Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11794


This item is only available as the following downloads:


Full Text
wmm





4 *
l
ANNO XLV. NUMERO 62.
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE.
PortretTOexe8adiantados. ..*.............. 60000
Por seis1 ditos idem.................... 1*0000
Por um apno idem.................... 24)5000
Cada naaro avulso................... 320
QUINTA FEIBA 18 DE MARCO DE 1869.
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adietados................... 6/1750
Por seia-ditos idem.................... i35500
Por nove ditos dem................... 2MB50

PEMAMBUCO.
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
SAO AGKVn-::
Os Srs. Gerardo Antonio Alves d- Filhos, no Para; Connives A Pinto, no Maranao; Joaquim Jos de Oiiveira, no Cear; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty; Mo Maria Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joaquim
Guimar5es Pancada, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Paniliyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Anto; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth; Francino Tavares da Osta, em AlagOas; l)r. Jos Martins Alves, na Bahia; e Jos Ribeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
PARTE eiTICIAL.
Cioveruo da provincia.
ob5fack0s da presidencia do du 16 i'k mabco
de 1869.
Aufom,, Joaquim dos Santos.Informe o Sr. ca-
pitn do porto.
Antonio Francisco Cavalcante.Avista da infor-
macao coneeda-se a lcenca requerida com venci-
rntas, na forma da le.
Antonio Jos Duarte Cnmbra. -Informe a direc-
tora do theatro de Santa Isabel.
Claudina Maria do Reg.Informe o Sr. deseni-
hurgador provedor da Sania (Jasa de Misericor-
dia
Bacharel Caetano Maria de Farias Neves. In-
forme o Sr, capillo do porte
Candido Emygdfo Pereira Lobo.A nomeaco o
oeiuisso dos guardas das obras publicas perten-
ec ao engenheiro chefe da reparticao das mes-
mas sob proposta dos respectivos engenheiro* de
districto. como se v do g 1 do art. 13 do regula-
uiento de 31 de jullio de 1866 ; portante nada ha
que deferir sobre a reelaroaeo do supplicaute por
i la presidencia.
Emilia Maria da Couceico.Informe o Sr. ge-
neral com mandante das armas.
Francisco Fernira Borges.Informe o Sr. ins-
pector da lliesouraria provincial.
Francisco Xavier Cavalcante Lins. Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
lrmandadc do Sautissimo Sacramento da fregu-
xia de Sanio Antonio.Expeca-se ordein para urna
guarda de honra acompanhar a procissao.
Irinandade de Santa Rita de Cania da freguezia
de S. Jos. Expeea-se ordoin para una guarda
de honia acompanhar as procissoes.
Joaquina Francisca de Paula. Informe o Sr.
Dr. chefe de poliria.
John Doiinely.O Sr. Dr. cliefe de polica infor-
me quando foi a casa do pecionario desocupada
pelo destacamento, quando se entregaram as cha-
ves a mesmo, e desde quando coinerou a correr
o aluguel ajutalo.
Atieres Joo Francisco Paes Brrelo.Informe o
Sr. couimandante das armas.
Jos da Annunciaeao Carvalho.Informe o Sr.
general cnmuiandante das armas.
Padre Jos Porfirio Gomes. Informe o Sr. Dr.
juiz de direito da comarca.
Leon-irdo Francisco de Almeiila. Provc que
tutor do orpho que est no arsenal de marinha.
e cuja entrega pede.
Manoel Pereira da Cunha. Informe i Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Manoel Abylio do Mnete. Expeca-se ordem
para a guarda de honra acompanhar a procis-
aao.
Mauo-I Figueira de Faria & Filho.Expodio-so
ordem no sentido que requer, obligando se os
implicante por termo ao respectivo pagamento.
Manoel de Barros Barreno.Dirija-so a thesou-
raria proviocial.
Mam Uma da, Silva Ayres.Entregue-se, pa
i i recibo.
Beeharel Manoel Pereira de Montes Pinhoiro.
Ao Sr. Dr. director geral da inslruccao publica
para iuteipor sen parecer circumslaneiado, u vista
das inlormacoes e papis annexos.
Miguel Gomes PereiraAo Sr. engenheiro che-
fe da rcparlicio das obras publicas, para infor-
mar, ouvindo o engenheiro do respectivo dis-
Iricfo.
cao, e a do novo con i mandante da esquadra. Es-
peram-se agora fecundos aconlecimentos para
termnacao dcste enfadonho drama.
Mmlo Be disse na imprensa platina a respeito do
saque da Assunipcao, e umitas injurias nella se es-
creveram contra os Brasileiros, que foram brilhan-
temente refutadas quer pelo Sr. Jos Candido Go
unas hw i>efo 8n Manoel-Anlonio de Mattos, cor-
respondente da Nacin Argentina. Pareca sufli-
ciente para deeza da honra de nossos marinhei-
ros e soldados.
Entretanto acaba de ergucr-se mais urna voz
para desfazer esta calumnia, e voz autorisada, por-
quo de ostrangeiro, severo domis em outros
pontos para julgar de nossa conducta, c corres-
pondente de um jornal, o Standart, de Buenos-
Ayres, que quasi seinpre nos ataca.
Para que os leitores do Jornal do Commercio
aprecien! o fundamento do que digo, transcrevo in-
tegralmente o importante artigo, que contm inte-
resantes delalhes, ainda boje os mais novos, nao
obstante ler elle sido escripto em 14 do mez ultimo.
I >eve-se ter presente que o correspondente inglez
est ligado com os offlciaes argentinos na Assump-
cao, pelo que enuncia-se a respeito dos factos da
guerra conforme as apreciaces que estes senho-
res fazetn na conveniencia de amortecer o brilho
de nossas victorias e de mostrar que sem o con-
curso delles nunca cousa alguma poderemos rea-
lizar. Quem impedid que a forc argentina occu;
passe o Potrero Marmol ? Pensam que ja est
esquecida a resposta que deu o general Gelly y
Obes ao Sr. marquez de Caxias quando o conv-
dava para atacar, convite a que elle se reeusou
de um modo mu significativo e inconveniente ?
Eis a correspondencia a (pie me reliro ;
0 calor, as moscas e o abencoado estado de
ignorancia em que parece que todos se arham a
respeito da partida dos vapores para Buenos-Ay-
res, sao as minhas verdadeiras excusas por nao
ter escripto de novo de de que tracei as poucas li-
nhas que vosremetti no domingo passado pelo Pro-
vedor.
Afortunadamente, estando boje a atmosphera
nebulosa, o calor menos intenso. Um dos vapo-
res do matt est para zarpar deste porto amanha.
Confiando na muito conhecida regularidad!) dos
vapores desta compaiihia, amito mellior dirigida
do que todas as que emjtrehcnderam a navegaran
a vajior nos nossos rios, e como determinei pro-
longar a ininha permanencia aqu por algnns dias,
tralarei, emquanto me for possivel, de dar-vos
urna relaeo exacta do verdadeiro estado das
cousas.
Quem quer que tenha seguido com attencao
a marcha dos acontecimoritos neste paiz, pode ma-
ravilhar-se deque chame sobre si a attencao seria
e anciosa do mundo ; e a historia da guerra do
Paraguay, que no seu caminhar vagaroso e inlle-
xivel. foi prenhe de resultados to dessanosos e
terriveis, deve formar urna das paginas mais cu-
riosa- e instructivas dos annaes do genero huma-
no. Embote todas as cousas relacionadas com o
Paraguay tenham estado, e possa-se dizer que an-
da esto onvoltas em um mysterio t> impauelra-
vel que o historiador deve "mostrar umeabedal de
niscnnmncmo nau Tingar, se quineiinjuiiiuimiii
a verdade do chaos" de circunstancias contradic-
Quando estes .desgranados foram encontrados,
o coronel Baez mandou um olDcial para que Ihes
fllasse, e, arenando o camnho que conduzia ao
acampamento de Lpez, deixou sua ventado a
cscolba de continuar o caminho ou de vir debaixo
da proteccao da columna alliada Assompco.
a Nao nouve hesilacao na escolha, e todos acoi-
laram a proteccao do coronel Baez, embora amaio-
ria desta gente esivesse no ultimo esudo de mise-
ria e a mor parte d'ulles inteiramente mis. Havia
algumas poucas familias accommodadas em carre-
tas puchadas por boi>.
c A columna alliada conseguio tambem apos-
sar-se de 800 cabeeas de gado muito gordo. Ao
longo da estrada a' abundancia do pasto era to
grande que era um verdadeiro empecilio para a
marcha. As colheitas de milho, mandioca, feijo
etc., cram to abundantes no caminho, e as casas
de campos estavam to cheias de pintos e gallinhas
tao selvagens, que ao approximarem-se os soldados
voaram e foram-se embora para o mato.
Dous dos hornero; de Lpez cahiram as mos
da forca expediclonai a, e teriam sido sacrificado;
pelos desgracados que haviam soffrido tanto no sen
poder ; mas o coronel Baez negou-se a entrega-los
sua justa vinganea. A opiniao do coronel c que
todo o paiz est agora contra Lope:, e todot que
pdem o abandonan*, e fogem para os caminho* e
organisam partidas de gtierrilhas. O eoronel re-
cebeu a noticia de que existia um outro grupo de
familias que trata van de fugir para o acampamen-
to dos alliados, e despachou, com a annuencia do
general Mitre, lionteni de noite, urna pequea for-
c de 50 horaens para protege-las.
Acrcdita-se que Lpez est ao p das monta-
nhas de Peirebebruy. Diz-se que tem qnatro bata-
llioes c 18 ou 20 peQ.s d artlharia.
Nada de positivo so sabe do general Me. Ma-
non., se exceptuadnos as ultimas noticias que refe-
rem que achava-se cm Peirebebiiy. Segundo os
dados mais dignos de crdito, Lpez ainda pode
dispr de urna forca C o 5 a 6,000 homens em tudo.
As.forcas alliadas estao divididas, pouc^) mais
on menos," do modo seguinte : Na Assumpcao
12,000 Brasileiros e um batalhao argentino : em
Trindade, qualro mi has distante d'aqui, na liulia
da estrada de ferro, perto de 5.0M Argentinos ;
em Luque, de 2 a 3,030 soldados brasileiros do
cavallaria.
Aqu tem levantado fortes trncheiras,e teem os
postos ayancados a distancia de seis leguas mais
para o interior. O resto da cavallaria brasileira
foi mandado para Matto-Grosso em seis encoura-
cado?, e os Brasileirc* estao atarefados levantando
lortificaces de um lugar distante 50 leguas, pouco
mais ou' menos, Ja Assuinpi-o.
Se os Brasileiros sao censurados justamente
pela sua total paralysaco as opera^oes de guer-
ra, teem sido tambem injustamente aecus idos a
respeito do negocio do saque da cidade. Nao pode
Apcr durida de que no principio se cummettessem
alguns excessos pola soldadesca : mas tambmit eiln
ora de toda a david'i que as autoridide* e os (be-
fes superiores fazem eteem feito Indo o que estiva
ao seutilcancc para impedir e castigar ai tftaaqf,
e a ordem nw ,, dade nascinsSf^
IIMIMI'l yiR llllfffl'
mostra o tnaior receio de que absorvamos o Pa-
raguay.
A imprensa argentiua com urna iugenuidade
admiravel Ihe responde que nao se afuste ; por-
que, para qic o triste successo senao d, ahi es-
tao a< repblicas alliadas vigilantes contra qnal-
quer veltadado do imperio b**j sentido.
Ora, j &e vio unm cousa assira ? D; modo que
o Brasil quem con repblica do Paraguay, quando nenhi m acto seu
denuncia este intento, e ser a Repblica Argen-
tina quem a deffener, ella que mostrou reluc-
tancia em adherir clausula do tratado que a g-"
ranta, ella que apresentou um *e seus generaes
como caudidato futura presidencia ; que sus-
tenta na imprensa, e cm toda a pare a conve-
niencia da reunio das rtuas repblicas em um
estado, etc. Nao vale a njna refutar ataques
desta ordem, que por si mesmo3 cah;m no ridi-
culo.
O goveruo argentino ratificou o tratado po3ta
com a liolivi.i. *
Nada mais de inteiWse.
INTERIOR.
BUheles do thesouro.Em circu-
lacao a 30 de novembro de
4868...................... 77;8o3:8004000
Rescatados do 1 de dezembro de
1868 a 27 de fevereiro de
1869...................... l*88:t:800Ono
61,070:000*000
Emprestimo iiaejfiw/-Entradas 27,000:0005000
Remessas^-Da l de jullio de
1867 a" 30 de novembro de
1868 :
Para Londres (diversos cambios)
0)......................
Para o Rio da Prata (ao par)...
38.619:529270
21,7i2:481368
Somma................. 60,362:010^638
De 1 de novembro do 1868 a 27
de fevereiro de 1869 :
Para Londres (diversos cambios)
(t>)
Para o Ro da Prata (ao par) (c).
Somma................
7,785:601-itWO
1,761:88:<*2t:)
9,547:481*342
Hio de laneri
t DE MARCO DE 1869.
S. M. o Imperador, acompanaado de seus sema-
narios e do Sr. ministro da marinha, asisti hon-
tem abertura das aulas da escola de marinha.
Em seguida S. M. visilou o hospital militar pro-
visorio em Andarahv.
Por cartas imperiaes de 27 do mez lindo, foram
nomeados :
Commendador da ordem da Rosa, Jacques Dres-
cher, commandante da fragata russiana Demelry
Botuto*.
Cavaileiros da mesma ordem, Serge Kragner,
Michel Wischmiakol c Jean LavrofT, 1- tenentes
da mesma fragata.
Foram naturalisados cidados brasileiros os sub-
ditos portnguezes Alcxandre Coelho Messeder e
Gregorio dos Santos.
Por decretos da mesma data foram nomeados,
porservicos prestados na guerra contra o governo
%Paraguay
Dii
Kepartlco da polica.
'i' seceo.Secretaria da polica de Pernambuco,
17 de marco de 1869.
f, 398. Illm. e Exm. Sr.Tenho a honra de
levar ao conhecimento de V. Exc. que, segundo
onusta das participaroes recebidas hojo nesta re-
particao, foi hontem' recolhnlo casa de deten-
co, a ardeffl do subdelegado de Santo Antonio,
s iverin >, escravo do Bario de! Campo Alegre, a
rqueriinento d*este.
Por ollicio desta data, commimieou-me o Dr.
delegado da capital, que segundo Ihe participou o
Wegado da Bu-Vista, lora hontetn, pelas 9
horas da noite, encontrado no caes da ra da Au-
rora d'aquellc dsHrieto o cadver do preto Julio,
escravo de Sil vi no Antonio Rodrigues, queseacha-
va fugido desde o dia 2i) da m a prximo passado,
e que em vista do auto de veslona a que se pro
cedeu. vcricoii-se que a morte fora o resultado
de urna eongestio pulmonar.
Deus guarde a V. Exc Illm. Exm. Sr. conde
de Raepemly, presidente da provincia.O chefe de
poilcia, Francisco de Faria Lemos.
'gnitari da ordem da Bosa, o coronel honora-
rio do exercito Franc co Pinheiro Guuares.
Offlcial da ordem imperial do Cruzeiro, o coro-
nel honorario do exercito Jos de Oiiveira Bueno.
. Foram concedidas as saguintes pendes, ficando
dependentes iLi approvaco da assemblr.i geral :
De 60J mensaes a D. Maria Luiza de Menezes
Pacheco, mi do tina lo 1- lente da armada Luiz
Bai balho Moniz Fiuza.
De :I0* mensaes a D. Leopoldina America da
Silva Mello, viuva do eapitao do-16" ba:alho de in-
fantaraJos Lzaro Monteiredfl Mello.
ev480* annuaes 1 Joauna Clara de Jess, viu-
ya do pwchinisia de 2 classeda armada taanib"
Pinto (ie Cafiwlho.
Total.................. 69,909:49t980>
Pagamento de saques.Do Io de
julho de 1867 a 30 de novem-
bro de 1868 :
Da reparticao fiscal de Monte-
video.....................
Da pagadoria militar do exercito
Da missao especial no Rio da
Prata......................
23,770:6234728
27,952:3414049
1,199:4254 1
Somma................ 52,922:3903218
6,602:1274191
3,095:6945094
Do 1" de dezembro de 1868 a 27
de fevereiro de 1869 :
Da reparticao fiscal de Monte-
video .....................
Da pagadoria militar do exercito
Somma................
Total..................
(a) Essa remessa foi effectuada para se resgata
rem cautelas de apolices anteriormente emittidas
por venda ou em pagamento de libertos.
Est incluida nestas remessas a somma de
9,698:1214285
62.620:5115503
(I.) I
277.
iilhii
4
EXTERIOR.
MONTEVIDEO, 28 DB FEVE1RERO DE 1869.
Como noticiei na ultima carta que daqu escre-
\i para o Jornal do Commercio, a eleie) para al-
caide ordinario da capital e para defensor de me-
nores assnmio um carcter grave, e deu at lugar
a derrainamentj de sangue. Manifestando-se o ge-
neral C.naliall.i e o ministro da guerra a favor da
candidatura de 1). Manuel Prez, do lado oppustd
3iie susieutava a de D Francisco Prez, resolveu
isput u a victoria a todo o transet e nesta dispo-
sic o d N espirito era muito parareceiar scenas
des'gradaveis.
Felizmente os dous lados dissidentes, cedendo
cada um delles um pouco de suas preteni;oes, che-
caram a um accordo, escolbendo um terceiro can-
ilidat i D- Francisco Moran, que reuni a maioria
.1 ig sulragios, sendo os supplentes escolhidos na
lista dos (jue apoiavam a candidatura de I). Ma-
nuel Prez. Por esta vez, portanto, nao tivemosba-
rulho.
As cmaras ja funccionam; mas por ora nao se
oceuparam de asaunipl luenliutu importante. Cons-
ta que o governo pretende onter delas o augmen-
to de algnns impostos. e a creac^ao de novas con-
trilmices para poder fazer face despeza publi-
ca, que tem crescido extraordinariamente, em-
queulo que a receit nao acompanha na mesma
lelaco.
A-eesfcMau A C,. contina em liqnidaco, e o
baitoJamdo rom perseveranca contra todos os
adversarios qu o prouuram esinagar, e que cada
vez se irrilaai mais pela energa que ello dse ,vol-
ve para salvaros seus interesses eos daquelles
ijuenelleconflaram.
O Siglo disiingue-seno encarnicamento, e ainda
uas|M resista qiara o exieriur, publicada esta ma-
nhaa/ckuka (rquo o gevemo tolera que o baro
faca parte da eunjmissan liquidadora, como se elle
ao tora e>^aF eompelente para isto.
/Ujni, tejMito de passagem, nao ha estadistas
neiu htMnens de administraco. Tomam-se as mais
pravos resoluces sem reoctir-se as consequon-
cas, sonlBte para lsongear um principio, ou ex-
perimentar urna theoria. O commercio c o po-
vo vio pagand* licao e os entaios que nao pe-
diram- ...
Qiieixam-se hoje do papel, e entretanto ao pa-
pel devem o florescimento desta capital, que tem
crescido em riqueza e belleza de ama maneira sor-
prendente t ,,
Qumdoopaiz esteva ieieiaaieoiesobsemellian-
te rgimen que se lenabrarai* do exterminar o
papelorio, mas immediataiB|pte, como se isto fos-
se cousa de nonada I
Do Paraguay nade se sebe de positivo, senao ale enancas
hega* do Sr. consetheito Pesanbes Aesump- Udade.
lorias (pie apresentar-se-ho aos seus olhos.
Longe de mim arrostar una tarefa to ardua :
devos cingr-ine a noticiar o que ouco ou o que
vejo, e as impressoes que recebo.
Se os horrores que foram publicados de um
modo to authentieo a respeito do governo de Lo-
pe/, e da condico poltica e social deste paiz, pa-
tentearam plennienio aos olhos do mundo civili-
zado a justica da causa dos alliados, e vindicaran!
triiimphalmnte a allianea das aecusacoes infun-
d idas feitas contra ella, a maneira ponpie foi di-
rigida a guerra d azo a urna critica severa.
Durante os ltimos sanguinolentos combates
as Lombas de Cumbarity, se o marquez de Ca-
xas tivesse, antes do ultimo ataque, permittido aos
Argentinos que oceupassem o Protero Marmol, ou
mandad'i urna forca de cavallaria de mil homens a
oceupar aquella psicao, a retirada de Lpez teria
sido inevitavelmento cortada, e cahindo as maos
dos alliados, a guerra teria lido um fin glorioso ;
mas se as medidas dilatorias dos brasileiros, para
proseguirem as suas vantagens, foram sempre
inexplicaveis, a sua actual inaccao est calculada
para fazer mecer no espirito de qualquer homein
honesto um sentiinento de indignaeao, quando con-
siderar que o futuro de tantas familias innocentes
est arriscado, e que um proeedimento semelhan-
te e quasi ceno que accrescentar-se-ha longa se-
rie de victimas da feroeidade sem precedente e s-
denla de sangue de Lpez. Parece que nao ha du-
vida iic a censura cahe exclusivamente sobre os
Brasileiros, e nao est longo o lempo em que se-
rao chamados a dar contas a outras naceos civili-
sada-, por lerem fechado os ouvidos a todos os
sentimentos da humanidade, o despresado a orea-
sio de poupar mais effiso de sangue innocente.
O novoeommandante em chefe brasileiro, cha-
mado commiimente aqu o general Guilherme, mas
cujos verdadeiros titulo e nome saoo marechal
Guilherme Xavier de Souza, responde a_ todos os
pedidos : que o marquez do Calas Ihe nao deixou
instrnecees, e que nao pode emprehender opera-
cao alguma. salvo o caso de urna emergencia.
t EsTa a resposta que deu ao eapitao Jawkes,
eommandante do navio de S. M. Britaunira Crac-
ker, quando este ultimo foi-lhe representar a ne-
cessidade que havia de fazer alguma cousa em be-
neticio dos inglezes que estavam ainda no poder de
Lpez.
A mesma resposta deu o general Mitro, que
Suando soube do feliz resultado ohtido pela expe-
icao qiie elle mandara para explorar o paiz, exi-
gi do general brasileiro que mandasse urna forca
de cavallaria combinada, ou que Ihe eroprestasse
cavados para mandar os seus proprios soldados ;
porque os seus cavallos estavam estafados, e na
actaalidade eram inuteis para o servico.
i llavera oito dias, pouco mais ou menos, dous
padres da Conceicao, o juiz de paz e dous o tres
vsinhos mais daquelle districto, chegaram aqui,
em um vapor pequeo, que fora mandado rio ci-
ma na 'sua volta. Foram como em deputaejio ter
com o general Guilherme, e disseram que perto de
1,200 peseoas, homens, mulheres e enancas, esta-
miii reunidas cousa do doze leguas da costa, no
districto da Conceicao ; que entre elles havia fa-
milias de fazendeiros ricos que pagariam volunta-
riamente as despezas da viagem ConceiQao ; que
toda a forja que Lpez tinha para guardar 50 le-
guas da costa nao passava de 250 homens, e que
quepediam era, que umencouracado e urna pe-
quena forca fosse mandada rio cima para prote-
g-los. A nica resposta que poderam obter foi :
Nao tenho instruccoes.
Da bocea mesma do coronel Baez, a quem uve
o prazer de ver boje, sei alguns pormenores inle-
resaanles acerca da expedicao por elle commanda-
da, que voltou ha tres dias. A columna expedicio-
naria ompuiiha-se do regiment de cavallaria ar-
gentina San Martin e da cavallaria da legio para-
paya, formando em tudo 500 homens. Estiveram
Cora lO dias, caininhando em tudo 15 leguas. No
terceiro dia de sua exploraco encontraram urna
caravana de mulheres,, criancas a velos, que d-
rigiam-se ao acampamento de Lpez, acompauha-
dos por alguns dos seus emissarios, cujas iustrue-
^oes eram cortar as cabeeas de todas as mulhe-
res e criancas se ficassem atrs por mero cansa-
ce ; a ordem foi exocutada ao p da letra, como
mostravam os numerosos cadveres achados no
caminho, sendo a maior. parte d'elles de mulheres
de um a quatro ou cinco anuos de
nilnir.i inoiliM .Bill1 >lni)"gHIlUfHIHI %W HHIUW .^l>c *** n>ciiin t9Uiiinm iwmwpi rtp
faz honra aos Brasileiros. Em todos os casos em luntarios da patria Ca. los Sabino de Vameini?.
que se tem a-presentado urna reclamac/io justa, \ De 363 mensaes ao alferes do 31 (orpo de yo-
noo tem huvido, nem ha adiamento na sua entoga \ luntarios da patria Silvnio Reginnldo de (arvalho.
00 legitimo proprietnrin. A rerdade do fado que
nao so ha urna grande dijpcnldade ein estabelecer
a rerdade a respeito da propriedade. devido isto
-Por decreto de 27 de fevereiro ultimo conceder-
se ao 2" eirurgio do corpo de sade do exercito
falta de todos os documentos fidedignos, mas fr. Alvar*-Morara Sampaio e ao pliarmaceutico
tambem nao falta gente que trata de tirar canta-
gem do estado de coi'fusao actual para o sen lucro,
e quando acham qu* as suas espertezas nao sao
coroadas de um xito feliz, ringitm-se aecusando
os ttrasileiros injnslom'nie de ludiocs. A mor par-
te das mobilias tem sido deixadas as casas, e tu-
do o que se fez em alguns casos foi levantar al-
gnns objectos de una para mitra casa. O coronel
Ferrara, chefe brasileiro, o chefe de polica, e o
commandante Fernindez, oflicial argentino, o
eapitao do porto. Eia as duas nicas autoridades
que existem, e estes dous cavaileiros sao dignos
de todo o louvor pelo modo satisfatorio com que
desempenham os seus arduos deveres.
A qtiesto dos couros parece que deve acarre-
tar mudas dilllcnldades, ora pelo numero des re-
clamantes, ora pela falta de documentos justificati-
vos, ora pela confusao (pie orgnou-se de ter sido
reunidos juntamente) de diversos*depsitos.
Deu-se ordem para que nao fosse permittido
agora embarrar coi ros ; mas, apezar desta ordem.
o Conde de Bismarl; pequeo vapor, fugio do por-
to, ha algumas noites, levando "Rw earregamento
de couros, fumo e mate. Expediram-se ordem para
embarga-lo e dete-lo em Corrientes ; mas al ago-
ra nada se sabe d'elle.
alferes da mesmo corpo Iruoio de Sean Brito a
demisso que pediram do servico do ejercito.
Por titulo de 27 de fevereiro ultimo foi nomeado
Manoel Correa Dias para o lugar de praticanteda
thesouraria de S. Paulo.
900 para pagamento do remanecente do em-
pre-tiino de 1839.
(c) esta importancia comprehendem-se 500,000
pesos que o governo argentino satisfez por conta
do que deve ao governo imperial, os quaes foram
entregues reparticao fiscal e applicados suas
despezas pelo valor legal.
Pelo art. 177 do ngulamento da escola central
sao considerados engenheiros gengraphos os Srs. :
Adolpho Del-Vecchio,.Antonio Cavalcante de Souza
Raposo, Augusto de Andrade Souza, Boaventura
Caetano Ribeiro, Henrique Eduardo Hargreaves,
Juio Falicuo Pudrosutla Costa Furreira, Joao Jos
Milz Vhnna. Joaqun rTtier dr niwrfinr. fn*e An-
gu>to Devoto. Jos Joaquim de Pinho, Lnpo Gon-
ealves Batos Netto, Luiz Augusto de Oiiveira, Luiz
oncalves da Silva Netto c Luiz Pedro Drago.
S. M. o imperador, acompanhado de seus sema-
narios, visilou hontein as ollicinas de machinas do
arsenal de marinha. Em seguida foi iba das
Cobras, onde percorreu os diversos cstabelecimeii-
tos.
A's 2 horas Sua Magestade dosembarcou no ar-
senal de guerra, onde tambem visitn as dependen
eias daquella reparticao.
t Sinto dizer que parece que o Anus esta
perdido sem esperance, e acredita-se que dever
ser vendido, pois nao ha possibilidade. de poder
salva-te, a nao ser una grande chea do rio, o que
nao acontecer nesles doze mezes.
O Jaguaraty est tambem inteiramente per-
dido. Cerca de 60 eguas d'aqui, ro cima, baten
contra um recife e fez-se em pedaces quasi inme-
diatamente. Levava seu bordo perto de 250 to-
neladas de carvo {.-ara a esquadra em operaoes
em Matto-Grosso.
t Apezar do excessvo calor, este clima in-
Suestionavelmenle sadio, e todos os boatosespalha-
os de que o choler;. tinha apparecido aqui com um
carcter maligno, nio teem razio de ser, senao na
imaginaco dos homens mal intencionados.
O estado sanitario da guarmifo, ios tripola-
res dos navios e dn habitantes em geral excel-
lente, embora o nosso amigo o Dr. Ntyikirk fa-
ca os raelhores negocios possives cjm a sua bo-
tica, alm da sua clientela.
As transacoes -ommercaes astao em completa
paralysaco. O mercado est atulhado de merca-
dorias al o ponto de nao se poder formar urna
idea. Parece que os donos dos notis sao as nicas
pessoas que fazem bons negocios; sao tembem nu-
merosos : ha mais de vinie destes eslabelecimentos
ahertos. A casa que foi de M. Washbum om ho-
tel, denominado/> Christo.
O porto est coberto de navios, e o numero
delles nao pode deixar de ascender a pe^o de 300,
entre os quaes ha serlo de 50 vapores; Mandes e
pequeos, incluindo os de guerra.
Qoando no futuro- se escrever com impareiall-
dade a historia ilesta guerra, nao hn de ser o-
Itrasileiros que serao chamados a contal no tribu-
nal das nacoes civilisadas, mas sim os neutros
que to estranha nenie abusaram da nossa con-
descendencia pa?. prestar um apoio efleaz ao
maior tyranno dos lempos modernos, me a nada
respeitou, e que merc a este apoio moral, pode
prolongar a luUfc e fartar-se de sangue a de des-
gracas.
A rausa da allianea j est justificada, una
verdade, mas por isso-mesino estao coudemaados
todos aquellos que a enmbateram por interesses
j-eprorados, e que, fazendo-se gurdos aos gemidos
das victimas quando ellas eram inmoladas aos
milhares pelo verdugo que defendala, sao hoje
todo ouvidos para sem piedade profligar-nos pelas
eousequeiicias de successus para qut c incurre-
rain com sua indebita interferencia, -nao alten-
dendo a que ainda agora sacrifioami o nosso
sangue e o nosso euroi -para servir*cornate ao
egosmo de nossos detractores I Tud, -Marea, tem
um termo, e isto que un eoosola.
A impnensa chilena e peruana ,tamben esta
magnifica. Depois de lanear-nns. rail i iinMeros
porque vencemos incita o gowno a n andar a*M
mensagem a Lpez pela sua heroica resisteocta, e
Chegou hoiitem a esta corte o me.-tre do vapor
Trovador, que naufragon as lages diilha dalla-
Rtmbaia. Sobre o modo como se den o naufragio
ciilliemos o seguinte : .
A' mcia-noite de 23 da passado krgara o Tro-
cador de Mangaratiba com destino a este porto.
A's 2 horas da madrugada de 24 omestre, achan-
do-se fatigado pelo trabalho do canegamento do
vap r, entregou o commaiido ao contra-raestre ne-
pois de combinar com este no rumo que seadevia
seguir.
A'a-l horas, tendo-sc ja recolhido a la, on-
viinlo errilos deorea, o mostr saltou fora da
cmara no momento em que o vapor bata ; a agua
entrou logo c com tal impeto (pie em menos de
tres minutos o barco mcrgulhava a [opa e d all a
pouco eslava todo no fundo. Refere o mestre que
o rarregador do vapor, estando recostado em seu
camarote no tombadilho, apezar da nevoa que ap-
parerra ao pjr da la. avistara pela proa una
luz e chamara para ella a attengao do contra-
mestre. Era tarde ; essa luz nao era outra cousa
senao a ardenta do mar sobre as podras que li-
cam fra da lageda Marambaia, onde se deu o si-
nistro.
t A carga do vapor consta va de 1,W0 saceos ue
caf e variasencommenda*.
Salvara'm-i-e 17 pessoas, sendo o mestre, b
tripotantes c 10 passageiros, privados de tudo e
apenas de ceroulas e camisas, servindo-se de um
do< botes que pode ser arriado, ten* o outro bote
saltado com a pancada que dra o vapor. Perece-
ram o contra-mestre, 3 passageiros. cejos nonjes
se ignoran, um marinheiro e urna es:rava.
O Sr. D. Pedro Maria de Lcenla, bispo do Rio
de Janeiro, chegou hontem s 9 horas da noite.
S. Exc. foi recebido pelo govornador do bispado,
cabido oreitor do seminario e pela maior parte do
clero, recolhendo-se logo ao pafc.cio da Con-
cei?ao. J
Pordecrftod'iO.le fever.'iro ulti no foi nomea-
Ad o ba-harel Antonio Pereira Pin o Jnior, juiz
municipal e de orphos do termo de Braganga, na
provincia d S. Paulo.
Publicou-se a seguinte demonstraco do estado
dos recuaWs c encargos do thesouro abaixo deca-
radi>s, em 27 de fevereiro ultimo :
Apolices.Em circulacao a 30
de novembro de 1868 (valor
nominal)................... 139,132:2004000
Emittidas de 1 de dezembro de
"1868 a VI do fevereiro :
De 5 %, em pagamento da divi-
da inscripta................ 18:2004000
De 6 %, permutadas- por accoes
da estrada de ferro.......... i:*W0'5;
De 6 %, vendidas no thesouro.. 41,069:5004000
*.V^. PrV-" ^^:80O*00O
Tendo flcenlo o-juiz de direito Antonio Joa-
quira Monteiro de-Sampaio, que eslava incluido na
lisia dos juizes mais antigos, ukiniamente rcmettida
ao governo, requisitou este una outra do supre-
mo tribunal do justica, que onviou hontein a se-
guinte :nntonio Henrique de Miranda, Joo One-
rino Rodrigues da Silva, Francisco Elias do llego
Dantas, Pantaleao Jos da Silva Ramos, Joo Cae-
tano Lisboa. Matheus Casado de Araujo Lima Ar-
naud, Francisco Louren^o de Freitas, Manoel Jan-
sen Ferreira, Antonio Francisco de Salles, Joo
Salom Queiroga. Francisco da Serra Carneiro, ba-
rao de Lorena, Antonio Augusto Pereira da Ca-
noa, Jos Caetano de Andrade Pinto, Manoel Jos
da Silva Neiva.
Escrevem-nos "que chegou a Guarapuava a 21
de Janeiro ultimo, depois de mais de quatro mezes
e meio de penosos trabalhos em floresta virgem, a
coumiisso encarregada da exploraco e dos c-tu-
dos lopographicos da estrada do Paran Matto-
Grosso, e que dirigida pelo engenheiro Antonio
Rebougas, coadjuvado pelos engenheiros Mauricio
Schsvartz e Pedro A. Scliarer.
E' muito para desejar-se a feliz conclusa de tao
interessantes estudos, e a pmnipta construeco des-
ta estrada, que nos deve assegurar conununica-
coes regulares pelo interior do imperio com a lon-
ginqua provincia do Matto-Grosso.
6
Pelo vapor inglez Flamsleed, entrado hontein do
Rio da Prata, racebemos folhas de Buenos-Avres
at 27 e Montevideo 28 do passado. Nada referen
relativamente ao Paraguay, limilando-se as revistas
da quinzena a consignar que, em quanto Lpez
vaga polas serras'do seu ignorado paiz, preparam-
na Assumpcao, onde a devia achar-se o Sr. eon-
selheiro Paranho4.por parte do Brasil, tendo par-
tido com o mesmo destino o Dr. Adolpho Rodri-
gues como representante do Uruguay.
A repblica Argentina ainda nao tinha enviado
representante seu. Rufino Elizaldo partir para o
Paraguay, mas asseverava-se que ia negocios
meramente particulares.
As cunaras legislativas da provincia de Buenos
Ayres votaram um crdito de vinte milhoes para
a continuacao da estrada de ferro do Oeste que
indo at Bragado pora brevemente em communi-
eaco as repblicas do Prata com o Estados do
Pacifico.
As cmaras da repblica do Uruguay, aberUis a
15, ainda nao tinham comecado os seus trabalhos
regulares, nem deixado transpirar o sen pensa
monto sobre a quesio naneara e (nanceira. a res-
peito da qual prepara va o governo alguns pro-
jectos.
bebe, as serras, onde Snchez, vicepresidente do
Paraguay, mantm todas as formas exteriores de-
governo. All est o ministro americano general
Mac Malion. all cstu todos os cnsules cstrangei-
ros. Nao ha escassez de vveres, mas Lopes nao
tem armamento nem municoes. Do interior do
paiz diz-se que tem lirado elle alguns recrttlas.
Os negocios na Aump<^iu csiau aran fiara-
lysados, e, segundo as ultimas noticias, ate as hos-
pedarias estHvam vazias. O estado sanitario naquel-
l.i cidade o mellior possivel; nao ha chotera.
Por portara de 6 do eorrente, concedeu-se o ti-
tulo de agrimensor ao cidado Antonio Jos de
Sant'Anna, na conforuiidade do decreto n. 3,i98
de 16 de dezembro do 1863.
Por decretos de 6 do eorrente :
Foi nomeado, o desembargador Caetano Jos
da Silva Santiago, presidente da relaeo de Per-
nambuco.
Foram removidos :"
O juiz de direito Antonio Barbosa Gomes No-
gueira, da comarca do Rio das Mortes, de 2* en-
trancia na provincia de Minas-Geraes, para a de
llaborahy, de 3* na do Rio de Janeiro; ficando
sem aflatto o decreto de 12 de dezembro do anno
passado, que o remover para a comarca de Naza-
reth na provincia da llahia.
O juiz municipal e de orphos Francisco de
Paula Pretes Pimentel, do termo de Santa Barbara
para o di- Barbacena, ambos na provincia de Mi-
nas-Geraes, por assim o haver pedido.
Fallecen hontein de manha o Sr. Luiz A. Lalle-
mant, havia 46 annos era negociante nesta praca,
onde gozou sempre de crdito e geral estima.
-9
O mordomo de S. A. o Sr. duque de Saxe ehe-
gou eslaeo do Raiz da Serra pelas 10 horas da
noite de ante-hontem. e dali parti inmediatamente
em trem especial para a estacan da Prainha, onde
desembarcou as 11 l\i horas, eguindo a toda a
pressa para S. Cbrwiovao com a noticia de achar-
se enfermo em Pelropolis o principe D. Augusto,
lilho de SS. AA. os Srs. duque e duqueza de Saxe.
S. M. o Imperador com S. M. a Imperatriz e sua
dama, o camarista de semana, o conselhero Dr.
Feij e o mordomo de Sua Alteza chegaram esta-
cao da Prainha s 2 1|2 horas da tnaulia e parti-
rn! inmediatamente no vapor Man, pertencente
corapanhia da estrada de Ierro de Pelropolis.
Desembarraran na punte de Mau, s 3 horas e
40 minutos, e seguiram logo no trem imperial, que
os espera va, para a estaca > da Raiz da Serra, onde
se apearan s 4 horas, partindo dali lo minutos
depois, em um carro da empreza da serra, que
chegou a Pelropolis s 5 horas da manha.
Nesta inesperada conjunclura o servico da estra-
da de ferro, tanto terrestre como martimo, foi feito
com urna presteza que prova altamente a favor da
administracao, c concorreu para abreviar a ance-
dade com' que a familia imperial devia desejar
achar-se reunida n'um momentoafilictvo.
Cstaudo o'Uilegrapho siibmarinho no seu esta-
do narmM e- intrn- ope*o, li.'aoh>s. toda o dia em
noticia do estojo do principo. S. M. o Imperador
mandou ordem que a galeota imperta! esperaste
as 5 horas da larde em Mau. A's 8 voltou a ga-
leota, mas SS. MM. Imperiaes nao regressaram.
Por decreto de 6 do eorrente mez:
Foram nomeados cavaileiros da orden de S.
Bento de Aviz o cirurgiao-mr de brigada Dr.
Francisco Antonio de Azevedo: os capitaes do in-
famara Franklin do liego Cavaleanti de Albuquer-
que Barros e Jos Francisco-da Silva, e os refor-
mados Antonio Alexandrino Ferreira da Silva e
Jos de Cerqueira Lima.
Foi nomeado lente substituto da faculdade de
direito de S. Paulo o conego Dr. Joo Jaemtho Gon-
calves de Andrade.
Por decreto de 1 do crrante foi nomeado Her-
minio Antonio da Rucha para o lugar de secreta-
rio da capitana do porto da provincia do Cear.
Por decreto de 2 foi transferido da para a V
classe do corpo da armada o 2" lente Alfonso
de Almeida Godinho.
Por decreto de 9 do eorrente foi nomeado ter-
ceiro oflicial da pagadoria das tropas da corte o
amanuense da mesma pagadoria Francisco de
Araujo Pereira Cauto.
Por decretos da mesma data passou a aggregad
a arma a que pertenece capital do 2o batalhao de
intentara Joaquim Antonio de Henee, na confor-
uiidade das disposiedes do art. i-i Io, motivo t n.
2 do decreto n. 260 do de dezembro de 1841, e
foi nomeado capelln alteres da reparticao eccle-
siastica do exercito o padre Virgilio Franco da
Silva.
15>,765:00|000



Papel-moeda.Emisso prove-
niente dos crditos de II de
setembro de 1866 e de 28 de
igual mes de 1867.......... 79,604:380*000
Dito do crdito aberto pe de-
creto n. 4,232 de 5 da.agosto
de *8fl8...................
Em 30 de novembro de 1868... -
De ida.desembn*. de m* a 27
. de fevereiresde,486^ a-emis-
so proveniente do decreto ci-
4*d de'5 de agoste de-1868..
S. M. o imperador, acompanhado de seus sema-
narios, chegou hontem pela manha ao arsenal de
marinha, eembarcando na galeota imperial, foi vi-
sitar a fortaleza de Santa Cruz, onde percorreu to-
das as respectivas dependencias, relirando-se dalh
s 2 horas da tarde.
Por portara datada de hoje eoneedeu-so a Eu^
genio du Pasquier o titulo de agrimensor, na con-
formidade do decreto n. 3,198 de 16 de dezembro
do 1863.
O* ulmos folegraramas de Buenoe-Ayres rece-
bido em Montevideo sahidado Arnoaem asmo:
As ultimas datas do Paraguay annunciam a
chegada d.> Sr. Paranhos Asstimpcao mas ne-
nhum movimeelo militar tem havido. Lpez mar-
<*ie.1paraJ*r**uay. navoeco central, donde tem
mandado.mjaiUs partidas a percorrer o paiz. Al-,
gumas familias das monlauha .teem-se escapado
i e.maiaaaaecavel estado.
H8,6OA:38O#000 Aeede nominal da governo aiade eta Pira-
2,000:0001.000
4,G04:380*000
i I.MWOOIOOO
Como eslava annuncado, leve hontem lugar a
entrada solemne do Sr. D. Pedro Maria de Lcenla
na santa igreja cathedral e capella imperial.
A procissao, que sabio da igreja de S. Pedro a
hora marcada, compunha-sc das irmandades, con-
frarias e ordene terceiras das diversas igrejas da
Corte, e tiem assim das collegiadas de todas as fre-
guezias e communidades religiosas, segmndo-se a
estas o Illm. cabido, e depoise palio, a cujas varas
negavam os vereadores da Illma. cmara munici-
pal, e sob o qual vinha o novo bispo, revestido dos
hbitos pontificaes, abencoandoo minjeroso in-
curso de fiis que se grupavan de ambos os fados
do prestito. ___
A's 6 1(2 da tarde entrou S. Exc. Rvma. na igreja
catliedral ao som do hymno Rece sacerdos mignus,
e tomando assento na solio assistio ao Te-Deum
cantado em aeco de gracas por ter cessado a vu-
vez da igreja fluminense.
O 5* batalhao da guarda nacional, em grande
uniforme, fez a guarda de honra de procissao, e,
postada a porta da capella imperial; den as des-
cargas do estylo.
Fallecen hontem 4 hora a madrugada, na
Tijura. onde, se achava em tratamento, e sepulta-
se boje s 10 horas da manha no cemiteno de S.
Francisco Xavier, o Sr. almirante coirolneire de
guerra vi-conde de Inbama, que ha pouco das
desembarcou nesta capital rauifo doanlo, tfoda por
este motivo pedido e ubtdo exoneracao do com-
niaudo em chefe da esquadra brasileira de opera-
coes contra O governo do Paraguay.
Poupado pelas balas immigas, e llustre mari-
nheiro nem por ss deixou de ser urna das victi-
mas desta guerra extermnadora, que oes tem aou-
bado preciosas existencias.
Poderia salvar-se se ha mala lempo se tivesse
recolhido ao seto da patria e da familia ; mas, como
bravo militar, como lumeui de pundonor, e cerno
cidado patriota, nao quiz abandonar o campo da
honra sem haver terminado a sua missao gloriosa,
aem ter visto completamente reparada a oflansa
feila bandoira nacional.
A longa vida militar do vsconde de Inbaiua
urna serie nao Interrompida de servicos distinetos,
quer como homem de mar, quer como administra-
dor. Desde a guerra do Rio da Prata de J815 a
1828 at a guerra do Paraguay, uio ha um sq suc-
cesso militar na nossa historia em que o diguo al-
mirante nao tenha tomado urna parte.
Ministro da marinha de 9 de mareo de *86i at
14 de.maio de 1862, foi..tambem o primeiro mi-
nistro da agricultura, e eouue-lhe-* tomra de or-
g anisar osu inleressante parte da nossa adaunis-
TKseu mats ardoate de*Jo eointaaBdar a, es-


Diario -de Pernambuco Quinta feira, 18 de Marcjo Ae 1869.
iuadi-a, e fo um da de grande satiefacju aqueHc
em que se vio honrado com esta nomecn. S-
essivamcnte feito vico-almirante, bar e depois
viscunde, foi finalmente elevado a almiranlo e con-
decorado com a gr-cruz da ordem da Rosa.
Estao frescos ainda todo! os actos de, herosmo
e bravura por elle platicados, desdo lo de agoste
de 4867, em que transpoz as bateras de Curu-
paity, at 31 de dezembro do auno lindo, eoj-yue
fundeou na Assumpcao. [
Tinha j as tercas a'qucbradas em frentd da
Angostura, c a prudencia lhc acrm-elhava qiie se
retirase das aauas do Paraguay. Ainda, porem,
aquella posirao aprsenla va alguns raiihes contra
nossos navios, c o almirante snstentou-se no seu
rio, at que pode di/.er ao governo que, nao ten-
mais navios inimigos que combater, ern bate-
ras que destruir as margens do rio, jnlgava
chegada a ccasiao de pedir sua exonero;;.
Eslava eonsuinmad o sacrificio I almirante
nao era uiais do que um cadver ealvanisado pelo
effeto mgico do patriotismo, Passada a febre
vertiginosa que o mstentava, o corpo abateuse, e
nem as brisas do Ocano, nem os ares da patria,
nem os affagos da familia e as ovaedes dos amigos
puderam reanima-lo.
llontem o almirante visconde de Inliaiiuudeixou
de ser um grande borneen do mar para tornar-se
um dos vultos preeminentes da nossa historia.
10=
SS. MM. Imperiaes e S>. A A. os Srs. conde e
condessa d'Eu ehegaram bonlera as 3 horas da
urde ao pago de S. Christovo de volta de Petro-
polis, onde deixaram muito melbor de sade o
principe D. Angusto^em eompanhia de seus au-
gustos pais os Sis. duque c duqueza de Saxe.
Foram ontem dados sepultura o restos mor-
taes do viseonde de Inhama.
A' porta da residencia do finado achavam-se
postados um contingente do corpo de imperiaes
marinheros e outro do i.' regiment de cavalla-
ria do exercito. O fretro foi cnnduzdo do casa
Sor fpwTlin Blariniieiros, seguranao nos c ir-
oes das argola* os Srs. ministros da marinha e
da guerra, conselheiro Alfonso Celso, visconde de
Tamandar, baroes de Suruhy e Uapagpe, e col-
locado em carro fnebre da casa imperial.
A este, desfilando o prestito, seguam-se immc-
diatamente dous carros eonduzindo me nbros do
clero, e um coche da casa imperial onde era le-
vada a coroa de viseonde. Aps este ia o carro
da empreza funeraria, contingente de eavalla-
ria marchava em seguida.
Os membros do ministerio, varios offlciaes gc-
neraes de mar e trra, altos-funcconarios pbli-
cos, numerosos cantaradas e amigos do fallecido
aeompanharain-o em cerca de 300 carros, que
eompletavam o salimiento fnebre.
A' porta do cemitero de S. Francisco Xavier,
onde foi sepultado o corpo, achava-se postado o
batalhao naval, que presten as ultimas honras ao
almirante, visconde de Inhama, m
Entrn hontem do Rio da Praia o vapor inglez
Humboldl com folhas at i do correntc.
Xas da ultima data encontramos os sesrnintes
telegrammas :
Temos noticias da Assumpcao. No da i*2
marchou para o inferior urna expedicao de l.OJO
homens.
Parson?, eommandante da Deacorn, sabia
00111 urna escolta para Pirabc'ie, com cartas do
ministro Stewart para Lopes. E dn quinta de Hopkins para pren.l-lo alguns
soldados que sorprendern! um criado ; mas feliz-
mente o dono da casa nao se achava alli aquella
noite. t
Entretanto outro telegramma diz que na As-
sumpcao corra ter-se Lpez pa sado para a Boli-
via. Contnuam as noticias telcgraphicas :
a Regressou a expedicao de Matto-Grosso. Em
Corumb encontrn a fortaleza oceupada por 500
brasileiro?.
Diz-se que Humait ser abandonado. O Sr.
Paranhos esperado amanha 4, em Buenos-Ay-
res.
A canhoneira norte-americana EtOua, que
estava encalhada, eonsegnio safar e chegou a Cor-
rientes, d'onde descera a Montevideo. >
Ao mesmo tempo a Tribuna de Bucnos-Ayres
publica una correspondencia datada da Assump-
cao a 23 de evereiro em que, alm da volta da
expedicao de Matto-Grosso, nenhuma dcslas rou-
sas se refere. Pelo contrario diz-sc :
u Com a vinda do conselheiro Paranhos, parece
que por estes 15 ou 20 dias se mover oulra vez
o exercito em busca de Lpez, para acabar de
urna vez com es'a sangrenta, fastidiossima e
eterna cimpanha, que j dura como uinguem
imaginara. i>
Cumpre, pois, aguardar ulteriores mformaroes
e. noticia* directas da A Do Rio da Prata nada ha de importancia. A
Repblica Argentina ainda nao mandara represen-
tante seu ao Paraguay.
No Chile prosegua erna guerra com os selva-
gen s.
No sul do Per a febre amarclla fazia estragos.
Por via de Montevideo Cuinos obsequiados com
folhas do Rio-Grande do Sul, que alcancam a 28
do passado.
" Na referida cdade fura aborta a fallencia da
casa bancana Duartc Souza, Krannichfeldt & C.
tendo-se evadido o caxa Jos Joaiuim Duarte
Souza.
As folhas do Jaguaro referem :
No dia 12 do correte, vindo em viagem de
Pelotas para o dUtricto do Herval o alteres Mancio
Vieira Nunes, em eompanhia de dous seus ir-
mao?, um filho menor e niais tres companheiros.
ao'chegar perto do passo de Mmia Gomen, no ar-
rojo Piratiny, adiantou-se mais que os compa-
nheiros aflin de prevenir o canociro que os deva
passar.
Ao enfrentar a urna casa de negocio que
existe a d >uca distancia do pas^o, oncontrou-se
com Jos Mara, Paulistano, que, pergantando-lb
se ia passar, e onvindo a resposta aflirmatva, pu
cha em continente de urna pistola que traza, e
desfechando-a sobre o referido alferes Mancio,
instantneamente o mala.
Um irmao do asassinado de nomo Zeferno
Antonio Nunes, ao ouvr o tiro corre ao lugar on-
/de fura dado e no caminho divisa o assassno, qw
i parecendo-lhc pelo modo He trajar ser o seu ir
mai o que estava forido, correu para elle como
para soccorr lo, e neste engao ao chegar a elle
recebe do mesmo una forte bordeada na cabeca.
que abrindo nella urna brecha o dcixra por al-
gum tempo sem sentidos.
Por este motivo c pela den ora dos outros
companheiros que vnham a grande distancia do
lugar onde se achava, pode o assassno evadirse.
a O alferes Mancio fez a campanha do Estado
Oriental e do Paraguay, onde dera sobejas provas
de valor e de bizarra.
Era official distinelo e gozava da considera-
cao e eslima de seus superiores, bem como dos
seus subordinad os.
u Veto do exercito com o valente coronel As-
trogildo, de quem soubera captar as sympathias,
com 1 cenca, para tratar de sua sade.
Havia datas de Porto-Alegre at 25. Nada alli
oecorrera digno de menean.
Por portara d 9 do corrento foi nomcado n
bacharel Antonio Alfonso de Aguiar Whtaker,
membro da junta militar de jusiia do exerci.o no
Paraguay.
Foi nomeado vigario peral do bispado o monse-
nhor Flix Mana de Freitas Albuqucrque.
:
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECITE 18 DE MARCO DE 1869.
O vapor inglez Oneida, trouxe a noticia
de mais i ma victima Ilustre da cruenta
campanha do Paraguay!
O Exm. Sr. Juaquim Jos Ignacio, vis-
conde de Inhama e almirante da armada
brasileira, foi riscado do quadro dos vivos,
aps longos padecimentos adqueridos no
meio de affadigosos trabalhos no campo da
honra, onde se discuta de espada em
punho a dignidade do Imperio da Santa
Cruz!
Todos os Brasileiros que pesam devida-
mento a honra do seo paiz e que com-
-pwhendem e aquilatam convenientemente
-os servicos de seus irmos que se empe-
nham em conservar ao pavilnao nacional o
brilho de suas cores ; devem sentir-se do-
minados por um sentimento de tristeza ao
perpassarem na memoria os nomes das
lautas victimas do amor patrio, qe a me-
moranda lucta com o Par-aguay inscreveu
na nossa historia!
Nao bastou craenla parca essa alluviao
de- braros qtle jii tinha arrancado aos .bra-
cos de s*s familias'e o seio da mai patria-
foi-lhe'airtda-myster aimpolgar desastrada-
mente o almirante que conduzio a esquadra
impela! aos fastos da gldrta o hroe qu
se colnio^pflm o manto da \doria, elevando
a mariimTkasileira ao nivel das inelhores
do mundo.
E' b(iin triste par eerto esse ditcilo ina-
' lienavel da morte olire o horaem ; mas
acontcstavelmante uns doloraso ver des-
apparecer do iheatro dos aconlei-iiaentos
contemporneos m wlto que se av^Wajou
sebre muitos, attrahindo todas as vistas,
canquisftndo, rom as glorias para o seu
paiz, turnos de respeito e adirac5o n0
corag5o de seus patricios adoptivos.
besado tributo que paga o pescador pela
falt do progenitor da Jiumanidade, a mor-
te eixa as vezes um vacuo bem difcil de
preencher as sociedades!
Joaquim Jos Ignacio era bravo como se
pode 6"-r ; era brioso como todo general
que preza seu nome e que depCe a sua
gloria como cora de louro no alt.tr da pa-
tria em signal de homenagem ao Dcus dos
exercitoe.
E' um bem pequeo tributo pago sua
memoria elevar preces ao co pelo repouso
de sua grande alma; e nos o fazeroos, con-
victos de que aconvpanhar-nos-liao n'osse
preito todus os bous Brirleiros.
NOTICIAS DO SLL DO IMPERIO. *
Chegou hontem o vapor inglez Oneida, trazendo
jornaes da corte at lie da Babia at 14 do cor-
rente.
Sob as rubricas Exterior e Interior vao por ex-
tenso as noticias mais importantes, alm das quaes
ajienas encontramos as que seguem.
1110 DE JAM'.IHO.
J era conhecido o resultado da votaeao para
senador em 26 collegio^, faltando apenas os de
Campos, S- Fdelis, S. Joao da Barra, e Itio Claro,
comprehendendo 27 afeitan*. Obliveram maioria
de votos: |
Conselheiro Francisco de P. ti. Sayao Lobato 1,398
Conselheiro Joao Manoel Pereira da Silva... 1,270
Veador J. J. de Lima e Silva Sobrinho...... 1,017
Conde de Baependy...................... .872
O resaltado da votacio para deptilados as-
sembla geral, pela corte e provincia, era o se-
guinte:
i." di*trictr>.
(cjjrte) 353 eleilores
Desembargador Isidro Borges Mimleiro 32i
Dr. Antonio Ferreira Vianna............. 30.*i
Dr. Luiz Joaquim Duque Estrada Teixeira. 193
. 2o dixtricto.
(campos) 431 eletores
Dr Caudillo Jos Rodrigues Torres Filho... i 13
Dr. Franci-co Belsario Soares de Souza III
Conselheiro Joao d'Almeida Pereira...... i06
Falta ape as o collegio de S. Joao da Barra com
11 eleitore?.
3.a distrkto
(wcthebot) 437 eleitores
Conselheiro Paulino Jos Soares de Souza.. 427
Conselheiro Francisco de P. N. Sayao Lobato 418
Conselheiro Joao Manoel Pereira da Silva... 40o
4? distrido.
(pid.uiy) 539 eleitores
Conde de Baependy..................... Wo
Veador Jos Joaquim de L. S. Sobrinho... 493
Dr. Domingos d'Andrade Fgueira......... 436
Eis as noticias commerciaes da ultima data :
cambios. -Londres 18 '/* d. a 90 d/v. banca-
ro, hontem ; 18 Vs c 18 3A d. a 90 d/v. particular
liontem e boje; Pariz 509 rs. por fr. a 90 d/v.,
hontem: Havre 510 rs. por fr. a 90 d/v., dito;
Marselha 508 e 510 rs., por fr. a 90 d/v. hoje.
t apolices.Geraes de 6 'o a 80 >/i %; em-
prestimo nacional de 30,000:0003 a 803 e 823 de
premio.
accoes.Banco do Brasil a 1763 po<" accao.
Inclu ndo trausaccocs regulares em cambio
sobre Londres a 18 ', d. papel Dancario e a 18 %
res sobre Franca, as enlajos oiliciaes efl'ectuadas
hoje, soinmatn* os saques para o paquete inglez
Oneida:
t Sobre Londres <-erca de 390,000 a 18 Vi d.
para o papel bancario e 18 Vs o 18 3A d. para o
particular.
Sobre Franca cerca de frs. 2,000,000 aos ex-
tremos de 500 a 512 rs. por fr.
. Sobre Hamburgo b. 160,000, a 930, 940, 950
952 rs. por b.
Sobre Lisboa e Porto vigorou o pretnto da ta-
bella segunte:
i 192 a 196 %..... vista
. 191 a 193 %.....a 30 d/v.
- 190 a 194 %.....a 60 d/v.
189 a 193 %.....a 90 d/v.
Em apolices geraes do 6 % lizeram-se hoje
transacc.oes limitadas a 80 '/"I- '< as do empresa-
mo nacional de 1868 foram hoje negociadas em
lotes regulares a 823 de premio, e em pequeos
lotes a 803 dito.
No mercado de accoes nada nos consta que se
fizesse boje.
Em metaos as transacc/3es foram pequeas,
vendeudo-se hoje os soberanos a 133500 e 133520
a dinhero.
O onro nacional tem sido vendido a 51 % de
premio, a prata dita antiga a 31 % dito, a dita mo-
derna a 15 % dito.
t A taxa de descont no banco do Brasil conti-
nua sem alteracao a 9 % ; na praca vigoram as
de 8 a 10 % para prmeiras firmas.
Sahiram para Pernambuco a 7, o patacho
Carolina, e a barca porlugueza Saphyra.
Ficavam carga para Pernambuco : o bri-
gue Trovador, e o patacho portuguez Mara.
s. PAULO.
Pelo 1." districlo eleiloral da provincia foram
eleitos denutados assembla geral: Drs. Itodrigo
Silva e Joao Mendes de Almeida, o o commenda-
dor Rosa.
A respeito do horrivel temporal que dcsabou
sobre a libara de Ignape, no dia 24 de Janeiro,
escrevem do Concia Paulistano o segunte:
Seriam 7 horas da noite quando desibou um
forte temporal de suducste,quedurou toda a noite,
com una for<;a sempre crescente, acompanhado
do urna chuva tao copiosa como continua. Ao
romper do dia amainou o tempo, cessou o vento e
a chuva desappareceu quasi de todo; os ares tor-
naram-se alegres, mas nao tardn o co a ence
brir-se de grussas nuvens, e urna cor de chumbo
divisou-se no horisonte; era o annunciodo mais
horrivel temporal que temos visto I Meia bnra de-
pois pareca haver chegado a nossa ultima hora I
A lempestade recomecou com dobrada furia,
o vento tomou tal incremento que pareca um tu-
rado, as ulnas voavam como se fossem folhas sec-
cas t Abriram-se as cataratas do co, e a chuva
cahio sobre a trra com estrondo medonho. Todo
o dia 25 passou neste estado, sem interrupcao, e a
noite desse dia e segunte com pequea diflrenca.
S a 27 melhorou o tempo, mas ainda com fortes
aguacciros. A 28 principiou o crescimento da-
aguas, e ebegou sua maior altura no dia 1 do
crrente.
A grande Ribera o seus numerossimos af-
fluentes, entre os quaes sobresahem o Jacupiran-
ga, Juqui, Pariquemirim. Perequeass, Mumuna.
Piroupava, Rio Pequeo, Itios de Una e do Prela-
do, apresentam o triste espectculo da mais com-
pleta destruicao. Melle do ver-se urna populara i
superior a 20,000 almas, e que ainda hontem nu-
tria bellas esperancas em sua prxima futura safra,
flcar hoje reduzida a miseria I Sabido que as
grandes plantacoes de arroz e milho sao feitas as
margens da Ribera o de seus numerosos aflhien-
tes, a fertilidade de seu solt, o luxuriante verdor
dos vegetaes que ah brotam, convidam aos lavra-
dores a preerircm esses terrenos para cultura
outm qualquer.
Pois bem; da futura safra nao resta mais do
que um simulacro de lavoura de algum cauteloso
lavrador que se poz bem acoberto das inundacoes,
tudo o mais foi presa delta. As mesmas rocas de
mandioca, que sao feitas em lombados bem altos e
pequeos morros, isso mesmo nao escapou des-
truicao. As aguas subiram a urna altura nunca
vista. A pequea povoarao do porto da Ribera flcou
quasi toda submergida. Engenhos, acudes, casas
de habitacao, tudo mais on menos sonreu, sendo
abrumas arrebatadas pela eheia, muitos aniraaes de
cnawo, gado vaccinn e cavallar, porcos, aves, fo-
ram de envolta com as aguas.
Urna testemunha ocular cscimv de Jacnpi-
ranga pana Igape, e diz : O < aguas
era lio grande que se assemelhavji ao ronco do
ma/grow! Om estahelntimeatns do Norte-Ame-
ricanos-id (inaiahjr nao restam senao ruinas I
Paioes de arroz do anno passado, qm- ainda exs-
tiampelosnti'rior, desappariweram com a cheia!
Escrevemos estas linhas de um lugar onde se
contempla os suWimes horrare* da 4era celeste.
e o corace se aos confrange vendo o povo e
vordo embarcando pres-aem suA canoas snas
familins e seus animaos a procurar abrigo nos
morros, onde so podem encontrar salvicao posBi-
trel, e depois disto a misoria e a* privaQJJes de toda
a especie!
Em outras paites as ebeias sao repentinas,
as aqui sao demoradas o doain de 13 a 30
dias, ecomp'eliendi.'-se bem que as materias ve-
getaes e .animaos postas ein pute eraco arruinam
as'aguas e desenvolvem miasmas que infeccionam
o ar e promwem o apparecimente das febres In-
teruttenteMyph(ite. Escasera a ultima parte
do sombra yadro que acabamos de escrever.
A mesilla tolha em dala de 18 refere o se-
gunte :
c Coinecon a ; pparecer logros-com as novas
inoedas de' bronze, conforme augurava-se. Cons-
ta-nos que hoHteni ou anle-hoiitera fi visto nesta
capital um roiueiro que queixava-se lastimosa-
mente de ter recebido por 203 rs. eiu ouro urna
das novas moedas de 20 rs.
O Diario de !'>. l'attlo transcreveda Esperanra
de Il o seguiute:
t Pessoa fliledijua nos informa, por ter ouvido
ao Sr. Joaquim Gakao Pacheco, que na tarde do da
26, indo o Sr. Salvador de Queiroz Telles do sitio
do Barrero para Indaatuba, acompan'iado de seus
eunhados Jos de Sampayo e Francisco do Sam-
payo, vulgo padre, este desfechou sobre o Sr.
Queiroz um tiro de rewolver; e como nao accr-
tasse, deu segundo. erindo-o gravemente, junto
fonte.
t Consta que o tiro foi^ado traigoeramente, e
que o dito padre se acha de relacocs cortadas com
seu cimbado, asseverando outros" que liaviaui feto
pazes 2 dias antes desse facto lamentavel.
. t OSr. Joaquim Calvo, nuando*deu essa desas-
trosa noticia, dirifia-se a Jundiahy para commu-
nicar o occorrido. >
MINAS SERVES.
Do Io distren faltava somente o resultado
do collegio de Ub, temi obiido maioria para de-
ptados geraes;, Drs. Benjamini e Camillo da
Cuia Figueirt'dote cuuselheiro Anta >.
No 2 distric o eram mais vitados: Drs. Ca-
edo, Joao Pinto Moivira, e Perdgo Malheiros.
No 3, s faltando QS collegos de Chrstina,
Baependy e Ayurnoea, eram mais volados: Drs.
Jos Calinon, Domiciano de Castro qVoaquim Del-
phino.
No 4 os mai: votados eram: Drs. Joaquim
Delphino. Cobra Jnior e Evaristo F. da Veiga.
O Nottdador de .'.finas d aseguinte noticia :
No districlo de S. Joao Nepoinuceno, termo do
Mar de Hespanha. Simao Al ves Pereira assassinou
a um portuguez de nome Domingos de tal.
Immediatamente preso e prucessado foi o
delnqueme, e reinettido para a respectiva ca-
dea. o
baha.
Pelo 1 dlstrcM achavain-se eleitos depnlados
assembla geral: Drs. J. J. Fernandes da Cimba
e A. L. Alfonso de Carvalho.
Pelo 2": desembargador Babia, conselheiro
Pinto Lima e Dr. Jos Augusto Chaves.
No 3o eram mais votados em 11 collegos
conhecid s: Drs. Dionisio Gonealvcs Martn-* e
Augusto i^eal de Mcncze-, c conselheiro Taques.
No 4o cm3 collegos. eram mais votados: Drs
Luiz A. Pereira Franco, Cicero Dantas. Marlns e
Jos Goncalves da Silva.
No 5o, em 2 collegio?, eram votados : desem-
bargador I. M. de Araujo Ges, Drs. Bonifinacio de
Abren e J. J. deOliveira Junquera.
Chegra, procedente de Pernambuco, a 4 do
corrente, o brgue-escuna de guerra Tonelero^
Em Inhambupo grassavam, com iniensidade,
cmaras de sanguc.
Fora assassinado, no arraial das Mercez, da
freguezia de S. Goncalo de Campos, Manoel Anto-
nio Valente, brasileiro naturalisado, boinem bem-
qnto e estimado, por Manoel Pedro Pinhero, que
se evadir.
Segundo informacoes de pessoas, vindas do
centro da provincia, os'rios Jacuipe, Pratigy e ou-
tros afOuentes do Paraguass, linham tomado
grande quantidade n'agua aps as ultimas chuvas.
O cambio regulava: sobre Londres 183/8 d.,
sobre Paris 508 a 510 rs.f sobre Hamburgo 950
rs., e sobre Portugal 190 % >
A alfandega rendeu do 1 a ^2 di corrente
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
FALLECIMEN'TO.Succumbio ante-hontem em
consequencia da horrivel queima lura.de que des-
astradamente lora victima a noite anterior, em seu
sitio ao Parnanieinm, a Exma. Sra. D. Joaquina
Januaria dos Santos Schuler, esposa do Sr. Schu-
ler, commercimtedesta praca.
A desdi tosa senhora achava-se cercada dos n
nocentes lilhinhos a noite de 15 do corrente em
sua habitacao, quando sendo casualmente derri-
bado o candiero a gaz, que licava junto a si, der-
ramou-se-lhe sobre as roupas o liquido nflamma-
do, promovendo nellas o incendio, que quemou-a
em todo o corpo, com excepcao apenas do rosto ;
o em menos de 21 horas era ella urna sentida re-
cordacao para os seus inconstlaveis pareutes, leu*
do a sua alma vado aos ps do seu Creador I
lRY.Foi ante-hontem submettdo ajulga-
mento nesse tribunal Rulino da Co-ta Soares por
haver a 12 deoutubro do annopas-ado ftrdo gra-
vemente, na fregnezii de S. Jos, a Mara Benedic-
ta dos Prazeres, sendo por tal pronunciado noart.
205 do cdigo criminal.
Foi incumbido da defeza, a convite do Sr. Dr.
juiz de direito prc-dente do tribunal, o Sr. Dr.
Manoel Netto Carneiro de Souza Bandeira.
Em vista das respostas dadas aos (misilos pelo
conselho de sentenca, foi condemnado as penas do
mesmo artigo grao" medio, combinado com o art.
49 do cdigo citado.
Hontem, na sessio' do mesmo tribunal, foi sub-
mettdo a julgamento Laurino Ferreira da Costa,
pronunciado no art. 201 do cdigo criminal, por
haver ftido a Joao Manoel Francisco de Sant'An-
na, na freguezia de S. Frei Pedro Goncalves.
Incumbio-sc da defeza o 5'annista Joaquim Gon-
calves Alexo.
O reo, eio vista das respostas do conselho de
sentenca foi absolvido.
THEATRO DE SANTA ISABEL. Vai bojea
scena, pela penltima vez, o drama de grande ap-
parato scenico Lhr&'ovao Colombo, que tantos ap-
plausos tem merecido do nosso publico.
DINHERO.O vapor ing!z Oneida, trouxe as
seguintes quantias para os Srs.:
Bank nf Rio de Janeiro........... 148:437-5000
Joao Qurino de Aguilar A C....... 50:0003000
S Leitao & Irmao................ 10:000*000
Augusto F.de Oliveira & C...... 10:0003000
Dito dito........................ 1,500 4
Pereira Carneiro A C............. 1,361 9
London and Brasilian Bank........ 5,000
Thomaz de Aqui io F. A C......1W* 150
Para a Europa Icvou esso vapor, de nossa
praca 600 em ouro e prata.
EM TRANSITO.Com os recebiaU em nosso
porto levou o Oneida para a Europa 165 passa-
geiros.
CAO.Iuformam-nos que na ra da Florentina
ha um prande ci, que avanca para os transen-
tes que teem a infelicdade de passar prximo da
porta de seu dono.
Para evitar alguma desgraca, melhor que seja
elle conservado preso.
SERVE.NTJARIOS DE OFFIQOS DE JUSTICa.
Pela secretaria de estado dos negocios dSjustica
foi mrcadoifcpraso de 5 mezes, a contar de 9 do
corrente, ao eerventuaros infra mencionados pa-
ra allegarem os motivos que tiveram para nao so
lictarem os Ululo* respectivos, sob pena de serem
declarados sem effeto suas nomeacSes :
Joao Luiz de Almeid* Rbeiro, nomeado partidor
e contador do termo de Iguarassd, por decreto de
28 de marco de 1862.
JoaquimRaphael de Mello Jnior, nomeado de-
positario geral do termo de Goyanna, por decreto
de 8 de marco de 1864.
Th imaz Rodrigues Pereira, nomeado partidor e
desiribuidor d> termo da Escada, por decreto de 4
de marco de 1862.
Francisco Camillo de Paula Pacheco, nomeado
depositario geral do termo do Cabo, oor docreto de
13 de agosto de 1863.
Thom Jos de Carralbo, nomeado partidor e
destribuidor do mesmo termo, por decretode 17 de
fevereiro de 1884.
Antonio Borges de Aranjo, nomeado uartidor e
destribuidor do termo de Villa-Bella, por-decreto
de 29 de maio de 1863:
Sebastio Jos de Arrtida, nomeado partidor e
contador do termo do Buique, por decreto do 9 de
outubro de 1863.
Jos Joaquim da Silva Brrelo, nomeado parti-
dor e contador do termo do Rio Fonnoso, por de-
(Crelo de 27 de novembro de 1863.
A8SEIO Pl'BLICONao pode ser maior a Taita
de asselo que val polas ras da cidafle. Parece
que j desappareceu das posturas municipaes a
que trata desse ramo de servtoo publico. Unas ha
onde as sargetas estao topetadas de lama, de modo
nivelar os passeios laterai's com as calcadas
eentraes ; n'oulra- a inimundicia chega ao ponto
de embiraoar o transito. Continuar isso, ou dar-
se-ha remedio a esse inveterado mal ?
VIA FRREA DO RECIPE AO S. FRANCISCO
Tem sido extraordinaria a afflnenciade gneros
s estacos do interior dessa estrada p ira seren
transportados da caiiital. ,A deffleiencia do ma-
terial rodante destinado ao snico de morcadorias
teni-sc feito notar: nao .distante, pirm, todos os
meos teem sido empregados no intuito de ser feito
com maior presteza o trafego dos gneros.
difflcil se nao iinpossivel prever al onde ir
a protelaco da soluco da quesfio do augmento
fdo material rodante 'para a nossa estrada de
ferro.
Faz-se myster que o governo nao desaire esse
negocio, e pie os actuaes deputados por esta pro-
vincia tomem peito resolver esse difflcil proble-
ma, que deve coucorrer furiosamente iiafa aug-
mentar arenda da estrada pela maior facili lade
do transporte ; e portante deve diminuir o onas
que pesa sobre o estado com a garanta de juros.
TRILHOS URBANOS DO RECIFE A OLINDA E
BEBERIBE Por decreto n. 4,337 de 6 de marco
corrente, o carta imperial de 10 do mesmo me/,
foi concedida autorisacao eompanhia aqui in-
corporada pelo Sr. Andr de Abro Porto para a
conttruccao daquella via frrea, para funecionar,
sendo apiirovados os respectivos estatutos com al-
gumas aitera^oes.
Acha-se, pois, em via de andamento a ligaca i
da vetusta Olinda capital, por fcil c cqmmodo
transporte, o que sem duvida con correr podero-
samente para arrancar aquella cdade s ruinas
para que tem sempre caminhado.
LEILAO.Hoje 18 effeclua o agente Pinto nos
2- e 3" andares do sobrado da ra da I nperatriz
n. 45, por cunta e ordem de urna familia que se
retira para a Europa o lelao de movis, lon^a, v-
dros e dous escravos, devendo principiar dito le-
lao as 10 horas.
Amanha 19 effeetua o mesmo atenc o de
200 barricas com crvela, as 11 horas,uu anua -
zem do caes da Escadinha n. 5, conformo esta an-
nuncado.
LOTERA.A que se acha venda a 99' a be-
neficio da igreja de Nossa Senhora da Soledade
desta cdade, que corre no da 2i do corrente.
PASSAGEIHOS. O vapor inglez Oneida, entra-
do do Rio de Janeiro, trouxe os seguintes para
esta provincia: Madama Argelina Mazzani,
Ihomere Kenry, Andr de Abrcu Porto, Joao Bo-
telhu Jnior, Domingos dos Santos Rocha, Joao
Francisco dos Santos, Gustavo AdolphoWarlIban,
Julia Lcnpoldin Mouleira Chapman c urna criada,
Julio Kohn, Flix Jos de Serra o um criado, S.
Walpber e sua senhora, Luiz Duarte da Silva.
Do hiato brasileiro Deas te Guarde, saludo
para o Araeaty :
Manoel Francisco da Cunta, Jos Lourenco Col-
lares, Agostinho Martins Morara, Bertoldo de Oli-
veira Cavalcanli e Antonio de Souza Ribeiro.
Do vapor inglez Oneida sahidos para a Eu-
ropa :
Jos Augusto Rodrigues, Francisco Jos R. de
Senna e sua senhora, M. Lenarnand Adele, Anto-
nio Castro Peres, Jylrain Blurn, Jamez Duncan,
Luiz Gomes Ferreira e 1 menino, Jos Antonio de
Souza Bastos, Bernardo Jos de Araujo e Joa
quim Fernandes dos Santos;
CHRONICA JUDHIARIA.
TIIIKI \AB. Di RCLl^iO.
SESSAO DE 16 DE MARCO DE 1869.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DF.SEMBAJIGADOR SANTIAGO-
As 10 horas da manhaa, presentes os Srs. desem-
bargadores Gilirana, Guerra procurador da cora,
Lourengo Santiago, Almeida Albuquerque, Motta,
Domingues c Silva, Souza Leao e Freit is Henriques,
falbmdo o Sr. uesemburgador Ucha Cavalcante,
abrio-se a sessao.
Passados os feitos deram-se os seguintes julga-
mentos: .
RatRsos emes.Reccorrente,ojuizo; reccor-
riA>, !' 1 ti, !- .i. mi.l..l-uM d. J
emhargador Gitirana. sorteados os Srs. desembar-
gad ires Freitas Henriques, Domingues e Silva e
Motta.Improcedente. Reccorrentc, o juizo; rec-
corrido, Theodoro Fernandes Chaves.Relator o
Sr. desembargador Lourenco Santiago, sorteados
os Srs. desembargadores Motta, Souza Leao e Gi-
tirana.Improcedente. Reccorrente, o juizo; rec-
corrdo, Joa uim Feliciano da Silva.Relator o Sr.
desembargador Gitirana, sorteados os Srs. desem-
bargadores Freitas Henriques e Domingues e Sil-
vaImprocedente. Reccorrente, o juizo; reccor-
rdo, Miguel Ribeiro Dantas Jnior.Relator o Sr.
desembargador Domingues e Silva, sorteados os
Srs. desembargadores Almeida Albuquerque, Sou-
za Leao o Motta.Improcedente. Reccorrente, o
juizo; reccorrido, Jos Teixeira Bastos de Quei-
roz Improcedente. Reccorrente, o juizo; rec-
corrido, Samuel Gil Pedrech.Relator o Sr. des-
embargado!' Freitas Henriques, sorteados os Srs.
desembargadores Lourengo Santiago, Gitirana c
Almeida Albuquerque.Improcedente.
Appellacoes crimes.Appellante, o juizo; ap-
pellaJo, Manoel Antonio Pereira.Improceden-
te, Appellaote, Jos Tavares do Espirito-Santo
Jnior; appellada, ajusticaImprocedente. Ap-
pellante, Manoet Goncalves da Costa Louro; appel-
ada, a justica.Improcedente. Appellantes, o
juizo e Joao Floriano da Silva; anpellados, o juno
e A. Marinhero.Perempta a aecusacao. Appel-
lante, Francsc Lopes de Mendonca; appellada,
justica.Reformada a sentenca.
Assignou-se dispara julganento dosscgunles
feitos:
Appellaqoes civeis.Appellante, D. Francisca
Mara da Conceico; appeilado, Francisco Pon-
tes. Appellante, Nicolao Florentino de Albuquer-
que Marauho; appellados, os herdeiros de D. Ma-
ra dos Santos Tenorio.
passagens.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Guerra.Appellacao civcl: appsllante, Jos
Camillo do Reg Barros; appeilado, Dr. Francisco
Joao Carneiro da Cunlia.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque.Appella-
cao civel: appellante, Dr. Jeronymo Salgado de
Castro Accol; appeilado, Joao da Costa Ribeiro
de Souza.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta.Appellacao civel: ap-
pellantes, os herdeiros do commendador Manoel
Figuera de Paria; appellada, a fazenda naci
nal. Appcllagao crime: appellante, a Santa Casa
da Misericordia; appeilado, Symphronio Olympio
de Queiroga.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Domingues e Silva.Appellacoes civeis: ap-
pellante, o visconde de Suassuna;" appeilado, Joa-
quim Duarte Rodrigues. Appellante, o barao de
Una; appeilado, Manoel Vicente de Hollanda Ca-
valcante.
. *Do Sr. desembargador Domingues e Silva ao Sr.
desembargador Souza Leao.Appellacac civel: ap-
pellante, Manoel do Nascimento Costa Monteiro ;
appellados, Manoel Ignacio de Oliveira o fllhos.
Do Sr. desembargador Souza Leao ao Sr. desem-
bargador Ucha Cavalcante. Appellaea > crime:
appellante, Flix de Souza Lima; appellada, a us-
tica. Appellacdes civeis: appellante, los Maria
Botelbo Neves; appeilado, Joapiim Soares Rap'sn
da Cmara. Appellantes, Manoel Antonto dos Pas-
sos e o juizo; appellados, Francisco das Chagas
Salgueiro e o juizo. >
A' meia hora depois de meio-dia cncerrou-se a
sessao.
i!or infatigavel preci
sua infinita mis
a de descanco, o
Just
Ih'o concedeu.
POLTICA inte lina
Partido coaserradoi*.
Joaquim Jos Ignacio, visconde de Inhama,
deixou de existir I Nunca mais o veremos entre
os mortaes.
As lagrimas de urna familia extremos!, os cui-
dados de tantos e tao Ilustres mdicos, as preces
de um povo christao e roconhecdo, nao suspende-
rn! o rude golpe. O guerreiro que tantas vezes
impvido affrontou o furor dos ventos e os iierigos
do mar, o hroe que transpoz ousado a? bateras
de Curupaty, os logos Concentrados da te nivel Hu-
mait e zombon de lodo o poder ik> dictaior para
guayo, cabio resignado como puro christao que
era.
Tinha completado sua sobre missao. 0 Juta-
em
tsi
norte preoceupaliu fliertl in refrigerio tnK c a
sentenca sublime do sagradolivro da sabedoria.
No'lhe basta va a palma dos iriuin
Deuscm sua justica niimoseou-o coin a coroa do
martyro.
Ao dever sacrilieou a vida. Deu a patria tudo,
e nem se Jembrou de si, de sua familia, e de sen-
amigos, quando resigoado caminhou para o sacri-
ficio !
Joaquim Jos Ignacio visconde de Inhama. fl-
cou no Paraguay ; pa ra onde consnnimio todas as
suas toreas. Voltaram seus restos quasi inanima-
dos. Apenas por graca do co, tinha olhos para
reconheeer sua familia, seus amigos, e liracos para
estreta-los a seu heroico peto !
O governo galardoouo hroe, o povo sagroua
memoria do inartyr.
O funeral do Ilustre almirante foi um grande
acontecmento. O carro morluario passou por en-
tre ala* de povo, que respeitoso se descobrio.
Sublime lieo O povo nao se forma em guar-
da de honra, se nao por impulso pronrio, e uin-
guem tem o poder de extorquir suas nomonagens.
que elle nao vende, o s concede aos homens su-
periores.
Os gloriosos feitos do almirante perlencem
historia patria, onde lieam gravados de modo inde-
level. O povo esta salisfeito em seu nobilissmo
egosmo; esqueco a morte do amigo dedicado, do
pai extremoso e dorcidadao exempar, para saudar
o borde: Em qnanto a familia chora, elle canta os
liymnos da victoria O povo julga completa a com
pensaco ; una vla que nao acaba por una mi-
tra transitoria c otscura. O louro da gloria nao
sulfoca os gemidos da saudade, nem enxuga as la-
grimas de coracoes desolados Mas ser justo cho-
rar aserte daquelle que descanea em Deus ? Nao:
cessai d chorar :Joaquim Jos Ignacio, sempre
teniente a Deus, aproveitou da vida terrestre para
abrir o caminho que vai direito ao co.
Rospoilomns o repouso do justo.____________
O Liberal, um dos mais inmundos pasquins que
se tem publicado nesta trra, desenha na sua lin-
guagem o carcter, os principios, e a moralidado
da gente, que o inspira, escreve c sustenta I A
ca'umna mais atroz, a injuria mais asquerosa, a
diffamacao mais desfreiada sao as armas habituaos,
quotidianas, inseparaves dessa cabilda de lobas
cervaes, que tomou a peito, no seu desespero e
fome, conspurear todas as reputa<;des illibadas de
Pernambuco, inventando tactos mentirosos, revi-
vendo imputables velhas, e j refutadas de modo
irresistivel, e assoalhando quantas torpezas, e
imundicias podem sabir de estmagos derrancados
pelos excessos da gastronoma, e das bi bidas al-
coolicas Leia cpiem puder o Liberal, o observe
se ha as suas paginas inmundas outra cousa,
que a calumnia, a injuria, o a dilfamaclo I Que
homens puros de crimes tomassem a inpreitada
de tancar faltas, c baldos sobre seus adversarios,
era isso em certo modo toleravel, embora repre-
bensvel; mas que o faeam homens perdidos na
opino; o que de certo borrorisa a toda a
gente !
Quem ousa cuspir calumnias e injurias, por
exempo, om cidalos da ordem do Barao de Pon-
ga, do eoronel Barros o Silva, do capito Marcio-
nllo. e de outros circundados de guaes preceden-
tes Oh quem ousa Ousa o Liberal, por que
o Liberal capaz de todas as atrocidades; por que
o Liberal nao tem pundonor, nem honra, c por isso
menospreza o pundonor e a honra dos seus ad-
versarios. Sim, se, o Liberal presasse estes attri-
butos da honestidade, ello nao attacara tao desa-
foradamente reptitaces como as do Barao de Ulin-
ga, coronel Barros e Silva, Marcionillo, e outros,
ante cujos vultos respetaveis por seus preceden-
tes e virtudes, deviam corar os provocadores do
Liberal, se que o pudor pode subir faces bron-
ceadas pela impudencia.
Se o Liberal tivesse sonso nfoousaria atirar pe-
dradas no tediado adieto, tendo o seu de vidro.
Devia saber que discusses, assini desabridas e
incandecentes, nao podem deixarde trazer a terr-
vel necessidade aos aggredidos de lancarem man
das mesmas armas de arremesso, o, no exercicio
do direito de represalia, cntrarem em excavaces
horrorosas no terreno da vida social de hroes pro-
gressistas, aecusados de envenenamentos de mu-
flieres, com quem se casaram ficticiamente, e que
depois de conseguidos os fins libidinosos foram
cru'Imente assassinadas; de hroes proamtUtar,
das capellas de cujos engenhos foram arrancados
cadveres de individuos por elles assassinados, de
cujas scenas de horror a propria freguezia da Es-
cada ainda hoje se recorda ; de hroes progresis-
tas cinc___ Paremos a pii. A prudencia pede
tjub nao Tamos adame. Espremos que o L'Oe-
ral, reflectindo no que est fazendo, isto as im-
prudencias em que se vai excedendo as discus-
ses arripie carreira, do contrario, bem contra a
nossa vontade, havemos de levar a rcaccao taes
desatinos altura, que mal pode prever o Libe-
ral... Se querem ser respeitados, respeitem os
seus adversarios. Depois nao digam que nos ex-
cedemos na represalia. Por actos de sobra, e tac-
tos horrorosos, temos nos em grande escala para
tapar bocea aos insultadores do Liberal; elle
pois, que continuo a vomitar miasmas contra os
nossos amigos e correligionarios, que alias se de-
vem considerar muito honrados em serem descom-
postos, calumniados, e injuriado; por esse pasquim
mor do liberalismo de Pernambuco I
Sim, ser desto, ser injuriado, ser calum-
niado, e djffamado pelo Liberal ser ipso (arto
elevado ao pantkeoii da gloria Gente da laia do
Liberal nao desacredita nem acredita a ninguem.
um chocalho no pescoco de caes hydropliobns,
que s tem o mrito deavisar aos que passam, para
nao serem mo\ldH.
' a tivesse influido nesta
toa sua bilis contra mim.
da me ma, julgou que!
excluso, e vem atirar i
que nem seqikr dedo me lombro ; e querendo
malvolamente ferir-me, nao tez mais <1> que cor-
roborar em piblico o juizo dMfavoravcl que ha-
viain feito, e que fazem a seu r tendo rollar mais imprensa para oceupar-mc de
lememante assumpto, e advirto ao amigo da Bai-
xa-verde na oa-viagem que nao resnonderei a
anoii.Miios.
JoSo Fetpandes Lopes.
Moneao, 10 de julho de 1866.
Amigo e Sr. Lopes.flecebi sua estimada car-
ta de 13 do prximo pascado, e pela mesma que
nao Ibe foi possivcl mandar-me a carta de ordeos,
a mesma cousa. Hoje digo ao Sr. Gomes que Ihe
entregue os 10.000i, finalmente que cuuipra a or-
(>dem (pie Ihe havia dado, pois verdade que o ne-
gocio tem estado mo, porm neste corrente mez
principia a melhorar. Alm disso a casa tem fun-
dos para se fazer isso ; o algodo de esperar que
torne a subir, pois que a guerra espera-se acanet
A Prussia e a Italia deram um combate Austria,
em que esta perdeu40 mil homens, e por isso pedio
pazes e dzem que se concluio, o que muito boni
sera.
Desejo-lhe boa sade, c sou com inuita estima
Seu amigp obrigadissimo,
Joao Evangelista de S.
(Estava reconhecida.
PUBUCACOES A PEDIDO.
Christovo Colombo
Consta-nos que vai hoje pela penltima vez a
scena o importante drama ein 6 actos, Christovo
Colombo.
O enthusiasmo que tem despertado esse drama
em tres enchentes successvas faz-nos suppor que
continuar em scena por mais dias coin o mesmo
applauso e concurrencia.
Dramas como Christovo Colotnbo, que encer-
rara os tactos principaes da vid%de um here,
que prende o espectador acto por acto, scena por
scena, dito por dito, que encerra tantas bellezas
dramticas o artsticas sero sempre bem recobi-
d^s por'uma platea como a pernambucana.
A mise en scene de um trabalho acurado o
custoso, e de um effeto deslumbrante.
A scena do 3 acto, bordo, sorprende, e extasa
o publico.
A vista do 4, no Haity, de urna naluralidade
admravel.
O thealru vai-3e rclalulitando pouco pouco,
gracas ao genio de Joaquim Augusto, o artista-
rei.
O Sr. Duarte Coimbra montando com tanto la-
xo e esmero o drama Chiistovao Colombo, adqui-
ri mais um titulo coft>deracao publica.
Ao theatro, pois, e applaudamos o empresario e
os artistas, que tanto se esforcaram para o com-
pleto desempenho da pega.
A cadeira 3%
Ao ainjo da Bcuxa-verde na Boa-
viagem.
Em resposta s linhas anonymas que sob a as-
signatura cima me foram hontem dirigidas neste
Diario, tenho smente a dizer, que o anonymo a
arma mais mseravel de que se servem os detec-
tores para deprimir a honra alheia ; porm jolgo
que mal avisado andou quem qur que seja, que
deseja ferir a minha reputaclo commercial, urna
vez quo s teve para apresentar contra mim em
publico o theor de urna transaeco commercial
muito commum e licita.
verdade qne recebi a pedido do Sr. Joao Evan-
gelista de S a quantia de 10:000 j em deposito,
quando este se havia retirado Europa em IH66,
s ndo esta quantia a_ mim entregue pelo Sr. Jos
Fernandes Gomes ento seu socio e por sua ordem,
com i se pode deprehender da carta abaixo trans-
cripta do proprio punho do Sr. S ; o embora de-
pois dessa poca houveasem apparecido Atences
entre mim e o mesmo Sr. S por motivos que o des-
abonam. tal era a confianca que sempre depositen
em mmha casa commercial, que nunca se apre-
ser este documento pausado para pagamento de
lettras vencidas, basta a leitnra da carta que men-
ciono para tirar qualquer duvida a respeito ; pre-
tendo responsablisar o autor desta calumnia pe-
rante os tribunaes do paiz ; e o corpo commercial
desta praca que bastante me conhece, me far a
devida justica.
Estgmatisado, ttlvez o amigo da Baixa-verdt
Trilhos Urbanos para
Jaboato.
i.Isu dos subscriptores de ac-
edes para a formacSo de urna
conpauhla.
aects
Joao da Cunta Wandorley.... 100 20:000*000
Vicente de P. Oliveira V. Boas 50 10:000*000
Ferreira A Matheus.......... 50 10:000*000
Thomaz de Aquino Fonceca o
Fillios.................... 50
Joao Fernandes Lpez........ 20
10:000*000
4:000*000
2:0000(K)
2:000*000
2:000*000
3:000*0^
1:000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
2.000*000
2:000*000
2:0004000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
2:000*000
1.000*000
1:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
1.0003000
5:000*000
1:000*000
1:000*00.
1:000*000
1:000(KIO
10:000 *0IKI
10:000*000
2:0005000
2:0 0*000
4:000*000
4:000*000
10:000*000
10:000*000
10:000*000
10 2:000*000
Henrirpae Gibson............. 10
Bento Magalhes............. 10
Demetrio Acacio de Araujo B. 10
Americo Nunes Correia...... 15
Dr. Claudino de A. Guimaraes. 5
Francisco Goncalves Netto.... 10
J.F.S. Porto................ 5
Augusto Frederco dosS. Porto 5
Jos Alexandre Ribeiro....... 5
Dr. Estevo Cavalcanli de A.. 10
Antonio Jos da Costa c Silva.. 5
Luiz Jos da Costa c Silva___ 5
Jos Alves da Silva Guimaraes 10
Jos Joaquim Lima Bairo.... 5
Joaquim Jos da Costa e Silva. 5
Antonio Cosario Moreira Dias.. 10
Jos Antonio Moreira Dias..... 10
Jos Antonio da Silva Jnior.. 10
Antonio Baptista Nogueira.... 5
Benlo dos Santos Ramos...... 10
Antonio Augusto dos S. Porto.. t
Jos Fernandes Lima......... 10
Francisco Fernandos Duarte... 5
Antonio Jos C. (uimares.... 5
Joao Evangelista de S....... 10
Antonio Moreira de Mendonca. 5
Jos da Costa Bispo.......'... 5
Paulo Jos Gomes............ 5
Dr. Symphronio Osar Coutnlio 25
Domingos Teixeira Bastos..... 5
Jos Antonio de S Leitao.... 5
Bernardino Correia de R. Reg 5
Manoel de Abren Macedo..... 5
Manoel Joaquim Baptista...... 50
Tiburcio Valeriano Baptista... 50
Modesto do llego Baptista.*.. 10
Justino J. de Souza Campos... 10
Jos Moreira Lopes.......... 20
Antonio J. I', de Carvalho..... 5
Dr. Francisco do R.B. Barrete. 50
Bario da Soledade........... 50
Francisco Ferreira Borges---- 50
Conselheiro Jos Bento da Cu-
nda Figueredo............
Dr. Jos Bento da Cunha Fi-
gueiredo Jnior........... 1:000*000
Antonio Pinto de Barros...... 5 1:000*000
Manoel de Souza Tavares..... 10 2:000*000
Pariste Bclannino de Moraes P. 5 1:000*000
Tenente-coronel Francisco C. ,
M. Ros Jnior.... t....... 5 1:000*000
Manoel de Souza Leao........ S 1 -.000*000
Jernimo de Souza Leait..... ,> 1:000*000
ovino Coelho da Silva....... 23 5:000*000
Joao da Cunha Soares G...... 5 1:000*000
Joo Joaquim da C. Leite..... 10 2:000*000
Dr. Ignacio J. de Souza Leao.. 25 5:000*000
Alfre lo Jos A. Guimaraes___ 25 5:000*000
Manoel de Mesquita Barros \V. 50 10:0000')0
Thomaz Lns de Barros W... 25 5:000*000
Dr. Gaspar Cavalcanti de Al-
buquerque Ucha......... S 1:000*000
Joo F. Cavalcante de Albu-
querque.................. 2 400*000
Commendador Antonio de Sou-
za Leao.................. 250 50:000*000
Joo Manoel de Mesquita Bar-
ros Wanderlev............ 10 2:000*000
Adolpho Wande'rlev Lns..... 5 1:0005000
Vicente Mendes Wanderley... 5 1:000*000
Coronel Antonio G. Leal..... 5 1:000*000
Francisco Manoel do Souza e
Oliveira.................. 15 3:000*000
Dr. Francisco E. do R. Dantas 25 5:000*000
Dr. Jos Honorio Bezerra de
Menezes.................. 5 1:000*000
Laurentino J. de Miranda..... 20 4:000*000
Dr. Manoel do Nascimento Ma- *
diado Portella.............
Joaquim Salvador Pessoa do Si-
queira Cavalcanti.......... 25
Dr. Joao J. Pinto Jnior....... 5
Jos Francisco P. S. Jnior... 5
Dr. Luiz Salazar Moscoso da
Veiga Pessoa.............. 5
Jos Cesarte de Mello........ 5
Dr. Antonio Joaquim Buarque
Nazareth.................
D. Mana Amelia de Gusmo
Lira..................... 10
I 1:000*000
5:000*000
l:000u00
1:000*000
1:000*000
1:000*000
5 1:000*000
2:000*000

COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 17 DE MARCO
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Cambio sobro Londres 90 d/v 19 d. por 1*000
(hontem)
Dito sobre dito90 d/v 19 d. por I*, papel ban-
cario (hoje).
Frete de assucar para os Estados Unidos 35/
e50/0
F. J. Silveira>
Presidente.
Leal Seve
.,. Secretario.
ENGLISH BANK
O Rio de Janeiro Limited
Descorita lettras da praca a taxa a con-
vencional
Recebe dinheiro
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobro as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho d. 7
em conU corrente e a
BANCO MAUA i C.
lina do Trapiche 34.
Descorita lettras co merciaSa taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em coota corrente.
Confere crditos, saca sobro as primeiras
pracas do imperio, Rio da* Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pracas.
Encarrega-se, por commissio, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes de
oompanbias, da oobranca de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
quer oulra open(*o bancaria.
O expediente para o publico comecar
I



y
u

-
i
pHoebf qo soflrau na Boa-viagem por nfo .,"'JJ7 j Ttermmar s i
ser admiitido em urna reuniao de pesoas Se con- "orf* J0?1."' e J** *s *
Mderacao por julgarem-no incapaz de fazer parte | hora* da Urde de todos 08 das utets.



Diario- de Pernambuco Quinta feira 18 le
Marco
dte 1869.
AtFANDERA.
Rendimcnto da da t a lo .
dem do da 17 .
. 552:i20iW
47:329
.'!'3:Gi 9*986
.--------------
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Voluntes enU'ados com faxendas
dem idem com gneros
Voiumes sahidos com fatendas
dem idoin com gneros
413
767 "
------1180
105
567
------672
Dcscarregam hojo 18 de marco.
Escuna hollandeza Camarinaassucar.
Barca portuguezaSeguram/adiversos gneros.
Brigue portuguezbenvimloidem.
Barca dinamarquezaGennsundidem.
Lugar inglez Pearl idem.
Brigue norte-allemaoFreiden -farinha de trigo.
Escuna dinamarquezaEliza diversas merca-
dorias.
Barca franecza Figuronicrcadorias.
Sumaca hospanholaPrompl vinhoS.
("alera francesa-Adelemantoiga.
Kseuna norte-allem;V> Johanna arinlia de
trigo.
Brigue portuguez bella Figueiren BEGEEDOKIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PEIIN'AMBUCO.
Rendimento do dia i a 16 'i:29l S.w.'i
Idoin do dia 17...... 50*336
4KKHA93I
.-- CONSULADO PROVINCIAL.
Itoudiineuto do
dem du dia 17
dia 1 a 16
88:.-)8;G9y
6:708ii0!)
9ii:2920!>9
MOVIMENTO DO PORTO.
SaotOi nitrados no dia 17.
Valenna- 38 das, p daca bespanhola Ins, de 117
toneladas, eapitao I). Sebastin Bonet, equipa-
geni 10, carga vinho ; a Pereira Carneiro & C.
Yalparaizo 6.'i dias, escuna norte allemaa La
Plata, de 170 tonelada*, capitao C. Molkenbuhr,
cquipagem 7, carga .",01)0 saceos com farinha
de trigo ; a Pereira Carneiro & C.
Rio de Janeiro e Baha 6 dia*, vapor inglez Onet-
da, de 1372 toneladas, capitn Fredenck Reeks,
equipagein 118. carga dilTeienles gneros; a
Adampson Howie & C.
Navtot sahidos no memo dia.
Rio da PrataVapor inglez Saturno, commandan-
to Carmicbael, em lastro.
Cabo Verde -Barca portugueza Corea, capitao Ha-
noel Antonio Locas do s ibral, em lastro.
Araca'v-Hiale brasileiro Deas te gumfde, capi-
tao Manoel Caetano da Costa, carga differentes
gneros.
Southampton e portos intermediosVapor mglez
Oneida, coniniandante Reeks.
Io, aos que habilualmeiite fizerem em-
timo sobre penlnws, sem auterisacao
legal, aiuih quando nao se lenlin escaipto-
ra casa abara ao publico, ou
casas nao sejain denominadas
taes por annuncios ou outras indicarles
publicas; 2o aos que babilualmenle fizerem
os emprestimos sobre penhores por con-
vencoes simuladas, especialmente com a
clausula retro.
Art. 18. As penas a que se refere o
presente decreto, serao impostas pela sim-
ples omissao da condiciio ou da forraalida-
de exigida para o exercicio da prossao,
sem attenco a boa f, do infractor que to-
dava se considerar circunstancia atenuan-
te para os cITeitps legaes.
Em vista do que se acha eslabelecido no
art. 2, urna parte do produelo das multas
de que trata o citado decreto, pertencer s
pessoas que derem noticia de sua iufraccio.
Secretaria de polica de Pernambuco 16
de marco de 1869.
O secretario,
Eduardo de Barros F. de Lacerda.
~ Por e ta subdelegada do secundo diMrirto
de Gameleira so faz publico que foram apprehen-
didos tres cavados, sendo dous pelos e uin casta-
nho, quem se julgar aun direlto aos mencionados
satanes, sprcBente-so, que justificndoos na for-
ma da le Itie sero entregues.
O sjjbdelogado.
Antonio YenaneWC. de Albnqnerque.
i'or esta secretaria se faz publico que,
nos termos do art. 8o do decreci n. 2692 de
li denovembro de 1860, devendo ser exa-
minados pelo Illin. Sr. Dr. chele de polica,
em pocas determinadas, os livros e docu-
mentos da casa de emprestimos sobre penho-
res, peilencente a Natban Danhaiser, o sita
ra das Cruzes, sobrado n. 2, i andar,
tem o mesmo Sr. Dr. cuelo de polica fila-
do os dias 10 de Janeiro e de julbo deste
anno e dos que se Ibe seguirein para nllcs
torem lugar taes exames.
Secretara da polica de Pernambuco 16
de marco de.1869.
O secretario,
Eduardo de Barros F de Lacerda.
abfrfrtt do corrate.
Primeira representa*> da espiri! tedia
em i ac.| >s uro 111 d m:uic. COWp '-la pelo Sr.
Colas Pino, intitulada
OS FILSCS
PE
ADO E EVA.
Actores.
Sr. Silva.
P. Montani.
o P. Augusto.
De-Giovan.
Emiliano,
o Sertaa.
Braga.
D. Jesuina.
Personagens.
Mrquez de la Roche Noire. .
Conde de Stainvillc.....
Fanfan,orpho ealilhado domar-
quez........
Chalumeau, corcunda c vesgo.
Guillierme, rendeiro
Joao. ,........
Um camponez. .....
Maneta........
Coros de Hidalgos c camponezes.
O 1" acto passvse em urna aldea em lotiioii, o
2" em urna das ilhas Hyeres.
Vestuario a Luiz XV completamente novo.
Segue-se o disparate cmico ornado de msica
original do artista De-Giovani e por elle, propno
oxecutado, o qual se intitula
0 APRECIADOR DA BOA PIIA.
Terminar o espectculo a pedido geral, com a
chistosa e entluisiasticamente apulaudida extrava-
gancia-burlesca, ornada de msica e dansa deno-
Uma noite de carnaval.
Exhibida pela Sra. D. Jesuina c o Sr. De-Gio-
vani.
Os buhles acham-se desde j no theatro e por
obsequio emeasa doSr. Godofredo, cabclleireiro, a
ra do Crespo, pelos preeos seguintes :
Camarote 6 entradas 12000
Cadcira 2*000
Geni iiooo
As pessoas que moraren) no Recifc e em teda a
linha terrea at Apipucos, no caso de quererenf
assistir a este espectculo, terao passagem gratis,
ili'imisdo mesmo. em
TREM ESPECIAL.
soctodadc'Gv.nnasto Campestre, espera mere-
cer do-iHustrad << publico pernambucano a neces-
saria coadjuvaeo.
O espectculo comecar as 8 horas e um quarto.
minad
Para o Porto
S"K.v bciii demora a bs/ca portuguaw Kovo
SMeto, pw tof grande pMe da sua eargapro/np-
ta, paja u tvsti) e ua>sageires aos quaos offerece
excellentes commodos trata-se com Oliveln. Filhos
& C, largo do Corpo Santn. 19 ou com o capitao
na pra mmercio. _____
Para Lisboa
Vai sabir com muita presteza o brigue portu-
guez Constante I por ter grande parte do scu
carregamento promplo : para o restante e passa-
geiros, trafci-sn com Oliveira, Filhos & C, largo
do Corpo Santo n. 10, ou com o capitao ni pra^a
do com me rcio.
Loanda
O brigue pnrlugiiez Bwsetwto, capitao Silva, a
chegar de Lsboa^anir para Loanda poucos dias
depois de rocolliido a este perto : pode receber
alguma carga, c trata-se com o son consignatario
Joaquini Gerardo de Bastos, a rna do Vicario n.
16, 1 andar
LEiLOES.
LEILiO
d*e
DECLARACOES.
Oonselhos de compras
navaes.
0 consellio promove no dia 20 do corre-
le mez, avista de propostas rocebidas at
as 11 horas da manlia e sob as condiriVs
do estylo, a compra dos seguintes obyec-
tos do material da armada :
1 ancora de 6 quintaes, 6 peras de arre-
bem, 2 bules de ferro eslanhado, S duzias
de chicaras e pires de ferro eslanhado,
5,000 estopares, 5 arrobas de fio de vela,
4 dusas de grosas de ferro sortido, 20
resmas de lxa de esmeril em panno, 6
arrobas de mialhar, 19 libras de brelas
francezas, 5 dusas de pratos de ferro esla-
nhado, 100 pratos travessos de folha, 400
pucaros grandes de folha, 3 terrinas de fer-
ro estanhado, 1,000 lijlos de fogo, 1,000
libras de tinta branca de anco, 200 lijlos
inglezes,20 tira-linhas, 40 trados de ferro
de */ e 60 grosas de torcidas para o pba-
rol.
Tamliem o conselho no mencionado dia
20 do crtente mez. contrata por igual for-
ma o fornecimento de bacalho, bolachinha
americana, caf em grao, e rangica ou mi-
lito pilado, para completo do de vveres,
dietas, e outros objectos de consumo aos
navios -da armada e os estabelecimentos de
marraba no trimestre de abril junho do
oorrente armo.
Sala das sessoes do conselho de compras
navaes, 15 de marco de 1869.
O secretario
Ale.mndre Rodrigues dos Anjos.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO RECIFE
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife se faz publico quem convier, que a lllma
junta administrativa nao pdenlo por si mandar
reedificar o predio n. 33 da ra Direita perten-
conte ao patrimonio dos estabelecimentos de cari-
dade, contratar com quem maiores vaulagens
ofleiecer, a ediQcacao all de um predio terreo
sua custa, mediante' o arrendamento por um certo
numero de anuos, e outras eondiees.
Os pretendentes deverao apresentar suas pro-
postas em cartas fechadas nesta secretaria at o
dia 11 do cor rente, onde se dario todos os esclare-
cimentos precisos.
Secretaria da Santa Ca a da Misericordia do
Recife, 5 de marco de 1869.O escrivao, Pedro
Rodrigues de Souza.________________-
No dia 20 do corrente, depois da audiencia
do Sr. Dr. jniz municipal da 2' vara, as H e 1/2
horas do dia, se bao de arrematar por venda, na
sala das audiencias, as beinfeitoria-, sejuintes :
urna casa terrea na ostrada do Giqui, com 2*
palmos de vao na largura, 63 ditos de fundo, tres
portas de frente, 2 sala-, 2 quartos, sotao dcatro,
com urna janella em cada oitio. tendo ao lado um
telheiro grande em queestao collocadas estribajia
e cozinha, 2 cacimbas com tanques, 2 casinhas de
taipa em estado de ruina, arvoredos, que constam,
de coqueiros, larangeiras, mangueiras, limeiras e
outras pepnenas errores, sendo estas bemfeitorias
sentadas cm terreno rendeiro, perlcncentc pro-
firiedadePa?o do Giquide cajo dominio til
oram impossados os erqnentes^valiadas por um
cont equinhentos mirTis. Trt pequeas casas
de taipa na mesma propriedado, em ierreno ren-
deiro, como cima, avahadas em oO cada urna ;
conforme o escripto em mo do porteiro dos au-
ditorios ; por execuca* de Manoel Joaquim Baptis
ta e su mulher, contra o curador da heran^a do
finado Antonio Joaquim de Mello o o Dr. procura-
dor fiscal da fazenda nacioual. Recilo 16 de
marco de 1869.
Manoel Joaquim Baptista.______
Sabbado 20 do corrente mez, depois da au-
diencia do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da segunda
vara civel, tem de ir a praca por venda, os bens
seguintes : um soph, urna mesa redonda, dous
consoBos, dozc cadeiras de guarnieo, urna com-
moda, uns meia dita, todo de madeira de amarel-
lo, avallados por 92OO0, por execucao que move
Jos Ignacio Avila contra Elias Pereira Gomes da
Cunha.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO RECIFE
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia
do ltecife so faz sciente quem convier, que o so-
brado n. 3 A sito ra Augusta e a casa terrea
n. 39 da ra dos Pescadores, csto sujeitas a se-
guinte ftsposicao .testamentaria, com que fallecen
b. Esmenia da Conceicao Souza, mulher do Dr.
Jos Joaquim de Souza :
c Declaro mais que instito por herdeiros de
minna meia acijao ao meu marido o Dr. Jbs Joa-
quim de Souza, com a obrigaeo de com sua mof-
le passar a terca de mens bens para os meus ir-
mos o padre Jos Leite Pilla O tigueira e D. Car-
lota Esmenia da Conceicao Lelte, aos qiiaes.tam-
hem instito por herdelms da mesma terca na con-
fiiruiidade do que fica disposto, e no caso de que
nao sobrevivan! seus irmaos seu marido, a terca
que elles pertencer, vontade sua que passepara
hospital do carldade que fica assim instituido.
' Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cire, 5 de marco de 1869.O cscrlvo, Pedro Ro-
drigues de Souza.______________________
O administrador da recebedona de rendas
internas geraes declara que lendo-se concluido o
lancameuto do imposto pessoal do exercicio cor-
rente de 1868-69 das freguezias de S. Jos Boa-
vi-ta, fica marcado o praso deste mez c de marco
ituro em que deve ser pago o referido imposto,
sem multa, das sobreditas freguezias, como deter-
mina a ordem n. 17 do ministerio ufepzenda de
30 de Janeiro ultimo.
Rocebedorla de Pernambuco 19 de fevereiro de
1869.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
anta Casa da Misericordia do
Recife.
A lllma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sessoes, no da 18 docorrente, pelas
qoatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos prodios cm seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra de Borlas.
Loja do sobrado n. 41, por anno........ 1205000
Ra da Moeda.
Prmeiro andar do sobrado n. 37, por anno 765000
Scgundo.audar, idem.................. 96000
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1, por anno.............. lOOiOOO
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 43, por anno............ 170^000
Ra da Conceicao.
Casa terrea n. 5, por anno..............2495000
BcCco das Carvalhas.
Casa terroa n. 5..................... 1821000
Ra da Viracao.
Casa terrea n. 7....................... 1815000
dem idem n. 19......\.............. 193^000
PATRIMONIO DOS ORPUAOS.
Ra do Pilar.
Gasa terrean. 100, por anno........2015000
dem n. 102, dem....................2015000
Ra do Cordoniz.
Casa terrea n. 1, idem........... .. .. 4405000
Sitio u. 5 do Forno da Cal, idem ........ 1505000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as suas bancas, ou comparecercm
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 3 de marco de 1869. O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza,
JWISOLMAilIlMW^
COMPAIIA BRASILEIRV
DR
Paquetes a vapor.
Dos portns do norte esperado
at o dia 24 do corrente o vapor
Tocantim, commandante J. M.
Ferreira Franco, o qual depls
da demora do costume seguir
para os do sul.
Desde j recebem-se passageiros c engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
-CJ- embarcada no dia de suachegada. Encommen-
dasedinheiro a frete al o dia da sua sabida as 2
horas. .
Nao se recebem como cncommendas senao ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de mcdicau
Tudo que passar dcstes limites devei ser embar-
cado como carga.
Previne-so aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. o7,
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C. ^___
poa*Trnindes propon-oes e aci'nmmodJiooes- ofereee ejptv ser em chaos proprtos em cwja
frente passa os illios nrbanos e perla de urna das
(Macdi
O leilo ser effeetuado as II-horas do-da ci-
ma dito no escriptorio do referido agente ra da
Cruz n. 58.
Os pretendentes podero desdo j examinaren!
dita casa e sitio, podendo obterem do mesmo
agente toda c qualquer formacao a respeito.
AVISOS DIVERSOS.
Jos Soares de Azeveb,. professor de
lingua e litteratura nacional no gymaasie
paovincial do Recife, tem aberto em sua
casa, ra Bella n. 37, um
(HUSO DElimi v fiiv.\ci:/.\
3k)E CE06RAPHIA K HtSWRM
DE l'IIILOSOeilIA
DE BIIETOniCA E POETiCA-
Os estudantes qne pretenderen frequen-
tar qualquer destas discipliuas, podem (bri-
gir-se indicada residencia, de mauliaa at
as 10 botas, e de tarde a qualquer bora.
F<
Para o indicado porto pretende sabir em pou-
cos dias a veleia e bem conhecida barca Social,
capitao Roete, por ter a maior parle do scu car-
regainento prompto, e para o resto que Ibe falta
e passageiros. para os quacs tem bous commodos
trata-sc com o consignatorio Joaquim Jos r
calves Beltro, ra do Trapiche n. 17.
Con-
movis, loiica, crysaes
e escravs.
A SABEB :
Um pumo forte, urna boa mobilia de jac: randa,
2 grandes espelhos com molduras douradas, 1 ex-
cellenle secretaria de Jacaranda, diversos livros,
papel para forros de salas, dito para llores, qua-
dros, 1 lbum para retratos, eandieiros, relogios
de parede. dito de algibeira, msicas, 1 flauta de
cbauo, 1 mesa elstica, louca e vidros, marquezas.
mesas, cadeiras, i toncador de Jacaranda, 1 ma-
rhinft de copiar terta. venezianas, 1 machina de
cosra, 2 guarda vestidos 2 attagens, 1 lote trcui
de eoSinna e mnitos outros objectos.
Duas grandes iiortas de amarello c urna varan-
da de ferro.
I'ni eseravo crioulo de 22 unnos que cosiuto e
trabalha de pedreiro.
Urna escrava crioula de SS^nnos. que cozinha
bem, faz doces, massas, assitn como engornma e
lava.
iioji:
No sobrado da rna da mphatriz n. 45, 2" e 3
an ares.
O agenta Pinto autorsado por urna familia que
retirase jara Europa, far leilao dos movis- e
maisojgectos cima mencionados, existentes-no
2o e Pandares do sobrado da ra da Imperatnz
n. 4o, onda se cOVctuar o leilo as 10 horas do
dia quimT-feira 18 do corrente.
Principiar as 10|lieras^__________________
LEILO
Da loja de fuuilciro sila nra-
vessa da ra das C'riizesiui-
itiero 19
O apete Martina fura leilo da referida loja
constante de obras, ferramejitas c armacao.
BOJE,
as 11 horas do dia na mesma loja.____________
LILAO
de diversos paos para mastros quebrados da barca
ingleza Carioca.
Sexta-feira 19 do corrente.
O agente Pestaa far leilo por contae risco de
quem pertencer, da poroo de paos aciin i, men-
cionados ora presenta de um empregado da alfan-
dega para isso nomeado, tendo lugar o leilo no
largo da escadinha da aKandega, ao moiodiado
dia sexta-feira 19 do corrente. _____1
Qinteiro & Agr rogam a todas as mesos que
sao llovedoras ao ost.-ibeleriiueuto fnnebre da ra
Nova n. 63, que venham quanto antes saldarem
seus dbitos, ao contrario sero entregues ao pro-
curador da casa, aflm de os cobrar amigavel ou
judicialmente, se al o lim do corrente mez nao os
saldaron, visto que ezlo em liquidaco e desc-
jam tambem saldar o que devem._____________
AMA
.Prccisa-sc de urna ama para engommar e cozi-
o Rosario
nhar ; na r
da esquina,
do Rosario da Boa-vista,
para a igreja.
taberna
Irinandade lo Divino Espirito
Manto, erecta no contento de
*. Franelsco.
Por ordem da mesa regedova convido a ledos os
nossos charissimos irmos, na sexta-feira, 19 do
corrente, pelas 3 horas da tarde, coniparccerem
em nosso consistorio, para, encorporados, acom-
panharmos a pr icisso de Triumpbo. ___
Precisa-sai da um mizeiro
do Terco n. 63, padara.
Oaixeiro.
a tratar no pateo
Precisae de urna ama
n. 22, 2 andar.
no caes do Ramos
Precisa-se de um criado, prefere-se eseravo:
na ra do Queimndo n. 12, l" andar.
para todo o servido
no pateo do Tereu
Precisa-se de urna ama
de urna casa de duas pesseas
n. 32, 1" andar. ____
Precisa-se de um caixeiru
rna doBrum n. 65, taberna.
com pratica : na
Precisn-so de urna ama para casa de pone
familia : ra larga do Rosario n. 21._________
Precisa-se alugar nina usetava para st-rnot
de casa de pouca familia : rna larga do Rosai-
rio n. 21.__________________________________
Desapparesoif do pasto na ilha do Padre um
boi de carroca, com os signaos seguintes : cor al-
vacenla, urna estreite Iiranca na testa, um S mar-
ca de ferro na horhecha, a mesma marca no vajw:
quem delle sonber o-**r noticia, dirija-se a ra di.
Apollo, tenda de lanoeiro do Jaco, que sera re-
compensado__________________
-. No"sitio n. 29 da estrada de Joo de Barro i
appareceu um ravallo : a quem pertencer ser en-
tregue, dando os signaes c pagando a despera do
sustento.^__________________________________
- Erasmu Jos de Mello pretende ir ao Rio do
faneiro.
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEI>S1.NA E DIASTAEX.
Remedio por excellencia para cura eert
das dtgestoes didiceis e completas, acataar
as dores gastralgicas, e reparar as torcas-
produzndo urna assimolaCSo completa dos
alimentos; sendo mais un escelleote tonteo.
VE\E-SE
L PHARMACIA E DROGARA
Precisa-se alugar dous asemos para serviee
de rellnaco :. na ra de Hurtas n. 7, ______
Aluga-sc moa escrava que compre e cozinhe.
com condioaode vir dormir em casa : quem pre-
cisar dirija-se em Santo Amaro, sobrado junto ao
cemiterio inslez.
Attenco
Manoel Augusto de Menezes Costa, pro-
fessor de niusica, contina a dar licoes de
sua arte, tanto vocal como instrumental,
era casa particular ou em algum collcgo;
assim como tem aberto urna aula na casa
de sua residencia na ra da Palma n. f3.
Fornece-se comida com asseio e
em casa de urna familia : na ra do
riano n. 71, 1 andar.
Precisa-se de urna ama
nhar c fazer compras : a
Rispo n. 23.
promptido
Padre Flo-
escrava para roz-
tratar no Corredor do
Precisa-se de una senhoraque tenha habili
t:iroes para ensinnr o portuguez e musiea em um
engenho distautejiiesUi cidado duas legoas : quem
pretender annuncte por este Diario, ou dirija-se a
ra da Concordia n. 37. que achara com qnem
tratar.
Para o Porto
Vai sahir no dia 21 do corrente a barca Flor de
S. Simo, com a carga que tiver : para o resto e
passageiros, trata-se -com os consiguatarios Car-
valho & Nogueira, ra de Apollo n. *>
COMPANHIA PERNAMBUCANA
^,;iTacio_eos#f3|fl'Tie)r vaiNW-
Porto de (Jalliuhas, Rio Formoso e
Tara andar.
O vapor Mamanguape, com-
mandante Oliveira, seguir para
osportos cima no dia 20 do cor-
rente a meia noite. Recebe car-
ga, encommendas. passageiros e
a frete no escriptorio do Forto ao Mat-
tos n. 12.
I
IJ
De O barricas com cerveja
em garrafas e melas garrafas,
branca e preta da marca as-
pinal.
Sexia-ieira 19 de marco as H horas
fm ponto__Jer
O agente Pinto far letlao por conta e risco de
quetii pertencer de 200 barricas com serveja
aranca e preta em garrafas e ineias da marca as-
pinal sendo cem barricas da marca A triangulo e
outras com M L com triangulo e A dentro ; o
leilo ser effeetuado as 11 horas do dia cima
dito no armazn do Sr. Antonio da Silva Azevc-
do no caes da escadinha n. o.
Attenco.
Urna pessoa que ssbe 1er, escrever c contar, se
offerece para caixeiro de escriptorio ou mesmo de
ra : os pretendentes d rijam-se a ra da Impe-
ratriz n. 16, 1 andar.________________________
AVISO. ~
Deseia-se saber se existe nesta provincia, ou
lora della, Francisco Jos de Souza Castro, casado
com a viuva D. Bernardina de Sena Lima, com
filhos : roga-se a quem for sabedor, de se dirigir
ra da Cadeia n. 44.
Currupio
10r>000 de gratiicac2o.
Do Io andar do sobrado do caes 22 de Novem-
bro n. 45, fugio na lorca-feira de manhaa um
currupio muito manso, com as asas cortadas.
Como elle nao podia voar, provavel que cahisse
na ra e alguem o apanhasse : a quem o levar a
ra do Imperador n. 63, Io andar, dar-se-ha urna
gillln^MU lo iftjnno -
Rio de Janeiro
Para o indicado porto segu com muita brevi-
dade o veleiro c bem conhecido brigue 'Adelaide.
por ter a maior parte do carregamento tratado ; e
para o resto que lhe falta e escravos a frete, tra-
ta-se com o consignando Joaquim Jos Goncalves
Beltro, ra do Trapiche n. 17, ________^^
Para cozinha
Precisase de urna escrava que cozinhe bem
na ra do Crespo n. 23. _________^^^
Ama
na
THEATRO
S. ISABEL.
EMFREZA DRAMTICA
DE
Quinta-feira 18 de margo.
Quarta repfesentacao do magnifico e appara-
toso drama histrico Je grande espectculo, cm 6
actos, ornado de msica
0
MIII\ BHASILE1RA
DE I
Paquetes a vapor.
Dosportos do sul esperado
at o dia Si do corrente o vapor
Cruzeiro do Sul, coinmandaute
Alcoforado, o qual depois da de-
mora do costume seguir para os
do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder*(fconduzr, a qual dever
ser embarcada no dia de sua ehegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sabida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
jeetos de pequeo valor e que nao excedam a_ 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar dcstes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
1 andar, escriptorio de Antonio Lniz de Oliveira
Azcvedo & C
LEILO
do hotel brasileiro
Sito ama das Larangeiras n. 14, Io andar.
O agente Pontual vender em leilo poroauto-
risaco da proprielaria do mesmo hotel, que tem
de retirar-se para o centro da provincia : 1 es-
crava preta, idade i?l anm s, ptima rosinhera e
engomiiutdeira, 1 mesa para jantar, 6 cadeiras de
guarnieo, 1 sof, 2 cadeiras de bracos, com con-
solos cora marniore, 1 aparador, 1 estante, 2 ca-
bidos, 3 quadros com a vista de Pernambuco, 2
conimodas de amarello. : mesas de loi.ro para
cosinha, 1 mesa redonda, 1 marqueza, 3 vene-
zianas, esleirs para forrar sala, 2 bancos, 1 bar-
ril de o com vinho Figucira, dito do Porto en-
garrafado, 1 '2 barril com toucinho de Lisboa, 1/2
dito com manteiga ingleza, 1/2 sacco com arroz
pilado, 1 ca'nastra com albos, 1 baca grande pa-
ra banho, 1 silha a vapor para lavar tonga, 4 cal-
as de folha para conduzir comida, 1/2 apparelho
de porcelana para cha, 1/2 dito para jamar, pra-
tos, chicaras c pires avulsos, louca de cosinha, 1
grande forno e fugo de ferro e muitos outros
objectos miudos.
pa mesma occaso vender-se-ha urna preta
ptima cosinheira c engommadeira perteicentc a
outra pessea.
Sexta-feira 19 do corrente.
No 1* andar do mesmo predio as .10 horas.
Escrava ou livre para comprar c cozinhar
ra da Matriz da Boa-vista n. S._______________
Precisa-se contratar a factura de frdelas
brancas, e gravatas de sola de lustre : recebem-
se as proposias no quartel do Hospicio at o da
20 do corrente. ____________,
AMA
Precisa-se de urna ama para o servieo de casa
de ponea familia : na ra do Torres n. 14, tereei-
ro andar. ____
_11UI
Jos Buarqnc Lisboa, morador nos Afogados,
avisa a quem convier, que de segunda a sexta-fei-
ra santi, pesca os seus viveiros, onde os seus fre-
guezes achanto a venda boas curimes, carapebas
e camorins. _____.
Secretaria da veneravel ordem terceto de
N. S. do Carmo do Recife 17 de marco
de 1869.
Concite.
Por esta secretaria e em uome da mesa regedo-
ra sao convidados todos os senhores reverendos
sacerdotes presentes nesta cidade, a acompanha-
rem a solemnsima procisso de Trumpho que
ha de sabir da greja desta veneravel orden, sex-
ta-feira 19 do corrente, as 3 horas da tarde.
O secretario,
Joaquim Xavier Veira Ligo.
Filalas assuraradas de Brisiol.
NAO CONTEM NF.M CALOMELANOS NKM NENHUM
OL'TRO MINERAL.
A grande necessidade e falta de um ca-
thartico ou de una medicina purgativa, ha
muito que tem sido sentida, tanto pelo no-
vo, como mesmo por meio da faculdade
medica; e por isso, infinito o gosto e
prazer que sentimos, em podermos com
toda a confiancaeseguridade, recommenda
as plalas regetaes assiicnmilas de Bristol.
como urna excedente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e mais
ingredientes essenciaes, tornando-se em um
perfeito, seguro e agradavel cathartico de
familia. Este remedio nao compost/
desses drogas ordinariamente usadas na.
uiiijjijji.Su ili.'.'."ns |rt#tiifi^. fprm por- it* *?
vendem, mas sitn, sao preparadas comas
mais finas e superiores qualidades de raizes
medcinaes, hervas e plantas, depois de se
liaver cliimicainente extrahido e separado,
os principios activos, ou |d6ellas partes
que contem o verdadeiro vair mediemal,
daqaellas porces fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a pa-
iopkgtin, a qual segundo a experiencia
tem demonstrado, possue um poder o mais
maravilhoso possivel sobre as regi5es do
figado, assim como sobre todas as secre-
ces biliosas. Ist de combinaco com o
Uptandriu, c mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formam una pilula purgativa, tor-
nando-se por isso mutissimo superior,
qualquer urna outra medicina da mesma
nalureza, que jamis fora apresentado ao
publico. As plalas vegetaes assucaradax
de Brisiol, achar-se-bo sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente effi-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
ou
Pela secretaria de polica se faz publico,
para que ninguein depois allegue ignoran-
cia, o que dispoc os arts. Io, 17 c 18, do
decreto n. 2692 de 14 de novembre de
1860, que regula o estabelecimento de es-
criptorios ou casas de emprestimos sobre
penhores.
Art. rNenhuma pessoa de qualquer
condicc3o que seja, ou sociedade de qual-
quer qualidade e denominacao, poder es-
tablecer, ofi conservar casas ou escripto-
rios em que habitualmente se facam em-
prestimos sobre penhores sem autorisacjfo
legi>30b pena de 2 6 mezes de prisao
simples, malta de 1:000$ 5:000,?, e de
ser cassada a autofisaco se a sociedade
franonvma (art. f^U&i lei 1083 de
22 de agosto de 1860.) X
Art. 17. As desposees do presente de-
creto e sua saneco penal sao applicavjeis:
D. Julia Azevedo.
D. Clelia.
Joaquim Augusto.
Primo da Costa.
D. Apolonia.
Lessa.
Thomaz.
Martinlii'.
Brochado.
Couto Bocha.
A descoberta da America.
Personagens. Actores.
Isabel, a catholica, rainha de
Castella e Leao. D. Mara Velluti.
D. Mara de Gusmao, dama
de honor......
Ona, rainha de Haity. .
Christovao Golombo. .
Diogo........
Peregrino (irmao de Cotombo)
Bartholomeu......Eduardo.-
D. Luiz, duque de Fonseca. Jos Victorino.
Frei Pauto Marchena, confes-
sor da rainha.....
Rodo, aventureiro. .
D. Jos de Escobar, tabclliao
regio.......
Tubaro, marnhero. .
Antonio, idem.....
D. Pedro de la Cueva, cama-
rista.......Jos Guimarae?.
D. Filippe de Vega, capitao. Jordani.
Um alcaide-mr.....Florindo.
m pagem....... Francisca.
Olema, indgena.....D. Carolina.
A pedido de multas pessoas dar Om ao espect-
culo a graciosa aria-cmica do Sr. Martinho inti-
tnlada
Kel on o mindlaho.
Comecar as 8 horas.
THEATRO
Gymnasio campestre
ASSOCIAQiO ARTSTICA.
nico espectculo no corrente mez
COMPANHLV PEUNAMBUCANA.
DE
MaTega^o costelra por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caty, Cear, Mondah,Acarac
e Granja.
O vapor Ipojuca, commandante
Martins, seguir para os portos cima
no dia 31 do corrente as 5 horas
da tarde. Becebe carga at o dia 30, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mallos n. 12.__________________0
C0MPANIIIA PERNAMBUCANA
DE
Navcga^o costelra por vapor.
Mamanguape.
O vapor Coruripe, commandante Penna, seguir
para e porto cima no dia 28 do corrente as 6
hars da tarde, recebe carga, encommendas, pas-
sagens c dinheiro a frete at as & horas da tarde
do dia 27, no escriptorio do Forte do Matos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Vavega^o costeira por vapor
Maceo escalas e Penedo.
O vapor Giqui, commandante Aze-
vedo, seguir para os portos cima no
dia 31 do corrente s 8 horas da tar-
de. Recebe carga at o dia 30, encommendas,
passageiros e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sahida no escriptorio do Forte do
Mattos n. 12.
LEILO
Da fabrica de carros e de mar-
cineria, como da mobilia per-
teucentes ao Sr. F. Polrier.
O agente Oliveira far leilo por ordem deste de
2 catoches novos e promptos para forrar, ?endo um
com vidracas, 2 cabriolets sendo um novo e'outro
usado conTvaraes de todas as qualidales -para
cabriolea, ac para molas e parafusoa para carro | ^^ Q Carmo degta cidadej per.
5 correr conforme a pauta antiga as seguin-
tes ras; ao sahir pateo do Carmo, Gam-
boa, Flores, Nova, Cabug, Larga do Rosa-
\. i III! (MI.
Itenerario da procisso de Tri-
umpho
A solemnissima procisso de Triumpho
dos Passos do Scnhor que ha-de sahir sex-
ta-feira 19 do corrente s 3 horas da tarde
da igreja da Veneravel Ordem Terceira de
2L
urna serrarta movida por manejo
circulares^mais ferramenla, incluindo machina
para furar ferro e maieira, um torno para madei-
ra e de rosca, tudo completo, safos c bi ornas pa-
ra ferreire, folies para forja, martellos, tenazes,
moldes d'aco, torno de ferro o mais pertences
completos para fabrico de carros eaviamentos pa-
ra osinesmos, bancos para marcineiro, ferramen-
tas e mais utencilios para este officio, e finalmen-
te de boa mobilia consistindo em consolos, cadei-
ras, guarda vestidos, sof e marqueza, aparador,
mesa de meto de sala, de jantar e outras, toucador
e carteira, tudo de amarello, camas de vento, bi-
dets, cadera secreta, loueas, armarios pintados
sendo um para guardar arreios de carros o mui-
tos eutros artigos anlogos aos misteres indicados.
Segunda-feira 22 do corrente.
as 10 horas da manhaa no proprio estabelecimen-
to do referido Sr. Poirier, a ra do Imperador n.
9, defronte do convento de jWtticisco onde os
professionaes c pretendentes pdeni tudo exami-
nar com antecipacao.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaco costeira por vapor-
Macci em direitura e Penedo.
O vapor Parahyba, commandan-
te Mello, seguir para os portos ci-
ma no dia 22 do corrente as 4 horas
da tarde. Becebe carga at o dia 20, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as 2
horas da tarde do dia da sahida no escriptorio do
Forte do Mattos n. 12.
Hydropcsia dos mem-
* bros ou do corpo,
Affecees do figado,
Ictericia,
Hemorrodias,
Mau hlito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabeca.
rio, Queimado, Cruzes, travessa do Ouvidor,
Imperador, ponte, Cadeia, Cruz, Lingueta,
Commercio, Corpo Santo, Vigario, Encanta-
mento, Cadeia, ponte, Crespo, Imperador,
Praca de Pedro 2., Queimado, Livramento,
Direita, Terco, Marisco, Martyrios, Hortas,
adrecolher.
o ecretaria daVeneravel Ordem Tercena
Recife, 18 de marco de 186.
O secretario
________Joaquim Xavier Vieira Ligo.
Desoja-so alugar um bom moleque : na ra
larga do Bosario n. 44.
Dyspepsia, ou indi-
gesto,
Adstringencia, ou..
prisfo do ventre
habitual,
.Vzia do estomago c
flatulcncia,
Peda do apetite,
Estomago sujo,
Em todas as molestias que derivam z
sua origem da massa do 6aague: a salsa
parrilha de Bristol esse melhor de todo?,
os purificadores deve ser tomado conjun
lamente com as pilulas, pois que estas
duas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obraran de harmona urna
com a outra, quando fielmente assim se faz,
nao nos resta a menor duvida eiri dizer,
que no maior numero dos casos, podemos
affiancar nao s um grande alivio, como
tambem urna cura prompta e radial, isto
est bem visto, quando 'o doente nao se
ache n'um estado muito alm dos recursos
humanos.
LEILO.
De urna grande casa de campo no Parnameirim
com 3 salas, 12 quartos e dispensa, cwn graude
sitio murado na frente, corea de l,0.iO palmos
de frente o 1700 ve fundo, com muitas e excel-
lentes fructeiras e baixa de capim.
Turca-fuit-a 30 de maio as 11 Iwras
em ponto.
O agente Pinto competentemente autorsado ta-
ra leilo da casa e sitio cima mencin ido do fi-
nado Joaquim Jos de Amorta (em >aiU'Anna)
sendo que dito sitio torua-sc recomn^nda.
Veneravel ordem terceira de S.
Francisco do Recife
A convite da veneravel ordem ^eira do Car-
mo, eor deliberaeao da meja^torade^ve.
neravel ordem, convido a todos os nosso cnaris-
S raos comparecerem na igreja da BM
ordem nramentados coni seus hbitos, no da
dVSrVSteTSas 2 1/2 horas da tarde, parat
cor^^aconipanbarniosa procisso do T
umP"- O secretario,
Juao da Cunha Soares Cuiruaraes |
Paria, 36,RuaVivienne, V
CHABLEmedecin
ASENFERMIUADAS DESatXUAtS, AS AlTK>
COKS r.UTANKAS,E ALTERACOKSDOaAITOl
liOOOOcarudumptn^Mi*
\nutulM, herpes, .
Vomixo**,aerimn*eja*
Vereots, wciowu o um-
___________Wt eirus, e edterato*
do fungue. (Atropa vegetal *em mercTio).j*1-
r.tiv.. ,r|MH BAIOM* m*******
tonto-M dous por nuil, join(lo o trMUMnH
DeiHirattvo embregado aat aiMaus olaaneti-
Este Xarope CiirMt A
ferr de CHABLB. m
tBMaediaiaia)ie aienie os fluxos e flores bromeas dat Jaeree
Esu injeccao benigna amprega- com o astch m
Citracto de Fmro.
UMMmMaa, Pomada qne aa ara ea im em*
POMAOA ANTIHERPETICA
Contra i aaa affectoes euUtmea e "*"
PILULAS VEGETAES DEPURATrVAa
o > Chshto, ead%fraco V
M folhs.
OEPURATIF
iu SAIVG
PLUS DE
COPAHU
^^BMtMH


mu
IHIHHH
- i
Diario de Pernambu *:
Attenco! attenco!
GaiUrermino Rodrigues do Monte Lima faa sci-
wate aos olllciaes de todos os co'rpos, que acaba de
Teceber um completo sortimento do espadas, ban-
das, tafias, talabartes e eharlateiras, e mais per-
eaoes. Assim como recebeu tambem chapeos de
oleado para criados, do copa alta e baixa, com
cordie de ouro ou (trata, e veude mais barato -lo
qne em outra qualquer parle, na praca da Inde-
pendencia n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
SEGUROS
MARTIMOS
COXTRAFOGO.
A Companhia Inderanisadora, estabelecind
nesta praca. toma seguros martimos sobre
navios e seusxarregamentos e contra fogo
em edificios, mercaduras e moblias: aa
ra do Vigario n. i, pavimento terreo.
as notas do banco do Brasil
com descont muilo razoavcl
pendencia n. 22.
Trocam-se
e da? caixas flliaes,
na praca da Inde-
UllllilllUl
Uesta venda un escolhlao sortimento Je b-
leoste de marcineria, como sejam, mobilias de ja-
caranda, mojjno eamarello, obra nacional e estran-
geira, de apurado go-to e porprojo! razoaveis:
na roa estreita do Rosario n. -". Nesta mesraa
casa fazem-se com perfeico todos os trabamos de
palhinha, como sejam, empalhamentos de lastros
para camas, cadeiras e sopns._________________
Joaquim Jos Gon-
calves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
;o do Minho, em Rraga, e sobre os segra-
les logares cm Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castalio.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de FamaHco.
Lamego.
Lagos. ;
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Reja.
Barcellos.
aittixtt mueUMa ma*ttt&&
VTTIIDADE
Aos500 pares de brincos.
Chegou e vende-se no Coraclo
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
mosmhas com urna franja penden-
te a um rico descnho e ouro de
lei, pelo pequeo proco de 1d$000
cada par. baratissimo.
BARTHOLOMEU a C.
J
el. Ferreira Vlllcla.
Photographo da casa imperial
premiado em diversas exposi-
qes.
Na sua photographia ra do Cabug n.
48, entrada pelo pateo da matriz tira re ra-
tos por todos os systcmas photograpbcos. I
Em porcelana Em vidro
Em talco Em papel
CART ES DE VISITA A 9> A DUZIY.
Os retratos carte-tte-visite s3o collados i
eu carto de luxo bristal ou porcelana, I
dourados ou liihographados, quadrilongos!
oa viuhetas para oque existe urna varieda-j
de de 12 modelos a escolha de quem se re-1
tratar. Para as ouli as especies de retratos
temos caxinhas, passe-par-tottts, quadros
e molduras douradas e pretas cassoletas de
ouro e allinetes simples e com podras pre-
ciosas, havendo nos allinetes urna mimosa
variedade de feitios.
O nosso estabelecimento photograpbico
est sempre em dia com os melhoramentos
e progressos que na America do Norte, na
Europa ou no Rio de Janeiro se consegue
na arte pbotographica, e para alcancarmqs
tal fim nunca poupamos despezas ncm sa-
crificios, de sorte'que os nossos numerosos
freguezes podem ter a certeza de que sem-
pre encontrro em nosso estabelecimento
tudo quanto a arte e a moda ofTerecer de
bom no novo e velho mundo aos amantes
da photographia.
O advogado Dr. Antonio de Vas-
concellos Menezes de Drummond
transferio o seu escriptorio para a
ra do Imperador n. 20,onde pode
ser procurado todos os das teis
das 1 1 horas da manha at as 4 da
tarde, para os misteres de sua pro-
fissao.
i
ANTONIO EPAM1N0NDAS DE
MKLLO tem o scu escriptorio do
advogado a ra do Queimado n. 8,
i." andar.
tfiS>(C
!DI(l\tO
Folhcto emauat j~
PROUKAMM \ : fl
O anpiiHsw Mftctu tm <> prstinos inpressiio etc., ete.,ccenpar-se-liaexfU' 5
tifamente.....de tudo.
Hedarrao :
Capitn Salabardo!*.....(Critica lit-
teraria e sflles.)
Cavalli-iro De Profnixlis.....(Noticias
. frescas.)
Dontor Fausto: .... Mocas idem.1 CsS
Bario de Zig-zun.....(Ad libitum.) fjj
Visconde do W......(Theatro e t\pos gn
das ras.) (-i
Preco 200 rs. cada numero.
linprcssai nitidn, coma ile arregal.it ,g
I o olho. rieeommenda-se a leitura prin-
cipalmentc aos mjwpm- E adeus !
O primeiro numero sfidado luz no fe
sabbdb de alloluia. Mo da E mtn c
A" vena onde se aimimciar, ni* dia do ]9
nascimenlo do Dalo a tuo.
() Ksiao r.'conhecidas as lirmas p.'lo |g
Ubcllia.) Pulka de Soasa. 91
O abaixo asslgnado tendo de segnir al o dia
lo nara Europa, e nao pudendo de$*fir-9e ms-
-oalniente de todos sens parentes e anikos, que a
honram com suas amisades "o faz pelo presente,
iffrrecendu-lhes seii ponco presumo ca acuelles
paizes. Recife 12 4e nano de 1S69.
barao de Campo Alegre
Acha-se justa e contratada a eompra da ta-
berna sita ra dos Copiares n. l\ quem se
julgar credor da nn^sma, queira aprosentir as
do praso de tres das, lindos os quaes niio i at-
ender mais reclamaco algiima. Recife 15 de
marco de 1869:
mi\ E TSICA
UM DESCORRIMENTO ESPANTOSO!
O xarope de fedegoso, de Pernambuco,
preparado pelo pharmaceutico J. de A. Pin-
to, cura radicalmente a tsica e asuma, e
I.idas as molestias dos pulmes.-
Podem ver-se os attestados de curas no
nico deposito das preparaees de fedegoso!
deste autor, ra do Rosario Larga n. 10,
junte ao quartel de polica.
Illm. Sr. Joaquim i'Alnieida Pinto.
Braga, 25 de Janeiro de I8C8.Meu ami-|
ao, aqui cheguei com algumas molhoras;:
depois de ter tomado tres garrafas do seu j
proparadoxarope de fedegoso; isto
i pelo mar, porque lego que cheguei em Lid-
i boa, principiei com mais fe a lomar o dito;
xarope, por conhecer pelo mar que elle me I
azfa grande beneficio, pois vsla da gran-
de quautidade de sangue que eu botava pela I
boca, vi que me ia desaparecendo com ra-j
pidez, depois que eontinuei a tomar o dito I
xarope, e tao milagroso fofpara a minha
iii'iiestia que tioje me ado de todo resta-
belecido, c al mesmo bastante nutrido, e
por issopodc Vm. fazersciente ao publico
o mfttffre qtw o seu preparado obrou na
PARA USO INTERNO
P n EFARA DOS SIMPLES
Xarope de jurubeba garrafa. liJOOO
Vinho de jurubeba garrafa. 15600
Pilulas de jurubeba vidro. JWOO
Tintura de jurubeba vidro. 640
Extracto hydracoolico de jurubeba. ltfSOO
HBEPAnADOS C0MP0ST0S.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 25000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 1 ?5600
Pilulas do jurubeba ferruginosa vidro. 2000
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurubeba pote 640J
Emplastro de jurubeba libra. 2f>500
PARA USO EXTERNO
M ji ia bi:ii %
5 Esta planta hoje reconhecida como o mais poderoso ionio), como um excel-
lente desobstrueute, e como tal applicada nos engorgtamentos do ligado e bago, as
hepatites propriamente ditas, ou anda complicadas com anazarebas, as inflammacoes
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as hodrope-
zias, erysipellas ; e associada as preparares ferruginosas, anda de grande vantagem
as anemias, chloroses, faltas de menstruaclo, leucorrheias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dzemos armam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira do Carao, Firmo Xavier. Silva etc. Todos elles reconhecem a excellenca d'estc
poderoso medicamento sobre os demais al hoje conhecidos para todos,os casos citados,
tantoquc todos os dias fazenrt'elle app^fcaro.
Apresentando aos mdicos e ao* publico emgeral diversos preparados da juru-
beba, tiveraos por fim generalisar inas o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'ellc, e
maisas vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham anda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improlicuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos propalados s foram apresentadosdepois de havermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
piedades medicamentosas d'esta planta cm suas raizes, folhas, fructas ou bagas, e a
dose conveniente a applicacao, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeico possivel, para o que io poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco iucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignrem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles ofl'erecem a garafltia, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
vel cura de qualquer os solriiuenios, que dentamos nnumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolher as nossas va-
riadas preparaces, aijuclla que melhor lhe podeconvr, ja pela fcil applicai;o, e j pela
complicaco das molestias, idade. sexo, ou anda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao l'eitas de forma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompostos de ferro que
como taes esl3o boje i econhecidos.
Para aijuclles que mais minuciosamente queram conhecer as propiedades da
jurubeba, e saberem a appli'ac5o de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folhelo. onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geni! de todos os preparados
Biica c drogara
34Rna larga do Rosario34.
Do xarope Vegetal Americano, especia I idade de feartholomea A O.
34RA LARGADO ROSARIO34
N3o costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que sua applicaco e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceita
los, Ibes deem crdito e voga; porque sao sempre os attestados considerados gratuitos,
e delles que lancamSo o charlatanismo; mas, nao querendo ofiender as pessoas qu
espontneamente nos olereceram os que abaixo vo transcriptos, os fazemos publicar,
manifestando-lhes nossa gratidSo pela attenco, esperando que venham elles corroborar
o concedo, e acceitafo que tem merecido nosso xarope.
Bartholomeu & C.
ATTESTADOS
Illms. Srs. Rartholomcu A C com a mais subida satisfagSo que declar
ser o xacope Americano de urna elBcacia extraordinaria, pois que soffrendo ha dias da
intensa tosse, ponto de-nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamentoi
que tomava, a elle recorri e na terceira colner fui alliviado, e de todo me ado hoje res-
tabelecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois/ esse resultado mani-
fest a Vv. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador c obligado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
/ Sua casa 20 de abril de 18G8.
Illms. Srs. Rartbolomeu & C.Penhoradssimo com o favor que me fizeram
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composicSo, quarnlo me acba-
va bastante doente de urna constipacao, que me tornou completamente rouco e que
trouxe urna forte tosse, c me impossibilitou de cumprir os meus deveres de cantor da
empreza lyrica, vou agradecer-lhes meu completo rcslabelcciniento, que oblive com um
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tratamentos. Desejarei
que outi'os como eu recorram ao seu xarope para se verem alliviadoa de to terrivel
incommodo, to fatal ueste paiz. Com maior considciaeao contino a ser de Vv. Ss.
atiento, venerador e obrigado.Luiz Cremona.
Recife, 23 de setembro do 1868.
Illms. Srs. Rartholomeu A C.O xarope Vegetal- Americano que Vv. Ss. leen
exposto venda de toda efiieacia para o curativo d'asllima, conforme observei appli-
cando-o a meu ilho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'esse lagcllo, que al .
entao por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de granda
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. accetar a expressao altamente sincera de meu reco-
nhecimento ao meritorio servico que lhe prestaram com o indicado xarope, acreditan
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obrigado.Americo Netto de Mendonpa.
Recife, 2 deoutubro de 1808.
DE
DE
J.VIGNES
DOENCAS DO PEITO
XAROPE d'HYPOPHOSPHITO OE CAL
N. ooRA DO IMPERADORN. 55.
Os panos di sta antiga fabrica sao hoje assz conhecidos para seja nocessario
insistir sobre sua superioridade, vantagens e garantas que ofl'erecem aos compradores,
qualidades estas incontestaveis, que elles tem definitivamente conquistado sotue todoi
os quetem apparecido nesta praca; possuiudo um teclado e machinismo que obedecen
todas as vontades e caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por sercm fabricado!
de proposito e ter-se feitoltimamente melhoramentos impoitantssimos para o clima
deste paiz; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas e por tato inuito agradaveis aoa
ouvidosdos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. RIod-
del, de Pars, socio correspondente de J. Vignes, emcuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposices.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um cxplendido e variado sorti-
mento de msicas dos meluores autores da Europa, assim como harmnicos e pianoa
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commod06 e razoaveis.
A efflcacia d'esta preparado est eatabelecida desde 4 857, pelos mais celebres media. Desde
enllo muitas imitaes tem sido feitas, mas nenhura pon de sustentar a comparagao com o
producto apresentado pela nossa caza. Por isso excitamos o publico para que exiga sempre
este xarope com urna bella cor de rosa, nunca branca, e com a nossa assignaiura i roda do
frasco.
Sob a sua influencia, a tosse acalma-se.ossuores nocturnos cessio e o doente volve rpida-
mente sade. 0 seu em prego d lambem os mais brilhanu-s resultados nos defluxos, catar-
rhos, bronenites, irritacBcs do peito. etc.
Deposito em Pernambuco. em casa de Haa
e O*.
BARAIlSSfflO
Calcado nacional, na fahrica de Jos Vicente#
Godinio &., .i ra do Janlimn. 19, avisam aos
>cus freraeeesdosta capilal^do interior, iiuo con-
nimha enfermidade.Sem tempo para mais, \ ,inBain | fabl.icar calcado em alta escala, e oiei
sou de V meAmigo attento, venerador
muito obrigado.Manoel Jos Gonfalves
Pereira:
CRIADO
-Na ra do Imperador n. T-i, andar,
N3 do um criado.
IH'ocisa-
Caixeiro
Precisa -'I- nm raixffijde 15 a 16anuosae
dade. com Iiattante pratica ti,* taberna : a tratar
na rmImperial n. i".
Irmandnde. do Sen/ior Jiom Jezus
das Portas na rjreja da Madre
dr, Dos.
Sao polo preneiite convidados os itcssos entro?
i uiaos a compari.-cerom na gruja da Madre de
lios, sexta-feira, 19 do crrenle, as 2 IV horas
da tarde, aflm de encorporado, acompanhamios a
prorisst') de Truntpho que tem de safeir da or-
dern terceira d vorr*el Sr ahora lo Canto, em
salisfaco ao convite que nos fez aquella oespeila-
vel contraria. Rceife 17 de marjo-de 1809.
11 '-''rivao,
________. WMael Mor^tr Cjgg^_
rniaiulwle to SCTrtwr dos Pas-
sos na wttrtrra do CWpfSinto
De urdein d, .! n ;* >.-convidados lo-
dos os irnuo mU irmandade a compreeereni
m nos coftiwtefi) uo
\]i horas da tarde, alim de oj-porado?.
acomptrtiHmo! a proeisySn d' i(e ha
desamYda reneraVl ordem tereelra de >' s do
rma (nrrpspondcnc
convite qut- dig'lU-bu fa
Consistorio I de mar?u de m,'l
_________1. 1
Precsa-se de i
homem dfi dadft que itiba I t e eserever : opa
leo do Terco n. 11
"I*
ultirai
I na

Gratifica-se
lllin. Sr. Joaqxhn d'Almeida Pinto.
Ha muito que ouvia proclamar as exce-
lentes propriedados do xarope de fedegoso
contra a tosse c asthma, e solTrendo eu de
urna tosse pertinaz, c tendo usado de toda
a sorte de medicamentos, vali-me pois do
tarop de fedegoso, e urna garrafa somen-
te loi bastante para restabelecer-me, c me
vejo tao robusto como d'antes; sucum-
bira de certo a nao ter usado seu xarope
de fedegoso.
i A' vista disto nao lenho exprtssoes
com que exprima a V. S. a gratido de que
lhe devedor, o de V. S. atiento venerador
e criado
Jo da Costa llega.
Iih. Sr. Joaquim d'Almeida Pinto.
Tente a ventura de communicar a V. S.
que gragas ao maravilhoso xarope de fede-
goso, estou com o meu escravo Jorge com-
pletamente restabelecido da molestia dos
pulmoes, que ha tanto tempo o persegua.
Aceite V. S. esta minha declaraco
como prova do meu reconhecimento .pelo
bem que V. S. acaba de fazer-me, e cuja
recordado ficr internada no corac5o do
DeVV. S.
Attento venerador e criado
Benro Joagaim Gomes.
--------
i Illm. Sr. Joaquim d'Almeida Pinto
tJumpiindo um llevar de gratido partici-
po a V. S. que, por meio do seu abencoado
xarope de fedegoso, est perfeitamente res-
tabelecido dos sen longos soffrimentos o
ineu escravo.
Como sabe, este meu escravo tinha-J
iegado ao estado mais afllictivo da moles-
tia de pulmoes; nao obstante uta nao in-
terrompido uso do reiaedios, e urna demo-
rada viageai ao nosso sortio.
Pois bem: a enermidade, que se ha-
via tornado rebeMe a todos os meios em-
pregados para contiwte-la, cedeu, de urna
manetra quasi milagrosa, a quatro garrafas
apfrainj do seu fedegoso
' Hoje, gracas a Deus, lenho o meu es-
cravo restabelecido; e nao 6 fcil mostrar
todo o reconhecimento que sinto pelo bem
que V. S. me acaba do fazer.
Sou do V. S.
Caiada agradecida
Mara Norberta-Schcffer.
Continuadamente se nos apresentam no-
voa testcmunhbs da eficacia do fedegoso]
de Pernambuco f
recemas roelhores condicoes, tanto em preco como
sm qualidade. Us propietarios deste ostabwleci-
mento chamam a attenco dos senhores consumi-
dores do interior,que os i|uzeiem honrar com
ua freguezla, esp'Vificando em leus pedidos a
qualidade n numerarao,o|erecendo-se para os en-
tregar bem acondicionados ein casa de seus cor-
respondentes nta i'.raca.
Frederico
Clrnrsio dentista pela escola
de medicina
do Ello de Janeiro.
Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capital escus suburbios, que tem abertoo
seu gabinete'de consultas e operacScs dentarias a
ra Direita'tr? 12, primeiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da mafit'a as
3 da tarde. Elle acua-sc competentemente habili-
tado para cora perfeico collocar denles artiflciaes
por qualquer dos systcmas, e bem assim desempe-
nhar qualquer oulro trabalho concernento sua
proflssao. O mesmo, reeonheeendo que nem sem-
pre possivel ssenhoras ou enancas sahirem a
proef. if o remedio, ofTerecc-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres- -^a'"a Augusta n. 94 vcs|Lm-*e anjo- para
tara a qualquer chamado semqno issO inflna cousa Pfog^fe* porcommodo preco, ; ultima moda,
alguma na commodfdade dos preco de seus traia-
Ihos, e miando para fra della assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavel, gara ntindo elle a
segurancae perfeico de seus ditos trabamos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente excel-
lenteps den'frici, elixir e outros medicamen-
tos odontalgicos : ra Direta n. 12, primeiro
andar.
GRANDE HOTEL
i ORIENTE.
InaHgurou-se este commodo e elegante
estabelecmentd donde os seus frequenta-
dores podero apreciar a epeeialidade na
confeceo-dos gneros alimenticios.
As bebidas sao as mais primorosas e re-
commendadas.
A decencia e bom Servico primam n'esta
casa no bello gosto oriental.
Mandam-se domicilio coinedorias, tanto
avulso, como por asignatura mensal. Os
preeos sao mdicos e convencionaes.
Ha urna espacosa e bonita sala para o
elegante jogo de bilhar.
Ha tambem aposentes commmodos e bem
mobilhados para hospedagera.
Ra larga do Rosario
n. 44.
RA LAMA DO ROSARIO 137
Este acreditado esbtlwlecimento augmenta
de dia em da quanto possivel para ehe-
gar ao caaM do bem vver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para una ao
pocooo, como p:ira numeroua laniilia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e liygene, temo-la sempre em abun-
dancia para facilitar excellentes banhos.
CIIARLTEnlA EPETIT MSfAIMff
Annexos ao Hotel Central, ra estreita do
Rosario n. i A, andar torreo*
Para dar a conhecer a variedade infinita
de charutos de ilavana, Babia, llio, etc. qoe
existem nesta novo estabelecimento pres-
cindimos ilos annuncios pomposos que ge-
ralmente se fazem, reduziiido-no apenas i
tres letras que s3o tres bbb bem, bonito e
barato. A' vista do genero annunciado po?
de-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
Aluga-se
lima preta eserava qua osteja acostinnada a ven
der bolos pelas ras : a tratar na na do Vicario
n. 14.
ASA
DB
Enpresta-se dinheiro
sohrc jftias de ouro. pra-
(a, hrilhanl.es e podras
preciasas: na (messa
das Crues n. 2,. junio
a esta Ivpograpbia. \:
andar.
pi: ni no
Pede-se ao Sr. Manoel da Cota Pereira. prati-
cante da w^particSD das obras publk-as ora em
Jaboato, que eompareca ra Augusta sobrado
n. tO, alim de saldar o* s*u debito ou pagar o
que poder e isto com brnvWade. *
Fundico da Aurora.
-NVste vasto cstabolectmente ?empre se encontr
um completo sortimento de taixas do ferro buido'
c fundido, fabricadas recenteniente, o so lahricam
de qualquer molde a vontade dos compradores, e
recos razpoaveis.
Preetsa-se de urna amaqii <:iil7a^lM'iu cos i ha r
fiar casa de rapaz solteiro : a tratar na rna da
pileta do Recife n. 56, loja de l'erragens.
------------------------------------------------------------------.---------------------j_ __
Ha tambem urna boa bihliolheca e perio- gon taiubein das eondic5es daumeleganle
dcos nacionaes e estrangeiiw, piano para c pttil ntkmrattt onde se piul ver a es-
recreio, buhares, etc. etc. peeialidade dos hambres e salames de Lioa
Sendo ociosa^ .quakpiei" recommendac5o para lanches e at fazer urna boa cola?5o,
para i to acreditado estabelceitnento, omit-juntamente com os principaes vincos do
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o Iwm a pura
fim, que o bom servico, ordem e morariiRi- e fervente. champagne, o mui saboroso Rhe-
de imperara n'esta casa, como olxervancia no, a primorosa ceneja, o licor espirituoso,
fiel do regulamento que possuo. o quanto pede urna mesa. Faz-se nouU
Comedotas a la carie. sijrvete o vai-iedaile de refrescos.
FRMCA-BRASIL
o
AIR. BBRCIER, alf.-;at. fnmcez, previnoao respeitavel publico o a seus nuaierosos fregii^-
es que, tendo transferido sua rc-idencia para a rna do Trapiche n. 7, primeiro andar, ahi encontrara!
sempre todas I* qualidade de lazendM psra trajus de honiem, e prepara costnmes para m senhora. /aztainbeinolir.is pa BiiitaWWniilOWIi>bu% pra as quaes tem gramlo sortimento 04
botes simples, com vfc^la e corta de conde, brancos e aniarellos. Recebe por todos os vapores
ullimos ligurinos para hmneni. enhoras emeninis.
Aiia
Pre urna nina r Ijons costil me, que cozinHo bem : 1 tratar em
urna das casas de azulejo da ra do Sebo n.38, ou
na rifa Nova, loja n. 47.
CUBA DOS GALLOS.
"ornada galonpeau.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo 4 C.
34Rualarra do Rosario^134.
Na auseneia^o at>aiw> assirnado foi entre-
gne no sabbado 1.1 do eorrente em seu cstable-
.'inirtiw nia larga-do Rosirio, urna pipa cdtti
vinho da Figderra marca ARP-. naturafme^te
engao do rarroeetro qtre enndiizo a nosW
pois a quem ella-ferMn?a, baja de a mandar b<-'
car que lhe seri ena^gue,-pa^ndo o rew#*u
frete e annuneio. ^^"
\m
a quera ier'tomprio urna eadeii
a LuirXV.ejeomalrHm n.io}ymHtBJtm*o a mes-j
na e dcscobrndo o vendedor
B.35.
sima
1 Precisa- e de ama ama para comprar e cozinbr
para casa demoeo solteiro : na ra da loiperatriz
numero 26.
Antonio Alvos
PraoiM-se de urna ama
118, mmdar.
JWLL
n* ni t Crespo n.
Preeisa-se de urna ama para cosinhar e com-
prar para casa de pouca familia : na ra da Pe-
nda n. 27.
Ama
Precisa-se de urna ama para-lodo o servico de
una casa de pouca familia : na ra da Ponha n.
|5,2 andar.
Irmandade do Espiri-
to Santo.
Por dcberacab da mesa regadora da ir-
mandade cima, rog a todos os nos-o-
iranSos, para que comparecam no consis .li-
rio da nossa igreja, no dia If do rorren'e.
as 3 horas da tarde, para encorporados
acompaBfcarmos a procissao do triumpl o.
qne tem de sabir da Ordem Terceira io
Carmo naquell: da, a conrrte da respecti-f j
va contraria
Manoel Miz da Vega.
____________Escrivio- inlerino
Pre de taberna e d dador a sua conotrea r cm Api-
pucoe, taJberna do Machado. I
VALOR THERAPEUTICO
DO
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
DE MIMU1LT E COMP.
rhtnuMullwa da I. A. I. o prmi>t KlptUti, em Paria.
A assocacSo doterw c'da qninaYetolveo um os mais mportantei problemas da pnarmacia,
e faz em que se congratulara os mdicos dos relevantes servicoa que lhes presta esta orc-
paracSo. F
Com effeito, ninguem ignora que a quina, em mateira medical, o melhor tnico que se
possa empregar, sendo, sabiondos unid ao Phospbato de ferro, a mais estimada das pre-
paraces ferruginosas, pois queBtram na aia composicio o ferr, elemento do sangue, e o
phospbato, principio dos osses.
Por isso, julgmos que, para os srs mdicos, serio interessantes as ohservacoes feitas pelos
sens collegas, os mais disncios do Pars:
Bst Xarope preduz os nuda fezes resoltados nos casos ae dyspepsi*, chlorosis,
a amenorrhea, heinorrhagias, lencorrheas, feftres typhoidas, diabetes, e quando precisa
KSUbelecer aa.forca dos dpentes e restiiu- ao corpo as forcas Iteradas ou perdidas.
ARAI,, medico de S. M. o Impender.
a t orna das raras combinacaes qne, ao wiesmo tempo, satsltecm o medico e o doenle. Era
a quanto a miro, eu a considere conw .a maia-ekaz preparaco ferroginosa, cojo uso dos
a mais afradaveis para os doentes.
CAZEiVAVE, medico do tujspal SUui-Lout,em Parts.
Com esta preparacSo d'uma fdrma agradavel, e fcil de digerir, adminiatra-se aoa
doentes doia ledicamnios importanies.
CARRIEft, chefe de ctinica da Ftmldait d Pars.
Eu emprego com o maior exko o Xarope de Quina ferruginoso, e o comidero como
urna das mais felizes innovacoes, na mateira medical.
CHASSA1CNAC, cirurgiio m chefe do hospital Lariboisiirt.
* Este medicamento, sempre bem aceito pel? doentes, deo-me constantemente oa maia
ventajosos resultados.
HERVEZ DE CHEGOIN, membro da Academia de medicina.
A limpidez d'esta preparaco, o sen gosto agradavel, iscnto de qualquer sabor de
ferro, fazem d'ella um medicamento tao eflicat como agradavel. >
M0N0D, addido afaculdnd de medicina.
Deposite m Pemombueo, em casa de itaurar a O*.
1ITIII
flPPIlliO
i&RROS NDIAN3
INDICA
Vf'NIWi.t'.sPHARWAr! I nAR!S
ICFFICAfll
lOSIDIlll
Todos oa meina at hoje preconisados contra a asthma nie tem sido mais do qne p
dcbaixo de todas as formas, tendo por base a belladona, o estramonio 00 opiojbentea expe-
nenaaa feitas e.n Allemanh, repetidas em Franca e na Inglaterra, tem pmrfdo tndiode Bengala posaoe as maia. nouveia proFiedades.ara eombaku aaSTtWaal afTeseie!
asfiMn como>atosse nervosa; a msoania, a tysioa larynfea. a rojMuidio, anihioata doTI a. I
e ss nevralgtas laciaes. El pws com o apoio da cieu qw offepeeemoa estas ciga reZ nnna^!
dos com o extracto de cnamo das Indias, qne na imrortair i aBassT
Deposito esa Pernambuco. em easa de"



BBBJ
/
friarF


-
i^m

Ti
Diario de Pernambuco Quinta feira 18 de Marqo de 1869.

Grande lipidagrio de miudezas I
Alfonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
loja na do Queimado 11. 5o, resolveu annuneiar as mesmas miudezas, para que o pu-
blico se certifique do diminuto prego porque as est vendendo, a si
Caixa com agulha franceza a
Caixas com 100 cnveloppes a.
Pegas de babadoseentre-meios
a 500, 600, 700, 800 e. .
Pecas de fita de coz com 10 va-
ras a ........
Linha de marca, caixa com 16
novellosa.....
Coques muito linos com rede, s
a rede val ... .
Frascos com santos muito linos
a.........
Latas com banha (familia), a
160 e........
Carto com alfmetcs a .
Copo cora opiata muito fino a
400 e .......
Cartas francezas a 200 e .
Ditas portuguesas a 120 e .
Caixa de linha do gaz branca 50
novellos a......
Frasco com Unta a 100 e .
Frascos com banba a 330 e. .
Frascos com agua de Colonia
l'iver a........
Pentes de travessa para cabello
de meninas, s a vista (as
f, a........
Laa para bordar, libra. .
Novello de linha grande com
400 jardas, S 8 visto faz
f a........
Pares de liga de borracha para
pernas de senhora, muito
boas a .......
Franja branca pava toalha vara
a.........
Resma de papel almajo, muito
boa fazenda, com 85 cader-
nos a........
Caixa com papel amisade a .
Jogo de vispra a.....
Sapalinhos de laa para meninos
a.........
Pegas de tranca e caracol a .
Jabonetes de todas as qualida-
des a SO, 160 e .
Frascos com oleo babosa a
400 e.......
Pinceis para barba a. .
Gaz a........
Frascos com agua de Colonia a
320, 400 e......
Pentes com costas de metal .
Carteara de marroquim a .
Pentes pretos para tirar piolhos
Escovas para cabello a 400,
500 e ......
1G0 Carrafa com agua divina a. .
',00 bravatas de seda de cor a .
I Ditas pretas a 400 e .
ISOOO Botes de lonca para camisas, a
I Garrafa de tinta j-oxa a. .
Loncos brancos para mitos
320' *.......;
6:>S00 Par de suspensorios para lio
mens a.......
I Espelbo de loucador a. .
60 Frasco com elveiro muito fino
a.........
Bandeja para copos a .
60 Mcias croas para homens, boa
| fazendaa 3% 3;>000, 4?S e. .
200 Abotoaduras para cohetes a .
160
500
I .$000
500
240
109OQ
!>200
200
100
500
210
160
600'
2:>800
700
.00
320
40
200
600
200
320
500
320
.00
200
CASA DA FOBTUNA
Aos 4:000*
Bilbetes garantidos.
A ra do Crespo n.23 e casas do costme.
nos
seas
3138
a
600
I $800
320
500
160
800
O abaixo assignado tendo vendido
muito felizes.buQele* garantidos un. mcio d
com a sorto do 4:000*, um inteiro n 4473 com
arta de 700*, um quarto n. 1361 com a sortc
do iOU eouas multas sortos de iOOfc *"**
iOS da lotera que se acabou de -stratm em
beneficio da matriz de Nazarclh (98 ),conv.da aos
possuidores a virem receber seus respectivos
premios som os dcscoutos das leis na casa aa
Foriima ra do Crespo n. 23. ... -
Achara-se a venda os da 2* parte da lotera
beuelfck) da reja de Nossa Senbora da Sotet^
de (99) que se extraliir quarla-foira 24 do coi -
rente mes.
Precos.
Bilhete.....4*000
Meio.....2*000
EQuarto.....ijOOO
Em porcae de 100* para cima.
EBilhcte.....3500
l Meto......1*750
Quarto..... 875
Mauoel Martina Kniza._____
AttentfW
O baebarel 01 vmpio Marques da Silva pedeM
seus constituintes que, durante a curta aosewo
que vai fazer d.'sta capital, se enlendam com os
Dra. Uanool do Nascimento SI. Porlella e Joao Wl
Pinto Jnior. ^^_____
Veneravel ordem ter-
ceira de N. S. do Car-
ino do Recife
a armaco o pertences da taberna da ra Direita
n. 50, propria para qualquer negocio ; assim eo-
ni'i larnbem se vendo urna dita envernisada e en-
vidracada, que se ada desarmada na mesina ca-
si : a tratar na ra da Penlia n. 8.
Vende-se
Vende-se um burro pequeo, ruco, com an-
Procis Vendo a veneravel ordem tereeira de Nossa Su- dares, propno para viagem :' para ver e tratar na
nhora do Carmo dcsta oidade de apses^ntar a vis-; eocueira do Sr. Beinjamin, junto a estacao dos tri-
i'ini a quaresma
Na roa estreita do Rosario n. 38, sobrad de
um andar, fazein-se (loros de todas as realidades
para ornamento de IgreJ, altar, andona e sepui-
chro, inclusive arcos, palmase rosas, e todo qnon-
to for concernente aos sacros actos ; assnn como
., i. preparam-so para lora com a inaior presteza
quer encommenda neste genero ;
ta dos fiis a sulemnissima procissao do Triumplio
dos Pasaos do Senlior no da 19 do rorrnnle uioz
as 3 bors da tarde, e desojando i mesa regedora
que esta lOto soja revestido de t>la a pompa e
inagRiueencla, manda convidar a todos s cliaris-
simos irmaos, para que pnramentado* coin. 'cus
hbitos comparecam naigreja do nossa ordem no
referido dia c hora indicadas, aflm de que ae u-
panbando a mencionada proeissao, eooporent por
esta forma para o seu maior explendor o brillian-
tismo.
Secretaria 13 de mar?o de 1869.
O secretario,
_______________Joaqnim Xavier Vieira Ligo.
Ordenado ou interesse,
Prorinnci do um homcm pmfectndb-se de maio?
idade, suficientemente habilitado a" bem adminis-
trar um estabelecfmento do seeeo e molhados :
trata-se na ra Nova n. fio.
Ihos urbanos.
Vende-se a luja de miudezas n. da Impcratriz : a tratar na mesma.
Yende-se
no engenho Dons Bracos de Cima uina moenda cin
perfeito estado, Una de ferro, torneada de novo, e
que est actualmente en. servico : quem a preten-
der dirija-se ao dito engenho, onde nao so a oxa
minar, eomo achara com nnem tratar.
Vende-se, com a eoadkao de ser para dentro
desta cidade, um bonito casal de cscravos (marido
e inulher). vindos de fora da provincia, ambos
moc,os, robustos e sem vicios ; assim como um
inolequinho de 7 anuos e um cabra de 20 : a tra-
tar nos C.oelhos, roa dos l'razeres u. 22, das 6 as
9 horas da manba.
entro sim tam-
0 commeadador Joo finio do Lemas, Antonio
Jos Leal Heis, Gregaria Paos do A man I e Joia
da Silva Lentos (minanos, sogro. lestameuteiro,
socio o lilho de Ciuilherme da Silva (iiiinuiraes,
fallecido em Lisboa no dia ti! do mea prximo
passado, Convidan! pelo presenie aos prente- e
amigos do finado para assi alma do me.-ino iiiand.un celebrar na igreja do
Divino Espirito Santo, sabbado 20 do corrate as
confes-
200
-_>>;oo
iieoo
OO
4/>500
320
bem se fazem fiores mimosas propnas para enei-, 8 horas da mannaa, pelo que desde ja se c
lar vestidos, Balotes e capacetes de aojos, e mus sam summam. nte gratos.
barato que em outra jualquer parte. Na mesma imm i.......1.1 -rimT.. .......n.^-
tar
barato qiu
easa se encontram j preparados e proinptos a
venda o seguinte : ricos ramos de seda enleitados
canutilho com Sons de cera propnos para do-
mingo de Ramos, vidlas enfeitadas ricamente, bor-
dadas a ouro. proprias para baptisados, caponas de
llores para meninas c. oivas. Alem disto so en-;
cumbeni do preparo do bandejas do bolos linos]
enfeitadas de conformidade ao m a que se desu-
na, quer seja para casamentos, rque para bailes ;
fazem lambeni vestidos para a quaresma ou ostro
qualquer que se precisar com a maior piumptidao
e asseio.
Aluga-so
urna casa e sio na ra das
Per0Hnbucan9 porto do Jacobina (C-pun-
fa) n. 48, com-aconunoilaco para grande
familia, bastante fresca,e cujascba\os p.ua
ser vista uoIui-m na casa juuto n. 5o l :
tratar na tua do Pilar, sobrado junto- ao
arsenal -do- mariiiba, 9\ andar.
Ama
Preci--a-s.Mia ruada Clela d Rocife toja nu-
mero 9._________^_________________
Urecisa-se de um menino de 9 a 40 anuos
! para criado de urna pessoa. nao se imjiorta que
soja escravo ou livre, e dando liador a
docta ; qncm o tiver lirija-sc a ra '
sua fon-
do Alocrim
I n. 03
| __,-rtSS; humh nnantHm n-t^adn d ha-} -A pm*m*hmum.*wiM J^w
lavis clwiros do que usam ira ^u a ma f)ircita a. 88, um cordao-_le mrv4i''|wiUrao do .-lio um vale da quantia
Carros fnebres no pa-
teo do Paraizo ns.
10 e 12.
M. G. Agr est atesta desie es_ibetoeimento,
no qual j tem leito muitos inelboramenU pata
bem salisfaer suas ohrisacoes nao poupando
cxforciis para por dito i'stabelecinienlo uo pe que
desej. 0 annimcianie prato s provas de cm-
flnca e con^draceo que todos o seas amigos*
o p'irolwl Ib lem" dispensado, nao pode deixar de
trihntar seu recoiiheciiiienl-', pelo que eterna
mnic ns_l- ___________________
Sr. Antonio Francisco Ruarte e sen mano !'r.
Mrtximhno Prtmrisoo Duarte venbam k ra l'iii-
u n. 83J loja do Brag et c.__________._ .
Sendo en de lia muilo coni.vi.lo, COlunjef.
cialnitiite). com o nomo do luuacio Pe.-sa da Sil-
va, e sowento em meii batalbio, se nw con_ee
com o mou aiiiign nouie.lynacio PbBBOft tsteves
da Silva : decl: ro que, dora avante a-sinar-me
hei, quer coinmercial, quer iiartimlarmente.
HKife, 16 dentarede'4861).
Iqnarto Pma dn BWwr.-
" da
T___MFO_^_fc
TOXICO DE JA.VE
RA DO QIE1MAHO N. 35.
Farinlia de milho.
Vende-se farinha de milho amarello muito fina
a 3 a arrojia e 100 n. a libra : na taberna da
ra largH do Rosario defronte da botica do Bar-
ihokimeu o travessa das Crozas u. 16, esquina
quflTolta para o guarid de policia.______________
Cpsulas de Baquim
Os bons effeitos destas capsulas para fazer ees-
sar os gononbeas acham-se comprovadas pelas
experiencias de muitos anuos.
Os mdicos de todos os paites as recommendam
pela sua efflcacia.
v;nde-se
HA
Pharmac! c drogara
na
BARTHOLOMEU C.
Ru34a larpa do Rosario34
Ra do Queimado n, 49 loja de
miudezas de Jos de Aztvedo
Mata e Stica conhecido por Jos
Bigodinho.
Esta queiniando o objectos abaixo declarado
pelo diminuto prego, a saber :
Frascos com agua de Colonia vordadeua a 1.
Garrafas com agua Florida verdadera, que se ga-
rante a ii.OO.
Palas para rejacar cabello de meninas a 3.0 rs.
Thesouras muito' linas para unlias e costuras a
5U0 rs.
Tintciros cheios de tinta muito prcta a 80, 100, 4W)
o 400 rs.
Varas do franja branca de linho para toalha.1* a
160 rs.
Caixas de phosphoros de segnranca a 20, 40 e
160 rs.
Xavalhas de ciIki de marta e ijue se garante a
qualidade a _>.
Libranlo 13a para bordar a 7_.
Pecas de lila bran a elstica muito superior a U0
:MX) rs.
Novellos de linha branca com iOO jardas afiflp.
Ilesmas.de papel de peso liso muilo lino a -f&Ob.
Latas com superior banba a 200 e 400 rs.
Caixas com seis frascos do cbeiio inuit* fino a
KOO rs.
Caixas com doze frascos, azeuda s lioa a lj.00
e .oOO.
Frascos eoffl superior oleo IHoeome a "iOO rs.
Catangas de sabio transparente muito bonito c fi-
no a 240 rs.
razia de paos de pomada do Bcino, da melhor
qnalidade a 240 rs.
Tecas de tiras bordadas limito finas a oOO, 660 e
800 rs.
Ditas de babadinhos com del varas a 600 rs.
Canilei- de linha de todas as cires, para acabar
a 20 rs.
Garrafas oom .ipua divina a IJUSOO.
Fnweos com superior macaca perda a 320 r
Caixas do vidr.i i-oin il"/.! dfdaes, que s a caixa
vale dinheiro a 200 es.
Dila- de. niadeia eoin aillne s, o que ha de n.e-
Ibor a 320 rs.
(Irosas de b^toes de lonca, lisos e bordados a
160 rs.
Caixas redondas para rap emitanlo tartaruga a
15500.
Pecas do fita para eos da melhor qualidade a
OO rs.
Escoras para limpar denle-, Calenda que s a rs-
ta a 240 rs.
Ditus para limpar unhas de superior qualidade a
.'iOO i-s.__________________________________
Grande liqakktejao.
0 proprietario danliga e bem conliec ida
loja de miudezas di-iioininada (Beija Flr>
ra do Queimado n. 63, querendo acabar
com o sortimento de miudezas que existo,
tem deliberado proceder a urna completa t-
(|iiidaCo, para o que chama a altenrodc to-
dos.
Os objectos serlo vendidos por metadede
seu valor, epara que o publico, nao suppo-
nha, que o prsenle annuncio una illaso,
o proprietario da dita loja olli'iece urna pe-
Essas
apreciadas
respoitavel
que estao q._
rerbio, quando se v un objecto de elegancia,
gosto, novidade, etc., etc., dli-se logoai|uelle ob-
jecto sem d'ivida toi comprado na loja d'aguia
branca. ,
Quando no club, nos battes, ou no satao do
Santa Isabel, urna <\c llontissima se anrcsenU
Sarbosamente trajando, iiazendo o moderno cinto
e raui iarga t% lisa, vhamaltrtada, ou escasean,
as suas admiradoras airan aemeigo aquella tita
oi comprada na loja d'aguia branca.
Quando outra exeellenti:--'>.ia, nao BMMt gar-
osa, mostra o rigor do seu bom gostd na acertada
escotha dos eafaitaa de alta nmade quo bella-1
mente ornam seu vestido, anda mesmo w rivaes
le sua synspathia confeseamqaeaqneUes enfeites
foram da leja d'aguja branca.
.i.oerar da sin-
sedo suaon*nUlm, eis M ua-mu indo toma
'lSuliSrSSi^Su. ilrmandad^ das .jjna*tsa^7^^-f,l4f
linio maiM que amua .**i*i*nwvf ^ Tseti-pnasivel vi-ur riiieija), reeuJliendo-se i ste
falla dlzer. ia iitlI fin KSt1- NilP1*>b-k*n'< "ni ak-uui rei-eado do> anwboWts, e oliri-
IIH UltiUlZ U W* K7*CiprVi|tidM) a uaI3|.a com)etent,. pMncpm aa. qui-
tes sempre que qneira transpi la ?!...
0 -Se. d Quando em nm circulo-de circnmspectos carac-
teres se discutir a veracidado do Uiesdizores, appa-
reccr um ontroque queira ainda levemente inter-
romper a tiscussao, os prhneiros por momento es-
quecerao a circunispeccio e lhes darao um gra-
(i ko defeique dizendokieV-j sabemos que V.
um daqudles que inclina o chapeo de sel ou que
merectt ser designado peta aguia branca da ra
do Queimado n. 8.
sao tantas as Misas <|mc por
nas eseapam as ontras.
meiito da.Boa-Vista
Pat orden) d. mesa M^sdoia-coavido 4 todu <.>.
noasos irmaos ata de comparecerein em noss;
SERAS PRETPAASHA A A U 0 COVADO.
Vendem-se sedas pretas lavradas, fazen-
da muito superior, que com avantajada
ottraquc tem, ifetm I .'i ovados daoom
vestido, e sendo fazenda que em ootrt
j >0t). mas por seter comprado urna
irramle porcao vende-se a :SUUU o covado
nicamente na luja earmazem do Pavao :
ra da Impcratriz n. 00 de Flix Pgreira
da, Silva. ______________
Vnidom-se ejeo-escraffos, sendo dua--es-
cravas. um escravo, o dous p ti|ueaos : quem os
juena lista de alfiimasniiudezcs, com os BCM >
diminutos precosc nao aposentando urna lista completa de to-
dos os objectos'qne BtSo expostos a venda,
pela ranb de se tornar nm annnncio muito
extenso e por consequencia de enfadonbalei-
ar.tura, por issoapenas lemita-se as segnintes:
C,:iixa de envelepes de cures. G
Ditas de nivelopes com tarja1.
prela.........
Ditas do onvejopes braufcglDr
des.........
Dilas de euvelopes grandes e [ >-
ipieiios. .......
' Libia ile laa para burdar. bUfttdn
" Du;:ia de ca.loe.s de enrabite i.:.-
ce/.OBCoui i pasea cada caria*
70f>
000
7*100
900
pretender dirija-se ra da |Hosrio da Boa-Vista Dita de COlIlCPS de metal ]
Algam-sc dous moleques
de. idade, e bem assim urna
J ia esquecendo a aguia branca.-mas em tempe! do SS. Sacramento da Uua-Vsta
, .jiezarua sin-' [eulbron-se para noticiar, que receben urna pe- i 1809. O escrivao,-
de sem porte Rgraiawl, e ve a&bonitas ; ((Uona qoatidadc de enleftes para coques e gram-________Antonio Fernandes dos Santos.
pos para ditos, tudo feito de metal rom lindos e Alncaio-se dous moleaues de 8 a 12 ann
agradareis coloridos, obras estas pela nrimeira vez
apparecida*, e portanto inteira novidae.
Tainbem chegaram novamente delicados enfeites
Quando mesnifl duas exeoil'ntissima, amigas | e flores ornadas de aljofares e vidrilhos, tanto de
imigas de-odlegio, se eneeotram naipielies' loga- paJha para coques como para vestidos, e tudo
res, depois dos cuiupi inemos de recprocos beijos, contina a merecer a apreciacao das exsellentissi-
tnbaas por frca de sua elevada delicadeza, pbam I nas CAimVcedoras do bom.
O abaixo as'siizndo previne ao publico que
Antomo Doarte, por quanto est pendente do juizo
docommercio urna ac^-o de letra por deb! 1 do
niesmo padre.
Ileeife, 17 de marco de 1809.
Amaro Io$i ios Prtixt <
Quando n'outr* exceHentissima,
elleza de sem porte Rgraiawel, "
luvasde pellica duquoza rs suas bemas ami-
gas louvam-lhe o gosto e confe^-nm queaquellas
uvas foram da loja d'n eissTio do Seiibor dQS L'assos, que deve sahir
groja do Santa Gnw> paca a 4|uaUivemoB a hon-
ra de sor convidadas pela confraria do benhor
Bom losns da Via-sacra da mesma groja.
Consistorio da irmandade das olmas na matriz
l\ do nireo de
do
preta com urna filha
do 7 para 8 annos, por commodos procos, garan-
tfido-se bom tratamenle: a tratar na ra. do
Ouaimado n. 13, 1" andar.
Da-se":i:0O a juros em bens de raz livres
e desenlieracados I a tratar na ra do Imperador
e'om o tabelluo Almeida, Jue dira quem os d.
O interesando em saber, se su advocado d.;
Jos RiHlrigucs de. Pasao, entenda-so com este
mesmo. ......
Pfreir EPIDEMIAS
O LICOR DE LABARRAO.UE ura preservativo seguro em lempos de
epidemias : cholera, febre amarella, peste, typho, etc. Devem evitar-se as fal-
sificaedes as quaes sao a maior parte das vezes nial preparadas, sendo por isso
mais nociras do que uteis. Deposito em Parii, L. FUERE, 19, ru Jacob.
Em Kio-JaBctro. Duponche'.le; l. Tesdorpf. Km Paraantaeo. Mover.
Preci#a-se do um criado : a tratar a ra
efctreita do Rosario n. 28._______________________
Precisa-se alugar una osera va par lodo ser-
vico de una casa : quem.tiver, dirija-se ra do
Arugo n. 18, casa reedificada de novo. ,
1 I
(tliveira & Maia fazem publico para sciencia
i do respeavel corpo do coinmereio, c de qncm
1 mais interessar, qne na presente data venderam
ao Sr. Romo Jos ds Silva Marques a taberna que
possuiam na ra do Rangel n. 67, livro e dosem-
baravada de dbitos e do .qualquer onus, nao ten-
do o comprador responsabilidade alguma pelas
transaceoes tendentes firma social dos annun-
ciantes.
COMPRAS.
11. 6, tiuc achara com quem. Ira lar.
YfgpUjieae de pinbe para masUtres, verga.-
o retrancas, todas de superior qualidade. Tintas-
Verde l'aris, branco de zinco e preta, em laias de
li e 28 libras, j preparadas, oleo do linhaca em
no armuzem de deposito da companhia
ernanibucana, no largo da Assemblea n. 10.
Dita de ditas para cha. .
Concha de metal principe para ti-
rar assucar. ,.....
Boluadura para collcte. .
Pares de luvas de fio da escocia
branca e de cores para boniem.
Ditas de dis para senhora.
Precisa-se de urna ama para'todo
do casa de urna ? pessoa : a fralar na
Seii/aia-velha n. 132, i" andar.
servico
ra da
0 MUSEO DE JOIAS
GOMES DE MATTOS IRMAOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
onde encontrarao um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata o platina se pode desejar.
ADEREMOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, e que devem cauzar um grande effito nos trages quares-
maes, assim come grande variedade de salvas e paliteiros de prata con-
iiida nao visto.
C*2
trastada e de gosto
Gompram a trocam qualquer joia ou peda preciosa, e -^rajil^w
a qualidade dos objectos vendidos.
DJUiJ .11
',',,'! I I !
.w-
Com muito maior vantayem
Compra o Coracao.de Ouro, n. 2 D, ra do Cabu-
^, moedas de onro c prata e podras preciosas.___
Oyro c prata
om moedaeom obras inutilisadas, compra-sopor
bom preco : na praca da Independencia _n.&__
Na praca da Lulependoucia n. 33, loja de ou-
rives, compra-seonro, prata, e pedras preciosas.e
tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
todo eqivilqner concert._____________________
Compra-se
zinheiro de lo a 18 ann
rna da Cruz n. 19, 1" and
0 Hiiizeo de j(s
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por precos mais vantajosos do
que em outra qualquer parte.
Compra-se
hoje libras esterlinas, ouro o prata de todas as
nacoes e por maior preco do que em outra parle :
n ra da Cadeia do Recife n. 58, loja do azulejo.
"^Comprase urna cscravinha de 3 afi anuos
de idade, que soja sadia : no lar^o do Cor^San-
to ri. 1^.
Um preto cozinheiro do lo a 18 annos
na casa da rna da Cruz n. 19, I" andar.
a tratar
Manuel Alves Ferreira A C, na ruada
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
superior potassa da Itussia em barris e meios Fita para sinto de senhora. .
kuris c cal de Lisboa da mais nova que, ha l'ares de sapatmhos de casmnta,
no mercad. bordados. ...
------------------------------------------------------------Pegas.decascanillia de laa. .
Tinta. rOxa de Mon-:^,;1,";',,,1,; ""T"."^
tpil*n 4 ^hl Prel d;! -barba.
tliu. j Caixacompparelbode chumbo
Vende-se tinta iota do-JIonteiro para eserever:
na loja do calcado do sobradoi-amateilu la ra da
Crojip.fagl.________________'______________
\\m PEiTORAL mmm
DE
POJVTA DEEIBA1BA
COIU'osto pui.:'\u.%jjo
Pelo |iharniaceu Jos da-Cruz Santos.
Fsta planta.cujas virtudes medicinaos
existiam desconhecidas para a maior parte
dos.nossos acultalivos, devendo-se a sua
deseoberts ao uso que d'elle fazism os
nosios indgenas a sua applicago .de todos us sollnmeutos
pulmonares, boje conhecido como o me-
dicamento mais ellicaz para a cura de as-
thmn, brouchite, eoqnolueilQi (lenemonia.
u al a plitysica, produ/.iuduum eleilo mi-
agroso e pruinpto.
Para um adalto 3 4 coHiQWS de sope
ao dia puro ou em cosimento peitoral.
Ciiancas, -la icolheres dec.
Preco 2,9006 o frasco.
Pernambuco, ra Novajioton.iI,
a CiO, 1009 e.....
Boneca de cera a 1-S00O, 1-5200,
300, ,W000 e.....
Apparelho de porcelana para al-
moco e jantar......
Jogo do Vispora......
Caixa com napa) branco e de co-
res. ........
! Infladores para vestido. .
Caixa de linha de,marca encar-
nada e a/.ul.......
Sapalinhos do laa pai a meninos.
Tocas.........
rrj; cii.ti-t:;-.-
VENDAS.
C/2

wm
------------nz-----r r
Vende-se narua da Impcratriz n. I't, 1' an-
dar, urna escravinba de 9 a 10 aun-.
Fazeuda barata
Chitas linas cores usas com pequeo tor
que d'avaria a 200 rejs o covado.
\[ Ditas lrgase finas iiadies claros o es-
euros a 280 reis o covado.
Ditas miudinhas padres novos e de gos-
,to a 210 o covado.
Pecas de madapoleo boa faenda a ',5400
Dita de ditos largo a o600.
dita de ditos fino a C&M'O.
Ditas de cambraia victoria fina a o#200
Alpaoa de cores e branca, QMA vestido
fazenda cncorpada e de gosto com duas
larguras, a 800-rs. o covado.
Xa tua da Madre de Dens n. loja de
fazend*
m casado Theod. Chnst;uisen, rna do Coin-
mereio n. l\ enconU'am-se eilectivamente todas
as qualidades de vinho Bordeaux Bourgognee d
Hheno.
Farcllo muito fino
saceos grandes a iiiOO o sacco : no largo do Pa-
raizo n. .10.
Libras esterlinas
Ka para vender, no cscriptorj^ 'de morim /r-
riaos, ra da Crnz n. 3.______________
LIBRAS ESTERLINAS,
Vendcm Augusto F. de veira, & C, nosejrar
ma/.oiu de fazendas, nui do Cogwnercio n. 41
E PENAS
GOMMA B PENNAS Bfi EA.
I Vendc-so na ra do Queimado n. 18, 1*
andar.
JARRAS A tt.
Vende-se na ra da Lana n. 1">.
*m
m
-TTT,
^~3
iiBomVii
tences. aue serve para padaria, n
iro qualqner estabelecimento
Giteira, oo Rocifc.
aURW
icaO, ou cu-
no i
Veiide-se
Retina de ancico : na ra do Umado. n. 34,
lujad'' fazendas.
Oha^^ri^deiJJ^
: RA DO CABUG' N- 12 Io ANDAR
, Neste novo estabelecimiJiitq. l{a,flmJndD
s^rtimonto de chapeilinas Je pallia.dIUiia,
oque ha de melhor oeste genero, assim
como chapeo para senhora e menina.
, Na mesma >casa:^jJ).ojda^jdu^r on-
kmenda dfi chapeos on cliapellfnas; as-
gm,aMnti sa,aaiciu:la chapeo de, p^ha< li
cand inteiramente novos, parao.que.ha bo-
nita forma e tiin^gi ando sortimento do Vk
WtPHlfcfenuito- W-
CK
36f)
Cf)0
60
80'
1*20
50O.-
800''
300^
30..
150O
5J00t>
2*XK1
90
700
8
280
40
8*0
Tabellas vorinickla
DE
le Castr.
Antonio Nunes Vermfugo efficaz, c preferivcl a todos es
conheridos, j iiela certeza de seu resulta-
do, ej pela fcil applicacJo as creancas.
enjasi sempre mais atacadas de to terrive
e muita* vozes faUd soflfrimento.
NICO DEPOSITO
NV
i*haruiaia e drogara.
IIK
Oarthomeu & C.
34Itua S.ai'ga lio llosarto -31
FRE9CS
O nico deposito de l"U. a da fabrica do Bar**-
Iho do Ca'uo, sito no pateo do terco n. 12 des
cidadel tem resolvido fazer .raiule abatinu-oto iu s
canos que tem recebidn, 0S.QJUM* fieam venOrd*
pela seguinte tabella, a wber:
De 1 1/2 poMogada cano vkIi aU> por fOU rs.
De i ilitas idejn dem por l&Xti-
De 3 e i (Utas iilem idem por. t*200.
De (i lilas .
I),- 8, i) e 10 dilas dem Mein por HOCO.
Quepan isso tem nina macUiun apparelhaita..
para f:ize-lus com perfeiiii, .-enda rada um coi .
tres palmos do comprimento, a -im como tom
grande smliiento de. Kai';a, Uitito viduia cuu.#.
para resfriar agoa,________________________
Na ra de^Itortas n: t, tem para twdBr-Jk-
jao mulanho muito novo o melher que p bayer neste genero, urna cuia 8(K) ral
Para encanamento dagua.
Canos de ferro, dilos oslanlunlus. '.ules
de pnrceJana, todos com as comtHtteates toiuciras,
enrvas ele : a rna do Queimado a. &1______
a antiga taberna da ra do I
alregu. i i a torra e mato ; J
mesma. ,r* ______ '
Na ra Direita n. 88, cW que fol do tm-
cido Paranhps, iOtf^r* a ve,"lpr/ verdaddr#
,,mmodo3.
tralar

i


G
Diario de Pernambuoo Quinta feira 18 Je Mar^o de 1869.
Liados corles de cassade cor com barra.e com1ig'u;no indicando o molde do vesti-
do pelo baratissimo proco de 3#a()0 o corte
Ditos de percalia milito modernos com duas saias a K/tOQ res
Na toja das Columnas da ra do Crespo H. 13 do Antonio Correa de Vasco-
csl!os & C.
PREQOTORRENTE DOS CHAPEOS DlOL
Da fabrica dr.
MANOEL & C.
Ra Nova n. 23,=Ra do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapeos do soda trancada, Pararon, do 1G hastes, 28 pollegadas a 16,5; 26
Delegadas a 155. e 'i pollogudas a 14^000.
Ditos de seda G. de N. Bara, de aro, de 16 hastes, 28 pollegadas a 14)5;
de 26 pollegadas a 135 ; e 2i poegadas a 12O0O.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas a I2fi ; de
20 pollegadas a US; o 21 pollegadas a 100O0.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 bastes, 28 pollegadas a G?>: e 26 pollegadas
a o!>o00.
Por duzia faz-se descont de 15 OjO
Chapos de sol de panno, debaleia, do 8 hastes, 2'i e 26 pollegadas a 32$
(Dasconto do 10 0|8).
Ditos de panno, de junco. 8 hastes, a 18-5000 a duzia, liquido.
i duzia.
WpHOSPHATOdeFERRO
[rife LERAS DOUTOR EM SCIENCIASJ
ffi
m
n
INSPECTOR DA ACADEMIA DE RIZ Et
DeJiixo da forma d'um liquido sem sabor,
anlogo a urna agua mineral, esle medica-
mento rune'os elementos que constuuem
os ossos c o sangue. E* o mais racional dos
ferruginosos; por esta razSo o adoptrao
os mais eminentes mdicos do mundo in-
teiro. Con\cm niu;to ;ls meninas de icmperamenlo delicado, cujo desenvolvimcnto tardo,
s senhoras que padcr.em dVslas clores d'eslomago iutolcraveis, causadas pela chlorosc,
anemia, menslruaco ou leucorrhea, as criancas d'uma complejo pallida c delicada, e a
todas as pessoas que tem o sangue empobrecido pelas doencas. Efficacia, rapidez d'accSo,
cura perfeita, sem conslipaco de ventre nem aeco sobre os denles, taes sao as ras
imperio para que os senhores mdicos o prescrevo aos scus docntes.
Deposito cm Pernambuco, ern casa de Manrer e Cl.
ALTAS NOVIADES
LOJA DO PASSO
Ra do Crespo n.
Impc
. PARA QUARESMA.
Gorgorito preto.
Setim macau.
Sedas lavradas.
Moireantique preto.
Gros-de-naples
Pasquines de gurgurao e de gros-de-na-
ples enfoitado com primor.
Corpinhos de gros-de-naples.
Basquines, capinhas, pelerinas, fletaos,
de crochet c de guipure, pretos e brancos.
Mantas pretas de blond.
Riquissimos olales detouquim.
Requissimos chales de gurgurao do seda
preta o melhoc nesto artigo.
Chales de mirin pretos com requissimos
bordados e franjado de retroz.
Chales de mirin bordados sullane;
ultima moda.
Romeus pretos com lindos bordados.
Leques de madrepcrola, marlim, snda-
lo e osso, e pretos, para senhoras.
Ditos de sndalo para meninas.
Chapelinas pidas.
PARA CASAMiNTOS, BAILES, THEA-
TUOS. ote. etc.
Lindos cortes do blond, contendn setim,
mantas o grinaldas.
Requissimos cortos de sedas assirn c/tnio
para co vados.
Gurgurao branco.
Moireantique branco azul o verde.
%., esquina da do
i 'o-naples brancos e de cores,
raneo macau.
8tt .. branco, azul, verde, cor de rosa
e aimire'ios.
Fil de seda, branco e preto.
Cortes do seda com duas saias.
Chales de gurgurao de seda de cores.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho bordadas com primor.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Riquissimas colchas de damasco de seda,
assirn cmodo seda e^lgodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
Chapelinas de pallia da Italia, assirn
oemo de seda.
Enfeites para cabeca de senhora.
Csparlilhos para senhoras.
Meias de laia para padre.
Ditas de 13a
Ditas do seda lio da Escossia c algodio.
para senhoras o meninas.
Loncos do laliyrinlho.
Fronhas do labyrintho.
Ricos, rendas e grades.
Finissiniis cambraias decoros, percales,
llasj e outras muitos artigos de gostu o
de alta novid;ido, isto s
razes que
Na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.
'
CAPSULAS VE&ETAES
com MATICO
deGRIMAULT E Cf pharmaceuticos em PARS
Estas capsulas, com capa de gluten, comeem o balsamo de copahiba associado essencia de
Matico (arvore do Per), e constituem um remedio infallivcl contra a gonorrha. Ellas obro
sem cansar o estomago e no provocJo nunca os enjOos e nauseas que occasiono as capsulas
ordinarias, tendo a immensa vantagem de nao communicar oheiro s ourinas. E' por estes mo-
tivos que ellas sao superiores s capsulas de copahiba, cubebas, etc.
Deposito em Pert.ambuco, em casa de Manrer a O*. *
aswwi i mili ii '>'ia-i'gii*iiSitlliWWP'ii'ii 'ili'iMaMMM^W^^^^I
Apprtta(ao
da acadiaia
ic owrf ct'na
d Part.
wPOS
MAN5
ITouBUl
PhamaceuHco
hurtad
ia academia
i* wuiteint.
EFFICACIA
As prepararles ferruginosas liquidas tem desde muitos annos merecido a approvacSo
especial aos mdicos, porque ellas obrio mais rpido e seguramente do que as pillas, e
sao mais fcilmente toleradas pelos doentes. Os Pos ferro-manganicos possuem a inappre-
ciavel vantagem de poder offerecer n'um instante orna agua ferruginosa gazeosa, de gosto
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de mais um elemento precioso,
o Manganese, que sempre se acha ao sangue, jnnetamente com o ferro. Empregio-se em
todas as molestias cue tem por causa o empobrecimenlo do sangue, assirn como para vigorar
os temperamentos debis e lympbattcos. A chlotose, as Perdas brancas, dores d'eslomago,
a irregularidade da menstruacHo e amenorrha ou suppress3o do menstruo, cedem rpida-
mente a sen empre;o. Devemos mencionar aqu um facto notavcl, isto que os doentes cura-
dos pela agua preparada com estes pos esto muito menos espostos a recadas do que
aquellos que forao tratados pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pervimbuco, m casa de Maura o*.
.^^^^^^^^c^^^^^^^^i^^i^^;^^-^^^//^
DO
XAROPE DE RBANO I0DAD0 f nil 111 JC D| AMPARn
_ 0 Xarope de Rbano iodado de Grimault e O. nbarmareniirn* H* <; i i .:-. Ji LULflW U MLHI Wfll \\S
M)|
0 Xarope de Rbano iodado de Grimault e C, pharmaceuticos de S. A. I. o
Napoleao, em Pars, preparado com o sueco das plantas ao-escorbuticas cuja eficacia
j-ECer? b fA como.combinaclo orgnica, e considerado como o melhor succedaneo
ao oleo de figado de bacalho. vw-uo
A rara perfeicao d'este producto anima-nos a dar a conhecer aqui a opiniio de aleuns
d entre os pnncipaes mdicos de Pars, que diariamente o prescrevem.
O Xarope de Rbano iodado i um medicamento d'um effeito suave e seguro par
t medicacao dos meninos, nao smente suppre o oleo de figado de bacalho, mas anda fu
c as suas vezes com vantagem.
Dr A. CAZENAVF.. nudt n chefe dohosvilal Saint-Lou, em Pars.
. 0 Xarope de Rbano iodado 6 um medicamento de primeira ordem para o tratamento das
t aireccoes Iymphaticas e escrofulosas. Muitas vezes, empreguei-o com feliz xito, em cortos
t casos de tsica ao sen principio, como succedaneo do oleo de figado de bacalho.
Dr A. C11ARR1ER, anligo chefe de clnica da Faculdade de Pars.
0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excellentes resultados como regenerador
do sangue, e succedaneo do oleo de figada de bacalho. >
D' A. FAVROT, autor do Trott des maladies des femmes.
t 0 Xarope de Rbano iodado um dos mais poderosos modificadores das constituicoes
Iymphacas. Tenho visto ulceras escrofulosas que nada podia curar, cicatrzarem-se,
gracas a sua accSo, com promptidio extraordinaria. Tambem, pelo seu uso desapparecem
as alfeccdes tuberculosas dos ossos, nos meninos.
D' GUESNARD, anligo externo dos hospilaes de Pars.
0 Xarope de Rbano iodado possue todas as vantagens do oleo de figado de bacalho.
t sem ter nenbum dos inconvenientes que aprsenla este ultimo medicamento.
Dr GU1B0UT, medico dos hospilaes. Presidente da Sociedade de medicina de Pars.
t O Xarope de Rbano iodado de Grimault e C* encerra *[2 por cento de iodo, na su
composico orgnica analoea que se acha no oleo de figado de bacalho.
Dr KLETZ1NSKI, professor de chymica, louvado dos tribuna de Vienna.
VERDADEIRAS
COM lODURCTO 00 FERRO INS.LTRAVEL
APPROVAtAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA BE PARS, ETC.
Possuindo as pro'iriedades do ledo el do ferro, convem especialmente as Krrtccof.s
BScnomuMAS, a Tsica no principio,a (raqueta dt temperamento e timbero nos casos do
Falta db cor, anenorrhra, em que precisa reagir sobre o sangue seja para restituir
lhe a sua riqueza abundencia normaes, ou para provocar regular o seu curso peridico.
N. B. O iodnreto de ferro imporo o alterado ni medicamento infiel,
irritante. Como provn de pnrexa de antheneidade da reHaelrai Pl-
dr rtlanearrf deva-M ligir DOSSO alla prai rraetira
roala verde. Dfve-se desconfiar du raliincacoi.
lrimm-ir en inda* a. yhainilaa. Pharmacevlicv, :* Bt
irritan
W Mlata
Ik*
TASSOIRMAOS
Tem para vender em seus aruiazcn?, altii de uu-
iros, os seguimos artigos ;
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Vinlios em caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Herj-.
Madeira.
Hermitage.
Cliamblis.
Licor de curasao de Hollanda em caixas de vin-
te e quatro botijhas.
GESSO
Nosarmazens de Tassolrmaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmaos
CARIUCHO DE I TORRO
Para scrvicos de grandos armaiens, para remo-
ver barricas ou caixoes de uro para outro, lado pelo
mdico proco de 12000 cada um.
Fariiiha de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortiniento das melhores marcas de
farnhas americanas.
Saceos de fariiiha de trigo do
Chile
Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso limaos.
Cemento romano
Nosarmazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydraulico 12$
O melhor para tudo que sao obras para agua, co-
mo assentanionto de canos de esgoto,'algerozes. de-
posito, tanques d'agua, etc., etc.: em porefies de
cincoento barricas se tara reduccao no preeo : nos
armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Porlland
O verdadero cemento Portland em casa de Tasso
limaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De differentes qualidades para cercados de ani-
maes, chiqueiros para galinhasou jardins : nosar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos. '
! CANOS DE BARRO
Na ra Nova de Santa Rita, na antiga fabrica de
sabio, ha para vender por preco o mais mdico
possivel, canos francezes para edificaees eesgo-
los ilelod.t a qitalidiido, superiores a todos "os que
aqui tem apparecido pela sua solidez.
PllECOS.
liOO por cano grande de 3 e meia pollegadas.
1200 por dito de 2 e tres quaros de dita.
i 'KX) por dito de 2 e um quarto de dita.
500 ris por pistoleta de 2 iiollegadas.
Colovellos, curvas e canos de maior grossura,a
visiase faro preco. Compras maiores de 2003
tora o por cento de descont por prompto paga-
mento. Pde-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Tijolos francezes
Para ladrillar casas terreas comasscioe precos
mdicos, muito convenientes e proprios para ladri-
lhos de cosinhas em sobrados, pelo seu asseio e
evitar a passagem de aguas para o andar inferior
e mesmo o perigo de fogo, aos precos de 30S000 a
455000 o milheiro : ha ra Nova de Santa Rita, na
antiga fabrica de sabiio, e compras maiores de 2001
se far 5 por cento do descont por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Velas do esparmacete verdadeiras para lan-
ternas de carros: noan.iazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto lino superior: no armazem
do Tassolrmaos.
O melhor cognac Gauthier Freres : no arma-
zem de Tasso Irmaos.
Esleirs da India
Em casa de Tasso Irmaos vende-se esteiras da
India de diversos padroes o larguras, por prego
commodo.
Deposito em Pernambuco, em casa de Manrer O*.
OLEO DE HOGG
DE
Figados frescos de bacalho
Para cura certa de phtisica, affeceoes escrfu-
las, to>se chronca, flaqueza dos membros e de-
ilidade geral, recommenda-se a excellencia deste
leo anda por ser agradavel no paladar.
VENDE-SE
NA
Phariuaeia e drogitrla
dr
B.VKTHOLO!.lEU t, C. -
34 = Rita larga do Rosario = 34
m^%&&'^'&?&i
TOSSES
C1TARRH0S
PASTILHAS PEITORAES
de sueco deALFACE
E LURO GEREJO
IR RlT*COES
00 PEITO
E' este o mais novo e delicioso coufeilo at agora contiecido. Por isto tem adquirido r-
pidamente a popnlaridade de que goza. Os mdicos os mais distincios o aconselnlo contra
as tosse, defluxos, caiarrhos, tosses convulsas, catarrhos epidmicos, irritacSes do peito. Com
grande empenho o procuro asmes de familia, assirn pare ellas como para as criancas, pois
primeiro que ludo Inoffensivo. e as anas propriedades adocantes nao deixSo nada a desejar.
Deposito em Pernambuco*em casa de Haurar a O1.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCAIRAO
Remedio por excellencia para cura rapt-
ada e completa das coqueluches, bronchites,
' catarrhos, tosses convulsivas, escarros saB-
I guios, e outras molestias do peito.
NA
PHARMACIA ti DROGARA
DE
Bartholomeu A C.
34RA LARGA O ROSARIO3i
AO BAZAR DA MODA
Ba Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
Para senhoras.
COQUES da ultima moda, enfeitados e lisos, gran-
de sortimento.
CHAPELINAS de palha da Italia, guarnecidas com
delicados e elegantes enfeites brancos e de cores
CHAPEUSINHOS e gorras de velludo c de pennas
(alta novidada I) de palha da Italia, a emtiacao,
especial sortimento.
CINTOS de cores e pretos, rico sortimenio ulti-
ma moda.
CAMISAS bordadas por commodos precos.
LENCOS bordados e com letras, novidado neste
genero
LEQUES a emitacao de marfim, gosto novo e de
sndalo.
GOLINHAS e punhos, a emitacao de guipure.
ENFEITES pretos e de cores para cabeca, lindes MKIAS de auperior qualdade.
FLORES finas, grande sortimento.
GRINALDAS de ditas para coques.
LAGOS, ttvelas, penachos para enfeites.
Para homens.
CAMISAS com peitos, colarinhos e punhos de li-
nho fino, lisos e bordados, moda,
COLARINHOS de linho c algodao.
PUNHOS de ditos.
GRAVATAS de todas as qualidades.
BOTOES para punhos c guarnicoes para coletes.
CORRENTES de plaqu a emitacao do ouro, lin-
do gosto.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
ldade superior.
CHAPEOS de seda, para sol.
a Marie Rose, ulti-
BENGALINHAS finas e chicotes.
LUNETAS aro de ace e tarturaga.
Para criancas.
moldes,
GUARNigO alt novidade I
mmente usada em Pars.
CORPINHOS de guipure brancos e pretos lindos
modelos.
BORNOUS de laa e seda, cores claras, elefante ____ ,. A .
moda m Pars. ^^ VESTUARIOS completos para baptisados.
GRINALDAS de flores finas.
ESPARTILHOS superiores.
MEIAS supe iores de fio de Escocia.
LUVAS de pelica chegadas pelo ultimo vapor.
ADEREGOS de coral verdadero e camafeo, gosto BUNEGAS vestidas,
delicado.
DE PALHA
GUARNICOES para vestidos.
TRANCAS para enfeites de coques.
B<)TOES lisos e com pingentes para vestidos.
CINTOS alta novidade.
SAPATINHOS de merino e setim enfeitados.
MEIAS de seda e fio de Escocia.
CHAPEUSINHOS de palha da Italia.
TOUCAS de fil e setim enfeitadas e de chroch.
muito bonitas e diversos
brinquedos.
Perfumarlas finas.
de Murray & Lan-
AGUA FLOREA verdadeira
man New-York.
TNICO oriental, verdadeiio.
AGUA DIVINA de E. Coudiay e superior agua e
essencia de Colonia.
ESTRATOS e ossencias fin; s e de agradaveis aro-
mas para o len$o.
VINAGRES aromtico? para toilet.
POS DE ARROZ para ama-iar a pelle ; em paco-
,tes e ricas caixinhas com arminho.
POS superior para lmpar os dentes.
COSMETIQUES de finaqofldade.
SABONETES, grande sort ment deste genero e
de superior qualdade.
LEOS de philocomc, babosa e antiques.
BANHA fina para os cabellos.
AGUA de flores de laranja.
CREME de sabo para barba.
Caixas preparadas com perfumaras Unas.
Miudczas finas.
SUPERIORES fitas de grosdenaples de todas as
cores e larguras de veli.do preto e de cores, e
gurgurao para cintos.
BABADINHOS e entremeios bordados.
GUARNICOES de^seda de cores para enfeites de
vestidos.
TRANCAS pretas com vidrilhos e pingentes.
BOTES de cores, brancos e pretos com vidrilhos
lisos e com pingantes.
DEDAES de mam aperla, de marfim, de 6co e
metal.
THESOURAS finas para costura e unhas.
CAIVETES finos cora quatro folhas. E muitos
outros artigos demiudens que se torna enfo-
donlio menciona-los.
LOJA D GALLO VIGILASTE
Ba do Crespo n. 7
Mandou vir de sua conta e acaba de re-
ceber pelo ultimo vapor, completo sormen-
ot de objectos de novidade c phantasia, os
quaes esto resolvidos a vender por precos
nimiamente baratos, para assim animar aos
concurrentes e ao mesmo tempo dar sabida
ao grande deposito que tem: isto ra do
Crespo n. 7, loja do Gallo Vigilante.
Gollinbas, punhos e camisinhas para se-
nhora, fazendas de gosto e novidade.
Finos vestuarios para baptisados, assim
como touquinhas, sapatinhos c meiasinhas
para o mesmo fim.
Grande sortimento de bicos e rendas de
croch e de outras muitas qualidades.
Superiores caixas com msicas e sem el-
las, tendo o necessario para costuras, pro-
prias para um delicado mimo.
Finas caixas com tentos e sem elles para
voltarete.
Agulhas para machinas de costura.
Ditas para croch, sendo de ac, marm
e outras muitas qualidades, assim como 11-
nhas para o mesmo mister.
Finas grinaldas para noivas.
Meias de borracha para quem soffre de
erysipella. assim como meias de la para
os que soffrem de rheumatsmo.
Suspensorios para homem e meninos.
Finos pentes de tartaruga para coques a
de outras muitas qualidades e para outros
misteres.
ftedaes de madreperola, marfim, osso,
ago, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome para Ungir
caliellus, dando aos mesmos a sua cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas perfumaras
dos melhores fabricantes, assim como mui-
tos outros objectos que impossivel des-
crever: isto s na ra do Crespo n. 7, loja
do Gallo Vigilante.
Collares Royer elctricos magnticos con-
tra as convulsSes das criancas e para facili-
tar a denuco das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
collares e contina a ter sempre grande de-
posito, ra do Crespo n. 7.
Macarthy
Machinas de dcscarocar algodo.
Hoje que est reconhecido que as machinas de
serrote prejudicam e quebram a fibra do algodao,
preciso recorrer a machinismo menos spero,
que produaindo o mesmo servico que aquellas, c
facilidade no trabalho, nao quebrem a fibra da la,
para que essa possa obter-nos mercados europeos,
a differenca que ha entre o algodao descarocado
por aquellas mencionadas machinas, que estao li-
cando em deauzo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga balandera, que nao pode competir
pela morosidade de seu trabalho. E' assim quel
estas machinas se tomam as mais proprias para o
nosso al^odo, pon|ue ao par da facilidade e
promptidao conserva a fibra da la, que limpa por
ella, e qualificada na Enropa a par da melhor bo-
landeira, valcndo assim entre 10 arrobas 20 0/0
mais do (pie a la limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
esto adoptadas no Eg>pto, aonde as de serrote
f"i ain intriraiiiente abandonadas, e por isso o algo-
dao daquella procedencia, sendo da qualdade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 arrobas 20
0,0 mais do que o nosso : vendem-se a 1304000
nos armazens de Tasso Irmaos.
Ole de amendoas
Em caixas de 8 latas, cada caixa 100 libras :
nos armazens de Tassolrmaos.
Charutos da Havana.
Excellentes charutos da Havana e por baratissi-
mo preco : em casa de Tasso Irmaos, ra do
Aiitrim n. 35.
A NOVA ESPERABA
21= Ra do Queimado-=>2)
E para presentes
A Nova Esperance, ra do Queimado
D. 21 tem um variado sortimento de objec-
tos de gosto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresahindo entre elles ricas caixi-
nhas de bano com finas perfumaras, cos-
turaros de chagrn, agulheiros de madre,
perola : assim, pois, quemquizer fazerum
linda offerta, dirigir-se Nova Esperanza,
ra do Queimado n. 21.
Collares anodinos ellectro-magnelt
eos contra as convulces das
crcancas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ahi intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porqae mu^to
pais de familias nao creem (comprando-os)
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsificado principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna cncommenda directa destes collares
e garante aos pais de familias, qne sao o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
cas tem salvado do terrivel incommodo de
convulces, assim pois preciso, que ve-
nliam a Nova Espprangaa ra do Queimado
n. 21 compraran o salva vida, para seui
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando ent3o ser di-
fficil alcangar-se o effeito desejado, embora
sejam empregados os verdadeiros collare
de Royer.
Para extinguir as sardas e
panno
Recebeu a Nova Esperanga, ra do
Queimado n. 21, leite de rosas, especia]
para extinguir sardas e pannos.
BONECA DE CERA
A Nc'a esperanca a ra do Queimado n.
21, acal- de receber um completo sorti-
mento ae finas bonecas de cera de diver-
sos tamanhos, sendo as maiores do com-
primento d'um covado ; estas bonecas tra-
zem bonitos coques e botinas, havendo en-
tre ellas algumas que fallam e outras que
choram de sorte que fcilmente podem ser
preparadas, e fazer-se um presente de muiU
acceitafo.
Finas caixas de tartaruga para rap ven-
dem-se a ra do Queimado n. 21 na loja
da Nova Esperanca.
Modernos brincos de sndalo, s se en-
contrado na Nova Esperanca a ra do
Queimado n. 21.
MEIAS DE LAA
A Nova Esperanza a ra do Queimado n.
1, caba de receber um especial sortimen-
to de meias de la para homem e senhora.
CONTRA AS CONGESTOES
mal terrivel a congesto fulminante:
de. repente leva um individo, d'esta para
milhor vida, sem dar-lhe tempo de receber
conversa medica; deixando as mais das
veses mulher e flhos no mais amargurado
pranto ; a Nova Esperanca que deseja pres-
tar servicos recorreu a Vojer, o qual lhe
mandou anneis elctricos magnticos, como
o nico preservativo para semelhante mal i
elles antes que se acabem : na Nova Espe-
rance
NAVALHAS
A Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 recebeu um sortimento de navalhas,
de qualidades, e tamanhos especiaes assim
como afiadores e massas para as mesmas.
I
Vendem Augusto F. de Oliveira & C ra de
Commercio, n. 42.
Meias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes meias elsti-
cas de borracha contra varizes e erysipellas.
Vende-se na
Pharmacia e drogara de
Bartholomeu & C.
34roa larga do Rosario34
Tudo se vende por prefos bastante commodos.
Scbonete de alcatrdo.
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to boa
acceitafo tem merecido a'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu A C,
34ra larja do Rosario34,
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Queimado n. 49, loja do miudezas de
Jos de AzevedolJaia e Silva, tem para vender os
artigos abaixo declarados, tudo bom e baratissi-
mo, que sao para acabar.
Duzia do sabonetes muito finos a 700 rs.
Pares desapatos de tapete para homem a 1-3280.
Ditos de tranca para creanca a I*.
Tramoa do Porto, bordada", a luelhor a 200 rs.
Dita do Porto liza, da melhor qualdade a 100, 120,
160 e 200 rs.
Resma de papel aluiaco, lizo superior a 35200.
Dita de papel almaco pautado a 4 J.
Lvro de missoes abreviadas a if.
Cartilhas cora toda a doutrina e muitas resas a
320 rs.
Silabarios portuguezes com estampas a 320 rs.
Baralhos francezes muito finos a 200 e 240 rs.
Sabao inglez superior qualdade a 500 e 15.
Grvalas pretas e de cores muito finas a 500 rs.
Duzia de meias para senhora, fazenda fina a i.
Redes pretas lisas para segurar cabello a 320 rs.
Varas de transa de seda de todas as cores a 600 rs.
Pares de brincos dourados com maoiinha o pe-
dras a 320 rs.
CartSes cora corchetes de dua3 ordens e sao de la-
tao a 20 rs.
Abotuaduras de vidro para colete muito finas a
120, 240 e 400 rs.
Pares de botfies dourados para punhos a 160 r.
Caixas de pennas de ac muito finas a 240, 320 e
500 rs.
Cartoes com duzentas jardas de linha do fabri-
cante Alexandre a 100 rs.
Caixas de pennas de ac, a verdadeira penna a
Carriteis'de linha Alexandre ns. 70,80, 100 at
200 100 rs.
Caixas com superiores obreias de massa a 40 rs.
Carriteis com duas oitavas de retroz preto a 500 rs
Duzias de agulhas para machinas a 25. ,
Libras de pregos francezes de todos os tamanhos
a240rs,
Livroseseripturados para rol de roupa a 120 rs.
Caixas com papel amisade muito fino a 700 rs.
Caixas com cem envelopes da melhoi qualidade a
600 rs. ^
Talheres para meninos tatito boa fazenda a
240 rs.
Cemento de. Portland.
Vende-se no armazem de lcente Ferreira
Costa 4 Filho, na ra a Madre de Dos u. 22,
barris grandes.
Para familias
Grande Bazar, rna .\oii ns. o e
*, de Carnelro % latina t& v.
Acaba de chegar a este estabelecimento
grande porejio de machinas para costuras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposico de Pars, as quaes cozem com
dous posponlos toda a costura, e tem a
vantagem de ser t3o suave o mohiento,
que qualquer crianca de oito annos fcil-
mente trabalha, e pode, com este entrete-
nimento, levar vantagem ao servico diario
de trinta costoreiras. A comprebcnsSo
simples, pois em um quarto de hora-se fi-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar,
franzir, marcar e bordar, como apresentam
os desenhos que acompanham-nas. Os pro-
prietarios do estabelecimento se encarre-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e '
garantem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeicao a machina vendida, nao tendo,
porm, soffrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabelecimento machinas
do autor Grower & Raker, de trabalho siat-
plesmente mo, c outras com movimeBto
dos ps; e mxime todos os pertences das
mesmas machinas, para vender avulso.
Tintura japoneza
Instantnea para tingir os cabellos e a
barba, a 10000 o frasco.
E' a nica approvada e recommendada,
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. ra da Cadeian. 51.
CAZ GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Hcnry Porster et
C, ra do Imperador, um carregamento de gaz
de primeira qualidade; o qual so vende em partidas
e a retalho por menos proco do que em outra qual-
quer parte.
FUNDIC&O DOBOWMM
Una do Bru n. ftt.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batidor fundido.
Rodas dentadas, paia moer com agoa,
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucar.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro
prios para agricultura.______________
Para semana santa
Madama Adour, 23 ra do taperador,
acaba de receber mantinhas e mantelete de
fil preto.

i


Diario de Pernambuco Quinta feira 18 de Mferqrj de 1869.
i

GRANDE LIQUIDACAO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva

O proprietario d'este estabelecimento convida ao re^eilavel publico tiesta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tom de fazendas, tanto da moda como
de lei, o as pessoas que negociam em pequea escalla, tanto da praca como do matto-
nesta casa poderao fazer os seus sortimentos em pequeas e grandes' porcoes, venden-
do-se-lhes pelos pregos que se compram as casas inglezas ; assim como as excellentis,
simas familias, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos levar em suas casas polos nossos caixeiros, para o que acha-se este estabelecimen-
to aberto constantemente desde s 6 horas a manhaa s 9 da noute.
. MEIAS GRAS.
Sortimento de todas as qualidades, de
3$ a 3#, assim como tambera sortimento
AS CAMBRAIAS DO PAVAO
Vendem-se inissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos como inissimos rganos branco liso -que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 1(0000, a vara, na loja do
Pavao ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Alpacas labradas
Cbogaram petotiltimo vapor aswaismo-
fieraas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que se vendem a 10000, -o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de canna a
800 rs, ditas mescladas muito Anas a 1:2G0,
o covado, e ontras muitas faaendas de gosto
e moda que se vendem mais barato do
que eraoutraqualquer parte, no araazeml---;'^^.
do Pavao, ra da Imperatriz*. 60. de Flix 4 v PANNO DE LINII
Pereira da Sih'a.
O atoalhado do Pavao
Vende-se superior .atoalhado de algodao
com 8 palmos de largura, adamascado a
20200 a vara; dito de linho fazenda imito
superior a 35200 a vara ; guardanapos de
linho adamascados a i500 a duzia e muito
finos a 8)5000, e ditos econmicos a -SJuOO
a.diua.
Faaties para vestidos broncos
a640.
Vendem-sexis mais modernos fustes bran-
cos flexiveis com padiSesde listas e de
lpicos preprios para vestidos e roupas de
menino a 640 rs. o covado, na teja e arma-
zem do Pavo ra da Imperatrizn. 60, de
Ftrx Pereira da Silva.
Grosdenaples
Chegeu para a leja do Pava pelo ultimo
T?arpor'm grande sortimento dos melhores
grosdenaples pretos e de edres, tendo verfle
tambem, que se \endem mais barato que
em entra qualquer parte.
BABADINHOS
Vendem-se finissimos babadinhos, tiras
bordadas e entremeios, mais baratos do 6m outra qualqner parte, assim como espar-
tilaos dos mais modernos, ne armazem de
Flix Pereira da Silva, roa da Imperatriz
n.'60.
ALTA NOVIDADE
A LOJA DO PAVAO
titirgur-o-de seda
Chegaram pelo ultimo vapor os ais bo-
nitos gurguroes de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos e lavradinhos, com muito
lustro, garantindo-se que a fazenda mais
linda e de mais phantasia que este auno tcm
chegado a este mercado, e vende-se por
prego muito razoavel, na ra da Imperatriz
o. 60, de Flix Pereira da Silva.
GROSDENAPOLES PRETO A QATRO
PATACAS SO O PAVO.
Vende-se grosdenapoles pretode boa
qualidade pelo barato preco de I280 o co-
vadof s na Ioja e armazem do Pavao, ra
da Imperalriz n. 60 de Feliz Pereira da
Sirva.
CAMBRAIA BRANCA A 3oG0.
Vende-se pegas de cambraia branca
transparente, com 8 e meia varas pelo ba-
rato preco de 3500, ditas muito linas tanto
tapadas comotransparectes 4i00, ojSOOO,
1500, 7^000 e 8,5000, assim como organ-
d muito fino tanto lizo, como de listas e
quadros na leja c armazem do Pavo ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
ALPACAS LAVRADAS "PARA LUCTO.
Vende-se na Ioja do Pavao, as mais mo-
dernas alpacas lavradas ,para lucto, sendo
muitolargasepelo barato preco de800rs. o
covado, s na Ioja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
Cassas Inglezas a 4 f! rs o metro
Vende-se urna grande porgo de bonitas
cassas inglezas tanto graudascomo miudi-
ahas e de cores lixas pelo barato preco de
40 rs. o metro,garentindo-se que 7 metros,
do um vestido para qualquer Sra. s na
Soja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Sirva.
Bareges a 400 rs.
SO na Ioja do Pavo
Se vcudem ag mais bonitas bareges transparen-
tes, proprias para vestidos com listrinhas a imita-
l^o de li8tras de seda, e vendem-se peie barato
preco de ata cruzado cada um covado, nicamen-
te na Ioja e r.rmazem do Pavao, ra da Impera-
lriz n. 60, de Flix Pereira da Silva.
Gratule pechincha para a
quaresma.
VESTIDOS PRETOS A 45^000.
Vende-se superiores cortes de vestidos de
seda preta lavrada, sendo fazenda muito
encerpada e muito moderna, pelo barato
pre?o de 45!, nicamente na Ioja do Pavao,
ra da Imperatriz u 60, de Flix Pereira
da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A 53000.
Vendem-se colcbas de fustap adamasca-
das para cama, pelo barato prego de 5#,
grande pechincha, na Ioja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
COBERTORES 1NGLEZES A 4(0, A #500 E 55.
Vendem-se os verdadeiros cobertores
inglezes, de pura la, pelo barato preco
de45, 45500 e5fl, assim como colchasde
fustto de cores, pelo barato preco de 3#. na
Ioja e armazem do Pavo. ra da Impera-
triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
A 2& OS BALDES DO PAVO.
Vendem-se superiores baldes amerita- chegarara os mais modemos ,
nos de trinta a quarenta arcos, tendo as fi- vestidos, sendo de todas as cores, como
tas bastante largas, sendo muito faed trans- J -m verde> azo|> roM> bismark) pero|a,
forma-Ios paraoutre.qualquernovo modelo, r-Jx0 & tendo asi atro |mos de ,ar.
eliquidam-ee pelo barato prego de U cada e vende.se %ei0 baratissimo prego
nm, sendo fazenda que sempre se vendeu e im ^dacovao nicamente no ar-
31* I^'aTiJ* T 6 s"2?zemnd0/?" macera de Flix Pereira da Silva, na ra da
De Fel,x imperatriz n. 60.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
Roupas para komem
Venlem*93 superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas inglezas e francezas com os peitos
de esguio, ceroulas fraocezas de litlo e al-
godo, meias croas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e de meia de la, assim
como nesteestabelecimsnto existe um grande
sortimertts de pannos pretos, e de casemiras
inglezas de cores, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e rpromette-se-llies que sero servidos
cora a maior promptioo e muito mais ba-
rato do que em eutra qualcmer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da -Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 12*000 rs. cada par at 255000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
Crlone para lenqes com 10
palmos de larguraa 2$,
Acaba de chegar esta nova e excellente
fazenda branca propria para lences de um
s panno, garantitido-se que um metro e
urna quarta ou um metro emeio d um
excellente lencol de um s f anno, assim
como esta boa fazenda tambem muito
propria para toalhas de meza, rosto etc. e
ontros mysteres e vende-se pelo baratissi-
mo prego de 2$ cada metro.
MOZAMBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Chegou para a Ioja do Pavo um elegante
sortimento dos mais bonitos mogambiques
proprios para vestidos com as cores mais
modernas e que se vendem pelo barato
prego de 500 rs. o covado.
ALPACO DE CORDOPARA VESTIDO A IJ
Chegou esta nova fazenda com o nome
de alpaco, sendo de cordo e com mais
largura do que a alpaca, com asmis lulas
cores, como sejam Bismark, lyrio, perolas,
roxo, cor de canna, magenta etc. e vende-
se pelo baratissimo prego de i& o covado.
ROMEiRAS PARA QUARESMA A l4,
Chegaram as mais bonitas e modernas
romeiras pretas de guipure, que se vendem
pelo baratissimo prego de 165 cada urna.
SOBRECASACOS PARA A O.UARESMA A W E
Vende-so um grande sortimento de so-
brecasacos e palitts sobrecasacados de fi-
nissiino panno preto pelo baratissimo prego
de 185, sendo forrados de alpaca, e por
205, todos forrados de seda, grande pe-
chincha, principalmente por estarmos na
quaresma, assim como, tambem se vende
um grande sortimento de caigas e colettes
de casimira preta que se vende muito mais
barato do que em outra. qualquer parte.
EStl'IO DE LLNHO DE 12 JARDAS A 105.
Venderse pegas de esguio de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada pega, a
105000.
ALTA
NOVIDADE
A
Loja do Pavo.
lOOO,
GURGUROES PARA VESTIDOS A
O COVADO.
Pereira da Silva.
Madapolo enfestado a 8&500
Vende-se superior madapolo enfestado,
sendo muito encorpado, para carnizas, e
(PAVO.
Vende-se urna grande qoandade de re-
tendo cada pega 24 jardas, pelo baratissi- lalhos de chitas e assm Pretas Pr Pref
mo prego de 85500, na loja e armazem do muito barato, e quanto maior for a porgo
Pavo, ra da Imperatriz n. 60. De Fex Pereira da Silva. vender na ruada imperatriz n. 60 de Fe-
J A ,a varas a &OO rs. i bi Pereira da Silva.
Vendem-se a- verdadeiras cambraias
francezas, com lindos padres e cores fixas," Grosdeaaples preto
sendo tapadas e transparentes, pelo barato Vende-se um grande sortimento dos me-
p- e(o de 500 rs. a vara, ou 300 rs. o co- Ihores grosdenaples pretos, tanto lar-
vado, sendo fazenda que ningnem vende gos como estreitos, sendo de 25000 rs.
por menos de 7 ou 8 tustoes, e liquidam- covado at 45000 rfpfcgarantmdo-se que
se por este barato prego, por se ter feito n'eete genero ninguem tem melhor fazenda e
urna avultada compra, na loja e armazem que se vende mais barato do que em outra
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60. De qualquer parte, na roa da Imperatriz n. 60,
Flix Pereira da Silva. de Fex Pereira da Silva.
ROUPAS FEITAS
Na loja do Leo da porta larga
DE
PAREDES PORTO.
Ra da Imperatriz n. 52, junto aloja deourives.
N'este estabelecimento se encontrara ra da Imperatriz n. 52, loja do Paredes
sempre um completo sortimento de roupas Porto.
fejtas de todas as quadades. Como se- Nesteestabeledraonto encontrar o respei.-
jam: paletots de alpaca, de merino, de tavel publico um completo sortimento de
casemira, bombains de panno^prcto, fra- fazendas e roupas que, se vende pelos pre-
ques e sobrecasacos de brins 'de cores e gos seguintes:
pardos. i FAZENDAS PRETAS.
CALCAS E COLETES. Completo sortimento de fazendas pro-,
Tem sempre no mesmo sentido um sor- prias para a quaresma, como sejam: gros-
timento completo a prego commodo. de-naples a 25, 25500, 35, 35300 o cova-
CAMISAS E SiROULAS. do, moreantique de diversas quali lades
Encontrar sempre o respeitave publico a 2200, 25400 e 25800 rs., sortimento de
um bonito sortimento de todos os nmeros, alpacas pretas e de cores de 500 rs. at 15,
princ&a, mirin de diversas cualidades.
FAZENDAS BRANCAS,
Madapolo de diversas qualidades e pre-
de lengos de linho brancos e de cor, chineaes, bonitas gravatas pretas e o 55, ditas victorias de 55SOOa 125, pegas
de ores. Roa da Imperalriz n. 52, por- de cassa liza o mais lino que ha no merca-
la larga. 'do a 95, 105, 125. com 12 varas, e vara
PARV ACABAR. de largura
Urna grande porgao decaigas ordinarias SEDAS DE LIS TRAS,
para trabeMio a 640 800 rs. cada un par, Recebeu-se um bonito sortimento d'esta
pechindha na loja do Leao junto a loja -de fazenda que se vende a 25500 o covado.
ourives. I CHITAS.
GRANDE -PECHINCHA, Vende-se chitas escuras a 280, 380, e
Cassas he core. a 460 rs. o covado, na 326 rs. o covado.
160 RES 0 COVADO
Chita preta pSo barato prego de 160 o
covado na ra da Imperatriz n. 52 na loja
Paredes Porto wcebeu um sortimento da
pannos de linho, cora 27 varas a pega e
17*000 e 185000, na ra da Imperatrizn,
52,junto a loja de ourives de porta larga.de
Paredes Porto.
LENCOS PE LINHO
VenJe-se lencos brancos de linho a 35,
a duzia para acabar na loja de Paredes Por-
to. Ra da Imperatriz n 52 loja da porta
larga que tem um Leo pintado.le Paredes
Porto.
GUARDANAPOS
Vende-se esta izenda de linho, fazenda
boa a 45900 e 55000 a duzia.
MEIAS PARA HOMEM
* Sortimento de meias inglezas para ho-
mem a 45800 55800 e 65800 fazenda boa.
THOALHAS
Sortimento de toalhas de pelucia a 1
a duaia.
LENCOS BRANCOS a 25290
Para acabar lengos de algodo a 2.5200
a duzia,
25000
Vara de bramante de linho superior
tem 10 palmos de largo.
Ne armazem nlo Leo, ra da Imperatriz n. e 52, junto a loja de ourives.
FAIENDAS PRETAS
PARA A QUARESMA
AUTO POETO & C.
Ra rio QoeiDiado n. II
Recbenla-directamente da Europa as mais superiores fazendas pretas espe-
cies para a quaresma, as quaes esto vendendo pelos mais mdicos pregos em vista
da superior qualidade de ditas fazendas.
OM. MOVIDADE
Basquines pretas de renda, verdadnira novidade, para senhoia.
Gorguro preto do seda liso e com listas assanadas para vestidos.
Grosdenaples preto largo estreito de diversas qualidades havendo neste ge-
nero o que ha de melhor.
.Basquines de croch pretos, ditos de seda preta com cintos delicadamente en-
feitados, elegantes peplums de seda preta, fichos pretos de renda, modernas capinlias
pretas de renda e superioras vestidos de gorguro preto bordados.
A loja n. 1 i da ra do Queimado tem sempre o melhor sortimento de tapetes,
alcatifas e
Esleirs da India para forrar salas.
Lourengo Pereira Mendes Guimares, proprietario da loja da Arara, ra da Imperatriz
n. 72, declara ao respeitave publico e seus freguezes que acaba de concluir o oalango
de sua loja de fazendas e fazer abatimento as fazendas que julgou necessario para
vender mais barato que em outra qualquer parte, por isso roga ao respeitave publico o
favor de mandar Var as amostras das mesmas para ver como se vende barato.
CHITAS FRANCEZAS A 280 RS.
Vendem-se chitas francezas a 280, 320 e 360 rs. o covado.
MADAPOLO A 6*000.
Vendem-se pegas de madapoto fino a 65, 75, 85 e 95000.
GANGA A 320 RS.
. Veade-se ganga para caiga e palitts a 320 e 360 rs. o covado.
CASTORES PARA CALCAS.
Vendem-se castores para caigas a 240 e 280 rs. o covado.
LAZINHAS A 240 RS.
Vende-se laazinha a 240,280 e 32 rs. o covado, eoulras muitas fazendas e roupas
feitas, fazendas pretas para a quaresma, como gros-de-haple, casemiras e panos pretos
de todas anualidades, bales de 20 35 arcos a 15500 rs., cortes de brim para caiga
de homem a 640 e 800 rs. cada um, por este prego s na loja da Arara ra da Impera-
triz n, 72.
Lourengo Pereira Mendes Guimares paoprietario da loia do grande oaribaldi, ru
da Imperatriz n. iHl,
Declara ao respeitave publico, que rcebeu um grande sortimento de fazendas
de todas as qualidades, tanto para a praga como para o mato, aos quaes espera Ihe fa-
gam a honra de fi equentar o seu estabelecimento que lbe prometter vender mais barato
do que em outra qualquer paite.
CORTES DE LA A 2400 RS.
Vendem-se cortes de 15a para vestidos a 25400 e 35000
CHITAS FRANCEZAS LARGAS A 280 RS. -
Vendem-se chitas francezas a 280, 320, 360 rs. o covado.
I.AAZLNHAS A 240 RS.
Vendem-se laazinhas para vestidos a 240, 280 e 320 rs. o covado.
ALGODO A 4*000
Vendem-se pegas de algodo a 45, 55 e 7(jL00, pegas de madapolo a 65, 75, 85
e 95000.
CORTES DE CASEMIRA PRETA^| 4*000.
Vendem-se cortes de casemira preta para caiga a 45, 55, 65 e 85000, cortes de
ganga para caiga a 15280 rs., ditos de brim 800 rs., ditos de castor a 15000.
CHITAS PARA CORERTA A 320 RS,
Vendem-se chitas para cobertas a 320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 320 RS.
Vendem-se cassas francezas para vestidos a 320 e 360 rs. o covado.
NOV1DADES.
Bales de 25 30 arcos, a 1550rs. cada um, s se pode ter ttlo por este pre-
go, e outras muitas fazendas pretas para a quaresma, pannos, casemiras e gros-de-na-
ples preto, outras fazendas muito baratas que se d5o as amostras. Na ra da Impera-
triz loja do Garibaldi n. 56.
ATTENQaO
Lourengo Pereira Mendes Guimares, declara aos seus devedores que entregou ao
seu procurador o Sr. Bernardioo de Senna Dias as suas contas para elle promover seu
recebimento conforme Ihe convier amigavel ou judicialmente, por isso roga-se a todos
os devedores vir entender-se com elle na ra da Conceigo da Boa-Vista, ou na loja a
ra da Imperatriz n. 56.
O cordeiro previdente
Ra do UKciiuatlo n. 1.
Novo e variado sortimento de perfumaras
linas, e ontros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que efectivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
gos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciago
do respeitave publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de .sua bera conhecida mansido
e barateza., Em dita toja eucoutraro o
apreciadores do bom:
Agua divina de E, Cuudray.
Dita verdadeira de Murray Laminan.
Dita de Oologne inglesa, americana, fran-
cesa, todas dos memores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor do lai'angeraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Ekxir odontalco para conservagao do
asseio da bocea.
CosmetqueS'dc superior qualidade e chei-
res agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada tina para cabello.
Frascos com dita japonesa, transparente,
eoutras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos c
franceses em frascos simples eenfeitados.
Essoacia imperial do lino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas c de eheiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
cora escolhidos eheiros, em frascos de dif
tirentes taannos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparente?, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invemisada cntendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaris finas.
.Bonitos vasos de metal coloridos, c de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arcoz sem composigode
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
gas.
Opiata ingleza e francezapara dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Ainda malo coques.
Um outro sortimentos de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos
e alguns d*elles ornados de flores e fitas,
esto. todos expostos apreciagao de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS e punhos rordados.
Obras de muito gosto e perfeigo.
Firellas e Otas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, Picando a boa escoma ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
O que de melhor se pode encontrarnos sf
genero, sobresahindo os delicados ramos
orvafhados para coques.
Para vtagem.
Bolsas d tapete e carteiras de couro, por
pregos commodos.
Chapelinas de palha da Italia mui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
ro presentes a quera se dirigir dija loja
do Cordeiro Previdente a ra do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
0 Cordeiro Previdente ra do Queima-
do n. 16 acaba de rece*ber um bello sorti-
mento de trangas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto esta sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidade de pregos.
ALEM D'AQUELLES.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de gallfes de ISa, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade de gostos os tornam recommenda-
dos e apreciados; comparegao pois os pre-
tendentes que sero servidos a contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homerr
como para senhnras, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
ra do Queimado n. 16.
NOVIDADE
A loja de Coelho & Oliveira i ra do
Queimado n. 19, recebeu pelo ultime vapor
um bello sortimento de bales de diversos
systemas, os mais aperfeigoados que teem
vindo ao mercado, sendo :
Bales de guipur com tiras chamados
reguladores, ditos de musselina abertos por
ambos os lados, de modo que sendo todos
de um tamanho servem para qualquer se-
nhora, de la de cores, com tiras, e as se-
geintes fazendas:
. Sajas de la com bonitas barras.
Chales turcos de seda e la Beatriz de
Tundas.
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
LSasI tahas
Sultanes, Poil deChevre, Tricte, dito de
xadres e outras muitas, entre ellas urna
Especialidade
LSa pura de cores a 360 rs. o covado.
Basquinas a Maria Antonietc.
Cambraias fantazia.
Ditas brancas* transparentes e Victoria.-
Colxas adamascadas.
Cobertas chinezas a 24500 rs. c outras
muitas fazendas que tornar-se-hia enfadonho
annnnr.iar.
A diiilieiro ou -a prazo
Vende-te um itio nonos de meia legtt* aislan-
te iU'-!.'i rnj.itaf ro-n cusa do podra e cal, ba
itricamento plantado, coni diversas arwiw
frurliferns Pomo laratigeiras, lim.-h;i>, H [
rus, jiinhoiras, ronteu a1,4"
queiros, bauaHetras e outras, baha para rapim.
pasto para y*ee**, Ierra para roca, < w viveiros
e ilnas carmbaa calo n. 20. '
PAST1UIASASSUCAADAS
DO
DU. PATERSON
De Lisiituli c uiagnezla.
Remedio por excelencia [tara combater-
a .magreza,; facilitar adigestao, fortificar
estomago ele.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pliannaeia do Bartholomeu c C.
3 i------Ra larga do Rosario------r34.
-SE
Na ra Larga do Rosario n. 26, prjmtiro
andar, urna escrava moga, que sabe cc>i-
nhar e eiiKoimnar, o propria pela sua ro-
bustez para todo y sci vigo de una casa.
IMI',11
que tem vindo ao mer-
cado
Barrica* de 14 arrobas por
FARELLO DE LISBOA
ebefiulo uliiinamenie
SACCOS GItAXDKS A 5000.
ARMAQAO DE TABERNA
com todos os perteuces por
150S0OO,
Tudo no armazem d^ Candido Allterto Sdre aa
Molla, IrfcreBM da Madre de Dens n. l.
INJECTION BROU
yfleaiea Imillitti r l^t*crMM. Inliinmr*'" "" < *" wnu.uu. 4aun. v
vaswftttw&ar1" *wy ,H ^ ****** ^
.18
-i V T J.k'
Vende-pe a taberna da na das Cinco Ponas r..
a tratar na niesma. Vende-se ni carro itecarrtaar 'eneros da
alfandejra : no l'orte do Mattos n. 9.
Fazendas de gado.
Vendenve ei fazendas de gado na ribeira do
Serid, denominadas Bna-Vtu, P deSerra, Mn-
tung. Mundo Nov... Inga e Serrle, toda muito
boas de criar e dt> um ser bem eonherido naquel-
la ribeira : os pretenden les podem dirigir-sea mi.
doVigarion. 31, < andar._________________
Ven iein-se inoeda* de onro de 5 traucos :
no esciiptorio da ra do Conunarcio o. 9.
_ ESCBAVOS FGIDOS,
WOS de gralilieai'o
Fngio uo dia II do Janeiro di. eorrente
do engenbo Balatnra, mgoe da Esrada, o t-
craso preto, crioulo, de 2i annos de idade, elim-
inado Marcelino, que foi do Sr. Juo da Cimba
Pereira, enjo escra^o estewe no deposito geral, e
tem os signaos seguintes : alto, serei. do corpa,
rosto limito marrado de bexigas, falta de dentes
na frente, cor preta, sanio de chapeo do chile, pa-
leto! e calca de castor, levando um lialiuzinln. ik-
flndres cora mais roupa, e suppoe-e estar na
freguezia do (abo : quem o apprebender leve-e
ao dito engenbo, ou ra da Seiizala-nov;i n. 3h,
escriptorio do Sr. Bernardino Puntual, que re:
ber a gralieacio cima.
Escrava fugidaT
DetanpareoeiHb poder do ababo aigij
sua escrava crionla d<; nome Bosedicta. d
tambem pelo nome de Conceicjfo, estatura regalar,
magra, rosto comprido e descarnado, falla d den-
me na lenle, costuma a eiiil.reagar-se, levon res-
lido de cliita clara com unas rodas lingindi. Aeres.
chales de lia de barraja vellm ; ella natm 1
de SerinhSem, para onde se descoofla ler lUaie-
guido : repa-se as autoridades pi jiciaes e ara ea-
pitaes de campo a anaetbensao, e leva-la a i .
da Iiiierali'iz n. o. loja, que se graliliear.
_____________Joo Praq^yco Paredes Porto
O ahaixo issjpado raemumenda a captura
do seu eseravo de uome Juaquim, mualo, fgido
do seu sitio do Monleiro, comprad., aos seus do-
nos os Srs. Joao Gongalves da Silva, Vicente Ca-
valeant de Alluniucrque c Ale.xandre Gomes da
Silva, nesla cidade, por intermedio de seus pro
curadores na pessoa do Sr. Manoel Franci?fOV
valcanti, todos de Pao d'Allio e por intci vei ca. d
Sr. Santos (corrector de oscravos). cujo esefavo
tambem natural de Pao d'Allio e tem os disticos
seguinles: idade 33 annos, seseo do coi po e um
ponco alto, bigode, cabello um pouco carapinbadt
e penleado, falta de denles, urna nflammacan en-
cruada najunla da mao esquerda. falla a serfane
jo, muito descancada e mansa : levou camisas de
madapolo e riseado de algodao, e raleas de brim
pardo. O ahaixo assignado muito recoinn:enda a
captura deste seu eseravo todas as autoridades
o mais pessoas cncarregadas da raptan de esrra-
vos, nao s polas diversas cidades, vill;.se povoa-
dos, como pelo serlao, para onde pode ter seguido;
promette bem .gratificar, e tambem a qualqnei
pessoa que d'elle der noticia certa ; a diiigirem-
se ao seu escriptorio a ra do Crespo n. 15, ou ao
seu sitio no Monteiro.
Kecife, 27 de Janeiro de 1869.
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Fujrio no dia Io de maigo, doenge-
nlio S. Pedro da freguezia de Ipojuca, oes-
cravo pardo de nome Francisco, de idade
30 a 35 annos, official de sapateiro, cor
escura, alto e seco -lo corno, soffre de her-
me (em um dos tornozellos mais grosso,
bastante calvo, tem nm talho no qneixQ,
gosta de embriagar-se, kvaa vestido caira
e jaquela de brim pardo e chapeo de fel-
tro usado, cor parda, o dito pardo Francis-
co tem urna iimaa no Recife e tem irmSos
e tos na villa da Escada, em Freixeiras,
Aripib, por isso roga-se as autoridades
polieiaes e capitles de campo a priso db
mesmo, e quem o pegar e o levar ao dito
engenho a entregar a Antonio Emilio A Ir-
mo. ser generosamente recompensado.
Fugi do engenho Jacobina, comarca do Ca-
bo, ao amanhecer do dia 13 do eorrente nvi e
anno, do abaixo assignado, um escrav preto de
nome Antonio, conhecido por Canda, idade de 26
a 30 ann s, pouco mais ou menos, alto, ps gros-
sns, tem una das juntas do me>m<> um pouco
grossac, andar banzrirn, levando rhantV) de Utro
j usado, camisa de algodao azul e senmla de al-
godo americano, cujo eseravo veio de Puique pa-
ra Pao d'Alho. para onde se desconfa ter seguido
rogare a qualquer autoridade policial ou rapito
de campo a captura do dito eseravo. levando ao
engenho aeima, ou a ru3 d Caldeireiro n. 42, ao
Sr. Francisco Quintino Rodrigues Esleves, que
sera generosamen'e gratificado.
Antonio Cammro Lina e Mello.
Fugio de burdo do palhabole na. u.nal Ama-
ro, um mulato claro de nome Justino, estatura ro-
tular, cbelas carapinhados e nip'n.s ruiv s, pouca
barba, tera urna pinta preta no canto do ollio dire.-
to e um talho as rostas ao mesmo lado, lev. i
vestido camisa de chita com listas verdes, e usa
de urna cinta com borla encarnada para apertar
as calsas, natural de Santa Anna do Matto r.a
provincia do Rio Grande do Norte, para ende talv. i
qneira ir, tambem muito desembaracado no fal-
lar. Recommenda-se aos mesires de barraca < :i
a qualquer pessoa que o agarrar, e levar a ra
do Trapiche n. 4 ou a bordo do rcfeiido navio que
ser generosamente gratificado.
Tendo fundndia ido pr-s^nte nwz,
poder de seu senhnrjOmrji^ Frjnrisp Coni
Dias dos Santo, morador no lugar lubnra,
marca do Ilrejo da Madre de leos,
crioulo, com 23 annos de idade e bom parecido
avisa-se a toda e qnalquer pessoa que delle
ber de o apuraheuder e lva-lo ao largo da
sembla n. 9, que sera recompensado.
Iml


'
8

Diario de Peruwiiburi) Quinta feira 18 de Marco de 1869.
LTTERATRA.
POTJCO DE TUDO.
TELBGRAPHlA ANGLO-AMERICANA.A
companhia do cabo anglo-americano acaba
de publicar um velatorio dassuas operagoes,
que poem cm evidencia resultados to no-
taveis como instructivos.
Sabe-se que pela taxa adoptada ao prin-
cipio pela comparjla, o prego di3 cada te-
legramraa tinlia sido fixado etn 20 libras.
Durante os tres mezes em que vigorou esta
tana, a media dos telegrammas expedidos
quotdianamente foi de 29 e a da receita 305
libras.
Nos treze mezes seguintes o prego do
telegramma foi reduzido a 10 libras. A
media quotidiana dos telegrammas transmit
tidos elevon-se a 04, e a da receita a 579 li-
bras.
Km dezembro de 1807 houve nova re-
duegao de prego. O telegramma nao cus-
tava seno 5 libras, e este regimem durou
nove mezes. Media dos telegrammas quo-
tidianos, 1H1, media da receita diaria, 03o
libras.
Finalmente depois do 1. de setembro
ultimo a taxa desceu a 3 libras 7 sh. O d.
D'esta vez a cifra da receita dmnuio um
pouco (013 libras por dia), mas. o movi-
mento quotidiano dos telegrammas elevou-
se a 20 j, c curapro notar que o calculo
d'onde resulta esta media abraca unicamen
te um periodo de cinco mezes.
Animada a companliia por estes resulta-
dos, est resolvida a fazer ainda mais ou-
tra redueco d'aqui a poucos mezes.
EMIGRACO.A Sociedade Alienta, de
FJmigrago acaba de ter, em Nova-York, a
sua reunio annual, sendo (ido por essa
occasio um relatorio que contm inters-
cantes esclarecimentos.
A immigrago allemia pelo porto de No-
va-York, que era de 80;859 individuos em
1857, diminuio mnilo nos annos seguintes.
Em 4802 s foi de 24:172 individuos, mas
lando augmentado muito, depois da guer-
ra, attingiono anuo de 1807.a cifra de....
115:829 e no de 1868 a de 104:515.
N'este mesmo anno a Irlanda enviou-----
48:421 emigrante a Nova-York, a Inglater-
ra 20:971, a Escocia 0:OJO, a Suecia.....
54:900, a Suissa 3:007, a Franca 2:621 e
3 Hollanda 2:127.
IGREJA FRANGE LA.A Revista Calho-
lica publica curiosos dados sobre a igreja
de Franga.
O cabido de Nossa Senhora de Paris,
conta 18conegose7 prebendados: o de S.
Tinz tem 8 conegos da ordem de bispos e
17 de segunda ordem: os outros 17 cabi-
dos metropolitanos 9 conegos cada um, e
os 69 cabidos catliedraes 8. Com os co-
negos da Argelia ha em Franca 753.
O numero de parocliias eleva-se a35,37,
das quaes 3,431 tem curas inamoviveis. A
dotacao de conegos e parochos eleva-se a
frs. 38.990.050. Em algumas dioceses ha
freguezias parochiadas por individuos per-
tencentes s communidudes religiosas.
A igreja franceza conta hoje 18 provin
cias ecclesiasticas com 92 cadeiras metropo
lanas e episcopaes. Cada urna d'estas dio-
ceses, exceptuando quatro, tem o seu gran-
de seminario, dirigidos 36 d'elles por sa-
cerdotes das dioceses, 22 pelos religiosos
de S. Sulpicio. 17 pelos lazzaristas, 0 pelos
jesutas e os outros pelas oulras orleus re-
ligiosas. Alea disto ha em Paris os qua-
tro grandes seminarios dos lazzaristas, das
missoes estrangeiras, dos irlandezes e o de
Picpus.
A Franga tem cinco faculdades de theo-
logia.que fazem parte da univgrsidade e
que esto sob a jurisdiego dos prelados de
J'aris, Leo, Rtiao, Aix e Rordeus. Ha lam-
bem os estabeleeimentos para as missoes
de frica e da Oceania. Os pequeos se-
minarios em Franga sao 172.
Tambem existem 18 abbadias, duas de
benedictinos, urna de cistercienses e 15 d
trapistas. A ordem dos cistercienses tem
onze priorados. A ordem de Santo Agos-
tinho tem, as suas diversas ramificagoes,
seis casas. 0 numero de eartuxas de o-
to, alm de outras duasde inulheres. Os tri-
nitarios descalgos tem tres con ventos, os do-
minicanos dezoito. A ordem de S. Francisco
conta, nos seus tres ramos, 40 mosteiros,
os carmelitas descalgos quatorze casas e se-
tenta e quatro os jesutas. A ordem de S.
bernardo tem tres conventos.
GRECIA.Damos em seguida a procla-
maro dirigida ao povo hellenico pelo ga-
binete de Alhenas, depois de ter assignado
oprotocollo da conferencia:
Conedadaos.Chamados pela confian-
FOLHETIM
os dmiis de mimk
POK
lie Berthet.
rnle-S^I. govcraago do estado, no
momento em que se acha ausente a repre-
sentarlo nacional, dirigmo-nos a vos para
vos expormos as cireumstancias, no meio
das quaes acceitamos esta missSo, bem como
a situago om que achraos os negocios p-
blicos.
Durante tres annos consecutivos os
gritos de um povo faziam palpitar todos os
coracoes hellenicos, e estes gritos nSo po-
diam deixar de commover a alma d'aquel-
les que dirigiam os negocios do paiz; foi a
um tal appello que vos todos, e que toldos
os gregos, onde quer que se achem, sol-
lcitamente acudistes, prestando o vosso
auxilio quelles que o reclamavam ; os ho-
mens que governavam a Grecia tamben ma-
nifestaran! por mais de urna vez e por di-
versas formas as sympathas de que n'esta
conj unctura estavam 'animados.
t Estes fados deram lugar "no passado
a que um estado yjsinho levantasse queb
xas contra nos, que de caso pensado vio-
lavamos com a nossa tolerancia, ou por meio
dos actos materiaes, a neutralidade que nos
era imposta; desde o principio e at certa
poca estas queixas, refutadas sempre, nun-
ca poderam ser apoiadas com insistencia.
Porm o governo do sulto julgou ultima-
mente dever suspender por causa d'estes
fados as suas relacoes com a Grecia, eao
mesmo tempo que o ministro da Turqua
em Alhenas pedia em 5 de dezembro ao mi-
nistro dos negocios estrangeiros da Grecia
que lhe fizesse entrega das suas credenciaes
para sair da nossa capital, a cidade mais
commcrcial da Grecia, Syra, vi chegar em
2 de dezembro o almirante turco Hobbart,
acompanhado de varios navios de guerra,
com a missode reclamar os vapores mer-
cantes que abasteciam Creta, e bloquear o
porto da referida cidade, alim de obstara
que partissem para Creta, e obrigar esta
Iha a render-se por falta de viveres.
< Foi assim que o bloqueio da ilha de
Syra existi de fado: os vapores mercan-
tes que abasteciam Creta por sua renta e
risco.cessaram as suas viagens aquella ilha;
Creta ficou desprovida de munices, o os
gritos de um povo irmo, que desde tres
annos faziam palpitar os coragoes dos gre-
gos, n3o mais &e ouviram. Posto que seja
ardente o enthusiasmo d'aquelle povo, a
sua voz comecou a fazer-se ouvir menos ve-
zes, e n'este momento deve estar qaasi ex-
tracta.
O territorio* hellenico foi, pois, violado,
o esta violago impressionou profundamen-
te a nago inteira; porque a Grecia* nao
podia, e nao tinha os meios de castiga-la e
de vingar a sua honra.
Narradores sinceros d'estes aconteci-
mentos, vimos desempenhar, com o cora-
go maguado, .esta triste misso, fazendo
votos para que esta narrativa sincera sirva
para despertar d'hoje em diante a previden-
cia dos governantes e dos governados. E,
defeito, trinta e seis annos depois de pro-
chinada a primeira dynastia, eis que o go-
verno se via nadolorosa situago de tolerar
por falta de meios, a violago do territorio
hellenico.
Ao passo que taes aconteciraentos ti-
nham lugar na Grecia, a Europa inteira ma-
nifestava o desejo do manter a paz europea,
evitndose qualquer pretexto que podesse
perturba-la; as tres potencias protectoras
da Grecia, e as outras tres que com ellas as-
signaram o tratado de 1850, relativo in-
tegrdade da Turqua, tomavara a seu car-
go o exame d'esta pendencia, emitliara a
sua opnio, declarando bem fundadas algu-
mas das queixas articuladas contra nos, e
attribuindo a nossa conducta a um impulso
patritico, e nos impuaham a obrigago de
observarmos para o futuro as regras que o
congresso de Paris considerou como obri-
gatorias para todos os governos. Eis aqui
quaes sao estas regras:
A Grecia deve abster-se de coadjuvar
ou de tolerar:
l.a organisago no seu territorio de
bandos recrutados com o (im de aggredirem
a Turqua:
2. o esquipamento nos seus portos de
navios armados e destinados a auxiliar, sob
qualquer forma, qualquer tentativa de in-
surreigo nos dominios de 9. M. o sulto.
Esta opinio da conferencia acaba de
ser notificada pelo seu presidente, o minis-
tro dos uegocios estrangeiros da Franga,
n'uma carta dirigida ao ministro dos nego-
cios estrangeiros da Grecia, o qual foi con-
vidado a dar urna resposta, na semana in-
mediata da entrega d'aquelle documento,
participando a sua adheso pura e simples
s declarages expostas n'aquelle acto e o
seu proposito de conformar com ella de
hoje em dianle a sua attitude.
N'esta mesma carta, o ministro dos
negocios estrangeiros da Franga, o qual
presidio essa conferencia, faria saber ao
os
no caso
governo hellenico que: pelo fado da si i
annuencia s doliberagoes da conferencia,
a Turqua teria de desistir as jnedidas
annunciadas no seu ultimtum ataviado
Grecia, e seramcensderadas-fwo fado res
tabelecidas as relacoes .diplomticas entre a
Turqua e a Grecia ; mas que se o tover-
no hellenico se recusado a ammir s deli-
beragoes da conferencia, esta abajidona-la-
hia s consequencias de urna tal medida.
Ao tempo que nos era entrene os'sa
carta do ministro dos negocios trangeirui
da Franca, mudos soberanos e- govornos
nos cnviavaiu conscllns e exhwia'eoes, di-
rectamente, e por meio dos agentes diplo-
mticos de S. M. as differentes cortes da
Europa, recommendando Grecia, qae se
conformasse cem as dolberacoes da confe-
rencia, e fazendo-nos ver claramente
graves perigos que nos amecavam
de urna recusa.
Todava, quatro dias depois da rejeep-
g3o dos documentos offictaes de que se
trata, sobreveio urna crise ministerial, a
qijal chegou hoje ao seu termo, por isso
que 3. M. houve por bem chamar-nos para
nos entregar as redeas do governo; e ma-
nha ser o derradeiro dia do praso que
nos foi concedido, pelo presidente da con-
ferencia para darmos urna resposta.
Depois de vos darmos um resumo
exacto das deliberagoes da conferencia, nlo
podemos deixar de vos observar que, por
mais penosa que seja para a Grecia a sua
annuencia estas duas condicoes, nem o
sen futuro era as suas aspirarles lcam
por isso comprometlidas. Porm se nos
recusassemos a adherir s deliberagoes da
conferencia, restar-nos-hia o nico recurso
de urna guerra contra a Turqua, guerra
para a qual infelizmente nao estaramos
preparados pnr mar ou por torra.
i epresentago nacional que sabir das
futuras eleices, que ho de ser verdadei-
ramente Hwes, e as quaes a acgo do go-
verno nao se far sentir por meios lcitos
ou Ilcitos, liavemos de apresentar tuna
relagao circumstanciada de todo o material
de guerra, que actualmente se acha nos
nossos arsenaes, e fornecer-lhe-hemos in-
formagoes exactas acerca da.situago do
exercito de trra e mar, e acerca de todos
os outros objectos necessarios para entrar
em campanha.
Pelo qu nos diz respeito, julgamos
que seriamos traidores nossa desgranada
e amada patria, se a expozessemos aos
azares de urna guerra, no momento em que
por um lado, o nosso exercito nao est
preparado nem suffieientemente numeroso,
e em que, jrtor outro lado, a Europa inteira
desapprova toda e qualquer tentativa de
perturbar a paz geral.
Em presenca de urna- tal situago, nao
podamos hesitar sobre o que convinha fa-
zer : ern presenga de tantos males certos
e inevitaveis, nio po'liamos. hesitar em
annuirmos s delilieraroes da conferen-
cia.
N'estas difficeis conjuncturas, foi ni-
camente o sentimento dos nossos deveres
para com a patri, que -fez cora- que ac-
ceitassemos a misso que o re nos con-
fiou.
Os nossos deveres para com a patria
igualmente nos impSem obrigacao de res-
pondemos, como fazemos, conferencia
reunida em Paris, erabora nos-ruste lesig-
narmo-nos a isso.
Estes raesmos deveres nos ordenam
de juntar nossa resposta urna exposig3o
dos diretos e das reclamacSes da Grecia:
nao deixaremos de desempenhar esta tarefa.
Depositando plena confianga n'um principe
eleito pela vontade unnime e lvrementc
manifestada da naco; n'um principe que
respeita as nossas "liberdades publicas e
que tem a peito a gloria e a grandeza da
nossa patria, invoquemos todos em sefavor
a proteegao do Altissimo, e dirijamos votos
ao co para que as nossas dolorosas prova-
coes nos sirvam de ligo, e nos ensinem a
\ harquinha tenj capacidade para 32 pes-
soas.
Antes de emprehender a sua grande va-
gem, que se veriflear provavelmente no
proximonea de junh, o r. Chevalicr fa-
r algumas ascengocs preparatorias.
Estas informages sao dadas pelas folhas
francezas, que se apressaram a copia-las de
outras americanas. Declaramos isto para
ucargo da nossa cijnsciencia.
O CONDE DE MSYlAK NAMORADO.
Lin correspondente de ttttWm conta a se-
guinte chistosa ancdota :
Em um dos ltimos bailes da curte no-
tou-se que o conde de Brsmark obsequiara
com extraordinario cuidado a urna das rai-
nlias do baile, esposa de um diplomata es-
trangeiro : a beldado fascinadora tinha cau-
sado urna impresso grande no corac5o do
astuto* ministro prussiann, o qual com esse
ar conquistador que o distingue, estendeu a
mo com grande serenidade paracolher urna
flor do grande ramo que adorna va o peito
da dama.
O namorado ministro rceebeu urna pe-
quea pancada de leque nos dedos.
-Perdo, Sr. conde, disse a dama, isto
nao um Estado de Allemanha, preciso
pedir para obter.
PI IX,Dizem as noticias de Roma que,
apesar de ser vivissimo o fri, o papa nSo
interrumpe os seus passeios. As guardas
nobres, os dragues e os prelados da escolta
ten o rosto gretadopelo ar fri, mas nin-
gttena se atreve a queixar-se na presenga
d'aquelle velho d 77 anuos lao lesto e to
animoso. ,
Cousa que costa a crer: Pi I\ nao tem
foglo no seu gabinete de trabalho ; ha s-
mente na sua ante cmara um grande bra-
zeiro de cobre cheio de brazas, no qual M
lancam cascas seccas de macas o de laranjas.
O que se chama o confortavel ainda des-
conhecido no^aticano. As escadas, as*ja-
nellas, as salas, as capellas, tudo tem um
ar de cousas de um re, mas ao mesmo
tempo urna siraplicidade que exclue s com-
moflidades. A lista civil do Papa apenas
de 3:500:000 francos, e com esta quanta
tem de prover sua sustentago pessoal e
das residencias pontiheaes, pagar aos dig-
natarios da crte.aos cardeaes, aos nuncios,
daresmolas, etc.
BRAVURA SATYRICA.Um jornal saty-
rico de Rerlim, refere a Revolaco de Setem-
bro, representa ao imperador apoleo ar-
mado de urna Chassepot e urna pistola, oc-
cultando debaixo das abas dogibao urna me-
tralhadora, cumprimentando o re da Prus-
sia, que se dirige para elle armado de una
espingarda de agulha.e o re da Italia que
avanca com um rewolver na raao. Na par-
te inferior da gravura leem-se as seguintes
palavras :
As vossas relages com as potencias es-
fazermos de hoje em chanto o que fr mais | trangeiras sao completamente pacificas.
til e eflicaz.
BANCO DE PARS.Falla-se ha Bolsa de
Paris da fundago de um estabelecimeuto
de crdito, patrocinado por capitalistas mui-
to conhecidos. Esta instituiro receber o
nome deJaneo de Parise ter por base
um novo systema. O capital efectivo ser
de 5 millioes de francos, e o nominal de
23 millioes estar dividido em 2:500 accoes
de 10:000 francos cada urna, nao negoca-
veis.
A sociedade poder ser dissolvida, em
caso de perda, por urna simples deciso da
junta geral de accionistas, oceupando-se a
sociedade exclusivamente de urna explora-
gao industrial.
SABIA DELIBERACAO. 0 governo do
grao-ducado de Badn acaba de abolir a
disposico, pela qual os editores eram obri-
gados at agora a entregar autoridade um
exemplar das obras que publicavam. Era
aquello um dos ltimos
do da censura.
vestigios do reina-
se encontrara na costa ingleza defroute da
Franga j e demonstiou qu3o fundada a
opini geral dos gelogos, que acreditan
que a, Franca e a Inglaterra eram outr'ora
unidas e formavam un s paiz.
O relator expoz a ponca profundidade
da agua entre a Franga e a Inglaterra, de-
monstrada pelas cartas do ahnrantado, e
demonstrou, em vista da profundidade uni-
forme de leitos na* duas margens do es-
treito, que o tunnel nao teria de atravessar
solucoes#de continuidade, e pelo contrario
um leito'todo etaceo: que se poder per-
forar fcilmente este leito, o qual nao tem
nenhuma fonda o quasi inteiraaiente- im-
permeavehO Sr. Reckett accrcscentu (pie
os promotores do projecto tencionam cons-
truir dous tunneis parallelos para urna s
linia de railse queKdespeza seria inferior
a 10 milhoes de libras sterlinas.
STATISTICA.Segundo os ltimos re-
censeamentos. verificados em differentes
paizes da Europa, resulta que ha:
Na Hespanha um ecclesiastico por eada 90
habitantes.
Na Russa, um por cada 153.
Na Polonia, um por cada 100
Na Italia, um por cada 200.
Na Franca, uni por cada 280.
Na Inglaterra, um por cada 350.
NaAustria, um por cada 010.
E nos Paizes Baixos, um por cada 010.
Ye-se. pois, diz urna foiha de Madrid
d'onde transcrevemos estes dados, que a
Hespanha a nago que tem mais sacerdo-
tes, por isto que ha n'ella um por cada 90
habitantes ; porm urna das provincias que
tem mais a de Burgos, onde, segundo as
informagTtes publicadas por diversas folhas,
existe umeura por cada 10 habitantes.
PHENOMENOS ELCTRICOS. Dizem
algumas folhas parisienses que na noute de
3 de fevereiro as linhas telegraphicas fran-
cozas foram percorridas por correntes do
e'edricidade almospherica de notavel inten-
sidade.
Estas correntes, que se manifestam ordi-
nariamente quando apparece urna aurorra
boreal, percorrem os nos, atravessam os
apparelhos e interrompem as. transmisses
de despachos.
As correntes elctricas desenvolveram-se
n'essa noute sob a aegao magntica do glo-
bo e adquiriram a certa hora tal intensidade
que nao se podia tocar nos conductores, dos
quaes sahiam diispas ao menor contracto.
uPor causa d'estes phenoraenos as com-
municages telegraphicas estiveram inter-
rompdas toda a noute.
Athcnas, 25 de Janeiro, (0 de feverei-
ro) de 1869 T. A. Zaimis presidente ;=
Delyanni, Pezzaly=Soutzo, Trincheta.
O atlnilail.
(Continuagao do n. 61)
Em quanto as pessoas recentemente des-
embarcadas oliservavam os habitantes de
Cayenna tambem estes nao examinavam
aquellas com menos curiosidade. 'N3o se
dava exactamente esse caso a respeito do
capito e' Miguel, por quanto erara mari-
nheiros mercantes como os que frequente-
mente all appareciam ; Josephina Bertomy.
porm, que n3o se assemelhava aos ty-
pos femininos que ordinariamente se viam
na capital da Guiajina franceza. excitando
tanta sorpreza como admirag3o no seu tran-
sito esta elegante joven, de tez morena e
palhdo semblante, toda vestida de preto e
coberta com um veo de crep.
Nao tardou que os transentes notassem
ser algum d quelles personagens objedo
de verdadeiro odio.
Logo ao saltar em trra se ouvio um de-
, gredado dizer, mostrando Grandval aos
seus camaradas :
Aquelle o capitao de marinha mer-
cante que deauntiou o pobre Rigaut I
Grandval, dedgaando-se de responder a
esta injusta ^accusag.i, continuara o seu
caminho ; medida, porm, que caminhava
a hostidade tornra-se mais ostensiva.
Nao s^degredados, mais negros e mulatos
da nfima plebe, iam-nos s^guindo e co-
chichando.
O capitao finga nao perceber, recelando
sobresaltar Josephina, mas esta animadver-
so pacifica depressa se manifestou mais
signiti(ativamente.
Ao atravessar um estaleiro de construc-
go, Grandval dirigio-se a um official de
marinha, pedndo-lhe algumas iuforma-
goes. Ao voltar para junto de Josephina
e Miguel, que o esperavam a alguns paseos
de distancia, achou-so de face com dous
degradados, que levavam aos hombros
urna grande viga. Grandval, parou para
Utea dar passagem, mas elles de repente
dexaram uahir a viga de forma, que pa-
receu deven, ter quebrado as pernas d'a-
quelle. Felizmente, o joven martimo ti-
nha tanto do robusto como de gil, e, ao
ver vacillar o madeiro, deu um pulo para
o lado, evitando assim que elle lhe to-
casse. .
Veio logo um rigia, que reprehandeu
speramente os dous forgados pelo sen
apparente descuido, porm um desculpou-
se simploriaaiente e o outro at fingi ter-
se ferido com a^ieda da viga.
Quanto a Gra^Jval, posto tvesse sor-
prendido um olhar de intelligencia. ehtite
os dous forgados antes de deixarem cahjr
a viga, n3o quiz estar a ouvir recrmina-
goes e foi-se affastando silenciosamente.
Josephina nao vira n'aquillo miis.do que
unj simples acaso e ainda a tremor ^elici-
tou o capito por ter escapado queUe pe-
figo ; Miguel, porm, parecen n3o se'con-
vencor tanto de que fosse negocio pura-
mente casual. Nao cessava da olhar para
os toreados, resmungando e de .punhos fe-
chados. Foi preciso, para se tranquili-ar,
que Grandval se lhe sorrisse e lhe ..fizesse
um signal familiar.
Foram-se dirigindn para a habitacJo d0
vwvji.Gallos, situada, como 4 diawaos,
VIAGEM AEREA. O Sr. Chevalier,
aereonauta francez, acaba de chegar a No-
va-York com o designio de emprehender
una viagem aerea atravez do Atlntico,
quando a estago seja favoravel.
Este intrpido viajante j percorreu m
5 horas a distancia que separa Paris da Rus-
sa, entre outras emprezas nao menos ar-
riscadas, e contra, para a sua nova viagem,
com a constancia das correntes que reinam
as altas regoes da atmosphera.
O balo do Sr. Chevalier A Esperanca,
tem95psde altura por 150-de dimetro e
pode conter 120:030 ps cbicos de gaz.
SUPPRESSAO DO ESTREITO DA M VN-
CJ1A.A foi ha ingleza Evening Star d os
seguintes pormenores sobre o projecto de
ligar a Franga e a Inglaterra por meio de
um tunnel, projecto que, como se v. ainda
nao foi abandonado pelos dous paizes :
0 Sr. H. Bcckett, que foi escolhido
pelos governos da Gr-Bretanha e de Franga
para fazer um relatorio sobre a possibilii la-
de de estabelecer urna commnnicaco entre
os dos paizes, por meio de um tunnel
submarino no estreito de Dever, presidio
ltimamente a um meeting da Sociedade
Geolgica de Dudley, e leu urna memoria
obre ste projecto. Depois de ter os di-
versos planos que teem sido apresentados, o
Sr. Beckett fez urna descripgo muito clara
das diversas carnadas de greda e marga que
FUAD-PACII Na tarde II de feverei-
ro fallecen em Niza, onde tinha ido procu-
rar allivo aos seus padecimentos, Faud-
Pach, ministro dos negocios estrangeiros do
sulto Abdul-Azis.
Nascdo em Constanlinopla em 181 ,
Fuad-Pach pertencia urna familia de lit-
teratos. Seu pa, Izzet Mollah, era o Beran-
ger dos turcos. Urna de suas tas, Leila-Aha-
toum, tinha protestado em bellissmos ver-
sos contra o injusto prejuizo dos musulma-
nos qne collocam a mulher n'um plano mui-
to inferior, e sao capazes de perguotar,como
o concilio do VII seculo, se a mulher um
ser humano.
Fuad-Pach foi alternativamente poeta,
medico, interprete da Porta-Ottomana, se-
cretario de embaixada em Londres, grande
referendario do divn, encarregado de mis-
soes em S. Potersburgo e no gypto.
Era vido de instruego, e apesar das
suas diversas (uncfoes nao eessou de estu
dar todas as linguas da Europa e de se
iniciar as obras' da civilsagao europea,
qual o fanatismo oppoz por muito tempo
urna grande brreira na Turqua.
Elevado em 1850 ao cargo de mustechar
(ministro do interior), foi nomeado ministro
dos estrangeiros em 1852; em 1833 pedio
a sua demsso por eausa do gabinete de
S. Potersburgo; em 1854 foi commissaro
do governo junto do quartel general de
Omer-Pach e membro do Tanzimat; era
1836 voltou ao ministerio dos estrangeiros,
e foi nomeado muchr e pacha.
A comecar d'esta poca, Fuad-Pach foi
urna das mais brilhantes personificar oes da
joven Turqua, da Turqua regenerada, que
comprehende que nao se deve isolar e que
precisa de abandonar as doutrinas do exclu-
sivismo e da immobilidade. Fuad-Pach era
um d'esses turcos que repellem as tradiges
do fanatismo e que se afazem com maravi-
Ihosa flexibilidade aos costuraos, lingua-
gem e aos usos dos povos outr'ora malditos
em nome do propheta.
entao 09 annos e um dia. Depois de tur
reno como voluntario, em 1814, a guerra
contra o trancezes, confinuou era Berliu
rJS0* eSU,dos, """Cato cm lena, sua
cidade natal; depois percorreu a maior
parte da Europa, e sendo honrado ,com a
amisadee estima de Goethe, turnou-se no-
tavel pela sua Historia da conxtUuicto ro-
imnaat amorte de Cesar: obra" muito
apreciada pelos crticos competentes da \1-
lemanha.
JOGO DE TTULOS DE JORNAES HES-
PANHOES.Um peridico hespanhol entre-
teve-se com o seguinte jogo:
Se o Pensa ment Espaol fora bem co-
nbecilo na poca presente, nao ha duvida
que o Pueblo da antiga Iberia, unido em
admravel Certamen e considerando suas
Libertades Publicas, caminharia seguro
Legitimidad de seus desejos com a Espe-
ranza de urna total Independencia, que
nunca os Sucesos poderiam arrebatar, e
consegrando no Siglo em que vivemos, sem
Novidades ephemeras, rana Regeneracin
completa, depois d'uma Discusin rasoavel
em que- hnperasse a Igualdad, a Justicia, e
cujo Eco formando para a Nacin urna so-
lida base em suas aspira?oes, fosse a par a
Centinela del Pueblo que velasse a Vanguar-
dia por a Defensa ios interesses di Revo-
lucin Hespanola, conservando, d'an modo
Independiente, a Alianza d* los'Pueblos e
de As Provincias, por cujo pregresso- vela
o hornera, Diario sustentador dwstea inte-
resses, Amigo del Pueblo, e cuja Poltica
tende a fundar a felicidade do paia nos so-
lidos cimentos da Monarchia demoera-
tica, i
TERRIVEL CHOLLE.O Jornal das
Debates, de Pars, doscreve as seguintes
linhas um grave accidente que leve lugar
ltimamente, no caminho de ferro de cir-
cumvalago:
Na quinta-feira pela manha houve um
choque no tunnel situado debaixo do mni-
tero d'Esle, entre um trem de mercado-
riat que se diriga da Villete a Bercy, e um
trem de viajantes que vinha em direcgo
opposta. Este accidente foi devido im-
pericia d'um machinista novato. O choque
foi terrivel.
Nao se pode descrever a confuso que
reinava no meio de profunda escurido do
tunnel; n'um limitado espago os viajantes
que tinham escapado ao sinistro esbarravam-
se a cada passo com feridos e destrogos
dos wagos, no meio de um espesso fu-
mo.
Dado o signal de desastre correram
all inmediatamente alguns policas que
restabeleceram a ordem e prestaram ospri-
meiros soccorros. Organisou-se um servi-
go de soccorros ao claro de ardiles. Os
feridos, cujo numero se elevava a mais de
10, foram collocados em macas eeaviados
primeiro estagao, o d'alli para os hospitaes
de S. Luiz e Santo Antonio. Muitos d'el-
les tinham horriveis contuses.
* O machinista e o foguista do trem de
viajantes ficaram litteralmente esmagados.
Os do trem de mercaduras soflreram ape-
nas leves ferimentos.
Dos dous lados a colliso produzio
consideraveis desastres. Seis ou oito wa-
gos quebrados uns de encontr^ aos ou-
tros e reduzidos a pedagos atlhavam a
va.
a Apesar dos promptos soccorros pres-
tados s desgragadas victimas desta catas-
trophc, parece que cinco d'ellas suecumbi-
ram no mesmo dia. i
ENFIADA DE TTULOS. Morreu em
Inglaterra o marquez d'Anglesey repentina-
mente. Os seus ttulos eram o muito hon-
rado Ilenrique Paget, marquez d'Anglesey,
conde do Uxbrige no condado de Middles-
sex, e baro de Paget de Beaudeserl, no
condado de Strafford, par do Reino-Unido,
e baronete da Irlanda, lord lente o cas-
tus rotulorum do condado do Anglesey ;
ora o ilho mais velho do feld marechal
Ilenrique William, que se destinguio como
official de cavallaria na batalha de Water-
loo.
O marquez tinha nascdo em 6 de julho
de 1797 .
na extremidade de um arrebalde do lado
opposto ao mar. Os transentes torna--
vam-se raros, ou porque o calor os tivesse
forcado a recolherem-se a casa ou porque
o sitio era menos frequentado do que o
do lado do_raar. Iarn por una ra orlada,
de babitagoes de negros e sebes dejardins,
quando urna noz de coco do tamanho da
cabega de um hornera cabio to prximo
de Grandval, que lhe tocou de leve no
chapeo, ouvndo-se ao mesmo tempo urna
voz rouca bradar :
Judas I
O enorme frudo despedagou-so aos. ps
dos caminhantes, que pararam, diligencian-
do ver d'onde partir o impulso, porm
nao descobriram pessoa alguma.
A noz do coco nao poda m sido deslo-
cada de-nenhuma das arvores que orlavam
o caminho, por quanto todas eram piraen-
teiras ; de certo fra atirada,detraz de al-
guma sebe por inimigo que se occultou.
D'esta vez Josephina nao pode deixar de
suspeitar dos dous incidentes quo. tinham
collocado em risco a vida de.Grandval, e.
puxando-o para o lado opposto do caminho.
em quanto Miguel se pbstmava a, alongar
a vista em todas as direccSes, disse-lhe
atemorisada :
Apresse-so, meu charo Pedros a Ir
para bordo do seu navio Eu irei s com
meu irmo paracasada Sra. Gallois: Rigaut-
disse-me que todos os seus camaradas lhe
obedeeiam: j vio o effeto das-snas amea-;
gas I Os forgados suppoem-no autor de
urna tragao para com o seu chefe e s3o
capaaes...
, Tranquillka-se, boa Josephina re-
d.irgmo GrandwU.sonrindoTae. \)oe tei
nho eu a recejar, n'rana-cidade ..timben-pendeneias.
as evitar, tanto mais que ellas sao mal di-
rigidas, como acaba de presenciar.
Mas dz-se que os forgados teem nu-
merosas ligagoes em toda a parte... Deve
suppor que eu tenho tirado todas as infor-
magoes no que diz respailo a estes des-
gragados. Aqui, como as gales em Fran-
ga, teem elles amigos em liberdade, a
quem se ligam para satisfazerem os seus
odios e vingangas. Como sabe, estaraos
no paiz dos vagabundos de todas as ragas,
no paiz dos envennamenos clandestinas,
Oos assassinalos barbaros t... Ah meu
amigo, pego-lhe que vele por sil Custar-
me-hia demasiado cara a liberdade de meu
pai a troco do sacrificio da sua vida t
Ao dizer isto, o seu olhar era suppli-
cante e a.sua voz ebeia da meguice.
Obrigado, rauha Josephina I bal-
buciou Grandval Para me tornar digno
d'estas pravas de aeigao arrestara eu-
Confesso que Jrauitas vezes, ao ve-la sub-
raersa n'uma nica idea, tenho chegado a
duvidar... porm nao, nao ; illuso mi-
nha... No dia em que o seu corago se
torne accessivel a outros sontimentos alm
dos da ternura filial. At entao nada re-
ceei a meu respeito. Estou prevenido e
precavido. Trago sempre um bom rewol-
ver, de que farei uso em caso do necessi-
dade. Tratemos, pois, de lhe proporcio-
nar urea residencia commoda e socegada
durante o tempo que se conservar em
Cayenna... ecreiq que estamos chegados
casa da vuva Gallois.
A habitacao indicada consista n'uma bo-
lita casa, quasi nova,> de um andar cima
do rez do chao ; alguns alpendres, de li-
geira cqastrucgo,,- fama va m- as las de-
PASSAMENTO.No dia 20 de Janeiro
ultimo, morreu em lena o lente Goting,
philologo e antiquario distincto. Conta va
pohciada? Um atafue imn forga impos
sivel :, quanto s traiges que me pode-1
riam armar, confio na minha destreza para
JBhi urna varanda gnaroeflida. de. plantas
trepadeiras e floridas viara-se ? os..poleiros
de muitos papugaios parMwM, 9 gaiolis
douradas encerrando alguns d'aquellos pe-
queos e engragados macacos chamados
Ouistitis.
A casa eslava separada do caminho por
urna gradara de madeira e por um pateo,
onde depenicava numeroso rebanlo de
faizes, pav5es e soberbos patos, sob a
vigilancia de um agam. Esta grande ave,
que na America meridional tem pelas aves
domesticas a vigilante dedicado que sob
os raossos climas exerce o c3o rafeiro para
com os rebanhos de gado, passeava garbo-
samente no centro dos seus-empluma dos
subditos, fazendo ouvir de vez em quando
o seu estrepitoso cantar, d'onde tira tam-
bem a denominagSo de ave-tro%beta. Pelo
lado detraz da casa estendia-se um jar
dm, cercado de urna solida sebe, reforgaila
por aloes, calos e outros arbustos espi-
nhosos, nao faltando as larangwras, as ar-
vores de cravo da India e as baunilheras,
que exhalavam perfumes inebriantes.
A casa da Sra. Gallos nao era por orto
a ultima do arrabaldo de Cayenaa, mas
o que facto que as outras nao se po-
diara distinguir, perdidas, como estavam,
no centro da fertl agitago de que temos
fallado. E' ella de til fecundiiiade, que
um terreno nu, abandonado a si mesmo,
se cobre em alguna dias de grandissimas
hervas : passados: alguns mozes, estas her-
vas formam urna malta impenetravel ; n >
fina dedous annos ter-so-ha um bosque
com arvores de vinte metros de altura.
Tem o homem facilidade era destruir, mas
nao tem a aaiunua maanea reparar pr-
vidamente o&seus estragos. N'este sitio,
to pwxtrao do urna populosa cidade, re-,
nava a mais profoada solido, e o caminho
que se psoloaga^toara.alra da casa pare-
ca entroneac em plena floresta. Todava
esta.-insulagao, esta, espassJt-jegtUgao,
jesta casa animada,polo canta 'aquellas
1 magnificas aves, nlo desagradaran a im-
IMPORTANTE NOTICIA -Um "jornal de
Londres diz que acaba do achar-se nos ar-
chivos do ministerio da India um thesouro
de grande prego ; foi a bibhotheca de Ta-
merlan, formada por aquelle conquistador
durante as suas expedicoes. Dizem qui-
entre as riquezas que encerrara se adiara
documentos d'um valor extraordinario, com
referencia biographia de Mafoma.
phna Bertomy. Depois de ter examinado
tudo atravez da gradara, disse, suspirando,
a Grandval :
Visto que forgoso esperarmos ainda
oito dias, creio que nao finaremos ma
aqui.
Entraram no pateo. Um velho e urna
velha negros, marido c mulher, que paro-
ciara ser os nicos criados da casa, sahiram
ao encontr dos recem-ciiegados. Como
Grandval perguntasse pela Sra. Gallos, a
negra enlrou em casa, em quanto que o
marido introduzia os hospedes na varanda
com toda a especie de caricatos cum-
priraentos, revolvendo os olhos a ponto de
os por em alvo e exhibindo a enorme den-
tadura. A negra n3o tardn eor voltar,
conridando-os a entrar n'uma sala do rez
do chao, onde se achava a ama.
A Sra. Gallos tinha os seus vinte o oito
annos, idade mui prxima 'a inadureza
n'aquelle ardente clima, obretudo para
urna mulata. C)tu tudq ainda era for-
mosa e os olhos conservawm notavel br-
Iho. Trajava tr favorito roupao liso, de ra-
magem de vivas cores. Os bragos ns
estavam adornados de braoelete& traveja-
dos deouro. O leaco da aboca, posto
com elegancia, oceultava graciosasaente
parte dos cabellos, un pouco enearapiuha-
dos, e quem i sabe so tambora ella doseja-
ria occultar os grossos beioo*,ie deaun-
ciavam a origom africana. A* sua* ma-
neiras eram graciosas, anafiniloientes, e
ora fcil var-se qu ella, pa*"3 i wber os
heepedes, detfra preeipitodaraeute a sua
cama de rede, a qual ainda se oonservava
cora um potto dn movimento BiHpeasa
aura nguieda sala.
i KamlmmrHHuiJ.
T\V, WS BIABIO-R8A lis CTMT

-
i
\
s
I'
\i
I



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJJ97JAUB_4FWQ4I INGEST_TIME 2013-09-14T02:15:53Z PACKAGE AA00011611_11794
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES