Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11809


This item is only available as the following downloads:


Full Text


i
f *
ANNO XLV. NUMERO 77:
--------------------------------------------------------,--------------------1---------------------------------------;_----------------------------------------------------------_
PflA A CAPITAL'E LUGARES WK N0 SE PAGA PORTE.
fortresmezesadiantaclos. ............, ,
Por seis ditos idem....................
flor i anuo idem.....................
Cada minero avulso...................
6J000
12,5000
243000
0320
QUARTA FEIRA 7 D ABRIL DE 1869.
PARA DENTRO E FOSA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados.................. 6^790
Por seis ditos idem.................... 13,5500
Por nove ditos idem.................. 20^250
Porumanno.............'......... 27(0000
DIARIO DE PERMMBUCO
*

Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
SAO
AGENTES
Os Srs. Gerardo Antonio Alves A- Fillos, no Para; Goncalves & Pia% no Afaranhao; Joaquim Jos de Olive/ra, no Cear; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty; Jo5o Mara Julio Chaves, no Assn; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joaquim
Guimaraes Pancada, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parabyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth; Francino Tavaresda Csta, em Alaga; Dr. Jos Martin Alves, na Baha; e Jos Bibeiro Gasparinho, no Bio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
<;uveruo da provincia.
BtPRDII'.NTR ASS1GNAD0 PELO KXM. Sil. CONDB DR
BV5PKNDY, PRRSIDENTi: DA PltOVIXfilA, Rll 24 DK
MARg) DE 1869.
2a seccio.
N. 8HPortara a) nmmandante superior in-
terino di guarda nacional deste municipio.Ex-
peea V. S. M suas ordens, alim de que lima guar-
da de lloara de mu dos corpos da guarda nacional
M)b s.;u enramando superior, acompanbe a pro-
cissao do Enlerro c da uessurreicio, que lem de
sahir da igreja de Santa Rita de Cassia : a pri-
meira s (i lloras da tarde do dia 26 do corrente, c
a segn Ja s 7 da raanhade 28.
If. 8i2. -Dita ao commandante superior da
guarda nacional de Oliu la.Buega V. S. suas
"i-,l n>. .ii ii de que seja postada amanhaa s 8
toral do dia, na eatho.lral dessa cidade, urna
guarda da h >nra do batalho n. 9 de infamara da
iguaria uaeional sob seu enramando superior, para
assist* ai acloque all se tem de celebrar.
N.83.Dita ao cnmmandanto do eoqio provi-
sorio de policaMande. Vate, alistar no corpo
son o seu corainando Joaquim Maria Maseare-
nnai di Siiv.i. de quo tra'a o senofflcio n. 132 de
21 d curr-.'iitc, tendo ello a precisa moralidade.
- 3.* seccio.
N. 8i'i.I'ortaria ao inspector da thesouraria
de fazonia. A Francisco PeVeira de Mendonca &
C. mande V. S. pagar, d >pois de liquidadas, em
vista das Mlias juntas cni duplcala, que me re-
inelteu o c i.umandantc superior da comarca de
Gara abaos, coin officio do 13 do crrente, sob n.
22, os vencimentos relativos aos mezes de Janeiro
e fetarelro 'leste anno, do alfrez commandante
lo destacamento de guardas nacionaes da villa de
S. Bagto
N. 8i3.Dita aomesmo Rccommcndo V. S.
que, ca vista das relacoes nominaes e pros juntos
8ni 'I iplicata, que me remetteu o commandante
superior da comarca de Garanhuns emolfieio do
13 'i i Brreme, sob n. 20, man le liquidar e pagar
a Francisco l'ereira de Mendonca c C os vcacimen-
i is c irresp mdentes aos metes de dezembro do
anno prximo Mesado a fevereiro ultimo, dos
guaras nacionaes destacados na villa do Bom
Ceneeft >.
N. 86Difa ao mesmo.Dcpois de liquidados,
em vista das tomas, relacoes nominaes e prets
'odor da Saota Casa de Misericordia.Em vista
le sua mfor.inej de 13 Jo corrente sob n. 1813
idtoriso V. Exc. a mandar recolher no eoltogi
las orphiaswmo pensionista e sob a; coudices
nencionadas no parecer do in mi om) do m?sm i
wllegio que por capia veo annexo a sua citada
nformacao a menor Cicilia afilhada de Manoei
Martins Pires de que tratara as certidoes inclusas.
N. 859.Dita a cmara municipal de Agua
Preta.Declaro a cmara municipal da villa de
Agua Preta em resposta aos seus oDDcios de 28 ile
novembro ultimo r de 3 do corrente que approvo
a arremaiacao dos imposto* de que trata o termo
le contrato que por copia acompanhou o i. dos
citados offlcios.
M. 860.-Dta o diroctor geral da instruceao
publica.-Em vista de suas informantes de 23 de
fevereiro ultimo e 17 do correte sob-numeros 48
e 71 concedo a licerica que pede o alumno inter-
no gratuito do gymnasio provincial Jos Manoei
l^a vafeante de Almeida para passar a sua matri-
cula para alumno externo gratuito do referido
zymnasio.
N. 861.Dita ao gerente da companhia Per-
lambucana.O Sr. gerente da companhia Per-
lambucana mande dar ama passagem de estado a
re al* o Cear no vapor Ipojuca a Luiz Antonio
la Silva Vianna Filho.
XPEDIBNTR ASSIGNADO PKI.0 SR. DR. JOAQUIM CORRF.IA
DB AK.TUJO, SECRETARIO DO GOVKRNO, NO DIA 2i DE
MARCO DE 1869.
2.' seccio.
N. 86-Ouibo ao Dr. chefe de polica.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
i V. S., que lica inteirad) de ter sido nomeado
parda da casa de detencao Antonio Aquelino da
Costa Cabral e nao Antonio Aquicilino da Costa
Cabral como por engao foi declarado em offlcio
n. 410, de 19 do corrente
N. 863.Dito ao mesmo.Sua Exc o Sr. pre-
sidente da provincia, manda declarar a V. S. em
resposta aos seus offlcios de 22 e 23 do corrente,
Ht nmeros 423 b 427, que a thesouraria pro-
vincial tem ordem para pagar ao Dr Joo da Sil-
va Ramos a quantia de setenta e dous mil reis e
a Jeronymo Pereira Martius, ou a Evaristo Men-
des da Cunha Azeveio a de cincoenta mil e qua-
tr.centos reis, constantes de taes offlcios
N. 86i.Dito ao commandame superior da
guarda nacional de Olinda.Nesta data antori-
sou-se a thesouraria provincial a pagar os venci-
mentos constantes das relacSea nominaes e prets,
?ue rieram annexos ao offlcio de V. S., datado de
7 do corrale, o qual fica assim rejf>ondid i de
jantM em duplcala, mande V. S. pagar a Fran- ordem do Exm. Sr. presidente da provincia.
N\ 86,'.J)ko ao commandante superior da
guarda nacional de Garanhuns.Sua Exc. o Sr.
presidente da provincia manda declarar a V. S.,
que transraittio a tkesouraria de fazenda, para o
lim indicado em seu3 officios de 17 ultimo^ H do cerrente, sob aumoros lo,-19 e
cisco Pt -ra de Mendonca, conforme "solicitou o
coramanlante superior da comarca de Gafaflhiins
ni oil;io do 13 do crranlo, sob n. 21. os senci-
;ii iu>3 relativos aos mezes de janeirU e fevereiro
desto anuo, do capio e 33 pcacas da guarda na-
clon il destradaa em Aguas Bellas.
N 817Dita ao mesmo.Expeca V. S. suas I 22, aslSlhas, relacoes nninael e prets, que vio
mi is p,ra que, cm vista das relacoes nominaes rua annexos a taes offlcios, os quaes ficam assim
c preis juntos em duplcala, scjam liquidados os respondidos.
vencimeal a contar de 20 de dezembro do anno 3* seceao.
Iiro.fimo pasado a 21 de Janeiro ultimo, dos guar-! N. 866.Offlcio ao inspector da thesouraria
das nacionaes destacados na villa de S. Dent e provincial.Sua Exc. o Sr presidente da provin-
cia manda declarar a V. S. para seu conhe imen-
sUJl
DESPVCHO DA PRKSIDE.VGIA DO
M1860.
DA 5 DE AORII.
pago o que justamente se derer de taes vencimen-
tos a M moel Clemente da Costa Santos, conforme
ou o commandante superior da comarca de
Garmhans, em offlcio do 27 de fevereiro prximo
tindo, s ii n. l.*i.
N 8'i.Dila-ao m.\sm i.Providencie V. S.
para que, depoisde liquidados, em vista das fo-
Ihas relajo < nominaes e prets juntos em dupl-
cala, o vencimentos correspondentes aos mezes
dn deiembro do anno prximo panado a feve-
reiro nitim.i, do offlcial e bracas da guarda nacio-
nal destacados na villa de Garanhuns, sejam pa-
KOj os do ollcial ao lente Matioel Ribeiro de
Carralho e os das pracas a Francisco Pereira de
M i lonca & C. para issb indicados em officio do
comauodaBle superior daqu-lla comarca, de 13
do >b n. 19.
N. 8i9.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vi;; al.Toado nesta dala anlorisada o chele da
riiej < ihs obras publicas a mandar fazer por
administraea i os reparos urgentes de que preci-
a o a p otos de Gurja. Pirap-una e Carvalhos,
i! mdo-se com os da primeira i69, com os
'I i -'ganda 622i e coraos daterceira 8$H, co-
ln se v d is o i; un ;nlos juntos por copia, que me
remewu aquello chefe com oOww de hontem, sob
n. 121. a s i 11 o declaro V. S. para seu conheci-
moato B Qns convenientes.
N. 8j).Dito ao mesmj.Declaro V. S. para
seu conheciinento e devidos elleitos, que nesla da-
ta apor ivoi a deliberaeao que, segun.lo consta de
iodo clu'fe da reparticao das obras publicas.
dtalo le hontem esob n. 123, tomou o engenliei-
ro Hearique Augusto Milet. de contratar com Jost
i,"p:-i de Sa-upara, por 09/1, a subfituiQao poi
outras, de 21 estivas que se acharo arruinadas na
d Mi.nucabmha.
N. 81.Dita ao ni -sino.Annnindo as que so-
licito.! o chefe de polica em offlcio de hontem,
sob n. 427. recommendo V. S. que, em vista da
relago e conta juntas, mande liquidar a despeza
feita.durante o mez de fevereiro ultimo, com o
oto ios presos pobres da cadeia do termo de
Brejo, c pagar sua importancia a Jeronymo Perei-
ra Mirras, ou a Evaristo Mendos da Cunha Aze-
N. 831Dita PBuem.Xanie V. S. liquidar
e pagar, e n vista as relacoes neminaes e preU
juntos era duolicata, que m* remetteu o comman-
daule superior da comarca da Olinda, com officio
de 17 do corrente, os vencimentos a contar de 1
de de.xmliru do anno prximo passado a 24 de fe-
vereiro ullimo, dos guardas nacionaes destacados
na villa de Iguarass.
N. 8>.J.Dita ao mesmo.Transmuto por cpii
V. S. para seu conhecimento e devidos effeilos
a deliberadlo de hontem, pela qual resolv crear
un i collectoria de rondas provinciaes na villa da
Estada.
J. 8">i.Dita ao mesmo.Transmiti V. S. a
on.a e documento juntos, comprobatorios das des-
astas fiita na casa de sadc do Dr. Joo da Silva
Ramos, com o curativo do preso pobre Firmo
Jos Monteiro do Souza, que esteve doenie da
varila, afim de que mande pagar a importancia
dessa despea ao mencionado Dr., conforme s< -
liciiou o chefe de p0cia om offlcio de 22 docor-
rentu, siib n. 423.
?; 83-i~Bita chefe da reparticao das ohras
publicas Fico iuleiradq, polo offlcio que Va*.
m) dirigi hntem sob n. 123 de haver o eni-e-
nheiro Henrique Augusto Milet, jolgando de nr-
-gente Becessidade a nollocacao da 20 estivas na
ponte de Mamucabinha m substituido d oufas
quo eslavam arrumadas, contratado esse servico
com Jos Lopes Sampayo por 200JOOO, e em r is-
pala ao citado offlcio temi a dizer. quo appr. vo
essa medida.
N. 836.Dita ao mesmo.Aatoriso Vmc. a
mandar fazer por administraba > os reparos ur-
gentes de que precisam as pontes de.Gurjah, Pi-
rapama e Carvalhos,
despendondose eos os da
. 46!)|0i. com os ds 2.- 6221000 e com os da
3.a 88t-i009J4wmo se v dos orcamenios que >ie-
ram aanaan 'ao sea citado oBcio/o qual Oca as-
sim respondido.
4* seeeao.
N- 8W.Portarla ao Exm. e Rvm. Sr. bispo dio-
r*00-Nesla dafc maae ae nficessarias ordens
adra de que seja postada amaabaa as 8 horas do
dia em frente da cathadral de Oliuda a guarda da
honra de aae trau o offlcio de V. Eio. 1mm<
datado de hoje.
If. 83*.Dita ao Bxm. Sr. Ininiharpar rrn
lo e devidos effeilos, que, por dofiberacio de hon
tem resolveu Hornear a Jos Florentino da Fonse-
ca Leao para o lugar de collector e a Beiiarmino
Gomes de Oliveira para o de escrivao da collecto-
ria ltimamente creada na villa da Escada.
N. 867.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presi-
ilinte da provincia manda declarar a V. S. que
segundo officio do chefe de polica n. 419 de 22
do corrente o individuo nomeado guarda da casa
d detencao, foi Antonio Aquelino da -Costa Ca-
bral e nao Antonio Aquicilino da Costa Cabral co-
mo por engao foi communicado por dito chefe a
19 des te mez.
4.* soeco.
N. 868.Offleio ao Dr. Joo Ferreira da Silva.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia
remello a V. S. os dous inclusos aflatos do jaiz
de direilo e do delegado de uricury para que
com urgencia emita seu parecer sobre a epide-
mia de que nelles se trata o envi una relaco
da qualidade e quantidade dos remedios, que Ihe
parecerem mais appropriados para o tratamento
das pessoas, que forem atacadas por aquella epi-
demia.
expbdir.nte assig.nado pelo exm. sr. conde de bae-
l'indy, presidente da provincia. em 23 de marco
oe 1860.
t* seceao.
N. 869.Portara ao capito do porto.Deven-
do seguir amanhaa 26, as 5 horas da tarde para
os portos do sul o vappr brasileiro Tocantins,
cllegado hoje dos do norte, haja V. S. de dar as
necessaras providencias para que nao deixe de
haver pratico para a sahida do mesmo vapor
aquella hora; visto que se allega, qne por ser
sexta-feira da Paixo, ha cosame de nao presta-
rem-se quelle-servco os praticosdesta provincia;
o que nao admissivel.
4' seceao.
N. 871.Portarla ao adminisirader do correio
geral desta provincia.Fique Vmc. na intelligen-
cia de que o vapor brasHeiro Tocantins, sguo
para os portos do sul, amanhaa as 3 horas da tar-
de e qua a reparticao do correio deve estar aber-
ra no mesrao dia para expedir as malas as tres
horas da tarde.
N. 872.Dita a*s" agentes nesla provincia da
companhia Brasileira de paquetes a vapor.Em
resposta a participacao que Vmcs. me fazem em
officio de hoje, da chegada dos portos do norte do
vapor brasileiro Tocantins e de que seguir hoje
as 8 horas da tarde para os do sul; declaro-lhes
que nao convenho na sahida do mesmo vapor ho-
je, nao so por ser contrario ao que se acha esta-
blecido no respectivo.contrato, como por nao ha-
ver motivo plausivel que faca antecipar o praso
flxado para a sua demora neste porto. Compre,
portanto que se observe a disposico do mesmo
contrato ; licando Vmcs. na intelligeneia de que
expeco ordem ao capito do porto para qne nao
deixe de haver pratico para a sahida do vapor
amanhaa a hora do cosame.
EXPBWNTE ASSIGNAUO PBLO SR. DR. JOAQUIM COR-
RRIA DE ARAOJO, SECRETARIO DO OOVEBNO, RM 26
DB MARCO DE 1869.
1." secoao.
N. 871.Portara ao Exm. Sr. general comman-
dante das arma.-P,le V. Exc. fazer seguir para
a eirte os roer-utas e soldado de que tratara os
seus offlcios, sob n. *7l e 72, de hoje datados.
2* secoao.
N. 875.Portara ao commandante superior da
suarda nacional de Olinda.Haja V. S. de dar as-
couvenietues pr .videncias, para qua hoje as 5 ho-
ras da larde, seja prestada urna guaeda de honra
na forma ro cosame, para acompaiihar a procis-
so do enterro do Seobor, que aovo sahir da Or-
dem Tereeira de S. Francisco da cidade do Olinda
queHa'hOra.
4* seccio.
X 877.Portara aos agentes daeompanliia Bra-
sileira de paquetes a vapor.Os Srs. agentes da
companhia Rrasilera de paquetes a vapor, deem
transportepnr acorte no vapor Iteanffas por
conta do ministerio da guerra,* aos reerutas fos
Martin de Sal'Anas. J.is Pedro da Suva, Daro
Ribeiro da Boa-morte, Julio da Coala, Mauoel Vo-
nanem da Cfnz, 'OWan'o Benvenuto da Silva Ser-
lanejoe ao seMado do oposito especial de ins-
truecao,. Jos Fraaeiaoo daa "
Antonio Manoal da Assainiwjao. nforme o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda, oavindo o da
alfandega.
Augusto Pater Cesar.Informe o Sr. inspector
da thesejararia d fazenda.
Abaixo assignados, raoradoros d'Agua Fria, Be-
baribe, Belin e Estrada Nova de Beheribe.Volto
ao Sr. eugenheiro chefe da reparticao das obras
publicas, pira juntar orcamente da despeza a fa-
zer-se com a medida rerlasna.la.
Clorindo Cato&CDirija-se a thesouraria de
fazenda.
Irmandale do Divino Espirito-Santo.Obrigan^
do-se o supphcante a levanlar o muro com as di-
mensos fixadas em termo lavrado e assignado ae-
rante a thesouraria do fazenda, o a denlil-o uo
flm de dous aunosr se antes nao Ihe for exigido,
dirija-se ao Sr. inspoctor da inesma thesouraria.
Jacintha Maria de Jess. Informe o Sr. Dr. che-
fe de polica.
Joo Gmcalves de Souza.Junte-se a policio a
que se refere o supplicante e informe o Sr. rpita >
do porto.
Dr. Joo Paulo Monteiro de Andrade Como re.
qu:r, pagos os direitos devidos.
Jos Thomaz de Aquino Jnior. Como requer
pagos os direilos.devidos.
Luiz da Veiga-Pessoa. Certifique.
Libanio Candido Ribeiro A CDirija-se a c-
mara municipal do Recite.
Luiza Mana Severa.Informe o Sr. Dr. director
geral da inslrucsao publica, ouviodo o regednr do
gymnasio. .
Landelino Antonio Ferreii^.Dirija-se a cma-
ra nfnicipal do Itecife.
Secundino Prediliano Gomes de Oliveira.Cono
requer.
Repartido da palela,
S" seceao.Secretaria da polica de Pernamkuco,
6 de aonl de 1869.
N. 482.Illm. e Exm SrTenho a honra de
levar ao conhecimento de V. Exc. que, segundo
consta das participcos reeebidas hoje nesta re-
particao, foram hontem rcoiiidos casa te deten-,
(ao os seguintes individuos :
A' ordem do subdelegado do Recife, os subditos
francezes Leixierf rancois e Ledepaucier Euijue, a
Nmwsiejio do respectivo cnsul.
A* ordem do de Santo Antonio, Simi* Jos Aojos
e Cypriano, escravo de Luiz da Silva Percira, por
disturbios.
A oidora do daS. Jos,'Miguel d'Aluieda Freire-i J
do Gouva Cardoso, por insuftos.
Por olcjos de 10'e^O'de'marco pactioipau o
delegado do Bonito, qu no dia 22 de fevereiro
prutun passdo, no lugar LagJo-I'.aso da-juelle
termo, Manoal Gltiran ferio gravemente cura urna
Cacada a luaquid Ferreira, praca do destaoaueato
daquella villa, e"qu se est procedeud} ria l'enn i
da Le contra o alinquente, cuja captura deligen-
cia-se; que .no dia 13 do dia mez demarco, no
districto de Capeiras do'msmo termo Ignacio de
tal, encontrando-se com seu irnii Valeatm de
tal conf quera a inuIto'esta%.a ohirigado e depoia de
Irooarem algunias razoes Valeutiin ferio grave-
mente com urna Tacada a Ignacio e era seguida
ferio-se larabeni gravemente com a mesma faca
cora que aggrcdi'ra a seu irni imbos foram pre-
sos e se achara reclofdos a'prtsa do districto.
Deas guarde a V. Exc. Ilfm. Exm. Sr. crale
de Baepeudy, pfesiilete' da provincia.O chefe
de polica, Francisco de Furia Lemos.
FEMAMBCO.
EEVISTA DIARIA.
ESCORBUTO.A barca igleza ptovinjut, K
arribou anle-hootem jio nosso porto, em. viagem
de Parker Iland.para Qjjeenstown, perdeu tres
pessoas da equipagem, victimas do escorbuto, e
desembarcou jhontein mais quatra aVeatodat (fe
mesmo mal, que se desenvolveu om couseifuencia
do oso de comidas salgadas durante 4 mezes c
meio de yiagem.
FERIMENTO GRAVE.No dia 22 de fevereiro,
no lugar hayedo fiuo, do termo do Bonito, Manoei
Gitirana-ferio gravemente com una focada a Joa-
quim Ferreira, praca do destacamento da villa, lo-
grando evadir-se:
FACADAS.NO districto de Capeiras, do ter-
mo de Bonito, a 13 de marco, Valentn de tal fe-
rio gravemente cin Tacadas a seu irmo Ignacio
de tai, ferindo-se era seguida com a raesma faca.
Foram ambos presos.
RECTIFICAfO TEMPO.Na nossa Revista
Gommercial, publicada si gunda-feira, nos procos
do algodo onde se l de 15500 a 15800 rs. a
arroba do de Perpambuco, deve ler-se 15^300 a
15*400.
THEATRO DE.SANTA ISABEL.Sobe hoje
scena, pela tereeira vez, oyapplandido drama No-
Sero represenladas mais as comedias Bnihnde
Castigo, e Um sabio.camo ha poums, e cantada a
aria 6 romntico estragado.
LOTERA.A que se acha a venda a 101', a
beneficio da igreja de ftossa Senhora do Livramen-
to de Pao cTAlho, que corre sabbado 10.
COMPANinA PERNAMBCANAHoje o ul-
timo dia em que o vapor Parahjjba recebe carga
para os portos de Macera e Penedo, para ondo se-
guir amanhaa as 4 horas da larde, segundo o an-
nuncio da mesma companhia.
PASSAGEIRQS.Do patacho portuguez Jorgtn-
e, entrado de S. Miguel :
Alvaro de Menezes Arnaud, Guadino Ernesto de
Medeiros, Joaquim Martins, Albina Candida, Jos
Martins. Antonio Martins. Joio Martins, Maria de
Jess, Mariano Francisco, Joio da Rocha, Maria de
Jess, Francisco de Araujo, Wenceslao Cabral, Jo-
s Bernardo, Manoei Pavao, Ignacio Joaquina, An-
tonio Manoei de Medeiros, Francisca Mequilina de
Oliveira, Pedro Jos de Oliveira, Felicia Ermelin-
da, Mariana Augusta, Maria Jos, Mequilina de Je-
ss, Joio da Costa.
i
_..-, ._. .
PgLITICA INTERNA
WrtM corurrrador.
(CORRESPONDENCIA.)
Comarcado Limoeiro, II de marco de 1869.
^Tna correspondencia, ou antes arauzel, publi-
efto no Uberal, de 13 do correte, sob o pseufio-1
nvmo &o*-Velho da Serra,reclama urna respastaj
quo vamos dar.
Cumpre que o publico saiba que nesta vla at-
trlbue-se geralmente toca correspondencia que ap-l
pateco com aquelle pseudonymo Eranciaco Ole-
S;ario d'VaconcelIos (afvio, tenente-eoronql che-
e de estado maior da ,'uarda nacional deste mu-
nicipio, o ao Dr. Adelina, juiz do direilo desta co~
marca.
'Feha esta dedaraca, prosigamos. Se davamos
receiar do contribuir iijustamonte para a morte
do menor de nossos irnaos, porque o homicidio
voluntario e um crime hornvel que Deue a
sociedade puaem ripruearaenle e patacio ; se o suicidio deve anda inspirar-nos
mais horror, porque am attenlado cjue provoea
todas as vngaticas o-<-eo ; 3e 'Umbem para-ns

uuRestreita obrigacao evitar o escndalo, porque
faiefldo caliir nosso irmo, no peccado mortal, nos
Mes fazemos perder a graca sanlifleadOra que a
vida sobrenatural de suas almas; nos devemos
igualmente ahstej'-nos de nada dizer que possa
pmMicar a soa reputacio por que, diz o proveo-
bio 23, a b>a fama um bem mais estimavel do
que todas as riquezas.
O que pode prejudicar este bem tio precioso
a maledicencia on calumnia.
Maldiaer revelar as fallas qne ajguem tem ef-
fecti\ ament commeltido, mas que sao oecultas, ou
fazer conliecer seus defeitos secretos. Mas quan-
do o mal quc diz conhecido daquelle de quem
se falla, nfio mais ama maledicencia, um en-
trelenimento que podo nao ser caritativo, e que
se devejevitar quando infftil; mas nio ordina-
riamente to criminoso como a maledicenciaAs-
sim pensara os moralistas.
Mas quando o hoaiem abjecto nao acha em sou
adversario materia i maledicencia, recorre ca-
lumnia, altribne-lhe faltas qne nao praticou, ou
defeiios que ni tem, e os pinta sob as cores as
mais odiosas revestmdo de circunstancias grave ;
ou lanca a maliguidade at a interpetrar em mal
as acedes inililTerentes, e mesmo as boas obra* do
prximo, e a lite emprestar intencoes que nanea
tiveram. urna iniikia d'abolrca no dizer de S.
Orrgorio.
Neste ullimo caso est o pasqnineiro, de quem
nos nceupamos, e nos que Ihe vamos responder
com fados deHe hora conhe-i los, nio somos mal-
dizentes, fazem h um cnlretenimento que nio po-
demos evitar pir nos parecer de utilidad.
O improvisado faceto, conhecido peloVefho da
Sena querendo atirar pilherias, proprias de
si, sobre o modo porqn fez sua entrada nesta vil-
la e Exm Sr. conde d Baependy, quando at aqu
chegou para ver os estragos causados pela en-
diente do Capibaribe-, 'u em seu pasquim de 6 do
co.rente entre outras cousas somente prprin? de
moleque do rita,que o Dr. Isandro escrevera ao
Luiz de Oliveira qne eslava em apuros para bem
obsequiar ao presidente, e que esperara que elle
Ihe mandas* urna ittella da< $uai. Entendemos
que o Dr. Leandro, que est tio distante do Ve-
Ihs da Serroomo a la de um cao, a nica res-
posta (|ne deve dar a esse aleivoso, que aqui tam-
bera' e conherklo por Chito Chafariz, que
qsnmdo esse ente dispreslvcl, pequenino, rixoso
e intrig.inte, vollar a miseria e a fome em que
ja'ia. ala-poea em que surgi a maldita po-
ltica ligucira, era cojo dominio arvoraram es-
Sfl mendigo em rbula .do foro desta villa, de-
ve o mesmo Dr. Loaudro mandar otu'ecet-lhc
alguma viteJia por asaMda, pbHantropia, ou o
que seja, o que pode qiuilo bem fazer sera
que seja preciso- comprar nom pedir, por que
alera dessa que foi njorla. lem elle muitas outras
eumpradas com seu dinneiro, adquirido com hon-
ra e dignidade, quididades estas que de-conluii'
esse eactu, boje ai|ui muilo celobrisade por suas
patotas e Iraficancias, como mais abaixo se apon-
tara i.
N'ii mesmo Jornal veem um ontro pasquan da-
tado de 7 timlicra desto mez, em que o mesmo
Velho da Serrrelata o fado da prisao e soltura
de um caixeiro de Lucinda Maria do Espirito San-
to, mnlher solteira e bem conhecida nesta comar-
ca, c cujo caixeiru Joao Gelasio de Sant'Anna.
Loado esse patq/m lieamos convencidos da ani-
mosidade sonap da per^arsidada que caracterisa o
pasqaineiroVetko da Sen.
Quem diria que umfaeto vergonhoso, assaz ver-
;.mii!ioso para a.*/ lioueirt desta villa fosse le-
va o imprensa J!
Pois bem : urna vez qne provosaram a discus-
so, agradecemos de eoracio, e o publico saiba do
laclo tal qual so deu.
Estando nesla villa o delegado Sr. major Louren-
Suares" Cordeiro de Mello, Ihe foi denunciado
Gelasio liara maltratado o inenor desva-
mandon o meraio Sr. major Cordeiro cha-
mar a sua presenca o rapaz, e este sera dnvida
alguma aconselliad i pela pi.'rversidade do Chico
G.ilvao, disrespeilou a auloridadc, nao attendendo
a ordem ou chamamoRtO : foi segunda e tereeira
ordem, que nao atlendeu esse caixeiro, e em vir-
tude disso dru o Sr. Cordeiro suas ordens para
ser recolhido o iiifolente : e quando anda seno
linha recfintd i caixeiro, apparece o menor Vir-
gilio, que orpho de pai e mi, e de-valido, e
apresentando-e ao Sr. delegado, este se sorpren-
deude ver o estado miseravel em que estavp. o
menino : iv rontinrrrti proceden se corpo de do-
lido, e pelos peritos foram declarados graves um
ferimento e mullas offensas physicas que existiam
no infeliz menino, qne liana na cabeja nm feri-
mento, o corpo todo cheio de ronxas, as raaos in-
diadas at os cotovellos : os peritos deelararam
que o ferimento e offensas physicas produziaui no
paciente ou oflenddo grave ncommodo de saude, c
que o inhaliilitavain do servico por mais de trinta
dias.-
apRtas Isto Je verifiooa, fpTcreinos dizer, logo
que foi concluido o corpo de delicio, e verifican-
do-sc ser inalllacavel o crime, e nao sondo esse
caixeiro propriotano, o estando em" rondicoes de
fuga, maudou o Sr. majar Cordeiro note da culpa
no mesino da da prisao ao reo. declarando o moti-
vo de sn> prisao.
Caminhava assim o delegado, disprevenido, pro-
curando satisfazer os formulas que a lei lem esta-
bdecido para o descobrimento da verdade, na in-
vestigacio de um crime grave praticado na p
de um orphan disvalido, qriando foi sorprendido,
duas o tres lurasfse tanto) depois da entrada do
criruinoso na cadeia, cora um offlcio do Dr juiz de
direilo da comarca, exigido qtic o delegado in-
formasse pin urgencia acerca da prisa de Joo
Gelasio de Sant'Anna. em favor de quem reqnere-
ra o rabola Galvo urna ordem de habeas-corpus
N tarde do mesmo dia em que foi recolhido o
criminoso, maudou o delegado levar o orpbio Vir-
gilio apresenca do juiz de orphaos Dr. Emygdio,
que ao ver o estado miseravel em quc.se achavao
inenor flcou horrorisado, declarando, como decla-
rou, indignado que aquillo era um escndalo, e
que nao era possivel deixar passar desapercebida
tamanha mavadeza. ^
.Mas, diz o pasquiooiro, que* sendo feito auto de
Sergontas ao menor perante o jubo de orphos,
eelnrou o meoinu que foi urna surra que Ihe ha-
via dado seu irmao Manoei Germano de Mi-
randa.
E' neoesnarto |ue-flo>le*vem a tac tonge'town-
tirafO o*mliuBlOi. esoonvmumm-se o;ue a-veatade
ha d irkiMpliar. Pranlo o Alegado quemoji-se
o menino de Joo Gelagjo, deaeu irmao, e de sua
ta : e que foraitf todos psses Os autores do crime
.que um dia ha de ser julgado, nio ootisa qae du-
vjda. ollereca. -
Apezar d nio merecer attncao quem com ta-
manho despudor e inepcia, miseria e infamia, pro-
voca a queslio do Aaoeos-corptu de Joio Gelao,
declaramos por amor de nossa propria |nidade,
3ue se segunda vez nos provocarera arana desta i
scussio, havemos de declarar, sem susto nem
rebuco, quaes as causas, antes triaches Ilcitas da
decrelacao do habeas-corput: oumpre-qtte sw sai-
bit que pie vivemos no mundo da la, vivemos
jm* saMfM, Ql todo ilnntna: coBterjh*-
se, nao sejam auuazes, e nio creiam que e destes
audaces, qua fortuM val, de que falla o judi-
cioso Horacio : a,qhrSM'Mmses, ha miseraveis
calumniadores, poajirtHriraj da imprensa, que o
frunn snasosabe, e devo despremr, cosaosa des-
ipjtf$ o mis abjecto.e imniuado. leplll que ras-
teja.
Pots qai 0 Velho da Sena est habilitado a
tallar de urna autordade, que procede como o Sr.
oo Soares
que loao (
Oda : man
major Lourenco Soares Cordeiro dentello'? Elle
que, mabeira de um vil sicario, embosca o niuito
digno ex-juiz de direilo desta comarca o Dr. Jos
JuntiiM de Castro Leao, quando este retirava-se
da audiencia que acabava de dar, e acompanhado
de um soldado, estando era exercicio de supplente
de delegad quer tomar urna bengala, sob pretexto
de eslar cora punhal ? Em que carcter procedeu
assim, se nao no de vil instrumento dos mandes
desse desgracado tempo ?
Pode fallar em perseguicao que nao existe, um
capadocio que em outras eras foi escolbido par."
servir de perito em um corpo de delicio feito ama
escrava do finado Nobrega, declarando cousas que
se nao derara, mas que elle asseverou nesse ea-
ractor ?
Pode fallar na perseguicao do finado Melkf, om
miseravel que nesse lempo era vil instrumento da
polica, e que foi apontauo como tcstemunha para
jurar nesse processo, e que se nao jurn, nio foi
porque Ihe faltassc perversdade, e grande copia
de motivos ignobois ?
Pude fallar era immorajidade e repugnancia de
raspadura do norae de um eleitor, faeto este raen;
liroso, quera como o Velho da Setra tio alfeito
estas miserias^ e que no anno de 1863. fez ou
concorreu para raspar-se o norae do cntio eleitor
lente Jos Cleraentino Bezerra de Mello, aftm de
ser substituido pelo de Jos Ignacio de Figueiredo,
nio obstante j ter sido publicada na imprensa a
lista dos eleilores desse lempo ?
Pode fallar em imraoralidadc e repugnancia
acuello que, sendo advogado de Cliristovo Fer-
reira da Assuinpcio, ein 1867, en\uma qneixapor
este encaminhada contra o professor de Vertentcs
capito Manoei Joaquim Xavier Ribeiro, por crime
de injurias verbaes, depois de estar definitivamen-
te condemnado o aecusado, este para eximir-se do
cumpriinento da pena, offereceu-lhe quinhentos mil
reis que foram accetos, torpe e vergonhosamente,
tendo obtido esse advogado relapso de seu consti-
tuinte, que mora na freguezia de Taquaritinga,
urna procuraco que foi cheia pelo mesmo advo-
gado, e nessa'occasio elle mesmo dea si plenos
poderes para desistir e perdoar o crime contra to-
da espectativa ik seu constituinte, que nao capaz
de hoje mesmo dizer o cintrara do que /ka rela-
tado f
Pode fallar em immoralidade um traficante, que
illudindo a amisade c boa f do Sr. tenente-roro-
nel Claudjno, quando supplente do juiz municipal
deste termo, requoreu prescripcio com procura-
Co de Francisco Rorao de Lucena, na celebrri-
ma questao Tute, fazendo convencer ao jdtz.
que o roo poda requerer sera rcolher-se prisra
tendo sido na eslreita sala de sua casa ou escripto
rio inqueridas as testejnunhas que nao receberaiu
juramento, como ellas proprias deelararam, para
podereni dizer que havia doze annos que o reo es-
lava na comarca, sem inlerrupcio, quando corto,
certissimo, que nao havia cinco annos qae o cri-
minoso esteve as comarcas do Bonito e Naza-
reth ?
Hunds desles, subearregados dp enorme peso
de tantas infamias, esto habilitados a dirigir pas-
quim .contra a reconhecida probidade de autorida-
des e pessoas, que delle somente se lembram para
desprcza-lo. como se despreza o mais nojento dos
leprosos ?
Nao de certo.
Se quer fazer opposicao, e nao pdc, por Ihe fal-
lar o meto de emprega a linguagem decente e ho-
nesta, entio rece, e nao esteja a maneira do ca-
nalha a mentir e calumniar, escrevendo em lin-
guagem sem estylo, ou era estylo dos prostbulos,
onde se ehafurd o devasso, que falla de fados
com que possa acensar, recorre pilherias, intri-
guinhas, calumnias e miserias, com doeslos e im-
properios que s aviliara ao animal que atira o
coico, e nao ao homem de bem a quem sao diri-
gidos.
Voltaremos anda ao habeos-corpas, em a sc-
guinte correspondencia.
Levantem visera os autores do Velho da Senil,
ene euro tanto far
A nova sentinella de Passassunga.
de D.
os nossos
de a manoridade
das. --
Prove que toda tegislacao de Portugal foi ao-
propnada ao Brasil, e mandada exeeular peto de-
?rloda asserabla constituinte de 20 de outubro
de 1823.
Disse, que a constituir*) do imperio, declarando
no art. 3 que a Religiao Cathoiica Apostlica Ro-
mana continuara a ser a Feligiao do estado liaba
implcitamente reconhecido e acceitado toda a to-
gislacao da Igreja Calholica.
Disse, que a resolueio de 13 de novembro de
1827 nao linha mandado vijorar, mas sim observar
efectivamente o cip. 1 da-sesso 2'i de rtformat,
assim como tambera ordenara aeffeci'wa observan-
cia do 291 da constituicao do arcehispo da Ba-
ha, a respeito da qual nao se jtoderiA sustentar
que nao estivesse em vigor.
O que se disse, o que se allegou contra isto
Litou-se algum lexlo de lei, que vesse revoca-
do o alvara de 12 de setembro de 1561, c toda a
| mais legislaco que reconhece a autoriiiade legal
i do Sagrado Concilio Tndntino t
Por toda a argumenlacao era contrario, se
disse:
1. Qne Bortes Carneiro. confessando a plena
aceeitacao dos caones do Concilio era Portugal e
PUBLICACOES A PEDIDO.
wuiini euique tribuir.
Joaquiu Augusto, sou pobre
Para, fallar de ten gemo,
Da gloria deste proscenio,
Que em possuhMe feliz I
Mas quero vir a ser nobre,
Teoffertando urna palma, *
Que sinto brotar-me d'alma,
Que ten grande nome bemdiz!
V-se utn vulto magestoso,
Cheio. de glocias, tropeus
AbencoaAj dos c)S.
eaminhar,tavante, ufano :
Sqgue {,*enlo grandioso
Do sublime nulo liilho ;
Pois que s a bello, s o brilbo
Do palco pernambHcano.
Tcu nome va no espado
E sozinlio,sem igual,
De certo nao teas rival,
Rei do palco brazileiro
Nossas almas, em um s la?o
Vens pressuroso prenior,
E n'ama voz .ho de dter : -
Tg s da. arte o primeiro f
P'ra corar teu talento
Nao basto palmas e flores ;
Seus encantos, seus odores
Para ti ao bastao, nao I
Para teu merecimento,
a trra nao fia um premio ;
Mas l, dos Aojos no gremio, .
Acharas terna canco.
Recife 31 de marco de 1889.
ltino (fe Araujo.
COICILIO TRIDEITINO.
Com muita razio-disse Fonlenelle que os phi-
tosoplios, quando se Ihes encasqueta um prejuizo,
sao mais incuravei dooue o riroprto poto; por-
qae com o prejuizo tambem se lhes encasqutam
as frivolas ratoes que o sustentam.
Pode dler-se a mesma eeusa do autor da fes-
poste, cife, a proposito da aeceittjio do Concilio Triden-
tina aireos!
E urna vez que assim : o que poderei en ac
crenoentar que o fa?a mudar de opmiio f
Prove que 0 Sagrado Cmcifo Tridentino ft>l ac-
eeitoe promulgado, era Portugal, era todas as : dlsnoeleoeF, pelo afra** de 12 de setembro de
*
seus dominios, aflirma comludo que nunca se po-
zerain em observancia; proposicao (pie j demons-
tre! ser inexacta em meu artigo do 1- do corrente
publicado no Diario de hoje.
2. Que, ou o Concilio eslava execuro entre
nos, ou nao eslava. .\o pnmeiro caso, a fe^olucao
de 13 de novembio era desnecessaria; porque o
legislador nao estava lonco para mandar ugorar
urna le, que estava em vigor entre mis; no se-
gundo, poda manda-lo vigorar em todo, ou era
parte.
Este pretendido argumento valeria urna respos-
ta desenvolvida, se nao fosse um paralogismo evi-
dente. Entre vigor e execuedo ha a mmeusa dis-
tancia que separa a cansa do effeilo. Para que
urna le esteja em execuro c- preciso primeiro que
ella esteja em vigor : pela razio muilo simples de
que nao ha effeito sera causa ; mas podo niuito
bem estar urna lei em vigor, sem. comludo estar em
execuco:
A lei do censo de 1831, por exeinplo, est em
pleno vigor entre nos, porque aintla nao fol derro-
gada ; mas nao est em e.recufdo. So ella fosse
agora mandada por em efectiva odservaticia, po-
deria sustentar-se que nao era lei vigente antes
disso T
3." Que, em vida do general Abren e Lima, que
sustentara nao estar em vigor, do Concilio Triden-
tino, seno o-cap. da ses huuve quera o contestarse, e que s agora, depois
Ida morte do gigante (ha epitlietos que valera o
mais anorto epigranuna) que as formigas criara
azas, etc., etc.
Quem diz, que o general Abreu e Lima nao foi
contestado a este respailo, parece que andou via-
jando peloEpiro era 1367. Veja o meu contendor
o que esereveu o Sr. padre Pinto de Campos, em
seu opsculo intituladoPolmica Religiosa:
< E verdade, Sr. general, que dizeis pag. 102,
cm ola, que no Brasil, nem em Portugal o Conci-
lio de Trento nao lei, excepto o cap. lu da sess.
21 ile reforma!.
Jora dessa sessio o capitulo, bradaes vos, o
Concilio de Trento nao lei entre n?; porque elle
nao obriga seno n'aquelles lugares, era que foi
promulgado e rerebido. .
, a Eslaes perfeitamente engaado, Sr. general!
E assim que atrapalhaes e atropellaes tudo com a
vossa audaz ignorancia! assim que desconhe-
ceisos decretos, al varas, etc., dos antigos reis de
Portugal, reconhecendj o Concilio de Trento em
toda a sua plenitude Sim, Sr. general, foi accei-
to em Portugal pelo cardeal D. Henrique, regente
na menoridade de elrej D. Sebastio, como consta
do aMri de 12 de setembro do l'i6i, e do decre-
to do 19 do marco de 1368 do mesmo soberano;
da carta de lei de 16 de junlio de 1668 de elrei !>..
Pedro II, e do decreto de 3 de novembro de 1766,
de elrei I). Jos. Como, em face desles monumen-
tos legislativos, tendes, Sr. general, o arrojo de di-
zer que o Concilio nio lei de Portugal e do Bra-
sil Eis aqui o sabio thenlogo, o sabio jurisconsul-
to, cuja assorabrosa erudico traz rauila gente por
ah de qucrxo eanldo!
J v, pois. o meu contendor, que o general
Abreu e Lima teve cahal resposta, mesmo em vi-
da, e tendo vivido dous annos depois dessa respos-
ta, nunca aehou argumentos que Ihe oppor.
E saiba mais, que as forangas criaran! azas cer-
ca de 30 anuos antes da morte do general, e erara
(ormigas como o Sr. F. A. Warnliagen, como a
Dr. Feitosa, o Dr. Leonardo Lima, o Sr. padre
Campos e outros. Lea o relatorio apresenlado
pela primeira d'eslas formigas ao Itislitulo Hist-
rico c Geographico acerca da Historia do brasil
do general Abreu e Lima;leia os artigos do ti-
nado Dr. Leonardo acerca do Socialismo do mes-
mo general; leia finalmente os escrintos do Sr.
padre Campos sobre a questao dasBiblias Fal-
sificadase se convencer que ha formigas -com
azas ha muitos anuos.
Mas, pondo de parte este incidente das formigas,
vfl-se que o meu contendor reduzio toda a sna ar-
gumentaco aos tres pontos cima indicados. E
como as nossas discussoes da iraprensa, na api-
niao de muiu gente que nao formiga, dovem.
acabar sempre por alguma descompostura, o meu
contendor, que tem tido o cavatheirismo de se con-
servar encolierto, entendeu que j era lempo de ir
resvalando dos argumentos para as facecias e
chocarrices, dizend.. quo eu nao estou fallando a
meninos do Gymnasio. e outras amenidades desta
natnreza.
Esteja certo de qne o no acmpanharei n'essc
terreno.
Convenca-se o meu contendor de que considero
muilissimo honroso o cargo, que exerco de rege-
dnr do Gymnasio, com manifest prejuizo de ineus
interesaos; o de qne proflro sempre fallar com do-
cilidade e brandura a esta centena de meninos,
que me ouvem, estimara e respeitam, do que ea-
sinar dreito a quera parece que nao tem cabeca
para o comprehender, on, comprchendendo-o, nao
tem a cordura de se dar por convencido.
A conliaiiea que o publico parece depositar na
actual direeco d'este eslahelecimonto, e que se
traduz por um extraordinario augmento de alum-
nos, casame muita mais satisfcelo,do quo mf
cansa desgosto as chocarrices com que o meu
eontendflK adnbou o seu artigo do hoje.
Reere9 de abril de 1868.
DR. J. CAMP06 da C. de M. e A.
Post-sn-iptum.
No meu primeiro artigo, publicado na oitava
pagina do Diario de 31 do mez passado, ha mui-
tos erros typographicos, que escaparan! eorree-
CiO. A maior parte d'elles sao de pouca monta, e
'nodem ser corrigidos petos leltores. Ha dous
comludo que cumpre corrigir aqui, e so os se-
guintes :
Na segunda columnnj-no paranrapho quo come-
enComo, porrm, linhas 16 17;-onde se dizfe*
12-^, deve ter-sefW 3.
Na tereeira columna, no paragrapho final, onde
diz196*deve Isr-to-r/j.
No segundo artigo, publicado no Diario enc-j
escapou, entre outros sem iiapertaneja* o a-
gffifn|taa primeira,columna sexfa, no paragra-
Bbo qne emwca-lWWo mnot spots, onde na
im, dwe leme-/**?-


Diario de Per Bambuco Quarta feira 7 de Abril de 1869.
Theatro
A VIRGEH DO MOSTEIRO. ,
Na quadra que atrevessamos, toda do iadifre-
rentisrao e completa inaccao, ai oda bem que o pu
Dlico pernambucano tem tido ao menos inleressan-
tes distraccoes com a behssima compnhia dram-
tica, que actualmente funeeiona no theatro tfe
Santa Isabel, sob a engrea do Sr. DuaFte Go m-
bra e hbilmente dirigida pelo insigne c sem ir
festejado artista Joaquim Augusto.
O excellente drama Christorio Colombo, tao ar-
tsticamente deserapenhado pela companbia, o psi-
to era scena com oneossano esmero e appar.ito;
o bellissimo drama Nobreza, ltimamente repre-
sentado, que tontos applausos tem colindo do \im
publico Ilustrado e conscieneioso; sao provas n-
contestaveis do mrito e capricho da intellige ite
direcco, e do bom gosto da empreza em satisfa ser
dignamente ao publico : a isto, vera juntar-se, se-
cundo nos consta, a prxima representadlo do
magnifico drama : a jubgem do mostriro.
Ja tivemos occasiao de lr essa bellissima com
posico dramtica, o apreciar o que outros disse-
ram sobre tal assumpto; e esperando com am ie-
dade a noute da sua exhibicao no nosso palco, afir-
mar desde j, que, o deseinpenho satisfar a expec-
tativa publica; grangeando innmeros applausos
para os artistas, e ba colheita para a empreza.
Seja como fr : apreciado como somos do th ;a-
tro e da boa escolha das pecas que alii se rep e-
sentam, desde j damos os nossos parabens ao
diguo emprezano ; aguardando a occasiao opor-
tuna de apreciar-mos em scena, por artistas habite,
ura drama, cuja leitura nos causou tao agrada'el
impressao.
Um sincero apreciador da arte.
Theatro de S:\nta Isabel.
Sobe hoje pola tcrceira vez scena o drama NO-
BREZA.
Composicao do forra e talento iu-ontesta\el-
mente um dos mclhores dramas que se tem rep "e-
sentado na scena pcrnambucaua.
Linguagem elegante, mimo de estylo, e forca de
elocueao unida urna bella concepcao cheia de mo-
ral e espirito tal o drama nobreza.
Fazeni parte do espectculo a sempre applauii-
da e festejada bertiia de castigo, a linda e milito
spirituosa comedia brasileira um sabio como
ha poucos, em que o sympatliico Martinho e o /<*
dani fazem rir valer.
Vae anda scena urna bella aria cmica pelo
representante do iinpagavel hel Romntico $
tragado.
Ao theatro!
O theatro e o Sr. Hartloho.
Rapaziada do bom tom, nao faltemos ao espec-
tculo de hoje, no Santa Isabel! Rcprestniase
o bem aceito drama intitulado : Nobreza.
Ah todos brilhio; c o Sr. Martinho l se apie-
senta no sympathico creado Joao. Logo depois o
Sr. Martinho apparece-nos na emgraeada scena la
Romntico estragado, representada por elle mais
de cem vezes no theatro de S. Pedro, e sempre
applaudido ao som de gargalhadas.
Mais tarde, l vern anda o Sr. Martinho na co-
media Bertha de castigo, disfarcand o sexo, e
mostrando com toda a graca atrav* do um posti-
go, a sua coifa e o seu nariz! Por ultimo, emfir i.
ainda o Sr. Martinho apresenta-nos as suas pv-
tencgoes do gallo, na comedia um sabio como ha
poucos. O espectculo por consequencia sober-
bo, e o Sr. Martinho nos far vir bandeiras de: -
iregadas. Ao theatro, pois, rapaziada! nada de
aliar hoje.
A pedido.
Ni) posso por mais lempo calar os impulsos de
reconhecimento, para com um sein numero de ea-
vaiheiros e amigos que espontanea c incessantc-
mente me vieram visitar, em casa de minha res -
dencia, dando-mc provas nao equivocas, que elks
e todo o publico foram a, meu favor, repugnando-
Ihe areditar o torpe e infame aleive que um In-
grato me quiz assacar, pelo que sob maneira me
eonfcsso grato.
Dobrado prazer me cabe por ter sido confirmr
da esta opinio por aquelles mesmos que em mi-
nha amencia protegeram a causa injusta!!!
Peco desculpa e ros e amigos, de pessoalmento nu ir cumprimer-
ta-los (como era de meu dever) pois de todos nao
tiz lembranca, oque nao era possivel, principal-
mente nos primeiros das de minha chegada ; e
confesso-me nao s eternamente grato a estes, co-
mo tambera ao publico em geral, que foi todo un-
nime em meu favor, excedendo-se alm de minha
espectptiva.
Anroveito de mais a occasiao para agradecer
Ilustrada redacto do Liberal Goiannense, as ma-
neiras delicadas" e ttenciesas com que me tratan
em um dos seus nmeros por oecsasiio de dar
parte da minha chegada, honra aquella que por
certo nao mereca.
Cidade de Goianna, 23 de marco de 1869.
Joaquim Cardozo d'Almeida.
flagellav, de forma que me julgo restabe-
feciila.Desta sua criada obrigadissima
Mara Joaquina da Silva.
Agua de Florida de Murray
& Lanmann.
Esta aquella excellente e original agua de
ctteiro para o toucador, que tao altamente tem sido
exhibida e exhortada por todos os jornaes pbli-
cos da America do Sol, e s qual se tem vendido
tantas imitaedes aeste paiz. Entendemos que foi
"para guardar o publico contra semelhantes impo-
siefies, que os prooretoros do artigo genuino, de-
pois de o haverem introduzido mais de vinte an-
nos as rcpublicaakhespanholas, Cuba e Brasil ;
comecaram nao gmente manufactura-lo para
este mercado, como tambera para os mais j ci-
ma mencionados. Este excellente e impagavel ar-
tigo j comecou a ser popular, e de esperar que
aqui em breve venha a supplantar e leve a palma,
como j o fez na America do Sul, todos os perfu-
mes o essencias mais costosas que nos costuma vir
da Europa. Ella igual em todos os respeito9,
quando nao superior, aos mais linos extratos que
nos vem do estrangeiro. #
Acha-so venda as pharmacias de A.
Gaors, J. da Conceigo Bravo A C, M-
A. Barbosa, P. Maurer & C, e Bartholo-
meu & C.
Oleo puro medicinal de ligado
de bacalho, de Lanman d
Kenip.
De urna simples tosse resulta nfuitas vezes o
bronehites, a tysica, a euiaciacao e analmente a
inorte. A tosse o signal precursor do perigo
3ue se avezinha. Nao esperes at que j seje tar-
e demais. Ninguem sabe se a tosse passageira
de hoje, ser amanhaa a tosse pronunciada d'um
tysico. Portanto todos devem saber, pois a facul-
dade medica assiin o diz, que o oleo de figado de
bacallio, de Lanman & Kcmp, subjuga a enfer
midade, antes que chegue cravar suas terriveis
garras no centro da vida, e, restabelece comple-
tamente a saiide dos orgos da respiracao. se-
se deste poderoso remedio, se possivel, tao leste
como haja algum motivo de alarme ; mesrao
3uaudo a enfermidade pulmonar tenha j deixa-
convertido o corpo era urna sombra, ainda assim
mismo, nao ha que desesperar. Suas proprieda-
des curativas e restauradoras, podem subjugar a
molestia at mesmo quasi undcima hora. Po-
rm tenha-se em lembranca, que nao ha no mun-
do um remedio tao gerahnente adulterado, como
o genero que de ordinario se vende com o nome
de oleo de figado de bacalho. Veja-se pois se se
alcanca o'especifico puro, fabricado pela casa de
Lauman & Kcmp, dos ligados mais frescos, e cuja
eonservaco em todos us climas se garante.
Acha-se a venda as pharmacias de A. Caors,
J. da Conceicao Bravo & C, M. A. Barbosa, Mau-
rer 4C.e Bartholomen 4 C.
Protectora das fami-
lias.
Esta associacao caminha as vas de prosperi-
dade, nao sem os entraves inherentes emprezas
grandiosas.
Contratos Capital
de junho tinha regis-
Em 30
1868
trado
Durante o semestre do
30 de junho a 31 de
dezemhro de 1868..
Estado dessa associa-
5o em 31 de dezem-
brode 1868........
Para conseguir com
3936------.1868:67:^970
1406------2,173:12o920
5342------8,042:1015890
UM ADYOGADO,
A Ord. L. 3o Tit 59, tracta cas provas
que se dte fazer por escripluras publicas,
tanto que no 5, quando o reo nega, 6
absolvido logo pelo juiz c condemnado o
autor as custas.
Nenhuma appl'ieaco'tem esta Ord., quan-
do esse advogado' exigi o depoimento da
parte para jurar aos artigos de um accao
ordinaria.
Se esse advogado tivesse consultado a
Ord. L. 3., Tit. 53 veria* ahi a maneira pela
qual a parte obrigada a jurar, c nao aquel-
la que s Irada da acejo de juramento (Tai-
ma.
Nao seria melhor que advogasse com
mais criterio para nao errar?
Sacul.
3.Ra Direita3.
As legitimas pilulas de veame, o xarope al-
cohlico e o ethereo latnbem de veame, r---
centemente feitos conforme a formula do ti-
nado pharmaceutico Paranbos, assim como
os pos refrigerantes acliam-se venda na
botica de Francisco Antonio das Chagas
ra Direita n. 3, defront do armazem de
molhados denominado Veado Branco. Estes
medicamentos, lia muito conhecidos pelos
benficos effeitos que ho produzido em
nao pequea parte da populacho d'esta pro-
vincia, na do Maranhaoe Alagas, incontes-
tavelmente sao dos mais enrgicos agentes
auxiliadores da natureza no vencimento' das
doencas, servindo de grande alivio a hum i-
nidade soffredra; e por isso se tnrnam
asss recommendados e prel'eriveis para as
pessoas que soffrem de rheumatismo, gln-
dulas entinadas, ulceras, impigens. asthma..
tosse, amenorrha ou suppresso de mens-
tro, erysipela, amarellido e menstruac3o
dilTicil ; sendo porm usados conforme a
direcco escripia que os acompanha.
Illm. Sr. Francisco Antonio das Chagas.
Soffrendo eu.de rheumatismo e gota n'um
joelho e tendo usado de muitos remedios
aconselhados para o referido mal, nao tire
resultado algum no periodo de um anno;
oeste estado recorri ao veame a venda em
sua botica ra Direita n. 3, e gragas
a Deus, com urna s garrafa e urna caixinha
de pilulas acho-me reslabelecido. Agrade-
$o-!he portanto e espero que faca publico
circumstancias aproveitem o seu proucuo
remedio.
Recife, 31 de marco-de 1869.
Julio Juvencio da Costa.
toda sceuranca o maior e
mais instante desidertum da vida do hoiuem, que
crear para o futuro um capital certo e urna ren-
da infallivel, para si, seus fillios e familias, bastar
fazer um calculo (cada qual conforme seus pro-
prios liaveres) de que pode dispor durante o pe-
riodo de cinco anuos; signalada que seja a quan-
tia -era esta dividida cm duas classes de contratos,
um chamado contrato de capital e outro d renda
Estes dous seguros deverao satisfazer-se em cinco
annuidades consecutivas, c depois de passados os
cinco annos o contribuinte ficarlivre doonusdos
pagamentos das annuidades subsequentes.
Estas duas classes combinadas produzom resul-
tados maraviluosos para o futuro.
Por exemplo, um pai que quizer formar para o
futuro um capital e una renda vitalicia para cada
um de seus lilhos, conseguir este importante flm
despendendo para cada ura delles a quautia de
1:1 'i') i, que se pagam da seguinte forma :
Direitos de entrada.. i">;>i
No prmieiro anno___ 200
segundo ..... 200,8
terceiro 200*
quarto > 2003
quinto ----- 2O0
Teri despendido no m de cinco
annos a quantia de........... IA55S
tendo creado para cada lilho um capital para o fu-
turo, que confiirme a idade dos segurados ser de
33:000* a 47:000* e urna renda vitalicia de 100*
annuaes.
Adimttem-se contratos de maiores e menores
annuidades, sendo os lucros sempre proporcionaes
ao producto dos segrales factores : valor da
contribuicao, o rirco de morte 'do segurado
e a duracao do contrato (art. 28 do regulamento).
Agencia de Pernambuco, ra do Livramento
n. 19.
N. F. de Vidal.
Trilhos Urbanos para
Jaboatao.
Lista dos subscriptores de ae-
res para a fornaaco de una
compaahla.
Joo da Cunta Wanderley___ 100 20:000*000
Vicente de P. Oliveira V. Boas 50 10:000*000
Cernir A Matheus.......... SO 10:000*000
Thomaz de Aquino Fonceca e
Pilhos.................... 50
Joao Fernandes Lpez......... 20
Henrique Gibsuni............ "10.
Bento Magalhes............. 10*
Demetrio Acacio de Araujo B 10
Ainerico Nunes Correia...... 18
Dr. Claudino de A. Guimares. 5
l-Yancisco Gon^alves Netto___ 10
I.F.S. Porto................ 5
Augusto Frederico dosS. Porto 5
Jos Alexandro Ribeiro....... 5
Dr. Estevo Cavalcanti de A.. 10
Antonio Jos da Costa e Silva.. 5
Luiz Jos da Costa e Silva.... S
Jos Alves da Silva Gninaraes 10
Jos Joaquim Lima Bairo.... 5
naquim Jos da Costa e Silva. 5
A n ti mi Cosario Moreira Das.. 10
i os Antonio Moreira Das..... 10
Jos Antonio da Silva Jnior.. 10
Antonio Bapsla Nogueira.... 5
liento dos Santos Ramos...... 10
Mitomo Augusto dos S. Porto.. 5
I is Fernandes Lima......... 10
Illm. Sr. Francisco Antonio das Chagas.
Beberibe, de abril de 1869.Com n
maior prazer levo ao seu conhecimento, qqe
a garrafa do xarope ethereo de veame e
s pos que coraprei na sua botica ra
Direita n. 3, poder a m extinguir a dr que
*eaa oopeito, to e felwe que tanto me

Francisco Fernandas Duarte... 5
Antonio Jos C. Guimares___ S
Joan Evangelista de S....... 10
Antonio Moreira de Mendonca. 5
Ji da Costa Bispo.......... 5
Paulo Jos Gomes........... 5
Dr. Symphronio Cesar Coatinho 25
Domingos Teixeira Bastos..... 8
los Antonio de S Leitao.... 5
KVrnardino Correia de R. Reg 8
M inoel de Abren Macedo..... 8
St inwl Joaquim Baplisu...... 50
Til.urcio Valpriano Baptista... 50
M jdesto do Reg Baptista..... 10
Justino J. de Souza Campos... 10
J i s Moreira Lopes.......... 30
Antonio J. P. de Carvalhn..... 8
Dr. Francisc do R. B. Brrelo. 80
Bario da Soledade........... 80
Praneisco Ferreira Burgos___ 80
Coii nta Piguei redo............ 10
Dr Jos Bento da Cunha Fi-
Ijueiredo Jnior........... b.
Vntonii Pinto de Barr.a..... 8
Manuel de Souza lavares..... 10
ansio Belarmino de Moraes P. 8
Tfliiente-coronel Francisco C.
II. Rk Jnior......... 5
Maiiofld SouzaLeio...... g
10^)00*000
4:000*000
2:000*000
2:000*000
2:000*000
3:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
2:000*000
2:000*000
2:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
5:000*000
1:000*000
1:000*00.
1:000*000
1:000*000
10:000*000
10:000*000
2:0004000
2:0)10*000
4:000*000
4:000*000
10:000*000
10:000*000
10:000*000
3:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*0001
M
SO
2->
oO
10
s
s
. '6
lo.
23
~9
20
23
o
o
5
o
Jernimo de Souza Lea). .... .5
Jovino Coelho da Silva....... 25
Joio G. da Cunha Soaies..... 5
Jo oJoaquim da C. Le te..... 10
Dr. Ignacio J. de Souza Leo.. 2o
Alfredo Jos A. Guimares..
Manocl de Mosquita Barros W.
Thomaz Lins de Barra W...
Dr. Gaspar Cavalcanti de Al-
buquerque Ucna.........
Joo i". Cavtlcante de Albu-
querque.............
Commendador Antonio de Sou-
za Leo..................
Joo Manoel do Mesquita Bar-
ros Wanderley............
Adolpho Wanderley Lins.....
Vicente Mondes Wanderley...
Coronel Antonio G. Leal-------- ^
Francisco Manoel do Souza e '
Oliveira..................
Dr. Francisco E. do R. Dantas
Dr. Jos Honorio Bezerra de
Menezes..................
Laurentino J. de Miranda.....
Dr. Manoel do Nascimento Ma-
chado Portella.............
Joaquim Salvador Pessoa de Si-
queira Cavalcanti..........
Dr. Joo J. Pinto Jnior.......
Jos Francisco P. S. Jnior...
Dr. Luiz Salazar Hoscoso da
Veiga Pessoa..............
Jos Cesario de Mello........
Dr. Antonio Joaquim Buarque
Nazareth.................
D. Mana Amelia de (usmo
Lira....................
Major Francisco de Gouva e Souza
Dr. Antonio Venanoio Cavalcante
Albuquerquc.................
Ernesto Arceiino de Barros Franco
Francisco Manoel Wanderley Lins
.Major Joao BaptistaPaes Barreto..
Dr. Felippe de Souza Leo.......
Jos Joaquim de S BaYreto......
Ignacio Jos da Silva............
Antonio Perira da Cmara Lima
Francisco de Paula de Albuquer-
quc Lima....................
Jos Pedro Carneiro de AllMiquer-
que........................
Manoel Theodoro Mendes Lins
Antonio Columbano Seraphico de
Assis Camino...............
Jos Francisco de Albuquerque
Maranho....................
Dr. Miguel Felippe de Souza Leo.
Tonente-coronel Joaquim Maximi-
no Pereira Vianna............
Jos Rufino Barbosa da Silva.....
Dr. Manoel Gentil da t'.o.-ia Alves.
Albino Jos da Silva............
Jos Caelano de Albuquerquc
Candido Alfonso Moreira.........
Adriano Augusto de Almeida Jordo
Manoet Jos Dantas...............
Joo de Castro Guimares.........
Francisco Goncalves Netto.........
Albino Jos Ferreira da Cunha.....
Bento de Barros Faj.............
Antonio Augusto Ferreira Lima.....
Bernardinoda Silva Costa Campos..
Andr do Abren Porta.............
Dr. Manoel Thomaz de Bittencourt
Corte Real.....................
Bernardo de Siqueira Castro Monteiro
Thomaz Fernandes da Cunha......
Jos Lucio Monteiro da Fonseca Filho
Dr. Manoel de Figueira Faria.....
1:000*000
5:000*000
1:000,
2:000!
5:000*000
5:000*000
10:000*000
5:000*000
1:000*000
400*000
50:000*000
2:000*000
1:0005000
1:000*000
1:000*000
.1:000*000
3:000*000
1:0004000
4:000*000
X 1:000*000
3:000000
1:0003*00
1:000*000
1:000000
1:0003000
5 1:000*000
10 2:000*000
40 8:000*
5
10
5.
10
23
2
1
10
1:000*
2:000*
1:000*
2:000*
3:000*
400*
200*
2:000*
5 1:000*
2 400*
2 400*
2
23
50
25
23
23
23
400*
400*
3:000*
10:000*
5:000*
'.y. 000*
5:000*
5:000*
> 5:000*
2:000*000
2:000*000
1:000*000
4:000*000
2:0005000
5000*000
2:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
2:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
Alexandre dos Santos Barros....... 1:000*000
Manoel da Cunha Wanderley Lins.. 5:000*000
Miguel Jos da Costa.............. 1:000000
Bernardino Jos da Silva Maia....... 5:000*000
Antonio de Souza Guerra..........' 1:000*000
Jos Antonio de Almeida Cunha..... 1:000*000
Antonio Jos da Cunha............ 1:000*000
Luiz Manoel Rodrigues Valenca.... 1:000*000
Manoel Pedro Noronha............ 1:000*000
Francisco do Reg Baptista........ 3:000*000
COMMERCIO.
PRACAJDO RECIFE C DE ABRIL
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Assucar americano purgado = 350O por arroba
Assucar Canal=3*000 por arroba.
Cambio sobre Londres 90 d/v 19 e 19 1/8 d.
por 1*000
Cambio sobre Lisboa 60 d/v 173 0/0 de premio.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a con-
vencional
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidade?
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
CASA DE CAMBIO
Theodoro Simn & .
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Soberanos
Ouro nacional
Vendem
< .3K0
) 52 1/2 o/o
de pre-
portugez ) mi
Sedulas do governo do i a 5000
Largo do Corpo Santo 21
BANCO MAUA & C.
- Ra do Trapiche n. 34.
Desconta lettras co iraerciaesa taxa con-
vencional. Recebe dinbeirp, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente.
Confere crditos, saca sobre as primeiras
pracas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pragas.
Encarrega-so, por commiss5o, da com-
pra e venda de fundos pblicos e ac^oes df
oompanhias, da oobranca de lettras e di-
videndos ou de seu pagimento, edtqoai
quer outra operaco ban caria.
O expediente, para o publico comeara
s .0 horas da mabhSa, e terminar s 4
horas da Urde de todos os dias uteis.
Totumes entrados
dem idem
com fazendas
com gneros
Volumes sahidos com fazendas
dem idem com gneros
3i2
568
------910
170
385
------So'
Descarregam hoje 7 de abril.
Vapor inglez Sapphyremercadorias.
Barca iig\ea=lmogene mercadorias.
Barca ingieratevantmercadorias.
Parca portagneza==Sji.fy.nfIdem.
Barca inglezaBloomeridem.
Escuna inglezaZephyreidem.
Barca portugueza Nova SympatkiaiA&m.
Barca frncezaSolideidem.
Barca portugueza Pereira Borgesdem.
Sumaca hespanliolaCaiiMCH=vinhos.
Barca francezaZebre=idem.
Brigue dinamarqusJeanette farinha de trigo.
Barca inglezaJnywrador^-idem.
TABELLA dos piiecos dos gneros suuitos a di-
RtITO DE EXPOKTAC.U. SSMANA DE 5 DE ABttIL
A 3 DO ME.-MO MEZ DE 1869.
Mercadorias: Unidades. Valores.
Abanos......... cento 2*500
Alcool ou espirito de agurden-
te .......... caada
Agurdente cachaca.....
dem de caima...... >
dem genebra....... >
dem restilada bu do reino
Algodo em caroco..... arroba
dem em rama ou em laa. >
Angico (toros )...... duzia
Arroz com casca...... arroba
dem desgaseado ou pilado >
Assucar Franco......
dem mascavado......
dem refinado.......
Azeite de amendoira ou amen-
' dobim.......... caad
dem de coco.......
dem de mamona.......
Batatas alimenticias. .... arroba
Baunilha....... libra
Bolacha ordinaria, prepria para
embarque........ arroba
*dem lina........
Caf bom.........
dem escolha ou restolho ....
dem torrado....... libra
Caibros......... um
Cal preta........ arroba
Cal branca........
Carne secca ( xarque ).
Carneiros........ um
Carvao vegetal....... arroba
Cavernas de sicupira .... urna
Cera amarella....... arroba
dem de carnauba em bruto. libra
dem idemem vellas ....
Cevado ( porco )...... um
Cha.......... libra
Charutos........ cento
Cocos seceos....... -
Colla.......... libra
Couros de boi, salgados ...
dem idem seceos espichados.
dem idem verdes..... >
dem de cabras cogidos um
dem de onca........ >
Doces seceos ,...... libra
dem em gcla ou massa. >
dem em calda...... >
Enxams........ um
Espanadores grades.....
dem pequeos......
Esteiras para forro, ou estiva de
navio......... cento
urna
arroba
alqueire
arroba

um
urna
arroba

duzia
cento
dem de carnauba
Estopa naciunal.....
Farinha de mandioca .
dem de ararula.....
Feijo de qualquer quatidade
Frechaes ......
Fumo em folha bom. .... arroba
dem em folha, ordinario ou res-
tolho ,........
dem em rolo, bom.
Fumo em rolo, ordinario rfres-
tolho .......
Galinhas.
Gomma de mandioca. '. .
Ipecacuanha ( raiz ).....
Jacaranda ( coucoeiras) .
Lenha em achas......
dem de mangue cm toros. .
Linhas e estelos......um
Mel ou niclaco ...... caada
Milho..........arroba
Ossos........... .
Palha de carnauba.....molho
Papagaos.......um
Pao Brasil........quintal
dem de jangada......um
Pechury.........arroba
Pedras de amolar. r urna
dem de filtrar....... .
dem de rebollo ....
Pennas de cma. ...*.. libra
jassava.........molho
Puntas ou chifres de vareas e
novilhos........cento
Pranchdes de amarcllo de dous
costados..... um
dem de louro. ... "
Rap....... libra
Sabao.......... 1
Sal. .-..,....,. alqeuire
Salsaparrilha....... arroba
Sapatos de couro branco ... par
Sebo em rama......arroba
dem em vellas..'....
Sola em vaqueta.....um
Taboas de araarello .... duzia
dem diversas....... >
Tapiocas.........arroba
Tatajuba........quintal
Travs.........urna
Unhas de boi.......cento
Vassouras de piassava. ...
dem de timbo...... >
dem de carnauba..... >
Vinagre.........caada
ADITAMENTO.
Cigarros.........cento.
Costadinho de vinhatico de mais
de urna pollegada.....um
Dito de outra qual |uer madeira
900
440
1*000
880
800
3*750
14*800
60*000
1*000
2*600
4*700
3*200
6*400
2$500
13800
1*400
1*500
2*500
31000
73000
7*000
6*500
440
360
400
580
33800
43000
13600
33500
6500
250
500
203000
23000
3*000
400()
660
240
290
170
380
103000
1*000
360
520
1*500
4*000
2*000
12*000
160
23000
2*500
103000
43000
53000
lo*000
8*000
10*000
8*000
1*000
33200
253000
953000
33000
123000
63000
200
130IM)
240
1*000
5*000
63000
5*000
23 900
800
13000
23000
160
2*800
203000
103000
13000
160
400
303000
800
53000
7*000
3*500
192*000
963000
3*000
2*000
63000
380
103000
83000
63400
800
320
16*000
ECIT.ES.
0 inspector interino da alfandega, faz
publico, que no dia & do corrente, depois
aeraeiodia e porta da mesma reparti-
do, sero levados em hasta publica livre
de direitos para o arrematante as seguintes
mercadorias compreheodidas as disposi-
c5es do cap. 6o tit. 3o do regulamento d
setembro de 1860:
Armazemn. 8.
Alarcas G A M ns. 1615 a 1618, quatro
A D M, caixas com vinho de champagne,
viudas de Londres no lugar oldemburguen-
se Sagtjto entrado em 4 de agosto de
1868, contendo 43 garrafas com .0 */*
medidas, valor de urna medida 4J800 rs.
51:600.
A mesma marca n. 1619 1621, tres
caixas, idem, idem, idem, contendo 35 gar-
rafas com 8 3/t. ditas, valor 4'.800, 42m00.
Araesina marca, ns. 1622 1624, tres
ditas idemfcidem, idem, contendo 68meias
garrafas 8 i ditas, valor 4:80 40:000
Marca GA M, TA n. 1, urna dita, idem,
dein, idem, contendo 12 quartos de garra-
fas com V* de medida, valor 4:800, 3:600.
S. M. sem numero, um barril de dcimo
de pipa, vasio e estragado, vindo de Liver-
pool no vapor inglez Patheon, entrado em
26 de junho de 1868, no valor de 1:000,
1:000.
Alfandega de Pernambuco, 5 do abril
de 1869.
O inspector interino.Luiz de Carwlho
Paes d'Andrade.
THEATRO
[ S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DE
Quarta-feira 7 de abril de 1869.
Terceira representacao do mapnilTco e
applaudido drama em 1 prologo e 3 actos
DECLARACOES.
Pela secretaria da Santa Casa da Misericordia
do Recife se taz publico, que nos autos de execu-
?o que a mesma Santa Casa encaminRa pelo juizo
municipal da 1" vara escrivao Baptista, contra
Felippe Mena Callado da Fonseca e seus Albos e
netos para haver o sitio denominado cruz das al-
mas matinha na freguezia da Boa-visHt foram pro
feridos os seguintes acordaos.
Acordao em relacao etc. Que vistos e expos
tos estes autos confirmara a sentenca appellada;
com declararlo, porm, que o valor a dar ao alu-
guel e mais rendas d<* sitio para que se proceda a
liquidaeao determiuada na sentenca deve ser re-
gulada pelo estado actual, que tem taes cousas.
Paguem as custas os appellantes. Recife 12 de
julhode 1859.
Acordao em relacao etc. Que vistos e rela-
tados os autos, despresam os embargos quer os de
follias 285, quer os de folhas 289, com d&elararo
porm, que a renda do sitio ser f.'ita e calculada
segumjp o valor actual sein attencji as bcmfeiio
ras dasquaes seraosomente liquidadas as que fo-
rera uteis c necessarias. Por lauto, e o mais dos
autos, faca o acorda livre-transito pela chncela-
ria. Paguem as custas os apnollantcs e apella-
dos na divida proporco. Recife 10 de marco de
1863.
A'visia destas decisoes que passaram em jul-
gado nao ha mais razao de ser, para os executa-
dos conservaren, a posse ao sitio, e se a conservara
porque a Santa Casa deseja tomar posse do mes-
mo sitio no acto em que receber a renda, que de-
ver ser compensada com as bemfeitorias uteis e
necessarias para o que tem do ser avahad s, as
mesmas bemfeitorias, e isto se tem opposto o
executado Mena Callado, sem duvida para estar
na posse do sitio, posse que nao d dircito a ne-
nhum aos executados para arrendar o menciona-
do sitio ou fazer nutro qualquer contrato.
Secretaria da Santa Ca>a da Misericordia do Re-
cife 5 de abril de 1869.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Fiscalisacao da freguezia da Boa-Vista, 3 de
abril de 1809.Por esta liscalisaco se faz publico
a quem interessar, que se aeham depositadas urna
vafea e um twi. manso, quem se julgar com di-
rato aos mcsnkft animae, compareca que, satis-
fazendo o disposto no artigo 16 do titulo 11 fias
posturas municipaes de 30 de junho de 1849, lhes
sero entregues.
___________________Jeronymo Jos Ferreira.
Sabbado 20 do corrente inez, depois da au-
diencia do lllnr. Sr. Dr. juiz municipal da 2' vara
civel, tem de ir a [iraca por venda, os bens seguin-
tes : um soph, urna meza redonda, dous conso-
los, doze cadeiras de guarniejo,' urna commoda,
urna meia dita; tudo, de madeira de amarado,
avahados por 92*, por execucao que movo Jos
Ignacio Avilla, contra Elias Pereira Gomes da
Cunha.
O administrador da recebedoria de rendas
internas geraes faz publico que neste corrente inez
e no de maio prximo futuro, visto estarem con-
cluidos os lancamentos, e que os devedures do
imposto pessoal, relativo ao exercieio corrente de
1868 a 1859, residente* as freguezias do Recife,
Santo Antonio, Affogados, Poqo da Panella, Var-ea,
S. Lourenco da Malta, S. Amaro de Jaboatao, e
Muribeca, teem de paga-la, livre da multa de 6 0/0
o com ella depo's do referido prazo.
Recebedoria de Pernambuco 3 de Abril do 1859.
Manoel C caada
una
12*000
1*600
14280
12*000
8*000
de urna pollegada
Cerveja em botija ou garrafa .
Mel de abelhas......
Taboas de vinhatico at urna
pollegada........
Dito de outra qualquer madeira
at urna pollegada.....
Era ud supra.
Alfandega de Pernambuco 3 de abril de 1869.
O 1. conferente, Jos Miguel de Lira.
O 2.* conferente, Herculano Cesar Ottoni.
Mendonca.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 3 de
abril de 1869.Paes de Andrade.
Conforme.Joaaum Tertuliano de Medeiros.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GS-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 5. 9:627*363
dem do dia 6...... 1:036*500
10:663*863
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a 5.
Idem do dia 6 .
14:754*153
1:181*132
THEODORO SIMN i C.
Compram
Libras esterlinas
Moedas de ouro...) Nacionaes e estran-
o prata..) geiros
Cdulas do governo)
de 14 a 10*....)
Cdulas do banco do)
Brasil e das caixas)
filiaes.........)
Largo do Corpo Santo
n.21.
15:935*285
MOVIMENTO DO PORTO.
RendiRMMndo
Idem o dia 6
ALFANDEGA.
dia 1 a 8. .
mmmt
37:104*796
211111*418
JV.r> so* i no dia 6.
r?J W Wuua Rau>' "i* Antonio M. da
xodu Hav aSSUCar e a Car|* que trou*
u~a ^"M entrados no da 6.
Maeeio e porto-; mtermedios-6 dias, vapor naafe-
nal Parahyba, de 161 toneladas, comandante
Dn." ^"'P^6 *. era lastro; a compnhia
Pemamburana.
Ilha de S. Miffufl-jo dias, patacho portuguez
FT e S09 toneladas, capillo Militao Pa
lro. Oliveira, equipagem 9, em lastro; a
*>ao do Reg Urna.
if^^.^. N,aviot lahidos no mesmo dia.
Mowor pelo Ass-Hiate brastleiro Nova Espe-
rowfa, capitao Manoel F. Irlles, carga differentes
mi^pnJT>~BriPwncio'alA **e u*rea dos Santos, carga assucar a entre-
Rio da PraUBarca _portagijeia Acato, capltio
Ruflne dos Santos Valenta, earga assucar
inspec^o do arsenal de
niai'iiiha.
De ordem do Illm. Sr. inspector faco publico que
acha-se marcado o praso de sessenta dias, a contar
da data do presente, para o concurso a que se vai
proceder nesta inspeecao, tanto para provimenlo
dos lugares de escrivao do almoxarifado e seu
ajudaute, como de dous amanuenses da secretaria.
Os pretendentes deverao inscrever^e no men-
cionado praso, e exigese-lhes que tenham boa
letra, bom comprtamelo, e a idade de 21 annos
completos, assim como saberera grammatica da
lingoa nacional, principio de escripturaco por
partidas dobradas, aryth netica e suas applicacoes.
Inspecqao do arsenal de marrana de Pernambu-
co 2 de ma* ?o de 1869.
O secretario,
. .______Alexandre Rodrigues dos Anjoa
Manta Casa da misericordia do
Reeife.
A Ulma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sessfies, no dia 8 de^liril, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
quera mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARJDADE.
Ra de Hurtas.
Loja do sobrado n. 41, por anno........120*000
Ra da Moeda.
Primeiro andar do sobrado n. 37, por anno 76*000
Segundo andar, idem.................. 96*000
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1, por anno..............100*000
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 43. por anno............170*000
Ra da Conceicao.
Casa terrea n. 5, por anno..............249*000-
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 100, por anno........2014000
Idem n. 102, idem................- 201*000
Sitio n. 5 do Forno da Cal, idem ........ .B04O0O
Sitio do Rosarinho n. 3................3254000
"Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as suas flaneas, on comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da .Santa Casa da Misericordia do Re-
cife,18 de marco de 1869. Oesrrivio.
Pedro Rodrigues de Snuza,
muito
NOBREZA.
Augusto.
Rocha.
Sr.' D. Julia
D. Francisca
Sr. J. Augusto.
Thoinaz.
Eduardo.
C. Rocha.
P. Costa.
> Martinho.
Geovani.
Florindo.
Sr.' D. Julia.
> Clelia.
> Carolina
Apolonia
elcito do
Personagens do prologo.
Manoel de Castro......Sr. J.
Antonio de Frcitas..... c.
Augusta de Castro.
Margarida, criada......
Io, 2o e 3o actos.
Um doudo......
O baro de Paralita. .
Macedo, advogado. .
0 conde de Soutello. .
Dr. Mendes......
Andr, criado.....
0 administrador do bairro.
Um criado......
Mara.......
A baroneza de Paralita.
Eugenia........
Gertrudes, criada.....>
Deniminacao dos actos.
PrologoDeshonra e loucura.
1." actoUm grande da trra e um
co !
2. actoO algoz e victima.
3. actoNobreza.
A acrao passa-se : no prologo cm 1447 em urna
pequea aldea de Traz os Monte?, nos Io, 2 e 3
na aetualidade era Lisboa.
Findo o drama o Sr. Martinho cantar a muito
linda aria-burlesca intitulada
O romntico estragado
msica do distincto maestro portuguez Francisco
de S Noronha.
Segue-se a segunda rcpresentac,ao da bella e
engranada comedia cm 1 acto ornada de canto f>
msica
BERTIIA DE CASTIGO
O papel de Bertha desempenhado peta Sra.
Julia Azevedo e o de Felisardo pelo Sr. Martinho.
Dar flm ao espectculo a chistosa comedia em
1 acto ornada de msica
Um sabio como ha poucos
Personagens. Actores.
Ambrozio, 50 annos. Sr. Martinho.
Generosa, 45 annos. Sr.' D. Clelia
Mariquinhas, 18 annos. Sr." D. Carolina
Juca, 22 annos......Sr. Eduardo.
Pereira, 30 annos..... C. Rocha.
Joo, criado, 20 annos. > Jordani.
Actualidade, no Rio de Janeiro.
Comee, a ra as 8 horas.
AVISOS MARTIMOS.
2L
COMPNHIA PERNAMBUCANA
DE
\aveaa Macei em direitura o Pencdo.
O vapor Parahyba, commandan-
te Mello, seguir para os portas ci-
ma no dia 8 do corrente as 4 horas
da tarde. Recebe carga at o dia 7, encom-
mendas, passageiros e dinheiro* a frete at as t
horas da tarde do dia da saluda no escriptorio do
Forte do Mattos n. 12.___________________
(MA1IA BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o da 8 de abril p. f. o vapor
Cruzeiro do Sul, commandanto
Alcoforado.o qual depois da de-
mora do costume seguir para os
dosul .
Desde j recebem-se passageiros o engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia desuachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
Nao se receben, como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedan) a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passardesteslimites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos^Srs. passageiros que suas passa-
gens s-se recebeh na agencia ra da Cruz n. 57.
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo A C. /
IASILEIRA
Paquetera vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia de abril p. f. o vapor
Paran, commandante o capitao
de fragata Antonio Joaquim de
. Santa Barbera, o qual depois da
demora do costume seguir para os do norte.
Desde j recebem-se passageiros c engaja-sc a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sahida as 2
horas.
Nao se receben, como encommendas senao ob-
jetos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medica.
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
COMPAHHIA
DAS #
Messageries mipcriales.
Ate o dia 14 do corrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez Navarre, o qual depois da
demora do costumo seguir para Babia e Rio do
Janeiro.
Previne-se aos Srs. passageiros para os portos
do sul que por deliheracao do conselho de admi-
nistrado os antigos precos das passagens foram
postos novniente em vigor, sendo :
Cmara (ida e volta 6 mexes do prazo) Proa
Para Bahia ris. 50/000 750OO 15000
. Rio de Janeiro. 100*000 150*000 28*000
Montevideo, pa-
tacoes. 115.50 17325
Buenns-Ayres.. 126 189 3&
Os passageiros de Pernambuco para os portos
da Europa que quizerem >egurar as roesma pas-
sagens a bordo dos paquetes desta compnhia nos
ineZKS de maior afluencia tem a f a cu Idade de as
tomar no dia em que os vapores seguirem para o
su I iiagando porm como se fosso do Rio do Ja-
neiro. 9
Para condicoes, frotes e passagens trata-se na
agencia ra do Commercio n. 9.
*U8 Hampton Riad-Brigoe InSaTfar*. capitio Hat-
cneaom, caifa assucar.
CASA DE CAMBIO
Teodoro Simo & C.
Compram e vendem por Nconta propria
metaes, moedas nacionaes e estrangeiras.
letras de cambio, sedulas do governo e dn
qanco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los commerciaes:
Encarregam-se por coma alheia das mes-
mas tnmsacc5es, da cohranca de letra* da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta anTente, e a praio flxn.
COMPNHIA PERNAMBUCANA.
DE ,
avegaeSo costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caty, Cear, Mondah,Acarac
e Granja.
O vapor Ph-apama, conmandanto
Torres, seguir para os portos cima
__. no dia 18 do corrente as 8 horas
la tarde. Recebe carga at o dia 14, encom-
nendas, passageiros e dinheiro a frete at as
i horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
lo Porte do Mattos n. II
Loinda
O brigue portogoez Bemrnda, capitao Silva, a
ebegar de Li*oa, sahir para Loanda poneos dia*
depte de raeothido a este porto : pode receber
ilguma earga, e trata-se com o seu consignatario
Largo do Corpo Santo n. 21.lf1?i2?anl0,leBastos' m trarton-
i
*
*


i

(
^.
i


^HMkrin
Diario de Pemairbuco Quarta feira 7 de Abril de 1869.
COMPAMA PEMAMBGANA
COISEjLIIO DE DIREC^lO
Os Senhores.Saunders Brothers & C, Tasso
Irmaos. Luz Antonio de Siqueira.
GERGWE
0 SE. F. F. BORGFS
Restando anda omittir algumas aeros d'esta companhia, da quantia nominal de
200>000 cada urna, das quaes s se aceilam em vi rinde da le, 20 /,, ou 40000 por
cada ac$5o; convida-se pelo presente ao pulilico em geral e especialmente aos Srs.
capitalistas e interessados no commercio, que queiram dar emprego seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de accoes que Ibes approuver.
Algumas destas aeces ja" tem sido tomadas por pessoas que conhecem a vantagem,
de na presente occasio (conhecidamente a mellior), empregarem o diuheiro de que
poderem dispr em objectos de valor real, como vapores, predios etc., que Ibes garan-
tam seus capitaes.
A companhia possue boje 10 vapores, 6 inteiramente novos, e destes o ultimo est
a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
Alm disso est edificando vastos armazens, no terreno que possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido de 10 e/o ao anno, nos ltimos 4 annos.
As aegoes que se emittirem gozain dos mesmos direitos, e percebero o beneficio
dos mesmos dividendos que os antigos em proporcSo da entrada.
Recebem-se assignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
Assembla n. 12
COMPAiNIIIA PERNAMBUCANA
DF,
1%'areiicSo coste! ra por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso o
Tamandar.
O vapor Mamanguape, com-
mandante Oliveira, seguir para
os portos cima no dia 10 do cor-
rente a mcia nnite. Hecebe ear-
ga, ciionniinciiil.i passageiros c
dinheiro a fete no escriplorio do Porte do Mal-
tes n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
NavegacSo costeira por vapor.
Macei, escalas Penedo e Aracaj.
O vapjr Polengi, commandante
Pcreira, seguir para os portos cima
no dia l'i de abril as 5 horas da tar-
de. Hecebe carga at o dia 14 as 3 horas da lar-
de, encommendas. passageiros e diuheiro afrete at
as 3 horas da tarde do dia da saluda no escriptorio
do Ff.rto do Mattos n. 12.
3L
Rara Lisboa.
Para o Porto
1 retende seguir com a maior brevidade possivel a
i mi veleira barca portugueza Clttudina ; recebe
carga afrete e passageiros, para os quaes lem ri-
cos e exeel lentes coi mundos : a tratar com Cunta
Irmaos & C, ra da Madre de Dos n. 31.
Risco martimo
G. S. Bakker, capitao do patacho hollandez Ca-
l.'ierinc, precisa tomar a risco martimo, sobre o
casco, apparelhos, victualias, corregamento de
assucar e frete do dito navio para pagamento de
despezasencorridas pela sna arribada neste porto,
a quantia de 5 a 6:0004000, para poder continuar
a sua vigem para Falmouth. As pn postas de-
vem ser entregues em cartas fechadas at o dia 9
de abril, as 2 horas, no consulado dos Paizes Bai-
jos, ra da Cruz h. 9.
LEiLOES.
Vai sabir com brevidade o patacho portuguez
Mana da Gloria, capitao Valente. para carga tra-
ta se conxE. R. tabello ruado Commercio nume-
ro 44.___________________________
Vende-se o palhabotc portuguez Eurica, for-
rado e pregado de cobre e prompto para navegar
para qnalquer parto, de lote de 103 toneladas, pe
ga em sete mil arrobas de carne, para ver em
trente ao trapiche do barjo do Livramento, onde
est fundeado, e para tratar com Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo A C, ra da Cruz n. 57._____
Maranhdo
Para o porto cima segu com brevidade o pa-
lhabotc Joten Arlhur, por ter a maior parte do
seu carregamento engajado, para o resto que Iho
falta trata-se com Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C. ra da Cruz n. 57, 1" andar.
Para Lisboa
O patacho portuguez Mara, capitao Pedro Mar-
tins Branco, vai sahir com brevidade ; para carga
e passageiros, trata-se com E. R. Rabello, ra do
Commercio n. 41.
Paro e Rio de Janeiro
Sretende sahir com a maior brevidade possivel o
rigue nacional Trovador, capitao Antonio Dias de
Lima, com destino ao dito porto, recebe carga e
escravos a frete : a trata com es consignatarios
Marques, Barros & C, no largo do Corpo Santo n.
6, 2- andar.
Lisboa
Segu com brevidade a barca portugueza Perei-
ra Rorges por ter parte da sua carga prompta :
para o restante e passageiros, trata se couiOlivei-
ra,|Filhos & C, largo do Corpo Santo n. 19.
Para o indicado porto pretende sahir em pou-
cos djas a veleira e bem conliecida barca Social'
capitao Rocha, por ter a maior parte do seu car-
regamento prompto, e para o resto que lhe falta
e passageiros, para os quaes tem bons commodos,
trata-se com o consignatorio Joaquim Jos Gon-
^alves Beltrao, ra do Trapiche n. 17.
Rio de Janeiro
Para o indicado porto segu com muita brevi-
dade o veleiro e bem conhecido briguc Adelaide.
por ter a maior parte do carregamento tratado ; e
para o resto que lhe falta e escravos a frete, tra-
ta-se com o consignat irio Joaquim Jos Goncalves!
Beltrao, ra do Trapiche n. 17,
LEILO
|[>c 4 calxas com cigarros flor
de fumo do Para.
1IO JE.
O agente Pinto far Icilao as 10 horas do dia
cima dito de 4 caixas com massos de cigarros
vindo* do Para no u timo vapor para este porto,
o leilio ser cffectuado no escriptorio do ^referido
igente ra da Cruz n. 38.
avariada.
HOJE.
O agente Pinto far Ieiliio a requerimento de
1). P. Wild, por authorisacao do Sr. cnsul de
Franca, em presenca de se chanceller e por con-
ta e risco de quem pertencer, de urna caixa mar-
ca VP n. 80 com 80 pecas de tarlatana avariada
u bordo do navio francez Fgaro, na sua ultima
viagem, do Havre para este porto,* o leilo ser
cffectuado as 11 horas do dia cima dito no es-
criptorio do referido agente ra da Cruz n. 38.
LEILAO
HOJE
linar la-fe i i'a 9 de abril as 1
horas.
O agente Pinto far leilo a requerimento do
tutor dos menores filhos da finada Balbina Mara
da Conceicao, de um bah de flandres com rou-
pa e um bahusinho de tartaruga com diversos
objectos de ouro pertencentes a mesma finada,
isto as 11 horas do dia cima dito em seu escrip-
lorio rea da Cruz n. 38.
De
LEILAO
O barrls com piche e O
ditos com alcatro.
1IOJE
O agente Pestaa fara leilo por conta e risco
le quem pertencer de 10 barris com peixe e 10
utos com alcatro no dia cima mencionado as
11 horas da manhaa no trapiche do Cunha Forte
lo Matos.
Rio de Janeiro
Segu eom muita brevidade para o porto cima
a escuna dinamarqueza Elise, tem a maior parte
do seu carregampn.o engajado : para o resto que
lhe falta trata-se com Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C-, ra da Cruz n. 57, 1 andar.
C0MPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Havegaco costeira por vapor.
Mamanguape.
O vapor Corurpe, commandante Penna, seguir
para o porto cima no dia 12 do corrente as 6
hsras da tarde, recebe carga, encommendas, pa-
sagens e dinheiro a frete at as 3 horas da tarde
do dia da sabida no escriptorio do Forte do Matos
ii. 12.
Para o Porto
pretende seguir com a maior brevidade possivel a
barca portugueza Seguranra ; recebe carga e pas-
sageiros, para os quaes te'm excellentes commo-
dos : a tratar com Cunha Irmaos 4 C, ra da
Madre de Dos n. 34.
IJ
de saceos vazios avariados.
HOJE
Por intervenco do agente Pinto, em seu es-
criptorio ra da Cruz n. 38.
LEILAO
de botes e pertences de navios.
A 9 do corrente.
O agente Oliveira far leilo por ordem do Sr.
cnsul de S. M. Britannica e em presenca do res-
pectivo Sr. vice-consul e por conta e risco de
quem pertencer, precedida a comprtente autori-
sacao da alfandega e com assistencia de *nm em-
pregado fiscal desta reparticao de 2 botes e 1 lan
cha, pipas para agua, balea para carne, tanques
para azeite, balaustres de latao para prtalo, ca-
deira e bancos, galheteiro, pedacos de madeira e
cabos, encerado, cesto, mastro de bote, escova
grossa, rolos de lonas, macos de lios. colxo e tra-
vesseiro para sof, manga ou ventilador, 1 botica
e 1 lerae, tendo tudo pertencido a galera ingieza
Fmnn, que encalhara sobre a-pedras do arrecife
prximo a este porto.
Soxta-Tira 9 do corrente
as 11 horas da manhaa no luzar do desembarque
(antiga Lingoeta) deronte do armecem da viuva
Itayniond.
IGUALMENTE
se far leilo na mesma ocea^ao de 3 botes cor
remos e raais pertences que foran do navio in-
5le Lord Palmerton,, perdido em alio mV a 18
e mareo ultimo._______________
LEILAO
De um sobrado de dous andares e sotiSo
em chaos foreiros a ra da Seneala No-
va n. 16, rende 60$ mensaes.
Cordelro Klmdes
competentemente autorisado far leilo do sobra-
do aeima, isto
Sexta-feira 9 do corrente-
as 11 boras a porta do predio que foi a Assoeia-
eo Commercial largo do Corpo Santo.________
LEILAO
DE
Um sobrado de um andar e soto, co 4 quartos
no soto e 3 no primeiro andar e um na escada
para escravos, tem duas lojas, na ra Velha n. 92,
lea o oito para o pateo da Santa Cruz, com quin-
tal e cacimba.
Urna casa terrea na ra Velha n. 90, com dous
quartos grandes.
Um terreno coberto coni 5 portas de frente para
o pateo da Sania Cruz n. 1, Tica nos fundos do so-
brado.
Cordeiro Simoes
legalmente autorisado far leilo dos predios ci-
ma, os quaes podem ser examinados por quem
pretcnler, cojo leilo ter lupar no da
Sexta-feira 9 de abril as H horas na porta do
predio que foi a Associacao, largo do Corpo Santo
PaTii cosinbaf
Protisa-se de um ocrava que cosinhe bem : na
roa do Crespo n. 23.
Prerisa-se de uiua ama para cosinhar para
casa de pouca familia: na na doCaldeireiro n. 58.
Eu abaixo assignado declaro pelo presente,
que vend ao ao Sr. Miguel Agostinho llamos Ma-
chado, a armacao de minha taberna sita a ra
Dir,eita n. 50 livre e desembarcada de. todo e qual-
qaer debito. Recife, 6 de abril de 1869,
^^^^ Jos Joaquim Tixera
Aluga-se um bom cosinheiro e copoeiro : na
roa do Imperador n. 50 terceiro andar.________
Precisa-se de um criado para compras e
recados: na casa n. 28 da rna dos Colhos.
fl Aluga-se um sitio na Torre, com 5 quartos e
duas salas, e cosinha e quarto fora : a tratar eom
Andr de Abreu Porto.
AVISOS DIVERSOS.
Jos Soares de Azevedo, professorde
lingua e lilteratura nacional no gymnasio
provincial do Recife, tem aberto cm sua
casa, ra Bella n. 37, um
CURSO DELINGUA FRANCEZA
DE GEOORAPHIA E HISTORIA
DE PUILOSOPHIA
DE RHETORICA E POTICA.
Os estudantes qne prctenderem frequen-
tar qualquer destas discipliuas, podem diri-
gir-se indicada residencia, de manhaa at
as 10 horas, e de tarde a qualquer hora.
Club Pernambucano
A partida do corrente mez, ter lugar
na noute do dia 24. ____
Trilhos Urbanos do Reeife
Olinda.
Pergunta-se aos Srs. directores proviso-
rios desta companhia, em que estado vo
sens negocios, e quando pertendem pedir
a primeira prestacao para verificar os subs-
critores que tem de eleger a direccSo effec-
tiva.
Um subscritor.
Rio de Janeiro
Zefirino de Almeida Pinto, advogado no
Rio de Janeiro e com escriptorio de agen-
cias na ra dos Pescadores n. 68, encar-
rega-se de todos e quaesquer negocios ju-
diciaes e administrativos, mediantes hono-
rarios e commissoes rasoaveis e modera-
dos.
As pessoas que de seus servicos se qui-
zerem utilisar, podero dirigir-se pessoal-
mente ou por carta ao escriptorio cima,
ou a casa da residencia, Cattele n. 137,
acompanhados de todos os documentos
precisos, e com indicacao da pessoa com
que se possa tratar.
Para mais informacoes dirijam-se a bo-
tica da ra Larga do Rozario n. 10 nesta
cidade.
Molestias do peito.
A farinha de S. Rento o nico alimento capaz
de ser supportado pelos estmagos fracos, o mais
conveniente pelos seus bons resultados as pessoas
atacadas de molestias do peito, aos convalescen-
tes, s pessoas enfraquecidas por toda a qualidade
de excessos e s senhoras que teem perdido as
cores pelas perdas de sangue : nico deposito, na
pharmacia do Pinto, ra larga do Rosario n,. 10.
M11 LOTE
Precisa-se de urna ama de leite que seja de cor
parda ou prcta : a tratar na ra
3o andar.
da Cruz n. 59,
Luiz Manoel Filgueiras deseja fallar com o
Sr. Jos Luiz Pinto da Costa para negocios de seu
interesse, e roga-lhe que se dirija casa dos Srs.
Vianna & Guimares.
Luiz Manoel Filgueiras participa ao respei-
tavel corpo commercial de Pernambuco, que desdo
1 de marco do corrente admittio como seu socio
o seu caixeiro o Sr. Thom Leite de Oliveira, cuja
firma gyrar sob Luiz Manoel Filgueiras & C.
Precisa-se alngar urna escrava ou ama forra
que saiba cozinhar e engommar; tambem se com
pra urna escrava moca com as mesmas habilida-
des, garantindo-se a sua boa conducta : quem pre-
tender, dirja-se a ra da Imperatriz n. 23.
Ama de leite.
Nutrimento
MEDICINA!
PREPARADO POR
La ii man dLKemf
PARA
Tsica e toda a
qualidade de do-
encas quer seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Express a-
mente escolhido
dos melhores li-
gados dos quaes
se extrae o
Oleo, no banco
da Terra Nava
purificado chi-
micalmente, e
suas valuaveis
propriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido submettido
a um exame
muito severo, pelo chimico de mais talen-
to, do governo hespanhol em Cuba, e foi
por elle a coriter,
MAIOR PORgO DIODINA
do que oulro qualquer oleo, que elle tem
examinado
IODINO E' UM PODER SALVADOR
Em todo o- oleo de ligado de b'acalho,
e naquelle no qual contm a maior porco
d'esta invaluavel propriedade o nico
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Tsica, bronchites, asma, catarrho, tosse,
resfriamentos, etc.
Uns poucos frascos d cantes ao muito
magro que seja, clarea a vista, e d vigor a
todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
ohecido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodando
quasi nada o estomago.
As pessoas cuja organisacSo tem sido
destruida pelas affeccoes das
ESCRFULAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas cuja digesto se acha com-
pletamente desarranjada, devem tomar
0 OLEO DE FIGADO DE BACALHAO
DE
Launaan il Kemp,
Se que desejam ver-se livres eisentas
de enfermidades.
Acha-se venda nos estabelecimentos
de A. Caors, J. da Conceic3o Bravo d- C.
M. A. Barbosa, P. Maurer A C. e Bartholo-
meu A C.
E em todas as principaes lojas de perfu-
maras e boticas.
A ESMER
Na roa da Penha n. 25, Io andar, se precisa de
urna ama que tenha bom leite e que nao tenha
filho.___________________________________
Rallar, Oliveira & C. sacain sobre a praea do I
Porto.
N. 3 RA DIREITA N. 3
As pilulas, o xarope alcohlico e
o ethereo de veame, conforme a
formula do finado pharmaceutico Pa-
ranhos, assim como a pomada con-
tra as inchacoes erysiplosas, acho-
se venda, na botica de Francisco
Antonio das Chagas ra Direita n.
3, defronte do armazem de molha-
dos denominado viado branco. Es-
tes medicamentos teem sido e s5o
dos mais enrgicos agentes auxilia-
dores da natureza na debcllac5o das
doencas, servindo de grande alivio
a humanidade soffredra, principal-
mente aquelles, que dispondo de
poucos recursos e nao podendo por
muito tempo permanecerem em um
tratamento talvez intil, pela ineffi-
cacia de certos remedios, recorrem
elles ;e por st oasss recom
mendados se tornSo, para as pessoas
que soffrem de rhumatismo, escr-
fulas, ulceras, impigen&, erysipla,
tumores nos ossos, tosse, asthma,
amenorrha ou suppress5o.de mens-
truo e menstruaco difficil, sendo
porm usados conforme a direccao
escripia que os acompanha.
Cao
Mor eir Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
praca. e por precos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciossas.
\. : H \ DO CVBIGA X S
5
O
Q

O
6
I
I
o
b
a
o
E
cu
tn
-O
<
CU
ce
i
3
O ,
003
I 21*1
- re .-. 9 "
5 ja
o
^.2 o
2 I
O aj o) ._
7 s e 3
? 9 5s 2
tfi C 1
cO iu (Q O)
ai Z O ^-
c o 6-
8
9

8 4 r
81


2Lq>
o p
O 0)13
llftl
-illa
89
ai 3 a}
co o a
ai ca H
..... LE^^IEkI ...1.1.
Desappareceu no dia 4 do corrente urna cachor-'
rinha ingieza com os signaes seguintes : branca
com manchas pretas, cauda cortada, muito gorda :
a pessoa que a tiver ou adiar, dirija-se a roa da
Peuha d. z5,1 andar, que ser recompensado.
PEDIDO
Pede-se ao digno chele das obras publicas que
lance suas vistas para o mo estado da estrada da
Victoria no lugar das Areias.
Um padicente.
..GRIWAUlTcC- PHARMACE-JT1C0S tv PARIS^
Todos os meios at hoje preconisados contra a asthma nio tem sido mtis do que palliatiroc
Jebaixo de todas as formas, tendo por base a belladona, o estramonio ou opio. Recentes expe-
riencias feitas em Allemanha, repetidas em Franca e na Inglaterra, tem provado que o cnamo
indio de Bengala possue as mais notaveis propriedades para combater essa tenuvel affeccio,
assim como a tosse nervosa, a insomnia, a tysica laryngea, a roaquidlo, extinecio da tos,
e as nevralgias faciaee. E' pois com o apoio da sciencia que offerecem os estes cigarros, prepara-
dos com o extracto de dinamo das Indias, qne nos importamos de Bombaira.
Deposito em Pernambueo, em casa de Mmmwm O*.
llXUXlXXlU.lliUllli.lll* iJ
EPIDEMIAS
O LICOR DE LABARRAOUE um preservatTO seguro em lempos do
epidemias: cholera, fefare amarella, peste, typho, etc. Devem evitar-se as fal-
sificacOes as quaes sao a maior parte das vezes mal preparadas, sendo por isso
man nocivas do que otis. Deposito em Pari, L. FRERE, 19, ru Jacob.
. J>uponcheUe; B. Tetdorpf. rwiwkn, Umtrtr.
ANNEL DE OURO
RIJA
EO
CABUG
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual, esquina
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender. **** L lardado
A vista da qualidade e do prepo .das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.l arffa
Gsrante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele- Rosario. ni
vados. fi
A loja est aberta at s 9 horas da noute. (II


Diario de Pernambuo Quarta felfa 1 de Abril de 1869.

Trocam-se
s notas do banco do Brasil e das eaixas flHaes,
om descont muito razoavel: na praoa da Inde-(
pendencia n. 22.
Comida para fra
Na. ra estreita do Rosario, sobrado do um an-
dar n. 35, continua-se a preparar almoco o jaa-
tar em urna casa Je familia, e manda-se levar,
ludo com proniptiiSo e asseto. ^lttt
r ATTENCAO S
Jos Vital de Negreiros,<.com lojV
e olllcina de Garfees, ra do Im-.
pe ador a. 30, vende, troca e con-
ecta toda e qualquer obra de oaro
ou prata, por preco muito mais
\ barato do que em outra parte, pa-
I ra o que tem sempre completo
SI sortimento de joias de esmerado
| gosto e feitios, assim como, tem
| bons artistas para desempernar gjj
g todo e qualquer concert ou encom-jg
menda, no prazo o menor possivoWH
e a contento, como do seo eos- m
turne, o que tudo faz por preros.
muito commodos
wmmmm
Joaquim Jos Gon-
palves Beltrao
RUa DO TRAPICHE N. 17, 4. ANDAR.
Slcca por todos os paquetes eobre o Ban-
co do Miimo, em Braga, e sobre os seguin-
tes Logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
,ralenca.
(luimaraes.
Coimbra. r.-
(Ihaves.
Viseo.
Villa do Conde.
treos de Val de Vfez.
Yranna do Castello.
1'unte do Lima.
Yttfa Real.
Villa-Nova de Famalicao.
Laawgo. ,
Lagos.
Covilha. i
Vassal (Valpassos).
Vrandella.
Beja.
Barcellos.
BARTHOLOMEU & C.
Resta venda um cscoltiido sorttmento de ob-
jectos de marcineria, como sejam, WpmUas de Ja-
caranda, nitijinoeainarello, obra nacional c cstran-
eira, de apurado go-to e por preso- razoaveis:
na ra estreita do Rosario n. :i. Nesta mesma
casa fazem-se com perfetcSo todos os trabalhns de
palhinha, como sejam, cmpalhamoiitus de .lastros
para camas, cadeiras e sophs.
A taberna do rateo do Terco n. 4
que pertencia a Jos Dias Marques, fica
boje pertencendo ao mesmo Marques e An-
tonio Luiz da Silva, a qual gyrara na razao
de Marques & Silva.
Recife 1 de abril de 1869.
11
lTILimE
Aos 500 pares de brincos.
Chegou o vende-se no Coracao
d'Ouro, ra dojCabug, brincos de
mlostnhas cotn"uma franja penden-
te a um rico desenho e ouro de
lei, pelo pequeo preco de 15#000
cada par. baralissimo.
Ama
No becco das Barreiras n. >, precisa-se de urna
ama capaz |iara o servico interno e externo de
casa de una s pessoa.
EMPRESTIMO SOBRE
L_
- A pessoa que atinnnciou ter pratica d
cus e mol hados deixe, carta nesta typographia com
1' iairfott P P, indicando quaes as-pessoas que
p xJem informar a seu respeito.
...ni m m wsm^sss
Alvaro Urboa Cavalcanti tem escripto- jjgjt
rio de advocacia ra da r.imboa do &n
Carino n. 8. 1" andar, onde pode sor pro- fj
C| curado para os misteros de Fu nfoflssao
mm
w*
(SEM LIMITE.)
\a Iravessa da
das Cruzes n, 2,
meiro andar, da-se qual-
qner quanlia sobre ouro,
prala c pedras preciosas, i
O dono deste estabelecimento, jgg
competentemente autorisado pelo 8
governo, esta as condicoes de g'a-
rantir a transaccao que se fizer em |
sua casa, prometiendo todo e zelo S|
e consideracao s pessoas que se fff
dignarem de lionra-lo em seu esta- Ud
belecimento.
Na mesma casa corapra-se ouro, 83
5 prata e brhajites.
Auia de leite.
Precisa-se .le una ama de leite sem fillio : a
tratar no Coracao de nro n. 2 D, ra do Cabug
Caixeiro
Offerecc-se paca caixeiro de cobranza ou qual-
quer outru mistar, m moco de boa conducta :
fdo ser procurado na casa "dos sentimos Bastos
rmao, ua ra do QMpiniado n. it>.
Massa fallid!;) le asto
A- Lemas.
Tendo os administradores da massa fallida de
Uasto & Lomos, leito em tempo o seu pritneiro di-
videndo de 10 o o, na impurtaarh de cerca de
00:0003, como consta dos recibos dos scnlioros
credores, nosresperiivns autos .da fallencia ; tam-
ban tem altimamente ivalisado o pajiamento do
segundo dividendo de 3 0/0, eajjruns do primeiro
me entao n|o K^eberam ; e romo deste ultimo
dividendo t|tie monta a i">:QG7&92i anda restam
pagar se mis R2v2'J7 que pertonei'm a oiuo ere-
dores de monores quantias, visto como > te Km
pago, desde 16 de novemhro ultimo a 16 de feve-
reiro pjoxiui paisado, a tpiauiia de i'f.ikli.
Toga-se de novo a&\ sonhores rredoros d referi-
da massa, que anda nao reeebjjram tuuiclles seus
lvidendos, pai que tenhain a bondade mandar
receber, apresentando os respectivos ttulos para
sorem averbadbs, no terao do Corpo Sauto n.6, Io
andrr. Os mesmos administraduree, aproveitando
o easejo, rogam muito encart-fidamente a tnds
os senhores devptlores i e-parid favor de manda-
rem saldar seus dbitos, atlm de por este modo
se proceder como desejam a liquidacao i'mal da
referida masa.
f*l. Ferrcir.1 viloSii. '
3hotographo da casa imperial
premiado em diversas exposi-
Qoes.
Na sua photographia ra do Cabug n.
8, entrada pelo pateo damatriz tira retra-
es por todos o systemas pbotegrapiicos.
Em porcelana Em vidro
Em talco Em papel
CART ES DE VISITA A 9$ A DZIA.
Os retratos carte-de-vinite sao collados
r.i cartao de luxo bristil ou porcelana,
lourados ou lithographados, quadrilongos'
>u vinhetas para o que existe urna- vorieda-,
le de 12 modelos a escolha de quem se re-
ratar. Para as outras espet:ies de retratos
eraos caixinlias, ptwe-par-touis, quadros
i molduras douradas o pretas cassoltas de
mroe alfinctes simples ecom pedras pre-
nosas, bavendo nos alQnetes urna mimosa
ariedade de feitios. ^^
0 nosso estabelecimento photograpbico
st sempre em dia com os mellionunentos
i progressos que na America do Norte, na
uropa ou no Rio de Janeiro seconsegue
a arto pbotograpbica, e para aloanfarmos
l m nunca poupamos despezas nein sa-!
ificios, de sorte que os nossos numero:
reguezes podem ter a certza de que se
>re encontrarao em nosso estabelecimen
udo quanto a-arte e a moda offerecer
lom no novo e velbo mundo aos aman
la photogranhia.
- |PARA USO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES
Xarope de jurubeba garrafa. 1(5000
Vinlio de jurubeba garrafa. 10600
Pilulas de jurubeba vidro. 1)5600
Tintura de jurubeba vidro. 640
Extracto hydracoolico de jurubeba. 12500
PttEPARADOS C0MP0ST0S.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2 Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 1#600
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 21000 .
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurobeba pote 640J
Emplastro de jurubeba libra. 2#300
PARA USO EXTERNO
f;A JURUBEBA.
JQjEata planta boje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excel-
Icnte desobstruento, e como tal applicada nos engorgitamentos do flgado e ba?o, as
hepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflammaces
subsequeutes as febres intermitentes ou durezas, nosrabeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, na hodrope-
zias, erysipellas ; e asso'iada as preparacoes ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, cbioroses, faltas de menstruaco, lencorrheias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
0 que dizemos alfirmam os ntais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Ilims. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a excellencia d'este
poderoso medicamento sobre os lemais at boje conbecido* para todos^os casos citados,
tantojque todos os dias fazera d'ellc applicac^o.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por im generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que al boje sentiara os doentes de usar dos preparados empricos d'elle. e
mais das wzes repugnantes a tragarem-se, e que tinliem ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, p que torna muitas vezes improficuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram a presentados depois dehavermos conveniente-
mente cstudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bemeonhecer aspro-
priedades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas, fructas o bagas, e a
dose conveniente a appiicafjb, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao rnaior sro de perfeicao possivcl, para o que nao poupamos esforcos, nao nos im-
portando o nouro ncro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
vel cura de quaiquei dos soTTrimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolber as nossas va-
riadas preparares, atptella que melhor me pode convr, ja pela fcil applicago, e j pela
complicacao das molestias, idade, sexo, ou anda natureza de cada individuo.
As nossas preparacoes ferruginosas s5o feitas deforma que se tornara comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompostos de ferro que
como taes esto boje reconbecidos.
Para aquellos que mais minuciosamente quwram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a appllcacio de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um foiheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
Botica c fiociti'f a
3iRa larpa do Rosai io34.
Do xarone Vcela! Ancrlean,epeclalMadedeBaitkolomen t o.
34RA LARGA DO ROSARIO34
Nao costumamos procurat attestados para aaeditar nossos preparados, e dei-
xamos que sua applicac3o eos resultados obttdos petes pessoas qtfe se dgnaram acceita-
los.Jbes deem crdito e voga; porque sio secntre os attestatlos considerados gratuitoa,
e delles que lancamo ocbarlatanismo; mas, nao quereodo offender as pessoas qw
espontneamente nos olTereeeram os que- abaixo vo transcriptos, os fazemos publicar,
manifestando-lhesnossa-gratidopela attenco, esperando que venham elles corroborar
o conceito, e acceitaco que tem merecido nosso xarope.
- Bartholometi & C.
ATTESTADOS
Illms. Srs. Bartholomeu 4 C- com a mais subida satisfaco que declaro
ser o xarope Americano de urna efficacia extraordinaria, pois que soflrendo lia dias intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamento
que tomava, a elle recorr e na terceira colher fui alliviado, e de todo me aclo hoje res-
tabelecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois/ esse resultado mani-
fest a Vv.*Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obligado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu & CPenhoradissimo a>m o favor que me fizera^
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, quando me acha-"
va bastante doente de urna consflpacao, que me tornou completamente rooco e qua
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus deveres (e cantor di
empreza lyrica, vou agradecer-Ibes meu completo restabelecimento, que obtive com um
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a moitos tratamentos. Desejarei
que outros como eu recorram ao seu xarope para se verem alliviados de to terrivei
incommodo, to fatal neste paiz. Com maior consideracao contino a s< r de Vv. Sa.
atiento, venerador e obrigado.Luiz Cremona.
Recife, 25 de setembro de ISliS.
Illms. Srs. Bartholomeu & C.0 xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. tee
exposto venda de toda efficacia para o curativo d'asthma, conforme obst rvei appl-
cando-o a meu fiiho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'esse flagello, que st
ento por espaco excedente a dous annos havia resistido a out/os xarope de grar.d
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expresslo altamente sincera de meu rece-
nhe.cimento ao meritorio senico quelhe prestaram com o indicado xan pe, acreditaa-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, altento e obligado.Amcrico Nctto de Rlendnnca.
Recife, 2 deoutubro de 1808.
- '/-:
DOENCAS DO PEITO
XAROPE D'HYPOPHOSPHITO oe CAL
'GlMAULT'E. C'-A PHARWIACEIUTICOS EM PARS II '
A efficacia d'esta preperaco est estabelccida desde<857, pelos mais celeb'res mdicos. Desde
entio muitas mita8es tem sido feitas, mas nenhunaa peude susteotar a comparacSo com o
producto apresentado pela nessa caza. Por iseo excitamos o publico pare que exiga sempre
este xarope com urna bella cor de rosa, nunca branca, e com a nossa assignatura roda do
Irasco.
Sob a sna influencia, a tosse acalma-se,os suores nocturnos cessao e o doente vol?e rpida-
mente -sade. 0 seu empreo d lambem os mais brlbanles resultados nos definios, catar-
rhos, bronchites, irritaces do peito. ete.
Deposito em Pemambuco. em casa de Mima o*.

RK2IDEMIA
0 Dr. Cusmo de S;i Pereira niudou sua residM"
ca para a ra do Imperador n. 22, Io c 2- anda-
ros, onde contina no exercicio de sua proflsslo
nediea, para o que pode ser procurado a qual-
ioer hora do dia ou da noite, nos cacos graves.
Codos os dias das C as 9 horas da manhaa, menos
ios domingos, dar' consultas iodeslinlamenle a
Frederico Maia
Clrnrgio dentista pela escola
de medicina
do Rio de Paueh'O.
Tem a honra de iiarticipar ao respehav publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o
seu gabinete do coasuJuis e ^>nerapea dentarias a
ra Direita n. 12, primeiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da mar.!., a as
3 da tarde. Elle acha-so competentemente habdi-
tadopara com perfeicao collucar denles arftciaee
por qualquer dos systemas, c bem assim desemp-
uhar tpialqner outro Irabalho concernente sna
profissao. O mesmo, reconheeendo que neni sem-
pre possivel s senuoras oa crianzas sahirem a
procti aro remedio, offerecense a remover quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tar a qualquer chamado sem que isso'influa cousa
)lhos, do peito, c dos orgos genito urinarios ; e
[liando o caso for cinirgico, praticar as opera-
5es que julgar conveniente para o restabeleci-
ento do seu cliente.
Cozinheiro
Pr cisa-se de um cozinheiro ou cozinlieira : a
tratar na ra do imperador n. 73, ** andw. .
Precisa-se de una mullier capaz e de bom
genio para criada de portas dentro, sendo para
cosinhar, engemmar e lavar para doias pessoas,
rna Direita n. IQ, loja d'* miudezas.
Aluga se a loja djsubradti n. 32, sita pra$a
a Boa-vista : a traty na rna do Alecrn n. 3.
D-se a juros a quihitia de f :300l wb hy
nsthcca em predio igdobrado valor, livre e de
liml-iuer pessoa, sobre qualquer ponto de sua pro- ,a'^ma na wmmo* Uno, c com especial cuidado sobre molestia t de i Um, liando para ora dalla assun mesmo sera
--:.- precedido de um ajuste rasoavel, gaianlindo elle a
seguraiKj-a e jicrfeicao de seus ditos Irabalhos. Em
seu giibinete se encontrar constantemente excel-
lente|KJs aeotifricTo. elixir e outros medicamen-
tos odontalgicos : a ra Direita n. 12, primeiro
andar.
GUM DOS CALLOS;
PELA
Pomada galoupeau.
Deposito especial
Pbarmacia de BarthoJomeo & C.
-Ra larga do Rosario-----34.
Piilftcfra perdida
Peidcu se na noite do dia 31 de marco prximo
assado, da rna. do mperadar para o toeatro, ou
todo*! nesmo no iheatro, urna pulseira de ouro : quca
i acbou, querendo restiti-la, pode levar uo I
indar do sobrado da ra da Cruz n. 38, que ser
recompensado, se o exigir.
emh.ir,.calo : lirija^e ,i ra nova de Santa Rita
n. .)i, que se dir qaoni d.
Prccisa-se de una ama part cwintwr
rua do Livramento n. Ib
'intuir bem c fazer compras : no Corredor do Bis-
na l' n. 23.
Xrilho* urbaau de
Awigna- e na rna do Tonvs n. 20, naenpmro
do eon'etor geral tiooca lo Jos AfCoao.
Miguel Senra Martins, sDbdito~lie$panbnl,
jctira te. para Europa a tratar de sua unde.
AJiiga-se o segundo andar do sobra io d
ra Nova n. ."8.
Ni na ila Cruz o. O. 2' atilar. precisa-ai
ileaw ama de cor para rotlo o servico.
Precisare de urna ama para casa de pone
tMrtKa : a tratar na ra' tro Sol, armazem de nu
Beseja-se sabor iiuew o
m to no pal,, ,]0 Tetro il
pj-tip^-ietario da
30. pafa saber
Alnga-se o 2. andar da ra das Agoas-
Wriles n 86 : a tratar na rna das Crazes sbra-
lo n. 0 l. andar, das 9 horas ao meio dia.
ATTESO-"
Aluga-se um sitio na estrada do Rosarinho com
iwa casado viventla, accommodajoes para escra-
"0, cocheira, estribara, duas cacimbas, tasque,
tinas baixas para capin : quem pretei.d'-r alugar
i irija-e prajp da )oa-Vista, botica n. 6-
Precisa-se de urna criada forra que comnrM
[ara o servico de pequea familia : na rna Direfc.
tita 7fl,* andar. +> _______ "
PTecisa-se alugar urna eterava que saiba co
Cusa radical das her-
nias.
Hatantida uamaiot-parte dos-oasosMr
ifieio de ura tralaaaeota simples fcil a se-
iruir, tanto para as criancas como pari
idultos e mulhere sem operaeo, scmdie-
la partioilar, pedeado o doente conlinoar
i mi sea trabalbos sem ern-ommodo,
Vo Rio de Janeiro
DiTRAV^im DE S. Fli4NCICO D^th..'. 1%
Consultorio do Dr. fasster.
Mais de 300 attestados dados jk>p leen-
es curados e conbecidos, nao deiaam duvi-
da nenbuma sobre a eflicacidade (taM-cim-
Attenpao .
Manoel Augusto do Menezcs Costa, pro-
fessor de msica, contina a dar lices de
sua arte, tanto vocal como instrumental,
em casa particular ou em alguna collegio;
assim como tem aberto urna aula na casa
de sua residencia na roa da Palma n. 53.
GRANDE HOTEL
ORIENTE.
Inaugurou-se
elegante
este commodo e
estabelecimento d'onde os seus frequenta-
dores poderao apreciar a especialidade na
confeceo dos gneros alimenticios.
As'bebidas s3o as mais primorosas e re-
comraendadas.
A decencia e bom servieo primam n'esta
casa no bello gos|o oriental.
Mandanj-se domicilio enmedorias, tanto
avulso, como per assignatura mensal. Os
preeos s3o mdicos e convencionaes.
Ha urna espacosa e bonita sala para o
elegante jogo de bilhar.
lia tambem aposentos commmodos e bem
mobilhados para bospedagem.
Ra larga do Rosario
44.
n.
MARTIMOS
ha
A Companiiil Mata praca, toma segaros.taaritimos sobre
avios e seus carregamentoa e contra fogo
xn edificios, nierqsdorias #e mobilias: aa
na do Vigario aA pavimento lerrao.
Precisa-ge m orna ama portogueza para
casa de hornera solteiro, na roa da Boa-Hora, de-
rronte da groja, na cidade daOUnda, ta#erna : a
'retar na mesma ou na ra do Imperada n. 28
s*1--------:----------------------------------------------
PEDIDO
Pede-se ao Sr. Manoel da Costa Pereira, prati-
cante da reparticao das obras publicas ora em
Jaboato, que comprela ra Augusta sobrado
n. 102, aliin de saldar o sea debito ou pagar o
que poder e isto com brevidade.
Fundicao da Aurora.
Neste vasto astabeleclmente sempre se.encontra
um completo sortimento de taixas de ferro batids
e fundido, fabricadas recentemente, e se fabri'.iiu
de qualquer molde a vontade dos compradores, e
recos razpoaveis.
DE
DE
'J. VIGNES
N. 55RA DO IMPERADORN. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao boje assz conhecidos para seja necessaa
insistir sobre sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos o mpradorea
qualidades estas incontestaveis, que elles. tem definitivamente conquistado sobre todoa
os que tem apparecido nesta pra^a; possuindo um teclado e raacbiiiismo qn betem
< todas as vontades c caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por seren fabricado
de proposito e ter-s fcito ltimamente melboramentos importantssimos para o clima
desf paiz; quanto s vozes s3o melodiosas e flautadas e por isso muito agiadawis ao
ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Bien-
del, de Pars, socio correspondente de J. Vignes, cm cuja capital foram smipre premia-
dos em todas as exposices.-
No mesmo estabelecimento- se adiar sempre um explendido e v?rado sorii-
menlo de msicas dos melhores autores da Europa, assim como harmonices e piano
harmnicos, sendo tudo vendido por presos commodos e razoaveis.
RA LARGA BO ROSARIO 137

Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia cm dia quanto possivel para ebe-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos sdborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseo, tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e hygiene, temo-la sempre em abun-
dancia para facilitar excellentes banhos.
CIIARUTERIA E PETIT BESTAIUAM
Annexos ao Hoiel Central, ra estreita a
Rosario n. i A, andar lerreo.
Para dar a conliecer a vaiiedade infiniu
de cliarutos de ilavana, Babia, liio. ele. qat
existem neste novo estabelecimento prea-
cindimos dos annuncios pomposos que ge-
ralmente se fazem, reduzindo-nos apenas i
tres letras que silo tres bbb bem, bont'.r-
barato. A' vista do genero anntincado po-
dc-se julgar de nossa veracidaiie. Estacaba
Ha tambem urna boa bibliotheca e perio- gosa tambem das condiroes de um eteganta
dcos naconaes e estrangeiros, piano para e pelit restauraiu onde se |x'(ie- ver a ea-
recreio, buhares, etc. etc. pecialidade dos fiambres e salames de Lioa
Sendo ociosa qualquer recommendagSo para lanclies e at fazer una boa colacSo,
para to acreditado estabelceimento, omit- juntamente com os principes vnhos da
timos mais prembulos, fazendo ver*por mercado, sobresabindo entre o bem a pura
im, que o bom servico, ordem e moralida- e fervente champagne, o mui ttbSMM ih
de mperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa cerveja, o licor espiritaos^,
fiel do regulamento que possue. o quanto pede tima mesa. Faz-se cent
Comedorias a la carte. sorvete fe variedade de refrescos.
Tendo montado nina completa officina para concento e akinaco dk rwiM
lendo contratado para o mesmo im o experimentado contra-mestre Sr. A. UastouT
chegado da Europa pelo ultimo paquele.teni a honra de recommendar esto sen estebeie-
cimento s Exmas! familias Pernambucanas, prometiendo promptidSo e perfeco i^
trabath.
Ra Forniosa n. 14
Se for bom.
Pagar-se-ha bem um moleqne que se pretende
alugar : na ra larga do Rosario n. 4i, i* andar.
Em casa de TUEODORO CHRISTI-
ANSEN, ra da Cruz o. 1, enomtram-se
''fiectivameule todas as qualidades de vinho
llordeaox, Bourgogne e^.d* Rheno.
M

Alaa-se um grande sitio com ca,a e
trvwtKmtropno para ter gado, la wnt
de -. af^ta^r^fia-rfcdat^dHiTtfo^ijej^"*" r
rljivo. v, ^^-'a
intl tva maisiAform.Tcries, na'nu doi^e-
(.taT rador n. 32, das oito s nove horas da

JIAXIFKWTO
aa
Centro liberal
Drochura in 8
11600
RARIA FRANCEZA.

Maa-aadauaii ruadalaae,
ador s. 73, S* andar.
rianhaa.
u.13. i* _
Ama
P ecisa-se de urna ama que saiba cozinhar para
casa de hnraem soltciro : na ra do Crespo nu-
mero ao.
8r. Antoi Pr;
jo Francisco
MOFINA
iPra|ct) Dar e
uarta e san mano|
Maiiraano Francisco Duarte, venham ra
ATTE
l ai iodividiio Ja-laadade SS al
alguma> habilitaede cTnnmerciaes, quer de .ser-
ioferno tthfh df qaiqualjla*am-
merlai, e tendo afgm carne, i ment d fdiasna
francez, offerece o sen prest mo; t por isso quem
delle carecer, nucir deixar carta fechada com as
iniciaos H. C S, C;, na ruarDirrita n. 4S, ,n naJ
niadaMadrf-44DM.f
Paga-se bem.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva, de
meia idade, que cozinhe bem, para casa de pouca
familia : trata-se na ra da Cadeia do Recife n.
00, Candar.
Engento.
Arreada-s o etgenbo Gongacary, na freguetia
;4e Iguajtaaa, dtsunte desta a/aca" 5 leguas, eom
eicellente sohfado da vivenda, bons sitios de la
vradwes, capella, e ptimas trras de plantacao,
pedreiras e fornos de queimar cal : os pretenden-
-*T.iia-e a-j-ua da Impend* n. 8, primeiro:
- Francisco Pereira da CtwTa, se asignar de,
LIMA, LESSA & C.
Il-illi NHIk l-\l
O rt apoitavel publico encontrar mista officina4>abeia Baeatwt o bem conbociJi
na arte, afflancanrio-se o melhor desempeo conforme o gosto e vontade do fregoz-
a*iiTi cogt a maior pontualidada^na entreg^das obras; recebemos de Pars, por too*
os vapores, os mais modejas figulinos para nao haver nada a desejar; bem o
varias encoaimendas de casimiras modernas e outros artigos proprios para linmens :
temos grande deposito d roupas feitas de toda a qualidade, como sejam: carni. -
francezaa, inglezas, chapeo de sol. de seda trancada, o que ha de meHtor, graotf
sortimento da meias, colarinbos, punhos e grande noyidade em gravatas modernas,.;
finalmente completo sortimento de faiendas Ktas e roupas feitas, sendo os precoe-oa
mais barptos possiveis.
'> ..>--------------------- ^-~~------------- > i
nmaerador o. Tita
t'lifcKft.*, dfe urna anm ^-a* iftnhar", po^
^^rmir Jora : na ra da Cnteia n. 10.
dendo
*n*cou3eioi
cnbertn patente ingiez m
HMHil

_ taque da 14 a i8 nna : aa>
matriz de Santo Antonio n. i,
patat
3 6
bu roTugie de
J3477 com o nome
fabricante Ja Dnff e Son Castel Stt London :
ga-se a
ci
Variare sqrtimento de fazend^s de toda ajBualidade, como sjam,
--. lnlia o kr# o .a^hatt;ns iooUwdo, a^j.^1 de cbevwj-J---------
a? ianz|f"has do custo de 400 rs. a 220, 240 e 280 rs.Jsto barat
do
ro-
ta-se a pessoa qu por engao levou que tenha

-sa. 4a
riman
sut narig#
LOJA DAS FAMILIAS
^.qualidade, como s^am.
rffil de cbevwjejWWIjg

ni
s cor
, Itas de
640 e 800 rs. o covadoJMlMIV^ "r finas a 600, 640 e 720
vara, pecas de cambraas transparentes a 3*a00, ditas mais
assim comov-tapadas para os mesmos_precos, camlj
lissimo preco de 61
na roa Direita dos Afogados n. 66 A.
*



MI
Diario de Peraawbuco Quarta feira 7 de Abril de 1869.
CASA DA FWTUiKA
Ajos 4:00J
Attencilo
UUereco-se para caixeiro un moco matirculado
AjO 4:ff(K) (lo eoniiuercio, coni boa Ipra e pituca tanto para
ijlliieieS gUTlllllllLUO. che : quera precisar deixe carta fecbuda nest
Ouro e prata
em moeda e em obras inutisadas, compra-se por
bfo) prceo : na praca da. Independencia n. 22.
r
I
*6 QMA^:
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
Agua-florida de Guis
lain
outros imi-
Tintura indelevel para Ungir 05 cabellos,
sen manchar a pelle.
A bem coneciluada agua-lloriJa de Guis-
lata trae ootlo era desionhecida em Per-
nambueo, ji boje estimada e procurada
por sea eflieM insultado, e aiiula niaisse-j
r, qtiando a noticia de sea bom ell'eito a a
!\pjT':iria tornar de todos conheeida.
A aKia-lorida de Guislaiu composta ni-
camente de vegelaes inoffensivos, tem a
proprieikde extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva nos cabellos, qtiamlo estiverem bran-
cos, c llies restituir-o brillio perdido, eas-
siiu cana preservar de eiabratiijutcer, $im
ser prejudicial de modo algn
E' paren neeessario fa/.er conheeer, que
o bom resultado producido pela agua-Ilmi-
da, nao 6 instantneo, como omitas pes-
soas lalvez supponliam, mtissim ser pre-
ciso fazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
logo se obterofim desojado, corno bem
prewi testemuiihos de pesaaaa insuspei-
as, e d'entao per (liante, basta usa-la duas :
I ppi in '/.. i-.i:itaii'lo sempre com o bom
\iin. podeado a experiencia per feita em
ostra qualquer censa.
Assim pois.-sta gaa-lorida arha-se ven-
da na bem crihecida leja d'Aguia Branca i
na di i OueRiiadon.8,
A Aguta Branca, ceutando com a protec-
53o de sua boa fregwzia, tambera capricho
m nao Ib'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea l'avoravel cora que
i lionram, c em prova ao que iica dito, il
como cxemplo o esplendido sortimento
que acaba de receber, ainda mesmo aclian-
lo-se bellamente provida do que de bom
e inelhor.se pode desejar nos gneros >pie
sao de sua competencia.
I laja vista aos necessarios Hvres de missa
e orai.ao, obras de apurado gusto e perfei-
cao, sendo: coa capas de mareperola e
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos com /litas de marfim igualmente
bonitos.
Ditos com ditas de velludo,
tando charo macbetado.
Ditos com ditas de> marroquim com cruz
e guarnico, dourada ou prateada.
Coras e tercos de cornalina.
A ra do Crespo n. 23 casas do costume
O abaixo assi nado leudo vendido nos seusmni-
to felizes bilhetes garantidos i quartos n. iJ>*
i-oin a sorte de 4:000*, i rucio n. 3f7 com asor-
* lo de 700*, c outras umitas sortes de 100, 403
120 da lotera .pie se aeabuu do exuahir em l-
i netkk) da iareja de Nossa Senndra do Monto ue
Olindat.lOO"), convida aos poaauidores a viwiu re-
ceberseus respectivos premios sem os descontos
das le* na Casa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 1" parte da lotera a
beneficio da igreja de Nossa Senhora do Livra-
mento de Pao d'Albo (101) que se extralnra sab-
bado 10 do corrente niez.
Precos.
Bilhcte.....4*000
Meio.....2*000
Quarto.....i*000
Em porcae de 100* para cima.
flBilhetc.....3<500
Meio......1*750
Quarto..... 87o
Manoel Martina Fiuza.
gSMirlfit^ SI MWBSSmWSS^i
I ADTOCAC1.1
Assirn como.
Alupa-sr
Preca-se de utn cusinheiro
na. do Itangel.
Grande 8 bello sortimento de lequesj
todos de madreperola, madreperola e seda, j
sndalo, sndalo e seda, osso, osso e seda,
e faia etc, etc. tendo nos de sndalo alguns padre Fioriano n.
com 4 vista, e outros japonezes enfeitados "
de llores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerrento de borracha.
Metas de seda para meninas e senhoras.
Ditas de lio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muilo unas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Luvas de fio d'Escocia, torcal, e seda
para meninas e senboras.
Helas de 13a para horans, mulheres e
meninos.
Gollinhas e ptinhos bordados obra de
ratiito gosto.
-Eotre-meios finos tapados e transparen-
tes com dedicados bordados e proprios
para eniar fita.
O bacbarcl JoSo Goncalves da Silva
-Monlarroyos, niudou seu cscriptorio pa-
ra a ra do Queimado n..33, Io andar,
entrada pelo pateo do Pedro II.
o I." andar
typograpliia com as inieiaes A. A. C.
Pttle-se em-arecidamente a ptssoa urna cassoleia grande de ouro, que caliin do pes-
coco da mu anju ipie bi vestido no eoiBistorio d;i
Are de Dees at Fura de Portas, c de Fra ?
Na praca da Independencia n. 33, loja de ou-
rives, compra-seouro, prala, e pedras preciosas,e
lambem se faz qnalquer obra de encoinmenda, e
todo e qnalquer concert.
0 nmzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
,\a k ,h r Pf San '' 1aoI,re?Jf,,,l,r da Prucl*sao e pedras preciosas por precos rqais vantajosos do
do benhor aosenennns do Kecife """< <<<" --- -*- "
queiu acoB
esta cassoleta, dirija-sc a ru;i da Penha n. 6, se-
gundo andar, qiie ser generosniente recompen-
sada
Precisa-se de uiua ama porttitaeza para casa
de liomem solteiro : na ra da Boa-Hora, detron-
teda igreja, na cidade de Oliiula. taberna, a tra-
lar na musma ou na ra do Imperador n. 2K.
Engommadara
Na ra do Imperador n. 73, 2o andar, precisa
se de una criada para oiigommar.
pre
Precisa-se de uina ama que cosinbe e com-
a iratar na na Dfretta n. 'l'i.
AVISO
VERDADERO LE ROY
rSmNORlT.taicoSCMor,
SEINF.,
E OS PRODIGIOSOS
Aunis e collares Royer paracreancas.
BonittJ cabases ou bolsinhas de pelica I
i setini para nieuinas ou senhoras.
Lindas cestinbas bordadas a Croco, e lisas.
Delicadas caixinbas devidro enfeitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para jaias.
Bonitos albnns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroc.
Novos e delicados ramos de llores com
marrafes para enfeilar coijues.
Bello sortimento de trancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de filas largas com bonitas rama-
ens.
Brincos e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonitas.
4HK
A CUli
0 Ongenhetm Antonio Feliciano MMgtMlBifr
te, coni|)etciitemenle autuiisado pelo pripriela-
rio do sitio denominado Aguasinlia, em Beberibo,
vende kites de trras, formadas pelo plano de ar-
mamento noves, organisado para o rlalhamento
I da superficie geral do supracitado siti'. todos com
lepnfiguracao reciangular. Tres ras novatneiitc
abertas no sentido longitudinal, isto de leste a
oeste, deelinacao de 17. su! tres ditas no senti-
do transversal, isto de stl ao norte, deelinacao
dfl 17." a ookttvdarau |>ara ce.rto svslema e belleza
a Bssa divisao. A proximi fortilidade do terreno ttilBcientamente d/nnonstrada
lelo vigor da vegetarlo existente os reconinien-
dam i' i'onvidam 09 rn diferente*, tactOando entre mil al tres mil,
ciiniunnea localidade e dimensoes. Pode ser pro-
curado nas quintal (efe-as e domingos no sitio ani-
ma mencionado, e nos mais das em casa d sua
residencia, estrada do Joao de Barros n. 5.
fuii estol
preioK !?-
1. 'ts.Ui la cilici
fl ti ti rmi nRitrv
f r/f le falsi.iiailois-. por
4)^lo unto Jebe ei?ir i u
. ..HAUtKoLS Hot.cujo
jr Maleimi-reom necrosol
* n f'a^ Tt< llfl i SrtM Ll Hoi t la mi,
asi como ni nontire SIGNURtT
K U k !.<:U' IU.
'. D.Sobre 1 corcho, debajo del pjpel
un qiw Uev el rtllo PnAimcii Corrin
se e pegado
por al tuvet del
' cuello ale ll botella,
i rtulo amarillo con
elsv.i.0 itL soBisatio
I'ur todo eiiTio de on Talet
de 500 francos aceptable ee-
I bra Pars Londres, te hace
el Loeyor descuento posible.
Aii
Precisa-se de urna ama forra ou esrrava para
comprar e fozinliar |iara una cata de pouca la-
milla : na na das Oroies n. 8,1 andar prele-
re-se escruta e pap.vse bem ajnatiando.
Ha para alagar uuia esrrtira, qno cosinlia
cnpomma, cose, eosabos e compra: na travessa de
S. Joao ii. 8, peno do garometro.
-
COMPRAS.
Com muitu maior rnntatjem
Gemprs o '".orai;ao de Ouro, n. 2 D, ra do Cabu-
^nutedas de ihio praia e pedras preciosas.
Coiapra-sic
Um preto cnciahairo de lo a 18 annos : a tratar
na casa da ra da Crtet n. 19, 1 andar.
Nesta lv|ioj!rapiiiii comprani-e os se<>nintes
nnmervs do Cin*tttvrionnutmbucano ".
N. I do auno de isfi:i.
X-. oi7 do anuo de 1864.
N. o e de 21 ein di.lnle do annii de 1865.
iaiiilwin se ciiipitun o sguintes nmeros do
N. 1. i e 3 uo aono de 1808: paga-se bem.
Precisase de urna ama secca para tndo o ser-
vico de casa, e tratar de una menina. .Na .nema
casa precisa-sa do un criado para todo" vrviro :
na ra das I.aa-Matguai-as u, l<\ b ilee tts-mw
%(enrao. tlene^o ftt
U>ai()r**fle urna casa terrea em.chaos proprios
e iTn ria ra a tratar na ra da Concordia nu-
ftern 101. v M
77 RU V DA; 1MPEMTRIZ 77
Y este novo estabelecimenlo ha um completo sortimento de medicamentos, pro-
ductos ?liiinicas, e drogara, ludo de prieira qualkiade, e se vencm por menos do
po oii) onlra qualquer parte.
lltambem um sortimento de medicamentos homeopathicos, tinturas eglobu
los inertes, por pregos comraedos; bem como xaropesde jurubeba ferruginoso simples.
nidios de jurubeba simples e ferruginoso, e o bem conbecido xarope de Paracary, es-
pecial d'esla pbarmacia. Aviam-se receitas a qualquer hora do dia, e noite, com promp-
tidao, cuidadPs c pericia ; nao se negam a qualquer oceurrencia em -casos urgentes. 0
socio gerente encarjegado do estabelecimtnto mora no raesmo, para o que est
yroinptoa abrir a porta a ipialquer hora que for preciso.
Vinho deglutivo de;
diassamg
("nmpra-se moedasle ouro e prata, bem
como libras sMrlinas prrr maior preco que
em outra parte, na ra do Crespo n. i
Io, andar. ________^
Attenco.
Comprase urna scrava ds 23 a 30 aunes, i| ne-
nio tenha vk-ios nem Mteques : quem tivar dn-
ip ii i su dir
C. Clao & C.

Jl
i*

I ii I
da cademii
de avdeou
k farii
OLULAS
jnffiToF^oG^w
DiBUiUNi-Blssoj
u
Plarmaceulico
lanrwd
di
i.-adeni
0 traumento dasrTeccdeBchlorotioa, lymphaiicas ou e: cropliulosas serapre lenlis-
imo, e muitai vises essas molestias resisten) s preparacoes ferruginosas ordinarias. As
mdagaedes feilas pelos professores Hannon de Bnixellaa, Gensoul e Petrequ-in de Lyao e
Berzelius e Trousseau de Pas, tem provado que a causa d'essa persistencia era a completa
ausencia do Hanganese, elemento qne sempre deve-se adiar no sangue junciamente com
ferro. Estas plalas srjpprem, pois, na tnerapclica ama falta imporutnie, e por este
olivo ellas leai merecido a spprovacio da Academia do Medecina e das priaoipaes socie-
dades medicas. Deposito em Pernamtmco, em casa de Meuarer O*.
COM
113PSISA E D1ASTAEX.
Remedio por cxcellencia para cura certa
das digestoes dlfficeis'e completas, actlflinr
is dores gastralgicas, e reparar as forcas
nroduzindo urna assimrrlaco completa do*
ilimentos; sendo mais um excellente Inico. ("J*-56 a rua San,a T,,erPza n 24,
PHARMACIA "'E DROGARA
DB
Bartholoiueii A V.
_3iRUA LARCA 00 PCSARIO34
. Paris, 36,RnaVivienne, D-
CHABLEmdecin
A8INFERM1UAUAS UESSt.XUAtS, ASATTEO
COES CUTANRAS, F. ALTEEACQE8DO SANGUK.
ItOOOOcurtsdisiiUfiinjieni
"utulo*. herpet, ama
k omixoet.acrimonia,eaU
rrcoe, viciosa do ton-
__yue; t'ru. e alttraeot
do tuny-e. (Xarope vegetal sem mercorio).
ratlva. rcertaea BWIWS HIRRRlKa
tomao-se dous por semana, segoindo o tractaaenM
Deruraliuo .- ecm regado nas mesmae molestias.
Este Xaroue Ciiracto de
ferr de CHABLB. ean
immediaumeniequal DEPURATIF
dn SAIVG
PLUS DE
COPAHU
puraacao, relaxacao,
debilidad*, e goal-
ni
JLLdV
m
mu

Beate os lluxot /lores branca das mulbere.
Esta injeccao benigna mprega-ee com o Xarepe de
Citracto de Perro.
Meeaiein elelete. Pomada erne as curi em tras diae.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra i nas affeccot* culamat comtMM.
PILULAS VEGETAES OEPUAAT1VA8
do av CfcaAee, eada fraaeo val aaaaasaaaede da
aat folbeto.
5S
0
JOIAS
C/2
GOMES DE MATTOS RMAOS
tendo feito completa mudanpa em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporqoes e elegancia, convidara
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da nonte na
RUA DO CABUGA N. k
owe eiioontraro um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhautes, esmeraldas, rubins -e tudo que em obras
de ouro, peala e platina se |>de desejar.
A0EREQQ& DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assirn como grande variedad de salvas e paliteiros de
prata contrastada e de gosto anda nao visto, e completo sortimento de
objectos de prata para uso .das igreja^, .
Coin:pram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a quaidade los obji*t >s vendados,*
Z/2
CZ2
t MUS
mam
)!
A Perfuman* Victoria & ho]e muito procurada
pea flor da ariatocracia, e das elegantes, per
cansa da fabricacao superior dos productos des-
tinados aos usos- do toucador, c entre os quae;
ella ereou urna especialidade em eada artigo.
Os seus noves perfumes, preparados com a
Essesicia de Vtavgylanii, que ella ubtem mesme
nas ilhas Phi'ipptnas, pela disiillacSo do Vnonc
edoratissima, nSo temem nenhuma cenr.urreneia
no que diz respeite fineza e suavidade do cheiro
pelo ue aronselhmos ao publico elegante qn>
peca como pcrfiinu- para o lenco
0 EXTRACTO bE YLANtYLANG
0 BOUQLET DE MANILMA
Alm d'csies dois exiracios excepcionaes, qn
sSo propriedade exclusiva de sua casa, os Sni"
Rigaud e C\ prepara ignalmenie, eowi particn
lar perleifiG, todos cu entrados adoptados pe.
moda, e entre os Jockey-Club. Vilele.. Rueda,
Est. Bouquet. Nareatale. Jdsvu*.
Feno fresco. Mousseiine. Hugvoiia.
flor dos prados, ondeietia. bsa nottg^ta.
TOI.illV* HIUUU
E'^ima Agua admiravel para o teilnte, cons-
titate ella o verdadeiro lalisenan da belleza, e con '
sema a pelle fresca, e a tez .do roslo branca. i
ultima expresso da sciencia. Est por todo;
recoafcecids. a sua mcontesiavel superioridad
sobre as aguas de Colonia, a agua de Florida e o
vinagres aromticos de maior orneada.
- a*
eLKO K POMADA MIRADA
Excellecles prei>arai;cs que se pndem cbamar
0 thesouro do cabello, e qne, compostss de subs-
tancias tnicas e foriilicaiiles, embellezao e coo-
senrao o eemelle, ao mewno lempo qae Iba com-
nunicio um ebeire suavsimo.

8ABO MIRtIDl
Quem comparar este sabao com os que se
venden por ahi, fcilmente reconheewa supe-
riodade do nomo. ste torna a curis muilissim
acia, fila urna escama abundante que (orara um
verdadeiro hanho'de leile, e nada deixa desejai
cerno delicadez* 4* perfume.
KNTOHIIIA
PASTA BENTIFHICIA
A Denterina um elixir dentifncio dos mai
sejaws : perfuma e rtfres agrada ve Imeote i
beca, ssswhji as feafivas, e presenra oa de*le
da cario.
tea sM dmutfneta lea aasa vardadeirs re-
"WlNaiaA amaiiaaam; gasAn esja aawpra can
es po e opiata*, que alo mais eu oteos acido
01 fmfmm, .9mm-mmt um eaaow bumid
pe atMM pan eaaar osa* maclagesn swva
acutesa qne toma oa denla* perfeitaneats
Preaeniea pella do ri^ do vento de Me,
tum agradavel freepaM-.e pre-
lassaMas Sao nperwreaaoa peale rr
aasldo. Saa perfame daUcioso.
aVayeail ftrnumiHU, a C4M (to S"
que em outra quaJipier parte.
Oompra-se
boje libras esterlinas, ouro o prata de todas as
naques e por maior proco do que em outra parte :
na rua da Cadeiado Recifen. 58, loja do azulejo.
DI lili E PRATA
Compra-se moedas de ouro c piala e
bem como libras sterlinas, na rua do Ca-
bug n. 9. relojoaria.
Compra-se duas pelas pecas de 12
14 annos, tratar na rua do fogo nu-
mero 9.
Comjir.i-se um halcao de auiarello, de volta:
na rua larga do Rosario n. ii loja do Vianna.
VENDAS.
Tinta rxa de Mon-
teiro.
Vendi'-st tinta rxa de Monleiro para escrever.
na loja do calcado do sobrado amarcHo da rua da
Gnu n. l.
V.'iidc-sc uma mulata pcrilima engoinmaTleT
ra e eosinbetra, bonita Dgura, robusta, c de boa
conilucla, duas pivias, tuna de 2*> anuos outra de
40, ambas cosiiilieiras sondo aquella peritDa : na
rua do Kogo n. 9.
Vndese a 250DD re. o palmo do Ierra pro-
prio; na estrada nova de ilt-beribe, no (im da
mesBla 30 sahir da i'-trada vellia: quem preten-
der dirija-e ao atenu lugar.
Vende-se encliauoMs e iravelas de louro, se-
ibo de varios e inpriiiicntos e superior qualioade,
por precos mais baratos que em outra qualipicr
parte : na traves? do Carioca n. i, caes do Ha-
mos.
X'eude-so fumo de Garannuns muito bom c
muito em conta, chegailo a pouco: na rua da
Gamboa do Carino n. 10.
Veude-se um encllente piano com pouco
uso : na rua do Vigario n. 9, .1 andar.
Vende-se ama taberna na rua de Santa Rila
n. 1, com frente para a ribeira do peixe : a tratar
no largo da Assamlila n. 17.
vende-se nina aroiacao de taberna : a trataa
na rua Imperial n. 36.
VINHO DO PORTO
.Cbegaram diHerentes qualidades no de-
posito de viho's. era casa de Tlieod. CIn s-
liansen, rua da Cruz n. 18.
Potassa nova
de superior qualidado, cliegada na presente sema-
na : vende-se no armaiom de Jos da Silva Luyo
Filbo Ai;., ao largo da as-embla.
PINTO "PTIARMACEUTICO
Xarope de salsaparrf ia lo Para
or
DEPURATIVO DO S!\NGl E
l'sndo nas molestias de prlle, impgera 'iri-
res rhamuttkas r utreras venercem
Rua larga do Rosario n. 10.
Vende-se una escrava de muilo boa conduela,
com todas as (labilidades, pots eatlnha, lava, eo-
gomma, faz labyrinlho, cose, boma, ele, de l.'i
annos, pouco mais ou menos, sem vicios nein
achaques de molestia, por 1:300/: a tralar ern
Santo Antonio, rua dos Kxpostos n. 30.
Meias elsticas de borracha.
As memores e eiceenles meias elsti-
cas de borracha contra varizese ei^sipeas.
Vende-se na
Pharmacia e drogara de
Uartholomeu & C.
34rua larga do Rosario34
i^_
^XERM/%

Vergonteas de pinbo para maslaros, verga-
e retranras, todas de superior qualidado. Tintas-
Verde Paris, brauco de zinco e preta, em laias dt
14 e 28 libras, j preparadas, oleo do linbaca en
barris : no armazem de deposito da i'omp.uilii;.
Pernambucana, no largo da Assenibla n. 10.
i
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos o
coiiliecidos, j pela certeza de seu resulla-
do, ej pela fcil applicacao as creangas.
quasi sempre mais atacadas de to terrivel
e rauitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
l>hai*iH.iHa e dros;rI:i.
DB
Barthomeu 4 C.
34 Rua Larga do Rosario34
Pennas de ema.
Vende-e rna do Queimado n. 13, primeiro
andar.
Vciide-se una maceira em umilu bom estado :
no aecco de Relm n. 3, sitio deD. Garlla Joaquina
de CafvaUo, airt>da ponte do Madmn.
Vende-se urna escrava, parda, de meia idade,
boa cosinlieira e por preco rommod i: quem pre-
tender dirjanse a Ponte Velba n. 9.
V fiinliciro e a prazo
Vende-se uma loja de fazendas nglezas na
"ua da Imperatriz n. 28.
O abaixo as-igngilo, prompto neste mez a reli-
rar-se para Europa, vende seu estabelecimento do
fazendas, e aproveita a occasiao de declarar, que
at esta data nada (leve. Recito 4 de abril de
1869.
Juiio Osar Pinte de OHveira.
,\i|tfiai-vus myopes, e prsbitas, ja pe-
dis ver de longe, j podis ver de per!..
nao ha mais vistas curias, nem can^M
F. J. Germann acaba de rerclr pele
ultimo vapor um rico e Variado sortimnlo
de oculos, lunetas, pin cenez, face--mair
lorgnons de ouro, prata. tartaruga, mariin.,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melchioi .
assim como binculos dfl uma a tn'S mu-
dancas para ilnatro, campo e marmita da
rultima invego; duquesas, vienezas. de 6,
08 e 12 vidns, tudo dos melhores fabrican-
tes da Europa.
O inesmo vapor troti-
\e urna e.uelleiile
china pare graduar e
observar o numero ty
vidros que.se eoBMJtj
conforme a vista, t*
qualquer pussoa.
i-e*
Tem excellentes sterioscopos, iiistrum'ii;-
tos de mathemalica, haromctiios, vidn
clirystal de rocha, e de cores para reajJU/U-
dar a vista ; concerl todos os otajectos a
precos cuinniodos e com proraptido ; tira
o mofo dos vidros e encarrega-se rj
encommenda relativa a ptica.
Recebeu tanihem os exceitenles relo|is
do antigo e afamado fabricante Robfrt G
& C, os quaes vende precos com
garantirtdo a sua superior qualidade:
Scbonete de al ca rao.
DE
Antonio Nunes tle Castro.
Este acreditado preparado, que ISo
acceitaco tenTmerecido n'esla provinti;.
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e toda^ ?s
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu d- C,
34rua larga do Rosario34.
XAROPE PEIPcORAL
RABO DE TAT'
PLANTA DO BRAZIL.
E' expectorante c recommendado h;"
affecScs do pcito, bronchile ebroatea hi
moptise, e. tosse chrocica.
PREPARAIIO
ron
Joaquim de Araeida Pinto
PHtHMt rm TICO
Pernambuco rua lardo ao
Rosario u. 10. '
Vende-se urna casa na travesa do Monleiro,
com duas janellas de frente e uma porta, tres
ijuaito- e salas, coKinha fra, um bom hanbo da
parte de dotraz, lujiar muito alto qne a ebeia nao
cbaa, (lueui pretender dirija-se a rua d Concor-
dia n. 1.T7, que achara com quem tratar, no caso
qua baja alguin pretndeme a casa que existe
com o arvoredo na porta.
HBera de carnauba
Vende-se na rua do Queimado n. 13, primein
andar.
Vonde-s a taberna da-rua Direita do* Af-
fogados n. 4i com poneos gneros e commodos
para familiapropri para principiante: a tratar na
rfiesnia. "*
- Vende-se urna niulatinlm coiu 18 annos de
dae, radia o acaa-ae |iejada: na rua da Impera-
tnz n. ?S.
Vendo-sa, par ,juJquer angeojio de-tante
desta praca. upa eserav do 17 annos, mnito sa-
uLn *^; a traliM' cot" o inajor Anronio
Jos Duarte na the da manbaa as 3 da Urde.
Vende-se
un os.-rava crioula benj preto e cooiplenu co-
unha, lava, e tem principa dgeigimnado, 'vinda
dt. Aracaty honiem no vapor PirlpanM 'a ,ra\r
na-nudoVitwwD. l4, 1- anda/esaripiorio di
Jc^ Lopes Oavir ~ k~~ "
Vnde-
se
= Vende-se um cavallo para eabiiolet, grafid
e bastante gordo : a tratar na praca da Indepcn -
dencia u. 1 e 8.
um, cabriolet todo retocado de novo com arreios
e por preeo commodo : no pateo do Hospital, co-
chainrde curro* fnnenres ns. 10 e Ii
Venitam- e diversos escravos
petas viud.i-
do-Ceara no ultimo vapor, proprios para aualquer
seryieo do armazem ou engenbo, assim cou, vn
sdravo por ItiOl comnm Draco inutilizado, edi-
veasas eseravas com habilidaile e sem ella : a tra-
tartna rua da Cruz n. 3, 3'' andar.
Vende-se i delirada rrioubnha de idade i:i
anios, rei-olhida ft beai educada, % batutas mole-
cas; de idade 1." a 16 annos, 2 boa* eseravas com
todas as habilidades, 1 dita propria para engenbo,
I mulato dt? jdade 20 annos, bom coziidieiro e ch
pciro, negros de meia idade ; na travussa d*>
Carmn n. 1.
Veodri-se a talwrna da rna da Malm da
Boa-Vista n. 5), ou se d sociedada a ama pessa
eaj iz em virtude do proprietarie tor dte retirar
ai i o Recife a outro negocio, a qoal afregue-
m i tonto para.twS CMal M : Mtft bom
Mi ir, e a casa tem os necessarios commodos para
Tan iftj i ;hiu-K* .
Libras esterlinas
^MMgah no esxriDtor de,Awou.i
VENDE-SE
Por 600000 uma crioubnha de 9 anuos, de muid
boa moral e saude : na rua da Impera tnz, loja
a.2.
xarope:
DE
JURUBEBA
l-RJKPAKiBHIS
PULO
PHARMACEUT1C0
loaqiiiin d'Almeltla Pinto.
As preparacoes de Jurubeba, sao hoje
ventajosamente conhecidas c prect-nisadas
pelos mais habis mdicos, tanto da Euro-
pa como do paiz, pela s-ua eficacia eos
caeos de anemia, chlocoze, bydropesa,
ulisirmxo do abdomen, e tambem nos r-
menstrua;aodiliicil, catharro na bexiga.
Vendem-se em porcSo e a retalho m 11-
dade do Recife, pbarmacia do seu comp
tor, rua larga do Rosario n. 10, junto ao
quartel de pulira. _______________
PANTM4N AZUCARADAS
DR.
PATERSON
Re htmHtk e tagttezU,
Remedio por exeellencia, para comba) tr
a magreza, facilar a digestio, foitkar
estomago etc.
DEPOSITO ESPgOAL.
Pbarmacia de Bartbolomeu & C.
34------Roa larga do Rosario------34.
.e.'!!AE PT,s,cr
O xarope. tit fadcgaio, de Pernambuco,
preparado polo phamaceutico J. de A. Pfn-
toi cura radicahnentea ptbisica e aalhm
Mas as molestia* do puaBe*,
Podei vor-so oa ataMPtio-
nico deposito daspr

^mmmw

_
i _IUBlj



Diario de Pernambuco Quarta feira Je Abril de 1869.
Lindos cortes de cassade cor com barra.e cora figurino indicando o molde do vestir.
do pelo baratissimo preco de 3&>00 o corte
Ditos de percalia muito modernos cora duas saias a rj.jOOO res
Na loja das Columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vascon-
llos&C. ,______
preciTcrrente' dos chapeos de sol
Da fabrica de
MANOEL & C.
Ra Nova n. 23,Ba do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapeos de seda trancada, Paragon, de 16 bastes, 28 pollegadas a 160 ; 26
pollegadas a 15$, e 2 i pollegadas a 14)5000.
Ditos de seda G. de N. Bara, de ac, de 16 bastes, 28 pollegadas a 140;
de 20 pollegadas a 13/; o 24 pollegadas a 125000.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 bastes, 28 pollegadas a 12|>; de
26 pollegadas 1111; c 2i pollegadas a 105000.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 bastes. 28 pollegadas a 60 ; e 26 pollegadas
51500.
Por duzia faz-se descont de 15 OjO
ALTAS NOVIDMIES
LOJA DO PASSO
Ba do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador.
PARA CASAMENTOS, BAILES, THEA-
TROS, etc. etc.
Lindos cortes do blond, contendo" setim,
mantas e grinaldas.
' Requissimos cortes de sedas assim como
para co vados.
Gurguro branco.
Moireantique branco azul e verde.
Gros-de-naples brancos e de cores.
Setim branco macau.
Setim, branco, azul, verde, cor de rosa
e amarellos.
Fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas saias.
Chales de gurguro de seda de cores.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senboras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho bordadas cora primor.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Chapeos de sol de panno, de baleia, de 8 bastes, 21 e 26 pollegadas a 320
* duzia. (Descont de 10 0|0).
Ditos do panno, de junco, 8 hastes, a 185000 a duzia, liquido.
Grande liquidadlo de miudezas!
Alfonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
oja ra do Queimado n. 5(5, resolveu annunc ar as mesmas miudezas, para que o pu-
blico se certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a saber:
Riquissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
Chapelinas de palha da Italia, assim
oemo de seda.
Enfeites para cabeca de senhora.
Espartilhos para senhoras.
Meias de laia para padre.
Ditas de la
Ditas de seda fio da Escossia e algodo.,
para senhoras e meninas.
Lencos de labyrintho.
Fronhas de labyrintho.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas cambraias de cores, percales,
las, e outros muitos artigos de gosto e
de alta riovidade, isto s
Na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.
Arprovaclo
ia tcodtnie
itwudtcit
di ParU.
POS
Ptttmactutico
lauriad*
i* ecadmU
i* nttUcin:
raedes ferruginosas liquidas tem desde mu i los unos merecido a tpprovacio
Aspr
especial _.
sao mais fcilmente toleradas pelos doentes.
os mdicos, porque ellas obrio mais rpido e seguramente do que as pillas, e
Os Pos ferre-manganicos possuem a inappre-
Caixa com agulha franceza a
Caixas com 100 enveloppes a.
Pecas de babadosecntre-mcios
a 500, 600, 700, 800 e. .
Pecas de fita de coz cora 10 va-
ras a ........
Linha de marca, caixa com 16
novellosa......
Coques muito finos com rede, s
a rede val......
Frascos com santos muito finos
a..........
Latas com banha (familia), a
160 e........
Garto com alinetes a .
Copo cora opiata muito fino a
400 e.......
Cartas francezas a 200 e .
Ditas portuguezas a 120 e .
Caixa de linha do gaz branca 50
novellos a......
Frasco com tinta a 100 e .
Frascos com banha a 320 e. .
Frascos com agua de Colonia
Piver a........
Pentes de travessa para cabello
de meninas, s a vista faz
f, a........
La para bordar, libra. .
Novello de linha grande com
400 jardas, S a vista la*
f a........
Pares de liga de borracha para
pernas de senhora, muito
boas a .......
Franja branca para oalha vara
a.........
160 Resma de papel almaco, muito
500 boa fazenda, com 85 cader-
nos a........
15000 Caixa com papel amisade a .
Jogo de vispra a.....
500 Sapatinhos de la para meninos
;i.........
240 Peas de tranca e caracol a .
Sabonetes de todas as qualida-
450G des a 80, 160 e .
Frascos com oleo babosa a
1|200 400 e.....'. .
Pirceis para barba a. .
200 Gaz a........
100 Frseos com agua de Colonia a
320, 400 e......
500 Pentes com costas de metal .
240 Carteira de marroquim a .
160 Pentes pretos para tirar piolhos
I Escevas para cabello a 400,
600| 500 e .......
160! Garrafa com agua divina a. .
ci&vel vantagem de poder offerecer n'um instante ama agua ferruginosa gaseosa, de gosto
agradavel, mais activa do fue as aguas mineraes, e contendo de mais um elemento precioso,
oMa
400
10000
320
60800
60
60
200
Gravatas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Bttes de louca para camisas, a
G.rrafa de tinta roxa a. .
Lencos brancos para mos
a.........
Par de suspensorios para ho-
mens a ...... .
Espclho de toucador a .
Fiasco com cheiro muito fino
a.........
Randeja para copos a -.
Meias cruas para homens, boa
fazendaa 3#, 30600, 40 e. .
Vbotoaduras paracolletes a .
2^800
700
400
200
600
200
320
500
320
400
200
600
10500
320
500
160
800
240
200
20500
10000
400
40500'
320
o Manganeso, que sempre se acha do sangue, junctamente coa o ferro. Kmpregio-se em
todas as molestias que tem por cansa o empobrecimento do sangue, assim como para vigorar
os temperamentos debis e lymphatieos. A chlorote, as Perdas brancas, dret estomago,
a irregularidade da imnstruacao e amenorrha ou soppressao do menstruo, cedera rpida-
mente a sen emprego. Devenios mencionar aqu nm fado notavel. Uto 6 que os doentes cara-
dos pela agna preparada com estes pos esli muito menos expestos a recadas do que
aquelles qne forao tratados pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, na easa de Imm o.
TOSSES
ClTIRRHOS
PASTILHAS PEITORAES
de sueco deALFACE
E LOURO GE REJO
InnlTftCOES
DO PEITO
E' este o mais novo e delicioso confeito at agora conbecido. Por isto tem adquirido r-
pidamente a popnlaridade de qne goza. Os mdicos os mais distinctos o aconselhSo contra
as tosses, defluxos, catarrhos, touet convulsas, catarrhotepidemicot, irritaces do peito. Com
grande empenho o procnrlo as mies de familia, assim para.eHas como para as enancas, pois
primeiro que todo inofensivo, e as snas propiedades adocanies nio deixio nada a desejar.
Deposito em Pernambuco*em casa deItMiw O*. _____
VERDADEIRAS
ni
PILULAS de BLANCARD
COM IOD0RETO DO PERRO IMALTMVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Possuindo ai propiedades do lodo e do forro, convem especialmente Mi AfVItCOfS
escrofulosas, a Tsica no principio, fraques*de temperamento tambamnos casos do
Falta di ce, amenorrhka, em que precisa reagir sobre o sangue seja para restituir
lhe a sua riqueza o abundancia normaos, ou para provocar o regular o mu curso peridico.
N. B. O iodoreta da farro impar a altando a nm medicamento infiel,
irritante. Come prova de porosa do anthencidada das rtrimtiw ri-
lulaa de flUnrard, deve-M 0xi|ir nota acllo 4o frmtm rfatUr
nosso Ararat, aqni reprodnrida, que a acha na pana inferior da nm
rotate vrele. Deve-M desconfiar daa faUificaooas.
TASSO IRMAOS
Tem para vender em seus armazens, alm de ou-
tros, os seguintes artigos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Vinhos coi caixas de doze garraras
Bourgogne.
Hery. *
Madeira.
Hermitage.
Chamblis.
Licor de curaco de Hollanda em caixas de vm-
te e quatro botijinhas.
GESSO,
Nos armazens do Tasso Irmos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmaos
AltIUMION DE FERRO
Para servicos de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou caixoes de nm para outro, lado pelo
mdico preco de i20O0 cada um.
Farinha de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento das memores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de farinha de trigo do
Chile
Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydrautico 12$
O mclhor para tndo que sao obras para agna, co-
mo assentamento de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, tanques d'agua, etc., etc.: em porpes de
cincoento barricas se far reduceao no preeo : nos
armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Portland
0 verdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De differentes quahdades para cercados de ani-
mares, chiqueiros par galinhas ou jardius: nos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos.
CANOS DE BARRO
ama Nova de Santa Rita, naantiga fabrica de
sabao, ha para vender por preco o mais mdico
possivel, canos francezes para edificacSes eesgo-
tos de toda aqualidade, superiores a todos os que
aqn tem apparecido pc+a sua solidez.
PRECOS
l-S'iOO por cano grande de 3 e meia pollegadas.
i4200 por dito de 2 o tres quartos de dita.
1 000 por dito de 2 e um quarto de dita.
500 ris por pistoleta de 2 pollegadas.
Cotovellos, curvas e canos de maior grossnra, a
vstase far o preco. Compras matares de 2003
tem 5- por cento de descont por prompto paga-
mento. Pde-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos. .
Tijolos francezes t
Para latlrilhar casas terreas com asseio e precos
mdicos, muito convenientes e proprios para ladrU
Ihos de cosinhas em sobrados, pelo seu asseio c
evitar apassagem de aguas para o andar inferior
e mesmo o perigo de fogo, aos precos de 30*000 a'
ioOOO o milheiro : na ra Nova do Santa Rita, na
A
. IrtuHM esa udn aa atu
rota
Pharmacnttico, m
Ao ri7T\Tf Uo MtiUltiUOo o phosphato de ferr) solnvel de LBRAS, para curar a chloresu
(cores paludas), as dores do estomago, e a exhaustacao do sangue; com esta preparaclo, dio
ao corpo o vigor, e as carnes, a ana firmeza natural; facilitam o desenvolvimento to labo-
rioso da puberdade. Com effeito, tndo, n'esU^ medicamento, ae acha reunido-para lhe
assetrarar o maior crdito, pois qne entram, ni. sua composicao, os elementos dos ossos o
do sangue. 0 sen autor, M. LHUS, doutor ein sciencias, pharmaceuco, professor de
chymica, inspector da Academia, foi, recentemsnte, condecorado da ordem da Legiio de
Honra, dipa recompensa dos seus importantes trabalhos.
As segnintes apreciacoes doa maia celebres mdicos ainda vem corroborar e juiflcar
todos estes ttulos confianca publica :
c Precisa classificar o phosphato de ferro oluvel entre os ferruginosos qne memor
convem aos doentes cojos orgos digestivos snpportam mal as preparacSes de ferro.
SOUBEIRAN, professor na Eicola de medicina e de pharmacia.
a 0 phosphato de ferro solnvel em quanto a mim, a melhor das preparacoes ferrugi-
< nosas, e o sen emprego d os mais promptos e seguros resultados. >
ARAN, medico do hospital Saintc-Eugnie.
i'A forma liquida do phosphato de ferro solnvel d-lhe urna immensa vantagem sobre
as pillas: eu considero este medicamento cono mui superior s preparacSes iodadas.
ARNAL medico de S. M.o Imperador.
Entre todos os ferruginosos, nSo conhecemos um s que obre to prompta e efficazmente
como o phosphato de ferro soluvel, e isso, sem cansar o estomago.
BELLOC, BAUME, B1G0T, FOLLET e PRVOST, mdicos dos hospitaet.
Os effeitos da preparacSo de phosphato de ferro soluvel me parecem ser mui segnroi
< e promptos. BBOUT, rsdactor em chefe do BuUelin thirapeutique.
t Entre todas as preparacSes ferruginosas, o ihosphato de ferro soluvel foi a que sempre
t me deo os melhores e mais satisfactorios resul .ados. GIHBOUT, medico dos hospitaet.
< 0 phosphato de ferro soluvel tem, sobretudo, a vantagem de evitar a constipaclo
convir aos temperamentos delicados, a D* FAVROT.
Deposito em Pernambuco, em casa de nm O*.
OLEO DE HOGG
DD
Figados frescos de bacaDio
Para cura certa de phtisica, affeccoes escrofu-
losas, tosse chronica, fraqueza dos roembros e de-
bilidade geral, recommenda-se a excellencia deste
oleo ainda por ser agradavel no paladar.
YENDE-SE
KA
Pharmacia c drogara
M
BARTHOLOMEU & C.
34 = Rita larga do Rosario = 34
HtSSMfc?
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAD
Remedio por excellencia para cura rapi-
la o completa das coqueluches, bronchitcs,
atarrhos, tosses convuislvas, escarros san-
;uinos^ e outras molestias do peito.
VEMDE-SE
tg^^S NA
PHARMACIA E DROGARtV
DE
Bartholomeu 4 C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
antig fabrica de sabao, e compras maiores de 2003
se far 5 por cento de descont por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras no armazens
de Tasso Irmos.
Velas de esparmaceto verdadeiras para lan-
ternas de carros: noarmazem de Tasso firmaos.
Vinho do Porto fine superior: no armazem
de Tasso Irmos.
0 melhor cognac Gauthier Preres : no arma-
zem de Tasso Irmaos.
Esteiras da India
Era casa de Tasso Irmos vende-se esteiras da
India de diversos padroes e larguras, por preco
commodo.
NOVA ESPERANCA
21= Ra do Queimado = 21
t para presentes
A Nova Esperanza, ra do Queimado
n. 21 tem um variado 6ortimento de objee-
tos de gosto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresahindo entre elles ricas caixi-
nhas de bano com finas perfumaras, co>
tureiros de chagrn, agulheiros de madre
perola : assim, pois, quem quizer fazer um
linda offerta, dirigir-se Nova Esperanza,,
ra do Queimado n. 21.
Collares anodinos cllectro-magneti
eos contra as convulces das
creancas.
N3o resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitoi
pais de familias n5o creem (comprando-os)
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperance, porm
que detesta a falsificarlo principalmente no
que resperta ao bem estar da liomanidade,
fez umaencommenda directa destes collares
e garante ao pais de familias, qne s5o ot
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
tas tem salvad do terrivel incoromodo de
convulces, assim pois preciso, roe ve-
nham a Nova Esprenla a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seu*
filbinhos, antes que estes sejam acommett-
dos do terrivel mal, qaando ento ser dr-
fficil atcancar-se o efferto desejado, emfcer
sejam empregados os verdadeiros collar*
de Royer.
Para extinguir as sardas e
panno
Receben a Nova Esperanza, ra do
Queimado r, 21, leite de rosas, especia)
para extinguir sardas e panno*.
BQNECA DE CERA
A No*a Esperanza a ra do Queimado n.
21, acaba de reeeber um completo sorti-
mento de finas bonecas de cera de diver-
sos tamanhos, seado as maiores do com-
primento d'um colado ; estas bonecas tra-
zem bonitos coques e botinas, bavendo en-
tre ellas algumas qne fallant e outras que
choram de sorte qe fcilmente poder ser
preparadas, e fazer-se um presente de nanita
acceita?o.
Finas caixas de tartaruga para rap ten-
dem-se a ra do Queimado n. 21 na roja
da Nova Esperanza.
Modernos brincos de sndalo, s se- en-
contrar* na Nova Esperanza a ru' do
Queimade n. 21.
MEIAS DE LAA
A Nova- Esperanza a roa do Queimado n.
21, acaba de reeeber um especial sortimen-
to'de meias de la para homem e senhora.
CONTRA AS CONGESTES
mal terrivel a congesto fulminante,:
da repente leva um jncfivido, d'esta para
milhor vida, sem dar-lhe tempo de reeeber
conversa medica; deixando as mais da
veses mulher e filhos no mais amargurado
pranto; a Nova Esperanza que deseja pres-
tar servicos recorreu a Vojer, o qual lhe
mendou anneis elctricos magnticos, como
o nico preservativo para semelhante mal i
eHfes- antes que se acabera : na Nova Espe-
ran va-
NAVLHAS
A Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 recebeu um sortimento de navalhas,
de qualidades, e tamanhos- especiaes assim
como afiadores e massas para as mesmas.
AO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50. esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
Para senhoras.
COQUES da ultima moda, enfeitados e lisos, gran-
de sortimento.
CHAPELINAS de palha da Italia, guarnecidas com
delicados e elegantes enfeites brancos e de cores
Gil Vl'EUSINHOS e gorras de velludo e de pennas
(alta novidada I) de palha da Italia, a emtiacao,
especial sortimento. .
CINTOS de cores e pretos, neo sortimonio a ulti-
ma moda.
CAMISAS bordadas por commodos precos.
LENCOS bordados e com letras, novidade neste
nero ,
LEQUES a emitacao de marflm, gosto novo e de
sndalo.
GOLINHAS e punhos, a emitacao de guipure.
ENFEITES pretos e de cores para cabeca, lindos
molde,.
GARNICAO alta novidade I a Marie Rose, ulti-
. mmente usada em Paria.
CORPINHOS de guipare brancos e pretos lindos
modelos.
BORNOS de lia e seda, cores claras, elegante
moda em Paris.
GRINALDAS de flores finas.
ESPARTILHOS superiores.
MEIAS supeores fle fio de Escocia.
LUVA8 de nlica chegadas pelo ultimo vapor.
ADERECOS de coral verdadeiro e camafeo, gosto
delicado.
DE PALHA
GUARNICES para vestidos.
TRANCAS para uufutHi *e oques.
BOTObS lisos e cera pingantes para vestidos.
CINTOS alta novidade.
FLORES finas, grande sortimento.
G RINALDAS de ditas para coques.
IACOS, fivelas, penachos para enfeites.
Para homens.
deli-
CAMISAS com peitos, colarinhos e punhos
nho fino, lisos e bordados, moda,
COLARINHOS de linho e algodo.
IUNHOS de ditos. ,
ORAVATAS de todas as qualidades.
HOTES para punhos e guarnicoes para coletes.
COR RENTES de plaqu a eraitago do ouro, lin-
do gosto.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
lidade superior.
CHAPEOS de seda, para sol.
MEIAS de superior qualidade.
3ENGALINHAS finase chicotes.
LUNETAS aro de aou e tarturaga.
Para crianzas.
'^ESTUARIOS completos para baptisados.
SAPATINHOS de merino e setim enjrtanos.
TEIAS de seda e o de Escocia,
iMAPEUSINHOS de palha da Italia.
'POUCA8 i* fll e setim enfeitadas e de ehroen.
""A^estidaf, muito bonitas e
Perfumarlas Anas.
HJNEG
brinqui
AGUAPLORIBA verdadeira
man New-York.
de Morra)' & Las-
TNICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA de E. Coudray e superior agua e
essencia de Colonia. 4
ESTRATOS e esseucias finas e de agfadaveis aro-
mas para o lenco.
VINAGRES aromtico. para loilet.
POS DE ARROZ para amaciar a pelle ; em pach-
tes e ricas caixinhas com arminho.
POS superior para limpar os dentes.
COSMET1QUES de fina qualidade.
SABONETES, grande sortimento deste genero e
de superior qualidade. f
LEOS de philocome, babosa e antiqaes.
BANHA fina para os cabellos.
AGUA de flores de laranja.
CREME de sabao para barba.
Caixas preparadas com perfumarlas finas'.
I Miudezas Unas.
SUPERIORES fitas de grosdenaples de toda as
cores e larguras de vellido preto e decores, "
gurguro para cintos.
BABADINHOS e ntremelos lardados.
GUARNICES de seda de cires para enfeites de
vestidos.
TRANCAS pretas com vidrilhos e pingentes.
BOT5S de cores, brancos o pretos com vidrilbos
lisos e com pingantes.
DEDAES de madi aperla, de marflm, de co o
metal:
THESOURAS finas para costura e unbas.
CAIVETES finos com qutJro folhas. E muitos
outros artigos de miudm* qute /e torna enfe-
donho menciona-los.
liOJl
DO
GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo u. 9 .
Os proprietarios deste bem conhecida estabele-
cimento, alm dos muitos objeclos que tinham ex-
postos a apreciacao do respeitavel publico, nmn-
daram vir e acabam do reeeber pelo ultimo vapor
da Europa um completo e variado sortimento de
Anas e mui delicadas-especialidades, as quacs es-
to resolvidos a vender, como de seu costume,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas de pclliea, pretas, bran-
cas e de mui lindas cores.
Mui boas c bonitas gollinlias e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos c riquissimos enfeites para caberas- das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
lhos e sem elles; esta fazenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola,
marflm, sndalo e osso,'sendo aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossi para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 3000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 204,
alm destas, temos tambem grande soilimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
linas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfira com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de mclhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
quanlidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicofinhos de cadea e
de outras qualidades. ...
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de soda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marflm e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, o de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas rapetlas para noiva.
Superiores agulbas para machina e para erox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para cncher
labyrintho..
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim \
como os tentos para o mesmo flm.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias o des melhores e mais conhecidos per-
fUmSlaS- COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
faciltam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito reeebedores destes prodigiosos
coliares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, aiu de que nunca faltem no mercado,
como ja lera acontecido, assim pois poderao aquel-
les que delles precisaren!, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarlo destes verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se vendero com nm moi
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos fregnezes e amigos a virem
comprar por precos muito rzoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Macarthy
LIIUS DiTttMYtt
Haehinas de descarocar algodo.
Hoje que est reconhecido que as machinas de
serrote prejudicam e quebram a fibra do algodo,
.preciso recorrer a machinismo meos spero,
que produzindo o mesmo servico que aquellas, e
fcil idade no traballio, nao quebrem a fibra da I fu.
paja que essa possa obter-nos mercados europeos,
a fferenea que ha entre o algodo descarocado
por aquellas mencionadas machinas, que esto fi-
caido em deuzo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga bolandoira, que nao pode competir
peta morosidade de seu trabalho. K' assim que
estas machinas se tornara as mais preprias para o
nosso algodo, porque ao par da facilidade
proraptidao conserva a fibra da la, que limpa por
ella, e qualificada na Europa a par da melhor lio*
landeira, valendo assim entre 10 arrobas 20 0/0
mais do que a las. limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
esto adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, epor isso o algo-
do daquella procedencia, sendo di qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 arrobas 20
0/0 mais do que o nosso : vendein-se a 1504000
nos armazens de Tasso Irmos.
Oleo de amendoas
Em caixas de 8 latas, rada caixa 100 libras
nos armazens de Tasso^Irmos.
Charutos da Havana.
Excellenlcs charutos da Havana epor baratsi-
mo preco : em casa de Tasso' Irmaos, ra do
Amorim n. 35.
Vendem Augusto
Commercio, n. 42.
F. de Oliveira & C. a ra de
Tudo se vende por presos bastante commodos.
Capsulas de Raquim
Os bons effeitos destas capsulas para fazer ees-
sar Os gonorrheas acham-se comprovadas pelas
experiencias de muitos annos.
Os mdicos de todos os paizes as recommendam
pela sua eficacia.
VENDE-SE .
Pharmacia e drogara
DE
BARTHOLOMEU & C.
Ru34a larga d Rosariol*
ftIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado n. 4J, loja de miudezas de
Jos de Azevedo Maia e Silva, tem para vender os
artigos abaixo declarados, tudo bom e baratissi-
mo, que sao para acabar.
Duzia de sabonetes muito finos a 700 rs.
Pares desapatos de tapete para homem a 15280.
Ditos de tranca para ereanca a lf.
Tramoift do Porto, bordada, a melhor a 200 rs.
Dita do Porto liza, da melhor qualidade a 100,120,
160 e 200 rs. n(rartA
Resma de pape almaco, lizo superior a 3520U
Dita de papel almaeo pautado a 44- .
Livr de missoes abreviadas a 24.
Cartilhas com toda a doutrina e muitas resas a
30 n- nan
Silabarios portuguezes com estampas a 320 rs.
Baralhos franoezes muito finos a 200 e 240 rs.
Sabo inglez superior qualidade a 500 e 1*V
Gravatas pretas e de cores muito finas a 500 rs.
Duzia de meias para senhora, fazenda fina a 45.
Redes pretas lisas para segurar cabello a 320 rs.
Varas de transa de seda de todas as cores a 600 rs.
Pares de brincos dourados com mozinha e po-
dras a 320 rs.
Cartoes com corchetes de duas ordens e sao de la-
to a 20 rs.
Abotuaduras de vidro para coleto muito finas a
120,240 e 400 rs.
Pares de botSes dourados para punhos a 160 rs.
Caixas de pennas de ac muito Anas a 240, 320 o
500 rs.
Cartoes com duzentas jardas de linha do fabri-
cante Alexandre a 100 rs.
Caixas de pennas de ac, a verdadeira penna a
Carriteis de linha Alexandre ns. 70,80, 100 at
200 a 100 rs. .
Caixas cm superiores obreas de massa a w rs.
Carriteis com duas oitavas de retroz preto a 500 rs
Duzias de agulhas para machinas a 2V
Libras de pregos francezes de todos os tamanhos
a240rs, ,M
Livrosescrtpturados para rol de roupa a 120 rs.
Caixas am papel amisade muito fino a 700 rs.
Caixas com cem envelopes da melhor qualidade a
Talheres pin meninos muito boa fazenda a
240 rs. _________ ______________
Cwiento de Portlaad.
Vende-se no armazem de Vicente Ferreira
Costa & Filbo, na ra da Madre de Dos Q. ti,
barra gnaiM.
Para familias
tirando Bazar, roa Nova ns. Oo
s 3. de < arneiro % ianna A r.
Acaba de chegar a este estabelecimento
grande porco de machinas para costuras d&
autor Wbeeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposicode Paris, as quaes cozemeom
dous pospontos toda a costura, e tem a
vantagem de ser to. suave o movinento,
que qualquer crianca de oito annos- fcil-
mente trabalha, e pode, com este ntrete-
nimento, levar vantagem ao servico diario
de trinta costureiras. A comprehan3o
simples, pois em um quarto de hopa se fl-
ca senhor do movimento da machina len-
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospon tar. abainhar,
franzir, marcar e bordar, como apresentam
os desenhos que acompanham-nas. Os pro-
prietarios do estabelecimento se encarre-
gaai de mandar ensinar n'esta cidade, e
garantem entregar o importe dependido ao
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeic5o a machina vendida, n3o tendo
porm, soffrido ella alguma avaria. Ha tan>
bem no mesmo estabelecimento machina
do autor Grower & Baker, de trabalho sim-
plesmente mao, e outras cem movimsnto
dos ps; e mxime todos es pertences- daa
mesmas machinas, para vender avulso.
Tintura japoneza
Instantnea para tingir os cabellos e a
barba, a iiJOOO o frasco.
E' a nica approvada e recorwnendada
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
venda em casa de Gustavo Henean n.
51. ra da Gadeian. 51.
AZ GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster &
C, ra do Imperador, um earregamento de gaz
de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
e a retalho por menos preeo do que em ostra qual-
quer parte.
FUNICAO DOBOWMAN
Uva do Bru n. A 9.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batido fundido.
Rodas dentadas, para moer com agoa.
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucar.
E outros muitos objectos, eu. etc., proa
prios para i agricultura.
Manteiga
No largo do Carmo n. i vende-se superior man
teiga ingleza em latas de 1 e i libras, pelo pret*.
de 1*300 libra.


.


Diario de Pernambuco Qnarta feira 7 de Abril de 1869.
7
*
*

GRANDE LIQUIDACAO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO ^^._____
8(>atoa o& (PBiM'iiaiiaq
DE
Flix Fereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprietario d'este estabelecirr ento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tem de fazendas, tanto da moda como
de lei, e as pessoas que negociara em pequea escalla, tanto da praca como do matto-
nesta casa poderSo fazer os seus sortimenos em pequeas e grandes porctes, venaen-
do-se-Nies pelos precos que se compram as casas inglezas ; assim como as oxcellentis,
simas familias, pdenlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos terar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se este estabelecimen-
to aberto constantemente desde s 6 horas <]a manh5a s 9 da noute.
O atoalhado do Pavo. AS CAMBRAIAS DO PAVAO
Vende-se superior atoalhado de algodio Vende-se flnissimas pecas de cambraias
com 8 palmos de largura, adamascado a lizas transparentes tanto inglezas como suis-
2#QO vara; dito de linho fazenda muit. >
superior a 3(0200 a vara ; guardanapos de
linho adamascados a 40500 a duzia e muito
finos a 8000, e ditos econmicos a 3)9500
a* duzia.
Fustes para vestidos branco
Vendem-se os mais modernos fustes bran-
cos flexiveis com padioesde listas e d<;
lpicos proprios para vestidos e roupas di
menino a 640 rs. o covado, na toja e arma-
icm do Pavo ra da Imperatrizn. 60, de
Flix Pe reir da Silva.
Grosdenaples
Chegou para a loja do Pavo pelo ultimo
varpor um grande sortimento dos melhores
grosdenaples pretos e de cores, tendo verde
tambem, que se vendem mais barato qu
em outra qualquer parte.
BABADINHOS
Vendem-se finissimos babadinhos, tiras
bordadas e entremeios, mais baratos do que
em outra qualquer parte, assim como espar-
lhos dos mais modernos, no armazem de
Flix Pereira da Silva, ra da Imperatriz
n. 60.
ALTA NOVIDADE
A LOJA DO PAVAO
Gurgurao de seda
Chegaram pelo ultim vapor os mais bo-
nitos gurguroes de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos e lavradinhos, com muito
lustro, garantindo-se que a fazenda mais
linda e de mais phantasia que este armo tem
chegado a este mercado, e vende-se* por
preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
a. 60, de Flix Pereira da Silva.
CAMBRAIA BRANCA A 35500.
Vende-se pecas de carabraia branca
transparente, com 8 e meia varas pelo ba-
rato prego de 3$oOO, ditas muito finas tanto
tapadas como transparentes 4#500, 5#000,
6*500, 7*000 e 80000, assim como organ-
d muito fino tanto lizo, como de listas e
quadros na loja e armazem do Pavao ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
ALPACAS LAVRADAS PARA LUCTO.
Vende-se na loja do Pavo, as mais mo-
dernas alpacas lavradas para lucto, sendo
muitolargasepelo barato preco deSOOrs. o
covado, s na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
Cassas inglesas a 1 iO rs o metro
Vende-se urna grande porco de bonitas
cassas inglezas tanto graudascomo miudi-
nhas e de cores fkas pelo barato preco de
440 rs. ometro,garentimlo-se que 7 metros;
do um vestido para qualquer Sra. s na
loja do Pavo ra <]a Imperatriz n. GO de
Flix Pereira da Silva.
Bareges a 400 rs.
S na loja do Pavo
sas tendo mais -de vara de largura, pelos
precos de 5*000 at IOiJOOO a peca, assim
como finissimos organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a IiJOOO, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Alpacaslavradas
Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que se vendem a 1)5000, o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de canna a
800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:200,
o covado, e outras inuitas fazendas de gosto
e moda que se vendem mais barato do
que em outra qualquer parte, no armazem
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
itoupas para homem +
Vendem-se superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas inglezas e francezas com os peitos
de esguio, ceroulas francezas de linho e al-
godo, meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de.flanella e de meia de la, assim
como neste estabelecimento existe um grande
sortimento de pannos pretos, e de casemiras
inglezas de cores, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-lhes que sero servidos
com a maior promptido e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra d Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 120000 rs. cada par at 25,3000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, do Flix
Pereira da Silva.
Cretone para lenqes com 10
palmos de largura a 2$,
Acaba de chegar esta nova e excellente
fazenda branca propria para lences de um
s panno, garantindo-se que um metro e
urna quaita ou um metro e meio d um
excellente lencol de um s panno, assim
como esta boa fazenda tambem muito
propria para toalhas de meza, rosto etc. e
outros mysteres e vende-so pelo baratissi-
mo preco de 2?? cada metro.
MOCAMBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Chegou para a loja do Pavo um elegante
sortimento dos mais bonitos mocambiques
proprios para vestidos com as cores mais
modernas e que se vendem pelo barato
preco de 500 rs. o covado.
ALPACO DE CORDAO PARA VESTIDO A 13
Chegou esta nova fazenda com o nomo
de alpaco, sendo de cordao e com mais
ROUPAS FEITAS
Se vendem as mais bonitas bareges traneparen- ,. ,
tes, proprias para vestidos com listrinhas a imita- 'aiguia do que a alpaca, com asjnais talas
cao de listras de seda, e vendem-se pelo barato cores, como sejam Bismark, lyrio, perolas.
pre^o de um cruzado cada um covado, unicamen- roxo, cor de eanna, magenta etc. 6 vende-
Tnio ^KmporiraPda5sivaUa ** Impera" se P0, baratissimo preco de ,5 o covado.
' COLCHAS PARA CAMA .\' 5,5000. ESGUIAO DE LINHO DE 12 JARDAS A i0.
Vendem-se colchas de fusto adamasca- Vende-se pecas de esguiSe de linho, fa-
das para cama, pelo barato preco de 50, zenda superior, com 12 jardas cada peca, a
grande pechincha, na loja e armazem do 10,5000.
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
COBERTORES INGLEZES A W, 4,5500 E 5#.
Vendem-se os verdadeiros cobertores
inglezes, de pura la, pelo barato preco
de 4 fusto de cores, pelo barato preco de 3#. na
loja e armazem do Pavo. ra da Impera-
triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Madapolo enfestado a 8#500
Vende-se superior madapolo enfestado,
sendo muito encorpado, para carnizas, e
tendo cada peca 24 jardas, pelo baratissi-
mo preco de 84500, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
CHAPELINAS
DA
ULTIMA MODA
Chegaram para a loja do Pavo as mais
ricas o mais modernas chapelinas rica-
mente enfeitadas, com enfeites o fitas de
setim e de todas as crese cora ricos bicos
de blond e as mais lindas e finas flores,
vendendo se cada urna pelo barato preco de
15:5000, garantindo-se seren muito mais
bonitas do que outras que se vendem em
outras partes a > e 253, e entre ellas
ha mais do que um modello, tambem tem
ALTA NOVIDADE
A
Loja do Pav&o.
GURGUROES PARA VESTIDOS A I000.
O COVADO.
Chegaram os mais modernos gurguroe!.
para vestidos, sendo de todas as cores,com-
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola.
rxo A & tendo quasi quatro palmos de lar-
gura e vende-se pelo baratissimo preco
ile 1 iJOOO, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na ra d^
Imperatriz n. 60.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVO.
Vende-se urna grande quantidade de re-
talhos de chitas e cassas pretas por preci
muito barato, e quanto maior for a porci
que o fregu comprar, mais barato se 11
ven dura na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
Grosdenaples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores grosdenaples pretos, tanto lar
gos como estreitos, sendo de 25000 rs. o
covado at 4i5O00 rs. garaatindo-se que
n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
. multas de pratinho, proprias para mocas e I"6,86 vend mais bara* d, 1,em m
meninas, isto na ra da Imueratriz n. 60 qualqiier parte, na na da Imperatnzn. 60.
loja do Pavo, de Flix Pereira da Silva.
Na loja do Leo da porta larga
DE
PAREDES PORTO.
Ra da Imperatriz n. 52, junto aloja deourives.
N'este estabelecimento se encontrar ra da Imperatriz n. 52, loja do Paredes
sempre um cempleto sortimento de roupas Porto.
feitas de todas as qualidhdes. Cornos*- Neste estabelecimento encontrar o respei-
jam: paletots de alpaca, de merino, de tavel publico um complete sortimento de
casemira, bombains de panno preto, fra- fazendas e roupas que. se rende pelos pre-
ques e sobrecasacos de brins de cores e eos seguintes:
pardos. FAZENDAS BRANCAS,
CAMISAS E SIROULAS. Madapolo de diversas qualidades e pre-
Encontrar sempre o respeitavel publico eos commodos, cambra de 35500 411500
um bonito sortimento de todos os nmeros, e U, ditas victorias de 5*500 a 12j>, pecas
MEIAS CRUAS. de cassa liza o mais fino que ha no merca-
Sortimento de todas asqualidades.de do 9,?, 10& 12$. com 12 varas, e vara
3# a 55, assim como tambem sortimento do largura
de lencos de linho broncos e com barras. SEDAS DE LISTRAS.
de cor, chiDezes, bonitas gravatas pelas e Hecebeu-se um bonito sortimento d'esta
de cores. Ra da Imperatriz n. 52, por- fazenda que se vende a 2)5500 o covado. *
ta larga. .^nin CHITAS.
PARA ACABAR. I Vende-se chitas escaras a 280, 300, e
Urna grande porco de calcas ordinarias 330 rs. o covado.
para trabatho a 640 e 800 rs. cada m par, 1 GUARDAR \P0S
pechincha na loja do Lc-o junto a loja de Vende^ flsta fazen4a de ,nn0j fazenda
ounves- 'boa a 4,5000e 5,5000 a duzia.
GRANDE PECHINCHA,
Cassas he cores a 160 rs. o covado, na
160 RES 0 COVADO
Chita preta pelo barato preco de 160 o
covado na ra da Imperatriz n. 52 na loja
que tem um Leo pintado.
PANNO DE LINHO
Paredes Porto recebeu um sortimento da
pannos de linho, com Ti varas a peca e
17(5000 e 185000, na ra da Imperatrizn.
52,junto a loja de ourives de porta larga.de
Paredes Porto.
LENCOS DE LINHO
Vende-se lencos brancos de linho a 3$,
a duzia para aeabar na loja de Paredes Por-
to. Ra da Imperatriz n. 52 loja da poTta
MEIAS PARA HOMEM
Sortimento de meias inglezas para ho-
mem a 4*800 5(5800 e 6*800 fazenda boa.
THOALHAS
Sortimento de toalna6 de peluda a 11*
a duzia.
LENCOS BRANCOS a 2,5200
Para acabar lencos de algodo a 2(5200
a duzia,
2*000
Vara de bramante de lnho superior e
tem 10 palmos de largo.
CALCAS E COLETES.
Tem sempre no mesmo sentido um sor-
larga que tem um Leo pintado, de Paredes timento completo a preco commodo.
Porto.
No armazem do Leo, 4 ra da Imperatriz n. e 52, junto a loja de ourives.
SOFFRIMENTOS D'ESTOMAGO. CONSTIPAQO.-
Curi em poucos dU* pelo cnvAo DE KLLOC em p ou em pastilfaas.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. !**
jipadas rpidamente pelas PEROL* CfCTHCR *% UUT1H.
ANEMIA, A PALLIDEZ e os soirnmentos que necessiUmd
emprego dos ferruginosos sio sempre combatidos com o melhor resultad*
pelas piluiAS de vallet. Cada Pilula tem incravado o neme VlU.IT.
P OE ROG. Basta dissolYer um frasco d'este p em mett
garrafa d'agua para se obter urna limonada agradavel que purga sem b-
ter clicas.
V1NHO DE QUINIUM de Ubtrtaqut. fate nnho, um dos
poucos coja composigio i garantida constante, i urna das memores pre-
paracoes de qninins, sem aefio notaTel sobre os con*alescentes. dando-
Ibes torcas e apressando volts a aude. Con as febres amigas qut re-
sisti ao sulfato de quinino.

MOLESTIAS DA EEXIG A. A maior parte d'estas moles-
tias, cerno as sciaticas, lombagia, catarros, todas as dores nervosas em
gersl sao curadas pelas perolas de cssencia de thereb ntina do
Dr. Cierta n. 0 professor Trousseau em sea Tratado 44 inerapetaica ico-
selha as para serera tomadas na occasiio do jantar. n* doae de 4 i 11.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO OE BERTH.-
Garantido puro e de primara quadado, um dos poucos aprovados pela
Academia de medicina. *
4T1S0. Todos
estes medicamentos foram aprovudfs pela Academia
imperial de medicina de Pars.
DEPOSITO
Kio-Untlr*.
f\ Bahi..
Dotorcbxlu;
Tudomi.
Bisk et O.
Hnuus
Pernomtwc.
Ceara. .
Hadbbb et O.
uoas* t O
VALOR THERAPEUTICO
DO
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
OE GRUMULT E COMP.
Fharmaaeuteoi da S, A. I. o principe Hapoleko, em Frit.
A associafSo do ferr e d 3 quina resol veo nm dos mais importantes problemas da pharmacia,
e faz com que se congratulara os mdicos dos relevantes servicos qne Ihes presta esta pre-
parado.
Com effeiio, ninguem ignora que a quina, em mateira medical, o meihor tnico qne se
possa empregar, sendo, sobretodo, unido ao Phospbato de ferro, a mais estimada das pre-
parares ferruginosas, pois que entrara na sna compositfp o ferr, elemento do sangue, e o
phospbato, principio dos ossos.
Por isso, jnlgftmos que, para os srs mdicos,serio interessantes as observacoes feitas pelos
sens collegas, os mais distinctos de Pars:
Este Xarope produz os mais felizes resultados nos casos de dyspepsia, chlorosis,
a amenorrbea, bemorrhagias, lencorrheas, febres typhoidas, diabetes, e quando precisa
a restabelecer as forcas dos doentes e restituir ao corpo as Corvas alteradas ou perdidas. *
ARNAL, medico de S.M.o Imperador.
c E ama das raras combinacoes qne, ao mesmo tempo, salisfazem o medico e o doente. Em
qnanto a mim, en a considero como a mais efficaz preparaco ferruginosa, cujo uso dos
mais agradaveis para os doentes.
CAZEN AVE, medico do hospital Saini-Louis, em Parts.
Com este preparacSo d'uma ldrma agradavel, e fcil de digerir, administra-se aos
doentes dois medicamentos importantes. >
CHARRIER, ehefe de clnica da Faculdade de Parts.
En emprego com o maior xito o Xarope de Qaina ferruginoso, e o considero como
ama das mais felizes innovacoes, na mateira medical.
CHASSA1GNAC, cirurgiSo em chefedo hospital Laribeisiire.
Este medicamento, sempre bem aceito pelos doentes, deo-me constantemente os mais
ventajosos resultados.
HERVEZ DE CHEGOIN. membro da Acadrmus de medicina.
A limpidez d'esta preparacSo, o sen gosto agaadavel. isento de qualquer sabor de
ferro, fazem d'ella um medicamento tao efficaz como agradavel.
MONOI), addido Faculdade di medicina.
Deposito em Pernambuco. em casa de
c\
de Felis Pfireira da Silva.
A 23, OS BALES DO PAVO.
Vendem-se superiores haloes america-l
nos de trinta a quarenta arcos, tendo as ti i
tas bastante largas, sendo muito fcil tran>
forma-Ios para outro qualquer novo modelo
e liquidam-se pelo barato preco'de 2'cad
um, sendo fazenda que sempre se vendei
a 7($ e 8, isto na loja e armazem do Pa
vio, ra da Imperatriz n. 60. De Felh
Pereira da Silva. *
As 9,04o varas a 500 rs.
Vendem-se a verdadeiras canbraia-
franczas. com lindos padres e cftrlPfiap
sendo tapadas e transparentes, pelo bamti
pteoo de 500 rs. a vara, ou 300 ^ o cr^
vado, sendo fazenda que ninfmem^venri<
por menos de 7 ou 8 tustoes, e liqwtlam-
se por este barato preco, por se ter feim
ra avahada compra, na foja e armasen
PavSo. ra da Imperatriz n. 60. D<
Fclix Pereira da Silva.
CAPSULAS VEGETAES
com MATICO
IDEGRIMAULT EC* PHARMACEUT1C0S EM PARS
Estas capsulas, com capa de gluten, comeen) o balsamo de copahiba associado essenek del
lauco (arvore do Pero), e conslituem nm remedio infallivel contra a gODorrha. Ellas obrle
sem cansar o estomago e nJo provoefio nanea os enjoos e nauseas que occasionio as capalas
ordinarias, tendo a immensa vantagem de nio eonununicar cheiro s onrinas. B* por estes mo-
tivos qne ellas.slo Mperiores as capsulas de copabiba, cebebas. etc.
Deposito'em Penamtmt*, t ** d O*.'
0 cordeiro previdente
Ra do Qiseiniado u. 1.
Novo e variado sortimento de peiumarias
Anas, e outros objectos.
" Alm do completo sortimento de perfu-
^ marias, de que eirectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pro-
cos ; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciaco
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansid5o
e baratza. Em dita loja encontrarao os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
cesa, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacao do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e cliei-
ros agradareis. (
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada una para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
eoutras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitadas.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras Concentradas e de ebeiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de dif-
ferentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito fiaos em caixinha para barba.
Caixmhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumirias, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
bem de perfumara finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composicode
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
cas.
Opiata ingleza e francezapara dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mais coques.
Um outro sortimentos de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets-de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
esto todos expostos apreciado de queni
os pretenda oamprar.
GOLLINHAS E P.NHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
rivcSEas e Otas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador. '
FLORES FINAS
0 que de melhor se pode encontrarnes se
genero, sobresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para viagem.
Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
precos commodos,
Chapelinas de palha da Italia mu bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
ro presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a ra do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS.
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente ra do Queima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidade de precos.
ALEM DAQUELLES.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de gallees de la, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade de gostos os tornam recommenda-
dos e apreciados ; compareco pois os pre-
tendentes que serao servidos a contento.
TO BEM BECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas dt
guepure.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homen-
tomo para.senhoras, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
ra do Queimado n. I ti.
Para encanaraento d'agua.
Canos de ferro, ditos eslanhados, dito? forrados
de porcelana, todos com as competentes torneiras.
curvas etc. : a rna do Queimado n.
'I
Ra do Queimado n, 49 loja de
mudezas de Jos de Aztvedo
Mata e Silva conhecido por Jos.
Bigadinho.
Est queiir.nndo os objectos abaixo declarado."
pelo diminuto preco, i saber:
Frascos com agua de Colonia verdadeira a Ifi.
Garrafas com agua Florida vcrdadeiin, que se ga-
rante a 1$200'.
Pentes para regaear cabello de meninas a 320 rs
Thesouras muito" Anas para unlias e costuras a
500 rs.
Tinteiros cheios de tinta muito pela a80, 100, 16t
e 400 rs.
Varas de franja branca de linho para toalhas a
160 rs.
Caixas do pho>pliofts de seanranca a 20. 40 e
IGOrs.
Xavalhas de rabo de ruarfim e que se garante a
qualidade a 2.
Libra de liia para bordar a 7 j.
Pecas de lita branca clstica muito superior a 20K
e300rs.
Xovcllos delinha branca com 400 jardas a60 rs.
Ilesmas de papel Ce peso liso muito fino a 2#56.
Latas com superior banha a 200 e 400 rs.
Caixas com seis frascos de cheiro muito fino a
8O0rs.
Caixas com doze raseos, fazenda s boa a 1/1200
e 200.
Frascos- com superior oleo filocome a 500 r*.
Calungas de sabao transparent muito bonito e fi-
no a 240 rs.
Duzia de paos do pomada do Reino, da melhor
qualidade a 240 rs.
Pecas de tiras bordadas muito finas a 500, COO t
800 rs.
Ditas de babadinhos com dez varas a 600 rs.
Carriteis de linha de todas as cres, para acabar
a 20 rs.
Carrafas com agua divina a I5o00.
Fra-eos com superior macar perula a .'120 rs.
Caixas de vidro com doze didaes, que s a eaxa
valedinhciro a 200 rs.
Ditas de madeira com alfinctes, o que ha de me-
lhor a 320 rs.
Crosas de boloes do lo.uea, lisos c bordados a
160 rs.
Caixas redondas para rap emittando tartarntra a
15300.
Pecas de fita para eos da melhor qualidade a
500 rs.
Escoro* para limpar dentes, fazonda que s a vis-
ta a 240 rs.
Ditus para limpar imitas de superior qualidade s
800 rs.
Vende se di ice do guiaba em latas de 4 libras,
da mais fina e superior qualidade, em posieoes ou
a retalho, para presente o para embarque, no
liaiirn (I i liecife. na da Cadoia luja n. 42.
Vendem-sc seis sacadas de cantara de Lis-
boa : qiem as pretender dirija-se ra do Qaoi
mado. loja n. 29.
ESCBAVOS FUG1E0S.
HMlS de gratifeace
Fugio uo di 11 do Janeiro do rorrentc anno
do engenbo Bala tura, freguezia da Eseada, o es
cravo preto, crioitlo, de 24 anuos de idade, .-a-
mado Marcelino, que fui do Sr. Joao da Cuaba
Pereira, cujo oseravo esteve no deposito geral, e
tem os siunaes seguinte-: alto, seeeo do corp.o'
rosto muito marcado de bexigas, falta de deirtes
na frente, cor preta, sanio de chapeo do chile, ia-
lotot e calca de castor, levando um bahuzinbo do
(landres com mais ronpa, e suppoe-se estar rfa
freguezia do Cabo : quem o apprelundcr leve**
ao dito engenho, ou ra da Senzala-nova n. 38,
escriptorio do Sr. Bernardino l'onlual, quo rebe-
ber a gratiflcacao cima.
Fugio do engenho Jacobina, comarca do Ca-
bo, ao amanhecer do dia 13 do crrente mez e
anuo, do abaixo assignado, um escrav preto de
nonie Antonio, conhecido por Caoda, idade de 26
a 30 ann s, pouco mais ou menos, alto, ps gros-
sos, tem urna das juntas do me.-mo un poufcj'
grossas, andar banzeiro, levando chapu de feluS
ja usado, camisa do algodao azul e seroula de al-
godo americano, cujo escravo veio de Buique pa-
ra Pao d'Alh. para onde se desconfa ter seguido:
roga-se a qualquer auturidado policial uu capitn
de camp a captura do dito escravo. levando ao
engenho cima, ou a ra di- Caldeireiro n. 48, ao
Sr. Francisco Qnintino Rodrigues Estcves, que
ser generosamente gratificado.
Antonio Carneiro I.ins e Mello.
Fugio de bordo d palhahote nai>al Rotu-
ro, um mulato claro de nomo Justino, estatura ro-
tular, cbelos carapinhados e meios ruivs, potrea
barba, tem una pinta preta no cauto do olbo diri-
to e um taltio as costas ao mesmo lado,; levou
vestido camisa do chita com lisias verdes, e wt*'
de nma cinta com borla encarnada para aportar
as calsas, natural do Santa Amia do Matlo na
provincia do Rio Grande do Norte, para onde talvcz
queira ir, tamboiu muito drsemliai acado no fal-
lar. Becommenda-se aos mestres do barraca tu
a qualquer pessoa que o agarrar, e levar a rtra
do Trapiche n. 4 ou a bordo do re.erido navio que
ser generosamente {.'ratificado.
n
II
Fugio no dia 21 do presente mez de mar^o, do
engenho Cracuipe, fivfruezia de Agoa Preta, o es-
cravo de neme Joaquim, idade 23 annos. criounj,
cor preta, estatura regular, testa grande, olhta
afuma^ados, dentes limados, c tem os dedos pot-
{iaes dos ps voltados para fra, sabio com cha-
peo de palha do Chile, levando um bah pequipo
de folha de Flandres. Ha certeza de que o dito
escravo seguio para a eidade do Recife, embar-
cando na estacao de Gan eleira en um dos trens
do caminho de ferro : quem o apprehendor qs(-
ra lvalo ao mencionado engenho, a entregara
scusenhor o lente-coronel Pedro Francisco V
Albitquerque, ou no Recife ao Sr. Antonio JoA
Leal Res, escriptorio rna da Cadeia n. 49, qtie
ser generosamente gratificado.
32.
Barato que admira.
Manteiga ingleza dora lOO a libra, dita fran-
ceza ala, cha miudo a 3*100. dito graudo a 3.
rafe a 220 rs., sabao a 180, alpista a 240, arroz a
100 rs., passas a 440, idem quartos cora 6 libras
lior 25200, vinho a 400 rs. a garrafa, azeite doce
de Lisboa a 900 rs., caixinhas com ameixas, pas-
sas, figos e pe as, proprias para mimos a 136OO.
latas com doce a 500 rs. : s na esquina da ru
da Penha n. 8.
v .">.". "s ->,'<-." o /:--j':i'->
Debah da forma d'um liquido sem sabor,
asalog* 1 rna agua mineral, este medica-
to rnne o* lementoa qne constituem
os ossos e o saagM. E' o mais racional dos
ferruginosos; por su razio o adoptarlo
os mais eminentes mdicos do mondo
MPHOSPHATOdeFERRO
frife LERAS DOCTOR EM SOENC1A&1
\\ INSPECTOR DA ACADEMIA DEPAR7
teiro. Coovem muito s menius do temperamento delicado, cujo detenvolvimento Urdi,
s senhoraa que padecem d'estas dores d'estomago intoleraveis, cansadas pela chlorose,
anemia. menstraacSo 00 lencorrha. As chanca d'uma compheto padida e delicada, o
toda a pessoas que tem o sangue empobrecido pelas doencas. EfficacU, rapidez d'acclo,
cura perfeita. sem eonetipaoio de veatra aana aeeto sobre oa dontes. taes sio as razOes que
imperio para que os senhores mdicos preaerevao aos sena doentes.
Oaposito en Pernamuco, em casa de Umtm *


XAROPE PEITORVL BRASILEIRO
BB
PO\TA DEEIHBAIBA
C0MPO8T0 R PBFrARADO
Pelo pbarmaveuiEco
Jos da Cruz Santos.
Esta planta cujas virtudes medicinans
xistiam desconhecjdas para a maior parte
los nossos facultativos, devendo-se a sua
lescoberta ao uso que d'elle faziam
iossos indijenas quo menoscabavam com
1 sua applicacao de todos os soffnmento!-
pulmonares, e hoje conhecido como o me-
dicamento mais efficaz par a cura de as-
inina, bronchite, coqueluche, ponemonia.
e at a phtysica, produzindo um effeito mi-
laproso e prompto.
Para um adulto 3 4 colheres de spi
ao dia puro on em cosimento peitoraJ.
Criancas. 3 4 colheres de cha.
Preco 24000 o frasco.
Pernambuco, na Nova botica n. 51,
Vende-se um sitio ou parte de suas trras
junio as otarias dos Remedios editas casa terreas
na ruados Pescadores: a tratar na toja a 4 da
ra do Queimado
Acha-se fgido desde duminfo de entrudo. o
moleqne de nomo Tito, ron -I annos de idadr,
estatura regular, olhos ammao.idos, com lodos 01
dentes, esperto c bem faliante. tem no estomago
urna cicatriz do urna queimadura pequea, ten
nm dedo da maodireiu aleijaitn em rimcequenefa
de um pauaririo ; c o pe esquerdo mais ptoso
do que o direito : quem o apprehender leve o aos
Afogados, casa do Dr. Jos Roberto de M'Tjes e
Silva, que indicar a casa do sou senhor. que re-
compensar generoamente.
de gratficaco.
Anda se ada fugida a esrrava Mara Benedic-
ta, que foi do Sr. Claudio DuheuX e que ausen-
touse da casa de seu scnhur ha dez niezes, rajos
signaos san os seguintes : cabra, magra, estatura
repulan rosto descarnado, cabellos carapmhej o
rimipridos, andar descansado, represen a ter 40
annos nu pouco mais, e cosiunia fallar > quando
nalialha ou anda, tinba no seio e nos braous sig-
naos pardacentos mui visiveis de impigens qy>a
ciistumam apparecer-lhe. Ha todo motivo para
sujipor que ella anda mesmo por esta cdade ea
sens arrabaldes. j tendo sido vista de urna v, 1
na na Nova com um pardo, e pela segunda vm
na praca d 1 Roa-Vista. Da-se aqi ella gratifica-
lai a quem apprehender dita escravaon della dor
n-rticias exactas na ra do Imperador ns. 3 e 32,
1 andar, e pmtesta-se pn'oder criininalmenio
contra quem a tiver em sua companhia.
Do engenho S*Praocisc.) da Vino fuuio na
madrugada de 3 do corrate, L> oncio. molafti
claro, do 18 a '0 annos, comecnd( ha'bar. ca-
bollnp soltos, nlh. s grandes, estatura regular, gros-
so, robe>to e bem feito, bons dentes, vaparoso no
andar, e farcol^ e carreiro. D<> n*-m eng>P>o
est fgido de-de julho do anuo pascado, .resren-
cio, mulato, velho, de cabellos mNos. procos den-
tes, andar rahdo pan diurno, i-m os d-nvs
grande dos ps mettfctos para imfo : a entre-
gar nomesmi Bogenbo, od na ra le Apollo n 8
ao Sr, Francisco do Assis Brito.


8
Diario de Pernambuco Quarla feira 7 de Abril de 1869.
LUTERATURA.
ti
vera acadmica
(por w. figueiredo)
II
OS ESTDANTES EM SESSAO
(Continua fo)
Ora f Vv. esto com sede ? pergun-
tou Almeida.
Porqu .' '
Porque subo a esta varanda, e bifo
amplias quarliuhas, que estao na janella
vtsinha. E- um simples ensaio, que quero
fazer!
Est dito!
Mos obra !
Almeida deu um pulo de raestre, agar-
rou-se grade de p*> da varanda de um
sobrado, e trepando por ella, galgou-a com
acih'dade.
Um grito de saudacb victoriou o teme-
ririo ascensor.
Recebe aqui, Magalhaes; toma ?
Prompto.
No momento de entregar a quartinha o
i'.i.liabrado esludante soltou-a sobre a ca-
bera do pobre cascabulho, que, alm de
soiTrer urna soflrivel pancada, ficou todo
raolhado.
Protesto contra este banho jorcado I
bradou elle.
Ora! nao facas caso! escapoho-me
das mos. Tomo esta outra ? disse Almei-
da da varanda.
Nada___muito obrigado! estou re-
pleto de banho.
Recebe t, Marcondes ; anda, ca-
MN.
Mil gracas! cu ja nao estou sdenlo !
D c,'Almeida, disse Garlos ; mas
previno-te que si me motilares, grito como
um doudoaqui d'elrei: e fugindo de-
pois deixo que as pessoas, que me vierem
acudir, te encontrem na innocente posigo de
um ladran escalando sobrados-----
Sempre quizera ver isso, Carlos!
Experimenta...
Pois approxima-e ?
Carlos Alberto avisiuhou-se da varanda, e
Almeida atirou-lhe a quartinha na cabega.
Aqui d'el-rei I ladro aqui d'el-re!
bradaram os tres estudantes correndo cada
um para seu lado.
Almpila, ligeiro como um gamo, saltn
fio meio da ra, depois de baver quebrado
no atropello tres videos da vidraga do so-
brado, e fugio.
D'ahi alguns minutos eslava a ra
cheia de gente, armada de espadas velhas e
espingardas sem fecho, esgaravatando o
ladro no calcamento.
A esse lempo, j os nossos quatro estu-
dantes se achavam reunidos porta da
casa, que pretendiam alugar no pateo de
S. Pedro, rindo a bom rir da aventura das
quarliuhas.
As chaves ? perguntou emfim Al-
meida.
Ei-las.
Pois abre, Carlos; e accende a vella :
sempre extravagancia nossa vir correr
casa noute !
Mas que nao pode ser mellior !
exclamou Marcondes, inspeccionando a ha-
bitago.
Vamos agora ao quintal ; murmurou
Magalhes.
Para que, homem f
Vento depois....
Ole gritn Almeida, apenas transpoz
o limiar da porta do fundo as visinhas
crian gatinhas, pecas, porcos et reliqua
animaba I que bondade Havemos de
dar opulentos, jantares aos amigos.
A nos, em primeiro lugar ; observou
Marcondes.
Oh 1 que delicioso chebo de man-
gas I
Os quintaes visinhos sao .plantados !!
que gente horlicultora !
Almeida, dase MagtloaOfl ; vamos
fazer urna visita policial a estes quintaes ?
parece-me que ha por ah contrabando !...
Mas isto urna lesio enorme contra,
o direilo sagrado de propriedade! objec-
in Marcondes.
Ainda mais esta !... deixa-te de pe-
dantismo, calouro : vamos.
O resultado dessa visita policial foi con-
fiscarera os dois estudantes para a fazenda
escolstica urna boa porcao de fructas.
Que bella e philantropica vsinhanga,
ein, rapazeada ? loca o excesso da libera-
iidade cultivando al frutas para as nossas
sobre-mesas.
A casa nao pode ser melhor I podes
aluga-la definitivamente, Carlos.
Ento partamos.
Meia hora depois estavam os estudantes
deitados no convez da canoa, que vogava
na direcgo do Recite.
FOLHETIM
os dramas DE cwiwt
POK
? jSlie Berthet.
XII
A casa deserta.
(Continuacao do n. 76) .
Nao obstante achar-se o capito ha pou-
co lempo na Guianna, aquelle ranger nao
lbe era desconhecido. Era o som que pro-
duz, chocalhando as escamas da cauda, a
terrivel cobra que os naturalistas denomi-
nam crotal, os indicios boicininga e vul-
garmente conhecida pela serpete cas-
vavel.
A presenta de ama cobra no interior de
qualquer casa seria um fado extraordina-
rio na Europa, mas na Guianna, na India
e em geral nos paizes d;i Zonetorrida sao
ousas mu frequentes. O habito de dei-
xar abortas noute e dia as portas e janellas
facdita aos reps veaeaosos ou nao a n-
vaso as casas. Para a evitar seria neces-
saria incessante vigilancia. A noute, ao
deilar, pode acbar-se urna cobra debaixo
do travesseiro, assim como de manhia, ao
levantar, se pode encontrar enroscada nos
vestidos que se despiram de vespera. Mui-
tas (asas teem cobras as fondas das pa-
redes, como entre nos ha morcegos, e n'al-
guns paizes ha negro que se empregam,
por meio de tttmgm, em expurgar as
esas 'estes aones terriveis. Nada,
HI
O nEGRESSO.
E' chegada a tua vez, Magalhaes
disse Almeida, accommodando-se o melhor
posslvel no convez da canoa.
ET verdade, a historia ; porramda
de prolixidade; meio termo, porque.
medio consista virtns observou Marcon-
des.
Oucam pois ; principiou Magalhaes :
Foi em urna esplendida noute'de* de
18**.
Sahi ao escurecer, e fui postar-me, se-
gundo o meu costume, junto a ponte sem
igual de Pedro II na ra da Aurora.
A paluda la derramava seu pranlo de
luz sobre a trra, espelhando-se na super-
ficie rugosa do Capibaribe.
A aura" fresca e inconstante da noute se-
gredava-me um canto de alegra e amor.
Bravo! temos tirada potica r oler-
rompeu Almeida.
A abobada azulada do co esta va dia-
mantada de mil estrellas micantes.
Ih I como isto est espremidhiho!
Mo bradou zangado o orador ; se
continuas, Almeida, collo-me.
Nada! seria urna calamidade t a tua
narrago est mais deliciosa do que a do
calourol vamos, prosegue, away I
Tuno ao redor de mim, continuou
Magalhaes, respirava poesa ; e os sorrisos
dessa natureza encantadora transbordavam-
me o coracao d'uma doce emocSo mistu-
rada de tristeza.
Oh meu Deus t exclamei como
tudo isto bello e deslumbrante I quanto
amor transpiram os murmurios desla na-
tureza luxuriante I como eu seria feliz se
amasse, se podesse aspirar o perfume ine-
briante desse dom divino !...
E abysmei-me em meu melanclico pen-
samentear: senta um vacuo mortificante
dentro do peito parecia-me que morre-
na, se nao princpiasse a amar n'aquella
noute 1
Um ruido de passos e de vozes confusas
semelhante ao gorgeio de rnuitos passaros
despertou-me.
Era urna familia que passeiava.
Ao passar ella por mim, meus olhos se
encontraram com os de urna moreninha,
linda, radiante de mocidade e frescura.
Nao sei porque, mas minhas pernas tre-
mern), meu coraco bateu descompassa-
do, e urna especie de fri percorreu-me os
membros.
A moreninha tinha-me roubado o cora-
co I
O que ainda ha pouco fervia-me no cr-
neo, abraza-me agora o peito.
Eu comecava a amar 1
Soberbo bonito Magalhaes gri-
tou Almeida agitando os bracosOh com
que pericia sabes espetar a phrase as re-
gioes do sublime I Felicito-te, s um La-
ma rtinc-mirim !.,.
Durante quinze dias, continuou o nar-
rador sem fazer caso do longo aparte do
quarto annista, repet o meu passeio pon-
te sem conseguir ver aqueja interessante
menina.
Imaginem, meus amigos, como en an-
dava triste e angustiado.
Ter sido feliz um so instante para soffrer
tantos dias I
Urna noute, eslava junto a um sobrado',
que distava' algumas bracas da ponte, ou-
vindo a doce harmona de um canto, que
urna melodiosa voz entoava all, quando
estas palavras feriram-me deliciosamento os
ouvidos:
Que bello romance, bem execu-
tado t
Voltei-me ligeiro, cerno impellido por
urna forca oceulta, e vi.... ella, a graciosa
moreninha, acompanhada de tuna irrnasinha
a cinco passos de mim.
Insensvelmentc levei a mo ao bonet, e
comprimentei-a dizendo :
Perdo, minha senhora ; V. Exc. nao
tem razo, que justifique a sua admiraco :
quem possue urna voz to dulcsona,
como a sua, so pode admirar os hymnos
dos anjos !
Senhor!... balbuciou apaas a more-
ninha.
Mil desculpas, minha senhora, se a
sua modostia olfen leu-se com as' minhas
palavras ;' mas peco-lhe que fui;a-me a justi-
ca de acreditar na sinceridad dellas.
Meninas disse urna senhora, que
se novia approximado sem ser vista Vv.
oque fazem ah ?
Nada, misinha ; cstavamos ouvindo
aquelle canto respondeu a menina mio
entelada.
Est bom ; basta de msicas... va-
mos para casa.
E a moreninha despedio-se de mim com
urna leve incltoago de cabega e parti
deixando cahir urna flor da sua pequea
mo.
pois, havia de extraordinario em que urna
boicininga se introduzisse n'aquella casa
deserta, e por isso O martimo ficen mais
issustado do que admirado reconhecendo a
natureza do seu companheiro de solido.
Felizmente, a cobra eslava na outra extre-
midade da casa. Grandvat trata va de mu-
dar mais para longe a sua cad'eira, quando
o ruido se repetio por detraz d'elle, cada
vez mais sensivel. Suppoz que o boici-
ninga a pesar de lentidlo habitual dos seus
movimenlos, conseguir mudar de lugar,
porm esta supposico nao durou muito.
Em seguida descubri um duplo ranger de
escamas, um de frente, outro pela reta-
guarda. Havia, portant, alli dous boi'ci-
ningas, que pareciara procurar-se e cor-
responderse mutuamente.
Grandval sentio um calefrio percorrer-lhe
os membros. Dous adversarios d'aquella
espeeie era muito e razo de sobra para
fugr. Resolveu erguer-se e arrambar a
porta quando o perigo se Ihe apresentou
mais terrivel e momentoso do que elle o
suppozera.
Havia j um pouco de lempo que eile
se achava encerrado. A vista, paralysada
em consequencia de sbita trasico da cla-
ridade plena para a escuridio relativa, ter-
minara por se habituar aquella claridade, e
lambem como os rios do sol penetravam
pelas fendas largas das janellas, chegra
alie a divisar os objectos que o cercavam-
Percorrendo, pois, o olhar em roda de si,
acabava agora de achar a explicacao dos
ruidos que ouvira e cuja causa do principio
ignorava. Nao erara ratos os aoimaes que
se moviam n'aquella casa, as sim cobras
de taittaolios e cores differentes, parecendo
pertencer as raas mais venenosas. Atm
dos deug boiciniagas, pe oio tssaaaaio
de ranger con as candas, novia alli ama
I
Apanhci-a :era urna perpetua.
Ah I sou amado !.... exclamo cobrin-
do a flor de repetidos beijos.
Vivoria.1 infcrrornpe Almeida, eisurn
bello exordio nmoratorio aquella flor ti-
nha urna sigoificacfio escandalosamente ex-
pressiva 1 oh t succulentissinlo t.. Away,
Magalhaes T
Tedos os- dias, qee se seguifwm esta
ditosa noute, eu ia passeiar pela Iba das
Floree, nome com que appellidei o lugar,
onde morava a minha moYeninha.
Gliego a poca do Carnaval.
Havia em casa de um amigo meu duas
partidas fantasa.
Fui a ambas, porque o meu idolo tara
bem foi; e quando me didgi a ulle solci-
tando-flic a honra de urna contradanza, tive
a espirituosa resposta:
Pois nao, senhor era falta de patrio-
tismo negar ubw quadrilha a ain b:ioso
volmibino da patria !
Com offeito eu estavacaracterisad.) vo
lunlario.
Oh! que momentos gozei naquellas par-
tidas que emoces, que doces palavrinhas,
que sorrisos e olhares eloquentes! Ah!
ella chamavft-se Emilia!...
Dous mezes depois do Carnavd, urna
noite em que eu passava pela calcada da
casa della, ouvi-a dizer, como si se dirigs-
se a irma:
E' esta a ultima noite que passamos
aqu amanli.i a esla hora estaremos na
ra do .
Caspt que carambolla de mostr !
que menina esperta gritou Almeida.
t A consequencia dessa revelaro foi
ser a ilha das Flores abandonada, e os
m os passeios se drigirem pira aqttella
ra.
Minha vida durante todo esse lempo era
um complexo de sensacSes gratis; sorhos
os mais m.itisatl'j vinliao embalar-mc lo-
das ^s imites : eu amava C era amada! qiR
ventura p.iraurri coracKn COltW O meu s>
I dent de vida !
No mez de maio, Oercebi que em casa
de minha ijueriila ^reninha resava-se, e
entoava-se hymnos em louvor da Virgem
Mara ; ento em logar de paSsear, eu ia
encostar-me a avade da eseada, que (lava
entrada para o corredor, e ahi ouvia at o
lira o harmonioso concert da voz de Emi-
lia e de suas irines.
Urna noite estiva enlcvado n'aquella mo-
dulaco, quando ouco dizer perto de mim :
Quem est ahi ? o que qoer .'
Era o pai de Emilia .'...
Nada quero, senhor; eslava ouvindo
aquellos hymnos...
E retirei-me confuso e envergonhado.
Que daspontamento, ein Magalhaes ?!
Mas; para que aao procuraste ser apresen-
tado ao responnavel da menina '? *
Foi O que afiual liz, Almeida; um ami-
go, instancias minhas, proporcionou-me
esta felicidad-; era o mez de julho ; e desde
essa noite principie! a fazer as minhas pe-
ridicas visitas aquella familia, que muito
me obsequiou ; e go/. 'i ds mais agradaveis
momentos junto da minha terna namo-
rada.
Eis o que rom justica se pode chamar
umuamoro platnico exclamou Almeida ;
se eu fosse paftfr'famrlias nao recelara
confltr-te minhas llhas !...
Vamos, MagalliBS ; estou sympaiisan-
do com a tua historia 1 que serie de episo-
dios innocentes que mar rosas !
Ah pois vaes ver o mar de espinos,
l Carlos.
A ventura que eu gozava nao podia du-
rar mais tempo : a felic*dade terrestre
transitoria ;'aps a bonanc vena precisa-
mente a tormenta ; e no horsonte at- en-
to lmpido do meu amor, assomava j urna
nuvensinha, que, desemvolveudo-so depois,
devia toldal-o completamente.
No embevecimento em que viva, e com
os olbos vendados pela paixSo, eu nao tinha
anda descoberto o mais ligeiro indicio de
traico de Emilia.
Mais tarde, porm, cahio-mea vendados
olhos; observei, e vi que tinha sido Iludi-
do, ludibriado e trahido 1
Horror horror clamou Almeida fa-
zendo urna visagemestupendo \\,.-horres-
coandiensl nsereme tai!...
Inexperiente, cnntinuou Magalhaes1, eti
tnha sido assassinado em minhas croncas
mais intimas! Emilia i^i i amaya s a
mim !....
E aquella que vasou as primeiras gotas
de ab-yntho em meu coraco, ajuntou o in-
sulto ao crime.
Urna noite em que brincavamos o jogo
de prendas, sahio-me por sentenca fazer
urna vagem a Siberia.
Formou-se a cadeia, e eu viajando pa3-
sei por Emilia.
O que me d para a viagem ? pergun-
tei-lhe.
Um timo! respondeu-me rindo-se.
hedionda collecco de reptis: uns rojando-
se (telo chao, outros enroscados aos barre-
tes do tecto ou aos miseraveis movis es-
quecidos n'aquelle covil.
Para qualquer lado que se diriflisse a
visti, notava-se um^ forma longaedRgada
que bolia. Junto da janella que Grandval
tentara abrir estava enroscada urna enorme
cobra de capello, que era para admirar
nao o ter aggredido quando elle lhe passou
prximo. A um canto da casa hada um
grande cesto "virado para baixo, d'onde
sahiam estes reptis, mas acuelle rewolver
que se ouvira antes nao cessra anda de
existir dentro do cesto, que pareeia np ter
vomitado ainda todo o seu asqueroso con-
tedo.
Crandval era valente e na sna vida, toda
de perigos, vira elle por mais de urna vez
a ni irle, diante dos olhos som empallide-
eer, p irm ao achar-se assim Woqueiado
por estes aoimaes ferozes, os cabellos irri-
guram-se-lhe na cabeca.
Passada a prhneira hapressao, recobrou
am pouco da presenca de espirito. Era
preciso lomar algum e&pediaote, mas qaol
seria ? Erguendo-se, nao havera a reeear
que os reptis, excitadoS'pelo'sea movimfln-
to, se lancassem sobre eHoT Wo podia
mesmo succeder pisar na escnrab aigum
dos que aodavam pelo chao, ou, por a me
Scnti o espinho daquella resposta, e
aguardei a viaganca.
Quando ella passando por mim inquiri-
me o que da va-lhe para a jornada, respond-
the comaccento irnico:ina camisola!
Era urna justa represalia : ella me cha-
moa mmino ; e en classifKjuei-a de doida.
Foi este o sigual do nosso rompimento.
Hije sou mais feliz, pon pie nao amo, e
vivo to tranquillo como \\m\crmca : esque-
ci Emilia, e.dcseridoseu sexo.
Si as mulheres sao to iguaes.
Mnito bem, M-galhes; grste sum-
mnmente de tua narrado, tu, meu pobre
amigo, pontate Emilia ; porque nao sou-
beste amaki; mulheres daquella forca leva-
se d'eutro modo. Qutzeste namorar urna
moca esperta e e.r.perien', como se brinca
com urna menina; teus extremos pueris, e
teu excessivo platonismo perderam-na : si
tivesses sido mais grave, se em lugar de
tanta changada tivesse bavido entre ambos
mais temor, mais respeito ; se em lugar de
andares rouduiulo a tua bella tivesses pro-
curado ser logo apresenlado familia, bus-
cando assim dar s tuas relaroes amorosas
um carcter serio e decente ; nao lerias sido
engaado, e Emilia ser-te-hia fiel ; porque,
segundo oque nos constaste, essa menina
tem espirito, e algum sentimentalismo.
Rem dito, Carlos, muito bem dito !
exclamou Marcondesdd-tne o gancho ; e
vamos a tua historia.
Carlps Alberto estirn a m t ao catauro
o que 00 phrase (leste sigiiifieava dar o
fjaneko o comerou depois assim:
i Fin oanno paseado pela (sta, achava-
iii'. tono mases sabem, ein Olinda no oso
dos banhos salgados.
Na noite de Natal olfereca aquella pitto-
roooa cidode o mais eocoolader espect-
culo.
O mais potico c claro Innr a illiiminava
toda, pratiindo o cinio de suas venl'-jan-
tes collinas.
As ras 8 ladeiras estavo povoa.las de
mil p issoa, que ou pissi-avai. o;i canta-
vao ao som de afinados vMees, sentadas,
ou deitadas em esleirs defronte de suas;
moradas.
Os sinos dos conventos e igrejas faziam
alegremente ouvr soas argentinos e festi-
vos.
Alguns foguetes subiam de vez em quan-
do ao ar, tornando assim essa festa popular
mais ruidosa e esplendida.
Em militas casas via-se lindissimos pre-
sepios enl'eitados com gosto, e alguns mes-
roo com certa riqueza; e pustornbas vesti-
das de branco, com a fronte cingida por
capellas, e munidas de pandeiros chotos de
fitas, esperavam impacientes a hora de co*
mecarem seus cnticos harmoniosas e oas-
toris em louvor de Deus-Menno.
Para completar essa fuucco to agrada-
vel algumas pfOfts lm vestidas carregavam
taboleiros, onde os mais saborosos pastis,
ainda qtientos das tnSosinhas das Sinhasi-
nhas, provocavam o ppetite com o seu
perfume.
Fmlim, aquella cidade, que ainda ha pon-
eos minutos, vosstVs viran deserta, morta,
inspida, tomara-se um paraso animado,
devirlido e povoado, como si a vara de con-
do d'alguma fada myiterosa a houvesse
toncado.
A missa de Natal na S amiis solem-
ne e concorrida: fui pois pira l.
O interior da cathedral estava apinhado
de gente: e o calor era abrasador.
Passeei algum tempo pelo adro, sabore-
ando o'panel inexeedivel, que se desenro-
lava magestoso meus olhos; e dirigl-rae
depois para a igreja.
A ceremonia do pontifical comecou; e eu
encostei-me a primeira columna, que forma
o grande peristylo d'aqucllc templo monu-
-mentaf.
Depois de rezar, errei os olhos ao redor
de mim.
Estremec! "
Urna lindissima menina de olhos azues,
lnguidos, hmidos e expressivos, meio ve-
lados por duas ordens de delicadas e finis-
simas pestaas louras, e semicoroados por
dous superclios arqueados, que quasi se
tocavam; rostinho oval, cor de leite as-
Sranbreadojii) rosas, cujapstle assetinada
etxava transparecer o tecido das votos
azulados; testa alta, lisa e brilhante, como
si estivesse cercada por nina aureola; ca-
bellos louros, abundantes e naturalmente
crespos; corpo de estatua artsticamente
cinzelada; contornos de aojo; vestida de
cambraia branca enfeitada de fitas verdes;
eslava alli, perto de miin, atocinada, com o
seu livrinhode madreperolanasmosinhas,
orando com urna tal expresso de fervor
religioso, que commoveu-me intimamente!
Nao preslei mais attcncoaraissa: aquel-
le anjo roubou o culto, que eu deveria
prestar a solemnidade religiosa I Mas......
Deus perdoon-me; porque eu estava ado-
rando-o na sua mais perfeita e sublime crea-
co!......
A ceremonia aeabou-se, e corr a espe-
rar o anjo louK) Junto a pa d'agua-benta.
Elle approximou-se, ou antes voou at
abi; e no momento, em que raergulbou as
pontinhas dos dedos na agua sagrada, eu
tambem molhci os meus: houve um en-
contr, e o choque que elle produzio foi
to violento, que no acto de rctirarmos
apressados as nossas raaos, aspergimos um
ao outro I
Oh! aquella asperso d'agna santa foi o
baplismo, como que o Senhor abencoou o
nosso amor cscente!.........
Aeompanhei a gentil lourinha at a sua
casa; e desde ento nao passei um s dia
sem v-la, a tarde nos meus passeios, e pela
manha nos banhos do mar.
Urna occasio tive necessidade de ir ao
Recife, tratar de alguns negocios de meu
pa, e tambem meus.
A tarde, concluidas as minhas oceupa-
Qes, dispuz-me a voltar para Olinda; mas,
chegando a ra do Imperador, soube que
o mnibus tinha partido poucos minutos
antes.
Oh! eu nao podia passar urna tarde e
urna noite sera ver a minha lourinha!
Aluguei portant um carro; e emquanto
apparelhavo-no, puz-me a passearno adro
do convento de Santo Antonio.
No mesmo instante diviso o pai da minha
virgem da S, que vinha apressado para o
ponto dos mnibus.
Abencoei a hypothese, que antes amaldi-
coara, e resolv aproveitar-me doensejo para
rayar conhecimentb com aquelle homem,
offerecendo-lhe um lugar no meu carro.
0 senhor tem a bondade de dizer-me,
si o mnibus de Olinda j parti ? pergun-
tou elle dirgiudo-sc a mim.
Ainda ha pouco, segundo me dsse-
ram: tambem cheguei tarde.
Que logro! exclamou meio rindo-se e
meio zangado ; o senhor tambem est em
Olinda?
* Sim, senhor; respondi-lhe. Descul-
pe'-me V. S., mas o desejo de conhecer o
meu companheiro de sortc torna-me talvez
importuno.......
Oh! no, pelo contrario; confesso-
Ibe que anima-me igual desejo: estou as
suas ordens.
Muito obrigado, senhor: V. S. o
Sr. commendador Carvalhosa, que assiste
na ra de S..Rento?
Exactamente; folgo muito que me co-
nheca: agora satisfaga-rae tambem....,
Com todo o prazer, senhor: cham-
me Carlos Alberto deOlivera, esou estu-
dante de difet; sao diminutos os ttulos
com que me apresento a estima de V. S.;
entretanto a sua reconliecida generosidade
supprr o que me faltar para tornar-me dig-
no della.
Oh! Sr. Carlos Alberto, nao precisa
recorrer a generosidade, que me attribue
puraque, honrando-memuito cm conhece-
lo, apresse-me em por sua disposico a
minha pessoa, e os meus pequeos servi-
dos.
O homem era ama ve l e delicado ; anima-
do por tanta bondade disse-lhe:
Ambos perdemos o mnibus, Sr. com-
mendador; entretanto posso feizmente ter
o prazer de offereor a V. S. um lugar
n'aquelle carro, esperando que nao quere-
r dar-mo o desgosto de recusa-lo?
Aceito, senhor, aceito; jamis negar-
me-hia um convite to delicado, e ao pra-
zer de sua companhie.
A honra toda para 'mim, Sr. com-
mendador; respond quasi louco de alegra.
Oh! tanta felicdade s por merc de
Deu! Estavam encetadas as minhas rea-
cues com o pai da minha querida lourinha:
o resto era fcil.
Entramos para o carro, e conversamos
muito durante a viagem; quando cheganios
Olinda, mandei parar o carro aportado
commendador, c apeando-me, offereci-lhe
a mo para que elle descesse.
Agora, dsse-mi apenas apcou-se,
tenho o direito de exigir do senhor um pe-
queo favor?
E eu tenho immensa sattsfaco em
servi-lo.
Rem; ter o incommodo de subir a
esta nossa casare jantnr mal comnosco.
Eis urna delicadeza extrema, que
nunca poderei retribuir-lhe, Sr. commenda-
dor; exclamei jubiloso.
Si qaer retribuir-me, aceite o meu
offerecimento.
E sera possivel recuzar-me tinta ama-
bilidade?
Subi e jantei com o commendador.
Foi urna tafde deliciosa.
A minha gentil lourinha, Ameliatal era
o seu nomeconversou commigo durante
o jantar; e a noite tocou, cantn o recitou.
Era una perfeita mofa de sali; conver-
sadera, espirituosa, risonha, seductora e
Em volta de urna das suas pernas, apenas
protegidas por urna caiga de panno de li-
flho, comegava a enrosoar-se lentamente o
quer que fosse. yio elle de que se tratava
e nao ousou levar alli as mos; abaixando,
porm, a cabeca cuidadosamente, pode
ver o que o atacava assim. Era urna co-
bra, e, com a ajuda da luz que so prejoo-
tava pelas fendas das janellas, pode deter-
rainar-Ihe a raga : era um yciye, assim
chamado porque a sua mordedura se
gundo dizem, to perigosa e fulminante,
que a victima nem ao menos tem tempo de
fazer aquella exclamago. Aquelle mesmo
movimento do martimo pareceu ter inquie-
tado o yeye, que socegou e ergueu a
cabega, assobiando de manso. Tornndo-
se Grandval iramovel, o bicho continuou a
sua ascenso tranquillamente. Grandval
conheceu que o menor movimento podia ser
punido com a morte, e por issso nao on-
sava bolir. Nao obstante, tendo os braoos
rivres, jorgou dever-se por em defeza paoa
o caso em qne o ye ye, chegado al-
tura do seu rosto, se resolvesse a nvorder-
Ibe, e por isso quiz procurar no bolso a
;pstola, seu nico, posto- que precario,
meio de satvaco.
Este simples movimento reveion4herjm
novo.perigo. Sobre o braco que elle aca-
bava de ergoer appareceu um objecto do
sobre qualquer dos que se acoata earoj vermelho vivo, alli chegado som elle saber
cados nos movis ? Era qualquer do#ooso* como. Pareeia um magnifico bracelete do
modesta, sabia tamban ser. grave, enrgi-
ca, orgnlnosa e satyrica, quando era preci-
so. Sem ser affectada, Indo nella respi-
rava urna srmplicidade e candura, quear-
rebatava ; a voz era de urna doeura c har-
mona tal, que fazia sonbar com a dos an-
jos; os gesto* facis natnraes engrasa-
dos; o porte airoso e elegante; ocorpinho
fiexivel, e bem moldurado; em'im junto
della aspirava-se aos effluvios um perfume
de pureza e formosura to embriagadorf
que fezia lembrar a presenga de um chc-
rubm.
commendador captivou-me com asmaic-
res pravas de attento, e de delicadeza,
Fra um homem de quarenta e cinco annos,
bem parecido e grave; mas que nunca falta-
va com a affabilidade e cortezania. Quando
estava em companhia da filha, tornava-se
rsonho e expansivo: aquella innocente e
linda menina era o seu idolo, o seu fanal.
Tinha elle tambem urna atrillada, que se
podia dizer bella: um quebramento cheio
de encanto, urna irrsistivel e molle volup-
tuosiilade brilhava-lhe nos olbos lnguidos,
que s vezes se anmivo de um fulgor
estranho ; e o moreno rosado de sen rosto
redondo attestava a impetuosidade de sna
ndole ardente e fogosa; podia inspirar
urna paxo louca algum peeta ; de mim
s pode conseguir umascentetha de since-
ra amizade. Chamava-se Leonor.
Taes eram as pessoas, que compunram
a familia do Sr. Carvalhosa, em cuja casa
havia sido to bem acolhido e obsequiado.
Nao intentan descrever-Ihes meus ami-
gos, os dias felizes, que passei depois
d'aquella tarde t3o memorial. A mais com-
pleta intimidade estabeleceu-ae entre mim e
aquella excellente familia. O commendador
muita vez chegava a dizer-mo que tinha tris-
teza de nao ter um filho como eu!
Era a franqueza cordeal das almas nobresl
Mas podo adoptar-me, respondia-lhe
sorrindo; tcarei com dous pais, j que nao
tenho iiiiii.
Amelia reagava cada vez inas meus
olhos; cada dia era um novotriumpho pira
mim; e urna nova derrota para os scepti-
cos, que nao qnorem crer que o bello o
grande e o ideal incarnou-se na mulher.
Termina a tua historia, Carlosdisse
Marcondesestamos ancorar no Recife.
E' justamente o que nao posso fazer;
porqae ainda nao sei o seu fin.
Como l isso?! disse Almeida,pois
Amelia......
E' a mulher a quem amo. e com quem
pretendo casar-me; concluio Carlos.
E onde mora ella actualmente, si nao
segredo?
- Nao, nao segredo; mora na ra
de******
Ah!....
Tu a conheces, Almeida?
Nao; nao me lembro......
Ah! Carlos! por isso que queros
nosatiraremOlinda? perguntou Magalhaes.
E ella vai para l ? perguntou ainda
Marcondes.
Sem duvidarespondeu Alberto.
Ento, tu me has de apresentar na
casa?
E a mim tambem disse Magalhaes.
Almeida nada disse: estava profundamen-
te pensativo.
Sim, meus amigos; respondeu Car-
los ; eu os apresentarei; prometto-lhes.
Vou desde j me ensaiando para en-
tabolar um namoro constitatitmal com a
voluptuosa Leonor! cu sou poeta! bradou
Magalhaes esfregando as mos.
Fra, cascabulho! o campo meu!
t contrahirs esponsacs com alguma das
visinhas.
Contralle tu, calouros: cu nao cedo
Leonor nem ao diabot
Pois declaro-lc que nesta data mo
considero com o jas in re na pessoa da mo-
ren inha, Magalhaes.
E eu com o dominio pleno, como te
tenho ouvdo dizer, Marcondes.
Pois enlo, cascabulho; ahi vai o meu
ultimtum: guerra at a morte de um!
Sim, calouro : guerra fratricida!
E eu talvez faga guerra a vosss lo-
dos! murmorou Almeida.
Vmcs. saltam ua ra da Aurora? per-
guntou um dos canoeiros.
Sim. piloto lluvial, respondeu Maga-
lhaes.
Exactamente, ncola do elemento sal-
so! ajuntou Marcondes.
E os quatro estudantes desembarearara
na rampa do caes da encantadora ra da
Aurora, o encamnharani-se pela ra For-
ni'isa para a do Hospicio, onde morayo.
(Continuar-$e-ht$
,o resultado seria urna mordedura mortal.
Dispuoha de um rewolver, mas de que iba
servia aquella arma contra mraigos Ho
ageis ?
No meto d'estas hesitac3es, o sea plano J
foi sempre precipitarle sobre a porta e
arromba-la, mas logo se-
naria despresado a occosiao mais favooeVet ^MfOoM o da eobn
para isso. cintoga. Cum tudo
conl ootno os que usara as elegantes na-
politanas, porm o bracelete tinha olhos,
scmtithmtes como um brlbante O rnfeliz
mancebo conhecen a cobra-coral, a mais os*
bslta, a mais graciosa e a mais formosa das
cobras, mas cojo agudo dente d urna mor-
a certa e r
fecopeMo oo o boi-
Gfandval rosoNoaJa
todo o transe lancar mo do rewolver, ain-
da que nao fosse seno para matar aquellas
que lhe raordessem, e, sem se importar se
um ou outro dos seus adversarios lhe per-:
mittiria cumprir o seu desejo, buscn a
pistola no bolso, engatilhou-a cuntra o pei-
to e aguardou o momento de fazer uso
d'ella, e comprehendendo que a detonaco
do tiro podia, irritando aquellaseras, acce-
lerar a catastrophe, foz o proposito de nao
desfechar seno em ultimo extremo e quan-
do outro meio de salvago se nao ollere-
cesse. O seu movimento inquietou o ye
ye e o coral. Elles pararan no caminho
e s muito tempo depois coincgaram outra
vez a mover-se.
Grandval segua agora com umsaogue-
fro inconcebivel as peripecias d'este drama
era que se lhe jogava a vida e tir^va todo
o pitido da experiencia obtjda. Logo
que os reptis recomecavam a ascenso pro-
curando eingi-lo melhor, operava elle um
leve movimento, que, sem os assustar ou
irritar, os fazia conservar quietos. A sua
mo armada do- rewolver estava prestes a
fazer voar empedacos o primeiro que se
dispoiessTa fazer uso dos seus terriveis
denles.
Quasi meia hora volver n'estas angus-
tias, e era (orgoso que o capito tivesse
urna alma *em enrgica e um organismo
de fe-ro para as supportar sem desanimar.
Entreunto nao cessava de prestar o ouvdo
afira% ver so alguem varia em seu soc-
corro, porm nao ouvia passos alguns nem
o neMonem -o amo appareoiam. Houyc
um wbeato em qoe. lbe pareceu ouvir
.aaoxer na porta mu de leve, como alguem
que ospreitava .pelas {andas com precaugao,
loas nao se atreven a >oUar-se neaa meto
chamar, e esto lado, oe era verdadetro, em
nada mudou a sua sHwcao.
Este estado, porm, nao podia prolon-
ga r-se. A pequea cobra-coral enroscara-
se na verruga da manga, parecendo resol-
verse dormir a ssta n'aquelle sitio. O
yeaye, qa ora de inuito rnaior tamanho,
mostrav a-se menos socegado : recomegava
agora a mover-se e os movirnentos astucio-
sos de Grandval nao a i nt mi la va ni. Era
breve enrolara com seos moveTcbs elos a
braco da victima s costas da cadeira. O
martimo j nao podia seguir com a vista o
seu andamento, mas senta subir sempre e
comprehendera que em poneos momentos a
hedionda cabega do reptil se adiara nivela-
da com a sua.
Foi n'esta conjunctura que se fizeram
ouvir no pateo passos precipitados e urna
vo? arquejante, que Grandval reconheceu
ser a do concessionario Lefrancois, excla-
mou de fra :
Capito Sr. Grandval !... Est abi?
O martimo, semreflectir as consequen-
cias provaveis do seu acto, respondeu com
todo o vigor que lhe resta va :
Sim, sim I Aqu estou"! Soccorro!
. i) inesperado som >d'esta voz pareceu
exasperar a ye liyi.-que sbitamente er-
gueu oabega, e-,"*hrtfido as gvelas fta al-
tura do resto de (Tinidval, soltou um agodo
assobto. Ento este, com a raoidez do re-
lmpago, te fogo cojn o-rowouver, e a co-
bra, separando-se-lbe arcabeca do corpo,
eebto instantaneamoule no ch.j, estorcen-
do-se em oonvuls5os horrivois, a, sacudmdb
cora igual violencia a cobra-coral, que-foi
cahir a distancia d*+H ergaoo-se impBtno-
sanjgBte
f'l


\
v
>
JWinuar-OMki.)
'
TF. MDU1I0-IVADA8C9VZES1I. <


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZEQ1KYNN_L5N83I INGEST_TIME 2013-09-13T23:15:10Z PACKAGE AA00011611_11809
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES