Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11804


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.- k.

-1
ANNO JLV. NUMERO 72.

FARA A CAHTAL E CTCARES ONDE KA6 SE PAGA PORTE.
Por tres mezes adiaptados.................. 6)5000
seis ditos idem..................... i2$000
sKum anaoiilom.................* 246000
L oumero avulso................... 0320
QUINTA FEIRA I DE ABRIL DE 1869.
PARA DETROE FORA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados............. .
Por seis ditos idem...........4..... .
Por nove ditos idem...............
65750
13*500
204280
270000
RNAMBUCO.
Propriedde de Manoel JFigueira de Faria & Filhos.
SAO ACiE^ITE*:
i
V s. Gerardo Antoaio Alves Filho, no Para; Goncalves Pinto, no Maranhao; Joaquim Jos de Oliveira, no Gear; Antonia de Lemos Braga, no Aracaty; Joo Mara Julio Chaves, noAss; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joaqoim
Guimaraes Pancada, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penlia; Belarmiao dos Santos Buleao, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
em NazareU); Francino Tavares da Osta, em Alagoas; Dr. Jos Martina Alves, na Baliia; e Jos Bibeiro Gasparinho, no Bio de Janeiro.
~
PAUTE OmCIAL.
KM
. n e
!l
un
.
*

i


.< i
I
1
t i,

1
I
stcrl 4a fazenda.
4^39 df. 20 i m abijo de 1869. .
lo para .1 arrecadaeo do imposto
vo da dizuna de chancellara.
Ilribuicao conferida pelo art. 8 da
|o 6 de setembro de l67, e lendo
i de I'.i/a-nda do conselho de estado,
rdenar que na arrecadaeo do im-
vo da fauna de rhncellaria se ob-
ment, que eom este baixa, asig-
cande de HSdmraiiv, eonscUieiro de
do imperio, presidente do eonse-
>*, ministro o secretario de estado
a fazenda e presidente do iribun;il
ional, que assim o leaha entend -
lar.
Jo de Janeiro, em 10 de marro de
ile|>efldoneia e di imperioCom a
Magestade o Imperador.Viseon-
m a anrrmlarwi tima de rhncellaria, a que se re-
n. 433.9 u'estit ihtfn.
porto substitutivo da dizima do
ninuar a ser eobrado na razao do
i demanda.
vidn :
da propriamenie dita,
enrao.
rgos de tereeiro senhor e possui-
or rnente,
s de preferencia.
ptuamse :
meramcuai preparatorias, prc-
uraloria*.
tos erclesiasticos.
os criminis e policiaes.
os de paz.
os arbitros.
as ile rondemnaeao de preceito.
opriacdes._
i de wnek) da dizima :
i nacional, provincial ou munici-
V. S. me communica era *u offlcio n. 36 de ISdo
coi rente, relativamente ao capitn e praeas que
seguiram par* o presidio de Femando de \oro-
nhi substituir as qtio all estavan destacadas.
-14enlio a recommendar-lbe que faca retirar as mais
qu! consta*- da relaeo que se Ihe enviou a 8 do
ei rente
,1. 633.Dita ao commandante superior da guar-
da nacional do Rio Formoso.Devolvo a V. S. os
prets juntos, para que os faca organisar regular-
me ite, nao devendo t-Jos enviado da maneira por
que o fez, c sem a respectiva rubrica.
i. 636.Dita ao juiz de direito. da nomarea de
Flores.Era resposia ao ollicio de V. S. de 13 d<-
omubro do anuo prximo lindo, tcnbo a declarar-
do dos alienados o loneo Jos Mauricio de Al-
ineida Bastos, ojje reside na comarca do Llmoeiro
e extremamente pobre, segundo infoomou o Dr.
chefe do polica em olHHo u. 31M> de 10 do corren-
te, o qnal lera do ser dalli transportado para o di-
to hospicio.
>'. 631.Dita a cmara municipal de Flotes-
Tara que o governo imperial possa resolver^ se-
gundo me foi declarado era aviso da reparticao do
imperio de 10 do corrate, acerca do pedido que
fez a cmara municipal da villa de Flores em mu
offlcio sera data, da roneesso de um antigo edifi-
cio na povnacao de Baixa Verde para urna casa de
caridade, misler que a mesma cmara informe
quando e como foi cedido ao governe o referido
yradoros da cora e os da fazenda
.essana
Art. i;.-
iras de residuos.
misericordia e de caridade.
'inlam na liberdade.
mfserawis, istn dignas de fa-
)s, menores, pobres, loncos, vitt-
s.
is jatete
iii's deverjp declarar loo no co-
das o vahif da causa ; e, cin falta
era este determinado antes do pa-
iosIq ou por accordo das partes,
de nomeacao do jni^. que et-ofli-
eder aos termos o diligoacias ne-
..,-e lili.
O impost) Si i cobrado antes do f*
fheqneay.! de nnvembro nltlm >. ordenou esta edificio, que serventa tem boje s- por sua posi-
prsidencta ao eagenhero cbofo da reparliQao das! cao adoptado aoestabelecimeuto,de ama casa de
obias publicas que mandasse verificar o estado da i caridade e se a populacan de cada de Flores, e orear os seus reparos, e quanto tante para tal estabVleciinnnto, devendo dar quae-
quer outros c-elarecininiitos que Ihe oeeenerem. j
N. 652. -Dita ao gerente da cqmpanhia Per-
r\r sentenea final, mi de se julgar alguma
xcepc^-i.'-i^^iv^niniio-i^a) ou transacc,ao
Q'ie Ptw termo denuadl
rWlgraaho nico.Cobrar-se-ha o imposto da
in.porianci.i pedida na arejio eiimnlatvamenle,
rom a das reconveneSes e preferencias, se as
i ouvar.
Art. 7." l'ac;a-lo-lia quem (ver interesse no an-
1 imento .11 processo ; entrando porin a sua im-
irtancia como custas, a hawr do vencido na de-
i.la proporcao.
Art. 8." No concurso de credores ou preferen-
ciaa, os eoaWrrwHea ain reciprocamente autores
r is : e as mesmas regras se observaraoa seu
jpeito.
Art. 9. I).ar-se-ha restiluicao do imposto :
' Si' o pro-esso fr declarado millo por sen-
lenca passada em julgado, e de que nao caiba
i tais recurso.
2." Se o vencedor qne houver pago o imposto
i poder have-lo do vencido, por nao ter este
: snllicientes para a soluco.
'): Se j houver sido pago urna vez pela mesma
; ,l|e.
Art. 10. Nao se cobrara logo o imposto, e aver-
bar-sc-ha para ser eobrado do vencido, que nao
[i r isento nos casos do art. 1."
Paragrapho nico.T.mbcm ser averbado no
riso do artigo antecedente n. 2 para ser cobrado
i i vencido a todo o lempo.
As averbacoes nos eSstfs do artisro i.* serao fei-
tas nos iiiopros autos pelo escrivao ; e no do art.
i. i pi-la reparticao encarregada da arreca-
i lacio.
Art II. Os escrivies remetterio annualmente,
no niez de Janeiro, estagao fiscal relajoes espe-
'i; do imposto averbalo, que esteja no cao
de ser cobrado, por baver pasudo em julgado a
i spiHJtiva sentenea, e dejlas se extrahrao cei-
do .s para a eobranea exeemiva.
Art. 12. Contina em vigor em tudo que nao
fr opposto ao presente regu lamento a anterior
legislarlo sobre o imposto substitutivo da dizima
le chancellara.
Art. i:'.. Ficam" revogadas as disposicoes em
ninriot
Palacio ilo Rio de Janeiro, em 20 de marco de
1869. -Vironde de Itaborahif.
lovoado dos
rior.
Govera la provincia.
1 XPEDtKXTK ASSI0NAT)O PFt.O PXM. SR. CONDE DE BAE-
prVDY. PRESIDENTE DA PROVINCIA, EM 17 DE MARQO
DE 181'.!)
Ia seccao.
N' C2i.Portara ao Exn. Sr. general eomman-
dante das armas.Remetto a V. Exc. o incluso at-
lestado de fallecimento do Io tenente do 4' bata-
l'iai dn artilharia a paddido ao contingente do Io
regimealft da mesma arma, estacionado no Tayi.
Felippe Marques do; Santos, am de ser entregue
:< viuva do mesmo D. Mara Amalia dos Santos
Amara!, como solicitou.
N. 623--Dita ao mesmo.Transmiti a V. Exc.
a inclusa f de offlcio do capilao reformado Ma-
noel Claudno de Oliveira Cruz, que serve de al-
mojarife no presidio de Fernando, alim de ser-lhe
ci.trigue, conforme solicitou.
N. 626.Dita ao captio do porto.Constando
e aviso da reparticao de marnha do 1 do cor-
rente ter sido apjirovada a noirteacao que esta
presidencia fez do tenente da armada Francisco
Xavier Rodrigues Pinheirn para servir interina-
mente o lugar de ajudante d<^sa capitana, fleando
sem effeilo a licenca, em cujo gozo se achava
nesta provincia o re crido official; assim o com-
munico a V. S. para eu e/mhecimento.
N. 627.Dita ao conselho de compras do arse-
nal de guerra.Antoriso o conselho de compra*
do arsenal de guerra a promover a compra dos
objectos constantes do incluso pedido, sob*n. 10,
is quaes sao necessarios para os trabalhos das
officinas do mesmo ars nal._
2* seecaa
.\. 632 Portara ao desembargador CaeUno
Jos da Silva Santiago.Communtco a V. S. que
por deere o do 6 do convnte, segundo consta do
finrio Offlicinl n. 59 de 7 deste .nez, S. M Impe-
rial houve por blm oma nal da relacao desti provincia.
N. 633. Dita ao eomm indatte superior nten
no da guarda nacional deste municipioDevolvo
a V. J. para que o rubrique, a folha do pret de
qtre trata o seu offlcio n. 37 de 1S do crvente.
:i. -634. Dita ao mesmo.Inteirado de quanto
aos fados criminosos de que trata o sen dito offl-
cio, transmilto-lhe as informacoos por copia que a
respeito deram as autoridades policiaes respec-
tivas.
TI. 37.Dita a commandante do corpo provi-
sor o de powa. Transmiti a Vmc. para os de-
vid >s flns,deliberacao junta, que designa um
otILnaJ para tazer parte do conselho de julgamento
do .-abo Paulino Magno da Silva, de que traa o seu
ofhVio- n: RS de 16 do correte.
y. 'JS.Deliberacao.Para o conselho de jul-
gamento do cabo do corpo provisorio de pohca,
Paulino Magno da Silva, designo em suhstituicao ao
capilao Manoel Carneiro Machado Freir, ao te-
ncnte-cirurgiftdo dito corpo Joaquim Jos Alves
do Albuquerque.
3a seccao.
M. 630.Portara ao inspector da thesouraria de
tazi'inlaEm vista do pret junto em duplcala,
ri me reaetten o commandante superior interino
ste municipio, eom offlcio de bimiem, >)> n. 38,
ma ule V. S. liquidar e pagar os rencimentos rela-
tivos primeira unzena deste mez, dos guardas
narionaes do Io batalho de artilharia aquartelado
no Hospicio, c dos contingentes a elle addidos.
>. 610.Dita ao mesmo.Constando de aviso
da reparticao da marinha do Io do corrente, ter
sid approvada a noraeacao que esta presidencia
fez do Io tenente da armada Francisco Xavier Ro-
drigues Piuhciro, para servir internamen'e o lu-
gar de ajudante da capitana do porto desta cida-
de, licando sem elTeito a licenca em cujo gozo se
ach iva aquehe official ; assim 'o comnmuico a V.
S. para sen conheciniento.
N. 651.Dita ao mesmo.Tendo nesta data au-
toi i>ado o conselho de compras do arsenal de
gue -ra a promover a compra dos objectos cons-
tant's do pedido junto por copia, sob n. 10, os
quaes sao piveisospara as oflicinas do mesmo ar-
senal ; assim ocomraunico aV.S. para seu conhe-
cimento.
N 642.Dita ao menino.Commonico a V. %
par? os fins convenientes que segundo consta do
lhm-io Oflicinl n. 59, foi nomeado por deliberaeao
de 6 deste-mez presidente- do tribunal da relaqo
desti provincia, o desembargador Caetano Jos da
:-'>lv,i Sanilajfo.
N fiU.-aina ao inspei-tor. da thesouraria pro- te da provincia manda
vincial.Trnnsmitlo por copia a V. S. para seu gundo officio
conhecimento e devida execucao na parto que Ihe
tocar, a deliberara) desta data pela qual resolv
rel zar o arremutate da ponte sobre o rio Ser i-
nhaem, Jos Augusto de Araujo, da mulla impos-
ta por oiu-ra iteltoeraro de 9 de novembrodo an-
uo [ roximo passado.
. 641.Dita ao mesmoDeclaro a V. S. para
sen conhecimento e fins convenientes, que o chefe
da reparticao das obras publicas par'.icipou-me em
offlcio de hontem, sob n. 107, que achando-se o
arrematante do lanco da estrada de Itapssuma a
Pasihado. Francisco Xavier Cavaleanti l.ins, eom
direito ao reeebimentu da terceira prestacao do seu
conirato, mandou passar-lhe o competente cer-
tificado.
N. 615.Dita ao mesmo. Attendendo ao que
solicitou o chefe da reparticao das obras publicas
em jfllcio de hontem, sob u. 109. recommendo a
V. S. que mande entregar ao thesoureiro daquel-
la reparticao mais dous contos de ris para a con-
linuicao das de esti idas arruinadas pela ultima endiente dorio
Cap haribe, visto ja achar-se esgotada a somma de
7:iM0-% que por differentes vezes tem sido adian-
tada a mesa thesouraria para es e liin, segundo
consta do supradito offlcio.
N 616.Dita ao chefe da reparticao das obras
pul. icas.Transmuto por copia a Vmc. para seu
Conhecimento e devida execucao na parte que Ihe
tocar a deliberacao desta data, pela qual resolv
rel rar o arrematante ib ponte sob o rio Seri-
nhaem, Jos Augusto de Aranio, da multa impos-
ta p ir outra deliberacao de 9 de novembro do an-
uo prximo pausado.
N. 617.Dita ao mesmo. Fieo inteirado pelo
seu ollicio de hontem, sob n. 107, de ha ver Vmc
mar dado lavrar o competento certificado, alim de
que o arrematante do lauco de entrada di Itapis-
sun a a Pasmado, Francisco Xavier Cavaleanti
Lin-, possa receber na thesouraria provincial a im-
portancia da terceira pmstacao a que tem di-
reiti.
iN. 618.Dita ao mesmo.Tendo nesta data
antoristido a thesouraria provincial a entregar ao
thesoureiro dessa reparticao a quantia do dous
valos de ris, constante do seu ottkio de hontem,
sop n. 109 ; assim e declaro a Vmc. em resposta
ao t itado offlcio, cumprndo qae me inforine so-
bre o estado das obras feilase em que pontos eom
os sote contos de res, que diversas vezes te n sido
adiantados ao mesmo thesoureiro para os reppros
Mas pontes e estradas pela ultima enc.henie dt) rio
Capibarilie. '
N. 619.Delibera^So.O. presidente da provin-
cia, attendendo a representado que Ihe fez Jos
Auj usto de Araujo, arrematante das obras da
pon c sobre o rio Serinbaem, pedindo releva^ao da
multa imposta por deliberacao de 9 de novembro
do atino prximo passado, e allegando que para
ni) concluir as referidas obras dentro do prazo
estimulado, edneorreram : 1." ter na occasiao de
dar-Ibes coiuocp, achado qje era o vo do rio
inaior do que o indicado na planta levantada pelo
que reclainou a presenea do engenheiro do dis-
tric .o, o qual em consequencia do eufennidade
graes pode comparecer para organisar novo
plano algunsimejes depois; 2." as enchentes do
ro, que obstando aos trabalhos freqnentemente os
interrorapiam"; 3* a falta de operarios por causa
do recrutamento ; 4.* as difflculdades pecuniarias
que leve para ocootrer ao pagamerto das ferias
dos trabajadores, visto que a thesouraria provin-
cial nao ihe satisfaz duas prestacoes das obras
relativas aoexercieio de 18G7 a 1868. Attendendo
mai*. as iqfarraactJes prestadas pelo engenheiro
ciefe das*bras publica em 7de-jneiro ultimo e
pe^unspector da dita thesouraria em 22 de feve-
reilkffuinte, nas quaes se' reoonhece a veraci-
Iji ^fcfactos allegados pelo arrematante, assim
cono qoe o pagamento das prestacoes nao foi ef-
fec.uado por doliciencia de meio e que tendo essa
divida cnido em exercicios (Indos, s pode ser
sol 'ida quando a as-embla legislativa provincial
decretar os necessarios futidos. Por todos" estes
motivos resolv conceder como effcctivamenle
conced ao sobredito Jos Augusto de Araujo, a
re jvacao da malta imposta em de novembro do
anuo passado, como arrematante das oteas da
po ite de Serinliaem.
4* seccao.
V. 63D.==Portaria ao deseraftirgador provMlnr
da Santa Casa de Misericordia.Expeca V. Exc
as suas ordens para qae sjeja afmittido no hospi-
! h
nambucana.Pde Vmc. tazeT seguir para os por-
tos do seu destino, os vapores Ipojuca e Giqni
no dia 31 do crtente a hora indicada em sou offl-
cio de hontem.
EXPEDIENTE ASSIGSADO HELO Sil. DR. JQ.YQl'bf CORREA
DE ARAUJO, SBCBBTVBIO DO GOVKBND, ESI 17 DE
MARCO DE 1869".
2a seccao.
N. 65$. Offlcio ao Dr. Luiz de Albuquerque
Martins Pereira, juiz de direito da comarca da
Boa-Vista0 Exm.'Sr. presidente da provincia
manda acensar o recehiinento do olBcio de V. S.
de 16 do corrente, em que commnnica ter a U)
desie mez entrado no gozo da licenca, de trinta
dias que Ihe toi coucedida pelo presidente interi-
no da rehiri. .
N. 634. Ui^-aojuK municjpF.do termo de
Bonito.O Exm. Sr. [iresidente flaproviinia man-
da aecusar o recebimenlo do offlcio de V. S. de
8 do corrente, em que communica ter renuncia-
do o resto da licenca que Ihe foi concedida por
deiiberacXo de 2t) de fevereiro ultimo.
N. 63o. Dtono promotor publico de Gara-
nliuns.-MJExin Sr. |jresidentc d* provincia man
da aecusar o reeebimentu do ifBcio de V. S. de 16
do corrente, em que communica ler a 9 doste_mez
entrado no gozo da licenca que Ihe foi concedida a '
18 de dezembro ultimo. "
3 seccao.
N. 656.Offlcio ao inspector da tliesnuraria de
fazenda. O Exm. Sr. presidente da provincia
-terminou a presidencia em offlcio de 10 do cor-
rente.
7* Que em ontro offlmio de 10 a presidencia
comniunicou ter espensado o Rev. Fr. David da
NattCdade de Nossa Senhora capellSo tenente re-
formado do ejercito, do lugar de l. capellSo do
presidio de Femando, sendo designado para o
substituir o Rev. padre Gemente De Negr eom
os mesmos veneiwiontos e condicc'ies estipuladas
no oantracto, eom que ali servio igual cargo o pa-
dre Antonio Aragnetti, como consta do offlcio da
presidencia de i:i ludo deste mez.
11}ue a presidencia em offlcio de 13 nomeou
o Sr xandrino de Albuquerque Pita para auxiliar o
ajudante do director do arsenal de guerra d'esta
provincia nos trabalhos do balance geral, que a
requisicao da commissao de Syndicancia se est
procedemlo nes armaxenj do ahnoxarifadod'aquel-
le arsenal.
9. Que a 21 chegaram da corte no vapor Crv-
zeirtmo >'m/os Sre., coronel commandante do 11
hatalhao de Infantarja Manoel da fiunha Wander-
ley l.ins, e alferes do 4." Antonio Maria Pereira
do Lasque obtiveram do governo imperial tres
mezes ue licentei para tralamento de sauden'esU
provincia.
10 Que a 21 chegaram do presidio de Fernando
os Srs.. conmel da guarda nacional Francisco Joa-
qmuU'eceira Lobo, e o capilao de voluntarios da
patria Amonio Garcindo do Gusuiao Lobo, por te-
rem sido substituidos a 18 nos comraandos que
exerciaui, este' do destacamento da guarda nacio-
nal, e a pielle do referido presidio.
Outro sim. determina que na manhi do dia 1."
de abril vindouro se passe revista de mostra em
sejis rtspeclivoa qtiarteis a eompanhia d'operarios
militares do arsenal de guerra e depsitos existen
tesp'esta proviacia, pela ordem seguinte :
As 6 horas a om|)nliia de operarios, as 6 1/2
ao deposito espeual d'in-trucco, as 7 ap dos je-
crata, e a< 7 1/2 m> de prisioaeiros, de guerra pa-
i^aA'os.
AsignadoJoaquim Jus GonpUVtt Fonles.
Cj(nl'..rmeEmiliano F.rnnto de Mello Tamlio-
tenente ajudante do ordens encarregado do
se o posto de ministro, ou chamasse resiwnsabi-
lidade o Siglo.
Ao contrario, porm, destas duas resolucoes na-
turaes, foi o respeitavel publico sorprendido eom a
apparicao de um decreto firmado pelo Sr. Stewart
nomeando o Dr Ramrez presidente da commissiu
que devia apresentar ao governo um projecto de
le banearia!
Com este procediniento inexplicavel perdeu o
ministro da fazenda a geral sympathia que tinba
entre naeionaes e eetraugeiros", e desde eutao ne-
nhum apreso mereceu.
Nessa situaco se achavam as cousas, quando
no dia 3 do corrente o depulado Joo Jos Aguiar
pmpoe urna moco para que a cmara do repre-
A esforcos do Sr. Riedel, digno gnarda-mr da
alfandega, foram salvos dous marinheiros di bar-
ca, que, passando para sobre o arrecife, ficaratn
bastante maltratados. Tambem foi salva pet'dig-
no Sr. capilao do porto, a senhora do comman-
dante.
Na posicao em qae se acha o navio, s um va-
por de mamr forja que os nosses rebocado res, pode
sfalo ; mas, nao tendeo como andante do navio
chegado a accordo eom a gerencia da eompanhia
Pernambucana, coftservou-so no local, abrinlo
agua pela mantilla, e cahindo para o martar-
dinlia.
sentantes pedisse' ao governo expiicaeao a respeito l1"? "SSfSf^08 P"'(,",C0-8- *r-}
da nacionalidade do ministro d. fazenil^e estaos-1 [r"ldo JJ)a?, do 5"lu"a CampeUo, aju
Iranhf. m,.r5 (ni Inon .innr,warta n m,o hom nr,lr>n. 'rlaleza UO Rriim. CIXa SUa lamilla CU
FALLECIMF.NTO.-Ante-liontem falle.:eu, vfct-
ma de padecimentos chronicos, o Sr. tenente re-
aj ulnnte da
tranha moco foi logo approvada, o que bem patcn- i '"1VHT Z """"" TSa *ua.la,"!"a e,n e*'rcraa
teavaoespiritohostildacamara. pobieza. Reeommendamo-la as almas candosas.
O Sr. Stewart,que tinba desprezado igual ataque I THEATRO DE SANTA ISABEL.Subi ante-
da imprensa, entendeu que nao poda eom dgnida- i bonlem scena, como eslava annunciado, o bello
de permanecer no lugar de honra em que se acha-; ''rama do Sr. C rra de Barros Xobreza, que
va depois daquella si apresentou sua renuncia no dia 6, que foi inme-
diatamente aceita pelo presidente.
Desde 6 a 12 vio-se o general Battlc nos maiores
apuros para adiar um ministro de fazenda, e de
dt*e
ciando o resto da licenca que Ihe fora concedida
por deliberacao de 20 de fevereiro ultimo.
N. 657..Dito ao mesmo0 Exn. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S. que, se-
gundo ollicio do juiz municipal do termo do Boni-

Repartif o da polica.
2' Seccao.Secretaria da polica de Perjiarabuco,
SldJhareo ,|,' 1869.
mauda declarar a V. S. "que, segundo offlcio do >'. 149. Illm. e Exm Sr.Tenho a honra de
juiz municipal do termo do Bonito a 8 do corren- levar ao conhecimento de V. Rv. que, segundo
te, reassuimo ello o exercicio "de son cargo rennn- constijlas participacoes recebidas hje nesta re-
parUj&forain rucofludos casa de delencao- os
segainte' individuos :
A minha ordem, Candido,escravo de Rufina Ro:
dnaies-Campello, por disturbios.
ordem do subdelegado do Recife, Jos, escra-
i o. bacharel Jos'Rodrigues 'do Passo Jnior, a s \u dyDr. Jo. l.ins Cavaleanti, porjugido.
do corrente, reassuraio elle o exercicio do sou car- \ '~ IjfQnfti i\o de S.Antonio, Joo Gomes, por
go, renunciando o resto da licenca que que Ihe I emhriifeu'iz.
lora concedida por deliberacao de 20 de fevereiro Aordej do de S. Jos, Sebastin, africano livre,
ultimo.
ih. oa.uitoao mesmo.oEmo. Sr presideo-
por embf:iguez; Ambrosio, escravo de Antonio
i i?, p .r jogos projiibid is; e Antonio, es-
deoiarar a V. S. jue. se-|.e.i;i\1 \^roprietario do engenho Jacobina, por
do promotor publico da comarca de fgido.
Garanhuns, bacharel Joaquim Francisco deArru-j A ordw do da Magdalena, Jos Francisco Du-
da, a 9 do corrente entrn elle np gozo da licenca ira, paift recruta.
que Ihe foi eoncedida a 18 de dezeiui.ro ultimo. 'eia data participou-mc o Dr. delegado da
preside:!
pois de bater intilmente a varia-i portas, resolveu- lernveis.
se a encarregar desta pasta ao ministro de asmo-
geiro D. Alexandre Margarinos Cervantes, licando
o offlcial-maior desta secretaria, D. Osear Orde-
naba, encarregado interinamente da respectiva
pasta.
Falla-se muito tambem m renuncia do general
D. Jos Soares, mas finalmente consta que este se-
nhor contenla-se eom urna licenca, e que partir
no dia 21 ou 22 para suas trras de Cemapiru,
onde se acabam de descobrir indicios de minas de
onro, ficando o Sr. Freir, tambem official maior
da secretaria da guerra, incumbido da pasta.
Permanecendo no ministerio o Sr. Bustamaute,
que, como bem diz o Siglo nos seus trechos bio-
graphicos, a alma-da situaco, o presidente Bal-
da continuar na sua mataba, embora tambem se
falle na apresentaco de >ua moco paFadi'stitui^
lo, por ter violado a constituico, nomeando um
eslrangeiro seu miiiistro.
lia quem explique esta hostilidade que principia
a uianifestar-se contra o presidente attribuindo-a
ao intento de prestar Ihe os planos de incorpora-
cao do Estado Oriental Co federaco Argentina,
em que elle Irabalha de accordo cora" o presidente
Sarmiento e o partido conservador
Outros a attribuem a interesses do curso forca-
do, que acaba de soffrer mais dous decretos eom a
escolha do ministro da fazenda, que se declaiou con-
tra, e eom a vatacao na cmara de um projecto
proposto pelo presidente batiera para que a mes-
illa cmara declarasso que nao se oecuparia de
nenhum projecto sobre o curso forrado dos bilhe-
tes dos bancos que esto em liquidaeo.
Esta singular proposta passou por 11 votos
cunta 10, o que mostra como est indecisa a opi-
nio.
Hoje deve, baver no theatro de Solis um grande
meeling para tomar urna deliberacao sobre to de-
lirado WMHHIiplO.
, Sao yrandes a- JinVuldades eom qiie lula o go-
verno paja fazer race s suas despeas ordina-
ras.
um dos melbores trabalhos dramticos, que a em-
pivza tem levado scena, na presente quadra.
De enredo natural e simples, eommflva elle pe-
los lances importantes e felizes, e mais aiuda peb
suceesso dos factos> sem rodeios intrincados c
N. 639.Dib ao mesmo.O Exm. Si
te da provincia manda declarar a V. S. para os
lins convenientes que, segundo ollicio do juiz de
direito da comarca da Boa-Vista, bacharel Luiz
capitalqic hontem as 8 horas da noite, como Ihe
cumunnicara hoje o Dr. subdelegado da Boa-
rVig. no Inaar denominado Cisco, daquella fre-
cuezh, Maria Thereza de Jess e Fellippa Iguaria
de Albuquerque Martins Pereira, a 10 do corrente daSIva iravrain-se de razos e feriram-se re.ci-
entrou elle no gozo dalicenca de vinte dias, que
pelo presidente interino da elaco Ihe foi conce-
dida.
N. 660.Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincialO Exin. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S. que, segundo offlcio do Dr.
prcramente, sendo grave o ferimento daquella e
levi o dela; que aquella autoridade procedeu
roo d delicio nas i.lTendidnse lizera recolbel-as
4tera;A. e Iratava de Ibes mstaurar o compe-
tirte pmcesso.
Por offlcio daladb de hontem parlicipou
oDr.
chefe de polica de 16 do corrente, sob n, 387, o | (alegado do Recife, que n'aqnelle mesmo dia, ten-
desiacamento do lermo de Agua Preta se eempoe do fallecido repentinamente de apoplexia fulmi-
de 16 praeas inclusive o sargento tambera e o d inante o pardo Lucas do E-pinto Santo, proceder
Montes de quatro praeas e ut
eodl
il inf/
V
DESPACTOS DA PRESIDENCIA DO DIA 30 DE MARCO
DE 1869.
Antonio Francisco da Silva.Informe o Sr. as
pector da thesouraria de fazenda.
Amia Rosa do Sacramento. Informe o,Sr.
desembargador provedor da Santa Caza de Mise-
ricordia.
Felippe Emilio Menna da (losta. Dirij-se ao
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Jos Henrique da Silva. Inflrme o Sr Dr.
chele de polica.
Joaquim Jos de Moura. Dirija-se a tliesoura-
ria provincial.
Joo Pereira Lagos. J est precnchido o
posto a que allude.
Jos Ellas Machado Freir. Prove as suas ha-
bilitaoOes.
Jos Ignacio Ribeiro Roma. J est prvido
o posto a que allude.
Tiburtino Piuto de Almcida. Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
por esse fado s deligencias do estylo.
0 Dr. subdelegado dti districto da Boa-Vista,
por ollicio do referido dia, den-ine parte que no
diw, por volta das 8 horas da noite, foi ferido
eom um tir a queima roupa o individuo de nomo
Antonio Alves do Nasefmento Feitosa, constando-
lie ser o offimsor una praca do 3. batalhao da
guarda naci-gj^d'e-te municipio; que proceder
a corpo de d^po no olendido, e que o ferimento
fora considerado" leve.
eus gujirde a V. ExcIllm. Exm. Sr. conde
de Baependy, presidente da provincia.O chefe de
poilcia, Francisco de Faria temos.
Sua execucao correu bem, achando-se os papis
divididos con tino, e estando os artistas p issuidos
no todo dos Caracteres que repre^entavam.
Os Srs. Joaquim Augusto. Julia Azevedo, Clelia.
ThomazrEduardo e Primo da Costa esineraram-se
e saljsfizeram.
Constar-nos qtte amda esta semana subir elle
scena.
DINHEIRO.Os vapores Jrqwi Ipojuca, leva-
ram hontem as seguintes quanlias em dinheiro :
Para Macei.... 185:600,4000
oCear... 18:9214170
DISTURBIO E FERIMENTO. No dia 30 do
corrente, na ra do Cisco, da freguezia da Boa-
Vista, Maria Thereza de Jess e Felippa Ignacia
da Silva, travaram-se de rateos, e feriram-se mu-
tuamente, sendo graveo ferimento daquella, e le-
ve o desta. "Voram ambas presas.
TIRO.No dia 20 s 8 horas dfnoite foi ferido
cora um tiro, na freguezia da Boa-Vista, Antonio
Alves do Na-cim-nto Feilosa, por nm guarda na-
cional do 3 batalhao de infamara da guarda na-
cional, o qual pode fuglr.
SEMINARIO Dl OI.INDA.O appello feito pelo
nosso Exm e Rvm. diocesano, em favor do semi-
nario episcopal, comeca a teij.lavoravel acolhi-
raento, como se v du offlcio infra :
Palacio da Soledade, 30 demarco i!e 1869.
Rv.i. Sr. Dr. Gregorio Sinparoni.Chejando nos
de Olinda, depois das solemnidades recentes, live-
inos logo a consolaca de receber a inclusa letra
de cambio em soccorro do nosso seminario.
t Ella nos loi enviada pelo Illm. Sr. Pedro Be-
zerra Pereira do Araujo Delirio, nosso favor, e
sobre a casa dosIlluis. Srs. Oliveira Fdbos&C,
do valor do 200-s.
. Sendo esta offerta fructo da pastoral, que em
data de 8 do gotu'eute mez teios publicado, a qual
o lamen'e ns columnas no D'tarn de Pef-
namtmw ; assim misamos neressario dar-lhe eiu
breve a publicidade por essa mesma fylUa, que te-
0 ex-ministro contrado rom os Srs. Lanas & 'mos prometlido naquella pastoral.
mon'tevido, 14 de marco F- 1869.
Comiuando das armas
ARTEL:CENER.\L DO C0MMANDO DAS AMIAS DE PER-
MAMDUCO, 30 DE MARCO DB 186'.'.
Ordem do dia n. 434.
O brigadeiro conimandante das- armas faz pu-
blico para conhecimento da guarnilo e lius con-
venientes.
1. Que.a 28 de fevereiro ultimo embarcou para
a corte no vapor Paran o Sr. lenle do 1." ba-
lalbo de infamara do exercite Francisco Ignacio
Manoel de Lima.
2." Que autorisado pela presidencia em offlcio de
4 do corrente nomeou a 5 o Sr. capitn Uo 11 ba-
talhao de hilantaria Manoel Joaquim Bello, que se
achava a dispusico da mesma presidencia, para
servir mtermamcute o lugar de ajudante da for-
taleza do Bru, durante o impedituanto'do Sr. te-
nente reformado do exercito Joo de Siqueira
CampeUo, que deu parto de doente.
3." Que por deliberacao de presidencia de 27
de feveceiro lindo foi coacedida ao Sr. tenente re-
formado Manoel Carneiro Machado Freir a exo-
neracao que pedio do posto de capito do corpo
provisorio de pulua d'esta provineia.
4." Que por aaiorisaoao da presidencia expres-
sa em ufllcio de 9 de&w mez doponsou a 10, do
einpreg de ajudante do forte do Buraco, oSr. 2.*
toueute reformado do exercito Jonulm Francisco
de Soma Navarro, em vista de seu estado desau-
de' e ulad avaucada, continuando no exercicio
daquelle cargo o Sr. alferes honorario do exercito
Mariano dos Res Espindola que j o exercia inte-
rinamente. .
5. Qae em con9equenciA do dispoBto pelo Exm.
Sr. confilheiro ministro da guerra em aviso de 28 do
mezproximo findo,apresidencia determinou em of-
licio de 10 do corrente que na primeira opiiortuni-
dade se reoolhesse a esta capital, onde permanece-
r at nova ordem, o Sr. coronel da guarda na-
cional, Francisco Joaquim Pereira Lobo, comman-
dante do presidio de Fernando.
6. Que para substituir interinamente o 8r. co-
ronel Lobo foi designado pelo mesmo Exm. Sr.
consefheiro ministro o Sr. tenente coronel refor-
mado do exercito Sebaslio Antonio do Reg Bar-
r*, que sequioa 14 pata o referido presidio, e
em falta do ajudante, caio lugar se acha vago,
deixou na direceo da colonia militar de Pimen-
teiras, oade servia, o respectivo capellad padre
Francisco Anniano de Souea Araujo conforme de-
So mnito interessantes os successos occorridos
ncsai-eapitai na pre-ente quinzena, e eom elleste-
I nho que oceupar o attenco ne^ta correspondencia,
quasegue peloAun/s.
Aquesto banearia, nas mil phases que tem
tidodesde que se apresentou ao etudo e dis-
eufio, -nunca assumio tanta importanci.. como
agorB.
Os jornaes esto cheos de artigos pro e contra o
curso forrado, e emquanto elles discutera o famoso
asnutupto, a commissao fiscal vai proseguindo em
ruinas que se espalhou na praca. Ella,aque quer
queiinar papel, e eom orgulho nao disfarcado
amba de annuncrar que at o dia 6 do corrente j
havia rednzido a cinzas 8,991^30 jiesos de bilhetes
do diversos beos era liipdaco, o que equivale
a cerca de 12.000.0005000 de nossa moeda.
Na verdade urna maravilha retirar da circula-
cao, em fio poucos mezes, urna to avultada som-
ma de papel fiduciario ; esta medalha brilhante,
pormftem seu reverso na qnebra seguida de per-
to de 100 casas do commercio notaveis.
Nao obstante. continUam os protestos de letras e
os embargos effeetnados pela referida commissao
ti#al, aecusada j de ser austera de mais para
uns, e extraordinariamente indulgente para outros
devedosas"; oque nao deve admirar, porque em
tudo neste mondo ha filhos, afllhados e enjei-
tados. h
Nao posa prever em que parara este negocio.
Os quesatstentam o curso forrado trabalham acti-
vamente para vencer a sua jalao derrotada causa.
Os adversarios, nao menos tenazes, nao menos po-
derosos, empregam todos os meios, justos ou in-
justos, honestos ou deshonestos, para nao perde-
rem o terreno que j conquistaram. eo pobre paz
que teria no meto termo destas opiniSes encontra-
das a suasalvacad, caminha acceleradamente para
umabysinot
0 cmbale est agora reunido entre os dous la-
do dissidenles, e ha quem recete eom funda-
mento que da discuasd se passar talvez a revo-
luead.
Um incidente curioso veio mais complicar esta
sil uaco desagradavel.
Talvw-aW aindaJaja quem so record da pol-
mica azeda qne se travoo entre o redactor do
Siglo, Dr. Ramrez e o ento ministro da Hwenda,
Sr. Dnneana Stewart, por causa de nm projecto
apresentado'ao publico por este ullimo para soluca >
da crise banearia.
T0809 esperaram entio qne o Sr. Stewart, ridi-
cularisado por aquello jornalista quanto possivel,
e at por elle acoimadode-estrangeiro, ou deixas-
Lesiia um emprestinio de 100,000 posos, e eom
este dinheiro podo solver alguns compromissos.
Sao, porin, recursos epheiueros e onerosos, que
acabaro por e^otar-se, e as cmaras ainda nada
lizerain para habilitar o governo a sabir destas dif-
ficuldades.
O governo, por nutro lado, nao desojando que o
corpo legislativo interpretasso como urna nvaso
fie suas attribuicocs a iniciativa da apresentaco
de alguns projeetes de impostos novos ind canos
pelo ex-ministro da fazenda, acaba de retira-los, o
assim se vai paseando o tempo sem nada deliberar-
se sobre este grande negocio.
Do Paraguay nada ha mais recente. Organisam-
se nossas forcas para marchar ao interior em bus-
ca de Lpez, e contina ainda em AssumpcjLo o Sr.
conselbeiro Prannos, cuja presenea naquella ca-
pital prniluzo benfica iiillucnca no ammo de nos-
sos soldados.
Diz a Tribuna de boje, na sua revista em francez
para a Europa, que a Repblica Argentina recusa
nomear seu agente diplomtico para ir negociar
eom o agente brasileiro e o oriental obre a orga-
nisaco do Paraguay.
Ha quem pense que o Sr. Sarmiento procede as-
sim de accordo- cora os Estados-Unidos, e como
dea de debilitar o Brasil para rcalisar o plano de
inrorporacao do Paraguay c do Estado Oriental
Confetteracao.
Falla-sc no armamento de Martin Gracia, c no
reccbiinento de armas dos Estado-Unidos c em ou-
tros alarmantes preparativos.
Tudo isto, porm, enrmiuha opiniao, nao passa
de espantalho eom que se procura intimidar o Bra-
sil, para nao ser exigente no ajuste final de contas
no Paraguay, de modo que a Confederaco ter o
maior proveito, embora'baja feito poneos sacrifi-
cios.
Entretanto 6 bom nao desprezar certos indicios
e ter bem presente que o projecto de organisacao
do^|M|^^rnido< do Prata a menina dos olhos
^h- de lodos os partidos.
n^^ram--e na alfandega de Buenos-Ayres
diversos caixes eom movis destinados ao palacio
de Lpez, na Assuuipco, de urna magnificencia
extraordinaria. Estavam alli desde 1864, e forara
agora descobertos, porque o agente paraguayo D.
Flix Egusquiza os pretendeu despachar. Todos
os volumes trazem a marca E. A. L., que corres-
ponde a Elisa Alicia Lrach.
O governo argentina procede 9 averiguacoes
convenientes para sequestrar esta importante
40 8:000
Portanto, enviando aqu essa letra de cambio
a V. Rvma. para o lim mencionado, ordenamos qne
Ihe d V. I'ivma. essa publicidade : a qual, alm
do lim contemplado, servir tambem, e-meramos,
para despertar a boa volitado de maitos OUtros
amigos da n ligiao e do progresso.
Deus guarde a V. Rvma.De V. Rvma. affec-
tuosamenlef Fuancisco, Hispo'
TRILHOS URBANOS DK JABOATODepois
da ultima lista qnu publicamos, subscreveram
mais 21 paisbas 321 aches no valor de 6l:200,
o que eleva o numero tolal de acedes subscriptas
a 1,768, e o valor total a 336:600j. Risos norae
dos novos*subseriptorcs :
Maj o Francisco de Gouva.e Souza
Dr. Antonio Venanaio Gapaleante
Albuquerque.................
Ernesto Arcelino de Barros Franco
Francisco Manoel Wanderley Lins
Major Joao BaptislaPaes Barreto..
Dr. Felippe de Souza Leo.......
Jos Joaquim de S Barreto......
Ignacio Jos da Silva............
Antonio Pereira da Cmara Lima
Francisco de Paula de Albuquer-
que Lima....................
Jos Pedro Carneiro de Albuquer-
que ........................
Manoel Theodoro Monde* l.ins-----
Antonio Columba no Serapiico de
Assis Crvalho...............
Jos Francisco de Albuquerque
'Maanad....................
Dr. Miguel Felippe de Souza Leo.
Tenente-coronel Joaquim Maxiini-
no Pereira Vianna............
Jos Rufino Barbosa da Silva.....
Dr. Manoel Gentil da Costa Alves.
Albino Jos da Silva............
Jos Caelano de Albuquerque___
Candido Alfonso Moreira.........
PASSAGEIROS.Seguiram para a ilha de S-
Miguel, a bordo do hiale portuguez San'o Chrisfo,
os seguintes : Jos da Costa Couta c Jos J. Mo-
reira.
a 1:0004
10 2:0005
B 1:000
10 2:000
i.3 3:000
> 400
1 200-
10 2:000fi
3 1:000
> 400J
i 400
2 400
-> 400
H 3:000
n 10:000*
23 3:000
23 3:000
23 3:000f
23 3:000}
23 3:0005
presa.
Dentro em poucos dias se rara em Buenos-Ayres
a eleieao de governador de provincia. WSo candi-
datos D. Emilio Castro, governador interino, e D.
Mariano Acost, apresentade pela Tribuna.
Varios offlciaes argentinos vao publicar um pe-
ridico em Assnmpcao. E mais nm indicio da
propaganda activa que se est fazendo no sentido
de unir os destinos do Paraguay aos da Confede-
raco.
O governo annunciou que recebe propostas para
o estabelecimento de linhas telegraphiea* no litto-
ral, urna at Corrientes e outra at Fedefeao no
Alto Uruguay.
*
PEBNAMBOCO.
REVISTA DIARIA.
ACTO OFFICIAL.Por deliberacao da presiden-
cia, de 30 do passado, foi nomeado delegado Ilite-
rario de Naaareth, o Sr. Dr. Mruoel Barata de
Oliveira Mello.
NA VIS PERDIDO.A barca ingiera 7Vom, ca-
pito Baker, tendo levantado ferro ante-hontem do
lamarao para a Parahyba, s 6 horas da tarue, e
em lastro, para ahi' carrejar, encalhou s 8 da
noite no arrecife um punco ao ffnrte da barreta,
galgando per sobre" as pedras exteriores.
Apenas eonstou o snceesso, seguiram para o lo-
cal lanchas e balieiras do arsenal de marinha ca-
pitana do porto, nraUeafem da barra e alfandega,
tripuladas convenrentmeate;j;om os soccorros ne-
cessarios, que nao podirom ser postos em acc3o
por nao se prestar a poslcio do navio.
POLTICA INTERNA
Partido conservador.
i, A PEDIDO.)
ESCAVAgBS Alir.HEOlK.lCAS.
Allrluia.O redactor da Opiniao Nicionat, o
impagavel Aggripa o poltico mais consequente,
o homem de mais rigkfcs principios que at hoje
se tem condecido no mundo poltico.
Se na poltica nao tem feito fortuna a culpa nao
dalle, sim dos botocudos que at hoje ho diri-
gido o paiz.
Nao ha dia, no qual nao tenhamos mais urna
prova da consequencia, e firmeza de ideas do ios-
so here.
Atienda bem o leitor para as segnmt. s trans-
cripcoes.
a Opiniao Nacional de 21 do poffcfltp, n. 87
escreveu Aggripa, sob a epigraphe i-atiodabr
brasileira. Mais de tima ve* temos reclamad
contra urna terrivel fatuidae, que tem sido o
nosso atrazo.
Recolhamo-nos e nao demos tristes espeela-
(1 culos.
Nos somos o gigante americano.
O Sr. D. Pedro II o primeiro re du uiun-
do...
O Brasil est destinado i rniperrr sobre-a
trra toda.
O mundo ainda nao vio aMgs'd'armas cotnrf
(i os nossos no Paraguay. Mi
..........,..........
E o extreme do ridjcamT
. E fallamos em hespanfmldas t
Se triste deprimir as juilas glen*i -patrar,
nao menos tris essa inchacao da ra fi-
EneslegDm1nda o moto maniaco i^g
Agor val ver o leRor qe^te mesmo escripir

.
?
I
MI1H0R EXEMP1AR ENCONTRADO



-
Diario de Peruambuco
.*
- Quinta feira 1 de Abril de 1869.
ja foi um dos maiore* aduladores da rol, a quem
boje procura ridicularisar.
E inania desta infeliz creatura insultar i. quem
antes a tulou, e elo^iou, c vice tersa, a qu;uou-
tr"ora cabrio de baldes c improperios.
Em 1860 o Bosso hroe coUeceionou todas os
seus eseriptos, eirre olios os celebrrimos discur-
sos proferidos na faculdade de direito, o a'the-
neu e gabinete de leilura, e prespegou uina de-
dicatoria a Sua Magestade o Imperador, na qual
sel:
Ardia (e nao se queimou) ciem dse, os, sr-
nhor, desde que corren a noticia, de quu Vossa
* Magestade Imperial visitara esta provinaa, de
tambetn dar a Vossa Magestade Imperial, eu fue
sou pobre (de espirito ?), a mealha demo strati-
va de minha adheso tem sido magnin-a)
i vossa sachada. pessoa... Conliado oa magna-
PUBLICACOES A PEDIDO.


niraidade. de Vossa Magestade Imperial veaho
respeitosameate depositar ein vossas mos uui
tributo, leitue pelo que val em si, mas vania-
jado pelos senttinentos que espero provar a Vos-
sa Magestade Imperial (tem sido ptimos) por
toda a vida, que Deus me teuha destinad".
Senhoii, Vossa Magestade [apene] sempre tem
demonstrado o espirito religioso, de que domi-
nado, sendo que agora mesmo, nesta viagein,
por entre as lidas e radicas de marcUas preci-
pitadas, Vossa Magestade Imperial deu a Mel
o mais brillante e prolicuo exeniplo, proeurau-
do indefectivelmente ao ebegar e ao partir o
templo do Dous Vivo.
mandes medicados vos adoTnam shniior :
> mas esiou certo, de que este, o da religiosi-
.< dade, o de que leudes mais intima e pun sas-
facao.
Felizmente para vos c para nos; paca vos,
porque o espritu religioso o reate da frgil
perfeico humana: para nos porque a rdigiao
4o esteio dos Estados (mas boje nao peusa as-
sim), e o exeinplo, que vem de cima, de eonto-
gio iufallivel.
Outro ponto, Stukor, acabastes de trovar
nesta vosa viagem : vosso zelo pela edueaco.
A edueaco prepara as geracoes, e urna '.*> ge-
< racao mal preparada faz a ruina do um I stado.
i se nao que abala toda a bumanulade, quaodu
essa geracro francesa, e exeice os sagrados
direitos de cmapcipaejio com as vestes do paga-
..< uisino, (Quao dilereuteiiieute pensa boje o au-
a tor desta* ludias!)
Tnibalhaes, semioh, na religio, e na eduea-
a cao : a vossa tarefa sublime, em face desta to-
das as outras sao secundaria*.
< Se nao desdenliaes, como creio, o feudo de
ignoto regato, venho trazer-vos urna pedn, tos-
-.< ca (que tal o regato !) para o magestoso cdif-
:< CIO.
Acceitai-a, amparai-a enm o vosso nono : c
c se nao vier d'ahi a pequea utilidade, de que
i essa pedia possa ser empregada, compensado
flcarei com resultar de vossa bondade, ampa-
re rando-a, o estimulo para croe habis an-hiieetos
vos tragam, em vez de toscas pedias, desenhos
e planos acbalos.
O padre Ventura, esse instrumenlo monden-
a cial, que Vossa Magestade Imperial melhor apre-
a cia do que cu, proerio imraute o Imperador dos
Francezes dous discursos sobre a neces'idade
d'uma reforma do ensino publico no iuteres-e
< da religio c da litleratura, dous discursos que
:< valem urna bibliotheca.
No intuito ile chamar a attencao dos horneas
* pensadores do nosso paiz para lio grande ques-
< to, traduzi e-ses discursos; na t de que foco
* um ser-vico a cau-a da nossa Santa Religio, e
da nossa patria, publicarei depois desses diseur-
* sos, que serio a base do edilicio, melhor base
a nao poderia elle ter, outros trabalhos, j origi-
naes eom rclacao ao que entre nos se papisa, j
traduzidos, para que todos vejam, que a idea
tem os mais voneraveis pregadores, quer en-
* tro os cscriptores sagrad>s, quer entre ospro-
fanos.
H.io de chamar-me Jesuta. Mas, eu respon-
d derei, que nao se trata de entregar o ensino aos
* padres, que a questo de methodo: c que abas
a geraci de eucyclopedistas, que deu (in re-
sultad a deusa da Razao, havia sido educada
por padres.
Hfui de chamar-me utopista, reformador, ul-
t tramontano : nao de rir-se os nossos espiritos
a fortes. Mas, eu direi, que ha nimia honra em
soffrer, o que solTreu o profundo ablude Gau-
o me na civilisacao da capital da Franca. .
H.io de dizer... Dirio o que quizerem, c cu
nada responderei Senlwr, se, como espero, Vos-
. sa MaxesteJ; Imperial lizer-me a subida onrn
b do consentir, que escreva o vosso augusto nome
< naprimtira pvjina de cada publicuedo la se-
re, que emprehendo.
N'e . bal.O sabio iMPKnAjii do brasil acha i idea
-" digna do diseus-ao, ro'pcitcm-n'a e discutam-
n'a.
Senhor. se Vossa Magestade Imperial dgnar-
i se do aeeeitar a cninba eordeal offerta, procura-
>i rei apressar a primeira publicacSo, e as onna-
seguir-se bao conforme o permitlircm as lidas
do mea noviciado no magisterio superior, e ou-
tras eircumstancias, que nao cabe mencionar
c aqui.
Seria demasiado enfadonho para Vossa Ma-
ge^tade Imperial que eu ora expeudesse todas
* as reUVxoes, que me suggere o assumpto.
O PAGANISMO CAMPBA NO E.NS1X0 SECUN-
D\nin, Senhor: e, so com o clero da Franca,
t pr idnzio elle as nefandas seenas da revolu-
i ca onde o clero tor outro, qual nao ser o pe-
c rigo?
Onde a religio nao c senhora, onde nao
rainha, nao existe, disse o padre Ventur;.: e o
pagauismo classico 6 o mais temivel usurpa-
dor.
O imperio da Santa Cruz de hontcm; anda
. possivel extirpar a arvo/e do mal. (_>ueira
Deus, (|ue a Vossa Magestade Imperial esteja
reservada a gloria de urna iniciativa fn.nca e
decidida na reforma d i ensino! aeris apuntado
t pela posteridade como o priueiho homem di
. ViKSO SECPLO !
Pernutti, senhor, que respeitosamcnle me as-
j signe
De V. M. I.
LEAL e obscuro subdito.
.4. /. da S. G.
E guc U tem sido a lealdade, e devocao do na-
ganao ?
c
...,!. .i. .^. ,v~ >- ..! tro, cas ov<;oe3 ais artistas a aajuetatru falra-
tambem mais ou menos habililalp paraemittir um rao minea para o iriquestionawrsucce^sr. que va i
O Hi-.uilfeso do Ceairo Liberal.
>'e pelo d^do se conheec o gigante, pelo celebre
maiiifeHo do Centro Liberal, meditado c CM-ripto
durante quatro longos mezes, se pode faztr idea
das propor^oi's liiiputianas dos pequim -s grandes
homens, que dirigem o partido da opp..sicao.
S o partido con-ervad ir na> thesse coir metti-
do outras faltas man graves do que aqucllis qne
o manifest individualisa, seria seguramtnte a
comnunliao poltica de mais subida monlidade
que tivesse jamis existido.
Qoe documento miseravel que o manifest do
Centro Liberal I Qianta nepiido, quanta incapa-
cidade, quanta baixeza nao revela>esse triste o in-
fcsado fructo de ij atro mezes de vigilias ( locu-
bracoes I
Pobre gente I
Que neceisidade havia de desccr a nomeacoos
de subdelega \ sicao que pretendem fazer ao ministerio actual T
E quanta ifeleidade na escolha dos exen jil.is !
Podia vir a apello e servir do exemplo de ms
nomeaees a d > Sr. apitao Jos C.ezario de Mel-
lo ? O que fez o Sr. Cezario de Mello que n-i te-
na feito qualqm-r dos signatorios do manife-to,
achando-se as dolorosas eircumstancias em que
elle se aehou ?
Em tala a vida do Sr. Cezario de Mello nao en-
eontram se lo U'n facto, u n motivo de aecusa-
ao; aecusacao oue Ihe f.>i feila pelos trbnaes,
e de que se justifieou e foi absolvido.
PorquoH-azo so molesta a um homem horrado,
trabalhad .r, cida l.'io prestinte, que nao infl e di-
recta e nem indirectamente na subida dos conser-
vadores on na queda dos progresistas; qiii vive
recolhido em sua casa, tratando do seus negocios,
e que, q jando chamado a exercer fancc&s pu-
blicas, as excrce com circumspeccao, prudencia
c justica ?
O Sr. conelheiro Nabuco podia asign;ir um
manifest em que se mencionasse, com as cir-
cauosiancias com que se meacooou, o n imo do
Sr. capiuui Js Cezario do Mello, sera Ihe tremer
convulsiva a iivio, recordndose de tactos mui'o
ai- horroroso*, mut0 n^no^ justificaveis, muito
hwi recentes, e que de muito perto Ihe tream I
Qual dos ifmatafios fcm too pura a consc ienCia
qne possa atirar a primeira podra na mulher
adultera, de que falla o Evangelbo ?
O partido conservador eXgabinete actual de-
vero estar satisfettksim >s com o arrazoado pol-
mico-jnridico, a que o Centro ktberaJ atrouve
chamar o seu manifest.
Vm liberal em Centi-a.
Por motivo da sepultura ec-
clesiastlca.
As pessoas. qqe" tem lido o que nestes ltimos
dias se tem publicado acerca oeste assumptose-
pulturu ecclesimsticabem viraui que no Diario
de Pernam'juco de ... desto mez, dirig ao
Sr. Dr. Villela lavaros urna simples pergunta com
o flm de apasiguar o escrpulo que em minha
Iraca ntelligenna havia suscitado%ma assercJo
de S S., qaando, no periodo a buhas 1.1 de seu
primeiro artigo sobre esta materia afQruiuu ter si-
do a Santu-Umro instituida pela igreja.
E ento procurci demonstrar donde nascia o
mrtu cserupulo em acreditar nesta doutrina do Sr.
lente d direito ecclesastico.
Estou anda hoie convencido do que o publico
me faz a justica de con vir que guardei a necessa-
ria moderacao'e respeito para com a pessoa de
S. S nessa minha concisa e franca exposieiio.
Agora, porm, que acabo de lr o segundo ar-
tigo do Sr. Dr. Villela, publicado no Jornal
do Recife n. 70 de domingo 28 do corrate, desap-
parece a illuso em que estivo de suppor que o
Sr. Dr. Villela proeurava discutir com calma o ac-
to do Exm. Sr. D. Francisco, quo tinha em vista-
expr scienliflcameute os principios de direito ec-
clesiastico a semelliaole respeito.
E desapparece por que vejo o Sr. Dr. Villela
desapuntado, descoinpondo anonymos, imputando
a este escriptos daquel'e, confunaindo at a ma-
teria dos eseriptos de cada um, dando como se diz,
por paos e por pedias e substitundo fts palavras
e phrases decentes e graves do direito ecclesiasti-
eo por esse estylo inconveniente, pora nao dizer
ridiculo, com quo S. S. figura de quatro ps um
sacerdote, c a outro offerece farello.
Nenhuma pessoa do erterio teria levado em
l'.-in lio;, .i- 'ni to grosseira.
Neslas eircumstancias nao me daiei por offen-
dido de nao ter S. S. vito na Uaert humilde es-
cripto, e na minha obscura pessoa %^-nem o que.
nem a quem responda.
bem visto que o Sr. Dr. ViHela, tao alto, to
elevado, tao sublime como so suppo em sabedo-
ria, e posieo social, nao podia ter enxergado o
humilde pi oiVssoe.4o lalm, jubilado, embora com
urna pralica de df/oito aunos de advogado, o de-
putado, como S. S. diz que tambera j o foi, em
una assembla provincial.
Depois o Sr. Dr. Villela nao como o commum
das pessoas que escrevem para o publico, as quaes
qnando mandam seus eseriptos para o prelo ex-
poem snas doutrinas .uialyse e censura dos en-
tendidos na materia, e nao so revoltam de que al-
guem menos prolleiente os possa mteslar.
OSr. Dr. VilMIa a priori determina, ponco,
impera que so os sacerdotes, o bispo Ihe respon-
dan, eentre os sacerdotes s os sapienti-slmos pil-
que para os outros que andarem de quatro ps
tem S. S. um deposito de farello para Ibes offe-
recer!
Entretanto sem ter pov flm desfazer a illusao ou
realidade em que esla o Sr. Dr. Villela do seus
abalwadissimos talentos, e inexpugnavel sapiencia
semnre ser bom lembrar-lbe que conheci um in-
dividuo em idnticas eircumstancias, que por con-
descender com um amigo recebeu passagem de ida
e volla, e mais um como de ris para ir derehder
um reo, em certa provincia, pardea no^ury bina
excepcao (pie oppoz frenticamente perante um
juiz de direito que foi seu alumno, deu mos a
bolo |h>r que nao arlculou a excepciio, nem asub-
inetteu ao eonhecimento do tribunal superior, e
por liui a sai-rilicando a causa em que s o voto
de minerva o pJc valer I
K natural que o Sr. Dr. Villela conheca esse sa-
pientissimo advogado que tambera era lento de di-
reito ecclesia-tieo.
Mas quando nao o conheca lembrar-lhe-hei ou-
tro que chegand) capital de ulna provincia to-
mou o encargo de defender corto reo, exigi um
cont de ris e um carro a sua disposlcao, deu al-
ginis passeios na cidade, requeren urna certida i ;
o reo llcou como d'antes, e o Dr. mastigou o fa-
rello.
Ha de lembrarsc certamente qual foi a humilde
e obscura pessoa que coutinnou na defeza deste, e
obteve por unanimidado de votos a absolvilo da-
quede outro reo, absolvicao que foi confirmada pe-
lo egregio tribunal da Klaeao.
O Sr. Dr. Villela tem boa memoria, e prova-
vel ([ue se n-corde destes faetos, quando nao v
nem o que, nem a qnem responda.
Excepto si o Sr. Dr. Villela se persuade de que
qneui tem um pergaminho de seiencia nica-
mente quem tem olh is de ver, c que nem t los,
alias alguna, que tambera enxergam um poucaxi-
nho nao podera comprar seus livrinbos, estuda-
lo, consultar o mwtn da jrfenria c-vif a ser
as censuras que Ihe podem sobrevir da parte dos
cobardes, por elle se prestar de hoainente a certos
actos religiosos, tocava entretanto algumas pecas
uiarclars que despertovam no animo do todos una
santa alegra. r
I'rocedeu-se logo a bencao do sino, a qual se fez
com davdica psalmodia, cujos verso* alternada-
.nente cantados e rasados pelos clrigos assistentes,
doinonslravam quo nao era urna sinnil beuvi
esto cerimoma, a qual presidia um rito solemne,
e que era um acto verdadeiramenlo religioso
Mas nos psalmos e Oracoes (jue se rezavam na-
bencaoa e sagradas uneces que se fizenam sobre
um sino, que por este modo so consagrava ao cul-
to de Dous e da Virgam Mara, sob a invocac >
do patriareha S. Francisco; ainda honva temera-
rio ou temerarios que se atrevern) a dizer com
escndalo, que tudo isto era urna verdadera mole-
cagera ou eousa de raoleques I Deus Ihcs perdoe,
esses oiiseraveis quo nao sabein o que dissoram,
mas sabero de quem aqui se falla, se elles lerem
esto artigo.
Notou-se a falta dos padrinhos, que nao poderan
intervir; mas foram supprd is por pessoas bene-
mritas o devotas de .Vossa Senhora do Carino,
como seus procuradores. E' do suppor que esses
d'gnos.padrinlios que o Rvd. zilador sou be escc
llier para este flm, o tero coadjuvado geaewsa-
mente na sua empieza consummada, e que nao
Ihe custou menos de VM.
Depois de bento e consagrado o ra de S. Francisco, para uso da igreja do Carmo
de Oliiida, foi logo felizmente levado pelos devoto*
para seu lugar na torre; c, fazendo-se ouvir de
l em toda a cidade, annunciava o anniversario
la gloriosa ressurreii-ao do Senhor, e publicava,
qual pessoa agradecida, a obra de caridade e hon-
ra que S. Exc. aeabava de platicar em obsequio
da religio
Emfim, tendo S. Exc. Rvina. abencoado todo*
solemnemente, alguns dos fiis circunislanles tam
bem quizerain ter parte nesta obra pia, depoudo
na salva das esmolas o seu bolo generoso.
Pede-se aos Sre. redactores, que se dignem dar
Prof.PPtora #f OC& fami. Ilha d-e-S- "'"'''-"''ate nnrtuguez Santo durillo, ., ,
iiWtCVlUia UaO OIUI cap,t;wVictoriano Jos Narciso, cargaassucar e AlCd^Jir (lII*aillO, NlMIHl
lias.
do junho ,ie
tinha regis-
i dessa associa-J
em .'11 de dezeni->
de 1868........J
Capital
3936-----0,868:675*970
1406^2,173:425*920
S34-----8,042:101 890
pubcid-de a este artigo.
Esto jssociacao caminba as vas do prosperi-
dade, nao sem os entraves nberentes emprezas
grandiosas.
Contratos
Sm 30
1868
Irado
Durante 30 do Junho a 31 de
dezemuro de 18(58..
Estado dessa
cao c
hro de
Para conseguir eom" toda sesturanca o maior c
mais instante desidertum da vida do homem, que
crear para o tuturo um capital certo e urna ren-
da infallivel, para si, seus filhos e familias, bastir
fazfjr um calculo" (cada qual conforme seus pro-
prios haveres) de que pode dispr durante o pe-
riodo de cinco airaos ; signalada que seja aquan-
tia "era esta dividida em duas classes de contratos,
um chamado contrato de capital e outro de rumia
E^tes dous seguros deveriio satisfazer-se era cinco
annuidades Consecutivas, e depois de passados os
cinco annoso contribuinte Picar livre doonusdos
pagamentos das aimuidades subsequentes.
EstaS duas classes combinadas produzem resul-
tados maravilhosos para o futuro.
Por exemplo, ara pai que quizer formar para o
futuro um capital e una renda vitalicia para cada
um de seus tufios, conseguir este importante flm
despendenda-para cada um dalles a quantia de
Lldo, que se papara da seguinte forma :
capital
Xew-York Escuna-a tistriaca Capricio,
Frederico Zadro, carga assucar.
Macei -Vapor brasleiro Paraltyba. commandante
Mello, em lastro.
Observacao.'
Suspendeu do lama rao para o Rio de Janeiro, o
brigue nortc-allemo Colimar, capito Wulff, com
a mesma carga que trouxe de Trieste.
i
Sania Rila t. I.
ECITAES.
Direitos de entrada.. IS8J
No primeiro anno.... 2005
- segundo .... 2001;
ferceiro .... 2005
- > quarto ___ 2005
.quinto ___ 2005
Por um devoto.
SONETO
. A Sagrada Paixao.
Descera Deus do co, e s'umanara
Para dar aos moraos conliecimentos
No espirito in-erevera os mandaments,
- amor, f Ibes imperara.
Caridade,
Mas, ah ingrato novo, a quem amara,
Por quem quizera ter padecimentos
E por lim n'uma cruz sacrificara.
Volve sen Ser a paternal mansao,
L surge o Filho Deus nessas alturas
A obra consummou da Redempcao. '
Suas leis se conten as eseripturas:
Manda que viva em pa a geraco,
Sejam dadas aos morios sepulturas.
voto, nao direi decisivo, roa* ao menos nao des-
presivel nesta ou naquella materia.
S se ainda eslaaios no lempo em qne visitova
um medico seus doentes cm um hospital, e vendo
virado para o canto certo diente, disse ai enfer-
meiromande enterrar aquelle : o doente ao ou-
vir e*!as palavras, c como nao estivesse uiorto, re-
claraou os seus direitos de vvente dizendoou-
tor, ainda estou vivo : o que ouvindo o enfermei-
ro, bradou enfurecido cate-re, barro voc qur
saber mais do que o senhor doutor f!
Sim, se ainda estaos nesses bons lempos, en-
tilo certamente o Sr. Dr. Villela o tnico que por
na i comer farello, nem andar do quatro ps, pode
dissertar sobre sepultura ecclesiastica e imperar
quem Ihe deve responder, com tanto que seja de
bispos para cima.
Concluirei assegurando a q'iem me ao conhe-
ec que preso muito a bem entendida modestia, c
jamis teria-me involvido nesta ingrata discus-ao
se presumiste a intolerancia com que assim como
outros lomos tratados pelo Sr. Dr. Villela.
Pelo modo de dizer de S. S. s Ihe responden
Um Acadmico;S. S. enganou-so, no Jomil do
Recife de 23. o artigo assignado0 Acadmicoe
meu ; declaro-o para repellir o insulto, c injurias
que S. S. atira desapiedadainente aos anonymos.
como se todos o tivessem offendido : nao escrevi
esse artigo assignadoUm Acadmico,'escrevi
ii outro.
Sinlo diztMo, porque o Sr. Dr. Villela se mostra
bom conheeedor de todos os anonymos, e peder o
p dir moco, que tal vez, seja acalemico, corrrero
grave perigo de ser devorado era seu acto por al-
gum ferrabraz.
Em minhas eircumstancias, todo aquelle que ti-
vesse a conviccn de n> merecer as palavras de
de-den e de desprezo de S. S., o modo intolerante
e desabrido como fui tratado, seria devedor desta
rasosla.
E nem hesitarei rectiQca-Ia. porque, merc de
Deu*, nao presinto desarranjo alguin era minha-
faeuldades iutellectuaos para defeuder-me
inju-tamente me assalta
Recife, 30 de marco de 1860.
Leop Idino Antonio d'i
O Irmao em Chrislo.
Theatro de anta Isabel.
NOBRBZA.' *
Subi bonlem scena no nosso theatro o drama
de escola moderna, original p irtaguez era uoi pro-
logo e tres aci.is\nbreza. Fh'ina-o um dos uo-
ines mais auspiciosos da brhantc pteiade de es-
criptores portugoezes : o Sr. Cirreia de Barros.
O eniprezario do nosso thea'ro deu prava de bom
gesto, fazendo montar inwediatamente dejiois d>
Christovao Cotomtn, de tanto ruido c apparato,
urna peca t > simples, tao familiar e too intima
como nNobrcza.
Convm apresentar analysc publica dramas
pie eduquem.o go-w e afiuein o paladar das pla-
teas para a fcil apraciacau do concepcocs verda-
deiraniente bellas e de subido Itv.ir Iliterario.
A Nobreza pertonce escola realista, que to
vantajosamente lera apresentado era todos os thea-
tros do inundo as mais bellas creacoes dramticas
da arte c ua litteratura coutem,iorneas.
0 intrucho da peca simples, natural, c'elo de
attractivos. O estylo do Sr. Corroa de Barros
como o do Sr. Mendes Leal, vigoroso, nobreve con-
ciso. [
Nao nos aventuramos a contar o cnrioaa A'o-
breza. O publico (pie tanto applaudio o drama, na
primeira vez qoe subi scena, nao doxar por
erto de concorrer constantemente ao nd-t tbua-
Ter despendido no flm de cinco
annos a quantia de........... i.looj;
tendo creado para cada fillo um capital para o fu-
turo, que conforme a dade dos segurados serado
33:0003 a 47:0005 o urna renda vitalicia de 1005
aunuaes.
Admillem-se contratos de maiores e menores
annuidades, sendo os lucros sempre proporcionaes
ao producto dos seguidles factores : valor da
contribuicao, o risco de i norte do segurado
e a duracao do co'Krato (art. 28 do regulamento).
Agencia de Pemambuco, ra do Livramento
n. 19.
N. F. de Vidal.
O ri!m. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia, manda fazer publico que
tem marcado o dia 4 de raa o prximo vindouro,
para o concurso que se tem de abrir nesta mesma
thesouraria para precnebiinento das vagas de pra-
ticanles exi-lentw uesto repartieao, na alandega c
na rrecbeduria. .
Os exames verearao, sobre as materias de que
? ? ,,o^arl- l do decrcl n- 3,lli de 27 de
jiiniio He 1868, a saber, leitura, analyse grammali-
cal e orib.eiraphia, ariinu-tiea e suas applicacoes
ao conraicrcio, com pucialidade a reduec de
nioedas, pesos e medidas, calculo de descont, ju-
ros simples e corapostos, (heoria do cambio e suas
applicacoes.
Os concurrentes deverao previamente apresen-
tar seus requenmentos Instruidos de documento*
que provem idade completo de 18 airaos, isencao
de pena e culpa e bdm comportamento na forma
do art. 3o do decreto n. 2,349 de 14
18(30.
Secretaria da thesouraria de fazenda
nambuco, 27 do marco de 1869.
O offlcial-maor,
Manoel Mamede da Silva Costa.
0 administrador deste estabelecimen'o partic
ao respeitavel publico que so acha aberta a assit
nalui-a para todos os di vert men los que diz re?
Iieito. Aos domingos bavera caf, e concert il
3 horas da tarde at'aa 6. Aos sabbados bai!>
pblicos, o cada Ora de mez un baile particular;
abbario 3 do corrate
Teri lugar o primeiro baile a carcter, e
cumplido fielmente o regulamento policial,
sci.
AVISOS MARTIMOS.
de marco de
de Per-
COMMERCIO.
por
PRACA DO RECIFE 31 DE MARCO
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Assucar bruto americano35400 por arroba,
Algodo de Pemambuco 1* surte = 133400
arroba
Algodo da Parahyba 1* sortc165300, 2* sortc
135300, 3* sorte llJiiOi) por arroba posto bor-
do a frete de 3/8 d. e 3 0/0
Cambios sobre LoniU-es90 d/v 19 d. por 13000.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
A cmara municipal desta cidade. leudo de
proceder no da 2 de abril prximo vindouro. a
apuracao geral de votos para deputados a assem-
Mea geral legislativa pelo primeiro di>tricto desta
provincia, convida, conforme recommenda o 8*12
do art. i" do decreto n. 842 de 19 de setembro de
i53, e art. 2o do decreto n. 2621 de 22 de acost
de 1860, aos eleitores dos collegios que compoeui o
mesmo distrcto, para assistirem a dita apuracao
no da citado. r ^
fco da cmara municipal do Recife, 27 de mar-
co de 1869.
Bardo de Muribeca,
Presidente.
Prameita Canuto da Boaviagcm,
Secretario.
COMA MASILEIIA
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperad*
at o dia 8 d.y abril p. f. o vapor
Cruzeiio do Sul, coniniandant-
Alcoforado,o qual depois da de-
morado costume seguir para e3
dosul .
Desde ji recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia desuachegada. Enconimen-
das e dinheiro a frele al as duas horas uo dia da
sua sabida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
jectos de pequono valor e que nao exeedam a i
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medie;
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Prajrine-se aos Srs. passageiros que .oas pas<-.-
cens s se recebem na agencia ra da Crnz n. 87,
1 andar, escriptorio de Antonio l.uiz de Oveii *
Azevedo t C.
BECLARACOES.
HMPAia BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperac"
at o dia H Je abril p. f. o
Paran, commandante o rapiu.
de fragata Antonio Joaqoim r
. Santa Barbera, o .pial (epti-
demora do eoMoroe seguir para os do non
Desde ja recebem-se passijeims e eneau-
carga que o vapor poder conduzir. a qnal.'
ser embarcada no dia de suachepada. Ei
das e dinheiro a frete at o da da sua sahJ,
horas.
Nao so recebem como encommendas '
jectos de pequeo valor e que nao exeedam.
arrobas de peso ou 8 paira. cbicos de i
me^U^uciii
[ Wa.
Beaeo solemne
No sabbad. ultimo, 27 de marco, s 3 horas da
tarde, teve lugar na igreja do Carino de Olinda,
a bencao solemne de um sino que por se ter que
brado, mandn o presbytero Jos Vaz Guiterres,
zelad >r substituto da referida igreja, noraeado pelo
Rvd. prior da mesma uo Recife.
Apezar de nao se ter publicado, p ir esqueci-
menlo ueste Diao, um aviso que o dito padre ze
lador tinha pedido que se publicasse para q iarta-
feirn santa, albn d prevenir ao publico e a s p i-
drinhos do novo sino do Carmo, que sua enea
havia de tor lugar no dia e hora ut supra; com
tudo houve l um grande concurso de povo. E
que para onde va i o bom pastor, que Deus nos
deu, seguera sempre innmeras ovelhas, que o
connecem e que ouvem com prazer a sua voz, e
que esta igreja de Nossa Senhora do Carmo, ver-
-'i.idiosamente abandonada, prios carmelitas; parece que infunde natural-
mente devora i e sympathia aos fiis, que a visito n,
e a ellas, por consequencia devida a sua conser-
vai'.ui e reparos, que alias j teria sido pro aada
e de todo arruinada.
Muito gente, p ns, do Olinda e de. fra, depois do
terem assistido aos offkios da semana santa ua ca
thedral, aonde tudo se fez com pompa e boa or-
dera, e cora religiosa gr'avidade e modestia, dig-
naram-se presenciar este acto da bencao do sino.
O Exm. Sr. bispo, sempre condescendente para
cousa justos e compativei* eom o seu sagrad i mi-
nisterio, 6 quem foi servido benzel-o no lim de urna
semana too cheia de fadigas para S. Exc. Rvraa.
Que bello exemplo para E' de crer que tod >s os circiimstantes admira-
ram aquella ceremonia, raras vezes praticada en-
tre nos com tanto solemnidad.
A' hora marcada chegou S. Exc com seus mi-
nistros e mais clrigo do seminario. Foi rece-
bido a porta da igrej i pela rmandade dos Pasaos,
e pelo Rvd. zelad r substituto do Carino, que offe-
receu agua bento e aeompanhou com todos a S. Exc.
at a capella-mr, aonde o novo sino, todo enfei-
tado, estova por se benzer.
A m isica do batalha > de Olinda, dcil s ordens
do seu cliefe, o Sr. capito Viraes, militar superior
despertando o drama portuguez. A empieza deve
sempre montar pecas do genero da Xobre-a. A
escola a que est filiado o drama, por ventura a
nica, que deve iinplantor-se nos palcos lacio-
naes.
Divertir o publico instrundo-o:a graniJe di-
visa da arte moderna.
A par do dramas do grande effcilo secnico, pla-
tea convm offereeer mimosas concepedes, sim i -
e verdadeiras, que emballando o e-pirifo, aponm
a intelligencia e cnthnsiasmam o coracao*
A companhia dramtica do theatro de* Sfn'.a
Isabel urna das mais completas que possuimis
hoje no imperio.
Companhia que conta em seu seio Joaquim Au-
gusto, Julia de Azevedo, Velluti, Thomaz. Clelia, k
Eduardo, Jos Victorino, Coulo Rocha, etc. pode
sem difficuldade apresentar ao publico o mais es-
colhido e bem interpretado repertorio dramtico.
Depois do Chrittol, Aime, Christovao Colombo vem
a Nobreza, garantir o que levamos dito.
Nesse ultimo drama Joaquim Augusto e lulia
acoinpanhados conscienciosa nente pelos arflfta>
Thomaz Espiuca, Clelia, Eduardo, ele, fazoiuoque
a critica mais severa pode exigir d4desempenlio
de un drama da natureza do que on nos occap-
mos.
Parabeus ii empreza cm nome da verJndcira
arte; o publico pcrnamucano saber ivconlte'-cr
e recompensar os Morena do distuiclo empresario
do theatro de Santa Isabel.
...
BANCO MAUA & C.
Una do Trapiche n. 34.
Descoiita lettras co iraerciaes a taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente.
Confero crditos, saca sobre as primeiras
pracas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesma*
pravas.
Encarrega-se, por commisso, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes de
jompanliias, da oobran^a de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
quer outra operafo bancaria.
O expediente para o publico comecar
is 10 horas da manhaa, e terminar s
horas da Lardo do todos u id ateta.
* "~c^-MlMMbJ*'-'
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da pra?a taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em coala corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
Inspecco do arsenal de
niarinha.
De ordem do Illm. Sr. inspector Taco publico que! Tudo qMfmMTvSmSmmi
acna-se nureado o praso de sessenla dias, a contar I cado como carga,
da dato do presente, para o concurso a que se vai l'revine-se aos :
proceder nesta inspeccao, lauto para provimento
dos lugares de eam'vao do almoxarifado e seu
ajudaute, como de dous amanuenses da secretaria.
Os prtendentes deverao inscrever->e no men-
cionado praso, a uxige-se-lhes que tenham boa
letra, hora comportamento. e a idade de 21 annos
completos, assim como saberem grammaiica da
lingoa nacional, principio de eseripturacao por
Srs. passageiros qne seas r
gens s se reeolwm na agencia ra da lj m
1 andar, escriptorio de Antonio Luiz de o,
Azevedo A C
lo de Janeiro
partidas dobradas, arythoietift e suas applicacoes. o n-s o e i, ,"^
eo'sr (jffSB1 de marinha de Pernaibu- S?: z ;,s
LO 2 de Uta. ?0 de IbOJ. Rellrao mi Ha Tr^nol
0 secretorio,
Alexandro Rodrigues dos Anjos
do
Para o indicado porto segu rom i
dade o veleiro e bem contiendo Mpai daVMx
IKirler a maior parte do rarreganv-uio tratailo ;
falto c.-Tav.- a
rio Joaquim Jos Gal
Beltrao, a ra do Trapiche n. 17.
lo de Jeneiro
lm DE CAMBIO
Theodoro Simn & C.
Vendem
Sobtranos
Ouro nacional
135700
54 1/ o/fi
de pre-
mio
1 i i o/0 de pre-
Guarda nacional.
E' ainda sobre o 3 batalhao do commandd do
tenentecoronel Francisco de Miranda Leal Sjve,
que chamamos a attencao do respeitavel pub
para as irregularidades que infelizmente oh
vam-se neste batalhao.
V. assim qne, estando o dito batalhao aqnar
lo 4 mezes, e tendo decorrido at hoje o m
espaco do terapo fra do quartel, nenhum se;
tem prestado, nem sequer dado alguraa guar
honra para acompanhar as procissoes da res[
va fregiii-zia, ao passo que, os demais batal
teein sido vexados e accumulado? de trabalhos.'-
Perguntareinos pois, qual a causa deesas iriB-
gularidados, desharmonias na deslribuicao do
sdrvico?
Nao pode ser outra, segundo parece-nns, ?qmI i
o estado lamentovel era que acha-seessebaulhao,
a pouca importancia que l'iga-se aos deveres im-
postes pela lei, a qual algumas vezes abafoda
pela mao da protecciio.
Admira, e mesmo para extranliar-se esse es-
tado, quando o batalhao deve contar, segundo
clculos approximados, una quantia superior ewi
sua caixa, atienta a importancia do tardamente V
i mezes de aquartelamento, (nao fallando nos
aquartelamentos anteriores) o producto das jos
do 6 a.fcres as duas ulti as proposts, que,
I00J, mportam em 1:800,5, a contribuicao dus
guardas dispensados do servico, e mensajidades
dos oiciaea.
Ainda urna ontra razo milita, e que' a frf
guezia da Ra-Vista extensa, epor isso offerece
grande numero de guardas, tanto parajftervico.
como para isencao do mesmo mediante' 105 raen;
saes como co-tume; de forma que o 3o batalhao
podia ser o melhor da capital.
Constou-nos porm, que o Sr. Seve arreg'mmitou
o batalhao para apresento-lo galhardathente n*j
parada de segunda-feira. Infelizmente assim nao
aconteceu, nem sequer apre-entou a nwsica para
tocar na occaso do cortejo, e nouie, come
co-tume, o qne veio confirmar a noticia de que
esse batalhao j nao tem msica. Foi portan to
frustrada a nossa espeotativa, e a de todos.
Comtudo, damos ao Sr. Seve, ns nossos sinceros
parahens pela acertada escolha dos alferes ultima-
mente nomeados. Na > admira porm ente acert
attendendo para a queda que tem o Sr. Seve. para
organisacao do pessoal dos officiaes do batalhao.
Muito ainda feriamos que dizer, e mesmo censu-
rar, seno lose o pedido de um amigo a quem nao
podemos deixar do servir, auenta a considejacao
e amisade que sempre dispenson-nos.
O Phantama da ilha dos Ratos.
portugez J
Sedula do goverao
de i a \-)000 ) mi
Largo do Corpo Santo n. 21
ALFANDEGA.
Rendimcnto ilo dia 1 a 30 .
(dem do dia 31 .
VIMlb
949:4501402
35:4661233
984:9161656'
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumes entrados com fazendas
dem -. idem com gneros
Volumes sahidos com fazendas
dem dem com gneros
385
448
-----833
142
375
517
Descarregam hoje Io de abril.
Vapor inglez Sappkiivmercaderas.
Barca iugleza4ountihurcadorias.
Barca inglezaFloatinj Clondem.
Escuna inglezaZephiraitmj
Patacho ingjzPortiaidem.
Briguo nglex,Cegana-=\iim.
trigueingiet-f. F. Bell=iim.
Barca partuf ueza=Sjmnfa divrersos gneros.
Barca p irtuguezaNora Sympathia idem.
Patacho portugute Maeia d Gtoria=\dem.
Barca ingleza Traveller=ttrMa de trigo.
Brigue dinainarquez-yjanetfa=idem.
Barca inglezaCoiiradlijlos e retortas.
Lugar inglezPearl carvo.
Brigue portuguezenviudolagedo.
Brigue nacionalAaio=batata.-
REGEBEDORIA DE RENDAS LNTERNAS GE-
RAES DE PEILNAMBUGO.
Rendimento de dia i a 30". -^ 63:8761848
dem, do dia 31...... 8.U6Q1A73
L/)ja do sobrado n. 41, por anuo
Ra da Mocda.
Primeiro andar do sobrado n. 37, por anno 76SOO0
Segundo andar, dem.................. 961000
Areal do Forte.
Cas lorroa n. I, por anno.. ............IOOjOOO
Itua do PadreFloriauo.
Gisa terrea n. 43. por anno............1701000
Ra da Conece,ao.
Casa terrea n, i, por anno..............249000
PATRIMONIO DOS ORPUAOS.
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 100, por anno .. .. .. 201000
Idem n. 102, idem....................2011000
Sitio n. 5 do Forno da Cal, idem ........ 1501000
Sitio do Rosarinho n. 3................32500O
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arremataran as sitas fianzas, ou comparecerem
acompanlados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santo Casa da Misericordia do Re-
cifc,18 de marco de 1869. Oescrivao.
_________________Pedro Rodrigues de Souza,
CASA DE CMBO
Teodoro Simn & 0.
Compram e vendem por conta propria
tnetaes, moedas nacionaes e estrangeira?,
letras de cambio, sedulas do goverao e do
banco do Brasil.
Descontam letras da trra e outros ttu-
los commerciaes.
Encarregam-se por conta alheia das mes-
mas transaccoes, da cobranca de letras da
ierra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta crrente, e a prazo fixo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
THEODORO SIMN & C.
Vendem
Soberanos a 13#700
Ouro nacional ) _
) a o\ 1/2 [0 de premio.
portugnez )
Sedulas do goverao) i
de 1 a 54(000 )
Largo do Corpo Santo n. 21
Segu com muita brevidade para o p^rn aci.-,
a escuna dinamarqueza Klist, U-m a miar par
do sen carregaraen o engajad): para o ri-sto o,.
uiz de Oiv.
talar.
*au;i Caa da Misericordia
Recife.
A Illmx junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico quena I be falta trata-se com Anon.o Luii
sala de suas sessoes, no dia 1 de abril, pelas Azevedo A C, ra da Crnz n. .'i". I"
quatro horas da tarde, tem do ser arrematadas
quera mais vantagens offereeer, pelo tempo de um
tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
EST.VBELECIMEXTOS DE CARIDADE.
Ra da Impcratriz.
Casa terrea n. 68 por anno............320OO0
Ra de Hortas.
.. .. 120*000
Tara Lisboa.
Vai sabir com brevidade o patacho p>riu?c-
Marta.da Gloria, capito Val.'nfe, para carea i:
la se com EL R. Rabello roa do ConHwrriu nm.
ro h 4.
Para o Rio Ciraade do *u
Pretende sabir nestes dias o palhabute prl -
guez A'ooo S. Laurneo, e para carga e pai-
ros trata-se com os consi>:naurHs Tb>HBM
Aquino Fonseca & C. ou entn o rapit^i na on
Para o Porto
Segu at o dia 8 de abril a harcT (
oco Silencio, a ipial offererc cscINitas^
dos para passageiros : a tratar no tarm 75
.Santo n. 19. escriptorio de Oliveira Filhos A : ,'-
cora o capitn na pra^a do commerci.'. \
t
. i
Para o indicado porto pretende sabir rn p, *
eos djas a veleira e bem contienda barca So,- i-
capito Rocha, por ter a mainr pane d rm r j
regamenlo prorapto, e para o resto que Hae r
e passageiros. para os quaes lem boas romo*
trato-se cora o consignatorio Joaquim *-
calves Reltrao, rua do Trapiche n. 17. -ur>
Loanda ~J.
O brigue portuguez Rrmvinda. capito Sil wj
chegar de Li-boa. sahir para llanda poaco.
dejiois de recolhido a este p->rto : pea
alguraa carga, e tratare com o sea eonsigiwt.u
loaquim Gerardo de Rastos, ana do Vigano 3
16, Io andar
V2
mo.
% de pre-
71:937*321
CONSOLADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a 30
Idem do dia 31 ,
141:945*830
1484*913
144:430416:,
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no da 3i.
Bnenos-AyresSi dias, briguo inglez Melita, de
266 toneladas, capito Welkinson, equipagem 9,
em lastro; Weison & Heite.
Navios sahidos no mesmo dia.
Peiiedo e portos intermediosVapor brasileiro
Cequia, commandante Azevedo, carga difforente>
gneros.
Graaja e portos intermediosVapor brasileiro
Ipoptca, commandante Martins, carga differentes
* gneros.
Vice-consnlado da Italia em
Pernainbuco.
Por este V. consulado se faz publico a qualquer
redor que possa haver do subdito italiano Josa
Paganette, fallecido em Ii do corrente na Irabiri-
heira, povoacao dos Alogados, que deve dentro do
linio marcado na convencao consular, celebrada
entre o Brasil e altaba em 4 de fevereiro de 1863,
apresentar seus ttulos para serem verificados e
tomados em consideracao.
Pemambuco 30 de mar^o do 1869.
Pelo cnsul,
. _____ Jos SaporitiChanceller.
THEATKO
DE
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
Sabbado 3 de nbril de T69.
Ainda a pedido de muitos familias imprateri-
velmente pela ultima vez subir a acea o mag-
nifico, apparatwo e sempre applaudido drama
hjstorico de grande especto'uloem 6 actos
nvfo MM
00
A descoberta da America.
LEILOES.
LEILO
De Movis e okjeeto de enerio-
(orio.
COMO SEJAM :
Um cofre de ferro, l' carteira (aamlarfa), 1
prensa para copiar cartas, I marqueta, t mesa?,
cadeiras, 1 molxlia de amart-llo, I rama fraiirrza,
I coinmoda, I mesa de jantar, I retopio de rra
de mesa, 2 quadrus e 2 vasos.
Sexto-feiraSdeabril.
O agente Pinto far leilo as 10 b- ras do da
cima dito dos objetos supra-mimeioaado'* rii-
tentesno l-andar do sobrado da roa da CaJeia
n. 10.
LEILAO
De um guarda vestido, urna ernum->da, i mean
elsticas, 1 guarda roupade m>gno, I santuario
2 pares de cadi iras de bataneo. Z sofs de ama-
rujlo, 36 cadeiras cora p<>uco uso, 1 cama fraare-
za, 1 secretaria de iiiogno, 1 lavatorio com pedrx,
I armario, consolos, mesas redondas, ditas para
engomraado, ca eir- de palha para mimo, ditas
de bataneo, marquezao de amarello. marqiiezas e
um cabriole! com o competente c-ivallo.
Sexta-feira 2 de at-ril.
Pelo agente Martins no armazem da rua do
Imperador n. 16, as II horas era ponto, sem li-
mites.
Dar lim ao espectculo com
tissima
ama interessan-
(OlKDM.
Principiar as 8 horaj.
LEILAII
DE
Um sobrad., de um andar e sotan, rom i quartos
no sulao e 3 no primeiro andar e um oa esrada
para escravos, tem duas lojas, na rua VHba n. 99,
Mea o oitao para o pateo da Santa Cruz, com quia-
tol p cacimba.
Urna casa terrea na rua V-lha n. 90, eom docs
quarto< grandes.
Um terreno coberto com 5 portas de frente para
o palio da Santa Cruz n. I, lira aos fundos do so-
brado.
CornYiro Sinries
legalmento autori>ado (ara leilo dos predios an-
ua, os quaes podra ser examinados por quena
pretender, rujo leilo ter lugar no dia
Sexto-feira 9 de abril s II huras na porta *
iwedio que foi a Assoriacao, lariro do Corpo Saa*.
LEILAO
da taberna sita a rua imperial n. 75. c das dividas
porteneentes a mesma na importancia do rs
I:05#470.
O agente Pontual vender* em leilo a taberna
acuna (e as dividas pertcDcetMes mesma) a na


Diario dfe- Pernambuco Quinta feif I de ABri! de 185!fc
i
le 011 dlvenos, a foaiade dos licitantes, a re-'
Juerimento dos depositarios da massa (aluda do
oaquim Jos llamo .andado do Illm. Sr.
Pr. juiz do coiDnien
Sabbado '.) do corrcnte
U leilao ser elTectuadu ua mesilla taberna as
11 horas.
Os senhores pretcndentes, poderao examinar no
. --i-notorio do agento, ra da Gnu n. 5S, quaes
os dcvedores, bem como o mandado.
Engenho.
Arrnda-c oengenho Gongacary. na fivguczia,
de lgaarass, distante desta praca 5 logoas, cora
excelhmte sobrado do venda, bous sitiosde [a-
vnfcdores, eapclla,e ptimas trras d? plantaco,
pt-dreiras e foruos de queiinar -al : os prelendon-
tes dirijatn-se a ra da Iinpcratriz n. 8, primeiro
andar.
Aluga-se unj sitio na estrada do Rosarinho
com boa casa de vivenda, aceomuiodacoes para
escravos, cocheira, estribara, duas cacimbas, tan-
que, duas baixas para capim : quem pretender
alugar dirjase praca da Boa-vista, botica n. 6.
madapolo averiado
Sabbado, 3 de abril.
O agente Pinto far leilao a rcquerimcnto de
Linden Weydmann & C., por autorisaro e em
presenta do Sr. cnsul da Blgica, o por conta e
risco de quem pertenec- de urna caixa marca L.
W. & C. n. 25, com iO poras de madapolo fran-
cea avariado a bordo do patacho allemao A***,
na sua ultima viagem de Antuerpia para este por-
to ; o leilao ser effectuado s 11 horas do dia
cima indicado, na porta da alfandcga._____
" LEILAO ~
De t. tipas rom vinagre tinto.
Terea-leira (i de abril.
O agente lYshuia far leilao por'couta o risco
de quem perteneer do 25 pipas do sxooente vi-
nagre tinto desembarcado nltimamente c ser
vendido eni um ou mais lotes a volitado no dia
cima mencionado as II Moras da manha no tra-
piche do Sr. Dantas no Forte do Matos.
Aluga-se
Lina ama de meia idade para comprar e cozinhar
para urna casa de ponca familia, prefere*-so osera-
va, e paga-se bem : tratar na ra Direita n. 32
ou- annuncie-se para ser procurado.
GOMPAMA PEMAMBOGAM
AVISOS DIVERSOS.
1XSTITIT0 \Rt Ei)L0GlC0 E GEOGUVIHUCO
HUULHm
Priraeira sessao ordinaria do corrcnte
anno acadmico, quinta-feira, 1 de abril,
pelas 11 horas da manha.
OllHKM DO HA
Posse dos novos olliciaes da mesa e da>
diversas commissos eleitas;
Discussao do ore-amento para o anuo
ocial de 18691870.
Secretaria do Instituto, 29 de marro de
1869.
Jos Soares de zevedo,
Secret rio perpetuo.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife ao S. Francisco.
Pelo presente se faz publie que a companhia
nao responsavel nos seus transportes, pelo esgo-
to dos lquidos, e que poder recusar despacho
os que estiverem acondicionados em involucros
em mao estado. Em todo o caso o transporte de
semelhanles substancias s se far conforme os
artigos do rcgulamenlo, abaixo transcripto :
Art. 63. A administracao nao responde pelas
ararlas inherentes a natureza das mercaduras,
taes como a deterioraco de fructas, ele, diminu-
co ordinaria de pes, coinbusto espontanea, "et-
fervescencia, evaporacao ou c-goto do liquides,
etc. Nao responsavel igualmente por avarias
de outra natureza, desde (|ue nao forem authenti-
cadas pelo chefe da e ohjects, e nao honver nos involucros estrago co-
nhecido, procedente de negligencia de seus em-
p regados.
Art 78. Os objectos que nao se acharem suffl
cientemente acondicionados e que nao tivercm nm
endereco ou marca intelligivel, pndoni ser recusa-
dos ou transportados sem responsabilidade da
companhia, fazendo-se esta declaraco nos respec-
tivos conliecimentos.
Villa do Cabo, 31 de marco de 180.
G. O Mttnn, snperintendeno.
V
CO*SEIiHO INE DIREC^lO
Os Senhores.Saunders Brothers & C, Tasso
Irmos, Luiz Antonio de Siqueira.
EREXTG
0-SB.F. F. BOBGFS
Restando ainda enittir algumas acetes d'esta companhia, da quantia nominal de
2005000 cada urna, das quaes so se aceitam em virtude da le, 20 /, ou 40^000 por
cada acco; convida-se pelo presente ao publico em geral e especialmente aos Srs.
capitalistas e interessados no coramercio. que queiram dar wnprego seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de accoes que tbes approuver.
Algumas destas accoes j.1 tem sido tomadas por pessoas que conheci-m a vantagem.
de na presente occasiao (conhecidamente a melhor), empregarem o dinbeiro de que
poderem dispr em objectos de valor real, como vapores, predios etc., que Ibes garan-
tam seus capitaes. '
A companhia possue boje 10 vapores, 6 inteiramente novos, e destes o ultimo est
a ebegar de Inglaterra,"onde foi construido expressamente para ella.
Alm disso est edificando vastos armazens, no terreno que possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido de 10 V0 ao anno, nos ltimos 4 annos.
As aegoes que se emittirem gozara dos mesmos direitos, e perceberSo o beneficio
dos mesmos dividendos pieos antigos em proporcao da entrada.
Recebem-se asignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
Assembl n. 12

inmmnn
Precisa sa de u n menino dos ltimos che-
gados do Porto : no pateo da Ribeira n. 13, ta
berna._________________________________
Precisa-se alugar umaesoiava que saiba co
dnhar bem e fazer compras : no Corredor do His-
po n. 23. .____________________a_
Caixeiro
Os ab.iixo assignados, tendo ros.dvido mandar
celebrar una missa de Rquiem, com memento,
Sela alma do nunca asss chora o )Du. Antonio
icE.srK no N.vsr.i.Mi.NroFKirosA por occasiao do
primeiro anniversario do fallecimento de >sc Ilus-
tre Pernambucano, convidam a todos os amigos e
correligionarios do nabo para que se, digne de
com sua presenca concorrer para maior solem-
nidade de semelhantc acto, que lera lugar no con-
vento de N. S. do Carino, as 9 horas da manhaa
do dia C de abril prximo futuro.
Recife i\ de mareo de 18t>9.
Baro de Villa Bella.
Baro de Palmares.
Luiz Jos Pcreira Simoe?,
Joao Francisco Teixeira.
Antonio Jos da Costa Riheiro.
Dr. Caroliuo Francisco de L. Santos.
Fb'riano Correa de Brito.
Innocencio Serfico de A (l'inego Francisco B. P. de B. Medeiros.
Feliciano Joaquitn dos Santos.
_______Antonio los Silva do Brasil.
- Jos Soares de Azevedo, professorde
lingua e litteratura nacional no gymnasio
provincial do Recife, tem aberto em sua
casa, ra Bella n. 37, um
CURSO DEUNOOA FUANCEZ\
DE GEOGtlAPIll.V E HISTORIA
DE PIIILOSOPIIIA
DE nilETOniCA E POTICA.
Os estudantes qne pretenderem frequen-
tar qualquer destas discipliuas, podem diri-
gir-se indicada residencia, de manha al
as 10 horas, e de tarde a qualquer'hora.
Aluga-se um escravo bom cozinheiro e co-
peiro, um molequo de .2q annos para qualuei
servico de casa ou hotel 1 na ra do Imperado!
n. 50.
Precisa-se de um menino para caixeiro de ta-
berna, prefere-so do- ltimos chegados : na ra
Augusta n. 78.
D. Militana Corrcia da Silva, o tenenleFrancis-
co Antonio de S Barreto e o bacharel Jos Anto-
nio Corroa da Silva, agradecem de coraco a to-
das as pessoas que se dignar ni assistir os ltimos
suffragios feitos por alma do sua presada fllha,
cunhada e irma Simforoza Corrcia da Silva, e
acompanhar o seu cadver ao ceniilerio publico,
e de novo as convida assim como a todos os seus
prenles para ouvirem as mis3as que mandam
resar na igreja do convento do Carmo, amanha
2 de abril, as 6 horas da manha, por cujo com-
parecimenlo desde j so confessam clcinamente
reconhecidas. _____
Ipproia^J
mttem
PILIJLAB
bRINduBIIISSon
PtunaacculK*
lurno
k
O tratamento dasaffeccdcsehloroiica, lymphaticas on cscrophulosas sempre lentis-
simo. e minias vezca essas molestias resistem s preparares ferruginosas ordinarias. As
indaga(5es feitas pelea professores Hannon de BrnxeUaa, Gensoul e Petreqain de Lyo e
Berielius e Troftssean ae Paria, tem provado que a causa d'essa persisiencia era a completa
ausencia do Manganese. elemento qne sempre deve-se achar no angue junciainentc com
o ferro. Estas pillas snpprem, po, na llierapctica urna falla imporlante, e por este
motivo ellas tem merecido a approvacSo da Academia de Medecina e das priucipaes socie-
dades medicas. Deposito em Ptrwunbuco, em casa de Murer O'.
ESMERALDA
Moreira Duarte & C. tendo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cera) acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindo a esta
praca, e por pretjos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciossas.
N.5'nTiD(KABUGAft.5
UUIIIIITT
T~+~<<++<*+++^
ISTBI1
0PPBESO
r^^^^^^^'^^rT
AGARROS INDIANOS
DCAIVIM ABIS INDICA]
.GRIMAULTr.C' PKARMACtUTlCOS em.PA RIS/
stFfocigio
lOCQDIDll
Todos os meios al hoje preconisados contra a asthma nao tem sido mais do que palliativoa
de Jaixo de todas as formas, tendo por base a belladona, o estramonio oo opio. Recentes expe-
riencias feitaa em Allcmanha, repetidas em Franca e na Inglaterra, tem provado qne o cnamo
indio de Bengala possue as maia nolaveis propriedades para combater csaa temivel affeccio,
assim como a tosse nervosa, a insomnia. a tjsica laryngea, a roaqnidlo, extincelo da voi,
e as nevralgias faciaes. E' (*is com o apoio da ciencia que offareeemos eates cigarros, prepara-
dos com o extracto de cnamo das Indias, que nos importamos de Bombaim.
Deposito em Pernambuco, em casa de Himt O*.
JJ.U.XJ.XXXXXJ4.XX'
LlHlllllU.tltllXllU.3
Quem precisar de um bomeni sem familia
para ensinar primeiras letras em alffum engenho,
ou mesrno para caixeiro, annuncio.
Precisase de una ama de leite : a tratar na
ra da Imperalriz n. 53, loja de marcineiro.
Precisase fallar com o Sr. .Antonio Mendes
de Souza Machado, para negocio de seu interesso :
na ra do Trapiche n. 17, escriptorio de Joaquim
Jos Goncalves Bellro.
"TECF
Urna pessoa bastante habilitada, que tem de la-
zer urna viagem ao centro da provincia, offerecc-
se para promover algumacobrancas, amigavel ou
judicialmente : quem de seu presumo se quizer
utilisar, pode dirigir-se por carta fechada com as
iniciaes J. A., loja do Sr. Thom Lopes de Seu-
na, ra Nova n. 32.
. Elvira Po Autrau o Anna Peres Campello
Jacome da Gama, mulher e avo do fallecido ba-
charel Hi-.nrique de Alencastro Autran, convidam
aos seus prenles e amigos para assistircm una
das missas do stimo dia, na matriz da Boa-Vista,
sabbado 3 do corrente, pelas 7 -e meia horas da
manha, pelo que desde j lhes Ikam agradeci-
das.
Jos Cordeiro Reg Pontos tendo resolvido
fazer urna viagem a Lisboa a tratamento de sua
sade, e por cansa de sens afazeres nao pode
despedir-se de todos os seus amigos, e vem
por meio deste pedir disculpa desta involuntaria
Calta e ao mesmo lempo offereeendo sen illimitado
presumo na ridade de Lisboa ou aonde se achar.
Aluga-se um bom criado de boa conducta
copeiro c bolieiro : na ra Direita n. 29.
Antonio Francisco de Aqnino Fonscea e seus
manos convidam aos seus prenles o niigos pa-
ra asshtirem a missa fnebre do 7o dia que por
alma de sua nunca assas chorada mi Francisca
Maria da Conceic >, mandam no sabbado 3 de
abril prximo futuro a 6 1|2 horas da manha
na igreja matriz da Boa-Vista.
Manoel Joaquim do Ki-go fondo do mais pro-
fundo sentimento pelo passamento de sua presada
mi Feliciana de Barros Lins, convida aos seus
amigos e aos do seu pai Jos Joaquim do Beg.
para assistirem a urna mi sa qit" pelo eterno
descanco de sua alma manda celebrar na segn
da-feira S do corrente, as 7 horas da manha na
matriz da Boa-Vita.
Deposito em Pernambuco, em cata de
Sut> uma lnna i impida e agradavel, este medica-
mento rune a quina, qne o tnico por exeellencia,
, e o ferro, um dos pripcipaes elementes do sangue. E'
JCSHoplailo pelos mdicos mais disiinetos de Pars, para
, covar as cores paludas, facilitar o desenvolyimento
das meninas c restituir ao corpo os seus principies
alterados ou perdidos. Fas rpidamente desapparecer
as dOTCT d'o6tomgo intolcravei* useitadas pela ane-
mia ou pela leucorrhea, s quaes as seuhoras esli
tantas vezes snjeitas, regularisae facilitaa menstruaco,
c reccilado com successo s enancas paludas, lym-
phalicas on escrofulosas Emflm, excita o appetite,
favorece a digesto, e convem a todas as pessoas cojo
sangue est empobrecido pelo trabalho, pelas moles-
tias, as convalescencas longas ou dilliceis. Os bons
resultados nunca se fazem esperar.
C All UE !!
Distribue-se IjOOO a cada pobre que qneir;
recebe-los por alma do pae Joo ha |k>uco falle
cido de morte repentina : no armazem de cam
seca na ra da Praia n....
Cura radical das her-
nias. *
Garantida na maior parte dos casos po
meio de um tratamento simples, fcil a se
guir, tanto para as enancas como par
adultos e mulheres sem operaco, sem dii -
ta particular, podendo odoente continua
em seus trabalhos sem encommodo,
\o Rio de Janeiro
16IRAVESSA DB S. FnANCISCO DE PAULA16
Consultorio do Dr. Gassier.
Mais de 300 attestados dados por doen
ts curados e conhecidos, nao deixam duvi
da nenhuma sobre a efficacidade deste cura
tivo.
Para mais informaces, na ra do Impe
rador n. 32, das oito s nove boras d
manha._______________________________
Attenoilo
Precisa-se de um pequeo livre ou escravo par?
servico interno e externo de uma casa de pequen:
familia : a tratar na ra do Imperador n. 28, ta-
berna do Campos.
EFFICACIA
DO
XAROPE DE RBANO I0DAD0
0 Xarope de Rbano iodado de Grimatf.t e C*. pharmaeencos de S. A. I. o principe
Napeleo, em Pars, preparado com o sueco das plantas anii-escorbuticas coja emeacia
mni popular.
Encerra o iodo como combinacio orgnica, e considerado como o melhor snecedaneo
do oleo de figado de bacalho.
A rara perfeicSo d'este producto anima-nos a dar a eonhecer aqni a opinilo de alguna
d'entre os principaes mdicos de Pars, qne diariamente o prescrevem.
0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento d'um effeito suave e segare para a
a medicacao dos meninos, nSo sement snppre o oleo de figado de bacalho, mas ainda faa
< aa suas vezes com vantagem.
D' A. CAZENAVE, medico em chefe do hotpsl SaintrLou, em Parit.
c 0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento de prmeira ordem para o tratamento das
a affeccoes lymphaiicas e escrofulosas. Muilas vezes, empreguei-o com feliz xito, em certos
< casos de tsica ao sen principie, como snecedaneo do oleo de figado de bacalho.
IV A. CHARRIER, antigo chefe de clinica da Paculdade de Pars.
0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excellentes resultados como regenerador
do sangue, e snecedaneo do oleo de ligada de bacalho. a
IV A. FAVROT, autor do Traite des maladies des femmes.
* 0 Xarope de Rbano iodado nm dos mais poderosos modificadores das eonstituicSes
lymphaticas. Tenho visto ulceras escrofulosas qne nada poda curar, cicatrizarem-se,
c gratas a sua accSo, com promptidlo extraordinaria. Tambem, pelo sen oso desapparecem
* aa affeccoes tuberculosas aos ossos, nos meninos. >
D' GUESNARD, antigo externo dos hospitaes de Pars.
0 Xarope de Rbano iodado possue todas as vantgens do oleo de figado de bacalho,
t sem ter nenhum dos inconvenientes qne presenta este ultimo medicamento. >
Dr GUIBOUT, medico dos hospitaes. Presidente da Sociedade de medicina de Pars.
0 Xarope de Rbano iodado de Grimault e C* encerra 4rl por cento de iodo, aa su
< composicio orgnica anloga qne se acha no oleo de figado de bacalho. >
D' KLETZINSKI, professor de chymica, louvado dos tribunaes de Fiwwta.'
Deposito em Pernambuco, em casa de aTaw O*.
INJEGCAO VEGETAL
COM
MATICO
iB=Ens^
de GRIMAULT e C pharmaceuticos em PARS
O successo d'esuTinjeccto, preparada com as (binas do Matleo do Per, foi lio rpido, qne
ella se tem tomada popular em todos os paizes do mundo, para a cara da gonorrba <3 das purga-
Cdes de toda a natureza. E* o nico producto neste genero coja entrada aa Rasak lenha sido |
authorizada pelo conselho medico de Sio Petersbnrgo.
Deposito em Pernambuco, em casa de Mrae O1.

G
CABbGA
esquina
da ra larga do
Eosario. -
ANNEL
OURO
IRII1
EO
CABUG
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual, esquina
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender. L^ raa iarca 0
vista da qualidade e dp prepo das joias cada um pder-se-ha convencer daYfr Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por pretjos muito ele- Rosario. m
vados. n
A' loja est aberta at s 9 horas da noute. __
I


._
Diario de Pernambuco Quinta feira 1 de Abril de 1869.
--..
i-
Nutrimento
MEDICINA!
I.HK.PAHADO POR
Umma &Kemp
PARA
Tsica e toda a
qualidadede do-
encas quer seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Expresa-
mente escolhido
dos melhores li-
gados dos traacs
se extrahe o
Oleo, no banco
da Tena Nova
purilicado chi-
micalmente, e
suas valuaveis
proprie dadas
conservadas
com todo o can-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfittBMn-
tC l'UI'l).
Este oleo tem
sido submeltido
a unt exame
muito severo, pelo chimico de piis talejt
to, do govemo hespanhol en Culta, loi
por elle a contar,
M\IOR PORCAO DIOWNA
do que outro qualquer oleo, (fia elle tem
examinado'
IOOINO E' M PODER SAiAABQR
Em todo o oleo de ligado de bacalhao.
e naque I le no qual coaiui a maior porgio
d'esta invaluavel propriedade o muco
ineio para curar todas as dueneas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Tisica, bronctiites, asma, catarrho, tosse,
resfriamentosy etc.
ns poneos frascos' d carnes ao nimio
magro que seja, clarea a vista, e d vigor a
todo o corpo. Nenlium outro artigo co-
uhecido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encoiiimodaudo
quasi nada o estomago.
As pessoas cuja orgauisago tem sido
destruida pelas all'eccoes das
ESCRFULAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas CHJa digeslao se acha com-
pletamente desarrapada, devem tomar
O OLEO OE FIGADO DE liACALHAO
DE
B .anuan A Wcni|,
Se que desejam ver-se livres e iseutas
de enfermidades.
Acha-sc a venda nos eslabelecnnentos
de K. Cabra, J. da Conceicao Bravo & C.
M. A. Barbosa, P. Maurer & C. e Barlholo-
meu 6C .
E em todas as prncipacs lojas de perfu-
maras e boticas.
Joaquim Jos Gon-
palves Bettrao
RA DO TRAPICHE N. 17, i. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minho, em Braga, e sobre os segra-
les; logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalico.
Lamego. m
Lagos.
Covilha. l
Vassal (Valpassos).
Mirandel'.a.
Beja.
Barcellos.
BARTHOLOMEU t C.
J

UTIIilOADi:
Aos500 pares de brincos.
Cliegou e vende-se no Coraco
d'Ouro, ra do Cabng; brincos de
mbsmhas com urna-franja penden-
te a um rico desenho e ouro de
'; le, pelo pequeo proco de 15?00O |
-- cada par. baratissimo.
PARA USO INTERNO
PHEPAHADOS SIMPLES ^^
Xarope de jurubeba garrafa. IflOOO
Vinlio de jurubeba garrafa. 4 I#600
Pilulas de jurubeba vidro. 10600'
Tintura de jurubeba vidro. 6i0
Extracto hydracoolico de jurubeba. 120500
PREPARADOS C0MPOST0S. OBAAA
Vinho de jurubeba ferruginoso gawafa. ZtJOOO
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 10600
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2#O00
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurubeba pote 640]
Emplastro de jurubeba libra. 2(5500 *
PARA USO EXTERNO
a jntriiEB.t*
Esta planta boje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excei-
lento desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do ligado e baco, as
hepatites propiamente ditas, ou anda complicadas com anazarchas, as inflammacoes
subsequentcs as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
as pecialmente do ulero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, tas hodrope-
1 zias.ervsipellas ; eassociada as preparaces ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, chloroses, faltas de menstruacao, leucorrhejas, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos affirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illras. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira do Carato Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecema cxcellencia d este
poderoso medicamento sobre osdemais at hoje conhecidos para todos'os casos citados,
lantojque todos os diasfazerad'elie applicaco.
Do xarope Vegetal Americano, especialidade de Bartholomeu A C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
Nao costumamos procurar attestados para.- acreditar- nossos preparados, e dei-
xamos que sua applicaco e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceita-
los, Ibes deem crdito e voga; porque sao sempre os attestados considerados gratuitos,
e delles que langa mab o charlatanismo; mas, nao querendo offender as pessoas qua
espontneamente nos otfcreceram os que abaixo vo transcriptos, os faztmos publicar,
manifestando-lhesnossa gratidaopela attenco, esperando que venham elles corroborar
o conceda, c acceitaco que tem merecido nosso xarope.
Bartholomeu & C.
wmmwmmmmim
A pessa que. arinunciou ler iralica de soc-
eos e molliados deixe caria nesta typograpliia com
s< iniciaos P P, indicando quaes as pesadas que
podem informar a sen respailo._______
~ITj>rucisa-se de quatro ou seis esrravos bons
[ara trabalhar cm omsitiopeito da cidade: quena
, s qui/cr alugar pode dAjjjviso* na botica d br.
liaibosa, ra da Cadeia WReeife n. 6t. junio ao
; reo d.i Conceicao. ^^____
1 mmk
Palact-te do eaes do llamos
' ADMINISTRADO
i-on
Sthttnto Cameiro
Acaba de abrir-se este importante estabe-
lecimento, olierecendo ao respeitavel publi-
co muito fresca hospeda^, e boas come-
doiias ; tambem se toniam assignaturas,
mandandd-se levar an casa los assiguantes,
sendo isto por preco mais commodo
que etn otra ftialquer parte; tambem ha
banhos momos e fros a qualquer hora, e
mu linas bebidas.
No estabeleclmento ha dnis terracos que
offerecem duas lindas vists, sendo urna
para o mar e outia para o centro da cidade.
O proprietario espera merecer do respeita-
vel publico, a devida concorrencia, visto
que se esforca para bem servir a todos.
O eslabele'ciiitento abre-se s horas da
manha e fecha-se mcia noute.
DESAPPARECEU
Tendo-se mandado da rua estrella do Rosario
para o ingar Peres da (regnsiia de Afogados, no
fin de levereiro do crranle anuo, algomas pecas
iM mobilia, e juntamente alguns jornaes e livros,
|ior urna crnica que conduz assucar dos enge-
iSos, acontece que desappareccn ou roubaramda
ine na canuca, tuna coli.'.ecfio do Diario de I'er-
nanibiico e do Jornal do Recie, completa, do
auno de 1868, e diversas collcccoes dos magnos
jornaes nao completas do anno de 1860 e 67 ; as-
=im como una grande porcao do jornal -Oriento
i: c a quem comprou, provavelmente para cmbrulho,
;|ii" >e digne entregar na rua de Sania Tliercza n.
14, ou aniiunciar por este jornal, pois que alein
de licar se agradecido, se pagar todas as despe-
gas, ou mesnio algoina noticia .1 tal respoito.
m Alvaro l'eha Cavalcanti tem ocripto
S rio de advocada rua da camboa do
|gS Gaiuio n. 8 1" andar, onde pode ser pro*
gj curado para os misleres de ?ua piolissao
epugnaucia que ate hoje------------------------------
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que nliam anda a dasvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vzes improficuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados so foram apresentados depis de havrmos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer aspro-
priedades medicamentosas d'esta planta em suas ratees, folhas, fructas ou bagas, e- a
dose conveniente a applicagao, lando alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeieo possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignaran recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, deque se 4>ode encontrar, a prompta c nfalii-
velcura de qualquer dos solTrimentos, que deixamos innnmerados, se forera cm tempo
applicados, leudo alm d'sso, medico eu docnte a vantagem deescolher nasnossas va-
riadas preparaces, aquella que melhor rhe jiode conTir, ja pela fcil applicaco, e ja pela
complicaran das molestias, idade, sexo, ou aindo nalnreza de cad? individuo.
As nossas preparaces ferrugiuosas sao feitas de forma que se tornam comple-
tamente sohivcis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompostos de ferro que
como taes esto hoje reconhecidos. .
Para aquellos que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedaries da
jurabeba, e saberem a npplicaco de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
cm nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito gen! de todos os preparados
Rol lea e drogara
34^Rua brea do Rosario34.
DOENGAS DO PEITO
XAROPE p'HYPQPHOSPHlTO OE CAL
ATTBSTAOS
Illms. Sis. Bartholomeu & C com a mais subida satisfago que declaro
ser o xarope Americano de urna eflicacia extraordinaria, pois que soflrendo lia das da
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamento!
que tomava, a elle recorr e na terceira colher fui alliviado, e de todo me acha hoje rea-
tabelecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois/ esse resultado marn-
festo a Vv. Ss. meu reconhecimento.De Yv. Ss. amigo, venerador e obrigado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1808.
Illms. Srs. Bartholomeu & CPenhoradissimo cem o favor que me zera
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, quaudo me aclva-
va bastante doente de urna constipacao, que me tornou completamente rouco e que
trouxe urna forte tosse, e me impossibililou de cumprir os meus deveres de cantor di
empreza lyrica, vou agradecer-lhes meu completo resUibelecimento, que obtive com um
so vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tratamentos. Desejare
J que outros como u recorram ao seu xarope para se verem aliiviados de tao t^mvei
incommodo, to fatal neste paiz. Com maior considcraeo contino a ser do \v. Ss.
atiento, venerador e obrigado.Luiz Cremona.
Reeife, 25 de setembro de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu d- CO xarope Vegetal Americano que\v. Ss. teem
exposto venda de toda efficacia para o curativo d'asthma, conforme OD& rvei apph-
cando-o a meu fliho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'esse flagello, que at
ent5o por espado excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de granda
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. aeccitar a exprcsso altamente sincera de meu reco-
nhecimento ao meritorio servio que llie prestaran com o indicado xarope. acreditn-
dome para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obrigado.Americo Netto de Mendoza.
Becife, 2 de otitubro de 1808. .
DE
M


DE
.1. VIGNES
.
.

PRIMEIRO LIVEO
liBITIJBA
Dr. Atlio 0. Borges.
2* V.mr.xO MELHORADA E AUGMENTADA
A' venca aa lvrarla Fraaceira
Esta obrinha, primen a que com tal titulo
apareceu no paiz, composta segundo um
systema especial, abreviado, pllosophicoe
ameno, e muito di itrente das cartas co-
nhecidas com o nome de ABC.
Reconienda-a o facto de haver sido adop-
tada para as escolas publicas de quasi to-
das as provincias do imperio, sendo por
toda a parte to vantajosaiuente aceita, que
em menos de 18 mezes achou-se esgotjpa
a primeira edicao de dezmil cxemplares._^
O aboao aiwtenado professnr jubilado da ca-
deira de gengraphia e historia do ex-lyeeu desta
di. Ferreira villela.
Photograplto la casa imperial
premiado em diversas exposi-
Qes.
Na sua photographia rua do Cabug n.
8, entrada pelo pateo da matriz tira retra- i
os por lodos os systemas photographicos.
Em porcelana Em vidro
Em talco Em papel
CART ES DE VISITA A 00 A Dl'ZIA.
Os retratos carte-de-visile sao collados
.ra cartao de luxo bristal> ou porcelana,
lourados ou lithographados, quadrilongos
iu vinhetas para o que existe urna varieda-
le de 12 modelos a escolha de quem se rc-
ratar. Para as outras especies de retratos
emos caixinhas, passe-par-touts, quadros
) molduras douradas e pretas cassoltas de
uro e alfinetes simples e com pedras pre-
losas, havendo nos alQnetes urna mimosa
ariedade de feitios.
0 nosso estabelecimcnto photograpbico
jst sempre em (lia com os melhormentos
A efficacia d'esta preparacSo estestabelecida desde 4887, pelos mais celebres mdicos. Desde
imitaces tem sido feilas, mas nenhon poude 1
sustentar a cumuaraco com o
producto apresenudo pela nossa caza. Por ss* w^itamos o publico para que exiga sempre
enio muitas
producto aprcbcuuiuu pcw uus v.u< vi io w-.^.,..^, w r.. ,-#- -,-------0j""'j~
esie xarope com urna belJa cor de rosa, nunca tepnfta. e com a nossa assignatura roda do
frasco. j
Sob a sua influencia, a tosse acalma-se.ossuores nocturnos cesslo e o doente volve rpida-
mente sade. 0 seu empreo d tamben <* mais brillantes resultados nos defluxo, catar-
rbos, bronchitcs, irritacoes do peito. etc.
Deposito em Pernambuco. em casa de uer e O.
N. o5RUA DO IMPERADORN. 5.
Os pianos dista antiga fabrica sao hoje assz conhecidos para seja neeessam
insistir sobre sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores.,
qualidades estas incontestaveis, que elles tem definitivamente conquistado sobre todo
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um teclado e macJiinismo qne obedecfB
todas as vontades. e caprichos das pianistas, sem nunca faltar, por seren fahricadoi
de proposito e ter-se feito ltimamente melhormentos iraportantissimos para o climi
deste paiz: quanto s vozes sao melodiosas e flautadas e por isso muito agiadaveis aof
ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as cncommendas, tanto nesta fabrica como na do br. uion-
dcl, de Pars, socio correspondente de J. Vienes, emcuja capital foram sempre premia-
dos cm todas as exposicoes. -, ,., ,
No mesmo estabelecimento se achara sempre um cxplendido e vanado sorti-
mento de msicas dos melhores autores da Europa, -assim como harmonios e piano*
harmnicos, sendo tudo vendido por procos commodos e razoaveis.
Frederico Maia
Cirurgfo deutiata pela escola
de medie ca
doltio derfaneiro.
Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem aborto o
rua Direita n. 12, primeiM andar, otide pode ser
procurado todos os dias das 8 hrasda mar.t .a as
5 da tarde. Elle aClia-sc competentemente uabili-
lado para com perfeicaocollocar denlesartilieiaes
por qualquer dos systemas, e bem assim desenipe-
nhar ([ualquer outro trabalho concernente sua
prolisso. O mesnio, rocoulieccndo (|ue iieni sem-
pre n.wsivei s senhoras ou criancas sahirem a
procer ar o remedio, olTereee-sc a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
, tara a qualquer chamado sem que isso inflaa cousa
' alguma na conniodidade dos prcros de seus traba-
jprogressos que na America do Norte, na j |h- d fra dclla assim mesnioser
Suropa ou no Rio de Janeiro seconsegue pm.edido de um ajuste rasoave!, garantindo elle a
ta arte photographica, e para alcancarmos
al fim nunca poupamosdespezas nem sa-
:rificios, de sorteque os nossos numerosos
'regaozes podem ter a certeza de que sem-
jre encontraro era nosso estabelecimento
udo quanto a arte e a moda' offerecer de
iom no novo e vellto mundo ao amantes
la photographia.
, polica.
Tendo havidn no dia 24 um {rr.nde enterro,
jimtou-se um grande numero de carros no cemi-
lerio, houve grande deleixo da p irte dos boleei-
ros, a pilfcto de um delle< dirigir varias indirectas
a um dos convidados, dizendo at (jtae tomas-e as
redros e vottasse p:ira o Reeife, se qiiize-so, que
>Ue licava deitadn na re va ; muito I I neste
lia o jiortao do cemilerio pareca a Cabanga, pela
Gaita de respeiio que alli houve : pede-se; portaa-
cidade. .-uiori^adopela directora geral da nstruc- u,, encarecidamente ao Sr. Dr. chefe de polica as
cao publica, continua a ensinar primeiras Wtras. providencias que o caso exigir,
latim, francez, rhetorica e geographia. Recebe
jkiiiinos inierno, externos e meio-jten-iimistas
liara u que tem as accmiuioja^oe- precisas os tres
amitie* do predio n. sito rua Nova, para
OMle >e muuou.
A/fonso Jos Je Olueira.
Comida para fra
Na rua e dar n. 35. cmtiinia-se a preparar almoro e jan-
tar em una caa do familia, e manda-se levar,
judo com promptidao o asseio.
Na secretaria da anta casa de misericordia
do Recite precisa-so fallar ao Sr. Jes de Calasans
BaioDuarte.______,______________________
Joaquim Pereira de CaTvalho Umdo de se reti-
rar para Europa deixa como seu* bastantes pro-
curadores, em primeiro lagar o Sr. Antonio Mar-
tira de Carvalbo Aievedo, e em segundo o Sr. An-
tonio Feruande* dos Santos. Reeife, 29 de marco
d<: 1809.
"Brece^epara caixaro um
mcopratica de taberna, d fiador
jaz de l-" annos
e sua conducta:
t tratar na rua da Senzala Vi'lha n. *36.
Pre-i*a-se de urna ama para comprar e "-
nhar para mna pesos : na rua estreita do ota-
rio O. 2, i' andar.
Cosinheiro
Preeisa-se de um cozioh.-iro
Iraaos, rua lo Amorim n. 57.
em cawi de Tasso
Precua-M de una criada.forra que compre
paraoservico de-ptquena familia : na iuaDrei-
un 70 2 andafr-
Precisa-se de urna ama para casa de urna s
penoa sem fllb comprar e cozinhar, e mais servidos internos: oc
neceo do \. b.ito n 3.
Preeiea-ee de um* ama portuguesa pan
casa de bomem solteiro, na rua da Boa-flora, de-
finte da igreja, na cidade deOlinda, taberna: ;
tratar aa mesma ou na rna do Imperador 0.28.
i(a>im:\i %
O Dr. (".osmio de Sa. Vreirar mudou sua residen-
cia para a rua di Imperador n. 22, Io e 2" anda-
res, onde contina no exerricio de sua profissao
medica, para o que pode ser procurado a qual-
quer hora da dia ou da noite, noa, ca Todo* os dias das Gas 9 hora- da manhiia, .menos
aos domingos, dar constiltas indestintamente a
(pialquer pc-soa, sobre quaiquer (Mintode sua pro-
lisso, c com especial cuidado sobre molestias de
olhos, do peito, e dos orgos genito urinarios ; e
quaado o caso for ikfurgiro. [iratiear asopera-
coe* que julgar conveneate para o restabeleci-
ineabidu seu cliente.
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E D1ASTAFA.
Remedriy por exeellencia para cura eerta
las digestSes dilnYeis e completas, a calmat
ts dores gastralgicas, e reparar as torcas
^oduaindo urna assimalacao completa do
ilimentos#eendo mais nm excelrente tnico.
% K % I) -SE
PH.VttMACIA E DROGARA
DE
Bartholomea A C.
34RUA LARGA DO ROSARIO3$_ [
Preci- de Dma ama par* casa da borne
solteiro ; na rua do Crespn. 80.
pri1
gurangae perfeieo de seus ditos trabalhos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente excel-
leotcps dentifricio, elixir e outros medicamen-
tos odontalgieos : rua Direit n. 12. primeiro
indar.
CUBA DOS CALLOS.
PKLA
Puniwla gatonpean.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholonieo & C.
34-------Rua larga do Rosario-------34.
Attenco
Manoel Augusto de Menezes Costa, pro-
fessor de iusica, contina a dar ligSes de
sua arte, tairto- vocal como instrumenta*,
em casa particular oa etn algor collegio:
assim como tefm aberto una aula na asa
de sua" residencia na rua da Palma n. 53.
Para Mamanguape esta carga na escadnlia
para o porto cima a baTcaca Anglica e Lima,
de lotaco de 4:000 arrobas, a qual seguir via-
geui ate o fim da semana; os sensores earrea-
dores podem dirigir-se aomestre da mesma, Ctett-
imo Luiz dos Pas-09, no mesmo lugar.
ANTONIO EPAMINONDAS DE
MELLO tem o seu escriptorio de
advogado rua do Queimado n. 8,
i. andar.
GRANDE HOTEL
BE ORIITE.
IiiaHgurou-se este commudo e elegante
estalielecintento d'onde os seus frequenta-
dores -poder*) apreciar a especialidade na
confeceo dos gneros alimenticios.
As bebidas sao as mais primorosas c re-
commeiicladas.
A decencia e bom servico priman n'esta
casa no beffo- gostff oriental.
Mandam-se domicilio comedorias, tanto
avulso, como por assignatura meiisal. Os
precos sao mdicos couveiicionaes.
Ha urna espacosa c bonita sala para o
elegante- jogo de nilhar.
lia tambem aposentos commmodos e bem
mobilhados para tfbspedagem.
Ruaiarga doEosario
n. 44.
RUA LAR(:1 DO ROSARIO 1,37
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia em dia quanto possivel para che-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de bospedagem, tanto para urna
possoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
re: i* tito
Pede-se ao Si* Manuel da Costa Pereira, prati-
cante da reparti'cio das obras publicas ora em
Jaboafao, que eoniparc^a fu Angostar sbbrtdo
n. 162, alim de saldar o seu debito ou pagar
que poder"e isto com brP\idi
Fundipo da Aurora.
Neste vasto estabelcclmente sempre se eneontra
um compipo sortimentoe taixas de ferm bando
e fundido, fabricadas recentemeote, c se fabricatn
de qualquer molde a vontade dos dbmpradoresi e
retos razpoaveis._________________________
Se for bom.
Pagar-se-ha bem um moleque- que se pretende
alujrar : na rua larga do Rosario n. 44, t" andar.
CHARLTERIA E TETIT RESTALRAST
Annexos ao Hoil Central, rua estreita do
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para ,dar a conhecer a variedade infinita
de charutos de Havana, Babia. Rio, etc. q
existem neste novo estabelecimento pres-
cindimos dos annuncios pomposos que ge-
ramente se fazem, reduzindo-nos apenas i
tres letras que sao tres bbb bom, bonito e
vida e~hygiene, 'temo-la sempre em abun-! barato. A' vista do genero annuneiado po
dancia para facilitar cxcellentes banhos. | de-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
Ha tambera urna boa hibliotheca e perio-'gosa tambem das condices de um elegante
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para c petit restawrant onde se pode ver a es-
recreio, bilharcs^etc. etc. peciadade dos liainbres e salames de Lioa
Sendo ociosa qualquer recommendacao para lanches e at fazer urna boa colaco,
para t5o acreditado estabelceimento, omit- juntamente com os principaes vnoos do
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bom a pura
fim, que o bom servico, ordena e moralida- e fervente champagne, o mu saboroso Rbe-
do imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa ceneja, o licor espirituoso,
o quanto pede urna mesa. Faz-se a noo
sorvete e variedade de refrescos.
imperam
fiel do regu I amento que possue
Comedorias a la carte.
Tend montado urna completa oflicina par \ concert e afinaco i.k^pwnos e
tendo contratado para o mesmo fim o experimentado contra-mestre Sr. A'. Rastom.
chegado da Europa pelo ultimo paquete.tem a honra de reeommendar este seu estaMie-
cimento s Exmas. fimilias pentambucanas, promettendo promptidao, e pereicao i.
trabalho.
Riialormosan. 14

SEGUROS
MARTIMOS
(COMTRA FOCO.
A Companhia Udemnisadora, estabelecind
testa pra?a. toma seguros raaritimos -sobre
\avios e seus carregamentos e contra fogo
im edificios, mercadorias e mobilias: aa
ua do Vigario n. 4. pavimento terreo.
11,
Hoje acba-se a exposi^o do publico na Capun-
ga, ma das Pernambucaqas n..... dous orangotan-
gos de nova e9pwe (pai e fiteo) com habilidades
admirareis assim como vendem-se dos casa-
res do raposas philosophieas muito novinhas, apa-
abadas este anuo no quintal da academia.
Na nadara da rua do ilaagei 9 precisa-se
de \m trabaloadores.
-r-Emca$a de TUKOOItO CHRIST1-
\NSEN, rua da Cruz ti. t8, encontram-se
elecvamente todas as qualidades de vinho
Kordeanx, Bonrgogne e do Rheno.
P^a-se bem.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva, de
meia idade, que cozinhe bem, para casa de pouca
familia : trata-se na rua da Cadeia do Reeife n.
60, 2" andar.
Professor.
Precisa-se de um homem solteiro ou tuvo sem
tuguez para ensinar em
a tratar no largo do
tiltil^, que saiba bom o portuguez para ensinar em
uiiiVmgenh na Escada
Carmo n. 1.
Criad*.
No eollegiodaConeeiQoprecisase de um cria-
do copeir.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n 10
da rua do Arajfao, prefere-se familia; a tratar na
rna da Estancia, casa n. 4.
GoiMtPrnM Angosto- Rodrifnes Setto >ix de
ser procurador bastante de Jordo Jos Fragoso,
residente em Lisboa, sendo substituido durante
sua ausencia pelo Sr. Joaquim Antonio Pereira,
com quem se deverao entender os senliores inqui-
li*os. ,________
-------------- ------1------------- *------r;
A pes assignado, queira dirigir-se a rua do Pillar n. 139
tereeiiandar, que atii o acharii, ou com quem
aossa eofcnder-se,
Maitocl ia Silva IfcfMOBfa Vianna.
DO
PORTUGAL
is centraes de Pars, sendo as hmnedjl
"vertime
i, acal
tendo'lip'tdooseu'nowproprifta'-io a **&
IOS Oain uno? W5"'^ -' -----,' -_r
principe tbeatros e outros muitos livertimentos, e ass.m das estacoes ^nnM
K^^^*^l'e^*"* Jiramente renovado, ntojj
do p upado o seu novo propriata. io a despezas para seu completo embeU-.same.lM
aceio torna-se portanto vantajOsamente recommendavel aos senliores braseros ep
Szes a oule encontraro sempre aquella convivencia desejada em ,f a.z estrtA^
rTr ser"conatantemente frequentado por seus compatriotas, 0 tratatth*ti> superior
todo o elogio, mesa redonda, ou a carta, ou servida nos apzentos; hsbifairoes come-
[ientemente despostas para familias, e quartos para urna s pessoa, o iervico fM
com a precisa regularidade" os pres mmto rasoaveis e ao alcance tambem d'aqueia
pessoas que eqaeiram limiUir. ^^
Gabinete de leitura com os pi'meipaes jornaas dos dous paizes, sal5o de recepfl
de msica, ele. eto* Todas- estas -vaittoflwis' podem aer applicadas guataue-ite ao
res passageitos das repblicas do Prata, porque alVn da somelhanc* 4a Unga, aBm
contrario muitos senhorts bespanlioes, por quem tambem esta casa bastanttriiPi
queotada. ,
INJECTIONBRO

d*kHMBt.
m.

t

V



,
Diario de Pernambuco Quinta feira 1 de Abiil de 1869.
.it B^enu **,.
h
Agua
A 60 (^ttMA*6
NOVO EXPLENDIDO SOUTIMENT
florida de Guis
lain
Tintura indelevel para Ungir os cabellos,
s*w manchar a pelle.
A bem conceiluada agua-lloi da de Guis-
lain que entilo era dcswnhecda em Per-
nambuco, .i hoje estimada c procurada
por seu elieaz resultado, e anda mais se-
r, piando a noticia de sou bom effeito e a
experiencia tornar de todos cqpliecida.
A agua-florida de tuistain cofiposta ni-
camente de vegetaes inolTensivos, tem a
proprioda le extraordinaria de dar a cor pri-
mitiva aos cabellos, quando estivereni bran-
cos, e Ibes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranquccer, son
ser prejudicial de modo atad)
E' porm necessario fa/.ei conhecer, que
*ona resultado producido pela agua-flori-
da, nao instantneo, como muilas pes-
soas talvez supponham, miis sim ser pre-
isofazer uso d'ella, trez ou quatro vezes,
c logo se obter o fim desejado, como b-m
provam testemunhos de pessoas insuspei-
tas, e d'ento por diante, basta usa-la duas
vezes por mez, contando semprc com o bom
xito, podendo a experiencia ser feita em
outra qualquer cousa.
Assim pois esta agua-florida acba-se a ven-
. da na bem conbecida loja d'Aguia Branca
ra do Queimado n. 8, ,
A Aguia Branca, conlando.com a protec-
c2o de sua boa frcguezia, lambem eapricha
em nao Ib'a desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel rom que
a honram, e em prova ao que tica dito, di'
como exemplo o explonriido sortimenti
que acaba de receber, anda mesmo acban-
do-sc bellamente provida do que de bom
e melbor se pode desojar nos gneros que
s3o de sua competencia.
Haja vista aos necessarios livros de misss
e orarlo, obras de apurado gosto e perfei
cSo, sendo:' com capas de madreperola c
tocantes quadros em alto relevo.
Ditos cora ditas do velltfdo, outros imi-
tando cliarao macbetado.
Ditos com ditas de marroquim com cruz
e guarnieao, ddurada ou plateada.
Coras e tercos de cornalina.
Vssii como.
Grande e bello sortimento de lcqaes
todos de madreperola, madreperola e seda,
sndalo, sndalo e seda, osso. osso e seda,
e faia etc. etc. tendo nos de sndalo alguns
com 4 vistas, e outros pponezes enfeitados
de flores.
Bonitas voltas grandes de aljofares azues.
. Voltas de cerrente de borracha.
Meias de seda para meninas e senhoras.
Ditas de lio de Escocia abertas, tambem
para meninas e senhoras.
Ditas muito linas d'algodo, alvas, e
cruas para meninas e senhoras.
Linas de fio d'Escocia, torcal, e seda
para meninas c senhoras.
Meias de 13a para bomens, mulheres e
meninos.
Gollinhas e punho* bordados obra de
muito gosto.
Entre-meios finos tapados e transparen-
tes com delicados bordados e propries
para enliar lita.
E OS PRODIGIOSOS
Anneis e collares Royer para creancas.
Bonitos cabases ou bolsinhas de pelica
e setim para meninas ou senhoras.
Lindas ceslinhas bordadas a froco, e lisas.
Delicadas caixiuhas de vidro enfeitadas
com pedras, aljofares, etc.
Ditas de tartaruga para joias.
Bonitos albuns com msica.
Pinseis ou bunecas para poz de arroz.
Novos e delicados ramos de flores com
raarrafes para enfeitar coques.
Bello sortimento de tranca^ de palha.
Fitas largas para cintos.
Cintos de litas largas com bonitas rama-
1 ATTENO 1
Jos-Vilalde Negreiros, com loja
e offieina de ourives, ra o Im-
perador n. 30, vende, troca c con-
i ce'ta toda e qualquer obradeouro
ou prata, por preco muito mais
barato do que em outra parte, pa-
Ira o que tem sempre completo
i sortimento de joisde esmerado
f gosto e feitios, assim como, tem
bons artistas para desempear
todo e qualquer concert ou encom-
J menda, no prazo o menor possivel
e a contento, como do seu cos-
tume, o que tudo faz"por precos
muito commodos.
Deseja-se fallar com o Sr. .Manoel de
Moura Pacheco, a negocio de seu interesse
na ra da Cadeia n. 5L loja_.j__________
Precisa-se de urna ama para o servido de
urna casa de pequea familia : na Sulcdade, ra
de Joan Fernandos Jjficira n. 2:
Aluga-se 2* andar
Madre de Dos n. 36, com
para familia e bastante Jimpo ; quem quizer
polo pedir a chave na loja do mesmo, (armazeur
de gneros) e,ahi dir com quem trata-se.
CASA DA FORTUNA
Aos 4:000H
Bilhetes garantidos,
ra do Crespo n. 23 e casas to costume
Acham-se a vendaos feliz.es billfttes garanti-
do* da 2- parte da lotera a bonelicio da groja
de JSossa Senhora do Monte de alinda (100) que
se extrahira sabnado 3 do mez vindouro.
Precos.
Bilhete.....*|000
Me.....2OOO
Quarto.....1>000
Em peivae de 100 para cima
Uilhetc. .". 3i506
Meio......1J7S0
Quarto. .... 875
Manoo I Marlins Finza,
AVISO
% Cuilhcrme Augusto Rodrigues Sette, re-
tnando-se para Lisboa depede-se por este
meio de jodos os seus amigos e conhecidas
di-sta provincia. Offerecendo a todos sem
excepeo alguma, os seus serviros naquella
cidade, pede-lhes o annunciante, que o oc-
cupem com franqueza sempre qued'elle
precisem. Recife, 30 de marco de 1*6.
COMPRAS.
MOFINA

Sr. Antonio Francisco Duarte e seu mano Dr.
MSimiann Frnneiseo Duarte, veubam roa Di-
reita n. S3. luja do Braga & C._______________
Aluga-se urna esi-rara para todo c qualquer
servifo : i Ir.trnr na ra do Queimado n. .
Precisa-se
Na fabrica do sabio, noA(bgado, de trahalhado-
do sobrado da ra da res livres ou escravos, paga-sq boin : a tratar na
excellontes commodos: mesma ou na ra do Amorim n. l, armazem.
ver i ~ ----
Ama
Prec>a-se de urna ama para comprar e coii-
nhar para casa de homem soltcin : na ra da
Cadeia do Reetfe n. :i3, annarem
de molhadi'.
Ama
Preeka-se de um ama : na ra da Cadeia,
loja n. i.
\
Attencao.
Na cidade de Santareni, provincia do-
Pari. desease saber onde reside Francisco
Jos de Anenla, subdito portuguez, que, g
negociou por mudos annos na_cidade do; gg nnpi..n,nA(l
ItedfB, para negocios de interesse do mes- g Ky\K\|I \
mo annunciado, devendo este ser logo que ^
este cheguc ao &cu conhccinionlo, ou da i
pessoa que o representar, estando ausente,!
dirigir-se para esta cidade a Guilberme An-1
ionio Hall e Jo3o Vctor Gpnralves Campos.;
Cidade de Santarem,**' de marco de
1869.
Vende-se una carava de muilo boa' conducta,
com todas as htfbtlidtides, pois cozinba, lava, en-
gomma, faz labyretho, coso, borda, etc., de 15
anuos, pcd innis on menos, scni vicios m-in
achaques de molestia, por 1:3003 : a tratar em
Santo Antonio, ra dos ExposU n. 20.
-S- Precisa-se de um criado para o ser-
vido interno e externo da casa de um ho-l |
mem solteiro: a tractar na tua Direita n.
8 ou do Queimado n. H.
1
Ditos com
bonitos.
.ditas de 'marlim
igualmente
gens
Brinwis e alfinetes de madreperola.
Ditos esmaltados, obras novas e bonitas.
Fugio do engenho Acaht oco, i ommva
de Goyanna, de propriedade fto major Sim-
plicio Tarares de Mello, no da 22 do cor-
rente, o escravoFeliciciano.crioulo, estatura
regular, bem feito de corpo, cabellos ca-
rapiuhos, olhos esgazeados, rosto redondo,
queixo fino, pannos no rosto e no pescoco,
pernas linas, ps compridos. Foi montado
n'um cavallo ruco, pequeo, cun cangalha,
levando vestidn jaquetSo,,calca parda, ca-
misas aaal e branca, daas ceeonlas, na
a beca ura cliap de palha, de abas huga.
Quem-o pegar, leveo i
, N. 3 RA DIREITA N. 3
As pilulas. o xaropo^alcobolico e
o ethereo de veame, conlorine a
formula do (nado pharmaceunco Pa-
uanhos, assim como a pomada con-
tra as inebefoefl erysiplosas. aclio-
se venda, na botica de Francisco
Antonio das Chagas ra Direita n.
3, defronte do armazem de molha-
j dos denominado viado branco. Es-
.^ tea medicamentos teem sido e sao
M dos mais enrgicos agentes auxilia-
dores.danaturezana debellaro das
| doenras, servfeido de glande alivio
H{ a hiiinaidade solTredra, principal-
rigt mente aquelles, que dispondo de
s poneos rermsos e nao podendo por
!g mnito tempo permanecerem em um
91 tratamento talvez intil, pela inefll-
S acia de cortos remedios, recorrem
JH eiles; e por islo asss recom
fia mendados se torno, para aspessas
i que sbftVem de rbcumatismo. escro-
s| fulas, ulceras, mpigens, erysipla,
ttitumdi'tft nos ossos, tosse, asthma,
jamenrjrrh! ou^upfjressojle jqens
3 truo-c meastruagn diKcH, sendo
Com muito maior vantagem
Compra o Coracao de Ouro, n. 2 D, r^ua do Cabu-
\ moedas de ouro e prata e pedras preciosas.
Ouro e prata
em moeda e em obras inutilisadas, compra-so por
bom preco : na (iraca da Independencia n. 22.
Na praca da Independencia n. 33, tuja de ou-
rives, compr-scouro,prata, c pedias preciosas,e
Uunbenise/az qualquer obra de encommenda, e
tofo e qalquer concerto#
0 muzeo de joias
Na ra do Caliug n. 4 compra-se ouro, prata
a pedras preciosas per precos mais vantajosos do
qao em outra qualquer parte.
Compa-se
hoje libras esterlinas, ouro e prata de todas as
nacoes e por maiorfiivco do que em outra parte :
n ra da Cadeia do Heeife n. S8, loja de azulejo.
Compra-se moedas de ouro e
bem como libras slerlinas, na ra
hug n. 9. relojoaria.
i
piala e
do Ca-
COMPRA-SE
Compia-se moedas de ouro e prata, bem
como libras sterlinas por maior preco que
em outra parte, na ra do Crespo n. Ni
Io, andar.
Compra-se uin** casa lenca na cidade il
Olinda, que seja pequea e que tenlia quintal com
cacimba : a tratar na ra da Bi a Hora, casa ter
rea contigua a taberna do Sr. J Comprase urna e*crava para urna encom-
menda, bonita figura, parda ou preta, que seja de
muito boa conducta, para gente capaz: no Corre-
dor do Bispo n. 55, a tratara qualquer hora. Xa
mesma casa vende-se urna machina de costura de
patente inglez, nova, per seu dono rerar-se para
fra.
-
Compra-se
Um preto cozinheiro de 15 a 18 annos : a tratar
na casa da i na da Cruz n. 19, 1 andar.
PASTILIIAS ASSICAIIADAS
DO
DR. PATERSON
De Msuiiith e inagaczla.
Remedio por cxcelteneia p.na lombater
a magreza, facilitar a digestao, fortificar
estomago ele.
3
DEPOSITO ESfEClAI..
Pharmacia deBartholomju C.
-----Ra larga do Rosario------34.
XAIOPE PJIMU lilllSILEB
B0.\TA llJrMBAIBA
COMPOSTO E I'liri'AnAIO
Pelo iiharmaeeiufieo
Jos da Cruz Santos.
Esta planta cujas \hludes' niedicina
exisliam deseonhecidas par 3 maior par
dos nossos facultativos, devendo-se a soa
descoberta ao uso que d'elle faziam o
nossos indgenas que menosiabatam eoaa
a sua applicacao do todos os sobente*
pulmonares, boje conhecido como o me-
dicamento mais ellieaz para arma de av
Ihma, bronchite, coquilticlie. peaemonia,
e at a phlysica, produzindo u n erfeilortS-
lagroso c prompi.
Pa/a um adulto 1 4 colheres de slrpe
ao.dia puro ou era cosimentn pe i toral.
Criancas. 3a 4colheres flecha.
Preco UOO o frasco*'
Pernambuco, ra Nova bolicn i. 51,
lntitla-se forro.
sen senhor no refundo engenlm, ou ao 3iv; M| form usados conferm* a-drepro
J5o Perelra Miwtfnho; rua da Cada
26, que gratilicar genen>samente.
77 RIJA M IMPERATUIZ 77
N\>tenovo eslalielecimento ha um umpleto sortimento de medicamentos, pro-
ductos chimicos, e drogara, tudo de primeira qualidade, e se vendem por menos do
qae em ouira qualquer parte.
Il tambem um sortimento de meiieamentos homeoparlircos, tinturas e globu
los inertes, por precos commodos; bem como xaropesde jurubeba ferruginoso simples,
vmhos dejurubelia simples e ferruginoso, c o bem conhecido xarope d^ Paracary, es-
pecial d'esla pharmacia. Aviam-se receitas a qualquer hora do dia, e noite, com promp-
tido, cuidado, e pericia ; nao se negara a qualquer oceurrencia em casos urgentes. 0
socio gerente encarregado do estabr'ccimeiito mora no mesmo, para o que est
prompto a abrir a porta a qualquer hora le for preciso.
C. Catao & C.
Salvador llenriqne de Albn
professir jnbndo, dispundo aind"ite :
gamas horas no da. pode conre^rtny
iiiealo aceitar o eusino por mais aigumas i
casas particulares,-de alumno.- de uji ej
ioutro ie5o, para a instrocro p*'"* '
ou simplesmente para o en?ino da liu?ua i
portiifHeza e rontabilidailc.
A' hl'A DAS CRUZES N. :I0, 2 ANDAR.
eicripta que osacompanh.
Ama
No becco das llarrelras n. 9, precisarse, de urna
I urna capaz para o servjco interno c externo de
flcasa.de urna < peesoa'.
DMnja-se falUir ao Sr. Manoel da Silva Mrii-
tnnea Vtanua. por sso roRa-fe-He o especial fa-
vor "de dizer por este jornal a ra e numero da
easa onde mora.
Trocam-se
Ama de
is notas do.banco do Brasil e das caixas ftliaes,
m descont muito razoavel : na praca da Inde-
lendencia n. 21_______________
T]
.
DOENCAS os CRIANCAS
XAROPE oe RBANO 10 DADO
DE GRIMALT E C^ PHARWACETICCS EM PARS
Este medicamento goza em Pars e no mando inieiro de uina lama jiisiamenie merecida, por
char-se inimann-utc combinado nelleoiodo cam o sueco das plaas antiscorbuticas, cuja efficacia
bem conhecids e as quaes j naturalmente existe o iodo. E' com este motivo que lie suppre
eom vaniagem o Oleo de ligados dr Haca I lirio, que deve, secundo os homens scienticos, a sua
efficacia presenta do iodo. E' preciosa no iratameino das criancas para combaier o lyinphatismo.
tsobstnit'c6es das glndulas do pescoco, e as diversas erupcoes do rosto, lio frequeotes naa
>enancas de ponra iaade. Tnico e depurativo ao mesmo lempo, elle excita o appetite. facilita a
dif estio, a reslitue aos teci.los a soa firniem t vigor na tu raes. E cada da receitado pelos medios
especialistas para combaier as diversas affercoe* da pelle.
Deposito em Ptrnambtxo, em casa de bUbn O*.
I
Resta venda um escolhido. sortimento de ob-
ectos de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
arauda, inucno e amarello, obra nacional e estran-
(eira. do apurado go-to e por preco razoaveis :
la ra estreita do Rosario n. 32. Nesta mesma
asa fazem-se com perfeicao todos os trabalhos de
lalhinba, como sejam, empaHianientos de lastros
iara camas, cadeiras e sophs.
AVISO
Guilherme Augusto Rodrigues Sette, re-
tirando-se para Lisboa, deixa durante sua
ausencia, por seus procuradores extra-ju-
diciaeg, aos Srs. Manoel Ribfiro.de Carva-
Iho, Dr. Joaqtiim Jos da Fonseca e Dr.
Jos Soares d'Azevedo com poderes de
tratarem de todos% os seus negocios. Re-
cife, 30 de marco *de 1869.
Precisa se de urna ama deleite sem
ra da Cor.ceico n. 14.
leite.
filan
na
Precisase de urna ama forra ou captiva :
na ra de S. Francisco n. ."i.

'i 11 &l^afl
IEMPRESTIMO SOBRE!
O
DE JOIAS
C/2
GOMES D IViaTTOS IRMAOS
tendo feito completa mndanca em seu antigo e
acreditado estabelecimeto de joias. com o fim de
dar-lhe maiores proportjoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA H. 4
onde encontrara um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhuntes, esmeraldas, rubins e todo que em obras i
de.ourfc prata e platina se pode desejar,
ADEREQOS RE BRILHUNTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, assim como grande variedad- de rWm e paliteiros de
prata contrasta objectos de prala para uso das igrejaj
Compram e trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantitf
a qualidade dos objectos vendidos.
0 MUSEO
(SEM LIMITE.)
\a Iravessa da ra
das Crnzes n, 2, pri-
meiro andar, da-so qual-
quer quanlia sobre ouro,
prala e pedras preciosas.
O dono deste estabekcimento,
competentemente aulorisado pelo
governo, estaas condicoes de ga-
rantir a transaeco que se flzer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e considerarao s pessoas que se
dignarem de honra-lo em seu est-,
belecimento.
Na mesma casa compra-se ouro,
prata e brilhantes.
CASA DE-CAMBIO
DE
Theorforo Simn Sf C.
COMPRAM :
Cdula* do enverno de 1? n "iOOO. pendo por-
rSn maior de 1:000*000. a Hl,0. menor a S/i
0/0 de premio : nn larco do Corno Santo n. ti.
H
J
.^8^
k
\]
^al^r^eomnram-.eosse^us g ^^^.^tg^
n. 28.
nuntecs dn ConstHvc'mial PnnanmcMio
N. f do nmm de W.
N< 2 e M do anno de 186i.
N. !5 e de 21 em dianle. do anno de 186o.
Tamhem Contrrvatlnr:
fU. I, 2 e 3 oo anno "de 1868; na (a-se bem.
.".<
Attencao
Vende-se carne do serian chegada do Mac.io
no hiate Alabama .'.' a 65 a arroba o 240 n. a
libra : na ra das Cruzes, esquiua do Ouvidir,
taberna. _________ _j__
Tinta rxa de Mon-
teiro.
Vende-se tinta rxa de Monti'iro para escrever;
na loja de calculo do sobrado amarello da ra <\
Cnu n. 21
Chegou hontem da serra do Teixeira urna
onca rajada d rara belleza ; a qual mde
8 ps inglezes de comprimento, e 4 de al-
tura. Est depositada no quintal da casa
n. 19 da ra Augusta, onde, mediante
dous *intens, se mostea quem quizer.
Na nwsma casa veudem-se queijos do
ertio de diversos tamaitos c fresquissi-
mos, (l a libra, bem como linguicas
iO libra.___________________
l'recisa-se de urna ama de leite scuv Qllu> :
a na do Vjgario n. 5, g* andar.___________
Vriiilese uui |)ei[licni'i terrero lolupar de-
nominado Sicupira Torla, enlre a estrada rral e
a linl;a frrea (|uo tem de fegnir |wra Jabnala4 Va
iregnezia dos Alegado*, e muilo \ |oprjo paca edi-
ficar predios: quem pretmder diiija-ao atraaf-
'a do Queimado n. I. Na mesma casa se-precito
de nina boa ama de eite, e pagase bwn zt-
dandi-.
Vende-se a parle de um sitio em lena- pft>
prias no lupar ronfnam com o hospital dos l.a?an-s. tendo iiu
poieao de arvores frucliferas. a bastante f|
p;ira ter vareas de Jeito: quem pretenderdii
se a ra do Vpario escnptoiio do Sr. baio
P.emfi'-a am adiar, dm queie.tratar.
PiLULAS, VINHO
XiROPK
DE
JURUBEBA
PREPARADOS
pao
PIIARMACEUTICO
Joaqsaiin d'Aliucidu Pinto.
As preparacesWe Jurubeba, sao boje
ventajosamente conbecidas e preconisadas
pelos"mai9' habis mdicos, tanto da Euro-
pa corau do paiz, pela sua efficacia nos
casos ele anemia, chloroze. hydropesia.
obstruecSo do abdomen, e tambem nos de
menstruacodifficil, catbarro na btxiga, i le.
Vendem-se em porc5o e a retalho" na ci-
dade do Uecife, pharmacia do seu composi
tor, na larga do Rosario n. 10, Junto ao
quartel de polica. *______
Vende-se a luja de miuiiez.is. sita tua da
Imperatriz n. .'i4 : a tratar na mesina.
MAKTEiGA MLEM
a IfWUO rs. a libra, oque pode Iiavtr#&
x melhor,
Ra dalmperatrizn. 2
0
^..V.OERM/lA^
Julio Knkii
ffiWBI
Na roa do Commercip n. 7, Io an -ar, vende
esterlinas ouro nacional mais barato (jue em
qualquer outra parte; tambem compra or> e
prata veJJia em obra, ,ft

Vende-se ou aluga-se urna; canoa que car-
rega 800 lijlos : quem a preteflder dirija-se as
(^nco Ponas n: 82.
Acha-se fgido desde domingo de eutrudo o
moleque de nome Tilo, apm SI annos de idade,
'estatura regular, olhos afuoiaeados, com todo os
denles, esperto e bem fallante, tem no estomago
urna cicatriz de urna queimadura pequea, tem
um dedo da ma>) direrta aleijade em eonsequencia
de um pauaricio ; e o p esquerdo mais grosso
do que'o dimito .- quem o apprelwnder leve o aos
[Afosados, casa do Dr. Jos Hoberto de M >rae e
Silvl; que indicar a casa do sou sennor, que te-
Oompensari generoiameate.

wm-VL
Um grande sitio na estrada; de Agoa-Fria, denomi-
nado sitio Jacar, ao p da ponte, cotn casa de ino
rada de pedra e cal. rochen a. (piarlo para feilor.
casa para banli >. cacimba e.bomba, toda a obra
foi retificada de boto, coto grande pdrcao de fruc-
teias e coqueiros, tudo de frueto, urna vertente
de agoa nermaueule, grande baixas paja capnn,
terreno para cria^ao.de gado, urna malta roi
niuita lenlia : para ver nu mesmo sitio, e pan
tratar na ra do Imperador n. 77. Io andar.
Barato que admira.
Manteiga ingleza flor a 1 jl 100 a libra, dita fi au-
eaa a 14, ch* uiiudo a 3*100, dito piando a 3J,
faf 220 rs., sabio a 180, alpista a 240, ano* a
{00 rs., passas a UO, idea quartos ('om 6 libras
Sor 2iS2O0, vioho a 400 rs. a garrafa, azeite doce
c Lisljoa a 900 rs., caixinlxu com ainoixas, pas-
$as, ligos e pe as, proprias para uiinuks a la 600.
(atas com doce a 500 rs. : s ha esquina da ral
da Penha n. 8. fr -*j

m
,.'... '
Precisa-se
paiaiolwrae da JVa 18. annos.: no pateo da
matrt de santo Antonio q. 2, Io audar ; paga-se
Precisa-se de urna ama para eoJBh.tr, pa-
1 iijeudo donnifi fr* i-aargaida Cadeiav. i.
ka
! Precisa-se de urna ama de meia idade e deboa
donducta para comprar e cozinhar para ama rnu-
la de poucas pessoas; a tratar- ua rua-Bella -au-
ero 3.
i i
Vende-se um excedente piano com punco
aso : na roa do Viga rio n. 3, 3o andar.
Vewi-euma armafo de taberna : atralaa
na ra Imperial n. 36. ___
VnadvT>e urna taberua na ra de Santa Hita
n. 1, com frente para a ribejra do paue : a tratar
no largo da'Assamblea n. 17.
Al/ruvV/irt/: 5t. >'
9 Scboncte de alcatrdo.
J1E
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que lo boa
arceilaco tem merecido n'esta provincia,
muilo se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas c lodaa as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu cV G,
Vina I arpa dn Rosario3i,
Meias elsticas de Loriiirh.
As melhores e excellenles meias elasti;
cas de borracha contra varizes e erysipellas.
Vende-se na
Pharmacia e dropaii-i do
Bartholomeu C.
.11na larga do Rosario.14
Vergonleas de pinito para ma^laros, vi-rg1*
e retrancas, todas de superior qualid.idc. Tintad-
Verde Pars, branco de zineo e preta, em |a:a de
e 28 libras, j preparadas, oleo de linbaca e
barris : no armazem de deposito da rompanHb
Pernambncana, no largo da Assembla n. t#.
Vendcm-se diversos escravos pecas vindo*
do Ccai no nlliin i vapor, proprius para qu 1 -inor
sen ico de armazem ou engenlm, assim cuno un,
escravo por 1303 comlim brac> inu'ilisado, e i-
versas escravas com iiabilirtade e sem ella : a tra-
tar na ra di Cruz n. 33. 3o andar.
Alegrai-vos myopes, e prsbitas, ja po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
nSo ha F. J. Germann acaba de receber pela'-
ultimo vapor um rico e variado sortimento
de oculos, lunetas, pin cenes, face--m.nn.
lorgnons de onro, prata, tartarog. marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melcliior;
wsim como binculos de urna a tres mu-
(lancas para ieatro, camp<-> e mannha ca
ultima invengao; duquezas, vienezas. de f,
8 e \"i vidros, ludo dos melbores fabrican-
tes: da Europa.
un_j;ixj.rjaaw 0jno vaportroh-
' I xe na||pxrerleiiie ma-
china para graduar e
observar o numero dos
vidros que se necessit
| conformo a- vista dte
qualquer pessoa.
Tem .excedentes sterjo6copos. instmmor,
tos de mathematica baronitros. vidros d'
chrystal de rocha, e de cn^ para resjua-
^ar.a vista; concerta Wdosos objectos a
presos commodos e com promptlao ; lira
0 mofo dos vidros e encarrvga-se de toda 4
encommenda relativa a ptica.
flucebeu tambem os,Mollentes rol
fla antigo e afamado fabricante- fobert i
&'C, os quaes vende apceos commo
garanUndo. a sua. superior qualidade.
1 r .........i i ----------------------->
i
XaOPE PEffiGRAL
BB
Vende-se duce de goinba e>n latas de4 libras,
da maT* fina e Wipffior qualidade, eiu posieos ou
{retalho, para presente e para embarque, no
akr< do Recito, ra, da, Cadeia l ja .42.
I Vende-se urna burra alazaa -.uiuilo manca,
se ve para carro e crnica, e 6 tambem de car
da; a traur na ra da ioipoi-attii n. W. da* 7 a
lih-ira da aaaliaa.
RABDE TAT'
PLANTA DQ.BB.tflL. .
i E' expectorante e reMiMBicdaihi.-a*---
tiTecoes do pcte, boohile chioniea'*t-
moptise, etostse chrtin
PREPARADO
M*
i Joaquim de AmeMft
PHARMAIEITKO
Pernambuco ra larga &*
BOBorio n. 10.


G
Diario de Pernambuco Quinta feira 1 de Abril e 186$.
r
J
lindos cortes de cassado cor com barra, e com figurino indicando o molde do vesti-
da pelo baratissimo preco do 35500 o corte.
Ditos de percalia muito modernos com duas saias a 5000 ris
Na loja das Columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vascon-
celos d C.
"PREGO CORENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabnca de
NOVIDADES
LOJA DO PASSO
Ba do Crespo n. 7 A, esquina da do
Ba Nova n. 23,Ba .do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapeos de seda trancada, Paragon, de 16 bastes, 28 paliegadas a 16(5 ; 26
pollegadas a 15, e 24 pollegadas a 14.5000.
Ditos de seda G. de N. Bara, de ac, de 6 bastes, 28 pollegadas a 140;
de 26 pollegadas a 13j ; e 24 pollegadaf iUOOO.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, do 12 bastes, 28 pollegadas a 120 ; de
26 pollegadas a 110 ; e 24 pollegadas a 100)00.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 has.es, 28 pollegadas a 6; e 26 pollegadas
a 83500.
Por duzia faz-se descont de 15 0[0
Chapeos de sol de panno, debaleia, de 8 hastes, 24 e 26 pollegadas a 32$
a duzia. (Descont de 10 0[0).
Ditos de panno, de junco, 8 bastes, a 18#0)0 a duzia, liquido.
Imperador.
PARA CASAMENTOS, BAILES, THEA-
TROS. etc. etc.
V Lindos cortes do blond, contendo setim,
mantas e grinaldas.
Requissimos cortes de sedas assim como
para corados.
Gurgura branco.
Moireantique branco azul e verde.
Gros-de-naples brancos e de cores.
Setim branco macau.
Setim, branco, azul, verde, cor de rosa
e amarelos.
Fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas saias.
Chales de gusgaro de seda de cores.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas >.
Fronhas do linho bordadas com primor. .
Lencos de cambraia de linho bordados.' de alta novidade: isto s
Na toja do Passo ra do Crespo n. 7 A. esquina da do imperador.
Riquissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodo.
Ditas de crochel para cama.
Chapeos'de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
'Chapelinas de palha da Italia, assim
oemo de seda.
Enfeites para cabeca de senhora.
Espartilbos para senhoras.
Meias de laia para padre.
Ditas de 15a
Ditas de seda Qo da Escossia e algodo.
para senhoras e meninas.
Lencos de labyrintho.
Fronhas de labyrintho.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas cambraias de cores, percales,
'as, e outros muitos artigos de gosto e
Wf&?t
fWx'f&eWG &
.11
Grande liquidado de raiudezas !
Affonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentescm sua
loja i ra do Queimado n. 5o, resolveu annuuciar as mesmas miudezas, para que o pu-
blico se certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a saber:
ffrettfio
iaiudmU
ii medicina
di Pars.
II]
PharmactuKco
lauread*
i teadtmi
i* unttcina.
Caixa com agulha franceza a
Caixas com 1U0 enveloppes a.
Pecas de babados e entre-meios
a 500, 6UU, 700, 800 e. .
Pecas de uta de coz com 10 va-
ras a ......
Linha de marca, caixa com 16
novellosa......
Coques muito irnos com rede, s
a rede val ......
Frascos com santos muito finos
a.........
Latas com banha (familia), a
160 e........
Gartao com alfinetcs a .
Copo com opiata muito fino a
400 e.......
Cartas francezas a 200 c .
Ditas porluguezas a 120 e .
Caixa de linha do gaz branca 50
novellos a......
Frasco com tinta a 100 c .
Frascos com banha a 320 e. .
Frascos com agua de Colonia
Piver a........
Pentes de travessa para cabello
de meninas, s a vista fa
f, a........
La para bordar, libra. .
Novello de linha grande com
400 jardas, S a vista faz
f a........
Pares de liga de borracha para
peinas de senhora, muito
boas a .......
Franja branca para toalha vara
160 Resma de papel almaco, muito
500 boa fazeuda, com 83 cader-
nos a........
1(5000 Caixa com papel amisade a .
Jogo devispra a.....
500 Sapatinhos de la para meninos
a.........
240 Pecas de tranca e caracol a .
Jabonetes de todas as qualida-
14500 des a 80, 160 e .
Frascos com oleo babosa a
14900 400 e .......
Phiceis para barba a.....
200 Gaz a........
100 Frascos com agua de Colonia a
320, 400 e......
500 Pentes com costas de melal .
240 Carteira'de marroquim a .
160 Pintes pretos para tirar piolhos
I Escovas para- cabello a 400,
600' 500 e ...... .
160 Garrafa com agua divina a. .
400 Grava tas de seda de cor a .
Ditas prctas a 400 e .
1000 Botocs de louca para camisas, a
Garrafa de tinta roxa a. .
Lencos brancos para mos
320 a.........
6$>800 Par de suspensorios para ho-
mens a.......
E:>pelho de loucador a .
60 Fiasco com cheiro muito fino
a.........
Biideja para copos a .
60 Meias cruas para homens, boa
fazendaa 3,5, 3600, 4# e. .
Ahotoaduras para coHetes a .
2*800
As preparares ferruginosas liquida tera desde muito* timos merecido a approvacSo
especial dos mdicos, porque ellas obrio mais rpido e seguramente do que as plalas, e
sio mais fcilmente toleradas pelos doentes. Os Pos ferro-manganicos possuem a inappre-
ciavel vantagem de poder offerecer n'ura instante ama agua ferruginosa gazeosa, de gosto
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de mais um elemento precioso,
o Manganeso, que sempre se acha no sangue, jnnetamente com o ferro. Bmpregao-se em
todas as molestias que tem por causa o empobrecimento do sangne, assim como para vigorar
os temperamentos debis e lymphaticos. A cklorose, as Peraas brancas, dores 'estomago,
a irregularidade da menstruacao e amenorrha on suppressio do menstruo, cedem rpida-
mente a sea emprego. Devemos mencionar aqu um facto aotavel, isla que os doentes cura-
dos pela agua preparada com estes pos csto muito menos expostes a recadas do que
aquelles que foro tratados pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, tm casa de Htorn o*.
200
200
600
200
320
500
320
400
200
600
I 500
320
500
160
800
240
200
2,5500
lr>000
400
4#500
320
TOSSES
C1TIRRH0S
^^'^2^^^^S^^
PASTILHAS PEITORAES
IRRITCOES
de sueco DEALFACE1 Bft BtITII
DO PEITO
E LOURO GEREJO
E' este o mais novo e delicioso cuufeiio aie ajjora conhecido. Por isto tem adquirido r-
pidamente a populardade de que goza. Os mdicos os mais distincios o aconselhSo contra
as tosses, definios, catarrhos, losses convulsas, catarrhos epidmicos, irritaces do peito. Com
grande empenho o procurao as mies de familia, assim para ellas como para as enancas, pois
primeiro que tudo inoffensivo, e as suas propriedades adocantes nio deixao nada a desojar
Deposito em Pernambuco*cm casa de Manir O*.
PrTt
VERDADEIRAS
PILULASdeBLANCARD
r*
COM IOOURETO 00 FERRO INALTENAVCL
APPROTADAS PEU ACADEMIA DB MEDICINA DI PARS, ETC.
Possulndo as propriedades do lodo et do forro, conven especialmente as Atccos
escrofulosas, a Tsica no principio,a fraqvt.: -/ temperamento e tambero nos casos de
Falta db cor, amforrhf.a, em que precisa r*<;ib sobre o sangue teja para restituir
Ihe a sua riqueza e ahundencia normaes, ou para provocare regular o sea curso peridico.
N. B. O iodnrete da ferro impuro oa alterad* am madicamento infiel,
Irritante. Como prora de pares* da aaihencidad* 4aa *tw*m*t\rm* vi-
tmm 4 niaaiearrf, dere-sa exigir homo aaWa praia resal a,
noso arma, aqni reprodazid, que ie cha na pana inferior da asi
retal*) verde. Dera-s* desconfiar das faltificacoi.
fe.'
Arham-ar eaa tadaa ata phi
PharmaceuHe; ra Bonmpart; A, Porta
NI
wm
f\0 lflTIVTITACk em todas M p,rtes d' ranndo' empregam, com o maior xito,
vO lTirjL/lvAJOj o phosphato de ferro soluvel de Leras, para curar a chlorosis
(cores paludas), as dores do estomago, e a exhausuicio de sangue; com esta preparaco, dio
ao corpo o vigor, e s carnes, a sua firmeza natu -al; faclitam o desenvolvimento lao labo-
rioso da puberdade. Com effeito, tudo, n'este mdicamente, se acha reunido para Ihe
sssegurar o maior crdito, pois qne entram, na sua composioao, os elementos dos ossos e
do sangue. 0 seu autor, U. Leras, doutor em sciencias, pharmaceutico, professor de
cliymica, inspector da Academia, foi, recnteme ate, condecorado da ordem ua Legiao de
Honra, digna recompensa dos seus importantes ira lalhos.
As seguintes apreciaedes dos mais celebres mdicos anda vem corroborar e justificar
lodos estes ttulos confianca publica :
* Precisa classificar o phosphato de ferro soluvel entre os ferruginosos que melhor
con vem aos doentes cujos orgSes digestivos supportam mal as preparacoes de ferro.
S0LBEIHA.N, professor na Estola de medicina e de pharmacia.
< 0 phosphato de ferro soluvel em quanto a mim, a melhor das preparacoes ferrvgi-
nosas, e o seu emprego d os mais premptos e seguros resultados.
ARAN, medico do hospital Sainte Eugnie.
* A forma liquida do phosphato de ferro soltvel d-lhe urna immensa vantagem sobre
< as pilulas; eu considero este medicamento como mui superior s preparacoes ioaadas.
ARNAL, medico de S. M. o Imperador.
< Entre todos os ferruginosos, nSo conhecemos um s que obre lio prompta e efficazmente
< como o phosphato de ferro soluvel, e isso, sem cansar o estomago, a
BELLOC, BAUME, B1G0T, FOLLET i PREVOST, mdicos dos hospitaes.
Os effeitos da preparacao de phosphato de f ;rro soluvel me pareeem ser mui segaros
e promptos. > DEBOUT, redactor em chefe do BuUelin thrapeutiaue.
Entre todas as preparacoes ferruginosas, o phisphato de ferro soluvel foi a que sempre
me deo os raelhores e mais satisfactorios resullac.os. GL1B0LT, medico dos hospitaes.
0 phosphato de ferro soluvel tem, sobretudo
< couvir aos temperamentos delicados.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maorer o*.
OLEO DE HOGG
DD
Figados frescos de bacallio
Para cura certa de pitisica, affecfoes escrofu-
losas, tosse ehronfea, fraqueza dos nembros e de-
oilidade gcral, reeummenda-se a exreHenria deste
oleo anda por ser agradavel no palada*.
VENDE-SE
NA
PharBiacia e drogara
ME
BARTHOLOMEU & C.
34 = Ra larga do Rosar = 34
vantagem de evitar a conspacio e
& FAVROT.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAO
Reinedio por excellencia papa cura rpi-
ta e completa das coqueluches, bronchites,
atarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
guinos, e outras molestia* do peito.
%>:\ni>si'
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomeu A C.
34RA LARGA DO ROSARIO34
LOJA
DO
AO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50. esquina da ra de S. Amaro.
Para senhoras.
COQUES da ultima moda, enfeiudos e lisos, gran-
do sorti'iiento.
CHAPELINAS de palha da Italia, guarnecidas com
delicados e elegantes enfeites brancos e do cores
CHAPEUSINHOS e gorras de velludo e de pennas
(alta novidadd I) de palla da Italia, a emtiacao,
ospecial sortimento.
CLNTOS de cores e pretos, rico sortimento a ulti-
ma moda.
CAMISAS bordadas porcommodos precos.
LENf^OS bordados e com tetras, novidade neste
genero
LQUES a emitasao de marflm, gosto novo e de
sndalo.
ilOlilNHAS e punhos, a emitacao de pipare.
ENFEITES pretos e de oOres para cabeca, lindos
moldes, i
GUARNigAOatUnovidadYi a fc Rose, lti-
mamente usada em Paria."
COllPINHOS de guipare braeeoffe pretos lindos
modelos. r
BORNOUS de lia e seaa,eflf claras, elegante
moda m Pars. "
GRINALDAS de flores finag.
ESPARTILHOS superiores.
MEIAS supe, iores de fio de Escocia.
LUVAS de pelica chegadas pelo ultimo vapor
ADERECOS de coral verdMelro e camafeo, gosto
delicado.
DE PALHA
OUARMCES para vestidos.
TRANCAS para enfeites de coques.
BOTOES lisos e com pingentes para vestidos.
CINTOS aJtt novidade.
NOVIDADES
FLORES finas, grande sortimento.
GRINALDAS de ditas para coques.
LA^XS, lvelas, penachos para enfeites.
Para homeus.
CAliflSAS com peitos, colarinhos e punhos de li-
n 10 fino, lisos e bordados, moda,
COLARINHOS de linhoe algodo.
PUNHOS de ditos.
GR AVATAS de todas as qualdades.
BOTOES para punhos e guafnicoes para coletes.
COKRENTES de plaqu a eraitao do ouro, lin-
d) gosto.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
lidade superior.
SHAPEOS de seda, para sol.
EIAS de superior qualidarle.
BENGALINHAS finase chicotes.
LUNETAS aro de ac e tarturaga.
Para crlancas.
VESTUARIOS completos para baptisados.
SAPATINHOS de merino e setim enfetados.
MEIAS de seda e fio de Escocia.
CHAPEUSINHOS de palha da Italia.
TOIICAS de fil e setim enfeitadas e de chroch.
BUWECAS vestidas, muito bonitas e diversos
brinquedos.
Perfumarlas Unas.
AGUA FLORIDA verdadeira de Morray & Lan-
nan New-York.
TNICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA de E. Condray e superior agaa o
essencia de Colonia.
ESTRATOS e essencias finas e de agradarais re-
nlas para o lenco.
VINAGRES aromticos para toilet.
POS DE ARROZ para amaeiar a pelle ; em pace-
tes e ricas caixinbas com arminho.
POS superior para limpar os denles.
COSMETIQUES de fina qualidada.
SABONETES, grande sorimentr deste genere e
de superior qualidade.
LEOS de ph i locme, babosa e anliques.
BANHA fina para os cabellos.
AGUA de flores de laranja.
CREME de sabio para bar^a.
Cabas preparadas com perfumaras finas.
Miudezas finas.
SUPERIORES fitas de grosdenaples de todas as
cores e larguras de veludo preto e de coree, e
gurguro para cintos.
BABADINHOS e entremeios bordados.
GUARNICES de seda do cores para enrees de
vestidos.
TRANCAS pretas cora vidrilhos e pingentes.
BOTOES de cores, brancos e pretos com vidrilhos
lisos e com pingantes.
DEDAES de mau. -perola, de matfm, de Oco e
metal.
THESOURAS finas para costara e unhas.
CAIVETES finos com quatro folhas. E muitos
outros artigos de miudezas que se torna enfa-
donho menciona-los.
GALLO VIGILANTE
It na do Crespo n. 9
Os proprietarios deste bem conhecido eslabele-
ciraenlo, alm dus niuitos objeelos que tinliam ex-
postos a apreciacao do respeitavel publico, man-
daran! vir e acabara de receber pelo uttimo vapor
da Europa um completo e variado sortimento de
tinas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
tao reiolvidos vender, como de seu costuuie,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo.-.
Muito superiores luvas de pellica, pretas, bran-
cas e- de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinbas e punhos para se-
iilnira. neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para eoques.
Lindos e rqussimos enfeites para cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores traucas pretas e de cores com vidri-
lhos e sem elles; cala faznda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
Superiores- e bonitos lbqnes de madreperola,
niarfim, sndalo e osso, sendo aquelles bi-ancos
com lindos desenhos, e estes prelos.
Muito superiores meias fvo de EscossLi para se-
nhoras, as quaes sempre se vcnderain por 300
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20,
alm deslas, temos tambem grande soFliuiento de
outras qualidade?, entre as quaes algumas muito
linas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marflm com lindas e encantadoras figu-
ras do mesnio, ncsle genero o que de melhor se
pode desejar ; alm destas temos tambem grande
quanlidade de outras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos eliicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo do niarfim e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nnssa vez tam-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores a^ulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para enclier
labyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltareto, assim
como os lentos para o mesmo fin.
Grande e variado sortimento das raelhores per-
fumarlas e dos raelhores e mais cohhecidos per-
fumistas.
COLARES DE BOER.
Elctricos magni ticos contra as convulsocs, e
fccihOam a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collarea, e continuamos arecebe-los por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel
les que delles precisaran, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deros cufiares, c os quaes attendendo-se ao fim
para que sao applicados, se venderlo cora um mu
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que dcixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito razoaveis toja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
Tudo se vende por presos bastante commodos.
Capsulas de Raquim
Os bons effeitos destas capsulas para fazer ces-
sar os gonorrheas acham-se comprovadas jelas
experiencias de muitos annos.
Os mdicos dB todos os paizes as recommendam
pela sua eficacia,
VENDE-SE
NA
Pharmacia e drogara
D8
BARTHOLOMEU & C.
Ru34a larga do Rosario34
TASSOIRMOS
Tem para vender era seus armazens, alm de ou-
tros, os seguintes artigos:
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Grcve pautado e liso.
Vinlios coi caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Hery.
Madeira.
Hcruiitage.
Cliamblis. >
Licor de curaco de Hollanda cm caixas de vin-
te e quatro botijinhas.
GESSO,
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmaos
CAR1IINUOK DE FERRO
Para senneos de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou caixoes de um para outro, lado pelo
mdico proco de 12 5000 cada um.
Fariiiha de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento das memores marcas de
farinhas americanas. .
Saceos de farinha d trigo do
Chile
Toda? novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydraulico 12$
O melhor para tudo que sao obras para agua, co-
mo assentamento de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, tanques d'agua, etc., etc.: em porcOes de
rincente barricas se far reduccao no preco : nos
armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Portland
0 verdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De differentes qualidadl para cercados de ani-
maos, chiqueiros para galinhas ou jardins: nos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos.
CATOS DE BARBO
Na ra Nova de Santa Rita, na antiga fabrica de
sabao, ha para vender por preco o mais mdico
possivel, canos francezes para cdificacocs e esgo-
tos de toda a qualidade, superiores a todos os que
aqui tem apparecido pela sua solidez.
PRECOS
IMOO por cano grande de 3 e meia pollegadas.
1 OO por dito de 2 e tres quartos de dita.
1 000 por dito de 2 e um quarto de dita.
500 ris por pistoleta de 2 pollegadas.
Cotovellos, curvas e canos de maior grossura.a
vstase far o preco. Compras maores de 2003
tem 5 por rento de descont por prompto paga-
mento. Pde-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Tijolos francezes
Para ladrlhar casas terreas com asseio e pre?os
mdicos, muito convenientes e pronrios para ladri-
llios de cosinhas em sobrados, pelo seu asseio e
evitar apassagera de aguas para o andar inferior
e mesmo o perigo do fogo, aos precos de 30000 a
ioOOO o railhero : na ra Nova de Santa Rita, na
antiga fabrica de sabao, e compras maiores de 20
se far 5 por cento de descont por prompto paga-
nento. Podem-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
ternas de carros: no armazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto fino superior: no armazem
de Tasso Irmaos.
O melhor cognac Gauthier Freres: no arma-
zem de Tasso Irmaos.
Esleirs da India
Em casa de Tasso Irmaos vende-se esteiras da
India de diversos padroes e larguras, por preco
commodo.
A NOVA ESPERANQA
21=Kua do <4ueimatlo = 2I
E para presentes
A Nova Esperanza, ra do Queimado
n. 2i tem um variado sortimento de objec-
tos de gosto e phantasia prprios para pre-
sentes, sobresalndo entre elles ricas caii-
nhas de eban$ com finas perlumarias, eos-
tureiros de chagrn, agulheiros de madref
perola : assim, pois, quemquizer fazer um
linda offerta, dirigir-se Nova Esperanza,
ra do Queimado n. 21.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as conmines das
aeangas.
N3o resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ah intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae mit
pais de familias nao creem (comprando-os)
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperance, porm
que detesta a falsificacao principalmente no
que respeita ao bem estar da liumanidade,
fez urna encommenda directa destes collares i
e garante aos pas de familias, qae s3o os
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
gas tem salvado do terrivel incommodo de
convulcoes, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanza a ra do Queimado
n. 21 compra rom o salva vida, para seu
filhinhos, anfes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando ent5o ser di-
flicil alcan?ar-se o effeito desejailo, embori
sejam empregados os verdadeiros collares
de Royer.
Para extinguir as sardas e
panno
Recebeu a Nova Esperanza raa do
Queimado n. 24, leite de rosas, especia)
para extinguir sardas e pannos.
BONECA DE CERA
A No* a ^speranga a ra do Queimado n.
21, acalia de receber um completo sorti-
mento ae finas bonecas de cera de diver-
sos tamanhos, sendo as maiores 4 com-
primento d'um covado ; estas bonecas tra-
zem bonitos coquea e botinas, havendo ea-
tre ellas algumas que fallam e outras que
clioram de sorte que fcilmente podem ser
preparadas, e fazer-se um presente de muit
acceitaco.
Finas caixas fle tartaruga para rap ven-
dem-se a roa do Queimado n. 21 na loja
da Nova Esperanca.
Modernos brincos de sndalo, s se en-
contrarao na Nova Esperanca a ra do
Queimado n. 21.
MEIAS DE LA
A Nova Esperanca a ra do Queimado n.
21, acaba de receber um especial sortimen-
to de meias de la para homem e senhora.
CONTRA AS CONGESTOES
mal terrivel a congesto fulminante.:
de repente leva um individo, d'esta para
milhor vida, sem dar-lhe tempo de receber
conversa medica; deixando as mais das
veses molher e filhos no mais amargurado
pranto ; a Nova Esperanca que deseja pres-
tar servaos recorreu a Vojer, o qual Ihe
mandou anneis elctricos magnticos, como
o nico preservativo para senielhante mal i
elles anles que se acabem : na Nova Espe-
ranca-
NAVALHAS
A Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 recebeu um sortimento de navalhas,
de qualidades, e tamanhos especiaes assim
como afiadores e massas para as mesmas.
Ji
Macarthy
Machinas de descaro*ar algodo.
Hojc que est reconhecido que as machinas de
serrote prejudlcanf e quebram a fibra do algodo,
preciso recorrer a machnismo menos spero,
que produzindo o mesmo servieo que queHas, e
faeilidade no traballio, nao quebrem a fibra da la,
para que essa possa obter-nos mercados europeos,
a dilTerenca que ha entre o algodo descaro(,-ado
por aquellas mencionadas machinas, que esto li-
cando em demzo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga bolandeira, que nao pode competir
peta morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se tornara as mais proprias para o
nosso algodo, porque ao par da faeilidade e
promptido conserva a fibra da la, que limpa por
ella, qualifleada na Europa a par da melhor bo-
landeira, valendo assim entre 10 arrobas 20 0/0
n as do que a la limpa pela machina de serrote.
Esifis machinas nao sao novas, pois que ha muite
esfcio^idoptadas no Egypto, aonde as de serrote
f(>ram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
do daquella procedencia, sendo da quaKdade do
da nossa provincia, obtein hoje de 10 arrobas 20
0/0 mais do qne o nosso : vendera-se a 150000
nos armazens de Tasso Irmaos.
Oleo de amendoas
Em caixas de 8 latas, cada caixa 100 libras :
os armazens de Tasso.Irmaos.
Charutos da Havana.
Excellentes eharutes da Havana e por baratissi-
mo preco : em casa de Tao Irmaos, ra de
Aronrim n. 381
Jll'
Vendem Augusto F. de Oliveira & C. rea de
Commercio, n. 4.
I i*19 I
illl!
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado n. 49, loja .de miudezas de
Jos de Azevedo Maia e Silva, tem para vende os
artigos abaixo declarados, tudo bom e baratissi-
mo, que sao para acabar.'
Duzia de sabonetes muito finos a 700 rs.
Pares de-sapatos de tapete para homem a 1,5280.
Ditos de tranca para erean^a a I >.
Tramoia do Porto, bordada, a melhor a 200 rs.
Dita do Porto liza, da melhor qualidade a 100,120,
160 e 200 rs.
Resma de papel almaco, liza superior a 35200.
Dita de papel almaco pautado a 4 5.
Livro de missoes abreviadas a 25.
Cartilbas com toda a dontrina e umitas resas a
320 rs.
Silabarios portuguezes com estampas S 320 rs.
Baralhos^raneczes mnito finos a 200 e 240 rs.
Sabao inglcz superior qualidade a 500 e 15-
Gravatas pretas e de eres muito linas a 500 rs.
Duzia de meias para senhora, fazeada fina a 4.
Redes pretas lisas para segurar cabello a 320 rs.
Varas de transa de seda de todas as cores a 600 rs.
Pares de brincos dourados com mozinha e pe-
dras a 320 rs.
Cartees cora corchetes de duas ordens c s3o de la-
to a 20 rs.
Abotuaduras de vidro para coleto muito finas a
120, 240 e 400 rs.
Pares de botSes dourados para punhos a 160 rs.
Caixas de pennas de ac muite finas a 240, 320 e
500 rs.
Carteos com duzenlas jardas de linha do fabri-
cante lexandre a 100 rs.
Caixas de pennas do ac, a verdadeira penna a
44200.
Carriteis de linha lexandre ns. 70,80, 100 at
200 a 100 rs.
Caixas com superiores obreias de massa a 40 rs.
Carriteis com duas oitavas de retroz preto a 500 rs
Duzias de agulhas para machinas a 2,5.
Libras de pregos francezes de todos os tamanhos
a240rs,
Livrosescripturados para rol de roupa a 120 rs.
Caixas com papel amisade muito fino a 700 rs.
Caixas com cem envelopes da raelhoi qualidado a
600 rs.
Talheres para meninos muito boa fazenda a
240 re.
Cemento de Portland.
Vende-se no armazem de Vicente Ferreira
Costa & Filho, naruada Madre de Dos n. 22,
barris grandes.
Para familias
Grande Bazar, rna Nova ns. e
'. de Carneiro Vlanna A c.
Acaba de chegar a este estabelecimenJo
grande poirao de machinas para costuras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposico de Paris, as quaes cozem com
dous pospontos toda a costura, e tem a
vantagem de ser tao suave o movimento,
que qualquer enanca de oita annos fcil-
mente trabalha, e pode, com este e&trete-
nimento, levar vantagem ao servieo diario
de trinla costureiras. A comprehenslo A
simples, pois em um quarto de* hora se fi-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do amesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abanhar,
l'ranzir. marcar e bordar, como a presentara
os desenhos que acompanliam-nas. Os pro-
prietarios do estabelecimento se encarre-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e
garantem entregar o importe disjiendido ao
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeigo a machina vendida, nao tendo,
porm, soffridoella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabelecimento machina
do autor Grower A Baker, de trabalho sim
plesmentc mo, e outras com movimento.
dos ps; e mxime todos os pertences daa
mesmas machinas, para vender avnlso.
Tintura japoneza
Instantnea para tingir os calielloe e I
barba, a 1^000 o frasco.
E' a nica approvada e recomaeodada
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
venda em casa de Gustavo Ilervelin n.
91. ra da Cadeia n. 91.
- i;ai gaz gaz
Chegou ao antigo deposito de'Henry Forsler &
C, ra. do Imperador, um carregamento de gai
de prhfeira qualidade; o qual se vende em partida!
e a retalho por meaos preco do qm em outra qual-
quer parte.
FUNDICAO DOBWMM
Ra do inim n. 5 9.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batido fundido.
Rodas dentadas, paia moer com a|0a.
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucr.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro-'
prios para agricultura.______________ "
Vnde-se
um cavallo pedrez, muito novo, sem acha
qnes, andador baixo e bonita figura : t
coxeira da roa da Paz n. 13.
.

i




D.iario de Pernanibtico Quinta feira 1 de Abril de 1869.


4
/
i

GRANDE LIQUIDACAO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
1)0
3Boa && ai?aiaaii2iis-riaa-(8(a
DE
Flix Fereira da Silva, successor de Gama
& Suva
O proprietario (Teste estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tem defaaendas, tanto da moda como
de lei, e as pessoas que negociam em peqi.ena escalla, tanto da praca como do matto
oesta casa podero fazer os seus sortimentos em pequeas e grandes porcoes, venaen-
do-se-lhes pelos procos que se compram as casas ingleu ; assimoomo as excellentis,
simas familias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, par o que acha-se este estabelecimen-
te aberto constantemente desde s 6 horas da maRha* s 9 da noute
O atoalhado do Pavao AS CAMBRAIAS DO PAVAO
Yende-se superior atoalhado de slgodo Vertlem-se finissimas pecas de cambaaias
tom 8 palmos de largura, adamascado a lizas transparentes tanto inglezas como suis-
IjJiGO vara; 'ditode tinho faienda muito
aperior a 35200 a vara ; guardanapos de
finho adamascados a 45500 a duzia e muito
finos a 85000, e ditos econmicos a 35500
ajdazia.
Fustes para vestidos brocos
teto.
Vendem-se os mais modernos fustSes ran-
gos Qexiveis com pai oes de listas de
lpicos proprios para vestidos e*roajs de
menino a 640 rs. o covado, na loja e arma-
zem do Pavao ra da lmperatriza. 0, de
Flix Pereira da Silva.
Grosdenaples
Chegou para a loja do Pavao peto ultimo
tarpor um grande sortimento dos melhores
grosdenaples pretos e de cores, tendo verde
tambera, que se vendem mais barato que
em outra qullquer parte.
BABADINII09
Vendem-se finissimos babadinhos, tiras
bordadas e entremetas, mais barato* do que
em ootra-qualquer parte, assim como espar-
tithos dos mais modernos, no armazem fle
"Flix Pereira da Silva, roa da Imperatriz
o. 60.
ALTA N0V10ADE
A LOJA DO PAVAO
Gurgurao de seda
Chegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos gurgnroes de seda, proprios para ves-
*dos, sendo lisos e lavradinhos, com muito
lustro, garantindo-se que a fazenda mais
inda e de mais phantasia que este anno tem
legado a este mercado, e vende-se por
preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
T. 60, de Flix Pereira da Silva.
CAMBRAIA BRANCA A 35500.
Vende-se pegas de cambraia branca
transparente, com 8 e mua varas pelo ba-
rato prego de 35500, ditas muito finas tanto
tapadas como transparentes 45500,35000,
65500, 75000 e 85000, assim como organ-
muito lino tanto lizo, como de listas e
di
quadros na loja e armaeeraj, do Pavao ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Suva.
ALPACAS LAVRADAS PARA LUCTO.
Vende-se na loja do Pavao. as mais mo-
dernas alpacas lavradas para lucto, sendo
muitolargase pelo barato prego de 800 rs. o
covado, so na loja e armazem do Pavao, ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Sirva.
Cassas Inglezas a 440 rs o metro
Vendw-se urna grande porcSo de bonitas
cassas inglezas tanto graudascomo miudi-
nhas e de cores fixas pelo barato prego de
440 rs. ometro,garentindo-se que 7 metros,
dao um vestido para qualquer Sra. s na
'loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva.
Bareges a 400 rs.
No na loja do Pavo
Se vendem as mais bonitas bareges transparen-
tes, proprias para vestidos rom listrinhas a imita-
dlo de listras de seda, e vendem-se pelo barato
jreep de um cruzado cada um covado, nicamen-
te na loja e armazem do Pavao, ra da Impera-
ti n. fio. !< Flix IVreira da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A 55000.
Vendem-se colchas de ftisto damatca-
das para cama, pelo barato prego de 55,
grande pecbincha, na loja e armazem do
Pavao. ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
COBERTOHESINGLEZES A 45. 45500 E 55.
Vendeui-se os verdaderos cobertores
inglezes. de pura 13a, pelo barato prego
de 45, i#>00 e 55, assim como colchas de
ftkstao de cores, pelo barato prego de 35. na
loja e armazem do Pavo. ra da Impera-
triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
sas tendo mais de vara de largura, pelos
pregos de 55000 at 405000 a pega, assim
como finissimos organdys branco liso que
sen-e para vestidos de bailes, por seriauito
transparente a I500u, a vara, na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Alpacaslavradas
Chegaram pdo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que se vendem a 15000, o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de canna a
800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:200,
o covado, e outras muJtas fazendas de gosto
e moda que se vendem mais barato do
que em outra qualquer parte, o armazem
Jo Pavao, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
Ronpas para hoinem
Vendem-se superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas inglezas e francezas com os peitos
de esguio, ceroulas francezas de linho e a\-
godao,- meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e de raeia de la, assim
como neste estabelecimento existe um grande
sortimento de pannos pretos, e de casemiras
inglezas de cores, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-lhes que serlo servidos
com a maior promptido e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 125000 rs. cada par at 255000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva;
Cretone para liwjes com 10
palmos d largura a 2$,
Acaba de chegar esta nova e excellente
fazenda branca propria para lenges de um
s panno, garantindo-se que um metro e
urna quarta ou um metro e meio d um
excellente lengol de um s panno, assim
como esta boa fazenda tambem muito
propria para toalhas de meza, rosto etc. e
out'ros mysteres e vende-se pelo baratissi-
mo prego de 25 cada metro.
MOCAMBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Chegou para a loja do Pavao um elegante
sortimento dos mais bonitos mogambiques
proprios para vestidos cora as cores, mais
modernas e que se vendem pelo barato
prego de 500 rs. o covado.
ALPACAO DE CORDO PARA VESTIDO A 1-5
Chegou esta nova fazenda o o nome
de alpaco, sendo de cordo e com mais
largura do que a alpaca, com as mais lin las
cores, como sejam Bismark, lyrio, perolas.
roxo, cor de eanna, magenta etc. e vnde-
se pido baratissimo prego de 15 o covado.
ESGUIO DE LINHO DE 12 JARDAS A 10*V
Vende-se pegas de esguio de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada peca, a
105000.
ALTA NOVIDADE
A
Loja do Pavao.
GURGURoES PARA VESTIDOS A 15000.
O COVADO.
ROUPAS FEITAS
Na loja do Leo. da porta larga
DE ^^
PAREDES PORTO.
Ra da Imperatriz n. 52, junto aloja deourives.
N'este estabelecimento se encontrar ra da Imperatriz n. 52, lja do Paredes
sempre um cempleto sortimento de roupas Porto.
ledas de todas as qflaldades. Como se- Neste estabelecimento encontrarlo respe-
jam: paletots de alpaca, de merino, de tavel publico um completo sortimento de
casemira, bombains de panno preto, fra- fazendas e roupas que. se vende pelos pre-
ques e sobrecasacos de brins de Ores e gos seguintes:
Pardos. FAZENDAS BRANCAS,
CAMISAS E SIROULAS. Madapolo de diversas dualidades e pre-
Encontrar sempre o respeitavel publico gos commodos, eambraia de 35500 411500
um bonito sortimento de todos os nmeros, g 55, ditas victorias de 55500 a 425, pegas
< MEIAS CRUAS. de cassa liza o mais fino que ha no merca-
Sortimcnto de todas as qualidades, de do a 95, 105, 125. cora 12 varas, % vara
35 a 55, assim como tambem sortimento de largura
de lencos de linho brancos e com barras; SEDAS DE LISTRAS.
de cor, chinezes, bonitas gravatas pretas e Recbense um bonito sortimento d'esla
de cores. Ra da Imperatriz n. 52, por- fazenda que se vende a 25500 o covado.
ta larga. CHITAS.
P*RA ACABAR. Vende-se chitas escur* a 280, 300, e
Urna grande porcSo decaigas ordinarias 30 rs. o covado.* *
para trabaRto a 640 c 800 rs. cada um par, i GUARDANAPOS
pecbincha na loja do Leao junto a loja de Veode.se esU fazenda ^^ ^^
'boa a 45000e 55000 a duzia.
ounves.
GRANDE PECfflNCHA,
Cassas he cores a 160 rs. o covado, na
160 RES O COVADO
Chita preta pelo barato prego de 160 o
covado na ra da Imperatriz n. 52 na loja
que tem um Leo pintado.
PANNO DE LINHO
Paredes Porto recebeu um sortimento da
pannos de linho, com 27 varas a pega e
75OO0 e 185000, na ra da Imperatrign.
52,janto a loja de ourives de porta larga, de
Paredes Porto.
LENCOS DE LINHO
Vende-se lengos brancos de linho a 35.
a duzia para acabar na loja de Paredes Por*
Ra da Imperatriz n. 52 loja da porta
MEIAS PARA HOMEM
Sortimento de meias inglezas para hro-
mem a 45800 55800 e 65800 fazeitfa boa.
THOALHAS
Sortimento de toalhas de pelucia a 115
a duzia.
LENQOS BRANCOS a 25200
Para acabar lengos de algodao a 25200
a duzia,
25000
Vara de bramante de linho superior e
tem 10 palmos de largo.
CALCAS E COLETES.
Tem sempre no mesmo sentido* um sor-
to.
larga que tem um Leao pintado, de Paredes tmente completo a prego commodo.
Porto.
No armazem do Leo, ra da Imperatrie n. e 52, junto a loja de ourives.
V
SOFFRIMENTOS D'SSTOMAGO. CONSTIP AQO.-
Cura em pouefe- das pelo CAPvio OE BELtOC em p ou em pastillas.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. fc^.ifecGesao d-
jpadas rpidamente pelas PEROL** O-ETHCR i I' CUIT1V
ANEMIA, A PALUDEZ e follnmentos que tecessitamda
empreo doe ferruginosos sao sempre combatidos cora o melhor resultad*
pelas PU.ULA8 OE vikLLET. Cada Mua tem mera vado o noiue V1LLIT.
PO DE ROG. Basta dissolver um (Tasco d este p em me*
garrafa d'agua para se ebtr urna limonada agradavel que punra sern h-
aer' clica*.
VINHO DE QUINIUM de UUrr^,. Este vinho. um poncoe cuja compvsicio garantida constante, urna das tni Inores pre-
paravoe* de quiiiin. sem aceao noUvel sabr o* coovalesceotea. daode-
Ibes torcas e apressaiide i volt* a mude. Cura a* febres antigs que r-
stio ao sulfato de quinino.
WOLESTIAS DA BEXIGA. maior parte d'estaa moiea-
tias, cerno as sciaticas, kimbagos. catarros, e tedas as dore* nervosas em
geral sio curadas pelas perol oc esienci* oe tmere* ntin* de
Or. Clertan. 0 prefessor Trousseau em sen Tratado i* VerapcwtU acn-
selha as para seren tomadas na occasiao do jantar. o* dos* de 4 a 12.
OLEO OE FIGADO OE BACALHAO OE BERTH.-
Garantido puro e de pnmeira qMalirtadt shb das psucos aprovadoa pal*
teaitamii de mediciBa
-
AVISO. looi
ale* medicamentos fortm aprovudts pet* Academt
impenal de medicina 4 Parit.
No-Jnttn.
DEPOSITO
as Paria. U rREItC. I, rae Jaceh
DcroncBsu*; Hiisun f Pernamtne. sUamn et O.
fioAa*.
TUDOIU'B
Htscs et O
Cearm.
Hiuau et O
Chegaram os mais modernos gurgur?>es
JVladapolo eiifestado a 8S500 Para vestidos, sendo de todas as cores,como
Vende-se superior madapoloenfestado, sejam verde, azul, rosa, bismark, perola.
endo muito encorpado. para carnizas, e roxo d' te.ndo (Iuas'mjalro Palraos de lap-
tendo cada pega 24 jardas, pelo baralissi* ^ra, JJJrfnde"ie pe' b*31'88"110 Preco
mi prego de 85500, r.a loja e armazem do ,le m*), cada covaoo nicamente no ar-
Paa-ao, ra da Imperatriz n. 60.
JV,rvira *ia Silva.
De Flix
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nuaes de Castro.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todos o
conhocidos, j pela certeza e seu resulta
do, e j pela fcil applicagSo as creangas
qnasi sempre mais atacadas de tao teirive
e muitas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
KA
pharoiaeia e drogara.
o
Barthorneo & C.
4Raa sLarga do Rosario34
Pennas de ema.
Vendo-wiim 4o Qaetma Fcln Pereira da Silva.
mazem de Flix Pereira da Silva, na ra da
Imperatriz n. 60.
RETALIIOS PARA LITO NA LOJA DO
PAVO.
Vende-se urna grande quantidade de re-
tallios de chitas e cassas pretas por prego B
muito barato, e quanto maior for a porc3o
que o fregu comprar*, mais barato se Ihe
vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
firoadeoaples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos' como estreitos, sendo de 2 capado at 4,0000 rs. garantindo-se que
n'este genero ninguem tem melhor fazenda
que se vende mais barato do que em outra
.qualquer paite, a ra da Imperatriz n. 60.
(e Flix Perpira da Silva.
A U, OS BALES DO PAVAO
Vend nos de trinta a qoarenta arcos, tendo as fi-
tas bastante largas, sendo muito fcil trans-
fowna-los para outro qualquer novo modelo,
e liquidam-se pelo barato prego de 24 cada
um, sendo fazenda que sempre se venden
a 1& e 8tf. isto na loja e armazem do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60. De Feli>
Pereira da Silva.
Aa 9.000 Taras a AOO rs.
Vendem-se a- verdadeiras cambraia*
francezas, com lindos padrbese c/tres fixas.
sendo tapadas e transparentes, pelo barato
prego de 500 rs. a vara, ou 300 rs. o co-
vado, sendo fazenda que ningnem vend
por menos de 7 ou 8 tustoes, e liquidam-
se por este barato prego', por se ter feite
ama avetada compra, na loja e armazem
60, l>
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
OE GltUMULT E COMP.
birmMtlioi da S. A. I. o principa aTastoleeo. esa Parla.
A assoriacie do ferro e da quina resol veo um do* mais imporunirs problemas da pbarmacia.
e faz em qu se congratulara os medico* do* relevantes servicos qtn Ibes presu esu pre-
paracSo.
Com effeito. ningnem ignora que a quina, em maieira medical, o meibor tnico que se
possa empregar. sendo, sobretodo, nido ao Phosphato de ferro, a mais estimada das pre-
paracoes ferruginosas, pois que entran na sin eomposic2o o ferro, elemento do saagne, e o
phosphaio. principio dos osses.
Por isso. julgmos que, para os srs mdicos, serSo nteressantes as observacoes feitas pelos
sens collegas, os mai distinctos de Pars:
Este Xarope produz os mais felir.es resoltados nos casos de dysppsia, chlorosisf
* amenorrhea, hemorrhagias, leacorrheas, febrestyphoidas, diabetes, e qaando precisa
resubelecer as forcas dos doentes e restitoir ao cori>o as forjas alteradas ou perdidas. *
AR.NAL. medico de S.M.o Imperador.
8 urna das raras combinacoes qe, ao mesmo tempe, satisfazem o medico e o (lente. Em
* quanto a mim, en a considero como a mais efficaz preparaco ferruginosa, cujo uso dos
< mais agradaveis para os doenirs. *
CAZEMVE, medico do hospital Saint-Louis, em Parit.
fcil do digerir, administra-so
aos
Com esta preparacSo d'nraa lrma agradavel, e
doentes dois medicamentos importantes.
CHARRIER, chp de cUniea da Facuidad de Pane.
Eu emprego com o maior eiito o Xarope de Quina ferruginoso, e o comidero como
c ama da* max felizes innovaedes, na mateira medical.
CHASSA1UNAC, cirurgiao em ehefe do hospital Lariboisire.
Este medicamento, sempre bem aceito pelos doentes, deo-me coosuotemento os mai*
vaBUjosos resaltados.
ERVEZ DE CHEG0IN. membro da Academia de medicina.
A limpidez d'esia preparscSo, o seu gosto agradavel. isento de qualquer sabor
* ferro, fazem d'eiia um medicamento tio efcaz como agradavel.
MONO. addido Faculdade di medicina.
0 cordeiro previdente
lina do 4|iiciiuado n. 16.
Novo e variado Sortimento de perfumaras
linas, e outros objeelos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que electivamente est prvida a
loja do Cordeiro Previdente, cffa acaba de
receber um ouiro sormito que se torna
iiotavel pola vatiedade de objeelos, superiori-
dade, qualidades e coramodidades de pre-
gos ; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciago
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansido
e blrateza. Em dita loja encontraro *os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrillcia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservagao do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade c chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com'
pomada fka para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,,
eoatiws qualidades.
Finas extractos inglezes, americanos e
francotes em frascos simples e enfeitados.
' Essencia imperial do lino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de eheiroa igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo philocome verdadero.
Extracto d'oleo de superior qualidade.
com eacolhidos cheiros, em frascos de dif
fereirtes tamanhos.
Saaonetes em barras, maiores e menores
para maos.
Ditos transparentes, redgndos e em figu-
ras-de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba
aixinhascom bonitos sabonetes imitando
ftTictas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumarias, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papello igualmente bonitas, tam-
bem de pi'i uinari. linas.
Boaitos vasos de metal coloridos, e de
moldes nevos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composigode
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
gas.
Opiata ingleza e francezapara dentes.
Pos de camphora e outras diierntes
qualidades tambem para dentes.
l. Tnico oriental deKemp.
Alada naais coques.
Usa outro sortimentos de coques de ne-
vos e bonitos moldes com filete de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
esto todos expostos apreciago de quem
os pretenda comprar.
GOLLI.NHAS E PUXHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto eperfeigao.
Plvellas e Otas para ciatos.
Bello e variado sortimento de tees objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
0 que de melhor se pode encontrarnes se
genero, sobresahindo os delicados ramos
ominados para coques.
Para viagcni.
Balsas de tapete c carteiras de couro, por
pregos commodos.
Chapelinas de palha da Italia mui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
rao presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a ra do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS.
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente ra do Queima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trangas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
eonbecida eommodidade de pregos.
ALEM D'AQUELLES.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de gallcs de la, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade de gostos os tomam recommenda-
dos e apreciados ;.comparego pois os pre-
tendentes" que serb servidos a contento.
TO BEM BECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PELUCA.
De todas as cores tanto para homen'
como para senhoras, constantemente acham-
se a venda aa loja do Cordeiro Previdente :
ra do Queimado n.I6.
LlFil
II
Ra do Queimado n, 49 loja de
miudezas de Jos de Azevedo
Mata e Silva conhecido por Jos
Bigodinho.
Brti qnciniando os oljeclo3 ttaku declarados
pelo diminuto preco, a saber :
Frascos toQi: uua do Colonia vertadeira a i i.
Garrafas com agua Florida verdadeira, que se ga-
rante a 1A200.
-Peines para regaar raboHo de meninas a 320 rs,
Thcsouras muito'finas para unhas e costHras'a,
500 rs>
Tiuttiios chcios de tinta muito preta a 80, iOOj 160
e 400 rs.
Varas de franja branca de linbo para loaffcas a
100 rs.
Caixas de phosphoros de segnrana a 2a Aft *
160 ra.
Navafhas de ealio de marflm o que se garante a
qualidade a 9.
Libra de laa para bordar a '.
Peras de fita branca elstica muito superior a MU
e 300 rs.
Novellos delinha branca com 400 jardas a 60 ra.
Resmas de papel de peso liso muico Ono a 25C0-
Latas com superior bauna a 200 c 400 rs.
Caixas com seis irascos de cbeiij muito fino a
Wrs.
Caixas rdm do^e frascos, fazenda s boa a 4200
2&0O.
Frascos com superior oleo fllocomo a 500 rs.
Calungas de sabao transparente muito bonito e fi-
no a 240 re.
Duzia de paos de pomada do Rt'ino.. da melhor
qualidade a 240 rs.
Peeul de tiras bordadas multo finas a 500,600 e
OOrs.
Ditas de bab;>Jnhos con dez iras a t>00 rr.
Carriteis de linha de todas as eres, para aeaba
a 20 rs.
Garrafas com agua divina a 15500.
Fra-cos com superior macar perula a 320 w.
Caixas de vidro com doze didaes, que s a caixa
vale dinheiro a 200 rs.
Ditas de madeira com allinetcs, o que ha de me-
lhor a 320 rs.
Grosas de botos de louea, lisos e bordados a
160 rs.
Caixas redondas pai*a rap emittaado tartaruga a
1*500.
Peras de fita para eos da melhor qualidade a
500 rs.
Estovas para limpar dentes, fazer.da que s a vis-
ta a 240 rs.
Ditus para limpar unhas de superior qualidade a
500 rs.___________________________
Cera de carnauba
Vende-se na ra do Queimado n.* 13, primeiro
andar.
ESCBAVOS FGIDOS.
Fugio no dia 15 de fevereiro de 1869, qV.
enpenho Caith. pertcncente ao Sr. licrmino Lan-
lentiuo de Andiade, um escravo pret de notno
Felipfle, idade 40 annos, alto e de boa figura, pou-
co* cabellos na barba, nariz grosso c cdalo, olhos
grandes e wrnielho?, bricos grosfos, pn grandes
e grossos : roga-se polica ou a quem dclle 6-
vrr no-irin, so dirija ra de Apollo n. 8, qne
ser recompen-^ado.
WOS de gratiicai'o
Fugio uo dia 11 do Janeiro do eornnte ana,
do engenbo Batatura, freguezia da Escada, o es-
cravo preto, crioulo; de 2annos de idade,-cha-
mado Marcelino, que foi do Sr. Joao da Cnnha
Pereira, cujo escravo estere no deposito goral e
tem os signaes seguintes : alto, seceo do corro
rosto muito marcado de bexigas, falta de dente
na frente, cor preta, sahio de chapeo do chile, pa-
leto! e calca de castor, levando um bahuzinho db
flandres com mais raupa, e suppoe-;(> estar ta
freguezia do Cabo : quem o apprchender levc^t
ao dito engenbo, ou ra da Smzala-nova n. 38,
eseiiptono do Sr. Bernardino Pontual. que rere-
ber a gratilicagao cima.
Fugh> do engenho Jacobina, coman-a dn Ca-
bo, ao amanhei-er do dia 13 de crranle mzn
anno-, do abaixo asrfgnado, um escrav preto dj
nomo Antonio, conhgcido por Canda, idade de 25
a 30 ,mn s, pone mSis ou menos, alto, p- gr sos, tem urna das juntas do me-nm um pone
grossas, andar banzeiro, levando chapeo de fehm
ja usado, camisa de algodao azul e smola de al-
godao americano, rujo escravo veio de Buiqnp pa-
ra Pao d'Albo. para onde se desconfa ter seguido
roga-se a qualquer autoridade policial ou capitn
de campo a captura do dito escravo. levando jn
engenho cima, ou a ra do Caldeireiro n. 42. m>
Sr. Francisco Quintino Rodrigues Estoves, nne
sera generosamente gratificado.
^^^^^^ Antonio Carneiro I.ins e Welle.
que
Deposito em Pernambuco, em casa de abana* O*.
mn
CAPSULAS VEGETAES
MATICO
deGRIMAULT e C* pharwaceuticos em PARSS
de copaoiba aasotftdo i ir-rio
nh*i
Bauco (anrore do Per), e eonstMuem uro renMdt#infallivcl contra a gonorrha.
SSD.?r, Pj,*om50 n>0 Prow*o nunca o* eijoo.. e nanm* que samlo a*
Sf^n.. .a .' uvo* que elhu sio sapenore* 4* c*p.tMdeeophib^eSBlM,*te.
Oepoit*)% Perxambuco, ata eaaa*de Nhwi r.
_ Madame Adour tem a honra de parti-
cipar ao respeitavel pulilico que recebeu pelo
ultimo vapor fazendas- Gnas de muito gosto
como sejam:
Vestidos" de gase de ehamberj
obra rica
Chapeos para sen Horas e meni-
nas
Mantilhosde renda preta
Casaquino de guepure preto
bnrnous
Bales brancos
Vestuarios de fustao para ho-
mens
Ra do Imperador 1.* andarn.
23
Fugio de bordo to palliahoie nanunal Ama-
ro, um mnlato claro de nome Jusiino. estatura re-
gular, cbelos earapinhadns e bmm ruivi s. prtiea
barba, tem una pinla preta no car.lo do olho direi-
to e um talho as costas ao mesmo lado, l^vn
vestido camisa de chita com listas verdes, e usa
de urna cinta com borla encarnara para apertrr
as calsas, natural de Santa Anua do .Vatio na
provincia do Rio Grande do Norte, para onde tal;*
queira ir, tambem muito desembatacado no fal-
lar. Recommenda-sD aosmestres de barraca a
a qoalqner pessoa que o agarrar, e levar a re
do Trapiche n. 4 ou a bordo do referido navio p
sera generosamente gratificado.
Jim v i lu
Fogio no dia 21 do presente mez de marco, da
engenho Craeuipe, fregueiia de, Agoa Preta." o es-
cravo de nome Joaquim, idade 2o annoe, rrionh,
cor preta, estatura regular, testa grarde. olbcS
afuinacados, denles limados, e tem os dedos pola-
gaes dos ps voltados para fra, sahio com cha-
peo de palha do Chile, levando um bah pei-nem
de folha de Flandres. Ha certeza de que o difb
escravo seguio para a cidade do Reciie, embar-
cando na eslaeao de Gan eleira "en um dos tr-ns
do eaminho de ferro : i|ucm o appiehender quei-
ra leva-lo ao m seu saibor o teneiito-coronel Pedro Francisco rtfc
Albuquerque, ou no Becife ao Sr. Antonio Joa
Leal neis, escriptorin ra da Cadeia n. 49, mm
ser y newisamentc gratificado.
FugUrnn dia 24 do crreme, do sltii. da es-
trada dos Afllictos n. 17, urna pula orioiWa dh
nome Ignez, de idade 17 innos, alia, bem pareci-
da, levou nma porco de roupa e ilguui dinhiira,
const qne foi seduzida, o o abaixo asignado pro-
testa c a polica e aos capitiies de can po a na apprehen-
sao e levem-na ao mesmo sitio ou ra da Ca-
SrabaluobaD'i, Jos Goncalvi?s Torras.
[o'fe LEBAS DOUTOR EM sopiciarI
WJ INSPECTOR OAACARFMIADFPAR/.
Oebaixo da forro* d'uro liquido sem sabor,
anlogo a raa fu mioeral, eaie medica-
meato rune o* demeato* roe conslinem
os 0*80* e o sangue. E' o mai racional do*
feTttgiuOM; por tu razio o adopta rio
---------------- o* mal* eminente mdicos do mundo ta-
lero. Conven, u.uao meninas de iempe#e.io deiroado. ejo cta^votv.menicT <
s senbora* que padecen d'etu dore* d'esiomafo itolervei*, eannda peU cb^rw.
.nemia. roenstroacao ra Wrocorrba, I* er,t7F.ima coropleMo padidii deJioidaTti
todu a* j,e*oa que tero o sangue empobrecido pela* doenca. Effic!e, rwMeTaJ
eur. perfeiu sem eon.tro.cie vMaw,, ^.br, .deolets taf>*^'ii*1m?m
Oepoaiio en Pernambuco, ero cm* oe *>* >.


VINHO DO PORTO
Cbegaram dilTerentes qualioades do de-
i)oslo de vnoos, em casa de Theod. Cbris-
lianaen. na da Om n. 18.
Para encanamento 'a^ua.
Caaos de ferro, ditos cstanhados, ditos forrados
de porcelana, todos com as competentes lorneiras.
curvas etc. : a na do Queimado n. 32.
A 500 rs.
Jarro* para plantacdes de flores e cacos para
alvorflfn, por metade de seu valor, para acabar:
na ra* m Lapa n. 15.
A24000
Jarras do Ararat y para dous baldes d'agia. e
boa reatriadeira. pelo baratissimo preco de 2JOO0
rada ama, a ellas, antes que se acabem : na ra
da Lapa a-13.
Escravos fu^ido.s
Fngio no dia 22 de fevereiro prximo passado
tres escravos, da cidado de Canini, pertenc.ntai
ao abaixo 3ssignado, cujos escravos twm os *g-
naps sPmntes : um mulato de m me Benedicta,
idade 28 annos, ponco mais ou menos, corpo re-
gular, barbado, tendo falta de dentes na frente;
urna mulata de idade 22 annos. de nome Dina,
miiluer do, mesmo, secc do corpo, peseteo tin.T,
cnbi'llns cortados rotes, dentes perfeilos, <.|rnjji
vivos, a qualconduzum filhinho que vai andandt
de nome Nicanor : roga-se as anoridades poR.
ciaes e capitae< de campo a apprehen mos escravos, os qnaes sendo onirejue* na me-
ma cidade de Caruar, oo no engenho Firmeza da
freguezia da Escada, serio generosamente recoiu-
pensados.
Antonio Bezerra da Silva.
^ctia-se fgido desde satibld.. 7 dof",
%0JZ{"0 fula da Iome ^"-i"- J'' "ade
18 a 20annos poueo mais ou mon.s. I^v-ou-ami-
sademad;,p,via,, eaiadebrime ebajio de fi*.
. j.f ^"' fP,n '1 !"g!,aes spe't'' : estaimli
regular, bem feto do corpo, vesgo de uro otbq,
leni uin braco junto ao,bomro m.iis eco que o
"'tro, fugio do engenho Limoeirinho do termo Ja
aseada e pelas noticias dirigise tara e-sa c da-
de para onde foge j segunda vez di em ganhador : roga-se as autoridades conineten-
tes a etptura do mesmo, bem oorw a qnalqn**
pessoa que o petar e o levar a sen snnh 'h'to
engenho a Jos Gmcjaves da Roela ou nesta
praca na ra do Llvramento n *i, M bem r
compensado.


im*
8

Diario de Pernambuoo Quinta feira 1 de Abril de 1869.
ilTTERATMA.
A 1L1I1 -#I? tnETA
As grandes potencias europras reunidas
. conferencia de Paris, acabara de ser
chamelas para jdlgarem dos reatados a
insurreicao cretense, e espera-se de sua ce-
tisaoa naz ou a guerra. O interesse dos
SX poHticos que elTectuaram.se
g Ees annos, e as consequenc.as geraes
Se %\m resultar d'elles, rest.tu.r5o a
Creta sin antiga eclebndade.
' Esta peqno.n ill.a tem urna longa bajfo-
wa Famusa desde os teiupos mais ron o-
. tos, entre todas as ilhas do Hellade que
Eanhava o mar Egeo.a antiga Dobcha glo-
ricava-se de ter visto nascer Jpiter, e de
tr por seu primeiro rei o pai dos deuseu e
dos homens. Formou-se pois o berco da
uwthologia grega. Baccho, o hroe da ci-
vilisacohellenica. ah foi instruido as ir-
tos e as sciencias; Hercules ahi veio e:ce
eutar om dos seus raaiores feitos.
Ali reinou.Minos, o successor dos deuses
c o primeiro rei das idades heroicas, o le-
gislador mais aflamado da antiguidade. Ln-
trou no numero das nares que tomar im
parte na guerra de Troia.c seu re Idonie-
*eo pretendeu partilhar o enramando, om
Agamonnon, o chere dos Gregos. Homero
c Virgilio cantaram a Creta de conicidad s.
Muito lempo reinou ella sobro os mares.
Suaposiro faza-a o centro do commercio
do grande marinterior. A naturasa, di-
nia Aristteles, pareca U'l-a enllocado no
tarar mais fovoravet para dar-lhe o imperio
da Grecia. Ilonravain-na como a patria das
artes. Foi ali que Ddalo, o creador da
arle grega, fez suas obras mais maravillo-
sas ; Thaleas inventou a harmona ; dous
architectos cretenses construiram o templo
de Diana em Epheso. e a ilha anda est.-.
borla das bellas ruinas desse monumento.
Depois da guerra de Troia aantiga na
lesa desapareceu; Creta dividi se em ca-
rias repblicas e sua historia mais ou me-
nos confundida com a da antiga Grecia.
Conservou-se livro at o momento em c ue
Roma senhoriou>se d'ella para completar a
obra de su conquista qp Mediterrneo, e
pelo toseje, disse Flores, de conquistar e;sa
clebre illia. (68 annos antes de Jess
Quiste.)
Sob o dominio romano, Creta sujeitou se
lei dos Csares ; mas alcancou cedo a fe
d Jess Cliristo. .
' S. Paulo dirigindo-se a Roma foi obligado
pelos ventos contrarios a arribar Curta
onde pregn o Evangelho. Quando parti
deixou sea discpulo Tito i frente da igrea,
que acabara de fundar, e Ihc dirigi* por es-
cripto suas instrueces.
O imperio passou do Occidente para o
Oriente ; Creta ficou snjeita a Constantino
oat os principios do nono seculo. N'esta
pou.os Sarracenos de Ilespanhaeonquis
taram-na e destruiram a f calhohca por
sanguinolentas persegnicoes. Miguel II e
seus sicesTores quiseram reconquista-a
militas vezes: suas expedices filharani.
Emlim, depois de seculo e meio, Nicphoro
Phocas senhoriou-se d'ella por algum lempo
c tentoureslabelecer o christianismo. Du-
rante o dominio musuhnano, o nome de
Creta mu lou-e pelo de Canda, que prera-
lecou na idade media, e que subsiste anda
era npsso tempo par do antigo rime.
N > tempo da prmeira crusada, Baldoir o,
conde de Flandrcs. teado-se tornado impe-
rador de C onslantinopla por eleir-u, o uu-
tro pretendente, Bonifacio, marqaez deMont-
fernrt, receben em otmpensaco todas as
antigs possessoes dos imperadores gregos
na Asia, a iilia do Creta e o reino de Toes-
salonia. Por sua vez, o novo rei, por una
convenci do mesmo anno (1201,) cedou
Canda aos Venesianos que j tinham receb-
do. na distribuigao do imperio grego as illias
do archipelago, militas partas do Pelopone-
30, e as costas da Phrygiacdo Hellesponto.
Cana foi durante quatro centos e cinco-
enta annos a- possesso martima mais im-
portante da repblica no mediterrneo. As
hostilidades de Genova e asrevoltas locaes
determinaram no dcimo quarto seculo, a
xpedico para os Candiota d'uma colonia,
que assegurou o dominio de Venesa sobro a
ilh, assegurando ao mesmo tempo sua es-
colente posicio martima contra as empre-
sas dos Genoveses, c a prosperidade de *m
commercio. As galeras necessarias qi.e
< mduziram as pelleseos arminhosdo m;r
Negro, o ouro, os perfumes, as pedrarias,
asdrogase as fazendas preciosas da Asia,
.iTLavain Canda. A ilha Ihes servia de
deposito, commercial para os productos do
Norte e do Oriente que Venesa trocava com
a Franca, Hespanha, Italia e Allemanlia.
A tomada de Constantinopla.em 1453,que
t.nmou Mahomet II senhor do imperio de
Byzanoio, nao fez cahir em seu poder as
ilhas do archipelago, quo possuiam as po-
derosas repblicas de Venesa. e de Genova.
Ellas, porm,' nao poderam subtrair-se
depois ao dominio dos Musulmanas. Chio,
Lesbos, Lanos e as outras Cyclades, e de-
pois Rliodcs c Chypre, loram succcsstvamen-
te conquistadas, apezar das crusadas de Ca-
fisto III e de^p II, e nao obstante os so-
corros do Oxdente, a victoria de Lepanto,
a heroica resistencia de"Villiers de l'lsie-
Adam e os exrcitos e as frotas de Car-
los V.
Canda foi a nica de todas as ilhas gro-
gas, que resisti at o meio do decimo-se-
timfi seculo s incurses dos Turcos. No dia
2i de junho de 166.5, urna frota mustlhav
na desembarcou em suas costas cfteoenti
mil homens de tropas, e a guerra comegoii
e durou vinte cinco annos, em um vigor
constante.
eos tornaram-se inteiramente os senhores Grecia tinha desde muito tempo preparado
da situaco. Lea Europa a interveuco las potencias. Ila-
A revolta da Morea, em 1770, excitada I vte ifisso alguma coosa da antiga sympathia
pela Russia, foi o primeiro ?da d'iageren-ldos chrsfies do ^cidentepara seusirmos
cia do poder moscovita nos negocios da] Grecia, eo principio daexecuco dos pla-Ucas do Hellade e a esperanza de urna re-
nos politfcios.de Pudro, o.gpindc. Apezirigenerac5e da aotiga pa:ria das lettrase das
dos soccorros da Russia e dos prmeiros artes, tinham dado aos Hellenos modernos
successoidos navios russos. a Morea e as
ilhas do Vrchipelago, entregues as s mes-
illas, entraram na dependencia da sublinw
porta, e expiraran! sua rebllio por um
rgowM traamento. A com nanidade de
elijrio foi o pretexto da inlervencn da
Itnsiia: a Grecia soube desde entao que rjo-
dia contar oom o apoio d'esta potencia em
nomodos interesses d'uma mesmi f, e a
Russia tratou logo de aproveitar esta pro-
teceo"religiosa contra Turqua.
No meio das guerras geraes dofim do d-
cimo oitavo seculo da revolucao francesa
c ap3zar d'algamas revoltas
N'esse momento Candia attraio a attenoao e do imperio.
locaes, Cretarcomo as aotras ilhas do Ar-
chipelago c como a Gracia, ficou sujeita ao
dominio turco.
FOLHETIWI
OS DJ.tM.lS DE -CtYEiWt
por
Elie BertJst.
/
(Continuago don. 71)
Os concesionarios.
No dia seguinte de man'ua Josephina es-
tava mais tranquilla; recejando, porm,
contrariar Grandval, nao permiltio que este
i a acompanhasse segunda visita a seu pai,
indo apenas acompanhada de Miguef.
Alli encrontrou Bertomy muito dilferente
do que o achara na vespera. Desappare-
cera todo o aspecto de bondade, e apenas
se revela va n'elle o egosmo e abitalidade.
Como hoovess perdido o dnheiro que
ella Ihc dera na vespera, pedio-lhe mais u
ainda em cima estraohou que Ihe nao li-
vessem levado algumas provisQes deicadas.
dirigi increpaces a seus filhos, chaman-
do-lhes somitieos.
Indubitavelmente j se tinha avistado
Om Rigaut, experimentando os effeito-d.i
scendonc.a d'aquelie espirito perverso.
Josephina convenceu-se d'isso completamen
STl0,?? 5aiihe dsse q8 tinha no-
ticia dVtraica. de Grandval &)ra res|)eito a
om pobre camarada.- Fallou de inimiiro
per.gosos contra os qaaes orna resolut*
rapariga de va precaver-se, e pela sua mar
te disse que nao estava diaposto atoterar
discordias era escndalos.
Josephina nada responden a estas alia
*5es injustas e malvolas dirigidas ao bo-
de toda Europa christla.
As crusadas nao tinham impedido o dos-
envolvimento do islamismo.
O imperio turco estendia-se do golpho
d'Oaan o do Euphrates ao Danubio, cobria
todo o littoral do dediterrano, as margens
do Mar-Negro e do Adritico, e hia raesmo
at o centro da Europa. Os postos a van-
eados da christandade, embora gaardado>
pelos Jean Huniade, os Scanderberg es 8a:
biewski, eram toreados; toda a Grecia chris-
taa eslava em poder dos inflis, e-as frotas
do mahometismo faziam fluctuar ^crescen-
le desde Trpoli at o estreito de ibraltar.
. Candia era a ultim- fortalea dos'povos chris
t3os no Mediterrneo; ella hia sustentar ora, ,de.
longo cerco contra as forfas do imperi
Otomano. O Occidente agitou-se ainda
urna vez dante da invaso-temivcl. A' prin-
cipio Venesa supportou st'> o esforz da la*
ta. Victoriosa em mudas batalhas navaes,
perseguio os navios turcos at os -Darda-
nellos. Estas victorias ficaram sem resul-
tado ; os turcos invadiram a Hha com nu-
merosas tropas c ameacavam a capital. Ve-
nesa redi bcava seus esforcos e -diriga no-
vas supplicas*a todas s potencias christaas
da Europa. O papa Clemente IX fez um
appello aos princepes catholicos e prodiga-
lisou os thesouros da igreja; Luiz XIV e o
duque de Saboya mandaram navios e regi-
ment?. A nobreza franceza, sob o com-
mando dos duques de la Feuillade, de Be-
aufort, do Navaillcs, de Choiseul letantou-
se n'um impulso, cafalheresco para ir em
soccorro da repblica. Varias e*pedic5e<
foram successivaraente organizadas. Moro-
algumas semanas, todos os Gregos candi- tos para que proolamasse o direito ao tra-
tas levantaran o estandarte da cruz e cor- halho, conseguio torca de talento e da
reramaoinimigo. valor perservar o pab. de ulna medidade-
Houve durante dous annos alternativos de Rastrosa.
0/tratados tic 1815 que reorganisaram,
a-*uropa, nHo offenderam a integridade do
imperio Oltomano; ejles s se oceuparam
dos Gregos para collocarem as ilhas Jonis
sob a proteec5o da Inglaterra.
Mas as ideas d'independencia e de ber-
dade agitavam^s Hellenos. Os mais arden-
'tt!S, nao suppWfando .o jugo dos Turcos e
aspirando reconquistar sua patria commum
formaram urna associacao nacional com o
nome A'ht tUirie, onde elles s'entretiam no
enthusiasmo, na esperanza e na fraternida-
Sda programma era a unioarmi-
da de todos os christaos do imperio tur-
cij para fezer triumphor a cruz sobre o cres-
t cente.
i.As sublevafliies suscitadas nosprincipatl).*
danubianos sobre a inspiraco rus silantis serviram de preludio revolucao
que Su executar-se. A revolta do Pelopo-
nes'i.am 18l foi o signal da insurreict
geral. O momnnto era favoravel: os Helle-
nos, sobrecitados pelas recordarnos da his-
toria antiga e por um patriotismo novo, ani-
mados pelas sympatlnas dos governos o da
opinio.poblica na Europa, contavam prinp
cipalntente com o soccorro da Russia, ini-
miga nata da Turqua, e-a Turqua enfra-
quecida pelas perturbacoes interiores e con-
tinuaSj nao menos pelas revoltas parciaes
das provincias tributarias, comecara a te-
mer pela seguranca de sen imperio.
A influencia da Russia sobre a insurrei-
Co bellenica c um ponto importante na
partidistas. A tomada de Constantino pa
tinha laucado na Europa os ltimos Gregos
]u; contribuiram para a animagilo dacivili-
saro hollenica. Os renascentes apaixona-
rarn-se pelaantiguidade grega, eo philhel-
lenismo tornou-se urna yadicejo entre os
letrados.
No dcimo oitavo seculo, no'tempo do an-
tagonismo nascenla entre a Russia e a Tur-
qua, e com o auxilio do movimento phi-
losophico e humanitario espalhado pela Eu-
ropa, as sympathias augmentaram, Voltaire
chamou todos os" principes christSos para
a cruzada contra Os Tarcos, emprehendi-
da por Catnarina II, a quem elle chamava
a nova Semiramis. Eruditas como Villoi-
son e Barthlemy ressuscitavim por seus
trabadlos a antiga Grecia ; archeologos iam
estudar os restos do seus monumentos:
poetas viajantes, como Chateaubriand, tra-
ca va m o Itinerario^ das ruinas, e comme-
imravam o melanclico silencio da escra-
vido que domina os monumentos despe-
dcelos da arte. Osfoetas cantavam a
inorte e a ressurreico da Grecia, as odes
de Byron, de Sehiller, de Vctor Hugo, de
Lam'irtine, e de Casemiro Delavigne tor-
naram-se populares. A neo-litieratura gre-
ga era traduzida e admirada na Europa, os
publicistas compuuham numerosos escrip-
tos so re os negocies gregos ; o jornalis-
mo do todas as opinioes era. unnime ; o
partido liberal de todos os paizes tomou
em cousideraco a causa da lberdade da
Grecia. Foi um enlhusiasmo geral, ao
qual so abandonaram os espiritos mais re-
fleotidos, e os governos tiveram de ceder
opiuio publica, em nome da liberdade,
na humanidade e da civlisaco.
sucessos e de revzes.. Os detallies desta
hita sao horrorosos: incendios de igrejas e
de aldeas, assassinatos, roubos, mortanda-
de de mulfieres e de crianzas; vio-se de
ambas asparles a mesmas crueldades eme >-
mo furor. Mudas expe lices turco-egy|)- vagens.
Mr. Emilio Ovier recordava um episodio
curioso.
Um dia recebeu Mr. de Lamartine na
casa da cmara a urna deputagao de vrfsubia-
uas, mulberes do povo, de maneiras sel-
ini, frente das tropas venesianas, defen- historia da questo do Oriente.
dia-se como hroe.
Tudo foi intil. O gran-visir cercav em
pessoa Canda com todas as forras de seu
exercito. Em fim, no da 27 de settembro
de 166!), depois d'um cerco de vinte oito
mezes, a cidade foi obrigada a capitular, e
a ilha in eir aps vinte annos de guerra,
caldo sb jugo musulmano, no qual ficou
at hoje.
Foi esta a ultima conquista dos Turcos
na Europa, e o ultimo grao de seu poder.
Um seculo depois, a Turqua vio levan-
tarse contra um inimigoterrivel, e que as-
pirava a colloca-la outra vez no imperio do
Oriente. A ttussia. victoriosa pela primei-
ra vezcm 1769v adion seus projectos; mas
o testamente- de Pedro, o grande, tgando
a seus successores a conquista de Constan-
tinopla, e Catnarina II, em cojo reinado os
Russos alcancaram sua prmeira victoria,
indo ella em pessoa tomar posseda Crimea
conquistada, mosrou-lhe o caminho em
cujo extremo s;u ministro Potemkin escre-
veu, n'uma das portas de Cherson, esta
inscripcao em grego: Caminho de Buzando.
Entao comecou a questo do Oriente.
As nacoes catholicas da Europa occidental,
apezar de muitos seculos do crusadas, nao
puderam tirar o Oriente do dominio do
islamismo; a Russia scismatica aspira ago-
ra a apoderar-se do Oriente pela ruina do
imperio turco.
Qual ser para o futuro, diante desta po-
ltica, o papel das potencias occidentaes da
Europa? Dexarao a Russia levar a vante o
seu plano? Sustentarlo ou deixarlO -ani-
quilar Turqua? Ou concorrerSo para a
lonnaco d'um novo reino oriental, sb a
preponderancia da raca grega ou da verda-
dera raca slava-latina dos povos das mar-
gens do Danubio ? Toda a questSo se re-
sume n'isso: o futuro da Europa e do ca-
tholissmo no Occidente tem grande inte-
rease neste desfexo.
Alguns annos depois da perda de Ganda.
Venesa diligenciara reconquistar suas anti-
gs possessoes insulares, formandO'uma al-
lianca com a Austria, a Polonia o'Ruma;
a paz de Carlovitz, em 1669, Ihe restitui-
r urna parte da Morea, da Dalmacia. e
das ilhas Jonias. Mais ella perden tudo
outra vez no lim do anno de 1W5. 'GsTur-
mem que ella araava. O carcter de Bor-
tomy comecava a revelar-se-lhe sob o ver-
dadeiro aspecto. O forcado tinha um es-
pirito fraco, incapaz por si mesmo de fazer
bem ou mal. mas accessivel a qualquer-in-
fluencia funesta. s commoc5es do jogo,
o desespero da sua situaco actual e ,prova-
velmente tambem a influencia mrbida do
felima tinham acabado de desorganisar as
molas d'aquella alma primitivamente mal
temperada.
A joven via-se, pois, na fireciSIo de o
disputar a urna especie de diabo que se
apossra d'elle e reconhecla a sua impo-
tencia em taes circumstancias. Porisso
tambem se absteve ainda do revelar-the a
causa verdadeira da sua ida Guianaa, e,
despedindo-se d'elle de sbito, regressoa
ao convento mais desanimada e mais triste
do que nunca.
Tinha-se combinado fazor-se n'esse dia a
visita a Margarida Bobn, sua patricia, a
qual, degradada por crime de infanticidio,
estava casada com im forcado dos conces-
swoarios suburbanos de S. Lonrenco.
Graadal devia acompanha-la : Kiheeia
elle de outros lempos a familia 'Rtnbiii, e,
alm d*isso7 contava poder fazernegcin
cora Lefrancois, o marido de -Mtfgtfida.
que podia, como outros conce*ii.ouarios.
entrar era especulacoes comraerciaes, e qu>-
lntia, secundo constava, madairas de *aar-
ceneria para vender, tanto mais fur sror
Rosaba, bem informada acerca de lodos os
habitantes de S. Lourenco, fallava onl4ouJ
vor dos esposos Efraocois, citando-os co-
mo modelos casados entro Os oncessiona-
rios'da colonia.
e
hora marcada chegaram Grtodwl
Miguel. Josephina taetteu no sea ees luhn
algumas bagateHas' da -Europa, destinadas
a presentear Margarida, e, aeoapaatiada
dos dous protectores habikiaes^ditgiofa
para a habitaco dos esposos Lefraaeois.
O czar Alexandre, desde sua- elevacHo ao
tlnono, fez-se o herdeiro doprojedo grtg*,
o no abandonou nenhuma das occasioes
que Ihe offereciam as peg,urbacoes da Eu-
ropa para po-lo em execucJo. Pouco faltou
mesmo para que durante a invazo france-
za de 1812, elle nao teutasse urna diversa i
grandiosa contra Constantinopla, cuja posse
era para Napoleo o domini < dn mundo.*
Na poca da insurreicao de I Sil, elle era
o mais poderoso soberano da Euroaa. e os
Gregos que sabiam que as Turcos nao ti-
nham visiuho mais temivel, dirigiam-se a
elle chammdo-0 o grande e o pai do pa-
vo grego.
Ypsilanlis, o primeiro libertador da -Gre-
cia, o ajudanle de campo do czar, Ihe es-
crovia urna caita para nedir sua intervenco
e Ihe recordar que os nobres nslinctos do
povo vinham deDeus, e que era por ordem
d'uma inspiraco divina, que os Gregos le-
vaiitavam-so hoje para sacudir um jugo qua-
tro vezes secular. Afiis de duzentos re-
queriraentos, assignados por mais de seis-
centos mil aomes de homens notaTeis de
todas as classes e de todas a3 provincias
da Grecia, chamavam-no para si por fren-
te da insurreicao.
Os Helenos raostravara urna conanca
sincera no momrcha russo, acreditando
i'uma sympathia desenteressada de sua par-
te, e ao precebendo que s eram parad-
les os instrumentos de seus projectos am-
biciosos.
Desde o primeiro anno da guerra da in-
surreicao, a Russia acabou violentamente
suas relacoes oflkiaes com a Turqua, elhe
dirigi um ultimtum que foi cominunicado
s potencias. Seguramente a conducta da
Turqua para com os christihs gregos era
excessiva; mas a causa dos oppriinidos s.
era um pretexto para a poltica russa.
Emquantoa guerra continuava na Grecia
cora igual rigor de ambas as partes eoi-
penhavam-se negociafoes diplomatjras en-
tre as potencias, instigaco da Russia,
acabando ellas n'um tratado de allianca en-
tre, a laglaterra, a Russia e a Franca. A
victoria Navarino alcancada -em 187 pelas
tropas alliadas contra os navios turcos, pz
flm guerra da dependencia.
m grande movimento de interesse pela
As residencias dos .concessionarios su-
burbanos, oceupadas, como dissemos, por
familias agricultoras, consistem em peque-
as casas de um s pavimento. Sao se-
paradas urnas das outras por urna avenida
A guerra de 1827 foi primeramente urna
obea de sentimento, e til nelinar-se a
este carcter mais generoso, que poltico,
di intervenco da Europa na Grecia, para
lescorrer sobre os ltimos acontecimentos
de Creta, que esclarecem ainda urna voz
a questo do Oriente, cujo conflicto grego,-
lurco, sujeito s deliberaees da conferen-
cia de Paris, o principal incidente. An-
tis de tudo convm resumir a historia da
insurreicao cretense
II
Creta ao principio nao tomou parte na
sublevaco de 1821. Foi s na segunda
metade do anno, que urna parte de seus
habitantes revoltou-se. e fez causa com-
mum com o resto da Grecia.
Affastada pela.sua posc3o geographica
da pennsula grega e das pequeas ilhas do
Arehipel igo, tinha Picado fura da hmirie e
da agitacio helnica, o ainda qu* em ne-
nhuma parte o governo dos Turro* fosse
mais appressivo, os christaos candiotas, su-
sujeitos s autoridades dos hachas, no pen-
savam em attrahir pela revolta inevKaveis
c cruei represalias. Foi preciso notos ex-
cessos da parte de seu governo. e o boato
crescente dos sucessos da insurreicao con-
tinental para pol-os cora as armas na mao.
Enl5o a insurreicao que rebentou foi ge-
ral.
A ilha, que no tempo de sua prosperida-
de ti vera um railho e duzentos mil habi-
tantes, e at um milhao e quinhentas m-
nimas, estava redusida a urna populado le
duzentos e cincoenta mil christaos e musull
mSnos; mas sua forma natural Ihe permet-
tia sustentar a luta contra forcas muito
mais numerosas que as suas. Urna cordi-
llieira central, que se ramidea a dircita e a
esq lerda, a percorrer em toda a sua ex-
tenso, com um comprimento de sessenta
leguas, e a divide em duas grandes partes
urna septentrional, e outra meridional. Tres
grandes raontanhas principaes compoe esta
cordilheira e dividem a ilha em tres regies
distinctas: Os M >nles-Brancs no Orwnte.
o gru oo do Ma no centro, a montanha do
Uict no Este." Esta divisao de territorio
correspondo a urna dviso administrativa.
As tres regioes formam tres pachalitos: as
cidades principaes, Candia, a Canea, Rethy-
mo s5o a- residencia dos hachas torcos, go-
bernadores da ilha.
Este paiz raontanhoso oflerecia as maio-
res vantagens para una guerra de gaerri-
Ihas.
Na vertente meridional, a provincia de
Sphakia separada as outras por uma mas
sa enorme de rochados abruptos, habita-
da por uma populacho enrgica e bedicosa,
que vive separada n'uma especie de inde-
pendencia, e que, desde 1770, tomou-se
nicamente bributara da Porta. Foi d'alli
que parti o movimento insurreicoaal em
cias foram dirigidas contra a ilha, e apewir
da resistencia feroz dos Sphakiotas, que hj
,distingiin-am principalmente na 4utar a. in-
surreicao foi umavez reprimida. Entre-
tanto a ctiegada deama tropa de Pcloponeo
em 1825, reanimou guerra; os, Candiotas
tornaram a pegar as armas; mas o nume-
ro de fugitivos e dos mortos tinha rediizi-
do os combatentes a alguns ponhados homens. Elles lutaramfios seus monts
em pequeos bandos, perseguidos e de si-
mados de dia em dia, sem esperanca, mais
sem descanco. *
A intervenco das potencias europeas pz
tim gueira da independencia.
Victoriosas contra a Turquia e senhoras
do destino da Grecia, ellas afinal chegavam
a*um accordo para regular a sorte* do povo
emancipado depois de longos e deficeis ne-
gociacoes, que a guerra sobrevinda no se-
guinte anno entre a Russia e a Turqua
complicaran! ainda mais. O protocollo li-
nal'de Londres de ^e fevereiro de I83U.
que constituio a Grecia em reino independen-
te, com o principe Leopoldo de Saxe-Co-
bourg como rei excluio do novo estado,
instancias de Wellington, representante de
Inglaterra, Samos e a ilha de Creta, que
Ihe teriam dado uma grande importancia
martima.
Creta recahio pois sobre o dominio mu-
sulmano. apezar de ter sustentado lo ar-
denteinhte como a pennsula a cansa helle-
nica. Todava, a Turquia conservou nica-
mente n'ella uma soberana indirecta. Em
1832, um firman do sulto entregou ao vi-
ce-rei do Egypto, Mehmet Alli, todos os
direitos da SublimerPorta sobre Candia.
A ilha depois da guerra, ficou pobre e
despovoada. Conforme alguns viajntes,
sua populacao nSo se elevava a mais de
cento e vinte mil almas, e o terco dos ha-
bitantes compnnha-se de muaalmanos.
Qualquer que fosse o descontentamento dos
christaos candiotas sacrificados aos inte-
resses da poltica europea, a necessidade
redusia-os inaccSo, e hoove nicamente
levantamentos parciaes contra os dominado-
res, ou actos isolados de desordens entre
christlos e Turcos.
A moderaco do governo de Mustapha-
Pach que Mehemet-Ati envou a Candia,
contribuio muito para restabelecer a paz e
a tranquilidade n ilha. Sob a influencia
sempre activa das potencias europeas, c
tambem pelo effeito d'um novo espirito de
prudencia e d'equidade a poltica turca
mudou para os christaos. Elles obtiveram
concesscs particulares e a igualdade civil.
Em fim a guerra da Crimea teve por conse-
quencia traser novos melhoramentos sorte
dos christaos do imperio ottomano.
(Conlinuar-sf-h)
A turba de vesnbianas invadi a sala de
despacho do Lamartine, o qual se apresen-
toa a ellas e Ihe pergunto 15 que deseja-
vam.
Cdado, disse ama d ellas, as veta-
biaaas quizeram enviar-te urna deputaco,
para expressar-te toda a admiracfr) qae
Ihes inspiras. Vieraos cincoenta encarre-
gadas de abracar-te* em noaw de todas as
dentis.
"NSo eram nada bonitas, dizia depois
Mr. de Lamartine, recordando este episo-
dio de sua vida poltica. O deixar-se abra-
Car cusava-lbe. Occorreu ento ao poeta
ama das inspirarnos proprias do seu genio,
e dirigindo-se s vesnbianas disse-lhes :
Cidadas, dou-vos os ieus agradeci-
raentos pelos sentimentos que me expri-
ms; porm, permitti-me dizer-vos que, pa-
triotas como vos, n5o sao mulberes, mas
sim homens, e entre homens nao costu-
mo haver abracos, mas sim apertar-se a
m5o.
Foi assim que Mr. de Larraatine evitou
M) abracos, que repugnavam sua natureza
delicada.
abrir na floresta ura espaco de ral metros
de extensao, cultivar o lerxeno de cada lote
,e construir as vinte casas sob um plano
uniforme. Feito isto, termina a associa-
Co : os lotes sao tirados sorte e cada
de bastantes metros de largura e dispjstaMd.'gredado se installa n'aquelle que Ihc
de forma 'iue nao se devassasem recipro-
camente,' afina de prevenir quaesquer rola-
Cjs de ra visinhanca entro os concessio-
narios. Alera d'isso, teem suas dependen-
cias singelamente construidas, destinadas a
sservirem de cosinha, de offleinas ou mes-
rao de eurraes, e por traz de cada uma
d'ellas se eslende ura terrreno de duzen-
tos metros de extens5o por cem metros de
largura, onue se cultivam fructos e legu-
mes da Ewopa, conjunotemenle com as
pr.idueces indgenas. Ca.-a, slo e respec-
Mivos productos s5o propriedade exclusiva
ido comessiorfario, quando por seu traba-
Iho e bom coraportamenlo obteve a con-
esso diliiitiva. Ento pode alienar a soa
propriadade vende-la e fazer acquiaic&o
de outras lugo que tenha saldado as suas
eontas eon-or Estado. -Tem'aftcuhhdede
mawtarTlr surfmiHa e insta I la-la aiU^e o
Estatfo enparrega-se generosamente das^es-
pezas 4a- viagera.
Posto isto, nao se julgue >qud o ^degra-
dado chega sem esforcos e-grande dWfieOl-
dade a esta taacSo appetecivel de pro-
prietario. O rrte das arvores, o arrotea-
mento dos tarreaos, a'abertura de artrada*.
a veilago dos terreaes e a construeco das
casas, lado 'istoJ tora 'sua. O'ioverno
da colonia reone ura grupo de inte de-
gradados qu por seu compoftaraenlo exein-
plar se tornanm dignos do considwaco ',
p5e i u* ltepaspio orna rea bastante
para vmte lotes, lbmeco4es gratnHament
as fcrraraentas,. osrros e aniraaes aeces
sirios, e d-lhes osTBimaotos dtate ara
lampo determinado. Estes vinte horneas,
trabaratodo era OQKnuiu, s5o obrigados a.
coube. Tora, pois, o concessionario a re-
signar-so a longas o penosas fadigas, e na
hypothese de ultimar todos os seus traba-
dios, debaixo de ura clima adente, que
consom cora rapidez os europeas, d-llie
a lei o legitimo dominio d'aquella pequea
propriedade.
Era para uma d'estas colonias ^de con-
cessionacios que Josephina o seus campa-
nil ciros se dirigiara, parecendo ter pressa
de If chegar.
Posto que a estacSo chuvosa.quo subs-
t'tue o invern nos paizes tropicios, esti-
vessa pertollo seu termo, havia anda mui-
to frecuentes chuveiros. Su>posto n'essa
nuaha e as dos das antecedentes o sol
se liouvesse apresentado eocoberto, e a;
obstante o calor ser insuportavel, as cita-
ratas-celestes anrnacavam abrir-se de ara
momento para outro.
Por iisj Joseplu'iw, que apenas levava
um-pequeo guardasol, apressau o pa>so.
Aterrada com o aspecto de um horisontt
ameacaHor, othava impaciente para tod is a<
habitaces uniformes que de ura e outro la-
do da estrada se Ihe offereciam vista, e
j grossas pingas de chuva coraecava.n a
cahir subre as folhas'da* paluieins,. miando
liualmente sa chegeu aaWtacao dos espo-
sos Lefrancois.
.Esta residencia am nAda'dilfcria,-i pr-
meira vista, "daa oatras. 'O-andar nico
da casa estava superior ao chao cerca de
quairaoo cinto,'.pea.sobra- pilares de l-
*aa, o qiw a prnterrava dos insectos e
da'iaumida'le. Sobia-se-' para a' casa por
urna eseada- -da-nndeira i o telhHHd era de
pfMobai; as jaaeUas^^raecidas >di
POTJCO DE TXJDO.
PEREGRINAXUO A MEC. O grao
sherif da Meca, de accordo com Mohammod
pacha, governador geral do Hedjaz, tomou
todas as medidas necessarias para conservar
a hygieno publica, durante a estaclo da
peregrinaco cidade santa.
Sabe-se com certeza que o numero de
peregrinos musulmanas ser este anno mui-
to cousideravel, e-que uma prmeira cara-
vana partida da Syria, devia desembarcar
de i a 5 de. marco.
Organisarara'jse duas coramisses sanita-
ria? e o vce-rei do Egypto mandou para o
paz dous batalhoes de infantera afira d
ajudarem a manter a ordem.
A ceremonia final da peregrinaco cele-
bra-se fo monte Arafat e consisto em sa-
crificios que duram tres das.. Outr'ora
os mnitos animaes immolados durante estas
solemdidades religiosas ficavam expostos
ao sol, e suas carnes desenvolvalo mias-
mas pestilenciaes. Agora tomaram-se dis-
posicoes para madilicar radicalmente estas
praticas, e evitar as doencas contagiosas
que os peregrinos levavara aos paizes por
que passavam.

LAMARTINE.Nos corredores, do. corpo
legislativo francez, e pelo motivo da sentida
morte de Lamartine, corriam -de bocea em
bocea varias anedoctas relativas aos aconte-
cimentos era que tanto figurou este illustr
personagem. Uns recordavam que intimi-
do um dia como merabro do governo pro-
visorio por urna turba de operarios farain-
JORNALISMO ALLEMO. N'uma cor-
respondencia da Allemanha, encontram-se
alguns dados estatisticos acerca da impren-
sa n'aquelle paiz.
Como se sabe, na Allemanha, excepeo
da Prussia s jornaes nao estao sujeitos ao
sello, nem a bancas. por isso que o
preco das folhas polticas muito modera-
do, emquanto que o numero dos jornaes
elevado. Uma estatistica recente mostra
que as antigs piovincasdo reino da Prus-
sia, ha 657 jornaes, cora 838:000 assignan-
tes, sobre pertojie 17 milhes de habitan-
tes, 6 que corresponde a um jornal para
cada 23 habitantes: as novas provincias
existem 188 jornaes com 218:480 assigna-
turas, n'uma populacSo de mais de 4 mi-
IhVs de habitantes, proporco um jornal
por cada 20 habitantes, nos paizes annexa-
dos Prussia, contam-se 301 jornaes com
306:880 assignantes, n'uma populacao de
5.875:22.'i habitantes, isto um jornal
para cada 10.
Na Saxonia, antiga patria da iraprensa,
conta-se umjotnal por oito habitantes.
No Wurt mberg que de todos os pai-
zes o mais favorecido, ha um jornal por 7
1|2 habitantes, o que quer dizer que cada
familia tem um jornal.
Eis aqu os algarismos, sem comraenta-
rios :
Wurtemberg : 104 jornaes com 236:230
assignantes ; habitantes 1.778:470 ; isto
um jornal por cada 7 I j habitantes.
Baviera : 169 jornaes contando 365:480
assignaturas; habitantes 1.834:421; isto ,
um jornal por cada 13.
Gran ducaoo de Badn, 57 jornaes tendo
91:900 assignantes, em 1.434:970 habitan-
tes ; um jornal por 15 1|2.
Restava-nos para completar esta curiosa
estatistica, fazer conhecer o preco dos prin-
cipaes jornaestV o que havetoos de lazer
prximamente; podemos dizorj que o pre-
co de algumas folhas polticas de pequeo
formato, que se publicam todos osadas,
excepcao do domingo, nao excede a 75 cn-
timos por mea. Um jornal que castasse um
sou seria na Allemanha uma folha de luxo.
teiras transparentes, tinham suas portas.
No pateo havia^um alpendra, quo servia de
cosinha, e ao lado ootro de curral, onda
raugia urna vacca, em quaalo que um gor-
dissimo porco mostava a tromba pela
chanfradura da porta. Muitas gallinhas e
bem assim outras bellas aves da familia
gallincea, mas desconhecidas na Europa,
depinicavam em volta da casa : o garboso
gallo, elevando o sonoro canto, podia fa er
lembrar aos exilados os prazeres da infan-
cia e as delicias dt patria.
0 que, porm, sorprenda sobretudo na
casa dos esposos Lefrancois era a boa or-
dem e aceio que reinava em tudo.
Como os recem-ohegados parassqpi de-
fronte da casa procurando assej?urar-se de
que n5o se enganavara, urna mulher do-
seus trinta annos, vestindo um falo aatf so
normando, lo familiar para elles, appareceu
porta, dizeitdo-lnes amavehnente :
Entre, menina ; ea|rera. mms senho-
res. O chuveiro nio ser duradouro, ao
que parece, mas ser forte, i Vanhara abn-
gar-se n'esta casa. M
A hesitacodelosepfina e do seus eom-
panheiros tenaiaou mai* depressa ara pro-
seaca de ara etrepit*$a trovao do que por
to aaiigavel onvite. Entraram, pois, e
ainda mal hawam tranaposto o bmiar da
noria ji a ohi*va*c*bia lio grossa e abun-
dante, .que.-precia ir ooaterler^se todo o
paiz n'um lago.
Est vara agora n'urai sala espacosa, que
com un quarto contiguo forma va o aloja-
raento da-farailia. diavia alli o mais com-
pleto aceio. O* movis, posto que de ma-
nufactura ordinaria, paieciara de madeira
rara : era uma corarahda, um d'esses ar-
aadastao apreciados, petas boas donas de
casa, am* nwaa "dous tamboretes. So-
bre- a aona noda, viara-se algumas.. quioqui-
merias feitas de eco o bocetas "de palha
pintada representaralo .deuhos siuapLea.
KOSSUTH E SEUS PARTIDARIOS.Ao
passo que se approximam as eleicSes na
Hungra, a luta toma maiores porporces.
Kussuih e seus fpartidarios espalham com
profusSo proclamacoes hostia ao dualismo
inaugurado pelo conde de Beust, entretanto
que o partido Deak combate enrgicamente
taes manojos e proclama sua sincera aduc-
so a Francisco Jos.

JORNAL REDIGIDOPOR SENHORAS.
Era Paris vai publicar-se nm peridico re-
digido exclusivamente por senhoras -e que
ter o titulo Gazeta de mulheres.
PERDAS SENSIVEIS.Diz om peridico
de Barcelona que passa di 1,000,000 du-
ros o valor das perdas que solfreram a
raarinha e c commercioa-smente em Tarra-
gona, em consequencia do furaco do dia
2 de marco.
as paredes estavam dep8nduradas algumas
hnagens de santos. A porta interior, que
se achava aberta, permittia ver que o quar-
to contiguo estava mobilado pouco' mais
ou menos da mesma maneira, contendo,
alm d'isso, ura leito cercado do1* seu raos-
quiteiro e ura berco com cortinas de gaze
muito brancas, em que dorma uma crean-
Ca. Nao havia charain era nenhum dos
quartos, como cousa to intil ^'aquello
paiz do sol quanto indispensavel aas nossas
cajas da Europa.
A dona da casa, ao mesmo tempo qae
se apressava com a maior amabilidad* tu
offerecer cadeiras^arnra-se .objecto do
mais atiento exame. Se em algum tempo
fra (brmisa, agora nada'd'isso tinha, aas
as suas feices exprimiam metancolica re-
signac5o. Notava-se nos seus movimentos
um todo meticuloso, que dspertava aym-
pathia.
Estamos fallando Sra. Lefrancois ?
pergunto Grandval-- Desojada ver seu
marido.
A pobre mulher encarou-o. assus'ada ;
porm, tranquillisaudo-se em presenea 4
aspecto lliauod franco do marimj; respon-
den cora alabilidade ;
M -u marido anda trabalbando no
campo das canas de assucar-e cora esta
chuva deve ir para casa, a tifa ser que se
abrigue n'ugMibana que arrwjoa de fuites
de pdmeira prximo d'aHi: no lanao
posso chama-lo. .
Nao o incoraraodei disse JoMpbkia.
ospera-lo-heraos. Sa O eapitSo Grandval
tem a tratar com eWe, os nnaus negocios
s3o entre nos ambas. Pois j se nio lem-
bra de mim#,pobre Margarida ?
.E Josepliina argueu o veo.
{Continuar-atta.)
TTP.'DO DIARIO-OTA BJiciftM*".*
i
i
1

i


I


i



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ES80XDI68_7KBOZD INGEST_TIME 2013-09-14T03:39:48Z PACKAGE AA00011611_11804
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES