Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11802


This item is only available as the following downloads:


Full Text

-*.
ANNO XLV. NUMERO 70.
v

\
PARA A CAPITAL
lor tres mezes adiantados.
------
E LUGARES ONDE MAS SE PAGA PORTE.
Por seis ditos dem. ..'.'''......' .' .' S
j;or um anuo fan. ... *............; .' .' j^
Cada numero avulso......'..........'..'. ,$320
TERCA FEIR 30 DE MARCO DE 1869.

PARA DERTRO E PORA DA PROVBCIA.
Por tres mezes adiantados.
Por seis ditos idem. .
Por nove ditos idem' *.
Por um anno. .
607
130800
200*00
270*0
RMMBUCO.

*
, Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.

vi
M.iO ACiKCTRW :
O, Srs. Geranio Antonio Alves 4 Filhos, no Para; Goncalves Pinto, no tfaranhao; Joaqfum Jos de Oiiveira, no Cear; Antonia de Lemos Braga, no Aracaty; Joao Maria Julio Chaves, no Ass: Antonio Marones da Silva no Naial- An* ^m**
Guimaraes Pancada, em Mamanguape; Antonio AJexandr.no de Limaba Parahyba; Antonio Jos Gomes, M Villa da Peni?; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo AnSoIvDoSoT5oT. Co ll Bra^a ***
m Nasareth; Francino Tarares da Osla, em Alagas; Dr. Jos Martins Alves, na-Baha; e Jos Ribeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
-H~
PAKTEm^L
Governo | desta presidencia a arrematacSo annunciada para
o dia 18 do corrente mes dos reparos da ponte do
Anjo.
N. 609.Dila ao *mesrao.Em vista da inclusa
doma, mande V. S. pagar a Severiano Jo^ dos
Sanios Aguiar. conforme solirltou o chefe de poli
fia eilMScio de honlem. sob n. 380, a quana de
8O000 provonientc do aluguel venrido tic (Ti de
setembro do anno prximo passado a' 15 de jnnri-
l'.KPBBKNTIC ASSIQXApe-PEI.O EXM. SR. C.ONDBDE BAR-
tmtt, fRKSIDENTR DA PROVINCIA, NO DIA 16 DE
MAftCu DE 18'jy.
mfocgo.
X. 520. -Portara aoExju. Sr. general brigadei- 'ro ultimo, da casa que servio, de cadeia no terttio
10 com.uind.in,e das armasEm vista dos mjti- do Cabo.
Apotos em offieio de V. Exc. do 13 do cor- I N. 610.Dita ao ^nesmo.Com o incluso re-
lento mI) o. 148, conveulio em que no dia i'j as | qaerimento de Jeronytnn Corra de Amorim, con-
ileas nV'iiewn as salvas do estylo, devendo j sentior do sitio Natttba, onde tem de ser feito o
"titn '.']''' ^ 2.1 do me?mo itmz, em que tem de acude para abastecitneuto d'agua p lavel a cidade
^^JWtojar-so, na forma estalieleeida, o universa-| da YlewrtP, satisface ;i requisteaode V. S. rostida
rio do juramento da eonstituie.aj poltica do impe-
li.
N. '5M.Dita ao directoi do arsenal de guerra.
Remeti a V. S. para seu conliecimento urna
robra ) d i arma liento o corrame que existo no
&gundinrmaze n do ahnoxnrifado desse estabele-
iii'Mo, em o de Janeiro ultimo, a qual me foi re-
mettid nulo seu antecessor.
X. 8W. -Ote eo inspector do arsenal de mari-
iihk*Pwfc V. S. mandar faicT as otllcinas desse
*reu i '' icario do que precisa a machina de
imprimir o Umro de Pernumbuco, como peden) os
propri irios do mesmo, Manoel Figueira de Fa-
ria.4 l'i'lia-, assignando este termo de obrigaco
do pagnenlo da respectiva despea, nos termos
lo aviso La marinha n. 'VI de 26 de outubro de
I8o* e de ia iiiformaeao n. 1,700 do 13 do cor-
! Dita ao coinmandante do presidio de
Fernando.Snvte V. 9. para esta cidade com as
cautelas precisa, o sentenciado de justiea Candi-
do Mximum)dos Santos, em vista do que expoe
reqiusieao
em offlcjj) de o do corrente, sob n. 12i, o qual fica
assiin respondido.
N. 611. -Dita ao mesmo.Ao subdelegado do
Pufo da PanoHa mande V. S. pagar, ein vista da
me bisronla que me remetteu o ebefe de polica,
rom offtcio de 28 do Janeiro ultimo, sob n. 118, a
qnaiilia de 505000 proveniente .do jluguel de 5
mezes vencidos em dezembro de^anno prximo
passado, da casa que servia de quartel ao destaca-
mento existente naquella-fregtffitia. .
N. 612.Dita ao mesino.Con'stendo de infor-
mac i do chefe da reparticao das obras publicas,
datada do 13 do corrente e sob n. 101, que, por
arhar-se em bom catado de consen'8cao, e ter ex-
pirado o prazo de responsabidade mandara la-
vrai' o termo de rafltbimcnto delinitivo das obras
do novo ralcamento e lastro da ponte de Santa
Isabel. A'sslm declaro a V. S. para sett conhect-
menlo e aflm de que seja paga em vi -ta do compe-
tente certilicado a quantia de 2:7374350 a que se-
gundo o parecer da contadoria des a thesouraria,
tem direito o arrematante daquellas obras prove-
ment em designios impog a nossos hombros ogover-
no desta dioeese, nos temos applicado se-
riamente ao melhoramento physico, moral
i! intellecuial do nosso seminario diocesano:
acerca do que a conscienca nos assegm i
de termos obrado com ace/to. Ena ver- de ser cTe'oito annos, ser
dade guando urna planta eessa de dar fruc- gov> rno imperial concedesse
tos. ou os prorluz degenerados, cava-se e
adnba-se a trra em torno s suas. raizes.
e cortam-se-lhe os ramos inuteis e vefgon-
leas.viciosas para que possa dar os l'i uctos
desejados. Assim tambem se urna casa
milis dilTusameiite veris no plano de estu- corte o separe de si quanto pernicidso e
do que acompanha esta circular, as ca det inulil, as proprias paixSes e caprichos
is de ensino^t aqu existentes neste se-
o Jie i
ininario de de?, a
sere d'ora eofrijaute mais do dobro dests
ritimero j_cq periodo dos estados, em vez
de dez. Se o
e um mais con-
gruo subsidio, o qu# ja llie pedimos, e es-
tamos esperando, isso merecera nossa vi-
va gratidao, sendo j um valioso soccorro;
mas seria- na verdade anda assaz diminuto,
vista do mujo qlie necessaro.
ameaca ruina, tratar-se de\re quanto antes porm Nta de outras fon tes, nos espera-
e em quanto lempo, de forliicar e con- -
solidar seus alicorees: e, para dei\arms
i jiz municipal da primeira vara em olllcio de mente da ulma prestaaodo seu contrato.
do correiile.
M. '.ii Dita ao commandante do brigue barca
tumuriri -* ]m vista dos motivos expostos em
Ni 613.Dita ao chefe da reparticao das obras
publicas. Tendo Vmc, segundo me declara em
ma informaba) de 15 do eorrente, sob n. 10.*i. de
offlcio > Exm. S#. brigadoiro commandanto das mandar brevemente um eagenheiro dessa repar-
annas de 13 do (torrente sob n. 118. determinei. tiriio, ao interior da provincia, afim de sasfazer
que n"i' it\--em as fortalezas no da 25 dcste mez diversas ordena desta presidencia, reeommendo
as salv s do estylo, devendo porm faz-la a 29 do | Ihe que, apresentando essa occasiao, mande exa-
iiie n\ iiic.T, em que tem de fe-tejarse na forma > minar a possibilidade da constraccao de um acude
.stahrlffila o aoniversario do juramento da cons-1 na villa de Cimbres, que reclama a respectiva ca-
iiui'.i> puiitka do imperio: o que communico a mar municipal, em offlcio de 26 de fevereiro ul-
lf i iint*.. aiv.i i. .i.. ,.n ,1 > _> I i i nf. > >>,lii.l.> .ni iui -^ _..L_- _____________-____ A -_ i________* f^.
Vmc naca pie prbeMa ne-ta confcirmioade quan-
io ao !ii i.iie barca de que commandante.
N. TOS Dita ao coaselbo de compras do arse-
nal de guerra.Autoriso o conselbo de compras
do arsenal de guerra a promover a compra da
plvora lina que se faz necessaria ao labortteriu
8,' -l-tantedo pedido junto sob n. 9,
2a se
K. 599.Portara ao Dr." cliefe do polica. Ac-
enso, o rcelii ment do offlcio dlo do corrente
sob n. .'lili, que V. S. dirisiio-me em cumprimento
tim.i sobre que versa a sua citada informaeao, fa-
zendo desdo logo a planta e o oreamento da despe-
za dessa obra.
! secciio.
X. 611.Portara cmara municipal da villa
de Oiiricuty.Podendo acontecer que as mesas
dos colle}!o's eleiloraesda vida de (iiirictiry para
as eleiedes de depn lados a assembla geral legis-
lativa e de dntis senadores por esta provincia uei-
xein de enviar as copias das acias da onnacao
das ditas mesas nos dias 2 e 4 do corrente, limi-
do Jespac) desia presidencia la orado no offlcio (lando-sea mandar li jmenlo as copias das acias
de 6 doste mez, do delegado de polica do tormo da apuracao das votos Ais raesmas eleicoes, cun-
de S i iitbaem. Iuterado do que communica, te-1 pre que a* cmara municipal da sohrikta villa.
nho a di/, t i V. S. que approvo a diaria de qua-1 com urgencia remeta a esta presidencia as mes
- Siciedadc lamenta inhbil a d;ir-lhes reme-, ,^ovos, sendo pelo contrario feitas o sanecio-
* dio : e isto s porque os que possuem esse' nadas, em varios paizes, por odio gruja
," remedio eflicaa emsua mohabuiarain-se e ao evatigelho; sa em grande parle des-
tro mil rts para o enfer.noim, que toni de incum-
bir-se lio tratamento dos doentes alfoctados da va-
i termo, devendo o resp^.iivo dj^
^ado iiifor i ir desde quando comeen elf- a vertB-
. la, e que podo V. s. mandar fornecer os oito co-
bertores, recTatnados para os mesmos doenfes, as-
sim como rontraciaro sustento dos que forem re-
cinln "-1 .uiciite pobres por quantia igual, a qne
se raga para os presos, cumprindo que aqoelle
,i..i'.r i, ,'nv!e semanalmenle urna triafin dos en-
mas copias das artas da formaca das nflkHS, as
quaes devem vir em duplcala, tiradas ou subs-
criptas pelo secretario da cautara-cuncertadaa ptf
l iln'lliao do lugar e em sua falta por escrivao efe
paz, afim de seren transmittidas ao ministerio do
imperio. seiulcMima para o senado e outra para H
cmara dos deputados Idnticas as cmaras mu-'
nicipaes da cidade de Govanna das viltits de
[gnarass, Escada, Bonito, Quique, S. Bento. Villa
Helia, flores, Ingazcira, Cabrob, Granito, Tacara-
ern is pobres, que foram alimentados, e qne V. m o Boa-Vista.
5. nanita Ih reannmende, que apenas ce>soou | N. 015.Dila a cmara municipal da villa de
iuiia, faca elle todas as reduccoe9jCimbre?,=Declaro a cmara municipal da vill.i
posslveis as de rio circumstanciado de lujo, com demonstraro vereiro ultimo, que nesta data expeco as neeesea
ilos dispendios fei|ps, devidamente provados.
N. 6JIK Dita ao commandante superior da
guarda nac >nal do municipio de Olinda. Espera
V. S. as suas orden?, para que urna guarda de
bonra da 9* batalhao da guarda nacional sob seu
romn:'.) superior, so aprsente no dia 20 do
correnfc;, ai 7 horas da imite, em frente da igreja
do ttosano na ridadj de Olinda, para arompanhar
a procissa ) dv SMihor B-mi Jess dos Passos, que
Hru i!'1 ajireseotara venerara > dos liis a irman-
dade ii) mesmo Senhor erecta na dila igreja.
601.Dita rt commandante do corpo provi-
nas ordeus ao chefe da reparticao das obras-pu-
blicas, afijado mandar um engenheiio a essa vil-
la examinar a possibilidade da constriircao d>>
arude de qne trata o sen citado olllcio, fazendn
desde logo a planta e o prcamento da despeza des-
sa obra.
EXPKOIENTE ASSIONADO YOD l)H. JOAOIIM COnRA DF.
ABAUJO, SECRETARIO 00 OOVEli.NO. EM 16 DE MARCO
DE 1869.
1* scelo.
N. 616.Offlcio ao Exm. general commandante
das armas.De or'dem de S. Exc. o Sr. presidente
sorio d" ['-a. Transmuto a Vine, para adevi- da-provincia, declaro a V. Exc. em resposta ao
da exfleuoae a sentenca da junta em ultima ins- seu offlcio de 15 do c
tancia, que juhjon o alteres di corpo sob seu
i?uel Joaquim do Kego Barros, cujo
procos, i Ihe devolvo.
3" sorra i. /
N. Ol.Portaria ao inspector dathe?onrariade
fizenda.Tendo nesia data autorisado ao conse-
lbo do compras do arsenal de guerra, a promover
a compra do plvora fina para fornerimento do la-
boratorio de fogos. constantes do pedido junto por
:, sob n. 9, assim n communico a V. S. para
i c inheeimanlo.
N. 61) KDita ao mesmo.Transmuto a V. S. os
prets juntos em' duplicad, |ue me remetteu o enm-
l lia Jas armas com olirids de boje, sob ns.
IW e l i), a.n do que mande linuidar e pagar os
venc o itns rtalivo? a primeira quinzena desle
mez, d h prisioneiros de guerra paraguayes edas
pracis ooaiireKadas no deposito de rrcruts.
S 6'Ji.Dita ao mesmo.Providencie V. S. pa-
ra que d !i us de liquidada a vista das dww. m-
tas jiMUfl en diplirata, a despera frita dfUfttiteos
mozos de ianeiro e fevereiro desle awiti, com o
i nii otel te de luz e agua para o quartel do des-
tacam mi d > termo do Cimbres, seja pago o que
justamente so esver a dever a Severiano Montei-
ro Leite,-conforme solieitou o chefe de polica em
offrii de.hontem, sob n. 878.
N. 6Vi. Dito ao mesmo.Fico inteirado de ha-
ver V. pelas raides exp islas em seu offlcio de
! 18 i -1 vi le em 's-a > da junta
dessa ria que as ajudas de custo de 300
ead i u na, nvandaM.is abonar [i ir esla presidencia
a s tres mernliros da c mimiu. qne segnio para
o pr ernand i. fossetn ffigas por conta d>
vi' neniar 'de 3:00(>OOO aberto em 2i
de fevereiro altimp, para t rubrica =Despezas
eventu ies=do ministerio da "iierra noartu;ri exer-
cicio ; o que val ser levado ao conhecimento do
mesmo ministerio.
N. 608Dita ao mesmo.fntrfrado' de qnantq
\. S. expoi em sua informara > de II do Crreme,
sob n. m, aeerca' do requerimento; qtre inclust
d^r.dvo de mt)m- Antonio Fritosa de Mello, tenho
a dizer, qu havendo osla presideueia, em virtud"
de -'! berto imi reedito siipplementar
de 5:0591 ffira a verba-Rvontua.^do mi-
nis'erM da giurra, pr conta do q-nl j foram sa-
tisfeitas, fior indicaeao de V. S. desperas com pas-
sMpns dadas i Dar*) dos vap Peraambdffltrf, qne e*tao no mesmo raso da de
que pede pagamento o mencionado ma|or; pela
referida verba deve ser elle indemnisado do que
despemleu con' a conduVca > de armamento para a
villa do llnique, dando-sc de tinto parte em occa-
siao opoortuna ap'ministerio respectivo.
S. tyt;-JSh t -inspector dn tbcsorlriy)ro-
vincial.Attendendo ao qae rftdneren o prinf an-
te da stWetRHa"e governo Miguel ArrtiAnjo Pe-
rjira do Reg, resolv conceder Justificadas a<
fulas p.it efle1 da* durante o" mdr. de, frereiro
ultimo. 0 qne declaro a V. S.'pra sen enrthrri-
nwntoeiim ifentie mande psar-ibe mtegral-
menie a sua gratilici{5* edrrepmdeMe ijuefle
met.
N *0e.Dita ao mesmo.Altendendb ao que
etpVttoeneM te r4po&r fa obrthr pohllcs
em onVio .'e hontem. soh rti WR nwnMmAnd
irrente, sob n. lio, qui nesta
data se mandn sasfazer os dons pedidos do
commandante do deposito especial de instruccao
de objectos necesHtrios ao mesmo deposito, os
qupes vieram annexos ao seu citado offlcio.
N. 617.Dito ao me*ni .De ordrm de 8. Exe.
o Si. presidente da provincia, declaro a V. Exc.
em resposta ao seu offlcio de-ta data, sob n. 151,
que se mandou satisfazer o pedido do comma i-
dantc da companhia de operarios do arsenal de
guerra que veio anpexo ao seu citado offlcio.
* 2' secciio.
N. 618.Offlrio ao Dr." chefe de polica S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S., em resposta aos seus offlcios de hontem,
sob ns. 380 e 878, que nesta data transmittio->e s
thesourarias geral c provincial para os ins conve-
nientes as cohtas que vieram annexas aos citados
offlcios.
N. 619.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia, respondido ao offlcio de V. S.,
datado de 29 de Janeiro ultimo, sob n. 148, manda
declarar que a thesouraria provincial tem ordem
paj vaKT ao subdelegado da freguezia do Poco
da Panella a quantia de 50S, constante de seu ci-
tado offlcio.
N, 620.Dito ao juiz de direito da comarca do
Brejo. O Exm. Sr. presidente da provincia manda
aecusar o receWmento do offlcio de V. S. de 1 do
crrante, em que communica ter nessa data re-
assumido o exercicio do sen cargo.
Jf. 621.Dito aojniz municipal da vara desta
ri^ade.O Exm. Sr. presidente da provincia man-
d^i'eWcJarar a V. S. que nesta data se ex pedio or-
Sem ao*"cwninand;inte do presidio de Fernando
para mandar'''pora esta cidade, com as precisas
cautelas, o senteoiado Candido Maximiarto dos
Santos, a# que allude*-o seu offlcio de 9 do cor-
rente.
X. 622.Dito ao mesmo.De ordamdo Exm.
Sr. presidente da pro\nncia, transmitilaT-'S. para
seu conhecimento o offlcio junto poT^copla %
Dr. Juiz d direito da comarcarle Nazareth. de.
do mez flndo, relativo gnla* de sentenciados
existentes em Fernando,
.'t'secci).
N. M.Offlcio ao injpecfrir' da thesouraria de
fazenda.0 Exm. 3f. pfjaBRe da provincia,
manda detlrar a V. S. para os fns convenientes
uue, segundo offlcio-do juiz de direito da cmnarca
no Brejo, bachffel Lourencu Francisco de Atmida
Cataah, do t do corrente, nessa data reassuinio
elle o exetricio dn sen cargo.
N. 62r-Diifc ao chefe da reparn'cao das obras
publlras.S Exe o Sr. presidente da provincia,
lirandltjterado do contedo do offlcio de honlem
ji *j manda declarar em resposta que ix-
dlo oYdrtn athesouraria provincial para sobrestar
ate segunn> orflem na arremalacao dds raanros
dk ponte tId Arijo.
Rispado de Peruambuco.
Gntci)Kfta:DO xcKttENTissnio rispo o. rtttW-
dstlfCVRndZO hIMX, AO VK.NRRAVEIS E
WSaiEUDOt- PAR.0CHOS DESTA DWCR8K1
Ravorehdo* e amados irmos.
estes similtN. rada um sabe que (uanto 6
inais dilficl raoditieai4 hbitos hatenos
bons ou nios. principalmente se Ibrem in-
veterados ; tanto mus fcil educar a mn-
cidade (que anda nao adquiri hbitos) na
acquisicSo daquelles mesmos mu perritos
que permanentemente auxiliao o desempe-
nlio dos ^roprius deveres ; ao quaes de-
veres v;ii esta acceita mocidade preparar-se
no tirocinio ecclesiastico.
SolTrei, prosados irmos, que desde o
principio desle endereco digamos urna ver-
dade a vos por certo e a nos mesmos desa-
grada vel, e que a prudencia W> setulo qui-
zera considerar contraria ao escopo da pre-
sente carta ; mas qae nao podemos omit
tir em virtude da nossa posico.
O modo de vida ecelesiastica. geralmen-
te fallando, em nossa dioeese nao aquelle
que se requer no ministerio do sanctiiaiio.
A palavra evanglica muda, entretanto
que Jess Christo deu aos apostlos e seus
successores o mandado de prega-la : os pe-
queos da casa de Deus, isto os senos
e os ignomntes j^edem pao, o p3o da eter-
na vida ; c nao ha quasi quero tenha eutia-
nh.is de caridde para dvidi-!o entre ellos.
A [iK'gar-io do evangelho e o ensillo di^
ctlj^cismo .sao por conseguntc a excepro
e nao a negra. DHttri wm o descrdito i
Desperle-se para o acto genoroso, pois,
que estavam reduziila,- d'esse profundo lemargo, em que jaz talvez
de ha muitos annos, c respire ja urna era
feliz, em conformidade s mximas do Evan-
gelio e disciplina: eclesistica. Al J que
alegra, e qne gloria para nos se, regres-
saudo nossa dioeese, encontrassemos ro
j faltas e desordens a reprehender corri-
^ir; massim virtudes de penitencia, de ab-
negacaoe de zelo pastoral a encarecer em
O que todo o nosso clero I Ora assim como a con-
sideragSo dos prximos vindouros synodos
foi um principal motivo que nos induzio o
reformar o seminario, afim de preparar-se
neUe quanto antes um clero dcil nova
disciplina; assim tambera um dos meios,
que propoidonarnos aos nossos reverendos
parochos, para mostrarem que 11S0 sao in-
sensiveis s nossas exhortarles, ajudando-
nos a promover no seminario aquelles me-
Ihoramenlos, que Ihes vao preparar dignos
sticcessores no ministerio parochial.
Mas alm de requererem-sc meios para
remuneraros no vos professores do semina-
rio, deve attender-se necessidade impra<
lerivel de augmentar o numero dos cleri-
|gos. Com effeito o nosso clero, anda quan-
do fosse em todos os respe tos idneo, o
qne (dizendo-o sem lisonja) nao com ludo
nao bastara acudir s necessidades urgen-
tes d"esta vastissima dioeese: e bemsabis
quanto seutmos nao podermos satisfazer
mos daProvid%ia: e esta vai desde ago-
ra servir-se d^vigorosa cooperacao dos
nossos paroctws
Todos v ciar urna reforma: seja qual for a parte
que na mesraa deveis ter, activa, embora
passiva, cada um nensae quem nao pen-
sar ?em w finalmente um melhor esta-
do de cousas, pois cada um deve tima vez
reffeclir na trenjenda responsabilidade. que
pesa sobre si, de comparecer, e bem de-
pressa talvez, feo tribunal do Juiz justo, a
render-lhe contada propria alma e dessas
almas igualmente, de cuja sal vacilo se acha
encarregado, X
O concillo ecpmem'fo, o qual corfltwftPi*]
se abrir cate anno mesmo em Roma na
testa da Immaculada Conceico de Nossn
Senhora. ha de accaaiw mais vivanieiite
que nunca o faeho da \\-rdade sobre o mon-
te santo de Deus, para mostrar hura mi- aos desejos, que muitos de vos tendes de
igreja, e todos estes males mnraes, que a
dade extraviada o nico caminho que con-
duz salvacao.
A soeioilade, pela sua condicifo actual,
acba-Sfl ;i borda de um profundo abysmo
onde cahir, se a mo do Omnipotente Deus
nao vier. por meiodesua igreja, des'a-la
do precipicio.
A h\<\ philosophi.i vai desti-uindo por
toih p;ufi>a fea verdadera idea do ho-
nesto edo justo.
Asleis quefcdeveriam tutelar as oacSus, e
lior isso m ;smj granear a venerar) dos
gelho; sa era grande parte
nao applica-lo. fieando quietos*em face ao truidoras da miralidid.' publica.
mais imaortnte dos seus deveres, sujeitosj O mUtimonio, el'imentr" social de pr:
riecessarmiMite ao^seu funesto effeito, .1 ni ira orden, vwio a muitos lugares ebris-
ocioidade, mai de todos os victos. Ora '
tos a.-ser tMn racubinal i legal niouto da .dicesi que rica assim privada
por terem-no privado da sa itidt le do S;i h clesiasticos. Nao ob
nao querendo nos a'tnnuir este mal a tima
vWPie penersi. (levemos cre'r que isso: crament >. 0 divircio, m.',ii),qii ;i I uitle
dependa-em grande parle de inopia scieu- a bigamia, t(nuti >. non lei a de.speitfl .1
lilica e liiteraria. Por cerlo o ensino, qual Uens que diz iraod Deus conjmtit homo
se estava dando em o nosso paiz aos alnm- "non sepfffH.*
nos do sanctuario. mesmo as suas par- Em consequencia de tanta confuso, e
tes mais impUfrtantes, assz incompleto. O j alteracSo de principios, muitas pessoas dei-
governo imperial at agora s tem assigna-i \;im-se dominar (>ela influencia dos lempos.
do aos bispos para os seminarios diocesa-i entre o rumor de tantas vozes que era ul-
nos IhOODA annuaes para 10 cadenas em timaoooclusao grilamabaixo com J;sus'
cada dioeese, ande o ensiuo da gramtica Cbristo, abaixo coi
tanto ou mais defeituoso que os estados
om a"sua igreja :e se em
algumas d'essas pessoas aena-se ainda um
P.ir falla |K)is de oulros prin- *e dadesreveadas.oresjjeito humano, eessa
"4
scienti fieos.
cipios elementares, muitos alumnos nao
teem a intelligencia bastante desenvolvida
para aprenderem as sciencias. Educado o
clrigo desta sorle, acha-se sem dtivida in
ferior emquanto s sciencias a qualquer
individuo instruido nos collegios e lyceus
laicaes: a sua educacao lilleraiia fallan-
do moderadamente, mui precaria, limitau-
do-se o seu estlelo quasi exclusivamente
sciencia theologica.
De outra parte o, sacerdote por sua po-
sifo social, de pai dos povos e pela snbli-
tnidade do seu ministerio de mostr da
verdade deveria estar nos priineiros postos
da sociedade em seus varios ramos das
sciencias divinas e humanas, para por seu
saber grangear toda a estima e todo aquelle
crdito que o magisterio da verdade en-
gendra.
Ora se em todos, os tempos foi necessa-
rio haver na igreja sacerdotes Ilustrados,
mais o hoje em dia ; pois as impias dou-
trinas, que fundando-se em urna falsa plii-
losophia, abusam da sciencia mesmo natu-
ral para abalarem a fe dos crentes, exigem
no clero catholico capacidade para confun-
direm o erro com a luz da verdade, ser-
vindo-se para isso de argumentos tirados
mesmo das sciencias naturaes e especula-
tivas.
4 EuropaTeiizmente aprsenla um clero
verdaderamente Ilustrado por seus conhe
cimentos em todo o ramo de doutrina di-
vina e humana, nao excluindo a mais abs*
tracta nwtliematica c trihqendentes especu-
' lages astronmicas, passo a passo com as
irrtis impoftiiies descobertas da sciencia :
de-prna outra parte, ainda neste nosso im-
peiio'na um grande igpulso na mesma di-
teagaoY^fesvelanito-se o augusto imperante
em ela#- o paiz nos diversos ramos do
linmanp. saber ao nivel das antigs naces
civilidnas: e eis que nos temos um,lro
muito qoera desle desenvolvimento e bri-
II10... Com elfeito sae do seminario o nosso
clero depois da wdenaco sacerdotal, le-
vando* por isso mesmo cmsigo o onus
gravissiaio a doutrinar o povo, e certo con-
gruentemente aos tempos em que vivemos:
Iporm muitos de seus membros fogem
mesmo do menos diflicil dever, de cathe-
chizar os eis que Ihe sr> por Deus confia-
dos, deixalio-nos na cruel alternativa dfe
attribnir este facto significativo igno-
rancia ou i maliciados mesmos, sendo a*
tei, em regra, qaaesquer ootrosrnetrvos.
TMJ!Z'J^!e^Ak:m reeottmendo* **,,2Ji0!f.amadi,s 'W.-J'di^;condliWiM*'a salvamento mediante a Mkaie necessita esta visitcHo
y,& qurettaae. sobrestar tc segunda ordem MWT, feeratets irmSos, $re desde otio Speraclb- do nosso ctf. Pdrtanto, CdUb'W podadrelle mesmo; e
lorrente da chamada publica opniad as faz
occultar oulesmentir essa t. engolfndo-
se ellas assim na corrupeo geral.
Mas o concilio, guiado pelo Divino Es-
pirito Santo mesmo, declarar bem alio
eternas verdades, que na sua immcusa la-
litude ansinrio a distinguir o verdadein
do falso, Catabefecero o verdadeiramente
honesto e til na' humana poltica, e com
sapieutissiraos caones alear a disciplina
do clero at o termo da sua nobre missao,
constituindo tantas vozes cffkazmente pode-
rosas, quantos ser os pastores d'almas.
para dilfundirem por toda a Ierra a boa pa-
livra da restaurac) moral dos povos.
Nos com os outros veneraveis- colleg s no
episcopado brasileiro, nos reuniremos, fa-
vorecendo-n6s Deus, em Roma com o'bis-
pos do mundo inteiro; em torno do imraor-
Que conta daremos nos ento da fe e da
moral de nosso clero o povo diocesano? E'
torese confessar, veneraveis irrlBos, que
esta jda nos aterra. Nos representa ido,
ainda que sem merecimentos, o nosso clero
e o nosso povo, appareceremos cobjrto de
tantas negligencias no pastoral ministerio,
de tantas desordens na vida sacerdotal.de
tantos escndalos dados aos fiis, que dev-
ram ser edificados pela conducta religiosa
de seus padres, de tanta ignorancia ainda
mesmo nosarligos da feos mais nece&a
iros salvaco na maior parte dos fiis;
de tantas oyelhas desganadas, para nao di-
zermos siWieadas por seus p oprios pas-
tores I f
Voltario.os bispos patria, e ante de
sepa'ttreirt-se para suaS' dioceses, determi-
paro em synodo provincial, como ser de-
cretado no sobredito concilio ecumnico,
os meios mais apropriados para regularem
os seus bispados': depois em synodo dio=-
cesano, daremos ao nosso clero as regras
estabelecidas para esta dioeese.
Ove Deus em sua misericordia traga de-
pressa esse dia, no qual, esperamos, se ha
de por termo a tantos males! A dilecUi vi-
nha de nossa eaocese ser entio desemba-
racada de tantqt espinhos e sarcas que a
desfigurafn, e'fpe retardam a boa produc-
co do fructo esperado: e conceda tamlwm
o Senhor m8ericordioso, que nlo tonha-
ik brevemente de laucar mo do ferro'doj
coadjutores e capelles para esses povoados.
que licam mais longe do centro parochial
privados de um padre, que os assista em
suas necessidudes espirituaes. Da outra
parte, com setenta clrigos, que temos no
seminario, pode-se, carctilar haver por an-
no smenle sete ordenaces de presbytero.
As rendas porm do estabclecunento sao
tao mesquinhas, que nao chegam para re-
munerar os directores. No entretanto tem-
se-nos olTerecidojovens para estudarem no
seminario, os,quaes por suas boas disposi-
Ces de espirito e coraco nos dao a espe-
rar que, cultivados no m-smo seminario,
virlfio a ser excellentes padres; mas pop
verem-se privados dos meios de satisfaze-
rem a penso alias moderada, bao de sa-
1 'ara sua1 vqeaco, com seosrvel detri-
dos sentiroentos, qne vos temo* oxp6ts
com o coracao as raaos, vos apreseniarek
aos vossos parochianos. nerrando-Hieft tuda
quamo temos feito pelo seminario, e quao
graves e urgentes sejara as necesidades
pecuniarias, que temos, para sustentar este
grande estabelecimento.
Antmai pois a sua piedade, recebei com
gratidao e em nosso nome, ou raelbor em
nome de Jesus-Cliristo,-f>astor Supremo de
sua igreja, qualquer offerta> qjue vos fizerem
at o ulo do pobre ; e procurai que os
vossos coadjutores e cpala^ s se esmeren
de. igual modo nos lugares de suas assiste-
cias.
Teremos aberto um registro das vossas
remessas; e a publicacao, que facemos nos
jomaes, das sommas receladas as diversas
parochias, vos servirlo de recibo.
Nos mesmos e os nossos seminaristas
para retribuirmos com dons espirituaes as
oblacoes dos liis, bremos urna quotidiana
commerooraQo dos bemfeitores da dioeese.
Nos temos, e Deus quem n'ot-a d, urna
firme confianca que este nosso appello
caridde de todos os nossos filltos e irmads
em Jess Christo para um fim que tanto ia-
leressa a toda a dioeese, coiresponder e
mesmo exceder muito a nossa esperanca.
Para excitar mais os liis de nossa dioeese
nos vos transmitamos juntamente urna pas-
toral, que haveisde 1er e explicar aos vossos
parochianos as occasioes que vos parece-
real mais opportunas.
Os vossos coadjutores ecapelles, a quem
enviareis os inclusos exemplares da dita
pastoral, nos ajudaro de igual manera e
com igual zelo; afim de que ea chegue ao
conhecimento de todos os nossos diocesanos.
A grapa de Nosso Senhor Jess Christo
infunda em vossos coracoes todas as virtudes
que comfMiem a aureola sacerdotal* e nos
de vossos paro;'liianos aquellas virtudes
tambem que constitaem a gloria dos lilho.s
de Deus no proprio estado de cada um:
om quanto da nossa parle 9 vos e a elks
damos a nossa benco pastoral..
Dada em nosso palacio episcopal da So-
ledade aos 8 de marro de 1869.
* FRANCISCO, hispo.
TlirniTDTAD
ta'.ite, alguns leTBWHBSiLL. como nume-
rarios c outros como meio-penionistas, con-;
liando na providencia de vossos soc-.orros
e os augmentaremos mesmo cora
proporco q le se augmentarem os meios.
Al agora s mencionamos dous objectos
para os quaes imploramos o soccorro da
iossa cooperario. Mas temos ainda de fal-
lar de outras muitas eoasasnlo meaos im-
poilanles.
O pequeo patrimonio do seminario cons-
ta de casas que acliam-se n*um estado de
ruina e quasi iuliabitaveis; e por isso reu-
il'in muitopouco: sua rada triplicara, se
fossea reparadas, e assim d idas em aluguel
a pessoas que possam pagar adequadamento.
Nao nos esquecciemos de mencionar com
muia gratidao que os [pidos do semina-
rio se teem avaitijado nesla parte por urna
dadiva, que Ihe fez un benemrito eccle-
siastico, de um silio com duas casas e urna
capella, a penca distancia do seminario e
junto ao mar; dom precioso que nos offe-
rece o meio de dar de quando em quando
um necessario recreio aos nossos semina-
rislas (e tambera agora dma grande despe-
za indispensavel fazer-se Dar plennos
aproveitar-nos desse novo #ical); pois te-
mos julgado conveniente conservar no semi-
nario os nossos jovens clrigos durante as
lorigas ferias, para nao perderera o espirito
ecclesiastico no meio das distra ;coes e pe-
.. p rir^rrZ.V "* ** sociedade, at que estejam capazes
^.ft0.?.' G^troe *"?* deioda.a $reih da zelarem o bem espiritual Jo prximo
podadr, como deve fazer todo o agricultor
Ndsso coracao nao pode tolerar por mais prudente, imitc do Agricultor Divino,
lempo um tal estado de cousas, prejudicial "
a tantas almas a nos comntettidas pfir as
ntretanto, mu caros cooperadores, nao
ser* pW venfara lonvavel que todo aqujll*
d mo noer-
santamente cruel
espiritual do prximo
sem detrimento da propria vocaco.
Tambem veio em nosso soccorro. e mui-
to opporluoamente, a caridde da ordem
seraphica offerecendo-uos o seu comento
de S. Antonio.diiJguarass para aluj^-
pasarmos as fetvl- i>tas esse convOT
fechado ha muitos annos e maltratado pelo
lempo, requer nlo pequea despeza para
ser restaurado e poder servir, estanifo-lhe
at os muros a cahir a pedacos. A Bm pois
de1 aproveitarmjs essas olleras generosas
foi mister contrahirmos urna divida, sendo
tambem grandes as despezas feiuis com a
casa e coma mobilia necessaria para tao
numerosa familia.
A penso dos seminaristas com tudo isso
foi to pouco augmentada, para nao aggra-
var muitq.a seus paes, que com o accres-
cimo da refeico tarde, alguns passeios
extraordinarios durante as ferias, as visitas
do medico e os servicos da infermaria fica
muito abaixo das despeaas correntes. 0
mesmo edificio do seminario precisa de
muitos reparos e melhoramentis que nlo
se teem feito por fota de meios 'pecunia-
rios.
Nos vos temos aberto, carissimos irmlos
a nossa mente e'o nosso coracie cerca do
seminario e de vos mesmos.
Temos dito quanto ha vemos procurado
fazer para o bem comnwm da dioeese :
todo aquitlo qae so podia e devia fazer at
aqu, nos o temos cumprido com a divina
assistencia; eo nosso anno scholastico j
comeoou sob os melhores auspicios. Mas
tado sera earvao, por nBo poder continuar
se vos, carrsimos irmos, da vossa parte
nio rindes em nosso auwlio, ou antes, em
auxilio da dibees. D"exaodo-vTjs penetrar
Correspondeneia d Djarlo de
Perjiambiico.
PARAHVIIA, 7 Iil. MAR^O.
RMfeioso de algn extravio da minha anterior
11 eorrespOBdenfia, aproveito a sabida deste portador,
jue vai per torra, para repptir-lhe o rebultado
tinal do pleito eleitoral desta pinvincia.
i'iirain BleM depoiadM a asaembKa geral os
-i';r'i!iiilos Srs.:
1." distrido.
Dr. Diooo VeHw Gavaleaate de /Uboqueraae.
Dr. Aouio Salathiel Carneiro da Cunda.
Barao de Maiuanguape.
-' i!i>trii-|o.
I C mselheiro Antonio Jo-r- Rennques.
ipe-a Compdeai a lista triplico uVcleicao lenatori
1- Begaiaies Srs.:
Conselliciro Antonio Joa Henriques.
IJ.'-ciubargador Francisco de U l'ereira Hocli.i.
Sarao de Bainangaapa
A pruvincia 'ao-trou-se satisfeiti com o rebulta-
do das urna-;, e inail 1 espe a dos dignos filhos que
olegeu a bem de sua prosperidada c grandeza
futuras.
todos coobecem peVfoitaracnte suas ais urgen-
tes necessidades, tanto maraes cuino materiaes;
portaol) niiigii''iii mais ni casa do contribuir para
que sajain ellas attendidas c remediadas d.'
prompto.
Pela minha parte esloo convencido, de qne a
legislatura que vai correr, ser frtil em medida<
salvadoras para felicMUde publica, quer ein rela-
,iii ai Llmii geral do paiz, quer a> particular de
cada provincia.
Fago rdanles v ttoe ao Altsimo,para qu^ estas
minbas esperanzas tenham completa realisacao na
futura phase parlanientap.
Ciusou verdadeira satisfacao nesta capital, a
eleicl 1 d 1 digno presidente, o Exiu. Sr. Dr. Theo-
iloro Machado, paia um dos lugares de deputado
pelo 2o district 1 desta provincia.
S. Exc. receben innmeras l'elicitacdat por asee
mi ivii. aue agradecou coinnDvido, mo^lrand.>-se
licnlioralo pela dislinccSo com que foi acolhida
sua candidatura, por aquelle dislrieto.
I'areco-me que os dignos eleitores, nlo terao de
arrepender-se, em lempo algum, do bom emprego
dos seu> votos, p iis deven Cdlar, em S. Exc, eou
um amigo dedicad 1 e praisuro% capar do pi
tar-lhes toda coaditivacao e auxilio, e, quanto ;i
iiiiin, destinado nesta quadra a oceupar as mais
1 listinctati posicoes, por sua illustra&i, honestida-
de e Uno admini-trativo, do que tem dado as inaio-
resprova- na administracao de-ta provincia.
Os raeus parabeus, portanto, ao 2o districto elei-
loral de Goyanna pela sua acertada escolba.
Foram asignados pela presidencia com o enge-
nhoiro Aulonio Goncalves da Justa Aranjn seus
associados, osconlrat >s de iUummacao a gaz desla
capital, e abastec ment d'agua pota vel por meio
de cuafarizes, e prolongaraj da estrada de roda-
jeo) da Gnu do Espirito-Santo at o Pilar, cujas
propostas, como ja tive fccasio do diier-'he, fo-
ram as.mais favoraveis que seapresentaram, d'enr
tre todas que snbiraa presenca do governo,
para factura de-ns importantes obras, fiudo o
periodo marcado para sua licilacio.
Esta provincia de ver, portanto, aoExm. Sr. Dr.
Tneodorp Machado, nao s todo elo que tem deB-
envolvida pelo seu estado moral e tranquillidade
11,110 tem gosado, como todos esses molltorainentos
materia is, de reconhecida utilidade publica, alm
di navegagao vapor, j estabelecida, desde osta
capital, ate o porto deSamanguapc, e vico versa,
listes resoUaiIos, reaes e manilaetos, de sua
proVcitosa'e utlhssfma administragl causam serios
tormentos opposi^o, que, nivosa por nada ter
filio em seu dominio, seno de um modo escanda-
I .smente gravoso aos cofres pnbloetf.'esbraveja e
dan na-se contra S. Exc. qne, entretanto,s vou,
em todos esses contratos, os ininresses da fwovin-
nno bem o nrovon a concurreala'de mpre-
zarlos a todos <>lles, e a preferencia qu defl aos
quo so propozram executar as obra- pt)r menor
preeo, o do mMo mais solido e dnr.r
Todava, porque todos aqneld contratos foram
cottlulios eom o racnciooado en'genjieiro iuste
Antojo e seus assotttflos, a opposiySo pon*
margem a (pie^tio efatta-oaprinn
vapor entre estepario o p de #amangtltp
a 9. Exc de um modo dlgao de reparo, rl



'
.
i



2
Diario de Pernanibue TVs-qa feira 30 de Margo de 1869.
i
isando-o at pelos artigo* e lirtoraes do bem re-1 mou a providencia- denfazer sefuir *s msicas que
digido Jornal da Paralu/bn, rujo pessnai Ilustrado vottavamd parada, precedidas defllguns policiaes
amostrada as lides da imprensa nao precisa de eon-*guirain evitar os (lis urbios, dispensando
auxilio pira exhibir verdades era defea Exe.,que(ftstadindeleveis na consciencii do* os m/lcques vedi as, fautores dessas atildas
magnandfcde nodo pungente os autores dos p. oeto-assini sempre a polica detappareccra
do esbanipovnias. esse flajwllo dos pacficos trasmates.
O Exm. Sr. Dr. TheodoW Machado, porm, rai-
mo e Arme em sua conseieacia e convicooes des-
presando tudo quanto se refere a jue^rtuncula e
recriininacdcs, esmaga a opj*. odo publi-
car na folha offlcial da provincia, (Publicaaor
/. 1939) de I\ do andante, tudo quanlo oceorreu
por occasiao da lirita^S- publica das mesmas
prezas, de modo mais claro e explieili que e
possivel. .
Dessa longa exposico que, ao coutrato da illuniinacoo a gaz corrente, e
fornecmemo 'd'agua potara! esta capital, apre
sentarara-se treonr.urifiles, e fr. Zoiino Bar-
roso, o (terente da compahia de gazem Pernam-
baco, Willam Richards, e o engenhero Antonio
Goucalves da Justa Araujo por si e por seus socios
coronel Joaquim da Cimba Freir, e engenheir a T.
R. Brandt, sendo preferida a propona destes lti-
mos, por ser a inas favoravel para a provincia,
nao s-pw fazer a iHuimnaco a 27 rs. por hora
com 400 combustores, e 25 rs. logo que seu nume-
ro eleve-se a 600, como por nao exigir subvencao
alguma para s obras do encanamento e chafarizes,
rontentaodo-se apenas com o producto da venda
d'agua em seu beneficio.
Comparando-so igualmente esta .proposta, com
as demais illuminacoes do imperio, se couhece pal-
pavelinente que ella n mais barata de todas
[Uaotas listera actualmente, nao podendo, pnrtan-
lo, ser preterida por algnma das nutras, que, alm
do inaior preco pela illuminacao, exigram subven-
cao para o alisteeimento d'agua pntavel.
^aquellas condcoes se rcalisou. pois, o contrato
das, fuiprczas supramenciniipda com o referido
engeuheiro Ju-ta Araujo o seus consocios, zangan-
do-so a opposeo |)r ser elle o preferido, (e como
poderia Sitar de o ser f) visto, natar-rimente, nao
Re ter cabillo em graca, o quo bastante para
lamentar, comquanto isto umita honra faca aa mes-
mo cn'euhero.
Sobre o contrato da prolnngacao da estrada de
rodagem da Cruz do espirito-Santo at o Pilar,
deu-se tambem o seguinte:
Aprcsenlaram-se tres concurrentes para esta
obra, o Dr. Manoel de Barros Brrelo, Jos Au-
usto de Arauio c engenheiro Antonio Gunealve-1
i Justa Arnjo e seus assoriados ja dilos; e, como
a propost i de*ta fosse a mais vantajosa para a
fazenda provincial, por con*lruir a braca de estra-
da a 184700, e as 1 ponles por. 63:700*000, ao
passo qno osoutros offereciam faxer o mesmo ser-
vido, sendo a braca de estrada de 20 a 225, e as
pontes d 70 a 80:000$, foi preferida aquella pro-
posta, e assignado com n referido engenheiro Dr.
Justa Araujo e seus cnsocios o respectivo con-
trato.
A nppnsieao bra lou anda, por este motivo, con-
tra a admini-traco, dizendo prfidamente que, de
auto-nio ja saba que esso contrato sera tambera
dado ao mesmo engenheiro, (e como poderla reeu
sar-se-lh'o ?) ?em reflectir que, no bemaventurado
iempo las vaceas gordas, fui contratada camararia-
menteo romeen da mesma estrada, da capHal at
Cruz do Espirito Santo, pela fabulosa ipiantia de
263 a braca, isto mais 7,i'100 rs. do que actual-
mente val construir-se, de modo que, com o con-
trato nnsentc terernos quasi igual distancia de
estrada,- com urna economa de mais de cera con-
tos de ris para a fazen la provincial I
Note qie, aperar da diflwnnea de proco, eontam
os eontra'an'es tirar lucro diffHI de sen traballio,
embora os domis pretendemos queiram. por cal-
calos exasendos. contes'ar i*sn, como alias na-
tural em assumpios desta ordem.
Dito c explicado tudo i-to considere quanto fo-
ram praveitosos para esta provincia o contratos
felirnvnte celebrados pelo Exm Sr. Dr. Tlieodoro
Machado, para factura dc-ses importante* melhn-
ramontos pblicos, a m f com que a opposicao
discuto taes assumptos de verdadeiro progres para a trra que Ihe den n ser, e as njusticas que
taza illustrada e credora administraran lio zdoso
delegado do g>verno imperial : sendo tal o des-
crdito em pie tem cabido, por sua riesaasi-ada
condu'ta, que soffre dos nropros correligionarios.
queben sabem com foram perillos os dinbeiros
pnbl eos no temn i progrossi-da, s maiores cen-
suras p, recrimjnafoes.
Termino aqu as minias reflexes, desejandn-lhe
as m dores felicidades no goso de vigorosa sado.
LEILO.Hoje as II horas em ponto deve ter
lugar Jeiln do grande sitio do Sant'Anna, con-
forme e acha-nnnuneiado no osoriptorio do agen-
te Pito,-rua da Cruz n. 38.
Faz hoje leiiao o agente Msrtna de impor-
tantes jfias de bt'.ilhantes, ubjectos de prata, e^H
vos n movis, a rsa do Padre Flurano n. 7. as i i
do a.
COMPANHIA I>i:RNAMHUCANA.-Hoje o ul-
timo da em que os vapore* lpojtira e liqii com
destino aos partos du,noite e sul, amanaa as 5
liora* da tarde, rerefcejn carga para os porto* de
sua escala, conforme oaniiuncto da mesma cunf
panhia.
PEENAIBUGO.
caram os sinos
manifestado na freguezia de S. Jos a ra Impe
rlal, em una padaria, o qual felizmente foi extinc-,,
te pouce lempo depois, sem auxilio das bombas e
sem causar sensiveis prejuizos.
LOTERA.A que se acha venda a lote-
ra n. 100, a beneficio da igreja de Nossa Senhora
do Monte de Olinda.qne correr no da 3.
PASSAGEIHOS.Saludos para os portos do sul
do imperio, no dia 26 :
Augusto do Passo Reina e 1 criada, Caelano
Manoel Goucalves Guimaraes, Agostinho Veilft
Joo dos Res* de Souza Dantas Filho, Erasmo *, -
de Mello, major Thumaz Antonio llamos Zanyel <
1 filho menor, Vicente Alves de Aguiar, Antonio,
As materias tratados as vinte e cinco sesees
desto Concilio divdem-se em partes distincSA) :
C nones propiamente ditos, ixto A decretos sahre
a f; o lis|i isjfles legislativas sobre os costamos
da Igreja (disciplina), que-se tratarao sob o titilo
de refoimutione.
Como naijuelles tempos-as doutrinas dos proles-
tantes, e reformadores tinham de alguma sm te apa-
lado as verdades da relq-iao catholiea, ueste Cin-
tillo se reuovaram 'todas as dcfin< ufros
Concilios.
Tambem namella oeeasiao se ^eram mn
e diversos regulamen!'* ou esUtntos a tionem Cteri, ttfopuHTA
E assini podemo dtaet (Me o Concilio Wdetti-
no fieou conslituindo o cdigo da Igreja Catholiea.
Antes de nos coastituirmos em naci ndepeOii
dente esto Concilio era. por nos acceito como le
geral, da mesma forma qne o era em Portugal, do
qual faziamos parle inlagrante.
Em Portugal, conib em quasi todos os paizes ea-
tholcos foi este Comilio logo publicado o aceito
Os s
Protectora das faniiKas
Em eumprimento do (rewnido no wtigo 29 do
regularaento, se convida a todos .os seoliores con-
trihuints desta associacio, que anda nao tiverem
apreseotado ascertidoes d idade dos segurados,
para (|uo facam entrega dellas na ra do Livra-
ntento n. 19, Io andar, aflm do ser expedidas <
mais breve possjvei para a inspecloj'ia geral do
Rio de Janeiro. As rertldoes devem ser selladas e
n.-conhecidas por tbelliao. Recife 1 i de Janeiro
do 186!).O presentante,
3. F.deyiW.
S
INCENDIO. Hontem as 10 horas da.iioute to- foni !ei j0 e inns_ desta cidadesgnal de incendio, m ftnls psiatutesdiscipHnarVs foram'cridos, isl-
nados, adoptados e guardados.
Por carta de le de 8 de abril de 1569, cl-r D
Sebastiao, como D. Henrique em 156i. aceeitou to-
dos os decretos do Concilio Tridentino, qur as
cousas concernentes ao dogma, qur dicpllna.
Nao foram s osles doiis reis de Portugal, que
niandaram adoptar como leis do estado os deertos
do citado Concilio.
El-rei D. Pedro II por le de 16 de junho de
1668, c el-rei D. Jos por decreto de 3 de novera-
bro de 1769 tambem os acceitaram.
O Brasil tomando-so nacao livre e ndep'ndenle,
e promulgando n sua Constituican poltica acceitDU
a rengiu catholiea apostlica romana como rtfi-
RLVx'STA DIARIA,
ANMVERSARIO DO Jlll AMEXTO-A CONSTI-
TCJIC.-O DO IMPERIO.Foi honle-n fe-tejado com
parada, cortejo em ualacio, illuminacao nos aditi-
cios piiblh'os 6 salvas nos navios de guerra e for-
taleza do llniii.
Durante o dia as casas consulares tiveram ira-
dos seus pavilhes.
A noule houve espectculo gala no theatro de
Santa Isabel, subindo scena o drama Nobreza..
ARRIBADA.Hontem larde arribou bobso
porto a galera franceza Plerre, de 570 toneladas,
capitio Bernard, pertencente praca do Nantes, e
que abri agua no dia 20 do corrente na la". S. 6o
e longitude O. de Paris 23, em viagem da ilha de
Santa Helena para Nantes, com um carregamento
de assucar em saceos. O navio faz dons ps^'
d'agua por hora ; mas demandando muita agua
. arr 'gado como es', llcou no lamarao at alliviar
parte da carga e depois entrar.
Tcndo encontrado, no dia 27, a galera ngleza
Clementina. em viagem de Queenslown para Mel-
bourne, esta acompanhou-o at pouco distante do
nosso porto.
FALLECIMENTO. Victima de urna tabre de
mo carcter e depois de cinco das de soffrmen-
11, falleceu hontem o Sr. Dr. Henrique de Alencas-
tre Autran.
O finado era m ico intelligente e estudioso, que
rauito prometta. Era bom filho e extremoso espo-
so. Foi mais urna uor ceil'ada pela iiiorre na arvo-
re da vida ; mais um b no rida la > que a patria
deve lamentar terse debrucado lao cedo para o
tmulo.
sua presada e llustr) familia damos os nos-
sos Motimentas.
ORCLAR AOS REVERENDOS PAROCIIOS.-
No lugar competente publicaran- hoje urna circu-
lar, quo o no-so virtuoso e Ilustrado diocesano
dirige aos Rvds. parochos, chamando a sua sollis
ci'.ude : 1." sbre a reforma do seminario de Oli-
nda ; 2." sobre a reuniao do prximo concilio
ecumnico
Nesse nota vil pseripto, cuja copia, devemos ao
favor de um amigo, revela-se a largos traeos o
zelo apostlico e a humildad" evanglica do Exm.
e Rvra. Sr. D. Francisco (]ard izo Ayres, qi na <
s pele a raaperarwi dos parochos no lo va e!
eiupenho de melhtrar e consolidar o sen semina-
rio, como al quer ouvir o parecer dessps mes-
aos parochos sokrc as reformas, que sejam con-
venientes fazer-sc sobre a dveiplna diocesana,
que tenha de ser decretada no protimo conci io.
Este acto do nis-o illu-tre docesaro Irnu a
sobremaneira, pois nao rnente revela um arlen-
te zelo pela honra da diocese que Deus confton
sua piedade e direcen, como tambem mai
nina prova inequvoca da cirruinspoeejUl e pru-
dencia, com que elle tem pautado a norma do seu
goverriii diocesano, embora as irrfleetidas e in-
justas censara*, com que ltimamente ama parte
da nrnsa imprensa tem buscado profligar um ac-
to, alias deploravel, mas que emflm foi um cum-
prim *nto de indeclinavel ilever.
Mais de urna vez temos dito, e agora o repeti-
mos, (|ue Deus na sua misericordia deu diocese
de Peruambuco nm hispo Ilustrado e virtuoso ; e
todos de vemos fazer os mais ardentes votos para
que esso mesmo Deus no-lo conserve por muitos
annos.
NAVIOS ENCONTRADOS.O brigue ingJez Ci-
4w*'i, falln no dia 13 do corrente, na lat. N. 11
z e I mg. O de Creen. 26, com a barca franceza
Carolina, indo de Liverpool para Valparaizo; e
no da 17, na lat. N. 2 16' e long. O. 5 32',
om o lugre inglez Ferru. indo de Liverpool para
Mtiutevideo. Tudo ia bem a bordo desses navios.
CAPOEIRAS.Ante-hontem pel3 manhaqnan-
do voltavam as msicas da guarda nacional de
acomuanhar as praeisses da Ressurreica, houve
grande fallada entre os capoeiras, que de ordina-
rio vao a frente dellas, armados de ccete, resul-
tando disso algumas leves contu-fies e ferimenu*
L. de Moura, Lniz Mendos e 1 escravo, Filomenci^gy0 j0 c.|ali,).
Jos Machado, Manoel Jos Fernamles de Carva- ?, Pr tan"t0 ag disposioes Jo Contilo de Trcr/to,
I ha, Francisca Goncal ves de Araujo. Manoel Jos
de Olveira, Ltz francisco Belm, Manoel Aure-
Nano, Julio H. de Olivera, 6 recrutas para o exer-
cito, 6 ditos para a marinha. 2 escravos a entre-
gar, Antonio Gomes de Andrade S.
Vindas do Porto na barca portugneza Nova
StjHipathia, chegada hontem :
Henrique Cesar Suival da Cosa, Virginia Can-
dida do Reg Lima, Jnao Mondes, Albino Goncal-
ves de Azevod i, Domingos Gomes Correa, Fran-
cisco Jos de Azevcdo, Jos Victorino de Paiva, Jo-
s de Azevedo dos Santos, Francisco Lauro Das,
Domingos de Arantes, Manoel Pires Morcra, Lniz
Mantos Pataratas, Manoel Martins Pataratas, Ber-
nardino da Silva Campas, Luiz Borges, Joo da
Cunba Pinto Jnior, Albino Domiugues, Joo Mar-
tins Ferreira, Antonio Rodrigues de Souza, Jaao
Antonia Le'ituga, Joaquim Carncira Pinto, Bernar-
ilino de Andrade Machado, Francisco Barbosa,
Jaaqum Francisco de Andrade, Antonio da Silva
Matta, Jos Ferreira.
CEMITEHIO PUBLICO.Obituario do dia 2a do
corrente :
Francisi-a do Reg Barros, Pernambuco, casada,
Cabo; er\>ipela.
Francisca, Pernambuco, 8 mezes, S. Jos ; cou-
vulsoes.
27
Damiao, frica, 30 anno, Boa-vista ; bron-
chite.
Alfr do, Pernambuco, 3 mezes, Boa-vista ; diar-
rha.
Joo, Pernambuco, 8 mezes, Boa-vista ; den-
t?ao.
Catharu, frica, oO annos, solleira, Recife ;
paralysia.
Maiia. Pernambuco, 30 das, Boa-vista ; es-
pasmo.
Antonio Bernardo de Sonza, Pernambuco, 20 an-
nos, solteiro. Boa-vista ; febre maligna.
Luiz de Franca, Pernambuco, 8 annos, S. Jos ;
hemori hagia.
Jola, Pernambuco, 9 mezes, Santo Antonio;
convulsoe*.
Maria, Pernambuco, 22 mezes, Boa-vista ; ho-
pa ti te.
Rita Maria da Conceieao, Pernambuco,* 33 an-
nos. solleira, Roa-vista ; gastrite chronico.
Manoel, Pernambuco, 18 mezes, S. Jos ; hc-
patiie.
Mara, Pernambuco, 8 annos, Boa-vista ; phty-
sica.
Camilo, Pernambuco, 2 mezes, S. Jos ; angina.
Bento de Camino Bastos. Portugal, 5i annos,
casado, Iguarassfi ; hydropesa.
Joanna, Pe nambuco, 20 annos, Recite ; febre
perniciosa.
. Urna crianea encontrada na igreja de S. Pedro,
Santo Antonio.
I-abel, Pernambuco, 2 anuos, Recife ; mflamma-
co no inestino.
Mara Rosa Coussero, Pernambuco, 24 annos,
casada, Santo Antonio ; eclampsia.
Caetano Xavier Pereira de Rrito Fiiho, Per-
nambuco, 19 anno.s, solteiro, Boa-vista ; para-
Ivsia.
Mara dos Passos do Sacramento, Pernambuco,
80 annos, viuva,1?. Jos ; fractura.
Thomazia Joaquina dos Santost Pernambuco, 33
annos, casada. Boa-vista ; inierit-.
Marianna Rufina de Carvalha, Pernambuco, 60
annos, viuva, Santo Antonio ; conge-to cerebral
COMMUNICADOS.
O Sr. Dr. Villela Tavares quer por forea com-
prar bngas camigo, invidvendo inconvenientemen-
te o meu nome em urna discusso, em que nunca
entrei, e era hede entrar, despeto de todas as
provueaeoes do Sr. Dr. Villela Tavares, a quem
alias nunca offemh> e que nao obstante procura
molestar me com alluses picantes, que por esta
vez me limito a devolver-liras intactas. E pois,
nao levantare! a delicadsima luva qne me arre-
messoii; asshu como declaro que nao sou autor
de nenhum dos artgos, que se tecm publicad. em
favor do acto do Sr. bi>|io, embora abrace em ge-
ral a dotitriiia nelles cuntida. Sim, nao sou autor
de nenhum desses artgos, e rogo aos seus illus-1
tres autores, que, por crdito seu, e honra da cau-1
sa que tem defendido, declarem francamente os |
seus nomes, com partcularidade o autor do W. ,
que o que mais directamente me atlribue o Sr.
Dr. Villela Tavares.
Emquanto viven o general Abrcu e Lima com-
bat vigorosamente seus escriptos, dexando elle
sem resposta a minha ultima refutaco, cuja pu-
blicarn sobreriv^ um anno: hoje, porm, qu
lelas quaesse regia a Igreja Catholiea. desde que
Po IV as confirmou em 1383, foratn ipso faci ac-
ceitas pela nossa Consluic.o : pois seria absurdo
aeccitar como religiao do astado, urna religiao ru-
jos dogmas, e juja disciplina nao considuravamos
em vigor.
E si as disposieocs dognftticas e disciplinares do
Concilio de Trento nao tem (orea de obrigar entre
tuy, quaes sao as leis da igreja une nestas mate-
rias nos dvemregcr?
Nenhuma cerfamente
Mas nao deve ser assim ; uorqn#nose implc-
tamente aceeitamos com areligiao catholiea todas
as suas leis (na* quaes esto infinidas as decises
do Concilio de Tiento) como p#que umbem ac-
eeitamos as leis portuguezas, fine at a nassa
emancpacao regam a materis, ex ti do decreto
da assembla consliiuinte de 21 di; wvembro de
1823. m *
E, como j demonstramos, pelas le* portugue-
zas o Concilio de Trento foi accclto em todas as
suas partes como lei do estado.
Em siMontaeao da sua these apr culista do Jornal do Recife o daerelu de 13 de no-
vembro de 1827.
Nao nos parece procedente o argumente que se
qur dednzir desta dispasicao lefslativa.
O venerando conde de Irai, hispo eapellao-mr,
em sua obra de direito eccles tica, fallando dos
objectos mixtos, que sao da cmiiputoncia dos dous
poderes, (Igreja, e Estado) o>%razSo inclue no
numero delles o matrimonio, que, cama Sacramen-
to, cqusa temporal; e a-sn loruafe dac.inpe-
tenca de um e outro poder, cada un na razad da
naturoza e do tim (|iie Ihe diz respno.
0 decreto de 13 d nowmbro de 18i7 referin-
d i-se ao matrimonio cntri catholicos, nada mais|l'ez.
do que refuroai' neela p;t"le as disposieocs do Con-
cilio Tridentino, acccitaido-ns como lei civil.
Duvidas tinhanrnaqucllc lempo apparecido so-
bre algumas dispnsieues daquelle Concilio, e da
Constituieao do arcebi pado da Baha com relacaa
a validado di m atn'monia em certos casis, e p, r
isso foi precisa firmar a verdadeira d mlrina.
Alm disto, o citado decret nao declaran que
nao estavam em execucjio as disposi^oes do Gon-
cilio, e sim que conlmuavam em vigor a* deter-
minaedea da sesao 2i Cap. 1 de refonnatione
matrimonii. Nao disse que Ocavam revagadas as
demais sessoes e captulos.
O beneplcito de qne falla o art. 102 14 da
nnssa Constituieao poltica nao poda ter applica -
Cao aos derreas do Concilio de Trento, porque,
como j disaemus, nao era necessario, visto j te-
rem sido acceitos ueste 'imperio, qur quanda fa-
riamos parte de Partugal (em virtude. das leis que
ficam citadas), qur quanda depois do emancipa-
dos, adoptamos, em 21 de novembro de 4823, as
leis, relatiaas a materia, em vigor naquelle rem,
e qur por lerem sido implcitamente acceitos pe-
las disposieoes do artiga 5o da nos-a Constituieao;
que alm disto, nao poda ter elfeito retroactivo.
este o nosso sincero modo .qb pensar nesla
questao, sujcitando-nos'cntretanto as censuras dos
don tos.
Nao nos convindo mais assignaf com pseudni-
mo Wde que usamos nos aHjf, que -obre a
que-to de sepultura ci-cjcsiastica publicamos nos
Diarios de le 22 do corrente, asignaremos o
nossa verdadeiro nome.
Approveitaremos a occasiao para retirar as ex-
pressoes usadas no primero artiga, (o de 12 do
corrente) quanda, por inadvertencia, escreveidos
que o general Abrcu e Lima morreu fra da gra-
ca divina.
Com quanto seja dot^rina corrente da Igreja
Ca'holca, que, os que fallecem as circumstancias
da(|uelle general, nao merma em graca. comtndo
reconhecenios que um catbnlco nao psle sufcre
este ponto allirinar Causa alguma alm tmulo.
Pensamos, porm, em face dos fados allegados,
que o Ilustre general Abreu e Lima.morreu fra
do gremio da Igreja Catholiea.
Recife, 29 de marco de 1869.
'Rufino Augusto de Atmeida.
i'niit lacrima a memoria de meu
cspceiall amigo Aofoiiio Ber-
uaru de Mouza, offerecida ao
en querido irmo e meu es-
pecial amigo Jlauoel Jos .o
sou/a.
L temprana sonho esta euultncui. para nianifeslar Y. S. o alto apreco
Castiuio. V. S.,j como^nagistrado.j como'ci
Quejirecana ea existencia go Bbmom, que pe-
sado nao esse tributo, que paga lodo o vvente !
Rico c pobre, velhos e mocas estao ;ujeitos lei
inexoravel da fllorle.
As vea#,mal tem o hnmem transposto os um-
braes da existencia, e precipila-se no_ boqnero
aberto de um tmulo. Outras vezes'como se
honiem lora o ludibrio do lle^lino. dexa-se levar
pelas seduc(oes de una vida engaosa ; senle no
eoraeao o pulsar de urna esperanca agita-lhe a
mento o fogo das aspracoes; tudo Ihe sorri, e o
' futuro se Ihe antolba grandio o ; mas ah quan-
! do o destino o tem Iludido assim por ilgnns annos
de urna existencia feliz, bem depnessa urna mao
fatdica o sorprende em meio do canil dio, embar-
ga-lhc o passo e aponta-lhc a monda sombra
onde para lago s deve recolher o pobre viajor
essa mo ttrica a marte ; ossa morada o t-
mulo I Antonio Bernardo de Souza ern esse viajor
que, anda no comeco dessa jornada da vida, foi
sorprendido pela mo da morte, que o arrebatoit
do meio de nos, que o arrancou dos bracos dos
seus carraosas pais, de seus idolatrado* prenles,
e de seus dedicados amigos... Anda bem joven,
e a sua vida nao foi poupada. To cedo, pagan
elle esse pesado tributo, quanda anda no.havia
completado a sua mi-sao, (piando a sua cabeoa de
maco senhava cam um porvir ; quanda o seu eo-
raeao palpitava de esperanca I Foi mai* urna fiar
jue murchou ao bafo pestilento da marte, e cujas
' ptalas, j despidas do aroma da existencia, foram
I arreb itadas pelo vento funesto de envidia cmn a
poeira di l'imulo. Quera dira?! Tio moco,_to
cheo dj.vidaAntonio Bernardo de Sonza nao
mais do que o pasto dos vermes I
Quem o conheeeu de perla, quem soube apre-
ciar os bellos dotes do seu espirito c a singelleza
de sua alma, nao pode deixar de derramar urna
lagriiN* sobre a sua lousa. Oh !... que seria des-
rrer da Providencia pensar que Antonio Bernardo
de Souza nao est hoje no scio do Omnipotente na
inansa cele*teI Sim : prvala da existencia
nessa idade de risos e de gozos, quando tudo tinha
espear<,Quaudo um porvir bsongeiro a aauarda-
va, quaiiji era o abjecta das caricias e do amol-
de seus pais, quando, emlim. a vida Ihe corra fa-
gueira e feliz, oh I nao foi e nem poda ser senao
liara gozar de una vida nielhar bemaceniu-
ranea eterna, 'tlssiio o pramettiain as suas raras
qualidades, a sua alma candida, eoseucoraca
puro, tanta quanto isla possivel a huinanidade
DeMMMa, pois, meu amigo c meu patricia, no seio
do Scnlior, e l me-mo da eternidade escuta a voz
sentida de um amigo que lauto te apreciou na
vida, e que depois de tua morte nao pode ter para
ti, senao urna oraco ao Eterno, o urna lagrima
sobre o lagdo da teu tmulo.
Possain os orvalhos do reo se confundirem com
as lagrimas de leus pais e de teus dedicadas ami-
gas, e meligar-lhes a dor que Ibes punge o eo-
raeao.
Adeus...
Rcc.fe, 28 do marc.0 de 1869.
/. Clemente da Sveira.
Atexanrtre Barbosa da Silva.Vigario regnno
Ferreira Luslosa.Padre Bernardino da Silva
Ferreira Lustosa.Gabriel Gomes daSdvaFran-
esco Lniz Belm.Pedro Tenorio de Araujp.Jos
Apolnano Xavier de Sonza.Antonio Genuino do
Reg Barros. Luiz de Franja Chinaco.Antonio
do Meti e Sonza.-Ismael Lucas de Moura
e Ohw
Illm. Sr. Dr. Caetano Estellita CavalcantPessoa.
Os abaixo assignados, moradores no termo e
villa Imperial de Popan-, vem por Dieia do pre-
sente dar V. S. uro le-teniunlio *>loiiine do pra-
zer de quese acham possuido*, pila prova de con-
lianca i|ue acaba V. S. de seceber dogoverno de
Sua Magestade o Imperador, nomeando-o chele de
polica dcw provincia, assiai romo manifestar
^. S. o sentimento qne os domina por licajr esta
.Comarca privada de um juizde direito lao iriiagro,
probo ejtistireiro, como fbf V. S. durante o lempo
que uella servio aquel le cargo.
Osjibau^j assj^iados procurara, pois, esle meio
;o em'jue lem
, ja como cidado, agr-
lecendoAjV^. os importantes e valiosas servicos
inie Bt'sucomarca prestou como seu primeiro ma-
gistrado.
Como magistrado soube V. S. grangear sempre
as sympathias de seus subordinados, porque sou-
be sempre pautar os seus actos pela linha mais
recta da jnstica, moslrando-se seu mais esforcado
propugnado!*. Como cidado tambem nrovou exu-
liuranionietite as suar bellas qualidades, sabendo
sempre harmonisar os rigores da justica coin a lie-
nevolencia de um bom formado coracao, mostean-
do-se sempre o mesmo qur para o rico, qur para
a pfibrc, qur para o fraco, qur para o poderoso.
Queira V. S, pois, aceitar os sinceros votos que
lazein os abaixo assignados, para que V. S. conti-
nu a tnlhar a honrosa vereda que al hoje tem
seguido, desejando que o governo saiba recompen-
sar devidamente os seus valiosos servicos ^causa
1 publica.
Villa Imperial de Papary, 16 de novembro de
1868.Alexandro Francisco de Olivera Thomaz
Jos de Honra.Manoel Ferreira de Mesi|uita.
Manoel Jote de Maura.Padre Basilia Francisca
de A. Navarro.Malinas Marinho de Salles.Fran-
cisco Antonio do N.Joa Ferreira de Mesquita.
Jas Pedro de Ahneida.Domingos Barbosa Cor-
rea.Leoncio de Moura e Olivera.Joo Talen-
tino Freir.Joao Freir de Amorim.Candido
Thom da Ressurreijao Pessoa.Joaquim 'Jos de
Olivera.los Ferreira da Rocha B.Honorato
Jos da Gloria.Joo Pegado de Squeira Cortes.
Pedro Jos de Mello.Pratazio Lins de Moura.
Primo Feliciana Martyr.Candido Claudio Correa
Campos.Antonio Pires Correa.Alcxandre lose
Fernandes.Miunel Lu'erio da Cunha.Joao Jos
doMedeir-tfTrajanoJosdeOl veira.Andr Gne-
des de Moura.-Joaquim. Freir de Leo.Jos
Barbosa de Garca.Joaquim Manoel Olivera
Joo Tavares Gnerreiro.J >aquim Flariano de
Oli veira Gilva-.Manoel Xavier de Macedo.Ma-
noel Andr da Suva.Jos Pedro de Alnieida.
(Estao reconhecidas as firmas.)
JoSoda Cunha Soares G......
Joo Joaquim da C. Leite.....
Dr. Ignacio J. de Souza Leo;.
AJfre Jo Jos A. Guimaraes____
Manoel de Mesquita Barros W.
Thomaz Lins de Bar
Dr. Gaspar Cavalcanti de Al-
bu(|uen|ue Ccha.........
Joo F. Cavakaute de AHm-
querque............;.....
Comiuendador Antonio da Sou-
za Leo..................
Joo Manoel do Me-quita Bar-
ros Wanderloy............
Adolpho Wanderley Lins.....
Vicento Mendes Wanderley...
Coronel Antonio G. Leal.....
Francisco Manoel de Souza e
Olivera..................
Dr. Francisf#E."no R. Dantas
Dr. Jas onorio Bezerra de
Menezes................
Laiirenlino J. de Miranda.....
r. Manoel do Nascimento Ma-
chado Paridla.............
Joaquim Salvador Pessoa de S-
queira Cavalcanti..........
Dr. Jaa J. Pinta Jnior.......
Jas Francisco P. S. Jnior...
Dr. Luiz Sulazar Moscose da
Veiga Pssoa..............
Jos Cesarte de Mello........
Dr. Antonia Joaquim Buarque
N'azareth................_.
D. Mana Amelia do Gusmo
Lira .4..................
Sis. redactores.Ua devo deixar passar cm si-
lencia a inaneiraaccintosa e revoltante parqueo
Liberal de 10 do corrente, oceupando se dos ne-
gocios de Barreiros, tergiversou relativamente
inaneira porque expoz um faci que aqu ueste
nna se deu no dia 19 de novembro do anno pre-
sta na eterndad^na*direi a re-peijo delle una
s palavra, porque seria pouco generosa, e pouco
christo revolver suas cinzas. Efto posto nao hei-
de dar aos meas Inimigos.
Esta a verdad*, Sr. Dr. Villela Tavares I E se
nao aceitar esta franca declaracao, e valtar ao
prelo dirginda-mc novas offonsas iminerecda^.
estoja certa de que heide chama-lo aos trbunao;
o que j poderia fazer hoje, se nao me qoizesse
encher de razao peante o publico, e mesmo por-
que espero que o Sr. Dr. Villela Tavares entre em
sie proceda com raelh.r aerarlo.
Pin'o de Campos.
PUBLICACOES PEDIDO.
Sou o autor dos artigas assignadosW que
sobre a questao de sepultura eclesistica, foram
publicados neste Diario.
Estou prompto a entrar em seria discus o so-
bro esta materia cam n meu respetavel c Ilustra
do ine-tie, o Sr. Dr. Jeranyinn Villola de Castro
Tavares, (a quem sempre tributei muita conside-
r.iQo (piando elle quizer de^apaixonadamente
apreciar o que lenh e>cripto sobre o assumpto.
Na resposta <\ae se dignou dar pelo Jornal do
Recife de K, nao destruio elle ura s do mem
argumentos ; apenas attrbuio-me proposicoes que
nunca aventurei, e collocou a discusso em um
terreno bem inconveniente, e asas desagrada-
vel, no qual jamis o aecompanharei.
O que sobre a cont-laco feita pelo meu illns-
Ire iiiestre se podia dizer, j o disse o erudito Sr.
Francisco da Cunha Castello Branca no me-mo
Jornal do Recife do 88.
Isto porm nn'me exime de entrar em discus-
so, coUucada e.-ta no terreno da sciencia do di-
reita.
Recife, 29 de marco de 186.
Rufino de Alnieida.
Questao de direito ecclesiastleo.
O Concilio Tridentino foi aeceito no Brasil na
parte de Reformatione matrimonii, disso o finado
general Abreu e Lima, e repella, ha poneos das.
um articulista do Jornal do Recife.
.Nao podemos aceeilar como verdadeira seme-
ja nao saisos molequesos autoresdessas bra- Ihanto pronosicai.
vatas musieaes ; heje tocn por escalla at <
iraprios guardas nacionaes, que, segundo n .s in-
unnain, praticarara dabruras.
O nosso informante imligitou-nos guardas d
batalhi i de Santo Antonio ; nao sabemos se sao
exacto, mas ao respectivo commandante recom-
mendamos o facto.
Pan evitar enses rollos ( a gyria) a polica to-
lla propria leilnra desse communicado se v
pie o seu autor nao leve em vistas expar o faci,
por isso que s lanc.au mo da injuria
De facto, o tal communicado s se nceupnu em
injuriar o meu sagro, aquellas autoridades que Ihe
ao desaffectas, ao Exm. Sr. Dr. Jacinlho e a
miiii.
Ailrbue a meu sogroa Sr. Francisco Alexan-
dro Dutra a |atcrnidade. Nego-lb'a solemnemen-
e; e de maneira alg-itn posso consentir, com o
mea silencio, que se lheattribua um acto para o
qual nao concarreu de modo alpum ; e isto mes-
mo declarei peranle o delegado de polica no uto
ti pergunlas que me fez em presenca da pramo-
r panuco,
A delegara de polica deste tormo est confiada
a am i avalheirotaodigio o de carcter lao ele-
vado que #6 o autor desse cammunicado se lem-
braria de o aecusar, dominad pe> espirito que
talvea o domine e amparada com a mascara do in
cognito.
Nao sci a que proposito veto barra o nome do
Exm. Sr. Dr. Jacinlho de Mendonca, o qual, en-
tretendo ha longos annos, relacos de ans rae
com meu sagro, nao poderia deixar do o pro-urar
no momento critico em que os seus inimigos de
inis dadas, julgavam acertada a occasiao para
o perseguir e a sua cusa loruple'arem >e.
Eu eserevo para todas -alguem me entender,
e se lia de docr deslas poueas Irahas.
Nao consta, entretanto, que o Exm. Sr. Dr. Ja-
cinlho se tivesse ingerida, pi aticando qnaesqiier
aelea ; na i admira, porm, que a catamnia che
gasse a esse ponto, quanda o autor do tal com-
municado atreveu-se a dizer que eu eslava alei-
jailo e completamente idiota I
Bem alejada inlellgenca tem quem isto escre-
veu I
Se na fra a conviccao firme em que permane-
co de que se me resolvesse aresponsabilisar o au-
tor desse communicado, teria a apresentar-se pe-
ranteinim algum desses entes quede modo algum
0"dem ser responsaveis pelos seus actos, algnm
deses entes, digo, a quem a sociedade repelle cora
a co, (como talvez o proprio autor do communi-
cado), uo perderi por cerlo a occasiao do dar
um exempjp sociedade.
Preliro perdoar Ihe porqne nao sabe o que diz.
Nos sallemos que a ambico cga e os inimigo
de meu sagro tiveram o desgosto de verem frusta-
doa os seus planos.
Muita se lem procurado insnaf-me, e com es-
pecialidade durante os poueas dias que esve em
tralamento. Dahi, talvez, se infere a causa de ter
sido publicado es e communicado qne em to pou-
eas Irahas se servio de tantas palavras injuriosas,
Rio Ciradde do Norte.
'Srs. redactores.O joiz intelligente, honesta o
justiceiro sempre deve merecer a considerado e
respeito da sociedade, e jamis acarno esqueci
mento; pela que vamos pedir-lhe de inserir em
ma conceiluado Diario os seguintes voto* te gra-
tdo que dingem ao Illm. Sr. Dr. Caetano Estelli-
ta Cavalcanti l'essoa os moradores da comarca de
S. Jos de Mipibii.
R.F.
Illm. Sr. Dr. Caetano E-telI'a Cavalcanti Pessoa.
Os abaixo assignados, moradores na* cidade e
termo de S. Jos d Mipib, tendosciencia do de-
rreto pelo qual fa V. S. llameado chefe do iwlica
desta provincia, nao podem deixar de congratu
lar-se com V. S. par urna to subida prava de
confianza do governo imperial, e manifestar ao
mesma tempu a profundo pesar de que se achara
possuidos por ver esta comarca privada lo um
juiz fiel intopretc da lei, amiga devutada da ordem
e morahdade publica, e acrrimo pj-nougnador dos
inleresses da justica.
Caneando mo do presente meio para manifes-
taren! os seus mais sinceros sentiuentos, os abai-
xa assignados julgam cumprir um dever sagrado,
e nao lisongear V, S., pois tecm o mais perfeito
conhecimento das bellas qualidades que ornan
V. S.toino magistrado e como cidado, e estarla
^sempre diapustos a dar um fiel testemunho do
muilo que Ihe deve esta comarca, pelos impar-
tantes servicas prestados no desempetiho da ardua
c nobre misso de seu primeiro magistrado ; nao
podendo licar em esqueciinenta os nahresesforciis
to pruveitosamen'e empregadus por V. S. na alis-
tamento de voluirtkrios da patria, a que concoma
poderosamente para que esta comarca desse .una
iouvav'l manifestarn de seu patriotismo, envian-
do Din erescido numero de seus filhos em defeza
da patria na cruzada de honra e dgnidade nacn-
naes contra o Paraguay. Manifestando assim os
seus mais cor leaes sentimentos, os abaixo assig-
nados fazem ardentes votos pelo bem eMar de V.
S., e para que o governo imperial, tendo na devi-
do apreco as relevantes servidos prestados por V.J
S. causa publica en sua longa e honrosa vida de
funecionano, saiba galardoar tantos sacrificios fei-
tos a bem do paiz.
Cidade de S. Jos, 13 de novembro de 1868.
Horacio Candida de Salles Silva.Manoel Jaa|liim
Freir.Jaa Tiburcio da Cucha Pinheiro.Luiz
Jas da ('osla Arantes.J >o Alejandre de Ama-
rim Garca.'Francisco Amyntnas da Casta Bar-
ras.Manuel Onafre Pinheiro.Jal > Soares da
Cmara.Ignacio Garca da Trindade.Alcxan-
dre Francisco de Salles c Sirva.J >s Graciano
d i Goes. Lira Jnior.Antonio Seba tia da Silva
LeloManoel Basilio de Manra Rohm.Jas
Bonifacio Cahral de Mello ("amara. Flix H.
Ferreira da Silva.Antonio Manoel da Nascimento.
Antonio Manuel da Nascimento Jnior.Fran-
cisco Ribeiro de Paiva.Joo Teixeira Brandan
Joo Soares Raposo da Cmara.Miguel Soares
Raposo da Cmara.Andr Avelino da Costa Reg.
!>elro Josda.ista Reg Xi-to Bapti-'ta Vieira.
Francisco da Silva L. Manoel d'Aranjo Cos'a.
Manuel Francisco de Paiva Gors.Victahana d
Siiva Batidora.Domingos Barbosa Ribeiro.Joo
T.burcio Marques de Olivera. Mirmina Fran-
cisco de Sales. Jo Graciano de Goes Lyrm
Joaquim Jos Barbosa Monteiro.J >s Olympio
Caedoto de Mello.Manoel Conidio Barbosa Cor-
ilriro.Joo Duarte da SilvaMar*olno Pereira
Cahral de Mello.Padrn Joaquim Severana-Ribei-
ro Dantas.Pedro Ferreira de Mallos.vlterbin i
de Paula Barbosa.Francisco de.ica Barbosa.
Manoel Xavier de PaivaJoo Bapllsta freir.---
Francisco de Souza Ribeiro Dantas.fstevo Jos
Palhano Torres. -Liberal Marera Vidal.iuiz da
Silva Lete.Leabiuo dn Arauja Casta.Manoel
Protectora das fami-
lias.
Esta vsociaco caminha as vas do prosperi-
dade, ni sem "os enlraves inherentes empresas
grandio- aa.
Contratos Capital
Em :10 de junho de)
1868 tinha regis- \
trado.............)
Durante o semestre de
:W de junho a 31 de
dezembro de 1868..
Estado dessa asoria-
393C------,,i,868:67"70
1406------2,17;i:i-2.'i 19
Para conseguir
o em 31 de dezeni-} 5342------8,042:101 890
irode 1868.....
com toda seeuranca o maior c
mais instante "desidertum da vida do hainem, que
crear para o futuro um capital certo o urna ren-
da iufallivel, para si, seus filhos c familias, bastar
fazer um calculo (cada qual canfarme seus pro-
prias have es) de que pude dispar durante a pe-
nada de cinco annos ; signalada que seja a quan-
lia -era esta dividida em duas classes de contratos,
ura chamada contrato de capital e outro de renda
E-tes dous seguros devorad saiisfazer-se em cinco
annuidades consecutivas, e depois de passados as
cinco annos o contnbuinle flear livre doonusdos
pagamentos das annuidades subsequentes.
Estas duas classes combinadas produzein resul-
tados inaravlhasiis para o futuro.
Por exemplo, um pai que quizer formar para o
futuro um capital a ama renda vitalicia para cada
um de seus lilhos, eon-e^ulr este importante flm
despendendo para cada ura delles a quantia de
I:I555, que se pagara da seguinte forma :
Direitos de entrada.. i.'io
No primeiro anno 200
segundo .... 200
terceiro 2005
quarto .... 200a
quinto .... 200-
Tcr despendido no lim de cinco
annos a quantia de........... l.loS
tendo creado para cada filho um capilal para o fu-
lunvque confirme a idade dos segurados ser de
33:0003 a 47;0003 e urna renda vitalie de 100a
annuaes. ,
Admttem-se contratos do malares e menores
annuidades, sendo os lucros sempre proporcionaes
ao producto dos seguintes factores : i valor da
contiibuicao, o risco de morte do segurado
e a dura^o do contrata (art. 28 da regnlainenio)
Agencia de Pernambuco, ra do Livramento
n. 19.
N. F. de Vidal.
10
25
00
jtfi
1:00055?
2:00000O
B:0OO00
5:0004'J00
10:000^000
5:U00>00f
1:0005001)
2 iOO&OOO
*0 {0:0004000*
10
2:000500)
i 1:0004000
1:0005000
> l:0000(X>
,i 3.000OIKV
5:0005000
1:0005000
20 4:000*000
1:000 00o
5:00/OfJ0
o 1:0005000-
o 1:0005000
:; I-.000500O
o 1:0005000
a 1:0005000
10 2:0005000
COMMEBCIO.
----- .
O Concilio Tridentino, que teve principio emjcomo assassina, idiota, etc.
1545 e coocloio-se em 156.1 foi convocado nd in-
cremenlum et exaltationem fidei et Relig'on's
ClnisliaiuB, ad extirpatio nem hwresun et pacent
el unionem Ecclesia, ad reformationem Cleri, et
popnli ChrisliauL ad depressionem et extinclit>-
nem hostiu mminis Ckrtiani, como se'le nud
ecreto da sua abertura.
Tenho respondido; e esper%que me nao torcem
a romper i veo das conveniencias.
Depois na se quexem.
w Srs. redactores de Vmcs. criada atlencioso
Manoel Candido de Miranda.
Francisco Xavier Sabreira MartioianoTiftyade,
Aganar.-=Francisea (inaeciali SeabraJK||Ha
Jos Francisco de Salles.Padre'Jaao PJnno Piu-
la de Aguiar.Vicente Ferreira da Silvas-Her-
mana Hermeta Cesar de Albuqueri e.Emygdo
Henrique de Paiva.Frauc-co Fen*eira Alves.
Mipuel Antonio da Rocha.Joo Jo ( da Racha.
Manoel do Torres Palhano.Joo ualberto Pe
reir TorresJaaqnim Gomes Pereira Torres.
Joaquim Gomes da Costa.Angelo Custodio Go
nes.J lapii o Rodrigues de I'reitas.Jaa Go-
mes Pereira Torres.Antonio Manoel da Co^ta.--
Manoel Gomes Pereira Torres.Miguel Francisco!
de Barros. Miguel Ribeiro Dantos. Antonio1
Agrepino de Monte Bello.Manuel Antonio da Nas-
cimento. Felippe Tavares Guerre ro. Manael
Pinheiro Giran.Antonio Xavier deQUfjpira Cma-
ra.Braz Marcelino de Andrade mm>.Antonid
Garra daTrindade.Franmaro de raula Barbosa'
Jnior.Pricdiana Ferreirarle Andrid.'Ignacio
Platina de G->es Lyra.Jas Alves Ja Silva Ges.
tusa.Joa Gomes da Casta.Ja Januario de
Mello Pessoa Joninr.Antonio Mnrera Cordeiro
Castello Branca.Antonio Jas Ribeiro.Antonio
\bbade Barbosa.Manoel Duarte da silva,Jorge
Tavares Gnerreiro.Joe Alexandre i^avaleanti.
Joaquim Jos Freir.Jos Paulino Duarte da
Silva.^-Antonio Felippe (TAlbuquerque Maraohao,
Trilhos Urbanos para
Jaboato.
Usta dos subscriptores de ac-
edes para a forniaco de mii.-i
coiupaahla.
accoes
Jao da Cunha Wanderley 100
Vicente de P. Olveira V. BoasV
Ferreira & Matlieus..........'
Thomaz do Aquino Fouceca e
Filhos....................
Jao Fernandas Lpez........
Henrique Gibson.............
Bento Magalhes.............
Demetrio Acacio de Araujo B.
America Nunes Curreia......
Dr. CI mdino de A. Guimaraes.
Francisca Goncalves Netto
J. F. S. Parta..'..............
Augusta Frederieu dosS. Porto
Jas Alexandre Ribeiro.......
Dr. Estevo Cavalcanti de A..
Antonio Jos da Costa e Silva..
Luiz Jas da Costa e Silva
las Alves da Silva Guimaraes
Jas Jaaqnim Lima Baira
Jaaqum Jas da Casta o Silva.
Antonio Cesara Marera Das..
Jas Antonio Moreira Dias.....
Jos .inMnio da Silva Jnior..
Antonio Baptisla !togneira-----
Benlo dos Santos Ramos.....".
Antonio Augusto dos S. Porto...
Jos Fernandes Lima......f.
Franquea Fernandes Duarte...
Antonio Josil Guimaraes....
Joao Evanjpsta de S.......
Antonia epeira de Mendonca.
At da Costa Bispo..........
Paulo Jos Gomes .*.........
Dr. Symphrnnio Cesar Coutinho
Domingas Teixeira Bastos.....
Jos Antonio de SsLao
Bernardino Correia||K#ego
Manoel de Abreu iaf|Pr....
Manoel Joaquim Bautista...... w
Tiburcio Valeriano Bautista...
Modesto do Rega Baptisla.....
Justino J. de Souza Campos...
Jos Moreira Lampes..........
ntonio J. P. de Carvalha.....
T)r. Francisco do B. B. Brrelo.
Bar,o da Soledade...........
Francisco Ferreira Borges....
Conselheiro Jos Bento da Cu-
nh'i'igUPiredo............
Dr. Jos Bento da Cunha Fi-
gueiredo Jnior...........
Antonio Pinto de Barros
50
50
50
20
10
10
10
15
5
10
5
5
5
10
5
5
10
5
5
10
10
10
ff
10-
.'i
10
5
5
10
5
a
s
-25
I
3
5
5
50
50
50
1C
20:0005000
10:0005000
10:0005000
10:0005000
4:0005000
2:0005000
2:000*000
2:0005000
3:0005000
1:0005000
2:0005000
1:0005000
1-.0005000
l:0005vJhO
2:0005000
1:0005000
1.0005000
2:0005000
1:0005000
1:0005000
2:0005000
2:1005000
2:000 50W
I-.U09JOOP
"S-OoUAOOO
1:0005000
2:0005IXM)
1:0005000
1:0005000
2.0005000
1:0005000
1:0005000
1:0005000
5:0001000
1:0005000
1:000500.
1:00)15000
1:0005000
10:0005000
10:0006000
2:0004000
2:0< 03000
4:0005000
4-TW05000
10:0005000
10:080*001)
10:000*000
2:0005000
PRACA DO RECIFE 29 DE MARCO
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Algodao de Macei sorte 165700 por arroba
posto a bordo, a frete de 5/8 e 3 0/0 (sabbado
Dito de dita l'sortc 165900 par arroba posto:.
bordo, a frete de 1/2 d. e 5 0/0 (hoje).
Dito de dita serle 165700 por arruba Jiosto :
bordo, sem frete (hoje).
Cambios sobre Londres 90 d/v 19 e 19 1/8 d.
por 15000.
Descont de letras 8 e 9 0,0 ao anno.
F. J. Sveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
BANCO MrUA & C.
Kua do Trapiche o. 34. ,
Desconta lettras co.nmerciaesa taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, pot lettras e em conta corrente.
Confere crditos, saca sobre as prinieiras
pracas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes solire as mesm;is
pravas.
Encarrega-se, por commisso, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes do
.lompanhias, da oobranca de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
(juer outra operaco bancaria.
O expediente para o publico comecar
s 10 horas da manliaa, e terminar s'
horas da tarde de todos os dias uteis.
ENGLISH BANK .
()f Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a con-
vencionar.
Recebe dinbeiro cm conta corrente e a
prazo lixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Aj'res, Montevideo, New-York
e New-Orleans. e imitte cartas de creBito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelouriuho n. 7
CASA DCA1IBI0
Tlieodoro 8imon & C.
Soberanos
Ouro nacional
Vendem
135700
portugez
Sedias do governo]
de I
54 1/ /> te Pe-
rnio
. l/ o/0 de pre-
5
5
1:0004000
1:0004000
2:0004000
1:0004000
Manuel de Souza Tavares..... 10
Parisio Belarmino do Maraes P. 5
Tenente-coronel Francisco C.
M. Rins Jnior............ 5 1:0004000
Manoel de Souza Leo,....... 5 1:0004000
Jernimo de Souza Leo...... 5 1:0004000
Jovtao CoelhodaSHva....... 5OOO00O
a 5/J000 | mi
Largo do Corpo Santo n. 21
Iiiipor.ivio.
Vapor brasileo jacuaribb, rindo do Araea-
ty e pactos intermedios, man i festn :
' 29 sacras algodao ; a Vianna dwiuimares.
39 ditas dito, 931 ineios Irm.io.
1228 ditos de dita; a Antonio Alves de Hora
200 ditos de dita; a Marques Barro-' & C
48 ditos d8 dita; a Guimaraes Pereira de Aze-
vedo.
5-ia ditos de dita ; a Joao Jos de Carvalho Mo-
rae> & Irmo.
280 ditos de dita ; a Jos Lopes Davin.
661 ditos de dita 10 saccas alfodo; a Lu/.
Goncalves da Silva A C
l ditas dita ; a Jos de Azeveda Andrade.
33 caixinhas velas de carnauba; a Joaquim
Jas de Azevedo.
I coi i ros s Igados, 7 mIs eourinbos; a Fer-
nandez & Irmio.
32 vainilles barricas abatidas ; a ordem.
Rurca portugneza .".ova SYMPATHU.rfinia d
Podo, consignada, nwnifestou :
I2i canastias lhus; a Manoel Dnarte Radri-
gnes.
20 ditas ditos. 3i cunheles Terragens ; a Ange-
lino J. do* F. Andrade.
1 barril azeitonas ; a J. da Silva Rodrigue*.
2.'t jMlras do lousa ; a David Ferreira Rallar.
108\'lumcs barricas abatidas; a A. Lope
Rraga AH
8 peja> de cabo de linho ; % Maia & Espirito
Santo. ,
1 eaixa bacalhao; a F. da Cunba Cantoso,
i dita carne salgada ; a Amorim Irmo.
2 di'as dita ; a J. J. da Costa Maia.
2 ditas dila; a A. D. Ca uciro Vianna di C
3 ditas dita ; a A. Goncalves de Aaevedo.
i di las dita ; a Narciso J. da Silva.
1 dila dila ; a Ifenianlino Duarte Campos.
1 dila dita ; a J. da Costa Maia,
1 dita dita ; a l'auju J. Comes.
1 dito di/a; a Jlfr de Azevedo ADdrade.
1 dito dita ; a f. i. Pereira de Mendonca.
1 dita dita ; a M. A. de Amorim.
1 di'a dila; a J. J. de Azevedo.
1 dita dita ; a L. A. Soqueira.
1 dita dita ; a Joaquim de Sania Maia.
1 barril e 1 la'a dita; a Heurique Bernardes
de Olivera.
2 ditas dita; a J. A. Pereira Vinagre.
1 eaixa mus c ca-lanbas ; ao Dr, Claudino do
A. Guimaraes.
2 ditos linha ; a J. P. Arantes.
2 ditas dita ; a Jos Antones Guimaraes.
1 dila dila ; a Jos L. Goncalves Ferreira & C.
1 dita dita ; a Manoel J. Ribeiro.
I dita missangas ; a Emilio Soares.
6 ditas imagens ; a Rocha Lima Guimares.
dita ferragens ; a Silva di Alves.
8 paroles linha de barca ; a D. A. Maduras.
136 saceos feio ; a M. J. Goucalves da Foato.
100 ditos farello; a harn de aiareih.
200 ditos dito, a Resende & C.
100 dilondito, 5 ditos toijo, 200 rodas de arco*
de p#; a Halt;T 4 Oli veira. i B
100 ditas ditas, 1 sacro roB^e, 35 canatras
albas ; a Braga, Gomes A C.
300 dita* ditos, 6i saceos ftrjf.^ rodas do
arcos de pao; a J. J. Gatcalves Beitro
3 farii-s capachas, 2 canas coiu, 3 ditas fer.
iimii; Vianna 4 fiatonirtj.
3 ditas ditas, 1 dita bacalbao; a Ferreira Gul-.
maraes A C.
1 dito movis, 2 ditas Unuas, vi vokimes barri-
cas antidas; a rdea.
pacotes cardas. 4 Mricas castanhas 3 eai-
sas ferragens ; a Thomaz Fernandos da Cunba,
fm
\
I
d


Djiyio fe Pejpanibuco Terqaj fetra 30 fe
de

*
'
S (Utas litas, 2
Montefro & li
i diiis dita, 1 J
a Jos ti" A. M
170 barra
ditas buhas
1 dita ferragmi

1 dita lnha

^H| Vianda A C
. 'liaba, 1 dita carne sal-
dada ; a Azevedo & Irmo.
TABELLA dos rasgos dos gneros "jeitos a di-
REITO D EXPORTAQAO.SEMANA DE 29 DE MARCO
a .1 d.i pirrcfto mi:z de 1869.
Mercaduras: Unidades. Valores.
Abanos......... eento 25300
Alcool ou espiritle aguarden-
te .......... caada
Agurdenle cachaca.....
dem de canna......
dem geaebjra.......
dem restilada ou do reino
Algodo em earoco..... arroba
l.ieniem rama ou em la.
ngico ( toros )...... duzia
Arroz a...... arroba
dem d scascado ou pilado
Assucar hranoo......
caada
arroba
fibra
arroba
dem maseavado. .' .
dem iv Uado.......
Azeiie de amendoiin ou amen-
dobim.........
dem de coco.....
dem de mamona......
Batatas alimenticias.
Baunillia.......
Bolacha ordinaria, propria para
embargue........
dem lina......... *
Caf bom........ '
dem escolto ou restollio ...
dem Mirado.......libra
Caibro.........um
Cal preta.......- arroba
Cal branca........
Carne secca ( xarquc ).
Carneiras........uin
Cardo vegetal........arroba
Cavocuas ck sicopira .... urna
Cera amarella.......arroba
dem de carnauba em brul". libra
dem idem em vellas ....
Cevado ( poroo )......um
900
440
ljOOO
880
800
wtm
(41800
000()
15000
gjffiOtl
4^700
.iiOO
500
Cha '.' ........ libra
Charutos........ eento
Cocos seceos.......
Colla.......... libra
Couros de l>oi, salgados ...
dem dem seceos espichados.
lem verdes.....
dem d cabras curtidos um
dem de onea....... *
D tea s ve.,'.. ,...... ltrn
dem em gela ou massa. .
Idein era calda......
Enxams........ um
Bspaaadorflfi grades.....
dem pequeos ......
Esleirs para forro, ou estiva do
navio......... c^nto
dem do carnauba..... urna
Estopa nacional...... u< oa
Parinna de mandioca .... altjueire
dem de ararota...... arroba
l'eijao de qual(|tier qualidade >
FrYbacst ....... ura
Fumo em folha bom..... arroba
dem em folha, ordinario ou res-
tom ,........
Id:.! em rolo. Iioin.
Fumo em rolo, ordinario ou res-
tolh o......... >
Calindas. ........ urna.
Gomma de mandioca..... arroba
Ypecactianha ( raz).....
Jacaranda ( COUCOerasj duzia
Lenbaem aotaas...... ceuto,
dem de auagae em toros. .
Linhas e estetos ...*... un
Melou melaco .,. amada
Milho.......... arroba
Ossos.....,
Palto de carnauba..... molho
ura
quintal
um
arroba
urna
i
2-SoOO
liHOO
IJ400
ItOO
,'ioO
:uooo
7*000
75000
CJoOO
440
dfd
400
580
3 800
45000
15>00
3-3300
6*800
S80
500
205000
25000
35000
15000
GOO
230
290
170
380
105000
11000
3(i0
520
45500
5000
25000
toneladas, capital Vanteer, equipara 1-, carga
carrai; a SminoVrs BrothersA C.
i,6 das, briguc nrtdmllcni5i Colimar.
tonelSiS, capilV' WulfT, i\|up'sfl
^^H'n- .....
r'.rande do Norte5 das, mate brasileiro No-
ra Espermca, de 61 toneladas, capitao Manuel
Fernandes Salles, pquipagera 6, carga assucar;
a Bartholomeu Loureneo.
Barcelona39 das, sumaca hespanhola Carmer,
de 94 toneladas, capitao Mateo Pages, equipa-
gem 10, carga vinho e outros gneros; a Perei-
ra Carneiro & C.
Baltimore 39 dias, barca ingleza Traveller, de
30 toneladas, capitao G. M. Penlield, equipagcm
13, carga 3,0,10 barricas cora farinha de trigo ;
a l'bipps Brothers tV C.
Havre por Plymouth 5 dias, sendo 33 do ul-
timo porto, brigue brasileiro Ralo, de 226 tone-
ladas, capitao Antonio Mara da Silva, equipa-
geni 12, carga farinha de trigo outros gene-
ros: a Amoriui Irmao.
Porto 22 dias, barca portuguesa Nora Sympa-
thia, de 39.1 toneladas, capitao Guilberme Luiz
de Souza Lobo, equipaguin 14, carga vinho e
outros goneroa; a Bailar & Oliveira.
Navios suhidos no minino din.
Montevideo pelos portos do imperio Vapor in-
glez Sarimtato, capitao A. Deusor. em lastro de
carvao.
Barcelona -Brigue hespanhol Heuriqueta, capitao
Ainbrozio Baronat. carga algodo.
SantosBrigue brasileiro Norma, capitao Manoel
Martins da Costa, carga 296 toneladas de ssii-
car ; a Ainoriiu limaos.
O!i Suspenden do lama rao para a Babia a escuna
ingleza CarolinaGoodyear, cora a inesma carga
que trouxe d llha do Sal.
Navios entrados no dia 29.
New-Y.ork45 dias. escuna ingleza Zephyr, de
140 toneladas, capitao N. Le Gran, cquipagem
8, carga farinho de trigo e outros gneros; a
Johnston Pater & C.
New Castte40 dias, barca insten Hnrhattle, de
319 toneladas, capitao J. L. Hood, equipagcm 11
carga carvao : a ordom.
Liverpool39 dias, barca ingleza Jeseie Scott, de
312 toneladas, capitao I. J. Thnmas, equipagem
12, em lastro ; a Wilson & Hette.
Santa Ilellena 16 das galera franccza Piene,
de 350 toneladas, capitao Bernard P. I- M., equi-
pagcm 19, carga assucar ao consol. Arriben
cora agua .iberia sera destino.
Navio sahido no mesmo dia.
ParaBarca portugueza Belem, capitao Joaqnim
Jos de Frats, carga assucar.
125000
160
25000
i (300
105000
45000
85000
10 5000
EOITAES.
.luzo dos fetos da fazenda de
Periiaiiibuco.
Faz-se publico aquem convier e iuteressarpos-
sa, que lindo o praso de tres niezes a contar de 2i
de dezembro ultimo, se bao de vender cm hasta
publica, celebrada na cidade de Goyanna e na villa
de tamb, perante o sobredito juizo, as tenas per-
ico.entes ao extincto encapellado de Itamb, cons-
tantes do edilal de praca, publicado no Diario de
Pentambttco do citado dia. Os quo pretenderem
35000 lancar a pray, confornitj o art. 4o da le de 6 de
15 50001 setembro de 1830, deverao apresentar-re com seus
fiadores habilitados, sendo as Cianeas prestadas ad-
ministrativamente e com todas as formalidades
das Bancas fiscacs nos termos das instrucedes de
30 de dezembro de 1865.
O escrivao,
Luiz Francisco B. de Almeida.
Seduas V governo) 1 de pre-!
de i a {*>000 )
Largo do Corpo Suno n. 21
1SA Wi.MSElll>Kl)lA IX) hBt^l
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia
do 1! scicate quem eonvin, qiieo so-
brado- o. 3 A sito ma Augusta e a casa terrea
n. 39 da ra dos Ptese;idoro9, ostio sujeitas se-
grate disposiejio testamentaria, com que Talleccu
D. Esmenia da Conceijao Souza, muiher do Dr.
Jos Joaqnim de Souza :
Declaro mas que iastuo por herdeiros de
ininha mea aeco ao meu marido o Dr. Jos Joa-
i|uira de Souza, cora a ohrigacao de cora sua mor-
le passar a terca de mcus bens para os nieus ir-
raos o padre Jos Leite Pitia Ortigueira o D. Car-
lota Esmenia da Ctmceco Leite, ao quaes tam-
liem instito por herderos da nwsma terga na con-
formidade do que (lea disposto, e no caso de que
nao sobrevivan) seas irmaos seu marido, a ter;a
que elles perteneer, vontade sua que passe para
o hospital de caridade que Oca assim nstiluido.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do He-
cife, 5 de marco de 1869.O escrivao, Pedro no-
drigues de Souza.
O administrador da recebedona de rendas
internas geraes declara que tendo-se concluido o
lancamento do imposto pessoal do exercicio cor-
reuie de 1868-69 das freguezias do S. Jos e Boa-
vi-ta. Oca marcado o praso desle mez e de marco
futuro em que deve ser pago o referido imposto.
sen multa, das sobreditas rreguezias, como deter-
mina a ordem n. 17 do ministerio fepzenda de
X> de Janeiro ultimo.
Rocebedoria de Peraambuco 19 de fevereiro de
I86K.
Manool Carneiro de Souza Lacerda.
Arsenal de guerra.
De ordem do Illm. Sr. director faz-se publico
que o arsenal de guerra Km de contratar para o
rancho dos aprendizes menores do mesm arsenal,
pelo tenipo de tres me/.es, a contar do Io de abril
prximo a 30 de junho, os genero? abaixo decla-
rados ; -
Assucar refinado de I* e 2' qna'idade.
Arroz pilado.
Azcite doce.
Bacallao.
Cha da India.
Caf em carneo.
Carne verde.
Carne secea.
Farinha de mandioca.
Feijio mulalnho.
Mantcga franceza.
Pao de 4 e 3 oncas.
Toucinho.
Vinagre.
As pessoas que quizerem se propftr devem aprc-
sentar suas propostas era cartas fechadas acom-
panhadas das amostras, na sala da directora no
dia 30 do corrento, as 11 horas da manha.
Directora do arsenal de guerra de Pernambuco
23 de marco de 1869.
O cscripturano,
Jos Alfredo de Carvalho.
toado, 2 retcgjos o> algioek ingtezes, eolbi a cofre de ferro, i carteira (secretaria), 1
de prata pam Sopa e eh, saki^c patoii piar carta.*, i nmrqih-za, 2 mesas,
iiva d l-annoaeom tobittda**^ 1 esesawde Badeiras, 1 raobilia de amarello, 1 cama franceza,
, 6 ana. leniu piano Moderno eorn pouco- u*o, 1' mobilia de ,je mes, 2 qnadros e 2 vasos.
n a '.r.i [Jacaranda cora 12 cadeiras de gnarnl?ab, 2 de Soxta-feira 2de abril.
posportosde norte ci esperad ^.^ i du>. de la,aB?ol s^et bancas en- o agente Pinto far leilo as 10 hora do dia
r tatuadas, 1 soto e 11 cadeiras de Jacaranda, 2 ri- cima ditodos objectos supra-m racionados exis-
CWIPAlll UASELEIRA
DE
etes a vapor
dosul
at
Cruzeiro do Siit, commandanti
Alcoforado, o qjtal depois da de-
mora do costuiwsepmra para of
esde ja recebem-se passageiroa e engaja-se a
caiga que o vapor poder conduzir, a qual dever
seembarcada no dia desuachegd*. Eneommen-
Jas o dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua saliida
Sao se rctfebem como cneommendas senao ob-
jectos de pequeo valor e que nao exeedam a 2
arrobas de peso, ou 8 palmos cbicos de medievo.
Tufo que passar desteslmites dever ser embar-
cado como oarga.
iVcvine-scaos Srs. passageiros qna suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. SI,
i ndar, oseriptoro do Antonio Luiz de Oliveira
Azmedo & C.
Compankia americana c brasilci-
ra fo paquetes a vapor.
At o dia Io de abril esperado dos portos do
sul o vapor americano Soutli Amerita, o qual de-
pois da demora do costme segar para New-
York locando no Para o S. Tliomaz, para fretes e
passagens trata-se com os agentes Henry Forster
A C, ra do Trapiche n 8.

Papagaios......
Pao Brasil.......
Idera de jangada.....
Pectjury. ......
Podras di amlas .
^0111 de librar......
em de rebollo .-.;,.
Peonas de ema. ...... libra
.lassava.........molho
l'onlas ou ehifNS de taccas c
novilhos........eento
Praocudesde auswello dedous
... ura
85000
13000
3*200
255000
1)55000
35000
125000
05000
200
15000
240
15000
55000
(i 000
55000
125000
900
' 800
15000
2000
160
25800
205000
105000
15000
160
400
305000
800
5*000
75000
35000
25000
65000
380
106000
85000
65400
800
costados.....
dem de louro. .
Ilap....... libra
Sabio.......... 1
Sal. ...,....,. alqeuire
Salsaparrflba....... arroba
S.-ipaiu de couro branco par
Si'bo em rama...... arroba
dem em vellas. ."...
.Nula em vaqueta..... uui
raboas de amarello .... duzia
i divetaas.......
Tapiocas'......... arrol
l'atajuba........ quintal
Travs......... urna
fjnhasd boi....... cont
Vassouras de piassava ....
dem de timbo......
dem de carnauba.....
Vinagre......... caada
AD1TAM1.\> >
Cigarros.......... cont: 320
Costadiako de vinliatico domis
de urna pollegada.....un I65OOO
Dito de outra qalquer madeira
de urna pollegada..... 125000
Cerveja em botija ou garrafa caada I56OO
Meldeabeltos...... 15280
Tahoas de vinhatico al-'' una f
pollegada........ urna I2S000
Dito de outra qalquer madeira
at una pollegada..... >' 8^000
Era ud supra.
Alfandega do Pernambuco 27 de marco de 1869.
O 1. conferenle, HorenrDomingues da Silva.
O conferente, Joaq im 'Ignacio ie Carvalho
Me n done a.
Approve. AlftndeL'a de Pernambuco 27 de
marco de t869.ir'w. de Andrade.
OtiitoTiae.r-JS'tquim Tertuliano d>' Medeiroi.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia, manda fazer publico que
tem1-marcado o dia 4 de ma o prximo vndouro,
para o concurso que se lera de abrir nesta niesma
thesouraria para preenchimenln das vagas de pra-
ticantes existentes nesta repartcao, na alfandega e
na recebedoria.
Os exames versaran, sobre as materias de que
trata o jj 1 do art. Io do decreto n. 3,114 de 27 de
junho de 1863, a saber, leilura, analyse grammati-
cal c nrthograpliia, arithmetca c suas applicacoes
ao conimercio, com especialidade a reduccaode
Bsoedas, |>esos e medidas, calculo de descont, ju-
ros simples e conspostos, Iheoria de cambio c suas
applicajoes.
Os concurrentes deverao previamente apresen-
tar seus requerimentos instruidos de documentos
que provem idade completa de 18 anuos. isen^iUr
do pena e culpa c bom comportamento na forma
do art. 3 do decreto n. 2.549 de l de marco de
1860.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 27 de marco de 1869.
O oflicial-maior,
Manoel Mamede da Sitia Cosa.
A cmara municipal desta cidade, leudo de
proceder no dia 2 de-abril prximo vinduro, a
apuneao geral de votos para deputados a assem-
bla geral legislativa pelo primiro districlo desta
provincia, convida, conforme recomraenda o 12
4350OI do art. 1" do decreto n. 842 de 19 de setembro de
1023000 i835, e art. 23 do decreto n. 2621 de 22 de agosto
963000f| de 1860, aos eleitores dos collegios que compoem n
mesmo dstrcto, para assistrom a dita apuraro
no da citado.
Paco da cmara municipal do Becfe, 27 de mar-
co de 1869.
Ilarao de Maribeca,
, Presidente
Francisco Canuto da Boaviagem,
Secretario.
MOVIMENTO BO PORTO.
Continuacao dos navios en'radas no dia 27.
Glasgow 47 dias. brigue ingles R. F. Bell, de 186
toneladas, capitao John Parker, equipagem 9,
carga dillerentes gneros; a Adamson llowie
4C. f.
Navios entrado* Ttt*4*a 2S.
Otte45 das, barca fraafcza A>5)v4e 201 tone-
ladas, capitao Bouisson, equipagem 10, carga
vinho ; a Kelier & C.
CarJilT48 dias, barca ingleza Naeeiiey, de SW
DECLARACOES.
CASA DE CAMBIO
Teodoro Simn & 0.
Gompram e vendem por conta propria
melaes, moedas nacionaes c estrangeiras,
letras de cambio, sedulas do governo e do
banco do Brasil.
Descontam letras da tena e ontros ttu-
los coinmerciaes.
Encarregani-se por conta alheia das mes-
mas transaeces, da cobranca de letras da
trra e de outros ttulos commerciaes.
Recebem quaesquer quantias em deposi-
to, em conta corrente, e a prazo fixo.
Largo do Corpo Santo n. 21.
THEODORO SIMN & C.
Vendem
Soberanos a t3#700
Ouro nacional )
) a 64 i/i0i0 de premio.
a portugnez )
TUEATKO
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DE
Quarta-fcira 31 de mtyrco.
BENEFICIO DE J. AUGUSTO.
Sobe a .cena o acredlado drama em 5 actos
ornado de msica
Personagcns. Os senhores
D. Cesar de Bazan.....J. Augusto.
1). Carlos II de Hespanha. C. Bocha.
D. Jos de Santarera Io ministro Jos Victorino.
O marquez ,de Montefivre, go-
vernador dos passariuhos. Martinbo.
Prez........Le^sa.
O harqueiro......-Santa Ros.
Sildado........Guimaraes.
1" fldalgo.......Jordani.
2 dito........Horrado.
Um alcaide. Brochado.
Lazaiilho, anneiro.....Carolina.
Maritana, cantora das ras. Julia.
A raarqueza de Montefivre. Francisca.
Poro, fidalgos, arcabuzeiro6 etc., etc.
Segu peso Sr. Marlinho. a linda cansoneta
O HIIBIMII.
D fim ao espectculo a primelra representacao
da comedia em 1 acto ornada de msica
Izidoro o vaqueiro.
Izidoro........Brochado.
Luiza....... Apolonia.
Magdalena.......Carolina.
Visrabos etc., etc.
J. Augusto tudo espera do Ilustrado publico.
Os bilheles acham-se no tlieatro de terca-feira
de tarde cm diante.
AVISOS MARTIMOS.
UUMPANH1A PI-UNA.MBUGANA
DE
\ave2;;n'o cosleira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
0 vapor Mumanguape, eom-
maadante Oliveira, seguir para
os portos cima no dia 31 do cor-
rente a mea noite. Itecebe car-
ga, eucommenda:. passageiros e
iciro a frete no escriptorio do Forte do Mat
tos n. 12.
cas bancas de diario, 2 guarda vestidos de ama-
rello, 1 guarda rouna, 1 cama de Jacaranda, 1 ta-
mete, 1 lavatorio de mogno, I cama para menino,
I cairiuho de 4 rodas tambera para menino, 1
guarda luuca, 3- consolos, I espeto* dourado, 1
mesa ela*tica, terco, quarlinheira, 1: retrete de
Jacaranda e 1 earr'oea para conduzir farinha de
trigo.
HOJE
O- agente Martins ar leilo competentemente
autorisado das joias, escravos e moris no sobra-
do da ra do Padre Floriano n. 7, as 10 horas da
manhaa.
lentes no 1'
II. lo.
andar do sobrado da ra da Cadea
AVISOS DIVERSOS.
IJ
DH
taberna sita no pateo
Terfo n. tt*.
iio.ii:.
O agente Pestaa legalmente autorizado
leilo por conta e risco de quem portencer dos
gneros, armacao e ma;s utencilios existentes na
taberna cima dita, este estabelecimenlo est bem
collocado para taberna a retalho, tem os gneros
novos e poueo fundos para dormida, e por isso
se torna recommendavel para principiante e faz-se
qalquer negocio mesmo com prazo garantido, no
dia ter?a-feira 30 do corrente ao meio dia no mes-
mo estabelocimento.
I\STETO0 4ftGHE0L0riIG0 E GEOG&0
PERAIICM
Prkaaira sess5o ordinaria do> corrente
anno acadmico, quinta-feira, I de abril.
pela 11 lioras da manlia.
ORMCM DO UFA
' Posse dos novos oITiciaes da mesa e da
do. diversas commissoes eleitas;
Oiscussoes do orcamento para o anno
sociatde 18691870.
Secretaria do Instituto, 29 dte marco de
18G9.
Jos Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
N*
LEILO
COWMXIIIA BRAS1LEIRA
DE
uetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 8 de abril p. f. o vapor
Paran, commandanle o capitn
de fragata Antonio Joaquim de
. Santa BarlK>ra. o qual depois da
demora do cosiunie seguir para os do norte.
Desde j recebera-sc. passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no da de swi ehegada. Eneommen-
das e dinheiro a fele at o dia da sua sabida as 2
horas.
Nao se recebem como cneommendas seno ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a dua>
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medieae
Tudo que passar destes limites dever ser emba -
cado como carga.
Prcvme-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
" andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C
Para o Porto
Segu at o dia 8 de abril a barca portuguesa
Novo Silencio, a qual olereee excellentes coinrao-
dos para passageiros : a tratar no largo do Corpo
Santo n. 19, escriptorio de Oliveira Filhos & C, ou
cori o capitn na prar>dn rommercio.
De urna grande casa de campo no. Parnamcirim
com 3 salas, 12 quartos e dispensa, com grande
sitio morado na frente, cerca de 1,050 palmos
de frente e 1700 v>e fundo, com mutas e excel-
lcntes fructeiras e baixa de capira.
iioji;
Turga-feira 30 de marco as 11 horas
em ponto.
O agonte Pinto competentemente autorisado fa-
r leilo da casa e sitio cima mencionado do ti-
nado Joaqun! Jos de Amorim (em Sant'Anna)
sendo que dito sitio torua-se recommendado ja
pelas grandes proporcoes e aecommodacoes que
aderece e j por ser em chaos proprios em cuja
Hoy pelas 7 l|2 horas manda Jos Juaquiabdo
Bego Barros celehrar urna missa no convento dft
S. Francisco, pelo repouso eterno de sua cara
innia D. Francisca do Bego Barros, esposa de
Manoel Joaquim do R'go Brrelo.
frente passa os trilitos urbanos c perto de urna das ja < confossam eternamente grato.
(iiiilherinino Celestino do Carino e Irino agra-
decen) a tod-ifi os seus amigos que se dignaram
acompanhar at ao cemiterio publico os restos
mortaes de sna mui carrahosa mi D. Marianna.
Rufina de Carvalho, fallecida em 26 do corrente
mez, e roga a todos os seu< amigos o obsequio de
assistir as missas do stimo dia que dever ter
lugar as 4 heras da manha no 1 de ahiil na
igreja de Nossa Senhora do Livramento, e desde
estaeps.
O leilo ser effectuado as f 1 horas do dia ci-
ma dito no escriptorio do referido agente ra da
Cruz n. 38.
Os pretendentes podero desde j examinarem
dita casa e sitio, podendo ohterem do mesmo
agente toda c qalquer informaco a respeilo.
a
Ama
Lilil
PREDIOS.
SE
0 agente Pontual vender era leilo por auto-
risacao de-diversos, os predios seguintes :
1 sobrado de 3 andares, soio proprio, sito ao
becco do Abreu n. .
Metade do sobrado de 2 andares site a ra da
Cruz n. 60.
1 parte do sobrado de 3 andares sito a ra da
Senzala Velhan. 70.
2 casas terreas em solo foreiro, sitas a travessa
das Barreirasns. 16 c 18.
Quarta-fera 31 do corrente.
No
No becco das Barreiras n. 9, preeisa-se de urna
ama capaz para o servico interno e externo de
casa de una s pessoa.
Jos Soares de Azevedo, professor de
lingua e litteratura nacional no gymnasiw
provincial do Recife, tem aberto cm sua
casa, ra Bella n. 37, um
CURSO DELINGUA HIANCEZA
DE GE0GRAPIIIA E HISTOUA
DE PMILOSOPHIA
DE RIIETORICA E POTICA.
Os estudantes qnc pretenderem frequen-
tar qalquer destas discipliuas, podem diri-
gr-se indicada residencia, de manhaa at
as 10 ho'as. e de tarde a qalquer hora.
Ba-se a quantia de 1:300* a juro sobre hy-
potheca em casa de dobrado valor, livre e desem-
Desoja-so fallar ao Sr. Manoel da Silva Men
Os Srs, pretendentes podero examinar os pre-
dios cima, e dirgirem-se a' agente no caso de
precisaren! de algum egolarccimcnto a respeito.
Para o indicado porto pretende sabir em pen-
cos dias a veleira e bem conhecida barca Socio/'
capitao Rocha, por ter a maior parte do seu car-
regamento prompto, e para q rosto que lhe falta
e passageiros, para os quaes tem bons commodo,
tratase com o eonsignatorin Joaquim Jos Gon-
qilv' Bol' i ilo Trapicho n. 17.
" COMPANHIA PERNAMBCANA.
DE
Mavcgaco costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caty, Cear, Mondah.Acarac
e Granja.
O vapor Ipjuco, commandante
Martins, seguir para os portos cima
no dia 31 do corrente as 5 hora.-
da tarde. Decebe carga at o dia 30, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
od Porto do Mattos n. 12.
Ampanhia pernambucam
DE
Xavesaro eostelra por rapor.
Macei escalas e Penedo.
O vapor Giqui, commandante Aze-
vedo, seguir para os portos cima no
dia 31 do corrente as 5 horas da tar-
de. Recebe carga at o dia 30, encoinmendas,
passageiros e dinheiro a frete ate as horas da
tarde do diada sahida no escriptorio do Forte do
Mattos n. 12.
2L
2L
COMPAIHL1
DAS
Mossageries imperiales.
At o dia 30 4o corrente mez espera-se dos
portos do sul o vapor francez E.vtramadure, com-
mandante H, de Somer. o qual depois da demora
do costuine seguir para Brdeos tocando em
Dakar (Gore) e Lisboa.
Avisa-se aos Brs. passageiros que por delibera-
cao do conselho de adinimstracao se achara redu-
zidos de lis..12-' as passagens de segunda classe
para Bordese Lisboa,assim como se. concederin
bilhetcs de ida e volia para os portos do Brasil e
Rio da Prala com 25 % de a batimento pelo lempo
de seis mezes.
Para condicoes, fretes c passagens trata-se na
agencia/aa do Coramercio n. 9.
Rio de Janeiro
Segu com muita brevidade para o porto cima
a escuna dinamarqueza Elise, tem a maior parte
do^eu carregamen (^.engajado : para o resto que
lhfalta trata-se com-^antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, ra da Cruz n. 57, Io andar.
Loanda
O brigue portuguez Bemvinda, capitao Silva, a
chegar de Lisboa, saldr para Loanda pinicos dias
depois de recolhido a este porto : pds rereber
alguma carga, e tratase copj o seu consignatario
Joaqnim Gerardo de Bastos, rna do Vfgario n.
16, Io andar
__^_-----------
>e
LEILO
loTeis e objeetos de eserlp-
torio.
COMO SEJAM :
donga Vianna, por isso roga-se-lhe o especial fa-
vor de dizer por este jornal a ra e numero da.
casa onde mora.
" Na casa n. 28 ra da Florentina, reeeber
se roupa para lavar e engommar : quem precisa
drja-se a tratar e entregar de raanha at as 8
e meia horas, e tarde das 4 horas em diante. _
Domingos Manoel Ribeiro, Portuguez, retira-
se para Europa.
A ESMERALDA


.
LEILOES.
LEILM)
de importantes joias de bri-
Ihantes, clous escravos, e mo-
vis.
A'SABER:
Um rico broxe moderno de brilhantes, 2 pul-
seiras tambera modernas de brilhantes, 2 alfraetes
de brilhantes, i par de rosetas de ditos, 1 di di
lo com brilhantes e pedras verdes, 1 pulseira com
um rubim e 4 perolas, l rico colar de I i la grana.
I importante pulseira de coral cousa n.uito rara,
1 alfiaete e rosetas de camaphcu ricamente eneas-
Moreira Duarte & C. teudo feito urna
completa reforma no seu estabelecimento
de joias da ra do Cabug n. 5, (junto a
loja de cer^ acabam de reabri-lo ao res-
peitavel publico, a quem offerecem um es-
plendido sortimento de joias as mais mo-
dernas e primorosas que teem vindp a esta
praca. e por prepos o mais resumido possi-
vel. Tambem compram ouro, prata e pe-
dras preciossas.
y 5 ri \ m mm \ :>
'|DO
CABUG

esquina
| da ra larga do
Rosario.
AMEL DE OURO

Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por precos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pdeir-se-ha convencer daverdade.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados.
A^ loja esta aberta at s 9 horas da nomto.
RA
EO
CABUG
esquina
da ra larga do j
Rosario.


/-"

y
/
4
Diario de Pernambuco Tertja feira 30 de Marqo de 1869.
r-
PERFUME INEXTINtiUIYEL.
Paka o Lenco, Toucador, e Banho.
"A MTJI AFAMADA
AGUA DE FLORIDA,
Joaquim Jos Gon-
RA D TRAPICHE N. 17, l.u ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o fian-
do do Miubo, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Guiuiaraes.
Goiuibra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castalio.
Ponte do Lima.
Villa Heal.
Villa-Nova de FamaJicSo.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
I 111,11)1111.
Aos500 pares de brincos.
Chegou e vemle-se no Coradlo
d'Ouro, ra o Cabug, brincos de
uiosinlias cem urna franja penden-
te a uhi rico desenho e ouro de
lei, pelo pequeo preco de ilMWO
cada pai. e liaratissimo.
PE
MI Hit %V t L1VW.W.
He o mais delicado e mimoso e ao mes-
mo tempo o mais estavel de todos os per-
fumes, e encerra em si, no seu maior auge
de excellencia, o proprio aroma das verda-
deiras flores, quando ainda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Como um meio
seguro e rpido allivio contra as dores de
rabeca, nervosidade, debilidade, desmaios.
flatos, assim como contra todas as formas
ordinarias de accidentes byatericos; de
surama eflicacia e 1180 tem mitro que o
iguale. Igualmente, quando destempeaada
cora agua, torna-se um dentifrico o mais
agradavel e escolente, dando aos dentes,
aquella alvurae aperolada gpparencia to
altamente api ociada e desejada pelas Se-
nhoras.
Como nm remedio contra o mau balito
da bnea, depois de diluida em agua,
sumniamciiie pxceliente, faz remover nao*
balizar todas as materias uparas que 9fl
criara roda dos dentes c das genivas.
tornando-as duras, sadias e doma linda o6r
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
e |teiHianencia do sen fragrant aroma, ella
por certo nao tem igual ; e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
ua-se um meio mu i pxceliente, para fazer podem informar a som-eepeTto.
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebuliroes, ardas.
pannos, manchas, impiwvs e espinhas.
Quando se queira servir delta "como reme-
dio para fozer desaparecer qualqter um
4este disfiguramentos, e sm astadas feicoes do'brflo sino; devora-
se usaba n'um estado de dilltiico, destem-
perando-a n'nraa pouca d'agna ;;porm no
talamente de qualquer cspinlia, usar-se-lia
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admiravcl meio de com-
municar as feicoes trigueiras o paludas.
urna pello vacia e d'uma transparente al-
vura, dand para um tal lim, ella leva a palma a todos mJ^ c- ,....,/, ,,
os;perfuin.es que se teem inventado al no-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua ih: Fi-Ohida ue "Mruvy d
Laman.
As iinitacoes que se tem foito na Franca,
Mintanlo, assiui cuino em nutras partes :
sao iteiranieiile imfiejs e valiosas ; por-
tante recommends-so mu especialmente
as senitoras, que leirtram tolla a preeaucm
e cuidado, de quando comprarem, estejam
certas que oomprain.
A GEMINA
AGUA DE FLORIDA
di;
MURRAY A lATV'UVN,
A qual preparada smente pelos nicos
Propietarios
LANMAN VKEMP- W JsV YORK.
Aclia-se a venda nos rstslii lecimentos de
\. Caors.J. da C. teavo, &jC. P. Jtfau-
rer A C. A.\. ltorttosa Bartltoloiiieu, cv C.
E era todas as prncipaes lojas de per-
tmarias e boticas.
BARTUOLOMEU & C.
PARA USO INTERNO
VHEPARADOS SIMPLES
Xarope de jurubeba garrafa. 1*000
Viubo de jurubeba garrafa. iiJBUO
Pilulas de jurnbeb vidro. i#$00
Tintura de jurubeba vidro. 640
Extracta hydracoolico de jurubeba. 124800
PUEPABADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2(3000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. i#iOO
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2^000
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurubeba pote 040|
Emplastro de jurubeba libra. 2500
PARA USO EXTERNO
M JURUBEBA*
hsta planta boje reaonhecida conio o mais poderoso touic, como um excel-
lente desobstruente, e como tai applicada nos engorgitamentos do figado e baco, as
liepatt< propriamente ditas, ou ainda complicadas com anatarebas, as inflammaces
subseqoei^es as febres inkiaitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do ulero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarclra, as hodrope-
zias, rysipellas ; eassociada as preparacoes ferruginosas, ainda de grande vantaupm
as anemias, cliloioses, faltas de menstruago, leucorrlieias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos aflirraam os mais dislinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os lllms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Se\"e,
Pereira do Carmo, Finno Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a excellencia d'este
poderoso medicamento sobre ostentis at lioje condecidos para-todos^os casos citados,
tantofqe todos os Alas fazem d'elle applicaiV..
Apresenlando aos mdicos c ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos. por lim geni'ralisar mais o uso d'este vegetal, fazmdo desapjiarecer a
_ fi!@}! repugnancia que ale hoje sentiara os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, e
- a Bosta ene annuiiriou ter pi-atira de mc- *"S das vezes repugnantes a iragarem-se, c que tinim ainda a desvantagem de nao
eos e Dioiiisdos doixe carta nesta typographia rm ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improticuo um
n t : Os nossos preparadoss foram apr sentadosdepois dehavermos conveniente-
^Sa^JffiA^S?^* "te ttidadp a jurubeba .azendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
os qiier alugar pile dar aviso na botica fu Sr. pnedades medicamentosas d esta planta em suas raizes, folhas, fructas ou bagas, e a
itarbusa, ra da Gadeia do Keeife o. ci, junto ao dose conveniente a appliearo. tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
mco la Omceicao. ao raaior grao de jHiTeiQao possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco hiero que possamos tirar.
Por tanto os qut se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
: certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
ASTUM \ l m\
UM DESCOBRIMENTO ESPANTOSO!
O xarope de edegosi^ de Pernambuco, vel cura de qualipi'-r dos solfrimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo
preparado pelo pbarmaceulico J. de A. pin-j applicados, tendo alm d'sso. medico eu doente a vantagem neescolher as nossas va-
to, cura radicalmente a tsica e asthma, e j riadas prepnraees. aquella que melhor Ihe pode convir, j pela fcil anplicaco, e j pela
complica ao das molestias, idade, sexo, ou ainda ualureza de cada individuo.
As nossas preparacoes erroginosas sao feilas de. forma que ai toraam comple-
tamente solnveis nos suecosjastricos, poique procuramos oscompostos ^ie ferro que
todas as molestias dos pulmoes.
Podem ver-se os attestados de curas no
nico deposito das preparacoes de fedegoso
deste autor, ra do Rosario Larga n. iO.lcomotaes estSo hoje reconbecidos.
Alvaro LYIia Cavacanti tem esfripte-
rio de advoraeia na da ramboa do
Carino n. 8. 1" andar, onde pode ser pro-
curado pia os mstenos de soa piolisao
fhotographo da casa imperial
premiado em diversas exposi-
qdes.
Na sua photdgrnpliia ra do Cabug n.
16, entrada pelo pateo da matriz tira retra-
tos por todos os s-ystemas photographicos.
Em porcelana Em vidro
Em talco Em papel
CART ES DE VKiTA A 53 A DOZIA.
Qb rtrats atrte-ie-visite sao collados
eu cartlo de luxo bristal ou porcelana, [
eufados pu
ou vinlietas para oque existe uina varieda-l
4e 4e l modelos a escoiba de quem se re-
tratar. Para as outras especj^s de retratos
taos eaixHibas. pa#se-jKir-t(ntis. quatbos
molduras domadas epretas cassotas de
miro e alliuetes simplM ecom pedias pre-
ciosas, havendo nos. alfinetes urna mimosa
tiriedade de eitios.
O nosso e.stabcleci'meato photograpbico
est sempre em dia cornos melboramenlos
e progn'ssos que na America do Norte, na
Europa ou o Rio de Janeiro se conaegue
na arte phetographicft, e-^ara alcancarmos
tal lim nunca poupamos flespezas nem sa-
crificios, de soriegue os nossos numerosos
fregueztft podttm t r arert.ua de que sem-
^pre encoRtrat'lp em nosso eatabeleciment/
ludo qiianto t arte e o mofla ofwecer de
hom no novo e vefeo undo aoa>amantes
da photographia.
Illin. Sr. Joaquim d'Almcida Pinte.
Braga, 25 de Janeiro de 1868.Men ami-
go, a<|ui ebegue com algumas melhoras:
depois de ter tomado tres garraCas do seu
preparadoxarope de fedegoso; isto
pelo mar, porque logo que clieguei em Lis-
boa, principie i cora mais f a tomar o dito
xarope, por conhecer pelo mar que elle me
fazia grande beneficio, pois vista da gran-
de quandade de sanue que eu botava pela
boca, vi que me a deSaparecendo com- ra-
pidez, depois que cqjjijiaei a lomar o dito
xarope, e to milagroso foi para a minlia
molestia que 'boje me aclm d todo resta-
uelecido, eatmesmo bastante uuU'ido, e
por isso pode Vm. fazer ciento a publico
o mlagre que o seu preparado obrou na
iniulia enfermidade. Sem tempo para mais,
ou de Vmc.Amito aliento, venerador c
inuilo obrigado.Manoel Jos Goncalres]
Pereira.
Do xarope vegetal AncHcauo.esiecialidaleile Harthelonieu A o
y.ittUA UftGA DO ROSAHB34
Nao costumamos .prooutar atkstados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que sua appficacD-e oerosuttados obdos pelas pessoas que se dignaram acceua-
los, Ihesdeem crdito evoga; porque sito sempre os attestados considerados gratuitos,
e edenes que lanca-mio ocbarlatanismo; mas, nTio querendo offender as pessoas qu
espontneamente nos olereceram os que abixov^o transcriptos, os Talemos publicar,
manifestando-Ibes nossa gratidaopela atU'iicao.-espeando que venbam elles corroborar
o conceito,.e acceitaco que tem merecido nosso xarope.
Bartholomeu & C.
ATTESTADOS
lllms. Srs. Bartholomeu & C com a mais subida satisfaco que declaro
ser o xarope Americano de urna eflicacia extraordinaria, pois que soflrendo ha dias de
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamentos
que tomava, a elle-recorr e naterceira colher fui alliviado, c de todo me acho hoje res-
tabelecido compuso somente de quasimeio frasco: grato, peis,: esseresultado mani-
fest a Vv. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obligado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
lllms. Srs. Bartholomeu & C.-rPenhoradissimo com o favor que me flzera*
de aconselbar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composieo, quando me acha
va bastante doente de urna constipaco, que me tornou completamente ronco e que
troifxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os metis devores de cantor da
empreza lyrica, vou agradecer-Ibes meu completo restabelecimento, que oblive com ujb
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos iraiamentos. Des
que outros como eu recorram ao seu xarope para se verem alliviados de to lerrive
incommodo, io fatal neste paiz. Com maior consideraco contino a ser de Vv. Ss
attento, venerador e obrigado.Luiz Cremona.
Recife. 25 de setembro de 1868.
lllms. Srs. Bartholoroeu & CO xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. tcem
exposto venda de toda eflicacia para o curativo d'asthnia, conforme obsiiwi apph-
cando-o a meu liiho Joaquim, menor de qualro anuos; victima O'esse flagello, que ata
ento por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de granda
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acontar a expressao altamente sincera de mi u reao-
nhecimento ao meritorio servico que Ihe prestaram com o indicado xar< jie. acreditan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obligado.Americo Netlo de Mn.donca.
Recife, 2 de outubro de 1808.
PIAMOS
DE
J.
N. 65RA DO IMPERADORN. 55.
Os pianos di sta antiga fabrica sao hoje ass.iz contiendes para seja necessari
insistir sobre sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compraderos,
qualidades estas incontestaveis. que elles tem definitivamente conquistado sobre todos
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um teclado e machinismo que ob-decwu
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propiedades da .1 todas as vontades e caprichudas pianistas, sem nunca falhar, por serem fabricados
jurubeba, e saberem a ap|)licai;o de nossos preparados, destribuimos gratuitamente ido proposito e ter-se feitoltimamente melhoramentos impniantissimos para e clima
em nosso deposito um folbeto, onde tratamos mais extensamente d'eata planta e dos doste paiz; quanto ,1s vozes sao melodiosas e flautadas e por isso muito agradareis aos
Illm. Sr.- Joaquim A'Almcida Piulo.
Ha muto que ouvia proclamar as excel-
lentes propiedades do xarope de fedegoso
contra a tosse e asthma, e soflrendo eu de
urna tosse pertinaz, e tendo usado de toda
a sorte de medicamentos, vali-me pois do
xarope de fedegoso, e urna garrafa somen-
te foi bastante para restabelecer-me, ewe
vejo tan robusto como d'antes; suecum-
biria de certo a nao ter usado seu xarofe
de fedegoso.
A' vista disto nao tenho expressoes
com que exprima a V. S. a graiido de que
Ihe devedor, o de V. S. attento venerador
e criado
Joo da Costa Reg.
mesmos preparados.
Deposito eral de todos os preparados
Boica e ilrciiil
34Ra larga do Rosaiin34.
'%&*JX -':. '&. :V 'W&Jh&4W&ty4
DOENCAS DO PEITO
XAROPE o'HYPOPHOSPHITO DE CAL
GRIWAULT E C* PHARMA'JEUTIGOSEM PARSB^
A efflcaeia Testa proijaracSo esiesubpiecirfadesdp IS57, pelos mais celebres mdicos. Desde
e.uio muitas imitacoes tem sido feilas, mas nenhuma poude sustentar a comuaracao com o
producto apreseutado pela nossa caza. Por isso excitamos o publico para que taiga sempre
esip xarope com urna beiia cor de rosa, nuuca branca, e com a ooisa aasignaiura roda do
frasco.
Sob a sua influencia, a tosse acalma-se, os suores nocturnos cessjo e o doente volve rapida-
menie i sade. O seu pmprecorfi lambemos mais brilhames resultados nos defluxQS, catar-
rhos, broiichiies, irriUcoe* do peito
m Deposito em Perttamlatco. m casa de i
rar O*.

Illm. Sr, Joaquim d'Almeida Pinto.
Tenho a ventura de comunicar a V. S.
que gragas ao maravilhoso xarope de f*k-
goso, estou com o meu escravo Jorge com-
pletamente restabelecido da molestia dos
pulmoes, que ha tanto tempo o persegua.
Aceite V. S. esta minba declaraco
como prova do meu reconbecimeqto pelo
bem que V. S. acaba d fazer-me, e cuja
itlioguaphados, quathlloogos recenfocio ttcar internada o coraco dd
De V. S.
Attento venerador e criado
Btttto Joaquim Gomes.
t Illm. Sr. Joaquim 4'Almeida Pinto.-~
(JQflSpnudo um dwer de.gcatidfe partiri-
po a V. S. que, por meio do seu abencoado
arme tte fedeaae, est perfeilawene res-
tabelecido dos seus longos soffrimentos o
mee escravo,
Como sabe, este meu escravo tnha
Frederico Mala |
Clrisrglo dentista pela escola!
de utedlcua
do Hio de Jauciro.
Tem a honra Ue participar au re^peitevel pbli-,'
co Uesta capital e seus suburbios, qut; tem alierto u |
MU gabinete de consultas e opuraeoes dentarias a '
ra Umita n. 12, primeiro andar, onde piie sur
procurado todos os dias das 8 horas da manta as
i da tarde. Elle aclia-se conipuientemeSB habili-
ladupara com perl'eican enllocar denles aRifteiaes,
pr qualquer dos systemas, e, bem assim desempe-
ibar qualquer outro trabalho roBce.rnenle sua
proflssao. 0 mesmo, reciuiliecendo que neinsein-
pro possive.lssenhuras uu crianeas sahirem a
ufoci^j/ o remedio, offerece-se a ri'iin.ver qual-
quer obstculo, declarando que uaeidado.se pees-
tara a qualquer chamado sem que ssoinfluacousa
algumu ua couiuiodidade dos precos de seus traba-
llins.e. quando para fra della assim mesuio sera
precedido de umajuste rasoavel, garaatindo oJlc a
^eu gabinete se encontrar conslantemenle excel-
lente bs dentifricio, elijir e outros medicamen-
tos odkmtalgicos : ra lireita n. l, primeiro
indar.
ClOrDOSCALLOS.
PELA
Poauada galonfseass.
lHipustto *sp"ial
Pbarmacui de Bartholoiiieo A C.
34------fina tarca do Rosario-----34.
GRANDE HOTEL
ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas. tanto nesta fabrica como nado Sr. Blon-
del, de Pars, socio correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram^empre premia-
dos em todas as exposicoes.
No mesmo estahelecimento se achara sempre um explendido e variado sorli-
ment de msicas dos molhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commodos e razoaveis.
CIARITERIA E PETIT $ST:\I'R.\CT
Annebs ao lloiel Central, ra estreita d*
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infinita
de charutos de llavana, Babia, hio. etc. qu
existem neste novo estabelcciniento pres;
cindimos dos annuncios pomposos que ge-
rabnente se fazem, reduzindo-uos apenas i
tres letras que s3o tres bbi> bom, bonito e
Precisa-se de ana ama paca. ennoranur-e eoai-
nbar ; na ra do Rosario ,da .Boa-vista, tafcerna
da esquina, oitao para a i?reja.
Inaugurou-se este commodo e elegante
estabeleeimento d'onde os seus frequenta-
dores poderSo apreciar a especiabdade na
confeceo dos gneros alimenticios.
As bebidas sao s mais primorosas e re-
commendadas.
A decencia e bom servico primam n'esta
casa uo bello goto uritfilal.
Mandaiii-se domicilio coraedorias, tanto
avulso, como por assignalura oiensal. Os
precos sao mdicos e convencionaes.
Ha urna espacosa e bonita sala para o
elegante jogo de biliar.
lia tambem aposentos corammodos e bem
mobilhades para hospedafiem.
Ra larga do Rosario
n. 44.
~
BL'A LUtJA flO ROSARIO & 37
EsteacrtMlitadoestabelecimeAto augmenta
de dia em dia quanto possivel para ebe-
fgar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares :onfecco-
nados com o melhor asseio. tem bellos apo-
sentos de liospedagcm. lauto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e bygiene, temo-la sempre em abun-' barato. A' v ista do genero annunciado p-
dancia para facilitar exccllentes banhos. de-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
Ha tambem ama boa bibliotlieca e,er>- gosa tambem das condifoes de um elegante
dioos nacionaes e estrangeiros, piano para e petit restaurant onde se pode ver a e-
recreio, buhares, etc. etc. pecialidade dos fiambres e salamos de Los
Sendo ociosa qualquer recommendag3o para lanches e al fazer urna boa colacSo,
para to acreditado estabeleeimento, omit- juntamente com os prncipaes vinhos do
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresabindo entre o bom a pura
fim, que o bom servico, ordem e morah'da- e fervenle champadme, o mui saboroso Rue-
de imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa cerveja, o licor espirituosa,
fiel do regulamento que possue. o quanto pede urna mesa, l'az-se nou*
Ck)medorias a la carte. sorvete e variedade de refrescos.
FRANCA-
Aluga-se
Cia pmta escrava que csteja acostutnada a veo
der bolos pelas ras : a tratar na ra do Vigario
n. ti.
Attenpo
Manoel Augusto de Menezes Costa, pro-
fessor de msica, coiitina a dar lii;5e.s de
sua le, tanto vocal como instrumental.
em casa particular ou em algum colleajio:
assim como tem aberto urna aula na as
aquatro garrafas | de sua residencia na wa* da Palma ifc S3.
ATTENCAO
Autonio Sufrir; lns, abato assign-ido, inora-
dacria cida le d Oliada e alo' cstabelerido, prevj-
ae so publico c a quem em ^irfirujar .pnssa con-
vir. que ningueiii faea transaeeao alguiaa com o
seu All.Joaquim J'vs Feliciano da Silveira egj
iiihm d> iiiesmo tbxo aniignad, nem Iho pa-"
ifueni divila aJguma, pr.9eni>nt.; do stu negocio,
uu deouira qualquar trawacaa pursetrreti
rain o dito -u fllb da toaiftldiia |o mesmn
mmo assjgnaan de-de n dia 19 du eurrente, sem
joe motiv houvesse para e*e fin; e para que
flff* *<'* e o abaixo a*signado sem respon-
.sabiioade por qii4lqat>r u-aosascap por elle feta
^coffi 'ireito salvo d liav- deseas deveiloro os
resjeelivos paaame.nio,, (as b |>resenie. fHinda ti
demarco de a._ A mg. de Ant-nio da Silveira
faas.lfcmm JuagniB. d^Sliraada, l^.bo.
negado ao estado mais alflictivo da moles-
tia de pulmoes; nao obstante um nao in-
terrompido uso de remedios, e urna demo-
rada viagem ao nosso serijo.
fipis bem : a enfermidade, que se ha-
ia tornado Febejde a todos os ineios em-
prigados para coubate-u, ceiteu, de urna
majieb-a quasi milagrosa,
apenas, do seu fettegmo Augam-se ti [T,
MHP> r^Cae fftejie, tenho o mau es- ortes Oa navega das Barreirwi, no bairrod;
cia\o restabelecido; eio fcil mostrar ""a-vista : a tratar na. na ao Cotov
to4o o reconhecjBentfi que sinto pelo *em
que V. S. rae acaba da fazer. i
ou de V. S.
Caiada agraecida
Mara Norbcrta Sciufer.
Oootinujdamente ee nos apeesentam bo-
vos testemunhos da eflicacia do fedegoso
de Pwnamburo f
ivello n. 25.
DESflPPARECEU
l'rerisaHse de ama muifcer A eia idade e
c Ikhis rostamos para rojiaar lser rompa-
nbi.i a urna ser^hora : a tratar na ra da Viraro
n. :i!). "^
Pulseira
IX
polica.
HwuJo havid > na -$* 2i u/b grande erterr.
juatou-^e un uraaJe numero de cirros no >e ni-
Icno, bouve yrand.'(Heixo da ptrledos b.ilei-
roa,*lonto de nm de!le.< dirigir varias indireela
a na los ronvidados, diim rvlem-c voltasse para o Recife, se quizase, que
dte tas va deitado na relva ; muit-i I! neste
dia 4 svrta do i'^uinkii u> uasa^ia a^abajua, pela,
bita de respeta que alli Itouva ; pade-se, portaii-
*a. frw*toDCiss que o caso xifir.
Tendo-se mandado da ra estreita de Rosario
para oJugar Peres da freguszia de -\fogados, no
lim de fevare&T. do correnle anua, algumas pecas
de mobilia, e juntamente alguns joraaes e livros.
por urna carroca que eonduz assurar do* enge-
nlios, acontoce que desappareceu ou roubaram da
mema carroca, urna rollet'cao do Diario de Per-
ambui'oi cao "Jornal do'Reeife, footpJeta, do
auno de 186", e diversas collcrcoes do mesmos
ynaea H> coippielas do :mno de. 486f> t 67 ; as-
sn como urna j'an'le nnrco de jornal Orientet
e Mercantil.de 1866, 6? e 68 : roga-se n Tavor,
a quem compran, provavelmnte para embrulho,
que se digne entregar na ra de Sania Thereza n.
4. ou aanuneiar pir este jornal, pois que alem
leticarseagratecido, se pagar todas as despe-
tas,ou mesm "ia a, ta.1 resj^;^. *
de urna ama sema para rasa de-
Perdeu-se urna pulseira de onrnetiM-enrastnada
m ouro, desde a ra Oireila ao teatro de Santo
Ifrfel : quem a aetaar, querendoafregar
bem gratiiicado, por ser de estima
Independencia
l'IMIIIM
Pede-ae ao Sr. Manoel da SusSB Pereira, prati-
cante da reparticao das obras publicas osa' em
Jaboato. que compareca ma Augusta sobrado
n. i(H, ittim de saldar o seu debito ou pagar o
que poder e isto com brevidadi*.
FundiQao da Aurora.
Neste vasto estabeleeimente sempre seencontra
um completo sortimento de taixas de ferro batido
e fundido, fabricadas rerentiinenlc, e se fabricam
de qualquer umtde a voatade dos compradores, c
recos razpuaveis
Cralo.
Preeisa.-3t> de ui.i*riado propio paiii i ~Mli|y
de-um sitioproxMuo desta cidade: lrata-w na ra
esireiU do Mosano n. M at as 3

,MR. MRClEt,al/ajate fraaeez, previne ao reapeitavel publico e a seus numerosos frugos-
im que,teodo Irausfefido sua Tesidenoia para a ra do Trapiche n. 7. primeiro andar, ahi euconUarar
sempre tudas as i|ualidades de iazendas paotraj'isilc bumem, eprepara costumes para montara w
senhora Faz lambem obras pa) a militares e para criados, para a3 quaes tem grande sortimento dk
liotoes sin|les, com virola e eoma de conde, blancos ltimos ligurinos para liwiieni. senlioras e meninos.
Tendo montado urna completa oHiciiia pam* concert e AnNAco^*t rtAxo e
tendo contratado para o mesmo lim o experimentado contra-mestre Sr. A. Rastoai
cliegado da Europa pelo ultimo paquete.tera a honra de iiviiiiint'iidar este seu estabole-
clmemo as Exmas. familias Pernambucanas, pnonettendo promptido e perfeico ra
trabalbo.
Ra Formosa u. 14

i^e br bom.
en Agua-Fra, ao
o, por
n.T.
I" Prtcisa-s de tima ama para comprar e~tp
zmhar : na ruada Praia n*. 13 e M, armazeg-
O abaixo asstgnaJo avisa ao forp#do"com-
inercio ea qupm interessar no-a, que desde o dia
9 do corrate mez dea -*iM em vja nt de
negocm a Manoel JoaquSpTn SantoVtiveira,
cuja firma sera don eu anote Coejho A
Mamangua^e, j de marco de 1869
fojwWj *>t Santo CorU
I'agar-se-te liciu um moleque que se presfltdi
alugar : na ra larga do Bosario n.4i, 1
Hartaram do sitio Jacar
innaliirrr do dia 10 do correle, um cavalk) rae)
le lme, fraude, castrado, tendo os ferros sfgRiu
les : o lado dircito R e no esquerp B, fw eom
prado em 16 de fevereiro prximo lindo a Joao dos
Heis Gomes : qutra do mesmo dr noticia o ap-
n
n. 77, 3
DO
BRASIL E PORTUGAL
> uno wmw qu^in \av un ^i**v m^i
se? I preheoder ser bem reoompensado
' mesmo sitio ou ra do Impe
aodar.
Caixeiro
Preeisa-se de um caixeiro capaz de ojpar
prestir caaiasdo unta taberna por Jiiltdp:
ra do ftaairel.n. 1 se informa
#ara Mainannuap-esta a carga jih e-cadinha
para o p.)rto cima a parcaea
pataca jaajtiai : talar uarua da ireHiwTiJn
H oa praea do cbatarit do Brum a Ift
5e htaein de 4:d00 arr.dww, a qnafffiulri via.
m al o fim da semana os senhores rarrega-
d.res podem dingir-Se aomestre da raesraa, Clau-
dio Luiz dos Pas-o. no ipesmo luear
Alugam-se
oss caaa terreas aiftaa ao Maaguinke a aargeui
ilo rio, reeMswnendaveis pefc emmodidade ti
lia-(erren : a tratar na ra do Vigario n 31.
Km "casa de THEt >D0R0~CHRf3Ti-
VNSEN, ra da Cruz n. i 8. encoutram-se
tlectivamente todas as qualidades de vinho
nVtrdeam, Botvyoyte e do Rbp.no.
- Onerece-se urna awia portufueza
para rasa
ou p*ta t%N> 4#- b**-
_^_ Iomni saHairo para VttnifD anlerao s.jCSsa :
- Ahsga-s* tuu kam nmkam sopeira : -laMaa pastar diaa>ssva ra do iispefisf a. til
nudotopsradwr a. W,a*iv' ^^ I3aadar.
Situado em m dos bairros mais^jentraes de Par, sendo as immeiacoe**
prmeipaes tboatros e outros muitos divertimentos, e assim das estarces dos catninhas*
f.rro para todos os pontos da Europa, acabado de ser inteiramente renovado, n|qp
lerido poupadoo sen nont^prfpt-icUno a ies|)taas para seu completo embellesams*s#
aceio, torna-se portanto vantajosamente recommendimel aoa aotsbtrcii wpsyleistse aw-
tugueMS, a onde encontrirao Sfa|pre aquella convivencia desejada em pife estraiifc,
por ser constantemente frequentado por seus compatriotas. 0 tratameoto e supeof a
todo o elogio, mesa redonda, ona caita, ou servida nos apozentasv Aato?5es cofrn^.-
nientemente despostas para familias, e quartos para urna s peaaw, aervico lea'
com a precisa regularidade: os precos avato **aauaveis eao alcance tambem d'aquBN
pessoas que se queiram limitar.
Gabinete de leitura com os prncipaes joraaes dos dous paizes, ssllo de recep0
de msica, etc. etc. Todas estas vantagens podem ser applicadas igualmente aos nrJBt
rw passageiros das raauaaioM dD.Prate, porqtat alm rb aemeihanca a tr]|n, afi .
contraro muitos senhores bespaalioes, por quem tamban esta casa 4 bsatsaa? trt-
qwDtada.


tf


Biaio de Peroambuco Tertja tfeira 30 de Maix;o de 1860.
Attenqo.
* b* QlttlMA6
Agu
NOVO EXPLENDIDO SORTIMENTO
a-florida de Guis
lain
Tintura indelcvcl para Ungir os cabullos,
sem manchar a polle.
x\ bem conceiluada agua-florida de Guis-
lain que eiito era des-onliecida em Per-
aamtiiico, jd hoje estimada e procurada
por sen eflicaz resultado, e inda inais se i
r. qii.iuilo a noticia do sen bom elleitu e a
xperieneia i tornar de todos conhecida.
A agn i-florida d>> Guislain composta uni-
ajamanla de vegetaes inotl'ensivos, tem a
propriedade extraordinaria de dar cor pri-
mitiva os cabellos, quando estiverm brau-
cos. e Ihes restituir o brilho perdido, e as-
sim como preservar de embranquw r, BMU
ser prejudicial de modo algom
E' porm necessario faaer conhecer, que
bu resultado, produ/.ido pela tfjua-iluri-
da, na > instantneo, como militas pes-
soas talvez supponham, ni tis siui ser pre-
30 fazer so d'ella, trez oa quatro vezes,
e logo se obter o lim desojado, como heru
pruvan tosiemuulios de pessuap insuspet-
tas, e denlao por (liante, basta usa-la duas
vezes por niez. contando sempre com o bom
xito, (pudendo a experiencia ser fcrta era
ontra qualquer cousa.
Assim poisesUagna-florida aclis-si; ven-
da m bem conlvi;ida laja d Agina Branca
rea do Queiutadon.*,
Ditos -com ditas 0*6 velludo, outros imi-
tando cliaro raacbetado.
Ditos com ditas de inarroquim com cruz
e guarnicao. don rada ou plateada.
Coras e tercos de cornalina.
Assim como.
Na cidade de Santarem, provincia A
Para, deseja-s'e sabet onde reside Francisco
Jos de Ataeida, WsMo portngue/, que
legociou por mjMtos anuos na cidade
tecife, para negocio*-de intaresse do me|p
io annunciado, devalo este ser logo qun
Ao chegue ao sen ronhecfmento, ou da
oessoa -que o rapreseotar, estando ausente.
liigir-se para esta cidade a 6uilberme An- j
ionio Hall e Joio Vctor Goncalves Campos.
Cidade de Santurem, Io de marco de
1869.
---------------__----------------*_.___-------------------*-
Precisa-se de. uto criado para o stsr-
vico interno e externo da casa de um ho-
rnera solleiro : a traclar na ra Direita n.
8i ou do Oueimado ti. II.
GASA DA FORTUNA
Aos 4MQ&
Bilhetes garantidos.
^ J do Crespo n. 3 e casas do castume
bain-se a venda os (alizos blelos garanti-
os fl |)arll. da lo^rjj, a beiitsliuio da igreja
e ** Soiibora do Monte do Ulinda (*X>) que
se exrrnhfra saltbado 3 do mez Tndoiiro.
'ithetc. !**. 4*000
Meio. .. 2JOO0
Quarto.....UOOO
Em porcao de I00 para runa.
Billiete.....3*800
Meio......1*730
Quarto..... 875
______ Manoel Martins Fiua.
aaemum MfHHB atusana aBiiM
^EMPRESTIMO SOBRE
MOFINA
A Aguia Branca, contando cn a prefec-
to de sua boa fivguezia, lambem capriclia
m nao Iba desmerecer, procurando sem-
pre corresponder a idea favoravel com que
alionram, e cm prova ao qae, lica drti>, d
como exemplo o explenihdo sortinieiito
que acaba de reveher, rala momo actim-
do-se bellamente provida do que e mefhor se pede desejar nos gneros que
sSo ile afta competencia.
II.ij vista' aos necessario; livrns-de missa
e oraco, obras de apupado gosto e perfei-
f*, sendo: com capas de madreperola e
fecantes quadros em aRo relevo.
Ditos com ditas de marim igualmente
bonitos.
todos de madreperola, madrepe
sndalo, sndalo c seda, osso, osso e seda,
e faia etc. etc. tendo nos
com 4 vistas, e outros
de flores.
Baritas vollas erandes do aijolarcs azues.
Voitas de cnente de borracha.
Meias de Seda para meninas o seuhoras.-
Ditas de lio de Escocia abortas, tambera
para meninas e senhtras.
Ditas raudo linas d'algodao, alvas, c
croas para meninas e senboras.
Luvas de lio d-'Escocia, torcal, e seda
para meninas e sonhoras.
Meias de 13a para homens, iiulheies e
meninos.
Gollinlias o punhos boiifedos obra
muito gosto.
Entre-mems finos tapados e transparen-
tes com delicados brdados e proprios
para enliar titi.
Sr. Antonio Fraacisco Duarte c seu mauo Dr.
.ilaximiano Francisco Daartc, venham 'rtia Di-
rtta n. U_h.j;t d.i Braga A C.__________ ____
__ (h> abaixo aslpiado-, membros da <*onmis-
i'ao Kirn.ada |iolo Dr. jniz de rapella^ para admi-
ni>irar e veri Bear tojos os negoi-io-i relativos
O Dr. Caelano Xavier IVreii a de Unto e ^mandado de .N. S. da Soedade, lazem constar
sua mulher D. Auna Luiza Xavier de Brito, 5.P?2 '^J mPsm'1 2?T,S2 '"' '''!'|MS'
. a- sa'ia inniem, o pflr isso danue a dta em dian e
agradecem a todas as pessoas que se dij- j Mos w ne^oeAario exSnwito carKo
della, sondo iin-uinliido dos misteres de theonrei
ro o ferceirn dos abaixo as piados, e do de ae-
cretario o secundo. Recite 2i de innreo de 1869.
Dr. Jnfto Jos1 l'into Jnnior.
Jos Honorio Bezerra do Menczcs.
Bernardo da linlia Teixeira.
Aluga-fift urna esc ava para tod i e (|ui(|ucr
servir > : a tratar na raa Jo Qnoimad n. I.
naram. aconipanliar ao eemitc-rio publico os
Grande e bello sortimento de eqaeslj;estos **** ^>wm*to^ado(lijo
los de madreperola, madreperola e seda,! CalaH0 Xav.er Pere.ra de Brito .no da *4,
i osso osso t seda (',> noVu Cll"V|,'am aos mesmns sMaores e
ios de sndalo alguns;a tllos os sells ami^os Para iMnB> a"
japoiensenfeitados mf" e s* se '*' '^ar ""
sua alma no da, O do oriente na inatri/.
da Boa-Visla, pelas 7 horas la manlia.
HH GRiTHtCACAO
rugio do engenlio Acah .\on), i ornaren
deGoynnna, de propriedade do maj >r Sim-
plicio lavares de Mello, no dia do cor-
rete, o escravo Feiiciciano, crioulo, estatura
regular, bem feito de corpo, cabellos ca-
rapinlios, olhos esgazeados, rosto redondo,
do | queixo fino, pannos no rosto e no pescoco,
pemas unas, ps compridos. Fui montado
Qaein iwrdeii na reja -h; S. Ifranrisco un
Jeque, |.rocure-o do vjgario de Santo Antonio.
(SEM LIMITE.)
\a Iravessa da ra
Cruzes n, 2, pri-
2 meiro andar, da-se qiial-
~" quer qiianlia sobre ouro,
jirafa c pedras proridsas.
O dono deste estabeterimento,
|ftompetentomente autowsado pelo
govw-no, est ras condicoes de ga-
I rantir a transaeco que se fizer em
sua casa, promettendo todo e zelo
e coBsideraco s pessoas que se
dignaran de honra-lo era seu esta-
beleemii'iilo.
Na mesma casa comprare ouro,
piala e brithanjes.
CASA DE CAMBIO
DE
Theodoro Simn C.
COUI'IIM :
Cdulas do poverno de o a ."5*000, sendomw-
ritomalnr de IfOOOOOQ, x ((IJO, o menor,'
0/0 de premio : no l.-irmj do i n. fL
VENPAS.
Tinta rxa de Mon-
teiro.
Vende-so tinta rxa de Mona-im para escrww:
na loja de calcado 4o sobrado auiarello da ro
Onz n l
Precisa se do um criado, ureferindo se porlu-
fiiez informa-sc na raa estreila do Itosario BU-
mero 2.
PAVntA8 AMtAliAS
DO
DR. PATEKSON
De blsniulh c iuagacz!,i.
Remedio por excellencia para combaler
a magreza, facilitar a digeslo, forficar
estomago etc.
34
nF.POSITO ESPECIAL.
Pharmacia de BartbolomenA C.
-----Rna larga do Rosario-----.T*.
iHtL
Prccisa-se de urna .una perita cozinheira para
rasa de liomem sottein) : lia ra do Livramenlo
n. 6.
Ama
Precisa-se de una ama para comprar e ecfci-
Dhr para tres pessoas : ua loja da ra da Cadeia
n. 9.
Precisa-se
u'um cavalkt rOQO, j^queno, com cangalba. -N:' (gbriea M s;ih.v>. no AJogdo, do irabaUado-
levando vestido pq*ietao. calca parda. CV wmieM-rav ,-. pa?a-se t>;m : xtrntar.na
n|isas azul e branca, duas ceroulas, oa
E OS PRODIGIOSOS

Anm'is e collares Rover para ereanras.
RoiiRos catases ou bolsiulias de pelica
e seties para meninas ou sonlioras.
Liadas ceslinlias burdaas a Troco, e lisas.
Delicadas caixinbas de vidro enfeitadas
com pedras, aljofares, etc.
15itas le tartaruga para joias.
Bonitos albuis com msica.
Pinseis ou tameeas para poz de arroz.
Novos e deicados ramos de flores com
nrrales paia eufeitar coques.
Bello sormento de trancas de pallia.
Fitas largas para ositos.
Cintos de fitas largas com bonitas rama-
geus.
Itiincos e alfinetes de madneperola.
Ditos esmaltados, obras novas e lwnitas.
i cabera um clipo de pal ha de abas largas.
; Intitula-se Ibrrd. *t}uem o -pgar, leyc-o
seu seuhor omfondo engenlio, ou ao S'.
.Iiko I'^reira Moutiubo, i;ua da (iada n. |
2g, que gratl<'ai geiierosaBieuIe.
. 3M -
odr Ienriquc.'de Hi>hkti|u<'.
pioessor jubilado, dispondo aio !a de al-
guuaks bnras no da. pode coueguioiti
iiil.'iU<: a.YUlar o eu.-inai)iT nuisali-'u^iiai
rasas pari,c*lajes, de alumnos do u.n c
.outro soco, par a. islnici,ao piniaria,
du >.iinplesiiuatte-para o,cu*bo daliugua.
poriupueza o roniahitij.'tdo.
IC V DAS CRUZES K. 30, 2* ANDAH,
iBC^iBa Tima
PrerL I-ja d. 'X
4e.
An\
w
Raerava "ii livre para comprar
na da Matriz da -Boa-vista H. ;i.
o eozinhar : na
:aJI
Xa ra do Padre Floriano n. 31 precisa-se de
urna ama para todo servico de easa.
Prerisa-se de nina ama paia eozinhar : a
Inlar na ra dos .Pire* n. 4.
Feitor.
-
Precisa-se para um pequeo sitio de um feitor,
prefcrindo e Aeoriano : inforina-se na ra eslrei-
la Domingos Jos da Silva retira se para Pop
lugal a tratar de sua saude. e dcixa romo seus
proru-adores, em iirimeiro Infar o Sr. Joannim
Antonio da Silva, a em seguudo o Sr. Antonio Fer-
peia Alvc<.
Ama.
de
Precisa-sede urna ana para eozinhar em caa
liomem solteiro que tem poura
roa do Creapoai. l.
faindi.-i : na
T/1
Palacete do caes do Ramos
n. 1
ADMINISTRADO
POB
Silvnnt'o Cameiro
Acaba de abrir-se este importante estabe-
OTEA U ASA HiCAS
77 UUA m 1MPERATIUZ 77
N'eete.iwvo cstabek-cimento b um cumpielo sortimento de medii}amentos,"pro-
hKles oliiniicog,-e drogara, todo de prtmeira qyalidade, e se vendom por meaos di
^ue-oia ouira qualquer parto.
II.-i tambera um sortimento de medicamentos botneopalbicos, tinturas e^lobu
los inertes, por procos coramodos; bem como xampesriejurubeba feirug(o simples
vinbos de jurubeba simples e ferruginosa, e o bom conhecido xarope de Paracary, es-
peck d'esia pharmacia. Mm-sc receitas a qualquer hora do dia, e noite, cora piomp-
tidao, cuidado, e pericia ; *>3o se negara a qualquer oceuFnencia em casos urgentes,
socio gerente rarregatk> do estbelecimeirto mora m
pronaptu a abrir a porta a qualquer hera que for preciso.
r)f;im-se
is sotas om descoaa* muito razoavel : na praca>. icndeiidaXai.
fl.
jflesia venda um e-rolhido_ soi'jamento do b-
itos de marcineria, como ejam, n>lls de ja-
aranda. mngnoWatti^i8ltvtanwiona| fl as^rfl-i
pra,^e^aftui'ad/iao-io. e por,uri''4o razoa\
la ra3kestrci(a. do Risqr]o n. $. est. mrsnisr
sa fazcin--e com pwfeic^p yxlos os n-ataliios de
?thiiiiw, romo ^ejaoi, euiDmiauienios de labros
wra ramas. cad>'iras e ypns.
Vende-senii e^cruva dp nuiitltta nondiift*.
eoDi lodasa* liaMuladcs. pois rnzjiilw lava, cn-
goinwa, Era Uhvittlio, roso, horda, etc.. de K
anjijis. iio.icn mais ou meaos, **i vicios dwh
achaiu.s <\r m-leslia. por I: OOjS; a traU:r eui lecimeiito. idl'urecendo ao respeitavel publi-
Santo Antonio, ra dos feposUs n | co muito fresfj> hosp.dagem, e boas come-
^ t PrtM^a-s,. de um fe.tor tiara engeidw : na ra | dorias : tambera se tomam assigtiaturas,
maudando-se levar m.rasa dos assignanles,
sendo isto por preeo mais commodo do
que; era outra qualquer parte ; i.imbem ha
banws mornos e Dios 'a qualquer hora, e
mu, linas bebidas.
Sb i stabeleciiiiento ha dois terracos que
olerecem duas lindas lista, sendo una
para o mar e outia para o centro da cidade.
0 proprietario espera merecer do respeita-
vel publico, a devida concorrenria, visto
jquo se esforfa para bem servir a indos.
0 estabelecimento abre-se .is horas da
i inauh-a e fecha-se moin nonti
XAROPE PEITORAL miMM
COMl'OSTO K l'UH'Ar.Mlo
Peto pliaiiuaeeiUtfo
Jos da Cruz Santos.
Esta planta cujas \rtude> jnedicinaaj
e\isii.ini desconliecidas para a inaior parfe
dos no>sis facultativos. dev< Rdb-se a sea
descolierta ao uso jiie d'eile I;/ini os
nossos indgenas i|tn nfeuoscahavam o
a sua appcacSo de lod^s os auffiuneokai
pulmonares, buje caubeclo cuino ojot--
dicamento mais llicaz para a cura de 4&-
ibma, broncliite, coqutTunie, penemerffc,
a at a pbtysica, preaNiziaaVun effi itoStfi*
lagroso e prom|ilo.
Para um adulto :{ i 4 coHieres da s
ao da puro ou era cosimento peitonat
Criancas, 'J;\ icolberes de.cha.
Pt eco 2000 o frasco.
Pernamhocp, ra Nova botica n. 51.
1:1
1
DE
raages
raesmo, >para o qiie estf
C. Gito & C
B. Maria Isabel flanes de Olivaba aj:rad(H*e cor-
diainienle a todos amigo deeu tinado nutrido
o l.xrharel Jos dos Santos Nunes de Oliveira, o
ranidoso o ultimo .obsequio quie se dignarme j*es-
Ui assi-lindo as exequias |eitas ao cadavtr do
0 wesnio finado no ia do seu passamento, e onvi-
da-os a ouvirein a missa do mjmo dia pie ser
resida as 7 lnu-is ea manlia do dia 30 do eor-
i'ii>' na (.'reja matriz do Saatwsimo Sacramento
da Irepunaa da Bo*-Vista. .
o advugad'Uiv.Ntiaiiia di) Vas-
CuIlCtOS .Melieze.S de |PIIKifl)ond
lianfijioi sflau es*cij>tiro ara a
na do fmperador'n.lH.onde pode
s*r'^#atrado Itwlos os dias ut'is
d.-i,il'baia$dam**i5a atiaas ida
:mra oontstoiicoi de sua pro-
i"3S n^ai0. *
. j afcaixn s>sjffnadp nrofessor iuJtilado da i-
Omn e geogruprna elimtom u-rea-iywu uosia
cidade ndlori-twopela directora peral da instrue-
rao poltica, contina a enslnar primeiras lettras.
latim, fraacor, rimtorira e geojirapliia. Recebe
kiinnos ininmBs, eiAtmm wmei'-|ti!--ionilas,
para-o que tem as areommodarde> precisas os tres
andares de pyediO n. 23 sito a ra Nova, para
onde se luudou,
Afflt*B Josr de OKrrirn.
DOENC AS das CRI ANCAS
XAH4IPE oe RBANO MODADO
Loe RIMALT e C pharmaceuticcs em PARS
tm-dwMmrnio (,oa em Pan c no munno mteiru .le urna lama jiiswimi> mereada, atr
ar-se inumameate eomioBado nelleoiedo com o sueco da pianus antiscortMicaa. cuja tfioocia
**ei -onhirida e nas quaes ja naiiiraln>iie li-ie o do. E" tuna este ni >h> vauufma Oleo de libado* dr Karalhao. ^ue dv. secundo, as. bomena soieaiilicoa, a sua
f.UMacia i pfrsesca do iodo. P prccioxa ao iratanieui a:.obs,m.cdes das glndulas do peam*. e as divfr*w nii^des do rosio, (&> frpqueiues nas
nanvasdr poeya ai*!fttau, a reaiitse aos cenlos a ana tiraeza e vigor naluraea. E cada dia receiudo aetos
aotMNgalistas peracombaier as diverea> aflenvoes da pelle.
fl<>|MKm i-m VfrtiQmhuru. em ra receilado. velos medio
ATTENCAO
^a*
0 ahaixo assigaado previne ao respeitavel pu-
tilico que vendeu a Ma corheira sila na. ra de j
Apollo n. 3 ao Sr. Antonio Corris Pereira Cardo
so ; por isso convida as pessoas que se juigarcm
com direito a dito estabeleciniimto apresentareat-se
no praso de tre dias. contados do presente an-
iiuih'o. pois que o Sr. (lardoso comprou a loen- j
i-ioaaila cocheira livre c desembararada. Hecife |
27de-oiarrodel869.
Antonio Jos Teixeira. I
- Ksi justa para comprar a casa lerreaHToi I
na ra do Quiabo, nos Afogados, pertencente a
Sra. I).i.uzia de* Santos Ferreira Lagos ; .quem \
se julgrat com direo a mesma, declaro por este
jornal m praso de tree das.
DE JOIAS
GOMES DE MATTOS IRMftQS
tendo feito completa mudanpa em seu antigo e
I acreditado estabelecimento de joias. com ofimde
dar-lhe malares proporcoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
C/^ Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUG 11. 4
n bello e precioso em bri I liantes, esmeraldas, rnbins e tulo que em obras
^ de ovfo, prata e platina se pode desejar.
IDEBEQOS DE BfilLHANTES, ESMERALDAS E MHHNS
de novog gostos, awsim como grande variedad de salvas e paKteiffoa.dei
prata contrastada e de posto anda n&o visto, e completo sor I tinento, de
ojyectos de prata para uso das igrejas,
Compram .e trQcarn ^ualqur joi ou^W preciosa e gararrtem
aquajidade (loflobjectos vendidos.

Pffeisa-se.aiugar uui moie(ue pawi andar
rom ama taliokfa nas ras da cidade: na loja d
Coraeao de Ouro n. t. i).
N.03UAIRE1TAN.0U
As pilulas. o xarepe alcohlico e
I o ethereo de Olaaaa, coulorme a
(formula dofinatlo phareiiceuiK:oFa-
ranlios, as.^'m como a peinada con-
tra as iiio&aces erysiplasaa, a.cho-
se ;i venda, na bidica de Franciaeo"
Antonio das Chagas raa Direita n.
3, defroote do armazem de molha-
dos di'iiouiinado viado beanco Es-
tes uii'dicameiitus loesi sido e sao
dos ;mais eaepgicos agentes auxilia-
dores da natuneza na d^bellaco da.H
diieacas. serviodo de gj-ande alivio s
a huiaanidade ITreilra, principal- S
mente aquelles, que dispondo de |
poneos recursos e nao podendo por .~?
muito lempo peoanecenm emam ffl
tralament talvez imitil, pela fnelfi-
cacia de ceitos remedios, recorren! H
eUea ; e pnr isto asss recom -W
mendadns se torno, para as pessoas 9
quesofliet de rliuiiuitismo, esero- 'g
fulas, ulceras, impigens, ei-yaipla, M
tumores nos ossos, tosaa, astlima, S
awenorrha ou suppressSo de mens- |f
tme mensiruacio dilgil, sender^
porfli usados conforme a airecc3o
escripia que os acompanha.
BRI])EMIA
O Dr. ia.141io.tte Sa l'oreira mudwu sua residen-
cia para, a ra d imperador n, 2, 1" e 2" andar
res, onde .-oiitiiuia no ,.\errii'io de sua proli.-ao
medir, {tara u 0,110 podo ser procurado a (|ual-
quer lio^a.d,>dVi ou da.nojie, nos ca-os* graves.
Todos o* dia das 6 as 9 horas da mauliaa, menos
a* domingos, dar imwiaH>il indestintauenU1. a
(|iiaJ4|iiorpe.-.soa, sobre (|uait)ut*r (toiHudesua pro-
IhsS*, e rom especial cuidado sohre mole-tias d.-
oIIkis. iKj pedo,' d>s ornaos gaaito nuariu ; e
quaado o raso for cirurgiro, pralirara ao opera-
ffiaa (|t!. justrar cmvtiiiento para o rostaoeteci.
ment d> san eeiie.
tngase bcnjL
Precisa-se de urna ama forra ou captiva, do
inuia'idade, (ue cozhihe bem, para casa de poura
funilia ; traia-.se ua ra da Oleia do Kwiio u.
i), i andar.
0 nico deposito de loma da fabrica do Barfca
Ib' do (abo, sito no paleo do Terco n. 12 4rSa
cidade. tem resolvido faeeriprande"ahalhueflioas*
ranos que ti n: rerelodo. os qgi Iteam vi-adii*s
pela -ijiiinte lanell, a sabflr :
De I I : pidlegada cano vidrsdo por 800 ra.
De i ditas idem idi-m por IdiMio.
De -I e i di'as id.'in ideio p<- 1*200.
De (i ditas id'in idem por ZaVtUO.
HeH, 9 e 10 ditas id.-in Idi-m p i 1 Qf6.
Que para isso tem \nnn inaenina appareHa.
para faze--|. s rom perfrica', sendo c-t.da i.ni '
tirs palmos ile ciiiupriioi n!". iiiua lc*i
grande sortimento >1: tolln, tanto cidrada cum*
para resfriar ajioa.
tora do m
Vende-;e na na da Madrtj de iv.>- ,i-. 7 ti,
insto baloto do que em uniM vu am i ote.
Scbontic de ,'// M
Antonio Nunes fte-Vaaifi
Este acreditado .preparadn. arcettafao tom-TOaryMtln ;;.i.. jiujvil
limito se ivcommeiula para a cura
las impigens, sarnas, caspas e todas,
molestias de plle!
Deposito muro,
Pharmacia d Bartliolomeu & C,
:t'irua larga do Hosuiv-'.
mm
Professor.
rticisa-se de um liomem soltwrf) cm vhivosem
5 filfco.-. que sailvt Ix'm o p.irtuguez para ensiMf ein
nm tn^tHlw na Ksoada a traur no largo do
<_:axrpo u. I. _____
~riaale.
N eoHfpoda Conoeicao procisa-se de um cria-
de copeiro.
Borzeguin- i" Xaiile para lion ,m a '. i o par -
i -ua ua da Cadoia, n. W, i squina da aladra b
De9
\leias elsticas de borracha.
As melhrtres e exivllonics maias clasi-
cas (Je.bmTacha contra va'rizt'se erjsiptlfla,
V*ndnse',j.
Ptiarmucia e drogara do
BafUioloio.Mi Al..
34rna lardada Kes.-oS'
Voi-goirteas de pinhoaira .Tral
e retranca?, todas de snjieflhi djiallifode. Tin'i*.
Verde Pris. hrarwocde ?mW e^retli. cm la a- V
l e 28 libras, j preparadas, oleo de linliaca rm
Iwirris : noarmazom de depcail da conn.i*anI^
COMPRAS.
Com muito motor vantogem
Compra o tiuraao de Ouro, n. 2 ra do Caba-
*a^noedas de ouro e prala e pedias preciosas.
Ouro e pro (o
am moeda o em obf.is inutilisadas, compra-s&axir
| P*m W*W'f"a K*qa '^ Indopeudonciali. 2jf^
Aa praca da Independencia ir 33, loja deou-
rives, coinpra-seouro,peala, e.fledraa ureciosiui,p
tambem se faj qualquer obra de enaomenda, e
todo e qualoyer com-iirto.
l'oniamh.iiPMia. nj> larpo
~v7mT*e7n7
da.Aqsem|'i..i n. 10.
| irlo defor-a. |iroprio |iar
aiireadVr s.: juenA-preteodet dirija-se- a Iraves^
lS.'JoR u. 22.
Vende-8 urna armmao-*le laliema rnvidnt-
eada e. euyermsada, na rasa 0.. 1 da na do Coto-
vello, esquinada de S. Uoncaliv ooniprcbciulenda-
-=e em dita arMiaca<, caitia, Caz e n ai- ronitn*
didades para um cslftelCuiiCnto d.'-ia rdem, a-
ramlndo-se arasa em oue est c li. cada : a tra-
tar cora o Sr. Tiiomaz Fraacisco alies Itusaa cb
seu armazeuj de molliadoa
Comida para fora
Na ra eslreita do Bosarip, sobrado du ujn an-
dar n. 35, continua-se a preparar altnnco e iim-
lar em una casa ,je fajudia, e uiaiula-.se.,};;ir
tuda com proD^tijao_e. ;^si>.
-Nasecretaru.dasautacaea de miseriioidia
do Recife precisarse /aliar ao Sr. Jos
Bufo Duarte.
0 miizeo de joias
Na ra da Cabug n. 4 aorapra-se ouro, prata
e pedras preciosa?por procos \mais vaiMajesos d..
que em outra qualquer parte.
Compra-se
hojejiftras .esterlinas, ou/o -prata 4c todas a<
i do CalasaoBa5fe' ?|),r in^f WA ulwanM jamada (jadeiad.) Hecife n. ^t, luja de aiulojo-
Offeroce se para algiiiua arrupiafo para o
mato um caixeiro com urlica de fazeiidjis e miu-
dezas : quem pretender diriia-se praca da In-
dependencia ns. 23 e 2o, ouSanlo Amaro rua do
Liman. 8.
'
" r
*
Aluga-se
Precisase alagar-un arcan para tod o ser-
fcfio exterior de urna casa de homem solteiro : na
ra flaGadVja do.Recife n. 20.,_______________
Aluga-se o sogiuido. andar do ao>iridii;a0,10
da roa do Aragao, prefere-se familia : a tratar-aa
fu da Estancia* IW. n -,4. ;
0ffe'>-opaa caixeiro um rapaz de ISmikv
rom pratica de tabeen, d fiador de sua conducta :
a tratar na roa da-Sensalla Velha n. 36.
trvatbO tPjioV diifi ret]-
nara R,uro#a di'iva civnjo seu?,.bstanles jiro-,
sores, em primeiro lugar o Sr. Antonio. Jj^r-
AmWAQ
ndem,sc corlas de lasqe servem tanj
para, senlioi "oj^ para crianzas pelo liarais
lui'co de 2-t0i) : na ra do Qu>imado n. 29.
Cera de carnauba
Vndese na ra do Queimado n 13, 11 imda
andar.
V.'lidi'-si; UUI
ra do Pilar n. 118.
---- O p.UCO*fJ.|itiJ,'i
lercoes, de direito uiteri>aruj
prt.j por prero modko: a
j'ai,
lerkll (!.!>
:' dipk n.
', c do JE
Compra-se moedas de ouro e prata <
t>em como Hbras sterlinas.'n ra do Ga-
|mg n. 9, relojoaria.
COMPRA-SE
Lompra-s moedas de ouro c prata, bem
pomo libras 6ttiii|as por maior jieyo (jue
em oulra.pacte, na ra .do raspo ji. id
4o, andar.
rar
cnr
de
AMi
Precisa-se de nina ama pancoBaluJ(ara casal nalga
jiehoiuonj solteiro ; k4KhH0K^' WKP
Conipia-se un
OJioda,q;i. eaej
carimba : a tratar na na na
m ri.tvl
iiaalconi
asa ter-
na contigua a taberna do Sr. Jos Ddbi
te atle? otra, otr sea dono miinr.. >.
'".?.Mi'la" patria pefa Df Anlonio de
ronceaos Menczcs de Dammond, .rlumi-se
poslu* yeada^s masplo In^ei.-o!. r ti. 71,;
de .iiradcnia^i) do Sr. UM
pyii. i.ivrariaTrane
cavalTji
-Ysmde-so Jsnuboro evailo vpv inins andabas :
DO principio da estrada de Joo de Rarro-, sMs*
Q. 29.________; :_________
Vertde-*e apawedom.loe!H ierra*-yf$.
prias no lugar da estrada de Betem. cilios uiksm
C'*flnhfoilirtaosiui,'d***jcir.^1 tendo utz
i de arvqres frnctiforas, e ba-lant.' r
para le' tac^a^ de -IcB': 1q1iinni'|Mvl(*di.r i
k rilardo*V'gaiio e-cTipa>te qdo
sr a nia'dovigano e->crlplowj arfo Sr.
i que acjiar c..ni uiiem trat.o-.
VWM-.'"ra loj de juhittews sit-i
^
Ca


ua Im^ratrjza^: a,tratar ty^ffia.
MANTEIGA1K6IEZ
a IdiNJOrs. a libra."lif>Vte llaveras
fiiTi fin Imirnitrnn i


um cavado p ^ frikft-
[dador baxp c bonita figura :



G
Difiri de Pernaftib Terra feira 30 de Maify de 186.
'

Lindos cortes de cassade cor com barra.e com figurino indicando o molde do vesti-
do polo baratissimo prego de 3,5500 o corte
Ditos de percalia muito modernos com duas saias a 53000 ris
Na toja das Columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vascon
eolios & C. ______
" PREGO CBRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
MANOEL & C.
Ra Nova n. 23,Ra do Cabug n. 8
Pernambuco
ALTAS NOVIDADES
LUJA DO PASSO
Ra do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador.
PARA QLARESMA.
Gorgorao preto.
Setim macau.
Sedas tarradas.
Moiroantique preto.
Gros-de-naples
Basquines de gurguro e de gros-de-na-
ples enfeitado com primor.
Corpinbos de gros-de-naples.
Basquines, capinbas, pelerinas, ficlius,
Chapeos de soda trancada, Paragon, de 1G hastes, 28 poliegadas a 16* ; 26 ^S^^jL^ti^ ^^^
Mantas pretas de blond.
Riquissimos chales de touquim.
Requissimos diales de gurguro de seda
poliegadas a i54, e 21 poliegadas a 140000.
Ditos de seda G. de N. Bara, de ac, de 10 bastes, 28 poliegadas a 140;
de 20 Dollesradas a 135 ; c 21 poliegadas a 125000.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 hastes, 28 poliegadas a 120 ; de P^J* *to ar^-
6 poliegadas a 115 ; e 21 poliegadas a 105000.
Ditos de alpaca, de a<;o, de 12 hastes. 28 poliegadas a 6,5 ; e 26 poliegadas
i r$30o.
Por duzia az-se descont de 15 OjO
Chapeos de sol de panno, de baleia, de 8 hastes, 24 e 26 poliegadas a 32$
(Descont de 10 0|0).
Ditos de panno, de junco, 8 hastes, a 185000 a duzia. liquido.
i duzia.
ftftL
Grande liquidadlo de miudezas!
Affonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
Soja na do Queimado n. 55, resolveu annunciai- as mesinas miudezas, para que o pu-
blico se certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a saber:
Chales de mirin pretos com requissimos
bordados e franjado de retroz.
Chales de mirin bordados sultane;
ultima moda.
Romeus pretos com lindes bordados.
Leques de madreperola, marfim, snda-
lo e osso, e pretos, para senhoras.
Ditos de sndalo para meninas.
Chapelinas pretas.
PARA CASAMENTO*. BAILES. TIIEA-
TRS, etc. etc.
Lindos cortes do blond., contendo setim,
mantas e giinaldas.
Requissimos corles de sedas assim como
para covados.
Gurguro branco.
Gros-de-naples brancos e de cores.
Setim branco macau.
Setim, branco, azul, verde, cor de rosa
e amarellos.
Fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas saias.
Cuales de gurguro de seda de coros.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho bordadas com primor.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Riquissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodao.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
Chapelinas de palha da Italia, assim
fiemo de -seda.
Enfeites para cabera de senhora.
Espartillios para senhoras.
Meias de laia para padre.
Ditas de la
Ditas de seda fio da Eseos.-i* e algodo.
para senhoras e meninas.
Lencos de labyrinttio.
Fronhas de labyririAo.
lieos. rendas c grades.
Finissimas cambraias ,> cores, percales,
las, e outros muitos arigos de gesto e
de alta novidade, isto s
Caixa com agulha franceza a
Caixas com 100 enveloppes a.
Pecas de babadoseentre-mcios
a 500, 600, 700, 800 e. .
Pecas de itadecoz com 10 va-
ras a ........
-Liiiha de marca, caixa com 16
novedosa ......
Coques milito linos com rede, s
a rede val......
Frascos com santos muito finos
a.........
Litas com banha (familia), a
160 e........
Carto com aUinetes a .
Copo com opiata muito fino a
400 e.......
Cartas franceza s a 200 e .
Ditas portuguezas a 120 e .
Caixa de linha do gaz branca 50
novellos a......
Frasco com tinta a 100 e .
Frascos com banha a 320 e. .
Frascos com agua de Colonia
Piver a........
Pontes de travessa rxya cabello
de meninas, s a vista fia
f, a........
La para bordar, libra. .
Novello de linha grande com
400 jardas, S a vista faz
f a........
Pares de, liga de borracha para
pernas de senhora, muito
boas a ...... .
Tanja branca para 'oalha vara
M )i reantique branco azul e verde.
Na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.
160 Resma de papel almaro, muito
500 i boa fazenda, com 85 cader-
\ nos a........ 2:>800
15000 Caixa com papel amisade a 700
[Jogo de vispra a..... 400
Sapalinhos de laa para meninos
a......... 320
Pecas de tranca e caracol a 40
Sabonetas de todas as qualida-
des a 80, 160 e ... 200
Frascos com oleo babosa a
400 o....... 600
Placis para barba a. 200
Gaz a........ 320
Frascos rom agua de Colonia a
3-20, 400 e...... 500
Pontes com costas de metal 320
Cari -ira de marroquh a 400
Pentes pretos para tirar piolhos 200
tscovas para cabello a 400,
500 e....... 600
Garrafa com agua divina a. 1(5500
ravatas de seda de cor a 320
Ditas pretas a 400 e 500
Botos de louca para camisas, a 160
Garrafa de tinta roxa a. 800
Lencos brancos para mos
a......... 2iO
65800 Par de suspensorios para ho-
mens a....... 200
Espelho de tentador a 2S00~
60 Frasco com chebo muUo fino
la......... iijooo
60 Meias cruas para homens, boa
fazendaa 35, 3rS600, 45 e. 4f>500
200 Vbotoadnras para rolletes a 320
500
240
15500
14200
200
100
500
240
160
600
160
400
I 000
320
Approtafio
ia academi
4 twdtctn
U PerU.
Ss-maN^
INqubitIS
Pkarmxxutko
laurted
UtciiraSt
i me/tecina.
As preparacoes ferrugirosas liquidas lem desde
especial dos mdicos, porque ellas obrio mais rpido
sSo mais fcilmente toleradas pelos doentes. O
muitos annos merecido a approvaeio
e seguramete do que as pillas, e
f"ds ferro-maaganicoe possuem a inappre-
ciavel vantagem de poder offerecer n'um instante ama agua ferruginosa gazeosa, de gosio
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e conteedo de mais um elemento precioso,
o Manganese, que sempre se acha no sangne, junciamenie com o ferro Empreglo-se ero
todas u molestias que tem por causa o empobreeiraeato do sangue, assim come para vigorar
os temperamentos debis e lymphatieos. A chlorose, as Per das brancas Ores d'ettomago,
a irreguiaridade da menstruacao e amenorrhia ou suppressio do menstruo, cedem rapidz-
mente a sen emprego. Devemos mencionar aqu um faci notavcl, isto que es doentes cura-
dos pela agua preparada com estes pos esto muri menos expostos a recadas do que
aquelles que forao tratados pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuee, es casa de Han* O*.
TASSO IMOS
Tein para vender em seu* rniazcns, alni de ou-
tros, os seguimos artigos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Vinhos coi caixas de dozc garrafas
Bourgogne.
Ilerv.
. Madeira. 0
Hermitage.
Chaiiiblis.
Licor de curagao de Holkiuda cm caixas de vin-
te c quatro botijinhas.
GESSO,
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Grades de ferro
para jardine.-porteirasetc.
Nos armazens de Tasso limaos
C AititiMio de iiiiito
Para serviijos de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou caixoes de um para otro, lado pelo
mdico proco de 12*000 cada um.
Farinha de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento das melhores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de farinha de trigo do
Chile
Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens do Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hidrulico 12$
O melhor para tudo que slo obras para agua, co-
mo assentamento de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, tanques d'agua. etc., etc.: em porroes de
cincoento barricas se far reducconoprcp): nos
armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Portlarnd
0 verdadeiro cemento Portland em casa de Tssso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
tearas, etc., etc.
De differentes qualidades para cercador de ani-
maos, chiqueiras para ganhasonjardins: nosar-
, uiazens di> Tasso irmaos.
Barris Nos armazens de Tasso lmaos.
CANOS DE BARRO
Na ra Nova do Santa Rita, na antiga fabrica' de
sabao, ha para vender por preeo o mais mdico
possivei, canos franecres para edlfica^Ses e es?(>-
tos de toda atinalidad'. superii>ps a lodos os qoe
auni lenrapparecido pela sua soidez.
pre;os
1 406 por cano grande de 3 e meia poHogadao-.
1*300 por dito de 2etirsquarltsdt'rta.
l$000\)or dilode 2enm quartodedila.
oWris por pistoleta de 2 pollegadss.
CotoVetk)s, curvas e caaes- de maior grasura, a
far o preco. Compras ntaiores de 200 [
A NOVA ESPERABA
21= Ra do Queimado = 21
E paili presentes
A Nova Esperanza, ra do Queimado
ii. 21 tem um variado sortimenlu de objec-
tos de gusto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresaliindo entre elles ritas caixi-
nhas de bano com tinas perlumarias, cos-
tureiros de cliagren, agullieiros de madre
perola : assim, pois, quemquizer fazerun
linda offerta, dirigir-se Nova Esperaba.
ra do Queimado n. 21.
Collares anodinos cthctro-magneti
eos contra as convtdges das
crcangas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por alii intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
pas de familias nao creem (comprando-os)
no effeito promettido, o que so pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanga, porffi
que detesta a falsificacSo principalmente no
que re^peita ao bem estar da humanidade.
fez urna encommenda directa destes collares
e garante aos pais de familias, que s3o o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
gas tem salvado do terrivel incommodo d
convulges, assim pois preciso, que re-
nliam a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seu
lilliinlios, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando cn3o ser di-
fllcil alcan^ar-se o effeito dse jado, embwa
sejam empregados os verdadeiros collafw
de Royer.
Para extinguir as sardas e
panno
Receben a Nova Esperan^, roa do
Queimado n. 21, leite de rosas, especial
para extinguir sardas e pannos.
BONEC1 DE CERA
A Nova 'speranra a roa do Quetaado* p.
21, ac' d receber om completo ser*-
rrrento ae finas bonecas dft cera de diver-
sos tamanhos, sendo su maiores do com-
primento d'um eovado ; esta bonecas tra*
tem bonitos coques e botinas, havendo en-
tre eftas algumas que faHam e outras^ que
clioram de sorte que fcilmente poder ser
preparadas, e faz?r-se um prestirte denioit*
acceita?o.
Finas caixas de kularuga para- rap vjd-
dem-se a roa do Queimadi/ n. SI na lcn>
da Nova Esperanca.
Modernos brincos do sndalo, s4> se en-
contraro na Nova Esperanoa roa de-
Queimab n. 21.
MEIAS DE LAA
A Nova Esperanoa a roa do Oueiawdo n.
K
VERDADEIRAS
rTI
vstase farao proco
tem 5 por cesto de deserto por prompto paga- 2J ^^ d'receber um especia) sortimen-
BJ vcr as w"os,ras BOT mt,aiem Ude meias de la para hor
Tijolos francezes-
P.ira lsdrilfrarcasas terreas comassete-e precos
mdicos, muito convenientes* proprios para ladri-
Ihos de cosintias em sobrados, pelo sen asseio e
PILULASdeBLANCARD
COa lODtMIETO 00 filmo INALTERAVEL
APPROTADAS PBLA ACADEMIA DB MEDICINA DB PAtRIS, ETC.
Poguindo as propriedades do te4o 4o Ibrr*. eonvera especialmente naa Afreceois
BsmnruUMAS, a Tsica no principio, frarpwui i temperamento temltemnos caso
Falta ob cfta, AMERORRHCA.em que precisa rkagir sorri o saugur aeja para restteir
Ihe su riqueza e abundenca normaes, ou para provocara regular o aen curso perodMO.
H. B. O iodnrate da ferro impuro ea Jurado m aaedirunOBi* infiel,
irriunte. Como rmr i* "" .<* nihi-ijUA** tMaMmli
tina* al BiHMnl, deve-M eiinr ooiim aell* *> wmihi _
DOKto arma, rstuia verde. Dorc-s desconfiar da bliifleaeos.
rm !* ata >> I >! AarmoepuCiro, n* *%*p**H tt, PorUt
.*
m
\C UCUrvIPAC em ux,as u Partes do mnndo empregam, com o malnr xito,
(J^ irlrjlJl'^vJoj o phosphato de ferro soluvel de Lbras, para curar a chlorosis
(eores paludas), as dores do estomago, e a exhaustaeo do sangue; com esta preparacao, dio
ao corpa o vigor, e s carnes, a sua firmeza natural; facilitan) o desenvolvimento lio labo-
rioso da puberdade. Com effeito, ludo, n'esie medicalnento, se acha reunido para Ihe
asseeurar o maior crdito, pois que entram, na sua composioio, os elementos dos ossee e
do sangue. 0 seu autor, M. Leras, doutor em scicncias, pharmaceutico, profeasor de
chymica, inspector da Academia, foi, recenteraenle, condecorado da ordem da Legiao de
Honra, digna recompensa dos seus importantes trabalhos.
As seguintes apreciaedes do mais celebres mdicos anda vem corroborar e justificar
todos estes ttulos contianca publica :
t Precisa classificar o phosphato de ferro soluvel entre os ferruginosos que melhor
OLEO DE HOGG
n
s fe
convem aos doentes cujos oreaos digestivos supportam mal as prei>arac6es de ferro, a
S0LBE1RAN. profestor na Escola de medicina e de phartnacia.
* 0 phosphato de ferro solnvel em quanto a mim, a melhor das preparacoes fermgi-
nosas, e o seu emprego d os mais promptos e seguros resultados.
ARAN, medico do hospital Sainte Eugnie.
* A forma liquida do phosphato de ferro soluvel d-lhe orna immensa vantagem sota*
t as pilulas: eu considero este medicamento como mui superior s preparacoes dadas.
ARNAL, medico de S. M. o Imperador.
t Entre todos os ferruginosos, nlo eonhecemos um s como o phosphato de ferro soluvel, e isso, sem cansar o estomago.
8ELL0C, BAUME, BIGOT, FOLLET e PRVOST, mdicos dos hospitaes.
Os effeites da preparacJo de phosphato de ferro soluvel me parecem ser mui seguros
c e promptos. BEB0UT, redactor em ebefe do Buiiatn thrapeutiqne.
t Entre todas as preparacoes ferruginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a que sempre
t me deo os melhores c mais satisfactorios resultados. GU1BOUT, medie dos hospitaes.
< 0 phosphato de ferro soluvel tem, sobrciudo, a vantagem de evitar a^ constipacSo *
t courir aos temperamentos delicados. Dr FAVROT.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maurer o O*.
*9Qa
DD
Fijados frescos de baeallio
Para cura certa de pliiisiea, affccgoes escrofu-
losas, tosso chronica, fraqueza dos meinbros e de-
bilidade gerat. reeommenda-sc a excettencia deste
oleo anda por ser agradavel no palada.
VENDE-SE
.NA
lh.rni:i<-5;5 e drogsurSa
N
BARTHOLOME & C.
34 = Ra larga do Rosario 34
CAPSULAS
DE
ALCATRAO
Remetho [>or excellencia para cora rpi-
da e completa das coqueluches, bronebites
atarrhes, tosses conroislvas, esearros saa-
juinos, e outras molestias do peito.
PHARMACIA E DKdGAJUA
DE
Bartholomeu & C.
RA LARGA DO ROSARKV-34
IiOJA
DO
AO BAZAR DA MODA
Ba Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
Para senhoras.
FLORES finas, grande sortimento.
GRINALDAS de ditas para coques.
j. LACOS, ivclas, penachos para enfeites.
Para horneas.
COQUES da ultima moda, enfehados c lisos, gran
de sortimento. .,
Cll\l'fcXINAS de palha da Italia, guarnecidas com
delicados e elegantes enfeites brancos e de cores
CU IPBSINH08 e gorras de velludo e de pennas CAMISAS com peito?. colarinhos e punhos de li-
(alta novidada I) de palha da Italia, a emtiacao, nno fln0i |S08 e bordados, moda,
eWial sortimento. ..... COLARINHOS de linho e algodao.
CINTOS de cores e pretos, rico sortimemo a ulti- Pli.\HO da ditos.
mamoda. GRAVATAS de todas as qualidades.
CAMIS v^ bordadas por commodos precos. rOTOES para punhos e guarnic*i para coleles.
LENCOS bordados e com letras, novidade neste TORRENTES de plaque a emilacao do ouro, lin-
gosto novo e de chaPEOS de pello de seda, forma a Rotcb.1l, qua-
LENC-0
enero
LQUES a emitagidde marfim
sndalo. I lidado superior.
GOLINHAS e puahos, a emiucio de guipure. CHAPEOS de seda, para sol
EMFKITES pretos e de cores para cabeca, lindos M(r(as de superior quabdade.
moldes RENGALINHAS finase chicotes.
GUAKNK.;O alia novidade I a Marie Rose, ulti- hjneTAS aro deac^) e tarturaga
mameiite usada ton Paris.
CORPINIIOS de gtpure brancos e pretos lindos
modelos.
BORNOUS de laa e seda, coree laras, elegante
moda em Paris.
GRINALDAS de llores linas.
ESPARTILHOS superiores.
MEIAS supe 'ires de fio de Escocia.
IAIVAS de pi'lira chegadas pelo ultimo vapor.
ADBRECOS de coral verdadeiro e camafeo, gosto
defiendo.
DE PALHA
GARMCES para vestidos.
TRANCAS para eafcites de eoqnes.
ROTOtS li?o< e com pingentes para vestidos.
CINTOS alta noridade.
Para crlaocas.
VESTUARIOS completos para baptisados
SAPATINHOS de merino e setim enfeitadM.
MEIAS de seda e fio de Escocia.
CHAPEUSINHOS de palha da Italia.
TOUCAS de fil e setim cnfeitadas c de ehroen.
BUNECAS vestidas, muito bonitas e diversos
brinquedos.
Perfumarla* finas.
AGUA FLORIDA verdadeira de Murray 4 Un
man New-York.
TNICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA de E. Goodray e. superior agua e
cssencia do Colonia.
ESTRATOS e esseucias finas e de agradaveis are-
mas para o lenco.
VINAGRES aromatico> para toilet.
POS DE ARROZ para amaciar a pelte ; em pace-
tes e ricas caixinhas com arminho.
POS superior para limpar os dentes.
COSMETlQUES de finr.qualidade.
SABONETES, grande sortimento deste genero e
de superior qualidade.
LEOS de philocorae. babosa c antiques.
BANHA lina para os cabellos.
AGUA de flores de laranja.
CREME de sabio para barba.
Caixas proparadas cora ^perfumarias finas.
t
miudezas finas.
SUPERIORES fitas de grosdenaples de todas as
cores e larguras de veludo proto e do cores, e
purpuran para cintos.
BABADINHOS e entremeios bordados.
GUARNICES de seda de cores para enfeites de
vestidos.
TRANCAS pretas com vidrilhos e pingentes.
BOTOeS de cores, brancos e pretos com vidrilhos
lisos com pinpentcs.
DEDAES de mau. aperla, de marfim, de Oco e
metal.
THESOURAS finas para costura e nnhas.
CAIVETES finos com quatro folha9. E muitos
.outros artigns de miudezas que se tonta B
' donho menciona-lfs, I .
GALLO VIGILANTE
llua do Creso n. 9
Os proprietarios deste bem conhecido estabele-
rimento, alen dos muitos objects iiue linlx m ex-
paslos a preeiacao do respeitavel publico, inan-
daram vir e acabara de receber pelo ultimo vapor
la Europa nra completo e variado sortimtiito de
finas e mui deliradas especialidades, as quites es-
o resolvidos u vender, como de seu ovstume,
por precos ittuito baratinhos e commodos pura to-
des, cotn lano que o Gallo.-.
Milito superiores luvas de peHiea, pretas, bran-
cas e de mni luidas cores.
Mui boas o bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais modnrno.
Superiores-nenies de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfoiles para caberas das
Ex mas. senhoras.
Superiores trancas prets o d' cores cihs. vidri-
lhos e sem elles; esta fazeuda o que pud haver
de melhor e mais bonito.
Superiores c bonitos taraos de nadtoperola, |
niailim, sndalo e osso, sendo aquellas brancos
com lindos'desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 300(>ft,
a dnzln, entretanto que as as vendemos por 203,
Moni destas, temos tamben grande soilimento de
outras qualidades, entre as qnaes algumas muito
Anas.
Boas bengalas de superior cara da India e
castao de marfim com lindas e em-antadoras figu-
ras do mesmo, neste genero o que de melhor se
pode desejar ; alem deskis temos tambem graida
quanlidade de oulras qualidades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, bortaelia, etc. ele. ele.
Finos, bonitos e airosos cuu-otinhos de cadeia c
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda c borracha
parasogurar as meias.
Boas meias de seda para senhora c para meni-
nas de t a 12 annos de idado.
Navalhas rabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas,e do mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
ben asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bella repellas para noiva/
Superiores agulhas para machina e parn erox.
Linha muilo boa de peso, fruuxa, para euclier
labviinlho.
Bons UaraHios de cartas para voltarete. assim
como os lentos para o mesmo fin).
Grande e vanado sortimento das roclhores per-
fumarias e dos melhores e mais eoubeeidos per-
fumistas.
COLARES-DE ROER.
Elctricos inagn lieos cunlra as convulsoes, e
facilitara a denticao das innocentes criancas. So^
mo< me nuuito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recele-los por todos os
vapores, aliiu de que nunca falten no mercado,
(Mino j lem acontecido, assim pois poderao aquel
le que delles precisaren, vir ao deposito do gallo
vigilante, non.de sempre encontrarao destes verda-
deiros llares, o os quaes attendendo-se ao lira
para que o applicados, se venderlo cora um mui
diminuto lucro.
Rogamos, poK avista dos objectos que deixaraos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a viren
comprar por precos muito razoavois aloja do gallo
vigilante, roa do Crespo n. 7.
i-vitar a tassagent de aguas para o ande.r inferior
e mesmo ooerigode fogo, aos precos de 30*000 a
ifiOOO o niilheiro: na ra Novado Santa Rila, na
. antiga fabrica de sabao, e compras maiores de 200fi
^ nento. Padem-se- ver as amostras no* armazens
de Tasso Itmios.
Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
ternas de carros: noarmazem de Tasso Irmaos.
Viuho do Porto fino saperior: no armazcm
do Tasso lrmos.
O inH'.ior rognae Gauthier Frercs : no arma-
icni de Tasw-Imios.
Esteiras da ludia
Em rasa de Tasso Irmaos vende-sc esteiras da
hidia de djrersos padrocs c larguras, pr preeo
com modo.
Macarthy
US achinas de descaaocar algodo.
Hoje que est reconhecido que as machinas de
serrote prejndiam e quebrara a fibra do algodao,
v preciso recorrer a macbiisino menos spero,
que produzindo o mesmo servico que aquellas, e
facilidade norabalho, noquebrem a fibra da la,
para que essa possa obter-nos mercados europeos,
a dfferenca que ha entre o algodao df scarocado
por aquellas mencionadas machinas, que estao fi-
eando em deauzo, pelo prejnizo qtie tem causado,
o da antiga bolandeira, qoe nao podo competir
pela morosidad* de seu trabalho. E' assim que
stas maeniras se tornan as mais proprias para o
bosso algodao, porque ao par da facnlade e
promptido coaserva a fibra da la, que lirapa por
.-lia. quafyfteada na Europa a par da melhor bo-
landeira, vtendn assim entre 10 arrobas 20 0/0
mais do que a la limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nlo sao novas, pois que ha muito
eslo adoptadas no Egypto, aonde as de serrole-
foram inleiramente abamtenadas, e porisso o algo-
do daijiwlhi proedenria, sendo da qualidade da
da nossa provincia, obtom hoje da 10 arrobas 20
ut) mais do qne o nosso : vendem-se a 150*080
nos armaaens de Tasso Irmaos.
Oleo de amendoas
Em caixas de 8 latas, cada caixa 100 libras :
nos arraazens de Tasso lrmos.
para
CONTRA AS CONCEST0KS
mal terrivel a ccwgeslao fulniioiite:
de repente leva um divido, dresta para
millior vida, sem dar-He lempo de reeber
conversa medica; deixando as wais das
veses mulher e fdhos no mais amargurado
pranto ; aJfovaEsperanca quedeseja pres-
tar servigne- recorren a Vojer, o qual Ihe
mandou anneie elcctnt'ts magnetioos, come
o nico praservativo para semelhMlemali
elles antes qfc se acafce : na Nova Espe-
rarla
NAVALffAS
A- Nova Esperanoa a ra do QHeimao
n. 21 receben um sortimento de navalhas,
de qualidades, c tama? especiaos assim
como afiadores e massas pan as mesmas
BASl
Vendem Augusto
Coinmercio, n. 42.
F. de Oliveira A C. ra d
Tudo se vende por prepos bastante commodos.
Capsulas de Raquim
Os bons effeitos destas capsulas para faaer ees-
bar os gonorrbeas acham-se comprovadai pelas
experiencias de muitos afinos.
Os mediros de todos os paizes as rocoinmendam
pela sua efflcaci,
VENDE-SE
NA
Pharmacia e drogara
DK
BARTHOLOME 4 C.
R.u34-a larga do Rosario-il4
Charutos da Havana.
Exeelleales charutos a Havana e_ por baratos
rao preco : em casa de Tasso Irmaos, ra do
Amorini n. 35._______________________________
"RIVAL BEM~SE6ND0
Ras do Qurwd n. 49, loja de miudezas de
Jos de Azevedd.ltaia e Silva, tem para vender os
artigos abaixo declarados, tudo bom c baratissi-
mo, que sao para acabar.
Duzia de sabonetes muito finos a 700 rs.
Pares do sapalos de tapete era horneo* a 15:190.
Ditos de tranca para creanaa a i 5.
Tramoia do Porto, bordada, a melhor a 200 rs.
Dita do Pon liaa, da nio'Jw qualidade. a 100, tOy
160e20fl.rs.
Resma de. papel almajo, Uzo superic a 35200.
Dita de papel almaco pautado a 4*.
Livro do niss6es abreviadas a f .
Cartilhas cora toda a doutrina a umitas rasas a
320 rs.
Silabarios portugneies com estampas a 390 rs.
Bralhos francezes muito Onos aSOOe 240 rs.
Sab3o inglz superior qualidade a 500 e 15.
Grvalas pretas e de ores muito finas a 508 rs.
Duzia de meias para senhora, fazenda fina a 4.
Redes pretas lisas para segurar cabello a 320 rs^J
Varas de transa de seda do todas as cores a 600 rs.
Pares de brincos dourados com mozinha e po-
dras a 320 rs.
Cartoes c&m corchetes de duas otdens e sao de la-
to a 20 rs.
Abotuaduras de vidro para colete muito finas a
120, 240 e 400 rs.
Pares do botoes dourados para punhos a 160 rs.
Caixa de pennas de ac muito finas a 240, 320 e
500 rs.
Carmes com duzentas Jardas de linha do fabri-
cante Alexandre a 100. re.
Caixas do pennas de ac, a verdadeira penna a
15200.
Carriteis de linha Alexandre ns. 70,80, 100 at
200 a 100 rs.
Caixas com superiores obreias do massa a 40 rs.
Carriteis com duas oitavas de retroz preto a 500 rs
Duzias de agulhas para machinas a 35.
Libras de pregos francezes de todos os tamanhos
aJKOra,
Linoseseripturadoa para rol de ronpa a 120 rs.
Caixas com papel amisade muito lino a 700 r-.
Caixas com cem envelopos da melhoi qualidade a
600 rs.
Talhcres para meninos muito boa fazenda a
240 rs. ^_________- _____________________
Cemento de Portland.
Vende-se no armazcm de Vicente Ferreira
Costa A Filho, naruada Madro de Dos a. 23,
barris grfidos.
SAZ GAZ GAZ
Chogon ao antigo deposito de Henry Korster 5
C, ma do Imperador, um carregaiiHato de gaz
de primeira qualidade; o qual se vende cu partidas
e a retalko por meaos preco do que era outra qual-
quer parto.
FUNDICAO DOBOWMAN
u. 59.
fundido,
moer com agoa.
Ra do Bru
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Mnendas de canna.
Taixos de ferro, batidu
Rodas dentadas, paia
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucar.
E outros muitos objectos, e.tc. etc., pro
prins para agricultura.______________
~ Ven>* armacio e V*^****.;
da raa Diitit n. SO, pn.prla para qlqn
ocia assi omo wmbem se vende urna dita n-
5rn5^a e -racada, qoe se acta ^rmada
na inesma casa; tratar W "> d Pena bu-
mero 8.


Para iamilias
Grande-Bazar, ra \nv* na. 5 e
SI, deCaraalro Vlanna A C.
Acaba W chegar a este estabelecimcnlo
glandeporcaode machinas para coaturas do
autor Wbeeier Wilson, a^iprovadas na ulti-
ma expoeitao de Paris, as quaes coaem con
dous pospontos toda a-costura, e tem a
vantagem de ser to suave o movimehte.
que quaiquer criaaca de oito aanoe fcil-
mente trabalha, e pode, com este entrete-
nimento, levar vautag'jaa ao servteo diario
de ttiftta costureiras. A comprehens3o
simples, pois em umquarto do hora se ti-
ra senhor do movimento da machina, ten-
ib a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abatanar,
franair. marcar e bordar, come-apresentam
os deseuhos que acompanham^as. Os pro*
prietario .d estabelecimento se encarre- )
aiu de mandar eusinar n'esta cidade, hf
giirantem entregar o importe dispendido aoi
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeieo a machina vendida, nao- tendo-,
porm, soffrido ella alguma avaria. Ma tam-
bem no mesmo estabelecimento machina
do autor Growcr a- Baker, de trabaio sirr.-
plesmente mao, e outtas com movimento
dos ps; c maxime.todas os pertences da
mesmas machinas," para vender avulso.
Tintura japoneza
iBStantanea para tmgir os cabellos e a
barba, a 15000 o frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido reconhecida superior a toda
as tinturas d'este genero.
A venda em casa de Gustavo Hervelia n.
51. raa da Cadeia o. SI.


m
Diario de Pernambuco Terqa feira 30 de Marco de 1869.
i
k
RANDE LIQUIDACAO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
DE
Flix Per eir da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprietaiio d'oste estabeleciraento convida ao respeitavel publico dosta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabeleciraento quo tem de fazendas, tanto da moda com"
de lei, e as pessoas que negociara em pequea escalla, tanto da pra^a como do matto-
nesta casa poderlo, fazer os seus sortimentos em pequeas e grandes porcoes, venoen-
do-se-lhes pelos prcos que se compram as casas Inglezaj ) assimcomo as excellentis,
simas familias, poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caijeiros, para o que acha-se este estabelecimen-
to aborto constantemente desde s 6 horas da raanhaa 5s 9 da noute.
O atoalhado do Pavao AS CAMBIUIAS DO PAVAO -
Vende-se superior atoalhado de algodao Vendetn-se liuissimas pecas de cambraias
com 8 palmos de largura, adamascado a
%300 a vara; dito de linho fazenda muito
Superior a 30200 a vara ; guardanapos de
nho adamascados a 4550X) a duzia e muito
finos a 80000, o ditos econmicos a 3500
a duzia.
Postees para vestidos brancos
alO.
Vondera-se os mais modernos fustes bran-
oos Ttexiveis com padt&esde listas e de
lpicos proprios para vestidos e roupas de
menino a 640 rs. o covado, na -toja e arma-
leai do Pavao roa da Imperatrizn. 6, de
Fx Pereira da Sirva.
(rosdenaples
Chegou para a loja do Pavao pelo ultimo
"?arpor um grande sortimcirto dos melhores
grosdenaples pretos e de cores, tendo verde
tambem, (rae se vendem mais barato que
m outra qualquer parte.
BABADINHOS
Vendem-se (lnissimos babaditmos, tiras
bordadas e entremeios,mais baratos do que
3m outra qualquer parle, assim como espar-
lhos dos mais modernos, no armazem de
Flis Pereira da Silva, ra da lmperatrie
a. .
ALTA RQVIDADE
A LOJA DO PAVAO
Gurgurao de seda
Chegarara pelo ultimo vapor os mais feo-
.^tos gurgures de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos lavradinbos, com muito
lustro, garantinde-se que a fazenda mais
linda e de mais phantasia que este anno tem
jhegado a este mercado, e vende-se por
preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
"u. 60, de Flix Pereira da Silva.
CAMBKAIA CHANCA A 3*800.
Vende-se pecas de cambraia branca
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tcndo mais de vara de largura, pelos
procos de 50000 at IOKKK) a peca, assim
como finissinios organdys branca liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a ijlGOO, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 00, de Flix Pe-
reira da Silva.
Alpacaslavradas
Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cures, que se vendem a 15000, o covado,
ditas -Sisas lendo tambem cor de canna a
800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:200,
o cavado, e outras muitas fazendas de gosto
e moda que se venden mais barato do
que em outra qualquer parte, no armazem
de Pavo, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
Honpas para hornean
Vendem-se superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca c de seda,
camisas inglezas e francezas cora os peitos
godo, meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e de roeia de la, assim
como neste estabelecimento existe um grande
sortimento de pannos pretos, e de casemiras
inglezas de cores, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-lhes que serao servidos
com a maior promptidao e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas ejanellas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
mores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janetias, que se veiN
trans^ent,^ Smela v^ras pel ha-i^ '*O00rs. cada par at i5*OO0 rs.
rato preco de 3,1500, ditas muito linas tanto .na ra da Imperatriz n. 60, de Fehx
lapadas como transparentes 45500, 54900,
$AotK), 7(5000 e 85000, assim como organ-
d muito lino tanto lizo, como de listas e
Juadros na loja c armazem do Pavao ra
a Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
ALPAGAS LAVRADAS PARA LCTO.
Vende-se na loja do Patio. as mais mo-
dernas alpacas lavradas para lucto, sendo
muitulargasepelo barato preco de 800 re. o
ovado, ao na toja e armazem do PavSo, ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
Cseas inglezas a 44 rs o metro
Vende-se urna grande pwrc^o de bonitas
assas inglezas tanto aramias como mi-
ohas e de cores fixas pelo barato preco de
140 rs. o metro,garentindn-se que 7 metros.
dSo um vestido para qualquer Sra. s na' proprios para vestidos com as cores mais
Pereira da Silva.
Cretone para lenqes com 10
palmogde largura a '2 S.
Acaba de cliegar esta nova e escolente
fazenda branca propria para lences de tim
s panno, ganantindo-se que um metro e
urna quarta ou um metro e meio d um
excedente lenco! de um s panno, assim
como esta boa fazenda tambem raaito
propria para toalhas de meza, rosto ele. e
outros mysteres vende-se pelo baratsi-
mo preco de 25 cada metro.
MOCAMBIOlTR d-u* vtsTinn 4 soo ttfi.
Chegou para a loja do Pavao um elegante
sortimento dos mais bonitos mocambiques
loja do PavSo ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva.
Bareges a 400 rs.
Wo na loja do Pavo
Se vendein a mais bonitas bareges transparen-
^s, proprias para vestidos rom listrinhas a imita-
^3o de huras de seda, e vendeai-se polo barato
pre^o de am cruzado cada um covado, unicamen-
te na Inja e armazem do Pavao, ra da Impera-
triz n. 60. d Flix Pereira da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A 05000.
Vendem-se colclias de fustao >damasca-
das para cama, pelo barato preci de 55,
grande pechincha, na loja e armazem do
Pavao, ra da Imptratriz n. 60, de FeTix
Pereira da Silva.
COBERTOUEri INGLEZCS A 15. 45500 E 55.
Vendem-se os verda-Ieiros cobertores
inglezes. de pura 13a, pelo barato prec"
de 45, 45oOO e 55, assim como colchas de
fustao de cores, pelo barato preco de 35. na
loja e armazem do PavSo. ra da Impera-
triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
Madapoio enfestado a 8S500
Vende-se superior madapoioenfestado.
sendo muito encornado, para carnizas, e
Jendo cada pe?a 2i jardas, pelo baratissi-
ma prco do 855'M), na loja e armazem di
PavSo. ra da Imperatriz n. 60.
Pereira ,ia Silva
De Flix
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
modernas e que se vendem pelo barato
preco de 500 rs. o covado.
ALPACAO DE GORDO PARA VESTIDO A i 5
Chegou esta nova fazenda com o nomo
de alpaco, sendo de cordo c com mais
largura do que a alpaca, com as mais lin las
cores, como sejam Bismark, lyrio, perolas.
roso, cor de eanna, magenta etc. e vende-
se pelo baratissimo preco de 15 o covado.
ESfillIO DE LISHO DE 12 JARDAS A 103.
Vende-se pecas de esguie de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada peca, a
105000.
ALTA NOVIDADE
A
Loja do Pavo.
GURGUR 0 COVADO.
Chegaram os mais modernos gurguroes
para vestidos, sendo detSdas as cores, como
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola.
rxo 4 & tendo quasi quatro palmos de lar-
gura e vende-se pelo baratissimo preco
de 15000, cada covado. nicamente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na ra da
Imperatriz n. fi.
- RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVO.
Vende-se urna grando quantidade de rc-
ulhus de chitas e cassas pretas por preco
iiutito barato, e quanto maior for a porcao
i pie o fregu comprar, mais barato se lhe
vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
Croadenaples prelo
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores grusdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de 25000 rs. o
covado ate 4506 rs. garantindo-se que
n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
3ualquer parte,na ra da Imperatrizn. 60,
e Flix Pftrpira da Silva.
A U, OS BALES DO PAVO-
Vendem-se superiores baloes america-
nos de trinta a quarenta arcos, tendo as fi-
tas bastante largas, sendo muito fcil trans-
forma-tos para outro qualquer novo modelo,
e liquidam-se pelo barato preco de 25 cada
um, sendo fazenda que sempre se vendeu
ROUPAS FETAS
Na loja do Leo da porta larga
DE
PAREDES PORTO.
Ra da Imperatriz n. 52, junto aloja deourives.
N'este estabelecimento se encontrar ra da Imperatriz n. 52, loja do Paredes
sempre um cempleto sortimento de roupas Porto.
reTtas efe todas as qnalidades. Gomse- Neste estibelecimento encontrar o r^spei-
jam: paletots de alpaca, de merino, de tavel publico um completo sortimento' de
casemira, bombains de panno preto, fra- fazendas e roupas que. se vende pelos pre-
ques e sobrecasacos de brins de cores c eos seguintes:
pardos. i FIZENDAS BRANCAS,
CAMISAS E SIROULAS. MadapolSo de liversas qnalidades e pre-
Encontrar sempre o respeitavel publico eos commodos, cambraia de 35300 4tl5tH)
um bonito sortimento de todos os nmeros. 55. ditas victorias de 55500 a 125, pecas
MEIAS CRIAS. de cassa liza o mais lino que ha no merca-
Sortimento de todas as qnalidades, de do a 95, 105, 125. com 42 varas, e vara
35 a 55. assim como tambem sortimento de largura
do lencos de linho brancos e com barras SEDAS DE LIS TRAS,
de cor, chiaezes, bonitas gravatas pretas e Recebeu-se um bonito sortimento d'esta
de cores. Ra da Imperatriz n. 52, por- fazenda que se vende a 25500 o covado.
CHITAS.
Vermfugo efficaz. e preferivel atoaos o a 75 e 85, isto na loja e armazem doPa-
.- U .,,.; .!..<-> A VMlll /11 I,,*. l.X lili IiiamII. A ___ .
conhecidos, j pela ceiteza de seu resulta-
do, ej pela fcil apphcacSo as creancas.
quasi sempre mais atacadas de to terrivel
e muitas vezes fatal sorTrimento.
NICO DEPOSITO
KA
Phamacla e drogara.
Barthomeu & C.
4Rm Larga do Koaarlo4
Pennas de ema.
Venje-se a ra Jo Qaeiinad!) n oeiro
andar.
v3o, ra da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
A t,ooo Taras a ftOO rs.
| Vendem-se a- verdadeiras carabraias
francezas, com lindos padtoese cores fixas,
sendo tapadas e transparentes, pelo barato
pieco de 500 rs. a vara, ou 300 rs. o co-
vado, sendo fazenda que niognem vende
por menos de 7 ou 8 tustoes, e liquidam-
se por este barato prego, por se ler feito
ama avultada edropra, na toja e armazem
do Pavao, ra da mperatriB n. 60, De
Flix Pereira da 8Hva.
ta larga.
Pi\RA ACABAR.
Urna grande porrTio de calcas ordinarias
para trabaIho a 640 e 800 rs. cada am par,
pechincha na leja do 'Leao junto a loja de
ourives.
GRANDE PECHINCHA,
Gassas he cores a Wo rs. o cavado, im
160 RES 0 COVADO
Chita preta pelo barato preco de 160 o
covado na raa da Imperatriz n. t>2 na loja
"que tem um Leao pintado.
PANNO TJE LINHO
Paredes Porto recebeu um sortimento da
pannos de linho, com 27 varas a peca e
175000 e 185000, na ra da imperatriz n.
<5,junto a loja de ourives de porta larga.de
Paredes Porto.
LENCOS DE LINHO
Vende-se lencos brancos de linho a 35.
a duzia para acabar na loja fie Paredes Por-
8 loja da porta
Vende-se chitas escuras a 280, 300, e
320 rs. o covaflo.
GUARDANAPOS
Vende-se esta fazenda de linho, fazenda
boa a 45000e 55000 a duzia.
MEIAS PARA HOMEM
Sortimento de meias inglezas para, ho-
rnero a 45800 55800 e 65800 fazenda boa.
THOALHAS
Sortitneuto de toalhas de pe lucia a H5
a duzia.
LENQOS BRANCOS a 25200
Para acabar lencos de algodo a 25200
a duzia,
25090
Vara de bramante de linho superior
tem 40 palmos de largo.
CAUCAS E GOLETES.
Tem sempre no mesmo sentido om sor-
to. Rua da Imperatriz n. .
larga que tem um Le5o pintado.de Paredes timento completo a preco commodo.
Porto.
No armazem do Leao, rua da Imperatriz n. e 82, junto a loja de ourives.
ARARA
Leurenco Pereira Meudes Guimaraes, pi opj leiario da loja da Arara, rua da Imperatriz
n. 7, declara ao respeitavel publico e seus freguezes que acaba de concluir o balanco
de sua loja de fazendas e fazer abatimento as fazendas que julgou necessario para
vender mais barato que em outra qualquer jfcrte, por isso roga ao respeitavel publico o
favor de mandar ver as amostras das mesmas para ver como se veade barato.
CHITAS FKANCEZAS A 280 t!S.
Vendem-se chitas francezas a 280, 320 e 3<0 rs. o covado.
MADAPOLAO A 6000.
Vendem-se pecas de madapoto fino a 65, 75, 85 e 15000.
<;axga a 320 rs.
Vende-se ganga para calca e palitols a '320 e 360 rs. o covado.
CASTORES PARA CALCAS.
Veedem-se castores para calcas a 240 e 280 rs. o covado.
LAZIHAS A 2i0 RS.
Vende-se Isazinha a 240, 280 e 32 rs. fo covado. e outras muitas fazendas e roupas
feitas, fazendas pretas para a quaresma, como gros-de-naple, casemiras e panos pretos
de todas asqualidades, baloes de 20 35 arcos a 15506 rs., cortes de brim para calca
de ho'mem a40 e 800 rs. cada um, por este preco s na loja da Arara rua da Impera-
triz n, 72.
Loureiico Pereira Meudes Guimaraes paoprietario da loia do graode oaribald, ru
da Imperatriz n. '<.
Declara ao respeitavel publico, que recebeu um grande sortimento de fazendas
da .tudas as pwlidadaa- lauta ara a prite*',ni1'n tin -*- "! npnnnn nnp4< h*j fa'
cam a honra do que em ou:a qualquer paite.
CORTES DE LA A 24O0 RS.
Vendem-se cortes de 15a para vestidos a 25400 e 35000
CHITAS FRANCEZAS LARGAS A 280 RS.
Vendem-se chitas francezas a 280. 320, 360 rs. o covado.
LAAZINHAS A 240 RS.
Vendem-se laazinhas para vestidos a 240, 280 e 320 rs. o covado.
ALGODO A 4*000
Vendem-se pecas de algodo a 45, 55 e 75 00, pecas de madapoio a 65, "5, 85
e 95008.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 4*000.
Vendem-se cortes de casemira preta para calca a 45, 55, 65 e 85000, cortes de
ganga para calca a 45280 rs.. ditos de brim 800 rs., ditos de castor a 15000.
CHITAS PARA CORERTA A 320 RS,
Vendem-se chitas para cobet tas a 320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 320 RS.
Vendem-se cassas francezas para vestidos a 320 e 360 rs. o covado.
NOVIDADES.
Baloes de 25 30 arcos, a 15500 rs. cada um, s se pode ter balo por este pre-
co, e outras muitas fazendas pretas para a quaresma, pannos, casemiras e gros-de-na-
ples preto, outras fazendas muito baratas que se do as amostras. Na rua di Impera-
triz loja do Garibaldi n. 56.
ATTENQaO
Lourenco Pereira Mondes Guimaraes, declara aos seus devedores que entregou ao
seu procurador o Sr. Bernardino deSenna Dias as suas contas para elle promover seu
recebimento conforme lhe convier amigavel ou judicialmente, por isso roga-se a todos
os devedores vir entender-se com elle na rua da Conceico da Boa-Vista, ou na loja a
na da Imperatriz n. 56. .
,>-fj.f
HOSPHATOdeFERRO
INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIZ Etc.
Unhaixo da forma d'un liquido sein sabor.
anlogo a orna agua mineral, esie mdica-
[l* LE RAS DOCTOR EMSCIENCIASj TS^Z$ZT:&SSZ
ferruginosos; por esia razo o ado lUiro
os mais eminentes mdicos -lo mondo in-
iciro. Contem mu to as meninas s senhoras que aadeipm dVstas dores d'eslomago intoteravets, cansadas pela cblorose,
anemia, mensiruacao on lencorrha, s enancas d'uma compleico padida e drlicaca, e a
todas as petsons qne tem o sangue empobrecido pelas doencas. EfBcacia, rapidez d'accSo.
enra perfena. sem consiipacio de venire nem aefio sobre os. denles, taes sfio as razes que
imperio para que os senhores mdicos o prescrevo aos seus doentes.
Deposito em Pernambuco, na casa de Maurer Cv
CAPSULAS VECETAES
com UfATT
deGRIMAULT eCpharmaceuticos em PARS
Estas capsulas com capa de gluten, couiem o balsamo de copabibt assoriado esnencia de
Hatico (arvore do Per), e constiiuem om remedio infallivel contra a gonorriia. Ella* obrie
sem cansar o estomago e nio provocSo nunca os enjoon e nauseas qne occasiono as capsulas
ordinarias, tendo a immensa vantagem de nio communicar eheiro s oorinas. E' por estee ao-
Itos qne ellas sfio snperiome s capsulas de copahiba, cubebas, etc.
Deposito'em Pen.ambuco, em ena de Miom J*.
0 cordeiro previdente
Rua do Huelmado n. 1.
Novo e variado sortimento de perfumarias
linas, e outros olyectos.
Alin do cotnpleto sortimento de pe fu-
marias, de que ellecuvamentc est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber uin outro sortimento que se torna
uotavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
tos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciacao
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, rt5o se afas-
tando elle de sua bem counecidamansidan
q barateza. Em dita loja cncontraio os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray ALamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos meluores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentriOcia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir oduntalgico para conservac3o do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e ebei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, eom
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enl'eitados.
Esseucia imperial do tino e agradavel ehei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto 4'oleo de superior qualidade.
com escolhidos cheiros, em frascos de dif
ferentes tamanhos.
Sabrteles em barras, maiores e menores
para maos.
Ditos transparentes, redondos c em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba
Caixinhascom bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaris finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composico de
eheiro, e por isso o mais proprio para crian-
Cas.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras dierentes
qualidades tambem para- dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Ainda mais toques.
Um outro sorlinientos de coques de no-
vos e bonitos moldes com liletsde vidrilhos
e alguns d'elles ornado|a de flores e litas,
esto todos exposlos apreciaco de quem
os pretenda combar.
GOLLI.M1AS E PNHOS BORDADOS-
Obras de muito gosto e perficao.
FlveUas e fl as para cilos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, licando a boa escollia ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
0 que de melhor se pode encontrantes se
genero, sobiesahindo es delicados ramos
orvalhados para coques.
Para vlagem.
Bofsas de tapete e cartera de couro, por
*JW UUIllUllllllIJ.
n
V\vv%
Rua do Quemado 49 loja dk
miudtzvs de Jos de slzevedo
Mata e /Silva conhecido por Jos
Bigodinho.
Est queirnaado o objoctos ibaixo dedarsjios
pelo diiriiiiul pnejo, aalxr :
Frascosc.nn agua de Colunia vndadeira a 1*
Garrafas rom agu;. Fluiida verdadeira, que se ga-
rante a 1.521 K). .
Parten para regaar oabello de meninas a J20 r.
Tbesi'uias muito linas para unios e costuras a
Tititciros chtus te tinta muito prota a SO, 100,160
e 400 rs.
Varas de franja branca de linho para toalhas a
Itt) rs.
Caixasdc phoptn>ro9 de segnranca a 1^*0 e
160 r?.
Navalhas de cabo de martira e que o garante a
qualidade a i.
Libra de la para bordar a 7.
Pecas de fila bram a eiastcatMAo superior a 200
e :H) rs.
Novellos delinha branca com 400 jardas a 60 r.
Hesmas de papel de peso liso muito lino a 2;.00-
Latas com superior ktiha a 200 e '.IX) rs.
Caixas cum seis frascos de eheiro n.uito fino a
800 rs.
Canas romdozc frasco, fazenda s boa a IJSdO
etlSOfL
Frascos com sutwrior oleo filocwnc a 500 rs.
Calunpas de sabao transparente muito bonito e t'-
no a 240 rs.
Duzia de paos de pomada do Reino, da melhor
qualidade a 240 rs.
Pecas de tiras bordadas muito finas a 500,600 e
800 rs.
Ditas de babadinbos com dez varas a t.oo rs.
Carriteis de linha de todas as cres, para acabar
a20rs.
Garrafa* com agua divina a I#500.
Fra-cos com superior marac perula a 320 rs.
Caixasdc vidro com doza didaes, que s a esixa
valedinlieiro a 200 rs.
Dilas de madeira eom alfinetcs, o que lia de ma-
Ihor a :t20 rs.
Grosas de hotocs da Jouca, lises e berdados a
ICOrs.
Caixas redondas para rap einittando tartaruga a
1M0O.
Pecas de fita para eos da melhor qualidade a
tytO rs.
Iv-covas para limpar denles, fazenda que s a vis-
ta a 240 rs.
Dilus para limpar unli,..- de .-uperior qualidade a
500 rs.________________________________^
Vende-so um pequeo terreno no luiiar do-
nominado Sicupira Torta, entre a estrada rrst-o
a linha frrea que lem de segnir para Jaboalao, ni
freguezia dos Afogados, o muito proprio para edi-
licar (iredios: queni preti nder diiija-sc a travee-
sa do Qiieiinado n. I. .\:i mesma rasa.>c jireri.T
de nina boa ama do leitOj e paga-.-e bem, agra-
dando. __________^___^_^
A50
Jarros para planlacoes de /flores c caros \-.r.
alvoredos, por metade de seaSwlor, para acMf :
na rua da Lapa n. lo. _____
A$tfdOQ~~
Jarras do AracMy para dous baldes d'ap n. o
h>a resfriadeira. pelo baratssinia preco dej;C-Q0
cada moa, a ellas, antes que se acubein : na rea
da Lapa n lo.
Vendein se diversos escravo pe^-as vin-t?
do Ccar no ultim i vapor, proprios para qualquer
servido do armazem ou engennp, amim fiBMi *
escravo por OHH com um hrac inu'ili-.oln, e di-
verna eacr>vaa com habilidade p sem ella : a ara -
'ar na na da Cruz n. fio, :t andar.
V^E-SE
Por 600.i000 urna crionhnha de 9 anuos. (! rr' b
boa moral e saude : na rua da Imperatriz, lf\
n. 2*.
ESCBAVOS FCG?.,
Chapelinas de palha da Italia mui bem
entestadas, cenfeites de flores obra de bwn
gosto.
E assim muitos outros objectos qne se-
ro presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a rua do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PABA VESTIDOS.
CHAPEOS E COQUES.
0 Cordeiro Previdente rua do Queima-
do n. 11$ acaba de receber um bello sorti-
mento de tranens de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques ele.
ludo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida enmmodidade de procos.
AEEM DAQUELLES.
Becebeu oulros lindos enleites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de galles de 13a, bnbadinhos de
cambraia com bordados de cores, ruja va-
riedade de gnstos os fornam recommenda-
dos e apreciados ; cnmparecSo pois os pre-
tendentes qne serio servidos a contento.
TO BEM BECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas df
guepure. #
LIVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para hornen-
como para senhoras, constantemente achani-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
.1 na do Qncimadn n. Id.
Pazeodas de gado.
Vendem--e seis fazendas de gado na ribeira di
Scrid, di-n mtinadas Roa-Vista, P deSerra. Mn-
lungil, Mundo Novo, Inga e Serrle, todas muilo
boas de criar e de um ser bem conhecido aquel-
la ribeira : os pretndeme? podem dirigirle ru;
do Vigario n. 31. ( andar.
Fugio no dia 13 de fevereiro de ISti', | i
ngentu Caiih, perteocteata ao Sr. Henuinu i
rontino de Andradc. um escravo pelo d n rn:
leliplii', im.mip-w on*s alto c de Ua Ihuia. pon-
en cabillos na barba, nariz ?n -o r eO;ii... < ;: i
graades e vennclhos, beiros ?re>sos, ps grde<<
e groeaos : roga-se a pulirla ou a quem delle li-
vor no icia, se dirija .i rua de Apollo n. 8. qput
<<];! recompensado.
I" OOS de gr^ai
Fngin uo dia 11 de Janeiro do rom-nte annq.
do engeoba Balanm, freguezia da Escoda, es-
clavo preto. cri> ule, do 24 anno- de idade, i lla-
mado Marcelino, que foi do Sr. Joau da Cinha
Pereira, cujo escravo esteve DO deposito fiial.B
tem os signaes seguintes : alto, tteeu do corpa,
rosto muito marcado de bexigas, fjl'a de dr-nlca
na fren le, cor preta, s.iliio de cliaj1*! do chile, pa-
letot e calca de castor, levando um I al.u;:iuho A>
Dndres com mais roupa, e sopprV-e estar rh
freguezia do Cabo : quem o s|>|in-h> nder leve ^
ao dito engenlio, ou rua da Senxala-nnra n. 3a\
escriptono do Sr. iiernardino Poutual, qne rece-
ben a gran'flcacao cima.
Fugio do engv'nlm Jacobina, con are di Ca-
bo, ao amanhecer do da 13 do coircnie imz o
anno, do abaixn a-signado, iim rsmv pn-lo djh
noioe Antonio, conhecido por Camla. dade de 2B
a 30 aun s, pouco mais ou menos, alio, p>> htus-
soa, tem urna das juntas do me.-nio um ponen
grossas. andar banzeiro, levando chapeo de fe'tm
j usado, camisa de algodao azul e seroula de al-
godfl americano, cujo escravo vejo de Pulque pa-
ra Pao d"Alho. para onde >e dewDtta ter si gusuo:
roga-e a qualquer auturidade policial i u rapi'^i
de campo a captura do dito escravo. levando fy
engenho cima, ou a rua V Caldeireiro n. i. t\
Sr. Francisco Quinlino Bidri^ues Esteves, qco
ser generosanienie gratificado.
Antonio Carneiro l.irs p Vello.
Sol) urna lOrma 'impida e agradavel, e-te medica-
mento rune a quina, que o inico por excelencia,
e o Ierro, um dos principaes elemento* do sangue. E'
adoptado pelos mediros mais distinelos de Pars, para
carar aa cores paludas, fcil.tar o desenvoivimenlo
das meninas e restituir ao corno os sens principios
alterados ou perdidos. Faz rpidamente desapparecer
aa dores d'eslomago intoleraveis suscitada pela ane-
mia ou pela leuoorrba, s qnaes as seoneras estJo
tanus vezes sojeitas, regularisae faciliua mensiruacao,
e 6 receiudo com successo i enancas paludas, lym-
phalicas ou eserofulosaa Emfim, excia o nppetiie.
favoi eco. a digesUo, e AnverH a todas as pessoas cijo
sangue est emoohmndo pelo trabslho. pela moles-
tias, as convaletceucas. tongas on difficeia. Oa booa
resallados nuuca aa lazem aperar.
0 cm Perwmbuco, m casa de
CRWAfTf-- .. parts
Mailame Adour tem a honra de parti-
cipar ao respeitavel publico que recebeu pelo
ultimo vapor fazendas finas do muito gosto
como sejam:
Vestidos de gase obra rica
Chapeos para senhoras e meni-
nas
Manlilhosde renda preta
Casaquino de guepure preto
burnous
Baloes brancos
Vestuarios de fustito para ho-
mens
Rua do Imperador l.andarn.
23___________
VINHO DTWTO
Chegaram diffeientts qualidades no de-
posito de vinhos em casa de Theod. Chris-
tiansen, rua da Cm? n. 18. ^___
Libras esterlinas.
Vende-e no hotel do Uaiver-o, mais barato do
pie emoii'fa parte, qnartn n. 17._________,.
Para encanamento d'agna.
r Canos do ferro. dt ,la poraeUaa, f-d t'*m ** conjpeientea loriietras.
curvas etc. : a roa do Queimado a. 3i.
Fngin de burilo o pHiab) te w.....i al .\niu-
iv, um mulato claro de nome Justino, estatura ro-
! billar, cabel s carapinhadirS e meios ruiv. s. 11 nra
barba, tem ama piula preta no ranJn do nlrm direi-
to e om talho nas cosas ao nu-ioo lado.; l< v i
vestido camisa de chita com lisias re des, e mt
de urna cinta com borla encarnada para api rtar
as calsas, natural de Santa Amia do Mattu na
provincia do Itio firande Jo N< rte, para i m!e lalv.a
qneira ir, tambem milito desen baracado no fal-
lar. Ilecomroeiida-se aos mesires de bareara
a qualquer pessoa que o agarrar e levar a roa
do rrapirbe n. i no a bordo do referido navio qno
ser generosamente gralific.uli.
Fugio no dia 17 ^ri.rreiile o preto Alejan-
dre, d idade 3ti anuos, aplatara barxa. lem moa
belide em um ollio, e quando fa'la ni.is s|iresiadD
gagneja, tem de cn-tun:P andar pela CapungaV
immeliacoi's do Ponto do Urhoa : quem o i>-> %
h;oi-o rua de Apollo n. 2, qne*e rociopiir-arl
fiSCftAVfi llir
Fugio no dia 21 do pre-ene n ai de o arco, a>)
engenho Cracuipe, freguezia de Agoa Preta. o ea-
cravo de nomo Inaqnim, dade i!i annos. cnonlo,
erpreta, estatura regular, (esta grande, olhoj
afumacadns, den'es limados, e "era os den*" polo-
gaes dos pes voltados para fora, sabio n in rha-
po de palha do Chile, levando um hab,
de fidba de Flandres. Ha certeza de iyo o i'-'O
e-iprav. seguiopara a cidade do Recite, embar-
cando na estacan de Gan eleira en um dos tna
do caiiunho de ferro : quem o ; ppreli.-mb r quei-
ra leva-lo ao mencionado engenho, a en'regar a
-en-enbor o tenentv- coronel Pedro Franc seo da
Albmpierque, nu no Recife ao Sr Amonio lo #
Leal fiis, escriptorio rna da t^ideia n. 49, qro
serg neriisamenle gralitV'ad,
Fugio no dia 4 do crreme, do Vni da ca-
trada dos AlTlietos n. 17, ama pn-ta criui'a da
nome Ipnez, de idade 1" innos, alia, bem careci-
da levon nma pnrcao de mapa e algmo dinheirn,
consta qne foi sodnzida, e o abano a-spnaiio pro-
testa contra quem a livor em sen \ der *****
^policia e aos canilles Je campo a sua aepre
sao c levern-na ao mesmo filio ou rua
rleia Veiha n. 4, que 9era> pagos de todo
trabal bo. _
Jos Goofalvea Torrea.
da Ca-
li xn



8
Diario de Pernambuco Tcrg feira 30 de Mareo de 1869.
LITTERATUB.
visa
Urna barca ia alegre, enfetada,
tem de manso as aguas tocando,
e leva va i seu bordo urna fada,
tona fada, uma fada mimosa.
JHIaia gentil c formosa,
ial baila uma nymplia encantada,
" voltava, com voz sonorosa,
tfvinaes e faustosos accentos.
Seos accentos sublimes, celestes,
da sempre bein alto soltava,
-a-depors, bem ligcira e de prestes,
seu remo veloz sacudia.
.yiupha pora e de claro cvystal
i seu barco se abra gostosa;
alva brisa, gentil, e frugal,
buidamente o leva va fagueira.
Parei e. com ouvidos bem ltenlos,
erivirpuz-mu eu entao os seus queixumes.
Ouvi: a sua voz e seus accentos,
os qjiaes, se nao me engaho.eram asstai:
Pobre, infeliz, quanto sou eu, ai quanto!
quem s pranto pode alivio dar!!
Que triste sina que me deu a sorte,
vagar sem norte, sem abrigo achar!
Sim desgarrada pelas ermas plagas,
p'ja o;ide as vagas um marulho vao,
ou. sem destino, procurando abrigo,
t, por castigo, vem a cerraco!
Vil, despresada como vil insecto,
s acJio lelo, o que me causa dar;
icem un serrino por meus labios rosca,
tem urna mossa de sentido amor!
Ora, como nao explicar a adheso de
Philotbe de Alejandra ao concibo de Fio-
renca por uma determinaco livre e nina-
vel, sendo elle neste lempo vassaio dos Tut-
eos?'
IV
Apenas sahio de Florenca, Mhrco d'Ephe-
so occu jou-se activamente em impedir o
siiccesso do concilio. Elle contava com al-
guns gregos do carcter daquelles queBes-
sariao escrevera, que se inclinavam mais
superstico e a ignorancia do que ver-
dade, qm plnris mam superstitionem. A
ignorantiam fariunt ijuam veritatem.
Elle publicou pote um libello dilfairtat o-
rio contra o pana c o concilio de Florenca:
Repeli por diversas formas, que, ot Gre-
gos tinham sido violentados para aeeear
os aclos d'urn concilio que elles nio con-
fessavam no seo coracio.
FallOu do dinheiro quetinlia sido prodiga li-
sado para comprar os suffragros d alguns /
da fome e dos mos tratos que tinham ser-.)
vido para reduzir os outros. Finalmente
dizia o que o patriarcha actual de Constan-
tinopla j;i repetir : Urna assembiea, el*
jas deliberacoes flndaram rfuma concia
sao imposta por algum tempo a alguns
r. Si me lamento e minlia dr lastimo,
fiea no limo lodo o meu queixume:
nem um vvente pr'a me soccorrer!
Qual o soll'rer, qu al o meu assume .'
e Porm soffrer o que a le ensina,
solTrer a sina que o destino deu!
Pwbre d'aquelle que erguer a fronte,
<; mesmo iusoute contra o fado seu!
R annso o barco marchava
a lymplia subtil cortando;
e o vento, que enio soava,
alegre o ia levando.
mas, ai! que o vento
o vai mui lento,
levando. ;itroz,
veloz e quando
marchei,
nem mais vestigio
do prodigio achei.
vivario de Nosso Senhor Jesus-Christo.
Tratados infinitos- se demm, nutitos con-
i cilios forav la, legados inuine-
raveis foram enviado para- safr esta
chaga cruel na igrejadeOras, l'ltima-
mente, pela Providencia Divina, no con-
* cilio do Ferrara e de Florenca, o impera-
dor Juo Palelogo e o patriarcha Jos de
Constantinopla, acompanliados de uma
(rute numerosa de prelados e de senjM.
'res. tenda-se reunidos com o papa Euga-
nio IV, os eafdeaes da santa igreja nuna-
na, e'mma multido considerad de pnt-
i lados oceidejitaos-, pozeram todo os seo*
cuidados em abolir este scisma inveterado:
c emllm pela graca de l)^,is. vencidas
todas as difKadade, concordafam ei
publicar o derroto d'esta ttnf
Os partidistas de Harto d'Epheso dirn
sem d'uvida que esle tesiemunho do um
papa nao bastante desinteressado. Ou
elles ouram, pois; o que se sigue na caria
de Nicolao V s
stas cousqs foram fcitas debai.ro da
i tinta de todo o universo, e o decreto
(Testa unio, redigido em letras gregas e
Jatinas, com a assignatura manual de to-
dos os assistentes, foi transmittida por
dos nossos pelo papa que ento gotervA- todas as trras" E- testemunha d'isso
* va, por meio da fome ede violencias de lo-
da a especie, na merecern-menno o santa
nome de Synodo.
esgracadamenle paia elle, muitos Gre-
gos, pessoas sabias e virtuosas promoveram
contra Marco d'Eplieso enrgicas profesta-
coes, e convenceram-no de calumnia. Jos
ar ebtspo de Methone, Gregorio Hiromo-
naco e Gregorio Protosyncelle (conhecido
tambem pelos nomes deGenn'adee deGor-
geScholariusy,publicaram refutaces aoli
bello de Marco.
Pde-se l-las na collec?ao de Labbe. Eu
s citarei uma passagem ott duas. Marco
dlpheso aecusara os Latinos de tereiliipro-11
Hispan a com seus qnatro reinos cliris-
ts-----a Gran-Bietanha. stjgeita arjrei
dos Inglezes; a Hibernia e a Escossia,
situadas na extremidade do mundo: a
Germania. habitada por povos inuime-
raveis, e estendd'a sobre um immenso
" territorio; a Dinamarca, a JWoegn e a
Suecia, na extremidade do SeptentriSo;
o Ilustre reino da Polonia; a Hungrii e
< a Pannonia ; toda a Fnieca..... Todo
t da f ; emfim, que os padres d'estccon-
t cilio, tendo concordado umversalmente
t sobre todos os differentes pontos dedis-
cussiio entre as di'igrejas, os cstabe-
pela proclamacio solemne do acto defe-
nitivo, assignado por ioo o clero occi-
dentil. assim como pelo imperador e to-
dos os representantes t igpeja oriental.
Nos provamos tambem pela historia, que
neiihum ontro concillo crnipelente ou
que voltarem nossa commonliSo, como
com todos os outrae catlolicos oneoUes.
Nos nos applicaremo sem descanso, e
com o mtiior cuidado, em ser queridos
d'uns e d'outros.
Que poderemos nos acci-escent* a este
convita to affectooso do p'ontiffce? Bem
dosgracado seria certamentc quem nao
reconhecesse n'isso as palavras d'urn terno
pai, que suspiri pela salvaeao de seu lilho
predilecto I
inesrao incompet.-nte, n5o leudo abrogado Oh! nio. E' impossivel resignar-m'1-
ii^m mesmn mollificado o de Florenca, o nos a acreditar que o (oriente' conttntrara
acto definitivo d'este concilin consma no carainlio da iniquidade e da revolta.
toda a sga forra cannica e legal .. Se Deus fez as^nacljes capaz'es de se sal-
V varem, nao podemos nos esperar ludo
Desde o tempo de Miguel Cerulano, veri- d'urn povo que recebeu as primicras'Tli fe,
kamosque os papas naopouparam nenhum
cuidado para conduzir os Orientaes urti-
dade catholica. Nao crek) que seja neces-
sario continuar nosso estado ; certamente.
pde-se acreditar que, desde o concilio de
Florenca a s apostlica nao ter abando-
nado sua doeura tradiceional. A igreja ro-
mana nunca esquece que ella riai.
Dous fados, apezar d'isso, parecem-me
depors do testemunlio do imperador Joo
Palelogo, do patriarcha Jos, e dos
outros que vieram da Grecia Fterenca.
vado juntamente ignorancia eorgu|W). Jos e cujas asignaturas acham-se consignadas
io de ver passar em sikmcio : 1." o res-
peito da santa s pelo rito orienial ; 2." a
carta de sua santidade o papa Po IX aos
scismaticos do Oriente, com data do (> de
Janeiro de 1848.
E' notavel, com efferto, que nunca a igreja
latina pretenden prejudiear os ritos orien-
taes. Se ella exige com juste a que os
misionarios latinos consrvelo > rito da
igreja niai e senhora, eir consente de bom
grado, que digo cu 1 ella exige rigorosa-
mente que os Orientaes nao abandonem
suas antigs liturgias. 'Famfeum, os sobe-
este universo te.m exemplnres do decreto ranos pontfices foram unaiiHne. em con*
cm que este scistna inveterado abollido, surar a tendencia de missionarijs iinpiu
^er.ife, marco de 18G1.
A. t.
0 poutitcc romauo e o scisnia
do Orieate
('.'nclustuo)
Labbe traz anda uma carta omito notavel
de PhoUie, patriarcha d'Alexandria, ao
papa Eugenio IV (1441): Padre sanlis-
simo, diz elle, padre religiosissimo, mui-
* to feliz, muto justo, anjo terrestre e ho-
i mem celeste, revestido da graca de Deus,
& ornado da vestimenta sagrada, bom pas-
tor do bom rebanho, que cacass por vos-
sa doulrina os lobos q-te se kmeam sobre
as oveihas do gremio tf/iimsal, podra da
f, e chefe de lodas as igrejas christSas,
que recebendo Je Nosso senhor Josu.>
Ghriato e sagrado poder, sois papa da
grande ciilade dos romanos, e sois pro-
tector dos outrbs pdtriarchas. Que
e Ihlgaagem! Que conformidade com as
tfadiecoes antigs! O patriarcha con-
cluio duendo que elle escrevera para
Constantinopla, ao imperador Joo Pal
logo e algoas bispns, para lhe dechrar
' que os que nao i econhessem este acto
(o concilio de Florenca) deviam ser tidos
por excommungados, e separados da
i c'.'inniunli > da igreja
Esia carta tem doblada importancia. El-
la prora em primeiro lugar o acolhimenlo
que o Oriente fez as difinces do concilio
de Florenca.
Em'segundo lugar responde aceusacao
anagina la por Marco d'Epheso e tantas v-
tm repetidas, a saber : que o clero grego
soflreu violentamente a influencia de Pal-
tngo, que quera absolutamente a reuniao.
FOLHETIM
OS DRAMAS DE CAVENPiA
POR
lie Berthet.
IX
1 priiuelra onrevls;i .
(Continuaco do n. 69)
EHes alravessaram a cidade, onde a sua
presenea excitou grande curiosidade, e se-
guiram uma hnga e larga estrada aberta na
. foresta vitgem.
Ao principio viram de um lado c ontro,
em dis'anci;is proporc'ntiadas, as habitacoes
dos concessionarios sub-urbanos, com suas
plantacoes de arvores de fructo, seus- cam-
|tos-de milho, de mandioca e de batatas
doces. Era breve, porm, dcsappareceram
as casas, oo se vendo de um lado e de
ontro mais do que arvores de todos os
feitios e grossuras, formando como que
uto reducto impenetra vel.
Anda assim, o caminho nao estava de-
porto. A cada passo se encontravam pesa-
dos carros, puxados por tres e quatro jun-
tas de bois, e carrejados de madeiros, qae
& de Tambem passavam alguns soldados de po-
feia a cavallo, em semino entre as drersas
iwnitenciarias ; levas de toreados com raa-
bados ao hombro diiigiam-se para OS cor-
tes das raadeiras, sob a guarda dos vigas.
Outros faziam o servido de cantoneiros,
arrancayam os troncos das arvoms ar-
astos que lentavam d.'senvolver-se sobre
i estrada': sem e*t*precaucao. bastariam
alguns mezes para se transformaren! em
floresta virgem os cammnes mais bem
traeados.
Josphina, obrida a conservar-se dV
tse.de.veo cnido, aflm de evitar**
[te-duras dos insectos, soffria esoessivo
de Methone conta mudamente todas as ine|>-
cias do metropolitano d'Epheso, que s deve
caridosa intervencao de Bessario poder
continuar uma discusso empenhada com
Andr, arceblspo de Rhodes, e que batido
por Joo, provincial dos dominicanos, nao
quiz mais apparecer no concilio. Emquanto
aos Latinos, falso que elles tenham mos-
trado arrogancia no concilio. Se ellos mos-
traram alegra, a causa d'isso foi nica-
mente a plena justiiicaco que deram de
si e de sua f. E' preciso a i contrario fa-
zer-lhes justica, dizendo que se portaram ,,
com muita dignidade e moderaco.
Mas como ousa Marco d'Epheso fallar de
mos tratos da parte do papa ?
Oque! Nao se sabe pois que 0 papa
Eugenio IV, pura continuar o concilio, pedio
emprestado quarenta mil escudos de ouro.
dando por penhor sua propria mitra ?' Nlfl
notorio que elle provia com liberalidade
s necessic ades dos Gregos ? Fica pois
bem a Marco dizer que os Gregos vendern/
seu consentimento unio Cortamente,
(pie se o patriarcha Jos vivesse ainda, elle
nao ousaria repetir que este santo tiomem
consenta na unio por dinheiro. Um des-
mentido formal bastara para' conl'undi-lo
sempre. Mas, nao participou elle como os
outros das magnificas liberdades de Eugenio
IV ? Nao se acreditar antes que Marco
envergonhou-se de ver uma de suas lisonjas
sem recompensa ? OlTerecera ao papa uofa
iraagem de Santo Eugenio piulada por elle.
o acompanhara seu presente d'estas pala-
vras : Pater Abraham, eleva mitins tuas,
el benedice filiis tais gtii ab Oriente ve-
iiinnt. O papa agradecen mas nao pagou
o presente.
Marco licou irritado.
ouiro estemunno innr-mciioa giaw'CF'
gue-se contra Marco d'Epheso, o do papa
Nicolao V.
O.ize annos tinham-sc apenas psssado
depois da concluso do concilio de Floren-
ca, e a maior parte dos Gregos ja tinlia
voltado aos seus antigos erros. Comtudo
a invaso dos Turcos ameac'ava Constantino-
pla. O imperador Constantino Dgases
recorred proteceo do papa, que fez ou-
vir palavras ao mesmo tempo severas e
patemaes. Depois de ter lerbrado os ma-
les que desde muitos seclos nao tinham
cessado de cahir sobre o Oriente, o ponti-
rice perguntou se a causa d'isso nao era a
conducta dos Gregos para com a santa s.
Ha quasi quinze seculos. dizia o papa,
quo Satn, o principe, e autor de todos
os peccados, mas principalmente do seis*
ma e da diviso, desviou a igreja de
Constantinopla da obediencia ao pontfice
romano, que suecessor d Pedro e o
por toda1 a par'
E' difficil provar mais claramente o effeito
da assignatura concedida pelos Gregos ao
decreto d'unio. O papa concorda mara-
villosamente coro os ilustres contradictores
de Marco d'Epheso, do quem elle fallou
mais cima;
Einlim o papa declara que elle nao ser
logrado pela m f dos Gregos.
B comtudo, continua o pontfice, ha
tanto annos que este decreto tem passado
em silencio entre os Gregos : nao se v
nenhuma disposico nos espirites para
bracar esta unio, adia-se constante
mente repete senpra as mesmas ilescul-
pas. Que os Gregos nao imtigiaem por-
tanto que o pontfice romano e a igreja
occidental sejam privados de Vista, e que
nao comprehendem onde chegatn estas
desi-ulpas e estas demoras. Elles cnn-
prehendem, mas tui paciencia, lixando
seus lhares sobre o Senhor Jess Chris-
to, o Pontfice eterno, que ordenou de
i conservar at o lerceiro anno a ligueira
infructfera que o propii't-iiio ipieria cor*
lar por causa de sua esterilidad*
Por certo o papa foi propteU Tres
annos nao se tinham ainda passado, c Ma-
homet II encarregu-se d'airancar a'arvore
que desde tanto tempo cancava a trra por
sua cslerilidade. Constantinopla foi con-
quistada e entregue aos horrores do saque.
O leitor parece-me agora bastante cerlo
sobre o valor das prposices de M i
d'pliso. O desgranado nao tardn sof-
frer o castigo do suas calumnias e d.soasj
blasphemias: morreu da morle il ArinV.
Por \-entura o acreditaran ainda? Os
scsuiaticoi d'hoje anda proferem contra o
concilio de Florenca as grosseiras invecli-
c;1> n yjmxr-- cpiitsw. Enes-invtrntarain
anda mais um pretendido concilio de Cons-
tantinopla, que, um anno e meio depois da
unio, protestara solennemente contra o que
se tinha feito cm Florenca. Mas como o
nota M. Petzipos, a celebrado d'este pre-
tendido concilio forzosamente verosmil.
Primeiro, porque Marco d'Epheso, contem-
porneo, e inuito interessado em sabel-o,
nao faloun isso; depois, porque os aclos
produzidos pelos scismaticos sao um tecido
de falsidades histricas e d'anaclironismos.
Nos concluiremos pois com est; sa!>i >
autor :
Todo o homem de bom senso pode
ver bem claramente que o concilio de
Florenca, por causa de suas circumstan-
i cas particulares, foi o mais incontestawl
denles, que proctiravam im|tlantar o rilo
latino na tena do Oriente. Nao cessaram
de lenibiar aos traltalhadorcs apostlicos'
ipie trabajando na i'econcilncSo dos povos
einpeuliados no scisma, convm evitar com
o maior cuidado procurar fazel-os abracar
o rito latino, uma vez que a santa s ihes
envia missionarios com o orneo lim de con-
duzil-os f orlhodoxa. Bento XIV resume
todos os actos da santa s sobre este pon-
to importante na clebre bulla Ablatw Notos,
em data de 26 de julho de 1755.
Quanto ao nosso santo-padre Pi IX, nao
smenle elle imita Seus gloriosos prede-
cessores no respeito tradiceional da santa s
equJoiomstrumai'to de que o Salvador
se servio para espalhar entre os outros
povos a luz do Evangelho! O Oriente
perder, entao para sempre, o fructo dos
trabalhos dd tantos apostlos c doutores!
Temos, alem d'isso, ontro motivo d'es-
neratrea enr favor do Oriente, a mmensa
bondade que a igreja romana provou a seu'
respeito. Tantas lagrimas e ra i('ade nUo
ponerSo ficar esteris. Memento, Domine,
David et onwis mano sueYufHn.es efUs !
II. M019TR0UZIER S. .'.
(Iktwe du Mond Satholiqm.)
fOTJCO-DE TTJDO.
NOTICIAS DfVEIISAS. Foi commutada
a pena de morte na immediata aos reos Aja-
nie Luz em Roma.
O imperador e a imperatriz da Aus-
triapar iram para a capital da Hungra, e
d'ahi partiro prjr visitar a Croacia, a Es-
clavn! e o littoral vizinho.
Foi eleko speaker- ou presidente da
trabalho e um manancial do beneficios pai a
numeroantclasses doperarios. A esla ca-
thegon pertenee a fabricado de briaque-
dos para creanras, do que se oa upa mui
seriamente a teiue de eaur el des frets.
Para nao citar mais do que um d'esscs
brincos diremos que em Paris se fabrican!
mensalmente 200:1)00 dudas de tambores
para creancas, ha\endo pocas em que >'
impossivel satisfazer lodos os pedidos do
extrangelro. Esta assombrosa fabricacao
suppoe por anno o consumo de tri"ta mi-
Ihoes de pequeos tambores, e sessenl mi-
lliies de baquetas!
D1MINUICA0 POSTAL.A partir de l
de Janeiro de 1870 as cartas simples expe-
didas oo interior da Franca sero submet-
tidas a uma taxa uniforme de 10 cntimos.
A tarifa actual ser diminuida 10 cnti-
mos para todas as oulras cartas.
THOPLGNG.Este Ilustre jurista nas-
ceu em 1795; substituto do procurador do
rei em Alenson em 1819;procurador do
reiem Sarteno (Corsega); substituto do pro-
curador geral e advogado geral em Basta;
advogado geral de"Nancy (18!)); pre-
sidente da cmara em 1833;presidente do
tribunal de cassafcso em 1835;par de
Franca em 18-46;primeiro presidente do
tribunal de Paris (1848);primeiro presi-
dente do tribunal decassasso (1852).
Mr. Troplonppassou por lodosos graos.
PETICAO OMGINAL.Apresentou-se s
cortes constitumtes hfespanholas nmapetieo
original e milito irreverente, puis que n'ella
solicita o autor, entre outras colizas, que
apezar de nao ter padrinho para obter um
emprego, lhe sirvam de medianeiros e pro-
tectores todos os deputados, inclusive o pre-
sidente. O interessado confesa pouca ap-
tdopara empregado, mas declina com
cmara-dos recentante? em wXgto ^f^r,1''6^1 mal noseu1,,ll1ki" f
o Sr. James Hlaine, do Maine, republicano. ?r'' ten n 6 ***>* 6*bmi ** Mm" d
L'> r>..:..u.,_.._ ._ \ir.._, ,_ \ i OiiJIueniO.
Em Gtrish'ngen (no Wurtemberg) hou-
ve um meetiny de 2:0U0 pessoas, que se
pronunciou pela entrada dos estados do sul
da Allemanha na Confederado do Norte.
Antes d'este voto, tambem se votou a dc-
pelos ritos orientaes, mas elle deu groja
ori-ntal a certeza formal de que para facili-
tar uma unio lim desfijada, elle conservar
suas ordens, jeiareliicas todos os mem-
bros do clero scismatico, se elles quizerem
vnftar unio. Cito.o lim tiesta magnifica
entyclica, enviada quasi nos primeiros ias
.lo pontificado de Pi IX.
Nenhuma raza) pode vos desculpar de
voltar verdadeira igreja e communho
d'esta santa s.... Quanto nos, damos-
vos a certeza de que nada nos ser mais-j
doce que ver-vos na nossa 'commiHiho.
t Jkm longo ilc procurar aflligir-pps por
* alguma prescripcao, que poderla vos pa-
u recn- si-enra, nos vos retebemoscom mu
l/enemtatcia toda paterna e como mus
'imor: ron forme o 'cost'rnc constan-
te ta tanta -<;. S vos pedmos as cousas
absolutamente necessarias.
* Voltai unio; concordai comnosco
na profisso da verdadeira f, que a
igreja catholica conserva o ensina; e
com a mesma igreja conservaba com-
munho da s suprema de Pedro. Em-
quanto aos nossos ritos sagradiw, s sero
regeitadas as cousas contrarias f e
unidade catholcas. Tirado sso, nossas
antigs liturgias orientaes ficaram in-
tMta fWrja ili-i l.ii amos.
puto d'esta carta, nanlo estas liturgias
nos sao caras,equinto ellas o faram aos
nossos predecessores, por causa de sua
CONCENTO HISTRICO.O GagHa:ii
di noticia de um concert havido em Ge-
nova, com o programma seguintc;
claraean deque nenhumai potencia europea U)S no -,,, JJaTwBaantiptena .le Pa-
1SlS^Ji!S^^JJS 'estria, .545; um madrigal de M. d^Este.
antiguidade e da
magnificencia de suas
ceremonias, to proprias em nutrir a
piedade. R6s deliberamos e decidimos,
a respeito dos ministros sagrados, dos
sacerdotes c dos pontfices das nacos
orientaes, que voltarem unio catholica.
que consercem a mesma conducta que li-
* veram os nossos predecessores, n'estas
* oceusides, nos tempos que precederam
as em (pie nos vivemos, e nos annos an-
teriores. Nos Ihes conservaremos suas
< classes c sus dignidades, e nos conta-
remos tanto com elles, como com os
outros cleros catholicos do Oriente, para
gressos, que faz na Allemanha a idea unita-
ria.
O conde do. Usedom, ministro da
Prussia em Florenca, foi posto na disponi-
bilidade.
0 estado de Kansas o da Luisiana ra-
tificaran! a emenda constituido relativa
ao voto dos negros.
O general Grant o decimo-oilavo
presidente da repblica dos Estados-Unidos
depois da sua fundado em 1789. Os pre-
sidentes anteriores desde aquella poca lo-
ram os segundes: Washington (duas vpzes)
'John Adams, Jefferson (duas vezes). Madi-
son (du.is vezes), Mrroe (duas vezes), John
Quincy Adams, Jackson (duas vezes), Van
Burn, Harrison que morreu antes de com-
putar os quatro anuos) Tylcr (qde prcen-
cheu por ser vice-presideute o tenjpo que
faltava), Polk, Taylor (qfe morreu antes de
completar os quatro anuos), Fillmore (pie
preencheu o tempo que faltava), Pierce,
Buchaman, Lincoln (assassinado antes de
completar os quatro annos), e Johnson (que
subMitoio Lincoln como vice-presidente).
A cmara dos deputados belga discu-
te um projecto de lei para a abolido da
priso por dividas.
OS CAMJNHOS DE FERRO NA CHI-
NV.Em uma das ultimas sesies da sn-
"n ptrnieim <'!* gp.ngraplan da l^anillWR. leU-SO UIO
curioso trabalho em que se d conta das
causas que tem impedido at o presen-
te a conslruccao de vias frreas no celes-
te imperio. Os china nao leein, como os
europeus, cernterios para enterrar os mor-
ios ; enterram-nos em todas as partes aon-
de Ihes conveem; de manera que o paiz
inteiro apreseuta uma vasta extenso de
campos-santos. Se se estabelecesse um
caminho de ferro n'aquee paiz, seria preci-
so atravessar centenares destes logares de
repouso. o quo, aos olho's dos cnins, seria
um sacrilegio.
0 governo deste paiz demora quanto lhe
possivel o monvnto de ver-se obrigadoa
expropraras tumbas.
e o mais natacavcl de todos os outros manter e propagar entro seus povos o
concilios da igreja ; quelle occ.upqu-se, culto da religio catholica. Enfim, nos
calor ; comtudo nao quiz descansar. Ar-
quetante- e escorrendo em suor,.carregada
de roupa de la proprHr para qiitro clima,
l ia andando resolutamente. Quando se
lhe pedia que alTrouxasse o passo, acodia
logo na sua exaltado :
E meu pai, meu pobre pai, que vou
ver ?!
No meio do socego que havia nos bos-
ques, ouvio-se ao longe o rufar d tam-
bores.
Coragera disse Grandval Esta-
mos prximos do local, e tal vez tenhamos
a fortuna de chegarmos s horas do des-
canso dos trabajadores : d'essa forma po-
llera estar mais tempo em compahhia do
Sr. Bertomy.
Vamos, vamos disse Josephina.
Passados alguns momentos, chegararaa
um sitio onde se achava em eoraeco'uma
larga abertura na floresta. Era uma nova
estrada que se fazia e que j tinha a ex^
tettfan de uns cincoenta passos.
N'este servico andava ocenpado um
grande numero de forcados ; mas, como
Grandval suppozera ao ouvir o tambor, era
a hora do repouso, e os trabajadores, rfns
por um lado, outros por outro, esperavam
sombra o signa! para recomecarem a sua
pesada tarefa. Alguns comiam o outros
conversavam ou cantavam. AmaMr'pnrte,
estendidos sobre folhas seccas, pareciam
extenuados de fadiga.
Em ptesene d'esta rriultido, Jnsphma,
at all impaciente, sentio->e intimidada. O
capitn comprehendeu que nao era proprio
ex por as deiBenstracoes de ternura illial de
una Dhouesta e candida menina aos olhos
d'aqiielleS homens manchados pelo crime.
Pedio, pois, a Josephina (pie se detivesse,
e, tazeudo signal ao surdo-mudo para a
acompanhar, dirigio-so elle s para om
grupo-de vigas qoe se achavnm altaatdos
a um*lado. Depois de explicar em poucas
balavras ao che d'elles o motivo da sua
ida alli, entregou-lne o bilhete de sror
Rosilla.
r- Bertomyrepeli o offioaf, ptreer-
rwto em wlta de si um oftar aleflto.
perto de dous annos com uma assiduidade
incrive!, no exam3 de todos os dogmas
h j sei : um dos que veram ltima-
mente... Olhe ; l est elle adianto jogau-
do as cartas com Coune-Sifflet, o Madrac.o.
teremos a mesma benevolencia e o mesmo
amor para com elles c para com os leigos,
Queira seguir-me.
E dirigio-se aos dous forcados, que es-
tavam a um canto alastado, sobre o tron-
co de uma arvore abatida.
Grandval dispuuha-se a preparar Berto-
my para*eceberos seus dous filbos, porm
estes, nao podendo conter-se, approxima-
ram-se apressadamentc..
Bertomy eslava nos seus cincoenta annos
e apresentaria bom aspecto, se as fadiga*,
as privicoes e os ardores do clima a isso
nao bstassem. 0 seu rosto largo, as fa-
ces descahidas, tisnadas do sol e entu-
ra 'cidas pelas picadas dos insectos nao
olfereciam um aspecto sinistro, mas deno-
tavam um estado milito prximo do ero*
bruleciinento. 0 olhar era embacado ;
osfatos, des istradimente vestidos, e, alm
(Pisse, immundos, orara como um sacio
,qpc o envolva. O seu todo de abatimen-
to cMiitr.islava com o aspecto de Coape--
Sifilet, bailo, trigueo e leslo, cora um
olhar de tigre, era que transluziam os mais
vsinstinctos.
Aclwvam-sc ambos por tal forma embe-
tidos no jogo, que n3o deram pela appro-
ximaeo dos recwn-chegados. partid i.
prm. estava terminada, por quinto Gou-
pe-sifil.t, lancando as cartas umi apo^o-
ira sobre a mes* improvisad^ dina coiih
Voz rouqueolia ;
Trunfo, tronfo e nftls trunfo! Perdes-
te, meu velho, e a tua raeao pertonce-me!
E ao mesmo tempo apoderou-se de um
bocado de pao collocado n'ura tronco de
arvore o j meio coberto de formigas.
Mas tu ds-me a destorra, nao as-
Sim ?-redarguo o ontro em tora snpnli-
anle.
i Como to hei de dar a desforra f Tu
j nao tens que jugar.
Pois brtm : jogo a racao de amannM>i
Coope-Sifile estava em reflexSes, qaan-
repente vio o offl,:iaI e as outras pes-
soas que para alli se drrnjram. Ergueado-
, L.OUJ
4o'de
se de um pulo, disse disfarcadaraente para
o companheiro:
Olha os empregados Olho alerta,
velhote, que nos fisgara !
E poz-se ao largo.
O velho levanjou-se pausadamente, como
ipiem nao comprebondera o quo se pas-
sava.
Bertomy,gritou-lho o oflicial aqu
esto algunas pessoas que chegam de Fian-
ca para 0 verem.
De Franca ? repeli o toreado flco-
raaticamente.
E poz-se a encarar os recein-chegidos.
As feices dd Grandval e de Miguel pa-
reci'rain nao despertar n'elto recordaco
alguma ; ornando, porm, pira Josephina.
queacabava de amistar o veo da cara, sen-
tio ura leve estremecimento.
inri ?disse elle, como quem fallava
s Esta rapariga pirece-se... d-me
ares...
Parcrc-se com soa pobre m5 am a
sua querida Migdalena! exclanaou Jose-
phina cora voz vibranfe Entao nao rae
eonhece, meo bom pai ?
Ah a Josephina Iresponr'eu elle,
mais es[>antado do que alegreBous dias,
peqaen*. Fizeste boa vmgem ?
Josephina, sem poder fallar, lancon-se-
Ihe nos bracos. C bria de beijos o lagri-
mas aquelle rodo semblante, que seria re-
pugnante para outrem que nao foj se sua
lillia.
Bertomy recebia ostas caricias sere. se im-
pacientar, mas de uma manera pasiva, e
lizia plcidamente :
Sim, sim, s uma boa raparigi. bem
o seii e estiuias-me, apesar de... Fizeste
bem em vir ; eslou certo de qae a tua pre-
seaca mesera de refrigerio n'esta siiuafij.
porque, emfira, deves saber que nos ma-
tar aqu com trabalho, sem fallar do tor-
mento dos insectos, do calor e das doencas.
Mas qae me quer este palusco ?pergun-
tou Bertomy* reerindo-se a Miguel, j q
impaciente de partilhar as caricias pa
apertava a mo do degreda
ira os labios.
INDUSTRIA IMPORTANTE. Ninguem
er primeira vista qne a*febricaeo d'al-
guns objectos ipie parecem d ponea im-
portancia, constitua ura notavel ramo de*
Pois que, meu pai ? exclaman Jo-
sephinaNao o conhoce ? E' meir jrmo
Miguel. -.
Sjriamente ? Quera dira tal (..Co-
mo elle est crescido e forte Cora um
soco deitaria por Ierra ura viga !.. Varaos,
abraca-me tambem. meu rapaz Ora. mas
euj me esquecia do que elle me nao pode
comprobando!-1
1531; um compasso religioso atlribuidoa
Struilalla, 11130: um madrigal de Conver-
so, L">80; duas cancoes de Salvador Rosa,
1(560; alguns fragmentos de um concert
de Coselli, L>80; um compasso de Scarlati,
1720; um madrigal de Clari, 1095, um com-
passo de Buonomini, 1720; urna batata de
Curtolini, 1582: uma sonata de Cleraenti,
1800; uma sonata de Lotti, I7'tt: um do
buiTo del Matriiivilm, de Cimarosa, e ou-
tro coro de igual ndole, de Martini, 1700.
I \I ELEI'HANT-E ESMAGADO.-O en-
contr de um elcphante com um trem do
caminho de ferro um accidente sera exem-
plo at agora.
Deu-se este caso entre a estacy de Mir-
gapor e a do Sahelegonge, n'uma noite do
mez de dezembro.
O animal fazia parte de um rebanho de
setenta caberas, que se dspersatam, es-
pantadas pelo barulho da locomotiva, e, em
lugar de fugir saltn para os rais pRr fazer
parar o monstror qfte caminhava para elle
fumegando.
0 elephante foi logo esmagado pelo vapor
mas o choque foi to violento que o trem.
descarrilo
TREMOR DE TERRA.Os jornaes da
ludia contara akoins promeneres, a respei-
to um tremor d trra., que se tez sentir a
10 de Janeiro em Silchar, Cachar, A>sam,
e n'oulros distrctos inmediatos. Eis aqui
o que diz a este respeito 0 Engliskman:
. Era Assam sentiram-se abales muito
violentos: G >whalty solfreu menos do que
ShiHongo, Nowgong, Tempere, Nazira, e
Sechiangow. aomle as casas liearam muito
damnificadas. Os habitantes snranY para
tora das suas residencias no meio do susto
e do espanto ; os naturaes principahnente
eslavara cheios de terror. Mas em Chih-
tagong o susto foi ainda mais justificado ;
a trra alli ondulou por espaco de dous
minutos de sueste para nordeste.
Em Cachar, aonde o tremor de torra
toz maior effeito, ainda se sentiram abalos
nodia 13 : o bangiloi^o BiAlkiinddg e o
deposito d cha ahilerara. Em (ira em Sil-
cbar,.a prisa) licou demolida*, c os presos
tiverara de acampar n'um ponto prximo.
fe-Ios dosappa-
Nao ha
se a elles com voracidad^,
recer, resmungand:
Boa rapariga, boa gente-
nada como ter familia !
A ivfeieo, papdo-o do melhor humor,
dau-lhe confiana. Parece que nao suspei-
11\ i que os filos alli fossera na idea de
lhe proporcionar a evaso, de que apenas
vagamente Ihes fallara as suas cartas :
Bertomy dispunha-se a beja-lo, porm tarvezjMuno j se nao lembrasse da ex-
o surdo-mudo nao so conformou com esta
dennnstraco limitada : agarran impetuo-
sa raenle seu pai nos bracos o apertou-o
lireneticamente contra o peito.
0 toreado, depois de se ver livre dos
robustos bracos flliaes, disse com ar de
riso:
E que tal a torca do-bregeiro ?
Qu garrs I... Mis isto faz arranjo, por
que aqueHes qae me teem fotto pi ardas
Israo agora com quera haver-sa I
Grandval esperava qne Josephina O-pre^
senlassa a Bertony; porra,.sendo (jue era
esqn;cido, alfastou-se un pouco para o
tadd com o chefe de vigas, no intuito dp
dar toda a lberdado s'expanses l'aquella
infeliz familia.
Bertomy'fizera assentar seos- lhos n*
tronco de Uma arvore a seu lado; e j co-
mecavam a conversar sobre as coosas d
pas o oa viagem perigosa que os dous
mancebos haviam eraprehendido, {fiando
notouo0> costo que Josephina tinha aos pos,
fintlo, Josephina, perguntou elle
com ar de esfairaado lmbraste-le talvez
de me trazer alguma cousa do comer ou
Ibebur ? Isso viria a proposito, porque ha
muitos dus cpi.eu perco arainlia racaoao
jogo dos dados e das cartas... Conbqco
sou comido, mas nao'nosso resistir a
iflOto-l
Ee( qo me ia es^uecendi f... Po-
ba-pai I* B*. pessivel efm baba* softrida
[toa?
Va Le aa l'osse s isso i
Josaphina apressou-sa aastendon- aaaj
irelva alguns comestivais
oansiva apresentacao de sua lillia. Fossc,
n. con fosse,' interrogou-a sobre os
seus projeclos. Ella respondeu-lhe cm
voz bjlxa :
Visto que estamos sos e que talvez
nao tendamos outra occasio de fallarmoa
tanto vontad-. devo aproveita-la para lhe
faaea-uma pergunta sobre negocio que. ha
annos me preoecupa o espirito, e que, em
vista da sua resposta, lia de determinar os.
us passos.
Enfio o que ?
Josephina, aporoximando a sua cara da
do pai e tlxando-o attenta, disse-lhe pau-
sadamente :
Nao verdade, mu pai. que esl
innocente do crime que lhe imputam ?
Bertomy eslremeceu, como se fosse mor-
dido por uma vbora.
Nao fallera >s d'isso respondeu
elle com uma especie de rudeza Oca em
que diabo te lluvias agora do alrometter!
Ji digo, deixemos-nos d'isso ; o passado,
passado. Agora nao ha remedio. Nao
gosto de que me fallen da vida- passada.
PassetBos a outra eoustt... Qoeraa to jogar
acartas ou os dados '.' Jogo o que qul-
zeres.
E, tirandbda algibera un baramo de'
sebentas cartas, pozase a naralba-la* com
a maior destrua,
Josepbiin, porm, respondeu-lhe. com
um geste qna eap"'" mt& Sagrado,
tanta magna, qna o taralbo entrou logo na
lond saHira.
fOnutnuat) aa nuj^

i em S. Loureuco. Bertomy, taando-1 fT. W WUM^-Wfk I8 OUtES B,




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKGF1BH15_YGQEIQ INGEST_TIME 2013-09-14T00:50:35Z PACKAGE AA00011611_11802
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES