Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11791


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ff
"
^^^p*^
\

ANNO XLV. NUMERO 59.

PARA A CAPITAL E LGABSS OJffiE JA6 SE PAGA POBTE.
Por tres mezes adiantaiios.................. e-jooo
Por seis ditos dem...... 42OOO
Por um auno idem. .' .' .* .' .* .* .' .' .' .' '. ". [ ', [ 2W000
Cada numero evulso...................' ^320
SEGUNDA FEIRA 15 DE MARQO DE 1869.
\
PABA DEITBO E FOltA DA PROVINCIA
Por tres mezes adianhidos..............
Por seis ditos idem................
Por nove ditos idem ...............
Pcrumannif.......
OXO
13,5586
300200
* 1
Propriedade de Manoel Figneira de Fara & Filhos.
\
N

sao AiiExnm:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves
no Natal; Antonio Joaquim
Braga,





11
\
PARTE OFFICIAL

ftioTero da provincia.
BtreUTESTE ASSICSADO PELO EXM. SB. CONDE DE BAE-
PKNDY, PRESIDENTE DA PltOVlNCU, NO DA 6 DE
tftRCo de 1869.
ri. KCOfflcio ao presideute da provincia do
Cear.Accuso a recepeo do offlcio de V. Exc.
de 12 do fevereiro, sob 1, a que aeoiapmiliaraia
dons cxrmplares da falla que V. Exc dirigi as-
sembla legislativa dessa provincia na abertura de
na se>-ao ordinaria du auno prxima passado.
W. 247.Dito ao mesmo. Coiu olBcio de Y.
Exc de 12 de fovereiro ultimo, sob n. 2, rocebi os
exemptnros dos relatnos e appensos coiu que o
Dr. Pedid Lelo Velloso, mwsod a administrarle
dessa provincia eni 22 de abril do anuo passado'ao
prhwr" vico-presidente da uiesiaa, Dr. Antonio
Joaquim Rodrigues Jnior.
N. 258.Dito ao mesm. Recebi o offlcio de
V. Exc. de 12 de feveroiro ultimo, sob n. -3, ao
qual aoompaiiharam exemplares dos relatnos
com que o primeiro vicepresidente desta proviu-
eia Dr. Antonio Joaquim Rodrigues Jnior, passou
a administraba1 da mesma ao segundo, Dr. Gon-
eala Baptista Viera, eia 31 de junbo e este a V.
Exc. cm 27 de agosto tudo do auno prximo pas-
sado.
N. 219.Portara ao desembargado! provedor da
Santa Casa de MisericordiaEm vista de sua inlbr-
maeao de o do corrente, sob a. 1,790, maade V.
Etc. inscrever no respectivo quadro para ser ad-
inittido no collegio dos orpbos quando bouver va-
ga, o menor Jos, fllho de Julia Senhoriaha de S
Olivein. de que tratam os documentos untos.
N. 250.Dita a cmara municipal da villa de
Floresta.Accuso o recebimento do offlcio que em
8 do mez prximo findo, me dirigi a cmara mu-
nicipal da villa de Floresta, aeompanhado da copia
das a''!..'-das cldcos primarias, geraese espe-
ciaos, a que so proceden na nnioa parochia dessa
villa no dia 31 de uteiro antecedente. Nio tendo
rate-se-nio nina copia deesas actas, quando na
portara de 8 de Janeiro, rocommeadfi que fossoni
reuieuida* em duplcala, sendo una da organisn-
cao da mes, primeira, segunda e tercena chama-
Jas di volatas e apurara ido* voto de eleitores
geraea para sor remanida cmara dos depnta-
dos, e Mitrada inetnia orgnnsacan o chamadas e
da apurara i dos votos de eleitores especiaos para
lee destino ao seala; compro que a mesma c-
mara faca entrabir tan daero e remeta com a
maior urgencia nutra copia anlheniica das referi-
das astas na forma determinada, que Ibe reeom-
mendo milito.
N. 231. Dita ao Dr. Joao Paulo Honleiro de
Andrade. presidente dos collegios eleitoraos da ci-
dade de Nazarcth.Acenso o recebimento dos olli-
rii.- dalados i\c -1 o B do corrento, com os quaes
as mi i! collegios eleitoraos dona ridadeon-
viai'a'ii as copina aulhenticas das actas da apura-
ca) do rotes das i leicoes a que se procedeun-
quBfles das |iara diputados pelo segundo distrcto
< sinadiiwrs por ata provincia, e decan...... res-
p i" i que nao tendo aeompanhado as ditas sepias
as das arias da orgaaisae i das mesas WSQB col-
legios. c >n\ ni que V. S. quanto antes faca extra-
hir e remeta taes copias a esta presidencia, proce-
dendu do i,i smo n odo qua ito as quena forma do
art. "9 da lei n. 387 d : i agosta de I8i6,de-
vom.-(r enviadas a s. Exc o Sr. ministro e secre-
tario de estad > dos negocios do imperio
. 252.Dita ao director da escola normal.
A vista da informaba i d i engenheiro cnefe da re-
lelo das obras pubUcas, na i posaivel saiisfa-
/or-- a requisiea i que em offlcio aimoxo ao de
V. S. de 26 de feyereiro ultimo, fez o professor da
i a do segundo auno desea escola, de
rumeatoe matbematicos para o ensino dos
auiumos : entretanto levarei esta neceasidade ao
caobecnento da assembla legislativa provincial,
alim de providenciar sobra ella.
N. 153.Deberaci .O presidente da provin-
cia res ilve conced ra exonerael i que sobcitou em
i de 20 de ag -'. i ultimo, Izidro Jos da Silva
M i..-. do lugar do juiz commissario de me-
de tenas publicas no municipio de Flores.
.S. 2-".i Dita.(i presidente da provincia, em
vistado oiiicio do director gend da nstracca i pu-
blica .i i d i corrate, sob n. 54, resolve exonerar
.' Gandida Brgida dos Santos, du lugar do profes-
sora publica interina da villa do Granito.
ff. 55.'Dita.O presidente da provincia, em
vista flo offlcio do director geral da instruccao pu-
|i|ii-a de 2 il i corrale, ?ribn. 5. resolve Romear
a Maria Henriqfieta de Monear, para reger rateri-
namente e mediante a gratilicafao annual de 600,
a caleir.i do instrieoa primaria da villa de Gra-
nito.
N. 156 Dita.0 presidonlo da provincia, em
vista di offlcio do rector geraj da inilcucca i pu-
btlca do 2 do corrente, SOD n. 53, re Ive conceder
;i ex lera a i que ped* o leadote-coronel Cornelid
Carlos Peixoto de Aleacar, do cargo de delegado
Iliterario do distrirt) de Granito.
N. 257.Dita.Q presidente da provincia, em
vista do offlcio do director geral da nstrurea i pu-
blica dn 'i do corrente; sob n. ."8. resolve nomear
o Dr. Virgilio de Cusma i Coelho, del,'gado Ilitera-
rio do distriel i d i l'ooo da Paneina.
raPGDIRKJE ASSICNADQ PPXO Ua. JOAQIIM CORREA DE
AIIAIJ i. SKCllETARIO DO GOVEB.N0, EM C DE MARCO
DE f869.
2' secc/a .
N. 2'i3. Ofcio ao commandante superior da
guarda nacional de Santo Anta >.O Exm.Sr. pre-
sidente da provincia, respundendo o offlcio de V.
S datad i do 1 do corrente mez, manda declarar
que a tliesouraria provincial tem ordem para pa-
gar ao swgento IKomados Franoisco das Ghagas,
os veui'iiuentos constantes do seu citado oflicio.
3." sec^i').
N. 2o9.Offlcio ao inspector dathesouraria pro-
vincial.S. Exc. o Sr. presideute da provincia,
tendo por deliberacji desta dalae em vista do ofli-
eio do diretor geral da instruccao publica, de 2 do
corrente sob n. 54, resolvido exonerar a Candida
Brgida dos Santos professora publica interina da
villa do Granito, assim o manda coiumunicar a V.
S- para seq conhecimento,
N. 260.Dito ao chefe da reparti^ao das obras
publicas.Nesta data autorisou-se a thesouraria
provincial a adiantar ao thesoureiro dessa repart-
cao a quantia de H:S50000, constante do pedido
me era duplcala veio annexo ao offlcio de V. 8.
datado do 1 do corrente 9ob n. 79, o qual Oca as-
sim respondido de ordem do Exm. Sr. presidente
da provincia.
4* seccao.
K. 261.Ofcio a cmara municipal do Recite.
S.Exc. o Sr. presidente manda declarar a cmara
municipal do Recife, em resposla ao seu offlcio de
11 de evereiro utimo sob n. 6, que nesta data ex-
pedio-se ordem ao chefe da repartir das obras
publicas, para mandar aterrar o pequeo alagado
de que trata o seu citado offlcio.
N. 262.Dito ao director gera da instruccao
publica.S, Exc. o Sr. presidente da provincia
tendo por deliberacao desta data e em vista de seu
offlcio de 4 do corrente sob n. 58, resolvido nomear
o Dr. Virgilio de Gusmao Coelho. delegado littera-
rio do districto do Poco da Panella ; assim o man-
da communicar a V. S. para seu conhecimento
enviando-lhe o titule do nomeadi) para ter o con-
veniente destino.
N. *63.Dito ao meamo.S. Exc, o Sr. presi-
dente da provincia tendo por deliberacao desta
data e em vista do seu offlcio de 2 do corrente sob
63, resobado conceder a exoneracao que pedio fronteiras dos"dous astados. O goflerno turco pela
tenente-eowmel Coruelio Caries Peixoto de Alen- sua parte tamboui enviou na mesma direccao
n
o
car do cargo de delegado litterario do districto do
Granito : assim o manda communicar a V. S. para
*eu conhecimento.
N. 264.Dito no mesmo.S. Exc, o Sr. presi-
dente da provincia tendo por deliberacao desta da-
ta e em vista de seu offlcio de 2 do cerrente sob
n. 34, resolvido exonerar a Candida 'Brgida dos
Sanios do lugar villa do Granito e nomear para substituir tambera
interinamente e mediante a gratifica;) annual de
(WilOOO a Maria-Hennqueta de Alencar; assim o
manda communicar a V. S. para seu conhecimento.
N. 265.Dito a Izidro-Jos da SHva foseare-
nhas. -S. Exc. o Sr. presidente da provincia, tendo
per deliberacao desla data resolvido conceder-lhe
a exoneracao que- V. 8. solleitou em seu offlcio de
20 de agosto ultimo, do carpo de juiz commissario
de medicao de trras publicas do municipio de
Flores; assim Ih'o manda communicar para seu
conhecimento.
ffXPEDIENTB ASSIKADO PELO EXM. SR. CONDE DE BAE-
PENDY, PRESIDENTE DA PROVINCIA, EM 7 DE MARCO
DE 1869.
^.' seccao.
N. 266. Portara ao director do arsenal de
guerra.Tendo o governo imperial declarado, por
aviso do ministerio da guerra de 13 de fevereiro
prximo lindo, que para deliberar sobre a a posen-
tadoria requerida pelo almoxarife desse arsenal
Joaquim Jos de Faria Neves Jnior, deve este
submetter se urna inspeceo de saude, e apre-
Mttar os titules originaos de suas nomeacoes, te-
nho nesta data designado os Drs. Alexadre de
Souza Pereira do Carino, Joao Ferreira da Silva e
Joao Baptista Casanova para inspecciona-lo ; o
re V. S. far coHst.tr ao referido almoxarife, alim
que se aprsente aos sobreditos dontores, e
compra a 2J parte do citado aviso, quanto aos ti-
tnlos. pah que estes tenham o conveniente des-
tino.
N. 267Dito ao tenente-coronel Sebastian An-
tonio do Reg Barros Compre que V. S. apenas
receber esta portara, siga para esta capital e se
me aprsente, alim de partir inipreterivelmente pa-
ra a ilha de Fernando de Noronha no da 14 do
corrento, para o qual mandei transferir a saluda
do vapor, annunciada para W, a tomar o cum-
ulando interino do presidio da mesma ilha, como
foi ordenado polo Exm. Sr. ministro da guerra, em
aviso que-me dirigi a 28 do mez prximo (Indo,
defecando. V. 8. a directora dessa colonia militar
ao seu immediato substituto.
res polacos. Parece que esta desceben a preoeeti-
pa bastante o governo russo. A era i s eonspira-
ooes e latas civis na Rnssia ni) eomocoa athd:i,
mas ha de comecar um dia para aquolle imperio
antes dastia tnuisformaeao poltica. Sao crem(
que trWm*ie a Providencia para escapar sorte
oommum de todos os povos modernos.
" Do Mxico annnnciain-se novas subtevaces.
E' doenca chronica.
O congresso dos Estados-Unidos, reunidas as
a* cmaras, ratiflcnu a eleioa do presidente
Grant e davice-presidento dax.
O presidente Johnson deu amnista ao Dr.
Mndd, acensado de cmplice na asssssinato de
Lincoln. O proeesso do cx-presidente lo su I Jef-
ferson Davis foi dolinitivamente abandonado pelo
tribnnal de Itichinoud..
A cantara dos representantes adupton urna
emenda constitucional, quedeixando aos diversos
estados o direjto de regular o direito eleitoral, es-
labelece como principio que dentro das regras es-
tabelecidas ninguea pode ser excluido de votar
pnr motivoanae raga, de ctir, ou por antecedente
de e.irravidao. Esta emenda para ser l;i, depoi;
de lassaran senado pela maioria de dnus tercos,
como passou-na camaia dos representar tes, preci-
sa ser submettida ao voto das legislaturas dos
10,000 horaens de .tropas, preveuiudo qialquer
eventualidade. E" pruvavel que o confficFj arma-
do nao chegue a rebsntar, ou ,quq se apazigue
promptaiuunte. As noticias do Egypto sibiv W
actos do governo tambera indicam os projectosdo
vice-rei de proclamar a sua independencia da Tur-
qua. Este facto que lera sido muitas vezes annun-
ciado, pode contar-se entre as probabilidades do
futuro, mas jirovavolment tambera nao ter de
realisar-se iminediataaiente.
a outra c usa de conflicto europeo, que sur-
Sio nos ltimos dias, umacto do govorno da
elgica. A'questai turco-grega segue-so a qpe^-
tao franco-belga. Urna oo.npanliia de carainhos
de ferro da Blgica, qje se dirigem aoLnxembur-
go e a frontelra franeeza, ajhstou traspassar os
seus direitos urna otmpanhia franeeza, com rujas
linhas entronca. Autos deste negocio ser appro-
vado pelas assemblas das duas companhias, o go-
verno belga apresentou com urgencia na cmara
um nrojecto de le, approvado ja noje pela cmara
dos deputados, probib.ndo s companhias fazerera
sessao ou tiaspsse '.dto seus uireiras outras
companhiai soiiiautinisaeao do governo. A Fran-
ca ve ueste arto, pela oeeaslai om qe<
  • sentado o projecto, urna ofensa tal vez meaos p lo j estados, e ser appi ovada pelos dous'tercos delles.
    acto em si, como pelo julgar instigado pela Plus- Osjornaes americanos traxem um telegramma
    sia. Os jornaes frano;zes, Inimigos da Pitjssia el de Pars, cm que 9e diz quo o represe itante dos
    partidarios da guerr.% asm como os pariidaros Estados-aidos, o general Dix, n'um barquete dis-
    daannexacao da Blgica Franca, incitara o go- sera que a Grecia tinha toda a svm|Kittiia do go-
    despaciios da presidencia do dia 12 de marco
    di? 1869:
    Abaixo assignadtfs taoradores na roa Imperial
    da fr.-guozia de S. Jos desta eidade.Informe o
    Sr. engenbeiro chefe da rbpartteio das obras pu-
    blicas.
    Joao Feliciano da_Motla e Albuquerque.Ao Sr.
    director geral da lustrue^ao publica para informar.
    aliviado o regador dogymnasio.
    Joaquim Jos da Silva Gaio.Dlrija-sc. a cora-
    misso nomeada por esta presidencia.
    'anua Francisca de Paula.Informe'o Sr. ca-
    pita i do porto.
    Joao Pinto deLemos Jnior.Sim, pago? os d-
    reltOS devidos.
    Manoel Figueira deMcnezes.Concedo a liecnea
    pedida rom ordenado somene.
    Pedro da Silva Senna.D-se.
    Majar Vicente Foi'reira Padilha.Certifique.
    Reparli^ao da polica.
    2a seoco.Secretaria da polica de Pernambuco,
    13 de marco de I8G9.
    W 370. Illui. e Exm Sr.Tonlio a honra do
    levar ao conhecimento de V. Exc. que, segundo
    Hasta das participacoes recebidas hujo nesta re-
    pariicao, foram boatem recolhidjs casa dedeten-
    co os seguales individuos :
    A' miiilia ordem, Sobasta de Barros de Lacer-
    da, preso evadido da cadeia do termo de Inga da
    provincia da Paraliyba Leonel Silvestre (ionios e
    Ciniliano Cyiiaco Firmo do Paraso, coiu o pa/, i
    de 6 das para provarem isanoao do recrutamonto.
    A ardern do subdelegado de S. Jase, Joao de
    I-'reit; Itodao, por embriaguez.
    A' ordem do do Poros. Joao esclavo de Francisca,
    Pedro de Alcntara, por sospeto de andar fgido.
    Em ollicio datado de li mtem c immoBWoa-me a
    subdelegado do districto de Muribeea, que pro-
    nunciou a Joaquim Seve ano dos Prazeres (de
    quein liz meacao na minha parte diaria sob n 19
    de 7 de Janeiro do corrente anuo), como incurso
    as penas do art. 201 do cdigo criminal.
    Deus guarde a V. ExcIllm. Exm. Sr. conde
    do Baependy, presidente da provincia.G ebefe de
    polica, Francisco de Faria Lentos.
    ItKCIKK. 15 DE MARCO DE 1859.
    NOTICIAS DA EUROPA.
    Hontem as 5 1/2 horas da tarde fundeou no la-
    marao o vapor fraoeei Exlremadure, trazendo
    d das do Hambnrgo at 20, do Londres 23 e de
    Pars 2'i do passado, e de Lisboa at i do cr-
    reme.
    Tendo entregue a mala as 6 horas da tarde no
    correio, e era consecuencia de ser hontem dia
    santificado, limitamo-nos a transcrever o seguin-
    le da Corrnpondenciade Portugal, reservando para
    amanhaa o resumo minucioso dos tactos occorri-
    dos no vclho continente:
    Desappareceu um conflicto, que aineacava
    perturbar a paz da Europa e ja outro se desenlia
    no horsonto. 0 conflicto quo desappareceu foi o
    do Oriente. A Grecia accitou sera restriegoes as
    ,le -laraooos da conferencia. Esta, depois de lula
    a resposla do governo hellonico, dou como retirado
    o ultimtum do governo turco, restabelecidas as
    relacoes entre os dous paizes, e aos governos de
    ambos agradeceu o seu procedimento. O governo
    grego. na occasiao de adherir s declaracoes da
    conferencia, publicou um manifest ao povo grego
    explicando os motivos de sua adhesao. Todas as
    potencias da Europa aconselhavam a cedencia da
    Grecia, e esta nao eslava preparada nem por mar
    ueui por ierra para resistir sem auxilio estranho
    s armas da Turqua. J se v que a Grecia ce-
    d.m. como nao poda deixarde fazer, necessida-
    do das circumstancias, e que o conflicto flcou an-
    tes adiado do que de todo extincto. A cmara
    hellenica foi dissolvida, e os eleitores convocados
    para elegerem urna nova assembla. Em Alhenas
    reina completo socego. A insurrecao de Creta
    est inteiramente terminada. Em Constantinopla
    tambera bouve recomposicao ministerial, sahiado
    06 par ida ros da guerra, e ficando reconstruido o
    novo gabinete sob a presidencia de Ali-pach. Em
    Bucharest foi tambem dissolvida a cmara dos de-
    putados, tendo votado em globo os remenlos,
    que aiuda pendiam da discusso, como lora pro-
    posto pelo go\terno, quaudo eelarou que ia dis-
    solver aquella assembla. Esta acto de cordura
    prova o adiantamenlo poltico, em que se eoeontram
    j alguns dos povos do Oriente emancipados do
    jugo da Turqua
    , A questao do Oriente vai, pois, dormir por al-
    gum tempo. Mas a Porta i v novas araeacas de
    perigo. A Persia, apezar de nao ter interrumpido
    as suas relacoes com o imperio tureo, fazaiarchar
    tropas na direeco de Bagdad por causa dos con-
    flictos que tem havido entre as populacoes d
    vente francez na sa"suepiibiJidade. A Blgica
    protesta que o seu acto foi expontanbo, e livre de
    qiialqner influencia e:cterns.
    s folhas prussianas negam tambem que da
    Prassja parthse qualquer insligacao ou insinua-
    ?ao no sentido intlicuid >. As folhas inglezas, algu-
    nias das quaes nao approvam a precau^ao do go-
    verno belga, julgain com todo igualmente que o
    acto foi espontaneo e li.ho uaicamentede um re-
    ceio, talve/. exagerado, mas patritico.
    Blgica na roalidade, nuestado actual de de-
    sequilibrio da Europa, ao p de una gratule na-
    ca como a Franca, armada dos ps ato cabeea,
    e tendo um goverao meio dictatorial, e que cora
    razao reputado pouco escrupuloso, fez bem ein
    se precaver.
    Una correspm lencia da Blgica para o jor-
    nal de Pars Libert, asevera nao s qtio nproiee-
    lo de I ti apreswilado elu guwnio belga u-irea
    dos camnlios de ferro foca coraliinido com o go-
    verno prussiam, mas que o antigo pfojeet das
    fortificacoes de Anvers votado no* lempo da re
    Leopoldo 1, e que aquella sobiirano loraou tanto a
    peito, fira tambem apnwentado de aeeordi can a
    'russia e com a Inglaterra, sendo entao as signad >
    um tratado seereto, pira o cas)em que a Frama
    invadisso a Blgica. Nio cr<*mi*e.n tal tratad >.
    mas entendo.nos qui a telg,-a procede previ lea-
    temente, trat indo d; a^iutelartiJos os riscos que
    podera ameacar a sui ncitralidile.
    Os ltimos joroM-i de Parts vea nuis pacifl-
    eos a respeito desta questao. O ministro belga o
    Sr. Frre-Orban deu ni. senado explica
    parecem satisl'atonas. Parece-que essas iiiosm.is
    oxplicaeoo- foram dadas em notas dipljin.uir.i-
    entre Parts c Braxeai; ejir tsso**i,comi>cu de
    coullicto parece ltimamente serenado.
    No corjio legislatiro francez trata-sc de re-
    gular o onuoiento da eidade de Pars, que at
    aqu nao era sngeito nenbuma fiscalisaco nem
    parlamentar nem municipal, porque Pars niio go-
    za das iastituiCK-s muaeipies do ni > di Franja.
    D'aqu rcsultava ua pleno arbitrio. O Sr. Baos-
    seman tem transibrinalo rm : mas como todis
    os qaeoaatfl de nu pler nnhioirin, se ion Caito
    Musas grandes e 6 tas, tem Caito ootras menos con- -
    venientes, e sobretodo tem gravado a eidade com
    urna divida hauteusa, illudmdo a le. que o inhib.",
    de fazer emprstanos S3in aulorisao.l i legislativa,
    por meio d i engculiosas opaflOfdS V DB o attiil
    foncier, que nao erara mais do que aaipnatisMS
    distare idus. Anauuci; -nos o letsgnpbo um ao-
    tavel discurso de Toieis sobre este assompto.
    Na visinlia llespaaln a Caraira coastitunt".
    verificados os pdeles dos seas io'mbro>, aaha-ac
    C m til lili, na i ten lo por agora feito nada aiai-
    de importante do que reeondu'.ir omareclial Ser-
    rano e o poder executivo existente no gaverno
    provisorio.
    Na disoussao que houve a este respeito, depois
    que Serrano e os seus collegas don oeram as
    raaos da assembla o poder dictat mal, que t-
    aham exercidi). fallou o Sr. Emilio Castelar con-
    tra o governo era uo.u; d i partido republicano.
    O Sr. Castellar um humera intolligeate c de
    grande eloqiieneia, mas nai coii>eguj cpnvaocer
    a maioria da cmara. Esta parece por agora
    compacta e decidida a sustentar o governo provi-
    sorio, o pnriautoa adoptar o seu programan.
    Xa primeira reunan dn, assembla, ten lo alguinas
    vozes dia galera- entoldo vivas repu'iHri, os
    litros espectadores e os deputados gritaran) :
    viva a nwii'ircltii democrtica I O marechal Ser-
    rano gritou entao : viva a soberana das curtes
    coHstituinles I Este esladii, porm, ser sempre
    precario em quanto nao estiver assentada a lonua
    do governo e cscolhido o rci, se a forma adopta-
    da, cotno provavel, fra inuuarchia. Aqui est
    grande perigo. Ultraainente a candidatura mais
    popular e provavel era a de el-rei D. Fernando.
    Saliendo-se, porm, em Hespanha que este Ilustre
    e sensato principe recusa absolutam mte a esco-
    lla quo pnrvcntura queirara fazer dielle para rei
    de Hespanba, recrescera de novo as probabilida-
    des do duque de Ai ral nnsier. E certo, porm,
    3ue se a escolha se demorar, o* republi(.inus hao
    o fazer todos os usforc-os para; de-popularis;ir ste
    principe, liberal e Ilustrado, como nao taaver
    raudos. As ootieias de Cuba coiUinuam pouco
    satisfactorias apezar do que contiouam dizealo os
    joroaes hespanhoes. L-se n'uma caria de Hava-
    aa, que mais de duas mil pessoas j lera sido mor-
    tas depois do comeen da insiirroi(;ao. O governo
    prepara em Hespanha novos reforcos para enviar
    para aqnelia colonia.
    t Na Inglaterra fez desAgradavel impres uotieia, transmitida telegraphieamonte de Nova-
    York, de que a commiso dos negocios estrangei-
    ros do senado americano tinba por maioria volado
    contra o tratado ltimamente feito com a Ingla-
    terra, para regular as r sclamacoes pendentes pelo
    que respeita questao do Alabama. Pode ser
    que o senado nao approve o parecer da oommis-
    sao e approve o tratado. Em todo o caso as follias
    inglezas mostram-se pouco satisfeilas.
    A rainba Victoria i-ecebeu as deputaooes do
    parlamento com a resposta ao discurso da corea.
    O Sr. Gladstone declaruu que nao proporia a alte-
    racao do censo -eleitoral. O governo nao apre-
    sentou anda ao parlamento ag suas propostas a
    respeito da igreja da Irlanda
    O rei Victor Emmanuel. regressou a Piorenca
    da sua viagem a aples, onde foi bem acoibido e
    festejado pela populacao.
    0 ministro da fa/eida, o Sr. Cambray-Dignv.
    apresentou a sua exposicao linanceira, prometien-
    do como todos os ministros da azenda do inundo
    o breve equilibrio da neeita e desposa do estado.
    Parece que o actual dficit ser saldado com moa
    operaco sobre os bens eclesisticos.
    < Em Roma o novu i.iiaistroJrancez, o Sr. Ban-
    nevlle, apresentou oCQcialmente as suas credea-
    ciaes.
    c Descobro-se aa Russia urna grande conspira-
    cao de pessoas pertencentas amiga asila-aabgio-
    sa dos Skopuy. Parece que ernaasa de indos
    chefes se encontraram inulheres mutiladas ti ban-
    taate dinheiro, e que os alto* drgnitarm da eita
    estavam em correspondeaeia-
    verno e de povo americano. O general desmenle
    esta noticia e assevern que a sua opinio que os
    Estados -Unidos nao devem de nenhum mido inter-
    vir nos negocios da Europa. Nao sabemos se esta
    declaraban agradar aos seus compatriotas do ou-
    tro lado do Atlntico.
    Nos estados da Europa, de que hoje nos nao
    oceupamos, nao ha noticias dignas de menean.
    Ser-nado, como sota som durida, o conflicto
    franco-belga, Boa a poltica europea em profunda
    calmara, em quanto nao sobrevier novo accidente.
    A paz a wiiiMlhdn e o desojo universal. Oxa-
    l que os povos e os governos a aproveitassem
    para caiuinliar cada uaeo, dentro da si a propra
    easa, na senda do progre-so e dos melhoramentos
    BDeiaes. E' fcil de prever (pie niio ser assim
    inteiramente. A calmara actual mais urna tre-
    gua do que am estado delinitivo, e slo-ha em
    uuanto esiivprem sein solucao algn? jjrobleinas
    ,' ilitc is, depois de resevidos os quaes iomente a
    lluitqia tmuar ura equilibrio estavel.
    ^(in'lvvnlo m Iptmn conflictos irdividuaos
    entre soldad'- ostrangoiros da logio de Antibes e
    s ildados do exeirilo indgena do papa, tendo che-
    gado a hater ferimontos e mnrtes.
    O celebre compositor G mnod, autor do
    Rusti, est em Roma. > di/se quo, como Litz,
    vai entrar na earreira eeclesiastica, tonanilo o
    habito de mongo. Bst compondo um concert
    sacro, iutilulado 0 Qaivaro.
    A-em'.iaixada cliioi. ipio pormanecer em
    Bars at o principio de abril, ir depois a Floren-
    <'. Vieuna, Berli n- Stockolmo e Copenhague, na
    nteBivo ile fazer cora as diversas potencias gUJhBS
    iratai)- de c i n n rcio aos que 4 B a Inglaterra; Parece que depois luvera
    permanentemente um e:nbaixador chim em
    l'aris.
    Diz um telegramma dos Estados-Unidos que
    o general Dulce restabeloceu em Cuba a censura
    para a iuiprensa, edetemimou que os prisioneiros
    foseen jnlga 1 is por cooaslfcoa do guerra.
    As cmaras prosaiaBBS t-nuiiarani as suas
    sessoes no ti n d'osle mez. O reicltstuti ( parla-
    ra uto da oonl'oderaoao da Alemaiilia ilo Norte,
    romeara as suas na primeira semana de marco.
    Fuad-pach laorrou em .Xice, pata ou lo ti-
    nha viudo tratar do .deteriorado oslado da sua
    san le. Era ii.n doi h oicns de estad i m ifl ODOr-
    Untes da Turqua. 10 i 1840 era asen lario da
    embaixada turca ea Londres, depois fo ministro
    ora Madrid. Lisboa. 8. Petersbofgo, I/mdies e Pa-
    ria, e aclitalnienlo l'a/.ii parlo di ministerio
    turro
    Horren em Turan o celebro engenheiro Pa
    leioap:: 11 of o un dos miiistros aiai; notaves
    que leve o l'ioanato, omlo em diversos ministe-
    rios, sobretudo nos do conde de Cavour, decretou
    e dirigi a coastruccao das principtto Inilias for-
    reas u das outias obras publicas mais importan-
    tes, que tanto contribuiraiu para os pi'ogressos
    econmicos do antigo reinopiemontz.
    Foram eleitns secretarios da camar;. beapa-
    nliola os Srs. Sardoal, Lian y l'ersi, Ce.estiaodo
    Olozaga, c Ruano. O Sr. Garca Tassoni foi no-
    uieado ministro om Londres.-
    O Sr. Rivero, o hbil chefe do partido demo-
    ei va, foi noineado presidente da cmara consti-
    tuinte hospauhola p ir ls votos contra "irt dados
    ao Sr. Orense, chefe do partido republicano. Fo-
    ram elojtos vioe-prosidentes os Srs. Vegi-Annija
    (unio liberal i. Marros (d inrala), Cantero (pro-
    gressista) e C. Valero (domocrata-progressista).
    Continuara era Roma os preparativos para o
    concilio ecumnico. Teem chegado varios iheolo-
    gos, e entre elles o alibade Frepol, eele'ire pela
    sua refutacao da Vida de Jess, de Renai. Dz-se
    que algiimas potencias, e entre outras a Franca e
    a Austria, enviaran embaixadores ao concilio.
    -0 senado dos Estados-Unidos adoptou o bil
    j votado pela cmara dos representantes, que
    prohibe a aceeitaco do papel-moeda como titulo
    de garanta tanto aos bancos como s corporayoes
    e a particulares.
    O presidente Johnson subraettou ratifieacao
    do senado o tratado com a Golumbia, quo concede
    aos Enfados-Unidos o direito de esiaualocor um
    canal de navcgaeao no isthmo de Darien.
    Um telegramma, recebido em Vienna d'Aus-
    tria, diz que os jornaes de Copenhague dio com
    certa a venda, que fez a Dinamarca aos Estados-
    Unidos de todas as suas colonias as Indias Occi-
    dontaos.
    >Urna explosao fez voar urna fragata, da ma-
    rmita austraca as aguas da Dalmacia. N.orreram
    tOH pessoas n'este horroroso accidente.
    O principe de Monaco abolinos seus esta-
    dos todos os npostos e contribnieoes. Este im-
    portante resultado porm devino a tima m
    causa. Ha lempos cstabeleceu-se emVdon ic) jog> s
    pblicos, coiho os de Badn. Os interesses, iue este
    jogo est dando ao governo, que tem una por-
    centagem nos lucros, supprem toda a anterior re-
    ceba proveniente dos impostos. -
    >'U tclegrapho transatlntico d a noticia de
    3ue nsbenlara urna sublevarn em varios pomos
    o Mxico, e que o general Negrete se apoderara
    de Puebla
    Os jornaes francezes do a seguinle noticia
    de um conflicto das tropas inglezas com os chins :
    Par.ce que t indo os agentes br.tanniccs podido
    infructuosamente satisfagan pelas offensas fetas a
    subditos de sua naci, boinbardcaram no dia 25
    de dezembro de 1868, a eidade de Amping, que
    Corma o porto de Taiwanfon, a qnal oesuparam
    no mesmo dia, assim como o antigo forte ienlandia
    construido n'outros lempos pelos hollan lozes. Os
    atacados perdern) n'esta aecao cincoenta monos
    ou feridos, 120 pecas quasi todas do 8 u de 12,
    inuitissimas armas, e urna grande quan idade de
    plvora. Os inglezes,depois de fazerem voar urna
    parte do forte, deixaram n'elle um desU.camento
    de infantaria de marrana para impedir n sua re-
    constrwcao, Os chins em eonsequencia d esta der-
    rota, aeoeharam as condiceoes impostas lelos io-
    gieees. Todas as autordader loeaes torain exooe
    radaspelo vioerei. >
    Era Pertigal asada .nao aba sido ittbbeeda
    a reforma eleitoral
    S. M. el-rei D. Fernando declarou, em um jan-
    tar que deu a seus amigos, e ao qual assistiam di-
    versos dipliimatas, que nao acceitaria, em caso al-
    gum, o throno de Hespanha; deelaracao esta que
    produzio grande eontentamenfo no paiz.
    O governo publicou o seguinle decreto, abolindo
    a escravidao as suas colonias:
    Tomando em considerado o relatorio des mi-
    nistros e secretarios d'estad das diflerentes repar-
    tiooes, tendo sido ouvido o conseibo ultramarino, e
    usando da autorisaco concedida pelo artigo 15
    S 1 do acto addicional carta constitucional da
    monarchia; hei porJem decretare seguinte :
    t Artigo l. Fica blido o estado do o*cravidao
    em todos os territorios da monarchia portugueza,
    desde o dia da pubcaco do presente derreto.
    Artigo Todos os individuos dos dous sexos,
    sem excepcao alguma, que no mencionado dia se
    acluieiu na condiyo de eseravo*. paksaroa de li-
    bertos, e gozaran de todos os dir tos, o ficarao su-
    jeitosa todo os detenes concedidos e impostos aos
    libertos pelo decreto de li de dezembro de 1834.
    t Artigo 3." Os servicos a que os mencionados
    libertos.(team obrigartos, cm eonformidade como
    referido decreto, pertencero s pessoas de quem
    elles no mesmo dia tiahara sido escravos.
    Io. 0 direito a estes serviros cessar.no dia 29
    de abril do anno de 1878, dia em que leria de aca-
    bar inteiramente o estado de escravidao, em virtu-
    de do decreto de 9 de abril de 1848.
    i'. No referido dia 29 de abril de 1878 ces-
    sar para todos os individuos que forera libertos a
    obrigacao que pelo presente decreto Ibes im-
    posta.
    Artigo 4. Fica rovogada toda a legislacao era
    eontrar .
    c Os ministros c secretarios d'estad das difle-
    rentes reparlic,oes assim o tenham entendido e fa-
    jara executar. Paco, era 23 de fevereio de 1869.
    REI. Mrquez de S d-i Bundeira.Antonio,
    bispo de Visen. = Antonio Pequito Seixas de An-
    drade. Conde de SainudSes. Jos Maria Latino
    CoelhoSebastiao Lopes de Calheiros e Menezes.
    Falleceram : o distmcto engenheiro Joao Evan-
    gelista de Abreu, era Lisboa; e o director da typo-
    graphia do Commeixio do Parto, o Sr. Francisco
    Caetaao de Mello.
    Arribara Lisboa, cora agua aborta, o brigue
    portuguez Unio, em viagem de Pernambuco para
    o Porto.
    Foi nomeado governador de Quilimano, o Sr.
    Carlos Pedro Baraliuua e Costa, antigo einpregado.
    do Ultramar.
    Leaos u'nra jornal de Libsoa :
    t Ura telegramma dos Estados-Unidos diz que o
    presidente aceitara a arbilragem entre Portugal
    e a Inglaterra relativamente s fronteiras das res-
    pectivas poss_esse.s na frica. Creinos que se re-
    fere questao da ilha de Enlama, que nos parece
    que era aquella que estova sujeita arbilragem
    por aecoruo entre os dous governos.
    .as provincias do norte do reino foi recobida
    com indisivel prazer a noticia de aohar-so conclui-
    da a guerra eutre o Brasil e o Paraguay. Em va-
    rias cidades houve demonstrares de regosijo. Em
    geral todos os portngoazes se alegraran) ara pre-
    senea das boas aovas trazidas polo paquete d6 Bra
    sil. E nem outra cousa era de piv-unr, aueu-
    tos os lacosque uncm os povos das duas uacoes.
    Os joruaes que se publicara as provincias sau-
    daram unnimemente o tormo da guerra.
    Appareeeu urna fabrica de moeda metlica
    falsa porto de Vizeu. O Virialo da d'isto a se-
    guinte noticia :
    Foi apprcbcndido prximo aAbravezes, a dous
    ou tres kilmetros d'esta eidade, om una pequ ma
    casa de campo, um balanc de entibar dmlieiro,
    com todo>os utensilios apropriados.
    a Appareeeu tambera um pouco do metal, e duas
    ou penco inais mondas do 500 rs.
    " Estao presos tres individuos suspeitos an por
    baver indicios de culpabilidado. Um dalles cha-
    mado q bra-ileiro, c l'orreiro e esteva no Brasil.
    Chama-se .Manoel Estoves de Fgueiredo. Tinba
    oasdo ha um mez. Era o dono da casa.
    Parece, segundo as indicaees da polica, que
    este trasto j ha lampos- exista em Viseo, toado
    fuuccionado em mos diversas diaquellas, ein que
    ap parecer.
    Nao sabemos a quem pertencera. Sempre
    dillicil doscobrir a histoia verdadeira d'estes acon-
    leoimentos. Di/.-se sempre, e sempre se inventa,
    nanita cousa, por que cada um forma os seus jui-
    zos, muitas vezes errados c outras vezes apaixona-
    dos.
    t O que parece levado evidencia pela polica
    que o balanc tem sempre estado cm mos de
    raiseraveis, que nao podoram tirar d'elle as vanta-
    gens do seu crim .
    t Agora inesiao as pessoas que figuram no dra-
    ma sao todas to pouco importantes, que pode as-
    severar-se que entravam n'uma enipreza, quo nao
    podiaia costear.
    Receberam-se em Lisboa, ultima hora os
    segrales telegrammas polticos :
    t Madrid 27.Assegura-se era bons circuios
    que, em eonsequencia da recusa de D. Feraando.se-
    r acceita a candidatura de Monipensicr como a
    que offerece menos difficuldades, aias que antes do
    se tratar d'este negocio ser approvada a consti-
    tuiQao, que nao levar menos de dous mezes a dis-
    cutir. Ha ideas de fazer sessoes de dia e de pai-
    te.' A opposicao ao governo conta com cerca de
    100 votos. Os fundos subiram e tendem a couser-
    var-se.
    Paris 27.O Avenir National publica um te-
    legramma assegurando que D. Fernando recusa
    detinitivamente ; e que o governo hespanhol pro-
    poe o Jaque de Moiitpensier.
    Paris 27.Um discurso de Mr. Rouher apon-
    a os inconvenientes que resultara da vigilancia do
    governo sobre as assoeiacdes flnanceiras e sobre as
    emissoes de emprstanos estrangeiros. Rouher
    deu a eotender que ia conceder completa liberda-
    de de accao s sociedades.
    Madrid 28. quasi certo que o governo recom-
    raenda a. candidatura de Montpensier, a favor do
    qual houve manfestacSes era Sevilha. De Lisboa
    veio um telegramma affirmando que o duque par-
    te brevemente para este paiz. 0 governo promet-
    teu cmara fazer grandes economas, mas decla-
    rou que se via obligado a recorrer ao imposto. O
    governo nao apresentar nenhum projecto sem au-
    torisaco previa das cortes. Disse Serrano que o
    estado de Cuba grave, mas que espera panucar
    a ilha c restitulr-lne entao a liberdade.
    i Em algumas provincias ha certa agitaco.
    4 Consta aqui que o governo prussiano mandou
    activar os trabalhos nos arsenaes, e que o exerclto
    estivesse prevenido para qualquer acontecimento
    nnssivel vista do aspecto que as cousas vao to-
    mando.
    PERNAMBUCO.
    REVISTA DIARIA.
    SENADORES.Eis o resultado da rotagao dos
    collegios do Recife, Pao d'Alho, Guada, iguaraasu,
    Goyanna, Naiaretb, Limoeiro, Cabo, Escada Santo
    An'tao Serinoaera, Rio Formoso, Barroiro, Bonito,
    Garanhuns, S. Bento, Caruar, Boique e Cimbres:
    Visconde de Camaragibe...........-;- *^**2
    GoBseUieire Jos Boato da Ge Kgneiredo. H387
    Dr. Janaeio Joaquim de Sauxa Leao....... i,38
    Desetatanoador Alvaro B^cba Cavateante 1,378
    Dr. J(\toJoOaiwlHi de Afasar.........> 1,251
    ........ 4)194
    DEPUTADOS A ASSEMBLA GERAL.-Jlecc
    Demos huntem os seguintes resultados :
    4 districto.
    Collegio de Buique.
    Dr. Augusto Frederco Oliveira............. 6g
    Francisco Raphael de Mello Reg............fin
    Resultado de todos os collegios do districto, com
    excepcao do de Bom-Conselho, com 32 eleitores :
    Dr. Augusto Frederieo de Oliveira.......... 311
    Francisco Raphael de Mello Reg...........311
    5a districto.
    Collegio de Cimbres,
    Gonego Joaquim Pinto de Campos...........4o
    Dr. Manoel Clemontino Carneiro da Cunha.... 45
    PRONUNCIA. Pelo subdelegado de Muribeea.
    foi pronunciado Joaquim Severiauo dos Prazeres,
    como incui-so no art. 201 do eodigo criminal.
    AURIBADO. O patacho hollandez Catharma,
    que ia do Aracaj para Falmouth, com carre-
    gamento de assucar, arribou sabbado ao nosso
    porto com agua aberta.
    SATURNO.Tocou sabbado em nosso porto mu
    vapor inglez desse nome, cora destino Montevi-
    deo, para onde seguio.
    ANNIVERSARIO.Completou hontem 47 annos
    de idade S. M. a Imperatriz. Estiveram emban-
    derados os navios de guerra e ertae,ocs publicas,
    dando a fortaleza do Brum e aquelies vasos as
    salvas do estylo.
    JUIZCS DE PAZ.Concluiram-se as novas elei-
    coes da fr. guezia de Sant'Anna do Sacco, do mu-
    nicipio do Granito, que se procedeu a 17 de Ja-
    neiro ultimo, sahiado elcitos :
    Josino Ribeiro Torres.
    Aiitonio Severiano de Gouveia Lima
    Moyss Gonoalves Lima.
    Antonio Freir dos Santos.
    IMMUNDfCIA.A travessa <\\ia da ra da Im-
    peratriz leva"ao caes do Capibaribe, acha-se redu-
    zida ama completa esterqueira. Convm, pois,
    que se faca cessar o costume que acha-se enraiza-
    do de alli fazer-so ponto de despojo de ixos e
    quanta immundica ha.
    JURY.No sabbado funecionando esse tribunal,
    foram ah submettidos julgamento Joao Baptista
    da ResnrreicSo e sua segunda mulher Joanna Ma-
    ra da Craceico. por ser-Ibes attribuida a autora
    da morte da primeira mulher daquellc, por meio
    de propinaco de materia veaeaosa.
    O proces'so correu perante a subdelegada du
    Poco da Panella ; e, falta de pro vas robustas le
    gaes, foi pedida a respectiva despronuncia pela pro-
    motoria publica, sendo porm a decretada despro-
    nuncia reformada por despacho do juzo munici-
    pal, pronuoeiando-os no art. 192 do cdigo crimi-
    nal por indicios que resultavam era desfavor
    d'elles.
    Foi advogado da causa o Sr. Dr. Pedro Jorge de
    Souza.
    0 conselho de scnlcnca, tendo deseonheeido o
    facto pela denegaco sua existencia, foram os
    os reos absolvidos!
    CASA DE DETC.VCAO. Foi nomeado guarda
    deste estabeleciuiento, cm substituco do Sr. Zo-
    zime Constantino Rodrigues, que pedio deraisso,
    o Sr. Cinilio de Assis Campo-.
    ORDE.NS SACHAS.Sabbado passado foi um dia
    nieinoiavcl para o seminario episcopal de Olmda.
    S. Exc. Mvma. dignouse conferir a ordem de di-
    cono a oito seminaristas, que achando-se com os
    ostudos concluidos aguardavara o preuiio da sua
    pronunciada vocaco ao sacerdocio.
    S. Exc. Itvma. quiz destingui-los com a sagrada
    o iloin de dicono.
    Foi administrado este sacramento na propra
    greja do seminario pelas 3 horas do da, com as-
    sisteiicia de toda a ooiaanmidade e de fiis.
    Foi um acto verdadeiranicate tocante, pola mo-
    destia qac se dvisava aos novos ordenandos, e pela
    attencaoeom que assistiam os demais seminaristas,
    para quem aquellas ceremonias eram outros tan-
    Ios incentivos que alentavain no espinhoso tiroci-
    nio que anda tem de percorrer.
    A satisfacao que mutuos por ver proupenr o
    nosso seminario episcopal e reganecar-se o nosso
    clero, nos levon a indagaros a mies dos oitosemi-
    aaristas, que sao os Srs. .- Daro Nunes da Silva,
    firaMbano Urbano Cavalcanti Florida, Jovino da
    Costa Macliado, Ivo Jos Pereira da Costa, Pedro
    Pacifico de Barros Beawra, M uioel Tbomaz Perei-
    ra Lima, Joao Evangelista dos Santos Lima, Jos
    Herminio da Siiveira Borges.
    FACULDADE DE DIREITOFizeram actos no
    dia 12 do corrente :
    /' anuo
    Eugenio Tellos da Siiveira Pontea, plenamente.
    Antonio Bernardino Montero de Barra, simples
    mente.
    2o otme
    Pedro Chermonto de Miranda, plenamente.
    Lista dos estudanles chamados a examc do
    latim no dia 9 :
    Plenamente... 3
    Simplosmente. 6
    Iteprovados.., 3
    12
    Lista dos estudantes chamados exame de
    geometra no mesmo dia :
    Plenamente... 1
    Simplesmente. 6
    Reprovados... 5
    i-2
    Lista dos estudantes chamados exame de
    philosophia no dia 10 :
    Simplesmente 7
    Reprovados.. 5
    12
    Lisia dos estudantes chamados a examc de
    geometra ao mesmo dia :
    Plenamente..... 7
    Simplesmente... S
    Reprovados..... 3
    12
    BILL ABERDEEN.A Correspondencia de Por-
    tugal da, ultima hora, a seguinte noticia :
    Dcvemos bondade dos Srs. Knowles t C,
    desta praca, a seguinte noticia que Ihes foi dada,
    era telegramma de bontem, pelos Srs Youle &
    Knovles, de Londres, aflm de ser transmittida para
    os seus amigos do Brasil :
    0 ministro Gladstone declarou no parlamento,
    na sessao da noitc de 26, que o governo de S. M.
    Brilannica tenciona apresentar na sessao acta),
    urna proposta de lei revogando o celebre bil
    Aberdeen.
    Felicitamos o Brasil e o seu governo, se a
    instancias suas, como nos parece, que o governo
    inglez vai an mil lar o acto mais iniquo e (feasivo
    do direito e da digaidade do Imperio brasHeiro,
    como era aquelle bil.
    Felicitamos tambem o nobre ministro Glads-
    tone e os seus collegas. as resolucoes justas, co-
    mo esta as congraudajoos devem ser iguaes
    tanto para quempratica a justica como para quem
    a recebe.
    ESTREMADURE.Este vapor da liaba de Bor-
    deaux, tira a mala hoje ao meio dia, para o Rio
    da Janeiro o Babia, no correio..
    StMWfltt-lavia--tocar eu-Lsboa, aai.^-



    Otario de sPernambuco Segunda feira 15 de Mawjo de 1B69.
    geni para Pernambuco, este vapor 4a linha de Li-
    verpool, de 6 a 10 do correrte.
    NAVIOS A' CARGAFtoavam : Peretr*Bar-
    ga, Julio Ptorinda para Pernambuco, Bom-Sm-
    ct$so e Anglico, para o Maranbi, Ligeira pan o
    Para, ere Lisboa ; A'or* Sympalhia o Trinmpho
    para Pernambuco, Josephina e Marta Carolina
    para o Maranhao, no Porto.
    NAVIOS CHEGADOS.A' LWbaXazareth do
    Maranhao a 20, Unios de Pernambuco a 21; 10
    PortoExperiencia de renwmbtto a 20.
    NA VMS SAHIDOS.-De Lisboa- Mara in Glo-
    ria paraemambueo a 40, vapor Ambrose para o
    Para a. L
    NOTICIAS COMMERCIAES DA EUROPA-6ao
    esta* as das ultimas daus :
    Loitdres, 27, as 3 horas da tarto.
    0 algodao flea desanimado aosprecMac 12 a
    t3 1/4 o de Pernambuco, de II 1/4 a 11,8 oda
    Parahvba, de 11 3/4 alM/S o de Maeeio, de 12
    1/4 a l 1/2 o do Maranhao, e 12 1/8 o do Ceara.
    O assucar fica tanibem desanimado aos precos
    de 36 a 28 o branco e de 20 a 25 o mascavado.
    Uverpool, 27 s 9 horas da manha.
    O algodao e o assucar fronxos s cotacoes da
    praca de Londres.
    A borracha do Para firme a 2/5 por libra.
    Havre, 27 s 6 horas da tarde.
    0 algodao em baixa. O bum ordinario de Per-
    nambuco fica colado de frs. .140 a frs. 143.
    A borracha fina do Para procurada a 6/50.
    MACEIOPelo vapor Parahyba, da companhia
    Pernambucana, recebemos jornaes desta cidade at
    12 do corrente. .
    Achavam-se elcilos depulados assemblea geral:
    pelo prneiro distrirto os Srs. Drs. Mauoel Joaquim
    de Mendonca, Jacinthode Mendonca o Matheus Ca-
    sado de Lima Arnaud; e pelo segundo os Srs. rs
    Alexandre Jos de Mello Moraes e Manoel Sobral
    Pinto. m
    Da Imperatriz, em 4 do corrente, escrevcram ao
    Diario das Alagos : ___
    A meia noite do da de hontem, no sitio Bana-
    jieiras, deu-se um facto que revela desgranada-
    mente o estado de barbaridade em que anda vi-
    vemos. Fulano de tal, conhecido por Billa, andava
    em desavenca com Salustiano, seu compadre e seu
    eunhado que. seguid j dizem, requestava a mu-
    Iher daquello, e, ou fosse isso verdade ou nao> ba-
    lusdano se julgou otfenddo por seu eunhado e
    suppunha-o seductor de sua mulher ; e por isso,
    sabondo que seu compadre e seu eunhado Bi a
    tinha de voltar para casa por andar [ora, foi alta
    uoite espera-lo na porteira do cercado do major
    Bernardino Siuioes dos Santos, e em lugar que nao
    odiara ser victos nein soccorridos, e, quando se
    approxiinava Billa que vinha a cavallo, sahio-lhe
    de improviso Salustiano, e deitando-o do cavallo
    abaixo com una pancada que Ihe dra, iravaram-
    se cm lula Horrenda e solvagem esfaqueando-sebar-
    baramcnle um ao outro : meia hora depois Salus-
    tiano estava na clernidade, com quatro puuhaladas.
    urna das quaes Ihe partir o bico do peito esquer-
    do, e passou-lhe o coracao, e Billa, que podera
    ainda montar no mesmo cavallo em que vtnna,
    chegra at a easa de sua mi, onde expiron neste
    momento. 2i horas depois da lula otu que recebeu
    utras quatro punhaladas desde o peito direito at
    o baixo ventre. Assim ficaram duas viuvas e min-
    ios orphos na miseria e na desgrana !!!
    Ainda escrevem esso jornal :
    No dia4 do corrente deu-se no lugar Subau-
    uia-meirim um facto lainentavel.
    Tendo tres ciganos destacados de um grupo
    que por all vaguea, faltado tres cavallos, o ins-
    pector daquellc lugar, avisado disso, reuni dez in-
    dividuos e seguio iiiiniediataii ente no encalco dos
    ditos ciganos : estes logo que avistaram a torca
    accommeteram-na, disparando suas armas c lan-
    chindo raao de facas e espadas, resultando da lula
    carem dous ciganos morios e um preso, o qual
    declara que o grupo de ciganos scus companheiros
    prometle vingar-sc.i
    O delegado lo Pilar, communicando esse aeon-
    tecimento ao Dr. chefe de polica, cxpedio-se logo
    urna torca cominandada por um official, que hon-
    tem parti disposeao do mesmo delegado.)
    LOTERA.A que se acha a venda, c a 98.a a
    beneficio da nutra de Nazareth, que corre boje.
    LEILES Hoje s 11 horas effeetna o agente
    Pinto o leilo de fazendas avahadas no armazem
    da ra do Trapiche n. 44.
    Amanha eflecta o mesmo agento o de pre-
    dios e eseravos, era seu escriptorio ra da Cruz
    n. 38.
    PASSAGEIIIOS O vapor Paral.ybtt, vmdo do
    Penedo, trouxe os seguimos :
    Jos Alves de Aguiar, Affonso Francisco Clial-
    leston, Carlos Augusto Zanolte.
    Do vapor Mamanguape, vindo do Rio Formo-
    so. Tamandar e Porto de Gallinhas :
    Ignacio de Mello Gusmo, Joo Alves Couto,.
    Antonio de Mello Gusmao, i escravo do Dr. Joao
    Coimbra.
    Do vapor Contripe sahido para Maman-
    Mi'cur 1 Angelo Falcao, Loil C de Avellar, An-
    tonio da Silva Tavares, Jos Bom Ramos de Olivas
    ra, Antonio Galdino de Araujo Cunba, coronel Jos
    Gomes da Silveira.
    0 vapor Extremadme trouxe a seu bordo os
    seguintes: Harismendy, Osmin I.aporte, suase-
    nhora e urna filha, Rasloncl, Wamiers, sua se-
    nhora e tres filhos, Goethalo e 1 sobrmho. Wenhr-
    inann, Maria de Jesus, V. J. Moiiteiro, F. Torres,
    Antonio Rodrigues Ramalho, Marqese um criado.
    COMMUNICADOS.
    Sepultura ecclesiast ca.
    O facto deploravel, que acaba de dar-se, relati-
    vamente negacao de sepultura ecclejastica ao
    general Jos Ignacio de Abren e Lima, nao tein ge-
    faluiente sido encarado debaixo do seu verdadeiru
    o legitimo ponto de vista ; e parece querer-se cri-
    minar a autoridade ecclesiastica por haver proce-
    dido da maneira por que devida e justamente pro-
    ceden.
    fc' preciso sermos consequentes, se queremos ser
    razoaveis.
    A recusa de sepultura ecclesiastica aos restos
    mortaes do general Abren c Lima urna conse-
    quencia forcada das preinissas, que elle infeliz-
    mente estabeleceu em vida, e em que perseverou
    mesmo prximo a exhalar os ltimos alentos de
    sua existencia transitoria.
    Havendo ineorrido as mais flagrantes suspeitas
    de heterodoxia, e nao querendo reconciliarse com
    a igreja, mesr.io pedido paternal do nosso vir-
    tuoso prelado, nao era possivel que os seus restos
    mortaes gozassem das honras piedosas de sepul-
    tura eccle-iastiea, que, negando os caones geraes
    da mesnia igreja, s perteuce aos da communho
    catholica, e aos que perseveram na sua f e dou-
    trina at ao ultimo expirar da vida. 0 Exm. e
    Rvin. bispo foi portanto coherente e justo; porque
    o ordinario de urna dioce dispensar nos caones da igreja, nem mesmo nos
    canone- diocesanos estabelecidos as respectiva*
    eonstituices; mas pura e simplesmento nos man-
    damentos proprios de seu governo pastoral; e o
    caso vertente est definido no concilio de Tronto e
    as eonstituices.
    Depois da contumacia em que morreu o general
    Abreu e Lima, o Sr. D. Francisco Cardoso Ayres
    teria faltado pecaminosamente aos sag: ados de-
    veres do seu ofllcio pastoral, se porventura live-se
    procedido de outra maneira, porque elle execu-
    tor, e nao innovador ou modificador do* caones.
    Que diriamos nos de um alto magistrado qual-
    quer, de um presidente de provincia por exemplo,
    que por simples respciios humanos nao observaste
    a constituico, as leis do imperio, e at as contra-
    as!e^ ... -i i .
    E" o mesmo em relacao a autoridade ecelesiasti-
    ^a, a quera cumpre fazer respeitar a lei, de que
    simples depositario e administrador.
    0 8 1 do n. 857 do lit. 57 das eonstituices do
    arcebispado da Baliia, communs a esta diocese.
    expressa-se da segrate forma : Nao se dar se-
    pultura ecclesiastica aos judeus, hereges, sci-mati-
    cos e apostatas da nossa >anta f, que a igreja tem
    julgado por taes, ou por outra via for notorio que
    o sao : nem aos que os favorecem ou defendem.
    0 n. 203 do liv. 1 tit. 48 da mesma constituico
    aimla mais expresso sobre o caso em questao,
    quando trata do sacramento da Extrema-Uncco:
    E a pessoa, eme por desprezo. ou contumacia.
    sendo requerida, deixar de receber o to, pecca mortalmente, e Ihe ser negada sepultu-
    ra ecclesia-tica. >
    E notc-se que a doutrin deste numero ex-
    pressa no cap. 3 da sess. 14 do sagrado e ecu-
    mnico cdhcio de Trento, que o cdigo da dis-
    ciplina geral da igreja.
    Mas a lei ra ; a lei nao est mais no espirito
    deste secnlo, a lei deve reputar se como nao exis-
    teale- .
    Tudo uto sao principios falsos e errneos. A lei
    boa; porque principio de direito, e mesmo de
    com o commum que so tem direito aos beneficios
    4e urna commanno, ou de urna sociedade, os que
    nella tcabalham, os que a, defendem, -es que nella
    perseveram ; e todo o direito tem deveres. Na
    sociedade espiritual, o peceador vlelo mesmo que
    o criminoso na sociedade poli tica. ra, se o cri-
    minoso est privado do gozo dos direitos politieos,
    em qaanto nao expa o seu crime, como se quer
    Siue a igreja considere itmalmente os seus fimos
    ieis, e os seus filhos rebeldes ?
    Tabem errneo o principio de que o canon
    eclesistico relativo sepultura eclesistica nao
    do espirito deste seoulo.
    A igreja est sim no tempo; mas iao sujeita, ao
    te.mpo. Se a sua disciplina varia, conforoie o se-
    tir e crer das geracoes que se revolvem as oadas
    tempesituosas ou placidas desse mesmo tompo, a
    sua f e a sua doutrin sao invaraveis.e perten-
    cea perpotuidade dos scalos. E' e*W o carac-
    teristteo da igreja catholica.
    Se fosse possivel vir hoje S.Paulo em pessoa to-
    mar antas ao peatiflee Pi IX, poderia esirnhar
    a disciplina; mas a f o a outrina achal-as-lni
    as mesuias depois de terem passado pelas raaos de
    mais de duzentos pontfices.
    Suceederia outro tanto a Luthero ? Sueecderia
    outro unto a Calviao .'
    De eerto nao. ,
    Os bispos sao administradores e conservadores
    da lei, e nao scus edificadores ou novadores.
    Ainda falso o prtacipio, e por coasequencia m-
    admssivel, de que cerUs leis se devem reputar
    como ao existentes. Um Ul principio e subver-
    sivo de toda a ordem moral, poltica e social; e a
    sua pratiea sera a negaeao da ordem e da jus-
    tica.
    Era conclusao; para sentir, e muilo, que o
    tacto se dsse; mas a eulpa nao tem aquelle, que
    irremediavelinente devia accetar as eonsequencuis,
    antes sim aquello que estabeleceu os principios
    donde se deriva cssa mesma consequeneia.
    Repugnar os Sacramentos paternalmente oliere-
    cdos, importou a recusa da sepultura ecclcsias-
    til* A
    O acto do ordinario foi um cumplimento de dc-
    ver: c ao mesmo lempo urna deduccio lgica.
    Deus salM! quanto elle nao amarguraria o cora-
    cao piedoso do nosso prelado, om cuja candidez
    Jalma nao crivel, se abrigue um mao affecto de
    despeto, de vinganca e milito menos o proposito
    de promover um escndalo.
    Cremos firmemonte que nao ha por ah u na so
    .essaa, que conteste estes nobres sentimentos ao
    or. bispo Cardoso **res, e portanto fica liquido,
    que ha deveres, embora duros de cumpnr-se;
    mas que devem cumprir-se.
    e
    POLTICA INTERNA
    Partido conservador.
    JAB0ATA0.
    Muilo gosta o pasquineiro correspondente desta
    freguezia para o Liberal de um tal Ignacio Tuta-
    no, que mesmo duvida ter sido elle quem furtou a
    pata que pz o tal escrevnhador.
    Sera o Tutano o conductor dos cavallos que aqui
    andavam vagando, e foram remettdos para a boa
    polica do Botija no engenho Viagens, afim de moer
    canna?, e que de l foram transportados para Ma-
    mus com o mesmo Botija, onde acabaram no bico
    dos urnbs. ou de outra maneira ?
    Ser Tutno socio do homem da capa encarnada
    que andava com a salva as mi te no ehrsma, bem conhecido no hotel do Cabo, e
    que deve saber de certo roubo de dinheiro que ah
    se den?
    Ser socio de eerto ex-fiscal, que carregou nim-
    ia pedra para a estrada em cavallos remettdos
    pan coima, e que passa por ter trocado um delles
    cora o Flix do Pico, cujo dono tendo apparecido,
    teve Flix de perde-lo, porque o que havia dado
    em troca, o tal fiscal hava vendido ? E est o pobre
    ainda por ver ao menos o valor do cavallo.
    Irra com os taes espoletas do rato de Manass.
    Consta que um delles o mentor do rato, o que
    acredito avista da estupidez do tal animal.
    Nao precisa que o rato para continuar^ a roer
    em Gurja use dos seus elementos, que sao a in-
    triga e a mentira, como bem diz o Casuznha, que
    o demonio do rato de Manass autor de todas as
    intrigas desta freguezia. com Unto que v roendo
    aqui e acola, razo pela qual seus amigos polticos
    dizem que feliz de quem nunca o conhecra.
    O tenente Julin (da Victoria) que tinha a felic-
    dade de nao conhccc-lo, est em risco de perder
    cerca de 6003 que o rato recebeu cm novcinbro
    de 67 na thesourara.
    0 seu predilecto amigo Silvino quexa-se de ter
    sido engaado por elle ; bemfeito, Deus os fez (o
    que duvido muito) e o diabo os ajunlou.
    O Catanho dizem quo se qtieixa de Ihe estar
    distando muito cara a patente que teve de al-
    feres.
    A mesma caresta de patentes e mais cortos ca-
    lotes tem magoado muito ostenentes Daltros, alm
    de que estao por ver anda o resto do dinheiro do
    empedramento.
    O capitao Pinho Borges andava azoado com a
    mulla que pagou innocente, e quasi perde o titulo
    da primara prestacao da fallada ponte de Jahoa-
    tao, ciqo titulo foi chado em tran-aceao, rebatido
    ou dado em pagamento por alguem, o qual foi ge-
    nerosamente entregue ao capitn.
    E' sabido que o rato capaz de praticar tudo
    que ha de mais infame soraente para roer; pelo
    que j se tem espalhado que o actual subdelegado
    est para ser roubado, mas o certo que o hon-
    rado rato j devia ter pago os 600* que Ihe deve, e
    que por sua boa f, aquelle nao exigi um docu-
    mento sequer.
    Espere por este dinheiro para as kalendas
    gregas.
    0 tenente Monteiro diz que melhor e que este
    pasquineiro do Liberal cuide em Ihe pagar o que
    deve, do que esur involvendo seu nome nessas in-
    trigas.
    Quando se tem urna chrnnica to desgranada,
    quando se tem pratcadn tantos attenUdos, quando
    se tem tornado a calamidade de um povo honesto
    e trabalh.idor como o desta freguezia ; deve-se
    entregar pela forca dos remreos ao arrependimento.
    c nao se oceupar eternamente da vida e da honra
    alheia.
    Sr. ralo pasquineiro, a paciencia tem lmites, e
    na poca actual nao ha quem ameace o povo com
    o tronco, nem grite quero, posso o matulo. Basta
    por hoje.
    0 chronista.
    O PROTESTO DO SR. BARAO DE VILLA-BELLA.
    Os eleitores de parochia urna vez eleitos em vir-
    tude do artigo 80 da lei n. 387 de 19 de agosto de
    1846, sao competentes para proceder a todas as
    eleicoes do senadores que hajam de fazer-se at o
    m 'da let/is/atura que entao deconer. Decreto n.
    568 de 10 de julho de 1850; aviso de 19 de ou-
    tubro de 1860.
    Logo, extinguindo-se a legislatura pela dissol/u
    cao da cmara temporaria, exlrague-sc ipso faca-
    a competencia d'aquelles eleitores para procede-
    rera s eleicoes de senadores.
    Com a dissolucao de 18 de julho ficaram ex-
    melos os poderes "dos eleitores que iam proceder
    no da 2 de agosto eleicao de um senador por
    esU provincia, ficou dissolvido o corpo eleitoral ;
    como declarou de conformidade com a lei o aviso
    de 21 de julho de 1868.
    Entreunto o Sr. baro de Villa-Bella tendo de
    votar ltimamente como eleitor especial, envin
    um proteslo declarando que a eleicao de senadores
    a que se ia proceder e o citado aviso de 21 de ju-
    lho erum violacoes das leis e da constituico.
    Vejamos quaes sao os fundamentos do protesto
    Diz o Sr. barao de Villa-Bella que a eleicao de
    um senador para a vaga que deixou o Ilustre
    conselheiro S e Albuquerque, esUva comecada e
    em acto seguido desde 28 de juuho do auno pas-
    sado ; que feitos os eleitores nesse dia e em toda
    a provincia, os collegios eleitoraes iam reunir-se
    no dia 2 de agosto segrate, marcado pelo presi-
    dente respectivo, para a eleicao secundara.
    < No dia 21 de julho, porra, o governo pelo
    ministerio do imperio, por um simples aviso,
    cassou os poderes desses eleitores, e mandn
    susur e extinguir a eleicao de senador. >
    As expressoescassou os poderesextinguir a
    eleicaoforam ahi einpregadas para inverter o
    sentido da decisao do governo. Os poderes dos
    eleitores nao foram cassados ou annullados, fica-
    ram extinetos, o que differe muito. Nao foi o go-
    verno quem os extingui mas a propria lei (cau-a
    efficiente) e o acto da dissolucao (causa occasio-
    nal).
    Nao menos impropria a expressao=mandott.
    sustar e extinguir a eleicao. A eleicao nem esla-
    va comecada quando o governo reconheceu a dis-
    solucao do corpo eleitoral, e a consequente neces-
    sidade de urna nova eleicao primaria.
    c Contra este aviso, no dia immediato da sua
    a publicaco, protestaran! na corte os ex-depuU-
    a dos de Pernambuco, pela imprensa.
    Diz o Sr. baro de Villa-Bella que o aviso che-
    gou urde a esU provincia, parque j encontrn
    em varios collegios a eleicao secundaria feiU.
    N'aquelles lugares, onde ainda nao havia
    juKcioiudo o ooliegioe eleitoraes, os resptoii-
    vos eleitores reuuiram-se e protestaraai. Todos
    estes protestos e actas eleitoraes, a cmara mu-
    nicipal desta capital reuettea ao sesudo, para
    t que esta decida como fdr de direito.
    Os protestos emeluem que o acto do gover-
    a no, sendo, contrario a lei e a constituico, a
    ' eleicao primaria d'aquelle lempo ^oleieao te
    eleitores) <'st en; />e, em seu iiiteiro vigor, at
    i que o senado ve -illque os poderes desiits eleito-
    res de 28 de junho, oa?nroye ou raritille.
    Dizer que a eleicJo primaria d'aquelle lempo
    tst em >e at que o senado decida, dizer que a
    dissolucao do corpo eleitoral depende tfe veatatie
    o senado.
    Nao fm-trauva di validad* ou nnllidad da elei-
    clo primaria de jimlio ; porf te haveria o gover-
    no de osperar que o senado verlicuse a valiil.-ide
    da mesma eleicao ?
    i 0 governo. segunda a terminante disposioli
    da le fundamental (artigo ti da eBti:jicoj
    a iaeoinix'teiite para conuecer de taes questoes,
    a para decidir se Lies eleicoes sao nullas, ou va-
    idas. S - tencia. i
    Temos ah una confuso. Quando foi expedi-
    do o aviso de 21 de julho nao existia urna eleicao,
    sobre cuja validade quizesse o governo interpor
    urna deeso qualquerj tinha-se maicado da pa-
    ra proceder-si- eleicao de um senador^, rae or-
    denou-se que ell;. nao tivesse mais lugai por ter
    fimiado a competencia dos eleitores.
    Se ao governo curapete mandar proceder elei-
    cao quando ella deve faxerVse, nao Ihe compete
    igualmente mandar que ella nao se fara quando
    nao dova ser feita ? Elle nao precisa de consultar
    o senado quando termina urna legislatura, para
    saber se contina ou nao a competencia dos elei-
    tores escolhdus durante ella.
    Diz o artigo 21 da constituico, citado no pro-
    testo.
    A nomeaeo dos respectivos presidentas ?ce-
    presidentes e secretarios das cmaras? verifica-
    ivio dos poderes de seus membroi, juramento e
    sua polica interior, se exeeaUro na foima dos
    seus regimentos.
    Ora porque a terificaedo dos poderes dos sena-
    dores se cxecuU na forma do regiment do sena-
    do, segue-sc que so o senado pode declarar que o
    mandato dos eleitores ficou extracto ".'
    Nao poda, portanto, o governo mandir fazer
    outra eleicao, antes da decisao do senado. A
    lisu sxtupla que se vai compjr agora compre-
    hende nomos de substitutos para aquella pr-
    meira vaga de senador, radicahuentc milla.
    < visto que j haviam eleitores feitos para dita
    t vaga, cajos poderes o senario unir.ameiUe poda'
    <( cassar.
    O senado piule cassar una eleicao, u\:i- nao os
    poderes delegados aos eleitores; piide reconhecer
    e decidir quo nao houve verdadeira e legitima de-
    legaco de poderes : mas cassar os poderes con-
    feridos a alguem, parece significar le assim vul-
    garmente se cntende) a maganto delles (anda
    que conferidos legitmmente), feta prnieiiialineu-
    te por quem os conferio.
    Podem-nos dzor quo isto esmerilhar de mais,
    que cassar, revogar e annular sao li-es synoni-
    mos, que=annullar a eleicao o mesmo que cas-
    sar os poderes dos eleitores. Mas a verdade
    que o Sr. baro de Villa-Bella entende que a com
    petencia dos eleitores de junho ainda est em p.
    em seu inlero v gor, lano assim que riles de-
    viam ter feto a eleieao de 2 de agosto ; c foi urna
    arbitrariedade do governo nao consentir que a II-
    zessem I Os poderes dos i'leitores subsistem e sub-
    sistiro at que o senado os extingus; eis a base
    fundamental do protesto. Acabamos de demons-
    trar que esta base falsa.
    Ao terminarmos veio-nos lemb anca um dito
    chistoso proferido lia dous annos pelo Sr conse-
    lheiro Zacaras na cmara dos dcpubidns :
    0 PROTESTO DO VENCIDO O DA RAPOSA
    QUE, NAO PODENDO ALCANCAR AS UVAS, O
    MENOR MAL QUE DIZ DEI.LAS E' QUE ESTAO
    VERDES.
    X
    PUBLICACOES A PEDIDO.
    Christovo Colombo.
    Quando hbil drama urgo, revolvenflo os factos
    historeos, concebe a idea de apresenta-los a todos
    com suas cures primitivas e escolhe para arena o
    palco, deve ser to feliz como o autor desse drama
    monumental, que representou-sc no theatro de
    SanU Isabel Christovao Colombo -O que so-
    nhra o dramaturgo, viose na scena, os typos cu
    jos perfis sna jtenna tracou, melhor nao plem f er
    representados do que foi pela companhia dramtica
    do Santa Isabel.
    Muita arle e muito gosto raostraram quena
    prsenle estaco temos um theatro.
    Parabens, parabens, Sr. uartc Cnimb a pro-
    cure sempre assim satsfazer ao publico pnam-
    bucano, que lhc ser sempre grato.
    O nome do Christovo Colombo quando anunn-
    ciado em drama nao deixou quieto o sabio, o phi-
    losopho, o poeU e o litterato, o theatro encheu-se;
    e, en confesso, ancoso esperava ver como se ba-
    ria preparado o drama, vi, o scenario estava rica-
    mente adornado, os actores luxuosamente vertidos,
    como ento na corte de Isabel a catholica, as vis-
    tas estiveram magnficas, e sobre tudo a da ilha
    do Haity, o scenographo Chapolin brilhou em seu
    trabalh ; para as festas dos genios as artes se
    combinara, seja-no? dado assim dizer, (bolombo foi
    fielmente representado, o semblante dos especta-
    doresde monstrava as impressdes vivas, que lhes
    causa vara os transportes scenicos, movidos ja pela
    palavra, gesio, ou aerando* actores, j pelo pincel,
    que em relevo Ihe mostrava as mararilhas da na-
    tureza com toda a elegancia e simplicidade.
    Sempre assim, Sr. Coimbra, o continente de sua
    reputacb, como emprezario, est no rumo que le
    ton o geographo genovez, tracadn ao plano de
    sua sciencia, que para muitos era um sonlio, urna
    loocora.
    Dramas, como Christovo Colombo, escriptos,
    preparados c represenudos com Ul gosto, sao de
    todas as escola*, porque pertencem sobretudo do
    bello, e por isso prendera sempre o espeeUdor
    [lersonagem seenica.
    JtKOAitO.
    O papiinero do immundo Liberal, nao outro
    seito o rato de Manass, porque s este.......
    capaz nesta freguezia de Untas infamias que
    attribue aos demae?. Vejara a prova.
    A' pouco, mandando pedir urna carga de agur-
    dente da Ixia um senhor de engenho, porque
    nao ihe baattva a quaBtfdade da botija de cerveja
    que diariamente chupa, nao se fartou em ficar
    com o liquido, mas filou o par de ancoras, dando
    gracas Deus. quem a remellen por nao liear o
    rol com o cavallo, e a cangalba^ O remetiente
    j tem sido victima do tal gatuno. '
    Provocamos, pois esse delapidador dos cofres
    pblicos e particulares, que bem accertado anda
    as variacocs do verbosurripio, a esU ira-
    moral botija para que escreva seu nome por
    baixo das rurrepondenea, para se Ihe ajusur as
    omitas.
    Duvido que Unto se atreva, S do marco de
    1869.
    0 chronista.
    Srs. redactores.O abaixo assgnados passagei-
    r&* da barca portugueza Seguranza, penhorados
    pelas attenepes com elles despensadas pel Ilhns.
    Srs. capitao Lourenco Fernandes do Carino e piloto
    Manoel Fernandes do Carino Sampaio durante esta
    viagem, assim como idos tripoiantes sob suas or-
    dens, incorreriam em grave falu se deixassem de
    dar-Ibes urna publica demonstracaodo seu reconhe-
    cimento, especialmente aos illms. Srs. eapibloe pilo-
    to porque osles cavalleiros mais parecem teiem vivi-
    doembre no centro de escolhida sociedade, do qae
    na rude vida do mar, mostrando nao so muiu
    pratiea e profundos conbecimento* theoiicos da
    sciencia nutica como da medica de que em qual-
    quer d'ellas innmeras pravas deram; juntando a
    estes dotes as virtudes evanglicas que tornam os
    homens crido* e amados de todas as pess>ias que
    os tratara. E como o nao seriam eHes, pois a pesar
    dos escassissimos recursos que o navio Ibes pro-
    porcionava, nunca falUram aos doentea o levido
    tralamento a tempo e a horas, misturado de con-
    solacoes de que muito carecan! ? E quantas
    vezes estes homens delicados deixam de e servi-
    rem do que vinha sua mesa para que tod fos-
    sem abundantemente servido, e nada tivessem que
    desojar 11 Tudo que temos dito nada em rela-
    cao as innmeras virtudes que lhes reconlieeemos,
    e que nos abstemos de relatar por outros j o te-
    rem feto com iguaes conheciinentos e nntivos.
    Rogamis a V. S. o destinelo favor de dar cabida
    no seu muito acreditado jornal a esU* linlas ; peto
    aue uos confessaremos gratos;Pernansbaeo 18
    de marco de 1869.De V. S. muilo alientos veae-
    radores e oongadisiimos.Maria do Carmo Barro-
    so.Emilia Arminda Barroso.Justina Guada* de
    Jess.Rosa Augusta Guedes de Oiiveira.Maria
    Joaquina de Jess.Maria dos Santos Coiso.An-
    tonia Maria Vieira.=Anglica de Souza.Mathias
    Gomes dos Santos.Antonio Jns de Souza.Ma-
    noel Lourenco dos Santos Colbo. Amonio Jos
    Soares de Oiiveira.lacintho da Rocha Brando.
    Antonio de Oiiveira. Augusto de Carvafho
    Pinto.Luz de Queiroz.Antonio Maria Barbosa.
    Augusto Pinto de Souza.
    A morte no saague.
    Sim, no sangue onde se geram as sementes das
    eafermidades e da morte. Ataquemo-las, pois, com
    esse ailstringeiite. o mais aodeoso de todos, a Sal-
    sa Parriraa de Uristol, c a sal vacio certa. Pouco
    importa que molestia seja, pois quer sejam escro-
    pliulas, erysi'tellas, cancro*, bam ras salitrosos,
    febres tercans, molestia do ligado, ou febre biliosa
    e sezoes, a origera deilas todas deve-se buscar no
    sangue, ataeando-se para logo a causa irritante.
    Este grande antidoto neutralisa a materia morbosa
    que se acha derramada as veas, e a qual d ori-
    gen! aos desmanchos e desordens as mais terri-
    veis. e os aLuneuU a aggrava.
    oceulta no sysieuu venoso, e a extermina com a
    rapidez e certeza com que Hercules destruio a
    serpente de cem caberas, de cujos ataques mortaes
    elle o antagonisu mais forraidavcl Lembre-se
    disto os que soiTrem, porquanto islo urna verdade
    incoiitestavcl.
    Aclia-se venda as paarmacias de A.
    Caors, J. da Conc^ieo Bravo 4 C, M.
    A. Barbosa, P. Maurer A C, o Bartholo-
    meu A C.
    7,600 arrobas de carne, 280. ditas graixa em be-
    xigas, 20 ditas sebo em rama ; a Amorim Irmfios.
    Patacho ingle: lily dale, vindo de Cardiff,
    ntanifestou :
    342 toft'ladas carvo ; a Wilson & Helt.
    TABELLA dos precos dos gneros sujeitos a di-
    reito DE EXPORTACAO.-jSEMANA DE 15 DE MARCO
    A 20 DO MKSSO MKZ D MtiO
    Mercadorkis: Unidades. Valores.
    Alanos.......- cento faOO
    AI con I ou espirito de agulden-
    te .......... caada
    Agurdente cachaca .... "
    dem decaana...... '
    dem genebra......
    dem restilada ou do reino
    Algodao em caroeo.....arroba
    dem em rama ou em 15a.
    Angco ( toros)......duza
    Arroz com casca .
    |? lt.-> U1UI9 *CI I I II, J J .1 M
    Itastrp a hvdra I""n (1l**s',ado ou pilado
    "J*1* Amarar branco ....
    arroba
    C0MMERC10.
    PRACA DO RECIFE 13 DE MARCO
    D& 1869.
    AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
    Assucar bruto Canal=3150 por arroba.
    Assucar de Macei = .'i'JO por arroba posto a
    bordo.
    Algodao de Pernambuco 1* sorte = 185700 por
    arroba posto a bordo, a frete de 3/8 d. sem
    priiiiagem (hontem).
    Algodao de Macei 1" sorte = 185000 por arroba
    posto a bordo, a frete de 1/2 e 5 0/0
    Cambios sobre Londres 90 d/v 18 6/8 d., por
    lOOO.
    Cambio sobre Paris90 d/v 505 rs. por franco.
    Cambio sobre Portugal 60 d/v 180 / de pre
    mo.
    F. J. Silveira
    Presidente.
    Leal Seve
    Secretario.
    BANCO AUA & C.
    lina do Trapiche n. 34.
    Desconta lettras vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
    vencional, por lettras e em conta corrente.
    Confere crditos, saca sobre as primeiras
    pracas do imperio, Rio da Prata o Euro-
    pa, e compra cambiaes sobre as mesmas
    pracas.
    Encarrega-se, por commisso, da com-
    pra e venda de fundos pblicos e accocs de
    aompanliias, da oobranca de lettras e di-
    videndos ou de seu pagamento, e de qual
    quer outra operaco bancaria.
    0 expediente para o publico comecar
    s 10 horas da manha, e terminar s i
    horas da tarde de todos os dias uteis.
    ENGLISH BANK
    O Rio de Janeiro Limited
    Dcsc/inta lettras da praca taxa a con-
    vencionar.
    Recebe dinheiro em conta corrente e a
    prazo fixo.
    Saca vista ou praso sobre as cidades
    principaes da Europa, tem agencias na Ba-
    ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
    e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
    para os mesmos lugares.
    Largo do Pelourinho n. 7
    ALFANDEGA.
    Rendimentn do dia 1 a 12 .
    dem do dia 13.....
    432:415*956
    3l:98742t
    487:i03|377
    MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
    Voluntes entrados
    dem idera
    com fazendas
    com gneros
    Volumes sahidos com fazendas
    dem dem com gneros
    483
    C-'i
    129
    260
    ------389
    748
    Descarregam hoje 15 de mar Vapor nglezChrysolilemercadoras.
    Barca inglezaFloating Cloud raercadorias.
    Patacho norte-allemoAnnadem.
    Galera francezaAdeleidera.
    Brigue escuna austraco Capricio farinha de
    trigo.
    Brigue portuguezBenvindoraercadorias.
    Barca francezaFigarodem.
    Sumaca hespanholaPrompt vinhos.
    Brigue norte-allemo Fried farinha de trigo.
    Brigue portuguez Bella Figueirense mercado-
    ras.
    Brigue inglezProthezamercaduras.
    Escuna dinamar.jueza Elizadem.
    Lugar inglez Pearl -idem.
    Importaco.
    Barca portugueza seoiiiunca, viuda do Por-
    to, consignada a Cunta Irmfios < C.. manifestau :
    40 pipas vinho; a Maia & Espirito Santo.
    138 caixas dko ; a Theodoro Clirstiansen.
    100 dHas dito ; a D. A. Matheus.
    3 barris dito ; a Joo Evangelista de S.
    8 ditos dito ; a Jos Miguel dos Santos.
    65 ditos dito ; a J. C irdoso da Silva Pinto & C.
    1 dito dito ; a Manoel J. de S Araujo.
    2 ditos dito ; a Francisco Maraede de Almeda.
    I dito dito; a Emilio Soares.
    2 caixas miudezas ; Jos de Mello Costa e Oii-
    veira.
    50 cadenis ; a A. de Souza Braz.
    110 ditas, 2 volumes movis; a Joaquim Vieira
    de Barros.
    14 ditos ditos, 124 cadeiras ; a Rocha Lima &
    Guimares.
    2 volumes moris ; a Joo Ramos.
    I eaixa liulia; a Domingos T. Bastos.
    1 dita impressos; a Nogueira & Medeiros.
    1 dita ditos; a J. da S. Rodrigues.
    2 latas carne de porco ; a J. M. dos Santos.
    1 caixa dita ; a J. Mureira Lopes.
    45 saceos feijo ; a J. Lopes de Azevedo.
    100 rodas de arcos de pao; a J. Soares da Silva.
    230 ditas de ditos, 30 caixas polvo, 1 dita car-
    ne de porco, 150 saceos arroz ; aos consignata-
    rios.
    90 ditos feijo, 417 canastras alhos ; a Manoel
    Barbosa Ribeiro.
    48 ditas ditos, 1 caixa macolla 100 ditas a 5
    barris vinho; a Mondes & Coelho.
    4 ditos dito, 60 saceos feijo ; a Paulo Jos Go-
    mes.
    50 ditos dito, 20 pipas, 79 barris e 300 caixas
    vinho ; a J. J. Goncalves Beltro.
    10 ditas tinta para escrever, 3 ditas miudezas,
    16 ditas palitos, 6 saceos rolhas, 1 barril vinagre ;
    a A. Lopes Braga & C.
    1 dito vinho, 11 ditos pregos, 1 caixa impressos,
    3 ditas ferragens ; a J. J. de Lima Bairao.
    2 ditas carne de porco, 1 barril vinho ; a Anto-
    nio Jos de Azevedo.
    6 ditos e 10 caixas dito, 2 ditas carne de porco,
    6 ditas movis. 2 ditas pomada, 1 pipa vinagre, 1
    barril azeite; a L. Fernandes do Carmo.
    2 ditas retroz, 1 dita obras de palbeta ; a Fran-
    cisco Guedes de Araujo.
    4 dias pentes, 4 ditas ferragens; a Thomaz Fer-
    nandes da Cunta.
    336 ditas vidros para vidraca, 130 ditas e 40 pi-
    pas vinho, 251 podras de lagedo, 2 saceos alfazema;
    a Thomaz de Aquino Fonceca & C.
    Brigue francez saint louis, vindo de Swan-
    sea. moni festn :
    423 toneladas carvo ; a Wilson A Hett.
    Sumaca hespanhola masnou, vinda do Bto
    Grande do Sal, ntanifestou :
    5,636 arrobas de carne ; a Baltar A Oiiveira.
    Barca brasUeira santa hara, vinda do Rio
    Grande do Sul, manifest :
    9,880 arrobas de carne, 6 saceos cola ; a Amo-
    rim Irruios.
    Escuna br/uitetra F0RM06A, rinda do Rio
    Grande do StU, mmifestou :
    caada
    arroba
    libra
    libra
    uro
    aiToba
    uro
    arroba
    urna
    arroba
    libra
    Itlem mascavado......
    dem refinado.......
    Azeie de amendoim ou amen-
    dobim.........
    dem de coco.......
    dem de mamona.....
    Batatas alimenticias. ....
    Baunilha.......
    Bolacha ordinaria, propria para
    embarque........arroba
    *ileiiiiina......... >
    Caf bom.....'
    dem escolha ou restollio .
    dem torrado......
    Caibros........
    Cal preta.......
    Cal branca.......
    Carne seeca ( xarque ). .
    Carachos.......
    Carvo vegetal......
    Cavernas de sicupira .
    Cera ama relia......
    dem de carnauba em bruto.
    dem idem em vellas ....
    Cavado ( porco)......um
    Cha ......libra
    Charutos.......'. cento
    (kicos seceos.......
    Colla..........libra
    Couros de boi, salgados ...
    dem idem seceos espichados.
    dem idem verdes.....
    dem de cabras cortidos .
    dem de onca.......
    Doces seceos ,......
    dem era g*la ou massa. .
    dem em calda......
    Enxnnis........
    Kspanadores grades.....
    Idera pequeos......
    Esteiras para forro, ou estiva de
    navio.........
    Idera de carnauba.....
    Estopa nacional'......
    Farinha de mandioca ....
    dem de aramia......
    Feijo de qualquer qualidade .
    Frechaes ........
    Fumo em olha bom.....
    dem em folha, ordinario ou rea*
    tolho.........
    dem em rolo, bom.
    Fumo era rolo, ordinariooures-
    tolho.........
    Galinlias. ...-....*
    Gomma de mandioca ....
    Ipecacuanha ( raz ).....
    Jacaranda ( ooucoeiras) .
    I.eolia em achas......
    dem de mangue em toros. .
    Linhas c csleos......um
    Mol ou nielaco......caada
    Milho. .........arroba
    Oeaoa.....,
    l'alha de carnauba.....molho
    um
    libra
    um
    cento
    una
    arroba
    alqueire
    arroba

    um
    arroba
    una
    arroba
    t
    duza
    cento
    900
    420
    1.5000
    880
    800
    3*875
    18*500
    60*000
    1*000
    2*60(1
    4*700
    .1*400
    6*100
    2*500
    1*800
    13400
    1*500
    2*500
    3*000
    7*000
    78000
    6*500
    440
    360
    400
    580
    3*800
    4*000
    1*600
    3*500
    6*500
    250
    500
    20*000
    2*000
    3*000
    4*000
    660
    250
    290
    170
    380
    10*000
    1*000
    360
    320
    1*500
    44000
    2,*000
    12*000
    160
    1*000
    24500
    10*000
    4*000
    5*000
    15*000
    8*000
    10-5000
    8*000
    1*000
    3*200
    23*000
    95*000
    3*000
    12*000
    6*000
    200
    1*000
    240
    1*000
    3*006
    6*000
    5*000
    12*000
    900
    800
    1*000
    2*000
    160
    Papagaios....... um
    Pao Brasil........ quintal
    dem de jangada..... um
    Pechury......... arroba
    Podras de amolar. urna
    dem de filtrar........
    dem de rebollo ...
    Pennas de ema. ...... libra
    .jassava........ molho
    Puntas ou ehfres de vaccas e
    novilhos........ cento
    Pranchdes de amarello de dous
    costados..... ura 20*000
    Idera de lomo. ... 10*000
    Rap....... libra 1*000
    Sabao.......... 1 160
    Sal. ...,...., alqcnire 400
    Salsaparrllha....... arroba 30*000
    Sapatos de couro branco ... par 800
    Sebo cm rama...... arroba 3*000
    dem em vellas. .*.... 75000
    Sola em vaqueta..... um 4*500
    Taboas de amarello .... duza 1404000
    dem diversas....... 87*000
    Tapiocas......... arroba 3*000
    Talajuba........ quintal 2*000
    Travs......... urna 6*000
    Unhasde boi....... cento 380
    Vassouras de piassava.... 10*000
    dem de timbo...... 8*000
    dem de carnauba..... 6*400
    Vinagre......... caada 800
    ADITAMENTO.
    Cigarros.........cento. 320
    nlio de viulialico de mais
    de urna pollegada.....um 16.^000
    Dito de outra qualquer madeira
    de urna pollegada..... 12*000
    Cerveja cm botija ou garrafa canada 1*600
    Meldeabclhas...... 1*280
    Taboas de viuhatico at urna
    pollegada.......una 12*000
    Dito de outra qualuuer madeira
    at urna pollegada .... 8*000
    Era ud supra.
    Alfandega de Pernambuco 13 de maree de 1869.
    O 1." conferente, Manoel Peregrino da Silva.
    O 2. conferente, Carlos Aug sto Lins de Souza.
    Approvo. Alfandega de Pernambuco 13 de
    marco de 1869.Paes de Andrade
    Conforme.Joaquim Tertuliano de Medeiros.
    RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS G*E-
    RAES DE PERNAMBUCO.
    Vendimento do dia 1 a 12
    dem do dia 13 .
    36:428*713
    1:682*532
    38:165*247
    CONSULADO PROVINCIAL.
    (Ii mi'.monto do dia 1 a 12
    dem do dia 13
    75:384*036
    1:672*943
    77:256*979
    PRAGA DO RECIFE
    EM 13 DE MARCO DE 1869, 8 3 HORAS DA TARDE.
    iti:%IVI\ SHHANAL.
    Cambios.Saccou-se sobre Londres a 18 3,4,
    18 7/8 e 19 d. por 15, sobre Paris a 505 por fr. e
    sobre Portugal a 180 '/o de premio; subindo a
    70,000 os saques effeetuados durante a semana.
    Algodao. Vendeu-se o de Pernambuco de
    15*800 a 16*200 a arroba, o de Macei posto a
    bordo de m a 181400 o oda Parahyba de 17*800
    a 18*.
    Assucah.O mascavado purgado vendeu-se de
    3*600 a 3*800 arroba e o dito bruto de 3*150 a
    Agurdente.Vendeu-se de 90* a 92* a pip i.
    Couros.Os seceos e salgados venderam-so de
    250 a 260 rs. por libra
    Arrii.O puado da India vendeu-se a 3*200
    a arroba A.
    AzErra-DooE.O de Lisboa obteve 3*400 por
    8UB0
    Batatas.Venderam-se a 3*200 o gigo.
    B ilachinhas.dem a 4* a barriquinha.
    Caf.dem de 5*200 a 6* a arroba.
    ChaMam de 2*100 a 2*800 a libra.
    Cerveja.A duza de garrafas vendeu se de
    4*500 a 5*300 e a Bass de 8*200 a 8*300 a 8*300.
    Louca.A ingleza ordinaria vendeu-se com 440
    por cento de premio sobre a factura.
    Mantbiga.Vendeu-se a ingleza de 1* a 1*170
    e a franceza de 870 a 880 rs. por libra.
    Massas dem a 10* a caixa.
    Oleo de linhaca dem a 2*400 por galo.
    Passas.Idem a 6* a caixa.
    Presuntos.dem a 20* a arroba
    Quemos.Os flamengos venderam-se a 2*100
    cada um.
    Sabao.Vendeu-se o inglez a 170 rs. por libra
    Toucinho.Idemode Lisboa a II* a arroba.
    Vinagre.O de Portugal vendeu-9e de 120*
    a 135* por pipa.
    Vumos Venderam-se os de Lisboa a 290* a
    a'^r gueira a 335* e os de outros lugares
    rs.o^lle t^ST**0 n*nhnn' "
    .0DpTcS^arm?otdOle,ra8r^ude8a
    Ri sffL i k a "> P*0 Bbd. "vio
    ae vela. .>,d por libra em vapor; nara n r* v\i
    MOVIMENTO oeTblm
    Nano \sahido %o Ha 12.
    MamanguapeVapor braseiro Cmuripe comroan-
    dante Joaquim Luz Goncalves Pena, carga va-
    rios gneros.
    Navios entrados no da la.
    Glacow pela Madeira e Cabo-Verde 60 dias do
    primeiro porto e 7 do ultimo, vapor inulez Sa-
    turno, de 399 toneladas, capitao Corinchel, equi-
    pagem 33, em lestro ; a Perera Carneiro & C.
    Veio receber carvo e seguio para Montevideo
    Penedo e Maci=4 dias, vapor braseiro Parti-
    hyba. de 104 toneladas.commandante Mello, equi-
    pageni 13, carga milho e algodao ; Companhia
    Pernambucana.
    Tamandar, Rio Formoso e Porto de Gallinhas16
    horas, vapor braseiro Mamanguape, de 333 to-
    neladas, commandante Oiiveira, equipagem 16,
    em lastra ; companhia Pernambucana.
    Uristol4 dias, barca ingiera Olimta, de 253 to-
    neladas, eapitao Samuel Ppjwso, equipagem 12,
    carga carvo ; a Sannders Brothers & C.
    Buenos-Ayres34 dia<, polaca hespanhola J3os
    Magdalena, do 177 toneladas. eaptSo Flix Roig,
    equipagem 12, carga 4,000 quintaes hespanboes
    de carne ; a Amorim Iruios.
    Aracaj6 dias, patacho hollandez Calharin, de
    239 toneladas, capitao G. S. Bakker, equipagem
    7, carga assucar ; ao cnsul. Arribou cora agua
    aberta, sen destino era Falmouth.
    Navios sahidos no mesmo dia.
    Rio da PrataBrigue argentino Volante, capitao
    James Riera, carga assucar e agurdente.
    Buenos-AyresBarca brasileira Perola, capitao
    Manoel Caetano dos Passos, carga assucar c
    agurdente.
    Canal-Patacho inglez Era, capitao William Harris,
    carga assucar.
    Observanio.
    Suspenden do lamarao para a Baha o patacho
    hollandez Jnior, capitao Funteter, com a mesma
    carga que trouxe de Trieste.
    Navios entrados no dia 14
    Bahia8 dias, patacho hespanhol Joven Ricardo.
    de 140 toneladas, capitao Flix Brugucira, equi-
    pagem 12, carca pao Brasil; a Tisset Freres.
    Buenos-Ayres28 dias, polaca hespanhola Isabei-
    ta. de 162 toneladas, capitao Juan Oliver y Pon-
    tes, equipagem 12, carga 5,000 quintaes hespa-
    nhoes de carne; a Maury Romagueira Hijo
    & C.
    Bordeaux e portes intermedios 17 dias, vapor
    francez Extremadme, de 1289 toneladas, com-
    mandante H. de Soiner, equipagem 114, carga
    differentes gneros; aTfaBM Fr.'res.
    Narios sabidos no mesmo dia.
    Rio Grande do SulPatacho braseiro Moreira, ca-
    pitao Francisco Maria de Souza, carga assucar.
    Rio Grande do SulPatacho nacional Relmpago,
    capitao Frcderico Jos Prates, carga asucar.
    Ilha de FernandoVapor braseiro Giqui, com-
    mandante Azevedo, carga dTerentes generes
    OtMfMpia,
    Fundearam nolamaro uma barca franceza e o j-
    tra dita dinamarqueza, mas nao tveram commu-
    nicaco com a trra.
    *.
    DECLARACOES.
    SANTA CASA DE MISERICORDIA DO RECIFE
    Peja secretaria da Santa Casa de Misericordia do
    Recite se faz publico quem convier, que a Illma
    junta administrativa nao podendo por si mandar
    reedificar o predio n. 33 da ra Direita perten-
    ceiite ao patrimonio dos eslabelecimentos de cari-
    dade, contratar cora quera niaiores vautagens
    offerecer, edificaco all de um predio terree
    sua custa, mediante o arrendamento por um eerto
    numero de annos, e outras condiefics.
    Os pretendentes devero apresentar suas pro-
    postas em cartas fechadas nesta secretaria at o
    dia 11 do corrente, onde se daro todos os eselare-
    cimentos precisos.
    Secretaria da Santa Ca a da Misericordia do
    Recite, 5 de marco de 1869.O escrivao, Pedio
    Rodrigues de Souza.
    SANTA GASA DE MISERICORDIA DO RECIFE
    Pela secretaria da Santa Casadle Misericordia
    do Recife se faz sciente quem convier, que o so-
    brado n. 3 A silo ra Augusta c a casa terrea
    n. 39 da ra dos Pe-eadores, estao sujeitas se-
    grate disposico testamentaria, cora que falleceu
    D. Esmcnia d Cnneeico Souza, mulher do Dr.
    Jos Joaquim de Souza :
    c Declaro mais que instittio por herdeiros de
    minha meia aeco ao meu marido o Dr. Jo Joa-
    quim de Souza, cora a obrigaro de com sua mor-
    te passar a terca de meu< bens para os roeus ir-
    mos o padre Jos Leile Pitia Ortigueira e D Car-
    lota Esmenia da Coneeicao Leile, aos quaes tam-
    bem instinto por herdeiros da mesma terca na con-
    formidade do que fica disposto, e no caso de quo
    nao sobrevivam seus maos seu marido, a terca
    que elles pertencer, vontade sua que passepaia
    o hospital de raridade que tica assim instituido.
    Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
    cife, 5 de marco de 1869.O escrivao, Pedro Ro-
    drigues de Souza.
    O administrador da reeebedoria de renda*
    internas geraes declara que lendo-se concluido o
    lancamentn do imposto pes-oal do exereico cor-
    rente de 1868-69 das freguezias de S. Jos e Boa-
    vi-ta, fica marcado o praso deste mez c de marco
    futuro em que deve ser pago o referido imoosto.
    sem multa, das sobreditas freguezias, como deter-
    mina a ordem n. 17 do ministerio efepzenda de
    30 de Janeiro ultimo.
    Rocebedoria do Pernambuco 19 de fevereiro de
    1869.
    Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
    Conselhode compras do arsenal
    de guerra.
    0 conselho de compras do arsenal de guerra
    precisa comprar o seguinte :
    1 bandeira imperial de fuelle com seis pannos.
    1 mastro para bandeira com 50 palmos de
    cumplimente.
    As pessoas que quizorem vender ditos artigo?,
    apresentem suas propnstas em carta fechada na
    sala do conselho, as II horas do dia 17 do eor-
    rente.
    Conselho de compras do arsenal de guerra de
    Pernambuco 11 de margo de 1869.
    F. Raphael de Mello Rogo,
    Presdeme.
    Jos Baptista de Castro Silva,
    Secretario.
    Vaselh de cMpr*s aavacs
    O conselho contrata no dia 15 do corrente mez,
    vista de propostas recebidas at as II horas da
    manha, e sob as condicoes do estylo, o feraaci-
    mento no trimestre de abril a junho do corrento
    anno, dos objectes abaixo declarados:
    Para completo do fornecimento de vveres, aieta
    e outros objectos de consumo aos navios da
    armada e eslabelecimentos de marinba.
    Assucar branco refinado, bacalho. bolaebinha
    americana, caf em grao, lenha cm achas e tiioto
    de alvenaria grossa.
    Para completo do fornecimento de fardamento.
    Para aprendizes artfices.
    Cobertores de lia, cobertores de algodao, col-
    chos de linho cheios de algodao ou de i, elencos
    de da preta para grvalas.
    Para imperiaes niarmheiros e aprendisM ditos.
    Camisas de bata azul, tendo o corpo 3 palmos
    de comprimento e 2 as mangas inclusiveis os pu-
    nhos, o leuros de seda preta para grvalas.
    Para fuzileiros navaos.
    Gravatas de couro de lustre.
    Para artfices avulsos.
    Galeas de brim branco, calcas de algodao azul e
    camisas de algodoznho.
    Inspeccao do arsenal de marinha de Pernambu-
    co, 11 de marco de 1869.
    O secretario,
    Alexandre Rodrigues dos Anjo?.
    Por esta subdelegara se faz publico, que se
    acha recolhido a casa de Detencao, o preio do
    nome Joan, escravo de Francisco Pedro de Alcn-
    tara, por su peito de andar muido : que se julgar
    com direito ao mesmo compar>ca,quem provando
    Ihe. sera entregue.. Subdelegada do dislricto do
    Peres, 12 de marco de 1869. 0 subdelegado, 8 sup-
    lente em exereico.
    Joaqum Thomaz de Barros Campillo,

    i
    .


    .
    4


    Diario de Pernarabuc Segunda frir-15 de Mawjo de 1869.
    Fcalis;i Vista t* de Marco te IHIW.
    Por esta fiscalisarii se faz publico a qu'-m in*-^
    ressar, que se aou depositado thuw vacras,
    dous an cavado etistanlio ni i
    hendidos em um sitio na Ponte de l'rlia ; quem
    se julgar com direito ans mencionados animaes
    comparec nesta 'nsealisa$o, que satisfazendo o
    disposto no artigo 16 do titulo 11 das posturas de
    36 Se jnuho de 18W, lite sero entregues.
    O fiscal.
    Jernimo Jos Ferreira.
    Eio de Janeiro
    Para o indicado pc*r.- segu cwn umita brevi-
    da*o veleiro e bem cinheiido kritfue Ailetma*.
    maior parte do carregamenti tratado ; e
    para o resto que lite falla a frete, tra-
    ta-e com o consignan rio Joaquiti Jos Goncslves
    Beltrao, ra do Trapiche n. 17,
    Actores.
    D. Mara Vellmi.
    D. Julia Azevedo.
    1). Clelia.
    Joaquim Augusto.
    Primo da Costa.
    I). Apofona.
    Eduardo.
    Jos Victorino.
    Lesea.
    Thomaz.
    Martinlio.
    Brochado.
    Cotilo Rocha.
    THKATRO
    DE
    SL ISABEL.
    EMPIEZA DRAMTICA
    DE
    Terca-feir 16 de marco.
    Terceira represenlacao do magnilico e appara-
    loso drama histrico d grande espectculo, em 6
    actos, ornado do mnska
    (IISTOIIO 0
    o:
    A descoberta da America.
    Personagens.
    Isabel, 1 calimbe?, rainlia de
    Castilla O Lefio.
    D. Maria de Gusmao, dama
    de honor. .*
    Onea, rainha de Hail\. .
    Christovo Colomho. .
    Diogo........
    Peregrino (irmao deColombo)
    Barlholpmeu......
    D. I.uiz, duque de Foiiseca.
    Fre Pauto -Marchena. eonfes-
    sor da rainha.....
    Kodao, aventureiro. .
    D. Jos de Escobar, tabelliao
    regio.......
    Tubarao, mirinheiro. .
    Antonio, idein.....
    D. Pedio de la Cueva, rama-
    ri-ita.......Jos Guimares.
    D. Filippe de Vega, capitn. Jonlaui.
    Um alcaide-mr.....Florindo.
    Um pagem......I). Fraacls.
    Olema. indgena.....D. Carolina.
    Marinheiros, soldados, frades, fidalgos, nien li-
    eos, povo genovez.eastolhanos, indgenas do Haity
    de ambos os sexos.
    DES0.M1\"\<;V0 R POCAS DOS ACTOS.
    1"O incendio e a fugaGenova ilW.
    {Isabel a catholicaCastella1491
    ;fA revolta a bordoNo Ocano1491
    4Justica e injusticaHaity1496.
    5a recompensa tard aSevilha1505.
    6-O martyro do genioValhadolid1806.
    AACC.in M DltVMA PASSA-SEj
    t* acto em Genova casa di' Christovo Colomho
    2 dito em Caslella, concento de Arrabida.
    3* dito no mar. bordo do navio almirante
    %* dito na Iba do Haity, possesses da rainha
    Ona.
    > dito em Sevilha. palacio de Isabel a catholica.
    6 dito em Valhadolid, nina eattlagHO.
    Todo o vestuario novo eda poca.
    Todos o: aceessorios sao ricos e o acenario a
    capricho.
    O .')" e 4" actos sao iuleiramente novos e do h-
    bil pincel do Sr. Chapelain.
    Nao se pouparao esforcos nem despezas, alias
    avultadas para fazer subir scena esto drama
    cora todo o apparato e riqueza que requer. 0
    scenario do 3 act que figura o navio de Colomho
    com todos os seus accessorios, 'magnificencia e
    movnmnto nutico, de um soberho e sorpren-
    dente efeilo alora as liellissimas scenas dr.. mati-
    cas que adornam este acto. A contextura tiisto
    rica do drama, e os lances patheticos que elle
    contera, sSo de um alcance eminentemente moral,
    majestoso e verdadeiro f Eucontra-se nelle com
    profuso e verdade, as scenas singlas, mas re-
    ligiosas da familia, a pugna heroica do talento
    contra a superstici>, o erro e a inveja palaciana;
    a luta dos elementos, a intriga dos ulicos, a des-
    erenca dos nimos ignorantes e a forra poderosa
    do genio protegido pelos raios luminosos da pro-
    videncia. E' una eeneepcio real, que honra o
    sen autor, e que deve ser "vista c apreciada em
    toda a sua plenitude, por um publico Ilustrado.
    Comecar as 8 horas.
    Os bilhetes acharase j a venda no escriptorio
    do theatro.
    O emprezario aproveita a occasiao para agra-
    decer ao distincto seenographo o Sr. Chapelaini,
    a offerta que Ihe fez do soberho panno do 2" acto
    representando urna floresta do Haity.
    C0MPANH1A PEKNAMBUCANA.
    DE
    Havegaeao coatelra por vapor.
    Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
    caty, Cear, Mondah,Acarac
    e Granja.
    ^ni O vapor Pirapama, commandante
    /MXL Torres, seguir para os portos aeima
    mUt no (lia 15 do rorrete as 5 horas
    da tarde. Recebe carga at o dia 13, eneom-
    mendas, passageiros e dinheiro a frete ale u
    i horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
    do Forte do Mattosn. 13. _______ _
    COMPANHIA PERNAMBUGANA
    DE
    Xaveswo costeira por vapor.
    Macei, escalas Petiedo e Aracaj.
    O vapor Potenai, commandante
    Pereira, seguir para os portos cima
    no dia lo de marco aso horas fia Lu-
    de. Recebe carga at o dia 13 "as 3 horas da tar-
    de, encommendas, passageiros e dinheiro afrete at
    as 3 horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
    do Parte do Mallos n. 12.
    C01PAXHIA brasileira
    DE
    Paquetes a vapor.
    Dos portos do sul esperado
    at odia 21 do crrante o vapor
    Cruzeiro do Snl. commandante
    Alcoforado, o qual depois da de-
    mora do costume seguir para os
    do norte.
    Desde j recehem-se passageiros e engaja-se a
    carga que o vajtor poder conduzir, a qual dever
    ser embarcada no dia desuachegada. Encommen-
    das c dinheiro a frete at as duas horas do dia da
    sua sabida.
    Nao se recebem como encommendas senao ob-
    jectos de pequeo valor e que nao excedam a 2
    arrobas de poso ou 8 palmos cbicos de medico.
    Tudo que passardesteslimites dever ser embar-
    cado como carga.
    Previnc-sc aos Srs. passageiros que suas passa-
    gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
    Io andar, escriptorio de Antonio I.uiz de Oliveira
    Azevedo & C. _____________^______________.
    Para o Porto
    Segu sem demora a barca portugueza Novo
    Silencio, por ter grande parte da sua carga promp-
    ta, para o resto o passageiros aos quaes offarece
    excellentes commodos trata-se com Oliveira Filhos
    k C., largo do Corpo Santo n. 19 ou com o capitao
    na praca do commercio.______________________
    Para Lisboa
    Vai sahir com milita presteza o brigu portu-
    gnez Constante II por ter grande parte do seu
    carregamento prompto : para o restante e passa-
    geiros, trata-se com Oliveira, Fillios & C, largo
    do Corpo Santo n. 19, ou com o capitao na praca
    do commercio.
    le fazca felto.
    Hoje 16 do O agente Pinto farUeilii por conta e risco o*
    qnem pertenoof oVdiffreiHi-s fazendai avaruidas
    a bordo do vapor inglez Srtt^Une, assim fonw-
    vender na memia occasiao tres caisas marca
    BaCcomPembaixons. 1098 a 1100 com cinta*
    de coberta com defeko, tudo existente no arnia^
    zem da ra do Trapiche n. 4*, onde se offectuar*
    o leiliio as 11 horas do dia cima dito._______
    illillJl
    De predios e escravos.
    A SABER:
    Una casa nova edificada em chaos proprios -
    nia da Ventura n. 10 (Opnnga), com silio mura-
    do e plantado, 80 palmos de frenla para ra da
    Ventura c 350 palmos de fundo para o porto oo
    Jacobina c com cacimba.
    Una casa terrea, n. 3 da travessa da ra Impe-
    rial ou do Ka pozo, em chaos proprios.
    Una casa terre i n. 3 da ra do Amparo (t>to-
    da), edificada em chaos proprios com grande
    quintal. .
    Duas escravas quUandciras. sendo que une
    boa lavadeira.
    Terca-feira, 16 do correntc.
    Segunda-feira 15 de margo as 11 lloras cni
    (unto.
    O agente Pinto legalmente autorisado far kilao
    ios predios c esrravos cima mencionados ns 10
    lIOS |l|
    horas do dia cima di lo
    da Cruz n. 38.
    em seu escriptorio ra
    LEILAO
    Da casa terrea nova ao sahir da ra do S. Gon-
    calo n. 3i, edificada em chaos proprios, com
    itoesmeeiros, encanamento de gaz, sala estu-
    cada e militas outras aceommodacocs para rasa
    de familia.
    Terca-feira 16 de marco
    as 11 horas em ponto do da qunta-fera 16 do
    crtente effecluar-se-ha a venda em leilo da casa
    cima mencionada (cuja venna fui annunciada pa-
    ra o dia 26 de marco prximo passado) em o es-
    criptorio do agente Pinto ra da Cruz n. 38. ___
    Gnmflwis de Olindn
    1>> n &*i* lia suprimida a viagera
    dha 7 horas- dJoRnda pAa o Recife o das da
    do Uacifu para ObmU haveado soaionte- das
    7 -4 mairivio para (Hiwfa 4 da tarde? e de OKu-
    da para oRocife l|i da Maalia e :< t\% da tarde
    J? Joacpim liias Reg, Maii: Augusta
    Franco dolieg.i.JulwStiria Franco da Joai|uim Dias do Reg Jnior, Candida Primitiva
    Franco do R-gn, Aorasto Seraflm Fitjmjo do Re-
    g, Otympin. Lui/.a Franco d i llego, llelannino
    Augusto PVane.i do ib-ufi. l>. Florencia Itodrigues
    de Miranda, Joaqun t'ram-isco Franco, I.uiz Me-
    lanio Franco, Eulalia Robocto Fianct. e Joanna
    da Palma Franco da Miranda, esposa, filhos, mai
    c-irmos dri finada Maria Bibiana Frasee do Reg,
    agradecoin eordiatwente a lodos os seu amigos
    e prenles o caridi>so (ili-.-quio de astistir a sen
    enterro no dia 10 do eorrente, e aida esperam
    que se digneiu de assisiir as missas que por su a.
    airan so hao de rezar das 6 a< 7 horas da manha
    do dia 16 deste mee, \, do que desde jase confos-
    sam eternamente u'ratos.___________
    Tara Lisboa.
    Segu com muita brevidadi a barca portugueza
    Gratidao, tem grande parte da sua carga promp-
    ta ; para o que ainda Ihe falta c passageiros, tra-
    ta-sc com Oliveira Filhos h C, largo do Corpo San-
    to n. 19,ouT-om o capitao na praca do coniinercio
    AVISOS MARTIMOS.
    Loanda
    O brigiw pnrtuguez Bemvinia, capitao Silva, a
    chegar de Li-lioa, sahir para Loanda poucos dias
    depois de recolhido a este porto : pode recebar
    alguma carga, e trata-se com o seu consignatario
    loaqnim Gerardo de Bastos, rna do Vigario n.
    16, V andar
    Para o Porto
    Vai sahir com muita brevidade a veleira barca
    Flor de S. Simao visto ter parle da carga enga-
    jada, para o resto e passagens trata-se com os
    consignatarios Camino & Nogueira na ra do
    Apollo n. 20.
    De eseravos e de um cofre.
    Sendo una esrrava pretade nome Miqnilina do
    47 annos de idade, um esrravo pardo de nome
    Salvador de 42 annos de idade, um diio preto de
    nome Paulo com 23 annes, outro tambem preto
    de nome Lindolpho e de idade 16 a nnos, outro
    preto de nome Quirino com 17 anno e flnalim
    um preto de nome Dionisio de 18 annos,
    um cofre de ferro para dinheiro.
    Quarta-feira 17 do eorrente.
    0 agente Martins com autorisaco do lllra. Sr.
    vice-consul de Ilespanha nesta provincia e em
    presenca do mesmo far leilo dos eseravos e do
    cofre cima pertencentos ao espolio do subdito
    hespanhol Jos Filippe Martnez, as 11 horas do
    dia mencionado e na porU da casa n. 5 da ra
    da Cruz._______
    Herculana Doarte de Miranda Menrques. Bcnto
    Joaquim de Miranda Henrii|in's. Ilenriquc de Mi-
    randa Henriques, Angosto Carlos de Miranda
    llenriques, Juvino de Miranda Ifcnriques, Genui-
    no Augusto l'eixoto e Jos Fereira Lopes Reis,
    penhorad'H quanto posstvel, para com todos os
    que se dignaram de aeompauhar ao sopulcro o
    corpo de seu pasado filho, iimao e cunhado Her-
    culano Duarte de Miranda leniiques, rogam para
    o stimo dia a reiteraco desse acto de amor e
    caridade, assistindo ao' memento a missas que se
    pretende mandar celebrar no dia 16 do eorrente
    pelas 7 horas da manha, na matriz do- Poco e da
    Roa-Vista, cujo favor far subir de ponto aquello
    eterno agraderiinento.
    Precisa-sede 1:000a sob hypotheca era urna
    casa terrea e urna escrava : a tratar na botica do
    pateo do Terco n. tflSeeu Maximino Gusmao.
    Veneravel ordem terceira deS.
    Francisco do Recife
    A convite da veneravel ordem terceira do"Car-
    ino, a por di'liberaco da me-a tegedon desta ve-
    neravel ordem, convido a todos os nossos charis-
    simos irmos a comparecerem na igivja de nossa
    ordem paramentados com seus hbitos, no dia 19
    d eorrente, pelas 2 1/2 horas da tarde, para en-
    corporados, acompanharmos a procisso de Tri-
    Ma." um'"-
    De
    LEILAO
    O secretario,
    Joo da CunhaS lares Guimares
    LEILOES.
    tapanhia americana e brasilei-
    ra de paqireles a vapor.
    At o dia 16 do eorrente esperado de New-
    York por S. Thomaz c Para o vapor americano
    South America, o qual depois da demora do costu-
    me seguir para os portos do sul : para fieles e
    passageiros trata-se com os agentes Henry Forster
    & C., ra do Trapiche n. 8.
    GOMPAKHIA PERNAMBUCANA
    DE
    Navegaeo eostelra por vapor.
    Goianna
    O vapor Mamanguape, com-
    mandante Mallo, seguir para o
    porto cima no dia 16 do corren-
    ^ te as 9 horas da noitc. Recebe
    carga, encommendas, passagei-
    ros e dinheiro a frete no escriptorio do Forte do
    Matos n. 12.
    Para o indicado porto pretende sahir em pou-
    cos dias a veleira o bem conhecida barca Social,
    capitao Rocha, por ter a raaior parle do seu car-
    regamento prompto, e para o resto que Ihe falta
    e passageiros, para os quaes tem bons cemmodos,
    trata-se com o con*gnatoro Joaquim Jos Gon-
    calves Beltrao, roa do Trapiche n. 17.
    LEIL10
    n fabrica de carros e de mar-
    clnerla, como da mobllia per-
    tencentes ao %r. F. Polrier.
    O agente Oliveira far leilo por ordem deste de
    2 caleches novos e promptos para forrar.sendo um
    com vidracas, 2 cabriolis sendo um novo e outro
    usado com' varaes de todas as qualidades para
    cabriolets, ac para molas e parafusos para carro,
    urna serrara llovida por manejo com seis serras
    circulares e mais ferramenta, incluindo machina
    para furar ferro e maJaira, um torno para madei-
    ra e de rosca, tud completo, satos e bigornas pa-
    ra ferreiro, folies para forja, martellos, tenazes,
    moldes d'aco, torno de ferro e mais pertenees
    completos para fabrico de carros e aviamenlos pa-
    ra os niesmos, bancos para niarcineiro, ferramen-
    las e mai utencilios para este offlcio, e finalmen-
    te de boa.mobla consistindo em consolos, cade-
    ras, guarda vestidos, sof e marqueza, aparador,
    mesa de meo de sala, de jantar e outras, toucador
    e carteira, tudo de amarello, camas de vento, bi-
    dets, cadeira secreta, loucas, armarios pintados
    sendo um para guardar arreios de carros e mui-
    tos outros artigos anlogos aos misteres indicados.
    iioji:
    as 10 horas da manha no proprio estabelechnen-
    to do referido Sr. Poiriet, ra do Imperador n.
    9', defronte do convento de S. Francisco, onde os
    nrofessioriaes e pretendentes podem tudo exami-
    par com autecipacao.
    movis, tonca, crvsae
    e eseravos.
    A SABER :
    Um piano forte, una boa mobila de Jacaranda,
    2 grandes espclbos com molduras deliradas. I ax-
    cellente secretaria de Jacaranda, diversos livros,
    papel para forros de salas, dito para flores, qua-
    dro, 1 lbum par re ratos, candieiros, rclogios
    de parede, dito de alg boira, msicas, 1 flauta de
    bano, I mesa elstica, lotica e vidros, uiarquezas.
    mesas, cadeiras, 1 toucador de Jacaranda, i ma-
    china de copiar carta, venezianas, 1 machina de
    costura, 2 guarda vestidos, 2 aliagens, 1 lote trem
    de cosiuha e muilos outros objectos.
    Duas grandes portas de amarello a urna varan-
    da de ferro.
    Um escravo crioulo de 22 nnos que cosinha e
    trabalha de pedreiro.
    Urna escrava. crioula de 33 annos, que cosinha
    bem, faz doces, massas. assim como engomma e
    lava.
    Quinta-felra 18 de marco
    A'o soltrado da ra da Imperatriz n. 45, 2" t 3"
    an ares.
    O agente Pinto autorisado por urna familia que
    retira-so para Europa, far leilo dos movis e
    mais objactos cima mencionados, existentes no
    2 c 3o andares do sobrado da ra da Imperatriz
    n. W, onde se effeetuar o leilo as 10 horas do
    dia quinta-feira 18 do eorrente.
    Principiar as 10 horas.
    AVISOS DIVERSOS.
    Veneravel ordem ter-
    ceira de N. S. do Car-
    ino do Recife
    Proelsso de i'rliimpho.
    Tendo a veneravel ordem terceira de Nos-a Se-
    nhora do Carino desta cidade de apresentar a vis-
    ta dos fiis a soleranissima procisso do Triumpho
    dos Passos do Senhor no dia 19 do eorrente mez
    as 3 horas da tarde, e desajando a masa regedora
    que este acto seja r.'vestido de toda a pompa e
    magailiecncia, uiand convidar a todos os charis-
    simos irmos. para qii- paramentados com seus
    hbitosconiparec.ini u.i igreja de nossa ordem no
    referido dia e hora indicadas, alim de qm acotn-
    panhando a mencionada procisso, cooperen! por
    esta forma para o seu maior explendor c brilhan-
    tismo.
    Secretaria 13 de marco de 1869.
    *0 secretario,
    Joaquim Xavier Vieira Ligo.
    PUNTEADOS PARA SENHORAS
    Pedro Ernesto Rodrigues da Silva. Manoel Ju-
    venal Rodrigues da Silva e Antonio Juvencio Ro-
    drigues da Silva, convidam a seus amigos e pa-
    rentes para no dia 15 do eorrente polas 7 horas
    da manha, assistirem na igreja do Carin > missas
    que mandara celebrar por alma de seu sobrinho
    o tenente Antonio Olimpio Carneiro da Cunta
    Aranha, inorlo no hospital de Humait em conse
    quencia dos feriuo-ntos recebidoe no combate do
    27 de dazemhro, em Angostura.________________
    Da armaco. gaz, gneros e per-
    tenees da taberna n. 53 da
    ra Nova.
    O agente Martins far leilo a requerimento do
    testamenteiro do finado subdito portuguez Anto-
    nio Ferreira Gomes, e por despacho do Illm. Sr.
    Dr. Claudno de Araujo Guimares cnsul de
    Portugal da taberna cima.
    HOJE.
    Ae 11 horas do dia na mesma taberna.
    Jos Soares de Azevedo, professor de
    lingua e litteratura nacional no gymnasie
    provincial do Recife, tem aberto em sua
    casa, ra Bella n. 37, um
    CURSO DELlNGL'A FIIANCEZA
    DE GEOGRAPHIA E HISTORIA
    DE PHILOSOPHIA
    DE RHET0RICA E POTICA.
    Os estudantes qne pretenderen! frequen-
    tar qualquer destas disciplinas, podem diri-
    gir-se indicada residencia, de manha at
    as lOhoias, e de tarde a qualquer hora.
    Precisa-se alugar un moleque ou mesmo
    um preto de maior idade : quera tiver pode vir
    tratar no paleo do Terco n. 6:i.__________-
    DESAW
    )
    b
    i^1
    -
    s
    SALN DE COIFFURE
    DE
    ANDREDELSUC
    MSOR DI 1. iOW
    Ba do Crespo n. 7 primeiro andar
    Andre Delsuc, cabellereiro de Paris, empregado de Mme.
    viuva Leconte, tem a honra de participar ao respeitavel publico
    que contractou cora Mr. Georges, que se retira d'esta provincia,
    tomar conta do seu salo de csbelleiro da ra do Crespo n. 7.
    Nutre a esperanca que seus amigos, conhecidos e os fre-
    guezes a quem servia emquanto foi oflicial de Mme. viuva Leconte o
    favorecero, acompanhando-o no seu novo estabelecimento, e tam-
    bem que a bella fieguezia de Mr. Georges continuar a frequentar
    o seu salSo, certa de que envidar todos os seus esforcos para
    merecer a sua conanga.
    Achar-se-ha sempre no seu estabelecimento um trrande
    sortimento de cabellos de lodos os tumantios para coques, seja
    qual for o feitio, de trancas, repentiz, frisos, bandos, etc. etc. etc.
    emim tudo que diz respeito sua arte.
    Continuar a praticar no seu salo o mesmo que praticava
    Mr. Georges : fazer a barba, cortar os cabellos, frisar e friccionar
    com toda a promptido, asseio e delicadeza.
    Aviso s senhoras
    Tem a honra de participar s senhoras que o quizerem
    honrar com suas freguezias, que podero manda-lo chamar, certas
    de que sero sempre penteadas com gosto e ultima moda.
    TRABAMOS EM CABELLOS
    L
    Aluga-se urna ama de leile, escrava e sem fi-
    lho : na ra das Cruzas n. 7. ___________
    Precisa-se de 4:O0j a premio sob hypothe-
    ca em morada de casa edificada de novo : a tra-
    tar no becco das Barreiras n. 17.
    Fornece-se comida com asseio e promptido
    em casa de urna familia : na rua do Padre Flo-
    riano n. 71, 1* andar.
    Os abaixo assignados fazeni Menle ao res-
    peitavel corpo do commercio. que deixou de ser
    seu caixeiro o Sr. Francisco Eugenio Nogueira,
    desde o dia H do eorrente. Recife, 12 de marco
    de 1869.
    Sei.vas Precisa-se de urna ama para casa de pouca j ama casa "de pouca familia : r
    familia: na rua larga do Rosario n. SI. I arioa. 21.
    Tendo-sc mandado da rua estreila do Rosario
    Sara o lugar Peres da freguezia dos Afogados, no
    ji de feverciro do crrante anno, algumas pecas
    de mobilia, e juntamente alguns jornaes e livros
    por urna carrca destas que conduzem assucar dos
    engenhos, acontece que desapparcecu ou rouba-
    ram da mesma carroca una colleccao do Diario
    de Pernambuco e do Jornal do lecifc, completa,
    do anno de 1868, e diversas collecces dos nies-
    mos jornaes, nao cdhipletas, do anno de 1866 e de
    1867, assim como urna grande porco dos jornaes
    Oriente c Mercantil de 1866, 67 e 68 : roga-se o
    favor a quero comprou, provavelmente para era-
    orulho, que se digne entregar na rua de Sania The-
    reza n. 14, ou annunciar por este jornal, pois que
    alera de kar-se agradecido, se pagar todas as
    despezas, ou mesmo alguma noticia a tal respeito.
    Perdeu-se na sexla-feira de Passos urna me-
    dalha de ouro de finagra que cahio do adereco de
    um amo que acompanhou a dita procisso : pe-
    de-se a quem achou, que venha entregar na rua
    da Lingoeta, taberna n. 4, que ser recomffensado.
    Do engenho Preferencia fugio no dia 4 do
    eorrente o escravo Theodoro, mulato claro, altura
    regular, cabellos crespos, olhos pardos claros, e
    alguma barba apenas no queixo, sendo de made
    obra de 28 anuos : roga-so pois S apprehensao do
    mesmo, levando-o ao engenho supracitado, onde
    se gratificara ao anprehendedor.
    BOTICA EGASA
    = Prectoa-se de urna ama escrava ou forra que
    saiba coziBbar : Ha rna de S. Franciso) n. 54.
    Precffa-se alugar urna escrava para sen-ico de
    rua larga do Ro-
    77 RUA DA IMPERATRIZ 77
    N'este novo estabelecimento h um completo sortimento de medicamentos, pro-
    ductos chimicos, e drogara, tudo de primeira qualidade, e se vender por menos do
    que em outra qualquer parte.
    H tambem um sortimento de medicamentos homeopathicos, tinturas e gtobu
    los inertes, por precos commodos; bem como xaropesde jurubeba ferruginoso simples,
    vinhos de jurubeba simples e ferruginoso, e o bem conhecido xarope de Paracary, es-
    pecial d'esta pharmacia. Aviam-se receitas a qualquer hora do da, e noite, com promp-
    tido, cuidado, e pericia ; nao se negam a qualquer occurrencia em casos urgentes. O
    socio gerente encarregado do estabelecimento mora no mesmo, para o que est
    prompto a abrir a porta a qualquer hora que for preciso. e
    r C. tMtaa k L.
    INJECCAO VEGETAL
    com M TICO
    de GRIMAULT e C* pharmageuticos em PARS
    0 wecesso d'eU injecelo, preparada cora as folhas do MaUco do Per, foi o rapid, gne
    9et de toda a aaiareza. V o anico prodoeio nesle genero caja entrada na iuuaia waaa um
    anthoriada pelo eoaselho medico de 81o Peterebnrgo.
    Deposito enr Pernambuco, *m caa de
    RUA |
    |DO
    CABUG
    esquina
    da roa larga do
    Rosario.
    AO AINEL
    mik:
    Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
    e vende por precos que nenhuma outra casa pode vender.
    vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.
    Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele-
    vados.
    Aj loja est aberta at s 9 horas da noute.
    CABUG t
    esquina
    da rua larga do I
    Rosario.



    a r
    Diario de Pernambuco Segunda feira 15 de Marqo de 1869.
    AttenQo! attenpao!
    Gnilhermino Rodrigues do Mente Lima faz sei-
    rito a*s ofBciaes de todos os cottyos, que acaba de
    receber um completo sortimento de espadas, bao-
    *, talins, talabartes e charlateiras, e irais per-
    leaees. Assimodino ri'.'i'licu tambem chapeos de
    oleado para criados, do copa alta e baixa, com
    corda de ouro ou prata, o veade mais barato do
    q6 m outra qnalqucr parle, na praca da Inde-
    tnwteocia n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
    SEGUROS
    MARTIMOS
    fCOMTRAFOGO.
    A Companhia Indemnisadora.estabelecind
    nesta prafa. toma seguros martimos sobre
    navios e seas carregamentes e contra fogo
    em edificios, mercadorias e mobilias: aa
    roa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
    Trocam-se
    as notas do banco do Brasil c das eriixns flaes,
    com descont muito razoavcl : na praca dJnde>.
    pendencia n. 22.
    Para eozinha
    Precisa-se de urna pessa que cozinho bem
    ra do Crespo n. 21
    na
    - Noesciiptorio do Tasso rmaos, ra do Amo-
    *tt.,ha-para Tender gorgunio de seda^ra
    emais pertenoes para forro de un bom ocarr.
    Na ra do Pires n. 4%:prtvisa-se de duas
    amas para engommar e cozinliai _____
    Joaquim Jos Gon-
    palvs Beltrao
    RIJA DO TRAPICHE N. H, 1. ANDAR.
    Sanca por todos os paquetes sobre o Ban-
    jo do Minho, em Braga, e sobre os seguin-
    tes logares em Portugal:
    Lisboa.
    Porto. *
    Valenca. y
    Guimares.
    Coimbra.
    Chaves. *-'*.
    Viseo.
    Villa do Conde.
    Arcos de Val de Vez.
    Vianna do CastHlo.
    Ponte do Lima.
    Villa Real.
    Villa-Nova de Famalico.
    Laraego.
    Lagos.
    Govilha.
    Vassal (Valpassos).
    Mirndulla.
    Reja,
    BaiT#llos. *>.
    1,
    Resta venda um escilliido Bortimento do ob-
    jectos de marcineria, como sejam. mobilias de Ja-
    caranda, mogno eamarcllo, obra nacional e cstran-
    gaira, do apurado go-io e por" preo razoaveis:
    na ra estreita do Bosario n. 32. N'esta mesina
    casa fazem-se com pferfeicao todos os irabalhos de
    paihinba, como sejam, empalhamentos de lastros
    para camas, oadoiras e snphs.________
    VTILID1DE
    AosjOO pares de brincos.
    Cliegou o vende-se no Corarjo
    d"Otiro, ra do Cabug, brincos de
    maosinhas com urna franja penden-
    te a um rico desenho e ouro de
    Ici, pelo pequeo proco de 15U00
    cada par. baratissimo.
    BARTHOLOMEU 8* C.
    PAIU USO INTERNO
    PREPARADOS -SIMPLE
    Xarope de jurubeba garrafa. I #000
    Vinho de jurubeba garrafa. 1.5600
    Ptalas de jurubeba vidro. 1)$600
    Tintura de jurubeba vidro. 640
    Extracto hydracoolico de jurubeba. 120500
    PREPARADOS COMPOSTOS.
    Vinho de jurubel ferruginoso garrafa." 25000
    Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. I 1600
    Ptalas de jurubeba ferruginosa vidro. 2000
    Oleo de jurubeba vidros. 640
    Pomada de jurubeba pote 640]
    Emplastro de jurubeba libra. 200
    PARA USO EXTERNO
    . A JURlJBBBAa
    hsta planta e hoje recosheeida como o mais poderoso inico, como um excel-
    lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do figado e baeo, as
    hepatites propriamente ditas, ou anda complicadas com anazarchas, as inflammacoes
    subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
    pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as hodrope-
    zias, erysipellas ; e associada as preparaces ferruginosas, ainda de grande vantagem
    as anemias, chloroses, faltas de menstruacao, leucorrheias, desarranjos atnicos do
    estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
    O que dizemos afflrmam os mais dislinctos mdicos desta cidade, entre os
    quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino l'onseca, Sarniento, Seve,j
    Pcreira do Carmo, firmo Xavier, Silva etc. Todos elles feeonheceraa exi
    Aluga-se
    O advogado Dr. Antonio de Vas-
    i concellos Menezes de Drummond
    transferio o seu escriptorio para a
    i ra do Imperador n. O.ondc pode
    ser procurado todos os dias atis
    das 11 horas da manha at as 4 da
    tarde, para os misferes de sua pro-
    fisso.
    "Til
    Na ra da Cadeia do Rectos n. 20, prccsa-se
    alugar um iscravo para o servico interno e exter-
    no de urna casa de honicm soltoiro.__________
    TSethodo Castilho.
    Secundino Jos de Paria Sinifies, profelor par-
    ticular de instruccao elementar polo metnndo ras-
    tillo, avisa ao respHiawl pnblirn e-enm eapeeiafaj]
    dadeaos pais do familia, quewt aborta suaaulal'
    desde o dia 7 de Janeiro, na na da IVnba n. 23.
    primeiro andar, .-.onde recebe pensionistas por I
    proco comm.nlo: o niesmo professer proniette, ^>jgtttitt|aj| l Pf{!#il(]
    mulo so esmerar no adiaiitamento de seus aiam-1 u,j'-^\;,-'j)2- i li^^c^^.'-.-a.l-.iJ'is
    as. Aoha-so aborto desde o-masmo dia unicur- lt .
    Alberto.
    ANTONIO EPAMINONDAS DE
    MELLO torn o sen escriptorirj de
    *lvogado na do Queiraado n. 8,
    1." andar.
    so de primeirasleiraanople para aquellas pes-
    soas uenao pudecdp freqnntai- dor.-uito o da,
    >i. Pvrreira Hlela; _
    Photograjlvo ta ettsa imfnsriul
    ppemiadooni diversas evposi-
    <*oes.
    Ntua photograpliia a ra do Cabng n.
    18, entrada pelo pateo da matrir. tirt retra-
    tos pftr todo os sistemas pbotographioos.
    Em pon-olana Em vidro
    Em MW4 l'm papel
    CART ES DB VISITA Aj A DUZIA.
    Os retratos carte-de-tixile sao collados
    3Li cartao de luxo brislal ou porcelana,
    murados du liibo.ti-auhados. -inadrlongos
    por
    '3fS000
    'i le iiiii ronimico
    Soo randido.
    Uti vIbUw em 8', francez-----
    IKnf inesnio asitor
    UMA KEL'NIAtJ NV PRACA PLBL1CA
    sisma DiAittvnc\
    lu volme em 8-, francez... oQ|
    Assgnam-se na liviaria francoz
    excellencia d'este
    "poderoso medicamento sobre osdemais al boje conhecidos para todosos casos citados,
    tanto.que todos os dias fazem d'elle applicaco.
    Aprtsentando aos mdicos e ao publico emgcral diversos preparados da juru-
    beba, tivemos por im generalsar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
    repugnancia que at hoje sentan os desates de usar dos preparados empricos d'elle, e
    Imafsdae vi-zes repugnantes a iragarem-se. equetinham anda a desvantagem de itSo
    j ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo um
    medicamento, que poderia produzr ptimos resultados.
    O^nossos preparados s foram apresenladosdepois debavermos conveniente-
    mente estudado a jorobaba? fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
    piedades medicamentosas (Pesia planta em suas rafees, folhas, fructas ou bagas, c a
    dose conveniente a nppiicaoao, leudo alm d'isto procurado levar js nossos preparados
    ao maior grao de pccfcieo possve, para o que nao poupamos estallos, nao nos im-
    portando o pouco iucro que possamos tirar.
    Por tanto os que se dignarem recorrer aos iiosos preparados podem tsr a
    certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, .a pronipta o infalli-
    veleura de qoalquer dos sbffrmtentos.qae deixamos innnmerados, se forem em tempo
    applicados, tendo alm dsso. medico en doente a vantagem deescolher nasnossas va-
    riadas preparacoes, iquella que melhor llie podeconvr, ja pela fcil applicaco, c j pela
    complicacao das molestias, idade, sexo, ou nimia natureza de cada individuo.
    As nossas preparacoes ferruginosas sao feilas de forma que se tornam comple-
    tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompostos de ferro que
    como I aos eslao hoje jveonbecidos.
    Mn squelles (pie mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
    jurubeba e saberem a applicaco de npssos preparados, destiihuimos gratuitamente
    em nosso deposito um folheto, omle'tratamos niais extensamente d'esta planta e dos
    mesmos preparados. ^^ ..,.
    Deposito crpil-rr todos os preparados
    EBrif fea c drogara .
    34Rita larga do Rosario34,
    Do xarope Vegetal Antericaao.espeelalldade de Uariholeinen dk C.
    3*MJA LARGA DO ROSARIO34
    Nao costumamos procurar attstados para acreditar nossos preparado, e ds>
    xamos que srjaappllcacSrt eos resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceita-
    los, Ihesdeem crdito evoga; porque sao sempre os attstados considerados gratuitos,
    e delles que langa m3o o charlatanismo; mas, no querendo offender as pessoas .qoa
    espontneamente nos offereceram os que abaxo v5o transcriptos, os fazemos publicar,
    manifestando-lhcs nossa gratidao pela attenco, esperando que venham eBes coiToborar
    o conceito, e acceitacao que tem merecido nosso xarope.
    Bartholomeu & C.
    ATTSTADOS
    Illms. Srs. Bartholomeu A C com a mais subida satisfaco que declaro
    ser o xarope Americano de urna efcacia extraordinaria, pois que sollrendo ha dias de
    intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de niedicimentoa
    que toma va, a elle recorri e na tercena colher fui alliviado, c de todo me ado hoje res-
    tabelecido com o uso smente de quasimeio frasco: grato, pois,' i esse resultado mani-
    fest a Vv. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado.Ma-
    noel Antonio Viegas Jnior. '
    Sua casa 20 de abril de 8ti8.
    Illms. Srs. Bartholomeu d- C.Pcnhoradissimo com o favor que me fizeram
    de aconselhar o uso. do xarope Vegetal Americano, de sua composic2o, quaudo me acta-
    va bastante doente de nma constipacad, que me tornou completamente rouco e que
    trouxc urna forte tosse, e me impossihilitou de cumplir os meas deveres de cantor da
    empreza lyrica, vou agradecer-Ibes meu completo restabelecintento, qm- obiive com un
    s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a mudos tralanu utos. Desejarei
    que outros cora en recorram ao seu zampe para so verem alliviado de lao ttnivel
    incommodo, tao fatal neste paiz. Com maior consideraco contino a ser de Vv. S.
    atiento, venerador e obrigado.Luiz Cremona.
    Recife, 2a de setembro de 1868.
    Illms. Srs. Bartholomeu & CO xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. teem
    exposto venda de toda efficaeia para o colativo d astl.ma, conforme olawrvei appli-
    cando-o a mcufilho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'csse flagcllo, que at
    entao por espaco excedente a dous anpos havia resistido a outros xaropes de grande
    nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expressao altamente sincera de meu reco-
    nhecimento fao meritorio servico quelite prestaran! com o indicado xaivpe, acreditaa-
    do-me para sempre de Vv. Ss. criado, atiento e obrigado.A meneo Nello de ilcndonca.
    Rccim, 2deoutubro de 18C.8.
    :i i
    do t'respo e na en'jrd.'nacao
    na di) Imperador.
    Pa>i
    a qiiarcsiim
    do Rosario n. 38, -obrailP^dc
    Ult
    Na roa estrriu
    tim andar, faziJtn-se tlor.'s le todas as nualidaiies!
    para oi'iifm'nto le ipr^jn, altar, -'ndws' o ^*iil-
    .ln-i. Incltisivearcos, palmas e rosai < tinto ipia:i-
    . i'.'i- ..iiiet'inent'i aos sarro? ai-tos ; assim epuM
    propurni-s para fra com a maior prestea mjtml*
    quer eneonimfinfla no:t,- j.-ncro : entro -iotain-
    li'-in hf.rm flores miinftsTs proprias para Wfc-i-"
    is
    DOENCAS DO PEITO
    XAROPE D'HYPOPHOSPHITO
    CAL
    A efficaeia d'esta preparaco est estabelecida desde f 8CT, pelos mais celebres medios. Desde
    entao muitas imilacoes tem sido feius, mas nenlnims ponde sasteotar a comuaracSo com e
    producto apreseutado pela nossa caza. Por isso excitamos o publico para que exiga sempre
    este xarope com urna bella cor de rosa, nunca branca, e com* a nossa assignatura roda do
    frasco. *_^*.mx *^^^^^^MKtf&
    Sob a sos influencia, a tosse scahna-se, os snorrs nocturnos cesslo e o doente volve rpida-
    mente sade. 0 seu empreso di tambero os mais brilhantes resultados nos defluxoa, catar-
    rhos, bronchites, irritaedes do peito. etc.
    icposiin rm Pernambuco. cm rasa de Maorrr O*.
    &H^XK2E&&$. 4^#^4^W^4fS&4F
    DE
    DE
    J. VIGNES
    S. -ioRA DO IMPERADORN. 55.
    Os planos dtsU anliga fabrica sao boje assz conhecidos para s ] neressario
    insistir sobre sua stmeporidade, santagerrs e garantas que offerecem aos compradores,
    qualidades -,-stas iacoiitestavci.s, que elles tem definrtivameato conquistado sobre todos
    os que tem apparecido nesta praca; possuindo um teclado e niaLliii,isnio qne obedecen
    todas as voniades e capicliosdas pianistas, sem nuncafalhar, por serem fabricados'
    de proposita e ter-se feito ltimamente melhoramentos importantissimos para o clima
    deste paiz; quanto s vozes so melodiosas c flautadas e por isso meato ayradavcis aoa
    ouvidos dos apreciadores.
    Fazem-se conforme as encomme.ndas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blon-
    del, de Pars, socio correipondenie de J. Vgnes, em cuja capital foram sempre premia-
    dos em todas as exposices.
    No mesmo estabelecimento se achara sempre um esplendido e variado sorti-
    mento de msicas, dos memores autores da Europa, assim como harmnicos e pianoi
    harmnicos, sendo tildo vendido ppr oreos coramodoss razoaveis.
    emos caixiflhaS, pa.ie-par-touls, miadros cantuimo enm *iro* de ota proprios para do-
    3 nwWuras douralas e pretas cassol^fas de I '''""' "'s, vcilas onfeisadas rii-abvntc, bor-
    rmmp ilfinetes simles e com nedras nr^l^^*^^f,r?P,w^rab:Hter1^''aI,e"as ,l,v ul,?adu "anona, na fabrica de Js \ cente
    Duroe ainu. lo simples ccom peoras pre nores para mnSas e nTvs. Alem disto se en- Uodi
    dosas, havendo nos alflnetes urna mimosa
    ?ariedade de feitios.
    O nosso estabelecimento photogi'apbico
    est sempre em dia com os melhoramentos
    o progressos que na America do Norte, na
    Boropa ou no Rio de Janeiro se consegue
    na arte photographica, e para alcancarmos
    tal fim nunca poupamo dosiiezas nem sa-
    aificios, de sorte que os nossos numerosos
    freguezes podpm ter a certeza de que sem-
    pre enooritraro em nosso estbRlccimento
    tudo quanto a arte e a moda offerecer de
    bom no novo e veHto mundo aos amantes
    da pbotographia.
    PEIMEIRO LIVRO
    HHR Rl
    PELO
    Dr. Abilio C. Borges,
    2* KDtnO ME.IIOIWO.V B AUGMENTABA
    II' vcaJa na livraria Francesa
    Esta obrinha, i)iimeira pie com tal titulo
    apareceu no paiz, comporta segundo um
    systema especial, abreviado, pbilosophico e
    ameno, e muito diflgrente das cartas co-
    nMMn cotn OTime de A B v,.
    Recoinenda-a o faci dii haver iido adp-
    tala para a^ tRCi'las puhlkar* do quasi to-
    dfc as provincias 11 impalio, sendo poH
    toda a parte tao \ in^ajOs.HnsntaaceJta, que
    em menos do 18 nvzes achou-se esgotada
    a f rime ira edicao de d.v. mil oxempiares.
    mm
    cumbem Jo preparo Je bandejas do bulos v<
    enfeiladas de con formulado ao liin a que se desti-
    na, quer teja para casamentas, rquo para bailes
    fa;em t nnlw.in vestidos para1 a quaresma ou outro
    qtialquer quo BU precisar MM a nniorinoioptido
    e asse.ii).
    Fundipao da Aurora.
    Xosie vasto establceRnente sempre se cneontra
    utn completo sortimento de taixas -de ferro batido
    I liioJtdo, fabricadas ivccntciih'nte. o e faltrieam
    de t|t,alfcr molde a vwit;nie dos compradores, e
    recof razpoaei.
    Quotft prafisar de.\ina atoa para casado
    li.pin- ii solt'-iro p:na cozhiiiar- engoinmar bem.
    dirija-so a travessa da ra do tjnuimado u. 8.
    BiULmSblMO
    lodmio &U., ra do lardimn. 10, KvHam aos
    eua treguezesdcita capital e do nh'i'ior, qiHicm-
    tinuam a fabricar calcad-i eiu alta escala, o offo-
    reeemas nielhores >i.ndicos, tanto eniprecn como
    sm qualidade: Os proprietaiios deste .i.ibeleci-
    menlo chamam attcnrodos senhons consumi-
    dores do interior, qr.e os qntoreffl lionrar un
    sua freguezia, especificando eui seus i-'did a
    jualidadc o num&racabolTorecoBdo^o para os en-
    tregar bem acondicionados om casa, de seus cor-
    respondentes nesta praca.
    fice isa-se de una ama quo saiba bem cosinbar
    para c.i-ti de ra|.i/siiltoiio : a t'atar na ruada
    Cadeia do Recilc n. 56, toja de ferraiens.
    Aluga-60 a casa torrean! i na mi Din-ita
    com urna maia agua no fundo, que deita para a
    ra das Aguas Verdes : ua ra ora de Santa Ri-
    ta sobrado n. 56.
    (inhiiiete Poiiuo-ut"/ de L'itmt
    EM
    Frederico Maia
    Cirinrgio dentista pela osela
    de medieiua
    de Hlo de iauuelro.
    Tem a honra de participar ao respeitavvl publi-
    co, desta capital seua suburbios, quetotn abertoo
    seu gabinete de consultas e o|)eraces dentarias a
    ra Oircita n. 12, primeiro andarj onde pode ser
    rocurado todos os dias das 8 horas da mar.t'a as
    da tardo. Elle acha-se coiniwtentement habili-
    tado para com perfeioao collocar denlos artifieiaes
    porquahpierdos s\stmas, e bem assim deseuipe-
    nharqualqoer outro trabalho conoerneute sna
    proftssao. O mosmo, roconhecend* que nem sem-
    pre nassivelassenhoras on criancas sahirem a
    procr...ir o remedio, *>ffereee-se a remover qual-
    I r.11 1 lilil U) fier obstculo, declarando qne na cidade e pres-
    ii. i nt ** lara qualquer chamado sem qne issointea oonsa
    < oiimi i no ueil M'i-.H i i ; alguma na commodida <.. presente eqnvjdo todos os hra.membiw do, Ibos.equando para fra delta assim mesmo ser
    l
    GRANDE HOTEL
    BE GRIENTE.
    Inaogtiron-se este commodo e elegante
    Bstabetocimsnto d'onde os seus tYemtenta-
    dores podero apreciar a especialidade na
    confeeco dos eneros aimenficios.
    (Vs bebidas -sao-as mais primorosas o re-
    commendadas.
    A decencia e bom servico primam n'esta
    casa no bello gosto oriental.
    Mandam-se domicilio comedorias, lauto
    avulso, como por assignatura mensal. Os
    precos sao mdicos e convencionaes.
    Ha urna espacosa c bonita sala para o
    elegante jogo d bilhar.
    Ha tambem aposentos commmodos e bem
    mobilhados para hospedagem.
    Ra larga do Bosario
    n. 44.
    RA LARGA DO ROSARIO Ni V
    Este acreditado cstaboieeimentu augmenta
    1 de dia em dia qtnnto possivel para ene-
    jar ao cume do bem viver.
    Alm dos sanorosos manjaies onfeccio-
    nados com o melhor asseio. tem bellos apo-
    stfHtos de h.>.podagcm. Unto- pata urna-su
    pessoa, como para numerosa familia.
    A agua, indspensax.'l elemento para a
    vida e llygicne, temo-la sempre em abun-
    dancia para facilitar exoellCTrtes banhos.
    Ha tambem ana boa tihiotheca e peri-
    dicos naciotiaese estrangeiros, piano para
    recreio, buhares, etc. etc.
    CIIARlMi E PETIT RESTAllOT
    Anncxos ao Ho.el rential, ra estreita do
    Rosala n. 4 A, andar terreo.
    Para dar a embscer a v.uiedade infinita
    de charutos de Havana, Rahia, Rio, etc. que
    existem neste novo estabeleciaienlo pres-
    cindimos dos annuncios pom|>osos que ge*
    ramente se fazem, reduzndo-nos apenas i
    tres letras que sao tres bbb bom, bonito a
    barato*. A' vista do genero aununciado po-
    de-se julgar de nossa veracidades Esta casa
    gosa lamli'in das cumroes de um elegarte
    c petil rcstaiiraut onde se pode ver a es-
    Ipecialidado dos fiambres e salames de Lioo
    Sendo ociosa qualquer. reC()uiraendac3o para lanches e al fazer urna boa colacao,
    para tito acreditado estabelceimeuto, omil- juntamente com os prncipaes vnhos do
    timos mais prembulos, fazendo ver. por mercado, sobresahindo entro o bom a pura
    fim, que o bom sen ico, ordem o moral ida- e fervente champagne, o mui saboroso Ithe-
    de imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa cerveja, o licor espirituoso,
    fiel do regulamcnto que possue.
    Comedorias a la carte.
    , o quanto pede urna mesa, l'az-so nouts
    ' sorvete e variedade de refrescos.
    P
    oon?el'io deliberativo. rounir-Si-
    traordT.ana no da lo do cnviitc as.', ) -> i,.,r:,. sogurangae perfeioao de scusditos trabamos. Km
    da tarde, na sala das seases. attm dse tratar de, seu gallineta se encontrar constantemente cxeel-
    attorta transcf-odcnlcx p acio 4 i .lir.-* l lente pos. dentifricio, elixir e outros medicam.ffl-
    I* eam* l* ,1o ar> t dotr tos odonlalgicos : ra Direita n. 13, primeiro
    indar.
    oslan ns. IbIu
    SoCTel oa do CviiselU Jalih^ratiVO, II d
    de iSlj.
    Tr"ftfri*Vr Clkrfim JunfrM
    man
    PROGRAMMA:
    O siiujadilo fciHieto ei> 10 |iaginas d
    . impressao etc., ole. ec.ii*r-so ha exclu-
    sivamente.....de tudo.
    Redaeco :
    Capit.i'i Salabar'lole.'. (Critica lit-
    teraria e salcs.)
    Cavalleiro De Proftwdis.....(Noticias
    frescas.i
    Doutor Fausto.....(\f*an dem.)
    Sarao do Zigzag.....Ad libiturn.)
    Vfeconde do O'......(Ilieatro e typos-
    das ras.) ()
    Pieco 200 rs. cada namero.
    Impressao nitiea, cousa do ai regalar
    'cilio. Recoiiminda-*' a leura prin-
    Vidgialinedle ios ffy.ip*1* A' O pnincinAiarilera widado l*z no j
    j sabbado de allelnia. Mo dia E ndeua I
    JC venda onde aiiniineiar, no dia do
    eimentn do, biabo a Gin i
    i. li,?sl? r"die*iiis as armas lelo ]
    I aMhao Pulha de Souza. \

    l'rew*apii iobA ama para >iibm eoin-
    piw jkuvj CA-ia dopouoa familia : na ra da P>*
    nha n. *'
    iiTjnr
    * mi cak. dn Stlm jUliwpilp j 'jipwtlin jj
    '"'Mi, I*. So*atHo f^Hoata-As d* .-iva,. Dr. i
    mdfmv- i^nmtm da 8#*, Hef^iwe^iiW"
    (i'iical-.s da Silva, Domingos Antunos Villa
    L'iiz Antonio Derftira, intnaot e 'it1ihftijs do
    S'ci.la AntuuWflbngatVBs da Silva", pedqm A-
    os o parentes e amigos do fallecido o eaidosu
    obscqwio de assistircm a mi*a lo ; dia lo
    tdle.imcnto, quo os mesnns irmaoa o matados
    presado ii-
    7 horas da
    maiiha emaa igrejas do 8-piiiio 8MS>, 8<
    SciilioB.do (yrgvi e di Sol i.iii- iiiiuuni, <|ut o? incMii is :'iio.io-
    mandam celebrar pela alma do se
    mo segunda-feira 15 de marco a
    'J?.'1" Carn
    a?
    Urna pes. com praticde nogoci de mui-
    pannos recebe por ba1an,o qualqm-r t&ekeJ.
    Mofcvseja de que gen,,o iv.r nesta praca ou Mr
    doBav^uem p, lumeie |Wa ser *uraS
    O abaixo aMifd. ir at o 3&
    I5nara Europa, e nao podendo despV,iir- Dp
    soatmeiite de todos seis parentes e amigo, nue a
    hoanncom suas amiiades o faz pet prwonip
    ofleiaeiido-lhes seu pouco prestimo em aquelles
    pafaes. Recife 12 de narco de 1869,
    ______Barau 4a Lwyu
    Aluga-so nma pequea casa na travs
    S. Joao n. 38, portao encamado, proco de 8| por
    et; a tratar no sobrado junto a fabrica do gaz.
    GARTEIRA PERDIDA m***m
    tniprps!ri-se dnriiein
    sobre jolas k ouro, pra-
    ta, hrilluiles c pedras
    preciosas: na travessa
    das Crizes a t, jnto
    a esta Ijpagrapliia. i*
    andar.
    Na seoiitida-feira 11 do eorramtf, entre
    as (i e 7 horas da tarde n'uin passem pela
    eii ada de Joo de Bafjit. euaaailhada, de
    Belefli, I ^aupa-grande, OHy>^dofoi,para a^
    ra de Joo Fcrnandes Vieira naSoledade,
    perdeu-se ama carteira contendo algum
    dinlieiro Q varios papis sem valor seuao
    andrtno. Qnem a nchar twh a Dnndade-de
    tiazel-a para o Kn^lisli Uauk o Rio de Ja-
    neiro Liimle que ser.i generosamente gratificado.
    CUSA DOS CALL
    PKL.
    Ama
    Precisa-so de urna ama capaz para todo o ser-
    akvtnean.
    Deposito especial
    Pharmacia de krtltolaraoa G.
    34-----Rita larOT do Rrrsaritv
    H.
    - ^danqiiartaiSralo drewreii.!- fd
    nra do Caldeirelro, o escraw Prancrcn, pardo,
    i dad Id anuos, ctwio do coepo, ros e cabeca
    grBdo, mu pequeo talho na testa- junto ao ca-
    bello, em huma das orclh** urna pequea rntrea
    de urna dentada, levou veiitido camisa de chita
    com colleirnbo de atacar ua ponta, calca de miiii
    braneo liso, ja euia: qircm-o pegar leve'nam4 do
    do Caldeireirt a. Basque.sm reeomijflasadUj
    viijo it casa de um esauguiU. olUra tu ra. IVucisa-so deuma ama. paca emummajc- ua, "" *ilar '"W fiflf" hMc^'''
    ??nio. uy15!tor._________________rua_das_A jaMjjTpriiMlri addar. -yX.*~4Ww^im+in
    DtJerece-se um cosintieiro para hotot ou casa
    particular: a tratar na ra de S. Gonjto n. 4.
    Preciaa-se de nm toitu- do boa conducta
    tratar na ra da praia n. 13 o 15, armazem.
    Na ra Augusa n. 94 wslein-aeajo para
    pro<-issoes pircommodo pre^i,. uitinu moda.
    C'iaa -sonhora ipie tirer Bs haljlita^e* para
    ensinar o porftJjrtie* frncet e msica, cui nm en-
    teahd distante da estaejp de Olinda duas legoas,
    annuncie por este Diario, ou ilirija-se a raa do
    Caldeireiro n. 5, que achara eom-quew tratar.
    ~~ CMITSRTIJNA
    Aos 4:000$
    Bilhetes ^u'antdos.
    A ra do Crespo n. 23 e casas dp cc^ turne.
    Acham-se a venda os felfees bilhetes fi;uaiili-
    dos da 4" parle das loteras a beneficio da ma-
    triz de Nazareth (98?) que se extrahiii se^pada-
    fteira {'< do corrento inec
    Precos.
    r.iih. te. ". ', .oor
    Meto.....25000
    Qimrto..... < OOi :
    lmp^ijaiwle 100a para cjm*
    Wltafft .... :|I!88
    >)t^o..... 878
    l_ Manool M .ron* Fiuza.
    V ou permuta-se por pre-
    dios Mata cidade; por apolices do goter-
    no, otf de companhias, ou mesmo por le-
    tras garantidas, o -enpenho Goiabeira junto
    a San*1 Amaro de iboatSo, 3 legoas
    d'esta cidade, de moer com agoa, soflHvel
    casa demorada, hfvada de pedra e cal,
    b:uas obias, todas de tijolo e pedra, 3
    grandes cercados com vargens e trras suf-
    ficienles de produccoregular roaaestra-
    da para carro at a porta, e para onde se-
    goe ^> noa-a^stra la io ferro. Aallanai
    raa da" Iraperafm n. 22. 2a andar.
    55-RUA DA IMPERATRIZ--55
    0 propietario d'e-le importante estabelecimento tem a honra de participar
    ao respeitavel publico que tendo fgido d esta praca a pessoa qa* se achnva na sua ge-
    rencia, elle contrato.! para sua casa um perito official que foi por muito tempo o pri-
    ineiro odicial da importante casa Sulingre do Rio de Janejro ; por isso espera o annun-
    ciante ipic todos fi-^arSo- satisfeitos dos seos Irabalhos! visto, alm d'isso, possuir no seo
    estahelecim'yito as machinas mais apeifeicoadus para, ttngir o lustrar de. que se fax aso
    na Europa, e ;ulur-so tambem prvido -de grande quanlidad de drogas escolhidas,
    sempre de primeira amiiado % toiiiecidas jxHas casas especiaes de Pars.
    Tinge-se, Ia\ a-so e iimpa-so com a maior perfeicSo fazeudas em pecas ou.
    em obras de qualquer qualidade que sejam, taes como 13, algodSo, seda, touquim
    peimas, chapeos de fe I tro o de- Manlha ou paihinha de tudas as cores, etc. etc., a
    tambem tira-sa nodoaj e 'impa-se a secco sem moiliar os tecidos.
    Os senhoros negociaolea, logistas e particulares experimentem que todoe
    acharSo proveito e vantagen=.
    Tintina prcta tayds e sextas-feis.
    -tse
    Orta preta- eecrai a que exteja acojtutda a ves-
    der botes pelas ras : a tratar--ua ra do V.
    a: 44___________,________
    PEDIDO
    Pede-sc ao Sr. Jlfanocl da Costa Pereira, prati-
    eaatedareparti^io das obras publicas ora em
    lafcoafio,;qan nv-npn -era: ma Augasta tudirado
    n. 102, a tim de saldar o sen debito ou pagar o
    vmtamm
    que-smbn bem engommar e corinhar
    ra do Imperador a. 65, 3 andar.
    a tratar na
    ARMAZEM PER3 % MlSUt AAO
    86Ra das Cinco Pontas86
    Tltomaz Jo- de Otfvefra A C. avisa aos sens fresrejrea-qae ft>ram, tanto desta pra-
    ca. cmoda centro da provincia, me reore^iwi de sua vagem Europa no fim ded-
    zemhro prximo passado, ate a cfaria (wrfgo molhados) do-bons gneros, e por precos commodos c garantndo qualida-
    de, peaw-o medida, nos gneros comprados-no seu armazem ; poctaulo pede e rega
    que n deixem de Ihe dartpreierencia.
    ~FRANCA-BRASIL
    o
    R. iU;iER, alfaiato francez, previne ao respeitavel publico* a seos muBero saa frefna
    B^.^?!!51?!*;"- .sn2.r^!*ri, costumes para montrid
    tem grande sor tmenla, da
    Recebe por todos os v aporf
    senipro todas a- qualidades de fazondas paratrajosde homom, e prepara co
    senhora. Faitimbcinebras para militares e para criados, para as qnaes te
    botoes simple cero virola e coros de code/tmncos e amarellos. Recebe"
    ulliTOf*
    mp
    lianr
    nade^nrancos e amarellos.
    ara I om.-rn. w-nhnru e mejnos.
    i
    I
    tttTttttl
    m*
    1TBI1
    OrPRIHSlt
    CltAhKOS INDiAVjS
    tbQCArVNABIS IIVDICAI
    GRIMJiK.TrC"M*(|MirfiiT(c.-. PARS J
    IHVHUll
    llIBIlIl
    Todo os meios at hoje preconisados coaira a astlima nao tem sido mt do om palliatnw
    dcbaixo de todas as formas, lendo por base a belladona, o estramonio oo opio. Reoemos epe-
    riencias feits em Allemanha, repetidas em Franca e na Inglaterra, lem prodo qo o cnamo
    indio de Bengala possue as mais aotaveis propiedades para combater essa lemirel affecclo,
    assim como a tosse nervosa, a insomnia, a tysica larvagea, a ronqaidao, extinecio da oa,
    e as nevralgas faciaes. E' pois com o apoio dt scienci queofferecfmos estescigaxropiti|>r-1
    '4w coa o emraoto de cnamo das Indias, qnend importamo de Bombtim
    Deposito na Pernambuco. em cas* de Mmmtm O*.
    V.,
    ^

    rjyeiHO


    Diario de Pemambuco Segunda feira 15 de Marqo de 1869.


    t
    \\

    Grasad "liquidadlo de miudezas 1
    Alfonso Morara Temporal, qu rendo, liquidar as miudezas existentes em sua
    !oja. ra- da Queimado n. 55, resol veu annuncjar as mesmas miudezas, para que o pu-
    blico se certifique do diminuto prego porque as est vendentlo, a saber:
    Caixa eom agulha franceza a
    Caixas com 100 enveloppes a.
    Pecas de babados e entre-meios
    a 500, 600, 700, 800 e. .
    Pecas de fita de coz com 10 va-
    ras ......
    Liha de marca,caixa com lo*
    novellosa......
    Coques muito finos com rede, so
    a rede val......
    Frascos com santos muito tinos
    a ......
    Latas com banha (familia), a
    160 e........
    Carteo com alfmetes a .
    Copo com opiata muito fino a
    . 400 e.......
    Cartas francezas a 200 e / .
    Ditas portuguezas a 120 e .
    Caixa de linha do gaz branca 50
    novellos a......
    Frasco com tinta a 100 e .
    Frascos com banha a 320 e. .
    Frascos com agua de Colonia
    Piver a........
    Pentes de travessa para cabello
    de meninas, so a vista fu
    f, a.........
    La para bordar, libra. .
    Novelto de linha grande com
    hOO jardas, So a vista faz
    f a........
    Pares de liga de borracha para
    pernas de sentara, muito
    boas a .......
    Franja branca para toallia vara
    160 Resma de papel almajo, muito
    ;;,)0 boa faz'enda, com 85 cader-
    t nos a........
    1,-J000 C3'13 co,n Pal)el alu'sa^e a
    Jogo de vispra a.....
    500 Sapatinhos de la para meninos
    a.........
    210 Pecas de tranca e caracol a .
    " \?3 -Jabonetes de todas as qualida-
    "llSOO des a 80, 160 e .
    Frascos com oleo babosa a
    I>200 400 e .......
    Pinceis para barba a. .
    200 Caz a........
    100 Frascos com agua de Colonia a
    :I20, 400 e......
    500 Pentes com costas de metal
    240 Cartcira de marroquim a % .
    160 Pontos pretos para tirai; piollios
    Escovas para cabello a 400,
    600 500 e.......
    160 Carrafa com agua divina a. .
    400 'iravatas de seda de cor a .
    Ditas prctas a 400 e .
    I ,$000 Boloes de louca para camisas, a
    Garrafa de tinta roxa a. .
    Lencos brancos para mos
    a.........
    Par de suspensorios para ho-
    mens a.......
    Kspollio de toucador a .
    Frasco com chebo muito lino
    a.........
    Bandeja para copos a .. .
    Meias cruas para homens, boa
    fazendaa $$, 3,5000, 4,5 e. .
    Abotoaduras para coetes a .
    .. TSICA
    UM DESCOtf).* EKTO KSPANTOSO t
    O xarope de fcegeso, de Pemambueo,
    preparado pe pharioacutico J. de A. Pin-
    to, cura radicalmente a tsica e asttima, e
    todas as molestia, dos puliooes.
    Podem ver-se os attustados, de curas no
    tnico deposito dtts preparas-oes de fedegoso
    deste alor, rua do Rosario Larga n. 10,
    junto ao quartel de polica.
    Illm. Sr. Joaquim d'Almeida Pinto.
    Braga, 25 de Janeiro de 1868Meu ami-
    go, aqui cheguei com algumas melhoras j
    depois de ter tomado tres garrafas do seu
    preparadoxarope de fedegoso; isto
    pelo mar, porque logo que Cheguei em Lis-
    boa, principiei com mais f a tomar o dito
    xarope, por conhteer pelo mar que elle me
    fazia grande beneficio, pois vista da gran-
    600 ^e quantidade de angue que eu botava pela
    200 ,)0('a' v' {luc me ia desaparecendo oom ra-
    pidez, depois que continuei a tomar o dito
    xarope, e to milagroso foi para a minha
    molestia que hoje mo ado de todo resta-
    blecido, e at mjsmo bastante nutrido, e
    por isso pode Vm fazer scicnte ao publico
    o milagre que o seu preparado obrou na
    minha enfermidado. Sein lempo para mais,
    sou de VmcAmigo attento, venerador e
    muito obrigado.Manoel Jos Goncalirs
    Pvn'ira.
    280fl
    700
    m
    no
    40
    200
    :120
    500
    :!20
    400
    200
    ML3;JE
    Doseja se a lugar un bom niuleque
    Jf|^_ na ni.i
    COMPRAS.
    Com muito maior vuntagem
    l'recisa-se de uuw fawiJiu capaz, qmv-' en- Compra o Coracao de Ouro, a. i D, rua do Cabu-
    arrejrue de mandar lavare engwiiiar eom luda m& remana Aa nm a ni ,..:i
    perfeicao rnupa de hornero. A quem eonvei
    freguazia, pode dirigir-ae aofobnulo da rua IJeila
    n- 37, de manhaa
    quaJqiir hgra.
    igtr-se
    at as 8 huras, e de tai di
    320
    0*800
    60
    00
    200
    mo
    h)50Q
    320
    500
    160
    800
    240
    200
    2-J500
    i $000
    400i
    l 300
    320
    film. Sr. Joaquim tl'Almetda Pinto.
    Ha muito que ouvia proclamar as excel-
    lentes propiedades do xarope de fedegoso
    1 contra a tosse o aslluna, e solTrendo eu di-
    urna tosse pertinaz; e tendo usado de toda
    i a sorte de medicamentos, vali-me pois do
    xarope de fedegoso, e urna garrafa somen
    te foi bastante para restabelecer-me, e me
    [ vejo tan robusto como d'antes; suecum-
    ; biria de certo a nao ter usado seu xarope
    de fedegoso.
    i A' vista "disto nao tcnlio expressocs
    com que exprima a V. 8. a gi'atidao de que
    Ihe devedor, o de V. S. attento venerador
    e criado--
    - Jnm 4a Costa Rege.

    J
    i'uia a tOA <;o\sr.nv.\<:o
    de
    OSSO CABELLO
    usa! lo
    _, moedas de ouro e prata e pedras precToaas.
    Ouro e prata
    vm moeda e em obras inulisadas, corapra-se por
    bom prego : na praga da Indupondem-ia n. 22.
    Na praca da ladepeodeacia n. ;i.'(, toja de oa-
    rivos, compra-seouro,prata, e pedras preeiosaR,p
    tamben) se faz qualqner obra de eneomiHcnda, e
    todo e qnnlqoer conrerto.
    Compra-se
    Uro prcto cozinheirn do 15 a 18 annos : a tratar
    na rasa da rna da Cruz n. 19, 1" indar.
    0 muzeo de joias
    Na rua do Caluig. ii. 4 compra-se miro, prata
    e pedgas preciosas por procos nuis vantajosos do
    que em ontrl qualnoer parto.
    - Comprain-se diarios vcllios para embrulho
    na rua Nova n. H.
    Compra-se nina e-crava nova, sadia e. sem
    . vicios; porin quer-se que csteja creando, e que
    e um preventivo seguro e certo contra teplia bom Iwte, ; qao saja earinboaa para ama-
    mentar urna rriauoa: atraiar na rua doneiniadu
    n. 17.
    Elle
    a calvice,
    Elle d e restaura forra e sanidailo a pelle
    da cabeca,
    Elle de prompto fazccss.ua queda prema-
    ^ tura dos cabflHos,
    Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
    bellos,
    Elle doma c faz preservar os ca jellos em
    qualqoer furnia a posico (pie se desoje
    n'um estado formoso, liso e macio,
    Elle fazerescer os cabellos bastse coin-
    pridos,
    Elle conserva a pelle e o
    Otmipi
    ra-se
    hoje lil>ras esterlinas, ouro e prata de todas as
    nacoes o por maior proco do. que, em outra parto :
    n rua da Cadeia do Recifc n. 08, toja de azulejo.
    _____ -J

    3^J
    ^u
    A ^^eMAP.^
    klm. Sr* Jfaeupim d'Mtmida Unto.-.
    Teoho a ventaja de communicar a V. S.
    ; que gracas ao niaravlhoso xarop de fede-
    goto, esLou com o rneu scravo Jorge enm-
    plotamente restablecido da-molostia: do.-'
    |iii(nies, que lia tanto tempe o perat'^ut.
    Aceite V- S. esta minha flccl;
    ">-no prov do moa reconheoimeiiio [)cU>
    bil que V.--S. acate de azer-we, e coja
    i 'ordao ;<{.-. ara ii ternada no oorac De V. S.
    Mtajto venei-adoc'0 criado
    feOo Joaquim Gomes.
    c Hha. S. Joaquim d'Almeida Pinto'.
    Cumpriudo um de^er de gratidao partici-
    po i V. S. que. por mel do simi ahencoado
    - limpo elivre de toda a especie le caspa,
    Elle previne os cabellos de se tornaren)
    brancos,
    Elle conserva a cabeca num estado de fla-
    cura refrigerante e agradavel,
    Elle nao demasiadamente oleoso, gordo-
    rento ou pegadico.
    Elle nao deixa o menor cbejfo desagra-
    davcl,
    Elle o nuillior e. o mais apr^.sivel .ngu
    paraa boa couservanao e arraujo dos.ear
    bellos das senhoms,
    Elle o ouico aitjgo pn>prio para o pen-
    teedo dos eibellos e baibas do; senlio-
    res,
    Nihimi toneednf Ir senbor se pode cofi-
    sideiar onuo runipleh sem o
    S'on^.o jrrienftl
    o qurd |ijvsena. Iimia, fortifica e aibrin
    O C\BELE(>.
    Aclia-se a venda nos estabekein etilos de
    A.Caors, I. | C. Bravo C. P. Mainer
    d- C, Al. Barbosa, Bartliolomeu. & ..:., i
    todas, as priuviiWkt.. loja* de pej fumat-'-.m,
    e Imticis,
    Vendc-se um cabriolet coberto, de quatro ro
    das. muito forte e manerro, de volta inteira. rom
    eavailo ou sem elle, e os competentes arreios, tu-
    casco da cabeca i''" rim n"''" bom estado e por proco cominodo:
    na rua de Santo Amaro, eocheira do Sr. Thoroaz
    Lins Caldas confronte a estaeao n. 1.
    10 CAl'OS
    28
    A aguic
    brama tem-se i'eio lia eoBheeids e uraaaoHlra os agradavoi oheittisds^ue usaui
    creditadft, nao s petas novidades, variodatios, sn-
    perwridade ti abuudaiicia de sou sortironuto, couiv
    pela onslaHte comiuodiilade de seus prei'os, e mes--
    roo pelo seu assaz e nunca Mlvidado agrado e since-
    ridide.
    Essas verdades ncontestavei sae sem du>ida
    apreciadas pelo belo sexo em particular, e peto
    respeitavel publico em teral, o a tanto tem chegado
    que esfio quasi passando ovino annexim ou pro-
    verbio, quando se v um objeeto de elegancia,
    fosto, novidade, etc., etc., diz-se logoaquelle ob-
    jeeto sem d-ivida foi eomprado na loja d'aguia
    branca.
    Quando no club, nos bailes, ou no salto do
    Santa Isabel, una cxeeHennssima se aprsenla
    garbosamente trajando, trazondo o moderno cinto
    de mui larga lita, lisa, eiiarnalotada, ou esoisseza,
    as suas admiradoras dize.ni comsigo aquella fita
    foi comprada na toja d'aguia branca.
    Quando outra eMritaatMnaj nao menos car-
    osa, rooslra o rigor de sou bomgosto na acertada
    esculla dos eafoifc de alta novidade QM li-.lla-
    mente ornam seu vestido, anda, m-sjno as rivaes
    'de sua sympathii on/essamqueaquelles enfeites
    foram d loja d'aguia branca.
    Quando n'oatra excellentissima, apezar-da sin-
    gelleza de seu poite ai-Tadw-l.se v^m asdionitas
    tuvas de pellica a duqueza as 9uas t>eMas ami-
    gas louvam-lhe o gost e confe^sam queacuellas
    uvas foram da loja d'aguia branca.
    Quando meseta duas exceli-ntissiinas, antigs
    amigas de mllegio, se oocontraut naqueites lea>
    res, depois dos cumplimentas '' reciprocos beijos.
    nibaa por forca de sua elevada delicadeza, gtbam
    : xarope de fcfrgnm. tt--nerMtanwnte
    um seua linos lencos, e cada una das quaes orgu-1 talielecido dos seos longos soiTri^fiMitt' O
    (liosas pelo elogio do acert de sua, escAiha, e c>hk> neuescr'.vu,
    quwoiKlo por si uiesmu justificar Ukeni siuiul-
    Confiara, do Saihor Bom Jziw
    dos IHres. em 8. Gongalo
    De ordem 4a. mesa receflora desla coifrai!;
    ipii
    laneaitwntt verdade que stenheirovfoicompra-
    do na loja d'aguia branca.
    Aluda tais.
    Quando honleni os pas alictos seutiam o rigor
    da denticao de seu charo lilliinho, e hoje alegres e
    saliseitos pelo feliE restabeiecimento recibein as
    visitas dos seus methor amigos, dizem aquellos i
    tistes, foi Beus (jue <*e inspiroujiara que eompras-
    se, como comprei, umdesses virtuosos coares
    Rover, que se manta na toja d'aguia branca.
    Alema do tiiuiCa uiai.<* qaec aluda
    falta djxer.
    Quando m um circulo de circumspectos carac-
    cres se discutirveraeidade de taesdizeres, appa-
    rooer um nitro que queira anda levemente inter-
    rumper adiscussao, os prhneiros por momento cs-
    queenrao a cireiuutaeo e Ihesdarao um gra-
    cioso debitle dizendu-lbeaj sabemos que V.
    um daqueHes que indina o chapeo de sol ou^iuc
    mereca ser designado pila aguia branca da rua
    do Queimado n. 8.
    mm auia a oaisai* ne pr
    auai escapaua as Iras.
    Jija esquecendo a agiu'a branca,mas em tempo
    leiitbrou-se para noticiar, que recebeu urna pe-
    quena quaatidade de enfeites para coques e gram-
    pos para ditos, tudo feito de metal cam Ihidos e
    agiadaveis coloridos, obras-ests pela prmeira vez
    appaiecidas, e portanteiutotna novidade.
    Tamben) cho^aram novamente delicadas enfeites
    e (lores ornadas de aljofares e vidrilhos, tanto de
    palha para coques como para vestidos, e tudo
    contina a merecer a apreciarao das exeeltottissi-
    mas conhecedoras do bom.
    -swjym,as2 1/2 hora
    Aifiwiitteaiii
    de encorpirados. ai'Mnijiatihar>
    Scnhor lioin lesiis ds Pase*.
    Cru% mm a (alracaaieoie.s.a
    il i-'a(ii:tili Seubiir lbun
    S.ICJ1 'bi iiiftii- (|.w ll.ej'i'iu ea-
    i^nytcti 7>-.i!fr, so ruL'ftdus n comparecer com
    ims a procis
    tHUa lia ir'ivja
    tcaj}! de ntkj
    lesn Si Ma
    - Como -abe, <-dte moiir-esi-i*jo
    i barrado ;;# (*t^d mais. afllittivo di injie*
    tia di' puliWtes^ trio obstante mn-.inii!-
    teitompido uso de remedia^.^ona.d*UiO> ta, "u.*v4 o lii-^iie isii;.
    rada viagem ao.^m^raoriau>. e^a-bq.
    . Poj* bcjji:. a^fermidad'% que se fea- *i*a*wrtM
    viai toroado.reUeJdVi. a lodifc. os nifiiOs.em-J.;
    2}} = Rua EM GRQSSO E A VABEJO
    Charutos do diversas marcas dos bem
    acreditados fabricantes, Costa .limaos e
    Manol da Costa Ferreira de (Sao Feliz).
    b'arinha da tena muito boa, a ',-> reisa
    sacia,
    Miraguaia do Rio Ciando do Sul, peixe
    seoco de superior (tialidade a 6.i00 a ar-
    rote.
    Qongro e ruixo de Portugal, embaris e
    libras.
    Cama roes seceos, do Maranbo, em libras.
    Latas com peixe em conserva sendo:
    Salpiom, Lagostas, Ostras c ontras muitas
    'lualidades, a saber: Porlogue/rs, Inglezes,
    Ankericai.os, Ilcspanlies, etc., etc.
    0 Campos anda tuna vez, vem ler a
    bowa de lembrar ao respeitavel publico, as
    multo excellentes agurdenles dt*Lima Pa-
    rati, e Tiquirado Maranhan. por vir-lbea
    idea jue se api-oxima, o lempo imemoso,
    e que muito nescessario se torna trazero
    estomago quente, e como se cba o sou es-
    Virde* *2 'u tabelccimento bem prvido dos gneros ci-
    mas ditos, ivcointnenda umpasseioal elle,
    onde enconlraiao os amantes do que
    comi^eto tnllinu-lo de
    ib tnrnam rccoinmriid.i-
    Jveiiipaj:a,uja mv>a mais ou BMaW pro
    vida.
    RIVAL Sffl !,..
    Hm do (ueimaih n, 49 loja de
    miudezas de Jos de, Azewdo
    31 ata t Stloa covhecido por Jos
    Bigodmho.
    Est (ueimando os objeetos aliaixo declai'adg
    pelo diminuto preco, a saber :
    Frascos com.agua de Colonia vcrdadcia a 1.
    Garrafas foin agua I-loriga vfrdadeira, que se ga-
    rante a liilHI
    l'entes para regacar cabello de meninas a 320 iy.
    Tnesouras muito linas para unhas c costuras a
    oOU rs.
    Tiuteiros (luios de hnlamuito preta a80, 100, 1M>
    e 4001 s.
    Varas de-frania l.ranca de linlm para toalhas a
    160 rs.
    Caias de phosphoros de segnranca a 20, 40 e
    160 i s.
    Navalhas de cabo do ucrflu e que ?e garanea
    qiialidade a 2i.
    Libra de lui para bordar a 7i.
    Tecas de fila branca elstica muito superior a 20#
    a 300 rs.
    .Nuvellns de linha branca com ico jara* a60*a>
    Resmas de carel de peso liso niuito lino a 2ot)0.
    Latas com superior banha a 00 e iOO rs.
    fjaixae com seis frascas deoheiro muit fino a
    800 rs.
    Cajxas eon doze (rseos, fa/.enda s boa a J&OO
    eWOO.
    Frascos com supMior oleo lilirme a 'iOOrs.
    Calongaa de sabio iraasparente muito bomto t b-
    Do a 210 rs.
    Duzia de paos de pomada do Reimx da mtlhir
    qualidade a 2'i0 rs.
    Pecas de liras bordadas muo flrllis a oOO, 660 t
    800 rs.
    Ditas de haliailiolios cun dez varas a 600 rs.
    Can iteis de linha de todas as cires, para :Cabit,
    a SOre.
    Garrafas com agua divina a L5:00.
    Finis i-oiu superior macaca perilla a 320 r?.
    Caisas dg \idru cun doze iiidr.es, qu a caita
    vale diobyiro a 200 is.
    Ditas de madeira com a.'finetes, o que ha de nie-
    Ihor a 320 rs.
    fiwiaa de boloes de louc.i, lisos e bordados a
    loOrs.
    Cata redondas pa i a up emittando tartaruga a .
    14500.
    Pe-as de lita para eos da nielhor qualidade a
    500 rs.
    BaaVHU para limpar dentes, fazenda que ?6 a visi-
    ta a 240 rs.
    Ditus para limpar uulia de superior qualidadt
    500 rs.
    TAIELLA&1FJ
    n
    pregados. pa^Hiiatedmr9edeu<:UeI^iaai ^!toni" ^ Sl,,>7a bego ei-rdcalniente
    _?.:_!r-FlZrlzZj: f* todas as pessoas que acompanh.aram ao cemitc
    ect:
    inaneira quasi m^jP08< a quatr-garrlas i r0 .l|m|j
    apenas, do.eu fekjq. j e pan
    oje, iracas j Dens^tydiWAnituf.fi^'ltWP t realablc0f4e ; B no fcil met-lrar toqmtp d nrud
    imr niiho'ir <> iiiiui
    U
    cravo,
    todooreeopbe.ciuK'ii.to que sinto pelo l>em
    quo V. S. me. acaba. de fazer.
    ftou de V. S.
    (fciada a|ia,ecida,
    Mara Norberta. Schoffer. _
    Citfinuftdameote -ce nos apresenhnn: bo-
    vos testemwnlios -da efficacia do fedegoso
    de PeinambuooJ
    w hfcqd<>,m 'ifu
    gneros finor, qne
    Eli;Wll0.
    Arenda-seeengenhi Gongaga, sito na fregue-
    zia do iRuarass, distante desta praca H legiap.
    com bom sobrado, casa para lavradores, exeollen -
    i99 l eras 4n. piantaoes, porto de embarque-na
    porta, pedreiras c fonios de queimarcal : os pre-
    tendemos drijaa-se rua da Iniperatriz n. 8, pri-
    meiro andar.
    Attencao
    EPIDEMIAS
    O LICOR DE LABARRAOUE um preservativo seguro em tampos de
    epidemias : chote, febre amanilla, peste, tjpho, rfc. llevem evitar-se as U.
    si8cac6es ?s o^jaes sao a maior part das vezes mal |>reparadas, sendo or isso
    mais nocivas do tnse utas. Depos,iio cm Parix, L. I'BEE, 11), ru atcA.
    Km W-jaMira. uponcheilr; Taiorpf. %m rnmmkmnu. Ucmrer.
    Manoel Augusto de Menezes Costa, pro-
    l'essor de msica, wntina a dar licoes de
    sua icte. lauto vocal como instrumental,
    i'ii casa particular ou em algum colleg o;
    assirn como tcm aberto iitna aula na casa
    de sua residencia na rua da Palma n.w f>3.
    Oaixeiro.
    Pracisa-se de um cxeiro que, tenha pratica :
    no hotel Lisbonense, rua estrella do. Rosario nu-
    mero H.
    0 MUSEO DE JOIAS
    ien ai listos mortaes Jo seu prrzadp .nii
    rente Jos Francisco Urbeiro. e pede ao
    desenjpa.da falla ib coa\ite iju-1
    lO quenau foram convidados,
    l-ir ijiK.rar aiiiiunctaate quai Ik m^hih. O
    anuiuiciautc^aao pude prescindir de mencionar e.a
    louvor o iiom^ do Sr. Marcelino .Jos Guiicalves da
    Fonce, pelo s-u valioso concurso em promoveros
    aprestospaia o enUiro do tinado, petoipie se con-!
    fessa eternamnto pr^to._______ \
    Antonio de Suuza Roso convida aos se s amigos I
    e do finido (as Iraochco Ribeicq para :issi.-;,i,,,
    a mista do stimo da. que por alma lo mwmw
    tinado ter lugar na igaeja mairk doCorpo Saata,
    pelas 7 horas-da manhaa do da 17 docorrente.
    Precisa-so de um cosinheiro no hotel central
    pasta-s beui agradando, rna larga do Rosario
    n. 37.
    Para* eetiiiiiieiitjO- d'agtift;
    Capos de ferrp, Jiiis estanhado. d.tqs forrado?
    de^vlana, todos eoni a; competentes t"in.eras.
    curr*s etc.
    a rua do Queimado n. 33.
    L
    que tem vindo ao mer-
    cado
    Barn'wis de H arrobas por
    Xa rua do Imperador n.
    se de um criado.
    '3, Jfc andar, pici-isa-
    Desappareoeu do sitio do ataixo ass(gnado
    um pass;u-o de frica milito exquisito, do corpo
    de urna pequea ema, mas muito elegante, preto
    e m asas es verdeadas, uemas grandes, pescoco
    comprido, eaheca eom urna popa como de velludo
    preto, quando canta parece tocar cornU : quem
    o pegar queira leva-lo no sitio do abaxo assig-
    nade que gratilicar om generosdade ; assmi
    como protesta proeedor contra ipiem o tivet escon-
    dido, pois que pelos habilos do reterido nawaru
    de doj-mir sempre em .'upar certo e nao indo
    grandes voos, taz crer que algum amigo do alheio
    o tem apresionado ; igualmente ficar m lito agra-
    decido e me.-ino gratilicaa com penerosidde a
    quem Ihe pwsa dar qualqu<'i inforjnix^ix eerta a
    respeito.
    Jos Jacoine Taso.
    FftHEtLO D LISBOft
    chegado iiltimamente
    <,M:0)< '.'.HAND! S \ 8*880,
    ARIVttCODETABEBM
    rxw\ todos os perteuces por
    150MQ,
    DG
    Anloiio \eve.* e Castro.
    Vermifiigo efikaz, c pteferlvel a lodos os
    coiilii cidos, j pela ceiieza de seu resulta-
    do, e ja pela fcil applicacao as creancas,
    quasi sempre mais atacadas de to termei
    e muitas vezes fatal soirrttnento.
    NICO DEPOSITO
    .V,
    iMiariuao'a e drogara.
    liaillii un u A C
    g4--Riiil, JUarga dj isogarfo3>^
    Vinlio degestivo d
    chassaing
    -i;i'S!\\ ELUWWV
    Reiew ^exo^ncwTWw -r certa
    ilas di^i)cs diiUceis i-cunii!,'' :. i .''mar
    a, ili^v gasAiidM^. a, oifaa
    produzindo urna assimiilac.m mrifitiirt dos.
    alinwiikis^aiMlo-.flai-oni wcel *rte toi?t-
    PHAtiUcu *B nuuAiii^
    iSarthttJoiueu i
    *u-WIA LAIXA. 1)0 lOS.UO34
    if en.
    'Fudevio armaiem de Gandido Alberto Sodr
    Motta, travessa da Madre do Deus n. I i.
    da
    una parelha de eavallos rod .do% bous de cari e e
    sella, ionios ou separados, na eocheirado Igrin-m
    Cibral, caes Vinte eliiiusde Novenibni.
    Ali.-.'aiu-se as
    n. 52 da rua da Aurora :
    rial e
    da Aurora n. 38.
    asas n. 193 da rua fnipe-
    a tratar na rua
    C/2
    r.
    GOMES DE MATTOS IRM&OS
    tendo feito completa mudanpa em seu antigo e
    acreditado estabelecimento de joias, com o flm de
    dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, conviiam
    ao publico em gera e com especialidade as E^ons.
    Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
    das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
    RUA DO CABUGA N. 4
    omlo en contrarou incompleto sortiraento do que ha de mais elegante,
    bello e precioso em brlhantes, esmeraldas, rubins e tuc^Q.que em obras
    de ouro, prata e pjatina se pode desejar.
    AOERECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
    de no vos gostos, e que devetn emtsar um grande efto nos tragea quarea-
    maes assim rome-grande .variedad* de salvas e paliteiros de prata con-
    trastada e de gosto ainda nao, visto.
    Compram a troca quaquer joia ou pedra preciw^ e aantnlem
    aqualidade dos objeetos veudidosT ^ F wwam
    0
    11
    =wf
    DE JOIAS
    ........"^^
    mmm
    Furtaram do sitio Jacar, ena Agoa Fra, ao
    amanhecer do dia 10 do crrente, um cavada meo
    ipedrez, grande, castrado, tendo oa ferros seguiu-
    tes : 410 lado direito R e 110 esquerdo B ; foi com-
    prado em Iti de fevereiro prximo Ihub Joai
    dos Res Gomes : quem d.hicsmo der noticia oiv
    apprehender, ser bem recompensado, dingindo-
    se ao mesmo sitio, ou a rua do Imperador n. 77.
    teiveiro andar.
    Oabaixo assignado vem pelo presente, declarar
    aoSr. Luz Jiis de Franea Carioca que n;n> pague
    a letra da quania dr rs. 12.1*810, que aceiten no
    dia 1 de novembro de 18G8. c vencida a 28 de
    fevereiro do correne aano, visto se,ter pe.
    dita letra bem como p de a quem a ti ve nehad
    e quizer restitu-la, o favor de diripir-se a rua lar-
    ga do Rosario n. 16, que Rocife 13 de marco de 1869.
    __________Antonio lavares AJmeida e Sirva.
    Ordenado ou interrsse,
    Preca-se de um liomem pref-rjudi-se tie mai r
    idade, suITlcienteniente habilitado a liem .' din'uiis
    trar um estabe|eeineulo de socco e mohe.
    trata-se na rua Nova n.'SS.
    Na rua da Imperatriz
    11. 28
    V bem afreguesada, una boa machina op
    cobtpa qotttsi nova e sem dfeilo, duas
    escravas er^ofes, urna de 3$ anuos, dota-
    da de habilidades, e outra de 11 annos,
    Ma principios, propria para ensinar-se ;
    por seu dono rtrtirar-se para a Gurupa.
    Ca bmiiCci de Ja^uaribe a
    ljl500o al Actrba-se- de abrir ttn deposite na praca
    da Concordia, junto ao armazem de carv3o
    de madeira, da vm-ujaitetra car branca de
    Jaguaribe, primeada na exposic5oe qual-
    quer outra que apparecer a vena com esse
    titulo falsificada. Tambera ahi se vende
    cal virgem cni barris. mui procurada para
    engenho, por ser igual a de Lisboa.
    Precisa-se
    de urna ama para coznhar e comprar pa/a urna
    ca*ade ponca fcmilia': na rua da Cruz n. lo.
    Erasmo Jse i Mello pivtcudc ir aq.Bjij tle
    Janeiro.
    -----
    ___.
    Aluga-se
    um grande telhero que, serve do armaie a paja
    urea grande eocheira ou oliniia de qaalquer
    arte, na rua de Apollo n. 53 : a tratar na reTma-
    ao da pa da.Samala-'Uova.a. 4.
    Capsulaj de Ra&ajni
    O.s bons 1 '
    . -S**as-ttB8Uli wra
    >ar os giiiinrrlieas aeham-se cyuipj-.vaila. pidas,
    experiencias de muitos annos.
    Os mdicos de lodos os pa^e as rofoj.
    pela sua elficacia.
    Farinha de niilho.
    1 Vende-se farinha de mlho amarello muito lina
    a :J# a arroba e 100 rs. a libra : na taberna da
    rua larga do Rosario defronte da botica do Rar-
    tholomeu c travessa das Cruzas n. 16, esquina
    volta para o quartel, de polica.
    que
    TSXvCFCSa/L
    WWCO-DeiUJIE
    RUA DO QlEIMA i._______
    eri |iintio para inastareos, vergas
    a retrancas, todas de superior qualidade. Tilias
    Varda Pars, branco de akata a nraaa> em latas de
    Uk c 28 libras, j preparadas, oleo de linhaca em
    liairis : no armazeni de deunsto da companhia
    Pernanihiicana, no largo da Assemblea n. 10.
    i'1Manoel Alvos Fi-nviia A- C, na ruada
    Mpoda n. 8, segundo andar tem para vender
    Superior polass,i da Russia euilianise meios
    liarri o cal de Lisboa da mais nova que ha
    110 mercad 4._______
    Vende-se urna boa e anrios, a qoal .cqzfe 4Ml*- en^iunia, lava, e
    ibem b 1.1'" vededeir ;'omolivo de ser esta
    tyrava. vendida, ella primria assnp o qm-ivr:
    qiirh Ifrer !lt0 Amaro, ao so-
    brado junto *lo eeniiterio Inglez
    tr, un Qscfaiolia de 9 a
    I i, ian-
    3uitooni.coinla
    Hsre+toa i*'>O.osaccoe inilhoa Vi O r., tinj
    a 400 f. a gMTafa e cunada a 2 800. tiaz i
    sabaw a iO, aite ,0.: cari-Bpato a 4W, caf
    carnea.2-20a.Jbii,.i*aio. lai^u d l'araiz %
    %iuiaft,da-rna da lu-d.-.____________
    A (liiiltoii'o ou aprazo,
    Vtdi.>-.-e um w)iAM>0M dja. Im diii.
    . td deia i-i|>iuii .-,i;i' .a.-a.d*. pdra- ecal bm e
    semMimwnle plantado, loui diversas armn
    fruclifeas, cnjo lara iiineira,s sapotset
    mf, iplieiras, r......iras, ... bjurlraf arai
    _:i.se:iM., calev.eirns. ^ liuiots dfiPC?, 0-
    qociros, baianeiras >n:ras. oalxa para capii%
    \ 'e-dna- eacijilwi* di hna M : na rna ite 8. Gen
    calan. M
    (ramlc iiqiidat'.io.
    0 pwpiittU'iy d'anliga u.bi conheciqia
    luja de iiiciide/^ di'miiiiiu.ada Beija Flor
    a rua do Oui'imodo n. ti, quert-ndo acafcar
    i'iiin. o Miitimento de miudezas que exiat*.
    U;iu diiiibjcau.pwci lid a luna completa -
    ujuidirct IKtf o q* chama a attencao de t Os (ihjjctos seifio vendidos por metadej^
    seu valer, epara qne o publico, nao suppo-
    la, que. o present ai;nutu;o urna illu^3o,
    iipioprktatwda dita luja oleae uma p-o-
    11iiiia lista dealjiiiiuasiuiudey.es. cun os seus
    diminutos preros como abaixo se verv
    no apivsi'ntando urna lista completa detfc
    dos os obj.ects (jue estao expostos a venda,
    pela razao de se lomar tim annuncio muito
    extenso e por consequencia de enfadoal tex-
    tura, por i.ssw apoias lemita-se as seguintes
    Caixa de enveJopes de cores. .
    Ditas da eavepes com tarja.
    preta........
    Dita* de^vvvlopes braitco^ gran-
    des.........
    Ditas do envelopes grandes e pe-
    queos. .......
    Libra de ffia para bordar, surtida
    Duzia de cartoes de corchete fran-
    ceses com 24 pares cada carteo
    Dita de colberes de metal prin-
    cipe para sopa.....,
    Dila de ditas para ca. .
    Concha de metal principe para ti-
    rar assurar. ,.....
    Botuadura para colleto. .
    Pares de luna* de fio da escocia
    branca e de cores para hnmem.
    Ditas de ditas para senhort. .
    Fita par sintb de sennora. .
    Pares da sapaAiubp^ de casimid,
    bordados.......iiti
    Pec^s de caspaiTjlha de la, .
    Escva liria para limpar unhas.
    Ditas d<* ditas.......
    1 Pente preto de barba. .
    I Caixa com apparelho de chambo
    a m l&PP e. .
    Boneca de cera a idOOO, ioififl;
    lOO, 4)9000 e.....
    Apparelho de porcelana para al-
    mocQ e jautar......
    Jogo de Vispera......
    Caixa com papel branco e de co-
    res.........
    Infladores para Vfigfidp. .
    Caixa di linha de marca encar-
    nada e azul.......
    Sapatinhos de la paja meninos.
    Tocas.........
    600
    900
    700
    00
    7&00
    900
    a/.
    mu
    40)
    8 I




    G
    Diario de Pernambuco Seguida feira 15 de Marco de 1869.
    Lindos cortes de cassa de cor com barra.e com fignrino indicando o molde do vesti-
    do pelo baratissiino preco de 30300 o corte
    Ditos de percalia muito modernos com duas salas a >#000 ris
    Na loja das Columnas da rira do Crespo u. 13 de Antonio Correa de Vascon-
    celos A C.
    /
    VITAS
    PREQO CORRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
    Da fabrica de
    MANOEL & C.
    Ra Nova n. 23,=B,ua do Cabug n. 8
    Pernambuco
    Chapos de seda trancada, Paragon, de IG hastes, 28 pollegadas a I6; 26
    pollegadas a 155, e i pollegadas a 140000.
    Ditos de seda G. do N. Bara, de aro, de 16 bastes, 28 polcadas a i-t;
    de-26 pollegadas a 130 ; e 21 pollegadas a I2000.
    Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas a 12,$; de
    26 pollegadas a 110 : e 2i- pollegadas a 105000.
    Ditos de alpaca, de aro, de 12 bastes, 28 pollegadas a 00 ; e 26 pollegadas
    a 50300.
    Por duzia fiz-se desmonto de 15 OjO
    Chapaos de sol de panno, debaleia, de 8 bastes, 2i c 26 pollegadas a 320
    a duzia. (Descont de 10 0|0).
    Ditos de panno, de junco, 8 hastes, a 180000 a duzia, liquido.
    ?.&&^8^&t*&&v
    PHOSPHATOdeFERRO
    [DE LERAS DOUTOR EM SCIENCIAS.,
    ?J INSPECTOR OAACADEMIA OEPARIZ Etc.!
    Debaiio da forma d'um liquido sem sabor,
    anlogo a una agua mineral, este medica-
    mento rune os elementos que cqnstiluem
    os ossos e o singue. E' o niais racional dos
    "erruginosos; por esta razo O adepta rao
    os mais eminentes mdicos to mundo in-
    teiro. Convem muito s meninas de temperamento delicado, cujo desenvolvimenlo tardo,
    s senhoras que padecem d'estas dores d'estomago intoleravei, causadas pela chlorose,
    anemia. nicnstruaco eu leucorrha, s criancas d'uma compleicao paluda e delicada, e a
    todas as pessoas que tem o sangue empobrecido pelas doencas. Eflicacia, rapidez d'accao,
    cura perteita. sem consttpaco de ventre nem accio sobre os dentcs, taes sao as raz6es que
    imperio para que os senhores mdicos o prescrevo aos seus doentes.
    Deposito ^m Pernambuco, em casa de Manrer e C*.
    LOJA DO PASSO
    Ra do Crespo n. 7 A, esquina da do
    Imperador.
    PARA QU A RESMA.
    Gorgorito preto.
    Setim macau.
    Sedas lavradas.
    Moireanlique preto.
    Gros-de-naples
    Basquines de gurguro e de gros-de-na-
    ples enfeitado com primor.
    Corpinhos de gros-de-naples.
    Basquines, capinha?, pelerinas, fich?,
    de crochet e de guipur, preto e brancos.
    Mantas pretas de blond.
    Riquissimos chales de touquim.
    Requissimos chales de gurgairj de seda
    preta o melhor neste artigo.
    Chales de mirin pretos com requissimos
    bordados e franjado t- retro*.
    Chales de mirin bordados saltero;;
    ultima moda.
    Uomous pretos con lindos bordado.
    Leques de madreperota, marlim, snada-
    k>e osso, e pretos, para-senhoras.
    Ditos de sndalo para meninas.
    Chapelinas pretas.
    PABA CASAMENTO?. BULES, THEA-
    THS. etc. ele.
    Lindos cortes do blond, eontendu Bet*fc
    mantas e grinahlas.
    Requissimos cortes de sedas assim core
    para co vados.
    Gurguro branco.
    azul e verde.
    Gros-de-naples brancos c de cores.
    Setim branco macan.
    Setim, branco, azul, verde, cor de rosa
    e amarellos.
    Fil de seda, branco e preto.
    Cortes de seda com duas s-aias.
    Chales de gurguro de seda de cr.is.
    Camisas bordadas parajiomens.
    Saias bordadas para senhoras.
    Camisa bordadas .
    Fronhas de linho bordadas com primor.
    Lencos de cambraia de linho bordados.
    Riquissimas colchas de damasco de seda,
    assim como de seda e algodo.
    Ditas de crochet para cama.
    Chapeos de seda bordados, parasol,
    Poil de chevre de lindas cores.
    Alpacas de lindas core.
    Chapelinas de palha da Italia, assim
    nenio de seda.
    Enlates para cabeca de senhora. >
    Esprwtilhos para senhoras,
    Meias de iaia para padre.
    Ditas-de la
    Duas tte seda fio da Escosskt e algodo.
    para seiUmras e meninas.
    Lenco* de labyriuJho.
    Fronhas de labyrinlho..
    Bicos, pendas e grades.
    FinissuNS cambraia* decores., percales.
    iras, e outros muito artigos
    de alia novidade, isto 30
    ?fe josto e
    Moireantique branco
    Na loja do f'asso ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.
    . }<-.">.'/- -v ffi,%gtfi "s-'r-'Ss V^'r^'&;&*Z:&: -
    CAPSULAS VEGETAES
    com MAT1CO
    deGRIMAULT e C* pharmaceuticos em PARS
    Estas capsulas, com capa de gluten, conteem o balsamo de copabiba associado essencia de
    Matico (arvore do Per), e constiluem um remedio infallivel contra a gonorrha. Ellas obrio
    sem cansar o estomago e n3o provocSo nunca os enj6os e nauseas que occasiono as capsulas
    ordinarias, lendo a inimensa vantagem de 11S0 communicar cheiro s ourinas. E' por estes mo-
    tivos que ellas sao superiores as capsulas de copabiba, cubebas, etc.
    Deposito'em Pen.ambuco, em casa de Maarer O*.
    mam "''
    mi
    ipjvtst*)
    fe cadente
    Umtdtiint
    de ParU.
    -MAN
    PhtrmaceuHc
    Imreadi
    ee acadm
    i wuiecin:
    As preparares ferruginosas liquidas tem desde muitos araos mereoido a approraeJo
    especial aos medico, porque ellas obrSo mais rpido e seguramente do que as pillas, e
    sSo mais fcilmente 'toleradas pelos doentes. Os Pos ferro-manganicos possuem a inapprc-
    ciavel vantagem de oder offerecer n'um instante urna agna ferruginosa-gaaeosa, de gesto
    agradavel, mais activa do que as agas mineraes, e contendo de mais um-elemento precioso,
    o Manganese, qne sempre se acha no sangne, jnnetamente com o ferro. Rmpregio-st em
    todas as molestias que tem por cansa o empobrecimenlo do sangue, assim como para vigors.r
    os temperamentos debis e Ivmphalicos. A chlorose, as Peritas brancas dres d'estomago,
    a irregularida.de da menstruaedo e amencrrha ou suppresso do menstruo, cedem rpida-
    mente a sen emprego. Devemos mencionar aqu nm facto notavel, isto que os doentes cara-
    dos pela agua prej arada com estes pos cstao muito menos expostos a recadas do que
    aqueles que forao tratados pelas preparares ferruginosas ordinarias.
    Deposito em Pemimbuco, osa casa de Mmmm a c\
    EFFICACIA
    VERDADEIRAS
    do 3 Ww ------------
    XAROPE DE RBANO IODADO W P|LULAS DE BLANCARD
    0 Jarope de Rbano iodado de Grmanlt e C*, pharmaeenticos de S. A. I. o prncipe Jjj ^^ ^^
    Naoaleio. em Pars, preparado com o sueco das plantas anti-escorbuticas cuja emeacia H CO IODUPETO 00- fl*WO m*tTCIiala,
    0 Xarope de Rbano iodado de Grmanlt e O, pharmaeenticos de S. A. I. o
    Napoleo, em Pars, preparado com o sueco das plantas anti-escorbuticas cuja el
    mui popular.
    Encerra o iodo como combinacio orgnica, e considerado como o melhor snecedaneo
    do oleo de figado de bacalbo.
    A rara perfeicao d'esle producto anima-nos a dar a conhecer aqu a opinilo de alguna
    d'entre os prncipaes mdicos de Pars, qne diariamente o prescrevem.
    t 0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento d'um effeito suave e seguro para a
    medicaclo dos meninos, nao somonte suppre o oleo de ligado de bacalbo, mas anda fax
    as suas vezes com vantagem. 1 ...
    Dr A. CAZENAVE, medico em chefe do hospital Saint-Louu, em Pam.
    * 0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento de primeira ordem para o tratamento das
    e affecfOes iymphalicas e escrofulosas. Muitas vezes, empreguei-o com feliz xito, em certos
    c casos de tsica ao sen principio, como snecedaneo do oleo de figado de bacalho.
    Dr A. CHARR1ER, antigo chefe de clmica da Faculdade de Pam.
    0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excellentes resultados como regenerador
    do sangue, e succedaneo do oleo de figad de bacalho. ....
    D' A. FAVROT, autor do Trat des maldies des femmes.
    ' t 0 Xarope de Rbano iodado um dos mais poderosos modificadores das constituicBes
    lymphacas. Tenho visto ulceras escrofulosas que nada podia curar, cicatnzarem-se,
    gracas a sua acco, com uromptidao extraordinaria. Tambcm, pelo sen uso desapparecem
    t as affeccoes tuberculosas dos ossos, nos meninos. .... .
    D' GUESNARD, antigo externo dos hospilaes de Pam.
    0 Xarope de Rbano iodado possue todas as vantagens do oleo de figado de bacalho,
    sem ter nenhum dos inconvenientes que aprsenla este ultimo medicamento.
    Dr GUIBOUT, medico dos hospaes. Presidente da Sociedade de mediana ie Pam.
    a 0 Xarope de Rbano iodado de Grmanlt e C* encerra composicio orgnica anloga qne se acha no oleo de figado de bacalho.
    Dr KLETZINSK, professor de chymica, louvado dos tribunaes de Vienna.
    Deposito em Pernambuco, em casa de Maarer a C\
    r*
    COM IODUPETO OO rt**0 HMLItlMVII.
    APPROVADAS PILA ACADEMIA DI MEDICINA DI PARS, WC.
    ' Possnindo as Broprihdedo U4e *4o fm. convem tspoclabnente as Arwccotjs
    BCnnniU)SAS, a Tsica no principio. fraqveta d emperomento Umbwn dm "<>
    Falta de c6k. AMraoinr.A,em que precisa*EAG sobre o sangue seja pi retftnv
    -lhe a sua riqueza o ahandencia normaos, ou para provocar regular o teu curso poriodico.
    N. B. O iodarete da ferro imporo on alter.lo i om medicamento inflel
    lrriunte. Como proT da pnrexa a de anthencidade du "***" *
    Uilaa 4a mancara, dere-sa exigir notso etSa *a a*a4a rcaailra i
    noao Orina, a ratala arde. I Aci.an.--c a> a4aa a -a>raaata. JAaraiagmKce, f^J^f^d^I^
    TASSOIRMAOS
    Tem para vender em seus armazens, alom de ou-
    tros, os seguimos artigos :
    Papel para imprimir. ,
    Perlina azul.
    Grve pautado e liso.
    Yinhos om caixas de doze garrafas
    Bourgogne.
    Hery.
    Madeira.
    Hermitagc.
    Chainlilis.
    Licor de curaeo de Hollanda cm caixas de vin-
    tcequatrobotijiiihas.
    GE8S0,
    .. Nos arm;tzens de Tassolrmaos. "
    Grades de ferro
    para jatdins, porleirasek*.
    Nos armazens de Tasso Irmos
    c aismmos ni: vv.ix 150
    Para sciticos do grandes armazens. para remo-
    ver barricas ou caix5es de um para outro, lado peto
    iiKidico preco de 12&000 rada um.
    Farinlia de trigo de Trieste
    Das melhorns marcas Panonia (verTadeira) Fon-
    tana e grande sortimento das melhores mareas do
    farinhas americatar.
    Saceos de fariuha de trigo do
    Chite
    Todas novas, cliegadas ltimamente nos afnia-
    zens de '/asso Irnios.
    Cemento romano
    Nos armazens de Taeso Irmaos.
    Cemento hydraulico 12$
    O melhor para tudo que sao obras para agua, ri-
    mo assentainento de canos de esgoto, algcrozes, de-
    posito, tanques d'agua, ere., etc.: em poreties de
    cincoento barricas- se farit reduceao no prero : nos
    armazens de Tassolrmaos.
    Cemento Frtlaml
    O verdadeiro cemento Portrand em casa1 de Tasso
    limaos.
    Grades de ferro, cercasrpor-
    tefras, etc., etc.
    De differentes qnalidades ptera cercada-de ani-
    maes, chiqueiropara galinhaoujardins>: uosar-
    iizons di; Tasso Irmaos.
    Baras com breu
    N09 armazens de Tasso Irmaos:
    CANOS DE BARBO
    5a ra Nova d* Santa Hita, na-antiga fabrica de
    sabao, ha para vender por pre^o o mais mdico
    pcssivel, canos fuancozes para edificacoes e-esgo-
    lo.v d toda a quadade, superiores a lodos- os que
    aqu tem appareeidd pela sua sstidez.
    PBEgOS
    l&iOO por cano grande de 3 0 meia pocgadas.
    ,' iki por dito de 1 o tres qusrtos de ditas
    ! -idou por dito d Se um qua?to de dita.
    300 ris por pistoleta de 2 polladas.
    Cotorellos, curvas canos de maior grt*nra. a
    virase faro preco. Compras motores d 200
    lm i> por cont dd descont par prompto paga-
    irst.i. Pde-se ver as amostras nos aoaaazens
    di; Tasso Irmaos.
    TjoUds fransezes
    Vara ladrilhar casas terreas omasseio presos
    mdicos, muito convelientes e proprios para ladri-
    Ihos de eusinhas em sobrados, pelo scu asseio e
    o itiii- a passagem- de aguas para o andar inferior
    e mesmo o perigo de fogo, aos precos do JO|000 a
    itfOOO o miiheiro: na ra Novaae Santa Rita, na
    a:tiga fabrica de sabio, e compras maiore^tle 200
    solar 3 por rento do descontapor pronr.pto paga-
    mento. Podem-3 ver as amostras nos armazens
    de Tasso Irmos.
    Velas de esparmacete vardadeiras- para lan-
    ternas de carros: noarmazem de Tasso Brotaos.
    Vinho do.Porto tino Superior: n* armazem
    de Tassolrmaos.
    O melhor cognac Gauthier Freres: no anna-
    zem de Tasso-rmaos.
    Estdirs da India
    l NOVA ESPERANQA
    21= Ra do Queimado=21
    E para presentes
    A Nova Esperarla, ra do Queimado
    n. H tem um-variado sortimento de objec-
    tos de gosto e phantasia prnprios para pre-
    sentes, sobresahindo entre elles ricas caixi-
    nhas de eljano com linas perfumaras, cos-
    tureiros de chagrn, agulheiros de madre
    perola : assim, pois, quem quizer fazer um
    linda offerta, dirigir-se Nova Esperanca,
    na do Queimado n. 21.
    Collares anodinos elleciro-magnett
    eos contra as conwlees das
    crcancas.
    N3o resta a menor duvida, de que muito
    collares se vendem por ahi intitulados os
    verdaderos de Rpyer, c eis porqae muitos
    pais de familias nao creem (comprando-os)
    no effeito promettido, o que s pdem dar,
    os verdadeJros; a Nova Esperanca, porm
    que detesta a falsificarlo principalmente no
    que respeita ao bem estar da bumanidade,.
    fez urna encommenda direeta destes collares
    e garante aos pais de familias, qne s3o ot
    verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
    gas lem salvado do terrive) incommodo de
    convsles, assin pois preciso, que ve-
    nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
    n. 21 eomprarem c salva vida1, para seus
    filbinhos-, antes que estes sejam acomBKtti-
    dos do twrivel mal, qpando ento ser -
    flkil alcanjar-se o effeito desejade, embora
    sejam emppegados os- yerdadeiros collaret
    de Royer.
    Para extinguir as saritas e
    panire
    Receben a Nova Esperanca, ra de
    Qneimado n. 21, leite de rosas, especial
    para extinguir sardas e pannos.
    BONECA DE CERA
    A NoT a 'sper.flca a ra do Queimado Qv
    2f, ac de reteber um empleto sorti-
    mento fle finas bwiecas de cepa de diter-
    ses- taraanhos, sendo as mawres do com-
    H-imentft d'um co-.udo ; estas bonecas tra-
    ztn bonitos coques e botinasr bavendo en-
    tre ollas- algumas ;ue fallant e outras que-
    choram de sorte ene fcilmente podem ser
    prepararas, e fazer-se um presente de murta*
    aeoeitieS.
    Pinas caixas de tartaruga pan- rap ven-
    (>en>-se a ra do Ojemiado n. 21 na loja
    da Jova Esperanca.
    Modernos brincos Je sndalo, -s se en-
    centrarao- na Nova- Esperanca- a roa do
    Queimado- n. 21.
    MEIAS 3E LAA
    A'Novalsperanc3"roa do Cnewnadon-
    21', acaba, dte receber um especiarisortimen-
    to4e mews de la pzra homme senhora.
    CeWTRAAS 8OTGESTOES
    mal terrivel a songestao fulminante:
    (H) repeate leva um inivido, d'esta para
    milbor vid, sem dar-lhe tempo de receber
    conversa medica ; demando as mois das
    veses itttslher e filhos no mais amargurado
    pranto ; a Nova Esperanea que deseja pres-
    tar servioos recorreu a Vojer, o qoal lhe
    mando anneis electriaoa magne-eos, como
    o nica preservativo para semel'nante mal i
    elles aFies- que se acate : na Nova Espe-
    ranca-
    NAVAUIAS
    A Nova. Esperanca a ra do Qoeimado
    n. 2! recebeti um sortimento de navalhas,
    de qualldudes, e tamangos especiaes assim
    como aadores e massas para as- mesmas.
    OLEO DE HOGG
    DI)
    Fijados frescos de .bacalho
    Para cura certa de phtisica, affeccoes escrofu-
    iss, tusse r!ironica, fra(|ueza dos membros e de-
    lidade peral, reeommenda-sc a excellencia desie
    leo ainda por ser agradavel no paladar.
    VNDESE
    KA
    Pharmacia e drogara
    HB
    . BARTHOLOMEU & C.
    34 = Una larga do Rosario = 34
    'X'
    TGSSES
    CITIRRHOS
    PASTILHAS PEITORAES
    E LOURO GEREJO
    IRRITACCES
    DO PEITO
    r te O mais novo e dei.cioso coiieito at agora conhecido. Por Uto tem adquirido r-
    pidamente a popularidade de que goza. Os mdicos os mais/isncl^'^nsSoT0rr!
    as tosses, defluxos, ealarrhos, tosses convulsas, catarrho* epidmicos, imtaces do peitA.lom
    grande empenho o procurio as mies de familia, assim para ellas COMO pata "-.jg
    5rimeiro que ludo Inoffensivo. e as suas propriedades adocantes nao
    Deposito em Pernambuco,* em casa de Maurr e c.
    C4PSULAS MOLES
    DE
    ALCATRAO
    Remedio por exce'lencia para cura rapi-
    lae completa das coqueluches, bronchites,
    'atarrhos, tosses convulsivas, escarros san-
    guinos, e outras molestias do peito.
    VEMDE-SE
    PHARMACIA E DROGARA
    DE
    Bartholomeu A C.
    34RA LARGA DO ROSARIO31
    AO BAZAR DA MODA
    Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
    NOVIDADES
    FLORES finas, grande sorlitnento.
    GRIN'ALDAS de ditas para coques.
    LA0OS, livelas, penacbos para enfeiles.
    Para homrns.
    Para senhoras.
    COQUES da ultima moda, enfeitados e lisos, gran-
    de sorti'in-nto.
    CHAPELINAS de palba da Italia, guarnecidas com
    delicados e elegante enfeites brancos e de cores
    CHAPEUSINHOS e gorras de velludo e de pennas
    (alto novidado !) de palha da Italia, a emtiacao,
    especial sortimento.
    CINTOS de cores e pretos, rico sortimenio a ultt-
    in.i moda.
    CAMISAS bordadas porcommodos precos.
    LENCOS bordados e com letras, novidade nesle
    (.'imero
    LEQUES a emitacao de marlim, gosto
    sndalo.
    (iol.lNHAS e punhos, a emitacao de gutpure.
    ENFEITES pretos e de cores para cabeca, lindos MllAs de superior qualidade.
    Roldes,. BF.NGALINHAS finase chicotes.
    GUARNICAO alta novidade I a Marie Rose, ultt- n;jETAS aro de ac e tarturaga
    mmente usada em Pars.
    CORPINHOS de guipure brancos e pretos lindos
    modelos.
    BORNOUS de laa e seda, cores claras, elegante
    deli-
    novo e de
    CAMISAS com peits, colarinhos e punhos
    nho fino, lisos e bordados, moda,
    COLARINHOS de linho e algodao.
    PUNHOS de ditos.
    GRAVATAS de todas as quaiidades..
    BOTOES para punhos e guarnicoci para coleles.
    CORRENTES de plaqu a emitacao do ouro, lin-
    do gosto.
    CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
    lidade superior.
    CHAPEOS de seda, para sol.
    Para erlanras.
    moda em Pars.
    GRINALDAS de (lores finas.
    ESPARTILHOS superiores.
    MEIAS supe iores de fio de Escocia.
    LUVAS de pelica chegadas pelo ultimo vapor.
    ADEREGOS de coral verdadeiro e camafeo, (
    delicado.
    DE PALHA
    GUARNICES para vestidos.
    TRANCAS para enfeites de coques.
    BOTOES lisos e com pingentes para vestidos.
    CINTOS alto novidade.
    gosto
    VESTUARIOS completos para haptisados.
    SAPATINHOS de merino e setim enfeitados.
    \ Kl \S de seda e fio de Escocia.
    CHAPEUSINHOS de palha da Italia.
    TOUCAS de fil e setim enfeitodas e de chroch.
    BUNECAS vestidas, muito bonitas e diversos
    brinquedos.
    Perfumarla finas.
    1 AGUA FLORIDA verdadeira de Murray & Lan-
    man New-York.
    TNICO oriental, verdaieiro.
    AGUA DIVINA de E.Coudray o superior agua e
    essencia de Colonia.
    ESTRATOS e essencias finas e de agradaveis aro-
    mas para o lenco.
    VINAGRES aromticos para loilet.
    POS DE ARROZ para amaciar a pelle ; em paco-
    tes e ricas caixinhas com arminho.
    POS superior para limpar os. dentes.
    COSMETIQUES de fina qualidade.
    SABONETES, grande sortimento deste genero e
    de superior qualidade.
    LEOS de philocome, babosa c antiqm-
    BANHA fina para os cabellos.
    AGUA de llores de laranja.
    CREME de sabao para barba.
    Caixas preparadas com perfumaras finas.
    mdelas finas.
    SUPERIORES filas de grosdenaples de todas as
    cores e larguras de veludo preto e de cores, e
    gurgnrao para cintos.
    BABADINHOS e entremeios bordados.
    GUARNICOES de seda de cores para enfeites de
    vestidos.
    TRANCAS pretas com vidrilhose pingentes.
    BOTOES de cores, brancos e pretos com vidrilhos
    lisos e com pingantes.
    DEDAES de mau. ipei-ola, de marfim, de *cp e
    metal.
    THESOURAS finas para costura e unlias.
    CAIVETES finos com quatro foHias. Enluitos
    outros artigos de mil deas que se torna enfe-
    donho menciona-los.
    LOJA DO (JALLO VIG1LAXTE
    Ra do Crespo n* 7
    Mandou vir de sua conla e acaba de re-
    ceber pelo ultimo vapor, completo sottimen-
    ot de objectos de novidade e phaniaia, os
    quaes esto resolvidos a vender por procos
    nimiamente baratos, para assim animar aos
    concurrentes e ao mesmo tempo dar sabida
    ao grande deposito que tem: isto ra do
    Crespo n. 7, loja do Gallo Vigilante.
    Gollinhas, punhos e camisiuhas para se-
    nhora, fazendas de gosto e novidade.
    Finos vestuarios para bapiisados, assim
    como touquinuas, sapatinhos e meiasinhas
    para o mesmo fim.
    Grande sortimento de bicos e rendas de
    croch e de outras muitas quaiidades.
    SlipIHores oaixas com msicas e sem, ct-
    las, tendo o necessario para costuras, j^ro-
    prias para um delicado mimo.
    Finas caixas com lentos e sem elles paia
    voltarete.
    Agulhas para machinas de costura.
    Ditas para-crocit, sendo de ac, marfim
    e outras muitas quaiidades, assim como fi-
    nitas para o mesmo mister.
    Finas grinaldas para noiva.
    Metas de borracha para auem softre de
    erysipella, assim como metas de la para
    os que soffrem de rheumatismo.
    Suspensorios para homem e merinos.
    Finos pentes de tartaruga para coques o
    de outras muitas quaiidades e para outros
    raisteres.
    Dedaes de madreperola, marfim, osso,
    ac, metal, etc., etc.
    Superior agua cosmeocome para fingir
    cabellos, dando aos meamos a sua sor pri-
    mitiva.
    Completo sortimento de finas perfumaras
    dos melbores fabricantes, assim como mui-
    tos outros objectos que impossivel des-
    crever: isto s na ra do Crespo n. 7, loja
    do Gallo Vigilante.
    Collares Royer elctricos magnticos con-
    tra as convulses das criancas e para facili-
    tar a detnc3o das mesmas, o Gallo Vigi-
    lante antigo rocebedor d'estes prodigiosos
    collares e contina a ter sempre grfude de-
    posito, ra do Crespo n. 7.
    Vrndein Augusto
    fouunereio, b. 4.
    F. de Oliveira C. a ra d.
    Em casa de Tasso Irmaos vende-sc esteiras da
    India de dwsos padres c larguras, por prona
    eoiiunodo.
    Macarthy
    Machinas de desearoear algodiw.
    Hoje que est reconherido que as machinas de
    sete r>:sjudeam e quebram a fra do algosEo,
    preciso reeorrer a rtjachinismo menos asix-ro.
    qne produzindo o mesnto servico que aquellas^ e
    facihdade no traballio, nao quebaero afibradJaa,
    [iara que essa possa ciiter-nos mercados europeos.
    a dffer.-Hica que ha entro o algodao descansado
    por aquellas mencionadas machinas, que ostao fi-
    eandoemdeuzo, pelaprejuizo que tem causado,
    c o da antiga bolanduira, que Bao pode competir
    pela morosidade. de, seu trabaiho. E' assim que
    estas machinas se tornam as tuais proprias para o
    nosso algodao, porque ao par da facidado e
    promntia^con^aafibradalt,quc toipa por grandeporrode machinas para costuras do
    ella, e nualificada na Europa a par da melhor bo- *> ,Jr, ,,... vo.mr v
    laiderai vatohdo assim entre li) arrobas 20 0/0 autor Wheeier_Wilsqn, apyrovadas na ulti-
    Para amilias
    Ciraitde Razar, ra Nova ns. 'i e
    'i 3. de Carnctre \ lan na tV W.
    Acaba de chegar a este estabelecimanto
    mais do que a iaa.limpa p Estas machinas nao sao navas, pois qae ha muito
    estilo adoptadas no Egvpto, aonde as de serrle
    foram intcirasflenle abandonadas, e per isso o algo-
    dao daquela procedencia, sendo da qualidade do
    da nossa pronincia, obtom hoje de 10 arroba* 20
    0/0 mais do que o nosso : vendem-sc a ISOJOOO
    nos armaaps de Tasso Irmaos.
    Oleo de aineudoas
    Em caixas de 8 latas,.cada eaixa 100 tibra :
    nos armazens de Tasso-rmaos.
    Tudo se vende por prepos bastante commodos.
    Meiae elsticas de borracha.
    As melhores e excellentes meias elsti-
    cas de borracha contra varizes e ery:$ipellas.
    Vende-se na
    Pharmacia e drogara de
    Rartholomeu* d C
    34ra larga do Rosario31
    Sebonete de alcatrdo.
    DG
    Antonio Nunes de Castro.
    Este acreditado preparado, que t5o boa
    acceitacSo tem merecido n'esta provincia,
    muito se recommenda para a cura certa
    das impigens, sarnas, caspas e lodas as
    molestias de pelle.
    Deposito nico,
    Pharmacia de Rartholomeu 4 C,
    34ra larga do Rosario31.
    HIYAL sem segundo
    Ra do Queimado n. 49, Joja de miudezas de
    Jos de Azevedo Maia e Silva, tem para vender os
    artigos abaixo declarados, tudo bom e baratsi-
    mo, que sao para acabar.
    Duzia de sabonetes muito finos a 700 rs.
    Purs de sapatos de tpele para hooieni a 15280.
    Ditos de tranca para (-ruanca a 1 i.
    Tramoia do Porto, bordada, a melhor a 200 rs.
    Dita do Porto liza, da melhor qualidade a 100, 120,
    160 e 200 rs. .
    Resma de papel almaco, lizo superior a 3-3200.
    Dita de papel almaco pautado a 4.
    Livro de missSes abreviadas a 2.
    ma exposico de Purs, as qpaes cozem com
    dous pospontos toda a oostura, e tem a
    vantagem de ser to suave o movimento.
    que qualquer cranca de oito anuos fcil-
    mente trabalha, e pode, com este entrete-
    nimento, levar vantagem ao servico diark
    de trinfa coslureiras. A comprehens3o
    simples, pois em um qaarto de hora se ti-
    ca senhor do movinieato da macWna, ten-
    do a mesina a propriedade de faaer as se-
    guintes costuras: pospontar, abaiuhar,
    franzir, marcar e bordar, como apresentam
    os desenbos que acompanham-nas. Os pro -
    prietarios do estabelecimento se encarre-
    ;im de mandar ensioar n'esta cidade, e
    garantera entregar o importe dispendido ao
    comprador, no caso de n3o trabalbar com
    perfeicao a machina vendida, nao tendo,
    porm, soffrido ella alguma avaria. Ha tam-
    bem no mesmo estabelecimento machinas
    do autor Grover A- Raker, de trabalho sim-
    \ plesmente mo, e outras com movimento
    Cartilhas com toda a doutrina e muitas resas a j OS ps; e mxime todos OS pertences das
    320 rs.
    Silabarios portuguezes com estampas a 320 rs.
    Baralhos francezes muito finos a 100 o 240 rs.
    Sabao ingloz superior qaalidade a 500 e 15.
    Grvalas pretas e de cores muito finas a 500 rs.
    Duzia de meias para senhora, fazenda fina a 45-
    Redes pelas lisas para segurar cabello a 320 rs.
    Varas de transa de seda do todas as cores a 600 rs.
    Pares de brincos dourados com maozinha o pe-
    dias a 320 rs.
    Carl5es com corchetes de duas ordens e sao de la-
    tao a 20 rs.
    Abotuaduras de vidro para coleto- mmto finas a
    120, 240 e 400 rs.
    Pare de boloes dourados para punhos a 160 rs.
    Caixas de pennas de a?o muito linas a 240, 320 e
    500 rs.
    Cartoes com duzentas jardas de linha do fabri-
    cante Alexandre a 100 rs.
    Caixas de pennas de ac, a verdadeira penna a
    Carriteis de linha Alexandre ns. 70,80, 100 al
    200 a 100 rs. _, ..
    Caixas com su|ieriores obreas de massa a 40 rs.
    Carriteis com duas oitavas de retroz nreto a 500 rs
    Duzias de agulhas para machinas a 2*.
    Libras de pregos francezes de todos os tamanhos
    Livrosescripturados para rol de roupa a 120 rs.
    Caixas com papel amisade muito fino a 700 rs.
    Caixas com cent envelopes da melhot qualidade a
    600 rs.
    Talheres para meninos muito boa fazenda a
    240 rs.
    mesmas machinas, para vender avulso.
    Tintura japoneza
    Instantnea para Ungir os cabellos O a
    barba, a 15000 o frasco.
    E' a nica approvada e recomaendada
    por ter sido reconhecida superior a todas
    as tinturas d'este genero.
    venda em casa de Gustavo Herven n.
    5i. ra da Cadeian. 51.
    GAZ GAZ GAZ
    Chegon ao antigo deposito de Henry Porster &
    C, ra do Imperador, um earregamento de caz
    de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
    o a retal ho por menos preco do que em outra qual-
    quer parte._________________________
    Cemento de Portland.
    Vende-se no armazem de Vicente Ferreira
    Costa & Filho, na ra da Madre de Dos n. 22,
    barris grandes. ^________________
    Em casa de Theod. Chnstiansen, rna doom-
    mercio n. 16, encontram-se eflectivamente todas
    as quaiidades de vinho Bordeaux Bourgogne e do
    Rheno.
    FUNDICAO DOBOWMAN
    Ra do llriim o. &t.
    Machinas de vapor.
    Rodas d'agoa.
    Moendasde canna."
    Taixos de ferro, batida fundido.
    Rodas denudas, paia moer com agoa,
    vapor e animaos.
    Alambiques de ferro. ,
    Formas para porgar assucar.
    E outros muitos objectos, etc. etc., pro
    prios para agricultura.__________
    Para semana santa.
    Madama Adour, 23 ma do Imperador,
    acaba de receber maotinhas e mantelete de
    fil preto.
    1
    i
    I
    -

    I
    -


    Diario de Pernambuco Segunda feira 15 de Marc,o de 1869.
    *. <

    \
    R
    GRM LIQUTOACAO
    A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
    DO
    DE
    Flix Pereira da Silva, successor de Gama
    & Silva
    O proprietario d'este estabelecimento convida ao rospeitavel publico desta ca-
    pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tem defarenda, tanto da moda como
    de lei, e as pessoas que negociam em pequea escalla, tanto da prac^a como do matto-
    nesta casa podero fazer os seus sortimentos em pequeas e grandes porcoes, venden-
    do-se-Uies pelos precos que se compran as casas inglezas ; assim como as excellentis,
    limas familias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, qu mandare-
    mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se este estabelecimen-
    to aberto constantemente desde s 6 horas a maahaa s 9 da ooute.
    O atoalhado do Pavao.
    Venderse superior atoalhado de algodo
    oom 8 palmos de largura, adamascado a
    20200 a vara; dito de hnho fazenda muito
    superior a 3^200 a vara ; guardanapos de
    Hnho adamascados a 4500 a duaia e muito
    finos a 8)51000, e ditos economices a 30500
    a duzia.
    Yw*teH asara vestidla brancm
    a 4.
    Vendem-se os mais modernos fustes brin-
    cos flexiveis com padies de listas e de
    lpicos proprios para vestidos e roupas de
    menino a 640 rs. o covado, na loja e arma-
    2em do Pavao ra da Imperatrizn. 60, de
    Flix Pereira da Silva.
    Grosdeaaples
    Ghegou para a loja do Pavo pelo ultimo
    varpor um grande sortimento dos melhores
    grosdenaples pretos e de cores, tendo verde
    tambem, que so vendem mais barato que
    em outra qualquer parte.
    BABADINHOS
    Vendem-se finissimos babadinhos, tiras
    bordadas e entremeios, mais baratos do que
    era outra qualquer parte, assim como espar-
    lhos dos mais moderaos, ne arraazem de
    Flix Pereira da Silva, ra da -imperatriz
    a. 60.
    ALTA NOVIDADE
    A LOJA DO PAVAO
    Gurgur3o de seda
    Chegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
    nitos gurgures de seda, proprios para ves-
    tidos, sendo lisos e lavradinhos, com muito
    lustro, garantindo-se que a fazenda mais
    onda e de mais phantasia que esteanno tem
    jhegado a este mercado, e vende-se por
    proco muito razoavel, na ra da Imperatriz
    a. 60, de Flix Pereira da Silva.
    GROSDENAPOLES PRETO A QUATRO
    PATACAS SO O PAVO.
    Vende-se grosdenapoles preto de boa
    qualidade pelo barato preco de 10280 o co-
    vado, so na loja e ormazem do Pavo, ra
    da Imperatriz n. 6 de Feliz Pereira da
    Silva.
    CAMBRAIA BRANCA A 36300.
    Vende-se pecas de cambraia branca
    transparente, com 8 e meia varas pelo ba-
    rato preco de 30560, ditas muto finas tanto
    tapadas eomotranspar-entes 40500, 5->000,
    ^0500, 70000 e 80000, assim como organ-
    d muito fino tanto lizo, como de listas e
    quadros na loja c armazem do Pavo ra
    da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
    silva.
    ALPACAS LAVRADAS 'PARA LUCTO.
    Vende-se na loja do Pavo, as. mais mo-
    dernas alpacas lavradas para lucto, sendo
    muitolargasepelo barato preco de800rs. o
    covado, s na loja e armazem do Pavo, ra
    da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
    Silva.
    Cassas Inglezas a I l rs o metro
    Vende-se urna grande porco de bonitas
    cassas inglezas tanto graudascomo miudi-
    nhas e de cores fixas pelo barato preco de
    440 rs. ometro.garentindo-se que 7 metros,
    do um vestido para qualquer Sra. s na
    toja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
    Flix Pereira da Silva.
    Bareges a 400 rs.
    S aa loja do Pavo
    Se vendem as mais bonitas bareges transparen-
    :s, preprias paja vertidos com listrinhas a imita-
    ejfo de listras de seda, e vendem-se pelo barato
    preco de um cruzado eada um covado, nicamen-
    te oa loja e armazem do Pavo, ra da Impera-
    Miz n. CO, de Flix Pereira da Silva.
    Grande pechincha para a
    quaresma.
    VESTIDOS PRETOS A 450000.
    Vende-se superiores cortes de vestidos de
    seda preta lavrada, sendo fazenda muito
    encorpada e muito moderna, pelo barato
    preco de 450, nicamente na loja do Pavo,
    ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pereira
    da Silva.
    COLCHAS PARA CAMA A 50000.
    Vendem-se colchas de fusto adamasca-
    das para cama, pelo barato preco de 50,
    grande pechincha, na Joja e armazem do
    Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
    Pereira da Silva.
    COBERTORES INGLEZES K 40, 40500 E 50.
    Vendem-se os verdadeiros cobertores
    inglezes, de pura la, pelo barato preco
    de 40, 40500 e 50, assim como colchas de
    fusto de cores, pelo barato preco de 30. na
    loja e armazem do Pavo. ra da Impera-
    triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
    A 20, OS BALOES DO PAVO.
    Vendem-se superiores baldes america-
    nos de triuta a quarenta arcos, tendo as fi-
    AS CAMBRAIAS DO PAVAO
    Vendem-se finissimas pegas de cambraias
    lizas transparentes tanto inglezas como suis-
    sas tendo mais de vara de largura, pelos
    precos de 50600 at 100000 a peca, assim
    como finissimos organdys branco liso que
    serve para vestidos de bailes, por ser muito
    transparente a 10006, a vara, na loja do
    Pavo ra da Impenrtriz n. 60, de Flix Pe-
    reira de "Silva.
    Alpaca*lavrada*
    Chegaram pelo nltimo vapor as mais mo-
    dernas alpacas lavradas com as mais lindas
    cores, que se vendem a 10000, o covado,
    ditas lisas tendo tambem cor de caima a'
    800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:200,
    o cavado, e outras muitas fazendas de go9to
    e moda que se vendem mais barato do
    que em outra qualquer parte, no armazem
    do "Pavo, ra da Imperatriz a. 60. de Flix
    Pereira da Silva.
    itoiif* para bomeni
    Vendem-se superiores palitts de panno
    9obrecasacos -forrados de alpaca e de seda,
    camisas inglezas e francezas com os peitos
    de esguio, ceroulas francezas de linho e al-
    godo, meias cruas inglezas superiores, ca-
    misas de flanella e de meia de la, assim
    como neste eetabelecimente existe um grande
    sortimento de pannos pretos, e de casemiras
    inglezas de cores, e que se manda fazer
    qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
    zes, e promette-se-lhes que sero servidos
    com a maior promptido e muito mais ba-
    rato do que em outra qualquer parte
    a ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
    ra da Silva.
    Cortinados
    Para camas e janellas.
    Vende-se um grande sortimento dos me-
    lhores e maiores cortinados bordados pro-
    prios para camas e para janellas, que se ven-
    dem a 120060 rs. cada par at 250000 rs,
    isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
    Pereira da Silva.
    Cretone para tanques com 10
    palmos de largura a 2$,
    Acaba le chegar esta nova e excellente
    fazenda branca propria para lences de um
    s panno, garantindo-se que um metro e
    urna quarta ou un metro e meio d um
    excellente lencol de um s panno, assim
    como esta boa fazenda tambem 6 muito
    propria para toalhas de meza, rosto etc. e
    outros inysteres e vende-se pelo baratissi-
    mo preco de 20 cada metro.
    MOZAMBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
    Chegou para a loja do Pavo um elegante
    sortimento dos mais bonitos mocambiques
    proprios para vestidos cora as cores mais
    modernas e que se vendem pelo barato
    prego de 500 rs. o covado.
    ALPA'IAO DE CORDOPARA VESTIDO A i i
    Chegou esta nova fazenda com o nomo
    de alpaco, sendo de cordo e com mais
    largura do que a alpaca, com as mais ln las
    cores, como sejam Bismark, lyrio, perolas,
    roxo, cor de canna, magenta etc. e vende-
    se pelo baratissimo preco de 10 o covado.
    ROMEIRAS PARA QUARESMA A 1CJ,
    Chegaram as mais bonitas e modernas
    roineiras pretas de gippure, que se vendem
    pelo baratissimo preco de 160 cada urna.
    SOBRECASACOS PARA A QUARESMA A 18 E
    20*.
    Vende-se um grande sortimento de so-
    brecasacos e palitts sobrecasacados de fi-
    nissimo panno preto pelo baratissimo preco
    de 180, sendo forrados de alpaca, e por
    200, todos forrados de seda, grande pe-
    chincha, principalmente por esiarmos na
    quaresma, assim como, tambem se vende
    um grande sortimento de calcas e colettes
    de casimira preta que se vende muito mais
    barato do que em outra qualquer parte.
    ESGUIO DE LLNHO DE 12 JARDAS A 100.
    Vende-se pegas de esguie de linho, fa-
    zenda superior, cora 12 jardas cada peca, a
    100000.
    ALTA NOVIDADE
    A
    Loja do Pavao,
    GURGURES PARA VESTIDOS A 10000,
    O COVADO.
    Chegaram os mais modernos gurgures
    para vestidos, sendo de todas as cores, como
    ROUPAS FEITAS
    Na loja do leo da porta larga
    DE
    PAREDES PORTO
    Ra da Imperatriz n. 52, junto aloja deourives.
    N'este estabelecimento se encontrar I ra da Imperatriz n. 52, loja do Paredes
    sempre um ceinpleto sortimento de roupas Porto.
    feitas de todas as qualidades. Como se-1 Neste estabelecimento encontrara o respei-
    jam: paletots de" alpaca, de merino, de tavel publico um completo sortimento de
    casemira, bombaras de panno preto, fra-, fazendas e roupas que, se vende pelos pre-
    ques e sobrecasacos de hrins de cores e eos seguintes:
    pardos.
    CALCAS E COLKTES.
    Tem sempre*no mesmo sentido um sor-
    timento completo a preco commodo.
    CAMISAS E SIROULAS.
    Encontrar sempre o respeitavel publico
    um bonito sortimento de todos os nmeros.
    MEIAS CRUAS.
    Sortimento de todas as qualidades, de
    30 a 50, assim cerno tambem sortimento
    de toncos de linha broncos e com barras
    FAZENDAS PRETAS.
    Completo sortimento de fazendas pro-
    prias para a quaresma, como sejam: ros-
    de-naples a 20, 20500, 30, 30500 o cova-
    do, moreantique de diversas quali lades
    a 20260, 20400 e 20800 rs-, sortimento de
    alpacas pretas e de cores de 500 rs. at 10,
    prinoza, mirin de diversas qualidades.
    FAZENDAS BRANCAS,
    Madapolo de diversas qualidades e pre-
    ces commodos, cambraia de 30500 411300
    de cor, chinezes, bonitas gravatas pretas e e 50, ditas victorias de 50500 a 104, pecas
    de cores. Roa xla Imperatriz n. 52, por- de cassa liza o mais fino que ha ro merca-
    de largura
    SEDAS DE US TRAS.
    Recebea-se um bonito sortiraerito d'esta
    ta larga.
    PARA ACABAR.
    ' -lima grande porco decalcas ordinarias
    spara trabalho a 640 e 800 rs. cada um par,
    pechincha na loja do Leao junto a loja de fazenda que se vende a 20500 o covado.
    ourives. CHITAS.
    GRANDE PECHINCHA, I. Vende-se chitas escuras a 280, 300, e
    Cassas lie cores a 640 rs. o covado, na 320 rs. o covado.
    No armazem do Lele, ra da imperatriz ns. 48 e 52, junto a loja de ourives
    e padaria franceza.
    FAZENDAS PRETAS
    PARA A QUARESMA
    AUGUSTO PORTO & G.
    lina (te Qneimado n. II
    Receberam directamente da Europa as mais superiores fazendas pretas espe-
    ciaes para a quaresma, as quaes eslo vendendo pelos mais mdicos precos em vista
    da superior qualidade de ditas fazendas.
    ALTA MOTIDABE
    Basquines pretas de renda, verdadeira novidade, para senhora.
    Gorguro preto de seda liso e com listas assetinadas para vestidos.
    Grosdenaples preto largo estreito de diversas qualidades havendo neste ge-
    nero o que ha de melhor.
    Basquines de croch pretos, ditos de seda preta com cintos delicadamente en-
    feitados, elegantes peplums de seda preta, flchos pretos de renda, modernas capinhas
    pretas de renda e superioras vestidos de gorguro preto bordados.
    Aloja n. H da ra doQueimado tem sempre o melhor sortimento de tapetes,
    alcatifas e
    Esleirs da India para forrar salas.
    ARARA
    Lourenco Pereira Mendes GuimarSes, proprietario da loja da Arara, ra da Imperatriz
    n. 72, declara ao respeitavel publico e seus freguezes que. acaba de concluir o balanco
    de sua loja de fazendas e fazer abaieiito as fazeiulaa-^que julgou necessario para
    vender mais barato que em outra qu;ilquer parte, por isso roga ao respeitavel publico o
    favor de mandar ver as amostras das mesmas para ver como se vende barato.
    CHITAS FRANCEZAS A 280 RS.
    Yendera-se chitas francezas a 280, 320 e 3150 rs. o covado.
    MADAPOLO A 6*000.
    Vendem-se pecas de madapoto tino a 60, 70, 80 e 90000.
    < JANG A 320 RS.
    Vende-se ganga para calca e palitts a 320 e 360 rs. o covado.
    CASTORES PARA CALCAS.
    Vendem-se castores para cairas a 20 e 280 rs. o covado.
    I.AAZINHAS A 240 RS.
    Yende-se lazinha a 240,280 e 32.< rs. o covado, e outras muitas fazendas e roupas
    feitas, fazendas pretas para a quaresma, como gros-de-naple, casemiras e panos pretos
    de todas as qualidades, baloes de 20 35 arcos a 10500 rs., cortes de brim para caiga
    de homem a 640 e 800 rs. cada um, por este preco s na loja da Arara ra da Impera-
    trizn, 72.
    tas bastante largas, sendo muito fcil trans- J^ verd 'azu| bismark, erla,
    forma-Ios para outro qualquer novo modelo, r6Jx0 & & tendo quas quatrQ palmos^ lar.
    Lourenco Pereira Mendes Guimares paoprietario da loia do grande Garibaldi, ru
    da Imperatriz n. >6.
    Declara ao respeitavel publico, que recebeu um grande sortimento de fazendas
    de todas as qualidades, tanto para a praca como para o mato, aos quaes espera Ihe -
    cam a honra de frequentar o seu estabelecimento que Ihe prometiera vender mais barato
    do que em outra qualquer paito.
    CORTKS DE LA A 2400 RS.
    Vendem-se cortes de la para vestidos a 20400 e 30000
    CHITAS FRANCEZAS LARGAS A 280 RS.
    Vendem-se chitas francezas a 280. 320, 360 rs. o covado.
    LAAZINHAS A 240 RS.
    Vendem-se lazinhas para vestidos a 240, 280 e 320 rs. o covado.
    AI.CODO A 4*000
    Vendem-se pecas de algodo a 40, 50 e 70 00, pecas de madapolo a 6!, 70, 80
    e 90000.
    CORTES DE CASEMIRA PRETA A 44000.
    Vendem-se cortes de casemira preta para calca a 40, 50, 60 e 80000, cortes de
    ganga para calca a 10280 rs., ditos de brim 800 rs., ditos de castor a 10000.
    CHITAS PARA COBERTA A 320 RS,
    Ycndem-sc chitas para coberlas a 320 rs. o covado.
    CASSAS FRANCE*ZAS A 320 RS.
    Vendem-se cassas francezas para vestidos a 320 e 360 rs. o covado.
    xotmtms.
    Baloes de 25 30 arcos, a 105O(rs. cada um, s se pode ter balo por este pre-
    CO, e outras muitas fazendas pretas para a quaresma, pannos, casemiras e gros-de-na-
    ples preto, outras fazendas muito baratas que se do as amostras. Na ra da Impera-
    triz loja do Garibaldi n. 56.
    ATTENCaO
    Lourenco Pereira Mendes Guimares, declara aos seus devedores que entregou ao
    seu procurador o Sr. Beroardino deSenna Dias as suas contas para elle promover seu
    recebimento conforme Ihe convicr amigavel ou judicialmente, por isso roga-s? a todos
    os devedores vir entender-se com elle na ra da Conceico da Boa-Vista4 ou na loja a
    ra da Imperatriz n. 56.
    para i
    e liquidam-se pelo barato preco de 20 cada
    um, sendo fazenda que sempre se vendeu
    a 70 e 80, isto na loja e armazem do Pa-
    vo, ra da Imperatriz n. 60. De Flix
    Pereira da Silva.
    Madapolo entestado a 85500
    Vende-se superior madapoloenfestado,
    sendo muito encorpado, para carnizas, e
    tendo cada peca 24 jardas, pelo baratissi-
    mo preco de 80500, na loja & armazem do
    Pavo, ra da Imperatriz n. 60. De Flix
    Pereira da Silva
    Ah 1,**0 Taras a &00 rs.
    Vendem-se a verdadeiras cambraias
    francezas, com lindos padrees e cores fixas, Grosdenaples preto
    sendo tapadas e transparentes, pelo barato Vende-se um grande sortimento dos me-
    piecode 500 rs. a vara, ou 300 rs. o co- Ibores grosdenaples pretorf, tanto lar-
    vado sendo fazenda que ningnem vende gos como estreitos, sendo de iOOO rs. o
    por menos de 7 ou 8 tostSes, e liquidam- covado at 40000 rs. gaiantindo-se qui-
    se por este barato prego, por se ter feito n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
    nma avultada compra, na loja e armazem que se vende mais barato do que em outra
    do Pavo, ra da Imperatriz n. 60. De qualquer parte,na roa da Imperatrizn. 60.
    Flix Pereira da Sirva. de Flix Pereira da Silva.
    gura e vende-se pelo baratissimo preco
    tle 10000, cada covado nicamente no ar-
    mazem de Flix Pereira da Silva, na roa da
    Imperatriz n. 60.
    RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
    1 |PAV0.
    Vende-se urna grande quantidade de re-
    talhos de chitas e cassas pretas por preco
    muito barato, e quanto maior for n porco
    que o fregu comprar, mais bajato se Ihe
    vender na ruada imperatriz n, 60 de F-
    lix Preira da Silva.
    GR I MAULT&C :..*. PARS
    Sob urna lrma lmpida e agradavel, este medica-
    memo reooe a quina, qne o tnico por exeellencia.
    e o Ierro, um dos principies elementos do sangne. E'
    adoptado pelos medios mais distinctos de Pars, para
    curar as cores pallidas, facilitar o desanvoMmento
    das meninas e restituir ao corpo os seas pr ncipies
    alterados oa perdidos. Paz rpidamente desapparecer
    as dores 'estomago intoleraveis suscitadas pt la ane-
    mia ou pela leurorrha, s quaes as seuhera esli
    taatHS vezes sujeitas, regutarisae fac lita a mensl-naci,
    e receitado com successo s enancas paludas, lym-
    phaticas on escrofulosas Em6m, excita o ajpetite,
    favorece a digestio, e convem a todas as pesseas cojo
    sangue esti emiiobreejdo pelo trabalho. pelas moles-
    tias, aa convaleacencaa loogas on difficeu. Os boas
    resaltados naaca se fazeaa esperar.
    Deposito em Ptrnambuco, em casa de Mat .
    0 cordeiro previdente
    llu do 4liicilUd a. t.
    Novo e variado sortimento de perfumaras
    finas, e outros objctos.
    Alm do completo sortimento de perfu-
    maras, de que efectivamente est provida a
    loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
    receber um outro sortimento que se torna
    notavel pela variedade de objctos, superiori-
    dade, qualidades e commodidades de pre-
    cos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
    e espera continuar a merecer a apreciaco
    do respeitavel publico em geral e de sua
    boa freguezia em particular, nao se afas-
    tando elle de sua bem conhecida mansido
    e barateza. Em dita loja encontraio o*
    apreciadores do bom:
    Agua divina de E. Coudray.
    Dita verdadeira de Murray & Lamman.
    Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
    ceaa, todas dos melhores e mais acreditados
    fabricantes.
    Dita balsmica dentrificia.
    DRa de flor de larangeiraa.
    Dita dos Alpes, e violeto para toilet.
    Elixir odontalgico para conservaco do
    asseie da bocea.
    Cosmetiques de superior qualidade e chei-
    ros agradaveis.
    Copos e latas, maiores e menores, cora
    pomada fina para cabello.
    Frascos com dita japoneza, transparente,
    e outras qualidades.
    Finos extractos inglezes, americanos e
    francezes em frascos simples e enfeitados.
    Essencia imperial do fino e agradavel chei-
    ro de violeta.
    Outras concentradas e de cheiros igual-
    mente finos e agradaveis.
    Oleo philocome verdadeiro.
    Extracto d'oleo de superior qualidade,
    com escolhidos cheiros, em frascos de dif-
    ferentes tamanhos.
    Sabonetes em barras, maiores e menores
    para mos.
    Ditos transparentes, redondos e em figu-
    ras de meninos.
    Ditos muito finos em caixinha para barba.
    Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
    fructas.
    Ditas de madeira invernisada contendo fi-
    nas perfumaras, muito proprias para pre-
    sentes.
    Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
    bem de perfumaris finas.
    Bonitos vasos de metal coloridos, e de
    moldes novos e elegantes, com p de arroz
    e boneea.
    Especial p de arroz sem composico de
    cheiro, e por isso o mais proprio para erian-
    Cas.
    Opiata ingleza e francezaparadentes.
    Pos de camphora e outras differentes
    qualidades tambem para dentcs.
    Tnico oriental de Kemp.
    Ainda mais cojgiies.
    Um outro sortimentos de coques de no-
    vos e bonitos moldes com liletsde vidiilhos.
    e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
    esto todos expostos apreciaco de quem
    os pretenda comprar.
    GOLLINHAS E PU.NHOS BORDADOS.
    Obras de muito gosto e perfeiro.
    Fivelias e Otas para cintos.
    Bello e variado sortimento de taes objc-
    tos, ticando a boa escolha ao gosto do com-
    prador.
    . FLORES FINAS
    O que de melhor se pode encontrones se
    genero, sobresahindo os delicados ramos
    orvalhados para coques.
    Para viagem.
    Bolsas de tapete e carleiras de couro, por
    precos commodos.
    Chapelinas de palha da Italia raui bem
    enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
    gosto.
    E assim muitos outros objctos que se-
    ro presentes a quem se dirigir dita loja
    do Cordeiro Previdente a ra do Queimado
    n. 16.
    ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS.
    CHAPEOS E COQUES.
    O Cordeiro Previdente ra do Queima-:
    do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
    mento de trancas de palha para enfeites de
    vestidos, outras para chapeos, coques ele.
    tudo isto est sendo vendido com a sua bem
    conhecida commodidade de precos.
    ALEM D'AQUELLES.
    Recebeu outros lindos enfeites de seda
    para vestidos ; assim como um variado sor-
    timento de gallos de la, babadinhos de
    cambraia com bordados de cores, cuja va-
    riedade de gostos os tomam recommenda-
    dos e apreciados ; compareco pois os pre-
    tendentes que sero servidos a contento.
    TO BEM RECEBEU.
    Novo provmento de bicos e rendas de
    guepure.
    LUVAS DE PELLICA.
    De todas as cores tanto para bomen*
    como parasenhoras,constantemente a.ham-
    se a venda na loja do Gordeiro Previdente :
    ra do Queimado n. 16.
    PRECC5
    ___ ;... .la Ii\ii,.-i An fulir
    0 nico deposit te Imica da Mrica do ihti.\-
    llio do Cabo, sito no pateo do Terco n. t d
    cidado lem resolvklo fazer grande batimento nos
    canoa que aun Habido, os oaea flcaa lela fttuinto tabella, a siIi.m :
    Do i\i pollegada cano vldrado por 800 rs.
    De 2 ditas ioYin i.letn por I****)-
    De 3 e 4 ditas ideal idein l>rj>.
    De 6 ditas dem idem |r ti^io.
    De 8, 9 e 10 ditas idfin id.'in por 44000.
    Repara tortea una machina apparcl^u
    para faze-los co... perifeifilo, ndo *" f"
    tres palmos de cnmprimei.to, a ^,**^
    grande sortimento de iouca, tanto v.drada con. .^
    para resfriar agoa.
    Na Tie Horas n. 1, ten para ver>lIer (-;
    jao nuilaiinho muito novo o melhor quq p0,j,.
    Iiavcr Male enero, urna cuia 800 rs.
    Aos senhora lojistas
    Para a quaresma
    Casemiras pretas tinas : na ra da Cadeia do
    Reeife. armazem n. 60.
    P4STILHAS ASStCAIADAS
    DO
    DR. PATERSON
    De liisniuth e uiagnezla.
    Remedio por exeellencia para combat(-.r
    a magreza, facilitar a digesto, forlilicat
    estomago etc.
    DEPOSITO ESPECIAL.
    Phaimacia de Bartholomeu C.
    .14------Ra larga do Rosario------:?i.
    ESCRAVOS FGIDOS.
    Escrava fgida
    Deaappareeeu do poder do abaixo assiguade a
    stia escrava crioula de uunie. Benedicta, dando
    lamben pelo n>md deConceieio, eslatura rg*ala).
    magra, rosto coinprido e derarnadu, falta de de.-
    sm na frente, Castao a endireagar-se, levou ves-
    tido de chita clara com urnas rodas tingiudo llore,
    chales de |2a do barra j vellm ; ella .aturar
    de Serinnieui, para onde se descunlia 1er ella si-
    gu[do : roga-eeai autoridades poiiciaes e a>s ra-
    pitie- o campo a appreh usan, e lera-la ra
    da hiipauatri/. ... 3S. luja, *ue se -lalilirara.
    Joao Kraniacn Paredes Porto.
    O abaixo MtijRsado rerommenda a capnlra
    do seu escravo de bobm JoaOjntoi, nmlato, fugide
    do seu sitio do Aloneiro, comprado aos seus do-
    nos os Srs. Joao Gonealvcs da Silva, Vicente Ca-
    valcanti de Ail)ui|ueri|e e Alexandie Gomes da
    Silva,'nesta cidade, por intermedio de seus "pro
    curadores na pessoa do Sr. Manoel Franei-roJk
    valcanti, todo? de Pao d'Alho e por intervenrV d
    Sr. Santos (corrector de escravos). cujo eseravo o
    tambem natural de l'ao d'Alho e tem os disticos
    seguintes: idade 33 annos, seceo du corpo uin
    [tomoalto, bignde, cabello um ponco c.irapinhadt
    B ponteado, falta de denles, una inllaininacao en-
    Brnada na junta da mo esunerda. falla a serta
    jo, muito descansada e mansa : levou camisas de
    madapolo e riscado de alsodao, e- calcas de bita
    pardo. O abaixo asignado muito reeomrreni i
    captura deste sen eacravo todas as antoMMea
    e mais pessoas encarregadas da captura de esera-
    vos, nao s pelas diversas cidades, villas e poroa-
    dos, cuino pelo sertao, para onde pode ter ^epiiiilo.
    promette bem gratiticar, o tambem a qualqnc
    peRoa (pie d'efle der noticia certa : a dirigirem-
    seao seu escriptorio a ra do Crecpo n. i'->. oa ao
    seu sitio no Mon'eiro.
    Recite, il de Janeiro de 1869.
    Antonio Jtii Rodrigan de Fouza.
    m% de frralilittfo
    Fiiaio uo dia 11 de Janeiro do rorrean asno,
    do ei.gendo Baiatnra, Ireguexia da Escnd.i, i
    craso preto, crenlo, de 24anno de idade, cBa-
    mado Marcelino, que foi do Sr. Joao da Cunlia
    Pereira, cujo eseravo esteve no deposito geral, e
    tem ossipaes ajnkUes alto, aereo di corpo,
    rosto milito marcado de bexigas, falta de dotes
    na frente, coi' preta, sabio de chapeo do chile, .-
    letof e calca de castor, levando um bahurinli) it
    flndres com mais ronpa, e suppde-'e estar na
    fregu ana do Cabo : quem o apprebfder leve-e
    ao ditit engenho, ou ra da Scnzala-nova d. 36,
    escriptorio do Sr. Beroardino Puntual, que nt
    ber a graticaeSo cima.
    Fuiiio no dia 1" de marro, do en.
    nlio s. Pedio da rrtgMxk de Ipojora, oc-
    cravo pardo de noine Francisi-o, de idade
    UO a 'Mi annos, offidal de sap^teiro, ef
    esc na. alto c seco docnrjw, solTre dehei-
    me tem um dos toinozellos mais grosso,
    hallante calvo, tem om talho no qneixo.
    gosta de embi-iair-se, kvou vestido c.ilr i
    e j.iqueta de brim pardo e cliapo de fef-
    tro asado, cdr'pavda, o dilo pardo Frands-
    m tem urna irma no Reeife e lera irmjos
    e tios na villa da Ettada, en Freixeiray.
    Aripibu, por isso roga-se as autoridades
    policiaes c capites ele campo a priso do
    mesmo, e quera o pegar e levar ao'diio
    engenho a entregar a Antonio Emilio & Ir-
    mo, ser generosamente recompensado.
    INJECTION BRO
    fc rsmtr ipt, atritm. tutwST
    Vv el i> IT4 i( v tul' Bi UCI'ln.ti. iUuiUVW. I i af
    NOVIDADE
    A ioja de Coelho dt Oh'veira ra do
    Queimado n. 19, recebeu pelo-ultima vapor
    um bello sortimento de baloes de diversos
    systemas, os mais aperfeicoados que teem
    vmdo ao mercado, sendo :
    Baloes de guipur com tiras chamados
    reguladores, ditos de musselina abertos por
    ambos os lados, de modo que sendo todos
    de um tamanho servem para qualquer se-
    nhora, de la de cores, com tiras, e as se-
    geintes fazendas:
    Saias de la com bonitas barras.
    Chales turcos de seda e la Beatriz de
    Tandas.
    Fitas de guipur pretos Rocamboly.
    Chapos do sol para senhora, muito lin-
    dos.
    LSasInhas
    Sultanes, Poil deChevre, Tricte, dito de
    aadrez e ortras muitas, entre ellas urna
    Especialidade
    La pura de cores a 360 rs. o covado.
    Basquinas a Mara Antoniete.
    Cambraias fantazia.
    Ditas brancas transparentes e Victorias
    Cotias adamascadas.
    Cobertas cbinezas a 23UOO rs. e outras
    muitas fazendas que turnar-se-hia eufadonho
    annonciar.
    Da-se OOJOOO rs. de gratilieaciio a quem pe-
    gar deis *pretos que se ansentaram desde o dia
    26 dedezembro do anno de 1868 do engenho Pom-
    bal, termo de Serinheni, ou quem delles der no-
    ticia certa; um delles por nome Joao Monteiro, es-
    tatura regular, representa ter de idade 't a te
    annos, cor fula, o tem em una das faces um ta-
    ino, 6 bem fallante e sabe 1er. olhos abntiradM .
    este preto foi comprado na cadeia dO Peeife, que
    ja- do dono tinha fgido ha 4 anno*. e foi captura-
    do no Monteara, por isso chama-so i a> Muntciro ;
    o outro por bobm Jernimo ,que foi romprado ao
    Sr. Gustavo bem cmnecido Beata praca ; altura
    regalar, seceo do corpo, e est bueando. mniii
    divertido, rendido de ambas as" verilhas, tem
    marcas de chicote as costas : qeem os appreher.-
    der, pode derigir-reao mesmo engenho lVmhal a
    seu senhor, ou nesta praca na casa dos seus se-
    nhnres Manoel Ahres Ferreira & C. ra da Mocda
    n. S segundo andar.
    Tinta rxa de Mon-
    teiro.
    VeBdo-se tinta rxa de Montcim para eserever:
    oa loia de calcado do sobrado aroarello da ra da
    Crnz n, t
    Agarrem-n'o.
    O bem conhecido eseravo da padaria da roa
    do Lima em Santo Amaro, o qnal costumava ven-
    der as tardes pao de leite. Este negro maneta
    do braco esquerdo e costuma tirar a camisa e
    com ella eobrir o defeilo. Consta que foi visto a
    bordo de urna barraca. Pede-se a polica ou as
    pessoas que o conhecem, a prisao do mesmo
    N. B. Este negro quando toma cach?ca, tor-
    na-se muito fallador. Gratilica-se a quem o levar
    a casa cima.
    Fngio de bordo do palhabote na- onal Anu-
    ro. um mulato claro de nome Justino, estatura re-
    gular, cbelos carapinhados e meios ruiv s. ponca
    barba, tem nma pinta preta no canto do olho dirci
    tn e um talho as costas ao momio lado.; levou
    vestido camisa de chita com listas verdes, e osa
    de nma cinta com borla encarnada para apenar
    a calsa, e natnral de San'a Anna do Matto na
    provincia do Rio Grande do Norte, para onde talve
    qneira ir. tambem muitn desembaracado no fal-
    tar. Pecommenda-se aos mes'res m- bnrcaa <.u
    a qualqner pessoa qne o agarrar, e levar a roa
    do Traniche n. 4 ou a bordo do referido navio qoe
    ser generosamente gratificado.
    Eseravo futido.
    Fugionodia 6 do corrente. do engenho M
    nos. da fngnezia de Santo Amaro de laboatSo. a
    eseravo Inren?o, preto, crioulo, de 20 a 2* ao
    nos, solteiro, sem offlcio, natnral desta prov
    e com o< signaes seguintes altura repoler. ca-
    bellos earapirlms, pes romprido e falla descanc3-
    da : este eseravo foi comprado a H Marte
    Anio< de S Barre'o pHo commendader Ai.'
    de Souza l.eao p de-e a todas tv autoridades
    polieiae* e capites de camno a ra,>mra do dito
    eseravo, e leva-lo ao referido engenho. ou a roa
    do Imperador n. 77, 1 andar, qne aera geaer
    mente araliticaa
    V '


    8
    Diario de Periiambuco Segunda feira 15 de Mari; de 1869.
    *
    UITEBATUEA.
    A' nns annon.
    Tu s a ontmaUjrio de minh'alma. (*)
    SONETO.
    Tu s da vida a mgica scentelha
    Que dos ares percorre a immensidade,
    s o raio de amor que a Divindade
    Sobre a tena laoeOu e o mar esplba.
    Do rael dos labios teus a louca ablha
    Nao manchar de certo a virgindade,
    V. iicm do seio teu a caslidade
    A serpente do mal vera d'esgulha.
    Se boje tua estrella fulgurante
    J>o co briin no azul com doce calma,
    'Mostrando-te o futuro radiante ;
    Tambem no peito meu d'amr a palma
    Jim seu brilhartediz: oh t minha amante,
    r Tu s a ondina Ivrio de miniralma.
    43 de mar de 1869.
    () Anagrannna de iuii iiornc.
    f f ?
    POEMA
    A LOUCA DAS ESTRADAS.
    (f.STYM.O TRAOt-COMKO)
    Nunca negues um bolo ao mendigo
    Que ao acaso atirou fatal destino!
    Nem lar ao pobre orpho que tirita,
    Nem abrigo ao cansado j>eregrino t
    I
    Era outr'ora una virgem. Seres castos
    Que a grapa do Senhor concede ao mundo,
    Do berco campa a vida am mysterio:...
    Transumptos de belleza!
    Depois, anjo do mal beijou-lhe o seio,
    E deixou-lhc no sculo profundo
    A nodoa da impureza!
    Quiz despir sua tnica de virgem,
    Calcando aos ps a c'ra de acuellas,
    E foi Manon Lescau!
    Ilorrivel transicpo, atroz sarcasmo!.
    Do sacrario ao bordcl um passo apenas...
    Ai d'aquella qne errou!
    Mais tarde enlouqueceu... Deus quiz puni-la.
    Cruel expapo a noute d'alma
    Peior que a propria morte f
    Se o faclio da raso se apaga vida...
    Supplicio eterno, que jamis tem calma!
    E desvairada a victima blasphcma
    Maldipocs para sorte t
    II
    Urna esmola por Deus! Asssim rogava
    A. paluda mendiga das estradas!
    Erma era a hora. Raros caminhantes
    Transitavam da noute as estadas 1
    A' esquerda, baila em flores e harmona
    De ureo palacio a fofa fidalguia.
    E a fachada das gothicas janellas
    Retrata cuno a chamma de um incendio,
    fantsticos abroes da interna orgia!
    O conde B... festeja sua boda,
    i: depois do banquete, re n'um baile!
    .C fra cahe a nve; e negra brama
    Envolve, como um crep, os ares raos,
    Da sombra, la que no co se apruma
    Destaca um vulto, cambiando o passo,
    E vai sentar-se alm... Do fri agudo
    Guarda um infante aob o roto challe I
    E' a louca da estrada. De olhos negros,
    Longa niadeixa que desralic-lhe ao hombro
    De macerado alvor. Sonoros quebros
    De sua voz, as vezes, vo rolar-se
    De eolio em eche U escarpa da montanlia
    Ai! corta o corapao de quem a escuta !
    A> vezes, tarthamada, em gritos roucos
    Biasphema ecr.iva alm,.. no co qu'insuHa
    Vidrado, feo olhar que causa assombrol
    Mora na estrada. E' vista loda hora
    Com o loiro lilho sobrapo ao peito.
    Mata-loe a fome a nao do viandante
    Qu mut vez a t pa desmatada
    Sobre um fri roched i que seu eito !
    Ah aguarda o viajar perdido...
    O tropeiro que passa descuidoso.
    rotando viola, ein rudes trovas,
    Os amores de Armia e a desventura:
    E a caravana que regressa alegre
    Aos lares do serto, de alforges cheio's,
    Do por do so! ao ullimo crepsculo.
    A" todos ergue a mo. Longo gemido
    FOLHETIM
    os dmias oe mmk
    POR
    lie Berthet.
    (Continuado do n. 58)
    IV
    A baha de Cayenna.
    Na manha do dia seguinte, o brigue
    Vrosperidade, sob a direecao de um pilo-
    to que tomaram as ilhas de Salvapo, en-
    trava na baha de Cayenna. Bem que o
    mar anda estivesse agitado por causa da
    recente tempestado, o tempo tornra-se
    bello, offerecendo vista um quadro gran-
    dioso.
    Ao fundo da baha divisava-se a cidade
    cercada de urna luxuriante verdura, em
    qoe se distinguiam as patmeiras. Sobre a
    collina que Ihe fica superior via-se um re-
    ducto guarnecido de pecas de artilheria,
    fazendo fluctuar em grande altura o pavi-
    Iho tricolor, cujas cores parecem mais
    vivas no azul do co tropical. Ao longo
    da praia elevam-se vastos edificios para as
    necessidades do commercio e da marinha ;
    os caes do porto eslo cobertos de gente
    branca, negra, e de outra de cores inter-
    mediarias entre o branco e o preto. A
    baha, povoada em todas as direcces por
    navios grandes e pequeos, uns de vela,
    outros a vapor, offerece am espectculo
    dos mais interessantes, e tudo isto, mar,
    cidade, fortalezas e vegetapo, tera om
    carcter imponente, que antiuncia ao via-
    jante chegado de Franca urna natureza nova
    e virgem, o ao mesmo tempo ura clima
    que illude- pela sua belleza um mando
    novo finalmente.
    Josephina Bertomy, sentiado-se melhor
    Lhe. ofega o seio u, de baca marmor.
    E na voz, que modula um tom saudoao.
    Urna esmola, por Deus I ella murmura.
    Pobre louca I Nem sempre a caravana
    Atravessa o eaminho. Elongos dias,
    Sob o albergue de rocha, onde se asyla,
    Tirita, chora, getne e clama aos echos I
    Com os dentes rasga as carnes, fera insana.
    Desgrenhada e convulsa impreca os deuses,
    Ao hrrido estertor da fome lenta!
    No espasmo do furor intenta mesmo
    Sobre o lagdo assassinar seu fitho!
    Ei-la ali. Recostada um potreo marco
    Crava os olhos ao longo do eaminho.
    Desde a tarde que espera um viajante..
    Ninguem anda! Ha muito fex-se noute
    A refrega da chuva todo instante
    Acoita a louca que esconjura as trovas,
    morde aos libios roxos a blasphamia I
    A' cartas intervallos, como ura echo
    De lgubre pavor, estranho grito t
    De humano peito que estribuxa em morte,
    Fere o silencio estridula risada,
    E' a louca que ri. Sarcasmo borrivel
    Qae a rasio desvairada tica a sorte I
    Ai, tenho fome I balbuca, e espera...
    Um vulto surge alm... no fim da'estrada.
    Urna esmola, por Deus!Sempre MlusBo
    Como um phantasma se esvaece ao-Jooge,
    Era a sombra da la sobre o chao I
    til
    Termina o baile. 0 anjo d'alvorada
    Com as azas d'oiro a cerrapo espanea.
    A orchestra emmudeceu... Feliaos loivos!
    Vacillam crepitando as luzes brancas
    Do palacio do conde : e lentamente
    Os doirados, sombros candelabros
    Se apagam no sallo Vozes humanas
    Sobre o dorso do vento vam frouxos
    Em direecao estrada. Os lampos d'alva
    Se suceedem varando o espapo opaco,
    Prenuncio da manha. Da noite os aajos
    J com as lyras quebradas, fogem rindo
    as roontanhas azuesdas navens do ether,
    Levando os sonhos e as vsdes celmas
    Queespalhamsobre atera. Osconvidados,
    Do noivado de amor, regressam todos
    A cidade visinha demandando.
    A lonca escuta osurdo movimento
    De fogoso tropel de cavalleiros.
    E' um grupo de klalgos liberteiros.
    E os ginetes nitrindo se approximam.
    Envolvidos em nuvens de poeira.
    Ergue-se entq. Mergulha a vista immovel
    Alravz da neblina que a delgaca,
    Seu braco hirto aponta a escurido....
    Urna esmola por Deus I diz a mendiga.
    Vem ao alarido a eavalgata infrene,
    Passa por ella...os risos ihe respondem!
    Tem razo. O orgulho de um fidalgo
    Se degrada, afrouxando olaco bolea...
    E dessas bagatellas nao faz caso.
    L'm mendigo um mendigo,..issosomente!
    Va na porta dos templos ou as pontes
    Implorar doS plebeus a caridade I
    Um vulto agora assoma Andar pesado
    Que as entranhas da trra, em cavos echos,
    Abala e faz gemer sobre seus passos
    E' o conego Z... O bom do padre
    Que acaba de lanpar a sacra benco
    Aos dons amantes da mais nobe estirpe
    Cujo orgulho consiste, (acaso pouco ?)
    No puro sangue azul, brasoes doirados
    Que herUaiii de ascendentes que seu tnrao
    Receberam de avs, e estes de outros
    Et miera el entera, a historia-reza...
    De sorte que o morgado a dynastia,
    A seranea de brasoes, tit'los, coras,
    Sao cousas de espantar um demcrata !
    E fazem que um villo (como o seu servo)
    Resinungue l comsigo, despeitado,
    Que se direitos tem ttulos herdado,
    Tambem s tem nobresa a origem d'ella.'
    Mas voltemos ao padre... Vem alegre
    Um psahno entre os dentes entoando
    Ao compasso dos dedos sobre a panca :
    O hojudo abdomen, que faz honra
    Ao do honrado Sir John Falstoff,
    Aflronta todo espaco do eaminho.
    \os botes do sotaina traz pendido.
    Por trazer a molleira exposta ao vento.
    O preto solideo. Pelas narinas,
    Dous folies vigorosos resfolgando.
    Vem bufando, e o ventroquo exercicio
    Peja os ares de infectos miasmas,
    Eafugenta o vampiro c o pyrilampo
    Que espanejam ein torno d i cabeca
    Deste augusto vassallo de S. Pedro.
    Em breve avista a louca... para e olha...
    Tres vezes se pe-signa pasmado.
    Vade-retro! Se a vista nao me engaa
    E' um diabo azul que anda na estrada
    Tentando as creaturas deste mundo I
    Dito isto, exorcisma...e sobre o passo
    Recua, e, p'ra correr, por entre as lambas
    D um no sobre o-habito encolhidQ....
    No entanto custoalonen jifoxima,
    F, tomando-lhe a frente, em voz magoada,
    Umaeflnola, per >eusl. esclama tris te.
    O conego observa... e mais tranquillo
    .Vestes termos, dirige-ee mca^Ua :
    Ora-essa I quo encontr tiesfeshoiasf
    Depois Me poden matar de apop].
    Uctie-sevindlB*r I-** xntf> n*i.
    Acaso tenho bohos a sotaftia ?
    Que os tivesse! VTwmos agora os.te$pos.
    Na magra' sinecura morre o tlero.
    0 papa faz reformas sobre a jgfeja.
    Os bispos passam mal: e os boas abbades
    Dos primeiros mosteirosd'oste reino
    Fazem cruzes na bocea ao refectorio!
    Se as machias nao dio para manter-inc !
    N3q morre mais ningueni... E isus peclincha9,
    Dos gordos funcraes que eu sufrago,
    Ja nn sao para mim. Qiranto *'bjJ*no?.
    Todo o povo da trra protestante.
    Boa noite mulher fE ro segtiindo...
    Veneravel ministro do Deas Jnsto,
    Porque frzes-te apostlo 'do vicio ?
    Qual 4ua missSo ? N5o tens choupana,
    Onde o pobre acolher, nem tecfo amigo ?
    No templo do Senhor d-lhe um abrigo,
    V, mata a fome ao filho do infortunio !
    Nio profanes o gusto sacerdocio,
    Ostentando em pomposas ceremonias,
    E aos ps do altar, mentido fanatismo
    Que se esconde nos veos da hvpocrisia.
    Nao, n5o pregues athollcas dontrinas,
    Para o vicio brindar! Se s sacdete
    Somente n'apparewia, s mais blasphemo
    Qne o apostata vil que um Deus renega I
    Perdo-----Se tens amor e cren;as pas,
    Pratica a caridade, esta virtnde-
    A mais santa de todas do Evangelho!
    ao approximar-se de trra, fra oceupar a
    sua posicao habitual sobre o tombadilho e
    contemplava cora admiraco o pittoresco
    espectculo de que acabamos de dar urna
    idea. Miguel, por sua parte, nao tardou
    em se acercar d'ella : o seu semblante de-
    nunciava a maor estupefaccao. O capito
    Grandval ia e vinha no meio da tripolaco,
    emquanto que o piloto, encarregado d
    dirigir o navio dentro do porto, conserv-
    va-se segurando a roda do eme.
    Havia mais de vinte e quitro horas que
    I Grandval n3o descansara. No dia e noute
    precedentes tivera a lutar com a borrasca,
    e agora era-lhe forcoso vigiar as manobras
    de approxiraaC5o de trra, sempre melin-
    drosas. Ao ver, porm, Josephina, n5o
    pode resistir tentac5o de trocar com ella
    atgnmas palavras affectuosas.
    A joven recebeu-o com a sua habitual
    benevolencia, anda que se senta bastante
    incommodada. Quarendo o capitio-fazer-
    Ihe notar a magnicencia do panorama,
    Perdo, leitor ; j ia ultra-limites
    Da asefa ao-oanto-qne deacrevo.
    Masnlo fceo aHuses falavfa d'h
    Nunca fdl moralista puritano !
    De um padre ban-vnaut... o d esta historia,
    Que reti'o desenhe era toscos trafos,
    A musa se refferey... isso apena?.
    Peco venia tambem para meu? versos:
    Vai d'elles.'por ventura, o metro torto
    N'alguns pontos troncad o... a culpa minha! i
    Meu estro como em mar encapillado
    O baixl dsvairado na tormenta
    Que avanca, rota-a enxarcia ; c se o escolliq
    Surgir-lhe como espectro, ( (tor des ondas.
    Ou transpe o rochedo ou fz naul'ragio.
    Nunca digo ao piloto: leva reinos'
    IV
    J vem rindo a manha. O sceptro d'ouro
    O sultao do universo erapiinha' altivo
    No throno oriental. O sol fulgura
    Para o fundo do valle espavoridas
    As sombras vo correndo. A la branca
    Naufraga no occeano do mysterio.
    Immovel, como estatua, junto ao marco
    A mendiga com o filho adormecido,
    Talvez morto de fri, espera anda !
    Dous vultos apparecem na vereda
    Qucvolta para a estrada. Vememontados.
    O primeiro, que traja gibo rico,
    Velludo verde-mar, capa de invern
    Cahido cm negligencia sobre o oTaco,
    E ropando os calpoes bonitas botas
    De voltado canhao, polide lustro,
    Cuja espora dourada morde os sDs,
    E' o visconde dcK.... lindo mancebo
    Apenas de bigode o buco punge
    Sobre o labio escarate. Como sempre
    Passando a noute ao jogo, ou junto as amas,
    Perder esta ao baile faustuoso
    Das nupcias do conde. Cavalgando
    Russillio palafreni de negras dinas,
    Garboso sob a manta assetinada,
    E longa brida de alvejante jirafa,
    Vem de chapeo na mo solas as redeas.
    O outro que seu pagem... um bonifrate!
    E monta um rossimante, aprmna-se ebrio.
    (Ora Deus assim andam todos ellos! >
    Nos estribos seus ps resvallam frouxos;
    Mas, comtudo, distancia respeitosa
    Acompanlia o senhor, assobiando,
    De botas e libr agaloada,
    De alamares de prata. Ei-las que passam.
    A louca ao seu encontr se encaminha;
    Atravessa-se a frente do cavallo
    Do fidalgo gentil, e, lentamente,
    Urna esmola. por Deus! exclama anda
    O visconde, enfadado, estica a redea,
    Para, ruga o sobrolho e em voz austera:
    Quem s, mulher ? Arreda-te da estrada.
    Quero franco o eaminho.... tenho somnof
    Meu lacaio, que fazes! passa avante.
    Afasia esta importuna.... Que massada !
    Mas a louca impassivel, Ihe repete:
    Urna esmola por Deus!
    O mopo escuta..
    Desgranada! diz elle. Minlu bolsa
    Perdeu-se- toda ao.lasquinet maldito.
    Quaimei-me... aposleifludo, e tudo foi-se!
    Nao-me resta sequerumsoberano!
    Bofl qusi: me sinto commavilo,
    E volvendo ao automalo lacaio,
    J sirai-adormeeido sobre a sella:
    Ola, Castor!.., Patif'... turesomnas.
    V se trazos moeda,
    EKeBentssiino,
    ^onde-lne o -velbaeo dfcrilKto,
    Da libr trago os bolsos eslicados ;
    Nao tenho nem dous pintos !
    Bem. Mais tarde,
    Hqje mesmo viras aqui na estrada
    Minha bolea trazer a -pobre moca
    E, depois de atirr a longa cap
    Que pasava-lhe, s costas do criado
    Que era a um tempo lacaio e seu cabido,
    Na ilharga do cavallo crava a espora,
    E vai a trote largo oseu caminh i.
    Ai,' da louca mendiga! Solitaria
    Jaz ainda de pe sobre o eaminho !
    Porm, mais outro vulto aponta ao longo,..
    E' umlouro mancebo... evem cansado !
    Traz pendida no peito a larga fronte.
    E' pensativo o oliar, os labios arietes.
    Arrasta custo o passo vagaroso,
    E parece abysmado cm fundo scuho
    De lnguido scismar. E' um poeta.
    Mas nao dessa classe de ciganos,
    Tribu infame de Ashaveros vagabundos,
    Dispersa, como praga, pelo mundo,,
    A' lr a buena-dicha do futuro.
    Charlatcs! das esquinas rimadores,
    Que seu estro (si que elles teem isso )
    Barateam compondo louvamiuhas
    Na taberna, na praca, ou nos palacios !
    Nao era trovador aventureiro,
    Nem da celebre rapa (Deus me valha I)
    Desses bobos d'EI-Rei, truoes, Jo paco,
    Que vendam a muza por dnheiro
    Nos banquetes reaes; o bust erguendo
    Sobre o prosaico, csnpide abdomen,
    fi ai lioc panegricos cantando
    Da"corle nos festins, e'a sobrerajsa...
    Qual gordo veadbo que se leAanta
    De dentro de um tonel, vermelha a cara,
    E recita<*eitor, a eausa seria )
    Discursos de manteiga seus fregueses!
    Nio assim... oh nao. E' ura poeta
    Desgarrado no mundo, como a la
    Vaga banda no co. Errante smo
    Na "utopia da noute de sn'atma,
    Como um seriho de amor as brisas frouxas
    Do manto d'alvorada. Ai! solitario
    Como a ilha no meio do ocano !
    Ou como l n'um lgubre deserto.
    Onde reina das campas a tristeza,
    A palmeira isdada que debruca
    As ramas sobre o chao, do sl no occaso,
    No silencio scismar! Algumas vezes,
    Como o bardo Ossiam, seu canto triste'
    Acordava a soido, fallando aos tmulos,
    Casando a lyra fnebre os accorcles
    Da loica inspirapo. Mas n'essas horas,
    Si, talvez, urna lagrima caba,
    Das ilhas macerada, era enxuta
    Pela fra altivez. Estulto o mundo
    Jamis o vio chorar... Era na sombra !
    Depois vestio a mascara tranquilla
    No semblante que a dor sulcava cedo !
    E no manto de sombras se embucava,
    Como um astro as nuvens da procella!
    Seu cantar era termo e vaporoso
    C'tmo os hvmnos de amor de Lamartine ;
    Ora sceptico, ardente, arrebado.
    Poetar de M. Gcorge Sana ;
    E paludo, como o espectro da loicura,
    Qual cndor pelo-ether desgarrado,
    No desvario fatal ia... voava...
    Desdobradas as azas no infinito
    Na vertigem do v6o. Basta d'isto.
    Minha penna tropera... hesita... e para.
    Fazer a descrippao d'alma de um vate
    Fra o mesmo querer sondar mysterios,
    Na cabeca de um doudo... ou de um cadver!
    Vem o loiro mancebo. E derrepente
    Ergue a fronte e comtempla a naturesa.
    De seus labios que um riso entr'abrira
    Se escapam phrases frouxas c suspiros...
    Ah! sao versos talvez que elle murmura.
    Escutemos...
    Oh linda natureza !
    Transumpto de um passado, e dos amores
    Que foram da minh'alma, qunnto aloro
    Teu mysterio e silencio encantado-es.
    Na montanha, no vale, na planta e flores
    Vejo a imagem d'aquella que deplora
    Lisongeira sorrir...
    Parou de chore.
    Fugio-lhe a consonancia para um verso.
    Mas logo contina um pouco irado :
    Oh! maldita invenpo esta de rima !
    Rethoricos fataes mataes-me o estro!
    que, nao obstante a distancia, se viatn per-
    feitamente, cm razo da mVavilhosa lim-
    pidez do ar.
    Ora espereaccrescentou elle, apon-
    tando para nina embarcapo em que fluctua-
    va a flammula tricolor e que pareca diri-
    girso para elles.Em breve ter occasiai)
    de os ver de perto. Eis-ahi, segundo o commissario da marinha, que vera
    visita, e a tripolaco do sea escaler com-
    pe-se de degredados.
    oh! Thalia soccorre um desgranado..,.
    Kntre*ttaa mendiga cnnfnbava,
    De oppia diraccSo na meseta liaba,
    Ni frente do poeta abstrahido,
    K n'etti irwoeapo 4 usa esquiva
    Predm-9e nm Ute--tete inopinado.
    O mopo Ata a louca, e dentante,
    Trocando-a pela Deusada poesa
    Que sbito apparece, de joemos
    Qur da moca hracar-es p^descalcos.
    A mendiga recra... e a mo estende :
    Urna esmola, por Den*!
    Ergue-se o vale,
    t aHmella conhece o ledo engao.
    De novo ouvidoa suppica magoada,
    Em seus labios se esfrola um riso amargo,
    Os olhos baixa e triste Ihe responde :
    -Pobresiriba qQe posso te offertar,
    Se nada tenho ? Na minha agua-furtada
    Soba h'vros Tevoltos e comedias,
    E mais as nove Musas desenliadas
    Na parede i carreo... Ah! mais espere...
    Comigo trago o lindo epithalamio
    Que compuz ao hymeneu do Conde B...
    A quem j recitei. Eu tifo offereco.
    Corra cidade; ao editor primeiro
    Venda estes versos....
    A mendiga, muda,
    Em gesto machinal toma o poema.
    0 poeta proseque passo lento.
    E d'ella se afastando sos murmura:
    Coitada da mulher! Por esses versos
    Nem dous mis Ihe darSo... miseria humana!
    Ah meu caro leitor.... fatalidade!
    Nao sei como acabar este poema.
    Mens labios estrebnxam n'um bocejo,
    Palavra de estndante... tenho sno!
    L fra de torrentes cae a chuva.
    Meu charuto crepita, e de enfiado,
    N'ama ultima nuvem colorida
    De pbantasmas azues, vai apagar-sc.
    No manto do spleen e do silencio
    O meu estro se embupa.... est com fro.'
    E, apezar de enterrar at os olhos
    O gorro de velludo, conchegando
    Sobre s faces e eolio descorados
    O momocache-nez.... estou gelado!
    Mas comtudo... Awai/'. dizia Byron.
    Decorre um intervallo. A pobre louca
    Actenla a enanca, qne solca,
    Nos bracos que mal podem sustenta-la.
    Distante surge um homem desgrenhado
    De dentro do arvoredo. Volve os olhos
    De um lado outro, torvos, desvairados,
    No eaminho deserto. Vem correndo.
    Traz as roupas manchadas pelo sangue.
    Dilacerada a capa, em que se embnpa,
    Na cinta mostra um jogo de pistollas.
    E aperta em punho a adaga ensanguentada
    E' um salteador, e foge pressa.
    Ao mendigo que o ve, da estrada em meio
    Embarga o passo e a faga do bandido
    Que pasmo se detein, e logo escuta ;
    Una esmola. por Dos!
    Mediado a lonca,-
    Ergue o ferro homicida... e vai feri-la .
    Mas para... hesita... e brada-lhe tremendo.
    Vamos, mendiga! Salta do eaminho !
    Mulher, queres que pise o teu cadver!
    Mas ao som d'esta voz a louca treme ;
    Os cabellos afasia de seus olhos,
    Fita o lvido rosto do bandido,
    A enanca Ihe cae dos bracos frouxos,
    E offega... e varillando se approxima...
    E' a crise. Decorre um curto instante,
    E lutam no mysterio oppostas farpas...,
    E' a luz da razo com a treva d'alma !
    Allim, cobra a mendiga a intelligcncia,
    E no vil malfeitor conhece o amante.
    Um sorriso de amor brilha em seas labios,
    E n'elle se debru<;a assim fallando :
    Meus Dous! que horrirel sonlio rtauiiilia alma.
    Um seculo dorini... Mas que ventura,
    Es tu, querido amante, oh caro esposo !
    Sim, s tu! no rae engao... a quanto tempo
    Que o destino arrancou-te de meus bracos;
    Oh Alvaro....
    0 bandido, que recua,
    Repelle brusco a mopa malfadada.
    E entre os dentes, que choca o desespero,
    Brame, parte, a blaspheraia entre-cortada;
    ELvL.ra! Sempre o fado rae persegue;
    Mildico! E' o inferno que te enva!
    Mis a mendiga em pranto debulhado
    Appreseota-lh o filho, redarguindo :
    Eis teu filho; meu Alvaro querido !
    Mulher, nao te conheco! Afasta, lonca !
    Oh! dcixa-me passar.,. sou perseguido...
    Afasta1! ou minha adaga vai varar-te
    Em breve o coracao......
    Gorgeia no arvoredo a cotovia
    (Doces hymiios de amor. E, como a rosa.
    Rubicunda e loupa, vem pela estrada
    fCamponsa gentil cantaaolando.
    O saotc de lia mostra-lhe as pernas
    Que a meia earmesin desecha as formas
    De rod couro er, raso flotlmmo
    Comprime o p mimoso que restalla
    Pela aieia saltar. O sol risonho
    Furta laeijos na* faces rechonchudas
    Da taaaressa-saloa. -*-ura chapeleta,
    Cuja aba resguarda a fronte linda, .
    Deitado m tHffik/, pondo-4h ao lado
    Por sobre duas trancas aloiradas
    Que- amarra fita azul. Traz pendurado
    Sobre os hombros um pucaro d'' lelt.
    A saloia caminha distrahida,
    Fazendo, com seus labios coralinos,
    No bosque rosear o alegre idyto,
    Tropeca... e cahe de bracos sobre untfflfpo,
    Que jazia ao eaminho aravessado.
    De am nulo se levanta espavorida:
    Credo Santa Mafia! qoe desgrana I
    Um defuftto estendido aqni na estrada t
    Ha pouco na primeira encrazilhada
    Um grupo de akleo eercava m roorto.
    Era um moco fidalgo assassirwdo
    fuma a espada quebrada... o gibao roto.
    Foi talvez a quadrHia de bandidos
    Qne habita na floresta. Que esgrapaf
    E esta pobre mulher to mopa e linda
    Cos, que vejo! E' a louca fa* estradas!
    Tambera assassinada___que mvstariol
    TV
    Mais tarde os camponezes encontrram.
    Exposto ao sol, ao longo do caminbo,
    O corpo hirto da infeliz mendiga !
    O cadver do filho inda nos brapos....
    No eolio d'ella embebida at os copos
    A lamina da adaga............. \
    Recife1869.
    J. da Sifta Reqo Jnior.
    V.
    O diaj vai alto. E pela encost
    Da montanha, o pastor conduz o gado.
    A joven voltou-se parajaquelle-lado. No que me atrev a arriscar a msso.
    ella interrompeu-o
    voz abafada :
    perguntando-lhe com
    escaler, que se approximava, oito remos,
    manejados por homens de chapeo de palha,
    sulcavam o mar em cadencia, como que
    puxados por urna mesma forpa. popa,
    protegidos por um toldo, estavam ussen-
    tados dous officiaes em uniforme, qoe pa-
    reciam ser funecionarios da marinh.i. Jo-
    sephina Bertomy, soltando umai, dsse :
    A differenpa de nome, porque o sen-
    tido o mesmo : degredados ou desterra-
    dos sao sempre forpados a gales... Dga-
    me, Pedro, nao poderia acontecer que meu
    p* fizesse parte do remadores d'amiefle
    ^scaler ?
    ciaras fluctuantes ?
    Grandval mostrou-lhe tres navios velhos,
    de dknensoes colossaes, surtos na baliia.
    Estas erabarcapoes, que outr'ora haviam
    to orgulhosamente sulcado o Ocano, ti-
    nham agora um aspecto carrancudo e l-
    gubre, proprio do fim a que se destinaram.
    Josephina contemplava-as vidamente.
    E' alli, pois, que habita mau infeliz
    pai ?exclamou ella debalhada em-lagri-
    mas.
    E, fazendo certas sgnaes a Migad/ste
    por sua vez desatou a chorar.
    Grandval nao se atreva a perturbar a
    drtao justifieave-l destes dous jovens.- Jo-
    sephina perguntou-lho precipitadameata:
    '-Efts degredados-Ofide est*>"t..;:-Wo
    m'os poder mostrar ?
    O capito indieftn-llie Wis homens vesti-
    dos dd pardo com largos chapeos"' de -pa-
    ita na cabeca,que trab-alhavamnii.pria, e
    urna lufada de pragas capaz de fazer sosso-
    brar o navio Em seguida, ameapando-
    me, se eu nao obedecesse, ordenou-me que
    viesse depressa chamar o capito.
    Agora nao posso abandonar, o con-
    vez. Diz-lhe que irei l depois, quando
    tivermos lancado ferro.
    J mi esforc] por Ihe fazer ver isso,
    dizendo-lhe que o capito estava cecupado
    com a manobra, porm elle debateu-se por
    tal forma, lastimando-se e blasphemando,
    Dga-rae, Pedro, onde sao as peonen- Nao q presumo. Os degradados es-
    5o dividido* por cathegorias, e o Sr. Ber-
    omy,-que 'Bra1 om 'antigo -rendeiro...
    N^ste momento o grum,!to de bordo,
    terrompendo o dialogo, approximou-ae do
    apilo, dizendo-lbe :
    O naufrago que la est em babeo
    pcrte-lheqae v l, porque tem negocio
    argente a communicar-llte.
    Bn afina! acordoa ?dnseOrend-
    val ironicamentaJ o'snppirnha wmasf de
    ormir ura somno'-tte^sers mezes... Mas,
    Com elleito, elle falla ?
    Teinho a certera "ttrf|TTe*faHa... f!-atrft&T"alir algmna grame Tnrscrla, gin vivo
    um francez diablicamente sonoro 1 jw
    posso affirmar-lhe que nunca ouvi praJ
    guojar assim sano ao t Gronn, qjfiido
    ha .tent pela, pro i. Aiada atora, auan-
    do eu junto do beJiche, ehaauAf^
    para me pergnntr em qu* altura
    Respondi-Ihe que enlrjvamos na bahji 4
    Est acabado ; nao tenho lempo para
    ir ouvir alguraa longa historia de naufragio.
    Primeiro est o meu servipo.
    O grumete ia a retirar-se com esta res-
    posta, quando Josephina Ihe fez signal que
    esperasse.
    Ora diga-me, capito,. porque: recusa
    qttelle desgrapado to simples favor ? E'
    o piloto quem dirige agora o navio e o
    barco do commissario de marinlia est
    ainda longe, mesmo quando venha em di-
    reepo a nos. Nao poderia, sem grande
    (-sacrificio, ausentar-se d'aqui por algims
    minutos ? O naufrago deve tor poderosos
    motiv s para solicitar a sua presenpa cora
    tanta instancia.
    Visto ser esse o seu desejo, Josephi-
    na, vou l, porm estou certo de que per-
    derei o lempos indo ouvir as suas pataratas.
    Grandval dirgio-se para a esctilha, e
    Josephina, seguindo-o, dzia-lhe :
    Se me permitte, capito,-' .estimara
    tambem presenciar o que esse Itomem
    quer dizer-lhe. Se as suas confi lencJns
    uSolorem em termos que eu as ni de va
    ouvir, retirar-me-hei logo.
    Juhza talvez, amavel Josephina, que
    oHrimeato a consolar... -Pois -venda, mas
    estou certo de que nao tara hote occasio
    deeiercara soaoarWade.
    Ipajuram o tombadilho, e Miguel, que,
    do regra, u> pardia de vista sua
    Mrtra d'nlla.
    Eiwootraram o. aaufrago agitando-se del
    Cyenna. Eutao deu um puloe vomitou'unrlado para o outro^farosaThente. Oj
    seu olhar ardente e liviclo rosto tornavam-
    se mais sinistros na m ;ia e^curidade que
    reinava n'aquella parte do navio. Tanto
    que o grumete Ihe indicou o capito, elle,
    sem prestar attenpo s pessoas que o
    acompanhavam, exclamou em tom spero :
    Pois ser possivelque o senhor entre
    na baha de Cayenna ? ssim os diabos
    rae levem como eu nunca tive fortuna !
    Este azar, porm, excede todos os ante-
    riores !... Quando me jalgava salvo, de-
    parar-se-rae um navio que vem exacta-
    mente para esto execrando lugar!... Com
    mil diabos Valeu bm a pena de arris-
    car a mnlia vida e soffrer tanto !
    Grandval ouvia-o com sorpreza.
    Com que entao o senhor nao um
    naufrago ? E' um...
    Sou um degredado e pouco me im-
    port dizer-Ih'o responden elle brutal-
    mente.Quando o seu navio me encontrou
    havia tres das e tres noutes que eu me
    achava mare do mar. Espere ah ; vou
    dizer-lhe tudo. Achando-me na penitencia-
    ria da ilha Real urna das ilhas de Saivapo,
    constou-me que iamos ser enviados para
    S. Lourenpo de Maroni, que urna colonia
    cercada de desertos,, d'onde impossivol
    a evaso. Ora a minha idea ftxa regres-
    sar Franpa, onde tenho a certeza de en-
    contrar recursos : estou n'esta disposipo
    e eu hei de consegui-lo ou morrer. Saben-
    do, pois, que se ia logo formar a expedi-
    po'para a tal colonia de Maroni, tomei
    minha deliberado. Os meus eompan ei-
    ros, que*todos me obedeciam, combina-
    ram-se para me ajudar. Fing ter cahido
    ao mar e agarrei-raa a urna d'essas gran-
    des arvores arrojadas ao mar pela corrente
    dos ros. Tinba alguns mantimeatos, mas
    poucos: na manha do dia seguate esta-
    vam esgotados. Sao mares de aguas-vivas,
    e contei por isso que a violencia da eor-
    repte me arrojasse paraaCaianna Iogleza,
    onde me coasta que acolhe bem os fugiti-
    vos e,oade se ofereeeria talvez e ensejo
    da rae embarcar para a Franca. Em vez,
    porm, de ser para alli iaipeliido, fui pa-
    * queslo onearia.
    (Continua^au.)
    Esses principios, como se acaba de de-
    monstrar, foram mui favoravebnento aco-
    liiidos, e superiormente defendidos pela
    grande maioria dos depoentes, ouvidos no
    inquerilo. Quem dexaria de esperar que
    urna manifestapo semolhante da opino pu-
    blica, apoada por mui excellentes razoes.
    como as que ha pouco acabara de ser men-
    cionadas, nao exercesse urna influencia favo-
    ravel no espirito das comnaissoes do inque-
    rito? Nesse intuito, espera-se encontrar
    no relatorio urna apreciapo equivativa ao
    menos da convenco de 1865 e ura voto a
    favor da unificapo monetaria por meio
    de um accordo cora a Franpa, para com
    um ou outra das moedas propostas de
    5, ou de 10 francos. Mas nada d'isso
    aconteceu, e convm agora passar a exami-
    nar em que razoes se fundram taes oppo-
    sitores das medidas em questo.
    Esses expositores reconhecem na idea de
    unilicapo da moeda algumas vantagons,
    mas pensam que os depoentes exagera-
    cara muito, sobretudo no que diz respei-
    to utilidade das moedas internaoionaes
    para calculo de cambios e para remes-
    sas de dinhero amoedado de ura paiz
    para outro. Cora effeito, a transmisslo de
    grandes quantias se operara geralmente com
    ouro em barra, o que se prefere por ser
    menos susceptivel de perder no peso, como
    acontece cora o amoedado, que no acto de
    se contar as moedas sernpre perde algum
    tanto, pouco que seja, do seu peso.
    Parece provavel que a supra mencionada
    objeceo tenha sido snggerida commisso
    real por dous de seus raembros, Mr. Ba-
    ring e Mr. Rotlischild. Poder ser que o
    ouro era barra preste facilidade de trans-
    porte ; mas se elle fcil para essi'S dous
    banqueiros, cujos norii 's se acaba de men-
    cionar, e para as grandes casas de commer-
    cio, o ter sempre barras de ouro com que
    effectuem seus pagamentos fra do paiz.
    nao d o mesmo com as casas de pequeo
    commercio. Ora, v-se pelo testemunho
    de varios depoentes que a uniformidade
    monetaria teria precisain mi l vantagem
    do suppriniir a intervenga) dispendiosa de
    grandes casas de banco ou de correctores
    de cambio, e outrosim permittiria que os
    mercadores de retallio, ou especuladores
    ora pequea escala, sC dirigissem drrecta-
    ra :ite aos manufactureiros, dando-lhes a
    possibilidade de se saldarem para com elles
    por meio de remessas de moedas interna-
    cionaes, que se encontraran disposipo
    de toda a gente. Essa siria una vantagem
    incontestav. I, nao obstante a commlssrio
    te-la negado ou desconhecido.
    (Continuar-se-hi.)
    rar ao largo. Ainda assim, nao perder
    a esperanca : achava-me na altura da der-
    rota dos navios quj segueni a costa. Bem
    podia oncontrar-mj com algum que tivesse
    a caridade de ma acolher. Era o que me
    dava coragem para me conservar assim
    agarrado aquella maldita arvore ; comtudo
    deve concordar que foi urai couaa herri-
    vel i Soll'ri fome, sede e privapao de dor-
    mir... Estava gelado, tinha os membros
    extenuados pela fadiga, e sobre tudo isto
    era forcoso defender-ma dos tubaroes,
    que tantavam arraacar-me urna perna ou
    um brapo logo que as deixava pender, ou
    das aves, que queriam arrancar-me os
    olhos!
    Pobre creatura dizia Josephina
    compassivamente.
    O degredado receben cora. recoabeci-
    mento esta demoustaco de sympathia, e,
    modificando quanto p le a expressio feroz
    da sua physionomia, dissj para Josepina :
    Nao verdade, minha boa menina,
    que eu soffri horrivelmente ? Ora : pois
    se como eu supponho, a espsa do ca-
    pito, vai interceder por mim Com to-
    dos os diabos! Nao estive- por certo em
    leito de rosas fazendo assim de raergulho
    as vagas d'este daranadoawr! Tambem
    j me ujgava perdido, quando dwisei asta
    navio; j nao poda gritar; apenas tive-for-
    pas para erguer um brapo em signal de
    soccorro. E. agora nao ser bem triste que
    esta brigue se destine a Cayenna ? Sa ao
    menos na noute passada eu bouvera sabido
    isso, ter-me-hia lanpado ao mar; soccor-
    rer-me-bia a-urai tbj.i, a u.u U'onco de
    arvore qualquer, como ullimamjnte maauc-
    oedeu, porm adormec e dorm como am
    idiota, como um bruto, sem estar mais na
    maha mo! Agora eis-jne cabido na arma-
    dilha ?
    (Ckmlinuar-se-ha).
    T1T. DO MABIO=M M8 CBJJ2BSJL .

    1
    . t


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EFS8030Z2_AJB7NP INGEST_TIME 2013-09-13T23:11:20Z PACKAGE AA00011611_11791
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES