Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11792


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO XLV. NUMERO 60.


1/

.1
PAfiA A CAPITAL E LQfiABES ONM IAO SE- BifiA PORTE,
Per tres me adornados..............*~ 6000
Por seis ditos idem..................P. ISiJOOO
Porum auno idem......:.............. 240000
Cada atunero avulso.................. (5320

TERQA FEIRA 16 DE MARCO DE 1869.
PARA DENTRO E FOSA DA PROVINCIA
Por tres mozes achantados..................
flor.se ditos idem............'........'.,'.
Por nove ditos idem...................
Por um anno......................

2Q4S
271000



Propriedade de Manoel Fgueira de Fajia & Filhos.


' ~~~
.....
SAO, ASE3T:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves
o Alves & Filhos no Para; Goncalves Pinto, no Maranhao; Joaquim Jos de Olireira, no Cear; Antonio dfc temos Braga, noAracaty; '.ty3o Mara Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joaqoia
Guimaraes Pancada, em Mamancuape: Antonio Alexaudriao d I4a, naParabyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da, Peana; Bebrromo dos Sanios Bskao, em Santo Anto; Domwgos Jos da Costa Braga,
em Nazareth- Fraacino Tavaresda Csta, em Alagas; Dr. Jes Martins Alves, na Babia; e Jos Biheiro Gaspannho, noBio de Janeiro.
PARTE
oTerao da provincia.
DESPACHOS DA PBKSIDKNCIA BO DA U DB MAROO
DE 1809.
Aiecaadre Americo de Caldas Brandan Avista
das informaces e do resultado da inspeccao me-
dica, a que o supplicante foi submottido, na forma
da lei, concedc-llie aposentadoria no emprego que
t-xerctv.com o vencuueiito que loe competir, se-
cundo i liiutidac.b, o ijue a thesouraria provincial
dcver proceder.
Alexandre Mara Barlxtsa da SilvaA' vista das
iniurraaeoes e do. resaltado da insjiecco medicaba
(lie foi o supplicante submeitido na forma da lui.
coneedo-luc a aposenladona que requer, com o
vencimento que lhe competir, segundo a liquido
rae a qne a thesouraria provincial devera pro-
ceder.
Abaixo assignadns moradores da villa do Bar-
reros da comarca, de Palmares.Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Vigurio Candido Jes Alves da Silva.Visto ;
registre-se.
Kinilia Mara da Conceicao.Informo o Sr. Dr.
chefe de polica.
Felippe Emilio Menna Costa.Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Francisco Antonio lo Oliv ira l'raxe me o Sr. director da instrucrao publica, ouvindo o
regedor do Gymnasio.
Innandade do Senhor Bom Jess das Chagas.
Expeen-se ordem para una guarda de honra
acompauhar a procisso.
Innandade do Santissimo Sacramento da re-
guezi laBoa vista Expoca-se ordem.
Jos Antonio de PaulaInforme o Sr. comman-
danle do corpo de polica.
Jos Bczerra Lins.Selle o requerimento.
Joaquina Maria da Gonceico.Os documentos
que a supplicante pede foraui remetimos conj o
requerimento que os acompanhou ao ministerio da
inarinha.
Joo Itavmundo Nepomureno.Informe o Sr.
nspcctoftda thesouraria provincial.
. Vigaro Manoel Espiridio Muniz.Informe o Sr.
inspe'ctor da thesouraria provincial.
Mara Adelaide de llanos e Silva.Informo o
Sr. director geral da instrucco publica.
Manuel Henrique Cardim'.-T-Informe o Sr. Dr.
juiz de direito da comarca de Caruar.
Manoel Fructuoso Dias.Concedo nos termos do
tatpera regulamento.
Fr. Pedro da Poriflcacao Paes o Paiva.Apre-
scnlo-se na thesouraria de fazeuda com as provi-
sdes, depois de haver satisfeito o msposto na cireu-
: i hesouro n. 235 do 9 de setembro de lSo).
Ifaldo de Pinho PessoaInforme e*Rr. direc-
tor da instrucrao publica, ouvindo o regedor do
Gymna
Pedro Garra.O chefe de polica temdadoas
tiecessarias providencias para que os processos do
supplicante tenham o conveniente andamento.
Repartico da polica.
21 seceo.Secretaria da polica de Pernajnbuco,
13 de marco de 1869.
N. :77." Illm. c Exm. Sr.Tenho a honra de
levar ao eoiiliecimoiito de V. Exc. que. secundo
sao restabeteoidas. Dissolurao das cmaras wo-
vas, eteiedes geraes. Reoeid-se um conflicto en-
tre a Turqua e a Persia. Tropas dos dous pul-
se avancam para as wm respectivas frontei-
ras. Fallecen o grao-visir tm Turqua Fmd-
Pach.
MONTENEGRO B PRINCIPADOS DAN! MANOS. IIU-
gem do principe Nkolo do Montenegro a S. Pe-
tersburgo, Berln e Venna. Conjeclvras sobre
os motivos polticos- de tal viagem. Propaganda
da Unssin nos principados e no Montenegro.
BissiA.^-Jfaaeuro dos projectit explosivos do ar-
mamento gerl da Europa. AUianca entre a
Biusia e os Estados-Unidos.
Kgtpt.Abertura do parlamento. Abertura do
canal de Suez no 1 de outubro deste otwio.
BLGICA.
Tem produzido grande impressao na Frarojae
na Blgica, a resoluoao do govrno belga relati-
vamente aos caminhos de ferro.
Ha pouco mais ou monos dous mete, quando
comeou o contrato entre a companhia do eami-
nho no ferro do ste a companhia auglo-belga do
grande Luxembnrgo, os peridicos das cidades
francezits do ste, cantaram victoria e festejaran] a
fuso das duas companhia, como um grande suc-
cesso para a Franca, ticando a merc desla ul-
tima todo o eommercio belga.
Ksie rit" de trinmplio cliamnu a attencao do
ioverno lelga, que julgnu descobrir nestfusao
um desfavor para os iuternsses da Blgica, poi,
(|ue a com|>anma franceza podero fazer perigosa
concorrenca abaixando as tarifas. daqui que da-
ta a presente questao.
Entretanto a companhia de Este considerava a
pjutida como perdida e pareca nao querer insistir,
quando o representante da Franca em Bruxellas
comeeon a intrometter-se ofllciosami'nte no ne-
gocio.'
Diz-se que o ministro do interior do imperio
provenira o director do caminho de ferro de Este.
de que umlia continuar o Ihe nao faltara o apoio
do governo imperial. O director, porm, Jiesitaya
e chegou a confessar que a nova linlia na j podia
dar lucros alguns ; o ministorio franrra respon-
den Ihe que o governo lhe afliancava urna ndem-
nisacao. Foientaoque o director proscenio acti-
vamente as negociacoes ioterrompidas por um mo-
mento.
O governo belga, porm, tondo sido prevenido e
cmiliecendo os motivos desta repentina niudanca
nao quiz mais onvr fallar na fu sao, o apresentou as
cauura* um projectu-Uo lei probibuU o tiaspasse
de linkas frreas sem Iicenca do guverpo ; diz o
projeeto que todo o concessioiiario que explorar
mu caminho do" ferro, nao poikrA ceder a flxplo-
racao do mesmo a um terceiro sein^i approva^wdo
governo ; cmeaso de inl'racyiio o governo apodera-
se da linha e explora-a por ennta do concessiona-
rto ; se idi houver infraccao provada, o"goverm
ciiTi'iiniao sequestro, mas segue-se depos um le-
tigio para indemnisaces de perdas e damnos.
A cmara dos representanks approvou o pro-
jeeto por unanimdade na BBflBle do da 17: esta
manifestaran provocou ainda mais a imprensa fran-
ceza cuja animosidade se tem pat nteado em arti-
go* muito descabellados contra o governo francez-
0 governo belga sugeitou a questao a urna com-
missai jurdica e depois de obter o parecer appro.
vou o |irojecto |Ktr urna grande maioria.
No dia 2i apparei-eu no Monitrur a lei dos caini-
nlios de fer o, approvada pelas duas casas do par-
lamento e sanecionada pela (i.
O ministro belga Frere de Orlan declarou que a
lei era una lei de salvaran publica, posto que dem
verno, o povo no caso de um rompiraelo com a
Prussia.
Todos os alumnos do segando annoda escola
militar de S. Cyr sero despachados offlcie?, antes
do flu d maiii.
As autoridades de Stmsbourgo tonaaram medi-
das rigorosas reialiwamente aos passanortes.
Con firma-se a noticia.de uina nova nota-do cou-
do de Biunark ao governo franoex pedred a ex-
pnisao da legjao do lanoovec.
Not.corp lesiaiivo frapcez feaoSr. Tliwis
no dia 23 una extensa interpellaco contra a, ad-
ministragaomunicipl de Paria. O ministffi, o Sr.
Forf ade, respondeu na sessa d dia 20. -
A.ultjflia sublevaQao da Argelia tem cjusadp
profunda imprespao em Pars, e especialmente as
regioes-governaraentaes ; parece que se val pro-
ceder a urna svndicancia para conbecer as causas
dir.1. Foram "designados um general e um esta-
dista que gozam dapiaior confianza do imperador,
para irem Argelia saber das causas da Insur-
reiQan. .
Afflnna o .lfeiwVor do Erercito que a insurrei-
cao argelina nao leve motivos alguns religiosos ;
se a invasao das nmades de Si-Sala parecen ter
por nico motivo o roubo e a pilhagem. As ulti-
mas noticias da Algeria sao boas. Nao havia in-
dicios alguns de nvaso e inturrei^ao do lado do
A qnestao de Cuba converteu-sc pura e simples-
mente em unja questao de'forra ; precis trium-
phar pote meio das armas on resignar-se a Hespa-
nfta ignominia. O governo provisorio est re-
sol vido a empregar, todos os recursos.de que |)de
dispor, aflu de s'ulToear a insuitelrao.
Secraw disse no parlamento que o eitado de
Cnlm ^tav, mu lina ingirra paailiaaB a ilUa e
icstitiiir-lhe .niao 7iberda#-
N'algnmas provincias da Ifespanba ha etirta agi-
ta^ao.
INGLATERRA
Abrise i'ffgctja -ampute o parlam no da 16. A rainjia pronuncio, o seguate dis-
curse :
Milordc> e senhores.'
* Recorro ao vo^so conselho na primeira occa-
siao que me peniiittklo, segundo as disposicSes
que se julgoii dever lomar em consequeiwia da
retirada da ultima admteislracao, com itcresse
inuito espeeiat que vos recolnmendo que -eeome-
c;eis os vossos trabalhos o momento en qie o ra-
mo popular da legislatura tuve a vantageni do ser
eleito, sol o rgimen de mu systema de sufragio
rauito ampio para um povo lel e fiel.
Estou habilitada a informar-vos (|iie as yni-
uhas rclayoes com todas as potoncias estr.ingeiras
o transe contra a secularisacSo dos bens da sua
igreja. O fauatismo irlandz grita enrgicamente
cohtra os partidarios de toda a transaccao coro o
governo nesta questao. Na ultima reuniao em Du-
blin, em qae os orangistas so entregaram a exage-
radas vociferaetfes, os pretados anglicnos de Ir-
landa resolveran chamar em sea auxit os mem-
bros inferiores do clero, e barricarem-se ppr de-
traz dos seus privilegios para latarem como deses-
perados contra os'projbctos de reforma do pveruo.
Gladstone entretanto np desespera de vencer.
O Times publica urna carta em que sao ac-
cusadas as autoridades inglt>7s na India Oriental
do tercm descurado'os nteresses da metropole na
Azia Central, onde d dia para dia adqurc maiqr
preponderancia a poltica rnssa.
A carta termina desta mam-ira : ae a Ingla-
terra nao procede com energia e promptidaq, a
Itussia consolidar o seu poder n'aquellas comar-
cas, e dentro em pouco ser-lhe-ha quase impossi-
vel retroceder e em rada passo que der para a
frente crear novas diffieuldades para o nosso go-
verno na India. >
A Bussia est hoje perfeitamente armada sobre
o Oxns, e fora de duvida que tem o projeeto de
assegurar o mais cedo possivel a reuniao do Tur-
kestan ao Caucaso. O Times acoBselha urna iro-
connuam a ser as mais amigaveis, e ten a sa- ca de csplicages entre os gabinetes de S. Peters-
Os Oiiied-Sidi-Oliekh nao cessam de fugir. | tisfacaode acreditar que essas potencias prtilham
O roronel de Sonis nerse&ne-os com tanta perse-
veran?a como rapidez. Esta corrida so parara
talvez no deserto.
HKSPANIIA.
As cmaras cons.ttuntes acham-se deflnitiva-
mente constituidas. Rivero foi eleito presidente
por tima grande maioria, 168 votos contra 67. a
sesso de 22 declarou o presidente que as corle"
estavam delinitvainente constituidas. Foi appro-
vado provisoriamente o reghlamonto de 1851, sen-
do porm supprimido o juramento dos deputados.
Serrano, Prim e Topete fallaram acerca dos actos
do governo provisorio. Prim disse enrgicamente
que a qualquer projeeto de restauraco da dynnas-
tia cabida dira sempre : nunca, nunca e
nunca!
Nes|a sessao foi apresentada urna commnnicajao
do presidente do governo provisorio. em~ qtu dira
ipie em seu nome e no dos mais membros do go-
verno provisorio vinha resignar solemne e vspei-
tosamente ao seio das cortes o*, poderes que a revo-
lu?o Ihes haviam conftTdo, e que exereeraro des-
do 8 de outubro ultimo.
A maioria da cmara apresentou em seguida
una mocito concebida nos seguntes termo*:
t As cortes consttuintes eoncedem um ve
louvor s pessoas qu formaran o governo p
sorio pelo seu zelo e elevado patriotismo no
empenho do sen cargo, e ao mesmo tempn iiiemn-
bem ao deputadoD. waiici^i Serno v Dornm- 'I-
gueza constituida de tlfiniMNirio que i^efca
as funcc,oes do poder executivo.-'
No dl 2i, em sessao nocturna, foi adoptada por
180 votos contra 62, a proposta de agradecimento
ao governo provisorio, Arando o general Seiruno
duque de la Torre encarregado de constituir um
ministerio novo.
O ministerio lieon constituido do mesmo nimio.
Mancamente do desej de que estou animada em
favor da conservacao da. pal
Hei^de consagrar sempre a mais viv solici-
lude a um objecto tao importante.
' De accordo cornos mena adiados, esforcei-raa:
inierpondo-mede urna inaneira amigavel, para re-
gular o conflicto que se suseitou entre a Turqua
e a Grecia, e lisongeio-mc de ver que os nossos
esforeos combinados tem servido para impedir
urna Inte.rrupc.ao seria da tranquillidade no oriente.
Entabolaram-se negociacoes com os Estados-
Unidos da America do norte", par se regularen
questoes que affeulam os interesses e as relacors
intornacionaes dos dous paizes, e tenlio uiajor
esperanca de que o resultado dessas negociacoes
poder stabelecer en base solida e duradoura a
amisade i|ue devia sempre existir entre a Ingla-
terra e a America.
Souie com sentimento que rebentaram desor-
dens na Nova Zelandia,e qio n'nma localidale.
foram acompanbadas de ciicunistancias atrozes.
(>) lio que ao governo colonial e a popuLioao nao
faltaran energa para reprimir as sublevac-js, nem
prudencia c modera^o, com as ipiaes espero, po-
doro iinpelir a repetico.
Senhores da cmara dos communs O orea-
monto das despeis do prximo anuo linanceiro,
ha de ser snlunettdo a VOSSO exame. Fia formu-
lado com cuidado no que iz respeito efcacia
burgo e de S. James.
Diz o Morning-Heratil que a situacio com-
mcrcial e industrial de Inglaterra est muito lon-
go de ser tao favoravel como fora para desfijar.
os grandes centros cominerciaes ha em geral
pouco movimento. Ha quem attribua este maras-
mo, em parte desconfianza que reina actual-
mente na Europa e em parte concorrencia que
a industria dos Estados-Unidos faz de Ingla-
terra.
O governo americano entregou delibera-
cao do senado o tratado entre a Inglaterra e os
Estados-Unidos para regular as reclama?oes do
Alahama. O senado enviou o tratado connos-
O novo representante francez enr Roma apre-
sentou as suas credencRws no dia l.N, sendo este-
acto celebrado com todk a solemnidade. Este di-
plomata foi encarregado pelo seu governo de conr-
momear ao governo pontificio, que pode estar se^
guro de que nao cessar a proteceo qae Ihe con-
tinua a dispensar o governo francez. E$*v decla-
raco espontanea satsfez estremamente a corte ro-
mana.
E positivo estar o governefrancez a transformar
Civiw Terenia em pra^a do- guerra, rcuuitido abj
grande nomero de armas p iwanicoes de guerra.
Oembaixadoritaliano ira Pbris recebe ortera
de pedir explicacoes acerca dc assumpto. Pa-
rece que na cmara italiana uio tardara a oeen-
par-w ileste assompto.
AI.I.EMANHA.
O reichstag da Allemanha do norte deve reanir-
se no dia 4 de irwrcn. As cmaras prussianas-
devem terminar as anas sessdes n# dia 6 de marco-
0 parlamento prossiano votou a lei ciue deter-
mina- a definitiva espoliar do rei de Hanover e-
do cleitor de iflisse:
Entretanto urna s voz nao ouson levantar-se
contra a omnipotente ventade do conde de Bis-
mark. foi a do conde de Lippc. antigo ministro da
justica.
Este estadista diligenciando conciliar o respeito
do direilo dos vencidos cornos .-eniimentos de obe-
diencia que exige < chanueder federal, encontrn
um argumento singular. A questao para eliede
forma.
Nao discute a juslra do soqueslro, mas por aa-
sim dizer a sua regnlaridade.
iz elle que s o re tem direito de faaer guerra
ou paz, c como continua o estado de guerra, entre
o rei da Prussia e os soberanos denostes, s o rei
pode obrar como entender, e por consequencia as
cmaras votando a lei usnrpava a prerogativa
real.
A lei foi votada por todo-; os meoiUios presentes
excepto pelo condo de IJ|>pe, bario de Riedesel,
sao dos negocios estrangeiros que se pronunciou : marechal berediutiio de Ik^s-e, o conde de Mems-
, e apretinar una diminiii^ni dos
ime ptam sobre o paiz.
Milurds e senhores.
t G necesidades sempre crescentcs, e os in-
teresses variados do imperio darao lugar a sub-
metter nwessariamente ao vosso examr mais de
urna questao de poltica geral.
A eondieao da Irlanda permitte-me acreditar
que nao tereis a necessidade que senta o ultimo
consta das participacoes recebidas hoje nesta re-
partico, foram reroilndos casa de detengan nos
dias b e li dente mee os seguntc.- ^vidiins : (
No da M. a ordem do subdelegado Uolteciii, ,Muh(.c..U|U0 p[Hiia prejdicar os interesses das ao-
jlo Bapfo da Costa Penna, Jos Antonio i-er- (.ipdado5 (|(1 ,.,,,,,,,1,,, de ferr0i e nianifestou que o
reir dos Santos e Jos dos bantos Noves, nuiua- llverno M,.A n5o rslava anima,i0 de sentimentos
dos em crime de furto.
A' ordem do de S. Jos, Pedro Jos evangelista,
por insultos.
A' ordem do dos Afogados, Manoel Goncalvcs
Telles. por crime ile feriuientott.
A' ordem do da Varzea, Manoel Joo Paulo da
Silva, por crime de estellonato.
o dia IV, ordem do subdelegado da Magdale-
a mnlia dispoMcao, Joaquim Freir de Andra-
de, como indiciado em crime de roubo.
tor otlicio de 12 do corrento mez communicou-
ii o odegado do termo de Ilamb que, segundo
: parnclpou o subdelegado do districto de S. Vi- j
c nte toque* termo, foi all nssas^inado Joaquim l
de Morae-, por sen proprio cimbado Antonio Go-
mes da Cunha : que o criminoso j se acha preso
e contra elie vai .-el instaurado o competente pro-
Deus guarde a V. ExcIllm. Exm. Sr. conde
de Baependy, presidente da provincia.O cueto de
poilcia, Francisco de Furia temos.
belg
noetis para com a Franca.
O jornal francez o Puhlic combate os boatos al-
tercadores acerca desta qneslo e afflnna que o
ministerio belga roneordou nos termos de urna no-
ta explicativa satisfactoria para a Franca.
A France diz que para destruir desconliancas
necessario actos e nao bastaiu palavras.
A Patrie diz que os diretos da companhia lican
dep.
Constitutionnel por occasio das expressoes
amigaveis de Orlan, espera que os factos viro jus-
tificar a sua boa uninvao sobre a prudencia e boas
Serrano apresentou urna alloCucSft, dizendo ijue o parlamento de restringir as garantas da liberdade
ministerio nao tem outro programma se Bo os I nessoal na Irlanda, pela su-pensao do aclo do ha-
principios da revoluco; e que os desejos do go-1 beas-torpm.
DIARIO DE PERNAMBUCO
BECIFE, 16 DE UABCO DE 1869.
NOTIAS DA EIROPA.
Blgica.Quetto dus cnmpunhias do caminho de
ferro dt ste, < goperw decreta que as compa-
nhias exploradoras no possum Irasfajfttr as li-
vh'is frreas sem Iicenca do f/o?wn. seto pena
de seifHestro. A Franca agita-se, o gocerno fran-
cez mlc erplicai:c$, a questo parece amemar
por um punco a paz geral, 0 governo belga d
expiieaco -. mas mantem-se firme. Conflicto en-
tre as duas casas do parlamento, e entre o go-
tinto e o seii'iilo qnc regeilji o arrmenlo do mir
nisterifi da jus
FRA^Cf.Polmica entre a impre.nsa franceza, e
prssi'uia. lia noticias man satisfactorias so-
bre u revetta da Argelia. Vai proceder-s a um
inipieiito.
fsseKm\.Constifue-se a camai-a etnstituifita.
Eleito presidente Rivero fmouairliis/uj 0 gover-
no provisorio resigna os seis poderes no seio do
parlamento. Appmru urna monm agraAecendo
sirijcos do governo provisorio e encirregim-
do Serrano de formar ministerio que seju encar-
regadoMo poder executiro. Fica o mesmo'gabi-
ncle. Proorumma o da reroluciio, Abol cao da
pena de morte. Profundas economas e imposta.
Delijencias do grande numero de estadistas pit-
ra que stju eleito D. Fernando de Jr\iiiuul., Re-
cusas e n\&oeffeto que produ esta combinacuo
em Portugal. Probabilidades com que conta o
duque de Slonlpensier. Noticias grates' de fuba.
IKOLAIWA.Abertuta do parlamento, discurso da
cora. Resposta, programma de Gladstom. Re-
sistencia dos protestantes dq Irlqnda nos projtc-
fos d governo. O poder da Hatalerra as hutas
Orientaes empallidece em frente de continuas
int'uwos 4*fiussia. 0 govn<\ americano recu-
sa -se a ratificar o tratado sobre a questao do.
Alabama ltimamente nssigmdfl^
ItalA E enik.Trabalhos econmicos do parla:
ment italiano. Viagem do rei a aples com to-
da a cule, seu rpida regusto a FUvenra. No-
lirias de urna o^iau^a^~frattco-auslp4t Trabalhos em Roma para a reunilo do concilio
ecumnico. Armamento completo de CtHa-Tec-
cfcittlfJ* atverno francez: A Italia pede explica-
Allemanha. approvado pelo parlamento pp..
rao o,semestre dos bens do ex-rei, do Hanocer
eJo ex-cletlor Aefesse. O parlamento da, Alle-
manha do Novti reune-st a 4'de m-vco.
GwtaK-u tafcouia.O o miaistefiio grego ad~
herio s sernas, publicando um manifest ao pa>xf>tu
canda a prestan sob queassiguon taldocmmumt,
Entretanto a onferencta regeita a adhesao, e as
Mutos jornaes aecusam o governo belga de ter
cedido a suggestes da Prussia na questao dos ca-
miiilios de ferro.
A Gazeta do Norte, jornal prnssiano desmente
esta noticia. A embaixada prussiana em Pars re-
ceben um despacho do seu governo autorisando o
embaixados a desmentir qtiaesquer asserces que
envolvam o nome do conde de Bismark naquella
qnestiio.
0 Public diz que a verdadera causa que produz
certa i ritaco contra a Blgica, ter sido aqueHe
paiz ha quinze anuos nm campo entrncheirado
de revolneionarioo, e como prova, diz que do Bru-
xellas partem as provocaeoes e os folhetos injurio-
sos contra o governo imperial, que profusamente
concorrm Franca.
Affirma-se em Pars que o Sr. de Laguenamiere.
que fora encarregado de auxiliar ofliciosamente a
companhia, pouco ou nada consegtio, e que em
consequencia disso fora muito framente recehido
Seio Imperador, e que as Tulherias era geral o
escontentanwnto contra aquelle estadista.
.FalUwnHnUfunnasio ite um -cnitiiito
talistas e acconiates franeeaef wJengiKidos na ex-
ploraeo dos eaaiabo de fe*, que vao entron-
car "Blgica, afuo de protestar contra a lei que foi
votada peUs uaa uavNq-as. Esft,convite ia nomcar
nmadeputacao para apfesontar. o imperador e aos
competentes ministros urna memoria conta aquel-
la lei.
A Blgica est em crise poltica : o senado re
verno sao chegar prmptamente constituidlo de-
finitiva do paiz.
Espera se a publicado de urna amnista geral
para celebrar a consttuicSo das cmaras.
Na sessao de 22 foi apresentada a proposla pe-
dindo a abolico da pena de morte.
Parece que vai ser submetlido apreeiaeo das
cmaras o.trabadlo da commssao do orcamento
que adopten um largo plano de economas; as
principaes sao as seguintes :
1.* Suppresso dos ministerios do fomento e ul-
tramar. As atlribuices do-primeiro qnanlo a tra-
balhos pblicos passau "para o das finanras, e
quanto ao da instruccSo publica para o ministerio
da justica. Os servidos do ultramar serae repar-
tidos pelos outros ministerios. Justitica-so esta
medida por nao haver actualmente rgimen espe-
cial para as colonias.
2." Suppressao de 19 provincias.
3.* Soppressao das direcrocs doexercito.
4.* Suppressao do conselho de estado e do tribu-
nal de guerra e marinha.
o." Reducco consideravel do orcamento dos
cultos, pela suppressao de 20 a 2o dioceses e ca-
bidos.
Parece que o ministro da fazenda calcula este
anno o dficit em 900 milhes, e que durante dou9
annos se ha de viver de crdito. A Hespanha s
com ecimomias se salva. Ainda lia manos bens
nacionaes para vender.
Annunca-se a prxima entrada em Hespa-
nha dos duques de Montpensier que irio residir em
sua casa de S. Lucas. Esta resolucao toi appro-
vada em conselho de ministros apezar da opposi-
cao de Topette.
ftrece decidido entre os membros mais influen-
tes do governo hespanho! e das cortes a candida-
tura de el-rei D. Fernando de-Porto-gal corUa de
Hespanha. A- ezar dos desmentidos da impren-a
pnrtugueza, e da repugnancia que parece mostrar
este soberano, a insistencia com que toda a im-
prensa europea d tal noticia nos obriza a aguar-
dar os acontecimentes. Dizem alguns jornaes que
no caso de el-rei D. Femando recusar terminan-
temente a eleicao, ser indieado el-rei D. Luiz, que
abdicara em seu filho D. AftHnso e que durante a
meimrWade deste principe ser-regente do Portu-
gal el-rei D. Fernando.
Para oppor a esta e^r olhs apresenta-s combons
elementos a candidatura do duqne de Montpen-
i sier. "Nenhmna das outras apresenta um dcimo
f das probabilidades d qualquer das eaadidatoras
gei.tou por 25 votos contra 20, o orrameoto to mi- que deixamos apontadas.
isterio da justica ; pois, inevitavel ou a demis-
so do ministerio ou a disselugao do senado. A c-
mara dos representantes, porm, approvou o orna-
mento regeitaoV pelo si-uado. Ha, pois. conuicto
entre os poijeres publico^,'
raAc>.
A Franca e a Prussia continuam a ver-se com
Odios invejosos.f, a imprensa dos dous paizes tem
travado urna acre polmica; entretanto os gover-
aos dos dous paizes julgando-se os nicos arbitros
da opportunidade de um rompimento, procuram
reprimir os mcmsm da imnrensa.
O ministro dos negocio*. Mtrangeirai Le Valette
tem-se mosimio mnSo imp>*sliona4o. peNt polemi-
eacomfos.jor|aes1)prM^imps, segundo *|rmam
alguns jornaes francezes, e' principalmente pelos
artgos i inritaates poMieados pela Franee e pelo
Constitutionnel. O Diario do Havre afflrma flue o
Sr. Ronher, minist/o de estado, se temara pacifico,
e que j'nao pensa na allianca offensiva e defensi-
va com a Italia e Austria. Apezar de unnimes
desmentidos, aeorescwta o DUrio. i Honre,
verdado-tex exaudo |Um pnojecti de tratado qm a
Italia, e foi lie qa.e. por. causa do proprio searedo,
ia occasionaodo urna crise ministerial em Foren-
ra. Dlz-se at qae fo por esta amea^a de crise,
ue Vctor Emmanuel daiaoa Natotes a toda a
pressa e que foi pmrj|p< i-vtm^T*^imri.fo-
cegar a susceptibibd ade. do gabinete. Todas as
velleidadjj| deJtlIiag a Boaj^m $m abaadjpadas,
pelo menes pela iialia. !Hz-se icomftiA que se
ho da mesftn ciiJ'eW ylenaa, apde apparoceu
urna bwetwra" olnbsa, exSlftnd* a afflllca da
Awrtra,om. a Pranoa ontra Prussia.
DenA*. tun-n: OS: pMfeiK doa Aum^
met|.re'(.eberam irucc^e para preparar, por
rcnvfits diplomticas entre o Grecia e a Turqua meo d uma j^rie d rtigos nos Sanos do go-
O partido republicano ficoii em gran minora,
e por consequencia pode-se prever que a frraa de
govemo escoinido ser o monarekie mpreae-r
tativo,
Affirma-se que na coso de ser proclamatla a mo-
narehia. os membros republicanos di amara pro-
test aro. e retirar-sehhopara Cadix e outros pone
tos onde cantan com. tomento* ropnbiieauas c ah
constituiro pequeas rapuMicas separadas do
rasto da Hespaolu. Entretanto esta BtUicia nao
parece ter fundamental.
I A ex-ranha D. Isabel enviou um protesto atodas
^s potencias reivindicundo a favor db seu filho D.
Aftonoo os diretos r&a do Hespanha
As noticias de Cuba continuara ms, a resol-
ta pragrido, e parece que oe Cubanos juraram o
exjerminio dos Hespaiihes. Na revolta que re-
bntou n'um dos Ufeatros de Ha vana foram martas
mais de cera pessoas. As tropas ltimamente des-
embarcadas inmndiram atfum animo nds defenso-
res do dominia hespanhol, mas a intenco ntt e
a espirito publico contrario- Hespanha' As eon-
cesses liberaes nao foram aceitas pela revolta que
s- a forca poder vencer.
Dizem de Londres que os chotes da insorreico
de Cuba propoieram a general Dulce que se ap-
pelle para o sulftwgio unweraal quo doddiri'Bo
porvir desta ilha.
Ein eegando a Cuba as retorcos ltimamente
enviados de Hespanha, elevar-seta all oeioi^ita
a ou .10,080 homens, ata' conUndo os 35,000
voluntarios que all csto armando.
Diz-se que vai ser Horneado o general Cabaero
de Rodas para substituir o general Dulce que sa
acha doeote.
iiem artas part eaiares de Ha vana qae m tan-
tarn aos insurgentes mais de 10,000 negros pto*
eedontes de varias p, antaeSas.
ltei-ommeiido-vos que examinis atteiitamente
a actual inaneira detunecionar das elei^es parla-
mentores e mnnicipaes.. vendo se ser possivel
croa" novas garandas para qae se operen! com
tranquillidade isentas de toda a rorrnprao e em
plena liberdade.
i Ha de ser-vos submetlida urna medida legis-
lativa, que tem por lim alliviar certas elasses de
locatarios dos encreos ipic sobre elles pezam em
impostes, e que parecem susceptiveis le refor-
mar.
Seris convidados a. dirigir a vossa attencao
para os bilis, relativos extiw cao c aporfeieoa-
nieiilo da educacao na Eseossia, e para dispar dos
consideraveis rendtmentos das escolas subveneio-
nadas da Inglaterra, de uma.uianeira mais efficaz
para as necessidades do casino.
Ser introdnzda una medida com o proposito
de applicar o principio da representarlo o exame
das taxas dos cuidados por meio do establecimen-
to de una institoico financeira para cada um
desses cuidados.
Tambein se vos propor tratar novamente da
questao das falencias, aflu de se repartir o activo
com mais equidade. e abolir a priso por dividas.
A organisaco ('eclesistica da Irlanda ser
prximamente sibmetdda vossa deliberaran ; e a
legislacao que ha de ser necessaria etabelecer
para regular de urna mairira dcllnitiva reclamara
no mais elevado grao a subedoria do parlamento.
Estou persuadida de que no cnmpri'Vcnto des-
ta missao tereis a maior attenejio por to los os m-
teresses legitimos que se referen a esta questao,
e que seris constantemente guiados pelo desejo de
favorecer os interesses da reBgfSo, segundo os
principios de equidade e de justica, aflm de asse-
gurar a aeco da opiniab publica na Irlanda em
favor da liJelidade c da lei para desvanecer a re-
cordacao das antigs d svmpathias de um povo affeicoado.
' m todas as questoes de interesse publico e
especialmente n'uma questao tao importante, peco
ao Todopoderoso que jamis deixe de vos eseta-
reeer as deliberaces quo tomardes, e de vos
guiar a um resu lado 6'lix.
Na s.ssao do dia i 7 foi votada a Inensagem
da* duas cmaras en respoeta ao discurso do thro-
no, que nao passa de uua mera formadaile. A
resposta un paraptaiase da discurso real.
GUdstoue deu ex[i)k-acrs ao parlamento sobre
o seu programma politico, e aanunctou que no
principio do marco pedira ao parlamento que no-
measse urna coinniisso para exaimnar o documen-
to relativo a igreja estabelecida na Irlanca, que foi
tino como o priraeiro toque de rebate para o an-
glieaniaman-laudei; disso quaa igreja estabelecida
na Irlanda um grande obstculo a pa?, e que a
siiaabolicaO far remar o contenlnuieQ o na ilha.
Gladsloae cougratulou-a cora o favoravel xito do
eonutoto do Oriente, e mosirou acrwlil u' na con-
fluan da crise.
Referimto-sc !T(spanha dise quo o governo
pao poda pAr na luxra da rainba pala'Tas, convi-
dando o parlamento a regosijar-se po'- estado do
cousas que anda se acha incompleto; quesea
pbra da^d6strui(;3i> estova concluida em Hespanha,
a to,i^eotarueeao ainda nao esta va terminada.
Julgava do dever to governo a do parlamento 'in-
giez nao se entregaren a apreeiacOes aventuradas
a respeito do pavo hespanhol, para coir o qual es-
lnJBeguras om larga proporcao aa synpathiasdo
toda a Inglaterra
Diz a France que a resposta ao di se ir su da co-
rda pela cmara dos communs ser esto anno apre-
sentada rainba por todos os mombres da ama-
ra, sob proposta de Giastoue qae rererdou haver
precedentes. Depois da batalha da Tralalgar todos
os raenAfOs do' parlamento sa dirigirn incorpo-
rados, e assim foram felicitar o soberano pela vic-
toria atrancada pelos inglezes.
Tiylor propoz, cmara dos eonununs que os
representantes da naco recebam um subsidio.
Hauve hllanaade geral; e aasim deyiii acooteoer
em nm paU em qqe a etegiinade tem al agora
sido, samo'da direito, pelo-menos de tacto, o pn-
vitegmdirnaseintontooda fortuna; miesejaquat
fflr kfstranMn que causo a mocao de Taylor, e
io indicio db prbgresso quenestes ummos tempo
tem felto as ideas igualitarias e dmnocrMir mWl*
Otfprotaataates da Wn^a.itstana(aualienteb
contra a ratifleacao do tratado. Espera-se tam-
lietn que o senado o rejete. A commissao decla-
rou-se porm a favor das clausulas do mesmo
tratado relativas ao negocio da ilha de S. Jeao, na
fronteira do Oregon.
0 presidente dos Estados-Unidos acceitou a
arbitragem entre a Inglaterra c Portugal na (pies-
lio da Ittia de Bolama.
O Mjpeuina-Post annunca como positivo que
as repblicas hispanoamericanas aceeitam a me-
diacao dos Estados-Unidos no conllicto eom a
Hespanha.
Um telogramma de New-York Aait de fe-
verero diz que rebentou una insurreico etn va-
ros estados do Mxico. 0 general Negrete apo-
derou-sc de Puebla.
O general Grant, novo presidente dos Esta-
dos-Unidos' receben a 18 de fevereiro a notilica-
co de que a sua eleicao fora ratificada. Respon-
deu que escomera para ministros homens dedica-
fbs aos principios de econoniia, o de dminuco
as despezas do estado, mas que nao fara conhe-
eer os sena nomes, sem que tvesse antes informa-
do o senado.
ITALIA E ROMA.
Rcur.ie-se novamente a cmara dos deputados.
Ha certa animnrjto em alguns grupos dos repre-
sentantes qae fallan da conclusao de negociacoes
relativas venda dos bens eccl siasticos.
0 ex-ministro da fazenda vai apresentar ao par-
lamenta um projeeto de lei sobre aquelle as-
sumpto.
As condicoes do contrato feto com urna socie-
dade anonyma com auxilio de Fould, parece serem
taes, que o governo poder dentro de um anuo
reembolsar o banco dos 276 milhoes emprestados,
e por consequencia fazer cessar, no prazO de 18
metes ocurso toreado das notas.
Mudos capitalistas italianos diz-se, que entram
na formacao desia sociedade, que, sen contar as
grandes vantagens, que alcancaio sous accionis-
tas, far a Italia um relevante servico, e cicatr-
sar a ferida, que mais a definha.
Emquanlo a Italia trata de organisar as suas
linancas, o rei Vctor Manoel visita o antgo reino
de aples e de trihue dinheiro com profuso, pro-
curando accordar o entlmsiasmo popular.
O re era acnmpanhado por quasi toda a corte.
principe Umberto, princeza Margarida. prncipe de
Bade, duque de Saxe Meiuingen, e dous minis-
tros.
O rei porm demorou-se menos do que se espe-
rava, regressando rpidamente a Florenca por
causa da crise ministerial que foi resolvida conti-
nuando o mesmo gabinete a gerir as suas pas-
tas.
Em aples recebeu o re Vctor Manoel urna
deputaco siciliana, (pie Ihe vinha pedir para visi-
tar a Sicilia.
6 rei respondeu :
Agradecp-vos os sentimentos que me expres-
saes, mas sinto nao poder aceitar o vosso convite
Os cuidados do estado chamam-me a Florenca O
horisonte obscuroee-se ; mas espero que a Italia
vencer esta crise, como vencen outras.
Altribuem nns esta rpida partida de Victor Ma-
noel aos embaracos governamentaes causados pela
divulgaeao dos* trabalhos cncetados para a conclu-
sao de um tratado de allianca com a Franga. Diz-
se que urna das clausulas secretas desta allianra
era a obrigaro do rei de Italia patrocinar a suc-
cesslo do caracal Bonaparte no caso dO vagar o
throno pontificio, o que'iefelizmente niuitos julgam
nao poder demorar-se muito.
Dizem outros que a precipitada votta de Vctor
Manoel; proeedeu de nao ser tambem rccelndo em
Na(wles eorao so tem dito, e quasi que foi ferido
em seu proprio palacio pelos cacos de urna bomba
qae lhe rebentou debaixo dos ps. Entretanto de-
ve-se recebar esta noticia com certa reserva.
A chegada a Florenca do general Cialdini poz
termo candidatura do duque de Aosto ao throno
de Hespanha. Effoetivamente desislio-se dola, [mis
qne Cialdmi sabio immediatamente par* Pisa, ondo
tornou a tomar conta do commando militar. Nao
obstante foi chamado de aples pelo telegrapho,
jnlga-se que o rei Vctor Manoel quereria nfor-
mar-sej dos pormenores da viagem d'aqaelte ge-
neral.
No dia 17 da iunbo de 1869 completo o santo
padre Pi IX ainos de reinado. Dos 268 pa-
pas que tem oceupado a cadeira do S. Pedro, s
tres governaram a igreja durante 24 annos, e se-
ment S. Pedro oecuBoa o solio pontificio durante
t inaos. Por este motivo ha em Roma urna tra-
dibeao popular, segando a qual nofllium papa che-
gara a reinar tanto* annos como Pedro ; na
cidebis arme Petri. Cdhta-* 4 no dia da oo-
roacio de o IX. o decano do saero collegio lhe
disaera : t non videbis Annos Pttrt ; ao que lhe
respondeu o novo papa : Iseo nao ponto de
Circula como urna certa insistencta que o santo
padre se acba gravomente enfermo, e qae o seu
prueiro meaja, dectoirava que nao tiahft esperau-
ras de o salvar; asmm o amrma o /"/*'.
outros jornaes, mas parece nao ser dq toda- exacto
MCouaoamem Roma com todita acvidada os
preparatiws para o concilio, anar doe pjdeci-
luentos do oaoa.' ', .
Est-se atmieJuir a impressao monumental que ontem toda, as deolaracoes au-
tbanticas do iscopado catboco a Ja,vor do poder
tetiaou.do pontika*. Oe documentos que a
eoianere sao p.obneados n* respectiva liagn dp
pais a quo pertencem, e fonaan seto *msBtmW
A. odalo d mais esmera

cr o o .Sr. Pasen, ambos funecionarios hanoveria-
nos.
O condi' de Bismark fatlou muito durante a dis-
cusso do sequestro dos bens dos soberanos des-
thronados ; disse que o tratado de setembro nao
era un tratado de paz, mas um armsticio que o
rei do Hanover nao observoa.
Os antepasados do rei Jorge espulsaram os
Stuarls sem iudemnisa-los. \ arios ramos dos
Bombeas de Franca, Hespanha, e Italia tem sida
desUirouailos e desterrad* s dos seus reinos, e nem
a Inglaterra, nem a Franca, nema Hespanha, nem
a Italia doran s familias renes asjjn destrona-
das ndemnisacao de especie alguma.
Disse mais que o ex-eleilor de Hesse emprega-
os seus recursos para conservar urna agitacao es-
pecial,vom o lim de fazer ;wreJilar aos Fraucezes
que -ao amea^'ados pela Allemanha, o aos Alle-
mcs que sao ameacados pela Franca, em quanto
quo as duas naces s podem para viver em paz.
Aflirma-so que o principe real da Prussia ne
appiova de modo algum o confisco dos beus do
ex-rei do Hanover.
Desmente-se o boato de reducco no exercito
alloman. A Qattta ia Allemanha do Norte, qae
inspirada directamente pelo conde de Bismark,
diz que no caso de guerra toda a Allemanha se
adiar ao lado da Prussia.
Urna correspondencia de Francfort publicada
pela Patrie atliima que aquella cidade depos de
pagar grandes contribui(;es de guerra, hia soffrer
a oinfi-eaeao de maior parto das suas rendas. Um
telegramma de Berln diz que as negociares
encetadas com Francfort acerca da questao das
propriedades moaicipaes fazem esperar um fin
favoravel I
Sabio de Berln em dirercao a Roma nm re-
presentante especial da confederaran do norte com
o lim de cstretar as relaeSes conecadas j e para
celebrar um convenio postal.
Um telegramma de Pestb datado de 18 de
fevereiro d a noticia da sentenca proferida no prn-
cesso do principe Karageoigewirk. O tribunal
achou sufficieiiles as provas para autorisar a ac-
cueacao do prncipe e dos seus cmplices Frifco-
wicz e Stankowicz acensados peto attentado com-
metiiil) contra o princme da Servia.
Todos os acensados declararan] que appellariam
desta sentenca.
OBECtA K TI HollA.
Terminou finalmente o actual conflicto greao-
t o reo. A conferencia de l'aris reunio-se no din
18 pura recebar a resposta do governo grego de
que era portador o conde de Walowski. A confe-
rencia insci-eveu na acta a adheso do gabiuete de
Athenas e declaren ipie as reteQiea diplomticas
estavam ipso-facto re-tabelecidas entre a Grecia t^
a Turqua, e enrarregou o presidente de agrade-
cer aos dous governos a deferencia dos selhos, e deu-se em seguida por dssolvida
A nota de adherencia da Grecia declaracao da
conferencia concisa e com reservas. A Inde-
pendencia hellenica publcou o texto dos docu-
mentos diplomticos relativos a lerminaraodo con-
flicto ; e entre elles apparece urna procfainacao *
conseibo de ministros ao povo grego, expueaudo a
razan porque o governo assignou o protocolo da
conferencia.
Nk proelamacao o gabi.ieto grego afflrma que-
prestou auxilio a insurreico cretense, e faz disso
um titulo de gloria peranto a naco.
O gabinete declara mais que a Grecia foi obri-
gada a arquicscer s duas eondiccoes impostas
pela conferencia, mas que estas obrigaedes nao
eram muito duras, por isso qtie a Grecia deve con-
siderar taes encargos como direito natural e neces-
sidade da sua existencia.
Diz mais que se recasasse a adherir as condi-
coes da conferencia, sera a Grecia obligada a pe-
gar em armas contra a Turqua, e que seria esta
urna guerra para a qual estava desprevenida peto
que diz respeito marinha e ao exercito.
O novo ministerio grego composto de Tbrasy-
balo Zaimis, presklenlc do gabinete, e ftlbo de um
dos hroes de 1821, j foi ministro e fez parte d
deputaco que foi ofiereeer a corda ao rei Jorge.
Zaimis tora estudos e homem publico;os seus
amigos asseguram que espirituoso e pratieu
nos negocios, sem coratudo negare' a. tuperian-
dade de Bulgaria u Comoudoura*.
Carlos Soutzo, ministro da guerra eoOtcial su-
perior do exercito; pertence a urna fauula no
Lro do Phanar, tem talento e tacto pouUco,
Fringlietia, ministro da marinka-ja foi ministro
da guerra. ......
Avgherino, ministro das finanras ja foi minis-
tro. O ministro da justica Athanasto PatzaJis,
bom adwgado. o j foi ministro dos cultos.
O ministro dos cultos Saravas, ja foi tambem
minisn\i, e jurisconsulto distincto.
i o ministro dos negocios estrangeiros Tueodoro
Delyannis, irmao do antigo ministro, muito ver-
sado nos negocios e foi ministro da guerra em
Par,
As condicVs impostas peto novo presidente do
tonsemo, antes de accoitar a foruiaco de ministe-
rio foram: ...
|. Dissolucao da cmara, quando o nnisterai
julgar pportuno ;
i Coosentimento do rei, a todas as medidas
enrgicas necessarias para conservar a paz e a
plena liberdade de acoa do govemo;
%/i Aeceitacao da deciso da conferencia con
reservas a favor do direito da Gracia;
4. Proetomoo teal ao |*f*a|^ expbcar com
toda a smceridade as causss df. W^,. -
Masu lar esto candisoes para se dascoaar &

i


-

*\r
l)iario de Pernambuco Teit^ feira 16 de Marqo de 1869.


apparente tranqu lidade, que succedeu as pertur-
bacoes do pavo prego.
Um letegraiama de Alhenas de 21 d noticia
da dissolucao das cmaras e da eIeic,ao para o
novo parlamento no comeeo de maio.
r- Um Wfegratama de Constantinopla de 22 diz
<|ue em todos os postos turros (rerala a bandeira
grega ; que forani abrogadas as medidas lomadas
Oronte para nao arvorarem. a pandeica russa por
oceasiao das restas do luirn na Turqua.
== Circula coi S, Petrsburgo con muito crdito
o boato de que o governo russo esla a |>onlo de
celebrar una llian^a effectiv como'governo dos
Estados-Unidos.
iaiz.,
DiMbt de Suez qim.as aguas doviain 'comeenr a
entrar nos largos Amargos. A messa operario
comefar brevemente da parte do Mar Yermo-
ptente artllieria dirig rara-se para a fronteha da
Persia. Se esta noticia 96 continua, a questao do
Oriente entrar brevemente n'uma phrase de com-
plicacoes mais perigosas do que aquellas que des-
sappareceram momentneamente.
Falleceu em Florenea Fuad-Pacli gran-vizir da
Turqua. E em cuiiscqucncia desta perda, e por
natamento a sua memuria o Sultn adiou a no-
meago de succes negocios estrangeiros no granvizirado. Kainil-
Pacnfni nomeado presidente do conselbo de es-
tadaMithad-Pactta goveruador de Bagdad. Foi
creado um ministerio do interior que confiado
a Mehemet-Ruclidi, actual ministro das Imancas.
Sadik Eflendi nomeado ministro das finaneas.
MONTRNKGRO K miNC!P\nOS DA.NI OANOS.
O principe Nicolao do Modtenegro deixou o sen
pequeo estado para empreliender urna viagem
ftassia e a Prussia.
Esta viagem as actnaes circumslancias teni
cansad bastante admiraeao. O novo guerreiro e
indisciplinavel do Montenegro inimigo natural
dos turcos; vive em permanente hostilidade com
aquelle imperio, e pode causar complieacoes de
algntna importancia na questao d'i Oriente.
O principe Nicolao parece que tamhem se dirige
i Vienna etem sido aeolbido com muito entlmsas-
mo naq.icllas curtes.
Oiz-se que a Hnssia ea Prussia projeetam pedir
Turqua para que ceda ao Montenegro o porto
deSpitz.
A Patrie diz que o governo ottomano segu al-
ternamente a viagem do principe de Montenegro e
que couhece todo o alcance poltico que ella pode
ter, e por isso tomou immediatamente preeauedes
para levantar sem demora algumas fortifican"'
que ha muito eslavam projeetadas na fronteira da
Itn-wa e do Montenegro. Os trabadlo* ja come-
c-iram, e teem por lim fortificar os desliladeros
lite conduzein a Servia, aiin de poder interceptar
caso os monteticgrinos peguen em armas, as eom-
mnnicaedes com aquelle principado.
O Montenegro est tranquillo por emquanto.
mas a Porta bem sabe de que modo se fazem all
as revoluoiies e qttacs as potencias que teem in-
teresse em provoca-las.
Dizcm de Constantinopla que a einbaixada russa
em Berln deu um baile em honra do principe de
Montenegro ; foram convidados para este baile to-
dos os diplmalas acreditados naquella corte ex
ceMo o da Turqua.
O governo do Sultn logo que te ve noticia deste
tacto apresenloo-ae a pedir expHcaeOee ao governo
de S. Petrsburgo.
No Montenegro a i (fluencia russa nutra vez
omnipotente, c as pessoas bem informadas estilo
convencidas de que logo que regr&sse de S. Petrs-
bargo o principe Nicolao nao dexnra de mostrar
so abertamenle hostil Turqua.
A Russia traban tambem para sublevar a
iiiessalia e o Epiro por meio de forcas armadas
procedentes da Grecia. Parece, pois, que o plano
da Rus-ia accender na Turqua urna revolta ge-
ral, e com o fim de tranquillisar as potencias occi-
dental e de lhes impor a nentralidade, nao nter-
vira no comeeo da hita, mas mandar aos suble
vados armas, dinheiro, e at soldados do exercito
russo com o uniforme de voluntarios.
as ultimas semana* tem a Russia expedido pa-
ra a Ruumana mais armas c municoes que du-
rante todo o anno passado ; sao os otlciaes russos
que dirigem agora os trabadlos das commissoes
que organizan) a< forjas destinadas, segundo pa-
ree* a incidir a Bulgaria. Todos esses offlciaes
obedecem as orden* dos chefes Krupenskoi coro-
nel do estado-maior do exercito russo, que recebe
directamente suas ordens de S. Petersburgo, e ha
de ser o commandantc em chefe da futura insur-
reco.
A Rusta nao conta com una insurrelcao local
na Bulgaria, mas mandando para all forcas de
voluntarios espera a Russia entreter urna guerra
de partidarios nos Balkans e cansar as forcas tur-
cas e impedir a inauguraban de reformas.
Na Roumania, porm. urna parte do paiz deseja
que a agitarn se acalme. Todos os dias chogam a
Bucharest deputacoes para entregarem ao princi-
pe Carlos petc&es enviadas pelas principaes cida-
es. nara que o governo siga urna poltica de paz c
zoociliacSo.
O ministerio animado por estas demonstrares,
tomou diversas medidas pacificas, e o ministerio
do interior dirigi urna circular aos prefeitos, in-
dicando-lhes o caminho que elles devem seguir
para as prximas eleicoes. Esta circular mostra
a inteucao de lutar enrgicamente contra o partido
revolucionario.
Em cartas particulares dirigidas pelo principe
Carlos ao rei da Prussia queixa-se aquelle das
grandes dilfleuldades com que tem de lutar. Asseve-
ra-se que o rei Gnilherme responder aconsejan-
do o principe Carlos a que nao desanime em pre-
senca de3sas difflculdades.
RUSSIA.
O Mcusageiro Oficial russo publica a seguinte
ordem do da do ministro da guerra :
O imperador tomando em consideracao que o
emprego na guerra das balas explosivas por meio
da plvora fulminante, nao pode sena aggravar
as calamidades e soffrimentos da bumanidade sein
vantagem para o lim directo da guerra, ordena
aos agentes diplomticos da Russia nos paizes
estrangeiros, que conferencien) com os governos,
Junto dos quaes estao acreditados acerca da utili-
dade de tornar este assuinpto objecto de urna
convenci internacional entre todos os estados,
alim de se' pniscreverem aquellas bailas do ar-
mamento! i tropa*.
0 governos expreasaram todos a sua aduesan
ao aviso de sua magestade e em novembro de
1868, reunio-se em S. Petrsburgo, sob a presiden-
cia do ministro da guerra, urna commissao inter-
nacional, que, depois de ter examinado a questao
redigio um projecto de declarac, expressando a
suppresso do emprego das balas explosivas.
O ministro dos negocios estrangeiros expedio
agora copia legal desta declaracao, que constitue
um acto internacional. Consequentemente ordena
sua magestade o imperador que seja supprimid
no exercito russo o uso das balas explosivas, ou
carregadas de materiaes fulminantes ou inflainma-
veis.
= Eu Ronstchouk deu-se um facto que tem
sido muito commenlado.
No dia do bairan. festa s lemne dos turcos, to-
dos os cnsules icaram as suas bandeiras, e fize-
ramuma visiU oficial ao governador geral do
vilayet.
O cnsul da Rusria negou-se a imitar os seus
collegas e responden a observacao que Ihe fizeram
que obra va assim em virtude de urna ordem trans-
mitida este anno a todos os agentes da Russia no
imperio ottomano.
A imprensa de Vienna diz que nos circuios rus-
sos daquella canital se desmonto a noticia dada pe-
te Patria do govenw de S. Peteresburgo ter dado
rdeta aos seos com ules o agentes diplomticos no
Iho.
Os qngenheiros e
l. de outubro ser
eio. '
directores prometteni que uo
o canal cntregqe a navega-
contra s subdto hellencos; e que se submette- Egypto. O seu discurso foi rico de perspectivas
ram todos os chefes creteii i i-onbas e de pronietsas de fortuna para aquelle
Dizem igualmente de Alhenas ipie a revolucao -
de Creta est debellada ; e que es chefes Corakas.
Briaris, Sphakiamaki e outro anda se defendem.
que o gabinete grego se enieadea com o ministro
Irancez em Alhenas e o almirante francez para os
salvar de una niorte certa. Foratn mandadas em-
barcacoes francezas para os recolher em qualquer
ponto, onde se acliassem e eonduzil-os a Grecia.
Diz-se que a. Turqua nao colitiimar a pe se-
guicao contra Mnotis eo Crrfa, que sern entre-
gues a seus donos. A Grecia possue agora tres
corvetas, couracadas'- < rainha Olya o rei Jorge e
a Amphitrile.
Em Alhenas foram suspensos os movimentos de
tropas ltimamente ordenados, e suspendeu-se
tambera a foruiacio de batalhoes de voluntarios
uas provincias.
Diz a Frunce que a proclamacao do governo
grego thema de todas as couversacoes ; que o
maior numero de orgaos da impreusa julgam se-
veramente.
O governo ottomano adoptou nina medida usada
pela maior parle dos governos da Europk: deci-
di que lodos os annos publicara na poca da
abertura das cmaras um Uoro cemutlko que de-
vera comer os documentos internos mais impor-
tantes e os princi|>aes despachos diplomticos re-
cibidos s diversas potencia*. Contera este anno
despachos relalivos i|ue~lo de Crea, organisa-
i;o das povoaedes de Syra, Bosnia, Seutari, Aibo-
ia, Danubio e as defferentes medidas inteiiores
tomadas pela Porta
O governo otlomano tomou cuino oflensivas para
si as expressoes do gabiuele grego na sua procla-
macao, e parec' que traa de pedir a retractaeo
oflkial das palavras que o oifeuilerani.
Parece que o exercito persa avancou para a
fronteira turca; seis batallioos oitomainwe a com-
NOnCIAS DO PARA.
O vapor americano South America, chegado hou-
tem de New-York nao adiantou nada s notioias
que recebemos dos Estados-Unidos por via d Lis-
boa.
Do Para recebemos apenas o Jornal do Para, de nezes.
5 do corrente, de qual transcrovemos o seguinte :
t Ante-hontem (3) lancou-se a nedra angular do
vasto edificio da Praca de Pedro II, que deve sor-
vr de Iheatro com denominacao de Sossa Se-
nhora da- Paz.
A's cinco e meia horas da tarde um 'grande
concurso de cavalheiros dos mais grados da capi-
tal, se achara rm torno do elegante barraco que
o distincto Sr. Dr. Gnuiae Abreu havia mandado
cregir junto a cava, que tinlia de recebert podra
angular. Um piquete da guarda nacional, com
duas bandas de msica, fazia as honras do acto, e
aguardava a chegada de S. Exc. o Sr. presidente
da provincia, que effoctivamenle chegnu no mo-
mento indicado com a sua comitiva, c foi recebido
pelo Sr. director das obras publicas, altos funcio-
narios offlciaes da guarda nacional e pessoas gra-
da-, que sahiram a seu encontr.
S. Exc convidou as pessoas presentes para o
acompMiharem no assentamento da pedra funda-
mental, depois de terem assignado a tres vas do
tormo cominemorativo, e dirigindo-se a cava o Sr.
Gama c Abreu lhe offereceu a eolher, coin que
lan(ou o primeiro cimento essa obra importante,
e deu sobre a pe.lra as pancada* coslumadas, pas-
sando o martello aos circumstantes. Em acto im-
mediaio foi soldadae encerrada na cavidade aborta
na pedra a caixa com a medallia e termo e algumas
inoeda* do reinado actual.
As 6 horas da tarde eslava concluida toda ce-
remonia, e ficava n'alma dos convivas a grata im-
pressao, que sempre resalla, dessas testas com as
quaes a civihsaeo assgnala cada um dos seus
passos.
0 theatro de Xoxsa Senhora da Paz, que se esla
construindo ser no seu genero um dos melhorcs
do imperio. Eis o seu plano:
O todo do edificio se compoe de cinco corpos
distinctos; o primeiro o prtico, formado por
seis columnas da ordem jnica, com doze metros
d altura, sustentando o entablamento da* mesma
ordem c o acrolerio respectivo, e baseando-so so-
bre um dado de um metro de altura. Os corpos
das collumnas se destacam da fachada principal
na distancia de quatro metros e meio, dando assm
passngem a carros e lugar a urna escudara em
toda a frente do edificio com cinco ordens de de-
gros.
i Este mesmo espaco ao nivel do primeiro an-
dar aproveita lo n'ura torraco em toda a extenso
do prtico c todo contornado por um lindo gradil
de ferro ; sendo o mesmo terraeo coberto .c Hvre
da* intemperies.
O segundo corpo forma a fachada da fenle, c
consta do andar terreo e do primeiro andar.
A sua frente ornamentada com oito pilastras
da mesina ordem das columnas, em cuios inter-
cilios estao colloradas sete portas, as do andar
terreo sao de verga recta e tem quatro metros de
altura sobre dous de largura, tendo as do primeiro
andar a mesma largura, o pe dreito quatro me-
tros e sao de archivolta.
O andar terreo se divide em tres comparti-
mentos ; no centro est o vestbulo com urna es-
cadaria de sete degros, dando ngresso sala de
e\|ieetaculo por meio do cinco arcos; os dous
compartimentos lateraes, ume destinado ao bilhei-
teiro e guardas liengalas. o outro a bolequim.
O primeiro andar destinado para salo de
recreio, tica ao nivel do terraeo e dos camarotes
de segunda ordem; ventilado por 7 grades por-
tas e por duas janellas de cada lado.
Este salao tem 31 metros de comprimento 8
de largura e com 7 de altura; c communica-se
com a sala de espectculo por meio de 3 grandes
portas.
O terceiro corpo se compoe da sala de espec-
laculo com todas as suas dependencias. A sala
de espectculo contte a platea superior e infe-
rior ; tres ordens de camarotes e urna galera na
parte superior da mesma sala; e um pequeo
espaco destinado o orchestra.
A platea superior e inferior do lugar a mais
de 400 especiadore*. A primeira ordem tem 28
camarotes; a segunda o mesmo da primeira e
mais o camarote da presidencia, e a terceira tem
31.
Cada camarote computado para 4 a 5 pe*-
soas; tem de frente 1,3 metros, de fundo 2" e de
altura 2,"5. A galera dividida em tres parte*,
sendo a do centro para homens e as dos lados
para inulheres. Est calculado para 120 pes-
soas.
A lotac,o total do theatro de 900 especta-
dores.
A sala do espectculo ornamentada por 6
grandes columnas da ordem conmina, que con-
cirrem a sustentar as tres ordens de camarotes e
a galera.
Ao lado de cada ordem de camarotes existem
corredores, cujo espado vara de 2 a 8 metros de
largura, e sao ventilados por duas ordens de ja-
nellas por cada lado. A ventilacao da sala de
espectculo feta pela chamin do lustre de gaz,
ue fica no centro da mesma sala, e pelos corre-
ares lateraes.
0 quarto corpo do edificio do theatro consta
da ante-scena e do scenario; a primeira tem cer-
ca de 3 metros c o segundo tem 14 metros, con-
tando com urna parte do simi-circulo do fundo do
mesmo scenario.
A largura da bocea do scenario de 11 me-
tros entre as duas columnas que lhe servem de p
direito.
< A altura do scenario ao vrtice do arco tem
tambem 11 metros.
Abaixo do scenario est o porfo, cujo espaco
varia de 3a* a 4,l5 de profundidade cima do
mesmo estao as trizas, proprias ao servico do
scenario; e mais cima um salo destn ida a
pintura de pannos. Este salo ventilado por 2
grandes oculos do fronto e mais 8 pequeos late-
raes, c que tambem servem para a transmissao da
luz, visto o fim a que destinado. De cada lado
do corpo do scenario existem annexado 2 grande*
compartimentos, sendo da mesma altura dos cor-
pos da frente, e sao destinados, um para guardar
bastedores e mais utencilos. do scenario, o outro
dividido em 4 ordens sao destinados a guarda-ron
pa aos comparsas e aos objectos, que devem entrar
em scena em dia de espectculo.
O corpo do theatro correspondente ao scena-
rio eleva-se mais quatro metros do que os corpos
da frente do mesmo edificio, alim de dar espaco ao
salo de pintura e subida do* pannos.
> O quinto coi po tem a forma simi-circuUr, de
II metro* de raio ; est dividido em 4 ordens, e
cada urna conten 6 camarina. Os camarina de
primeira ordem corresponden! ao poro; os de
segunda ao nivel do scenario e os de terceira e
quarta na parte superior. .
* Duas rampas latteraes que contornara o mes-
mo corpo do communicacao com a peqoena*pra-
ca que tica na parte p isterior do theatro.
Damos am a integra do termo, que se lavrou
por occasio dessa solemnidaJe.
Aos 3 das do mez de marco do nascimento de
N.S. J.Christo de 1809, quadragesimo oitavo da la
dependencia e do Imperio, pelas S e meia horas da
urde, nesta cidade de Santa Varia de Belm, ca-
pital da provincia do Grao Para, no reinado de
S. M. o Sr. D. Pedro II, Imperador Constitucional
e Defensor Perpetuo do Brasil, sendo presidente
da raeama provincia do Grao Para, o Exm. Sr. con-
selheiro Dr. Jos Bento da Cunha Figueiredo, iri-
gindo-se este com os funecionarios e diversas ou-
tras pessoas, todas abaixo assigoadas, ao largo
denominadoPedro II em que tena de ser cons-
truido o theatro que se intitulartheatro de
Nossa Senhora da Paz, foi collocada na cavidade
aberta, para a fundaco, a primeira pedra funda-
mental sendo esta cimentada com cal e ara.
< Em f do que e para memoria lavrou-se o
presente termo em 3 das, devendo urna conjunta-
mente com a medalha comraemorativ deste acto
ser encerrada em ama caixa de zinco, soldada e
collocada em urna abertura feita na primeira pe-
dra fundamental, a segunda ser archivada e re
gistrada na secretaria do governo, e a terceira na
da cmara municipal da capital; os quaes auto-
graphos, depois de lutos em voz alta e intelligivel,
foram assigoados polo Exm. Sr. presidente da
provincia, e mais pessoas gradas abaixo asigna-
das, nesta mesma cidade de Santa Maria de Belm
capital da provincia do Grao Para no me*mo dia,
mez e anno j mencionados.Joa) Brigid dos
Santos, secretario interino da provincia a suhscrft-
vi Jos.- Bento da Ciuih Figueredo,Jos Colhd
ecypto. da Gama e AbrenJacintho Pinto e Araujo Cor-
nbrio a sessao dos delegados do rea.Gervasio Campillo Pires Ferreira.-^vgino
Jos Coiho.Viscomle de Arary.-^-AJtAlmei-
da.Bernardno Jos BoraesAntonia Pimea^i
de Magalhes.Dr. losFenvira Canta i..!-
quii Baptista Morena.Jos Francisco de MMi-
ra. Francisco '' I aula Barrete J. A Cor-
ra Antonio Jote Correa.Jos Tibnrcio Perehr
de MagalhaeeWoao Iliogo Clcm-mte Malcher. F.
Alvares do Seuza -Joaquim I"rancheo Fernn*
des. A. E. da CostaV'. Brambeer. Fod
Lllund Di. Marcello Lobato de. Castro.Dr. (Jai
millo Jos Valle GuimanSes.Antonio Conni-
ves Nunes.'Raymiindo C. de Castro Vleme.Dr. fc
Augusto Thiago Pinto.Egidio Peres Duarte.A.
NioloMenteiro.Baena.Bernardino de S. Lamei-
ra.Jorf Nunes Rb'iro. Antonio Bernardino
Jorge Sobrinho.Antonio Facundo de Castro Me
nezes.Ravmundo da Silva Cunha.Jos Manoel
Rodrigues.Pedro Henriques Cordero.-Emeliano
Perdigo da Silva Neces.Joo Evaristo Ferrei-
ra.Ernesto Percira CimaJos A. Guerra.A.
Joaquim de Mattos Jeronynio Perdigan Rihel-
ro.Fidels Satyro de Mattos I^ile.Francisco
Pereira Dourado.'Felippe Guilherme de Miranda
LisboaDomingos de Oliveira Gomes.Flix A.
de SouzaJos Leonc o Braga.Domingos lledu-
viges Fonseca.Antonio Francisco Silva.Fran-
cisco Ramos Torres.Agapito Nery Pereira de
Assis.Jos Maria P Ozorio.Genelto Borra-
Iho.Antonio F.Pnhciro.
Foi nomeado engenheiro das obras publicas
da provincia, o Sr. Dr. Julio Honorato Correa de
Miranda.
A alfandega rendeu de 1 a 4 do corrente
;W:24*o08.
REVISTA DIARIA.
SENADORESEis o resultado da votacTto dos
collegios do Recife, Pao d'Allio, Olinda, Iguarass,
Goyanna, Nazarelli, Limoeiro, Cabo, Escada, Santo
Anto,Serinhaein, Rio Forraosi?, Barreiios, Bonito,
Garanhuns, S. Bento, Caruaru, Hinque, Cimbres,
Rom Couselhe, Flores ti Brejoe Villa Bella :
Visconde de Camaragibe................ l,,"9o
Conselhero Jos Bento da C. e Figueiredo. I^i30
Doserabargador Alvaro B. Uchoa Cavalcante 1,530
Dr. Ignacio Joaquim do Souza Leo....... 1,528
Dr. Joo Jo- Ferraira de Aguiar......... 1.393
Conego Joaquim Pinto de Campos......... 1,334
Faltara 7 collegios com 253 eletores.
DEPUTADOS A ASSEMBLA GERALRece-
bemos hontcm o resultado dos seguintes collegios:
4o districto.
Collegio do Boni Conseiho.
Dr. Augusto Frederico de Olivcira.......... 32
Francisco Haphael de Mello Reg............ 32
Resultado linal do districto, com 343 eletores :
Dr. Augusto Frederico de Oliveira.......... H'i3
Francisco Haphael de Mello Reg........... 343
.3" districto.
Collegio de Flores.
Dr. Manoel Clemcntino Carneiro da Cunha___ 45
Conego Joaquim Pinto de Campos........... 43
Collcgn do Brejo.
Dr. Manoel Clementino Carneiro da Cunha. .. 37
Conego Joaquim Piulo de Campos........... 37
Collegio de Villa Bella
Manoel Clementino (Carneiro da Cunha....... 33
Conego Joaquim Pinto de Campos........... 33
Resultado dos collegios de Cimbres, Brejo. Flores
e Villa Bella:
Dr. Manoel Clementino Carneiro da Cunha... lo^
Conego Joaquim Pinto de Campos.......... 148
PASAMENTOEm Lisboa falleceu repentina-
mente o Sr. Guilherme da Silva Guimares, nego-
ciante matriculado de nossa praca, e que ali *e
achava ha algum lempo tratando da cduea;o de
seus filhos. Era hoinem estimado por shas quali-
dades, e casado com una nossa comprovraeiana.
quem deixa na viuvez com 7 filhos. Legou a for-
tuna que possuia sua familia, menos 5:000000
que legou urna senhora que ha muito viva em
sua casa.
Damos nossos sincero* pezames familia lie sua
digna consorte.
cea-nos pouco era harmona com a poca histon. I O bacharel
ca, e a apparico brusca da trra qte o grande mina Ni
geograplio descobrira com o auxIHo r a scenca.
Quer na noite de sabbado, quer na ce domingo
em que se repetio o drama, o theatro esteve com-
pletamente cheio, e proraette assim continuar.
JURY.Hontem entrn em julgam mto nesse
tribunal Antonio Zacharas do Carino, pronuncia-
do no artigo -ido do codig criminal p**r linyar fe-
i'ido gravemente a LeonfcMo Bezerra da Cunha
r do* Reiii?los, freguezia dos WTogados.
[hibio-seAi dele/a o Sr. Dr. Francisco Oilil-
I ni Tarare* Lima.
Km vi-:.i das respostas do conseiho de senten^a,
lo i o re eondeinnado s penas do gr;o minilo
do referido artigo, i*to 4- a mezes de prsao
imples e 4ta coirespfcndenta a nietade do
tompo.
FACULDADB DE DIRIHTO.Abril anise hon-
tem as respectivas aulas.
PROCISSAO DO SEN'UOR DOS PASSOS DA
SANTA CHUZ Ijuinti-Wra ha osse aetn-icligiiK
so, sendo elle revestido de todo o exptrndoT, que
s'ie a confraria da Santa Cruz ligar a todas as
funecoes do culto, que sao celebradas em sua
igreja.
| VAPOR INGLEZ SATURNO.Este vapo,\ que
tocoo sabbado cm no*so porto, inteiraraenu; no-
vo, 0 de -tina-si' ao transporte de-pa*sageiros no
Rio da Prata. E' faite de ferro, lera 244 ps in-
glezes de compriinento, 27 de maior largura e 9
de puntal. Demanda .penas 6 1/2 ps d'agua, e
tem marcha de 18 millu* por hora. E' de rodas,
e movido por duas machinas da forca de 210 ca-
cillos cada una. Tem quatrtl cmara*, dua* a
r sob o tombadilho, urna r e outra proa so-
bre este. Pos*ue accommodacoes |ara nmrilro
de 200 passageiros. Foi construido en Gliscow
ptilos Srs. A. & I. Ingliz.
NAVIO DE GUERRA ^Segoio hontem pela ma-
nha para a Bahia o Sr. chefe de divisan Valle,
commandante do 2." districto naval, a bordo do
vapor de guerra Recife. A fortaleza do Brum deu
a salva do estvlln.
FERIMETOS.No sabbado ultimo, na fregu-
ta no Poro, Jos Antonio, conhecido vu sarment
.por Sapo.'es.flancou de modo brutal a.Luza de
Araujo e Silva e urna sua filha, era coniequencia
do att'cacSes havidas entre estas e su molher,
sendo para notar que a' Alna de Luiza tchava-se
grvida, e por conseguinte podendo sobrevir-lhc
anda con*equencias funestas.
O delinquenle pode evadir-se, mas i Sr. Dr.
promotor publico j re piercu autoridade local
a respectiva prisao; a qual de presurr ir se nao
faca esperar avista da energa do Sr. subdelegado.
GUARA". Este vapor sahio do Par no dia 6
do eorrrento. R provavel quo se tenha demorado
no Maranho, aflmde I impar o fundo.
ASSASSINATO. No lugar S. Vicem, do ter-
mo de Itamb, foi assassnado por mu sei, cunhado
de nome Antonio Gomes da Cunha, Joaquim de
Moraes. O assassmo foi preso e eslava smdo pro-
cessado.
THEATRO DO PARA' Sob a rubrica Noti-
lian do Para damos hoje a descripciio da ceremo-
nia do assentamento da primeira pedra desse edifi-
cio, cujo plano foi delineado pelo nosso comprovin-
ciano o Sr. Dr. Jos Tiburco Pereira de Maga-
lhes. Chamamos a attenco dos leilores |iara
esse artigo.
VIA FRREA PARA JABOATAO. Achando-
se j muito crescido o numero das pessoas, que se
inscreveram como accionistas da empreza de urna
linha de carris de ferro do Recife Jaboatao, te-
mos sal isla cao de publicar cm nossa iRnista a*
linha* que o respectivo empresario, o nosso amigo
o Sr. Dr. Bento Jos da Costa Jnior, tem recebi-
do de seus diversos agentes, e iremos continuando
a publicar as que elle for reeebendo.
Temos tambera a satisfaeao de declarar que nos
consta estarci se concluir os esludo.; graphi-
cos, e que muito brevemente serao aprsentadoe
ao governo provincial a planta definitiva e o res-
pectivo orcamento.
E' esta urna empresa do grande utilidaJe e im-
portancia, e que proraette un bello futuro. Quera
conhecer o apiazivel salubre povoado le Jaboa-
tao, c a estrada que para l conduz cm grande
parte toda arruada; quera souber que so a fregue-
zia daquelle nome conta quarenla e oito engenhos,
c que nao s ella como outras circunivisinlias de-
veio fornecer muito material de transporte, nao
poder deixar de ter f robusta na prosperdade da
compaiihia, que se organsar,urna vez qte us res-
pectivos accionistas fneam boa escolha de seus di-
rectores.
Abaixo damos urna lista que rcpresenti 922 ac-
coes,ou o capital de 184:400000 :
Manoel Joaquim Bautista.. 50 accoes 10 OOOOOO
CNSUL DE FRANCA.=A' bordo do vapor
francez Extremidure voltou de seu passein Eu-
ropa, o Sr. Osmin Lajiortc, cnsul france? nesta
provincia.
SANTA CASA DE MlZERlCORDIA.=No mez de
fevereiro ultimo o pessoal dos estabelecimentos
cargo desa corporacao foi o seguinte :
Hospital Pedro /J.-Enfermos narionae 170,
ditos estrangeiros 31, mendigos 14. filhos de en-
fermos 10. empregados 18, serventes e Iavadeiras
16; total 250.
Hospital dos Lazaros. Enfermos 22, emprega-
dos 6 e sen-entes 2 ; Mal 30.
Hospicio de alie^adt)s.EaSi:rmoi 68 e empre-
gados 10 ; total 78.
Casa dos expotoji.Educandas no estabeleci-
mento 96, ditas era ci'iacao 77, empregados 14,
servente 1 ; total 186.
Collegio dos o/y/uos.Educandos 73, emprega-
dos He serventes 7 ; total 91.
Collegio das orpfc/K.=Eduraiidas 134, empre-
gados 12 e serventes 2 ; total 148.
Secretoria. =Emprega dos 6, advogados 2, soli-
citadore* 2 e cobradores 2 ; total 12.
RecapUalacao. Enfermos 291, mendigos 14,
educandos 313, criancas em mamentacao 75, amas
68, empregados ai e serventes 28 ; total 872.
Deste pessoal 633 pertencem aos estabelecimen-
tos de cardade e 239 pertencem ao patrimonio
dos o phos.
THEATRO.A empreza dramtica do Santa
Izabel montou e levou scena sabbado ultimo,
pela vez primeira, o aparatoso drana histrico
Christovo 'Colomb ou a descoberta da America.
Ha bem lempo nao se representa no nosso thea-
tro um drama que tanto tenha agradado ao pu-
blico com este. Elle na verdad credor de
npreco, quer considerado pelo facto histrico que
encerra, quer pelas be; lezas puramente dramti-
cas, quer finalmente pela linguagem que lhe for-
ma o corpo.
Representante el das vicissitudes humanas e
dos vicios e virtudes da soeiedade ; censurando
as glorias ephemeras das grandezas herldica*,
que nao se fazem ancn ipanhar pela scentelha di-
vina da intelligeacia e petos adornos da saa mo-
ral ; exhaltando o genio, nica grandeza real an-
te a qual o homem deve dobrar a cerviz ; o dra-
ma Christovo Colomro transpoe os arraiaes do
bello, tocando sim n'u n ou n'outro ponto imper-
feto, como ludo que de lavra humana, mis de
fronte erguida como urna eoneepcao de mrito.
Christovo Cotombo i u na licao altamente mo-
ral pregada socijdade, mxime tidalguia de
nome, que faz timbre era ser mais pleba que a
propria plebe, e que, corrompida pelas atmos-
pheras do servilismo t do crime, nao trepida em
ir arrancar do santuar.o da virtude a palma do
amor santo, e ao tabernculo do genio a luz divi-
na que do co lhe veio, exaltando o vicio e de-
primradn o mrito e a virtude.
0 final do drama deixa os espectadores envol-
tos n urna pesada nuvem de tristeza, pela misera-
vel norte de Christovo, desse grandioso genio d
secuto XVI. Mas a historia inflexivel, e o dra-
mithurgo devia guarda" a verdade no facto prin-
cipal do drama.
A companhia desenqienhou regularmente o seu
mandato, esforcando-se todos os artistas por bem
cuinprir sua missao.
O Sr. Joaquim Anguito esteve cima de todo o
elogio no seu papel de genio perseguido pela in-
iustiea dos homens, de Christovo Colombo ; e o
Sr. Ttiomaz esteve de urna verdade admiravel ao
seu trabalho de aventureiro, duendo o papel do
Roldao. Ambos foram m'iito applaudido, e eoa-
beram-lhe as honras da norte.
A mise em scene foi nenas n, excepto todava
no que disse respeito ao navio ahairaate du pri-
meiro vice-rei das Indias, cuja construccao pare-
3
5
10
3
5
fi
25
a
10
50
25
10
5
15
Tiburcio Valeriano Baptista 50
Modesto do Reg Baptista.. 10
Justino J. de Souza Campos 10
Jos Moreira Lopes.......20
Antonio J. P. de Carvalho.. 3
Di. FranciscoR. B. Brrelo 50
liara* da Soledade........ 50
Francisco Ferreira Borges. 50
Conselhero Jos Bento da
Cunha Fgue"edo...... 10
Dr. Jos Benlo di Cunha
Figueiredo Jnior......
Antonio Pinto de Barros...
Manoel de Souza Tavare*..
Parisio Belarmino de Mo-
raes Pires.............
Tenente-coronul Francisco
C. M. Ros Jnior......
Manoel de Souza Leo____
Jernimo de Souza Leo..
.(ovino Coellio da Silva___
Joo da Cunha Soares G..
Joo Joaquim da C. Leite..
Dr. Ignacio J.;de Souza Leo 25
Alfredo Jos A. Guimaios 25
Manoel de Mesquila Barros
Wanderley............
Thomaz Lins de Barros W.
Dr. Gaspar Cavalcanti de
Albnquerque Ucha.... 5
Joo F. Cavalcanti de A... 2
Commendadur Antonio de
Souza Leo...........250
Joo Manoel de Mesquita
Barros Wanderley.....
Adolpho Wanderley Lins..
Vicente Mendes Wanderley
Coronel Antonio G Leal...
Francisco Manoel de Soaza
e Oliveira.............
Dr. Francisco E. do R. Dantas 25
Dr. Jos Honorio Bezerra de
Menezes............... 5
Laurentino J. de Miranda.. 20
Dr. Manoel do Nascimento
Machado Portella....... 5
Joaquim Salvador Pessoa
de Squeira Cavalcaut.. 25
Dr. Joo J. Pinto Jnior... 5
Jos Francisco P. S. Jnior 5
Dr. Lu/ Salazar Moscosoda
Veiga Pesnoa.......... 5
Jos Cesarlo de Mello..... 5
Dr. Antonio Joaquim Buar-
que Nazareth.......... 5
D. Mara Amelia de Gus-
mo Lyra............. 10
DINHEIRO.O vapor francez Estrcmac'ure trou-
xe 17,000 francos em ouro para os Srs. Tisset
frres.
Os vapores Pirapamn o Potengi, da compa-
nhia Pernambucana, levaram hontem as -eguintes
quantias :
Para a Parahyba. 20:000
o Natal.... 5:000
> Macei..... 130:600a
o Aracai.. 4.000
EM TRANSITO.Da Europa trouxe o vapor
francez Extremidure 164 passageiros, sendo 4
para a Babia, 44 para o Rio de Janeiro 23 para
Montevideo e % para Buenos-Ayres.
Entre os que vo para a corte a chara-se o Sr.
conde de G >bineau, ministro francez, e o seu se-
cretario o Sr. Ben de la Marlire.
COMPANHIA DO TIROInformara-no* que na
ra da Palma on suas proximidades existo o quar-
tol general destacompanhia, ltimamente -eorgani-
sada por um grande industrioso, e que d'ani par-
tera os assaltos que tem soffridos os teibados das
casas desse lado de S. Jos, com o tina de levar o
3ue p.iderein apanhar desappercebid > de seus
onos. Recomnendamis a pdicia daquella fre-
guezia semelhanles industriosos.
PROCLAMAS DE CASAMENTODoningo, 15
do corrente, foram lidos as matrizes da capital os
seguintes:
Primeira denunciacao.
Bacharel Laurino de Moraes Puhero,com Anna
Cornelia de M (raes Guerra.
R.iberto Henriques da Costa, com Joanua Mana
de Joans.
Antonio Luiz de Deus, com Maria Joaquina da
Conceico. .
Antonio Peregrino deFaria, com Columba Mana
do Reg.
Manoel Jos Soares Guimares, com Joa na Car-
lota da Silva
Manoel Martins da Paixo, com Francisca Mar-
colina da Silva.
Segunda denunciacao.
Belmiro Gomes de Oliveira, com Dorolhea Xa-
vier de Macdo.
Man-vd Luiz Carlos Tavares, com Maria Theodo-
ra de Lima Barros.
Angelo da Costa Arruda Mello, com Francolina
Olandina da Silva.
Atoxandre Tiburcio, com Damiana Maria do
Espirito-Santo.
Joo Ramos, com Elvira Annes de Souza.
Claudino Antonio Vieira da Cunha, com Delfina
Adelaide Rodrigues da Silva.
fljjolo Francisco Ribeiro da Silva, com Candida
de Souza Guimares.
IO.OOOOOO
2:00000
2:000(KK)
4:0004000
1 OOOOOO
10 000*000
10000 000
10.000000
2:000000
1:000000
1:000 000
2 000OOO
1:0005000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
5:000*000
1:000*000
2:000*000
5:000*000
5:000*000
10:000*000
5:000*000
l:000^5000
400*000
50:000*000
2:000*000
1:000 000
1:000*000
1:000*000
3:0006000
5:000*000
1:0005000
4:000*000
1:000*000
5:000*000
1:000 000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
2:000*000
Francisco Teixeira de S, cora Fir-
_ Wanderlev Cavalcante.
FrancliWkis Santos Moreira, com Olivia Maria
do Espirito-Santo Pereira Lago.
Joao Zacharas Dias, com Maria Joaquina de
Paula.
Jos Luiz, com Florencia Maria da Conceico.
Terceira denunciaco.
Antonio Jos.Cordeiro Simias, viuvo do Amelia
da Silva Campos Sindes, com Senliorinha da Silva
Campos.
Speridiao Sloccovich, com Helena Francolina
de Mello Branger.
Camillo Pereira Mendes. com Adelaide Thereza
BUtencourt.
Manoel Jos de Oliveira, com Maria Francisca
de lesus.
Adelo Pereira Msalhaes. com Cleinentina
Amelia de Mcdf-os.
LEILAO. Hoje as horas efTectua o agente
I into em seu escriptorio ra da Cruz n. 38 o
leitoo de predios e esclavos, conforme estanuun-
ciadb por este Diario na parte compleme.
LOTERA.A que se acha venda a 99* a be-
neficio da igreja de Nossa Senhora da Soledade
desta cidade, que corre no dia 24 do corrente.
BILHETES OFFERECIDOS.Numeracao dos l.i-
Iheles da lotera 99" offerecidos pelo tliesoureiro
das loteras para auxilio das despezas da suena :
Bilhetes ns. 1458 a 1467.
PASSAGEIROS.Do vapor nacional Potengi, sa-
bido* |iara os portos do su I :
Manoel Torqttalo Ramos, Pedro Avelino dos San-
tos, Miguel Zeferino de Agninr, Manoel Jos de Li-
ma, Jo- Dias de Castro, Slomon, E. Ferreira Pinto
Gomes, Manoel Joo Fernandos de Carvalho, Jos
Antonio de Oliveira Senna, J. Al ve* de Aguiar, Jos
Joaquim D. Ferreira, Constantino R. Lins de Albu-
querque, Manoel Zeferino da.Costa Moreira, Joo
Ayres da Silva Costa.
Sabidos para o norte no va|or Pirapama :
Manoel Antonio Pinto, Antonio Jos de S. Gui-
mares, Joaquim Maximiano Pestaa, Manoel Luiz
da Ponte, Francisco Soares da Silva Retumba,
Adolpho B. Beranger, Raymundo Nonato de Frei-
tas Costa, Pedro de A'cantara Dias, alferes S. Ce-
sar P. Bar reto, Francisco Jos Gimes, Joo Fran-
cisco de Castro Menezes, Jorge V. F. Lopes, Cle-
mentino Jos de Araujo, Antonio de Moraes Cma-
ra e um escravo, Joanna Maria da Conceico, baro
de Harn edous criados, Antonio Delgado Barbosa
e dous criados, Manoel de Barros Brrelo, Pedro
Osorio Cerqueira, Antonio Facundo de Castro, Fe-
liciano Gomes da Silveira.
Saludas ua galera portugueza Noca Fama II
liara o Puto :
Antonio de Souza Leal Flores, Antonio Rodri-
gues ile Oliveira, Joo de Castro Redondo e um
lilho.
Chegados no vapor americano South America
viudo dos Estados Unidos e Para : M. Kotrade, G.
Gubinelle, A. Avento,.S. Gubinelli, padre J. Mo-ca,
Paulo de Amorim Salgado, Walfrdo da Cunha e
Figueiredo, Cli. Enghellard, M. de M. C. Barata,
Antouio V. Magno, C. A. A.Magno e 2 criados.
Sabidos no vapor americano Soutt America
para os portos do su! :
Jos Cardoso, Manoel Martins C. da Cimba,
Slelfano Tasso, e Julin Bornaides.
CEMITERIO PUBLICOObituario do dia 3 do
corrente :
Rosa, frica, 89 annos, Santo Antonio velhice.
Manoel Madeira, frica, 30 annos, solteiro, Boa-
vista ; fractura as peinas.
Jos da vista ; amolecimento cerebral.
Maria, Pernambuco, 1 anno, Boa-vista ; pneu-
mona.
Cecilia, Pernambuco, 4 mezes, Boa-vista ; con-
vulsoes.
Candida, Peruambuco, 9 annos, Santo Antonio ;
pieiinadura.
Marlinho, Pernambuco, 4 mezes, Santo Antonio ;
tumor.
Luciana Mara do Bom-Parto, Pernambuco, 22
annos, soltera, S. Jos ; tubrculos pulmonares.
pravas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesraas
pravas.
Encarrega-se, por commissSo, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes de
aompanhias, da oobranca de lettras e di-
videados ou da seu pa|amento, e de qual
quer outra operado tancaria.
O expediente para o publico comecar
s lO.boras da manliaa, e terminar s 4
lioras'da tarde d todos os dias uteis.
Rendimento
(den do dia
do
18
ALFANDEGA.
dia 1 a 13 .
487:403*377
25:109*O6(>
512:512*443
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
v*olumes enlrados
dem dem
com fazendas
com gneros
Volumes sahidos com fazendas
dem dem com gneros
248
683
-----931
123
160
283
PUBLICACOES A PEDIDO.
Theatro.
A empreza do theatro de Santa Isabel annuncia
para hoje a terceira representaco d > magnifico e
apparotoso dramaChristovo Colombo.
O nomo do Ilustre genovez, to glorioso e eter-
namente preso a marcha progressiva da civilisa-
Cao ao vasto continente, que descubri, revela a
grandeza do genio, sempre soberano no meio das
angustias e duras provacoes, com que Deossoe por
em prova a constancia e resignarn d'aquelles,
que clicios de f na scenca e na verdade, nao
descansara um momento era promover o bem estar
da bumanidade.
De feito ; quanto nao soffreu Christovo Colom-
bo? Repellido, como visionario, pelo senado de
Genova, a quera submettera a apreciaco do seu
Sgante e inspirado projecto ; despresado por D.
nao II de Portugal, que tentou roubar-lhe o fructo
de longos annos de cogilaces, encontou final-
mente, para a realisa^o do seu plano, proteccao
nos soberanos de 11 e-pan lia Isabel e Fernando, pro-
teccao purera amarga, que lhe salen mais tarde o
martyrio e abandono, era que niorreu injuriado a
principio e esquecido depo'S pela pequea ingrata
naci, a quera dera ura novo, vasto e rico mundo.
Tal foi a amargurada existencia de Christovo
Colombo, o maior e mais brilhante genio de seu
seculo.
O bello drama, que hoje abrilhanla scena do
theatro de Santa l-abel. nao somente regular na
estructura, mas anda dolado de scenas surpre-
hendentes e animadas.
Em harmona quasi todo, cora a verdade hist-
rica, tem alguns episodios lindissimos e ao mesmo
teinpo tocantes, filhos da vigorosa imaginacao do
seu autor.
A decoracao soberba, com que se nos aprsenla
em scena da bem a conbecer, quanto esforc e
despezas empregou o digno emprezaro. para que
nada faltasse ao explendor, com que devia appa-
ooer ao intelligcnte e sensato publico desta cidade
una composicao tal e que tanto uteressa a Ame-
rica toda
A vista da caravela, Santa Maria no alto mar
no 3 acto e a das florestas do Haily no 4, de
um effeito magnifico. O seu aspecto oflerece urna
illusa i soberba e d a conhecer a pericia do sce-
nographo.
Quanto a sua rxecuco, completa. O publico
que nao deixou lugar vasio nos camarotes e pla-
teas, as duas representacoes anteriores, applau-
da-o cora enthusiasmo.
Parabens, portante, ao Sr. Coimbra e aos seus
artistas.
M.
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 15 DE MARCO
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Assucar mascavado purgado 3 600 por arroba
(sabbado).
Assucar americano purgado=3500 por arroba
(sabbado).
Assucar mascavado regular da Parahyba-3400
por arroba posto a bordo..
Algodo de Macei 1* sorte = 18*500 por arroba
posto a bordo, a frete de 5/8 sera capa.
Cambios sobre Londres 90 d/v 18 7/8 e 19 d.
por 1000.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da prac^t laxa a con-
venckmar.
Recebe dinheiro
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
hia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os meemos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
BANCO AUA & C.
Ha do Trapiche 34
Desconta lettras co umerciaes a taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente.
Coofere crditos, saca sobre as primeiras
Descarregam hoje 16 de marco
Vapor ing\eiChrysoltemercadorias.
Rarca inglezaFloating Cloud mercadorias.
Patacho norte-allemoAnnaidem.
Galera francezaAdeleidem.
Brgue portugueiflwiDiWomercadorias.
Barca francezaFgaro dem.
Sumaca liespanbolaPronwt. vAos."
Bngue norte-allemo Fried -farmbldo trigo.
Hrigue portuguez Bella Figueirense mercado-
rias. J
Brigue inglet-Pro/AM/i-mercadorh?.
Escuna dinamar.|ueza Ellzaidem.
Lugar inglez Pcwl dem.
Brigue escuna austriaco Capricio farinha *
trigo.
Barca portugueza-Scpiiacamercadorias.
ImportaVo.
Vapor francez estremamjrk, vindo de
Bordea ttx e Lisboa, man festn :
50 caixas cognac; a Tasso Irm5os.
20 ditas dito; a D. 0. A C. C. Simpson
rC.
lOOditis azeite, 4 ditas tecidos de seda
a de algodo e miudezas, .') barris vinho; a
k.'ller A C.
1 caixa chapeos; a Ferreira & Matheus.
2 ditas ditos; a.Manoel Moreira de Souza.
1 dita manoquins: a Costa lmaos C
."iO ditas azeite; a Rabe Schmmettau 4 C.
50 ditas vinho; a Mattrv, Romaguera
hijo & C.
15 ditas queijos; aJ. J. Goncalves Beltrao,
12 ditas ditos ; Joo Ignacio da Costa.
15 ditas ditos; a Von Shosten & C.
20 ditas ditos : a Corga IrmiSos.-
2U ditas ditos; a Carvalho, Zeulia & C.
H ditas ditos ; a Jos Ferreira da Costa.
50 ditas vinho, 50 ditas sardinhas ; a
Joo da Silva Faria A Iinio,
2 ditas joias; a A.y Ilvernatde C.
i ditas calcado ; a Ch. Lecletc.
i dita dito ; a J. P. Arantes.
2 ditas dito ; a A. A. dos Santos Porto.
1 dita livros; aopadre L. Calmon.
3 ditas dito; a Nogueira A- Medeiros.
2 ditas dito; a Lailhacar ~C.
I dita ditos ; a J. Ramos.
I dita chapeos; a Christiani.Irmo.
H ditas fructas seccas, IO barricas cas-
tanhas ; a Oliveira Filhos & C.
1 dita modas ; a Joo Pereira Moutinho.
2 ditas teeidos de algodo c de seda ; a
Silva & Cardoso.
6 ditas ditos .de dito e chapeos; a E. A.
Burle & C.
1 dita miudezas; a Domingos T. llastos.
1 dita meias de la; a Prente Vianna
-C.
1 dita camisase Bravatas; a Francisco
Gomes de Oliveira Sobrinho.
1 dita modas ; a Migalbes A- lrnio.
i ditas ditas, crinolinas c miudezas : a
madama R. Adour.
1 dita passeinantci a ; a Manoel Alcob-
rado.
1 dita amostras; a Cunha d- C.
1 dita modas; a Contarles A Freitas.
1 rula ditas; a Theodoro Just.
i ditas calcado e teeidos de algodo ; a
irma Chauveroche.
1 dita ditos de dito e
irm.i Magnin.
urna imagem ; a
12 ditas vinho ; a Louis Puech.
2 ditas sangusungas. 1 dita movis,
l
em conta corrente e a
dita relogios, 4 ditas miudezas e perfuma-
ras ; a ordem.
1 dita vestidos; a L. de Moraes G. Fer-
reira.
1 dita teeidos de algodo ; a D. P. Wild.
ldita modas; a JosAlves Barbosa Filho.
20 ditas cognac; a Tisset frres.
2 ditas teeidos de algodo; a Carneiro A
Nogueira.
3 ditas ditos de dito; a Schafheitlin d C.
1 dita miudezas; a Yaz d Leal.
1 dita ditas; a d. de Moraes d C.
1 dita ditas; a J. d'Almeida d C.
1 dita ditas; a Cmara d Gu maraes.
1 dita ditas; a S..irya Soares d C.
i dita ditas; a Silva d Neves.
3 ditas ditas, teeidos de seda e algodo :
a Alves d C.
4 ditas modas, perfumaras, retroz o
passemantaria ; a Joo da Rocha e Silva.
4 ditas teeidos de algodo, de 13a e de
seda; a Monteiro d Irmo.
15 ditas fructas seccas; a II. Oettli dC.
2 ditas chapeos e teeidos de algodo; a
Henrique d Azevedo.
6 ditas ditos de dito, e de la, marroquins,
chapeos e miudezas; a Adriano, Castro A C.
1 dita calcado; a Lopes A Oliveira.
2 ditas joias e lettras de zinco; a Leh-
mann Frres.
1 dita teeidos de la e de seda; a F-
lix V. d Cantalice.
1 dita ditos de ditas, armacSes para cha-
peos de sol; a madama V. Falque.
i dita instrumentos pticos; a F. J. Ger-
mano.
1 dita azeite, 5 barris vinho; a H. Lei-
den.
1 dito dito; a Meuron A C.
10 ditos dito; a Mederc Arnoult.
5 ditos dito, 11 caixas azeite, 25 ditas
cognac; aF. Souvage.
1 dita calcado; a Jos L. Goncalves Fer-
reira dC.
2 ditas conservas, 2 ditas licor, 2 barris
vinho: a J. Mendiboure.
2 ditos dito, 1 caixa licor; a Osmin La-
porte.
Vapor brasileiro parahyba, vindo de
Macei, mawfestou:
400 saceos muo, 94 saccas algodo:
a Alvaro Augusto de Almeida.
Vapor americano sodth america,
viudo de Neto-York e Par, mamfutou :
i caixa retrato;; a Candido Affonso Mo-
5 ditas chapeos do Chile; a Keller d C.
2 ditas dito; a Tb. Cbristiansen.
RBCBBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
^^ RAES DE PERNAMBUCO.
*

^

.

1
\
1

RendimeBlo de dia 1 a
Idea i* dia 15 .
13
3l:MS*li7
4J0M8M.
4&S7S131


m**Ks~


X.

Diario de Peniambuco ->- Terqa eira 16 de Mairo de 1869.
I
CO.VSULADO PR0YKK3AL.
Rendimento do di.i I a i:j 7:836*979
tem do di.Vl.'i....... 7:'.til*i(ii.
' a.
N:J!)Ml8.t
MOVIMENTO DO PORTO.
Nanios entrados no dta 15
flasgow63 dias, barc dinamarquesa Gronsund,
de 411 toneladas, capitao I. C. Ererksen, ci|u
geni 14, carga carvao e outros gneros ; a or-
deni.
Livorpool53 dias, barca ingleza Lecand, do 328
toneladas, capitao John- Jones, equipagom 14.
carga varios gneros; Sawnders Brothers
& C.
Sovinsea51 dias, barca franreza Arle de Altean-
ce, de 248 toneladas, capilao Bruere, equipagom
II, carga carvao: Wilson & BeU.
Buenos-Ayres- oo dias. escuna norle-allomaoS. A.
R., de 117 toneladas, capitao X. F. Nommensen,
equipagciu G, carga 3,090 quintaca hespanhoes
de carne: i Johnston Pater & C.
New-York e portes intermedies21 dias, vapor
americano South America, de 2,000 toneladas.
commandanteTonklt'pangh, equipagom 68, carga
differaites generes; Hetiry Forsler & C.
Nacio sal idus no mesmo dia.
PortoGalera portufraeza Nova Fama II. capitao
Jos Bibeiro Ferrcira, carga a-suc.n.
BahaVapor brasileo 'de guerra llecife. com-
mandantc capitii i-lencnte J. F. Pinheiro.
Rio de Janeiro e Babia Vapor americano Soulh
Amrica, eommandante Tenklepangh.
Rio de Janeiro e RabiaVrper trance/. E.rtremmlu-
re, eommandante II. de Somer.
Granja e portos intermediosVapor brasileiro
Pirapaiiri, eommandante Torres, carga dife-
rentes gneros,
Aracaj e porlos intermediosVapor nacional
Potengi, eommandante Pereira, carga dilferentes
gneros.
EDITAES.
0 Dr. Tiistao de Alencar Araripa, ollicial
(l i imperial erd mu di K isa, o jaiz da di-
re-ito especial da commarcio d'osta cidade
da Reeife dePr_ambiieo.por Sua-lfages-
tade imperial e constitucional o 8r. D.
Pedro II, a quem Deus guarde, etc.
Faco saber pelo presente, que no dia
12 do mez de abril do Torrente anno, se lia
de arrematar por venda a quem mais der
em praga publica d'este juizo depois da au-
diencia respectiva, os escravos seguintes :
Saturnina parda de .'i anuos pouco mais
ou menos.avaliada por nove centos mil reis,
Tuereza crioula de l anuos de idade, ava-
hada por oito Gentes mil reis, Maria parda
de 1 auno, lillia de Saturnina avallada por
cem mil ris, Pedro pardo de annos de
idade, avalado por duzentos mil ris, os
quaes vito a piara por execuco de Antonio
Uuarte Carneiro Vianua, contra Esteva de
AJbuquerque Mello Monte-Negro. K na fal-
ta de lancador que cubra o preo da avalia-
ro, ser a arremataran feila pele preco da
adjudicaran com o abatimento da lei
E inra que chegue ao conheeimento de
todos mandei ttMbr o prsenle edital que
ser afixado nos lugares do costme e pu-
blicado- pela imprense.
Recite, 1 de ievereiro de 1869.
Eu Manoei Maria Rodrigues do Nasci-
mento, escrivo, o subscrevi.
Tristn tic Alencar Arare.
fulzo dos fritos da fazenda de
Pernaiubiieo.
Faz-se publico a quem convier e interessar pos-
sa, que findo o praso de tres m.v.es a contar de 24
de dezembro nltinio, se lio de vender em hasta
Sublica, celebrada na cidade de Goyanna e na villa
e Itamb, perante o sobredito juizo, as trras per-
tencentes ao extincto encapellailo de Itamb, cons-
tantes do edital de praca, publicado no Uiario de
Pcrnambnco do citado dia. Os que pretenderen!
lancar a praso, conforme o art. 4 da lei de 6 de
sete'iubro de 1830, deverao apresentar-re com seus
liadores habilitados, sendo as fiancas prestadas ad-
mimstrativamente e com todas as formalidades
das flaneas fi&caes nos termos das instruceoes de
30 de dezembro de 1803.
O escrivo,
Lu: Francisco B. de Almeida.
DECLARACOES.
Conselho de comprando arsenal
de guerra.
0 conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
1 bandeira imperial de filelle com seis pannos.
i mastro para bandeira rom 30 palmos de
eumpriinento.
As pessoas que quizerem vender ditos artigos,
apresentem suas propostas em carta fechada na
sala do_ conselho, as 11 horas do dia 17 do cor-
rente.
Conselho de compras do arsenal de guerra de
Peraambuco 11 de mareo de 1869.
F. Haphaelde Mello Reg,
Presidente.
Jos Baplista de Gastro Silva,
Secretario.
mina a ordem n. 17 do mini^erio Efc[-zenda de
30 de Janeiro ultimo.
Itocebed ria de Purnam:.uco 19 r fevereiro di
1869.
Manoei Carneiro de S. .tiza Laecrda.
THEATRO
DE
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DE
Terga-fcira 16 de margo.
Terceira representacao do magnifico e appara-
loso drama histrico de grande espectaulo, em 6
actos, ornado de msica
CIIIIISMl (Mil)
ou
A descoberta da America,
Actores.
Personagens.
babel, a catholica, raiuha de
Gastella e Lcao.
I). Maria de Gusniae, dama
de honor......
Ona, rainha de Haity. .
Ghristovao Colombo. .
Diego........
Peregrino (irmao de Colombo)
Bartliolomeu......
D. Luiz, duque i ile Fenseea.
Frei Pauto Marchena, confes-
sor da rainha.....
Rodad, aventnreiro. .
D. Jos de Escobar, tabelliao
regio.......
Tiibarao, marinheiro. .
Antonio, dem.....
I>. Pedro de la Cueva, cania-
risja.......
I). Filippe de Vega, capitao.
l'm alcaide-mr......
Um pagem......
'Olean, indgena.....
Marinbeires, soldados, frades,
B. Mari Vclluti.
D. Julia Azevedo.
D. Clelia.
Joaquim Augusto.
Primo da Costa,
. Apolonia.
Eduardo.
Jote Victorino.
I.essa.
Thomaz.
Martinlio.
Brochada
Cont Bocha.
Jos Giiiinaiae-.
J> >i ilaiii.
Fluriiido.
D. Francisca.
D. Carolina,
lidalges. niellili-
gos, novo genovez, easlelhanos, indgenas do Haity
de ambos os sexos.
DK.NOMIXA(:\0 K POCAS DOS ACTOS.
!O incendio e a fugaGenova1489.
2"Isabel a catholica -Castella1492.
3" A revolta a bordoNo Ocano1492.
4"Jusliea e inju 5A recompensa lard aSevilha1805.
6"O inarlyio do genioValhadolid130.
A ACCAO DO DRAMA I'ASSA-Si: I
1 acto em Genova casa de Ghristovao Colombo
2" dito em Castella. convenio de Arrabida.
3 dito no mar, bordo do navio almirante
4o dito na ilha do Haity, possessoes da rainha
Ona.
5" dito em Sevilha. palacio de Isabel a catholica.
6 dito em Valbadi'lid, nina estatagem.
Todo o vestuarin nove eda poca.
Todos o> accessorios sao rices e o scenario a
capricho.
O 3 e 4 actos sao inleiramente novos c do h-
bil pincel do Sr. Chapelain.
Nao s pouparao esforcos nem despezas, alias
avultadas para fazer subir scena este drama
eeio todo o apparato e riqueza que requer. O
scenario do 3o acto que figura o navio de Colombo
com todos os seus accessorios, magnificencia e
movimento nutico, de um soberbo e sorpren-
dente ellcito afora as bellsimas scenas dr- mal-
cas que adornam este acto. A contextura hiato
rica do drama, e os lances palheticos que elle
conten, sao de um alcance eminentemente moral,
magestoso e verdadeiro Encontra-sc nelle com
profu-ao e verdade, as scenas singlas, mas re-
ligiosas da familia, a pugna heroica to talento
contra a superstica, o erro e a inveja palaciana;
a hita dos elementos, a intriga dos ulicos, a des-
crenca dos nimos ignorantes e a forra poderosa
ilo genio protegido pelos raios luminosos da pro-
videncia. E' nma concepeao real, que honra o
s\!u autor, e que deve ser vista e apreciada em
toda a sua plenitude, por um publico Ilustrado.
Coineeai as8 horas.
Os bilheles acham-se j a venda no escriptorio
do theatro.
0 emprezario aproveita a occasiad para agra-
decer ao dstincto scenographo o Sr. Cliapelaim,
a offerta que Ihe fez do soherho panno do 2o acto
representando urna floresta do Haity.
Para lislioa.
Segne com muita brevipi abarca porlm
r.ratdao. tein grande \*im da"soa caiga prdmp-
la ; para o que ai ni la Ihe falla o passagemis, ira-
Ui-se com Ollveira l^hog \C, largo do Corpo San-
to n. 19,ob com -apitio na praca do comaercio
Lo5.li da
Obl'igtie porluguz Bcmrlntla. capilao Silva, a
chegar de Lisboa, saldr para Loanda poucnfc dias
depois de recolhido a esle porto : podo receber
alguma carga, e lrta-se<\)in o sen consignatario
Joaquim Gerardo de Bastos, na do VigafiO n.
16, 1 andar ,________________________
Para o Porto
Vai sabir com mi ila brevidade a veleira barca
Flor de S. Simao visto ter parte da carga enga-
jada, para o resto e passagens tratarse com os
consignatarios Carvalno & Mogueira na ra do
Apollo n. 20._________kj___________________
COMPANIIIA PERNAMBUCANA
DG
Navcga^So c>i>stcira por vapor
Macei em direilura e Penedo.
O vapor Paralnjba, eommandan-
te Mello, seguir para os porto* ci-
ma no dia 22 do crrente as 4 horas
da tarde." llecebe carga at o dia 20, encom-
mendas,passageiros e dinheiro afrete at as 2
horas da tarde do da da sabida no eseriptorio do
Forte do Mallos n. .12.
sendo nm para guardar a rreios de cirros e mui-
los ouiro.s aflig os aos miste, es Indicados.
.'Seoiitida-fira -ll do corn.-nte.
s 10 bcras da nianhft Ro propiio iHahelecimen-
'' do rprido Si. l'oiiit.', urua do inipenidor n.
9, delruile do convento de S. KraneiM-o, onde os
nrolowtonaes epretendentes podem ludo exami-
par (tem anleeipaco.
ATTK
AVISOS diversos!
LEILOES.
i.E
e predi us e escravos.
A SABER: .
Una casa nova edificada em chaos proprios a
ra da Ventura n. 10 (Capungai. com sitio mura-
do e plantado, 80 palmos de frente para -ra da
Ventura e 330 palmosTO fundo para o porto do
Jacobina e com cacimba.
Una casa terrea n. 3 da travessa da ra Impe-
rial ou do Rapozo, em chaos proprios.
Urna casa terrea n. 30 da ra do Amparo (Olin-
da), edificada em chaos proprios com grande
quintal.
Dtias escravas quitandeiras. sendo que nina e
boa la vade a.
HOJE.
O agente Pinto legalmente autorisado far leilo
dos predios e escravos cima mencionados a 10
lenas do dia cima dito em sen escriptorio ra
da Cruz n. 38.
Da casa terrea nova ao sabir da ra de S. (in-
calo n. 24, edificada em chaos proprios, com
oitoes meeiros. eiicanamento de gaz, sala estu-
cada e militas outras accoiumodacoes p ira casa
de familia.
H as 11 horas em puntido dia quinta-feira 16 do
corrente elTeeiuar-se-ha a venda em leilao da casa
cima mencionada (cuja venda foi annunciada pa-
ra o dia 26 de marco prximo passado) em o cs-
rriplorio do agente Pinto ra da Cruz n. 38.____
I
AVISOS MARTIMOS.
COMPANIIIA PERNAMBUCANA
DE
Xavegaeo costeira por vapor.
Goianna
O vapor Mamanguape, 'eom-
mandante Mello, seguir para o
porto cima no dia 16 do corren-
te as 9 horas da noite. Recebe
carga, encommendas. passagei-
ros c dinheiro a frele no escriptorio do Forte do
Matos n. 12.____________________________
Para o indicado porto pretende sabir em pon-
eos dias a Teleira e hem conhecida barca Social,
capilao Rocha, por ler a maior pane do seu car-
regamento prouipto, e para o resto que Ihe falta
e passageiros, para os quaes lew bons coinniodos,
trata-se com o consignalorio Joaquim Jos Gon
calves Bellrao. ra do Trapiche n. 17.
Inspeceo d arsenal de
marinha.
Faz-se publico que a commissao de peritos exa-
minando, na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324 de 3 de ievereiro de
1834, o casco, machina, caldeiras, apparelho,
mastreacao, veame, amarras e ancoras do vapor
Moleque, propricdadc do Baro do Livr.amento,
achou todos esses objectos em estado de poder o
vapor navegar.
Inspucco do arsenal de marinha de Pernambu-
co 13 de marco de 1869.
O inspector.
H. A. Barbosa de Almeida.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO BEC1FE
Pela secretaria,da Santa Casa de Misericordia do
Reeife se faz publico quem convier, que a III ma
junta administrativa nao podendo por si mandar
reedificar o predio n. 33 da na Direita perten-
cente ao patrimonio dos eslabelecimentos de cari-
dade, contratar com quem maiores vautagens
offerecer, a edificaco all de um predio terreo
sua cusa, mediante' o arrendaniento por um cerlo
numero de annos, e outras condcoes.
Os pretendentes deverao apresentar snas pro-
postas em cartas fechadas nesta secretaria at o
dia 11 do corrente, onde se daro todos os esejare-
cimentos precisos.
Secretaria da Santa Ca a da Misericordia do
Reeife, 5 de marco de 1869.O escrivo, Pedio
Rodrigues de Souza.____________
S \NTA CASA DE MISERICORDIA DO HECB?E
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia
do Reeife se faz sciente quem convier, que o so-
brado n. 3 A sito ra Augusta e a casa terrea
n. 39 da ra des Pescadores, estao sujeitas se-
guinte disposico testamentaria, com que fallecen
I). Esmenia d Coneeicao Souza, mulher do Dr.
Jos Joaquim de Souza :
c Declaro mais que instito por herdeiros de
minha meia aci;o ao meu marido o Dr. Jos Joa-
quim de Souza, com a obrigaejio de com sua mor-
te passar a terca de meus bens para os meas ir-
raaos o padre Jos Leile Pitia Ortigueira e D. Car-
lota Esmenia da Coneeicao Leite, aos quaes tam-
bem instito por herdeiros da mesma ter^a na con-
ormidade do que fica disposlo, e no caso de que
nao sobrevivam seus irmos seu marido, a terc>
que elles pertencer, vonlade sua que passe para
o hospital de caridade que flea assim instituido.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
eife, 5 de marco de 1869.O escrivo, Pedro Ro-
drigues de Souza.
O administrador da recebedona de rendas
internas geraes declara que tendo-se concluido o
lancamento do imposto pessoal do exercicio cor-
rente de 1868-69 das freguezias de S. Jos eltoa-
vl-ta, fica marcado o praso deste mez e de marco
futuro em que deve ser pago o referido imposto,
seta multa, das sobreditas freguezias, como ueter-
CMPANIIIA PERNAMBUCANA
DE
Mavegaco costeira por vapor
Porto de Gallinltas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor lamanguape, eom-
mandante Oliveira, seguir para
os portos cima no dia 2o do cor-
rente a meia noite. Recebe car-
ga, encommendas. passageiros e
dinheiro a frete no escriptorio do Forte do Mal-
los n. 12.
De escravos e de um cofre.
Sendo una esc rara pretade nomeMiquilina do
47 annos de idade, vm escravo pardo de nome
Salvador de 42 annos de idade, uin diio preto de
nome Paulo com 23 aubos, outrb lambem preto
de nome Lindolpho e de idade 16 a nnos, oulro
preto de neme Qnirino com 17 auno e finalmente
oni ineto de nome Dionisio de 18 annos, "Mais
um cofre de ferro para dinheiro.
Quarta-feira 1,7 do corrente.
O agente Marlins com autorisacao do (Um, Sr.
vice-consul de Hespanha nesta provincia o em
presenca do mesmo far leilo dos esclavos e do
cofre cima pertencentcs ao espoli do subdito
hespanhol Jos Filippe Martnez, as 11 horas do ^
dia mencionado e nu porl da casa n. S da ra
da t'.ruz.
Jos Soares de Azevedo, professor de
lingua e litleratura nacional no gymnasi
r*DVfiJeia| rto Hecife. tem aborte em sia
casa, rua Bella n. 37, um
CURSO DK LGl'A FRANCESA
di: (KomiAi'm.v e iiisroniA
DF. IMIII.OSOP1IIA
DK RHETOMGA E POTICA.
Os estudantes qnc pretenderem frequen-
tar qualquer destas disciplioas, [lodem diri-
gir-ee indicada residencia, de inanha at
as 10 horas, e de larde a qualquer hora.
Aluga-se urna ama de leile. escrava e sem II-
Iho na rua das Cruzes n. 7.
Fornece-se comida com asseio o promptidau
em easa de urna familia
na.....i. 71. l andar.
na rua do Padre Flo-
Precisa-se de nina ama para casa de penea
familia: na rua larga do Rosario n. 21
IH Ui
O abaixq assignado vem jielo prel-nte declarar
ao Sr. Luiz J()s de Fj-aaca Carioca que nao pague
a letra da quantfa df rsr 12.f840, que aceilou no
dia 1 de novombro de 1868, e vencida a 28 de
fevereiro do corrente anno, visto se ter perdido
dita letra', bem como p de a quem a liver .ichado
e quizer restitni-la, o favor de ttfrlgir-se rua lar-
ga do Rosario n. 16, <|ue ser bem recompensado.
Reeife 13 de marco de 1869.
__________Antonio Tavares Almeida e Silva.
Irmandade das almas
na matriz do 88. Sacra-
mento da Boa-Vista
Por ordem da mesa regedora convido a todos os
nossos irmos afim do compaiecerom em nossa
igreja quinta-feira 18 do corrente, pelas 2 1/2 ho-
ras, afiu de encorpbrados, acoinpanbarmo's a pro-
cisso do Senhor dos Passos, que deve sahir da
igreja da Santa Cruz, para a qual ti vemos a hon-
ra de ser convidados pela coiifraria do Senhor
Rom Jesus da Via-sacra da mesma igreja.
Consistorio da irmandade das almas na matriz
do SS. Sacramento da Roa-Vista 14 de mirco de
1869.-0 escrivo,
^_______Antonio Fernandos dos Santos.__
Alugam-se doiis mocques de 8 a 12 anuos
de idade, e bein assim nina prcta com urna lilha
de 7 para 8 annos, por coimnodos presos, garan-
liinlo-se bom tralauenlo: a tratar na rua do
Qneimado n. 13, Io andar.________ ________
Da-sc 3:000$ a juros em bens de raiz livres
e desenibaracados : a tratar na rua do Imperador"
rom o tabelliao Almeida, que dir quem os d.
Alberto.
Attenco
Manoei Augusto de Mene/es Costa, pro-
fessor de msica, contina a dar licoes de
sua arte, tanto vocal como instrumental,
em casa particular ou em algum collegio;
assim como tem aberto urna aula na casa
de sua residencia na rua da Palma n. S'.i.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 14 a 16 annos ac
idade, com bastante pralica de taberna : a tratar
na rua Imperial n. 47. _______
bom moleque
Dcseja-se alegar um
larga do Rosario n. i'i.
na rua
Jos Joaquim Dias do Reg, Maria Augusta
Franco do Reg, Julia Maria Franco do Reg, Jos
Joaquim Dias do Reg Jnior, Candida Primitiva
Franco do Rogo, Augusto Seralim Franco do Ro-
go. Olympia Luiza Franco do Rege, Bclarmino
Angosto Franco do Rege, D. Florencia Rodrigues
de Miranda, Joaquim Francisco Franco, I.ni/. Me-
lanio Franco. lilalia Roberto Franco e Joanna
da Pahua Franco de Miranda, esposa, lillios, mi
e irmos da finada Maria Bibiana Franco do liego,
agradecen) eordlalmente a todos os seus amigos
e prenles o caridoso obsequie de assistir a seu
enterro no dia 10 do corrente, e ainda esperan
que se dignein de assistir as missas que por sua
alma se ho de rezar das 6 as 7 horas da manha
do dia 16 deste mez, pelo que, desde j se confes-
sam eternamente gratos^____________________
Oliveira c Maia fazem publico para sciencia
do respeilavel corpo do commcreio, e de quem
mais interessar, que na presente data vendern
ao Sr. Romao Jos ds Silva Marques a taberna que |
possuiain na rua do Rangel n. 67, livre e desem-
haracada de dbitos e de qualquer onus, nao ten- j
do o comprador responsabilidade alguma pelas
transarles tendentes a lirina social dos aunun-
ciantes.
por
Wcenasde nm romance
tioo Candido.
L'm volume em 8-, francez
Do mesmo autor
MA REUNIAO NA PRACA PURLICA
"SCENA DRAMMATICA,
Um volume em 8-, francez... 500 rs
Assignam-se na livraria franceza ni
do Crespo e na,. encardenatao Pars iens
a roa do Imperador. ^__________
. Precisa-se de orna familia capaz, que se en-
car regu de manjar lavar c engonnnar c<>m toda
a perfeico roii|ia de homem. A quem convier asta
freganda, pode dfriglr-se ao sobrado da rua Bella
n. 37, de nianhaa at s 8 horas. c de tarde a
qualquer hora.
Erasino Jos "de Mello pretende ir ao Hio de
faneiro.
Vinho degestivo de
chassaing
COM
PEPSINA E DIASTAEX.
Remedio por excellenria para cura cert.'i
das digestOes dilireis ecompletas, aclmal-
as dores gastralgicas, c reparar as for?as
produzindo urna assimularo completa dos
alimentos: sendo mais um excedente tnico.
VEMDE-SE
PHARMACIA E DROGARA
DE
IBartholonieu & C.
%RUA LARGA DO ROSARIO34
PERFUME INEXTINGLIVEL.
Para o Lknco, Toicadok, k Ramio.
Precisa-se de
18, 2" andar.
K2-.
una ama : na rua do Crespo n.
Precisa-se de una ama para lodo servico
de casa de una s pessoa : a tratar na rua da
Senzala-velba n. 132. 2" andar.
Ama
Precisa-sede 1:000 soh hypotheca em urna
casa terrea e una escrava : a tratar na botica do
.pateo do Terco n. 135eom .Maximino Gusniao.___
<
loS.
Veneravel ordem terceira
Francisco do Uccife
A convite da veneravel ordem terceira do Car-
Precisa-se de urna ama para todo e servico de
una casa de pouca familia : na rua da Penba n.
23,2 andar. _______________________
Acba-sc justa e contratada a compra da ta-
berna sita rua dos Copiares n. li : quem se
julgar eredor da mesma, queira apresentar as
suas coias na rua do Nogueira n. 29, isto dentro
do praso de tres dias, lindos os quaes nao se at-
lender mais reclainaoao alguma. Reeife 13 de
marco de 1869.______t_________________
Tendo fgido no dia 2 do presente mez. do
poder de seu senhor, o mrjor Francisco Cordeiro
Dias dos Santos, morador no lugar Tabocas, co-
marca do Brejo da Madre de Dos, o escravo Luiz,
crioulo, com 23 annos de idade e bem parecido : gradavel e excedente, dando
avisa-se a toda e qualquer pessoa que delle sou-
ber de o apprehender e lva-lo ao largo da As-
semhla n. 9, que ser reconqiensado. _______
Aluga-se urna casa e sitio na rua das
Pernambucanas, porto do Jacobina (Opun-
(ja) n. 48, com acommodaco para grande
mtr, e por deliberaeao da nit-a rogedwra desta ve-! familia, bastante fresca, e cujas chaves para
ser vista acha-se na casa junto n. ()l :
LEIIAO
-*c
tiiuves. lou?a, crjslos
e escravos.
A SARER :
Um piano forte, una boa mobilia do Jacaranda,
2 grandes espelhos rom molduras douradas, 1 ex-
cellcnle secretaria do Jacaranda, diversos hvros,
papel para forros desalas,ditopara flores, qna-
dros, 1 lbum para retratos, candieiros, relogios
de parede, dito de algibeira, msicas, 1 flauta de
bano, 1 mesa elstica, lonca e yidros, marquezas.
mesas, eadeiras, 1 tomador do Jacaranda, I ma-
cliina de copiar carta, venezianas, 1 machina ',
costura, 2 guarda vestidos, 2 altagcns, 1 lote trem
de cosinha e mullos oulros objectos.
Duas grandes portas de amarello e urna varan-
da de ferro.
Um escravo crioulo de 22 eimos que cosiuha e
trabadla de pedreiro.
Urna escrava crioula de 53 annos. que cosinha
hem, faz doces, massas, assim como engonima e
lava.
diiinta-feira 18 de marco
A'o sobrado da rua da Imperatriz n. 4, 2o e 3a
an ares.
O agente Pinto autorisado por urna familia que
retira-se para Europa, far leilao dos movis e
mais objectos cima mencionados, existente no
2 c 3o andares do sobrado da rua da Inipuralriz
n. io, onde se efTectuar o leifo as 10 horas do
dia quinta-feira 18 do brrente.
. Principiar as 10 hofas.' ____
DE
Rio de Janeiro
Para o indicado porto segu com milita brevi-
dade o veleiro e bem conheeido brigue Adelaide.
por ter a maior parte do carregamento tratado ; e
para o resto que Ihe falta e escravos a frete, tra-
ta-se com o consigna! rio Joaquim Jos Gon^alves
Bellrao, rua do Trapiche n. 17,_________"
BMSIlMr
)
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at odia 21 do corrente o vapor
Cruzeiro do Sul, eommandante
Alcoforado, o qual depois da de-
mora do costume seguir para os
do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia desuachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicio.
Tudo que passar desles limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
fens s se recebem na agencia rua da Cruz n. 57,
andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo 4 C.
Para o Porto
Segu sem demora a barca portugueza JVodo
Silencio, por ter grande parte da sua carga promp-
ta, para o resto e passageiros aos quaes offerece
excedentes commodos trata-se com Oliveira Filhos
4 C, largo do Corpo Santo n. 19 ou com o capitao
na praga do commercio.
Para Lisboa
Vai sahir com muita presteza o brigue portu-
guez Constante II por ter grande parte do seu
carregamento promplo : para o restante e passa-
geiros, trata-se com Oliveira, Filhos- 4 C, largo
do Corpo Santo n. 19, ou com o capitao na praca
do commercio.
LEILAO
Da loja de fuailelro sita na tra-
vessa da rua das Cruzes nu-
mero l <
O agente Martins fara leilao da referida loja
constante de obras ferramentas e armaci
Quinta-feira 18 do crrente
as 11 horas do dia na mesma loja.
De tOO barricas com eerveja
em garrafas e metas garrafas,
branca e preta da marca as-
pinal.
Sexta-feira 19 de marco as 11 horas
em ponto.
O agente Pinto far leilao por conta c risco de
quem pertencer de 200 barricas com strveja
branca e preta em garrafas c meias da marca as-
pinal sendo cem barricas da marca A triangulo e
outras com M I. com triangulo e A denti j ; o
leilo ser elfectuado as 11 horas do dia cima
dito no annazem do Sr. Antonio da Silva Aieve-
do no caes da escadinha n. 8.
LEILAO
Da fabrica de carros e de niar-
einerla, como da mobilia per-
tencentes ao Sr. F. Polrler.
O agenie Oliveira far leilo por ordem deste de
2caleches novos epromptos para forrar,sendo um
com vidracas, 2 cabriolis sendo um novo e outro
usado com varaos de todas as qualidades para
cabriolis, ac para molas e parafusos para i!am>,
urna serrara novida por manejo com seis sorras
circulares e mais ferramenta, incluindo machina
para furar ferro e maieira, um torno para oadei-
ra e de rosca, tudo completo, safos e bigornas pa-
ra ferreiro, folies para forja, martellos, teaazes,
moldes d'ajo, torno de ferro e mais pertences
completos para fabrico de carros eaviamentos pa-
ra os mesmos, bancos para marcineiro, ferramen-
tas e mais utencilios para este offlcio, c finalmen-
te de boa mobilia consistindo em consolos, ;adei-
ras, guarda vestidos, sof e marqueza, aparador,
mesa de meio de sala, de jamar e outras, toreador
e carteira, tudo de amarello, camas de veno, bi-
dets, cadeira secrela, loucs, armarios pinados
neravel ordem, convido a todos os hoscos ebaris-
simos irmos a coinparecerein na igreja de nossa
ordem paramentados com seus hbitos, no dia !!
d corrente, lelas 2 1/1 horas da tarde, para eo-
corporados. aeompanbarmos a prnciss.io de Tri-
umphn.
O secretario.
Joo da CunliaSiares Uuimaraes
Veneravel ordem ter-
ceira de N. S. do Car-
ino do Reeife
Proelsso de Trinnipho.
Tendo a veneravel ordem terceira de Nossa Se-
nbora do (lanuo desla cidade de apresentar a vis-
ta dos liis a soleinnissima prucissao do Triumpho
dos Passos do Senhor no dia 19 do corrente mez
as 3 horas da tarde, e desojando a mesa regedora
que esle acto seja revestido de toda a pumpa e
magnilicencia. manda convidar a todos os charis-
sinios irmos, para que paramentados com seus
hbiles coinpareeaiii na igreja de nossa ordem no
referido dia e hora ndicaflas, amn de que acom-
panhando a mencionada prucissao, cooperen! por
esta forma para o seu maior explendor e brilhau-
SIIIH.
Secretaria 1* de mareo de 18 "O >ecrel;uio,
Joaquim Xavier Vieira Ligo.
Precisa-se alugar uui moleque ou mesmo
um preto de maior idade : qitcni ti ver pode vir
tratar no pateo do Terco n. 03.
Tendo-se mandado da rua estreila do Rosar
para o lugar Peres da fregtiezia dos Afogadus, no
li.n de fevereiro do corrente anuo, algumas pecas
de mobilia, c juntamente alguns jornaes c livros
por una carioca destas que conduzem assucar dos
engenhos, acontece que desappareceu ou rouba-
ram d;i mesma canuca una codelo do Uiario
ile Pernambuco o do Jornal do Reeife, completa,
do anno de 1868, e diversas colleccoes dos mes-
mos jornaes, nao completas, do anno ile 1866 e de
1867, assim como urna grande porcao dos jornaes
Oriente e Mercantil de 1866, 67 c 68 roga-se o
favor a quem compren, piovavelmenle para ent-
ornillo, que se digne entregar na rua de Sania The-
reza n. 14, ou annunciar por este jornal, pois que
alem de ficar-se agradecido, se pagrr todas as
despezas, ou mesmo alguma noticia a tal espeito.
Perdeu-se na sexta-feira de Passos una me-
dalba de ouro de linagia que cabio do adereco de
um anjo que acompanlK>n a dita proeissao : pe-
de-se a quem achou, que venba entregar na rua
da Lingoela, taberna b. 4, que ser r'onipcnsado.
Do engenho Preferencia ftigio no dia 4 do
corrente o escravo Theodoro. mulato claro, altura
regular, cabellos crespos, odios pardjs claros, e
alguma barba apenas no queixo,'sendo de jdade
obra de 28 annos : roga-se pois a apprchensao do
mesmo, lovando-o ao engenho supraeitado, onde
se gratificar ao apprehendedor.______________
= Precisa-se de una ama escrava iu forra que
saiba cozinhar : na roa de S. Francisco n. IA.
Precisa-se alugar orna escrava para servico de
urna casa de pouca familia : na rua larga do Ro-
sario n. 21. _________
Antonio de Souza Reg cordealmenle agradece
a todas as pessoas que acompanharam ao cemite-
rio publico os restos moraos Jo seu prezado ami-
go e prente Jos Francisco Ribeiro, c pede ao
mesmo tempo desculpa da falta de convite aquel-
los amigos do finado que nao foram convidados,
por ignorar o annuncianlc quem ellei sejam. O
annunciante nao pode prescindir de mencionar com
louvor o nome do Sr. Marcelino Jo-e (oncalves da
Fonie, pelo seu valioso concurso em promoveros
aprestos para o enterro do finado, pelo que se con-
fessa eternamente pi ato.
tratar na rua do Pilar, sobrado junto ao
arsenal de marinha, 9-, andar.
Ama
Precisa-se na rua da Cadeia do Reeife loja nu-
mero 9._____________________________
Precisa-se de um menino de 9 a 10 anuos
I para criado de una pessoa. nao se importa que
seja escravo ou livre, e dando fiador a sua con-
ducta ; quem o tiver dirija-se a rua do Alecrim
n. 63.______________________________
Na ausencia do ababo assignado foi entre-
gue no sabbado 13 do corrente em seu estabele-
cimento rua larga do Rosario, una pipa com
viubo da Figueira marca ARP. naturalmente por
engao do carroceiro que a conduzio : a pessoa
pois a quem ella pertenea, haja de a mandar bus-
car que Ihe ser entregue, pagando o respectivo
frele e annuncio.
Antonio Alves Lebrc.
CASA DA FORTUNA
Aos 4:000$
Billetes garantidos.
A rua do Crespo n. 23 e casas do costume
O abaixo assignado tendo vendido nos seus
muito felizes bilheles garantidos um meio n. 3138
com a sorte de 4:000|, um inteiro n. 447o com a
sorte de 700, um miarlo n. 1361 com a MMe
de O* e outras multas sortee de lOOfi, 40 e
03 da lotera que se acaben de extrahir em
A HU AFAMADA
\GA DK FLORIDA,
DE
MI SI5 IV iV 1Y\V1IA\.
He o mais delicado c mimoso e ao mes-
mo tempo o mais estavel de todos os per-
fumes, e encena em si, no seu maior auge
de excellencia, o proprio aroma das verda-
deras flores. quamlo anula na sua flores-
cencia e fragancia natural. Como ummeio
seguro e rpido allivio contra as dores de
i atiera, nervosidade, deliilidade, desmaios,
flatos, assim como contra todas as formas
ordinarias de accidentes hystericos; de
sumina eflicacia e nao tem outro que o
guale. Igualmente? quando destemperada
com agua, torna-se um dentifricio o mais
aos (lentes,
aquella alvurae aperolada apparencia tan
altamente apreciada e desejada pelas Se-
nhoras.
Como um remedio contra o mau hlito
da boca, depois de diluida em agua,
summamente excellente, la/, remover neu-
tralizar tmlas as materias impuras que se
criam roda dos dentes e das gengivas.
tornando-as duras, sadias c d'uma linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
e permanencia do seu flagrante aroma, ella
por certo nao tem igual ; e a sua supe-
rioridad!! sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meio mui excellente, para f3zei
remover de sobre a pello do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulices, sardas.
pannos, manchas, impigens c espinhas.
Ouaudo se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer uin
deste? disfigiiramentos, e que tanto desfei-
amMrimdas feicoes do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de dilluiro, dcstem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm no
tratamento de qualquer espinha. usar-se-ha
dola pura em toda a sua forra. Final-
mente como um admiravel meio de com-
municar as feicoes trigueiras e paludas,
urna pelle macia e d'uma transparente al-
vura. dando-lhe urna linda cor de rosa :
para um tal fim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado at ho-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere, nica-
mente a Acia de Floiuha de Momav A
Laman.
As imitacoes que se tem feito na Franca.
beneficio da matriz de Nazareth (98 ), convida ao? Allemaulia. assim tomo eui outras partes :
possnidores a virem receber seus respectivos
premios sem os deseontos das leis na casa da
i'oriuna rua da Crespo n. 33.
Acham-se a venda os da 8' parte da lotera a
beneficio da igreja de Nossa Senhora da Soleda-
do (99) que se extrahir quarta-feira 24 do cor-
rento mez.
Piceos.
Bilhete.....45000
Meio.....25000
1 Quarto.....liOOO
Em porejie de lOO para cima.
-Bilhete.....3*500
Meio......1*750
Quarto..... 875
Mannel Martins Fiuza.
Atteu^ao
O bacharel Olympio Marques da Silva pede aos
seus constituidles que, durante a curta ausencia
que vai fazer desta capital, se entendam com os
Drs. Manoei do Nascimenlo M. Poi teda e Joao Josc
Pinio Jnior.
Amo
Precisa-so de urna ama livre ou escrava para
comprar e cozinhar._____________
Para a
Antonio de Souza Kego convida aos seus amigos
e do linadn Jos Francisco Ribeiro para assistirem
a missa do stimo dia, que por alm i do mesmo.
finado ter lugar na igreja matriz do '.torpo Sanio,
pelas 7 horas da mantiaa do dia 17 do corrente.
Precisa-se de um cosinheiro no liotel central
paga-se bem agradando, rua larga do Rosario
n.37._______________
Ordenado ou intere.ise,
Precisa-se de um homem preferindo-se de maior
idade, sufficientemente habilitado a bem adminis-
trar um eslabelecimento de secco naolhados :
tratase na rua Nova a. 55.
(iiaiTsina
Na rua estreita do Rosario n. 35, sobrade de
um andar, fazem-se (lores de todas as qualidades
para ornameuto de igreja, aliar, andores e sepul-
chro, inclusive ai eos, palmas e rosas, e tudo quan-
to for concernente aos sacros actos ; assim como
preparam-se para fura com a maior presteza qual-
quer encommenda nesle genero ; cutro sim tam-
ben! se fazem flores mimosas propnas para enfei-
tar vestidos, saiotes e capacetes de anjos, e mais
barato que em outra qualquer parte. N mesma
casa se encontrara j preparados e promptos
venda o seguinte : ricos ramos de seda enfeitados
canutilho com flores/ de cera proprios para do-
mingo de Ramos, vedas enfeitadas ricamente, bor-
dadas a ouro. proprias para baptisados, capellas de
flores para meninas e noivas. Alem disto se en-
cumbem do preparo de bandejas de bolos finos
enfeitadas de conformidade ao fim a que se desti-
na, quer seja para casamentes, rque para bailes ;
fazem tambem vestidos para a quaresma ou outro
qualquer que se precisar com a maior promplidao
e asseio.
Alugam-se as casas n. 193 da rua Impe-
rial e n. 52 da rua da Aurora : a tratar na rua
da Aurora n. 38.
Furtaram do sitio Jacar, em Agoa Fra, ao
amanhecer do dia 10 do corrente, um cavado ruco
pedrez, grande, castrado, tendo os tem segn-
tes : no lado dire.to R e no esquerdo R foii com-
prado em 16 do fevereiro prximo findo a Joao
dos Reis Gomes : quem do mesmo der noticia ou
apprehender, ser bem recompensado, dingindo
se ao mesmo sitio, ou a rua do Imperador n. 77,
ierceiro andar. _____________________
__Aluga-se urna pequea easa na travessa de
S. Joao n. 38, portao encarnado, preco de 8 j por
ez a tratar no sobrado junto a fabrica do gaz.

sao ipteiramenle inutris e valiosas ; por-
tanto recommenda-sr mui especialmente
s senhoras, que tuliam toda a precaucan
e cuidado, de quando compraren, estejan
certas que compram.
A Gemina
AGUA DK FLORIDA
DE
MI MUY 4 LANMAN,
A qual preparada smente pelos nico-
Propietarios,
LANMAN & KEMP. DE NOVA YORK.
Arlia-so a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, 1. da C. Bravo, AC. P. Mau-
rer A C. A. A. Baiboza Bartholomeu, dr C
E em todas as principaes lujas de per-
fumarias .e boticas.
Capsulas de Eaquim
Os bons effeitos destas capsulas para fazer ees
bar os gonorrheas acham-se comprovadas pela-
experiencias de mui los annos.
Os mdicos de lodos os paizes as recommendan
pela sua eflkacia.
VENDE-SE
NA
Pharmacia e drogara
DE
BARTHOLOMEU & C.
Ru34a larga do Rosario34
SEDAS PRETPAASRA A QUARESMA
A U O COVADO.
Vendem-se sedas pretas lavradas, fazen-
da muito superior, que com aventajada lar-
gura que tem, 14 ou IScovados d5o um
vestido, c sendo fazenda que em oua
qualquer parte nao se vende por menos de
i .-5000, mas por se ter comprado orna
grande porc3o vende-se a 35000 o covado
nicamente na loja e annazem do Pavo;
rua da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira
da Silva.
Tabellas vermicidas
DE
ntonio Nunes de Castro.
Vermfugo efDcaz e preferivel todos o>
conhecidos j pela certeza de seu resuttado.
e j pela fcil applieav5o s criancas, quasi
sempro mais atacadas de t5o terrrvel a
muittis vezes fatal soffrimento.
nico deposito,
Pharmacia de Bartholomeo d: C.
3irua larga do Rosario34

s




4
biario de Pemambuco 'Terxjft feira 16 'de IVarqo de 1869.
-j-
AttengSai attenpo!
Guilhermino flodrgiw6 do Monte Lima faz sci-
mle aes offlciaes de todos os corpas, que acaba de
receber um completo sortimentb di; espadas, ban-
cas, talins, talabartes e charlaasiras. e mais por-
teases. Assim como recebeu tambora chapeos de
oleado para oriados, do copa alia e btxa, com
eordaa de ouro ou pr'ata, evende inais barato do
qoe m outra qualquer parte: na praca da Inde-
pendencia n. 47, junto a loja do Sr. Arantes.
MARTIMOS
E
CONTRA FOGO.
A Coinpanuia Indemnisadora, eslabelecind
Desta praca. toma seguros martimos sobre
navios e seus carrcgamento e contra fogo
m edificios, mereadorias e nutbilias: a
ra do Vigari n. 4, pavimento terreo. '
Trocam-se
as uotas do lianco do Brasil
aui descont muito razoavel
pendencia n. 22
D ias caucas liliaes,
na piara da Inde-
Para cozinlia
Precisa-se de una pessoa qne toritthu bem : na
ra do Crespo n. 23._____________________
No escriporio d>- Sassp Intu*, ra. do Amo-
rim 11. 37, lia para vender gorgorito de seda _zu
e mais pcrlenrcs iaiaJWro__u_u lam________
-*W$a ra do Pires u. 14, precisarse de duas
as para engotumar e cozinliar.

Joaquim Jos Gon-
RA DO TRAPICHE N. 17, 1. NSAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
;o do Minti, em Braga, e sobre os segu n-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
GuimarSes. -*"'1
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Viarnia do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalicao.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mira.idella.
Beja.
Barcellos.
BARTMOMEU -ft C.
- PARA USO INIEBNO
PREPARADOS SIMPLES
Xarope ile juruieba garrafa. 1000
Vialio de jurubel a garrafa. it?600
l'ilulus de jurubeba vidro. 1j5600
Tintura de jarubeba vidro. 40
Extracto bydracoolico de jurubeba. i&jfOO
PREPARADOS eOMPOSTOS.
Vjubo de jurubeba ferruginoso garrafa. 2&000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. I#i00
Pimas de jurubeba ferruginosa vidro. 2i5000
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurubeba pote 'MOj
Emplastro de jurubeba libra. 2.#>00
PAKA USO EXTERNO
A JURUBEBA.
Ksla planta boje- reconhqcida como o mais poderoso inico, como um excel-
tent desobsnieiite, e como tal applicada nos engorgitamentos do ligado e baeo, as
hematites propriamcnte ditas, ou anda complicadas com anazarchas, as inflammacoes
Do xaroK*eicalicai^ *
.{J4JILA LARGA DO- *0!>AJtHJ*J4
Nao costumamos procurar attestados-para acreditar nossos preparares, e dei-
xamosueaiiailic5o'essultao obtidos pelas pessoas que se dignaran aeceito-
los, IhttdcmcrSlito'ciog^.porgue sao sempre os estados considerado graUutos,'
e Melles que lan.amao ochrtataT.isrno; mas, n3o querendo ofiender as pessoas que.
espontneamente nos olereceram os que aba.xo vao transcriptos os fazemos publicar,
manifestando-lhcs nossa gratidaopela attenco, esperando que venbam elles corroborar
o concito, e acceilacao que tem merecidonosso xarope. ^^^^^ & c
ATTESTADOS
lllms. Srs. Baitholomeu C.^ com a mais subida satisfago que declaro
ser o xarope Americano de urna etticacia extraordinaria, pois que soffrendo ba das de
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a imite a despeito mesmo de medicamentoa
que tomaya, a elle recorr e natorceira colher fui alliviado, e de todo me acl.o boje res-
tabelecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois, a csse resultado mani-
fest a W. Ss. meu rcconliecimento.-De W. Ss. amigo, venerador e obrigado.-Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 4868.
lllms. Srs. Bartholomeu d- CPenboradissimo com o favor que me nzeram
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composiro, quando me acta-
va bastante doente de urna constipaban, que me tornou completamente rouco e que
iiun*.I
Resta venda um escollado sort ment d
fectt de marcineria, como sajara, ftoMHaa de ja-
caranda, mognoeamarello,oDra nacioBIcestcan-
ueira, de apurado go-to eporprc_o> razoaveis :
ua ra estreita do Rosario n. i. Serta wesma
casa faieni-se com perfeicao todos os traballws de gj
palhinha, como sejam, empathamentos de lastros m
para sarnas, cadeiras e sophs._______________. I r
CTlfilOAWK
Aoa 500 pares de brincos.
Cbegou e vende-se no Coracso
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
m3osmhas com ama franja penden-
te a un rico desenho c ouro de
lei, pelo pequeo preco de IS^OOO jgf
cada par. barStissimo.
subsequeiilcs'as febres intei mitcules ou dufeaas aos abcossas-internos, nos tumores es- trouxc nrna fong tosse, e me impos'sibilitou de cumplir os mes deveres de cantor da
1 liccialmente do tero o abdomen, nos tumores glandulososna anazarcba, as hodrope-! emprwa |yrca) Vou agradea'r-llies meu completo rcstubelecimento, que obtive com um
i zias, erysipellas ; e associada as preparaces ferruginosas, anida de grande vantagem s yirQ J0 mesmo xarope, depois de baver recorrido a muitos tratamentos. Dest-jare
as uniuias, cidoroses, fallas Je meirstruaco, leucorrheias, desarranjos atnicos do ime 0U{r0S qq^^q eu recorram ao seu xarope para se verem ailiviados de to terrivel
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc. lincommodo, t3o fatal neste paiz. Com maior considerat;ao conlino a ser de Vv.^Sa.
O que dizeiuns aiUrmam os mais distinctos mdicos desla cidade, entre os
quaes podemos citar os lllms. Sis. Di. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira doCarmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos-etles neconheeem a excelienoia d'este
poderoso medicamento sobre osdemais at boje conhecidos para todos.os casos citados,
lantojque Uvb s os dias lazem d'elle applivaco.
Apiesentando aos mdicos e aa publico cmgeral diversos.prepai-adosda juru-
(Mbft, tivemos por lim generalisar mais o uso d'este vegetal, faalndo desappareeer a
Aluga-se
Na ra da Cadeia do ftet* n. 20, preoisa-se ;
alupar iim Meravo para o senteo interno e exter-
o de moa casa de bo1"601 sojleiro.___________
IKethodo (stiio. ;
Secundiiio Jos de Faria Simoes. profesor par- i
ticirfar de instruccSn eiemeMar |n-Io methodo Cao-.
tilho, avisa ao respeitavel publico e cmn espwia*-1
desde o tlia 7 de Janeiro, ua ra da Pon ha n. o,,
priraeiro andar, aonde receb pensionistas por |
preco conunodo : o naesmo profesor promrite;
Mmi<> se osmerar no adiantaiuento de seus aliuu-
nos. Acha-se aboriiwd; o.ineioo diamnepr-]
so de priuioiasletras auoule para auuejlas pes-
sgas queuo puderein requentar. durante
S9H
@illi
0 advogado Dr: Antonio de Vas-
onccllos Menezes de Urummond
transferio o snu escriptorio para a
ra do Imperador Q. gO.onde pode
ser procurado todos os dias uti'is
das 1 \ horas da manbaa ate as da
tarde, para os msteles de sua pro-
| fissao.
atiento, venerador e obrigado.Luiz Cremona.
Recife, 25 de setembro de 1868.
lllms. Srs. Bartholomeu & C0 xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. tetm
exposto venda de toda efficacia para o curativo d'astbma, conforme observei appli-
cando-o a meu ilho Joaquim, menor de quatro anuos; victima d'esse flagello, que at
ento por espaco excedente a dous anuos havi resistido a outros xaropes de granda
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a cxpresso altamente sincera de meu reeo-
^^}1
m
'>
mi
g ANTONIO IIPAMINONDAS DE
^3 MELLO tem o seu escriptorio de
i*3{ advogado ra do Queimado n. 8,
g 1. andar.

! medicamento, que pedera produzir ptimos resultados.
Osnossos preparados so fonm apresentados depois dehavermos conveniente-
mente estudado jnrubel)a, fazendo as ex])eriencias precisas para bemeonhecer aspro-
pricda.des medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas, frustas ou bs?as, e a
dse conveniente a appiicai.ao, leudo alm disto procurado levar os nos60s preparados
ao maior grao de perfeico possivel, para o que So pwqwmos esforcos, nao nos im-
portando o pouc.o iucro que possamos tirar.
Por tanto os que se diguareni recorrer aos nossos preparados podem tora
i certeza de que elles offerown. a gai;,ulia, deque se podeeneontrar, a'prompla a iufalli-
Ivel cura de qualquer dos soll'riinontos.que deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, lendo alm d'sso, medico eo doente a vantagem deoicollier nasnossas va-
! riadas prepara;oes, aquella gue melhor lhe pode couvir. ja pela fcil appb'taco, ja pela
complicaro das mole-siis, dade, sexo, ou aimla natuivza de cada individuo.
DE
DE
I. VIGNES
o da.
nm\ i m
UM DESCOimi.MENTO ESPANTOSO!
O xarope de ledegoso, de Pernambuco,
preparado pelo pharmaceutico J. de A. Pin-'
to, cuta radicalmente a tsica e astlima, e
todas as nioleslias dos pulmoes.
&. Ferreira Vlllela. Poden ver-se os aWestados daeamsiM
Photovrauho da casa ini|K*.riul i "ico deposito das prepararas .1
& r. ,. doste autor, ra do Rosario Larga n. 10,
prenua-lo qw d.tversas exposi- U^ ao qua|le| llc no|icia
coes. '"'" $? Jonijuim d'Aln*eida Wtdo.
Na sua pUotegiypUia a ra do Cabug n. I Bmge, 2-"i de .Janeiro do 1H68.- Meu an.i-
i%, entrada pelo puteo da matriz lira cetra- go. aqu begwi com algmnas metboras;
tos por todos 08 svstemas ptwtogiaphicos. depois de ter temado tres gnalas do seu
Em iwceiana ,111 vidro i)iv.parado-JMipf Em talco Em papel i polo mar, porque Iggo u clieguei f.i Lis-
CAIIT ES DE VtlTA Att A JQHJZJA. boa, principiei amutak le a tomar odilo
Os retrato earte-Awfwte sito colladas xarope, por coubecer .la mw que.Ueme
eui carLo de lux.) brisUil ou porcelana, l'azia grande benelieio, pois a vista d .^an-;
Hourados ou ntliagr.iiiiud.s, quadrilongus de quantdade desaHK'ie que eu bolas! pela
ou vinhetas para oque existe urna vuneda-lboca, vi que me ia desapareando tn ra-
le de 12 modelos a escolia deqnemse re-i pide/, depois que contmitei loniae o dito
tratar. -Para as oulras especies de retratos: xarope, e tao milagroso fo para a tumba
tomos caixinbas, p e molduras domadas e-pretas cassoltas de
lamente
como
Para aqullos que mais miiiueiosainen..
jurubeba, e saberem a applicaoao de nossos pj-eparados. destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folbeto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
! mesmo? preparados.
Deposito geral de iodos os preparados
Hfttira e Iro^arfa
3iHua larga dn Rosario34.
ewoe alliuetes simples ecom pedias pre-
ciosas, bavendo nos alunles urna mimosa
variedade O oosso estabeleriinente imotegiapbico
est sempre em da com os melboramentos
*progre6sos que na America do Norte, na
Europa ou no Rio de Janeiro se consegue
aa arte photographica, e paja alcan^armos
tal um nunca puupamus de*pezas nem sa>-
crificios, de sorte que os nosses numerosos
freguezes podem ter a certeza de que sem-
pre eneontraro em nosso estabelecimento
tudo quanto a arte e a moda oll'erecer de
Uom ao novo e \eibo mundo aos amantes
da photograpbia.
beleoido, e at mesmo basl-inte nutrido, e
por isso pode Vin. fazor scieote ao [lublico
o milagro que o seu preparado obrou na
inhiba onfermdado. Sem tempo para mais,
sou de Vuic.Amigo atiento, venerador e
muito obligado. Manocl Jos Gotiealves
Pereira. *
DOENCAS DO PEITO
XAROPE d'HYPOPHOSPHITO oe CAL
GRIMAULT l C'.A pharmaceuticos em. PARS. $
A efficacia d'esta preparacSo estestabclecida desde 4 85*7, pelos mais celebres mdicos. Desde
ento muitas imiucoes tem sido feitas, mas nenhum poude sustentar a comuaraco com o
prodnclo apreseuudo pela nossa caza. Por isso excitamos o pablico para que exiga sempre
este xarope con urna belia cor de rosa, nunca branca, e com a nossa assignaiura roda do
frasco. ,
Sob a sua influencia, a tosse acalma-se.osauores nocturnos cesso e o doente vHve rapioa-
menta savde. O seu empTogo d uabem s mais brilhanics resoltados nos defluxos, eaur- |
rhos, bronebites, irritacoes do peito. etc.
N. 53RA DO IMPERADORN. 55.
Os pianos ffa sla antiga fabrica sao hoje assz conhecidos para sja noceMUMO
obre sua superioridade, vantagens e garantas que ofenecem aos cornpradona,
:-tado sobre toa**
aismo que obedecem
serem fabricada
irnos para o clima
(leste paiz; quanto s vozes sao melodiosas c flautadas c por isso muito agradaveis aoi
ouvidos dos apreciadores.
I'azem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Rlos-
[ del, de Paris, socio correspondente de J. Vignes, em aija capital foram senmve premia-
I dos em todas as exposices.
No mesmo estabeiecimento se achara sempre um explendido e variado sor-
; ment do mttfiieas dos melhores autores da Europa, assim como hamionicos e pianoi
harmnicos, sendo tudo vendido por procos comnitidose razoawis.
l
Deposito em Perva*nl>uct>. em casa di 1
O*.
Follieto semaaal
PWGRASBfA:
O supradiio folhetovm 16 pasmas de 1
iinpressao ele* etfty4Deiur-so haexelu-
sivaraeiue.....de tudo.
RdTcSo :
Capitao Salabardo!*.....(Critica Ili-
teraria e sakios.)
i Cavallfiro De Profundi*.....(Noticias
frescas.)
Doutor Fatuto.....(Mbas dem.)
Barao de gty-aog.....(Ad libitaiu.)
Viscoade.oVO'......^utm-t Jinp^
das ras.) c)
Proco iOO re. caila numero.
Impre*sao nltSrta, cwHa de at rogttter
o olho. Ri;commeidn>-se a leitura prin-
eipalmente aoa myopes. E udeut I
O primeiro numero sondado a luz no
sabbado de alleluia. Mo dia I E adeun !
A' venda mide se .ammueiar, 110 dia do
! nafteimoito do Diabe a (.tico.
() Esli reeoni'icidat) as tirina- \*M j
tabeUiao Pulha d Sou:a.
Um. Sr. Joaguim ItAtmeida Pinto.
Ha muito que ouvia proclamar as excel-
entes propriedades do xarope d J'edegoso
contra a tosse e visthma, e soffrewm ou de
ttma 1oss jiertinaz, e tendo usado de toda
a sorte de medicamentos, vali-me pois do
.utua/je de fedegoao, e ema garrafa rnen-
te fui bastante |iara restabelecer-me, e me
vejo tan robusto como-dantes; suecum-
biria de corto a nao ter usado seu xarope
de fedetfoso.
A' vista disto nao tenho expresados
com que exprima a V. 8. agratidio Ibe 6 devedor, o de V. S. attento venerador
e criado
Joo da Costa Reg.
BARATI8SIM0
Calcado nacional, na fabrica de Us V cente
odinho & C, ra do Jardimo. 19, avisam aos
cus freguezei^lesla capital e do interior,.que eon-
tinuaiu a fabricar calcado em alta escote, e offe-
reejemas melborescindi_es:taniM"in peee CMo
sin qualidade. Os propn> larios deste estahetl-
'iienti. cbaniam a atlencaudos sonhores oaattUM-
dores do interior, (jue os (|uizerein honrar ^0111
GRANDE HOTEL
BE ORIENTE.
811 LARCA 80 ROSARIO % 57
Este acreditado estabeiecimento augmenta
dia em dia quanto possivel para ebe-
gar ao cume do bem vw-er.
Alm dos saborosos maujates onfeccio-
nados (fifa o meJbur asseio, tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna s
pessoa, Cano para numerosa familia.
A agua, imfcspensavel demouto pa a
vida e bygjone, temo-Mi sempre au abun-
dancia para facilitar exeelrentes hanhos.
CIIARLTERIA PETIT ESTAtRAST
Annexos ao 11om;1 Central, ra estreita do
Rosario o. 4 A, andar terreo.
Para dar a conliecer a vaiiedade infinita
de charutos de Havana, Babia, Rio, etc. que
existem neste novo estabeiecimento pres-
cindimos dos aununcios pempeeos que ge-
ralmeiite se lazem, reduzindo-uo.s apena* i
tres letras que sao tres bbb bom, lionito e
barato. A' vista ido genero annunciado po-
!de-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
Ha tamboui mna boa bboieca e perio-'gosa tambem das condicoes de um elegante
a es-
idicos na.ionacs e estrangeiros, piano para e pei.it rstaumm onde se pode ver
: reoeio, biliares, etc. ete. piiabilade, t :uunrr.s e salamos de Lien
Sondo ociosa _uakpier reeommendaco para lanches e At faaer urna boa colaco,
Inaugurou-se este commodo e elegante I ^^ ao acreditado estabelceimepto, omit- juntamente com as priacinaes \inhos do
^t^e^&mZ^ml^^d alestaheleeimeuU) .d'qude os seus frequeuta-|,timos ma^ prembulos, fazendo *t ;j?pr mercado, sobresabindo entre o bom a pura
lllm. Sr. Joaquim d'Atmeida Pililo.
Tenho a ventura de coramimicar a V. S.
que gi acas ao maravilhoso xarope de fede-
goso, estou om o meu escravo Jorge com-
pletamente reatabelecido da molestia dos
pulmoes, que ba tanto tempo o persegua..
como pi-ova (Jo meu Hecenheciinento pelo
bem que V. S. acaba de azer-one, o cuja
reeordnoae tierna internada -no oraco do
c'V.S.
Atiento venerador c criado
Rento Jmtjnim Gome*.
qualidade e numeracao,olTerecendo-se pai'.'i os en-
tregar bem acondicionados em casa de seus cor-
respondentes nesta praca.__________
Frederico Maia
CirurgiSo Icisc pela escola
le medicina
dolllo de Janeiro.
Tem a honra de participar ao r sspeiUveJ p'lbli-
co desta capital eseus suburbios, que ton abertoo
leu gabinete de coasuttas e operacoes dentarias a
ra Direita n. 12, priiaeiro aUar, onde^po*1 ser
prucuiado .todos os dias da 8 Horas da raar.t a as
'i da tarde. Elle acha-se competentemente habili-
tado para com perferco coflocar dme* artifuiaes
porquainuerdos systemas, e-bcm assim desotape-
nliar qaalquer outro trabalho coneernente sua
proftssao. O meimo, reconhecendo que nemstein-
pre nssivelssenhoras ou canlas sahinm n
procu. .ir o remedio, nh>rece-se a remover qo*-
quer obstculo, declarando que na cidade se {Tes-
tar a (pialquer chamado semqne issoinfma ousa
lpunu na commHlnlade dos preeos de s;u traba-
" lis
dores podero a_n-eciar a especitftida.de aa fjnlj qm 0 D6m servio, onlejii e morabda- e Semate champagne, o raui saboroso Rbe-
confeera" dos gneros alimenticios. je jnperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa ceneja, o licor espirituoso,
abaixo aswgnado'tendw de'Si^nir at o dia
la para Europa, e nao podond > dasifdii-^o pes-
soalmente de todos nono parantes e amiga, que o
ttonram com suas amisades o faz pelo i)resente,'|
ffi;recoB4-*ho8--ieii foinuf-sveMiHio aquelles
paizes. Recife 12 de mareo de ISo9.
Barao Campo Verde.
ARTEIMPllM
Na sfigunda-feira Jl do corrente, entre
as 6 c 7 horas da tarde n'um passeio pela
estrada de Joo de Barros encruzilhala de
Bdem, Campo Grande, Olho do Boi, para a
ra de Joo F',*rnondes Vioira naSoledade.
perdeu-se mna carteira contcmlo algum
dnhetro e varios papis em valor seno
aednno. 4_uem a adiar lera a bondade de
teazel-a para o Eiidish Bank of Rio de Ja-
neiro Limited, n. 7, largo do PeJourinbo,
^nj^ser generosamente gratificado.
-: 0n*,;' para boietrou-cafla
jMtrticular: n'tratartra rna ii,' s r*mfik, n. i.
En^eiio.
Arrerida-se o cugeaho nosgaea, sito na reguc-
zia se ljroaraswi,:htiinte *- praca 8 fepnas
com bom anlirado.t' pora l*Mdr,;s, oxeeilon-
tos torras do planUocs, porto do euiharque na
porta, pedreiras e fonios de quinar cal : os pre-
len-mres dirijam-se ra da Lnp:ratrit n. 8, pri-
Kiro a'idar.
As bebidas sSo as mais primorosas c rc-
commeudadas.
A decencia e bom servico primam n'esta
casa no bello gosto oriental.
Mandam-se domicilio comedorias, tajito
avulso, como por assiguatu:a mensa!. Os
precos sao mdicos e convencionaes.
Ha- urna espar.osa c bonita sala para o
elegante jogo de buhar.
la tambem aposentos commmodos o bem
mobilhados para hospedagem.
Eua larga do Rosario
n. 44.
liol do rvtitUmento que possue.
Comedorias a la carte.
o quanto pede urna mesa. Faz-se noul*
soneto evariodade derefresL:os.
Na ra Augusta.n, i)'t ves) im*se aojos paia
procissoes #or coamodo pteeo. e ;i intima moda,
~" rjina'sqphara qu*ti*er as Jiabdei s para
mos,firmando para fra della su ntesmi ser ensinar o poilujaieE.vfriMz e mmica, em um en-
precedidode um ajaste rasoavel, sraranndo eje -a IgeuJto UiiUnjt iU stoiik^le.tinda dus Jegqaf,
seguranea e perfeico de sens ditos trabaHios. Bm
seu gabinete se encontrar constantomeate *icel-
Icnteoos dentifricio, ebxtr e ostros nwdicajaeB-
tos odontaJgieoe : roa Direita b. ti. primeiro
andar.
Precsa-se
do urna ama para rozirrtiar e comprar p.r .caade pouca femilia : na ra da Cruz a 19.
-m. Sr. JfHfptim'd'Akimda Pinto.
Cmnja'indo. um dever de gnltido partici-
po a V. S. que, por meio <\f ru-abengoado
xarope >le fedego, -est perfeilamente res-
tabetecido dos seus loagos sofrimentos p
meu oseravo.
Cierno sabe, este meu eseravo tinha
ehegado ao estado mais afiltetivo drmolos-
tia ile pulmoes; n3o obstante um au in-
turrompido uso de remedios, e urna domo
rada viagem ao nosso sertao.
" Pois bem : a enfermidrde, que se ha-
via birnado rebelde a touVis os meios em-
pregados jmra combate-la, edeu, de urna
raanufra ifuasi milagrosa, a quatro garrafas
apenas, do seu ftdegoso
- Hoje, grecas a Dcus, tenho o meu es-
eravo resiabeleeido; e nao .i'acil mostrar,
todo o reconhecimento que ciato .pelo t>em'
qui- V. S. me acaba de fazor.
Sou de V. S.
(jada agrailecida
"Mora Sorberla Scheffer.
Continuadamente se nos apresentam ,no-
vos teatemunios da eflicacia doedegoso
de Pernambueo I
Emprcsla-se dinheiro
sotare joias de ouro, pra-
jf (a, biiftanles e pedras
preciosas: na Iravcssa
das Cnues i. 1 jauto
a esta lypographia. 1/
andar.
CURA
annunciepor este Diaf), ou diiija-ie a ra do
QaMeireim n. qne aehafw eoin qnemtrator.
Venele-se, ou permuta-se .por pre-
dios aesta cidade, por apoces nb, ou de eompabiis, *hi,aaesmo por le-
tras garantidas, o engenho oiabeira junto
a Santo Amaro de Jaboato, 3 legoas
d'esta cidade, vdennoer com agoa, soffrivel
casa de morado, leaada de pedia c cal,,
boas obras, todas de .lijlo e .Hidra, i!
i frandes cefcadesiemvargoit e terj'ae-Sf-
cientes de pwduccjao regular roa estra-
da pata carro at aporta, e paraond
gue a nova estrada ie forro. A fallar na
ra da Imperatriz n. 22-.2" andar.
CALLOS.
34
PELA
Pomada galoupeau.
OeposiU) arsoaial
Pbarmaoade artholimeo 4, C.
-----Ra larea dn RiKarin3.
Daixeipo.
Preci;a-se de nm caixeiro que fcnba pYMica :,
no hotel Lisbonense, rea estreita do Roterio nu-
mero H.
Na rnadolmperaaffr n. 73, f- twdar, -pretia-
se de um criado.
odia murta feira 10 .docorrate. AtpiD^fei
ruado OaUeirereo, o eseravo Frannisoo, psrdo.
iwie i anae*. ebeio do ears, *osto e nm
grande, trm pequeo talho na testa- junto jm> r?-
bello, a huma das ordlins una pequea marca
do nrna dentada, tevou -vnmn camisa de ebitn
cnuxcolleit'iiilio dealacar ua punia^calea de irim
branco li,^.eiuafliiwao;eoear.Uvoraa do
do .Calderciro n.o?, que ser recompensado.
Aluga-se
Urna prcta ecraw que esteja aeostomada a ven
derbolos pelas ras : a tratar na. roa do Vicario
n. *. ___________
l'IIHICO
Pddo-se ao Sr. Jfcwwl da CmlA Pereira, pran-
eante da reiawicap das obras puhlras ora em
Jaboalao, qfle eoiaparec irna ugcsta sobrado
n. 102, afine de sjjtta rosea debito ou pagar o
que poder o irtotourbievidade. ____
SeT-so d urna ama de wds cosluBdl
,|__ja*jba-towu ngouuuar eMiinbar : a tr*tat na
roa do Ituiarador n.B". H ailar.______.____
Fundico da Aiun.
msmpMoMifnnt(*de * fundido, 'fatmeadas ref^ntefnoMe, e se fabricara
de -qualquer moldo a vontde dos compradores, e
wcwitMnoo*'^______________ i______
Queuipie-'Lsiir (Je urna ama .para casa de
,ta#neem .sotairo. para eozwhar o enjioinmi.r_-.beav
dirija-pe a traves-a da ra Vi 'Q"cimado_B_g:___
rteciaa-se de tima mna que saina bom uwiiihar
par,asado rapaz solteiro: a Uatar oa ruada
l^deifl,ida Ueile n. i. loja dornrairens.
ftcisa-, ruayidaw^Awias -V>He* n. Mroiimeim aadar.
Precisa-se de um lbk.f d* boaonductiT*
tratar na roa da prala o. 13 e 13, armazem.
?r*ii'-s*!^eaa ama-para cosinhar e.eomj-
pfarpaweasadoiMHieahmilia .-na ruada W-'
nba n. 27.
% 15ja t y, i: h rermajibucawo
86Eua das Cinco Pontas86
Xliom? fos deOliveira i AZ. avisa aos seus freguezes .que foram, tanto desta pra-
ca ;omo do centro da provincia, que repre.u de sua viagem i Europa no m de de-
ztaaWia piwximo passado, e se ada estabelecido com um armazembem soitido oemer-
ceariaVvwlgoimolhados) de*ons gneros, e por precos commudos erarantindo qualida-
de, pezo e medida, nos gneros comprados no seu armazem ; portanto pedo e ga
que nao.deudlfl.de.lbe dar a preferencia.____________________
FRANCA-BRASIL
o
Mr>. .MRH6IPR, alfaiate isancez, previne ao *opeita?el puMko.e a seos numerosos feegoe-
zesqu.-, U.HJO-. tmiisferjdo aaireideiM'ia para a ra do Trapiche n. 7, primeiro aadar, ahi onconttaro
sempre todas as qualidades de faaendas para tiajos (le honiem, c prepara ostumes para montara da
seubora. Faz uniuem obras para niijitares emuv ''nados, para as auae lem grande sortimento da
botoes .-ampies, com vitola, e corda de .conde, trancos e wnareHoe. *oebe,:por todos os vaporas
ultimo* ritiirin"-' ngra JH>___in, xMinjiras e nn-ninos.
YALOR THERAPF.UT1C0
CARO^E >D aNA FERRUGINOSO
DE GRIMAULT E WP.
HiiBiililiew da S. A. I. o priacipr VapoUko. mm Varia.
A associaaO do ferro e da mina resolveo um dos mais importantes problemas da pharmacia,
e fax eom que se congratulan) os mdicos dos relavantes servicoa m Ikes prasta esta pre-
paraclo.
Com effeito, niognem ignara jfae amaina,-em maieira medieaJ, o melhor tnico qne ae
aoasa empregar, sendo, sobratado, mudo ao Phosphalo de ferro, a mais estimada das pre-
paraces ferruginosas, pois que entram na soa composicio o ierre, elemento do sangue, o
phosphato, principio dos ossos.
Por isso, julgamos que, para os sws edicos, serSo interessantes as observacoes feitas pelos
seos ooUegas, os mais distincas Pam:
Este Xarope prodnz os mais felizes resuJiadcs dos casos de rtggpapsi*. eblorosis,
ameuorrhea, bemorrhagias, leucorrheas, lcbresiyphoidas, diabetes, c a/tando precisa
c restablecer as forcas dos doentes c restituir oxorjo .is {k^-"* atetadas ov uerdidas.
ARRALtmikaik S-M.lmmmiar.
'% najadas raras comLiuacoes juc, a menno aampo, satisfascMo-adico e o doente. Em
qnanto a mim, cu a considero -como auu effioaa preparaco > s PMtsjaafvtaiieti para an dowuii
UMNIVE. medico ohosptul Saml-Lsuis,m Part.
Com esta prrparaco d'ama"ronna n__radavel, e fcil de diferir, ad0ipiatra-se aos.
doeataa doia medicameiiHjs imporanles.
CHAIIIER, chfc ti clnica daFaculiittdefans.
En emptego com o maior jsitqo taropc de Quina lerru^uioao, o aaaaaro acaso
ama das mais felizes inoovacqos. ni matxiss inelk:.l
ebWSSAItiNAl'.. cimrg&o im.tktfcit hnmLlrxlmtr.
-Cate medjcaroenio, sempre bf m aceito pelos doentes, deo-me consianiemenia os mais
vanujasoi raauiudos.
HERVEZ BE CHEGOIN. mmnro da Academia de median.
i A limpidez d'esta prepameo, o seu _,o;io agradsvel. isento de qualquer sabor de
forre, fasero d'eHa um medicamento lio eff caz como agraflavel. >
IJONilb. pdd,ido d Fa,cnfda4e de ttdtano.
Deposito em.Pn-nambuco. em cas ^

I
S


Diario de Pernambuco Tercja feira i 6 de Marco de 1869.
..
COMPRAS.
Com muito maior vant^gem
Compra o Coraeao Duro, n. 2 D, roa do Cabu-
C, miwdns de oiiroe prata c podra? preciosas.
i-----------------------.--------------------_. __.-----------..
(Juro e prata
em moeda e em obras inutiltuadas, oompra-se por
bom proco : na praca da Independencia u. 22.
>'a |traa dandupeodeaew n. 33, toja deuu-
nves, cmupra-seouro.prata, c podras preckas,e
tambem se faz qnata-i<>r obra de onconinienda, e
lodo e-qualquer concert.
Compra-se
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
0 propietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tem de fazendas, tanto da moda como
ie lei, e as pessoas que negociam em pequea escalla, tanto da praca coirio do matto-
esta casa podero fazcros seus sorthnentos em pequeas e grandes porces, venden-
to-se-lhes pelos precos que se compram as rasas inglezas ; assim como as exeellentis,
simas familias, podero mandar buscar as amostras de todas as l'azendas, ou mandare-
IOTAS FEITAS
da porta larga
Na loja do Leao
DE
Um meto cuiinheiro do 13 a 18 anuos : a tratar
na casa da rna da Cruz n. 19, 1" andar_______
0 ninzeo de joias
Na ra do Cabu n. 1 compra-se ouro, prata
e pedras preemsas |wir pfactn mate vanlajosos do
que em ontra qualquer parto. _
Comprare ina sonta nota, sadla a sem
tirios; peVm qner-se qu aMaja creando, eque
tenha bout leite, e que seja cariaban para auia- ----------......-,
mentar uuia enanca: a tratar na ra doQuenado mos levar em suas casas polos nossos caixeiros, para o que acha-se este esiauoitumm-
to aberto constantemente desde s 6 horas a manha s 9 da nonte.
O cordeiro previdente
Rua do (tuelnado n. I i.
Nevo e variado ortimiito de perfumarias
linas, o omros objectos.
Alm do completo sortiffiento de perfu-
marias, de que elfectivamcnte est prvida a
loja do'Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
tiotavel pela variedade de objectos, snperiori-
dado, quaJidadvs ocanunodidadfs de pre-
ces; as*im,pois, oCordi-iroPrevidciite pede
e espera continuar amercee a apreciarlo
Kua daimperatriz u..o'l, junto aloja deounves. N'este estabelecimento ge encontrara ra da Imperatril n. ."i-2, loja do Paredes I boa freguezia em .particular, nao se afas-
sempre um cempleto sortimento de roupas Porto. itando elle de sua bem condecida mansid3o
dclodas as qualidades. Gomse- Nesteestabelecimentoeaeostrarorespe-1e barateza. Em dita loja encontrarlo os
PORTO
"citas
[jam: paletots de alpaca, de merino, de tavel publico um completo sortimento de! apreciadores do bom:
Coinpri
a-se
boje libras esterlinas, ouro e prata de todas as
ao/tes epoi- matoAfrca do-po ni mitra parte :
u ra da Cadoia do Recale n. 58, loja do azulejo.
VENDAS.
Antonio Neves le Castro.
Vermifugo efficaz, e preferivel i todos es
cikiciibts. j pela certeza de sen rebulta-
do, eja pela fcil npplicarao as cranlas,
quasi sempre mais atacadas de lao terrivol
enuiiuis veces fatal solliimenlo.
NICO DEPOSITO
NA
Phai'Uiacia e flrogarSa.
ii:
Barthomeu A C,
34Una Larga do Rogarlo 34
Vorgontej d piuo para Diastaroa, verga-
e retrancas, todas de sopenor craalidade. Tintas
Verde Paria,braaea da bmm e prete, em la- de
14 e 28 libras, j propaladas, MM -lo linhaea oui
barrs : no uruiazeui di) deposito da oimpanhia
Pernambucana, no largo da Asaeniblca a, 10.
Manuel Alvos Fermn r C, na ruada
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
superior potasa da tapia em barris e meios
barris e cal de Lisboa da miis nova que lia
no mercad^.
Voiuk'-se nina bita o*tnm eoni Idae de ti
anno*, a ijual eoffr ci/jnia uK'nniua, lava, o
tambein Loa venuedeira ; o motivo de ser os'a
escrava vendida,ella propria asstm o querer:
quein precisar, dirija se Sanio Amaro, ao 80*
aran junto do enarlo Injjlez.
0 atoalbado do Pav5o.
Vende-sc superior atoalhado de algodo
5om 8 palmos de largura, adamascado a
$0200 a vara; dito de linho fazenda moito
mperior a 3f5200 a vara ; guardanapos de
indo adamascados a #00 a duzia e muito
Idos a 85000, e ditos econmicos a 3500
t duzia.
AS GA1IBRAIAS DO PAVAO
Vendem-so liniesimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de o>>000 at M000 a pe.;a. assim
como'fiuissimos organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 0OOO, a vara, na loja do
Pnsides para vestidos forneos i l'avao ruada Impcratrizn. 60, de Flix Pe-
a G40. reir da Silva.
Vendem-se os mais modernos fustoes bran- Alpac*s lavradas
;osflexiveis com padtoesde listas c de Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
Ipicos proprios para vestidos e roupasde (lernas alpacas lavradas com as mais Untes
Vo.nde-se mu eatatiole! eobwto, doipiatro ro
das, nmito foile o niaueiro, de volta inteira, oom
eavallo ou som elle, e os competentes arreios, lu-
do em muito bom estado e por preco eooimdo :
na ra de Santo Amaro, rrtolieir.i do Sr. Thouu/.
lins l'akla* cunlionto a i-sacao n. I.
Para eiicanamouo d'aM-ua.
Canos d ierro, dits estibados, ditos forraUus
de porcelana, todos com as competeptes iirueiras,
curvan etc. : a na do Ouoiniado n. :i.
iienino a 640 rs. o covailo, na loja e arma-
>.em do Pavo rin da Imporatrizn. 60, de
Flix Pereira da Silva.
Cirosdeuaples
Chegou para a loja do Pavao pelo ultimo
carpor um grande sorthiiento dos memores
^rosdenaples pretos e de cores, tendo verde
tambera, que se vendem mais barato que
outra qualquer parte.
BADADINIOS
Vendcm-sc missimos babadinbos, tiras
cordadas e entremeios, mais baratos do que
;m outra qualipier parle, assim como espar-
cidos dos mais modernos, no armazem de
Flix Pereira da Silva, ra da Imperatriz
i. 60.
ALTA NOVIDADE
A LOJA DO PAVO
Gurguro de seda
Cdegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
itos gurguroes de seda, proprios para ves-
idos, sendo lisos c lavradmlios, com mato
ustro, garantindo-se que a fazenda mais
inda e de mais phantasia que este anno tem
Jiegado a este luetrado, e vende-se por
prci'o muito razoavel, na ra da Imperatriz.
a. 60, de Flix Pereira da Silva.
GROSDENAPOLES PRETO.A QUATRO
PATACAS SAO PAVAO.
riSTILBAS ASSIIC ABADAS
DO
' D. P.VTFJtSON
De foismnth e magnezia.
Remedio por eweMencia para combaler
a magreza, facilitar altgeSHo, fortificar
stom;goetc.
BEPOSITO KSPECIM..
Pbamaeia de BaittiolomeuA C.
3^i^Ritiakrga do Rosario------34.
cores, que se vendem a IflOOO, o covado,
ditas lisas tendo tambera cor de canna a
800 rs, ditas.mescladas muito linas a -1:200,
o covado, e oulras umitas l'azendas de gosto
e moda que se vendem mais burato do
que em outra qualquer parte, no arroazem
do Pavo, ra da Impcratrizn. 60. de, Flix
Pereira da Silva.
Ronuas para hornean
Vendem-se superiores patts de panno
sobiocasacos forrados de alpaca ede seda,
camisas inglezas e francezas com os peitos
de esguio4 ceroulasfrancezas de lidioeal-
godo, meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e de meta -*te'-l8a, >psm>
como4it^eeatabeteeimiiU>xisteiBBigraiHlo
sortimeftto 'depannos^jretos-, e de casemir.is
inglezas de cores, e que se manda f.v.^i
qualquer obra a conlento dos Srs. regiw-
ees, e promettei-se-Abes que seilo-wroilos
con a iiiai->r ptvimplrditn o nuiito tais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da.Imperatriz n. 0O.de Felit Per-ei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas eianellas.
Vende-se tjm grande sortimento Jos e-
Ihores e maiores cortinados bordados pro-
prios pant cJunWfepju'.jjMBltosv^tit1 s'W'
dem a'-48'S()00 rs. cada par at JUDO- rs,
I
P*Keira*rSI\.
casemira, Ixnnbains de panno preto, fia- l'azendas e ronpas que. se vende pelos pre-
ques e sobrecasacos de brins de cues e cus segdtetes :
Pardos. IAZENDAS PRETAS.
C.VLCAS E COLETES. Completo sortimento de fazaidas pro-
Tem sempre no mesmo sentido um sor- arias para a quaresma, como sejarn: grbs-
timento completo a preco commodo. de-naples a 2j, jftSOO, 3 >. 'V-9500 o cova-
(LVMISAS E SIROULAS. do, moreantique de diversas quali lades
Encontrar sempre o respeita\el publi.o a 200, 254(M)e2,?800rs., sorlimentodi
um bonito sortimento de todos os nmeros.
MEIAS CRUAS.
Sortimento de todas as qualidades, d
3$ a 0,-S, assim como tambera sortimento
de lencos de lindo brancos c com barias
alpacas piulas e de cores de oOO rs. at t-5,
P'incza, mirin de diversas qualidades.
FAZENDAS RUANCAS,
Madapolo de diversas qualidades c pre-
cos commodos. camj)raia de 34900 4150Q
de cor, edinezes, bonitas grvalas pretas e e .'. ditas vickwfew de &99GPa I25, *pefM
de cores. Ra da Imperatriz n. 52, por- de cassa liza o mais lino que lia no merca-
la larga. 'do a 0-1 {03, 12-*. com 12 \aras, c vara
PARA ACARAR. de largura
Urna grande porco decalcas ordinaiias SEDA9DE USTRAS.
para trabaldo a 640 e 800 rs. cada um par, Recebou-se um torito iortimanto desta
porliinclia na |oja do Leo junto a loja de fazenda que se venda a -2-sooO o covado.
ouriyes. IMITAS.
GRANDE PECHINCHA, Vende-se editas escuras a 280, 300, e
Cassas de cores a 160 rs. o ovado, na 320 rs. o covado.
No armazem do Leo, ra da bnperatriz n. e 2, junto a loja de ourves.
P
PAR A QUARESMA
vista
5 ie
Vende-sc grosdenapoles preto de boa..
saudade pelo barato prc.-o de !>280 oeo-1 !=* ^ :!J ^W
vado, s na loja e-armazem do Pavo, rua
Ja Imperatriz n. 60 de Feliz Pereira da
Silva.
CAMBRAIA BRANCV A 3#>00.
Vende-se pegas de carabraia branca
transparente, com 8e meia varas pelo.ba-
rato preco de 3>)8tt0, ditas muito finas tanto
tapadas como transparentes a 43.100, 3^000,
>>o00, 7;)000 e 83000, assim como organ-
li muito lino tanto lizo, como de listas c
pi.'.dros ua luja o armazeni do Pavao rua
la Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
** ALPACAS LAVRADAS PARA LUCTO.
Vende-se na- loja do Pavo, as mais mo-
mas ajpacas lavradas .para lucio, sendo
nitritolargasepelo barato preco de80rs. o
Oi-s,.;
Flix [r
;Rua do Qsiolntado n.ll
Rcceberam directamente da Raropa as mais superiores fazeudas pretas espe-
ciaos pai:a a .quaresma, a.s quaes osla, vendeado pelos mais mdicos precos em
AiiT % iovi w i ni:
ItastpiHiu! pretas de- ivjuia, vicaladara uovjdade,. para scudora.
.Uoiguio preit de seda.uso e.com listas assetkradas para vestidos.
Gr^ikiwjdts pivto larg" t.streiio do diversas quatidades bavendo ueste
*K'ii o*fe ba do4tMU'.
JJtoqiunui de ei ochjffiUus. dilus de seda preta com cintos delicadamente an-
Xi'iUulijs, alegantes peplums de ^da preta, ficlios pretos de renda, modernas capinbas Um outro sortimentos de comies de r.-
h*Mlff renda e superioras vestidos e goi-guro preto bordados. vos e bonitos moldes com fiMs
4-%Altja i Wla nia^dMiuefwMa" tcui sanya o.iiuiiiot sertinjanU deiapates o-Jdgua*
jalifas e
Agua divina de E. Coudray.
Dita verd;ideira de Mnrray 4 Lammaii.
Dila de Cologne ingleza, americana, frai-
ceza, todas dos melbores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de Qnr de lar.ing.'irna.
Dita dos Alpes, a vilete para toik.t.
Elixir odontMlgiro para coiiscrvacSo do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade cchei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, ce;;:
pomada Inapttl nlbflA.
Frascos com dila japoneza, transparcr.ie,
e oulras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
franceses em frascos -imples eefejtados.
Essencia imperial do linoeagradavel eneb-
ro de violeta.
Ostras concentradas e de rbeiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo pbilocme verdadeiro.
Extracto d'oleo de snporior qualidade,
com escolhidos edeiros, em frasees de .dil-
franatm tamaitos.
Sabnnetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos ecm fig -
ras de meninos.
Ditos modo tinos em ixinha para barb?.
Caixinbascom bonitos sabonetes imitande
fructas.
Ditas de madeira invrrnisada contendo fi-
nas perfumarias, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
ben* de perfumares finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, c de
moldes novos e elegantes.com pode arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem coinposi<;8ode
ebeiro, e por isso o mais propriO para criai)-
Cas.
Opiata ingleza e franeczapara denles.
Pos de campdora e pulas dilTeren'f:?'
g&- npiafadxlcs. tawhem paratleotes.
Tnico oriental drkrinp.
iluda mais coques.
dfllrs--orjwdwi i* IUis e utas,
eslo Rjos xpuSItis i JflrfCfcitfifci <\t- qB3
Crctoin* pa"ra"*1 eii^a' tem TO
pal moa; ' Acaba.de c'itigar esla.nov3 e excellenie
ftizeudabiana proprki, para-kn$6es de Jim
panno, *arntiiKle6e que mwnetro e
ama qoarta ao^m-w^tro ewfo x! m\
excellenie leocol '^ura so.pauno, assim
como esta boa'feaenda 'tamba o >uito
lropria para toatha*. de meta, 'rosto etc. e1
: outismysteres e vende.-se pelo baratissl-
ttitmit
::o
v Va India Atara forrar salas.
MOCAMBIQUEWUU VESTIDO AIMO RS.
Cbegeu iwa-a.leja do Pa\k) um elegante
covado, so na loja c armazem do Pavao, rua sortimento dos-Tcrais-bOnitos motambiques
la bnperatriz n. 60 de Flix Pereira da j proprios para vestidos eom as cores mais
1 Silva. modernas o Cassas Inglezas a 44 rs o metro preco de S00 rs. o covado.
Vende-se ama grande portfo.de bonitas! ALPAOODECORDOPAnA-ViSTlDOA'u
cassas inglezas tanto graudascomo miud- chegou esta nova fazenda com o sm
e -com mais
as mais Unas
odas c de cores
UOrs. o metro
miuu MWMawu wi.i-| chegou esta nova-razenna i
i axas peki .barato preoode rtt a|pac30) 9eado ^ Mr(Ro
tgMOtottMe que / metros, largura-^io-que o alpaca, coma
13o um vestido para qualquer Sra. s na
; cores, como sejam Bismark, dyrio, perolas,
Charutos da Havana.
Excedentes ohaiaws da Havann e por Iwralissi-
ojpj Amiirim 35.
Stl0n!aVe ^^ U^nlL n- TO de!roxo, cor de xnm, magenta etc. p'iartlft-
telaiweira da Silva. ;se pei0 haratissimo preco de !# o covado.
Bareges a 400 rs.
Vend-sc a labenu. da rua da- Qneo fon!..* n.
A8-: a tratar ua anana, ou na rua Wrsfta n. 1'/.
'Vettile-so um Tr.rro d.: aii.aar gonorim ca
aanloya : m Foftoj da il.uf's r, 9.
Vi)de-se
b eoMiabo Dous llrnr.is u>Cina ..h.. io.ij.I.i .;in
perfeiu estado, Inda de ferro, toroeada de aovo, e
3uu eu acliulnentoai- servido : quein a yrna
Brditya-acau.dito enjciili.i, ii'ndo nifl s a xa
atriar. cnu" opear 0111 ipie'p traar.
Vijudis-se. i-uiu a eou.Tiijii J >.i Hai^i.ditt>v
desta cidade. um uonilo ci e mullid), vinl is de fura da |rovincia, ambu6
mocos, ai.d-uis c sem vi'ios ; *k*u como um
m il.(|UittQi> de 7 anuos e um i-abra de 28 : a tra-
tar na fapt)*, \.n U.,..-: l'cv.'T':^ n. das 'a.is
9 horas de inanhii i. ,

Vende-se
A armae-ao a pertpnres da taberna da rna pirsita
n. 90, pruptta para (|uaJ(jufr uegAfii, :i>*siin ro-
mo taflltHMii e vwide urna dita rnveruisada e bn-
Tidraead;i, ijue >' acha de<:irmada na meua ca-
sa : a tratar na rua da IVnlia n. 8.
Ve ide-se u n burro puquooo, rug.i, eom an-
dares, proprio para viagei : para ver e tratar na
eoclieira do r. C*rnjainn, jnnlo a entaeo dos tri-
Ifaua orbanoti.
Veude-se a luja do in.uJ.v.as n. o'i Hita rua
da Imperatriz : a tratar na IMama.
rWea J dv ax.ln.
Vende;u-so joj f.i^'nd.is d adi ua .rjipeimw'do
Seriit, dranuivulas Tfoa-Vjtta, IV de Sorra, Mi-
lungtt, Maodo Nnr i, \n?(\ < N;rrote, todas m,ip'lo
boas de eriar e de um ser bem ttoaheftiao nii(|uel-
la ribeira : os pretendentes ped,; .iliiim'r-wiJiiii
do Vicario n. 31, andar.
V"nd#mT#e nr.n> -raM-s. s-wlu duasies-
cravas. u;n e-enivj, c don- Jtiojkjiws : .iuwm,o-
pretender lirij.i-se a rua d.t ('. iiceir > da Hoa-
Vista d. 6. q'ie ai-liara com ipiom tratar.
f*a fw Larga do Rosario n. 6, primeirn
ainr, ana enera va ni-K.i, que sabe eosi-
tdiar een)ommar, o prujiria wla .suaro-
bustez para todo o servico do urna casa.
ROMEIRAS PARA QUARESMA A i6,
Cbegram asmis bonitas e modernas
romeiras pretas de guipure^que se vendem
pelo baratissimo preco de 5J5 cada urna.
SOBHECVSACOS PARA:A-.QUARESMA A l8iE
0.
Vende-se um gi-ande sortimento de .so-
brecasacos e paiitots sobrecasacados de 0-
m.ssiino panno preto pelo baratissimo prego
de 18-3, sendo forrados de alpaca, o por
205, todos forrados de seda, 6 grande pe-
chincha, principalmente por estarraos na
quaresma, assim como, tambem so vende
um grande sortimento de calcas ecotettes
de casimira preta que se vende multo mais
barato do que em outra qualquer parte.
E3GUIO DE i.NHO DE 19 JARDAS A 10*.
Vende-se pecas de esgulSo de Ifeho, a-
zenda superior, com 12 jardas cada pe?3, a
ItWOOO.
alta mmkm
Loja do Pavao.
GtJRGURoBS PARA VESTIDOS A 1^000.
0 COVAD.
Chegaram os mais medemos g irgure-s
pana vestidos, sondo de-tedas as ci es, mu
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola.
ijo & & tendo quasi quatro palmus de lar-



os pretenda comprar.
iTetiwtf K.TMfio wwAnqs
Obi>!o- rivt'lla.< e Ota p:u*a calos.
Bello ti variado sni^'iuonln de.iw-> oljjec-
tos, ficaudo .a.boa- esculla aogos(:> do com-
prador.
FLORES HAS
0 que demdborsepdi*eam*lrant;S i*
geitro, sobreaabiwki oS delicados ramos
ui-vidl naos puf- cuques.
ara-vfasem.
Bolsasrllft tapete, ecarteiras de couro, pfir
precos commodos. ,
tliapcliiias de paUa -da iua ,aiui bem
i ftfcitadas, e.i'Heites de flores ubra de bom
,gOlo.
E asamalos onai^s oijortos qne sc-
i rao' presentes nr-quem se dirigir itita loja
du.l'Ju'dciro.t'revitli'ni. a rua do Qucimado
'u. 16.
H na loja d Pava
& v-.udem as mais bonitas bareges ansparen-
ws, proprias p*.ia vestidos com listriubas a imita-
^o de listras de soda, o vendem-se pelo barato
ir ico-de um cruzado ida um covado, unwamen-
te ua loja e .irmazem do Havaio, rua da Impera-
triz n. 60, de Flix tyreia da .Silva.
Gran.de ,pechiiK;ha para a
quaresma.
Vi:STOS PRETOS A iij>00.
Vende-se superiores cortes de vestidos de
seda preta lavrada, sendo fazenda muito
encorpada $ muito moderna, pelo barato
preco de &, nicamente na loja do Pavo,
rua da Imperatriz n. 00, de Flix Pereira
da Silva.
COLCILt I'AIU CAXA A i000.
Vundcm-se CQWWM do futjto adamasca-
das para cama, pelo barato prec/> de St%
gramle pechincfca, na loja e-armazem do
Pavo, rua da Imperatriz u. 60, de Flix
Pereira la Silva.
COBEaroaEStMCLEZES A ii>. 4Jo00 K .">:5.
Vendeui-se os verdadeiros cobertores
inglezes, de pura la, ,pelo barato .pseco
linAA, 4,J500 ea, aann cuo eolelws de
fastao de c6res,pelO'baraU) preco de a-5. na
leja e armaxem (lo Pav3o. rua da Impera-
triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
A 24, OS RALOES DO tAV0.
Vendem-se superiores balees america-
nos de (pula.a quacenta arcos, umdo as fi-
lis bastante largas, sondo muito fcil trans-
ftKiae-los para outro ipialquwr novo modelo,
e liqeidam-se polo barato preco de 2S cada
u,u, sewlo fazeuda pie sempre se vendeu ^ra, L^neT !P*? ,1)a,8SHn,) a n e 85, isto ua lojae noaaem do.Pa- de #0>. cada covado nicamente no ar-
vfm, na da Imneratriz n. 60. Be Flix mazemde Fexeiiada Alva, iaruada
MpWT lmpefatr.6.
Madapolo enfestado a 50O BETALHOS PiRA LJJTONA*L W
Vende-se superior raadapolSoenfestado, PAVA6.
crido muito encorpail). para camas, Vende-se urna grandetjuantidado de re-
ttwlo nadn peca 24 jardas, pelo barriisai- talhosde chitas e cassas pretas pt.r preco
rao preco de 8,5500. na loia e armazem do muito barato, e qi^nto mor for a porcaV'
rua daimpeutriz 00. De Fdix <\m? ffeue ***(**, wls tarate se Ibe
Lr!reiw da Silva vender na ua da imperatria a. m de Te-
As' 9,000 varas a & rs. ,ix Pereira da SHva.'
Venrtwmnw a- rirtWteiras cambraias
francezas, cora lindos padres c cores tixas, GroMleuapIes pr(o
sendo ttpadaa o tranorestes, palo barato Vende-se um grande sortimento flos Tne-
p eco de 500 rs. a v,ua. cu 300 rs. o co- Ibores grosdenaples pretos, tanto lar-
vado, .sondo fazenda que i^ynem vende gos como estreitos, sendo de 2000 rs o
por meno de 7 ou 8 bstoes, e liquidan* covado at 400f' rs. garantmdo^e me'
so. per. e-ie barato .ta-ero, por se ter fetto n'este genero ningaem tem meJhor fozenua e
qma avuluda compra, ua luja o .^inuii*M) que se vende mais barato do que em outra
-Flix Pereira da gilva. de F.ela Pereira JaSfrva,
J.ourento.^ereii-a.lleades uimjcs.prophetario da loja da Arara, rua da Imperatriz
n. A*, declara ao*vsfilavel-pul.icH .' seusfreguezes qae acaba de condalr o-fcalsnco '
desualoja de fzendas o x/.cr 'i\*timHo,m&fay*i*as 'tfoc jalgmi 'neoessario pura
vender mais Harate que em outra qualquer parte, pot isso roga ao respeitavel puWico o
favor de mandar ver as amostras das mcsmafcpara ver.como se vende barato.
CHITAS,FflA.VeEJftS A 8"RS.
Vendem-se ebjtas francezas a K0( 320 e :*0 rs. o'teovado.
lAUAI'Ofll'A 6000.
Veadem-sepecas deinadapolao lino a ti, 7>. 8f).e.Dj)000.
kr.\ AiiliO RS.
Vende-sc ganga para calca e paiitots -i 32$ e UCrs. a eowtdo.
CASTOHES I'.VRA CALCAS.
Vendem-se castores para calcas a 20 e 280 rs. o covado.
Vende-se laazinha a iO. 80 e 32 rs. o Evado, e oulrae uwitas kmm t> ruupas.'-."ETtFTJlKS^DE ^VLII \ PARA VGSliDQE,
fuitas, fazendas pretas- para a quaresma, .>ino-,gr(s-te-iple.'aswmias e-panos pi*twi )t"j*^m*,i '^*?b*.b.
de todas -as finalidades, baloes de 20 35 arosofl. aali0oa. ^cortes de brim-.paia calca! JJ i^gmmJfmtAxy.. rata Alo ibieims-
de homem a6i0 e 800 rs. cada un. por esttoreco so na leja-da Arar n da impera- f^o h.>M>*am*i)**r*mmii -fceHo; sorti-
tI.z 7 T^ ar"' |entnile trancas fH "a para enfeites wtn*s, oatras para chapeos, coques etc.
ludo isto esta sendo u-miidocoioa sua'^eu1
- teuwhfclda ciMnmodiihitic de precos.
Lourenco Pereira Alendes- 6i haafSes paimi wm ie da loia do grande Ganbaldi, i ue .J&EiA -D'A**WAKS.
da emperatriz n. oO. ;Itec^u ou-os rd-.>.- enfrites re seda
Declaia ao resuitavel publico, que rcebeu un grande sortimento de-tnwntlas^^l|pBra ^^^ ^j,, ,.(imo um variado sor-
do todas as-qaatuVdes, lanto para a praca como para o mato, are quaes e*aeradae.la-k-,nw1trt.1(p.1?8WrtS (]l, ^ ..jthadiiihos.:de
seaestabelccimeralfj que Ihe proinetteri vendorjaaisbarato L.aTnbraiajeoiflil.*lad, s de cores, ma va-
gam a hoaia do frequentaro
do que em outra qualquer pat te.
COBTES DE LAA*A iiOO RS.
Vendau-#e cortes de la pan vestidos a 2*400 e 3000
CHITAS WA!*iB5AS UABOAB A 2H0RS
Vendem-se chitas frailceas 280. 320, :MiOrs. o covado.
I.UZINHAS AJ40 RS.
Vendem-se lazinbas para vestidos a 240, 280 e 320 rs. o covado.
ALGODO A4500
Vendem-se pecas-de algodo a 'i, 53 e 7-$. 00,-pcvasde.uiadapoloa.ljo,.7;>- 89
e 9^000.
Ollil'ES ME CAtiEMIRA i'RETA A 4 4000.
Vendem-se cortes de casemira pela para calca a-4d, H, 0 e 8i000, cortes de
ganga para calca a I->280 rs,, di< de-bra 800 rs., ditosda castor a IrSOOO.
CHITAS PARA tfBHlTA A MO BS,
Vendem-se chitas para cobfitis a 320*r8. o covado.
CASSAS FRA.N'CEZAS A 320 "RS.
Vendem-se cassas francezas para-vestidas a :j0 e 300 rs. o covado.
Bales de 25 30 arcos, a 13500 rs. cada um, s se pode ter bal3o por este pre-
go, eoutras rauitas fazendas pretas para a quaresni;i.'p*mwE,ceriras groa-de-na-
ples preto, outras fazendas muito baratas que se doi as uacitras. Na rua da Impera-
triz loja do Garibaldi n. 56. ____,
atun^ao
Lourengo Pereira Mondes *uimare3, declara aosseus de*edon*s que oOtregou ao
sen procurador t) Sr. Bernanlino rteSenria Dias as suas emitas para elle promover seu
recebimento confqrme-IUe convir omigavel ou judicialmente, por! os dewedoresvir eotoftdai'Hse com obe u.rua da Conceigo da Boa-Vista, ou na loja a
rua da Imperatriz n.<86.
CRIMAUr PARTS!
Sub urna lrma umpidu ngndavel, ente medica-
meuto reuoe a quimt, qii o inico por exeeUeoeia.
e,o ferro, um dos priAoipaMelenmm do aaafe. K'
adaptado peln mdicos mais disimctos de Pars, para
corar as cOres. pallidas, faciliur o dasenvolviaMBI*'
das meninas e restituir ao corpo os mbs principia*
alterados ou perdidos. Faz rpidamente dasapparecer
as dares d'cstomago intoleravab ai mia ou pela leurorrha, s aa*9 as aennens estia
tant m vezes sujeitas, rejtalariaae facilhaa meBStroaeio.
e receitado com successo s enancas paludas, Irm-
paatlcaa ou escrofulosas fiatbm, eiia o appetiie,
favoaece a digesio, e convem a todas as pessoas cajo
saague est emt-obreaido pelo traslliu, pasas aaotos-^
- a mui
JbejmacejrijcesdeSAl.oPriw!pe WW .
mil as convaftaaencas .loagas ou dimcaM,
aroMados nanea se fazera epenar.
Deposito ata l'waaw, em casa de

cuja
nrtade.de;Btna os toruam -rerAmmei
'dns-e'aynxMos ; compareco pois os pre-
tendentes que serw^swA-ids.a^eontento.
TO iBBM BRIEREU.
Wovo provimento de biews e rendas da
guepure.
LITAS m PELLICA.
De toda*as cotes tanto para homerr
corno-pBrw^gnhoTOs, cwwtaotemente arham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
rua do Queimado n. 16.
_ IWVIDiDE
A loja 'de -Coelho A-fOlivcira rua do
Queimado n. 19, recebeu pelo ultima vapor
um bello sortimento de bales de diversos
systemas, os mais aperfeigoados que teem
vindo ao mercado, sendo :
Bales d-! guipur cora liras chamados
'reguladores, ditos de musselina abertos poi*
ambos os lados, de modo que sendo todos
de um lamanho servem .para qualquer se-
niora, de la de cores, com tiras, o as ae-
geintes fazendas:
Saa > de 13a eom bonitas barras.
Chales turcos de seda e laa *Beatfa ci.-
Timdas.
Fitas de guipur pretos Bocamboly.
fcapos de sol paIa^enhora, muito to-
dos. ,
_. _
jaMinaa
SuJUnes.Poil deievre. Tricte, dito *
satrez e ortras-muitas. entre ellas urna
Especialidade
La pura de cores a im rs. o covado.
Basquinas a Maria Antrmiete.
Cambraias t'anU/.ia.
Ditas brancas transparentes e*Virtoie!
Colxas adamascadas.
Cohertas cbaaas a MV) rs. e omra
militas faaeudas que toruar-se-bia enfadonf.i
annuneiar.
^vt2si*^^*w
Tinta r&ca de Moa-
tiro.
\>mle.se tinta jumfl' MonU-iro para ewrev*
oa|i>jaJ4lUaa>ioinobrada amarollo da raaAt
Cruz n. 21.
I

d


G
Diario de Periiwnbuco Terga feira 16 Je Maic;o de 1869.
Lindos corles de cassade cor cora barra,e com figurino indicando o molde do vesti-
do pelo baratsimo prego de 3r)5O0 o corte-
Ditos de perealia muito modernos com duas saias a ^OOO res
Na loja das'Columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vascon-
celos C.
~PREQO CBRENTE DOS CHAPEOS DE SOL"
Da fabrica de
ALTAS NOVIDADES
LOJA DO PASSO
Ba do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador,
Ra Nova n. 23,Ra do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapos de seda trancada, Paragon, de 1G hastes, 28 pollegadas a 16$ ; 26
pollegadas a l$, e 21 pollegadas a 14#0O0.
Ditos de seda G. de N. Bara, de ac, de 16 hastes, 28 pollegadas a 14;
d-; 26 pollegadas a 13,5 ; e 24 pollegadas a I2O00.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas a 12 86 pollegadas a 11$ ; e 21 pollegadas a IO3OO0.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 bastes, 28 pollegadas a 6?>; e 26 pollegadas
a 55300.
Por diizia faz-se desmonto de 15 0(0
Chapeos de sol de panno, de baleia, de 8 hastes, 24 e 26 pollegadas a 32)5
a duzia. (Descont de 10 0|0).
Ditos de panno, de junco, 8 hastes, a 18.-5O00 a duzia, liquido.

HOSPHATOdeFERRQ
D*E LERAS DOTJTOR
INSPECTOR OAACADEMIADEPARIZ Etc.!
___
!H
ebaixo da forma d'um liquido sein salir.
anlogo a urna agua mineral, esie medica-
mento rune os elementos que constituem
os ossos e o sangue. E' o mais racional dos
Ferruginosos; por esta razio o adoptrao
os mais eminentes mdicos do mundo in-
leiro. Convem muito s meninas de temperamento delicado, cujo deseuvolvimento tardio,
s senhoras que padecem d'estas dores d'eslomago intolcraveis, causadas pela chlorose,
anemia, menstruaco cu leucorrba, s criancas d'uma compleico pallida c delicada, e a
todas as nessoas que tem o sangue empobrecido pelas doencas. Eflicacia, rapidez d'acco,
cura perfeita, sem constipaco de ventre nem acc.io sobre os dentes, taes sao as razOes que
imperio para que os senhores mdicos o prescrevo aos seus doentes.
Deposito em Pernambuco, em casa de TCaurer e C.
' PARA QUARESMA.
Gorgorao preto.
Setim i macan.
Sedas lavradas.
Moireantique preto.
Gros-de-naples
Basquines de gurguro e de gros-de-na-
ples enfeitado com primor.
Corpinhos de gros-de-naples.
Basquines, capinhas, pelerinas, fichus,
de crochet e de guipur, pretos e brancos.
Mantas pretas de blond.
Riquissimos chales detouquim.
Requissimos chales de gurguro de seda
preta o mclhor neste artigo.
Chales de mirin pretos com requissimos
bordados e franjado de retroz.
Chales de mirin bordados sultane;
ultima moda.
Remet! pretos corn lindos bordados.
Loques de madreperola, marfim, snda-
lo e osso, e pretos, para senhoras.
Ditos de sndalo para meninas.
Chapelinas pretas.
PARA CASAMIENTOS, RALES, THEA-
TKOS. etc. etc.
Lindos cortes do blond, conteudo setim,
mantas e grinaldas.
Requissimos cortes de sedas assim como
para eovados.
Gurguro branco.
Moireantique branco azul e verde.
Gros-de-naples brancos e de cores.
Setim branco macau.
Setim, branco, azul, verde, cor de rosa
c amarellos.
Fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas saias.
Chales de gurguro de seda de cores.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de liho bordadas com primor.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Riquissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores. .
Chapetonis de palha da Italia, assim
oemo de seda.
Enfeites para cabeca de senhora.
Esparlilhos para senhoras.
Meias de laia para padre.
Ditas de la
Ditas de seda lio da Escossia e algodo.
para senhoras c meninas.
Lencos de labyrinllio.
Fronhas de labyrintho.
Bicos, rendas o grades.
Finissimas cambraias de cores, percales.
las, e oulros muitos artigos de gosto e
de alta novidade, isto s
Na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.
CAPSULAS VEGETAES
com MATICO
DEGRIMALT E Ct PHARMACEUTICOS EM PARS
Estas capsulas, com capa de gluten, contfiem o balsamo de copahiba associado i essencia de
Matiro (arvore do Per), e constituem om remedio infallivel contra a gonorrha. Ellas obrioj
sem cansar o estomago e nao provocSo nunca os enjos e nauseas que occasionSo as capsulas
ordinarias, lendo a immensa vantagem de nao communicar cheiro s ourinas. E' por estes mo-
tivos que ellas s3o superiores s capsulas de copahiba, cubebas, etc. -
u Deposito em Pen,ambuco, em casa de Manrer O".
1 !! i wwm.ii.....i..... nip_______m
Apprevt^o
ia tetitmit
itmdeci**
i* Parit.
Pharmactvkco
laurta.it
it academia
it medicina.
As preparacSes ferruginosas liquidas tem desde muitos annos merecido a approvacio
especial dos mdicos, porque ellas obro mais rpido e seguramente do que as pilulas, e
sao mais fcilmente toleradas pelos doentes. Os Pos ferro-manganicos possuem a inappre-
ciavel vantagem de poder offerecer n'uro instante urna agua ferruginosa gazeosa, de gosto
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de mais nm elemento precioso,
o Manganese, que sempre se acha no sangue, jnnetamente com o ferro Emprego-se em
todas as molestias que tem por causa o empobrecimenlo do sangue, assim como para vigorar
Os temperamentos debis e lympbatieos. A chlorose, as Per das brancas dores d 'estomago,
a irregularidade da menstruaco e amenorrhia ou snppress&o do menstruo, eedem rpida-
mente a seu emprego. Devenios mencionar aqu nm facto notavel, isto que es doentes cura-
dos pela agua preparada com estes pos esto muito menos expostos a recadas do que
aquelles que foro tratados pelas preparadores ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, tm casa de Manta* a O*.
EFFICACIA
DO
XAROPE DE RBANO IODADO
0 Xarope de Rbano iodado de Grimanlt e C", pharmacenticos de S. A. I. o principe
NapeleSo, em Pars,' preparado com o sueco das plantas au-escorbuticas cuja eficacia
mu popular.
Eneerra o iodo como combinaclo orgnica, e considerado como o melhor succedaneo
do oleo de ligado de bacalho.
A rara perfeico d'este prodneto anima-nos a dar a conhecer aqtii a opiniio de alguna
d entre os pnncipaes mdicos de Pars, qne diariamente o prescrevem.
0 Xarope de Rbano iodado 6 um medicamento d'um effeito suave e seguro par t
medicacSo dos meninos, nSo smente snppre e oleo de ligado de bacalho, mas ainda faz
as suas vezes com vantagem.
Dr A. CAZENAVE, medico em chefe do hospital Saint-Louis, em Paris.
*tP *aroPe *** *"bano iodado nm medicamento de primeira ordem para o tratamento das
i affecede* Iymphatieas e escrofulosas. Muitas vezes, empreguei-o com feliz xito, era certos
t casos de tsica ao seu principie, como succedaneo do oleo de figado de bacalho.
Dr A. CUARRIER, antigo chefe de clnica da Faculdade de Pars.
0 Xarope de Rbano iodado sempre nos dco excellentes resultados como regenerador
do sangue, e succedaneo do oleo de figada de bacalho.
D* A. FAVROT, autor do Traite des maladies des fcmmes.
0 Xarope de Rbano iodado um dos mais poderosos modificadores das constituicoes
f Iymphatieas. Tenlio visto ulceras escrofulosas que nada podia curar, cicatrizarem-se,
c gracas a sua accao, com promplidao extraordinaria. Tambem, pelo seu uso desepparecem
as affeccoes tuberculosas dos ossos, nos meninos.
Dr GUESNARD, antigo externo dos hospitaes de Paris.
c 0 Xarope de Rbano iodado possue todas as vantagens do oleo de figado de bacalho,
* sem ter nenhum dos inconvenientes que aprsenla este ultimo medicamento.
Dr GUIBOUT, medico dos hospitaes. Presidente da Sociedade de medicina de Parit.
0 Xarope de Rbano iodado de Grimanlt e C* eneerra 1(2 por cento de iodo, na su
composico orgnica anloga que se acha no oleo de figado de bacalho. >
D' KLETZINSK, profeuor de chymica, louvado dos tribunaee de Vienna.
Deposito em Pernambuco, em casa de Manrar a o*.
VERDADEIRAS
PILULAS de BUNCARD
CON IODURETO 00 FERRO INALTCRAVCL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Fotsulndo as prqpriedades do lodo et do farro, convem especialmente as Amccots
8CROFULOSAS, a Tsica no principio, a [raqueta it temperamento e tambem nos casos de
Falta til con, amenorrhea, em que precisareagir sobre o sanguk se)a para restituir
Ihe sua riqueza e abundencia normaes, ou para provoear e regular o seu curso peridico.
K. B. O iodnreto de ferro impuro on alterado t am medicamento infiel,
irritante. Como prava de parea* e de aathencidade d eert*f*r W-
lalaa de Rlanrard, dere-s* tipr nosso aelfa ele rala rpaotlva e
domo arma, aini reprodnzida, que se arha na parte inferior da S~
rtala Trrrfc. Deve-se desconfiar das falsificacot.
. Arham-ae em taelaa a> abar-rrta.. Pharmaetutieo, rae gewaaarfe, 40, PaH*
y
TSSOffiMAOS
Tem para vender em seas arniazeus, aletn de ou-
tros, os seguintos artigos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Yinhos em caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Hery.
Madeira.
Hermitage.
Chatnblis.
Licor de euraco de Hollanda em caixas de vin-
te e quatro botijinhas.
GE8SU,
Nosarmazcns de Tassolrmaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso limaos
< lilil mos de ferro
Para serviros de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou caix5es de um para outro, lado pelo
mdico preco de 122000 cada um.
Faruiha de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento das memores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de farinha de trigo do
Che
Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano .
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydraulico 12$
0 melhor para tudo que sao obras para agua, ro-
mo assentamento de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, tanques d'agua, etc., etc.: em porcoes de
rineoento barriras se far reducrao no preco : nos
armazens de Tassolrmaos.
Cemento Portland
0_vcrdadeiro cemento Portland ern casa de Tas?o
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De diferentes qualidades para cercados de an-
pues, rhiqueiros para galinhas ou jardins : nos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos.
CANOS DE BARRO
Na ra Nova de Santa Rila, na antiga fabrica de
! sabao, ha para vender por preco o mais mdico
possivel, canos franeezes para edifiracoes e esgo-
los de toda a qualidade, superiores a todos os que
aqu tcnt apparecido pela sua solidez.
phe<;os
1 (100 por rano grande de 3 c meia pollegadas.
13200 por dito de 2 e tres quartos de dita.
15000 por dito de 2 o um quarto de dita.
500 ris por pistoleta de 2 pollegadas.
Cotovellos, curvas e canos de maior grossura. a
vista se far o prero. Compras maiores de 200
lem 5 por cenlo do deseonto por prompto paga-
mento. Pde-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
'lijlos franeezes
Para ladrilhar rasas terreas romasseioe prcros
mdicos,, muito convenientes o proprios para ladri-
Ibos de cosinhas em sobrados, peo seu asseio e
evitar a passagem de aguas para o andar inferior
c mesmo o perigo de fogo, aos preros de 30000 a
'i5000 o milbciro : na ra Nova de Santa Rita, na
antiga fabrica de saliao, e compras maiores de 200
se far 5 por cento de deseonto por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
temas de carros: noarmazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto fino superior: no armazem
de Tassolrmaos.
O melhor cognac Gauthier Freres: no arma-
zem de Tasso Irmaos.
Esteiras da India
Em rasa de Tasso Irmaos vende-se esteiras da
India de diversos padroes e larguras, por prcro
com nodo.
OLEO DE HOGG
DD
Figados frescos de bacalho
Para cura certa de phtisica, affecrSes escrofu-
jss, tos^ rbrpnjca, flaqueza dos membros e de-
ilidade peral, rerommenda- se a exeellenm este
leo ainda por sor agradftvel no paladar.
VENDE-SE
i*h.ii'm;i'i.i e drogara
N
RARTHOLOMEU & C.
34 = Ra larga do Rosario ~ 34
^ifl^
=ete^^eiins^^H5
&-A&-&rr<&f!&
mmz^mwmmgk
CITARRHOS
PASTILHAS,PEITORAES
de sueco deALFACE
E LOURO GE REJO
IRRITAQOES
E' este o mais novo e delicioso coufeito ate agora contiecido. Por isto tem adquirido r-
pidamente a popularidade de qne goza. Os mdicos os mais distincios o aconselbo contra
as loan, defluxos. caiarrhos. tosses convulsas, catarrhos epidmicos, irritafes do peito. Com
grande empenho o procuran as mies de familia, assim para ellas como para as criancas, pois
primeiro que tudo inoffensivo, e as suas propriedades adobantes nao deixao nada a desejar.
Deposito em Pernambuco*em casa de laaurer a o.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAO
Hemedio por excellencia para enra rpi-
da e completa das coqueluches, bronehites,
catarrhos, tosses convulsivas, escaos san-
guinos, e outras motestias do peito.
ii:\i>i>si:
PHARMACIA E DROGARA
DE
Uartholomeu & C.
34RA LARGA DO ROSARIO-34
AO BAZAR DA MODA
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
I
Para senhoras.
COQUES da ultima moda, enfeitados e Usos, gran-
de sortimento.
CHAPELINAS de palha da Italia, guarnecidas com
delicados c elegantes enfeites brancos e de rres
CHAPESINHOS e gorras de velludo e de pennas
(alta n. p vii la i l.i I) de palha da Italia, a emtiacao,
especial sortimento.
CINTOS de cores e pretos, rico ortimeni, ulti-
ma mua.
CAMISAS bordadas por commodos precos.
LENQOS bordados e com letras, novidade neste
genero
LEQUES a emitacio de marfim, gosto novo e de
sndalo.
GOLINHAS e punhos, a emitacSo de guipure.
ENFEITES pretos e de cores
moldes.
GUARNICAO alta novidade I a
mmente usada em Paris.
CORPINHOS de guipure brancos e pretos lindos I
modelo-.
BORNOUS de la e seda, cores claras, elegante
moda em Paris.
GRINALDAS de flores finas.
ESPART1LHOS superiores.
SIRIAS supe iores de flode Escocia.
LUVaS de pelira chegadas pelo ultimo vapor.
ADEREC05 de coral verdaaeiro e camafeo, gosto
delicado.
DE PALHA
GUARNICES para vestidos.
TRANCAS para enfeites de coques.
BOTES lisos e com pingentes para vestidos.
CINTOS alta novidade.
para cabeca, lindos
Marie Rose, ulti-
FLOI1ES finas, grande sortimento.
GRINALDAS de ditas para coques.
LAGOS, fivelas, penachos para enfeites.
Para horneas.
CAMISAS com peitos, colarinhos e punhos de 1-
nli" fino, lisos e bordados, moda,
COLARINHOS de linho e algodo.
i PUNHOS de ditos.
GRAVATAS de todas as qualidades.
' BOTES para punhos e guarnicoei para coletes.
CORRENTES de plaqu a emitago do ouro, Un-
' do gosto.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchit, qua-
lidade superior.
CHAPEOS de seda, para sol.
MEAS de superior qualidade.
BENGALLNHAS finase chicotes.
Ll NETAS aro de a^e e tarturaga.
Para crlaneas.
VESTUARIOS completos para baptisados.
SAPATINHOS de merino o setim enfeitados.
MEIAS de seda e fio de Escoria.
CHAI'EUSLNHOS de palha da Italia.
TOL'CAS de fil e setim enfeitadas e de chroch.
BUNECAS vestidas, muito bonitas e diversos
brinquedos.
Perfumarlas finas.
AGUA pFLORIDA verdadeira de Murray & Lan-
man New-York.
e superior agua e
TNICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA de E. Coudray
.essenria de Colonia.
ESTRATOS e essencias finas e de agradaveis aro-
mas para o lenco.
VINAGRES aromtico* para toilet.
POS DE ARROZ para amaciar a pello ; em paco-
tes e ricas eaixtnhas com armio.
POS superior para limpar os dentes.
COSMETIQUES de fina qualidade.
SARONETES, grande sortimento deste genero e
de superior qualidade.
LEOS de philocome, babosa e antiques.
BANHA fina para os cabellos.
AGA de flores de laranja.
CREME de sabao para barba.
Caixas preparadas com perfumaras finas.
niudczas finas.
SUPERIORES fitas de grosdenaples de todas as
cores e larguras de vetado preto e de cores, e
gurguro para cintos.
BABADINHOS c entremeios bordados.
GUARNICOES de seda de cores para enfeites de
vestidos.
TRANCAS pretas com vidrilhos e pingentes.
BOTES de cores, brancos e pretos com vidrilbo
lisos e com pingentes.
DEDAES de mau. 'perpla, de marfim, de co e
metal.
THESOURAS finas para UNtura e nnhas.
CAIVETES finos com, qnatro folhas. E muito*
outros artigos de Mudeas que se torna enfa-
donho mencioni-los.
Tudo se vende por presos bastante commodos,
LOJA DO GALLO VIGILANTE
Sua do Crespo n. 7
Mandou vir de sua conta e acaba de re-
ceber pelo ultimo vapor, completo sortimen-
ot de objectos de novidade e phantasia, os
quaes esto resohidos a vender por presos
nimiamente baratos, para assim animar aos
concurrentes e ao mesmo tempo dar sabida
ao grande deposito que tem: isto ra do
Crespo n. 7, loja do Gallo Vigilante.
Gollinbas, punbos e camismhas para se-
nhora, fazendas de gosto e novidade.
Finos vestuarios para baptisados, assim
como touquinhas, sapatinhos e meiasinbas
para o mesmo Om.
Grande sortimento de bicos e rendas'de
croch e de outras muitas quaJidades.
Superiores caixas com msicas e sem el-
las, tendo o necessario para costuras, pro-
prias para um delicado mimo.
Finas caixas com tentos e sem elles para
voltarete.
Agulhas para machinas de costura.
Ditas para croch, sendo de ac, marfim
e outras muitas qualidades, assim como li-
dias para o mesmo mister.
Finas grinaldas para noivas.
Meias de borracha para quem soflre de
erysipella, assim como meias de la para
os que soffrem de rheumatismo.
Suspensorios para honem e meninos.
Finos pentes de tartaruga para cotraes 9
de outras muitas qualidades e para outros
misteres.
Dedaes de madreperoh, marfim, osso,
a?o, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome para Ungir
cabellos, dando aos mesmos a sua cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas perfumaras
dos melhores fabricantes, assim como mui-
tos outros objectos que impossivel des-
crever: isto s-na ra do Crespo n. 7, toja
do Gallo Vigilante.
Collares Royer elctricos magnticos con-
tra as convulses das criancas e para facili-
tar a dentinc3o das raesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
collares e contina a ter sempre grande de-
posito, ra do Crespo n. 7.
Macarthy
Machinas de descarocar algodo.
Hoje que est reeonhecido que as machinas de
serrote prejudicam e quebram a fibra do algodo,
preciso recorrer a machinisnio menos spero,
que produzindo o mesmo serviro que aquellas, e
facilidad* no tiabalti", nao quebrem a tibia da laa,
para que essa possa obler-nos mercados europeos,
a differenra que ha entre o algodo descarorado
l>or aquelfas mencionadas maehinas, que estab fi-
cando em eteuzo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga bolandeira, que, nao pode competir
pela morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas marhmas se tornam as mais proprias para o
nosso algodSo, porque ao par da facilidade e
liromptidao conserva a fibra da la, que linipa por
ella, qualifiaada na Europa a par da melhor bo-
landeira, valendo assim entre 10 arrobas 20 O/O1
mais do que a la limpa pela machina de serrote.
Estas marWnasTiao sao novas, pois qne ha muito
esto adoptadas no Egypto>.aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, o por isso o algo-
do daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem boje de 10 arrobas 20
0/0 mais do qne o nosso : vendem-se a 150*000'
nos armazens de Tasso Irmaos.
Ofeo de amendoas
Em caixas de- 8 latas, cada caixa 100" libras :
nos armazens de Tasso^Irmos. *
Meias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes meias elsti-
cas de borracha contra varizes e erysipellas.
Vende-se na
Pharmacia e drogara de
Bartholomeu 4 C.
34ra larga do Rosario34
Scboncte d$ alcatrdo.
DR
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que tito boa
acceitac3o tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pharmacia de Bartholomeu & C,
34ra larga do Rosario34.
EIVAL sem segundo
Ra do Queimado n. 49, loja de mindezas de
Jos de Azevedo Maia e Silva, tem para vender os
artigos abaixo declarados, todo bom e baratissi-
mo, qtie sao para acabar.
Duzia de sabonetas muito finos a 700 rs.
Pares de sapatos de tapete para homem a 15280.
Ditos de t ra ira para rreanra al..
Tramoia do Porto, bordada', a melhor a 290 rs.
Dita do Porto \im, da melhor qualidade a 100, 120,
160 e 200 rs.
Resma de papel almaro, lizo superior a 3i&200.
Dita de papel almaro pautado a 44.
Livro de missoes abreviadas a 23.
Cartilhas com toda a doutrina 0 muita* resas a
320 rs.
Silabarios portuguezes com estampas a 320 rs.
Baralhos franeezes muito finos a 200 e 240 rs.
Salan inglez superior qualidade a 500 e t&.
Gravatas pretas e de cores muito finas a 500 rs.
Duzia de meias para senhora, fazenda fina a 4.
Redes pretas lisas para segurar cabello a 320 rs.
Varas de transa de seda do todas as cores a 600 rs.
Pares de brincos dourados eom mozinha e pe-
dras a 390 rs.
Cartoes com. corchetes de duas ordens e sao de la-
tan a 20 rs.
Abotuaduras de vidro para colete muito finas a
120, 24 e 400 rs.
Pares de botoes dourados para punhos a 160 rs.
Caixas de pennas de ac muito finas a 240, 320 e
500rs.
Cartoes com duzentas jardas de hnha do fabri-
cante Alexandre a 100 rs.
Caixas do pennas de aeo, a verdadeira penna a
e.
Carriteis de linha Alexandre ns. 70,80, IflO ate
200 a 100 rs.
Caixas com superiores obreias de masga 4 40 rs.
Carriteis com ditas oilavas de retroz preto a 500 rs
Duzias de agulhas para machinas a 2J..
Libras de pregos franeezes de todos os tamanhos
a240rs,
Livroseseripturados para rol de roupa a 120 rs.
Caixas com papel amisade muito fino a 700 rs.
Caixas com cemenvelopes da melttoi qualidade a
600 rs.
Talheres para meninos muito boa fazenda a
240 rs.
a A NOVA ESPERANCA
21=Rua do Queiniado = 2]
L para presentes
A Nova Esperanca, r ra do Queimado
n. 21 tem um variado sortimento de objec-
tos de gosto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresahindo entre elles ricas caixi-
nhas de bano com finas perfumaras, eos-
tureiros de chagrn, agulheiros de madref
perola : assim, pois, quemquizer fazerunn
linda offerta, dirigir-se Nova Esperanca.
ra do Queimado n. 21.
Collares anodinos ellectro-magnett
eos contra as convulc.es das
creangas.
NSo rosta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ahi intitulados 01
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito
pais de familias nao creem (comprando-os)
no effeito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porir
que detesta a falsificacSo principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade,
fez urna encommenda directa destes collares
e garante aos pais de familias, que sSo os
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
Cas tem salvado do terrivel incommodo de
convulcoes, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seui
filliinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando ent3o ser di-
fficil alcancar-se o effeito desejado, embor*
sejam empregados os verdadeiros collare
de Royer.
Para extinguir as sardas* e
panno
Receben a Nova Esperanca, ra do
Queimado n. 21, leite de rosas, especial
para extinguir sardas e pannos.
BONECA DE CERA
A Np*m esperanca a ra do Queimado n.
21, acal de receber um completo sorti-
mento de finas bonecas de cera de diver-
sos tamanhos, sendo as maiores do com-
primento d'um covado ; estas bonecas tra-
zem bonitos coques e botinas, havendo en-
tre ellas algumas que fallam e outras que
choram de sorte que fcilmente podem ser
preparadas, e fazer-se um presente de muita
acccitaco.
Finas caixas de tartaruga para rap ven-
dem-se a ra do Queimado n. 21 na loja
da Nova Esperanca.
Modernos brincos de sndalo, s se en-
contrarlo na Nova Esperanca a ra do
Queimado n. 21.
MEIAS DE LA
A Nova Esperanca a ra do Queimado n.
21, acaba de receber um especial sortimen-
to de meias de la para homem e senhora.
CONTRA AS CONGESTES
mal terrivel a congesto fulminante:
de repente leva um-individo, d'esta para
milhor vida, sem dar-lhe tempo de receber
conversa medica ; deixando as mais das
veses mulher e filhos no mais amargurado
pranto ; a Nova Esperanca que deseja pres-
tar servicos recorreu a Voier, o qual lhe
mandou anneis elctricos magnticos, como
o nico preservativo para semelhante mal
elles antes que se acabem : na* Nova Espe-
ranca-
NAVALHAS
A Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 recebeu um sortimento de navalhas,
de qualidades, c tamanhos especiaes assim
como afiadores e massas para as mesmas.
Vendem Augusto F. de Oliveira & C. ra d<
Coiiuiiercio, n. 42.
TPara
Cementa de Portland.
Vende-se no armazem de Vicente Ferreira
Costa & Filho, ra ra da Madre de Dos n. 22,
barris grandes.
Em casa de Theod. Chnstiansen, ra do Com-
mercio n. 16, encontram-se effectivamente toda9
as qualidades de vinho Bordeaux Bourgogne e do
Rheno.
* familias
tirande Bazar, rna \oa ns. 80 e
99. de arnclrs launa *i C.
Acaba de cliegar a este estabeleciraento
grande porcao de machinas para costuras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposicao de Paris, as quaes cozem com.
dous pospontos toda a costura, e tem a
vantagem de ser to suave o movimento,
que qualquer crianca de oito annos fcil-
mente trabalha, e pode, com este entrete-
nimento, levar vantagem ao servido diario
de trinta costureiras. A comprehenso
simples, pois em um quarto de hora se ti-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar,
franzir. martar e bordav, como apresentam
os desenhos que acompanham-nas. Os pro-
prietarios do estabeleciraento se encarre-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e
garantem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeicao a machina vendida, n5o tendo,.
porm, soffrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabelecimento machinas-
do autor Grower A- Raker, de trabalho sim-
plesmente mo, e outras com movimento
dos ps; e mxime todos os pertences da*
mesmas machinas, para vender avulso.
Tintura japoneza
Instantnea para tingir os cabellos e a
barba, a liJOOO o frasco.
E' a nica approvada e recommeadada
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas d*este genero.
venda em casa de Gustavo Hervdi n.
51. ra da Cadeian. 51.
GAZ GAZ 1.17.
Chegoa ao antigo deposit de Henry Forster &
C, na do Imperador, um carregamento de caz
de primeira qualidade; o qnal se vende em partidas
e a retalho por menos preifo do que em mitra qual-
quer parte.__________________________
FUNDICAO DOBOWMAN
Ra do Brnm n. ftt.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batido fundido.
Rodas dentadas, pata moer com agoa,
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucar.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro
prios para agricultura.
Para semana santa
Madama Adour, 23 ra do Imperador,
acaba de receber mantinhas e mantelets de
fil preto.
*
v
i


r
V,
I I


D
iario
de Pernanibuco Terqa feira 16 de Marqo de 1869.

TEMPORAL
Grande liquidado de miudezas !
AlTonso Moreira Temporal, qnerendo liquidar as miudezas existentes em sua
loja ra do Queimado n. 55, resolveu annunciar as mesmas miudezas, para que o pu-
blico se certiQque do diminuto prego porque as est vendendo, a saber:
Caixa com agulha franceza a
Caixas com 100 enveloppes a.
Pecas de babadoseenlre-meios
a 500, 600, 700, 800 e. .
Pecas de fita de coz com 10 va-
ras a ........
Liuba de marca, aixa com 16
novellosa......
Coques muito finos com rede, s
a rede val......
Frascos com santos muito finos
a.........
Latas com banha (familia), a
160 e........
Carto com al ("metes a .
Copo com opiata muito fino a
400 e.......
Cartas francezas a 200 e .
Ditas portuguezas a 120 e .
Caixa de linha do gaz branca 50
novellos a......
Frasco com tinta a 100 e .
Frascos com banha a 320 e. .
Frascos com agua de Colonia
Piver a........
Pentes de travessa para cabello
de meninas, s a vista faz
f, a........
Lia para bordar, libra. .
Novello de linha grande com
400 jardas, S a vista faz
f a........
Pares de liga de borracha para
pomas de senhora, muito
boas a .......
Franja branca para toalha vara
a.........
160 Resma de papel almajo, muito
ifift boa fazcnda, com 85 cader-
^ nos a........ 2800
i^OOO Caixa com PaPel amisade a 700
Jogo de vispra a. 400
500 Sapatinhos de laa para meninos
a......... 320
210 Pecas de tranca e caracol a 40
Sabonetes de todas as qualida-
ItfoOO des a 80, 160 e ... 200
Frascos com oleo babosa a
l200 400 e....... 600
Pificeis para barba a. 200
200 Gaz a........ 320
100 Frascos com agua de Colonia a
320, 400 e...... 500
500 Pentes com costas de metal 320
240 Carteia de marroquim a 400
160 Pentes pretos para tirar piolhos 200
Escevas para cabello a 400,
600 500 e...... 600
160 Garrafa com agua divina a. I #500
400 bravatas de seda de cor a 320
Ditas prelas a 400 e 500
13000 Botes de louca para camisas, a 160
Garrafa de tinta roxa a. 800
Lencos brancos para muios
320 a*. ....... 240
6$800 Par de suspensorios para ho-
mens a ....... 200
Espelho de toucador a 2)5500
60 Frasco com cheiro muito fino
a......... 1000
Bandeja para copos a 400
0 Meias eruas para homens, boa
fazendaa 34, 3600, U e. 4500
200 Abotoadnras paracolletes a 320
10 CAMPOS
Na ra da Imperatriz
n. 28
Yendc-se urna encllente loja de fazendas
bem afroguesada, urna boa machina de
costura quasi nova e sem deleito, duas
Dscravas crioulas, una de 38 anoos, dota-
da de habilidades, e outra de 14 annos,
com principios, propia para ensinar-se ;
por seu dono retirar-sc para a Europa.
28= Ra do Imperador =28
EM GROSSO E A VAREJO
Charutos creditados fabricantes, Costa Jrmaos e
Manoel da Costa Ferreira de (Sao Feliz).
Farinba da (erra mito boa, alareis a
sacca.
Miraguaia do Rio Grande -do Sul, peixe
secco-de superior qualidade a 66400 a ar-
roba.
Congro e ruivo de Portugal, em barrts -e!
libras.
Camaroes seecos, do Maranliao, cm libras.
Latas (?om peke em conserva sendo:
SaJmom, LagosUs, Ostras e outras muitas,
qualidades, a saber: Portuguezes, Ingtezes,
Americanos, Hespanhes, etc., etc.
O Campos anda urna vez, vem tora
honra de lembrer ao respeitavel publico, as
muito excellentes aguardt'Htes de Lima Pa-
rati, idea que se aproxima o tempo invernoso,
o que muito nescessario se torna trazero
estomago queaie, c como -se acha o sen cs-
tabelecimtiito bem prvido ma ditos, ivcemmenda mn passeio at elle,
onde encontraso os amantes do que
bom bocado, um completo sortimento de
jeneros linos, que se topnam recommenda-
veis para urna mesa mais ou menos pro-
vida.
Fartnha de milho.
Vende-se farinha de milho amarello muito lina
a 3 a arroba e 100 rs. a libra : na taberna da
i na larga do Rosario defronle da botica do Bar- ~ ,- ="
iolomeu c travessa das Crnzes n. 16, esquina ^QS SGUllOI'GS lOllStS S
I
que tem vindo ao mer-
cado
Barricas de 14 arrobas pr
10#000,
FARELLO DE LISBOA
chepdo ltimamente
SACCOS GRANDI-S A 5*000.
AAM AgiO DE TABERNA
com todos os pertences por
150SOOO,
Tudu uo armawm do Candido AII)crto Sodio da
Motla, travessa da Madre de'Deus n. 14.
TOSIGO DE JAYME
RA DO QUEIMAOO N. 55.
que volta para o quartel de noticia.
Na ra delHortas n. I, em para vendar ei-
jad mnlalinho muito novo o melhor que-pode
ir&vtr neste genera, urna euia 800 rs.
Para a quaresma
Casonirras pretas finas : na ra da f.*dm do
Recite, aruazem n. 60.
",_tffsrBi>"


a.
5u" 5BB5> *'
A aguia branc teni-se foito o conhecid e
vcreditada, nao s pelas novidades, variedades, su-
jerioridade e abundanc a de sou sorlimento, como
,>ela constante commodidade de seus preces, e mes-
oo pelo seu assaz e nunca olvidado agrado c si ice-
tdade.
Essas verdades ncoutestaveis sao sem dwida
^preciadas pelo bello sexo em particular, e peto
espetavel publico em peral, e a tanto tem cnegado
rae estao quasi pastando como annexim ou pro-
erbio, quando so v mu objecto de elegancia,
osto, novidade, etc., etc., diz-se logoaquello ob
eeto sem duvida foi comprado na
iranca.
Quando no club, nos bailes, ou no safto do
(anta Isabel, urna excelleaussima se aprsenla
Crbosamente trajando, traaendo o moderno cinto
mu larga tita., lisa, hamalotada, ou escosseza,
is suas admiradoras dizm comsigo aquella fita
oi comprada na loja d'sguia branca.
Quando outra excede ntissimv n&o menos par-
)sa, mostra o rigor de seu Ixun gpsto na aceitada
collia dos enfeites de alta mividade que bet-
nente ornam seu vestido, anda mesmo as rivaes
le sua sympatma confessamqueaquelles endites
oram da loja d'aguia branca.
Quando n'ora exccilenfissima, apexar da sin-
^elleza de seu porte agradsvel, se vm as bonitas
!uvas de pellica duqneza as suas bellas ami-
(as iouvam-ilie o gosto e confessam queaquellas
uvas foram da loja d'agoia branca.
Quando mesmo dues excellentisshnas, antiga
unigas So collegio, se encontram na<(uelles loga-
*es, i^)ois dos eumprimentos de reciprocos beijos,
ubas-por forra de su.i elevada delioaleza, gabn
urna a outra os agradaveis cheiros de qae usaro
em seus dos lencos, e cada ma das quaes orgu-
Ihosas pelu elogio do acert de sua esralha, e come
que querendo por si mesma justitioar dizem aimul-
taneamente verdade que estecbeiro foi compra-
do na loja d'aguia branca. '.
Anda uals.
Quando hontem os pais afllictos sentiam o rigoi
da denticao de seu charo fllhinho, e hoje alegres e
satisfeltos pelo felii restabeleeinicnto rt*ebem as
visitas dos seus melfaor amigos, diaem aquelles
estes, foi eus que me inspiro upara que compras-
se, como comprei, umdesses virtuosos collares
loja d'aguia Ko>"er> Ve se vendem na loja d'aguia branca.
Aleui do multo mats que aluda
falta dlzer.
Quando em um circulo de circumspectos carac-
teres se discutir a veracidade de taes dizere, appa-
recer um outro que quena anda levemente nter-
romper a discussao, os primeiros por momento es-
quecerao a circumspecc,ao e Ibes daraet um gra-
cioso debiente dteendo-Miesj sabemos que V.
um daquclles que inclina o chapeo de re ou que
mereca ser designado pela aguia branca da ra
do Queimado n. 8.
Sao tautas as cousas que por
urnas escapam as outras.
di ta esqueoendo a aguia branca, mas em tempe
lembrou-se para noticiar, que recebeu urna pe-
quena quantidade de enfeites para coques e gram-
pos para ditos, tudo feito de metal com lindos e
agradaveis coloridos, obras estas pela primeira vez
aparecidas, e portantointeira novidade.
Tambera chegaram oovamente delicados enfeite-
e flores ornadas de aljofares e vidrilhos, tanto de
pal ha pira coques como para vestidos, e tud<
continua a merecer a apreciar ao das excollcntsi
mas conhecedoras do bom.
il
Hu do Queimado n, 49 loj d(
miudezas de Jos de Azevedo
Jrata t Silva conhecido por Jos
Bigodinho.
Est queiniando os ulijectos abaixo declarados
pelo diminuto preco, a saber :
Frascos com agua de Colonia verdadeira a 1J.
Garrafas com agua Florida verdadeira, que se ga-
rante a l-o 00.
Pentes para regalar cabello de meninas a 320 rs.
Thesouras muito finas para unhas e costuras a
500 rs.
Tinteiros cheios de tinta muito preta a 80, 100, 160
e 400 rs.
Varas de franja branca de hnho para toalbas a
160 rs.
Caixas de phosphoros de seguranca a 90, 40 e
160 rs.
Navalhas de cabo de marflin e que se garante a
qualidaele a 2 J.
Libra de laa para bordar a 7|.
Pecas de HtaDranta elasti. muito superior a 900
e3O0rs.
iNovellos do linha branca com 400 jardas a 60 rs.
Resmas de pajiel de peso liso muito lino a 2500.
Latas com superior banha a 200 e 400 rs.
Caixas com seis frascos de eheiro niuitw fino a
800 rs.
Caixas m doze fraseos, fazcnda s luja a 1(5200
eaOO.
Fraseos com superior oleo Alocme a 300 rs.
Calnhgas de sabio transparente muito bonito e fi-
no a 240 rf.
Duzia de paos detmuada do Reino, da melhor
qualidade a 240 rs.
Pecas de tiras bordadas muito finas a 500,660 e
800 rs.
Ditas de babadinhos com dez varas a 600 rs.
Carriteis de linha de telas as ceros, para acabar
a2Qrs.
Garrafas com agua divina a 15300.
Fra-cos com superior macaca perula a .120 rs.
Caixas de vidro com deizc didaes, que s a caixa
valediuheiro a200rs.
Ditas de madeira com alfmele?. o que ha de me-
lhor a 320 rs.
Grasas de botqes de louca, lisos e bordados a
10 rs.
Caixas redondas para rap emulando tartaruga a
1^500.
Pecas de lita para eos da melhor qualidade a
SOOrs.
Escovas para limpar denles, fazenda que s a vis-
ta a 240 rs.
Ditus para limpar unhas de superior qualidade a
500 rs.
Graude liquidoqao.
'P proprietario d'autiga e"bem conlwcida
loja de mindozas denominada Beija Flor
ra do Queimado n. 63, com o fiortimento de miudezas que -existe,
tem deliberado prok'r a urna completa li-
eiuidaco, psra o que chama a altenrSo de to-
dos.
Pecas de cascarrilha de laa. HflO
Escova fina -para limpar unhas. 6Q(>
Mas de ditas....... 300
l Pente preto de barba. JOO
4 Caixa com apparelho de chambo
a 640, 4OO e.....1*300
Boneca de cera a l/>000,1^200,
3^200, 4$OO0 e.....
Os objetos sei o vendidos por -metade de ^PP3^11? de^ porcelana para al-
seu vaior, epara que opublico, nao suppo-
nha, que o presente annuncio urna HusSo.
o proprietario da di'la loja offerece urna .pe-
quena lista de alguniasmiudezes, com os seos
diminutos precoscomo abaixo se \er:
nao presentando urna lista completa de to-
dos os objectosque eslao expostos a venda.
pela razo de se tornar um annuncio muit<>
extenso e por consecuencia de eiifadonhn lei-
tura, .por isso apenas lemita-se as seguintes
Caixa de envelopes de cores. 600
Ditas de envelopes com tarja,
preta........ 900
Ditas de envelopes brancos gran-
des......... 700
Dilas de envelopes grandes e pe-
queos. ....... 600
Libra de 13a.para bordar, surtida 7*000
Duda de cartes de corchete fian- '
cezes com 24 pares cada cartao 900
Dita de colheres de metal prin-
cipe para sopa.....; 4*806
Dita de ditas para cha. 2*40e>
Concha de metal principe para ti-
rar assucar. ,..... 600
Botuadura para colete. 360
Pares de I uvas de fio da escocia
branca e de cores para homem. 600
Ditas de ditas para senhora. 600
Fita para sinto de senhora. 800
Pares de sapatinhos de casimira,
bordados.......1*200
Escravo futido.
Fugio Judia^6 do frrente, do engenho More
nos, da frgwefftlIe'ftmW Ainaro de Jahoatao, o
eocravo Lourenco, prefo, erionli. de 20 a 22 ar-
nos, seilicip!. -em ollieio. naluial deba nrovincis,
e com os .signaos seguintes. aliura regular.
Iwllos carapinliiif. pes codiprijos e fafla dse1.
da; este rscravo foi ee.nqirado a D. Mara dos
Arijos de S Brrelo pelo commendador Antn <>
de Souza Leo; p policiacs o eapilaes de campo a ea,ilui;i do dito
esmvo, e levarlo ao refenoo engenho, ou a na
do Imperador n. 77, I" andar, que sera generosa-
mente graii lirado._____^______________'-
Escrava fgida
Desapparereu do poder do abaixo assignaoc a
sua escrava crioula de nonie Benedicta, dando
tamhem pelo aOHM de Conivicjio, estatura regular,
magra, rosto comnrido o descarnado, falta de fien-
ses nfrente, postuma aetbbreVar-se, levon ivh
lido de chita clara con unas rodas lingindo flores.
chales de laa de barra j velho ; ella natural
deSerinhem, para onde se desconfa ter ella se-
guido : rogase as autoridades poiclaes e ao ca-
pilae- de cainpn a apprebensab, e leva-la na
da Imperatrir. n. W. I"ja, qM se gilMcati.
Joao Francisco l'aiedes ItTto.
U abaixo assignado reeommenda a captura
do seu escravo de nonie Joaquin, mulato, ugldc
lo sen sitio do Monteiro, comprado ao seus do-
nos os Srs. Joao (oncalves da Silva, Vicente a-
valeanli de Albuquerque e Alcxandre iGomes da
Silva, uesta cidade, por intermedio de sens pro
curaelores napessoa do Sr. Manoel Francisco *
valcantl, todos de Pao d'Alho e por interveocioc'
Sr. Sanios |ce>rrector de escravos). euju escravo v
tambem natural 0> l'ao d'Alho e tem os dsticos
seguinu^s: idade 3o annos, secfo do corno e nrr.
poucoalto, bigode, cabello nm ponen caraplnadi
c perneado, falta de denles, urna inflanimacao en
ciliada na una da mo efeqaerdfc falla a sertane
jo, muito descancada e mansa : loaron canii-.
madapolo e riscado de algodiio. e calcas de briro
pardo. O abaixo assignado mnito reeommenda a
captura (leste seu escravo todas as autoridades
e mais pessoas encarregadas da captura de escla-
vos, nao s pelas diversas ridades, villas e poyoa-
dos, como pelo scriao. para onde pode le seeuido;
proniette bem gratificar, e tambem a qualquei
pessoa que d'elle dr noticia certa : a dirigir*r
se ao seu eseriptoi io a ra do Crespo n. lo, ou io
seu siiio iv> Monteiro.
lWcile, 7 de anetao de 1860.
Antonio Jos Rodrigues de SomM.
5,-WOO
mo?o e jantar...... 23000
Jogo de Vispora..... 900
Caixa com papel branco c de co-
res......... 700
Infladores para vestido. ... 80
Carxa de linha de marca encar-
nada e arul....... 280
Sapatinhos de la para meninos. 400
Tocas........ 8<0
Cal branca de Jaguaribe a
1$500 o alqueire.
Acaba-se de abrir um deposito na prae;a
dr Concordia, junto ao armazem de carvao
de madeira, da verdadeira cal branca de
Jaguarifee, premeada na expsito, e traal-
quer otra que apparecer venda com esse
titulo ralsificada. Tambem alii se vende
cal virgcm em barris. mui firocurada para
engfiho. por ser igual a de Lisboa.
Atlinheiro ou a prazo
Vende-se um sitio menos de meia legua distan-
te de4a capital com casa de pedra e cal, bem c
semetricamentc plantado, com diversas arvores
fructferas, com larangeiras, limen-as. sapolisei-
ros pinheiras, romeira^, goiaben-as, ligueiras, ara-
caseiros, cafezeiros, fructa pao, limies doces, co-
quearos, bananeiras e outras,' baixa para capim,
pasto para vareas, trra parafiro^a, com viveros
e daae cacimbas de boa agua r na ra de S. Cun-
alo n. 20.
SGCS
O nico deposito de louca da fabrica do Barba-
11k> do (iibo, sito no pateo do Terco n. 12 desta
cidade, tem resolvido fazer grande abatimento nos
canos que tem recehido, os quaes ficam vendidos
pela sefcuintc tabella, a sabor :
De 1 1/2 peillegada cano vidrado por 800 rs.
De 2 ditas idem idem por lOOO.
De 3 e 4 ditas idem idem por 15200.
De 6 ditas idem idem por 24'ifiU
De 8. 9 e 10 ditas idem idom por 4i000.
fue para iss-j lem una machina apparelhada
para faze-los com perieicao, sendo cada um com
I tres palmos de comprimento, a sim como lem
1 grande sortimento de iunca, tanto vidrada como
para resfriar agoa. _______
Muito em conta
Farello a 4500 o sacco c milho a 400 rs., vinhe.
a 400 r-. a garrafa e caada a 2.8800, gaz a 440.
sabao a 220, azeite de, carrapato a 400, caf em
caroco a 220 a libra, isto no largo do Paraizo n
30,esquina da ra da lioda.
Fupio no dia Io de marco, do etiRe,-
nho S. Pedro da fivuezia de. Ipojura, o es-
cravo nardo de nine l'iamisco. de idade
30 a 35 anuos, officM de sapaleiro, a:
escura, alto c seco docorpo, soffredehe!-
me tem um dos tornozcllos mais grat,
bastante calvo, tem um tallio no qneixc.
gosta de embriagar-se, levou vestido calca
e jaqtieta de brim pardo e chapeo de fe
tro usado, cor parda, o dito pardo Francis-
co tem urna Iratia no Recifc e Um irmos
e tios na villa da Escada, cm Freixeira>.
Aiipib, por isso rnga-se as antoritlados
policiaes e capitcs de campo a pcMo o
mesmo, e quem o j>epar e o levar ao dito
engenho a entregar a Antonio Emilio Ir-
mao, ser generosamente recompensado.
Vende-se na ra da Iuqiera'riz n. 14, 1" an-
dar, .una escravinha de 9 a 10 annos.
ESCRAVOS FUGIEOS.
100$ de gratificado
Fugio uo dia 11 de Janeiro do corrente anno
do engenbo Batalura, Ireguezia da Kscada, o es-
cravo preto, crifiuJo, de 24 annos de idade, cha-
mado Marcelino, que foi do Sr. Joao da Cunha
Pereira, eujo escravo esleve no deposito geral, c
tem os signaes seguintes : alto, secco do corpo.
rosto muito marcado de bexigas, falla de denles
na frente, cor preta, sanio de chapeo do chile, pa-
letot e calca de castor, levando uin hahuzinho de
llndres com mais roupa, e suppoe-se estar na
Da-se 2OO0O rs. de pralilicaeau :i quem \ -
gar dois pretos que se auseritsraiii de-de o di^i
16 de dezembro do anno de 1868 do eujenho Potr-
bal, termo deSerinhaem, ou quem dilles der k-
licia certa; um delles ponime Joao Moiiieir.i. -
talara reglar, representa ter de idade 30 a te
annos. cor fula, e tem em una das faces um ta-
ino, bem fallante e sabe 1 r, olh's aboliead k ,
este preto foi comprado na caeia dO Hetife, qnc
j do dono linha fgido ha 4 anuo-, e foi captur.v
do no Monleivo, por issochama-se Ji id Miiniein .
o outro por nonie Jernimo ,que foi comprado ao
Sr. Gustavo bem emheeido nesla praea; altoi
regnlar, seeco do roqaO, e est bucando. mnil
divertido, rendido de ambas as \ci-ilhas, lem
mareas de chicote as costas : qnen i>> appi<
der, pode derigir-sc ao mesmo engenho l'ombal -
seu senhor, ou nesla praca na casa dos sen- y
nhore< Manoel Alves Ferreira & C. ra da Meso >
n. o segundo andar.
Fuirio de bordo rio palhabote nacional Am
yo, un mulato claro de nomo Justino, estatura re-
eular, cbelos earapinhados e mene ruiv s, pouc.':
barba, lem urna pinta preta no canln do olho dir
loe nm talho as costas ao molino lado,; levo
vestido camisa de chita ci m listas verdes, u"
ile nina cinta com borla encarnada para apc
as Misas, natural de Sania Auna do Matto r.
provincia do lio (rande do Nerte, para onde tal*-,
qoeira ir, e tambem muito desembarac.idn no fa'
freguezia do Cabo : quem o appreiiender leve-o lar. Kecommenda-se ans mes'res de 'barraca .
ao dito engenho, ou ra da
escriplorio do Sr. Rernardino
ber a gratificacao cima.
Senzala-nova n. 38.
Poulual, que rece-
a nnal.|ner pesaos que o agarrar, e levar a
do Trapiche n. 4 ou a bordo do referido navio q .
ser generosainent g-atificado.
4.
LISTA GERAL
9.
DOS PREMIOS DA PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDAS POR LE PROVINCIAL N. 402, A BENEFICIO DA MATRIZ DE NAZARETH, EXTRAHIDA EM 15 DE MARCO DE 1809.
S. PREMS. NS. PREMS.

U
8
lOOi
id
I ''
14
20
22
34
37
44
47
5
60 -
72
73
74
77
79
86
93
98
100
1
15
19
22
23
27
40
83
54
56
60
67
68
84
88
91
94
98
204
8
11
12
19
25
35
39
49
61
4i
8*
81
U
276
78
82
6
93
97
301
2
6
11
16
19
21
25
27
29
53
67
68
80
83
95
99
403
12
14
20
23
30
31
41
53 _
59
71
76
77
84
93
94
95
99
506
10
21
34
35
41
44
NS. PREMS.
na
49
M
56
68
69
70
79
86
93
94
95
601
6
8
14
18
19
27
34
37
3
41
42
45
48
49
50
53
54
59
64
7i
87
96
704
5
16
22
25
26
30
36
41
44
49
51
56
57
ii
NS. PREMS. NL MIEMS. NS. PREMS. N6. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PRE11S. NS. PREMS.|NS. PREMS. \S. .FREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS.
8*
4*
759
68
74
73
77
78
82
84
90
98
99
801
i
17
18
24
32
46
oi
54
60
61
66
77
78
85
92
901
2
5
7
10
23
29
34
41
43
46
47
49
53
61
65
68
85
86
88
89
90
i
8
4 i
993
94
95
97
98
1000
1
4
18
19
24
29
32
46
57
64
IB
70
77
79
87
94
95
97
1110
12
16
20
23
27
31
35
39
41
42
44
51
54
56
59
62
63
81
86
87
91
96
97
99
U
40*
44
1206
9
15
16
20
21
40
51
53
56
58
65
_ 6
67
72
_ 78
^_ 83
84
_ 05
9~ 98
_ 1301
2
5
12
, 18
19
23
27
28
29
38
42
54
61
62
64
75
84
_ 85
_ 86
_ 88
_. 94
1401
22
26
31
35
38
8*
4*
202*
4d
1439
41
43
56
61
63
67
72
77
80
82
85
93
1504
8
11
18
20
21
25
27
46
50
58
65
66
71
72
73
81
84
87
93
1607
12
13
22
24
28
30
31
32
33
39
4*
43
45
55
67
20*
44
i i i67o
76
77
87
92
33
1705
7
9
11
13
16
19
24
25
26
31
37
38
42
47
48
52
83
54
57
61
63
64
66
73
74
75
78
84
92
1807
11
16
25
26
34
47
49
50
53
55
56
44
84
4*
404
44
4
44
1857
64
70
79
93
94
1C02
7
10
11
1
16
18
21
23
28
11
m
40
41
49
62
76
79
80
94
003
9
96
.18
9
31
33
94
:i5
28
11
44
48
4
{9
7
69
73
73
f3
K)
2101
16
84
44
84
44
M 2122
28
29
33
35
39
42
44
48
60
66
69
76
78
81
82
84
86
87
88
91
94
2205
10
12
22
33
3o
58
57
60
64
70
71
:m
80
94
96
98
99
2300
4
6
9
13
il
18
23
35
I
84 2335
44
44
84
44
84
44
84
204
44
36
40
59
53
54
63
67
71
73
77
81
86
91
99
2403
6
15
18
25
26
27
28
34
35
36
38
40
41
44
57
87 -
99
2803
6
16
18
19
26
27
31
41
S
76
83

84
25S0
91
12601
8
10
12
18
36
48
50
57
58
59
65
68
74
77
86
88
0
91
2709
19
26
38
49
56
57
60
62
65
71
77
80
83
88
89
93
2800
4
8
' 9
t
t
24
27
35
46
S
04
44
44 2834
58
60
63
64
65
74
75
83
88
2901
20
23
28
30
33
34
38
39
42
55
66
67
70
81
87
92
3001
3
5
6
8
17
21
23
28
32
35
38
43
54
68
81
61
87
72
83
84
44 3131
93
3406
H
23
24
27
30
38
39
44
4
54
72
78
76
79
84
85
88
93
96
97
3102
19
28
30
32
33
35
40
44
45
46
I 48
J, 56
84 6*
204 9
44
84
44
44
70
73
80
86
88
92
98
1301
6
9
19
NS. PREMS.NS. PREMS. NS. PREMS. NS. P1USM$,
84
44
4:0004
44
3320
24
32
38
44
48
52
67
64
66
73
77
78
89
97
3400
i
9
10
13
18
25
43
49
52
53
54
64
68
70
72
74
75
76
77
79
82
88
89
91
92
3501
3
4
8
12
17
rf
ML .*



II
8
Diario tle Pernambuco t- Terca, fera 1C de Marco de 1869.
LTITUATRA.
A. queAt&o Monetaria.
( CohcJuio )
A commisso tambem nao teve razo om
neg*r a fluencia, que a diversidade de
moedas exerce sobre o agio do cambio." E'
sem duvkla que as fluctuaces dos cambios
nSO devem ser attribuidas outra causa
seno differenca das moedas, qual se
nao pude negar urna cesta influencia. Mr.
Beherens, no sea depoimento. pii-suuie que
urna uniformidade monetaria ivduiiria taes
fluctua?ow unta metade. m tal resul-
tado nio para se despresar, e se deve
persistir em lidar at alcanea-lo.
Aecrescentam os commissarios qae, sendo
duvid-sas as vantagens que o commercio
de retalho poderia tirar, e nao sendo menos
difflcil o orear-se o valor provavel d'ellas,
fica tambem mais impossivel o apreciar-se
a uldade, que o commercio em geral au-
felriria de urna maior facilidade as transac-
coes. Bssas vantagens. alias, taes como a
comparado do preco da* mercadorias, e
das estatistcas commerciaes, nao poderiam
ser realisadas seno por umacompletaiden-
tiflcacao dos systemas monetarios, e da
mesma uniformidade de pesos e medidas.
As moedas interna .ionaes seriam de summa
utilidade, a identidad* monetaria seria mui-
to mais proficua, e a similitude de pesos e
medidas vera a ser mais vantajosa.
Kis o que nada puder impugnar a com-
misso, e se a Inglaterra quizesse adquirir
immediatamente os beneficios da similitude
completa, no faltara- de encontrar urna
undosa acquiescencto na Franca, pois que
urna tal similitude de pesos, medidas e
moedas nao poderla ser bem oflectuada se-
nao pelo systema mtrico. Semelhante
uniformidade seria urna proeza humanitaria!
Mas deve-se licar embasbacado espera e
de bracos misados at ella chegar 1 Quem
tudo quer, tudo perde, resa um velho pso-
verbio. Assim, muito de crer que os
commissarios inglezes do inquerito em
questo cinittirarn una semelhante propo-
sico. com o fim de por meio de magnitica-la
muito evitar a solucao do problema, que
Ibes estava proposto.
Com effeik), ellas fallam logo deeniadana
difficuldado du se obteruraa coinpletaassimi-
laeio monetaria, as mdancas que um tal
factq causara na circulaco de cada paiz,
as quaes trariam comsigo numerosos in-
convenientes, menos graves, no dizer d'el-
les, nos paizes sujeitos a frequentes mu-
dancas monetarias, do que naquelles, onde
a mesma uuidade existe d'este muito lempo
e que. par assim dizer, j se arraigou nos
costumes populares. A commisso pensa
que nesse ponto seria diicil- Inglaterra o
alterar o valor da sua moeda soberano, a
qual permanece invariavel ha mais de cento
e cincnenta annos, e que as outras naces
da Europa, cujas unidades monetarias tm
passado por tantas mudanzas, poderiam
com menos inrommodo renunciarlas para
adoptarem o soberano como unidade do um
novo systema internacional.
Nao'seria de esperar, percorrendo-se o
relatorio da commisso ingleza, ve-la capri-
char tanto em repellir como moedas inter-
nacionaes os mltiplos de 5 francos, votados
pela conferencia de 1807, e em propor em
lugar eVfeso como unidade monetaria ao
soberano inglez. Seja qual for o valor
comni.'jcial do soberano, o expansivo de
sua circulaco nos dous mundos, e sua su-
perioridade ao franco como moeda de saldo
para gandes quantias; e nao obstante o
dito do director do fabrico da moeda nos
Estados-Unidos: a libra esterlina regula as
contas do mundo, ninguem dir que os
commissarios inglezes emittirum. urna feliz
idea. Por mais que elles se deleitem em
obsevar que bastara augmentar a moeda
franceza de 23 francos com mais 20 centi-
003, que a reduccao da moedameia-aguia
americana seria meaos forte se a aproxi-
inassem ao soberano de preferencia, etc.,
nem por tudo isso deixar de ser mc!io<
verdadeiro que o franco representa actual-
mente a circulado compacta de 130 milhoes
de europeus, contaudo-se com a Austria,
ligada por um tratado Franca e Hes-
panha que j decretou a reforma. Tanto
se nao aprsenla a respeito da Inglaterra:
contaado-se com Portugal, onde o sobe-
rano lem curso legal, restara smente 32
milhoes de europeus. E' verdade que an-
da restara as colonias britannicas; mas,
pondo-se de parte a India, cssas colonias
nao dan senao o total de II milhoes da Tal proposta rao poda ter si
habitantes e as colonias franco-hespanholas. 1 riamente : deveria sel o, como se t
submettidas ao rgimen da unja moteta-1 Mr. Jevons as phrases, que foram
ra, moutam a 10 milhoes. Aiuda d'esses
II milhoes de habitantes das colonias ingta-
zas se pode deduzir 4 milhoes de habitantes
do Canad, que sobordinarao sua adheso
conveneao de 1685 previa adheelo dos
Estados-Unidos. Nao la duvida de-.que ai no dominio monetario, do quo na potencia
Inglaterra tein os 150 milhoes de liabiliulesi poltica : a unilit aco. va proseguindo na
na India, porm ser o soberano a unidade' senda, que a Franja Iba trarou, u j t.'in
monetaria da India? Nio ser urna tal un
dade representada pela> ntpict de prata?
Nao estar o soberano computado legamen-
te em rupias, e nu ter curso legal sena
as estajees publicas, e nao as cuntas,
particulares .'
A Inglaterra,, pois, quanto ao algarismo
contado dos povos submettdos ao seu sys-
tema monetario, acha-si! em llagraute infe-
rioridad.' para com os Estados, que oom-
p5em a unio de 1835. Essa inferioridade
se demonstra, quando se examina, em que
Ora. nao tendo a Inglaterra probabilida-
tmio de de que o soberano venha a ser unidade
trteraacional, e como nao provavel que,
recusando a moeda de 25 fr., anloga aso-
- HOJA-.berano, mesma saoccianada que seja pela
cacao monetaria. No da de boje a pronos- nova conferencia, o qmvveni' significar esse
ta ingleza Bao pode ser reaAtaia: os- linlmfpedido de reoniio internacional ? Dever
consummados nao exereeHUmemis inhVwiiv ewe desejo significar um proceder britanni-
no principio desle pfeeenteartigp, _
Franca ter mettldo tnaoi obra da

arrcbauliado um grapa numorase ora -Ion
do cenlro comnjf'rial da-Euiapa; iimaeoft'
ferencia interaaciooal. reunida em 18157, e
compreheiidi'iido torlai ns jmte^ci^ da V.<\-
ropa e os Estados-rndoSMM.Aaejfita.*iil
sagrou os principios da nova Unao. A lir
glaterra nao seris capaz de destruir una se-
melhante obra, nem raesmo dever espe-
rado. Dew-se, portanto, considerara pro-
posta da real eo mnisso de inquerito como
mu xpedieote dilaUttw para fuU- tbt
Hmaresposta precisa ao objeeto. do um
paroella a Inglaterra e a Franca, a qual ape- accordo monetario entre a.Gran Btetanhae
FOLHETIW
os nuts be avim
POR
lie Berthet.
as urna fraccSo d'esta uni3o, contribui-
ram ambas para se cunharouro desde 1702
at 1866. Segundo o? algarismos apresen-
tados na conferencia internacional por Mr.
Rughles, delegado dos Estados-Unidos, a
Inglaterra cunhou 4.875 milhoes de fran-
cos, e a Franca 6.565 milhoes. Urna iu-r-
formato, emanada de outra origera, avaha
a cunhagem ingleza em 4 812. milbes,
somma um pouc superior a de Mr. Rug-
yles, mas que ainda assim fica inferior cu-
nhagem franceza. Deve-sc accrescentar que
desde atguns annos a cunhagem de sobera-
nos cessou na Inglaterra, o que se attrbuc
cessacSo da exportaco de tal moeda.
Pelo contrario, a cunhagem dos napoleons
nunca parou era Franca, que hojo em din
possue a raaior quanUdade de ouro cunhado
em moeda, que existe no mundo.
E em semelhante situago de inferiori-
dade numrica de populago,*e menor mas-
sa de ouro em circulago, que a Inglaterra
vem pedir Franca e a seus alliados mone-
tarios o renunciarem as suas antigs moe-
das para adoptarem o soberano como uni-
dade nova de circuladlo ? Demais disso, nao
ser irreprehensivel essa tal unidade que
rom as suas subdivises absurdas apresen-
tana ao calculo arithmetico difficuldades
nsuperaveis e abstrusas ? Pois siriam a
Franca e os.Estados-Unidos, que deveriam
renunciar a diviso decimal, to simples e
natural, de suas unidades monetarias para
adoptarem o soberano com a sua estram-
btica comitiva de coras, Horras, schillings
e peniques ?
A adopeo da proposta ingleza acarreta-
ria Franca a necessidade de cunhar do
novo toda a massa de ouro francez, que,
como ficou demonstrado, muito superior
ingleza, e est em melhores condiebes de
circulaco. Urna nova cunhagem nao seria
elfectivamente de nocessidade para a Fran-
ca, senao no caso pouco provavel delta' re-
nunciar a sua propria unidade monetaria.
Nao se daria o mesmo a respeito da Ingla-
terra ; pois que, quer a libra esterlina seja
reduzida com 20 cntimos menos do seu
valor, quer ella continu a ficar no seu va-
lor integral, a recunhagem do ouro britan
nico nao deixar de ser urna necessidade
prxima. A diminuico de metal nos so-
beranos, causada, como acontece em toda a
moeda corrente, pelo muito gyrar no trafe-
go, roi averiguada [tela real commisso d'in-
querito as seguintes proporcoes: de 100
soberanos, tomados como termo de expe-
riencia, 6 esto cima do peso, 68 estao nos
limites da tolerancia, e 28 ticam abaixo de
taes limites. Se comparar-seo pesodesses
soberanos com a da futura moeda de 25
francos, achar-se-ha que d"entre 100 sobe-
ranos, 54 pesam de mais para poderem cir-
cular com o valor de 25 francos, que 38
tem o peso equivalente a tal valor, e que
os restantes 8 tem um valor inferior. Em
condicoes aiuda mais defeituosas tambem se
acham os meios soberanos. As despezas
com a recunhagem de 100 milhoes de sobe-
ranos.que se presumera na circulaco, esto
avahadas do 150 a 200.000 libras.
Essa tal recunhagem da moeda ingleza
de ouro, que se faz necessaria e parece
prxima, dar a Inglaterra urna excellente
opportunidade de equiparar o seu soberano
ao valor de 25 fr., se ella fr menos rebel-
de a toda a proposta de reforma, que vier
da Franca. Em todo o caso, urna tal situa-
Co nao surgi gara se augmentaren as
possibilidades do soberano poder vir a tor-
nar-seuma unidade monetaria i.iter.iaciona'.
os paizes 'la t'nlo dc'KWS.-
0 que autorisa a pensar se assim o pro-
prio relatorio da coinmissio. Com ulfeilo.
ve-se per esse documento que os commis-
sarios, ao'passo que propoem coiim moeda
internacional:q. seu soberano em lugar de
firaiicus, levantando dassa in,a,ueu-L am
scisma, e nao tqulo uiua eonfianca exagera-
da na sua propo>.ta, examinain o que con-
viia faier-se no caso da moeda de 2o fran-
cos vir a ser adoptada pela Inglaterra. Pre-
sumem ellas qpe a reduccao do soberano
nao se poderia eiTectuar sem urna escala.de
compensar.) paiv a. conversao das dividas
antigs em novas, reviso decontraetos exis-
tentes, e computaco de presos e salarios ;
mas; quft nos casta, em que a com|ienMQ)
nao se pudeso elfectuae, come em sem-
inas inferiores a i schillings, a perda mmi-
ma, que disso resultara, nao deveria servir
co, que tend a impedir que o congresso
dos Estados-Unidos adopte neste invern
a proposta de Sherman. que identifica o
dollar iib a moeda de 5 fr., e que por
essamaneira a unio de 18(5 viesse a fi-
ar mais robustecida :'
O voto dossidos-t:nidiy de immensa
ifipartaaeia par a Inglaterra: porque no
rta en que a poderosa repblica do norte
da America, aggregando a sua concepeo
monetaria todos os outros estados do novo
mnndo, concluir com a Franea nina allian-
ca monetaria, npo mais ser faril Ingla-
terra persistir no seu solamente.
Foi prosegnindo por ossasenda, relativa-
mente modesta, que em 1857 a Allemanha
conseguio urna especie de unificaco monc-
tiria por raeio de equarao: 4 tlmlers 6
florins d'Austria7 ITorins da Bavicra; e
tambem foi assim que o grupo da unio de
1865 aggrcgou a si a Austria por meio da
convenci previa de julho de 1867 E' de
fcrer que seja esse o nico raeio pratico de
se conseguir a unificar monetaria; e
quanto ideotidade completa, pedida pela
Inglaterra, nada obstara a que no da em
ipie o mundo inteiro, ou pelo menos as
prncipaes na$5es commerciaes formassem
urna federaco monetaria, nao se pudesse
outo agitar e resolver essa questo de iden-
tidade com tomar-se como unidade urna
das mondas que estivercm em uso.
Sem duvida melbor soria poder-se che-
gar logo de urna vez a tal resultado; po-
rm a. reforma monetaria, em razo das
susceptibilidades de nacionalidade que ella
le obstculo para a reforma, se ella fosse j suscita, e das dilliculdades que se encontra
considerada materia de ululado publica.
Aecrescentam que essa osoala de conversan
nao se poderia evitar, cmo o prnpuzeram
Me Sniithe Hendricjs no curso do inque-
rito, pelo estabelecimento de um dimito de
braceagem de 1 '| sobre cada soberano.
Esse direito diminuira incontestavelmente,
o soberano, que evidentemente nao poderia
circular com dous valores dillereirtes, em
Inglaterra o de 25 francose 2G.c,.,em Fran-
ca 25 francos smente* Semeiliante direi-
to nao deveria ser instituido senao para evi-
tar que a Inglaterra cunhasse de greca, e
por consequencia em prejnwo de seus con-
socios monetarios, entre os quaes vigora
tal direito.
Nao sao smente os testemunhos desses
commissarios, que denuncian* a posea f,
que elles tem na moeda soberano: ainda
outras prpvas mais se encontrara as conclu-
ses de seu reatorio. Elles, com eieito,
estatuem no tal documento que todo o con-
venio internacional deveria ser precedido
por um antecipado airanjo cominum sobre
as bases da circulaco da moeda interna-
cional, de sua liga, e de suas sub-livses e
mltiplos.
E' un) trabalho, ipie j esUi feito. e nao
se enxerga a ultilidade da reuniao dessa nova
conferencia nem se pode athar qiral siria o
novo programma em (me ella se empenha-
ra. Lisonjear-se-ha talvcz a real commis-
so na esperanca de que a libra esterlina
possa vira ser adoptada como unidbde mo
nefaria 1 Seria isso urna illaso muito singu-
lar na .tmlidade dos resultados (ta confe-
rencia de .1837 e o voto, que decidi que
o systema francez fosse a base da uraficacao
monetaria.
Se por acaso se reuuisse a nova confe-
rencia, pedida pela Inglaterra, e que es esta-
dos que ella concorressenl. quizessem ir
mais adianto de 1867, eestabelecer adea-
tidade monetaria em vez de simples- equa-
Ces, nao seria o soberano que obteria a
maioria dos votantes, mas sim a moeda
projectada de 10 francos vera a ser a moe-
da internacional de saldo. Como tai ella
fra aprsentela conferencia de 1867 por
dous delegados da Suecia e Noruega e um
de Portugal. Foi proposta a seu giverno
pelos dous commissarios- inglezes. Mr. (ira-
ham e \lr. Wilsoa, e tambem foi defendi-
da em acto continuo de inquerito pelo de-
poente Mr. Len Levi mais dous filtros.
la bem eflectivaaienle' representa 8 scliie-
lings de Inglaterra. 2 dollars da Americl.
4 florins da Austria, etc., e portanto nada
seria mais fcil do que a converso das an-
tigs contas nessas novas unidades.
i
IV
A baha de ca.vcnna.
(Continuaco do n. 59)
Fallando assim, o fonjado baa cora o'
p no chao, arrancava 'os cabellos e dava
todos os indicios de urna raiva impotente.
Josephina recura espavorida, emquanto
Grandval e Miguel observavam com des-
confianca o-furioso.
Acalmando-se, por^m, um pouco, pro-
seguio em tom meio ameacador, meio sup-_
plicante :
Agora, capitn, que j sabe como as
cousas me correm, eptou que me nao ir
denunciar : seria ama eovardia, urna mal-
dade, e de certo est seuhora o nao per-'
mittiria. A sua demora- em Cayenna nao
ser grande... tres ou oito dias o mximo
provavelmente. Durapjte- esse tempo ficarei
aqui escondido no ppro. Quando tiver
deixado a Guianna franceza. deitar-me-ha
onde quizer^ou n'qm ftayio estrangeiro que
encontrarmos ou n'uma ilha dizerta, se isso
lhe aprouver. Ein, todo o caso, procurarei
a minhalib^flade... Es^ tratado, nao
isso ? Nas desattendijm assim os. rogos
de um pobre desgracagji I
Apesar dos termas violentos d'es>e. ho-
mem, Josephina sjjptifr-se profundamente
impressionada e difigi^ a Grandval olbares
supplicantes. O joyen capito estava soria-
raeute embaracado.
Lamento ter de lie dar urna recusa,
disse este afinal prJrra o qqa me pede
impossivel d se gra Tcr. A miaba de-
mora em Cayenna e n fs pontos da^ colo-
nia pode prolongar-s^ mi ou dpus mezes,
e en nS poderia occulta-lo por tanto tem-
po no meu navio. Alm d'isso, toda a
trtpolacao conhecedora d'este aconteci-
mento, que teoho forcosamente de coasig-
nar no diario de bordo. Nao posso res-
ponder pela discripeo dos meus marinhei-
ros, que h9o de ir frequentes vezes a tr-
ra. Urna palavra indiscreta -bastara para
o perder, e eu ficaria compromettido pelo
auxilio que lhe dsse.
Josephina compreheodera a forga d'estas
razoes, e por isso desviou a vista, laetiraart-
do-se ; o forcado, porm, nao podendo
mostrar igual resignaco, exclamo :
' Ah isso assim t Quer-me entre-
gar? Com um milho de diabos, capto,
se commette essa infamia, creia que m'o
ha de pagar caro !... Ainda me n5o co-
nhece I Tenho sido as gales juiz da pri-
sto e saiba que nao sofro urna affronta
impunemente 1 Vingar-me-bei 1 Meterei
a pique o seu navio, fflzer-lhe-hei perse-
guir os seus marinheiros mesmo as ras
de Cayenna A si proprip farei que al-
gum"negro dos que dasertam para o mat-
lo lhe metta no corpo urna selta envenena-
da t Nao faltar all tambera a plvora I
Fazer-vos-hei saltar a todos pelos ares com
mil diabos!
Aquelle que assim fallava, com os olhos
esbugalhados e os cantos da bocea a espu-
maren!, nao pareca inspirado por vaa fan-
farronada : de facto era elle capaz de todas
as perversidades que indiora, porm o
capitao Grandval nao era fcil de intimi-
da r-se.
Mais baiso, Sr. forcado disse
elleNao creia que me assiista. As.suas
ameacas, em vez de me. dVom cuidado,
delibram-me talvez a raajs severo proce-
ditnento Seja dcil, que o melhormeio
e o mais conveniente. *'
0,-proprio Rigaot conleceh que se havja
excedido.
Tem razao, nao andei l^em t dis$e
elle com urna franqueza simulada -* Mas"
isto sao tudo palavras... Vamos : seja
generoso e livre-me de difflcqldades. Olqe
que n3o se ha d arrepeader.
N'este momento fea-se dudo sobre o
con vez. Em seguida appareeeu o grumete {
participando que.acabava dp atracar, um
escaler e que os empregados de marinha
quriam fallar ao capitao.
J l voudisse Grandval,. mandanv
do retirar o grumete.
Empregados da marinha frepeto o
degredado, buscando com a vista um ponto
de refugioCom mil diabos I Dar-se-ha
caso que me andera na pista?
-1- Nio de presumirrespondeu o ca-
pitnSegundo me acaba de dizer, acha-
va-se internado na ilha Real e talvez ainda
se ignore em Cayenna... Provavelmente
sao ofliciaes do porto que vem visita do
estylo. Eu nao me responsabHiso pelo re-
sultado, mas vou fazer diligencias em seu
beneficio.
E, dirgindo-se a Josephina, disse-lhe :
Nao quer recolher-se ao sea- cama-
rote .?
Josephina rospondeu com algumas pala-
vras em voz baixa.
Olhe que nao faz bom d'este homem,
redarguio Grandvale depois receio qua
elle po saiba manter-se co o respeito
devido.
Miguel ficar*; contigo.
Assim concordo, tanto mais eue eu
nao me demoro.
E Grandval subi ao con vez.
O forcado prestara o ouvido.attenlamen-
te ao rumor externo, e diligenciara ver,
pas portinholas di) navio o que se pissava,
muito arraigadas as populaseis, urna
daquellas que passo a passo se ir o[ierando
gradualmente. E no da era que, cami-
nhando semjwe com perseveranca e crite-
rio, se conseguir formular eqoaces singe-
las entre as diversas unidades monetarias,
os autores da reforma devero com justsi-
ma ufana applicar a suas entidades o das-
sico dito do Horacioejreyi monumeHttnn
isto acabou-se de erigir um monu-
mento, sentado, sobre a solida base da uni-
ticaco monetaria, deixando-se ao porvir a
trela ulterior de respigar nessa to grande
obra humanitaria. %P. ROVX.
POUCO DE TUDO.
MODAS.Dos jornaes de Lisboa trans-
crevemos a seguinte dosnipeo das ultimas
modas de Pnris:
* Apezar de estar prxima do sei termo
por este anno a brilhante estacodos bailes.
rinda continoam- as modistas a ocenpar-se
du grandes toilettes tanta para aquello effoi-
to, como para soires.
Visitando'divcrsos estabclecimontos da
modas vimos vestidos de vaporosa finura e
de extrema riqueza. Um que achei de bo-
nito eieito erado gase de Chamber/ com
litlas assetnadas brancas e cor de rosa,
saia de cauda, corpo degotado de setira cor
de rosa, tendo basques que formam urna
segunda saia redonda na frente, e levantada
aos lados.^O corpo aberto na frente, dei-
xandu ver um pequeo peitilho de gase igual
saia. Um folho estreto de setira guarne-
ce as mangas curtas, o corpo e a basque.
Largo cinto de setim fechando ao lado, com
grandes pontas.
Ura outro vestido tambem-lindissima, era
de tarlatana branca; a saia formava dbos
grandes poulfs; o primeiro de cima termi-
nava por um folho debruado de setira bran-
co, cujo folho subindo aos lados formava
avental ra fente, e tinba em toca a roda
ao pregar, urna guirlanda de narcisos, O
segundo pouff ebega ao lirada saia, forman-
do cauda, estreitando para a frente, o, tam-
bera guarnecido por baixo com um folho,
e em vez de grinalda 6 salpicado com.pe-
queos narcisos sollos; corpo degotado,
tendo urna grinukla de narcisos a formar
berthas terminando no hombro djreito por
mna grinalda fluctuante.
Outro vestido anda mais bonito, era de
setim corde rosa, a saia do eauda formava
grandes pregas atroz e aos, lados, e tinha
por baixo um rico folho de renda de Ingla-
terra. A segunda saia de estylo princeza
forma grandes recortes por baixo, sendo
estes recortes divididos por um grande tufo
de setim branco, que sob.-- at i cintura.
Um folho de renda igual ao que topua pri-
meira saia, guarnece a segunda, seado apa-
nhada no fim de cada recorte, onde coraeca
o tufo de setim brauco, por ,uma rosa. Es-
ta segunda saia forma na frente um avental
de setim branco ligeramente franzido ; cor-
po liso de setim cor de rosa, guarnecido
no degote com urna renda. Mangas for-
madas por um tufo de setim branco. Cinto
de setim formando atrar um pequeo laco
sem pontas.
Para toilettes de jantarou soirts.can-
titnam a ser muito usados os vestidos de
tulle preto, sobre outro de setim ou tafet
de cor clara. Estes vestidos de tulle sao
mais curtos do que o vestido de baixo, e a
saja guarnecida na borda interior, com
urna renda e ruche irmdo vestido de bai-
xo. O corpo de baixo degotado; man-
j gas curtas, e o de tulle subido e mangas
| compridas.
Diz-se que as confeccSes sero de todo
baoidas este vero, e que as damas aban-
donando os parfassus, saho s com os
vestidos enfejtados, simulando confeeco
um camargo ou tnica do mesmo vestido.
Por emquanto ainda isto se nao v, nem a
temperatura da estaco o permute. O que
apparece muito sao os costumes, alguns to-
dos de veludo guarnecidos de pelles de urna
grande riqueza. Um d estes costumes que
vi, e achei muito bonito, era a saia de se-
tim violeta tendo por baixo um folho em
pregas, e cima um galo da mesma cor
violeta. Casa de veludo da mesma cor,
apanhado aos lados por urnas rosas de se-
tim. Cinto de setira com pontas. Os ca-
saros justos com cinto, continuara a ser usa-
dos. Para os costumes ordinarios a camise-
ta russa tem quasi feito desapparecer os
corpos dos vestidos. Fazem-se algumas de
setim com bandas de veludo: outras de
velqdo iiarnecidas de setim; outras de se-
da preta, podendo-se usar com todas as saias.
Tambem se fazem. muitas de fmtlard esco-
cez. Para o vero continuaro a ser raui-
usadas em nammli.
Os chapeos continuara sem alteraco,
sendo a fancho diadema muito elevada
na.frente, a forma preferida, e ornados com
urna flor oh urna ploma. O chapeo de ve-
ludo preto semf re o preferido pelas da-
mas econmicas, ornado de urna flor ou
pluma de cr.serve para passeos.e mesmo
para visitas de amizade. Para grande toi-
lette sao "usados os. de veludo era cor clara.
Vamos descrever aigURS toilettes dos
que nos pareceram mais elegantes.
t f. toilette d baile.Vestido de setim
malva: a primeira saia tem por baixo um
folho estreito de renda formando recortes,
e cima da renda pequeos lacos de setim
Segunda saia formando urna basque, guar-
necida com um folho de renda c apanhado
formando recortes, com locos de setim.
Corpo degotado cem una bertha de renda,
apanhado sobre os hombros com tocos de
setim. No pinteado um pouff d setim mal-
va, do qual sai urna pluma branca.
2. toilette para soire.Saia de tafet
vente claro, de cauda, corpo subido atraz
e aberto na frente em quadrado. Basques
guarnecidas com umaestreita guipure, bran-
ca i! apanhadas ao lado e atra, formando
ponlf. As mangas estreitas chegam s ao
cotovelo, tendo um folho de tafet guarne-
cido db guipure. Cinto redondo, fechando
com urna rosa de tafet e guipure. Por
baixo do corpo do vestido tem um fich
de tulle brinco, guarnecido de guipure. Ao
pescoco urna medalha presa com urna lar-
ga fita de veludo preto, Braceletes igual-
mente em veludo preto.
3.* toilette de visita.Vestido de seda
violeta. Saia de meto cauda, tendo por
baixo um folho estreito em pregas. Casa-
co justo guarnecido com o mesmo folho, e
apanh do aos lados por uns tocos sem
pontas da mesma seda. Cinto formando
urna lacada atraz cora, duas largas ponas
gu unecidas em baixo bom o mesmo folho.
Chapeo de veludo violeta com rosas bran-
cas.
presenca e a de seu irmo mudo. Se nao
e isso quem sabe oque elles fariam I Mis.
emfiinnunca sedeve perder a esperanca
de todo... Com que entao acha-se n'este
maldito paiz ? J que veio, ha di) contri-
buir para que eu obteoha a miuha liber-
dade.
Ah Sr. Rigaut, o que rao pede nao
depende de mim nem talvez do capital
Grandval.
Deixemos-nos de asnoras Com
qoem tenho a contar *com a lilha de Ber-
tomy. Concordo que nSo seja a esposa do
capito, mas vejo que tem influencia sobre
elle, e parece-me que deve fazer alguma
cousa em beneficio
cido.
Esta familiaridade nao agradou. muito a
Miguel, que se poz a resrauugar.
O forrad, virando-se para el.o, disse-
lhe:
E tu, mou surdo tambem agora te
reconheco : nao eras n!aquelle teupo t>
crescido, mas, com os demonios l ests
bem. espigado I Ests ura valento I A
noute passajla viravas-me na cama como
quem moveuma penna I.
Estendeu a mo a Migad, qu) retiou
a sua.
Ora esta I resmaagou Rigiut, fran-
tfindo os sobr'olnosIsso. nao sao maueiras
de receber um ;amigo de, seu pai
lhe:
--.Sr. Rigaut... nao o sepfroij ?
O toreado ficou sorprendido,
., 2ra e,sta COnhece-me ?exclamou
elleTenaos outra I Pois
a mulher do capito,?
a seuhora no;
Nio. Son ajienas urna pasagira a!
bordo d'este navio. $bu a filtra de Berto-1
my efeste meu irmo Miguel.
Rigaut, porquante era elle, examine
attentahietite os deas. r
Ora como as^jougas acontecen Com
effeito, acabo de os Veconhecer, A lembr de a ver m tribunal com 'o seu
fato preto, e-os ollws pizados de chorar, e
do effaito que proiuzio nos izes a sua
de um antigo conhe-
AVENTURA MYSTERIOSA.Os jornaes
francezes teem fallado em urna tentativa de
envenenamento, revestida de circumstancias
extraordinarias. A Gazeta dos Tribuaaes
de Franca, rectifica algumas inexactides
que se teem publicado, e conta assim o que
se tem passado:
A senhora X. que reside na ra Pen-
thivre, foi procurada na sua residencia, ni
dia 29 de Janeiro, pelo conde polaco Kzi-
la fora. Em quando elle.se entfegava a taes, Nao v, que elle o nao pode entender?
preoecupaces, Josephina appfojiimou-se-v acudi Josephina Ora pois, Sr. Rigaut.
lhe da sbito e com voz sumida, disse-; flue noticias noj dde meu ppi?
E easei d'elle? Separara u-nos ha
tres mezer. talvez que durante a minha
',
estada na ilha Real "o mandassem par^ o
interior do paiz. Isso, poqm, pouco im-
portaria a Bertomy, camtanto que, .tenha
um.baralho de cartas no bolso e que pos-
b jogar a s^, raco com o primeiro que
Jhe appareca : todos os,.Jugares lhe con-
vem.
- Valha-me Deus I exclamou Jos;
phiqa dolorpamenteNSo estar meu pai
"im Cayenna ? N'esse caso, n3o o gpderei
! ver hoje, como tanto desejava I
Nao lhe faltar oc^iiao do o ver.
Posto que nos outros tifo temos a Iiber-
dade de passearmos de bongala na mo,
I
nem por isso ha dlBculdade em sermos en-
contrados. Mas no ahi que bate o pon-
to, minha rquinha ; agora trata-se de me
salvar, evitando que os guardas dos forra-
dos me deitem a aha.
E como conseguir isso ?
Havendo bons desejos, fcil imagi-
nar alguma estrategia. Dem-me um fato
de marojo : sei desfigurar o rosto ; passa-
rei como homem da tripolaco. Nao fal-
tam estratagemas; o caso saber aprovei-
ta-los.
Esperemos a resoluco do capito
Grandval.
Adeus Tenho visto que elle se
subordina sua vontadedisse Rigaut com
riso sarcastico e estou certo de que nao
capaz de a contrariar.
Josephina, fazendo-se corada, balbuciou :
Eiigana-se, senhor. O capito Grand-
val para comigo ura protector, am ver-
dadeiro amigo; todava" existe um meio
seguro de grangear a benevolencia d'elle.
Qual ?
r Cr*io que est ao seu alcance- indicar
onde se aeha o testamento de Jeronymo
Guecinot e de que o tabeliio de Bolboc era
portador na occasBodo,.. si muro.
A physienomia de Rigaut mniou-so sonv
bria. ,
* Com mil diabosJ Bertomy tagare-
lou !*~-d{3se elle com ar enfurecidoSem-
pre levo aquella lihgua. comprida f.. Va-
raos, supponha que eu respond aflirmati-
vamenlfl.
iSe.o.>senhoP ma diz onde se acha
aquelle testamento, crea quo o capito nu
perder raeio aigam de o sub|rahir s pesr
quizas das autoridades.
E qne interesse da sua parte e da
d'elle anda ligado a esse negocio?
Josephina conheeeu operigo, de revelar
os soiis segredos a tal homem.
* nt simples, interesse dajustare-
plicn ,ehV A djapparico d'esse papel
causoq gravissimoa transtornes a urna fa.
milia...
- Bom I Ahi ha mais ou menos.... mas
emlim, faca o que poder em meu,beneficio
e depois veremos,.
Oh! meu Deus I j lhe disso, Sr.
duiakowski, que ella conhecia por have-lo
encontrado duas ou tres vezes em casado
pessoas do seu conhecimento. 0 conde
Uisae-Mie ^ue a procurava para lhe revelar
um segredo imp^rUnte, mas que reflectin-
do melhor, achava mais acertado dilTerir
para mais tarde osla revelacao. Depois d'es-
ta declaradosahkunas voltou amiu e n'es-
sa occasio declarau o lira para que vinha.
Sem mais prembulos, prouietteu se-
nhora X. 20:000 francos se ella desempe-
obaese fielmente a commisso de qne a
queria encarregar; sendo instado parase
explicar com mais clareza, accrescentou
que se tratava de intrigar um sogeito no
baile da opera e de lhe oflerecer uns bolos
preparados. A Sra. X qoTz saber o que
tinbam os bolos, e o conde disse-lhe, qne
estavam temperados de modo que quem to-
rnease um s d'eltes de vi a ter todos ossymp-
tomas de urna conpstlo cerebral.
t O conde ajusta coma Sra. X. ir bus-
ca-la no dia seguinto- noite para a aeem-
patiar ao baile da epera, e que ahi, depois
de lie indicar, a pessoa a quem ella devia
offerecer os bolos, se estes fossem aeceitos,
Ibeentregariaos 20:000 francos promettidos.
< Logo que P conde parti, a Sra. X.
participial tudo autoriilade. e na naite
seguinte foi preso pelo commissario de por*
lica da Cliausse d\ntin, em. casa da Sra.
X., o conde polaco, ao qual, sendo apal-
pado, se encontrou um embrulbo com bo-
los. Timbera foi preso um exudante de
medicina chamado Massou, que mascando
com um domin preto esporava o coude
dentro de urna carruagem porta da Sra.
X. Ao eirecluar-se a prisfo, Massou pre-
teudeu deitar fra done bolos que tinba na
algibeira.
O processo prepm?atorio foi incumbido
ao juiz de instruccao Gonet. Os bolos eram
destinados para o duque de BoaulTremoot.
Um chiirieo analysou o bolos encon-
trados em poder de Massou, e nao deaco-
brio n'elles prepararn alguma venenoM;
as materias estranhas sua composico or-
dinaria eram pedacos de gomma arbica,
impregnados de tinta descrever.
No dia 9 d'este mez juiz Gonet man-
dn provisoriamente por em lberdade o es-
tudanta lAsaoq compromettendosa elle a
comparecer em juizo logo que fosse" cha-
mado.
Emquanto ao conde Ezidniakowski nSo
havia nada resotvido a seu respeito.
Em 1 i de fevereiro o juiz Gonet, en-
caregado do processo preparatorio, decla-
rou por seu despacho que nao havia funda-
mento para proraliraento jucicial, contra o
conde Siemikowski (eno Ezdniakowski
nem contra o estada nte Massou, por ten-
tativa de envenenamento contra o duque
de Beauflremont.
O jniz nao pronmiciou os indiciados,
nao obstante a confieso de um d'eHes pe-
rante o commissaiio de polica, por nao
constitu rem os toctos provados os elemen-
tos essenciaes docrinae, segundo alei penal.
Nao basta a. existencia de alguns prepara-
torios e a intenco criminosa: preciso
alera d'isto que baja um principio de exe-
eueo para que se d a tentativa legal..
Para baver envenenamento ou tentati-
va de envenenamento, era necess; rio que
se achassem vestigios do veneno, e os peri-
tos que examinaram os bolos declararan
que a nica substancia estranha sua com-
posico usual que encontraran!, era gomma
arbica impregnada de tinta de escrever.
O conde de Siemkowski contiinia pre-
so por ordem do juiz.
Diz-.se que ser posto dispoaieao da
autoridade administrativa, em razao da sua
qualidade de estrangein. para ser condo-
4o at fronteira, sendo-lhe prohibido
residir em Franca.
ERRATA
No poema, hontem publicado. -Jeram-s.
alguns erros, dos ipiaes os princijwes sa<>
os seguintes : na I." parle, 1.a estrophe.
lia um verso trocado, i.a :;.' parte-, 6.* es-
trophe, em vez de air Jobo Falsioff, leia-
ultima estrophe em vez de bon-\ivart lea-
se sir John Falttafl". e na N bon-
\ivani, na 4.a parte, 8.* estrophe em
vez de. das ilhas macerada, leia-se dos
olhos macerados : na mesma esl ophe em
vez de seu cantar era termo c vaporoso,
leia-se seu cantor era terno e vaporoso,
ainda na mesma estmphe em vea de M.
George Sana, leia-se M. George Sand, etc.
E mais outros erros de que fcilmente o lei-
lor fiar a correccSo.
ltigaut, que por mira nada posso, porm
quando o Sr. Grandval souber...
Eu pie nao me fio d'elle! E' um
falso quo me quer denunciar, se o nao fez
j, com todos os diabos I
Esta ultima exclamar*) tinha por causa
um ruido de vozes e passos que elle senta
approximarem-se rpidamente. Muitas pes-
soas davam entrada naquelte recinto: alm
de (randvat, vinham ura soli-comraissario
de marinha fardado e um official de infan-
tera, commandante da guarda dos torea-
dos, e na retaguarda alguns marojos da
Prosperidade, requisitados sem duvida
para prestarem auxilio no caso de neces-
sidade.
Rigaut tornou-se lvido.
Bem dizia cu que- o tratante me ven-
der !
E, agarrando n'um p de cabra, arancon
para Grandval, porm nao contara com
Miguel Bertomy, que lhe espiava os movi-
raentos c que fcilmente o susteve. En-
to o commissario, sorrindo-se, disse :
Se nos restasse alguna duvida sobre
a identidad* d'este homem, deixava. agora
raesmo do existir, por quanto elle propria
acaba de se denunciar.
Mas a mim nao me resta neahuma,
acudi o ofliwal porque reconheco n'elle
perfeitamente o forcado Rigaut, que esleve
sob a minha guarda.
EtUe, vendo a nuMidada de qaalqner
negativa ou resistencia, deixou-se manietar
sem pronunciar urna palavra.
Ah t Pedro, o que foi azer disse
Josephina baixinho a GrandvalEa-ia tal-
vez resolve-lo a-revelar-me...
Nao estava na minha mo occulta-lo
redarguio-lho este igualmente Anda
agora, quando eubi ao convaz, ja estes se-
nsores samara pelo pUato da preeenca a
berilo do supposto nautago e exigiram que
Ihfa.apreseatassii. Oog||aer opposicao da
miaba parte seria urna loucura.
*

f
l
v
'i
(GmtiKMr-teJu).
fFr. do wARio^SfTbig ctvzn i. ,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELAL9VFOC_HJBZIS INGEST_TIME 2013-09-13T21:55:45Z PACKAGE AA00011611_11792
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES