Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11815


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUMERO 83.
PARA A CAMTAL E H$ABES C'NDE NAO SE PAGA PORTE.
Por Ires raezcs adiantados....... fiJWW
Por seis ditos dem...............'...'' fi
Por um anno -dem............. ..... IrJXXX
Cada numero avolso ,*. ...... 24^
QUARTA FElfiA 14 DE ABRIL DE 1869.
Por tres mezes adiantados.
Por seis ditos idem. .
Por nov ditos dem .
Por um anno. .
PARA DENTRO'E FORA DA PROVMCIA.
GA750
13*300
20*250
270000
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
SAO AGESTES:

\
f
I-

Os Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para; Goncalves Pinto, no Maranh3o; Joaqnim Jos de Oiive/ra, no Cear; Antonio de Lemos Brasa no 4racatv Joo Mu* Jn rh,. -- --____
Gutrnaraes Pancada, em Mamante; Antonio Alexandrmo de LimT, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa Tf^'SdS^&^m^ em San^An ao;-1fSTf/arS!Va,n0 Nata,; Antonio Joa^
________________ m Nazareth; Francino Tavares da Cesta, em Alagas; Dr. Jos Martas Alves, na Babia; e Jos Bibeiro Gaiparkih nc.Rio deJaneiro ^ 86 da CSta Braga>
PARTE OFFICIAL
Ministerio da fazenda.
X. 4,313 DE 22 DE MAR?!! DE I89.
( Conclusao )
Alt 15. Havendo duvida sobre estar ou nao
amia la a mercadura, sobre ser ou uu avaria do
mar 0.1 de viagein, ou intrnseca, ser o dono, ou
Sensiguatario da'ipesma niereadoria obrigad > a
espaeha-la. deutrf de doz das, como nao avaria-
da; e se o nao flzer, o chufe di re|iariicao orde-
nara que soja a dita mercadoria arrematada, e
0 seu producto, depeis de deduzidos os direi-
tos e despeas, receido em deposito ao cofre
da abandera, para ser entregue a queut direito ti-
ver.
Ari. 46. Nao se conceder abatnente por a"a-
ria ou perdas de valor, que solrerem as soguioles
mercadorias: cha, medicamentos simples, ou com-
postbs, vinlio, azeite, lquidos alcoolicos e batidas
fermentadas de qualquer naturgea, cobre ^n ra-
lba, ap chapas, ou em pregos, cenlas ealhos, ve-
1 w i seno, decora, de esperncete, demasa
stearica ou de eomposiraj; e frnctas seecas, o
pasudas. Ser, porin, permillido a parte sepa-
rar a porro que reputar avaria*, ou que bou-
ver perdido de valor, e abandona-la pelos direi-
tos.
Ai!. U. Os enero? alimenticios, ouoscomes:-
veis, M medieaajMOloa -implices ou coinpostos, se-
jam lquidos ou solido, cuja avaria do mar ou de
viag :;;i, ou inirinsec a fr reconhecida, nao podo-
i i i ser despachados, nem vendidos em leilo pava
cousum : sen que preceda exame de pessas id-
neas, e se verifique nao ser a delerioraco damno-
sa ladde publica.
N) caso contrario serlo taes gneros ou merca-
deas inulilisados, lavrando-se de tudo o comp-
leme lerm >.
Os cascos e outros emolinos, pacte, em que
vienta acondicionadas, poder. ser de-pacbados
como vastos, ou vendidos em leilo.
Qtuorat.
Art. 48. A louca de qualquer especie, vidros e
objectos de ferro tundido, aatanbado ou esmaltado,
ou de barro, importados em calzas, barricas, gi-
ou qualquer outro envoltorio seuielhantc, pa-
gar os direitus respectivos com abatimanto de
tres por cento para quebras ; e quando o dono ou
consigu itario reclame matoi abatimento, o respec-
tivo inspector, ou administrador, precedendo exa-
. r peritos de sita e.-colha, peder conce-
der at de/, por cento inaia de abatimento, licando
salvo a mesmo dono ou consignatario conformar-
se i oni essa runcesso, ou satistazer os direas de
cada [teca em separado, qm: se adiar intacta, sem
i i > ai rematadas na forma do art. 301, paragra-
plio primeiro do regulaiuento de l'J de setembro
de
Paragrapho nico. N03 casos de verilicacao
do ps o h nudo real das mercadorias mencionadas
artigo, nao lera lugar o jbatiuiento para que-
A: 1'.'. Aos lquidos om .geral, salvas quaesquer
s cipaciaes da larifaf%BjWlos a di re tos
111 M/.ae d 1 capaeldade dos cascos, ou vasos que
mtiverem, se conceder, a titulo de quebras o
seguate abatimento :
j L Dedeos per cento para os que nao sao
aporaco, e vierem em cascos, e de
uteio por eento em nada mez que se se-
1 "is prieiros mezes de estada nos ar-
itos da alfandega, al o limita de
seis nn
Detrae por cento para os alcaolicos, ou
8ujeii poracio, que lamben vierem em cas-
cos, e de mus um por cento em cada mez, pelo
que lica dito no paragraplio antecente.
3.' De cinco por cento para os de qualquer
natareza, que vierem em vaailba de vidro ou de
barro.
1 Sao excepluados da regra do artigo
poder ser escripta na propria nota, nos seguintes
termos :Autorise ao despachante F. (ou ao meu
caixero dcpacbaule F.) para despachar as mer-
cadorias constante desta nota.E, sendo dada
em separado, dever.i. conter as declaracoes exigi-
das no uuesiiio l",ns. 3,4,5 e 6.
4." A deca, acao do peso, medida ou quanti-
dade dat mercadura ser escripta em algarismo, e
repelida por extenso.
5. Nos despacios das mercadorias que pagam
diroitos por peso, a parte declarar expressamen-
tepeso bruto, se a mercadoria estiver sujeita a
diroitos na razao diste geso ; epeso liquidose
sujeita a direitos na razao do peso liquido real. Se
a mercadoria, pori \ estiver sujeita a. direitos na
razao do peso liquido legal, eu porque a parte
assim o preflra, ou porque nao possa pagar peio
peso liquido real, pe r nao poder satisfazer os re-
quisitos do art. 33, a declaraco ser feita do
modo seguinle :
Peso bruto... +
Tara....
Liquido legal.....
6 O valor das mercadorias, que na forma da
tarifa estiyerera saritas a direitos ad valorem,
ser mencionado pea parte, ein algarkmo, mar-
gem da respectiva nota, devendo o conferente re-
petido por extenso no corpo da inesma nota, se
com elle concordar, e, no caso contrario, men-
cionar o valor que devam ter as mesmas merca-
dorias.
7. A declaraco da entrada e descarga ser
previamente conferida vista dos assentamentos
e do livro mestre e do livro do armazem, hincando
no despacho os respectivos empregados as compe-
tentes verbas. *
Art. 53. Os conpuntees devero declarar as
respectivas notas olumero do artigo da tarifa, em
que estiver, incluida cada urna das mercadorias
verificadas no acto conferencia dos volumes
submeltidos a despacho.
Art. 54. Nao se p'srmittiro despaelios separa-
dos, para consumo e ao mesmo te.mpo para reex-
portado ou baldeacao, de mercadoriai pertencen-
tes ao mesmo volunte.
Art. 55. Os despachos de consumo de lquidos e
os das mercadorias constantes da tabella n. 7 se-
rn feitos em separado dos de outras merca-
duras.
Art 56. No me no despacho nao se poderlo in-
cluir mercadorias depositadas nos armazens in-
ternos da alfandega, 011 da mesa de rendas, com as
que estiverem em outro deposito, ou bordo, ou
sobre agua ; e, sempre que fr possivel, se dirldi-
ro os despachos conforme os armazens em que as
mercadorias cstiverem depositadas.
Ditposiroes diversas.
Art. 57. A contageiii dos (los nos teeidos sujetos
pela tarifa a direitos na razao dos fljs de uridura,
que contirerem no espaco de 5 milmetros, ftr-se-
ha com o instrumento denominadoconta flos.
O fio que servir de termo se incluir no numeiv)
cipio, que a 29 do referido mez, pelas 8 horas da
noite niais ou menos, ferio com um tiro a Antonio
Alves do Nasciment Foitosa.
N. II.Dita aojuiz de direito da comarca de
Flores.Em resposta ao offlcio de V. S. do 20 do
mez prximo fiado, declaro-lheque a 4 do dito mez
remetteu-se aos delegados de Flores e Villa Bella
a quantia de 3004 (a cada um), para occorrerem
s despezas com a sustentacao dos presos pobres
as cadas de urna e outra daquellas locali-
dades.
N. 12.Deliberaro.O presidente da provincia,
atlendeodo ao que he requereu Joo Jos Luis
Wanderlev, guarda da casa de delencao, resol ve
conceder-lhe um mez de licenca com venciraentos,
na forma da le, para tratar de sna sade.
3" seccao.
N. 13.Portariaaao inspector da thesoursria de
fazenda.Em vista da conta junta em dunlicata,
que me remetleu o capitio do parto em oflleio de
hontem, sob n. 41, mande V. S. pagar a Manoel
i Filhoa a nn.inlia de 58500;"
Figueira dataria 4 Filhos a quantia de 58*000,
proveniente ae annuncios mandados publicar por
determinado por limite, e nos casos de doyida a
decisao ser sejnpre i favor da parte, notando-se
esta circunstancia no despacho.
Art. 58. As amostras isentas de direitos de con-
sumo, na forma do 1. do an. 4. se dar sahida
dependente do despacho, depois de examinadas
pelo conferente para e>se lim designado, se o res-
pectivo volunte nao estiver manifestado, ou se
achar manifestado como contendo amostras.
^ 1. Ao volunte que conlivertaes amostras dar-
se-ha baixa no livro competente vista de um bi-
aqnella capitana no Diario de Pernimbuco.
N. 14.Dita ao mesmo.Pelo offlcio que V. S.
me dirigi hornero, sob n. 178, flquei ineirado de
haver sido entregue ao eommandante do vapor
Ipojucadz companhia lVrnambucana, a quantia de
1:500.1, constante do citado offlcio, que lica assim
respondido.
N. 15.Dita ao mesmoCommunicando-me o
general eommandante das armas haver fallecido
s I horas da tarde do ilia 30 de marco ultimo, o
lente reformado do exereito Joao de Siqueira
Campello, que exercia o lugar de ajudante da for-
taleza do Brum : assim o declaro a V. S. para sea
c onhecimento e direccao.
N. 16.Dita ao mesmo.Autorisando o enge-
nheiro encarregado das obras militares a contra-
tar com Manoel Antonio Teixeira pela quantia de
110 a oxecuco dos concertos precisos no quar-
tel contiguo a capella da fortaleza do Brum ; as-
sim o communico a V. S. para seu conhecimento e
direccao.
N. 17.Dita ao mesmoAo capitao comman-
dant interino do batalhao n. 47 de infantaria
Francisco Manoel Rodrigues Coelho, ou ao seu
procurador Andr Avelino Pereira e Silva, mande
V. S. pagar depois de liquidados, em vista das re-
lacoes nominaes e prets untos em-duplcata, qi
me remetleu o eommandante superior da comarca
da Boa-Vista com offlcios de 5 e 7 demarco prxi-
mo lindo, os vencimentos relativos aos mezes de zentbro do anno passado. Janeiro e fevereiro lti-
mos, dos guardas nacionaes destacados naqitella
villa.
4' secctlo.
R' 18.Portara ao direetor geral da Instru'Qao
publica.Em vista de sua informacio de 26 de fe-
vereiro ultimo, sob n. ol,e da do inspector da lite-
souraria provincial de 27 de marco prximo fiado,
sob n. 16i, autoriso Vine, a por o seu cumpra-se
no incluso titulo do professor interino da viHa de
Floresta Eduardo-Monteiro de Moura, afl"dee
poder cobrar-os seus vencimentos, provando que
cumprio seas^taveres.
N. 19. Dita ao gerente d*-tiiipanliia Pernam-
bucana.Ao nffieio de hoje em que Vmc. pede per-
misso para que o vapor Mandah. siga viagein
para o presidio de Fernando no dia 3 do corrente
independente das formalidades que est sujeito
de arqueacao, visioria, matricula e registro, res-
pondo dizeudo-lhe que tendo indeferido igual pre-
ou dono do volunte, e rubricado pelo conferentv
que der sahida, no qual ser mencionada a marca
e numero, e o n tme, procedencia, e data da entra-
da do navio que o ti ver importado.
2. Se no mesmo volunte que contiver taes
amostras, vierem algumas que devam pagar direi-
tos, dar-se-ha sabida s primeiras,ficando as ou-
tras no volunte, que de ver ser lacrado e sellado,
para serem (lvidamente despachadas devendo o
conferente mencionar no mesmo bilhete ou nota
as mercadorias que ficaram para pagar direitos.
Art. 59. Ficam revogadas a 2.a parle do 3. do
551 do regulamento do 19 de setemb o de
ae Uaborahy.
Ci ver da pro vi a ca.
EXM. SR. COXDE
W10VIXCIA, EM 1
pree
JJIV'T^ T SS CUJa rbfa {% re"' **Fm*2C dhp^nTem contra^"'
^ ; i. importar, je verilicada por meto de vis-
' lquidos coja quebra tiver sido causada
poi uiero accidente, ou sem culpa, ou deleixo de
'erifleadas estas circuuistancias por meto
B inqoeriU) a que se proceder por or-
BCUvo inspector ou administrador, e
com assisl incia dos mtenaaadoe, dentro de 24 ho-
ras improrogaveis dep lis do acontecimento; lican-
d 'i .' i- velo administrador daa capatazias, seus
1 i o fiel respectivo, pela perda que se
1 lr verilicada no prazo e telo modo aci-
i '' Os li juidos cuja niedico for verificada na
occ do deMacbo, quando os cascos ou vasos
que o- couiivenm ni i apteantaMm indicios ex-
falta uo ario da descarga, e nao houver
motivo reclamada a quebra na for-
m i do >; i-. o que o conferente dever declarar na
ilota.
0 inspector ou administrador, se julgar
conveniente, poder mandar verificar por qual-
o a axactidae da quebra adiada na
ia a que se reierem os paragraphos pnnielro
e sea tnd.
/ ;/ IUddesdas notas para os despachos.
Ari. !. Para que possa ter lugar a entrega ou
sabida de quaesquer mercadorias dos depsitos da
alian i .m mesas de rendas, ou de suas dependen-
cia- no previo pagamento dos direitos,
da arinazonagem, ou de qualquer outro imposto a
2' a sujeitas, mediante o competente
ie,!io, que ser proeessado conforme o disposto
ii k artifs seguintes.
Art. 52. A |>essoa que pretender despachar al-
gum genero ou mercadoria sujeita a direitos,
obrigada a apresentar ao chefe da competente re-
icio:
i." O conhecimento ou factura, e mais ttulos
que provem origem das mercadorias ou gneros
que pretende despachar e o seu direito a tomar
cenias ri.\
2." lona nota em duplicata, que contera os se-
guintes requisitos e solemnidades.
1. A data da apresentacao.
2." Nome do dono, ou consignatario das mercar
dorias ou gneros.
3. No ne di navio, ou vehculo que os trans-
portou, sua nacionalidado, procedencia e data da'
entrada no resjieclivo porto.
4. O deposito, armazem, ou lugar em que se
achar a merca loria, data da descarga no pnmeiro
deposito, e no em que estiver na occasio do des-
pacho.
5. A qualidade, nmeros, marcas, e contra-
marcas dos voluaies que quer despaefiar.
6." A o, i'.un lade,* qualidade, peso, ou medida
das mercaduras qu"cada volunte eontiver, ou dos
G'eros a grane!, conforme a base adoptada pela
tirifa para e calculo dos direitos; e guando as
mercadorias forem sujeitas a direitos ai valorem,
alera dos referidos requisitos, o valor de sada ad-
dicao ou artigo.
'* Assignatura do dono, ou consiimatario das
mercadorias ou gneros, se esta por si as despa-
c ar, ou ite seu proposto devidameaie bafchlado
men'aU!idQ?pUuio 7 do Ututo 5doregaia-
S 19 de setembro de 4860, vista da au-
na&m\h^ eiS5 flm dada Pf rip^ e """
Ihete ou nota, feito e assignado pelo despachante, llenfo dossa gerencia em setembro do anno pas
sado para o vapor Coruripe, a vista do que ento
informou o desembargador nresilente do tribunal
do comuiercio nao posso boje annuir ao que Vmc.
pede para o M-mdah.
N. 20.Dita ao mesmo.O Sr. gerente da com-
panhia Pernambucana mande dar transporte para
o presidio de Fernando, por conta do ministerio da
guerra, no dia 3 do corren te a sete sentenciados
militares viudos ltimamente da corte, los Fran-
cisco dos Santos, l-'r.inciso Antonio das Chagas,
Tiburcio de Paula Machado, Jos Soares de Athav-
dc, Luiz Jo.; de Lyra, Manoel Francisco de Souza
e Joo de Deus ias. -
N. 21.Oeberaeao.0 presidente da provincia
attendendo ao que requereu o profess >r publico
da cadeira de instrnecae primaria de S. Jos de
Ingazeira Deocleciano Ferreira dos Santos, e tendo
em vista a informacao do director geral dainstruc-
eao publica de 2 de marco prximo lindo, sob n.
o >. resolve de conformidade com o art. 23 da le
n. 598 de 13 de malo de 1864, conceder a remo-
c3 i que pede o mesmo professor da uella cadeira
para a da povoaco de Correales Que actualmen-
te rege.
N. 22.Dita. O presidente da provincia cm
vista do offlcio do director geral da instruccao pu-
blica de 2 de fevereiro ultimo, sob n. 50, resolve
exonerar o bacharel Jos Theodoro Cordeiro do
isconde
DE
DB
EXPEDIENTE ASSIUNADO PELO
BI SM1DUY, PRESTOENTE DA
AIIRII, DE 1869.
1.* seccao.
N. 4.Portara ao Exm. general eommandante
das armas.Ficam expedidas as convenieutes or-
dens, nat s ao gerente da companhia Pernambu-
cana para fazer receber e transportar ao presidio
de Fernando, no vapor que para all segu no dia
3 do corrente, os sete sentenciados militares vindos
ltimamente da corte, como ao capitao-tenente-do
brigue-barca Itamarac para mandar apresentar a
V. Exc. unta escolta de dez pracas e um inferior
de imperiaes marinheiros, para guardar os referi-
dos sentenciados durante a viagem, como tudo so-
licitou V. Exc. em offlcio de 31 de marco findo.
sob n. 178.
N. 5.Dit) ao mesmo.Inteirado do que V.
Kxc. expoz cm seus offlcios datados de 3J de
narco ultimo, sob ns. 177 e 180, relavamente ans
recrutas Vctor Jos da Silva e Romo Jos |M
Santos, recommendo que mande por em Abordarle
os de nomes Agostintio Baptista da Silva, Gypriano
Jos Lopes e Joaqnim Francisco Thom, visto to-
rea sido julgados incapazes do servico do exereito
em inspeeco de sade. como consta dos termos
que vieram annexos aos seus offlcios de 30 e 31
de manco ultimo, sob ns. 174 e 179.
N. 6.Dita ao engenheiro militar.Em respos-
ta ao seu offlcio de 31 de marco ultimo, tenho a
dizer-lhe que contrate a execucao dos concertos
oreeisos no quartel contiguo a capella da fortaleza
do Brum com o proponente Manoel Antonio Tei-
xeira, que maior vantagem offerece tazenda na-
cional, como se v das propostas, que incluso de-
volvo, e vieram annexos ao seu citado offlcio.
N. 7.Dita ao vice-consul da Italia.Commu-
nico ao baro da Soledade, vice-consul da Italia,
que, segundo consta de participacao do Rvd. vi-
gario da freguezia dos Afogados, datada de 23 de
marco ultimo, fallecer nesse dia, no lugar deno-
minado Imberibeira, sub'dito italiano Jos Paga-
netti, de 40 annos do idade, casado, e natural da
provincia de Parma daquell reino. Renov ao
mesmo Sr. cnsul os protestos de minha estima e
distincta eonsiderarjio.
N. 8.Deliheracao.0 presidente da provincia,
resolve conceder licenca a Antonio Francisco d
cargo de delegado litterario do districto do Brejo.
N. M.-Dita. O presidente da provincia e n
vista do offlcio do director geral da retruecan pu-
blica de 21 de fevereiro ultimo, sob n. 50. resolve
nomear o cidad > Jos Alves M.irinho Falcao, dele-
gado litterario di districto do Brejo.
N. 24.Dita.O presidente da provincia atten-
dendo ao que requeren a professora publica da 2*
cadeira da freguezia de S. Frei Pedro Goncalves
do Becife, Emilia Candida de Mello Luna, e tendo
em vista a informacao do director geral da instruc-
cao publica de 16 de marco prximo lindo, sob n.
b7, resolve que seja contada do dia 7 de Janeiro
ultimo em diante, a licenca de 2 mozos com orde-
nado soraente que, em vfrtude de despareo de 5
de fevereiro do corrente anno, ora Ihe concede para
tratamento de sua saude.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PELO SR. DR. JO AQU X CORREA
DE ABAUIO, SECRETARIO DO GOVKRNO, EM 1 DE
ABRIL DE 1869.
Ia seccao.
N. 25.Offlcio ao capitao do porto.O Exm. Sr.
presidente da provincia manda declarar a V. S.
em resposta o seu offlcio de hontem, sob n. 41,
que a thesouraria de fazenda tem ordem para pa-
gar a Manoel Figueira de Faria & Filhos a quan-
tia de 58*000 constante do citado offlcio.
2a seccao.
6. Offlcio ao eommandante superior da
guarda nacional da Boa-VistaS. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S. em
resposta os seus offlcios do 5 e 7 de margo ultimo,
que transmittio a thesouraria de fazenda para os
fins convenientes, as relacoes nominaes e prets em
duplcala, que vieram anneos aos citados offl-
cios.
3' seccao.
. N\ 27.Offlcio ao inspector da thesouraria pro-
vincial.S. Exc. o Sr. presidente da provincia, ten-
do, por deJibcracao desta data, e em vista da inwr-
Meaeiros para ir ao presidio de Fernando, em inacoflo director geral da lastruccao nublica de
wiorisacao de que trata g 2., n. 7,
companhia de Jos Henrique da Silva.
, N- 9Dita.O presidente da provincia, atten-
dendo ao que requereu Jos Henrique da Silva, re-
solve conceder-lhe licenca para ir ao presidio de
Fernando, no primeiro vapor qne para all seguir,
levando comsigo os gneros constantes da relaco
junta, assignada pelo secretarlo do governo, nao
podendo pwm effcctuar o desembarque dos refe-
ridos gneros, sem que por parte do eommandante
do mesmo presidio se proceda a exame, aflm da
se verificar se ha agurdente ou outra qualquer
bebida espirituosa.
N. i0.Portara ao hofe de polita.Inteiradq
de quanto V. S. me participa em seu offlcio n, 449
de JO do mez findo, tenho a der-lhe que d asi
reeisas proidBi!a9j)ara saber onome. do gnarda
mttm do 3 bfrtalhao I? tafantaria deste muni-
iioajear para o snbsjituir ao eidadan. Jos Al-.
veMarliuio Falcao; assbn o manda eoBssnuoicar
a V. S, para seu conbecunento, enviandn-ihe o ti-
tul o do nomeado para ter o wnvoomte dsstiaej
2 de marco prximo lindo, sob n. 55, re olvido con-
ceder nos termos do artigo J3 da lei n. 598 de 13
de maio de 1864, a remocaVyque pedio o professor
publico da cadeira de S, Jos de Ingazeira Deocle'
ciano Ferreira dos Santos, para a da pouoacao de
Correntes, que actualmente rege : assim o manda
communicar a V. S. para seu conhecimento.
4' seccao.
N. 48Offlcio ao director geral da nstrntca
publica.S. Exc. o Sr. presidente da provincia ten*
do, por deliheracao desta data e em vista de seu
offlcio de 24 de fevereiro 'ultimo, sob a. 50 resol-
vido exonerar o bacharel Jos Theodoro CcdeiroJ
do cargo de delegado litterario do districto do.Bre-i Lzardo de "raza" e MeMoTa vl'a'e I^m d
X. 29.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presiden-
te di provincia tendo, por deliheracao desta data
em vista de sua informacao de 2 de mareo prximo
nado, sob n. 15, resolvido conceder nos termos do
artigo 23 da le n. 598 de 13 de malo de 1864, a
remoeao que pidi o professor publico da cadoii
(fe ^>. Jos de Ingazeira Deocleciano Ferreira dos
untos para pomelo de Correntes, que actual-
mente rege, assim o manda communicar a V. S.
para seu conhecimento.
EXPEDIENTE ASSIGNADJ PELO EXM. SR. CONDE DK
BAEPE.\Dr, PR.E3IDE.XTE DA PlUViXCIA, EU 2 DE
ABRIL DE 18C9.
, 1" seccao.
N. J3.Portara ao Exm. general eommandan-
te das armas.Ficam expodidas as convenientes
ordens oao so aos agentes da companhia Brasilei-
ra do I aqueles, para fazerem recber e transpor-
tar a corte n<> vapor Cruzeiro do Sal, que se es-
pera do norte o alferes do batalhao n. H de infan-
taria do exereito Haaot) Jos da Silva Leite, como
tambera a thesouraria de fazenda pira man lar-lhe
ajustar coalas e passaf guia de soecornraento,
tudo co.nFV. Exc. solicilou en offl-io de n. 184
de hontem datado.
N. 34.Dita aoconselluiro Jos Joaqu.m Rodri-
gues Inopes, secretario do conselho supremo mili-
lar.Transmuto a V. S. a f de offlcio que pelo
2^ batalho de artilharia a fi foi a 27 de maio de
I8i, passada ao capeiloaKeres padre Christo-
vao de Hollanda Cavalcanti, solicitada por V. S.
em offlcio de 9 de marco ultimo, para cumprimen-'
todo aviso da secretaria de eslado dos negocios da
guerra de 27 fevereiro deste auno.
N. 35.Dita ao inspector do arsenal de unri-
nha.A vista d > exposto em sua informacao de
3! de marco ultim n. 1707, cin referencia ao
parecer do monteo da enfermara desse arsonal
que considera o aprendiz marinheiro Epiphanio in-
capaz para o frrico, autoriso V. S. amanda-lo
eliminar da respectiva companhia, entregando-o a
Auna Joaquina di Espirito Santo, que o reclama
como seu tutelado, depois que esta indemnisar a
fazenda de todas as despezas feitas pelo estado
com a educaco do referido menor dasde o dia do
seu alistamento.
N. 36.Dita ao bario di Soledade,Accuso o
recebimento da carta que V. S. me dirigi em 18
do mez prximo findo, declarando-me que se acha
em seu poder a quantia de 1:1745, productos dos
bilhetes de camarotes e cadeiras que por pedido
meu a V. S. a Associaoj Cimitercial Beneucenfe
servose destribuir por occas i do beneficio que
o empresario ditheatro de Santa Isabel deu a fa-
vor das familias e orphos dos voluntarios desta
provincia qut pereceram na guerra contra o Pa-
raguay, promovendo deste m ido melhor resultado
ao dito beneficio.
Agrade.-cndo a V. S. a hm lade com que a'-
q iesceu ao mea pedido, e os esforcos que empre-
gon, ben c un i a assoeiaeo de que V. S. digno
presidente, cumpre-ine diter a V. S. que, para re-
partir tqnella importancia e,a de 1643320 existen-
t em poder do emprezaro di theatro, a quem
determino .pi" entregue a V. S., resolv nomear
o n i coiii'iii.-sa i compos!,-. de V, S. e dos DrV
l'ir.ncisco de Assis de Oliveira Maciel e Manoel de
Barros Barrero, de cada um dos quaes espero a
prestaco de mais este snico cm proveito das
tamilias eorphaos. O que communico a V. S., a
quem reitero os protestos de minha estima e con-
siderar .
N. 37.Rilo ao Dr. Francisco de Assis de Oli-
veira Maciel.Tendo nomeado urna commisso
composta de V. S., do barao da Soledade e do Dr.
Manoel de Barros Brrelo, afim de destribuir pelas
familias e orphos dos voluntarios desta provincia
que pereceram na guerra contra o governo do Para-
guay a quantia de 1:3385320, qne existe cm poder
do mesmo baro, proveniente do producto de um be-
neficio dado pelo emprezaro do theatro de Santa
Isabel a favor chis sobreditas mmitias e orphos :
assim o communico a V. S., esperando que aceite
esta incumbencia, e se entenda com os outros
mambros da eomtmesao para levarem a efTeito
aquella destnbuicao.
N. 38,Dita. Mentiea ao Dr. Manoel de Barros
Barreto.Mutatis mu tunis.
N. 39.Dito ao eommandante do brigue-barca
Itamnrac. Tendo de seguir para o presidio de
Pernead i de Norxmha alguos presos militares que
all vo cumprir sentenca, e n) havendo torca da
guarda nacional que os possa escoltar at l, ba-
ja Vine, da mesnta forma que se tem procedido
de entras vezes, de mandar apresentar amanhaa
s 9 1|2 horas do dia 10 pracas de imperiaes ma-
rinheiros e um inferior, no quartel general para
receber os referidos presos e leva-Ios a bordo do
vapor da companhia Pernambucana que segu
amanhaa ao meio dia.
N. 40.Deliheracao.0 presidente da provin-
cia, attendendo ao que requereu Bernardino da
Silva Cosa Camp>s, resolve conceder-lhe licenca
para poder embarcar para o presidio de Fernan-
do no primeiro vapor que para all seguir afim de
ser entregue so capello do mesmo presidio pa-
dre Aragneth os gneros constantes da relaco
junta assignada pelo secretario do governo.
2.a seccao.
N. 41.Portara ao eommandante superior da
guarda nacional do Limoeiro.Transmiti a V. S.
para seu conhecimento a deliheracao desta data,
junta por copia, nomeando, de conformidade com
a proposta do eommandante do batalho 21 de
infantaria do servido activo da guarda nacional e
infnrmaco de V. S. de 13 de marco ultimo, offl-
ciaes para o referido batalho ; cumpriudo que V.
S. mande intima-Ios para que no prazo de tres
mezes hajam de solicitar as respectivas patentes na
secretaria do governo, communicando-me a data
em que foram ellcs intimados.
N. 42.Dita ao eommandante do corpo proviso-
rio de polica.Em resposta ao offlcio de Vmc,
de 1 do corrente sob n. 142, tenho a dizer-lhe que
o autoriso a dar baixa do servico as duas pracas
de que trata o seu dito offlcio.
N. 43.Dita ao mesmo.Em resposta ao offl-
cio de Vmc. de 31 do corrente, tenho a dizer-lhe
que satisfeita a fazenda da quantia de 244720 que
Ihe devedor, pelo fardamento recebido, o solda-
do desse corpo Umbelino Antonio Pereira, poder
ser delle desligado, para, como requer, sentar pra-
ca como voluntario, no deposito especial de ins-
truccao desta provincia.
N. 44.Deliheracao.O presidente da provincia,
de conformidade com a proposta do eommandante
do batalho n. 21 de infantaria do servico activo
da guarda nacional do municipio do Liraoeiro, e
informacao do respectivo eommandante superior
interino, datada d 13 de* marro ultimo, resolve
nomear para o referido batalho os offlciae3 se-
guintes :6a companhia Altores Firmino Jos
da Silva ; e 7a companhia, teneate o altores da 6"
Leurenco Correa de Mello.
3J seccSo.
N. 45.Portara ao inspector da thesoararia de
fazenda.Existindo nessa thesouraria o livro de
registro das trras da freguezia de Agua Preta, o
qual foi remettido com o meu offldo de 7 de ja-
elro.uhimo, devolvo a V. S., afim de que por es-
sa reparticao fe proceda, nos termos da circular
n. 810 de 21 de outubro de 1858 e aviso n. 217
de'16'de junhode 1856 os inclusos requerimen-
toi a que se refere o seu offlch) de 30 de marco
prximo findo sob n. 173, dm que Domingos a
Costa e Silva, Joaqnim Jos Arla, Manoel Feli-
norte o alferes dobafalhao n. 11 de infantaria do
exereito, Manoel Jos da Silva Leite, baja TS. de
expedir suas ordens, afim de que por essa tlieseu-
rana se Ihe ajuste contas e passe guia de soccor-
rimento.
*7.Dita ao mesmo.Inteirado de quanto
. S. expoz em seu offlcio de hoje sob n. IfU, te-
nho a dizer em resposta, que ao offlcial da guar-
da nacional Augusto Pater Cesar, que tem de se-
guir para o presidio de Fernando mande adiantar
somente um mez de sold, para ser descontado in-
tegralmente, nos termos do citado offlcio.
N. 48.Dila ao mesmo.Depois de liquidados,
em vista da foi ha e pret junto em duplicata que
me rentetteu o eommandante das armas em olfl-
co de hontem sob n. 182, mande V. S. pagar os
vencimentos do offlcial encarregado do deposito
de pnsioneiros de guerra pa ragua vos, dos meamos
prisioueiros, sendo os daquelle relativos ao mez de
marco ultimo, e os destes a segunda quinzenna do
mesmo mez.
N. 49-.Dito ao mesmo.Em vista da folba e
prets juntos em duplicata, que me rentetteu o
eommandante das armas com offlcio
Manoel Rodrigues dos gantes pedem seiam regis-
tradas suas posses de tartas.
N. 46^Ditaadmtmm-ATendo de seguir para a
edfrte.iio-Ttmer Cnuem i sw que se e-jpera do
pracas e calcetas emprega
dos no depositt de recrutas, sendo os dos offlciaes
e clcelas relativos ao mez de marco ultimo e os
das pracas a segunda quinzena do mesmo mez.
N. 50.Dita ao mesmo. Transmiti a V. S.
para os fins convenientes s inclusas contas docu-
mentadas da receita e despeza da enfermara mi-
litar desta capital, relativo ao mez de fevereiro ul-
timo, c com ellas o parecer da junta de sade que
as examinou.
N. 51.Dita ao mesmo. Transmiti a V. S. a
folha e pret, juntos em duplicata, que me rentet-
teu o eommandante superior deste municipio com
offlcio de hoje, sob n. 51, afim de que mande li-
quidar e pagar os vencimentos dos offlciaes e pra-
ca* do batalho de artilharia aquarteldo no
Hospicio e dos contingentes a elle addidos, sendo
os dos offlciaes relativos ao mez do marco ultimo,
e os das pracas a segunda quinzena do mesmo
mez.
N. 52.Dita ao mesmo.Tomando em conside-
rado o que V. S. expoz em seu offlcio de 27 de
marco ultimo, n. 170, resolv abrir sob minha res-
ponsabilidade nos termos do art. 5 do decreto n.
2,884 do de fevereiro de 1862, um crdito de
10:000 a essa thesouraria para ir oceorrendo, no
actual excrcicio as despezas de vencimentos que
se fazom por conta da verbaArsenal de guerra
e armazens de artigos bellicos do ministerio da
guerraat que o governo imperial resolva a este
respeito o que julgar mais conveniente. 0que de-
claro a V. S. em resposta ao .'taio offlcio.
N. 53.Dita ao inspector da thesouraria provin-
cial.Recommendo a V. S. que cm vista do in-
cluso pedido, mande adiantar ao thesoureiro o>
reparticao das obras publicas conforme solicitou o
respectivo chefe em offlcio de hontem, sob n. 129,
a quantia de 12:7304, que se faz precisa para oc-
correr as despezas no corrente mez com as obras
por adunistraco.
N. 54.Dita ao mesmo.Attendendo ao" que ex-
pde o chefe da reparticao das obras publicas no
otlicio junto por copia datado de 17 de marco ul-
timo c sob n. 110, resolv autorisa-lo a mandar
fazer os reparos supplementares de que ainda pre-
cisa a casa da barreira da Passagem di Magdale-
na, osjjuaes sao avahados em 299425o. como se
v do orcamento lambem junto por copia. O que
declaro a V. S. para seu conhecimento c direccao.
N. 55.Dita ao chefe da reparticao das obras
publicas.Attendendo ao que Vmc. expoz em seu
offlcio de 17 de marco ultimo, sob n. 110, o auto-
riso a mandar fazer os reparos supplementares de
que ainda precisa a casa da barreira da Passagem
11 Magdalena, os quaes sao avahados em 299J257
como se v di orcamento que velo annexo ao ci-
tado otlicio, o qual lica assim respondido.
N. 53 bis. -Dita ao mesmo.Com o parecer jun-
to por copia do procurador fiscal da thesouraria
provincial, respondo o offlcio de 22 de marco ul-
timo, sob n. 120, em que Vmc. me participou ha-
ver-lhe sido intimado o despacho proferido pelo
juiz municipal'da primeira vara desta capital no
requerimejito ein que o ev-arrematante da ponte
de JaboatSo, Francisco de rinho Borges, protesta
contra a deliheracao desta presidencia, pela qual
foi rescendido o seu contrato,
'i" seccao.
N. 57.Portara ao vicepresidente do Imperial
Instituto Agrcola,Para dar cuniprimento ao avi-
so do ministerio da agricultura, contmercio-cobras
publicas, do 24 de marco prximo findo, sob n.
2, ministre V. Exc. com a possivel brevidade, in-
forniacSes nao s acerca dos trabalhos desse Ins-
tituto, bein como da arrecadacao e dislribuicao da
sua receita no ultimo anno.
N. 58.Dita a Antonio Jos Duarte Colmbra,
emprezaro do theatro de Santa Isabel.Accuso o
recebimento do offlcio que Vmc. dirigio-mc em
23 do mez findo, parlicipando-me que est em seu
poder a quantia de 1644320, saldo da de 3314,
que produziram os bilhetes por Vmc. mandados
vender para a recita, que deu em beneficio das fa-
milias c orphos dos voluntarios desta provincia
que pereceram na guerra contra o Paraguay. Em
resposta declaro a Vmc. que deve entregar a re-
ferida quantia de 1644320 ao barSo da Soledade,
para reunida > de 1:1744000, que produziram os
bilhetes de camarotes por elle e pela Associaco
Conflmercia] Beneflceute distribuidos, ter a impor-
tancia total dellas a conveniente appl cacao. E ca-
be-me louvar a Vmc. as provas de interesse que
toma pela sorte das familias e orphos daquelles
cidadaos que se sacrificarain em deleza da honra
nacional.
N. 59.Dita aos agentes da companhia Brasi-
lera de paquetes a vapor. Os Srs. agentes da
companhia Brasileira de paquetes maudem dar
transporte para a corte por conta do ministerio
Ke^-,ml|,.afSa'd'\do/apor *** Presidio de
temando, foi transenda para o dia que opnortifc-
namente se fara constar, wonur
N. 63 Idnticas ao director do arsenal d
guerra econimandandante do brigue barcaZM
racamutatis mutandii.
2* seecSo.
N. bi.-O/licio ao Dr. chele de policia.-O Exm
br. presidente da provincia manda declarar a V
i'tiZrfTSt;,,n0ao^ofli('io dl' 31 de dezembro
ultimo, sob n. 10,265, que a 4 de marco findo, se
re erouordem au comineada,,!.- superior de Ca-
r!ffar destacar na vil.-a daquelle nome,
o offlciaTmfenor e pracas de que trata a tabella
de 5 de iiovembro de 1868.
N. 63 Dito ao mesmo.o Exm. Sr. presidente
da prov,nr,a*ianda declarar a V. S. queresfcTda-
?pJ3w!)7dvin aorommandanje do presidio
S,Srf?,lP No,onlia "ara rcmetter P"a <*
capital, a-ser-lhe apresentado, i. sentenciado Ima-
no Bezerra,-que pelo juiz municipal da pnnTeira
Sedes Cm mpi de "* para "Vtri-
----------- armas com offlcio de hontem j-
sob n. 181, mande V. S. liquidar e pagar os ven-* ,.?, ,~7fJto aoiujJ municipal da primeira va-
cimeotos do i offlciaes pracas e calcetas emnreaa- .L n(faa''-u Exm. Sr. presidente da uro-
presidente da nro-
llr,'^",;ind.adc,'larai'aV- S- expedio ordem ao comniamlarite do presidio de
Fernando de Noronha para enviar para esta cida-
de na pnmeira occasio, o sentenciado Ignacio
Bezerra, de que trata o seu-ifflcio de*oje datado.
Jl.ff.-^Qffleio'ad inspector da thesouraria de
t, .' 'ranf^'da para o dia que opportu-
nainente se fara constar, a ashida do vapor para
Fernando ; o que a V. S. communico de ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia, para seu couhe-
cunento e fins convenientes.
x7' 68.-~', ao inspector da thesouraria provin-
cial A requisicio de V. S. conti la cm seu offlcio
de hontem, e relativa a remessa de nlpuns exem-
plares do novo regulamento dessa thesouraria, ser
satisfeita, logo que venham da tvpographia os que
se utandouimprimir. "
N 69."Dito ao chefe da reparticao das obras
publicas.Nesta data antorison-se a thesouraria
provincial a entregar ao thesoureiro dessa repar-
ticao os 12:7504 constantes do pedido que em du-
plicata veio annexo ao offlcio de> V. S datado de
hontem e sob u. 120, o qual lica assim respondi-
do de ordem do Exm. Sr. presidente da provincia.
Reparticao da polica.
13 dV-a^d^S869e,arada PICa "" Ptrnambuco>
N. 525. Illin. e Exm. Sr.Tenho a honra de
levar ao conhecimento de V. Exc. que, segundo
ronsta_das|iariicipacocs rccel.idas hoje nesta re-
particao, foram hontem recolhidos easa de deten-
cao os seguintes individuos :
A' minha ordem, Joao Ferreira de Lacerda ou
Joao ISepomuceno Lins de Souza, como indiciado
em (Time de homicidio.
A' ordem do subdelegada do Becife, Francisco-
Antonio Andre Maia, reqnerimento do cnsul
portuguez, Justo Correa da Conceicao e Romualdo
de tal, por jopos prohibidos.
A' ordem do de S. Jos, Guilhormiuo Pereira
de Abren, por disturbios.
Por offlcio datado de h.ntem parlieipou-mc o
delegado de 01 nda, que Manoel Joaquim da Cruz
que no 1 de fevereiro deste anno fra gravemen-
te ferido no districto de Beberibe daquelle termo,
por Angelo Custodio dos Santos (de cujo facto tra-
iei em minha parta diaria sob n. 170 de 3 do dito
mez de fevereiro), falleceu, cm consequencia do
mesmo ferimento trinta dias depois, que o deln-
quente fra pronunciado,-pelo re-pcciivo subde-
legado, como incurso as penas do art 193 do
cdigo cri:nin:d, e acaba de entregar-se priso,
afim de ser submettido a julgamento no tribunal
do jury, convocado para o du S d ste mez.
Em otlicio de 10 corrente participou-uie o dele-
gado de Pu d'Alho, que tendo pronunciado ao
preto Vicente, escravo de D. Thereza de Araujo
Pinheiro, como ncurso as penas do art. 192 do
cdigo criminal, pelo homicidio perpetrado na
peesa de Cosme {alista, da que fiz mencao em
minlias parte diarias so!, ns. 10 50i. de 26 de de-
Eembre do anno prximo passaio, e 141 de 30 de
marco ultimo, o respectivo Dr. juiz municipal aca-
ba de sustentar aquelle despacho de pronuncia.
Por nflieio da mesma data, coniniuiiicou-me an-
da aquella antoridade, que do dia 4 do corrente
mez, no lugar Itacnga d'a uelLi termo amanhe-
cera degollado em sua propria casa Isabel Mara
da Conecir.; sendo qne das deligenciasque a
lal respeito proceden o respectivo subdelegado,
verificoa-se que esse facto fdra a resultado de um
erinie, e que lora seu autor o marido da victima,
o qual nao foi preso p ir se ter evadido para o
termo de Nazareth ; e que no mesmo dia n i lugar
denominado Sant'Anna d'aquelle mesmo termo
amanheccra lambem assassinado com una facada,
em sua propria casa, Manoel Bezerra de Henea,
de 16 annos de idade; e rocahindo vehementes
suspettas de ser o autor desse attenlado um indi-
viduo de nome Manoel Barros, o respectivo sub-
delegado orapturoue reeollieu priso finalmente,
que com referencia aos sementantes alternados hia
proceder na forma da lei contra seus autoras.
Deus guarde a V. Exc. Illm. Sr. Dr. Manoel
do Nascimento Hachado Portella, vce- presidente
da provincia. O chefe de polica, Francisco de
Fura, temos
da guerra, no vapor Cruzeiro do Sul, que se espo-
ra do norte, ao alferes do batalho n. 11 de infan-
taria do exereito Manoel Jos da Silva Leite.
N. 60. Dita ao gerente da companhia Pernam-
bucana.O Sr. gerente da companhia Pernambu-
cana mande dar transporte para o presidio de
Fernando, por conta do ministerio da guerra, no
primeiro vapor que para all seguir aos guardas
nacionaes do 1 batalho de artilharia e 1 de in-
fantaria constantes da inclusa relaco, os quaes
vao destacar no mesmo presidio.
Retardo as pracas da guarda nacional que seguem
para o presidio de Fernando, e de que trola a
portara do Exm. Sr. presidente da provincia
desta data.
1 batalho de artilharia.
SoldadoJos Tnomaz de Araujo Lima.
TamborPedro Paulo Mauricio.
1 batalho d infantera.
SoldadoJacintho Manoel Calistrado.
demJos Lopes da Silva Cardoso.
demAntonio Victoriano Ferreira.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PELO SIL DR. JOAQUIM COR-
REA DE ARAUJO, SECRETARIO DO GOVERNO, BU 2
DE ABRIL DE 1869.
Ia seccao.
N. 61.Offlcio ao Exm. Sr. general eomman-
dante das armas.S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, determina-me que communiquo a V.
Exc. ter-se expedido as convenientes ordens, para
que sejam transportados ao presidi de Fernando,
onde vo destacar, no primeiro vapor que para
all seguir as pracas da guarda nacional constan-
tes da relaco annexa ao offlcio de V. Exc. desta
data, sob n. W7.
N. 62.Dito ao mesmoDe ordem de S. Exc.
o*Sr. presidente da provincia, communico a V.
.ASSEMBLEA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 13 DE ABKIL DE
1869.
PRESIDENCIA DO SR. AUGUSTO LEAO.
Ao meio dia teita a chamada, achara-se presen-
tes os Srs.: Lopes Machado, F. Tavora, Andr Ca-
valcanti, Epami nondas de Barros, Samuel P.intual
Merpulhao, Cicero, Pina. A\ res Gama, Bacallar,
Goncalves da Silva, Emygdio Marques, Augusto
Leao, Felisbino, Anninio Tavares, Demosthenes,
Amaral c Mello, Columbano, Drummond, Jos de
Vasconcelos, Ermiro Coutinho, Silva Bamos, Arau-
jo Beltro* Miguel Aniorim ; r.-bre-se a sessao e
lida, approvada a acta da anterior.
O Sr. 1" Secretario d conta do segrate
IXPEDIENTB
Requerimento de Joaquim Lopes Machado o Jo-
viuo Bandeira, pedindo se autorise o governo a
contratar exclusivamente com ellos a collocacao do
pocos instantneos.A' commisso de peticoes.
Outro de diversos correctores de oscravos, pe-
dindo providencias em ordem tornar-se extensi-
>s que *% dedican a essa industria o im-
posto estabelecido.-
-A' commisso de peticSee.
fContinuar-se-haJ.
REVISXA DIAEIA.
ASSEMBLEA PROV1NCIAL.-Nasasab>debon
tem,a assembla, ua hora do expediente, approviou
um requerimento do Sr. Felisbino, pedindo iafor-
maeoes ao governo sobro a autorisacao adn pelo
chefe de polica ao delegado da villa de Barrearos,
para nomear esenvo privativo da detegacia.
O Sr. Gaspar Drummond jusu'iicou nm ratwen-
mento, que foi approvado, pedindo inforiijaflet m
governo se j foi contratada a poblieacio das ofcrai
uo fiando vigario Francisco Ferreira Barrete,
o nao foi porque motivo, urna vez que tal publt
as
ica-
. -


de Abril de 1869.
^o toi autosada pela assenaWea desde o amo de
IgM
O Sr. Amaral e*ello aprwentou.e^Ui.approvada.
uuaa mocan para a se nomeie unta CQBMggsa"
que aprsente aanmembros do ministerio de
agosto um vtrtoTI louvor p<*la maneira digna por
que geriram os negocios pblicos, -o anda
mais pelo modo honroso com que se (iOini
do poder. Sob
ond, foi
l SffiSno7' cms; >?*#
cero, Eniigdio arques r.iwo Coutmuo, soa-
js Branda., Frfishii* ffavora, Amaral e Mello,
na Jos de Viwconcelk, Silva Raines, Mergu-
lirao,'Bacilar,ttoacaly,> Lope* Maehal i. AtaujoBHrio,Saul Pontaal, e
contra o Sr. Cagar Drummond. B.
Para a eoinmissao que deve aprsenla*.
eonsclheiro Silveira do Sonta, quesea*
irn no 111
/
provincia
o voto da asscrabla, foram
ao Sr.
MU
meados
e Gonealves da
testo de letra a 7 do presente mez sob o .numero
173S.
JULGAMUKTOS.
lteo municipal e do xoinmoreio de Macei :
embargante appellante exequente Domingos Ramos
de Araujo Pereira, embargados.appellados execu-
tados Moeda, Medeiros & C, 3111.'.''-* o< Srs. Reis e
Silva, Aecicli, Rosa c bario de Cruangy.Ucspre-
" ^^uSS JuCton Pater 4 C. appellado Flix
algumas sessoes oo concilio. .randa Saavaea Appellaute Joo Pinto do Lomos Jnior,
Para que as vezes se nao peream ou couiunu &a,*\,!$;
ac diante de si um esearrador e Unia seccao transversal do aaiphitkeawo j es-
tava nreparada. ... .....
Para melhor se calcular a capacidade do -opaco
destinado a cada um dos bispos, Po IX fez absen-
tar \luas pessoas de urna notavel corpulencia, os
Srs.. Spagna e Theodoli, estando esto uUmo re-
estido de batina, como ho de estar o. J>pos em
no meio da abobada, haver um grande tubo
aciuuico de um extremo ao nutro. -
iue poi

s Srs. Ayres Gama, Silva Ramos
Silva- e para os que se achara na corte do imperio
foram nomeados os Exms Srs. conselheiros Salda-
nha Marinho, Silveira Lobo e Octaviano.
O Sr Amaral e Mello apresentou anda urna in-
dicado, que foi reiuettida a eoinmissao de conslitui-
cao e poderes, [.ara que se represente a assemblea
ral contra o aeto do ministro dos negocios do
ihVperio que dissolveu o corpo eleitoral, que deya
uroceder a cleco de um senador por esta provin-
daTna vaga dexada pelo eonsclheiro Antonio Coe-
lhn' de S e Albuquerque.
p'sando a orden, do dia, appmvou am urna
nica diseussio o projecto n. jo de 1868, que ap
prova o compromisso da irmandadc de N. S. da
de cmaras, adiado do anuo passado, partoWW-
dido da palavra o Sr. Silva Ramos, sobie posturas
*!?** corarais*, de oriento
mownrial que indellre o pedido .po faz lohtar-
que pagou pelo bilhar que tem no Uublernam-
SrSKrat S&r admittido aa*ula de ins-
iruccao onui ria o seu orual BratMtrteola.
SSacS a fivguezia de *Xea eu Cabo v. -
lo aue boje pertence a ambas, U*w "u,""f"{
Ubique da entrada haver dilTerenles janellas ein
svm.tria rom .as do frontispicio, sendo es inter-
vllos ornados .de retratos dos papas que iem ce-
lebrado concilios ecumnicos. .,..',
LEILArlHoje, as 10 horas em ponto, venden
o agente Pinto os carros e cavallos da coxeira ua
ra do Imperador n. 11 conforme se anua an-
nUSnn'al5,deve ter lugar o leilo de movis
por intervencao do mesmo agente, nos 1., >
4. andares' do sobrado da ra da Uuz n. 00.
PASSAGEIROS. Vindos de Tamandar e por-
tes intermedio no vapor Mama guape :
Francisco Ferrcira IJorgcs, J.o.|Uim Jos de
Awvedo, Francisco Publico de Albuquerque Ma-
noel Texeira da Motta, Theotomo Texeua da Molla,
Antonio Botelho do Amaral. ,__^
- Sabidos no hiato brasileiro Mana Amelia
PaTenenteaSnel Guilherme Pereira de Azevedo
capilao Maooel Antonft Alvos Hibww, capdao
knocl Jos Martins, lente Antqnio de &a.ar-
reto. ,
CBMITERir "UBLIGO.-Obtuario do da 11 uo
CManoo, Pernambuco, 11 mezes, Boa-viatt; deu-
'^Uiii rocem-nascido, encontrado morto na
doSrCGaSSa^^^
"SSSo em discussao o parecer da commi-a ,
aulas publicas o seu jornal ''gJ.flS
rams,!bre a materia os srs. Lopes Machado e L
tura sobre a coaveuteoel de ser I'' d!"
aulas publicas o -:i tornal c!Si ^*'S
rainsolTre a materia os Sra. ^S^
rae foi approvada una ementa ao UWPI
recerSo Sr. Soarea Branda., cons.d^rando prc-
nEte o pedido por j nao existir o jbrnal a que
iSSTo parecer da commissio de posturas
de cmaras declinando para a de obras pablas
e orcaiu. oto sobre ama postora da cmara muni-
iaf da v'll do Floros acerca da&clarade urna
greja
60 an-
be-
parecer 0 Sr. Silveira Lobo e eontra o br Lope.
Machado, e foi o mosmo parecer adiado por nao ha-
v*r pisi
A ordem do dia paraasessaode hoje o: a con-
tinuacao da anterior, c mais a discussao da> pos-
turas de Garanlums, Nazarclh, Buique, o l. do pro-
c#to n. 8 de 1808.
SUSTENaVnO DE PRONUNCIA. Pe) Dr.
juiz muiiaf do termo de PioAMi pen-
ada a nronuncia do delegado, no arijo 192 do
codito criminal, contra o preto }^\*?}
de D Th mv/;, de A. Pinhciro, auto>a moite de
Cosme Calbto, no mez de dezembro do auno pas-
sado. ...
\Sn ISSl \' OS.No dia \ do crrante, na villa
daPod'Aitao, amanneeen degollada, em sua pro-
Dra casa, Isabel Marta da Goncucao: wndo autor,
Seoeerime sen marido, qne logrou pr-se c*
- Nosse mesmo dia, foi assassinado, no lugar
Sansa Anaa, da mesma villa, Manoel Beanrrade
16 anuos de idade, com urna faeada
P Manoel de narros, que foi capturado, e a
r. ndo proeessadb.
paKO Tendo fallecido Manoel Joaquim da
Cm que, n > dia !. do feveroiro ultimo foi fe-
ridta gravemente por Angelo Cn^jdto 4 SanU,
em consequencia do wimento, e tendo sido Ange-
l pronun'i.do do artiao 193 do cdigo criminal,
entregou se prisao afim de responder ao jury.
TflEATRi) l'az boje beneficio no S. Isabel a
Sra Julia de Azevedo, sendo o espectculo por
clla'cscolhido, MODNStO do (Irania historia de
im mo(;.\ mcA e mais -r.uia B fliedia. e duas
poesia* recitadas em Meo aberta.
Artista estudiosa e de talento, a Sra. Juba Aze:
vedo digna de coadjuvacao do nosso publico, a
quem recorre pela primeira vez.
A vida do artista dramtico entro nos atada
tao cheia de vicissitude-, e lio eticada de espinhos
a carr ira por elle trilhada que o beneficio nao
nodo deixar de ser para ello urna lonte de recur-
',.-, o, muites vezes, soperfor a quintos cajelo.
- i,.... 1 faz-'r, em referencia a suas nc.-c Recominendanlo as nunca desmentidas aprecia-
rao c coadjuvac 1 publica o bem-cio dessa ar-
tista, temos convicdto deque a Sra. Julia tara urna
alta coioita. v. a lo o Iheatro enmo, cm signar de
anreco ao sou talento e trabalho.
ESTRADA BB FERRO DO S.
Areceita dat. estrada nao foi
aqu demos par engao, mas
I-UNCISCO.
que hontem
BiSl a segnin-
89:9liR
Sendo para o saldo bquido de
oi-.VJii^l I
ADVOGACIA. Durante o impediment'. tem-
porario do Exm. S-. Dr. Manoel do Nascimenli
Machado Portella, acha-se cnearregado do seu es-
criptoric o Sr. Dr. Adolnho Lamenha Lins com
qnem se devero entender os olientes, i ra do
Imperador n. 8:1 prinueiro andar,
aos amamos do bello na arto dramtica em gersl
RECTIFICACAO. Severo E niliano Moreir 1
que hontem noticiamos ter sido gravemente fend
pelo escravo do Sr. bario de flazeneth, aetaVW
apenas ferida do leve n'urn dos braaOB.
MEZ DE MARA. Os Srs. Lailli;war A.C. ac
bara de expor venda um volume de 1G0 pagi-
nas, nitidamente impresso, enmend nina bella
cotlecco de Cnticas e hymnos pira o Mez dr
Mara'. Ahi encontrarn as pessoas, que eostu-
inam soemnisar o Mez Mariano, nao so todos o-
canlicos c hymnos que caatam durante OSM tnez,
as igrejas e casas particulares, como outres no-
vos c inditos.
A ediQaa ^correcta e nilida, o custa apenas
11600 rs. encadernad 1 em pouro, e i 5500 rs. em
marroquim deparado, ltvraria franceza, ra do
Crespo n. 9.
L0TER1A.=^A que se a ,'ia a venda a 102.' 11
beneficio da igr iade S. Scbastiao do Bonito, quo
corre no dia40 do crrente.
O DOENTE E O MEDICO.Diz o velho de Re-
mulares, que tendo a loecido un bebado, e vi<-
tando-o o medico, Ihe dissera : amigo, Joto o mi
de toce procede do topo : diagno-eo a que o doen
te respondeu : se tal adoinhasse, Sr. doutor, Uve-
ra bebido pela pipa I Tornen Ihe o medico, que o
viuko diminua a vista; engao, Sr. doutor,
respadeu o enfermo, porque en, quamh estou
bebendo vejo as cousas dobraias.
DIAIJ3GO NA POLICA CORRECCIONAL.Tra-
duzimos dos Gritos de Pars, no Ando aimrello :
O Presidente ao reo.Que tendes aaccrescei
tar para vossa defrza ?
O Ro.Nada meu presidente. Reporto-mo a
tquitacao do tribunal.
O Preidente um de seus accessores.E" justo.
Sbese que e*tamo< a cavallo na lei.
S. SANTIDADE PI IX.-Segundo cscrevem ile
Roma, Pi IX dirigiu-se a S. Pedro para examinar
os preparativos do concilio na parte direita do
edificio.
Os quatro architectos da baslica, os Srs. Ves-
pigani. Sarti, Martinucci e Bonini, os intendenies
dos palacios pontificac* e da casa di papa, o !ir.
Spagna, o ecnomo da administrarlo da fabrica
(les. Podro, o Sr. Theodoli, acompanharam s 1.1
santidade n'aquella visita. Algumas modificacces
quo nao serlo provavelmento as ultimas, t-mm
introduzidas no plano primitivo. Ter quaterzo
orden* de cadoiras, em amphitltealro, e nao onze.
A ordem mais elva da alcancar a altura de
um priraeiro andarordinaria Cada um dos bi e
da Penba.
_ 12
Jos Francisco, Pernambuco, 40 annos, Boa-vis-
ta ; inllammaco nos intestinos.
Evarista, Pernambuco; 30 annos, Rewe ; as-
cite.
Jos, Pernambuco, 2 annos, Boa-vista ; saram-
po.
Francisca Maria de Je-us, Pernambuco,
nos, solteira, Boa-vista ; cancro.
Ubaldo, Pernambuco, 20 annos, S. Jos
xigas. .,
Feliciana, frica, 80 annos, viuva, Rccife; apo-
plexia fulmina ule. n
Fumino Herculano dos Santos, Pernambuco, 30
annos, solleim, S. Jos ; eerebrite.
Joao, Pernambuco, 15 mezes, Santo Antomo ;
marasmo.
Maria, Pernambuco, 1 dia, Recife ; no nasce-
douro. ...
Augustina, Pernambuco, 7 annos, Santo Antonio
ttano.
Auna Maria da Conecicao, Pernambuco, /O an-
nos, solteira, Santo Antonio ; gastro intente.
Maria, Pernambuco, i das, Boa-vista; es-
pasmo.
Jo-, Pernambuco, 7 annos, Recife ; convul-;
soes.
Mana, Pernambuco. i mez, S. Jos ; convul-
soes.
Adriana, Pernambuco, 40 dias, Recife ; inte-
nte.
Alberto, Pernambueo, 3 annos, Boa-vista.; con-
vulsos.
Mariana Thereza de Salles, Pernambuco, 9o an-
uo-, soitetm, Poco da Panella ; pneumona.
Maria Argemira Dutra de Andrade, Peruembu-
co,21 annos, casada, Boa-vista ;fabre continua.
CHRONICA JiDHIARIA.
TRIBUNAL DO COMMERCIO
\CTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 12 DE
ABRIL DE 1869.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBAUGADOn ANSELMO
FRANCISCO PERETTI.
s 10 horas da manha, reunidos os Srs. depu-
tadon Rusa, barao de Cruangy e supplcnte S Lei-
lo, faltando atada por incommodado o Sr. depu-
tado Miranda Leal, S. Exc. o Sr. presidente decla-
rou aberta a sesso.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE
OfOcio do presidente e secretario da junta dos
crreteles, datado do boje, enviando o bolelim
eommenfal ta semana prxima linda.Ao ar-
chivo. j
OfGcio do Sr. deputado Miranda Leal, ftttado
tambem de boje, communicando nao poder com-
parecer sessao, acreditando pdelo fazer na
prxima vindoura.Inteirado.
\os Srs. deputados foram distribuidos os sc-
guintes vros :Copiador de Prente Vianna &
i;.Diario e Copiador de Ferreira da Cimha &
Temporal.Copiadores (4) de Anwrim limaos & L.
DESPACHOS.
Reqnerimento de Andr de Abreu Porto, na
qualidade de superintendente da companhia de
liillios urbanos deste cidade para a de Olinda pe-
dindo o registro dos esiatutos por onde se rege di-
ta companhia.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Dito de Jos Monteiro To res de Castro.re-
gistro de sua nomeacao de caixeiro de Jos da
Silva Loyo, Filho & CRegistre-se.
Dilo do mesmo, para se Ihe certificar se Jos
da Silva Loyo ou nao commerciante matricula-
do.Como requer.
Dito de Antonio Francisco Carncuo Monteiro
Piro e Jos Barroso, para registrar-se-lhes um
documento relativo a dissoluco da sociedade
Monteiro, Barroco drS^ulz.Vista ao Sr. desem-
bargador fiscal.
Dito de Jos Maria Ferreira da Cunha e AITonso
Morcira Temporal, para igual fim quanto ao
contrato do sua sociedade.Viste ao Sr. desem-
bargador fiscal. ,.
Dito de'Joaquim de Souza Ferreira subdito por-
tuguez, residente cm Jaragu, provincia das Ala-
gdas, commerciante por grosso e retalho em gne-
ros de estiva pedindo matricula. (Era abono de
sen crdito commercial c de sna identidade, alem
dos doenmentos que offeroce, aprsente um attes-
tado do* commerciante Barbosa & Vasconccllos,
Silva Leo & C, Francisco Ferreira de Andrade.
Joaquim da Cunha Meirelles, Manoel Casimiro
Lucio de Araujo, Jos Francisco Codita) da Paz e
lacintho Jos Nuncs Leile).Vista ao Sr. desem-
bargador fl-cal.
Dito de Pedro Jos Gonealves da Silva, regis-
tro de urna escriptnra de cesso e traspasso de
um crdito hypothecario.Vista ao Sr. desembar-
gador fiscal.
Dito de Jos Matheus Ferreira, dem de urna
procuracio bastante de Joo da Bocha e Silva.
RegMrc-se.
Dito do me;mo, para tambem registrar-se a de
Antonio Ferreira da Silva Jnior.Como requer.
Dito de Antonio Ferreira de Carvalho, Jos Sal-
gado Zenba o D. Maria do Rosario da Fonseca
Malheiros, registro de seu contrato social.
Viste o Sr. desembargador fiscal.
Dito de Guelfo de Lailhacar, idem de duas
proeuracfeg que jnnta Regislre-se.
appellado. Mariano Xavier Carnniro da Cimba.
Appellante los Rodrtaucs de Araujo.Porto, appel-
lados Isidoro Bastos S II^aAdiados a pedido dos
Srs. potado.. .
Por alo nlar presente o Sr.Tiironda Leal, nao
loram propo appellados Jos Maria Gonealves Pereira e outro,
apiwllauo appellado Belarnuno Pinto de Araujo.
Xppellaute Francisco do Lago, appellados os ad-
ministradores da massa fallida de Joaquim Jos
1; unes de Soma. Appellante D. Juan de Anglada
Hijo, appellados Aranaga Hijo k C.
DESIGNAC-O DE DIA.
Appellante Jos Antonio Pereira Lcssa, appella-
dos Moeda, Medeiros & C. Appetlante D. Maria
C >rdeiro, appellado Joo Ribeiro Pessoa de Lacer-
da. Appellante Joo Casimiro da Silva Machado,
appellado Innoccncio Salustiano da Silva. Appel-
pellante Francisco Jos de Paita, appullados Mm-
teirot Irmo. Appellantes Prente Vianna & C,
appellados os administradores da massa fallida de
Amorim, Fragozo, Santos i C. Em consequencia
de nao estarem presentes os Sra. Suva Guiraarcs
e Miranda Leal, o Exm. Sr. presidente assignou o
primeiro dia til para o julgamento dos feitos su-
pra indicados.
P\SSAGENS.
Do Sr. desembargador Res e Silva ao Sr. des-
embargador Acetad : appellante Nicolao Jos Fer-
reira, appellado Antonio Jos da Costa Araujo.
DISTIUBUICOICS.
AoSr. desembargador Reis e Silva : appellantes
Silva Lean 4 C, appellado Autonk) Domingues Ri-
beiro Lima.
Nada mais havendo a tratar-se, o Exm. Sr.
presidente eHcerrou a sessao 1 hora da tarde.
COMMUNICADOS.
Seminario de Oliuda.
II
Comquanto o sagrado concilio do Trente recom-
mendasse e prevonisse aos bispos a fundaco de
seminarios para a conveniente educaco e adequa-
da instruccao do respectivo clero diocesano, so om
fins do seculo passado, e passadas 122 annos da
fundaco da diocese le Pernambuco que se pode
conseguir a instituido do seminario deOlinda. At
ento os candidatos 10 sacerdocio insiruiam-se as
aulas, que mantiam os regulares especialmente os
da companhia de Jess e os do oratorio de S. Felip-
po Nery; e com >s respectivas attestacoes eram
adinittidos pelo bi'po s sagradas ordens.
O Ilustre bispo, que foi desta diocese e ao
depois da de Elvaa, o sabio a enrgico Jo-
Joaquim Azcrclo Cmlinho foi quem em 1798
consegoio por esfureos pessoaes, por sua notavel
dedicaco, e jior sua dislincia influencia quem
pode praticamentc eonsegoif o que nao tinham
podido obter os seus venerandos antecessores.
E' sabido sob que vantajosos auspicia.s foi fun-
dado o seminario; mas o eurlo episcopado desse
Ilustre prelado iiSj permita que o plano gran-
dioso, que a tal respeito bavia concebido e tragado
podesse ter a de vida exoenci <
A' laniMUavel irasladac) do Ilustre prelado
Mgoio-ae una sede vacante hcia de intrigas mes-
((uinlias. Depois seguiose o curto episcopado de
menos Je um anuo do Sr. D. frei Jos Maria de
Araujo: e denota nutra sede meante, e ainda
dea iis o curto governo do Sr. D. frei Antonio de
Sao Jos Bastos.
De semelhantes veeiasitnda* resentio-se conside-
avelraente a marcha do seminario, ao ponto de
quando veio o bispo resignatario de Cochin, e elei-
to de Pernambuco, o Sr. D. frei Tboinaz de Noro-
nha, dizer do seminario o seguinte :
1 0 que conitudo nao podemos dissimular
o lamentavel discredito em quo o mesmo seminario
tem quasi geralmente cabido, especialmente pela
imnioralidadc de muitos individuos que delle bm
sabido infectes de dontrinas perniciosas, c que
espalhadas por estaj provincias tem tido grande
parte as calamidades publicas, e sid por isso a
rece a nossa vencraco, por suas virtudes o nosso
respeite, e por sua affafcilidade pessoal a nossa
syupatuta. ,
A'ao o Sr. D. Francisco Cardozo Ayres o pn-
metro prelado que recotre caridade do fiis
para a fundaco de seus seminarios, e quo tem
sido filialmente correspondido.
O illistre bispo de S. P.-.ulo, o Sr. D. Antonio
Joaquim de Mello foi o primeiro que entre os bis-
pus contemporneos deu este louvavcl exemplo de
conliaaea na caridade dos-fiis.
Velho e doente, percorreu a mxima parte, de
sua vasta diocese pedir csmola para o semina-
rio, ei facto quo lirou quautia superior a duzen-
tos'contos de reis, feita d'esdeamoeda de cobre
do escravo at ao cont de reis do Tazendeiro abas-
tado.
O benemrito bispo do Rio Grando do Sul, o
Sr. D. Sebastio Dias Larangeira, tambem rocor -
reu caridade dos seus subdidos espirituaes, e
tem sido correspondido; e o mesmo sucedeu com
o Ilustrado bispo do Cear, o Sr. D. Luiz Antonio
dos Santos, os quaes de urna inaiieira, quo Ins j
duplamente honrosa, confiaram antes na caridade
dos seus respectivos diocesanos, do quo na prote-
co dillleil do governo.
Em vista destes e de semelhantes exemplos, te-
mos convieco de quo ser plausivelmente corres-
pondido o appello, que o Sr. D. Francisco Cardozo
Avies faz aos seus choce, ano*, solicitando asmlas
para a regeneraco e conciliaco do seu semina-
rio ; e eremos que, por muite limitado que seja, o
resultado ser incompativelmenta superior ao que
poderia esperar-se era outras dioceses do imperio.
Com os subsidios esperados da caridade dos
fiis, poder o nosso diocesano, nao s reparar c
memorar c exiguo patrimonio existente, mas ainda
acroscenta-lo; e por esta forma garantir urna con-
grua sufliciente aos diversos oITlciaes e profossores
do seminario, como igualmente alargar o quadro
dos seminaristas pobres, alias dotados da vocac >
ecclesiastica.
Taes sao os nossos votos, tal a nossa esperan-
za, que felizmente comeca a realisar-se.
No entretanto que se assignale desde j o empe-
nta) do Exm. Sr. D. Francisco Cardozo Ayres,
como um dos mais proficuos, que tem experi-
mentado a diocese do Pernambuco, e como um
dos mais honrosos do seu governo pastoral : pois
nossa conviccao que a regeneraco do futuro
cloro importa por consequencia a regeneraco da
sociedade domestica; e a regeneraco da familia
vale tanto como dizer-se regeneraco publica ou
social. *
E essa regeneraco possivel, e mesmo reah-
savel em dez ou vinte annos, gracas aos meios in-
directos, mas proficuos c nfalliveis, de que acaba
de valer-se o n-sso virtuoso o illustrado prelado.
6 /,. Nao se pode dar milkv garanta. Se na
hipothese de quebrar o Brasil e que Asa assocu-
cao podo soffrer; urna especie demonte pi de
grando utilidade para as familias.
Para conseguir com teda secumnea o maior e
mais instante desidertum da vida do homem, que
crear para o luturoumcapital certo e urna ren-
da nfallivel, para si, seas filhos e familias, bastara
fazer um calculo (cada qual conforme seus pro-
prios haveres) de que podo dispiJr durante o pe-
riodo do cinco annos ; signalada que seja a quan-
tia ser esta dividida em duas dasses de contratos,
um chamado contrato de capital e outro de renta.
Estes dous seguros devero satisf;izer-se em cinco
annuidades consecutivas, e depoi. de passados os
cinco annos o contribuinte llcarlivre doonusdos
pagamentos das annuidades subsequentes.
Estas duas elasses combinadas produzem resul-
tados maravilliosos para o futuro.
Por exemplo, um pai que quizer formar para o
futuro um capital e urna renda vitalicia para cada
um de seus lilhos, conseguir este impostante fim
despndetelo para cada um delles a quantia de
1:15o*, que se pagam da seguinte forma :
partido progressista, e tive nraitus occasioes do
reprehender, processar e at de condemnar al-
gumas autoridades sendo por o considerado ver-
melho [icios exagerados ; boje que os perseguido-
res sao os perseguidos, c que eu continuo a estar
ao lado dos ltimos, sou apuntado como liberal.
Avistas contradicoes, que est sugeita a huma-
nlaade, devo attribuir a aecusacao que me faz agora
a sentinella da Passassunga,que j me teccu elogios.
Concluindo devo declarar mu formalmente quo
nao sou o autor e nao tenho tido a mais insignifi-
cante parte na piiblicacao das correspondencias
escripias desta villa para o liberal sob o pseudni-
mo de Velho da Seria.
Limoeiro 10 de Abril de 18G9.
Adelno A. de Luna Freir.
COMMERCIO.
'Direitos de entrada.. 1553
No primeiro anno___ 200
segundo ..... 2005
> terceiro 2003
quarto ___ 2003
quinto .... 200
Ter despendido no fim de cinco
anuos a quantia de........... 1:1553
tendo creado para cada lilho um capital para o fu-
turo, que conforme a idade dos segurados ser de
33:0003 a 47:0005 e urna renda vitalicia de 1003
annuaes.
Admittem-se contratos de maiores e menores
annuidades, sendo os lucros sempre proporcionaes
ao producto dos seguintes factores : ^ valor da
contribuico, o risco de morte do segurado
c a duracao do contrato (art. 38 do regulamento).
Para effectuar as formalidades dos contractos
dirigir-se-ho ra do Livramcnto n. 19, a tratar
com o Sr. N. F. de Vital, encarregado pelo Banco
rural e hypothecario do Rio de_ Janeiro, que pre-
sentemente acha-se em coinmissao nesta provincia.
pedra do escndalo para todos os homens de
bein: cm im uno abosando da tal ou qual ppiica
de lr, que aqu ganharam, se tem tornado tanto
mais pe '
dem a.
em um
do a tal
escandalfeadoa de taes exemplos, o temendo pru-
dentemente as ruinas de seus lilhos recusara de os
mandar para e le seminario.
A este bispo deve o seminario muite; mas a
doacoes, que Ihe fez, e as providencias que Ihe
consagrou nao foram prtante, a imprimir-lhe a
conveniente c estiraavel regularidade, porque os
lempo, iam rovollos pelas novas ideas polticas, e
a sua perniciosa influencia ludo invada.
No longo e trabalhoso episcopado do Sr. D. Joo
da Purilicacao o seminario chegou a estar muite
tempo fechad o; e s cm 1856 pjdc reabrr-sc, e
continuar em exercicio mai< ou menos regular.
Se na sede vacan e, que sucedeu a morte deste
piedoso vario, o seminario 1J0 experimentou a
reforma, que tao nece-saria se lornava forqa
confessar, que, graca* a prudente direceo, que
ento tinha, a disciplina era regular, a despeza
equilibrava-se com a reeeita, e a ordem manti-
nha-se.
Mas urna reforma era necessidade indeclinavel;
o esta emprehendeu-a com o superabundante teta)
de que era dotado o Sr. D. Manoel do Rogo Medci
ros.
As providencias tomadas por este zeloso prelado
em relaco, a i seminario na
PUBUCACOES A PEDIOO.
AO PITBMCO
Como amigo e prente dos Srs. Drs Joaquim
Francisco de Mello Cavalcanti e Lourenco Bezerra
Carneiro da Cunha, nao pude ser ndiflerente a
discussao, que encetaram por este Diario ; quanto
teiti cabido em minbas tercas tenho empenhado no
sentido de evitar essa discussao, a meu ver incon
veniente, e ingloria para ambos.
Persuadi-me, e n vista do que se passou entre
miui e cada um delles, quo bavia conseguido_o
fim, que ambicionava : mas a ultima pubhcacao
do Dr. Lourenco Bezerra, declarando que nao acei-
tava a discussao, por que ser-lhe-hia necessano
exhibir provas humilhativas ao Dr. Joaquim Fran-
cisco, encommodou tanto a este, que nao pode con-
ter a represalia, e para isso remetteu-me de sen
engenho um escripto para ser publicado, que tor-
nava inevitavel a di-cusso.
Contrariado com isso, procurei o Dr. Lourenco
Bezerra e manifstei-lhe o desgosto que me cau-
sava continuacao daquella desagradavel pole-
inica- L 1 j
O Dr. Lourenco Bezerra, com muita bondade de-
clarou-me que sentia a maior repugnancia em
voltar a imprensa em semelhante assumpto ; e
tente as-dm que modilicava a phrase de que se ba-
via servido era seu ultimo escripto, declarando quo
a exhibicao das provas alludidas no seu ultimo
escripto, nao serian humilhativas smente ao Dr.
Joaquim Francisco ; mas, tambem a elle ; visto
como erara to particulares e intimas, que sera hu-
milhaeo de ambos, nao podiam serem pubhca-
das- ^ V
Esta declaraco do Dr. Lourenco Bezerra bas-
tou para me julgar autorisado, a nao publicar o
escripto do Dr. Joaquim Francisco ; visto como sei
UCJ \
3.Ra Direita
As legitimas pilulas de veame o xarope al-
cohlico e o ctliereo tambem de veame, re-
centemente feitos^onforme a formula to -
nado pharmaceut.tcrT Paranhos, assim como
os pos refrigerantes acham-se venda na
botica de Francisco Antonio das Chags
ra Diceita n. 3, defronte do arinazem de
molliatlos denominado Veado Branco. EsRs
medicamentos, ha milito conhecidos pelos
benficos effeitos que ho produzido em
nao pequea parte da populacho d'esta pro-
vincia, na do MaranMo e Alagas, incontes-
tavelmente sao dos mais enrgicos agentes
auxiliadores da natureza no vencimento das
doengas, servindo fe grande alivio a huma-
nidade solredra; e npor isso se tornam
asss recommendados e preferiveis para as
pessoas que solren de rheurrratismo, gln-
dulas eorartadas, ulceras, impigens, asthma,
tosse.^menorrha ou suppresso de mens-
truo, erysipela, amarellidao e menstruac3o
difficil ; sendo porm usados conforme a|
direceo escripia que os acompanha.
Illm. Sr. Francisco Antonio das Chagas.
Soffrendo eu de rheumatismo e gota n'um
joeluo e tendo usado de muitos remedios
aconselhados para o referido mal, nao tirei
resultado algum no periodo de um anno ;
neste estado recorr ao veame a venda em
sua botica ra Direita n. 3, e gracas
a Deus, com urna s garrafa e urna caixinha
de pilulas acho-me restablecido. Agrade-
co-lhe portanto e espero que faga publico
este facto, afim de que outros as mesmas
circumsCancias aproveitem o seu proficuo
remedio.
Ilecife, 31 de margo de 1869.
Julio Jucencio da Costa.
PRAGA DO RECIFE 13 DE ABRIL
DE 1809.
AS 3 1/2 H*ORAS DA TARDE.
Asnear de Macei = 33700 por arroba posto a
bordo.
Vlgodo da Parahyba 1' sortc175800 por arroba
poste bordo a frete de 5/8 e 5 0.0 (hontem).
Dito de dita 1" sorte 18000 por arroba posto a
bordo (boje).
Algodo de Macei 1* sorc 185000 por arroba
posto a bordo, a frete de 5/8 e 5 0/0 (hoje).
Cambios sobre Londrew i)0 d/v 18 7/8 d. por
I 000.
Cambio sobre Paris00 d/v 510 rs. por franco.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Sere
Sccretano.
ENGLISH BANK .
Of Rio de Janeiro Limited
Dcsconta lettras da praga taxa a con-
vencional
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orlcans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
Franci
matriculado commerciante. (Contina adiado).
Com informacao do Sr. desembargador fiscal:
Requeriment de Joaquim Mirtinho da Cruz
Correa c Jos Gomes Monteiro, distrato social.
Registre-sc.
Autos de rehabilitacSo commercial dos membros
da firma fallida da Denker & Barroso.Satisfa-
cam o parecer fiscal.
Dada a hora (11 1/2 da manha) e nao haven-
do sido submettido a despacho requeriment mais
algum, o Exm. Sr. presidente encerrou a sessao.
que vivera, e ambos tem Uireito ao conceuo, que*
por seus precedentes tora adquirido.
Nao ser com a exhibicao de provas, que nao
passam de ressentimontos recprocos, quo lirmaro
reputacao, e neni o juizo, que por ventura um te-
nha do outro, servir para dar a medida do mere-
cimente de cada um.
Creio que com esta publicaco ter lindado a
discus que deseiam a sua continuacao.
Recife 13 de abril de 1869.
Cliristovao da Rocha Cunlia Soaio-miior.
O figado de todos os bacalhos
da Tcrra-Nova, contem um
elemento medicinal de ines-
timavel valor.
E debaixo da forma do oleo puro medicinal de
figado de hacalho, de Lanman & Kcmp, possui-
mos este balsamo martimo em teda a sua excel-
lencia nativa, com tedas as suas propriedades cu-
rativas, puras e seta alterarn, tal qual nos foi
tran^milti lo pelo Creador. As curas que esta pre-
ronaa;
mc-ma reforma; ainda qie seja inegavel ter o
defunte Sr. D. Manoel do Reg Medeiros prepara-
do o terreno para implantar-so urna mais pensada
e conveniente reforma
Na sede vacante, que sucedeu ao seu prematuro
fallccraento, foram respailadas as providencias
dadas, e mesmo algumas so melhoraram.
Temos perfunctoriaraenle historia lo as phases
principaes porque tera passado o seminario de
Olnda, desde a sua fondaco at hoje, examinare-
mos agora quaes os pontos cardeas da reforma
eneetada ; mas deixando essa m teria para um
artigo especial, concluiremos o presente com a
confrontac) das circumstaneias, cm que o Sr.
bispo Azeredo Coutnh > fundou o seminario com
as que melitam actualmente sob o governo pasto-
ral do n >sso virtuoso e de-Jicado pr lado.
A poca da fundaco do seminario de Olinda
pelo Ilustre bispo, o Sr. D. Jos Joaquim de Aze-
redo Coutm'io, c a poca da sua actual reforma
pelo virtuoso prelado, o Exm. Sr. D. Francisco
Cardoso Ayres, sao serae|hantes pelo que respeta
ao empenho da regeneraco do clero piunambuca-
no; mas sai muite diversas as circumstancias do
tempo, e mesmo ein relaco ao prestigio da auto-
ridade das pessoas.
Ento o Ilustre bispo Azeredo Coutinho havia
bitoTadiado*"^" sesees prximas passadas) de obModo principe regente, ao depois el-rei D.
SUS %S de Carvalho, em qVp^^'^t^ffa^^
sorama de nove contos de res, inand idos da pela
masantessedaverepSamSi^s'sa ^^ ^zendo, quer.no paiz.quer .mes-
SESSAO IUDICIARIA EM 12 DE ABIL DE
1869.
PRESIDBNCIA do exm. sa. DESEMBARGADO? a. f. pe-
HETT!.
Secretario, Julio Guimardes.
Ao meio dia declarou-se aberta a sessao estan-
do reunidos os Srs. drsembargadores Rois o Silva
o Accioli, o os Srs. deputados Rosa e barao de
Cruangy, c o Sr. supplente S Loito, faltando o
Sr. desembargador Silva Gui maraes.
O Sr. Miranda Leal offleiou communicando que
contina doente.
Lida, foi approvada 1 acia da precedente sessao,
com a seguinte corretean : o Sr. Rosa declarou
|ue nao poda onViar 'orno juz no feito entro par-
tes, appellante Francisco do Lago, appellados os
a (ministradores da ma^sa fallida de Joaquim Jos
Gomes de iza, por sern Rosa A Irmao os ad-
ministradores de dita massa, e nao um de seus ir-
mos, como p-ir ongario se disse.
O protocorio do escrivo Alves de Brito conser-
va a mesma numerario e data indicadas na acta
da sessi anterior.
O escrivo Alboquerquo registrou o ultimo pro-
respectiva junta d fazenda, e ordenado- para os
professores; mas principalmente achava-se o
mesmo prolado revestido da primeira auloridade
civil da capitana, e especialmente nomeado direc-
tor geral dos estudos com ampia faculdade de
encorporar as aulas do seminario quaesquer
outras aulas publicas, mantidas a expensas do
erario regio.
Ainda mais urna circunstancia vantajosa mili'a
va a favor do Sr. bispo Azeredo Coutinho, e era
nao estar causada e impertinentemente divertida a
caridade publica com as asmlas, que hoje se soli-
citara e obrigam a favor dessas centena- de festi
vidades, que diariamente ahi se celebram, o que
na realidade equlvalem a um imposte de quinhen
tos a seiscotos contos de ris, que pesara sobre a
populaco.
O Exm. Sr. D. Francisco Cardoso Ayres nao tem
a seu favor urna s das circunstancias que leve o Sr.
Azeredo Coutinho, a n) ser urna a nica, e vera
a ser recorrer o prelado reformador a caridade
dos fiis, como naquello tempo tambera recorreu o
bispo fundador.
E naquello tempo nao falten ao eximio prelad
a caridade dos fiis, pois de um documento indito
que temos vista, consta dos n unes de mutas
pessoas benemritas, quo eonrorrerm com quan
lias do moeda, e gneros de edificaco, como
ojotos e madoiras eak
Nos tomos a mais robusta conviccao que o li-
lhos d'aquelles benemrito* fiis, que presurosos
foram depositar o seu bulo de caridade na* sa-
gradas maos do bispo instituidor, nao sero h ije
indifferentes ao paternal appello que Ihe. taz o
nosso actual prelado, o qual pelo mu carcter me-
trangeiro, e nos casos de tysica, escrfulas, afine-
c) do Qgada assim como todas as mais molestias
agudas e ehronicas que os orgos da respiraco
so ac.ham expostos ; sao as suas melhores creden-
ciaes. Tantas fraudes se teem commettdo com o
oleo do figado de baealho ; to exten-a c vergo-
nhosamente tem sido diluido, adulterado e falsifi-
cado, que o publico e a autoridade medica ; sa-
dara cora jubilosa alegra, uraa preparaco hygie-
nica pura, na qual se pode confiar com toda a se-
guranza. Os que desejam obter um artigo do su-
perior excellencia, adaptado todos os climas e
sem rival para a cura da tosse, resfriamentos, e
enfermidades consegrantes devem pedir o oleo pu-
ro medicinal de figado de baealho, de Lanman &
Kemp, e reparar bem se no letreiro e na capa se
acha estampada a firma desta casa.
Acha-se a venda as pharmacias de A. Caors,
J. da Conceiclo Bravo & C, M. A. Barbosa, Mau-
rer & C e Bartholomeu & C.
Illm. Sr. Francisco Antonio das Chagas.
Beberibe, 1 de abril de 18G9.Com o
maior prazer levo ao seu conhecimento, que
a garrafa do xarope "elhereo de veame e
os pos que comprei na sua botica ra
Direita n. 3, poderam extinguir a dr que
sentia no peito, tosse e febre que tanto me
flagellava, de forma que me julgo restabe-
lecida.Desta sua criada obrigadissima
Maria Joaquina da Silva.
Protectora das familias.
19 de marco de
Estado dessa associaco em
1869.
Contribuimos......
Capital subawipto ri3. .
Capital ora apliccs do 6 %
Agencia de c'cmambuco ra
n. 19.
F. F. de Vidal.
S569
8,427:771 890
2.300 !00000
do Livramento
THE0D0R0 SIMN &C.
Compram
Libras esterlinas
Moedas de ouro...) Nacionaes e estran-
t prata..) geiros
Cdulas do governo)
de l#a 10(5....)
Cdulas do banco do)
Brasil e das caixas)
iliaes.........)
Largo do Corpo Santo
n. 21.
CASA DE CAMBIO
Theodoro Simn & 0.
Vendem
Libras stcrlinas 135GOO.
Ouro nacional e estrangeiro a i>3 1/2 o/o de
premio.
Sedulas do governo de 1 a 5)000
Largo do Corpo Santo n. 21
BANCO MAUA i C.
lina do Trapiche n. 34.
Desconta lettras co nmerciaesa taxa enn-
vencional. Recebe dinheiro, a premio o v
vencional, por lettras e cm conta corrente.
Confere crditos, saca sobre as primeiras
pravas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes so'ire as mesmas
pracas.
Lncarrega-se, por commisso, da com-
pra e venda de fundos pblicos c aecSes de
oompanhias, da oobran^a de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e do qual
quer outra operado bancaria.
0 expediente para o publico come?ani
s 10 horas da manha, e terminar s '
horas da larde de todos os dias uteis.
UM ADVOCADO,
A Ord. L. 3o Tit 59, tracta das provas
que se deve fazer por escripturas publicas,
tanto que no 5., quando o reo nega,
absolvido logo pelo juiz e condemnado o
autor as custas.
Nenhuma applicacao tem esta Ord., quan-
do essa advogado exigi o depoimento da
parte para jurar aos artigos de um acc3o
ordinaria.
Se esse advogado tivesse consultado a
Ord. L. 3.. Tit. 53 veria ahi a maneira pela
qual a parte obrigada a jurar, e nao aquel-
la que s tracta da acc3o de juramento d'al-
ma.
NSo seria melhor que advogasse com
mais criterio para n2o errar?
Saeul.
Protectora das fami-
lias.
Esta *ssociac5o caminha as yias do prosperi-
dade, nio sera os entraves inherentes emprezas
grandiosas. .
Contratos Capital
Em 30 de junho de
1868 tinha regis-
trado .............
Durante o semestre de
30 de junho a 31 de
dezembro de 1868...
Estado dessa as-tocia-)
cao ora 31 da dwom-} 53H-----8,041:101*890
brote 1868........)
O capital densa esociacao lliniittao o con-
verte- at apolicoi da divida publica nacional de
3936-5,868:675*970
1406-----2,173:485*920
O juiz de direito do Umoeiro.
Emendo que o magistrado nao deve estar eu-
volvendo-se constantemente as lutas da imprensa,
em que nem sempre >e guardan) as conveniencias
e o respeito desejaveis; mas tambera me parece
que nao contrario a indolo d" governo que as
rege, o s mstituiete judiciarias, explicar o juiz
seus actos quando desvirtuados ou mal compre-
hendidos.
Por este motivo que lendo urna corresponden-
cia publicada po Diario de 7 do corrente mez e
assignada pelo novo sentinella de Fassa*sunga
me resolv a expdr os factos, quo se refere a
mesma correspondencia, como se passara n, o a
razao porque conced habeas-corpus Joao Gelasio
de Sant'Anoa.
Um menor por nome Virgilio apro=ontou-se ao
delegado de polica, o Sr. major C irdeiro de Mello,
para o fim de mostrar algumas oflensas pbisicas,
que Ihe foram feitas por pessa d;i propria fami-
lia; o.delegado ordenou que viosse a sua presonca
Joao Gelasio, primo do menor e chefo, ao menos
apparente, daquella familia; mas Joo Gelasio nao
foinparcceu logo c faltn um segundo ciiama-
Tlo do delegado, que indignado por essa falta de
respeito o inandou rccvlher cadeia
O auvoado Francisco Olegario de \ asconcellos
Galvo requereu-rae ordem de habeas-corpus cm
favor do preso, allegando que deixava de juntar a
certdao exegida pea lei, porque a autoridade po-
licial so negara a despachar a peticao, que para
oblel-a, Ihe dirigir.
Mandci, como me cumpria, e depois de procedi-
das as deligencias legaes, que iul'orraasse o dele-
gado, e este me respondeu que mandara prender
joo Gelasio para corrccgo policial por destur-
bios, mais que depois sabendo, que fra elle quera
llzera os ferimentos graves encontrados na pessa
do menor Virgilio, baxara nova ordem recom-
mendando-o na ppiso, adra de ser processado por
esse crime, e conclua parlecpando-me que man-
dara apresentar o menor ao juiz de orphaos.
fflcei esse jnix, para que i.iterrogasse Virgi-
lio, urna vez que o ni) fizera o delegado, e me re-
raettesse copia do respectivo auto. Assim o fe*
inmediatamente o Dr. Emigdio, e do interrogato-
rio vi que Virgilio declarara, que o p- queno feri-
mento que tinha na caneca, fora feito por urna
sua lia com uina chave, e que as nodoas que se
observavara as espaduas, eram proveniente das
chicotadas, que Ihe auplieara seu irmo Manoel
Germano, sendo que ne^sa occasio seu primo Joao
Gelasio, quo alia, tambem o havia ameacado por
vezes de aar-lhe urna surra, por falta de servico.
nao estava-pre-ente, e por isto nao tomara parte
no castigo que Ihe fora infligido. Eu mesmo ouvi
o menor que me repeli cssas declaracdes.
A' vista do exposto evidenet, que eu nao po-
da negar a ordem que me fra requerida; por
Juanto para os turbulentos tem a legislaco tonta-
o providencias, e o criminoso preso mesmo .em
flagrante, deve ser posto em liberdade, depois de
lavrado o competen'e auto, e para a prisao pre
veativa pelos ferimentos de Virgilio faltava justa
causa, depois das declaracdes do proprio offendido.
Sei qne nio pode agradar aos partidarios fogo-
sos um magistrado, que nao detxa passar desa-
percebidos os abusos e excessos das autoridades
subalternas; mas nadata de hoje meu procedi-
mento. Quando chefuei comarca de voka da
cornmisiio, em que estivo empreado, domina va o
ALFANDEGA.
Kendimento do dia 1 a 12. .
dem do dia i 1.....
100:1728:) K
28:123*334
437:-:W5l"
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados
dem idem
com fazendas
com gneros
Volumes saludos cora fazendas
dem idem cora gneros
184
438
178
305
----- 48:}
Descarregam hoje 14 de abril.
Barca inglezaBortofAawmercadorias.
Barca frncezaSolidedem. ^
Escuna norte-allemaIinmamieiidem.
Barca nglcza=/iWO0 Brigue inglezC/flwna=carvn.
Brgiie ioglezf. F. BeU=amoa.
Barca portuguezaNova Sympatluadnnw ge-
eros. *
Barra portuguezaPereira Borgesidem.
Barca inglezaLevantferro o carvao.
Barca inglezaBloomeridem.
KECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendiniento do dia 1 a 12. 2l:347*20t
Idem do dia 13...... 2:064*73.>
23:411*901
CONSULADO PROVINCIAL
Rendiraento'do dia 1 a 12.
(dem do dia 13.
37:22fi*8Ti
2:308i3i4
39:545*202
MOVIMENTO DO PORTO.
A'ati'o entrado no dia 13.
Rio-Formoso e portos intermedios6 dias, vapor
brasileiro Mamanguape, de 333 toneladas, capi-
tao Oliveira, equipagem 16, em lastro; a Com-
panhia Pernambucana.
iVaoio* sonidos no mesnu) dia.
Rio-Grande do Norte Brigue norte-allemao Ge-
org Andeos, capilao M. Reiner, em lastro.
Aracaty Hiato brasileiro Jfaria Amelia, capii >
F. T. de Asis, carga differentes gneros.
ECITAES.
t. Secco. SecreUria d g-
verao de Peraanbuco IO de
abril de 18.
Pela secretaria do governo se convida aos wnho-
res: Dr. Manoel Inn. Camargo, Lui d Silva Gusmao, capitao Joao
Ferreira ViWa, Evaristo Velloso da Silveira, Joo
Baptista do Amaral e major Vicente Ferreira Pa-
dilna Clamby, irera ou mandaren) a adminis-
traco do correio pagar o iwrte de seus requer-
mentos para que posam seguir para a edrie.
O secretario,
Dr. Joaquim Corbeta de Araujo.
V





o inspector interino da nlfandegn, om Mu-
de da .iiii lia de faconda dusla
provin v fez
publico s -a, que tem do eo*-
tratar os i abertura
dasta re i.irti^ai, tudo do coafurmidadi com
peetivo ornamento, que ser presente nos protett-
dentes ; devendo ser realisado o contrato at o dia
15 do corrente.
Alfandeg de Pcrnamlmco 10 de abril de 1869.
O inspector interino,
L. de C. Paes de Andrade
Secretaria do governo de
Pernambueo 12 de abril
de 1869.
Pela secretaria do governo so faz publi-
co, que o Exm. Sr. viro presidente da pro-
vincia, Ir. Manoel do Xasciment > Machado
Portella, d audiencia om palacio todos os
dias atis, das 12 horas da manhaa 1 da
tarde.
Dr. Joaquim Corra ilArauja.
BECLftRACOES.
n municipal, mundo de fiana idnea.
O orcamento da lita obra acfaa-se na se*
tria da mesma amara, onde ser aprc-
s Mitado aos que o qaizorera consultar.
Paco da cmara municipal do ttecife, 12
de abril de 1869.______________________
Ignacio Joaquim rfe Soma Leo.
Pro-presidente
Francisco Camilo Da-Viagem
secretario.
Tribunal do commercio..
Por esta secretaria se faz publico que nesta data
fea registrada a oscriptura de contrato antenup-
cial celebrada pelo negocente Antonio Valentn
da Silva Barroca eD. Francisca Adelina do Reg
r antas, com asslslencia de scu pai o Dr. 1"rancheo
Elias do Reg Dantas, em virtude da qual nao en-
trarfio cin communhao os bens com que ambos
entran para o casal, nem os que adquerirem de-
pois do casamento, sendo os bens dotaes da e-po-
sa do valor de 28:61133693, dos quaes 20:003*000
ro a dotafao feita peto espose o referido com-
i terciante.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
i.ainbueo 12 de abril de 1869.
O offleial-mainr,
julio Guimuraes.
Santa Casa de Misericordia do
Reelfc
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia
do Recito se tu publico que a Illma. junta admi-
nistrava em sessao de 8 doeorrente resolveu que
toasen convidados os parentes dos orbaos em se-
guida declarados para virem requorer a presiden-
cia a sua retirada do mesn colleglo, visto que ja
tea lo eompletado a darte do i't aanos "nao podem
all continuar como ispee o respectivo regula-
meato. .
Francisco Pereira de Araujo, protegido do viga-
rio Gamillo de Meudonea Furtado.
Antonio Reierra de Mello, sobrinbode Francisco
Ribeiro da Silva. ,
Manoel Fefippe de Souza lfagadues, limo de
Tu reta Febroaia Estoves Alvos.
Fran asco Antonio do Monte.
Antonio Leocadio do llego Carros, lilho de gnea
Mara de Mello Rogo. '
Joaqaim Candido da Silveira, filho de Mana da
da Gloria Silveira.
Laorindo Fortunato de Manetas Lyra, filho de
Gertrudes Lonrenca de Aranjo. ......
Secretaria da Sania Casa de Misericordia do
Recite de abril de 1869.
O e-envao,
Pedro Rodrigues de Souza.
O administrador da rerebedoria de rendas
internas genes lar publico que poste corrento mez
Entradas goraaa pora cavalliei.w 500, se-
nhoras s tntram tendo cana" de crawl ou
a!"nm socio.
Quarla-A H-a j i
Avisos MARTIMOS.
COMPAMIIA BMSILEIM
vi
Paquetes a vapor*
Dos portos do sul esperad
at o dia 22 do corrente. _vapor
(huir, commandante o primeiro
lente P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros c engaja'Se a
cargarme o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia desuacbegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sabida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
lectos de, pequeo valor e que nao excedama 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos do medicao.
Tudu que passardestes limites devora ser embar-
cado como Barga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas P*9-*8-
gens s se receben) na agertcia ra da Cruz- n. 57.
Io andar, eseriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C._____
c no de maio prximo futuro, visto ettaretn con-
cluidos os lancatnentos, e que os dejMdores do
imposto pessoal, relativo ao exereieio corrente de
1868 a 18,7.1, residentes as freguezias do Recite,
Santo Antonio, Affogados, Poco da Pandla-Varsea,
S. Lourenco da Malla, S. Amaro de Jaboalao. o
Muribeca, leen) de paga-lo, livre da multa de 6 0,0
o com ella depojsdo referido prazo.
Reeebedora de Pernambueo 3 de Abril de I8j9.
Manoel Cariuiroit 8mtsa laceria.__
"Pea secretaria da Santa Casa da Misericordia
i' i B le se taz publico, que nos tatos de oxeen
clo'qae a mesma Santa Casa encaminba pelo juizo
municipal da Ia vara escrivao Raptista, contra
Felippe Mein Callado da Fouseca e seus lilhos c
n -tos para haver o sitio denominado cruz das al-
mas mainha na fregu da lioa-visla foram pro-
feridos os seguintes acordaos.
t Acordao em relacao etc. Que vistos e expns-
tos estes autos confirmara i senienea appellada;
com declaracao, porm, qpe o valor a dar ao Mu-
gue! c mais rondas di sitio para que se proceda a
liquidaba determinada na .-entenca deve ser re-
gulada jielo estado actual, que lera tacsrausas.
Pagucm as custas os appellantes. Recite 12 de
huno de 1859.
Acordao em relacao etc. Que vistos e rela-
tados os autos, despresam os embargos quer os de
folb.us 283, quer os de folbas 889, com declaracao
porm, que a renda do sitio ser feita e calculada
secundo o valor actual sem attencao as bomfeiio-
ras d is quaes serao somonte liquidadas as que fo-
rero uteis c necessarias. Por tanto, e o mais dos
autos, faca o acorda livre-transito pela chncela-
ra. Pagnem as castas os appellantes e Jappella-
dosna divida proporcao. Recife 10 de marco de
1863.
liv uM
Heladio das caitas registradas existentes na
administrar do corrcio desta cidade,
para os seguintes senhores abaixo decla-
rJarados.
Andr Avelino Pereira e Silva, Alvaro Uchia
Yieira, Cosme Jos dos Santos Callado. Francisco
Antonio das Chagas, F. Laura llonicki, Francisco
donteiro de Assis Pessoa, capitn Francisco de
'aula Correa de Aranj), Francisco dos Santos
,omba, Jeronvmo Ribeiro Rosado. Jni municipal
da vara, D. Joaquina Varia do Sacramento, Joa-
quim Eduardo Pina, Dr. Joaquim Jos de Caro-
los Costa Meileiros, Dr. Joaquim JXewton de Car-
ralbo, Dr. Joao Antonio Alvos Jnior, Dr. Joao
los Ferreira de Agolar, Jolb da Silva Paria &
Irroao, Joao Silverio do Souza. Dr. los Ayres do
Naseimento, Jos de Aranjo Pereira Cavalcante.
padre Jos Francisco Lopes Braga, Manoel Ferrei-
ra Ramos, Manoel Jos Miranda Snares, Manoel
Mara Rodrigues do Naseimento, Manoel Ribeiro
Id Camino, Narciso Francisco Vidal, Dr. Olympio
Marques da Silva, Pedro Baptista de Santa Rosa,
Dr. Trislao de Alencar Araripe, Dr. Ulyssos Cor-
roa de Castro (2). ___________________
(MREOGERAL
Peia idministracao do comi desta cidade, se
faz publico, que cm viciado da convencao postal
celebrada pelos governos brasileiro e francs, serao
expedidas malas para a Europa no dia 11 do cor-
rente, pelo vapor inglez /.'( Plata.
As cartas serao registradas at 2 horas antes da
(pie fr marcada para a sahida do vapor, e os jor-
naes at 3 horas antes.
Administracao do corrcio de Pernambueo, 12 de
abril do 1869."
O administrador,
Dominaos dos Pussos Miranda.
do- atril
fonto.
as 10
gommadd, 3 banquinhas de amareflo, 1 saotoariov versee e cents.e risco U quonv-pertancr de-per*--
hnns ero- I,nrcp-tte-lnternns2 canSeiro* gaz, iiH)>ap- ci,-s e chitas, al-odaonr.lm* e uiadapoliM ava
,iUI' j parelh) i!vporcelinapara jant.au jarros, taptes na 11- aasinreomo deontras faiendw c mindezas
O agente Piua, fa lertaoquecedido da coinpe-
lante antorines, de deas-carros e tres cavallos
existentes n coxeira da< roa- d> Impcrabr n l',
onde se cfTeatnar o lciib-a*-W horas do dia aci^
na dito.
Em continuacTio vendBr-^e-lia um cabriolea, d
2 rodas.
LEiLAO
CASA DE
Teodoro Simn & 0.
conta proprii
TMATRO
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
I)K
Qinta-feira 15 de abril de 1869.
Segunda representacao do interessantc e multo
applaudido drama em 5 actos
A mnm
COMPANHLV PERNAMBUUANA
DE
Xavcga^So costelra por vapor.
Goianna
O vapor /i/inuin/iiapjComman-
dante Oliveira, seguir para o
porto cima no dia 16 do eorren-
te as 9 horas da noite. Recebe
carga, encommendas, passagei-
ros e "dinheiro a frete no eseriptorio do Forte do
Mattus n. 12.____________________
GOMPANHIA PEKNAMBUCANA
DE
Navcga^iio cosSeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Mamauguape, com-
mandante Oliveira, seguir para
os portos cima no dia 20 do cor-
rente a meia noite. Recebe car-
ga, encommendas. passageiros e
dinheiro a frute no eseriptorio do Forte do Mal-
los n. 12.
De um sobea^o de .1 andares e uma franife-
casa de campo sita, a ponte de leha-
n. 17.
O agente Ptintaal vcnbnr em leilao por auto-
risacao de dieFos, uro sobrado de 3 andares,bem
construido, todo de. pareaos dbfrradas, em so o fo-
reiro, sito ra da Praia n. 5!t, sendo o su pro-
dnclo para lionidacao do-debitng. Na mesma-oc-
eatO fender-se>bi uma magnmVa casa de cam-
po, solo proprio,.sita a.ponte'de Ueboa n. 17 jun-
to a estacao dos trunos- crhanos que entrada da
ponte da Torre, com. o commodos seguintes :
grande sala do visita estovad, dita para jantar,
6 grandes qnartos, cosinlm, um terraco atraz da
mesma de 40 palmos (coberto) tora" da casa, 3
quartos, eocbeira, deposito-agua do Prata, um
tanque de marmorc para [bonlio, uro dito para
lavagem de ntupa, sendo o sitio plantado e tendo
400 palmos do fundo dividndo com o rio.
Os Srs. licitantes podetSo examinar os ditos
predios, mas somenle das 3 1|2 as G horas da tar-
de e concorrerem ao leilao.
Quinta feira t& do corrento
no Io andar do sobrade* G2, ra da Cira as
11 horas.
LEILAO
e vitlros.
inultos ontros objpctos.
iSexta-efra 16 docoiTento.
O agent Martins far leilao dos movis, cima
na casa d roa do Rosario da Boa-Vista n. IX.;
De unta caixa com 15 duzia
de bezerros pretos.
Sextaferra .16 do corrente.
O agente Pestaa far leilao para fechamanto
de conta de uma caixa com 13 duzias de bezer-
ros pretos no dia cima as 11 Loras da man hita
no armazem do Sr. Azevedo na escadinba (Lt-al-
fandeg.
Ill
De fazeadas avarladas. Ilnif if.
e de niliidezas.
A 16 do corrente.
O agente Oliveira far leilao por ordem do di-
iCO*jimit consitindiv
mMh, neias, seron-
para ot'nmcxt de contse sen
estas #ft>eofrinados pr>n-jan
las, espertilhos, gravata de seda- ;Te,ludo, lencos
e chales de seda, lencos-de ehta, guardanapbs,
selins mailo- superiores- e pertenees, rewolvers
com capsulas e caixas, retogios arn-;ao de bron-
ze c nnrmore para eioM d deinimoaetnos, cintos de setiin, vollas e gollas.
de vidrilho, boties do seda naca vestuarios de se-
nbora e meninos, confoecoes de reda, collari-
nhos do linho, cestas para .viagem; saias de por-
cale, mala* c-mantos pao sehm,. cbaruteiras, es-
poras, estribos, tesourr.*, pontea -eovas para,
unhas, castieaes c palmatorias d M8 i etc., etc.
Sexta-feira 16 do corrent i
as 10 horas-da manha.v, do sen eseriptorio a rua-
da Cadeia. n 4, Io and;r, por ciai do annazem.
de fazendas do Sr. Bairoca.
AVISOS DIVERSOS.
Ama
Na ra da Cadeia da Recife n. 22, precia-se do
uma ama para cozinhar.
e eslrangciras,
Gompram e vendem por
metaes, moedas nacionaes
letras de cambio, sedulas do governo e do
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarrcgam-se por conta allicia das mes-
mas transacroes, da cobranza de letras da
trra c de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
ta, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
Conselho de compras do arsenal
de guerra.
0 conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinle :
1,000 baixas sob o modello n. 1.
1,000 folbas para receituario sob o modello n. ;.
1,000 altas sob o modello n. 7.
1,00:i folbas para pedidos das dietas sob o mo-
dello n. 23. .
10 toneladas de carvao de pedra para ferreiro.
fiO paes de obreias (macos).
'-0 garrafas com tinta para eseruver.
10 lences de latao de 12 libras cada um.
1 mastro prompto para bandeira com 30 palmc-s
de compriinonto. .
As pessoas que quizerem vender ditos artigos
apresentem suas propostas em carta fechada
na sala do conselho, as 11 horas do dia 16 do cor-
rente.
Conselho de compras do arsenal de guerra ele
Pernambueo 9 de abril de 1869.
F. Raphael de Mello Reg,
Presidente.
Jos Raptista de Castro Silva,
__________________Secretario.__________
Perante a cmara municipal desta cidas
de estar em praca nos dias 15, 19 e S!2
do corrente, para ser arrematada por quem
menor preco offerecer, a obra dos repa-
ros do aterro da estrada, que da ra Im-
perial vailer a Cabanga, oreada na quania
de 8145000 quem pretender arrematar essa
obra compareca nos mdicados dias, no pa-
os senhores.
J. Augusto.
Jos Victorino.
C. Rocha.
Martinho.
Rrochado.
Guimaraes.
. Santa Rosa.
Jordani.
Florindo.
Zulmira.
Julia Azevedo.
Mara Velluti.
Clelia.
Carolina.
Personagens.
0 presidente Delannoy. .
Francisco Reandonin. .
Marcelino, rendeiro. .
Siroao.......
Samuel, joalheiro. .
Jorge.......
I.apierrc......
Um oflicial de cavallaria. .
Andr.......
Estevao, menino de 6 annos.
Maria........
A Sra. Gorin.....
Victorna......
Miccheliette.....
Mojos, mocas, soldados etc.
enominaco dos actos.
IoA honra e o dever.
. 2"Um crime espantoso.
3oO encontr.
4oO sacrificio da victima.
5"A confissao. -
A acQao passa-se o 1' acto em Paris em casa
de Franci co, o 2" na bordado de Marcelino, o 3o
e 4 em Rtimont em casa do Sr. Gorin, o > em
Troy ero urna prisao.
Dar fim ao espectculo a chistosa comedia em
1 acto
Os dous tambores.
Tomam parte os Srs. Martinho e Thomaz o a
Sra Apolonia.
Comccar as 8 horas.
COMMA BMSILEIM
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at dia 28 do crrente o vapor
Paran, commandante o capitao
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbara, o qual depois da
demora do costume seguir para os do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
3er embarcada no dia de sua chegada. Lncomraen-
das c dinheiro a frete at o dia da sua sabida as 2
horas..
Nao se recebem como encommendas senao ob-
jectos de pequeo valor c que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicae.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros qne suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
1 andar, eseriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.___________________^_____
GOMPANHIA PERNAMBUCANA.
M
Navegaco costelra por vapor.
Parahyba, Natal, Macao, Mossor, Ara.
caty, Cear, Mondali.Acarac
e Granja.
O vapor Pirapnma, commandante
Torres, seguir para os portos cima
no dia 13 do corrente as 5 horas
da tarde. Recebo carga at o dia 14, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a froto at ac
i horas da tarde do dia da sahida no eseriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
De movis, tonca
A SABER :
Um piano de armario, 1 rica mobilia da-jaca-
randa com 1 sof, 1 mesa oval, 2 consolos com
pedra, 2 eadairas de bracos, 2 de balance e 18
de guaraico tudo em nerjeito estado, una outra
mobilia de jararanaa antiga, tapetes para sofs e
portas, espelhos, candelabros de crystal, jarros e
vasos pora flores, eserpadeiras,qnadros, mappas,
relogios, bonitas vista?, 1 mobilia de amareJlo, 1
cama franceza de Jacaranda, i guarda vestido de
amarello, 1 lavatorio, 1 mesa de jantar, ouc,a e
vidros, 1 sof de amarello, 12 cadeiras, 1 com-
moda, 1 apparailor. 2 niarquezas, 2 consolos, 1
cabido, 1 quarbaheiro, 2 cadeiras de balando, 1
cama franceza de amarello, 1 toucador, 2 venezia-
nas, 2 me;as de jogo, 2 candieiros a gaz, e muiios
outros objectos iierlencentes a casa d-j familia.
Quinta-feira 15 de abril.
No Io e 2o andar do sobrado da rita da
Gauz n. 5:1.
O agente Pinto, autorisado por uma familia que
retirou-so de-ta provincia, far leilao dos movis
e mais objectos cima desrriptos os quaes serio
transportados da casa de campo eai que se acham
para o sobrado da ra da Cruz n. 53, onde pode-
rao ser examinados ditos movis na vespera edia
do leilao que tora lugar no dia 15 do corrente.
Principiar as 10 horas.
ESMERALDA
i,
JML
De una espingarda de 'i canos.
Quinta-feira lo de abril no sobrado da ra da
Cruz n. 53, aonde haver leilao de trastes feito
pelo agente Pinto, em seguida ir una rica es-
pingarda para caca, canos trunchados verdadei-
ros, garantindo-se o torna-se recommendavel em
qualidade e perfeioao de trabalho e ser o mais
levepissivel qualquer menino pode passarinhar
coro ella, tero caixa com todo o apprelho tenden-
te para sua limpeza, caradoras aproveitem aoc-
casio pois nao acharan urna igual fazenda.
LEII10
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimenta
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem oflferecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
pratja, e por prepos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciossas.
L 5 11 \ BO CUflG S
K
Companliia americana c kasilci-
ra de paquetes a vapor.
At o dia 15 do corrente esperado de New-
York por S. Thomaz e Para o vapor americano
Miss/ssippi, o qud depois da demora do costume
seguir para os portos do sul, para frotes o pas-
sagens trata-se com os agentes Henry Forster &
C, ra do Trapiche n. 8.
OALCACAR
Ra nova de Santa Rita n. 1
Sabbado 17 do corrente ter lugar um sump-
luoso baile em beneficio de um artista pernambu-
cano, o qual satisfar os deleitantes nos interval-
los, cantando diversas modas acompanhadas a
piano. O qual espera ter grande concorrencia,
aflm de que tire algunas esportolas de benevolen-
cia do respeitavel publico desta capital. Ser cum-
prido o regulamento policial.
Caf, concert comnifircial
Domingo 18
s tres horas cm pouto tocar a msica diversas
symphonias, e nos iniervallos tocar o pian-) di-
versas pecas e acompanhar diversas monas can-
tadas por muites apreciadores do bom'gosto. Os
concurrentes acharo o bom caf, o bom lanch e
boas bebidas, etc. etc., os senhores assignantes que
quizerem levar algum convidado podem mandar
ao Alcacer pedir um ingresso. O divertiinento
principiar as 3 horas e flnalisa s 6 e meia da
Para Lisboa
O patacho portuguez :.. tria, capitao Pedro Mar-
tins Branco, vai sabir com brevidade ; para carga
c passageiros, trata-se com E. R. Rabello, ra do
Commercio n. 44.
COMPANIUA PEI1NAMBUCANA
DE
Xavcgaco costelra por vapor.
Macei, escalas Penedo e Aracaj.
O vapsr Potengi, commandante
'Pereira, seguir para os portos cima
no dia lude abril as 5 horas datar-
de. Recebe carga at o dia 14 as 3 horas- da tar-
de, encommendas, passageiros e dinheiro afrete at
as 3 horas da tarde do dia da sabida no eseriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
Para o Porto com escala por
Lisboa.
Seguir em poucos dias para os portos indica-
dos a barca portugueza HumUdmle, por ter a maior
parte da carga prompta ; para o resto que lbe
falta c passageiros, que encontrarlo excellentes
commodos: trata-so com os consignatrios Mar-
ques Barros & C, no largo do Corpo Santo n. 6,
segundo andar ou com o capito Carlos Ferreira
Soares, a bordo.
De um carro americano todo coberto e em per fei-
to estado, com os competentes arreios para um
e dous cavallos, assim com i uma excellcnte pa-
relha de cavallos bastante gordos propria para
o nesnio carro.
Quinta-feira 15 de abril.
Pido agente Mart ns em frente do armazem da
ra do Imperador n. 1 t, as 11 h:ras em ponto.
"LEILAO
De 90 barris cora inanteiga In-
gleza.
Quinta-feira 15 do corrente.
0 agente Pestaa far leilao por conta e risco
de quem perlencer de 20 barris com manteiga in-
gleza desembarcados ltimamente, no dia cima
mencionado as 11 horas da raanhaa no armazem
do Anncs^____________________________^
IEIIAO
De um sitio em Beberibe de baixo, com 300 pal-
mos de frente c 500 de fundo, todo cercado,
com 50 ps de arvoredos de diversas qualida-
des e na mesma occasiao se vendero alguus
movis usados, louca e ci ystaes.
4|nln(a-feira 15 do corrente.
O agente Martins far leilao do sitio e movis
cima ra do Imperador n. 16, as 11 horas do
dia.
IEIIO
Da grande casa com soto na rna da Ven-
tura n. 15 porto do Lasserre na Capun-
ga, com sitio murado, cacimba e arvore-
dos lodo em chaos proprios. ^^
Sexta-feira 1< d<- abril. PHH
I.ui z Pucch tendo vendido o scu estabelecimen-
to da ra do Trapiche c mudado sua residencia
para Paris, vender em leilao por intervencaodo
agente Pinto a sua casado campo na Capunga, a
qual se torna recommendada por ser edific ada em
chaos proprios, perto da estacao dos trilhos urba-
nos e perto-do ro, sendo qne por occasiao das
ch- ias nao tem entrado agua em dito sitia
Os pretendenfes podem entender-so desde j
com o referido agente (nico encarregado da ven-
da) e eomparecerom as 11 horas do dia cima
dito em seu eseriptorio ra da Cruz a 3^_____
LEILOES.
LEILAO
De dnns carros de passelo com
arreios e tres cavallos para os
raesmos.
LEILAO
De uma mobilia de Jacaranda com 12 cadeiras,
1 sof, 2 consolos c 1 mesa redonda, 1 secretaria
de mogno, 1 cama franceza de amarello, 1 com-
moda de Jacaranda. 12 cadeiras americanas, 6 di-
tas do amarello, 2"marqu8zas, 2 mesas para en-
5
3
O ..
O
IJ
M
:.1
O
-_
a
S 9
2 S
3 S S.
sr- c5 a
5 < 2-
o S Ifc
s|iB|
A 2 5-
- ^-S-o
"- 2 .
/ '
* i S V
re -s qj -a
en t- P 3 ^
ffl Q O &
.O c Xi
re P 2
.a S
03 y i
S c* -I 0
2S4?
9J1<|
"2 n o .2
re o 0,3
a 2g"-s
sis
111
C re o
O
3 2
^^ *^. f2 -rr
|^
(
r
\
RA
DE OURO
RIJA
EO
CABIJG
esquina
da roa larga do
Rosario.
esquina
Mama < Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
o vende por presos que nenhuma outra casa pode vender. da ra larga do
vista da qualidade do prepo das joias cada um pder-se-Jia convencer daverdade., 6
Garntela ser tudo de-lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele- Rosario.
vados. i
A loja est aberta at s 9 horas da noute.
t
1
wn*--.
^v-


Diario de Feruanibuco. Quoria feira 14 de Abril de 1869
i
Trocam-se
as notas do banco do Jkasfl e das e.xas Ojiaos,
oom descont muito rstwvel
pendencia n. 22.
el: na pruca da Inda
MOMIA.
Resta venda ura escomido sortimento de ob-
yectos de marcineria, como sejam, mobillas do ja-
caranda, mogno camarello, obra nacional o estran-
% eir, de apurado gosto e por prcro i razoaveis :
na na estroita do Rosario n. 32. Nesta mesma
casa fazem-so com perfeico todos os trabalhos de
palhinha, como sejam, empalhamentos de lastros
para camas, cadeiras e sepilas.
IEMPRST1M0 SOBBE
(SEM LIMITE.)
Na travessa da ra
das Criizes n, 2, pri- B
meiro andar, da-sc qaal- 9
per (Ranfla sobre ouro, 3
prala e podras preciosas. |
O dono doste estabelecimento,
competentemento autorisado pelo
goterno, est as condiics de ga-
rantir a transaco que se fuer em
sua casa, prometiendo lodo o /.-lo
e censideracao s pessoas <|iie se
gg dignarcn de honra-lo em seu est
jpj belecimento.
Na mesma casa compra-so ouro,
prata e btilliantes. _
Ama do leite.
Precisa-so de nina ama de leite sem fillio : a
tratar no Coracao deflnro n, 2 1), ra do Cabua.
MANIFEST
Joaquim Jos Gon-
$alves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, i. ANDAR.
Sacca por todos os piquetes sobre o Ban-
o do Minho, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares era Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
GuimarSes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova do Famalicao.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
.Mirandella.
Beja.
Barcellos. ***
DO
Centro Liberal
mm
sTlXaUAttftJB
Aos-900 pares de brincos.
Chegou e vendo-se no Corac3o.
d'Ouro, ra do CabnA brincos de
mosinhas com urna franja penden-
te a ura rico desenlio e ouro de
lei, pelo pequeo preco de 15#000 ||
cada par. baratissimo.
ii$ wm mmt mwM aj
A nessOa queannumiou terpralica de sec-
eos c motilados deixe carta nesta typographia com
as iniciaos P P, indicando quaes as pessoas que
potan reformar a seu respeito.
BARTHOLOMEU 8: C.
J
Brochura in 8o
14000
RAMA FRANCEZA.
Club Pernambucaao
A partida do correntc mez, ter lugar
na noute do dia i.________________
Ama
Preeisa-se de urna ama forra ou escrava para
comprar e cozinliar para una casa de pouca la-
mdia : na roa das Cruzcs n. 28.1 andar prefe-
re-se escrava e pagase bem agradando.________
AttaiQao
Um individuo com 28 anuos de idade, chegado
Jia poneos das da Europa, cora bastante pratica
do commercio. habilitado a escripia, on servico
externo, e teodo cnnliecimento do idioma francas,
offerece seu pre-limo, dando fiador ao seu com-
portamento : quem delle precisar queira dirigir-se
a rna Direita n. 15, ou a ra da Madre de Dos
n. 18. .
Cop<
No cac3 de Santo Amaro, sobrado n. 23, preci-
sa-se alugar um copeiro forro ou escravo.______
IX1TJ.I
20f
Pagase a quaritia cima indicada a urna mu-
Iher forra ou escrava, quo cozinhe e engommc, e
M cneari egue de todo o servico de nina casa de
pouea familia : na i ua da Cruz n. 63, 2 andar
rauliem so precisa alugar urna negrlnha para
arrogar nma menina.
Previno aos meus coiistituintes (|ue durante
mulia estada na corte, podem entender-se com
qualquer dos senlioros ndvogado Drs. Ernesto de
\qiiino Fonseca, Alvaro Uchoa Cav;ilcanti e Joo
Barbalho Uchoa Cavalcaiit:, aos quaes encarreguei
le proiniver o andamento dosfeitos em que sou
idvogado. assim na inferior como na superior ins-
tancia, devendo para isto procura-Ios.
Joaquim de Sonza Res.
8*. Ferrelr VlIIela.g
Fhotographo da casa imperial
J|premiado em diversas exposi-
Qoes.
Na sua photographia ra do Cabug n.
16, entrada pelo pateo da matriz" lira retra-
es por todos os systemas pliotographicos.
Em porcelana Em vidro
Em talco Em papel
CART ES DE VISITA A9* ADUZIA.
Os retratos carte-de-visite sao collados
lia cartao de luso biistal ou porcelana,
lourados ou lithographados, quadrilongos
)u vinhetas para o que existe urna varieda-
le de 12 modelos a scolha de quem se re-
jatar. Para as outras especies de retratos
.eraos caixinhas, passe-par-tots, quadros
3 molduras douradasepretas cassoltas de
raro e alfinetes imples e com pedras pre-
e sas, havendo nos alfinetes rana mimosa
-ariedade de feittos.
0 nosso estabelecimento photograpbico
st sempre em dia cora os melhoramentos
progressos que na America do Norte, na
2uropa ou no Rio de Janeiro se consegue
a arte photographica, e para alcancarmos
al fim nunca poupamos despezas ncm sa-
;riicios, de sorte que os nossos numerosos
"reguezes podem ter a certeza de que sem-
jre encontraro em nosso estabelecimento
;udo quanto a arte e a moda olerecer de
rara no novo e velho mundo aos amantes
la photographia.
PARA USO INTERNO
pnEPARADOS SIMPLES
Xarage de jurubeba garrafa. lf>000
Vinlio de jurubeba garrafa. 15600
Pimas de jurubeba vidro. 1#600
Tintura de jurubeba vidro. 640
Extracto hydracoolico de jurubeba. 12,5500
PHEPAItADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2-5000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 15600
PUulas de jurubeba ferruginosa vidro. 25000
Oleo de jurubeba vidros. 640
JJPomada de jurubeba pote 6'0|
Emplastro de jurubeba libra. 25500
PARA USO EXTERNO
"A JURUBEBA*
Esta planta hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excel-
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do ligado e baco, as
hepatites propriamente ditas, ou anda complicadas com anazarebas, as inflamma?es
^)se.pientes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
p'lbialmente do tero e abdomen, nos tumores giandulosos, na anazarcha, as hodrope-
zias, erjsipcllas; e associada as preparacoes ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, ehloroses, faltas de menstruacSo, Icucorrbeias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos alfirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a excedencia d'este
poderoso medicamento sobre os demais at hoje conhecidos para todos^os casos citados,
tantojque todos os dis fazcm d'elle applicacao.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'clle.e
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que ttiibam ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improflcuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados so foram aprcsentados depois de havermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
piedades medicamentosas d'esta planta cm suas raizes, folhas, fructas ou bagas, e a
dose conveniente a appiicaco, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao rnaior grao de perfeico possivel, para o que nao poupamos esforfos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles oferecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
vel cura de qualquer dos soffrimentos, que deixamos innumerados, se forera cm tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolber'nas nossas va-
riadas prepararles, aquella que melhor me ])ode convr, j pela fcil appcago, e j pela
complieacao das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparacoes ferruginosas s3o feitas de forma que se tomara comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
como taes eslao hoje reconhecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente quetrara conhecer as propiedades da
jurubeba, o saberem a appiicaco de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito ura folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
Rof Ira e drogara
34Ra larga do Rosario34.
r> .'- '-O'^fr, >,"- ''."- >o ."-' &'&?'
S.'s.',S>;'r.
FIGIII
a escrava de nome Francisca, de cor fula, cara
toda marcada de taigas, beicos tromlmdos, bu*
riga grande, com urna perna anchada, estatura
mediana, vestido de chita escuro e chales azul da
mesma fazenda, e consta andar nesta cidade :
qaom a pegar leve-a na do Imperador n. 27,
2" andar, que ser gratiiicado.
Irmandade do Divino Espi-
rito Santo.
A mesa regedora em se inez, a [tedido de muils irmo>, deliberando fazer
a festa do sou Divino Padroeiro com simplkidade,
e a tarde a procissao, visto ir ja dar comeco s
'turas da eapella-mr, e nao Ihes ser possivel fazer
a sobredita fe-ta com aquella pompa e magnifican
ca CDstumada, afim de nao canear aos irmaos
cual ta'i repetidos bolos, pois que tein de os in-
commodar para as obras; pedo, poi-, aquelles que
voluntariamente quizerem jncorrer com suas es
molas para a procisso, Je o faxerem, diiigindo-se
ao thesoureiro o Sr. Manoel Rodriguen Ja Silva,
na ra do Queimado n. 37, concillando por esta
forma os desejos que muitos teem manifestado de
nao deixar de fazer-se os ditos acto?.
Manoel Luiz da Veiga,
Bscrivao^nterino.
Ao Sr. Francisco do Prado-
Urna pessoa que mora no centro desta provin-
cia, o ciue em 1837 ficou deven* ao Sr. Francisco
do Prado, naquella^poea cstabetecido com padaria
ra do Livramento, c que quer pagar ao mesmo
Sr. Prado-certa quanlia, rog.vihc, de nestes dous
ou tros das ao mais tardar, de dirigir-se ro
de Bertas n. 96, onde a'-ha-se o annunciante ha-
boletado, da* 3 s 6 horas da Urde, antee qne-o
annunciante retire-se para o mtro.
TfTENCAF
Francisco Ribeiro Guimaraes faz publico que
teta justo e coatratadu com o Sr. Jos Pinto da
Cunba a sua taberna sita ra de Santa Ritan,
l.livree desembarazada de qualquer onus : por-
tantoquem sejulgar comdfreito a mesma, pie
re-dama-lo no praso de tres dia*. Recife 13 de
abril de 1869.
AVISO
O engenheiro Antonio Feliciano RudrigucsSet-
to, eonipetentcmcnte autorisado pelo pr prieta-
rio do sitio denominado Aguasinha, em Reberibo,
vende lotes de trras, formados pelo plano de ar-
mamento novos, organisado para o retalhamcnto
da superficie gcrnl d>j supraeitado sitio, todos com
conliguraco rectangular, tres ras novamente
abertas no sentido longitudinal, Uto >', de leste a
oest>.\ declinacao de 17." sul, tres ditas no senti-
do transversal, isto de sul ao norte, dedinacao
de 17." a oeste,dar para coito systemae belleza
a es-a divisao. A proximidado do" rio Reberibe, a
lertilidadc-do terrenosiifflcientemente dewnstrada
pelo vigor da vegetaban existente os raeommen-
dam.t ron vi da m os oropiadores. Os precos se-
rao differentos, fluctuando entre mil ate tres mil,
confonnea localidade e dimensoes." Pode ser pro-
curado as qpintas feiras e domingo* no sitio ci-
ma mencionado, e nos mais dias cm casa do sua
residencia, estrada de Joito do Carros n. o.
= Prwisa-se cemprar urna escrava que saiba
ongommar e cozinliar, eqne seja de boa conducta:
na ra do Queimado n. 69.
Vinho degestivo de
chassaing
esa
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excedencia para cura certa
las digestes diflkeis e completas, a calmar
is dores gastralgia, e reparar as forcas
produzindo urna assimulaij5o completa dos
ilimentos; sendo mais ura excellente tnico.
PHARMACR E DROGARA
DE
Bartholomen ti C.
3iRA LARGA DO ROSARIO34
DOENGAS DO PEITO
XAROPE d'HYPOPHOSPHITO DE CAL
GRIMAU..TE G1* pharmaceutcosem PARS II
A ef ficacia d'esta prepanclo estestabelecida desde 4 857, pelos mais celebres mdicos. Desde
entio muitas imitares tem sido feitas, mas nenhuma poude sustentar a comparado com o
producto apresenlado pela nessa caza. Por isso excitamos o publico para que exiga sempre
este xarope com urna bella cor de rosa, nunca branca, e com a nossa assignaiura roda do
frasco.
Sob a sua influencia, a tosse acalma-se, os snores nocturnos cessSo e o doente volve rpida-
mente i sade. 0 seu emprego d larobem os mah brilhantes resultados nos dtfluxos, catar-
rhos, bronebites, irrita?fies do peito, ele.
Deposito em Pemambuco, em casa de Hiwr O*.
^^^^^^^^^^^^^.^^^^^^^^y^-^^^:
Frederico Maia
Cirnrgio dentista pela escola
de medicina
do Rio de laneiro.
Tem a honra de participar ao rcspeitavel publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o
seu gabinete de consultas e operaces dentarias a
ra Direita n. 12, primeiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da mar,h".a as
3 da tarde. Elle acha-se competentemente habili-
tado para com perfoicao collocar dente artificiaos
por qualquer dos systemas, e bem assim desempe-
ohar qualquer outro trabalho concernente sua
proflssao. O mesmo, reeonhecendo que ncm sem-
pre possivel s senhoras ou crianzas sahirem a
proen; xta remedio, offerece-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tar a qualquer chamado sem que isso inllua cousa
alguma na commodidade dos precos de seus traba-
lhos, equando para fra della a'ssim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavel, garantindo elle a
seguranca e perfeico de seus ditos trabalhos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente excel-
lente pos dentifricio, elixir e otitros medicamen-
tos odontalgicos : a ra Direita n. 13, primeiro
andar.
Do xarope Vegetal Americano, cspecllldad de Itartholonieu tt o
:iRA LARGA O ROSARIO34
Nao costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei \
xamos quo sua appiicaco e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceiU '.
los, lhes deem crdito evoga; porque s5o sempre-os attestados considerados gralaitot.
e delles que lan?amo o charlatanismo; mas, n3o querendo offender as pessoas qtu ;
espontaneamentenos offereceram os que abaixo vio transcriptos, os fazemos publicar,
manifestando-lhes nossa gratidlo pela attenclo, esperando que veuham elles coiroboraf
o conceito, e acceitaco que tem merecido nosso xarope.
Barlholomeu A C. L
ATTESTADOS
Illms. Srs. Bartholomeu 4 C com a mais subida satisfaclo que decan,
ser o xarope Americano de urna elicacia extraordinaria, pois que soiTrcndo ha dias ds
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamento!
que tomara, a elle recorr e naterceira colher fui alliriado, e de todo me acho hoje res-
tabelecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois/ esse resultado mani-
fest a Vv. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior. r
Sua casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu & C.Penhoradissimo com o favor que me fizeran
de aconselhar o uso do xarope. Vegetal Americano, de sua composicao, quarulo me acha-
ra bastante doente de urna constipac3o, que me tornou completamente ronco e que
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitop de cumprir os meus deveres de cantor da
empreza lyrica, vou agradecer-lhes meu completo restabelecimento, que oblive ceir. um
s vidro do mesmo xarope, depois de baver recorrido a muitos tratamentos. D' stjarei
que outros como eu recorram ao seu xarope para se vercm alliviados de lo iinivel
incommodo, to fatal neste paiz. Com rnaior considerarlo contino a ser do Vv. Sa.
attento, venerador e obrigado.Luiz Gremona.
Recife, 25 de setembro do 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu & C.O xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. lee
exposto venda de toda elicacia para o curativo d'aslhma, conforme cbservei appli-
cando-o a-meu fiiho Joaquim, menor do qualro annos; victima d'esse flagello, <;o at
entio por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de [ randa
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expresso allameiite sincera de mt'i reco-
nhecimento ao meritorio servico que Ihe prestaram com o indicado xarope. acreditan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obrigado.Americo Netto de AJendonca.
Recife, 2 deoutubro de 1868.
(?\<313<](31
DE
Manoel Joan ji'i Pereira teup de embarcar
no vapor ingiei La Mita para l^lioa, vem por
'te meio des||ediF^o das pe>soasd'? sua. ami/ade,
levando de o fazer pessoalmente por falU de
. pelo que lhes pode desculpa ; e aproveita
opportunidade para o8recer-loes os seus anou
.dos servicos naqneila capital o, cm qualquer
lie se ache. ^
CUBA DOS CALLOS.
PELA
Pomada galonpean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo & C.
34------Rna larga do Rosario------34.
a
m
parte qu
Manoel Joaquim Pereira avisa a quem inte-
raiaarposM, que durante a su ausenda-de^'a
provmda deixa como prouralordoif^L
cm particulares a seu to e socio o Sr Joarui
Autopio Pereira.___________ '"'
AM
1< urna ama para c fado parca fa-
i-na ra de Horta n. 11?, i ad;ir
Ama
Precisa-sc de urna ama forra ou captiva para
omprare cozinhf.r, ptra dnas pessoas, paga-e
bca; na ra da Cadtia n. i9, 2 andar.
O Dr. Manoel Enedino Reg Valen ca
pode ser procurado para o exercicio de
sua proflssao de medico a ra da Gam-
boa do Carmo n. Sf-, lindar.
ittHMUBMUM-MI
BWwBB ^BnBra!S|r p
Casa para a____
Aluga-sc o 2* andar" eorasotSa da casa da ra
d-Ga,deia n. 10 ; -a tratar najuado Crespo nv8,
^quia.
(MMFltTlJItt
Aoa 4:000$
Bileteg garantidos.
A ru*doCre8po n.23 e casas o eostome.
O abaixo assignado tendo vendidoaoaseusmoi
lo lulles bHiMes grnWes 1 raok B. 2936 com
a sorte de :O80J, 1 meio n. 3523 com a sorte de
700?, 1 inteiro n. 280 com a sorte rdeMM, e
outras muitas sortea de 1005, 40f e lMa.lotona
que se acabou de extrahir cm beneSba iweja
de Nussa Senhora do Livramento de Pao d'Alhu
{UH i, oonvMAravs-: pouidor* vErrreosber
seus especnsos-promld em-t- osotes da
lels na casa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 1* parte da lotera a
beneficio da greja de S. Sobaatio do Bonito
(104) .jue se-ejrtrwurerea-faira-ao-ooowen-
te |H
Precos.
Bifttf.....i*d#0
Meio.....S|0#O
(Juarto. ..... 11000
Em porcae de 100^ para cima.
; Bilhete. .... 34S00
Meio......1*730
Quarto..... 875
MARTIMOS
rCONTRAFOGO.
A Companhia Isdemnisadora, estabelecind
testa pra^a. toma seguros martimos sobre
arios e seus carregamentos e contra fogo
>m edificios, mercadorias e mobilias: aa
ua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
MOFINA
SRr. Antonio Francisco Duarta e seo mano Dr.
imiano Francisco Duarte, venham ra Di-
in. 53, lo do Draga A C.
t.
ara cosiiiha
Proc4sa-se de un escrava que cosiabe bem: na
ra do Crespo n. SO.
Pede-se ao Rvra. Sr. padre Joso Bsrnardino
de Paiva, ou a quem mesmo soubcr dar noticia
de sua residencia, de communica-k| ra de
Hurtas n. 96, alim do tratar-se de uml neranca^e
negocio de muito intereses do mesmo Sr. reve-
rsado.
Mniad- Imperaelor-n. &,** mdar; e ah-*
pode ser procurado para os misares de
sua profissao ile advogado o negocio
Sarticulares das 10 horas d a manbaa as
Mlaa(aada
Maqpel Jvaqnim SHira.
"=~T
-Jwa-se,
duas salas, e eosl__
Aadr de Abren Porto.
rlcJa
ra: a tratar com
Alua se urna ama portugueza que seja da
meia idade. on mesmo nacional, para and ir com
casa n. i.
' AUva-se a eaian. CK da travessa do'Gaza-
metro. com qulnul e cacimba, por Bffd mensal :
a tratar no sobriidn jauto a fabrica do gar.
GRANDE HOTEL
I ORIENTE.
InaHgiuou-se este commodo e elegante
estabelecimento d'onde os seus frequerita-
dores poder5o apreciar a ospecialidade na
confecc3o dos gneros aUmenticios.
As bebidas sao as mais primorosas e re-
commendadas.
A decencia e bom servico primam n'esta
casa no bello gosto oriental.
Mandam-se domjetlio coniedorias, tanto
avulso, como por assignatura mensal. Os
presos o.mdicos e convuncionaes.
Ha urna espacosa e bonita sala para o
elegante jogo de bilhar.
Ha tambem aposentos comramodoS e bem
mobilhados para hospedagem.
Sua larga do Rosario
n.44.
Fundico da Aurora.
Neste vasto estabelecimento um completo sormento de tarjas de ferro batido
e fundido, fabricadas recentemente, e se fabrican
de qualquer molde a vontade dos compradores, e
re?os razpoaveis.
He for bom.
Pagar-se-ha bem um moleque quo se pretende
alugar : na rus larga do Hosario n.44,1" amlar.
Era casa do THEODORO CHRISTI-
ANSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-se
eSectivamente todas as qualidades de vinho
Bnrdeaux, Rourgogne o do Rhono.
DE
J. YIGNES
N. 55RA DO IMPERADORN. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assz conhecidos para soja necessaric
insistir sobre sua superioridade, vantagens e garantas que offcrcccm aos compradorea,
qualidades estas incontcstaveis, que elles tem definitivamente conquistado solirc todo
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um teclado e machimsmo que obedtcem
todas as vontades c caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por seren fabricados
de proposito e ter-se feito ltimamente melhoramentos importantissimos para o clima
deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas e por isso muito agradaveis aos
ouvidos dos apreciadores.
Fazcm-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blon*
del, de Pars, socio correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposices.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um esplendido e variado sor-
mento de msicas dos melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commodos e razoaveis.
Molestias do peito.
A farinha de S. Benlo o nico alimento capaz
de ser supportado pelos estmagos fraeos, o mai-
conveniente pelo sena bons resultados s pessoas
atacada da molestia do peito, aos convalosce
tes, s pessoas enfraquecidas por toda a qualidade
ile excessos e s senhoras que teem perdido as
cores polas pardas dosancue : unieo deposito, na
phannaeia do Pinto, ra larga do Rosario n. 10.
Precisa-se de urna criada livre ou carava
3ue satfM co-^er, engommar e fazer os arranjos
omeaSteosde urna familia composta de4 pessoas:
dirija-so a ra do Trapiche n. !i, 2a andar, con-
sulado, fraacez.
RA LARGA DO ROSARIO N. 37
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia cm dia quanto possivel para che-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para'numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e hygiene, temo-la sempre em abun-
dancia para facilitar excellentes banhos.
Ha tambem urna boa bibliolheca e peri-
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para
recreio, buhares, etc. etc.
Sendo ociosa qualquer recommendaco
para to acreditado estabelecimento, omit-
timos mais prembulos, fazendo ver por
fim, que o bom servido, ordem e moralida-
de imperam n'esta casa, como observancia
fiel do regulamento que possue.
Comedorias a la carie.
CHARITERIA E PETIT HESTAIIAST
Annexos ao Houil Central, ra estreita do
Rosario n. 4 A, hdar terreo.
. Para dar a conhecer a variedade infinita
de charutos de Havana, ahia, Rio, etc. qua
existem neste novo estabelecimento pres-
cindimos dos annuncios pomposos que ge-
ralmente se fazem, reduzindo-nos apenas i
tres letras que s5o tres bbb bom, bonito*
barato. A' vista do genero annur.ciado po-
de-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
gosa tambem das condicOes de um eleganta
e pelit restoufant onde se pode ver a es-
pocialidade dos fiambres e salames de Lio
para lanches e at fazer urna boa colacao,
juntamente com os principaes vinhos de
mercado, sobresahindo entre o bom a pura
e fervenle champagne, o mui saboroso Rbe-
no, a primorosa cerveja, o licor espirituoso,
o quanto pede urna mesa. Faz-se nouta
soivete e variedade de refrescos.
Tendo montado urna completa oiliciria paha concf-iito k afi.naco de pi\nos e
tendo contratado para o mesmo fim o experimentado contra-mestre Sr. A. Rastouil
chegado da Europa pelo ultimo paquete,tem a honra de recommendar este sou estabele-
cimento s Esmas. familias Pemambacatas, promettendo promptid5o e perfei;ao no
trabalho.
Hua Formosa n. 14
DE
LIMA. LESSA & C.
O respeftavel publico enrontrar nta ofBcina habis raestres e bem conhecidos
na arte, afflancando-se o melhor desempenho conformo o gosto c vontade do freguez,
s9tm coaaaia maior pontualidadcna entrega das obras; recebemos de Pars, por todtoa
os vapor**'., os mais modernos ligwinos para nao. haver nada a desejar; bera conn
varias es600mendas de casimira* modernas e outros artigos proprios para homens;
temos gde deposito da roupa feitas de toda a qualidade, cea sejam: camisas
frnnceza, inglezas, "**
sortimfftto "
finalmWI-4
mais baratos pnssiveis.
.Illuj. Sr.;uifi#idento da sociftjado Jtova Terp-
syohon convida a uidos os sean-, res marobros da
roostiia para no dia 18 do corrente mea, ao naoio
dia, se reunirem em assnmhla geral na casa em
-uo runeficna a sociedad^ ra esteta do ftosa-
.m-ai|H'te m tamirm os eststwo, pn
qa* se ha de regular a mesma socledade no ue-
seaoaaha -das suso diyc. sins, deelsrao mesmo Rr. predont, qao-so-i-.--
remrom-8ej>o>> menos 16 socios, s- m a diseus-
e do iimsoios estatutos coramettida A umacotn*
iss5o'*or elle qomeada, visto como, tendo sido
j4 Bof-dnas aso eonvooada a aasembla gefV,
pm Rni cima derlarado, nao tem podido**
funecionar pela falta coiisideravel de socio. Re-
cife em 1J de abril de 1869.
O Io secretario,
ViosfflAiF. 1*W-
unaladojfflito dos vasioa, com <
a qual nao 6 grande : quem a encontrar lo >
dito sitio, que ser recompensado.
INJECTION BROU
'S""P
.k~w
U. M
WaTivfc v m
1.1 Puto, a o.
VPSULAS VEGETALS
wm MAT1CO
deGRIMAULT eC:pm,i vac-iutic m PARlS;
uten, eonlem o baltamo do eopshiba aasoflajod esatioiaj
tnem um remedio in$llivl contra a gaaitrliM. EHas
lataa capanlas, com capa
Manco (aoro do Per),-
' o estomago a nao provoeio nanea oa eajoaa e anacas ana
---------------------------------^
<*v

{

\ nknUMn Mt#, >
^r
B


Diario de Pernambuco Quarta feka 14 de Abril de 1869.

iP'iSSaS^K
. 4 &*
h
* 6 $UiMAt>6
NOVO EXPLE
Agua-florida de Guis-
* lain
Tintura indelevel para Ungir os cabellos,
se:n manchar a pelle.
\ i concutuada agua-florida ueGms-
lain que enLlo ora dcsjonhceida era Per-
aambaco, j e lioje estimada e procurada
por sea effieaz nesiiltado, e anda ruis se-
l, qoaado a noticia de seti bomeieito e a
experiencia loraac de todos conliecida.
A agua-florida de Guislain composta ni-
camente de vegetaes inotensivos, tem a
propriedaie extraordinaria do dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estiverem. bran-
cos, e Ibes restituir o brilho perdido, eas-
sini como preservar de embrauquocer, sern
ser prejudicial de modo alguna
E' porm necessario fazer conhecep, que
o boa resultado produzido pela agua-ilori-
da, na a instantneo, como muitas pes-
cas taivez siippotiham, mssim ser pre-
ciso jz :r 190 d'ella, trez ou quatro vezes,
e logo sa oliter o lim desojado, como bem
provaa lest.iiiunbos de pessoas insuspei-
las, o d'entao por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando sempre com o bom
xito, pedente a experiencia ser feita cm
ostra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acba-se ven-
ta na bem conliecida loja d'Aguia lranca
ra do Queimadon. 8,
V Aguja Bianca, contando com aprotec-
;ao de sua boa ttegtma, tambem caprieba
.ni jao lii'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel om que
a honran, e em prava ao que tica dito, d
com) exemplo o explendido sortimento
3ue acaba de receber, anda mestno aehan-
o-se bellamente provida do qne de bora
e melbor se ped desojar nos gneros que
sao de sua competencia.
Ilaja vista aos necessarios livres de missa
e oraco, obras de apurado gosto e perfei-
go, sondo: com capas de madreperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com ditas de marfim igualmente
bonita.
ti
Ditos com ditas de velludo, i
tando char3o machetado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guarnicao, dourada ou praleada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
Attencao
O abaixo assignado, kto na rna 'la irr
,i ii. 2 (Ma arinazem tic inolhados, uenoini
nado Bom Demonio, previne a todos ns seuslaere-
dores que nao pague conU alguma a Jos LM dodcSaraiva.e ini quolle que apreseutar do-
cumentos rjn habilil Recife 9 de abril m.
Higoel Gomes da Silva.____
na
Precisa-so de urna preta para alugar
ra da Cadiia-nova n. 34.________________ ..
Offcrecc-so nina ama para casa de pouea 11-
milia : na rna dos Patos n. 2. _______
Os abaixo assignado, proprietaito dos so-
brados da ra da Cni ns. 37 e 18, ledanu a
quem convier que nesta data tem consUUiiit seu
bastante proinirador para o lim fle receber os ai li-
guis dos referidos prodios ao Sr. Bernardo lei-
xcira de Moura, llcando assim cassada a procura-
ra- dada ao Sr. Mawul Jos da Foncoca, quo so
retira para a Europa.
Recite li de abril de J8G9.
Eugenia Txeira de Moura.
Mariano* da Cunta Teixeira.
Bernarda da Oinha Teixeira._____
alvas
Grande e bello sorlimentQ de loques
todos de madreperola, madreperola e seda,
sumalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e'faia ele, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japonezes enfeitados
de flores.
Bonitas vollas grandes de aljofares azues.
Yoltis de cerrenle de borradla.
Mein de seda para meninas e senhoras.
Ditas de fio de Escocia abortas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito finas d'algodao,
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torcal, e seda
para meninas e senhoras.
Meias de lia para horneas, muflieres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios linos tapados e transparen-
tes com delicados bordados e proprios
para enfiar fita.
E OS PRODIGIOSOS
Afinis e collares Royer para cranlas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pettea
e sotrm para meninas ou senhoras.
Lindas cestinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixinhas devidro enfetadas
com podras, aljofares, etc.
Bitas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou buneeas para poz de arroz.
Notos e delicados ramos de flores com
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de trancas de paisa.
Fitas largas para ciatos.
Cintos de litas largas com bonitas rama-
gens.
Brincos e alfinctes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas c bonjtas.
-; Continua fgido desde o dia iO de dezembro
do anno passado o cscravo de nomo Antonio, criou-
lo, com os signaos constantes dos annuncios pu-
blicados no Diario de Penvimbiiro o no Jornal do
Recife do mesnio mez e anno, os quaes sao os se-
guintes : 22 annas de Hade, preto, alto, magro,
olhos grandes n apitortibados, andar indinado para
a frente, os tornoselos dos pus cuchados, vestido
do ralea do algodio azul e cami-a de riwsado, per-
tence a massa fallida de Amaro Gonralves dos
Santos : quem (|uer que o prender sera recom
pensado e pode recollie-lo a casa de delencao, ou
Icva-lo a casa do abaixo assignado administrador
da mesma massa : a rna do Rangel n. 58.
Recife 19 de abril do 1860.
Manoel Jnaquim Baptlsta.
Um bom profowor francs desoja encarre-
gar-sc do ensino dessa lingua em algum engcnlio.
Poder tambem cncarrenar-se de ensiaar geogra-
pbia, niathematieas, physica e lam : pode ser
procurado a ra Nova n. 25, ph;rmacia do Sr.
Maurcr. j ^___
Precisa-se de una ama que tenha bstanle
leite : na na do Pilar n. 120. segundo andar..
Precisa-se de nm cai.xeiro com pralica de
taberna de 16 a 18 anuoi : no palco da Ribeira a.
1^____________________________________
O cirurgiao Jos Antonio Marques mudon
sna residencia para a rna de Apollo n. 39, primti-
ro andar.__________________
Precisa-se na ra da Cruz n. 33 de urna ama
para cozinhar em casa de pouca familia, da-sc
preferencia a scrava.__________
Precisa-se alugar nm preto de meia idade
para o servico de casa :
botica n. 6.
Costu reiras.
Pergrunta-se
, O Precisa-se para cortar e coser calcas grossas e
aos irmaos da Irmandade de S. Jo- .'de Rilia-Mar wroulas, na loja da ra da Cadcia do Recife n. 9.
a iAz;io pela qual, al a nrosente data nao en
garam ocjetos pedidos para Sepulchro da
ma igi em d'sproveito do quiffise .dignou
emprestar. Se nao o lizerem com aair brevi-
dade continuar como mofina.
______ lu prfjudlcatto.
TROCA
Roga-se pessoa, que hoiilein
levou por engao um chapeo de
Cftbeqa, da sala de visitas do sn.
Dr.chefe de polica, o obsequio
de vir trocar pelo seu ra das
Cruzes numero 20 segundo an-
dar. .
IXSTITL'TO AROIEOLOGIC E GE0GRAP1I1C0
POUMCILNO..
llavera sessao ordinaria quijj^t-ftira
pelas. 11 horas ti:
-i
ma-
il o correute abril,
nbaa.
ORDEM DO DI\
Discussao do orcamento
social de 18G91870.
Pareceres c mais trabalbos
ses ;
Secretaria do Instituto, 12 de abril de
18(59.
Jos Soarcs de Azmcdo.
Secret rio perpetuo.
para o anno
de eommis-
Joaquim Pires Machado Porleila nao pudendo
dc^ edir-se do lodos os feus amigos, o faz pelo
uto, pediHdo-lbes desaulpa dessa falta, c suas
ordeos para o Rio de Janea i.
Off. rece-so um nioco para caixeiro de taber-
na, ou mesmo para tomar conta por bataneo,
o uc
bala
(joal d conhorinieuto de sna conducta
do Kannel n. 73. se dir quem .
o
na ra
rrdOWft-40 de una aaia para cata de
p -nas : na ra da Uniao n.:.'i3
(Jilas
COMPRAS.
Com muito maior vantagem
Compra o Coraco do Ouro, n. 2 D, ra do Cabn-
, moedas de ouro e prata a pedral preciosas.
Compra-se moedas de ouro e prala, bem
como libras sterlinas por maior proco que
em outra parte, na ra do Crespo n. l
Io, andar.
(Juro e prata
em moeda e em obras inutilisadas, compra-se por
bom preco : na praca da independencia n. 22.
Na praca da independencia n. 3J, loja doou-
rives,.compr-seouro, prata, e podras preciosas.e
tambem se faz qoalqaer obra de encommenda, e
todo e qnalqner concert.___________________
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por procos mais vantajosos do
que em outra qualquer parte.
PASTILIIAS ASSICA1L\DAS
DO
DR. PATT.RS.
De blsHiuih c magaezia.
Remedio por excellcncia para combato
a magreza, Facilitar a digesio, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO KSrKCIAI..
Pharmacia deBartholomeud G.
34Ra larga do Rosarioo4.
Cera de carnauba
Vende-se na ra do Queiiuado n. 13, primeiro
andar.
1
ll
Vcndc-se uina c-crava do muito boa candada,
com todas as babidadi -. eozinlo, lava, en-
pomma, faz labyrintho, cofp, barda, etc., de 15
annos, ponco mais ou menos, sem vicios ncni
acliaques de molestia, por l:300,i ; a trataf em
Santo Antonio, rna d-.s Expostos n. 20.
Meias elsticas de borrad
As melhores e excellentos moias .Masti-
cas de borracha contra vari/.cs c erysi|ella<<
Vende-.se na ^
Pharmacia e drogara de
Rarlbolomeu (1.
34rna larca do RnsarioHi-
a praga da Boa-Vista,
O Dr. Joo Alfredo Cohreia deOu-
veira, nao podendo despedir-se pessoal-
menle de todas as pessoas que o honrara
com sua amisade, o faz por esto meio,of-
ferecemlo-llies o seu limitado presumo na
corte do imperio para onde segu i tomar
assento na cmara temporaria.
Jos Soares de Azevcdo, prolessor de
lingua e litteratura nacional no gymnasio
provincial do Recife, tem aberto cm sua
casa, ra Relia n. 37, um
CURSO DELINGUA FIUNCEZA
DE GEOGUAP111A E UIST01UA
DE PHIL0S0PHIA
DE RHETOMCA E POTICA.
Os estudantes que pretenderen! frequen-
tar qualquer dejlas discipliuas, podeni diri-'
gir-se indicada residencia, de inanlia at
as 10 horas, e de tarde a qualquer hora.
PRATA
Compra-se moedas de ouro e prata e
bem como libras sterlinas, na ra do Ca-
bug n. 9. rnlojoaria._________________
Comprase urna cscrava que saiba cozinbar,
engommar' bem e que tenha boa conducta : na
ra ilo Crespo n. 23.
GRANDE HOTEL
no
IL E PORTUGAL
VIRDMIRO LE ROY
dd Doctor SI&NORET, Odco Sucesor,
RE DB SEINE, 51,. ea *.!.
. idoem um dos bairros mais centraes de Paris, sendo.as tmmedia ipaes tnea-os e outros inultos divertimentos, e assim das estagSesdos caminbos dt
ferro para todos os pontos da Europa, acabado de ser iateiramente renovado, nao st
temi puiipadoo seu novo proprietarie a desdas para seu completo embellesaiaeuto t
aceio, torna-se portarito ventajosamente reconimendavel aos senhores brasileirosopor-
. a onde oncontrara sempre acuella convivencia desojada em paiz estranho.
por ser constantemente frequentado por seus compatriotas. O trataniento superior a
todo elogio, meta redonda, ou a carta, ou servida nos apozentos; babitaces conve-
teotejaente -lesporfas para familias, quartos para urna s pessoa, o servico feto
com a precisa regularidadc: os pregos imaito rasoaveis eao alcance tambem d'aquelaf
pessoas te -e queiram limitar.
Gabinete de leita com os ppincipaes jomaesdos dous paiaes, salo de recepcSot
de PMtka, etc. etc. Todas estas vantagens poden serappcadas igualmente aos senbo-
rei pasafeiros das repblicas do Prata, porque atenida semelhaiKa da liagua, ali en-
eonlrarSQ uuitos senhores liespanboes, por c,ueni tambem esta casa bastante fre-
Mi
i-
Uti>. lia *>v-
pertaJo h cotlicia
na gun bvimwi*
deJjlsiStaJoi; |(r
lo Unto iltlx eiip st kt
vwuo Li 'iT.wiyo
r i tio iaiprtjon negro saLre
'"'''J3 EC r t"a foado Tetejdo d mareta
M O p> llevil,firmaLi Bot t utM,
b jifa cuma cu notnhti 1G1U*UlT
', Xu la mkjh pasta om i*ri>.
*!Jf5f. fl.-Sobr, d cn(ho, itliftifm^
tul que lien 1 m(1o Psaimaui Uoni
n- pegado _
tyr el trares del ^r
cuailo ii la aotelU, f\^f'
rtalo amarillo con -t// cy
A sillo sil commo
uxett.
Por toJo ciito da on rala*
d 900 trinco aceptabla o
bre Par 6 Londrea, M haca
el mayor dascoanto posible.
OEPURATIF
Paris, 36fRuaVvenne, D*
CHABLE MDECIN
AIENFERMIUADAS DKS8KXIA ES, AS AJTHO
{OES OJTANEAS.E ALTamAgOESDOSAJIOUB.
"I10 WcurasdMwpinLTVi
ustulat, herpe, fama
omixoe-i,acrimonia,e ai
mVercoe, viciosa do tan-
___________ H vinu, alteraeoet
do mtiyue. (Xarop* ve^eUl m mercorio).aa>-
ItrtivM vesetMd AUM MIMERAKaf
loiao-se dous por semana., segurado o traelamenu
Oeimrano.- emiregadodas masmw moJestiaa.
Esta Xa ropa Ci tracto da
ferro de CHABLB. can
immediftUmonW) qaalqitr
purgacao, rilaxacao,
$ debilidad, ifnaJ-
nta oa fimo e flore* branca* das murteras.
I Citraeto de Ferro.
Henaorrairlava, Pomada ifue as cura em tres dito,
POMADA ANTIHERPETICA
Contra i as Sffeccot cutneos cenizo**-
P4LULA8 VEGETAES DEPURATIVAS
4o IV Ckaafcle, cala tntf T MWDtJll. 4
*m olbaio.
-T^, T- JiiaMliraaTiT":^
Na ruado Torres n. ">, ? andar, precisa-so de
urna ama que cuzinlie e ojigonime para nina pes-
soa. ^^___^____
Resposta.
Antonio do Pego Medeiros, negooiantc de mo-
lliadcis., junto funUirao de Santo Amaro. re*pon*
de a mofina que llia foi botada no Diurio de sab-
bado 10 do crtente :
Sait o publico que em 29 de*novembro do anno
de 1866, appaieceu em minha casa o Sr. Francis-
co c Agolar Mello, dizendo-mo que era meu pri-
mo, e tomo tal o reconlieci, dizeudo-me tambem
que daegra MBM inesnio dia de Portugal, e que
tinlia ido all tur por intermedia do muito digno
comiaendador o Sr. Joao du Rogo Lima.
A' vista do que, offercci-llie minha casa aloque
se arruinarse, e Ibe emprestei tO para o paga-
ineut de sua passagem. O dito meu pnjno dis-
8c-me qnc desejata seguir a carreira fuinmarcial,
;' a vista di que lie disse que estivesse no balean
paralrpratcando at que se arruinaste. Passa-
rpW-se seis rnojefc, e at eolio iifiopijaJijafidi
posivel adiar ajTumai'a.', avista du que, maifuei-
Ihe ainvoreJenado de 10O, a menos para si a-
despeza* particnbres,iiolistnteu ni presar
de seus servidos, porque tinlia caixeiro. O meu
primo s estece em minha casa com este ordena-
do um mes e ?ine e sois dtau "porque i mosmo
o arrumei em casa do Sr. Luiz Moreira da .Silva,
d'onde sanio por espado de algum tempo,. sem
que me ds>ea menor satisf.-^ao, c tem estado era
diversas arrumacOes, sem que r.omigo concordasse
coas alguma. Foi no dia Io docprrente qjte era
minlia casa.appAreeeu o dito meu primo para fa-
zerraos tonus, o que realisou, pagndo-iue o res-
tante que roe era devedor dos 1005 <|ue eu Ihe
havia emprestado para o pagamento de sua pas-
sagem.
' enlao a mofraa cm coinpeusacao ou juros de
meu dinbeiro desde o anno de 1866 a 1869 ?
Fai;a o publico Juslica, ja que o meu primo a
nao sabe lazer ; poder elle, ou niraigo meu ein
seu nome, fazer o que entender, porque eu tenno
bastanteennsciencia dos mens actus.
Precisa-se do nina ama de bons costuraes,
que saiba bem engommar e cozinhar : na ra do
Imperador n. 6o, 2 andar.
Jornaes para embru-
Iho.
Coinpram-se na fabrica vapor de cigarros : na
Mitiga ra do Quartel de Policia n. 21. _______
Lustre
Compra se um lustre de crystal para 18 velas,
com linternas : nesta tvivgraphi.i.____________
Comprara-so dote acedes da companhia Per-
nambucana de navegacao costeira a vapor, das pri-
meiras emillidas : a tratar na rita da Cadeia n.
li, loja de ferragens.
t.\.0ERA4%
VENDAS.
PLUS DE
COPAHU
Acba-se lugida a prela Rosa, denacao uli-
ca, de dade de 40 anno? mais ou menos, alta, de
olhos grandes, com alguns tainos no rosto, e falta
denles; quera a apprehendcr, qneira leva-la a ra
do Imperador primeiro andar n. 73, onde ser
gratificado."
Os abaixos assiguados previnem quem quer
que comprar em leilao ou em particular a arma-
cao e utensilios da venda sita no pateo do Terco
n. 30, pertencente aos Srs. Brito & Irmao, quo a
mesma armagao e uiensilios se achara obrigados
ao pagamento das quanlias de 39UO e37900 rs.
que os me sinos Srs. estao devendo aos annnn-
ciontes, e para que nao haja duvida faiem o pre-
sent annuncio.
Manoel Pedro de Noronha,
llenrique du SUc Mario.
Noarmazem de Henriquc & Azevcdo
ra da Caieia a. 34, ha para vender vi-
nhos puros, das marcas seotiintes :
KM AiNCORETAS
Collares.
Alcobaca.
Bnoellas.
KM CAIXAS ENGARRAFADO.
Alcoba^a.
Bastos.
Braaco (no ule Torres Novas).
Bucellas.
Carcavtllos.
Porto, branco e tinto.
.Moscatel de Sctulial.
PILULAS, Vi
GOMES DE MATTOS IRWIOS
tendo feito completa mudanza em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lh maiores proporgoes e elegancia* conwdam
ao publico em geral e com especiaUdade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha sis 9 da noute na
RUI DO UBJJGft l; 4
ontle encoulraffio um compljeto sorJiroje^o do que ha de mais elegaute,
bello e precioso era brhantes, esmeraldas, rubina e tudo que em obras
de out?o, prata:, e platiua se pode deaejar.
mmm DE BRIUAHTES,. ESWfRftLDAS E RBINS
de novos gostps, assin como, grande variedad* de salvas e, paljteiros de|
ptata contraalada e .le, gosto amda uo visto, e completo sortimento de
ubjecUw d* prata- pui a uo das igjf^aij,
CompKa*pe trocara qualquer joiu ou pedra preciosa e garautem
a ([ualidade tos ohjocts.vendidos.
Ivoaa
Machado Portlla, tendo de deixar tempo-
rariamente o seu escriptorio de advoga-
cia, oncarreffou de todos o? seus negocios
forenses ao hacnarel Adolpho Laroenha
| Lins cora quem se poderao entender os
seus clientes, no mesmo e3crptorio ra.
do Imperador n. 83 1'. andar.
POPULAR
DA
FABRICA NACIONAL DA BAHA
DE
TEJXE1RA FREDERICO < C.
Acaba de chegar a este mercado urna pon:fio
deste ptimo rape, uuico que pode supprir a falta
do princeza de Lisboa por ser de agradavel perfu-
me. E' fabricado pelo systema do Areia Preta,
porm tem sobre este a vantagem de ser viajado,
o que para este artigo urna aspeeialidade. -Vas
pracas da Babia, do Rio de Janeiro e ontras do
imperio tem o Rap Popular sido, asss accolhido,
e nrovavelmente aqui tambem o ser, logo que
eja conhecido e apreciado. Acha-se veuda
por preco coramodo, e para quem comprar de O
libras para cima, far-se-ha um descont de 5 0/0,
e de 500 libras para cima o de 8'/O : no escrip-
torio de Joaquim Jos Gonjalves Beltrao, ra ao
Commercio n. 17.
Ama.
Aluga-se urna ama de leite, sendo cscrava, para
criar qualquer crianza, na cidado ou mesmo nos
arrabaldes : quem precisar dirija-so a ra da Ca-
deia do Recite n. 29.
mmm
DE
JURUBEBA
PREPARADO
PKLO
PHAB.MAGEUTICO
foaqnim d'Almeida Pint.
As preparaces de Jurubeba, sao boje
vantajosamente cqnhecidas e preconisadas
pelos mas habis meicos, tanto da Euro-
pa cmo do paiz, pela sua eiTicacia nos
casos de anemia, chloroze, hydropesia,
obstroccao do abdomen, e tambem nos de
menstniaco diflicil, catbarro na bexiga, etc.
Vendem-se em porco e a retalho na ci-
dade do ftecife, ptiarmacia do seu composi
tor, na larga do Rosario n. 10, junto ao
quartel de policia.
Alegiai-vos, niyupes, e prsbitas, ja po-
dis ver de longe, j podis ver de perto.
nao ha mais vistas curtas, nem canearas.
V. J. Germann acaba de receber pi lo
ultimo vapor um rico e variado soi timento
de oculos, lunetas, pin cenez, face--mafa,
lorgnons de ouro, prata, tartaruga, marfim.
ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
assim como binculos de urna a tres mu-
dancas para theatro, campo e marinha da
rutima inve?3o; duquezas, vienezas, de 6,
c8 e 12 vidns, tudo dos melhores fabrican-
tes da Europa.
0 mesmo vapor tiou-
xe urna excellenle ma-
china para graduar h
observar o numero os
\idros que se oecessiU
conforme a vista de
qualipier pessoa.
Tem excellentes steriuscopos, nsti lmen-
los de matliematica, barmetros, vidros de
chrystal de roclia, e decojes para ivgoaF-
dar a vista; concerta lodosos ohjoctt i
piceos commodos e com pn i tiu
Jo mofo dos vidros e encanvg-.-. di U
encommenda relativa a ptica.
Uecebeu tambem os exced ules r
do antigo e afamado fabricantu li ln
& C, os quaes vende aprrn y tos
garantiudo a sua superior guad;!'': .
Ra do Quemado n, 49 loja tit
miudezas de Jos de Azevcdo
. Mata e Silva conhecido por Jos
Bigodinho.
Est queimando os objectos abaixo deolf.ra(of
VENDE-SE
Por 600000 tima crioulinha de 9 annos, de muitt>
boa moral e saude : na ra da Imperatriz, loja
n.28.______________________________
Scbonete de alcatrdo.
DI
Antonio Nunes de Castro
Este acreditado preparado, que t3o boa
[acceitaf,2o tem merecido n'esta provincia
muito se recomtnenda para a cura cert
das impigens, sarnas, caspas e todas a
molestias de pelle. -
Deposito nico,
Pharmacia ae Bartholomcu & C,
34ma larga do Rosario34.
4|n jos do serto
Vende-w 3uperior queijo fresco (fe sertao
rna da Madre do Dos a. 1.
r.---------------_fc-------,----------,---------
113
Vende-so. dm sitio margem da estrada de
Jaboatao, na uRar de Tyglui, com ama grande
casa de tijolo, e baxa de capim, com diversos ar-
voredot, e um cercado para animaos : quem pre-
tender dirija-se as Cinco Pontas n. 71, taberna.
Pede-se. ao, Si\ Maooel da, Costa Pereia,
praticante da repartic5o das obras publicas,
ora em Jaboatao; quo compareca a ra
Augusta sobrado n. 102, af'tm de saldar o
seu debito ou pagar o que puder, sto
com brevidatje.
. OafarecBHse nm rapax para caixeiro dg^ar-
mazem de afincar, cora pratea : quera precisar
dirij-se n te Onia n. 9i, andar.
Saias modernas
Elegantes e modernsimas saias d* laa, acaba
de receber a loja de A. M. Rolim & C, ra do
Queioiado n. 31._________ _________ _
Vende-se urna armacao de taberna com pe"
sos, medidas, cantemos, encanamento a gaz e es-
criptono, propria para qualquer principante : e
pateo do Terco n. 30': a tratar na na Imperial n.
MM, reflnacao. ________________
Vende-se urna escrava boa cosinheira,
sem vicios, na Gamboa do Carmo nume-
ro 22.
LIARO MOVO
PARA
0 MEZ DE MARA
Acabam de sabir luz c aoham-sc ven-
da na livraria franceza.
OSCAMKMEUW DBVOTOS
0 MEZ DE MIARA
votada totfdffierte
pelo diminuto preco, a saber :
Frascos com agua de Colonia venladeira a \3.
Garrafas com agua Florida verdaueira, quo se aja-
rante a 1A200.
Pentes para regacar cabello de meninas a 320 rs
Tliesouras muito" linas para urinas e costuras
500 rs.
Tinteiros cheios de tinta muito preta a 60, 100, 4>0
e 400 rs.
Varas de franja branca de linho para toalhar, a
160 rs.
Caixas de phosphoros de segnranca a 20. 40 e
160 rs.
Navalhas de cabo de marfim e que se garante z
qualidade a i.
Libra de laa para bordar a li.
Pecas de fita branca elstica muito superior a 2WJ
e 300 rs.
N'ovellos delinha branca com 400 jardas aCO t.
Resmas de papel de peso lisa muito tino a 2*500.
Latas com superior banha a 200 e 400 rs.
s Caixas om seis frascos de cheiro muito fino a
o 800 r
Caixas com dozo frascos, fazenda s boa a 1$2G
e 2*500.
Frascos com superior oleo locome a 500 rs.
Calungas de sboiransparcnte muito bonito c fi-
no a 210 rs. '
Duzia de paos de pomada do Reino, da meltv r
qualidade a 240 rs.
Pecas de tiras bordadas muito finas a 500,60G e
800 rs.
Ditas d habadinhos com dez varas a 600 rs.
Carriteis de lirtha de todas as cres, para aoabar
a20rs.
Garrafas com agua divina a 1J500.
Fra-cos com superior macaca perula a 320 rs.
Caixas de vidro com doze didaes, que s a cai*s
le dinheiro a 200 rs.
Ditaslte maileira com alfinetes, o que ha do nw-
Ihor a 320 i-s."~-----n~_^ .
C, rosas de botSes de louca, SS c bordad03 *
160 rs. ,
Caixas redondas para rap emijiando lartar**.*
Pechas de fita para eos da melhor qualidade a
600 rs.
Escovas para limpar denles, fazenda que s a vis-
ta a 240 rs.
Ditus para limpar unhas de superior qualidade a
500 rs.
XAROPE PEIRORAL
DE
RABO DE TAT
PLANTA Dd'BRAZIL.
E' expectorante e recommendado
affeces do peito, bronebite
PfeMtp^*r^a
chronic fce-
rREriiAo
rou
Joaquim de Ame ida Pinj)p
PHARHAIITICO
Peruuiibuco ra lardo ao
RQsayion. 10,
COGNAC.
( 8 annosj retira-se para Portupl, IJm
cnai^i^njniata'onna, que foi eScrav* J> ^"^m Paria.
jo^wwMaftMa^^ Quadernado de couro.
Aluga-se urna casa no Poco na travessa do pncjrlftnia<,o de mar-
Qujabo n. 6, porto dos trilhos urbanos ^StS^SS
na ra da Cadeia do Recife. h. i ^uto (taratio. .
De superior qualidade da mu i accrediU
a. fabrica de Bisquit DboucJi AC,
cognac urna ijis que mais' agurdenle d^
conac, fornecem para o ronsummo, do
Rano da Inglaterra.
Vende-se 6m casa de Tl\. Jv -,
OPtnmercio n, 32,_________
(*> vende-se fumo de Garantan! utualataHii
imito em conta, (*egada_ a poaoo: i
te.apaon,
da
,



Lindos cortes de cassade cor com barra.c c un figurino indicando o molde do vesti-
do pelo baralissimo preco de 3#500 o corte
Ditos de perealia muito modernos com duas salas a S^OOO ris
Ka loja das Columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio CNrra de Yascon-
ellos A-C.
- -ZL-IK*.'
LA
Grande liquidadlo le miudezas!
Affonso Moreira Temporal querendo liquidar as miudezas existentes em sua
Oja ra do Queimado n. 55, resolveu annunciar as mesmns miudezas, para que o pu-
blico se certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a sabor:
Caixa com agullia franceza a
Caixas com 100 envcloppes a.
Pecas de buhados eentre-meios
a 500, (500, 700, 800 c. .
Pecas de fita de coz com 10 va-
ras a ........
Li'iLa de marca,caixa cora 16
novedosa ......
Coques muilo finos com rede, so
i rede val......
Frascos com santos muito finos
a.........
Latas com banha (familia), a
160 e......- .
Cutio com alfinetcs a .
Copo com opiata muito fino a
400 e.......
is francesas a 200 c .
Dtss portuguezas a 120 e .
Caixa de linlia do gaz branca 50
novellos a......
Frasco com tinta a 100 c .
Fiascos com banliaa 320 e. .
Frascos com agua de Colonia
l'iver a........
Pentes de travessa para cabello
de meninas, s a vista faz
fe, a........
Laa para bordar, libra. .
Novello de linha grande com
400 jardas, S a vista faz
f a .-......
Pares de lipa de borracha para
ponas de senhora, muito
boas a.......
Franja branca para toalha vara
a.........
160
500
10000
500
240
1,5500
1?>200
200
100
500
240
160
600
160
400
4 $000
320
65800
320,400
Pit es*com costas de
60
60
200
Rea na de papel almaco, muito
b: nas I........
Cai: i cara papel amisade a .
Jog<> de vispra a.....
Sapitnhos de laa para meninos
a.........
Pecas de tranca e caracol a .
Sab metes de todas as qualida-
des a 80, 160 e .
Frascos cora oleo babosa a
430 e.......
Pin.eis para barba a. .
Gaz a........
Fia -('os com agua de Colonia a
metal .
Ca i e-ira de marroquim a .
l'i ti espretos para tirar piolhos
Escovas para cabello a 400,
:,{)0 e .......
Garrafa com agua divina a. .
Grvalas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Botoes do louca para camisas, a
Garrafa de tinta roxa a. .
Lencos blancos para raaos
a.........
Par de suspensorios para ho-
moos a.......
Esp!:lbo de toucador a .
Franco com cheiro muito fino
a.........
Bandeja para copos a .
Meir s croas para homens. boa
fazendaa 35, 3,5300, 4 e. .
Abo'oaduras para colletes a .
2*800
700
400
320
40
200
ALTAS NOVIDADES
LOJA DO PASSO
Ra do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador.
PARA CASAMENTOS, BAILES, THEA-
TROS, etc. etc.
Lindos cortes do blond, contendo setim,
mantas e grinaldas.
Requissiraos cortes de sedas assim como
para covados.
Gurguro branco.
Moireantique branco azul e verde.
Gros-de-naples brancos e de cores.
Setim branco macau*.
Setim, branco, azul, verde, cor de rosa
e amarelos.
Fil de seda, bhmco e preto.
Cortes de^edi com duas saias.
Chales de gurguro de seda de cores.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linbo bordadas com primor.
Lencos de cambraia de linbo bordados.
Na loja do Passo ra do Crespo n.

Riquissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
Cbapclinas de palha da Italia, assim
ocrao de seda.
Enfeites para cabeca de senhora.
Espartilhos para senhoras.
Meias de laia para padre.
Ditas de 15a
Ditas de seda fio da Escossia e algodo.
para senhoras e meninas.
Lencos de labyrmtho.
Fronbas de labyrmtho.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas cambraias de cores, percates,
las, e outros muitos artigos de gosfo e,
de alta novidade, isto s
7 A. esquina da do imperador.
500
320
400
200
600
46500
320
500
160
800
240
200
20300
1,5000
400
4$500
320
Apprtvtfto
ia teadenie
it mtitein*
di Paris.
II]
POS
NuBTJlS
HMMMNfM
lauread
it tudecina.
As preparacoes ferruginosas liquidis tem desde irmitos annos crecido a ipprovaclo
'asido
Pos
especial dos medaos, porque ellas obro mais rpido e segurrnoste do qne as plalas, e
sSo mais fcilmente toleradas pelos doentes. Os Pos ferro-mngameos possuen a inappre-
K
COM
co
de GRIMAULT e G* pharMaceuTIoos-em PARS
aulhorizada pelo conselho medico de Sio Petersburg).
Deposito em Pernambuco, en: casa de Manre O",
ciavel vantagem de poder offerecer n'um instante ama agua ferruginosa gazeosa, de gosto
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de mais um elemento precioso,
o Manganese, que sempre se acba no sangue, junctamenle com o ferro. Empreflo-se era
todas as molestias que tem por causa o empobrecment do sangue, assim como para vigorar
os temperamentos debis e lymphaticos. A cklorose, as Peraas brancas, dores d'estomago,
a irregularidade da menstrua fot e amenorrha ou suppressSo do menstruo, cedem rpida-
mente a seu emprego. Develaos mencionar aqu um facto aotavel, isto 6 qae es deentes cora-
dos pela agua preparada com estes pos esto muito menos expostw a recadas do que
aquelles qae forfto tratados peas preparacSes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, am casa de Mtnmt o*.
TASSO IRMAOS
Tem para vender em seus armazens, alm de ou-
tros, os seguimos artigos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Grcve pautado c liso.
Vinlios em caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Hery.
Madeira.
Hermitagc.
Chambas.
Licor de curaco de Hollanda em caixas de vin-
tc e quatro botijinha?.
" GESSOj
Nos Jrmazens de Tasso Irmaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmaos
' AKltlXIIOft E FDRRO
Para snicos de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou Mufles de rnn para entro, lado pelo
mdico preco de 123000 cae um.
Farinha de trigo de Trieste
Das melhoras mareas Pameia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento das memores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de fariiilia de trigo do
Chile
Toda* novas, chegadae ltimamente nos anca-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romarso
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydraulico 12$
0 melhor para tndo que sao obras para agua, (te-
mo assentamento de canos deesgoto, algerozes, de-
posito, tanques d'agua, etc., etc.: em pwcoes de
cineoento barricas se far rednecao no preco: nos
armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Portland
O verdadeiro cemento Portlsnd em casa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas,, por-
teiras, etc.,. etc.
D differentcs qualidades para eeroadfi*-d* ani-
mae?, chiqueirospara galinhasojardins raes ar-
mazeas de Tasso Irmaos.
Barris com ftreu
Has armazens de Tasso Irmaes-.
GANOS DE BAEEO
TCSSES
CATARRHOS
mzm
PASTILHAS PEITORAES
DE sueco deALFACE
E LOURO GEREJO
1RRITUC2-ES
E' este o mais novo e delicioso confeito at agora conhecido. Por tste tem adquirido r-
pidamente a popalaridade de que goza. Os madicos os mais disnctd o aconselhio contra
as tosses, defluxos, catarrhos, tosses convulsas, catarrhos epidmicos, im-itacSes do piU. Com
grande empenhoo precario as mSes de familia assim para ellas come- para as crianzas, pois
priraeiro que ludo inoffensivo, e as suas propiedades adocantes nto deixio nada a desejar.
. Deposito em Pernambuco*em easa de Mansar a O*.
K
VERDADEIRAS
noso
assegurar
e acha reunido para lhe
dos ossos e
sciencias, pharmaceutico, professor de
, condecorado da ordem da Legio de
vem
convem aos doentes cujos or
S0UBE1RA
^.r. ,rr.rvi i/AO em todas as partes de mundo, empregam, com o maior xito,
OS MED'COS, o phosphato de ferro soluvel de Lbras, para curar a chlorosis
(afires MllidTs) asares do estomago, e a exbaustacao de sangue; com esta preparado, do
lo corfo o vi"eTcarnes, a sua firmeza natural; facilitam o desenvoWunento to labo-
da ouberdade. Com effeito, tudo, n'este medicamento,
o maior eredito. pois que entram, na sua comPos.co, os elementos dos MI
do sangue. 0 seu autor, M. LBRAfl, doutor em sciencias
chvmica, inspector da Academia, fot, recenteraente
HT;eSrPTePc^ ~* ^-
^?&*St7^* ferro solavel entre os ferruginosos que melhor
gaos digestivos sai portam mal as prenaracSes de ferro.
N, professor na Escola de medicina e de pharmacta.
0 phosphato de ferro soluvel l, em quanto a mim, a melhor das preparacoes ferrugi-
nosas, e o seu emprego d os mais promptos e s.;guros resultados.
ui, s r ARAN, mee ico do hospital Sainte-Eugtrue.
A forma liquida do phosphato de ferro to'uvel d-lhe urna immensa-mtuem sobra
as plalas; A-^---^J^^^
Entre todos os ferruginosos, nSo conhecemos um s que obre lio prompta e efficazmente
como o --^fi-S^^Saff-Sa^ !RS^3PJBSsmVSm?SiK^ssM HospiUies.
Os effeitos da preparado de ^^tSKBTs^
. Entre todas as preparacoes ferruginosa,, o I hosphato de ferro soluvel foi,t que: sempra
me deo os melhores e mais satisfactorios resultados. GU1B0LT, medico aos nospiuscs.
. 0 phosphato de ferro soluvel tem, sobretodo, a vantagem de evitar a consupacto e
convir aos temperamentos delicados. *
Deposito em Pernambuco, ein casa de murar a C.
PILUUSdeBLaNCaRD
COM ICOURETO 00 FERRO IMALTRAVEL
'APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS ETC.
" Possuiodo as propriedades do lodo et do forre, convem especialmente sas Arrrxcots
sc.nonn.osas, a Tsica no principio.a fraqunad* temperamento e tamben) nos casos AS-
FALTA di cdn, amenorrha., em que precisa reagir sobrb o sangue seja para restituir
lhe a sua riqueza e ahundencia normaes, ou pata provocar a regular o seu-curso periodiso.
N. B. 0 iodarsto de ferro imparo on alterado aa nodicameata infiel,
IrriUnle. Como prava de pnrexa a de aalheneidade das TtaaaJotia ri-
las ele nianeard, deve-sa eiipir nesia eella el* arata rcaatWa
nosio "JrMia, iini reprodozida, qoe u acha n parle inferior da oa
retala vrele. Deve-sa desconfiar dm faiiiflcafaea.
L lulai
^^ DOS*
Aehaea-ae
tataa aa p
reiaa. narmteutie, me Bontaartt, 0, HHe.
' 0LE0DEH0GG
DD
Figados frescos de bacalho
Para cura certa de phtisica, affeecocs escrofu-
losas, tosse chronica, fraqueza dos memhros e de-
bilidade geral, recommenda-se a exccllencitt duste
oleo anda por ser agradavel no paladar.
VENDE-SI!
NA
Pharniacia e drogara
DE
BARTHOLOMEU & C.
34 = Rita larga do Rosario = 34
ll
[1
[d'e LERAS dotttor em scienciasj
INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIZ Ete
Debaixo da forma d'um liquido sem sabor,
anlogo a urna agua mineral, este medica-
mento rune os elementos que constituem
os ossos e o sangue. E' o mais racional dos
ferruginosos; por asta razo o adoptrllo
__ os mais eminentes mdicos do mundo in-
teiro. Convem muito s meninas de temperamerto delicado, cajo desenvolvimento tardo,
s senhoras que padecem d'estas d6res d'estcmago ntoleraveis, causadas pela chlorose,
anemia, menslruacSo ou leucorrha, as criancas d'uma compleicio paluda e delicada, e a
todas as pessoas que tem o sangue empobrec lo pelas doencas. Efficacia, rapidez d'accao,
cura perteua, sem constpacio de ventre nem i.cco sobre os dentes, taea sao as razoes que
imperio para que os senhores mdicos o prescnvlo aos-aeus doentes.
Deposito em Pernametico, em casa de laurera O.
CAPSULAS MOLES
de
ALCATRAO
Remedio por excellencia para cura rapi
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, o-outras molestias do peito.
VEMDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomcu & C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
AO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. .Amaro.
NOVIDADES
i
V
I
Para senhoras.
COQUES da ultima moda, enfeitados o lisos, gran-
de sorlinii'i'lii.
CHAPEL1NAS de palha da Italiaguarnecida com
delicados e elegantes enfeites Brancos e decores
GIIAI'KIISINHOS e gorras de velludo e de pennas
(alta novM.nl.. !) de palha da Italia, a enitiaco,
especial sor: i ment.
CINTOS de cr.res e pretos, rico sortimenio a ulti-
ma moda.
CAMISAS bordadas por coutmodos procos.
LENCOS bordados e.com letras, nqvidade neste
cenero
LQUES a emitacao de marim, gosto novo e de
sndalo.
GOL1NI1AS e punhos, a omitacio de guipure.
EKFEITES pretos e de eflres para cabeca, lindos
mold
GUARNICAO alta novidade I a Marie Rose, lti-
mamente usada em Pars.
lORPINHOS de guipare brancos e pretos lindos
modelos.
DOKNOUS de laa e seda, odres claras, elegante
moda em Paris.
111INALDAS de flores finas.
KSPART1LHOS superiores.
MKIAS supe, iores de fio de Escocia.
l.VJVAS de peUca chegadas pelo ulticio vapor.
ADERECOS de coral verdadeiro o camafeo, i
ielieado. '
DE PALHA
GUARNICES para vesdos.
TRANCAS para enfeites de coques.
BOTOES lisos p com pingentes para vestidos.
CINTOS alta novidade.
gosto
1'IiORES finas, grande sortimento.
GRINALDAS de ditas parr. coques.
) JkCOS, ftvelas, penacho* |iara enfeites.
Para h CAMISAS com peitos, col irinhos e punhos de li-
nlio fiao, Usos e bordados, moda,
i^OLARlNHOSde linho e algodac.
PUNHOS de ditos.
.rRAJATAS de todas as qualidades.
I10TOES para punhos c guarnicoe3 para coletea.
CORRENTES de plaqu a emitacao do ouro, lin-
do gosto.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
lidade superior. ,
CHAPEOS de seda, para sol.
MEIAS de superior qualidade.
BENGAL1NHAS finase chicotes.
LUNETAS aro de ac e tarturaga.
Para crianzas.
VESTUARIOS completos para baptisados.
SAPATINHOS de merino e setim enfeitados.
MESAS de seda o fio de I'.scocia.
CHA PEUSINHOS de palh ida Italia.
TOUCAS de fil o setim feitadas e de enroen.
BUNECAS vestidas, muito bonita* e diversos
brinqnedos.
Perfaimat las finas.
agua FLORIDA vi'rdadsr ( Murray 4 Lan-
man New-York.
TOXICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA de E. Coudray e superior agua e
essencia de Colonia.
ESTRATOS e essencias Anas e de agradaveis are-
mas para o lenco.
VINAGRES aromtico? para toilet.
POS DE ARROZ para amaciar a pelle ; em pico-
tes e ricas caixinhas com arminho.
POS superior para limpar os dentes.
COSMETIQUES de fina qualidade.
SABONETES, grande so/tmento deste genero e
de superior qualidade..
LEOS de philocome, babosa c antiques.
BANHA una para os cabellos.
AGUA de flores de laranja.
CREME de sabao para barba.
Caixas preparadas com perfumaras finas.
iliudczas finas.
SUPERIORES fitas de grosdenaples de todas as
ores e larguras de veludo preto e de cores, o
gurgnro para cintos.
BABADINHOS e entremeios kordados.
GUARNICOES de seda de cores para enfeites de
vestidos.
TRANCAS pretas com vidrilhos e pingentes.
BOTES de cores, brancos e pretos com vidrilhos
lisos e com pingentes.
DEDAES de mad iperola, de marfim, de oco e
metal.
THESOURAS finas para costura e unhas.
CAIVETES fiaos com quatro folhas. E muito
outros artigos de miudeas que se torna enfa-
donho menciona-los.
IiOafA
DO
GALLO VIGILANTE
ifica:i do Crespo.n. 1
Os proprietai tos deste bem conhecido establle-
cimento, alm das rauilos objectos que tinbamex-
postos a apreoiacio do respeilavel publico man-
daran! vir e acauam de reeeber pelo ultimo vapor
da Europa nm completo e variado sortimenio de
finas e mu delicadas especialidades, as quaes es-
tao resolvidos a vender, como de seu costnme,
por precos muito liaraiinhos e comniodos para to-
dos, com tanto i'ic o Gallo....
Muito superiores lavas de pellica, pretas, bran-
cas e de mu lindas cores.
Mu boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, ueste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pontos do tartaruga para coques.
Lindos e. riquissimos cafeites para canecas das
Exmas. senhoras..
Superiores trancas pretas e do cores com vidri-
lhos e sem elles; esta faienda o que pode havor
de mollior e mais lionito.
Superiores e bonitos loques de madreperola,
marfim, sndalo e osso, sendo aqueljes brancos
com lidos desenhos, o estes pretos.
Muito superiores meias tio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30000
a dii?iv entretanto que nos as vendemos por 20,
alm destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras o mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
auanlidade de outras qualidades, como sejam, ma-
eira baloia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Filos, bonitos o airosos chicofinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Liadas e superiores ligas de seda e borracha
paraiiegurar as meias.
liias meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 42 annos de idade.
Nwalhas cabo de marfim c tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e ns por nossa vea tam-
bem asseguramos sna qualidade e delicadeza.
Lindas e beltos eapellas para noiva.
Superiores ajrulhas para machina c para crox.
Linha muito boa de peso, rouxa, para oncher
labyrintho.
Boas bacallM de cartas para voltarete, assim
coma os tentos para o mesmo fim.
Na ra Nova de Santa Rita, na Mitiga fabrica de
sabao, ha para vender por preco o mais medico
possivel, canos francezes para edificarnos e asgo-
tos de-toda a qualidade, superiores a todos ss- qoe
aqu tain apparcci& pela sua solidez.
PRECOS
I&W& por cano grande*de 3 c meia pollegadas.
1290 por dito do 2 e tres quarrefe de dita.
1 fiOOO por dito de -'e um quarte de dita.
500 rt;is por pistoleta de 2 pollegadas.
Cotwellos, curvas e canos de maior grossara,!
vista se far o preco. Compras maiores de 2 tem 5-por cento de descont por prompto paga-
mento. Pde-sc ver as amostras nos ariaszens
de Tasso Irmaos.
Tijolos franuezes
Para ladrilbar casas terreas osmasseioe presos
mdicos, muito convenientes e proprios para ladri-
lhos de cosinhas em sobrados, pelo seu asseio e
vitar a passagera. de aguas paa o andar :nfcrior
e mesmo o perigo de fogo, aos precos de 305000 a
i5|i000 o milheiro : na ra Nova de Santa Rita, na
antiga fabrica de sabao, e compras maiores do 2005
se far 5 por cento de descont por prompto paga-
ment. Podem-ee ver as amostras nos armaaens
de Tasso Irmaos.
Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
ternr* de carros: noarmazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto fino superior: no armazem
de Tasso Irmaos.
0 melhor cognacGaathierFrotes: noarma-
. zem de Tasso Irmaos.
Esteiras da India
Em casa de Tasso lmaos vende-se esteiras da
India de diversos padrees e largaras, por preco
commodot
Macrthy
Uachinas de descaroca* algodo.
Hojc que est reconhecido que as maclu'nas s
serrote prejudicam e quebrara a fibra do algodao,
, preciso recorro a maclikiisuio menos aspcao,
que produzindo cmesmo sorvico que aquellas, e
facilidade no trabalho, nao qncbrem a fibra da taa,
para que essa possa obler-nos mercados europeos,
a differenca que ha entro o algodo descarecado
por aquellas mencionadas machinas, que estao fi-
cando em deuzo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga bolandeira, que nao pode competir
pela morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se tosnam as mais proprias para o
nosso abjodo, porque ao par da fcil idade
A NOVA ESPERANQA
21= Ra do Queimado = 21
L para presentes
A Nova Esperanza, ra do Queimado
n. 21 tem um variado sortimento de objec-
tos de gosto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresahindo entre elles ricas caixi
nhas de bano com finas perfumaras, eos-
tureiros de chagrn, agulheiros de madre?
perola : assim, pois, quemquizer fazer um
linda offerla, dirigir-se Nova Esperanza,
ra do Queimado n. 21.
Collares anodinos ellcctro-magneti
eos contra as convulccs das
crcancas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
collares se \endom por abi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
pais de familias no creem (tomprando-os)
no effeito promettdo, o que s pdem dar.
os verdadeiros; a Nova Esperance, porm
que detesta a falsificarlo principalmente no
que respeita ao bem estar da bumanidade..
fez urna encommeida directa destes collares
e garante aos pais de familias, qae s3o o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
cas tem salvado do terrivel incommodo d&
convulces, assim pois precieo, que ve-
nham a Nova Esperanoa-a ra do Qaeimado
n. 21 coraprarem o salva vida, para sen
filliinlios, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando ento ser di-
fficil alcanrar-sc o effeito desejado, embora
sejam empFegados os vardadiros cc4)are>
de Royer.
t?ara extinguir as sardas e
panno
Recebeu a Nova Esperanea, ra do
Qaeimado n. 21, leite de rosas, especia]
para extinguir sardas e pannos.
BONECA DE CERA
A NoT'a speranra a ra do Queimado u.
21, acaJ** de receber um completo sorti-
mento de finas bonecas de cera de diver-
sos tamanhos, sendo as maiofes do cora-
priraento d'um oovado ; estas bonecas tra-
zem bonitos coques e botinas-, bavendo en-
tre eflas algumas que fallam e outras que
choram de snrte que fcilmente podem ser
preparadas, e fazer-se um presente de muita
accerta^ao.
Fiaas caixas d&tartaruga pira rap 7en-
dem-se a ra da Queimado n. 21 na loja
da Nova Esperan 5a,
Modernos brincos de sndalo, s se en-
contrarlo na Nova Esperraca a ra do
Quehaado n. 21.
MEIAS DE LAA
A Nova Esperanza a ra do -Ctoeimado n.
21, acaba de receber um especial sortiaen-
to de meir.s de laa para honaem e senhora.
CONTRA AS C0NGE3T0ES
mal terrivel a congestao fulminante:
de repente leva.um individo, d'esta para
mill>sr vida, sem. dar-lhe tempe de receber
conversa medica; dexando> as mais das
veses-mulher e filhosno mais amargurado
pranto ; a Nova Esperanca que deseja pres-
tar servicos reoorren a Vojer, o qual lhe
m3ndou anneis elctricos magnticos, como
o nico preservativo.para semelhantemali
elles antes qoe se acbem : na Nova Espe-
ran?a-
NAVALHA3
A Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 recebeu uui sortimento de savalhas,
da qualidades, e tamanhos especiaes assim
como afiadores e massas para as mesmas.
Vendcm.Augnsto F. da Oliveira 4 C. ra di
Comme#cio, n. 42.
promptidao conserva a fibra da laa, que limpa por
ella, e qualificada na Europa a par ta melhor bo-
landeira, valendo assim entre 10 arrobas 20 0/0
mais do que a laa rimpa pola machina de serrote.
Estas machinas nao s3o novas, pois que lia muito
eatao adoptadas no Eg>pto, acude as de serrote
forain inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
dio daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 arrobas 20
0/0 mais do que o nosso : vendem-se a I0O3OOO
nos armazens do Tasso Irmaos.
Oleo de amendoas
Em caixas de 8 latas, cada oaixa 100 libras:
nos armazens de Tasso'Irmaos.
Charutos da Havana.
Excellentcs charutos da Havana epor baralissi-
mo preco : em casa de Tasso Irmaos, ra do
Amoriui n. 35. _.__ ^^m
a
Duzia de meias para senhora, fazenda fina a i$.
Grande, e varado sortimento das melhores per- R^es pretas lisas para segurar cabello a 320 rs.
mafias, e dos melhores e mais conhecidos per- Varas de transa de seda de todas as cores a 600 rs.
fumaria;
fumista?. ~C0LATES DE R0ER
Elctricos magnticos contra as convulses, e
facilitem a denticao das innocentes enancas. So-
mos 'desdo I recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afiui de que nuqca faltem no mercado,
comojj tem acontecido, assim pois poderao aquel-
110 dolles procisarom, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiro ~iHrwi e os quaes attendendo-se ao fim
pararjue siojapplicados, se vendero com um mt
di mi auto lijf*^
Ro|a*2 mL avista dos objectos qne doixamos
decl^adosnH^ossos freguezes e amigos a virem
comprar.por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra d* Crespo n. 7.
Tudo se vcm'&e por presos bastaute commodos.
Cpsulas d Baquim
oJbons effeitos estas capsulas para fazer ces-
sar s gonorrheas acham-se comprovadas pelas
experiencias de muitos annos.
64 mdicos de toos os paizes as recommendam
pela sua efficacia.
VENDE-SE
KA
Pharmacia e drogara
BARTHOLOMEU & C.
Ru34a larga do Ro3toW
RIVAL SEM SEGUNDO
Rita do Queimado n. 49, loja do miudezas de
los de Azevedo Maia e Silva, tem para vender os
artigos abaixo declarados, tudo bom e baratsi-
mo, que sao para acabar.
Duzia de sabonetes muito finos a 700 rs.
Pares desapatos de tapete para homem a IJ280.
Ditos de tranca para creanca a i*.
Tramoia do Porto, bordada, a melhor a 200 rs.
Bita do Porto liza, da melhor qualidade a 100, 120,
160 e 00 rs.
Resma de panel alraaco, lizo superior a 33200.
Dita de papel almaco pautado a i i.
Livro de missoe? abreviadas a 24.
Gartilhas com toda a dontrina e muitas resas a
320 rs.
Silabari0sp0rtugue7.es com estamras a 320 rs.
Baralhos francezes muito finos a S.'OO e 240 rs.
Sabao ingle* superior qualidade a 500 e ij.
Gravatas pretas e de cores muito linas a 500 rs.
Pares de brincos depurados com maoziuha e po-
dras a 320 rs.
CartSes comtjcrcheies de duas orlen e sao de la-
to a 20 r.
Abotuadurs de vidro para colle muito frnaS a
120, 240 e 400 rs.,
Pares de btjtoes dourados para pinhos a 160 rs.
Caixas de pennas de ac muito ticas- a 240, 320 e
500 rs.
Candes com duzentas jardas de linha do fabri-
cante Alexandre a 100 rs.
Caixas de pennas de ac, a verdadeira penna a
uaoo.
Carriteis de linha Alexandre ns. 70,80, 100 at
200 a iOO rs. (
Caixas com superiores obreias du massa a 40 rs.
Carriteis odm dnas oitavas de retroz preto a 500 rs
Duzias de agulhas para machinas a 2J.
Libras de pregos irancezes de todos os tamanhos
a240rs,
Livrosescripturados para rol de roupa a 120 rs.
Caixas com papel amisado muito fino a 700 rs.
Caixas com cem envelnos da melhor qualidade a
600 rs.
Tafearas para meninos muito Wk fazenda a
240 rs.
Para familias
Grande Bazar, na Nora os. Q> e
8*. de Carnclre Vlanna 6 c
Acaba de chegar a este estabelecimento
grande porco de machinas para costuras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-,
ma exposiejk) de Paris, as quaes cozem com
dous pospontos toda a costura, o tem a
vantagem de ser tao suave o movimento,
que qualquer crianza de oito annos fcil-
mente ttabalha, e pode, com este entrete-
nimento, levar vantagem ao servico diario
de trinta cpstureiras. A comprehenso
simples, pois cm um quarto de hora se fi-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar,
franzir, marcar c bordar, como aprosentam
os desenhos que acompanham-nas. Os pro-
prietarios do estabelecimento se encarre-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e
garantem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeico a machina vendida, no tendo,
porm, sofirido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabeleciraento machinas
do autor Grower & Baker, de trabalho sim-
plesmente mao, e outras com movimento
dos ps; e mxime todos os pertences das
mesmas machinas, para vender avuiso.
Tintura japoneza
Instantnea para tingir os cabellos e a
barba, a iWOO o frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
A venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. ra da Cadeia n. 51.
GAZ GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster 4
C, ra do Imperador, um carregamento de caz
de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
e a retalho por menos proco do que em outra qual-
quer parte.
Cemento (fe iortlaiLi
Teode-se no armazam iefr\
Costa k*ilho, na ra da Madre de Dos n. S?,
barra fraadN,
FUNDICAO DOBOWMAN
Una dollinm u. 5.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batid fundido.
Rodas dentadas, pata moer com agoa.
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucar.
E outros muitos objectos, et. etc., pro
priospara agricultura.
Cal de Lisboa
Vflide-se cal de Lisboa chegada ha poneos dias-
a tSSta roa da Cruz n 27,1 andar, esenpto:
no da Ramo* Temporal, ^
;
\
l
/ ..>



1
Diario de Pernambuco Quarta feira 14 de Abril de 1869.
GRANDE LIQIUDACO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO ^
B AWA
DE
Flix Fereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel pubHco desta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tem de fazendas, tanto da moda como
de lei, e as pessoas que negociara em pequea escalla, tanto da praca como do matto-
oesta casa poderlo fazer os seus sortimentos era pequeas e grandes porcoes, venoen-
do-se-lhes pelos precos que se compram as casas inglezas ; assim como as esxeHentis,
imas familias, poderlo mandar buscar s amostras de todas as fazcndas, ou mandare-
mos lavar era saas casas pelos nossos caixeiros, para o que aoba-se este cstabelecimen-
to aberto constantemente desde s 6 hor*s da mankaa s 9 da noute.
O atoalhado do Pavao. AS C1MBRAIAS DO PAVO
Vende-se superior atoalhado de algodio Vendem-se linissimas pechas de cambraias
cora 8 palmos de largura, adamascado a lizas transparentes tanto inglezas comosuis-
20200 a vara; dito de linho fazenda muito sas tendo mais de vara-de largura, pelos
superior a 3#00 a vara ; guardanapos de precos de 5-3000 at.#8j&000 a peca, assim
'iinho adamascados a 4300 a duzia e muito como finissimos organflys branco liso que
finos a 8#0O0, e ditos econmicos a 3fJ500 serve para vestidos de irailes, por ser muito
a duzia. transparente a liJOOO, a vara, na loja do
Fustes para resthlos brameos Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Fex Pe-
a 040. reir da Silva.
Vendem-se os mais modernos fu&tes bran- Alpacas tarradas
eos flexiveis com paikoesde listas e de Cbegarara pelo ultimo vapor as mais mo-
ealpicos proprios para vestidos e roupes de dernas alpacas lavradas cora as mais lindas
menino a 6iO rs. o covado, na loja e aran- cores, que se vendem a I#000, o covado,
tem do Pavo ra da Imperatrizn. 60, ce (Mas lisas tendo tambem cor de canna a
Flix Pereira da Silva. w)0 rs. ditas mescladas muito finas a 1:200,
Grosdenaples o ovado, e outras muitas fazendas de gosto
Cbegou para a loja do Pavo pelo ultimo e moda que se vendem mais barato do
varpor um grande sortimento dos melhorcs que em" outra qualquer parte, no armazeni
grosdenaples pretos e de cores, tendo verde do Pavo, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
tambem, que se vendem mais barato que Pereira da Silva.
em outra quakjuer parte. Roupas para homem
t, BABADWHOS Vendem-se superiores palitts de panno
Vendem-se finissimos babadtahos, tiras sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
bordadas e ntremelos, mais baratos do que camisas inglezas e francezas com os pcitos
era outra qualquer parte, assira como espar- de esguio, ceroulas francezas de linho eal-
tilhos dos mais modernes, no armazem de godo, raeias cruas inglezas superiores, ca-
Fehx Pereira ua Silva, ra da tmperalm misas de flanella e de meia de la, assim
- como neste estabelecimento existe um grande
11 TA NriVinSPlF sortimento de pannos pretos, e de casemiras
Ti'i nn Sivin inglezas de cores, e que se manda fazer
Gurcui-o de seda qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
ChegararapKiL vapor os mais bo-|S ae V** rato do
ROUPAS FEITAS
Na loja do Leo da porta larga
DE
PAREDES PORTO.
Ra da Imperatriz n. 52, junto aloja deourives.
N'este estabelecimento so encontrar ra da Imperatriz n. 52, loja do Paredes
sempre um cempleta sortimento de roupas Porto.
feitas de todas as qualidades. Como se- Neste estabelecimento encontrar o respei-
jam: paletots de alpaca, de merino, de tavel publico um completo sortimento de
casemira, bombains de panno preto, fra- fazendas e roupas que. se vende pelos pre-
ques e sobrecasacos de brins do cores ej}os seguintes:
pardos. FAZENDAS BRANCAS,
CAMISAS E SIROULAS. I Madapolo de diversas qualidades e pre-
Encontrar sempre o respeitavel publico eos commodos, cambraia de 3#500 4H500
um bonito sortimento de todos os nmeros, e 5, ditas victorias de tfoOOa 120, pecas
MEIAS CRUAS. de cassa liza o mais fino que lia no merca-
Sortiraento de' todas as qualidades, de do a 9$, 100, 12$. com 12 varas, e vara
30 a 50, assim como tambera sortimento de largura
de lencos de linho brancos e com barras
de cor, chinezes, bonitas gravatas prelas e
de cores. Ra da Imperatriz b. 52, por-
ta larga.
PARA ACBAR.
Urna grande poroso de calcas ordinarias
para trabalho a 6'i0 e 800 rs. cada um par,
pechincha na loja do Leo junto a loja de
ourives.
GRANDE PECHINCHA,
Cassas he cores a 160 rs. o covado, na
ICO RES 0 COVADO
Chita prcta pelo barato preco de ICO o
covado na ra da Imperatriz n. 52 na loja
que tem um Leo pintado.
PANNO DE LINHO
Paredes Porto recebeu um sortimento da
pannos .de linho, cora 27 varas a pega e
17;>000 e 480000, na ra da Imperatrizn.
52,junto a loja de ourives de porta larga.de
Paredes Porto.
LENCOS DE LINHO
Vende-se lencos brancos de linho a 30,
duzia
SEDAS DE ClSfRS.
Recebeu-se um bonito sortimento d'esta
fazenda que se vende a 20500 o covado.
CHITAS.
Vende-se chitas escuras a 280, 300, e
320 rs. o covado.
GUARDANAPOS
Vende-se esta fazenda de linho, fazenda
boa a 40000 e 50000 a duzia.
MEIAS PARA HOMEM
Sortimento de meias inglezas para ho-
mem a 40800 50800 e 60800 fazenda boa.
THOALHAS
Sortimento de toalhas de pelucia a 410
a duzia.
LENQOS BRANCOS a 20200
Para acabar lencos de algodo a 20200
a duzia,
20000
Vara de bramante de linho
tem 10 palmos de largo.
CALCAS E COLETES.
Tem sempre no mesmo sentido um sor-
superior e
nitos gurguroes de seda, proprios para ves-iCom a mair P11^50 e m^ mais
dos, sendo lisos e lavradinhos, com muito
ustro, garantindo-se que a fazenda mais
inda e de mais phantasia que este anno tem
chegado a este mercado, e vende-se por
preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
"3. 60, de Flix Pereira da Silva.
ba-
que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhorcs o maiores cortinados bordados pro-
CAMIRAIA BRANCA A 30500.
Vende-se pecas de cambraia branca Pr,os Para camas e Pa,'a janellas, que se ven-
leia varas pelo ba- cm a '20000 rs. cada par at 250000 rs,
ransparente, com 8 e meia varas pe
rato preco de 30500, ditas muto finas tanto
apadas comotransparentes 40500, 50000,
30500, 70000 e 80000, assim como organ-
d muito fino tanto I izo, como de listas e
qaadros na loja e armazem do Pavo ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
ALPACAS LAVRADAS PARA LUCTO.
Vende-se na loja do Pavo, ;is mais mo-
dernas alpaeas lavradas para lucto, sendo
isto nn ra da Imperatriz n. 60, de
Pereira da Silva.
Flix
a duzia para acabar na loja de Paredes Por-
to. Ra da Imperatriz n. 52 loja da porta
larga que tem um Leao pintado, de Paredes timento completo a preco commodo.
Porto.
No armazem do Leo, ra da Imperatriz n. e 52, junto a loja de ourives.
11--RA DO QUEINADO-ll
DE
Cretone para lenqes com 10
palmos de largura a 2$,
Acaba de chegar esta nova e cxcellentc
fazenda branca propria para lences de um
90 panno, garantindo-se que um metro e
urna quarta ou um metro e raeio d um
rauitolargasepelo barato "preco de 800 rs-. o excellento lencol do um s panno, assim
aovado, so na loja e armazem' do Pavo, ra como esta boa fazenda tambem muito
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
-Silva.
Cassas iaglezas a -115* rs o me ro
Vende-se urna grande porco de bonitas
cassas inglezas tanto graudascomo miudi-
:ahas e de cores lisas pelo barato preco de
i 10 rs. ometro,garentindo-se que 7 metros,
do um vestido para qualquer Sra. na
ojado Pa\o ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pcroira da Silva.
Bareges a 400 rs.
SO na loja do Pavo
Se vcDilem as mais bonitas bareges transparen-
propria para toalhas de meza, rosto etc. e
oulros mysteres c vende-se pelo baratissi-
mo pre^o de 20 cada metro.
MOCAMBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Chegon para a loja do Pavo um elegante
sortimento dos mais bonitos mocambiques
i proprios para vestidos cora as cores mais
ImodiMmas e que se vendem pelo barato
preco de 500 rs. o covado.
ALPACAO DE CORDOPARA VESTIDO A l
Chegou esta nova fazenda com o nomt
de alpaco, sendo de cordo e com mais
AUGUSTO PORTO & C.
Receberam superiores vestidos de blond com manta e capella para noivas, que
vendem-se por precos mais mdicos d* que em qualquer outra paite.
SAIIiDAS DE BAILEde cachemira branca ede cores o que ha de mais lindo.
BASyiTNESde renda preta, e de gorgurao preto, o que ha de mais
elegante.
CHAPEOS DE SOLpara senhoras delicadamente bordados.
BALESbrancos e do cores para senhoras e meninas, espartilhos, saias bor-
dadas, c saias de 13a em barras de cor.
GORGURAOde seda branco e preto para vestidos, sedas de cores, moirean-
tique branco, e grosdenaple branco, de cores e preto, princezas, bombazinas pretas,
alpacas de muitas cores, e lindos cortinados bordados.
CAMIZASdi- iinho para homem de diversas qualidades, camisas bordadas
para noivos, sobretodos;, capas de borracha brancas e pretas, brim de cores e branco,
panos finos e casemiras pretas e de cor por commodos precos.
TAPETESgrandes c pequeos para sof e cama, tapete e alcatifas em pecas
para sallas, e continuara sempre a vender p> r mdicos presos as estkiius da india paiu
SALLAS.
0 cordeiro previdente
lina do Qiseiuiiado n. IB.
Novo e variado sortimento de perfumaras
linas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que ctfectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de p1-
gos; assim, nois. o Cordeiro Previder' *
e espera continuar a merecer \^
do respeitavel publico -^n gcrai e de s:ua
boa freguezia dra particular, nao se afas-
tando elle de sua bem condecida mansidao
e barateza. Em dita loja encontrarlo os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray d- Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica denlrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toile!.
Elixir odontakico para conservarlo do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e cliei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com la japoneza, transparente,
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples eenfeitadoj,
Essencia imperial do lino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de ebeirs igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo philocomo verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade.
com escolhidos cheiros, em frascos de dif
ferentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetos imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisadn cor.tendo fi-
nas perfumiras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papello igualmente bonitas, tam-
bera de perfumaris linas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sera oomposiclo de
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
cas.
Opiata ingleza e francezaparadentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mais coqii<>s.
Um outro sortimentos de coques le no-
vos e bonitos moldes com lilets de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de llores e fitas.
esto todos expostos apreciacao de quem
os pretenda comprar.
GOLL1XHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfei.;o.
FiveElas e Utas para cintos.
Bello e variado sortimento le faes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
ASTNIfi E PTISICA
l/m dest'obrcniciito espar
O xaropc de fedegoso, do I' ^ preparado pelo phaimacen': emnaDav,
to, cura radicalmente ." -co J. de A. Pii-
todas as molestias pthisiea e asthma, e
Podera ver-- uos pulmcs.
iinico d*" *e os attwtados de curas no
.(josio da^ pr'paracoes de fedegoso
.oie autor, ra larga do Ro
junto ao quartcl de polica:
p. 10
Vendc-se um sitio na Torre ; a Halar eom
Constanrm Manta no dten&o lugar.
1'INTO PHARMACETICO
Xaropc de saisaparrilha do Para
ou
DEPURATIVO DO SANGIE
Usado as molestias de pelle, Uupigens 't-
/''>' riCfiiuitic-i c ulceras venreas.
Ra larga do Rosario n. 10.
* Vende-se uia cavallo para cabriolet, grafliie
tanto gor.lo: a tratar na praca da indeoeii-
dnela n. 1 e 8.
Vergonte;is de pi&ho para mastai*, 11
c retrancas, todas de lapernr qnadade Tfata--
Verde Pans, tirano de meo e |.ida, m !a(u de
ii e 28 libras, ja preparada, afea de linbaeaea
pais: no armazem do depi.sito da cunu.anhia
i'ernambncana. no lnrgo_daAs?ciul)lea n. 10
Casa na Capuuga
Vende-se urna c.^sa terrea eom grandes com-
modos para familia, eozinha tra, grande qiintal e
cacimba, ehios proprios, a maiio perto da estaej i
da via-ferrea ; para tratar dj preco, na ra di
Crespn. 19
i 11,11
Fugio no di !i do presente mea demarco, do
engenlio Cracuipo, Dregneiia de Agoa Pala, o os-
cravo de nome Joaqoim, idade la anno?, crioulo,
cor preta, esialura regular, testa grande, olhgs
afuinacados, denles limado.', e tem oe dedos pote-
eacs dos 003 voltadis para lora, sabio enin i'l.a-
po de palna do Chile, levando um baln pequeo
de follia de Plandres. Ha certera de que o dito
estravo segnio para a eMade do Recife, eml n
cando na csiacao de Ganleira tu umdostrens
do eaminbode ierro ; man o apprebeoder qnei-
ra leva-lo ao mencionado engenho, a entregara
seusenhor o tenente-coronel Pedro Francisco de
Albnqnerqne, oo no RecHe ao Sr. Antonio Jos
Leal Res, escriptorio na da Cideia W, que
ser generosamente (ratificad.
100)5. de gratificado
Fugio uo dia il de Janeiro do correte anno,
do eagenbo BaUtnra, Irogoezia da Escaria, oes-
cravo preto, ci nulo, de Janno de dade, cha-
mado Marcelino, que foi do Sr. JoSo da unha
Pereira, cojo eseravo esteve no deposita geral, e
tem os signa; s seguintes: alto, seceo do" corno-
rosto mnito mareado de hexigas, falta de dente
na frente, cor preta, sanio de chapeo do ebite, na-
tetot e caica dexastor, levando um bahuzinbo de
flandres com mais roUpa, e suppS o estar na
fregnezia do Cabo: quem o appren nder i
ao dito engenho, ou ra da S.nzala-nova .
escriptorio do Sr. Bernardino Pontoal, que
bera a gi^ililicacao cima.
Pngio do engenho Jacobina, couiai
bo, ao amanheeor do da 13 do corrente leze
anno, do abaixo assignado, um escrav i.node
nomo Antonio, caaheeido por Canda, dado de 2c
a 30 aun ?, pouco mais ou mejios, alto, 11 pres-
aos, tem una das juntas do icio nin p u
prossas, andar banzeiro, levando chapeo do feltro
ja u.-ad.', camisa de algodao azul e feroula i
gndao americano, erijo eseravo veto de Bnique pa-
ra Pao d'Alho, para ondoso desern .'; !;
roga-?e a qoal |oer autoridade pi licial on
de campo a captura do dito eseravo, levndose
engenho cima, on a ra do Caldeiroiro i. i2 au
O que demelhor sepdceno.v/irarncsse Sr-- '''l'ancis,',) Quintino Rodrigues Estoves, que
nann kdu.l.i.J. .. ,- SCIil 2eiieios;mif'nfP nrnlinnf!,,
;w, proprias para vestidos com listrinhas a imita-i la.rgui a Uo 1U0 a alpaca, com as mais lin Jas
io de listras de seda, e vendem-se pelo barato! cores, como sejam Bismark, lyrio, perolas, I
preco de um cruzado cada umcovado, unicamen-/ roso, cor de eanna, magenta etc. e vende-'
so pelo baratissimo preco de 1(5 o covado.
ESGIAO DE LOffiO DE 12 JARDAS A 105. I
Vende-se pecas de esguio de linho, fa-1
das para cama, pelo barato preco de 5-5, zen_f'a superior, com 12 jardas cada peca, a
te na loja e armazem do Pavao, ruada Impera-
Xiz n. H<\ d" Flix Pereira da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A 5^000.
Vemlein-se colchas de fusto adamasca-
grande pechiacfaa, na loja o armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 00, de Flix
Pereira da Silva.
CCMHNORESDfGLBZa A 1&, ': dOO E o-?.
Vendem-se os verdadeiros cobertores
inglezes, de pura la, Dlo barato prego
de4 fusto de cores, pelo barato preco de 3, na
ioja e armazem do Pavo. ra da Impera-
triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
i 0*000.
i
VLTA NOVIDADE
A
Loja do Pavao.
GURGUROES PARA VESTIDOS A i ($000.
O COVADO.
Chegarara os mais modernos gurguroes
para vestidos, sendo de todas as cores, com
sjam verde, azul, rosa, bismark, perola.
Madapolo entestado a 8-500
Vende-se superior madapoloenfestado,,
sendo muito encorpado. para carnizas, e roxo te,ndo I1 (Iuatr Pa'mos de lar-'
tendo cada peca 24 jardas, pelo baratissi- ^'] e\se Pel baratissimo preco i
oca O0O. cada Covado irnieampnte EFFICACIA
DO
XAROPE DE RBANO IODADO
0 Xarope de Rbano iodado de Grimanlt e C% pbannaeeuticos de S. A. I. o printne
aneleao, em Paris, preparado com o sneco du plantas aoli-escorbuiica cuia emeacia
mm popular. *- o
i^?2 S. ^0, ao oleo de ngado de bacalho.
A ra/a perfeigao d'este producto anima-nos a dar a conhecer aqni a opiniio de altran
a entre os pnnerpaes mdicos de Paris, qne diariamente o prescrevem.
! a- H^ de 'labano iodado nm medicamento d'um elleito suave e seenro para a
medicaca dos meninos, no smente snppre o oleo de figado de bacalho, mas ainda faz
c u suas vezes com vantagem. -
Dr A. CAZENAVE, medico em chefe do hospital Saint-Louis, em Paris.
0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento de primeira ordem para o traumento das
atiecooes lymphaticas e escrofulosas. Hnitas vezes, empreguei-o com feliz xito, em certos
a casos de tsica ao sen principie, como snecedaneo do oleo de figado de bacalho.
Dr A. CUARR1ER, anlige chefe de clnica da Faculdade de Paris.
0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excedentes resultados como regenerador
ao sangue, e snecedaneo do oleo de figad de bacalho.
IV A. FAVROT, autor do Tratt des maladies des femmes.
0 Xarope de Rbano iodado um dos mais poderosos modificadores das constituicBe
lympbaucas. Tenho visto oleeras escrofulosas que nada poda curar, cicatrizarem-se,
icas a sua accao, com promptido extraordiBana. Tambem, pelo sea eso desapparecem
aneccoes tuberculosas dos ossos, nos meninos.
D* Gl'ESNAR, amigo externo dos hospitaes do Paris.
i gratas
as
rao preco de 8-$"00, na loja o armazem do
PavSo, ra da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
CHAPELINAS
ULTIMA MODA
Coegaram para loja do Pavo as mais
ricas o mais modernas chapelinas rica-
mente enfeitadas, cora enfeites e titas de
se tira e de todas as cores e cora ricos bicos
de blond c as mais lindas c finas flores,
vendando se cada urna pelo barato preco de
185000, garantindo-se serem muito mais
bonitas do que outras qne se vendem em
outras parto*-a .20 e 285, e e/Kre eilae
#000, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na ra da
Imperatriz n. 60.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVAO.
Vende-se urna grande quantidade de y-
talhos de chitas e cassas pretas por preco
muito barato, e quanto maior for a porco
que o fregu comprar, mais barato se he
vsnder na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
Gromletiaples preto
Vende-se ura grande sortimento dos me-
lhores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de 25000 rs. o
covado at 5000 rs. garantindo-se que
ba mais do que um modello, -tambem tem ln estegener ninguem tem mellior fazenda e
muitas de pratinho, proprias para mocas e que.se vendeiais barato do que em outra
meninas, isto na ra da imperatriz n. 60
loja do Pavo, de Flix Pereira da Silva.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo eflicaz, e preferivel a todos os
conhocidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicaco as creancas,
quasi sempre mais atacadas de to terrivel
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Pharmacia e drogara.
M
Barthomeu t C.
84Raa Larga do Rosarlo34
qualquer parte, na ra da Imperatriz n. 60,
de Flix Pereira da Silva.
A 25, OS BALOES DO PAVO.
Vendem-se superiores baloes america-
nos de trinta a quarenta arcos, tendo as fi-
tas bastante largas, sendo muito fcil trans-
forma-IoB para outro qualquer novo modelo,
e liquidam-se pelo barato preco de 25 cada
ura, sendo fazenda que sempre se vendeu
a 75 e 85, isto na foja e araKzem do Pa-
va^, ra da Imperatriz n. 60.. De Feli$
Pereira da Silva.
As ?,000 varas a OO rs.
Vendem-se a verdadeiras cambraias
francezas, cora lindos padroes o cores fixas,
sendo tapadas e transparentes, pelo barato
pi eco de 500 rs. a vara, ou 300 rs. o co-
v.do, sendo fazenda que niegnem vende
Vendem- e diversos escravos pecas viudos por menos de 7 oo 8 tostoes, e liquidara-
*oCear no ultimo vapor, proprios para qualquer 8e por este, barato preco, por se ler feito
aoTteo de armazem on engenho, assim como ura IMna u~i. eatanm. na nia" a 5m.,^
wraw por M0 com ara & inubsado, e di- J' ^W ^T* J 6 i013^1"
weMravascombabiHdadoeMfM;Atra- do Pavao,Toa da Imperatriz n. 60. De
tarna roa da Cruz n. US, 3 andar. i Fclil PeTeir da Silv'a.
t 0 Xarope de Rbano iodado de Grimauli e C* encerra 4i2 por cerno de iodo, na sna
COmposicaO orgnica anloga que se acha no oleo de figado de bacalho.
Dr KLETZ1NSK1, profeuor de chymica, louvado dos tribunaes de Yenna.
Deposito em Perr.ambuco, em casa da abara o*.
SOFKRIMENTOSO'ESTOMAGO, CONSTIPACO.-
Cura em poucos dias pelo C*m/io oe belloc em p ou em part.lba.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Ss, aecoe ao dis-
dpadis rpidamente pelas pebolas oether < l> aun.
ANEMIA, A PALLIDEZ e mmmmtm que necessirama
eroprego dos terrupnoaos sao sempre combatiitoj com o nattur iu-,uHado
pelas PlLUiA DE VALLET. Cada Pilula tem incravado o nome HUkf
PO OE ROG. Baa dissolver um frasco d'este pe em mete
arrala d'sgua pare ae obtr urna limonada airradTel que purea sera fa-
cer colicat.
VIKHO OE QU.'NUM U UOerreou.. *. nfco, da,
poucos cuja eoraposiso garantida consume, urna das luelhores pre-
paracOea de quiuin, sem acefc mUt4 sobre os convalescentes. dando-
Uws torcas e apressande taita a saude. Cora aa Cabras antigaa'qiM ra-
n'io ao sulfato de quiuino.
MOLESTIAS OA BEXIGA. >.ior p.rte d^u. mote-
iias, como as sciaticae, lombagos, catarrea. tedas as dores nervosas aa
geral Uo curadas palas peslas oe essencia oc menco ntin do
Dr. Clertan. O proieasor Troueseao em seu frettM te Hurupauic* *coo-
seiba aa para ereni tomadas na eecasiao do jantar. ns dota de 4 i 11
OLEO OE FIGADO OE BACALHO OE BERTH.-
Carairtido puro e de pri.-ueira qualidade. um dos poucos provado pela
Academia de medicina.
AY1S0. Todos
estes medicamentos foram aprovttdn pela Academia
imferial de mediana ie Porta.
ttO-Jir.
Daluc
> Varia, U
Dsfoscmuj;
Tuaowa.
H! et O.
DEPOSITO
raiai, i. ra
Ptntnbuc lataa* t O.
Ctorm.....lina O.
genero, sobresaliindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para t! agen.
Bolsas de tapete ecarteiras de Muro, por
precos commodos.
Chapelinas de palha da Italia mu bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
I gosto.
E assim amitos outros objectos que se-
' do Cordeiro Previdente a ra do Queimadu
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS
CHAPEOS E COQUES.
0 Cordeiro Previdente ra do Qucima-
lo n. 10 acaba de receber ura bello sorti-
nento de trancas de palha para enfeites de
estidos, outras para chapeos, coques etc.
udo isto est sendo vendido cora a sua bem
onhecida coramodidade de preco.
ALEM D'AQUEI.LES*.
Recebeu outres lindos enfeites de seda
ara vestidos ; assim como um variado sor-
unento de gallos de la, babadinbos de
ambraia com bordados do cores, cuja va-
iedade de gostos os tornam recommenda-
los e apreciados; compareco pois os pre-
cedentes que scrao servidos a contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimento do bicos e randas d
;uepurc.
LUVAS DE PELUCA.
De todas as cores tanto para horaen-
orno para senhoras, constantemente achara-
a venda na loja do Cordeiro Previdente :
ra do Queimado n. IP.
Para encanamento" d'agia,
Canos de ferro, dilus estanhado, ditos forrado.'
le porcelana, todos com as competentes ternciras.
nrvas etc. : a rna do Queimado n. 33.
Barato que admira. ,
Manteiga ingleza flora 140 a libras d'a lan-
cera a l. cha miudo a 33100, dito graudo l 3J
caf a 220 rs., sabio a 180, alpisu a 240, arrnz a
100 r?., passas aO, iilem quartos com 6 libra?
por 2S200, vmho a 400 rs. a garrafa, axeite dnc
de Lisboa a 900 rs., caixinhas cora ameiXJS, pas-
sas, ligse peas, proprias para mimos a 1(00
lataa com doce a 500 rs. : s na esquina da ru
da Penba n. 8. -
sera generosamente gratificado.
Awti nio Harneirn Lins e Mi lio.
Fogio de Dordo ii pattiabote nacional ma-
ro, um mualo claro de nome Justino, estarara re-
cular, cbelos earapinbadoc e meios ruiv, <. ,
barba, tem orna pinta preta no canto do olho d
to e um talho as costas ao meprno lado,; I
vestido camisa de chita eom lisias verdes,
de mu cinta rom borla encarnada para apertai
as calsas, natoral de SaataAnna do Maltona
provincia do Rio Grande do Norte, para onde talve
queira ir, tambem mnito deeernbi rajado no
lar. Recommenda-se aos mestres de I
\ qualquerpessoa qne o agarrar, elevar a ra
do Trapiche n. 4 ou a bnrdudo reliirM ma> i nue
rado.
GMIFICiUM
do oftSOUO"
No dia 13 do mez pas.-ad.) fugio doeBge/
Pmienlel, o mulato Jeremia?, do idade 20 am
altura regalar, gurdo, eom faKa de d.nie na fe
le, ps bem reitos, com una efeatrix na pera di-
rota, testa pequea, cabera eomprida, rab
pouco ncarapinhados, levor'r cah.i azul e ea
azul de algodio, e chapeo de eosro : quem o ;. -
prelhBder e leva-lo ao dito engenho, na freg," lia
tto Cabo, ou ao Sr. Bernardina de Sena Pon;,
na rna da Senzala-Nova n. 28, do Recife, reeebe-
r a gratiliraiao de ''< y
Acba-se lugidn desde aupnngu de entrudo o
molequo de nomo Tito, com 1 annos de. idade,
estatura regular, olbos anwia;adi ?, c- ni todos is
dentes, esperto e bem fa.l.inte. tem no jstomago
una cicatriz de urna queimaduia pequea, tepi
um dedo da mSo dreita alegado m ronseqoencia
de nm panaririo ; e o p erqnerdo mais grosso
do quo o direito : quem o apereliender leve o aos
Alegados, casa do Dr. Jos HtbeMo du Murarse
Silva, que indicar a casa de seu ee&bor, que re-
compensar generosamente.
XAROPE PECTORAL BRASIL
COMPOSTO K PREPARADO
Pelo pbanuaceutico
Jos da Cruz Santos.
Esta planta cujas virtudes medicinaes
existiam desconhecidas para a maior parte
dos nossos facultativos, devendo-se a sua
descoberta ao uso que d'elle faziam os
nossos indgenas que menoscabavam com
a sua applicacao de todos os soffrimentos
pulmonares, boje conhecido como o me-
dicamento mais ellicaz para a cura de as-
thma, bronchite, coqueluclie, penemonia
e at a phtysica, produzindoum effeito mi-
lagroso e prompto. +
Para um adulto 3 rcolberes de spf
ao dia puro ou em cosimento peitoral.
Cnancas, 3 4 collieres de cha.
Prego 24000 o frasco.
. Pernambuco, roa JVova botica n. tti,
Pennas ^e ema.
Vendc-se roa do Qoiraado d. 13. primeiro
andar.
JWWW HU
de gratificacao.
Anda se acba fngida a escrava Hara Benedic-
ta, que foi do Sr. Claudio Bobenx, e que auseit-
tou-se da casa de seu senhor ha dez meces, cuir.s
signaes sao os seguintes : cabra, magra, estatura
regular, rosto descarnado, cabellos rarapmhofl e
i-ouipridos, andar descanrado, representa ter 10
annos ou pouco mais, e custuma fallar quando
trahalha ou anda, tinba no Feio e nos bracos sig-
naes pardarentos mu vi?veis de impigens que
eoslumam apparecer-lhe. Ha todo motivo para
snppor que ella anda mesmo por esta ridado ou
seus arrabakles.' j tendo sido vista de urna M
na ra Nova com nm pardo, o pela segoada vi *
na praca da Boa-Visia. Da-.-o aquella gratifica-
cao a quem apprehender dita Sfcrava tu delta rr
noticias exactas na ra do Jmperadur n?. 3 e 3jt,
! andar, e pmlesta-so proceder criminalmertc
contra quem a tiver em na companhia.
Do engenho S. Francisco da Varzea fugio a
madrugada de 3 do eorrente, Leoncio, mulato
claro, de 18 a 20 annos, comecando a- barbar, ca-
bello? soltos, nlhi s grandes, estatura regular, axoa*
so, robesto e bem Caito, bons dentes, vagaroso no
andar, e farcola, e carreiro. Do niesmn engenho
esl l'ngido desde julbo do anno pascado, Crescea-
cio, mulato, velho, de cabellos solt;., poneos den-
tes, andar cnido pan diante, e tem os dedos
grandes dos pes met dos para dentro : a entre-
nar no mesmo engenlii, 0n na ru de Apollo n 8
ao sr, Francisco do ass Brito.
Fagirain na nou'e do 8 pra 9 do oorri>
do engenho Rola, freguezia da Escada, os cscra
vos Tranquilino e Silvestre, os qui>e<
naes seguintes : Tranquilino mulato, dade
annos, mais ou menos, baixo. grofso, eom o .
pnllegal de urna das mos aleijado. ps grandes e
largos. Silvestre, preto, boa figura, socco do cor-
po, pernas linas, pes Jecareados, < mo*tra o< dentes como quwn ri. Quem os captu-
rar leve-os a Manoel Antonio Dias em o re
engenho Rola, estacSo Prraeira, mi a Albino .Vis*
Perreir da Cunda lar^o de S. Pedro n. 17, que
ser bem gratificado.
t^m os su-
da


f nafta i
T-


I^H^^BM

8
Diario de Pernambuco Quaria feira 14 de Abril de 1869.
i
II
urniTOA.
FERIAS ACADMICA*
(POR W. FIGEIREDO)
(Continuaco)
X
IHU TRAMA.
O rapaz, completamente atordoado, fi-
oou immovcl, com a bocea meto aberla, c
n'uma attitudc pouco condiga de sua digni-
dade jurdica, e gravidade habitual.
MagalnJes, rtodo-se, veto arrancal-o da-
jh^IIo deploravel estado.
Entao! que te disse eu ?
Vai-te para o inferno tu nao nao 60-
t"ndes da estrategia e diplomacia amante-
- tica.,..
Ao mesmo tempo, qu estas scenas, um
tinto violentas, se passavo entre os dous
PHmorados sem ventura e a marlyr Leonor,
nina discussao animadissima e iuteressante
tinha lugar entre Amelia, Carise Almeida.
Tratava-so da religio; e a formosa lou-
rinha com urna lgica e argumatos admi-
raveis, que provavo urna fecundidade de
espirito pouco vulgar, refutuva as objecces,
que os dous rapazes de proposito levanta-
vao de cada urna de suas proposicoes.
A religio exclamava ellaque ser
existe no mundo que nao entoe um hym-
no de amor,de gratadlo e de adorarlo ao seu
omnisciente Ceador ? O racional com a ra-
y.io, os irracionaes com o instncto,as aves
com os gorgeios, a trra com a fecun-
didade, as flores com o perfume, os
ventos com o sussurro, os rios com o mur-
murio, o mar om o incessante bramido, os
astros com o brilho. ludo emfim queima o
jiuro incens do culto Providencia divina,
que creando sabiamente tantas maravlhas,
imprimio-Ihes todos os elemento de vida o
torca, com que devio subsistir e progredir
auxiliando-se mutuamente. E que potencia
invisivel dispoz assim que as cousas criadas
nao podessem existir por si s sem se da-
ram soccorro reciproco ? que sabedoria in-
finita exige assim a unio e sympathia de
todos os seres entre si ? que mo poderosa
apertou assim os elosda grande cadeia da
criaco Deus I a palavra doce, santa e
mysleriosa, com que a razo responde, e
que o coraro acolhe fervorosamente A
religio I o meio, que ella impoe para
adorar c honrar a grandeza e bondade do
Autor do universo, e que a alma acceita ju-
bilosa e agradecida !...
Tirai do mundo o cohecimento de Deus,
cootiouQH Amelia com euthusiasmo sempre
crescenteextingu o senliinento da religio
que o egosmo o mais glacial desembocar a
taba, abafada desde a revelaco do Sinai, e
supplicio do Golgotha, e apregoar a sua
perniciosa doutrina de excluso no bem, e
indeflerenca no mal Tirai do mundo a
religio. que a ferocidade, o odio, a destrui-
c o e a nve-ja supplantar a amsade, a ca-
ridade, a philantropia, e o progresso moral
e SGMDtifico de boje, retalhando a humani-
dade nSo em nacoos, que se respeitem e
auxiom, mas em hordas barbaras, que se
alrophiem e arruinen) reciprocamente I Ti-
re! do mundo a religio, que a sociedade
deixar de ser um meio para a felicidade
terrestre : os soberanos tornar-se-ho des-
potas ; os poyos sediciosos ; as revoluces,
as guerras civis, os supplicios, e os cadafal-
sos d'outras eras apparecerito em lugar da
paz, parsuasaO e corroer o branda de boje!
Tirai do inundo a .religio, que o amor, a
reciprocidade na felicidade e na desgrafa ,
acommunbao de beos deixaro de ser os
elementos vitaes da sociedade publica e da
familia ; o casamento torna-se-ha um con-
tracto puramente mercantil; deixar de ser
napbrase de um moralista,uma grande le da
i moral, que preciso cumprir religio-
lanfesob pena de nos acharlos fra da
ordem e da verdade : -os bomens casar-se-
li i com un nomo, com um dote, com urna
nosura, mas nunca com urna esposa a
toidad matrimonial ser ento urna
cousaephemera, violada capricho do cada
um, c-sob qualquer pretexto! Tii>ai emfim
do mundo a religio que o inunda sem les
sem harmona, sem Ordena, deixar de exis-
tir, ou ser um eabos medoaho !...
A intelligente menina pronunciara todo
discurso com um ardor e euthusiasmo,
que electrisava I O fulgor religioso, que bri-
Hiava-lhc nos olhos azucs; a cxpresso an-
glica, que animava-lhe o rosto, a especie
de aureola, qan circumdava-lhe a fionte; e
a anecio quasi divina, que embalsamava as
suas palavras, tudo isto dava-lhe o mystico
aspecto de urna inspirada !
Carlos Alburio, e mesmo Almeida, que a
tinho incitado a Miar, cscutaram-na com
profunda atlenco e admiradlo, c emmude-
ram apenas ella termiuou ; o commendador
beijou a Qlha na testa, e disse comorgulho :
Milito bem, Amelia; teu pai te felicita
pola tua orthodoxia, o palo iuteresse com
que advog iste urna causa to santa !
FOLHETim
OS MAM DE CAYEm
XI
A TR.UCO
Temos chegado a um doss*pitulos mais
incommodos e difficeis desta nossa peque-
a narrafo: a epigraphe, que o traduz jus-
tifica bastante esta nossa proposco.
Sentimo-nos completamente vexado, e
incapaz de tracar duas lianas se juer, quan-
do temos de registrar algum crime, que des-
douree avilte a dignidade moral e racional
do hornera.
Ainda que a sociedade de boje seja por
demais benvola qp julgamento de delirios,
que a nao offende directamente; ainda que
a sabedoria potica do seculo encontr sein-
prc justificac possvel para aceftes indig-
nas, motivadas pelo amor; ainda quea cons-
ciencia elstica e a razo esclarecida de
muitos individuos teimem em classificar de
meritorio e at virtuoso, qualquer acto que
tenda a assegurar o bem estar de alguem.
posto mesmo que por meios infames, e em
prejuizo d'uutrem; nos, que alias n5o bla-
sonamos de rigidez de principios, c sents
de culpa, gostamos de dar as cousas o seu
verdadeiro nome, ede nao apadrinhar, nem
colorir com cores faceiras accoes, para as
quaes entendemos ser pouca toda a repro-
vaco com que por ventura possamos ful-
mina-las.
E nem se diga que pretendemos ser mo-
ralistas ou pedagogos; nao; s o deverde
dizer a verdade, principalmente quando es-
crevemos, e a neeessidade portanto deser-
mos severo na apreciaco de factos como
os que todos os das se reproduzem nos-
sos olbos, nos levaran a dizer o que flea
cima, e o que ainda vamos continuar.
A amizade, na phraze" de alguem, paixo
sublime que o lempo fortifica; sentimento,
que requera virtude de duas almas; felici-
dade, ante a qual todos os males desappa-
recem, ou se enfraquecem, e todos os bens
se embellezam, e se augmentam, nao foi
feita para almas corrompidas.
Almeida, fatuo, egosta, insaciavel, emfim
nao senta essa deliciosa neeessidade d'al-
ma; dotado de urna volubilidade excessiva,
elle s experimentava estima, e essa mesma
momentnea por aquillo, que Uie poda ser
til: agradar todos para de todos tirar
partido, era a sua doutrina ; conseguir tudo
o que desejava, era o seu principio; sabia
insinuar-se com a manddo astuciosa da
raposa, para devorar depois cora a insacie-
dade sanguinaria do tigre; athcq, sem mo-
ral, sem f, fazia garbo de ostentar urna in-
dependencia e liberdade, que nada respeita-
va, e que tudo nivelava. Hypocrita em su-
bido grao, elle sabia amoldar-se as pessoas
e s circumstancias. Semelbante a serpen-
te, que ora oceulta-se na gramma para pi-
caro calcanhar do viandante, ora atira-lhe
claramente o bote peito descoberto, as-
sim Almeida obra va conforme as occasioes:
as vesos cynica e descaradamente, outras
prfida e traicoeiramenle. Altamente inve-
joso, como era, nao lho soffrera a felicidade
de Carlos: e ambicioso em extremo nao po-
dera supportar, que este mancebo, de quem
alias elle se diia amigo, viesse a esposar
a linda lourinha e sobretudo o seu sobei;bo
dote, como elle proprio dizia.
Desinquetara-o a narraco, que Alberto
fizera da sua paixo, e da sua ventura, nar-
rago, que se le no capitulo terceiro. Des-
de esse momento o desleal rapaz tornra-
meio sombro, e comecra a lutarcom a in-
veja e ambico, que tanto o caracterisava;
e essa luta cessou, desde que Carlos a lo-
tera rispido n'uma oecasie em que elle lbe
fallara de Amelia de urna maneira pouco
generosa; e desde que esta repellira-lhe
formalmente, em uun partida j descripta, as
requestas amorosas.
O desmedido amor proprio de Almeida
se revoltra contra o modo porque era ex-
pulso da athmosphera feliz, que embalsa-
mava os dous nom irados: su pessima n-
dole nao podera tragar essa especie de bu-
mlhaco: resolveu vingar-se.
Maquinou urna infamia propria do seu ca-
rcter, e s lho fallava urna cmplice que
lbe fornecesse as armas: o genio do mal
apontou-lhe Leonor, alilhada do commen-
dador, e intima amiga de Amelia; e elle
rio-se com um gargalhar infernal, quando
descobrindo insidiosamente no corceo da-
quella moca o germen oceulto de urna ar-
dente paixo por Carlos, vio-se cercado de
todas as probabilidade.de triumpho.
Oh I dissera elle entoaquelle vol-
co amoroso ha tanto lempo em ebulico,
ha de fazer urna cxploso terrivel quando
forateado! Eume encarrego disso........
E conseguio.
coragem o re-
provas, com que pretenda convencer a Car-
los da supposta4infidelidade de Amelia; res-
ta-nos agora indagar si a traico teve lugar:
6 o que vamos (azor.
Era a tarde.
Carlos Alberto estava enj seu aposento
deitado em urna macia rede, embalando-se
vagarosamente, e fazendo dourados castel-
los, que se evaporavamcomoa fumaca azu-
lada, que suba em espiraes de seu perfu-
mado havaneiro.
A imagem de Amelia adejava vaporosa
em tomo ilclle, e umsorriso constante pai-
rava nos labios do mancebo.
lmeila enfrou interrompendo esse de-
licioso embevecimento do novo bacharel.
O que isto ? exclamou este vendo o
amigo com a phisionom triste e abatida.
quediabo te succed^u? se cstivessemos em
tempo daula, dir-te-hia que os raoersos
do mais medonho espicha em sabanna te
atonnentavo neste momento!
NSo isso, meu amigo! o negocio,
que ora me procupa bastante melindroso
e triste, para que possa estar alegre.....
I ento temos cousa plhetca?
Muilo!...
Pois anda l! dcsabafa commigo, e
conta-me as tuas degracas: se precisares
de auxilio, estou as tuas ordens.
Ab! meu amigo! murmurou hypo-
critaraente Almeidaa noticia que te vou
dar to grave e afflictiva, que nao me atre-
vera a communicar-ie, si te nao visse de
tobora humor........
Mo!... ento o negocio commigo?
pois talla, e deixa-te de exordios; bem sa-
bes que nunca me faltaram
signaco.
Mas que preciso desde j do leu
perdo; porque delinqu: quereado pres-
tarle um servico fui obligado a trahir-te...
Eu le absolvo ; porque a tua intenclo
foi boa : sine volntate hoh f rimen, como
dizem os nossos mestres ; mas vamos ao
assumpto, ests me assostatrao de vers !...
Vou entrar nc'le: Carlos, tu amas
muito Amelia ?
Carlos estremecou, fitoupor algum tem-
po Almeida d responden:
Esta pergunta feita"por ti ociosa...
E' que desojara tanto ouvir-te res-
wnder pela negativa...
Porque ?
Porque serias mais feliz...
Almeida !... ests me enjoandoe abor-
recen do muito !... exijo que te expliques
claramente ?
Cres na fidelidade da tua namorada ?
Rompera inmediatamente as rainhas
relacoes com a pesso*. qu a pozesse em
duvda, se fosse rainha amiga ; bater-ihe-liia
no rosto, se fosse desconhecida.
E se essa pessoa te apresenrasse as
provas ?
Carlos poz-se de p ; o rubor suImo-IIic
ao rosto, os olhos se animaran de brilho,
e um tremor agitou-lhe os membros.
Queres torturar-rae, Almeida ?... que-
res obrigar-me a dizer-te que mentes,
oque s um infame detractor ?...
Tu roe insultas ?! oh a der te en-
louquece... eu nao minio !...
Prova ?
Amelia nao te ama...
Prova -1
E' urna lo,ureira.
Mentes, cynico !... gritou Garlos, c
avancando furioso para Almeida ia> sem du-
vda olfende-lo, quando este recuou alguns
do ten am w : p ;lo retrato, que i/. ste da
la herona, percebi que ella nao era outra
seno a menina do lencinho branco. Juro-
te que tive ento desejo de contar-te tudo,
de fazer cim que esquecessis essa nuca,que
reputei logo urna sotrivel namoradeira ; mas
recuei ante a probabilidad!) de ser conside-
rado por ti como um mentiroso, e de sor
expulso da tua amizade, que tanto preso :
calei-me c deixei que o tempo. te esclare-
cesse.
Has de estar lembrado que s por mili-
tas instancias tim consent era .ser apre-
sentado por ti em casa do com nendador; c
se ainal ced, foi na esperanca de que_Ama-
lia, a menina dj lencinho branco, eslive.vse
corrigida e assftada, visto como era amada
enga-
passos, e mettendo a, mo na algibeira do
palitot, tirou um annel e urna trancinha
loura, e disse:
Conlieces isto %
Carlos lancou-se sibre a mo de Almei-
da, c arrancando dalla agueUes- objectos,
cravou aelles os_ol|>os cora^j5offreguid5o;
fixou depois o interior do annel, tornou-se
horrivelmente pillido, e exclamou coa-I
desespero, caldudo era urna cadeira.
24 de dezembro de 18> meia non-
Os letores ja viram como esse temivel
rapaz soube vencer a reluctancia, que
Leonor, mostrara quando lhefui apresenta-
do o plano da conspiraco contra Carlos
Alberto e Amalia; j sabem tambem que Pi-
cara tudo ajustado entre ambos, alcancando
Almeida Maquear completamente a boa f
da moca, e transforma-la em dcil instru-
mento, por intermedio do qual obteria as
pon
I
lie Berthet.
(Continuado do n. 81)
XIV
O ponto de reunio.
Tres di as depois dos acontecimentos que
acabamos de relatar, achava-se o concessio-
naro Lefrancois em um sitio escuro c soli-
tario da floresta virgem, a meia legoa pou-
co mais ou menos de S. Lourenco.
Este lugar, que n3o tinha alli prximo
estrada alguma, era urna estreita clarcira
cercada de gigantescas arvores. Alguns
passos d'alli, um regato, que durante o
vero forraava um Qlete de agua impercep-
tivol, mas qiia corria agora a trasbordar,
eslisava era brando sussurro sob umi
abobada de flhaipn, onde nao penetrava
o sol seno de Iqnge em loage.
Lefrancois, aasentado sobre o tronco da
urna arvore cabida..lia muito que esperava
Tmhaaos pes um ardo, ,quQ pareciada
bagagem. Estava de olhar attento e ouvid)
cscuU. Voltava-se ao menor ruido ai
mais iraperceplivel movimento no arvro-
do, mas logo reconbecia que a causa do sen
susto era algum agouti, especie de lebre
dos paizes tropicaes, que se introduzira por
bajxo das folbasem busca da nozdapalmei-
ra-aoura,de que rauito gosta, umououtro
pack, bonito animal semelhante ao porqui-
nho da India, mas muito mais robusto, que
affoutando-se no silencio, ia brincar na
margena do regato, ou tambem algum ma-
caco a batoucar-se nos ramos do sapotilhei-
ro. Depois tudo cahia em silencio, e Le-
francois s se ouvia a si proprio agitndo-
se parase defender das formigasvermelhas
que o accommettiam e cujas mordeduras
nao sao menos temiveis do que as dos la-
craos.
A final distingui um ruido de passos
furtivos no interior da malta e o semblante
irradiou-se-lhe de alegra ; porm, reflec-
tndo, vio qne se engaara.
D'este lado nao podem elles vir
disse comsigo.O Zo bem moroso !
Ao mesmo tempo despontou urna sombri
por entre a verdura e urna voz gritou :
Eu chegar, baar I
E logo Zo, desembaracando-se dos ar-
bustos, appareceu-lhe frente.
Zo era um verdadeiro typo indiaao, que,
vi vendo em contacto com os europeus, con-
servava a simplicidade dos seus costumes,
os instinctos selvagens e hbitos nmadas.
Era do mediana estatura, mas robusto e
bem proporcionado, e usava por nico ves-
tido um roupao azul, chamado calimb, e,
no pescoco um colar de ouab. A pe le.
bronzeada estava^vermelhada por radio de,
uruc pisado em aceite de carap, e os ca-
bellos negros, cortados em quadrado sobre]
a fronte, cahiam-lbe nos hombros em ton-
gas melaneas. Leviva s costas um sacco
dependurado em ama corda, em ama mo
tinha as flechas envenenadas pelo curara e
o arco de seis pos de extensSo, e na oatra
por um homem, como tu: Mas, a!i
nei-me completamente Essa douda chan-
ca apenas vio-me em sua casa, comacou
urna serie de perseguices, chagando ad
ponto de declarar-me positivamente, que
nao se casara com outro que "5o fosse cu,
e que estava disposta a romper comtgo se
eu quizesse E' quasi ncrivel isto, tunto
mais quanlo em tua presenta ella finga
dar-te a preferencia I Revoltou-ma tanto
esse cynismo, que por mais de urna vez
estive a confessar-te tudo ; mas recuei ain-
da : tu-estavas to enamorado, tinhas tanta
confianza nessa menina, que nao me acre-
ditaras.
Nesla terrivel alternativa nao hava outro
passo a darspnSSo fingir corresponder aos
desejos de Amelia para, por este meio, ob-
ter provas cabaes com que te convencesse,
e te arrancare do abysmo, em que ella- te
queria tancar : foi o que Ir/.. Acredita meu
amigo, que s o dever de impedir que es-
posasses urna namoradeira, e passas*es as-
sim urna vida amargurada e sobresaltada
me levou a aceitar, ainda que por instantes,
o papel triste de traidor.
O resto n) te preciso dizer; basta que
tenhas visto essa tranca e esse annel para
te convenceres da snceridade das roinlws
palavras : esses olmedos fallara mais alto
que ludo, e te fazera conhecedor do carc-
ter d'aquella, com qiiem te as ligar. Oh !
nao ha mais quem mereja conflauca neste
tempo de mentira Cumpri a minha do-
lorosa misso ; c embora me condemnes,
flear-me-ba o prazer de que preenchi o meu
dever, e prestei-te um pequeo servico
custa de ura immenso sacrificio e constran-
gimento da minha parte.,.
Almeida fez urna pausa, contemntou por
um instante Carlos Alberto, revio-se na sua
obra, e comprehendendo que o golpe estava
dado, e que nada mais (estava a fazer,
concluio :
Dexo-te, meu amigo ; a minha- pre-
senta ueste momento deve- ser-te incommo-
da : conheco-te asss para pretender conso-
lar-te, e aconselhar-te o que compre fazer:
a honra nao- indica nestas emergencias se
nao um camiuho ; segue-o que no fnn ters
um beija da tua consciencia, e um abraco
do teu amigo.
E sabio tincando a Carlos um olhar
triumphante. Alberto permaneceu tongo
lempo; com os cotovellos apoiados sobre
urna mesinbfls e com a cabera entre as
mos, absorto em profundo pensar : algnns
sasprog abalados e prolongados, que de
vez em quaodp se lbe irrompia do peito
arquejante, anhunciavam a tempestada, que
revolvia-lhe- o crneo, e opprima-lhe o co-
raco.
Dobrava seto horas na pequea igrsja
matriz de S. Pedro Marlyr, quando elle
levantou-se. vustio-se e dirigio-se para a
ra de S. Bento, murmurando com voz
concentrada :
Ah sempre curioso admirar at
que grao de aperfeicoametuo as rauiheres
tem feito- chegar o descaramento. e a hypo-
crisia !
XII*
0 ROMPIMENTO
Deus!... o annel Q/ie
J tivotp-os occasio de tracar um iigeiro
esbojo ir o carcter da lerotoa daste
dosso escripto. Comludo diremos mais
algumas palavras; e si ainda forraos in-
completos, a scena que em seguida vamos
bosquejar prencher as lacunas, que pos-
san por ventura existir.
Amelia era urna dessas mcas to raras
perfumado lencinho de la- de oncontrar-sc hoje, que a sua presen ;a
i-o e olhando para a va- neste-mundo d corrupcao dir-sc-ha ann-
ravilha de ura sopro do S'enbor, ou a ne-
eessidade de bave' providencialmente na
Ierra uiaa criatura, cujas \ir|ud'S nos
facao acroditar as dos anjos, que cir-
cflmdo o llirono divino.
te 1... Oh I meu
eu lhe dei I...
Socega, meu pobre amigo! disse Al-
meida aps um curto silencio ouve-rae, e
depois julga-me.
Urna tarde, era que eu passeava pela ra
de, vi cahir meus ps, ao passar por
um sobrado, um
byrinlbo; apanhei
randa, donde suppuz ter elle cabido, vi ama
gentil menina, que encarava-me atienta-
mente I sorri-me de prazer, e subi ame"
diatamente ao sobrado : a menina veio re-
ceber-me, c agradeceu-me risonba, a. bon-
dade, que eu tinha tido de restituir-Ihe o Dotada.de um espirito sublil c perspicaz
lencinho, e rclrei-rae cora o cea no coracao. ella coriliecia perfoilamanta o mundo, em
Alguns mezas passaram-se depois disto, que viva para nlo.se Iludir com as suas
durante os quaes eu passeava quasi senapre Ueducciis e parlidias; intelligente e cir
pela ra de*-*, para ver a menina do len- cumspect^ possuia ama firmeza de razio
cinho branco, como eu a chamava; e esse [trique devia preserval-a desse erro t>
passeio de todos os das fez talvez nascer- j eoramum asmulheres, e que seguida de
to amargos desencantos; severa sem ser
orgulhosa ; amavai e prasenteira sem ser
leviana; modjsla sam ser hypocrita eaffec-
ie no espirito a certeza de que a amava.
Estavo as nossas relacoes neste p,
quando casualmente nos contaste a historia
um sabr de fachina com que abra cami-
nho nos bosques.
Apasar de to bellicosos palrechos, Zo
pareca ler loda a indolencia e timidez dos
Gllibis, 5, se nao fosse a vivacidade s
tiente dos olhos pequeos e encovados,
nada podara divisar-se n'elle que denotasse
perspicacia.
Lefrancois, encaminhando-se para elle,
dissa-lhe :
Ab 1 s tu, Zo ? J devias ter vindo
ha muito. Que Osate ?
Ah I baar !exclamou Zo cora a
a!Tectada bocalidade do selvagem que nao
quer responder claramente.
Pergunto-le porque vens lo tarde ?
Mi dizer adeus a mi raulber e mi fi-
Iho.
Ora I Tu nao fazes tanto cumpri-
mento com a tua familia I Andas por onde
queres, e entras esahes de casa sem te im-
portares com ella.
E depois mi quiz agarrar tarturuga e
matar flecha peixe atipa para a ceia.
u trazia de comer: nSo era preciso
recorrer tua pesca e caca por boje.
3S nao te esquectu a cachaca ? per-
gunto o Gallibi com ar supplirante.
Nao, nio ; tenho aqui {urna garrafa
d'ellae ters o teu quinhSo toda ajornada.
Mas diz-me, Zo: estamos bem entendidos?
Compromottes-te a conduzir os dous bran-
cos ao recife do Diabo, desviando-te cuj-
dadosimente de qualquer povoaco, a sus-
tenta-tos com a tua caca e protege-los de
todos os perigos : sao estas as condicSes
Sisfc baarre spondeu o indio no
seu tom de evasiva.
lfai diz-me : nio isto jjue se
tratou ?
Oh!...
Varaos, explica-te. Parece que tcns
alguma reserva comigo !
Assim instado, o Gallibi acabou por dizar
que o hora branco Sr. Lefrancois tinha
promettido ao pobre Calina um roupao
azul e quatro rolos para servir do guia a
um branco, mas que o Sr. Lefrancois era
muito justiceiro para exigir que elle ser-
visse de guia a dous brancis pelo mesmo
ipreco.
V-se, pois, que a vida selvagem compre-
hendo bem o negocio.
Lefrancois sorrio-se das pretenees do
indio.
Ora vamos ; desempenha-te bem do
compromisso e nao ters de te queixar de
mim. E' justo que a paga seja proporcio-
nada ao trabalho, e, portanto, quando re-
gressares, em vez de quatro rolos, ters
oito, em vez de um roupao azul, ters dous,
e, alera d'isso, urna boa garrafa de cacha-
ca... Ficas satisfeito, Zo ? Podemos con-
tar comtgo ?
O indio n5o julgava qu3 as suas preten-
coes fossem to bem recebidas, porquanto,
ao oa ouvir estes proraettim;ntos, qua fa-
ziam d'elle, urna vez realisados, o mais
rico Gallibi do universo, poz-se a dansar,
cantando ao mosmo tempo em voz guttu-
ral e rude a sua prosperidade futura ; mas,
interrompendo-se logo, disse entusistica-
mente :
Porm brancos nao virem, baar ?
Mim querer partir.
Nao comprehendo esta demora. Tal-
vez Bertomy nio tivesse occasiao fivoavel.
Por ora nio me d cuidado, e, visto que
temos tempo, escata-me ainda.
Entao Lefrancois fez novas recommenda-
ta la: ella saba conversar sem mentir, se-
duzir com os attractivos dos encantos que
se- ignoran, e agradar sem lisongear. Com-
prehendia p8rfeitamente a dgnidade e a
sublimidade, com que Deus dotou as mu-
Iheres para consentir que em sua presenca
se desrespeitasse e offendesse o seu sexo.
Constante e leal em suas affeices, ella es-
tudava profundamente aquellas pessoas a
quem as dedicava para nellas depositar
urna confianca to firme, que nunca a ret-
rava senao a vista de fados to positivos,
qua se nao poda recusar. Prendada de
um coraco generoso, e de urna alma com-
pasiva e secta, e tinha sempre ura sor-
riso para animar a virtude, u-ma lagrima
para consolar a dr, e urna reprehenslo
para condemnar as aeces ms; e edu-
cada finalmente sob os precetos da moral,
e da religio, preenchia com adrairavel es-
crpulo e zelo os deveres de filha, amiga e
mulher. christa.
Amelia era o prototypo, que so concebe;
o ideal que se sonha ; e a mulher que se
divinisa; em urna palavra .- era a enar-
guea completa de um arijo Alguem com-
paral-a-hia talvez a rosa altiva ; mas nos
comparal-a-hemos a candida anglica!....
Qualquer artista dedicar-lhe-hia urna es-
tatua, un: i te|a, nma meloda ; qualquer
poeta um potaa; qualquer Iwmem um co
raco !....
Qile diremos mais ?
Amelia com um vestido verde ennas-
trado, com as louras madeixas divididas em
duas longas trancas, que era caraces ser-
peavo sobre o seu eolio rosado e seductor,
estava negligentemente recostada no sof
da sala de visita de sua residencia, com a
mimosa cibeca pousada sobre a fo di-
reita, c deixando entrever o delicado pe-
inho, que atufado em" ura sapatinh de
dura que- com laco verde, totiadescudoso
no tapete felpudo, que qirazi o oceultava
todo. Ella dava audiencia aos seus virg-
neos pensamentos ; e foi nesta posieo
to arrebatadora, que Carlos encontrou-o.
Outro que nao fosse Carlos Alberto teri
immediataraenie desistido da tota, que as-
sentara de travar cora a lourinha, e, em
lugar de romper com ella, ter-se-hia ajoe-
rhado ante aquella formosura de dezassete
annos*; porem o enrgico mancebo, de
animo firme, apenas entrara, olhou logo
para a mo esquerda da gentil menina, e
eslremeceo todo: o annel, que* elle lhe
baria dado como penlior de eterno amor
nao-estava alli.
Por um esforco quaz sobrehumano, elle
conseguio dominar a. sua afllicco e deses-
pero; s a excessiva pallidez, que des-
maiou-lhe as cores do rosto, trabio a sua
inquietaco interior. .
A joven apenas avistou-o, correu ao
seu encontr, e perguntou-lhe cora terna
solettude :
Que tem, meu amigo ? est incommo-
dado?
Nao; urna lgeira indsposico-, que
passar___respondeu Garlee com frieza.
E nao obstante veo?-----eu lhe agra-
deco____ torno o a filha do commendador
com meiguice.
Agradecer f o que ? inquiri Alberto
sem olba-la.
A menina comprehendea a grosseria da
pergunta, enrugou a testa, fitou no rapaz
um olhar quasi severo, e calou-se. Houve
um instante de silencio.
Carlos precisava- reunir todas as suas
forcaa para a luta titnica, em que ia en-
trar : contemplou com firmeza a moca, c
disse :
Tem crenc-as, minha senhora ?
Oh mou Deus! que pergunta ?!
tonho; eosenhor?"
Eu ? eu creioera ura Deus, que pune
todos os crimas !......
Misericordia est hoje assim tragi-
co i explique-se.....
Estas palavras, o modo socegad!) poi-
que foram ditas, e a tranquilldade deiVme-
la, feriram profundamente a Carlos: urna
especie da altocinaco desvarou-lhe a ra-
zan, e elle exclamou com vehemencia fa-
bretante:
Creio que ha o bem eo mal, o m-
rito e o demerito, a virtude e o crine, a re-
compensa e o castigo; tambem creio que
ha hypocrisia, o fingmento e a perfidia,
que se incarnam em creatinas com rostos
d'anjo; creio anda que ha espirtos ma-
lignos, cujo contacto envenenara a alma,
quando nao aniquilara-a !... .
Oh! que tem, Sr. Carlos ti qua lin-
guagem esta?! est desvairn lo ?! per-
guntou a menina com espanto.
Assustou-se, minha senhora ? per-
guntou tambem Alberto.
Nao I estou admirada pasmada
-----simplesmante !-----
Quer que me cale ?
Pelo contrario, paco-lhe que continu,
porque nao o comprehondi ainda-----
C-oes a Zo no intuito de assegurar as pos-
siveis commodidades aos viajamos. O Gal-
libi deveria todas as noutes conslruir-lhes
uma barraca de raraagem, proporcionando-
Ules durante o da peixe e cai;a, e defen-
lendo-os dos ataques das feras, recommen-
dando-Ihe sobre tudo o surdo-mudo, que
por sua natureza corria raais risco cora as
inclemencias do deserto.
Zo responda a tudo com o'se:i eterno:
Oh baar e. a conversa nao tinha feicao
de terminar, quando elles ouviram ao Ion-
ge urna especie de agitacao na agua, como
se alguem, andando, cortasse a corrente do
regato.
Calarara-se e prestaran o ouvido.
O raido tornou-se mas distincto, mais
prximo, e logo, com effeito, appareceram
dous homens, que, apoiando-se aos bordoes
vinharn lentamente marchando sobre a agua.
Lefrancois e Zo esconderam-se atraz de
uma arvoro. Oj dous que vinharn peto rio
am passando adiante, mas Lefrancois, dando
um pequeo assobio, appareceu-lhes
frente cora- o indio. Os outros sahiram
fra do regato e foram para elles.
Erara Bertomy e Miguet.
Aquelle, 1hosirando-se de mo humor,
exclamou :
Com mil diabos, camarada Lefrancois,
isto tem algum geito fazer-nos assim chapi-
nhar por um regato ? Venho extenuado
de fadiga e parece-me que todos os jaca-
rs pequeos qne ba no mundo me esmor-
dacarara as eanellas f Que horrivel manei-
ra de viajar !
Era este o anieo meio, Sr. Bertomy,
de occultar#as suas pizadas aos que sem
duvida o devero perseguir: jgfc caminho
que tambem cont seguir d'aqui para casa.
Tornar-me-h,'i mais claro, se c p
sivel: emtoda a minha vida, senhora, em
todas as mmhas accoes tenho sempre re-
servado um caito do amor, respeito e eu-
thusiasmo pira com uma entidade, que
aprend a adorar em minha mai; com todas
as virtudes, cqm todas as perfeicoes mo-
raes, com todas as formasuras da nata e-
za, compuz um ser barmonioso, puro, e
anglico a que chameimulher. Pois
bem, hoje toda essa adoraco, todo esse
amor, todo esse cnthusasmo desappareceu!
ao amor substituto o odio! ao respeito a
indifferenca! o enthusiasmo o tedio !
Amelia, que at ento ouvira Carlos
meio inclinada no sof ergueu-sc de p
como impellida por uma torca oceulta; e
com os olhos brilbantes, os sobr'olhos
franzidos, e com a voz trmula exclamou:
E porque ?!
Porque ? respondeu Carlos com exal-
tanento progressivoporque houve um
tempo, em que ceg, Iludido e engaado-
acredite no amor, cardade, genrosidade e
constancia das mulheres! engao!... tudo
isto um paradoxo! corapaixo, 6 o que
ellas merecem averso e horror, o que
deviam merecer !

Meu Deus! que significa isto f-----
balbuciou Amelia completamente atordoada
pela violencia dessas palavras.
Que a verdade fez cahir o vu da il-
luso-----
Qh demais calc-se, senbor!
nem mais uma pala mi! eu lh'o ordeno!
.. .exclamou a Mha do commendador, tora
de si, envolvendb Carlos em um olhar cheio
de magestade e severidadeAh! cu j es-
perava por isto! continuou ella con* voz
menos enrgica, aps pequea pausa! escu-
te-o.....nterroguei-o... para ver at
onde o senhor chegava!.,. oxeedeu a mi-
nha expectativa! fez-me cahir da altura,
em que a sua apparente bondade e nofcre-
za me haviam collocado! Ah! meo
Deus!... o que sao os homens!... o que
valora dles!.. fortes e orgulhosos n se
envergonham de ultrajar e amesquinhar a
fraqueza e fragildade! arrogantes e sober-
bos abusara da sua superiorid >de para bu-
milhar c degradar a quem nao pode repel-
lr-lhes os insultos! ingratos e pequeos
nao tem remorsos de aviltar e ferir a raem
para elles s tem amizade, earinhos e pie-
dade Absynios sera f, sena consciencia,
sera moral, apedrejam e insultam hoje o
qqe adoraram e elogiaran hontem Ah! o
que sao os homens ?!... Ufanos de sua
grandeza e magnanimidade nem respeitam
ao menos a diminuta porra de conside-
ra*;o, que esmoiaram a mulbor I sem
corafo, sem alma, escarnecem da fraque-
za em lugar de defende-la!.....Nos, que
abracadas a cruz, choramos e regamos com
as nossas lagrimas o altar do Calvario,
somos impas, crueis c odiosas! elles
que acuitaran e martyrisaraiit o proprio
Christo, sao bons, santos e virtuosos!
Elles,. que arrogara-se de senhor do tudo,
sao corapassivos, philantropicos e irrespon-
saveis! nos, pobres, escravas eengetadas,
somos ms, egostas e resjwitaveis! Que
egosmo que impiedade !.......
E o senhor I proseguio Amelia com voz
dolorosa e trmulao senhor qne me pare-
ca t&o bom, tilo grande, to nobre, to ge-
neroso o senhor a quem en amava tanto l
o seidior, que eu nio passava uma hora sem
admirar e abencoar, paga-me tanto amor,
tanto euthusiasmo, tanta ternura com o vili-
pendio omais insoffrivel!.... Oh! muito!
demais! E porque, meu Deus ? I qua lhe
iz eu ? que lbe fez o meu sexo ?! qual
sera o nosso criine ?! Pelo oo pois
crime amar como nos amamos? Ah a
Providencia castigou-nia severamente no
mundo s ha uma religiao/a quem se dnve-
honrar, e cu... eu quiz fazer do senhor
urna segunda religio !... Quizeleval-o.simr
cpiiz eleval-oat onde nao devia... e o se-
nhor quer abater-me at onde nao pode !...
e porque ?.....
E a pobre moca nao poude contin-ia. ;
a voz poderosa do amor fallou-lhe n'aqucllo
momento dentro d'alma : am mar de lagri-
mas brotou-lhc dos olhos cheos. de brilho,
e nnundou-lhe < rosto" paludo.
Carlos Alberto estupefacto, confuso, e
seu pesor, meio rrepeodido, curvou a ca-
baca,e murmurou quasi imperceptivelmcnte:
Perdo !...
Ao ouvir aquella palavra, Amelia estreme-
cen toda, o um Iigeiro rubor purpurcou-Jhe
as faces: ella limpou apresada o rosto com
o lenco, c exclamou em tom armargo ;
(Coi)liiiti(ti--se-lia)
Mas isso j l vai ; o caso que o senhor
Conseguio escapar-se sera contraterapo.
Isso nao foi dftieil. Quando andava-
mos no trabalho, safei-me para o bosque,
e s esta noute, ao toque de recoluer,
que daro pela minha falta.
Entao ninguem o vio nem.seguio ?
Ninguem. Rigaut, cujo regresso tan-
to receava, sabio hontem do calabouco o
veio hoje comnosco para a massada ; em
vez, porm, de me espiar e fazer perguntas,
como eu esperava, lmitou-se a chacotear-
me, dirgindo-me inotejos que nao compFe-
hendi. Nao fez seno cochichar cora os
canaladas, sem se dirigir a mim em con-
versa. Foi-me, pois, fcil arranjar as mi-
nhas cousas. Drig-mo ao ponto onde me
esperava Miguel e chegamos ao regato sem
encontramos alma viva.
Bem ; tudo correu o melhor possWI;
mas nao convem demorar aqu muito tempo
para o caso de poder ter sido espiada a
sua fuga. E'preciso, portanto, qepas-
sam a noute mais no interior da Honesta.
Aqui est o Zo que Ibes arranjar guarida
conveniente.
Mo I Agora np tenho pressa re-
plicn Bertomy com a soa habitual indolen-
cia.Deixe-me respirar um momento e de-
pois quereria comer alguma cousa, porque
ainda hoje perd a minha cacao ao jogo.
E, assentando-se no tronco de ama arro-
re, espreguicou-se como muito fatigado.
(Contmuar-$-ita.)
Tlf. M WlIIO-m
---
il'
^
>>,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7WKXKOOL_LKU5TG INGEST_TIME 2013-09-13T23:50:36Z PACKAGE AA00011611_11815
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES