que os dados apresentados
pelo eoncessionario erm nsuflleientes nara que
se pudosse formar um juizo conveniente^obre o
cu-do da obra ; e apreciando ininucosamento as
verbas mencionadas no ligoiro orcamento apresen-
lado, demonstJti que em geral qram excessivos
os pi-.',m parciaes das o'iras, as quaes, entretanto,
nao so acham dcscriptas de mono que se possa
om exactidao determinar a sua cubaeao, ou o
valor da jarda linear.
Concluindo o sen extenso e imporiante traba-
iho, foi este engenheiro de offlniao que o governo
nao devia approvar as plantos e orcamentos olte-
recidos pelo eoncessionario, sem que este apresen-
lasse o. perfil trmmertaet, sem os quaes nao se
pode cottlucer o volunte evado patenos e escarn-
cues ; os tupos das obras d'arte (om descripcao mi-
nuciosa de toilas as suas partes ; o perfil da via
permanente, especificando asdimeiufies e o peso dos
disertos materiaes, que entran em sua composico;
e finalmente o prero de cada parcella das que en-
tram no complexo 'de c ida coba, ti
Subinetlida essa questao ao eonhecimento da
eomtnissao, que nomeei para examinar diversos
ramos da adminislracao provincial, oecupou-se el-
la largamente da materia, chogando afsua maioria
as seguintes conclusoes:
Ia Que se o contrato de 23 de mao de 1800 foi
oneroso provincia, as alteracoes de 7 de novem-
bro do anno seguiute requntaram-no de modo que
ser de grande inconveniencia para a pro-
vincia semelhante linha de tramway, c de mais
a mais a mais soiv'u de intorpecer o prolnga-
lo nio da estrada de S. Francisco, que deve ser o
desidertum de todos os Pernambucanos amantes
do seu torrad natal; visto como a primeira loco-
motiva que tocar is mareens daauelle rio. condo-
.zr o vapor que anteara as WO leguas Baqncllas
aguas, irazendo os innmeros productosjdas re-
gidos riboirinhas.
2J Quo os trabalhos apresentados polo eon-
cessionario, como cumplimento da segunda con-
dieao do seu contrato, nio podem ser aceitos co-
mo toes; ...
a 3' Que nao tendo o eoncessionario obtido dos
podere- do estado os favores de que trata o. art.
31, e sendo taes favores inprescindvcs, em vista-
dos arts. 7 c 21, para avalar-so os compromissos
da provincia para com a empreza, nao elle obr-
gatoro pelo disposto no mesmo art. 31;
41 Que, ainda pagando a provincia a indem-
nisacao de que trato o art. 32 do contrato, esto
nos nteresses della rescind-lo como lesivo aseus
interesses ;
i 5 Quo convem tratar logo da rescisao antes
que, se (acan novos estados graphicos para pre-
enchmento da condieao segunda do contrato,
visto como assm se pder allviar a provincia do
ncomportavel peso do contrato com dispendio
menor do que depois de feito esses novos estu-
dos, que darao lugar a maiores exigencias por par-
te do eoncessionario.
A minora da commissao pensando em sentido
contraro, mas reconhecendo a insufliciencia dos
dados apresentados pelo emprezario, foi de opi-
nio:
l" Que em visto dos pareceres dos engenhei-
ros cima citados, nao sejam approvados os planos
e orcamentos apresentados para a ostrada de ferro
de Frecheiras a Bezerros:
i.' Que se marque um novo prazo para a
apre^entacao de outros trabalhos que completen] os
referidos 'planos e orcamento.*, de conformidade
com a condieao segunda do contrato ;
3.a Que s depois da apresentacao d'esses no-
vos trabalhos, c calculado o verdadero custo das
obras, resol va o governo se deve mandar executa-
las, ou rescindir o contrato, sujeitando a provincia
as inde nni-acoes de que trata o art. 32 do mesmo
contrato.
A vista do que Oca exposto, entend nao dever
approvar os orcamentos e plautos apresentados
pelo eoncessionario.
Este, tendo eonhecimento dos pareceres, cujas
cooclusoes cima transcrevi, dirigi urna carta ao
Dr. Jos Bernardo Galvo Alcoforado, que por este
me foi aprsentada. ,
N'essa carta mostrava-se elle disposto, visto
das circumstancas financeiras da provincia e do
proposito em que pareca estar a presidencia, a
entrar com esta em uiu acord para a rescisao
do seu contrato, urna vez que a questo fosse tra-
tada com equdado e que se nao offerecesse objec-
coes technicas a um prompto ajuste.
Pondera alm disto o mesmo emprezario que o
contrato s trata de plantas c perfls ; dando as
plantos a direccao, o os pertis, os declives, estes
com os orcamentos ; sendo isto tudo quanto pode
o governo precisar aflm de achar-se habilitado
para resolver-se a construccao da referida estrada
ou nao vantojosa.
Entretanto est prompto a submclter a questo
a arbitramento de conformidade com art. 34
1.- do contrato.
E como a clausula previne a deeiso das diver-
gencias em -Londres, pide que a presidencia no-
meie o seu arbitro com toda a brevidade; pdenlo
as outras questes ser ao mesmo tempo resolvidas
por arbitramento ; dando-se poderes ao nosso mi-
nistro em Londres, como previsto no contrato,
atim de facilitor-se um accordo prompto e ami-
gavel.
Se, pelo contrario, r pela presidencia determi-
nada a exeeucao da linha, apresentar elle ento
as plantas com as competentes secc&es transver-
saes, sendo estas feitas quando a linha fr marca-
Ja para a exeeucao dos trabalhos pelos qpprei-
Entendendo eu que essa carta importava urna
proposta, sobro cujas bases poda-se chegar a um
accordo satisfactorio, ouvi do novo a tres dos mem
bros da commissao, que j linha tratado deste as-
sumpto, os Drs. Francisco do Reg Barros Barre-
to, Jos Mauricio Fernandos Pereira de Barros e
Manoel Buarque de Macodo, os quaes foram de pa-
recer que o melhor alvitre a seguir, afira de enca-
minhar a questao a urna solucao mi: conveniente
aos cofres provinciaes e a mais prudente, consis-
ta em exigir que o emprezario constitaa nosta ci-
dade um procurador, que, munido de poderes suf
flcientes, possa tratar com a presidencia sobre o
melhor modo de eflfe to, se esta feas* preferida ao seguinli iai obras.
Acceitaodo tal alvitre e dando eoabecimeato
d'eUe as eoncessionario pw intermedio, do mesmo
^Hfafcrado, aguardo qne seja constituido esse
proeura om que ce acna a
qudlSo, nao pdp ter esia umaaolucao completo
paraamh.is as partes, sem .|iieiireceaa ama lis-.
cussSo conveniente.
Jo caso de que o resal discussSo seja
a rescisao do contrato, dispon? os novos
trabalhos o esclarecimeiT eege-
ialiciros, podendo-se logo frar cm um acem-do.
N'este estado, pois, coiiviin esperar a resaosta
4o eoncessionario.
fVi'Itiaos urlKiuoa do Hecife a Apl-
pilt'O.S. I
joa regularmente esta empreza, *pae*eje
pertetlee a una companhia, cuja npprovariio ipen-
de de deeisso do governe imperiaL Toiusatisfeito
as eondiedes de prompto ti anspoifa em diversas
horas de da ; existindo-em servidas locomotivas,
sendo 2.l!e maii r forca e 2i carros, comprhen-
didos os de segunda classe, alm de 3 de carga.
Segundo informaron*, qa pude colhor a em-
preza aandou fazer varias obras na ponte sefcre o
rio Capibaribe, por onde passam os trens, eoflocan-
do novos esleios, com o que offerece ella seguran-
ca ; eoustruio offlcinas espacosas, que poeto ainda
nao concluidas, j prestom fervico; e espera o ma-
chinismo que mandn buscar para fazer cocjceclos
e obras que a conservaran dos carros e machltt
exige.
Pretende-igualmente elevar o pavimento te
da estacan da Recife, alim de po-lo ao nivel
ponte, para melhor faribdade na entrada e saluda
dos trens, mudando interiormente os trilhos, esta-
heleccndo plataformas ampias, e entradas de um e
outro lado da estacao para licar servindo estauui-
camentc para os passageiros e para armazem de
recolher carga.
Outras estacSes ha om diversos pontos da estra-
da |iara abrigo dos passageiros, unm construidas
de madeira, e outras de pctlra e cal?
A inundaro do rio Capibaribe
vereiro nao deteiioron a estrada se nao ligeira?
mente em alguns pontos. .
Onde ella maior damno soffreu fui no lugar de-
nominado Ponte de Ucha ; pelo que inter-
rompeu-se a passagem por alguns das at que se
fez urna ponte provisoria, que restabeleceu o tran-
sito.
A estrada tem curvas, que era conveniente sup-
primr ; mas como, na forma do contrato respec-
tivo, as despezas com is desapropriacijes dos ter-
renos devem correr por conta da provincia, no es-
dsse na
is mais
ente .o
Bcolhi-
collo-
; flearia a
estada, sendo une do opiniao
fortaleza das Cinco Pon
o lado d.i cidade, pareca JJ
Ivantamento do-referido edilicii
rquese o goverao imperl
car a establo da estrada na dita _
praca sem j^^^Bticnte para e movimento d
carros dos pafl ^M*> para o trafogo da linl
frrea.
Tomando em sderacao as ponderacoes de,
engenheiro flMHfesolvi fazor a cncesso solici-
tada pelo emprexario, additandoa clausula expres-
ada, a Je domolir-se, sem pedido do ndemnisa-
p dos oros provinciaes, o edificio projectado,
no caso de ser designada a fortaleza para estacao
central, e sobnietti tudo ao governo imperial, pe-
dndo una prompta suluriio a esso rospeito.
Esta nao se fez esperar, e foi-me declarado por
aviso de 82 d janeiio do corrente anno do minis-
terio da agricultura que poda manter a concessao
feita sem a clausula da demol rao, parecendo assm
decidir que a estacao cenUal da estrada de ferro
nao seria all construida.
Depois de eomeeadosos trabalhos da empreza.
recebi una repre-entoeo da caimra municipal
desta cidade. na qual expunha que, haveudo sido
a ptara das'Cinco Pontos cedida por ella ao insti-
tuto archeologico para ah levantar-se um monu-
iMcnto-, qne recordasse um dos feitos da historia
patria, nao pareca admissivel a applicacaj do
ttiesmo terreno para too diversos flns.
Quorendo tonweni consideraco o que pepre-
sentou a cmara, exig em i de marco ultimo que
ella me informasse: l." se para a concessao de
Sarte da praca ao instituto precedeu .approvayo
o governo, o quando lora ella dada, 2. se haviria
impossibilidade de licar no mesmo locar o monu-
mento projeciado, indicando, no caso afflrmatvo,
a praca quo fosse mais conveniente para levar-se
a efeito a idea patritica do instituto de perpetal-
os feitos dos antepassados, que ennobrecem a his-
no dia 8 do k-T'a nafi'ln;,,-
-v At agora nao recebi resposta do midha exi-
gencia.
Cumpre-me informar-vos de que por delibera-
fode 29 de outubro do anno passado decrare
que a prorogacao concedida por esta presidencia
em 30 de outubro de 187 Dar o comeco das
obras contratadas em 18 de aVembro do 186,',
comprehensiva do praso para Sua conclusao, c que
por isso este s terminara em junho de 1871.
(Conlin uar-se-ha).
PERNAMBUCO.
Hado actual do Atala prudente adiar esse me-
horamenlo para modior oceasiao.
Ilouve alguns sin/stros, mais devdos impru
dencia das victimas, do que a incuria dos empre-
gados dos trens.
O engenlioiro fiscal, que o chefe da repartico
das obras publicas, emprega-o necessaro zelo e
vigilunca para evitar esses e outros accidentes, e
com as providencias tomadas*) regulamento para
os trens d<; pa>sagoiros e os de cargas, esiiero que
se colhero reelhores resultados.
A vantagem d'este meio de transporte para os
ariabaldos da cidade incontestavel; e isto pro-
vado pelo rogressvo augmento de passageiros,
que tem tilo a empieza desde que se estabeleceq.
A companhia Ingleza, que tomou a si a propric-.
dade desta empreza por 4 50,000, que podem ser
elevada; a Sf? 100,000, natural quo procuro pro-
longar a estrada para outros pontos mencionados
no cotrato ; e assini proporcione maiores com-
modidades aos habitantes de lugares mais remotos
do centro.
Trilhos urbanos para Oliada e
Beberlbe.
Segundo as bases dadas as leis ns. 667 de 23 de
abril de 186!, e 737 de 17 de junho de 1867, con-
iratou esta presidencia com Andr do Abreu Porto
em 22 de julho do anno passado, a construccao de
nina linha de trilhos d'esto cidade para a de Oln-
da e povoaro de Beberibe.
Ainda nao se den comeco aos respectivos traba
Ihos, que hoje esto a cargo de urna companhia,
que foi incorporada pelo mesmo emprezario, e
cujos estatutos foram approvados,com algumas al-
teracoes, pelo govcrjjo imperial, por decreto n.
143 do 6 de marco prximo lindo.
Trilhos urbanos para Santo
' Amaro de laboato.
Tambem, em virtude da lei n. 765 de 11 de ju-
lho de 1867, contratou a presidencia com o Dr.
Bento Jos da Costa, em 6 de mao de 1868 a cons-
truccao de trilhos do ferro Anta cidade para a
referida povoaco.
Nao c comeearam por or os trabalhos, e cons-
ta que o emprezario organisa una cpmpauuia,
que ieo a efleito a conclusao c etea^la em-
pieza'; \i\ havendo graude numero do aedionistas
Inscriptos.
Pelo dito contrato licon a provincia obrigada a
subvencionar a empreza com a quantia de..,...
100:000000,em ciupo prestaces, para pagamento
da primeira das quaes consignou a le do orca-
mento vigente no 9. do art. 15 a somma d
20:0005000.
Theatro de Santa Isabel.
DtSflCHOS DA VIOK-rni;S!DKNCI\ DO DI.V 14 DE ABRIL
de 1869.
Antonio Joaqum Salgado.A camaraTmunci-
pa j providencio;! no sentido que o supplicante
pede.
Tenente Antonio Mara de Aranjo Informe o
Sr. coronel commandante superior interino da
guarda nacional deste municipio.
Alfere; Antonio da Silva Azevedo.Informe o
Sr. commandante sujierior intea/io.
Juvencio Aureliano da Cunha Cesar.Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Joaquina Mara da Concedan.Informe o Sr.
commandante superior interino
Bacharel Joaquim Francisco de Arruda.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de Gualda.
Manoel Simplicio Correa Leal.Informe o Sr.
director do arsenal de guerra.
Paes de Mello & CAguarde o supplicante a
deeiso do ministerio da guerra
Ulisses Justiniano de Oliveira.Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
DIARIO DE PERNAMBUCO
NOTICIAS DA EROPA.
nEClFE, 17 DR ABRIL DE 1869.
Chegou hontein o. vapor ingle/. Gladiator, pro-
cedente de Liverpool o Lisboa, adianlando dous
dias s noticias recebidas pelo Navarre, isto ,
trouxe jornaes de 29 e 30 do passado.
O Jornal do Commcrcio,' de Lisboa na sua
Bevista poltica, flescreve assim as oceurrencias
dos das 28 o 29:
t Segundo se annunca de Pars, pelo telegra-
pho, foram presos tres individuos, entre os quaes
se encontra Mr. Buda, em consequenca de tere
proferido no dia 2i, discursos sedidiosos as reu-
n ees publicas.
A apathia da bolsa de Pars, atlribuia-se prin-
cipalmente ao boato de haver o governo francez,
autorisado o descont do emprestimo.
Um artigo do Public, reconhece que a Hespa-
nha marcha sabiamente para urna solucao sem
desordem, sem unircbij, nem dictadura ; e o ar-
tigo conclue falcitand os ministros do governo
provisorio."e especialmente o general Serrano.
A proposito do boato que se espalhou n i bol-
sa de Pars, o de qae fallamos cima, vemos que
o Constitutionel o desmente, declarando que o go-
verno do Imperador nao admittir o descont nos
prasos marcados para o emprestimo.
t Accrescenta, aquello jornal, que o thesouro
nao carece de dinheiro
O Diario Official do imperio, annunca que o
Em vrtud 'das leis ns. 852 de 5 de junho o4 imperador Napolco, recebeu em audiencia de
anno passado, art. 16 2., e 751 de 4 de julho de
1867, art. i7 i li, foram reformados os contratos
celebrados com Antonio Jos Duarte Combra, e
Jos Amat para darctn espectculos dramticos e
lyricos no theatro de Sama Isabel, aqueile pelo
termo lavrado a 16 do julho do mesmo anno, e
esto pelo de 12 do dito inez do anno anterior.
Segundo informa a directora, os dous empreza-
ros leem cuniprido as respectivas obrgacoos, que
lnalisampara o primeiro a 31 de dezembro de
1870. e para o segundo om igual dia de 1871.
E' minha opiniao, que terminados esses contra-
tos, que acarretam despezas para os cofres pro-
vinciaes, o de nao pequea importancia, se nao
conceda mais subvencoes.
Nao faltorao sem duvida emprezarios, que, ce-
dendo^se-lhes gratuitamente o theatro procurcm
ilar representacoes que srvam de dsiraccao een-
tretenimento ao publico.
A directora mostra a neeessidade de construir-
se no fundo do edificio um barracan, ao qual sejam
recolhdos os movis e mais accessorios do theatro,
e baja um sallao destinado s pinturas, que se ti-
ver de fazer.
Entendoque por ora nao convm autonsar des-
pezas com essa eontruccao, que pode ser adiada,
limitando-se ellas smente ao strictamente inais-
peasavel para a conservacao do edQcip.
Por doliberacao de 2 de Janeiro determina que
as pessas, qu requeressem e obtivessom a con-
cessao de dar espectculo no theatro, pagassem a
ttulo de aluguel a quantia de 100, se os mesmos
espectculos se realizassem ao palco, e de 503, se
o asseui no sallao.
E' esto um meio. posto que em diminuta fcala,
de compensar do algum modo os dispendios, que
se fazem com reparos e mellioramento do edlcio.
lllunilaaeo publica.
O servido da empreza da illuminacao publica
desta capital faz-se actualmente com regularaade,
o que nao aconteceu durante os mezes de outubro
e novembro do anno p:issado : por isso foi r mes-
ma empraza mulladu na conformidade do art. 18
do c nitrato.
Essas irregularidades foram devidas a falta da
romessa de carvo de Inglaterra em pocas deter-
minadas.
As retortas estao em bom estado ; seu numero,
porm, muito diminuto ; e elevando-se conside-
ravelmente o consumo do gaz, nio poderio bastar
para todas as precizoes.
A qualidade de luz fornecida nao boa. o que o
engenheiro fiscal attribue ao miu estado dos puri-
(icadores, que nao funeciouam bem; alm de urna
cor um pouco vfrmeia da chamma, d'esta, se
desprende grande quandade de gazes estranhos
combusto, entre os quaes o acido sulphuroso,
que em pouco tempo ennegrece as molduras de
metal e os papis pintados di aposentos.
Quanto intensidade, cr-se geralmente que
equivalente a dez velas de spermacetti, quando nao
est amortecida a luz, o que succede algumas
vezos
i:mpreza de eagol e asaelo da
O coronel Antonio ?Jemes Netto, cesonario
d'esto empreza, hoje a cargo de urna companhia
organisada em landres cora a denominacao de
Recife compaa Drainage, cujos estatutos acham-se
dependentes de approvacao do fnverao imperial,
j deu comeco Is obra de (wnstruccao do edificio,
onde tem de funccionar a bomba de esgoto, assim
como ao assentamento dos canoaantre a ra Im-
perial e a estacao central da estrada de ferro do
Recife S. Francisco.
O local escoltado para levautamento d'aquelle
edificio, fui a praca das Cineo Pontas, e hia 'dar
pormissao para esse fim, con a clausula de-fiear
o emprezario, ou a companh. a por elle represen-
tada, na otorigacao de gradear o espaco compre-
hendido pelo mesmo edificio, nivelando-o e ajar-
dinando-o, quando o engenheiro fiscal da estrada
de ferro representou-nw quo, estondo pendente de
decsao do governo imperial a daugnacSo do lu-
gar onde devia edificarse aestaclo central da
despedida o Sr. Rangab, ministro plenipotenciario
da Grecia em Paris.
t Diz-se que o fim da viagem do cormnendador
Xigra, foi conseguir do seu governo, em nome do
governo do Imperador, que supprinisse no sup-
plemento do U\u> Verde, alguns desjachos relati-
vamente a questao romana, cuja pobliracao po-
deria pr judicar o governo fraucez durante us
eleiedes para deputados. O cominondador Nigra
j rgressou Pars, e assegura-se que cons-guiu
o seu fim, dopois de haver conferenciado com o
general Menabrca.
De Paris ecrtitkim, que o principe Napolco
pediu a presidencia do senado, e que o Imperador
nao pode aniiuir aos seus desejos, em presenca da
oppos^o dos senadores.
A noticia dada por alguns jornaes de haver a
rainha Isabel, sahido de ijaris para ir a Brdeos,
foi desmentida pela France; accrescenjando este
mesmo jornal quo aquella, princoza nao empre-
liendeu nenhuma viagem.
A_ Fra* ce alindo tambem ao boato de que D.
Carlos resolveu abandonar o papel de simples es-
pectador, para tomar parte aetiva nos aconteci-
mentos de Hespanha.
O Diario Official do imperio publica as novas
tabellas de correios, pasa as cartas que de Franca
se dfrijam ao ultramar, ou vice-versa, pelos vapo-
roeque salam de Lisboa. Na tabella faz se cons
deravel redcelo.
Durante o mez de abril deve ebegar a Paris o
vice-rei dj Kgypto, com o proposito, como ja dis-
semos, de convidar os soberanos da Europa para
a intnguraco do grande canal de Suez, cujos tra-
balhos est) muito adiantados.
Chegou a Paris, o gran-duque do-Wladmiro,
o qu vsitou o Imperador Napole >.
Segundo escreve a france, a questao franco-
belga est no mesmo estado, e accrescenta que o
governo de Bruxellas regeita a,uniao adnaneira
que a Franca propde, estando reblvido a nao au-
tohsar a cessao dos seus caminhos do ferro em-
presas francesas, y
Annunciam os jornaes que o ministro belga
dos negocios estrangoiros, Mr. Frene Orban, ira
proximamcnto a Paris, para tratar da questo pen-
dente entre a Franca e a Blgica : mas um tele-
gramma diz, que esta viagem-foi adiada por al-
guns dias, em quanto que o Constit-tionel, de-
clara, que se nao pode anda Usar com exactidao
a poca em qne chegar o representante nome n.o
pela Blgica para tratar do assumpto.
Di^em de Florenca que o re de Italia reco-
Iher aquella cidade, no da 31 do corrente, para
receber o general Mango encarregado pelo Impe-
rador d'Austria de comprimentar aquello sobe-
rano.
Os telegrammas annunciam urna entrevista
prxima entre o conde de Bismark e o baro de
Beust, com o proposito de se es'.reitarcm as rela-
coes entre a Prnssia e a Austria. A Nova Im-
prenta Livre, de Vienna, allude estes telegram-
mas.
t Em Berlm prodoxiajnu effeito entre o exer-
eito o artigo da nova lei aeitoral, que nao concede
o voto aos militares em actvidide de servico.
O rei Guilherme, da Prussia, visitou Mr. Goltz,
embaixador prussiano era Pars, cujo estado de
saude inspira serios recelos.
O conde de Bismark. nao obstante achar-se
enfermo e ser aconselhado pelos mdicos a deixar
os negocios, nao se suppunha sair de Bcrlim, du-
rante as festas da Paschoa.
Consta pelo cabo telegraphico de Nova-York,
que se achava gravemente enfermo Mr. Johnson,
Sae ha pouco oceupava a presidencia nos Estados
nidos, e corra mesmo n aquella cidade o boato
debaver cllef llecido. d
FaJJeoeu em Lisboa, o negociante Ignacio
Miguel Biak.
Entrara no porto ao dia 12 do passado, a
galera americana JVorto America, que fe de Ba-
iavia para Rotterdam, con carregamenU de asan-
car, couros, chumbo e ootros gneros tioloniaes
por haver aberto agua tu-altura do Lisboa, de tal
forma que nao pedia dar vendaxmto.
RKV1STA DIARIA.
ASSEMBLEA PllOVINCtAL.N sesso de hon-
tein a asseinbia' na ordem do da entrando em 1"
discusso o projecto n. 30 de 1868 que crea cade-
ras de ensino primario no lugar da Torre para
ambos os sexos ficqu adiado por se verificar nao
haver easa.
A ordem do da a mesma para a sesso de
hoje.
GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA.Hon-
tein, |iela$ H horas o niela'da manha, S. Exc.
dvina. o Sr. hispo diocosal, visitou este estelo-
cimento,^ sendo ah recebido por urna numerosa
commissao dos mumbros do conselho deliberativo
e da directora. B
PRONUNCIA.Pelo subdelgalo da frtguezia
da Boa-Vista foi pronunciado Antonio Marcello de
Andrade, o art. 207 do cdigo criminal, por quei-
xa de Jos Marlins do Kio Jnior.
CRIANCA MORTA.Amanheceu hontcm expos-
to, na porto da igreja do Rosario, do bairro da
Boa-Vista, um prvulo, fallecido de espasmo.
O EPISCOPADO BRASILEIROEm a nossa 8.a
pajina damos hoje um artigo do illustrado dioce-
sano do Para, o Exm. e Rvm. Sr. D. Antonio de
Macedor sobre o EpiscopaAlo brasileir e seus se-
minarios, em refntaco d'um discurso recitado
no seminario de Olinda, por oceasiao da abertura
das aulas. Chamamos para elle a attenc,o^ra-
blica.
SEMINARIO DE OLINDA.Pelo Rvm. Sr. Fran-
cisco Aniano de Souza Araujo, capelln da colo-
nia militar de Pimenteiras, foram enviados, ao
Rvm. reitor do seminario episcopal, lOOflOOO para
suas obras ; e pelo Sr. Bernardido da Silva Costa
Campos SOiOOO.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.O vapor Pa-
rahyba segu hoje as 3 horas da tarde para Ca-
maragibe e Macei, para onde ainda recbe carga
etc., conforme o annuncio da mesma companhia.
GRAVATA'.Desta povoaco nos escrevem :
Aqu chegou, a 28 do passado, o Bvm. arci-
preste visitador vigario Trajano Jos de Figueir-
do. sendo recebido com grande alegra pela po-
pulacao, que o foi buscar no passo da Guabiraba,
um quarto de legua distante, com msica e fo-
guetcs. No dia 29 abri elle chrisma, confir-
mando cm quatro das l.'i'l pessoas.
CNTICOS PARA O MEZ DE MARASobre
esse lvro, que os Srs, Lailhacar & C. acabam de
editar, enviain.nos o seguinte :
i Acha-se venda na lvraria franeeza, ra
do Crespo n. 9 nina interessante nbrinha com este
ltalo, impressa com nitidez e cuidado.
Tivemos j oceasiao de l-la e achamos que
indispensavel s familias, que costumam solemni-
sar o mez consagrado Mi de Deus e disvelada
advogada dos peccadores.
Catipoe-se de nina bella e eseolhda collec^o
de cnticos, mutos dos que costumam j ser can-
tados, o outros inteiramente novos, nao menos
bellos e apreciaveis.
Recommendando esta obrinha s nossas pias
leitoras, julgamos fazer um bom servico, pois alm
do ser recoinmendavel por sua materia, pode sor
offerecido como um bom presente a taas devotas
ila Virgem sem mancha.
RECTIFICACAO. Accedcndo ao pedido dos
estudantcs, moradores prximo da matriz da Boa
Vista, acerca dos quaes demos urna noticia em
nossa Revista de hontem, declaramos que ellos s
bricaram com um matulo, que por al passou,
vendendo fructas. Esperamos que esse? senhores
evitarlo zombar ainda mesmo com os pobres ma-
tutos, d'aqu em diante, para que nao sejamos
obrigados a voltar carga.
LOTERiA.=A quo se a ha a venda a 102.a a
beneficio da igr-ja-de S. Sebastin do Bonito, que
corre no dia 20 de corrente.
PASSAGEIROS. O lugar |rtuguez Julio,
entrado hontem de Lisboa, trouxe a seu bordo
para o nosso porto, os seguintes: Jos da Cruz
Rolo, e Jos de Olveira.
Trouxe tambem a seu bordo, o hiato brasi-
leo Deus te Guarde vindo do Ass, Joao Jos
de Carvalho.
CEM1TEBI0 PUBLICO.-Obtuaro do dia 11 do
corrente:
Luiz, Pernambuco, 2 meas, Boa-Vista ; ente-
rite. '
Joanna Francisca Maciel, Pernambuco, C3 an-
uos, vuva, S. Jos ; hepatite.
Petronila Mara da Conceico, Pernambuco, 45
anno, soNan, intente chronico.
Celestino, S. Paulo, 47 annos, solteiro, Boa-Vis-
ta ; pleumonia.
Leopoldo, Pernambuco, 18 mezes, S. Jos ;
febre.
Joanna Maria de Freitas, Pernambuco, 28 an-
nos, solteira, Recife, tubrculos pulmonares.
Constonca Maria da Silva, Pernambuco, 30 an-
nos, casada, Recife ; tysica tuberculosa.
Vicente Bazilio dos Santos, Pernambuco, 9 an-
nos, Ba-Vista angina membranosa.
Albina Alexandrina de Figueircdo, Purnambu-
co, 19 annos, solteiro, S Jos; catarro pulmonar.
15-
Mara, Pernambuco, 7 das, Boa-Vista : es-
pasmo.
Antonia, Pernambuco, 9 mezes, Boa-Vista ;
convulcoes.
Joo Vignes, Franca, 60 anno?, solteiro, Poco;
astrite operativos.
Eanarao, Pernambuco, anno e meio, S. Jos ;
ectica.
Mara; Pernambuco, 1 auno, Recife ; dentico.
Arthur, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio ;
gastrohepatite
em scena com toda a ponina o seu traba-
Ibo, pois bem conhecemos o^etore-e^nrcTO
que .emprega o Sr. Coimbra (faaodo apre-
senta ao publico tuna composicio nacional.
H.
Protectora das fami-
lias.
ias de prosperi-
tes emprezas
Capital
393a__3,868:675970
I4fjfi-----^173:425*920
5342-----8,042:101*890
Esta 1-soeiacao i-aminba
dade, nao sem os entra vea ii
grandiosas.
Contratos
Em 30 de junho' del
1868 tinha regis-V
trado.............)
Durante o semestre de
30-de junho a 31 de'
dezembro de 1868..
Estado dessa associa-1
cao em 31 de dezem-
bro de 1868..T......
O capital dessa ussoonco iluminado o con-
verte-se em apolices da divida publica nacional de
6 u/o- AVio se pode dar institor garanta. Se na
hipothese de quebrar o Brasil e que essa associa-
qao pode soffrer ; i una especie demonte po de
grande utilidade para as familias.
Para conseguir com toda seguranca o maior e
mais instante desidertum da vida do homem, que
crear para o luturo um capital certo e urna ren-
da infallivel, para si, seus lllhos o familias, bastara
(azer um calculo (cada alai conforme seus pro-
prios haveres) de que po dispr durante o pe-
rodo de cinco annos > signalaua (pie seja a quan-
tia ser esta dividida em duas classes de contratos,
um chamado contrato de capital o outro de renda.
Estes dous seguros deverao satisfazer-se em cinco
annuidades consecutivas, e depois de passados o*
cinco annos o contghuinte ficar livre do onus dos-
pagamentos das anparades subseqnentes.
Estas duas clasfes combinadas produzem resul-
tados maravilhosos para o futuro.
Por exeinplo, um pai que quizer formar para u
futuro um capital e urna renda vitalicia para cada
um de seos lilhos, conseguir este importante fin
dospendendo para cada um delles a quantia do
1:155:1, que se pagam da seguinte forma :
Direitos de entrada.. 155*
No primeiro anno___ 200*
segundo ..:. 200*
> terceiro ___ 200*
> quarto ..... 200*
> quinto > ___ 200*
Ter despendido no fim de cinco
annos a quantia de........... 1:155*
tendo creado para cada filho um capital para o fu-
turo, que conforme a Hade dos segurados ser de
til m mi ; a 47.000* e urna renda vitalicia de 100&
annuaes.
Adinittem-se contratos de maiores e menoro<
annuidades, sendo os lucros sempre proporcionaes
ao producto dos seguintes factores : o valor da
contribuicao, o risco de morte do segurado
e a duracao do contrato (art. 38 do regulamento).
Para effectuar as formalidades dos contractos
dirigir-se-ho ra do Livramento n. 19, a tratar
com o Sr. N. F. do Vital, encarregado pelo Banco
rural e liypothecario do Rio de Janeiro, que pre-
sentemente acha-se em commissao nesta provincia
Protectora das familias
Em cumprimento do prevenido no artigo 29 do
regulamento, se convida a todos os senhores con-
tribuimos desta assoriacio, que ainda nao tiverem
apresentado as certddes de idado dos segurados,
para que facam entrega dolas na ra do Livra-
mento n. 19, 1 andar, alim de ser expedidas o
mais breve possivel para a inspectora geral do
Rio de Janeiro. As certidoes devem ser selladas e
reconhecidas por tobellio. Recife 15 de Janeiro
de 1869.O representante,
N. F. de Vidal.
COMMERCIO.
rUBLICACOES A PEDIDO.
THEATRO.
Vai felzimente reapparecer na noite de
hoje rio nosso-Santa Isabel a grande e mag-
nifica tragedia Antonio Jos o poeta ou a
inquisigocomposicao soberba do nosso
lao Ilustre quanto conhecido poeta e phi-
losopho Dr. D. G. de Magalhes, esta tra-
gedia um dos mais primorosos traba-
lhos drammalicos; que sem desvirtuar a his-
toria, prima pela riqueza da lingoagem,
belleza da forma e energa da imaginaco.
Antonio Jos ahi est tal qual fra. Re-
signado sempre, o nobre poeta brasileiro,
victima do seu amor s musas e as lettras,
nao trepida um momento em arcar cora-
joso cora os furores d'esse tribunal de
sangue, chamado a iiiquisii.Ti.i, que por lar-
gos annos enlutou a humanidade e que in-
felizmente ser sempre urna udoa indele-
vel as paginas da historia da igreja catho-
lica.
Se em breve quadro e com cores anima-
das apresenta-nos o Dr.Tlagalhes a vida
angustiada do augusto Tliartyr, que l teve
seu lugar n'esse honroso morticinio, feito
em nome de urna religitt de amor de pai
e a que somente poz termo o frreo e po-
deroso braco do sempre lembrado marquez
do Pombal, com tosobeja verdade d-uos
Joaquim Augusto o vulto do poeta, que
ditficil de dizer-se a quem mais admiramos,
se ao nobre poeta autor, se ao luminoso
pharol da scena brasileira.
0 prazer, de que nos acharaos possuidos
pela reapparic5o d'este bello floro da li-
teratura patria, nos leva a darmos sinceros"
agradecimentos ao Sr. Coimbra, que justi-
ca Ihe seja feita, na actual quadra da sua
empreza, tem feito ubir a scena novos e
bonitos dramas, taeS'Como Colombo, Aime,
Nobreza e outros.
Sabemos que a empreza se prepara para
offerecer ao publico entre outros dramas o
afamadoLzaro o pastor e as tres ligri-
mas do Dr. Tavora, rao?o de estudo e ta-
lento. 0 seu lugar distinelo na repubui
das lettras, faz-nos cbnceber a espera
de que o seu drama ser mais um orna-1
ment da lilteratura nacioul. A decora-
c&>, quo diz respeito as Tres lagrima ,
oaTpendfett, segando nos informam ; mas
isto ni) ronbar 10 autor o prazer de ver
blia
anr^
PRACA DO RECIFE 16 DE ABRIL
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Assucar americano purgado = 3600 por arroba
(hoatein).
Dito americano purgado 35300 por arroba
(hontem).
Assucar Canal purgado=3100 por arroba (hon-
tem).
Algodao de Pernambuco sem inspeccao 16|200
por arroba.
Algodao da Parahyba 1J sorte184000 por arroba
posto bordo a frete do 5/8 e 3 0/0 (hontem o
hoie).
Cambio sobre Londres 90 d/v 18 3/4 c 18 7/8-
d. por lOOO
Cambio sobre Portugal60 d/v 180 0/0 de premio
F. J. Siiveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ENGLISH BANK .
O Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da praca i Laxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principacs da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
lilil]
THE0D0R0 SIMN &C.
Comprara
Libras esterlinas
Moedas de ouro...) Nacior.acs e estrart-
< prata..) geiros
Cdulas do governo)
de ida 103....)
Cdulas do banco do)
Brasil e das caixas)
ftliaes.........)
Largo do Corpo Santo
n. 21.
GASA DE CAMBIO
Theodoro Simn & C.
Vend*?
Libras sterlinas 13iJ600v
Ouro nacional e estrangeiro a 53 1/2 o/0 do-
premio.
Sedulas do governo de 1 a 500O
Largo do Corpo Santo 21
BANCO MAUA & C.
Roa do Trapiche a. 34.
Desconla lettras co nmerciaesa Usa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vancional, por lettras e em conta torrente.
Confere crditos, saca sobre as primeiras
pravas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pravas. _.
Encarrega-se, por oowws&a, i com-
pra e venda de fundo* pblicos e accSes de
oorapanhias, da oobranca de lettra e di-
videndoa ou de sen pagamento, o de traal
quer ootra operaco bancaria.
P^^^Biente para o publico comecar
s 10 boni da raanha, e terminar s 4
horas da tarde de todos os dias atis.
Vk
.
.
>.


Diario de Pernarabuco
Sabbadb 17 _______i-------------------------------------------------------------------
.Abril de 18W.
ALFANDRGA.
nto do dia 1 ;, l.'i. .
ii di' dia 10......
'72/372
6S:9f9*#l
;;MrS
*M0VIMENT0 DA ALFANDEGA
Volume entrados com fuendas
dem dem com genero
VolumrosaBI
dem dem
^ora fazendas
com gneros
84
264
-----348
148
533
----- 679
Doscarregam hoje 17 de abril.
Barca nglezaBonocJtan mercadorias.
Barca frocezaSolidedem.
Escuna norte-allemaaInunanurt forro.
Brigue inglezltF. Bp//canos de ferro
Barca portuguezaNoca Sympathiadiversos g-
neros.
Barca portnguezaPere/ri forgts-Aom.
Barca inglejaBloomn carvao.
Barca ingliLerantdem.
Barca francezaZf/i/v vinhos.
Barca 'Xn^tn/amlnngene carvao..
Barca ingtezaCarioca idem.
Vapor inglezQladiatarmercadorias.. .
RECEBEDORIA BE H EXIJAS INTERNAS CE-
RAES" DE I'F.HNAMBUCO.
Rendimcnto de dia 1 a lo. 23:88037*7
dem do dia 16
78M1W-
2G-.CGJ890
CONSULADO PROVINCIAL
Rend mento'do dia 1 a 15.
dem do dia I (i
46:632*461
9:483A33i
56
135*718
MOVIMIENTO DO PORTO.
Navios entrados no da 16.
Lisboa21 dia?, lugar portuguez Julio, de 277
toneladas, capitao Joao de Barros, equipagem
13, carga vinho e ontros gneros; a Thomaz de
Aquino Fonseca & C.
Liverpool por Lisboa22 dias do primero porto
e 16 do segundo, vapor inglez Gladiator, de 459
toneladas, eommandanie John Reinolds, equipa-
gem 28. carga farmha e outros gneros; a Tho-
maz Jeftenes & C.
Ass7 dias, hiate brasileiro Dem t Guarde, de
9C toneladas, capilio Manoel Caelano da Costa,
equipagem 7, carga sal e cera de carnauba ; a
Barthoomeu Lourengo.
l'cnedo e portes inienncdios5 c meio dias, vapor
nacional ParahijUa, de 104 toneladas, coniman-
dante Mello, eqnipagem 16, em lastro ; a compa-
nbia Pernambucana. '
Naviot saludos *o mesmo dia.
FaliuouthPatacho hollandez Catharina, capitao
G. S. Barkker, com a mesma carga que trouxe
de Marn.
Bio de JaneiroEscuna norte-allemaa Elese. capi-
tao P. Svarref, carga assucar.
OECLABACOES.
Manta C:i5 da Misericordia do
liedle
Pola secieBri da Santa Casa de Misericordia
do Recite se^fz publico que Ilfma. junta admi-
nistrativa em sessao de 8 do firrente resol veu que
fossem convidadlos os prente dot arphaos em se-
guida declarados para virem reqaerer a presiden-
cia a sua retirada do mesa eolfegio, visto que ja
tendo completado a idade de* 14' annos nao podem
all continuar como dispSe o respectivo regula-
monto.
Francisco Pereira do Araujo, protegido do viga-
rio CamiUo de Mendonca Furlado.
Antonio Bezerra de Mello, sobrinho de Francisco
Hibeiro da Silva.
Manoel Felippe de Souza Magaihaes, filho de
Thereza Febronia Estoves Al ves.
Francisco Antonio do Monte.
Antonio Leocadio do Reg Barros, filho de Ignez
Marta do Mello Reg.
Joaquim Candido da Silveira, filho de Maria da
da Gloria Silveira.
Laurtndo Fortunato de Menezes Lyra, filho de
Gerlruaes Lou renca de Araujo.
Secretaria da Sania Casa de Misericordia do
Recito 9 do abril de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
O administrador da rucebedoria do rendas
internas geraes faz publico que ueste corrente mez
e no de maio prximo futuro, visto eslarem con-
cluidos os lancamentos, e que os devedores do
imposto pessoal, relativo ao exercicio corrente de
1868 a 1859, residente- as freguezias do Recife,
Santo Antonio, Altogados, Poco da Panella, VSrsea,
S. Lourenco da Matta, S. Amaro de Jaboatao, e
Muiibeca/teem de paga-lo, livre da mulla de 6 0/0
o com ella depo's do referido prnzo.
Becebedoria de Pernanibuco 3 do Abril de 1859.
Manoel Ca/neirode So iza Lacerda.
s, frades, familiares do santo offlrio.
" lugar ctaLisin'a,em 1705.
i peto Sr.
Jwm e CacMmbo.
iam parte os Srs.Jordan. Flormdo
e a Sra. Apolonia.
Principiar ai 8 horas.
Domingo 18 4 t abril.
Segunda represenlacao do impnrtantissimo
muito applaudido drama em 4 actos, intitulado
HISTORIA
DE
1-2
EDITAES.
t.x tteccao. Secretarla do go-
veroo de Pernamoiico IO de
abril de 1O.
Pela secretaria do governo se convida aos senho-
res: Dr. Manoel Innocencio Pires de Figueiredo
Catnargo. Luiz da Silva Gusmao, capitaa Joao
Ferreira Villela, Evaristo Velloso d* Silveira, Joao
Baptista do Amaral e major Vicente Ferreira Pc-
diloa Calumby, a irem ou mandarem a adminis-
tracao do enrreio pagar o porte de seus requeri-
inelos para que possam seguir para a corte.
O secretario,
Dr. Joaqnim Crrela de Araujo.
~ O Mu. Sr. Inspector da thesouraria de fa-
zenda desla provincia, manda fazer publico que
tem marcado o dia 4 de ma o (iroximo vindouro,
para o concurso que se tem de abrir nesta mesma
thesouraria para preenchimento das vagas de pra-
ticantes existentes nesta repartiejio, na alfandega e
na recebedoria.
Os exames versarlo, sobre as materias de que
trata o l* do art. do decreto n. 3,Hi de 27 de
junho de 1863, a saber, leitura, analyse grammati-
cal e orthographia, arithmetica e suas applicaQoes
ao commercio, com especialidade a reduccao de
inoedas, |iesos c medidas, calculo de descont, ju-
ros simples e compostos, Ibeoria de cambio e suas
appcacoes.
Os concurrentes devero previamente apresen-
tar seus requerimentos instruidos de documentos
que proTf-m idade completa de 18 annos, isencao
do art. 3o do decreto n. 2,549 de 1 i de marco de
1860.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambnco, 27 de marco do 1869.
O official-maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
Pela secretaria da Sania Casa da Misericordia
do Recife se faz publico, que nos autos de execu
rao que a mesma Santa Casa cncaminha pelo juizo
municipal da 1* vara escrivao Baptista, contra
Felippe Mena Callado da Fonseca e seus filhos e
netos para haver o sitio denominado cruz das al-
mas matinha na freguezia da Boa-vista foram pro-
feridos os seguintcs acordaos.
Acordao em relacao etc. Que vistos e expos-
los c-jtes autos confirmam a sentenca appellada;
com declarafao, porm, que o valor a dar ao alu-
guel e mais rendas da sitio para que se proceda a
liquidacao determinada na sentenca deve ser re-
gulada "pelo estado actual, que tem tacs cousas.
l'agucm as cusas os appellantes. Recife 12 de
julno de 1839.
< Acordao em relacao etc. Que vistos e rela-
tados os autos, despresam os embargos quer os de
folhas 285, quer os. de folhas 289, com-dfclaracao
porm, que a renda do sitio ser feita e calculada
segundo o valor actual sem altencTto as bemfeiio-
rias das quaes serlo somente liquidadas as que fo-
ram uteis e necessarias. Por tanto, e o mais dos
autos, faca o acorda livre-transito pela chncela
ria. Paguem as cusas os appellanles e Jappella
dos na divida proporcao. Recife 10 de marc,o de
1863. -
t A vista destas decisoes qac passaram em jul-
Sdo, nao ha mis razo de ser, para os oxecula-
os conservarem a posse do sitio, e se a conser-
vara 6 porque Santa Casa deseja tomar posse do
inesmo sitio no acto em que receber a renda, que
dever ser compensada com as bemfeitorias uteis
necessarias, para o que teem de ser avahadas as
mcsmas bemfeitorias, e a isto se tem opposto o
executado Mena-Callado, sem duvida par? estar
na posse do sitio ; posse que nao d dirnio a ne-
nhnm dos ejecutados para arrendar o menciona-
do sitio "ou fazer outro qualnuer contrato.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 5 de abril de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Perante a cmara municipal tl.esta cidas
de estar em praca nos dias i, 19 e 2
do corrente, para ser arrematada por quem
menor preco olerecer, a obra dos repa-
ros do aterro da estrada, que da ra Im-
perial ai ter a Cabanga, oreada na quantia
de BUsOO quem pretender arrematar essa
obra compareca nos indicados dias, no pa-
ro municipal, munido de flanea idnea.
O orraniento da dita obra acha-sc na se-
cretaria da mesma cmara, onde ser apre-
sentado aos que o quizerem consultar.
Paco da cmara municipal do Recife,
de abril de 1869.
Ignacio Joaqnim de Souza Leo.
Pro-presidente
Francisco Canuto Ba-Yiagem
secretario..-
Santa Casa da Misericordia" do
Recife
Pela secretaria da Santa Casa da Misericordia d
Recife se faz publico que o Illm Sr. thesourciro
eommemladdr Jos Pires Ferreira, no salao da casa
(lis expostos, as 9 horas da manbaa do dia 20 do
corrente, far pagamento do quartel de Janeiro
marco s amas que comparecerem, trazendo as
enancas que Ibes foram confiadas, nao o fazend >
aquellas que n5n trouxerem os mesmos menores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 11 de abril de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Soaza
CASA DE CAMBIO
Teodoro Simn & G.
Compram e vendem por conta propria
melaes, moedas nacionaes e estrangeiras,
letras de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontara letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alucia das mes-
mas transacc&es, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
O inspector interino da alfandega faz publi-
co a quem inleressar possa, que o praso marcado
para a realisacao do contrato para o concert do
tecto da sala da abertura da mesma reparticao,
como foi' annunciado em edital de 10 do corrente,
lica espassado para o da 19.
Alfandega 4e Pernambuco 15 de abril de 1869.
O inspector interino,
________________L. de C. Paes de Andradc.
Santa Casa da Misericordia
doEecife.
A Illm1 junta administrativa precisa contratar
com quem maiores vantagens ofTerecer e> forneci-
niento de carnes verdes que precisarem os esta-
beleeimentos a scu cargo nos uiezes de maio c ju-
nho viudouros.
Secretaria da Sania Casa de Misericordia do Re-
cife, 16 de abril de 1869.
O escrivao,
Prtfro Rodrigues de Souza.
UMA MOQA RICA.,
Dar flu ao espectculo a sempre applaudida
comedia em 1 acto
O recrutamento na roqa.
O papel de sargento Ferrabraz desempenhado
pelo Sr. Martinbo que dansar'com as Sras. Apo-
lonia e Carolina.
0 luudim de mon-roy.
- Comecar as 8 horas.
. THEW
Grymnasio Campestre
ASSOCIACO ARTSTICA
Domingo 18 de abril
1" recita da assignatura, promovida, espontanea
e cavalheirosamente, pelo iHlistrado corpo acad-
mico, com o concurso da distiucla classe conimej;-
cial; no intuito de coadjnvarem a assoeia^ao ar-
tstica deste theatro.
Representar-se-ha, pela primelra vez. o ma
fleo mama em 3 actos, ornado de msica, io'
lado:
HITO
or
OS MERINOS D ALDEIA
Personagens. Actores.
Conde de Castelli......... Sr. De-Giovanm.
Roland, mordoino........: Silva.
Gervasio, um dos princi-
paes habitautes d'Olival. Braga.
Paulo )................ D. Jesuina.
>mancebos abandonados.
Justino)................ D. Bernardina. -
Jacquinet, sobrinho de Ger-
vasio.................. Sr. P. Augusto.
Baroneza de Castelli...... D. Olympia.
Marcolina, rendeira d'Oli-
val.................... D. Joaquina.
Luiza, filha da dita........ A joven Henriqueta.
Io soldado............... Sr. P. Montara.
2o dito.................. Emiliano.
Io camponez............. Serian.
2n dito................... Henrique.
3o dito..............___ Oliveira.
A scena passa-se na aldeia d'Olival, na Pro ren-
ca, no auno de 1645.
A poesa dos coros foi composta pelo Sr. De-
Giovanni e a msica pelo Sr. Colas Filho.
Terminar o divertimento com a espirituosa co-
media em um acto, ornada de msica, denomi-
nada :
Tomara parte a Sra. D. Jesuina e os Srs. Pedro
Montara, Silva e De-Giovanm.
A msica desla comedia, excepcao de um nu-
mero original da Sra. D. Jesuina e a instrumen-
tadlo do Sr. Colas Filho.
Por justos motivos, nao pode realisar-se hoje, a
a primelra recita de assignatura, como 'se ac-hava
annunciada.
COPAllt BMILE1RA
Paquetes a vapor.
Dos poitos to sul agorado
at o dia 22 do corrente o
conimandante o-]iraeiro
lente P. M. Duarte. o pial de-
poii da demora do costume se-
guir para os jiortos do notte.
Desde ja recebem-sc passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no'dia de sua.ch*gada. Encommen-
das e dinbeiro relateas li:*s horas do dia da
sua sahida.
Nao se recebem como encommendas sono ob-
leclos de |wx]ueno valor e que nao excedan! a i
arrobas de pe*t ou 8 palmos mbicos de medicao.
Tudo que pautar destes limites dever sor embar-
cado como enrga.
Previnu-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gene s se recebem na agencio; roa da Gru n. 57.
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
Lisboa
Segne com brevniade a barca porfuguza Perei-
ra Borges por ter parte da sua carga prompta :
para o restante e passageiros, trata se- coinOlivei-
ra, Filhos & C, largo do Corpo Santo gf 19.
3. m. a Itea-viagen
Sao convidados s irmrios da"mSsa para coaipa-
receram n domingo, 18 do corrente, no consisto-
rio da respectiva igreja, aflm de dar posse a nova
me a.
GOMPANH1A PEUSAMBUCANA
DE
Xavesnco eo^eira por vapor.
Eamaragibe em "dreitura e Maceio.
O tapor Parehglia, coiranandan-
te Mello, seguir para os portes ci-
ma no dia 17 do corrente as 3 horas
a tarde. Recebe carga, encommendas, passa-
geiros e dinheiro a fretc" al a 1 hora da tarde
do dia da sabida no escriptorio do Forte do Mat-
los d. 12.
LEILOES.
LE1L0
d 1 mesa redonda de Jacaranda, 2 consoles, 2
cadenas de mngno; 1 sof de amarollo, 1-banca
de dito, 1 estante, 2 rastieaes de vidro, 2 ditos
de bronze, I \r.w di? jarros, 1 jarro grande de
mnrtWre, 1 sof de Jacaranda usado, 3 cadeTras
velha, zramos de llores, 1 commoda deangico,
1 banquinha, 1 mesa de jantar, 1 Kuatorio, 1
mesa redonda. a
CORDEIRO S1MOES
A requtrimenio do carador fiscal da massn fal-
Irtla de Thomaz de Figueiredo c por mandado do
Ulm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio, far lei-
lao dos trastes cima dito.
Segunda-feira 19 do corrente as 11 horas
Na casa do depositario gcral, ra do Imperador
.3, andar terreo.________________________
LEIIo
de dous carros de pattsel eoni
COMPANHIA PEHNAMUCANA % **** C*llS **"* 8
Wavegacao eostelra por vapor. Segunda-feira 19 de abril as I i horas em
AVISO
Depois do espectculo partir do Caldereiro
para o Recife um trem especial, em cujo te rao
passagem gratis, os senhores assignantes do thea-
tro.
N. B^A representacao principiar s 7 horas
horas em ponto, alim de terminar pouco depois
das 10 horas.
O resto dos bjlbctea de platea acha-se no escrip-
torio do tlieatro.
N. B.-O especjaenlo principiar s 7 horas em
ponto, alim de terminar pouco depois Has 10 ho-
ras.
Mamanguape.
O vapor Coruripe, commandante Penna, seguir
para o porto cima no dia 28 do corrente as C
turas da tarde, receb carga, encommendas, pas-
sageus c dinheiro a frote at as 3 horas da tarde
do dia da sahida no escriptorio do Forte do Matos
n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
DE
Mavegaco costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Macio, Mossor, Ara.
caty, Car, Acarac e Granja.
O vapor Ipojuca, commandante
Martin?, seguir para os portes cima
. no dia 30 do corrente as 5 horas
da tarde. Recebe carga at o dia 29, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a fnete at as
t horas da tardo do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12. .
Parado Porto
vai seguir com muita brevidade a barca tortugue-
zo Saphira por estar quasi carregada : para o
resto e pas rios T. de Aquino Fonseca & C, ra do Yigario n.
19, Io andar.
Devogdo dabenhora Sant'Atina,
erecta ro eonvento de S. Fran-
. cisco.
Bh ordem do nosso irmSo juiz, convido a todos
os nossos irmos comparWiein domingo, 18 d>
corrente, as 10 horas, para discutamos o appro-
vairaoe o-nessq compromisso..
Seerefariada devocao da Seniora Sant'Anna, no
convento dcS. Francisco em lude abril de 1809.
Manoel da Silva Fialln.
Secretario.__________
abaixo asslgado, tendo UM o aviso que
no Ttinrio de Pernambuco de bontem (16) fez, con-
tra elle, publicar Jos .Maria de Castro, limita-se,
por ora, a responder que, en lempo competente,
usos do recurso que a le flin concede, ckaman-
do;>jiVi quelle individuo, pela incuria que con-
ten o dito annuncio.
Jo^s Jnjnim Castro Moura.
Ama
Na ra ta Cruz, no Recife, n. 4"i, i- andar, fre-
cisa-se de urna ama de leiic- sem/ilho.
Afilii.
Baha
Impreterivelmente nestes poucos dias salie o pa-
Ihabote Garibaldi para a Babia : para carga Ira-
ta-sc com o capitao Custodio Jos Vianua, ou no
escriptorio de Tasso Irmos.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Kavegaeo costeira
Porto de Gallinhas, Rio
Tamandar.
por vapor.
Formoso e
dinheiro a frete
tos n. 12.
O vapor Mamanguape, com-
mandante Oliveira, seguir' para
os portes cima no dia 20 do cor-
rente a meia noite. Recebe car-
ga, encommenda-." passageiros e
no escriptorio do Forte do Mat-
COMPANHIA BRAUIA
DE
THEATRO
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DE
isaaalf a 3(D]i)iBi3^
9- RECITA DA ASSIGXATURA.
wabhado 13 de abril de 186.
Representa-se a tragedia brasileira em 5 actos
do Exm. Sr. Dr. Goncalves de Magaihaes.
ANTONIO JOS
OU
O poeta e a Inquisicao
OALCACAR
Ra nova de Santa Rita n. 1
Sabbado 17 do corrente ter lugar um sump-
tuoso Baile em beneficio de um artista pernainbn-
cano, o qunl satisfar os deleitantes nos interval-
los, cantando diversas modas acompanliadas a
piano. O qual esjwra ter grande concorrencia,
afim de (|ue tire algumas -portlas de benevoleni
cia do respeiavel publico desta capital. Ser cura
prido o regulamcnto policial.
Caf, concert commercial
Domingo 18
s tres horas em pouto tocar a msica versas
symphonias, e aof intervallos tocar o piano di-
versas pecas c acompanhar diversas modas can-
tadas por"muitos apreciadores do bom gosto. Os
concorrentcs acbarao o bom caf, o bom lanch e
boas bebidas, etc. etc., os senhores assignantes que
quizerem levar alguin convidado podem mandar
ao Alcacar pedir um iugrusso. O^ivrtiincnto
principiar s 3 horas c iinalisa s o e meia da
tarde. Entradas geraes para cavalhoiros 500, se-
nhoras s entrara tendo cartao de convite ou com
algum socio.
Paquetes a vapor.
Dos portes do norte c esperado
at. e da 28 do corrente o vapor
Paran, commandante o capitao
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do costume seguir para os do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinheiro a'frete at o dia da sua sahida as 2
horas.
fio se recebem como encommendas senao ob-
)ectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa- i
gens s se recebem na agencia na da Crui n. 57.
! andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
Para Lisboa
O patacho portu?uez Mara, capitao Pedro Mar-
tins Branco, vai sahir com brevidade ; para carga
e passageiros; trata-se com E. B. Rabello, ra do
Commercio n. 44.
ponto.
O agente Pinto far leilo precedida a runoeten-
te autorisacao, de. drnis carros e tres carados, exis-
tentes na caxoeira da ra do Imperador n. 11,
aonde se elTectuar o leilo as 11 horas do dia
cima dito.
Em continuaco vender-se-ha um cabriole! de
duas rodas. ,____________
"LEILO
De eaixas com velas stea-
riiias.
Segunda-feira 19 do corrente.
O agente Pestaa far leilo por conta e risco
de quem pertencer de iO eaixas com velas stea-
rinas em um ou mais lotes arrematada no dia se-
gunda-feira 19 do corrente as 11 horas da ma>-
nhaa no armazem do Sr. Azevedo, no largo da
escadinha da aifandega._________________^_
LERAO
De urna grande casa de campo sita a Ponte
deUcha n. 17.
O agente Puntual vender em leilo a casa ci-
ma, junto a estacao dos trilhos urbanos, que a
entrada da ponte da Torre, com os commodos se-
guintes : grande sala de visita estucada, dita para
jantar, seis grandes guarios, cozinha, um ierraco
alraz da mesma de 40 palmos (coberto), fura da
casa 3 quarlos, cocheira, deposito d'agna do Pra-
ta, um tanque demarmore para banhos, um dito
para lavagem de roupa, sendo'o sitio plantado e
tendo 400 palmos de fundo divulindo com o rio.
Os Srs. licitantes podero examinir a dita casa
e concorrerem ao leilo.
TERCA-FEIRA 20 DO CORRENTE
No 1 andar do sobrado n. 62, a ra da Cruz as
11 horas.
Precisa-se de una ama para todo o servico de
duas |>essoas : na ra Formosa n. C.
Francisco Moreira Pinte Barbosa vai Por-
tugal, levando em sua companhia sua mulher,
dous filhos c urna criada ; c deixa como seus bas-
tantes procuradores, durante o tempo de sua au-
sencia, em 1" lugar sen socio o Sr. Frannseo do-
Sanios Macedo, em2" o Sr. Joao Pereira Monteiro,
e em 3o o Sr. Antonio Baptista Xogucira.
Precisa-se de nina ama com leito i na rea
do BrniH ii. 65, largo do cliafariz.____________
Fugio do engenho Guararapcs um mulato de
nome Alfonso, alto, olhos amortecidos, cor bastan-
te retinta, |is grandes e chatos, vestido de calca
de brim branco e camisa branca, o qual j tem
sido visto aqui no Recife : pdese aos capitaes de
campo que o peguera e levem travessa do Quei-
mado n. 3, ou ao referido engenho, que se recom-
pensar generosamente. __________
ai
Fugio do engenho Campo Alegre, comarca de
Santo Antao, um escrave, natural do Brejo da Ma-
dre de Dos, de cor preta, cheio do corpo, ps bem
feitos, falta de tres denles na frente, pouca barba,
e altura regular, levou vestido calca branca, ca-
misa de algodo c chapeo do couro," falla pouco e
devaneado : roga-se as autoridades policiaes e
capitaes de campo o apprehendam e levem ao dito
cngenb, ou ao Recife, ra do Livramento n. 80,
cpie sent recompensados. ^^________
Precisa-se de urna ama
33, 21 andar.
Ama
na ra do Vigario n.
LEILO
De dividas na importancia de
3:IO.V*3'.
O agente Martins far leilo por autorisacao dos
procuradores dos herdeiros de Joaquim Francisco
da Silva Coelho das dividas activas pertencentes
ao espolio do mesmo Coelho na importancia de
7:1055729.
Terca- feira 20 do corrente.
No armazem da ra do Imperador n. 16, as 11
horas do dia.
De diversas obras de ouro e prata, urna porcao
de tijolos de alvenaria grossa e batida, cal pre-
ta e de Lisboa, epxaiueis, caibros, rip is, solei-
ras de pedra, "bancos para marcineiro, ferra-
menta, diversos movis velhos e dividas activas
na importancia de 2:777930.
Quarta-feira 21 do corrente.
O agente Martins far leilo a requerimento do
testaraenteiro do fallecido Joao Antonio Peres de
Moura e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de or-
phaos das dividas o objectos cima pertencentes
ao espolio do dito Moura. No Camlnho Novo ra
da Esperanca n. 37, as 11 horas do dia, onde tera
lugar o leilo.
Sitio ou engenho
Precisase arrendar um sitio que seja muito
grande de terreas, ou um engenho perto de em-
barque por agoa ou por trra : a tratar na ra
dos Prazeres n. 16^________________________
Julio dos Santos Pereira tendo seguido para
o sul a negocio de sen interesse, deixa como sen
procurador at sua volta o Sr. major Joaquim de
Alhuquerque Mello, _____________________
Precisa-se alugar um meleque ou um preto
de mior idade para distribuir pao e bolacha : a
tratar no pateo do Terco n. 63. ______
Manoel Cavalcanti de Alhuquerque e S,_do
engenho Campo Alegre, comarca de Sanio Antao,
faz seiente a quem possuir urna letra de seu acei-
te, vencida houtera 15 do correnteUez, para apre-
senta-la no dito engenho, ou no Recife em casa de
Correia & C, ra do Livramento n. 20, que sera
proinptamcnte paga ; e desde j se declara nao
pagar os juros que a mesma for vencendo.
AVISOS DIVERSOS.
AVISOS MARTIMOS.
Antonio Jos da aw7
Fr. Gil, dominicano
O conde de riceira
Um criado ' Marianna (actriz) .
Lacia ....
INAGKXS.
Sr. J. Augusto.
< Brochado.
. C. Rocha.
Florindo.
Sra. M. Velluti.
. Clelia.
Bio de Janeiro
Para o indicado, porto segu com mujla.' brevi-
dade o veleiro e bem conhecido brigue Adelaide.
por ter a maior part do carregamento Inalado ; e4
para o resto que Ihe taita n escravos ttffrete, tra-
la-sc com o consigndfai .Joaquim Jos Goncalves
lleltro, ama do Trafiicbe n. 17,
Para o Porto com escala por
Lisboa.
Seguir em poucos dias para os portes indica-
dos a barca porlugueza Humildad;por tera maior
parte da carga prompta ; para o resto que lhe
falta e passageiros, que encontraro excellenles
commodos : trata-se com os consgnatelos Mar-
ques Barros & C, no largo do Corpo Sanio n. 6,
segundo andar ou com o capitao Carlos Ferreira
Soares, a bordo.
COMPANHIA PERNAMBUCANA .
DE
Mavegaco costeira por vapor.
Macei em direitura e Penedo.
O vapor Jaguaribe, commandante Moura, segui-
r para os portes cima no dia 22 do corrente.
Recebe carga at o dia 21 as 3 horas da tarde,
encommendas, passageiros e dinheiro a frete at
as 2 horas da tarde do dia da sahida no escrip-
torio do Forte do Matosa 12.. ____
------------- iT~,------~T-
Rio e Janeiro
Segu ctn muita brevidade para o porto cima
a escuna dinamarquea Elise, tem a maior parte
do seu carregamen o engsjado : para o resto que
lhe taita trata- com Amonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C. ra da Cruz n. 57, Io andar.
Para o indicado porto pretende sahir em pou-
cos dias a veleira e bem conhecida .barca Sc'
capillo Rocha, por ter a maior parte do seu car-
regamento prompto, e para o reste que lhe falta
e passageiros, para os quaes tem bons connnodo^,
trata-se com o consignatorio Joaquim Jos Gon-
calves BeRrao, ra do Trapiche n. 17.
Convite especial de Fructuoso
Martins Gomes
Aos que nao sabem do nosso estabeleci-
mento de cestas o balaios, os convida-
mos a vir a ra larga do Rosario n.
3G, ah encontraro todas as obras de
pallia e de vime fabricadas na ilha da
Madeira go, sendo cestinhas finas muito elegan-
tes para meninas de escola e maiores para
senboras, bercos para recem-nascidos, ba-
laios de todas as qualidad s para costura
groca, depoisito de papis rasgados nos
escriptorios, grandes para depositar roupa
suja, de men nos aprender andar, cestas
para compras no mercado, bandejas de vi-
me, cadeiras, condesas, capachos de espar-
to compridos e redondos, maracas, ninbos
para canarios, tudo feito com seguranca
perfeico, aos que nos honram com a sua
amizade solicitemos sua preferencia.aocon-
sumiDQ do nosso excellente pao, bolaxa e
massas doces de araruta torradas; certos
deque envidaremos nossos maiores esfor-
cos para sempre serem bem servidos.
Do engenho S. Paulo do abaixo assignado.
fugio no dia 4 do corrente n>ez, o seu oseravo Ja-
cintho de cor parda clara, idade 18 annos, baixo,
corpolento, cabellos caixados, com falta de denles
no queixo superior, com um lallio na testa cica-
Irisado, levando camisa de madapoln, calca de
brim pardo trancado, chapeo defeata ou de paRia
(1a fsrnmh ; e tonrtn na ninsma occasio desan-
parecido, tambera do mesmo engenho, um cavarlo
castrado, desconfa o abaixo assignado, que i.o
seu mulato, fugisse montado em o dito cavallo,
sendo os signaos do cavallo, que se lembra o mes-
mo abaixo assignado, os segqintes : alazao, bom
estradeiro, pequeo e gordo. Rogo, portante, a
todas as autoridades policiaes, de prestaran todo
auxilio a Francisco Antonio de Souza Largatixa, ou
a quem quer que com este, se apresentar para se
conseguir a captura do mencionado escravo e do
cavallo,obrigando-se o mesmo abaixo assignado,por
qualqucr despeza
Engenho S. Paulo, 8 de abril de,1869.
Trujano Cicero de Medeiros Pinto.
Arrenda-se o engenho Dous Bracos, moenle e
corrente, d'agua, tem bas varzeas para planta-
cao, maltas e dista urna legua da estacao de Ga-
melleira. Tambem se faz negocio com a safra
creada: a tratar com sen proprietario Albino Jos
Ferreira da Cunta Largo deS. Pedro n. 17. __
Pivcisa-s**'urna criada livre ou escrava,
quesaiba cosinhar bem e comprar, para urna so
pessoa: paga-sc bem, ra de H rtas n. 66.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ma
da Madre de Deus n. 3G, bastante limpo e cora
excellentes commodos para familia : trata-sena
loga do mesmo arranzem do gneros._______
__Precisa-se de um caixeiro de taberna de 14 a
15 annos: a ra do Cordonis n. 7.________^
Paulo Jos da Coste Araujo e Manoel Mar-
tins Fernandes, fazem seiente ao respeitavel publi-
co, que tendo sido por Paulo Jos da Costa Arau-
jo vendida a botica da ra do Imperador n. 38,, e
tendo letras acceitas por Paulo Jos da Com A-
rauio, e endcadas por Manoel Martins Fernandes,
o endosante declara que sero por elle pagas nos
vencimenlos: na ra do Queimado n 42, casa oe
Joaquim Narciso coma.___________________
Caixeiro
Offerece-se un caixeiro de 18 annos de idado-
com pratica de taberna dando conhecimento d<
sua conducta : a tratar na roa do Imperador n
26, prhneiro andar.______________
Ama
Precisa-se de urna ama para todo o servico de
duas pessoas : na ra dalmperatriz n. 39, segun-
do andar. .y.
CaBUGA
RA
EO
esquina
da ra larga do
Rosario.
CABTJG
esquina
Este importante estabelecimertto no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender. ^ da ra largado
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.l
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele- Rotario.
vados.
IJ- M _A A loja est aberta at s 9 horas da noute.
L'
\>-



Diario de Pemambuco Sabbado 17 -de Abril de 186$.
' '*
.
=
_
:------
=
PBOCESSOS
A p rtel c o a d o s
PARA
TIMC.IR
LWPAR
Lustrtr
A VAPOR
B IMPRIBIIR
Jos Soares de Azevedo, professor de
lingua e itteratura nacional no gymaasio
provipxial do Recife, tem atoerto era sua
oasa,*a Bella n. 37, um
CURSO DELINGUA FUANCEZA
D GEOdRAPIHA E HISTORIA
-^-DE Plllt DE RIIEtOnlCA E POTICA.
Os estudantes qne pretenderem frequen-
tar qualquer deltas discphuaa, podem diri-
gir-se indicada residencia,^ "manilla at
as 10 horas, e de larde a qualquer hora.
*-
AGRANDE S MAURICIO
F. A. SALINGRE & C.
* TWTUREIROS
29RA SETE DE SETEMBRO N.-29
RIO DE JANEIRO
F. A. Salingre A C. tena a honra de participar ao respeitavel publico que,
i)3o tendo poupado sforcos nem despezas, o seu estabelecimento est hoje a par de
qualquer d'este genero na Europa, pois possuem machinas dos processos os mais aper-
fcicoadr*, ejecutadas por bons officiaes que traballiram as pnmeiras oucmas ae pars
e de Lyon, e por isso podem garantir aos seus freguezes toda a perfeicao nos seus
trablhos. ,' ___
NOVA INDUSTRIA
TAMBEM FAZEM
mPKiMio EM VtCSUMI
Esta nova arte satisfaz os caprichos das senhoras e tem grande voga
em Franca, pois sobre as cores lisas, fazem-se impressoes de lindos desentios,
de qualquer cor, vontade do freguez. Os vestidos de seda e outras lazendas, que
ate a^ora s podiam tihgir-ie de cores lisas, j por este systema ficam impressos
de- um bonito desenlio de cor, produzindo assim um etfeito vantajoso. rmgem,
lavam e tiram nodoas de qualquer qualidale de fazendas, seja roupa de homem ou
de scnhora.
Ama de leite.
Precisa-se de um ama de leite sem filho : a
tratar no Coraeio de Onro n, 'ID, ruado Obug.
i
~ T-

;
B
e\

Y,
i
*3
VALOR THERAPEDTICO
DO
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
DE 6RIMIULT E COMP.
rbumuntliH d A. I. o priacipe Vapolcko, w Vari*.
A assoeiafSe do ferr e da quina resolveo um dos mais importantes problemas da pharmacia,
fti cora que se conajptalam os mdicos dos relevantes servicos que Ibes presta esta pre-
paracSo. ___
Com effeito, ningoem ignora qne a quina, em maleira medical, o meliior tnico qne se
possa empregar, sendo, sobretodo, unido ao Pbosphato de ferro, a mais estimada daa pre-
paracdes ferruginosas, pois que entram na sna composicio o ferro, elemento do singue, e o
pbosphato, principio dos ossoa.
Por isso, julgamos que, para os srs mdicos, serio inleressantes as observacoes feUas pelos
sem collegas, os mais dislinctos de Pars:
Este Xarope produz os mais felizes resoludos nos casos de dyspepsia, chlorosis,
< amenorrbea, hemorrhagias, leucorrheas, febresfyphoidas, diibrtt-s, o quando precisa
restabeleotr as forcas dos doentes e restituir ao corpo as forras alteradas off perdidas. >
ARNAL, mdico de S.M. o Imperador.
urna das raras eombinacdes qne, ao mesme tempo, satisfasem o medico e o doente. Era
qnaxito a mim, eu a considero como a oais efficaz preparacio fcrraipnosa, cujo uso 4 dos
aaaisacradaveisparaosdoemes. 3
CAZENAVE, medico do hotpital Saint-Louit, em Pars.
Com la preparaeso d'uma tdrma agradave!, e "fcil de digerir, admiaistra-je aos
doentes ooia medicamentos importantes.
CHARRIER, ckefe de clnica daFaculiadedo Par.
Eo emprego com o maior xito o Xarope de Quina ferruginoso, e o considero cono
urna daa mais feliies inr.ovacde.% na maVira medical.
CHASSA1GNAC, cmfUo em ckefe do hospital LwHoiiiirt.
t late medicamento, sempre bem aceito pelos doentes, deo-rae instantemente os mait
Tantaiotoa resultados. *
HERVEZ DE CHEG01N, membro da Academia d$ medicina.
A limpidez d'esta preparacao, o sen gosto agradare!, sent de qualquer sabor de
taro, fazem d'eHa um medicamento to efficaz como agradavel. 1
MONOD, addido d tacuidad s medicina.
Deposito em Pemambuco* em casa de Mamm c*.
DOENCAS das CRI ANCAS
XAROPE oe flABAMO IODAJP!
QF GfiSMAULT E CA. PHARMAnEUTICOP EM. PARS

Este tiedicanvnto goza em Paria e no mundo inteiro de urna fama justamente merecida, por
: sehar-se intimamente combinado nelle o iodo com o sueco das plantas antiscorbuticaa, enia efflcacia
bem conbecida e as qnaes ja naturalmente existe o iodo. E" com esto motivo que elle suppre
oro vamagem o Oleo de figados de Bacalbio, que deve, secundo os bemens saentifico, a sna
efficacia a* presenca do iodo. E' preciosa no tratanronto du crtanaas para combater o lymphaamo.
as obstruccoes das glndulas do pescoco, e aa diversas erapcoes do rosto, to freqaentes du
erianeasde ponea idade. Tnico e depurativo ao mesmotampo. ele excita appefale, facilita
digisti, t restitoe aos tecidos a sua firmeza e vigor Batanea. E* cada dki receiudo pato* medioo
espeeiastas para combater as diversas affecceos da pene.
Deposito em Pemambuco, em casa deMtmmm e*.
Club Pernambucano
A partida do corrgnte mez, ter logar
aa noute do da 4.
AMA
20*5
Paga-fe a quantia -cima indieada a una nu-
Iher forra ou escrava, que etzinhe e engomme, e
se cncarregue de todo o servico de urna casa de
pouca familia : na ra da Cruz n. 63, 2 andar.
Tarubon se precisa alugar 'urna negrinha para
(amigar unip menina. ________
Casa para ..ilusar.
Aluga-se o 2a andar com sota da casa da ra-
da Cadeia n. 10 : a tratar na roa do Crespo n.
esquina.
Joaquim Jos Gtn-
(jalves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, i. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minho, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
. Valenca.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Vil de Vez.
Vinna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalicao.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella. *
Beja.
Barcellos.
Irmandade do Divino Espi-
rito Santo.
A mesa regedora etn sessSe de 12 do corrate
mez, a pedido do mu i tos irniao>, delibrando fazer
a festa de seu Divino Padroeiro com simplicidade,
e a tardu a procissao, visto ir j dar comeen as
obras da capella-nir, e nao Ibes ser possivel fazer
a sobredila festa com aquella pompa e magnificen-
cia costumada, afim de nao cancar aos irmaos
com lao repelidos bolos, pois que tem de os in-
commodar para as obras ; pede, his,- aquelles que
voluntariamente quizerem concoirer com suas es
molas para a jirocissao, de o fazcrein, dirigindo-se
ao thesoureiro o Sr. Manoel Rodrigues da Silva,
na ra do Queimado n. 37, concillando por esta
forma <6 desejos qne muitos teem manifestado de
nao deixar de fazer-se os ditos actos.
Manoel Lffiz da Veiga,
Escrivao interino.
Trocam-se
is notas do banco do Brasil c das caixas flliaes,
m descont muito razoayel: na praca da Inde-
)endeucia n. 22.
Ll
Resta venda um eseoUiido sortimento de ob-
ectos de marcin-Tia, como sejam, mobilias de ja-
arand. mogno c amarello, obra nacional e estran-
jeira, de apurado go-to eporpreco' razoaveis;
ia ra ostreita do Rosario n. 32. Xesta mesma
sa fazem-se com perfeicao todos os trablhos de
plhinha, como sejam, empalhamentos de lastros
iiara camas, cadeiras e snphs.
Ama
Prwisa-xc ife .una ama forra ou eaptiwa para
comprar o emiBhar, para duas pessoas, paga-se
ban : na ra da i',aiWia n. 29^2 andar.
AMA
Precisa-se alujar urna ama para casa de
mogos solteiros. Ra do Jardim n. 7, nos
Coelhos,

ATTENCVO
]\ovti ronfettoria c hotel, ra Z/f-
rcita n. 59, -* '
Nesta casa aprompUBli-so com poiioti'Jkit adii'jo,
delicadeza e presteza, *o de iguarias proprias para cha e sojire-aesas ; e
igoalmentc se apromptain .Jmosos'e'^nlares, ser-
vindo-se na mesma Casa ou fora; 'por procos com-
modos, para o que tambera recebem-se assigna-
tura?.
Gremio Recreativo.
O director do crrente mez convida aos senho-
res socios em gerai para eomparecTem domingo
18 doi-orrente, ao recreio do coatume, daa 7 lio-
ras as 9 ; os quaos por motivos justos estavam
parausados : espera-se, portanto, a presenca dos
seus dignos collegas.
Secretaria da s'wi*dade Gremio Recreativo 16 de
abril de 1869.
0 1' secretaio,
Maneol Calisto.de Sorna.
tj
0 escrivo da irmandade de N. S. da Conceirao
da igreja da Congregagao conrda aos irmaos da
mesma irmandade para retmirem se o eonsfeto-
rio aa mesma igreja no domingo 18 do corrente
mez, af 9 horas do dia, para era mesa geni se
tratar de negocios da mesma irmandade. _____
Offerecc-se urna ama portugueza para casa
de homem solteiro: a tratar na ra do Senhor
Bom Jess das Crioulas n. 4.
Aluga-se um armazem proprio para qual-
quer negocio : a tratar na ra da Concordia nu-
mero 12
9. Ferreira villela.
Photographo da casa imperial
premiado em diversas exposi-
<}6es.
Na sua photographia ra do Cabug n.
(8, entrada pelo pateo da matriz tira retra-
os por todos os sistemas photograplacos.
Em porcelana Em vidro
Em talco Em papel
CART ES DE VISITA A 90 AD112IA.
Os retratos carte-de-visite sao ctMos
ihi cartao de luxo bristal m poreehtna,1
lourados ou lithographados, quadrlongos
)u vinhetas para oque exh>te urna varieda-
4e de 12 modelos escolha de^uem se re-
tratar. Para as outras especies de retratos
temos caixinhas, passe-par-touts, quadros
i molduras douradas e pretas cassoltas de
mroe alfinetes simples ecom-pedras pre-
;iosas, havendo nos aHhietes Tima mimosa
variedade de feitios.
O nosso estabelecimento photograpbico
t senpre em dia cora os melnorasaentos
jprogressos.que na America do Ndrte, na
Supopa- ou to Rio de jMieiro se cdftefue
la arte photographica, opara alcanr;armos
al & (moca ponpamos despeas riera sa-
^ificios.'de sorte que os nossos numerosos
freguezes podem W a cortesa dr> que lom-
are encontrarlo em nosso estfbelecirntota
ndo quanto a arte o taod 'lWtter ^do
iom no novo e velho mondo aos amantes
la photographia. ________ ,
BARTHOLOMEU ft C.
i riLiiiiiu:
Aos 500 pares de brincos.
Cliegou e vende-se no Coraco
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
mSosinhas com urna franja penden-
te a um rico desenho e ouro de
lei, pelo pequeo pre?o de 15i>000
cada par. baratissimo.
Engoniiiiadeira.
Precisa-se de urna criada para engommar : na
ra do Imperador n. 73.2o andar.
Precisa-se de um aixeiro de 14 a Ifi annos,
que tenha alguma pratica de taberna : na ra da
Aurora n. 56.
PEDIDO
Pcdp-se ao r. ;||inoeNr fiosta; Pereira,
p rabean teda repart{5o das obras publicas,
ora wWwatio? que compare^ ma
Aogiista sobrado n.'M, fch doblar o
seo debito ou pagar o qae poder, o*isto
con brevidade-
Precisa-se
alugar dons escravos, agradamlo paga-se bem :
na fabrica a vapor de -cigarros na antifia ra do
Quartel de Polica n. it.
Precisa-se de urna ama para casi de ponca fa-
na ra de Hortaa n. 142, 2 andar.
lllllKl
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de urna s
pessoa : na ra da Senzata n. 128, 2 andar.
LIBRAS STERLI.'-AS
a 13^500 : em casa de Silva Barroca, ra da Ca-
deia n. 4.
OhaHHNse a attengito
Elpidio Feliciano Pareira du Lyra convida a to-
dos os seus credores a eomparecerem em sua co-
cbra ruado Imperador n. 11, sabbado 17, as 9
horas do dia.
PARA USO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES
Xarope de jurubeba garrafa. 1#000
Vinho de juruBeba garrafa. 15600
Pillas de jurubeba vidro. 10600
Tintura de jurubeba vidro. 640
Extracto hydrawolico de juruboba. 1250O
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2*5000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 1 600
Pillas de jurubeba ferruginosa vidro. 20000
Oleo do jurubeba vidros. ti40
|Pomada de jurubeba pote 640|
^Emplastro de jurubeba libra. ZffiOQ
PARA USO EXTERNO
1 JS IfUBEKA.
Esta planta hoje reconliecida como o mais poderoso lomeo, como um exce-
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitaments do ligado e baco, as
hepatites propriamente ditas, ou anda complicadas com anazarchas, as inflammacSes
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores giandulosos, na analtrcha, as hodrope-
zias, erysipellas ; e associada as prepararles ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, chloroses, faltas de menstruacSo, leucorrheias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
0 que dizemos aflirmam os mais distinetos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os lllms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, 9ve,
Pereira do Car/no, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a excellencia d'este
poderoso medicamento sobre osdemais at hoje conhecidos para todos'os casos citados,
tantojque todos os dias fazem d'elle appcaco.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, ti vemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer :>
repugnancia que at hojo sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle,_i'
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a desvantagem de n(
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna multas vezes improcuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de haVermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
priedades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas, fructas ou bagas, e a
dose conveniente a applicacSo, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao rnaior grao de perfeicSo possivel, para o que nao poupamos sforcos, nao nos im-
portando O'pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
vel cura de qualquer dos sofrimentos.que deixamos innnmerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de eseolher as nossas va-
riadas preparares, aquella quemelhorlhe podeconvir, j pela fcil applicaro, ejpela
complicac;o das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas prepara?oes ferruginosas s5o feitas de forma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompostos de ferro qu<*
como tacs estao hoje reeonhecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applicac5o de nossos preparados, desibuimos gratuitamente
em nosso deporto um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e o>
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
Botica e droga Ha
34Ra larga do Rosario3'.
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
das digestoes difficeis ecompletas, acalmar
as dores gastralgias, e reparar as Torcas
produzindo urna assimulacjo completa dos
tlimcHtos; sendo mais um excellente tnico.
XA
PHARMACIA E DROGARA
DR
Bartholomcii A C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
J Dr. Manoel Elfedino Reta Valenfa
! pode ser prof urado para o exercicio de
i sua prolT*s5o de medico a ra da Canj-
\ -boa do Carmo n. 2, 1* andar.
CASABAf(HmiNA
Aos 4:000$
Bilhetes garantidos.
A na do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaixo asignado tendo vendido nosseusmui-
to felizes bilhetes garantidos .1 uni n. 2936 com
a serte de 4:000, 1 meio n. :io2:i com a sorte de
760J, 1 inteiro 1i. 280' c/im a orte de M2I, e
outras umitas sortea de lOOt, 405 e 20 da lotera
que se acabon de extrahir em beneficio da igreja
de lossa Senh (101*), convida aos possmdores a viren) receb'er
seus ispetivos premios sem os descont* das
leis na casa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Aetiam-sB a venda os da 1* parte da lotera a
beneficio da igreja de S. Sebastio do Bonito
f 102), que se extrahir tera-feira 20 do corren-
te mez.
Precos.
Bilbete.....44000
Meio.....2000
Quarto.....lOOO
Emporcae de 100* para cima.
rBilhete.....35500
Meio......1750
Quarto. .... 873
* Manod Martins Finta.
O abaixo a66ignado previne ao publi-
co do^ue est tratando de propr, por
via de seu cessionario^Mathias Lpez da
Costa Afaia ac^o de*sunegados pela pri-
meira vara municipal desta cidade, contra
Jos Joaquim de Castro Moura, como tes-
tamenteiro e inventariante dos bens deixa-
dos pelo finado Jos Joaquim Rorgesde
Castro ; para que ringueni fa<;a contracto
algu'm, gratuito ou oneroso sobre os'bens
do dito Moura, que esto sgeitos a'resti-
tot^io dos sonegados e da pena legal, do
duplo valor delles ; e para que nao se pos-
sa alegar ignorancia ou bfia f, faz o pre-
sante.
Recife, t de abril de 1869.
Jos Mara de Castra.
Hlf?0FJLa4B>
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEtXKIBA FfBfiERiCO 6'.
Acaba de ebegar a este mercado urna por^ao
deste ptimo n\w, nico'que pode supprir a falta
do pf-inceza de Lisboa por ser de agradavet perfu-
me. E' fabricado pelo systema do Areia Preta,
porm lem'sebre este a vantagem de ser viajado,
o que para este artigo urna pecialidade. au
WS da Babia, do Rio de Janeiro o outras do
imperio lefn o Kap Popular sido ssS acctfhfdo.
e provaydoienU! aqu laralwm o ser, logo que
teja'eoBeoldo e apreciado. Acha-so uda
por preeo eomraodo, e para quem comprar de 50
libras pira cima, far-se-ha um descont de 5 0/0,
e de 600 libras para cima o de 8 0/0 : no escrip-
torio.df Jaa#\l/n Jos Goucalva Bakro, ra do
Comlertfe A17.
sendo una para eeni-
pira engommar, f
toja n. 11.

Tendo montado urna completa oflicina'P.\n a roCEnTo e AmAcAo le piamos e
tendo contratado para o mesrno fim o experimentado contra-niestre Sr. A. Rastoud
chegado da Europa pelo uttimopaquete.temahonra de recomniendar este seu estabete-
cimento s Exmas. familias Pernambucanas, promettendo promptidJo e perfeic.ao r-^
trabalho.
Ra Formo.sa n. 14

Frederico Maia
(irurgio leuiisC pela escola
de mediciaa
do llio de Janeiro.
Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capital eseus suburbios, que tem abertoo
ieu gabinete de consultas e operacoes dentarias a
rna Direita b. 12, primeiro andar, onde pode ser
procurado todos os diasdas"8 horas da mantea as
3 da tarde. Elle acha-se competentemente halnli-
tado para com perfeicao collocar denles artiliciaes
porquaKprcrdossystenic'is, e bem assim desempe-
nhar qualquep- outro trabalho eoncernente sua
profissao. O mesmo, reoonhecendo que nem sem-
pre possivel s seuhoras ou enancas sahirem a
procni aro remedio, ofierece-se a remover qual-
quer obstculo, deolarando que na cidade se pres-
tar a qualquer chamado sem que issoinflua cousa
alguma na commodidade dos procos de seus trab-
lhos, e quando para fra della assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavel, garantmdo elle a
segurancae perfeicao de seus ditos trablhos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente cxcel-
leuteps dentfricio, elixir e outro* medicamen-
tos odontalgicos : na Direita n. 12, primeiro
andar..____________ _
ClADOS CALLOS.
PELA
Pomada galonpean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo dr C.
34------Ru* larga do Rosario^34.
MARTIMOS
contrafoso
A Companhia Indemnisadora, esrabelecida
esta praca. toma sguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e.-Qjontra fogo
em edificios, mercaderas e mobilias:
rea do Vigaro n. 4,-pa^mento terreo.
flfOFMM
Sr. Antonio Francisco Duarte e seu mano Dr.
Mnximiano Francisco DuarM(jeJrtm a ra Di-
reita n. 63, loja do Bn:ga A C.______________
Para cosinba
Precisa-se de um escrava que ctfeinllc bem: na
ru do Crespo n. 23.
i '(T'ahax"'assgnado feni ejcnp10"0 *
2 ra Imperador n. 32, I* andarle ah
Wt nodc ser procurado para es nwsteiw do m
| narticiiSres das 10 horas da manhaa as g
I 5 da tarde. ^^ joaf;0im silvetra. |g
Aluga-se casi n. 10 travess* do Gazo-
metro com nnlnUl e-rteimba, por 83OOO tnensal :
a tratar no'sobriido junto a BBHca d-> gaz.
Ama
Precis-se de urna ama' forra ou osera va par
omprar eccozinhar para un.. ca nilia : na ra das Cruzes n. S8, Io andar ,"pWte
re-se escrava e pagase bem agradando._______
Anda restam algumtis colec>; Biograptttpsde algaus pof^e uuos ho-
mens illwtres da provincia dettrMmbuco,
tres tomo escriptos pelo cofflIMiidor A.
J. de Melle s ra Augusta 94.
GRANDE HOTEL
OE ORIENTE.
Inaugurou-se este eomraodo e elegantt.-
estabelecimento d'onde os seus frequenta-
dores poderao apreciar a esjiecialidade na
confeccao dos gneros alimenticios.
As1 bebidas so as mais primorosas e re-
comnK;ndadas.
A decencia c bom servico primam n'est.
casa no liello gosto oriental.
Mandam-se domicilio comednrias, tanU>
avulso, como por assignatura' mensa!. Os
precos s58 mdicos e convencionaes.
Ha urna espacosa o bonita sala para o
elegante jogo de bHhar.
Ha lambem aposentos cdimmoodos e btn
mobilhados pata hospedagm.
Ra larga do Rosario
n. 44.
Fundiqo da Aurora*
Nete vasto establectaiente sempre se enconn a
ura completo fortimento de taixas de ferro batiov
e fundido, fabricadas recentem'ente, c se fabrieair.
de qualquer molde a vontade dos ivuiprador. -.
recos razpoaveis.___________ i
8e for bom.
Pagar-s j-lia bem um moh'que que se pretend.
alugar : ni rna larga do Rosario n. 'A, i* andar
"Trini"casa do~THEODORO CRISTl-
ANSEN, ra da Crua n. 48, encontram--
effectivamente todas as qualidades de vio'
Bordean x, Bourgogne e do Rheno.
Molestias do pHlo.
\ farinha de Sj ento o nico alimonto capa/
de sersnpportado pelos estomagos frams, o niai-
coavemanle pelos seus bons reaultados as posso;..-
ataisadas domoleitias do peito,, aflifTonjalescen
les s pessoas eacaquecfdas por toda aljualldact.
de exeessos e s senhoras que teem |rtfido --
eores pelas perdas de sangue : nnitxi deposito, n.*
pharmacia do Pinto, ra larga do Rosario n. 10.
l^reeTsa-sc'dir una criada livre oa escrav-
3ue saiba coser, engommar e faier os arranjf-
oniestico5 de urna familia oomposta de 4 pfesoa.<
dirija-se a ra do Trapiche n. 14, 2o andar, con-
sulado francez.
Desappareceu do sitio viveiro do Muwz uu
brinca
00. <
%;acca de cor raposa, com urna rqalha branca de
um lado jun'o dos vastos, com os chifres nirados,
a qual nao e grande : quem a encontrar fevo ai>
dito sitio, que ser rmmipenjadp...________
Ama
Precisa-se de uuu'.ima para cozinha : o ate*
do Pamos, sobrado n. 3t, 2 andar. ,
Jos'.'na Bevinda da Cunha ofeto-
Maior, autorizada pela directora geral d
nstreco pblica desr'ofjncia, a ensi-
nar o sexo l'eminino; faz sciente ;M'J***^1'
que em virtudc da autorisacO' prdpoe*S'-
i ensiiar nao so primeifas lettras, com .
tambem a grammatica portugueza, borda
lablryntHO, trablhos de 15a, flor db^Or.f
etc, para o que tem aberto a sua aft b
casa de sua residencia, ra da Im^^Bk
numero W primeiro andar, onde pdr
ser proVuradjt^
Preri
Viecerinhe com pe
J tereeiro andar.

I llEGlVEl
<

'
^mmmmmmm




/
Diario de Peruambuco Sabbado 17 de Abril de 1869.
soBe
a
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-l ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
praca. e por prepos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciossas.
N. S RA DO GANGA fl 5.
(Sm- UNTE.)
\a Iravcssa da na
das Crazcs n, 2, pri-
metro andar, da-se ^al-
quer quanlia sobre ouro,
prala e pedras preciosas.
O dono (leste estabelecimento,
competentemente autorisado pelo
gorerno, est as condicoes de ga-
rantir 8transacc3o que se tizer era
sua casa, prometiendo todo e zelo
e consideraco s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu esta-
beecimento.
Na mesma cas*compra-sc ouro,
prata e brilliantes.
ESTABELECIMENTO EM 832
Salsaparillia de Brislol.
LEGITIMA E ORIGINAL
EM FRASCOS GRANDES
Precisa-se de urna ama para rozinhar o
comprar : na ra du ScnorBom Jess das Criou-
las n, 41.___________________-
Precisa-sede un menino par caixeiro, pre-
ferindo-se dos ltimos cbegado da Europa no
lia leo do Caru o n. 9. -
Agradecimento
Manoel Fereira de Aiaujo declara ao respeita-
vel publico, que deixou de ser caixeiro d?s Srs.
Iieltrao & limaos desde o dia 13 do correte, as-
\ <\m como pede aos mesmos Rentares (esculpas de
algumas faltas commetlidas, e ilns agradece com
franqueza o multo bom tratmento que teve em
sua casa.
CTS
PERFUME INEXTINGUTVEL.
Para o Lenco, Tomador, f. Banho.
fe
A MU AFAMADA
AGUA DE FLORIDA
111 u II v v
DE
4t hXXMXX.
OGRANDE PRIFICADOR DO SANGUE I
Este excellente c adntiravel medicina, e
! preparada d'uma maneira a mais scientifi-
ea por Ghimicos e Droguistas mu dontos e
d'uma instrucco profunda, teudo tido mui-
tos anuos de experiencia ao par d'uma lon-
ga e laboriosa pratica.
A sua composicao nao consiste d'uin smv
pie extracto d'uin s artigo; mas sim,
composta d'extractos d'um numero -de r.ii-
zes, bervas, cascas, e folhas, possuifKlo to-
das ellas, sua vrtude especial ou poder
em curar as molestias as quaes teem sede
ou essento, no sangue ou nos bumores;
e estes differentes extractos vegetaes, acham-
se*por urna tal forma combinados ponto
de conservaren! em toda a sua forra, o cu-
rativo especial de vrtude, que cada um de
per si possu. A raz da [danta de Salsa-
parrillia, producida as Honduras, a que
nos usamosTiesta prepararn, sendo a qua-
lidatle que todos os n mais prezam
e estimam. Na cotnposicSii'^lfc fcalsa-
parrUha de Bristol entra mais.de SO
por cento deste concentrado extracto. Ella
nao encerra em si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ou injuriosa a I
sade; e tanto n'este, como em quasi to-!
dos os mais respeitus, ella ioteu/amente
Manteiga ingleza flor alju l00 a libra : no
antigo estabcleameuto denominado .'orla larga,
ra das Oruzes n. 41.
AVISO
Eu'ahaixo Vigilado, faro scientc ao publico
com e~peciolidade ao corpo do commercio, que
dnixei de ser c xeiro lio Sr. Satyro Serapliun da
Silva, nesta presente data.
Recife, 15 de abril de 1869.
Luiz Carlos Brandan.
PASTILHAS ASSIiCAIIADAS
DO
DR. PATERSON
De bisniuth e magnezia.
Remedio por excelencia para, combaba
i magreza, facilitar a digesto, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartbolomeu & C.
3 i Ra larga do Rosario-----34.
Cera de carnauba
Vende-se na ra do Queimado n. 13, primeiw.
andar.
.Vicias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes meias clsti-
cas de borracha contra varizes e erysipellas.
Vende-se na
Pharmacia* drogara de
Bartbolomeu & C.
34roa ^r^a do Rosario34
^.V.GERJfcUty
COMPRAS.
Com muito maior vantagem
Compra o Coraco.dc Ouro, n. 2 D, ra do Cabu-
la, moedas de ouro e prata e pedras preciosas.
GOMPRA-SE
Compra-se tnoudas d ouro e prata, bem
como libras sterlinas por maior preco que
em outra parte, na ra do Crespo n. t
Io, andar. .__________________
Ouro e prata
em moeda e cm obras inutilisadas, comprarse por
[diversa de'todas essas mais preparaees, bom preco : na praca da Independencia n. 21
la, .... ------------------- MIU'IM UC WUM C35HO IIII |nvyi-iwvv| uviu fivy |" y v....."-f.....---------------
He O mais delicado > mimoso O ao mes- g5 ^m(s deba'lXO do nomt de SaMpam-l Na praga da Independencia 33, lojadeou-
mo tempoomais estavel de todos os per- (| Sao accondiciotiadas op postas em gar-1 rives, compra-se ouro, prata, e pedras proekMs,e
i.... o ort-ort-.-! onii. no sCU maior au^C ^. Jm 00^a^ ^^tmda tm rU.wa Cambemsefaz qualquer obra de encommenda, e
todo e qualquer concert.
Nos pelo contrario
deiras fiores.quado*anda na sua flores-
cencia e' fragancia natural. Como ammeio
seguro e rpido allivio contra as doro-de
desmaios. i
mo tempoomais esidNei nc i^"' i- \\^ saoaccondicionadas op postas em gw- v,, .F.->..-,,.,- ,------- ------,-
fumes, C cnceita emsi, no sCU maior auge ^p,^ seild receitada em dijses tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
de excellencia, o propijo aroma das \erdar mUr-dmmutas diurna coWier de ,cli por
,-__. xi___........,,1.. .liii.l- un -h.1 tlorAS- .-._____i. --^-.......: oo..ofn_
cada vez
mos a
SALSAPARRIRA DE BRISTOL
por
engarrafa-
cabeca. nervosidade, debilidade, desmaios. i em f,.^"^'^ndes, c assim por este modo,
flatos, assim como contra todas as formas: rtjvWmos t.om os consumidores, o grande
ordinarias de accidentes hystencos: de i|.m,.t(H. vanlagem alcancad por aquelles
summa efficacia e nao ten nutro que o
iguale. Igualmente, quando destemperada
LIMA, LESSA & C.
com agua, torna-se um dentifricio o mais
avradavel e excellente. dando aos denles,
aquella alvurae aperolada apparencia tao
altamente apreciada e desfijada pelas Se-
uhoras. i i-.
Como um remedio contra o man balito
da boca, depois de diluida em agua, e
summamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras jpie se
criam roda dos dentes e das gengivas,
: tornando-as dui-as, sadias e d'uma linda coi
encarnada. Qanto delitdeza, riqueza
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. V compra-se oum, prata
e pedras preciosas por preeos mais vantajosos do
que em outra qualquer parte.
0 respertavel publico encontrar nesta oificina habis rae*tres e bem eonhecidos
na art, afliam-ando-se o melhor desempeuho conforme o gusto e vuntade do freguez:
assim como a inaior pontualidade na entrega das obras ; recebemos de Pars, por todos
qs vapores, os mais modernos figuriHOS para nao haver nada a desejar; bem como
varias encommendas de casimiras modernas e outros artigos proprios para homens;
tomos grande deposito 'de roupas feilas de toda a qualidade, como sejam : camisas
francesas, inglezas, chapeos de sol de seda trancada, o que ha de melhor, grande
sortimento de meias, colarinhos, punhos*e grande novidade em grvalas modernas, e
finalmente completo sortimento de focadas finas e roupas feitas, sendo os preeos os
mais baratos possiveis.
que acondicionara'sua preparacao era gar-
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
hdssa wateaparrilha de Bristol
oonteem a messa quantidade igual porcSu
cOHtdanaquellas garrafas pequeas, e alera
disso, possue ainda muito mais lorga e
-virtude medicinal do que aquella, que por
i ventura se possa acbar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tairianho. Por-
tanto mui natural, que aquelles, que se
achara oceupados em preparar e vender as
suas produeces, em garrafas pequeas,
murmurem e gtitein contra os nossos fras-
cos grandes: proclamando, que a nossa al-
orno e puta
Compra-se moedas de ouro e prata e
bem como libras sterlinas, na ra do Ca-
bug n. 9, relujoaria.____________
Compra-se una eserava que saiba cozioliar,
engomm.tr bem e que tenha boa conducta : na
ra do Crespo n. ?-\.
e permanencia do sen fragrant aroma-, eua gap,.,.^!, de Bristol nao possue a
lr ofirtorno-teiB'igual; o a sin upe- U11(11 virlod: porm quib etfectivamen-
lioridade sem rival. Ella iguatoente tor- (e<-a el[es ^m m ^enw'o, na-seum meio mui excellente, para -fazer, camoSj ou simpUsmeute referinuHios para
remover de sobre a pe do rosto, toda a (.om ftSSa, ^n^jares ,ie certides e tesr
qualidade de brotoeias, -=Mt7es, 'sardas, teuiuull0S aJ4jhenticos, por nos recebidoi
pannos. mane1wst**^g*ns 4e -tttpmhas. llo' tf)dng ^ ,$3^.. aa societade, nos quaus
QiiandbseqH^ira'servir dclla.como r-me- .^^nj^fp attestam o poder curativo e vir-
dio parar"fifi*fMipirt<-pr qualquer nm',,ldt maraviUtsas da.nossa.
feste^ disfigrlmerito?, e que tanto desfei- SALSAPARRILIIA DE RRIS-OL.
amafliflndas feicesdo bello sexo; devera-
s usal-arSr'um estatee^toHSkv destom-
Jornaes para embru-
lho.
Conipramse na fabrica a vapor de cigarros : na
antiga ra do Quartel de Polica n. 21____
Cotapram-se dote aeQoes da companhia Per-
nambucana de navejacao stairaa vapor, das pri-
meiras emitlidas : a tratar na* ra da Cadeia n.
44, loja de ferragens.____________________
" CARRO" DE ESTIVA.
A ra do Imperador n. 57 se diz quem quer
comprar um carro de estiva em segunda mi e
um silhan para montara de senhora.
Compra-se nina cscravinha de ;i a 6 annos,
que seja sadia : na praca do Corpo Santo n. 19,
1* andar.
RIA LAICA DO R0SA8K) 137
Este acreditado estabelecimento augmenta
gar a o cume do bem vi ver.
Alm dos saborosos manjares ?onfeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
V agua, indispensavel elemento para a
sida e hygiene, temo-la sempre em abun-
dancia ptra facilitar excellentes banbos.
lia tambem urna boa bibliotheca e peri-
dicos' nai'ionaes e estrangeiros, piano para
recrciu, buhares', etc. etc.
Sendo ociosa qualquer recommenda<;o
par 13o ae.rbditado estabelceimento, omit-
timos mais prembulos, fasendo ver por
tini, que o bom servico, urdem e muralida-
de imperam n'esta easa, como observancia
fjel do remit amento que possue.
Comedorkis a la carte.
CHARITERIA E PETIT RESTAIMNT
.4jraexos ao Hoiel Central, ra estreita d<
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infinib
de charutos de Havana, Rahia, Rio, etc. qu-
existem neste novo estabelecimento pres
cindimos dos annuncios pomposos que ge
ramente se fazem, reduzindo-uos apenas i
tres letras que sao tres bbb bom, bonito
barato. .A' vista do genero annunciado po
de-se julgar de nossa veracidade. Esta cas.*
gosa taml>em das condicoes de um eleganfc
e pettt restauraitt onde se pode ver a es
pecialidade dos fiambres e salames de Liw
para lanches e at fazer urna boa colac3o
juntamente com os principaes vinhos d<
mercado, sobresahindo entre o bom a pur;
e fervente champagne, o mui saboroso Rhe
no, a primorosa cerveja, licor espirituoso
o quanto pede urna mesa. Faz-se nout-
sorvete e variedade de refrescos.
perando-a n'mna pou tratmento de. qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua forca. Fioal-
mntc como um admiravel meio de fom-
municar as feices trigueiras e pallidas,
. A Vantagem de termos os BoSsos .pro-
prios agentes naqiielles lugares aonde as
difierentes raizes, drogas, lienae, e plan-
tas de que se compem as rtossas medicinas,
slo pioduzidas. .que nos habilita exer-
cer aquelle constante cuidado e disvello na
minuciosa oscolha ; e o que assogura e ga-
iiuiiin .11 da icivuoo ,8 i------- minut I0SI OMXIIIIa t u qu ao'ij,'
urna pelle macia c d'uma transparente al-' 0 ,lnilornlida vura, dando-lbe urna linda cor de rosa : Em quan(0 quC( pur outro lado,
IUI, UUIIUU ^ i ----------------
para um tal lira, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventadoat bo-
je, e existe em plena seberva afina rival.
Rem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Acia de Fiitrio* e Murray d
Lanvan.
As imilates que se tera feito ua r ranea,
Alemanlia, assim como em ouas partes ;
sao inteiramente imitis e invaliosas ; por-
tanK) recommerrda-se mui especialmente
s senhoras, que teoham toda a pivcatiSo
e cuidado, de quando comprarem, enejara
certas que compram.
A Gkncina
ACIA DE FLORIDA
DE
MURRAY A LANMAN,
A qual preparada emente pelos nicos
Proprietirios,
LANMAN & KMP.DE tOVAYORK.
\cha-se a venda nos estaheleeimentos de
A. Caors.J. da C. Bravo. & C/ P. Mau-
rer & C. A. A. Barboza Bartholbmeu, d C.
VENDAS.
Era quanto que, por outro lado, nos nao
nos poupamos nem dinheiro, era dili-
gencias : afim de alcancannos o melhor
e nicamente o melhor de cada um artigo
ou ingridiente que entra na sua composi-
cao ; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva conlianca; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das a* nadies, e de todos os paizes, que na
Salsapiirrilha de Bristol. possuem
um remedio mais efficaz e seguro ; do que
nenbum outro, que vos tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por certo nao hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e elTectiva cura das segundes entenmdades:
Escrfulas,
Chagas antigs,
Ulceras,
Feridas CScewsas,
O MUSEO DE JOIAS
53
GOMES DE MfttTDS JRMIOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com ofimde
dar-lh maiores proporp5es e elegancia, convidan*
ao publico em greral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gost a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
onde encontraro um completo sortimento do que ha de mais elegante;,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins tudo que em obfa
de ouro, prata platina se pode desejar. 4
ADERECQS M BRILHftNTES. EMEjURtt E1B1HS
de novos goslos, assim como grande variedade de salvas e pahteiros de
prata contrastada e de gosto anda nao visto, Completo solfinKittb1 de
objectos de prata para uso da# igrejas,
CJompam etroeam qualquer joia ou pedfa preciosa c garanfcftn
a qualidade dos objectos vendidos.
Tinha,
Sypbilis.uMalVe
nereo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nei'vsidade,
Debilidade Geral,
Febra e Malignas e
Febre e Sezes
Biliosas,
No ai-mazem de Henrique & Azevedo
ra da Cadeia n. 34, ha pai a vender vi-
nhos puros, das marcas segundes:
EM ANCORETAS
Collares.
Alcobaca.
Rucellas.
EM CAIXAS EXGARPAFADO.
Alcoba?a.
Bastos.
Rranco fino (de Torres Novas).
Rucellas.
Carcavellos.
Porto, brando e tinto.
Moscatel de Setubal.________________
P1LULAS, Y1NH0
X4BOPE
DE
JURUREBA
PREPARABOS
.......... 1 -m
museo be mm
r
-=
, '-K>- '
" t 1 Tiiiiii-irriiiiiiiiiii
Tumores
Abscessos Apostemas,
Erupces,
Herpes,
Salsagem
Irapigens,
Lepra, febres iniermittentes e remittentes,
hydropesia o ictericia, etcv etc.
Ontro-sim, achar-se-ha, que para o bom
resultado eperfeito curativo de toda* aquel-
las enfermidades cima aportadas o adian-
tamento da cura. 6 graudement promovi-
do e apressurado; usando s ao, raesmo
tempo das nossas mui valiosa pitillas
vegetaes assuearadas de Bristol,
tomadas em doses moderadas em connec-
go ou conjunctamente com a Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
qiiantidades de materias morbficas e hu-
mores vkjados. que se desprndem c livre-
mente'.eirculam spalhdos pelo 'sistema,
isto causado pelo uso da Salsaparrilha; o
por.esta forma facilita a volta e o exercicio
normal das operacoes funecionaes,
Acha-se a venda nos estabete'cimfintos de
A. Caors, J. da C. Bravo & C, P. Maurer
C, Hi A. Barbosa, Bartiiotomeu A C.
Precisa-se de un* ama d bons f^sturoes,
?|ue saiba bem. engommr e codnhar : na ra do
mperador n. (fo, 2 andar.
Os abaixos assiitnados preinem qoera quer
que comprar cm leilao ou em particuar a arma-;
Cao e utensilios da venda sita no pateo do Terca
n. 30, pertencwte sos- Srs. Brito A Inno, que a
mesma armacao e uicnsilios se acham obripados
ao pagamento- das quantias c 39i^O 37>tOO rs.
que os mesmos Srs. cstao devenda 'o? annan-
clante?, e para que h3L haja duvida fazem o pre-
sente annuncio.
Mu noel Pedro de Wenha,
Henrique du S"iIvh Mara.
Alegiai-Mis luyupes, e, prsbitas, ja po-
dis ver de longe, ja podis ver de perto.
i)3o ha mais vistas cutas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receher pelo
ullimo vapor um rico e variado sortiment"
de oculos, lunetas, pincenez, face--niani.
lorgnons de ouro, prata, tartaruga, mavfim.
ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
assim como binculos de urna a tres nra-
dancas para theatro, campo e marinba d
rultima inverJio; duquezas. vienezas. de 6,
08 e 12 vidns, tudo dos melhores fabrican-
tes da Europa.
O mesmo vapor troo-
xc urna excellente ma-
china para graduar *
observar o numero dos
vidros que se necessiU'
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes sterioscopos, instromcft
los de malhematica, barmetros, vidros tU;
chrystal de rocha, e de cores para es^nar-
dar a vista; concerta todos os objectos a
preeos commodos e com promptidao : tira
o mofo dos vidros e encarrega-se de toda a
encommenda relativa a ptica.
Recebeu tambem os excellentes 1 elogios .
do antigo e afamado fabricante HhIm-h Gerlh
& C, os quaes vende procos ctfnmodof
garantindo a^ua superior.qnalidadi.
Ra do Queimado fi, 4> fojt Vt
miudezas de Jos de Azcved*^
Mata e Silva cotillead /< Joft
Bigodinho.
Est queimando 09 objectos ifeah *
pelo diminuto preco, a saber :
Frascos com agua de Colonia verdadun ;i i J. .'
Garrafas com agua Florida verdadcii.. ,. .- n
rante a U2Q0.
Pentes para regacaroalwllo de nwninasaoJO'r.
Thesouras muito finas (MU unhas e OOStWAS.
Tinteiros cheios de tinta muito preta a 60, !00, 1W-
e 400 rs.
Varas de franja branca de linbo para faina: *
t60rs. ,n
Caixas de phosplioros de segnranra a S *
160 rs.
Navalhas de cabo de marfim c que se girante
qualidade a .
Libra de la para bordar a 7#. .
l'ecas de fita branca elstica muito lupeifof a wt
eSOOrs. ^
Novellos delinha branca com 400 jarda B
Resmas de papel de peso liso muito lino !a
Latas com superior banha a 200 e 400 r.=.
s Caixas om seis frascos do cheiro muito lino
Caixas com doze fraseos, fazenda s boa a QBM
e2#S00.
Frascos com superior leo filoeome a jOO rs.
Catangas de sabao transparente muito bonito c ft-
no a 240 rs.
Duzia de paos de pomada do Remo, da nioliuir
i qualidade a 240 rs. .
I Pecas de tiras bordadas amito finas a 500,690 *
800 rs. '
Ditss d" babadinhos com dei-aras a 600 r3.
Carrireis de linha de todas as cres, paTa ara'
Garrafas com agua divina t#500.
Francos com superior maraci pertila a 320 rs.
Caixas de Vidro com doze diflaes, que s a caln
vale dinheiro a 200 rs.
Ditas de madeira com tfmetes, o que ns de h-
Ihor a'320rs.
pelos" mais habis mdicos, tantc da Euro-
pa como do paiz, pela sua eflicacia nos
casos de anemia, chloroze, hydropesia.
obstrucclo do abdomen, e tambem nos de
menstruaco dilcil, catharro na bexiga, etc.
Vendem-se em porc5o e a retalho ua ci--
dade do Recite, pharmacia do seu composi
tor, ra larga do Rosario n. 10, junto ao
quartel de Doliria.
..

,

'*)
PKLO
PHARMACEUT1C0
loaqnliii d"Almelda l'lnto.
As preparares de Jurubeba, s5o hoje
vantajosamente conhecidas e preconisadas Grosas de botes d iu?a, lisos e boreadou
A WXHEHI) OD A PBASO
Vende-se nma loja de fazendas inglezas, na
ra da Imperatriz n. 28.
O abaiM assignado prmpto nesie mez reti-
rar-se para Europa, vende seu eslabela-imento de
fazndas ; e aproveila a odcasiao de declarar que
at esta data nada deve. Recife t de abril do
t869. .. .
Julio Cesar Pmt de (Htvetra.
Sais modernas
Elegantes c modernissima9 raias' d la,
de receber a loja de" A. M. Rolim & C, r
Queimado n. 31
Precisa-so de um caixeo para padaria : *a
rualleal cutaq 39 Precisa-se de um calxeiro di} 12 a' I
do-Hade para botequim
n. 32.
i
na ra d htfjfeMd]
Fazendas de gado.
Vndem-se seis fazendas de gado na ri-
en a do Serid, denominadas. Boa-Visl*
P de Sorra, Mulung, Mundo Novo, Inga o
Serrote, todas muito boas de criar e de. un
ser bem conliecido nrfqifeNa ribeira : j
nretendentes podein dirigir-so ra do Vi-
gario n. 31, Io andar, es'criptorio do Rar5d
de Remfca.
CaKh1* redondas para rap emltmdo tartarugas
Pecas de fita pam eos da melnor qualidade ;
500 r?. ^^
Escovas para limpar dente=,"1azend mTC s a Ti"
la a240rs. -.
tus para limpar unas de superior qua.nLtde >
'500 rs. .
f
XAROPE PEIRORAL
DE
RABO DE TAT'
PLANTA DO BRAZ1L.
E' expectorante e recommendado naf
affec<3es da peito, i broechite ehronica be-
moptise, e tosse chrocka.
PKKP.1R A1IO
Joaquim de menla riitl*
PHtRlIArmXTlCO
Pernambuco ra lardo o
on.10.

Vendem-ige d'ius c^liiidnjsem boflo.c.'aado, urp-
prios para, nadara, por mdico pTego : quem os
pretender oirija-se ao pateo dn Tcrgon.'63.
= Vende-se. u.n carrq. aineri
apealo* fejjuairo rolas, pata um o
na ruada Florentina n. ti.
d quatr
uscaTalloei
De superior qualidade da mui acrefflta
da-Wbrica'de Bisquit 'Duhnuehe cC.;_'feih
co'gliac lima das qu mais agurdente, dii
ognac, fornecem para o consammo- du
Reino da Inglaterra. -
'''Vende-se%m"casa dcTh. Just. fo* com^erci p. 38-.__________________
Luvas 4 du^ueza
WvWeimitnr-9
phia, mathemaficas, phystca'.
Srocurado a na Nova n. 2/. phprmacia
laurer.
v.
A nova Esnarj
liometis e senhoras;
a.ruadoQiicimJ n ?
- ultimo vafKi l u vas d JW
pretas e do cr.'-s TW^
Has, ante- que se :>ral
PARA LTOv
A loja dtrjbras na fUa do Cab"uft4 11. de An-
tcmio^eraim da Silva, re<*b,eu \m fcramle sor-l \
iehtb de Jlas, juntamente brtttts pret< df i i"^ai T^iEiI^ fc'Vniti;
bom costo para luto de senhora81'WKn0s, ha- Por 600*000 urna cnouunl* S- fc-u
pas para oflleial da Rosa, c hbitos da Rosa eChris-1 boa moral ewude : na ra da imperein, >
a? *WH rspecttvaB filas. ] n:' 28.
VENDE-SE.
ILIBlWB 1


Mm
6
Diario de Pernambuco Sabbado 17 Je Abril de 1869.
v.
Lindos cortes de cassade cor com barra.e com figurino indicando o molde do vesti-
do pelo baralissimo preco de 3#300 o corte
Ditos de percalia rauito modernos com daos saias a 5.-5OOO ris
Na loja das Columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa do Vascon-
losdC.
Grande liquidadlo de miudezas!
AITonso Morejra Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
.teja ra do Queimado n. 55, resolveu annunciar as mesmas miudezas, para que o pu-
blico se certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a saber:
Caixa com agullia franceza a
Caixas com 100 envQloppes"a.
Pecas de babados^ entfe-meios
a 500, C00, 700, 800 o. .
Pecas do fita de coz com 10 va-
ras a ........
Linha de marca, caixa com 16
novellosa ......
Coques muito finos com rede, s
a rede val ..:...
Frascos com santos muito finos
a.........
Latas com banha (familia), a
160 e........
OartSo com alfinetes a .
Cupo com opiata muito fino a
400 e.......
Cartas francezas a 200 e .
Odas portuguezas a 120 e .
Caixa de linha do gaz branca 50
novellos a......
Frasco com tinta a 100 e .
Fiascos com banbaa 320 e. .'
Frascos com agua de Colonia
Piver a........
Pentes do travessa para cabello
de meninas, s a vista faz
fe, a. .
Laa para bordar, libra. .
Novcllo de linha grande com
400 jardas, S a vista faz
f a........
Pares de liga de borracha para
pernas de senhora, muito
boas a .......
Franja branca para toallia vara
a .
160 Resma de papel aunaco, muito
iO ba fazenda, com 83 cader-
nos a........
li$O00 Caixa com papel amisade a .
Jogo de vispra a. ."
500 Sapatinhos de la para meninos
a .........
240 Pecas de tranca e caracol a .
Jabonetes de todas as qualida-
1#500 des a 80, 160 e .
Frascos com oleo babosa a
"16200 400 e .......
Pinceis para barba a. .
200 Gaz a .......
100 Frascos com agua de Colonia a
liO, 400 e......
500 Pintes com costas de metal .
240 Carteira de marroquim a .
160 Peates pretos para tirar piolhos
Escovas para cabello a 400,
600 500 o .......
160 Garrafa com agua divina a. .
400 Grvalas de seda de cor a .
Ditas prtas a 400 e .. .
i 000 Botoes de louca para camisas, a
Garrafa de tinta roxa a. .
Lencos brancos para mos
320 a'.........
6(5800 Par de suspensorios para ho-
mens a.......
Espelho de toucador a. ,
60 Frasco com cheiro muito fino
I a..........
'Bandeja para copos a .
60 Moias cruas para liumens. bm
! fazendaa 35, 3600, 4 e. .
200 Abotoaduras para collotcs a ".
2^800
700
400
320
40
200
600
200
320
500
320
400
200
600
1500
320
500
160
800
240
200
25500
1,5000
400
4,5860
320
o xaroie Veecial Americano, esnecladadede Rartholeaaeu
34RA LARGADO KOSARIO34
Nao costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dt>
xamos que sua applicaco eos resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceite
ios- lbesdeem crdito evoga; porque sao sempre os attestados considerados gratuito!
- c 'delles que lancamao o charlatanismo; mas, nao querendo oeader as pessoas qi>
espontneamente nos offereeeram os que abaixo vio transcriptos, os fazeraos publica
manifestando-lhes nossa gratido pela attencio, esperando que venham cites corrobow*
o concedo, e acceittco qnc tem merecido nosso xarope.
IktrtJiolomtu & C.
ATTESTADOS
illms. Srs. Dartholomeu A C com a mais subida satisfacao, que decan
Mr o xarope Americano de urna eficacia extraordinaria, pois que sofTivbdo ha di d+
intensa tosse, nouto de nao poder dormir a noite a despert omsio de medicamento
me tomara, a ele recorr e naterceira coiher fui aliiviadft, ede todo me ado hojeret.
labelecido com o uso somenf de quasimeio frasco: grato, pois,** esse resultado mam
festo a Vv. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado.Ma
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1808.
Illms. Srs. Bartho'.omeu ti CPenhoradissimo com o favor que me fizerau
de aconselhar.o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composicao, quando me acha
ya bastante doonto de urna constipacSo, que me tornou completamente rouco e qi
Ir mxe urna forte tosse. e me impossibilitou de cumprir os meus deveres de cantor d;
empreza lyrica, vou agradecer-Ibes meu completo restabelccimento, que obtive com un
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tratamrntos. fiesejare
que outros como cu recorram ao seu xarope para seXverem alliviados de to terrtve
inoommodo, to fatal neste paiz. Com maior consderavao contino a ser de Vv. Ss
attento, venerador e obligado.Luiz Cremona.
Rocife, 25 de setembro tle 1868.
Illms. Sr3. Barlholomeu A CO xarope Vegetal Amoricano que Vv. Ss. teen
exposto venda de toda efficacia para o curativo d'asthma, conforme observei appli
cando-o a meu fiiho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'csse flagcllo, que at<
entao por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de gran*
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expresso altamente sincera de meu reo
nliecimento ao meritorio servico que Ihe prestaram com o indicado xarope, acredrtac
th-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obligado.Americo Netto de Mendonca
Recite, 2 de oulubro de *
1868.
SIPHOSPHATOdeFERRO
I jDE LERAS DOCTOR EM SCIENCIASJ
INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIZ Ete.H
Dcbaixo da forma d'um liquido sem sabor,
anlogo a urna agua mineral, este medica-
mento rone os elementos que constiluem
os ossos e o sangue. E' o mais racional dos
"erruginosos; por esta razio o adoptarlo
bs mais eminentes mdicos do mundo in-
teiro. Convem muito s meninas de temperamento delicado, cujo desenvolvimento tardo,
s senhoras que padecem d'estas dOres d'estomago intoleraveis, causadas pela chlorose,
anemia, menstrnacSo on leucorrha, s criancas d'uma compleicao pallida e delicada, e a
todas as pessoas que tem o sangue empobrecido pelas doencas. Efficacia, rapidez d'accio,
cura perfeila, sem constipacSo de ventre nem ac0o sobre os denles, taes sSo as razOes que
imperio para que os senhores mdicos o prescrevao aos seus docntes.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maarar O*.
ALTAS NOVIDAIIS
LOJA DO PASSO
Ra do Crespo n. 7 A, esquina da do
?erador.
Imp<
PARA CASAMENTOS, BAILES, TIIEA-
TUOS, etc. etc.
Lindos corles do blond, contendo setim,
mantas e grinaldas. fr
Requissimos cortes de sedas assim como
para covados.
Gurgurao branco.
Moireantique branco azul e verde.
Gros-de-naples brancos e de cores.
Setim branco macau.
Setim, branco, azul, verde, cor de rosa
e amarellos.
. Fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas saias.
Chales de gurgurao de seda de cores.
Camisas bordadas para homens. *
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho bordadas com primor.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Riqusimas colchas de damasco de seda
assim como de seda e algodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de Undas cores.
Chapelinas de palha da Italia, assim
oemo de seda.
Enfeites para caboca de senhora.
Esparlhos para senhoras.
Meias de laia para padre. .
Ditas de la
Ditas de seda fio da Escossia e algodo.
para senhoras e meninas.
Lencos de labyrintlio.
Fronhas de labyrintho.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas cambraias de cores, percales,
LSas, e outros muitos -artigos de gosto e
de alta novidade, isto s
TASSOIRMOS
Tem para vender em seusarniaseiis, alm de ou- ^*
tros, 03 seguintes artgs :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Grevc pautado e liso*
Viiios 0111 caixas de doze garrafas
Bourgogne. /
lien-.
Madeira.
Hurmilagc. .
Clumblis.
Licor de curafo de Hollanda em caixas de vin-
le e quatro butijinhas.
GESSO,
Nos armazens de Tasso IrtnSos.
Najloia do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do imperador.
rrrtvcu
ittcMtmit
Umdtci%*
*i Part.
'^mm
As preparares ferruginosas liquidas tem desde muito* annos merecitto a approvaeio
especial dos mdicos, porque ellas obrio mais rpido e seguramente do qne as pnla, e
sao mais fcilmente toleradas pelos deentes. Os Pos ferro-mngameos possuem a inappre-
ciayel vanugem de poder offerecer n'am instante una agua ferruginosa gaseosa, de gasto
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de mais nm elemento precioso,
o Manganese, qne sempre se acha no sangue, junctamente coa o ferro. Empregao-se on
todas as molestias que tem por causa o empobrecimento do sangue, assim como- para vigorar
os temperamentos debis e lympbatieos. A chlorose, as Peraai brancas, dores 'estomago,
a irregularidade ia mtnstruaco e amenorrhia ou suppressSo do menstruo, cedem rpida-
mente a sen emprego. Devemos meneionar aqu um fado notavel, isto qne es doentes cura-
dos pela agua preparada com estes pos esto mailo menos expostos a recadas do qne
aquelles que foro tratados pelas preparacScs ffrrnfinnsst ordinarias-.
Deposite em Ptrnambuco, em casa de Kw o.
TDSSES
CITIRRHOS
PASTILHAS PEITORAES
de sueco deALFACE
E LOURO GEREJO
IRR1T JtgOES
DO PEITO
E' este o mais novo e delicioso confeito at agora conhecido. Por isto tem adquirido r-
pidamente a popularidade de que goza. Os mdicos os mais distinctos o aconsclhSo contra
as ojmj. definios, catarrhos, losses convulsas, catarrhos epidmicos^ irritacbes do peilo.Com
grande empenho o procuro as mies de familia, assim para ellas como para as criancas, pois
primeiro que tudo inoffensivo, e as suas propriedades adocantes nio deixio nada a desejar.
Deposito em Pernambuco'em casa de Hnm o.
PILULAS
VERDADESRA8 ^^
DE BLANCARD
COM lODlNNETO DO FERUO WLTRiL
' 'APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DI PARS, WK.
r Foscaifido as propriedadesdo Vedo et do ferr, eonvem speeialmente ms Amccot
BCKOFULOSAS, a tsica no principio, a fraqueta d temperamento e tamben nos casos de
Falta dk cor, amekorrht.a, em que precisarcagir sobrx o sangue aoja para restituir
lhe a sua riqueza e abundeneie normaos, ou- para provocar e regular o sea curso peridica.
N. B. O iodoreto d ferro impnro on alterado ata medicamento infiel,
irritante. Como prora de pureza d< aatheneidad*da* *vtm*Mrmmr%-
r> Rlanranl, deve-se eiifr nos** m** U mrata riaill e,
do*m> Arana, airai reproduiida, qne M acha na parta inferior ds>ua
raala erdf. Deve-se desconfiar das falsificacois.
Arhana-aa aaa taaaa aa afcaraarelaa. Hmm9fUtttK MU SJ|aa.aa|at.40 irriun
^^ DO*K
Grades de ferro
para jardins, porteiractc.
Nob armazens de Tasso Irmos
C AltllBXHO* l>B FKItRO
Pera servidos de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou caixoes de um para ontro, lado pee
mdico preeode 12000eadaum.
Fariiiha de trigo de Trieste
Das melhoras mancas Panonia Tverdadeira) Fon-
tana e'grande sorttmento das melhores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de irinlia de trigo do
(Me
Todas novas, ebegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydrauliet 12$
O mclhor para tudo (pie sao obras; para agua, co-
lmo assenta ment de canos divesgof, algerozcs.dc-
1 psito, tanques d'agua, etc., etc.: em porcoes de
cincoento barricas se far reduccaono prejo : nos
armazens de Tasso Irmes;
Cemento Portlaird
0 verdadeiro cemento Portland cm casa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferrs, cercas, por-
teiras, ete., etc.
De differentes qualidades para cercades^e ani-
maea-, chiijueirospara galirriasoajardins: nos ar-
mazens de Tsso Irmaos.
Barris coi bren
Nos- armazens d Tasso rmeos.
GANOS DE BARBO
Na ra Nova de Santa Rita, na antiga fabrica de
sabao, bapara vender por preco o mais mdico
possiveij canos fcmncezes para edificacoes eesgo-
tos de teda a quadadc, supciorw; a todos os-que
aijui tem apparceMo pela sua solidez.
piteras
1140 por can grande de 'S e meia polle-jadas.
i 3200- por dito de 2 e tres quartos de dita.
1 OOO'por dito de 2 e um quarto de dita.
500 ris por pistoleta de 2 poHegadas.
Cetoveiios, curras c canos de ir.aior grossara, a
vista se faro preco. Compras maiores de 200 i
tem 5 por-cent de descont-por prompto'paga-
menio. Pde-se ver as amastras nos arncazeus
de Tasso Irmaos.
lijlos fraiteezes
Para iadnlliar casas terreas oom asseio e proeos
NOVA ESPERANQA
Rua do Queimado = 21
para presentes
A Nova Es^^^HI roa do Queimado
n. 21 tem um variado sortimento de objeo
tos de gosto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresaliindo entre elles ricas caixi-
nhas do eba^no com finas perfumaras, cos-
turaros de chagrn, agulheiros de madre
perola : assim, pois, quemquizer fazerunu
linda ofTerta, dirigir-se Nova Espera^ci,
ra do Queimado n. 21.
Collares anodinos cllectro-magneti
eos contra as convulges deu
A
mdicos, muilo convenierles e proprios para )adri>
Ihos de cosiahas em sobrados, pelo scu asseio e
evitar a passagem de aguas para o andar 'nferior
e mesmo o perigo de fogo, aos- precos de 30^000 a
'i:000 o iiln-iro : na ra Novado Santa Rita, na
antiga fabrica de sabao, c con>pras maiores de 200
se far 5 por cento de desconle por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Vetes- de esparmacete verdadeiras para lan-
ternas de carros: no armazem.de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto lino superior: no armazem
de Tasso Irmaos.
Omelnor copiac Ganthier Freres: na arma-
zem de Tasso Irmaos.
Esteiras da India
OLEO DE HOGG
DD '
Figados frescos de bacalho
Para cura certa de phisica, Joss, tosse chronica, fraqueaa dos membros e de-
bilidade geral, recommenda-se a excelleocia deste
oleo aiuda por sr ngeadave) no paladar. .
VNDESE
KA
l'hitrmacia e drogara
DK -
BARTHOLOMEU & a
34 = Rita larga do Rosarte = 54
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAO
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convuislvas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
vi:\iii>si^
PHARMACIA E DROGARLA
DF.
Barlholomeu & C.
3iRA LARGA DO ROSARIO34
AO BAZAR BA MOBA
Ba Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
Itiacao
Para senhoras.
COQUES da ultima moda, enfeitados e lisos, gran-
de sortimento.
CHAPELINAS de palna da Italia, guarnecidas com
delicados o elegantes enfeites branafttr.de cores
CHAl'EUSLNHOSe gorras denotado eennas
(illa novidada () it palha da Itali.
cspcdial sortimento.
CINTOS de cores e preto?, Tle*- ?or}imenio ulli
ma moda. > *
CAMISAS bordadas por c^'mmodos! precos.
LENCOS bordados e com letras,-' jwvidado nele
LKOl'ESa emitacio dcmarfim, gosto novo e de
sndalo.
GOL1NUAS e punhos, a emitacao de guipure.
ENFEITES pretos e de cores para cabeca, lindos
mol!
GUARNlQAOalu novidade I a Marie Rose, nlti-
mamenlt usada em Pars.
CORP1NHOS de guipure brancos e pretos lindos
modelos.
,BORNOS de lia e seda, cores claras, elegante
moda cm Pars.
GRINALDAS de flores finas.
ESPARTILHOS superiores.
MEIAS supe, iores de fio de Escocia.
LUVAS de pelica chegadas pelo ultimo vapor.
ADERECOS de coral verdadeiro e camalo, gosto
delicado.
DEPALBA
GUARMCOES para vestidos.
TRANCAS para enfeilea de coques.
ROTES lisos e com pingentes para vestidos.
CINTOS alu novidada
FI/1RES finas, grande sortimento.
GRINALDAS de ditas para coques.
LACOS, Arelas, penaclio* para enfeites.
Para horneas.
CAMISAS com peitos, colarinhos e punhos de li-
-rtio fino, lisos e bordados, moda,
COLARINHOS de linho e algodao.
PUNHOS de ditos.
GRAVATAS de todas as qualidades.
ROTES para punhos e guarnicoes para cteles.
CORRENTES de plaqu a emitacao do ouro, lin-
do gosto.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qa-
lidade superior.
CHAPEOS de seda, para sol.
MtlAS de superior qualidade.
RENGALINHAS finase chicotes.
LUNETAS aro de apo^e tarturaga.
Para criancas.
VESTUARIOS completos nafa baptisados.
SAPATINHOS de merino e setim enfeitados.
MEIAS de seda c fio de Esc saja.
CHAPEUSINHOS de palha til Italia.
TOUCAS de fil e setim enfeitadas e de chroch.
BUNECAS vestidas, muito bonitas e diversos
brinqnedos.
Perfumarlas fluas.
AGUA FLOIUDA verdieira de Marray & Lan-
man New-tork.
TOXICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA de E. Coudray o superior agua e
cssencia de Colonia.
ESTRATOS e essencias finas e de agradareis are-
mas para o lenco.
VINAGRES aromticos para toilet
POS DE ARROZ para amanar a pelle ; em pach-
tes e ricas caixinhas com arntinho.
POS superior para limpar os dentes.
COSMETIQUES de fina qualidade.
SABONETES, grande sortimenio" deste genero o
de superior qualidade.
LEOS de philocome, babosa e antiques.
BANHA fina para os cabellos.
AGUA de flores de laranja.
CREME de sabab para barba.
Caixas preparadas com perfumaras finas.
llludczas fluas.
SUPERIORES fitas de grosdonaples de todas as
cores e larguras de veludo preto e de cores, e
gurgurao para cintos.
BABADINHOSe entremeios bordados.,
GUARNICOES de seda de cores para enfeites de
vestidos.
TRANCAS pretas com vdrihos e pingentes.
BOTOES de cores, brancos e pretos com vidrilhos
lisos e com pingentes.
DEDAES de madi merola, de marfim, de Ac e
metal.
THE80URAS finas para costara e nnhas.
CAIVETES finos com qnatro folhas. E muitos
outros artigos de miadeas. que se torna enfii-
douho menckma-los.
iOJl
DO
GALLO VIGILANTE
Ra lo Crespo n. 9
Os propietarios deslc bem eotihecido eslabele-
efaQento, alm dos muitos objecto que tinliam ex-
postos a apreciacao do respeitavel publico, man-
daram vir e acaban de receber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sortimento de
finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
tao* resolvidos a vender, como de seu costumo,
por precos muito baratinhos e -cotumodos para to-
dos, eom tanto que o Gallo....
Milito superiores luvas d pellica, pretas, bran-
ca e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, nesto genero o que ha do mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqnissmos enfeites para cabeVas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas protas e de cores com vidri-
lhos e sem elles; esta fazenda e o quo pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se vendern) por 30000
a duzia, entretanto que n3 as wndemos por 203,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
.finas.
Boas bengalas de suporior canna da India
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
quanlidade de outras qualidades, como sejam, ma
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicofinhos de cadeia c
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para merli-
nas de I a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas,o de piis a mais sao ga-
rantidas pelo fabrieentt; e nos por nossa vei tam-
bem asseguranaos sua qualidade c delicadeza.
lindas e bollas capeHas para noiva.
Superiores agullias para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labvrintlio.
Bous baralhos de cartas para voltarte, assim
como os. tentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das raemotalr per-
fumaras e dos melhores e mais conuocidot fer
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulses, e
facilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-lds por todos os
vapores, afim de que nunca fallem no mercado,
como j tena.aoatecido, assim pois podero aquel-
los que deles precsarem, vir ao deposito do gallo
vigilante,MKK lempre encontraro destes verda-
deiros eonares ttendendp-se ao fim
para que sao applicados, se veuderao com um mui
diminuto lucro. -J
Rogamos, pois, avista dos objectos que dexamos
declarados, aos nossos fregnezes e amigos a virom
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.___________
Tudo se vende por j>re$os bastante commodos.
Capsulas de Eaquim
Os bons effeitos destas cnsalas para fazer ces-
Mr os gonorrbeas acham-se comprovadas pelas
experiencias de muitos annos. mo,..m
Os mdicos de todos os paixes as recommendam
nela sua efflcacifc___'
NTNDE-SE
VA.
Pharmacia e drogara
DF.
ilTHOLOMEU
Ru3ia larga do RosarioU
Em casa de Tasso Irmaos vende-se estiras da
India de diversos padrees- e larguras, par preco
commodo.
Macarthy
Haelilnas de descarocar igodo.
ILije que est recoaheeido que as machinas de
serrote prejudicam e quebram a fibra do algodao,
pitoiso recorrer machinisino menos spero,,
qnc-produzindo o mesmo servico que aquellas, e
facilidade no traballio, nao quebrem r.libia da laa,
pana que essa possa obler-nos mereadbs europeos,
a differenca que ha entre o algodao descaro(;ado
per aquellas mencionadas machinas, que est fi-
cando em dcuzcv pelo prejuizo que tem c;uisado,
e o da antiga bofcujdcira, que nao pode competir
creangas.
N3o resta a menor duvida, de que moito
collares se vendem por ah intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
pas de familias nao creem (comprando-os)
no efleito promettido.o que so pdem dar,
os ^prdadeiros; a Nova Esperanza, porra
que detesta a falsiieaco principa-lmente Vi>
que.respeita ao bem estar da humanidade,
Tez urna entommenda directa deste collares
e garante aos pais de familias, que s3o o
verdadeiros de Royer, que a tantas- crean-
gas tem salvado do terrivel incommodo di
convulC/Oes, assim pois preciso, qne ve-
nham a Nova Esperanca a ru do Queiaiado
n. 21. comprarem o salva vida, para seui
ilhinhos, antes que estes sjam acomptti-
dos do terrivel mal, quando onto ser di-
flicil alcancar-se o efleito deseado, eraftora
sejam empregados os verdadeiros coDare
de Royer.
Para extinguir as sardas *
panno
Rectbeu a Nova Esperanc, ra de*
Queimado i>. 21, leite de rosas, especia*
para extinguir sardas e pannos.
BONECA SE CERA
A No'a Esjieranca a ra do Qaeimado n..
21, acaba de receber um completo sorti-
mento de fina* bonecaa de cera de diver-
sos lmannos, sendo as maiores do com
priento d'um covado ; estes boaecas tra-
zem bonitos coques e botinas, hawndo en-
tre ellas algunas que fallam e ontras que-
choram de sorto que fasilmente podem ser
preparadas, e fozer-sc u presente: de muita
acceitacao.
Faias caixas de tartarsga para r3p ven-
dem-se a ra do Queimado n. 2 na loja
da Nova Esperanca.
Modernos brincos de sndalo, s se en-
contraro na Nova Esperanca a-roa do
Queimado n. 21.
MHIAS DE LAA
A Nova Esperance a raado Qneioiadon.
21, acaba de rscober un especial sortimen-
to da meias de lia para homem e senhora.
GONTRAAS CONGESTOE*
mal terrivel a coagesto fulminante:
de reponte leva um individo, d'esta para
millwr vida, sem dar-lhe tempo de receber
conversa medica; deixando as mais daa
veses mulher e filhos n mais amargurdo
praato; a Nova Esperanca que de3ja pres-
tar serviros rscorreu a Vojer, o qual lhe
mandou anneis elctricos magnticos, como
o nico presan-ativo para semelhante mal i
elle antes qae se acabem : na Nava Espe-
ranza:
NAVAbIIAS
A Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 recebeu um sortimento da navalhas,
de qualidades, e tamanhos especiaes assim.
como afadores e massas para as mesmas.
nao
pela morosidad* de seu trahalho. E" assim que
estas machinas se toroam as mais proprias para o
nosso algodao, porque ao par da facilidade e
promptidao conseuva a fibra da fia, que liiapa por
ella, e qualificada na Europa a par da melhor bo-
landeira, valendo assim entre W) arrobas 20 0/0
mais do que a la limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
esto adoptadas no Egypto, agnde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
jflo daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 arrobas 20
0/0 majs do que o nosso : vendem-se a lo0000
nos armazens de Tasso Irmaos.
Oleo de amendoas
Em caixas de 8 latas, cada caixa 100 libras :
nos armazens de Tasso^Irmaos.
Charutos da Havana.
Exccllentcs charutos da Havana e por baratissi-
mo preco : em casa de Tasso Irmaos, ra do
Amorim n. 35.
EIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado n. 49, loja de miudezas de
Jos de Azovcdo Maia e Silva, tem para vender os
artigos abaixo declarados, tudo bom c baratissi-
mo, que sao para acabar.,
Duzia de sabonetes muito finos a 700 rs.
Pares de sapatos de tapeto para homem a 15280.
Ditos de tranca para creanca a If.
Tramoia do Porto, bordada, a melhor a 200 rs.
Dita do Porto liza, da melhor qualidade a 100,120,
160 e 200 rs.
Resma de papel almajo, lizo superior a 35200.
Dita de papel almaco pautado a 41.
Livro de missSes abreviadas a 2|.
Cartilhas com toda a doutrina e muitas resas a
320 rs.
Silabariosportuguezes com estampas.a 320 rs.
Baralhos francezes muito inos a 200 e 210 rs.
Sabao inglez superior qualidade a 800 e 15.
Gravatas pretas e de cores muito finas a 500 rs.
Duzia de meias para seniora, fazenda fina a 4.
Itedes pretas lisas para segurar cabello a 320 rs.
Varas de transa de soda de todas as cores a 600 rs.
Pares de brincos dourdos com maozinha e po-
dras a 320 rs.
Cartoe3 com corchetes de duas ordens e sao de la-
taoa*)rs.
Abotuaduras de vidro para coleto muito finas a
.120, 240 e 400 rs. ,.rt
Pares de botoes donrados para punhos a lw rs.
Caixas de pennas de a$o muito finas a 240, 320 e
Cartoes com duzentas jardas de linha do faTSr-
cante Alexandre a 100 rs.
Caixas de pennas de ac, a verdadeira penna a
Carriteis'de linba Alexandre ns. 70,80, 100 at
200 a 100 rs. '
Caixas com superiores brelas de massa a 40 rs.
Carriteis com duas oitavas de retroz preto a 500 rs
Duzias de agulhas para machinas a 2.
Libras de pregos francezes de todos os tamanhos
attOrs,
Livrosescriptnrados para rol de roupa a 120 rs.
Caixas com papel amisade muito fino a 700 rs.
Caixas com cem envelopes da melhoi qualidade a
600 rs.
Talheres para meninos muito boa fazenda a
240 rs.
Vendem Augusto
Commercw, n. .42.
de Oliveir* 4 C. ra de
Para familias
Grande Razar, naXova ns. tO>
SS, de 'arnelro vianna Jk c.
Acaba de chegar a este estabelecimento
grande porfao de machinas para cstura& do
autor Wheeier Wilsoa, approvatas na ohi-
ma exposic3o de Pars, as quaes cOzem com
dous pospontos teda a costana, e tem a
vantagem de ser fio suave o> movimento,
que quilquer criaaca de oito annos fcil-
mente trabalha, e pode, com este eatrete-
nimentn, levar vastagem ao sniQo diario
de trinta costureiras. A comprehensSo
simples, pois em um quarto de hora se fi-
ca senhor do movimento da macfcina, ten-
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar,
franzir, marcar e bordar, como apresentam
os desenhos que acompanham-nas. Os pro
prietarios do estabelecimento se encarrt-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e
garantem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeiclo a machina vendida, n3o tendo,
porm, soffridoella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo. estabelecimento machinas
do autor Grower A Baker, de trabalao sim-
nlesmente mo, e outras com movimento
dos ps; e mxime todos os pertences das
mesmas machinas, para vender avulso.
Tintura japoneza
os cabellos
e a
Cemento de Portland.
Vende-se no armazem de Vicente Ferreirs
Costa & Filho, na ruada iMre de Dos. i
barris grandes.
Instantnea para tingir
barba", a 1^000 o frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido reconhecida saperior a toda
as tinturas d*este genero.
A venda em casa de Gustavo Hervels n.
Bl.ru da Cadeian. 5!.
6AZ GAZ (,AZ,
Chegon ao antigo deposito de Henrj Forster &
C, ra do Imperador, um earregannnto de caz
de primeira qualidade; o qual se vende om partidas
e a retalho por menos prec.o do que em outra qual-
quer parte.
FUNDICAO DOBOWMAN
lina do Kriiui n. 5t.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batida fundido.
Rodas dentadas, paia moer oom agoa.
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucar.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro'
prios.para agricultura.
Cal de Lisboa
loa chegada ha pino
^^Fna ra da Crgx 27, t anda
^E Ramos & nal pal
<.



Diario de Pernambuco
abbado 17 de Abril de 1869.
I
\
GRANDE LIQ1DACA0
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZENI
DO -^, _____
89mm G>a aia?aiaawaiiaca. 39
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprietario d'este eslabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tera defazendas, iwto da oda como
de lei, e as pessoas que negociam cm pequea escalla, tanto da praca como do matto-
nesta casa poderSo fazer os scus sortimentos em pequeas e grandes porrees, venceti-
do-se-lhes pelos precos que se comprara as casas inglezas ; -jssimcomo as excellentis,
simas familias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazenda, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, par-a o que acha-se este estabelecimen-
to aberto constantemente desdo s 6 horas da manbia s 0 da oute.
O atoalhado do Pava AS CAMBRAIAS M PAVO
Vade-se superior atoalhado de alodio Vendem-se Hssimaspecas de cambraias
com 8 palmos de largura, adamascado a lizas transparentes tanto iaglezas como suis-
"5200 a vara; dito de lihho fazendamuito
uperior a 30200 a vara ; guardanapos do
inho adamascados a 4#50Q a duzia e muito
finos a 8,5000, e ditos eoonomicos a 3/5500
<;aipi8.
jfragtoes para vertidos hranco,
a40.
Vendem-se os mais modernos fustees bran-
des Bexiveis com padrees de listas e de
lpicos proprios para vestidos e roupas de
menino a 640 rs. o covado, na loja e arma-
zem do Pavio rea da Imperatriaa. 60, de
ftyix Pereira da Silva.
Grostteaaples
Ghegou para a loja do Pavao pelo ultimo
varpor um grande sortimento dos melhores
^rosdenaples pretos e de cres,'4endo verde
tambem, que -se vendem mais barato q;
em outra* qualquer parte.
BABADINHOS
Vendem-se finissknos babaidinhos, tir;
bordadas eentremetos, mais baratosdo qu'
em outra qualquer parte, assim-eomo espat*'
ilhos dos mais modernos, no -armazem de
Fefix Pereira da Silva, ra da Imperatm
o. 0.
ALTA NDVIDADE
A \m\ DO PAVAO
Gurgurao de seda
Qiegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos gurguroes de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisas e lavradinhos, -com muito
iustro, garantir.do-se que a fazenda mah;
nda e de mais^hantasia que este anno tem
chegado a este mercado, e vende-se por
preco muito razoavel, na ra da Imperatri;
11. 60, de Flix Pereira .da Silva.
CAMBRAIA-BRANCA A 35H).
Vende-se pecas do cambraia branca
transparente, cora Se mvia varas pelo ba-
' .rato preco de 3G0, dita muito finas tanto
tapadas comotransparentes 4500, 5#000.
-60500, 7(5000 e 8-5000, assim como organ-
-di amito fino tanto lizo, como de listas (
Tuadroe na loja e armazem do.PavSo roa
ia Imperatriz n. 60 de Flix Pereira d;;
Silva.
ALPACAS LAVRAOAS PAILA LUCTO.
sas tetdo mais de vara de largura, pelos
preces de 5)5000 at 100000 a peca, assim
como finissimos organdys branco uso que;
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 1)5000, a vara, na loja do
Pevlo ra da foiperttrk n. 60, de Feux Pe-
reira da Silva.
XlpaeaslaTradas
Chegaran pelo ltitao vapor a mais mo-
dernas alpacas favndas com as mais lindas
cores, que se vendem a 1)5000, o covado,
ditas lisas ten do tambem cor de canoa a
800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:20G,
o covado, -e outras muitas fazeotks de gosto
e moda que se vendem mais barato do
que em outra qualquer parte, ao armazeau
do Pavio, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
Roupas para horncrn
Vendem-se superiores palitts de paneo
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas inglezas e trancezas com os peitos
de esgwao, ceroulas francezasde linho eal-
godo, meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e ie meia de Ha, assim
como neete estabelec imento existe m grande
sortimento de pannos pretos, e de casemiras
inglezas>de cores, e que se manda fazer
qualquer-obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-Hies que serlo servidos
com a maior promptidlo e muito mais ba-;
rato do que em -outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. G0.de Feix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas ejanelras.
Vende-se um grande sortimento dos me-
'Ihores e maiores cortinados* bordados pro-
prios para amas e para janellas, que-se ven-
dem a 120000 rs. cada par at 25)8000 rs,
iso na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
FRITAS
Na laja do Leo da porta larga
PAREDES PORTO.
Ra da Imperatriz n. 5, junto aloja deourives.
N'este eslabelecimento se encontrar ra da Imperatriz n. 52, loja do Paredes
sempre um cempleto sortimento de BOupas Porto
feitas de todas as qualidades. Goo se- Nesteestabelecimento encontrar o respei-
jam: paletots de aljwca, de merm, de tave! publico um completo sortimento de
casemira, bombains de panno prcto, fra- facendas e roupas que, se vende pelos pre-
ques e sobrecasacos de brins de cores e tos seguintes:
pardos.
CAMISAS E SIROULAS.
FAZENDAS BRANCAS,
Madapolao de diversas qualidades e pre-
Encontrar sempre o respeitavel publico eos commodos, cambraia de 30500 411500
um bonito sortimento de todos os nmeros, e 50, ditas victorias de 50500 a 120, pecas
MEIAS CRUAS.
Sortimento de todas as qualidades, de
30 a 50, assim como tambem sortimento
de lencos de lirio* trancos e com fearras
de cor, chinezes, bonitas grvalas pretas e
de cores. Ra da Imperatriz d. 52, por-
ta larga.
PARA ACABAR.
Urna grande porcia de calcas ordinarias 520 rs. o ovado.
para trabalho a 640 e 600 rs. cada um par,: GUAUftANA
pechineha na loja da Leao junte a loja d Yende.se esta fazeQL
ounves- ^ boa a 43000 e 55000
'GRANDE '.CBEWBA, MELVS PAM HOMEM
Cassas %e cores a 100 rs. o covado,
160 RES O COVADO
Chita(.preta peloiarato preoo de 160 o
covado na ra da Imperatriz 52 na toja
que tem m Leo pintado.
PA DE.LINB^
Paredes Porto, recebeu um-sortimento da
pannos *~ide linho, com-27 taras a pe?a e
170000 -e 180OQO, na ra da ImperatKz n.
f2Junto a loja deourives deporta Iacga,de
Paredes Porto.
LENGS DE LINHO
Vende-se lencos brancos e linho a 0,
a duzia ,para acabar na loja de Paredes Por-
to. Roa da Imperatnz n.,82 loja dafcorta.
larga que tem um Leo pintado, de Paredes ;tiaento completo a preco commodo.
Porto.
Ko armazea do Leao, ra a Imperatriz n. e 52, junto a loja de ourivat.
de cassa liza o mais fino pie ha no merca-
do a $0, 100, 120. com 12 varas, e vara
de largura
SEDAS DE LISTRAS.
Hecebeo-oe um bonito sortimento d'esta
feaenda que se vende, a 20500 o covado.
CHITAS.
Vende-se chitas escuras a ^0, 300, e
fazenda
Sortimento de meias in|HEas para ho-
mem a 40800 '50800 e 60800 fazenda noa.
THOALHAS
Sortimento de'toalhas de pelucia a 110
a duaia. >
LENCOS RANCOS a 20200
Para aabar|4encos de algodo a 2^200
a doria,
20000
?ara de bramante de'lmao superior e
tem 10 palmos -de largo.
CALCAS E COLETES.
Tem sempre .no mesmo mentido um sor-
Cretone para len palmos de largura a 2$,
Acaba de chegar esta nova e excellente
fazenda branca prpria para lenoes de-um
Veode-se na loja" do Pavao, as maismo- s panno, garaatindo-se que um metro e
urna quarta ou um metro e meio d -um
excellento lenQol de um s panno, assim
como esta toa fazenda tambem muito
propria para toamas de meza, rosto etc. e-
outros mysteres e vende-se pelo baratissi-
ernas alpacas lavrad&s para lucto, sendo
snuitolargsisepelo barato preco de 800 rs. o
covado, s na loja e anaazem do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Sito.
CaesasIaglezas a -f JO rso metro mo PreCQ dc *# cala metr0-
Vende-se urna grande porco de bonitar
cassas inglezas tanto graudascomo miudi-
nhas e de cores ixas pelo barato preco de
iiO rs. ometro,garentindo-se que 7 metros,
do un vestido para qualquer Sra. s na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva.
lili fISillS D
11-R,UA D0 ftHEINADO-11
DE
AUGUSTO PORTO & C.
0 cordeiro previdente
Ra do Quelniado o. 10.
Novo e variado sojtimento de perfumaras
finas, e oulros objectos.
Alm do completo sortimento do perfu-
maras, de que efectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pro-
cos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciaco
do respeitavel publico cm geral e de sua
boa freguezia em particular, nSo se afas-
tando elle de sua bem conhecidamansido
e barateza. Em dita loja encontrado os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray d- Lammn.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor-de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toikt.
Elixir odontalgico para conservagSo do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e clici-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
e outras qualidades. '
Finos extractos inglezes, americanas %
francezes em frascos simples e enfeit-vios.
Essencia imperial do lino e agrai'.avelcha-
ro de violeta.
Outras concentradas e de vneiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo phflocome verdadeirro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escollados cheiros, em frascos de di-
ferentes tamanhos.
Sabonfttes em barras, maiores e meneres
para nins.
Ditoa transparentes, redondos eem figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em-caixinba para barba,
Caxinbas com bonitos saboaetes imitando
fructas.
Ditas de raadeira invemisada contendo fi-
nas perfumaras, muito propiias para pre-
sentes.
Ditas de papeloigwDmente bonitas, tam-
bem de p'irfuinaris tinae.
Bonitos vasos de-metal coloridos, e de
moldes nowas e elegantes, com pode arroz
e boneca.
Especial j de arrot sem composicode
cheiro, eaor isso o mais proprio para crian-
cas.
Opiata ingleza e franoekapara (lentes.
ASTM E PTLSICA
lia dcscobrlmcuto rspaateso?
O xaropo de fedegoso, de Pcniambo*),
preparado pelo pharmaceulicD J. de A. Piu-
lo, cura radicalmente a pthisica e asthma.e
todas as molestias dos pulmees.
Podem ver-se os attestados de curas no
nico deposito das prepararas de l'edegoso
d'este autor, ra larga do osario n. 10
junto ao quartel de polica.
1'iiNTO "PHARMACEL'TICO
Jarope de salsaparrllha do Para
ou
DEPURATIVO DO SANpLE
-
Usado as molestias de pelle, impigens 'lo-
res rheumalicas c ulcera* venreas,
Rua larga do Rosario n. '^
= Vende-so um cavallo para cjjnotet, raiide
c bstanle gordo : a tratar na ..a(.a aindepen-
dencia n. 1 c 8. *
Vergiinteas de pinl1

niastareos, vergas
Ver
mo'
r
Bareges a 400 rs.
S na loja do Pavo
S vende as mais bonitas bareges tranparen-
proprias para vestidos com listrinlias a imita-
,;v6 de lisrras de seda, e vendem-se pelo barato
pre^o da um erurado eada nm covado, unicamen-
l& aaloja e armazem do Pavo, rua da Impera-
lrk n. 60, de Flix Pereira da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A 5000.
Vendem-se colchas de fusto adamasca-
las para cama, pelo barato preco de 3$,
grande pechineha, na loja e armazem do
Vav5o, rua da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Suva.
COBERTOES INGLEZES A 4|?, 4;>500 E 3.
Vendem-se os verdaderos cobertores
inglezes, de pura laa, pelo barato prego
de 45, 4#5GO e 5?, assim como colchas de
fustao de cores, pelo barato preco de 3#, na
loja e armazem do Pavio. rua da Impera-
ira n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Madapolao entestado a 8&500
Vende-se superior raadapoloenfestado,
fiado muito encorpado, 'para carnizas, e
toado cada peca 2! jarda?, pelo baratissi-
oo prego de 8i$i00, na loja e armazem do
PavSo, rua da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
CHAPEUNAS
ULTIMA MODA
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas e mais modernas chapelinas rica-
mente enfeitadas, com enfeites e fitas do
setmi e de todas as crese com ricos bicos
de blond e as mais lindas c finas flores,
wndendo-se cada urna pelo barato prego de
WKXX), garantindo-se serem muito mais
bonitas do que outras que se vendem m gos como estreitos, sendo de 20000 rs. o
utras partes a 200 e 25$, e entre ellas covado at 4000 rs. garantindo-se que
ba mais do que ummodello, tambem tem n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
murtas de pratinho, proprias para mogas MOCAMBIQUEPAR\ VESTIDO A 500 RS.
Chegou para a loja do Pavao um elegante
sortimento dos mais bonitos mocambiques
proprios para vestidos cora as cores mais
modernas e que se vendem pelo barato
prego de 500 rs. o covado.
ALPACAO DE CORDO PARA VESTIDO A i i
Chegou esta nova fazenda com o nome
de alpaco, sendo de cordo e com mais
largura do que a alpaca, com-as mais linias
cores, como sejam Rismark, lyrio, perolas,
roso, cor de eanna, magenta etc. e vnde-
se pelo baratissirao prego de l& o covado.
ESGIO DE LLNHO DE 12 JARDAS A 105-
Vende-se pegas de esguio de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada pega, a
10000.
ALTA NOVEJADE
A
Loja do Pavo.
GURGURES PARA VESTIDOS A 1,^000,
O COVADO.
Chegaram os mais modernos gurgures
para vestidos, sendo de todas as cores, como
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
rxo & & tendo quasi quatro palmos de lar-
gura e vende-se pelo baratssimo prego
de 1,)000, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na rua da
Imperatriz n. 60.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVO.
Vende>se urna grande quantidade de re
talhos de chitas o cassas pretas por preco
muito barato, e quanto maibr for a porgao
que o fregu comprar, mais barato se he
vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
Crosdenaples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores grosdenapleJ pretos, tanto lar-
Receberam superiores vtetidos de blond com manta e capella para noivas, qi*
wedem-se por prego* mais mdicos do-fue em qualquer outra parte.
SAHAS DE BAILEde cachemira branca ede cores -o que hS de mais lindo.
BAStfL'INESde renda preta, e de gorgur3o prete, o que ha de mais
elegsnte.
CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente boleados.
BALOESbi-ancos e de cores para senhoras e meninas, espartilhos, satas bor-
dadas, o saias de 15a cora barras de cor.
GORGURAOde seda branco e:eto para eslidos, sedas de cores, moirean-
lique hranco, e ^rosdenapie branca, de toes e preta, princezas, bombazinae pretas,
alpacas de muitas core?, lindos cortinados bordados.
CAMIZA6de. linbo para homtt*deiversas -qualidades, camisas bardadas
para noivos, "sobretodos, capas de borracha brancas e pretas, brina de cores e tranco,
panos finos e casemiras pretas e de cor por commodos procos.
TAPETESgrandes e pequeos para sof e cama, tapel'e e alcatifas em pegas
para sallas, e continuara sempre a vender por mdicos prego* as estmras >v indiv para
SALLAS.
"" ^rnm^^
"^"Y
ftu
ap-^-.

A 66 QEIMA^
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis
Pos de camphora e outras differentes "
qualidades taalbem.para dente;.
Tnico oriental d&Kemp.
Atuta tuai coquea.
Um oatro sortimentes de coques de no-
vos e bonitos mol des. com filptsde vidrilhos.
* alguns d'elles ornados de flores eitas.
esto todos expostos apreciago dequem
os pretenda comprar.
GOIXINHM E PUNHOS BORDADOS.
Obras domito Rosto e perfeigao.
FivdSas e fitas para cintos.
Bello e variad sortimento de taes objec-
ftis, ficando a boa escofha aogosto do com-
pcalor.
JLOSES JUTAS
0 que de melhor se pede enc^ntrames se
geceno, sobresahindo os delicados ramos'
orvaibados para coques. ,
Para ftagew.
Belsa6 de tapi?te e carteras de cooro, por
precos commodos.
Chapelinas de palha i Jalia mui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim amitos ouros objeces ^no sc-
rto presentes a quem se dirigir dita loja
n. 16.
EMFEITES DE PALHA PARV VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente rua da Racima-
do n. 16 acaba de receber um belo sorti-
mento e trangas .de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
e retranca?, todas de '-^r onalidado. Tintas-
Verde Pars, branca a, Vtaco e preta, .tii latas de
14 e libras, p J,arada, 0U de linluga era
bams : no arr ^ ^ d ,0 a .c0mpanlui
Pernambnc.v ^ ^ larg0 da AsiemblanJO^
1 1 na capnoga
. ' x-, para familia, eoztnha fura, grande i|".in'al(.
v^nba, rhaos proprios, e muito perto fia estai;.
*. -via-ferrea : para tratar do prcro, na rna
Crespn, il_______________________-__
I7VRO MOTO
PARA
0 MEZ DE MARA
-Acab da na'lrvltria franceza,
0SfflTC0SEH8 DB'OWS
PAIIA
0 MEZ DE MARA
L'in volume uitidameple impresso^ era
Isatis.
QnaJenalo do couro. l#6tt0
Encadernacao de mar-
roqtikni dourado. .' 28UO
*Ven_e-so fumo do Garanhuns muito bom e
arito em conta, ehogado a pouco: na rua _i
Ca boa do Cartno n. 10.
Scbonete de alca frdo.
M
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preprado, que tao boa
fflcewta'jao tem merecido n'esla provincia.
I muito se recommenda para a cura certa
das impiffens, sarnas, caspas e todas as
]_Bol$t-ias de polle.
Deposito nico,
Piarmacia de Bartholomeu.-&',
34rua larga do Bosario*.t4.
Vende-se nina taberna bem afre^uv_d.i u
cw. jxiwos fundos, para quem quizer principiar
aa Biu-VJsta. beeco das Barretras : a tratar na
na di Aragao n. 10.
ESCRAVCS FGIDOS.
100$
Fugio 110 dia 11 de
do engento Balalura, freguezia da Escada, o es-
Janeiro do cmate
de gra
de j
a, ft
era*) preto, crieulo, do iannos de idade', cha-
mado Alamino, que foi do Sr. Joid da Cunta
Pereira, eujo oseravo estove no deposito gera/ t
tem os signaes seguintes : alto, seceo do torvo
|,sto inulto marcado de bexigas, falla de denU
03 frente, eor preto, sabio de chapeo do che u .-
leMI' calca de castor, levando um bahuinhVdV
tlaodrea com mais roupa' e suppde-re-efifar m
fieueaa do Cao : qvm 0 auprohender teve-e
ao dito engeno, ou a rua da Senzala-nova d. 38
escrtptorto doSrBernardind Pontoal, que rece-'
bei- a gratifieacao cima.
Fagio dolenp- uho Jacobina, comarca do (V
bo, o* amanhwor do dia 13 do crreme nif z e
anuo, Jo abaixo asignatto, um esera preto de
nopw Antonio, conliecido por CandOa, idade do 26
a .j anni pouco mais ou- menos, alto, ns crc->-
bos, Um urna das juntas do mesmo um pouco
gwssa, andar baiueiro, levando chapeo d feltru
ja usado, -amisa de algodao azul e seroula de t-
goJao americano, enjo eseravo veto de Buiqne p..-
' pao d <\io; para onde se desconfa ter seguido
roga-se a qualquer autoriade policial on capital
de campo a cnptura do dito eseravo, levando 2c
engenho cima, on a rua do Caldeireiro n. 4?, ao
tonio- Carnerro Lns e Sfelio
lain

Tintura indelevel paratingir |g cabellos,
sem manchar a pelle.
A bem conceiluada agua-florida de Guis-
lain que ento era des*;onhecida em Per-
lambuco, j boje estimada e procurada
por seu effieaz resultado, e ainda mais se-
r, quando a noticia do seu bom effeito e a
xperiencia tornar de todos conhecida.
A agua-florida de Guislaiff composta uni-
menmas, isto na
loja do PavSo.j
T^bif

rua da Imperatriz n. 60
Pex Pereira da Silva.
qualquer parte, na rua da Imperatriz n. 60,
de Flix Pereira da Silva.
A 20, OS BALES DO PAVO.
Vendem-se superiores balees america-
nos de trinta a quarenta arcos, tendo as fi-
tas bastante largas, sendo muito fcil trans-
as vermicidas
'^ DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo effieaz, e preferivel a todos os forma-ios para utro qualquer novo modelo,
)nhecidos, j pela certeza de seu resolta-
, ej pela fcil applicaco as cranlas,
asi sempre mais atacadas de Ulo terrive
muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e rogarla.
M
Bartbomeu & C.
4lUui fcara Waarlo 4
% MMdoaertto
Vtne-w wperior qnetio freseo do serto : ni
rnada >todrettooB. f. *______
e liquidam-se pelo barato preco de 24 cada
um, sendo fazenda que sempre se vendeu
a 75 e $, isto na Toja e armazem do Pa-
vo, rua da Imperatriz n. 60. De Flix.
Pereira da Silva. '
As 9,000 varas a 500 rs.
Vendem-se a< verdadeiras cambraias
francezas, eom lindos padrees e cores flxas,
sendo tapadas e transparentes, pelo barato
preco de 800 rs. a vara, ou 300 rs. o co-
vado, sendo fazenda que ningnem vende
por menos de 7 ou 8 tustoes, e liquidam-
se por este barato preco, por se ter feito
Vende-se ums rava boa cosinheira, urna avultada compra, na foja e armazem
Pato, roa da njpniiz p. 60. De
mmWttTefra da Silva.
camente de vegetaes inoffensivos, tem
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverera bran-
cos, e Ibes restituir o brilho perdido, e as-
$im como preservar de embranquecer, sem Ditas de fio de Escocia abertas,
ser Dreiudicial de modo aleara J Dar meninas e senhoras. .
ser prejudicial de modo algara
E' porra necessario fazer conhecer, que
o bom resultado produzido pela agua-flori-
da, n3o instantneo, como muitas pes-
'0a9|alvez supponham, miissim ser pre-
nso fazer uso d'ella,trez ou quatro vezes,
e logo se obtera o fim desejado, como bem
provam testemunhos de pessoas .iosuspei-
tas, e d'ento por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, podendo i experiencia ser feita em
>utra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida cha-sa ven-
la na bem conbecida loja d'Aguli Branca
rua do Queimado n. 8,
A Aguia Branca, contando com a protec-
cSo de sua boa freguezia, tambem capricha
mi n5o Ih'a desmereair, procurando sem-
pre corresponder a ida favoravel com que
a honrara, e em prova aoque lica dito, d
mmbo exemplo o e)plendido sojtiraeslo
me acaba de receber, ainda mesmo achan-
lo-se bellamenle provida do qne de bom
9 melhor se pode desejar nos gneros que.
s3o de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de raissa^
i orac5o, obras de apurado gosto e perfei-
;o, sendo: com capas de raadreperola e
tocantes quadros em alte
Ditos cod^BB di guaknente
bonitos.
Ditos com ditas de velludo, outros imi-
tando charo machelado.
Ditos com ditas de marroquini com cruz
e guarnicSo, dourada ou prateada.
Cordas e tercos de cornalina.
Assirn como.
Grande e bello sortimento de leques
todos de raadreperola, raadreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc. etc. tendo nos de sndalo algns
com 4 vistas, e oulros japoneses enfoitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerrente do borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
tambem
conbecida comraodidade de precos.
ALEA! B*QUELLES*.
Recebeu outros lindas enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de gallos de laa, abadinhos de
cambraia com bordados de -corea, cuja va-
riedade de gestos xs tonrom recommenda-
dos e apreciados ; comparecSo pois os pre-
tendentes que sero servidos a eo&iento.
TO BEAI RECEBB.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LVAS DE PELUCA.
De todas as cores tanto para homen-
como para senhoras, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
rua do Queimado n. 16.
para
Ditas muito finas d'algodao, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torca!, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de la para homens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito. gosto.
Entre-meioe finos tapados o transparen-
tes com delicados bordados o proprios
para enfiar fita.
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para cranlas.
Bonitos cabases ou bolsinhas do pelica
e setim para meninas cu senhoras.
Lindas cesnhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas devidro enfeitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para jolas.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
jM delicados ramos de flores com
marraM para enfeitar coques.
i sortimento do trancas de palha.
gas para cintos. 1
^de fitas largas com bonitas rama-:
re
earn*
Ditos esmaltados, obras novas 9 wrortas. J andar.
Para encanamento d'agua.
Canoa tle ferro, ditos estanhados, ditos forrado;
de porcelana, todos eom as competentes lorne/ras.
curvas etc. : a rua do Queimado n. 3i.
Barato que admira.
Manteiga ingleza flora 1*100 ,1 libra, dita fran-
ceza a-1 J, cha muido a 3il00, dito graudo #3*.
caf a 220 rs., satao a t80, alpista a 240, arroz a
100 r., passas a440, idemquartos com 6 libra?
por i-3200, vinho a 400 rs. a garrafa, azeite doce
de Lisboa a 900 rs., caixinhas com ameixas, pas-
sas, figose peas, proprias para mimos a t600.
latas eom doce a 500 rs. : s na esquina da rua
da Penha n. 8.
Fngio do/ordo drfpamabote nacional Ama-
ro, um mulato ca -de neme Justino, estatura re-
gular, cbelos carapidiados e ineios mivosj pca
barba, tem urna pinta preta no canto do olho dlrei-
to e um talho as cestas ao mesmo lado,; levou
vestido camisa de chita com listas verde*, e usa
de urna cinta com bola encarnada- para apellar
as Misas, natural de Santa Anna do Matto na
provincia do Hio Grandeio Norte, para onde larrea
qneira ir, tambem nmito desembaracado no fal-
lar. Recommenda-se aos mestres 69 barraca ru
a qualquer pessna que o agarrar, e lavar a rua
do Trapiche n. i ou a bordo do referklu navio qiie
ser generosamente gratificado.
Acba-se fgido desde domingo de entrado o
utleque de nome Tito, com 21 anno de idadi,
estatura regular, olhoTOmacados, com todos os
denles, esperto c bem fallante, ton no estomago
nina cicatriz de urna qoeimadura pequea, (em
um dedo da mao dimita aleijado em consequencia
de um payerieio ; e o pe esquerdo mais grorso
do que o direjt : ouein o apprehender lera o aos
Afogado, casa do f)r. Jos Roberto de Morar r
Silva, que indicar a casa do seu sentar, que
compensar generosamenle.
XAROPB PEITORAL BRASILEIRO
DE
POSTA DEEMBAIBA
COMPOSTO K PREPARADO
Pelo pharmaccutfco
Jos da Cruz Santos.
Esta planta cujas virtudes medicinaos
existiam desconhecidas para a maior parte
dos nossos facultativos, devendo-se a sua
descoberta ao uso que d'elfe faziam 05
nossos indgenas qne menoscabavam com
a sua applicac5o de todos os ^o'fnmef tos
pulmonares, boje conh'ecido .orno o me-
dicamento mais eiTcaz para a cura Je as-
thma, bronchlt", coqueluche, penemonia.
e at a phtysicg, produzindb um effeito mi-
lagroso e prompto. 1
Para um adulto 3 1 colber'es do sope
ao dia puro ou em cosimento peitora!.
Criancas, 3 4 colheres de cha.
FIJfdO
escrava de nome Francisca, de cor ful ra
toda marcada de bexigas, bci{os trombudos bar-
riga grande, com urna perna enchada, esuiur.i
mediana, vestido de chita escuro e chales azul da
mesma duenda, e consta andar nesta cidado :
quom a pefar levea rua do Imperador ri 57,
2* andar, que ser gratiticado.
botica n. M,
de e\m.
Aeha-se fgida a escrava de nome Lima, pre-
ta, idade 82 annos,. pouco mais ou menos, cara
redonda, altura regular, scios um pouco cresci-
dos, e bem corpulenta : rogase as autoridades
policiaes e a qualquer pessoa que a apprehonda'n
e conduzam-na casa de seu ssnhor, na sua TH-
reita n. 437, que gneros ament gratificar, pro-
testando desde j usar dos meios que a lei ibe fa-
culta contra quem a ti ver oeculta ainda mermo
sob qualquer pretexto.
Fugio no domingo, prximo pa-sado, de
lio jnnto a igreja de S. Miguel da fregnezia
Afogado, o preto escrato Mannel, critulo, idade
30 annos, pouco mais- oa
e o levar ao mesmo silw
gratificado.
menos: quem o pegar
a 'eu sentar, ser
Fugiram
do engenho
Tranquilino
seguintes : '
nos pnuco mata
dedo pollegar "
des e largo
lo corp, pernas _
ItWla mostra os denles
capturar leve-os a h^^p^M
para 9 do
;ia da Escada, o
20 aiv
A rrimeiro
Preic
hrfOdr
*

8
-
Diario de Pernambuco SKbado 17 de Abril de 1869.
LUTERATM.
JFI2MA ACA0KHICAI
(POR W. FIGUEIREDO)
XVII
A HECONOIUACAO.
(Concluso.)
A cada bataneo ia cadeira, em que ella
uva sentada, pddia-Sfl descortinar dous
SSosmergoHwdW em duas botinas de
Se., os quaes bem podiam fazer mor-
rer de nveja qualqnef ehineza anstocra-
yfita adoravel e candida lourinha, amora-
vet, de dezasete annos, vaporosa, clieia de
karmnnia e movimento, abandonava-se
ftom sublime encanto s melanclicas agita-
5m. que a tocavam. O formoso rosto,
anda am pouco paludo brilhava-lhe com
a res da juventude, o as rosas desmata-
das da facesbem transpareciara-the atravez
da npiderme a*elludada. _
Ella entregava-se toda s recordacoes
dos diasfe lizes, que gosra : santia no co-
raco a doce commocao, que ia.experimen-
tar com a chegada de Garlos, e imagmava
ja oovir-lhe as pbrases ternas e apaixona-
das;' e quando o retrato do ditoso namora-
se desenhava ante ella, um somso angeli-
to, meigo c gracioso tremulava-lhe nos la-
bios rosados e urna sensaco destonhecida,
m prazer phantastico agitava-lhe deliciosa-
mente todas as libras.
Todas as diversas emores, que lhe lam
n'alma, reflectiam-se-lhe no rosto como em
um espelho fiel. ,
Rra impossivel existir um conjuncto
mais bello e mais haraposo, em um
devaneio mais seductor e mais divino i
Foi neste momento, que bateram na
porta da escada. _
Se existe no mundo o dom da previno,
sem duvida no coraclo, que ama.
Amelia tremeu toda, deixou cahir no
chao o livro, que tinba sobre os joel ios
c voltou jiramente a cabeca para o lado
da porta de entrada, esperando anciosa,
trmula e sobresaltada a pessoa, que ain
devia apparecer.
Alguns passos rpidos soaram no corre-
dor, e em seguida Carlos Alberto assomou
na sala.
Um grito de alegra e transporte o mais
ipaixonado se irrompeu d'aquelles dous
coracSes amantes:
Amelia!.. *
Carlos! ,
Forem as nicas palavras, que os dous
morados poderam soltar no meio das
emoces as mais deliciosas, que os estre-
meceram. .
' Depeie seguio-sc um momento de raet-
favel silencio. .
Amelia, sentada, meio desmaiada, com
os olhos <|uasi fechados, com os labios
trmulos e descerrados por um sorriso de
nevprimivel felicidade, e dominada por
wna invencivel commoco de gozo e langui-
dez amorosa, pareca prestes a perder os
sentidos. Ella senta, mas nao va Carlos,
que embriagado e extasiado de amor, com
as suas delicadas maosinhas entre as delle
,contemplava mudo, cora umaexprtssao
do ternura, que tocava adorac3o.
Santo e irresistivel poder de amor casto
e verdadeiro! tu s urna faisca elctrica
do ogo, que d vida aos habitantes do
ceu!.....
Amelia, porum esteno heroico, conse-
guio subjugar em parte a sensaco desco-
ahecida, que enlanguecia-lhe o corpo mi-
moso. Punco e pouco urna cor rosada ap-
pareceu-lhe atravez da epiderme; as pesta-
tanas de seus grandes olhos tremeram ; a
urna lagrima tombou-lbe das palpebras ao
mosnio lempo, que ella abria docemente
os olhos radiosos. %
Carlos, paluda de agitaces e paix3o,
meio curvado, cobria-lhe de sculos temos
e respeitosos as perfumadas madeiras lou-
raa; o ma-icebo bebia a luzd'amor na au-
rora d'aquelles cabellos d'ouro !...
Carlos, eu n3o sou santa !... levan-
f.e-se.... sente-se aqu... aop de mim...
balbuciou a joven com voz quasi intelligi-
vel.
Alberto obdeceu.
Houve ainda entte os dous um instante
de mudez, s corta&a pelas palpitaces de
.-.eus coracoes; depois Amelia balbu-
ciou :
Emmudeceu, Carlos ?-----
Nao, Amelia t-----meus labios calla-
f am-se; porm meu coraco falla mui-
t>--------
A lourinha meneou levemente a cabeca
como se quizesse dizer :
Oh I eu ouco!.
Amelia, j perdoou-me ?.. pergun-
tou Alberto por sua vez.
FOLHETINI
OS DRIMAS DE CAYENNA
|POR
li0 Berthet.
(Continuaco do n. 84)
XV
O encontr.
Relatemos aqui, apesar de cahirmos em
repetico, certos promenores necessarios
relativamente ao interior da Guanna.
As possesses francezas, que teem cin-
soenta a ses.^enta leguas de extenso e
cujo interior ainda n5o esta explorado, nao
.o habitadas seno em certos pontos iso-
Hidos do seu vasto territorio. Abundantes
em florestas e terreno? paludosos, slo bas-
tante desprovidas de vias de comraunica-
'."5o. Fra da ilha de Cayenna, smente
ao longo dos grandes rios Oyapock, Ap-
prouage e Maroni que se encontram ha-
biacbes e estabelecimentos de alguma im-
IKMtaocia : o resto do paiz inculto e de-
-sarto. N'aquelles inhspitos sertes apenas
se encontrara de longe em longe alguns indi-
rotoos nmadas ou alguna negros foragidos,
vivendo como selvagens, e estes vivem de
preferencia junto das ribeiras. onde a pesca
poda supprir a falta da caa outros re-
curaos.
N5o tinha, pois, ftavido exaggeracSo as
fadigas e perigos a que os dous Bertomy,
aob a guarda de Zo, iam ficar expostos,
desde o primeiro da de marcha obtw*
ram eiles logo a prova.
Forcadus a affastarem-se das pronda-
Por un.ica rtspotrl-a donzella estendeu
a mao, que o mC') levwj aos labios, e os-
culou apaixonadaaente.
Um tremor nervoso, urna caricia inex-
plicavel prcorreo P^o o corpo da Joven.
Carlos sentio o choque desse tremor, e seus
labios, coltaTtos por ama forca Irresistivel,
desconhecida mSosinha de Amelia, se
embeberam de una volnptuosidade pura e
sobrehumana.
Depois, sem trocarem una palavra, im-
moveis, e como embeveiMdos, os dous na-
morados ficaram longo espaco de m5os da-
das, com os oMos Oxos um no outro.
Como eloquentc o olhar reciproc de
duas almas, que s estremetem Que de
felicidades, desejo.s e promessas, elle 1-
duz! Que de commocoes deleitaveis ex-
prime o batter aniado de dous coraeos,
unidos em doce amplexo pelos lacos indis-
soluveis do mais acrisolado amor 1...
Carlos foi quena' rompen aqueHe es-
tasi :
Amelia promette me continuar a
amar-me como outr'ora?.
E porque nio, meu.amigo? respon-
deu a mocaA sua falta por mais grave,
que fosse, eu lhe perdoei; porque voss
arrependeu se, e porque ella servio de pro-
va a intensidade do seu amor.... Nos de-
vemos perdoar-nos mutuamente, porque
nos amamos multo, e porque romos enga-
ados, nao assim?-----
Amelia I sim, minha doce am.iga !...
amo-a !exclamou Carlos entusiasmado
amo-a, e acredito sinceramente que fos-
se me ama tambera !-----acredito que nos-
sas almas foram fadadas por Deus para
se unirem um dia !___acredito, que esta
felicidade, a nica verdadeira na trra,
abencoada no cu, ecantada pelos anjosl...
Acredito, minha lerna amiga, que a pieda-
de, o amor, a constancia, a fidelidade, todas
virtudes emfim esto personificadas em vos-
s, e que possuindo-a eu faco um roubo
no Paraizo I....
A filha do commendador sorric^se para
Carlos, e abaixou o olhos corando.'
Escute, Amelia ; continuou o man-
cebo Ha no corncSo da molher sentiraen-
tos t5o delicados, to sublimes, que de-
ba de nos, homens, pretendemos coahe-
ce-los, e explicados. A existencia desses
sentimentos, que ella oceulta com cuidado,
e que s derrama"cora profuso sobre aquel-
le a quem vota verdadeiro amor, d-lhe
um prestigio, urna magestade, urna sepe-
rioridade incontestavel sobre todos os se-
res criados. Dahi todos esses actos de
herosmo, que ho assombrado o mundo!
dahi essa influencia exercida' por ella sobre
as acedes, vidae destino do hornera I dahi
dizer-se : que a raulher urna criac5o tran-
sitoria entre o homem e. o anjo! Quando,
pois, a mulher encontra quera a compre-
henda, quem partilhe da immensidade do
seu amor, quem sonde os inextinguiveis
thesouros do seu coracSo, possue-se do seu
mandato augusto e sublime, e com inven-
civel poder transforma as dores em praze-
res, as lagrimas em risos, a trra era um
Paraizo. Eis a ventura, que sempre so-
nhei; eis o cu, cujas portas douradas pe-
Co-lhe, Amelia, que me franqueie quando
a uniao e nossas almas for santificada
pela bencjfo de Deus, e ligitimada pela so-
ciedade.
Sim, Carlos !... eu srei sua !-----
sim! eu derramarei todas as flores do meu
corac3o sobre o nosso noivadb f----- dar-
Ihe-hei toda a ternura e affeclps de m-
nh'alm; para que voss possa dhr-me com
orgulho o doce nome de-----esposa I....
Oh f quero dever-lhe, meu amigo, todasas
emoces, as mais deliciosas, as alegras
as mais profundas, que soem arrebatar a
alma de urna mulher !.... Ah Carlos I
desejava poder pintar-lhe tudo o que neste
momento sinto aqu I acrescentou a louri-
nha apontando o coracomas nao pos-
so !___no sei que tenho-----urna com-
moco, como nunca experimento', prnde-
me a voz I...
Amelia f balbuciou Carlos Alber-
ebrio de amor, e ligando com os dous bra-
cos o talhe vaporoso e delicado da joven,
curvou-lhe' um pouco a cabeca, e beijou-
Ihe a testa elegante com arrebatamento
respeitoso.
De repente urna nuvem de tristeza as-
sombreou o rosto de Amelia, e a inquieta-
cao se estampou em seus olhos.
Carlos I disse ellanao sejamos egos-
tas.....Deus poder-nos-hia castigar.....
lembremo-nos de quem soflhjp..-----Leo-
nor.....
Leonor!..... interrompeu o moco,
como se despertasse de um sonho.
Sim! Leonor, que soffre, e que tai-
vez a esta hora esteja derramando lagrimas.
bem amargas I..... Ella foi culpada;
mas___mas" tambem infeliz.....
Carlos tornara-se mudo e pensativo;.
Amelia continuou :
= Pobre Lnm)M Qud deis Bao teri
padecido aqdlte toracab!... o amor de
um lado, e o remorso de outro !..*.. que
spplicio terrivel, moa Du* t.... Carlos,
si V. visse o destssptfW edm"flueKella con-
fessou toda a trama, de que fomos victi-
mas!... e a vergontia, que se Hic dso-
nhava no rosto pro'porcao, que nanava-
me por enti-ff^olucos as peripecias d'osSc
drama mesquHho I... a a(Bici.3o, e a an-
ciedadft; conrTiue rae pedia, qws a per*
doasse I.
nosso perdo, e de nossa amisade.-
Sim, Amelia; respondeu oapazdes-
pertando do seu pensametrteareu ^ pep-
doei a Leonor, e n5o voto-lhe odoalgnra;
antes lastimo-a profundamente----
Obligada, meu querido amigo.
NStrme' sfgradeca!... foi V. quem
me ensinou a ser pieitoso.
A menino lanceo ao namorado um olhar
de agradeoinlento, e disse:
Eu vou chamal-a !.....quero que
V. aconsole, e attenuo a falta que ella
comraetteu, e que teima cm exagerar tan-
to.....%
V, anjo de bondade exclamou
Carlosv completar a sua missao de
paz!...
AntqUa sorrio-se, e "sabio da sala com
esse passinho pulado, do qual.s as mocas-
bonitas sabom usar.
! dtpois ella voltou paluda e as-
sustaH pflto entre as mos una carta
a berta.-
O que acontecen ? I perguntou Alber-
to correndo ao seu encontr.
Tome e leia..... Ah! foi tarde..
mais alguns minutos antes, e eu tel-a-bia
retido!-----
Carlos tomou a carta, e leu o seguinte
Amelia, minha querida amiga. So
feliz. Assisti a sua leconciliaco com Car-
los Alberto, e dou gracaS a Deus, que per-
mittio, que o meu crime n3o tivesse a seu
respeito maiores consequncias; sou deve-
dora Providencia de tanta misericordia.
Todava V. e elle sffreram; e o Sr. Almeid*
j o soube !perdeu a m3o direita que-
rendo assassinar o Sr. Carlos f----- Tudo
isso prova que a jnstica divina ainda nao
se desaggravou principalmente em mira.
Devo impor-mo urna penitencia, que me
purifique e engrndela aos olhos d'esse
Deus, contra quem pequei, aos seos e aos
do mundo: o que vou fazer. Ao rece-
ber esta, minha doce amiga, estarei no re-
colhnento de Nossa Senhora da Conceic'w.
Meu to e confessor,' Fr. Anselmo, a qnem
contei tudo, onseguio a minha entrada
para all sem a sciencia de meu padrinho !
e logo que termine o meu noviciado, pro-
fessarci. Perdoem-me nao m-cliamem
ingrata, que para nao sel-o qua lanco
mo d'este meio extremo. Ao pallir da
casa, onde me eduquei, e onde deixo um
padrinho, que me ama como pai, e urna
amiga, que me estima como irma, levo o
coracao cheio de saudades-, amor, gratidao
a mais viva e intensa: Do meu silencio, do
claustro, onde voluntariamente vou encer-
rar-mc, pedirei a Deus por todos, e at por
elle.... _o quanto pode fazer o meu co-
racao agradecido: do intimo d'alma farei
mil preces pela felicidade d'aquelles a quem
amo, especialmente pola sua, minha terna
amiga. O raen procedimento de hoje prova
a sinoerklade de rntohas palavras; e se fujo
de Vv. para n5o perturbar-lhes a ventura
com a minha presenca, que n3o pode dei-
xar de ser o espectro dos desgstos, por-
que passaram. Levo as mais gratas recor-
dares dos dias felizes, que juntas pass-
smos, minha generosa irm3a I dos nossos
passatempos e folguedos innocentes e in-
fantis I Mas o que me innunda a alma de
um prazer immenso, a certeza de que
ambos vo ser ditosos, e que me perdoaram,
e nao me aborrecem: eu Ihes agradego.
Adeus, mama amada irm3a! peca perdab
por mim a meu padrinho... lembre-se de
mim, e va ver-me depois do seu casamento
para lhe dar um abraco e um beijo de para-
bens, como faco-o agora de despedida !
Adeus i as lagrimas obscurecem-me avis-
ta.....padeQo dores horriveis..... que
me fazer ourar a cabeca......nem sei
mais o que digo----- Adeds! Adeus?
Ujstimem-me, porque soffri e soffro mui-
to___ Adeus!___Leonor.
Quando Carlos terminou a letura desta
carta Uto triste, e repassada de phrases to
sentidas e amorosas, tinha os olhos cheios
d'agua, e Amelia solucava com o rosto su-
mido entre as mSos.
Oh! exclamou ellaquanto Leonor
infeliz I
Nao, Amelia! disse CarlosLeonor
sabio, mas oessa queda encontrou a mo de
Deus, que ha de ergue-la para regenera-la
na pratica da virtude !...
XVIII
CONCLtSO
Aquellas que aman* os romances no
acaodofcCujOB autores se comprazem ett
deixar o espirito do leitor em urna perpfe-
xidade cruel, e incom'moda, e imagnaco
um ocano de ConJectui"as absurdas muitas
vezes, e em desaccordo com" o enredo da
narracSo, e com a intencJo de quem a es-
crove; estes, dilemos, nao deveni por modo
algura 1er este capitulo final; contentem-se
com o (|ue j sabem; porque com isto no
s ficaremos a coberto da pecha Se esmeri-
Carlos, ella digna Av Ihadores, ou nilra-conclimMs-; como tam-
bera ficario satisfeitos em seu desejo de
dar.ao romance o fim que melhor Ibes con-
vier-ao gosto caprichoso e inventivo.
Os que porm preferem as cousas termi-
nadas e levadas ao seu fim ultimo; que es-
timara ncompanhar o romance at a ultima
phase, at o destino final do mais secunda-
rio de seus personagetrs, ainda que depois
retlexionem, inventem e componham a voli-
tado; estes devera acompanhar-nos na lei-
tura deste capitulo, que garantimos ser cur-
io e Gonciso.
Quinze dias sao decorridos depois do
que fica dito no qdto anterior.
Era j conhetido o resultado da eleico
para deputados^provinciaes; e inutil'dizer
que o commendador Carvalhosa havia obth
do, na lista dos eleitos pelo segundo circu-
lo, um dos primeiros lugares.
O recom-deimtado nio caba em si de
contente; e quando Carlos Alberto foi dar-
Ihe os parabens, elle abracou-o. chamoo-o
seu fillio e melhor amigo.
Chame-me seu^lilhodisse o joven
trmulochame-me seu Gibo, e consinta
em legitimar este tratamento, que tanto me
honra!....
Legitimar? repetio o commendador,
que quazi o cumprelienilrn.
Sim; continuou o mancebo, sem ou-
sar erguer ds olho$-r- do Uiosouro, que o snhor creou e enrique-
ceu com tanta solicitude e corinho.....Ju-
ro-llie consagrar-lhe a vida" inteiiti, e votar-
Ihe todos os affectos de minha alma.
. Este.thesouro? perguntou o negoci-
ante, fixando em Carlos um olhar de ter-
nura, que animou ao confuso rapaz a mur-
murar tremendo:
E' a mode D. Amelia......
O commendador, commovido, alegre, e
com urna expans3o, que^a sua natural fran-
queza n3o consentia-lho oceultar, apertou
com effusSo a mo. do joven, tocou urna
campaimia, que demorava em urna mesa
prxima, e grilou a um criado, que logo
acudi ao chamado.
Manda dizer a minba filha, que dese-
jo fallar-lhe e j.
O criado desappareceu, e logo.Amelia,
com o rosto affogado em rubor, com os
olhos baixos e passos indecisos entrou na
sala.
Minha filha! disse o Sr. Carvalhosa
o D^ Carlos Alberto acaba de pedir-te
para su esposa: responde-lhe, si eu e tu
consentimos ?
Alberto lancou a lourinha um olhar, qne
nao era nem supplica, nem desejo: era um
poema de promessas....
A gentrl menina, corada, palpitante e con-
fusa, atirou-se aos bracos do commenda-
dor murmurando:
Meu pai!......
Keinou por instantes silencio, durante o
qual s se ouvia as palpiteces daquelles
tres coracoes enternecidos.
Carlos, meu filho I abrace sua noi-r
va I.... exclamou afinal o honrado negoci-
ante.
n3o consentram que o bom rapaz se apar-
tasse deltas: bem saban quanta moa-
de, interease, e servaos lhe deviatn.
Assim Niceto, que acompaabra os noi-
vos para Iguarass, foi logo nomeado ad-
ffiioistrador do engenho esm um magnii-
co ordanado; e hoje consta-aos que casou-
se com a "professora dolu^r, abri escola
nocturna, e que est figurando na poltica
da freguezia: camarista, eleitor, juiz de
paz, capito da guarda nacioaal, subdele-
gado do polica, supplente de juiz municipal,
e finalmente officia! da ordena da Rosa por
ter atropelado o povo em urna eleico, fazen-
d<> trwmphar certo candidato do gpveruo.
Almeida flzera amputarlo dos fragmentos
da m3o,qne o tiro de pistola, com que preten-
der assassinar Carlos, havia despedazado.
Eslava radicalmente curado da man de
conquistar e tecer intrigas amorosas. Deus
o conserve assim para repouso do sexo
amavel.
Quanto a Magalhes, conseguir, acusta
de inauditos esforcos, matricularse na fa-
cuidade de direito. O diablico rapaz ten-
do esgotado os empenhos da nossa aristo-
cracia masculina/, servira-se do prestigio e
influencia dos coqws e satas de cauda!......
Marcomles ia redobrando de gravidade e
entcsamenlo por suaposirSo jurdica, como
ello dizia: andava sempre t3o empinado e
duro, contando as estrellas, que era lhe im-
possivel ver o ho em que pisava.
Fim
des do Maroni e embrenharem-se nos pon-
tos mais inacessiveis, afim de escaparem s
pesquizas de que podiam ser objecto, ti-
veram que soffrer muito : urnas vezes abrin-
do caminho na floresta virgem a golpes'de
sabr, outras atravessando terrenos confer-
ios de canicos, cuja haste' tera gumes, e
outras transpondo trras alagadioas, regur-
gitantes de milhares de animaes' hedion-
dos.
Comecava a cessar a estacSo chuvosa e
as copiosas aguas que baviam cnido na
Guianna nao tinham tido tempo para cor-'
rerem aomar ou ser absorvidas pelo" sol,
o que multiplicava as difliculdades nos ca-
mlnhantes.
Zo, com quanto se n5o podesse- eonsi--|
derar come companheiro divertido; nao
deixou de ser um guia intelligente e fiel.
Posto que naturalmente tmido e indolento,-
vencia todos os obstculos. Nos bosques
era elle que abria caminho atravez dos
arbustos entregados e plantas parsitas,
que pareciam impenetraveis ; nos terreos
alagadicos, ou prspris, era tambera eUe
que ia frente sondando os atoleiros, e os
deus europeus tinham que seguir os seus-
rastos, porque ao menor de*svio para um-
lado ou outro corriam risco de ficar enter-
rados.
A par d'isto ia o indio espreitando com
o seu fino olhar os animaes uteis e os no-
civos que encontravam. Urna vez entalou
elle con ra um tronco, com a sua flecha,
urna eobra-passarinheira que ia a UrafcaMe
sobre Bertomy. Descobria as tartarugls
oceultas sob a herva, cacava com a sua
dextra flecha um macaco ou um papagaio
sobre a cupnla das palmeiras, e com pene-
trante, olhar differencava no mei'.40;Ws-
tios o fructo comestivel ou a baga rcftw-
cante, que se apressaviPfa oftecer aoa
seus compaQheiros.
Desde a vespera nao tinliam encontrado
urna s creatura humana, o que era na-
tural, porque'se iam affastando sempre de
quaiquer povoaco ; com tudo por mais de
urna vez durante o dia o Gallibi fizera
parar os companheiros, afim de prestar o
ouvido a sons longinquos que Hie pareca
ouvirna amplido dos bosques, mas sem
duvida taes supposices eram destituidas de
fundamento, porque elle recomerava a
marcha regular e aquella physionomia aver-
meihada pelo uruc conservara a sua gla-
cial irapassibilidade.
O lugar onde tinham parado para paesar
a noute tinha um aspecto triste e verda-
deramente selvagem. Era na orla de ama
Boresta e em face de urna planicie meio
convertida em pal. Eetendim-se a per-
der de vista' pocas de agua estagnada e
canicos sem-folhas. que a cada sopro de
vento sussurravam com um ruido metallioo.
Por sobre os pantanos bandos de grandes
aves davam estridentes e desbarmoniosos
gritos. A superficie d'aquella agua estag-
pada, em que -se refletiam como n'um es-
pelho os esplendidos ralos do sol cadente,
distinguiam-se formas oblongas e immoveis:
ram jacars.
HavJa n'aquelle lugar um ponto mis
elevado, desprovidb de arvores e matto,
d'onde podiam vigiar-se os'mimigB que
Viessem do bosque e os da planicie. Zo
fescolhera este ponto para acampamento e
logo que chegaram poz-se ao trabaltr), nSo
Obstante as suas fadigas.
i CmeooH por accertder urna fogOIri' de
hrvas seceas, adra de expurgar o b *eno
flos insectos nodws; depois foi orlar'al-
tuns ramas de' artores, que Mig^if' lhe
ijudou a transportar, sendo uns destinados
i alimnfar a togat covque durttite' a
oute affugentariara os animaes ferozes e
Qtf03-|ij*'1*rtliii cho?a fjrViSofftPta
Dois mezes depois teve lugar ohymineo.
Um futuro risonho, cheio do perfumes e
encantos se desvendou aos desposados.
O pai de Carlos consentio em vir assistir
as testas do noivado com a condico previa
de que os noivos iriam passar a la de mel
no engenho.
O senhor roubou-me por longo tem-
po meu filhodisse elle ao commendador
consinta agora que lhe roube tambem sua
filha.
E depois de grande disputa entre estes
dous pais extremosos o Sr. Carvalhosa ce-
deu afinal, permittindo na partida dos re-
cera casados, e prometiendo ir passar com
elles muitos dias.
Carise Amelia estimaram isso: com to-
do o.egosmo de dous noivos ditosos, que
n3o vem outro mundo alm delles mesraos,
queriam esconder a sua immensa felicida-
de aos olhos dos invejosos^
E os outros personagens da narra-
c3o?perguntar-nos-ho sem duvida os lei-
tores, qe-gostam de ir at o fim de tudo.
Satisfacamo-lhes ajusta curiosidado.
Niceto,, louco de prazer, pilhou urna fu-
riosa crraspana no festim das nupcias de
Carlos. Em compensaco este e Amelia
O episcopado braailelro e os se-
minarlos
Em um discurso recitado no dia 18 de
fevereiro ultimo no seminario episcopal de
Olinda por occasio da a bertura das aulas
e publicado no Diario de Pernambuco de
6 do mesmo mez, dirige um professor
(l'aquelle seminario a alguns prelados bra-
sileiros urna grave censura d'envolta com
desairosas insinuacSes.
Depois de tecer os mais bem merecidos
encomios ao meu mu distincto e particular
amigo o Exm. Sr. D. Francisco Cardoso
Ayres, bispo de Pernambuco, pela recente
reforma feita nos estudos do seu semina-
rio, contrape o orador em todo o seu dis-
curso o procedimento deste digno prelado
ao dos outros seus collegas, os quaes, em
vez de promoverem como elle, com os in-
teresses da religio, o adiantamento scien-
tfico e material de seupaiz, reformando e
ampliando os estudos nos seus seminarios,
se limitam a enviar para a Europa maior
ou menor numero de aspirantes ao sacerdo-
cio.
Partindo da hypothese que esses prela-
dos brasileiros querem ficar n'uma perpe-
tua dependencia da Europa para a forma-
co ecclesiasfica de seus subditos, e n3o
creem nem necessario, nem possivel mon-
tar sobre mais larga base os estudos dos
seminarios nacionaes, o destnete lente do
seminario d'Olinda se declara francamente
contra a maneira de ver desses prelados, e
s'esforca por provar com varios argumentos
que a medida por elles tomada sobre n-
snfliciente, nociva ao paiz, s familias e aos
fproprios alumnos.
Se examinarraos bem o valor lgico de
todo este discurso veremos que o que nelle
ha verdadeiramente solido e bem fundado
o que diz respeito necessidade de dar-
se maior amplido e largue ao quadro
dos estudos dos nossos seminarios e aper-
feicoar ahi a disciplina de modo a aproxi-
mar estes estabelecimentos nacionaes, o
mais possivel, dos modelos qne neste gene-
ro nos a presenta a Europa.
Com effeito que o digno actual prelado
Pernambucano reformando e aperfeicoando
o seu seminario tenha feita urna obra emi-
nentemente religiosa e patritica; que elle
mereca os applausos de todos por pro.crar
dar, aqu mesmo no paiz, mocidade que
aspira ao sacerdocio urna instrueco solida
e vasta, em relac3o com as necessidades do
presente e do porvr, qnem ha que o pos-
sa por em duvida ? quem ha que o ri3o ad-
mittade ba mente?
Mas ser verdade que os outros prelados
tenham seguido diversa linha de proceder,
e, por mandarem alguns alumnos para a
Europa, julgnem-se dispensados de oceu-
par-se seriamente com a reforma dos seus
seminarios ?
Sjr verdade que essa medida abracada
por elles de remetter um certo numero de
aspirantes ao sacerdocio para os bons se-
minarios de Roma e de Franca, seja op-
posta ao bem do paiz, das familias e dos
mesmos alumnos!
Nao; nem urna nem oulra cousa se pode
sustentar.
Primeramente, onde achouo Ilustrado
lente do seminario d'Olinda que os prelados
que tem mandado alumnos para a Europa,
#e contentara de envkir tssas tenra* vergoti-
teas para longts ierras, descuram de
plantar a arwre da tciemim no territorio
da Santa Cruz? Onde achouque decididos
a prestar canskmtcmnte preito t homena-
gemaos estabelecimentos europeus, elles se
tem descuidado de desinvolver no imperio
os elementos de nmajsolida educa> sj
cerdotal ? E' possivel que um hornera sisudo,-
c ntelligonte que, at por profissao, obr-
gado a seguir cora olhar atiento o movi-
mento religioso de seu paiz,- lance ao pu-
blico assercoes, como esta, destituida de
mnima sombra de fundalncnto ? E' possi-
vel qum um sacerdote Ilustrado, um lente
de seminario, que perante os alumnos e pro-
fessores desse pi estabelecimento, e o que
mais perante o publico, julga dever fran-
camente censurar o proceder dos bispos,
ostente urna tito completa ignorancia de tac-
tos pblicos, notorios, que estSo abi entran-
do pelos olhosa todo o mundo?
Varaos! Quem s3o esses prelados que
tem mandado jovens Europa e que sao
incriminados de descurarem seus s emina-
rios?
N3o pens que se tenha querido revolver
cinzas. Deixemos em paz os mortos!
Ser o delicado bispo do Rio BGrtnde do
Sul, que debaixo do fogo vivo de urna
atroz perseguc3o, luctando corajosamente
com mil embaracos, privado quas absolu-
tamente de soccorros olliciaes e consttame
smente seu grande coraco; est laborio-
samente construindo, com esmolas de seus
diocesanos, um seminario mooumental, que
ser porventura o primeiro do imperio ? Se-
r esse zeloso bispo, que neste momento
est se matando para edificar um semina-
rio na sua diocese, a quem se aecusar de
nao cuidar de desenvolver no paiz mesmo
os meios necessarios para educaco do clero?
Ser o modesto bispo do Cear, que sou-
be, sem estrepito, como os obraros de Sa-
loino, levantar desde os fundamentos um
esplendido edificio, e estabelecer n'elle um
seminario que vai florescendt admiravel-
raente debaixo da sabia direceo dos dignos
filhos de S. Vicente de Paulo?.
Ser este digno prelado, cqfca esforcos
e solicitude esto todo empentados nos me-
llioramentos e reformas de um grande esta-
belecimento de educaco clerical, ser elle
que se aecusar de neglgenciar a instrueco
dos clrigos brasileiros no seu proprio paiz,
limitando-se a mandar um certo numero
delles para trras estranhas ?
Ser emfim (pois nao conheco outros que
tenham mandado alumnos para a Europa),
ser emfim o pobre bispo do Para sobre
quem cahir todo o peso dessa implacavel
censura ? Ser elle que separando os dous
pensamentos, os dous sentimentos igualmen-
te bell>s, igualmente santos: relig ao e pa-
tria, s tem promovido osinteresses da re-
ligio, despresando o adiantamento scien-
tifteo e material do seu paiz f Ser elle que
resolvido a permanecer sempre debaixo da
tutela da Europa est persuadido que nao
pode crear no proprio territorio nacional
elementos d'instrueco em todos os ramos de
sciencias ? Grande Deus nao, francamen-
te, estas n3o sio as miuhas ideas!
Aqui, como melhor informado, posso de-
terminar os fados com inteira exacf8o, e
p-Ios luz de urna evidencia irresistivel.
Pode o digno Drofessor do seminario de
Olinda tranquillisar-se; pois, com ter eu
mandado para os seminarios de Franca uns
trntas alumnos desta diocese, n3o me te-
nho por isso descuidado, merc de Deus,
das minhas obrigacoes para com os semi-
narios do Para. Tenho aqui 80 jovens em
bom p e disciplina, gracas ao concurso
dedicado de 8 excellentes sacerdotes na-
cionaes e estrangeiros, que moram dentro
do estabelecimento e s'empregam exclusi-
vamente na direceo intellectual moral
dos alumnos.
Eiso programma d'estudos que est ac-
tualmente em execucSo na diocese do Para:
Afm da divis3o de primeira lettras, que
comeca agora a receber em estabelecimen-
to aparte, desdo a mais tenra idade.ama
educaco e instrueco primaria assaz des-
velada, temos o curso preparatorio ou de
humanidades que se divide em 8 annes pelo
modo seguinte:
1. anno.Gramtica Portugueza de Pi-
nheiro toda; analyse grammaticl e ortho-
graphia; grammatica Franceza, de Sevenne,
I.' parte leitura, tradcelo. Geographia e
historia do Brasil. Historia sagrada toda.
Arithmetica elementar at proporces. Ca-
techismo 1.a c 2.a parte:
2." anno.Grammatica Portugueza, toda;
analyse lgica,' orthographia. Grammatica
latina do Castro Lopes 1.a parte, themas,
principios" de traducrSo do Eutropfo. Geo-
graphia antiga.' Historia antiga, l.'divisSo.
Catechismo inteiro.
(CHtHtUK--e-kMj.
que os dous europeus achassem um asylo,
confortavel em felac3o s circumstan-
cias.
O indio, com a destreza resultante da
pratica, desembaracou-se logo de toda a
tarefa. Bertomy, extenuado de fadiga, ati-jo assado sobre urna
rou-se ao chSo.'e o surdo-mudo todo o seule prato, e Miguel
Amera tornar-se prestavel, o que nao era "
firil. jshinniin pratica da vida no deserto
e tambem P difliculdade de se fazer com-
prehon'der pelo Gallibi.
jko cerrar da'noute eslava prompto o
acampamento. A frente ardia um bom
lume, onde se preparava a ceia.'.que, posto
fosse um pouco barbara, nao deixava de
preenchr a necessidade d'aquelles ^est-
magos. A principal iguaria consista em
um macaco que Zo matara, e que, depois
de estlido, se assava n'um espeto de pao,
exhalanfio um ebeiro delicioso. Asegunda
coberta consista n'uma tartaruga estufada
na propria concha e que assim se ia cosi-
nhando sobre urna bellar carnada de brazas.
Por swbpemeza havia tmaras ne marip,
nozesrblaj|f e uns fructos silvestres cha-
mados genBMs de oves, comidos durante
o transito. Para nada faltar, tambem ap-
paretswam as caneca* cheias de agradavel
osaaradepaneira, que o Gallibi obtivera
por meio de repetidas inciS5es ne entre-
casco d'estas aores, preenebendo assim
a falta de vmho. .
Empresenta de tan. tanto banquete. M-
uel, a quem o exercicio diurno dera o me'
hor appetite, esffegava as mSos de con-
tente, e o proprio Bertomy pareca ir re-
cobrando alguna vigor." O pal e o filho ve-
lvam solcitos pejo preparativo dos guia-
dos, nJo'sendo ta menos assiduo n'esse
servir^; a os Tegngos' que m seguida ao
por do sol soltavanj os margtts de interior
flos bosques nSO ronsBgaWJHaztr dfs'frabir
a attenco dos convivas do objecto do seu
appetite.
Afinal o Gallibi, considerando a ceia
prorapta, convidou os companheiros a as-
sentarem-se em frente da choca : estendeu
larga folha, que servia
tirando do sacco algu-
mas bolachas^ tornou completo o ban-
quete.
Achava-se o indio cortando -com a sua
facca o appelitoso tombo do macaco, quando
de repente interrompeu a operaco para
prestar o ouvido. Bertomy, espantado,
escutou igualmente, mas a no ser o rouco
grito de um jaguar que de vez em quando
se fazia ouvir ao longe, nada mais pertur-
bava o socego da noute. Como; porm,
visse que Zo olhava impaciente para um
mesmo lado,, perguntou-lhe :
Ento que isso f
Oh baar Irepticou o Gallibi dis-
tradamente.
Mas que diz!
NSo fallar,' baar L
Bertomy; cada vez mar- inquieto, esett-
toa o otoe de nov, mas os* afeas sentidos
de certo n5o aUirgiam a perfeicao dos do
selvagem, porqoanto aada Ivlo nem ouvio.
Por- fim' Zo di99e-lhe assstd t
Oh'-I baar, ser tnuitos c vir-ellesv
para -aqu!
Mas quem vem para aqui ?
Muitos horaens brancos! Elles ter
seguido a nos'todo] o dia e por o lume
descobrir a nos!
Bertomy deu um pulo : o susto fizera-
Ihe esq'ucer as fadigas e o appetite.
Ent3o s3o brancos quo nos perse-
goem ? E cmo podes conbeeer-lhe a cor
se se 3o veqaW'
Calinas o pceto to usar calcado :
os que l veent ktrW cateado e faltar tra-
uma dos brincos... Elles nao tardar qui
urn momento !
N'esse caso, sao soldados que me
veem prender! exclamou o toreado
Apaguemos o lume e fujamotfpara bos-
que !
Elles verera a nos f-^eplioou o Gal-
libi, todo trmulo Elles mataren pobre
Zo, se resistir elles tatvez serem mos
brancos Imm
Bertomy dligencioa icombater a pusilla-
nimidade do indio ; mas, n5o o consegran-
do, exclamou cora resignacao feroz :
Pois bem; seja I Doixar-me-bei
levar para a penitenciaria Tambera' esta
amostra das miserias que nos esperan j
de sobra para rae convencer de que deixam
a palle n'esta empreza invencivel I Emnaa,
entrego-rae a Deus !
O surdo-mddo, suspeitando da que se
tratava, erguara-se S4ibitaraen urna mo o sabr e na outra a pistola en-
gatilhafla, comopara deteMho pai, e pro-
curava cota os olbog-vidos contra quem
houvesse de dirigir resistencia.
Foi ento que elles app&feceram ao villar
do bosque ej mu prximo da foguera.
Eram cinco e a cor clara dos'falos deixa-
va-os ver na escrfdo da noute. Diriga-
do-se para aquelle ponto, comecaram do
correr. Um d'elles vinhla dizendo era toa
de graca :
Cora mil mabos 1 Qu bella vida se
passa por aqui t Patusca-se, cea>-ae carne
e peixe assado, cujo chero chega d'aqui
urna legua, em quanto os amigos morrem
de tome !.. Vamos : quinbiD 'para doM
eara quatro ou para trinta f ludo para
nos e nada para elles i
iCantinuar-te-ha.)
,i
TTr. DO WARI^UPA DAS f RtZES*. ^


>
i
.

.



y
>- t
^T
^w


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGZIKTRS9_RGORGF INGEST_TIME 2013-09-14T00:35:50Z PACKAGE AA00011611_11818
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES