Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11807


This item is only available as the following downloads:


Full Text

^^HBM
-I

s
ANNO KLV. NUMERO 75.



i
PARA A CAPITAL E LUGARES OIDE NAO SE PAGA PORTE.
Por tres mezes abantados..................v 6)5006
*or seis ditos idem. ................... 12X000
Por uia aaio dem. .................... 24*000
Cada numero avulso ..................." 0320
SECUNDA FEIRA 5 DE ABRIL DE 1889._______
PARA DENTRO E JORA DA PROVINCIA.
Por tres raezes adiantados.................. 6*750
Por seis ditos dem. .: f ................ 130
Por nove ditos dem...........;....... 20*250
Por um anno...................... 27*000
DIARIO DE PERN4
Propriedade de Manoel Figneira de Fara & Filhos.

KiO ACii:\Ti::
Os Srs. Gerardo Antonio Aiv
nw Alves & Filho.1, no Para; GonealvesA Pinto, no Maranho; Joaquim Jos de Oliveira, no Cear; Antonio de Lemos Braga, noAraeaty; Joo Mara Jntidichaves, nOi\ss; AJtfbnio Marques da Sirva, no Natal; Antonio Joaqun
Guimaraes Pancada, em Mamangnape; Amonio Alejandrino de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penlia; Belarmmo dos Santos Bulco, em Santo Anto; ftjmingos Jos da Costa Braga,
ein Nazaretli; Francino Tavares da C.sta, em Alagas; Dr. Jos Martins Al ves, na Baha; e Jos Ribeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
parte ornciAL.
Coverao da provincia.
KXH!liTETTE ASS1GNADO PELO EXM. SU. CONDE DE BAE-
PENDT.PRESUWKTEDV PROVINCIA, EH 20 DE MAllCO
r>B iHi'j.
Ia seccao.
N. 717.Portara ao Bxm. general cnnimandan-
tc das anua*.Mande V. Exc. por em liberdade
os recrutas Luix di- Franca Lira, Man. ti Francis-
co da* Chaga^s e Laurndo Francisca Cavalcante,
visto terem sido julgado* incapazes d > servieo do
exercito em inspeccao do sade, como se v do
termo aanexo ao seu oflirio desta data sob n.
Itil.
N. 748.Dita ao capitao do porto.Faca V. 8.
remetter para a corte, no vapor Tocan? ins que
N espera do nork>, para o que Hcam expedidas as
convenientes ordens os recrutas Jos Tliomaz d*A-
uino, Vicenie Ferreira da Silva c Amonio Jos
elix, visto terem sido jugados aptos cuino se v
do termo anuexo ao seu ofllcio de 18 do crrente
>"b n. 36.
2a seccao.
N. 719.Portara ao Dr. chelo de polica.Ap-
(trovo o contrito frito pelo delegado do termo de
lambe, coui Antonio Jo> Bruno Jnior, de que
trata o seu ollleio n. 103 de 18 do Torrente, de ar-
rendamento de uina casa para servir >le prisa) na
povoacao de Timbaba.
N. 7X0.DiU ao commandante superior interino
la guarda naeionaldeste municipio.Devendo fes-
icjar-se nesta capital a 2'J do crrenle, o glorioso
anniversario do juramento da roustitaieao poltica
do imperio, expera V. S. suas ordens, para que
nesse dia pelas o horas da tarde, 09 carpos da
m.-.ndra lavrar o termo de recebiinento provisorio
da piella obra e passar o competente certilicado
aflu de que o respectivo arrematante Bento Joa-
quim Guies, possa receber a segunda prestacao
.i que tem direito. O que Iho declaro para seu eo-
nhviinento e em respo-ta ao seu citado offlcio.
4' seccao.
M. 769.Portara ao dsembargador provedor
pr nedor da Santa Casa de Misericordia.Commu-
nieo a V. Exc, ein resposta ao seu offlcio n. 1799
de 12 do crreme, que em 18 do niesmo, partee! -
juiz de orjihaos desse termo, haver nessa
Fflncis- l>ei-me .-
data solicitado do V. Exc. a eutrega do menor Je-
Muymo para ser dmitiido no arsenal de guerra
de c-nfonuidaee oum as ordens exiwmdas.
N. 770.Dita aos agentes da companhia Bra-
'sileira de paquetes a vapor.Os Srs. agentes da
companhia Brasileira de paquetes a vapor mau-
dein dar transporte para a corte por conta do mi-
uiitenn da marinha no vapor Tocanlitu que se
espera do norte aos tres recrutas de mues Jus
Tliomaz de Aquino, Vicente Ferreira da Silva e
A tonio Jos Flix.
ESPEDIENTE ASSI0NADO P8L0 UB, JOAQUIM CORRA DE
ARAUJO, SKCHETARIODO GOVERNO, KM 20 DE MARCO
DE 1860,
2* seccao.
N. 771.Olfieio ao commaudante superior da
uarda nacional de Olnda.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S. em
resposta a seu ofllcio de 18 do corrente, que
transmttio as thesourarias geral e provincial,
o; prels que em duplcala vicram annexos ao cita-
do ofllcio.
N. 772.Dito ao commandante superior da
guarda nacional do Brejo.O Exm. Sr. presdeme
d i provincia manda declarar a V. S. em resposta
ao seu o'flcio de 5 do corrente, que a the-
guarda nacional st> seu eommando superior, fr-1 sourariade fazenda tem ordem para uagar os ven-
mera em grande parada, assixtiudo a ..ir.eialidadc cunelos constantesjlo pret que em duplcala veio
ao cortejo, que nessa tardo petas 6 horas tr lu-
jar no palacio do governo.
N. 731.Dita ao juiz de direito da comarca de
Cabrob.Informe V. S. com urgencia e nomin.il-
mente quaes os -upplicant.- do juiz municipal e
de urphaos do t-nuo do Ex, no quadriennio cor-
rente, que prestaram juramento; se o presta-
ram dentro do prazo legal, ein que data, perante
uem e em virtude de quo communcacao on or-
em.
N. 752.Dita ao juiz de orphaos do termo do
Recite.Pelo ^eu otlco de 18 do crreme, tico in-
teirado do que Vmc. expoz acerca do menor Jero-
uymo, que me fui entregue pelo subdelegado da
freguezia de Santo Antonio, para dar-lhe destino,
por nao ter paes conhocidos; ilutando apenas que
tendo-se-lhe communicado em 8 deste mez, baver
sta presidencia expedido ordem pa a ser o dito
menor admittid no arsenal de guerra, s a 18 so-
licitase Vmc. ao provedor da Santa Gusa a reti-
rada del le lie um dos estabelecimentiM da mes-
illa Santa Cada, onde (ora provisoriamente reco-
mido.
N, 733.Dita ao commandante do coi po provi-
sorio de polica.Pode Vmc. alistar no corpo sob
o seu cominando a Caetano da Silva Pereira, a
3ue allude o seu ofllcio de 17 do corrente, ten-
o elle a precisa moraJidade para servir na poli-
ca.
3* seccao.
.V. 735. Portara ao inspector di thesourara
de fazenda.Em vista do pret junto em duplcala.
que me remetteu o commandante superior interi-
no da comarca do Brejo em offlcio de 5 do corren
te, mande V. S. liquidar, e pagar o que fr deyi-
do dos vencimentos relativos ao mez de fevereiro
ultimo, dos guardas nacionaes destacados na villa
de Cimbres.
N. 736.Dita ao mesmo.Transmitto a V. S. o
incluso prel, que me remellen o commandante su-
perior deste municipio, com offlcio de 18 de cor-
rente sob n. 42, alim de que mande liquidar e
pagar os veueiinentos correspondentes aos inezes
de noveiubro do anno prximo passado, a feverei-
ro ultimo, dos tambores o cornetas empregado<
nos corpos da guarda nacional do mesmo muni-
cipio.
tf. 737.Dila ao mesmo. Expeca V. S. suas
ordens, para que em vista de pret junto em dupl-
cala, que me reinetleu o coinmandante superior
da comarca de Olmda. com ofllcio de 18 do cor-
rente, sejam liquidados e pagos os vencimentos
relativos a pnmetra qunzena deste mez, dos guar-
das nacionaes destacados as jrtaleas do Brum
e Buraco.
N. 738.Dita ao mesmo.Interado do conte-
do do ofllcio que V. S. me dirigi em 18 do cor-
rente sob n. 139, tenlw a dizer ein resposta que
approvo a nVliberaco, que tomou o inspector da
alfandega desia capital, de conceder a Francisco
de. Assis Chaves Peona, a deinisso, que solicilou
do lugar do cnale da inesina alfandega, Hornean-
do para o substituir a Argemiro Eugeniano Peixo-
lo de Albuquerqui.
N. 739.Oiia a > inspector da thesouraria pro-
vincial.Transmiti a V. S. para os dendos llns
o contrato junto por copia, approvado por esta
presidencia, que celebrou o delegado de polica do
termo de liainl., com Antonio Jos Bruno Jnior,
do arrendamento de urna rasa para servir de pri
sao na povoacao de Timbaba.
N. _76ii.Oit ao mesmo.Depos de liquidada
em Hta do pret junto em duplicata a que se re-
l'ere o ofllcio do commandante superior da comar-
ca de Olioda de 18 do corrente. mande V. S. pa-
gar os venrimontot) correspondentes a primeira
quinzena deste mez, dos guardas nac >naes desta-
cados n'aquella cidade.
N. 761.Dita ao-asesmo. O cliefc da repart-
cao das obras pubVcas, participuu-ioe era ofllcio
a inexo ao citado ofllcio.
4"seccao.
N. 773 Offlcio ao inspector da sade do porto.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
c a remello a V. S. os inclusos offlcios do juiz de.
direito da comarca de Cabrob e do delegado do
t* rmo de Salgueiro, am de que examinando-os
emita cora urgencia o seu parecer sobre a epide-
mia de que nelles se trata.
4XPRDIENTE ASSIG.NAM PEI.O EXM. SR. CONDE DE BAE-
PEKDT, PRESIDENTE DA PROVINCIA, NO DIA 22 DE
MASCO DE 1869.
1* seccao.
N. 774.Portara ao director do arsemi*-ae goer-
r i.Enve V. S. com urgencia o orcamento da
importancia dos objectoe solicitados pela presden-
c a da provincia do Rio Grande do Norte, em offl-
c o de 9 do correle e mencionados na relaco
junta por copia.
N. 773.Deliberacao.O presidente da provin-
c a attendendo ao que requeren Antonio Francis-
o Cavalcanle, guala da companhia de aprend-
z menores do arsienl de guerra, e lendo em
vista a informacao do respectivo director, datada
ce 14 do corrente, sob n. 61, resehfe eoncedcr-lhe
T ulives de licenca com vencimento na forma
da lei.
2." seccao.
N. 776.Portara ao commandante superior in-
terino da guarda nacional deste municipio.Em
ie>posta ao ofllcio de V. S. de 13 do corrente, sob
ii. 34, envio-lhe a informacao jimia por copia, do
!)r. chefe de polica, datada de 18, em que decla-
i a que pelas autoridades noticiaes nao tem sido re-
erutada praca alguma da guarda nacional que fa-
ca parte do corpo aquartelado para o servlco da
ruarnicao, ou dos contingentes que o devem com-
pletar nem consentir que d'ora em diante seja
presa qualquer dessas pracas para servir no exer-
cio on armada.
N. 777.Dita ao commandante superior da guar-
da nacional de Goyanna.Nao podendo haver re-
gulardadc no servico do destacamento da cidade
de Guyanna sem que tenha um tambor, como in-
orma V. S. em seu ofllcio de 18 do corrente e
ilcita o respectivo delegado de polica no de 6
leste mez, haja de mandar addir ao referido des-
acamento um dos tambores do batalhao n. 12 da
guarda nacional sob seu eommando superior.
N. 778.Dita ao juiz municipal do termo de S.
Rento.Tendo sido declarados vagos, por aviso do
ministerio dos negocios da justica, de 12 do cor-
rente, os offlcios do 2 tabelliao e scrivo das exe-
cucoes civeis e criminaes desse tormo, por noha-
.er o respectivo serventuario vitalicio Fderalino
^nlonio da Silva Lemos, tirado ttulo dentro do
praso que lhe foi marcado e das prorogacoes que
jbtivera, cumpre que Vmc. ponha a concurso a
serventa dos ditos offlcios, nos termos do decreto
de 30 de agosto de 1831.
N. 779.Deliberacao.0 presidente da provin-
cia tomando em consideracao o que em offlcio de
20 do corrente, sob n. 127, expoz o tenente-coro-
nel commandante do corpo provisorio de polica,
acerca do procedimento do tcnente da 3* compa-
nhia do mesmo corpo Francisco Xavier Hodriguc-
de Miranda, que, tendo recebido da thesouraria
provincial a quantia de 1:847*220 para condozir
at a villa de Floresta, alio de pagar os venei-
mentos das pracas all d%tacadas, extraviara a
dita quantia, deliberademtir, cerno offenivamen-
St o faz o sobredito Fiancisco Xavier Rodrigues de
Miranda do posto de lenle da mencionada com-
panhia e manda quo, exlrahida* oopias dos respec-
tivos docnmenlos, ejam remettidas as competen-
tes autoridades para proceder contra elle na forma
da lei.
N. 780.Dita.O presidente da provincia re-
solve nomear para os postes vagos do corpo pro-
visorio* de polica os seguintcs ofUeiaes : Capitao
de hontem sob n. 115, que por achar-sc conclui- daj'companhia o capitao da guarda nacional
do o ponlelho dos remedios, mandn lavrar o ter- '*> Anastaclo Camello Pessoa ; lente da mes-
mo do recebiinento provisorio d'atiaeUa, e passar ma companhia o ex-lente do corpo Joaquim da
n competente certifleado, aflin de que o respectivo Molla e Silva ; aiferes da 5' companhia, o ex-al-
arrematante. Bento Joaquim Gomes, possa receber teres do corpo Sebastian Antonio do Reg,
nessa thesouraria a importancia d* segunda pres- 3* seccao.
lacao, a que tem direito. O que declaro a V. S. 781.Portara ao inspector da thesouraria de
para seu conheciioento e direc^ao. fazenda.Transmiti por copii a V. S. para seu
N. 762.Dita ao mesmoDeclaro a V. S. para conhecimenlo e llns convenientes o aviso que me
seu conuecimento, e devidos effetos, qne nesta dirigi o ministerio da fazenda em i do corrente
data concedo a autorisacao, que solicitou o ebefe no qual se declara que emquanlo nao fr rduzdo
da repartic,o das obras publicas em offlcio de o pessoal da alfandega desta capital aopumero e
boolem sob n. 114, para contratar, com quem me- ctasses estabelecidas pelo decreto n. 4175 de 6 de
1
Inores condicoes efferecer a execucao dos peque
aos reparos, pistura e alcatroamente das pontes
do Fragoso, Pauli~ta, Tymb, Desterro, Tabatinga.
Iguarass, ^raripe e Araripe de Baixo e Pontal
oa estrada da Victoria, despendendo-se para eswi
fim at a quantia de nove rentos e dons nul res,
em que, segundo o citado offlcio sao avahados taei
reparos.
[f. 763.Dita ao chele da reparticao das obras
publicas.Concada a autorisacao, que Vmc. sol -
citouein offlcio do hontem sob n. 114, para con-
tratar com quem mais vahlagens oflerecer a exe-
cucao dos pequeos reparos, pintura e alcatroa-
roento das pontos do Fragoso, Paulista, Tymb<>,
Desterro, Tabatinga, Iguarass, Araripe, Araripu
deBaxo e Pontal, na estida do norte, despee-
dendo-se para esse fim al a quantia de nove cer-
tos e dous mil res, em que segundo o citado ol -
ci, sao avalii'd i u.i reparos.
N. 764.Dita ao eatno.Pelo offlcio que Vnv,
me dirigi hontem, seo n 112, fiquei interado ce
nueestao sendo exlrtttdos pelo essoal empreg-
do as obras do Gymnasio, osnnuenos reparta
de que precisava o telhado da((bel edificio.
N. 785.DHa o mesmo.esta data don sciet -
eia a thesourana provincial de haver Vmc. parti-
cipado em offlcio de hontem, sob n. 115, qa>,
actaafen cosMitio cpontilbSo toBmto>,
maio do anno prximo passado, devem os emprc-
gados da mesma abandega ser pagos pola tabella
annexa ao regulamento de 19 de setembro de 1860
e calculo de 7 de novembro de 1867, segundo
dispoe o art. 23 do citado decreto.
Avito a que u refere a portara snpra.
3' seccao.Ministerio dos negocios da fazenda.
Rio de Janeiro, 4 de marco de 1869.Hlm. e
Exm. SrEm sotucao ao requerimento dos ein-
pregados da alfandega dess* provincia, qne acom-
panhou o offlcio de V. Exce 6 de novembro ul-
timo, pedindo que o pagamento da respectiva por-
eentagem Ihes seja feto de julho ultimo em diante,
pela tabella de 27 de novembro de 1867, tenho de
declarar a V, Exc, qne emquanto nao for redu-
zklo o pessoal da alfandega ao numero da classe
estabelecidas pelo decreto n. 4,173 de 6 de maio
do anno passado, devem os referidos empregados
ser pgos pela tabella annexa ao regulamento de
19 de setenroro de 1860 e calculo da de 27 de no-
vembro de 1867, segundo dispoe o art. 23 do Cita-
do decreto. Deus pardo a V. ExcFcoiufe de
Itaboraky -i^Sr. presidente da provincia de Per-
nambuco. Cumpra-se. Palacio do governo de
Pernambuco, ti de marco ie 1869.Conde de
Baependy.
N. 775.Dita ao mesmo. A vista da tolha e
pret nominal, junto en duplcala, mande Y. S. Ii
>*i
quidar e pagar a Jeronymo Pereira Morins, ou a
Evaristo Mondes da Cunha Azevedo, conforme so-
Ucilou ocoininaudi.ulo superior interino da guar-
da nacional da eoman-a do Bi-ejo em ofllcio do 4
do correule, os vencimentw relativos ao mez de
fevereiro ullmo, di| offlcial e guardas nacionaes
destacados n.iquclla villa.
N. 776.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial. Autoriso V. 8. a mandar pagar de eutt-
formidade com a sua infttrmaeao de 20 do corren-
te. sob n. 148, a importancia de terceira presta-
cao a que tem direito Francisco Xavier Lins de
Albuquerque, cuino arrematante da obra do pri
meiro tanjo da estrada de Itapissuma, segundo
consta do, ceiliflcado annexo ao requerimento in-
cluso que devolvo.
4" seccao.
N. 777.Oflirio ao Exm." Sr. presidente da pro-
vincia das Alagas. Foi-me entregue com o seu
offlcio de 10 do corrente, dous exemplares do re-
laturio com qne V. Exc. abri a assembla legisla-
tiva dessa previncia, no dia 31 de outubro do
anno prximo passado.
N. 778.Dito ao mesmo. Receb com offlcio
que V. Exc. me dirigi em 13 do corrente, dous
exemplares da colleccao das leis da assembla le-
gislativa dessa provincia, promulgadas no anno
prximo passado.
N. 779Portara ao viseonde de Camaragbe,
director da Faculdade de Direito do Recife.Para
cumprimento do aviso expedido pelo ministerio
do imperio em 12 do corrente. sirva-se V. Exc in-
formar acerca do que no incluso requerimento
pede ao governo imperial o Dr. Antonio de Vas-
coacellos Mcnezes de Drummond, lente substituto
dessa Faculdade.
N. 780.Dita aos agentes da companhia Brasi-
leira de paquetes a vapor.Podem Vmcs. fazer se-
guir para os portes do norte o Tapor Cruzeiro do
Sul, hoje a hora indicada em seu offlcio de
honlem.
N. 78*.Deliberacao. 0 presidente da pro-
vincia, attendendo ao que reqnereu a professora
publica da cadeira da villa de Iguarass, Antonia
do* Anjos da Porciuncula, e tendo em vista a in-
formacao do director geral da instruccao publica
de 17 de fevereiro ultimo, sob n. 31, resolve con-
ceder-lhe um mez de licenca com ordenado so-
mente para tratar de sua sadde,
N. 781.Offlcio ao viseonde de Camaragibo, di-
rector da Faculdade de Director desta capital.
Devendo festojar-se no dia 29 do corrente o glo-
rioso anniversario do juramento da constitucao
poltica do imperio, determinou o Exm. Sr. presi-
dente da provincia, que nesse da nao fnnecio-
nem as reparticoes publicas : o que a V. Exc. com-
munico para seu coiihecimento e lins convenien-
tes.Igual ao director geral da instrucejio, cma-
ra municipal desta cidade, administrador do cr-
relo, director da escola normal, regedor dogym-
nasio provincial, inspector da saude publice ao
da saude do porto.
EXPEDIENTE ASSICXAD PF.I.O SU. DR. SOAO'TM CORREA
DF ARAUJ^ECRRTARIO DO COVtRNO, KM 22 DE
MARCO DR-189.
1* seccao.
N. 783.Offlcio ao Exm. Sr. general comman-
dante das armas.Devendo festejar-se no dia 29
do corrente, o glorioso aniiversano do juramento
da constitucao poltica do imperio, determina o
Exm. Sr presidente da* provincia, quo nesse dia
nao funccionasse as reparticoes publicas : o que a
V. Exc. commnnico para seu conhecimento e flus
convenientes.Igual ao Sr. director iF> arsenal de
guerra, inspector do arsenal de marinha, capitao
do porto, engenheiro enearregado das obras mili-
tares mutatis-mutandts.
2* seccao.
N. 784.Circular aos presidentes doft. rribnnaes
da relaco, do cominera, chele de polica, juzes
de direito dos feitos da fazenda e especial do com-
mereio, juizes de direito e munieipacs da primeira
e segunda vara e juizes de orphios.Dovendo fes-
tejar-so no dia 29 do corrente. o glorioso anniver-
sario do juramento da conslituicao poltica do im-
perio, determinou o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, que nesse dia estejam fechadas as reparti-
co* publicas : o que a V. S. cemmnnico para seu
conhecimento e lins convenientes.
N. 785.Offlcio ao Dr. chefe de polica.De or-
dem do Exm. Sr. presdeme da provincia, cora-
munico a V. &, que nesta dala se expedio ordem
ao commandante superior de Goyanna para man-
dar addir ao destacamento da cidade daqueHe mu-
nicipio, o tambor reclamado pelo respectivo dele-
gado de polica no offlcio que acompanhou o de
V. S. de 9 do corrente, que fica asshn respon-
dido.
N. 786.Dito ao mesmo:O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. 8., que hra
interado por seu ofllcio de 19 do corrente, sob n.
440, de ter Ido por deliberacao desta dala, derait-
tido Manoel Joaquim Neiva de Figueiredo, do em-
prego de guarda da casa de deleneao e nomeado
para o substituir a- Antonio Aqnicilino da Costa
Cabral.
N. 787.Dito ao commandante superior da guar-
da nacional do Brejo.O Exm. Sr. presidente da
provincia manda declarara V. S. em rwposta o
sen offlcio do Io do corrente, que a thesouraria de
fazenda tem ordem para papar a jeronymo Perei-
ra Marios, ou a Evaristo Mendes d Cunha Aze-
vedo, os vencimentos constantes do citado of-
flcio. *
N. 788.Dito ao ommandante do corpo provi-
sorio de polica.O Exm. Sr. presidente da pro
\ lucia, manda transmittir a V. S. para o sen co-
nhecimento o fins convenientes, a deliberacao des-
ta data junta por copia, que noma a vanos ofll-.
ciaes para o coi jk> sob seu eommando.
3' seccao.
N. 789.Offlcio ao inspector da thesouraria de
fazenda.= S. Exc. o8r. presidente da provincia
manda transmittir a V. S. asquatro inclusas ordens
sendo_duas do tribunal do thesouro nacional, sob
ns. 27 e 28, nma do ministerio da guerra, datada
de 12 do corrente, c outra em duplicata do aju-
dante general do exercito n. 664.
N. 790.Dito ao mesmoDevendo festejarse
no dia 29 do corrente, o glorioso anniversario do
juramento da constitucao do imperio, determina
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, que nesse
dia nao funeconem as reparticoes publicas : o
que a V. S. communico pata se conhecimento e
lins convenientes.Identicol'ao inspector da the-
souraria provincial, ao da alfandega, ao chefe da
reparticao das obras publicas, ao administrador do
consulado provincial e ao da recebedora de ren-
das internas.
N. 791.=r=Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial.O Exm. Sr. presidente da provincia. Ban-
da communicar a V. S. para seu conhecimento e
lins convenientes, que segundo participen o chefe
de polica a 19 do corrente, foi exonerado do lu-
ctachos pa presidencia do dl\ 2 de abril
de 1869.
na Joaquina do Espirito Samo. Dirija-se
ao Sr. inspector do arsenal de Marinha.
BernardMi da Silva Costo Cainfos. Concda-
se pcnnissl para a remessa dos gneros de que
tratan sunplcanle.
Carlos Jos de Senna. Informe o Sr. Dr. chefe
de polica.
Bacharel Cactaho Mara de Farias Nevcs. Nao
existe na companhia de aprendices do arsenal de
marinha menor com o nomc de que falla o sup-
plicante.
Ignacio Francisco dos Santos.<>rao pede.
Joaquim Candido de Miranda. Informo o Sr.
coiiHiamlante snpenor interino.
Joao Francisco Paes Brrelo. Ao Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial para informar ouvin-
do o parecer lista!.
, Vicente Jos de Otiveira. Informo o Sr. en-
genheiro chefe da reparticao das obras publicas.
Manoel Canduo Pereira de Lyra. = Junte o do-
cumento que menciona, para comprovar a enfer-
mdade qii< aliena.
Capitao Tiburcio Hilario da Silva Tavares.
Responda o Sr. eoronel Francisco Joaquim Pereira
Lobo.
Umbelino Amonio Pereira. Dirija-se a seu coin-
mandante. *
tuoso pretorio tem corresponrlido a essa
mesma espeetativa, seuao" coro a reforma
enrgica e prompta. que primeira vista
jeralnsmle se reclama, peto menos com
meios preventtvos.que.no futuro trarosuave
e naturalmente os mais benficos e sasona-
tl'is fructos.
Ao geral fio publico parecera iamclina-
vel a prompta reforma do clero e do cul-
to ; mas o virtuoso prelado na can.lidez
de sua alma, e no atamento de seu espiri-
to esclarecido rosolveu e ioiofou a reforma ;
mas de urna maneira e por ttm meio que
muito honra o seu boImc carcter de evan-
glica mansido.
generaeao do clero por S. Exc. t3o louva-
vclme&te empreliendi la.
Pelo que respeita a reforma Iliteraria.
tudo estar dito e comprehendido, quando-
se disser, que o actual qpadro das materia*
aprender importa um curso theologico e
cannico, como se fra professado en*
qu-dquer academia seraelhante as que ha
na Europa.
0 Brazil tem hoje um desenvovimento e
progresso intellectual, que se na est ao
par do descnvolviment e progresso intel-
lectual das na$5es mais adiantadas da Eu-
ropa, comtudu d'elle se aproxiaw, edo
crer que com o tempo se desenvolva e cres-
Reconheceu o prudente hispo quo urna Ca c*la vez mais. Nos ditferentes ramos da
ilepaitlvto da pollelat.
5* seccao.Secretaria da polica do Pernambuco,
3 de abril de 1869.
N. 4t8.Ulra. e Exm. Sr.Tenho a honra de
levar ao conhecimento de V. Exc. que, segundo
consta das partieipaeocs receidas hoje nesta re-
particao, foram hontem recolhidos a casa de deten-
cao os seguintes individuos :
A ordem de subdelegado de S, Jos, os (barajos
inglezes J. Q. Skuhar e Felax Johnson, por em-
briaguez.
ordem do da Boa-vista, Antonio Barcellos de i
Andrade. pnrerime de amcacas.
A ordem do depositario geral, o preto Pi, es-
cravo de Manoel Pereira Magalliaes, para ser con-
servado em deposito.
Deus guarde a V. ExcIllm. Exm. Sr. conde
de Baependy, presidente da provincia.O ebefc de
poilcia, Francisco de Faritt Lernas.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIAEIA.
GUARDA NACKkNAL Por deliberacao da pre-
sidencia, de l do corrente, forana*nomeados para
o baliilhao n. i*, de manicipio do Limoeiro :
Alteres da C* nnpanhia, Firimnn Jos da Silva.
Tenente da 7'. o alteres da ti" Lourenco Correa
de Mello.
COECTOM' PROVINCIALI-Por deliberacao
de 3 ile corrente, alWndendo urna representago
de 178 habitantes do municipio de Barreros acer-
ca do incoimnodo e prejnlzos que solfrem, quando
tem de recorrer, para pagamento dos respectivos
Ittpostos, collectoria de Jl|nia-Preta, que disla
daquelle municipio dex leguas ; resolveu a presi-
dencia da provincia, depois-de otivir a junta da
thesouraria provincial, crear, nos termos do art. 1
do regulamento de lo de setembro de 1861, urna
collectoria para a arreeadaeao dos impostos do so-
bredito municipio de Brreiros, o qual fica desli-
gado do de Agua Preta.
Para exereerem os lugares do colleclor c
escrivao foram nomeados, na mesma data, Manoel
Leitaof igneira, e Manoel Jos da Silva Jnior.
INSTITUTO ARCHEOLOGICO.-No resumo, que
demos :mte-hontcm dos trabadlos do Instituto cm
sesso do Io do corrente, deixou-se de mencionar
o seguiotc : a posse dos membros da mesa admi-
nistrativa ltimamente eleitos c a votacao dos se-
guintes senhores, que foram ,ippi ovados para so-
cios correspondentes : Drs. Pedro Francisco da
Costa Alvazenga, Antonio Joaquim Enarque; de
Mazareth, Francisco do Reg Baptista e coroiei
Coriolano Velloso da Silveira.
DINHEIRO ACHTADO.O Sr. Dr. Miguel Jos de
Almeida Pernambuco coinmunica^os que, tendo
adiado una certa quantia de dinheiro na estaca
da va forrea de Apipucos praca do Capm, fez
entrega dcllaao Sr. Dr. chefe do polica, alim de
que seu dono all a v procurar.
RA DAS FLORESHa no calcamcnlo desa
ra, perto da rus da Concordia, urna depressao
bastante funda, que pode ser fatal a alguem, se
nao for lapada. Convm que se previna qualquer
nial que d'ahi possa re-ul|ar.
AS PESSOAS CARIDOSAS.Em casa de Widow
Raymond & C, na do Trapiche n. 8, acha-se
aborta urna subseripeao cm favor da familia do
fallecido tenente reformado Joao de Siqueira Cam-
pello, composta de viuva e tres filhos menores, a
3ual se acha om extrema pobreza pelo passamento
e seu chefe, homem probo e honrado durante
sua longa vida de empregado publico, da qual sa-
hw pobre. Recommendamo-la s almas piedosas.
rPBOTESTOS DE LBTfRAS. O escrivao dos
protestos, Jos Mariano est de semana ra de
Sanio Amaron. SO.
LOTERA.A que se acha a venda a 101", a
beneficio da igreja de Nossa Senhora do Livramen-
to de Pao d'Alho, que corre sabbado 10.
BILHETES OFFERECIDOSNumeraeao dos bi-
Iheles da loria 10# ofereci|o* pelo tnesoureira
das loteras flara auxilio das despoxas da guerra :
Billiefsjs. 3V02a:*ill.
PASsJfcEIROS.Chegaram de Li boa, bordo
da barca portugueza Pereira Borges, os seguin-
tes : Jos Pedroso dos Santos, Constantino Martins
SinnM's, Luir Valente do Cont. Jos Ferreira Lo-
pes Jnior, o M. G. Felipps.
Trouxe mai? seu bordo o vapor brasileo
Mamanguapt, vindo do Rio-Formoso e portos in-
termedios, os seguimos: major Joaquim F. Diniz.
i pracas, i cabo, 3 presos, sendo J recrutas e 1
seiuenciado.
Seguio no hiato Sobralense, para o Rio-Grande
do Norte, Antonio Gomes Pereira.
Levou tamben) a seu bordo o hiato nacional
Nossa Senhora dos Navegantes, sahido para o Ara-
uv ni .-igualar : Gustave dos Prazeree Hangel.
Jo fi- do Amaral, Jos de Amida, Francisco da
RoM e Lourecode Ajmeida. ff f l
reforma prompta dos muitos e conhecidos
abusos, que ha no clero e no culto, impur-
lava urna reaccao, e as reaccoos sao de sua
naturesa distruiloras, a distruicao oopre-
judica ou retarda os fructos d'essa mesma
reforma: enlao sem prescindir da reforma,
a encarou, prejiarou e vai conduzir. valeu-
do-se da accao da tempo, que um poderoso
instrumento de que para tudo liumano,se*
vale a Provideucia.
Intendeu, e a nosso ver mais acertada-
mente, que a reforma das almas e dos cos-
tumes deveria dirvar do ministerio sacer
dotal, a quem Deus especialmente confiou
a santidade das almas e a puresa dos cos-
tumes, e portanto foi direito a este alvo,
como o ponto de partida para as reformas
secundarias, ou subordinadas principal e
geral.
O nosso clero o quo nao tanto por
culpa propria, mas porque assim o Qzerarn.
Em grande parte dotado de excellentes qua-
lidades pessoaes, resente-se comtudo da
falta de urna educaclo apropriada. Todas
as carreirai publicas tem o seu noviciado, o
seu tirocinio, a sua educarlo corresponden-
te ; mas a carreira ecclesiastica, o est do
pessoal por excellencia, nao tem entre nos
os meios sufficientes de obter urna educa
cao conveniente.
Sem a pratica constante das virtudes
ecclesiasticas, nao se pode experimentar as
vocacoes para um estado semi-divino, como
o sacerdotal; sem urna instruccao solida e
necessaria, n5o possivel arcar com o erro
combatel-o, e vencel-o.
Foi para remover esta reconhecida dei-
COMMUNICADOS.
car de (uarda da casa de detencao desta cidade
Manoel Joaquim Neiva de Figueiredo e nomeado
ara dito lugar Antonio Aquicilino da Costa Ca-
ral.
N. 792.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S. que por
deliberacao de hoje junta por copia, nomeou os of-
liriaes della constantes para o corpo provisorio de
polica.
N. 793.Dito ao mesmo De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia, transmiti a V. 8. pa-
ra os fins convenientes a deliberacao junta por c-
Sia desta data, pela qual demittido o tenente da
1 companhia do corpo provisorio de polica Fran-
cisco Xavier Rodrigues do Miranda.
O Seminarlo de Ollnd*
rI \
Quando se publicou a nomeacao de Exm
e Rvm. Sr. D. Francisco Cardozo Ayres
para bispo d'esta dioceso, Iiouve, aqui em
todoopaize na propria Europa, urna pre-
cooisacao geral, porque a prava da illustra-
cSo a as acrysoladas virtudes do nomeado
eram urna garanta e urna esperanca da re-
genej-acaAda/tfiogiaa. toa benoftea h salu-
bi'; direoslo wn m faturo prximo.
E corf ffeHo tespectaiiva gympatWca,
I que a todos inspirou tSo acertada escolha,
lae-leift sido desneauda, poia que o vir-
ciencia da educaco do clero pernamhucano
e alcancar o desidertum da reforma, que
s pode vir com a aeco do tempo, foi com
as vistas de semear e esperar, que o nosso
digno prelado tomou o ponto de partida do
seu governo diocesano ; e bem haja o no-
bre prelado que assim procedeu.
A educaco meio ecclesiastica e meio se-
cular, que se dava no seminario, as inter-
rupcoes das longas ferias, em que se per-
diain os hbitos de concentraco e abnega-
rlo, a custo adqueridos, nunca poda seme-
Ibaute irregularidade dar urna conviego se
ura, de que a vocaco ecclesiastica era urna
graca celestial, e nao uina nclinaco ou
predilecco de estado. A' falta d'esta segu-
ra experiencia se deve attribuir essa depre-
ciado geral do nosso clero, porque o sa
cerdocio urna milicia, e como para a mi-
licia da guerra se requeren! provados dotes
de bravura e heroicidade, assim para a mi-
icia do sacerdocio se devem exigir as vir-
tudes proprias d'esse sublime estado.
0 artigo da reforma, no qual se obrigs
o candidato ao sacerdocio a urna conveni-
ente isolaco do trato commum da socieda-
de publica e do da familia," na realidade
urna medida eminentemente salutar, porque
n'uma athmosphera, em que s se respiram
os perfumes da virtude, que se pode for-
tificar a alma e o espirito, que um dia leva-
r para o rebanlio que Deus lhe confiar a
regeneracao |dos bons costumese o ex-
emplo edificante de urna vida de obenega-
c5o e resignaco. como deve ser a vida do
sacerdote.
Este artigo da reforma por certo car-
deal, e pode dzer-se que d'elle dirivam
todos"os outros pontos, que carecem d'essa
mesma reforma. Essas plantas msticas,
sempre cultivadas c tratadas sob os inme-
diatos cuidados de sollicitos cultores, como
j tem alguns o nosso esperanzoso semina-
rio, tornar-se-h3o com o tempo arbustos e
arvores gigantescas, que ento soladas po-
dero resistir aos vandavaes das paixes
humanfc, e darem propicio abrigo s plan-
tas que precisam de sna sombra.
Mas esta isolaco doseculo, a que obli-
gado o candidato ao sacerdocio, est por tal
forma providenciada, que nao possivel
comprometter as forras physicas do corpo,
a que preciso attender-se.
Tres estancias de recreio j foram doa-
das ao seminario.
A ordem de S. Francisco n3o poda dar
melhor destino ao seu arruinado e aban-
donada convento de Iguarass, como fe*,
entregando ao nosso digno prelado, que o
destinou, e effectivamente j servio, para
se passarem as ferias grandes.
O governo imperial mandou entregar
igualmente ao mesmo prelado as ruinas do
forte de Monte-Negro que est destinado
ao uso dos banhos do mar, to necessarios
n'esto clima; e o virtuoso conego Firmino
de Mello Azevedo doou, umf,legoa do
seminario, e perto do Rio Doce, urnas casas
e ermida, onde podem os seminaristas ir
pssar um ou outro dia, e ah, temperar as
turcas do corpo, quando enfraquecidas
pelas fadigw do espirito e da ntelligencia.
Estes to apropriados donativos, dev3
considera-losa,virtuoso prelado, como urna
instruccao scientiQca e litteraria ha recursos,
para as differentes carreiras da magistra-
tura, da poltica, da milicia, e da medicina,
mas a instruccao theorogica e cannica acha-
se redolida aos lemitados recursos dos
diocesanos, e ao limitadissimo auxiliar que
por urna especie de esmola lhe d o go-
verno.
Ora quando em todos os tempos o clero
marchou sempre aa vanguarda do progres-
so litteraria. v-se elle agora arrasUndi>se
na retaguarda como urna especie de inva-
lido, sendo muitas vezes mistilidado pelos
sabios de mez e meio, que propagan) os
erros de urna falsa philosopbia e adulteran)
os factos da historia em apoio de seus erros.
Urge, por tanto, tr um clero, nao s>
com a educaco e espirito propro do sa-
cerdocio, mas tambem com a necessaria
sciencia para profligar o erro e dar um
teraunho inconcusso da verdade.
O Exm. e Rvm. Sr. D. Francisco Cardozo
Ayres acaba de emprehender este santo
erapenho; e todos devemos fazer os mais
sinceros votos para que elle seja coroado
de feliz e abundante resultado,
Mas se ao nobre e virtuoso prelado so-
bran os melhores desejos de fazer o pos-
Mvel bem sua diocese, faltam-lhe os meios
materiaes porque o seminario tem um es-
cuso patrimonio, e o subsidio de 9:000
quo lhe d o governo deficientissimo para
o costeio, mesmo do professorado.
0 apostlico bispo nao desanima diante
d'esta diificuldade, e com louvavel confian-
za appellou para a candarle dos seus filhos
espirituaes, e nos contamos que o appello
do venerando prelado ser correspondido
com o affecto filial, que distingue os fiis,
da diocese de Pernambuco, sempre promp-
ios com o seu obulo para as cousas da
igreja.
E se em outro tempo, no tempo do Ilus-
tre bispo o Sr. D. Jos Joaquim d'Avedo
Coutinho nao faltou para igual fim a esmo-
la de fiis, hoje com sobrada raso nao
faltar ao Sr. D. Francisco Cardozo Ayres,
que, alera do respeito, que se consagra as
suas virtudes e ao seu carcter sagrado,
tem de mais a mais a sympathica circums-
tancia de ser filho desta mesma diocese.
Em um artigo subresequente recordare-
mos o empenho que teve o Sr. bispo Aze-
vedo Coutinho na fundaco do seminario
d'Olinda, e tiraremos como illaco, que a
Sr. bispo Cardozo Avies, actual reformador
do mesmo seminario, se deve prestar o
mais franco e devotado auxilio, pois que a
um pai pedindo a seus filho se para beneici
ulterior dos mesmos filhos, nao faltar por
certo a boa vontade dos Pernambncanos.
POLTICA interna
Partido conservador*.
O JORNAL DO RECIFE E A GUERRA
Sempre que 0 Jornal do Recife pronunciar-se
como se pronnnciou no numero de quinta-feira,
acerca do estado da guerra, em vez de conseguir
o flm que se propoe, debaxo de sua beatitude;
grave, mystenos o ngindo que arranca um gemi-
do do dr, de dor profunda e quic sem conso-
larao; > acaba por perder tempo e latim.
E isso o menos; pois quem l aquella tamuria
com espirito calmo, ri e escarnece do biOco; eo-
nhece-lhe a manba; que cousa que nao pode
andar encoberta.
Nomeado S. A. o snhor conde d'Eu para o eom-
mando em chefe de todas as funjas brasileiras em
operacoes no Paifguay sendo como era impossi-
vel ao Sr. duque d Caxias continuar na porfiosa
earapanha, donde sahira coberto de gloria, de loa-
ros, de heneaos, mas a ceder qna enfermidade que lhe suffocara o ardor c a dedi-
cacao; esse Tacto que s era motivo para as mais
gratas esperancas de um feliz remate das fadigai
e dos sacrificios que nos ha custado a diffiel lide
do Paraguay, o Jornal do Recife sophisma-o, e ex-
trao delle as mais nebulosas apprehensoes.
< A guerra nao est acabada: a nova campano
vae comecar : triste a. situacSo do imperio da
Santa Cruz! Cruel supplicio para nos, para todos,
que, vaccillantes hesitando, nao podemos, nao de-
vemos, nem mesmo a mdo, dizer ao governo:
acabae a guerra, que a honra nacional est vinga-
da ; e nao sacrifiquis aos vossos caprichos o ult-
Ijno brasileiro, e os mingoados restos dessa fortuna
t \'tse crdito nacional. Assim exprime-se o>
indicado Jornal.
Depos de urna serie de mortferos e gloriosos
combates, que innebriaram o general, contina o
contemporneo, a guerra pareca estar acabada.
Mas, fatal illusao I a realidade, que surgi, esvae-
cido o (orno das pelejas, foi:
O dictador tenaz com dous; trez, quatr
mil homens e cinco mil ftidos,
O dictador armado com do*ito eanhoes;
Urna guerra mal acabada, que por seos
erros gerava notra ;
O exercito brasileiro adormecido sobre lou-
Jfos murchos; licenciando-se a si pr prio;
A esquadra que so debandava; a indisc-
plina e a desorgansa^ao;
O hroe de Itossor, que soube, em um| mo-
mento de arrojo ser a um tempo general e soldad*
nao resisti a urna vertigem: tinlia abandonado o
seu posto. j.
Copiamos textualmente lio fementido ime"
para que o paiz assmbre-se ante este abomiiuyei
esqueleto de ngrado. "
nia I
i
E veja o que a calom-
tripiiee bencjto do cea obra santa, da re- "'o sr. duqued Casias foi nomeado por um go-
*m
1



I

>
?l
.11
JSOKU3?10 dp Pernambuoo Segunda feita 5 -----------------_S---------------,_____
Abril de 1869. S 083M
verno, rom o qual nao tinha relacoes de confian -a,
que at Ihe era adverso, commandante em t&fc de
todas as torcas brasileras. Presto a '.eal parti
para o theslre 'da guerra.
Organisou e deenvolveu o mais acertado .pleno
de operacoes, que. era posstvcl conceber e exoi p-
lar. E ento as armas do imperio nao estiveritn
m.iis cnsan.had.is, marcharan! ovantes ; contar tm
batalhas, ti vern triurophos. Ento Humayt i e
xou de ser o Adamaslor do rio d.wPrta. E wi
curto espacn do lempo o valor c prestigi" las
phalanges eroicas, que eseerdeavaui denudo e
bravura p^r dar orgulho e fausto renomea patria,
escreveram en caracteres os mais p rduraveis um
periodo de historia nimiamente fecundo, do mais
assigna'aJo esforco de que capaz o soldado bi a-
sileiru, bem rommandado.
Si, co algum combate reahido e'deosperaflo. a
victoria esUrata, la ia o graude, oinviezo nule-
chal expT->e ao perigo, no mais inteubo de fr;i} or
das hurtes mmicas.
Vcuccu e de-baratou completamente o feroz dic-
tador, atirando-o para as serranias alpestre-, e
para os o-que-; onde devera despir a forma hu-
mana para ineuior expandir a sua ndole.
E, depois des-es brabantes feitos. em que oillus-
tre duque fez-e, cada vez .mais, credor das cr a-
roes da natria, quem mais civismo por ventura
poda exhibir e lealdade para com o seu soberan) ?
S o peso de tantas fadips e trabajos, que na
sua dado MUtiaba e o nimio patriotismo de ;iih
grande alna, atfiffl abateu-o, todos sabom que elle
tinha apena- mis restos de saude, fraca. combati-
da d' |adefinieutos adqueridus em urna tonga se-
rie de. soi virus, .piando seprrsh.uatomar sol re
seus hombros a ardua tarefa de dirigir a gera.
Volioii extenuado de toreas, enfermo grave; dea-
xando porm o pavilho brasiloro radiante, Blic
toanie e;u Assmnpcao; o despota foragidu, < o
Paraguav libertada
S. M. o Imperador condecorlo como maior pri-
mor o di-vriiu de >ua alta iimuil<-<;m*i.i.
So a perversidade malediea, de lionun- em ci jo
corar o na baja o menor sentimentn de jnsti a,
pod\ on-ala e estulto denearr 8 abofai
fraude
tal
nega,-
los que tem aSfiF venerado, distinguida e amalo
de ladtiB os seus compatriotas.
Mas. a guerra nao est ainda terminada, di? o
Jwn'tl dn ll-rije. E' preci>o reeomecar.
BecomeeiMiios.
A escolha do Sr. conde d'Eu para o enraman-1
do eoi cu e de nossas torcas, mais um raio esperanri que nos aleuta.
Tarde, porm, foi-lhe conliado o exercito.
Qaaud u< b.itilha-, osassedios e proinp'oni -
saltos s fortaleza-: devam fazer sobrosahir seu ge-
ioe sua bravura e terminar a guerra, convenio-
cas
agor;
id.-, osada e estulto denearir e .iiiocannai a
raiide e Justa erlebridade que adquiri o immor-
J. u erapne caro duque de Caxias. por spa ;ib:
;ga;a heroica, por sua virtude cvica, por tiiu-
PUBUCAEOB 4 PCT1D0.
Proposta,
Antonio Joaqnin Perera de Carvamo prope ao
.governo imperial estabelecep una dieca no- porlo
de Pernambuco, para, ao abrigo della, poderem
ancorar os navios de guerra e nrcanlesjp longo,
cuis ile cabologem que demandare! o mesmf>
iwrto.
A ainplitude do aneoradoiiro da docaaw maior
do que a de qualquer das docas aetuacs de
Londres.
JV^Jceto submetlido approvaco do govern"
impefial, relativy ao mellioranento do porto de
Pernambuco, determinou a cmara dos Srs. ilejm-
tados a adoptar o projecto que a commirsa i no-
meada assignou cin 16 de seternbro do 1867 para
-Mr lerado a elIHto o melhoramento do porto de
Pernambuco ; mas a planta das obras para esse
melhoramento tem por base aoh-truc/io Ios-ihic
Beberibe e (lapba ilie, desviando-se ocursodaf
uas aguas por um canal a abrirse no istlimode
Olinda.
p Esla obra parece que est em opposicao co o
parecer do Sr. Hawskshaw, de Londres, segundo
o qual as obras mais importantes para melhoraro
porU* de Pernambuco, podem ser
sem que se alhue o curso das avilas
rios. Aceresce'que a abertura do canal
de Olinda suscitou a questao transcendente que*
tem discutido a respeito da iaumlacao que a mu-
danca do leito e embocadura dos ris pode causar
a cidade do Recire.
A respeito dos difierentes pinjei.tos que se tee.m
apresentado para o melhoramento do porto de Per-
iianilHico, i uiesmo Sr. Hawskshaw a-severou q'ie
nao di'-rn um parecer seguro por nao ter eonheci-
inento especial das localidades, e esla oircum--taii-
cia justifica a resthegao com que elle deu o scu
parecer. Nao pode elle indicar, por isso, os no'-
Ihoces pontos para a execncao das obras proje!--
tadas nas dilTeieutes plantas que elle oxaminou :
mas, apezar disso, elle deelaroii que s que-tes
que dziim respeito ao desvio ou allur&co do leit >
dos rios, tem sido, em todos os.lempos, asmis
diffleeis de spr tratadas. E' pois evidente que o
lirojeet" -obineliido a aoprov.icao do aovo no im-
perial envulve oassmnplo qu demaiula damai-
MMia attent;ao para ser iluJinilivaiiieuIo resol-
vido.
O decreto de li de seternbro de 1867; anda om
piojccto. nao indica a entidad* con quem o po-
voino lica, pelo art. t>, aupnisado para conlratai
o melli irainento do porto do Pernambuco, no que
o enverno tem toda a liberdade de accau e es-
comai
-Nest decreto em projecto. o-l de'fTininado
pelo i do art. l que o opila
|mi a tiit'iiti'f ti u
eniprejvendidas
y-uas Haquelles
canal no i-thmo
para isso mutuado*, e dos juros qae se estip' ila-
rera. A dora ser inspeccionada pelo goerno
para poder ser exercida a vigilancia neces-Cina a
iiin de tornar impossivel o contrabando, em prol
9l)S direitos do fisco. ~
A dca'flear concluida dentro do prazi de cin-
co annus contados da dala em que o rn contrato com o governo imparial fi- assjgnado de-
finitivamente. (
Concluida a Joca, o guMrno c/ni ijar a farer
na reiiartu-iodamlfanlegaa chranca m direitos
de ancoragem, e*d'csse dtontoa ficar^ com vinte
pr cento qt rao nyjdt-nides conio renda li-
quida porteoeente ao esSflo, Os restantes tenia
pop cento sern, na mesma reparticao da alfande-
ga entreguesdSariawenie ao iiropanentenuu queta
for r< presentante das pesrtas ou ofrpoeaeoes qiw
tiverem urnecido e capital para a consfccro da
dca*
(>* dtrerto1: de ancoragem sero flxaftiu a dozc
shiliinus sterlinos por tonellada, reuzidos efh
ujoeda corrent* ao caHtino, lenmo mediy, das cota-
oes oOk'iaesdn cambio, sobre.Itoiidre* aa aem;tna
pie f ir immedldtanientc antec'ertente.
A dca sora inservada em bap estado |>or es-
pado do noventaaanos cusU) do proponente, seu.-
herdeiros ou representantes, n no fim desse lempo
o governo considerar a renda da dca tounisuaj
tomando tambem coala da Moca, a quai^fTcni?
aderada, d -sde ento, como nropriedade do esta-
do, e sem a minina remuneraca.
Se na pratica.se c.onhecer qo as emb%rc;icoes
que fundearem na dca nao cstoa colierto do pe-
rigo dos temporaes, e algumas d'essas embarca-
coes garra rem, nao sendo por fado proveniente do
deleito do proprio navio, ou de seus aparelhos, o
proponente s obriga pows sus bens a pagajLa
importancia do sin!slro, no irazo de um aiWn,
beni como supprir o deleito, em forma que a dca
(que sendo um asylo seguro de ancoragem.
Seo proponente nao suppradefeito, cessar
desde e"n'a i a cobranca dos direitos da dca jalga-
do sem afeito o contrato, e obrigado o proponente
ainda por este facto a remover a dca sua cusa
e sem que per isso tunha direito a renumeraco
alguma.
llio de Janeiro 29 de marco Je 1869.
Antonio Joaquim Pnvira de Carcailio.
l>ho |>t los me s ni os censoantes
de um soneto lo |M>mlo-ir-
mo em Chrlsto.
Bofo de Deus qfilho uhiiiirtiiain,
Nao pnra dar-nos vais cmihccinirntor.
Mas vera f, e santos mmimtinUet,
E ouvir a igreja a todos hnperann.
Coafere crditos, faca sobre as primeiras
pravas lo imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaos so >re ai mesmas
pracas.
Encarrega-se, por commisso, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes de
jompatihias, da oubianga vidtfhdos ou de sen |p;imento, e de qaal
<|ner otitra operacao Iwncar.
O expediente para o publico comecar
as 10 hora* d.i manha, e terminar st
lloras- da tarde de todos os dias uteis.
THEODRO SIMN C.
Cofnpram
Libras; ealejiinas
Moedas do ouro...) .Nacionaes e istran-
i prata..) geiros
Cdulas do governo)
de i* a i#....)
Cdulas do banco do)
Brasil e das caixas)
filiaes.........)
Largo do Corpo Santo
n. 21.
CewwA.A duzia de garrafas vendeu se *J
i300, 5'iOO e 84400.
LoogA.A ingleza ordinaria vendeu-s de 410
a.4:i0 rs. por cento de premio sobre a factura.
Mactriga.Vendeu-se a ingleza de 14000 a
1*900 e a franceza a 880 rs. a libra,.
Massas.dem a 0l a cixa!
Oleo dk uhhaca.dem a 2J100 por galo.
PiiKsr.NTos.Tilnna a ftfjrarroba.
Oi'khos.O llantesgos vooderam-sc de 2*200
ft 24300 cata um.1
CASA DE CAMBIO
leodoro Sinioii ^ 0.
Comprami'Tenrfqn por cont propii;
nacionaes e estranaeiras,
metaes, moedas
li'trw de cambio, sedufasdo
11 anco dn lias.
governo e do
SABAo._Veade,i^oinaitial7ftK. i^rlHm, Pesi-outaia^tnis & tena e outros titu-
8 los commerciaes.
ilo mglez.
Toiicixi.Ideniad* LisbiVa a i I ja arroba.
ViNAcng.O de Portugal vendeu-se de 120-5
a l.) por pipa.
.X,."s~'*en'1''r*m~se os de Lisbd do 230 a
280S000, os da Kineira de 0 a 05 e os do
eslrangeiro de <0uf a 2084.
Velas.As de composico regularan a <80
rs. o pacote de 6 velas.
EawEiipJC'arregando em nosso porto para Li-
verpool ,t.la i, por cento nominal, pelo blnfii;
Carrhgando na Parahyba 5/8 d. 5 % por libra; em
Macmo 1/16 d. por libra 8 % para o (^nal carre-
gando em nosso |>orlo 32/G a35/5/ por libra pelo
issuear.
Rendimento do
dem do da 3
ALFA.VDEGA.
dia 1 a 2. .
I 1:473*885
30:923480*
122:39768!i
MOVniEXTO DA ALFANDEGA
Ora, os propros Christaos, que tanto mora,
de nossa nai-ionalidade, cumpre-lho ser. ao menjs
~d;-crcl..
au ha ani queo ignore, que-quem nomcou o
Sr. dii.|iie de Caxias para o comm indo em chefe
das f .reas brasileiras nao foi o actual govenu
e suii o ti iii-acta
l'iriaot) as taes cottveaienfia danzado, qt^i
affslaraip S. A. o Sr. conde d'Eu do generoso u-
tuito Je asii'iiir^quelle nobre encargo, ipic. (coi -
vimos com o Jorh'tl nhar nrfffcMaintiiln atienta a sua alia mtolligeurii.
QStrpuuo i; (irovado valor, nu foraio as convenien-
cias d i "p iliica que hoje domina : nao.
Aju lean ..g>ra as sua* contas os H^erai
o Jorn il do Hei'fe e que por l se atem.
, qual
facilitar aos navios um ancuradouro seguro ; e
teita a doca nao devein as obras accessorias dei-
xar de ser Untas para nfu flear incompleto o plano
ilas obras no seu Conuncto.
Aquello capital aulorisado j peta cmara dos
Si s. depuiados o equivalente 3 l,o0U,0UQ a cam-
bio de 27 d. por 14000. 0 caoiliio sobre Londres
I baixou porm de 27 d. para 18 d.; e a osle ulti-
! mo camliio serao previansSOjiOO^OOd para levan-
tar em Londros nqueilu sommadefi l^O.OUO tiu-
que as obras l'oram oradas Com a b.uxa do eaio-
bio subi o pceo de lodos os materiaes, e nein li-
s coi i 1 *) HebeMei a'Jesns rmermnitos
l-lie renovar- intentam, e tormrn'm.
Como o iuucu que a,Deus sncrificara.
Debalde espera a supernal mansito.
Quem Huein os meios s E quem torce, ou falsea, as esciiptwas
Abdica do baplismo A^naciw,
E desmerece as sacras sepulturas.
ii
L'iit fillio d/l iyiVfti catholua.
UM ADVOCADO,
Do quem fouvio der, de que Dcfis
daquelle decreto
moiislrar.
em pi-ojei-fet, como
art. I
se V*i de-
^JEHT "gT^ai, ^'misada dos referidos 13,333:000*000 iusalli-
2&SZBSZ Sior!!; dSdo TSl V: Mria a,>^^ do j 3m.o
ao* ultiraos arlos da guerra, em razao de seu oj-
iado puisicu nao lli'o uermiltir.
S A. o Sr. conde d'Eu vai suisliluil-o; a cslt
hora ja deve o -lar a testa de todas as nossas for-
cas, d>-senv,.lvendo com a enerj/a de sua Mhule
actos nijiirtanles e decisivos, dignos de sua seco-
hecida bravura o prudencia.
E o g 'verno que obtevedeS. A.pyova lo i equi-
voca de cornTinra, senico ta> assignado. ell
han o sube, nunca lli recusara a gloria de
niaiul -t ir o seu pxlrioiismo e osforco na caus;i
que o Brasil, boje sua patria, sustenta]^ amor de.
seus foros e le sua honra offendda contra n
humilhalo, selvagcm e brbaro lyranno d<) Pa-
raguas .
Ooauio vs voawis mis azae do poder, oLer-
bs, arrogante-i, loucos d'enthusiasuio pelas ventu-
ras que pareciam estampadas em cada phisiono-
mia, riK'homchuda e corada, de vossos filhotes,
ptl|linllll mili tinheis a momia Imguagem .'
Era inspiradi por esses senliinenlos de que vos
mostris hia po suidos em relaco a S. A. o Sr.
conde o v isso prncedimento para com elle ?
P--r que na i sois sinceros? .
Para que essas sanctiuiunias e bioes, que lo
inaivos lieaint...
o anceo lempo de vossas /b//< palacianas,
exercito desorganisado, inactivo, atirado nos este-
ros, Lopes iiiJultando-nos diariamente com seus
hombardeios, ludo era prosperidad*, vida, de-
licias no ledo encanto de vossos felizes passatem-
pos arranjos e ranura de que mal podis hoje dis-
arcar a saudade e dor profunda, quic sem conso-
taci). por o baver perdido.
Hoje, porm, ludo se vos augura ds mortc-cor;
sombro, funesto, mal agourdo, medonho : tk
geni-si- at do catacegas em busca de um raio de
luz que venha deirainar-se na obscuridad**.
Quem os n3o wnhecer, qne os compre...
Isto demonstra, na maiJr evidencia, que a quanti;. mando" Jacob ufhecer aimic em tola-
camto?
Isaac foi offerecido sarrHTcio por AbrSn
sou proprio pii, (Gotiesis ":;ip. 22), e n3o
por Jacob.
(Juamlo Isaac la levado ao BnlfiDi na
Imiri riu. ttiia^*fti%.iiiliiilu l.iip iL,
0 Sr. Charles Neat calculou, com dados ofli-
etaeaj que o inovimento dd porto fle Pcrnainlmco.
dava, termo medio, 715,9 navio, mediudoasua
arqueaeo 266:511,0 Umelladas,
a 1S shillings.................. 239:860.l>0
menos 60 por cento para custeio,
iguaes a.................... fi l10'0
'- -------^_.
seio lucro liquido anuualmeute 95:9ii0G0
que, a C. de 27'd., elle calculou em 85t:88B*0p0.
O proco de 18 shilKngs foi por elle calculado sto-
bre a base do rendimento da- doens do bndre,
London, Sant-Catharine, andEast A West ludia.
Se, porventura, se anclnentsse com a dfCeren-
ca que a baxa do cainbio'cs nbeleceu, para se ro-
brar o ckreito de aneoragsm na razo d cambio
le 18 d., nao poderla o r-orpo legislativo, por (orea
desse uiesmu argumento, deixar do elevar o capi-
tal autorisado de 13,333:000.5 a 20,000:0003 que
, eir*tvamenle, o valor de l,.fW0,0J0 a camliio
de 18 d. Assim, cada tonelada q-.to a cambio do
27 d. pagara 8, flearia pagando 12*, e o itmdi-
mento lquido que o Sr. Charles NCato calculou. a
cambio de 27 d. em 852:888.5 clevar-se-hia a cam-
bio de 18 d. a 1,879:333*.
Kesieh o capital somma indicada no decreta!
em projecto a i3,333:000j, a ancoragem divo ser
paga na razao desse mesrao valor, e produziria.
como o Sr. Xeate cal'-ulou,....... 85!:8884000
os jaros de 8 "USs-13.333:000,5 sao 1,066:6665000
Voluntes entrados
dem iden
com fazenda
com gneros
Vol uioes sabidos com fazendas
dem dem com geueros
328
47"
------795
183
900
. 533

12), nmtlf^%fffMjMp^^ anuos,
i.)-)il coll|0||'.(l. |fltf|Ult0 'aC0D
motando ja' un (55 annos, {(enesis Cap.
23 Vv. 20>T '(i, i ipTf9 tflois podia Ja-
cob antes de uascor sacrli'jar iaac seu
pai i
Historia sagada e^isa ihirfto lina, nao
e negocio &prdc(rr, onde todos mettem
o seu bedelho.. .
0 meJhor.de ludo isto que sa JQventou
este pedaco re historia em una minuta del
aggravo, tallando pssous Kgrejrias
Sacn!.
e eoto haveria um dficit animal
de.................
213:7785000
Se porm o corpo legislativo, para coherencia
dos valores, aulorisar o capital em que n obra foi
oreada, isto 1,500,000 a cambio de 48 d. equi-
valentes a..................... 20,000:000*000
os juros neste caso elevar-se-ho
a importancia le.......yr....
e a aucoragem rendeud ento..
1,600:000^000
1,279::J334000
matura, 2 dr abril.
O estado da comarca, senao c inleiramente soce-
adn. nada tem de periawra: os espirilos matai sera o deieit nnuiOaaente de...
es4-iareei,w, smceramenlo desejosos de quieta- -"u.mueme uc...
i iMcoiiveuwntos nas prevenycs;. % 0 t3tfM Mtoriwl() ll5o fhega" para ?e ,,.,.
- ;i eii.-iio a obrprojeelada ; e se o rendiiutnlo da
320:067*000
mal fundadas com que se pretende abalar ..
llanca (mWica.
Li a caria do rigario Basijio Q^S% da Luz.
me surfirehendeu. ^ s- '
-' auu ruftcSAjJa-'"
doca nao cliegajpara pagar o jaros estipulados de
Na. 8 -/, porque, em ambas as hvpoiheses retoridas,
ou ha um alcance d 213:7784 vigorando o cam-
i"5eu8 mais intimos_semimen- bio4e 27 d., ou o alcance de 320:067* vigorando
' cambio de t8 d., claro que. como llca dito, Ac
lenta veidadoiramente Ilusoria a dispusico do
3' do art. do referido decreto em pr,jecior por-
que, vista do ano n>adeinonsirado> nunca llave-
ra o excesw imaginado a que aquelpartigo se re-
ferc, exeeaso que dore ser dividido em duas par-
tes, stmdo urna para ser addicionada parte do
eiimrezario ou coinpanhia e oulra para >er appl-
caua a ainortizaco do capital que, evidente, por
til forma nunca ser amortizado, e por isso, as
obras contratadas nunca ficaiopertaucendo ao
estado 1
Em ansumpto de tanta transcendencia preciso
lissipar ludas as illusoes ; e seria por certo illu-
jono o querer-se levantar mn fupdo em Londres
de S 1,300,000 em coiidie/ics tao precarias para
os mutuantes A) capital. "
8 estas aainbinaedes escapassem ponelrac*
de capitalistas que se deixassem fascinar pela au-
loridade do noaie da pessoa que se puzesso testa
do urna ejnuroza fo consequnle, o governo impe-
ul wr-se-hia na contingencia imperiosa de en-
ampwr as ebas rualisadas para valer aqcapi-
ae iaouHilerada e nsufticii-ntemonte etaftaga-
lus, e tambem par* nao tWixar cu abandono uia.
era de to reconhcida necessidade o que contan-
te com tantos e tao importantes mteresses, qual
> melhoramento do porto de Pernambuco. cujon
flanos lia me seeulo que se e*udam e sem que,
ik "iludo ta aturado, leona havido um resultado
.atisfactorio I
Pelo contrario, o proponente nao rereis encon-
trar dficaldsde no levanta ment do dinheiro para
bj construc^ao da doca que propoe fazer. Os- niu-
laautos se conveocero queosystoma porque a
'.oca ser consiruida, offerece todas as garantas,
cujo systeraa, *e invencao de proponente, naopre-
jidira nem altera era causa algtima as condi^oes
j uturaea do tono dos rios ou do mar, e, com um
(ispeadlo auito menor, d *eguro abrigo aos no-
vios que fundearem dentro da doca.
A doca ser construida na parte externa do Ra-
cifa, e tara por k*o a vantagem de dar o rnajs fh-
ei sBcesd as emtonreaeoes que demandare* o
prto de Pernambuco, .que, pekt sua paacao geo-
graphica, o porto mai* accessivel de todo o lito-
ral doBfasf. Construindo-se apenas una ponte
use tafite o Racte coi o eses, para, por ioterme-
(fb desta ponity haver a coaiiuunteac:lo da doca
c mo a alfandfc*a. ncwn removidas todas as diffl-
( ildades e nssolvidas todae as questoes qause
Quasi consumida Viva,
Quem nao ouvio fallar do ca-o do Didores Mn-
dez, de Lima? fui ella atacada de escrfulas ile um
aspecto e ualureza a mais asquerosa e rapidameu-
tc mortal. Grandes ulceras, que .-ada da se tor-
navam mais profundas, consurairam a carne de
seus meinbros iufefiores,eatoso8*sselhe apodre-
ceranL. Etieve dea mezes de cama convenida
n'uro esqueleto. Cliamaraut-se mtHcos dai.jdas
as parles, e lodos elles, ,t desenganaram, nao Ihe
restando portanto outro i ocurso do que esperar
pela rnorte. Achando-se pois em to criticas cir-
cumstaneias Ihe recommendaram que tomasse a
Salsaparrilha de Bristol e esta a salvou, como ja
antes della havia salvade outros mil. Repri-
miou-se a calamidade, cicatrisaram-se as cha-'
gas; recuperou as forcas e u appetite, n nma pa-, da Mola.
laVra, a sade, a alegra to^aaraui a vsla-la, e-
desde entao tem gosado dessas supremas felecida-
des da tena, a -ade do corpo e alegra do espiri
to. A faculdade medica concento que se annuncie
Sakaparrillia da Hrisi,,l, como o remedio ma
pmmpto e segare de qnantos se conhecem, para
todas as Irow9 de escrfulas, cancros, tumores,
abscessos e rheumatismo.
Acha-se venda nas pharmacias de A.
Caors, J. da Concei<;3o Bravo A C, M.
A. Barbosa, P. Maurer C, c Bartiiolo-
meu de G.
Dscarregam hoje a de abril.
Vapor inglcz -&;j>j/ Barca ingleza- limigene mercaduras.
Ha roa i nglczaUcu nt mercadoria.
Barca inglezaBino/turdem.
Escuna insleza Zrphyre\m.
Barca purliigueza Nuca Stimp'itkiuiami.
Brigue inglezCiaana=id,m.
Sunuca hespanholaCarutcN^vinhis.
Barca frauceza Znl/rc'niedL
Barca portiigueza^^yM/vHca -lagedo.
Patacho portuguez Mwia ia Gfora=dem. .
Biigue diiiamarquezJetmelle = farinba de trigo.
Brigue inglezt. F. t//=cervej;i e mais gneros.
Barra inglezaConrudcarvo.
alera francezaPiarassucar.
Barca inglczaijj7nip'ru Patacho inglePoct'ttfurro.
lill]or:ivo.
t'Hra franceza soliog, viuda do Uarre, consig-
nada a K. A. Burle & C. nianifestou :
6 banicas e 1 caixa drogas; u Barlholom. u
A C.
H tilas dkas ; a P. Maurer & C.
13 ditas ditas; Manuel Alves arliosa.
13 dilas lecidus de algodo, de la e de linho ;
a Cramer, Frey, i G.
20 (lilas sardmlias,- a J. J. Gnncalres Behro.
15 ditas chapeos; a Clirislian Imio.
3 dilas Jiius; a Joaquim oVt Smiza Maia tt C.
11 ditos ditosr, a Manuel Moreirade Souza.
li ditas marroqu,i; a Domingos A. Maiheus.
1 dita ferFagwi,; a F. Dubarry.
i lillas quinqiiilliai ia: : a Ferrara Guimare-
& G.
2 ditas teoidos de la e do algodo: a Ferreira
& Mallious.
1 dita perfumaras; a Guiniares &. Luz.
4 ditas dilas; a Gamura Ai Gunaraes.
2 dilas quadto e porcelana; a Mauoel J. da
Cunta Porto.
1 dito piano; Lehmaun frres.
i fardos sapalos de borracha ; a A. A. dos San-
tos Porto. -.
3 canas papel e instrumentos de- musir, cuino
de. lustre; a A. Roberto 4 Mos.
i dito calcado a A. lVoilrigucs Pinto.
3 ditas tecnlos de lia o trajelos
-Mauoel Alrol'orado.
i diU.-\idros o sabuietesjaGuiuarea&Freilas.
1 dita e^pi'llio- a L de L Gomes Feereira.
i ditas e 5 barricas vidros e porcelana ; a J. A.
Perera & SobrinlK. j
30 barris e 60 meios Ban;ciga; a Jos Ferrara
da Costa. ^
100 gigos cerveja, 10 barris e 15 meios mantei-
ga; a Antonio Jos Dantas.
i caixas movis; a Jos Moreira Lopes.
1 dita boloes; a Bourgard i Faria.
2 ditas, 1 fardo-e 16 baiyiti vinho, legumes sec-t
co* objectos para taiioeire; a H. Leioen.
20 ditas uiantoiga, o ca xas velas de cera ; a
Tlieifdoro Ju^i.
40 lurris e 40 meios manteiga; a~A. Frederieo
de Ohveira & C.
10 ditos e 100 Larris uianleiga; a C. Ai Sodf
M0V1MENT0 DO PORTO.
i ohjecios para selMIro ; a
40
tos^V.Vl''"i'fuiios com profutla conv Por mais prudente e muaerado que seja o ho-
incm, urna vez f.-rido coi sua rRputooao, nao se
pode conter. Foi o que acunleceu ao vigario J3a-
alo.
To los conhecem esse bello carcter. Sua igual
dade de humor, o vivo pronunc?.mento de suas
affeicfles, snas sinceras c espausivas manil'estaijoes,
o torna i n t > apreciavel pelo lado das relacoes,
quanto respejtave) p-los sentimentos serios, que
consegue imprimir nos espiritos daquelles que o
commimicam.
As c Jrcs, cm quo o pintaram no Liberal devam
naturalmente irrita-lo, eviinda mais irritado ficoii,
porque o feriram em urna das relacbes q-ie elj
mais aprecia; sao as relaces do Sr. eapilto Lou-
renco Bezerra Marinho Falcjo, age foi indicado
como mn do seus snbserventes
Ora em venlade, ppucos horneas ha que, na mo-
desta fsphera de seos conhecimentos possuam em
tao abo grao ideas mis claras do verdadeiro e j
justo; e qae sej.-uu mais saloas de sua inde*en-
dencia oessoal. sendo essa independencia o seu ca-
rcter destracti' o.
O Sr. Marinho Falcan rota sincera amisadie ao
\gario; eabe aprenar an suas excedientes quali-
dades; mas eonheee perfeitameute a sua posico,
e sabe ieuilmente estlmar-e.
lhj vao pretenden pox es*e lado atacar a repu-
tacan do distincto c nobre cavalheiro.
EHe convrvar intacta a pureza de um nome
^em mancha.
K, retirando com delicadeza a mo, que o ferio,
ve cora pesar profanada a santidade de sentiuien
tos, qne por I mgos annos tura sido o objecto de mu
ewlo particnlar.
Nessa que-ti da perseauico que so preiendeu
t'azer ao alfres Manuel loso Lopes de Abuquer-
que, dk* nao nterveio nem como autoridad-, aera
como partic'ilar; elle estima e aprecia lani hie
o Sr. Albu^uerque, quanto i omesmo, s-nhur fi'
estimado e apreciado, pelos que bojfi se tofnam
sns parsecmid'ircs, s por espirito de nolitica;
pois jue em aluno a verdade eue tem mais.igni-
beacao moral do que o seq perseguidor.
Ufo respondo desta vez as aggresi feaapel
Sr. Dr. Amara!, ao mu digno promotor do comar-
ca, e ao nobre cavalheiro Aflbnso de Albuquerque
porquej)rew8o dos dado* com que lenno de fanar
ao'puHtc..
Em seu ultimo Jardineiro occupou-*e especial-
mente n> mim. ,
QoftT elevar-se. tomn as aza# de Icaro, eafo- a^fn^hiitvmocmil'dumikn'fmi&'i
gou-se no mar egjo. m a*ainr*o aetnai das sanas dos rios
Nao Ihe respondo. Cimbaritoe e Jbante. 4
lnterpetre romo qoizer o mea silencio; sa-m Psrs levantar os capitaes necessarios para a
con se responda a unta asneira. cmfrocao da dca, o proponente poderafaxer
Em outra correspondencia fauarei precisamente dHStn-ao Uva da paiz, contratos de rantao a ju-
C. C. *Tari ^>ol^ca5a^ plmenlo dos capit !>DCaooaJ, pt Yetfjas
COMMERCIO.
PRA>JA|DO REC 3 DE ABRIL
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Algodo da Parahyl 1- sarte161300 por arro-
ba posto bordo a frete de 3 .'4 d. e 5 0/0
(hontem).
Dito de dita 1* surte 181700 por arroba, posto a
bordo, a frete do 1/2 d. eSO/O
F. J. Silveiaa
Presidenta.
Leal Seve
Secretorio.
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da prafa taza a con-
vencioaar.
Recebe dtahelro em conto cwrente^a
prajo xo.
Saca vista, ou prago.sohre as cidades
prinxipaus da, Europa, te,agwcias na Ba-
ha, BnenosrAyres, MontevMOv Nw-Yori
e New-Orleans, e imitte cartas de creMto,
para os mesmos logares.
Ucgp do N 100 fardos papel de embiui), 0 barris
meios manteiga ; a J. M. da hosa & Fillio.
&> ditos e ii barris mantena ; a Tilomas de A.
Fonceca A C,
2S ditos e 23 meios dita ; a Luiz J. da Costa A-
morim.
30 ditos, t 20 barris dita, 100 caitas azeite doce;
a F. A. liunteiro Jnior.
1 dita mpressos.; a Lailhacar A (1
1 dita horras; a Rayniond Lasserre.
40 ditas doces, 40 ditas cognac, 10 ditas v inho ;
a Manoel Doartc Hodrigues.
J ditas piano; a Maurv, Komagnera hijo A C
S ditas tecidos de algodo, 1 diu queijos, 100
gigos batatas, 65 barris e 9o meios manteiga: a
Keller A C.
10 caixas papel, perfumaras, alfibates, joias fal
sas^aalcado. tecidos de buho e de algodo ; a Lo~
pes A liveira.
100 dkas vinho, 140 ditas queijos, 70 ditas e 8
barricas tinta, chapeos, mar mure, espcllios, crys-
taes, calcado, perfumara, marroquios, movis, pa-
pel, tecidos de linho, de algodo e de la, 300 ces-
tos cerveja, 100-gigos batatas, 70 barris e 70
meios manteiga, 100 barricas larinha de Higo; aos
consignatarios.
30 ditas dita de dito, 30 caixas vinho, 20 barris
e 20 meios manteiga; a J..JJ. Palmeira.
20 caixas azeite doce; a Jos Joaquim Alves.
20 barris e 20 meios manteiga, 6 ditas perfu-
maras quinquiiharias e marmrea; a Isidoro
Bastos A C.
' 2 ditas perfumaras, 43 barris e 73 meios man-
ftga; a orde'm.
HECEBEDUtUA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAHBUGO.
Rendimento de dia 1 a i. 3:16S9*3
Idan do dia 3...... 600*336
Navios entraiits no da 3.
Rio-Grande do Sul32 dias, hiate portuguez Villa
Hor. de 199 toneladas, capo Manoel Pereira
<1a Silva, equipageui 10, carga 9,926 ai robas
de carne; a David Ferreira Bailar.
Lisboa97 dias, barca portngueza Pereira Borgrs,
de 329 toneladas, capitn Manoel de Jess e Sil-
va, eqtiiparem II carga.vinho e outros gene-
ros ; a Olivelra Kilhos A C.
R' dt 2nein)* diils' brigue portuguez S. Jaw,
de 168 toneladas, capitn Francisco Augusto
Coutnho. equiparen 10, carga 2,429 saceos com
farinha de mandioca; a Marques Barros A C.
Rio de Janeiro23 .fias, patacho nacional Caroli-
na, de 216 toneladas, capitao Manoel llerlink
da Silva, equipagem 10, carga 7,000 alqueires de
forinha de mandioca; a Joaquim Jos G. Beltri.
l'lnladelphia38 dias, harca ingleza Imperador, de
281 toneladas. eapitaoW'illiam Heard, e piipageim
10, carga 2,600 barricas com farinha de trigo c
outros gneros; a Maiheus Austin it C.
Havre28 da*, barca franceza Solide, de 28o to-
neladas, capitao Auhcrt, equip:iem 13, carga
dilTi-renles gneros; a E. A. Burle A C.
Dakar (na rosta d'Africa)13 dias, logar inglez
Any, de 242 toneladas, capilo Arunder, e juipa-
gem 9. em lastro; a ordem.
Rio-Fnnnoso e portos intermedios8 horas vapor
brasileiro Mam-ingwpe, de 333 toneladas, com-
mandante Joaquim Jos de liveira, equipagem
16, em lastro; a companha Pcrnnmhcaiia.
Navios S'ihidu* no mesnio dia.
Rio-tirande do NorteHiato bra-ileiro Sobralense, ';:'" wuw-
capitao Antonio Gomes Pereira, carga diferentes '
gneros.
Phlade!|.ha-Es,-nna norte-allemaa Mara, capi-
tao Maier, carga varios gneros.
AracatyHiate brasifeim Nossa Stntiora dos Na-
vegantes, capilo Manoel Felippe de M. Ghedes,
carga dfrcntes gneros.
rjfcsw-twci.
Snspndcu do Jamara > para a Parahiba o brigue
nglez Jtrlita. MptoVrIKensom, com omesmo
lastro que trouxe de Buenos-Avres.
Navios stthidos no dia 4.
Rio-Grande do Sul Brigue nacional Amelia, cap-
tii I. D. dos Beis, carga assucar e agurdente.
Rio dp JaneiroBarca uljeza Traveller, capitao
G. Penfeild, caras pane da que trouxe de. Balte-
more.
fhserrar/to.
' barca
EncarivfanMt* por cotila aifaeia das mes-
Has transaccCa; da coluanfa de letras da
torra e to outros ttulos commerciaes.
ecebem qoaesi|tier quacitias em deposi-
to, em cunta convide, e a pnwo liso.
Lirgo do Corpo Santo il21.
laspecfo do arMisal de
niarlnba.
Faz-se publico que a commisso de perito-,
examinando na forma deierminadann regulamento
annexo ao decreto n. 132i de 3 de fevereiro de
1834, o rasco, machina, caldeiras, nppanlho.
mastreaco, veame amarras e ancoras do vapoi
Moteque, (iropriedade do Harn .lo l.ivrainuati .
achou to los essos objeclos em estado de poder. >
vapor navegar.
lnspi-eeo do arsenal de marinha de Pernambu-
co 3 de abril de 1869.
P
. H.A.Dar

TUEATRtl
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DOftisri i^oasiMa
Quarta-fcia 7 de abril de lGy.
Tercera representaco do magniuVo o Otate
applaudido drama em 1 prologo e 3 actos
REZA.
Personaireiis do prateoo.
Manoel de Castro......Sr. J.
Antonio de Frcilas.....> {'..
.Uigusta de Castro......Sr. 1
Margarida, criada,
i-
2 e 3 actos.
Ananato
Rocha.
Julia.
D. FraucLsca
:
Sr.'
Suspenden d lamaio para HamhitrgO a
nortc-allemaa Excrteor. capi'o Benohr, com a
mesma carga que trouxe de Ponta-Arena.
At meio-.lia nao houveram entraas.
!HHE*
ECITAES.
0 inspector interino da nlfandega' faz publico
que no dia o do crrente, depois do meiodia, e
porta da mesma rep.irtca, serao levadas niu
hasta publica, frre de direitos jiara o .arrematan-
te, seis caixas de marca 1 M, *ndas de Lisboa no
bricue portuguez Bcmihul. entrado em 8 do
me? nroxlm i Mavado, comendo pera* seccas, po-
sandi broto 70ff'libras, e liquido nao verificado
6W libras, valor offieal da libra 333 rs., total
l->';.">l rs., abandonadas aos direitos por E. R.
Rabello.
Alfandega de Pernambuco de abril de 1869.
0 inspector inlermo,
' Luiz de C. l'aes de Andrade.
O Dr. Trislt deAleivar. Arfariue.otheiaJ da im-
peral ordem da Hos^inisHe-dirciio e.sp,.r;ii
do onuuDuivu nesta cidadado Itecife de Per-
nambuco por Sua.Uagt-sude Imperial e Cons-
tituckmal o Sr. D. Pedro H, a quem Deus
guarde etc.
Fago saber aos quo o presente odilal viren e
delle noticia tiverem. que reqiierinieiito de Fer-
raira ALoureiro, a*; liarse aberla afallencia.de
Mauoel do Souza Carneito Piuipo, pela sontenga do
titeor seguinle:
Visto provar-so a cessao de pagamento do com-
morciaule Manoil de Souza Carnoiro Pimpo, het
por declarla a sua fallencia. a ilatar do dia 27 do
mac pruxiqso (issado, e inmido que se proceda a
inventario, no dia 7 do mea prximo futuro, tendo
lugar a reunan dos rredores no mesmo dia as II
horas da manha para a nomeaco de deposita-
rio. .Sume i o curadores liscaes aos c redores sup-
plicantes, que prestar juramento. Despensa-
da a opposico ile sellos por j se ter requerido
arresto nas be.is dyJjalldo. Publique-se a fallen-
cia por editaos e pague massa fallida as rus-
tas. Reeife, 31 de margo de 186.Trislao d'Alen-
cai: Aiaiip;-.
B para que chegue ao eoabecimeiuo de loilos
ruaidei passar o prosete edkal que aM alfixado
nos lugares do costume, e publicado pela im-
prensa.
Reeife, 2 de abril de 1869.
Eu Secndalo Ueleodoru da Cunta, eserevente
juramentado o esc re vi.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nasciiuento,
escrivo o 5ubBcrTL x
Tristo de Alamar Ataripe.
Paradla. .
Macedo. advogado. .
O conde do Soutello. .
Dr. Mondes......
Andr, ciiado.....
l) admiiiisirndo de baiitu.
L* criado......
Mara.......
A baronesa de Paradla. .
Kiureiiia........, .
liertriides, eriada. .... ?,..
Deiioniiiiacao dos actos.
PrologoDeshonra e looeura.
. 1." actoUm grande da Ierra e im
co I ,,
2." arloO algoz e viona.
3. actoNobleza.
A aeeo paakfe : no prologo m 4847
1
Sr. J. Augusto.
Thomaz.
1-luiird*..
ii ('.. Bocba
P. l'iorta.
lartioli'.
tlenvaai.
Irlurmdo.
. Juiia.
C.lel:
C.aroliu.i
AjioIlhoh
oHtod'
em uiik
. i- e ;e

a muit
pequea aldea de Tra/. os Monte-, no
na actualdade em Lisboa.
l'indo o drama o Sr. Martinho rsnl.ira
linda aria-burle-ca intitulada
O romntico estrngaclo
msica ibdislicto Dia de S Noronha.
Segue-se a segimda rcpresenlaiio da liella
engracada comedia om 1 acto ornada de canl"
inusic.a
0:papel de Bertha u det-einpenlisihk'nela. Sr
Julia Aaeydo e o de Fclisardo pvo Sr. Murthih-
Dar'im ao espectculo a chistosa comedia <
1 acto ornada de niustca
l'su Hablo etMMo ka poficos
Personagens. Actere*.
Ambrozie, ,W Mloei Sr. M.-.rtinl
SMaVeaa, 43 minos. Sr. D:. C.lefc:.
Mari rambas, 18 aunos. Sr.' I>. Carola-
Juca, 22 annos......Sr. Eduardo.
Perera. 30 ,-mno.....- r?. Rociir
Joao, criado, 20 aunos. Jcnlani
Actaalidad', im Rio de Janeiro.
Cmuecara as 8 horas.
AVISOS MARTIMOS.

-I
DECLARACOES.

3:7664!i
CONSULADO PBOVINCAL.
Rendimento do dia 1 a 2.
dem da dia 3
.
3:892iMi
780*901
Soberarufc^iH ,
Ouro nacional
.-ifiMIam a respeito da obra projectada, ponme,
i
^2 i% o/0 de pre-
c
8 *>/0 de premio
portogez
Sedafs do governo)
de I ^SiJOf (

9 ew coota coi
PRACH.DQRECIFE
BM 3 DE ABRIL DB 18, S 3 HURA DA TABD&
RKVWTA S*KMt*%!,.
CMOe6^~Sieoou-se sobre-Londres de 19 a 19H
d. por lt; e sobre Pars a 510 rs. por fr.
alsooao.Venden-se o de Pernanibuco de
16*S0S 15*800 a arroba; 6 de Maeei, posto a
bordOi a I7i; e o da Parahy6a; tambem posto a
borde, de 16*300 a 17*880.
AasBOAB.Vendeu-ne o raS9caa 3gJ W a arroba, e o bruto de 3JU50 S
AanAaaaKTB.Vnden-9e dO M a 9* a pipa.
Cocaos.Os seceos e salgados venderam-se de
Ma tIOrs. por libra.
A*^-0PJ*d9 "1** wndett-sa da 3*000
a 3*10O a arroba.
Aaar*>aB>-0 de LsfeCa ebtew 3|M0 por
filioeodoEstreito 3#300.
Ws*iino>^wttte> teaero-no mereadb.
arreosi
.******AS.--mm a 4* abwriquinha de SI
C^.-ldamadfri^s^arwba-.
Cn.-4dein de 2*200 a 9|800 a libra.
Cj rjODi PMiaA^yuiajiu t de 14* a 1<400
COJISELBO DE MRAS NAVAES
0 conselho prcuuove ao dia 5 do crreme nez,
sob as condiedes do estylo e vista de propastas
receidas att as 11 huras da inauha a. compra
dos objectos db majeajal da armada, seguintes :
1 ancora de 6 auinjaes, G pecas da arriben, 2
bules de ferro estanhadu, 5 auzias de chicaran v
pires de ferro estanhadn, 5,000 estopares, 5 arro-
bas de fio de vela, 20 i>sma. de Jua de esmeril
em panno, 6 arrobas de mialluir, 10 libras u>
obreias fraocezas, 3 iluzias de pralos de ferro es-
binhado, 100 pratos iravossos de follia," 3 terrina?
de ferro esUnh.ado, 1,000 lijlos de fogo. 4,000 li-
bras d tinta branca de zinco, 20 tira-linhas, 10
trados de ferro de 4/8; c 60 grosas de torcidas para
pharol.
Tambem o eoOselho no mencionado dia, e por
igual forma, contrata o fornecinienta de bacalhau
e bcilaehinba americana, para completo de vveres,
tmm\ BRASiLEim
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do noi te esperad.'
ate o dia 8 de abril p. f. o vapor
Cruzlo do Sul com i mudante
Alcol'orado,o qual depois da d<;
mora do costume seguir para e-
dosul.
Desde j recobom-se passageiros e ongaja-se a
carga que o vapor poder conducir, a <|ual deven
ser embarcada no da desuachegada. Knoommer-
das e dinheiro a frete at as duas loras do dia d*
sua sabida.
Nao se racebein como enconmeidiis 9enao ob-
jectosde pequeo* falore que nao escoltan a i
arrobas de peso ou 8 palmos ubico* d medicar
Tudo que passardesteslimites dever ser embar-
cado como carga.
PreTine-se aos Srs. passageiros que suns passa-
fens s se receben na agencia ra da Cruz n. t7.
9 andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oveia
Azevedo A C. ______'_______
DE
Paquetes a vapor.
Dosporloado soJ esperad.
ate o dia 8 de abril p. f. o vapor
Paran, commandante o capitao
de fragata Antonio Joaquim de
Santa barbera, o qual depois d
demora do costume seguir para os do norte.
Desde j recebem-so passanisos e engaja-sa a
carga que o vapor poder ipiiaaii a qual devr i
I ser embarcada no dia de siiachegadi. Encoinmep-
das e dinheiro a rete at o da d sai sabida as 2
horas.
Nao ae receben como eneonamandas senio oh-
jectes de pequeo valor eque nao excedam a da&'-
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medica*
Todo que passar dcstes bmitea deve ser embar-
aado. rom carga
Previne-se aos Srs. passageiros qae suas pasi-
gens s-se recaben na agencia roa cta Cruz n. S7
I' andar, esenptorio do Antonio Luiz do Oliveirn
Azevedo A C.

'

.'

<
dietas e oufros artigo \ de consumo aos navios da
armada e estabelecimentos de marinha no corren-
te triroetre.
Sata das sessoes do conselho do compras navaes
.1 de abril de 1869.
Atcxandre Rodrigues dos Anjas.
Sabbado 20 dq CMTeutc mez, depeis da au-
diencia, Ai lm. Sr. Dr^^lux munk-ipal da 2' vara
civel, tem de ir a praijs fff venda, os bens seguin-
tas: um sopbA, urna meia redonda, deus conso-
Jos, doze cadeiraa de guaruijao, urna, commnda,
urna meiadi|a; ludo de.iuaueira de amareilo
vahados por 925,, por execncao que oiuve Jos.
Ignacio Avnia, contra Elias Pereira Gomes da
Cunba.
ParaLiabna i
j^~^.
~
O pataoh portuuez Aforfa, capitao Pedro Mst-
uns Branro, vai sabir com brevi.iade ; para tur.,
e passageiras,trata-secom E. R. Rsbollo, ruado
i.ommeiri n. 44.
O administrador da reccbedpria ,de rendas
internas garanta publico qnn,n*ste cosrente mez
"iSiT ,nir!0.Pr"lino futuro, viste esurem con-
fi^2.SJS?mS??e *" M ve*>rs do
Munbaca, teeqx.de paga-
ocomcefladettd
vra da multo
_ AbrB-nW lf.
Manoel Cwtmru V Soa Laceria,
Jrame Rio de Ja
urna o
M-etende sahir com a maior breflduSe possWW '
brigue nacionaj Dorador, capitao 'Antonio Has de
Lima, com destino ao dito porte, recebe carga r
esemos a /reta : a tratar com es cmsignanric
Marques, Barro* A C, no largo do Cort Santo*
6,2* andar. *r"
-----------*' -v--------1---------
UatBOal'
Sswe com brevidid^ahsrca poringuez.1 Per*,
ra Barga por ter parte"! sus carga prometa
para o restante o passageiros, tratae cootOSve'.
ra,yilhes A C, largo do^COrpo Santo 19.
1
\
wm
Para o indicad porte pretende sak* wn pou-
eos-dias a veluira bem coabeaia burea Stcit
Rocha, por Cea a maier paria do sou car*
prompte, e para o resto.tpteIbefaba
o^fonttgafc
calvas Beltrao, i roa do Trpicbe a. 17.




I
n_

c ^egojufa fern 5 fc _Afcra ^fe iSG@
.,,
-A
<1
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
" veaarao co* I'arahyba, Natal, Maco, Moswir, Ara.
caty, Gear, Mondaho,Acraco
eGranja.
0 vapor Prapatna, commandantt
Turros, seguir para os porto acim
ao da 15 do correte as 5 hora
irde. Recebe carga ate o dia 14, encop-
as, passageiros e dinheiro a frete at a>
SJntras da tanda do dia da sabida no esrriptorif
, 4o Forte do MaUos n. 11
LEIL0
flor
por vapor
Formoso e
OMPANiUA PEHNAMBUCANA
p
\'avesacSo costfcira
Porto de Gailinltas, Rio
Tamandar.
t vapor Mamauguape. coin-
mandante Oliveira, seguir para
os porto? cima no di* W do cr-
reme a meia nnitc. Ilceebe car
g*. encoinmenda:'. |iassaguiros *
ira a frete no eseripturio do 'orte do Mal-
tes n. 11_____________ ^ _____,___
CftMPANHIA PERNA.MBUCAN"
2L
]Vavega Macei, escalas Penedo e Aracaj.
0 vapor Mengi, commndante
Pereira, seguir para o* portes cima
_ no dia i de al.nl as 5 horas datar-
de. Recebe carga at o dia ti as 3 horas da tar-
de, cncouiiiicndas, passagoiros e dinhere a hete at
s 8 horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
doffjrte do Mallos n. 12. "
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
\aes:jvSo costeira por vapor.
Goianna
O vapor Mmmguitpe, comman-
jj.into Oliveira, seguir para o
porto cima no dia 6 do corre-
le as 9 horas da notfe. Recebe
carga, encommondas, passagoi-
ros e dinheiro a fre" oo escri|)trio do Forte do
Matos n 11
De 4 enlxas rom cigarros
de fu no do Para.
Qua*4-/eni 7 do confuto.
0 agente Pinto tara leilo as 10 horas do dia
cima dito de 4 caixas-com massus de cigarn s
viudo di Para oo u timo vapor para este porto,
o Icilio ser effecluado no escriptorio do referido
ageste ra da Crui o. 38.
LEILAO
de
De I eal\a eooa 4 arroban
guaran.
Tenja-feira 6 do corrente.
O atiente Pestaa far leilo por .conta e risco
de quera perlencer de 4 arrobas de. guaran, no
dia cima no armazem do Sr. zevedo no largo
da escadinha da alfandega as 11 feoras da ma-
nha.
-----

LEILAO
couMMii ignunun
cotsjEiiiio HE nu*i:c < i o
Os Senhores.Saunders Brothers & C Tasso
Irmos. Luiz Antonio de Siqueira.
GERENTE
0 SE. F. F. BORGFS
DE
COMPANHIA PERNAMBUCANA
^iavegavSo eoselra por vapor.
Mamanguape.
0 vapor Coruripe, couimandanle Peona, seguir
rara o porto cima no dia 12 do coarento as 6
h.ras la [arle recebe eaaca, enromraerdas, pa<-
s.ij,-.-ii< i- ilinlieiro a frete afr a< 3 horas da i-de
o. 12.
Ura sobrado de um aodar e sotao, cora 4 quartos
oo sntSo e 3 no primciro aodar o uOi oa escada
para escravos. tem duas lujas, na ra Velha n. 91
tica o oito para o pata da Santa Cruz, cora quin-
tal c cacimba.
Una casa terrea na ra Velha u. 90, com doas
qoartos grandes.
Uto lorreno eoborto com 5 portas de freote para
o pateo da Santa Cruz o. 1, oca nos fundos do so-
brado.
Cordeiro Simctes
legalmentc autorizado far leilo dos predios ci-
ma, os quaes podeo ser examioados por quem
pretender, enjo leilo ter lugar no dia
Sexta-feira 9 de abril s 11 horas na porta do
predio que foi a Associacao, largo do Corno Sanio.
El
tle Oma
fazentla
de
de
Para o Porto
Segu ate o dia 8 de abril a barca portugueza
Novo Silencia, a qual oflerece cxeellentes tomillo-
idos para passageiro* : a Indar no torno do Corpo
Santo n. 19, escriptorio de Oliveira Filbos & C, ou
cam o capitn na prava do comraarcio.
Lonnda
0 briiine portuguez femxiada, capilao Silva, a
cljegar de Li-b*. sahir para Loanda poucos diaf
depojs de reoolbido a este porto : pode recelmr
abjuma carga, e trata-serom o seu consignatario
Joaquim Gerardo de Bastos, rna do vicario n
I" anday__________
Ro de Janeiro-
Para indicado porto >eguo com muila brevi-
daSe o wleiro, e beui conhecido brigue Adelaide.
porter a marar parte do carregamento tratado ; e
para o resto que Ihe falta e escravos a frete, tra-
ta-se com o consigna! rio Joaqun Jos Guucalve.-
B llrao, rua do Trapiche n. 17,
ES de Janeiro
-m!2uo c.)!U milita brevjdade para o porto cima
-una dinamii quera lite, iem a maior parte
:i carrvguaien-o engajado : para o resh) que
Ihe falta ti ala-e com Amonio Luiz de piiveira
Azeyeil A C, ra do Cruz n. /, aodar.
Para Lisboa.
Vai sabir com brevidado o patacho portuguez
afana da llloria. capitn Valente. para carga Ira-
ta se com E. R. llabello ra do Commercio nume-
rol i._______________________
Para o Rio Cirande do Hu.
Piatendc sabir neslee dias o palliabote porlu-
guoa -V r s trata--s com os Consignatarios Ttlomaz de
Vjihiio Ponseea t C. ou com o capitn na praca.
caixa com
avariacla.
Quarla-feira 7 do corrente.
O agente. Pinto far .leilo..* requerimento
D. P. Wiiil, por autborisacio do Sr. cnsul
1-"ranea, coi presevga de seo^anceller e por con-
m e risco de qum perlencer, de una caixa mar-
ca VP n. 80 com 80 pecas de tarlatana avariada
a bord* do navi i francez Fgaro, na sua ultima,
viage, do Hwre para este porto, o leilo ser
effecluado as f 1 horas do dia cima dito no es-
oriptorio do referido agente r:ia da Cruz n. 38.
LEILAO
Quarta-feira 9 de abril a l o
horas.
0 agente Pinto far leilo a requerimento do
tutor dos menores filhos da finada Balbina Hara
da Conceicao, de um bah de flandres com rou-
pa e um bahusinho de tartaruga com diversos
objeetoa de orno |>erteocentes' a mesma finada,
i-lu as 11 horas do dia cima dito era seu escrip-
torio ra da Cruz n, 38.
Restando anda emittir algumas accDes d'esta companliia, da quantia nominal de
OOiJOO cada urna, das quaes s se aceitara em virtude da lei, 20 /0, ou 4O^U00 por
cada acvo; convida-se1 pelo presente ao publico em geral e especialmente aos Srs.
capitalistas e interessados no commrcio, que queiram dar emprego seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de aeces ,que Ihes approuver.
Algumas destas acr^oes Jtem sio tomaas por pessoas que co,nhecem a vantagem.
de na presente occaso (conhecidamente a melhor), emprearen* q dinbeiro de que
poderem dispr em objectos de valor real, como japores, predios etc., que Ibis garan-
tam seus capitaes.'
A cxmpanhia possue boje 40 vapores, 6 inteiramente novos, c dcstes o ultimo est
a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressaraente para ella.
Alm disso est edificando vastos armatens, no terreno que possue no largo d'As-
semWa.
Seus dividendos tem sido de 10 *! ao anno, nos ltimos 4 annos.
As accoes que se emittirem goiam dos mesmos direitos, e perceberlo o beneficio
dos mesmos dividehdos pie os antigos em proporco da entrada.
Ri'cebem-se assignaturas no escriptorio-da companhia no seu edificio ao caes da
Assembla n. 12 '. -
Festa
--------------------------
dos Prazeres.
------
I Na ra da Penha junto ao surrador de cou-
ros, precisa-sc de urna ama para o servio exter-
0 D. abqade de S. Bento, faz scicnte ao no de uma c-sa.
publico, que as festividades religiosas que oacrec-cuma criada p..rtugueza para casa
se celebravam na capella de Nossa Senhora de homem solieiro. ou de pouca familia : na ra
dos Prazeres, contiHamii a fazer-se da mes- & Santo Amaro 88.__________
na forma em solemnidade. e magnificencia, i Massa fallida de Basto
e terao lugar do dia 4 de abril at o dia \ A- Lentos.
10 inclusive, e pede ao mesmo publico,' Tendo os administradores da massa fallida de
que por decencia, honestidade e acata- {^o* Lemos> fono em tenapo o swiiprlmeiro di-
ment a nossa re.igiao. cesse por uma vez ^olTous^ SJffiS dos SU
com os divertimentos pnifanos que costu- credores. nos respectivos autos da fallenca ; lam-
mava a fazer-se no domingo depois das *ein ,e,n ltimamente- realisado o pagamento do
festividades 19e8UDdo dividendo de 3 O.'O. e algnas do primeiro
que entao nao receberam ; c como desle ultimo
A ESMERALDA

Moreira Duarte & C. tendo feito uma
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de eera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um t-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
prapa, e por prepos o mais resumido posei-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciossas.
K.5
RUI DO lll li i X S
LEILIO
De
e Id
IO barris eoui peixe
ditos eom aleatro.
QUARTA-FE1I\A 7 DO CORKENTK.
0 agente Pesiaia fara leilo |or cnnla e
de quem perlencer de 10 barris com peixe
ililus com aleatro no dia cima mencionado as
11 horas da manlia ao trapiche do Cunh Forte
Uo Matos.
risco
e 10

i

de sacos va/ios a vanados.
Quarta-feira 7 de abril.
Por iolei venci do agente Pinto, em aeu es-
criptorio ra da Cruz o. 38.
JPara o Porto
nde snir com a maior breridade |ossivel a
burea purttdjpMl Stguranea reealM carga e pas-
sageirna, para os quaes lera excellentes commo-
'Io : a tratar com Cunta Irmos & C, j-ua da
Msdrc de Dos n. 3i.

Para o Porto
inde seguir com a maior brevjdade possivel a
mai vrleii'.i barra portngueza Chudinn ; recebe
i a frete e passageiros, para os quaes lem ri-
0 excelltnti)? commodos : a tratar comCuuba
LEILOES.
4
LEILAO
AVISOS DIVERSOS.
de S escalercs o pertenecs.
A 5 do corrente,
0 agenta f)lifeir far leilo por ordem e em
presenta do Sr. cnsul de S. M. Britannica, c por
conta arisco de quem perlencer precedida a om-
Ne ai: irisai^ao da alfandefae com assisten-
cia de u ,i e;n|regada fiscal desla repartico, de
'! escale.-es, 12 remos e leraes, *' velas, 3 nwstros
< bil!,"<, qae perteAcerara ao navio inglez L l'.iimtrsIOH, capitn Edwin Italson, de LiverpooJ,
lipb e.ualte mar a 18 de maro/ ultimo.
H4MB.
*. moio diaona popu junto ao irapiclie de de-
: embarque na reterirta alfandega.
Os abaixo assignados, toado resolrido mandar
celebrar uma missa de Rquiem, com memento,
pela alma do nunca ass^ chora o )Dr. Antonio
VicEHTno NAsraiisNToFRrrosA por occasiao do
primeiro anniversario do klleciinento do se illus-
ire Pernarabucano, convidara a todos os amigos e
correligionarios do linabo para que se digne de
cora sua piesenca concorrer para maior solem-
nidade de semelnanlo acto, que ter lugar no con-
vento de N. S. do Carino, as 9 horas da manha
do dia 6 de abril corrent.
ftecife 4 de marco de 1861).
Bao de VHIa Bella.
Eio de Palmares,
ui/. Jos Pereira Smioes,
Joo Francisco Teixeira.
Antonio Jos da Costa Ribeiro.
r. Caroliao Francisco de L. Santosf
Floriaoo 0rra te Brito.
Innocencio Serfico de Assis Carvalho.
Cooego Francisco R. P. de B. Medeiros.
Feliciano Joaquim dos Santos.
Antonio Jo Silva do Brasil.
Iriliandade do DivlllO Espirito vdeiido quemonta a J3:0679S3 ainda restara
t_ i /i ii pagar se uns 820*297 que pertencem a onze ere-
ftaniO do CX)HeglO. \ dores de monores quanlias, ri^lo como ? se tem
Tcnrln ilp rlir nrincinin s"nhn di en- p*e' desdo ,6 de "ovemhro ultimo a 16 de feve-
unao ue aar pnncipio as ODras (la ca- reiro prximo pagsado, a quantia de 24:2175628.
pelta-mor da Ign-ja, resolveu em uma de rogase de novo ao-, senhores credures d rofcri-
snas sessBes n2o pedir no presente "anuo da massa, que aiud nao receberam aquelles seus
do COStU- dividendos, para que tcttham a bondade mandar
reCeber, apresentando os respectivos litulos para
seren averbados, no largo do Corpo Santo n. 6, 2
aodrr. Os mesios administradores, aproveitando
o ensejo, rogam milito encarecidamente a todos
os i-enhorcs desdores o c=pecial favor de manda-
reni saldar seus debites, ali.n de por este modo
se proceder como desejain a liquidacSo final da
referida massa.
esmolas para a festa e procissao
rae, visto como tem nomeado commissries
para obter esmola para as referidas obras,
tendo todava de aprrscntar vista dos
liis a solemne procissao a expensas da
mesa e de quem voluntariamente para ella
quizer concorrer. As commissoes de que
cima fallo, segundo sou informado, tem
ile ser publiclas julos jo.niae,s dentro em
pinico lempo, istoaffirnia.

Um irmSo.
km.
. O director Ja so^edade -Libeial Cui^ Boneli-
1 cente, convida a todos os socios da mesma a-so-
|*eio, e asiiB onm->s dem.iis sociedades^pje
miizeimn aast-ilr a uu^sa da slin(|o ia, do imaoV
Antiato Felippe de SaufAn'na Barros,' a qual sora
celebraJa oa luariz d > Corpo Santo, as 7-iorasAt
Prtcisa.se de ona ama para ca- de hornera* manhtu de ^tmna-teiM 7 cki crrete
siJieiro : narfle Teita n. 61, loja de chapeos.
PreM-sJ de um rapaz de 12 14 aunes,
para caixeiro de taberna : na ra do Ru^uI.u.
ti, laberna.

Cozinheiro
_;____l--
^rpcisa-se de .um cozinheiro ou rozinheira :
Irtarna roa do Imperador n. 73, arriar.
+ Precisa-se de uma ama para todo o servico
da casa de pouca familia : ra das Trincharas
u. 48, 2" andar.
Sala das setses, 4 de alrril de 1869.
Anlunio MiukI do $>tcraieto,
_________________I." M'cretario interino./ r

Ama de leite.
Precisa-fe de uma ama de leite sera lillio : a
tratar no Ooraeao de Onro n. '2 D, ra do Cabug.
JEngommadciro
Xa ra do Imperador n. 73, 2" andar, ptecisa-
se de uma criada pata engonmiar.
Criado.

Precisa-se de nnM*riado
rador n. 73, 4 andar.
fiel : na roa do Inope*
Angelo Rotilho Pereira Chaves participa ao
respeitavel publico, que deixou de ser caixeiro dos
Srs. Porto & Bastos, desde o dia 31 de marco pr-
ximo passado.
Recife, 1 de abril de 1869.
Angelo Rotilho Pereira Okaves.
Caixeiro.
I>r '2 pipas 'in vinagre tiato.
7-.rr.a-feira 6 de abril.
0 agente Pestaa far leilo por couta e risco
re quem pertjncer de i'i pipas de excollente vi-
nagre lintj desembarcailo nltimameiiM e .ser
vendido em um ou mais lotes a voutade no dia.'
cima monr.ionado as 11 horas da manha ni tra-
piche do Sr. Dantas no Forle do Matos.
Precisa-se rh nm eaiieinr que tenha pratiea de
taberna, e d fiador a sua conducta, e que tenha
de 16 a 20 annas : na ra larga do Rosario nu-
mero :7.
Trofou-se por ungan um rclogio de ouro
ooberto patente infiel n* ti77 com o orne do
fabricante Ja Duff e Son Castel Stz London : ro-
ga-se a nessoa que por engao lovou que tenha
a boiidade levar na ra fova n. 21, loja de Fran-
cisco J.s liiTinann.
I'recisa-sede uma ana
na ra de S. Francisco n. 54.
forra ou captiv a
AMA
Precisa-so de nina ama para coziqbac : na ma
do Imperador n. 57.
AMA
Precisa-se de uma ama Berna para todo o ser-
vicade casa, e tratar de. urna menina. Na mesma
casa precisa-se de um criado para todo servido:
na ra das Larangeira< n. Ig, hotel francez.
Tabaco Siinonte
J chegou o desejado tabaco Smente, ra es-
trella do Itosario n. 1, laberna d Pocas.
Aluga-se um grande sttio rom casa c mnilos
arvnrcdos, proprio para ler gados pela sua esta-
co, e memio p.ira plantagoes por ler lugares al-
tos e baixos, as Salinas, mirada do Campo Gran re-se escry i
de : a tratar na ra da Cadeia do Recite n. 3.
CASiM'FHfOA
Ao| 44>0|
Bilhetes garantidos.
A-rya do Crespo n.23 e casis do costume
abaixo u.ijnado tendo vendido nos seus limi-
to felize-i bilhetes garantidos i quarue n. 131S
com a sorle de 4:000, 1 ineio n. 3.'i97 com a ser-
le de 700, e nutras limites surtos de 1004, i0* e
H) da lotera pie se arannu d* extrahir em be-
ni'licio da iareja de Jossa Se ihora do Monte da
Olinda (100 ), convida aos |iossudnres a virem re-
i cebersens respectivos premios sera os descontos
das leis na Casa da Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-sc a venda os da I parte da lotera a
beneficio da groja de Nossa Senhora do Livra-
uieute de Pao d'Alho.(lOl) que se oxtrahir sab-
bado 10 do corrale mez.
Precos.
Bilhele.....UOOO
Meio.....20U0
Qnarto.....lOOO
Era |orco de 10 para cima.
Bilhele.....3io00
Meio......'1730
Quarto..... 875
Manocl Hartins Pinza.
g aiivik/c %
88 O bacharel Joao GiincaU'es da Silva
(i Montarroyos, raudnu sou escriptorio pa-
2 ra a ra do Queimado n. 33 lu andar,
H entrada pelo pateo de Pedro II.
Ama
Precisa-se de urna ama forra ou escrava para
comprar c cozinhar para uma ca*a de pouca la-
milia : na ra das Cnues n. 28, Io andar prele-
e paga se bem agradando.
IIVMIIVIO
Dil
Centro Liberal
Brocliura in 8o
t(W0
BARIA FRANCEZA.
Ama
Precisa-se de uma ama para todo srvico de
uma casa de pequea familia : a tratar na ra da
Palma, taberna n, 37._________
OfTcrece-se um caix>iro com pratiea de ta-
bella ou loja de ferragens garantinlo sua con-
ducta : a tratar na ra do Imperador sobrado n.
26. 1 andar.
PEDIDO
Peilo-su ao digno chafe das obras publicas pie
lance suas vistas para om&o e.-tadoda estrada da
Victoria no lugar das Areia-.
Um padcenle.
VE%IIAH
Precisa-se daqnantia de 400 a 50, dando-se
pur garanta uma parte de t.m sitio : quem qui-
zer |i ie tratftcom o Sr. padre Barrete, na ra
de rtorlas n. 30, dis 11 horas da man la as 3 da
larde._____________________^____________
Alupa-se o 1." andar do sobrado da ra do
padre Floriano n. 71: a tratar no 2." andar do
mesmo.
EPIDEMIAS
O LICOR DE (.ABARRAQUE um preservativo seguro em tempos de*
epidemias: cholera, fehre amarella, peste, typho, etc. Devem evitar-se as faj-
sificacies as quaes sao a maior parte das vezes mal preparadas, sendo por isso
mais nociva* do que uleis. Deposito em Parit, L. FRKliE, III, ru Jacob.
Em BU-Jaaeiro. DupmictteJIe; H. Tesiorpf. Em Peraambaeo. Mmtrer.
m
"
INJFCCAO VEGETAL
com 1WATICO
0 successo d'cti injeccio, preparada com as folhas do Matlco do Per, (tai to rpido, qe
ella e lam tornada popnlar em lodosos paizes do mundo, par a curs da gonorrha e daa pnrf*-
coes de toda a natureza. E' o mico producto oeste genero caja entrada na Russw Mana sido
authoriuda pelo conseibo medico de Sio Peiersburgo.
Deposito em femambuco, em can de O*.
BA 1
IDO
CABUG
esquina
da roa larga do
Bsario.
i
LOJA DJE2
^ taritp estabeleefcnento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem igual
e vende por juremos cgxe nenhuma outrq, casa pode vender.
A mi da quadad^ e do prepo das joias cada nm pder-se-to eonve^cer dq, verdade
Gtrante-se ser tndo de JeL* Compra-se nre. pmta e pedras finas por prepos muito ele-
vados*
A loja m& <^6rta # fis 9 hoi^
esquina
4a ra larga d<
BbBUbBiI ImSI l2^f22af'C 3'C 3 C 3C 3
a^aaaaaai aa^amafat-aavapaam a^a^aa^rwaa^Bjaw aj
*
Tem 11
l
HiSfVH
i


flHHHHHHHHMI
;
Diario de Fernambuco Segunda feira & de Abril d*
1869.
Trocain-se
as sotas do banca do Brasil e das eaixas I
com descont inuito razoavel :
pendencia n. 12.
na praca da lade-
testaniiMK*ro
levar,
do finado Antonio Flix des
m mand'r*aU)ado, 3 .le abril .celebrar o
triz da Boa-vista missas do stimo da palo re-
mso eterno de sua alma, rujas missas tvrao ov
iwco as 6 lioras a manhaa ; roga, portuito, aos
amigos e prenles do finado se dipnem compare-
cer este acto de grande caridade, pe queme
ser ilernamiTUe grato.
Basilio Lui Cetho convida pelo presente aps
seas3mKose a o* prenles da fallecida D. Kiran-
ciea do Reg Barro, madrinha de sua muJher.
para as*istirem a una mis>a, que pretende man-
dar celebrar por alma da inesma, no da o do cor-
tante, s 7 horas da manhaa, no conventa de bt
ranci3Co^^^^^^^^^^^^^^^^^^^
Comida para fra
Na rea estreita do Rosario, sobrado de nm an-
ua* n. 35, continaa-se a preparar alinoco e j
ur ein urna casa le familia, e manda-so
Indo eom promptidao e asseio.____________
Atrenzo
Prccia-se denm pequeo livreou cscravo para
servio interno e externo de urna casa de pequea
rantfa : a tratar na ra do Imperador n. 28, ta-
berna do Campos. ______-
_ Jos Henriqae da Silva, filho do fallecido
Joao Henriqueda Silva (conhecido por Joao Upo)
declara pelo presenta a todos os seas amigos c
eonhecldos, que havendo mais de un eom igual
hoqw ao seu, como por vezes j se ten encontrado
nesleflws.no jornal em pocas diferentes, a ponto
de un d'elles ja ter subido ao tribunal do jury
comotadrao de cavallos ou estelii .nato ; e nao
teudo o inesmo a honra de eonhecer estes senho-
res, pede-lhes a boudade, ao menos a um que es-
pera desparto da presidencia, como se ve no
Diario dt Pemamhnco do 1J do corrento no expe-
diente do enverno, ir ra estreita do Rosario n.
, no primeiro andar (seu escriptono), e com ello
se entender, pois bastante prazer tera de o eonhe-
cer. O anunciante nao muda seu anie por ser
de familia, augmentando smenteGuimaraes:
pelo que muito positivamente declara todos
aquelles para quem merece coritanca, que em
sen antigo nome e no que de presente vai usar,
nada deve, e por nada se responsabilisara, bem
como se ba alguma transa, can eom alguem que
teaha sido feita por terceiro, nao obstante o ines-
mo annnnciante declarar que nao a tem, queiram
ler a bondade de se dirigirem em sen sitio na
Passageni n. 40, das 4 horas da tarde s 9 da ma-
nhaa, ou na ra estreita do Rosario, das 9 s 3
da tarde.
\
Joaquim Jos Gon-
palves Beltro
ftUA DO TRAPICHE N. M, ." ANDAR.
Sacca por todos os paqueas sobre o Ban-
x do Minho, em Braga, e sobre os segaio-
(es logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimarles.
Coimbra.
Chaves. *
Viseo.
Villa do Conde.. ^
Arcos- de Val de Vez. ^
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova do Famalic
' Lamego.
Lagos.
Covillia.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
T
ti
-
m
*a
BARTllOUMElJ tt't

f'PA*A USO lNTfiBITO
PA'UADOS SIMPLES
o>
ob&bT
.3
,*>
,d
4niw<

I
UTBI*ID.tE
Aos 500 pares'de brincos.
Chegoo e vende-se no Coracao
(TOuro, ra do Cabng, brincos de-
mSosinhas com orna franja ponden-
te a um rico desenho e ouro de
lei, peto pequeo preco de f 55000
cada par. baratissimo.
pessa que anuunetou
i dei>
ter pratiea da-sec-
eos e moMtado* dei'xe carta ueste typagrapWa com
as iniciaes P P, indicando quaes as pessoae que
poden informar a seu respeito.
a
Alvaro cha Cavalcanti tem cscripto-
rio de advoeaeia ra la eamboa do
fB Carmo u. 8 1 andar, onde pode ser pro-
| curado par a os miateres le sua prtflssao
*
lOj^OOO
Perdeu-se do Rocife ra do Sebo, na Boa-
Vista, urna argola com qnatro chaves, e'uma cha-
ve pequea de relogio : quem achou, querendo
atregar na ra do Hospicio, casa que faz esq'
na com a ra Formosa. receber a graficacao
cima, e muito se agradecer.
ATTENCAO
Jos Vital de Negreiros, com laja
e ollicina de ourives, ra do Im-
perador n 30, vende, troca e con-
certa toda e qualquer obra du ouro
ou prata, por preco muito mais
barato do que em outra parle, pa-
ra o que tem sempre completo
sortimento de joias de esmerado
gasto e feitios, assim como, tem
bous artistas para deseiniienhar
todo e qualqner concei to ou encom-
m--n.Iii. no pra7d (1 ninir pOSSIVel
e a contento, como do seu cos-
tumn, o que tudo faz por precos
muito commodos.
Ll
i
Resta venda um escolhido sortimento de ob-
Jectos do marcineria, como sejam, mobilias de Ja-
caranda, mognoeamarelln, obra nacional e estran-
feira, de apurado go-to e por preco i razoaveis :
na ra estreita do Rosario n. 32. Ncsta mesm<
casa fazem-se com perfeico todos os trabalhos dr
palhinha, como sejam, empalhamentos de lastros
para camas, cadeiras e sophs.
A taberna do pateo do Terco n. 4
que pertencia a Jos Dias Marques, fica
hoje pertencendo ao uiesmo Marques e An-
tonio Lujz da Silva, a qual gyrar na razo
. de Marques A Silva.
Becife I de abril de 18fl.__________
Aluga-se o 2' andar do sobrado da ra da
Madre de Dos n. 36. com excellentes commodos
para familia e bastante limpo ; quem quizer ver
ple pedir a chave na lja do mesmo, (armazem
Je gneros) eahi dir com quem trata-se.
|J. Ferrelra Vlllela.
Photographo da casa imperial
premiado em diversas exposi-
(joes.
Na sua" photograpbia ra do Cabug n.
18, entrada pelo pateo da matriz tira retra-
es por todos os ystemas photographicos.
Em porcelana Era vidro
Em talco Em papel
CART ES DE VISITA A H A DUZIA.
Os retratos carte-de-visite sao collados
( carto de luxo bristal ou porcelana,
lourados ou lithographados, quadrilongos i
m vinhetas para oque existe urna varieda-
le de i 2 modelos a escolha de quem se re-
ratar. Para as outras especies de retratos
emos caixinhas, passe-par-touts, quadros
i molduras douradas e pretas cassoltas de
losas, havendo nos alfinetes urna mimosa
ariedade de feitios.
O nosso estabelecimento photograpbico
st sempre era dia com os raelhoramentos
i progressos que na America do Norte, na
iuropa ou no Rio de Janeiro seconsegue
ia arte photographica, e para alcancarmos
al m nunca poupamos dospezas nem sa-
rificios, de sorte que os nossos numerosos
reruezes poden ter a certeza de que sem-
jre encontraro em nosso estabelecimento
udo quanto a arte e a moda offerecer de
iom no novo e velho mundo aos amantes
la Dhotofrraohia.
'O-de jnrobeba gan-afa. 1^000
iat de jonibeba garrafa. !>o00
Pitlas de jurububa vidro. 1,5600
T4ur Extracto feydracoolico de urubeba. 2s00
PBEPARADOS C0MP0ST0S.
Vinho de yqrubcba ferruginoso garrafa. 2?J000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 15600
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2^000
Oleo de jurubeba vidros. 6*0
Pomada de jurubeba pote 640]
Emplastro de jurubeba libra. 20500
PARA USO EXTERNO
rA Jl 111 III !S %
Ksta planta boje reconhecida como o mais poderoso inico, como um excei-
lente de&obstraetlte, e como tal applicada nos engorgitameatos do ligado e baco, as
hepatites propriamente ditas, ou anda complicadas com anazarchas, as inflammacBes
subaequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazareba, as hodrope-
zias, erysipeUas ; e associada as preparacSes ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, cbloroses, faltas de menstruac5o, leucorrheias, desarranjos atomcos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizeinos aflirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a excellencia d'este
poderoso medicamento sobre os demais at hoje coohecidos para todosjos casos citados,
tanto)que todos os dias fazem d'elle applkaclo.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por lim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, e
mais das v&zes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improlicuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s forara aposentados depois de havermos conveniente*
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem eonhecer as pro-
piedades medicamentosas d'esta planta em suasraizes, folhas, fruitas ou bagas, e a
do*e conveniente a applicacSo, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao rnaior grao de perfeico possivel, para o que uo poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possaraos tirar.
Por tanto os (pie se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de velcura de qualquer dos sorTrimentos,que deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'ssp, medico eu doente a vantagem de escolber as nossas va-
riadas preparaces, aquella que melhor the pode convir, j pela fcil applicaco, e j pela
complicaco das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparacSes ferruginosas sao feitas de forma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos osxompostos de ferro que
como taes estao hoje recoohecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram eonhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applicacSo de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Dep sito geral de todos os preparados
Rollra e drogara
34Ra larga do Rosario34.
Do xarope vegetal Aaaerlcauo. esficclalidadede Barlhotomea 4 .
34RA LARGA DO ROSARIO34
NIo costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e det.
xamos que sua applicaco e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaran aceeito-
los.lhesdeem crdito evoga; porque sao sempre os attestados considerados gratnitoi,
e delles que lancaraao charlatanismo; mas, nao querendo offender as pessoas qnt
espontneamente nos offereceram os que abaixo vSo transcriptos, os fazemos publicar,
manifestando-lhes nossa gratido pola attenco, esperando que venham elles corroborar
o'concert, e acceita^io que tem merecido nosso xarope.
Barthohmet & .
ATTESTADOS
Illms. Srs. Bartholoraeu d- C com a mais subida satisTacSo qu* declaro
ser o xarope Americano de urna elficacia extraordinaria, pois que sofireiido ha dias da
intensa tosse, i ponto de n5o poder dormir a imite a despeito mesmo de medicamentos
que tomava, a elle recorr e na terceira colher fui alliviado, e de todo me acho boje res*
tabelecido com o uso sorante de qusi meio frasco: grato, pois/ esse resultado mani-
fest a Vf. Ss. meu reco'nheciraento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obligado.Ma-
noel Autopio Vegas Jupior.
Sua casa 20 de abril de 1868. ,
Illms. Srs. Bartholomeu & C.Penhoradissimo com o favor que me fizeraa
do aeonselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, quando me acba-
va bastante doente de urna constipaco, que me tornou completamente ronco e qae
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus deveres de cantor da
empreza lyrica, vou agradecer-lhes meu completo restabelecimento, que obtive com ua
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tratamentas. Desejarei
que outros como eu recorran ao seu xarope para se verem alliviados de tio terrivel
incommodo, t5o fatal neste paiz. Com maior considerado contino a ser de Vv. Si.
atiento, venerador e obrigado.Luiz Cremona.
Recife, 25 de setembro de i 868.
Illms. Srs. Bartholomeu & C.0 xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. teea
exposto venda de toda efUcacia para o curativo d'asthma,' conforme observei appli-
cando-o a meu fiiho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'esse flagello, que at
ento por esparo excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de grande
Horneada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expressao altamente sincera.de meu reeo-
nhecimento ao meritorio senigo que Ihe prestaram com o indicado xarope, acroditan-
do-me para sempre de Vv, Ss. criado, ltenlo e obrigado.Americo Netto de Mendonca.
Recife, 2 de outubro de 868.
ii
DE
DE
> Aluga-se por 20 mensaes -.m primeiro an-
dar da~cas* ^- ra du Apollo n. 4f>, do lado do
mar : a tratar defrontp do caes da Linguela n. 10
segundo andar, eom Manoel Antonio dos Santos
Fontes._______________________ .
PernmUa-se p^ir una moleca ou negra, um
inoleqiie dj t annos, on vender-se-ha: a ra do
imperador n. 50. ^______________
Preei^a-se de urna ama pa'a cozinhar, po-
dendo dormir fra : na rna da Cndeia n. 10.
ii ----------.----------------
Prerisa-se de uina ama o de um criado:
ra estreita do Rosario n. 34 segundo andar.
DE
RESIDENCIA
0 Dr. Cusmo de S Pereira mudou sua residen-
cia para a ra do Imperador n. 2i, 1 e 2o anda-
res, onde contina no exercicio de sua prollssao
medica, para o que pode ser procurado a qual-
quer hora do dia ou da noite, nos casos graves.
Todos os dias das 6 as 9 hnra da manhaa, menos
ais domingos, dar consultas indestintamente a
DOENCAS DO PEITOK
XAROPE o'HYPOPHOSPHITO oe CAL
GRIWAULTe C'.a pharmaceuticos em PARS
A effleaciad'eitt preparadlo ewewabetecidadeide4g87, pelo mai celebre medieoc Deede
enllo muitas imita(0>s ten sido feitas, mas nenhom |Mude sustentar a comuaracio eom o
producto apre&enudo pela nossa cata. Por isso aullamos o publico para que eaika sempre
esie iarope com urna bella cor de rosa, nanea branca, e eom a nossa assignaiara i roda do
fraseo.
Sob a sua influencia, a toase acalma-se.os ores nocturnos cessao e o doente volve rpida-
mente 4 saftde. 0 ten empreco d tambem o* mais brilbanies resoltados nos defloaoa, catar-
rhos, broDchiim, irritacoeado peito. ote.
Deposito em Pernmmlwco. em casa de iigm o*.
r '-W:*yW*L .-<* '. -<'
qualquer persoa, sobre qualquer ponto de sua pro-
(issao, c com especial cuidado sobre molestias de
olho-, do peito, e dos orgaos genito urinarios ; e
quando o caso for cirurgico, praticar as opera-
c&es que julgar conveniente para o restabeleci-
mento do seu cliente.
Pulselra perdida
Perdeu se na noite do dia 31 de mar^o prximo
passado, da rna do Imperadsr para o toeairo, ou
mesmo no tneatro, urna pulseira de ouro : quem
a achou, querendo restiti-la, pode levar uo Io
andar do sobrado da ra da Cruz n. 38, que ser
recompensado, se n exigir^__________________
Aluga-se o 2.* andar da ra das .\goas-
Verdcs n 86 : a tratar na ra das Cruies sobra-
do n. 9 1." andar, das 9 horas ao meio dia.
na
AMA
Precisa-se de urna ama para a casinha, prefe-
re->e e>crava : ra do Queimado n. 12 primeire
indar._____________________________^_
GMTIFICACO.
ATTENCAO
Aluga-se um sitio na estrada do Rosarinho con
boa casa de vivenda, aecommodacCes para escra-
vos, eocheira, estribarla, duas cacimbas, tanque,
duas baixas para capim : quem pretender alugar
dirija-*e praca da Boa-Vista, botica n..fr______
Cosinheiro
Precisa-se de um cozinneiro : em cas de Taaso
limaos, ra lo Amorim n. 87._______________
Precisa-se de urna criada forra que compre,
para uaarvieo de pequea familia : na ra Direi-
tan 79,1" andar. __________
Precisa-se alugar umaescrava que saibaco
no Corredor do Bis-
l're
he
Perdeu-se na sexta-feira de i'assos, da casa do
bilhor dos arcos, esquina do Ouvldor at o arco
He Santo Antonio, indo p *lo caes 22 de Novembro, zinhar bem e fazer compras
urna iuil com fivela, pedrs e fita_ de ouro : quem achou,
querendo restitui-la, sera gratificado, na ra da
Matriz da Boa-Vista n. 21.
Ama secca.
Offerece-se urna escrava perfeita engommadeira
e eozinhcira, e tambem entende de todo servico de
caa : qnmn precisar dirija se esta lypographia
que se dir qnem aluga.
Aluga se a loja do sobrado n. 32, sita pra?a
da Bi.a-vwta : a tratar na rna do Alccrim n. 3.
Precisa-se de urna ama para engommar e
coainhar : na ra da Cruz n. M, 2 andar.
A commisso ew-arregada d tratad dos tra-
balhoa desta irmandade de Nossa Senhora do Bom
Paito, convida a todos seas irmaos para reunir-se
110 dia 4 do corrente mea as 9 horas do dia para a
confirmacao do seu eompromi 90.
Domingos Rrtmos Barbosa,
Secretario.
- Ha para alugar ama esmva, que cusinha,
engonima, rose, enaaboa e rompra: na traressa de
S. Joio n. 8, perto do gasmetro.
Aluga-se un) grande sobrado por acabar-
travejado, sera assoalho un pono de embarqne,
proprw para qualquer estabelecimento; e bem
asaim, luga-se um quartn no oitao do dito sobra
do, com repartimento; tudo no lugar dos Colhos
defrinte 00 hospital Pedro II. a tratar i roa do
Moadefo otaria n. 13.________ ^
- *a secffelart da aaatt rata da wiaafirnriS
do Reeife preciaa-se tallar ao Sr. Jet de Calaaaas
BafcDarte.
Gura radical das her-
nias.
Garantida na maior parte dos casos por
meio de um tratamento simples, facfl a se-
guir, tanto-para as crianzas como para
adultos e mulheres sem operaco, sem die-
ta particular, podendo o doente continuar
em seus trabalhos sem encommodo.
No Rio de Janeiro
16TBAVESSA OB S. FRANCISCO DB PtILA16
Consultorio do Dr. Gtusier.
Mais de 300 attestados dados por doen-
tes curados e conhecidos, tin dcixam duvi-
iia nenbuma sobre a efllcacidade deste cura-
tivo.
Para mais informac5es, na roa do Impe-
rador n. 32, das oito s nove horas da
fotnhia.
Frederico Maia
Cirnrgio dentista pela escola
de medicina
de Rio de Janeiro.
Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capital e seus suburbio% que tem aberto o
seu gabinete de consultas e uperacoes dentarias a
ra Direita n. 12, primeiro andar, onde pode ser
Srocurado todos os dias das 8 boVas da mar.t a as
da tarde. Elle acha-se competentemente habili-
tado para com perfeico coUocar dentes artiliciaes
por qualquer dos ystemas, e bem assim desempe-
iiliar qualquer outro trabalho roncernente sua
prolissao. O mesmo, reconhecendo que nem sem -
pre pMsive) s senhoras ou enancas sahirem a
precisar o remedio, offerece-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tar a qualquer chamado sem que isso infiua cousa
ilguina na commodidade dos precos de seus traba-
lhos, e quando para fra delta assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavel, garantindo elle a
*eu gabinete se encontrar constantemente excel-
lenteps dentifricio, elixir e outros medicamen-
tos odontalgicos : ra Direita n. 12, primeiro
indar.
Compra-se um preto de 40 a 50 annoa de
dade: na rnadoRangel n. 9. ^_____
Precisa-se de urna inulher capaz e de bom
jo para criada de portas dentro, sendo para
aawrpr^
Aluga-ae urna eeerava
wrost: tratar na roa do Qortmadon
GURA DOS CALLOS.
PELA
Pomada galonpean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo & G.
34------Rna larga do Rosario------34.
ttencao
Manoel Aqgusto de llenezes Costa, pro-
fessor de msica, continua a dar ligoes de
sua arte, tanto vocal como instrumental,
em casa particular ou em algum collegio;
assim como tem aberto urna aula na casa
de sua residencia na ra da Palma n. 53.
SEGUROS
MARTIMOS
pCOMTRA FOGO.
A Companhia Ixdemnisadora, estabelecind
testa pra^a. toma seguros martimos sobre
avios e seus carregamentos e contra fogo
tm edificios, mercadbrias e mobilias: aa
ua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
GRANDE HOTEL
DE ORIENTE.
luaugurou-se este commodo e elegante
esUibelecimento d'onde os seus frequenta-
dores poderSo apreciar a especialidade na
confec5o dos generes alimenticios.
s bebidas sao as mais primorosas c rc-
ommendadas.
A decencia e bom servico primam n'esta
casa no bello gosto oriental.
Mandam-se domicilio comedorias, tanto
avulso, como por assignatura mensa!. Os
presos sao mdicos e convencionaes.
lia urna espacosa e bonita sala para o
elegante jogo de bilhar.
Ha tambem aposentos commmodos e bem
mobi I liados para hospedagem.
Ra larga do Rosario
n. 44.
PEDIDO
Pede-se ao Sr. Manoel da Costa Pereira, prati-
cante da repartidlo das obras publicas ora em
laboatao, que compareca ra Augusta sobrado
n. 102, afim de saldar o seu debito ou pagar o
que poder e isto com brevidade.
Fundico da Aurora.
Neste vasto estabeleclmenle sempre se encontra
um completo sortimento de taixas de ferro batido
e fundido, fabricadas recentemente, e se fabrican)
de qualquer molde a vootade dos compradores, e
recos razpoaveis. ______________
Se for bom.
Pagar-se-ha bem un moleqne que se pretende
alugar : na ra larga do Rosario n. 44.4* andar.
J.VIGNES
N. 55RA DO I3IPERAD0RN. 55.
Os pianos d< sta antiga fabrica sao hoje assz conhecidos para seja necessar
insistir sobre sua soperioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores.
cmalidades estas incontestaveis, que elles tem definitivamente conquistado sobre todos
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um teclado e machinismo que obedecea
todas as vontades e caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por serem fabricado!
de proposito e ter-se feito ltimamente melhoramentos importantissimos para o clin
deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas e por isso muito agradaveis ara
ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommer.das, tante nesta fabrica como na de Sr. BloB-
del, de Paris, socio correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um esplendido e variado sorti-
mento de musirs dos memores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commodos e razoaveis.
RA LARGA DO ROSARIO N. 37
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia em dia quanto possivel- para che-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio. tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna sii
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, ndispensavel elemento para a'
vida e hygiene, temo-la sempre em abun-'
dancia para facilitar excedentes banhos.
Ha tambem urna boa bibliotheca e peri-
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para
recreio, buhares, etc. etc.
Sendo ociosa qualquer recommendac5o
para tao acreditado estabelceimento, omit-
timos mais prembulos, fazendo ver por
fim, que o bom servido, ordem e mDralida-
de imperam n'esta casa, como observancia
fiel do regulamento que possue.
Comedorias a la carte.
CRARITERIA E PET1T RESTAURA!
Annexos ao Hovel Central, ra estreita de
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a eonhecer a variedade infinita
de charutos de Havana, Baha. Rio, etc. que
existem neste novo estabelecimento pres-
cindimos dos annuncios pomposos que ge-
ramente se fazem, reduzindo-nos apenas i
tres letras que sao tres bbb bom, bonito e
barato. A' vista do genero annunciado po
de-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
gosa tambem das condices de um elegante
e pett restaurant onde se pode ver a es-
pecialidade dos fiambres e salames de Lion
para lanches e at fazer rana boa colacSo,
juntamente com os principaes vinbos do
mercado, sobresahindo entre o bom a pura
e fervente champagne, o mui saboroso Rhe
no, a primorosa ceneja, o licor espirituosof
o quanto pede urna mesa. Faz-se nooi
sorvete e variedade de refrescos.
Tendo montado urna completa officina para concert e afinacao be pianos
ten% contratado para o mesmo fim o experimentado contra-mestre Sr. A. Rastoqft
chegdo da Europa pelo ultimo paquete.tem a honra de recommendar esto seu estabele-
cimento s Exmas. familias Pernambucanas, prometiendo promptidSo e perfeico no
trabalho.
Ra Forinosa n. 14
DE
Em casa de THEOD0R0 CHRIST1-
VNSEN, ra da Cruz n. 48, encontram-se
-sllectivameiite todas as qualidades de vinho
Rrirdeanx. Ronrgngne e do Rheno.
Aluga-se
Urna ama de meia idade para comprar e cozinhar
para urna casa de pouca familia, prefere-se escra-
va, e paga-se bem : a tratar na ra Direita a 31
0111 annuncie-se para ser procurado.________
t'recisa-se de urna ama irigueza para
casa de homaro solteiro, na ra da Boa-Hora, de-
fronte da igreja, na cidade de (Xinda, taberna : a
tratar na roesma ou na rna do Imperadn^^Hb
O abaixo assignado prnfnsur jubilado da ca
deira de geogranhia e historia do ex-lvceu desta
cidade, autorizado pela direrturia geral da fnstroe-
co publica, contina a ensinar primeiras lettras.
latim, francez, rhetorica o geefraphia. Beeebe
alumnos internos, externc e meio-ppn para o que tem as accommodagde^ precisas os (res
andares do predio n. 33 silo roa Nova, para
onde se mudou.
Affonw Jov de OHvetra.
MOFINA
AaKnia Praneiwa f>o
Francisco Dtmrte,
Pgji-se bem.
WPrecisa-se de urna ama forra ou captiva, de
meia idade, que cozinhe bem, para casa de pouca
la mi lia : trata-se na ra da Cadeia do Recife n.
60, I* andar._____________________________
Aluga-se um sitio na estrada do Kosarinho
com boa casa de vivenda, accommodaces para
eseravos, eocheira, estribara, dua cacimbas, tan-
que, duas baixas para capim : quem pretender
alugar dirija se praca da Boa-vista, botica a. 6.
Kngm/io.
Arrenda-se o engenho Gongacary, na frepezia
de lf naraas, distante desta praca 5 leguas, com
excllenie sobrado de vivenda, bons stios de la
vradnres, capella, e ptimas trra de plantacao,
pt-dreiras e Tornos de queimar cal : O* pretenden-
tes dif^am-te a ra da Imperatri 8, primeiro
andar.
-^ Pretisa-se de urna ulKira habilitada para
ensinar a tingna purtugue n'nm engenho dis-
tante desta cidade >eis leguas; prefere-se urna
senhora de idade e que nao lenha familia : quem
o pretender dirija-so i ra do Hospicio n. 86 S
2L-----
Jtma
Precisa-a de ama ama d meia idade e de boa
conducta para comprar e cozinhar para ama fami-
lia de poucas peamas : a tnat m ra Ma bu-
mero a.__________ ___________^^
usfiwilH Gratn itwrttte
a Costa Bastos,
Ittver ouirod
LIMA, LESSA & C.
ti-RIIA NOVA IHl
O respettavel publico encontrar nesta oflficina habis mestres o bem conhecidos
na arte, afiancando-se o melhor desempenlio conformo o Rosto c vontade do fajguez,
assim como a maior pontualidade na entrega das obras ; recebemos de Paris, por todos
os vapores, os mais moderaos figurinos para n5o haver nada a desojar; bem como
Varias encomniemlas de casimiras modernas o outros artigos proprioa para hontens;
temos grande J'posito de roupas feitas de toda a qualidade, como sejam: camisas
francezas, inglezas, chapos de sol'de seda trancada, o que ha de melhor, grande
sortimento de meias, colarinbos, punhos e grande novidade em gravatas modernas.-e
finalmente completo sortimento de fazendas finas e roupas feitas, sendo os procos os
mais baratos possiveis.
LOJA DAS FAMILIAS
14-RA NOVA N-14.
Variado sortimento a*fazendas do toda a qualidade, como sejam, fazendas d
linho seda o que ha de mais motlorao, alpacas, poil de chevro lana
lanzkihas docusto de 400 rs. r0,2*0 eS re., isto btrttosjmo, Meas de um^
s cor a 440, 6i0 e 800. n. o covado, caa*raa* de cor Boas a 80O, WUe 7O r
vara, pecas de cambraias transparentestJWO, ditas mais fin*
assim como tapadas para os meemos precos, cambraias brancas
tissimo preco *T W iK Ata au a 3O, 30 e 360 o covado^iyaayte p
'"Cniri ->iHHWn tlfTIV..... f* y-** **" P orita^ tJMO r varar,
e muitos wtreWWFqqq nao megeionamoa c que veodemoc ma* Barato que em
outra qualquer parfcf
\
"1


J)ian de Pernambuco Segunda feira de Abril de 1869.

Precisa-se
Na fabrica de salud, no Aijada, 4o trabalha.lo-
ros livres ou escravos, pag-se boni : a tratar na
rae*na nu na na do Ainorim n. 43, armaiein.
Ama
No beeeo das Barretras n. 9, precisa-se de urna
ama rapar para o sertteo interno e externo de
casa de urna so pessoa.
EMPRESTIMO SOBRE
GKANE
A DINHEIRO NA LOJA E
DO
I *
; 3> I

PAS
o .Leao da porta larga
DE
(SEM LIMITE.)
Na travessa da ra
das Crozcs n, 2, pri-
meiro andar, da-se qiial-
(jiior qtiantia sobre oar,
[trata e pedras preciosas.
O dono deste estabelecimento,
competentemente autorisada pelo
governo, esta as condicfies'de ga-
rantir a transaccSo que se fizer em
sna casa, promcttenrlo todo e zelo
e consideraos as pessoas que se
dignarem de fionra-lo era seu esta-
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brifliantes.
UE
Flix Per eir da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
ntal vlr surtir-sc no grande estabelecimento que tem de fazendas, tanto da-moda coran
i le, as pessoas que negoeam em pequea escalla, tanto da praca como do matto-
testa casa poderao fazer os seus sortimentos em pequeas e grandes porcOes, \enoen-
to-sc-Ihes pelos precos que se compram as casas ingieras ; assim como as excellentis,
iimas familias, poderao mandar "bascar as amostras de todas as fazendas, i mandare-
nos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se este estabelecimen-
o aberto constantemente desde s 6 boras da maiiha s 9 da noute.
O atoalhado do Pavao AS CAMBRA1AS DO PAVO
Vende-se superior atoalhado de algod5o Vendem-se flnissimas pegas de cambraias
om 8 palmos de largura, adamascado a lizas transparentes tanto inglezas como suis-
Precisa-se de urna au que tenha bom leitc,
para tomar corita de un menino, paga-se beni :
ra da Roda n. 38.
Vrecisa-^' de un* menino para caixeiro de
taberna : na ra das Aguas-Verdes n. 15._____
Precisa-se
De ni moleque de ti a 18 anuos : no pateo da
matriz de Santo Antonio n. %_______________
Caixeiro
Offerece-se para caixeiro de cobranca ou qual-
quer outro mister, uin moco de boa conducta :
pode ser pr icuradt na casa das senliores Bastos
Irmo, nri na do Queimalo n, 46.
De33ja-se
saber 9,exiteiTi e onde m^ram Magdalena Ros6
dos Santos c Vicencia Roa dos Santos, que mora-
raoi em Pernambuco, na ra da Cruz n. 9, em
186.'i._________________________________
ATTENCAO
o
UmiadivMnide idaJs de 28 a mes, casado, corc
algui* habilitares comuerciaes, quer dn ser-
T151 interno ou externo de qualijuor rasa coro-
mercial, e Halo algum esnhe. intento do idiom:
fra hvsz. oderace o sen pwtim >; p >r isso q eu
ddle carecer, qiieira leixar carta fechada cout x
iniciaes H. C. S. C, na ra Dirata n. 45, ou r.i
ra dn M.idre de Dos n. 18.
C3MPRAS.
Com muito maior vantagem
Cov.pra o Curarlo de Ouro, n. 2 t, ra do Cabu-
J, moedas de o un e prata e pi'dras preciosas.
(Juro e prata
em inoeda e m obras inutIUsadas, coinpra-ae por
%Um preco : na praca da Independencia n. ti.
Na praca da Independencia n. 33, loja deou-
Tives, oompra-seouro, prata, e pedras preHosas,>
taiubem si' Caz qualquer obra de enconunenda, 8
todo e ijiialqw*r concert.____________________
O muzeo de joias
Na ra do Caiiup n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por preces mais vantajosos d i
que em oiitra <|na|uer parte.______________.
Compra-se
boje libra esterlinas, ouro e prata de todas as
nacfies e por maior preco do que em outra parte :
nna da Otdciado R.vifen. 38, loja dp azulejo.
IlMPRAf
Coaipra-se moedas de ouro e prata e
bem oomo libras serlinas, na ra do Ca-
bug.4 n- 9. relojoaria._________________
"COMPRA-SE
Compra-se mnedas de ouro e prata, ben
como libras sterlinas por mai(r prego qun
em outra parte, na ra do Crespo n. i
J, andar. _________
Compra-so urna escrava para urna encom-
menda, bonita figura, parda ou jtreta, que seja de
muito b-tt conduela, para gente rapaz : no Corre-
dor do Bispo n. 5S, a tratar a qualquer hora. ^ a
mesma ea>a vende-se urna manhina de costura de
palateingtez, nova, por seu doao retirar-se paia
lora.___________________________________
Corapra-se
Um preto cozioheiro de lo a 18 annos : a tratr
Da casa la ra da Cruz n. 19, 1 andar._______
- Nesta typimrapnia romomm-e os sefc'uints
numers do Contituc'onal PernambucaM :
N. 1 do anno de 1863.
Ns. 2 e 47 do anno de 1864.
N. o e de 21 em diante do anno de I sos.
Tambem se compram os sguintcs nmeros >le
Conserpador :
Ns. 1, 2 .1 rto anno de 1868: paga-se h^ro.
ileuiji. aik'Jto !!f
Compra-se urna caa terrea cm chaos proprios
e en boa roa: a tratar na ra da Concordia nu-
mero 101.
VENDAS.
Tinta rxa de Mon-
teiro.
/ Vende-se tinta r6xa de Monteiro para escrevor:
na loja de calcado do sobrado ainarello da roa da
Cruz n. 2.____________________________
Vende-so um grande sitio na estrada d'Agoa-
Fria denominado aitio Jacar, ao p da ponte, om
grande casa de morada de pedra e cal, coxeira,
quarto para feitor, ca-'a para banho, cacimba,
bouiba; toda obra foi reedificada de novo, cum
grande porcSo de fruteiras, e coquearos ti.dos de
fruto, u.na vertente d'agoa pennanenie, gran les
baixas para eapim, terreno para criacan de gado,
nina malta com multa lenha : para ver no me sitio, e para tratar na nu do Imperador o. 77 1.
andar.
JSQO a vara; dito de linho fazenda muito
superior a 3#iOQ a vara ; guardanapos de
inho adamascados a 4#3QO a duzia e multo
inos a 8^000, e ditos econmicos a 3)5500
duzia.
Fustes
N-aucos
= V>'n ra e eosinbeir*, bonita figura, robusta, e de boa
condiica, duas preas, urna de 25 annos outra de
40, ambas eosinneiras sendo aquella p,:ritma : na
roa do Fogo n.
Vende se a 1*000 rs. o palmo de ten jro
prio; na estrada nova de ft-bcribe, no fin da
mesma ao sabir da e-trada velha: quom preien-
der dirija-Mi ao mesmo lugar.
Vende-so onchamis e travpias de louro, *-
dro d? varios conpriipentos e superior qualid.tde,
porpr-cos nal%aratQf u em outra qualquer
parte : na travern 4b-CarJh n. % caes do ta-
mos
Vtnd^-se tato de Garannans muito boc e
muiti) em conta, chogado a pouco: na roa da
Cambo do Cum a. 10.
para vestidos
a40.
Vendem-se os mais modernos fustoes bran-
,os flexiveis com padioes de listas e de
lpicos proprios para vestidos e ropas de
aenino a 640 rs. o covado, na loja e arma^
m do 1*avlo ra da Imperatrizn. 60, de
S'eUl Pereira da Silva.
Grsdenaples
Chegou para a loja do Pavio pelo ultimo
'arpor um grande sortimento dos melhores
rosdenaples pretos e de cores, tendo verde,
arabem,, que se vendem mais barato que
m outra qualquer parte.
BABADINtoS
Vendem-se finissimos babadinhos, tiras
erdadas e entremeios, mais baratos do que
i outraqaalquer parte, assim como eapar-
flhos dos mais modernos, no armazem de
'elix Pereira da Silva, ra da Imperatriz
i. 60.
ALTA NtlDADE
A LOJA DO PAVAO
Gurgur3o de seda
Chegarara-pelo ultimo vapor os mais bo-
titos gurgures de seda, proprios para ves-
idos, sendo lisos e lavradjnhos, com muito
ustro, garantindo-se que a fazenda mais
inda e de mais phantasia que este anno tem
hegado a este mercado, e vende-se por
ireco muito razoavel, na ra da Imperatriz
i. 60, de Flix Pereira da Silva.
CAMBKA1A BB.VNCA A 3^500.
Vende-se pecas de cambrala branca
ransparente, com 8 e meia varas pelo ba-
.ato preco de 35300, ditas muito finas tanto
apadas comotransparentes 45500, 5^000,
10500, 7A060 e 8(J000, assim como organ-
li muito fino tanto l izo, como de listas e
(uadros na loja e armazem do Pavao ra
la Imperatriz n. 60 de Flix Pereira "da
>ilva.
ALPACAS LAVB.VDAS PARA LUCTO.
Vende-se na loja do Pavao, as mais mo-
lernas alpacas lavradas para lucto, sendo
nnitolargasepelo barato preco de800rs. o
ovado, so na loja e armazem do Pavao, ra
la Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
silva.
Cassas faglezas a 4 tO rs o metro
Vende-se ama grande porco de bonitas
assas inglezatanto graudascomo mindi-
>has e de cores lixas pelo barato preco de
ilOjrs. ometro,garBntndo-seque7 metros,
Iso um vestido para qualquer Sra. s na
oja do Pavao raa da Imperatriz n. 60 e
Flix Pereira da SHva.
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 50000 at 103080 a peca, assim
como finissimos organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a t^fcOO, a vara, na loja do
Pavio ra da Iraperatriin. 60, de Flix Pe-
reira d Silva.
Alpacaslavradas
Cfeegaram pelo ultimo vapor asinais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
ores, que se vendem a 1)5000, o covado,
dites lisas tendo tambem edr de canna a
800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:200,
o covado, e out ras mu i tas fazendas de gosto
e moda que se vendem mais barato do
ue em ontra qualquer parte, bo armazem
do Pav3ov ra da Imperatriz n.. 60. de Flix
Pereira da Silva.
Ropas para iwcn
Vendem-se superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,,
camisas inglezas e francesas cosa os peito
de esguiio, coroulas francezas de linho e al-
godao, meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de flanolla e de meia de lia, assim
como neste estabelecimeato existe un grande
sortimetito de pannos pretos, e de casemiras
inglezas de cres, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-lhes que serio servidos
com a maior promptidao e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores e maipftfr cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a \ 20000 rs. cada par at 250000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
Bareges a 400 rs.
No na sof do Pavo
Se vendem as mais bonitas bareges transparen-
lee, proprias para vestidos com listrinhas a.imita-
ao de listras de seda, o vendem-se pelo barato
preco de um cruzado cada um covado, nicamen-
te na loja e armazem do Pavio, ra-da Impera-
riz n. 60. de Flix Pereira da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A 50000.
Vendem-se colchas de fuslao adamasca-
las para cama, pelo barato preco de 50,
grande pechincha, na loja e armazem do
Pav3o, ra da Imperatriz a. 60, de Flix
Pereira da Silva.
COBERTORES INGLEZES A 40, 40500 E 50.
Vendem-so os verdadeiros cobertores
mglezes, de pura lia, pelo barato preco
lu 40, 40500 e 50, assim como colchas de
fusto de cores, pelo barato preco de 30. na
loja e armazem do Pavo. ra da Impera-
triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Madapolao enfestado a 8S500
Vende-se superior madapolSoenfestado,
sendo muito encorpado, para carnizas, e
tendo cada peca 24 jardas, pelo baratissi-
mo preco de 80500, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
Cretone para leivqes com 10
palmos de largura a 25,
Acaba de chegar esta nova e excelleote
fazenda branca pnopria para tences de um
s panno, garantindo-se que um metro
urna quecta ou um metro e meio d um
excedente lenco! de um s panno, assim
como esta boa fazenda tambem muito
propria para toalhas de meza, rosto etc. e
outros mysteres e vende-s pelo baratissi-
mo preco de 20 cada metro.
Ra da Imperatriz n. 52, junto aloja deourives.
N'este estabelecimento se encontrar ra da Imperatriz n. 52, loja do I'aredes
sempre um cempleto sortimento de ropas Porto.
feitas de todas as quididades. Como se- Nesteestibetecimenlsencontrarowspci-
jam: paletots de alpaca, de merino, de tavel publico um completo sortimento de
casemira, boftbains de panno preto, fra- fcrzendas e rotipas que. se vende pelos pre-
ques e sobrecasacos de brins de cores c eos seguintes:
pardos. FAZENDAS BRANCAS,
CAMISAS E SIROLAS. I Ma*lapol3o do diversas qualidades c pre-
Encontrar sempre o respeitavel publico eos commodos, cambraia de 30500 4H5M
um bonito sortimento de todos os nmeros, e 50, ditas victorias de 50500 a 120, pecas
MEIAS CRUAS. de oassa liza o mais tino que ha no merca-
Sortimento de todas as cualidades, de do a 90. *O0, 120. com 12 varas, c vara
30 a 50, assim como tambem sortimento da largura
de lencos de linho brancos e cora barras SEDAS DE LISTRAS.
de cor, chinezes, bonitas gravatas pretas e Receben-se um bonito sortimento d'esta
de cores. Rus da Imperatriz a. S2, por- fazenda qae se vende a 20500 o covado.
ta larga. I > CHITAS.
PARA ACABAR. | Veod-so ratitas escuras a 280, 300, e
pira trabalko a 640" e TOO rs. cada un par,
peehincba na loja do le)'junto a loja un ves. I
GRANDE PECHINCHA, y
Cassas he cores a 160 rs. o covido, na
160 RES 0 COVADO
Chita preta pelo barato preco de l$0 o
covado na ra da Imperatriz n. 52 na loja
que Uto um, Leao pintado.
PANNO DE LINHO
Paredes Porto-recebeu um sortimento da
panns de Indio, com 27 varas a peca e
170HOO e 1S0OOO, na ra da Imperatrizn.
52,jnto a loja Paredes Porto.
LENCOS DE LINHO
Vende-se lencos brancos de rnho a 30, tem 10 palmos de-larfo.
a dazia para acabar na loja de Paredes Por- CALCAS E COI^TES.
to. Ra da Imperatriz n 52 loja da porta Tem sempre no mesnv senUdo um sor-
larga que tm um Lelo pintado.de Paredes timento completo a preco -commodo.
i^Perto.
No araiazem do Leo, ra da Imperatriz n. e 52, junto a >ja de ourives.
GUARDANAPOS
Vende-se esta fazenda de linho, fazenda
boa a 40000e :>*mx> a duzia.
MEIAS PARV HOMEM
Sortimento de meias inglezas para ho-
mem a 40800 5*800 e 60800 fazenda boa.
THOALHAS
Sortimento de toalhas de pelucia a 110
a dozia.
LENCOS BRANCOS a 20200
*Para acabar lencos de algodao a 20200
a duzia,
20OOO
Vara de bramante de liuho superior e
W
MOCAMBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Chegou para a loja do Pavao um elegante
sortimento dos mais bonitos morambiques
proprios para vestidos com as cores mais
modernas e que se vendem pelo barato
Ureco de 500 rs. o covado.
ALPACAO DECORDOPARA VESTODO A U
Chegou esta nova fazenda com o nome
de alpaco, sendo de cordao e com mais
largura do que a alpaca, com as mais linias
cores, como sejam Bismark, lyrio, perolas.
rozo, cor de eanna, magenta etc. e vnde-
se pelo baratissimo preco de 10 o covado.
ESGUIAO DE LINHO DE 12 JARDAS A 10*
Vende-se pecas de esguie de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada peca, a
100000.
ALTA NOVTDADE

Loja do Pavao.
GURGURES PARA VESTIDOS A 10000.
O COVADO.
Chegaram os ciis modernos gurgures
para vestidos, sendo de todas as cores, como
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola.
rxo & d- tendo quasi quatro palmos de lar-
gura e vende-se peio baratissimo preco
de 10000, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na na da
Imperatriz n. 60.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVO.
Vende-se urna grande quantidade de re-
talhos de chitas e cassas pretas por preco
muito barato, e quanlo maior for a porcao
que o fregu comprar, mais barato se IV
vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
Cirosdeuaples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de 20000 rs. o
covado at 40000 rs. garantindo-se que
n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
qualquer parte, na ra da Imperatriz n. 60.
de Flix Pereira da Silva.
20, OS BALOES DO PAVO-
Vendem-se superiores baloes america-
nos de trinta a quarenta arcos, t>ndo as fi-
tas bastante largas, sendo muito fcil trans-
forma-rlos para outro qualquer novo modelo
e liquidam-se pelo barato preco de 20 cad;
flta, sendo {azenda que sempre so Hjtec
a 70 e 80, isto na loja e armazem di Pa-
vao, ra da Imperatriz n. 00. D Feii>
Pereira da Silva.
A .0 varas a & rs.
Vendem-se a verdadeiras cambraias
francezas, com liados padroes e.c6res flxas.
sendo tapadas e transparentes, pelo barato
pieco de 800 rs. a vara, os 30 rs. o ce-
vado, sendo fazenda que ninguem vend-
por mesas de 7 su % tuitoes, e Hqrjldam-
se por este barato preco, or so ter feiu
SQFFRIMEMTOS D'ESTOMAGO. CONSTIPACAO.-
Cor* eiu poucos din pelo cirvao OE BCLLCC em p on em pastitfaas
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. geatece** *>-
tlpadas npidunente petas PCIWLaa O-CTHER t I' CLi TU
ANEMIA, A PALLIDEZ os sofTnmentos que necessiUrod
emprego dos terrueTinoaos sao senipre combatidos cum o meliior resultad*
pelas pilui OE VALLET. Cada Pula tem iiicravadn o norae m.Li'T
PO DE ROQ. Basta dissolter mu Irasco d esto po em me
garrafa d'agua para ae obtr urna limonada agradan! qae parca seiii ta-
-ter clica.
VINHO DE 'QUINIUM ** Ubarraqu*. Ktte vinno. um do
poneos caja composicao >;jrantida constante, urna das im Inores pre-
4>arac6e( de quiiiin. sem acgJo oetrvel sobre os conmlesceiries. dando-
Ibes forcaj e aprestando a volta a uude. Cura as libres ansisas qu re-
UUo a sidfolo 4e luinino
MOLESTIAS DA BEXIGA. A maior parte d'estaa molej-
tias, cwuio aa aciaUcas, lomba^ua. catarros, e todas as dore.*- nervosas em
gecal sao curadas pelan irnoL*i oe essenci* or theeb NTina do
Dr. LlerUn. O proliasm- T'musseau sra un Tratado te I trapeunct asoo-
ceiba aa para seren tomadas na oecaaUo do jan lar. na dse de 4* 13.
OLEO OE FIGADO OE 6ACALHAO OE BERTH.
Garantido puro e de pruneira qualidade, tun dos poucos aprovadon pela
Wademi de medicina



I
AVISO. Todos

ette* medicamento feram aprnvuAes pela Academia
imperial de medicina de Pars.
Baiit,
> r.n.
DetoacuLLC;
TasnuBPB
Uasx et C"
DECOSITO
L. rw.EKE, I, raa Jacal)
Hnuuira | Farnomua. Miren et O.
I Cetra.. sUmcx n O
Ta^ellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo elicaz, dpreferivel a todos os
conhecidos, j pela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicacao as creancas,
quasi sempre mais atacadas de tao terrivel
e moitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
PkarniacU e drogara.
DI
Barthjomeu & c.
S^M^LargssRo^sHo-ai w por gte mo v
POIlIlS QG ema. mi avultada Manir, na loja e araaazen'
Ven-9e roa do Quelmado n. 13, primeiro do Pavo. roa da ItBperatr n. 60, De
aiarl FolaPsreira da Sirva.
VALOR THERAPEUTICO
so
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
OE GRIMaULT e comp.
rhariaaiutUoa da a. A. I. o principe Vapoleae. em Valia.
A ssociafSe do ferro e da quina resalveo om dos mais importantes problemas da pharmacia,
O fax com que se congratulara os mdicos dos relevantes servicos que Ibes presta esla pre-
para cao.
Com effeito, ninguem ignora que a quina, em maleira medical, o meilior inico que se
possa empregar, sendo, sobretodo, unido ao Pliosphato de ferro, a mais eslimada das pre-
paraedes ferruginosas, pois que entram na su;i composicao o ferro, elemento do sangue, e o
phosphato, principio dos ossos.
Por isso, julgmos que, para os srs mdicos, serio inlercssantes asobservacoes feilas pelos
sens eollegaa, os mais distinctos de Pars:
Este Xarope produz os mais felizes renltados nos casos de dy-pepsia, chlorosis,
amenorrhea, hemorrh.igias, leucorrheas, febres typhoidas, diabetes, e qnando precias
restabelecer as torcas dos doentes e restituir aa corpo as forvas alteradas ou perdidas.
ARNAL, niedico de S. II. o Imperador.
urna das raras combinaedes que, ao mesmo tempo, satisfazcm o medico e o doente. Em
quanto a mim. en a considero como a mais efficaz preparado ferruginosa, cujo uso dos
mais agraaveis para os doentes.
CAZENAVE, medico do hospital Saint-Louis, em Paris.
Com esta preparacSc- d'nma turma agradavel, e faeil de digerir, adminislra-se aos
doentes dois medicamenu s importantes. >
CHARRIER, chefe de clnica da Faculdade de Para.
Eu emprego com o maior xito o Xarope de Quina ferruginoso, e o considero como
ama das mais felizes innovafdes, na mateira medical, a
CHASAICNAC, cirurgio em chefe do hospital Luriboisiere.
Este medicamento, sempre bem aceito pelos dosntes, deo-me constantemente os mait
vantajosos resultados.
UERVEZ DE CHEG01N, membro da Academia de medicina.
a A limpidez d'esta preparacao, o seu gosto agradavel. isento de qualquer sabor de
ierro, fazem d'ella nm medicamento lao efficaz como agradavel.
MONOD, addido Faculdade de medicina.
Deposito em Pernambuco, em casa de Haarar a O*.
Ocordeiro pr evidente
Una do ^iccinuad n. i.
Novo e variado sortimenlo c ptitl'umarias
filias, e outros objecto*.
Alm do completo sortum-nto t^e peiln-
maiias de que electivamente esta pro'.irta*
loja do Cordeiro Providente, ella !>
recfler um outro sortimento que se torro
Eiutrl Bula variedade de objectos supunorv
dado, qoalidaBes c .^mmodiilades de pro-
cos; assim. pois, o OndeiroPievulent.- prflc
e espera coanuar a merecer a apreciacoP
do rjspcitavel publico em geral e de ?na
boa freguezi em particular, Dio se ala-
tando elle de sua bem conloada mansicrao
sbarateza. Em dita loja encontrara os
apreciadores do bom:
Agia divina de E. Coudray.
Dita Terdadeira de Murray & Lammaia.
Dita de Cologne ingleza, araeiuaiia. iaiv
ceza, todas dos melhores e niais acreditados
fabri^antes.
Dita balsmica dentrifcia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservado do
asseio da bocea.
Cos>netiqiies de superior qualidadt.e chH-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, traMpaWB;
eoulras qualidades.
Finos extractos nglezes, ameru-anos
francezes em frascos simples e enleitados.
Essencia imperial do Uno e agradavel cube-
ro de violeta. .
Oittras concentradas c de cheiros iguid-
mente finos e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad,
com escolhidos cheiros, em frascos de dit
ferentes tamanhos.
Sabone'es em barras, maiores e menores
para mads.
Ditos transparentes, redondos e em ligo-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Cakinhas com bonitos sabonetes imitando
fnietas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas pfrfumarias, muito proprias para pro.
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaris linas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de-
moldes novos c elegantes.com pode ai..*,
e boneca.
Especial p de arroz sera eomposieao de*
cheiro, e por isso o mais proprio para cria'-
fas.
Opiata ingleza e francezapara denlos.
Pos de campliora o outras di!Terett^
qualidades tambem para denles.
Tnico-oriental deKemp.
Alada mais coque.*-.
Um outro sortimentos de cuques de no-
vos e bonitos moldes com filis de vidrilhos,
e alguns d'elles ornados #6 flores e litas,
esto todos expostos i apreciaeo de quetr
os pretenda comprar.
GOLLIXHAS E Pl'NIIOS BORDADOS.
Obras de muilo gosto e perfeicu.
Fiveilas e Olas para cnfoSo
Bello e variado sortimento de kaes objeo-
tos, ficando a boa escolba aogosio do com-
prador.
FLORES FINAS
0 que de melhor sepdeencontrarnr-p ?(s
genero, sobresahindo os delicados psntos
orvalhados para coques.
Para viagern.
Bolsas de tapete e carteiras deconro. por
precos commodos.
Chapelinas de palha da Italia mni bom
enfeitadas, e enfeites deflores obra de nrn
gosto.
E assim muitos outros objectos que sv
rao presentes a quem se dirigir dita ln]^
do Cordeiro Providente a ra do wimado
ii. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
0 Cordeiro Providente na do O'H'ima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de paisapara enfeiies dr!
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
ludo isto est sendo veJMMkrcMu a sua Un
couhecida commodidade de presos.
ALEM DAQUELI.ES.
Recebeu outros lindos enfeites de se
para vestidos ; assim como um variado soi
timeuto de gallees de la, liali.nlinli.'* de
cambraia com bordados dn cores, cuja va-
riedade de gostos os tornam reninmieiida-
dos e apreciados ; comparecao pois os pre-
tendentesque sero servidor a contento.
TAO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas dr
guepure.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homerr
como para senhoras, coristanieineiile acliam-
sea venda na loja do Cordeiro Pivvidents :
roa do Quejmado n. Id.
Para encanamenro l'i^iia.
Canos de ferro, ditus estauhad did- fiirrdos
de porcelana, todos com as eoraiM'ti'ntes turnaras
curva* ce. : a roa do Oneimad n. .11
Barato que adiiiur
Manteiga ingleza flora f400 a liina. dir 'ran-
ecza a 14, chni'udoa 3|00. diio pnoid.. a *4
caf a 20 r^., sabo a t0, alpista a 40, ..it-.z a
100 rs., passas aUO, idem qnarla* rom fi lil-ras
por flOO, vinlio a 400 rs. a garrafa, awit- d <^
de Lislioa a 900 rs.. caixinhas rom amcix.is. pas-
saa, figose peas, proprias para mimos a tl'.'O,
latas com doce a 500 rs. : s na t squina da- ra
la Pcnha n. 8.
CAPSULAS VEGETAES
com MATICO
de GRIMAULT e C.A pharwaceuticos em PARS
Ettas capsulas, com capa de gluten, conieem o balsamo de copabiba assoriado i esseneia de
Slico (irvore do Per), e constituem um remedio infatlivcl contra a gonorrha. Ellas obria
sem cansar o estomago e nSo provocao nunca os enjdos e nauseas que oecasionao as capailas
ordinarias, tendo a immensa vanugem de nio communicar eheiro s ourinas. E' por atea mo-
vm que ellaa alo superiores as capsulas de copabiba, cubebas, etc.
Deposito'em Peruambuco, em casa de alamar a *.
" -'/-."'* '*.'/
wvmimw(\
LDfe LfitUS DOUTOR EM SQINCIASJ
"v INSPECTOR DA ACADEMIA DE PAR!
Debaixo da forma d'un liquido sem sabor,
anlogo a ama agua mineral, esie medica-
meato rune os elementos que coastituem
os ossos e o sangue. E' o mais racional dos
[ ferruginosos; por esta razio o adoptarlo
os mais iiiiiiimnnn>dj>| l lam tu
todas as pessoas que tfm o sangue empobrecido pelas doencas. Efficacia, rapidei d'aceio,
cara perMu, ata coaetipacio de veMre nem aogo sobre os denles, Uos sao as ruOee que
imperio para que os aenhorea medicoa o praacrx|o aos mu doentes.
Deposito em Pernambuco, em cata de Maura e O*.

XAROPE PEITRAL BRASI. EIKU
POSTA DEGMBAIBA
COIPOSTO F. rRlAAOO
Pelo phai-mscf ulico
Jos da Cruz Santos,
Esta planta cujas virtudes m -dicinae/
xistiam desconhecidas para a maior parte
los nossos facultativos, devnido-se a stta
lescoberta ao uso que dYlle faxwm m
ossos indgenas que mennseanavan m
i sua applicacao de todos os soTnii' utos
pulmonares, hoje conhecido wmsi o me-
dicamento mais efficaz para a cm a de as-
lima, bronchite, coquetiirhe. pein-moni,
e at a phtysica, prodmiodo um <'ir ito rui-
I aproso e prompto.
Para um adulto 3^4 eslheiv &,- sop
ao dia puro ou em cosimesto riiur#l,
Criancas. 3 icolheres derba.
Preco iOOO o frasca.
PorMiabuco. ra Nnva_l
lolica n.BI,
sitio od parte ile suas w-rr:*
iouo as oarias sjps Remedios c*ia ca-a- terreas
ua. raa dos Po ruav^Quf.imado
4





6

Diario de Pernambuco Segunda feira 5 de Abril de 1869
lindos cortes-de cassade. cor com barn.e com figurino iadcando O: molde do vesti-
do pelo haratissimo preco de 3/5300 o corte
Ritos de percalia milito modernos com duas saias a fOOO r$is \
lia loja d Columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Corra de Yascon-
(,*osdC. ____ ^^
- PRECO CBRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica ele
MANOE & C.
Ba Nova n. 23,=Ba do Cabug n. 8
Pernambuco
28 pollegadas a 16(9 ; 26

r

I
-i
Chapaos.de seda trancada, Patagn, de 16 bastes,
alegadas a 16$, e l pollegadas a 140000.
Ditos de seda G. de N. Bara, de ac, de 16 bastes, 28 pollegadas a 440;
le 2Q poUegfefel a. 134 ; e 21 pollegadas a '.21000.
Ditos de seda G. de N. lisa, de arp, de 12 hastes, 28. pollegadas a 4a; de
?6 pollegarias a ll#: e 24 pollegadas a IO.OOO.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 bastes, 28 pollegadas a 60 ; e 26 pollegadas
i ipNfr.
Por diizia faz-se descont de 15 OfO
Chapeos de sol de panno, de baleia, de 8 bastes, 24 e 26 pollegadas a 320
* Jtizia. (Descont de 10 OjO).
Ditos de panno, de junco, 8 baste>, a 18-sOQO a duzia, liquido.
ALTAS NOVIADES
LOJA DO PSSO
Ra do Crespo n. 7 A, esquina da do
v imperador.
PARA CASAMENTOS, BAILE& THEA- Riqusimas colchas de damasco de se4a,
TROS, etc. etc. assim como de seda e algodao.
Lindos corts do bkmd-, contendo setm, Dttapde cjwhet para cama,
mantas e grinaldas. JJ Clttpos a jeda bordados, para sol.
Requissimos cortes do sedas asara como | Poil de clievre de lindas cores.
TASSO MAOS
para covados.
Gurgurao branco.
Moireantique branco a Al e verde.
Gros-de-naples brincos e de cores.
Setim branco macau.
Setira, franco, azul, verde, cor de rosa
e amarelos.
fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas saias.
Cuales de gurgurao de seda de cores.
Camisas bordadas para horneas.
Saias bordadas para senioras.
Camisas bordadas .
FronUas de linho bordadas com primor.
Lencos de cambraia de linho bordados.
i8
Italia, assQ
Alpacas de lindas cores.
Cbapeljnas de palba da
oemo de .seda.
Enfeites para cabeca de sen hora.
Espartilbos para senhoras.
Meias de laia para padre.
Ditas de la
Dilas de.seda fio da Escossia o; algodo.
para senboras e meninas.
Lencos de labyiiatlw.
Fronhas delabyrintho.
Bicos, rendas e grades.
Fiuissimas catnbraias de cores, percales,
las, fi.outros muitos artigos de gosto e
de alta novidade. isto s
Na loja do Passo na do fresno n. 7 A. esquina da do Imne rador.
.'-. '* .''- '>'..'- .v. .'-.O .'i.--V ,.-.-. > /
Grande liquidado de raiudezas !
AlTonao Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
.;fa i-roa da Queimado n. 55, resolveu anninciar as mesmas miudezas, para que o pu-
olico se certifique'do diminuto preco porque, as est vendendo, a saber:
Tixa
com agullia franceza a
-iiixas com 100 enveloppes a.
Pecas de buhados centre-meios
a 5U0, UU, 700, 800 e. .
v*ecas de fita de coz com 10 va-
ras a ...".....
Linha de marca,caixa com 16
noveilosa......
:>)ques muito finos com rede, s
a rede val......
Frascos com santos muito finos
a.........
Latas com banha (familia), a
160 e........
Oarto com alfinetes a .
Copo com opiata muito fino a
400 e.......
"rtas francezas a 200 e .
Ditas pwtuguezas a 120 e .
Taixa de linlia do gaz branca 50
novellos a......
Frasco com unta a 100 e .
Frascos com baubaa 320 e. .
fraseos com,agua de Colonia
Piver a........
Pentes de travessa para cabello
de meninas, s a vista faz
f, a........
.',5a para bordar, libra. .
Novullo de liulia grande com
400 jardas* S a vista faz
f6 a........
Pares de liga de borracha para
pernos de senhora, muito
boas a .......
aja Lrnnca para toalha vara
a.........
^PS
liT
PXarmacmUko
Imrmi
ifcaimU
AUbk
Aa preparacoes ferruginosas liquidas tara desde muito anuos merecido a apprevacSo
especial dos mdicos, porque ellas obrio mais rpido e seguramente do que as pimas, e
sao mais fcilmente toleradas pelos doentes. 0 Pos (ern-mengameos possnem a inappre-
160 Resma de papel almaco, muHo
500 boa fazenda, com 83 cader-
nos a. l..... 20800
10000 Caixa cam papel amisade a 700
Jogo de vispra a..... 400
500 Sapatinbos de I fia para meninos
a i...... 320
240 Pecas de tranca e caracol a 40
Jabonetes de todas as qualida-
10500 des a 80, <0 e 200
frascos cora oleo babosa a
10200 400 e....... 600
PiBceis para barba a. 200
200 Gaz a......... 320-
100 Frascos com agua de Colonia a
320, 400 e...... 500
500 Pentes com costas de metal 320
240 Carteira de marroquim a 400
160 Pentes pretos para tirar piolhos 200:
; Escovas para cabello a 400,
600' 500 e....... 600
160 Garrafa com agua divina a. 10500,
400 (iravatas de seda de cor a 320
| Ditas pretas a 400 e '. 500
10000 Rotes de louca para camisas, a 160
Garrafa de tinta roxa a. 800;
Lencos brancos para mos
320 a......... 240
60800 Par de suspensorios parT ho-
mens a....... 200 >
Espelbo de loucador a 20500;
Frasco com cheiro muito fino
ciavel vinugem de_poder dfferecer n'um instante ama agaa ferruginosa gaieosa, de "gosto
elemento precioso,
o ferro Empregio-se em
assim como para vigorar
agradauel, mais activa do que as aguas miueraes, e oaatesd de maia um i
o Mangauese, que sempre se acba i
aaague, junctamente com
todas as molestias que tem por causa o empobrecimemo do sangu
os temperamentos debis e tympbaikoa. A tklorott, aa Ptrios
a irregularidade da menstruaedo e amenorrhea oo sappressio do menstruo, eedem rapi4a-
aaeaia a aea emprego. Devemos meDeioaar aqu um faci aotavai, isto que os doeoles cora-
dos pela agua preparada com estes pos csto muito menos expostos a recadas do que
aquelies que forao tratados,pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambueo, as casa de nim O*.
*4t;&<:4?;&&
TCSSES
*4f*yt4b *l-
CITiRRHOS
'#^-&6%w&9ig3g^
PASTILHAS PEITORAES
E Le JRO GE REJO
IRR1TC0ES
00 PEITO
E* este o mais aovo e denauso ouieuu fue agota counecido. Por isto tero adquirido r-
pidamente a popalaridade de que goaa. Os mdicos os ais disocu o aconaeihio contra
as touet, defluxoi, catarrhot, totsst convulsas, catarrhosepidmicos, irrituc&es do peilo. Com
grande empenbo o procuro as mies da familia, assim para ellas como para as enancas, pois
primeiro que ludo 4 iaoffcnsivo, e as suas propriedades adocantes nao deixao nada a desejar
Deposito em Pernambuco'em casa de Mnmr c\ *
60
a......... 1(000
Bandeja para copos a 400
60 Meias cruas para bomens, boa i
fazendaa 3, 3;>600, 4 e. 45500
200-Uiotoadnras pata coIIi'Ip a fff0!
VERDADEIRAS
r^
PILULASDEBLANCARD
COM IODU>ETO DO FIRUO IMLTEEL
APPROVADAS PEU ACADEMIA DE MIDIONA OE PARS. ETC*
Powuindo as propriedades do lodo al do forro, convero especialmente aa amceofis
BraoFin/WA, a Trsrc* oo principio.a fraqmeim Palta rtr, cAr. a^knorriifa, em qon precisa rrarir sobre o Arfom saja para restituir
I he a siia riqueza a ahundeoeta oormaes, ou para provocar o regular o aea cuno peridico.
N. I. O iwlarato d torro impuro on alterado ara medicamento inoet,
Irritante. Como prora de poreta de athenridade das veMatfMrata'l*!-
tf Kiancarrt, dere-s* eii^ir nomo rilo > prau mili e^/tG/TT&liti
aouo Irma, anui rcprodniida, qna sa arha aa pru inhrior da am
r*tnl ferite. Dev-M deronfir das flsiflraco't.
IthaaMaaaMai -h.rmwlaa.____tkfmttiUU, T%* JanaOOf, 40, P>Hk
irritan
W la.
Teru paraVoader em 9eu8*rBaazeaB, alm de ou-
tros, os egviuies artigue :
Papel para imprimir.
Perrina azul.
Ore ve pautado e la. -t
\ inlios ooi caixas de ozc {airaras
Bourggne. i
Hery. -----1- *
uaitnt WSL\ 4
Chanblis.
TTit-or ile curavo de Hollanda em caixas de vin-
te e quUr botmkaa. 2
GESSO, jfan ;
>'o* aqrjwtf ns ie lasso Iraoi. *
Grades de ferro
a \
jiara jardins, porteiras etc.
Nos armazciis de Tasso Ir mos
c iitm\nos i>i,: 11 iino
Para servidos de grande? rmaseos, para remo-
ver barricas ou caixdes de um para outro, lado pelo
mdico prefo de 48*000 cada um.
Farfulla de trigo de Trieste
Das mi-Inoras marcas Paoonia (verdadeira) Fon-
tana e (Tande sortimento das memores marcas de
familias americanas.
Saceos de farinha de trigo do
Chile
Toda novas, ohegadas uttimarueirte nos arma-
aens de Tasso Inuaos.
rnenlo romano
Nosarmazens de Tasso Inuaos.
/ Cftiento b^draulfco 12S
0 mebior para tndo que sao obras para agua, ce-
rno assentaineuto de canos de esgoto, algerozes, de-
tiosito, tanques d'agua, etc., te.: em poncoes de
i-iuruento barricas se far reduccao no preco: nos
armazensdo Tasso Irmos.
Cemento Portiaxid
Overdadeiro cemento Portland em casa de Tts90
[nulos. ,, i
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De dilTqrentcs qualidades para cercados de ani-
nas, chiqueiros para galinhasoujardius : nosar-
mazens de Tasso Jrin&us.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Jrmaos.
CANOS DE BARRO
Nm ra Nova de Santa Rila, na antiga fabrica de
sabao, ha para vender por pre^o' o mais mdico
possivel, canos francezes para edificacoes e esgo-
tos ili-itKa* aqnalirlatle, su|n iion< a tollos os que
aqu tem apparecido pelagua solidez.
PBEC-OS
1 400 por cano grande de 3 o meia pollegadas.
t OO por dito de i e tres quartos de dita.
1 dOUO por dito.de 2 e um quaito de dita.
50Q ris por pistoleta de 2 pollegadas.
Cotuvelliis, curvase canos de maipr grossura, a
vstase far o preto. Cotnpsas tnaiores de 200fi
tem 5 por cento de descont por prompto paga-
mento. I'de-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmos.
Tijolos francezes
Para ladrilhar casas terreas com asseio e precos
mdicos, muito convenientes e proprios para ladri-
llaos de csinhas em sobrados, pelo seu asseio c
evitar a passageni de' aguas para o andar inferior
emesmo pperigodefogo, aos precos de 30000a
iSOOO d niilheito : na ra Nova de Santa Rita, na
mtiira fabrica de sabao, e-compras maiores de < k i ,
nenio. Podem-se ver as amostras nos armazens
de Tasso rmaos.
Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
ufrnas de carros: no arntazem de Tasso Irmos.
Vinho do Porto fino superior: no armazcm
de Tasso Irmos.
0 nielhor cgnac Gautuksr Freres: no arma-
zcm de Tasso Irmos.
Esteiras da India
Km casa de Tasso Irmao Tende-se esteiras da
India de diversos padres e largaras, por preco
commodo.
f\C \f I7r\|pAC em UK*as parten do mondo, empregam, com o maior xito,
v/O tIIjI../I lvida o phosphato de ftrro solnvel de Lbras, para curar a chlorosis
(cores paludas), as dores do estomago, e a exlia istaeio do sangue; com esta preparacao, dao
ao corpo o vigor, e s carnes, a sua firmeza mtural; facilitan) o desenvolvimenta tte labo-
rioso ( da puberdade. Com effeito, ludo, n'e.ie medicamento, se acha reunido para I be
assi grar o maior crdito, pois que entram, na sua composioio, os elementos iot ossos e
do sangoe. 0 seo autor, M. I.kras, doutor em sciencias, pharroaceutico, professor de
chymii-a. Inspector da Academia, foi, recente mente, condecorado da ordem da Legiao da
Honra, digna recompensa dos seus importantes trabalhos.
As seguintes apreciacoes dos mais celebres mdicos ainda vem corroborar e justificar
todos' estes ttulos con (i anca publica :
Precisa classificar o phosphato de ferro soluvel entre os ferruginosos que melhor
i convem aos doentes cujos orgos digestivos ropportam mal as preparaedes de ferro. *
SOliBKn AN, professor na Escola de medicina e de pharmacia.
0 phosphato de ferro solnvel em quanto a mim, a melhor das preparacSes ferrugi-
t nosas, e o'aan emprego d os mais promptos c seguros resultados.
ARAN, nedico do hospital Sainte Engente.
A forma liquida do phosphato de ferro noluvel d-lhe urna immensa vantagem sobro
as pillas; eu considero este medicamento como mui superior s preparares iodadaa.
ARNA u, medico de S. M. q Imperador.
Entre lodosos ferruginosos, nio conhecemos um sd que obre lio prompta e efficazmente
como o phosphato de ferro solavel, e isso, iem cansar o estomago.
BELLOC, BAUME, BIGOT, FOLLET e PREVOST, mdicos dos hospitaei.
* Os effeilos da prc paraco de phosphato i e ferro soluvel me parecem ser mui seguros
e promptos. a BEBOLT, redactor em chefe do BuUen thrapeutique.
Entre todas as preparacoes ferruginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a que sempre
* me deo os melhores e mais satisfactorios restltados. GUIBOIT, medico dos hospitaes.
0 phoaphato de ferro soluvel tem, sobretido,
a convir aos temperamentos delicados.
DE HOGG
DD
Fijados frescos de bacaHio
Para cura certa de phtisica, affecgoes c^crofn-
is-, tosse ehroniea, fraqueza dos memhro e de-
'iltdade geral, recommeuda-s a excellenci deste
leo ainda por ser agradavel no paladar.
VNDESE
NA
Pharmacia e I rosar i a
DE
FAI1THOLOMEU & G.
34 = Ra larga do Rosario = 34
vantagem de evitar a constipaco
D' FAVROT.
Deposito em Pernambuco, m casa de
lanrer o O*.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAO
Remedio por xcellenci para ira rpi-
ta e completa das coqtwHches, bronchites,
itarrhos, tosses convtiislvas, escarros s#n-
jiiios, e utras molestias do poito.
PHARMACIA E DROGARA
DK
Rarllrnkimeu A C.
3.BA LARGA DO ROSARIO34
AO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
Para senhoras.
OQUES da ultima moda, enfeitados e lisos, gran-
de Slllii'lli-I'l'l.
GyAPELI.NAS de palha da Italia, guarnecidas com
(tenV-ados e elegantei enfeites orrteos e de cores
fHAPGU3INrIOS e gorras de velludo ^ de pennas
('alta llovida la I) de pallia da taKa, a emtiaco,
sneclaI sur'iinento.
CINTOS de cures e pretos, rico sortimenio ulti-
ma mola.
CAMISAS bordadas poreommodos procos.
LENCOS bordados e eum letras, novidade neste
genero
I.KQUES a emitaco de marfitu, goeto novo e de
sndalo.
S'J'iiljc^ p Pu*nos nitacao egnipure.
B.WMTks pretos e TO*rts para cabeca, lindos
moldes,, ~
GUA8NK;ao alu.novidade I a Marie Rose, lti-
mamente usada em, Pars.
>)P.P\HOS de guipure brancos c pretos lindos
modelos.
BOHNOCS de laa e seda, cores
moda em Pars.
UINAl.ms de flores finas.
BfiPARTII.HOS "uperiorr-s.
MltAS supe kires de fio de E^-cia.
LUVAS de pelica ehegadas peto ultimo vapor.
AIlRREr;0S de enral verdadeiro e camafeo, foM
Joticado.
WAUXinORS para w*tk%.
TOAVCA para enfeiies'de eoqnes.
BOTOES lisos e rom piBfntes pata' vestaos.
CWTOS alta novidade.
FLORES finas, grande sortimento.
GRIN ALDAS de ditas para ooqkvaa.
LACHOS, flvelas, penachos para enfeites.
Para honieiis.
deli-
( AMISAS com peitos, colarinhos e punlios
nho fino, lisos o bordados, moda,
COLARINHOS de linho e algodao.
PDNHS de ditos.
GRAVATAS de todas as qaalidades.
HOTOES para pandos e goarniertes para colotes.
COR RENTES do plaqu a emita ci do ouro, lin-
do gusto.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua
Ijdade soperior. .
(RPEOS e-reda, para sol.
MEIAS de anperior qnalidade.
I RNC.Al.iNHAS Uase chieTiies.
II.UNKTAS- aro< de ac< e tartucaga.
Para crianza.
elaras, elegante

\ RTOAft*g*i>aaplios para haptnados.
SAPATIN'HOS de merino e setim enfeitadoa.
EIASdeda e fio do Escocia. 4
CIIAPEUSINHOS de (Ktlha da Italia.
TMJtai&4t*t e Un enlatadas a de chreeM.
Df'NECAS veaaidav mnMo awoitas e diwrSW
briaquedos-
Martas Alias.
Affll itWadlra de BfarTay 4 Ljb-
SUPERIORES fitas ele prftsrleGaples de'-'toAMs as
coros e larguras de vludo preto e de corea, a
gurgurao ara cintos.
RARADJNHOS c entremeios bordados.
QUARNICOES de seda de cores para enfortes de
vetMfis.
T ANCAS pretas com vidUmos o pmgeites.
OTOES re cores, brancos e prietos com vidrlftaa
lisps e com pingantes.
DEI>AES de n*a*i, peTava, ta> marttai, de ce p
intu.
, TRES R AS finas para coauua e (Watts.
CAJIVarES aos com.tmatpo foliu. .i
ovaros artigas de miudeaa ^*e se tora
doana lenciona-lo.
Tudo se -vende p(r prepos bastante commodo.
TNICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA de E. Coudray e superior agua e
essencia de Colonia.
ESTRATOS e essencias finas e de .agradaveis are-
mas para o lenco.
VINAGRES aromtico-- para toilet.
PUS DE ARROZ |iara amaciar a pello ; era pacr^
tes e ritas eaixinhas com arrumbo.
POS mperior para limpar os denles.
COSMETIQUES de fina qnalidade.
SABONW'RS, grande sorumento desto genero e
de stipet ior qualidade.
LEOS de philocome, babosa oantiques.
BANHA fina para os cabellos.
AGUA de flores do laranja.
CREME de sabio para bartia.
Caixas preparadas ctmi pefnimarias finas.
niudczas finas.
BO
GALLO VIGILANTE
lina do Crespo ni. 9
Os propietarios deste bra ctmliecido eslabeler
cimento, alm dos moitos obji-otos que linliam ex-
postos a apreciaeao do respeitavel publico, tnan-
daram vir e acaban de receber pelo intimo v;ipor
da Europa un completo e variado soritniento de
linas o mui delicadas e-peeialiilades, as qtiaes es-
to resolvtdos a vender, como de son costume,
por preeosmuito baratinlios e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Mnito SHprres luvas de pellie.i, pelas, bran-
cas o de mui lindas cores.
Mui boas o bonitas gollinlias c punlios para se-
nhnra, nefle genero oque lia de mais moderno.
Superiores pentes do tartaruga para coques.
Lindos e riqtiissinios enfeites para cnbecas das
Exmas. senlioras.
, Superiores trancas pretas-e de cores com vidri-
Ihos e. srm ellos; esta fazenda o que pode haver
de melaof c mais bonito.
Superiores e bonitos leques de mailreperola,
marllin, sndalo e osso, sendo, aquelles brancos
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito sifperiores meias do de Escossia para se-
nlioras. as aiiaes sempre se vendern) por 300U0
a duzia, entretanto qiten as vendemos por 203,
alm destas, temos tambcni grande sortiineoto de
outras qualidades, entre as quaes alguuias muito
finas:
Boas bengalas de superior carnia da India e
castaode inarlim cora lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, nesie gcneio o que de melhor se
pode desejar ; alm tiestas temos tambem grande
quanlidade de nutras qualidades como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. ate. ete.
Finos, bonitos e airosos cbicolinhus de cadeia e
de outra< qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda c borracha
para segurar as meias.
Roas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos fie idade.
N ivalltis cabo de nia/fim e tartaruga para faror
barba; sao muito boas.e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por n-'ssa vez tam-
bem asseguranios sua qualidade e delicadeza.
Lindas bellas cap Has para noiva.
Superiores aguihas para maehina e para eroxe.
Linha muito boa de peso,.Kouxa, para t-ut-her
lanvrintho.
Boni baraUuis do cartas para voltarete, assim
como os tontos para o mesmo rtm.
Grande e variado sortimento das roeibores per-
fumaras c dos melhores e mais conheci Jos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magn ticos contra as convulsoes, e
facililam a donlieio das innocentes criancas. So-
mo desde muito recebedores destes prodigiosos
collares,^ continuamos a recebe-los por toaos os
vapores, afim de que nunca faltenv no- mercado,
como j tem acontecido, assim poi* podnrao-aqiiel
les que elle* fwwiearfitu, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deiros cuitares, e os quaes -attentlendo-se ao fim
para que sao applieados, se venderio com nm mnf
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos hjectos qne deixa
a >s nossos fregtiezcs ea'nigos a H
or precos muito razoaveis aloja do
rna do Crespo "b. 7.
Macarthy
Hachinas de lescarecar algodo.
lloje quo est reconhecido que as machinas de
-errte prejudieaui e quebram a fibra do algodao,
preciso recorrer a maehinismo menos asnero,
ipio prodiizitido o mesmo servieo que aquellas, e
fucilidatle no trabalho, nao qimbrem a libra da lia,
para que essa possa obter-nos mercados europeos,
a dille-renca que lia entre o algodo descarocado
por armellas mencionadas machinas, que esto fi-
cando em de-uzo, pelo prejuizo que tem cansado,
e o da antiga bolandeira, que nao pode competir
peta morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas so tornara as mais propinas para o
nosso algodo, porque ao par da facilidade e
promptidao conserva a libra da la, que liippa por
ella, qualilieatla na Europa a par da melhor bo-
landeira, valendo assim entre 10 arrobas 20 0/0
mais do que a la limpa pela machina de serrote.
Estas machinas -nao sao novas, pois que ha muito
esto" adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
do daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 arrobas 20
0/0 mais do que o nosso : vendern-se a 150000
nos armazens de Tasso Irmos.
Oleo de ameadoas
vEm caixas de 8 latas, cada caixa
nos arniaaens de Tasso Irmos.
21
A
NOVA ESPERABA
Ra do <4ueiinu.o = 2)
t-para presentes
A Nova Esperan^, ra do Quekudt
n. 21 tem um variado sortimento de ohjec
los de gosto e pbaptasia proprios [tara prt>
senles, sobrsaJiido.eBtre tiles ricas caixi
uluts de eliaio com inas perhimarias, eos
tureiros de chagrn, agallieiros de aradret
perola : assim, pois, qDemquiztr fazeriiou
linda aXerta, dirigir-e Nova Espenara
ra do Queimado n. 21.
Colittree amdms elhdru-magneii
ees contra os cmvulcfa* das
Nao resta a menor divida, de que mate
collares se *endem por ah intitulados o
verdadeiros de Boyer, e eis porqae muitoi
pais -de familias uo crewm (couiprandavos)
ao effeito promettido.o que s pdem sx,
os verdadeiro; a Nova Esperanca, porrb
que detesta a falsificado prituipalmenle no
que resjxita ao bera estar da humanidade
fez urna encommenda directa destes colb^ea
e garante aos pais de familias, que sao c
verdadeiros de Royer, que a tantas cwin
(as tem salvado do terrivel incummode de
convuloties, assim pois preciso, que fe-
nliam a Nova Esperanza a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para sen
Glhinhos, antes que estes sejam acowneUi-
dos do terrivel mal, quando enlo ser di-
flicil alcangar-se o effeito deseiado. embon
sejam empregados os verdadirds eoMare
de Royer.
Para extinguir as sardas e
panno
Receben a Nova Esperanca, a ra o
Queimado n. 21, leite de rosas, especia}
para extinguir sardas e-pannos.
BONECA DE t*HA
A No* a Kspepnca a ra d* Queimado n.
21, ac' de receber um completo orti-
mento ae finas benecas de cera de drW-
sos tamanhos, seodt as maiores do com-
ptimento d'um covado ; estas bonecas tra-
zem tionitos coques e botinas, havendo en-
tfe ellas algumas que fallam e outras qpe
choram de'sorte que fcilmente podetn ser
preparadas, e fazer-se um pjresente de mrata
acceitaco.
Finas caias de tartaruga para rap *en-
dem-se a ra do Queimado n. 21 na loja
da Nova Esperan?, a.
Modernos brincos de sandale, s se en-
cmitraiao na Nova Esperanra a ra do
Queimado n. 21.
KIAS DE LA
A Nova Esperanca a ra do Qaeimado n.
21, acaba de receber um especial sortimen-
to de meias de laa para homem e senhora
CONTRA AS CONGESTFS
mal terrivel a congestao fofoninante,:
de repente leva um individo. d'esta para
mifhor vida, sem dar-lhe tempo de receber
conversa medica; deixando as mais das
vises mulher e filhos no mais amargurado
pranto ; a Nova Esperanza qne deseja pres-
tar servicos recorreu a Vojer, o qual Ihe
mamlou anneis electrtcos magnticos, como
o nico preservativo para semelhante.mal i
el les antes que se acabem : na Nova Espe-
ranca-
NAVALHAS
A-Nova Esperanza a na do Queimado
n. 21 recebeu um sortimento de navalhas,
de qualidades, e tamaitos especiaes assim
como afiadores e massas para as mesmas.
JHJIlli) IU0II!I!
Vendem Augusto F. de Oliveira
Commercio, n. 42.
.liViltl
& C. ra de

Charutos da Havana.
Excellentes charutos da Havana e^por baralissi-
mo preco : etn casa de Tasso Irmos, i ra do
Amurim n. 35.
MVaL 8E3 SEGUNDO
1S'
>gaW (
Capsulas de Raquim
Os bna aailuj destas eapsnlas para- Saer oes-
sar rjswaorrhe*s awaai so compr *adas pelas
expen
O
muitos annos.
payesas resommendanj
edknagaria
- BApTHOLOHElT C.
Ra3 rga do Bosario34
Ra do Queimado n. 49, loja de miudezas de
los de Azevedo Maia e Silva, tem para ventlrr os
[artigos abanto declarados, tudo boni e baratissi-
in, que sao para acabar.
Duzia de sabnnetes muito finos a 700 rs.
Pares desapatos de tapete para hpmero a 15280.
Ditos de tranca para en-anca a l.
Traiiinia do Porto, bordada, a melhor a 200 rs.
bita do Porto liza, da melhor qualidade a 100, 120,
MO-.V200 rs.
Resma de panel almacu, Iizo superior a 32O0.
I lila de papel almaco pautado a i.
I.ivro de museos ahreviadns a 2j.
Cartilhas com toda a doutrina e umitas rosas a
30 rs.
Silabarios portumiezes com estampas a 320 rs.
Itarathos francezes muito finos a 200 e 210 rs.
vi I inftlcz superior qualidade a JSOO e IA
Grvalas pretas e de cores muito finas a 500 rs.
Duzia de meias para senhora. fazenda fina a 45.
Redes pretas lisas para sejrurar caMlo a 320 rs.
Varas de transa de seda de totto as cores a 600 rs
Pares de brincos dourados com maozinha o pe-
oras a 320 rs.
Hartos com corchetes de duas ordens e sao de la-
ti a 20 rs.
Abotuaduras do vidroMra colete muito finas a
120, 840 e 400 rs. '
Pares de botoes dourados para punhos a 160 rs.
Caixas de pennas de ac muito finas a 240, 320 e
500 rs.
Cartoes com duzentas jardas de linha do fabri-
cante Atexandrc a 100 rs.
Caixas de pennas -de ac, a verdadeira penna a
1.5200.
Carriteisde linha Alexandre ns. 70r80, 100 at
200 a 100 rs.
Caixas com superiores obreias de niassa a 40 rs.
Carritcis rom dua oitavas de fetroz preio a 500 rs
Dnzias de apilhas para machinas a 25.
Libras de pregn francezes de todos os tamanhos
a240rs,i
Livros escripturados para rol. de roupa a 120 x.
Caixas com papel amisade nuiito nno a 700 rs:
Caixas com cera envelopea da meiboi qualidade a
600 rs.
Talheres ^ara .manios mjito i fcOn tfaMMa a
240 ra.
Para familias
Grande lluzar. ra \ova bh. 80 e
**. dc arueiio Vianna A C.
Acaba-de chegar a este esta be Ir cimento
grande poican de machias para costuras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposicao de Paris, as quaes cozem com
dous pospontos toda a costura, e tem a
vantagem de ser to sua\e o movimento,
ijtie qualquer crianca de oito annos fcil-
mente trabalho, e pode, com ste entrete-
uimento, levar vantagem ao servieo diario
de trinta costureiras. A comprehensaoi
100 libras: unP'es, pois em um quarto de hora se fi-
ta senlior do movimento da machina, len-
iio a mesma a proprtedade de fnzer as se-
guintes costuras: pospontar. ahainhar,
frarwir. marcar e bordar, como apre*ntam
os desenhos que acompantiam-nas. Os pro-
prietarios do estabelecimento se encarre-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e
gaUUMltin entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeicao a machina vendida, nao tendo,
porm, soffridoella algumaavaria. Ha tam-
lvm no mesmo estabelecimento machinas
do autor Grower Baker, de trabalho sun-
plesmentc mo, e outras com movimento
dos ps; e maximfe todos os pertefices das
mesmas macliinas.para venderavnlso.
Tintura japoneza
cabellos e a
Cemento 4e Portlaad.
Vend-se no armazem de -Viewite R>rmra
Costa A Pilho,,.faf|d^|Mt##ffio. M,
barra grandes.
Instantnea para tingir os
barba, a liSOOOo frasco.
E' a nica approvada-e recommendada
i">r ter sido ceconhecida superi ir a todat
as tinturas d'este genero.
A venda em casa de Gustavo Hervelin n.
NI. ra da Cadeian. 51.
liAZ GAZ GAZ
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster
C, rna do Imperador, um an>ogamento n"o sai
de primoira qualidade; o qual se vende em partidas
it a retajno por"meaos preco do que em outra qual-
quer parte.
FUNDOO DO'BOWIMN
Hna . Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taiios de ferro, baggpr
Rodas dentadas, pH
tnpor eLunimaes.
Alarabi^iies de ferro.
^mspara porgar wsnear.
E juatraafinnitns objecios, etc. etc.,pro
Manttif
No lamo do Carmo n. 1 vende-se superior mau-
fundido.
moer com apa.



y,
I
M
.




V
i
> #
'A

Diario de Periiaml>ueo Segunda feira 5 de Abril de 1869.
-r-r-T"
*+
rr=


*6 tlUlIMA0

Agu
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
a-florida de Guis
lain
Tintura indelevel paratingir os caberos,
som manchar a pollo.
A bem concelttoqfp agua-flord* de Guis-
laja que enfrio erados;onhecida eqn Per-
nambiico, j hoje estimada c procfiii ida
por seu eriiL"iz resultado, e anda mais se-
r, quando a noticia de sea bom efloito ii a
experiencia tornar de todos eanhecida.
A agua-florida de Guislam' composta vni-
amente de vegetaes inoffensivos tWii a
propriedade extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos calilos, quandn estivereiH i ir 111-
os, e llies restituir o brillio perdido, e us-
sim,. coran preservar de embranqueoer, s^m
er prejudicial de modo algum
E' p rm necessario fazer conhever, ([ue
o bom.resultad* prodazto pela agna-fWi-
la, nirt instantneo, como mriitas pe.*
vas fcrtvez snpponham, miis-sini serp-e-
iso fyzer uso d'ella, trer. ou quatro vezos,
e ]Qffi se obfcr o din desojado, como bem
iiovam test&unhus do pessctxs insuspsi-
tas,, e d'cntao por liante, basta usa-la dr.as
vesos por ne'z, contando sempre com o bem
'.xilo, podeudo a experiencia ser feita cm
iut.V.1 qualquer cousa,
Assinrpoisosla at^ia-floriiharha-se wn-
da na bem conhecida Ioja d'Jlguia (tanta
roa do Queimado n. 8,
A Agwia Branca, contando com apMte>
:5o de la boa. ftpgaezia, tambero oapricia
ein nao Ufa desmerecer, procuraste seni-
pre corresponder a idea iavoravel com que
a honran, e em gran ao como cxemplo o explendido sortunto
que acaba de receber, anda mesmo Helia i-
!o-se bellamente provida do quede bou
e-monto sode^ua ooMpetoDCHM
Ilajn vista aos necessarios livros.de missa
orco, obras de apurado gosto e perlei-
io. sendo: com capas de madreperola e
iooantes qii.idros-em alto relevo.
Ditos rom .ditas de isarlim iguakuenle
bonitos. ^ .*'
Ditos com ditas, de velludo, outros imi-
tando charlo machetadoi
^Di'.os com ditas de marroquim com cruz
e guamirao, dourada ou prateada.
Coras e tercos de, cornalina.
Assira como.
Grande c bello sortimento de leques
todos de madreperola. madreperola 6 seda,
sndalo, sndalo e seda, osso, osso c seda.
e faia ele, etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros japoneses enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
Voltas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras
Ditas de fio de Escocia abertas, tambem
ara meninas e senhoras.
Ditas mu'rto finas TalgodSo, alvas, e
croas para meninas e saihoras.
Luvas do lio d'Esoocia, torgal, C seda
para meninas e senhoras.
Meias de tita para homens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punhos bordados obra de
muito gtHto.
ntremelos finos tapados e trancaren-
tes com delicados bordados e proprios
para en fiar fita.
Ra do Qyeimado n, 49 loja d<
mmdems de Jm d Azevedv
Mata e Silva cbnhecidopor Josf
Bigodinho.
Esta queimando os ubjerto9' abaixo declarado-
pelo diminuto preco, a saber :
Frascos rom agua de Colonia vordadeiraall.
Carrafas rom agua Florida verdadeira, que se ga-
rante a ti'OO.
'entds pararega^arcabellodo meninas a 320 re
Thesouras muito lina:- para unha a costuras *
SDOrs.
Tintriros rheios de tinta muito prcta a 80, 100, 1
e 400 rs.
Varas de^franja branca d linlio para toalhas
160 rs.
Caixas de phosunoros de segnranca a 20 4"
160 a.
N'avalhas decabo do marfln o qao ^e garantes
qualidado a iy.
Libra de lia. para .bordar a 7.3.
Pecas de lila brau a elstica muito superior a 20'
' e :i00 rs. r
Novcllos detinha branca com 400 jardas a60 rs
Resmas de iwikI de pe-o liso-ntuito lino a 2|30:
Latas rom superior baulia a 00 c 400 rs.
Caixas com seis frase >; de.fieiro -muito fino a
800 rs.
Caixas com doze frascos, fazenda so la t I80<
e 2300\
Frascos com siinnrior oleo liliicome a O^rs.
Gal unjas de sauao transparente midto bomto e fi-
no a210rs.
Ouziade paos de pomada do Miw. da melhot
qualidade a ^40 rs.
Pecas de tiras bordadas muito lina* a 'OO, 600 t
800 rs. i
Dilas de babadin'ios enm det varas a GOO rs.
Garriteis de linba de todas as cAres, para acabu.
aftrs.
Garrafa4 com agua divia a 1S3O0-
Fia eos com superior macaca perilla a 320 rs.^
Gaixasde vidro rom doze didacs, que s a caixi
vale dinheiro a 200 rs.
DiUs de mailcira com allinetes, c qp ha do me-
Ihor a 320 rs.
Grosas de betes de louea, lisos e bordados a
100 rs.
Gaixaf. redondas para rap emittando tartaruga ;<
iHtti
Pecas de Lh para eos da melhor qualidade s
500 rs.
.Escrtvas para litnpar dente*, (uenda que sd a vis
ta a 240 rs.
Ilrtus paralimpar unlias-da superior qualidade i-
:m rs.
Scbonete de-olcardo.
O-
Antouio Nunes de Castro.
flSTMA E PTISICA
I ni dscol>rmen4o espantoso f
, 0 xarpe .le fedegos), de Pernambuco,
Este acreditado' pleparado, que tao bo^ preparado.pe., |formaceuco J. de A. Pin-
S5l lm' menvo n'esla Pr,,v,elf | lo, cura radicalmente a ptliisica e astbiua, e
todas as molestias dos [lulmes.
Podem ver-se os atlestados de curas no
muito se recommenda para a cura cert;
das impigens, sarnas, caspas e todas a>
molestias de pelle.
Deposito nico,
PhatTnacia de Bartliolomeu A C,
S4roa larga do Hosario:14.
nico deposito das preparares de fedegoso
d'tste autor, ra larga do Rosario n. 1(
junto ao quartel de pnlicia.
DO Pl HITO
Afij}>iai-Vf7 niyupis, t- prsrias, ja po-
D8p. lia mais vistas curias, nem caneadas.
V. J. Ormann acaba de recet.er pefc
ultimo vapor um rico e variado soitinvn.to
de oculos, lunetas, pin pen, face--m'am..
lorgnons de ouro,pinta, tartaruga, marfm.
ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior:
assim romo binculos di^ urna a tres mu-
jtangas para theatro. campo e marinha da
Btima irvenco; duquezas, vier.czas, d 6.
eJ2 virlros, ludo dos melhores fabrican-
tes ta Europa^
O mesmo vapor tron-
xc una 1'xcellciite ma-
Chegararii dilereiites qualidades no de-
posito de vinhos em casa de Theod. Cliris-
tiansen, im da Ouz n. 18.
TEMI>lr>~
para quem quer |iriucipuir coei negocio* do taber-
na, a araiacau da pequea taberna n. 2 da ra da
Forle, com bids os trnos de medidas e piso-,
caudieiroa gaz, c mais utencilio>. que'sin precises
em urna tabernn ; ainda mais se torna-recominen-
davet per sor bastante afreguezada, e polo precii
con nudo : a traur com i. M.|jcka.>ir Ignacio Bar-
roso, na ra do caes do Capibaribe, ca-a nova
com portao de ferro an lado, e parame a chace.
Potansa nova
de superior qualidade, cliegada na presente sema-
na : vende-ce no annazoni de Jos da Silva Loyo
Filho &G aojarlo da as-cmblta.
HARTEI61 IilfiLEZi
a lOt) rs. a libra, oque pode haver* '
mellir.
Ra d liupealriz n. 2 |
0 BOM DEMNttt.'
Vendc-se um excellente piano e uso : na rpa.do Vigario n. 'i, -1 andar. r.
'Venden una tTeiua na na d SaalaR^j
n. 1, com frente para a riheira do peixfi : a trainr/
no largo da Assambla n. 17.
ESCRAVOS fliQU
i
Colchas proprias para cama ni para mesa.
Camhraias de cores matizadas, fazenda tina, co-
vado a 360 rs.
Greriadin i com listras de seda, fazenda nova,
eovado a 640 rs.
Punhos com golinha a iiOO rs. o par.
Galeas francezas para -enflora a i-j
.Na ra da Cadeia do lleeife n. io, 'quina da
Madre de Dos.
PINTO I'IIARMACEUTICO
china para graduar e
observar o numero d?s
vidros que se neressta Jarope de salsaparrilha do Para
MOS Fugio uo dta II de Janeiro do niirrnte'SHBjp-
ilo engenbo Balaiura, freguezia da l.si ,u!a. o j..
ravo preto, crioulo, de 24 aune- de id.tde, ctar
mado Marcelino, que fui do Sr. Jno ta ('t;nba5
IVreira, cuja escravo esleve lio depositu geral,"e|
tem os signaes seguintcs : alto', mico rosto muito marcado de bexigas. faMa de UrrfrV
na frente, cor preta, sahiu dechajio do chile, pa-
Ictot calca de castor, levando um I aliuznlie *
llndres com mais roupa, e suppoc--e eslar fffi
freguea do Cabo : quem o apprrhcnder MveSi-'i
ao dito eugenho, ou a na da nzala-nova u. Ja.
scriptorio do.Sr. Bernaidino PootuaL que rtrV
bera a gratiticaco cima.
Ffeio do engfnlio Jacobina, ci ar-a'do Ca
bo, ao aiiianberer do dia 13 do coi rente m.z.c
anuo, do abaixo assignado, um escrav pntorb
nonie Antonio, coehecido por Cantea, idaoVdc ffi '
a 30 aun s, pouco mais ou menor-, alio, |>s }rue-
sos, tem urna das juntas do nu^mo um p : i
prossas, andar banzeiro, levando rnapn de R
j usado, camisa de algodao azul e sei"tila de ,1
godao americano, rujo esenrvo vcio de Luiqne rri- '
ra Pao d'Alho. para onde se desconfa ter si pmrtii:
rga-se aqualquer anloridade pi.licial en eripila> i
de campo a captura do dilo cscravo. levan*i fu
engenbo cima, ou a ra do Caflefrei I, 'i'j...
Sr. Francisco Quiotino Rodinmes Eslcvu8,.ftiri
>fi geiK.-rosamen'e gratificado!
Amonio CariK'iiv I ios e Vrlbk.
conforme, a vista
qualquer pessoa.
d.
Tem ex
tos-de ra
EOS PRODIGIOSOS
Anneis c collares Royer para croancas.-
Bonilos cabales ou bolsinlias de pelica
setiw para meninas ou senhoras.
Lidas cestinhas bordadas a freco, e lisas.
Delicadas catxinhas de video -enfeitadas
com'pdras, aljofares, etc.
'Bitas de tartaruga para joias.
Mitos altanos com -msica.
fmseis ou banecas para poz^earroz;
Novos e delicados ramos de'Sores co*
marrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de^rancas de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de (Has largas com bonitas ramt-
gens.
Brincos o altinetes de madreperola.
"Ditos esmaltados obras novas o bonitas.
"r i1 'ii 'i ni1
77 Wk DA IMPERilTRIZ 77
ITeste nowo estabelecBeflto W um completo sortimento de raedicamentos, pro-
:fuctos ohiaiicos, e drogara, tudo' pie em ostra qualquer parte.
W tambem um sortimento de meheamentos homeopathicos, tinturas e gtob
os inertes, por preces comnivdo? bem cemo xampesdejurubeba ferraginoso simples
h'amo de jrubeba simples e-ferruginoso, e o bem conhecido xarope de Paraeary, es-
i-cial d'esta pharmaeia. Avia-se receitas a qualfuerhoradodia, e noile, com promp-
tidSo, cuidado, o pericia ; nlo ee-negam a qualquer oceurrencia em casos urgentes. 0
oco gerente encarregado do cstabelecimento mora no mejmo, para^ o que est
ji.-ompta abrir a porta a qaahwer hora <]ue for preciso.
C Catao & G.
DO
DR. PATERSON
De ((i^uiuth e magnesia.
Remedio. por excellencia para combate;
a magreza, facilitar a digesto, fortilicar
estomago etc.
nnMflWJ tSCF-GAL.
PUarmacia de Bartholomeu ,C.
34Rita larga do Rosaripr- >14.
mLA|7VlNlI0
K
tes sterioscopos, instrumes-
atica, barmetros, vidros de
chrystal de rocl.a, e de cores para resguar-
dar a vista ; cuncei ta todos os^dyectos a
prifos comoslos e rom promptdao ; tira
j <'iicou+miida retativa a ptica.
Kecribru tndem os excelletites relogins
do antigo eidauado fabricante Robrrt GerHi
tfc 6'., os qaaes vende precos commodo>
garantindo a sua superior qualidade.
ou
DEPURATIVO DO SANGUE
Usado- tm, inolettitts de pelle, impigens do-
res rheumatkas e ulceras .v/wrcas.
Ra larga do Rosario n. 10.
TIS
Vndese urna rica machina de costura do me-
Ihoi* autor, pesponia, embanha, frnze e tiorba i a
tratar nofmteo deS. Pedro n. i, taberna.
! XAROPE PE1R0BAL
ABO DE TAT'
PLANTA UO UIIAZ1L.
E' expectorante o recommendado as
afectes.4o peilo, hronebite .cUronica.be-
Riptise. < tosse chiiiciea.
PRIirAKIIIO
mu
loa^tiin <\e A meada I*inte
l>llVUII%( Kt TIC O
Per^mbuoo ra lardo atr
Rosario iirlO.
i
M
, Vende-se urna e-era va de muito boa conducta,
com todas as habilidades, pois cozinha, lava, cn-
gomma, f.z labyrintho, cose, borda, ele:,- de 16
annoe, pouco mais ou menos, sem vickis nem
achaques de molestia, por 1.300.; a tratar .em
Santo Antonio, na dos Expostos n 20'.________
Vende -se doce de goiaba em latas de 1 libra*,
da mais fina e siqierior qualidade, em posicos ou
a retalho, para prseme e para embarque, no
bairro do Recite, ra da Gadoia loja n. 4i. .-
Vendau-se seis sacadas de cantarla de Lis-
boa : quem as pretender dirija-se a ra di) Quoi-
nado, loja n. 29.
Cera de carnauba
r
1'KKfMKiDOS
PHLO
PaARMAGELTIOO
HMgnlm d'Ateaeida l'Infc.
As preparar/tes. deJurubeba, sao hoiej
vanlajesaiueitle conh<>ddas e precowsadas Yrndn rr ni \w\ aTOgnimiila n lf. j-rimirr
pelos: tai s-habis mdicos, Untoda turo- -andar.
pa como do .p:*iz,' p-tia su efficaeia nos
casos de anemia. "cWoroze,. bydruBesia, d( Cea-mi ultimo vapor, proprios para.quafiuer
. ,_ ol>struocao doab ineiisU-nacodifitcil. catharroua bexiga, etc.
Veadefli6e emjjorco e a setalbo am-
dade do fiecife, farmacia do seu composi
tor, ra larga do Rosario m. 10, junto ao
cuartel de polica.
VeTgontcas de pinho
mantaroft, verga?^
e retrancas, todas de sii[Mwlor qualidada.'tintas
Verde Pars, bramo 4e /meo o rela, em latas t
It 28 libras, j preparadas, oleo de linliacaeo
barris: no armazem de deposito da compantiii
Pernainbucana, no largo da Aesembla n. 10.
Veirfem-se diversos escravos pecas vindii-
orvico dearmazea iungenbo, assmi cuno um
scravo psr l.">0 com um brac i iautilisado, e di-
versas esera\d combabilidade e sem ella : a tra-
tar na ra da Cruz ti. 55, 3 andar.
Por tiOAUOO urna crioihinha de 9 aunos, de hu(<
boa moral saude ; na ra da hnperatriz, luja
n. 28.
Vende-*c uim armaeao de taberna
Bt ra Imperial u. 36.
atrataa
Vende-se um preto de meia idae, priiprio
para todo o servico. principalmente da ra ou do
campo : ra da Conceico n. 2.
LABYMNTHOS
NA
Loja do Passo ra do Crespo
Recebeu 4 toalhas as mais ricas que tem
vindo.do Cear, proprias para baptizados,
assim como lindos lencos de labyrintho e
ricas frttikbas para cama de noivos; s na
loja do Pass*i- que se vende lbyrintbos.
Meias elsticas de liorrael*.
As melhores e excedentes meias elsti-
cas de borracha contra varizese erysipellas
Vende-se na
Pharmacia e drogara de
Bartholomeu C.
34ua larga do Rosario34
Pugiii (le burdo do pxtliahule iia> u*i#l -I.-"
yo, um mulato claro de nome Jus'uio. estatBM L>
aular, cabeli'S carapinbados e indios miv. s, pou'fa
barba, tem urna pinta preta no canto do olho dir-
lo e um talho as costas ao niesu.o bdo.; levnu-
v.-stido camisa de chita com lisias veidcp,Jtfa
de nina cinta com borla encarnada- para npfrtar'
a-ralsas, nattral de Santa Anua do Malte fb ^
provincia duilio Grande d.i Norte, para mute fblvw $
queira ir, tambem mioto desembocado u fal- -
lar. Recommeida-se aos mestres de 'barraca (t '
a qualquer pessoa que o agarrar e levar a Bu
do Trapiche n. 4 on a bordo do referido narloYpIf-
HlAui i ituiin;
Fugio no dia 21 do pre-en.te n ai. de marco, o S
engenbo Crapnipe, frepueria de Apea Pn*a. o w>
cravo de ni me Jnaquim. idade K'annn, nit '
cor preta, estatura regular, It -la grande, 4lhfi. I
afomacados, denles limado*, e 'em os dedo" pcJ>T"V-
gaes di'ts ps-vollados para fra,-.sat'io cen chr f
peo de palha do Chile, h cando um bhl ;eqco>i .-%
de folha de Flandres. Ha certera de que o f.
escravo segu para a cidade do. Ricil'e, embiT' ;
cando iut eMa$io de Gan eleira en cm bis trejts '
do camiuho de ferro : quemo ifpprehendrr qwei-
ra lvalo ao mencionado engenhp. a en'recar-i
seusenhor o lente-coronel Pedro Prancrend-1
Albuquerqiie, ou no Recife a Sr Anlwia Jo
Leal Reis,'esciplorio na daX.de a d. 43, fpt
ser p> nerosamente gmtin>adf.
-% Acba-se fiupdo desdi saldadw,i'7 itucnrra-
te o pre'o meia rata de nome aVinno. fl* Uadc*
18 a 20annos pouco mais ou menos. levua*Mi
sa de madapolio, calca de brim e chapeo do fe
tro j usado, tem os signaes segninb s : estati. i
regular, bem feito do corpo, vespo Je u.n pino,
tem um tjraeo junto ao hombro mat seV ) qna
ootro, fugio do engfiiilio LiiiioeirintWo'do tcniHi.i -j
Esrada e petas ooU'cias dirigi-/ p:-.ia e -sa c d;i .
de para, onde fuge j segunda v,<7 ti arranilr;
em ganhador : roga-se s autoridades roiffc|dH
tes a cipturado mesmo. lien como ;, i|mrt^a>tf "^
pessoa que o pegar e o levar a sen sontu r no iC'.j
engento a Jos Gnca?os da Roc-lia ou nesS/i.
pfacanarua doLtyramento u 2o, ^l hcia i:.
compensado.
Acha-se fgido desde domingo" de Ptnd >
moleqnc de nome Tito, rom''?! "Snfito de Wa*i, ?+
estatura regular, oltrog afuniacana com tf.dos j' ^
(lentes. e-|i. rto e bem fallante, leu, i; is!i.u;.j;- ;
'tuna cicatriz de urna queimaduro. peqmna, 'iti* 7.
nm dedo da maodireta aleijado em pi nei frnem'ra'-S
de um pauaricio ; e o p csqueWlo mais gtofcb
do que o dlreito : qnem o npprhender tetv.n 3lH Afogados,casado l)r. Jos Roberto de Moraesi -;
Silva, que indicar a casa de seuseuhor. que m-
compensar generosamente.

1
:z=n
=

9
1 i 00/
.M. ^r ^jF -9
'
*
1
DOS PREMIOS.DA fc PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. G93, A BENEFK30 DA ICREJA DE NOSSA SENKOBA DO MONTE DE OIJKDA, EXTRAHIDA EM 8 DE ABRIL -DE 1809'.


111
~^
-*
IS.lNS. PREMS. KS. PREMI
i.33$7
NS. PREMS. is^. PREMS.
NS. PREMS.KS. PREMS. KS. PREMS-
45

(
i



I
.

8
Diario de Pemanibuco
JA
Segn k feira 5 de Abril de 1869.
-

IJTTERATRA.
Tren amores
I
GEZ era to para! Era sua bocel
Indi, brincara o riso da creahea.
Eu a tltava trmulo e medroso
. Gceultando noseio urna esperance.
Nos brincramos juntos, innocentes,
Cuihendo as llores ruinas da collina:
Ella Mostrara no rubor das faces
A mulher inda invoa na menina.
Fui nosso amor a nota suspirosa
Dos idyllios ilas flores e das aves;
Quando nos despedimos, nossas lagrimas
Cara lagrimas tristes e suaves.
Fez-llie a ausencia esquecei-se domea nome,
Outra iinagom depois fez-me esquece-la,
r.'.'.n vive feliz: eu a record
Cuaio uma historia mentirosa e bolla.
H
-LAURA prendeu-me aosraiosde sous olhos.
Ka enloiiqneceu s notas de seos cantos.
Cuantas horas vivemos abracados
l'.'ia soirindo e eu vertendo prantosl..
QtaQ aos pobres amantes de Verona
A pauta i nos cegara o entendimenlo;
El a os hmtmb reparti mi mingo
t. partilhou commigo o solTrimento.
I-Vi nosso amor o ardentc dytliirjmbo
De urna noite de festas deliciosas;
F, os nossos coracoes se separaram
com os espinlios das rasgadas rosas.
t.pnis de um anno a vi... Era n'um baile,
Helia biilhava da b'Ilesa a palma
Sempre sorrudo; mas sor isos tristes
Cjjio epitaphios da porosa d'alma.
111
CMiDIDA vio a angustia de meio scio
L meu prauto enxugou cora seus cabellos,
izando : si s a magoa. eu sou o balsamo.
Quero curar tua alma aos meus disvelos
iL'.'.i meu nome balbuca medo
0 jando rsa de noite sua santa.
Loirro Ghristo do amor de quemsou Lzaro
Que sua inao do fretro levanta.
Hoje meu coraco guarda esse affecto
Cuaib o doce consol de uma prece.
aventura mlinitados amores
l'eiosaeus olhos miiiba alma desee.
Eu a respeito <,omo irmam. Adoro-a
C^rao ao arijo de Deus que rae consola,
L me ajoclho quando pens n'ella
Cuno o faminto que agradece a asmla.
Plinto X. X. de Lima.
ii.mw t(\i:nK^
(POR W. FIGEIREDO)
i
UM PASSKIO.
Coma a tarde de nm famoso da do
mei de setembro de 18..., quando desb-
sava-se docenaente pelas aguas azues do
?03M ameno Capibaribe, na d.reccSo d
tradicional OliiaU uma hge.ra canoa que
fcnzida por dous robustos canoeiros, con-
dzia quatro jovens exudantes, que des-
traiam-se das fadigas das aulas.
Urna viracao fresca e leve mova branda-
mente as aguas do rio. encresparido-o em
Z\ ondiculas, que agitndole lamb.ara e
Ijiiaram as hastes e folhas dos verdes man-
fjd. que bordavam as suas margeos.
As aves aquaticas, escondidas as rania-
Kens visinhas soltaran alegres trinados.
CDno que despedindo-sc do esplendor do
' sol da belieia do 'da, para entregarem-
so as docuras do sen ninho da noute.
Oattrito repetido das ditas varas, que
avara no costado da esguia canoa, e o
\ tangido, que faziara ao cravarem-se as
areias do leito do rio. mareara ura com-
D,sso montono, parecendo ser a medida
Iropulsoria, que graduava a marcha dave-
" 1 /. embarcacio fluvial.
Reinava cnto profundo silencio.
Os quatro jovens viajantes, deliciosa-
mente entregues comtemplacao do linds-
imo panorama, que se estendia a suas vis-
tes, mcdita'vam enlevados.
Ao poente, espa ava-se o arrabalde de
Sant" Amaro, ostentando a forra >sura de
bel! i; sitios, de elegantes casas, de agrada
veis paisagens e verdejanies caripinas, se-
raeadas de gados, e saltilantes ovelhintm,
que pasciam soltando de vez em* quando
saudosos magidos o balados.
Ao iiascente, o semicircular isthrao, tao
celebre na historia da invasSo b it iva nos
lempos coloniaes, guarnecido de dnas amea-
cadoras fortalezas, e servia.lo n s de
elo, que prende Olinda a sua querida filha.
acidade doRecife. como de baluarte inven-
civel contra as furias das ondas atlnticas,
que impetuosas parecem querer romper as
areia do dique natural para precipitaren!
se m donlns no Gapibaribe, o aerlubarem
a liauqtiilidade de suas cerleas aguas.
Ao sal, o Recife, entrecortado- d* os e
Cinaes, e apinhoado de inmensos edificios,
ile torres o pontos europeas, cora iodo o
moviraento do urna grande cidade. orgu-
ihosa de suas deslumbrantes sumptuosida-
des naturaes e artiflciaes.
Ao norte, a risonha Olinda, cora a sua
perspectiva buccolica, embellezada de apra-
ziveis valles, de pittorescas casas, de po-
ticas e ingremes ladeiras, de sorbebos tem-
plos mosteiros e conventos autigos, que
attestam a riqueza, gosto e solidez .das
eonstrueces de outras eras.
lisie panorama to encantador, dissemo,
desrahia a attenco dos viajaotes da canoa
ponto de haverem elles esquecido a pro-
sa, cousa tao amada, to sabpreado pelos
estimantes, quando se acham assim reu-
nidos.
E' (pie ha quadros de uma mngmtndc
to a gusta. e que casara tanto com a nossa
imaginaeao, que nao podemos, por inas
varios c inconstantes que ajamo, birlar-
nos ai silencio respeitoso e comtemplativo1
de algumaf Jioras.
Nos, que no recolhimento d'alma conee-
henios, ruminamos, e combinamos a idea
do bello, icamos mudos, extticos e enle-
vados, quando vemos essa idea, quesup-
puchamos rrealisaral, estereotypada Un
ao vivo, e com tanta pcrfoicSo em as telas
da n?tureza.
Tal era a situarao dos nossos quatro via-
jores, quando a detonaco de um dos ca-
nboes da fortaleza doBrum despertou
os daqoellt) enlevo to grato ao espirito.
Seis horas! disseram todos a um
lempo.
E este grito unisono de quatro boceas
era o exordio da convenacSo que bia co-
mecar entre ellas.
De xemo-las porra principia-la, o apro-
veiternos nos a occasiao para fazer de cada
ura dos nossos personagens um rpido es-
boco.
Quinamos ver si nos roubavamos a este
ncommodo tralalho: t3o aborrecido tra-
Oar retratos de rapazes, por via de regra
to prosaicos I.....assim como tioperigoso
e dillicil descrover rostinhos d'anjo......
que sempre que podemos deixamos a von-
tade de quera nos ouve, ou h?, imagirw-los
como Ihe apraz; excepto quando..... Mas
vamos adiante.
Ura dos nossos esludanteserauma des-
sas c eaturinhas rachiticas e eufezadas., de
roslinlio trigueiro, nariz microcopitio. cha-
lo na ponta, testa estreita, olhos homeopa-
thicos, vivos e travessos, e bocea tao sof-
frivel uente rasgada, que parei* protestar
o moviolento constante, em que nm. Ja
se v que o Sr. Magalhaeslai ara- o nome
desse uuncebo-perteiMia a numero fami-
lia dosgaiteirose parladores eternos; equan-
to ao grao de sua prossSo escolstica era
cascabulho habitual. Estudava ha otto afi-
nos atim e francez, e tinha nao obstante
tanto estudo soffrido urnas quatro reprova-
ulemis.....injustamente, sem duvida; por-
frae alm de nao ser elle mo rapaz, era
multo versado na litteratura transcendeu-
tal..... tinha j Udo a Divina Comedia, o
Fausto, Hoffman. et celera .... conheciaBy-
ron, Dante, Grelhe, Voltaire, Beaaa, Rous-
seau et reliqua !..-
O outro era um moco raais grave: de
cabellos louros, tinha a cara semeada t
archipclagos de espiabas, orladas de cabe-
sera
um eahiiro, como todos os cales
raais, nem menos, e eis ahi ludo!
O lerceiro era um hmnenzarrao alto e
corpulento como urn Hercules. Tinha o ros-
to basiante moreno, redondo, e quazi todo
sombreado por espessa barda negra; os
olhos eram de um pardo escuro, grandes e
esbugilhados; e a testa saliente: era em-
fim ura todo escuro e desagradavcl. Es-
lu lava o quarto anno de direito, e tinha o
nomo de Alraeida. Vestia-se com esquesi-
tice, e apuradsima especiosidade; procu-
rando com alineo vestimentas, cujas cores
ferissem a vista, e o realcasem. At na ca-
deia rfb relogio mostrea elle variedadede
gosto. Urna occasiao n5o achando mais
com que vara-la, lembrou-se de eleger
em passador tres trancinhas de cabellos
d diversas cores, onde enfiou uma mul-
tido de anneis, tudo trophos de suas glo-
riosas facanhas amorosas.
A fatuidade e a vaidade eramos predica-
dos, qie logo ao priraeiro ornar se desco-
bria nesse individuo, cuja vida tinha sido,
e continuara a ser uma serie de conquistas
amatorias e outras aeces reprehensiveis.
N3o era um rapago bonito, nem mesmo
sympSthico, j* o flzemos -ver: mas murta
moya acba-lo-hia formosissimo, atienta a
riqueza excessivaqueclle ostentara; de que
entretanto era licito a algum prevemdo a-
vidar, msame nao sendo o Sr. Alraeida ti-
bio da provincia.
O ultimo, Carlos Alberto, cursara as ai>-
las do quinto anno da Facuhladc Jurdica.
Seu rosto do ora moreno uiu tanto pallido
eracrniado de urna bella barba preta m-
gleza; seus olhos tambem pretosbrhavam^j
Ihe com bastanteexpresoeiinntssa-c bon-
dade; e a fronte altiva cebosa revelava
superior intelligencia e espirit; em sum-
irna: Carfos era um mancebo-matto sympa-
tlwco, cuja alma nobre e grande bem fraos-
parecia-lliL* no conjurvto' de suas fe*:*}s
perfeitas e desticlas.
Agora qu os leitores podem formar um
idea raais ou meos approximstte sobreo
physico e moral dos nossos hroes, de stip>-
por que nao desgostarao de ouir-lhes a
conversa, que ja vai s tomandf interes-
sante.
mi mestre! bradooMagattmes, pori-
do-se de p1 no eonvez da canoa-quando
nos apppopmquaremos s plaga! 0*den-
ses?
Seohof?! prguntn um dos canoei-
ros, quenada enteaderadaqpfHephraseado.
Ignaro filho deNei*uno? mqutro-te
qsindo abordaremos a vcteslT villa de Du-
arte Coefllo*
Eu nao sei o que Vme. esta am-
doi!.....
Eest?rfnt!ago-te.probemarirha.qu-
arwtareroi;*;:anfiqsaria cMnde de Mathias
de- Albuquerque ?
Os nutro-tres estelantes soltaram un
eslondoza gargalhadct
Vussaraerce qoer saber qaaodo chy
gamos a Otudu ? perjuntoo o- pret cano-
em.
Precisamente, imbcil filho da noite r
Q'aqui a orna hora e meia, senhor;
porque vamos contra a mor. *
-r EntrelaalO toreoa Magalhaes dirigin-
do-'se ainda aos remadtMnjs. s* estes menv
bmdos bracos quizasen! conwuiocar as
varastodaaorcahe*cuea, de que a .pro-
diga naturtaa parece te-Ios dotado talraa
foseemos is leslaaaeote l^._
Os dou* eawetro* eortentajrain-s de nr-
se um par*ootro, e Goatinuaram ao seu o!-
fuio.
E' preciso fMeraws alguma cousa r
diese Alraeida accendcndoum*hru iagem assn soberbamente cyaka, como.
j- o disse um cascabillo*).
Voto pela indica^iot ajonto Maga-
tttes, que nao poda estar tallad.
Inpirenvme! disse Mureoafles com
toda a g:>avidade.
E que esperie de inspiragao queres
tu, dilectissimo calouro?
Cervcja c charutos, Ameida!
Apoiadissimo! voto tainbvm pelo ad-
diumentot claraou-Magalnes, quegoslaia
ha uma iguajdade completa de direitos:* e queiavii at entS^ (PmMJ',iU. "
nt des, faci ut ficias; temos o mesmo di-1 uma jovem lourae bella, comodfem sei-o
leito coiiservacSo do corpo, direito alias los arijos; mas essa nmluer com rosio
innato, e inalienavel, que Vno m'opode
disputar: qitod natura dal nema negare pof
test!
Ah! Ah Vhlimpagavel calouro, en-
commensuravel pedante, quando deixars
de ser o mitejodo universo inteiro!...
0!i! oh! c'est trop fortl. c'est trop
fort }
Ah I deraais, Sr. Alraeida! e de-
raais! gritou M ireondes fazendo-se ver-
raelhoProtesto! repillo! na) admiti!....
O senhor nao tora jus de abocauhar as-
sim a minha dignidade jurdica, que est 15'>
slidamente firmada, que jamis podei
ser solapada! Faco boje paite da prole au-
gusta de Minerva: j penelrei os urabraws
do seu augusto Templo: e, pois, o senhor
nao pode motejar da minha personalidade
sem faze-lo da sua.
E o senhor, cascabulho! contiuuou Mar-
condes vollanoVi-se para Magalhaes; veja- o
infinito, que nos separa! aqu nao ha s-
miles cum similibus, o sm uma perfeita
desigialdade dedireitos! Stmm caique tn-
bueret O senhor um cascebulbo chronko.
immatrindavl, abjecto estudamle do itw-
mundo collegio das artes, esujeito ipso fac-
i ao narigo vermelho do Ji) Cauco; e
eu, oh!eu?eu sou umproselyto da scien-
cia do difeMoi. sou um filho da Bosa da
sabedoria / soii um acadmico, oovio, se-
nhor cascabulho, sou um acadmico! Veja
iwrtaoto o abysm que nos separa!.-
Fogo! cascabulho, responde ao calou-
ro!... anda res|)oude, seno ft-as desmora-
lisadoi'/* etei-iHtiitaatou-tel'ui se pudw
dizermais einto poucas palavras!.... bra-
dou Almeida, rindo s g irgalhadas.
Calouro! bofoB Magalhaes, presurm-
do! pedante! idiotaf...
Isca!... isca!..... gritarmv os dou*
veteraaos.
Calouro! proseguwvMngalheF-'-nescio,
tu nao sabes que ura caouro e aro-easca-
bulho sao um* e mesma con? n*> sabes
que, si satures reprovad no lira do auno,
nao ficas sendo acadeicko. e que- portanto
tonws a ser cascabulho'? One desigualdade
ha entre nos ? Posso ser leu coHega, si
se er o hypothese cima, e eu fizen todos
os meus exames no m de anno. Subes
afem disso, demonio pretencioso. qe a
Academia e o eollegio das Artos formara: nm
so todo homogneo; o que sr por
ora esta
soraente anne^o. addido e agregado ao
edificio da Academia, ponpie esta n
comporta aqueHe : ora, eu sou estudsntt
do Curso annexo Faeuldade de Dise w,
.rgo, sou estudante da Faculitade de Direito;
ergo, sou acadmico, oovio, Sr. cascabirihov
sou acadmico !.. .-
Em perspeevar nao duvido diese
AlmeWai
-Paxrb'rabou Carlos; e- rallemos
mais b6so ; vamos a cerveja: os *
adversarios bebam a sade unv (to outro, e
passemos- prosa mansa e pacififca.
E os estndanles esrasiaram tres da
garrafas de cerveja, que haviara IrazidOr e
se dispuwian a reatar a coniersacao.
O alcoot tinha totalmente disipado os
furores d* Qutl a ordem- d dia T perguntou
-lora! que pegunto tola! Quande
qaatro c-stadantes sa aetam reuiwlos sfa
uco aul<, navegando- as aguws traa-
quillas doraagestoo O^ibaritie, e teni>
d'archnjo, e coraco de demonio abra-
sou-me ein seu fogo infernal, crestoo a
flor de minha esperanca, e getou-me a
alma ; trahio-me emfim l era uma loureirai
rio-se cora um riso de furia no da em que
vio gravada em meu rosto a primeira ruga
lo soffriraento, e o meu coracSo sangrar
atravessado pelo espinho agmlissimo do
ciuine: escarneceo de mira! Ah! mas eu
tambem escarnec della ; ri-me_.com um
soi riso de triurapho, quando a vi s, ludi-
briada, des['e.sada e apoitada pelos ra-
pazes como u na rostituiiirti coracas!
dloje nao ara'), nem acredito cm amor ;
zombo das muflieres, galanteio-as, aspiro-
Ihes os perfumes, sugo-lhes os encantos,
como um vampiro, e nada mais !
(ueres saber, Magalhaes, ura remedio
afcaz, nm prSntdo allivio contra a incons-
tancia das muflieres f uo ama-las o lem-
po preciso para ellas nos aborrecer.
Uma mulher gosta de variar de remorado
como de toilette: obrigata a ter somen'
um, e por espaco que exceda a tres sema-
nas, exigir d'ella um impossivel. Con-
vence-te pois, meu pobre amigo, deque
nos sonws para as mufliere? uma especie
de vestido, que, quando vefho e mofado
pelo oso diurno, renovado por outro
mais bonito e da moda !
Tens toda a razo, Almeida; eu j;r
tenho usado- do leo remedio com ptimo
resultado!
Pens de uma maneira nteiramente
diversa da de Vv; diese por sua Vez Car-
los entendo <^ie as mulheres sao geral-
mente boas, o que pnderiam ser ainda
raelhoros, si os nossos perigosos exemplos
e selvagem egosmo nao conspirassem>tanto
em orden* a per*ertei-as. A mulher pro-
pende mais- para o erro, porque n5fhe
iUumnanos o espirito, nao Ihe desenvolve-
mos as fatuidades, com que Dos as dotou
em to alto grao. Extremamente doceis e
Motivis, ellas sao capazes da maioras
virtudes e aerees heroicas, como nos attes-
tam a historia, e os fados de todos os
dias.
Apoiadb-f exclamou Marcondfes to-
da sao ptimas! a cowsa est em saber
leval-as......
As opiniSes divergem I disse Almeida
basta de theorias, e pBssemoe a- pratica:
cootoeada umde nos ama aventura amo-
rosa: e aquefle que por meio de fectos
provar raelhor a< soa the&na ser aeclamado
vencedor.
ErHo j sei que sers derrotado,
Magalhfies! disse-Carlos.
Veremos Y Almeida me ajotara- com
a narrac* de alguma d* suas famosas
fe^anha.
Con commigo.
E-ot commigo, Cario*-: ajunteu Mar-
conde.
Bem as forjas equilibraram-se prin-
cipie o Almeida.
Como quizetemresponden este.
Silencio, e ateenco exclamaran os
outros tres.
fCatttinuar-se-lui)
"
POUCQ-DE TTJOO.
SEItVMJOS CAST5RAD0S. A Gaxefo? de
Mseme, no seu numero de 311 de janatro
os seguktfes pornwoores acerca da-pre-
a7redor de sTui espectculo tan esplea-jsao do clwfe de uma seita- tao estranha
dido que fetta ao coracao e ao espirito ;
uio se Ibes deve porguntar sobre qne con-
versaro; oorque o amor est*-m s*-as
to^*SZtt Proto- amira^daafa^s^toentares.
losaguizaoba vista; quanto E eu-tambera! disse- Carlos.
SSaiSSffi^Wi^ -Passoul^cerveja e charutos j!...
olbos, emsaa iraagtnacao, em seuicora.ao
emflm I
eomo odioi. que existe ha milito tempo
04 Russia, e que parece ter lanzado pcofun-
*las raized, apezar dos seus usos barban:
A noticia raais grave que nos transmit-
iera da provincia de Tamboff -a da noraea-
E' teu elcinealo Atmeida rdisse Ma* cao de urna comraisso encarregada do ms-
taurar um procesa contra a seila. dos
FOLHETIM
os Dms de tmm
POR
Elie Berthet
aos olhos, nao se po-------
que estavam perpetuamente encaixdbado*
Lnm pinrJez de vidros azue.s-escuro^
Chamava-se Marcondes, e cursava o pr>-
meiroanno de direito; sendo to zelosode.
sua posico acadmica, que toiar-se-ha
ininigo acrrimo da pessoa que deixasse de
trtalo por doutor, sem faltar urna so le-
tra Em concluso: o Sr. Marcando era
O toreado ficou um pooco mais satisfeito
por esta liberalidade, po R,8aut' 1Ut
ouvira a conversa, disse, motejando :.
O que ests para ah a chiar ? Nao
te tenho dito muflas vezes que tua filha e
as' capillo de agua" salgada se entendem
maravilhosamente ? lloje vera elle em
i ni-me d'ella, amanhaa vira ella era nome
d'elle I... E' preciso tomar uma dehbera-
meu amigo Estou convencido de
bradou Marcondes.
Mais doragar, Sr. cascabulho,. raais
devagariacudioAlmeiilaomando dasmaos
de Magalhaes. o cesto, onde eslavara acon-
dicionadas as, garrafas de cerveja. Taeo
calouro servir-vos-ho depois; pnraeuros
nos, veteranos.......
Protesto! claroou Marcondes; aiqu
galhes.
E c-teu tambem, hypocuta! eu ao*
menos tobo a fraquew de dlzer sempre
alto c bora som que a nunca amei o temao
necessario para saborear as doenras de
ser amadot e tu.......
Eai.t eu tenho sido infeliz em minbas
paltes, e por sso son hoje. e qu^rerei
ser sempre incoootaute, porque assim o
quizeram.
Expbca-ie, meu pobre martyr ?
Pois bem'; escuta: houvejam tempo
em minha vida^em, que am*i, nao com o
amor vulgar, mentido e ridfeulo, co q
hoje tanto se profana esse sentimento; mas
no sacrario do meu coragau, com toda a
pureza e poesa de uma arma casta e de-
s'rateressada ; dediquei todos os anecise
ternuras, que bebi no seiode minha mi,
Skoptsi (castrados, mutilados).
O ais abastado negociante da cidade de
Morcbank. um millonario por. nom& Mxi-
mo Rotitsfae, chefe supremo d'esta seita na
Russj, esta em poder da jusca.
Na sua casa, foram encontradas e presas
nove mulheres mmtiladas de um- modo
atroz. Ajustiga tambem se apodernu-dnsre-
tratoadeschefs d seila anteriores aPtotitsine
(Selitaaou; S-hibft*), do imperador Pedro
III e de Anna Safonoff que estes sectarios
venerara como a mai de Deus.
Focara reprohiaidos pela photographia
para as suas iraagensserem.enviadas a S.
Pet^rsburgo.
Beu-se urna busca mniuciosa casa do
chefe supremo dos mutilados. J tnham
sklo revistadas tres casas subterrneas,
XI
O plano de evasio.
(Coniiuacao do n. 74)
Grandval, sem se intimidar com a pre-
senca de Rigaat. approximou-se com passo
firme e tranqudto. porm M.guel ao ver
seu pai, que ad.irava, correu frente, e.
altando ura d'aquelles gritos qne Ihe eram
proprios, abracou convulsivamente Berto-
m Este meio risonho, meio carrancudo,
desembaracou-se dos abracos do filho.
- Safa com o tal rapaz !- resmungou
elle- E' um perfeto selvagem Qu si
que me esburrachava I.. Est bem ; mas
que 6 feito de tua irmSa? perguntou,
olhando em votta Porque nao tem ella
Sie as nupcias se faro sem a tua presen-
ta e mesmo sem te darem parte, se i que
no eslo j feitas f*
Comtude eu nao sou para ah um pai
nara gracas f acudi Bertoray, engrosan-
do a voz e impertigando-se magesiosa-
mente. '
Grandval, virando-se para Rigant, disse-
Ihe com altivez :
Quem o autorsou a ntrometter-se
las minhas conversas ? Deveria compre-
ender melhor a sua posico e lembrar-se
de que os seus conselhos, bem como a sua
pVesanca, me n5o sao agradaveis!
Os Olhos de Rigaut scintdlaram de faiscas
ameacadoras, porrn a entoacio de voz do
marilimo fez levantar a cabeca a tres ou
quatro vigas, deitados all perto, e O tor-
eado comprehendeu que ainda d'esta vez a
colera e a insolencia nao podiara tirar o
aqui vindo ? _
Grandval apresson-se a dizer-lhe que Jo-
.ephina estara doente, Hnped.odo-a a febre ^^ 9enhor_ d9geestef ame-
de caminhar.
Est doente ?repetio o forcado, en-
comend os hombros-Para isso era desne-
cossario c vira esUs trras! Comeco a
pet*p*oiide vai o ato s filhozes :
est fartade me trazer todos os das algu
as provisoes ou ainda algomas ins.gn.fi
cantes moedas. quequasi sao prec.sas urnas
(enazes para Ih'as apanhar I... E, con
Tado. ando bem infeliz,: tTZT
de perder mais do qootenho de meu!...
Mas j ha filos mesquiohos e desnatura-
Grandval poz termo a estas offensivas
recSnacts! entregando i.JWJi]
Torae de Josephina, orna moeda di ma.o
Mlor do que aquellas de que ella ordia<
riamente poda dispor,
nizando a vozSrtieraos perfeitaraente que
pouco eomplacente para com os pobres
diabos Vou deixa-lo s com Bertoray,
mas estou cario de que nao cantara 'esse
tom, se nio estivesse convencido de que
souiarapaz de vingar flma affronta t
No era assim que me fallara da ou-
tra vez, Sr. Rigaut. e tenho rates para o
suppor agora mais vingavo do quejMinca
O que, porm, podo crer que.onlb temo
e que muito menos tolero que fae na
minha presanga nos termos ora que acaba
de eiprimir-se a respeito de uma pessoa
digna de toda a considaraco !.
E porque motivo -i> o5o tolera o se-
nhor, quando seu propriq pai e meu amigo
se nJo oppe T
De certo que sou teu amigo acudi
Bertomy e entro camaradas no se devera
assim estar* esmiucaedo as palavras 1
Que 6 l isso ? gritou um viga,
cuja attenco se despertara com este come-
co de alteraco.
Rigaut tratou de se levantar, respon-
dndo:
Nada, senhor, nada-. Estamos conver-
sando com os maritimos.
E, dirigndo-se a Bdtomy em tom bre-
ve, disse-lhe:
D-me o dinheiro.
Porra, Rigaut, lombra-te...
Ah enlao agora aegam-se as dividas
de jogo ?
Nao isso... mas ou nao te devo to-
da esta moeda e...
Dar-te-hei depois o resto ou julga-io-
heraoe... Com rail diabos, ests cortando
as unhas muito rentes !
Bertomy alinal passou-lhe para a mo,
suspirando, a moeda que recebera de
Grandval;' Higaut metteu-a no bolso, e,
hincando dm olhar de triurapho sobre o
capito, disse-lhe com expressao de odio :
Fico obrgado* justificar, meu cava-
Ihciro, o hom conceito que llie mereco !
Nunca fui maltratado impunemente O
senhor at agora tem tirio uma fortuna
damnada, mas a minha hora ha do chegar
e talvez mais cedo do que se julgue !
Ao mesmo tempo fez-lhe um comprimen*
to de irnica delicadeza, indo em seguida
assentar-se a alguma distancia d'alli.
Bertomy pareceu sntir-se alindado de
um grande peso.
Elle est hoje de mo humor !disse
este atrapalhado, ao passo que o capUSo
ia tomando lugar sobre as folhas seccas
Alm de que, tem um certo rancor contra-
o Sr. Grandval, que, segundo o qual me
informou Josephina, baseado n'uma causa
injusta.
.Jmpor.ta-me pouco com os seos ran-
cores, porm o senhor nao deveria suppor-
tar que aquello hornera pronunciasse se
quando se dcscobrio uma porta falsa que
dava entrada para um quarto obstruido por
mo'ntoes de oiro, cojo peso elevara so a
muflas dezenas de pouds cada poud vale 16
kilogrammas c 380 grammas,) de raoedas,
sendo a raaior parte do reinado de Catha-
rina II.
Havia ali tambem um eaconderijo resguar-
dado por uma porta de ferro, onde foram
encontrados milhoes em ouro e prata, met-
tidos em vasos e em. saceos meio podres, e
finalmente mudos milbes em notas. Anda
na) se sabe a quanto monta o algarismo
d'estas riquezas; porm dz-se que s em
notas do Banco Commercial toi contada a
qilantiade lOralhqpsdo rublos, e que este
Uiesouro, 18o mysterinsamente esondido,
constrtue o capital principal da seila dos mu-
tilados; mas ignora-sese ella possue outro
thesouros.
Em ludo o caso, foi com este dinheiro
que os sectarios descobertos conseguiram
mais de uma vez atar as mos ao governo e
paralysar a a-c5o da justica.
fol Joram collocadas sentinellas em casa de
,e notdsine.
A cirresponifenca com os mutilados de
S. Petersburgo e da Siberia acha-se as
mos da polica. E*toi correspondencia
coraproraette gravemente ura missionario
mu conhdo, por nome Yermolay Frtiakolf
que pertencea esta seita.
Unnegociotogra^e,devenecess3riaineBte
prender a atteucao das mais elevadas esphe-
ras governainentaes. Todos estes raontes
de ouro accumolados pelos motilados leviam
ervir pa*-a deitar por trra a ordra de
cousas existentes, e inauguarar uma nova
era, e dos Skoptsi.
Para que um processo de tanta impor-
tancia podesse segnir o sen cwso regalar
seria preciso enviar a Morchabsfc um pereo-
nagem dstincto, revestido dos nwis amptOs
poderes., e merecendo conianca do sobe-
rano. nao ser assim, sabe Dwbs o qae
succeder.
J lemos visfes tantos nqwritos abertos
a respeito dos mutilados, nqueros que
nunca dfcram resultaAi algum, qe fcervi-
ram para compromet*er as-pfssoas que
d'elles eram encarregados. Bastar* lem-
brarmos os milionario d'esta serta, qe vi-
vera tranralamente era Moscow.
A casa de Pl'otitme-, em Mnrehenst,
mai spacoea. A cidade de .tforchans* a
Jferusalem, ea aldeiadeSosnofka a Meca
dos mutiltiliis.
E' all que nascerara lados os ebefes
d'esta seita.
Feram eneentradae, como j dssemos,
nove mulheres mutilada; ora d'ellas
rma de um 'honrado -negociante por nome
Yegoroff; sebre o seio d'esta liben
raSw vestigios de ajuennaduras fcitas oom
ora ferro em braza.
Na vespera do anno novo, as onae horas
e meia da noute, ScoH, o qual tinlia na
su*companhia o chefe deM'kIrioltatey,
dea-entrada era sua casa a um camponez
chamado Zelaponkine, crea* de Ptotusuie;
era portador d* um bflliBte de sei amo
para Irichatrtjr* acorapanlwlo de um pre-
sente de 10, rubios era notas, cora o
pedido de soltar s at ratania segrate
tres molheres presas^ cujos nomes elle ra-
dicara. Esto btlhete eatawa esenpto pelo
punho de Pleitsine, o as mulheres fte
eraraoecessarias para curoprir cora o uto
O-retrato da-mi de Deas, Anna Safo-
noh\ representa un nmBier vesuda de
um magnilco traje ruesiaoa, tendo na ca-
beca um kotorknik orando de pedrauas
de subido valor, e nos-hombros uma es-
pecie de manto igual ao que Ira/.em os
nossos bispos, tambtn* ornado depedras
prwiosas. Sio assaz,-vulgares afr-teices
do-seu: rosto.
ASsevera-se. terem sido interceptadas al-
gomas cartas escripias de S. Peter. b*irgo
por. ura elevado personagem. Esta cofres*
pandeada dwoonstra que o tal'persona-
gemera unte dos sectarios, agente dePloti-
tsne em S,. Petersbwreo. O .governo de
Tamboff ficou consternado com esta des-
coberta, e to4a a gente desejn que este
processo sejia julgado pelos Iribunaes re-
centomente ftrganksados (isto pelos-jura-
Diz-se qe o proprio gov^ano e Tam-
boff, codeado a opmio pubUca, tambem
nutre o raesmo desojo.
faistem mui intimis rehenes entre os
sectarios de Morcbansk e os do Moscow.
Seria carioso saber-se o |ue 6azem em
Moscow, que a sua metropole e onde po-
voain ras inteiras.
a fallar d'elle. Temos que conversar sobre
objecto digno de toda a sua attenco.
E, depois de uma curta pausa e bat-
xando cada vez mais a voz, contuiou :
Sua filha nao Ihe tem dito al hoje-o
motivo, reat da oossa viagera aqu ? E,
sendo assim, nem ao menos o suspeitou ?
Ah sim, temos o negocio do testa-
manto de Guerinot ?
E' isso e mais alguma cousa que di-
rectamente Ihe diz respeito. Nao Ih'o disse
at agora sua filha, porque as cousas se nao
achavam anda no verdadeiro estado, e por
isso o negocio pareca -inesequivel, mas vou
eu agora, em nome d'elli, communicar-
lh*o. Saiba, pois, que o nico fim que aqui
conduzio seus fllhs e a mira foi o propor-
cionarraos-lhe a evaso, reslilur-lhe a li-
berdade, fazendo-o transportar aos Estados-
Unidos da America.
O forjado estremeceu. Esto homem tao
indolente como que so imperligou instan-
tneamente : as faces coloriram-se-lhe e os
olhos scintHlaram-lhe. Bastaram as duas
palavras evaso e liberdade para o
transfigurarem. Beflectindo, porm. as
dilfiouldade* que olevaram .duvida, disse
em tora de ojera :
Ora. o senhor vem aqui cacear co-
ralgo E' verdade que era tempo disse
alguma cousa a esse respto n'uma carta
que escrevi pequea, mas ditos vagos,
cousa de encher papel, porque bem sei que
essa idea seria urna loucura.
Parece-lne isso ? Pois sobre uma
s palavra sahida dos bicos da sua penna
lodos nos arriscamos as nossas vidas!
Ouca, pois.
Ao mesmo tempo que Grandval Ihe ex-
pnnha rpidamente e sem promenores o
plano que coocebera para effectuar a sua
evasSn, Bertomy, que ao principio so mos-
trara incrdulo; pareca agora reanimar-se
medida que ouvia enumerar os lances
favoraveis da empreza. Como Grandval
lbe perguntas* se poderia Iludir a vigilan-
cia dos guardas, Bertomy responden en-
thusiasmado
em que se acham da impossibilidade da
evasio de qualquer degredadio, que os vi-
gas andam oo raaior descanso a tal respes
to. Poderei fugr d'aqui em qualquer oc-
casiao... A minha falta s ser apercebida
chamad* da noute ou da manha. En-
lao atirar-se-ha ura tiro de peca, passar-se-
ha visita a todos os navios no porto e tudo
est acabado. Nao se poder shppor a
existencia de ura navio que me espera ao
largo, porque isso um facto. at agora
novo : d'essa forma, meu bravo mancebo,
creio o plano bem combna.to a em termos
de poder surtir bom effeito.
N'esse caso, cceita, Sr Bertomy ?
quer'o nome de sua virtuosa filha !.. Mas, ------~~ r -
emfin, at acho indigno que nos ocupemos 1 Nada mlis fcil! E tal a conviccao
Pois nao havia- do acceitar ? Era
preciso que fosse nteiramente estupido
para recusar Ser livre, deixar este paiz
daranado f* E. depois, eu que ha tanto
tempo desojo ir aos Estados-Unidos K
a patria dos dollars, o paiz dos jogadores,
e eu tenho meio de empalmar todas as
bancas Enriquecer! aos milhoes, eu !...
Pormcontinuou o forcado em voz baixa
e designando Rigaut, que olhava para elle
lixamente olhe como elle nos espia...
Talvez suspeite alguma cousa.
Pouco importa que .Rigaut desconfi,
uma vez que da sua parto haja a energa
precisa para se negar a qualquer confi-
dencia.
Tem razio. Quando elle me per-
guntar o que se passou entre nos, inventa-
rei orna mentira para o Iludir. E agora,
Sr. Grandval, que eu espero om breve ter
a minha liberdade, posso fallar-lhe a ver-
dade com respeito a Rigaut. Vejo-me obri-
gado a vver com elle, a trata-lo como ami-
go, mas elle torna-rao a vida nsiipportavel,
tyrannisa-me e causa-me horror! Deve
saber que, quando somos mandados para
este paiz, j nos nao suppoem prestimo
ou vigor nara melhor servigo, porm os
homens da tempera de Rigaut sao terri-
veis at ao ultimo folego da vida I Elle
odeia-o, e depois, quando Ihe fallara, tinha
un sorriso to mo, que me hei de admi-
rar muflo se elle toe nao tiver preparado
alguma cilada, em que o senhor pode cabir
de ura momento para outro.
Grandval sorrio-se desdenhosamente,
segundo o costume.
Bertomy proseguio enlhusiasticamente :
Liberte-me deprssa, meu amigo ;
peco-lhe que me levo d'aqui Creio que
ama Josopina e que ella lbe corresponde.
Pois hora: casem-se, se isso Ibes apraz.
A pretexto de dote, dizer-lhe-hei onde se
acham escondidos- o testamento de Gue-
rinot e os dez miz .francos de papel moe-
da, a que daro. a applicac) qjie julga-
rem melhor. Rigaut toio-mo araaacado
milhares de vezes com a morte, seeu Ibes
revelasse estp segredo, mas emjireve po-
derei rir-me das suas araeacas E' ver-
dade que elle tom idea de se evadir e sei
que dispe as cousas para esse fim, porem
o seu plano nao pode ser combinado t3o
vaniajosamente romo o oosso, sendo de
crer que, quando cu me achar livre e feliz
na America, ainda ello estar na miseria
n'este paiz maldito !
Esta conversa foi interrompida pelo rutar
do tambor annunciando o recomeco dos
trabalhos. O martimo, depois de pro-
raetter a Bertomy participar-lhe em breve
o dia fixado para evaso, dispoz-se a reti-
rar-se com Miguel e despodida disse-lhe
em vo'. baixa:
Desconfie do Rigaut.
Tenha tambem cuidado com elle
redargnio Bertomy.
Grandval e Miguel, ao retirarem-se, no-
taram que Rigaut, immovel no seu lugar,
continuara a olhar para elles attenta-
mente.
Chegados a certa distancia, separaram-
se : o capillo seguio em direccao a casa
onde era 3do o Miguel encaminhoa-
se para a hTrSttcao de Lefrancois.
Entio Rigant, assumrado un sorriso de
satisfaco e rancor, dirigio-se a Bdrtomy,
e, agarrando-o por ura braco, combou a
interroga-lo imperiosamente.
(Continuar-se-ha.)
TYP. W> MllIt-HUA BA8 CRVZB8 B. 4
i
.
MBtH '
mmmm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJ4ZY27Q4_A2MH40 INGEST_TIME 2013-09-13T23:09:50Z PACKAGE AA00011611_11807
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES