Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11795


This item is only available as the following downloads:


Full Text
_H_^HH_I
i II "lilil

i >'.
1
I '
ANNO XLV. NUMERO 63.
____--------------_-. ______________________ __
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE SAO SE PAGA PORTE.
Por tres mzes adiantados..................
*"* 'Por seis ditos idera............. ......
Por um anrio idem....................
Cada Damero avulso...................
6OOO
124000
24.000
*320
7V
SEXTA FEIRA 19 DE MARCO DE 1869.
_______________'_________ -
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados.................. 6#Z50
Por seis ditos idem.................... 130WO
Por nove ditos idem............*....... 200250
Porumanno...................... 27(jf000

PERMMBUCO.
Pl-opridade de Manoel Egiieira de Jara & Filhos.

__

SAO* felil-TEft:
Os Srs. Gerardo Antonio Arves d Filhos, no Para; Goncalves & Pinto, no Maranho; Joagnim Jos
4 Guimaraes Pancada, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, ifa P?"
em Nazareth; Francino Tavares da Cssta
no Natal; Antonio Joaquim
Braga,
SE
PARTE QUICIAL
Ministerio da jnstlca.
AVISO?.
Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 1869.Illm.
Exm. Sr.A 27 de Janeiro ultimo communeou
V. Exc. que harendo-llie participado o juiz muni-
cipal supplente do termo de S. Francisco, qoe o
respectivo tabellio e cscrivo interino nomcado
por -acto do antecessor do V. E\c. do 6 de agosto
do anno passado, entrara e se con.ervra no exer-
ecio dnsses ofticios, apezar de estar pronunciado
pelo delegado de polica por criine de tentativa de
moTtepuchando-se sustentada a pronuncia, decidi-
r V. Etc.. que Ilegal e competentemente perma-
neca aquelle serventtiario interino no ejercicio
do coreo, mas que, urna vez dado 0 facto, deviam
subsists todos os actos por ello regularmente pra-
tieados, bem como todos os dimites por este cria-
dos ou originados, competindo MsenMM geral
legislativaVevalida-los conforme diversas decisoes
do governo imperial. Informou tatnbein V. Rae.
queja estavam iniciados os processos contra os
i', sp.msaveis pelas faltas liavidas por occasio da-
quellc incidente, e que inmediatamente nao so an-
nullra o referido acto da presidencia de 6 de
agosto, mandando que o magistrado competente ti-
tease a nom> _cao intei-ina, como providenciara de
modo a seren postos em concurso os incucionados
oficios. E S. M. o Imperador, a quem foi presen-
te a communicacao de V. Exc, houve por bem
apnrovar o scu procedimento.
Deus guarde a V. F-xc -*J*t Mnrtiniano de
Venar.Sr. presidente da provincia do Cear.
Rio de Janeiro, 27 de fevereiro de 1869.Illm. e
Exm. Sr.A 17 de dexembro do anno passado
communicou V. Exc. (pie, declarado incompativel
o 2 supplento do jui/. municipal dessa capital por
ter aceeitado emprego de fazenda, e julgada sem
effeito a nnmeaeo do 6- supplente, foram pelo an-
tece-sor de V. Exc. nornead s Joan Jo< de Freitas
Guimaraes e Custodio Pires Garca, e no aiesnio
ineonipdiliilidade alludida
offlcio eonsalto-'se a
Rflhrtara vacancia de lugar.que pnttosse ser pie
enchido por outro supplente, e se se devem cons- que soliritoomie o major director
Fernando de Noronha.No vapor que segu para
esse presidio a li do corrente, teni de ir o tenente
do 8 ballhao do infantaria da guarda nacional
deste municipio que vai substituir ao tenente Jus-
tino Miguel da Costa, que a seis mezes se acha ahi
destacado, e que V. S. far regressar a esta capi-
tal na primeira opportunidade.
X. 360.Dita ao commandante do presidio de
Femando de Noronha.Havendo o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra determinado por aviso de 28 do
inez prximo findo, que V. S. se reeolha a esta ca-
pital, onde dever licar at nova ordein ; assim o
cominunico a V. S para que no prximo vapor
quesahir dessa ilha. siga para aqu, deixando o
rommando do presidio de temando de Noronha
ao tenente-coronel Sebaslid Antonio do Reg Bar-
ros, que para substitu r interinamente a V. S., se-
gu a li do corrente no vapor Giqui do compa-
nhia Pernambucana.
2" ser cao.
N. .161.Portara ao Dr. chefe de policaEm
resposta ao offlcio de V. S. de 18 do corrente, sob
n. 93, tenho a dizer-Ihe que fica approvado o con-
trato de aluguel da casa para o destacamento de
BdHitO pela quantia de dez mil res mensaes, de-
vendo ser o pagamento ellectuado pela thesoura-
rade fazenda.
N. 365 Dita ao mesmo. Inteirado de haver
sido transportado pelo respectivo delegado, o des-
tacamento que cstava na villa de Boa-Vista para
Petrolina, faca V. S. isto mesmo constar ao dito
delegado, advertindo-o de que por intermedio de
V. S. deve vir a correspondencia que fr dirigida
esta presidencia.
N. 366.Dita ao mesmo. Inteirado de quanlo
V. S. me participa em offlcio n. 340 de 9 do cor-
rente, tenho a declarar-! he, quequanto ao factooc-
corrido no jury de Garanhuns, ja foi elle trazido ao
conhecimento desta presidencia, que aguarda a n-
formaran do respectivo juiz de direito.
. 387.Dita ai mesmo.Respondendo ao "offl-
cio de V. S. de 5 de Janeiro ultimo, sob n. 11. te-
nho a dizerlhe que o delegado do termo de Sal-
gueiro, requesite dos chefes da guarda nacional a
torca que fr precisa para as diligencias poli-
ciaca.
N. 368.Dita ao commandante superior interino
da guarda nacional deste municipio.Annuindo ao
do arsenal de
derar subsistentes estas nomeares. I guerra m offlcio de 8" do corrente, sob n. 55, ex-
S. M. o Imperador, a quem foi presente a duvida peca V. S. as suas ordens, afim de que seja dis
que V. S. mande pagar ao padre Antonio Aragnetti,
que all se acha e contina a servir como f a-
pellao o que se Ihe dever do lempo em que exerce
aquellas luncces e na confrmidade do respectivo
contrato que para esse fim prorogado.
N. 379.Dita ao mesuao.Comimisico a V. S.
que, segundo ordenou o Exm. ministro da guerra
por aviso da 28 do mez prximo'Ando, foi chama-
do a esta capital, onde dever permanecer at ulte-
rior deliberacao, o commandante do presidio de
Fernando de' Noronha, Francisco Joaquim Pereira
Lobo, sendo substituido interinamente no dito
commando pelo tenente-coronel Sebastio Antonio
do Reg Barros, ao qual determinei que prtese
para sen destino no vapor Giqui, da companhia
Pernambucana, que salie a li do corrente, dei-
xando na colonia militar de Pimenteiras dpne c
abonadas
director o seu immedi to substituto.
N. 380.Dita ao mesmo.Firam
as
Thomaz de Albuqnerque Maranho, e havr man-
dado tavrar o temi de recebimento provisorio de
taes obras.
N. 392 Dita ao mesmo. Informe Vmc. para
ciimpriiiiento de aviso do ministerio da agricultu-
ra, corhmercio e obras publicas de JTde_W8Wiro
prximo lindo, se Joaquim da Fonseea Soares de
Figueiredo e Guilherme Lindoay continuam a exer-
eer nesla provincia a profesad de agrimensores.
4a seeco.
N. 393.Portara ao bispo diocesano.Na con-
formidalc do parecer que V. Exc. Rvma. se dg-
noo oniiltir em scu olllcio de 6 de fevereiro pr-
ximo fiudo, dispensfi o capelln tenente reformado
do exercito Fr. David da Natividade de Nossa Se-
nlioia, do lugar de primeiro capelln do presidio
de Femando de Noronha, c peco a V. Exc. Rvma.
se sirva indicar-ine o nome do mtasionar i do col-
egio ile S. Francisco Xavier dcstaeidade. que tem
taitas que por incommodo de sadc deu o juiz d di' substituir por contrato aquelle Iipellao, cont-
dreilo da comarca de Palmar nos dias 28 de -
fevereiro ultimo e 1* do eorrente.
N. 381.Dita ao mesrim Remetto a V. S. para
sua intelligeneia
aviso do mnistei
ultimo, acerca de congr
Rvm. bispo diocesano.
Aviso a que se refere a portara supra.
5" seccao.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio em 25 de fevereiro de 1869.
Illm. e Exm. Sr Communico V. Exc. que man-
do pr disposicao do Rvd. bispo diocesano, para
dar-llie a applcacao conveniente, em atten<_-.io ap
requerimento que fez, a quantia de 1:2164333 rs.,
resto da somma das congruas retidas no thesouro
nacional durante a s vaga, deduzida a despeza
das bullas de conflrniac/io na importancia de. .
1:633*667. comprehendendo-se naquella quantia
junta a de 3:909*678 rs., qne a thesouraria de
fazenda j Ihe cntregou, a terca parle das mes-
_Bi congruas destinada, segundo as dspos< -
vigentes, as obras da S. Dando conhecimento des-
la deliberacao ao inspector da thesouraria de fa-
nuaudo o exrcicio do segundo padre Antonio
Aragnetti. O que tenho a honra de participar a
V. Ese. Rvma., bem como que a li do corrente,
e execucao. a inclusa copia do ha vapor para o referido presidio, e milito conve-
lo do imperio de 25 de fevereiro ienle ser que lielle siga o novo eapellao.
le congruas devidas ao Exm. e N. .194.Dita a cmara municipal de Ilamb
Respondendo ao nfllcio qne em o de fevereiro pro-
i xifflo lindo me dirigi a cmara municipal da villa
de Rumbe, tenho a dizer-lhe que essa cmara a
compleme para mandar procedersarremataedes
dos nUpostos que nao Toram feilas em tempo pela
cmara transacta.
N. 395.Dita ao gerente da companhia Pernam-
bucana.O Sr. gerente da companhia Pernam-
bucana mande rereber e transportar para o pre-
sidio de Fer >ando do Noronha, por eonta do mi-
nisterio da guerra no vapor Giqui. os ohiectos
mencionados na relacao junta, assjgnada pela se-
cretaria do gpverno, que sao pagpklli remettidos
pelo corrector geral tciientc-conap Francisco de
Miranda Leal Seve, por conta da fazenda na-
cional.
N. 396.Dita ao mesmo.O Sr. gerente da com-
Sdronio Lydio de Oliveira Magalhaes.Informe
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Reparii?So da polica.
2* seeco.Secretaria da polica de Pernambuco,
18 de marco de 1869.
N. 401.Illm. e Exm. Sr.Teaho a honra de
levar ao conhecimento de V. Exc. que, segundo
consta das partieipacoes recebidas hje nosta re-
particao, foram hontem recujhidos casa de deten-
cao os seguintes individuos.
A. minha ord.-m, Mauoel Thomaz de Aquino,
como indiciado em crime de roubo na provincia
das Alagoas.
A orden i do subdelegado dos Afogados, Marce-
lino, escravo de Augusto de Souza, por andar fa>
gido.
Deus guarde a V. ExcIllm. Exm. Sr. conde
de Baependy, presidente da provincia.O chele de
poileia, Francisco de Furia Lenws.
PERNAMBUCO.
zenda, far-fhe-ha V. Exc. sentir que nao foi regu-
lar o seu procedimento dispondo das referidas
congruas, como explica na informaco que por
panhia Pernambucana faca receber e transportar
para o presidio de Fernando por conta do ministe-
rio da guerra no vapor Giqui. o fardamenlo e
copia acompanhou o offlcio de V. Exc. n. 102 de urna machina de descarocar algodao, tudo acondi-
de V. Exc, liouve por bem decidir que, sendo in
coiitestavel a vajg do 6" supplente, valida e sub-
sistente a nomef^o do primeiro daquelles cida-
dos ; mas nao assim a do segundo, porque s nos precisos os seus serviros como offlcial da offleina
pensado do servico do aquartelament, o guarda
nacional ta 3* companhia do 1 ballhao de arli-
Hiana Salusliano Gomes dos' Santos, visto seren
casos expressos no art. 7 do decreto n. 2,012 de 4
<}e noveinbro de 1857 podem ter lugar novas no-
meacods de supplentes de juizes municipaes.
De'us gnarde a V. ExcJos )fhiiinirtno de
NAntflr.-Hr. presidente da provincia do Ama-
zonas.
Rio de Janeiro, 28 de fevereiro de 1869.Mlm. e
Exm. Sr.Em ofllciode 19 de fevereiro de 1866
representou esta secretaria de estado o 4o juiz de
pa da freguezia d,> Engenho-Velho que, no impe-
dimento do 3" juiz de paz para presidir a junta de
qualiflca-ai de votantes da nova pnrorhj no Divi-
no Espirito-Santo, assuinira a juri e proceder a convocaban nos innios da le, nao
tendo occaslo de pralicar mitro qualqner acto;
mas, havendo o juiz substituido, sem Ihe ter feito
nova communicac. reassnmido o rxercicin de
suas fnncees, se abstivra de cxerr-la< desde
entao, para solicitar do governo imperial una de-
11 iracao sobre a regularidade de seu procedimen-
to. 8. Al. o Imperador conformando-se con o pa-
recer da secc > dejastica do cnnselho detestado
de 28 de setembro de 187, por sua immediata re-
solucao de 13 de Janeiro passado honve por bem
decidir:
1. Que as funrroes eleitoraes nao sao conside-
radas parte integrante da jurisdieco civil.
2." Que indispensavel em todo o caso a com-
ninnieaeao offlcial para transmisso e devoluco da
jurisdiego.
Heos guarde a V. ExcJos Mortimano de
AtMMr>-_r. presidente da provincia do Rio de
Jaueii"
CioTerno da provincia.
EM_N_m ASSICNADO PKLO F.XM. SR. CONDE DIO n.\E-
prndv naaaam da provincia, em 10 de marco
i pe 1869.
i.* seeco.
N. 351Portara ao Exu. Sr. general comman-
dante das armas.Na confirmidade do que me
foi ordnalo pelo Exm. ministro da guerra em
aviso de 28 do mez prximo lindo, haja V. Exc.
de determinar ao coronel Francisco J >a piim Pe-
reira beato, commandante do presidio de Fernando
de Noronha, que no primeiro vapor que dAlli par-
tir se recolha a esta capital, onde permanecer
al nova ordein. Para s ihstimir aquelle oficial no
commando interino do referido presidio, foi desig-
na I pelo mesmo Exm. ministro o tenente-coronel
S ba *_ i Antonio do llego Barros, que dever se-
guir para seo destino no vapor que sahe a li do
correla ; deixand > a do ecco da colonia militar
de Pimenl.-iras, onde servia, ao respectivo substi-
tuto immediato.
N. 355.Dita ao mesmo. Solicitando o major
director do arsenal de guerra a nomeacao de um
offlcial, q'ie auxilie o ajulanti do mesmo director
nos tratiatho- do bataneo geral a que, sob requlsi-
c51 da commissa i de syndicancia, se est proce-
dend nos armazens do almoxarifado ; rerommen-
do a V. Exc que haja de designar um offlcial pa-
ra faier o servicii indicado.
. 356.Dita ao mesmo.Tendo resolvido dis-
I nsar Ff. David da Natividade de Nossa Senho-
ra, capelln tenente reformado do exercito, do lu-
gar di primeiro eapellao do presidio de Fernando
de Noronha ; assim o coinmunico a V. Exc. para
qne expeca as convenientes ordens nesta confr-
midade, icando na inlelligeacia de qne pera subs-
tilui-lo. ser nomeado oppifftrmarnente um outro
ecclesiaslico do collegio de S. Francisco Xavier
i Indica o Exm. bispo diocesano
fmmo a ihesoraa de fazenda
I se dever ao pa 1ro Araguato, que
f ie segundo eapeDao no dito pre-
12 de novembro prximo passado, porquanto, dc-
pendendo o pagamento das congruas da s vaga,
pois consifleram-se em deposito no thesouro, de
orden deste ministerio, que nico poda conhecer
as despezas feitas com as bullas de'conllrmaco e
ciouado em Scaixoes, que por jiorte do director do
arsenal de guorra ser reiitettido para bordo da-
quelle vapor.
N. 397.Dita ao mesmo.O Sr. gerente da
companhia Pernambucana mande dar passagem
desta cid ule,
ilaTa*
qoe pague
occiqia o'
sidio.
N. 357.Dita ao director do arsenal de|fiorTa.
__Accuso recebido o offlcio que V. S dirigio-me
em 8 do corrente, sob n. 56, solicitaado a nomea-
cao de um offlcial para auxiliar o ajddante dest
directora nos trabalhos do balanco geral a que
a pedido da commissio da syndirancia se est pro-
cedendo nos armazens a cario do almoxarifado
desse arsenal, e em resposta tenho a dizer-lhe qoe
nesta data recoiflmndo ao general commandante
das armas que nomeie um offlcial para o servico
indicado.
N.358Dita ao mesmo. tommnmco a V. .,
uue segundo ordenou o Exm. Sr. ministro da
guerra por aviso de 28 do mez prximo findo, foi
chamado a esta capital, mide dever permanecet
at ulterior deliberacao, o commandante do presi-
dio de Fernando de floronha, coronel Francisco
Joaquim Pereira Lobo ; sendo substituido interi-
namente no dito coinmando pe'0 tenente-coronel
Seba-tiSo Antonio mine que prtese para seu destino no vapor bi-
Sui da companh Pernatnlmeai, qB salie si*
o corrente, deixando na colonia militar de Pi-
menteiras, de qu director, o seu immediato subs-
tituto.
N. 3:. Dita ao eotmaanuitedo p>esMb-
de lerceira elasse dai|uelle arsenal.
N. 369.Dita ao commandante superior da guar-
da nacional do Rio Fonnnsn.Em vista da resposta
documentada que den o delegado de polica do ter-
mo do Rio Formoso, acerca das aecusacoes con-
tra elle feitas pelo commandante interino do bata-
lhao n. 2 de arlilharia sod seu commando supe-
rior, por seren improcedentes, nada ha a provi-
denciar por osta preridencia.
N. 371).Dita ao commandante superior da guar-
da nacional de Tacarat.Inteirado dcqiianto V.
S. me parlicipa em scu offlcio de 19 de fevereiro
ultimo, recomniendo-lhe qne me d parte do re-
sultado que tiver asna requisicao ao tenente-coro-
nel Amonio Seralim de Souza* Ferrae para a en-
trega do archivo desse commando.
. 371.Dita ao juiz de direito da 1- vara desta
ridadeDeclarando o governo imperial, por aviso
do minislerio da justira de 25 de fevereiro prxi-
mo findo, em resposta "ao offlcio desta presidencia
que acompanhou o requerimento do poiteiro dos
auditorios desta capital, que nao tem esse serven-
luario direito ao pagamento de despezas feitas con
expediente e aceio dos mesmos r.uditorios, SSim o
communico a Vmc. para seu conhecimento, c afim
de que o faca constar ao mesmo serventuario.
N. 372.Dita ao commandante do corpe provi-
sorio de pnlicia.Crtmpre que Vmc informe por
que motivo anda nao foi devolvido a esta presiden-
cia o processo do alferes desse corpo Miguel Joa-
quim do Reg Barros, que tendo subido para a
junta de justica, afim de ser julgado em superior
instancia, dela baixou em 2i de fevereiro ultim,
para se juntaran ao mesmo processo diversos do-
cumentos, que o nao foram por occasio da sen-
tenca do conselho criminal. A demora deste jul-
ganiento prejudicial nao s disciplina do corpo,
como ao offlcial processado, que se acha preso
desde dezembro do anno passado.
N. 373.Deliberacao.0 presidente da provin-
cia, de confrmidade com a proposta do tenente
coronel commandante do 3 batalbad de iufautaria
do servico activo da guarda nacional do municipio
do Recife, e informaco do respectivo commandante
superior datada de 8 do corrente sob n. 32, resol-
ve nomear os offlciaes seguintes para o referido
batalho:
Estado-maior.
Tenente-quartel-mestre, o alferes-secretario Jos
da Silva Loyo Jnior.
1." companhia.
Tenente, o alferes da 2" Jos Bom Ramos de Oli-
veira.
2.* companhia.
Capilao, o tenente da 1* Antonio Jos Mauricio.
Alferes, Jos Pedro dos Santos Neves.
3.* companhia.
Tmente, o alferes da mesina Jos Lopes do Oliveira
4.* companhia.
Teitente, o alferes da mesnu Manuel Gomes de
Figueiredo Castro.
Alferes, Antonio Jos Alves de Carvalho.
Alferes, Manoel Odilon de Lima Viraes.
7." companhia.
CapitSo. o tenente dS V Manoel Marques d'Abreu
Porto.
Alferes, Francolino Deodato Rodrigues Ferreira.
3" seccao.
N. 371.Portarla ao inspector da thesouraria de
fezenda.Transmiti a V. S. para os flns conve-
_i.*ifcs a inclusa eopia do termo de arremaiacao
dos concertos neressaflbs no quartcl do deposito
especial de instrueco ssignado pelo arrematante
Thomaz de Carvalho Soares Brando Sobrinho e
seu liador o bario do Livramento.
N. 373.Bita ao mesmo.Annuindo aoquo soli-
citou o director do arsenal de guerra em offlcio de
hontem sob n. 57, recoimncndo a V. S., que em
vista da coma Jnnta em dirplif ata mande pagar a
quantia de 250, porque foi comprada, em virtude
nordkm desta presidencia, urna machina de desea-
rogar algodao, pelo systema denavalhas, com des-
tino ao breHdio'dc Fernando.
N. 376.Dita, ao mesmo.Recommendo a V. S.,
que, em vista d pret junto em duplcala, que me
remettra o commandante superior deste municipio
com offlcio de 8 do corrate soB n. 33, mande li-
quidar e pagar oque justamente se dever trt
vencimentos correspondentes ao uiez de fevereiro
ultimo do guarda nacional do 3o batalho de in-
fantaria, Jos Lonrenco de Vasconcellos, qfle se
acha em tratamento na enfermara militar.
N. 377.Dita ao mesmo.Mande V. S. liquidar
focar a somma que caba ao novo prelado, s Ihe | no vapor que segu a fi do correte para o pre-
era permiltdo pagar a congrua vencida do da da sidio de Femando de Noronha, ao tenente do 8*
posse'em' diante, e nao entregar a parte que entre- batalho da guarda nacional deste municipio Jos
gou, e a oofltar do da Ia de julho de 1867 at Antonio de Albuqnerque Pedrosa, que vai desta -
aquelle da, nem relacionar como divida de tter- car uaquelle presidio em substituicao ao tenente
cicios lindos a outra parle correspondente ao tempo Justino Miguel da Costa, que all se ach:
decorrido desde o fallecimento do antecessor at I regressar a esta capital.
REVISTA DIARIA.
CORPO DE POLICA.Por deliberacao da pre-
sidencia da provincia, do hontem, foi exonerado
de alferes da quinta companhia deste corpo o Sr.
Miguel Joaquim d. p Kego Barros.
TRILHOS URBANOS PARA OLINDA O Sr.
Andr de Abreu Porto pede-nos que declaremos
que nao contratou nenhum einpregado para esta
einpreza, de qnalquer que seja a cathegoria.
PROCISSAO DE TR1UMPHO. Hoj.; tarde, a
Ordem Tercera do Carino expoe vista di fiis
a procisso dos Passos do Senhor, para o (|ue na-
da ponparam. O tinarario a percorrer comprehen-
de as ras da Gamboa do Carino, Flores, Nova,
soes nao faeam oUes desordens, resultando deltas,
muitas \-itah-, furimeatos e at inorte.
Contra estos escndalos tem cunstaiiteiuenta_ra-
oado a iinprensa joi nabstica, pedndo com instan
ei piovideneias a polica, pois que m desordclros
sao em sua totalidado esclavos.
O actual chefe de polica, como o seu aateets-
sor, ha procurado remediar o mal. providenciando
no sentido de. seren eorreceionados brandaae_te
os escravos apanliados as frentes das msicas:
em virtude desta providencia foram presos em
frente do qiurtel de polica, omle toca va a msica,
uns vate moleipies, (pie de volta da procisso la
ziam um alarido infernal no.sno portad do quar-
tcl como em algumas ras pioximas.
Para evitar despezas, e incomodos aos seouo-
res dos escravos, ordenou que osseoj estes escra-
vos castigados, com unwi iluzia res, e com duas os outros, raspadas as cabecas, e
postos logo em liberdade: e assim fielmente se
cumprio.
Esta medida que geralmente agrulou, nao me-
receu a approvacio da gente do Liberal, que le-
vada, por um mal entendido espirito de elasse,veio
a mprensa qualilical-o de escandaloso, e, occidtan-
do a condiccao dos asaigos perseguidos, declarar,
que houve recrutamento e espaucamento dos rc-
crutados.
J v, porlanto, a leitor que amplamentc est
justificada a epigraphe que lomamos para este ar-
tigo :Escandalosa mentir* do Liberal.
30 do junho de 1867. Diverso o caso inv.wado
pelo inspector da thesouraria occorrdo com o his-
po antecessor D. Manoel do Reg Medeiros, visto
ter Iftvidip exppssa autorsacao do governo para
a entrega da somma, especificndose a applcacao
de cada una das tres partes das congruas ven-
cidas sede vacante, sendo-lh dada toda a parte
destinada ao sed transporte e s despezas das bol
las por te-las elle pago em Roma. Deus guarde
V. Exc.Paulino Jos Soares de Souza.Sr. pre-'
sidente da provincia de Pcrnambnro.
Cnmpra-se enviando-se por copia ao inspector
da thesouraria de fazenda. Palacio do governo, 8
de marco de 1869.Conde de Harprndy.
N. 382.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Depois de liquidadas em vista das contas .
e relacoes juntas, as despezas feitas com o sosten-! Qttfm os 8 caxoes, contendo_ o
to dos'presos pobres da cadeia do termo de Cim- machina de desc-irocar algodao,
bres, durante o semestre de julho a dezembro do para all remettida.
armo prximo passado. mando V. S. pagar sua N. 400.Dito ao mesmo.De ordemvde S. _xr.
importancia a Antonio Joaquim Fernandos, confor- n awpreddente da provincia declaro JV.8. em
me nlicilou o Dr. chefe de polica em offlcio de ffesposta ao seu offlcio de 8 do corrente, sob n. 5o,
1_____ --l N. 398.Dita ao mesmo.O Sr. gerente da
companhia Pernambucana mande dar una passa
gem di: estado a r at o Rio Grande do Norte no
primeiro vapor que para all .-eguir, a Antonio Fa-
enndes do (aslro.
KXPKDIKItTK ASSICft\DO l'KI.O SH. DR. JOAQUIM CORR El A
DE AI1AWO, SECRETARIO DO GOVERNO, KO DA 10 DK
M\RCO DE I8C9. .
1" seccao.
jf. 399.Offlcio ao director do arenal de guer-
| ra.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, declaro a V. S. em resposta ao s?u offlcio
de 8 do corrente, sob n. 54, que nesta data fica
expedida a conveniente ordem a gerente da com-
! panhia Pernambucana, para que Taca receber e
transportar "para o presidio de Fernando no vapor
faldamento c a
que tem de ser
em vista da folha o pret nominal, juntos em uupli-
cata" os veelmenfos relativos ao mez de fevereiro
ultimo, do offlcial e pracas destacadas na cldade
de Goyann, e pagar o tfn jfttamehle se dever de
taes vencimentos. ao alferes Amerieo de Medeiros
Albuquerque, conforme solictou o commandan'e
Inperfor daqaella Coitirca em offlcio de 3 do
corrente. ,.
Dtta ao mesitto.'Communieo aV. S.
tolligencia, que nesta data dispense!
a .Natividade de Nossa Senhora, teen-
do exercito, do lugar de 1 capello
d^Ftt-aiwo de Noronna; e cumpre
hontem sob n. 339.
N. 383.Dita ao mesmoAttendendo a requi-
sicao do tenente-coronel commandante do corpo
de polica, mande, V. S. abonar ao rapito do mes-
mo corpo Gamillo Augusto Ferreira de Almeida,
assim como 16 pracas que sc para o municipio de Nazareth, dous mezes de ven-
cimentos, a contar do 1 do corrente, e mais ao
dito capilao a quantia de 305, como ajuda de cus-
to de ida e volta.
. 381.Dita ao mesmo.Na confrmidade do
que requisilou o tenente-coronel commandante do
corpo provisorio de policio, mande V. S. abonar
a o alferes do mesmo corpo Antonio He rique de
Miranda, assim como a 26 pravas que seguiram
em deligencia para o municipio de Serinhcm, dous
mezes de vencimentos a contar do 1 do cnrrente.e
abonar ao dito alferes a quantia de 303000, como
ajuda de custo de ida e volta.
N. 385.- Dita ao mesmo.Transmitto por copia
V. S. para seu conhecimento e fins convenientes,
o offlcio de hontem, sob n. 97, em que o chefe da
repartico das obras publicas declara acharem-se
concluidas as obras do 6" lanco da estrada do Li-
moeiro, de que arrematante Manoel Thomaz de
Albuquerque Maranho, e haver por isso mandado
lavrar o termo de entrega provisoria daquclla
obra.
N. 386.Dita ao mesmo.Ao delegado do termo
de Iguarass, ou aosen procurador, mande V. S.
pagar, depois de liquidada, em vista da folha junta
em duplcala, que rae remellen o Dr. chefe de po-
lica com offlcio de hontem, sob n. 334, a importan-
cia que se estiver a dever, proveniente do fonieci-
mento de luz e agua, feito ao quartel do destaca-
mento daquclla villa, i contar do i"'de Janeiro at
25 de fevereiro deste anno.
N. 387.Dita ao mesmo.Accuso recebido o
offlcio que V. S. me dirigi era. 8 do crrante, sob
n. 125, acomp.inliado de duas relacoes, sendo una
das prestacoes ue contratos pagos ua semana ulti-
ma e outra das que deixaram de ser satisfeitas pe-
los motivos n'elle declarados. Em resposta ao ci-
tado offlcio, tenho a dzer, que das quantias j li
qudadas mande pagar em vista do competente
certificado a quantia de 26:7oinJ690 rs., que se
dove ao enipreiteiro co calcamento desta cidade, e
de que faz menrSo a segnnaa de taes relacoes.
N. 388.Dita ao mesmo.En resposta ao se*
ollicio do 1* do correte sob n. 114, remetto V.
S. a inclusa copla da ordem do thesouro nacional
n. 223 de 4 de dezembro do anno passado, afim de
3ob faca constar o contedo d'ella ao thesoureiro
as loteras desta pmvinria, para proceder nos ter-
mos da ordem do mesmo thesouro n. 104 le 16 de
maio daquelle anno tamben junto por copia.
N. 389.Dita ao mesmo.Em vista da fulh
junta epa duplcala, que ue remettou o coman-
dante superior do municipio de P d'Afno com
oITleio de 7 do corrente, mande V. S. liquidar o pa-
gar os vencimentos a contar do Io a 22 de dezem-
bro do anno prximo pas*_3o,,do alferes Jos Joa-
quim de Oliveira. Julgo conveniente declarar-lhe
que esse offlcial era commandante do destacamen-
to existente naquella villa, e continuo- nessa wni"
misso at o mencionado da 2?. em que foi dispen-
sado, porque s ne-sa data tere o commandante
do respectivo baialho sclencla la tabella de 5 de
novembro. do memo auno, qne du o$v fansa-
p abs destacamentos de guardas nicionaes da
irovincia.
N. 390.Bita ao chefe da repartic.p das obras
jue" fica expedida a necessara ordem u entornan
danto superior inierino da guarda nacional.deste
municipio, aflnrde que seja dispensado do servico
ilo aquarlellaniento o guarda d. 3a companhia do
i-batalho de artilhara, Salusliano Gomes dos
Santos, visto seren ahi preci-os os seus servico.-
como offlcial da offleina da 3- elasse desse estabe-
lecirento.
jj_ 401.Dito ao mesmo.Nesta data aulonsou-
se a thesouraria de fazenda a pagar a quantia de
2505000, constante do offlcio de V. S. datado de
hontem, c sob n. 57, o qual fica assim respondi-
do de ordem do Exm. Sr. presidente d:> provin-
cia.
2.1 seccao.
N. 402.-Offlcio ao Dr. chefe de polica.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S. que fica inteirado de quanto Ihe participou
em offlcio n. 336 de 9 do corrente, quanto aos fac-
los criminosos occorridos em Bonito.
N. 403.Dito ao mesmoS. Exc o Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S. em
re-posta aos seus officios de hontem, sob ns. 331 e
339, que nesta data antorson-se a thesouraria
provincial a pagar ao delegado do termo do Igua-
rass, ou a jiessoa por elle autorisada a quantia
de 20_360, c a Antonio Joaquim Fernandes a de
1795600 constantes de taes ollcios.
N. 404.Dito ao commandante superior interi-
no da guarda nacional deste municipio.O Exm.
Sr. presidente da provincia manda declarar a V.
S. que ficam expedidas as convenientes nrdens.no
sentido de que trata o seu offlcio n. 31 de 8 do
corrente
N. 405.Dito ao commandante superior da
guarda nacional de Goyanna.S. Exc o Sr. presi-
dente da provincia man resposta ao seu ofllcio de 3 do correte, que a
thesouraria de fazenda tem ordem para pagar ao
aireres Ameriro de Menezes Albuquerque os ven-
cimentos enlistantes do citado offlcio.
N. 406.Dito ao commandante superior da guar-
da nacional de Pao d'Alho.0 Exm. Sr. presiden-
te da provincia, respondendo o offlcio de V. S., da-
tado de 7 do corrente, manda declarar que the-
souraria provincial tem ordem para pagar os ven-
cimentos do ofliial, constante de seu citado offlcio.
. 407.Dito ao juiz de direito da comarca de
Palmares.O Exm. Sr. presidente da provincia,
manda declarar a V. S., que foram abonadas as
faltas, que por encommodo de saude deu V. S.nos
dias 28 de fevereiro findo e 1. do corrente.
Crespo, Imperador/ Pedro It, Queimado, Livra-
mento, Direita, Terco. Marisco, Martyrios, Hurtas,
a recolher-se.
FORTALEZA DO BURACO.-Rectficando a no-
ticia que demos puf i_forin_Q_> de pessoa de con-
fianza mas teiiiorata, sobre o deposito de plvora
desta fortaleza, temos a dzer que ha ah lodo o
zlo e cuidado da parto do seu digno commandan-
te, o Sr. coronel Leal; e que tqdas a- providen-
cias necessarias a evlar:se um desasir, acliaiu-se
tomadas, tanto quanto permilteiu a grande quan-
ldado desse genero depositado nos paies e o li-
mitado espaco que medeia entre a pr.ca d'armas
e os depo.-itos, cuino verificamos por nos mesmos
e no qual os empre/ados viven o preparam
sustento, bem como onde habitam as pracas que
compoe a guarda, de ordinario formada de guardas
naciunaes do matto, iiiexponeutes e pouco zelosos
do servico que Ibes incumbe.
VILLA DO CABO.Domingo ter lugar o ulti-
mo sermo da prsenle quaresma. A concurren-
cia extraordinaria da populaco, o espirito religio-
so e o recolliimento, dizem-nos d"alli, que presidi-
r m sempre esses actos, tornaram-os muito im-
portantes. O Rvm. padre Viauua prunou sempre
pela conciso e clareza de suas predicas, pelo
que sao all todos unnimes em elogia-lo.
RECT1FICACAO NECESS.YIUA.^-Convn que,
para evitar qulquer juizo menos lisongeiro, rec-
tifiquemos a noticia que en nossa Revista demos
sobre o passamento do Sr. Guilherme da Silva Gui-
maraes, em Lisboa.
A senhora que se refere a deixa de que falla-
mos a Exma. Sra. D. Emilia da Silva Guimaraes,
irma muito presada daquelle senhor, sendo essa
dcixa de 5:000-5000 fortes.
LOTERA.A ipic se acha venda a 991 a be-
neficio d;i groja de Nossa Senhora da Soledade
desta cidade, que corre no da 24 do corrente.
PASSAGEIROS.Vindos de Goyanna no vapor
brasileiro Mam'inyuape:
Tranquilino Anuines e sua senhora, Manoel Jos
de Araujo, Francisco Honorio Rezerra de Menezes,
sua senhora e dous escravos, Manoel Goncalves
Nones Machado, Elza de Castro Villela, Jos
Alvos P. Guaberaba, Antonio de Oliveira Maia e
Manoel Antonio Pereira.
Saludos na barca portugueza Gratidao, para
Lisboa:
Jos Luiz Sampayo Costa e Francisco Bernardo
Braga Jnior.
JfOLLilOA LNTEiiNA
publicasInfarmaJT
T__BI__
gn de PeaW _7 TlrflawBPtnf
ment,
N. 3. -M| ao
officiomiTtt mejmgto
achatem-s cfwTchiicJffl as ob'
aros de que
[ raes do Un-
itivo or^aj-
itado, pelb
n. 97, o>
icada es-
trada do ljfeMeiro, de que arrematante Manoel
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DA 17 DE MARCO
DE 1869.
Agosnlw Tavares PiresInforme o Sr. coro-
nel commandante superior interino, com urgencia,
enviudo o do ballhao.
Ignacio Bento de Loyola.Ao Sr. inspector da
thesouraria provincial para informar.
.Joaquim Jos da Silva Gato.Entregue-se, pas-
sando recibo.
Jos Elias Machado Freir.Informe o Sr. ins-
pector do arseoal de marinha.
.Joaquim Lucillo de Siqniira Varejo.Informe
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Jos Antonio # PaulaInforme o Sr. coronel
commandante superior da guarda nacional deste
municipio. _.,
Teaente Joaquim Facundo de Castro e Silva
tnfuraie o Sr. commandante superior i:RerinD.
Joaqaim Francttcode Paula.Informe o Sr. |e-
neral commandante das armas.
Dr. Um Ftrwlr d Sdva.^Transmitta-s.
elino de Luna Freir.foforme o Sr. ms-
da thesouraria proviocial. .,
le Sltpwlra Varejio.-A vis
MiMnnfa meda-*e a prorogac) pedida.
ligue Arcltahjo Pereira do Reg.Pgue-se.
Partido conservador.
( A PEDIDO. )'
ESCANDALOSA MENTIRA DO LIBERAL.
O leitor nos desculpar a acrimonia de lngua-
gem, que somos obrigados a ter para com a des-
lavada gente do Liberal. Nao possivel dispensar
cavalhoiiisino com quem nao o merece. O trata-
mento do arrieiro deve ser diverso do que se pro-
digalisa ao hoiuu de tina educaej.
A quem Vive insultando i torto o a direito, ap-
pellidando todos os adversarios dfetadres e as-
sassiuos,nd havenios de responder com louvores e
elogios. .
Si nao deseemos a lles para dizer-lhes, que
os verdadeiros ladros, assassinos e ebrios estao
com el les, ao menos diremos que a mentira pa-
trimonio da gente que redigo o Liberal.
Assim repetiremos que no Liberal de 13 do cor-
rente mentio-se com escndalo e perversidado,
quando se escreven o seguinte
4 ESCNDALO E ESPANCAMENTO DENTRO DO QUARTEL
DK POLICA. ))
t Acba de prticar-se no referido quartel, um
verdadeiro escndalo, urna arbilrariedade no-
jenta. A' pretexto de recrutamento mandarain
tocar a msica na entrada : como era natural
reuq-sa gente. _* : i
Prnpam-se todos quantos poderam ser apa-
t ntiadT_fu>cIusiTe menores e at meninos.
t A rede estenru-se a algumas mas adjacen-
tes. Fu Mais um recurso desasado e infeliz
para roerular.
O que se praticou depois, porin, revoltou a
todo o mando.
Reedlheram-se os rceratados pnso respee.
tiva do quartel. Ahi forap castigados com bolo.
at inchar e arrebenta|fts mos, raspando-se
ao depois a caneca. 0
Na occasio de serem sollos, achava-setviu
urna fila de soldados, que aroitava a chpala,
pau e junco, a Mda um de per si, fazendo-os
correr ate o porlao. A un que corri debaixo
da solfa pkisica, por cambalear, ao chegw
porta, sobre inna praca, esta o castigou a n.m-
nos de espada! Era Hua risota, tf^r'* ^
tal Mmtedo que de tonge, verdae, *r"l
,< davao circo dos gladladuree "" i,Sa"'l
por iu. a autoridade d'W ^ vandmr e
ao ultimo grao. Que corpo de polica T A que
commandante e offkiaesesu cnlfegue?
. Eis, em materia de rVruHameito totno i
taara ntende a boa ctec^to dasi tela que con-
stitue um artigo do programma Itaborahy.
ftidt. quanto fica transenpto e pura invencao.
Todos nos somos jestemuBhas do procedimento
que tem.* molegocs, que seguem sempre as oai-
sicas mifttares. Na lia um s dili, em que por de
casio dfe paradas, oil aeompanhtbento de procis
A PnOFISSAO DE FE DE UM LIBERAL
(Condusao.)
Ter provavelmente, parecido a mutos demasa
de prolixidade a rezenhaprefunctoria e accelerada,
que fizemos dos motivos que deram causa ao pas-
samento de dez ministeriosdo 4 de maio de 1857
ao 3 de agosto de 1866.
Sem recsannos, por npiniatica hombridade, a
corripetenm dos que assim acoimem o metiiod
de discusso por nos adoptado, allegamos porm,
a necessilade imperiosa de urna demonstracao pela
analyse dos factos, em que se levantavam os _"
tellos havidos por inexpugnaveis no conceito inte-
ressado dos seus altivos architectos e alvcneres.
Tem o liberalismo laucado conta da cora a
queda dos ministerios e __ situaQoes, como ex-
tremo ilo arbitrio, como sasfaco ao gosto capri-
choso de ehectuar na poltica tl<> paiz repentina- e
inespei'adas transformacoes. +
A increpaco sobrcmaneiri injusta. E' atre-
vido assalto verdade, clara e patente nos factos
corridos face do munJo desde a maioridade.
Para repellil-o basta apuntar para os factos, sem
mais observacao, sem mais eomtnento.
Para desvanecer o negrume da calumniosa as-
sed I serco, surge, com os resplendores de astro bri-
Ihante, a luz pura da historia, supposto ainda con-
tempornea.
Invocamos, pois, o tcsteniunho da historia no
decenno ultimo. E a historia, documentada com
as palavras authenticas e offlciaes dos proprios
actores desse vasto srenario, a historia restabelc-
eeu a verdade, em vo senrucida pelas nevoas de
prfido vilu|iero.
E quando o sophisma, senlpre arrejado em suas
aggres-oes, sempre soberbo apezar de completos
desbaratos, persisto em sua habitual temulencia,
emperr na sua congenial m f, e repila as sedi-
cas argucoes j justicadas perante a razad, pe-
ante os factos, sirva o que haveiuos dito de pro-
testo enrgico.
Todas as vans que ousar apresentar-se com a
sua caracterstica desenvoltura, os factos que in-
dicamos, em sua eloqiiencia, Ihe lolheram a voz
as fauces.
Que valor, porlanto, ficou tendo as palavras do
Sr. Urbano, na corta aos owns comprovincianos,
enunciando em quarta ou quinta edieco o mes-
mo pensaineiit'P: A coroa e soaieule a cora
|wde crear e derribar situagoes .'
Sendo como invei'tiva. vale urna simples trivia-
ldade, em que se desabafa o pessinismo, cosiu-
mado recurso do despeito, quando por outra ma-
mira Ihe nao dado apascentar-M. Dissipa-se
pela analyse dos fados esse alicerce de seu appa-
raioso edificio, e quanto escroveu o Ilustre pet-
naiubucano esvac-se em palavras sonoras, mal ah-
nhavadas em geral.
O painel do Sr. Urbano precisa de grande c ra-
dical reforma. Nem na escolha e applicaco das
cores, nem na delicadeza dos traeos e toques, nem
na distribuir*) da luz e sombra, nem no desenho
das figuras, nem as linbas caractersticas das per-
sonagens, acensa a mo de mostr.
Analysado, nao mais que imitco poueo ar-
tstica de outros particeioi, em que pintores, alias
experimentados, desperdiearam tela e cstragarain
talento.
Bem -lia o celebre pintor da antiguidade que
collocava as suas feturas em logar onde todos,
contemplando-as miuilamente, lhes notassem os
senocs antes de as dar por perfeitas. Se o Sr.
Urbano tivesse imitado este exemplo de pruden-
cia, nao correra o risco de nm fiasco, igual ao que
estn fazendo outros artistas da mesma laia.
O que o honrado pernanibucano quiz foi mos-
trar (|ue nao sement o Sr. Sara i va quera sabe>
fazer programmas c prois liberal. E tomado de honrosa emulaeao entendeu
que era dign.. emprego de sua abalizada rapaei-
dade dar conselhos e licoes aos seus adiados e
amigos em carta publica, assim como aquelle
ilustre bahlanodera liedes e conselhos em epstola
estampada nos jornaes.
Dizciu os grandes mestr-s darte, que a imita-
cao de um mo lelo, por perfeito qoe seja, tolhe os
\(m* aos proprios geuios. E supposto em seus
meneios se revelem as azas capazes de arrojados
vtins, vm-se presos aos planos terreaes, inriossilii-
btados de pairar nos campos ethereos e devassar
com olhos de agua os arcanos do sublime.
Assim succedeu ao Sr Urbano, ainda que Ihe
nao barateemos os foros nem de grande escriptor,
nem de consuinmado orador.
Se guiando-so pelas proprias nspraedes tivMte-
formulado o seu manifest ou prolisso de f, pro-
vavelmente nao dira o tusas maravilhosas, mas ao
menos, traria a lume idea* em que estara o cunto
de sua intelligeneia propria.
Mas leve para si que Ihe eonvmha imitar, fc o
resultado foi mallgrar as suas vantagens e one-
rar-se dos defcilos do m.Meto, a qoe se nao soj*-
tariam imitadores djcreti's.
J na sna descrlpr*:potica das picardas elei-
toraes, tlnha reprniliirido reminiscencias do T/imxi
nwranhense. Considerando a reforma eleitotal
como aquella que mais importa, que se abrange-
rem no seu vasto mbito as outras mais desejadas,
repeli o Sr. Saraiva na carta ao Sr. Nabuco.
Foi lambeni echo d Ilustre hahiano as suas
investidas ao poder moderador e has suas aggres-
soes ao exeejitivo. Nesta parte notavel a singu-
lar combinro inventada pelo Sr. Urbano.
Apresentando o governo como cntidade mais
que absoluta, mais que desptica, dotada das qua-
liilades do grande polypo, descrpto, com a em-
pluse habitual por um orador naulista, ai I Uo
inallogrado, que "engole, nulllca c annquil-
imantos Ihe estao em volta, de repente acFresceo-
U-lhe quaJidades d_ naiureza das que em chmi-
ca, associando-se com nutras, contra n_cam.
. E assim ventos o polypo, o forndavej polypo
convertido inesperadamente em entidade es_r*w-
sada pela anarehia, subserveot. s amjg
e alliados, que pelo fr'io o conduzem^para ondo
E para que atada mais fielmente pWogrtphas-
*^



2

I
2
Diario de Pernambuco Sexta feira 1$ de Marco de 1869.
se as feicdes do seu [pdelo c assim perdesse a
identidade de seu pensamento para ser simple-
sombra ou desmaiado reflexo, embeveceu-se na
contemplacao do ele:nen.o servil, da cmancpaco
dos escravos.
Como o Sr. Saraiva, Incluio este assumptoo
Sr. Urbano na exposico do um programma polti-
co, entre eonsclhos e* licoes que offereco aos ami-
gos polticos para seu regiment na actualidadc e
ao depois.
O que tem eom as questes suscitadas entre os
partidos, entre o govenio e a opposicao, a emaii-
cipacSo do elemento servil ? Ha por ventura irn
Brasil parcialidade que tome por programma a
abolicao da eseravidao, e outra que a anMrarie ?
Se todos, feitos em um querer e pensamento:
convencidos da oeeesidad'B des ja trnusformacao,
econmica c social, a proclaman) digna do estado
e desvelo ge ral, se os mais inti,re nesse facto mais ou menos inminente, com a rc-
signaco e soffrimento, qae aligeiram os grandes
vexaines e as penosas incommodidades : fazer
deste objecto urna arma ou um ardil de opposicao
nem cordura, neni diseripeao, nem o patrio-
tismo.
_0 problema immenso, supposto da sua solu-
ao nmguem discrepe. A sua aeco sobre a so-
ciedade brasileira tem de ser mais profunda, mais
sensvel que tudo quanto em mudancas de onira
esnecie delineie a imaginaco reformista do libe-
ralismo.
Estudemo*, discutamos, examinemos os meios
praticos de atenuar, quanto fr possivel, as re-
sullas dessa verdadeira revolucao na economa in-
tima da soeedade. Medtera todos e digam todos
o qae pcnsain a respeito deste magno inleressc de
todos e de cada um.
Mas nao encaminhemo* para esse paiol de pl-
vora o fogo das paixes polticas. A pena de se-
melhanto imprudencia estara em consequencas
tao funestas, que a palavra so borrorisa ao men-
ciona-las.
Cuidado^ pois Este nao d'aqacllesa'sump-
tos, m que o discurso fallado ou escripto pode
f ansviar-se em desmandos, sem que d'ahi se ori-
gine outro damno mais que offensa ao bom sonso
ou quebra de um principio. O absurdo aqui se
traduz em ratastrophe.
O liberalismo nao perde as propensoes de ou-
tr'ora, pessimas j entao, c milito mais agora.
Agita as questdes polticas, nao com o proposito
de encarna las em piweitos lgaos pira bem da ^Ul? '," a?.'?
sociedade, mas como meios estratgicos pare op> es ua_Mi\.i
pugnar o governo, entorpecendo-lhe o camiiihar
pelos obstculos que Ihe suscita.
Esta tctica, sedira j e insensata, nao pro-
pina dos partidos que nutrem a justa e muito lou-
vavel intencao de governar o paiz e fazer effeeti-
vas na sua ad.ninstraco as mximas, ao seu pa-
recer, mais acommodadas poltica e governa-
co. Esta tctica assignala facones.
Doseja o liberalismo algunias reformas. Os con-
Tvadores, que nao sao, nem querem ser estacio-
narios, quercm tanibem reformas. Se esto 6 o
desejo de uns. se esta a vontade do outros, por-
que razao involve o liberalismo as ideas razoaveis
que por ventura se abranjam em seu programma,
em outras, desmarcadas na romprehensao e na
qualidade, que nao podem realsar-se de cliofre.
nem de urna vez, nem associadas com outras, to-
leravcis em these, pe simas na ortica ?
Saiam l da naveta das utopias, entren) para
o mundo da realidade, da experiencia em que a
idea se traslada no facto suave e naturalmente.
Em vez do rol de impratcabilidades, que alargan)
as dimensoes dos seus programmas, redozain-se
a algumas mudanzas mais urgentes, mais essen-
ciacs. que mais concertem com as conviccoes dc>1
maior numero, que menos ltemelo causen) re-
pentinas ou inesperadas.
Assini limitados, principiaran) por ganhar a
opiniao do pcnsam.'iito liberal, hiperblicas na
forma e na exposico, fneapaxes por sso mesmo
de se fazerem effectivas na applcaco, se o ensejo
se proporciona,
'ahi vera que as siluacSes liberaes sao sempro
infecundas. Promettem mondos e fundo- (nando
militain na opposicao. Sobcm ao poder, o inntili-
sam-c en) vergnhosa esterilidade. Architeetos
inh.ibers, gizaram o impossivel. A pratica de-
monstra o absurdo da traga.
Terminando, declaramos que a Carta aos meas
comprovincianos, na exageraran do seu pes-imi--
mo, foi urna denuncia contra o Sr. Urbano, liavi
do, no emtanto, at certo tempo, entre os'libe
rae<. por hornera moderado e circumspec.to.
Quantum mutatvs ab illo I
(Diario do Rio).
Quem dia?
Francisca Rbeiro Moniz, morador ra Dircita,
viva entregue apparenteinente ao maior abando-
no, chelo de chagas e prestes a morrer, commovia
h todos os transentes daquella ra, em occasian
que passava o Sr. J. H. da Silva Fragoso, abi .mo-
rador, e vendo o deploravel estado em que se
aehava Moniz, recorren polica e obteve admitti-
lo no hospital Pedro II. Ha oecasio, pornr, de'
entrar o diente para a padiola, deelarouque tintas
enterrado nolixo do carvo que costumava a ven-
der, alguns pataeoes, e verifloanda-se achou-so Wi,
que os tnandou entregar ao Sr. Infante Liimaki
Miguis, o que isto fez o Sr. subdelegado de Santo
Antonio, que esta va presente na saluda do (lente
para o hospital, levando tambeni comsigo 1025000
em sedlas e 2'90l0 em prata, onvolto* em pan-
nos velhos acompanhados de umaquantidaVennr-
me de baratas, cuja* ultimas quantias etao em
poder do regente do hospital, entregues pelo mes-
an Sr. Fragoso.
Trilhos Urbanos para
Jaboatao.
Lista dos subscriptores de ac-
<<** para a forniaco de una
coinpauhla.
acedes
Volumes sahidos com fazondas
dem idem com generas
106
267
373
Desearregam boje 19 do marco.
Vapor inglezChnjsolitemercadorias'
Brigne portuguezBenvindoidem.
Brigue norte-allemo Freiden -farinha de trigo.
Sumaca bespanhobiPrompt.vinhos.
Barca pirtugueza-Scjurancadiversos gneros
Lugar inglez Pean' ido.
Barca franco < Figamidem.
Barca inglezaFlotlmg tlondidea.
Escuna dinamarquezaEliza dem
Escuna norte-alleino .lokqnna l'aj-mju de
trigal
Barca francozaAdelamercadorias
KECEBEDOMA DE RENDAS LNTERNAS GE-
BAES I)E PEUNAMBLCO. "
Rend ment do dia 1 a 17 4.i;2,-iH93l
Idom do da 18 ..- .-W- 1:2764648
LADO
CONSULADO PROVINCIAL.
iflan579
----------
Rendimento do dia 1 a 17
dem do dia 18
!);;:2<)2309n
C:37i7l3
101:6665812
_-----,-----
MOVIMENTO DO PORTO.
100
SO
50
PUBLICACOES A PEDIDO.
O abaixo as-gnado vein perante o respeitavel
publico protestar contra as maliciosas insinuae,oes
que se runtm na publicacao que fez o Sr. Olinda
Tavares pelo Diario de Pcrnambuto de 6 do eor-
renle, contra o Sr. Antonio dos Santos Pinheiro,
escrivo no termo de Ipojuca.
O Sr. Olinda Tavares arroja-se a dizer da vcti-
ma de sua animosidade que foi este educado ajo-
gar castanhas e peo as ras de Batreiros, e nao
tem a fortuna de saber de quem herdra o nome.
O autor de tao pulida e delicada publicaban nao
capaz de publicar um so nome entre todos os
humen de Barreiros, Agua Preta, Una e Rio-For-
moso em apuin de suas injuriosas awerfora.
E se o mais de que consta sua publicacao ver
tanto cunho de vei dade como as assercoes que ah
ticam transcriptas, entao direi que sua publicacao
nao passa de um embuste, improprio de quem in-
culca ter recebdo esmerada educacao longe da
ribeira.
O Sr. Santos Pinheiro milito condecido e apre-
ciado, nao s nos lugares cima, como em ou-
tros. Antes de ser escrvao en> Ipojuca, exerceu
os lugares de collector e eserivao em Barreiros,
onde adquiri sinceras affeic,oes e geral estima.
Nao duvido appellar iwste ponto para o teste-
inunho das pessas nias distinctas do partido con-
-pivadoi no sul da provincia, especialmente dos
Srs. Drs. juiz de direto braga e Joao Hircano:
ess<^ que digam se o Sr. Santos Pinheiro um
patoteiro, como diz o Sr. Olinda Tavares em sua
comedida linguagem.
Engenho Paran em Una. 13 de marco de 1869.
Francisco de Wascpncellos Lins.
Protectora das fami-
lias.
Esta a=sociacao caminha as vas de prosperi-
dade, nao sem os entraves inherentes emprezas
grandiosas.
Contratos Capital
Em 30 de junho de)
3936------J,868:67o970
I de junho de)
tinha regs- >
........... J
1868
trado
Dorante o semestre d
30 de junho a 31 de
dezembro de 1868..
Estado dessa asocia-
ra) em 31 de dezem-
bro de 1868........
Para conseguir com
Joao da Cunha Wanderley----
Vicente de P. Oliveira V. Boas
Ferreira A Malhers..........
Thomaz do Aquino Fonceca c
Filhos....................
Joao Fernandes Lpez........
Ilenrique Gibam.............
Bento Magalhes.............
Demetrio Acacio de Araujo B.
Amarino Nunes Correia...^.
Dr. Clandino de A. Guimaraes.
Francisco Goncalves Netto....
J.F.S. Porto................
Augusto Frederico dosS. Porto
Jos Alexandre Rbeiro.......
Dr. Estevao C.avalcanti de A..
Antonio Jos da Costa e Silva..
Lab los da Costa e Silva___
Giiimares
Jos Joaquim Lima Bairo___
Joaijuini Jos da Costa e Silva.
Antonio Cesario Morcira Das..
Jos Antonio Morcira Dias.....
Jos Antonio da Silva Jnior..
Antonio Baptista Nogocira___
Bento dos Santos Ramos......
Antonio Augusto dos S. Porto..
Jos Fernandes Lima.........
Francisco Fernandos Duarte...
Antonio Jos C. Gumares....
Joao Evangelista de S.......
Antonio Moreira de Mendonca.
Jos da Costa Bispo......."..
Paulo Jos Gomes...........
Dr. SymplnonioCesar Coutinho
Domingos Teixeira Bastos.....
Jos Antonio de S Leitao___
Bernardino Corroa de R. Reg
Manuel de Abreu Macedo.....
Sianoel Joaquim Baptista......
Tiburcio Valeriano Baptista...
Modesto do Reg Baptista.....
Justino J. de Souza Campos...
Jos Moreira Lopes..........
Antonio J. P. de Carvalho.....
Dr. Francisco do R.B.Barreto.
Bario da Soledade...........
Francisco Ferreira Borges___
Conselbeiro Jos Bento da Cu-
nha Figiieiredu............
Dr. Jos Bento da Cuuha Fi-
gueiredo Jnior...........
Antonio Pinto de Barros......
Manoel de Souza Tavares.....
Parisio Belarmino de Moraes P.
Teiiente-coroncl, Francisco C.
M. Rios Jnior............
Manuel de Souza Leao........
Jernimo de Souza Leao......
Jovino Coelho da Silva.......
Joao da Cunha Soares G......
Joao Joaquim da C. Leite.....
Dr. Ignacio J. de Souza Leao..
Alfre lo Jos A. Guimaraes___
Manoel de Mosquita Barros W.
Thomaz Lins de Barros W...
Dr. Gaspar Cavalcanti de Al-
buquerque Ucha.........
Joao F. Cavalcante do Albu-
querque..................
Commendador Antonio de Sou-
za Leo..................
Joao Manoel de Mesquita Bar-
ros Wanderley............
Adolpho Wanderley Lins.....
Vicente Mendes Wanderley...
Coronel Antonio G. Leal.....
Francisco Manuel de Souza e
Oliveira..................
Dr. Francisco E. do R. Dantas
Dr. Jos Honorio Bezerra de
Menezes.................. .'
I .a 11 rentino J. do Miranda..... 20
Dr. Manoel do Nasciiuento Ma-
chado Portella.............
Joaquim Salvador Pjssoa de Si-
queira Cavalcanti..........
Dr. Joo J. Pinto Jnior.......
Jos Francisco P. S. Jnior...
Dr. Luiz Salazar Moscoso da
Veiga Pessoa..............
Jos Cesario de Mello........
Dr. Antonio Joaquim Buarque
Nazareth.................
D. Mana Amelia de Gusmo
Lira..................f.
SO
20
10
10
10
15
B
10
5
8
5
10
5
5
10
S
S
10
10
10
S
10
li
10
s
$
10
s
s
8
2o
5
5
S
8
SO
;o
10
10
20
5
50
50
50
20:0005000
10:0005000
10:0005000
10:0005000
4:000*000
2:000 5000
2:0005000
2:0005000
3:0004000
1:000,5000
2:0005000
1:0005000
1:0005000
1:0005000
2:0005000
1:0005000
1:0005000
2:0005000
1:0005000
1:0004000
2:0005000
2:0005000
2:0005000
1:0005000
2:0005000
1:000,5000
2:0005000
1:0005000
1:0005000
2:0005000
1:0005000
1:0005000
1:0005000
5:0005000
1:0005000
1:000300.
l:00i)5000
1:0005000
10:0003000
10:0005000
2:0003000
2:0 05000
i:0005000
4:0005000
10:0005000
10:0005000
10:0005000
Navios entrados no da 18
Goyanna6 hora?, vapor brasileiro Mamamuape,
do 333 toneladas, commandanle Oliveira, equi-
pagem 16, em lastro; a Companha Pernambu-
cana.
Rio de Janeiro 18 dias, brigue nglez Soh"iu
Quenn, de 324 toneladas, cap tao John GrelTeths
oquipagem 10, carga 5,761 saceos com farinha
de trigo ; a Johnston Pater & C.
Navios sahidos no tnesmo dia.
LisboaBarca portugueza Gralido, capitao An-
tonio Pereira B Pestaa, carga assucar e outros
gneros.
ParahybaBarca ingleza Henrietta, capitao Thom-
pson, em lastro.
Rio da Prata Patacho portuguez Jos, capitao
Fernandes Pereira, carga assucar.
BabiaPatacho norte-allemao Auna, capitao Tee-
mann, carga parte da que trouse do Antuer-
pia.
Observacao.
Suspendtiu do lamarao para a Parahyba o bri-
gue inglez Rem'ic, capitao Penny, com o mesino
lastro que trouxe de Mareteus ( na costa da A-
frica.
moda, urna meia dita, tudo de madeira de amarel-
lo, avahados por 92*000 por execin-ao qu nwv
J e Ignacio A rila contra Elias Pereira Go nes da
Cunha;__________________________
Consulado sui'sso em Pemambuco.
Conforme o Art. 9 da convencao consular,- o
cnsul dessa naci faz publico que falleceu a ci'da-
daa D. Joaquina Joan na dos Santos Jr-chuler, espo-
sa do Sr.Xeon ha id Schufefde Basel.
Pernambuco 18 de marco de 1869.
R LindenCo isul
NotJJa 20 do correnfc, depois da audiencia
do lllm. Sr. Dr. juiz municipal da segunda vara,
tem e serom vendidos em praga publica, perante
o mesniojuiz, alguns movis, e bem .issim um te-
llieiro eom 150 telbas tu lo avahado em 1173500,
penhorado a Jovencio de Almeida Li na, por exe
cofo da Jos Antonio da Bocha, como tutor da
menor Feliciana.*
Conselhode compras do arsena'
0 con'clho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
40 arrobas de plvora fina.
t qujiitacs de ferro inglez em barra do 1 1/2
pe-legada de largura e :t de grossura.
1 folha de dito em chapa de 23 libras.
1 dita de dito dito de 50 ditas.
10 toneladas de carvao de pedra para ferreiro.
20 resmas de papel almaco pautado fiume.
50 macos de obreias em paes.
40 garrafas de tinta para eserever.
500 caadas de azeite de canapato.
400 camisas de meia.
400 lencos.
800 pares de meias.
200 suspensorios.
2,232 varas de brim escuro.
As pessoas que quizerem vender ditos artigos.
apresentem suas propostas em caita fechada,
acompannadas das respectivas amostras, na sala
do couselbo, as 11 horas do dia 24 do crrente.
Conselho de compras do arsenal de guerra de
Pernambuco 18 de margo de 1869.
F. Raphael de Mello Reg,
Presidente.
Jos Baptista de Castro Silva,
Secretario.
P. Montani.
P. Augusto.
a De-Giuvanj.
> Emiliano.
Sertaa.
Braga.
D. Jesuina.
i)
ir
el
EDITAES.
10 2:0003000
t
8
10
5
28
5
li)
W
18
00
B
250
10
8
3
8
15
25
1:0003000
1:0005000
2:0005000
1:0005000
1:0003000
1:0005000
1:0003000
5:0005000
1:0003000
2:0003000
5:0005000
5:0005000
10:0005000
5:0005000
1:0005000
4003000
50:0005000
2:0003000
i.-ooosooo
1:0005000
1:0005000
3:0003000
5:0005000
1:0003000
4:0005000
X 1:0005000
25
5
5:0005000
1:0003'.>00
1:0005000
1:0005000
1:0005000
5 1:0005000
10 2:0003000
COMMERCIO.
1406-----2,173:4253920
5342-----8,042:1013890
toda seiuranca o maior e
niais instante desidertum da vida do hoinem, que
crear para o futuro um capital certo e urna ren-
da infallivel, para si, seus filhos e familias, bastar
fazer um calculo (cada uual conforme seus pro-
pri'is haveres) de que pode dispor durante o pe-
riodo de cinco anuos; signalada que seja a quan
ta -era esta dividida em duas classes de contratos,
um cha-nado contrato de capital e outro de renda
E-tes dous seguros devero salisfazer-se em cinco
annuidades consecutivas, e depois de passados os
cinco anuos o contribuinte Picarlivre doonusdos
pagamentos das annuidades subsequentes.
E tados maravilhosos para o futuro.
Por exemplo, um pai que qnizer formar para o
futuro um capital e urna renda vitalicia para rada
um de seus filhos, conseguir este importante fim
despendendo para cada um deiles a quautia de
1:1553, que se pagam da seguinte forma :
Direitos de entrada.. 1553
No primeiro anno___ 2003
segundo .... 2003
terceiro .... 2003
quarto ..... 200|
quinto ..... 2003
Ter despendido no lim de einco
annos a quantia de........... 1:1553
lendo creado para cada filho um capital para o fu-
luro. que conforme a dade dos seguradas ser de
33:0003 a 47:0003 e urna renda vitalicia de 1003
animes.
Admittem-se contratos de maiores e menores
annuidades, sendo os lucros sempre proporcionaes
ao producto dos seguintes factores : i< valor da
contnbnicao, o risco de morte do segurado
e a daracij do contrato (art 28 do regulamento).
Agencia de Pernambuco, roa do Livramento
JV. F. de Vidal.
PRAGA DO RECIPE 18 DE MARCO
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TAHDB.
aodao de Pernambuco 1* sorte = 153500 por
arroba (hontem e hoje).
Cambio sobro Londres 90 d/v 19 d. por 13000
do banco c particular.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo tixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem .agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de,crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
BANCO AUA i C.
Ra do Trapiche n. 84.
Desconta lettras co merciaesa taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente.
Confere crditos, saca sobre as primeiras
pracas do imperio. Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesma.*
pracas.
Encarrega-se, por commissao, da com-
pra e venda de fundos pblicos e acedes de
oompanhias, da oobranca de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
quer outra operaco bancaria.
O expediente para o publico comecar
s 10 horas da manhaa, e terminara s 4
horas da tarde de todos os dias uteis.
ALFANDEGA.
Kendimento do dia 1 a 17 899:6493986
Idem do dia 18 88:8473271
Pernambuco.
Faz-se publico a quem convier e interessar pos-
sa, que lindo o praso de tres niczes a contar de 24
de dezembro nltimo, se hao de vender em hasta
publica, celebrada na cidade de Goyanna e na villa
de Itamb, perante o sobredtto juiz, as trras per-
lencentes ao extin^to encapellado de Itamb, cons-
tantes do edital de praca, publicado no Diario de
Pernambuco do citado da. Os que pretenderem
lancar a praaflfconforme o art. Ia da lei de 6 de
setembro de 1880, deverao apresentar-re com seus
fiadores habilitados, sendo as llancas prestadas ad-
ministrativamente e com todas as formalidades
das fiancas liscaes nos termos das instrueijoes de
30 de dezembro de IStio.
O eserivao,
Luiz Francisco B. de Almeida.
De ordem do lllm. Sr. Dr. procurador liscat
da fazenda provincial, se convida a todos o^ de-
vedores do imposto creado pela lei n. 510 13
iobre doacoes dequalquer especie, que o nao ti-
terero pago por occa-iao de lavrarem-?e as res-
pectivas escripturas ou de tomarem posse dos
bens doados a virem revalidar os seas ttulos, pa-
gando o imposto devido as reparticoes compe-
tentes, sob pena de, so o nao flzerem, proceder-se
a cobranca do mesmo imposto pelos meios judi-
ciacs.
Seccao do contencioso da thesonraiia provin-
cial de Pernamouco 16 de marco de 1869.
O odicial,
Horacio Walfrilo Peregrino da Silva.
OECLARACOES.
P5
Conselhos de compras
navaes.
0 conselho promove no dia 20 do corren-
te mez. avista de propostas recebidas at
as H horas da munhaa e sob as condicoes
do estylo, a compra dos seguintes objee-
tus do material da armada :
1 ancora de quintaes, 6 pecas de arre-
bem, 2 bules de ferro eslanhado, 5 duzias
de chicaras e pires de ferro eslanhydo,
3,000 estopares, 3 arrobas de fio de veta,
1 dusias de grasas de ferro surtido, 20
resmas de lixa de esmeril em panno, 6
arrobas de mialhar, Ifi libras de obreias
francezas, 5 dusias de pralos de frrro esla-
nhado, 10o pratos travessos de folha, 400
pucaros grandes de folha, 3 terrinas de fer-
ro estanhado, 1,000 lijlos de fogo, 1,000
libras de tinta branca de zinco, 200 lijlos
inglezes, 20 tira-linlias, 40 trados de ferro
de *,8, e (50 grasas de torcidas para o pha-
rol. ,
Tambcm o conselho no mencionado dia
O do corrente mez. contrata por igual for-
ma o fornecimento de bacalho, bolachinha
americana, caf em grao, e cangica ou mi-
lito pilado, para completo do de vveres,
dietas, e'outros ohjectos de consumo aos
navios da armada e os estabelecimentos de
marinha no trimestre de abril junho do
corrente anno.
Sala das sessocs do conselho de compra
navaes, 13 de marco de 18G9.
0 secretario
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
r e ta subdelegada do segundo dist rielo
de flBneleira se faz publico que foram apprehen-
didos tres cavaUoa, sendo dous pretos e um casta-
lio, quem so julgar cwn direto aos mencionados
animaes, apreseate-so, que justificando-os na for-
ma da lei Ihe serao entregues.
O subdelegado,
________Antonio Venancio C. de Albuqverque.
Conde do Stainvillc... .
Fanfan,ornao ealilhado domar-
quez. r.......
'"Iialuineau, corcunda e vesgo.
Guilherme, rehdero .
Joao. i .'..'.'.
Um campouez. .-.-..
Marieta........
Coros de Qdalgos e caiupoaezes.
O 1 acto passa-se em urna aldea em Toulon,
2" om uma das ilhas Oyeres.
Vestuario a Luiz HV completamente novo.
Ssue-se o disparate cmico ornad > de msica
original do artista De-Giorani e por elle proprio
executado, o qual so intitutv
0 APRECIADOR DA ROA PI\A.
Terminar o espectculo a pedido geral, com a
chistosa-c enihuaiasticamenfe applaudida extrava-
ganeia-burlesca, ornada de msica e dansa deno-
minada
Uma noite de carnaval.
Kxhibida pela Sra. D. Jesuina e o Sr. De-Gio- Y
vani.
Os bilhetes acham-sc desde j no theatro por
obsequio enicasa doSr. Godofredo, cabelleirero. i
ra do Crespo, pelos preeos seguintes :
Camarote 6 entradas 12*000
Cadeira iOOO
Geral nooo
-As pessoas que morarem no Hecife e em toda a
hnha frrea at Apipncos, no cao de quererem
assistir a este espectculo, terao passagem gratis,
deixiis do mesmo, em
TREM ESPECIAL.
A sociedade Gyimaaio Campestre, espera mere-
cer do Ilustrad-i publico pernambucano a neces-
saria coadjuvacao.
O espectculo* comecar as 8 horas c um quarto.
-
COMPANHA PERNAMBl'CANA
Vivega?."i3
DE
eostelra por vapor.
Mamanguape.
O vapor Cinuripe, coramandantc Penna, seguir
para o porto acuna no .lia 28 d > correte as 6
hars da tarde, recebe carga, cncoininendas, pas-
sa^ens e diuheiru a frete at aaA horas da tarde
do da 2/. noeariptorio do Forte do Matos n. 12.
CMPANIIIA PCKNAilliCA"
DE
IVave^aco cosleira por vapor.
Macei escalas e Pencdo.
O vapor GtQui, comniandante Aze-
redo. seguir paraos portes cima no
dia 31 do corrente s f horas da tar-
de. Itecebe carga at o dia 30, encommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sahida no escriptoro do Forte do
Mallos n. 12.
AVISOS MARTIMOS.
BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
S NTA CASA DE MISEKICOKlA DO KECIFE
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia
do Hecife se faz sciente quem convier, que o so-
brado n. 3 A sito ra Augusta e a casa terrea
n. 39 da ra dos Percadores, estao sujeitas se-
guinte disposicao testamentaria, com que falleceu
D. Esmenia d Conceic/io Souza, muher do Dr.
Jos Joaquim de Souza :
Declaro mais que nstituo por herdeiros de
minha meia aeco ao meu marido o Dr. Jos Joa-
quim de Souza, com a ohrigaejio de com sua mor-
te passar a terca de meus bens para os nieus ir-
maos o padre Jos Leite Pitta Ortigueira e D Car-
lota Esmenia da Conceicao Leite, aos quacs tam-
bcm instito por herdeiros damesma terca na con-
formidade do que (lea disposto, e no caso de que
nao sobrevivam seus rinitis -eu marido, a terca
que elles pertencer, vontade sua que passe para
o hospital de caridade qile fica assim instituido.
Secretara da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, o de marco de 1869.O escrivo, Pedro Ro-
drigues de Souza.
O administrador da recebedoiia de rendar-
internas geraes declara que tendo-se concluido o
lantjamento do imposto pessoal do exercic cor-
rente de 1868-69 das freguezias de S. Jos e Boa-
vi-ta, tica marcado o praso deste mez e de marr/i
futuro em que deve ser pago o referido imposto,
sem multa, das sobre.litas freguezias, como deter-
mina a ordem n. 17 do ministerio vfepzenda de
(0 de Janeiro ultimo.
Rocebedoria de Pernambuco 19 de fevereiro de
1869.
Manoel Carneiro de Souza I.aeerda.
Dos portos do norte esperado
at o dia 21 do corrente o vapor
Tocantins, commandante J. >I.
Ferreira Franco, o qual depois
da demora do costume seguir
para os do su"
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
I ser embarcada no da de suachegada. Encommen-
' das e dinheiro a (rete at o dia da sua sahida as 2
horas.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
jectosde pequeo valor equenoexcedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medica.
Tudo que passar destes limites dever ser emba-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevcdo St C.
CO.MPANIIIA PERNAMBUGANA
DE
.Varegaco costeira por vapor
Macei em direitura e Penedo.
O vapor Parahyba, commandan-
te Mello, seguir para os portos ci-
ma no (lia 22 do corrente as 4 hora*-
da tarde. Rccebe^arga at o dia 20, encom-
mendas, passagoirdPc dinheiro afrete at as i
horas da tarde do da da sahida no escriptorio do
Forte do Mattos n. 12.
I io de Janeiro
Para o indicado porto segu com milita brevi-
ade o veleiro e bem contiendo brigue Adtlaiie.
por ter a maior parte do carregamento tratado ; o
para o resto que Ihe falta e escravos a frete, tra-
ta-se com o consigna! irio Joaquim Jos Goncalves
Reltrao, rua do Trapiche n. 17,
Para o Porto
Segu sem demora a barca portugneza Novo
Silencio, por ter grande parte da sua carga promp-
ta, para o resto c pa-sageiros aos quaes ofTerece
excellentes commodos trata-se com Oliveira Filhos
& C, largo do Corpo Santo n. 19 ou com o capitao
na praca do cnmmercio.
Para Lisboa
Vai sahir com muita presteza o brigue portu-
guez Constante II por ter grande parte' do seu
carregamento prompto : para o reatante e passa-
geiros, trata-se com Oliveira, Filhos & C, largo
do Corpo Santo n. 19, ou com o capitao na prara
do comniercio.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO RECIPE
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife se faz publico quem convier, que a Rima
junta administrativa n;*> podendo por si mandar
reedificar o predio n. 33 da ra Dircita perten-
cente ao patrimonio dos estabelecimentos de cari-
dade. contratar com quem maiores vautagen-
offerecer, a edificaco alli de um predio terreo
sua custa, mediante o .-.rrendamento por um certo
numero de annos, e outras condicoes.
Os pretendentes deverao apresentar suas pro-
Sostas era cartas fechadas nesta secretaria at o
ja 11 do corrente, ondo se darao todos os esclare-
cimentos precisos.
Secretaria da Santo Ca a da Misericordia do
Recife, 5 da marco de 1869.O escrivo, Ped o
Rodrigues de Souza.
638:1974257
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volme entrados com fazendas 385
Idea idem cora gneros 965
1350
No dia 10 do corrente, (tapuis da audiencia
do Sr. Dr. juiz municipil da 2- vara, as 11 e 1/2
horas do da, se hao de arrematar por venda, na
sala das audiencias, as bemfeitorias seguintes :
uma casa terrea na esr.rada de Gkiui, com 29
palmos de vao na largura, 63 ditos de fundo tro
portas de frente, 2 salas, 2 quartos, sota dentro,
rom uma janella em cada oitao, tendo ao lado um
telheiro grande em que.jsto collocadas estribajia
e cozmha, 2 cacimbas com tanques, 2 casinhas de
fcupa em estad de ruina, arvoredos, que constara,
decoqueiroslarangeras, mangueiras, limeiras e
outras pepuenas arvures, sendo esta* bemfeitorias
sentadas em terreno rendeiro, pertencente pro-
pnedade-aco do Giqo-de cojo dominio til
f.iram mpossados os exeqnentes, avahadas por um
cont e quinhentos mil ris. Tres pequeas casas
de taipa na mesma propriedade, em ierreno ren-
deiro, como cima, avahadas eat O cada uma ;
conforme o escripto era mo do parteiro dos au-
ditorios ; por execacw ie Manoel Joaquim Baptis
>a e sua raulher, contra o curador da heranca d >
tinado Antonio Joaquim de Mello e o Dr. procura-
dor nscal da fazenda nacional. Recife 16 de
marco de 1869.
_______________ Manof I Joaqqim Baptista.
Sabbado 2o do coi rento mez, depois da au-
.henea do Illra. Sr. Dr., uiz municipal da segunda
vara civel, tem de ir a iraco por renda, os bens
seguintes: om sopb, tima mesa redonda, dous
consoilos, doze cadeiras de goaroico, urna com-
Precisa-s! contratar a factora de lrdelas
brancas, e grvalas de sola de lustre : recebem-
se as proposias no quartel do Hospicio at o dia
20 do corrente. # &
Santa Casa da Misericordia do
Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sesses, no dia 18 do corrente, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra da Imperatriz.
Casa terrea o. 68 por anno............3013000
Ra de Hurtas.
Loja do sobrado n. 41, por anno........120000
Ra da Moeda.
Primeiro andar do sobrado n. 37, por anno 76OOO
Segundo andar, idum.................. 96000
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1, por anno..............IOO3OOO
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 43, por anno............ 170^000
Ra da Conceicao.
Casa terrea n. 5, por anno..............249^000
Bccco das Caminas.
Casa terroa n. 5..................... Io2000
Ra da Viraco.
Casa terrea n.7....................... 18U0O0
dem idem n. 19......* .............. 193^000
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 100, por anno........201000
dem n. 102, idem....................201^000
Ra do Cordoniz.
Casa terrea n. 1, idem.................440000
Sitio n. 5 do Forno da Cal, idem ........ InOjOOn
Sitio do Rosarinho n. 3................325000
Os pretendemos devero apresentar no acto da
arrematacao as suas fiancas, ou compareccrem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 3 de marco de 1869. O eserivao.
Pudro Rodrigues de Souza,
Para o indicado porto pretende sabir em pou-
co djas a veleira e bem condecida barca Social,
eapila Rocha, por ter a maior pane do seu car-
regamento prompto, e para o resto que Ide falta
e passageiros, para os quacs tem bons commodos,
trata-se cora o consignatorio Joaquim Jos Gon-
calves Beltrao, ruad Trapiche n. 17.
Para o Porto
Vai sahir 110 dia 21 do corrento a barca Flor de
S. Simao, cora a carga que livor : para o resto c
passageiros, trata-so com os consignatarios Car-
valho & Nogueira, ra de Apollo n. 20.
COMPANHA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco cosfeira por vapor.
Porto de Gallinlias, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Mamanguape, com-
mandante Oliveira, seguir para
os portos cima no da 20 do cor-
rente a meia noite. Recebe car-
ga, encommendas. passageiros e
dinheiro a frete uo escriptorio do Forte do Mal-
los n. 12.
Macei
O brigue* nacional Olinda, segu vagem ao
porto cima neste* seis dias impretcrivelmente, re-
cube carga a frete commodo: a tratar na ra do
Vigario u. 10, escriptorio de Balihar Oliveira
& C.
CUFAIIA
Paquetes
DE
do norte.
a vapor.
Dos portos do sul esperado
at odia 21 do corrente o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
Alcoforado, o qual depois da de-
mora do costume seguir para os
Luanda
O brigne portuguez Heme inda, capitao Silva, a
chegar de Lisboa, sahir para Luanda poucos dias
depois de rerolhido a este porto : pode receber
alguma carga, e trata-se com o seu consignatario
Joaquim Gerardo de Bastos, rna do Vigario d.
16, Io andar
LEILOES.
LEILO
de diversos paos para mastros quebrados da barca
ingleza Carioca.
11 mi-:
O agente Pestaa (ara Icilao por conta e risco do
quem pertencer, da porco de paos cima, men-
cionados era presenca de ura erapreg.ido da alfan-
dega para isso Borneado, tendo lugar o leila no
largo da escadinha da alfandega; ao meio dia do
da sexla-f.'ira 19 do corrente.
De SO O barricas com cerveja
em garrafas e meias garrafas,
branca e preta da marea as-
piual.
HOJE.
Sexta-leira 19 de margo as 11 horas
em pinito.
O agente Pinto far letlo por conta e ri*co de
quera pertencer de 200 barricas com aarveis
branca e preta em garrafas e meias da marca as-
pinal sendo cem barricas da marca A triangulo e
outras com M L cora triangulo c A dentro ; o
leilo ser elTeetuado as II horas do da cima
dito no annazera do Sr. Antonio da Silva Azevc-
d 1 no caes da escadinha n. 8.
LEILAO
do hotel brasileiro
Silo a ra das Larangeiras n. li, 1 andar.
O agente Pontual vender em leilo por auto-
risacao da proprietaria do mesmo hotel, que tem
de relirar-se para o centro da provincia : 1 es-
crava preta. dade 2i ann. s, ptima rosinheira o
engommadeira, 1 mesa para jantar, 6 cadeiras de
guarnico, 1 sof, 2 cadeiras de bracos, com coa-
D'esdej recebem-se passageiros e engaja-se a ETISCE *&**> -*
carga (pie o vapor poder conduzir, a qual "dever
*er embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedan) a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo q-ie passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros qne suas passa
bids, 3 quadros coin a vista do Pernambuco, 2
conunodas de ainarello, 3 mesas de louro para
cosinha, 1 mesa redonda, 1 marqueza, 3 nme-
zianas, esleirs para forrar sala. 2 banco, 1 bar-
ril de 5o cora vicho Figucira, dito do Porto en-
garrafado, 1/2 barril cora toucinho de Lisboa, 1/2
dito com manteiga ingleza. 1/2 sacco com arre?
pilado. 1 canastra com alhos, 1 hacia grande pa-
ra banho, 1 silha a vapor para lavar louca, 4 cai-
xa> de folha para conduzir comida, 1/2 apparelho
de porcelana para cha, 1/2 dito para jantar, pra-
gens so se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,' ,, t
? andar, escriptorio do Antonio Luiz de Oliveira 'T'nJl 7,e EE f2" ,unca de.,C8l,,h^ '
Azevedo & C grande forno e fugao de ferro e muitos outros
obyectos miudos.
Na mesma occa-iao vender-se-ha uma preta
ptima cosinheira e engommadeira pertencente a
outra pes* a.
HOJE
No Io andar do mesmo predio as 10 horas.
MEATO
DE
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DB
RECITA I.YIJI VOitJHVlitll
Sabbado 20 de margo
Quinta o ultima representacao do magnifico e
apparatoso drama histrico de grande espectculo,
em 6 actos, ornado de msica
0
ou
A descoberta da America.
D lira ao espectculo a muito chistosa comedia
do repertorio do Sr. Martinho, na qual elle faz o
sargento Ferrabraz, intitulada
O recrutamento na roqa.
Na comedia o Sr. Martinho e as Sras. D. Caro-
lina e Apolonia dancarao 11 engracado
LUNJHLH DE Hl\ RO.
Comecar as 8 horas.
THEATRO
Gymnasio campestre
ASSOCIACO ARTSTICA.
nico esoectaculo no eorrente mez
ttabfeado 90 do corrate.
Primera representacao da espirituosa comedia
em i actos ornada de msica composta |>elo Sr.
Colas Filho, intifulada
OG BESOS
ADAO E EVA.
Personatens. Actores.
Mrquez de u Roche Noire. Sr.ilva.
COMPANHA PEHNAMBUCANA.
DE
Havejiavo costeira por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caty, Cear, Mondah,Acarac
e Granja.
O vapor Ipojuca, commandante
Martins, seguir para os portos cima
_ no dia 31 do corrente as 3 horas
da tarde. Recebe carga ata o dia 30, encom- (Em continuac3o.)
mendas passageiros e dinheiro a frete at as Ura piano, I cspelho oval, 2 attagers, 2 appa-
- Horas da larde do da da sahida no escriptorio j radores de canto, 1 relogio de cima do mesa, l'ca-
2L
LEILAO
SE MOTIS.
COMPANHA PERNAMBUCANA
COUSELBO BE DIRECTO
Os Senhores.Saunders Brothers & C, Tasso
Irmaos, Luiz Antonio de Siqueira.
RENTE
0 SR F. F. BOEGFS
Restando ainda emittir algumas ac OOfJOOO cada uma, das quaes s se aceitam em virtude da lei, 20 /0, ou MWJOOO por
cada accSo; convida-se pelo presente ao publico em geral e especialmente aos Srs.
capitalistas e mteressados no commercio. que queiram dar emprego seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de acc5es que Ihes approuver.
Algumas destas aeces j tem sido tomadas por pessoas que conhecem a vantagem,
de na presente occasiSo (conhecidamente a melhor), empregarem o dinheiro de que
poderem dispflr em objectos de valor real, como vapores, predios etc., que Ibes garan-
tan] seus capitaes.
A ompanhia possoe hoje 10 vapores, 6 inteiramente novos, e destes o ultimo est
a chegar de Inglaterra, onde foi construirlo expressamente para ella.
Alm disso esta edifleando vastos armazens, no terreno que possue no largo d'As-
semblea.
Seus dividendos tem sido de 10 ao anno, nos ltimos 4 annos.
As aeces que se emittirem gozam dos mesmos direitos, e perceberao o beneficio
dos mesmos dividendos joe os aotigos em proporcio da entrada.
R Assembtea o. 12
f


^

1RI


Diario de Pernamboeo Sexta era 19 de Mar<;o de 1869.
*'
licj tail't com esp'elno, 1 r.'lo^io ? afgibeira, 1
marqn".', I rah;d;, 1 quarlinhcira, i guarda-
louca, 1 guarda vosMd. > a 1 eadfiras.
Diwr.sob livros, laaetej, s para qua-
dros, saceos d. viagei, i ,<, > w.ip-
pas, i varanda, 2 yir:as grauJoJ u rte ca-
ma de ferro para 2 pessos e 1 lavatorio e outros
objectos.
Sahhado O de narco.
No 2* andar do sobrado da ra da Impe-
ratriz a. 45.
O agente Pinto nao tenli p>didoexpir em lei-
lao do dls 18, os objectos cima indicados conti-
nuar o leilao ainaulm 2) di crreme as 10 ho-
ras 4o dia no mesmo sobrado da ra da Impora-
triz n. 4,'i.
LEIL10
Da fabrica de carros e de mar-
ciuerla, como da niobilfa per-
teaecute a %t: V. Poirier.
0 agente Ovelra far leilo por orden) desta de
2 catoches novos o pnmiptos para foirar,sendo um
cora vidraras, 2 caln'iolots sendo mn novoeoutro
irado coro varaos de tudas as qnalidades para
cabriolis ac para molas c para rusos para rain'.
uina senaria novida por maneje rom seis serras
circulares e mala ferramenta, tnclnindo machina
para furar ferro e maleira, um torno para niadei-
ra e de rosca, tudo completo, safos e bigornas pa-
ra ferreiro, folies para forja, martHlos, tenates,
moldas d'aro, torno de ferro c nnis pertenecs
completos para fabrico de carros eaviamentos pa-
ra os mesmos, bancos para inarcineiro, ferramen-
tas c mais utencibos para arte offlcio, e floalmen-
le de boa mobilia consistido em eonsolos, cadei-
ras, guarda vestidos, sof o marqueta, aparador,
mesada meto de sala, de Jantar e outras, torneador
e carteira. tudo de aniarcllo, camas de vento, bi-
dets, cadeira secreta, leoeas, armarios pintados
sendo um para guardar arrotos de carros o mui-
tos outros artigas anlogos aos mistores indicados.
- Segunda-feira 22 do crtente,
as 10 horas da manbia no proprio estabetecimen-
to do referido Sr. Poirier, ama do Imperador n.
9, defrnnte do convento de S. Francisco, onde os
professionaes e prctcndcutcs podem tudo exami-
nar com anteeipacao.
I?
L
DE DIVIDS.
O agente Martins fara leifio i requerimente do
tosta>nenteiro d*> Unido 'subdito pormsrnoz Anto-
nio Ferreira (lomes e por authorisaeao do Illra.
Sr. Dr. Ca idino de Ara:ijo Guimir.ies cnsul de
Portugal, das divina- activas na importancia de
7:1561313, pertenoeutos ao espolie do dito Ferrei-
ra Gomes
' Segumli-feira 22 do correte.
As 11 horas do dia no armazem da ra do Im-
perador n. 10.
LEIliO
Pe dividas na liii]>t>ia(aucla de
!:3;i >VI rs.
O agente Martins far leilo requerimento do
Dr. curador geral e p ir maulado do lllro. Sr.
Dr juiz de orpha >>, das dividas activas do casal
do li tad > Io Baptista da Ponseca Jnior na im-
portancia de 61:6191314 rs.
Segunda-feira 22 do eorrente.
No armaiem da ra do Imperador n. 16, as 11
horas do dia.
LEILAO
De urna grande tasa de campo no Parnameirim
com 3 salas, 12 qnartos e dispensa, com grande
sitio murado na treme, corea de 1,080 palmos
de frente e 1700 ue fundo, com muitas c excel-
entes fructeiras e baixa de eapim.
Turva-l'uia 30 de mata as 11 lloras
em ponto.
O afrente Pinto compelcntenirn- autorisado fa-
r leilao da casa e sitio cima mencionado do fi-
nado Joaquim Jos de Amorim (em Sanl'Anna)
sendo que dito sitio torua-se recommendado j
pela< grandes propbrcoes o accommodaees que
offerece e j por ser em chaos propjrios em cuja
frente passa os trilhos urbanos e perto de urna das
esta cues.
O leilo ser effeetuado as It horas do dia ci-
ma dito no escriptorio do referido agente ra da
Cruz n. 38.
Os pretendemos po lerao desde j examinaran
dfta casa e sitio, podendo oblerem do mesmo
agente toda e qualquer informacao a respeito.
AVISOS DIVERSOS.
Jos Soares de Azevedo, profesor de
lingua e litteratura nacional no gymnasie
provincial do Hecife, tem aborto em sua
casa, ra Bella n. '.\1, um
CURSO DEI.I.NGI A FRANCI.Z V
DE GEOCRAPUIA E HISTORIA
DE PHILOSOPHIA
DE niiETORICA E POTICA.
Os astudantes qne pretenderem frequen-
tar qualquer dcstas disciplinas, podem diri-
g r-se indicada residencia, de manlia at
as 10 hoi as, e de larde a qualquer hora.
ATTENCO
Quinteiro & Agr rogam a todas as pessoas que
sao devedoras ao eslabeleciinento fnebre da ra
Nova n. 63, que venham quaulo antes saldaran
scus dbitos, ao contrario sero entregues ao pro-
curador da casa, alim de os cobrar amigavel ou
judicialmente, se at o fin do eorrente mez nao os
saldarem, visto que eztao em liquidaco e dese-
am tambern saldar o que deveni.
AMA
Precisa-se de urna ama para engommar c cozi-
nhar ; na ra do Rosario da Boa-vista, taberna
da esquina, oitao para a igreja.
Irmaadade do in luo Espirito
Santo, erecta no convento de
H. Francisco.
Por onlem da mesa regedora convido a todos os
nossos charissimos irmaos. na sexta-feira, 19 do
eorrente, pelas 3 horas da tarde, comparecerem
em nosso consistorio, para, encorporados, acom-
jianharinos a procisso de Triumpho.
UMA GRANDE DESGOBEBTA
oiiEo

DeFjG/JOpeBACALHAU
MEDALHA
DE
HONRA
DE BACALHAU
PESINFECTADO FERRJfirNEO
Ai propiedades medies do oleo de figado de bacalao forto uninime-
mente recoahecidas. Mas seo cheiro e seo sabor to desagradaveis torillo o
uso d'elle muitas vezes impessivol, mesmo aos estmagos os mais robistos
e aos mais condescentes.
Por isso a descoberta do Snr. CHKVBnsn que lhe permettio de desnlectr
inteiramento o oleo de figado de bacalhao sem alterar sus propriedades tem
ido um dos mais felizes problemas resolvidos pela tberapeutica moderna.
O oleo de figado de bacalhao desinfectado de Chevrlcr, com um
cheiro agradavel e um sabor assucarado, o nico me nSo tem uem tost
nem cheiro de peixe.
bjecto de numcroios relatnos scicnlificos elle goza em Franca de ama
fama bem merecida, e receitado por todos os mdicos em lugar do oleo de
figado do bacalhao ordinario. Tendo as mesmas propriedades do ole:> de
figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle nos mesmos casos isto as :
Molrntlaa eacrorulaaan.
Raehllamo,
Oka rana daa (landra.
lf*lea aulmanar,
Maleaflaa da aelle
onatltnlrAa lympaallea,
a-ma, defellldade, Iraqaesa,
lusresa,
Porria do launr,
Kafairunicnta por ezeeaaa da
(raballaa ou dn rame,
Malralla* ifoa bronekloa reces-
Ira ou dirimir,
To*aea pprllnaaea,
Caalrllea, gaatralglaa,
More de calomaa;.
Elle convem a todas as cempleicScs c a todas as idades, e tomada fcil-
mente pelas pessoas as mais delicadas. Elle e um poderoso socorro p ira a
alimeutaco das enancas fracas e doentcs.
i ni folleto accompanlin rada vldro
Deposito em Paris, na pharmacia de Chevrier, e em
0 oleo de figado de bacahau desinfectado ferruginoso de
Chevrier constitue o melhor meio de administra o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau, aug-
menta a aceto Ao efficaz d'este ultimo, se dissolve mais fcil-
mente nos liquido* dag vias digestivas, se assimila muito mais
bem do que quando tomado sob a forma de pilulas, xaro-
pes, etc., enfim perde suas propriedades irritantes e nao pro-
voca a constipaco.
As pessoas as mais delicadas que Do podem supportar as
preparaces ferruginosas ordinarias, as quaes, principalmente
nos paizesquentes, tem muitas vezes grandes inconvenientes,
poderlo com a nova descoberta do Snr. Chevrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, tomando-o
unido ao oleo do figado de bacalhau.
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier, 6e emprega em todos os casos que o ferro acon-
selhado; julgamos intil de os enumerar.
e ronlem a* obaervaede ineillcaoa.
todas as boas pharmacias de Franca e do eslrangeiro.
PAH.V A BOA CONSERVADO
de
OSSO CABELLO
usai lo
Elle um preventivo seguro e certo contra
a calvice,
Elle rt c restaura forca e sauidade a pelle
da cabeca,
Elle de prompto faz cessar a queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e posicao que se deseje
n'um estado formoso, liso c macio,
Elle faz crescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva a pelle e o casco da cabeca
limpo e livre de toda a especie de caspa,
Elle previne os cabellos de se tornarem
brancos,
Elle conserva a cabeca num estado de fso.t-
cura refrigerante e agradavel,
Elle n3o demaziadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadico,
Elle nao deixa o menor cheiro desagra-
da vel,
Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservarlo e arranjo dos ca-
bellos das senhoras.
Elle o nico artigo proprio para o pen-
teado dos cabellos e barbas dos senho-
res,
Xenhum toucador de senhora se pode con-
siderar como completo sem o
Tnico Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e aformosea
0 CABELLO.
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, I. da C. Bravo A C. P. Maurer
& C, M. Barbosa, Bartholomeu & C, e em
todas as principaes lojas de perfumaras
e boticas.
Currupiao
10;5000 de graOncac3.
Do andar do sobrado do caes 22 de Novem-
bro n. 4?, fugio na lorca-feira de nianbaa um
rurrupio muito manso, com as asas cortadas,
(lomo elle nao podia v >ar, provavel que eabisse
na ruae algucni o apa ihasae : a qnem o levar
ra do Imperador n. 61, Io andar, dar-se-ha una
gratificaran de 10*000. _____ _________
Ama
Ama
Esrrava ou livre para comprar e coziuhar : na
ra da Matriz da Boa-vista n. S.__________|
Precisa-se de urna ama furia ou captiva pa-
ra comprar, cozuihai a mais Borricas internos,
para casa de urna s patata : no bceco do Lobato
n. .'I, andar. _____
ATTENCAO
Jos Buarque Lisbia, morador nos Afogados,
avisa a quem convicr, que de segunda a sexta-fei-
ra santi, pesca os seos viveiros, onde os seus fre-
guezes acharao a venda boas curimaes, carapebas
e eamorms. ; _________
Secretaria da veneravel ordem terceira de
N. S. do Carmo do Becife 17 de marco
de 18G9.
Convite.
Por esta secretaria e em nonie da uiesa regedo-
ra sao convidados todos os senhores reverendos
sacerdotes arnenles nesta cidade, a acompanha-
rem a solemnissima firocissao de Triumpho que
ha de sabir da igreja desta veneravel ordem, sex-
ta-feira 19 do eorrente, as 3 horas da tarde.
O secretario,
Joaqu m Xavier tiara Ligo.
Precisa-se de una ama para coziuhar para casi
de homcm solteiro : na ra da Imperatriz n. 3,
loja do Bum Paator._______________________
O abaixo awienado faz sciente ao publico
que tem cstabeleciio nesta cidade una goiedade
naneara sob a firma social de __________
TBEODORO SIMN &,
da qnal socio gerento c solidariamente rc?pon-
savel.
O fim c ohjecto da dita soejedade o tagainte :
Comprar o vender por conla propria metaos,
moedas naetonaes e estrangeiras. letras de cambio,
sedulas do governo e do banco dn Brasil. (
Encarregar-se por conta alheia das mesmas
transaccoes, da cobranca de letras da tura e de
outros ttulos eooMnerciaes.
Bcceber quaesquer qnantias em deposito, em
conta correte, e por tempo determinado.
O escriptorio estar aborto das 9 horas da mi-
nhaa at as i da larde, no largo do Corpo Santo
n. 21. Becife 19 de marco de 1869.
Theodoro Simn.______
Criado.
Precisa-se de um criado : na ra das Larangei-
ras n. 29, hotel commercial.
Attenco
Manoel Augusto de Menezes Costa, pro-
fessor de msica, contina a dar licoes de
sua arte, tanto vocal como instrumental,
em casa particular ou em algum collcgio;
assim como tem aberto urna aula na casa
de sua residencia na ra da Palma n. 53.
Precisa-se de urna ama escrava para cozi"
nhar e fazer compras : a Halar no Corredor do
Bispo n. 23.____________________________
Attenco.
Una pessoa que ssbe 1er, escrever e contar, se
offerece para oaixeira de escriptorio ou mesmo de
ra : os pretendenles d;rijam-se a ra da Impe-
ratriz n. 16, 1 andar.______________________
AVISO.
Deseja-se saber se existe nesla provincia, ou
tura della. Francisco Jos de Souza Castro, casado
com a viuva 1). Bernardina de Sena Lima, com
lilhos : roga-se a quem for sabedor, de se dirigir
ra da Cadeia n. 44.
Para oozlnha
Precisa-se de urna escrava que cozinhe bem :
na ra do Crespo n. 23.
Caixeiro.
Precisa-se de um caixeiro : a tratar no pateo
do Terco n. 63, padaria.
Itenerario da procisso de Tri-
umpho
A solemnissima procisso de Triumpho
dos Passos do Senlior que ha-de sahir sex-
ta-feira 19 do crrante s 3 horas da tarde
da igreja da Veneravel Ordem Terceira de
Nossa Senhora do Carmo desla cidade, per-
correr conforme i pauta antiga as seguin-
tes ras; ao sahir pateo do- Carmo, Cam-
bija, Flores, Nova, Cabug, Larga do Rosa-
rio, Queimado, Cruzes, travessa do Ouvidor,
Imperador, ponte, Cadeia, Cruz, Lingueta,
Commercio, Corpo Santo, Vigario, Encanta-
mento, Cadeia, ponte, Crespo, Imperador,
Praca de Pedro 2.", Queimado, Lvtamento,
Direita, Terco, Marisco, Martyrios, Hortas,
adrecolher.
o ecretaria da Veneravel Ordem Terceira
Recife, 18 de marco de 1869.
O secretario
Joaquim Xavier Yieira Lujo.
Ao veneravel Corpo
Commercial
Os abaixo assignados compraram a
loja de miudeza a ra do Queimado n. 03,
pertencente Jos Luiz Gongalves Pena
Jnior, lirre e desembarazada de onus
algum.
Jos Mara Ferreir da CunJia.
Affoneo Moreira Temporal.
1 Pelo repouso eterno do almirante brasl-
leiro visconde de Inhauma manda o iiupec
tor do arsenal de marinha celebrar missa
na capella domesmo arsenal, segunda-feira,
22 do torrente mez pelas oito horas ; e
i para ouvil-a convida aos amigos do illus-
j tre finado ; bem como as pessoas, que
quizerem assistir esse acto de caridade
clirista.
Dinheiro a premio
Precisa-se da qmntia de 4'JfJ00tf sobre hypo-
theca em uuia casa terrea edificada a moderna
com iuii pequeo sitio todo plantado de arvores
que dao fructos c todo murado : na freguezia da
Boa-Vista, c nao nos arrabaldes da iiiesma no
centro : quem qiizer fazer este negocio dirija-se
ao becco das Barreiras n. i7.________________
Ordenado ou iacresse.
Precisa-se do um homem preferindo-se de maior
idade, sufflcientemente habilitado a bem adminis
trar um eslabeleciinento de seceos e moldados :
trata-se na ra Nova n. 53.
Alvaro l'ehfia Cavalcanti tem escripto- j|
rio de advocada ra Carmo n. 8. 1 andar, onde pode ser pro- g
curado para os misteres de sua piofissao fp|'
s mm mmmmmm \
Lembranca
Lembramos a mesa regedora da V. O. ter-
reira de N. S. do Carmo, que em vista da
procisso de Triumpho ter de seguir a ra
Direita, pateo do Terco, pedem alguns mo-
radores da ra Augusta para em ve i de
atravessar o becco do Marisco hir pela
travessa de S. J. Visto como ra Au-
gusta moram muitos irmaos que muito
agradecero, caso seja atendido tito justo
pedido.
Alguns irm3os moradores ra Augusta.
Aluga-sc urna escrava que faz com perfeicao
lodo o servico do urna casa de familia : a tratar
na ra larga do Bosario n. 3't, botica.________
Matriz de Santo Antonio,
A innandade do SS. Sacramento da matriz de
Santo Antonio, tendo de levar em procisso so-
lemne o Santissimo Viatico residencia dos en-
fermos no dia 23 do eorrente mez, convida a lodos
os seus charissimos irmaos a comparecerem as 7
horas da manhaa do mesmo dia, ali.ii de acompa-
nharem a mesma procisso.
Consistorio da irmandade da matriz de Santo
Antonio 18 de marco de 1869.
O escrivao.
Miguel A. Mindelio.
Monte Fio Portuguez.
Boga-se aquella directora, de eelsbrarem no
eorrente anno o anniversario da inslallacao da
mesma associaeao, como manda o Art. 75 dos es-
tatutos, e em seguida a convocacao da assembla
geral para os fins determinados no Art. 24 dos
mesmos estatutos, pois j fazem tres annos de sua
administrac.ao que tem ultrapasado lima e outra
cousa.
Muitos socios^_______
Precisa-se de um feitor para um sitio pertt
i prai
mero 4i
da praca : a tratar na ra da Cruz, armazem u-
t).
PENTEADOS PARA SENHORAS
SALN DE COIFFURE
4
a
Q
a
s
DE
ANDRE DELSUC
Sl'tfW DE i. Gil
Ra do Crespo n. 7 primeiro andar
Andre Delsuc, cabellereiro de Pars, empregado de Mme.
viuva Leconte, tem a honra de participar ao respeitavel publico
que contractou com Mr. Georges, que se retira d'esta provincia,
tomar conta do seu salo de cabelleiro da ra do Crespo n. 7.
Nutre a esperanza que seds amigos, conhecidos e os fre-
guezes a quem servia emquanto foi oflicial de Mme. viuva Leconte o
favorecerlo, acompanhando-o no seu novo estabelecimento, e tam-
bera que a bella freguezia de Mr. Georges continuar a frequentar
o seu salo, certa de que envidar todos os seus esforeos para
merecer a sua confianca.
Achar-se-ha sempre no seu estabelecimento um grande
sortimento de cabellos de todos os tamanhos para coques, seja
qual for o feitio, de trancas, repentiz, frisos, bandos, etc. etc. etc.
emfim tudo que diz respeito sua arte.
Continuar a praticar no seu salo o mesmo que praticava
Mr. Georges: fazer a barba, cortar os cabellos, frisar c friccionar
com toda a promptido, asseio e delicadeza.
Aviso s senhoras
Tem a honra de participar as senhoras que o quizerera
honrar com suas freguezias, que podero manda-lo chamar, certas
de que sejo sempre penteadas com gosto e ultima moda.
e
s
*
a
s
r
o
TRABALHOS EM CABELLOS
PROCTETOBA
DAS
Precisa-se de urna ama : no caos do Ramol
n. 22, 2 andar.
i
Esta associaqao caminha as vias de prosperidade, nao sem oh
entraves inherentes a emprezas grandiosas.
Em 30 de junho de 1868 tmha
registrado esta assoc aciio.....3936 contratos e subscripto um capital de 5,868:675*970
Durante o semestre de 30 de
junho a 31 de dozembro de 1868 re-
gistron-sc mais,..........
1406
2,173:529 ,920
Estado desta associaeao at
31 de dezembro de 1868......5312
Agencia de Pcrnambuco roa do Livramento n. 19.
8,042:101*890
N. F. de Vidal.
INJECCAO VEGETAL
MATICO
deGRIMAULT e C* pharmaceuticos em PARS
0 successo d'esta ii^eccao, preparada cora as folhas do Matlco do Per, foi Uto rapide, qne
ella te tem tornada popnlar em todos os paizes do mando, para a cora da gonorrhea e das pnifa-
coes de toda a natureza. E' o nnico proaocto neste genero coja entrada na Russia tenha sido
aathorixada pelo conselho medico de Sao Petersbnrgo.
Deposito em Pernambvco, em casa de Ma O*.
S5H5E
:i
ra 1
IDO
CABUG
esquina
da ra larga do
Bosario.
... 1..
MME JO]L4Li
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do preco das joias cada tim pder-se-ha convencer daverdade.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados.
Aj loja, est aberta at s 9 horas da noute.
CABUGA
esquina
da ra larga do
Rosario.


^
Diario de Pgrnambuco Sexta feira 19 de Margo de 186$.
tr
\
Attenpo! attenpo!
Guilherinino Rodrigues do Monte Lima fai sci-
nte aes ofBeiaes de todos os coros, que acaba de
receber um complc> sortiracnto de espadas, ban-
das, talins, tfaKrles c eliarlateiras, e iais per-
tences. Assiin conio recebeu tambem chapeos de
oleado para criados, do copa alta e baixa, com
cerillo de ouro ou prata, e vende mais barato do
qae em outra quaiquer parle, na praca da Inde-
pendencia n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
SEGUROS
MARTIMOS
COVTR V FOGO.
A Companhia Udemnisadora, estabelecind
nesta praca. toma seguros marilimos sobre
navios e seus carregameutos e contra fogo
em edificios, mercaduras e mobilias: aa
ruado Vigario n. 4, pavimento terreo.
Trocam-se
notas do banco do Brasil e das caixas fllfaes,
C4jm descont muito razoavel : na praca da Inde-
pendencia n. 22. ___

Lilil
Resta venda um escoihido sortimento de ob-
jectoB de niarcineria, como sejam, inobias de Ja-
caranda, mogno eamarello, obra nacional e ostran-
eira, de apurado go-to e por preco nuoavott :
ua roa estrella do Rosario n. M. N'csta inesma
casa fazem-se com perfeicao todos os trabamos de
palhinha, como sejam, empalhamentos de lastros
para camas, cadeiras e spn<._______________
Joaquim Jos Gon-
palves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes Sjbre o Ban-
jo do Minho, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valencia.
Guimarles.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Juez.
Vianna do Casteno.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalieao.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barccllos.
UTILIDADE
Aos500 pares de brincos.
Chegou o vende-se no Coracao
dOiK-o, ra do Cabag, brincos de
mosmhas com urna franja penden-
te a um rico desenho c ouro de
lei, pelo pequeo precede 455OOG
cada par. baratissimo.
BARTHOLOMEU a C.
PARA USO INTERNO
PREPARADOS SIMPLE
Xarope de jurubeba garrafa. 1(5000'
Vinho de jurubeba garrafa. 10600
Pilulas de jurubeba vidro. 1*600
Tintura de jurubeba vidro. 640
Extracto hydracoolico de jurubeba. 12*500
PREPAIUD0S C0MP0ST0S.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrir. 2;>0O0
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 1 $600
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2*000
Oleo de jurnhclui vidros. 640
Pomada de jurubeba pote 640}
Emplastro de juroMba libra. 2*500
PARA USO "EXTERNO
a. Ferrelra villcla.
Photographo da casa imperial
premiado em d i versas exposi-
qoes.
Na sua photegraphia ra do Cabug n.
48, entrada peto pateo da matriz lira retra-
tos por todos os systemas phutographicos.
Em porcelana Em vidro
Em talco Ein papel
CART ES DE VISITA A 9> A DUZIA.
Os retratos cartc-ilc-risite sao collados
eu cartao de luxo brutal ou porcelana,
dourados ou lithographadns; quadri longos
ou vinhetas para oque existe urna varieda-
de de 12 modelos a escolha de quem se re-
tratar. Para as oulras especies de retratos B
temos caixinhas. pu^e-par-toiits, quadros
e molduras douradas e u retas cassoltas de
onroe alliuees simples ccoiri podras pre-
ciosas, havendo nos allinetes urna mimosa
variedade de feitios.
O nosso estabelecimenlo photograpbieo
est sempre em dia com os melhoramentos
eprgressos que na America do Norte, na
Europa ou no Ro de Janeiro se consegue
na arte plioograpbica, e para alcncennos
O advogado Or. Antonio de Vas-
concellos Menezcs de Drummond
transferio o seu escritorio para a
ra do Imperador n. 20.onde pode
ser procurado todos os das atis
das 11 boras damanhaa at as 4 da
tarde, para os misteres de sua pro-
Qssio.
mm
ANTONIO EPAM1NONOAS DE
MELLO ten o seu cscrptoiio de
[advogado ra do Queimado n. 8,
1. andar.
S ItSICA
UM DESOOBRIMENTO ESPANTOSO!
O xarope de fedegoso, de Pernambuco,
preparado pelo pharmaceutico J. de A. Pin-
to, cura radicalmente a tsica.e asthraa, e'
todas as molestias dos pulmoes.
Peden ver-se os attestados de curas no
mico deposito das prepilfacoea de fedegoso1
deste autor, ra do Rosario Larga n. 10.!
rA JURUBEBA.
J Esta planta boje reconliecida como mais poderoso tnico, como um excel-
lentedesobstruente,e como tal applicada nos cngorgitamintos do ligado e ba<;o, as
hepatitis propriameno ditas, ouaiuda complicadas com anazarchas, as inflam macees
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nosabeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as hodrope-'
zias,rysipellas; e associada as preparacoes ferruginosas,' aind'a de grande vantagem
as anemias, chloroses, faltas do menstruacSo, leueorrheias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dzemos alfinnam os niais distiuctos mdicos desta cdade, entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Rr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment-, Seve,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier. Silva etc. Todos elle? reconhecem a excedencia deste
poderoso medicamento sobre osdemis at boje conheoidos para todos os casos (itados,
tantojque todos os dias fazem d'elle appliraeo.
Apresenlando aos mdicos e ao publico cmgeral diversos preparados 0a juru-
beba, tivemos por (un generalsar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que al aoje sentiam os dnentes de usar dos preparados empricos d'elle, e
mais das vezes repugnantes a iragarem-se, e que tinliam anda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, que torna muitas vezes improcuo um
I medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de havermos conveniente-
I mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conbecer aspro-
predades medicamentosas d'esta planta em soas rases, folbas, fructas ou bagr.s, e a
I dose conveniente a appfieaco, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
lao maior grao de perfcieo possvel. para o que nao poopamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignaran recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles olfererem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
vel cura de qalquer dos soffnmentos, que deixamos innrmerados', se forem em tempo
applcailos, temi alcm d'sso. medico cu doente a vantagem de escolber as nossas va-
riadas preparacoes, aquella que melbor Ihe pode convir, j pela fcil apiilicacSo, c j;\ pela
complicago das molestias, idado, sexo, ou anda natureza de cada individuo.
As nossas preparacoes ferruginosas s5o feitas deforma queso tornara comple-
tamente soluveis nos suecos gstrico-!, porque procuramos oscompostos do ferro que
como taes esl3o liojo reconliecidos-.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conbecer as -propriedades da
jurubeba, esaberem a appHcflco de nossos prc|)aradds. destribuimos piatuitamente
em nosso deposito um folbeto, onde tratamos mais extensamente d'eta planta e dos
mesmos prepaiados.
Deposito geni I de lodos os preparados
Bollen o drogara
34Ra larga do Rosario34.
Do xarope Vegetal Americano, espeelalldade de Uariholemeii A O.
34LA LARGADO ROSARIO34
N3o cosluraamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que sua applcacao e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceiU-
los.Ihesdeem crdito evoga; porque sao sempre os attestados considerados grataito,
e delles que lancamo o charlatanismo; mas, nao querendo offender as pessoas qar
espontneamente nos offereceram os que abaixo v5o transcriptos, os fazemos publicar,
manifestando-Ibesnossa gratid3o pela attenpo, esperando que venham elles coirobora
o conccitO, e acccitac3o quetem merecido nosso xarope.
Bdrlholomeu ATTF.STABOS
Illms. Srs. Barthlometi C com a mais subida satisfacSo que declare
ser o xarope Americano de urna efficacia exaordinaria, pois que soffrendo ha das d
intensa tosse, ponto de h3o poder dormir Jnioite a despeito mesmo de medicamentoi
que tomava, a elle recorr e na terceira colhr fui alliviado, e de todo me aclm boje res-
tabelecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois.' esse resultado mani-
fest a Vv. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sna casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu d CPenhoradissimo com o favor que me fizeraxn
de aconsclhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, quando me acha-
va bastante doente de urna constipado, que me tornou comjiletamente rouco e que
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus deveres de cantor di
empreza lyrica, vou agradecer-Ibes meu completo restabelecmento, que oblive com ua
s vidro do mesmo xarope, depois de liaver recorrido a muitos tFatamentos. Desejarei
que outros como eu'recorram ao seu xarope para se verem alliviados de t3o tenivel
incomttiodo, to fatal neste paiz. Com maior considerayao conlino a ser de Vv. S.
attento, venerador"e obligado.Luiz Cremona.
Recife, 25 de setembro de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu A C.O xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. teem
exposto venda de toda efficacia para o curativo d'asthma, conforme observ! appli-
camlo-o a meu filhO' Joaquim, menor de quatro annos; victima d'essc flagello. que at
entao por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de grand
uomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expresso altamente sincera de meu reeo-
nhecimento ao meritorio servico que Ihe prestaram com o indicado xarope, acreditan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, atiento e obrigado.Amcrico Netto de Mend inca.
Recife. 2 dnntnhm de 18i'8.
DE
I1A M1S
DE
J. VKiNES
tal ffm tunca poupamos dspezas nem sai junto ao quartel de jojeia
orificios, de sorteque os nossos numerosos
freguezes podem ter a certeza de que sem-
pre encontrarn em nosso estabelecimento
tado quanto a arte e a moda olerecer de
bom no novo e velho mundo aos amantes
da photograp.kia.
wm wmmm mwm
i
roRieo ventanal
PROtiRAMMA:
O supraditu l'ollielo fin i paginas du
tepressio ctf., etceceupar-se liaoxclu-
t ivanculo.....d.! tudo.
Rcdai'cau :
Capillo Salabardote. (Critica lu-
terana c sjfes.)
CavalIciiD U I io'unis.....fNotieiaa
fiesci.i
Doulor Fausto.....(Mocas dem.)
laraodft Zg-uq. .' (Ad lihitmn.)
Viscimde do O'......Thrtitro c typos
das ra?.) t
Proco W ;-.-;. cada numero.
Impicssao nitida; pauta, di ai recalar
I o olho. Recommeaila-se a Icmra priu-
[ .cipaiuieuL aus turupes. E adeus !
O prmeiro numero ser dado luz no
i sabbadn de allelia. Mo diaBl E a A' venda onde ge annunefar, no dia do
Mefanento do Di-Ao a Cinco.
() Estaojxiconheeidas as lina* pda \
labfUrMP-itha mza.
Illm. Sr. Joaqitimd'Afmeitbt Pinto.
Braga, 25 de Janeiro de 1868.Meu ami-
go, aqni clwguei- com Igiimas memrase
depois de ter tomado tres garrafas dirsetf
piepai-adosxtrope 4 peh mar, porqelogo quo hoa, principiei com mais f a tomar o dito'
xarope, por conhecer pelo mai- que elle me
fazia grande;toem&eio, pois avista da gran-:
de quantidadedeganinie que eu bolava pel*i
I)oc.j, vi quemo a desapaivcondo con ra-
pidez, depois que continm a tomar o dito
saiope, o lio milagroso fai para a miaba
molestia>que. hoje.>in:aoho de todo resta-
belecido, e at mesmo. bastante nutrido, e
por-issn pode-Vm. fazer sniente ao publico
o milagre que o seu preparado obron M
miulw enfemiidade. Sem tempo para mais,
sou de Vrac.Amigo atiento, venerador e
' muito obrigado.Mano>'1 Jos GoBcah i
remira.
DOENGAS DO PEITO
XAROPE d'HYPOPHOSPHITO OE X5AL
N. 55RA DO IMPERADORN. 55.
Os pianos di sta antiga fabrica sao boje assz condecidos para seja nocessara
insiiir sobre sua superioridade, vantagens o garantas que offereccm aos compradores,
qualidades estas incontestaveis, que elles tem definitivamente conquistado sobre todoi
os que tem appnrccdo nesta praca; possumdo um tecladoemachinsmo que obedecen
todas as vontades c caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por sern fabricado
de proposito' e ter-se fcito ltimamente melhoramentos importantissimos para o clima
deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flauladas e por isso muito agradawb ao*
omidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas,tantonesla fabrica como nado Sr. Blon-
j del, de Paris, socio correspondente de J. Vignes, emcuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimenlo se achara sempre um explenddo e variado sorfr
ment de msicas dos melhores autores da Europa, assiin como harmnicos c pianoi
harmnicos, sendo tudo vendido por procos commodos e razoavois.
Um. Sr. Jaaqntm d'-Almetn Pinto.
Ha muito que oovi.i proclamar as exced-
ientes propriedades do xarope de fedegpea
omlra a tosse e aslkma, e solcendo eu de
urna tosse pertinaz, e tendo usado de toda
de medicamentos, vali-me pois do
de fedegoso, e urna garrafa somen-
te fui bastante para restabelecer-ie, c me
vejo ta L urna tos
f|.a sorte
| xarope
A efficacia d'esta sreparacSo estesiabelecida desde 18B7, pelos mais celebres medico*. Desde
enUto muitas imilacoes tem sido feitas, mas nenhuma pouae sustentar a comparacao com o
producto apresentado pela nossa caza. Por isso excitamos o publico para qae exiga sempre
este xarope com una bella cor de r&a, nunca branca, e com a noa assignaiura roda do
frasco.
Sob a sua influencia, a tosse aca!ma-sc. o sucres nocturnos eessllo o o doente volve rpida-
mente sande. 0 seu empreod lambemos mais brilbanteft resultados nos defluxes, catar-
rhos, bronchiics, irritaedes do peito. e.
Deposito em Pernambuc. em casa de Haovar O*.
BARATISSIMO
Cajeado nacional, na iriHln de Jos Vyceaie-
GodinlW'A-G., ra doJardimu. 19, avisis aus
i m Brignnuminnlni capital i!do interi'ir.ipiRciin''
tinuata a fabricar calcado em aka "fescala, e offe-
recentas melhorescondices,iaiuo-empreco eamo
aro nualidade. Os propriotarios leste cslabetecr-
mente chamam a attencrtotlos s-enhoms consumi-
dores do interior, qw* es imb.ereni honrat com
ua fregnezia. pecificando em seas pedidos a
ijualidade e numcr.icai>.i)lTerecendo-se para os en-
tregar bem acondicionados cm casa de smis cor^
icpondenlcs n(f.ta pmca.____
GRANDE HOTEL
m LARfiA DO ROSARIO 137
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia ein dia quanto possivel para che-
gar ao-cume do bem viver.
Alem dos saborosos manjares -aiifeccio-
iwdos com o melbor asseio, tem bellos apo-
CIIARLTERIA E PETIT RESTAURAN?
Annexos ao Iloicl Central, ra e>taita de
Rosario n. 4 A, andar Icrreo.
Para dar a ennhecer a variedade infinita
d charutos de Havana, Baha. Rio, etc. qne
existem neste novo estabelecimento prea-
sentos de hospedagem, tanto para urna sjcindimos dos annuncios-pomposos que ge-
pessoa, como para numerosa familia. (ramente se fazem, reduzindo-nos apenas 1'
A agua, indispensavel elemento para a; tres letras que s3o tres bbb bom, bonito e
vida e hygene, temo-la sempre em abtin- barato. A' vista do genero annunciado po-
dancia para facilitar excedentes bandos. de-se julgar de nossa veracidades Esta casa
Ha tambem urna boa biWiotlieca e perio- goa-taml>ent-das condk'es^le um decanto
dcos nacionaes e estrangeiros, piano para e petit re$tmra*t onde se podo ver a es-
recreio, buhares, etc. etc. pecaida^e dos fiambres e salan* de Lioa
Inaugurou-se --ste commodo e elegante Sendo ociosa qalquer recommendaco para lanches e at fazer urna boa colarlo,
estabelecimento d'onde os seus frequenta- para to acreditado estal>eIceimento, ontit- juntamente com os principaes vmhos do
dores podeio apreciar-a especialidade nal timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bem a ptira
Frederico Maia
O abaixo assignadt fondo de seguir at o dia
t para Euroaa, e nao (;odo despedir-so pes-
soalmentc de. l-Jos mnyiWCltotc iminjifl. que o
honram com suas atnisades o faz pelo presente.
eRaraeeBdo-ioea sen pouco prestimo em aquelles
paize. Recite i de marco do S69.
Barao do Campo Alegre
CRIADO
Na ra do Imperador n.
se de nm criado.
2o andar, precita-
Cirurglo dentista pela escola
de medicina
do Rio de Janeiro.
Tem a honra de participar ao respeilavsl putii-
l co desta capital e feus suburbio, que Mi aborto o
bina deceno a uoer usado seu xarope^u ga|)in(,{0 doconsultasc0per'a^eS totariasa
de fedegoso. ma Direita n. 12, priraeiro andar, onde podo ser
A' vista disto nao tenho expressoes j orocurado lodos os diasdasS horas da- mar.t.a as
cem que exprima a V. S. agratido de que!3 da tarde. Elleaeha-se competentemente tiahili-
Ihe devedor o de V S alicato venerador > udo para con' orfeieao eoUuoar denles aruliciaes
me e uevtaor, oaev.^ alenlo vencraaoi [HM-quauracrdos systemas, e bem asm desempe-
e criado
.hao- da Gusta Reg.
Irmundode do Sen/tor Uom Jezua
das Poiias m (puja da- Madre
de Dos.
Sao pelo presente coavidados os no- -. charos
iraos a comparecereui na grej* da Jladi'e de
Dos, sxta-faira, 19 do orreate, as 2 i i horas
da larde, afim de eneorporfidos acowpafllwriMos
prerissa> de Trjumpho que lea de satiir da or-
-deni terceira da veueraV'-l F nhora da Ctfuu,.ciu
satiffacio ao co&vile ..pie nos Cea i|ueUa ceiuctta-
vot/wnfraria. Reife 17 & marco de I86.
0 i-M-ricao,
Manoel S'Tera rarojws.
nhar quaiquer outr trabalho concemente a sua
prottsso. O mesmo, reconhecendo que nem sem-
pre 4 nassivel s senhoras ou eriancae sabiren
nr quer obstculo; declarando que na cidadese pres-
tar a quaiquer chamada sem que.isso inllna oousa
alpimanacomniodidadedospiecos de seas traba-
lhos, e quando para- fra delta assira mesmo ser
relahderd i da mnlt>5h" aosl Kgurancaeiierieicmdesciuditostraballtos. En,
Ihu. Sr. Joaquim d'XUuda Pinto.
Tenho a ventura de communioar a V. S.
que gracas uo raaravlroso xarope de fede-
goso, eslou com..o meu escravo Jorge com-
pletamente
{tulmoes, que ha tauloempo O persegBiaeUeu gabinetese encontrar constantemente cxcel-
Aceite V. S. esta-.minha declarara* j lente pos dentifricio, elixir c outro?nmedifamen-
roa Direfts n. If.'primero
irmandade o Senhw tos Pas-
aos na matriz .do Corpo Saiuto
De otdein da mesa rapedora sao convidados to-
dos irmios desta irmandade a comparceprem
em nos^o consistorio no dta 1! do pre-entc, as t
1/2 hora* da larde, afim de que enrorporndoa,
acmpan!icn)os a procisso do TriamplM quo ha
de saliir da venaravel ordVoi terceira de S. S. do-
-oavit.; que diffnou-se fazer a iipradita orden).
Consistorio 16 de margo de I6f)9.
O eserivo,
1.1. Lima Un i rao.
como pruva do meu .Toconuecimento pelo-
bem que V. 8; acaba de fezer-me, e cujft;
reeordaco feaa-MtMV)ida<-no coraco do
1)6 V. 8.
Attento venerador e criad*
Beato Joaquim Gomes.
tos odontalgieos :
indar.
GASA
DB
^^Prensa-se do um raixtfiru, invi-rindo-se um
^^t^^^^-eescreverenopa-
Vii^ho degestlvo de
chassaing
COM.
PEPSINA E DIASTAKX.
Remedio por w.cellencia para cura cei
das digestes difli -eis e completas, a calmar
as dores gastralgica*. reparar as forca?
prodpzindo urna assimiilacijo completa do<
aliuuiutus: sendo mais nm escolente tnico'
YEXDE-SE
NA
PHARMACIA E DROGARA
4tariIioItfiuca & t.
-i_niu *RG^ W ROSARJO-34
d*HUA i**-.
llnti Sr. Joaqaim-d'Ahnwidn Pinto.
Cumprindo um dever de gratulan partcit,
po a V. S. que, por-ntew do seu abencoadod
tabeleeid' Ha%< awia Iqnfnwi^offrimentos o.
mea escnn,
< Como sabe, este meu escravo tinha
rhi'gado ao etado nuis alilctiYevdamnles-
tia de pulmoes; nao obstante um naei-
terrompido uso de remedios, <; urna demo-
rada -viagem ao nosso serto.
Pais bem.; a enfermidade,. qfle se ha-
via toraado.febel pregados para combtela, ceden, de urna
maneira quasi milagrosa, a quaUo.ganafas
apenas, do seu fedegmo
Hoje, gracas a Deus, tenho o meu es-
cravo restabelecido;' e nao l'aol mostrar
todo o reconhecimento que sinta-peio bem
que V. S. me acaba de fazer.
Sou-de Y. &
Caiada agmreeida'
Mara Norberta Seheffer.
Continuadamente se nos apresentam no-
vos-4<'ftlemufllios .da eiwaci*. do-fcdegnso
de -Pemimbnco
Empresto-ae dinlietro
soferp joias de onro. pra-
ta, brilliani's o pete
preciosas: na Iravessa
das Crizes il i. junio
a esta lyposraphia. I.
andar.
confeceo dos gneros alimenticios.
As bebidas sao as mais primorosas e iv-
commendatas.
A decencia e bom servico primam .n'estd
casa no bello gosto orientad.
Mandam-se a domicilio comedorias, tanto
avulso, como por assignaiura mensal. Os
preces s5o mdicos e convencionaes.
la urna espacosa e bonita sala para o
elegante jogo-de blhar.
Ha tambera aposentos commmodos e bem
mobilhdos para hospedagem.
Ra larga do Rosario
n. 44.
Na ra Augusta'R. i)4 m-sI'-iii-v kn.oi pan
procissoes por commodo proco, e nitiina moda.
Aluga-se
Urna prela-escraTO qne esleja acoslumada a \n
der bolos pelas-na: a tratar na ni do Vigario
D .14.
IMIIIIliO
Pede-se ao Sr. Manoel da Cusa Pereira,. prati-
cante da reparlicSb das obras pabliras ora em
jabeatao, que comfareca ma Augusta-sobrado
o. 102, atim de saldar o seu debito ou pa^ar o
que poder e isto com brpwdade.'
Fundicao da Aurora.
Neste vasto estabetacimeirte sempre se cncontra
?m completo sortimento de laixas de ferr > batid*
t fundido, tabric^das reeentemente e se fibrieam
An qualqncr molde a vontade dos compra Jcrw.e
raijo. wnoawiat-
Preeisa-^e de ama amar qae-saiba nn_cosittrtr
para rasa-de rapar snlteiro : a tratar na rusta
Cadeia do Hccife u. 56, loja de ferraj/ens.
fimr que o bom servico, ordem e moralido- o terventc champagne, o mui saboroso Rne-
de imperam n'esia casa, como observancia rio, a |)iimorosa cerveja,o licot'espirituoso,
fiel do regulamento que possuc.
Comedorins a la cart.
o quanto pede urna mesn. Taz-se nout
sorttfe e variedttde'de refrescos.
FRANCA-BRASIL
MR.-MERCIER,' alfaiate francee, previne ao respHrel publico e a scnstlnierosos fr^ne-
Beswe, :end* trp.nsfcrido sua residencia para a raa do Trapiche n. 7, prmeiro andar, ahi encontrara?
sempre todas-as qualidades de fazendas para trajes de homem; e prepara eostumes para montara da
MtaQrK Faz tambem obras para mililarescpara criad'?, para as quaes'tem granfle sortimento da
b\>toeysimples, cora virola e cr.n*>a de conde. DMMes e amaneWfe. Heee por'todes os vapores
ltimos figurines para homem, senhoras e meninos.
Tendo montado urna-completa oilicina par* concert b afi.wco de pianos e
tendo contratad-* para ti mesmo lim o experimentado coiitra-mestre Sr. A. Rastouit
ebegado da Europa-pelo ultimo paipiete.tem a honra de recminendar este seu estabele-
cimento' s Exm is. familias IVrnamhucmias, prometiendo promptido e perfeico no
trabaiho.
Ra Formosa n. 14
DO
AMA
Preeisa-so de uniawima para cosinhar 3 eom^-
prar para casa dapoftoa familia-: na ra da Pe-
nha n. 27.
Fandade do Espiri-
to Santo.
As
Precisa -se de urna ama esrrava ou forra, de
Iwns costume-, que cozinhfl bem : a tratar em
urna das casas de azulejo da ra do Sebo n. 38, ou
na ma Nova, loja n. 47. ,_______._
CURA DOS CALLO
PELA
Pomada safonpeau.
Deposltf especial
Pharmacia de Qatlbolotneo 34------Ra larga do Rosario-------.14.
#
Gratffl oa^e
3II-H1 i
PorHWihMro da raotiregedon da ir-
inandade cima, rogo a.4odo o'iioiins4'
irmos, para que comparecam no cousisle-
rioi da-nossa igreja. no dia 19 do ceirenie
I horas da tarde, para encorporados
i.
a quemfcver-cnRtpraiavORiacadeiraHe-uoB-*ieo
a Ln XV, e f eofn-atjmnrBso; rcstrteindn a mes-
ma e descobrindo o veudedor : na ra dos Pires
u. :!.'>'
para i
) numero 26.
pura comprare corintiar
I compensado.
Desapparecen do pa>lo iui ilha do*aa>e um.
boi de carioca; rom os sipiaM sepuiaM : cor al--
vrenla, una estrella branca na testa, um S mar-
ea de ferre-a*"
Situado em um dos bairros mais contraes do Paris, sendo as iinmediaces j^H
, p,"inCrpa*-lin3httW5 poutns muitos diveitimentos, e assiin das estacSesdos caminho
_j Nro para4odo os pontos da Furopa, acabado de ser inteiramente renovado,nao*so
acompanharmos a prncl^a = do trJff.WBtffi* tendo paupartowwn iiuvo prop otario a depezWpara seu completo embellesameni
que tem de sabir da Ordem Terceira do aceio, torna-se portanW vantajosamento recommendtfef aoo senhHrts bM*Tiro% 0 po
CarmonaqBeMedio,a ftwte'da respectH'tngoeaes, a onde eiicotrtiaitte'sempte aquella conviAencia desejada em paiz estrard
uor ser constantemente frequentado por seus compatriotas. O IratamtJHto superioMif
bxlo o elogio, mesa ratania, ou a-carta, oo srrida nos apoeen**; Mbtac5es conJBM
nientementc despostas para familias, e quaplos para urna s pessoa, o servico com a precisa regularidade : os prefos mlin*rasoaveis e ao alcanc tambem d'aqueRa
pessoas que se queiram limitar.
Gabinete de leitura com os principaes jomaesdos dous paizes, sslo de recepcane
de msica, ele. etc. Todas estas vantagens podem ser applicadas igualmente aos seufto-
repobcas do Piala, porque alm da semelbanca da lingna, ali eu'-
va confraria.
MMtutLuii da Veiga.
EsrrivSo interino
Precisa-sc de um caixeiro une lenha pratica
de tal>erna e d fiador a tua conduca : eir Api-
piMV>Pj-taliernado Machado,-
.......: .------------- -3-
A pessoa (i ue lionleiii por engaito lev(inaa.uc mu.
esiMiMM no vaiimja^wrtifiV^te sakB.ae>w 13r 1 .;:rm deVlZ% ,;,r80 caitos seitHos beopaafcoeo, mr-^mm mam

*


4
4
Diai-io de Pernambuco Sexta feira 19 de Margo de 1869.
Grande liquidacto de miudezas!
Affonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sus
loja i rua do Queimado n. i5, resolveu annunciar as mesmas miudezas, para que o pu-
buco se certifique do diminuto preeo porque as est vendendo, a saber:
Caixa com agulha franceza a
Caixas com 100 envetoppes a.
Pecas de babados e entre-meios
a 500, 600, 700, 800 e. .
Pecas de fita de coz com 10 va-
ras a ........
Liana de marca, caixa com 16
novellosa......
Coques muito finos com rede,s
a rede val......
Frascos com santo? muito finos
a.........
Latas com banha (familia), a
160 e........
Cartao com alfinetes a .
Copo com opiata muito fino a
400 e.......
Cartas francezas a 200 e .
Ditas poituguczas a 120 e .
Caixa de linlia do gazbranca o'O
novellos a......
Frasco com finia a 100 e .
Frascos com banha a 320 e. .
Frascos cora agua de Colonia
l'iver a........
Pontos de travessa para cabello
de meninas, so a vista faz
f, a........
Laa para bardar, libra. .
Novello de linha grande com
400 jardas., So a vista faz
f a........
Pares de liga de borracha para
peinas de senhora, muito
boas a .......
Franja branca para toalha vara
Resma de papel almaco, muito
boa fazcnda, com 8o cader-
nos a........
Caixa com papel amisade a .
Jngo de vispra a.....
Sapalinhos de la para meninas
a.........
Pecas de tranca c caracol a .
Jabonetes de todas as qualida-
des a 80, 160 e .
Frascos cora oleo babosa a
400 e.......
Pinceis para barba a. .
Gaz a........
Frascos com agua de Colonia a
320, 400 e......
Pentes com cosas de metal .
Qartetra de marroquim a .
Pentes pretos para tirar piolhos
Gscovas para cabello a 400,
:00 e.......
ICO Carrafa cora agua divina a. .
400 'ravatas de seda de cor a .
: Ditas pretas a 400 e .
I jQOO Rotos de louca para camisas, a
Garrafa de tinta roxa a. .
Lencos braneos para mos
a.........
Par de suspensorios para ho-
nions a.......
Espolio de toocador a .
Frasco com cheiro muito fino
a.........
Bandeja para copos a .
Meias cruas para homens, boa
fazendaa U, {000, 1# e. .
t)0 Abotoaduras paracellctes a .
160
500
1*000
500
240
l>500
l:>200
200
100
500
210
160
600
320
t-jtfOO
60
2/>800
700
400
320
40
2(J0
600
200
320
500
320
400
200
600
l;)500
320
500
160
800
240
CASA DA F08TINA
Aos 4:0001
Bilhetes-garantidos.
A ra do Crespo n. 23 O casas do cestume
O abaixo asslafuaa lando vendido nos seus
nuito felizes wl heles garantidos um me n. o-**
om a sorte de 4:0003, mil inteiro 4*7o com a
rtede 7003, nm quarto n. 61 w
de 2023 e ootras militas sortes do 100*, 40* e
20a da lotera que se aeabuii de extratiir un
iieu.-firio da matriz de Nazarelh (98 ),convi(
possuidores a virem receber seus
premios sem os desrontos das los
Fortuna ra de Crespo n. 23. ... .-. n
Acham-se a venda* da 2' parte da lotera a
enelicio da igreja de Nossa Senhora da t>oleua-
B (99) que se extraan quarta-feira 24 do cor-
de (99) que
rento mez.
quarla-
I'i veos.
Dilhete. ". 45000
Meio.....2*000
FQuarto.....1*000
Ed iiorcao de 100* para cima.
EBitbe.....3*500
Minio......1*750
Quarto..... 875
Manuel Martins Fiuza.
Veneravel ordem ter-
ceira de N. S. do Car-
mo do Recife
ProclMs le Ti-himplio.
Temi a veneravel ordem terecira do Nora Se-
nhora doGarmo desta cidade ie aprsenla!! a vis-
la dos liis a solemnsima procissao do Triamplio
dos Passos ilo Senhor no da I!) do remato mez
as .1 horas da tarde, e desojando a ni va regadora
que este arto seja revestido de toda a |>ompa e
"^ magcilicnnria, manda convidar a lod a os charls-
I siiiins innos. para (pie paramentados eo:n ius
habitos rompareeam na Igreja do nossa ordem no
referido da e pora indicada, alim de que acom-
panhandoa mencionada pror'issan, cooperom por
esta forma para o seu maior explcudor e brilhan-
tisnio. T
Secretara 13 de marco dfl 1869.
O secretario,
_______^ Joaqnim Xavier Vieira I.ij/o.
Mdo systemn
Depois que se ereou esssa cousa que se chama
lilierdade, lodo vai s avossas-; at os burros an-
| ilain a dous c inetleni se as sociedades dos lio*
; mi ns. do forma que todos na ignorancia fazein-o
prmeiro secretario de lima suciedade ; poroi
j como o genio prevalece criaran, este lomhrandn-
se de sua nomenclatura, eis se nao quaudo toma
suaafrnia natural, o soltndote no recinto da so-
ciadade l patadas em ludo que enenntra. Nao
ser possivel evitar repetir, recolhendo-se este
animal em alguin cercado dos arrabaldes, e ohri-
gando-o a pagara compleme pedageB as pon-
t": sempre que qaeira transpo la ?!...
O Si: das Juca*.
Para a qiiarcsnia
Na raa eslr.ila do Rosario n. 33, sobrad*
de
am andar, fazem-se flores de todas as qualidade*
para ornameulo ie igreja, altar, andores e sopnl-
chro, inclusive arcos, palmas e rosas, e ludo quan-
to l'or coneernente aos sacros actos ; assim como
preparam-se para fra com a maior presteza qual-
quer enooinmenda ne-le genero ; cutrosm tam-
0 coinmendudor Joao Pinto de Lomos, Antonio
Jos Leal liis, Gregorio Paos do Ainaral eJuio
da Silva Lomos Guimaraes, sogro, testamentefro,
socio n ftlho de GuilheriiH! da Silva Guimaraes,
fallecido em Li-boa no dia 16 do mez prximo
jiassado, convidam pelo present toa parente> e
amigos do finado para assi-tirein a misa que por
Irna do me-iiiii niaiid.nn celebrar na igreja do
00
idin se faiera flores mimosas propnas paiaenlei- Divino Espirite Sanio, sabbade 80 do eorreM as
bu? vestidos, saiotes c capacetes de anjo-^. c tuais 8 lloras da nianliai, pelo que desde ja se cenes-
barato que em outra.qiialquer parte. Na nie^iia sani^imiuam- ule gratos.
casa se encontram j preparados e promptos 1^I^^mmlTfTT7 ... g5SB*
vetada o segainte : ricos ramos de seda cnfei lados :frtrT,A fiiTlphvPQ TA Tin.
canulillio com flores de cera propnos pando- ViUIUB lUIiCI CO IIU Uct"
mingo de llamos, vedas enfeitadas ricamente, bor-1
Indas a ouro. proprias para baptisados, eapeHas de
flores para meninas e noivas. Alem disto se en-
200.
->A-v cumbetn do prcpi
IA0O0
OO
*4500
320
,aro de bandejas de bolos finos
enfeitadas de conformidade ao fin a que se desti-
na, quer seja para calamentos, rque para bailes;
tazein tainbcm vestidos para a qnaresma na nutro
qualquer que se precisar com a maior promptidao
e as-eio.
e sitio na roa das
- Aluga-se urna casa
Pernambucanos
}?a) n. i8, com acommodacao para
l':mila, bastante fresen, o cujas.chavesfwrarniente^r.nto
sor vista aclia-;.o na casa junto n. 5nl :
Matar na na lo Pilar, sobrado junto-ao
arsenal do marinha, 9: andar.
teo do Paraizo ns.
10 e 12.
M. G. Agr est a testa deste eslalielecinenlo,
no ipial j tem eito muito.s melhoramentos para
bem satisfazer suas obrig^See nao poupando
ex forcis para por dito e^talielieiiuento no p que
desej i) annunciante grato s pravas de con-
u,,w I- n ** ecoBsidwacao -iue todos os seus amigse
, porto do Jacobina ((- puti- |Hlb|(.0 ui. |rl|1 v|.|(ensatlo. nao pode deixar de
acommodacao para grande trbatar sen reeonheenaeBto, pelo que eterna-
to.____________________
m\mk
Sr. Antoni* Fr.n.ci-i
ntimimm MHrisiv 11
'a u. .'i;(. U>ja do Braga 4, ('..
Duarle o seu mano l)r
Aluga-se urna pequea casa na travesea S. loo ii. 38, porta icncarnado, preeo de-8* I""" M;vj,jm(,t(M,Psm ,).., v,inliam rua Dire6
el: a tratar no sobrado junto a fabrica do gaz.
Alugatu-se dous- itioloques de 8 a l uiiMW Sen.lo eu de lia inulto e.uiH. -nlo. (commer
de idade, e bem assii ma urete 'Com ma lidia ci.iloicnteK cun o lime de ipnacio Kssoa da Sil-
de 7 para 8 anuos, por eommodos -procos, garan-
liiulo-so bom tratamento: a tratar na rua do
nneimado n. 13, 1 andar. ________
~ ^~P|-e.cisa-se alugat dous escravos para servicu
de reiinaeao : na rua de Ijoitas u. 7,__________
--rpreelsa^ d^nu. iHenino .ra raiv-in. d.*, -(Hnteressado c
altiiW efcecHOns na.rua d, Orntum n. \> Ju. HailrigUM
ou senhora pare inosmo.
va. esoinenm^Miv met batalhao, se roe conhere
como meu antiponoin. Ignacio IV.-a K-teves
da Silvj. ilfi-ii m quo. dora a*anW sipnar-me-
liei. (pmr ^oiiiineiTwl.quer particulanneihe.
Ilecifp. 46 de niarrtule 1*'.'.'
Ili>':rlii ^iw n t'ilrtt
do
se son advogado de
Passo, entenda-.-c oom este
\ atrnii bralltt tm-se eito lo ContWCda e ama a.aulr os agradaos ehcros de que usam
wredtoda, nao se petas novidades, variedades, su-1 seus Unos lencos, o cada .
p'rioridade e abund:
pelac-mstuite I
Oto pelo seu as.^z c...
ridade. do na '"Ja (l ""*^,*S*1
Precisa-.-e de un homen*
ensinar primeiras letras a duas meninas ein \mt Pneiva de Mtlh.
engenho na povoacao -de AJ'^eJ^..4jueti -rn-i^^-se-de un"oriadoTTVntaFnTfua
eslrerta do RrtSrio n. 28.
es'.iverhalilitado para isso, entenda-se na raa do
Trapiche n. 40, 3 andar
Preci*e-de+riaiidw-se ga-
laiitia^deber? lvres e desembaracades k qumn
ie para ser procurado.
leas novioaues, v,uiisi.iu>;>, a- ~- -~ -v---> ------------ i--- iuii*'iianiMn>c;'' nara ser nrocurauo.
ancia de seu sorrimento. com V*** pata elogio.do aeeru deua escola, eovuh. qio^mnj^i------1---------- __
inofd:tde des.-ns precede mu I i nunca olvidado amSo e sioae- UutoamOBta- vrrdade que este cheiro foicouipra-1 tOklllla. pd.Ilt' -1UI el-
do na loja (fagina branca. vfc Hvt-.^ id.vJuic.rin.. s..iiri*)do iw*'ii
Pn?ri-njtln!i'iniiHerav?i par mil**r-
vi.; i) urna 4AFa : queni ti ver, dirija-se rua do
Ai.ign'n. i8,irasa reed i lirada de novo.
Essas verdades ir So sem duvda
apreciadas pelo bello sexo em particnlr, e pel
Aiuiin mtxis.
Qnando hontem os pais alllictos sentiam o rigor
| iadenticio de seu charo lilhinho, e hoje algrese
salisfeitos pelo feliz restabelecinicnto recebem a?
E^|,n,,ai im to,"1"au" a* T u,,?,,", Alm do muito uiaiVqiie inda
Qnando no club, nos baileij, ou nosalodo falta di/.ei*.
Santa Isabel, urna excellentissiraa se aprsenla Quando em nm circulo 'de rircuispectos crac-
Sarbosanicnte trajando, trazendb o moderno cinto t,,r0J ge disentir a veracidade de' tae9dizere, appa-
e mu larga Coa, lisa, rhamalntoda, -on escosseza. | fecer nm nutro que qWeira anda levemente inter-
s saas admiradoras liz-Tti flornsigo aqupDa fita ; romper a disenssao, os primeiros por momento 89*
(6i eomprada na loja "agui branca. qnecero a cirramspeceo-e llies danto um gra-
I coso debique dizeMMHlliPl>j sabemos que V.
Quando citr? 'xcellentiseinia. nao menos gar- um daqnellos que inclina o chapeo de sel ou que
osa mostr.i o rigor Je sea bom insto na acertada mereca ser ^slgfedb" peh aguia branca da rua
3coha dos enfeitcs tle alta wmade qoe bella- do Queimado n. 8.
mente ornam seu vestid, anda mesino 'as rivae-
Na rua e.-Watta doJ!*:irin,- pobrt*ndo hmiqu-
darwi. 35, conlnna-se a preparar ahueco jan-,
lar em urna casa lo familia. "*e rrtandS-*$e'",le*aliVy
tnde com prompUoHO c assek)._____________i
AMA
Pje isa-se de ma ama para o servieo- de hs
de pouea'lamilir-: na rt do Totres n. H. tercei-
ro indar. .. ._________
COMPRAS.
Com muito mnior vantagem
Compra o Coracao de Ouro, n. 2 D, rua do Tabu-
la, nioedas de onrw e prata e pedr.is preciosas.
Ouro, c prata
em moeda e em obras inutilizadas, compra-se por
iiom preeo : na praea da Independencia n. 22..
Na praea da Indcp^udencia n. 33, loja deou-
rives, compr-seoiiro, prata, e pedias precosas,e
lambem se faz qualipnr obra do encommenda, e
todo e qualquer concert.
Compra-se
l'm preto eozinheiro de lo a 18 annoe :
na casa da rna da Cruz n. 19, I" andar.
a tratar
0 muzeo de joias
Na rua do Cabag n. eompra-se ouro, prata
e iiedras-firociosas pur pneo* mais vantajosos do
)ue em outra qualquer parte.
Hua do Queimado n, 49 loja de
miudezas de Jos de Azevtdi*
Mata e Stlca conhecidopor Jo*t
Bigodinlio.
Est queimandoos objectos abaixo declarad
pelo diminuto preeo, a saber :
l-'rascos com agua d Colonia verdadeita a 1.
Garrafas com agua Florida verdadeira, que se ga-
rante a 15200.
Pentes para regacar cabello de meninas a 320 rs-
Thcsouras muito finas para unhas e costuras a-
600 rs.
Tinteiros eheios de tinta mui'.o preta a 80, 100, !*>
e 400 rs.
Varas de franja branca do linho para toallas a
160 rs.
Caixas de phnsnhnros de segnranca a 20, 40 e
160 rs.
Navalhas de cabo de marfim c que ^e garanftf*
qualidade a 23.
Libra de la para bordar a 7.
Pecas de lita bran a elstica muito superior a 206
300 rs.
Novellos delinha branca com 4C0 jardas a60rs
Resmas de papel de peso liso niuit" lino a 2J50O
Latas com superior banha a 2 Caixas com seis frascos de cheiro omite Int a
800 rs.
Caitas oom dote (rseos, faieai ?< boa a IftM
e > >o00.
Frascos com superior oleo fltaooBM a 800 rs.
Galangas de saLao transparente muito bonito e ft-
iio a 2'> rs. .
Duzia de paos de pomada do Reino, da melhor
qualidade a 240 re.
Pecas de tiras bordadas i.iuilo finas a oOO, WK) *
rs.
Pfllllll"i-*P "',;is ''c ',al)"''n'l0S cnin 'te* varas a 600 is.
vulllJIJ. hoje libras esterlinas, ouro e prala de todas as, a 20 rs.
nanees epor maior preeo do que em outra parte : Garrafa- com agua divina a 15'O0.
n rua da Cadeia do llecife n. .'8, loja de azulejo, j Kra ros com superior macar i perilla a 3.0 rs.
Compra se urea cs>
de idade, que seja sada : no largo do Corpo-San-
to n. 19.
VENDAS.
_ Veade* na rua da Imperatrii n. 14, Io an
dar, urna esrravmha de 9 a 10 anima
Yeiide-se
no engenho Dous Uracos de Cima urna mocada em
P< n'eito estado, toda de ferro, torneada de novo, o
ipie est aetualmenlo em servieo: qoeta a pretea-
dordirija-s! ao dito engenho. onde nao s a osa
.minar.Trillo achara com quem traiar.
Eua do Rosario n. 79,
sobrado
Agpucta do. JMpftg rta rdilrpa-
ra aspfovmeias e deslas para
; _Avfeas'ao: respeitavel-pubtK-o que Jos* |ti4v
Migtrtde ra>ijnfiiitO',iwtrtfe>-cha-s. haW-( U lUItr.
litado para ladnlbOS O Obras ie |iedreiro o que| Sob a direcrao do advogado Francisco Carlos
far mais em Ceuta-possivel : no pateo do Pilar (Jrando, aeba-M cstabelerida na ridade do Kk) de
n. 15. i Janeiro, na do Rosario n. W, soloado, urna agei-
cia de negocios da corte para as |>i oviivias, B d*s-
rroca-e um-Miietnand cd.n dito imageii-'
comtotbis o* preparo* de ouro na ru da Cnla
n. 02, 2o and.ir.__________________________
Jos
de sua sunpafliia confeseainq*e^aqneBes enreitcs
foram da leja d'aguia hrrnea.
Quando n'otttra: exel!ehti??!m, apezar da sin-
Salleza de seu porte agradav \,9> vem a| bonita?
iva3 de pellica duqu'eza as suas bellas ami-
gas louvam-lhe o gosto ,d cnfessam queaquellas
uvas foram da leja d'agua branca.
Quando tnesmo duas e Inla?, 'antte
^o tantas as ousas que por
limas cscapam as nutras.
.l a Csqueceiulo a aguia branca, mas ch) lempo -
Precisarse de tini criado, brefefe-se eseravo
na ma'aoTJueiuiadhn.' r2. l^anda'rr' _____
T^"Prccisa-?c de una ana para todo servieo
de nmi rasa de duas |tessoar: no pateo do Terco
lembron-se para noticiar, que recebeu urna pe-
qucua qnantidade de enfeites para roques e gram-
|hm pata ditos, tuJo feto de metal com lindse
agradayes coloridos, obras estas pela primeiravez
apparecidas, e porlanln nteira ovdade.
Tambeni chegram nvamente delicado? enfeites
e flores ornadas de aljofares c vidrilhos, tanto de
- Precisase de um caixeiru
t do Brum n. Co, taberna.
com pratira : na
amigas > collegio, se enrontr.'m tiarpielics 'log.'s- palha para coques cmo para vestidos, c tudo
res, depois dos cumprmentos de recprocos berjos,' contina a merecer a apreciado das excellenlisi-
mbjas per forra de sua elevada delicadeza, gabam I mas eonhecedoras do bom.
i i.
EPIDEMIAS
O LICOR DE (.ABARRAQUE 6 um preservativo seguro em lempos de
epidemias: chlcra, fehre amarelbi, peste, typho. etc Iteveni evilar-se as fal-
sificaedes as qua.s sao a maior parte das vezes mal'preiiardas, sendo por isso
mais nocivas do que uteis. Deposito em Parii. L. FREHE, h), ru lacch.
Km lllo-Jaaeiro. DuponchcUe; H. Tetdorpf. Bm Penwmbaco. Mmtrtr.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : rua larga do llosaho n. 21.
. Precisa-se alugar una eserava para servido
de casa de pouca lamila ': rua larga do Rosa-
rio h. 21. _____
Precsa-se, de Bina senhora que tenh fiahll}-
tacejs para ensinar o porttiguez e msica eth um
engenho distante desta cidade duas leguas : quem
pretender annuneie por este Diario, o dirija-se a
ruada Concordia n. 37, que achara com quem
tratar.
O abaixo assignado previne ao publico quo
ninguem faca negocio com o escrayo Jacintho. per-
tencente ao espolio do padre Mnoel Cosme Bezi-r-
ra, cuioescravo se arhaem poder do Sr. Juviniano
Anfo'o Durte, por quarit est pendente do juizo
do eoaunerrio urna accao de letra por debito do
mesmo padre.
Ilccifc, 17 demarro de I8fl. '
.iMrro iosp dos traitm.
m
0 MUSEO DE JOIAS
C/2
fe
GOMES DE KIATTOS IRM&OS
tendo feito completa mdanca em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias, co o flm de
dar-lhe maiores propor0oes e elegancia, convidam
ao pnblico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RUA DO CABUGA N. 4
onde encolitrarao um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tuo que era obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADERIS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, eque devom cauzar um grande effeito nos trages quares-
maes, asstm come grande variedade de salvas e palteiros de prata con-
trastada e de gosto anda nao visto.
Compram a trocan qualquer joia ou pedra preciosa garantera'
a quftlktade dosobjects veudidosr.
tas para a corte, a qual, polo pe.-snal habilitado, c
ineos de que dispe, encarrega-se do todos e quaes-
quer negoflos jinliciaes'em 1" c 2-1 instancia, como
aecoes civeis, crimes E commerciaes. recurso?, p-
pol'lacoes. aggraws, revistas. defaeaS peante o
jury, reclamacoes de anliguidades de magistra-
dos, ele., etc.
Incumbe-se outro sirn de lqnidacoes commer-
ciaes, de verificacoes, e ajustes de contas, de co-
brancas do dividas, de arrecadacoes de I amaras,
de matricula de JftiteS, B commerciante<, '! em ge-
ral de todo e quak]uer irabaBio fonnse, ou que te-
lilla de ser feto peante as repartieses administra-
tivas da corle.
Mediante as condieoese garantas que com as par-
ios estipular, adianta dinheims sobre a arrecada-
coes c direilos*' que llie pareccrem -egurSS,'ei-
i pidos,
Presla-se a foniecer aiis seus conimttentes a-
mformac.ries (pie exigirom, c que pudor o>ter, so-
bre assumptos e interesses que Ibes diyam ress
pcilo.
Seus bonoraiios e comnif>s5ei= serao faoaeemd
moderados, re:iilaudo-se peta inipi rtancm e til-vi
cuidados que offorec'erem os negocios i;omet-s
tidos.
As pessoas que dos seus serviros se ^uizerem
utilsar, poderaU dirigir-sc pessoalmente, ou por
carta ao eseriptorio' cima indicado, devendo na
segunda hvpothese remetter os documentos que
liverem ou copia tiel delles, e urna informaeio cir-
cumstanciada, escripia, e assignada "sobre o nego-
cio ou negocios que tiverem de ser tratados. Alm
desta remessa os senhores que morareni fora do
immieipo neutro, e em qualquer das provincias
deveTaoTrTmpetetrtPnil'ntC antnrisar pessoa id-
nea, residente na corte, com quem a agencia possa
entender-se e validamente contratar.
0 tiel desempenho dos seus deveres jiara com
todos, e especialmente para com aquellos, que iel-
I* eonfiarem, eonstilue o fundo capital, com que
a agencia principalmente conta, o por i;so tem o .
mais vivo interesse em tnante-t," v ftace icla-lo
cera a mais vigilante solicitude.
\uMa-larga
scravinha de '! a o annos Caixas de vidro com duze didae. que s a eaia-
vale diulieiio a 300 rs.
Ditas do madeira com altinctes, o que ha de me-
Ihor a :12o rs.
Orneas de botos de tmek, lisns e bordados a
ICOrs.
Caixas redondas para rap eniittando tartaruga a
ISoOO.
Pecas de fita para eos da nnllor qualidade a
S06 rs.
Kscovas para mpar denles, fazenda que s a Vfc*
la a 2W rs.
Dtn-i para limpar unhas de superior qualidade a
00 rs^_________________'___________
(jrande liquidac,ao.
0 prnprictario d';)iiti;i e lnm conhecida
loja de miudezas denominada lleija l'lor>
rua do Quemado n. 63, qverevdd nrahar
com o sortimento de miudezas (jue existe,
tem deliberado proceder a urna completa h-
HiiilacSo, para 8 tpn Chama a attenro de to-
dos.
Os objectos sero vendidos pnr metadede
seu valor, e para que o publico, nao Mippo-
nba. (pie o presente anuuiicio una iilusio.
oproprietarroda dita luja oflferece una pe-
qoena lista de alumasiniude'/es. a ni os s
diminutos procosromo abaixo se vea,
nao apresentando una lista completa de to-
dos os objectos ipte esto expostos a venda.'
|iel;i i -rizan de se tornar um annniicio muito
extenso e por consequincia de enfadonba ch
tnra. por isso apenas lemfta-se as seguuteat
Caixalde envdQpes de cor. j. .
Ditas1 de euvdupes" com tarjad
pela........
Ditas de BBvetepw braoc
des.........
Ditas'de cnvHopes grandes e p -
(penos. .......
Libia de 13a para bordar, surtida
Duzia de carles de cacbale fcafey
ce/es com pares cada
Dita de collieivs de metal piiti*-
cipe-para sopa.....,
Dita de (lilas para cli. .
Concha de metal principe para -
., rar jssucar. ,.....
Builladura |iara collete. .
Pares de iuvas de lio da aaoatlp
branca de cores para homem.
ilris de (litas para senlior*. .
lita pura suito de st'nlrora1. .
Pares de sapalinhos de casimira,
bordados.......
!'.v ,s K-ciAa lina para- limjwr- unhas.
Dirs de ditas, i.....
I PVnto preto de larba. .
1 Caixfcom apparellio-de chumbo
a 6i0,AWf e.....
Ronera re cera i f 00, 1^200.
3aoo, ooo e.....
Apparelhr de pon'elana para al-
moro e jantar.'.....
Jogode Vispora.-.....
Caixa com papel brinco e de co-
res.........
lidiadores'para "rostido. .
Caixa do linha de marca mear
narta b azul.......
Sapalinhos-de la para meninos.
Toras.1 .......

TOXICO 'DE'JAYB
RUA DO QrEfMAUO N. o.
FaiTHhii dftiiilho.
Vond-*e*farlhh*a S milho amarello'muito fina
a 34 arroba e 100 rs. a libra : na taberna da
i na larga do Rosarlo defronte da botica do Bar-
tliolonin e travessa' das 6man n. 16, esquina
que volts pura o qnartel di> i'i'llcia.
Capsulas de Raqnim
O bons e.ffeitos" deslas rapsulas para fa^er ees-
sai'OSaoiiorrheas-acham-se comiM'nvadas pelas
exiwiienciasde muilos annos-
Os medifes de todos ospaizesas rcconwnendan
pela siveTRcaeirr.
VENASE
NA
1'hai'm.tcEa c drogara
DP.
BARTnO.OMEO & C.
do Rosario14
SEDAS PRETPAASRA A (UARESMA
A'35'0 COVADO.
Veii'em-se sedas preta? iavratlait, fozen-
d i muito superior, que com avanlajada lar-
gnraque tem, 14 ou 45covartos do nm
\esti,lo, o sendo fazenda (jue em outra
qualqaerparte nao se vende por menos de
4.-500O, mas por se ter comprada urna
grande porCM veride-se nMKX) 0 covado
nicamente na loja e annazem do PvaVJ;
rua da Impratri n. 00 dot'elix Pereira
da Silva.____________________________
. Vergonteas de-"pinho para mastaros. verga*
retrancas, todas de superior qualidade. Tintas-
Verde Pars, branCo de finco e prata, em IbM* di
ti e 28 libras, j preparadas, oleo de linhaca em
hai ris : no arm'a*m de deposito- da companhia
Pernambncana. no largo da Assembla n. 10.
m
90O
ro
60!^
7;500ft
m
4H0>
2>4{X>
60 '
3GT>
6or>-
coi
8or>-
\mb
i(0>
coO
3(
31
itfSOt^'

901
7r
i8^
4(h>'*
80&
=
Manoel Alvrs Kenvira C, na na da
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
superior potassa da Russia em barris e meios
barris e cal de Lisboa da mais nova que ha
no mercado.'
Tinta rxa de Mon-
teiro.
-1
0 MUSEO DE JOIAS
N. 3 RUA DIREPTA N. 3
As pilulas, o xaropc alcohlico e '.
\ o ethero'fle veame, conforme a;
formula do finado pharmaeetiiint Pa-
ranhor, asshn tomo a pomada (en-
tra as inchatocS erysipfosa?, acbtio-
se venda, na botica de Frane seo
Antonio das Chagas rua Direita n.
3, defronte do armazemde molha--
dos denominado viado branco. Es-
tes medicamentos teem sido o s3o
dos mais enrgicos agentes auxilia-
dores da naturezana- debeltarSrrdas
doencas, servindo de grande alivio
a bumanidadft solfredra. pphTCipal-
mente aquellos, que dispondo de
l poneos recursos -e nao podendo por
{ muito tempo'penwanecerem'em um
tratamento lalvez intil, pel'mefll-
cacia de certos remedios", recer-cm-
i elles; e por isto assrts re com-
mendsdos Se tornan, pare aspesOUs
?soflr^mtierneflma1i*nto, escro-
[ fulas, ulceras, impigens, ervsipett,
tumores nos ossos. tosse, astlirna,
atnenoprtia m sttpprwso de met-1
|1Wi e merihi^if) difflvili sernlf
Mt*rWmalloycon1firfrrtPa direvW"
escripia que os acompanha.
mi
Vende-so tinta rxs We Mnnteho para eserever:
i na loja de calcado do sotado 'ainrirollo da rua da
' fjrm n. U.____________________________^
rv Em casa de TheoM. ;hristiansen, rua dn loW
Bierrio n. 16, encotltram-se etTertiVatnente todaV
as qualdades de vinho Hordeanx Bnurgogne e cb
Mhenn
Forcllo mvito fino
sceos grandes a 4*500 o sacco : no largo do Pa-
rair.0 n. '30.______________._______
JARRAS A 2*01 K).
Vende-se na rua da Lapa n. 15.
Ven-fie
Rezroa de angirtf: na rua do Queimado n. 3i,
lja de fazendas.
fchapellerie des Dame*
RUA DO CABUOA' N. I**- ANDAR
Neste novo esiabelecimerrto' ha um lindo
'Sortimento de cbapellinas de palha dllalia.
o que ha de methor neste genero, assim
qumo cha|)o para senhora e menina.
Na mesmn rasa se apremia qualquer en-
commenda de chapeos ou fttapettmas; as-
sim como se conearta chapeo de palha, h
cando inteinmente novos. para o que ha bo-
nita forma e nm grande sortimento- de en-
feiles. tudo de muito gosto.
bSv
MR

Tabellas vermicida
DE
Antonio Nunes Vermirugo efficaz, e preferivl a todos a?
conhecidos, j pe|p certeza de seu resulla-
do, ej pela fcil applicaco as creancas.
quasi sempre mais atacadas de to termal
e muilas vezes fatal soffrimento.
NICO DEPOSITO
NA
Ph.irwarl.ie drogara.
Barllinmeu A C.
34Raja Um do llosario
3*
FRSQCS
O nico deposito de taafcVda fnl-iira dallara*.
Iho do r,abx sito no palee 'du Tereo n. 12 dna-
cidade. tem resolvido Inzer prandu-al^tinirniti
eUMM qn.' tem rerebido. os oaaen fieHWveBdidW t.
pela seguirte tabella, a siber :
De i 1/2 poMega* rano vwirad.i-por-aou n.
De 2 ditw* dem idem por li1***;
De :i e 4 ditas dem idem por 1*200.
Da dita idMn -idem por2*fi8t:
|)e 8 9 e 10 ditas idem dem por \,'MK.
One para-se tem ou -machina appareftad*-
para fare-los^om fierfeirao, sendo rada um eorft .
mes monm de comprimento, a slm runio tetoi
grande sormwmo de ionea^tarto- vidrada r*e
para resfriar agoa.
Na rua de'Hortas n. 1, tem" para vender f
jan mulatiuho iuuit> novo o melltnr que ped>"
Maver neste genero, urna cuia 800 r.-.
[p muito ge
Escn
scrava
Na rua dos fiuarnrapss n. 90, era-'-Pr*-d# Per-
las vende-se urna ralirocha de i') para li annos
ij alaamw li^bUidaUe*. propria para
daffcaafta*
Para enennameuto /l'afrua.
Cano? de ferro, ditos *stanhadns. dittfe ferrade
do porcelana,'todo emn-as- wmimUn** u.ra*ta*y
riinwr*etc. : a roa do tincara*, as __
VF\WIWK
a artiga taberna.da ruado lianpel n. -1,
al'rei;o(".:iJauaraa trra e sal; a tratar a
mesma.___________ _______________..
Na rua Direita n &, cava quo f'i d-. "V
oido Paralwv-canljnrtaae a vender o verdadera
voitame 6tlrop*-per-IS eommodos.
beia*'-

4



G
Diario de Pernambuco Sexta feira 19 de Mareo de 1869.

Lindos cortos de eesde cor com barra,e com figulino indicando o molde do vesti-
do polo baratissimo preco de 3>iOO o corte
Ditos de percalia muito modernos com duas saias i KjOOO rea
Ka loja das Columnas da ra do Crespo n. V.) de Antonio Correa de Vascon*
ccio8*e.
~ PRECO CBRENTE DOS CHAPEOS DlOL
Da fabrica de
Ba Nova n. 23,=Rna do Cabug n. 8
Pernambuco
Chpese de soda trancada, Paragoo, de 1G bastes, 28 pollegadas a 16,5 ; 26
pollegadas a 45.-), e 24 pollegadas a 144000.
Ditos de seda G. do N. Bara, de aro. de 10 instes, 28 pollegadas a 14$;
de 20 poega tas a I3; e 2i pollegadas a l;>X)0..
Ditos de seda (i. de N. lisa, de aro, de 12 bastes, 28 pollegadas a 12$ ; de
20 pollegadas a H; e 2 pollegadas a IOJOOO.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 bastes, 28 pollegadas aCj;e 20 pollegadas
a $0300.
Por duzki faz-se descont de 15 00
Chapos de sol de panno, de baleia, de 8 bastes, 24 e 20 pollegadas 32
a duzia. (Descont de 10 O|0).
Ditos de panno, de junco, 8 bastes, a 18^000 a duzia, bquido.
ALTAS
LOJA DO
Ra do Crespo n. ^
Impc
PASSO
A, esquina da do
PHOSPHATOdeFERRO
[DE LERAS DOCTOR. EM SCIENCIAS.
Debaixo da forma d'um liquido sein sal>6r.
anlogo a urna agua mineral, esie medica-
mento rene os elementos que constiluem
os ossos e o sangue. E' o mais racional dos
ferruginosos; por esta razo o adoptro
os mais eminentes mdicos do mundo in-
teiro. (;on\em muao s meninas de temperamento delicado, cujo desenvolvimento tardio,
s senhoras que padecem d'eslas dores d'estomago intoleraveis, causadas pela chlorose,
anemia. mensiruacSo ou leucorrhea, s criancas d'nma complcicao paluda e delicada, e a
todas as pessoas que tem o sangue empobrecido pelas doencas. Eflicacia, rapidez d'accio,
cura penda, sem constipado de ventre nem acro sobre os denles, taes sao as razes que
imperio para que os senliores mdicos o prescrevo aos seus docntes.
Deposito em Pernambuco, em rasa de Mxirer e C-.
PARA 01 VIU.SMV.
Gorgorito preto.
Seiui macan.
das lavradas.
Moireantique preto.
Gros-de-naples
Basquincs de gurguro e de gros-de-na-
ples enfeitado com primor.
Corpinbos de gros-de-naples.
Dasquines, capinbas, pelerinas, fichas,
de crochete do guipur, pretos e blancos.
Mantas pretas de blond.
Riquissintos chales de touquim.
Requissimos chales de gurguro de seda
preta o melhor neste artigo.
Chales de mirin pretos com requissimos
bordados e franjado de retroz.
Chales de mirin bordados sultane;
ultima moda.
Romeus pretos com lindos bordados.
|- Leques de madreperola, inarfim 'snda-
lo e osso, c pretos, para senhoras.
Ditos desandis para meninas.
Chapelinas pretfs.
PARA CASAMlTOS, BAILES, T1IEA-
THOS. etc. etc.
Lindos cortes do bloml, euntondo seiba,
mantas c grinaldas.
Requissimos coi tes de sedas assim como
para co vados.
Gurguro Branca.
Moireantique branco azul e verde.
*
.' 'c-naplcs brancos e de cores.
mu -raneo macau.
Sci branco, azul, verde, cor do rosa
ama re 11 os.
Fil de seda, branto e preto.
Corles de seda com duas saias.
Chales de gurguro de seda de cores.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho bordadas com primor.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Riquissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
Chapelinas de pama da Rafia, assim
oemo de seda.
Bnfftes para cabeca de senhora.
BspftrtNho* para senhoras.
Meias de lua para padre.
Ditas de I lia
Ditas de seda lio da Eseossia e algodo,
para senhoras e meninas.
Lencos de labyrhitho.
Fronhas de laminlho.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas cambraias de cOrts, percate,
laas, e outro muitos artigos de gosto e
de alta novidade, isto s
Na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.
CAPSULAS VEGETES"
com MATICO
de GRIMAULT e C.A pharmaceuticos; em PARS
Estas capsula, com capa de gluten, contem o balsamo de copahiba associado esseneia de
Matico (arvore do Per), e constituem um remedio infallivel contra a gonorrhea. Ellas obr
sem cansar o estomago e nao provocSo nunca os enjos e nauseas que oceasiono as capsulas
ordinarias, tendo a immensa vantagem de ti3o cominunicar ebeiro s ourinas. E' por estes mo-
tivos que ellas sao superiores s capsulas de copahiba, cubebas, etc.
Deposito em Pen.ambuco, em casa de Kanrer O*.
ia j mnni III iwpn i
Approvafio
ia academia
i$Kticcina
di Part.
Mamaceutko
laurina*
ia academia
i* xedecina.
wi
'
EFFICAGIA
As prenarac5es ferruginosas liquidas lem desde muitos naos merecido a approvacS
especial dos mdicos, porque ellas obro mais rpido e seguramente do que as punas, e
sao mais fcilmente toleradas pelos doeutes. Os Pos ferro-manganicos possuem a inappre-
ciavel vantagem de poder offerecer n'um instante nma agua ferruginosa gazeosa, de gosto
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de indis um elemento precioso,
o Manganese, que sempre se acha no sangue. junctamente com o ferro. Emprego-se em
todas as molestias que tem por causa o empobrecimento do sangue, assim como para vigorar
os temperamentos debis e lymphalieos. A chlorose, as Perdas brancas dores d'estomago,
a irregularidade da menstruaco e amenorrea ou suppressao do menstruo, cedem rpida-
mente a sen emprego. Devemos mencionar aqu um facto notavel, isto que os doentes cura-
dos pela agua preparada com estes pds estao mnito menos expostos a recadas do que
aquelles que forao tratados pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, em casa de Manta* a o*.
DO
VERDADEIRAS
XAROPE DE RBANO IODADO
0 Xarope de Rbano iodado de Grimault e O, pharmaceuticos de S. A. I. o princu
Napaleo, em Paris, preparado com o sueco das plantas anti-escorbuticas cuia eficacia^
mm popular. v
Encerra o iodo como combinaclo orgnica, e considerado como o melhor succedaneo
do oleo de figado de bacalho.
A rara perleicao d'este producto anima-nos a dar a conhecer aqu a opinilo de alema
d entre os prtncipaes mdicos de Paris, que diariamente o prescrevem.
0 Xarope de Rbano iodado um medicamento d'um effeito suave e seguro para a
medicacao dos meninos, nao smente suppre o oleo de figado de bacalho, mas anda fax
as suas vezes com vantagem.
Dr A. CAZENAVE, medico em chefe do hospital Saint-Louis, em Paris.
t 0 Xarope de Rbano iodado um medicamento de primeira ordem para o tratamento das
affeccoes lyrnphaticas e escrofulosas. Muitas vezes, empreguei-o com feliz xito, em certos
casos de tsica ao sen principio, como succedaneo do oleo de figado de bacalho.
Dr A. CHARR1ER, antigo chefe de clmica da Faculdade de Paris.
t 0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excellentes resultados como regenerador
do sangue, e succedaneo do oleo de figada de baralho.
IV A. FAVROT, autor do Tratt des maladies des femmes.
t O Xarope de Rbano iodado um dos mais poderosos modificadores das constituicoea
t lyrnphaticas. Tenho visto ulceras escrofulosas que cada podia curar, cicatrizarem-se,
grecas a sua accao, com promptido extraordinaria. Tambem, pelo seu uso desepparecem
as affeccoes tuberculosas dos ossos, nos meninos.
D' GUESNARb, antigo externo dos hospitaes de Paris.
t O Xarope de Rbano iodado possue todas as vantagens do oleo de figado de bacalho,
sem ter nenhnm dos inconvenientes que apresenta este ultimo medicamento.
Dr GU1B0UT, medico dos hospitaes. Presidente da Sociedade de medicina de Paris.
t O Xarope de Rbano iodado de Grimault e C* encerra 4(2 por cento de iodo,
composifo orgnica anloga i que se acha no oleo de figado de bacalho.
PILULASdeBLANCARD
r*
CO IODURETO DO FERRO HMLTEMVCL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PftMS, ETC.
Possuindo s propriedades do ledo al do ferro, convem especialmente as kmecots
escrofulosas, Tsica do principio. (raqueta d temperamento tambem oos casos da
Falta de cok, amf.norrhra, em que precisa re agir sobre o sanoue seja para restituir
Ibe a sua riqueza e ahundeneia normaes, ou para provocar regular o-seu curso peridico.
If. B. O iodnreto da ferro impuro ea aitarade i m medicamento infiel,
lrriunte. Como prora de purera a da aalhenridide das va4a>4*lraa r-
Klanrarit, dere-se eligir noafa aell ale rala reaatWa e_
no=so arma, aqu reprodnzida, qne la acha na parta inftrior da ora
rotula verde. Deve-se desconfiar das faltificacos.
Arham-n. em toda* aa paaraareaa. PharmaeeuUcv, ruu Bmmpmrtt, 40,
Irritan
k lula.
^^. oossi
na sua
Dr KLETZ1NSK1, professor de chymica, louvado dos tribunaes de Vitrma.
Deposito em Pernambuco, em casa de Manrer O*.
OLEO DE HOGG
Figados frescos de bacalho
Para cara cerla de phtisica, affeccoes escrofu-
losas, tosse chronica, fraijueza dos membros c de-
)ilidade geral, recomnienda-se a exeelleniria dosto
.do aiuda por ser agradavel no paladar.
VE.NDE-SE
N.V
Pharmacia c drogara
DE
BARTHOLOME & C.
34 = Ra larga Jo Rosario 34
&IM^&)3==mSEJ\B==mm
'&9&&: CATARRHOS
PASTIIHAS PEIT0RAES
de sueco deALFACE
E L0UR0 GE REJO
IRRITUQOES
E este o mais novo e delicioso confeito at agora conhecido. Por isto tem adquirido r-
pidamente a popularidade de que goza. Os mdicos os mais dislinctos o aconsellio contra
as tosses, defuxos, caiarrhos. tosset convulsas, catarrhos epidmicos, irritacOes do peito. Com
grande empenho o procurio as mies de familia, assim para ellas como para as enancas, pois
primeiro que tudo inoffensivo, e as suas propriedades aclocantes nao deixao nada a desejar.
Deposito em Pernambuco*em casa de atanrar a O*.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRA
Remedio por excellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites,
catarrhos, tosses convulsivas, escarros saar
guios, e outras molestias do peito.
VENUE-SE
PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomsu A C.
3 iRA LARGA DO. ROSARIO3 i
AO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
FI/illES finas, grande sortitnento.
GRINALDAS de ditas para coques.
LA^OS, QveUa, penachos para enfei
enfeites.
Para houiens.

Para senhoras.
COQUES da ullima moda, enfeitados e liso?, gran-
de sor ti liento.
CHAPELINAS de palha da Italia^guarnecidas com
delicados e elegantes enfeiteaTJraneos o de cures
CIIAPEUSINHOS e gorras de velludo e de pennas
(alta novidadj !) de palha da Italia, a emtiacao,
especial sorliraento.
CINTOS de cores e pretos, rico sortiraeiuo ulli-
ma moda.
CAMISAS hordadas por commodos procos.
LENCOS bordados e com letras, novidado neste
genero
LEQUES a etnilacao de marfini, gosto novo e de
sndalo.
SvVx-lHAS e punnos' a emitacao de guipure.
ENr LITES pretos e de cores para cabeca, lindos
moldes.
GUARNIQAO alta novidade I a Marie Rose, lti-
mamente usada em Paris
CORPINHOS de guipure brancos e pretos lindos
modelos. r
BORNOS de la e seda, cores claras
moda em Pars.
GRINALDAS de flores Anas.
ESPARTILHOS superiores.
MEIAS supriores de fio de Escocia.
LUVAS de peliea chegadas pelo ultimo vapor
ADERECOS de coral verdadeiroe camafeo, tote'BDNECAS TflttdasT muito
delicado.
DE PALHA
GUARNICES para vestidos.
TRANCAS para enfeites de coques.
BOTES lisos e com pingentes para vestidos.
CINTOS alta novidada
deli-
elegante
CAMISAS com peitos, colarnhos e punhos
nho fino, lisos e bordados, moda,
COLARNHOS de linho e algodo.
PUNHOS de ditos.
GRAVATAS de todas as qnalidades.
BOTES para punhos e guarninos para coletes.
COR RENTES de plaqu a etnitacao do ouro, lin-
do gosto.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
lidade superior.
CHAPEOS de seda, para sol.
MEIAS de superior qualidade.
BENGALINHAS finas e chicotes..
LUNETAS aro de ac e tarturaga.
Para erlaacas.
VESTUARIOS completos para baptisados.
SAPATINHOS de merino e setim enfeitados.
MEIAS de seda e fio de Escocia.
CHAPE USINHOS de palha da Italia.
JOUCAS de fil e setim enfeitadas e de chroch.
.ECAS vestidas, muito bonitas o diversos
brtnquedos.
Perfumarlas finas.
Murray & Lan-
AGLIA florida'verdadeira de
man New-York.
TNICO oriental, verdadeii'3.
AGUA DIVINA de E. Coudray e superior agua e
esseneia de Colonia.
ESTRATOS e osseucias finas e de agradareis aro-
mas para o lenco.
VINAGRES aromtico? para toilet.
POS DE ARROZ para amanar a pelle ; em paco-
tes e ricas caixtnhas com armnho.
POS superior para lirpar os dentes.
COSMETIQUES de finaqualidade.
SABONETES, grande sortitnento deste genero e
de superior qualldade.
LEOS de philocome, babosa c antique?.
BANHA fina para os cabellos.
AGUA de llores de laranja.
CREME de sabao para barta.
Cautas proparadas com perfumaras finas.
Hfliiidczas fiuas.
SUPERIORES fitas de grosdenaples de todas as
cores e larguras de veluio preto e de cores, e
gurguro para cintos.
BABADINHOS e ntremelos bordados.
GUARNICES de seda do (-ores para enfeites de
vestidos.
TRANCAS pretas com vidrilhos e pingentes.
BOTES de coros, brancos e pretos com vidrilhos
lisos e com pingentes.
DEDAES de maa. aperla, de marfim, de Ocp e
metal.
THESOURAS finas para costura c untaas.
CAIVETES finos com qualro folhas. E muitos
outros artigos de miudez.-.s que se torna enfa-
donbo menciona-los.
LOJA DO GALLO VIGILASTE
Ra do Crespo n. 7
Mandou vir de sua conta e acaba de re-
eflber pelo ultimo vapor, completo sortimen-
ot de objectos de novidade e phantasia, os
quaes esto resolvidos a vender por presos
nimiamente baratos, para assim animar aos
concurrentes e ao mesmo tempo dar sahkla
ao grande deposito que tem: isto ra do
Crespo n. 7, loja do Gallo Vigilante.
Gollinhas, punljos e camisinhas para se-
nhora, fazendas do gosto e novidade.
Finos vestuarios para baptisados, assim
como touquinhas, sapatiahos e meiasinhas
para o mesmo fim.
Grande sortimento de bic6 e ren4as de
croch e de outras muitas quididades.
Superiores caixas com msicas e sem el-
las, tendo o necessario para costuras, pro-
prias para um delicado mimo.
Finas caixas com lentos e sem ees para
voltarete.
Agulhas para machinas de costura.
Ditas para croch, sendo de ac, rnarfim
e outras muitas quaidades, assim como li-
abas para o mesmo mister.
Finas grinaldas para noivas.
Meias de borracha para quem sofre de
erysipella, assim como meias de laa para
os que soffrem de rheumatismo.
Suspensorios para homem e meninos.
Finos pentes de tartaruga para coques o
de outras muitas quaidades e para outros
misteres.
Dedaes de madreperola, marfim, osso,
ac, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome para tingir
cabellos, dando aos mesmos a sua cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de Unas perfumaras
dos melhores fabricantes, assim como mui-
tos outros objectos que impossivel des-
crever: isto s na ra do Crespo n. 7, loja
dp Gallo Vigilante.
Collares Royer elctricos magnticos con-
tra as convulsoes das criancas e para facili-
tar a dentinc3o das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
collares e contina a ter sempre grande de-
posito, ra do Crespo n. 7.
TASSOIRMAOS
Tem para vender ein seus armazens, alm do ou-
tros, os seguales artigos :
Papel para impriuiir.
Perlina azul.
Greve paulado e liso.
Vinhos em caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Hcry. _
Madeira.
Hermitage.
Chamblis.
Licor do curaco de Hollanda em caixas de vin-
ice qualro botijihas
Nosarmazens de Tasso limaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos arrnazens de Tasso limaos
< I3t 2CI MOS DE FERRO
Para sorvicos de grandes armazens. para remo-
ver barricas ou caixoos de um para ontro, lado pelo
mdico proco de I2000 cada um.
Farfulla de trigo do Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento das melhores marcas de
farnhas americanas.
Saceos de farfulla de trigo do
Chile
Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irniios.
Cemento romano
Nosarmazens de Tasso rmaos.
Cemento hydranlico 12-5
O melhor para tudo (|de sao obras para agua, co-
mo assentatnento de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, tantiues d'agna, etc., etc.: em porfles de
cincoento barricas-s far reduccao no preep : nos
armazens de Tasso rmaos.
Cemento Portland
0 verdadeiro comento Portland em easa de Tasso
rmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
Be differenles quaidades pata cercados de ani-
I Mes, chiqueiros para galianas ou jardi: nos ar-
mazens de Tasso rmaos.
Barris com breu
Roa armazens do Tasso rmaos.
CANOS DE BARBO
Na ra .Nova de Santa Riia, na antiga fabrica de
sabo, ha para vender por pneco o mais mdico
possivel, canos francezes para-ediflcacSes eesgo-
tos defoda aqualidade, superiores a todos os que
aqu tena apparecdo pela sua solidez.
PHEgOS.
i 3i00 por cano grande de 3 e meia pollegadas.
1200 por dito de 2 e tres quarfos de dita.
1 (XX) por dito de 2 e um quarto de dita.
500 res por pistoleta de 2 pollcjadas.
Cotovellos, curras e canos de maior grossua,a
vstase far o proco. Compras ttaiores de 260*
tem 5 por cont de descont por prompto paga-
mento. Pde-se ver as amostras nos armazens
de Tasso rmaos.
lijlos francezes
Para ladrilhar casas terreas comasseioe procos
| mdicos, muilo-convenientes e proprios para ladri-
Ihos de cosinhas em sobrados, pelo scu asseio e
evitar apassagem de aguas para o-andar inferior
e mesmo o pe rgo de fogo, aos procos de 30000a
15000 o millieiFo: na ra Nova de Santa Rita, na
antiga fabrica-de sabao, e compras maiores de 2*
se far 5 por cont de descont por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras-nos armazeas
de Tasso rmaos.
Velas de esparmacete vcrdadmras para laa-
temas de carros: noarmazem de Tasso rmaos.
Vinho do Porto lino superior: no armazem
de Tasso Irtaos.
O meioop cognac Gauther Freres : no arma-
zem de Tasso-rmaos.
Esteiras da India
Em casa de Tasso rmaos vende-se esteiras da
India do dtvor-sos padres c largaras, por pree/>
commodo.
Macarthy
Ilachina de descaro?ar algodo.
Hoje qne est reconhecido que as machinas de
serrote piejudicam e quebram a fibra do algodo,
preciso rocoraer a machinisme menos spero,
que produzindo o mesmo servico que aquellas, e
facilidade no trabalho, nao quebrem a fibra da laa,
para que essa possa obler-nos mercados europeos,
a differenra c|tie ha entre o algodo descarocado
por aquellas mencionadas machinas, que esta fi-
cando em deuzo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga bolandeira, que nao pode competir
pela nwosidadc de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se tornam as mais proprias para o
nosso algodo, porque ao par da facilittade e
promptido cons*va a fibra da la, que limpa por
ella, e qualifieada na Europa a par damelJhtr bo-
landeira, valendo assim entre 10 arrobas 20 0/0
mais do que a la limpa pela machina do serrote.
Estas machina* nao sao novas, pois que ha muito
estao adoptadas no Eg>pto, aonde as de serrote
foram intetramentc ahandonadas, o por isso o algo-
do daqueHa procedencia, sendo da qualidade do
ila nossa provincia, obtem hoje de 10 arrobas 20
0/0 mais do que o nosso : vendem-se a 150*000
nos armazens de Tasso rmaos.
Oleo de amndoa
Em cantas de 8 latas, cada caixa> 100 libras :
nos armazens de Tasso'Irmos.
Charutos da Havana*
A KOVAESPERANCA
21=Ra do Queimado = 21
t para presentes
A Nova Esperarla, ra do Queimado
. 21 tem um variado sortimento de objec-
tos de gosto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresahindo Mitre elles rica caix>
nkas de bano com finas perfumaras, eos-
turaros de chagrn, amillieiros de madref
perola : assim, pois. rrirahquizer fazer unu
linda ollera, 6 dirigir-se ^^"a Esperanza,
na do Queimado n. 21.
Collares anodinos eflectro-magnett
eos contra as conwilges das
creangas.
Nao rc^t a menor duvida, de que muito
collares dPvcndem por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitos
pais de familias nao creem (comprando-os)
no effeito promettdo, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsikacjo principalmente no
que respeita ao bem estar da homanidade,
fez urna encommenda directa destes collares
e garante aos pais de familias, que sao o*
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
ras tem salvado do terrivel incommodo de
ronvolces, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a na do Queimado
n. 2t comprarem o salva vida, para seu
ilhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando enl3o ser di-
ficil alcancar-se o effeito desojado, embora
sejam empregados os verdadeiros coliare
de Royer.
Para "extinguir as sardas e
panno
Receben a Nova Esperanza, ra do
Queimado n. 21, leite de rosas, especia]
para extinguir sardas e pannos.
BONECA DE CERA
A Nc'a esperanca a ra do Queimado n.
21, acab- de receber um completo sorti-
mento ae finas bonecas de cera de diver-
sos tamanho, sendo as maiores do tom-
priHiento d'um- covado ; estas bonecas tra-
ze bonitos ceques e botinas, havendo en-
tre ellas algumas que fallam e outras que
choram de sorts que fcilmente podem ser
preparadas, e fazer-se um presente de muits
acceilaco.
Finas caixas de tartaruga para rap ven-
dem-se a ra do Queimado n. 21 na loja
da Nava Esperanca.
Modernos brincos de sndalo, s se en-
contrarlo na Nora Esperanca a ra do
Queimado n. 21.
MEIAS DE L.U
A Nova Esperanca a ra do Queimado n.
21, acaba de receber um especial sortimen-
to de meias de la para homem e senhora.
CONTRA AS CONGESTES
mal terrivel a congesfao nominante:
de repente leva um individo, d'esia para
milhor vida, sem dar-lhe tempo de receber
conversa medica; deixando aa mais das
veses rmtlher e ilhos no mais amargurado
pranto ; a Nova Esperanca que deseca pres-
tar ser.'ieos recorreu a Vojer, o qual lhe
mandoa anneis elctricos magnticos, como
o nico preservativo para semelhante mal i
elles antes que se acabem : na-Nova Espe-
ranca-
NAVA1HAS
A Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 recebeu um sortimento de navalhas,
de quaidades, e tamanhos espeoiaes assim
como afladores e massas para as mesmas.
Vondem Augusto F. de Oliveira & C. ra d<
Commercio, n. 42.
Excellentes charutos daHavanae por baralissU
mo preco : em casa de Tasso breaos, ra do
Aiiionm n. 35.
Tudo se vende por precos bastante commodos.
Meias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes meias elsti-
cas de borracha contra varizes e erysipeilas.
Vende-se na
Pharmacia e drogara de
Bartholomeu & C
34ra larga do Rosario34
Scbonete de alcardo,
M
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to boa
acceitacao tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu & C,
34ra larga do Rosario34.
RITaL sem segundo
Ra do QuPimndD n. 49, loja de miudezaa de
Jos de Azevedo Tibia o Silva, tem para rendar os
artigos abaixo declarados, tudo bom c baratissi-
mo, que sao para acabar.
Duzia de sabonrtes muito finos a 700 rs.
Pares desapalos de tapeto para homem a 15280.
Ditos de tranca para creanca a 15.
Tramoia do Porto, bordada, a melhor a 290 rs.
Dita do Porto liza, da taellior qualidade a 100, 120,
160 c 20O rs.
Resma de papel aliuaco, lizo superior a 35200.
Dita de papel alinaco pautado a 4 i.
Livro de missoes abreviadas a 2.
Cartillias com toda a doutrina e wuitas resasal
320 rs.
Silabarios portugueses com estampas a 320 rs.
Baralhos francezes muito linos a 201) o 240 rs.
Sabao ingle superior qualidade a 800 e IA.'
Gravatas pretas e de cores muito finas a 500 rs.
Duzia de meias para senhora, fazenda fina a 43.
Redes pretas lisas para segurar cabello a 320 rs.
Varas de transa do seda de todas as cores a 600 rs.
Pares de.brincos doeados com mozinha e pe-
dras a 320 rs.
Candes com corchetes de duas ordens e sao de la-
toa20rs.
Aboluadnras de vidro para coleto muito finas a
120, 240 e 400 rs.
Pares de botos dourados para punhos a 160 rs.
Caixas de pennas de ac muito finas a 240, 320 e
500 rs.
Cartoes com duren tas jardas de liuha do fabri-
cante Alexandre a 100 rs.
Caixas do pennas de ac, a verdadeira penna a
MMO.
Carriteis de lnlia Alexandre ns. 70,80, 100 at
200 a 100 rs.
Caixas cora superiores obreias de massa a 40 rs.
Carriteis com duas oitavas de retroz preto a 500 rs
Duzias de agulhas para machinas a 2.
Libras de pregos francezes de todos os tamanhos
a240rs,
Livrosescripturados para rol do roupa a 120 rs.
Caixas com papel amisade muito fino a 700 rs.
Caixas com cem envelopes da melhor qualidade a
600 rs. 4
Talheres para meninos muito boa fazenda a
240 rs.
Cemento de Portland.
Vende-se no armazem de Vicente Ferrera
Costa & Filho, na ra da Madre de Dos o. 29,
barris grandes.
Para familias
Grande Bazas, rna *' va ns. O cr
$S, deCarneiro \bnna c.
Acaba de chegar a este estabelecimento
grande porrao de machinas para costuras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposico de Paris, as quaes cozem com
dous pospontos tuda a costura, e tem z,
vantagem de ser tao suave o movimento,
que qualquer crianca de oito annos fcil-
mente trabalha, e pode, com este entrete-
aimento, levar vantagem. ao servido diario
de trinta costureiras. A eomprehensSo
simples, pois em um quarto do hora se ti-
ca senhor da movimento da machina, ten-
do a mesma a pspriedade de farer as se-
guintes costuras; pospontar, abainhar,
franzir, marcar o bordar, como apwsentam
os desenhos que acompanliam-nas. Os p/o-
prietarios do estabelecimento se encap-e-
gam de mandar ensinar o'esta cidade, e
garantem enbregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeifn a matliina vendida, nao tendo,
porm, soflrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabelecimento machinas
do autor Grower A Raker, de trabalho sim-
plesmente m2o, e outras. com movimento
doe ps; e mxime todos os" perlences das
mesmas machinas, para vender avulso.
Tintura japoneza
Instantnea para tingir os cabellos e. a
barba, a liSOOO o frasco.
E' a nica approvada e recommeridada
por ter sido recoahecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
A venda em casa de Gustavo HerveSn n.
51. ra da Cadeian. SI.
GAZ GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster &
C, ra do Imperador, um carregamento de gaz
de primeira qualidade; o qual se vende em partidas,
e a rctalho por menos proco do que em outra qual-
quer parte.
FUNDICAO DOBOWMAN
Hua do Brun u. 5.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batidor fundido.
Rodas denudas, paia moer com agoa,
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas pan purgar assucar.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro
prios para agricultura.___________
Para semana santa
Madama Adour, 23 ra do Imperador
acaba de receber mantinhas e manteleta de
eto.
T

*
S


Diario de Pernambuco Sexta k'l'a 19 de Msirqo de 1869.
I



1
GRANDE LIQUIDACAO
A DINHEiRO NA LOJA E ARMAZEM
ROUPAS FEITAS
DO
DB
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprietario d'este estabelecimento convida ao rcspeitavcl publico desta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tcm defazendas, tanto da moda como
de lei, e as pessoas que negochrm enr pequea escalla, tanto da prac.a como do matto-
nesta casa podero fazer os seus sortimentos em pequeas o grandes porches, venden-
do-se-lhes pelos precos que se compram as oasas inglezas ; assim como as excellentis,
simas familias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se esto estabelecimen-
to aberto constantemente desde s 6 horas a manha as 9 da noute.
O atoalhado do Pavao
Vende-8e superior atoalhado de algodao
2^200 a vara; dito de linho fazenda muito
superior a 35200 a vara ; guardanapos de
linho adamascados a 430O a duzia e muito
finos a 8#000, e ditos econmicos a 35O0
a duzia.
Fustdes para vestidos francos
a40.
Vendem-se os mars modernos fustoes bran-
cos flexiveis cora padrdes de listas e de
slpicos proprios para vestidos e roupas' de
menino a 640 rs. o covado, na loja e arma-
zem do Pavo ra da Imperatrizn. 60, de
Flix Pereira da Silva.
Grosdenaples
Chegou para a loja do Pavo pelo ultimo
varpor um grande sortimento dos melhores
grosdenaples pretos e de cores, tendo verde
tambem, que se vendem mais barato que
em outra qualquer parte.
BABADINHOS
'Vendem-se finissimos babadinhos, liras
bordadas e entremeios, mais baratos do que
em outra qualquer parte, assim como espar-
lhos dos mais modernos, no armazem de
Flix Pereira da Silva, ra da Imperatriz
n. 60.
ALTA NOVIDADE
A LOJA DO PAVAO
Gurguro de seda
Chegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos gurgures de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos e lavradinhos, com muito
lustro, garantiudo-sc que a fazenda mais
linda e de mais phanlasia que este anuo tem
chegado a este mercado, o vende-se por
prec,o muito razoavel, na ra da Imperatriz
n. 60. de Flix Pereira da Silva.
GROSDENAPOLES PRETO A QATRO
PATACAS S O PAVAO.
Vende-se grosdenapoles preto de boa
qualidade pelo barato preco de I /5280 o co-
vado, s na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60 de Feliz Pereira da
Silva.
CAMBRAIA BRANCA A SBOO.
Vende-se pecas de cambraia branca
transparente, com 8 e meia varas pelo ba-
rato preco de 35500, ditas muito finas tanto
tapadas comotransparentes i$>00, 55000,
60500, 75000 e 85000, assim como organ-
d muito fino tanto lizo, como de listas e
quadros na loja e armazem do Pavo ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
ALPACAS LAVRADAS PARA LUCTO.
Vende-se na loja do Pav3o. as mais mo-
dernas alpacas lavradas para lucto, sendo
muitolargasepelo barato prego deSOOrs. o
covado, s na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
Cassas inglezas a 4 4 O rs o metro
Vende-so urna grande porco de bonitas
cassas inglezas tanto graudascomo miudi-
nhas e de cores lixas pelo barato preco fie
i 40 rs. ometro.garentindo-se que 7 metros,
do um vestido para qualquer Sra. s na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva.
Bareges a 400 rs.
S na loja do Pavao
Se vendem as mais bonitas bareges transparen-
tes, proprias para vestidos com listrinhas a iinita-
cao de listras de seda, e vendem-se pelo bwatii
preco de um cruzado cada um covado, nicamen-
te na loja e armazem do Pavao, ra da Impera-
triz n. 60, de Flix Pereira da Silva.
Grande pechiiicha para a
quaresma.
VESTIDOS PRETOS A 455000.
Vende-se superiores cortes de vestidos de
seda preta lavrada, sendo fazenda muito
encorpada e muito moderna, pelo barato
preco de 455, nicamente na loja do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pereira
da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A 55000.
Vendem-se colchas de fusto adamasca-
las para cama, pelo barato prec- de 55,
grande pechincha, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
COBERTOKES IN4LEZES A 45. 45500 E 5.
Vemlem-se os verdadeiros cobertores
inglezes. de pura laa, pelo barato preco
de y, 45500 e 55, assim como colchas de
fusta) de cores, pelo barato preco de 35, na
loja e armazem do Pavo. ra da Impera-
triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
A U, OS BALES DO PAVO.
Vendem-se superiores bales amenca-
tendo as fi-
AS CAMBRAIAS DO PAVAO
Vendem-se finissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo nRH's de vara de largura, pelos
precos de 55000 at 105000 a peca, assim
como finissimos organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 15000, a vara, na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Alpacas lavradas
Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que se vendem a 15000, o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de caima a
800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:200,
o covado, e outras rauitas fazendas de gosto
e moda que se vendem mais barato do
que em outra qualquer parte, no armazem
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
Roupas para homem
Vendem-se superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas inglezas e francezas com os peitos
de esguio, ceroulas francezas de linho e al-
godao, meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e de meia de la, assim
como neste.estabelecimento existe um grande
sortimento de pannos pretos, e de casemiras
inglezas de cores, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-lhes que sero servidos
com a matar promptide e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na rua da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 125000 rs. cada par at 255000 rs,
isto na rua da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
Cretone para Ien^es com 10
pabnos de largura a 2$,
Acaba do chegar esta nova e excellente
fazenda branca propria para lences de um
s panno, garantindo-se que um metro e
urna quarta ou um metro e meio d um
excellente lencol de um s panno', assim
como esta boa fazenda tambem muito
propria para toalhas de meza, rosto etc. e
outros mysteres e vende-se pelo baratissi
mo preco de 25 cada metro.
MOCAMBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Chegou para a loja do Pavao um elegante
sortimento dos mais bonitos mocambiques
proprios para vestidos com as cores mais
modernas c que se vendem pelo barato
preco de 500 rs. o covado.
ALPACO DE CORDO PARA VESTIDO A 1J
Chegou esta nova fazenda com o nomo
de alpaco, sendo de cordao e com mais
largura do que a alpaca, com as mais lindas
cores, como sejam Bismark, lyrio, perolas,
roxo, cor de canna, magenta etc. e vende-
se pelo baratissimo preco de 15 o covado.
ROMEIRAS PARA QUARESMA A 16Jr
Chegaram as mais bonitas e modernas
romeiras pretas de guipure, que se vendem
pelo baratissimo preco de 165 cada urna.
SOBRECASACOS PARA A QUARESMA A 185 E
m.
Vende-se um grande sortimento de so-
brecasacos e palitts sobrecasacados de fi-
nissimo panno preto pelo baratissimo prego
de 185, sendo forrados de alpaca, e por
20(, todos forrados de seda, grande pe-
ihincha, principalmente por estarmos na
quaresma. assim como, tambem se vende
um grande sortimento de calcas e colettes
de casimira preta que se vende muito mais
barato do que em outra qualquer parte.
ESGUIO DE LINHO DE 12 JARDAS A 1G5-
Vende-se pecas de esguio de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada peca, a
105000.
ALTA NOVIDADE
A
Loja do Pavao.
Na loja do Leo da porta larga
DE
PAREDES PORTO.
Rua da Imperatriz n. 52, junto aloja de ourives.
N'este estabelecimento se encontrar rua da Imperatriz n. 52, loja do Paredes
sempre um cempleto sortimento de roupas Porto.
feitas de todas as qualidades. Como se- Neste estabelecimento encontrar o respei-
jam: paletots de alpaca, de merino, de tavel publico um completo sortimento de
casemira, bombains de panno preto, fra- fazendas e roupas que. se vende pelos pre-
ques e sobrecasacos de brins de cores e' eos seguintes:
pardos. i FAZENDAS PRETAS.
CALCAS E COLETES. Completo sortimento de fazendas pro-
Tem sempre* no mesmo sentido um sor- prias para a quaresma, como sejam: gros-
timento completo a preco commodo. de-naples a 25, 25500, 3,?, 30500 o cova-
CAMISAS E SIROULAS. do, moreantique de diversas quali lades
Encontrar sempre o respeitavcl publico a 20200, 25400 e 20800 rs., sortimento de
um bonito sortimento de todos os nmeros, alpacas pretas c de cores de 500 rs. at 10,
MEIAS CRUAS. princza, mirin de diversas qualidades.
Sortimento de todas as qualidades, de FAZENDAS BRANCAS,
30 a 50, assim como tambem sortimento MadapolSo de diversas qualidades e pre-
de lencos de linho brancos e com barras eos commodos, cambraia de 30500 411500
de coi-, chinezes, bonitas grvalas pretas e c 50, ditas victorias de 50500 a 120, pecas
de cores. Rua da Imperatriz n. 52, por- de cassa liza o mais fino que ha no mcrca-
ta larga. do a 90, 100, 120. com 12 varas, e vara
PARA ACABAR. de largura
l'ma grande porco decalcas ordinarias SEDAS DE LIS TOAS.
para trabalho a 610 e 800 rs. cada um par, J Recebeu-se um bonito sortimento d'esta
pechincha na loja do Lea junto a loja de fazenda que se vende a 20500'o covado.
ourives. I CHITAS.
GRANDE PECHINCHA, Vende-se chitas escuras a 280, 300, e
Cassas he cores a 160 rs. o covado, na 320 rs. o covado.
10 RES O COVADO GUARDANAPOS
Chita preta pelo barato preco de 160 o Vende-se esta fazenda de linho, fazenda
covado na rua da Imperatriz n. 52 na loja boa a 40000 e 50000 a duzia.
que tem um Leao pintado. MEIAS PARA HOMEM
PANNO DE LINHO Sortimento de meias inglezas para ho-
Paredes Porto recebeu um sortimento da Kim a mm S)J800 e05800 fazcnda boa.
pannos de linho, com 27 varas a peca e
170000 e 180000, na rua da Imperatrizn.
5,junto a loja de ourives do porta larga.de
Paredes Porto.
LENCOS DE LINHO
Vende-se lencos brancos de linho a 30,
a duzia para acabar na loja 4e Paredes Por-
to. Rua da Imperatriz n 52 loja da porta
larga qne tem um Leao pintado, de Paredes
Porto.
THOALHAS
Sortimento de toalhas de pelucia a 110
a duzia.
LENCOS BRANCOS a 20200
Para acabar lencos de algodo a 20200
a duzia,
20000
Vara de bramante de linho superior e
tem 10 palmos de largo.
GURGURES PARA VESTIDOS A 10000,
O COVADO.
Chegaram os mais modernos gurgures
nos de trinta a quarenta arcos .u ..- ^ d sendo de todas as cores: como
tas bastante largas, sendo muito fcil trans- ... '
forma-ios f^J*-"" *g* ^4%^^^^
e l.qu.darn^e pdo barato preco de 20 cada vende-se pelo baratissimo
um. sendo fazenda que sempre se vendeu
a 70 e 84, isto na loja e armazem do Pa-
gara c vende-se pelo baratissimo preco
de 10000, cada covado nicamente no ar-
vao, rua da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
Madapolo enfestado a 8&500
Vende-se superior madapolo enfestado,
sendo muito encorpado, para carnizas, e
tendo cada peca 21 jardas, pelo baratissi-
mazem de Flix Pereira da Silva, na rua da
Imperatriz n. 60.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVAO.
Vende-se urna grande quantidade de re-
talhos de chitas e cassas pretas por preco
mo preco de 80500. na loja e armazem do muito barato, e quanto maior for porgo
Pavao. rua da Imperatriz n. 60. De Flix. 1ue fref?ue comprar, mais barato se Ihe
vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
No armazem do Leao, rua da Imperatriz n. e 52, junto a loja de ourives.
FAZENDAS PRETAS
PARA A QUARESMA
AUGUSTO PORTO & C.
Roa do Queiniado n. 11
Receberam directamente da Europa as mais superiores fazendas pretas espe-
ciaes para a quaresma, as quaes est5o vendendo pelos mais mdicos precos em vista
da superior qualidade deditasfazendas.
alta \ovniAnrc
Basquines pretas de renda, verdadeira novidade, para senhora.
Gorguro preto de seda liso e com listas assetinadps para vestidos.
Grosdenaples preto largo estreito de diversas qdlidades havendo neste ge-
nero o que ha de meHior.
Basquines de croch pretos, ditos de seda preta cora cintos delicadamente en-
feitados, elegantes peplums de seda preta, fichos pretos de renda, modernas capinhas
pretas de renda e superioras vestidos de gorgur5o preto bordados.
Aloja n. 11 da rua doQueimado tem sempre o melhor sortimento de tapetes,
alcatifas e
Estars da India para forrar salas.
ARARA
Lourenco Pereira Mendes Guimares, proprietario da luja da Arara, rua da Imperatriz
n. 72, declara ao respeitavel publico e seus freguezes que acaba de concluir o balauco
de sua loja de fazendas e fazer abatimento as fazendas qne julgou necessario para
vender mais barato que em outra qualquer parte, por isso roga ao respeitavel publico o
favor de mandar ver as amostras das mesmas para ver como se vende barato.
CHITAS FRANCEZAS A 280 RS.
- Vendem-se chitas francezas a 280, 320 e 360 rs. o covado.
MADAPOLO A 6000.
Vendem-se pecas de madapoto lino a 60, 70, 80 e 90000.
GANGA A 320 RS.
Vendc-se ganga para calca e palitts a 320 e 360 rs. o covado.
CASTORES PARA CALCAS.
Vendem-se castores para calcas a 240 e 280 rs. o covado.
LAAZINHAS A 240 RS.
Vende-se lazinha a 240,280 e 32, rs. o covado, e outras muitas fazendas e roupas
feitas, fazendas pretas para a quaresma, como gros-de-naple, casemiras e panos pretos
de todas as qualidades, bales de 20 35 arcos a 10500 rs., cortes de brim para calca
de homem a 640 e 800 rs. cada um, por este prec,o s na loja da Arara rua da Impera-
triz n, 72.
Pereira da Silva.
A 1,000 vara* a & rs.
Vendem-se a* verdadeiras cambraias
francezas, com lindos padres e cores fixas,
sendo tapadas e transparentes, pelo barato
p eco de 500 rs. a vara, ou 300 rs. o co-
CrosdenaplM preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores grosdenaples pretos, tanto lar-
Lourenco Pereira Mendes Guimares paoprietario da loia do grande oaribaldi, ru
da Imperatriz n. >6.
Declara ao respeitavel publico, que receben um grande sortimento de fazendas
de todas as qualidades, tanto para a praca como para o mato, aos quaes espera Ihe fa-
cam a honra de frequentar o seu estabelecimento que Ihe prometiera vender mais barato
do que em outra qualquer paite.
CORTES DE LA A 2*400 RS.
Vendem-se cortes de laa para vestidos a 204OO e 30000
CHITAS FRANCEZAS LARGAS A 280 RS.
Vendem-se chitas francezas a 80, 320,360 rs. o covado.
LAAZINHAS A 240 RS.
Vendem-se aazinhas para vestidos a 240, 280 e 320 rs. o covado.
ALGODO A 4J000
Vendem-se pecas de algodo a 40, 50 e 70uOO, pecas de madapolo a 60, 7.0, 80
e 90000.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 4*000.
Vendem-se corles de casemira prela para calca a 40, 50, 60 e 80000, cortes de
ganga para calca a 10280 rs., ditos de brim 800 rs., ditos de castor a 10000.
CHITAS PARA COBERTA A 320 RS,
Vendem-se chitas para roberas a 320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 320 RS.
Vendem-se cassas francezas para vestidos a 320 e 360 rs. o covado.
\OVIII4DES.
Bales de 25 30 arcos, a 105OOrs. cada um, s se pode ter balo por este pre-
co, e outras muitas fazendas pretas para a quaresma, pannos, casemiras e gros-de-na-
ples preto. outras fazendas muito baratas que se d5o as amostras. Na rua da Impera-
triz loja do Garibaldi n. 56.
ATTENCaO
Lourenco Pereira Mendes Guimares, declara aos seus devedores que entregou ao
seu procurador o Sr. Bernardino de Senna Dias as suas contas para elle promover seu
recebimento conforme Ihe convier amigavel ou judicialmente, por isso roga-se a todos
os devedores vir entender-se com elle na rua da Conceicb da Boa-Vista, ou na loja a
rua da Imperatriz n. 56.
K
vado, sendo fazenda que ningnem vende gos como estreitos, sendo de 20000 rs. o
por menos de 7 ou 8 tustes, e liquidam- covado at 40000 rs. garantindo-se que
se por este barato preco, por se ter feito n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
ama ayudada compra, na loja e armazem que se vende mais barato do que em outra
do Pavo, rua da Imperatriz n. 60. De, quakraer parte, na mi da Imperatriz n. 60,
Flix Pereira da Silva. de Flix Pereira da Silva.
INJECTION BROU
iii frntrtaitta. n wl unnm *** tou. hu huu* .Uuim.-. u 4
I to. (lfr tMHMM j, tJ HMWt 4* fcmtiw ff. hMlmit Uni, a.
Ocordeiro previdente
Una ilo ctezetmado u. 16.
Novo e variado sortimento de perfumaras
linas, e outros bfectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras", de que elfectivamente ''sta prvida
loja do Cuide Providente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
nota ve I pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e Mmmodidades de pre-
Cos; assim, pois, o Cordeiro Previdente p
e espera continuar a merecer aapreciafau
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansidao
e barateza. Em dita loja encontraro o
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray
Dita verdadeira de Mturay d Lamman.
Dita de Cologne iugleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrii.ia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservaco do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Paseos com dita japoneza, transparente,
eoutras qualidades.
Knos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de eheiros igual-
mente finos c agradaveis.
Oleo pliilocoine verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade.
com escolhidos eheiros, em frascos de dif-
ferentes tamanhos.
Saboetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhascom bonitos sabohetes imitando
fruclas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas do papclo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaris finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, cem p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composico de
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
cas.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de campbora e outras dilcrentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental deKemp.
Anda mais cGqnes.
Um outro sortimentos de coques de no-
vos e bonitos moldes com liletsue vidrilhos
e alguns d'ellcs ornados de flores e litas,
esto todos expostos apreciado de quem
os pretenda comprar.
GOLLIMIAS E PUNHOS RORDAPOS.
Obras de muito gosto e perfeir,lo.
Flvellas e Otas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa cscollia ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
O que de melhor se pode encontramos se
genero, sobresalanlo os delicados ramos
orvalhados para coques.
ara vlagent.
Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
precos commodos.
Chapelinas de palha da Italia mu bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
ro presentes a quem se dirigir lita loja
do Cordeiro Previdente a rua do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PABA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
0 Cordeiro Previdente rua do Queima-
do n. 16 acabilde receber um bello sorti-
mento de tranca* de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto esta sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidade de precos.
ALEM D'AQUELLES.
Becebeu outros lindos enfeites de seda |
para vestidos ; assim como nm variado sor-
timento de galles de la, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade de gostos os tor/iam recommenda-
dos e apreciados : compareci pois os pre-
tendentesque sero prvidns a contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homen-
como para senhoras. constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
a rua dn Qupimado n. Ifi.
nST!LIIAS ASSl'CMAUAS
41 EK PATLRSON
De bismuto e niagnezla.
Remedio por excellncia para combate/
a magrezj l;clilar a dgeslo, fortifica]
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartnolomeu C.
34------Rua tana dfl Rosario------34.
a 5^200
Fizendti barata
Chitas linas cores lixas com pequeo te-
' que d'avaria a (X) res o covado.
Ditas largas e finas padres claros e os-
curos a 80 res o covado.
Ditas niiudinhas padres novos e de ges-
to a 210 o covado.
Pecas de madapuleao boa fazenda a 'fihOO
Dita de ditos largo a 5J600.
dita de ditos Ano a CJtdO.
Ditas de cambraia victoria fina
.v'ou e <;>.
Alpaca de cores o branca para vestido
fazenda encorpada e de gosto com duns
larguras a 800 rs. o cotado.
Na rua da Madre de Deus n. 9 loja de
fazenda.
Vende-se a taberua da rua Imperial n. lft
com pouroa fundos: a tratar na mewna._______
Vende-se um braco d batane* do autor
Romao, eom pesos ateridos, ooaehat e mais pt r-
teni'Qs, que serve para padaria, relina\,o, ou ou-
tro qualquer estabelerimento : no trapithe do
Guerra, nn Rocife.
XAROPE PEITORAL BRASIlEUO
n
l0\Tt DEEH1IAIBA
fMMPOSTO PRFPARAOO
Pelo pharmaceutlco
Jos da Cruz Santos.
Ksta planta cujas virtudes medicinaes
existiam desconbecidas para a maior parte
dos nossos facultativos, devendo-se a sua
descoberta ao uso que d'elle faziam os
nossos indgenas que menoscabavam cora
a sua applicaco de todos os soffnmentos
pulmonares, boje conhecido como ome-
dieament mais ellicaz para a cura de as-
rhnia, bronchite, coqueluche, penemonia,
o al a phlysica, produzindo um elle i tu mi-
lagroso e prompto.
Para um adulto 3 i colheres de sope
ao da puro ou em cosimento peitoral.
Crianeas. 3 1 colheres de cha.
Preco 2*000 o frasco.
IVniamburo. rua Nova botica n. 51,
Libras .esterlinas.
Vendem Augusto F. deOlivoira &>C, nosec ar-
mazem de l'aupdas, rita do ComnH rri n. 41
GOMMA E PENNAS I!E EMA.
Vende-s.1 na iua do Queimado u. 13, ?" andir
E3SRAV0S FeSEOS.
11(0$ de gralilicafo
Fugio uo dia 11 de Janeiro do nuri'nte anr.o,
do sngenbo liaiaiura, fregiiezia da Banda, o
cravo preto, eriiulo, da 24annos dp idade, cti.i-
niado Marcelino, que fui do Sr. Joan da Cunta
Pereira, rujo escravo estete no depnrite geni, n
lem o> Kignaer semintes : alto, tem do rarpq,
rosto muito mareado de bextfs, faha de dmifs
na freate, eor preta, saWo d< chapeo do rbile, pa-
li int e ralea de eastor, levaado nni I aluizmliu *
Bndres o ra mais roapa, o impp5e->e estar na
frofruezia do Cabo : quem o appreln nder levc-c
ao dito engenuii, ou roa da Snula-nova n. $5,
cseripiorio do Hr Hernardino l'oiilual. que rer--
ber a fprtiftmin arjma.
NOVIDADE
A loja de Coelho & Oliveira rua dv
Queimado n. 19, recebi-u pelo ultimo vapor
um bello sortimento de baldes de diversus
systemas. os mais aperfeicoados que teetn
viudo ao mercado, sendo :
Bales de guipure com tiras chamados
reguladores, ditos de musselina abertos por
ambos os lados, de modo que sendo todo*
de um tamanho serven para qualquer se-
nhora, de 13a de cores, com liras, e as se-
geintes fazendas:
Saias de 13a com bonitas barras.
Chales turcos de seda e 13a Beatriz de
Tundas.
Fitas de guipnr pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
LiasInhM
Sultanes, Poil deChevre. Tricte, dito de
xadiez e outras muitas. entre ellas urna
Especialidade
L5a pura de cores a JWJO rs. o covado.
Basqtiinas a Mara Antoniete.
Cambraias fantazia.
Ditas brancas transparentes e Victoria-
Colxas adamascadas.
Cobertas chinezas a 2KflO rs. e outras
muitas fazendas que tomar-se-hia enfadonho
annunciar.
Paseadas de gado.
Veodcm-ce *eis fazendas de gado na ribeira do
Serid, den minadas Boa-Visto. P de Perra. Mn-
lung. Mondo Novo, Inga e serrote, tnda mnilo
boas de criar e de um ser bem enherido naqnel-
la riheira : es prelendenies |iodem dirif ir-se ru>
do Vigario n. M. 1" andar.
Ve lem-se nieda- de onm de 5 francos
no escritorio da rua do Commercia o, 9.
Escrava fgida
Deeappareeeu do poder do abaixo a sua escrava crioula de nome Braedfia. Cando
i:oot-m pela nome deConceieao, e-laiuia regular,
magra, rosto eompride e dssraruad, falla de den-
sps na liento, rstanla anibreagar-%e, levua ves-
tido de rhita rlara rom urnas rodas Imgindo dores,
cuales de laa de barra ja vefihi; ella naur.i
de Seiinhaem, para onde se deseonlia Hr ellase-
gnidu : roga-se as autoridades pMires e ais ca-
pitSfr de campn a appreln dsSo, e leva-la rua
da Imperatriz n. ". hija, que se gratificar.
Joan Franri-co Paredes l'i rio
O aitaiXV assignado lecoiiiinendi: a captura
do seu escravo de nome Joaquina, mulato, fgido
do seu sitio do Monteiro, comprado ais seus do-
nos os Srs. Joan Goncalves da Silva. Vi. iw? Ca-
valcanti de Albuquerque o Ateunidie Cimes da
Silva, nesta cidade, por intermedio de ?ens pro
eiirailores oa pessoa do Sr. Mancel Francici Ii
valcanti, lodos de Pao d'Albo e por luterve ^ai d
Sr. Santos (corrector de escra vos), cu jo escravo &
tambem natural, de Pod'Alho c tcm os dstico
seguintes: dado 3.'i annos, seci-o do rorpn e um
pouco alto, bigode, cabello um pouen caia|iinbadt
e jien'eado, falla de denles, urna nttamn acao en-
cruada na junta da man esquerda. falla a serlane
jo, muito descancada e mansa : levos camisas d|
madapolo e rsradn de algodao. e raleas de brim
pardo. O abaixo assignado muito recen nenia a
raptara darte seu escravo todas as autoridades
e mais pessoas encarregadas da cap'ura de esrraf
vns, nao s pelas diversas cidades. villas e povoa-
do, como pelo sertao. para onde pede ter sepiiido;
promelte bem gra'iticar, e tambem a qualquei
pessoa que d'elle der noticia cer'a : a dirigirenv
seao sen escriplorio a rua do Crespo n. 15, ou ao
seu siiio no Mon'eiro.
Recife, 27 de Janeiro de 1869.
Antonio /nv Rodrigues dt Sovza.
Kuio no dia i" de maten, do elige-
ribo S. Pedro da freguezia "He ipojuca. o es-
cravo nardo de nome Francisco, de idatfn
30 a 35 annos, oflicial de Mpateiro, cor
escura, altn e seco dororpo, snffie de her-
me tem um dos tornozellos mais grnsso,
bastante calvo, tem um talho no qn>xo,
gosta de emhriagar-se, levou vestido caifa
e jaipieta de brim pardo e chapeo de fek-
tro usado, cor parda, o dito pardo Francis-
co tem urna irm3a no Recife e tem iimaos
e tios na villa da Escada, em Freixeiras,
Aripib. por isso roga-se as autoridades
policiaes e capitSes de campo a pti.-ao do
mesmo. e quem o pegar e o levar ao dito
engenho a entregar a Antonio Emilio drlr-
m5o. sera generosamente recompensado.
Fugio do engenl O Jacobina, cmiare:, do Ca-
bo, ao amanhe er do dia 1.1 do mrente mer p
anno, do abaixo asignado, um esciav preto de
nome Antonio, conhecido por Camla, idade de 26
a 30 ann s, pouco mai" ou menos, alto, ps pros-
sos, tem nma das juntas do me>mo nm pono
grossac, andar hanzeim, levando chapeo de feltn
j usado, camisa de algodao azul e ser ma de al-
godo americano, cujo escravo veio de lluiqne pa-
ra Pao d'Alho. para onde se desconla ter seguido..
roga-e a qualquer antoridade policial no capilii
de campo a cap'ura do dito escravo. levando ao
engenho cima, nn a rua d-. Caldeireim n. 41 a)
Sr. Francisco Quintino Rodrigues Esteves. que
ser generosamen'e gratificado.
^^^ Antonio Carneim Uta e Mello.
Fugio de bordo do pallialmie na> .onal Ama-
iv, um mulato claro de nome Jusfnn. estatura re-
cular, cbelos carapinhados e imi* ruiv- s. pnuca
barba, tem urna pinto preto no canto do olho direi-
to e um talho as costas ao mesmo lado ; h
vestido camisa de chita com listas verdes, e usa
de urna cinta com borla encamada para apertar
as calsa*. e natural de Santa Anna -do Mattona
provincia do Rio firande do Norte, par iiwle toJve*
qneira ir, tambem muito deseadwracadn no tof-
lar. Recom.ne.ida-se aos mes-res do h'**_?
a qualquer pessoa qwn agarrar f.jw ""
do Trapichen. 4 ou a bord.. do referido oa%io qu*
ser geiMWaamwle gratificado.





s
Diario de Pernambueo Sexta feira 19 de Murro de 1869.
>
LITTERATRA.
A' MU HU
H I AJiNIVERSARIO DA PASSAGEM DE HUMAVTA
10 03 KKVEIIF.IIIO DE 1809.
Enfui des mers, ne mis-I" ren !-bas f
itutichard.
,'ue esta fronte augusta alm das nuvens
tjuc se espregojcam pelo esparo eihereo
ueste da gentil!
vuiu recebar o fraternal abraco,
que le offerece um povo agradecido
o povo do Brasil.
.?b3S o qu' ser grande, o qu' ser b'avo,
tndo se encontra as gratidoes da patria
e os alectos de rutos?
Ah! ten peito de here, seusivel, treme
lo ouvir as cances, com que te applaudem
com mil concidados!
Nao estremecas, Maurity! pouco
"para ti, meu here, palmas e hymnos,
pantheons e latiris!
Tu,, que assobarbas Nelsono invensivel
tu. que nao tens rival no mundo lodo,
s podes ser... quem s!
Urna nacSo, que ajolha, reverente,
6 espallia llares sobre o chao da patria,
que tu deves pisar,
da-te a niais nobre e valida bomenagem
que pode consagrar-te Ip'ra sjudar-tc
cumpre-lhe se curvar!,
Queres um pantheon ? Tens o Alagas,
iramenso palco d imuaortal facaoha,
<|ue o mundo fez pasmar:
Ure e heretens throno o monumento,
porque ohade assombrar!
Queres aureolas? Vai colher as flores
dos vergeis Celestinosflores fulgidas
com que possas te-ornar ?
Flores das nossas varzeas essas murclum!
S te-serve grinalda de esplendores,
que offusque a luz solar!
Que mais queres ? Renonie Oh vem I contempla
do Prata ao Amazonas I s se escutam
hosannas perennaes I
Tens um altar ca cada lar da patria...
Si s a gloria mais soberba e fulgida
das glorias nacionaea /
Salve, Titn das selvas brasileiras !
Ergue aos costua fronte Ao porvir marcha,
que te acea e sorri!
A tua realeza tua espada,
Deus somonte te excede e te abenca,
meu bravo Maurity f
Bcllarmino Carneiro.
POUCO DE TUDO.
ECITATIVO.O seguale do Sr. Jos
Julio da Silva Ramos:
-Ku era um nauta a divagar sem tino,
ai I sem deslina pelo mar da vida ;
mas desde ess'hora em que eu vi teus olhos
nao mais abrolhos eu tem, querida.
Foram, p'ra mim, como o phar 1 distante,
que ao navegante mostra a trra alm,
ou como a la que sorri no ceo,
se o escarceo atormentado vem.
Sim, virgen) bulla, o teu sorrir divino
disse o destino ao que perdido ia.
Teu olhar meigo, de indizivel brilho,
narcou-Ihe o trilito, que seguir devia.
Vi-te, contei-te minha triste sorte:
=Eu corro morte tende d de mim I
Bntao, disseste com um ar risonho.....
(oh! nofoi sonho!)tu disseste sim.
D-me a tua mo, pois nao irs sosinho,
pelo caminlio que seguindo vais,
Mas quando lasso, repousares allim,
Ter-me-hasa mim a escalar teus ais.
GRECIA.Publicamos hontem a procla-
mado que o governo dadle paiz dirigi ao
povo helienico, para Ihe dar conta da poli-
tica que entenda dever seguir no conflicto
FOLHETIM
OS llAitS DE CVELA
POR
lie Berthet.
O ateaUtlo.
(Contmuaco do n. 62)
Grandval, depois de dizer quem era
Sra. Gallois, expoz-lhe com a concisao de
um martimo os termos em que a menina
Bertomy e eetfinao estavam dispostos a
Mesar all oilo dias, e terminou por Ihe
pergunlar af condicocs com que ella os
quera receber.
Sr. capto. responden ella, affec-
tando toda a dignidade deve estar infor-
mado de que nao tenho u na h ispedari <.
Sou .viuva de um oificial, o meu chorado
allois, que me deixou alguns haveres. Se
me tenho resolvido urna ou outra vez a
acceitar hospedes, inais p*lo gosto de
obter urna boa companhia do que no in-
tuito de auferir proveito. O que aprecio
sobretudo sao as boas maneiras, e urna vez
que eu seja tratada com tanta consideraco
e deferencia como urna senhora branca...
Oh! minha senhora, eH nao vejo que
faca differenca d'ellas disse Josephina
iugenuamente, sem intenco lisongera.
Esta amabilidade dispoz a mulata to f i-
voravelmente, que com o mais insinuante
sorriso Ihe redarguio :
Nem todas assira pensara, mas a se-
nhora nao tora oar altivo das nossas criou-
-iasejvejo que nos comprehenderemos
perfeitamente. Recebo-a, pois, n'esta casa
com muito prazer, bem como a seu irmv
qie me parece um bora e honesto rarace-
bo. Quanto ao preco da hosoedagem, deixo
ao seu alvitre o estabelcce-o.
Gracas boa disposieJo do corito da
dona da casa, ohegnu-sj breva a, melhor'
accordo. Mwntos depois eraoa os hos-
pedes introiluzidos nos seus aposentos,
.situados no priraeiro andar da casa.
Cousisiara olles em d >us quartos conti-
guos, mobilados com todo o conforto ao
uso do paiz. Os jeitos estavara resgua-
dados por ampios mosquiteiros, sea os
quaes seria impossivel dormir. Sobrados
pcndeje com a Turqua. Daremos boje
lima traduccSo da deelaraco da conferencia
de Pars, da carta do ministro dos negocios
estangeirqs da Franca dirigida ao, ministro
dos negocios estrangeiros da Grecia, e da
resposta que este enviou em seguida. Ei-las :
t Justamente preoecupadas polos per-
gos que podem nascer do rompimento das
relacoes entre a Turquiire a Grecia, as po-
tencias do tratado de 1830 concordaram
entre s apazguarem a pendencia sobrevinda
entre esses dous estados, e autorisaram
para este fim os seus representantes junto
de sua magostado o imperador dos trance-
zes a consttuirem-sc em conferencia.
Depois de um maduro exame dos do-
cumentos trocados entre os dous governos,
os plenipotenciarios foram concordes em la-
mentar que, deixaudo-se transviar pelos
impulsos d seu patriotismo, a Grecia mo-
lvasse os agravos articulados pela Porla
ottomana no ultimtum expedido era 11 de
dezembro de 1868, ao ministro dos nego-
cios estrangeiros de S. M. El-ftei dos hel-
lenos. E' innegavel, effectvamente, que
os .principios do direito das gentes obrigam
a Grecia, assim como todas as outras na-
c5es, a n"o consentir que se recrutem ban-
dos no seu territorio, nem tam pouco que
nos seus portos se esqu pem navios para
irem atacar um estado visinho.
Persuadida de resto que o gabinete de
Athenas sebera fazer justica ao pegamento
que dictou esta apreciaco s tres orles
protectoras da'Grecia, assim como a todas
as outras potencias signatarias do tratado
de 1856, a conferencia declara que o gover-
no helienico obrigado a observar as suas
relacoes com a Turqua as regras de con-
ducta applicaves a todos os governos, e a
satisfazer por esta forma as reclamaces
formuladas pela sublime Porta pelo jque diz
respeito ao passado, tranquillisando-a ao
futuro.
A Grecia dever portanto abster-se de
hoje em diante de proteger ou de tolerar:
c l. A organisacSo no se*u territorio de
qualquer bando recrutado com o fim de
agredir a Turqua;
2. O equipamento nos seus portos de
navios armados, que se propuzerem apoar,
de qualquer modo, urna tentativa de insur-
reico nos dominios de sua magestade o
sulto.
Quanto s reolamaces da Porla rela-
tivamente ao regresso a seus lares dos bre-
tenses que emigraran) para o territorio gre-
go, a conferencia toma nota das declara-
ces feitos pelo gabinete de Athenas, e est
convencida que se prestar a facilitar, quan-
to em si couber, a partida das familias can-
diotas que desejarem regressar sua trra
natal.
Quanto aos prejuizos particulares sof-
fridos por subditos ottomanos, o.governo
helienico, nao tendo contestado Turqua
o direito de reclamar por meios judiciaes
as indemnisaces que forem devidas, e tendo
Turqua acceitado a jurisdicc5o dos tribu-
naes gregos, os plenipotenciarios nao jul-
gam dever entrama apreciaco dos fados,
e sao de parecer que o gabinete de Athe-
nas nao deve descurar um s meio legal para
que a obrada justica siga o seu curso re-
gular.
A conferencia nao duvida que, diante
da expresso unnime da opioiao dos ple-
nipotenciarios sobre as questpes submelti-
das ao seu exame, o governo helienico se
apresse em conformar os seus actos com os j
principios queacabam de ser recordados, e
que os aggravos expostos no ultimtum da i
Porta, sejam por esta forma definitivamente
atlendidos.
f Esta deelaraco ser sem demora le-
vada ao conhecimento do gabinete de Athe-
nas, e os plenipotenciarios esto convenci-
dos que a Sublime Porta deixar de por
em vigor as medidas annunciadas, como de-
vendo ser a consequencia do rompmento
das relacoes diplomticas, se n'uma nota
dirigida conferencia, o governo helienico
adherir opino por el a emiltida.
Os plenipotenciarios, appellando ent?o
para os mesmos sentimentos de concihaco
e de paz, que aninam as cortes que repre-
sentara, nutrem a esperanca que os dous
governos nao hesitaio %m restabelecerem
as suas relacoes e apagar por esta forma,
no intoresse commum dos seus subditos,
todos os vestigio da divergencia que mo-jelc.
tivou a reuniQteda conferencia. Paris, 20
c Paris, 20 de Janeiro do 1800. Vatice.
Assignados: Metternicli, La Valette,
Lyons, Nigra,, So es, Stackelberg.
* Excellentissiion senlior. As potencia&
do tratado de I806 reunidas em conferen-
cia em Paris, alnn de examinaren! u'umes-
pirito de conciliaro o coafliote asbreviflda
antre aGrecia-e a Turqua, laiinmlarain pwv
l'unilamcnt (|U0 o governo helienico Jul
gas na> poder |rmiltip-4|iie o seu reprer
sentante.as^isiisse aos seus tj'aballios, e nto
escollies.se esto lacio _para fazer ouvir as
suas explicacoes no seio da conferencia.
Todava ellas ('tenderam que era do
seu dever proseguir a sua trela de benvo-
la mediaoo que haviam empreheudido no
interesse da paz, encarregando-me, na mi-
nha qualidade d.- presidente da conferen-
cia, de participar ao ministro da Grecia em
Paris que podia, por .minha iutervcuco,
estableber comniunicacoos com ella.
Escuso de acerc-centar. que m^ apres-
sei, como consta dos processos vurbaes da
deliberaco, em levar ao conhecimento dos
plenipotenciarios os documentos que me fo-
ram reraotdos pelo Sr. Rangab, e que as
. .resolucoes que a conferencia estava para to-
.mar, s foram definitivamente .adoptadas
depoi* de um atiento exame de todos os
documentos, que podiam esclarecer a sua
cunsrjencia.
Este exame imparcial e profundo con-
venceu tedas as potencias que se podia por
de parte a discusso das quesloes de fado,
e tratar menos de inquirir sobre o passado
do que procurar saber^juaes sao as regras
de conducta que devem.parao futuro, pre-
sidir as relacoes da Turqua com a Grecia.
.V conferencia, n urna palavra, pensou que
o melhor meio de evitara pepcticSo das ac-
tuaos dificuldades e de Ihes apagar os ves-
tigios era o de assentar os principios ge-
raes de direito internacional, sobre os quaes
os dous governos divirgiam, eque siow
devem ser a lei ;ommum de todas as na-
cos.
e ledos nao apresentavam a menor fenda
em que podessem refugiar-se os insectos
perigosos, que pullulam as habitacoes da
Guauoa. Atravuz das linas esteiras, que
serviam de vidracas as janeJJas, gosava-se
de um magnifico, panorama. De um lado
era a planicie verdejante da ilha de Cayen-
iia com os seus moijes solados de Uaduel
e do Tigre, do outro a cidade e a cidadella;
depois o azulado mar com as ilhotas de
Ramiro e da Salvacao, formando no hori-
sonte como que uns pontos vaporosos.
Como Josephina se sentisse bastante fa-
tigada do longo passeio, resolvou-se dei-
xa-la repousar um pouco, Djixou-se, pois
cahr sobre um sof, extenuada do calor ;
com ludo, quando o capto e Miguel se
preparavatn para voltar a bordo para fa-
zerem conduzir para all as bagagens, ella
ergueu-se, dizendo sobresaltada a Grandval:
Peco-lhe que s* acautele, Pedro !
Lembre-se de que anda exposto s tenta-
tivas d'esses desgranados e a menor dis-
IraccSo...
Grandval de novo a tranquillisou, e, pro-
metiendo voltar horas depois com Miguel,
manifestou desejos de ir jantar n'essa tarde
em casa da Sra. Gallois, se Ihe fosse por-
mitlido.
Consultada a vontade da dona da casa a
tal respeito, ficaram n'esse accordo e se-
pararam-se.
Josephina dormio algumas horas, e,
quando despertou, vio que as bagagens!
j all se achavam, levadas por dous nia-
riaheiros da Prosperidad*
Grandval e Miguel tinham regressado
sem incommodo, e ambos se apressaram a
ajuda-la na arruraaco da sua bagagem.
O- resto do dia passou-se commodamente.
A tarde servio-se um.jntar simples, mas
abundante, A Sra. Gallois, depois de preen-
chidos os seus devores de dona da casa
e de ter superintenddo convenientemente
nos a/fanjoj culinarios, apresentou-se
mesa adornada como um relicario, carre-
jada de tantos braceletes, collar.es, brincos
as ftili;i e cordjs de ouro quaptos Ui
fra possivel agglomerar em cima de si.
. Nao sabia anda quem era Josephina e
com que Um viera a Cayeona, as o que
yia quo ella era urna branca legitima*
iucontestavelmente europea; os seus coia-
oanbejros tambera brancos e um d'olles
convaandante de navio mercante.
Era isto bastante para que a mulata, qae
Pinar seu, Uan a conciencia d inferi-

Sou encarregado pela conferencia de
remetler a vosea evcelJencia a inclusa deela-
raco, na qual os plenipotenciarios consigna-
ran o resultado das suas appreciacoes e os
seus desejos.
A conferencia est persuadida que o
governo helienico saber fazer justica ao
pensamento benvolo que sempre a guin
nos seus trbanos, e. que nao se recusar a
adherir principios que s>ao, repito-o, igual-
mente obrgatorios para todos os estados, e
que a Grecia podo acceilar, sem que d'elles
resulte a menor affroDta sua independen-
cia e sua dignidade.
Todava, para que a sui deliberaco te?.
! nha o valor immediato que os>gabieetes de-
sojara poder-lhe attriboir, aaister que na
semana immediala entrega d'csta deela-
raco, o governo helienico responda noti-
ficando conferencia, por minha irterven-
co, da suaadiieso pura e simples asde-
cisoes expostas n'este documento-, e o sen
proposito de com elle conformar de hoje
em diante a sua attitude.
Segundo coiista da adhesao que, do seu
lado, o plenipotenciario da Turqua j deu
a esta deelaraco, e que se acha consigna-
da nos protocollos, a Perla Otto;ma com-
promette-se, com esta condieco. a desis-
tir das medidas annunciadas no ultimtum
de 11 de dezembro. Pelo fado da adhe-
sao do governo de sua magestade helleni ;a
deelaraco das potencias, consideram-se
como reslabelecidas as relagoes diplomti-
cas entre a Grecia e a Turqua no proprio
momento em que essa adhesao houver sido
notificada conferen ia.
Expirado o praso indicado, a conferen-
cia dever, com o mais vivo peaar, tomar
como urna recusa o silencio do gabinete de
Athenas, e considerar exbauridos os seus
proprios esforcos de concihaco.
Teria enlo de ab lodonar o governo
helienico as coiiscquencias de urna delibera-
cao que estara em oppoaicu com o voto
de todas as potencias a favor da manuten-
co da paz.
Aprovoto esta occasio para vos teste-
munhar a elevada consideracao com que te-
nho a honra de ser devossa cxcellencia.
de Jiticiro de 1869.a
ridade de nascmento, se sentisse ufana e
conteste de os ter por ecunmensaes.
Depois do jantar passaram para o jar-
dm. Josephina aproveitou o eusejo em
que a mulata se entretinha com os negocies
domsticos para perguutar a Grandval o
que elle tencionava. fiizer duraate os oito
dias de demora em Cayenna. -
Bem sabe, estimavel Josephina,re-
darguio o capitoque o armador Dupr
me deujnstruc^oes para, sem prejuizo do
fim particular d'csta viagem, Ihe apresen-
tar um carregamento de madeira para mar-
ceneria. Portanto, ao chegar a esta porto,
aiinuucici quevinia comprar saadeira, e do
cerlo inspcaria :>us[witas, se me nio oc-
cupasse activamente d'esto negocio. Vou,
pois, desenvolver toda a actvidide appa-
rente e arranjar as eousas de forma que
a minha viagem a S. Lourenco, onde os
Toreados explorara exclusivamente esta es-
pecie de mercadoria, pareca determina la
pelas exigencias do meu commercio. D'es-
te modo nao poderei inspirar a menor des-
confianza, dispondo ao mesmo tempo a
nossa empreza para o melhor resultado.
Entretanto virei apii todos os dias saber
novas suas, e assegurar-me de fjue nada
Ihe falta ao seu bem estar e seg^ranca. iWnto, reprimindo at a respiracio, e gotas
Alhenas, 23 de Janeiro6 de feverei-
ro. Excellentissimo senhor.O meu pre-
docessor, T Delyannes, entregou-me a car-
ta que vossa excellencia se dgnou dirigir
lite- ein 20 de Janeiro, bem como tupa co-
pia- inclusa da deelaraco dos plenipoten-
ciarios das seis grandes potencias europeas
reunidas em conferencia- em Paris, para
examinaren) com vistas -de eonciliaco o
couflcto.sobrevindo entre a Grecia e a Tur-
qua.
c O roullado das deliberacoes da con-
ferencia foi recebido cora um senmento
de penosa commoefio polo povo grego, e a
crise ministerial tenlo-se prolongado du-
rante alguns dias, fez com que a carta de
vossa excellencia ficasse sem resposta neste
intervallo.
Logo que se conslituio o gabieete, a
que tenho a honra de pertencer, julgo que
era do seu dovor tomar na devida conside-
racao o conteudo da declaraeo o da carta
devossa excellencia.
O governo do rei .vie- com pezar que o
ministro de tua magestade em Paris noli-
vesse podido tomar parte nos trabaihos da
conferencia, em cousequencia da pesico
de inferioi idade cm que se achava collo-
cadp em relacoao plenipotenciario da Tur-
qua.
Em presonca da uuanimidade das seis
grandes potencias europ as, e da declara-
Cao de vussa excellencia. de pie os pleni-
potenciarios, limifiandoil i iliscosso asques-
toes de fado, s tiveram cm vista assenta-
rem as regras de conducta que devein pre-
sidir as relacoes da Grecia .cera a Turqua,
cumpre-me participar a vossa cxeelleu'ii
que o governo do reiadliere aos principios
geraes dejurispiudenca internacional cun-
tidos na deelaraco da conferencia, e que
est dicidido a proceder-em conformidad^
com a mesma.
Rogando a vossa excellencia o favor de
levar esta adhesao ao conhecimento da con-
ferencia, apraz-me esperar que seis gran-
des potencias, apreciando as dilficuldades
da siluaco, tero na devida conta a reso-
lugo tomada pela Grecia de deferir aos
seus desejos, e do contribuir para a con-
servado de paz geral.
Aproveito esta occasio para testemu-
nltar a vossa excellencia a alia estima com
.que tenho a honra de ser, etc.-r-T/Woro
P. Delyanis.
PONTE ANTiGA.Urna das pontes mais
antigs de Franca, a ponte Internacional de
S. Lourenco do Var, acaba de ser votada
destruico. O prefeito dos Alpe> Marit
raos araba de ordenar a sua demolico.
Esta ponte- legendaria existe desde tem-
po immemorial. E' de madeira e est hin-
cada sobre o Var, na foz d'este rio; era
nica passagem entre a Franca e os Esta-
dos sardos. Tera 250 metros de extenso,
isto 6, o dobro da ponte das Artes, de
Paris.
Tendo-se recentemente construido alguns
metros mais abaixo urna ponte de pedia,
que faz parte do caminho de ferro de Pa-
ris Lyo e ao Mediterrneo, e sene ao
mesmo tempo de passagem estrada im-
perial de Pars frontera de Italia, deixou.
a ponte de madeira de ter raso de ser.
Por intil e vetusta foi, pois, condemnada
destruico.
A ponte de S. Lourenco do Var foi tes-
temunha de notaveis successos militares.
Isolada e mal vigiada nos primeiros anuos
do seculo passado, foi escolhda pelos sal-
teadores para theatro das suas faganhas.
O systema que elles punham em pratica
para despojarem os viandantes, era dos mais
engenhosos.
Esses serravam o taboleiro da ponte
n'uma extenso de alguns metros, cnchiam
depois este vacuo com ramos de pinheiro,
que oecultavam o lugar onde a ponte foi
serrada. Se passava urna carruagem, caba
ao rio, e os salteadores aproveitavam a
occasio para roubar os viajantes, que pela
maior parte ficavam contusos e estropiados
coma queda.
Soavam os campanarios do lado da ci-
dade ; depois ouviram-se os tambores to-
cando ao recolher e por ultimo anda urna
atroadora salva de ar-lilheria a:inuacando o
fechar do quadro no porto. Extinctas
estas diversas detonacoes, um silencio im-
ponente reinou no campo : nao se ouva
mais do que o triste esvoacar das aves noc-
turnas e os guinchos dos gigantescos mor-
cegos, ao mesmo tempo que os prilampos
e outros insectos luzentes ara descreyendo
no ar os seus traeos luminosos.
Grandval devia ir ficar a bordo e era
tempo de partir. Despadio-se, pis das se-
aboras, aperteu a m) a Miguel c deixou
a casa.
J:>sepaita finara no jardin com seu ir-
mo. Nao obstante a proxiraidade em que
a casa fieava da cidade, sabia eiia que
linmilval tinlii de atpavessar um trato de
terreno deserto, onde se poderia exercer
a vinganca dos seus inimigos, cojos symp-
tomas t) minifestamente se haviam reve-
lado durante o dia. Por isso se poz es-
cuta dos passos que se iam afaslando, cujo
ruido Jfe foi tornando cada vez menos dis-
tncto, at que cessou de ouvir-se. Apesar
il'isso, a joven conservava-se de suvido at-
OS CEREBROS EUROPEUS.Os cere-
bros earopens variam empeso entre 4,12;
graramas e 1:215, sendo a media 1:328
graramas.
Os cerebros allemes pesam l:i25, os
inglezes 1:380; os francezes 1:3"3; os
romanos 1:303 ; os bohemios 1:245.
Digamos em segredo, accrescenta Ber-
thond, que os cerebros ds mulheres pesam
muito menos, que o dos homens.
Na maor parte das ractrs asiticas, pro-
segu elle, venfica-se urna inferioridade
de peso mn accentuadi.
A inedia anda por 1:255 grammas.
Com ludo as tribus, que vivem as verten-
tcs do Himalaya, chegam a urna media de
1:304 grammas.
Quanto aos cerebros chinezes pesam
1:357 grammas, peso superior ao cerebro
francez.
Os negros variam entre 1:315 a 1:249
grammas.
Certas regies da frica austral offere-
cera contraposiees extraordinarias.
Os crneos cafres do 1:365 gi-ammns
einquanto que os buchmans nao excedem
o peso medio dos outros negros.
Ns America comecando pelo norte, os
esquimos de todo o rircujjp polar apre-
sentam-se com a media de 1:219 grammas.
Os crneos de diversas tribus america-
nas collocam-se mui perlo dos precedentes,
sua media eleva-se a 1:310 grammas.
Em opposico a estes -*odem citar-se os
crneos das tribus barbaras, que do so-
mente 1:214 grammas. -
. Nos Caraibas, primeiros habitadores das
Antlhas desce-se ainda grao inferior,
sto a 1:199 grammas.
IDADK DOS SOBERANOS. Contam-se
de presente 38 soberanos reinantes, inclu-
indo o imperador do-Brasil. O mais idoso
o papa, o qual conta 75 annos. c o mais
moco o principe Henriqne XXII, de
Reuss Grets Schleiss Lobenstein Gera, que
nao tem mais de 22.
Contam-se 4 imperadores (Franca, Aus-
tria, Russia e Brasil): 1 sulto (Turqua): 1
papa (Roma); 11 res (Baviera, Blgica, Di-
namarca, Grecia, Italia. Paizes Baixos, Por-
tugal, Prussia. Saxonia, Suecia e Noruega,
Wurtemberg); 1 rainha (Gr-Bretanha); 6
gra-duques (Bade, Hesse, Mecklemburgo-
Scheverin, Mecklembnrgo-Strelitz, Olden-
bnrgo. Saxonia Weimar-Eisenach); 5 du-
ques (Anhalt.-Brunswick, Saxonia, Meinen-
gen, llildbourghausen), e 10 principes (Rou-
mania, Servia, Montenegro, Licchtenstein,
Lippo, Monaco, Reuss, Schaumbourg-Lipp,
Scliarzbourg-Rudolstailt,Schvvarzbourg-Son-
dershausen).
SERIE DE CRIMES.No dia 12 de fe-
vereiro foijulgadono tribunal de Meurthe
(Franca) Theojliilo Jeanson, alumno do se-
minario' de Pont-a-Mousson, acensado: 1.
de homicidio voluntario e premeditado na
pessoa do um seu condiscpulo, chamado
l.uiz Jos Jonalte; 2." de incendio; 3. de
varios furtos.
O ru, irritad^ por ter sido castigado al-
guns dias antes, e estando ameacado de
ser expulso por haver obtido e feito uso de
exemplares de classicos gregos e latinos
nao expurgados, na noute de 29 para 30
de maio de 1868, de urna para as duas ho-
ras, levantou-se edesceudo dormitorio para
a sala de estudo e ahi, amontoando muitos
papis e livros junto da cadeira doprofessor
deitou-lhe fogo. Em seguida abri as ja-
nellas e no maior auge de colera, escre-
vou as paredes estas pluases : t Malditos
sejam os padres I Acabados sejam os pa-
dres Que agradavel a vinganca Acervo
de scitas infames! Outros acabaro o que
eu comeco.
Jeanson, depois de laucar o fogo, subi
ao dormitorio,deitou-se, e poucos nwmen
tos depois, tornou-se a levantaV, e armado
com urna navalha de barba dirgio-se ca-
ma onde dorma Jonatle, por quem tinha
grande affeico ecortou-lheo pescoco com
a navama, de modo que o infeliz pouco
tempo sobreviveu.
Jeanson disse que tinha commettido e?te
homieidio,porque, devendo ser castigado
pelocrime que havia praticado, e nao po-
dendo resignar-se com a idea de se ver se-
por esto motivo o
Desejo, porm, que me diga se se IheolTe-
rece alguma observaco c*om respeito a
estes meus plaaos.
Nada, meu bom e generoso Pedro ;
approvo a idea de tornar a sua viagem o-
mais productiva possivel. 0> Sr. D.ipr
aprecia o di.ihgirc acim de ludo... o, se
nos nao obtlverm^s um salist'actiwio re-
sultado com relajo descoberU do testa-
mento, talvez elle enco.itre saficie;ite caai-
peusaco nos lucros de urna aspeculac >
lucrativa. O qu3
dro, que tenha cuidado comsigo, por
quanto tenho um presentimento e que o
ameaca alguma falalidade I
O joven martimo dese.nvolveu toda a1
sua eloquencia para a traijquilljsar, mis
fallava to de manso, que ella mal o per-
cebia. Bm breve as vozes dos dous'se
confundiram n'um murmurio, que mais pa-
reca ojjqrgear dos.passaros -m folbaaem,
N'esl DtMtanto cerraran a noute cora
a rapidez habitual ao* cjiu viaifboi ib
de suor Ihe corriam pela fronte.
Esta especie de presentimento nao foi
baldado. Nao haviam deeorrido muitos
minutos desde a partida do capitiio, quando
aritos dolorosos, confundidos com um
ulular selvagem, partirn) do lado da es-
trada, e em seguida ouviram-se dous tiroa
de pistola, que reproduziram por innuine-
nveis chos.
Josephiua sentio um* af dicto embate de
coracio: pareceu-lbe reconhecer nos gritos
Ihe paco sobretudo, Pe- de aftiofao a voz de Grandval.
Soccorro, soccorro I grito ella
Assassinam o nosso melhor, o nosso nico
amigo !
M'guel vira o clarao longinquo do tiros,
e,.grac.as ao admjravel instincto om que a
natureza Ihe compensara a falta s outros
sentidos, adevinhouo que sepas.-ava antes
que sua irma lh'0 iniicasse por signaes.
tff*.poii.imnp.liiiiMrnnlf .para*porta
da ra e Josepliuia segJ*Mo.
Tu*i em asaecitawi em sobreja||o. A
A propria Sra. Gallois, aquella mulher
hbilmente inilolente, pareca ter-se trans-
figurado e appareceu precipitadamente no
pateo. O seu aspecto era resoluto e dizia
com voz firme :
Saiamos todos Um insulto feito
ao meu hospede tomo-o como dirigido a
mim !
Corrern) ao caminho. O barulho havia
cessado ; nio se distingua vulto algum hu-
mano Inz quasi crepuscular d'aquella
noute tropical. Os gritos do Josephina o
da Sra. GaHois ficaram sem resposta.
Depois do terem andado uns cem passos
para alm da casa e borda de um ter-
reno povoado de arbustos espinhosos, des-
cobriram um hemem, que com dilficuldade
se sustinha contra a sebe de um jardirn.
Dirgiram-se a elle, porm antes de se
chegarem ao p viram-no cahir inanimado
por trra : era o capto Grandval.
O infeliz conservava ainda na mo o re-
volver deque acahava de fazer uso ;ten-
do, porm, recebido dous golpes de sabr,
um na cabeca e o outro n'u.n hombro,
estava todo coberto do sangue.
VI
9 Rongon.
parado de Jonatte,
matou.
Theophilo Jeansou, dotado de gratule n.
telligencia, tinha um genio extravagante, e
era exaltado as suas pattes. as esco-
las oceupava um logar de disnerd, e ti-
nlia obtido premios nos diversos eursM que
frequentou. Os mestres todos Ihe reco-
nheciam capacidad* e applica^io fra do
vulgar, mas nolavam-lhe muflas excentrici-
ila des.
No processo o juiz procurou certllcar-se
se o ru estara no uso pleno das suasacul-
daifes quando commetteu 9 crimes.
O pai de Jeanson declarou que seo filho
tivera urna febre typhoide aos 8 anoos,mas
que ficou perfeitamente curado.
Os mdicos, no exame a que procederam
no ru, declararan): que elle nao era buco,
mas que, tendo urna imaginaco muito
exaltada, e paixes fortes, estas predomi-
na vam sobre a sua vontade.
O advogado do ru quiz fazer valer a fa-
vor do seu cliente a falta de consciencia do
crinie.
O jury deu por provado o incendio, o ho-
m adi sem premeditaco e os furtos,
O tribunal condemnou Theophilo Jeanson
em 20 annos de trabaihos pblicos.
DESCOBBRTA.O clebre sinlogo Car-
los Neumann descobrio nos livros dos an-
naes da China, que no principio do secub VI
da nossa era muitos padres budhistas, ten-
do abandonado o imperio, foram itnpclli-
dos por urna tempestade para as costas -do
paiz, que ainda ha pouco tempo era a Ame-
rica russa/queem seguida exploraran! as
costas do Pacifico e cliegaram at ao Mxico.
CARNAVAL DE PARSOs criados pa-
risienses tambera no ultimo carnaval deram
o seu baile, na forma costumada em todos
os annos. Algumas pesadas nao sabem
que os criados do servir, formaram em Pa-
rs urna associaco numerosa e rica. Tera
aquella classe urna junta, um advogado.uma
caixa de soccorros e um jornal, e'todos os
annos se reunem em um baile, que dos
mais brilliantes da eslaco carnavalesca, e
aonde concorrem donzellas lindas e elegan-
tes como duquezas. Philosophos da escola
democrtica, que to pomposamente fallaes
do invcllecimento p*hysico e moral causado
pelaservido, que diris a isto?
A' proposito de criados parisienses, te-
mos a referir ao leitor que um dos mais
afamados acadmicos o Sr. Legouv, deu
ha pouco tempo na sala mais espacosa de
aquella capital urna conferencia sobre os
criados antigose criados da actualidade.
O orador Iratou a questo com tanto talen-
to, como fino tacto, e recordou especial-
mente este pensamento: Em outros tem-
pos, disse elle, o amo poda esquecer a
classe a que parteada, porque o criado se
recordava sempre d'ella; mas hoje em dia
o amo deve recordar-se d'ella constante-
mente, porque o criado est morrendo sem-
pre por a esquecer.
Os criados erara o mais das vezes em
outro lempo amigos ntimos, e na actualida-
de sao pela maior paite nossos inimigos n-
timos; nao servem seno por o sea salario,
quando servem, e muitos d'elles levam a
ousadia a ponto de se fazerom servir por
os amos, sem se darem por entendidos.
Hoje em dia o criado de Paris veste como
o amo, fuma, vai ao caf, ao passeio e ao
theatro, e eleitor. Assim o quer a igual-
dade de costumes, eeis aqui uin exemplo
do que pede essa famosa igualdade : O nar-
qnez de B. reprehendeu severamente o seu
criado, porque Ihe tinha escovado mal o ca-
oo. O criado pedio a sua soldada com
dignidade, accrescentando: Dentro d'uma
hora receber V. Exc. a visita d'uma das
minhas testemunhas.
Eis como sao os criados de Paris, o .ere-
mos que pouco mais ou menos como elles
o sao em toda a parte.
PENSAMFNTOS DE UM MARIDO ABOR-
RECIDO.Entre todos os movis de luxo
o mais custoso na poca presente a mu-
lher. A mulher nao s consomm o di-
nheiro do marido, como tambera Ihe gasta
a paciencia, o coraco, o espirito e o cor-
po!
Equador. Apena* e PW^a^Mpl a,j aa *pi#enobia dava .gfes bemww. em
estrellas cemjcavam a brilhjf mrW-[mW*> iW aflffilQ easar-viaba corndo e
ment ; aterra achava-aa lhia^,t^n,JT9mim
por um luar paludo, que tjfl|ta,djaf jtF 8ar Sr. pitan... o boa franco.;
ao regresso do dia. [Seu ajudar elle..
Urna hora depois, Grandval, a quem ti-
nham transportado examine para o quario
de Miguel na casa da Sra. Galbis, reeobra-
vaos sentidos. Um cirurgio militar, que
viera da cidade, declarou, depois de-son-
dados os ferimentos, que elles ao apresen-
tavam gravidade, sendo o aluimento do
enfermo proveniente do c oque que sof-
frera na cabeca. O ferido mesmo eslava
oceupado em animar Josephina, a qual Ihe
tinta a maos presas Rae suas. chorando.
O quarto estawa che d gente. Alm
de Miguel e es mais familiares da casa,
aehava-se all um oificial superior de poli-
ca aun-magistrado encarregado de abrir
devassa sobre este mysterioso alternado.
Os mais aposentos da casa at ao pateo es-
tavam chebs, de gente, aUrauida-pela no-
vidade ; etam os vsinhos preb)s e mulatos,
depois soldadas de. nwinlu e muitos po-
licas.
Fallava-ae e descutia-se -acaloradamente.
llavialuzes m todas as jaoettM: a ees*
apmseatava e aepecto - fuso, HteviUve* em tees casos. Ainda i*
; nio sabiam, com t*do, aenio coarueeaaenla
as circumstancas que precederam to tr-
gico acontecimento.
Logo que Grandval se achou senhor de
si, o magistrado apressou-se a perguntar-
Ihe se elle podia dar alguns esclarecimen-
tos relativamente ao autor ou autores do
attentado. Como o capito fizesse um
signa! allirmativo, todos os cireumstantes
se deram ao mais profundo silencb.
O ferido, depois de haver recorrido
sua reminiscencia, disse com voz enflaque-
cida :
Passo a ex por o pouco que se me
offerece. Acabava de sabir d'esta casa e
ia passando uefronte de um silio coberto
de brenbas, que orlam a estrada, quando
me parcecu ouvir ruido junto de mim. Eu
andava precavido, e por isso met a m5o
no bolso, onde tinha u.n rewolver, mas
n'esse instante um homem saludo da bre-
nha descarregou-me no hombro um golpe
de sabr. Grite, movido pela dr, seno
pela raiva, e atirei o primeiro tiro, que
juLjo nao ter alcaucado o malfeitor. EUe
parecia-me dotado de urna agilidade mara-
vilhusa e dava pulos em volta de mina,
rugmdo como uin animal feroz. Conti-
nuando a ameacar-me, flz outra vez fogo e
pela proxiwidaile em que se achava de
mim julguei ter-lhe acertado, do que nao
pude eerticar-iue, porquauto n'esse mes-
mo momento recebi na cabeca segundo
golpe de sabr vigorosamente applicado.
Vi-mo obrigado a recuar, agarrndo-me
11 ist indi va me u te a urna arvoro prxima, e,
tendo perdido os sentidos, ignoro o mais
que succedeu.
O rewolver, com as duas eeeems ardl-
> las, encentrado pelos agantet peiieee no
local do sbistro. o chapeo de Grandval
cortado ao.meio e citja espessura liaba
sem duvida modificado a acio' do gnlpe,
e finalmente a natureza e aspecto das feri-
das, Ludo comprovava a etactidao rigorosa
da narraco.
E ni Ihe roubarm 8M algfcna ?
perguntou o jwz.
Grandval certificou-so do que Ihe n3o
faltuva dinheiro algum, bem como de que
se achava Intacta a sua carteira e mais ob-
jectos.
CContnuar-ie-ha).
fVP. 1M> l>lARM=4wfUt CMI8 M, <

,
-"
*
I

I
r+yrsm*
"'$!Kr' SSak I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETEMD5F8Y_LOC8KG INGEST_TIME 2013-09-14T03:11:54Z PACKAGE AA00011611_11795
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES