Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11816


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
ANNO KLV. NUMERO 84.
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE JAO SE PAGA PORTE.
Por (res mezes aflautados.................. 60000
Por seis ditos idein.................... 125tOOO
Por um anno idem.................... 244000
Cada numero avulso.................. $320
DIARIO DE
QUINTA FEIRA 15 DE ABRIL DE 1869.
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados.........r .. ....... 6^750
Por seis ditos idem.................., 135KX)
Por nove ditos idem................... 20JSJ50
Por um anno...................... 270000
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
SAO ACGXTUM:
Os Srs. Gerardo Antonio AI ves Filhos, no Para
Guimares Pancada, em
\,
1
.:

ir; Gencalve8 Pinto, no Marnh3o; Joaquim Jos de Oliveira, no Cear; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty; Jo3o Alaria Julio Chaves, no Ass; Antonio Alarques da Silva, no Natal; Antonio Joaurun
Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Anto; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth; Francino TaVares da Cssta, em Alagas; Dr. Jos Martins AI ves, na Baiiia; e Jos Bibeiro Gasparinho, no Bio de Janeiro.
PARTE OFHCIAL.
RESL.VrOIUO
AfRBSOTAIK) A ASSKMHLKA LEC.1STATIVA PRO-
Vl.\( IAL, PELO EXM. SR. CONDE DE BAEPEN-
DY, [RESIDENTE DA PROVINCIA, NA INSTAL-
I.ACO DA SESSO DO CORRF.NTt ANNO, EM
i O do connuNiE mu.
(Continuarjio.)
Culto publico.
Dep.os de dous annns e dnsele dias de vacan-
cia dadioeese, pelo infausto acnntocinicnto que
ruuboi; a igreja Pernambucana, a 16 de setcmbro
to 186o" sen digno prelado 1). Manoel de Medeiros,
vio esta provinciacom muita satisfazlo assumir,
n.> dia ~i de agosto do anno prximo pasudo, o
do bJspado o Exm. e Rvm. D. Francisco
GardodO Ayrea, natural da inesina provincia o ac-
tual hispo desta dioeeae, o qual, por suas virtudes
6 lustracjto merecen ser elevado a tao eminente
hlgar, em que lia de. sem duvida, prestar relevan-
tes MTviooa igreja e ao estado, cujos interesses
lima o iu.iis perfeito accordo.
A prudencia e tino eom que procede o chefe da
i groja Peraambueana vio prodotiodo beneficios,
ensera alguna dalles lentos, mas que no futuro
bao de trazar grandes-resultados.
Entre uniros o mais notavel a reforma que
tea! : fazer no seminario episeo|iai, estabelri-
do na fdado de Olinda, ampliando o plano de es-
tadal daqueiles que man tarde tem de ser enrar-
. loe de dirigir a runscienea dos lilhos da igre-
ja calholica e apostlica romana, que a religiao
i ai I >.
Sem verdadeira instnirco religiosa e moral ida-
de na i pode o clero exercer a intluencia benelica
para que fa instituido.
(i ivi o digno prelado sobre as necessidaitos mais
palpitantes do culto religioso, e por inim mesmo
procurd informar-me dalles, na visita que fiz a
26 paroebias.
Dar-vos-hc contado ludo,confiando que de vos-
aa pacte faral qoaato fr po.-sivel para coadjuvar
o virtuoso prelado no empeebo que ten, como vos
e como o governo, de prover ao culto devidamente.
CATUKDRA!,.
t.' ;u.i magestoso templo,o qnal se acha em
ntito I.....estado de eenaeracio e asseio.
MATRIZES.
Em geral arhau-se as /rejas matrizes em mo
. < id i a segaranea, de eonsarraoao e de asseio.
D'entrn .'lias lia porm aignma* que bem reve-
ala o-iefa) dos respectivos paiVM'bos, coadjuvados
pelo povo que corresponde sempre ao apiiello dos
a s paroehos, quando sao os que iniciam os
servido e beoefieioa deqoenecessita a igreja.
Neatas condiedes posso eom satisfaeio asentar-
las matrizes doria capilal. as de Bar-
Limooiro, Nazareth, Alegados n Eseada.
Est mi construc$5o as matriies ile S. Pedro
Marlyr de Olinda, e a da Gameileira: esta ha dous
aunen a a [nella ha trinta.
Ambas ostao eom as obras idiaptadM, prineipal-
a de Gameileira.
Ao contrario desata matrizes pie vi eom satis-
i bem conservadas, tratada* e zuladas, julgo
domen dever dnelarar-vos que observei em gran-
de ruina as matrizes de Una e de Agua Preta, ao
1i de so tornaran improprias ao iim a iwe se
desti
greja de Santo Amonio, devidas aos esforcos do
tvd. padre Antonio Generoso Bandeira.
OI.TIUS I GUBIAS.
Permtli. senhores que peca tambem vosea coad-
juvacao para o completo acabamento de algamas
grojas que vi, e que neqhuma duvida deixam so-
bre o zelo de queni tem administrado suas obras
sendo o estado actual deltas a prova de que se ha
feito boa applcac,ao dos auxilios prestados pelos
cofres provinciaes.
Nestas coudicues se acham as igrejas de Sao
'encalo no bairro da Boa-vista desta capital, de
Nossa Senhora do Amparo da cidade de Goianna,
le Sebatiao da cidade de Nazareth, de Nossa Se-
ahora do Rosario da villa do Cabo, do Nossa Se-
nhora do Livramento da cidade da Victoria, de
Nossa Senhora das Necesidades da Casa Forte no
Poe.o da Panella, de Nossa Senhora da Grac. na
Sapunga, de Nossa Senhora do Livramerito na Til-
a de Pao d'Alho e da capella de Jos de Taman-
lar.
Asdua-. primeiras estaomuito adiantadas: pon-
co ser o que ienhaes de consignar para sua con-
efusao.
Estnbeleelmentos pios.
A cargo- da Santa Casa da Misericordia desta
capital esto os seguntes estabelccimentos :
Hospital de Pedro II.
Asyio de mendigos.
Casa de expostos.
Hospital dos lazaros
Hospicio de alienados em Olinda.
Collegio dos orphaos.
Collegio das orphaas.
Tratarei de cada um dellcs separadamente, re-
Mirendo s informac^oes que prestou-me em 15
le Janeiro do corrente anno o digno provedor da
nesma Santa Casa desembargador Anselmo Fran-
cisco Pcretti.
HOSPITAL PEDRO II.
Ainda estao por collocar as calcadas das portas
) janellas do pavilbao do lado do sul ltimamente
eonstruido. 0 arrematante das obras allega que
he nao compete fazer esse servico. por n^o estar
elle comprehendido as condicoes do contrato que
assignou, mas a repartido das obras publicas
ensa de differente modo, e declara que vai tnan-
la-lo executar administrativamente dedusindo a
importancia da despeza do preco da arrematat;ao.
O soalho desse ra\p foi feito eom madeiras nao
sufQcientemente seccas, c os barrotes ficaram um
ponco mais espadados do que deveram : d'ahi re-
sulta urna certa flexibilidade no soalho que in-
commoda os enfermos pelo continuado movimento.
O chefe da reparticao das obras publicas de
opiniao (jue, calafetado bem o soalho e tarugados
os barrotes pode evitar-so, ou polo menos, dimi-
nuir a oscfflaeio boje notada, cojlocando se as-
ini nao acontecer algiiuias columnas no andar
icrreo, aflu de sustentar os barrotes.
T' in-^c despendido eom essa obra, por arrema-
acao a quantia de 26:-'i67^936, pertencendo ao
actual exercicio 9:34i!):t6.
No mesmo pavilbao fi;;eram-se poradministra-
jao todas as obras de arpinteiro-fim excepeao
aa coberta c do travojainento, estando concluidas
eom o excesso de 3:306tj020 sobre o ornamento,
provindo esse excesso da alija dos jornaes, e do
preco e quantidade das madeiras empregadas.
A despeza effectuada no anno de 1868, elevou-
se a 6:o\r>5"93.
O provedor pensa que, concluido este pavilhao
Picar sem serventa por faltarem Santa Casa os
mcios de poder canalisar o gaz para a Ilumina-
no as ordena necessanas para que o respectivo
paro ho ixerca suas fonceoes na eapea do Livra-
i ni sita na'mesina povoacia
Nio estando concluida na villa de Agua Preta
aja do Rozario. n> pude lazer igual pedido
i que esta servisse provtsoriamenW de matriz.
Bntendo, pois, que ser muito conveniente que
autoriseis a conclusa i 'l --i.i igreja, cajo despendi
lera elevado, evitando-se maiordespeu emais
temo i eom a eonstruccoda nova matriz.
No p ivoado dos Montes, sed de una nova pa-
rochia, ainda nio provida cannicamente, em
Igua l'i'iia eemSerinnem estio eom principio
as igrejas que-devemser matriies;
acliam-se p irm paralysadas suas obras desd*don-
triz a igreja do I.i-
vramento que est bem tratada, mas sujeita ir-
mandade ii Utoida nella, pelo que eniende opa-
rucho respectivo que achando-se em reparos a
a do i! ario, que all existe, e que ja servio
<>avriz. tonvm conelnir as obras de que ella
precisa pava que se'prest a esse Qm, por ser um
BS vasto e nao estar SUjeitO adminis-
i de corporaco aleunVi.
Parecendo-me acertada estas ponderacies de-
que se Bae o orcamente da despeza
eom os reparos desta igreja. pan que possa ser-
1 matr, ponpanl i-ee assim maier dispendio
eom a nova em principio de edilicac .
Para aproveitar, porm, o terreno e as paredes
truidas para a matriz maadei orear a despeza
-i.ia para que neile Be oonstruuw eemite-
pablieo, que nao existe nesta villa.
A cmara municipal o tini iressada em levar a
eToil" esta obra : confio no sea zelo e dedieacao.
A matr de Sao Lonreneo da Malta precisa de
>aro .. obras fita;* ltimamente, por se
lias ciuo principkrdc ruina, sendomui-
i i" concluir as que baviam sido autori-
Hnwnte con aquellas o que se
:i paral] -1 la~ eom detrimeato do edificio.
Irtne.i ao director da- obras publicas qvic or-
>., para que fossem feitos quanto
Tambem exigem prostptos reparos as matrizes
da Vi r a, Iguarassd, Caniar. Ingazeira, Tracu-
.. Gl iria do Coila e Una.
n de obras as de Muribeca, Pao d'Alho (
r da cidade da Victoria.
i quinto seja incoiite^iavi'i que esta aseen--
Mea Baba descuida.'.') de concorrer pan
as o;:,, das io:iiri7X'>. sendo eerto ate que essas
nao apoatei > me bem t servadas ooutras mul-
t i'onsignaeo'- um leis do orcamente.
e bi Ocios de lateriaa que por leis pro'vinciafti
lhe tan) sido concedidas; pennilti que vos lemlre
de se concluirem as matrizes de Sao
ital. Escada, Sao Pedro Martyr de
Olinda, Gam Mein, Panella e Montes, e de se fa-
tarea) os reparos e obras das que tem urgente pre-
lies, principalmente as que mencione!
Soguudo estou informado, at pelo Rvd. parocho
'ectivo, aaha-se em completa ruina a matr z
de uavb, o a tal ponto que nao devem continuar
a estar nella as sagradas imagens.
Estando reduzida a sede actual desta parochia a
um insignificante povoado, ao passo ipie tem aug-
mentado consideravelmente. a povoac.o de Pedras
de Fogo, a menos de urna legua de distancia, a
qual esta hoje elevada villa, mmha opiniao que
se de ve mudar para ahi a sede da mesma par>-
chia, aproveitando-se para matriz a igreja de Sal-
to Antonio, onde ha multe se celebram os actos
eleitoraes c que tem os precisas proporcoes para
aquelle fim ; e, assim, tor-nar-se ha desnecessaria
a construeco de urna nova igreja no quasi extiiic-
to povoado de Itamb.
Esta tambem a opiniao geral dos respectivos
parochianos, que muito desejam ver realisada ta-
ta idea.
Chamo por tanto vossa attencao para este as-
snmpto, afnn de que, tomando-o na devida oonsi-
deraijao, deliberis a respeito delio, aatorisando ao
mesmo lempo a despeza necessaria m a conc u-
sio das obras que ge esto azendo na referida
Ficaram. -
----3-------------
meninas. ...
-Educando___
Educandas...
10
12
1
97
98
Existo em
criacao.me-
ninos........ 34
meninas..... 37
Foram
71
expostos. me-
ninos........
meninas.....
40
Recolheram-se.meninos,
meninas.....
Fallecern].meninos...
meninas..
Ficaram.meninos-----
meninas.....
18
22
2
7
9
16
26
42
34
34
---- 68
HOSPITAL DOS LAZAROS.
Tem: Regente.......
Enfermeira___
Capelln.......
Cosinheiro.....
Serventes......
Existan) enfermos no principio do
sado
homens 10
mulheres... 10
1
1
1
1
2
anno
pas-
Entraram.homens ..
mulheres.
Sabiratn.homens.
Falleccram.homem...
mulheres.
20
5
4
9
2
_ 2
1
4
a
Ficaram.homens....... 12
mallicres..... 10
22
HOSPITAL DOS ALIENADOS.
Os empregados d'este estabelecimento sao :
Regente..
Medien.......
Capelln......
Barbe ro......
Enfenneiros ..
Enfermeiras...
Porteiro......
Cosinheiro..
I
1
l
1
I
>
1
1
No principio do anno hamra alienados:
homens 26
mulheres... 42
Entraram.homens...... 10
mulheres 14
n^ __
6
8
es
24
Saliiram.horneas
uiilheres...
Fallecern!.homens ..
mulheres.
Ficaram.homens.....
mulheres....
11
6
9
lo
24
42
66
hoje o 4o 59:061$660 por ter-se eiupregado 'para
essa pequea amortisacao a renda extraordina-
ria que proveio de beuecios theatraes, donativos
da AS8oeiaejo Commercial Benclicente, e de par-
ticulares.
Se nao continuaran esses roiidimentos extraor-
dinarios bem nataral que a divida passfva se
eleve, por que a receita nao chega para a despeza,
que diariamente augmenta, alvo se, limitar-se o
numero dqg enfermos quelevam ser tratados nes-
ses estabeleciiii''utos, nao se admittindo os que se
apresenU'trem alm desse num.-ro.
Fechar, porm, s portas dos estaselecimentos
de caridade, ou pelo menos crear limites a ella, se-
ria deixar perecer em. frente desses asylos os infe-
lizes receninascidos e os enfermos que nessas con-
dicoes carecem de um abrigo.
A decretaciit ]iois, de re> ursos, que habilitem
esses eslabelecimentos a prestar sempre a huma-
niilade desvalida o auxilio que lhe reclamado,
muito conveniente; e o provedor pensa que se dove
tomar as seguintes providencias :
1." A continuac i da tubvanclo votada para o
corrente anno, que .le 37:001)^000;
2.a A extraccao mensa I e infallive de urna parte
182
97
-s.-i-
909
3791288
745
294-1039
150
138 288
111
77 188
Quanto a primeira j soHcitei do digno diocesa- rao, bem como comprar colx5es, camas, traves-
seiros, e banquinhas, eom o que ter-se-ha de des-
pender cerca de 3.0003000.
Existem empregados neste hospital:
Irmaas de caridade 10.
Capellao 1.
Medico I.
Cirurgiao 1.
Pharmacentico 1.
Praticante de pharmacia I.
Enfermeiro 1.
Barbeiro 1.
Serventes II.
Lavadeiras 5.
O movimento dos enfermos de Janeiro a dezem-
bro do anno passado foi :
Existan)homens
mulheres
Entraramhomens
mulheres
Saliiram homens
molde' es
Falleccramhomens
mulheres
Ficaramhomens
. mulheres
ASYLO DE MENDIGOS.
Em una das enfermarlas do pavimento terreo
do hospital esto alojados estes pobres, que sao
mantidos custa dos dividendos de 108 ac^oes da
Companha de Bcbcribc, no valor de 6:1803000, e
dos juros de 62 apolices da divida publica repre-
sentativas do capital de 61:6003000 compradas
eom o producto da subscripcao promovida pela
Associagao Commercial Beneficente em favor des-
te asylo.
O provedor insiste na conveniencia do destina-
remse provisoriamente duas das enfermaras do
pavilhao nnvamente construido para accommodar
esia classe de infelizes ; sendo mantidos eom o
producto do imposto addicional votado por esta
assembla, e tratados, quando enfermos, pelo me-
dico o cirurgiao do hospital, mediante pequeas
ratribuicoes, ficando, quanto ao regimem interno,
sob a direccSo das irniias de caridade.
Confia o mesmo provedor que esta medida pou-
par despezas e livrar as enfermaras do hospi-
tal do grande numero de enfermos que all se re-
colhem, e que sao propriamente mendigos que es-
molarn pelas ras e pontos da cidade sendo para
all mandados pela polica.
O movimento do asylo durante o anno foi o se-
gunte :'
Existiamhomens
mulheres
Entrouhomem
Sahir.luihomem
Falleceramhomens
mulheres
, Ficaramhomens
mulheres
CASA DOS EXPOSTOS.
O edificio, em que funeciona o estabelecimento;
j nao tem accominodacoes para o numero de ex-
postos, que, acabada a criacao, devem a elle re-
colher-se.
Nesta casa estao empregadas :
Irmaas de caridade 8.
Ajudante 1.
Regente externo 1.
Servente 1.
Rodeira, era Olinda 1.
Director espiritual e capellao I.
Amas externas 67..
Amas internas 1.
Seu movimento durante o anno rnostra o seguin-
te resultado:
Existiam.Edn cando ...
Educandas ..
* COLLEGIO DOS ORPHAOS.
Conta como empregados:
Director........
Medico que tambem serve na
casa dos Expostos ....
Pedagogo .....
Mordomo.........
Enfermeiro........
Professor de primeira letras .
c de msica.....
Porteiro........
Refetoreiro........
Barbeiro.........
Cosinheiro........
Serventes.......
Existiam.Educandos... 66
Entraram. 26
92
da lotera concedida a Saata Casa, cujo beneficio
apenas de 510;
3." O esiaoBcimento do asylo do mendigos no
pavilhao uliinflmente construido no hospital Pe-
dro II, applieando-se para sua sustentacao o pro-
ducto do imposto addiccional de 3% sobre a ren-
da arrecadada, e que fr se arreeauando.
Com estas providencias, o coro o recebimento da
importancia de 120:000000 de urna execncao que
a Santa (Jasa promove contra a viuva e herdeiros
do brigadeiro Gaspar de Mcnezcs Vasconcellos de
Drummond, podeiu ser solvidos os compromissos
que sobre ella pezam, marchando a administra cao
mais desempecadamento para o fiui humanitario
de sua instituido, tendo alm disso a vantagem de
poder comprar mais barato e ende Ibe convier, os
gneros de que carece para consuuuuo dos esta-
Beledmentos a sen cargo.
A' vossa soWeitude e zelo cabe resolver aseine-
Ihante respeito o que parecer mais conveniente em
beneficio de tao til Iostltuieio, concedendo-lhe, so
julganles justo, um emprestiino com amortisacao
annual rasoavcl para solver sua divida passiva.
Scr-vos-hao presentes as contas da recetta o des-
peza dos cstalieleciinentos da Santa Casa durante
o anno do 1867 a 1868.
O provedor desta irmandaile em officio que me
dirigi a 23 do mez prximo lindo, fazendo consi-
doraijdes acerca dos poneos remullientes da Santa
Casa, leuilira como meio de auginental-os dar-ae-
Ihc a adininistraco do eeniiterio publico desta ca-
pital, fleando igualmente seu cargo a conduecio
dos cadveres e o mais servico funerario, a exem-
plo do que se pi.atica na cdrtO.
Mando trausuitlir-vos o referido ofltcio, para que
tomis a seu respeito a providencia que parecer
melhor, uermittindo que vos poiuiexe qus estando
coriTfidaa in*i>-ccao do referido cemiterio cma-
ra municipal, por cunta de quera errein as res-
pectivas despezas, julgo conveniente que nao seja
della retirada sera aquiescencia snn.
Antes de fehar este artigo devo infonnar-vos,
que sobre reipiisico da junta daanta Casa, pa-
recer do inspector da ihesouraria provincial e do
procurador fiscal, antorisei a adininistracao da
iiiesnia Santa Casa a despender mais 13:000000
alm da verba concedida, para pagamento de di
versas despezas do hospital Pedro II, indispensa
veis at o fim do actual exercico.
(Continuar-se-M)
regados de arrebanlurr gado, fazer internar as mi-
srraveis familias paraguayas o vigiar os nossos
uiovimentos. Desapparecem apenas nos avistara.
Os eonsules francez e italiano, a este com gran-
de insistencia, pretenderam que o tribunal ltima-
mente creado, e de que j tenho fallado, Ibes en-
tregasse grandes quanlidades de couros pertencen-
tes a pessoas drs quaes se dziam representantes
lgaos, e que esto com Lpez, ou foram por este
fuziladas.
Os g'eneraes alliados tomaram sobre este as-
sumpto a seguinte resolucao:
Que os agentes consulares que as nacoes neu-
tras tinham acreditadas junto ao governo do ma-
rechal Lpez e cuja residencia official era na ci-
dade de Loque, se podem ser actualmente consi-
deradas, no territorio dominado pelos alliados, co-
mo agentes de nacoes amigas em territorio de tran-
sito e regido pela lei militar.
Que em quanto durar esta siluacao nao podem
exercer funecoes consulares ante s alliados, de-
vendo limitar-se a expedir certilicados dos actos
que constem em suas chancellerias, anteriores
poca em que os alliados se apoderaram da cidade
de Cuque ou a praticar actos que nao sejam des-
tinados a produzir cffeitos ante os mesmos allia-
dos.
Que taes certificados podero ser apresentados
pelo tribunal livremente, como qualquer outra
prova, o segundo seu mrito;
Que os referidos cnsules nao podem outorgar
poderes por ausentes ou prenles, proprietarios
ou herdeiros, nao s pela razao de nao exercerem
aqu funecoes consulares, mas tambem pelaespe-
cialidade do caso, que consiste n'um favor dos al-
liados aos que, por sua presenea em territorio neu-
tro ou dos alliados, desvanecam a presumpcao de
estarem servindo aos interesses do inimigo da al-
lianca.
A ultima hora lve conheciraento do telegramma
aqu junto. O recontro teve lugar hoje.
bstacllo de Yuquer.O Exm. Sr. general
Vasco Alves ao Ium. Sr. Dr; chefe do estado-inaior
eommunica:
a Que, tendo mandado sabir hoje em explora-
do o 18. de cavallaria, este, na distancia de 12
quadras, mais ou menos, di Aragu encontrou
urna partida inimiga de 30 homens e.a perseguio,
fazendo-lhe 6 mortos. inclusive o ofmmandante,
isto em urna extensao de meia legua, onde parou
a perseguico, por ter o inimigo terca de infanta-
ra, Cni lugar muito aperlado. O 18. teve 4 feri-
dos. *
Adolpbo Rodrguez voltou de Bueuos-Ayres para
esta capital, onde permanece, no dia 20.
INTERIOR.
Rio de laneiro
2 DE ABRIL DE 186!'.
braos amigos do Sr. desembargador Isidro Bor-
ges Monteiro, denotado cleite pel municipio neu-
tro, offerecerani-lhe antc-hontera um jantar como
demonstrarlo de apreco e estima.
A reunio foi em ca'sa dos Sis. Carceller & leh-
roeder, em cuja sala se achava urna mesa para
oitenla talheres, ornada cora goste c sumptuosa-
inente servida.
No centrada mesa de um e outro lado do Sr.
desembargador sentaram-se os nutras dous depu-
tados eleitos pela corte, Drs. Ferreira Vianna e
duque-Estrada Teixeira, defrontc estavain ontros
tres dcpnlailos eleitos ou em via de o serem, os
Srs. conselheiro Henriques e Drs. Fontes e Joo
Cardoso de Menezes. Achon-sc tambem presento o
Sr. ministro da guerra, diversos motivos impedi-
rn! de comparecer os nutros inemhros do gabine-
te, que baviam sido todos convidados.
Muitas outras pessoas de distineco assistram a
esta brilhante reunio, que leve o carcter de nina
l'esta de amigos, sendo da mesma natureza os nu-
merosos brindes que se propuzeram, e que todos
foram correspondidos cora effusoe calor. Os l-
timos foram ao gabinete de 16 de julho c a S. M.
o Imperador.
De principio afira reinaram a coriialidade e a
alegra, c a maiorparte da sociedad; conservou-
se reunida at depois das 11 horas da nqutc.
Fallecen hontein e sepulta-sfe hoje s 10 horas
da manlia o mareen AI do exercito reformado ba-
rao de Suruhy, Manoel da Fonseca Lima e Silva.
Era conselheiro de guerra, vcador de S. M. a liu-
peratriz, e grao-cruz da ordem de Aviz, official
da do Cruzeiro, cavalleiro das de Cristo e da Ro-
sa, c tinha'a medalha da guerra da indepen-
dencia.
3
S. M. o Imperador, acompanhado de seus sema-
narios, chegou ao arsenal de marrana, hontein s
9 horas da manha, e dalli dirigio-se a visitar o
asylo de invlidos na ilha do Bom Jess. Regres-
sando, Sua Magestade visitn o hospital militar da
corte.
8
1
1
l
I
EXTERIOR.
13
821
1 1
4 4
3
i 4
7
7-14
1
100
EntraramEducandas..
Recolheram-se da cria-
cao. meainos.....'
meninas......
101
m.meemos.
3
2
7
9
Sahiram 18
Ficaram. 7*i
COLLEGIO DAS ORPHAS
Urna das principaes necessidades que sent este
estabelecimento, a canalisaeao d'agua potavej
para abastecimento do numeroso pessoal; que ah
existe. Mandei or?ar a importancia da despeza,
que se ter de fazer cen cssa obra, e que foi cal-
culada em 6:0503000.
Estando autorisado pelo Io do art. Io da le n.
648 de 1866, nao foi todava co^einplada esta des-
peza no orcamente vigente.
O pessoal empregado neste collegio o seguinte :
Irmaas do caridade..
Capelln......
Medico.'......
Porteiro:.....
Serventes.....
Existiam em o principio do anno.
Educandas .. 117
Entraram.... 13
130
Sahiram..... 6
Ficaram..... 124
As educandas d'este collegio anezar da perfei-
Sao com que fazem qualquer trabalho de agulna,
ores artiticiaes etc.. nao encontram, como as da
casa dos expostos, servico em que se empregimm
para diminuir como fazem aquellas, os encargos
do cofre do patrimonio con as despezas de vestua-
rio e calcado.
Alm dos empregados dos estahelecimentos, que
ficam mencionados, existem pagos pela santa casa :
2 Advogados, sendo um em Olinda, e outro nesta
cidade.
2 solicitadores idem idem.
2 cobradores idem idem.
E na secretaria:
E-crivaot .J. 1
Offleiae. ; $T-. 2
Amanuete........
Collaborador......, 1
Porteiro contino......**3
Sachristao da igreja do Paraso 1
Os predios pertencentes ao patrimonio cada vez
se arruinara mais, estando alguns inhabitados, por
falta de reenrsos, com quo pessam ser repa'rados.
O provedor pede que se vote alguma quantia
para esses reparos, attendendo a que o rend-
mente desses predios que pode compensar as des-
pezas que se faz com os estabeleclmentos, cargo
da Santa Casa.
Os predios pertencenfes aos orphos tambem ca-
recem de reparos, mas estes podem ir, sendo gra-
dualmente feitos, se for mantida a subvencao con-
cedida por esta Assembla, nao exhaurir se o co-
fre respectivo, nao deixarem de correr as loteras
concedidas para auxilio de suas despezas, e nao se
augmentar igualmente o pessoal dos collegios res-
pectivos.
RECEITA V. DESPEZA.
Dadas as condicoes aima apontadas, o pro-
vedor de opiniao que o cofre dos orphos ir aecu-
dindo as suas despezas cdiu a receita que arrecada
e que no anno econmico de 1867 a 1868 impor-
tou em 69:728/591; o que nao acontece ao da ca-
ridade que tem a seu cargo a n'anutencao e cos-
tera do hospital Pedro II Casa dos Expostos, hos-
pital dos Lazaros e hoiipicio dos Ahenados, nao
sendo a receita sufflcienfe para fazer face a des-
peza, o-estando onerado de maia. com um dficit
que passou da administtac^io anterior desses esta-
belecimentos na Importancia de flfl:00O|000, e que
ASI.MI'CVO, 2 DI MARCO DE 1809.
Com quanto ponco tenha que dizer, nao quero
deixar seguir o vapor S. Jos, que hoje deixa este
porte era demanda do di llio de Janeiro, sera diri-
gir algumas utas ao Jonin! do Commercio..
Apezar dos esforcos do general em cliefe, dos
ontros generaos e officiaea, nao pode o exercito
mover-se at o dia O, como annuucira na ininha
correspondencia de 14 do corren e.
Nao se move com facilidaJe um grande exercito
para emprebender operaeSts na interior d* um
paiz ponco cotibecido e baldo de teda a espeje de
recursos para alimentaeio de homens c cavalhada.
A falta desta, prfmetro elemento para urna guerra
como a qae vamos fazer, inuite sensivel. Bece-
berani-se ltimamente una 500 cavallos, mas este
numero insignificante para as necessidades do
MONTICVIDO, 30 DE MARCO DE 1869.
At hontein nao trabamos noticia alguma do Pa-
raguay para dar por este paquete; mas en j con-
jecturava que elle nao sahiria sera algum despa-
cho telegraphico da ultima hora expedido de Bue-
nns-Ayres. Assim verificou-se Pelo fio elc-
trico Ionios informadM de que os Paraguayos tor-
naram a anparecer em una locomotiva, e que, ca-
bindo de improviso sobre urna torea brasileira,
conjegairam aprisionar alguns infelizes compatrio-
tas nossos; que so tinham esquecidode queqiiem
tem inimigos nao dorme.Os aparaguayados j
espalham que houve urna sanguinolenta batalha
cora o nosso 1." corpo de exercito que havia mar-
chado procura do inimigo, e que perdemos a ac-
cao completamente. E o caso que encontram
ingenuos que os acreditan I
C por Montevideo continuamos, como anterior-
mente, hitando o commercio, com a difiieuldade
de dnheiro por falta do meio circulante que de
mez a inez diminue consideravelmente cora a quei
raa dos bilhetcs dos bancos.
Continuara tambera as quebras de algunas ca-
sas que devem aquellos eetabelecimentos, que estao
luidacao, c ellas apparecei i era maior escala
l'iamlo mento das dividas em contas narrantes do banco
Man i C, o qnal termina no dia 31 do inaio pr-
ximo. Ent) se sentir todo o efeito da crise
porque estamos passando, e se reconheccr a gran-
deza dos males que ella provocou.
Rao ha esperanca de que seja cousa til a este
p.aiz o projeeto que dere ser apresnntado s cma-
ras pelo ministro da fazenda actual, porque este
projeeto ser semelliante, seno igual, aos que de-
sejam o i enmata!, isto bancos livres, sujeitos a
urna legislaoJM especial e a regulamentos rigoro-
sos, de accordo s bases propostas ao governo
pela maiorja da commisso presidida pelo Dr. Ra-
mrez.
O ministro da fazenda, na resposta que dculto
oficio da commisso apresentando aquelle trabalh >,
co!iiprometteu-se a sustentar o decreto de 16 de
Por aviso de 2 do corrente:
Rcmettcu-se ao mordomo da casa imperial, pa-
ra a expedico do competente titulo, a copia do
decrete pelo' qual S. M. o Imperador houve por
bem fazer inerc do foro de nioc/> fidalgo, eom^
exercico na sua imperial casa, a Francisco Pi-
nheiro de Souza Werneck, lilho do bariio da
Ipiabas.
Por portara de 31 de marco ultimo, concdan-
se o titulo de agrimensor ao cidado brasileo Vi-
cente Jos de Araup Silva, na conformidade do
decreto n. 3.198 de 16 de dezerabra de 1863.
exercito. Todava, dizem que o mareclial Guilher- julho, declarando que era esta tambem a resla-
me partir com o exercito em lins deste mez ou
nos primeiros dias de abril, soui esperar pelos
3,000 ou 4,030 cavallos que. esto oncommendados
e irao ter depois onde o exercito se achar.
Algum piano muito importante deve estar em
via de execncao, a julgar pelo movimento que or
to era nossa squadra: partem navios Paraguay
cima, outras para o alto Paran, em sumraa, rei-
na a maior aclividade nos navios.
Os Srs. conselbeiros Paranho?, general em chefe
do exercito e chefe de squadra lisiario Antonio,
dos Santos foram ante-hontem a Cuque, pelo cami-
nho de ferro. All reunio-se-lhes o commandanc
dol.oorpo de exercito, brigadeiro Jop Manoel
Meiiua Barrete, c seguirara todos para a ponte em
eonstrnfco sobre o arroto Yuguen, onde teve lu-
gar o recontro de que lullei na mnha ultima cor-
resyondncia.
trabalho daquella ponte nao progride to rpi-
damente como ffira pafa dcejar, talvcz pela difii-
euldade de encontrar c conduzir os materiaes o
instruineni arios. Crea que a-estrada de
ferro, de que .1 ponte faz parte, ha de ser um im-
portantissimo auxiliar ilasoperacoesque.se vao
iniciar, visto que por meio della serlo com promp-
tdo e facilidado transportados fornecimenlos e
tropa- \-- : uram-me qofl estao a chegar de
Buenos-Ayres nina locomotiva e diversos wagons,
com os macliinistas e operarios necessaros.
O calor tem sido muito intenso uestes ltimos
das; nao obstante, continua a seroptiiho o estado
sanitario aqu. 4 qv.elque chose maiheur est bon :
so por um lado deve-se lamentar a enorme des-
peza improlicua occasonada pela demora do nosso
exercito em Assnmpciio e seus arredores, por ou-
tro trouxe ella descanso nossa gente, e fez cora
que as operaedes tenham lugar em estacio mais
fresca e nao no rigor de um vero de que no ljra-
sil nao se pode fazer urna idea aproximada se quer.
Corre que o Sr. cSnsfljbeir.) Paranhos deixai
esta cidade antes do fidHo mez. S. Exc. depois
de ter aqui prestado relevantes servicos ao seu
paiz, vai continuar em Buenos-A yres a ardua ta-
refa de que se acha incumbido. All o espera o
Sr. Dr. D. Adolpho Rodrguez, ministro plenipo-
tenciario, nomeado pela Repblica Oriental do
Uruguay para tratar dos negocios relativos al-
lianca. A Repblica Argentina nao noeneou ainda
plenipotenciario, o que far sem duvida logo que
chegar o nosso a Buenos-Ayr<
Creio ojua o mesmo conselheiro vollar depois
com os seus collegas Assumpcao.
Durante i viagera a nossa eanhoncira Henrique
Martins, daqui sabida p:ira o Fecho dos Morros, no
dia 3 do corrente, apresentaram-se c foram rece-
bidos a bordo da mesma qninze paraguayos de
ambos os sexos, que vieram, fugindo das garras
do tyranno, abrigar-se sombra do nosso pavi-
lbao.
Pela costa do norte, segundo dizem esses passa-
dos, e pelo que se tem observado dos nossos na-
vios, tem Lpez alguna piquetes e guardas anear-
cao inabalavcl do presidente, mas nao dallen per
ceber-se so inclinava a este projeeto da mmoria,
ou ao da maioria, que quer adoptar o systeuia
seguido nos Estados-Unidos.
O governo passou ao juiz do crnie o suiuraario
instaurado a respeito do assassinato do general
Flores, aiim de que a justica prosiga na averigua-
c,o deste crirae, para puiiicao do seus autores,
que diz a Tribuna ter-se verificado pertencerem
todos ao partido blanco.
.0 Ferro Carril Central do Uruguay, nao obstan-
te as difflcuidades financeiras do paiz, pode obter
recursos, por meio da venda de alguns terrenos
submarinlios, para continuar seus trabaliios, e al-
abear om pouco tempo o outro lado do rio Santa
I.uzia, 12 leguas para o interior.
Na provincia de Buenos-Ayres estes ltimos dias
teem sido de grande agiacao poltica, o temeu-se
at que na propria capital nouvessem sanguinolen-
tos conflictos, a proposito da clecao dn senador e
deputados provinciaes que devia ter lugar no dia
28.
Toda a importancia ligada a esta elecao provm
de que os novos legisladores escolhidos teem de
oleger, com os quo continuam a funecionar, o fu-
turo governador de Buenos-Ayres. Ora, a Tribu-
na, qne havia apresentado e sustentado a candida-
tura de 1). Emilio Castro, actual governador interi-
no, sera urna explca$ao plausivel, sem motivo
ostensivo para fundar a sua mudanza, princpiou
a mover crua guerra a essa candidatura, apresen-
tando em seu lugar a de D.Mariano Acosla, que se
affiruiava encobrir a verdadeira candidatura de
Qumtano. Os que esto ao facto destes negocios
espalham que tudo proveio de certas decises da-
das pelo governador Castro s eleicSes municpaes,
Jne contrararara o veneraente desojo que linha
. Hctor Varella de sentar-se eomo presidente
desta corporaco.
O que eu sei que a polmica pela imprensa
tem sido ardente, assim como teem sido apaixona-
dos e calorosos os trahalhos dos clubs.
Nao obstante, porm, toda a opposicao que contra
ella moveram os Varellas, venceu o governador
Castro.
A Nacin Argentina defini as candidaturas
nestes simples termos:
Os Paraguayos de seu lado, cora Quitana.
Os Argentinos do outro lado, cora Castro.
Se com effeito erara estas as signiflcacSes polti-
cas dos dous candidato, devenios ;ipplaudir o tn-
umpho do segundo, que nos garante o tnumpho
da jastiea e da raxae, e consolida as esperancas de
paz, qu* tanto nos animara.
Corre aqu a noticia da nomeacao do Sr. conde
d'Eu para commandar as torcas de mar e trra
do imperio. E' tal o deeejo geral do ver levada
sua conclusio quanto antes esta guerra fatal, que
se calara certas prevenodes a desconlianeas polti-
cas, ante a consideracao de qne a escolha do joven
principe deve aceelerar-lhe o desfecho.
O ministro plenipotenciario desta repblica, D.
O Parahybano da Parahyba do Sul, de 31 do
passado, noticia o segrate :
t Na manlia do dia 28 do corrente, Joo Ri-
beiro, suamulher Junarla e Luiz Teixeira Pinto
foram brbaramente estaqueados peto escravo
Fructuoso, pertencente ao capito Simo Dias dos
Reis, em sua propria casa, no lugar denominado
Laraageiras.
O inspector de quarteiro, por aviso do mes-
mo capito, tomou conheciinento do facto, cora-
municando-o n ronnenti ao delegado de polica
em exercicio o Sr. Narciso Jos Soares, que in-
mediatamente se dirigi ao lugar do decto, on-
de encontrou ja mortos a Joo Bibeiro esua inu-
Iher.
Procedendo o auto de perguntas i nica vic-
tima sobrevivente, Teixeira l'iuto. gravemente fe-
rdo, forraou-se o competente auto.de corpo de
delicio; e seguiram-se os deraais tramites legaes.
Foi immediatamente expedida una escolta em per-
seguicodo criminoso, o qual provavel nao es-
cape, c receba o merecido castigo do seu horro-
roso attcnlado.
- 4 -
Por decretos de 3 do corrente, foram nomea-
dos :
O bacharel Paulo Jos Pereira de Almeda Tor-
re-, jui'. nranicipalda 2a vara da corte.
O bacharel Francisco da Costa Ramos, juiz mu-
nicipal c de orphos do termo do Conde, na pro-
vincia da Babia.
Urbano-Sabino Correa, secretario da pocia da
provincia do Paran.
Concedeu-se :
Ao coronel comniandante superior da guarda
nar; mal dos municipios de l.arangeiras e Santo
Amaro, na provincia de Sergipe. senador Antonio
Diniz de Siqueira e Mello, reforma no mesmo
posto. .
Ao bacharel Justiniano Leao Vellosa a denus-
sao que pedio do lugar de juiz municipal c de
orphaos do termo do Conde, na provincia da
Babia.
Foi removido a seu pedido, o juiz municipal e
de orphos bacharel Joaquim Xavier Garca do
Alraeida.do termo da Barra Mansa para o Nthe-
rohy, ambos na provincia do Rio de Janeiro.
Foi aceita a desistencia que fez Joo EstevesLi-
ma, da serventa vitalicia dos offlcios de partidor o
contador do termo de Itapaianinha na provincia
de Sergipe.
Foi declarado avulso o juiz de direite Manoel
Ignacio Carvalho de Mendonca, por nao ter reas-
sumido o exercico de suas funecoes na comarca
da Bagagem, da provincia de Minas-Geraes, de-
pois de linda a licenca que lhefora concedida.
Por portara da mesma data foi tambera, decla-
rado avulso o juiz de direite Miguel Joaquim de
Almeda Castro, por nao ter entrado em exercicio,
dentro do prazo legal, na comarca do Teixeira da
provincia da Parahvba, para a qual fora removido
por decreto de 27 de jiinho do anno passado.
O nosso novo hispo diocesano por urna portara
de 30 do passado suppriinio todas as radeirase
oinpregos do seminario episcopal de S. Jos. Di-
zem que S. Exc. Rvraa. quer entregar exclusiva-
mente a Lazanstas a direceo nao s daquellc es-
tabelecimento de educacC.0, ma tambem de outro
do mesmo genero, que tcnciona fundar na chama-
da chcara do bispo no Ro Comprido.
Pelo paquete inglez Amo, entrado hontein do
Rio da Prata, recebemos folhas de Bueiu^
at 28 e Montevideo 30 do passado.
As ultimas noticias do Paraguav foram transmit-
idas telegraphicauente de Buenos-Ayres para
Montevideo, e, como sempre, nao sao nem muito
claras, nem talvez muito seguras. Entretanto nao
do muito boa idea do estado das COU&as,
Parece que o corpo de exercito que marchara
para Luque ainda se nao moveu daquella povoa-
co, cujos arredores erara percorridos por parti-
das paraguayas, que escondidas nos matos os tor-
navam mal segaros, havendo troca de tiras todos
os dias. Diz-se tambem que os Paraguayos torna-
rain a vir pela estrada de ferro nos seui vagues e
aprisionaram um piquete nosso. Porcas de caval-
laria os persegniram, mas ainda se nao sabia do
resultado. Acerescenta-se ainda que tinham mar-
chado alginas tropas para Cerra Len, ondftde-
clarara um prisionero que tinua Lpez us auu
homens.


2
Diario de Penaambuco Quinta feira 15 de Abril de 1869.
-

/
Taes sao os nicos feitos militaros guc encontra-
>s referidos. Quanto ao empento.- formar um
governo provisoria na Assuinpcao, diz a TV
de Montevideo que nao se linna "
este respeito.
Continua va a endiente do Paran, que mu tos
afflrraavam sera maior ile que bavw memora, e
eonsideraveis erara os seus estragos.
A 28 procedeu-seera Btteaos-Ayjee i oleica de
novo governador da provincia. Na capital e nos
outros astrictos da qa havia noticia triumphou a
Aindidatura de 1). Emilio Castro, actual governa-
dor nterin >. cuja eleifio se ivptitava segura.
Em Montevideo nao se Misiva eeoja da i
e jmmereial.
Do Pacfico nada de importancia.
Por va de Montevideo ionios obsequiados icio
eominandante do vapor Ari os-coin follias do Rio
Grande do Sul al 25 do passado. As datas de 1 or-
to Alegre alcaucavam a 21.
Estavam terminadas aseleices:geraes.
A lista trplice para a esculla de um senador
fleou assim orgaabada:
Or. Joao Jacintlio de Meodeea .... 450
Desembargador Joo Evangelista de Ncgrei-
ros Sayao Lobato.......392
Desembargado!' Manoel Jos de Freitas Tra-
vassos...........163
Para deputados pelo segundo -distrcto foram
eietos:
Dr. Joao Jacintho de Mendonca .... 236
Conselheiro A. R. Fernandes Draga ... 222
Coronel Pederueras........199
6 -
O transporte Arinos, entrado liontem dos portos
do sul tn uxe-nos follas de Porto-Alegre ate 30 c
Rio-Grando 31 do passado, e de Santa Catbarna 3
do correte. -
A* noticia- Ja provincia de S. Pedro sao desti-
tuidas de intereso.
Em Santa Catliarina iiistaliou-se no dia i I
assembla legislativa provincial.
No mesn dia seguio para o sul o transporte
Alia, que conduz o Sr. mareelial conde d'Eu o o
seu estado-maior. Sua alloza visitou o hospital
militar e todos os edificios pblicos da capital.
Burda interinamente o cargo do chefe de poli-
eia da provincia o Dr. juiz de direito da comarca
do Desterro, Joao Ignacio Silveira da Motta.
Tinha fallecido o director geral da fazenda pro-
vincial Antonio Justniano Estoves.
Por docreto de 28 de marco lindo, foi demittido
Francisco Antonio de Lima do lugar de 3 escr p-
torario da cuntadoriada marinba.
Por decreto de 3 do correte oram promovidos
os seguintes offleiaes do corpo de sado da ar-
mada :
A" cirurgiao de esquadra, o cirnrgio de esqua-
dra graduado Dr. Thoaiaz Antuues de Abreu, por
antiguidade e servicos do guerra.
A' cirurgiao de es.piadra graduado, o cirurgiao
He divido Dr. liento de Carvallio e Souza, por
antiguidade e servicos de guerra.
a' cirurgiao de divisa >,' o cirurgia) de divis.io
graduado Dr. Propicio Brrelo de Albuquerqr.e,
por antiguidade c servicos de guerra.
O dito Dr. Joao Jos Daouslo, merecimento c
servicos de guerra.
A' cirurgioes de divisa) graduados, o Io cirr-r-
gio Dr. Pedro Manoel Alvares Morena Villaboim,
por antiguidade de guerra
O dito Dr. Jos liareellino de Mosquita; por ser-
vicos de guerra.
A' prinvros crurgies, o Io cirurgiao graduad)
Dr. Manoel Joaqnim Saraiva, por merecimento c
servicos de guerra.
O dito Dr. Manoel -Simos Daltro e Silva, por
inerci'iiiieiuo e servicos de guerra.
A* Io cirurgia) graduado, o 2 cirurgiao Dr. Au-
i Novis, por antiguidade e servicos de guerra
na provincia de Matto-Grosso.
capitaes Joaqoim Mendos Orique Jacques, Jos Pau-
lino Lopes de Seixas, Feliciano Canope afooteiro
de Mello, Felicio Oomingues c Manoel Francisco
adjuntado nada a ^Imperial.
Deelarou-se que a penso concedida par decreto
de 27 de jnlhode 1800 as irmas do oscrivao da
armada Antonio Manoel Fiuza dove considerar-sc
pertencente A. Mara Joanna Fiuza, D. Anua
Anta Fiuza e I). Serrla Victoria Fiuza, ticando
ana decreto pendente de approvacao geral.
Por decreto & II do correrte foi.reformado, na
conformidade das dsposictfes do i o art. U. da
lei n. 68 do 18 de agosto de 4832, o uiajor do cor-
po deengenheiros Francisco Jos de Freitas, visto
solTrer molestia incuravel que o torea incapaz de
continuar no servido.
Por decretos de 3 do correte foram nomeados:
Cartorario da thesouraria de Pernambuco, An-
tero Augusto Peixoto de Alencar.
Chefe de seceo da thesouraria de S. Paulo o
2.- eseripturarioda de S. Pedro, Bernardo de Cas-
tilho Maia.
2." escripturario da thesouraria de S. Pedro, o
3o dito-Joao Antonio do Andradc Sobrinho.
Por -ttulos da mosma data foram taiubcm no-
meados :
3." escripturario da thesouraria de S. Pedro, o
pratkante Elias Jos4 Pedrozo.
Praticantes da dita thesouraria, Henrique Maia
de Castilho e Thom Goncalves Fcrreira Mendos.
Pratkante da alfandega da Baha, Rkardo Au-
gosto Godiulio.
Por aviso de 3 de abril corrente foi dispensado
a seu .podido, da commisso em que se aehava de
medir e discriminar a propriedade territorial na
ex-colona de S. Leopoldo, na provincia-de S. Pe-
dro do Sul, o eugeuheiro Ernesto Diniz Street.
Do Noticiado)- de Minas de 31 do passado trans-
crevemos o segninto fado :
Na nianua de li do corrente, no lugar Ser-
vo, apresentando-se em a casa onde liabitava Joa-
qnim Caetano, criminoso do morle na cidade do
Pouso Alegre, a escolta que por ordem do inuito
digno delegado de polica da Cainpanha fra real-
sar sua prso, o reo desisti, e, servndo-se de
urna espingarda, inatou instantneamente a Zefe-
rino Jos de Almeida, guia da mosina escolta, que
foi o primeiro a apparecer diantc do assassino.
Felizmente effectuou se a prisao do scelerato e a
polica da Campanha cumprio intelligente e euergi-
cameirte o seu dever.
8
S. M. o imperador, acompanhado de seus sema-
narios, diegou hontem ao arsenal de marinba, s
9 horas da inanha, visitou as ollicinas de machi-
nas, e retirou-se s i 1 horas.
Por decreto n, 4343 de 23 do passado, foi conce-
dida a Felisberto Ferreira Brant e outros, autori-
sacio para incorpora rem urna companhia estran-
geira que os auxilie na ex plora cao de terrenos dia-
uiantinos de que .sao concessionaros.
Por portara de 6 do corrento foram concedidas
a Joaquim Martins Xavier Serra Dourada e Manoel
Elias de Souza Atonde, as demissdes que pediram
dos lugares do ajudantcs contadores dos crrelos,
aquello da provincia de Goyaz, e este da do Para-
n; o demittidos Cesar Augusto JJcrford, do lugar
de ajndante contador do correio'do Maranho.
Por-portaras da inesma dala foram nomeados
aldanles contadores dos correios da provincia do
llaraobo Belmiro Paes de Azevedo, da de Goyaz,
Joao Baptista Marques Fogaca, e da do Paran,
Nicolao Jos Lopes.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Na angosta piosenca de S. M. o Imperador de-
fendern! hontem these, alim de obter o grao de
doutor em mathematicas e adeudas pliysieas, e
foram approvados, os hachareis em matoematka
Jos Martins da Silva e Aristides Gulv) de Qaei-
roz.
7
Do rio da Prata recebemos folhas de 31 do
passado pelo transporte Anicota.
f>) Paragnay apenas encontramos as referidas
folhas o sogaiote telegraiuma :
Os espias de Lope/, quasi a-sassinaram o Sr.
Gonzlez na sua casa da Assnmpcao.
Por ollcio recebido do commandantc em chele
da esquadra foi o nossogoverno informado do se-
ite ree mbeeimento ltimamente effectuado no
Alto Paran por tres navios da divsao que poiicia
acinaJoieote aquello rio :
No dia 5 de marco deixoua canlioneira.!/;/,(-
>/. co;n:iiandada pelo capita>tenente Manoel Ricar-
do da CnahaCoutO, o ancoradouro de Humayt, o
renoio-so no CerrHo com os vapores Qremtkaig e
Taquen e lincha ViinenM. No da seguinle part-
ram lodos juntos para o Alto Paran, e, demoran-
do-so apenas por algumas horas nos pontos ma^
importantas dorio, eoo'eguiram chegar Tran-
queira do Lowto na tardo do dia 10. All encon-
traram o primeiro piquete da nossa forca acampa- ce |0g, outra; e iia veiad
da cm Aguapehy ao mando do Sr. bngadeiro Por polica se aeha a bracos com n
tinlio, com quem e communicou iinmediatamentc
o commandante da expedidlo, que, atlcndendo ao
e lado da cre.-cente em que se aehava o ro, desc-
java quanto antes posar o-Salto de Santa Hara,
e seguir al Itapa e Candelaria, ou mais cima,
se fosee possivcl, deixando na Tranqueira do Lo-
n o a Araguory.
No dia immediato (H), vendo aquelle com-
mandante que o ro baxava com forca, apressoa
a viagem, e de tarde os vapores Greenkajg e Ta-
puvp vencoram a corrente do Sallo, cuja forca
era do oito lilbas por hora, no estado cm que se
aehava o rio (.las bracas abaixo e sua maior
cre.-cente peridica.) Trausposto este obstculo,
bem como outros que se encontraran
pouco conbeetmento anda
paragens, chegaram aquellcs vapores Itapa no
da 13 pela uianliaa.
A villa da EncainaiTw, que est em frente,
paivcou do toda abandonada, c apenas nella se
apercebeu urna pequea forc-i de (-.avallara que
ap[iro\iuiacj dos vapores internou-se as mataa
risinhas.
a Ncste ponto communicou de oovo'o comman-
dante da expedico com o Sr. brigadeiro Portinh i,
e no dia 13 dirigio-sc ao passo de Candelaria. Ao
chegar all a guarda inimiga que vigiava" o ponto,
nECIFE, 15 DE ABRIL DE 1869.
NOTICIAS DOS ESTADOS-UNIDOS E DO
PARA.
Pelo vapor americano Misstssipe, chegado hon-
tem de New-York pelo Para, re-cebemos jornaes
do primeiro at 22 do passado, e do segundo at 9
do corrente.
ESTAnOS-i:XIDOS.
Nada temos a aecrescentar s noticias que pu-
blicamos segunda-feira, viadas por va do Lis-
boa.
l'AR.
Nosso correspondente diz-nos o seguiute :
A< novidades desta parte do paiz da Santa
Cruz, nao sao de maior consideracao; mas ah vai
o que ha.
A questao da nioeda falsa, de que llic fallei
na miaba ultima correspondencia, termina pela
despronuneia de todos os envolvidos neste proces-
so, isto tanto no juizo municipal, como no de di-
reito da segunda vara, para onda o respectivo juiz
municipal, havia recorrido do sua deci>o. Est
terminado um negocio em que, alm de andar en-
volvido muita gente respeilavel, tanto deu que fa-
zer aos pelos !
Mas a|ienas urna pendencia se acaba, appare-
sim tanto que a
novo processo o de
um corto Bigott, que so intitulara padre catho-
lico.
O caso o segunte :
Em fevereiro do corrente auno appareceu nes
ta capital, um individuo que dizia sercidado ame-
ricano e padre.
Logrou o seu intento em passar a principio
como tal, sendo at admittido no palacio episcopal.
Mas para ejercer publicamente o ministerio sacer-
dotal, faltava-lhc a carta demissoral do lugar on-
de resd'a. Procurou eolio um meio, fazendo im-
primir a dita carta na typographia do Liberal do
Para.
Conseguida a impressiio da cart ello mesmo
talvez polo a enclieu, e com ella foi recebido pelo Sr. hispo
de na/egaeao nessas! d. Antonio de Maa-do Costa.
Norte, fallecYa de uu a febre cerebral em New-
York.
t Eram os nicos c Jefes e varees de urna fami-
lia respeitavel no Pari. sendo ambos casados com
(toas (mas do dosembargadnr Ambrosia Leitiio da
Cunha, o qual por semelliante motivo acaba de
chegar do Maranliao no vapor costeiro Ctmossim,
entregando a respectiva administraeao ao vice-
presidente, assim como constando que este anno
nao seguir para a corte, nao obstante ter sido es-
colludo senador pelo Amazonas, porque imperio-
sos deveres e nterefises o fazcm demorar na sna
provincia natal.
< Sobre poltica da trra nada posto adiantar;
um dos deputados o conego Manoel Jos de Siquei-
ra Mondes, j seguio no Cruzeiro do Sul para a
corte, o ontro o ce: '.insto, l se aeha;
faltando apenas o Br. l?inheiro, que me dizein por
emquanto nao segu.
Tem-se aberto nesta capital var s sabscrip-
c3es cm favor dos filhos do general Gurjo, que
era natural do Para, c um dos offleiaes mais nota-
veis que falleceu dos lermeiUos nos ltimos com-
bales da guerra com o Paraguay, pretende-se lam-
bem levantar um monumento a sua memoria, co-
mo idea da muncipalidade no termo dcsta ci-
dade.
t Quanto obras publicas o Exm. Sr. conse-
lheiro Jos Bento da Cunha e Figoeirdo, contina
no proseguimento dos seus projeclos. J tem con-
tratado algumas obras por administFacjio, e outras
vio sendo fetas pelos cofres provinciaes, seb a d-
reccZo e cuidados da reparticao das odras publi-
cas ; infelizmente o pn.jecto para a rcalisacao do
novo caes, na extensao do httoral que borda a par-
te principal desta cidade, me parece nao r para
dianto; nao que falte fcons desejos e recursos ao
administrador da provincia, mas por certos obces
que se tem opposto, e especialmente pelo poiico
lempo que se presume que S. Exc. estar amda
no Para, porque a obra de que trata alm de til
e de vantagem para o commereio, colossal e de-
manda tempo e pertinacia para vencer certas dif-
liculdadcs, que em taes casos sempre appare-
cem I
Do commereio nada sei nas consta que chegaram approvados os estatutos
para a fundaco do novo banco do Para; o que os
da companhia do Alto-Amazonas ainda nio vie-
ram poralguns obstculo?, que se apresentam
agora no ultimtum de sua approvacao, entretan-
to um dos vapores c est (Madeir), e o outro
(Purus) espora-sc brevemente de Liverpool; ten-
do aquelle j seguido par o seu destino, e nave-
gacao dos ros da provinfia do Amazonas.
Consta-me que aeala de chegar da Europ-. o
vapor inglez Augustine, e d'aqni a urna hora se-
guir para o sul o vapr americano portador da
presente.
Em pouco ternpo o embuste foi#descoberto,
porque tendo apresentado seis documoutos, tres
eram attestados de ordens ecclesiastieas, dous pa-
ra exercer certos actos -da igreja, taes como con-
lsso.ctc, e finalmente a carta demissoral do que
cima trato.
Os tres prmeiros sao cffectivamenle perten-
eaotes um individuo de nome Cyricum Joannem
liaptistain Bigott, expedidos sem altoracao pelo Sr.
hispo de Berln cn Franca ; os outros dous, po-
rin, claramente fal.-ilicados, porque o nome do
poe-se em luga, abandonando, cicepeo do ar- individuo a quem por ventura pertenca
mamonto, todos os seus utensilios, e alguns vveres! sensvelmcnte ra-pado, e sobre a raspadura es-
com (pie se alimentava. O quartel desta guarda e
seus entrincheramentos foram destruidos por urna
forca quo desembarcou dos dous vapores.
Pcrcorrcndo-se toda a costa inimiga na mai<
certa distancia, roconheceu-se que nonbum ponto
fortificado existe presentemente naquclla extensao.
x Na larde do mesmo dia regressau a expedicao
Itapa, e de combinaco com o brigadeiro Por-
tiiiho alfi ficou estacionado o vapor Greeiiolg para
auxiliar a passagem de nossas toreas, caso so leve
a effeto esta operacao, e o commandante da fl.iti-
Iha desceu no Taquary para a Tranqueira do Lo-
reto.
Em toda esta extensao so foi encontrado nm
cter argentino, cuja Hipolaca se oceupava no
corte de madeira na ilha do Apip.
L'ma carta particular escripia do Assnmpcao a
53 aeerescenta que a canhonera Fernandes Vieifa
tinha partido toda a prensa para o Alto Paran
com oficios dos Srs. conselheiro Prannos e ma-
rechal Guilherme ao brigadeiro Portinho, ordenan
do-lhe que passasse o rio e penetrassso no Para-
guay em direceao VjiiaRka. '
As ulteriores noticias eleitoraes da provincia de
Buenos-Ayres parociam asegurar o triumpho de
D. Emilio Castro como governador da provincia.
O correio do Pacifico pouco tinha trazido de im-
portancia.
O congresso do Chile tinha sido extraordinaria-
mente convocado para tratar de varios assuinptos
entre os quais se apontam as leis de elecoes e de
imprema, o gooeral Pinto tinha penetrado com
urna di vi sao no territorio dos Indios Araucanos,
| andavam multo amedroulados com os seve-
ros castigos que liaban soffrido.
O governo peruano negociava com os consigna-
tarios do guano um cmprcstiino de sete railhoo
de pesos. No sul do Per ainda rcinava com inten-
dade a febre amarella.
JllT^l j^r Garca Moreno convocou
,Pn lPla cAei? deuma eonvencio que deve
reunirse em Quito a 10 de maio p^a formular
nov^constituisao, q9 ser subrneK f s%,
Em Venezuela o governo inaugurado em julho
tioba cooscguido submetter todas as part dasi ar
madas e o congresso. ja cm sessCes |reparatoria<
nao lardara a abrir-sc. Fona~,
Por cartas imperaes de 3 do corrale foram na
turahsados o subdito prussano Leo Arn ld e o
alloman Angosto Orto Luiz o Bertin.
Por decretos da mesma data :
Foram noBipadMcavalIeros da ordem de S
Jfcoia de Aviz e major Felicio Paes RJbeiro c os
cripta o nome suppusio do padre Bigott o sexto,
em resultado, feito na lypograpuia do Liberal
Como v, o erime est mais ou menos provado,
sendo-llie instaurado o competente processo pelo
chefe de polica e incluidos nelle como co-ros tres
empregados daquolla typographia.
Tem-se levantado urna certa celeuma contra
a coniplicidade d>>s emprogados daquella typogra-
phia, arguindose o chefe do polica por t las in-
cluido no processo ; entretanto isto uo podia dei-
xar de sor assim, porque o crinie deva ser inves-
tigado em todas as suas fases e circumstancias;
euiOm, agora acabo de saber que o padre fra o
nico processado pelo crime de falsidade, sendo*
excluidos do processo os ditos empregados; nao
garanto esta ultima notieia, mas isto o quo me
disseram.
t Aqu tarabem foi publicada a questao que ah
se tem ventilada sob a sepultura ecclesiastica re-
cusada ao general Abrcu e Lima; o que tem pas-
sadu em julgado sao as aecusacoes contra o Exm.
bispo D. Francisco Cardoso Ayres, sem que hou-
vesse ainda um s jornal desta provincia, quo pu-
blieasse as brilhante* defezas, que appareceram no
Diario de Pernambuco, e isto tanto mais admira,
que a diucese do Para tem um peridico eeelesia-
tico especialmente publicado debaixo dos auspicios
e proteccao do Exm. Sr. bispo D. Antonio, e es-
criplo segundo corre pelos principaes lentes do se-
minario.
u Nao sou fantico nem libertino, o sentindo
em extremo o acto deploravel que se dea em re-
la cao aos restos mortaes do general Abrcu e Lima,
acredito que o Exm. bispo D. Francisco, piedoso c
illustrado como somento seria levado a seme-
ntante consequeucia, depos de bem meditar sobre
to importante assumpo e pelo cumplimento de
seus dilliceis de veres, em faceSJRs leis cannicas
que regem a materia no imperio.
i Acham-se nesta cidade. viudas de Goyaz pelos
ros Araguaya e Tocanlins, atravessaodo mil diffl-
culdade^ o as inmensas cachoeints des-es lugares
o Sr. bispo D. Joaquim de Azevedo, e o Dr. Coato
de Magalhes, que foi j pre-idente, tant > de Mal-
lo-Grosso como de Goyaz o Para.
Diz se que aquelle segu corte-a tratar de
negocios da sua dioceso, e este aqu se aoba com
ideas de fazer navegar aquellos ros, que facilitan!
o commereio e as transacedes entre e-ta provincia
e a de Goyaz, leudo o L-bral publicado varios es-
(ripio-, em defeza das ideas daquelle doutor.
Falleceu ba dous das nesta cidade o Sr. Dio-
(o Campiall de urna complicado de molestia de
igaao; este moco era irrao de Ambrosio Camp-
an, pw na seis nwzes iodo viajar a America do
NOTICIAS DO UL DO IMPERIO.
Pouco depos desse, fundeou no lamaro o vapor
inglez A.'. Plata, tr.azendD jornaes da corte at 8, c
da Babia at 12 do corrente.
Sob as rubricas Exterior o Interior encontrarlo
os leitores por extenso, as noticias mais importan-
tes.
r:o ds iaxeiho.
Apenas temos a aecrescentar s noticias n'outra
parte publicadas, as seguintes commerciaes :
Incluindo pequeas transac^es em cambio
effectuadas hojo sobre Londres a 18 3/8 d., papel
bancario, e a 18 i/2 e 18 5/8 d., e sobre Franca
de 313 a 320 rs. por franco, sommam os saqus
para o paquete inglez La Plata :
Sobre Londres cerca de 350,000 a 18 1/2 e
18 3/8, papel bancario, e a 18 3/4, 18 5/8 e 18 1/2
para o particular.
Sobre Franca cerca de frs. 1,900,000 aos ex-
tremos de 509 e 520 rs. por franco.
% Sobre Hamhurgo cerca 91,000 a 960 e 903
rs. por m. b.
Sobre Portugal vigorou a tabella seguinte:
190 a 196 0/0..... vista.
189 a 193 O/O..... a 30 d/v.
. 183 a 194 0/0..... a 60 d/v.
- 187 a 193 0/0..... a 90 d/v.
Em apolices geraes de 0 por cenlo bzeram-se
boje pequeras vendas a 80 1/2 e 81 por cento, e
as do emprestimo naeional de 1868 tambem pe-
quenas transaccoes a 47OOO c 48000 de pre-
mio.
Negociaram-se hoje 230 aceoes do banco com-
mercial a 55000 de premio.
Venderam-se 8,000 soberanos a 13490, 3,000
a 13*480, 11,000 a 133450 o 13*480, 5,000 a
13*300 a prazo, e 5,000 a 134490 dito.
* A taxa'do descont no banco do Brasil conti-
na sem alteraeao a 9 DO cento.
bai ;\.
Comccarsni no dia 9 do correte as sesses pre-
paratorias da assembla provincia!, sendo a instal-
laco no dia 11 do corrente.
A cmara municipal da capital nomeou urna
commisso composta dos Srs. Drs. Fernandes da
Cunha e Alfonso de Carvalho, e desembargador
Babia, para fecicitar o general duque do Canias,
pelos gloriosos feitos do exercito.
A companhia lyrica do Sr. J. Marinangeli es-
treou, no dia 10, com a opera ViHa in tnaschera.
Agradou cm ger.-il.
Falleceu, na villa de Tapero, o medico Dr.
Jos Alvares da Silva.
O general visconde de Itaparica foi cnthu-
siasticamente recebido pe i populaco da capital,
como se v da segunte narraco do jornal :
Hontem (8) pela maiihai, sabendo-se
pelos signaes convenoionados, que vinha
airando o vapor nacional Paran, que
trazia o lvxm. Sr. general visconde de Ita-
parica, comceou o povo agglomerar-se
por todas as pracas, ras, casas, caes e
partes da montaiha para ver o deserabar-
qit%de S. Exc, e a brilhante recep?ao,
que llio estava p-eparada.
Depois que fundeou o paquete, ccrca-
ram-o a galeota, cm que io S. Exc. o Sr.
conselheiro presidente da provincia e as
autoridades superiores, dous vapores com-
pletamente cheios de passageiros, entre os
quaes militas pessoas gradas e distinctas de
todas as classes oivis o militares, e extra-
ordinario numero de escaleres e botes dos
navios de guerra e arsenal, e saveiros de
aluftuel. Nos vapores iam duas bandas de
msica.
A's 10 horas passou S. Exc. o Sr. ge-
neral com o E\ra. Sr. presidente da pro-
vincia para a galeota, e os vapores e es-
caleres flearam em distancia formando o
acompanhamento.
Dos vapores e de alguns escaleres su-
biam ao ar'repetidas gyrandolas de fo-
guetes, tocajiam as bandas de msica e
soavam frenticos vivas a S. Exc. o Sr. vis-
conde de Itaparica, ao exercito o armada,
aos bravos voluntarios, aos herpes da guerra
do Paraguay, etc. etc.
Encostando a galeota s escadas do
caes da praija Riachueilo, fronteira casa
da Associacao Commercial, o Exm. Sr. ge-
neral, bastante resentido ainda de seu fe-
rimento, foi desembarcado nos bracos de
S. Exc. o Sr. conselheiro bar3o de S. Lou-
ren?o e do Sr. coronel Domingos Rodri-
gues Seixas.
Era immenso o concurso na pra?a,
onde tornava-se impssivel entrar ou
shir.
A quantidade de foguetes ahi foi como
poucas vezes se v: houve prodigalidade. |
Na praca estava#vantado um grande
arco enfeitado e com diversas inscripfoes
anlogas o objecto. D'ahi seguio S. Exc,
para o salto da Associac2o Commercial,
onde foi novamente recebido entre vivas,
fWes e muitos. foguetes. No salao a com-
misso da praca recitou um discurso, Ando
o qual abrindo-a duas cortinas de um docel,
appareceram duas formosas meninas vesti-
das com lou^ania, que collocaram na fronte
do heroico general urna sumptuosa cora
como homenagem de agradeciraento ao
inclvto bahiano, que soubo elevar to alto
nos campos do Paraguay e cercal-ode tanta
gloria o nome da Bahia, *ua trra natal.
c Dez outras meninas dirigiram-se S.
Exc, urna d'ellas recitou um discurso, e
suas cestinhas cheias de escolhidas flores.
O Sr. commendador Peixoto, cnsul
de Portugal e interino da Italia, tambem
proferioum discurso cm nome dos subdito"?
portuguezes e italianos.
Em seguida retirou-se S. Exc. para
um gabinete a tomar urna ligeira refeico,
o que feito, desceu noe bracos do Exm.
Sr. Baro de S. Lourenco e coronel Seixas
pescada para tomar-o carro.
N'esse momento houve urna demons-
tracao eslrondosa: o povo aflluio com tor-
ca sobre o cano, tirn os cavados, eapos-
sou-se dos tirantes: as recusas nao foram
attendidas, e depois de urna pequea hesi-
taco, foram forcados a entrar para o carro
os Exms. Srs.general visconde de Itapa-
rica, conselheiro baro de S. Lourenco,
general Moaiz Tavares e coronel Domingos
Seixas.
Seguio o carro, assim lirado pelo povo,
entre as mais frenticas acclamacoes, -vi-
vas e applausos, e debaixo, pode-se hea
dizer, de urna abobada de flores, tanta era
a quantidade, que as senhoras aliravara
de todas asjanellas ao passar o Ilustre ge-
neral.
Ao chegar matrjz da Conceico, en-
trn S. Exc. para fazer oraco, sendo re-
cebido pelo Ilvd. Sr. conego Pereira, viga-
/io d'aquella freguezla.
Continuando, redobravam a todos os
momentos os vivas, os foguetes e os lira-
dos de acclamaco, assim passando pela
ra e ladeira da Preguiga, ladeira da Game-
leira, e largo do Theatro at chegar a casa
do Exm. Sr. baro de Cajahiba, digno pai
do bravo e invicto bahiano.
No largo do Theatro atroavam de
todas as partes os foguetes, e a mullidle
era tal, por toda a parte, que nao se pode
calcular.
Na casa estava-lhe preparada urna con-
gruente hospedagem.
Houve, tanto no salo do commereio,
como na casa de S. Exc. muitos discursos
recitados por diversas corporaroes, e tam-
bem varias poesas.
Todas as ras por onde passou o Ilus-
tre general tinham lindos arcos allegoricos,
as casas estavam apianadas de senhoras, e
de militas janellas sahiam vivas e flores.
O commereio feehou-se todo, fazendo da
chegada de S. Exc. um dia do festa nacio-
nal.
A' noitc varias casas lluminaram.
Os principaes collegios de educacao
enviaram todos os seus collegiaes ao encon-
tr do general bahiano para sauda-lo em
nomo da geraco nova.
No paquete, quando o Exm. Sr. gene-
ral visconde do Itaparica, avistou o Exm.
Sr. baro de S. Lourenco, abracou-se com
elle, conservando-sc n'essa posico bastan-
te tempo, derramando ambos cupiosas l-
grimas de amisade, e lrocaram-se as mais
affxv.tuosas palavras.
Trouxe S. Exc. c ngida urna espada
de ouro, obra de riquissimo valor, que Ihe
foi offerecida pelo Exm. Sr. general duque
de Caxias, como nica prova que lhe po-
dia dar de estima e reconhecimento de seus
servicos em nome do Brazil.
todas derramaran sobre o festejado general
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAO ORfil.XAlllA EM 13 DE ABRIL DE
18(19.
(ContinmcoJ.
PRESIDENCIA PO SR. AUGUSTO I.EO.
E' lido c approvado o seguinle parecer :
A cominissaii de peticons leudo com a devida
attencao o requerimento quo a esta assembla di-
rigi Lourenco Justiniano da Rocha Fcrr.-ira.bar-
beiro de diversos estabelecimentos pos, nesta ci-
dade, deixa do emittir seu parecer sobre o que re-
quer o supplicante, por nao ser de sua aitribuicao,
c por esta razao declina jura a commisso de or-
denados, a mais apropriada para satisl'azer o que
exige o peticionario.
Sala das oommssdes, 12 de abril de 1869.
Andr Cavalcante.Cicero Peregrino.
Vai a mesa, apoia-se, sendo approvado sem de-
bate, o segunte requerimento :
Requero que, por intermedio da presidencia,
se peca, com urgencia, informacocs ao Dr. chele
de polica, sobre a autorsaeSo quo deu ao delega-
do do termo de Barraros, para nomear oscrivao
privativo da delegada, separado do do juizo muni-
cipal, como preecreve o art. 17 do regulamento n.
120 de 31 de Janeiro do 18G2, ministrando copias
do ollico d delegado, em que pedio a autorisaco,
e do, cm resposta, que a concedeu.
Sala das commissOes, 13 de abril de 1809.
Felisbino.
O SR. G. DE DRUMMOND justifica e manda
mesa o segunte requ:riiiicnto :
Requero que se solicite do presidente da pro-
vincia, as seguintes nformacocs :
1." Se, em vfatode da l.i* provioelal 0. 647 de
20 de marco de 186G, contratou com algiicm col-
lecconar as obHfe do linado vigario Francisco
Ferreira Brrelo.
2. No caso afflrmativo, se o contratante j fez
entrega do trabalho, e so reeybea a quantia ajus-
tada, declarando-so a mpoitaicia do semclhante
pagamento.
3." Que motivos leem Orgioao a nao im-
pressiio de semelbante obra.
Assembla legislativa provincial, 13 de aLril
de 1869.G. Drummoud.
Poswa votos o requerimento npprovadii.
O SR. AMARAL E MELLO :-Sr. presidente,
vou propor assembla provincial de Pernambu-
co urna resoluQo, que esp.'io seja approvada.
Quas que tenho certeza de que est no animo
de todos os nieus collegas o que vou pedir.
O Brasil vio com admirado os ltimos momen-
tos da vida poltica do ministerio presidido pelo
Exm. Sr. conselhoiro Zacaras de Gi-s e Vascon-
cellos. (Apoiados). Os ltimos momentos de vida
desse gabinete sao de futuras consequencias muito
benficas para o paiz (apoiados); sao de muito
valor, de muita importancia esses momentos para
a verdade do systema representativo. (Muito bem,
apoiados).
Assim, proponho que a assembla provincial de
Pernambuco, tomando em consideracao aquelle
importante facto, e para que seja, demonstrado o
quanto para nos val a maneinjrparque se retira-
ran! os sete ex-minlstros da-cota, naqucllc dia
importante, que brilhar na historia do nosso paiz
(muito bem); nome urna commisso de cidadaos
residentes na corte, u que estejam na altura da
missao que Ihes confiada, para que se drijam
esses ex-ministros, que l estao, c manifestem um
voto de gratido, de reconhecimento, de admira-
cao o de respeito (apoiados), a esses dstinctos
brasileiros, pelo seu nobre procedimento. (Apoia-
dos). Que se nome anda orna commisso de
membros desta casa para apresentar ao ex-minis-
tro de negocios estrangeros o Exm. Sr. Conselhei-
ro Joao Silveira de Souza o mesmo voto de reco-
nhecimento e de gratldao da provincia de Per-
nambuco, pela maneira digna por que se rctirou
do poder o ministerio do que S. Exc. fez parte.
(Apoiados, mtito bem).
Eis a mocao : (l).
A moco esta assgnada por mm e pelo meu
nobre collega o Sr. Dr. Tavora; julgo que nao ha
necessidade de justifica-la, se algueiu, porm, m'a
contestar, eu a ustficarci.
O SR. G. DRUMMOND requer a votacao nomi-
nal.
SubmeUido volacoo, o fequ8rimento appro-
vado ; e passando-se" a fazer a cliamada, voton a
favor da mocao todos os senhores deputaios pre-
sentes, com excepjao do Sr. Gaspar de Drum-
mond.
Vai mesa, apoia-se e approvada a soguiuto
mocao:
Propornos assembla provincial que nomee
urna commisso do cidadaos respetaveis, e na al-
tura de apreseoUr aos membros do gabinete de 3
de agosto de 1866, um voto de felicitacao, reco-
uhecimento e louvor, pela maneira digna porque
se heuverain na direccao dos negocios pblicos, e
anda mais pela altura em que se collocaram, na
retirada do poder; e como se aeha nesta provin-
cia o muito digno conselheiro Joaox Silveira de
Souza, propomos que se nomee urna commisso
de membros desta assembla, para apresentar a
felicitacao ao ex-ministro dos negocios estran-
geros.
Paco da assembla legislativa provincial, de
13 deobril de 1869.Amara/ e Mello.F. Tvo-
la.
O SR. AYltES GAMA pede que a nomcacao das
coniniitsoes de que trata a moco seja coinmetn-
da ao Sr. presidente. Assim so vence.
O Su. Pbesidentk designa para a commisso
que tem de dirigirse ao Sr. conselheiro Joao Sil-
veira de Souza, os SrsUAyres Gama, .Silva Ramos
e Goncalves da Silva, e para aquella que no Rio
de Janeiro tem de felicitar os demais membros do
gahmele de 3 do agosto, os Srs. conselheiros Sil-
veira Lobo, Saldanha Mantillo e Octaviauo Rosa.
O SR. AMARAL E MULLO :Tendo o ministro
e secretario de estado dos negocios do Imperio,
conselheiro Paulino Jos Soares de Souza, por avi-
so de 12 de junho do 18G8, cassado os poderes
dos eleitores que no da 2 de agosto do mesmo
anno deviam escolher tres cidadaos para serem of
ferecidos ao poder moderador, para proenchimen-
to da vaga do senador conselheiro Antonio Cocino
de S e Alhuqucrque, dissolvendo assim o corpo
eleitoral espacial; e, sendo este facto altentatoro
da constituico do Inmerjo, por ser mamfestamen-
te contraro ao que dispoe a mesma constituico
no seu art. 21; indica que se represente aos po-
deres geraes competentes para providenciare
contra o acto, nomeaudo esta assembla urna com-
misso dciitre seus membros. para que redija a
representaco, por quanto cabe assembla legis-
lativa provincial, pela ampia dsposico do art. 41
9' do acto addicionat, assim procoder. A ds-
posico esta:vellar na guarda da constiiuico
e das leis.
Offereco, pos, a indicaco.
Vai mesa, apoia-se o remettida commisso
de constituico aseguinte indicaco :
Tendo o ministro e secretario de estado dos
negocios do imperio o Exm conselheiro Paulino
Jos Soares de Souza, por aviso do 12 de julho de
1868, cassado os poderes dos eleitores, que, em o
dia 2 de agosto do mesmo anno, deviam escolher
tres cidadaos para seren offerecidos ao poder mo-
derador", para precnchimento da vaga do senador
conselheiro Antonio Colho de S e Albuquerque ;
diss> Ivendo assim o referido ministro o corpo elei-
toral especial, e sendo esto faeto attentatorio da
constituico, por manifestamnte contrario ao dis-
posto no seu art. 2J ; indico se represente aos po-
deres geraes competentes para providenciaran
contra o acto, nomeando esta assembla urna com-
misso que redija a representaco, porquanio cabo
assembla legislativa provincial, pela ampia dis-
posicio dos arts. II c 9." do acto addicionlas-
sim proceder.
Paco da assembla legislativa provincial de
Pernambuco, 13 de abril de 1869.Aimral e
Mello.
ORDEM DO DIA.
nica discusso do projecto n. 5o do anno pas
= ?Id
sado, que approva o compromisso da irmandade
de Nossa Senhora dos Montes do povoado do mes-
mo nome na freguezia de Agua-Preta.E' appro-
vado.
Entra era discusso e approvado o parecer da
commisso de posturas rejeitando a postura da c-
mara desta cidade que creava o imposto de 300
rs. sobre cada pesso, para ser applicado ao asseio
e lmpeza da cidade, tendo cedido da palavra o Sr.
Silva Ramos,
E' lido c approvado o parecer da commisso de
orcanienlo provincial indeferindo o requ rmente
cm que Potycarpo Jos Laine pede reslituico do
imposto de buhares que pagou pelos que existem
na casa em gue funeciona o Club Pe nambucano,
de que emprezario. *
Entra em discusso o parecer da commisso de
cstatstica adiado da sesso do auno pas-ado, por
ter pedido a palavra o Sr. G. Drummond, acerca
Heymann & C. T-nnojmno
Cramer, Frey A C. [ \ \ S*00O
uosTal :r9fvrourparaaEuropa'do
PARA A EUROPA.-C,)ra os recebidos em nosso
porto, levou o vapor inglez La Pitn 313 passagei-
ros. r "
PRISOES. Pela subdelegacia de Scrinheni
foram capturados : Pedro Jos da Cosa, conheci-
do por Cxo, autor de fbriraentos graves em ]
CJjmace dos Santos, no dia li de outubro do anno
passado ; e o preto Romo, escravo da propricta-
ria do engenho Brilhante, por ferimentos graves
em Antonia Mara da Concefao, no dia 4 do cor-
rente mez.
FALLECIME\TO.Hontem deu alma ao Crea-
dor, o subdito francez Jean Vigms, fabricante do
pianos ra do Imperador ir. 85. 'liabitava o
Brasil ha mais do quarenta aunos, fosando sempre
de estima e consideracao, pela sua probidade e ca-
valheirismo. A trra lhe seja leve.
ACCIDENTE. Em consequencia de ter en-
contrado c esmagado um Imi que se aehava sobro
a liaba, entro as estacos de Aripibii e Frexeiras,
do deras da estrada de ferro do Recite ao S. Francis-
co, saltando Tora dos trilhos quairo wagoes.
Deste accidente resultou s cliegar o trem de
passageiros, ao Recife s 9 e 1 '2 horas da noite,
ha vendo portanto una demora de quasi cinco ho-
ras.
A h'nha ficou completamente desobstruida s 5
horas da tarde, continuando a fazer-se o trafego
com regularidad".
Os accidentes d'esta natureza seriara evitados, se
a compenhia ou o seu representante nesta pro-
vincia j tivesse dado cumplimento, como lhe tem
sido exigido pelo engenheiro fiscal, ao que deter-
mina o artigo 2. do regulamento que baxou com
o decreto n. 1930 de 26 de abril de 1837, cuja lei-
lura lhe recommendamos.
AFFOGAMENTO. Em reclificaQo da noticia
que sob ete titulo demos ante-hontem, relativa
aumfilnodo Ferreira de Carvalho, pedem-nos
n um escriptn, mandado ao aosso escriptoro, que
declaremos nao ser exacto o facto do dito prcto
que alludinios.
Tendo ouvido a historia quo narramos duas
valho, pai do infeliz menino, que seguramente nao
deve ignorar o occorrido.
do requerimento em que Estevo Jos Paes Barre-
te pede que se fixe a freguezia a que deve perten-
cer o seu engenho Santo Estevas, visto que hoje
pertence parle freguezia de Muribeea e parte
do Cabo.
O Sr. G. Drummond offereceu o seguinte re-
querimento que foi approvado :
Requero com urgencia se ouca o prelado dio-
cesano.
S. R.G. Drummond.
Entra cm discusso o parecer adiado da com-
misso de instrueco publica declinando para a do
agricultura, indus'tra e artes sobro a petico (le
Francisco Mara Duprat, que pede para ser o seu
jornal Brasil Agrcola admittido lias aulas de ins-
trueco primaria.
Depois de breves conderrcoos dos Srs. Cicero,
e Lopes Machado, o parecer rejeitado, sendo ap-
provada a seguinte emenda substitutiva :
Fica prejudicado o parecer, por j nao existir o
jornal que elle se refere :
S. R. Soares Brandan.
Entra_cm diccusso c approvado o parecer da
commisso de negocios de cmaras adiado do anno
passado, doclnando para as commssoes reunidas
de orcainento provincial e obras publicas a repre-
sentado dirigida pela cmara de Flores pedind
para ser mclhorada a estrada que vai daquella
para a povoaco de Kaixa-Verde, assim como qire
se facam os concertos da cadeia daguella loeali-
dade.
Entra cm discusso o parecer adiado da com-
misso de proamento provincial, negando o pedido
que fez o vigario de S. Pedro Martyr doOBnda
para ser incluido no orcamento a verba votada m
anno anterior pora as obras de sua igreja, c que
cabira cm excrcicios lindos.
O Sn. Lopes Machado onpoe-se ao parecer por
lhe parecer justo o pedido ao vigario da freguezia
de S. Pedro Martyr de Olinda, para ser incluida
na le do orcamento a verba de 2:O0000O, que
tendo sido votada em c exercicio de 1867 a 1868
para as obras de sua igreja deixra de receber,
rabiado semolhantc quantia em exercicio lindo,
faz ver que nao s a necessidade que tem aquella
matriz do ser soccorrida cora semelhante auxilio
para adianlainento de. suas obras, como a f que
devem merecer as palavras daquelle parodio,
quando afflanca nao ter recebido tal quantia.
O Sa. Silveira Lobo, como memoro da commis-
so, justifica o parecer dizendo quo nao havendo
o peticionario provado com documento alguoi o
que allegava, nao podia a commisso nltendcr ao
seu pedido, apezar de lhe merecerem muito crdi-
to as suas palavras.
Verificando-se nao haver casa
O Sr residente designa a ordem do dia c le-
vanta a sesso.
CURA IMPORTANTE. O Sr. Henrique Jorge,
antigo negociante d'esta praca e chefe do urna
numerosa familia, foi a quasi duas semanas vio-
lentamente atacado de urna tcrrvel erisipela pro-
funda nos escrotos, a qual logo se complicou com
urna febre aguda de mao carcter. O mal segua
progresso to rpido e assustador, que apresentou
por vezes phases pengosissimas e bem represen-
tadas por syinptoinas cereliraos. Por isto a fami-
lia convocou mais de una conferencia, urestOK ao
enfermo os soccorros espirtuaes, c tendo-se quasi
perdido toda a esperanca, s restavam a f viva
na Divina Providencia, c coniianca firme, que
soube inspirar e inanter sempre o talentoso o n-
cansavel medico assistente o Dr. Carolino Francis-
co de Lima Santos. Com effeito tal fui a seguranza
de seus raciocnius e a firmeza di palavra sempre
approvada as conferencias peios dstinctos Drs.
Sarniento e Ramos, que devia re lamente consolar
a lamiliaaconviccao de que ns rnelhorcs o mais
acertados meios foram empregados ao alcance da
scicucia.
Hoje que felizmente pode-sc dizer salvo esse
bom pai de familia, nao t nos congratulamos com
os parentes pelojproinpto restal elecimento, para
que evidentemente caininhc-se, nao que entenda-
mos dever por este meio registrar em honra ta
verdade da sciencia mais esie precioso facto, como
resposta aos fadalistas e descrenter que julgam
sempre mal da medicina por nao a comprchende-
rem.
PASSAGEIROS. Viudos dos pollos do sul no
vapor inglez La Plata :
Jos Pereira de Souza Pinto, Theotonio Soares
Botelho, Joaquim Amaro Dulra, Gustavo H--nrieh
Gonler.
Sabidos para os portos do sul no vapar ame-
ricano Mssissipi:
athan Klun, Maurice Dew, Jos Antonio Ro-
magerera, Jos Pereira de Soma Pinto, Joaquim
Lopes Machado, sua senhora c dos criados.
Seguem para a Europa no vapor La Plata :
Adolpbo Alcoforado, Henriques Bernardes do
1 Uivera, sua senhora e una lillia menor, Francis-
co Gomes de Miranda Leal, Manuel Joaquim Pe-
reira, Jos Marques dos Santos Carregal, J. ia
Caoba Counnbo, Beory Oettli e sua senhora, Ad-
dison, duas filbaa e orna criada, Miguel Angelo,
Francisco Ignacio Tinoco, sua teobora e >08 E -
bnnhos. J. r. Graf e sua senhora. Pi aot Len-
di.'n, loio Godoio, WilliaoLacey, James Stardinau,
Julio Kaiiu, Tiiomaz Shanks, William Raulnson e
um lilao, Elisabelh Purcell, Tiieodoro de C.<\
REVISTA DIARIA.
ASSEMBLA PROVINCIALNa sesso do hon-
tem na hora do expediente ouviu a assembla
aos Srs. Lopes Machado na justificarn de um re-
querimento que apresentou e foi approvado pedin-
do informacSes ao Exm. prelado diocesano sobre
a existencia nesta cidade do rmos da coiumuni-
dade de S. Francisco Xavier e no caso de aflir-
inativo com que autorisaco.
Approvou tambem um requerimento do Sr. Mi-
guel Amorinv pedindo informaefles presidencia
sobre prisSes fetas pelo subdelegado do distrcto
doCapoeiras que o autor do requerimento indi
cou na publicaco que fez do mesmo requeri-
mento.
Entrando na ordem do dia dsentiu e approvou
com algumas emendas as posturas da cmara mu-
nicipal de Nazareth.
Approvou mais em primeira discusso o projec-
to n. 8 de 1868, que autorisa o governo a rescin-
dir o contrato feito com Antonio Domingues de
Souza arrematante do imposte da passagem sobre
o rio Jacuipe na villa de Barrijiros, tendo tomado
parte na discusso os Srs. Gaspar Drummond e
Felisbino.
Entrando em discusso as posturas da cmara
municipal de Buique disculiram-se alguns altigos,
licando ainda adiada a de outros por nao haver
casa.
A ordem do dia para a sesso de hoje alm da
anterior ,a discusso das posturas da cmara mu-
nicipal do Rio Formoso.
SEMINARIO DE OLINDA. Este eaUueleri-
meuto acaba de receber mais um bolo para saa
obras, de 5004000 reis; pelo Sr. baro de Ama-
ragy.
DINHEIRO. O vapor inglez La Plata trouxe
para nossa praca as seguintes quantias para os
H. delagrange....... 380 *
Amorim Irmaos..... 1667
Ditos ditos. ..... Io0:000*000
J. Qmrino de Aguilar & C. 130:0004000
Augusto F. do OJveira & C '. 15:000*000
Maua&L......... 6:0O0jO0Q
Pereira Carneu-o & C..... 4:169*000
ra, Antonio da Costa Caldas, Joaquim Jos Vicira
da Puofleea, sua senhora e um fillio, Joaquim Fer-
reira de S, Joaquim de Souza Ribeiro, Henr
Hurle, Miguel Pereira Leal, Joo Rodrigues de
Oliveua Santos, Manoel Ferreira Campos, Joaquim
Ferreira de S, Horacio Caimn, sua senhora e
tres lilhos, Frederico Marsball, Claudio Dubcux
Filho, capitao II. Dovle e sua senhora.
CliMITEHIOPBLICO.-Ohtuaiio do dia 13 do
corrente:
Alaria Ignacia das Revea, Pernambuco, 2i annos,
solteira ; tubrculos pulniunane.
Ac^iinio, ^Pernambuco, 1 annos, S. Jos; con-
vtilces.
L'm hiiiem encontrado morto na rampa do gym-
nasio, Boa Vista; ar..gado.
Antonio Pereira Simoes. Pernambuco, 3o a
solteiro, Boa Vista ; tubrculos pumonares.
Mara Josepha do Nascmento, Pernambuco, Ci)
annos, solteira, Boa Vista; eulerite chronica.
Ilusa, frica, 75 anuos, solteira, Boa Vista ; bron-
chite.
Leonor Mara do Valle, Peroamboco, 32 tonos,
casada. Boa Vista: cancro no ulero.
Joaquim Jos Ferreira de Carvalho, Pernambuco,
13 annos, solteiro, Poco, asphxiado
Jos Bernardo de Souza, Pernambuco, 70 annos,
casado, Recife ; mielite.
gra-
pronuV ee
liara o c -
POLTICA INTERNA
Partido conservador.
(TRANSCRIPCO.)
O MANIFEST LIBERAL.
Ut imperium ecertant, lber-
talcm jrwferunt ; si perverk-
rmt, Ubertatem ipsam agir., -
dienlur.
(Tcito. Ann. XVI22.)
n
L'm dos mais Debrea sentimenlos do coracSo hu-
mano o respeito s tradieeSas, a veneracao ao
panado, o culto pelos objectos que ampaiaiam a
vida.
Ha nesse vinculo una filiacao mral. O homem
nao e como o animal, fructo da gestacao nica-
mente, nem como elle se nutre do cibo : for-
ma-se tambem das ideas, dos costuraos, dos exem-
plos que alimentara a alma nos prmeiros tempo*
Em todas as relaces da vida social esta Kra-
lidao ao berco, esse rospeito otea
bons caracteres. Ha una patria moral
pinto.
Quanto de-gosto nao deve causar, pos, o desa-
pego com que alguns homens, creaturas politice
do nosso actual systema de governo, se revoham
de repente contra elle, imputando-lhe todos os
males e lodos os vicios, sem lerabrar-se que fb-
raui gerados no ventre dessa mesma iniquidad?.
Se a monarchia absoluta existiese i Brasil
poena boje com o mesmo gesto inpudico de
Agnppma, dizer cheia de indignaco aos cealu-
rioes do partido liberal, ao Sr. Nabuco e seus
amigos -.Ventrem fui
Deputados, senadores, presidentes e mui-i
sob o inlluxo das leis em rigor ha vnle e mais
annos, tendo sombra desse rgimen ovado a po-
sicao victalicia onde se acastellam, bao trepidaran!
em condemnar absolutamente urna ordem de coli-
sas de que elles foram, nao s os ope arios, m^s
sobretudo os legatarios.
E commodo sem duvida para o poltico dar um
corte no passado, roinperido com as tradiccSes o
comproiuissos de muitos annos, separando
como cousa superfloa, a maior parte de sua e
tencia, abandonando emfln. a bagagem pesada
creocase pnnripios para levar nicamente 09 va-
lores liquidados, as postedes.
coinmodo. mas repugna. Fs-a eniigracTio
conscienciss wixoudo a idea quo se bliaram
ra demandarcm oova, mais propicia sua amtai-
cao, lembra o aveolureiro sem taco de aaciooali-
< >
I
I

^
L *
\
v*



Diario de Pernaihuco Quinfa fera 15 Je> Abril de 1869.
ladc oa de familia, para o qal toda ierra 6 un hipado Bompre, JA para defina da autorida-lo pres-
tria, e tod i patria urna fei bir.ia para restuAcb .la .bordado
., ... ii-...i 'itni'.iiHia ili> u ila.la ii' as vericen* deuvieva-
dade
t
f
\
'

ii '.miM os m'mtetcrtos 6 a mea]
ijiio niege o papiamento para i
[UO muda o cria a* situaijoVs a ni
que as confirma por seus eleitos.
Eis r sumido o grande saptulo de .wcusacAo,
ou antis o acto solemne da retractacao dos funda-
dores desse absolutismo. .
Alguns d idstas forara ministros ha bem
pouco tempo anda, ha dito meies apenas, e ne-
nhum delles, apezar e sua admiravel -agacuiade,
Sercebeu que razia a figura de un manequim tar-
ado, moveado-se ao aeane da vontado suprema.
Se o percebes, nesse caso preatoo-se com urna
condescendencia iiiiiuitavel a representar o ridicu-
lo papel de una manivella do governo.
Algum. que nao foi ministro, desejoii ardente-
menfe se-, tendo a franqueza de* annunejar-se
para o cargo rom bstanlo antcipacan. Ni lhe
oout;e a honra, que tanto aspirara de servir ao po-
' i absoluto, com a mesma authninalica ODO-
dieucia i! seus actuaos cathecumenos ; nrisjus-
tica Uto 6)ja feila, dea provas elocuentes de sua
docilidad;.
Todos foram depulados ; c comtudo nunca o?
adverta ama suspea soquer di torete ingrata
qne mes ora reservada. Designados peloabsolu-
soraente para apoiar ministerios, aceita
ram complascentes essa pstelo. Sealgataavea meses
so toommod iram, fu foi do corto por esterera a
servil^ d i despotismo, mas par nao Ihes cabal na
comitiva um logar mato graduado.
Contemplados em listas trplices, pelo nico elei-
tor que ero sua opiuiai existo no paiz, c por e.-se
mesmo eleitor nomeados sanadoras, prestaram-se
uuamente no manejo que Ihes dava una ea-
dcira vitalicia no safo da representa cao nacional.
K desse titulo que boje seorevatecesa para com-,j
bater o poder que os clcvol c at para so arroga-'
rem a qualidade de dieres de partido.
Goofessai que semelhaute absolutismo por vos
acabado, se extotisso no Brasil, lora o mato legiti-
mo dos ovemos, pois teria a consagrara) unni-
me, da soberana nacional.
Do um lado o ministerio por elle esc -lindo soco-
be a aJhesao do grande e vigoroso partido con-
servador, amatoria da naeSo. rjooutrolada, os
secadores por elle nomeados dirigem a minora, c
se apreseoJam como os orgos genuino* da oppo-
sicao.
Onde o exemplo de urna mato perleila identi-
BcacSo do poder supremo como sentimento na-
ekraa .
Se existe uin absolutismo no Brasil, aquello par-
tido que acabou de conviver com elle durante seis
auno* ou era seu cumplico ou sen ludibrio. Lm
qualqaer dos casos nao o inas proprio para
eombate-lo, queni foi tao fcil de aluciar ou de il-
Indir.
Ha afinidades lio vivas que nos penetram in-.
velontarmeate. Nesse ataque imprevisto dos ho-
niens que hontem eram governo, contra o systema
a ano devem lustre eposieo. transpira o mesmo
Bstoclo da mgratdao nacional deque sil) typos
alise Coriolano. Assim como foram ano-
rtado- do poder, so acaso soffressem o exilio da
patria hesitaran! os befes lberaes em levar seas
Bervie ao estrangeiro, inimigo do Brasil ?
Danos una prova de respailo aos caracteres,
prestamos hmrienagem :i dignidade humana, con-
siderando essaaccusaca)de absolutismo, levanta-
da pelo manifest liberal, como um simples re-
curso de opposicao.
Nao pudendo deslocar o partido conservador de
urna sHoaeao legitima, croada pela sabedoria da
corda e peto razio publica, a opposicao se esforca
por negar os elementos naturaes dessa situacao.
Carcceu-lhe menos arduo alluir a base, do que-
abalar o edificio.
I sreditamos, porm, qne a violencia do ataque
izar do talento dos agu'ressores, ha de embotar-
se contra a opiniao publica, cimentada por una
Boaanca absoluta no liberalismo da idea conser-
vadora "no Brasil, como na lealdade de sena legi-
lmos representantes.
Noto-so, nao de hoje, mas de inuitos annos, um
pronunciamento gcral em prol da cipanftio das li-
lerdades constitucionaes, obstruidas por algumas
leis que Qzeram seu tempo, mas sobretodo pelos
abusos queso teem radicado a e-:sas leis com sua
mexecucjfo.
Advrta-sc de passagem que semelhantes medi-
das e os vicios de que ficaram eivadas tiveram o
concurso effiraz de muitos dos chefes da opposi-
cjio. Oulros combaleram as leis e at com as ar-
mas na mao: porin govornaram dopois com ellas
inais de una vez, c usaram largamente das fa-
culdades contra as quaes lizeram correr o sanguo
brasHeiro.
O desmentido solemne que dpu o partido liberal
em 1848 a rovolurao de Minas, e cm 1863 revo-
lu?o de Pernambuco, ainda una vez se repetirla,
se () partido conservador Rio eMives.se compene-
trado da necessidade de satisfazer s justas aspira-
coes du paiz. Nao se realteasso a reforma na pr-
xima legislatura, que o primeiro gabinete liberal
espouderia ao manifest de 1869 com o mesmo
lem e <-ipiecmentoque recebera os anteriores
de 82 e 18is.
A catadura do absolutismo desapparecena im-
mediatamente. Os pretensos regeneradores do
na representativo baviam degovernar com as
mesmas leis por elles dosmorausadas. Incapaz de
lariedade no poder, como incapaz de unidade
na opposicao, csse partido deixaria o governo sem
ter realisado ama s reforma til.
O- botos carecen) de se educar para a poltica,
especialmente para o governo representativo, o me-
tlior, o por isso mesmo o mais arduo dos governos.
lia llares que anda nao apreuderam a
segovernar par s mesmas, up^ar de suaantiqui-
m clviiisai-ai. A velba Inglaterra, precui-sora
da lib-rdade' constitucional, est longe de urna
completo omaneipacao da aristocracia feudal.
ttuctonal debilitada palas vertigens democra-
Cmo, pois, estranbar que o Brasil em 16 annos
l" existencia nao lenli.i ebegado vlrilida-
is de
de poltica, a i perfeito desenvolvimento de suas
todos ? Como concluir desse crescimento
gradual que as instituicoes se achara complcta-
ment- falseadas, que reina o absolutismo no paii .'
Sem duvida a cleicao a forte do systema re-
nlalivo, e de sua pureza depende a legitimi-
dade do governo. Nao pudendo ainda o Brasil
ir nm rgimen eleitoral excellente, pois ne-
nhnm paiz o conseguio j, ha de necesariamente
a formae de seu parlamento resentir-se desse
icio original, mais aggravado [dos abusos dos l-
timos seis annos.
Na Inglaterra ha dous annos hava cidades po-
pulosas que nao tmliain representantes, ou os l-
nham cm numero insignificante; em qnanto pe-
qaenos burgos mandavam ao parlamento depula-
dos. qne, na expressad enrgica de Stuart Mili, nao
representavam cidadaos ioglezes, mas os tijollos
dos pardieiros.
Por ventura algucm se lembrou de chamar des-
ptico o governo do paiz omV; se davam estas ano-
malas 1 Nao, do certo ; a Conquista da liherdade
nao empreza para urna geracao ; quando um
povo trabalha consUntemente nessa grande obra
de sua emancpacao deve-seter confianca nlle.
A legitimid ile'da eleco nao actualmente no
Brasil um empenho de partido, mas urna aspira-
cao nacional, urna necessidade reeonhecida porto-
do o paiz. Nao tirem, portante, os lberaes, argu-
mento da opposicao de urna idea que invocamos
desde muito como um dos nossos ttulos ao go-
i lucris rcalisar a reforma- eleitoral, tao recla-
madla pela opiniao? Tamhem nos o queremos e
r. lamados ao poder os borneas da liga de i8>:i,
que boje dirigem o Deo-lillralismo, nao lizeram
durante seis anuos de exclusivo dominio o mais
leve retoque ao rgimen eleitoral. Duas legislatu-
ras viram elles sahir dessas urnas profanadas que
actualmente se Ihes afflguram machinas do despo-
tismo. Nunca as leis aecusadas de reaccionarias,
despejaran! sebre a populaco tao grande somma
de arbitrio, etnno nesse triste periodo em que o
parlamento foi a feitura do recrutamento.
Deixaram escapar o ensejo tao favoravel a refor-
ma ; dssiparam o cabedal ninienso da confianca
que a naca) e a corda em attenco guerra dopo-
sitaramcm suas inaos. Agora que os conserva-
dores, chamados ao governo para reparar tantos
males, sepreparam a realisar os memoramentos
reclamados pelo paiz, tentam perturbar o espirito
publico, s com o lim de reivindicar o poder.
E' tardo ; e se nao fosse tarde seria vio. Val-
lando ao poder havies de consumir intilmente
outros seis e mais annos, sem dotar o paiz de urna
instituico til. As reformas nao se improvisam ;
preparam-so no seio dus punidos por nina elabo-
racao lenta. A volubilidad)) de vossas- ideas polti-
cas nao permute que ama s reforma sazone.
Lembrai-vos onde eslava o vosso partido ha oito
Quem sabe d'aqui a nm auno ou menos
onde elle se achara : se em iS1 "> on em 18ffl ?
Essa aecusacao, lio repetida, lio absolutismo
tora corto fundamento, que deve ser bem elucida-
do para con,'.i-ao dos liberaos, reos das perturba-
coes do nosso systema de governo.
Ha na sociedad* um poder supremo que dirige
os povos e a humauidade : a opiniao. Forcamys-
lanosa, sua ormacio escapa a acQio da le o de
qualquer nutra norma. Ninguem sane d'onde vem
asa' pensamento que avssala todos os nimos.
Cuno segerouelle no seio da populaco ? Quem
o inspiren? Exprimo una vontade proprto da
maioria, ou apenas urna intuicao espontanea da
verdade?
como a do hornera, essa consciencia nos po-
vos ; urna luz intima, una inspiraco recndita,
que vem do mais profundo d'alma.
As formas de governo nada mais sao do que
matos de garantir a cflicaca da opiniao, tornando
os poderes do estado accessiv* e doceto a sua in-
fluencia. Quando o mecanismo perfeito c fiinc-
eiona rcuularmente, a direccao que a conscicncia
publica imprime ao estado vigorosa e firme ; se
porm o systema reage, essa diroccaotornase
menos prompto e enrgica.
Nos paizes, que ja atlngiram a um alto grao
de emlisaeo. a opiniao vivacc e formidavel. Na-
da lhe resiste; instiluicoes, prejuizos o horaens,
ludo ella abate.
Entre os povos de menos adiantamento, o espi-
rito publico ha de ser dbil c tarde, embora per-
severante ; nao derroca, allue.
O Brasil c na historia urna naco do secuto de
hoje e una trra do scalo de hontem. Nao pode
a illustraeao de seu povo competir com a de ami-
gos estados. A intoliigencu nacional carece ainda
da Ilustrar) necessaria .para resolver rpida-
mente as grandes quostoes polticas; e formar con-
vicc.oes robus'as. A consequencia deve ser algu-
inn'hesitacao na marcha do governo representa-
tivo.
Semelhante estado nao um ma!: porm um phc-
nomeno natural; o da adolescencia do povo. Quem
j impunemente supprimo csse periodo necossa-
rio da ncubacao das torcas vitaes que vio espan-
dir-se? O imprudente que o fizer, individuo ou
povo, nao ser mais do que urna crealura archi-
tecta, velho antes de ser liomem.
O grande servico que tcm prestado o partido
conservador justamente esse, de nao exigir do
imperio adolescente sanio um esforco compativel
com seu desenvolvimento. Ao passo que os libe-
beraes pretendem torear este joven povo gym-
nasiiea violenta dos acrbatas americanos; os po-
lticos prudentes comprehendem a necessidade de
prepara-lo para o systema representativo, exerci-
tando-o no uso de suas liberdades.
D'aqui o traco profundo que separa as duas po-
lticas ; e deixa ver em um s paiz, sob a mesma
sabia constiluieao, de um lado o governo absoluto,
do outro/o governo parlamentar.
Quam) os conservadores estao no poder atten-
dom s 'snggestoes da opiniao ; interrogara o paiz
a cada insiante ; e so empenham com sincerdade
na reahso do pensamento nacional. Se o espirito
publico nao se pronuncia francamente, o gabinete
provoca sua manirestaco pela imprensa ou pela
tribuna ; e nao o sorprende com urna guerra im-
prevista ou urna reforma precipitada. Desta forma
o paiz se govema.
Quando porm cabe, o poder aos liberaos, seu
primeiro acto o divorcio com a opiniao que o
elevou. Nao podendo rcalisar os compromisos im-
prudentes contrahidos na opposicao, rompem com
seu proprio partido, sem com tudo aproximarem-
se de seus adversarios, cuja influencia tcmem.
Inspiram-se nicamente no capricho, no acaso, no
instinto da eonservaco.
Beina ento um verdadeiro absolutismo, a tv-
rannia ministerial que soffreinos de 1863 a 1868.
Dizia Odillon Barrot, na scsso de 1847, discutin-
do o orcamento:
Quando um governo se poe ao servico dos in-
teresses, quando tira sua torca das concessoes
feitas a esses interesses, elle aceita o despotismo
mais caprichoso, mais exigente e mais cego no
seu proprio egosmo.
Assim tem acontecido no Brasil, semprc que os
lberaes governam. Felizmente a opiniao contra-
riada reage afina!; e a sabedoria da cora, que
vela sobre o paiz, reintegra a na gao no exercicio
de suas liberdades, como succeden em julho pas-
tado.
Depols de urna dessas pausas, o espirito publi-
co adquire um grande energa, que o partido
conservador com a licito da adversidade dirige
para as reformas uteis.
Ohservou-se este fado caracterstico em 1837 e
em 1819. Elle se desenlia na pbysionomia da ac-
tualidade, com vigor o una eloqdcncia admiraveis.
Desde sen primeiro dia. a situacao conservadora
mosirou no enthusiasitio publico e na firmeza dos
caracteres que inauguraran), os signaos visiveis de
sua fer.undidadc.
A naco espera, e tem razio de esperar, que do
seio desta situacao se desenvolvam cmflra os ger-
mens do sua grandeza moral e de sua prosperi-
dade.
esta certeza que tanto assusta a opposicao.
Tendo perdido o passado por neapacidade, sen-
tem que o partido conservador vai arrebatar-lhe
o futuro.
muito fiveem vis a
prestar um auxilio ae Sr. Francisco no es
-, de qnasi completa inisora, ein que o va.
Anv. ,i i arrematado dissa-t le o mesoio senoor
eapita untan lendu as ; *
oceupados, se prestara a tazor algum servico, e
\ista disto se associaria a elle.
Concordei qne o Sr. Jos Frar cisco em sua raea-
oao fosse associado com o Sr: eapitao Queiroz.
Esta a verdade ; nao duvdo que o Sr. Jos
Francisco outra cousa dbsessa ao Sr. Quoiroz.
Becebida a primeira preslacao por occasiao uo
ajuste de contas, o Sr. Jos Francisco quena con-
siderar o Sr. Queiroz como soekrno terco do res-
pectivo valor; fiz-lhe ver que havifl engao, que
eu era socio em metade da obra, que eraran con-
cordava que assim se li/.esso com relaeao aquella
l>restaco, porm protestava nao mais condajpcn-
der qnanto as oulrs.
O que me parece de tudo isto que o br.jost
Francisco quera ver se era socio, na 3' e nao na
Ia parte. Eis tudo quanto. so den entre num, o^
Sr. Jos Francisco e o Sr. capitn Qu011"01;^. .
Dzer o Sr. Jos Frailis.-a W e lhe devo 600, e-
quinto
tm
'iespcmSdo no lim de cinco
annos a qaantia de........... 1: loa*
- creado.para cada fillio um capital para o fu-
turo, que conforme a klade dos segurados ser do
33;000 a ilWOi o urna renda vitalicia de 1005
anana
Admittom-ee contratos de maiores o menores
a:uidades, sendo os lucros semprc proporcionaos
a > producto dos seguimos factores : o valor da
eofltribuiejto, o risco de mortc do segurado
e a duracao do contrato (art. 38 do regulamento).
Para eTeciuar as formalidades dos contractos
dgir-se-hao ra do Livrameoto n. 19, a tratar
com o Sr. N. F. do Vital, enearregado pelo Banco
rural e hypothecario do Rto do Janeiro, (|ue pre-
sontomente acha-se em coiniussao nesta provincia.
Q
o.
escarnecer dos que rae eonuecem e a elle.
Ha um anuo, pouco mais ou menos, manitou-sc
pagar a toreaira prestoele dos reparos do o- ter-
mo era que por nimba "infelicdade associci-me a
tal hornera, e at boje a thasouraria nao fez pagar-
ment, tendo cabido a divida era exercicio linu..
Eis porque 0 Sr. Jos Francisco julga-se raeu
eredor. / .. ,
E' certo entretanto que mejulgando prejuiiicauo
nas contas apresentadas pelo Sr. Jos I raneisco,
cncarreguei ao Sr. FeHx B. Licuthier de ajusta-las
para nao me entender com tal pessoa. Tendo-so o
Sr. Louthier mudado de Jalnatao, nao me roz
entrega dos documentos qne para este lim ,lne
dora cu, sendo que nao tendo a thesourana pago
a 3' prestaeo n'io bavia pressa no ajuste de
contas. '
Tenho documentos do proprio punlio do Sr. Jos
Francisco, pelos quaes se v quanto evo-llie... -
Quera me conhece e conhece o Sr. Jos Fran-
cisco do liego Barros, nao dexar de rir-se ao 1er
a sua publiraco, a que respondo...
Adiuntei-lh sempro dinbeiro para as obras, sa-
tsfazendo aos seus pedidos reiterados.
E' extraordinario o cynismo ou a petulancia do
Sr. Jos Francisco I
Tive sociedado com diversas outras pessoas em
trabalhos idnticos, a nenhuin fiqueL a dever; o
Sr. Jos Francisco do Rajo Baos foi quem tfie
dinheiro -para adiantar, dando lugar a licar eu
seu devedor.
E' grande a coragem do Sr. Jos Francisco para
arrestar tao cvmeamentc o respeitavel publico.
Bastam-me as palavras (|ue flcam escripias.
Custa-mo a responder a um hornera que c ins-
trumento assalariado de meus inmgos, para in-
sultarme c policiar, como se sabe, a freguczia de
Jaboatao.
Se, eu me nao tivesse condol lo das circumstan-
cias do Sr. Jos Francisco do liego Barros, nuo
seria hoje seu deredor remisso.
Recite, 13 de abril de 1869.
Antonio Francisco Pites de Mello Darreto.
videndo ou de seu pagamento, e de qual
tfHf outra-op<:i'a?5o bancatia.
O expediente- para o publica comefara
s 10 boras, da raanh5a,' e terminar s 4
lioras da tarde de todos os das uteis.
ALFANDEGA.
Kendimento do din! a 13. 187:298I72
dem do dio. 14-......33:931*274
i/0:93ire
MWiMENTO DA AI.FAN8BTM
Vol umes enradus
dem item
com lazendas
com gneros
Volumes sabM w fazendas
dem idem com gneros
183.
VUk
-----67
14 V
281,
----- 42o
3.Eua DireCta-
As legitimas piluias de veame, o xarope al-
cohlico e o ethereo tambem de veame, re-
cenleraeritc feitos conforme a formula do fi-
nado pharraaceutico l^aranhos, assim como
os pos refrigerantes acham-sc venda na
botica de Francisco ;^ntonio das Chagas
ra Direita n. 3, defi-onto do armazem ele
mo'.bados denominad Veado Branco. Estes
medicamentos, ha muito conbecidos pelos
bencos effeilos que bao .produzido em
Lp3o pequea parte da populafo d'esta pro-
vincia, na do Maranio e Alagas, incontes-
tavelm_\te sao dos mais enrgicos agentes
auxlia*rcs da natureza no vencimento das
doencas, servindo du grand alivio a httma-
nidade soffredora; c por isso se tornam
asss recomraendados e preferiveis para as
pessoas que soffrem de iheumatismo, gln-
dulas
tosse
trno
dillicil ; "sendo porm usados conforme a
direceo escripta que os acompanha.
Illm. Sr. Francisco Antonio das Chagas.
Solrendo eu de rheumalismo e gota num
joe4ho e tendo usado 'de muitos remedios
aconselbados para o referido mal, nao tirci
resultado algum no periodo de um anno;
neste estado recorr ao veame a venda em
sua botica ra Direila n. 3, e gracas
a Dcus, com urna s garrafa e una caixinlia
de piluias acbo-mc restabelecido. Agrade-
co-lhe portanto e espero que faca publico
este fado, afim de que'oulros nas mesmas
circumstancias aproveitem o seu proficuo
remedio.
Ilecife, 31 de marco de 1869.
Julio Juvcncio da Cosa.
Desearregam hoje lo de abril.
Barca ingleza^-fftwVoc/Kiumercadorias.
Barca frncezaSolidedem.
Escuna nortc-aUmaaiuuuanurf ferro.
Barca portuguezaNoca Sympalhiodiversos g-
neros. ,
Barca portuguezaPereira fonjesdem.
Brigue inglezR. F. 0/=canos de-forro
ECEBEDOBIA DE BE.NDAS 1NTEBNAS GE-
RAES DI PEBNAMBU().
lendimento do dia 1 a 13. 28:4115961
dem do da l'i
CONSULADO
(tendimento'do dia 1 a
dem] do da 14. .
10595111
24:4713072
PROVINCIAL
13.
39:645jrtOS
;(:001389
42:539*391
Conselhxli compras do arsenal
de iierra.
Oconielho tie oompra do arsenal do guerra
-a comprar, o segunte :
1,000 baixa* sob o modelo n. 1.
1,000 folhas para reeeituario sob o modello n. 3,
1,000 altas sob-o modello n. 7.
1,000 folhas para pedidos das dietas sob o mo-
dello n. 23. .
10 toneladas t'e enrvao de peora para ferreiro.
50 paos de ofcreias tpateo^).
40 garrafas cun tinta para eseiever.
10 lences il lati de i-' libras cada um.
1 mastio prompto para bauJfira com 50palmo
de conipriinento..
As pessoas qi-e qiiizenM.i vender ditos artigos,
apresentem bbas< propostas cm carta fechada
na sala do consslti), as 11 boMfl do dia 16 do,cor-
renia
Consolho de compras do arsenal de guerra de
Pernambuco 9 d-abril de i
I'. Raptad de Mello Bogo,
Prosidenta
Jos Daptisfci ,|e Castro Silva,
Secretario.
JVVuhos entrados- no da 14.
Ilenry Forster & ('..
Rio de Janeiro o Babia6 das, vapor inlcz La
Plata, de 1,857" toneladas, commandantc A. Hole,
equpagem 130. caiga varios gneros; a Adam-
soii Itowe & C. *
Babia12 das, barca nortc-allcmaa Anna Krtl,
de 319 toneladas, capitn Heinreck Vaget, eqot-
pagera 13, em lastro ; a Thomaz Jefferies & C.
Parahyba3 dias, barca portugueza S. Migue!, de
469 toneladas, capad Joao Cardoso Meirelles,
equpagem 17, em astro ; a Baltar & Oliveira.
Navios talhot no mesmo dia.
BarcelonaBarca hespannola Utiza, capitad Se-
bastiao Serra, carga algodio.
Porto BicoSumaca hespanhola Corma, capitad
Hateo Pages, era lastro.
Biode Janeiro e BahaVapor americano Missis-
sippe, commandaiite Slocum.
Southampto i e portes intermediosVapor inglez
La Piala, coinmandante Hole.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Grabas a N. S. da Conceico, padro-
eir da igreja matriz da villa de Macu, por
haver deparado em sua freguezia, um cui-
dadoso pastor, o Rvd. vigario Joaquim Ma-
noel, digno dos maiores elogios, nao s
palas excellentes qualidades de que dota-
do, como tambem pela dedicaco que em
relaco do seu ministerio, tem mostrado,
desde que tomou corita d'aquella freguezia,
na qual com toda a predilecto o repetidas
praticas tem obtido de suas ovelhas, esmol-
, .iiiiThor (lireito e mais garantas para a nacao. j jag para continuar3o da obra e patrimonio
JSSSSSS^^ da mesraa g^ja.'^sim como a conclusao do
eleitoral d'e 4846. No designio de favorecer a re-
presonto^O das
Ima lacrima pela inoie do men
uini querido compadre e ami-
go o Uvd. vigario da fregnezia
da loria do Goit.
Oh mundo, o quanto sois engaoso! Oh iner-
te o quanto sois cruel!
Ainda na flor de seus annos suecumbio o ds-
tinctssimo c sempre chorado vigario Joaquim Ig-
nacio Goncalves da Luz. Contava apenas 58
annos !
Damos sua familia os pezames por essa tao
chorada inerte!
Perdou a sociedade uin dos seus mais pro'ini-
nentes membros; a religio catholica um dos seus
mais fiis ministros; a pobreza, um dos seus
maiores benifeltores.
Saba elle ser amigo fiel e dedicado : urna im-
mensidade de beneficios por elle derramados so-
bre todos, confirmara esta verdade : a todos esti-
raava. e de todos era estimad".
Summamente zeloso e exacto no cumprimento
de seus deveres como parodio e como secular,
nunca ninguem houve que lhonotasse a mais leve
falta. Muitas vezes doente sania para fazer con-
fissocs em distancias de quatro e mais leguas, afim
de que nao soffressem os seus freguezes nenhuma
falta de cura espiritual. Mesmo em uso de reme-
dios, nunca deixou de ir sua matriz fazer os
baptsados, os casamentos e as confissoes que ap-
pareciam. s para nao oncbei-gar em nenhuin seu
porochiano o ninimo descontentamento !
Nada tinlia de seu : tudo destribuia com os po-
bres, porque sabto ser sobremodo caridoso Hor-
ren como deva morrer; isto pobre, e bem com
Deus e com os homen*.
Ello era nosso rmao, choremos sua morte ; era
nosso amigo, choremos sua falta.
Deus chamou sua alma para junto de s. afim
de gozar da recompensa eterna, que elle tem re-
servada para os bons. Sua alma goza da bem-
aventuranca eterna, a maor felcidade que lhe
poda caber.
Consolemo-nos, nos, e louvemos a Deus. *
Tracunhaem, 6 de ah:! de 1869.
Jos .'tiartiniano de Souza.
UM ADYOGADO,
A Ord. L. 3o Tit 59, tracta das provas
que se dece fazer por escriptiiras publicas,
tanto que no 5., quando o reo nega,
absolvido logo pelo juiz e condemnado o
autor nas custas.
Nenliitma applicaco tem esta Ord., quan-
do esse advogado exigi o depoimento da
parle para jurar aos artigos de um acco
ordinaria.
Se esse advogado tivesse consultado a
Ord. L. 3.". Tit. 53 vera abi a maneira pela
qual'a parte obrigada ajorar, en5o aquel-
la que s tracta da aceito de juramento d'al-
ma.
Nao seria melhor que advogasse com
mais criterio para nao errar?
Sacul.
Petante a cmara municipal desta cidas
de estar em praca nos dias 15, 19 e 22
do crrente, para ser arrematada por quem
menor precu offerecer, a obra'dos repa-
ros do aterro da estrada, que da ra Im-
perial vai ter a.Cabanga, oreada na quantia
de 814.->000-quem pretender arrematar essa
obra compasea nos indicados dias, no pa-
co municipal,, munido de fianca idnea.
O orcamento da dita obra aeba-se na se-
cretaria da mesma enmara, onde ser apre-
scnf&do aos que o quizeivm consultar.
Paco da- cmara municipal do Recift?, 12
de abril de 1809.
i'jftacio Jooguin de Souza Leao.
Pro-presidente
Francisco Canute ffeto-VfagMi
- retarte.
Santa Casa da Mtencordm do
Recife
Pela secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife se faz publico que o IHin Sr. tbesourciro
-eomoiendador Jos Pires Ferr. ra, no salao do, casa*
dos oxpostOS, as 9 horas da ma ibaa do dia 20 do
Borrentp, far pagamento do quartel de Janeiro a
ma;c s amas que comparecerem, trazendo as
eriaeas qne Ibes foram confiadas, naoofazendi
aquellas (pie nao trouxerera os ine;mos menores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 14 de abril de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza
rr ll l
Illm. Sr. Francisco Antonio das Cbagas.
Beberibe, 1 de abril de 1869.Com o
maior prazer levo ao seu conbecimento, que
a garrafa do xarope ethereo de veame e
os pos que comprei na sua botica ra
Direita n. 3, poderam extinguir a dr que
senta no pedo, tosse. e febre que tanto me
fiagellava, de forma que me julgo restabe-
fecida.Desta sua criada obrigadissima
Mara Joaquina da Silva.
Protectora das familias
Em cmprimento do prevenido no artigo 29 do
regulamento, se convida a todos os senhores con-
tribuintes desta associaclo, que anda nao tiverem
apresentado as certidoes de idade dos segurados,
para que faeam entrega dellas na ra do Livra-
mento n. 19,* 1 andar, afim do ser expedidas o
mais breve possivel para a inspectora geral do
Ro de Janeiro. As certidoes devem ser selladas e
reconhecidas por tabelliao. Recite lo de Janeiro
de 1869.O representante,
X. F. de Vidal.
EDITAES.
.* Secco. Secretaria do go-
verno de Pernambuco lO de
abril de 1B.
Pela secretaria do governo $e convida aos senho-
res : Dr. Mauool Innocencio Pires de Figueiredo
Camargo, Luiz da-Silva Gusmao, capitao Joao
Ferreira Villela, Evaristo Velloso da Silvera, Joao
llaptista do Amaral e major Vicente Ferreira Pa-
dllha Calumby, a rem ou mandarera a adminis-
tra cao do correto pagar o porte de seus reqiaeri-
metos para que possain seguir para a corte.
O secrejario,
Dr. Joaquim Correia de Araujo.
defa-
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE ii DE ABRIL
DE 1869.
AS 3 1/2 H01US DA TARDE.
Algodao de Pernambuco Ia sorte = 16o00 por
arroba (hontem).
Dito de dita 1" sorte165800 por arroba (hoje).
Algodao de Macei 1" sorte 18J000 e 173800
or arroba posto a bordo, a frete de 1/2 d. e
/16 d. por libra (hontem).
Algodao de Penedo em trra sem inspeceao
li>800 por arroba (hontem).
F. J. Silvera
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ENGLISH BANK .
Of Rio de Janeiro Limited
Desconta Jettras da praca taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta cor rente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
O Illm. Sr. inspector da thesouraria
zonda desta provincia, manda fazer publico que
tem marcado o dia 4 de raa o prximo vindouro,
para o concurso que se tem de abrir nesta mesma
thesojuaria para preenchimento das vagas de pra-
ticanfll existentes uesta repartcao, na alfandega e
na recebedoria.
Os exames versarao, sobre as materias de que
trata o .1 do art. Io do decreto n. 3,114 de 27 de
junho de 1863, a saber, leitura, analyse grainmal-
cal e orthographia, arithmetica e suas applicagoes
ao commercio, com especialidade a reduccao de
moedas, pesos c medidas, calculo de descont, ju-
ros simples e compostos, theoria de cambio e suas
applieacjOOB.
Os concurrentes deverao previamente apresen-
tar seus requerimentos instruidos de documentos
que provem idade completa de 18 annos, isencao
de pena e culpa c bom comportamento na forma
do art. 3o do decreto n. 2,549 de 14 de margo de
1860.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 27 de marco de 1869.
oflcinl-maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
THEATRO-
DE
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DE
Qinta-fcira 15 de abril de 1869.
Segunda repYesentacao do interessante e muito
applaudido drama em "> actos
k \u w mrn
Personagcns.
O presidente Delannoy. .
Os senhores.
J. Angosto.
Jos Victorino.
(. Iloclia.
Martinlio.
Brochado.
Guimaraes.
Santa Rosa.
Jordani.
DECLARACOES.
Francisco Beandonin.
Marcelino, rendeiro. .
Simao......
Samuel, joalhcro. .
Jorge. ....
Lapicrre.....
Um ollicial de cavallaria.
Andr. ....... Florindo.
Estevao, menino de 6 annos. Zultnira.
Mara...... Jnlia Azevedo.
A Sra Gorin......Marta Vellut.
Vctorina.......Clelia.
Micchellette......Carolina.
Mogos, mocas, soldados etc.
Denominacao dos actos.
IoA honra e o dever.
2Um crime espantoso.
3oO encontr.
4oO sacricio da vctima.
5"A confissao.
A aceao passa-se o 1" acto era Pars cm cas;'
de Franci e 4o em Rumont em casa do Sr. Gorin, o 5o em
Troy em urna prisao.
Dar fim ao espectculo a chistosa comedia em
1 acto
Os dous tambores.
Tomara parte os Srs. Martinho c Tliomai e a-
Sra. Apolona.
Comecar as 8 horas.
do
Protectora das fami-
lias.
Esta associacao caminha nas vas do prosper-
dade, nao sem os entraves inherentes emprezas
grandiosas.
Contratos Capital .
Em 30 de junho de
. minoras tentou o systema da
maior dwisao dos crculos, systema que produzira
ientcs resultados era outros paizes, e cuja
ao, estadistas eminentes de ambos os partidos
multo haviam reclamado.
Ou porque no estado de civilisaeao do paiz fosse
e a instituico ; ou porque seas effeitos sa-
lutares em ontrosestadosdependessera-de circumj-
tajocias peculiares ; nao corresponde!! a reforma
,1,. i* ,0 a espeetativa geral quanto pureza e mo-
raldade da eleicao. 0 principio da representa-
rn da minora, porm, vingou ; a essa reforma
deven o partido anniqullado om 1848 sua ressur-
i parlamentar.
A mesma legislatura conservadora, ulna da le
dos circuios, nao tormnou, sem applicar um cor-
rectivo ao mais grave dos abusos, suscitados pela
reforma. O alargamento da divisao, decretado era
I8M foi o meto cogitado para conciliar a pureza
da eeicao com certo franqueza deixada minora
Bem longo eslava o novo rgimen de solver o mais
djfficil problema do governo representativo, aquillo
Mide chamar o segredo da sua ges--
cemiterio, que se achava no todo cm aban-
dono : assim pois, lotivores seja dado a
este ministro de Christo, que sabendo com-
prehender qual o seu estado, tem satisfac-
toriamente preenchido com caridade e reli-
gio, o distincto lugar de parodio da men-
cionada freguezia, pelo que se acham com-
pletamente satisfeitos, todos os seus paro-
chianos.
Um macauonse.
1868 tinha regs-} 3936-----3,868:6733970
trado.............
Durante o semestre de
30 do junho a 31 de
dezembro de 1868..
Estado dessa associa-
duvlda at mesmo para um
que
Muito faltava sem
rrocesso regular ; porm, despedido do poder logo
aepois, em 1863, qnando se ocenpava seriamente
em dar satisfacao a esto e onim Decessidades pu-
blicas, nao coube ontao ao partido conservador ,'i
gloria de completar a obr% de organisagao que n
.suscitou providencialmente em 1835 e o tem tas-
Em resposta a urna pubca^ao que fez no Dia-
rio de hoje o Sr. Jos Francisco do Reg Barros,
tenho a dzer que tendo de ir a praca (era 1867) o
cmpedraniento dos termos 1", 2, 3o, 4o e 5 da es-
trada da Victoria, pretenda eu cuncorrer a arre-
matacao quanto ao 1, 2o e 3 termos; nessa oc-,
casa como quer que nao podesse o Sr. Jos Fran-
cisco do Reg Barros concorrer a arrematacao do
obras perante a thesouraria, por ser devedor desta.
sendo que por outro la lo nao podia o mesmo se-
nhor contratar obra alloma com o engenheiro por
ter o digno Sr. Gervasio Campello ordenado (ao do
6 districto) que nito contratasse obra alguma com
o tal senhor por ser homem de m f, procurou-me
para que eu arreriatasse tambem o 6o termo, de
cujos trabalhos elle se encarregaria, entrando de
socio na meiaejo, e observava-me que no 6o termo
erun ni ais baratos.
1406-----2,173:4255920
cao em 31 de dezem- \ '342-----8,042:101 890
bro de 1868........)
O capital dessa associacao illimittado e con-
verte-se em apolices da divida publica nacional de
6 % Nao se pode dar melhor garanta. Se na
hipathese de quebrar o Brasil e que essa associa-
<;.ao pode soffrer ; urna csjfecie demonte po de
grande utilidade para as familias.
Para conseguir com toda segranos o maor e
mais instante desidertum da vida do nomem, que
crear para o lutnro um capital certo e una ren-
da infallivel, para si, seus futios e familias, bastar
fazer um calculo (cada qual conforme seus pro-
prios haveres) de que pode dispr durante o pe-
riodo de cinco annos ; signalada que seja a quan-
tia ser esta dividida em duas classes de contratos,
nm chamado contrato de capital e outro de renda
Estes dous seguros deverao satisfazer-se em cinco
annnidades consecutivas, e depois de passados os
cinco annos o contribuinte ficarlvre doonusdos
pagamentos das annuidade.3 subsequentes.
Estas duas classes comtnadas produzem resul-
tados maravilhosos para o futuro.
Por exemplo, um pai que qoizer formar para o
futuro um capital e urna renda vitalicia para cada
um de seas fllhos, conseguir este importante fim
despendendo para cada um delles a qaantia de
1:153/, que se pagam da segunte forma :
Direitos de entrada.. 155|
No primeiro auno 200*
> segando < .... 200J
* terceiro > 2001
. quarto .... 2001
THE0D0R0 SIMN 4C.
Compram
Libras esterlinas
Moedas de ouro...) Nacionaes e es'tran-
c c prata..) geiros
Cdulas do governo)
de l#a 100....) .
Cdulas do banco do)
Brasil e das caixas)
filiaes.........)
Largo do Corpo Santo
n. 21.
CASA D CAMBIO
Theodoro Simn & 0.
Venden
Libras sterlinas 130600.
Ouro nacional e estrangeiro a 53 l/i o/o de
premio.
Sedulas do governo de i a 5000
Largo do Corpo Santo n. 21
BANCO MAUA & C.
Ra do Trapiche n. 34.
Desconta lettras comraercias a taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta correte.
Confere crditos, saca sobre as primeiras
pracas do imperio, Rio da Prata e.Euro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pracas.
Encarrega-se, por commisso, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes de
oompanhias, da oobranc,a de lettras e di-
Santa Casa da Misericordia
Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sessocs, no dia 8 de^abril, pelas
quatro lioras da tarde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
tres annos, as rendas dos prodios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra da Imperatriz.
Casa terrea n. 68, por auno............320^000
Ra de Hortas.
Loja do sobrado n. 41, por anno........ 120*000
Ra da Moeda.
Primeiro andar do sobrado n. 37, por anno 76O0O
Segundo andar, idcni.................."9G000
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1, por anno..............100|000
Ra do Padre Florano.
Casa terrea n. 43, por anno............170*000
Ra da Conceicao.
Casa terrea n. 5, por anno............. .. 249*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra do Pilar.
Casa terrean. 100, por anno........201*000
dem n. 102, dem....................201*000
Sitio n. 5 do Forno da Cal, dem ........1SO*000
Sitio do Rosarinho n. 3 .. ..............323*000
Sitios ns. la o 18 no Salgadinho........ 267*000
Os, pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as suas, flaneas, ou comparecerem
acompantados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife,18 de marco de 1869. Oescrivao,
Pedro Rodrigues de Smza,
Manta Casa de misericordia do
Recife %
Pela secretara da Santa Casa de Misericordia
do Recite se f;u publico que a Illma. junta admi-
nistrativa em sessao de 8 do corrente resolveu que
fossem convidados os prente* dos orphaos em se-
guida declarados para viren requerer a presiden-
cia a sua retirada do mesmo collegio, visto que j
tendo completado a idaa de 14 annos nao podem
all continuar como dispoe o respectivo regula-
mento.
Francisco Pereira de Araujo, protegido do viga-
ro Caimito de Mendonca Furlado.
Antonio Bezerra de Mello, sobrinliode Francisco
Ribeiro da Silva.
Manoel Felppe de Souza Magahaes, limo de
Thereza Febronia Estoves Ah
Francisco Antonio do Monte.
Antonio Leocadio do Reg Barros, filho de Ignez
Mara de Mello Reg. .
Joaquini Candido da Silvera, filho de Mana da
da Gloria Silvera.
Laurndo Firtonato do Menezes Lyra, filho de
Gertrucs Lourenea de Araujo.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 9 de abril de 1809.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
O administrador da recebedoria de rendas
internas geraes faz publico que neste corrente mez
e no de maio prximo futuro, visto estarem con-
cluidos os laneamentos, e que os devedores do
imposto pessoa!, relativo ao exercicio corrente de
1868 a 1889, residentes nas freguezias do Recife,
Santo Antonio, Affogados, Poco da Panella, Varsea,
S. Lourenco da Malta, S. Amaro de Jaboatao, e
Muribeca, teem de paga-lo, livre da malta de 6 0/0
o cwn eBa depo! do referido prazo.
Recebedoria de Pernambuco 3 de Abril de 1839.
jtanoel Car neiro de Soiza Lacerda,
0ALCAC.4R
Ra nova de Santa Rita n. 1
Sainado 17 do corrente ter lugar um sump-
tuoso baile em beneficio de um artista pernambu-
cano, o qual satisfar os deleitantes nos interval-
os, cantando diversas modas acompanhadas a
piano. O qual espora ter grande concorrencia,
afim de que tire algumas esportolas de benevolen-
cia do respeitavel publico desta capital. Ser com-
prdo o regulamento policial.
Caf, concert commercial
Domingo 18
s tres horas em pouto tocar a msica versa-
symphonias, e no; intervallos tocar o piaa di-
versas pecas e acompanhar diversas modas can-
tadas por muitos apreciadores do bom gosto. Os
concurrentes acharo o bom caf, o bom !anch e
boas bebidas, etc. etc., os senhores assignantes que
quzerem levar algum convidado podem mandar
ao Alcacar pedir um ingresso. O divertiment"
principiar s 3 horas e iinalisa s 6 e meia da
tarde. Entradas geraes para cvamenos 800, se-
nhoras s entram tendo cartao de convite ou eam
algum socio.
AVISOS MARTIMOS.
011
COMPAMil.V BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o da 22 do corrente o vapor
Guar, commandante o primeir.
tcnente P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recobem-se passagoiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
sor embarcada no dia desuachegada. Encommon-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sahida.
Nao se recebem como enoommendas senao ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a^
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos do medican.
Tudo que passar destes limites devora ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageros que saas passa-
rs s se recebem na agencia ra da Cruz n. 37.
indar, escriptorio de Autonio Luiz de Olveir*
Azevedo 4 C.
Para e Rio de Janeiro
pretende sabir com a maior hrevidade possivel >
brigue nacional Tiovador, capilao Antonio Dias di-
Lima, com destino ao dito porto, recebe carga e
escravos a frete : a tratar com es consignatarios
Marques, Barros & C, no largo do Corpo Santo n.
6, 2 andar.______________;______________
Rio de Janeiro
Segu com muita brevidade pata o porto cima
a escuna dinamarqueza Etist, tem a ^P*^
do sea carregamen o ongtjajpj J*g eVo&iSx
lh taita trata-se com ,UV(
Azevedo &

1
I


Diario de Peruambuco Quinta feira 15 de Abril de 1869.
-
I
i
V

COMl\\NHIA PERNAMBUCANA
DE
Wavegar/So costeira por vapor.
Goianna
0 vapor Mamanguape, commzn-
danto (ilivcini. seguir para o
iwrlo cima no dia 16 do o
le as 9 lloras da noitc. Recebe
carga, encommendas, pas*agci-
eiioa fi'fte uo escriptorio do Forte do
Mallos n. II_____________________________
" COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
rfOTtganir costelra por vapor.
Porto de Calimbas, Rio Forraoso e
Tamandar.
0 vapor Mamanguape, com-
mandante Oliveira, seguir para
us"p:jrto:> cima no dia 20 do cor-
ren:!' a meta noite. ltccebe car-
ga, eiicninineiida.-. passageiros c
ao eseriptorfo do Forte do Mat-
& frute
los n. 12.
. COMA LiRASILEIM
DE
Paquetes a vapor.
Do portos do norte esperado
at o dia 28 do correte o vapor
/' rosta, comuandantc o caprtie
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barban, o qual depois da
demora do eos turne seguir para os do sul.
Desde ja recebem-sc passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conutuir, a goal deveri
ser embarcada no diado snachegada. Encommen-
das c dinheiro a frote at o dia da toa. sabida as 2
horas.
Nao se recebem como eneommciu'a; senao ob
(eetosde pequeo valore que nao exeedam a duat
arroba i peso 01 8 palmos cbicos de medievo
Tudo que paasar desle limites deveri ser embar-
cado como carga.
Rrevine-se aos Srs. passageiros que snas passa-
gens bem na agencia roa da Qrui n. 57.
pandar, esoriptorio de Antonio Lu? de Oliveira
Azevedo & C.
COMPANHIA PERNMBUCAN.
DR
Mavcsac costeara por vapor.
Parabyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caty, Cear, Mondabi,Acarac"
e Granja.
O vapor Pirapnma, cnmmandanlt
Horres, seguir para os portos cima
no dia 15 do corrente as 5 llora-
da tarde. Recebe carga at o dia 14, encom-
mendas, passageiros e dinhsiro a Arete at as
2 Lora* da tarde do dia da sahida feo escriptorii-
do Forte do Mallos n. 12.
I me-as de jogo, i' can liciros a gaz, e muiios
oCtros objectos pertencentes a casa de familia.
1I04E.
No Io e 2o andar do sobrado da ra da
Cauz n. 53.
0 agente Pinto, autorisado por urna familia que
retirou-se desta provincia, (ara leilo dos ra
s objectos cima descriptos os quacs e
transportados da casa de campo em que so acham
para o sobrado da ra da Cruz n. 53, onde pode-
rao ser examinados ditos movis na vespera e dia
do leilo que tera lugar no dia 15 do corrate.
Principiar as 10 Loras.
LEILO
Para Lisboa.
O patacho portujuez Murta, capilao Pedro Mar-
tina Branco, vai sabir com brevidade : para carga
e passageiros, irata-se com E. R. Iabello, ra do
Coinmercio n. 14.
COMPANHIA PEILNAMtCANA
DK
Kavegaro costfeira por vapor.
Macei, escalas Penodo e Aracaj.
O vapar Potengi, commandante
Pereira, seguir para os portos cima
no dia 15 de abril as 5 Loras da tar-
da Recebe earga at o dia 14 as 3 horas da tar-
de, encommendas, passageiros e dinheiro a fete at
as 3 horas da tarde do uia da sahida no cscriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
De rae sobrado de 3 andares e urna grande
casa de campo sita a ponte de Ucha
n. 17.
O agente Pontual venderl em leililo por auto-
nsaco de diversos, un sobrado de 3 andarcs,Lem
ci nstruido, todo de paredes dobradas, em so o fo-
reiro, sito ra da l'raia n. 59, sendo o scu pro-
ducto para liquidacao de dbitos. Na mesma oe-
ensBo veoder-se-ha urna magnifica casa de cam-
po, solo proprio, sita a ponte de Uchoa n. 17 jun-
to a estarlo dos trilhos urbanos que entrada da
p inte da "Parre, cora os commodos segrales :
grande sala de visita estucada, dita para jantar,
6 grandes quartos, cosinha, um terrago atraz da
mesma de 40 palmos (coberto) fora da casa, 3
quartos, eocheira, deposito d'agua do Prata, um
tanque de marmore para banho, um dito para
luvagem (te roupa, sendo o sitio plantado e leudo
400 palmos de fundo dividindo com o rio.
Os Srs. licitantes poderla examinaras ditos
prodios, mas gmente das :t \\i as C horas da tar-
de o-concorrerem ao leilo.
4MB
no 1 andar do sobrado n. 62, ra da Cruz as
II horas.
De una espingarda de 3 canos.
Quinta-feira 15 de abril 00 sobrado dft ra da
Cruz n. 53, aonde haver leiHto de tra-tes feito
I elo agente Pinto, em seguida ir una rica es-
l ingarda para caca, canos (mechadas verdadei-
i garantiado-se e torna-so rccommendavel em
quahdade e perfeicao de trabalho c ser o mais
I ve possivel qualqiier menino pode passariuhar
com ella, tem caixa cota lodo 0 apparelho tenden-
te para sita limpeza, cacadures aprovoitoui aoG>
casio pois Daoaebarao nina igual fazenda.
versos e conta e risco de quen pertcncer de por-
cocs do chitas, algodozinhos m_
nados, assim conn de ostral l'aamda* e miudeza*
para ultimacio de contas o sen limites consNiado
estas em cortinados para jarihibu, moias, serou-
las, espartilhos, gravatas de seda e ve,ludo, l
o chatas di nc/ de chita, guardosnos,
s 'lins muito superiores o parten ;vcrs
com capsulas e rain: iode bron-
zc e marmore para cima de mesa, tapetes de ma-
deira modernos, ciu' n. voflas e gollas
de vidrilho, botos do seda para vestuario de se-
nhora o meninos, eo la. colljri-
nlnis de linlio, ce-las para va,'em, satas de per-
caie, matase mantos para som, cnaritteiras, es-
poras, estribos, tesouras, peales, escoras para
uubas. casticaes e palmatorias de- lata) baet5es e
ehapss de sol
Sexta-feira 16 do eorreni i
as 10 horas da manba, no sen escriptorio a ra
da Cadeia n. 4, v andar, por cima do armazeni
de fazendas do Sr. Barroca.
AVISOS DIVERSOS.
1XSTITITO ARCUEULOGICO E GEOCRAPHCO
PERXAAJBLCWO.
rfaver sessio ordinaria crainta-feira 15
do corronte abril, pidas I horas da ma-
nba.
ORUF.M 1)0 NA
Discusso do oirnnierto para' o anno
social de 18091870.
Pareceres e mais tr:il>;ilhos de rjfcmis-

Secretaria do Instituto, l de abril de
1869.
Jos Soairs de Azevedo,
Secret'rio perpetuo.
Jos Soares de Azevedo, prol'essor de
lingua e lilteratura nacional no gymnasio
provincial do Keoife, tem aberto em sua
casa, ra Bella n. 37, um
CURSO DELIXGl-A FKANCIvZA
DE GliOGRAPIlIA E HISTORIA
DF. PIIILOSOPHIA ,
DE IlllETOIUCA F. POTICA.
Os studantes qne prelenderem frequen-
tar qualquer destas disciplioas, podem diri-
gir-se indicada residencia, de manli3a at
is 10 horas, e de tarde a qualquer hora.
por
Para o Porlo com escala
Lisboa.
Seguir em poucos dias para os portos indica-
dos a barca portugueza Humildade,por tora maior
parte da carga prompta ; para o resto que lhe
falt e passageiros. i[ue encontrarao exeellentes
cinmodos: trata-se com os consignatrios Mar-
ques Barros & C, no largo do Corpo Santo n. 6, ]
segundo andar ou com o capilao Carlos Ferreira
Soares, a bordo.
UEiMMJF.
De um carro americano lodo coberto e em perfei-
to estado, com os competentes arreios para um
e dous cavallos, assim como urna excellente pa-
relha de cavallos bastante gordos propria para
o mesmo carro.
110 JE
Peto agente Mart ns em frente do armasen da
na do Imperador n. l(i, as 11 horas em ponto.
Ama do leite.
Prccisa-se de urna ama de leite sem fdho : a
tratar no Coracao de Onro n, 2 D, ra do Cabug.
Club Pernambucano
tera lugar
Joaquim Jos Gon- .
palves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-1
co do Minho, era Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal :
Lisboa.
Porto.
Valonea.
GuimarSes.
Coimbra.
Cha^s.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalicao.
Lamego.
Lagos.
Covilba.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barccllos.
UTIIilDAOX:
Aos500 pares de brincos.
Chegou e vende-se no Coraco
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
mosinhas com urna franja penden-
te a um rico desenho e ouro de
lei, pelo pequeo preco de 13#000
cada par. baratissimo.
BRTHOLOMEU ft C.
I
A pessa que annunciou ter pratica de sec-
eos e molhados deixe carta nesta typographia com
as iniciaos P P, indicando quaes as pessOas que
podem informar a seu respeito.
Kagonimadcira.
Precisa-se de urna criada para engommar : na
ra do Imperador n. 73,2o andar.
Preeisa-se de um eaixeiro de 14 a 16 annos,
que tenha alguma pratica de taberna : na ra da
Aurora n. i>6.
Precisa-se
A partida
na nnute ftr>
do corren1
dia 24.
c mez,
alugar dous escravos, agradando paga-se
na fabrica a vapor de cigarros na antiga
; Quartel de Polica n. 21.
bem :
ra do
Ama
c SO fvari-K oiii
Sleza.
HOdB
O agente Pestaa far leilo por cont e risco
de que:n pertencer de 20 Larris com maieiga in-
gle desembarcados ltimamente, no dia cima
mencionado as 11 horas da manhaa do armasem
d i Aunes.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
Di
.Yavegirao rosteira por vapor.
Macei em direituia e Penedo.
vapor Jaguaribe, commandante Monea, segui-
r para os portos cima no dia 22 do Crrente.
Kecebe carga at o,dia'21 as : limas da tarde,
encommendas. passageiros e udinhro a Brete at
as 2 horas da tarde do dia da sahida no escrip-
torio do Forte do Matos n. 12.
Loanda
O brigue portuguez Dtmoinda, capilao Silva, a
chegar de Lisboa, sahir para Loanda poucos dias
depois de recolliido a este porto : pode receber
alguma carga, e trala-seeom o sen consignatario
Joaquim Gerardo de Bastos, rna do Yigario n.
16, Io andar__________________
Para o Porto
pretende seguir com a maior brevidade possivel a
mui veleira barca portugueza Claudina; recebe
carga afrete e passageiros, para os quaes tem ri-
cos e exeellentes commodos : a tratar com Cunha
roaos & C,. ra da Madre de Dos u. li.
Vende-se opailiabotc portuguez tnica, for-
rado e pregado de cobre e prompto para navegar
para qualquer parta, de lote de 103. toneladas, pe
ga em sete mil arrobas de carne, para ver em
frente ao trapiche do baro do Livrainento, onde
est fundeado, e para tratar com Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & fl, ra da Cruz n. 57.
II2I1jAO
E>c um sitio em Bebenbe de baixo, com 300 pal-
mos de frente e 500 de fundo, todo coreado,
com 50 ps do arvoredos de diversas qualida-
des e na mesma occasio se venderao alguus
movis usados, louca c crystaes.
O agente Martios far leilo do sino e movis
cima ra do Imperador n. 1C, as 11 horas do
' LEILO
le 59 ca vas razias que ilxc-
ram assucar.
Hoje a 1 bora da tarde.
O agente Pestaa tara leilo por conta e risco
d) quem pertencer e e;u proseos do cnsul dos
Paizes liaixos de 52 caixas vazias desembareadas
di bordo do patacho hollandcz Cathnnna, capilao
G. Bakker, cujo leilo ter lagar hoje a 1 hora
di tarde no armazem do baro do Livramento
caes do Apollo.
Precisa-se de una ama torra -ou escrava para
omprar e cozinhar para urna casa de pouca la-
iii'ia : na roa das Cnues n. S8, l" andar prelc-
e-e eccrava-t' pagase bem agradando.
Atteiicrio
Um individuo com 28 anuos de idade, ebegado
ha poucos dias da Europa, com bastante pralica
do commcrcio. habilitado a eseripta, oa serviee
frterno. o tondi ennh*hnenti di i'oma franoez;
ce -e i pre>Umo, dan r ao seu eem-
portaqteiitii: quem dclle precisar ti ira lirigtf-se
a rna Diivita n. 43 ou a roa da Madre de Dos
n. 18.-
LEILO
Ignace
De um piano forte do fabricante
Vver d C.
HOJE AO MEIO.DIA.
Ein continuaco ao leilo de movis por inter-
no sobrado da ra da
vancao do agente Pinto,
Cruz n. 83.
Paga-se a quantia cima indtcaa a urna mn-
Ihcr fura oa escrava. qne ev.mh e engommc, e
-e enearregue de 11 o osen 'e fie Misa casa de
p mea familia : BSVflU da Cruz U.C3, andar.
Tainbcni se precisa alugar urna negrinhs para
caiTOKar urna menina
PORTO
Para o indicado porto pietende sabir em pon-
eos dias a veleira e bem conhecida barca Sociaf
capillo Rocha, por ter a maior parte do scu car-
regamento prompto, e para o resto que lhe falta
e passageiros, para os quaes tem bons commodo*.
trata-se com o cousignatorio Joaquim Jos Gon
calves Beltro, ruado Trapiche n. 17.
Rio de Janeiro
Para o indicado porto segu com multa brevi-
dade o veleiro e bem conhecido brigue Adelaide.
por ter a maior parte do earregamento tratado ; e
para o resto que lhe falt e escravos a frete, tra-
ta-se com o consigna", irio Joaquim Jos Goncalves
IWtro, ra do Trapiche n. 17,
Lisboa
Segne com brevidade a barca portugueza Perei-
ra Iturijes por ter parte da sua carga prompta :
para o reatante e passageiros, trata se comOlivei-
ra, Filhos & C, largo do Corpo Santo n. 19.
Para o Porto
pretende seguir com a maior brevidade possivel a
barca portugueza Scguraura ; recebe carga e pas-
sageiros, para os quaes tem exeellentes commo-
dos : a tratar cem Cunha Irraaos & C, ra da
Madre de Dos n. 34.
Baha
Impreterivelniento nestes poucos dias sabe o pa-
lhabote Garibaldi para a Bahia : para carga ira-
la-se coa o captlo Custodio Jos Vianna, ou no
escriptorio de Tasso Irmos.
LEILO
De O caixas com latas de lagostinbos, 1
barril com pepinos era conserva, 1 bar-
ril com 200 libras de carne de pareo em
calda. 20 caixas com vinho verde.
Hojeas 11 1[9 horas da ma-
nila a.
O agente Pestaa far leilo dos gneros cima
por conta o risco de quefn perteuccr as lunas
cima no armazem do Atines.
IisEILAO
Da grande casa com sotao na rna da Ven-
tura n. 15 porto do Lasscrrc na Capun-
ga, com sitio murado, cacimba e arvore-
dos tudo em ch5os proprios. _____
Sexta-feira /" '.- abril. WK
^Luiz Puech tendo vendido o seu estabelecimen-
to'da rna do Trapiche c mudado sua residencia
para Paria, vender en leilo por intervencaodo
agente Pinto a sua casa de campo na Capun'g, a
qual se torna recommenda Ja por ser edilicada em
chaos proprio, perto da e~tacao dos trilhos urba-
nos e perto do no, sendo que por oceasio das
ch'ias nao tem entrado ajua em dito sitio.
Os pretendentes podem enlender-se desde j
com o referido agente (unir > cncarrogado da ven-
da) e eomparecerem as U Jioras do dia cima
dito em LEILQES.
LEILO
De movis, lonea e vtdros.
A SABER .
L'm piano de armario, 1 rica mobilia de jaca-
randa com 1 sofe, 1 mesa oval, 2 consalos com
Sidra, 2 cadeiras de bracos, 2 de bataneo e 18
i gnarnicao tudo em perfeito esudo, unia outrs
mobilia de jacaranaa antiga, tapetes para sotas e
portas, espelhos, candelabros de crystl, jarros e
vasos para flores, escarradeTras,qaa relegtas, bonitas vistas, i mobia de acsaieuo, i
cama franeeza de Jacaranda, i guarda vestido de
ainareUe, 1 lavatorio, i mesa do jantar, tanca e
-vidros, 1 sof de amareo, cadeiras, 1 cora-
moda, 1 apparador, 2 nunmezas, i consolos, 1
cabide, 1 quartiuheiro, 2 eadeiras de bataneo, 1
ama raaceza de amaroBe, 1 toucador, 2 veneaia-
LEILO
De urna mobilia de Jacaranda com 12 cadeiras,
1 sof, 2 consolos o 1 mc?a redonda, I secretaria
te mogno, 1 cama franceza de amarello, 1 com-
moda de Jacaranda, 12 caJeiras americanas, 6 di-
lis de amarello, 2 marquezas, 2 mesas para en-
f onimado, 3 banqumhas de amarello, 1 santuario,
2 pares de lanteraas, 2 candieiros a gaz, um ap-
[arelho de porcelana para jantar, jarres, tapetes e
raudos outros objectos.
'Sexta-feira 1G do corrento.
0 agente Martins far leilo des movis cima
na casa da ra do Rosario da Da-Vista n. 18.
LEILO
le nma eahta com 15 ditzlas
de bezerros pretoa.
Sexta-feira 10 do corrente.
O agente Pestaa far loilo para fechamonto
de contado urna caixa con l.'i dozias de bezer-
ros pretos no dia cima as 11 horas da manba
ro armazem do Sr. Azevedo na escadinlu da ai-
tiadem,
l'ievin-i SOS meo-'. i*.-iu-ii''iii!>
mioM estada na coi te. podem enimde-s
qualquer dos senhores adwgados Drs. Erneslo de
Aquino l'ouseca, Alvaro t'eiioa Caval.-anti e Joo
llarbalho Uchoa Cavaleanti, aos quaes er.carreguei
le promover o andamento dos feilos em uue son
advogado. assim na inferior como na superior ins-
tancia, devendo para isto procura-Ios.
Joaquim de Souza Res.
Casa para alugar.
Alnga-se o 2a andar com sota da casa da na
da Cadeia n. 10 : a tratar na ra do Crespo n. 8,
esquina.
Irmandade do Divino Espi-
rito Santo.
A mesa regedora em sessie de 12 do crlente
mez, a petlido de muitos irmao>, deliberando fazer
a feata de seu Divino l'adroeiro com simplicidade,
e a tarde a procisso, visto if j dar comecos
obras da capclla-nir, e nao Ibes ser possivel fazer
i s ibredita festa com aquella pompa e magniiicen-
cia costumada, alim de nao cancar aos irmos
com lo repetidos bolos, pois que tem de os in-
comnodar para as obras ; pe.le. pois, aquelles que
voluntariamente quizereniconcorrer com uas es
molas para a procisso, de o lazerem, dirigiuilo-se
ao Ihesoureiro o Sr. Manoel Rodrigues da Silva,
na ra do Queimado n. 37, conciliando'por esta
forma os desejos que muitos teem manifestado de
nao deixar de fazer-sc os'ditos actos.
Manoel l.niz da Veiga,
Escrivao interino.
AMA
Precisa-se de urna ama para cas:de pouca fa-
milia : na ra do llortas n. 1 \i. 2 andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de urna s
pessoa : na ra da Senzala n. 128, 2o andar.
LUIRS STERLI.s'AS
a 13500 : em casa de Silva Barroca), ra da Ca-
deia n. h.
Miguel Mareellino da Cusa, de menor idade
( o annos ) relira-se para Portugal, levando eomo
criada a mtate Joanna, que foi escrava de Miiiuel
Joaquim da Cost.
PARA USO INTERNO
PREPARADOS. SI M P I. ES
Xarope dejurubeba garrafa. 16000
Vinbo dejurubeba garrafa. i00O
Pilulas de jurubeba vidro. 10600
Tintura de jurubeba vidro. O
Extracto hydracoolico dejurubeba. 1,20500
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 20000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 10600
Pilulas dejurubeba ferruginosa vidro. 20000
- Oleo de jurubeba vidros. 60
{Pomada de jurubeba pote 0U|
Emplastro de jurubeba libra. 2|500
PARA USO EXTERNO
A JURIIBEBA.
Esta planta hoje reconhecida como o mais poderoso icnico, como nm excel-
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do figado ft baco, naa
hepatites propriamente ditas, ou anda complicadas com anazarebas, as inflamiiK
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores giandulosos, na anazarcha, as hodrope-
zias, erysipellas ; e associada as preparaces ferruginosas, anda de grande vaHtagem
as anemias, chloroscs, faltas de menstruaco, leucorrheias, desarranjos atnicos dio
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos aflirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva I\amos, Aquino Fonscca, Sarment, Scve,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a excellencia doste
poderoso medicamento sobre os demais at boje conhecidos para todos'os casos citados,
tanto|que lodos os dias fazem d'elle applicaco.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tiremos por im gemialisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos dclle, e
mais das vezes repugnantes a iragarem-se, c que tinliam ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna militas vezes improficuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram aposentados depois de havermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conliecer as pro-
priedades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas, fractas ou bagas, e a
dose conveniente a applicafo, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeicao possivel, para o que ujo poupamos esforgos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a .prompta c infalli-
velcura de qualquer dos solrimentos, que deixamos innumerados, se foreni em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolher as nosas va-
riadas preparaces, aquella que melhor llie pode, convir, j pela fcil applicaco, e j;\ pela
complicaco das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas slo feitas de forma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompostos de ferro que
como taes esto hoje reconhecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queirnm conhecer as propiedades da
jurubeba, e saberem a applicacao de nossos preparados, destribttimos gratuitamente
em nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
Botica e drogara
34Ra larga do Rosario34.
Ama
Na ra da Cadeia do Recife n. 22, precisa- ?c d
urna ama para cozinhar.
01iama-se a atteiicao
llpidio Feliciano Poreira de Lyra convida a to-
dos os seus credores a eomparecerem em sua co-
eneira ruado Imperador n. II, saObado 17, as 9
ras do dia.
= Precisa-se eemprar urna escrava que sailia
eniommar e cozinhar, e que seja de boa eondnct:
n
luante uarua do Queimado n. (i).
se com
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura certa
das digestoes difficeis e completas, a calmar
as dores gastralgicas, e reparar as forcas
produzindo urna assimulacao completa dos
alimentos; sendo mais um excellente tnico.
YEXDE-SE
PHARMACIA E DROGARA
DK
Itarholomeii A C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
O Dr. Manoel Euedino Rega Valenca j@
g pode ser procurado para o exereicio de
sua proffsso de medico a ra da Cam- a
boa do Carino n. 21, Io andar.
Tendo montado nma completa oflicina para concert e afinaco de panos e
tendo contratado para o mesmo fim o experimentado contra-mestre Sr. A. Rastouil
chegado da Europa pelo ultimo paquete.tem a honra de recommendar este lea esfabele-
cimento s Exmas. familias Pernambucanas, prometiendo promptido e peifeicao no
trabalho.
Una Formosa n. 14
Aluga-se urna casa no Poco na travessa do
Quiabo n. 6, perto. dos trilhos urbanos : a tratar
na ra da Cadeia do Recife n. 2.
Ao Sr. Francisco do Prado
Urna pessoa que mora no centro desta provin-
cia, e que em 1857 ficoB devendo ao >r. Francisco
do Prado, naque! I a poca esfabelecido com padaria
ra do Livramento, e que quer pagar ao mesmo
Sr. Prado certa quantia, roga- lhe, de uestes dous
ou tres dias ao mais tardar, de dirigir-.-.- :i ra
de lionas n. 96, onde aclia-se o annunciante ha-
li-iletado, das 3 s 6 horas da tarde, antes que o
annunciante retire-se para o centro.
Francisco Ribeiro Guimaraes faz publico que
tem justo e contratado com o Sr. Jos Pinto da
Cunha a sua taberna sit i ua de Santa Rita n.
IJivree desembarazada de qualquer onus : por-
tante quem sejulgav com direilo a mesma, pode
roclama-Jo uo praso de tres dias. Recife 13. de
abril de 1869.
Manoel Joaquim PwiiTa^ndo deeaibarcar
no vapor inglez La Plata para Lisboa, vem por
este meio despedir-se das pescas de s'a amizade,
deixaado do o-faacr pessoalmeote por falta de
tempo, pelo que lhes pe.de desculpa ; e aproveit
a opportunidade para offerecer-laes os seus apou-
cados servicos naquella capif .1 ou em qualquer
parte que .a aclie.
Manoel'Joaquim Pereira avisa a quem inte-
ressar possa, que durauto a sua ausencia desta
provincia deixa como procurador dos seus nego-
cios particulares a sen tio o sxio o Sr. Joaquim
Antonio Pereira.
CASA BA FORTUNA
Aos 4:000$
Bilketes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos seus mui-
to felizes bilhetes garantidos 1 meio n. 2936 com
a sorte de 4:0003, 1 meio n. 3523 com a sortc de
700, 1 inteiro n. 280 com a sorte de 202, e
outras omitas sortes de lOO, 40 o 20t da lotera
que se acabou de extrahir em beneficio da igreja
de Nossa Senhora do Livramento de Pao d'Alho
(101*), convida aos possuidores a virem receber
seus respectivos premios sem os descontos das
leis na casa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os du 1' parte da lotera a
beneficio da igreja de S. Scbastiao do Bonito
(102), que se extraliir terca-feira 20 do corren-
te mez.
Procos.
Bilhete.....4,O00
Meio.....2*000
Quarto.....l#00O
Em porcae de 100* para cima.
rBilhete.....3*500
Meio......1*7.10
Quarto..... 875
Manoel Martins Finia.
Aluga-se um sitio na Torre, com 5 quartos e
unas salas, c cosinha c quarto fora: a tratar com
Andr de Abreu Porto.
Trocain-se
niuo
le fazeada nvai-iadas. Iimpa-
e de mIii4c!zm.
A 16 do corrente.
a notas do banco do Brasil e das caixas iliaes,
ma descont muito razoavel : na praca da Inde-
?8ndencia n. 13. ____
Resta venda nm escolbido sortimento deob-
ectos de marclneria, como sejam, mobilias de ja-
jarand. mogno eamarello, obra nacional e estnm-
jeifa, de apurado gesto epir preco* razoaveis :
aa roa estreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
jasa taiem-se com perfeicao todos os trabamos de
pandaba, como sejam, copal menlos de lastros
jara camas, cadeiras e sepns.__________
Ama
Attenclo
O abaixo assignado, cstabelecido na ra da Ini-
peratri n. 2 co'm armasem de molhados, denomi-
nado Bom Demonio, previne a todos os seus deve-
dores que nao pagne conta alguma a Jos Candi-
do de Saraiva, e sim qoetle qne apresentar do-
cumentos cora liabilnacdes. Recife 9 de abril de
Miguel Gomes da Silva.
Frederico Maia
Cirurgio dentista pela escola
le medicina
do Rio de Janeiro.
Tema honra do participar ao respeitavcl publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o
seu gabinete de consultas e operacocs dentarias a
ra Direita n. 12, primeiro andar, onde podo ser
procurado todos os dias das 8 horas da mantea as
3 da tarde. Elle acha-se competentemente habili-
tado para com perfeicao enllocar denles artificiaes
por qualquer dos systeiuas, e bem assim dosempe-
nhar qualquer outro trabalho concerneute sua
profissao. O mesmo, reconhecendo que nem sem-
pre possivel s senhoras ou crianzas sahrem a
procoior o remedio, oTerecc-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que ua cidade se pres-
tar a qualquer chamado sem que issoinflua cousa
alguma na commodidacL dos procos de seus traba-
dlos, equando para fora della assim mesmo ser
precedido de mn ajuste rasoave!, garantindo elle a
seguranca e perfeicao de seus ditos trabalhos. Em
seu. gabinete se. encentrar i-oustantemenlc excel-
lente nos dentficio. elixir e outxos medicamen-
tos odontalgico? : rna Direita n. 12, primeiro
andar.
CURX^FCALLOS.
PELA
Pomada galonpean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartbolomeo & C.
34-------Ra larga do Rosario-------34.
GRANDE HOTEL
Inaugurou-se este commodo e elegante
estabeleeimento donde os seus frequenta-
dores podero apreciar a especialidade na
confeceo dos gneros alimenticios.
As bebidas sao as mais primorosas c re-
commendadas.
A decencia e bom servico primara n'esta
casa no bello gosto oriental.
Mandam-se domicilio comedorias, tanto
avulso, como por assignatura mensal. Os
pregos sao mdicos e convencionaes.
Ha urna espacosa e bonita sala para o
elegante jogo de buhar.
Ha tambem apo:>entos commmodos c bem
mobilhados para hospedagem.
Ra larga doEosario
n. 44.
Fundipo da Aurora.
.Veste vasto cstabelecimente senipre se encontra
um completo sortimento do taixas de ferro batido
e fundido, fabricadas recentemente, e se fabrican
de qualquer molde a vontade dos compradores e
reeoa raz|>oaveis.
Se br bom.
Pagar-sc-ha bem um moleque que se prutendo
alugar : na ra larga do Rosario n. 44, andar.
Em casa do THEODORO CHRISlT-
ANSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-se
effectivamente todas as qualidades de vinlio
Bordeaux, Bourgogne e do Rbeno.________
Molestias do peilo.
A farinjia de S. Bento o nico alimento capaz
de sei: suppvrtado pelos estmagos fr.icos, o mais
conveniente pelos seus bons resultados s pessoas
ataadas de molestias, do peito, aos convalescen-
tes, s pessoas enfraquecidas por toda a quau'dado
de excessos e s senhoras que teem perdido as
cores pelas perdas de sangue : nico deposite, na
pharmacia do Pinto, ra larga do Rosario n. 10.
Precisa-se de urna criada livre ou escrava
3ue saiba coer, engommar e fazer os arranjo*
omesticos de urna familia composta de 4 possoas.
Precisa-ie de um escrava que cosiahe bem: na I dirija-se a ra do Trapiche n. 14, 2o andar, con-
rua do Crespn 23.
SEGUROS
MARTIMOS
E
CONTRA FOGO.
A Companhia Isdemnisadora, estabelecind
testa praca, toma seguros martimos sobre
avios e seus carregamentos c contra fogo
jmedificios, mercadorias e mobilias: aa
ma do Vigario n. 4, pavimento terreo.
MOFINA
Sr. Antonio Francisco Duarte e seu mano Dr.
Maximiano PYancisco Duarte, venham ra Di-
reita n. 53, loja do Braga & C.
Para cosinha
Pede-se ao Rvm. Sr. padre Jos Bernardinn
de Paiva, ou a quera mesmo souber dar noticia
do stra residencia, de comraunica-lo ra de
Hortas n. IC, alim de iratr-se de urna licranca, e
negocio de muui pcerose do mesmo Sr. reve-
rendo. ______
sulado francez.
Preeisa-se de unu preta
ra 4a Cadeia-nova n. 54.
para alugar : na
. m. uu 1/UCUIC, CUIMUiai C CWCIUHWf K"" uuK> pocjiFV;
0 agente Oliveira feri k Uo por ordem de di- J bem : im ra da Cadeia n. 2f, i> andar.
Preeisa-se de unu ama forra ou captiva para I
comprare eodnhar^para doas^pessoas, paga-sel
Os abaixo assignados. proprietarios dos so-
brados da ra da Croz ni 37 e 45, dedaram a
quem convicr que nesta data tem constituido seu
bastante procurador para o fim de receber os alu-
gueis dos referidos predios ao Sr. Bernardo Tei-
xeira de Moura, flcando assim cassada a procura-
co dada ao Sr. Manoel Jos da Fonceca. que se
retira para a Europa.
Recife 12 de abril de 1869.
Eugenia Teixeira de Moura.
Marianna da Cunha Teixeira.
Beraaroo daConha Teiseira,
SJHMi&i
o'abaiTio asignado lem escriptorio a jR
ra d > Imperador B. 32, andar, c ah g
pode ser procurado'itera os misteres do
sna pi 'le advogado e negocios
particulares das 10 horas da manhaa as
3 da larde.
Manoel Joaquim Sveira.
HHI
Aluga se urna ama portugueza que seja de
meia idade.^oa mesmo nacional, para andir com
tresrmcnino. lavar e eugommar para os.mesmos,
e ter todo o cuidado nolies : a tratar na Estancia,
casan. 4.
Aluga-se a casan. 40 da truvea do Gazo-
metre. com quintal e cacimba, por 8*000 mensal :
a tratar no sobrado junto a fabrica do gaz.
CONVITE
O Illui. Sr. presidente da sociedade Nova Terp-
syebore convida a todos os senfcores membros da
influa para no dia 18 do corrente mez, ao me o
dia. se rounirem em assnmbla geral na cesa etr
que funeciona a sociedade, ra estrena do Rosa-
rio n. i'.), alim de se discutirem os estatutos, per
que se ha de regular a mesma sociedade no de-
Bompenho das snas diversas obrigiicees. Ontr.>
sim, de.-iara o mesmo Sr. presidente, q;ie se e
reunirem-se pelo menos 16 socios. s sSo dos memos estatutos comniettid:t urna com-
missai por elle ntmeada, visto como, tendo id
j por duas vezes convocada a assembia geral
ara o tini cima declarado, nao tem podido esto
iincaionar pela falta consideravel de socios. R.-
cife em 12 de abril de 1869.
O secretario,
Vicente P. Leal.
Dasappareeau do sitio viveiro do Muniz nn.-i
vacca de cor raposa, cora urna malna branca do
um lado junio dos vasiee, com ee ehres foraskK,
a qual nao grande: qne a encontrar levo ao
dito sitio, que ser recompensado.

**
^

:-r:r


Diario de Pemaiubiico Quinta feira 15 de Abril de 18G9.

a
i?
r J
efe
3
8
M
Moreira Buarte & C. teno feito urna
completa reforma no seu estabeleeimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de. joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
praca, e por presos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciossas.
EWPRESTIMO SOBSEi
j<

(SEM LIMITE.)
Ni travcssa da
das Cmzcs n, 2,
tu
n, 2, pri-
8 meiro andar, da-se qnal-
fi quer quanlia sobre ouro, g
prala c podras preciosas.
O dono deste estabeleeimento, i
| competentemente autorizado pelo fe
m governo, est as eondices de ga- |j
ranlir a transacejo que se izer em |
|| sua casa, prometiendo lodo e zeta
gg c considernc3o as pessoas que .se j
j|| dignarem de honra-lo cmseu esta-S
j| belecimento.
Na niesina casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
Um bom profesPii- frasees toseja encam
par-so d Poder;i taniboni rncarregar-se de ensinar ::< ''
phia, mathematicas, pliysica e latim : podo ser
procurado a ra Nova n. 2", ph;rmacia do Sr.
Man rer. ________-_________
Precisa-se de urna ama (|ue tenha bastante
loite : na na do Pilar n. 120, segundo andar..
Prccisa-se de um eiixeiro com pratca d"
taberna de 16 a 18 anuos : do pate da Iliueira n.
13.____________________________________
O cirorgiao Jos.'- Antonio Marques aiudon
sua residencia para a ra de Apollo n. 33, primei-
! ro andar. __________
Precisa-se na ra da Cruz n_33 de tuna ama
para cozinhar em casa de pouca familia, da-se
preferencia a eserava.
Precisa-se alagar
para o servico de casa
brica n. 6.
ora preto de meia idade
na praca da Hoa-Vista,
O Di. JOO Al.tllKDO CORRKIA DE Oli-
ve nu, nao podendo despedir-se pessoal-
menle de todas as pessoas que o lionram
com sua amisade, o faz por este meio, Of-
fcrecendo-llies o seu limitado presumo na [
i-rte do imperio para onde segu tomar;
assento na cmara temporaria.
Eesposta.
..Antonio do liego Medoiros,
lhados, junio fuadlcl i do Santo Amaro, re-pon-
de a moilna que Ihe foi botada no Diario de-sab-
bado 10 do crrente :
Saiba_ o publico que em 29 de noveinhro do anno
de l8ti), amareccu em minlia casa o Sr. Francis-
co de Agujar Mello, dizendo-mo que era meu pri-
mo, e como tal o reconlieci. dizendo-mo lainbeni
que ebegra nesse mesmo da de Portugal, e que
Unlia ido alli ier por intermedio do milito digno
comnicndad..r o Sr. jnfi, d Reg Lima.
A vista do ne, oflerect-me nimba casa at que
se arrumasse, e Ine emprestei I00J para o p
monto de sua passagem. O dito meu primo oTs-
se-me que desejava seguir a earreira commerrial,
a viste do que ihe diste que estires*! no balco
para ir praticando ate rae se arrumasso. Passa-
ram-se seis meces, e ate entao nao me linha -ido
possivel acbar arruuiacao, avista do ijue, warquei-
Ine um ordenado de 1003, ao menos para suas
despeas particulares, nao obstante eu nao precisar
de seos sorvicoe, porque tinba caixeiro. O meu
primo so estove em minlia casa com este ordena-
do um me/, e vinto e seis di:s, porque eu niosniu
0 arrnmei em casa do Sr. Luiz Moreira da Silva,
donde salii-, por espaco de algui- tempo, sem
que me dessea menor sa-f-oao. e lem estadoOm
diversas arrumceos, sem que comtgo eoncordasse
1 oosa alguma. Foi no da 1" do frrente que em
nimba casa appareeeu o dito meu primo pan fa-
zennos contas, o que realisou, papando-ine o res-
lauto que me era novador dos 100-5 que eu llie
havia emprestado para o pagamento de sua pas-
sagem.
E entao a mifina em compensacao ou juros do
meu dinheirq de-do o anuo de I8ti0 a 1869 ?....
_Faca o publico jo-ira, j que o mea primo a
Dio sabe fazer; poder elle, ou fnimigo meu em
seu lime, fazer o que entender, porque eu teuho
i i inte con ciencia dos meus actos.
Precisa-se de ama ama de bons costumes,
que saiha bem engommar e cozinhar : na ra do
Imperador n. 63, 2 andar.
Acha-sc fgida a preta llosa, de naeao Angi-
ca, de idade de '0 amos mais ou menos, alta, de
olhos grandes, com alguns t illi is no rosto, e falla
denles; quem a apprenender, queira leva-la a ra
do Imperador primeiro andar n. 73, onde ser
gratifica lo.
Os abaixos assignados previnem quem quer
que comprar em Icilao ou em particular a arma-
cao c utensilios da venda sita no pateo do Ten;o
n. 30, pe (encent aos Srs. Brito & Irmao, que a
mesma armacao e uiensilios se acham obrigados
ao pagamento" das qtiantias de 39li0 e.'t7C00 rs.
que os mesmos Sis. esto devendo aos annnn-
cianles. e para que nao baja duvida fazeni o pre-
sente annuncio.
itanorl Pedro de Soronhn,
Henrlqe du SUca Mari.
1
Joaquim Pires Machado Portella nao jiodendo
idir-se de lodos o- sen) amigos, o faz pelo
ante de mo- presente, pedindo-llns deseulpa des.ja falta, c suas
ordens para o Hio de Janeiro.
Qfferece-se um moco para eaixeiru de taber-
na, "u mesmo para lomar coia por balanco, o
qnal da cnnlicciiinlito de su:, conducta : na ra
do Rngcl n. 73, se dir quem .
l'rccisa-se de urna ama ,para casa de duas
pesson : na ra da Unio n.;,3
Precisa-se de urna ama para cozinhar c
comprar : na ruado Senbor li.mi Jess das Criou-
las n, 41. ______'
Aluga-se urna eserava para o servico de ca-
sa : no pateo do Te'rco n. 31, primeiro andar.
.Precisa-sed: um menino para caixeiro, pre-
ferindo-M' dos ltimos ebegados da Europa : no
pateo do Garn o n. 9.
Precisa-se do um caixeiro para padaria : na
ra Real casa n 29 (do Manguinho.)
Ama
Precisa-se de urna ama para todo o servico de
duas pessoas : na ra da Iniperatriz n. 39, segun-
do andar.
Com mutto mnior uantagem
Compra o Cora cao de Ouro, n. 2 D, ra do Cabu-
', moed is de ouro e prata e podras preciosas.
Compra-se moedas de ouro e prala^ bem
como libras sterlinas por maior preco que
em outra parte, na ra do Crespo n. 1(5
T, andar.
Ouro
em moda e em obras
bom preco : na praeS da Independencia n. 22.
e prata
inuiiiisadas, compra-se por
Na praca da Independencia n. 33, loja deou-
rives, comija-se ouro, prata, e podras preciosas,c
tambem seTiz qualquer obra de encommenda, e
todo e qualquer concert.
0 muzco de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por precos mais vantajosos do
que em outra qualquer paite.
FASTNJAfASSl'CAMBlS
DO
DB. PATERSON
ne hlsmuh c Magaezia.
Remedio por excelleticia para combata
a magreza, facilitar a digestao, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia deBartboioriead C.
34Ra larga do Rosario----- Cera de carnauba
Vende-se na ra do Queimado n. 13, prmeire
andar.
Me i as el asi i fas As memores e excellentes mcias c! li-
cas de borracha contra varizese erysipeilas.
Venda-tt na
Pharmacia e drogsria de
Rartliolomeu A C
____34na larpadn Rosario34
t.v.ott%.
LIMA, LESSA & C. .
li-m ha ni
() rcspeitavel publico encontrar n:sta officina habis meslres e bem ccsihecidos
na ail. alliancando-se o melhor desempenio conformo o gosto e vontade do freguez.
assitu cunto a maior pontualidade na entrega das obras; recebemos de Paris, por todos
varias oiic'imniendas de casimiras modernas e outros artigos proprios para bomens;
temos graude deposito de roupas feitas de toda a qualidade, como sejam: camisas
francezas, inglezas. chapeos de sol de seda trancada, o que lia de melhor, grande
sortimento de moias, colarinhos, punhos e grande novidade em grvalas modernas, e
ftnakneate completo sortimento de fazendas finas e roupas feitas, sendo os prefos os
giais btalos possiveis.
Pede-se por caridadea quem souberquei
diga por este jornal onde poderla ser en|
contrado os Srs. Joo Rodrigues da Silva:
Duar4e, |(filho do Sr. Joaquim Rodrigues
LUiarte), e Dr. Francisco Jos de edeiros,
da firma social, Duarte A Medeiros, com
escriptorio na ra do Vicario n. 17. e como
quer que esse escriptorio se ache foixado
ha muitos dias, e esses senhOres n5o sejo
encontrados nesta cidade, e nem em suas
casas, c nem se sabe noticias suas (soasa
O advocado Dr. Matiocl doJfasdmento
' lacbado Portella, tend > de lepar tempo-
iramente o sen ojeriptorio de advopa-
13j cia. ciicarrepou de lod is "-seus negocios
forenses ao bacbarcl Adolpho Lamenba
X l.ius com quem se podero entender os
i?1] seos clienles, no mesmo escriptorio ra
jSK do Imperador n. 83 l. andar.
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
i
Compra-se moedas de ouro c prata e
bem como libras sterlinas, na rea do Ca-
bug n. 9, relojoaria.
Compra-se nina eserava que saiba cozinbar,
engommar bem e que tcnba boa conducta : na
ra do Crespo n. 23.
Jornaes para embru-
lho.
Compram-se na fabrica vapor de. cigarros : na
nntijM ra do Quartel de Polica n. 21.
DR
TRIXEMA FHRDEHICO a C.
Acaba de chegar a este mercado urna porco
rara em negociantes) faz-se o prezente por- deste eptimo rape, nico que pode supprir a falta
que podem ter morrido affogados na grande do prinee de Lisboa por ser de agradavel perfil-.
cheia nne nnve no csnilnrihe e mier-se rao- h f''l,,ri(-ad" pelo sjstema do Area Preta,
Liitiaqilt Oli\c no CdpiiiJriot, c qu..i ht i porOm tein sobre este a vantagem de ser viajado,
mandar dizer algumas missas pelas almas ,,ue ])ai.a Pste aI.tig0 e lima espeeialidade. .as
delles. Candoso. [pra;s da Babia, do Itio de Janeiro e outras do
imperio tern o Rap Popular sido asss accolbido,
e provavelmcnte aqu tambem n seri, logo (pie
seja conbecido e apreciado. Acha-se a venda
por preco commodo, e para quem comprar de 30
libras para cima, far-se-lia um descont de 6 0/0,
e de 500 libras para cima o de 8 0/0 : m escrip-
torio de Joaquim Jos Gonealves Bel trun, rna do
r.'Miimereio n. 17.
RliA LARGA O ROSARIO N. 37
Este aci editado estabeleeimento augmenta
de da om da quanto possivel para ebe-
gW ao cmne do bem viver.
Alm dos saborosos manjares jonfeccio-
nados eom o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de huspedageru, tanto tara una su
pessoa, como para numerosa familia.
A agna, M^Masavei elemento para a
vida c hygiene, temo-la sempre cm abun-
dancia pura facilitar excellentes banhos.
ll.i tambem urna boa bibliotheca e peri-
dicos uaeiooaes e esti'angeiros, piano para
ii'crclo, buhares, etc. etc.
Sendo oosa qualquer recommendaco
CnVULTElUA E PETIT RESTAURAN!
Annexos ao Hoiel Central, ra estreita <
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infinit.
de charutos de llavana, Bahia, Rio, etc. qu<
existem neste novo estabeleeimento pres
eindiinos dos annuncios pomposos que ge
ramente se fazem, reduzindo-nos apenas;
tres letras que sao tres bbb bom, bonito <
barato. A' vista do genero annunciado po
de-se julgar de nossa veracidade. Estacas:
gosa tambem -das condicOes de um eleganb
e petit restaurant onde se pode ver a es
pecialidade dos fiambres e salames de Lioi
para lanches e at fazer urna boa colado
.Joaquim Coelbo Cintra, tendo visto
um edital no Jornal do fncife de hontem
pelo qual citado pelo juizo municipal da
2a. vara seu filbo o bacharel Guilhermc
Cordeiro Coelho Cintra, a reqoerimento de
Francisco Barreiro Rangel, como ausente
em lugar incerto e n5o sabido, apressa-se
em declarar que o dito seu lilho juiz de
direito e se acba presentemente na corte
do Rio de Janeiro, tendo vindo a trez
mezes da eampanha do Paraguay, onde |
servio j como auditor, e j como membro
da junta militar, o que publico e noto-
rio n'esta cidade para onde escreve cons-
tantemente, nao podendo por tanto vigorar
aquella citacio.Reci e 15 de abril de 1KG9.
Ama.
Aluga-se urna ama de leite, sendo eserava, para
criar qualquer crianca, na cidade ou mesmo nos
arrabaldes : quem precisar dirija-so a na daCa-
deia do Meeife n. 'J.
I
5
para to arredilado estabeleeimento, omit- juntamente com os principaes vinhos di
limos uiiis prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bem a pur;
ni, que o bom servido, arden e moralida- e fervente champagne, o mui saboroso Rhe
de imperan n'esta casa, como observancia no, a primorosa ceneja, o licor espirituoso
de
lie
do i-egulamento que possuc.
Comedorias a la caite.
o quanto pede urna mesa. Faz-se nouti
sorvete e variedade de refrescos.
PREVENCAO
Perdeu-se urna letra da quantia de 5:193052S
aceita pelo Sr. Vicente Elias Ca valan-
te de Albuquerqui.', senbor do engenta Mi-
nas Novas, a qual nao tem sacador, pede-
se a quem por ventura a lenha adiado leva-
la a ra do Cabug n. 7, porque se gratifi-
car, adverte-se que lauto a reparlit;ao do
sello como o aceeitante, es!fu) prevenidos
para que a referida letra em qualquer tem-
po nao tetina effeito nenhum.
Recife i de abril de IHG9.
Joaquim Rodrigues Duarte.
Pede-se ao Sr. Manoel da Cosa Pere-a,
platicante da reparlicao das obras publicas,
ora em Jaboatao; que eompareca a ra
Augusta sobrado n. l, atim de saldar o
seu debito ou pagar o que poder, e isto
com brevidade.
Lustre
Compra se um lustre de crysal para 18 velas,
com lanternas: nesta tvpngrapbia.
Compram-se dote acedes da companbia Per-
nambucana de navegacao costeira a vapor, das pri-
meiras emittidas :. a tratar na ra da Cadeia n.
44, loja de ferragens.
Alegrai-vos myopes, e prsbitas, ja po-
dis ver de longe, j podis ver de perto
nao ha mais vistas curias, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de recebe/ pelo
ultimo vapor um rico e variado soriimcnU'
de oculos, lunetas, pin cenez, facc--main.
lorgnons de ouro, prata, tartaruga, marfim.
ago, bfalo, ncar, unicornio c melchior;
assim como binculos de urna a tres mu-
dangas para theatro, campo e marinha da
rultima nveco; duquezas, vienezas, de 6.
08 c 12 vidns, ludo dos mentores fabrican-
tes da Europa.
O mesmo vapoi trou-
xe nina excelleote ma-
china para graduar (-
observar o numero dos
vlros que se necessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes sterioscopos, instrumen-
tos de natbematicaj barmetros, vidros de
chrystal de rocha, e decores para resguar-
dar a vista ; concerta todos os objectos a
pregos commodos e com promptidao ; tia
o mofo dos Aidros c encarrega-se de toda
encommenda relativa a ptica.
Recebeu tambem os excellentes relogios
do antigo e afamado fabricante Bobcr (krik
&-C, os quacs vende 4precos commodo
garantindo a sua superior qualidade.
Olterece-se um rajaz para caixeiro de ar-
mazem de aplicar, com pratica : quem precisar
dirija-sc raa, da Guia n. 42, I" andar.________
Oterece-se urna mulber na ra da Gloria i>.
0, para cotinliar, lavar c engommar particular-
mente.
ULL
Precisa se de duas amas, sendo urna para com-
prar e conhar, e outra para engommar,
ou cscravas : na ra Nova, loja n. II.
fjrras
Ainda restan algumas collec.;oes de
Riographias de alguns poetas, e outros bo-
mens Ilustres da provincia de Peruambuco,
tres tomos escripias pelo commendador A.
J. de Mello : ra Augusta n. 94.
0
E JOIAS
GOMES DE MATTOS IRMAOS
tendo feito completa mudanpa em seu antigo e
acreditado estabeleeimento de joias, com ofimde
dar-lhe maiores proporcoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
omle encontrarao um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novo gostos, assim como grande variedade de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto ainda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso das igrejas,
Compram e trocam qualquer joia-ou pedra preciosa e garantem
a qualidade dos objectos vendidos.
0 MUSEO DE. JSIAS
Olerece-se urna ama portogaeza para casa
de hoiiiem solteiro: a tratar na rna do Senbor
Bom Jess das Crioulas n. 4.________________pa como do paiz,
Fngiram na noile de 8 para ft do eorrento
do engenhoRola freguezia da Kscada. os escravos
Tranquilino e Silvestre os quacs teni os signaes
seguintcs : Tranquilino, mulato, idade de 20 an-
nos p<>ueo mais ou menos, baixo. jfrosso, com o
dedo pollegar de urna das maos aleijado, ps gran-
des e largos ; Silvestre, preto, boa figura, secco
lo corpo, pernas finas, pos descarnados c quando
falla mostra os dentes como quem n : quem os
capturar leve-os a Manoel Antonio Dias em o re-
ferido engenho Hola estaeao Frexciras on a Al-
bino Jo-c Ferrelra da Cuha largo de S." Pedro n.
17, que ser bem gratificado.________
VENDAS.________
No armazem de Henrique & Azevedo
ra da Cadeia n. 34, lia para vender vi-
nhos puros, das marcas setraintes '
EM ANCORETAS
Collares.
Alcobaca.
Tiiii* f llis
KM CAIXAS ENGARRAFADO.
Alcobaya.
Bastos.
Uranco fino (de Torres Novas).
Uucellas.
Carcavellos.
Porto, branco e tinto.
Moscatel de Setubal.
PILULApTIF
XABOPE
DE
JRUBEBA
PREPARADOS
PELO
PHARMACEUTICO
Joaquim d'.tlmeid Plato.
As preparacoes de Jurubeba, s5o hoje
ventajosamente conhecidas e preconisadas
pelos mais habis mdicos, tanto da Euro-
pela sua eflieacia nos
casos de anemia, chloroze, hydropesia.
obstruc?o do abdomen, e tambem nos de
menstruacaodifficil, catliarro na hexiga, etc.
Vendem-se em porejio e a retalho na ci-
dade do Recife, pharmaca do seu composi
tor, ra larga do Rosario n. 10, junto ao
quartel de polica.
um s m
Ra do Queimado n, 49 loja di
miudtzas de Jos de Azevta*
Mam e Stlxa conhedofO) Jost
Bigodinho.
Est queiniando os objeclos abahu i
pelo diminuto proco, a saber :
Frascos com agua de Colonia verdadera a i
Garrafas com agua Flu ida verdad, ira, qm se ;
rante a U200.
Pentes para regarar cabello de meninas a 3S0 rs.
Thesouras mui'to finas pan nabas e costeras i
500 rs.
Tiuteiros cheios de tinta muito preta a 80, 100, lX
o 400 rs.
Varas de franja branca de Hubo para Usinas a
160 rs.
Caas de phosphoros de segnranca a 20. 40 *
UJO rs.
Xavalhas de cabo di marhm c que se garante a
qualidade a 2/.
Libra de lia para bordar a 7.
Penas de lita branca elstica muito superior a 80l.
e 300 rs.
Novellos de linha branca com 400 jardas'a 00 rs
Resmas de papel de peso liso muito lino a 2o00
Latas com superior bauba a 200 e 400 rs.
sCaixasom seis frascos de cheiro muito fino a
o 800 r
Caixas com doze frascos, fazenda s boa a 1200
e 24500.
Frascos com superior oleo Alocme a 500 rs.
Calungas de sabao transparent muito bonito c fi-
no a 240 rs. '
Duzia de naos de pomada do Reino, da melhor
qualidade a 240 rs.
Pecas de tiras bordadas muito finas a 500,600 e
moade

Gaspar Antonio Vieira (iuimaraes, na quali
de teslamenteiro e amigo do fallecido Joao Vignes,
convida aos seus amigos o do finado a assistirem
ao olTlcio do corpo presante que teni de se cele-
brar hoje pelas nove horas da manfa na igreja
do Espirito Santo do Collegio.
Recife. H do abril de 1809.______________
mmmammmmmmmmmmm
l'recisa-se de urna ama que cozinhe com per-
feicao : na ra do Viga rio n. 5, teiyeiro andar.
Jo5o Xavier Rilicira.de Andrade Jnior,
Candido Thomaz^Pereira Dntra, Viva de
Jess Mesquita Duira, Izabel Mara Pessoa
Dutra, Antonio Lino Pereira Dutra, Luiz
Leonillo Pereira Dutra, Leopoldida Aman-
cia DutraeIzabel Emilia Dutra, maii lo, pais,
tia e manos, da fallecida >jaria Argomira
Dutra de Andrade, agradecem summamente
as pessoas que se dignaram acompanbarem
ao cemiterio publico, o fretro de sua, mu-
lber, filha, sobrinha e irmo ; c rogam en-
carecidamente as mesmas pessoas ea todas
as mais de sua amizade, o piedoso obse-
quio de assistirem a missa do stimo dia,
que se ha de celebrar na sexta-feira 16 do
corrente, as 6 horas da manhaa na igreja
Josefina Benvinda da Cunba Souto-
Maior, autorisada pela directora geral da
nstruccSo publica desta provincia, a lenai-
nar o sexo feminino; faz sciente ao pubbco
que em virtude da autorisac5o, prope-se
a ensinar nao s primeiras lettraV co^10
tambem a grammatica portugueza, bardar,
labryntho, trabalbos de lata, flor de cera
etc, para o que tem aberto a sua anta na
casa de sua residencia, ra da Impratm
pumero 63 primeiro andar, onde po
ser procurada.
Scbonete de ctlcatrdo.

DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que t5o boa
acceitacao tem merecido n'esta provincia
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas a*
molestias de pelle.
Deposito nico,
Phaimacia de Bartholomeu & C,
34ra larga do Rosario34.
Un i jos do .ser to
Vende-se superior queijo fresco do sertao : na
rua da Madre de Dos n. .______________
Vende-se um sitio margem da estrada de
Jaboatao, no lugar de Tygipi, com urna grande
casa de tijolo, e baixa de capim, com diversos ar-
voredos, e qm cercado para animaes : qu.mi pre-
tender dirija-se s Gineo Pontas n. 71, taberna.
Vende-se urna armacao de taberna com pe"
sos, medidas, canteiros, ene a menlo a,gaz e es
eriptono, propria para qualquer principante : no
Saleo do Terco n. 30 : a tratar na rua Imperial n.
01, reliuacao.___________________________
Vende-se urna eserava boa cosinheira,
sem vicios, na Camba do Carino nume-
ro 22.
. rs.
Ditas de babadinhos com dez varas a 600 rs.
Carriteis de linha de todas as cores, para acabar
a20rs.
Garrafas com agua divina a 14500.
Frascos com superior macaca perula a 320 rs
Caixas de vidro com doze didaes, que s a caii
vale dinheiro a 200 rs.
Ditas de madeira com altinetes, o qhc ba de mo-
lhor a 3S0 rs.
Grosas de botoes de louca, lisos e bordauos a
160 rs.
Cates redondas para rap emittando tartaruga i
Pecas de fita para eos da melhor qualidade ;
500 rs.
Escovas para limpar dentes, fazenda que so a vis-
to a 240 rs.
Ditu para limpar unhas e superior qualidade i
S00 rs._______________________;________,
XAROPE PEIRORAL
RABO DE TAT'
PLANTA DO BRAZIL.
E' expectorante e recommendado as
affeces do peito, bronchite curonica be-
moplise, fi tosse chrocica.
PREPARADO
POR
Joaquim de Aroeida Pinto
i* 11 a it ni c as t; r ic 'O
Pernambuco rua lardo aa
Rosario n. 10.
A DINHEIRO OC A PRASO
Vende-se urna loja de fazendas inglezas, na
rua da Imperatrz n. 28.
O abaixo assignado prompo neste mez a reti-
rarse para Europa, vende seu estabeleeimento de
(azndas : e aproroita a occasiao de declarar que
t esta data nada deve. Recife 14 de abril
Julio Cesar Pinto de Oliveira.
E Veode-se a casa terrea de podra e cal sita
na cidade de Olinda, rua do Cabral n. 10, por
preso commodo : a tratar com Braga Gomes & C,
i rua da Cruz o. 36. ____________________
Saia* modernas
' Elegantes e modernissimas saias di) lia, acaba
COGNAC.
De superior qualidade da mui accredita-
da fabrica de Hisquit Dubouch &C, u
cognac unw das que mais agurdente de
cognac, fornecem para o consummo do
Reino da Inglaterra.
Vnde-se em casa do Th. Jnst, rua
pommercio n. 32.
do
Luvas duqueza
i A nova Esperanca rua do Qaeiinado n. 21 aca-
ba de receher por este' ultimo vapor luvas do ou-
vin, '*oqneu, brancas, pretese de cores Pr>
bornease ssnberas ; a enas, antes que se ara)'
VEME-SE
de receber a loja
Quim*3 & 3 *'
. Por 6001000 urna crioullnha f ww, do mai.f>
de A. M. Ilolim A C, rua, do boa moral esaude : na rua da Imperatru, R^


^


Diario
Peina iri]
Quinta feira 15 de Abril de 1869.
i

Lindos cortes de cassa de cor cora barra.e com figurino indicando o molde do vesti-
do pelo baralissimo preco de 3 $300 o corte
Ditos de percalia mnito modernos com duas safas a 5-5000 rcis
Na luja das Columnas da ra do Crespo n. \- Je Antonio Correa de Vascon-
HosAC.
-.__;.
Grande liquidadlo de iniudezas !
Alfonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em soa
o i i ma do Queimado n. 55, resolveu annunciar as mesmas miudezas, para que o pu-
blico se certifique do diminuto prego porque as est vendendo, a saber:
i com agulha franceza a
Caizas com 100 enveloppes a.
pagas de buhados e entre-meios
a 500, 800, 700, 800 e. .
Pecas debuta de coz com 10 va-
ras a........
Linlia de marca, caixa com 10
novedosa ......
Coques muito finos com rede, s
a rede val......
Frascos com santos muito finos
a .'.....
Latas com banha (familia), a
IGOe........
Carfifo com alfinetes a .
Copo com opiata muito fino a
400 e.......
Cutas francezas a 200 o .
D(las portuguezas a 120 e .
Ca xa de linlia do gaz branca 50
novellos a......
.Frasco com tinta a 100 e .
os com' banha a 320 e. .
frascos com agua de Colonia
'iver a........
Pentes de travessa para cabello
de meninas, s a vista faz
f, a........
Lita para bordar, libra. .
Novello de linlia grande com
400 jardas, S a vista faz
f a........
Pares de liga de borracha para
pernas de senhora, muito
boas a ........
Franja branca para toalha vara
a.......
ALTAS NOVIDADES
LOJA 00 PASSO
Ra do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador.
160 Resma de papel almaco, muito
500 boa fazenda, com 85 cader-
dos a........ _2#800 700
14000 Caixa com papel amisade a .
Jogo de vispra a..... 400
500 Sapatinhos de laa para meninos
320
240 Peras do tranca e caracol a Sabonetes de todas as qualida- 40
1,5500 des a 80. 100 e Frascos com oleo babosa a 200
15200 600
Piaceis para barba a. . 200
320
100 Frascos com agua de Colonia a
1 320. 400 e...... 500
500 Pentes com costas de metal . 320
240 Carteira de marroquim a . 400
160 Pentes pretos para tirar piolhos 200
i Escovas para cabello a 400,
600
160 Garrafa com agua divina a. . 500
400 Grvalas de seda de cor a . 320
1 Ditas pretas a 400 c . 500
i 000 Botos de louca para camisas, a 160
Garrafa de tinta roxa a. . 800
\ Lencos brancos para mos
320 a ...... 240
6#800 Par de suspensorios para ho-
200
0 Espemo de toucador a 60 Frasco com cheiro muito fino 2500

1 a......... 1,5000
i Bandeja para copos a . 400
60 Metas cruas para homens, boa
| fazendaa 35, 3600, 4 e. . 4500
200 Abotoaduras para colletes a . 320
PARA CASAMENTOS, BAILES, THEA-
TROS, etc. etc.
Lindos cortes do blond, contendo setim,
mantas e grinaldas.
Requissimos cortes de sedas assim como
para covados.
Gurguro bjanco.
Moireantique branco azul e verde.
Gros-de-naplcs brancos e de cores.
Setim branco macau.
Setim, branco, azul, verde, cor de rosa
e amarellos.
Fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas saias.
Chales de gurguro de seda de cores.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho bordadas com primor.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Riquissimas colchas de damasco.de seda,
assim como de seda e algodao.
Ditas.de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores,
Chapclinas de palha da Italia, assim
oemo de seda.
Enfeites para cabeca de senhora.
Espartilhos para senhoras.
Meias de laia para padre.
Ditas de 15a
Ditas de seda fio da Escossia e algod>.
para senhoras c meninas.
Lencos de labyrintho.
Fronhas de labyrintho.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas cambraias de cores, percales
I5as, e outros muitos
de alta novidade, isto s
artigos
de gosto e
Na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.
ipprotat&o
i tcadmi
iimdicint
di PtrU.
iwPOS
gSaSrMASS
PWmaouMca
Jaura i*
i* medecint.
o ihmm Vesctal Americano, espectidailc de Bartholomeu & t
34RA LARGADO ROSARIO34
Nao costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e de.
xamos que sua applicaco c os resultados obtidos pelas pesaos que se dignaram acceiU
los, lhes eem crdito e voga; porque sao sempre os attestados. considerados gratuito*
e delles que lancamu o charlatanismo; mas, nao quorendo offender as pessoas qiv
espontneamente nos oifereceram os que abaixo v3o transcriptos, os fazemos publica
rmuifesUido-lhes nossa gratido pela attenco, espesando que venluuu ellos corrobora1
o coaceito, e aeccitago que tcm merecido nosso xarop^e,
harlhohmcu & C.
As preparares ferruginosas liquidas tem desde muitos anaos merecido a approvaeSe
especial dos mdicos, porque ellas obrSo mais rpido e seguramente do que as pillas, c
sao mais fcilmente toleradas pelos doentcs. Os Pos ferro-manganicos possuem a inappra-
ciavel vantagem de poder offerecer n'um instante urna agua ferruginosa gazeosa, de gosto
agradavel, mais activa do que as aguas mineracs, e contendo de mais um elemento precioso,
o Manganese, que sempre se acba no sangue, junctamente com o ferro. Emprego-se em
todas as molestias que tem por causa o empobrecimento do sangue, assim como para vigorar
os temperamentos debis e 1 ymphaticos. A ehlorose, as ferial brancas, dret d'estomago,
a irregularidade da menstruaf&o e amenorrha ou suppressSo do menstruo, ceden rpida-
mente a seu em prego. De vemos mencionar aqu um faci nota ve!, isto que edoentes cura-
dos pela agua preparada com estes pos esto muito menos expostos a reeaidas do q*a> |
aquelles que forao tratados pelas preparacSes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, tm casa de W o*.
CATARRHOS
PASTILHAS PE1T0RAES
DE sueco deALFACE
IRRITACOES
E LOURO GEREJO
Por isto ten adquirido rv
asoaselho costra
E' este o mais novo e delicioso confeito at agora conhecido. _
pidamente a popularidad* de que goza. Os mdicos os mais disinctos o
as totset, defluxos, caarrkot, tosses convuhat, caUrrhot epidmcos, irritafSe do peito. Com
grande empenho o procurSo as mes de familia, assim para ellas como para as enancas, pois
primeiro que ludo inofensivo, e as suas propriedades adocaotes nao deixio nada a desejar.
Deposito em Pernambuco*era casa de afaoar O".
w&fs&frttz&fctr- <2^^0P0!& '
subida snsforo que decan
soffrendo ha das d<
ATTESTADOS
lllms. Srs. Bartholomeu 4 C.- com a mais
urna efficacia extraordinaria, pois que
1 speito nicsmo de medicamento.'
i acho hoje res
resultado man
obrigado.W>
aoe Antonio Vegas Jnior.
&~ l|2t Actftnl.on.dUsimo com o favor que me fizeran
i. nronseln? oS doxaropc Vegetal Americano, de sua composir>, qnando me acba
n2*toM* S55fc. queme torno* completamente joiu e qo.
tm II urna S tosse, e me impossibilitou de compr os meus clevc.es de cantor .
i ezXiea vou ag adecer-lhes mea completo restabelecimento, que obt.ve com un
i'v S d mesmo xaVope, depois de baver recorrido a mmlos ,Juntos. ^fcwgre
,up nntm romo eu recorram ao seu jarope para se \erem all mados oe uo terree
2S7AS* Cora mSr consid,-ra,o c,nl,no a ser de Vv. Si
attento, venerador e obligado.Luiz Cromona.
Rorife. 23 de setembro de 1808. ... ,. c ,
Ims Srs. Bartholomeu A C.-O xarope Vegetal Americano que y. Si. toa
p-notto lfSiTdetoS eflicacia para o curativo d'astbma, conforme observej app
'mdo o a m^ fho Joaquim, meno de quatro annos; victima d'csse NdMP*
; nn esnaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de gra..d
n meada Oucam poV Vv. Ss. acceitar a expresso altamente sincera de meu rece
SSnttoTSto^'unta quelhe prestaram com o indicado xarope acreditar
do-para sempre de Vv. Ss. criado, attento o obrigado-Americo Nctto de Mendqpca
Recife, 2 deoutubi'O de 1868.
VERDADEIRAS
PILULAS de BUNCARD
COI IODURETO DO FERRO HIALTRAVC4
'APPROVADAS PEA ACADEMIA DE MEDICINA. DI PARS, ETC.
' Potsnlndo as propriedades do ledo et do farro, eonvem aspcialmente bu Amtccois
iscrofulosas, Tsica no principio, a fraawxa d temperatnmto tambera dos casos ds
Falta db cor, amenorrha, em que precisareaoir sorri o sangue seja para restituir
Iba a sua riqueza e abundancia Bormaes, ou para provocar r^ular o seu curco peridico.
N. B. O iodnrete d* ferro impar* on alterado i am adicamanta infiel,
irritante. Como prora de pnreu de anthencidade das m<*! M-
lula* do Blaneard, dere-se exigir nosso aelto nosso Orma, aui reprodaxida, que se acba na parle iniarioi da asa
ratnla arde. Deve-M desconfiar dai (alfificacoi.
.irhem-e rm toda, a ahanarei. PharmaeeMMt rua Manofart, 40, Paritu
TASSOIRMAOS
Tem para vender em seus armazens, alm de o-
tros, os seguintcs artigos :
Papel para imprimir.
Perlina aznl.
Greve paulado e liso.
Yiiilios em caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Herv.
Maueira.
Hermitage.
Chamblis.
Licor de curaco de Hollanda em caixa devin-
to e quatro botijinhas.
GESSO,
Nos armazens de Tassolrmaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiraaetc.
Nos armazen* de Tasso Irmo
< % II It I \ ICOS ms FKRRO
Para trricos de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou caixes de nm para entro, lado pelo
mdico prego de i25000cada um.
Fariiiha de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortimentodas mclhores- mareas de
farinlias americanas.
Saceos de familia de trigo do
Chile
Todas novas, chegadas ltimamente n* arma-
ze8 d Tasso firmaos.
Cemento remano
Nos armazens de Tasso lrmaos.
Cemento- hyclraaico 12^
Omelhnr para twdo que sac- obras para agaa> re-
mo assentamento de canos de esf oto, algerozes, de-
posito, tanques d'agua, etc., etc.: em porrcVs" de
cineoento barricas se far reduo^aono prego : nos
armazens d Tassolrmaos.
Cemento Poftiand
0-verdadeiro cemento Portlanciem casa de Tasso
lrmaos.
Orades de ferro, cercas, por-
teiras, etc.r etc.
D diflerentes qoahdades pa?a cerrados de ant-
mae*; chiqueiros para galinhaseajarfins: nos-3F>-
mazw de Tasso Btuios.
Barris com bren
>"> arinnzciis de Tasso lrmaos.
CANOS DE BARBO
Narua Nova da-Santa Rita, na anti^a fabrica e
sab?^, ha para vender por pseco o mais moroo
possivel, canos fraaeezes para edificacoes e esgs-
tos ' aqu-tem aiiiiareaklo- pela sua soiidez.
PREgOS.
i 3*00 por cano grande de 3. e meia pollegad.
i..1200 por dito de 2 e tres qupjtos de dita.
11000 por dito da 2 e um qaarto de dita.
;-30 ri9 por fttok-ta de 2 pollegadas.
Cotovellos, curvase canos de maier grossura.a
vstese far o preeo. Compras masores de'2G0
tem 5 por ceto oe desconto-por prompto p^a-
mftato. Pde-3 ver as amostras nos armaie*s
de Tasso lrmaos.
lijlos franoezes
liara ladrilhar casas terreas comasseioe pracos
'iodicos, muito eonvenients-e proprios para ladri-
4hos de cosiobas em sobrados, peto seu ass^io c
evitar a passagem de aguas para o andar :n*'rior
c mesmo o wrigo de fogo, aos precos de 30.^000 a
45OO o mtlbeiro : na rua Nova de Santa Rita, na
antiga-fabrica de sabao, ecompras maiores da 200i
so far 5 por cento de descont por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras nos armazens
de Tass Irinos.
Vetas de esparaaecte verdadeiras para lan-
ternas de carros: no armazenr de Tasso I raaos.
Vnho do Por fino superior: no armazem
ide Tassolrmaos.
O melhor cognac Gauthier Freres 6 no arma-
zem de Tasso lrmaos.
Esteiras da India
OLEO DE HOGG
DD
Figados frescos de bacalMo
Para cura certa de phtisiea, affeccSes escrofu-
losas, tosse chronica, fraqueza dos-memhros e-de-
bilidade gem, recomnienda-se a excelleneia doste
oleo ainda por ser agradavel no paladar.
VENDE-SE
NA
Pharmacia e drogara
DB
BARTHOLOMEU* C. 4
34 = Rua larga do Rosario^ 34
IPHOSPHATOdeFERRO
vN
gg| IdeLEBAS P0T3T0R EM SCIENCIAS.
INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIZ Etc.
Debaixo da forma d'um liquido sem sabor,
anlogo a urna agua mineral, este medica-
mento rune os elementos que constituem
os ossos e o sanpe. E' o mais racional dos
erruginosos; por esta razio o adoptrao
ds mais minentes mdicos do mundo in-
leiro. Conven, muito s meninas de temperamento delicado, cujo desenvolvimento tardo,
senhoras que padecem d'estas dores d estomago mt(Jeraveis, causadas pe' Morse,
anemia menstruaco ou leucorrhfia, s enancas d'uma compleicio pallida e delicada,
todas as nessoas aue tm o sangue empobrecido pelas doencas. Efcac.a, rapidez daccao,
" oerFetta, sem^nsupacao de%entre nem acc.ao sobre os denles, Ues sao as razoes que
imperio para que o senhores mdicos o prescrevio aos seus dpentes,
Deposito em Pernambuco, em casa de MauTw a O.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAD
Remedio por excelleneia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronebites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestias do peito.
vehtine-se
KA
PHARMACIA E DROGARA
DB
Bartholomeu A C.
34RUA LARGA DO ROSARIO34
AO BAZAR DA MODA
Rua Nova n. 50, esquina da rua de S. Amaro.
NOVIDADES
Para senhoras.
COQUES da ultima moda, enfeitados e lisos, gran-
de sorti ment.
CHAPELI.NAS do palha da Italia, guarnecidas com
delicados o elegantes enfeites brancos e de cores
GHAPEUSINHOS e gorras de velludo e de peonas
(alta novidada I) de palha da Italia, a emtiacao,
especial sortimento. '
CINTOS de cores e pretos, rico sortimemo a ulti-
ma moda.
CAMISAS bordadas por -ommodos precos.
LENCOS bordados e con letras, novidade neste
genero V
LEQES a emitaco de marflm, gosto novo e da
sndalo.
QOUNHAS e punhos, a emitaco de gnipure.
ENFEITES pretos e de cores para cabeca, lindos
mol!
GUAHNICAO alta novidade I a Marie Rose, lti-
mamente usada em Pars.
GORPINHOS de guipure brancos e pretos lindos
modelos.
BORNOUS de laa e seda, cores claras, elegante
moda em Paris.
GRINALDAS de flores finas.
ESPARTILHOS superiores.
MEIAS supeiiores de fio de Escocia.
AS de pelica chegadas pelo ultimo vapor.
ADERECOS de coral verdadeiroe camafeo, gosto
delicado.
DE PALHA
Gl'ARNICES para vestidos.
TRANCAS para enfeites de coques.
BTOS lisos e com pingentes para vertidos.
CINTOS alta novidade.
FLORES finas, grande sortimento.
GRINALDAS de ditas para coques.
LAGOS, fivelas, penachos para enfeites.
Para homens.
deli-
CAMISAS com paitos, colarinhos e punhos
nlio fino, lisos e bordados, moda,
COLARINHOS de linho e algdao.
PUNHOS d> ditos.
GRAVATAS de todas as qnalidades.
BOTOS para punhos e guarnieres para coletes.
CORRENTES de plaqu a emitaejio do onro, lin-
do gosto.
CHAffiOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
lidade superior.
CHAPEOS de seda, para sol.
MEIAS de superior qualidade.
BENGALINHAS finase chicotes.
Ll NETAS aro de apo e tarturaga.
Para criancas.
ESTUARIOS completos para baptisados.
PATINHOS de merino e setim enfeitados.
__jIAS de seda e flo do Escocia.
SR APEUSINHOS de palha da Italia.
TCUCAS de fil e setim enfeitadas e de chroch.
Bl ECAS vestidas, muito bonitas e diversos
brinquedos.
Perfumarlas finas.
AGUA FLORIBA verdadeira de tforny A Lan-
man New-York.
stes
SAP
UVA.
TNICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA do E. Coudray e superior agua c
essencia de Colonia.
ESTRATOS e essencias finas e de agradaveis are-
mas para o lenc,o.
VINAGRES aromticos para toilet.
POS DE ARROZ para amaciar a pelle ; em paco-
tos e ricas caixinhas com anninho.
POS superior para limpar os dantos.
COSMETIQUES de fina qualidade.
SVBONETES, grande sortimento deste genero c
de superior qualidade.
LEOS de philocome, babosa e antiqnes.
BANHA fina para os cabellos.
AGUA de flores de laranja.
CREME de sabao para barba.
Caixas preparadas com perfumaras finas.
Miudezas finas.
SUPERIORES fitas de grosdenaples de todas as
cores e larguras de veludo preto e de Ores, e
gurguro para cintos.
BABADINHOS e entremeios bordados.
GUARNICOES de seda de cor para enfeites de
vestidos.
TRANCAS pretas com vidrilhos e pingentes.
BOTES de cores, brancos e pretos com vidrilhos
lisos e com pingantes.
DEDAES de mad. aperla, di marflm, de 650 e
metal.
THESOURAS finas para costn.-a e nnhas.
CAIVETES finos com quatro folhas. E muitos
outros artigos de miudezas que se torna enla-
donho menciona-Ios.
no
GALLO VIGILANTE
Rua do Crespo 11. 9
Os proprietarios deste bem conhecido estabele-
cimento, alm dos muitos objeclos que tinham ex-
postos a apreciaeao do respeitavel pnbtco, man-
daran! vir e acabam do reeefeer pelo ultimo vapor
da Europa o.m completo e variado sortimento de
finas e mui delicadas espefialidades, as quaes es-
to resolvidos a vender, como de seu costume,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores iuvas de pellica, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mni boas e bonitas gollir.has e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqusimos enfeites para caberas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas c de coros com vidri-
lhos e sem cllo3; esta fazenda o quo pode haver
de melhor e mais bonito.
1 Superiores e bonitos leques de madreperola,
marllin, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, 6 estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por tOOO
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205,
alm destas, temos taiubem grando sortimento de
outras qualldades, entre as quaes algumas muito
linas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castSo de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste gonero o que de melhor se
pode desojar ; alm destas temos tambem grando
auanlidade de outras quadades, como sejam, ma-
eira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicofmhos de cadeia e
de outras qualidade?.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labvrintho.
Bons barallios de cartas para voltarete, assim
cmo os teios para o mesmo lim.
Grande e variado sortimento das roelhores per-,
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fuimsta*. ALARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
taeilitam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito reeobedores destes prodigiosos
coliares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aqnel-
les que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
deros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos fregnezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, rua do Crespo n. 7.
Em casa de Tasso lrmaos vende-sa esteiras da
India de divessos padrdes e larguras, por pis$o
eommodo.
Macarthy
Maehtiaas de desearoear algodo.
Hoje .]!< est reeonhecido qno as machinas de
serrote prejudicam c quebram a fibra do algodao,
preciso recorrer a machinismo menos spero,
que preduzindo o mesmo servico que aquellas, e
facilidade no Uabalho, naoquebrem a fibra da laa,
para que essa possa obter-nos mercados europeos,
a dUfercnca que ha entre o algodao descarogado
por aquellas mencionadas machinas, que estao fi-
cando era deuzo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga bolandeira, que nao pode competir
pela roorosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se tornam as mais proprias para o
nosso algodao, porque ao par da facilidade c
A NOVA ESPERANQA
21= Rua do Queimado = 21
E para presentes
A Nova Esperarla, rua do Queimado
n. 21 tem um variado sortimento de objec-
los de gosto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresahindo entre elles ricas caixi-
nhas de bano com finas perfumaras, eos-
tureifs de chagrn, agulheiros de madrea
perola : a9sim, pois, quem quizer fazer um
linda offerta, dirigir-se Nova Esperaba,
rua do Queimado n. 21.
Collares anodinos ellectro-magnet
eos corrfra as convvlges das
crean gas.
Nao resta a menor dtrvida, de que muito-
collares se vendem por ahi intitulados o
[ verdaderos de Royer, e eis porqae muito
Ipais de familias nao creem {eomprando-os)
no effeilo promettido, o que pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperance, porm
qae detesta a falsificacfio principalmente no
qae respeita ao bem estar da bumanidade,
fez urna encomnmida directa desles collares
e girante aos pas de familias, que sao os
verdadeiros de Reyer, que a tantas- crean-
gas tem salvado d' terrivel incommodo de
convurfes, assim pois preciso, que te-
nhant' a-Nova Esperaocaa rua do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para sen
filhinjios, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quanrto ento ser <-
fficil aleancar-se o efferto desejado', embori
sejam empregados os-verdadeiros ceUare
de Royer.
Para extinguir as sardas e
panno
Receben a Nova Esperaba, rua do
Queimado n. 21, leite de rosas, espaciai
para extinguir sardas e panns.
BONECA DE CERA
A Nc*"a Esperanca a-rua do Queimado ft.
21, acal'a de receber um completo sorti-
mento de- finas bonecas de cfa de diver-
sos tamaahos, sendo ae- maiores do com-
primento d'um covado; estas-, bonecas tra-
zem bonitos coques e-botinas, bavendo en-
tre ellas- algumas que- fallam e outras qu
choram de sorte que fcilmente podem ser
preparadas, e fazer-se urpresente de muit>
acceitafao.
Finas-caixas de tartaruga para rap ven-
dem-se a- rua do Queimado n. ?1 na loja
da Nova-Esperanca.
Modernos brincos de sndalo, s se en-r
contraro na Nova. Esperanza a rua do
Queimado n. 21.
MEIA&DE LAA
A Nova- Esperanfaa rua do Qneimado n.
21, ae3ba de recebor um especial sortimen-
to de meias de laa para homem e senhora.
CONTRA A8 GONGESTES
mal terrivel a congestao fulminante:
de repente leva um.individo, d'esta para
mifhor vida, sen dar-lhe tempo de receber
conversa medio; deixande as mais da
veses mulher e Olhos no mais amargurado
presto; a Nova Esperanza que deseja pres-
tar servidos recorreu a Tojcr, o qual Ihft
mandou anneis elctricos magnticos, como
o nico preservativo para semelhanta mal i
elles antes qua se acabem : na Nova Espe-
t^mca*
NAVAEHAS
A Nova Esperanc/a a rua do Queimado
n. 21 recebeu um sortimento de navalhas.
de qualidades, e tamaitos especiaes assin
como afiadores e massas para as mesmas.
Vendem Augusto F. de Oliveira, 4 C. ma de
CommcBcio,n. 42.
promntidao conserva a fibra da laa, que limpa por
ella, c qualificada na Europa a par da melhor bo-
landeira, valendo assim entre 10 arrobas 20 0/Q
mais do que a laa limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
esto adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
dao daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 arrobas 20
0/0 mais do que o nosso : vendem-se a 150*000
nos armazens de Tasso lrmaos.
Oleo de anicndoiis
Em caixas^Le 8 latas, cada caixa 100 libras :
nos armazens de TassoJIrmaos.
Charutos da Havana.
Excellentes charutos dallavana e_por baratissi-
mo preco : em casa do Tasso lrmaos, rua do
Amorim n. 35.
Tudo se vende por presos bastante commod<
Capsulas de Raquim
Os bons effeitos destas capsulas para fazer ces-
sar os gonorrheas acham-se comprovadas pelas
experiencias de mnitos annos.
Os mdicos de todos os paizes as recommendara
pela sua efficacia.
VENDE-SE
MA
Pharmacia e drogara
"de
BARTHOLOMEU & C.
Ru34a larga do Rosario14
RIVAL SEM SEGUNDO
Rua do Queimado n. 49, loja de miudezas de
Jos de Azevedo Maia e Silva, tem para vender os
artigos abaixo declarados, tudo bom barassi-
mo, que sao para acabar.
Duzia de sabonetes muito finos a 700 rs.
Pares desapatos de tapete para homem a 1-5280.
Ditos de tranca parar creanca a 15.
Tramoia do Porto, bordada, a melhor a 200 rs.
Bita do Porto liza, da melhor qualidade a 100, 120,
160e200rs.
Resma do papel almaco, Hzo superior a 3$200.
Dita de papel almaco pautado a 4*.
Livro de mss5es abreviadas a 2.
Cartilhas com toda a doutrina e muitas resas a
320 rs. nan
Silabarios portuguezes com estampas a 320 rs.
Baralhos francezes muito finos a 200 e 210 rs.
Sabao inglez superior qualidade a 500 e 15.
Grvalas pretas e de cores muito finas a 500 rs.
Duzia de meias para senhora, fazenda fina a 4*.
Redes pretas lisas para segurar cabello a 320 rs.
Varas de transa de seda de todas as cores a 600 rs.
Pares de brincos douradfts com maozinha o pe-
drasa320rs. ...
Cartoes com corchetes de duas ordens e sao e a-
tao a 20 rs.
Abotnaduras de vidro para colcte muito unas a
120,240 e 400 rs. t ... _
Pares de botoes dourados para punhos al bors.
Caixas de pennas de ac mnito finas a 240, 320 e
500 rs
CartSes "com duzentas jardas de linha do fabri-
cante Alexandre a 100 rs.
Caixas de pennas de ar-o, a verdadeira penna a
CariSS'do linha Alexandre ns. 70,80, 100 at
200 a 100 rs.
Caixas com superiores obreas de massaa40rs.
Carriteis com duas oitavas de retroz preto a 500 rs
Duzias de agulhas para machinas a 2*.
Libras de pregos francezes de todos 06 tamanhos
Livrosescriptnrados para rol de ronpa a 120 rs.
Caixas com papel amisade muito fino a 700 rs.
Caixas com cem envelopes da melhot qualidade a
Talheres para meninos muito boa fazenda a
*40 rs. ^____
Cemento de Portland.
Vende-se no atmaiem de Vicente Ferreira
Costa & Filho, na.ro da Madre de Dos n. 22,
barris grandes.
Para familias
Grande Bazar, ma Nova ns. 90 e
89, Acaba de chegar a este estabelecimento
grande por^o de machinas para costuras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposicSo de Paris, as quaes cozem com
dous pospontos toda a costura, e tem a
vantagem de ser t5o suave o movimento,
que qualquer crianca de oito annos fcil-
mente trabalha, e pode, com este entrete-
nimento, levar vantagem ao servieo diario
de trinta costureiras. A comprehens3o
simples, pois em um quarto de hora se ti-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar,
franzir, marcar e bordar, como apresentam
os desenhos que acompanham-nas. Os pro-
prietarios do estabelecimento se encarre-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e
garantem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeic5o a machina vendida, nao tendo,
porm, soffrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabelecimento machinas
do autor Grower d- Baker, de trabalho sim-
plesmente mo, e outras com movimento
dos ps; e mxime todos os pertences das
mesmas machinas, para vender avulso.
Tintura japoneza
Instantnea paratingir os cabellos e a
barba, a 1)5000 o frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas*d'este genero.
venda em casa de Gustavo Hervelin n.-
51. rua da Cadeia n. 51.
GAZ GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster &
C, rua do Imperador, um carregamento de gax
de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
e a retalho por menos preco do que em outra qual-
quer parte.
FUNDICAO DOBOWMAN
Una do Iruna u. &9,
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de carina.
Taixos de ferrobatido fundido.
Rodas dentadas, pata moer com agoa,
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para porgar assucar.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro
priospara agricultura. <__________-
Cal de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa chegada ha poneos dias
a tratar na roa da Cruz n. 27,1 andar, scripto;
rio da Ramos & Temporal
f l.
w


t ?
r *
Diario de Periiambuco Quinta feira 15 de Abril de 1869.
!
;

/
'

GRANDE LIQU1DAC0
A DINHIRO NA LOJA E ARMAZEM
O
8HHaiDa aa niaeaBaiiaiiaa. m
. DE
Flix Pereira da Silva, successor, de Gama
& Silva
O proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tem defaiendas, tanto da moda como
de ei, e as pessoas que negociam em pequea escalla, tanto da praca como do matto-
nesta casa podero fazer os seus sortimentos em pequeas e grandes porces, venocn-
do-se-lhes pelos precos que se compram as casas inglesas ; assimcomo as excellentis,
simas familias, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se este estabelecimen-
to aberto constantemente dosde s 6 horas da manhaa s 9 da noute.
O atoalliado do Pavo AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vende-se superior atoalhado de algodo Vondem-se inissimas pecas de cambraias
com 8 palmos de largura, adamascado a lieas transparentes tanto inglezas como suis-
ROUPAS FEITAS
Na loja do Leao da porta larga
DE
PAREDES PORTO.
Ra dalmperatnz n. 52, junto aloja deourives.
N'este estabelecimento se encontrar ra da Impecatriz n. 52, loja do Paredes
sempre um completo sortimento de roupas Porto.
feitas de todas as qualidades. Como se-, Neste estabelecimento encontrar o respei-
jam: paletots de alpaca, de merino, de tavel publico um completo sortimento de
casemira, bombairs de panno pi'cto, fra- fazendas e roupas que, se vende pelos pre-
ques e sobrecasacos de bnns de cores e eos seguintes: '
Ocordeiro previdente| JSSTWIfi E PTISICA
t'ns dicscobi'Eisciiio
,10
v da sua
se rtfas-
pardos.
CAMISAS E S1R0ULAS.
FAZENDAS BRANCAS,
Madapolo de diversas qualidades e pre-
Encontrar sempre o respeitavel publico eos commodos, cambraia de 30500 411500
25200 a vara; dito de linlw fazenda m lito
superior a 31200 a vara ; guardanapos de
linho adamascados a 4-3500 a duzia e milito
finos a S#000, e ditos econmicos a 3#>00
*duzia.
Fastes para vestidos brancos
a40.
Vendem-se os mais modernos fustes bran-
cos flexivers com p*droes de listas e de
salpicos proprios para vestidos e roupas de
menino a 640 rs. o covado, na loja e anna-
zem do Pavo ra da Imperatrizn. 60, de
Flix. Pereira da Silva.
Cirosdcnaples
Chegou para a loja do Pavo pelo ultimo
varpor um grande sortimento dos melbores
grosdenaples pretos e de cores, tendo verde
tambem, que se vendem mais barato que
em outra qualquer parte.
BABADINHOS
Vendem-se fnissimos babadinhos, tiras
bordadas e entremeios, mais baratos do que
em outra qualquer parte, assim como espar-
tilhos dos mais modernos, no armazem de
Fel Pereira da Silva, ra da Imperatriz
n. 60.
ALTA NOVIDADE
A LOJA DO PAVO
Gurgurao de seda
Chegaram pelo ultimo vapor os mais lo-
nitos gurguroes de seda, proprios para ves- "l"
dos, sendo lisos elavradinhos, com muto
austro, garantindo-se que a fazenda mais
linda e de maisphantasia que esteanno tom
ebegado a este mercado, e vende-se por
preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
a. '60, de Flix Pereira da Silva.
CAMBRAIA BRANCA A 3/5500.
Vende-se pecas de cambraia branca
transparente,
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 50000 at 10,5000 a peca, assim
como fnissimos organdys branco liso que
sene para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 10000, a vara, na loja^Io
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Alpacas tarradas
Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que se vedem a 10000, o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de canna a
800 ^s, ditas mescladas muito finas a 1:200,
o covado, e outras muitas fazendas de gosto
e moda que se vendem mais barato do
que ejn outra qualquer parte, no armazem
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
Roupas para homem
Vendem-se superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca c de seda,
camisas inglezas e francezas com os peitos
de esguio, ceroulas francezas de linho e al-
godo, mcias cruas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e de meia de la, assim
como neste estabelecimento existe um grande
sortimento de pannos pretos, e de casemiras
inglezas de cores, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. freguc-
zcs, e promette-se-lhes que serlo servidos
com a maior promptido e muito mais ba-
do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos mc-
Ihores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 120000 rs. cada par at 250000 rs,
Flix
um bonito sortimento de todos os nmeros.
MEIAS CRUAS.
Sortimento de todas as qualidades, de
30 a 50, assim como tambem sortimento
de lencos de linho brancos e com barras
de cor, chinezes, bonitas grvalas pretas e
de cores. Ra da Imperatriz n. 52, por-
ta larga.
PARA ACABAR.
Urna grande poroo de calcas ordinarias
para trabalho a 640 e 800 rs. cada um par,
e 50, ditas victorias de 50500 a 120, pecas
de cassa liza o mais fino que ha no merca-
do a 90, 100, 120. com 12 varas, e vara
de largura
SEDAS DE LIS TRAS.
Recebeu-se um bonito sortimento d'esta
fazenda que se vende a 20500 o covado.
CHITAS.
Vende-se chitas escuras a 280, 300, e
320 rs. o covado.
GUARDANAPOS
pechincha na loja do Leo junto a loja de Vn,, ,, .. .
ourves J Vende-se esta fazendS de linho, fazenda
'boa a 40000e 50000 a duzia.
ounves.
GRANDE PECHINCHA,
Cassas he cores a 160 rs. o covado, na
160 RES O COVADO
Chita preta pelo barato preco de 160 "o
covado na ra da Imperatriz n. 52 na loja
que tem um Leo pintado.
PANNO DE LINHO
Paredes Porto recebeu um sortimento da
pannos de linho, com 27 varas a peca e
170000 e 180000, na ra da Imperatrizn.
52,junto a loja de ourives de porta larga.de a am>
Paredes Porto. 20000
LENQOS DE LINHO I Vara de bramante de linho
Vende-se lencos brancos de linho a 30, tem 10 palmos de largo,
a duzia para acabar na loja de Paredes Por- CALCAS E COLETES.
to. Ra da Imperatriz n. 52 loja da porta Tem sempre no mesmo sentido um sor-
larga que tem um Lso pintado, de Paredes timento completo a preco commodo.
Porto.
No armazem do Leo, ra da Imperatriz n. e 52, junto a loja dfi ourives.
MEIAS PARA HOMEM
Sortimento de meias inglezas para ho-
mem a 40800 53800 e-60800 fazenda boa.
THOALHAS
Sortimento de toalhas de pelucia a 110
a duzia.
LENCOS BRANCOS a 20200
Para acabar lencos de algodo a 20200
superior e
11-RUA DO QUEINAD0--11
DE
. com 8 e meia varas pelo ba- .
rato preco de 30500, ditas muito finas tanto ist0 na rua (la Imperatriz n. 60, de
tapadas como transparentes 40500, 50000, Pereira da Silva.
60500, 70000 e 8-5000, assimcomo organ-
d muito fino tanto lizo, como -de listas e
quadros na loja e armazem do Pavo rua
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
.ALPACAS LAVRADAS PARA LUCTO.
Vende-se na loja do Pavo, as mais mr-
dernas alpacas lavrad para lucto, sendo
muitolargasepelo barato preco do800rs. o
^ovado, s na loja e armazem'do Pavo, na
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Sfln.
Cassas Inglezas a 449 rs o metro
Vende-se urna grande porco do bonitis
cassas inglezas tanto gratulas como miui.i-
ahas e de cores li.xas pelo barato prego de
40 rs. ometro,garentindp-se que 7 metros,
3o um vestido para qualquer Sra. s na
oja do Pavo rua da" Imperatriz n. 00 de
Flix Pereira da Suva.
Bareges a 400 rs.
S ua loja do Pavo
Se vendem as mais bonitas baragos transparen-
te*, proprias para vestidos com listiinbas a mita-
cao de lisiras de seda, e vendem-se- pelo baraio
uvero de um cruzado cada um covado, nicamen-
te na loja e armazem do Pavao, rua da Imper;.-
triz n. 60, de Flix Pereira da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A 50000.
Venden>se colchas de fusto adamasca-
das para cama, pelo barato prego de 50,
grande pechincha, na loja o armazem do I
Pavo, na da Imperatriz n. 60, de Feli:;
Pereira da Silva.
cobertoi-.es kglezes a 0, 4)500 e 30.
Vendem-se os verdadeiros cobertores
inglezes, de pura la, pelo barato preco
de 40, 40500 e 50, assim como colchas de
fusto de cores, pelo barato preco de 30. na
ioja e armazem do Pavo, rua da Impera-
triz n. 60. De Fex Pereira da Silva.
Madapolo enfestaclo a 8 $500
Vende-se superior madapolo enfestado.
sendo muito encorpado, para carnizas, e
tendo cada pega 24 jardas, pelo baratissi-
mo preco de 8500, na loja e armazem do
Pavo, rua da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
CHAPENAS
ULTIMA MODA
< hegaram para a loja do Pavo as mais
s o mais modernas chapelinas rica-
mente enfeitadas, com enfeites e fitas iv
setim e de todas as crese com ricos bicos
de blond e as mais lindas c finas flores,
vendendo o cada urna pelo barato preco de.
150000, garantindo-se seren muito mais
bonitas do quo outras que se vendem em
outras partes a 200 e 250, e entre ellas;
ha mais do que um modello, tambem tea
muitas de pratinho, proprias para mogas c
meninas, isto pa rua da Imperatriz n. 60
loja do Pavo, de Flix Pereira da Silva
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Crelone para lenqes com 10
palmos de largura a 2$,
Acaba de chegar esta nova e excellente
fazenda branca propria para lcnces de um
s panno, garantindo-se que um metro e
urna quarta ou um metro c meio d um
excellente lencol de um s panno, assim
como esta boa fazenda tambem muito
propria para toalhas de meza, rosto etc. e
outros mysteres e vende-se pelo baratissi-
mo preco de 2 cada metro.

MOCAMBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Chegou para- a loja do Pavo um elegante
sortimento dos mais bonitos mocambiques
proprios para vestidos cora as cores mais
modernas e que se vendem pelo barato
preco de 500 rs. o covado.
. ALPACO DE OORDlO PARA VESTIDO A 15
Chegou esta nova fazenda com o nome
de alpaco, crido de cordao e com mais
largura do que a alpaca, com as mais Unas
cores, como sejam Cismark, lyrio, perolas,
roso, cor de canna, magenta etc. e vnde-
se pelo baratissimo preco de 1$ o covado.
ESGUIO DE LINHO DE 12 JARDAS A 105.
Vende-se pecas de esguio de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada pera, a
10000.
ALTA NOVIDADE

Loja do Pavao.
GRGURES PARA VESTIDOS A 1?>000,
O COVADO.
Chegaram os mais modernos gurgurocs
para vestidos, sondo de todas as cores, como
sejam verde, azul, rosa, bismark, pcrola,
rxo A- & tendo quasi quatro palmos de lar-
gura e vende-so pelo baratissimo preco
do l #000, cada covado unicamento no ar-
mazem do Flix Pereira da Silva, jia rua da
Imperatriz n. 60.
AUGUSTO PORTO & C.
Receberam superiores vestidos de blond com manta e eapella para noivas, que
vendem-se por precos mais mdicos do que em qualquer outra parte.
SAH1DAS DE BAILEde cachemira branca e de cores o que ha de mais lindo.
BASyiINESde renda preta, e de gorguro preto, o que ha de mais
elegante.
CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
BALOES brancos e de cores para senhoras e meninas, espartilhos, saias bor-
dadas, e saias de laa com barras de cor.
GORGUBAOde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
tique branco, e grostlenaple branco, de cores e preto, princezas, bombazinas pretas,
alpacas de muitas core?, e lindos cortinados bordados.
CAMIZASde linho para homem de diversas qualidades, camisas bordadas
para noivos, sobretudos, capas de borracha brancas e pretas, brim de cores e branco,
panos linos e casemiras pretas o de cor por commodos precos.
TAPETESgrandes e pequeos para sof e cama, tapete e alcatifas em pecas
para sallas, e continuara sempre a vender por mdicos precos as esteiius da india para
sallas.

RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVO.
Vende-se urna grande quantidade de re-
talhos de chitas e cassas pretas por preco
muito barato, e quanto maior for a porcao
que o fregu eomprar, mais barato se Ihe
vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
Grosdenaples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
Ihores grosdenaples .pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de 2#00O rs. o
covado at 45000 rs. garantindo-se que
n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
qualquer parte, na rua da Imperatriz n. 60,
de Fex Pereira da Silva.
A 25, OS BALOES DO PAVAO.
Vendem-se superiores balds america-
nos de trinta a quarenta arcos, tendo as fi-
tas bastante largas, sendo muito fcil trans-
forma-los para outro qualquer novo modelo,
NOVO XPLMDO SORTIMENTO
Agiia-floria de Guis-
lain
Vermfugo efficfz, epreferive. a lodosos T^^Z^lSZ^'SS
conhec.dos j pela certeza de seu resulta- fiqS"t,S S? E2 1.! "?f
do, ej pela fcil apphcaco as creancas.
quasi sempre mais atacadas de t5o terrivel
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
KA
Pharmacia e drogara.
M
Barthomeu < C.
34Rua Larga do Rosario84
um, sendo fazenda que sempre se venden
a 75 e 85, isto na loja e armazem do Pa-
vSo, rua da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
A 9,000 varas a 500 rs.
Vendem-so a verdadeiras cambraias
francezas, cora /indos padres e edres fijas,
sondo tapadas fl transparentes, pelo barato
pieco de 500 ni. a vara, ou 300 rs. o co-
vado, sendo fazenda que ningnem vende
aCtJ^I^'J divers09 e*08 pe?a9 viudos por menos de 7 ou 8 ustes, e liqudam-
elo ideara-no ultimo vapor, proprios para qualquer L or este barato nreeo nnr sa iLr fc>
sevi&o de armazn ou ongenho, assim co.. o un, ^ esie carato preco, por SO ter feto
gravo por iw comnm braco inutilizado edi* uma av0,t(,a compra, na loja e armazem
vcsa escrataBcom hafcilhhdflggem ella 'aira- do PavSo, rua da Imperatriz n. 60. De
tama rua da Cruz d. 83,3 andar. folix Pereira di Silva.
Tintura odelevel para tngir os cabellos,
s?m manchar a peHe.
' A bem conceiujda agua-florida $ Guis-
iain que enfilo era dos;onheeida em Par-
asdraco, j boje estimada e procurada
por seu efficaz resultado, e ainda mais se-
r, quando a noticia de seu boniBfeito e a
experiencia tornar do to Jos coahecida.
A agua-florida de Guislain composta ni-
camente de vegetaes inoffeusivos, tem a
propriedade extraordinaria do dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, qi-ando estiverem bran-
cos, e Ibes restituir o brilbo perdido, e as-
sim como preservar de embranquecer, scm
ser prejudicial de modo algum
E' porm necessario fazer conhecr, que
) bom resultado produzido pela agua-flori-
ia, nao instantneo, como muitas pes-
cas talvez snpponham, mus sim ser pre-
nso fazer uso d'clla, ti ez ou quatro vezes,
a logo se obter o im desejado, como, bem
provam testemunhos de pessoas insuspei-
'.as, e d'entao por dianto, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempro com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita era
nitra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acha-se ven-
ia na bem conhecida loja d'Aguia Branca
rua do Queimadon. 8,
A Aguia Branca, contando com a protec-
;o de sua boa freguezia, tambem capricha
>m nao Ih'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
i honram, e em prova ao cpie tica dito, d
orno exemplo o explendido sortimento
|ue acaba de receber, inda mesmo achan-
lo-se bellamente provida do que de bom
i melbor se pode desojar nos gneros que
<5o desu competencii.
Haja vista aos necessarios livros de missa
. oraco, obras de apurado gosto e perfei-
;o, sendo: com capas de madreperola o
'ocantes quadros em alto relevo.
Ditos com Mas de marfim igualmente
bonitos.
Ditos com ditas de velludo, outros imi-
tando charo machetado.
Ditos cora ditas de mat roquim com cruz
e gnarnicao, dourada ou prateada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
Grande e bello sortimento de leques
todos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns
cora 4 vistas, e outros japonezes enfeilados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas o senhoras.
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torcal, e seda
para meninas c" senhoras.
Meias de la para boraens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios finos tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar4ta....
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para creancas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas devidro enfeitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
gons.
Brincos ealfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonitas.
Rna do Qezeimado u. O.
Novo e variado sortimento de perfumaras
linas, e outros objeclos.
Alm do completo sertimento de perfu-
maras, de que efectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pro-
cos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a aprecia
do respeitavel publico em peral
boa freguezia em parcalajv i,aO
tando elle do m B5m conhecidam?nsd5o
ebrateza. Em dita loja ejicorj^rao o-
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Lamman.
Dita de Co'.ogne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentriicia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservaco do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeilados.
Essencia imperial do lino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade
com escolhidos cheiros, em frascos de dif-
ferentes tamanhos.
Saboneles em barras, maiores e menores
para raaos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetcs imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada conlendo fi-
nas perfumirias, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perl'umaris finas.
Bonitos vasos de metal coloridos) e de
moldes novos e elegantes, com pode arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composfo de
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
Cas.
Opiata ingleza e francezapara dentes.
Pos de camphora e outras qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada oais coques.
Um outro sortimentos de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos.
e alguns d'elles ornados de flores efitas,
esto todos expostos aprecia$5o de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto eperfeigao.
Fivcllas e fiag para eiuos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa e%colha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
O que de melhor se pode encontrantes
genero, sobresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para vUtgem,
Bolsas de tapete ecarteiras de cao, por
precos commodos.
Chapelinas de palha da Italia mui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra 'le bom
gosto.
E assim muitos outros objectos .rao se-
o presentes a quera se dirigir dita toja
do Cordeiro Previdente a rua do Quehaado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente rua do Queima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques ele.
tudo isto est sendo vendido com a *:a bem
conhecida commodidado de precos.
ALEM D'AQUELLES.
Recebeu outros- lindos enfeites de soda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de gallos do la, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade de gustos os tornara recomroenda-
dos e apreciados ; compareco pois os pre-
tendemos que sero servidos a contento.
TAO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para Lomen-
como para senhoras, constantemente acbam-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
rua do Qnoimado n. 16.
CSpHSiISO ?
O xaropc de fedegoso, de Pernambo,
preparado pelo pharmaceulico J. de A. fin-
io, cura radicalmente a plbisjca e asthma, c
todas as molestias dos pulmoes.
Podem ver-se os atteVtados de curas m>
nico deposito das prepar aros de fed.egQsxo
d'este autor, rua larga iJq ttosaf n. 10
junto ao qnnrt^ ^ p(;]t.b.
piyToTiimimv UTICO
Xarope *!e salsaparrilha ol'ar
w
DEITRATIVO DO SANGL'E
Usado as molestias de pelle, impigenB. lo-
res remnatws c metras venreas.
____ Rua larga do Rosario n. 10.
= Yende-gotrm cavaHo para cabrio! grande
c baslante poni : a tratar, na Braca du bMepen-
donria n. 1 o 8.
Verganteaa de pinho para mastaros, vergai
e_ retrancas, todas de superior qualidade. DtM
Verde Paris, branco de zinco e pina, em latas de
14 e 28 libra?, j preparadas, oleo de nbca n
bairis: no armazem do deposito da conij#9nhia
Pcrnamhucana, no largo da Assembl.t n. H)
Casa ua C'apunga- 7
Vende-se urna casa Um a mn grandes rom-
modos para familia, eozinna fra. grande q-anlal e
cacimba, chaos proprios, e muito porto da eMacao
da via-ferrea : para Iralar do preco. na rua'do
Crespn, il
fiilVRO 21'OVO
PARA
Acabaa de sabir
da na livraria franceza.
uz e acliam-se
OS CAXTICOS E ira DEVOTOS
PARA
III
Um
Paris.
Quadernado de conro.
EncadernacSo de niar-
roqoim dourndo. .
volume nitidamerte impresso em
mm
Vende-se fumo de Uaranuons
muito em cenia, ehegado a pouco
Camlioa do Carmn n. 10.
iiiui) born e
a roa ila
graiilicafo
Fup-io uo da H de Janeiro do Correte anuo,
do cnjrenlH) Balalura, freguezia da Escada, o
cravo preto, oriento, de 2i anuos de idade, cha-
mada lareeoo, que foi do Sr. Joao da Cunta
Pereira, cujo escravo esleve no deposito g( al, e
lem o< sigoaes MsoMea : alto, leeeo do corpe'
rosta muito marcado de bexigas, falta de dentet
na frente, cor preta. sabio de chapeo do cliil
letot e calca d'.> castor, levando um hab
flndres com mais ronpa, e sappbe-?e estar i
freguezia do Cabo : iHiem o appreheoder leve-r
ao dito eogeoho, ou rua da Seoiala-nova n. 38,
eseriptorio do Sr. ernardino Pontu.il. que rebe-
ber i gralifleacio cima.
Fofio do engeobo Jacobii rea do lia-
bo, ao amaohecer do dia I.'l do crreme.
auno, do abaixo assignado, um escrav i
nome Antonio, cooheeido por Caoda, dado
a 30 aun s, punco mais ou menos, alto, ps n s-
bos, temoDia das juntas domesmo um pouco
grossas, andar banzeim, levando chapeo de
ja usado, camisa de algodSo azul e seroola
godao aoiericano, cujo escravo veio de Boiq .
raPo d'Aio, para onde sedesconfla ler : d
roga-.-e a qoatqoer aatoridade policial ou capita
de campo a captura do dito escravo. levando i
engeobo cima, ou a rna do Caldeirciro n 2 ao
Sr. Francisco Qm'ntino Rodrigues Este .
sera generosamente gratificado.
_______ Anlooio Carneiro Lins e Mi He
QOC
Pogio de bordo di paJhaboie nacioual.
io, um mualo claro de nome Jusno. estatura re-
gular, rabeles empichados e meios ruivi s. ponca
barba, tem nina pinta preta no canto do olbo di) ra-
lo e um talho as costas ao mesmo lado,;
vestido camisa de eliita com lisias verdes, e us;,
de orna cinta com borla encarnada | ai
as ealsas. natural de Santa Anna do
provincia do Rio Grande do Norte, para i nde I
aneara ir, tamben muito des
lar. Becommenda-se aos mestn a de barcaca r.n
ilqnerpessoa que o agarrar, e levar a
do trapiche n. 4 ou a bordo do referido navio que
sera reoeroMmento gratificado.
Acha-se fgido desJe don
moleque de nome Tilo, com vi aunes de id
esta! ura regalar, oHios afomac
deotes, esperto e bem fallante, lea no eston
urna cieatriz de urna queimadura pequea,
um dedo da mao direili aleijado em roBsequencia
de um paoarkio ; c o p esquerdo mais grosso
do que o dimito : quem o apprehender teten aos
Afogados, casa do I)r. Jos Roberto de Hora i
Silva, que indicar a casa de seu sefihor. que -
compensar generosaniente.
Para encanameuto d'agiia.
Canos de ferro, ditos estanbados, ditos jurados
de porcelana, todos com as competentes iorneiras.
curvas etc. : a rua do Queimado n. 32.
Barato que admira.
Msntciga ingleza flora tiiOO a libra, dita fran-
ceza a \, cha miudo a .liOO. dito erando a 31
eafa iO rs., sabo a <80, alpista a 240, arroz s
100 rs., passas a4-40, idom quartos oni 6 libras
por W200, vmho a 400 rs. a garrafa, azeite doce
de Lisboa a 900 rs., caixinhas eom amebas, pas-
sas, figos o peas, proprias para mimos a 1OO
latos eom doce a 500 rs. : s na esquina da ru
da Penha n. 8.
de gratificado,
XAROPB PEITORAL BRASILEIRO"
DE
POMTA IM I Ul) iliSi
COMPOSTO B PBKrABADO
Pelo pharniaceutico
Jos da Cruz Santos.
Esta planta cujas virtudes medicinae?
existiam desconhecidas para a maior parte
dos nossos facultativos, dovendo-se a. sua
descoberta ao uso que d'ello faziam os
nossos indgenas que menoscabavam com
a sua applicaco de todos os soffnmentos
pulmonares, hoje conhecido como o me-
dicamento mais eflieaz para a cura de as-
thma, bronchite, coqueluche, penemonia.
e at a phtysica, produziadoum offeito mi-
lagroso e prompto.
Para um adulto 3 4 coiheres de spt
ao dia puro on em cosiiiKvto peitoral.
Crianfjas. 3 4coiheres decii.
Proco 24000 o frasco.
Pernamrwico. rua Nova botica n. 51,
Pennas de emu.
do Queimadc o. 13, primeiro
Ainda se aeba fngiJa a escrava Hara Bei
la, que foi do Sr. ClaOdio Dnbeux, e que auseo-
lou-se da casa de seu tentar lia dez mezes, .
signaos sao os seguintes : cabra, masra. estatura
regular rosto descarnado, cabellos 'carapm! i
i-ompridos, andar descancado, reprsenla ter 40
annos on pooco mais, e eostnma fallar s quando
trabalha ou anda, tinha no seio e nosbra
naes pardacentos mui visiveis de impigens qne
eoatomam apparecer-lbe. Ha todo mMivo ,
siippnr que ella anda mesmo por esta cidade
seos anabaldes. j tendo sido vista denmave
na rua Nova com um pardo, e pela segunda vez
na praea da Boa-Vista. l)a-.-o aquclLa gratfica-
oao a quem apprehender dita escrava (u 0>Ua der
noticias exactas na rua do Imperador ns. :i o |)
Io andar, e prolesta-se proceder criminalmente
contra quem a liver em sua cempanhia.
Do engenhoS. Francisco da Varzea fugio'ii
madrugada de 3 do crreme, Leoncio, mu >
claro, de 18 a 20 annos, eomc^ando a barbar, ca-
bellos sollos, nlhos grandes, estatura regular, gros-
so, robesto e bem feito, bons dcnl v>, vagaroso no
andar, e farcola, carreiro. Do mesmo engenho
esta fgido desde julho do auno pausado. Crescen-
cio, mulato, vellio, de cabellos tome, poneos den-
les, andar cahido par dianto, c ten os dfldec
grandes dos pi''s mtodos para dentro : a entre-
par no mesmo engenho, ou na ru de A|tolIo n 8
ao Sr, Francisco de Asis tirito.
do aniii
lontinua fgido desde o dia O de dezembro
anno passado o escravo de nome Antonio, ci
lo, com os signaos consuntos dos annuncios pit-
blicados no Diario de Pcrnnmbuco o no Jornal le
fen fe do mesmo mez c anno, os quaes sao o
guiles : 22 annns de idade, preto. alto, magro.
Vende-se rua
andar.
olhos grandes e apitombados, andar inclinado par!
a frente, os tnrnoselos dos ps enchados. ve-
de caiga de algodo azul e cami-a de riscado i
tence a massa fallida de Amaro Goncahres dei
santos : quem quer que o prender ser recom-
pensado e pode recohe-lo a casa de detenca
l;va-lo a casa do abaixo asignado admiustr
da me-ma massa : a rua do Kangel n. 58.
Recite 12 do abril de 1869.
__^_________Manoel Jnaqnin Baptl-ta.
FUGIO
escrava de nome
toda marcada de
riga grande, ern
mediana, vestido
mesma fazenda, o a*Ax and
ipiom a pegar li
0 andar, qae ser gratificado.
Fran
bar-
Imperador
s I
V-


8
Diario de Pernambtfto Qunita feira 15 de Abril de 1869.
t

/
i
mwAW.
PIERIAS ACADMICA
(POR W. FIGUEIREDO)
(Continuaco)
XII
o nOMi'iMi'vro
Star do que Ulvoz possa comprehendcr;
sm pelo menos neste momento nao rae
SdonareiaesM fraqueza de espirito e
pato. au tanto ascaraetcnsa.... fico co-

,r parte cad-iras
las e zambras; urna cama evento,
aja lona parecia-se com urna grade de la-
,vrntl)o; um caixo aroorado em lavato-
rio ; un garrafa com um resto de vela de
sebo no gargalo, um balm de conro, e (i-
nalmente urna jarra com a bocea toda re-
cortada ; eis o que ornava a decente mo-
nda de Niceto, qae i'.ava grabas genero-
sidade de um tio e padrinho bemfazojo,
que caridosamenle loe havia emprestado
aquella albergue, onde repouzava das fa-
c igas diurnas.
O izolamento domestico, em que elle vi-
va, obrigara- o a reaotf todos os movis

a... Uranio a .m.,=.-, j descri tos na sah th,nnUi, 'e a servir-
talvez possa compietiuidir sc somente desta, desprezaado os antros
r,nei, innmftnlo nao me '. \ ...*.
esquecel-o sem
coraco, que
uhccendiM) bastante para
pesar I Adeus !....
E desappareeeu da sala.
Cbrlos qoa seguil-a, deu dous passos, e
narou logo murmurando tristemente:
Nao tito'pode sercalumma.., existem
nrovas !... o annel ? ella nao o tinta no
dedo!... Oh! minhamai! perdoai-me....
fui demasiado severo... mas ella o mereca I
Se naquelle instante o afflicto mancebo
tivesse voltado a cabera, teria visto urna
multar, a dez passos delle, enco>tada ao
umbral de urna das portas da sala.ehorando
amargamente. ...
Era Leonor, a cmplice de Aimeiua.
XIII
O AMIGO
Renunciamos descrever a dor pro funda
quo Carlos Alberto soffna ao enlrai em sua
'"'Y mrbidapallidez, que empannava-lta
o rosto; as rugas.que listravam-lhe afron-
te altiva; a atlitude de sua cabeca pendida
para o chao; e a febre intensa, que escal-
dava-lhe a alma, eram os symptomas de urna
dessas afflieccs, de um desses desesperos,
que quando nao mata, prostra.
Garlos Alberto, o joven feliz, rice e ama-
do, que sonhara um futuro Uto nsonho e
brilhante, maldizia agora o seu destino, e
ju!gava-sc p maior d'entre todos osdesgra-
' Sentado em urna cadeira do seu quarto,
com os bracos crusados, c a vista fita no
i.li illio,-o triste rapaz lembrava-se da vida
venturosa d'outr'ora; revia todos os quadros
coloridos do scu amor, todos os prazeres,
todas as esperancas, que o haviam alimen-
tado durante os dous ltimos annos de hitar
acadmico: iveordava todas as scenas da-
imella existencia- passada; recompuiiha to-
dos os sonhosesmaltados, que o embalara:
e quando o espectro do presente se anto-
[hava seus olhos terrivel e negro, como
o furaco tempestuoso em ceo azul, a*so-
pi ando as nuvens engastadas em ouro e ro-
sa, due elle aatontotva sobre si, e envol-
vendo-o no luto e consternado de um sol-
friaento c desgrana rreparavel, o pobre
mancebo crispava os labios emum sorriso,
que traasbordavatodo o fel, que Ihe amar-
gurava o coraco.
Para urna alma enrgica e in.lomavci,
como era a delle, o entorpecimento era urna
rdiainjoatificavel. E de repente elle
levantou-se, passeoa agitado por alguns
minutos e toedu depois urna campanilla.
Um moleque appareceu immcdiatamenle.
Carlos assentotHje defronte da meza.e
cscreveu:
Illin. Sr. commondador. Negocios ur-
gentes, que nao sao llieios aos mteresses
de V. S., exigen a miulia presenca emlgua-
I3 amanhaa muito cedo. Pela presteza
viagem nao me 6 possivel ir receber as
suas ordens: cont ser desculpado. Nao
sei que tempo ser-me-ha preciso demorar-
me: escrever-Jta-heJ apenas chegue. Em-
tretanto em qualquer lagar onde me adiar
sou com muila honra, etc., etc
Fechou a carta, poz-llie o respectivo en-
dereco, e dirigindo-se ao moleque disse:
Amanilla s sete horas, val a ra de
S. Bento entregar esta carta ao commenda-
dor Carvalhosa; e agora corre ao Varaduu-
ro.e aluga-flio um carro, ou canoa, seja o
que. lor, evoltaj adar-me a resposta.
O negrinho parti expedido,
principien a arrumar-se.
ez minutos depois aquello voltou.
O carro est promptodisse
Bem: nao te esquecas da carta ?
Acompanha-me com aquella luisa.
E sabio.
Se antes de- apagar a vela, que esclare-
ca o quarto, Carlos tivesse erguido os
olhos, teria visto sem duvida por cima do
repartimento a cabeca de Almeida. seu ami-\
Carlos
commodos da modesta habitaco.
Em epocha anterior, o bom rapaz pre-
tender associar-se com alguns companhei-
ros para morarem em commum ; mas tcn-
do-se dado mal com o expediente resolve-
r viver para sempre monsticamente.
Logo que Niceto achou-se completamen-
te patamentado, Carlos offereceu-lhe o bra-
co e disse Ihe:
Vamos primeiramente alugar um car-
ro, afim de partimos amanha pela ma-
drugada para o meu engenho em Iguarassu.
Partirmos ?! repetio Niceto espantado
oh! pois eu tambera vou ?1
Se nao Ihe lor penoso, meu amigo :
faca-me companhia; vamos passar algum
tempo no meu engenho : preciso ter ao pe
de mira urna pessoa, que me falle delta ..
Estou prompto, doutor ; mas jnro-
Ibe que Mo o entendo! estou completa-
mente opaco!.....
Carlos pensou por algum tempo, e disse
depois:
O sentar a nica pessoa a quera
confiai-ei os meus segredos; vou contar-lhc
.tudo ; oh! teoho necessidade de desaba-
far!
De passagera pela ra Nova os dous
mancebos alugaram um carro para a viagem
do dia seguinte, c dirigindo-se em seguida
para a ra da Aurora, sentaram-sc ambos
no paredo da primeira ponte, que all ha,
e conversaram longo tempo.
Quando j se dispunham a retirar-se Ni-
ceto disse a Carlos.
Meu amigopermitta-rae dar-lhe esto
nome, porque faco-o de coracotudo o
que acaba de contar-me irrecusavel; en-
tretanto cumpre-rae dizer-lhe : contaco
muito D. Amelia desde menina para deixar
de-fazer d'ella um conceito muito elevado,
e superior indignidade, que acabo de ou-
vir;- sei tambem qual foi a sua educado, e
qual a sua moral para crel-a capaz de pra-
ticar tal infamia. Aqu ha raysterio, que e
preciso desvendar-se !... Nao posso, nem
devo tor a respeito d'essa moga outra lin-
guagem, que nao seja a da raais viva admi-
rarlo e respeito pelas suas eminentes virtu-
des ; D. Amelia est innocente, eu o creio
firmemente; e si quizer fazer-me um fa-
vor, que Ihe agradecer! toda a rainha vida,
cons'uita por amor seu e d'ella, que eu v
a Olind amanha; o coraco rae diz que
de volta da minta raisso terei de res-
tuir-lhe com um sincero abraco de amigo
toda a felicidade, que o senhor e ella me-
rocL'iii
Carlos abanou tristemente a cabeca, e
um sorriso amargo adelgacou-lhe os la-
bios.
Obrigado, meu charo Niceto,disse
intil; tudo est acabado : loueura
querer lutar contra a evidencia dos factos.
Si eu quizesse namorar simplesmente Ame-
lia, acceitaria o seu generoso olTerecimento;
porque qualquer explicar) mesrao equi-
voca, qualquer arrependimento mesmo ap-
parente bastara para reatar as nossas re-
kn;oes; porm eu quera Amelia para mi-
nha esposa, para olerecer-lhe o meu nome,
e jamis serei esposo e darei o meu nome
mulher a quera possa argir urna falta
grave, quanto mais um crime !
Niceto inclinou-se, nao porque Cstivcsse
convencido do crime da bella lilha do com-
mendador, mas porque nao quera aflligir
mais a Carlos. .
No da seguinte pela madrugada os dois
amigos entruram em um carro, que tomou
a estrada de Santo Amaro.
Os dous viajantes iam tristes e silencio-
sos : e ao passarem por Olinda para segu-
rem pela estrada de Fragoso, os olhos de
Carlos se encheram d'agua, e um sus-
piro, que elle abafou, Ihe intumesceu o
peito.
Cala-te coraco!... murmurou elle
nao quero chorar... de que servem lagri-
mas ?
Ainda era manha quando os viajores
Estilo hoje di I s do S"
podemir descancar, oudmsar!
Esta licenca to apreciada pelos negro
de engenho, derramou o conteatamonto
entre elles; todos entregaram-se logo ao
maracat e ao samba.
Os irmaose naasintas do Carlos apre-
sentaram-llie urna infinidade de brnquedos
e bonicos, rindo-se, sallando, gritando, e
narrando uns as travessuras dos outros.
Como era deliciosa e grata aquella expan-
so de amor fraternal ao a-ftra manc'ln.
qim tinta o coraco opprcsso pelo soffrimen-
to/ oiisi esque^e lud para enfregar-M
aquellas ffusoes innocentes o carmhosas
d is interes3antes creancas;
S quera gozou dsses agradaveis mi-1
montos sabe quanto elles valcm!
Ao amiuoecer do dia seguinte Alborto,
enlevado pela belleza arrebatadora do cam-
po, e pela athmosphera pura e embalsama-
da, que ah se respira, e'ouvindo os gritos
infantis dos rmosinhos, confundidos com o
trinar das aves e os mugidos soudosos do
gado, exclamon dirigindo-se a Niceto:
Oh/ s agora, nv:u querido amigo,
que posso dar valora fetaidade, que aqu
se goza!.... Fui um louco!.....
Cora elleito durante os dias que se se-
guiram ao da chegada do joven ao scu en-
genho, a vida deslisou-se-ta tranquilla, e
seno feliz at)monos venturosa; umarosg-
naejo chrsto serenava-lheo espirito. Sem-
pre em companhia de Niceto, elle passeava
pelos lugares circumvtsiuhosassistia aos tra-
balhos da moagem, lia O escrevia; eo resto
do tempo que Ihe sobrava era empregado
em educar os irmos e irmes, e em con-
versar com o pai sobre os negocios doms-
ticos.
stava um perfeito chafo de familia!
Urna manha o pai di Carlos chamou-o
e dsse-lhe:.
J pensaste no teu futuro, meu Bita?
Se falla em relaco a vida publica,
meu pai, respoado-lhe que nao.;
do que gozo aqui demasiada,
me lembre de outra cousa.
fintono desojas, figurar
poltico?
Por ora, nao.
Pois 'recetaste um grao
para continuares a serinatuto?
Nao, meu pai; mas para
/ne ehabilitar-mepara tomar, quando quizer,
urna parte activa nos negocios do meu paz;
e sobrtudo para regosija-lo, e ajuda-lo.
Ento j tempo do principiares a
c*
panliia do Cirios, quo quiz ac
onha-lo da c osnngaa pela desesperaba ,e pelos
a felieuh-
para quo
no mundo
scientfico
enobrecor-
pie daqnelle ptimo observatorio havia h am a por;ra do engenho....... em
unnuimn in.i-i aci ^-onfi i-nin urna i*,ara '
com urna cara
entrn
ao co-
>s cavallos
espreitailo toda essa scena co
latisfacSo a mais invejavel.
Si tudo'ia-lh lao tara!......
Chcgando ao Varadouro, Alberto
no carro; que oesperava c gritn
cheiro:
Recife, pateo do Carino n.
Um estado fez-se ouvir, e os
partiramligeiros.
Tres quartos de hora depois, a carroa-
gem rodava pela ra Nova, entrava no pa-
teo do Carmo, e parava entrada de urna
casioha terrea, residencia de Niceto.
Carlos apeou-sc, despedio o carro, e ba-
teu no postigo.
Urna voz, que Ihe nao
perguntou de denlro:
Quem
Abra, Sr. Niceto!
cerachegado.
Oh I o doutor? I
da casa, abrindo a porta
pico palacio.
Eu inesmo; admra-se?
Por certot e a minha admiraco toca
o assornbro ao notar em seu semblante tris-
tonho e paludo! Acontecou-lhe alguma des-
Iguarass.
Ao apear-se, Carlos vio-se cercado de
um batalho de meninos e meninas, que
alegres o abracaran! com prazer e admi-
ao era desconhecida,
respondeu o re-
exclamou o dono
do seu microsco-
graga?
Precisamente, meu amigo; se
ragao.
= Ao menos aqui respira-se o amor
puro e sincero de familia I disse elle a Ni-
ceto, bejando e abracando por sua vez
cada um dos irmosinhos.
Meu pai? perguntou depois.
Est na sala, maninhochilrou urna
menina raoreninha saltando ainda urna vez
ao pescoco do irmo.
Carlos ontrou na casa seguido daquella
procisso de meninos, beijou com effuso a
mo do respeitavel ancio, seu pai, abra-
qou-o com teruura, o apresentou-lta o
amigo e companheiro de viagem.
O pai de Carlos Alberto era um dos fa-
zendeiros mais conceituados do Jugar. De
um trato ameno e agradavel, e de urna alma
compassiva e justa, elle havia fcmgeado a
amisade leal e respeitosa de todos os habi-
tantes d'aquelles arredores. E tanta era a
sympathia e gratido, que todos Ihe vota-
vam, que ninguem seria capaz de recusar-
se a satisfazer um pedido, ou a obedecer
quer ima ordem, q'-e partisse do major Car-
conversar, saiamos; preciso dar umpasseio los, ou de alguem de sua^ familia.
ap: se licar aqui, anafo!.....
Estou as suas ordens, doutor; quei-
ra ter a bondade de amezendar-se, emquan-
d o mudo de vista.
Com effeito, Niceto de camisa.e seroulas,
com os cabellos vermelhos em completa
assanhamento, eslava urna figura extica.
E o mais que esse simples vistuario
condizia perfeitamente com o todo da hu-
milde habitacao, cujas paredes e portas
denegridas e mofadas attestavam ausencia
immemorial da arte da pintura ; e a julgar
pelo adagio que ensiaaserem as teas de
aranha indicio de riquexao Sr. Niceto
devia ser mil vezes miHionario !
Quanto a mobilia o nosso supposto quar-
to annista n5o desmenta o seu philosophis-
mo: urna meza immensa carunchosa e cam-
beta, cheia de papis, jornaes e livros pela
lesempenhar o tu pa^el no theatro pol-
tico?
Perdi, meu pai. 6 preciso conhecer
melhor esse theatro, e os seus actores, pre-
ciso estudar bem os homens e o meu paiz
para nao trahir este, e ser engaado por
aquellos.
Bem, meu filho; estou contento com-
tigo. Quando entenderes ser chegado o
tempo de te apresentares na sociedade pe-
de-me os passaportcs.
Obrigado, meu pai I exclamou o ra-
paz bejando as raaos do velho.
Como vo os negocios eleitoraes do
commondador? perguntou em seguida.
O ancio comtemolou p filho com um
modo inexpriiuivel, o respondeu:
Perf-tamente bem, Carlos ; o teu
amigo ha de triuraphar, assim como tu tri-
umpharas, se com tanta gonerosidado nao
hovesses cedido o teu lugar a elle ; descan-
ca em mm.
Como pagar-lhe tanta bondade, meu
pai ?
Sondo honrado, probo e jusliceiro, ej
nunca esquecendo os conselbos de teu velho
pai.
Cados beijou pela segunda a mo do
respeitavel major, e retrou-se commovido.
E j era tempo, porque o excellente
mancebo chorava do emoco.
Chorou ? perguntou Niceto ao ve-lo
entrar no quarto com os olhos vermelhos.
Sim, meu.amgo ; chorei; mas forara
lagrimas, que dulcificara a alma 1 lagrimas,
que vira chorar depois de horaem !
Oh coraco nob'C [ e .^pola per-
deu-o/ exclamou Niceto cora voz trmula.
Ah meu amigo !.. deixe-mo ir a Olinda ;
D. Amelia est innocente... urna alma gran-
de c excellente como a. sua nao se apaxo-
naria por outra, quo nao fosse tambera
rando e elevada o vicio nao pode altra-
hir a vrtude / nunca a luz se alimentou
as trovas, pelo contrario, dsspa-as. Dei-
xe-me r a Olinda; dou3 dias, eeuestarei
dt volta.
- Obrigado, Sr. Niceto, obrigado pelo
conceito, que faz de mm e de D. Ameba ;
desejo quo se falle sempre a respeito della
a la^uagenv de que-o senhor usou.
-* Faco jnstica a amboscontinuou Ni-
cetomas consinta que eu v a Olinda, eu
Ihe poco encarecidamente por seu pai, ir-
mos e iruasinhas ; sim, por suas irmsi-
nhas, que d'aqui alguns annos sero.mo-
gas... Conceda-me o prazer de ser.causa
da sua felicidade! D. Amelia est inno-
cente, o corago m'o diz Perd2-me,
mas veja que excessiva crueldade obsti-
narle assim em acceder ao meu pedido,
cujo resultad) podar talvez rehabilitara
innocencia d'uma mofa, quo supponbo ter
sido atrozmente calumniada 1 Note bem
quo trata-se da honra de urna mulher I e
de urna mulher a quem o senhor ainda
ama !., Em toda a historia, que o senhor
me contou o nomo do Sr. Almeida appa-
reeo sempre, e... desculpe-me, eunote-
nho conianca alguma nesse moco...
Viuvo no terceiro anno do seu primeiro
matrimonio, do qual nascera Carlos Alber-
to, o major contrahar segundas nupcias
quinze annos depois, levado pelo desejo de
felicitar a urna mofa pobre, viuva de um
dos seus melhoresrondeiros e amigos
Deste segundo consorcio nascera seisfi-
lhos, quo nesta poca eram ainda creaneas.
Alberto, pois, era ounicofructo dos pri-
meiros amores do major, e a imagem viva
das qualidades o virtudes de sua mSi, como
estedizia.
Portanto a chegada de Carlos ao engenho
foi urna festa; o prazer brilhava em todos
os olhos, em todos os semblantes: at os
escravos da fazenda vierara todos botar as
mos do seu mM mo{o, e este querepdo
perpetuar a sua vinda a casa paterna com
urna acfo bda, Ihcs dissera:
Carlos olhou espantado para Niceto, e
abaixou depois a cabeca. A imagem de
Amelia paluda, chorosa -e triste, maldi-
zendo a sua credulidade se desenhon diante
delle ; epela primeira vez a idea possivel
de ma traifo d parte de Almeida atra-
vessou-lhe o cerebro.
V, meu amigo, v, j que assim o
querdisse elle aps muito pensar mas
salve a minha dignidade ; a sua ida deye
ter o carcter de urna officiosidade de ami-
go ; e nunca o de emissario, que pede um
perdo, e mendiga urna affeico para ou-
trera : assim consnto que v.
Confie em' mira ; a que horas poderei
ento partir ? perguntou Niceto radiante de
alegra.
Quando quizer.
Araanha pela madrugada ?
Sim ; dar-lhe-hei urna carta para fa-
zer-me o favor de entregar ao commen-
dador.
Ser entregue, meu bom amigo; oh I
que jubilo j estou centrado! parece-me
que o estou vendo saltar-me ao pescoco,
quando eu voltar com a sua ventura I excla-
mou o bom rapaz esfregando as dos,
No dia segrate s cinco horas da ma-
drugada, Niceto montava a cavallo em cm-
ate duas leguas de distancia do engenho.
Nao so esqueca do que Ihe recom-
mcnilci ? disse Carlos ao despedir-se delle.
Fiqne doscancado, meu amigo ,
adeus !
Adeus feliz viagem !
E os dous so aparhrara ; Niceto esporBu
o cavallo, e parti a galope para Olinda ; e
Alborto voltou a passo para o engenho.
XIV
A OO.NFfeSAO
Precedamos a Ncetd na sua chegada a
Olinda, e vejamos o pie se passa era casa
immendador.
Eram O horas da manha.
Amelia anda de cabellos solt* o de pen-
sador de cambraia branca enfeilada de -ren
das, estav sentada em um sofasinho ame-
ricano de scu gabinete ditrabalho, ten-
do entre as mos um bordado di la.
A interessante lourinha apresentava era
seu mimoso rostinho sgnaes bem visiveis
dos soffrimentos, que os ltimos aconteci-
mentos ihe haviam trasido.
O semelhante, outr'ora THo rosado, e cheo
de vida, eslava ent^palido o melanclico;
os olhos, que sempre haviam brlhado cora
vvacilade, tinham onlanguocdo, e s de
vez em qnando se anmavara de um fulgor
quasi febril; o circulo colorido de roxo
que os rodeava, e a veraelhido, que n'el-
les se notava, trahiara as vigilias, a as la-
grimas, que a innocente menina havia der-
ramado e solrido; e as duas pequonas
rugas, que se desenhavam entre os seus
supercilios, annunoavam o pensar profun-
do, cheio de amustia, eai que ella vivera
desde o sou rompimento com Carlos-.
Sentada, como dissemos, em um sofasi-
nho de seu aposento, a gentil donzella pro-
curava por meio do trabalho distrahir
as dores, que a torturavam; mas estas,
que nao a abandona ^am urn s instante,
venceram ainda urna vez a energa e forfa
de vontade de que ora dotada aquella alma
tac nobre.
A triste lourinha deixou cahr sobre os
joelhos o bordado, descanfou a catara na
mo esquerda, comprimi com a direita o
seio, e um fio de crystalina agua comecou a
manar-lhe dos olhos.
Neste scismar to doloroso, e cora a vis-
ta da turva pelo pranto, ella nao vira Leonor,
que com passos indecisos e trmulos acabava
de entrar, e ajoelhar-se cobrndo o rosto
com as raaos.
Perdo, Amelia !-----murmurou a
moca solufando.
Que isto, Leonor ?! exclamou a lou-
rinha, erguendo sobresaltada a cabeca.
Amelia 1 Amelia, perde-me!... Deu-;
perdoou tambem!....
Eu ? !... pordoar-lhe ?!
Sim; por seu pai, perdoc-me!...
Mas perdoar-ihe o que?! Oh.! pelo
cu! Leonor, voss est delirando ? !
Ah !___si o mais terrivel remor-
so delirio-----eu estou delirando!...
Meu Dous! remorso 1 eu nao posso
entende-la !... Leonor, Uvante-se... sen-
te-se aqui, junto de mira..- dc-me suas
mos, minha amiga...
Nao, Amelia nao me toque!.. excla-
mou a morena com voz entrecortada pelos
solucoso meu contacto pode macula-la...
eu nao me lovantarei era quanto o seu per-
do me nao purificar...
Sim, sim eu Ihe perdn mas o que
foi que voss rae fez ? diga, minha irma !
diga, rainha amiga!-----nao v que est
fazendo-mo soffrer muito?...
Eu.....Vmelia, euenvenenei a sua
felicidade !... despedacei o coraco do*.. .
de...-. Carlos!... balbuciou apenas a des-
granada moca fazendo umviplento. esforfo.
A filha do coraraendador fez-se branca
como urna estatua do marmore ; um tremor
nervoso agitou-lhe todo o corpo, como o
vento tempestuoso a liaste de urna flor;
apertou cora frenes! as raaos de Leonor,
como se quizesse esmaga-las, e fixou n'olla
olhos severos e prescruta,dores.
A infeliz moca, vermelha eomo urna rosa,
e sentindo o rubor da vergonha abrasar-lhe
as faces, escondeu o rosto no eolio da
lourinha, solucando como urna enanca
Por instantes reinou silencio- no
note.
Amelia vencida emim e compadecida do
estado afflictivo de suairma collaca, abra-
Cou-a, murmurando commovida.
Sim! eu Iheperdo, Leonor... eu Ihe
perdo, porque voss est arrependida, e
porque voss... ama!... oh! sei do quo
capaz um amor infeliz!... Se tenho tambem
solrido tanto (... Ah Carlos! posso agora
comprehender-te, e perdoar-te tambem !...
Delicada comprehenco de um coraco
que ama S urna mulher capaz de to
sublime piedade!
As duas mocas permanecern! longo tem-
po estreitamente abracadas e cora os rostos
unidos. Leonor foi quera primeira fal-
lou:
Amelia! disse ella consegrando domi-
nar a agitaco de seu espiritoAmelia, eu
nao fui ainda castigada como mereco ; voss
perdoou me sem dirigir-me sequer urna
palavra de censura; foi mais generosa ain-
da : lavou-me da culpa com o baptismo de
suas lagrimas de martyr! Oh mas eu devo
impor-me o castigo maior possivel... o
da conlsso inteira do meu crime... voss
deu-me um exemplo de coragem e .abne-
gado heroica; quero mital-a ao menos
nisto! Oiifa-me, e perde-mo o mal que
Ihe fiz:
A virtude, minha irma, terasido sempre
perseguida; nao houve santo ou santa, que
nao tivesse quem o tentasse, e martyrisasse;
eis a razo porque eu me interpuz voss
como o genio do mal, para converter seus
risos*em lagrimas, sua felicidade em dr!..
E' triste para nos,multares, mas forfa
confessar, um sentimento mo e egosta
parece dominar-nos na carreira do amor;
a inveja ateada sempre pelo amor proprio.
Excepto um anjo com voss, Amelia, nos
nos incommodamoscom a felicidade e virtu-
des das ontras; basta que um homem seja
amado com ardor e pureza por alguma de
nos, para que tome nossos olhos invejosos
as maiores proporcoes : imaginamol-cr for-
moso se feio, rico se pobre, espirituo-
so e intelligente se ignorante ; enche-
mol-o emfim de mil outras qualidades su-
blimes, que realmente elle nao tem, mas
que o prisma da inveja faz-nos suppl-as; e
forfa de consederarmot-o to lisongeira-
mente, e de vl-o cercado do amor de ou-
tra, chegamos a apaixoaarmo-nos delle com
impetuosidade, com um amor egosta e ce-
g, qae n5o conhece freio nem obstculos
mesmo no impossivel: a paixo originada
da inveja, e inflammada pelo cime, que
reraorsos se detera!...
Leonor fez urna pausa, suspirou e conti-
nuou depois: '
Foi esta, Amelia, a cansa do meu cri-
me, e tambera do de mou cmplicesupla-
nta. Principiei a amar a Cirios Alberto
porque voss o ama va ; e .apaixonei-me delle,
porque ti ve inveja... porque senti-me hu-
milhadacom a sua ventura !.. Perdoe-me,
minha boa irma:... eu nao sou tao ma,
como talvez Ihe pareca... Um anno eu sul-
foquei a charama intensa, que me esclayava
.i peito !... um anno inteiro soffr em silen-
cio osmartyros do moa infeliz amor !...um
anao todo ccultei minhas lagrimas, e tra-
guen at as-fezes o absyotho do ciume, sem
soltar urna imprecacao, sem maldizel-a, sem
tentar contra a sua felicidad \ minha ami-
ga!... Viv contando as bagas domeupran-
nlk
m
to! vivi dos supolicios do meu coraco
A principio tudlffoi para mm um sacrili-
uma nuvem de pooira, quo o envolva, o -
ao cavaltairo.
Depois de qnatro horas de um gal >par
|,mai3 ou menos desabrido, Niceto apeavr.-je
a porta da casa do vivenda do engenho"
C***
O Dr. Carlos ? gritou elle A primeira
pessoa que avistou, que era o mole pi
Alberto.
Sinhosiuho sahio muito cedo na di-
rectp da ciclado rospondeu o interro-
ctjto
iq9
Diabo! para onde iria ello Y murmu-
rou Niceto cof.ando a cabeca.
Nao seirespondeu o negrinho o
que posso dizer 6 que seriam cinco horas
da madrugada, quando meu senhor mon-
tn a cavallo ; e pelo modo porque me
fallou pareca muito alegre e triste ao mes-
mo tempo.
gabi-
cto ; mais tardo porem urna tortura horri-
vol!... Ver todos os dias o objecto amado,
ouvir suas palavras, presenciar com o soce-
go no rosto'os cariotas e ternura, que elle
prodigalisa a nossa rival... ouvir dessa rival
a confisso da paixo, que Ihe tributada,
viver no poor de todos os desesperos!..
Oh meu Deus vos sos testemunha,
de quo eu teria morrido sem manchar-me
com um crime. se alguem nao me houvesse
seduzido a pratical-o!. teria supportado
1 "at o fim o tormento, que rao havia im-
posto, se a fataldade, ou antes, o espirito
das trovas, nao me tivesse trazido pela mo
urna creatura sua, quo, sabendo dominar-
me, disse-mi: faze o que cu te disser que
sers feliz! Loueura de urna multar apai-
xonada!|Oeixe'-m3fascinar,cmfiei nesse ho-
rnera, cmsenti n'uma trami infame... fui
sua cmplice... fornec-lhes as armas para a
perpetrafodo crime.... e elle, Ievando-me
astuciosa e insensivclmenlc para a borda do
um abismo nsondave!, atirou-me nelle ex-
clamando : j me serviste agora perece
no desespero!
Oh! meu Deus!... exclamou Amelia
com susto, mal podendo acreditar o que
ouvia.
Sim, minha qaerida irma! prose-
guo Leonoro Sr. Almeida, o amigo de
Carlos, disse-mo que a amava; disse-me
que proraettia faze-la feliz, e-----persua-
dir.......Alberto a....'. a esposar-me!
assegurou-me, que tudo o que podena daln
resultar nao seria mais'do que urna triste-
za passageira..... e que depois os dous
noivados conciliaria tudo as festas, os
risos, os folguedos fariam esquecer as pas-
sadas offensas, so por acaso so viesse a
descobrir o nosso crime!-----E eu-----eu
louca, amante e___vaidosa acreditei nelle
___dei-lhe as provas com que devia con-
vencer a Carlos da sua supposta infidelida-
do, minha amiga........subtratn, oh!
perde-mc, roubei-lhe noite-----emquan-
to voss dormia, o annel, que Alberto Ihe
havia dado e.....cortci-lhc urna tranca
da cabellos !,.....trahi-a indignamente.!
..... Meu Dous! hoje custa-me a crr
que j tivesse sido to mesquinha!... to
ingrata!... oh! eu estava allucir.ada !...
quanto sou desgracada !..
E os solucos embargaran! a voz do Leo-
nor. Amelia abracou-a com dobrada ter-
nu-a, encostou ao scu seio o rosto molha-
do da pobre moca, e chorou com ella.
Aquellas lagrimas eram santas! urnas
abencoavara o peralto! outras santficavam
o arrependimento!
E j era passado algum tempo quo as
duas mocas se pranteavam abracadas quan-
do urna creada, abrindo um pouco a porta
do gabinete, em que ellas estavam, disse
sem entrar:
O Sr. Niceto est na sala e deseja con-
versar com a Sra. D. Amella.
Ah! Deus quem o enva! exclamou
Leonor precipitando-se para fra do quarto,
seguida d; Amelia.
Niceto, ainda afogucado, esbaforido, e
coberto do p da viagem, ficou attonito
vendo as mocas com os olhos vermelhos, e
limpando os rostos.
Que acontecen ? porguntou elle!
O senhor donde vera ? perguntaram
tambem ambas.
Eu ? de urna viagem...... ^
De que lugar ?
De Iguarassu----- do engenho C-
O Sr. Carlos ? perguntou Leonor.
Carlos ?___repetio Niceto hesitan-
do. ...
Sim! o Sr. Carlos Alberto? inquino
a filha do commondador assustada com a
hesitaco do rapaz.
_ Elle___elle solre, minhas senta-
ras!... ...
Est doente ?! exclamou a lourinha
empallidecendo.
Sim ; do coraco !.. mas creio quo
urna palavra cura-lo-ha perfeitamente-----
Ah! Amelia! solufou Leonoreu
sou a causa de tudo isto !-----
Secegue, minha amiga! nao exagere
assim a sua falta!
Como assim ? murmurou Niceto es-
pantado^sem poder concluir a phrase.
Sim, Sr. Niceto! eu sou a causa de
todos esses padecimentos!... V, por fa-
vor___ corra ao engenho do Sr. Carlos
diga-lhe. diga-lho que Amelia est inno-
cente___que nunca amou seno a elle...
a elle s, ouvio ?. que ella .um anjo...
que o Sr. Almeida mentio... que o annel
e os cabellos fui eu... sim, fui eu quem
osroubou... v diga-lhe tudo... que me
amaldice..- embora... mas restitua a
Amelia a felicidade que ella merece !
Oh! meu Deus! eu vos agradeco !
exclamou Niceto louco de alegraAh eu
bem dizia que D. Amelia estava innocente,
e que Carlos era o nico rapaz digno della
___Hei de esraaga-lo com abraco furioso
___ de macbucar-lta os ossos vou
mata-lo de prazer!.....
XV
AVISiO.
Anda o crep da noute envolva a trra,
quando Niceto na madrugada do dia se-
guinte ao da soa chegada era casa de Car-
valhosa, cavalgava, e descendo a ladeira
do Varadouro, tomava ligeiro a estrada de
Paulista.
O rapaz ia como um doudo, gritando,
chicoteando e esporeando o pobre cavallo,
em que montava, e exclamando, como se
podesse ser entendido :
Anda, meu borabucephalo !... anda !
eu te prometi saciar com urna bda raco
apenas chegue a Iguarassu I... anda !... s
gente ao menos nma vez em tua vida irra-
cional t... vamos upa t away !
E com effeito estas exclamares pareciam
excitar o.fiel animal, que estriava-se todo
Talvez fosse ao meu encentro ?
Pode ser, meu senhor. *
Sabes quaes os caminhos, por onde
ello anda, quando vai ao Recife ?
Sao muitos ; ella nao tem eslrada
certa ; gosta raais de andar pelos alalhos.
Ol! caipora quo deverei fazer ?
Esperar por sinhosinho melhor.
E's um rapaz cordato tens razo,
principalmente porque nao me acta em es-
tado de bater estradas. Entretanto se den-
lro do urna hora Carlos nao houver chegado
sellars o meu cavallo, c trars a porta do
quarto delle.
Sim, senhor; aqui est a chave : Vnic.
nao tem mais do que abrir com ella a pri-
meira porta do oito.
J sei.
Chegando ao aposento do bacharel, Ni-
elo recuou espantado : *
Ola exclamou Carlos nao dormo
esta noute a cama est intacta !... Nao
tem duvida ; passou a noute fra de casa !
mas nao a vela est quasi consumida I...
a secretaria remechida !... Que diabo es-
tove elle fazendo !...
Muita cousa disse alegremente Car-
los entrando.
Oh doutor! gritou Niceto, saltando
ao pescoco do manceboDoutor! felicida-
de paz amor! eis o que Ihe trago !
Abrace-me 1 beije-me quero raachucar-lhe
os ossos mate-me tambem, que j agora
posso morrer !...
Obrigado meu querido amigo mil
vezes obrigado disse Alberto com jubilo,
abracando Niceto Fui ao seu encontr, e
se nao me houvessein dado noticias suas
no caminho, teria ido at Olinda Oh !
nao faz idea da felicidade que j gosei, e
estou gosando neste momento!...
Que j gosou ?! repet) Niceto espan
ladocomo ento ?! pois sahia...
Que Amelia, a minha querida Ame-
lia est innocente !concluio Carlos.
Eque ?!...
Fui trahido J...
Eque?!...
O annel, e "os cabellos foram rouba-
dos !
Por Deus! isto prodigioso gritou
Niceto atordoadoO senhor foi Olinda ?
Nao.
Rccebeu alguma caria ?
Nao.
Ento alguem antecipou-se a mim ?
E' verdade.
Qnem ?
Minha mi!...
Oh I doutor! isto gracejo !... pois
sua mi nao mora ?
Ha muitos annos ; mas quo tem
isso ?
Ah estupido, que sou um sonho
talvez ?
Mas do que isso.'
Eu endoiidef-o estou assombrado !
exclamou Niceto pondo as mos na cabeca.
Carlos foi a urna secretaria, tirn um
lbum de velludo, e entregando-o ao rapaz
disso :
Tome, c lea, meu amigo lea alto;
quero ouvir ainda esta vez a narraf-o da
noute feliz, que mo restituio por momentos
minha adorada mi; e para sempre minha
querida Amelia. Leia, e julguo a minha
felicidade de hontem e de hoje Oh a
ventura excessiva nao mata, porque ento
cu teria morrido !
Niceto, cada vez mais attonito, aturdido
mesmo pelo quo ouvia, tomou o lbum, e
e ia principiar a le-lo, quando lcmbrando-
se de que se havia esquecido de urna cousa
importante, suspendeu-se, o metiendo a
mo direita em urna das algibeiras, tirou
um cnvellope cor de rosa, sem sobscripto,
que entregou a Carlos dizendo :
Eis o seu passaporto para Olinda !
a carta, abrio-a com
Venha depressa eu Ihe perdo
Amelia.
Apenas elle acabou de 1er estas palavras
escripias com letras trmulas, os olhos se
Ihe encheram de lagrimas.
Ah como fui injusto e crdulo, meu
Deus como pudo duvidar daquelle anjo !
exclamou com voz tremente.
Est as suas raaos reparar essas
faltas, doutordisse Niceto.
Oh cu o juro fallou Carlos cora
ardorjuro que a datar de hoje toda a
rainha vida ser urna serie de dedicacoes
para cora Amelia sim ; hei de ama-la co-
mo nunca se amou na trra hi de suf-
foca-la com o peso de minhas caricias A
ella amor, constancia, e fidelidade ; e ao
senhor amizado e gratido.
Nao sabe que satisfaca me do estas
suas palavras I estou contentsimo Ago-
ra quero 1er o seu albura'; estou raorto
por saber a maneira porque Ihe foi revela-
do o que Ihe vinha eu dizer.
Sim, meu amigo ; mas em seguida
conte-me tudo o que so passou em casa
do commendador antes e depois da sua
chegada ; ardo em desejos por sabe-lo.
anciedade, mas de-
lambem a minha :
este altam est~~me\qmimando as mos !
disse Niceto ; e cravando os olhos no hvro
leu o seguinte :
Alberto recebeu
soffreguido c leu:
nao poupa victimas, e que so- quando feri- [ na estrada para ganhar terreno, levantando
Satisfarei a sua
pois de ter satisfeito
(Contmmr-se-ha)
1TF. DO MAUORUA M8 CMIB8 .
i >
\
\

\


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EA7EU0275_7PFUQH INGEST_TIME 2013-09-13T22:18:41Z PACKAGE AA00011611_11816
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES