Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11789


This item is only available as the following downloads:


Full Text


ANNO XLV. NUMERO 57.
;
I

i r
PARA A CAPITAL E LUGARES OHDE MA6 SE PAGA PORTE.
*or tros mezes adiantados..................
Por seis ditos idera....................
Por um auno idem.........'.*..........
Jada numero avulso......,............
amo
12,9000
24,5000
SEXTA FEIRA 12 DE MARCO DE 1869.
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA.
Por Iros mezes adiantados..................
Poi seis ditos idem....................
Poi nove ditos idem ^..............
Por um anno..........,...........

6750
13.5500
204250
271000

Propriedade de Manoel Figiieira de Faria & Filhos.
_^
ii :.!'!
' !
SAO itKvn:)
Os Sis. Gerardo Antonio Al ves <& Filhos, no Para; Goncalves Pinto, no Maranho; Joaquim Jos fio Olveira, no Cear; Antonio de Lenj
Guimares Pancada, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Paralijba; Antonio Jos Gomes, na Villa s
em Nazareth; Francino Tavaresda Csta, em Aagas; tk. Jos Martins Alvos, i
teiilia;
PARTE OfflCIAL.
iovcrao da provincia.
MOR ftSMfi.VAOO PILO EXM. SI!. CONDE DF. DAE-
mmm*. rrtvMnmE a rnovnci.v, to da 4 de
jmo.di: i 86!/.
S'-seccio.
* S6.Pmtoria ao inspector da Ihesoiu aria de .
tutean ---Horuiiiiuciido a. V. S. cinc- em vista dos vito e^r-se all construindo o edificio destinada
prota junio ei duplica!* W Se reraetieu o com- **hn*&o das bombas de cegato, da- comparta
geral qoe lem de dirigir S. Exc. o 8r. ministro
e secretario de estado dos negocios do imperio.
N. 171Dita a mesma.Em resposta ao oflicio
da cmara municipal desta ridadc datado de 11
do mez prximo Ande, sob n. 5, em que repro-
senla'de accordo com o parecer d sua coinraii-
so du ediflcacdes, a respeto dos inconvenientes
qaese dio para na prace das Cinco Ponas no lo-
cal concedido |*>ia cmara transada ao Instituto
Arriieoiogicii, erigir-se um monumento histrico,
rxajatu- speria dafoiiiarca de liuda com ofll-
teatewL luanae liquidar e pagar os venci-
s-enios nao so i s guardas nar.ion.ics destacados
as fortalezas do Droffl e Roraco. mas taiiibem do
nrnu do 9 batalhao de infamara Francisco Xa-
,sr da Silva sendo os Abate relativos aos mezes
(a waio a agosto do anno prximo passado. e os
fm&Ht&m qiinzena de fevereiro ultimo.
v- IWDita ao mesmo.Tendo de confomii-
iuli eow a sua informaco de 2 do correte solj
1.117 autorisado o 1" tenente de enpenheiros cn-
ra/TMrado das obras militares a mandar fazer o
oto du edificio em que hmcciona a en-
-'">:-/ i militar, des pendanlo com es-e svrvieo B
' do iiP|P0. constantes do orcamento* ta-
par ejji:i: assim o onimunico a V. S. para
?o e/;r>i.>-aiiinlo.
y. 158.Bita ao un'.-uio.Tundo approvado a
acao que tomn o 1" tenente doengenlieiros
ir. :.':: gado das obras militares de acechar por
da limpezac asseioda cidade ; tenho a declarar-
Ihe que quando a presidencia permiltio a esta
comparta que levantasse no dito ponto aquelle
edificio, o que foi approvado pelo governo imperial,
iguorava a concessao que a cmara transada fi-
zera da referida praca para ontro fim.-eque. achan-
do-se boje em andamento as obras da sobredita
editicaoao, convm para se poder tomar qnalquor
deliberara), que nao acarrete prejiiizo ou pedido
de indeninisaro por parte da companbia que a
panhou o seu oflicio do 1.* de fevereiro prximo
lindo, do relatorio que V. S. apresenlou ao Exm.
Sr. nrsdente dessa provincia, sobre a estado dos
negocios da repartlcao a scu cargo.
N. 187.Dito ao ebefe da reparticao das obra?
publicas.O Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S.. em resposta aos seus.
cios de 13 de agosto c 20 do outubro do anno pr-
ximo passado, sob ns. 234 e 362, que nesta data
autorisou-se a thesouraria provincial a levar em
conta ao thosoureiro d'essa reparticao a quantia
de 235400, de que tratara os citados ofllcios.
4" seceriii.
N. 188.Officio ao abbade do mo-teiro de S.
Bento.Pela secretaria do governo se comrauoica
ao Rvm. Sr. D. abbade do mosteiro de S. Rento de
Olinda,,que segundo consta de aviso do ministerio
do imperio de 22 de fevereiro prximo Iluds a "
cenca qoe de novo V. Rviua. soliclou para permu-
tar o predio n. ;>2 da ra do Queimado, perten-
cent a capella dos Prazeres. nao |>de ser conce-
dida: visto subsistirem as motivos que levaram o
MiftiarH
Sr: iiisj)ectoi
Quilccia ,M.
rommandante
Zeferina j
Braga, noAracaly/ Joo Mara Julio Chaves, noAss; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joa
Belarmino eos Santos Bulcao, em Santo Anto; Domingos Jos da Costa Braga,
i Jos Ribeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
i'
rqnes da Silva. Informe o
-ofraria provineial.
'afioai*ico. informe o Sr
idio de Fernando,
rrto.Entregese.
cmara informe : so para a concessao de parle : governo a expedir o avis de 30 de maio do anuo
da praca do Instituto Arclieologieo preceden ap-
piovacao do governo, e quando foi ella dada ; 2
se llavera impossibilidade de licar no me-mo l<>cal
o monumento projectado indicando no caso aiilr-
malivo, a praca que fr mais- conveniente para
Irfvar-se a effeito a idea patritica do Instituto de
perpetuar o feitos dos antepassados que enno-
brecem a bistoria nacional.
N. 173.Dita a cmara municipal da cidade de
vantaiosa a fozenda; a proposta a pro- C?J"*- Hecoinniendo a cmara municipal da
cWade de Carnar que, apenas terminar a apura
cao geral, que deve proceder no da 2 de abril
prximo, dos votos para deputados assembla
geral legislativa, a vista das actas parciae- dos
collegios eleitoraes que compoem o primeiro dis-
tricto eleitoral fa^a com urgencia expedir os res-
periivos diplomas aos eleitos. e envi por interme-
dio dosla presidencia a copia authentica da acta
da sjibredita apuraco geral que tem de dirigir a
S. Exe. o Sr. ministro e secretario de estado dos
| nr Thoniaz de l'.arvallio de Soares Rran-
ti* ira enearregar-se pela a quantia de DOOlioo
i;.to dos concertos precisos no quart''l do
ia1 de insti uceao c autorisados pelo
-lerio da guerra de 30'de Janeiro ul-
xia; assim o declaro a V. S. para seu conhecnen-
o e direc
>". f. Dita ao niesino.Autorisando o gene-
ral*mni,'indante das armas a nomear o capitao
4c if balalbao de infantaria do exercitl Manoel,
|naia He!!,, paia servir interinainenteo lugar I negor-iu* do imperio servmdo-se de estafeta par-
if 3 *cnlu por innfcstia do Puente rpformado Joo Pam 'P"" > destinos com inais brevi-
de Siqvira Campello ; a.-siiu o declaro a V. S. para '(la(le c segiiranca sein que todava deixe de re-
i' 'cimento c ilii'.epao meller diiphratas delles pelocorreio publico, como
Miiaani!,p.vi*'da thesouraria p-;!?!illl,d:,tlU. do decreto n. 842de
*ubL-iDopi! .1" liquidado.-, em visU do piel IJ1(,.ei,eT,'"bI1I'u11dt! **>Ignal a cmara mumci-
> c:. dnplicata, a inie se refere o oincio dii,l,a'd^*' J? .
Wkadajite superior da eo-inrea de Dunda da- 'N *'*Dl,a il rainara municipal da villa.de
*i4o de hontern, mande V. S. pagar os vencioien- > Ipojwca.bui resposta ao oflicio da cmara' mu-
m r | noftUMB do fevereii-o ultimo dos! ""''I'' da villa de Ipojuca. datado de 25 do mez
! prximo tlndo, declaro-llie que approvo as arre
narda-Bae^^i.'.es destacados n-'a.mella cidade. prximo tinao acctaro-itie que approvc
> C-l. Dita no mestiio. Fico infeirado de mataroes que fez dos siguiles impostj
[uanto V. S. me p,o tiripiuiem nfflciode 2 do cor- F08 dt! roqueiros e legumes pop 1075000 e deca
rxa* sob h. O. rel.iUvameiite a falta de empre- l)e("1 dc "ndo l'or '*200-a Maiex-I de Souza Me
passado.
EXPEDIENTE ASSIfiNADO TELO EXM. SU. CONDE DE BAE-
PENDV, mBSIDENTE Di I'HOVIXCIA. E.M O DE liARQO
DE I80)
i'Heceao.
N. 192.Portara ao director do arsenal de
guerra.Em solucao ao sen oflicio de 2 do corre-
te, sob n. 48, tenho a dizer-lhe que por portara
de 23 de dezemoro ultimo, como se coinmunicou a
essa directora na mesma data fui ordenado o pa-
gamento das tres contas na importancia de 373O0
que vicram annexas ao officio do seu antecessor
de 22 do citado me/.,#ol: n. 406, proveniente de ob-
jectos comprados para os trabalbos das officinas
de terceihi, quarla e sexta classes desse estabele-
cimento.
N. 193.Dita ao niesmo.Mande V. S. admittir
nesse arsenal cdlno aprendiz, ao menor Jos Luir.
Moreira, de nove anuos de loade, filbo natural de
Luiza Dorobea da Conceirao, que segundo oliicio
do juiz de orphaos dcsta capital de 4 do crrente.
pelo respectivo tutor foi assim pedido.
.. 19..Dita ao consellio de compras navaes.
Autoriso ao conselho de compras navaes a romp ai
os objectos mencionados em seu officio de W de
fevereiro ultimo, para provimento do almcxatifado
de maiinba.
X. 19o.-Deliberac5o.Ojiresidnite da provin-
cia, alteiidendo ao que req lercu o teneme -efor-
mado do exercita Joaquiffl Manoel da Silva fi Sa,
resolve conceder-llie liecnea para remet'Pi para o
presidio de Fernando de oronha, no vapor ufyui
>< nmnici- e seren all entregues a Claudir.o los Correa, os
faesnif que ora se rtsentr a reparticao n sen
Wi.Dita ao mesmo.Orto de ipianto V.
$. vifni em oa intoniMca) de 2ti de Janeiro olti-
O<. ob n. 33. r,a do requerimento em que o
ii-h.-irel ioio Garfeante de Albuquerque solicita
cnoento ite duas prestaeoes que se Un- esl a
ontiatante da estrada do norte, tenho
3-dinsr, |e. p4-n*4irn4o *a divida ao exercirio
i ii]>lk-ant;i na relaciio do-i i-redores da pro-
v'iwri "li n de solleitar-f oppoitunmento do po-
nte os fulldos io'i essavios para elt'ee-
/uar-je i. pagamento de que se traa.
N. tf>:;. I)j. i i.1*1-1 son oflicio de 2
irru"!" sob ii. HH. a fe respondo, qnei iu-
erade, de baver V. S. dad'' despacho para paga-
iMi t iBtenta dos presos pobres da cadeia do
trm do Brujo, abatenlo-se da respectiva impor-
t000i irrespondenleaodWBo Pedio Feli-
deiro?. e de passagens por 525000 a Manoel Fe-
lippe Santiago, todas pelo lempo de um anno. E
porque a cmara refero que nao bouve licitantes
iara as ai-ruinaLacoes dos imypstos de afurico,
amildos em :J60S0e de mscales e de boce-
leiras em 79,5200 ; autoriso a inesina cmara jul-
ios uovamente em hasta publica tan o abatimen-
: to da quinta parte daquejlas, quantia.-. dando par-
le, do resultado, para resolver como for conve-
nicnte.
N. 17o.Dita ao Dr. Sabino Olegario Ludgero
Pinho.Remctta-mc V. S. urna pequea earteira
homeoptica, contendo liuiiirar-aprupriadasao ira-
lameiro da varila na fregue/.ia da Varzea.
I'.XI'II'II.NTE ASSIONADO l'KLO SR. D. JOAQl'IM CORHEIA
DE ARAVJO. SECRETARIO DO C.OVFKNO. NO DA 4 DE
muico he 18G9.
4a secyao.
N. 176.-Officio ao Kxm. Sr. general comman-
daute das armas.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia dando as convenientes ordens, para que se
da enfermara militar
em sruolBrio de 22 de
q i ind m r.ivo. devia ter sido alimen- I l'iwuda ao retetbiuneolo
, 1(hl, I conforme V. Lxc. solieitou,
N. 164.Bita ao inesiiiu.Declaro a V. S. para < levereiro prximo lindo, sobn. 107 ; assim o man-
nenio e direcean, qoe o ebefe da lepar- da rommunicar a V. Exc, em resposta ao (fiado
publicas participon-me em oliicio oflicio.
ai sob n 86, haver mandado lavrar o ter- -N- lw.Dito ao director do arsenal de guerra.
w io*xcbiinenmisfiitivodaobiadoeinpedra-|S. Ei. o Sr. presidente da providbia recom-
i termo dacstradada- Victoria, e passar mendando ao general commandanie das armas,
lente certificado ao respectivo arn matante, 'l" "'ande proceder na forma solicitada por \. S.
M : r, ijpj,,, ,),. souza Lefio, visto j ter decor- i w os menores constantes da relacao anexa
.nsaJiilidade, e achar-se essa i a0 **a offlcio de 2 do correnle, sob n. id, que se.
ido de ronservaeao.
V. HT Hita ao mesmo. Providencie V. S.
le, era vista-da coula junta em duplcala;
proCessada e paga a Flix Gomes da Silva,
- ntrae solicitou o chele de. polica em oliicio de
i~ ', aneiro ultimo, sub n. l-1, a quantia, qoe se
' ', preveniente do aluguel vencido no
dc julbo a deaembro "do anuo prximo
-a que erve de prisao no dislricto
- Leumflta da Malta.
4N. t6CDila ao mesmo.Mande V. S. pagar
mpanhia de Beberibc a quantia de 365800
miente do Maeeiineiito d'agua potavel se-
rrlaria da presidenc.a e reparticao das obras
roestre de julbo a de/.enibro do anuo
11 orno se ve das duas inclusas
ooataa.
N Id/.INta ao uiesnio.Altcndeudo a que MS
Flores Villa-fielln estao sem meios de
-bsi- iindo me re|resenlarani as aulo-
'<< p iliciaes d'aHi. os presos |>obres da res-
per! i i ia n nao baver qiiem ipieira l'or-
amentos, se n >er de prompto pago, en-
, V. S. mande por iutflrmedio do Dr. Joa-
quila (oncah.- Eiuui, e mediante as cautelas do
i) -lite.- ,i a cada um dos delegados de poi-
. idas villas por adiantamento, a quantia
! atWiOOO para ser applicada aquelle lim, devendo
prestar contas n'essa thcsnurarUi dasdeapezas
''^7-mtiii authenticadas com o visto do promo-
tor pnhMro do juiz de rttrcito on municipal, c
panbadas das relaees doj presos que forera
atados.
>' 168.Dita ao ine.nio.Autoriso a V. S. nos
.< do final de sua Informacao de 26 de feve-
reire nKeno, sob n. 107, a mandar levar em conta
ao hftsonrei'ro da re|iarticao das obras publicas,
aehaui no caso de passar para a coiiipanhia de ope-
rarios ; assim manda coinniiinicar a V.S., em res-
DOSta ao citado oliicio.
i' seceo.
ff. 178.Oflicio ao Dr. hafo de polica.Nesta | sor "enviada!'
dala antorsou--e a thesouraria provincial a pagar
a Flix Gomes da Silva, a quantia de 425000.
constante do oliicio de V. S., datado de 27 de Ja-
neiro ultimo, sob n. 141, o qual tica assim respon-
generos constantes da inclusa rolara), asignada
pelo Dr. secretario do governo, nao' podendo, po-
rm, fazer o desembarque dos ditos gneros no
referido presidio, sem que por parte do respectivo
rommandante, se verifique que entre elles nao
exista bebida algoma esiirituosa.Iguaes conces-
soes foram feitas a JdSo Francisco de Souza c Fer-
nandes & Irmo.
2." seecao.
N. JP7.Portara ao chele de poricia- Haverelo
S. M, o Imperador por effeitos de sua bondade,
mandado entregar a esta presidencia, pela roordo-
mia da casa imperial, a quantia de seis cornos de
reis para serdtstributdl pelas familias, que licaran
sem abrigo e na miseria, em conscqtiencfe da in-
nundacao do rio Capibaribe, que :antos estragos
causn" nesla provincia, resolvi, [iara que se faca
com justira e a devida proporcn aquella distribui-
cao. crear nesta capital una oimmTssao ooinposta
ile V. S., do presidente da respectiva cmara inii-
nicipal e do Dr. Ignacio Joaqum de Souza Lea a
qual fica incumbida :
1." De fazer a distriluici) pelas faniili is que
estiverem Baquellas romlfcoes, resllenles no mu-
nicipio da capital: 6 eneaiTegar lessa incunihcn-
cia a oulras, que lieam igualmente creada.- nos
municipios de Pao d'.Miio, Limbeiros e outros que,
banhados pelo Capibaril e, bajara soffrido cora a
sua inirandaca), aendendo para o estado de cada
ama dessas familia^, o Damero de pessaH que
liouverem;
2. De eurarregar da dislrihuiea i dessas c.-mo-
las nos inunirip os de fra da capital, nutras cora-
missdes, competas dos respectivos delegados de
polica o presidoutes das cmaras munic|aos. o de
mais um cidadau designado pe-la cuauniss|o da ca-
pital, que prestara i a esta as convenientes infoi-
inacoes para poder regular a soffiula que Ins deva
2' seccan.Secretaria da polica de Pernambuco.
11 de mareo de. 1869.
N. 3a3.Ulm. e Exm. Sr.Tenho a honra dc
levar ao conheciiuento dc V. Exc. que segundo
consta das partielpacoes receidas hoje nesta re-
particao, foram honl.Mii recolhidos casa de deten-
cao, os segnintes individuos :
A ordem do subdelegado da Doa-Visla. Galdino,
escravo do ca|)itao Manoel Antonio Kiteiro, por
criinc de ferimentos ; Mariana, por suspeit de ser
ejerava e andar fucida : C^iniillo, escrave do ba-
ria de Craangy e Vivalda, cscrava de Joiquira da
Silva Barbosa, por seren encontrados depois das
9 horas da noite simii bilhete dc seas sen tares.
A ordem do de Maribeca. Angelo da Bocha Ca-
bra!, por insultos.
Por officio datado de 4 do corrate, cwnmuni-
coii-mo o delegado de polkaa do termo de Seri-
nbem que, segundo Ihe partic|ou o suMelegado
do distiieto Je s. Jos da Extrema, no lia 21 de
fevereiro ultimo Josetiorgonio das Neves jspancou
all a Manoel Francisco Becerra, e no da 27 do
mesmo niez Loureneo Gomes dos Santos fez um
l'eriinento no ro e que. em vista dos autos de coreo de delicio
que se proceden, verilicou-se seren leves os feri-
mentos.
Km ofltews datados de 8 tambera deste nez. par-
ticipou-me o mesmo delegado, que no da 20 do
referido met de l.'vereiro foi preso e rerolhido
prisao do dislricto de Gainelloua um individuo de
nomeJoao Carreiro, indiciado em crime de morte,
ronlonne Ihe foi coinnuinicado pelo suhdelegado
daquelle distripto ; que no dia 7 do rovronte foi
encontrado no rio Gamaragibe. na passag ni do rio
Quilba, daquelle termo, o cadver de Joao Marinho
Al ve da Silva. que procedendo a competente I
vislnria. veriticon-si' que a morte lora o resultado
de isplikiii por submersao.
Era dala de 8 dosu ate/., paioipou o subdele-
gado do dislricto de Grvala do termo d i Bonito,
que prendera e mandara recolher cadeia do
termo Manoef Joaquim ilo Nascimenlq, cophecido i
por njete-raiva, c Joao Soares da Silva Macjel, por!
mime de furto de cavallos platicado rtr limpos
de criar, nos team do ileneto n. 1090 do lde|
seleiiilil-' de 1860.
Deas guarde a V. Exe.Ulm. ExmeSr. conde
de Daep"odvpres,lonle da provincia.O cliefcde
poilcia, Francisco PEMAMBUC0.
Para rcceticr odou3ti\o leilo per sua S. M. o Im-
perador, e constante de una letra saccada pelo
thesoureiro geral do liiosourojiacional. .-obre o
thesoureiro da fazenda da thesouraria desta pro-
dido de ordem do Exm. Sr. pirsidente da provin- vill,.ia) que m foi remettSda pelo eouselheiro mor-
! domo da casa imperial, don a uecs-aria aotorisa-
S. 482.Dito ao Dr. juiz de direilo da segunda
vara presideiite do Iribuiud do jury.O Exm. Sr.
presidente da provincia manda declarar a V. S.,
eeforine-snlicilou o rcspeVlivn chefe em officio de que licam reiteradas asrdeos expedidas no i* do
iii) s:ii|' outubro do anno prximo
pas- M e 362, a quantia de WlOO. que
por o do ex-chefe da reparticao datada
4* 30 de oiitiilno de 1866, pagou proveniente de
casias orcask.nadas pela avaliacao judicial a que
- prooedeu n >- trabamos feitos pelos eontratan-
les da estrada do norU'entre a Chaa da Manga-
nn engenho Bojary lazendo, porm, descon-
tar a memonada qaaetia de qualquer pagamen-
. te]e tenliam os cofres provinciaes de effeetuar
aos ditos contraanles, itor ser expresso no art. 84
do reglamento de 31 de jnlho de 1866, que as.
cora estas mediroese avaliacoes eorrem
por conta dos arrematantes das obras.
v. |S9.Dita ao chefe da reparticao das obras
Nesla data don seiencia a thesouraria
I i Ir- haver Vmc. mandado lavrar o ler-
niede rerebimento drffniti'o da obrado empe-
ircmento do estrada da Victoria, e passar o cora-
nte eertiHcado ao rospectivo arrematante Mi-
r'j.eJ Polippe de Souza Lefio. 0 que Ihe declaro
resposta ao sen offlcio de hontemsob n. 86.
4' serrao.
\. 172.Portara a cmara muid pal o Recife.
-IteriiiuHiefldo a cmara munkiiiial da cidade do
Beeifc que, apenas terminar a apurarlo geral a
:nrfle\e prorederno dia 2 de abril prximo, do?
vntospara tlepntados asembla geral legislativa,
i imadas acias parciaes <* collegios eleitoraes,
Ae compoem o primeiro dislricto eleitoral,' faca
-ees argeoria expedir os respectivos diplomas aos
Wtos r onvic por intermedio desta presidencia a
rtpa authentica di acta da sobredita apurarlo
N. 179.Dito ao mesmo.O Exm,Sr presiden- L.g,, ao Dr.'Ignacio Joaquim de Souza Lea), en-
l de provmda mande, declarar a V. S., que em j vando-lhe para aquelle lim a mencionada letra,
tija importancia fienr a di.posicao dacommissa i
la capital.
Bsgdtando esses seis contosde reis. a commissai
apreseatar a esta .presidencia, para ser levada ao
alto conheciinenlo de S. M. o imperador, una re-
lacao nominal das familias soecorrida, cora deca-
raca) do numero de prssoas de cada uina e dos
lugares de suas residencias.
Espero que V. S. desempenho eqa incumbencia
cora o seu reconhecido zelo, rorrespondendo assim
as vistas paternaes de S. M. Imperial.
N. 198.Dita ao niesmo.Approvo adeHfceraeao
tomada pelo delegado do termo da Boa-Vista, de
alugar por oj mensacs, urna casa para quariel do
destacamento daquella \illa, devendo essa despeza
correr pekis eofres gera1*, o que Ihe declaro em
resposta ao seu offlcio n. 194 de 9 de fuverero
ultimo.
N. 199.Dita ao raen no.Intoirado lo que V.
S. ale participa em sen oflicio de 3 d correnle |
sob n. 311, dcvolvo-lha o do Ignarass, que veio annexo aquelle.
N. 200.Dita ao eoninrandnnto mperiir da
guarda nacional de Palmares.Devolvo a V. S. o
pret em duplcala, quo vejo annexo ao seu oflicio
de 19 de fevereiro ul inri, e relativo aosyenrimen-
tos, a contar de 9 a 31 de Janeiro deste anno, dos
guardas nacionaes destacados no povoadw dos Mon-
les, aflm de quaseja assigoado pelo commandanie
do aatamao, a que pertcncem laesgnardas, confor-
me solicita o inspector da thesouraria provincial
em officio de 3 do correr te sob n. 120.
N. 201.Dita ao juiz municipal do termo da
Boa-Visla.Em vista do aviso junto por copia do
ministerio da jastica de23de fevereiro uliini), niU
tem Vmc. direilo a outios vencimentos alm da
gratificacao do excreicio queja recebeu, por ter
exercdo interinamente a vara de direilo dessa
comarca.
te
virtude de requisico por elle l'eila.ielo Exm. pre-1 oiija importancia
sideute du Cear loj mandado relax.lr da prisao da ,i nmial
cidade do Ico o recruta Antonio Jos de Maga-
Btiea, que vnha do Ouricuiy, e roe licra na-
quella cidade por molestia.
N. 180.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S., que por
deliberacao desta data, foi concedida ao cidadao
Jos Gorgonio Paos Barreto, a exoneracao por elle
pedida do cargo de jtrimeirn supplente do subdele-
gado do primeiro dislricto da freguezia de Gamel-
leira do lermo le Serinhem, de conforinidade com
a sua proposta, em Hicio n. 10o, de 20 dc Janeiro
ultimo.
N. 181.Dito aocommandante superior da guar-
da nacional de Olinda.S^ Exc. o Sr. presidente
da provincia manda declarar a V. S., em resposta
ao seu ocio de hontem, que transmittio as the-
soiuaras geral e provincial,para os lins convenien-
les, os prets qoe em duplcala vieram annexos ao
sen citado olBcio.
correnle, ao commandanie superior da guarda na-
cional desta capital para fazurapresciitar a Y. S.
a Corea que costunic ir para o tribunal do jury
quando este Coacciona, e que deixau de compare
cer hoje, como V. S. deriaroii em scu officio desta
data, que fira assim respondido.
N. 183.Dito ao juiz de direito dc Santo Antao.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda ac-
cusar o recebimento do offlcio de Y. S. de 1 do
correnle, em que communiea, tor nomeado a 26 de
fevereiro ultimo, ao bacharel Jos Joaquim de Sou-
to Lima, promotor publico interino dessa comarca,
por ter dado parte de doente o effectivo.
3* seccao.
N. 184.Oflicio ao inspector da thesouraria de
fazenda. 0 Exm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S. para seu conbecimento c
fins convenienles,^qne segnndo oflicio do juiz de
direito dr Santo Antao do 1.* do correnle o 26 do
mez lindo, nomeou o bacharel Josa Joaquim de
Soulo Lima, para oxercer interinamente o cargo
de promotor publico d'aquella comarca, por ter
dado parte de doenie o effectivo bacharel Jos Am-
iento Correa da Silva.
N. 185.Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial. Nesla data autoriso o chefe do polica a
mandar fazer os reparos de que carecer a cadeia
c quariel do destacamento da villa do Brejo at a
quanlia ae 4005000 ; o que communioo a V. S.
para seu eonhevimento e lins convenientes.
N. 186. Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial do, Para.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda agradeeer-hV o ixmprw queacom-
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DU 10 DEMAttCO
de 1869. s
Anua Anglica Gicila.Como pede.
Behffhino da Cunha Corte. Junto o primeiro
requerimento do supplicante, e a iotbnua'co do
chefe de polica n. 1206 remetta-se ao Sr. inspec-
tor da (besouraria de Cateada para informar.
Joo Pinto de Lemos Jnior.Junto o requer-
ment, e do-omentos a que ueste se allude, infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Jos Diniz Barrete. Bemettdo ao Sr. director
geral da instruccao para atteoder ao supplicante,
nos termos do sua in/onnacao do 5 do correnle'
sob n. 59.
Keller & .CAmle-si owquerimento.*qu.i.este
allude c inCormc o Sr.. inspeetor da medrara
provincial.
REVISTA DIARIA.
SENADOUE.- suli.du da MH
collegios da ca|titl. H;i > d'Aton. Na^arelh. G\ ni
na. Olinda, Iguarassd, Limoeiro, Galio, Sanio Antao,
Recada, ScrinMnn, Kio rormoso, Barreiros,Bonio,
S. Bento o Carnar :
Vsconde de Cinaragibe................ 1.300
Cnnselheiro los Bento da Ce Figncircdo. l,2'r.*i
Desembargador Alvaru B. Ivboa Gvalcanl 1,244
Dr. Ignacio Joaquim de Sonm f.eao....... 1.241
Dr. Joao Jo Fcireira de Agolar......... 1.119
Conago Joaquim Pinto do Campos......... 1,106
DEl'IT.MiOS \' ASSFMBI.KA GEBAL. Be -e-
. o"- hontem o resaltado do roHogio de 5. Bento,
V' dislricto:
Dr. Augusta de OHVeifa................. 38
Baphael de M. I', ................... 38
PlOCiSSAO. Foi Itoilt" ni. poT volla de 7 horas
da tai de. tran-l'erid.i pare deposito era solemne
proc-sa". do t'.oipo Santo para o Carino, a iina-
gem do Senhor Km fesds dos Paseos, Cazando se-
auito um onmefto e eseoRiid < concurso de cida-
daos de todas as classes o jerarchias. S. Esc. o
Sr. presidenteemais autoridades rivis 6 militares
acouipanliaram de (0X3 a ctntr.da, e fez as honras
nililares um balalhaade guardas nacionaes.
Hoje as h 12 horas da lano deve ser reeomlu-
ada a referida magemao Corno Sanio romo pom-
pa habitual, formando pan isso toda a tropa ds-
po nivel.
ANMVKii.-s.'.iiii. Fe/, hontem anaeeajaaaete
anuos s. A. a Sea oonaesa dAquilla. Beata sal-
va i hora da larde.
CMARA MUNICIPALPor deliberado, toma-
da hontem : foram exonerados liscaes das Iregue-
ziasdeS. Fr. Pedro Goncalves, Santo Amonio e
Alegados, e o administrador do cemilerio di Var-
zea : e nomeados :
l'ara o hipar de contador, o Sr. Emilio Ameri-
cano do Reg Caramba ;
l'ara Reca de s. l'r. Pedro Gon ;alve.-.o Sr. leo
Marques fiorra :
Para dito de Santo Antonio, D Sr. Joaquim
Francisco de 'Forres Galindo ;
Para dito dos Alocados, o Sr. Manuel Ka-lrigues
de Uliveira Lima :
Para administrador do CeMtterio di Yarzea. o
Sr. June dos Sanios Fragoso.
DINHE1BO.O vapor fotengi, da eo npauhia
Pern.-unbiicana trouxe ."!:(HKi i para os Sre. Tasso
Irmiofj 802 para o Sr. J. J. Goncalves Belli-ao e
2110* pura o Sr. Rpc i PBES1DIO DE FEll.NA.MXi.Por ordem do mi-
nisterio di mena, domiugo para esse
presidio, o Sr. tmente-coronel reformado do exer-
eilo Sebaslia > Amonio do Rege Barros, a substi-
tuir no coinniando do Sr. coronel Francisco Joa-
quim l'ereira Lobo, qe foi mandado retirar |tara
esta cidade.
BKNCAO DE IMAGENS.Domingo, s 10 ho-
ras da nanliaa. lera lujar, na igreja da Santa
Cruz, a henea i das iniagens do Senhor llora Je-
ss dos l'assos e do Noasa Senhora da Setedflde,
as (piaeslicaiaoe\rM>s|,is j vencraeo do< fiis ote
torca-Ceira prxima.
FKBIMENTO LEVE. As II horas do dia de
hontem foi ferida, com urna canvetada cima do
ambigo. Hereulana Wanderley ; moradora ra
das Aguas-Verdes, da freguezia de S. Jos por
Joaquim. da Silva Lopes, depois de disens-ao pa
causa de un p>r desteiae, Quando ao 'ugardo
conflicto couipareceram o Sr. Dr. delegad Ve sub-
,lele_alo reapeetiv, ja o criminoso se liaba posto
em fuga.
MORTE.Segundo comiminica o delegado de
(iaiuelleini, fifl tirado do rio Camaragika.-Mpas-
sagein do engeaha Quilbu, o cadver do .Ioio Ma-
rinho Alves da Silva ; verillcande-se, docorpo de
drlicto ter sido a morte produzida pela asptiyxia
por submersao.
LADBES DH r.AYAI.I.i 15, -Pelo subdelegado
ile (irav.iti'i l'oraflMraMi Man >el Joaquim do Nas-
ciinUIo. ronherde'pof Vcfo raiva, e Joao Soares
da Silva MacieL pelo crime de furto de cavallos
em canqios do criar, nos termos do decreto il 9000
do 1 deaetembro de 1860.
AIXA PArlTICBLAB,- l'ara o segundo andar
da casa n. 30da ra Direita, acaba do transferir
sua escola para meninas, a Sea. IX Candida Pau-
lina do Mendeaca. que so carrega de ensinar to-
das as (lisciplltaaqao formara a odncaean do onra
manina.
CAESMorndoiea da ra Bella se nos quo/xam
da grande quantiitade de raxoi^roe (pie nlli -tppa-
recem dia e nonlebeutn grave incoraiaododaqiiQl-
le que sao obrigados a transitar por essa ra.
Chamamos a attmea de Sr. fiscal de Santo Anto-
nio para senielhanles animaes.
ESPANCAMENTO.No dislricto de S. Jos da
Extrema, do termo de Seriiihiein, no dia 21 do
passado^ Jos Gorrino dts .Neves cspaucoi, a Ma-
MrnHi Bezerra : e o dia 27 Loureneo Co-
mes dos Sanios ferio levemente no rosto Maria
Francisca dos Santos.
COMPANHIA PERNAMBCANA.-O vapores
Pirapamu e Poletuji, coui destino aos pollos do
norte e sul no dia lo Jo correnle, ainda hoje e
amanhaa recebem carga paraos partos de sua es-
cala, conforme se acha anntineado pela mesma
companhia.
PROCLAMAS.Foram lidos uamalrb. da fregue-
zia de Santo Antonio no da 7 do correnle mea os
segrales proclamas :
1." donuneiacao.
Alexandre Tiburcio. com Damiana Maria do
Espirito-Santo.
joao Ramos, com Elvira Anoes de Soiiza.
Claudino Antonio Vieira da Cunha, com Dolina
Adelaidc Rodrigues da Silva.
O bacharel Francisco Teixeira de S, com Fir-
mna Nioraisia Wanderley Cavalcante.
Anacido l'ereira MagaJhaes, com Clemenlina
Amelia de Medeiros.
Belmiro Gomes dc Olveira, com Dorothea Xa-
vier de. Maeddo.
Aquilino da Costa Anuda e Mello, com Franco-
lina Ilollaudina da Silva
Jo.- Lui/, com Florencia Maria da Gonceieao.
Joao Francisco Ribeiro da Silva, com Gandida
de Souza Guimarae--.
Manoel Lui/ Oerioi Tavans, i-oin Maria Theodo-
ra de Lima Barros.
Jos Zachanas Das, com Leonor Maria da
Gonceieao.
ff deniineiaeao.
Gamillo l'ereira Mendos com Adelaide Thereza
Bittencourt.
Antonio Jos Cordro Siini5es. com Senhorinlia
da Silva Campos.
Esperidiao Sloceovch. com Helena Franceliua
de Mello Branger.
Manoel Jos de Olveira, com Mara Francisca
de lesos.
3.' denunciaran.
Francisco Joao de Barros Jnior, cora Isabel
Clara Rodrigues Ferreira.
Victorino Manoel de Campos, com Joanna Maria
da Cruz.
Jos Pedro de Alcinlara, C',m Gmbelina da Silva
Simes.
Antonio dr iesQl Al\es, com (Concordia Francis-
ca Lopes.
Jos llennino d S e Souza, com Amelia Rosa
de Fre tas.
Thomazde Aquino Pereira da Silva, rom Alexan-
drina Francisca Gomes.
IjEILAO.Hojeas U) horas effectua o agente
Piulo no araiazem da ra da Cruz n. 2 o te i la > dc
azoradas avariadas confocmeo annuncio inserido
no lugar competente desto Diario.
LOTERA.A que se acha a venda, a 98a a
benelleio da matriz de Naiaretli, que corre seguu-
da-leira 15 do correnle.
CCMITEIIIO l'LRLICitObituario do dia 10 do
rorrete:
Joo Pereira, Pernambuco, o anuos, aneado,
Santo Antonio; parali'/ia
Maria. Pernambuco. I anuo. Boa-vista ; vermes.
Felppe. l'ernandiuro. 'i annoe, S. Jos ; pa-tio
inlerile.
Bodoh'o Aniceto Elysen de Lima, l'eniainbuco,
17 anuos, solleiro, Boa-\isla : hyilropezia.
Mara Benodieta. 1'eruanibucn, 40 annos, ftoitei-
ra, Boa visla, broiiclnte.
Maria Bebiana Franco do llego. Pernambuco, 0
anuos, ca-ada. Iloa-visla. abseeSSO purulenl.
Antonia Maria do Sacramento Gomes, IVrnam-
Imico, ."i."i anuos, viuva, Santo Antonio ; erysipela.
Ips Joaquim Gardoso. Pernambuco, 33 annos,
Boa-vista : tubrculo.
Bento, Pernambuco, 40 airaos, Santo Anlonio ;
plilhisica.
Antonio Goncalves da Silva. I'eriiaiubiico. H
annos, viuvo, Boa-vista ; bydopresia
Francisco, esclavo, Peiuanihucu, 46 anuos, Alo-
gado : pneumona.
Galdino, escravo IVinambiico, 18 annos, Albga-
do ; hepatile,
POLTICA interna
Partido conservador.
A l'i',0'IS-AO DE II': DE l"M LIE11V1 .
0 ministerio do 30 de maio, o ministerio das
dguiot, como o denominaran! os admirador'1
experimentados aucios, que os constiturani. nao
guardn neutralidade como prometiera, qorae '
peravam de primeiro os conservadores.
Ainda se nao tinham encerrado os irahalhos da-
quella memoravel sessao de 1862, que vira em um
mez de tantos transtornoinesperados, lao trgicas
peripecias, realisavam-se os temores de alguns
polticos avisados. 0 pender, U visivel nos prmei-
ros dias daquelle gabinete anuloso, tez-se decidida
nclinaao.
Os conservadores viram entai quantos males
esiavam-lhes ajiercobidos no correr dos mezes que
se liuhan de passar na ausencia do parlamento.
Comecou una das mais activas raaoedea, que
se lem viste em nosso paiz. A deiribada, segundo
a plira-e em voga, a derribada, dissimulando os
seas primeiroe aeminettinient trabalbava som-
bra, hypocritamente eimpiauto suppoe que liavam
crentes na sincendade dos Nstores incumbidos
do governo. Em breve, porem, o machado desfe-
chou os seus golpes luz do da. c nao leon em p.
em toda a xtensao do paiz, tronco algum de pro-
porcoos notaveis, do ramas frondosas.
E no entonto o unisterio do 2 de marco proce-
der, como vimos. Merecer as exprobracSes que
Ihe atirra fare o liberalismo por um seu muitO
competente orgao. Nomera para cargos de oon-
lianca adversarios seus, tiu"os e havidos como liis
senha e a) santo dos seus cabos do guerra.
Quer isto dizer que a tarefa que traba de exe-
cular o 30 de maio, eslava adiautada pelas proprias
maos do seu antecessor.
E assim, quaadp eni 486.". aW'io-s'o a asamblea
geral, o partido confa-vadur twe a conviccao de
serem contados os dias de vida que restavam' ca-
m ara dos deputados.
E' cei lo que a couthiuacao do 30 do maio se
nao Compadeca cora a existencia daquella cmara,
onde a maioria, quasi equilibrada com a minora,
nao poda por muito que qoizesse oncobrir os seus
resentimentos, niio podio deixar de aggredir apa-
xonadanente. ipiem tantas motivos ele queixa Ihe
havia dado.
E por mais de nma voz asstgnalou sabedoria
da Cora decretando dissolucao. Era rigorosa
necossidade no estado a que baviam chegado os
espritus, exaltados de un) Jado polas suggesloes
da liga, tibios,.remssos e desconfiados de si pro-
Aeseee Cactos havia resultado a arenca de que
nao poucos dos consocios da liga tinuam-*e en-
contrado. Eera que o partido conservador deixra
de existir antes de baver a liga effertoado a* anas
Col]i|Uslas.
claro, pois, que levemente ntoancou quaoto
dosejava a famosa colligacao, servida cegamente
pelo .'10 de maio, reduzido ao triste papel de ese-
cutor das alias obras de umaenlidade chamada di-
rectorio.
E, assim creou sua imagera a cmara.de i86,
unnime por assim dizer, nao obstante a presen-
ce de raros deputados consejvadores.
Feila a eleigao. conheceu o ministerio que a eua
tarefa estova concluida. A liga nao prcavai dos
seus serviros. Armada e potente, eslava habilitada
a conduzr-se com desenvoltura e affouteza, dis-
pensando intervenco e auxilio de quem quer que
fosse.
A con-cM-nca de sua imitilidade de en ti) em
vante foi patenteada na sua espontanea renuncia.
E e\plicou-se em termos, que a lod'S esclarece-
rain, as palavias proferidas no senado peto vene
raudo marque/ de Olinda.
O honrado senador, presidente do 30 de maio.
interpellado no seuado pelo' Sr. Silvcira da Molla.
diese a 18 de Janeiro de 1363 aesegniotee palavras,
que em sua perplexidade deuunciain aquella con-
sciencia ara toda a sna l'oici.
A posieao da cmara dos deputados. quaud
se formn o ministerio de 90 de malo, eraems
mesma leen singular. Ja dous ministerio^ liuham
entendido que aquella cmara deven ser diesolvi-
da. DeJiaixo desa impreeeao fonuou-sc esleiniuis-
I lirio: todava elle pode seguir o restante, daquella
sessao era 1863, moreaendo es votoede urna e,de
, oulra parcialidade, em que eslava dividida a ra-
1 mata.
Mas, (piando se abri a sessao do anuo passa-
do, sallava aos olhos de lodo o mundo (ue os es-
pirites achavam-se na nic.-inas diepoai^oOs em que
tinham estado antes. A divergencia, no mcsaio
grao em me estove, havia do apparecer: jeto
c.oiii|irebendia todo o mundo Enlao essa divergen-
ca havia de lia/er os mesinos resultados ; raani-
feslaya-se por isso a neci.'ssidadc eh- ser cjnsultada
a nacao. Foi. pois, consultada,.
Vamos agora dis-olueao do ministerio.
Devo esmerar por dizer que i ministerio-leva
a fortuna de merecer a conlianca plena da Corpa,
ileade o primeiro da dc sua foniacao ate o ultimo.
E aproveito a occa.-iao para em meo nonio c em
nomo dos meus eollega.-dar um pnblicotestemu-
nho dc nosso profundo recoiihccinvjito |ela alia
benevolencia, cora que lao graciosamente tomos
balados. f(J Sr. Siiiiuiln) : -AfioiadaA
J espni o estado em que se acjuna a cma-
ra, dirisiin tir tpmiSe, a iiii/jiisibilidiide de po-
mar unta maioria. Atiento esee motivo, enieudcu
0 ministerio que, leroiinado o [iroce.sso eleitoral,
devia dar tuna prova de ana em seos actos pin
linha sido guiado senao pelos mais nobre- senli-
raenlos, eque por seo devia relirar-se, deixmdo a
outra a iirecpw ot ntgodot paMie
O Su. Silvbioa nv Mottv faz sgnal negativn.
O Sr. Maiiqi ez deOunoA : Nao Ihe agrada n
motivo? Nao agradar : raa para o gabinete ve
muita Corea.
A mudo de dtv'nffa em que estova a (amara
e u'i-zar DA XKt-i-siiiAoi: ni: si v dksou:(;.'0, o go-
verno devia mostrar a sua imparcialidade al o ul-
timo poni, e l-!opedindo a sua demiso, e a Co-
ra se ilignoii de aecela-la.
E, pois, a liga, atcaocada a Mctpnn das" urnas e
coiisuramada a conqnisl/t, principlou a vjvqr por
sua conta e risco sob a conducta da gabinete de
15 fle Janeiro.
Como vivan a mi-ei m nilh apezar se
baver ebrismado partido progvjiss|sta e logo depois
liberal (sem mais nada)!
As scenas dc sua existencia nos seto mezes o
tu*lo, lecorridos de Kj de Janeiro ed liui de agosto.
recordara lodos, uns com as tnagoae originadas em
lameniaveis dcsares, outros c en o riso provocado
pela vis cmica dos actores que figuraran nessa
incomparavel Carca.
Como aeabot o primognito da situara-) oascen-
le est na lembranca dos leitores. E' una da-
niortes mais ingloriae, que roeontcmas ebronira-
antgas ou modernas.
A maioria. nao podendo mal; conter o raeompor-
tavel enfado, que Ihe c ui.-ava a embirrante enti-
dade. aprov. itou o primeiro ensejo, futilis^inio
em verdade, e. em votaces succ lesivas, den-fte
mcia duzia de derrotas, entre a hilaridadc geral.
AccroscenJon Ihe assim diir do desbarato a ver-
gonha do dezar, o Insulto do nscaroeo, o laheo do
ridiculo.
Nesa execucao levo a maioria por ministro o
Sr. Martinlio ae Campo-, que havia atrancado
grandes crditos pela niaravilhosa mesf.ia. rom
que applicava aos criminosos o seu iremendo 6i-
calhao.
Assim fustigado sabio da ramara o ministro do
imperio, o honrado Sr. Jos Bonifacio, e Coi desal a-
far a sua immcnsa dor no ;eio do presidente do
conselho.
Este parlamentar Ilustre, que ignorara os ex-
tremos de aversao a que contra pile havia chegado
a maioria. quiz eonteniporisar na esperanr de re
conciliai;o.
Mas aquella evidencia era como a luz do sol.
Cetros somenje nao h veriain.
Coreado, portante, foi que o honrado Sr. Zaca-
ras, mailngradas as sua attenuantes, |n'dio a exo-
neracao do gabinete.
Oucamo-lo, relatando estn h\lamente, o oecorri-
do a* oro e o desfecho da triste bistoria, isto o
pa-samento do 18 de Janeiro.
Di--e elle no I" de -eteinbro ao Senado :
Na so-sn de 29 do mez passado, precisamen-
te no momento era que ia entrar em discussao a
propoi! i du poder RHfwCiro sobre o crdito neees-
sario para as t\f-\. a relativas ao consorcio das
geremssimas princezas, tun mrmbro da makra
ped!o urgencia para se tratar de um projedo do
subvencao a nina linha de vapores entre mu los
portos da Finan Anglo- Americana e o porto do Rio
de Janeiro. Vencida a urgencia, o Sr. Jos Boni-
facio de Andrada e Silva, meu collega e amigo,
entendeie por diversas razeos, que pmdhzio, si-
da niaior conveniencia que o prnjecto fosse nina
comraissTt da casa alim de o csludar.
Einbora ievasse o requerimento a clausula de
urgencia, e sem preiuizo, nos termo- >ib-
emenda offeicrida, da 1* discussao, o requerimen-
to de adiamento {oiregeituil" ; e nao s isto. como
que havendo passado em I" dlsctisso o projjecto a
que me redro, pedio-sdispensa de intersticio para
entrar inmediatamente em 2' discussao.. Ni Qc
bate troraram-se entre o doputado quo pedio ur-
genna e o mhiMroalgumas patarras speras. Era
tado de 1834 iquella paite
A provacao, ciHnecada antes da dissolueao e
prolongada no decurso do dominio prugressista,
foi consequencia lgica de acontecmentos anterio-
res, de-inexplicaveis condescendencias, de rer. hesitacoes que dei.iiiiriavam ifldol^-reni.t, |ku-
' ea f e^saporoeeameiilo.
-csultodo o meu eoHcga retirou-se da cmara, per-
suadido de que csse voto da maioria era dc hosti-
lidaile, snpposto que lizia elle, mais a si do qt>.- ao
ministerio (!!), e ssim dirigio-se minha ca-a
para pedir-me que hatasse de solicitar a sua exo-
neracao
a mesma noite rcunim i-nos todos os minis-
iros en) confcrenciac assenfamos que a tv
sa nao se pedia -eparar da causa do nosso amigo ;
e pois fui d'alli a S. Christova.i oxpor Cora as
prios, do outro lado, pela* des"erces numerosas M*oes pelas aunes entenda que o gabinete -
pelos revezos successivos, que o liavam esrarmen- va retirar. Isto 6, vista de una voticao da a-
tado do I8S4 .'umela naite. niara que se pastara itlardo (!!!) de que nao
que se prettnt itlurdo (!!!) de que
(pieria que rorttinnasse o )ahinetc. S. M. deca-
roQ-me que queria reflectir ; o en -para tnetho.-
avallar ns rifeumstancias da debatir e da vota-
riw. f?) pedi 24 horas, c com cffi'to na nc
mi aopacn de S. Christov M. a de
elaraejo de (pie o gabinete eslava dUposto a ret-



Diarto de Pernambuco Sexta feira 12 de Muqo de 1869.

rar-se. Em consecuencia, fui incarregado do cha-
ar o |fc consellieiro Francisco Jos Furtado, o
qual organisou un novo gabinete. >
Ahi temos, pois, o 30 de mato e o 15 de Janeiro
demiuidos, um convencido de haver >alisfeito asua
uiisso, o ntro desbaratado vergonhosamenle pela
niatoria progresssta, carne de sua carne, sangue
da sea sangue.
A' vista da repugnancia iiiveneivel manifestada
peto venerando Sr. marque* de Olinda, a vista do
conceito que da nova cmara formava, incapaz, ao
sea parecer, de dar Batera soffricel e eivada de
outros sondes, de que acoimou-a eom a scienoia do
lapidario que eonhecia a ptdni, era posvel obn-
ga-lo a continuar n insana e tremenda tareta T
Dir, porventura, o libera.isnio que a exonera-
ran do 30 de inaio foi promovida por simples rem-
ude da coia, pelo mero desejo de abater levan-
tar ministerios T
E quando a maioria tinha repelhdo eom amonta
o gabinete de 15 de Janeiro, havia, afora a disso-
lucao, outro recurso mais que exonera-lo 1
Ahi esto, portante, mais dous fados para de-
monstrar que o liberalismo nao leve fundamento
na verJade, qunndo attribue a vontade irresponsa-
vel inteucoes que nunca teve.
(Diario do Rio).
dado sem auxilio da
PUBLICACOES A PEDIDO.
O K\m. bispo diocesano,
Liberal
e o
Um triste acontecmento se deu entre nos, ha
jkmicos dias, qual o de ser considerado fra da
eommunho Catholica um Pernambucano notavel,
at pouco tempo reputado lilho da igreja, que lhe
conferia os sacramentos dobaptismoe da conlir-
inacao.
Caso extraordinario nesta diocese despertou a
attenco dos liis, e dou lugar a que se abrisse dis-
cusso sobre os motivos que levaram o^nosso vir-
tuoso prelado a ordenar a fiel e.xecuco dos Ca-
ones, relativos a negacao de sepultura em sagra-
do, quelle cidado, considerado fora da graca di-
vina.
Assumpto sobre o modo melindroso a todos os
respeitos, principalmente por ferir a memoria de
um tinado, necessita ser tratado eom inuita cir-
runspecoo e moderaeo.
infelizmente assim nao tein acontecido ; e o aze-
dume, pestfero condimento de todas as nossas dis-
eussoes, j se vai manifestando na appreciacao do
acto do Ilustre e prudente prelado diocesano.
Assim se l no Liberal, de 10 do crreme, os se-
grales periodos:
Tem-so recebido eom estranheza o facto de
S. Exc. o Sr. bispo diocesano prohibir que o ce-
miterio publico reeebcssc o corno inanimado do
liistre Peruambueano. E' urna excepeo injus-
tificavel, por demais injusta.................
Resta que se lance a excomuumho ao grande
numero de concurrentes, cada qual mais dis-
tinelo, que acompanharam o .fretro ao ultimo
jazigo.
o oJio e a iiijustica dos hoinens procurarain
denegrir e infamar a memoria do Iliterato in-
signe e do patriota virtuoso.
Abandonando o terreno escabroso para onde se
pretende levar discussao to delicada e importan-
tn, sement nos oceuparemos dos factos, que se
iigam fatalmente ao acto do chefe da igreja per-
nambucana-.
Para isto realisarmos somos forrados a nao res-
petar, to religiosamente como desoja vamos, o pre-
ceito do parce-sepultis; pelo que desde j pedimos
desculpa.
O general Abreu e Lima nao era um ente pre-
vilegiado pelo Creador; partieipava da fraqueza
inherente ao genero humano. Era percador.
ascido e creado to seio da religio Catholica
apostlica, c dispondo de* intelligencia robusta.
caio em erro claro e manifest contra a doutrina
ensinada pela santa igreja.
Nao quiz crcr e receber ludo que a santa igreja,
nossa mi, nos propoe no seu publico ensino: nao
considerava, que depois da redemprao, a religio
Catholica s aquella, em que ha salvaco, e que
a surte, de quem se recusa a crer, o quo a igreja
ensina, ser a condcmnacFio eterna: combateu
fortemente em seus escriptos a unidade, a santida-
de e a catliolicidade da igreja christ : em fin se-
?uio ideas contrarias a perpetua douirina de um
leus, una f, um baptismo, ensinada e professa-
da pela igreja catholica.
A prova dos erros e fraquezas deste nosso
prximo ahi corra mprasa, e se deprehendia de
suas conversas sotan o symbolo dos apostlos.
Com o es|iirito to obscurec-lo pelo erro veio
enconlral-o a morte. Nada de publico conslava
sobre a retrataco de semelliantes erros, c sobre
signaes de arrepend-meno.t como exigem os C-
nones.
Sabendo o nosso virtuoso prelado, que esta sua
ovelha, to doente do espirito, soffria gravemente
do corpo. correu a visital-a tres dias antes de seu
passamento : e com a solicitude de um pai estre-
moso procurou chamal-a ao bom caminho.
Nao desojando trazer-lhe a memoria os seus es-
criptos na malfadada hita, que ha |iouco tempo
travra na imprensa, para que a sua memoria nao
fusse perturbada pela lembranca das paixes mun-
danas, levou com delicadeza a sua conversarao
amena para alguns pontos da doutrina christ.
Mas, oh! dor! o enfermo conlestou-os vigorosa-
mente. Entre outros pontos nao se mostrou dis-
posto a acreditar no dogma da Santissima Trinda-
de, e repcllio a idea da conlisso em hora to so-
lemne, como aquella em que se achava.
Entristecid i e pesaroso se retiran o virtuoso
irelado ; e ao despedir-se do enfermo declarou-
he, que em breve voltaria a v-lo; teve em res-
Sosia, que se S. Exc. tinha em mente conseguir
elle urna retrataco do que lhe havia dito, que
jierderia o seu tempo. Isto foi dito com brandara.
e acompanhado de muita delicadeza e attenco
pessoa do Ilustre diocesano.
Consta-nos que S. Exc. anda empregra outro
meios indirectos, para provocar qualquer signal
embaldeo tentara.
Navespera do dia em que falleceuo general, um
amigo delle procurou ao Exm. bispo, para cnsul-.
tar sobre o lugar em que deveria sepultar-se o'
seu cadver, a vista do que se tinha passado.
S. Exc, com lagrimas nos olhos, declarou ento,
que outro remedio nao tinha se nao dar execucao
as leis da igreja, as quaes lhe nao dado dispen-
sar.
Nesta; circunstancias perguntaremos aos en-
tendidos na materia, poderia o Exm. bfspo proce-
der de outro modo sem incorrer as graves cen-
saras da igieja f
Sobre a questo saoexpressos os Caones.
Dizem elles: Nao tero sepultura em sagrado-
O que manifestamente nao comprgam os preceitos
da confissao e communhao, e falecerem sem sig-
naes ''e arrependimento.Os peccadores manifes-
t e pblicos, que sem nenhuma penitencia, e no
mesmo peccado moneramos hereyes.
Conhecedores da materia alguns do.s amigos do
finado pretenderam, que tivesse elle dado signaes
de arrependimento: e fundados nsto, deputaram
algumas pessoas distinctas ao Exm. diocesano,
com o lim de obter a revogaco da ordem, que
negava a sepultura em sagrado.
s. Exc, alegrando-se com esta noticia, procurou
verificar a sua exactido como determinan! as leis
da igreja; mas, infelizmente, urna s testemunha
fidedigna nao houve, para certificar os signaes de
arrependimento do morto.
A constituirn do bispado g 1158 e 1159 dizque
tratando-se de signaes de arrependimento do mor-
to, basta o dito de urna testemunha fidedigna que
m certifique para conceder-se-lhe sepultura em
sagrado.
S. Exc, o Sr. bispo foi mais alm, indagou por
si mesmo de um sacerdote que se dizia ter assis-
tidoao moribundo, si era verdade ter elle antes de
expirar, pedido urna imagera de Christo; e o sa-
cerdote declarou ignorar o facto allegado.
O que mais poderia, ou deveria fazer o uosso
virtuoso prelado.
Argum entam com o faco de ter sido sepulta-
Ai em sagrado o Dr. Nascimento Feitosa, e alguns
suicidias.
A argumentado improcedente.
A discussao travada pelo Dr. Feitosa sobre a li-
berdade de Deus nao o constiluio filho rebelde da
igreja catholica. A interpretaco, a que se pres-
ta vara as palavras do Dr. Feitosa, cm materia teda
philosopluca, era que dava lugar a heresia, que
se lhe attribuia, e que elle negava.
Nunca sustentou elle doutrinas contraras ao
ensino da igreja, negando a existencia dos santos,
o dogma da Trindade, a confissao.
Pelo contrario procurava sempre dar publicas
demonstracoes de sua religiosidade, morrendo
como bom christo, reconciliado com a sua mi
espiritual.
Quanto aos suicidas, bastar dizer que a igreja
determina, que nao se lhes negu sepultura em
sagrado, todas as vezes que urna pessoa fidedigna
afflrme, que elles deram signaes de arrependi-
neotos..
Kstos signaes poden ser
palavra.
Em geral qnasi todos os suicidios nesta cida-
de teni dado provas publicas de arrependimento,
confessando-sc muites delles antes de morrer.
Alm dista nao nos ontcstaro que a mesma
igreja os lera equiparado aos laucos.
A vista do que lira exposto o publico sensato,
que decida.se o acto do nosso virtuoso prelado
injustilieavel. por demais injusto.
W.
Tubrculos pulmonares
ii
Os princqae* symptomas da formadlo de
tubrculos nos puhnoes, sao:
Urna tosse secca quando se levanta de
inanlia; respirarSo curta, difflcultosa e
rpida quando se faz exercicio.
Pallidez extraordinaria, molleza nos ms-
culos, cmagrecimento em tollo o eorpo,
dilficuldade em fazer esforco, quer physico
quer mentaL
Estes symptomas podera continuar por
muito tempo sem augmentar-se o mal:
porni cedo ou tarde apparecero signaes
do seu progresso: o pulso se tornar mais
rpido, sentlr-se-ha fri pelo espinhaco de
manha e de tarde, seguido por febre.
Dahi em diante o doente passa a nonte in-
quieto, tosse secca e irritante todas as
vezes que se vira na cama.
Neste primeiro periodo de tsica tuber-
culosa, os puimes contm j mais ou me-
nos dos depsitos tuberculosos.
A transico do primeiro ao segundo pe-
riodo desta molestia cm alguns vagarosa
e apenas visivel, em outros rpida e evi-
dente. No segundo periodo a tosse aug-
menta-se na frequencia e na violencia, e a
expectoracQ mais abundante e muitas ve-
zes contm pequeas nodoas de sangue. O
fri, a febre, insomnia, suor de noute, sao
mais notaveis, e a febre liectica mostra-se
claramente.
O semblante paludo de manha, e de
tarde torna-se corado.
O terceiro periodo simplesmente o se-
gundo gradualmente augmentado.
A severidade, a rapidez dos symptomas
e o progresso da molestia differem muito
em differentes casos, e depende da consti-
tuico da pessoa e do clima, lempo, etc.
Em alguns a marcha gradual, sem dr e
com pouca tosse, acompanhado de diarrha,
suor, etc., e o doente ainda nos ltimos
dias mostra-se cheio de coragem e espe-
ranza. Em outros, e pela maior parte, a
marcha desta terrivel molestia rpida e
dolorosa e a hita mortal entre a esperanca
e o desespero mostra a severidade da doen-
<;a e o sotrimento do doente.
Em todos os tres periedos, nao conhe-
cemos remedio melhor do que o Peitnral
de cereja do Dr. Ayer, se fr tomado a tem-
po, a cura c qnsi certa, e mesmo quando
a morte prxima elle mitiga a dr e soli-
via o soffrimento do doente.
Urna tosse por mais leve que seja peri-
gosa edeve ser tratada inmediatamente
antes que tome assento sobre os puimes ;
tenha sempre em casa um pouco deste
Peitnral de cereja c siga as direcces que
acompanham cada frasco.
Se a molestia est j muito adiantada
procure tomar o Peitoral debaixo da di-
reccSo de um medico entendido. Obser-
vando ao mesmo tempo toda a cautela pos-
sivel, quanto dieta e ao tempo,
Progressos da medi-
cina.
A sciencia nos d alegres novas, anuunciando-
nos que se ha frito um grande e importante des-
cobrimento, e que as insidiosas amarguras e sof-
frimentos, causados pelas molestias da garganta e
dm orgaos da respiraro, podem ser atalhados com
o inmediato uso do-^-Peitoral de Anacahuite de
Kemp ;c isto com urna certeza e infallibilidade,
at agora dcsconhecida na pratica da medicina.
A base fundamental deste delicioso e riquissimo
xarope consiste do balsmico sueco extrahido de
una arvore mexicana, chamadaAnacahuite,o
nico especifico natural at hoje conhecido para
as affeccees pulmonares. .
As esquinencias, os hronchites, e asthma cedem
sua arcan com una facilidade venladeiramcnte
assombrosa. Faz desapparecer a rouquido dentro
de poucas horas, e tomado tempo e horas ini-
pede a imppssibilidadc da phtysica.
Acha-se venda as pharmacias de A.
Caors, J. da Conceifo Bravo & C, M.
A. Barbosa, P. Maurer & C, e Bartholo-
meu 4 G.
dem dem com genero lOft
Vohimes saludos c im fazendas fci
dem idem com gneros ii7
1512
o29
Deseanvi;am hojo 12 de iiiaro
Vapor ingtozChriisolitemeraalarias.'
Ksruna iuglezal'erseveranccttealhu.
Brigue inglezP> othezamercadorias
Marra IuglezaFlatim Ctoudmercaioi'as.
Patacho norte-allemaoAnnaidem.
Uniera l'ranrezaAdele idem.
Brigue escuna aus:i iacp Camkio jarinha de
trigo.
Brigue portuguezIknohulomeivad'tas.
Barca francezaFgaroidea,
Sumaca hespanholaProm/it vinlins.
Brigue norte-alien ao Fried, fariaha d^irigo.
Brigue portuguez Bella Figueirense, diverso?
en.
Escuna dinamarquesa Bliza, idem.
Lugar inglez Pean, plvora.
KECEI1EORIA IE IIE.NDAS NTERKAS GE-
RAES DE PERNAMRUO).
Vendimento do dii 1 a 10 33:353*736
Idem do dia 11...... L70U632
versos ge-
35:05oi368
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a 10 66:538*711
dem do dia 11....... 7:457*48
7.1:996*101
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 11 DE MARCO
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TABDK.
Algodo de Pernambuco 1* sortc 15*800 por
i arroba.
Algodo da Parahyba sorte 17*600 por ar-
roba posto bordo a frete de 1/2 d. c 5 0/0.
Cambios sobre Londres 90 d/v 18 3/4 d., por
1* do banco.
Cambio sobre Paris90 d/v 502 c do banco 510
rs. por franco.
Descont de letras=80/0 ao anno.
F. J. Silveira
Presidente.
* Leal Seve
Secretario.
BANCO MUA & C.
Ra do Trapiche n. 34.
Desconta lettras co nmerciaes a taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente.
Gonfere crditos, saca sobre as primeiras
pravas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pravas.
Encarrega-se, por commisso, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes de
oompanhias, da oobranca de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
quer outra operafao bancaria.
O expediente para o publico comecar
s 10 horas da manha, e terminar as 4
horas da tarde de todos os dias uteis.
ENGLISH BANK
O Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a con-
vencional
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 11.
Swansca70 dias. brigue fiancez S. La, de 294
toneladas, eapilo Andound. equip:igem 12,
carga carvo ; a Wilson & Hetl.
Cardiff 60 dias, patacho inglez Lily Dole, do 197
toneladas, capitiio Rurnard, equpagem 8, carga
carvo ; a ^ ilson & Hett.
Trieste88 dias, talacho hollandez Jnior, de 203
toneladas, capiio R. R. Funteter, equipagem 8,
carga 1,686 barricas com farinha de trigo ; a
Henry Forster c C.
Trieste60 dias, brigue norte-allemao Freed, de
180 toneladas, capitn H. Timerman, i quipagem
9. carga 2,432 barricas com farinha ; a Malheus
Austin A C.
Rio do Urande do Sul30 dias, barca brasilera
Santa Mara, de 300 toneladas, capitn Joii Gon-
calves Res, equipagem 13, carga 9,000 arroba
de carne; a Am irim Irmo.
Lisboa33 dias, brigue portuguez Bella Figuei-
rense, de 224 toneladas, capitao Jos ('. de Car-
valho Sobrinho, equipagem 14, carga differentes
gneros ; Euz<)bio B. Rahello.
Loudon40 dias, lugar inglez Pearl, de 192 tone-
ladas, capitao J. Stephen, equipagem II, carga
1,200 barris com plvora c outros gneros; a
Tasso Irmo.
Rio de Janeiro1! dias, sumaca hespanhola Pmt-
/". de 220 toneladas, capitao Bertrn, equipa-
gem H, em lastro ; a Amorim Irmao.
Rio de Janeiro19 dias, sumaca hespanhol Ange-
la, e 222 toneladas, captlao Jeronymo Pl, equi-
pagem 11, em lastro; a Amorim Irmao.
Rio Grande do Sul25 dias, eseuna brasileira
Formosura, de 164 tonelados, capitn Antonio
Francisco de Souza, equipagem 9, carga 7,000
arrobas de carne ; a Amorim Irmao.
Navios bullidos no nwsnu) dia.
BahaEscuna noile-allcm.1 Adelle, capto Bol-
lem. carga parto da quo trouxe de Trieste.
Mai anlioBarca portugueza Despique i", capitao
F. J. de Carvalho, carga ditferentes gneros.
EDITAES.
fiilzo los eUos da fazeuda de
l*i>rn:iiiiliiico.
Faz-se publico a quem convier e intei essar pos-
sa, que filoo o praw de tres mezes a contar de 24
de dezembro ultimo, se ho de vender em hasta
publica, celebrada na cidade de Goyanna e na villa
de I iaiulie, peante o sobredito juzo, as Ierras per-
tenecntes ao extinelo eneajiellado de lUuob, cons-
tantes do edital de praca, publicado no Diario de
Pernambuco laucar a praso, conforme o art. \\ da lei de 6 de
setembrode 1850, ievero apresentr-re eom seus
fiadores habilitados, sendo as flaneas prestadas ad-
ministrativamente e com todas- as formalidades
das flaneas fiscaes nos termos das instrucees de
30 de dezembro de 1863.
s O esrrivo,
Luiz Francisco B. de Ahneida.
DECLARACOES.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO RECIFE
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recifc se faz publico quem convier, que a Illma
junta administrativa nao podendo por si mandar
reedificar o predio n. 33 da ra Direta perten-
riute ao patrimonio dos estahelecimenlos de cari-
dade, contratar ;om quem maiores vautagens
ofererer, a cdificnco alli de um predio terreo
sua custa, mediante" o arrendamento por um certo
numero de annos, e outras coiidigoes.
Os pretendemos, devero apresentar suas pro-
postas em cartas fechadas nesta secretaria at o
(lia 11 do corrente. onde se daro todos os esclare-
cimentos precisos.
Secretaria da Santa Ca a da Misericordia do
Recife, 5 de marco de 1869.O cscrivo, Pedro
Rodrigues de Soiizu.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 10 .
dem do dia 11 L*
389:024*930
34:105*378
423:130*308
MOVMENTO DA ALFANDEGA.
Volumes entrados com fazendas 488
SANTA CASA 1) 5 MISERICORDIA DO RECIFE
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia
do Recife. se faz Miente quem convier, que o so-
brado n. 3 A sito ra Augusta e a casa terrea
n. 39 da ra dos Pescadores, osto sujeitas se-
guiute disposeo testamentaria, com que falleceu
D. Esmena da onceico Souza, mulher do Dr.
Jos Joaquini de Souza :
Declaro mais que nstifuo por brdenos de
minha meia aeco ao meu marido o Di-. Jos Joa-
qum de Souza,'con a obrigaco de com sua mor-
ir pasear a terca e meas bes para os meus r-
mos o padre Jos Leite Pitia Ortiguera e D. Car-
lota Esmena da Coneeico Leite, aos quaes tam-
bem instito por lurdeiros da mesma terca na con-
lormidadc do que fica disporlo, c no caso de que
nao sobrevivan! se is irmaos seu marido, a terca
(pie elles pertencer, c vontade sua que passe para
o hospital de caridade que fica assim instituido.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
rifo, 5 de marco de 1869.O cscrivo, Pedro Ro-
driyues de Souza.
Inspeceiio do arsenal de
uiarluha.
Do ordem do Ha. Sr. inspector faco publico que
acha-se marcado o praso de sessenla dias, a contar
da data do presente, para o concurso a que se vai
proceder nesta ins|)eccao, tanto para provimento
dos lugares de esrrivo do almoxarifado e seu
ajudaute, como de dous amanuenses da secretaria.
Os pretendentes devero inscrever^e no men-
cionado praso, e exige-se-lhes que tenham boa
letra, bom com por Lamento, e a idade de 21 annos
completos, assim como saberem grammatica da
lingoa nacional, principio de escripturaco por
partidas dobradas, arythmetiea e suas apphcacdes.
Inspecco do arsenal de marmita de Pernambu-
co 2 de maico de 1869.
O secretario,
____________Alexandre Rodrigues dos Anjos.
O administrador da recebedona de rendas
internas geraes declara que tendo-se concluido o
lancamento do imposto pessoa I do exercicio cor-
rente de 1868-69 das freguezias de S. Jos e Boa-
vi-ta, fica marcado o praso deste mez e de marco
futuro em que devo ser pago o referido imposto,
sem multa, das sol reditas freguezias, como deter-
mina a ordem n. i 7 do ministerio tfepienda de
30 de Janeiro ultimo.
Rocebedoria de Pernambuco' 19 de fevereiro de
1869.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Declarado.
P^la secretaria da cmara municipal desta cida-
de se faz publico, que a mesma cmara principia
a sua primeira sossio ordinaria do corrente anno
em o dia 11 do corrente.
Secretaria da cmara mmnicpal do Recife, 6 de
mareo de 18!>.
O secretario,
Francisco Canuto lia Boavicgem.
THEATRO
DE
S. ISABEL.
EHPREZA DRAMTICA
* DK
j>oai*wa aswsia^
4a iii: i r i de issn.vinm
Sabbado 13 de margo.
Primeira representarlo do magnifico e appara-
toso drama histrico de grande espectculo, em 6
actos, ornado de msica
t
ou
A descoberta da America,
Actores.
D. Mara Vclluli.
D. Julia Azevedo.
D. Clelia.
Joaquim Augusto.
Primo da Cosa.
D. Apolonia.
Eduardo.
Jos Victorino.
Lessa.
Thomaz. ,
Mart nho.
Brochado.
Couto Rocha.
Jos Guimaracs.
Jordani.
Personagens.
Isabel, a catholica, rainha de
Castella c Leao. .
D. Mara de Gusmo, dama
de honor......
Ona, rainha de Haity. .
Chrislovo Colombo. .
Diogo........
Peregrino (irmo de Colombo)
Bartholomcu......
D. Luiz, duque de Fonseca.
Fre Pauto Marchena, confes-
sor da rainha.. .
Rodo, aventurciro. .
D. Jos de Escobar, tabello
regio. .....
Tubaro, marinhero. .
Antonio, dem.....
D. Pedro de la Cueva, cama-
rista.......
D. Filippe de Vega, capitao.
Um aleaide-mr.....Florindo.
Um pagem......* D. Francisca.
Olrma. indgena.....D. Carolina.
Marinheiros, soldados, frades, fidalgos, mendi-
gos, povo geno vez, eastel lanos, indgenas do Haity
de ambos os sexos^
DENOMI.NACAO E POCAS DOS ACTOS.
1"O incendio e a fugaGenova1489.
2oIsabel a catholica -Castella1492.
3"A revolta a bordoNo Occano^1492.
4oJustica e injusticiaHaity1496.
5oA recompensa tard aSevilha1503.
6^0 martyrio do genioValhadolid1506.
A ACgAO DO DRAMA PASSA-SE '.
Io acto cm Genova casa de Christovo Gdlombo
2o dito em Castella, convento de Arrabida.
3 dito no mar, bordo do navio almirante
4 dito na ilha do Haity, possessoes da rainha
Ona.
3" dito em Sevilha, palacio de Isabel a catholica.
0" dito em Valhadolid, una cstalagem.
Todo o vestuario novo e da poca.
Todos os accessorios- sao ricos e o scenario a
capricho.
O 3o e 4o actos sao inteiramentcnovos e do h-
bil pincel do Sr. Chapelain.
Nao se pouparo esforcos nem despezas, alias
avultadas para fazer subir scena este drama
com todo o apparalo e riqueza que requer.
O scenario do 2 acto que figura o navio de
Colombo, com todos os seus accessorios, magni-
ficencia c movimento nutico, de um soberbo e
surprendente efleito, afora as belhssimas scenas
dramticas que adornam este acto. A contcstu-
ra histrica ao drama, e os lances patheticos que
elle contm, sao de nm alcance eminentemente
moral, magestoso e verdadeiro I Encontrase
nelle com profusao e verdade, as scenas singelas,
mas religiosas da familia ; a pugna heroica do ta-
lento contra superstico, o erro e a inveja pala-
ciana ; a luta dos elementos, a intriga dos aneos,
a descrenca dos nimos ignorantes e a forca po-
derosa do genio protegido pelos raios luminosos
da providencia. E' urna concepcao real, aue hon-
ra o seu antor. c que deve ser vista e apreciada,
em toda a sua plenitude, por um publico {Ilus-
trado.
Comecar as 8 horas.
Os bilhetes aeham-se j a venda no escriptorio
do theatro.
O empresario aproveita a occasio para agra-
decer ao distincto scenographo o Sr. Chapelaim, a
offerta que lhes fez do soberbo panno do 2o acto,
representando urna floresta do Haity.
Domingo 14 do corrente
ha neste theatro espectculo em grande gala para
festejar o anniversario natalicio de S. M. a Impc-
ratriz.
A empreza roga as pessoas que encommenda-
ram bilhetes para este espectculo, (bem como
para o espectculo de sabbado 13) o favor de man-
da-Ios buscar at amanha ao raeio dia.
AVISOS MARTIMOS.
C6MPANHIA PERNAalBUCANA
DE
Xavega^o costeira por vapor.
Mamanguape.
0 vapor Cnruripe, coiumandante Penna, seguir
para o porto aema no dia 12 do corrente as 6
h*ras da tarde, recebe carga at ao meio dia, en-
commendas, pa'sagens c dinheiro a frete at as 3
horas da tarde do dia da sabida no escriptorio do
Forte do Matos n. 12.
inspecco do arsenal de
arlaba.
Faz-se publico qie a commissio de peritos exa-
minando, na forma determinada no regulamento
annexo-ao decreto n. 1324 da 5 de fevereiro de
1854, os cascos, machinas, ealdeiras, apparelho,
mastreacao, veame, amarras e ancoras dos vapores
Pirapamafiiquie CoruripeM companhiaPernam-
bucana de navegacao costeira, achou todos esses
obiecios em estado de poder o vapor navogar.
Inspecco do arsenal de marinha de Pernambu-
c 11 de marco de 1869.
H. A. B^A^Vlmeida,
Kio de Janeiro
Para o indicado porte segu com muita brevi-
dade o velero e bem conhecido brigue Adelaide.
por ter a maior parte do carregamento tratado ; o
para o resto que lhe falta e escravos a frete, tra-
ta-se com o consignatario Joaquim Jos Goncalves
Beltro, ra do Trapiche n. 17,
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
DE
MaVegaeo edsicir.t por vapor.
Parahyha, 'Natal, Mco, Mossor, Ara.
ealy, Ccar, Mondah.Acarac
e Granja.
0 vapor Pirapama, commandante
Torres, seguir fiara os portos cima
_J. no da 13 do corrente as 5 horas
da tarde. Recebe carga at o dia 13, encom-
mend.is, passageiros o dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do da da sabida no escriptorio
do Forte do Mallos n. 12.
<1OHIA\||| A
DAS
Mcssagcries imperiales.
At o da 16 do corrente mez es|iera-se da Eu-
ropa o vapor fraucez Estremadure, o qual depois
da demora do costume seguir para Bahia e Bio
de Janeiro. ,
A-vsa-se aos Srs. passageiros que por delibera-
Slo do conselho de administracao se acham rc-
usidode frs. 125 as nassagens de segunda clas-
se para Brdeos e Lisboa, assim como se conce-
deram bilhetes de ida e volta para os portos do
Brasil e Rio da Prata com 25 -/ de batimento
polo tempo de seis mezes.
Para eondirdes, fretes -e passagens trata-se na
agencia ra do Commercio n. 9.
GOMPANHLV PERN.VMBUCANA
DE
tfavegaco costeira por vapor.
Macei, escalas Penedo e Aracaj.
"71 y O vapor Potengi, commandante
y^AL. Pcreira, seguir jiara os portos cima
wtmW no dia 15 de marco as o horas da tar-
de Recebe carga at o dia 13 as 3 horas da tar-
de, cncommendas, passageiros e dinheiro a frete at
as 3 horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
do Parte do Mallos n. 12.
COMPANHIA PEUNAMBUCANA
DE
Wavegaco costeira por vapor.
Goianna
O vapor Mamanguape, com-
mandante Mello, seguir para o
porto cima no dia 16 do corren-
te as 9 horas da noite. Recebe
carga, encommendas, passagei-
ros e dinheiro a frete no escriptorio do Forte do
Matos n. 12.
COMFAMA BRASIlMt
DE
Paquetes a vapor.
Dos portes do sul esperado
at o da 21 do corrente o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante
Alcoforado, o qual depois da de-
mora do costume seguir para os
do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia desuachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sahida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a_ 2
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar dcstes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-sc aos Srs. passageiros quo suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
! andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
Coiupanhiiraniericana e brasilei-
ra de paquetes a vapor.
At o da 16 do corrente esperado de New-
York por S. Thomaz e Para o vapor americano
South America, o qual depois da demora do costu-
me seguir para os portos do sul : para fretes e
passageiros trata-se com os agentes Henry Forster
& C.. ra do Trapiche n. 8
COMPAliA BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 14 do corrente o vapor
Ornar, compiandante o primeiro
tcnente P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga qin.;o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua rhegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o da da sua sahida as 2
borlo.
Nao so recebem como encommendas seno ob-
jr.tos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
Tudo que passar dcstes limites dever ser embar-
cado como carga.
Prevne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo &C._________________________^_
Para o Porto
Segu sem demora a barca portugueza JVoro
Silencio, por ter grande parte da sua carga promp-
la, para o resto e passageiros aos quaes offerece
excellentos commodos trata-se cora Oliveira Filhos
& C., largo do Corpo Santo n. 19 ou com o capitao
na praga do commercio.
Para Lisboa
Vai sahr com muita presteza o brigue portu-
guez Constante II por ter grande parte do seu
carregamento prompto : para o restante e passa-
eiros, trata-se com Oliveira, Filhos & C, largo
o Corpo Santo n. 19, ou com o capitao na praca
do commercio.
COMPAMA PERNAMBUCANA
DE
COftSELHO DE KEC iO
Os Senhores.Saunders Brothers & C. Tasso
Irmaos, Luiz Antonio de Siqueira.
CKREOTE
0 SE. F. F. BORGFS
Restando ainda emittir algumas acees d'esta companhia, da quantia nominal de
200,5000 cada urna, das quaes s se aceitam em virtude da lei, O /, ou 400000 por
cada accSo; convida-se pelo presente a publico em geral o especialmente aos Srs.
capitalistas e interessados no commercio, que queiram dar emprego seguro aos seus
capitaes, disponiveis, a subscrever o numero de accoes quo lhes approuver.
Algumas destas accSes j tem sido tomadas por pessoas que conhecem a vantagem,
de na presente occasiio (conhecidimente a melhor), empregarem o dinheiro de que
poderem dispr em objectos de valor real, como vapores, predios etc., que lhes garan-
tam seus capitaes.
A companhia possue hoje 10 vapores, 6 inteiramente novos, e destes o ultimo est
a chegar de Inglaterra, onde foi construido expressamente para ella.
Alm disso est edificando vastos armazens, no terreno que possue no largo d'As-
sembla.
Seus dividendos tem sido de 10 / ao anno, nos ltimos 4 annos.
As accoes que se emittirem gozam dos mesmos direitos, e perceberlo o beneficio
dos mesmos dividendos que os antigos em proporco da entrada.
RccebeoMe assignaturas no escriptorio da companhia no seu edificio ao caes da
Assembla aTTa
Rio de Janeiro
Para o iwrto cima segu em poucos das a es-
cuna dmamarqneza Hygea por ter parte do seu
earregamento engajado: para o resto ue lhe
falta trata-se com Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
no dt C.rna da Cruz n. ."7.
('A>\UA.MIIA ESAMBCAA
DK
Xavega?sio Femando.
O vapor Giquii, eommandante Aze-
vedo, seguir para o porto cima no
_ da H do corrente s 4 horas da tar-
de. Ilecebe carga eneonuiiendas, passageiros e di
nhero a frete airas loberas do dia 13 (abb?.d-
D(i escriptorio ik) Forte do Mallos n. I.
Para Lisboa.
Segu com muita brevidadt a barca portugueza
Giatido, tem grande parte da sua carga promp-
ta ; para o que anda Ida falta e passageiros, tra-
ta-se com Oliveira Filhos 4 C, largo do Corpo San-
to n. 19. ou com o capitn na praca do commercio
Loaiida
O brigue portuguez Benninda, capitao Silva, i
chegar de Lisboa, sahir para Loanda ikiucos dias
dr|ms de recolhido a este porto : jwde receber
alguma carga, e irata-secom o seu consignatario
Joaquim Gerardo do Bastos, ma do Vigario n
16. Io andar
Par* P#rto
Vai sabir cora muita brevidade a veleira barca
Flor de S. ftinUn visto ter parte da carga enga-
jada, para o resto o passagens trata-se com n*
consignatarios Canal no & Nogueira na ra do
Apollo n. 20.
LEILOES.
LEILAO
le fazendas avarladag
iioji:
Izidoro Bastos & C. faro leilopor intervenri'
do agente Pinto e por conta e risco de quem per-
tenec' de 33 pecas de estopa avariada a bordo do
vapor inglez Alhumbni, na sua ultima viageui de
Liverpool este porto, na mesma occasio expor
a venda outras fazendas inglezas, as quae^ sero
vendidas para lixar cuntas : o lelo principiara
as 10 horas do dia cima dito em seu armazem
ra da Cruz n. -.'.
LEILAO
De 71 quutacs de pao Brasil.
72 di los de tatajuba.
116 arrobas de ferros wlhos.
38 ditas cm 2 bombas.
i'-ti't libras de metal.
Cabos, espas, etc.
HOJE.
0 agente Pestaa far leilo por canta e ruco
de quem pertencer, dne objectos cima, em lotes.
sexta-fera 12 do corrente, s II horas da manha
por delraz ilo trapiche do Visconde de Suassuna.
a bordo de urna bal caca, que ir botar os objectos
aos arrematantes.
LEILO
Da fabrica de carros e de mar-
clneria. como da uiobilfa per-
tencentes ao Mr. F. Poirier.
O agente Oliveira far leilo por ordem deste de
2 caleches nuvos e proraptos para forrar.sendo um
rom vdracas. 2 cabriolis sendo tin^novoe outro
usado com varaes de todas as qualdades para
cabriolets, ac |iara molas e paralusos para carro,
uina serrara ui.vda por manejo com seis ierras
circulares e mais Trramente, indurado machina
para furar forro e madeira, um torno para madei-
ra e de rosca, tudo completo, safos e bigornas pa-
ra ferreiro, folies para forja, martellos, tenazes.
moldes d'aco, tomo de ferro e mais pertences
completos para fabrico de carros e aviamentos pa-
ra os mesmos, bancos paramarcineiro, ferramen-
ta* c mais utencilios para este ofllcio, e finalmen-
te de boa mobilia eonsistindo m consolos cadei-
ras, guarda vestidos, sof e marqueza, aparador,
mesa de meio de sala, de jantar e outras, tourador
carteira, tudo de amarello, camas de vento, bi-
dets, cadeira secreta, loucas, armarios pintados
sendo um para guardar arreios de ranos e inul-
tos outros artigos anlogos aos misteres indicad .
Segunda-Wn 22 do crrante,
as 10 horas da manha no prnprio estabelecimen-
to do referido Sr. Poirier, ra do Imperador n.
9, defront do convenio de S. Francisco, onde os
nrofessiooaes e pretendentes podem ludo awni-
par com antecipaco.
LEILAO
lia ariiiiciio. $az, gneros e per-
tences da taberna n. 53 da
na TVova.
O agente Martins far leilo a requerimenlo do
testamentriro do finado subdito portuguez Anto-
nio Ferreira Gomes, e por de-parho do Illm. Sr.
Dr. Claudino de Araujo Guimaracs cnsul- de
Portugal da taberna cima.
Segunda-feira 15 do corrente.
Ae II h^ras d > dia na mesma taberna.
De predios e escravos.
A SABEB:
Urna- casa nova edificada em chaos proprios
ra da Ventura n. 10 (Capunaa), com sitio mura-
do e plantado, 80 palmos de frente para 10a da
Ventura e 330 palmos de fundo para o porto do
Jacobina e com cacimba.
Urna casa terrea n. 3 da travessa da ra Impe-
rial ou do Hapozo, em chaos proprios.
Urna casa terrea n. 36 da ra do Amparo (Olin-
da), edificada ero chaos proprios com grande
quintal.
Duas escravas quitandeiras, sendo que urna
boa lavadeirn.
Segunda-feira lde marco as U horas cm
ponto.
O agente Pinte legalmentc autorisado far leil >
dos predios o escravos cima mencionados ts 10
horas do da cima dito em seu escriptorio ra
da Cruz n. 38.
i
I
>
\\
De escravos c de nm cofre.
Sendo una escrava preta de Dome Miquilina do
47 annos de idade, um escravo pardo de nome
Salvador de 41 annos de idade, um dio preto d
nomo Paulo con 23 annos, outro tambera preto
de nome Lindolpho e de idade 16 a nnos, outro
preto de nomo Quirino com 17 anno e finalmente
um preto de nome Dionisio do 18 annos, Mais
um cofre do ferro para dinheiro.
Quarta-feira i7 do corrente.
0 agente Martins com autorisacao do Illm. Sr.
vice-consul de Hespanh* nesta provincia e em
presenca do mesmo far leilo dos escravos e d<
cofre cima pertoneentes ao espolio do subdito
hepanbol Jos Filipp Martinez, as 11 horas do ,
dia mencionado o na port da casa n. 5 da ra
da Cruz.
AVISOS DIVERSOS.
Jos Soares de Azevedo, professqr de
lingua e litteratura nacional no gymnasis
provincial do Recife, tem aberto em sua
casa, ra Bella n. 37, um
CURSO DELINGUA FRANCEZA
DE GEOGRAPHIA E HISTORIA
DE PIIILOSOPHIA
DE RIIET0AICA E POTICA.
Os cstudantes qne pretenderem frequen-
tar qualquer destas discipliuas, podem diri-
gir-se indicada residencia, de manha at
as 10 hoias, e de tarde a qualquer hora,


Diario de Pernambuco Sexta ferro 12 de Marco de 1869.
31
mnibus de Olinda
Do di;i 13 sin lian
/ Imris (I-'Olini f ij;,
para Olinda IjavcnJ* Minente das
7 da nunli'u liara Oliuda i: 4 di tardo, u do (Mui-
da para o Iteeife 8 Ir! da nirehila e .*> l^ da tarde.
O* hilheteH d;i lotera, garantido.*, da luja da raa
da Cadoia n. 9 ; ponto milito roinuiodo para o?
fouradores do Rerirc
-^ H3
V<\\\ ." drt Kijrtiera baria, lendo do mandar
rar sabbado i; dpeorrent, retinto di, alga-
reas inissas no convento de s. Francisco das o as
6 ir. ras d:i mathSa, or alma de seo presado pa-
driaho e amigo los! Ignacio Pereira Torres, falle-
ido no da s (|(v eorrente rnez, no engento Pedre-
gtt&M cm azarotu, convida peto, presento a lodos
vi sou5 parentes e amigos, assim como aos do
mesTio tallecido, para assisrem a bssc acto de
ifii c caridadc, pela que desdo j se sondea i
etemaint-nie rato.
Temi a sociedado Liberal l'uiao BeuoOceote
lo mandar dizer una missa no rila !"> do olien-
te, como manda n art. "'>' da W tota mesma
sociodadrt, convida ; lodos os ocian i compar-
la ta 7 h iras do dia mencionado, na Igrerja da
Madre de Dens, aflm do abrilhantarom esto acto.
1 :.-iiV. 9 rk 1113 reo do 1809.
Antonio ffrmofJ do Nuicimmto,
i" si'i'iotario.
AMA
Prefina-se de OlU ama: n.i na da Matriz da
isla, "! *o a. 12.
- <
"v1
Andr- Xavior Vianna. Innocemrk) taer Vian-
in, Innr.oencio \ ivtor Vianna Spbrinlio, rtiomaz
de Aquino Godioso vianna, tean de mandar -
randa tetra 13 do eorrente, elebnir algninas mis-
,;.|: ir alma de seu prosado liiii. rman c senri-
nho o capitao Andr X ivter Vianna Jnnior, faHe-
: i l de dezembro prximo pa&sadd no
11 de Lomba Valentina, rjo territorio Para-
i), convidaui pelo presento atoaos oeparon-
les e amigos d i m '-mu para assistirem a este acto
do caridadc, qno tora Ingar na matriz do Corpt I
Santo as i> horas da inannaa do referido dia.
cosinbar e coni-
: na ra da Pe-
Precisa-se de urna ama para
para casa toponea familia
nha n. 27.
JUK I LHTE
a-
Muga-se urna ama do ante, escrava c sem
iia ra das Croa n. 7._______________
- Precisa-so le !l>Ja prc.nio ><>U hypoihe-
:i cm inorada de casa edifirada de novo : a I ra-
li n bi rriM das Barroiras il 17. ____
Pon ii d i oo n a*M i" i piomptido
em casa de nina familia : na ra d<> Padre Flo-
n. 71. 1 andar.________________
' Aiuga-se rana II i uta roa. ireita
rom tuna roela amia no fundo, 1|ue deila para a
na da* Aj.iis \Vrdcs : na ra nova de Santa Hi-
ta sobrado n. >"i.
A Perfumara Victoria boje mnito procurad!
pela (lor da aristocracia, e das elegantes, por
cansada fabricaco superior dos productos des-
tinados aos usos do tourador, c cutre os quae?
ella creou urna cspce.ialid>dc cm cada artigo.
Os seos rovos perfumes, preparados eoir. *
Essencia de Ylnngytting, que ella oblem meamo
as ilhas Phi ippinns, pela distillafo do Uona
uJuftttissima, n3o lemem ncnliuma conrurreacia,
no que diz respeito fineza c snnviriade do cheiro-
pelo cue aionsellilmos ao publico elegante qu?
peca como perfume, para o lenco
O EXTRACTO DF. VLANGYLANG
O BOUQIET F. MANILHA
Alcm d'estes dois e\tracios eNcepcionaes, qnt
*Ro propriedade exclusi\a de sua caaa, os Snr
Rigaud e C% prepanlo igualmente, com parlicu
lar perleifo, todos os extractos adopl&dos pei.
moda, c entre os quacs cilarcaiOo os seguiste;-:
Jockeyjlub. Vilela. Reseda.
Ess. Bouquel. Narcthale. lasmm.<
Feno fresco. Housteline. Nugnoiia,
Flor dos prados. Rondeletia. Rosa musgosa.
TOI.lTI\A llll.llll
E' uma Agua ndiniravcl para o toilette, cous-
titueella ovordadeiro talismn da belleza, e con-
se; va a pello fresca, c a lez do rosto branca. E'
ultima cxprcsso da sciencia. Er'. por todos
reconbeeida a sua incoiitesiavel superioridade
sobre as aguas de Colouia, a agua de Florida e os
vinagres aromticos de niaior nomcada.
v
O I. ICO E POMADA MinANDt
Exccllcntcs prcparaeOes que se pode ir chamar
o thesouro do cabello, e que, con:;>ostas de subs-
tancias tnicas c fortificantes, cmbellezSo e con-
servo o cabello, ao me^mo tempo que la? com-
municao um cheiro suavsimo.
SAHO HinAND.%
Qacm comparar este sabo com o que ae
vendem por ahi, fcilmente rcconhecera supc-
riodade do resso. Este torna r. culis muilissimt
macia, faz uma escuma abundante que forrra um
verdadeiro hanho de leite, e nada deixa a de3ejai
como delicadeza de perfume-
DI MOItIVt
PASTA DIVrilltKIl
A Dentonna um elixir dentifricio dos mas
suaves : perfuma c refresca agradavelmente a
boca, fortifica as gengivas, e preserva os dentes
da carie.
Esta pasto dentifricio. fez ama verdadeira re-
voluto na Perfumara; acabou para sempre com
os pos e opiatas, que sio mais ou menos cidos
oo pergosos. Basta passar ama escova hmida
por cima, para obter ama mucilagem suave e
unctuosa que torna os dentes perfeilamentt
brancos. ^^^
POS ROSADOS
Preserv Jo a pelle do rigor dos ventos e do fro,
commuoic.3o-lhe uma agradavel frescura, e !*
venem as sardas. Sio superiores aos pos de arroz
de amldo. Sea perfume delicioso.
Deposito em Pernambuco,' en casa do S"
DO
BRASIL E PORTUGAL
Simado em um dos LaiiTcs tKiis ocnlraes do Parte, seodo as kmiediacfcs dos
.i incinaes tlteatros e outros muitus diverlimenins. c assim das ostm-or-s dos camiiilios de
ferro para todos os pontos da Europa, acabado de ser inleiramcnte renovarlo, nao se
I
ferro par;..,
tendo poupadoo seu novo propietario a despozaspata seu cotnplelo embellesan.entoe
acoio, torna-se portanio vanlajosamtiile- recommcndavd aos senliores lirasileiros n por-
tugowes, a onde ena-ntrai-ao sempre aquella convivencia desejada em patz esti-anlio,
por ser constantemenie frequentado por snus comiiatriotas. o IratameitU) superior a
todo o elogio, mesa redonda, ou a carta, ou servida nos aposentos : habitaces (..nve-
nientemente despostan para familias, e (|uartos para uma s possop, o soivi.o 6 ieito
com a precisa regularidade : os procos muito rasoaveis e ao alcance larnbem d aquellas
pessoas que se queiram limitar.
Gabinete de leitora com os principaus jortiaes dos dous patees, silo de recepcaoe
de msica, etc. eU*. Todas estas vaniagens podeiu ser appcadas igualmente aos senlio-
res passageiros das repblicas do Piala, porque alm da sPnelIranca da lrn contraro muitos senliores hespanlioes, por quem tanihem esta casa bstanle fre-
quentada.__________________________'_______
Aluga-se
um {.'lando telluiro que serve de armazeni para
uma grande coebeira ou ollicina de qualqucr
arte, na ra de Apollo n. i-I: a tratar na ref'ma-
oo-da roa da Senzala-nova n. 4._____________
Precisa-se de uma ama para comprar e 00-
ziuliar. c maiwr*10iis internos de ea sopessoa: a tratar no becoo do Lobato n. 8, so-
brado de um andar. ______________
l'iv-i-a-se arrendar un engenbo que soja
perla de embarqne por.agoa oo por torra atra*
lar na roa dos Prazeres n. I63 das 4 as S horas
da tardo.____________________
AJuga-oe urna p6.pii na casa na travos* do
S, Joao n. 38, nortao encimado, prcfodeApor
mrz: a tratar no sobrado unto a fabrica do gat.
('- abalxo assignado* partieipmn ao repei-
tavt l corno do eotninerfh) e ao puMieo ern peral,
Ra do Rosario n. 79,
sobrado
Agenda k negocios da corle pa-
ra as provincias e dcslas para
i'.
a cflrl
Sob a cKrocfSo do advogado Francisco (arlos
randao, aclia'-se ostabclecida na cdadC do Pi de
) activo
mareo
quer negoefos jodieaes eml-c V instancia, como cargo do soelo Joaqntm Porc.ra Arantes o
aeches civeis, crimes e conimereiaos, recursos, ap- e paMvo da exlmfla firma. Bcrtm W u.
Joaquina Pereira Aranlcs.
Antonio Francisco Pereira Lyra
ronte o
istia
Gabinete Portuguez deLeitura
rBHdBECO
lon^elho delibera^*
Pelo presente convido lod >s os Srs. membros do
conselbo ddiberatlvo, a reonir-se emsessao ex-
traordinaria n dia 15 d'j corrate s G 1 z horas
da tai Ji. na sala das sessocs, am de_se tratar de
negocios transcendeotes, por convncaco da direc-
toria, de conforoMdade com o S 21 do rt. 8 dos
estalMos.
Secretaria do cmH-lbo deliberativo, 11 de marco
.1-, 18!^.
v. l'i'.nira Chave luntor,
Coiuselho de compras do arsenal
de guerra.
0 ccnwlho da eompras do arsenal de guerra
precisa comprar o'seguintc :
1 bandeira imperial do fuelle din suis pannos.
1 uustru para bandeira com 50 palmos re
r imprirnento.
As que (Juizcrcm vender ditos artigo*,
proposlas en: caria feobada na
s.Ja do cu'i- -lli >. as It borato do dia 17 do cor-
te.
OonM-ilio d>- compras do ar.-enal de guerra de
Pernaiubnco 11 de.mirco do 1869.
F. Kaphael do Mello liego,
l'iesidL-n'f.
Jos Baplista de Castro Silva.
Secretario. ___
Bois aprehendidos
Foram aprehendidos d ms bois de carioca, que
i sorem fortados; quem firseu dono, di-
rji-se ao caes do llamos n. 10. que dando os
signaos e pagando as de*pezas, Ihe serio entro
pues.__________________________________
sociedade B^neficenle
dos rdala* aUaates, por ordem da directora
i todos scus socios para se reunircui em
assembia geral, no domingo li do eorrente, as 9
horas da manbfia, para elcirer i nova directora,
i n mandan os estatutos
Becife, 10 de marco de 1869.
Jos do tpirtlO'Sanlo c Silva,
1." secretario.
Quem precisar de urna a mi para casa de
liomemsoltero,para cosinbar e.qiieeng.Mninabem,
dirija-se a ti avessa da ra di Qiomiado n. 5.
^^)7 abaixo assignados fazean .-ciente ao res-
ve.l corno doeommereio. quedeixou do ser
caixeiro o Sr. Francisco Eutrenio Nogueira,
'de 1869.
Seucas & Baccllar.
Fu;.!" o.- noido do palhabore nacional ....-
ro, mu mulato ca.o de nomo Juslino, estatura re-
gular, cbelos carapinhados e meios ruivos, pouea
barba, tem uma pinta pretano canto do olho diroi-
tn e um tallio as costas ao mesra lado,; lovou
volido camisa de chita com IBtas verdes, e usa
de uma cinta com borla encarnada para apertar
as cals.is, natural do Sania Anua do Matto na
provincia do Rio Grande do Norte, para onde tal vez
queira ir. tambem muito desembaracado no fal-
lar. Uemmmcnda-sc aos mestres de barrara on
a qnalquer pessoa que o agarrar, r, levar a ra
do Trapiche n. h ou a bordo do referido navio que
ser generosamente gratificado.
HSPlr'i
ri-itiiiiiii
III
n

A
\
II lili
Folheto spni.'itiiil
PROGRAMMA:
O supradito folheto em 16 paginas de
impresso etc., etc., eccupar-se-na exclu-
sivamente.....de tu lo.
Redaccao :
Capitao Salabardo!,-.....(Critica lit-
teraria o saldes.) ,
Cavalleiro De ProfundU.....(Notsias
frescas.)
i Dontor Fausto.....(Moras dem.)
i Bario de / | Yisconde do O'......(llieatroe typos
f. das ritas.) ()
Pieco 200 rs. cada numero. .
Impresso ntida, eooea de arregaiar
o olho. Reconuiionda-se a leitura prin-
[ cipalmonte aos niyopes. E adeus I
O primeiro numero ser dido luz no
sabbado de allehtia. Mao dia E adeus '.
A" venda onde se annunciar, no dia do
nascimento do Diabo a Cinco.
(I Estio rocontiecidas as firmas pelo
| tabellio Pntliti de Soaza
Agarrem-n'o.
O bem eonhecido cscravo da padaria da roa
do Lima em Sanio Amaro, o qual costumava ven-
der as tardes pa de leite. Este negro maneta
do braco esquerdo c costuma tirar a camisa e
com ella cobnr odefeito. Consta que jbl visto a
bordo de urna barraca. Pedo-se a poliria ou as
pessoas quo o conbecem, a prisao do mesmo
N. B. Este negro quando toma cachaca, tpr-
na-se muito tallador. Gratificr.-seaqu3m o levar
a casa cima.
Gremio Philosophieo Litterario
Da ordem do presidente do Gremio Philosophieo
Litterario convidamos aos socios efectivos para a
sessSo preparatoria que deve ter lugar as 3 horas
da tardo do dia 13 de marco no lugar do costume.
0 Io secretap,
V. S. Pereira de Lemos.
peflaeSea. aggravos, revatos, debas per?
jury, reclamacfs de antiguidades do mag
dos. etc., etc. *
Incombe-se outro sim de Hquldacoes cnonner-
riacs, de verificaees, e ajustes de contas, de co-
I brancas de dividas, desrrecadaees de lierancas,
de matricula de juizas, e commerciantes, e em ge-
ral de todo c qnalquer trabalho (rense, 00 que te-
nia de ser felto peante as repartieses administra-
tivas da corte.
Mediante as condieese garantas que rom ;s par-
tes estipular, adianta dinheros sobre as arrecada-
cots c direitos que Ihe parecercm teguro, e li-
'piidos,
Presta-so a fornecer aos sens committente? a-
mformacoes que exigirn, e que pudor obter, so-
liic assimptos e.lteresMS quo Ihes digami .--
peito.
Seus honorarios e eomniissSes serio razoacemd
moderados, regulando-se pela importancia e fii-^ i
euldades que olTercrerem os negocios comet-s
tidos.
As pessoas que dos seus serviros se qmzerem
utilisar, poderao dirigir-se pessoalmento, ou por
carta ao eserptorio cima indicado, devendo nn
sopunda hypolhese remetter os doeu:iicnlo> que
liverefi ou Vopia liel del los, c una informaeao fir-
cujastatK-iada, escripia, e assignada sobre o nc.-; -
ci ou negocios que liverem de ser trSTWHw. Alwn
dcsta remessa os scnhoi es que morarem fora do
municipio neutro, e em qualquer das provincias
de verao competen temen :e autorsar a pepea ido-,
nea, residente na corte, com quem a agencia pos -a i
enlender-se e validamente contratar.
O fiel desempenho dos seus devores para com
todos, e especialmente para com aquellos, que rel-
ia confiarem, constitue o fundo capital, com que
a agencia principalmente conta, eporissotemo
mais vivo interesse em mante-lo, e ha de zela-lo
com a mais vigilante solieitude.
PREPARADOS i
N.3RAIREITAN.3.
As pflobs. o xarope alcohlico c
o ethereo de veame, conforme a
formula do finado pharmaceutico Pa-
ranhos, assim como a pomada con-
tra as inchaces erysiplosas, aclio-
se a venda, na botica de Francisco
Antonio das Chagas tita Direitan.
3, defronte do armazem de motila-
dos denominado viado branco. Es-
tes medicamentos teem sido e so
dos mais enrgicos agentes auxilia-
i dores da natureza fia debellaco das
doencas, servindo de grande alivio
a humanidade solredra, principal-
[ mente aquellos, que dispondo de
i poucos recursos e nao podendo por
muito tempo permanecerem cm um
t tratamento talvez intil, pela inefii-
[ cacia de cortos remedios, recorrem
elles ; e por isto asss recom-
j mendados se torn3o, para as pessoas
que soffrem de rhumatismo, escr-
fulas, ulceras, impigens, erysipla,
tumores nos ossos, tosse, asthma,
amenorrha ou suppresso de mens-
truo e menstruacao diflicil, sendo
porm usados conforme a direceo
escripia que os acompanha.
de im.
VERDADERO LE HOY
dslD-kSlGNORET.nicol
P t RII.
;oan r.:tn
precn S'; i-
raedios i dei-
ntrUJt li -odicii
r-sn i;.':ncru
u,Mt>cao Bot,c|
laiispiAS '' i ^'Oiotit
\ riwjo i4.2 mnarilio
aUsar.r.s^LiRoi t ubu,
i CMM i"i :i'T\fcr SIG^On^.T
i i u:u rt nn nn..
A'. /?.Sobre *1 cercho, debajo d i! upcl
isd ;ue lleva sei-L Py*fcU4Ct( Umm
t* te fdr- _
r ct trate* d#t ^K
el ( U i boMlU, S\s7' -----llJeZZ.
rft, > nttrUt o 7f <*'*u>l^p
1..0 najarme cor.
SI11C t OlltMC
mas.*;.
Per tcslc eivio d or. Ttle
ds 100 fn:o IcepUfcti so-
tw PkU 6 Londre?. se liac
1 mayor dascuecto potUil*.
>
Capsulas de Saquim
Os bons effeitf-s destas eapsulas para fazer cos-
tar os gonorrheas acham-se comprovadas pelas
experiencias de muitos annos.
Os mdicos de todos es paites as rocommidam
pela sua efflcacs*.
^ VLNDE-SE
NA
Pharmacia c drogarl
bu
BAIITHO.OMKI' & C.
Ru3ia larga aXlo Rosario34
FENTEADOS PARA SENHOBAS

s
SALN DE COIFFURE
DE
AIVDRE DELSUC
Ra do Crespo n. 7 primeiro andar
Andre Detone, cabellereiro de Partej empregado de Mme.
viuvn Leconte. tem a honra de participar ao respeitavel publico
que contraclou com Mr. (eorges, que se retira d"esta provincia,
tomar conta do seu salo de coilure da ra do Crespo n. 7.
Nutre a esperanca que seus amigo?, conhecidos e os fre-
gnezes a quem servia emquanto foi oflicial de Mme. viuva Leconte o
bvoreeerio, acompanhando-o no seu novo cstabelecimento, e tam-
bem que a bella t'reguezia de Mr. Gerges continuar a frequentar
o seu salo, certos de que envidar todos os seus esforcos para
merecer a sua confianza.
Acliar-se-ba sempre no seu estabelecimento um grande
soiiimento de cabellos de todos os tamanhos para coques, seja
qual for o feitio, de trancas, repentiz, frisos, bandos, etc. etc. etc.
emlim tudo que diz respeito sua arte.
Continuar a praticar no seu sal5o o mesmo que praticava
Mr. deorges : fazer a barba, cortar os cabellos, frisar e friccionar
com toda a promptido, asseio e delicadeza.
Aviso s senhoras
Tem a honra de participar s senhoras que o quizerem
honrar com suas freguezias, que podero manda-lo chamar, certas
de que sero sempre penteadas com gosto e ultima moda.

O
9
i
9
e
s
H
6*
O
t.
TRABAMOS EM CABELLOS
BOTICA E CASA
SEDAS PRETPAASRA A QUARESMA
A 36 O COVADO.
Vendem-se sedas pretas lavradas, fazen-
da muito superior, que com avantajada lar-
gura que tem, 14 ou locovados dao um
vestido, e sendo fazenda que em outra
qualquer parte nao se vende por menos de
4*000*. mas por se ter comprado uma
grandfcc-rco vende-se a 3?5iOO o covado
nicamente na loja e armazem do PavSo ;
ra da Imperatriz n. 60 de Fehx Pereira
da Silva.
77 RIJA DA IMPERATRIZ 77
Neste novo estabelecimento h um completo sorlimento de medicamentos, pro-
ductos chnteos, c drogara, tudo de primeira qualidade, c se vendem por menos do
que em los Inertes, por precos commodos; bem como xaropes de jurubeba ferriipnos^miples,
vinhos de jurubeba simples e ferrugino^ c o bem conhecdo xaropo de Paracar) es-
pecial desta pharmacia! Aviam-se recis a qualquer hora do d.a, e no.te, com promp-
tido cuidado, c pericia ; nao se negam a qualquer oceurrenca em casos^ urgentes O
socio gerente encarregado do estabelecimento mora no mesmo, para o que et*
promptoa abrir a porta a qualquer hora que for preciso. ^ ^ fi
Tabellas vermicidas
DE
ntonio iNunes de Castro.
Vermfugo eCcaz e prefcrivel todos os
conhecidos j pela certeza de seu resultado,
o j pela fcil applicacao s enancas, quasi
sempre mais atacadas de to terrivel
muitas vezes fatal soffrimento.
nico deposito,
Pliarmacia de Bartholomeo & C.
34ra larga do Rosario34
INJEGCO VEGETAL
MATIC
de GRIMAULT E C* pharmaceuticos ewi PARS
0 succes*. d-estainjec^o, piarada ^^!^taJ^J:J^^.t!^
luihoriada pelo conelho medico de Sio Peierriwrgo- ____
Deposito em Pernambuco. em caa de abara ".

RITA
DO .
CABUG
esquina
da ra larga do
Rosario.
ANNELD
,i
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender. A
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedias finas por prepos muito ele-
vados.
A5 loja est aberta at s 9 horas da noui.
esquina
da ra larga do|
Rosario.


Diario de Pemainbuco Sexta feira 12 de Marcp de 1869.
Attengao! attenpo!
tullherminr, Rodrigues d Monto Lima faz sc-
ente lies offlciaes de todo-; os eorg, que acaba de
recebar um comBletu sortiment de espadas, ban-
das, talins, talbanos e charlateiras, e n>ais per-
icnces. Aasiro comu recebeu taii]beio cbaoeos de
oleado para criados, do copa alta o baixa, com
cordl* de miro ou piala, e vende mais barato do
que wn outra qualquer parle, ua praca da Inde-
pendencia n. <7, junto a loja do Sr. Arantes.
SEGUROS
MARTIMOS
fCO*TKA FOUO.
A Coinpanhia Indemiiisadora, estabeleoind
nesta praca. toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamcntos e contra fogo
emedificios, mercadorias e mobilias: aa
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Trocam-se
as notas dn banco do Brasil e das eaixas tilines;
om descont multo razoavel : na praca da Inde-
pendencia n. 23. ___
Porgunta-so a~Dr. Joaquim Procopio de Pj-
ttueiivdo, rcsulcuie n corte, se como testamentei
ro o inventariare d is liens que licaram pelo fal-
leciinentn de I>. Marta Jusepha de Figueiredo Sal-
jrado, pode anruveitar-se da distancia em que se
nena em Pernambueo urna herdeira instituida em
i.sumieiito d'aqu'lta fallecida, para reter em si o
diaut'iroe jefas legados esta herdeira ; frustran-
do todas as deligencls, >iue at hoje se leni feito
parareeiier este lepado. A -nb-rvencan do lllm.
Sr. l)r. juiz de .-apollas da curte a ultima coiua
que rosta,e acpii se invoca para chamar a ratas
o testaiuenleiro reinisso, e obrlgal-o, sol as penas
da le, cumprir as nltimas dSposlySes do testa-
Miento. Reeiie, 4 do marco de 1809.
Para cozinha
Precisa-se de 11:11a pessoa que eozinhe bem
roa do Crespo n. 43, _________
DI
No cscriptnrio de Tasso Iriiifio*, na do Amo-
rta u. :17, ha para vender mrftrao do seda^zu
mais pertences para fono de 1 ai hom ocarr.
isa-se de duas
Na na do Pires 11. Is, pr
ama< para engonmiar o eozinliar.
IllIJHlill
Resta a venda um cscoltiklo soriiiiieulo de qb:
jiietos de rnarcineria, como sejam, mobilias de ja-
caranda, mogno e ama relio, oin-a nacional e estran-
gilra, do apurado go-to e por pro .0 razoavois:
ua na estrella do Rosario n. 3*. No-la magma
ejsa fazem-se rom perfeicn lodos 6s trahnlhns de \
palhinlia, como sejam, empallramelirtfi Be lastros
pira canias, cadeiras o suplas.
Joaquim Jos Gon-
palves Beltrao
RA DO TRAPICHE N. 17, i. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
jo do Minti, em Braga, e sobre os seguin-
les logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
GuimarSes.
Coirabra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde,
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalieao.
Lamugo.
Lagos.
Covfjna.
Vassal fValpassos).
Miranilella.
ueja. ;
Barcellos.
M
ITSIJiE
Aos 500 pares de brincos.
Cliegou e vende-se no Coracao
d Ouro, ra o Labuga, brincos de
mosmlias cqm urnafranja penden-
te a um rico desenlio e ouro de
>lo, pelo pequeo preco de 15,-jOOO
cada par. c baratissimo.
mmwmmm&mmm
0 advogado Dr. Antonio de Vas-
concellos Menezes de Drummond
transferio o sen escriptorio para a
ra do Imperador n. .onde pode
ser procurado todos os das uteis
das H horas da manhaa ate as 4 da
tarde, para os misteres de sua pro-
isso.
~aissis
BARTHOLOMEU & C.
p
Xarope
Aluga-se
Na ra da t'ad.ia do l.ife 11. 0, p
.itapar nin '-scravil para o cvico intcmdv e\tor-
no de nina casa de hoincni solteim.
Methodo Castilho.
Seeundino Jos de Kaiia sinnV*; professor par-
ienlw de inslriM^'ioolcini'iiiai' ndo m.'th.tdo Cas-
iftio.a>'i>a ao rospeilawl publico e.Tnn neciali-
ladojft pas de familia, que est aberta sua aula
.ie-led-'dia 7 do Janeiro, na ra da I'enlia 11. io,
prinmlro andar, onde recebe pcn>: mistas por
pree:i commodo : o nirsnio professor prnmetto
imito |e esim'rar no adiamntenlo do seus alum-
nos. Acha-se aberto desde o niosnio diaum cur-
se dfl primeirastetras anonto para aquella-; pes-
-oa- quenSo pnderem frequentar duiante o da.
ANTONIO EPAM1N0NDAS DE S
.MELLO tem o seu escriptorio de M.
advogado ra do Queimado n. 8, |
I 1." andar. g
Alberto.
por
OOO
4. Ferreira Villcla.
Photographo da oasa imperial
premiado em diversas exposi-
ffie.
Na sua photographia ra do Cabug n.
8, entrada pelo pateo da matriz tira retra-
tos por iodos os systemas photographicos.
Km porcelana Em vidro
Em talco Em papel
CART LS DE MSII V A 9$ A DZL\.
Os retratos cbtte-de-rvite sao collados
eia cartSo de luxo bristnl ou porcelana,
lourados ou lithographados, qitadrilongos
u viuhetas para o (pie existe urna varieda-
'le de t modelos a escolta de quera se re-
tratar. Para-as outras especies de retratos
temas caixinhas, potse-par-tonts, qnadros
p, molduras doufdlis e pretas eatsoletas de
ourao alHnetes simples ecom pedias pre-
cioss, havendo nos alinetes urna mimosa
variedade de feitios.
0 nosso eslabi'lecimento pliotograpbico
est sempre em dia com os melhoramentos
eprnoressos que na America do Norte, na
Europa ou no Rio de Janeiro secoisegue
ta arte photognphica, e para alcancarnii)s
tal fim nunca poupamos despezas' nem sa-
Hficios, de sorte que os nossos numerosos
Ireguroes nodi'm ter a certeza de que sem-
pre encontraran em nosso cstabi-lecimento
*Udo quanto a arle e a moda offerecer de
nom no novo e velbo mundo aas amantes
laphotographia.
PtIMEIRO LIVRO
DE
IEITIKI
eh.o
Dr. Abilio C. Borg"e*.
* VMC.K MEI.HOIIADA E ACMEMaD \
retida aa livrarfa Fraaeeza
m obrinlia, primi'ira que com Uil tuln
if'rii nopaiz, composta secundo nm
sjslema especial, abrevftdi. pb1(n ameno, o rmii'" dinVrebrt dis cartas co
nhecidas com o nome de A B C.
Recomeuda-a o fcto le haver sido adop-
tada para as escolas publicas de quasr to-
las as provincias do imperio, sendo por
^euaMde mu romance
loo Candido.
Um voluble em 8\ francez
Do menino aiiJor
L M V HKLNJAO NA PRAtLV PUBLICA
scena ni(\MM\fn:\,
1111 volume em 8*, francez... -J Assinam-se na livraria franceza ru
do Crespoe na cneardenarao Parisiens
j roa do Imperador.
Pede-se ao Sr. lemmfe-coronel Luiz
Francisco de Barros RgO, que d suluca)
ao negocio que tem com o abaixo assignado.1
relativo a sua letra e hypolheca qu. se
ada vencida, visto que nao lem-se dignado
responder as cartas que Ihe tem sido diri-
gidas, pedindo-lhe o comprimento de sen
ifci r.
Recite 3 de marco de I8C9.
Dr. Joo Francisco Xnrii'r Pues Barrito.
PARA USO INTERNO,
r. I. P A n A D O S SIMPLES
de juijbeba garrafa. i #000
Vinlio de junib 'ba garrafa. Ii5600
Pilulas dejurulHba vidro. 1*000
Tintut a de jurubeba vidro. OiO
Extracto bydraeoolico de jurubeba. 12#{i0
1'BEPABAHOS GOMPOSTOS.
Vinbo de jurubeba ferruginoso garrafa. 2t)00G
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 15000
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 25000
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurubeba pote CiO|
Emplastro de jurubeba bra. 2#500
. PARA USO EXTERNO
. A JURUBEBA*
Esta f-lanla 6 boje reconliocida como o mais poderoso inico, como um exccl-
lente dosobstruentc,e como tal applicada nos engorgitamentos do gado e baco, as
hepatites propriamente ditas, ou anda complicadas cora anazarchas, as inflammacoes
subsequentes as febres intemiitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazareba, as uodrope-
zias,ensipellas ; e associada as prepiraces ferruginosas, ainda de grande vantagem
jnas anemias, calorosos, faltas de monstruaco, leucorrbeias, desarranjos atcuicos do
estomago, debilidade orgnica e pnbreu de sangue, etc.
O que dizemos allirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illms. Sis. I ir. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
l'ereira do Carmo, Firmo \a\ier, Siha etc. Todos elles reconhecem a excellencia d'este
poderoso medicamento sobre os dentis at boje conbecidos para todos.os casos citados,
tanto que todos os das fazem d'elle applicac3o. .
Apresentatido aos mdicos e ao publico erageral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por tim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo dosapparecer a
repugnancia que at boje sentiam os doentes do usar dos preparados empricos d'elle, c
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinbam ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a a]>p!car-se, e que torna muitas vezes improlicuo um
medicamento, que podei ia produ/.r ptimos resultados.
Os nossos preparados so foram apresentados depois de bavermos con\ eniente-
mcnle cstudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bemeonhecer aspro-
priedades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folbas, fructas ou bagas, e a
duse conveniente a ppitcaeio, tendoalmd'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeicSo possivel. para o que nao poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possanios tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza "do que elles offei ecem a garanta, deque se pode encontrar, a prompta einfall-
vel cura de qualquer dos'solTrmentos.que deixamns innumerados, se forcm em lempo
applicados, tendo alm il'sso. medico en doente a vantagem deescolber nasnnssas va-
riadas preparacoes, aquella que melbor Ibe pode convir, ja pela fcil applicaco, e ja pela
complicafo das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
Asnossas preparacoes ferruginosas sao felas de forma que se tornam comple-
Uimentc soluveis nos suecos -astricos, porque procuramos oscompostos de ferro que
como taes estao boje reconhecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conbecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applicacao de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmnsf preparados.
Deposito .irenilde torios os preparados
Bo 31Ra larsa do Rosariot '1.
DOENCASi DO PEITO
XAROPE d'HYPOPHOSPHITO oe CAL
mm
Fara a quaresma
N I roa wtreita do Rosrie ir. '!>, sobrada do
mi andar, faaem-Se lloros a todas as i|iialidades
para ornamouto de igreja, altar, anderos o foduI-
Rarp, iiiclnsivf arcos, palmase rosas, e tudb quan-
to fnr concernente aos sacros actos ; assiin como
lircparani-se para lora com a maior presteza qual-
quer encmniiienda ueste genero ; cutio sini lain-
bem se Euem flores mimosas pcopnas para enfei-
lar vestidos, sniotes e capacetes \ anjos, e mais
barato que em outra qualquer parte. Na menina
eaa se enconlrain j prepatradiis e promptos
vi ndi o Mgujuto : cei tamos de seda enfeilado-
canulillio com flores Beeera proprios para do-
niingo de llamos, vullas enfeiladas ricamente, bor-
dadas a ojiro/proprias para baptizados, capeltas de
flores para meninas.' uov;u. .Mein disto se en-
rumbem do preparo de bandejas de bolos Utos
enfeitailas de pouformidade ao Hu a que *e dosti-
11a. (|ii'T seja^iara ca-amentos, ripio para bailes ;
fawm taniliem vestelos para a qnaresina ou ontro
pialquer que so piwisar com a maior promptidan
e asseo.
Fundico da Aurora.
Neste vasto estabelecim-nte sempre seencontra
um completo sorlimento do taixas de ferro batido
o fundido, fabricadas decentemente, c se fabrican!
le qualquer molde a vontade dos compradores, e
rogo~ ray.poaveis.
Precisa-v de urna runa para o servico de casa
de pottP familia : na ra do Turres n. ti, tercei-
ro andar.
irmandae- do l>ivino Espi
rilo Santo.
Por ordem'*) Irmao jrrtt da' mesma frmandae
ro:a-se a todos ovirmaos para comparocerem no
dia seXU-l'oira 12 do correnie, pelas 3 horas da
tanle, em a mssa ii.'ivja.p;ira enenrporados, aci.ni-
panbarmos a prheissjo do Seuhor dos Passos a
convite da respectiva innandade.
.Manuel [,niz d:i Veiga,
________________Secretario interino.
--QiWm precisar de nina ama pura casa
hnmeni solleiro para coiiuhar e engommar befl
j dirija-se a traveSsa da rtia do Queimado n. 5.
A efcseia d'esta prpparacio est estahelecid* desde 4 857, pelos mais celebres mdicos. Desde
cnlao muitas imitaedes tetn sido fui las, ma> nenhumn (toiide sustentar a i-uuuiaravo com o
producto apresRiitado pela nossa cara. Por isso excitamos o publico para qae exiga sempre
esie xarope com urna bella cor de rosa, nunca branca, e com a nossa assignaiura roda do
frasco. .
Sob a sua influencia, a tesse acaima-se, os snores nocturnos cessao c o doente volve rpida-
mente sade. 0 seu empreaod tambemos mais brilhantes resultados nosdefluxos, catar-
rlios, broucl.ites, irrilacoe do peito etc.
[leposiio em Pernarrhuco. cm rasa de Mmvar O1.
BA1UT1SSIM0
Calcado nacional, na fabrica de Jos Vicente
:bullo A C, ra do Jardini 11. I'J: avisam aos
desta capital c do interior, que cou-
tinum a fabricar caJfMOMB alia escala, e olfe-
recemas raelhore condijdes, RinWflni prefo como
em qualidade. Os j.r.ij-fietario-. dste es-.abeleci-
mento, chaman a attencaodo senbores eoiisuiii-
dores do interior, que os quizerem honrar com
toa fregaezia, rtiprniftnaprtn em s>us pedidos a
qualidade e numerario, olfereceiido-sc para os en-
tregar bem acondicionados em casa de seus cor-
r> 'sjiondcntesncsta praca. _______s^______
Frederico Baia
escola
Clrnrgio dcatista pela
de medicina
do Rio de Janeiro.
Tema honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capital eseus suburbios, que tem aberto o
*ea gabinete de consultas e ojwr.icoe? dentarias a
ra Dimita n. i, primerio andar, onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da m3'l aas
3 da tarde. Elle acha-se compe>'iitemcni.' tiabili
lado para com perfeicao enllocar denles artiliciaes
iorqualquerdos systemas, e bem assim desempe-
nhar qualquer outro trabalho eoncernente sua
profl?sao. O mesmot reconheeendn que nem sem-
pre ?8stoI ssenhoras ou crianca* saliirem a
procL..ti* o remedio, ulferece-se a remover qual'
juer obstculo, declarandi que na cidade^fe pres-
tar a qualquer chamado semipi issoinflfia cousa
ilguma na commndldade d is precos de setiS'traba-
Ihos.e qftandb para fra dola assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoaveJ, rarantindo elle-a
seguran^ac perfeicSn de ensditos trabaJbi. Rm
seu gabinete se encontrar constantemente excel-
lenteps dentifrMo, elixir e outros medicamen-
tos odontalgicos : ra Direita n. 12. primeiro
I indar.
toda a parle tio vantajosamente aceita, qtw
em menos de 18 mezes achou-se es^olarfS
a primera ediro > dez mi -'x-mplares.
ni
IVecioa-se de nina anu q;i<
oara casa de rapaz soltein
rail**- --------u
Jt
Pi eeisa-si
Hospicion. (7.
de oiim cijsiiihtra : na ra do
So dia i de fevpreiro jiroximo passado ilesap-
ravo'crixil le lime Sajrador. de
)anuas. pfuA nfiis iu men% cen) os
segulites": frslojdvaflo, olnos pequeos.
lanrelhasi pretas, bocea regular, beieos diMs.
1 -s oaoentes na frente, nariz chato, bnrna
cer a qualquer pessoa por mcios bi redos
lar com um balaio no braco e nina rispe-
|e urna de estopa, aberta na frente JcA
tem sido fisto na ra da Guia, no Recift\
gem ^ .tfffilakna idrantp do sobra. '
em um gnjriuJhbdT! pajha de urna mufl'
tur nomo Maricas, lavadeira ; a-sira ta.obem
imrrad 1 na ponte de Cchoa, em rompanhia
111a uiulher, com urna irouxa de mapa, (
tur que mude de lugar : mgn-sfl a ipiem
;ir lova-lo a ra- de Agoaf-verdes n. 80,
oojpjUojb |gny^p Joo de Barros defrontc
Preria-se du urna ama de bons.cosimel'
quesaiba bem engominar ecozinhar : a tratar na
ra do Imperador a. 68, 3 andar.
saiba' bem eostnbar
a tratar na ra da
'a do Kectfe 11. S6. luja de lerraifeWS.
Obilheta tnteiro da liena t8- qe'se'eha
a venda a beneficio da inarrb. de Naareth de n.
210V, previn^se au Sr.: ibes uncir qiie seor
acaso sahir premiado, nao pagar setaae a sed le-
gitimo dono abako assignado morador ra Im-
perial.
Reeife, 9 36 mareo de 186&.
ft?rnardo JisRoeliat
GRANDE HOTEL
M ORIENTE.
Inaugnrou-se este commodo o elegante
estabelecimento d'nde os seus frequenta-
dores poderao apreciar a es|ecialiilade na
cotifecto dos ; \eros alimenticios.
As bebida* sao as mais primorosas e re-
eommendadas.
A decencia e bom servico primam n'esta
casa no bello gosto oriental.
Mandam-se a domicilio comedorisis, tanto
avulso, como por assignaiura mensal. Os
presos sao mdicos e conveiicionaes.
Ha urna espacosa c bonita sala para o
elegante jogo de buhar.
Ha tambem aposentos commmodos 0 bem
mobilhados para hospedagem:
Ra larga do Rosario
n. 44. __
Na ra Augusta n. 94 vestem-se anjos para
procissoe> por commodo preco, e ultima moda.
Urna senhora que tiver as habilita ;fles para
ensinar o portuuuez, frnrez e msica, en um en-
genho distante da estacu de Olinda duas legons,
anmineie por esto Diario, ou dirija-se a ra do
Caldeireiro n. 42, que achara eom quem tratar.
Caixeiro
Precisa-se de um menino que tcnlia pralica de
taberna e d conhecimento.de sua eflnoticM : na
ra de S. Miguel nos Afogados 11. :ii. taberna
Empresla-se dinheiro
sobre joias de ouro, pra-
ta, feritantcs e pedras
prceosBs: na Iravessa
das Cmzes n. 2, junio
a esla typtgraphia. i.-
andar.
CURA DOS^LL
PEL\
34
Pomadas alonpcan.
Deposito especial
Pharmacia de Brtltnlciiheo' & C.
-----Ra larga do Rosaric
CASA DA FOKTINA
Aos 4:000
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costnme
Acham-se a venda os felizes bilhetes garanti-
dos da 4' parte das loteras a beneficio da ma-
triz de"Nnzareth (!>8.-) im se extrahir segunda-
feira 15 do corrente mex.
Precos.
Bilhcte.....41000
Meio.....2000
Quarto.....1*000
Em poreio de 100* para cima.
Biihete.....3IW0 '
Meio......I7.r0
Qnarto..... 875
Manne! Marhns Finia.
Venne-se, ou [lermuta-se por pre-
dios nesta cidade. por apollces do gover-
no, ou de companhias, on mesmo por le-
tras garantidas, o engenho oiabeira junto
a Sanio Amaro de JaboatSo, 3 legoas
d'esta cidade, de moer com agoa. oBrivel
caa de mbrad, levada de pfra e cal,
boas obras, indas de lijlo e pedra, 3
ctandes cercados com vargens e tenas snf-
ficiente de producen rutilar rom estra^
da para carro at a porta, e para onde se-
gu a nova estrada le furto. A fi Itar ni
rna da Imperalri? n. 22. 2* andar.
-Ka>
Oo xarope Vegetal Awrit au, ea>|if*iaiidadeiv laariholonew
34RL'A LAMBA DO MSAH1034
N3o eostumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados,
xamos que su applicacao e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaran
los, Ibes deemtcredito evoga; porque sao sempre os attestados considerados grifUm.
e delles que Janea mao ocliarlatanisrao; mas, nao querendo offender as pessoa ^w
espontneamente nos offereceram os qne abaixo vao transcriptos, os faaenms paMaar,
manilestando^Ihes nossa gratidSopela allencao, esperando que venliam elles orrcfewfc
o conceito, e acceitacSo que tem merecido nosso xarope.
BarlholowtH & C.
ATTESTAIIOS
Illms. Srs. Bartliolomeu A CK com a mais suljida satisfac3o que (Teda*
ser o xarope Americano de urna elicacia extraordinaria, pois que sofl'rendo ba das di
intensa losse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de mediraKfcntwi
que tomava, a elle recorri e na tercera colber fui alliviado, e de todo me aeho heje ts-
tabelecido com o uso somonte de quasi meio frasco: grato, pois,' esse resultado bu
festo a Vv. Ss. meu reconbecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador c obligado.]
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 2() de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartliolomeu & CPenhoradissimo com o favir ipte me fixrrnt
de aconselliar o uso do xarQpe Vegetal Americano, de sua composico, quandn nif acfc-
* a bastante doente de urna ronslipaco, queme tornou completamente rouionfa
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os mens deveres de nnttrt
empreza lyria, vou agradecer-Ibes meu completo restabelecimentd. que oMive cu aa
s vidro do mesmo xarope, depois de liaver recorrido a muitostratamentos. Desejare
que outros como eu recorram ao seu xarope para se vorem alliviados de 13o trrire
incommodo, lo fatal neste paiz. Con maior consideraeao contino a ser de Y*. S
attento, venerador e obligado.Luiz Cremona.
Recifc, 25 de setembro de I8G8.
Illms. Srs. artliolomeu C0 xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. ten
exposto a >enda de toda elicacia para o curativo d'asibnia, conforme obt rvei appi-
cando-o a meu Sino Joaquim, menor de quatro annos; victima d'esse flagello, qo^. at
ento por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de put%
nomcada. Queiram, pois, Vv. Ss. cceitar a expressao altamente sincera de meu rttf*
nliecimento |ao meritorio servico que llie prestaran! com o indicado xarope. acrettilaav
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obligado.Americo Netto de Mei
Recite, 2 deoutubro de IS"8.
DE
DE
J. VlliNES
N. 85RA DO IMPERADORN. 58.
Os panos dista antiga fabrica sao boje assz conbecidos para seja rocesay*
insistir sobre sua enperioridodu, vantagens e garantas que olcrecem aos c."npradofe.
qualidades estas incontestaveis, que elles tem definitivamente conquistado sobre toda*
os que tem appareciio nesta pra^a; possuindo um teclado emacliinismo qne ubvdecem
todas as vontades c caprichos das pianistas, sem nunca falbar, [ior serem fabricada
de proposito e ter-so feto ltimamente melhoramontos impoi lantissinios para > tiiia>
deste paiz; quanto as vozes sao melodiosas e flautadas-e por isso muto agradavei aa
ouvidos dos apreciado!'!'*.
Fazem-se conforme as cncommendas. tanto nesta fabrica como nado S-. B;
del, de Pars, socio correspondente de J. Vignes, cm cuja capital foram sempre pnani
dos em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido c variado sert-
mcnlo de msicas dos albores autores da Europa, assim como harmnicos e pian*
harmnicos, sendo tullo vendido por pre{ns ominmdosc razoaves.
M LARGA BO ROSARIO 137
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia em dia quanto e possivel para che-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares ionfeccio-
nados com o melbor asseio. tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e hygene, temii-la sempre cm abun-
dancia para facilitar excedentes banhos.
Ha tambem urna boa bibliotbeca e peri-
dicos nacionaes e estraogeiros, piano para
recreio. buhare?, etc. etc.
CIIARITERIA E PETIT REST.ttlMPr
Annexos ao Hotel Central, ra estrella de-
Rosario n. 4 A, andar terrvo.
Para dar a conbecer a variedad; mfeiiii
de charutos de llavana. Rabia, Rio. eJe. qo*
existem neste novo estabelermento gas-
cindimos dos annuncios pomposos une p>
ramente se fazem, reduzindo-nos aponas
tres letras que s3o tres bbb bom. Malla
barato. A' vista do genero annunciado po-
de-se julgar de nossa veraeidade. Esta em-%
osa tambem das condices de um eleaaitf-
e pciii rrstnnrant onde se pode ver a ts-
Ipeeialidade dos fiambres e salames Y Lito
Sendo ociosa qualquer recommendacao''para lanches c at fazer urna boa rolara,
para to acreditado estabelceimento, omit- juntamente com os principaes vmbfif df
limos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o l>nm a per*
fim, que o bom servico, ordem e moralda- c fervenle champagne, o mu saboroso Rb*'
de imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa ceneja, o licor espiritos*
fiel do regulamento que possue. i o quanto pede urna mesa. Faz-se
Cmednrias a la carte. soneto e variedade de refrescos.
55--RUA DA IMPERATRIZ-55
0 proprietario d'este importante estabelecimento tem a honra de partterpa-
ar> respeitavel publico que tendo fgido tl'esta praca a pessoa que se achava n.t ssa ge
reacia, elle contratou liara sua casa um perito olicial que foi por muito tempo o pri-
meiro oflicial da impoitante casa Sulingre do Rio de Janeiro ; por isso espera o-annu-
ciante que todos liejiiaoteatsl'eitos dos sius tralwllios, visto, alm d'isso. possuir na sen
estabelecimento as machinas -mais aperfeicoadas para tingr e lustrar de que se fax wr-
na Europa, e acharase tambem prvido de glande quantdade de drogas lscollada*.
sempre de primeira qualidade e fornecidas pelas casas especiaos de Pars.
Tinge-se, lava-se e limpa-se com a maior perfeicao fazeudas om nefas e
era obras de qualquer qualidade que sejam, Uies como la, olgodSo, seda, touqoim
pennas, chapeos de feltro e de Manilha ou palhnha de tudas as cores, etc. etc., *
tambem tira-se nodoas c lmpa-se a secco sem mollfar os tecidos.
Os senhnres negociantes, logistas e particulares experimenfm qne
acharo proveito o vantagens.
Tintura preta tercas e sextns-feiras.
YITENCaO

U ESTRADA DE FERRO
no <
Becife ao S. Francisco.
Pelo presente se faz publico que em razao da
iiisuai^BjiA^^i, i..,];,..; do dia 15 di cr-
rante em diantt irau-purtnr mais nal un
ral agranel. Eseripterin da mperintedencia, villa
do Cabo, 10 de marc/i de 1WW.
G. 0. Mann, superintendenlc.
Uflnnr^a
J. A. Moreira Dias transferio*?eu cta-*^
belecimento de forragens rna da Cruz
I n- t>n para a mesma cua n. 20.
mmmmmm
.-T-Er^J!?^^."." ma para rminhar em
rasa e noYRenrtuajIu: aa rna-xIr'&iciaw m
>-. io*:_______________
- Precisa-se alupar nm escravo mo ou ve-
nno do: largo do aran; J de marinha a R
Aluga-se
una prett wava tjne esteja ae*adid.t vdi 1
der bolos pelas ras : a tratar na rna d,> Vicaria
-*-.
IM OIIIIIO
Pode-se ao Sr. Mauoet da (] sta Pereira, prati-
cate da repartiiau das obras puHiet* >ra em
Wanatat; a. t0, aft.-n *e saldar o sen debito on pigar o
qne podara, ia coi nrtuMaJe. _____
Offerce-sB urna ama para ca
paraengommar : quem quier dirija-W 3 ra dv
S. Bom Jess das Crioola n. 99.
AO -
86Eua das Cinco Pontas-86
Thomaz'Jose de Oliveira & C. avisa aos seus freguezes que f&ram, tanto destapa-
?a"como,*i centro da provincia, que re aembropiT.ximi) passado, ese aellB estabeleri lo com um armazem bem sortido deaaar-
ceana (vnlgo m-ilriados) d bons gfneros, e por precos rnmmodos e earantmdn troaeW-
ie, peane medida, nos reneros romprad.is no seu armazem f portento pette e waa>
que nto4eixem de Ihe dar a preferencia.
FKANCA-BRASIL.
o
MR. MBRCIEfl, alfaiatc francni, previne ao respeitaverpnnlcf a*stnf mfnerma frajv^
es qne, t. n. tnuf aadar, ah enroatnaia*
sempre t djis a< qnalirtades de razenda? para trajos de homem, e prepara nwtnn es p?ra 0Mitald
senhora Faz tambem obras para militares epara criados, para as npae- tem grande sorban Mi j
koipes s mplM, i-uffi viro a u corda de cdnda, francos e amarellos. R#cbo p#r umW < aaaipft i
ttmfK ftrtirmo' oara rm-m, sMihnrns e naninos.

KiTtrrtttttttt'
tfttttttttiAt
1ITIII
orrmsXi
CIGARROS INDIANOS
DoCANNABIS I1\D1CA|
ngr'ni"i:t ; .[pars
MPNtJfit
ItBIDJllt
nio lea ido rna d q* ftKttm
Q96
To^os o meloe at boje preconizados conin a astbma
dcbaixo de toda as formas, tendo por base* MMadOna, o estramonio ou opio. Recentes etp*-
rencias feita em Allenanha. repetidas em Franca e na Inglaterra, tem provado indio de Bengala possue aa mais ootaveis propriedades ;pn combater essa umtit a/fecsa,
assim como a tosse nervosa, a insomnia. a tysica laryngea, a rouquiilo, eiiincvto da vos,
e as neuralgias faciacb. E' pois com o avoio da ciencia quauffaraaoa aali ajgaaw>%jaj|
do* oan O extracto de cima o das Indias, mu nos Buwrlasnes de Hmmtrnm.
Bopoaif ca l'mnmmkitt*. m rale **
4^JU4^4444444ii44iiJ^44^l 14-HU 11 IU IU IL\
na
_**


L_iffilm ^1


Diario \de Pernambuco Sexta eira 12 de Mar^o de 1869.
;
w
Grande liquidaco de miudezas !
Alfonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
do Queimado n. 55, resolveu annunciar as mesmas miudezas, para qne o pu-
oja na _
Mico se certifique -do- diminuto preco porque as est vendendo, a saber:
\SIit E Wk
l.M ESCIIHIMKNTO ESPANTO:
O xaropc de fdegoso, de PerrraaTbuo,
preparado polo pharinaceutico J. de A. Pn>
rjdicalini
Caixa cora agulha franceza a 100
Caixas com 100 enveloppes a. -"00
Pe;as de babadas e entre-meios
a 500, 00, 701), 800 c. 1-5000
Pegas de fita de coz com 10 va-
ras a ........- 500
Linha de marca, caixa com 10
novedosa...... W
Coques muito finos com rede, s ."
a redevar...... f>500
Frascos com santos muito finos
a......... 1-jOO
Latas com banha (familia), a
100 c........ gj
Cutio com allinetes a 100
Copo com opiata muito fino a
100 e....... *>O0
Carlas franee/as a 200 e i
Ditas portugue/.as a lOe^ 100
Cama de linlia do gaz branca 50
novellos a...... 000
Frasco cora tinta a 100 o 100
Frascos com banha a 320 e. 100
.'rasos com agua de Colonia
Rver a. ...... 1)000
Pcatos de tiavessa para calillo
de meninas, s a visla la/.
fe. a.......\ MO
Laa para bordar, libra. 50800
Novelto de linha grande com
V00 jardas, So a vista faz
f a ....... 00
Pares de liga de borracha para
(Jemas de senhora, muito
boas a....... 00
\ rama branca para toalha vara
......... 200
Resma de popel abnaeo, muito
boa fazenda, com 85 eader-
nos a. ......
Caixa com pape! amisade a
Jogo de vispra a.....
Sapatinhos de 13a para taeniios
a.........
Pecas de auca e caracol a .
Sabonetes de todas as qualida-
tles a 80, 160 c .
Frascos com oleo babosa a
IO e.......
Pinceis para barba a. .
Caz a....... .
Frascos com agua de Colonia a
320, 400 e......
Pestes com costas de metal .
Cu!, ira de marroquim a .
Penles prelos para tirar piolos
senvas para cabello a 100,
500 e
Garrafa com agua divina a. .
ravatas de seda* de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Dotos de iouca para camisas, a
arrala de tinta roxa a. .
Lencas brancos para maos
a.........
Par de suspensorios para lio
mens a.......
Ks]vllio de toncadnr a ...
Frasco cu;n cheiro muito lino
a -......
Bandeja para copos a .
Meias ornas para liomeus. Loa
fazendaa .'!>. 3-5000,'.,-> e. .
vbotoadnras para colleteS a .
to, cura radicalmente a lisica e asilima, e
Indas as lliolcsli
Pudeui ver-se us aUeStados de caras no
nico deposito das prepararas de fcdegoso
deste autor, nw do Rosario Carga n. 10.
junto ao quartel de polica.
lllm. Sr. Joaquim d'Atmeida Piulo.--
Braga, 25 de Janeiro de 1808- Mea ami-
go, aqu chguel com algumas melhmas;
depois de ter tomado tres garrafas do seu
preparadoxarope !' fcdegoso; fSto
pelo mar, porque logo que clieguei < m Lis-
boa, priucipiei com pais f a lomar o dito
xarope, por conbecer pelo mar que tlleme
razia grande beneficio, pois a visla di gran-
,500' de qantidade de sangoe que eu botava pela
ojboca, vi que me a desaparecendo com ra-
340 P'dez, depois que continu! .a tomar o dito j
xaropc, e tao milagroso foi para a minha;
moleslia que hoje Me'acho de todo rosta-
belecido, e at mesmo bastante nuti ido, e
por isso pode Vin. fazer s'ente ao | ubKeo
o milagro que o sen preparado obrou na
minha cnfertildade. Sera tempo para mais,
sou de VmcAmig atiento, ?eneraaor
muito obrigado.Manoel 6* ffoftftrftw
PeTeira.
2.J80O
700
'.00
320
40
200
Veneravel ordem ter- v ,, z4
Xa i ta lo Codomizn.8 precisare de urna ama
ceira de N. S. do Car- an 'h ^i"
mo do Recife
(Jaixeiro.
rivii$;i se ,l: un caixeiro
Mv i n. 7. taberna.
na ra da Cadeia
Pela strretaiia desta veneravol ori era manda
a mesa regadura convidar a ludo- os (hari-imos o Sr. Virque Ferreira Leal queira vir a-esta
nflaos a coinjiai ci-ereiii em nosso consistorio pa- \p<-p;r;iphu que selhe desoja fallar.
Winentados cjim seus hbitos, sexla-feira I* do Preeisa-se de (una familia capaz, que se en-
crrente as ;i horas da larde, para eutorporadus, ,..., ,.egue de uian(]ar jaTar e .n,.ol,imar eom toda
aconipafllfarnios a procissao do Senlior Bom Jess a po,roM>a i ruiu de hornero. Aquem r.mvier esta
dos I assos, o/ie ha de sahir do convoi lo do Lar- f1V(iiez:, ,],. diriyir-e ao sobrado da ra Bella
oo para a matriz de S. Fr. Pedro Gencalves do :j7 ,|,. manhaa at as k horas, e de tardo a
Recite ; correspondendo assim ao monte que nos qualquer hora
U dirigido pela respetavel irmandade do mesmo
Sacro-Santo Sentior.
Secretaria 9 de marco do 1869.
O secretario,
_______Joaquim Xayier Vieira Li;
Irmandadt da N. S. Mu dos I Jo
5081
320
'i00
200
000
1-500
320
;oo
ico
800:
lllm. Sr. JoaqtmH d'Almeidn Pinto.
Ha muito que ouvia proclamar as excel-
lentes propriedades do xrvpe j^1 contra a tosse e asllima, e iitBrendo eu de
" urna tosse pertinaz, e tt-ndo inado do toda
a serte de medicamentos, vali-me pois do
xampe de fdegoso, e una garrafa somon-
te foi bastante para icstabcleeer-me, e me
i ~'vm' V(i l3 i'busto como d'antes ; sucemn-
" btria deceno a nao ter usado seu jarope
4UUI de fdegoso.
,'Wnn A' vista disto nao tenlio expressoes
**52 com qoo exprima a Y. s. agratiuao de que
, llie devedor, o de V; S.attento venerailor
200
mens creca no tgreja da Madre idrda Auwica.
de, Dos ____
A mesa regedora manda coandar : lodu 0B
irmios a compareccrcoi em nosso consistorio ex-
i.i-l'eira. i do correute. as 3 horas da tard<*, aflm
d> cncorporados, acompanharmos a pronta,, do
Senhor dos Pasaos, para o que
pela respcciiva iruiandade.
Consistorio 9 de mareo de 1809.
O eseriva"
________ J. X. Vwfrrligo.
Theatro de Santa Isabel.
I'edimos ao dislincio e|irezar1o do (luairo de
Sania Isabel para que digne-se a^ar especlaculiis
aos domingos: e>pcranu)s qu.'do dia 11 (domingo)
em diante principiar^evanJo seena o importante
dramuia hi>ii>rico Lhristovao Coloolbo ou o deseo-

COMPRAS.
fomos 8 vidadot
Com muito motor vantaycm
Comptaro Coracao de Ouro, n. 2 D, ra do Cabu-
", muedaa de onro e prata e podras preciosas.
Oaro e prata
,oin nioeda c em obras inulilisadas, compra-ge po
iniiaudadc lo Nranor tloa Pa.j bom preeo: na praea da Independencia n. 21
sos na matriz rendo a irmandade de expdr mi solemne pro- ry,^_ ,;ompra-seonro, prata, o podras prorioaa9,e
i o son padroeiro no dia 12 do oor ote com tanibein se faz qualipier obra de edcommenda, e
a pompa o magnificencia devida a lao Kccelso Se* inflo o qualquer concert.
nlior. saliindo ella da igreja do eonvento do Carmo
a fwoUicr-sc nesta matriz.
sao convidados tod -
os irtnos desta irmandade a oompai-oeerem na-
qnetla igreja as :t hora- da tarde ; rogiindo-sc a ; |10je \fona
naebes epor maior proco do que em entra parle
e criado
Joo da Cosa Bfgo.
* lllm. Sr.JiMUfU/hi dWhiu-.ida Piula.--
Tenhd a ventura de communicar a V. S.
:qu ^racas ao inaravilhoso Mwpe da feie-
' -/ so, estou com o meu escravo Jorcre i
I iilelainente. n'.slalM'lecido da molestia, dos
l>iilnide>. que ha tanto tempe o persegua.
Aceite V. s. esta minlia declaraco
como prava do ineu re^uiliei-iuu-iito pele
bem que V. S. acaba de faaer-me, e cuja
r De y. S.
Vltctite venerador c criado
liento Joamtim Gnnm.
lutos aquelkM IRM lenliam capas em soi poder, a
ojie por qualqner motivo di'ixem do comparecer,
rnanaa-laa entregar ao irmao thesonreiro, poia e
nesto arto que el tas se tornara mais precisas,
ponsisterio y de marco de 1869. _
O osrrivao,
^_^^^ L I. Lima lairao.
Iruiaidaile do Menhoi' do Pas-
f*OH na mariz do Corpo Wauto.
Gonvida-se a todos os reverendos sniores sa-
i"id.iios para aeiiiiipanhareui a procisso do Se-
nlior dos PassoB, qae tem de sabir da igreja do
convento do Cano no dia 12 do corro .te, as \
horas da tarde.
Consistcio 9 de marco do 1809.
O oscrivao,
1. 1. Lima HaisJ.O.
Compra-se
esterlinas, ouro o prata de todas as
maior proco do que em
n'rua da Cadeia do lieeifo n. .">8, luja de azulejo.
0 muzeo de joias
Na ra do Calmg n. 4 compra-se miro, prata
a pedias preciosas por procos mais antojosos do
pie em outra qualquer part-.
i: iiuprani-se diarios vetos para embrulho
na rna Xosa n. 3.
kcolsc-j:
Desftj*se alugar mn
larga do Bcsarin il '-.'i.
I.....i iiuilequ'- : i i roa
Coinpra-ae una e-crava nova, sadia o mu
vicios: porm quer-se que esieja oreando, c que
tenha bom leite, e que seja carinhosa para ama-
mentar urna crianza: atraiar na ra doOueimado
n. 17.
VENDAS.
oca tein-.o feito tao conhedda c
acreditada, o ^ pelas navidades, variedadee, su-
le'baadnaeia de sen soriimento, onno
i. la .instante eommodidade de sena pMMa, a mes-
nu'iea olvidado agrado o since-
ridde.
Essas verdad- i fncontestoveis sao sem duvida
ad.is peto bello sexo r\n particular, e polo
ifiw! pabfioo ein ganl, e a tanto tem chegado
ttSo quasi passando como annoxim on pro-
, quando se v um objecto de elegancia.
i novidad.', ote, etc., di-se logaaquello ob-
la foi comprado na ja d'agnia
branetti
Qnaap no club, nos bailes, ou no sabio do
Santa Isabel, urna excellentissima so aprsenla
jrarboNUBeate trajaado, tramado o moderuo cinto
de raui larga lita, lisa, chamalotadn, ou esenaseja,
as snxs amfranras dizem eonisigo aquella lita
foi or-uproda na toja d'aguia branca.
Qoiado outra esceOentisatea, nao menos gar-
. (Bostra rigor de son bora gusto na-acertada
ta dos enfeitea de alta novtdade que bella-
- ruara vestido, anda, niesmo as rivao
de sna sympathia conoasam qu.9-aquettea encites
feram .-i luja d'aguia branca.
Joando i; nutra excellen'issima, apezar da sin-
. le seo potjfi agradavel, vdm al bonitas
favasde pellica adoqueza as suas bollas ami-
gas touvam-lhc o gosto e confessain que aqu
(rain da leja d'aguia branca.
(iaaitdo memo dnas excellentissimas,. autiga.-
laigas de TOllegio, Be oncontram naquelles higi-
eem dt^s dos eurapi metilos de reciproeoB beijos.
irtbta.H p<* for?* de sua elevada delicadeza, gabam
t Jllm. Sr. Jiiijim d'Almeida PkIik
i umpriodo um dever de gratido p.rtici-
1 po a V. S. que, por nudo do sni abeueoado
".rnmc de. fctbximo. wUfrMrtettamentf' re>-
Ibosaspelo elogio do acert de sua escriba,.? cuim. meU*BWM), _
qiu. .-itrondo porsiiiisma justilicivr dizemsimul- j Cumu ,sal3. i-ste mati estrato) tilia
laiioa.noiiteo vrdado que este ciieiro foi coirq.ra- ;, l,^,,,],, a8 eMatfd, mais aflictivo lniot*
ao nalojadagoaa branca. .liade pulrMest nao nhainiite um luaiin- i mt dr.imHvmedicibti. pgrgativa, lu
(juando l.ontem oa pas afllictos sentiam o rigoi lenjompitlo USO de remedio< Ma ^mur^MMi^ -*uo tu ^dfl pulida, tanto pelo po-
ra(|a viagem ao.fMs.sorfitio. vo, como. lueaiuo por meto da jaculdadc
* Pois bem: a enformidade, que se lia- incdiea : e pr iasQj infinito o gosto e
\\ toruido nbeide a todos os meios em-jprazer que sentimos, em podemos com
Pitos assAcaradas SAO CONTEM NEM CVLOMKLAXOS Nm NEN1UM
ot'im dimi-A m..
A glande nec's^idade- e talla de um
u di-'-umarmedicimt
ca-
da denticao de seu charo lilliinho, o boje alegres t
sati>1'ei(os pelo feliz rcstiibelecinicnto receben) as
visitas dos setis melhor amigos, dizem aqoeMes
estes, Coi Deus que me inspiroupar* que ojmpras
se, como comprei,
llover, quo se vendan na loja d'aguia branca.
Alfin do milito mais que ainda
falla dizei*.
Quando em um circulo de circnmapectos earac-
leres se discutir a veracidade de taosdizeros, rapa-
rerer mn uutro que ipioira ainda levemente inter-
romper a discussao, os primeiros por nioniento es-
quecero a. eircunisivectjao e Ibes dao um gra-
cioso debique dizfndo-lhesj sabemos que V.
um daquclles que inclina o chapeo de si*l ou que
mereca ser designado pela aguia branea da ma
do Queimado n. 8.
Mo tantas as colisas que por
tunas cscapam as ontras.
J ia esquecondo a aguia branca, mas em tempo
lembron-se para noliciar, que receben urna pe-
quena qantidade do enfeites para coques e guam-
pos para ditos, nido feilo de metal rom lindos e
agradaveis coloridos, obras estas pela primeira vc2
apparecidas, c portanto inteira novidade.
Tambem ebegarara novamene delicados enfeites
e llores ornadas de aljofares e vidrhos, tanto de
pallia para cernes copie para vestidos, e tndo
contina a men-cor a apreciadlo das exc*3enti i-
ms cunbecedoras do bom.
Ven le-se um cabriolut coberio, de qualro ro
das. muito tortee mancho, de volta infcira, com
.avallo ou sem elle, e os competentes arreios, lu-
do em muito bom estado e por precu comniodo :
na ra degluto Amaro, cocboir.i do Sr. Thomaz
Lili Gald;is con/ruiUo a aetacau n. 1.
10 CAMPOS
8 Rna do Imperador = 28
EM GROSSO E A VAHEJO
Cliaputos de diversas marcas dos bem
Lacrfeltados fabricantes, Cosa Junaos <
Manoel da Costa Ferreira de (Sao Feliz).
Familia da trra muito boa, i.) reis a
! sueca.
Miraguaia ilo-Uio Grande du Sul.^eixe
o de superior qualidade a -MOO a ar-
roba.
Congio c rnivo de Portugal, em barris c
lihras.
Cama roes seceos, do MaranliiSo, em libras.
Latas com:--petxe em conserva sendo:
Ra do Queimado n, 49 (aja
miudezas de Jos de Az*&
Mata e Sdra conhecido por Joni
Bigodinlio.
Esto quehnando os objertos abavo delarai**
polo diminuto preco, a saber :
Francoscumagua'de iloni .:aaJ
Garrafas com agua 1. djatli ira, n?r j-
ranto a 1-ioo.
i'- ales para regacar cabello de meninas a 320$.
Tlicsnuras muito'finas para unha.- c ror*a
:m rs.
TinUiros cheios de tinta muito preta a 80. 100, *
o iOOis.
Varas de franja branca de linho liara toalha? a
Ifr) rs.
CaiHde plinsplioros de segnranea a O, 4t)
tflO rs.
isvalbas d cabo ,ie marflute que se jaraalra
qualidade a 2-
l.ihra de laa para bordar a 7 ).
l'ei-i; de lila bran.a elstica muito superior SOt
oiioors.
Novellos de linha branca com 400 jai
Resmas de papel de peso \\ Latas eom superior banha a !00c ilXl rs.
Caixaa com seis frasees d cheiro muir* Sue *
00 rs. .
Caixas com dou fraseos, fazenda sv ba a l^*
e -'>o00.
Krascos com snperior oleo mocme a ECO rs.
Calnngas de sabio Iransparente muito bonito R-
iiu a 'tO rs.
Duzia de paos de pomada do Reino, da mtlher
qualidade a 'iO rs.
Pecas de ti) >- bordadas muito finas a 5CO,60fc e
800 rs.
Ditas ile bahadinbos eom d-z rana a 600 rs.
Carritei de linha de tudas zs reres, para acabar
a 20 rs.
Garrafa- com agua divina a IJSOO.
I'ia c- is euiii snperior macaca peiuh a 32#R.
Calxaide viro eom d^e dulaes, qoa so a ca
vale dinueiru a 00 rs.
Dilas do madeira com alfinelcs, o que fia de me-
lhor a 30 rs.
Guisas de beloes do louoi, Usos e brrdrdKi a
MiOrH.
Caixai redundas para rap cmillaudo tartar4na
1&::0.
Pecas de tila para ros da melhor qualidae a
500 rs.
Kscovas para limpar denle-, fazenda que s6 a vift-
U a tM) rs.
Hilo- para limpar anie do supeni r quabdaia a
sea i-_______________
MLLlSltllf*
Antonio >evc tic C asir
Vaniifuga epua. pjteferivel a todos m
i'onlu'ciilo.--. j pela cei \ttHM de sen Ifrs sllaV
do, ej H'la l'acil appliracri'' as rrea.nr^
quasi sempre mais tacadas de tao terriv
e mudas veZes fatal sfifiFripicnio.
UMC DEPOSITO
Mi
l'hainiacia c aromarla,
llK
Barlli i int u (;.
34- lina larga lio 1;; osario- 3nfi
toxico de im.
RfA DO QUEIMADO S
umdess's virtuosos' cXre* 1"^{]fs f** rombate^a, cedou de.uina}4oda a cinlwBcae secundado. recotumciidar Salw)ini Lagostas, Ostras e outras muitas
maneira-quasi milagr-osa, a qualro jatrahisias nl/usis wf/etaes azucaradas Oeirmol, ,,,,,{,[^1^. a saber: Portuouezes Inglezes.
aiNStas, dueau fcdeijqpy .-,uno una exfolente medicina purgativa, a l,^,^^,^ Hespanbes ele et'c '
a Hoje, gra'-as a Deus, b3ttbo.o-uiuu t-iiBl oneerra um ti todas as. partes o mai* n,(un)r)'0's aj^a m& v,'.'z ve
crayo restebeteaidB ;. enart raerl mustrai-'.fMtnvdieiiies esseneiaes, tornando-se em um
ludo o reniilicciuHiito .|iie sinto pelo bem:perodo, seguro e agradavel cathaitieo de
qua V. S. me acaba de fazer. ; familia. Este remedio nao 6 composto
Sou de V. S. dessas drogas
Caiida agradecida
Mara Notberta SdefJVr.
linas e superiores qualidades de raizes
dessas drogas ordinariamente usadas na
composico dessas pilhilas, que por alai se
EPIDEMIAS
O LICOR OE LABARRAOUE um preservativo scRuro era lempos de
epidemias cluilera, fehre mmtllm, peste, iTpi. ele Itevom eviiar-se as fal-
siticaces as quaes sao a maior parle das rezes mal preparadas, enuu por isso
na nocivas do (|ue utcis. Deposito em Pai, L. FHKIE. ta. ru Jarnh
Em Klo-Jasolro. Dupcnchc'le; ,7. Teminrpf. Era Pcraimbaco. Bwer.
Continuadamente se nos aprejentam no-
vos testeinunbos da eflicacia do fdegoso
de Pernambuco 1_________________^__
Eiigenlio.
Arronda-sco enpenho Gonjiacaii, sito na fivpuc-
zia de Ipuarassii, distante desta pra^a 3 leguas,
cun bom sobrado, casas para lavradores, existien-
tes lenas de pknlaooes, purlo de embarque na
porta, podreiras o lornos.deqneiniar ral : os pre-
tendentes t!irijam-se ;l rna da Iinix-ratriz n. t, pri-
me; ro andar.
Precisa-se
De um menino Portugus ou Rrasiloii i que saiba
ler. csi-revor c contar : na rna das Cinco l'.mlas,
ariunzem de moldados n. 8fi.
Attenqao
Manoel Augusto de Menezes Costa, pro
fessor de msica, contina a dar liyoes de
sua arte, tanto vocal como instrumental,
em casa particular ou em algum cjillegio:
assim como tem aberto urna aula na casa
de sua residencia na ra da Palma n. 53.
vendem, mas m, sao preparadas < n as estm;)g0 quenU}> fi
ampos auxia urna vez, vem ter a
lioara de lembrarao respeitavelitublico, as
muito expelientes aguanletiles de Lima Pa>
rati, e Tiquira-do Maranhao, por vir-lliea
idt;que se aproxima o tempo invernoso.
e tfue muito nescessario se toma trazen
0 MUSEO
JOIAS

,
GOMES DE MATTOS IRMOS
tendo feito completa mudanea em sen antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o flm de
dar-lhe maiores proporqoes e elegancia, convidam
ao publico em g-eral e com especialidade as Ibans.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
onde ncontpap&o um completo soriimento do que ha bello precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e ludo que ejji obras
de ourv. prata e platina se pode desejar.
AOEBEQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de noros gpstos, equedevem cHit/ur um grantle efteito nos trage quares-
n laes, assim come1 grande tat'iedade de salvas e paliteiros de pratt. con-
Iraslada c de gosto ainda n&P visto.
Compram a troeam qualquer joia-ou petjra preciosa e garantem j
a qualidade dos objecttH* vendidos.
0 MUSEO DE JOIAS
C^
mais
medicinaes, liervas c plantas, depois de se
baver cbimicamente extrahido e separado,
os principios activos, ou aipiellas partes
que contcm o verdaileiro valor medicinal,
daquellas portoes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dopht/tn, a qual segundo a experiencia
tem demonstrado, possue um poder o mais
maravilhoso possivel sobre as regies do
/{jado, assim como sobre todas as secre-
coej biliosas. Isto de combinaro com o
leptandri, e mais algtins extractos vege-
taes e drogas allamento valiosas, consti-
tuem e forramn urna pilula. purga'a, tor-
nando-se por isso rnuiaissimo sup'3rior,
qualquer urna otrtra medicina da mesma
natunv.a, que jamis lora apresen'ado ao
piibl'n'o. As pilulas regetaes assuvaradas
liritfot, acbar-se-bao sempre um reme-
promplo, seguro e eminentemente effi-
eaz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
Hydropesia dos mem-
bros ou de coipo.
Affeccoes do figado,
Ictericia,
Hemorrodias,
Mau hlito, e irregu-
laridades c'io sexo
femenino,
Dores de cabeca
' ibel'ciniento bem prvido dos gneros ci-
ma ditos, recommenda umpasseioat elle.
onde enomtraro os amantes do que
bom bocado, um completo soriimento de
gneros linos, que se tornam recoinmenda-
veifcpara urna mesa mais ou menos pro
vidj
iJSa ra do CoU-tello' n. 1, t" andar (l'atrro
da fta-vista) ha mn piano de mofen* de mesa em
Ixinaiuso para vender-se por prec*) couimodo.
ob senliores iQisfa
Para a ([iircsiiiu
(^enihas-pctas dnas : ra rus tW CW I
Rerite, arniazeni n. to.
IScbonete dv fdealido.
na
Antonio. NuOaaS de Ca.-lvo.
Este acieilitadi pnpaiatk. que 19o bol
acceilac Um merecido u'Stn jikivik'u.
muito se recimnenla, para a cura arta
das. uipigens, sarnas, ca&[ias e toda? at
molestias de pelle.
DejioslO' nico,
Pharmaria de Hartlirfcnnt*H A Q,
Paris, 36,RuaVivienne, OT
CKABLlMDECIN
V
Vende-Fe
uina rica machn i completa ^para costura, nova,
rom material para mais de seis mezes ; na ra da
\s-um|i'.':1.) n. 30.

>*
zn
iSSmmSmt
o1
Pyspepsia, ou indi-
gestao,
Adstriiigencia, ou..
prisao do ventre
habitual,
Azia do estomago e
flatu leticia,
perda do apetite,
Estomago sujo,
O Baliza no Livramonto
,;-;b;>a, sarcos grande.- a l500.
vende farelo de
DEPUR/VTIF
, SANG
PLUS DE
COPAHU
PIANO
Em todas as molestias que derivam ?
$ua origem da massa do sangue: i salsa
parrilka de Bristol esse melhor de todo>
os purificadores deve ser tomado conjun
lamente com as pilulas. pois que estas
duas medicinas, tendo sido expressameute
preparadas para obrarem de banoionia urna
eon> a outra, quando fielmente assim so fax.
nao nos resta a menor duvida eni dizer.
que no maior numero dos casos; pademep
affiantjar nao s um grande alivio, cerno
tambem urna cura prompta e radied. isto
est bem visto, quando o doente nSo se
ache.a'um estado muito alm. dos recursos
humanos.
' ^^________
i Na ra do Imperador n. 73, Io andar, preeisa-
^e do tim ora I .
Vende-se m bom piano de armario r
tres cordas: na na da Imperatriz n. 47
lojl.
Para endmr.mento d'apnia.
Canos do ferro. diu>s estanhados, dito? forradi*-
de porcolana, todos com as competentes tornelras.
curvas etc. : a raa do Queimado n. 32.
A dinheiro ou a prazo
Vende-se um sitio menos de neia legua distan-
te dosta capital com rasa de podra e cal, bmi i
i-metriramVnt plaan, cm divrr-as arv.io
fructfera?, como laranpeiras, limeiras, papotisei-
ros, pinheia|,'aiiM-a.^ gMheiras, tigneiras, ara-
C^seiros, r|ftai<#, iula pao, limocs doo.'s, <>-
queiros, baBaneiras e ou'ras, Imixa pora capim
pasto para van-as, Ierra para n,a, com viveuw
e duas racimbas de lioa agua : na ra de S. tion-
m
Gi:
A8IWriKUAllAMlt.->KXl IS, ANA
oir^tNPAv.F LTK.KAi;i'KSI>iiSANGUl.
|n>iKHicirMliitnriii9u
islilla. Iixr-fir, nimg
Dmiauet.iierunonta.eml
I nroe, i'iroiwi du tan.
___\jil$; wrui, r alterfom
U. n iXaruin- vegetal rmrioi ^-
Mhu >n'Uf IUWMM, MI1KHUI
tuniao-nc lous por semaua. -egumiio o imriaiiiwtt
ttr iilin.; tem iv^nto m- oismis muieatiai.
Ksie Xarupe l'.imclu 4
rrm r I.HAHI.K. eort
HDiueitiaUiuM.ii|ua.qMi
turumttu, r/x(e,
r drhilidadm. a maai-
enle i lluTti r flti'm Iirnnca ila-marhar..
Esta injeccio benigia imprega-se com o Xar|* 4
Cmel" 0 r*i*o
Maiami ilif Pnraad qua aa car en ira* ata*.
POMADA ANTIHEAPETICA
Conlra i au aftecor* cutan*** cimuxou.
PILULAS VE6E7AES DEPURATIVAS
4* ciiaMe. a4a trata aai|tai*a 4
JPB tolhaMU________________________________________
ViAlio degesuvo de
ehassaing
<:om
PEPSINA E blASTAEX.
Remedio por excelencia para cura certa
das digesles difTireis ecompletas, acalmar
as dores, gastra^ricas, e reparar as ferias
produzirido urna assimula.;o completa dos
alimentos; si'iido mais nm excedente tonir
IJ%IIE-SE
PHARMACIA E DROGARA
DB
Bartholomeii A C
MJA URCA 1)0 110>ARtO-a4
Ue-appaufeu d swo U4aaMlo asignado
tm passaro de frica muito exquisito, to corpo
e urna pequea ema, mas m.uilo pleganle^ preto
c in asa* eaVerMalm, oernas grande*. Descoco
eoniprW. eabeija rom una popa como do velludo
proto, quando canta parece tocar eoraetii : qem
i pegar nucir leva-Jo no .aitin do ali;o asslg-
ado 'Hie gratificar com genero*tda*te ; assim
(ein protesta proceder contra iuem o tivorescon-
id', pi qu pelos hbitos di> referido passaro
e lirmlr Bempre em lugar certo e n^n dwnlo
nades vons, lazerer quo afcjum amigo loalnei'i
J> teitl apusu)ndo ; igiuilmonte Oea-mutoagra-
Slo b mesmo gratilicar com generisittde a
ucm Ihe.poJta'dar'qualquer inforinacat carta .'
reMoito. '
______ aaa Jacome Vnvm.
casas n. 193 da1 faa Impe-
Alugam-se as
nal e n. 82 da ra da Aurora :
la Aurora n. 38.
a tratar na ra
que tem vindo ao mer-
cado
Barricas de 14 arrobas por
10000,
i FARELLO DE LISBOA
rheg.'d BUjinameiite
SACCOS GRANDi S A 54000.
ARMADO DE TABERNA
com todos os perteuces por
1508060,
. Tndopp.armazem .le Candido Alhnto Sodio da
Malla, tiavessa da Madre da, Deus n. li.
VEfM-SE
Sovos cliai>eos ptfjm imf
homem,
A I eall(U>
Tendo receido u.n novo ai>HH)ient
roun dpoo para h>>niem e de olopan'e feiaV
vend^-o" polo diminuto preoo do mercadura que cm oulra qUalouir p.ir'e niocaaii
|irari*por monos de I4 ; a ehVs, ,.ui-s qai.
acaben, na Iem conhecida loja da 1 oalrtaqe, nm
da mpriOri n 70. .
I
Huiro em eonta
FaieMo-a liflflOosaecoe atiltio.i OO-rs., vatte
a O0 r a garrafa e caada a 2*H0O. caz **^
-abao ai Jlt*. Bam de earra^ialo a 4ot\ n|K 0M>
.-jii>^() mrtt'X libra, i-i" no -larg.) n> lh.rao* v
lO.esnniw da n-a da Roda
jft ,uog
Valf a pena possnir nma esenva r-roHda
i,la le 211 anuos, do moa n i
insigne enpomniailrrra. pthna rriribhi 1
eir e lavadeira. tros dilas. par
una dita boa engommade'ra e cfit i*ra
todo, tem um lhioho, un ('Fcravo bert coxi
o rojMsrq na tiravi-ssa do Can
Urna parelha de ravallos rod-dos, bons rteearror
sella, juntos ou eparados, na cochoira do Ignacio
abral aea Vinte Basad Noveawbw.
VevwM'eas do pinho l*r*V3i
o letranoas. toda- de upjinor i|nalid.de. Tjn*ar
Vcrd *'ar s. branco li e 18 libra*, j preparada, '"fg.
harri' : no armaiam -" *' e4jaaaaaaai-
l'einarulmnapa-no largi_ un preio do a Jo o tuicciba
de fl annoe, aorU* c pr>pns peca oa
qp^qBW enip): a ra do Fogo u. 9.
-r



Diario de Pernambuco Sexta feira 12 de Mareo de 1869.
Lindos cortes ele cassade cor eotn barra.e rom figurino indicando o molde do vest-
'topeta baratssimo preco do 90800 o corte.
Ditos de percalia muito modernos com-din- satas a StfODOrfs
Ka luja celos a c.
~ PREQO CORRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica di.
Sua Nova; n. 23,=Rua do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapeos de seda trancada. Pararon, de 16 haste3, 28 pollegadas a 16,$; 26
pattegadas a 181, e 24 pollegadas a 14^(000.
Ditos de seda G. de N. liara, de ago, de 10 Listes, 28 pollegadas a 14*:
*,? pollegadas a 133 ; e 2ji pollegadas a W00O.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ajjq, de 12 bastes, 28 pollegadas a 12$; de
fj pollegadas a 11$: o l pollegadas a KM000.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 bastes. 28 [ '<- idas a 6 ; c 20 pollegadas
* 5*00.
Por duzia faz-se descont de 15 0[0
Chapeos de sol de panno, de baleia, de 8 1 -! 24 e 20 pollegadas a 38$
> iurio. (Descont do 10 0|0).
Ditos de panno, de junco, 8 bastes, a l&OOO a duzia, liquido.
[ufe LERAS DOUTOR EM SCIENCIAS^
INSPECTOR DAACADEMIA DE PARIZ Etc.
Dcbaixo da forma d'um liquido sem sabor,
anlogo a urna ajjua mineral, este medica-
rr-rnto runc os elementos que eonsliluem
os ossos c o mangue. E' o mais racional dos
ferruginosos; por esta razito o adoptro
_,os mais emincnies mdicos do mundo in-
teiro. Comem mu 10 s meninas le lemperamenlo delicado, cujo descnvolvimcnto tardo,
| s senhoras que padecem dVsias dores d'eslotr.ngo intokraveis, causadas pela chlorose,
anemia, mcnsmiacio ou lencorrhC.i, s enancas 3'uma compleii,8o pa'lda e delicada, e a
todas as iiessoas que tem o sungue empobrecido peas doencas. Effieacia, rapidez d'accao,
cura pcrfetia, sem consipaco de ventre nem acrSo sobre os denles, lacs sio as razos que
imperito pera que os senhores mdicos o prescrevio aos seus docnles.
Deposito i-m Pernambuco, cm rasa de Manrer e O.
rf&i$W&&^#&S^^?m&^i?y;-
ALTAS NOYIDADES
LOJA DO PASSO
Ra do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador.
PARA QUARESMA.
Gorgorito preto.
Sctira macan.
Sedas lavradas.
Maireanliqne preto.
Gros-de-naples
Basquines d gurguro e de gros-de-na-
p'es enfeilado com primor.
Corpinhos de gros-de-naples.
Basquines, capinlias. pelerinas, ichus,
de crochel e do guipar, pretos e bi ancos.
Mantas prelas de blond.
Biqtiissimos chales de touquim.
Bequissimos chales de gurguro de seda
preta o melhor nesle artigo.
Chales de mirin pretos com requissiuios
bordados e franjado d? retroz.
Chales de mirin bordados sultaue:
ultima moda.
Bomeus pretos com lindos bordados,
Lcques de rnadreperola, marfim. sand
lo e osso, c pretos, para senhoras.
Ditos desndalo para Meninas.
Cliapelinas pretas.
PARA CA8AMENT05, RAILES, THEA-
TBOS, etc. etc.
landos cortes do blond, corteado set*,
mantas e grinnldas.
Etoqissimos cortes de sedas feskueo
para corados.
CurgtiiTi blanco.
Moireantique branco azul e venir.
Na loja do l'asso ra do Cuspo n. 7 A, esquina da do- rnqierador.
Gros-de-naples blancos e de cores.
Setim branco macau.
Setim, branco, azul, verde, cor de rosa
c amarcilos.
F de seda, branco e preto
Cortes de seda com duas saias.
Chales de gurguro de seda de o"< es.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Froobas de linbo bordadas com primor.
Lencos de cambraia de linbo bordados.
Biquissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol.
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
Chapenas de palba da Italia, assim
ocino de seda.
Enredes para cabeca de senhora.
- Espartilhos para senhoras.
Metas de laia para padre.
Ditas de lia
Ditas de seda fio da Eseossta e algodo
ptrra senltoras e meninas.
Lencos de labyrinlho.
Frobas delabviiiitho.
RiOP, icr.das e grades. '
Fiii-.-,i:.i> cambraias di- ewifs. percales,
las, e outros nutilos artigo* de giwto e
de alta boiidade, ale so
TASSO IRMOS
Tcm para vender cid seus armaren?, alera de ou-
tros, os seguales arligos :
Papel para Imprimir.
Perlina azul.
Grevc paulado c liso.
Vinhos em eaixas de dozo garrafas
Bourgognc.
Hery.
Hadara.
HormUagc.
Cliambl;.
Licor di ruray di Hollanda cm calfca? do vin-
teequatro botijihas.
GE8SU,
Nosarmazens do Tasso IraaoF.
Grades de ferro
para Jardhu, partatc ele.
Nos armazens de Tasso limaos
AllltIMSOS DG FERRO
t'.i'ri serrinos di maes armasens,pcr| remo-
ver barricas u eaintes de uin para cairo, lado pelo
mdico prcrode <2000 cada un.
Farinha de trigo de Trieste
Das mclhoras marcasPanonia (veidadeira) Fnn-
lanae grande sortimcnlo d3 manares nanas e
fariohas americanas.
Saceos de ariiilia de trigo do
Chile
CAPSULAS VE&ETAES
com NATICO
deGRIMAULT eC^phariwaCeuticos em PARS
Estas capsulas, com capa de gluten, conicem o balsamo de copahiba assoeiado essencia de
Manco (arvore do Per], c consiiiuem um remedio infallivcl contra a gonorrhea. Ella obro
sem cansar o estomago e n3o provoro nunca os rrjos e nauseas que occasiono as capsulas
ordinarias, tendo a immensa vaniagem de nao communicar oheiro's ourinas. E' por estes mo-
trvos que ellas s5o suppriores s capsulas de copaliiba, cuhebas. etc.
Deposite i'm Pert.ambuco, em cesa do Mrarer O*. *
Afprov*iio
iatcadmia
ittudtcina
di ParU.
PKarmaccut
liMTtai
i* aeadtnla
it medecinc.
EFFICACA
DO
As preparacies ferruginosas liquidas tem desde muilos anuos merecido a appmaeo
especial dos mdicos, porque ellas obrio mais rpido e segrame-.le de-que as pWas, e
sao mais fcilmente toleradas pelos doentes. Os Pos ferro-manjanicos possuem a icappre-
eiavel vantagem de poder ofterecer n'um instante nma agua ferruginosa gaseosa, de gosto
agradavel, mais acti'a do que as aguas mineraes, e contendo de mnis um elemento precioso,
o Manganese. que ssmpre se acha do sangue, junctaaente com o ferro Imprego-s* em
todas as molestias que tem por causa o empobrecimento u sangue, assim coro* para vigorir
os temperamentos debis e Ijrmphalicos. A chlorose, as Peraat brancas dores d'estomago,
a irregularidade da menstrucHo c amencrrha ou suppressio do menstruo, eedem rzptt.-
mente a seu emprego. Devemos mencionar aqu um facto notavel, isto que os doentes cora-
dos pela agua preparada com estes pos esto muito menos expostos a recadas do que
aqueles que forao tratados pelas prepracees ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, ero casa de Mwuw O*.
XAROPE DE RBANO IODADO f Dll III JC DI AMPJ|DQ
O Xarope de Rbano odado de Grimault e O, pharmaeeuticos de S. A. I. o principe I \ """ ^ ** fc^ U wW *
Rapoleio, em Pars, preparado com o sueco das plantas anti-escorbuticas cuja eficacia \ 1 COI I90URET0 BO PtfNtO- INMTCMkVCL
TERDADEIRAS
O Xarope de Rbano iodado de Grimault e C', pharmaeeuticos de S. A. I. o
RapoleSo, em Pars, preparado com o sueco das plantas anti-escorbuticas cuja
moi popular.
Eneerra o iodo como combinacio orgnica, e considerado come o melhor -succedaneo
do oleo de ligado de bacalho.
A rara perfeieao d'este producto anima-nos a dar a conhecer aqu a opinilo de alguna
Teir os prncipaes mdicos de Pars, que diariamente o prescrevem.
0 Xarope de Rbano iodado um medicamento d'um effeito suave e seguro para a
9 medcaco dos meninos, no smente suppre e oleo de figado de bacalho, mas anda fu
ae suas vezes com vaniagem.
D' A. CAZENAVf, medico em cliefe do hospital Sainl-Louis, em Pars.
0 Xarope de Rbano iodado 6 um medicamento de prmeira ordem para o tratamento das
affecedes Ivmpbaiicas e escrofulosas. Muitas vezes, empreguei-o com feliz xito, em cortos
o casos de tsica ao seu principio, como succedaneo do oleo de fgado de bacalho.
D' A. CHARR1ER, antigo che fe de clmica da Faculdade de Pars.
0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excellentes resultados como regenerador
do sangue, e succedaneo do oleo de figade de bacalho. >
Dr A. FAVR0T, autor do Trott des maladies des femmes.
O Xarope de Rbano iodado um dos mais poderosos modificadores das censtituicSes
lymphaiicas. Tenho visto ulceras escrofulosas que nada poda curar, cicatrzarem-se,
gracas a sua aceto, com promptidao extraordinaria. Tambem, pelo seu uso desepparecem
as affecedes tuberculosas dos ossos, nos meninos."
D* GUESNARU, antigo externo dos hospilaes de Pars.
0 Xarope de Rbano iodado possue todas as vantagens do oleo de figado de bacalho,
sem ler nenhum dos inconvenientes que aprsenla este ultimo medicamento.
D' GUIBOUT, medico dos hospilaes. Presidente da Sociedade de medicina de Paris.
COM IBOURETO B fll0 INtT*0CL
1PPROTADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARI8, ITC,
Pojsuiudo as proprledadesdo lodo ot do forro, eonvem eoporialmenlp as Arwrcofts
escrofulosas, a Tsica no principio,a fratmna d$ Umpermmenta tamf*m nos casos de
Falta iw eft, A%ir.rJnRiHeA, em que precia rpaair snuRt e mngub eja paroreiwtulr
Ihe a su riqueza e abundancia normae. ou para- provocar o-Mgular o sou curso ponodieo.
K. B. O iodorato dt ierro impuro oo al tarado 4 m caadicamento infiel,
_rtante. Como prova de pama o da anthearidafk da M0>I SH-
^ tala* ral, o>ve-sa- oxirir noao *> 't .^_*
^^ noa
noaso a'jui 'wprodarida, o;aa aa aaha aa parla Inferior
rain< wmr**. Dore-ie-desconfiar daa faLiifiacoi.
PAarmoceuftaa, naa
. a rha tu-
OLEO DR HOGG
DD
ligados frescos de bacallio
Para cura certa de phtisica, affccoSes esprofa-
es, tossechroniea, fraqueza dos. meinbrc^ e d*-
. ilidade geral, recomiiiienda-se a exeellencia deo
leo anda por sor agradavel Mk paladar.
\ENEE-SE
NA
B Xarope de Rbano iodado de Grimault e C* eneerra <2 porcento de iodo, na
loga que se acha no oleo de fgado de bacalho. a
Dr KLETZINSK1, profeuor de chymica, louvaao dos tribunaes de Vienna.
sua
compoitivo orgnica anloga que se acha no oleo de
""LETZINSKl, profeuor de chymica, Um
Deposito em Pernambuco, cm casa de Manrer O*.
Pharuiaela e drogara
DI
1!\RTHOLOMEU & C.
34 =. J\ua larga do Rosario = 54
CITIRRHOS
PASTILHAS PEIT0RA
de sueco deALF^xE
E L0UR0 GiEJ0
IRRiTaCOES
E' este o mais novo e denciuao wuieitu te '^ur connecido. Por isto tem adquirido ra-
pidann-Dic a populardade de que goza. Os ir ^.^ os mals distDctos O aconselho contra
a> ua.-M, defhueos. catarrhos. tosset convul^ ^jarr/^iepidmico, irritaede* do peito.Com
grande m|mhoo proeurfto as mies de fr miia' assim para ellas como para as enancas, pois
prroieiro que lude e inoffensivo. e as ^ p^priedadei adecantes oto deixto nada a desejar.
Deposito em Pernambuco? em tr jB Am iBOr,r e c*.
CAPSULAS MOLES
DE
ALCATRAO
Remedio por exeellencia para cura rpi-
da e completa das coqueluches, bronchites, I
catarrhos, tosses convulsivas, cscarros san-J voltarete.
LOJA IHI ALLO VlfilLim
Ba do Crespo n. 7
Mandou vir de sua cor.ta e acaba de re-
ceber pelo ultimo vapor, completo srtimen-
ot de objectos de novidade e phaala^a, os
quaes estao resolvidos a vendep^or precos
nimiamente baratos, para assim auimar aos
concurreutes e ao inesmo tempo dar saluda
ao grande deposito que tem: isto ra do
Crespo n. 7, loja do Gallo Vigilante.
Gollinhas, punhos e camisinhas para se-
nhora, fazendas de gosto e ntrvidade.
Finos vestuarios para baptisados, assim
como touqiiinltas, sapatinbos e meiasiahas
para o mesmo tm.
Grande sortimento de bicos.e rendas de
croch e de outras muitas qualidades.
Superiores eaixas com msicas e sem el-
las, tendo o necessario para costuras, pro-
prias para um delicado mimo.
Finas eaixas com tentos e sem ellas para
quinos, e outras molestias do peito.
VEMDE-SE
UIAKMACIA E DROGARA
DE
Rartholomeu & C.
34 RA L:VRGA DO ROSARIO^4
AO BAZAR DA MODA
Ba Nova n. 50. esquina da ra de S. Amaro.
NOVIDADES
Para senhoras. FLORES finas, grande sortimento.
GltlNALDAS de ditas para roques.
COQlrKS da ultima moda, enfeitados e lisos, gran- LAQOS, fivclas, poaacbo* para eufetes.
di-
wirtriienhK
CHAPELINAS de palha da Italia, guarnecidas com
dt-.li'' i')r- e elegantes enfeites hrancos e de cores
GHAPRUSI.NHOS e gorras de velludo e de pennas
(iIl-i nividad > I) ile palha da Italia, a cmtiacao,
(Mwri 'I sur imento.
C1XTOS do eorw e pretos, rico sortiinenio ulti-
m;t mo la.
CAMISAS borladas porcoinmodos precos.
LENCOS bordados e com letras, novidade neste
genero
fcKQl-ES a emitacao de niarflm, gosto novo e do
sndalo.
CO..l\i.\s e punhos, a emitacao de guipure.
Para bonicas.
doli-
CAMISAS un peitos, colarnhos e punhos
uhO'fio,' liaos e bordados, moda,
OOr.RrNHOS de lnho e algodao.
PUNHOS de ditos.
GKAVATAS do todas as qualidades.
1IOTKS para punhos e guarnieoes para colotes.
(X)RRE.\TES de plaque, a einileao do ouro, lin-
do gosto.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
lidade superior.
CHAPEOS de seda, para sol.
a Marte Rose, ulti-
liodos
EXKKITES pretos e de cores para cabeca, lindos ,K,AS de mperu^ qualidade.
molde-.
Caknicao alta novidade t
luaoien'e usada em Paria.
CORPINHOS de guipure brancos o pretos
llUHlelos.
*0RMJS de lia e seda, cores claras, elegante
moda em Puris.
fUUNAl.OAS ile flores finas.
SRPARTd HOS superiores.
I\S supe inres de fio de Ecoeia.
|LUV VS .h; pelira chegadas pelo ultimo vapor.
AD^'tWH de coral verdadeiro e camafeo, i
dsttradu.
DE PALHA
eOARNfrr'(")i':s para vestidos.
W^VCA" para enfeites de coques.
f. rr^s liso; e com pingentes para vestidos.
CUTOS alta novidade.
gosto
UEXGALINHAS finase chicotes.
LUNETAS aro de ac e larturaga.
Para crlaneas.
VESTUARIOS completos para baptisados.
SAPATINH08 de merino e setim enfeitados.
MEIAS de seda e fin de Escocia.
CHAPEUSINHOS de palha da Italia.
TOUCAS de Al e setim enfeiladas e de chroch.
BUNRCAS vestidas, muito bonitas e diversos
lirinquedos.
Perfumarlas finas.
AGUA FLORIDA verdadeira de Murray & Lan-
inan New-York.
TOXiCO Oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA de E. Coiidray e superior agua e
esseocia de Colonia.
ESTRATOS e esseucas linas c de agrada veis aro-
mas para o lenco.
VINAGRES aromtico; para toilet.
POS DE ARROZ para amaear a pelle ; em pce-
les c ricas caixinhas rata arminho.
POS superior para linip;.i' os denles.
COSMETIQUES de fina (|ualdade.
SABONETES, grande sortimento deste genero e
de superior qualidade.
LEOS de philocome, babosa e antiques.
BANHA lina para os cabellos.
AGUA de flores de laranja.
CREME de sabao para 1 arba.
Cakas preparadas com perfumaras finas.
nitidez as finas.
SUPERIORES fitas de grosdenaples de todas as
cores e larguras de .eludo preto e de cures, e
gurguro para cintos
RARADINHOS e ntremeos bordados.
GUARNICOES de seda le cores para enlutes de
vestidos.
TRANCAS pretas com vidrlhos e pingentes.
BOTOS de cores, brancas e pretos com vidrilhos
lisos e com pingantes.
DEDAES de maa. ^peola, de marfim, de oo c
metal.
THESOURAS finas para costura e unhas.
CAIVETES finos com quatro folhas. E muilos
outros artigos de miudetas que se torna enfi-
donho menciona-los.
Agulhas para machinas de costura.
Ditas para croch, sendo de ac, marfim
e outras muitas qualidades, assim como -
nhas para o mesmo mister.
Finas grinaldas para noivas.
Meias de borracha para quem soffre de
erjsipella, assim como meias,de laa para
os que solrem de rheumatismo.
Suspensorios para homem c merinos.
Finos pentes de tartaruga para coques 9
de outras muitas qualidades c para outros
austeros.
Dedaes de rnadreperola, marfim, osso,
ac, metal, etc., etc. ..
Superior agua cosmeocome para Ungir
cabellos, dando aos mesmos a sua oor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas perfumaras
dos melliores fabricantes, assim como mui-
tos outros objectos que impossivel des-
crever: isto s na ra do Crespo n. 7, loja
do Gallo Vigilante.
Collares Royer elctricos magnticos con-
tra as convuls&es das enancas c para facili-
tar a dentinco das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor distes prodigiosos
collares e contina a ter sempre gra.ide de-
posito. na do Crespo n. 7. ;
Tudo se vende por presos bastante commodcs.
Meias elsticas de borracha.
As*elhores e excellentes meias elsti-
cas de borracha contra varizes o crysipellas.
Vende-se na
Pharmacia e drogara do
Bartliolomeu C.
34ra largado Rosario31
Manoel Al ves Ferreira 4 C, m ruada
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
siperior potassa da Russia em barris a raeios
barris e cal de Lisboa da mais nova que ha
no mercad.
Todas novas. ohogadM ultnyiniente nos arma-
zens de Tasso Irmios.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso irm$M.
Cemento hydraolieo 12^
Omelhor para tudo que sao obras par agua, co-
mo asseMaroento de canos de esgoto, aljferozes.de-
posilo, tanques d'agua. ele., etr.: em porrees de
eiaeoento barricas se far reduryao no \>rero: nos
armazens de Tasso fruaos.
Cemento Portfand
0 verdadeiro cemcHto Portbnd em-casa Aa Tasso
Innw.
Grades de feTO, ceibas, pw-
teirasv etc., ete.
De difltrentes qnadftdes para cercados de anr-
naog, rbiqueiros para galinbasou jardn;: nosar-
; OWens dt' Tasso IriuaoS'.
Barris eom breo
No? armazens de Tasso Inians.'
i CANOS D BABEO
i Na ra Nova de Santa Rite, na antiga fabrica dr1
sabao, ha fiara vender por prwo o na BiadiMM
poesivel, canos franecz?y-pftr; ediliraeo^s eesgo-
toa de tuda a-quaHdade, sBpgytorcs a lodos os que'
aitui tem apuarecido pela sua solidez.
PRECOS
i 400 p^' cano grande de '-i meia polfegadas.
i A300 por dito de 3 e tres qeaflos de dita*
1 -50 500 ris por pistoleta de pollegadas.
Cotovello cursase cano-de mainr grosmra,a
litase faro preeo, Compras tuaores d 200
tiii 5 por cenlo de deseonlo |jr prompto pat.i-
atenlo. Pte-se ver as amostras nos rameos
ib Tasso Irmios.
lijlos raaeezes
Para ladrinr casas terreas easaasseioe presos
Bodieos, muito convenientes e proprios para Jadri-
ktaus de cosialias em sobredi', pelo Bou asseio e
vitar a pasaagsn de aguas para o andar iaferior
- mesmo opsngodefbfe, aos iHf'fos de 30tf080a
vi.40U0 o nvilueiro : na raa Niade Santa Rita, na
juii.L'a fabriea de sabao, e compae maiores d> 2003
t-faro por cenlo de descont por prompt<> paga-
uento. Podeni-se ver as ai!:f*tras nos armazens:
de Tasso Imias.
Velas de esparrrccte verdadeiras pa?a lan-!
u-rn.'i desamas; norj'iiiazein dcTassoIrmaos.
Vinli) do Porto Uno superior: no armazeni
de Tasso traaos.
O mallior cognac Gar.ti.ier Frercs : no arrra-
zem de Tasso Irmaoe.
Esteiras da Indk
tm casa de Tasso Irmios vende-se esteiras da
India de diversos padrCes e larguras, por pceo
commoo.
Macarthy
W;it iiliius fie descampar aleudan.
Ho; <\\}e est reconhteido que as machinas dt;
serrote-prejudiram c querrn! a fibra do algodao,
preciso recoirer a Htaclnismo nunos spero,
que produzindo o mesmo servido qua queli
facliilade no trabalho nao quebrem a fibra da Ka.
para que essa possa cfcter-nos increados europeos,
a differenca que lk"i entre o alpodc descarooado
Ir aquellas menetamadas machinas, que cstii li-
eando em iteuzo, pelo pnjuizo qjie tem cassado,
e o da antiga bolandeira, que nao pode competir
pla luoresidade de seu trabalho. E' assim. (|ue
estas machinas se tornain as mais proprias para o
nosso algodao, porque ao par da f:iciljdadc c
promptidao conserva a fibra da Ka, que Hinpa p""
ella. qualilieada na Europa a par damemnr tto-
landeira, valcndo assim entre tO arrobas 20 0/0
mais do que a laa limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
estao adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
foram inteiramente abandstdas, c por isso o algo-
dan daquella pro-edeucia, sendo da qualidade do
da nnssa provincia, obten hoje de 10 arrobas 20
0/0 mais do que o nosso : vendem-so a 1505000
nos armaiens de Tasso Irmaos.
Oleo de amendoas
Em eaixas de 8 latas, cada caisa 10U libras :
nos armazens de Tasso Irma os.
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Qurimado n. 49, loja de miudezas de
Jos de Azevedo Maia e Silva, tem para vender os
artigos abaixo declarados, tudo bom e baratissi-
mo, que sao para acabar.
Duzia de sabonetes muito finos a ZpO rs. -
Pares de sapatos de tapete para homem a 1*280.
Ditos de tranca para cn-anca al.
Tramoia do Porto, bordaaa, a melhor a 200 rs.
Dita do Porto liza, da melhor qualidade a 100, 120,
160e 200 rs.
Resma de papel almaco, lizo superior a !-i200.
Dita de papel almaco paulado a 4S.
Livro de missfies abreviadas a 2.
Cartimas com toda a doutrina e muitas resas a
320 rs.
Silabarios portuguezes rom eslampas a 320 rs.
Baralhos francezes muito finos a 200 c 240 rs.
Sabao inglez superior qualidade a 500 c 15-
Grvalas pretas o de cores muito finas a 500 rs.
Duzia de meias para senhora, fazenda fina a 45-
Redes pretas lisas para segurar cabello a 320 rs.
Varas do transa de seda de todas as rres a G00 rs
Pares de brincos dourados com maozinha e po-
dras a 320 rs.
Cartoes com corchetes de duas ordens e 9o de la-
tao a 20 n,
Ahotuaduras de vidro para coleto muito finas a
120, 240 e 400 rs.
Pares de botdes dourados para puniros a 160 rs.
Caixas de pennas de ac muito finas a 240, 320 e
800 rs.'
Cartoes com duzentas jardas do linha do fabri-
cante Alexandre a 100 rs.
Caixas do pennas de ac, a verdadeira peona a
14200.
Carriteis de linha Alexandre ns. 70,80, tOO at
200 a 100 rs.
Caixas eotn superiores brelas de massa a 40 rs.
Carriteis com duas oitavas de retroz preto a 500 rs
Duzias de agulhas para machinas a 25-
Libras de pregos francezes do todos os tamanhos
a2i0Vs, ,
Livrosescripturados para rol de roupa a 120 rs.
Caixas com papel amisade muito fino a 700 rs.
Caixas com cem envelopes da meiuoi qualidade a
600 rs. ,
Talheres para meninos muito boa fazenda a
240 rs.
A NOVA ESPERABA
21=: Ra Jo Queimado=-2J
E para presentes
A Nova Esperanca, ra do Queimado
. 2t tem um variado sortimento de objec-
tos de gosto e phantasia proprios para pr-
senles, soliresaliindo entre elles ricas caixi-
nhas de bano com finas perumarias, eos-
torciros fle chagrn, aguiheiros de madre!
perola : assim, pois, quemquizer fazerumi
linda offerta, dirigir-so Nova Esperanza,
rita do Queimado n. 21.
Collares anodinos ellctro-magne
eos cora as convulces das
crcanccs.
NSo resta a menor duvida, do qne niuitc
collares se vondem por ah intitulados o
verdaderos de Royer, e ei porqse muitos
pas de familias nao creem (comprando-os)
to efferto promettido, o que s-pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porro
que detesta a falsfkaro priiicipalmentc no
que respeita ao bem estar da humanidade,
Tez urna eneommenda directa destes collares
e garante aos pas de familias, que s5o os
verdadeiros de llover, que a tantas crean-
ras tem salvado do terrivel incommodo de
convulces, a.'sim pois precifK), qtte ve-
nham a Nova Esperanca a na do Qneimado
n. 2 comprarem o salva vida, para seus
fillrintof, antes que estes sejam acomrnetti-
dos c? tlicil alcanrar-se o effeito desejario, embota
sejam cnupregados es verdadeiros colarw
(le Itoyer.
Para extinguir as sardas &
panno
Receben a Nova Esperanca, ti ra fo
Queimailo n. 21, leite de rosas, especia
par extinguir sardas e pannos.
BOSECA DE CEM
A Vm esperanca a rita do Queioado n.
21, acal-! de receber um completo sorti-
mento oe finas Sonecas de cera de diver-
sos tamanhos, sendo as maiores do com-
primenti d'um cebado ; estas bonecas tra-
zem bonitos coques e botinas, havendo en-
tre ellas algumas que fallam e outras que-
choram de sorte que laiihnente podem ser
preparatJas, e fazep-se um presenk de milita
acceitac?).
Finas -aixas de tartaruga para rap vi
dem-se a-ra do fcneimado 21 na Ioj
ia Nova Rsi>eranca.
Modernos brinco de sndalo, s se er-
ontraro na Noto Esperanza a rna do
Queimado n. 21.
MEA&-DK LAA
A Nova Esperanca a ra do Qmimaion.
- 3'. acaba de receber um especia! sortimer-
ta de mei.ts de laa para homem c senhora.
C3KTOA A& CONGESTES
mal terrivel a congestS fulminante:
da n-pen leva um individ d'esta para
niilttor vida, sem dar-lhe terapo de receber
etwersa medica; deixando as mais da
veses rnuter e filhos no mais amargurado
pranto ; a-Nova Esseranf a que deseja pre-
tar serviros recorren a Vojar, 0 qual lhe
mandou aunis elctricos magnticos, como-
o nico greservatwro para semelhante mal i
olles ant8S que se aeabem : na Nova Bspe-
i anpa-
NWALHAS
A> Nova ^speranca a ra do Queimatl
n. 21 rscebeu ura-sortimento de navalhas,
de quatidades, e tamanhos especiaes assia
enmo afiadoi-es e massas para as MOMMO.
Vesdem Augi^td F. d Oiivcira
| CniKicrcio, n. 42.
:!'. C:
Vende-se urna boa escrava com idade de 22
annos, a nual coze, cozinha engomm;., lava, e
tambem boa vendedeira ; o motivo de ser esta
escrava vendida, ella propria assim o querer:
quem, precisar, dirjase Santo Amaro, ao so-
brado junto do eemiterio Inglez.
Vende-se alaberna da ra de S. Jos n. 2;
na mesma preeisa-se de um caixeiro que d conbe-
cimeato de sua'conducta.
Cemento de Portland.
Vende-se no armazem de Vicente Ferreira
Costa & Filho, na ra da Madre de Dos n. 22,
barris grandes.
Em casa de Theod. Christiansen, ra do Com-
mercio n.' 16, encontram-se effectivamento todas
as qualidades de vinho Bordeaux Bourgognc e do
Rueo.
Para familias
Cirande Bazar, ra Ttova ns. XO
.de C arueiro lianaa A C.
Acal>a do chegar a este esabeleciment.
grandeporco de machinas para costuras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposii;o de Paris, as quaes cozem com
dons posj>ontos tofla a costura, c Um a
vantagem -de ser tao suave o moviniento,
que qualqner crianca de oito asnos fcil-
mente trabalha, c podo, com este entrete-
nimento, levar vantagem ao servieo diario
de trinta coslureiras. A comprehens5o
simples, pois em um quarto de Lora se fi-
,ca senhor do movimento da niaeliina, ten-
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar.
franzir. marcar e bordar, como apresentam
os desenhos que acompanham-nas. Os pro-
prietarios do eslabelecimento se encarre-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e
garanlem entregnr o importe dispendido ao
comprador, no caso de no trabalhar com
perfeic2o a machina vendida, n5o tendo,
porm, soffiido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo eslabelecimento machinas
do autor Grower A Baker, de trabalho sim-
plesmentc mo, e out as com movimento
dos ps; e mxime todos os pertences das
mesmas machinas, para vender avulso.
Tintura japoneza
Instantnea para tingir os cabellos e a
barba, a liiOOOo frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido reoonhecida suparior a todas
as tinturas d'este genero.
A venda em casa.de Gustavo HerVelin d.
51. ra da Cadeian. 51.
Chcgou ao antigo deposito de Henry Forstr &
C, ra do Imperador, um carregament-de caz
de prmeira qualidade; o qual si vende em partidas
e a retalho p.ir menos prefo de que em outraqual-
quer parte.
FUNDICAO DOBOWMAN
Ra d Bruna n. 5*.
Machinas de vapor. .
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos do ferro, batida fundido.
Rodas dentadas, pata moer com agoa,
vapor c animaos.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucar.
E outros muitos objectos-, etc. etc., pro-
prios para agricultura. _________
l^Hasba a3#000.
"Superior rap princeza d Lisboa 3T00 a
libra e meio grosso a 1(5000 no antigo de-
posito ra da Cadeia u. 51.
i


Diario de
-*

I'
GRANDE
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
1)0
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprietario (Teste estabelecimento convida ao respeitavel publico tiesta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tera defiendas, tanto da moda como
de lei, e as pessoas que negociam em pequea escaila, tanto da praca como do raatto-
nesU casa podero fazer os seus sortimentos em pequeas e grandes porcoes, venden-
do-se-lhes pelos precos que se compram as casas ingiezas ; assim como as excellentis,
simas familias, poderao mandar buscar as amostras tfe todas as fazendas, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se este estabelecimen-
to aberto constantemente desde s 6 horas O atoalhado do Pavao. AS CAMBRAIAS DO PAVAO
Verrfe-se superior atoalhado de algodo
com 8 palmos de largura, adamascado a
202GO a vara; dito de linho fazendamuito
superior a 3iOO a vira ; guardanapos de
linko adamascados a 4$30O a duzia e muito
finos a 8f? a duzia. ,
Postees para vestidos fcrancs
a40.
Vendem-se os ms modernos fastoes bran-
cosflexrms com padroet de listas e de
salpicos jw-oprios jara vestidos e roupas ie
menino a 640 rs. o covado, na loja e arma-
zem do Pavo ra da Imperatrizn. 00, de
Flix Pereira da Silva.
Gcssdenapftes
Cbegou para a loja do Pav^o pelo ultimo
varpor um grande sortimento dos melhores
grosdenaples pretos e de cres, tendo verde
tambem, que -se vendem mais barato que
em outra qualquer parte.
BABADINHeS
Vendem-se fmissimos habadinhos, tiras
bordadas e cntremeios, mais baratos de que
em outra qualquer parte, assim como espar-
tilbos dos mais modernos, no armazem de
Flix -Pereira da Silva, ra da Imperatriz
n.-0.
ALTA N01IDADE
A LOJA DO PAVAO
Gurguro de seda
Cbegaram pelo ultimo vapor os mate bo-
nitas gurgures de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos e lavradinhos, comuito
lustro, garantindo-se que o a fazenda mais
linda e de mai6phantasia chegado a este mercado, e vende-se por
preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
a. '60, de Flix Pereira da Silva.
GROSDENAPOLF.S PRETO A QUATRO
PATACAS S O PAVAO.
Vende-se grosdenapoles preto de boa
qualidade pelo barato preco de 15280 -co-
vado, s na loja e armazem do Pavao, da emperatriz n. 60 de Feliz Pereira -da
Silva.
CAMBRAIA BRANCA A 3^300.
Veade-se pecas de cambraia branca
Vendem-se fmissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto ingiezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de >*500 at IOSOOO a peca, assim
como flnissimos organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 1)5000, a vara, na loja do
Pavao ruada Imperatrizn. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Alpacas JaTradas
Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que se vendoi a 1^000, o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de canna a
800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:200,
o covado, e outras'muitas fazendas de gosto
e moda que se vendem mais barato do
que em outra qualquer parte, no armazem
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
Roupas para homeni
Vendem-se superiores palHts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas ingiezas e francezas -com os peitos
de esguio, ceroulas francezas de linho eal-
godao, meias cruas ingiezas superiores, ca-
misas de flanclla e de meia de 13a, assim
como neste estabelecimento existe um grande
sortimento de pannos pretos, e de casemiras
inglesas de cores, e que se manda fazer
qualfjuer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-lhes que-serlo servidos
com a maior promptido e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janeiias.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios jara camas e pera janeiias, que se ven-
dem a 12000 rs. cada par at 23000 ,
isto na ra da Imperatriz n. 69, de Felk
Pereira da Silva. *
Cretoaie para leu<;es eoin 1
palmos de largura a 2$,
Acaba de chegar esta nova e excellente
trasparente, com 8 e meia varas pelo ba- fc^.Z,2Lr^ETE5=
,-af Ua sAann /litasm..;io.finastantn lazenrt.1-aianca propna,paia iencoes aeum
rato preco de 3>00, ditas muito finas tanto
tapadas como transparentes 43500, 5>000,
03500, 73000 c 8O00, assim como organ-
d muito fino tanto lizo, como de listas e
quadros na loja e armazem do Pavo ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva. -
ALPACAS LAVRADAS 1PARA LUCTO.
Vende-se na loja do Pavao, as mais mo-
dernas alpacas lavradas para lucto, sendo
muitolargase pelo barato preco de 800 rs. o
covado, s na loja e armazem do Pav3o, ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
Cassas Ingiezas a II rs o metro
Vende-se urna grande porco de bonitas
cassas ingiezas tanto graudascomo miudi-
nhas e de cores fixas pelo barato preco de
110 rs. ometro,garcntindo-se que 7 metros,
s panno, garantindo-se que um metro e
urna quarta ou um metro e ineio d um
excellente lencol de um panno, assim
como esta boa fazenda tambem muito
propria para tealhas de meza, rosto etc. e
outros mysteres e vende-se pelo baratissi-
mo preco de 23 cada metro.
MOCA.MBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Chegou para a loja do Pavo um elegante
sortimento dos mais bonitos mocambiques
proprios para vestidos com as coros mais
modernas c que se vendem* pelo barato
preco de 500 rs. o covado.
ALPACO DE CORDOPARA VESTIDO A 15
Chegou esta nova fazenda com o nome
de alpaco, sendo de cordo e com mais
largura do que a alpaca, com as mais linias
-lio um vestido para qualquer Sra. s na c,.es> ^y^y sejam Bismark, lyrio, perolas,
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva.
Bareges a 400 rs.
SO na loja do Pavo
Se vendem as mais bonitas bareges transparen-
i s, proprias para vestidos com listrinhas a mita-
cao le tislras de seda, c vendem-se pelo barato
preco de nm cruzado cada um covado, nicamen-
te na loja e armazem do Pavao, ra da Impera-
triz n. 60, de Flix Pereira da Silva.
Grande pechincha para a
quaresma.
VESTIDOS PRETOS A 45)000.
Vende-se superiores cortes de vestidos de
&da preta lavrada, sendo fazenda muito
encorpada e muito moderna, pelo barato
preco de 45,-?, nicamente na loja do Pavao,
ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pereira
da Silva.
COLCHAS PARA CAMA A o000.
Vendem-se colchas de fusto adamasca-
das para cama, pelo barato preco de 5$,
grande pechincha, na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
COBEKTORES INGLEZES A 14, 1>300 E 5#.
Vendem-se os verdadeiros cobertores
ingleses, de pura laa, pelo barato preco
de 4#, 4i>00 e 5$, assim como colchas de
fusto de cores, pelo barato preco de 3#. na
loja e armazem do Pavo. ra da Impera-
triz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
A 2J, OS BALKS DO PAVO.
Vendem-se superiores bales america-
nos 0c trinta a quarenta arcos, tendo as fi-
tas bastante largas, sendo muito fcil trans-
l'orma-los para outro qualquer novo modelo,
el
oxo, cor de caima, magenta etc. e vende-
se pelo baratissimo preco de 1$ o covado.
ROJffiffiAS PARA QUARESMA A 16,,
Chegaram as mais bonitas e modernas
romeiras pretas de guipure, que se vendem
pelo baratissimo preco de 16$ cada urna.
SOBRECASACOS PARA A QUARESMA A 185 E
203.
Vende-se um grande sortimento de so-
brecasacos e palitots sobrecasacados de fi-
nissimo panno preto pelo baratissimo preco
de 185. sendo forrados de alpaca, e por
20;?, todos forrados de seda, grande pe-
chineha, principalmente por estarmos na
quaresma, assim como, tambem se vende
um grande sortimento de caigas e colettes
de casimira preta que se vende muito mais
barato do que em outra qualquer parte.
ESGLTO DE LINHO DE \l JARDAS A 10.
Vende-se pecas de esguio de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada peca, a
103000.
ALTA NOYIDADE
A
Loja do Pavlo.
GRGURES PARA VESTIDOS A 1^000,
O COVADO.
ROUPAS FEITAS
Na loja do Leo da porta larga
DE
PAREDES PORTO.
Ra da Imperatriz n. 52, junto aloja deourives.
N'este estabelecimento se endurar j ra da Imperatriz n. 52, loja do Paredes
sempre um cempleto sortimento de roupas I orto. ____^__t _____
leitas de todas as qualidades. Comose-| Neste estabelecimento encontrar o. espe.-
iam: paletots de alpaca, de merino, de tavel publico um completo sortimento de
caseraira, bomban de panno preto, fra- fazendas e roupas que. se vende pelos pre-
ques c sobrecasacos de brins de cores c eos seguate: __..
nardos rAZbWUAo rntiAS.
CALCAS E COLETES. Complejo sortimento de fazendas pro-
Tem semprei mesmo sentido um sor- prias para a quatesma, como sepm: gros-
timento completo a preco commodo. de-napies a 2d, 2,9300, U, 3*o00 o coya-
"CAMISAS ES1R0ULAS do, moreantique de diversas qualiiades
Encontrar aempre o respetavel publico a 2^200, 2^1400 e 2800 rs., sortimento de
ortimento de todos os nmeros, alpacas pretas e de cores de 500 rs. at 1#,
um bonito sortimento
MEIAS CRUAS.
Sortimento de todas as qualidades, de
3,$ a S(9, assim como tambem sortimento
princza, mirin de diversas qualidades.
FAZENDAS BRANCAS,
Madapolo do diversas qualidades e pre-
de lencos de linho brancos e com barras eos commodos, cambraia de 3)5500 11500
de cor, chinezes, bonitas gravatas pretas e e 5#, ditas victorias de 50500 a 120, pecas
de ores. Ba da Imperatriz n. 32, por- de cassa liza o mais fino que ha no merca-
do a 90, 100, 120. com 12 varas, e vara
de largura
SEDAS DE US TRAS.
Recebeu-se um bonito sortimento d'esta
ta larga.
PARA ACABAR.
Urna grande porco de calcas ordinarias
para trabalho a 610 e 800 rs. cada um par,
e pechincha na loja do LeSo junto a loja de fazenda que se vende a 20500 o covado.
ourives. CHITAS.
GRANDE PECHINCHA, I Vende-se chitas escuras a 280, 300, e
Cassas he cores a 640 rs. o covado, na 320 rs. o covado.
No armazem do Leao, na da Imperatriz ns. 48 e 52, junto a loja de ourives
e padaria franceza.
FAZENDAS PRETAS
PARA A QUARESMA
AUTO PORTO a C.
Rtia do tyicimndft n.H
fteceberam directamente da Europa as mais superiores fazendas pretas eqp<
ciacs para a quaresma, as quaes esto vendendo pelos mais mdicos precos em sta
a superior qualidade de ditas fazendas.
ALTA MI V IIIAIIK
Casquines pretas de renda, vendadeira novidade, para senhora.
Gorgurao preto de seda liso e com listas assetinadas para vestidos.
Grosdenaples preto largo estreito de diversas qualidades haveado neste ge-
nero o que ha de melhor.
Basquines de croch pretos, ditos de seda preta com cintos delicadamente en-
feitados, elegantes, pepkims de seda preta, fiches pretos de renda, modernas capinhas
pretas de renda e superiores vestidos de gorguro preto bordados.
Aloja n. 11 da ra doQueimado tem sempre o melhor sortimento de tapetes,
alcatifas e
Estars de?India para forrar salas.
ARARA
Lourenco Pereira Mendes tiuimartSj proprietario da loja da Arara, ra da JHiperatriz
n. 72, declara ao respeitavel publico o, seus freguezes que acaba de concluir o Dalanco
desua loja de**azndas fazer ahmente-* fasendas que julgou neesane para
vender mais barato qe em outra qualquer parte, por isso roga ao respeitavel pttblico o
favor de mandar var as amostras das mesmas para ver como se vende barato.
(HUAS FRANCEZAS A 280 RS.
Veudem-se chitas fraecezas a 280, 320 e 360 rs. 0 covado.
MADAPOLO A 6tt0.
Vendem-se pecas de madapolo lino a 60, 70, 80 e 90000.
<;anga a sao rs.
Vende-se ganga para caica e palitots a 320 e 360 rs. o covado.
CASTORES PAJIA CALCAS.
Vendem-se castores para caicas a 240 o 280 rs. o covado.
LAAZ1NHAS A 240 RS.
Vende-se lazinha a 240,360 e 32/ rs. o covado, eoutras muitas fazendas e roupas
feias, fazendas pretas para a ipiaresma, como gros-de-naple, casemiras e panos pretos
de todas as qualidades, bales de 20 35 reos a 10500 rs., cortes de brim para calca
de homein a 610 e 800 rs. cada um, por este preco so na loja dajArara ra da Impera-
triz n, 72.
Chegaram os mais modernos gurgures
para vestidos, sendo de todas as cores, como
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
ma-ios P^30^1^^^'.";"^'^ rxo & & tendo quasiquatro palmos de lar-
iquidam-se pelo barato preco de 20 cada i gufa e vende.seH pe^1 baraissrao p
um sendo fazenda que sempre se venden fflAbTZScSSo Z>
a 7# e 80, isto na loja e armazem do Pa-
vao, ra da Imperatriz n. 60. De Flix
Pereira da Silva.
Madapolo enfesiado a 8&500
Vende-se superior madapoloenfestado,
sendo muito encorpado, para carnizas, e
preco
ao ar-
Lourenco Peruira Mendes Guimares paoprietario da loia do grande Garibaldi, ru
da Imperatriz n. .:8.
jj^clara ao rospettavtl publico, que rcebeu um grande sortimento de fazendas
de todas as qualidades, tanto para a praca como para o mato, aos quaes espera Ihe fa-
cam a honra de frequentar o sen estabelecimento que lhe prometiera vender mais barato
do que em outra qualquer paite.
CORTES DE LA A 2i00 RS.
Vendem-se cortes de Isa para vestidos a 20100 e 30000
CHITAS FRANCEZAS LARGAS A 280 RS.
Vendem-se chitas francezas a 280. J20, 360 rs. o covado.
LAAZISHAS A 240 RS.
Vendem-se lazinhas para vestidos a 210, 280 e 320 rs. o covado.
ALGODO A 45000
Vendem-se pecas de algodo a 10, 50 e 70^00, pegas de madapolo a 60, 70, 80
e 90000.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 4000.
Vendem-se cortes de casemira preta para calca a 40, 50, 60 e 80000, cortes de
ganga para calca a 10280 rs., ditos de brim 800 rs., ditos de castor a 10000.
CHITAS PARA COBERTA A 320 RS,
Vendem-se chitas para cobertas a 320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 320 RS.
Vendem-se cassas francezas para vestidos a 320 e 360 rs. o covado.
Balfes de 25 30 arcos, a 105OOrs. cada um, s se pode ter balo por este pre-
co, e outras muitas fazendas pretas para a quaresma, pannos, casemiras e gros-de-na-
ples preto, outras fazendas muito baratas que se do as amostras. Na ra da Impera-
triz loja do Garibaldi n. 56. _____
ATTENQaO
Lourenco Pereira Alendes Guimares, declara aos seus devedores que enlregou ao
seu procurador o Sr. Bernardino deSenna Dias as suas contas para elle promover seu
recebimento conforme lhe convier amigavel ou judicialmente, por isso roga-se a todos
os devedores vir ehtender-se com elle na ra da Conceico da Boa-Vista, ou na loja a
ra da Imperatriz n. 56.
0 cordeiro previdente
Una do Novo e variado sortimento do perfumaras
linas, e oulros objects.
Alm do completo soiftimeoto de perfu-
maras, de que efledlYamente ccl provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade de etlertos, dade, qualidades e commodidades de pre-
ces; assim, pois, o Cordeiro Providente pede
e espera continuar a merecer a apreciaco
do respeitavel publico em gpral e de sita
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecldamtnsMSq
e barateza. Em dita loja eneontraro os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conser-aco do
asseio da bocea.
Cosmetiqucs de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, trasparente,
eoutras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples eenfeitados.
Essencia imperial do linoeagradavelchci-
ro de violeta.
Ostras concentradas c de clteiro igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de dif-
ferentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos,
tos muite finos emeaixinha para barba.
Caixinhascem bonitos sabonetas imitando
frctas.
Ditas de madeira mveniisada oontendo fi-
nas perfumaras, nmito proprias para pre-
sentes.
Ditas de $ape!oigualmente lxmas, tam-
bem de perfumaris finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes noves e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p do arroz sem composi<;o de
cheiro, eportssoomaisproprio para crian-
zas.
Opiata mgfeza e franceza para dent^.
Pos de eampliora e outras diferentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental deKemp.
Alada auals coque.
Um ou'O sortimentos de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets ele vidrilhos.
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
esto todos expostos aprecia<;o de quem
os pretenda comprar.
GOLLUHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perl'eico.
Flvettaft e Otafl para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha aogosto do com-
prador.
FLORES FINAS
O que de melhor se pode encontrarnos se
genero, sobresahindo os delicados ramos
orvallados para coques.
Para vlagetti.
Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
precos commodos.
Ctiapelinas de palha da Italia mu bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
ro presentes a quem se dirigir a dita loja
do Cordeiro Previdente a ra do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente ra do Queima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidade de precos.
ALEM D'AQUELLES.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de galloes de la, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade degostos os tomam recommenda-
dos e apreciados ; compareco pois os pre-
tendentes que sero servidos a contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PELLICi.
De todas as cores! tanto para hornen*
como para senhoras, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Providente :
ra do Queimado n. 16.
mazem de Flix Pereira da Silva, na ra da
Imperatriz n. 60.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
(PAVO.
Vende-se urna grande quantidade de re
tendo cada peca 24 jardas, pelo baratissi- talls de cn,tas e a* P.retas, Pr P"*
mo preco (8*300, na loja e armazem do mudo barato, e quanto maior for a porco
Pavo ra da Imperatriz n. 60. De Flix Pereira da Silva.
,%s 9,000 varas a 500 rs.
Vendem-se as verdadeiras cambraias
francezas, com lindos padrees e cores fixas,
sendo tapadas e transparentes, pelo barato

vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
Grosdenaples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
preco de 500 rs. a vara, ou 300 rs. o co- Ihores grosdenaples pretos, tanto lar-
vado, sendo fazenda que ningnem vende gos como estreitos, sendo de 20000 rs. o
por menos de 7 ou 8 tustoes, e liquidara- covado at 4i5000 rs. garantindo-se que
se por este barato preco, por se ter feito n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
urna avultada compra, na loja e armazem que se vende mais barato do que em outra
do Pavio, ra da Imperatriz n. 60. De qualquer parte, na roa da Imperatriz n. 60,
Flix Pereira da Silva. de Flix Pereira da Silva.
Sob urna lrma lmpida e agradavcl, le medica-
mento rune a quina, qne o tnico por excelencia,
e o ferro, um dos prinupaes elementos do sangue. E'
adoptado pelos mdicos mais disiinclos de Pars, para
curar as cores paludas, facilitar o desenvolvimento
das meninas e restituir ao corpo os seus principios
alterados ou perdidos. Faz rpidamente desapparecer
as dores d'estomago intoleraveis suscitadas pela ane-
mia ou pela leucorrha, s quaes as seuberas esto
tantas veces sujeius, regularisae facilitaa mcnslruacSo,
e receitado com successo s enancas paludas, lym-
phaiicas ou escrofulosas Emfim, excita o appetiu,
favorec a digesUo, e convem a todas as pessoas cijo
sangue tst empobrecido pelo trabalho, pelas; moles-
tias, as dbnvalescencas longas ou difficeis. Os bou
resultados nunca se fazem esperar.
Deposito en Pernamtwco, em casa de rsi O*.
IJECTION BROU
H> tIcbmii luiaiuxi c frase tuuii* uiiie q-e cun wat Mnaauat iddiuv*. ir >ur 4
?m*>***!!m* mn*- (a%l-aMraefM ) (" sWaaol.) tari*, m m
Imam liaoo, hmmai Mateau, na.
Grande liquidarao.
0 proprietario d*antiga c bem conliuri
loja da iimiLt7.as denoiainada Beija Fifia*
na do Queimado n. 63, quorendo acak
rmii o sortimento de miudezas que txtstt,
tem deliberado proceder a urna ccmjnetsaV
rnjidacao, para o que chama a alunro deis-
dos.
Os obji 108 serSo vendidos por mctadeaip
SCO valor. C 'ara que o publico, nao suppw-
nlia, que o presente annuncio urna AwSq.
6 proprietario do dita loja offerece tanj-
queoa lista de ajgotoasmioaexes, comossew
diminutos precoscomo abaixo ?c ven
nao apresentando una lista completa Beto-
dos os ojuelos 'pie esto expostos a Yesd*,
pela razo de se tornar um annuncio muite
extenso e por consecuencia de enfidontale-
tura, por isso apenas lemita-seas-seguiite^:
Caixa de envelopos de cores. .
Ditas de envelopes com tarja-
pela......- -
Ditas de envelopes brtWOS gran-
des........
Ditas de en\olopcs grandes e pe-
queos. ..,...
Libra de la para bordar, surtida
Duzia de carlees de corchete fran-
cezes com 2i pares cada carto
Dita de colheivs de metal prin-
cipe pura sopa!
Dita de ditas para cha. .
Concha de metal principe para ti-
rar assucar.
Botuadura para cohete.
Pares de I uvas de fio da escocia
branca e de Gres para homem.
Ditas de ditas,para senhora. .
Fita para sinto de senhora. .
Pares de sapatinhos de casimira,
bordados.......
Pecas de cascarrilha de la. -
Escova fina para limpar unhas.
Ditas de ditas.....- ..
1 Feote preto de -barba. .
1 Caixa com apparelho de chumbo
a 640, l00 e.....
Boneca de cera.a 1 >000, 1200,
35200, 40000 e.....
Apparelho de porcelana para al-
irgco e jantar......
logo de Vispqra......
Caixa com papel branco e de co-
res.........
Infladores para vestido. .
Caixa de linha de marca encar-
nada e azul. ..'....
Sapatinhos de laa para meninos.
Tocas.........
NOVIDADE
A loja de Coelho & Oliveira ra de
Queimado n. 19, recebeu pelo ultimo vapor
um bello sortimento de balos de diversos
systemas, os mais aperfeicoados que teem
vindo ao mercado, sendo :
Balos de guipure com tiras chamados
reguladores, ditos de musselina abertos por
ambos os lados, de modo que sendo todos
de um tamaito servem para qualquer se-
nhora, de la de cores, com tiras, e as se-
geintes fazendas:
Saias de la com bonitas barras.
Chales turcos de seda e la Beatriz de
Tundas.
Fitas de guipure pretos Bocamboly.
1 Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
LSasluhas
Sultanes, Poil deChevre, Tricte, dito de
xadrez e outras muitas, entre ellas um
Especialidade
L3a pura de cores a 360 rs. o covado.
Basquinas a Mara Antoniete.
Cambraias fantazia.
Ditas brancas transparentes e Victorias
Colxas adamascadas.
Cobertas chinezas a 2,>300 rs. e outras
muitas fazendas que tornar-se-hia enfadonno
annunciar.
Jtat
im
til)
7fiOO
iKS

480)
mm
3ft
5W>
(itt>
3H
3O
WA4!
:ttw
mona

sn
401
PiSTtttlAS ASSICAK4IIAN
DO
DR. PATERSON
De l.i.vmiilli c luignczia.
Remedio por excellencia .para combatir
a magreza, fa; litar a figsfSa, foilificar
estomago etc.
Iitl'OSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bai tliolomcu d C.
3 i------Ra larga do Rosario------3V
Vtode-se u aimaijao de taberna : a tra?;;
na raa Imperial 3C.
ESCRAVOS FGIDOS,
Eserava fgida
Disapparerai do poder do abaixo a>g%ua(ioa
gua eserava crioula de nome Benedicta. Aa&di
tambeni pelo nome deCouceifo.^latura r^ukut,
magra, rosto conjprido oesrai'nado. falla Ij !>.-
srs na trente, cosiuma a rnwcapar". i
liilo de chita fiara com ninas rodas Ongi
tttet dfl laa de Lana ji vdliu ; tda
de 9enah3cin, para nudo se deseonfki
guido : ro{ra-?eaa autniidados policiaei
piiai' d.'campo a appivhcnso, e lev^BpA ra
da ImpeiaUi n. ;'2. luja, que ?i- .T.-niicar.
Jo5o Francisco Paredes Pono
abaixo assignado reeonanenda a capuira
dfl BB c.-iTavo de BOBM Joaqiiim, iitlatoj'fori*.
do seu sitio do Monteii'o, eontpido aoswnsSS-
noaoaSrs. loio &onoalrida Silva, Vii-ome43a-
>ale;iiti de AUNunurquo o jUexandr (ornes da
Silva, uesta cidade, por intermedio t!e seui .
eiiiaJoie.-' na pasma do Sr. Manrel Pnndfffli
vab-anti, todos de Pao d'Alho c por int-i voiicfd
Sr. Santos (corredor de escravos). cujoeseraw*
lamliciii natural de Po d'Albo e tem os ditir
seforntes: idade 38 anuos, aaceo do corpo ewn
poco alto, bigud1, rat.rlln nm pouco rarapinhadi
e ponteado, taita do demos, ama iBRaoinu^te ca>
eruada naiunta da mao esantrda, falla a strtam?
jo, muito deseancada e mansa : levou camisas 4k
madapolo e riscado de aljmdao, o, calcas de tiran
pardo. O abaixo assignado mnilo iocommenda a
captura deste seu cscravo todas as aulorkladi-
e mais pessoas encarroadas da captura de oscra-
vo?, nos polas diversas cidades. Tillas e pdwa-
dos, como pelo sordo, para onde pode ter segnkla
promette bom gratificar, c tamk'm a qaalqn
pessoa que d'elle der noticia certa : a dirigweaa-
seao seu escriptorio a na do'Crespo n. 15, ou a
seu sitio no Monteiro.
Redfe, 27 de Janeiro de 1869.
Antonio Ju.-.; Hdrignes de Souza.
I00S (le gralcafo
Fugio no dia 11 de Janeiro do corrente +iau,
do engenhn Balatura, tregueiia da Escada, o 5-
cravo preto, crieulo. de 4 annos de idade, cha-
mado Marcelino, qu foi do Sr. Jeo da Cuota
i'oroia, cujn eseravo estove no deposito gerat,
tem os signaos seguimos : alto, secco do corpo.
r.i.-t.) muito marcado de lwxigas. falla de denles
na fre i le, cor preta, sahio dochapo do chjlr,.na-
letoi e calca de castor, levando nm bahuzinho de
flndres em mais roupa, e suppoe-se estar-aa
freguezia do Cabo : quem o apprehender leve^
ao dito engenlio, ou ra da Senzala-nova n. 3b,
osciiptorio do Sr. Bernanlino Poutoil, que re**-
ber a gratificac) cima.
Fugio no dia 1" de marco, do enge-
nho S. Pedro da freguezia de Ipojuca, o -
cravo nardo de nome Francisco, de idade
30 a 35 annos, oficial de sapateiro, cor
escura, alto e seco do corpo, soffre de her-
me tem um dos tornozellos mais grosso,
bastante calvo, tem nm talho no qtieixo,
gosta de embriagar-sc, levou vestido calca
e jaqueta de brim pardo e chapeo de le-
tro usado, cor parda, o dito pardo Francis-
co tem urna irmaa no Recife e tem irmos
e tos na villa da Escada, em Freixeirna.
Aripib, por isso roga-se as autoridades
policiaes e capities de campo a pnsao mesmo, erjucm o pegar e o levar ao dito
engenho a entregar a Antonio Limito A lr-
mo, ser generosamente recompensado.
Tinta rxa de Mon-
teiro.
Cruz a. 21.
~T^Da-se 200*000 rs. de gratificado a quem pe-
gar dois proles que se ausentaram desde o da
26 de dezembro do anno de 1868 do engenho Poiit-
bal, termo de Serinhaem, ou quem delles der no-
ticia certa; um delles por nome Joao Monteiro, oe-
tatura regular, representa ter de idade -\0 a 3*
annos, cor fula, e tem em urna das taces um t*-
Ino, o bem fallante e sabe 1er, olhos aboticados,
este preto foi comprado na cadeia dO Becife. qm
ja do dono tinha fgido ha 4 annos, e foi captura-
do no Monteiro, por isso chama-se Joo Munteiro ;
o outro por nome Jernimo ,que foi comprado a*
Sr. Gustavo bem conhecido nesta iratja ; altura
regular, secco do corpo, e est bucndo, oibSo
divertido, rendido de ambas as verilhas, em
marcas de chicote as costas : quem os apprenra-
der, pode derigir-soao mesmo engenho Pomiala
seu senhor, ou nesta praca na casa dos sena

LmirtO


r
s


Diario de Pernanibuco Seistu fcira 12 de >Jan;o de 1869.
^P^r*
LITTERATRA.
A reainha ta vindfma.
( Conclvsao )
As vmdimadoras entao correram para o
vadimadores a accusal-os de sua infideli-
33b.
Mas ellos voltaram'as cosas, e forana
pr-se a scismar, este no campo, aquelle
entre as arvores, outros i boira do rio,
cada uin para seu lado, mas pensando
tados na moma cousa.
Era iiu mudo de apanhar Avel. Mas
cerno, se ella (jueria obedecer cegamcnle
tralictiu da viudima ?
Ora I ugindo urna apparicSo, um espi-
sito, um pliantasma, introduzindo-se
lucia aoute, que era a hora da evocado,
*>o casefcrpda orpha, apresentando-se cada
um como o noivo mandado pelo co.
X astucia poda sor feliz; talvez mesmo
11 a tinha sido quanto a aventura tentada
por um s galante com alguma moca cr-
dula. Porm dezesete ao mesmo tempo,
e talvez mais : que loucura !
E' coito que cada qual julgava que so
Otle podia ter tanto espirito, o que fez que
lodos teimassern na empreza. De que
firma, com que disforc apparecer a
OSttbra do bem querido ? Por fortuna
i via na vzinhnnca urna vcllia lenheira
km (ama de bnixa, o eu jolgo que com
, iailo o ora um poucaxinho... ao menos
j juigS; pela apparr.ncia.
Todos ds rapazes da aldea foram consul-
ial-a s escondidas : n3o faltou um que fosse.
Dem qu at o burg -mestre, velho ca-
urra, vhivo, com 93 anuos pelo menos,
urna cousa hedionda, emlim um barbo,
mestre... Oh meu Deus: como broa de
r. tinha tocado no uro.
Nessa noute a fciticeira havia de ganhar
t*;ni bous vintens.
A cada um respondeu de seu modo : que
era preciso disfarcar-se em phantasma
branca, preto, mgico da Arabia, trovador,
oavalheiro, espectro, e nao sel que mais.
At aeonselnod ao barrigudo burgo-mestre
t'u,-. se disfarcasse em anjo da guarda com
duas azas lirancas.
Era preciso muita coragem para assim
aflrootar o ceo no auno mil, quando de um
ilutarte para oulro podia tocar o ultimo
Jamo da trra,
Mas todos obedeceram, e a meia noite
loaos estavam promptos. Terrivel sede de
turo
Se as trnnibotas (atoes lizessem naquellc
momento-catiir-as-paredes da aldea, que
.espectculo burlesco seria para os arebah-
I Carnaval camponez, bario mascando
taroacico, venladeira sabida de courtiUe as
. largeos lio Danubio !
Mas anda l nao chegamos: esperemos,
e entretanto tornemos a Avel.
Tinha-se fechado no seu pobre casebre
. oa os tres explcnddos bahs, e o bello
acuo dos amores, emquanto os arautosse
accommodavam em urna granja immediata,
e abrtram sotenas na parede divisoria: nao
por eunosidade, porque esta Ihe pareca
prohibida pelo respeito, mas por vigilan-
i. : chegava n fanatismo.
Logo que se vio s, Avel enforquilhou
n depressa lodos os vestidos de sua no-
'oarda roupa. Depois foi buscar um
1 .Ido d'agna, sen nico espelho: eapesar
sua modestia, foi obligada a acharase
encantadora.
Todos os vestidos foram experimentados
por tal modo, que os bahs ficaram logo
va.-.<
S eolio foi que A vela reparn no fundo
do baba em nina simples tnica de cassa,
que pareca lecia com Bos de nosaa senho-
r-'i: no fundo do oulro ama grinalda. do 11o-
campestres. Era um instante se des-*
pojotl da l'ail'alhada do laxo para se enfei-
tar - !. verdade que com esses frescos e mi-
era com veves mais linda.
Pareda-se, porm, de maneira singular
i om o retrato, qjie < pilaro tinha apresen-
tadu. e que eslava depositado no case-
bre, retrato, bem sabis, de l'ada, houri, ou
ojo.
tirar elle mesmo as feiyoes adoradas da vi-
sio celeste, e... ->
A voz do capito nao deixou dizer mais:
mas era bastante para satisfazer a cunosi-
dade da moca.
Principe ou n3o, murmurou ella com
requebr encantador, so o cacho dos amo-
res me nao disser que o ame, licar com o
retrato e os bahs, e todas as despezas da
viagem. Chega porm a hora da evoca-
rn: depressa ; vamos depressa
Com efleito o relogio da igreja baten
onze vezes e depois meia mais meia.
Avel collocou sua nica mesa no meia
da cabana: em cima da mesa urna loalha
branca, em cima da toalha tres folhas de
parreira, e era cima das tres folhas de par-
reir o cacho dos amores. Depois fez sete
signaesdecruz; depois voltou-se .para o
oriente: depois com os bracos cruzados
cantou:
Ephemera visito
Ouve minha oraco,
Oh I vem Iluminar
Meu corac/ao,
Alma ou espirito
E' meu irmio:
Por lite, espera
Meu coraco. .

Sombra do mea querido, disse Ave-
l ; j te amo.
Estavam to chegados quo afinas o ta-
lismn os esperara.
M irdeudo mbos o cacho dos aui
seus labios se encontraram.
A\el! murmurou blandamente
moco, aperlando-a nos braeosv -i
Mas a moca
Acabavai daseiitir um corarfit. bater de
itro aseotoraco: piravj linalrden-
te que mTo era "urtl esp'cito. '
Un homMm e\eHMba rom austS,
um homem! Mas (fuem sois, senhor!
quem sois ?
O priucipi, responden de lado urna voz
maliciosa.
Era o pifan que ao amanhecir voitava
com os caradores, mas sein os cagados.
Minha nujlher! disse-Itie o principe,
estendendo-lht os bracos.
Ella voltou-se comvivacidade.
O meu esposo oscolhido jtely co !
respondeu Arela precipitando-se em seus
bracos para oceultar o seu rubor.
r> (jue castigos oi-denaes para esses ma-
riolas! perguitou ochefe dos arautos.
Que undam assim vestidos sete dias i
respondeu o principe.
- E o borgemestre ?
Toda vida.
m:i sorte a empreza dj u liliciao, ctam- du-o ao valor de francos; e o mivni
bem de prover os respectivos remedios, os Estados-Unidos a respoit)dj ^eu dollar,
A Inglaterra, para seoceupar tados da convenco do 1805, nao espern! melhante natureza, ain deo.MWrte-lo ni
p(r esse convite. Depois de muitissimos valor de 5 francos. Este systema dos
artigos, que a um tal respeito l se publi-raai3 simples, e por teso msmo parecau
caram, a pouca dill'erenca que. separa a li-|oterccer conferencia grandes probabilida-
hra esterlina dunia ni ioda de, ouro de 25
francos. suggWo a tod' os partidarios do
qm na Inglaterra se chama daeimalisaco
da libra, a idea d' coiabiar essa reforma,.
pula qual lia tonto teiiMHi *e ahwjava.com
Mas tudn ato o ojfte aignilteafa? s (pie
pieria diz i"?
No momento mesmo, em que a curiosa
rapariga fazia a si mesma esta interessante
pergunta ao menos pela a'ntesima vez, vio
por um dos nitritos buracos do casebrejo
teo pifara, queccava melancolicamcn-
io loar.
Passados cinco mnalos aniscou-se a pe-
dr-ibe multo baixinho a explicaco detudo
Uto Eis aqoi pouco mais ou menos o Ihe respondeu o imberbe msico:
Os araulos cram mandados por um
ida principe, que tres mezes antes (na
trra delle as vindimas eram tres mezes
ms cedo) tambem tinha consultado o ca-
ctio Jos amores. Tinha-lhe apparecido
urna moca, quo Ihe tinha dito, que mora-
va ou fiaddselilag. Tinha-se apressado a
FOLHETIM '
IF5lIJI.lk5 VIj U
ron
lie Berthet.
Justamente dava meia noute. Mas por
desgraca, quando dava a ultima pancada, a
la escondeu-se e a cabana fieou s escuras.
Avel teve muito medo, tanto mais que
mmediatamento ouvio passos dineita.
passos esquerda, passos por todos os la-
dos como se por cada buraco quizesse en-
trar ou um espectro ou um ladro.
Meu Deus I disse ella tremendo :
quantos ps tem.meu marido!
. Apenas acabava, quando a la tornou a
apparecer inundando o casebre com urna
endiente de luz.
Horror 1 Avel vio naquelle instante co-
mo urna legioi de phantasmas beaoco e
pretos, verdes e amarellos, nao contando
com os trovadores, cavalheiros, mago?, to-
da a mascarada que j sabis, susurrando
confusamente ao luar. Verdadeira reunio
de bruxos.
Espantada a mofa voltou a estafa. Do
outro lado esta va um anjo batendo as a/as.
Ah disse ella : o meu noivo.
E correu aabrigar-se em seus bracos.
Horror tres vezes horror! Era o terri-
vel burgomestre.
Avel deu um grito agudo e cabio des*
maiada.
E como a la se escondesse potra vez.
outra vez a cabana icou s escuras.
Mas ouvirdo o grito da moca, os arau-
tos olharam pelas frestas da parede diviso-
ria. Um s volver de olhos bastn para
Ibes fazer conhecer a verdade.
Caamos sobre estes miseiavei a
cabos de partasana, disse o pifaro.
Nem essa honra merecem, disse e capiio ;
ha outra cousa melhor.
O que l
Emboquemos as troinbetas.
Foi una bulla infernal.
O juizo final! gritavam os mascaras
l'ugindo todos espantados.
E os trombetas a persegui-los por cam-
pos o bosques, cacada de veados. aposta
de corrida, carga de cavallaria a todo o
galope.
-Os mascaras corriam sempre. Eram
gritos, gargalhadas, quedas. Alguma cousa
phanlaslica. sumptuosa, impossivel, que
durou todo o resto da noute.
E Avel conservava-se desmaiada.
Uuando um lindo moco appareeni na
scena, correu jtara ella, lirou do gibo
um frasqiiinlio de ouro, e erguendo a mo-
Ca, fez respirar docemente a vida a 9aas
ventinhas to cor de rosa como ts proprias
rosas.
Torna a ti, minha querida : toma a
ti; dizia elle ao mesmo tempo.
Oh! meu Deus: suspirn Avel; meu
Deus que voz to maviosa para garganta
de burgomestre.
Depois o desconhecido pegou-lhe na
mo.
Meu Deus! meu Deus! murmurou
Avel um pouco mais alto: para burgomesj
tre como tena a mo macia!
Concordemos, que a na seria bem esto*
pida se nao se apressasse a vir de.-lazei
este engao.
Ao seu claro potico prateado Avel vio
entSo o bello moco, que com geito gracioso
balancava o cacho dos amores, e que cao-
tava com voz de rouxinol.
Imaginai os vindimadores obligados a
acsibar a vindima vestidos de trovadores,
turcos e phantasmas de todas as cores.
E eolio o bjrgomestw !
E os ditos t as risadas das rapari
O cacho foi piedosnmente conservado
por seculos, mas a linal secou de todo.
E no lim de muito tempo un neto de
Avel cuidou que eram paasts de Coi in-
tho: e ehupitou-as.
Esta sempre as margeos do Danubio
alenda favorita das vindimas: entre todos
do outomno o cont por excedencia.
uma reduccao de
j;s praticas do realizfJo; pois quo ello al-
canca a u.ili.-acao djsejada, sem magoar as
usancas nacionaea pola ab>lic3o dos typos
monetarios peculiares do cadae>Udo.
Esl is prop )su;js da conferencia fora
) c. no
uo, a lim de lornal-o igual a 11:111 moeda
franceza do ouro do 25 tranerts, e dessg
inaiieira fazer a Inglaterra participar das
vanlagens da uuikaco monetaria, car li-
gada
valo' do sobora-: levadas aovcoabriaimonto dosgov ta M pelos
a unio de ISoi.
seus respectivos delegJdos. 0; d :l '.ga tos
britanoicos, Mr. Graban Q Mr. Wdso.i,
apreSentaram o seu relatorio a i ce dezefn-
bro de 1807. Elles nao assentiam ao que
geralmente se esperava, isto n'uma re-
1 Se nos associarmos a essi unio, dizia duccode 20 c. no valor do soberano, para
o eminente professor Jevons n'uma das
sessoes da sociedad^ de tsjtflti'dica emMan-
chester, a unilicaco jupela das moedas
seguir-sedta immeiliawlteiiU'. A inaior
igualar essa moeda ao valor exacto da na te-
da franceza de 25 francos; mas sim opin 1-
vam por urna outra medid 1 miis radicil.
qoal era a de immediatamente se por em
parte dos abastec meu tos de ouro amoeda-kirculaco uma moeda de 10 francos, com
do est as dos dos nilalistas da Ingla-1 moeda convencional para representar ova
trra e dos Estados-L'nioos, e a moeda so- lor do 8 scbellings, nao obstante a d.ffjren-
berino, cunhada segundo un typo unifor- i;a de menos de um milesim no penique
me, invadir o mundo inieiro, assim como
oulr'ora ha dous seculos passados, o poso
hespanhol foi a moeda internac onal, o pi es-.
lou ao commercio os maiores serviros. Fi-
cano a prata substituida como moeda cor-
rente, pelo ouro, dever haver uma moeda mais famliarisadocom as usancas communs
que sobrepuge a todas as outias; e se for-
jos.habis, aremos com que essa tal moe-
da sejn o nosso so! 1 rano. Dovemos ter
esterlino. Essa moeda, que deveria tor
curso legal at a quautia-de 4 libras ester-
linas, era considerada pelos taes delegados
como um meio d melhor se popularizar
o novo systema monetario, e de tornar o
do trafego geral do paiz.
Nesse ponto a moncionada proposta era
idntica com a que, naquella mesan poca
na mente que as vantagens que temos de lizeram os delegados da Soecia e Noruega,
aulerir dessa revoluco, dizeni mais res-
peito com o nosso ronimercio exterior,
do que com ylnglaWra
a qual presentemente j se acha comelfei-
to realizada naquelles dous reinos, onde
privativamente, tem sido cunhadas moedas de 10 francos,
jueso to procuradas, que boje quasi va
efaria.
Temos, admiitido osua\io> eslrangeiroa e
as mercadbrias estraugeiras e nos t-unos desapparecedoda circulaeo.
entregado sem reserva ao commercio es-' A proposta dos delegados britannicos,
jlraogeiro. Acham<)-nosto interossados no!concorde com o voto qne na conferencia
bem estar e naprusperidado do cominee-:elles deram contra a idea de se cunliar
rio dosoutros par/i.t, como do nosso pro-1 moeda de S-^r., e no qH os outros mem-
A qucslo mane
slo monetaria tem sido e$tuda(i3
i\\ -O cambio leu"'alguma cousa de so-1 brosda conferencia enx-rgavam urna espe-
lidario, e se n'uma parlo soffM
igaalmeale soffro: se o commercio lor es-
questao monetaria tem siao esiattuia 1 tonado por causa duma moeda desapre-
na Inglaterra esde o cnaeoa qujente (.-ma_ fi^M-emos e\|iostos a sentir-Ibes as
seculo. A re >rma de 1816, que reduaio reacees as pardas, <\m o* nossos negociau-
a prata a condicao de moeda de saldo, nao tes padecen. No que toca ao grande pro- .,
tendo curso ferrado senio atea quantia oV -K* de omeda iutemacionar. eu opino que commercial da Inglaterra.
oO francos (ou aproximadamente O patace> bamos muit ttraz do lugar que nos com-1 Como quer que fosse, o relatorio 1
brasilicosi. e que estaimo qne o o-jtro fosse |)Ct(,. g' a Inglaterra, que, por meio da'motivou, a 18 do seguinte fevereiro,
na outra ci de ponte conducente fntnra elevaco
da Gran-Bretanha, acarretaria, na opinio de
Mr Graham e Mr. Wdson. a condemnaco
do soberano, moeda, que alguns de seus
compatriotas encararam como o palladlo
brilannico, o signal physico da grandeza
o umeo padro legal, laigeralmfente bem
aceita. Mas. como essa reforma neKava
ainda subsistir as divisos duodecimal e
viginterimal d;i libra esterlina, a atisfaeao
nao foi completa entre alguns espiritos en-
thusiastas das vantagens d* diviso adopta-
da no systema monetario franc.cz, e ancio-
sos deque umseniemnte aperfei;oamento
fosse inlrodnzido no systema britamiieo.
A imprensa tomn a si esta quistao, ijue
em diversas pocas tornou-se objecto de
mais de um inqnerito parlamentar. A crea-
co do florim Afbirtn, prepresenlando a
decima parte da libra esterlina. f< i o eifir>
to de um desses inqneritos: mas s nisso
ficou a reforma, e mesmo o systema de
decimalisaco da libra; ronhecido entre os
inglezes pelo nomo depomal mu mil
settene, o qual consista em dividir-so a
moeda de ourochataada vulguruj!ito so-
berano quo e vale precisamente una libra
esterlina, em decimos (flmrim), centesi-
mos (vens) c mileeimos (mils), foi condem-
nado, somonte quanl a essas dais ulti-
mas divisos, pela ultima commisso de
inqnerito, que loi convocada pira tal objec-
to e era presidida por lord Owersione.
N3o so tendo, do entao em diante, rea-
lisado medida alguma de progresar^ aceon*
teceu que em seguida da publicaco dos
tratados, que inaugnraram a era di vce
permuta, surgisse a iiia da uniformida le
de moeias em lodo o mundo: Icinbianra
essa qne, j ha vendo sido lobrigada por
alguns raros talentos, eslava sendo defen-
dida com tanto mais mrito da parle deltas
que feralmente era considerada una uto-
pia to irrealisavel, como fra a do abija-
do s. Piorre a respeto da paz universal.
Foi a AHemaiba a pnm"ira naca que,
no ponto de vista da unilicaco, deu o ex-
emplo do reforma monetaria pelo tratado
astro-allemo de 1837, que estabe'ecia en-
tre as diversas unidades monetarias dos
paizes. da coni'e.deraro germnica a equa-
cao simples o prafica: i thalers da Prus-
sia6 florins da Austiia7 florins de 8a-
viora. Esso exomplo foi seguido pela Fran-
delles
urna
intalacao das moedas, deve propor ao: coinrnissSo de inquorito, presidida por lord
mundo a livre peiniuta. E Minchester,
que devia ter sggerdo isso a Inglaterra,'
assim como suggerio outras .mandes ideas
em pocas anteriores. A unlficarao das
moedas nao sno rons"i|iieiria da li-
vre permuta. E um grande passo para as
naces so congrassarem c para o desnvol-
vimeiito dacivilisacao. Nos, os inglezes dei-
Mfflos escapar a occisio do sermos os ini-
ciadores dessa grande reforma: porm, fl
recusarmos adherir a ella, quando-nos a
Halifax, para examinar as propostas e inter-
rogar a opinio publica a tal respeito
Como os resultados desse inqnerito ti-
nham sido em Franca interpretados de di-
versas maneiras, a que tinham servid > de.
motivo do queivas tardas contra' a conven-
eo de 1805, parece um dever o passir-se
a an ilysar os varios depoimentos e os rela-
tnos das commissoes, e de es[>erar que
desse examo imparcial sobrosahir eviden-
temente, nao. o que Mr. Miguel Chevalier alli
oflerecida, por um governo Ilustrado,qne4|algou enxergar atravs do prisma da sua
isso possa [irovr de cultura de espirito, ipi'r unidad'de 10 grammas de ouro, repro-
seja elleit de infundado orgulho, eu sustento \ida pela conferencia, isto uma recusa
que daremos prova de liaqueza de espirito I formal e desdenhsa de se unir unifica-
e rpie nos mostraremos indignos, de alia ii"3o inaugurada pela Franca na sua coaven-
posicSo, quo oceupamos no commercio e cao del865; mas sim, ao contrario disso
na civilisaco do mundo.
Eslasohservaces muifri/.antes de Mr. Je-
vons pdem ser consideradas como um re-
sumo exart) di rtprossao proluzida ni In-
glaterra pela convnco de I8fi7. Assim
foi que o governo britamiieo n.) teve dilli-
culdade de enviar delegados ("inferencia
internacional, proposto pda Franca e que
se reuni em janho de W>7. Os resul-
tados ddssa c.i.ifei-i'iicia fora.n patenteados
ao conhecimento do publico, pela publica-
rn das actas do cada conferencia, as q 1 -
urna maioria favoravel entro os depoentes,
e entro os commissarios nina especie de
iudeciso, que faz que elles se nao pronun-
cien! claramente, nem a favor nom contra
a unificaco, oppoudo, comtndo, a libra es-
terlina ap pitae) ie5 francos, mas por lim
de contas, parecondo declarar sua incom-
petencia a tal respeito, o appollar para uma
nova conferencia internacional.
O problema, formulado penante nque-
rito, podia recebar tres soturnos, a saber ;
1.*, aconservaco o$tfUuqtlo; 2.%areduc-
se podem resumir nos pontos S'guintes: O cao da libra a i'i francos; :'..', a adopeo
systema, quo seadapta, como podando-ser- de uma moeda de 10 francos,
vir de base uniicac > proi^ctada, o sys- Essas tees solucioos encontraram dofferiso-
tema da convnco de lSlj.". exceptuando- res entro os depoentes, quo foram 2j\ d-
sc todava o que concerentd ao duplo
padro unnimementecond 'muido plaoon-
ferenria, cuja preferencia pelo padrSo do
ouro excluswamenie. re system de 1865,
a conferencia n~n fpjiz eseether entre as
moedas de 5, 10, 20, e 25 francos (esta
ultima imaginad 1 hyp itliecamente) a unida-
de monetaria, que ida novo deveria esco-
llier. Julgou que o pedir-so aos diversos
estados do mundo que renaneiassem as su as
unidades monelirias. que j estavam arrai-
gadas as usancas das populaces. para so
adoptar a desojada reforma ou estorva-la
do lodo. Proferio a priposta de somonte
ca. Blgica, Suissa o Italia, que tambora se estabelecerentre as unidades monetarias dos
Ephemera viso
Ouve inhiba oraco:
Oh! vem Iluminar
Meu coraco.
Alma ou espirito
E' meu irmo:
Por elle espera
Meu coraco.
III
\o mar.
ntinuaco do n. 86)
Can! '. aprossou-sc a pedir desculpas,
I ovni cencluio ainda, dizendo :
las o S-. Boromy n3o tomn
la no assassinato do tabolo do Bolbac,
como poder dizer o (pie feito do lete*
'.cnanto pronjeltide a Dupr ? E, se esse
amento nao apparece, avaha por ventura
graves cousequeucias...
Ora ahi est o que Ihe causa maior
ruidarto I resprthlen Josepliina amargura*
danteate Mas, cmfim, b'im quo baja
um motive qua (be avivo a sua deaja?Soj
eofie em Deus, que olle quem guia os
os, o os seus designios hflo de
1 joven ficou pensatri ipilo, der-
rotado. 13o -" atreva a romper o silencio ;
!!a. porm. designando-llio Miguel, qire,
ibre a verga da popa, pareca
examinar ltente um objecto que via ao
liuge, pergunloa' de sbito :
O qnb ser que meu irm3o examina
fmtbente d'alli ?
Sao 6 de cerlo a torra, porque o ma-
nijo da gavea no la teria anntnciado. Mi-
guel viaja pela-primeira vez sob os trpi-
cos : est-se distrahindo com a perspec-
tiva das aves-marinhas ou das douradas ;i
superficie da agua.
E proseguio em tom differento :
Com quanto .nos approximemos do
termo da. viagem, ainda me nao diese o
plano que medita para a evaso de seu
pai. Conviria saber aptecipadamenle...
- Nao o sei ainda, Grandval. Meu pai
nos indicar por certo o melhor meio para
obtermos a sua liberdade, e, a'.m d isso,
cont com as informaces e mesmo com o
auxilio que nos poder prestar urna pessoa
de ha muito degredada na Cuianna.
Ento conhece alguna desterrado alm
de seu pai ?
E' uma pobre mulher que o senbQf
deve ter conhecido, posto .que ella o exee
da muito em idade. Nao se rec >rda de
Mirgarida Robin, que morava na aldeia de
Circourt, a uma legua de nossa casa?
Record, verdade. Era uma po-
bre rapariga que foi seduzhla e quo seus
paes brbaramente oxpulsaram do casa ao
saberom do fado, oque deasauto.jque
fallar aad nossas Ierras.
Justamente'. Pois Margarida, mnilsa
polos seus, foi pedir asyloa nossa li.-rdade.
Nao foi alli muito ben recebida. masi.fm.
muito creanca a esse tempo, com
ao ultimo ponto da sua afflicco.
comprehender a razo da sua culpa, coi
gai dar-lhe abrigo no palleiro, do frfta
que ninguem deu por isso. Por mais ae
oito dias sustenUH-a cm o que pude sub-
trahir ao.meu proprio alimento, e quaodo
ella aiinal teve de retirar-se, dei-lho algu-
adiantaram em adoptar a idenlidade com-
pleta de suas moedas do ouro o prata.
Essa convnco de 1865, que por um
de seus artigos franqueara a todo o estado,
que accedesse, a admiss3o nni'io, cuja
ella era a base, foi notificada ao restante
da Europa pelo governo francez fue, m-
pressionado pelas vantagens de unificar
monetaria convidou as principaes poten-
cias para uma conferencia internacional,
que seria encarregada de examinar as dif-
ficuldados, que r oderiam contrariar de algu.
mas roupas e diabeiro das minhas eeono-
Imias. Depois coofessei ludo a minha m,
que mo desculpou.
Boa Josephina! -interrompeu Grand-
val.
Desgraciadamente,prosigui elia
nao pararam alli os erros de Margarida.
Passados lempos, soube eu que ella, re-
pellida [tor todos e rcduzida a mendigar,
matara, n'um accesso de desespen cao, o
infeliz objeclo da sua vergonha. Foi en-
carcerada, e, provado o crimo, que ella
aiinal confessou, degrodaram-na pira a
Guianna. Durante o desgracado tempo do
seu processo, ainda recorreu a mim, e,
itao sei se liz bem ou mal, sempre 1 soc-
corri... Depois qne se acha no desterro,
Margarida segu o mais regular procedi-
do, a ponto de quo Ihe modificaran) a
pona c Ihe coneederam casar-so na colonia
penitenciaria com um degradado que goal-
mente se tornou digno de indulgencia, e a
quem foi concedida urna portflo de Terre-
nos. Os dous esposos vivera tranquillos
na Guianna e teem um lilho qno faz as
suas delicias. Em Fcamp recebia umitas
s noticias de Margarida pela velba Go-
mi'l, sua lia, nica paaba da sin f; mili a
[ora quem se corresponde. Margarida
Ha-lbe sempre de man, ,o dos beneficies
Jelhoiiz. feneinnupi Ma, e,^sea
acnar m disnosiro que imagino, pxler-
modw ser til.
De pouco Ihe parlera servir asi po-
mulhor ; cntrtnanio*ptocara-la-heinos:
talvez 1 Providencia Ifc teetrv ahi
coiupensa{So pelas
cou,cni beneficio fie un
N'esto ponto a convcT3J*j- M stblta-l
diversos paizes equg s simples, do ma-
neira quo entre si so ligassem por una d >s
mltiplos de 5 francos, 011 com a propria
ni >: la do prata do mencionado valor, ao
syslem franco destinado a selHir de bise
computadora central da Uoi3o d'egaddico
monetaria. Dessa maneira, no plaida
conferencia, cada uma das moedas de >, 10,
20 c 2o francos, era aiTerida como unida-
de moaetiria possivol aos diversos estados.
A Inglaterra podia, pas, t ..i--:rvar osen
soberano, reduzinilo-o-do ce igualan-
vendo sor eliminados desse numero Mr.
Guelley o Mr. Auderson Hill, que nao de-
ram seno meras informaces, um sobre a
reforma do penique irlandez o o outro so-
bre os fabricos de moeda.
O ttUtu quo smmte aehou quatro de-
fensores, e duna desses puram-se a ata-
car a projectada reforma com consideraees
m'sipiinhas e egoisfleas. l'n dellos. Mr.
Swarbrick, expoz, em nomo do Groat Wes-
tern Riilway, as pardas, que es-a oinpa-
nhia sotfroria, no caso de roducc3o da li-
bra, ainda mesmo que fosse adoptada uma
tarifa d; descont de d tus peniques om ca-
da libra. Esse descont, com effeito, nao
so pedaria appKcar s sommas inferiores
o schcllings, cuja quarta parto representa
elfoctivamente motade das viagens, pratica-
das na via frrea Great Western. O o:itro
depoente, Sir Joo Rowring, fez uma eppo-
sicao, que se podo chamar patritica. Ennu-
merou prazontoiramente as vantagens, tae
a libra esterlina Iba pareca apresentar so-
bre a moeda de 23 francas, no ponto de vis-
la de urna circulaeo. eme pelo meos
igual na Enrona, e muo miis oxpaad.i
na Asia, 0:1 le o franco deso ilncid i, e
mente inteirompida. Miguel, que nao ces-
sra do estar em observac) sobro a ver-
ga, poz-se a dar gritos, como era do eos-
turne-, (piando exp'limeiitava grandes com-
mocoes. Agitava-so so:ivulsivaniente e es-
tondia os bracos, indicando o quer quo
fosse a o longo".
Santa Virgem !oxelamou Josephina,
orguerdo-so Que lera meu irmo ?
Ao mesmo tempo, o manijo do viga do
lope do mastro gritn estridentemente :
Um homem nt mir !
Um bonaem no ihr! repotio o ca
pito, correndo precipitadamcn'e; pAoa
Para janear "a boi de salva
Ant^s, porm, de a desarmar, querem' 1
certicar-so do successo que suppunha 0-
casionado a bordo, examinou attentarnente
o sulco quo o brigue -deixava aps si, e,
uo vendo corpo algtim humanfl sobro as
vagas, gritn ao virria :
Onde diabo vs tu dnvbomem m
mar ?
Nj 6 da nossa gente, senlior res-
ponden o marojo. Deve ser gum nau-
frago... Est a meio quarto de legua d-
nos, alm pela proa do brigue, uai pouco
a estibordo 1
Grandval subi a um banco e aonficoot a
vista para o ponto indicado.
4Jno j dUseaaos,' o mir 'Wtafiie^le
algum is horas perdid i o seu bolle azul ha-
bit d, tomando amas icentas o
bdosas. A Pro luan contra
ima crtente que pela violencia s \ poderia
!i caasal-aafl ^Ksuraa de
_s e metmo aradrep inteiras,
por.veim Ihe vinham nitro ai
editado, oque ludo erara indierts da pro-
xi nidade da trra. Alni disso, as'on la<
ongrossavam ao passo quo se avancava e
serros do agua esverdiahada intorceptavam
a todos'os monontos a inspoccio em valia
do navio. 0 sol, roverb randa sobre, esta
supeirVie mov.-dica. torniva a observa a 1
miis difficil e inCo:nt)da.
Por estes motivos, Grandval levo didieul-
dado em'descobrir o objedto indio ido. Por
lin deteve-se-lho a vista sobre uau aspa-
Ci do tronco de arvore ainda com ramos,
e que, baloucando-se as ondas, apparecia
e desapparecia. Grandes aves esvoapavam
de roda, como que esperando alli boa
presa. -
A o primeiro intuito nao so via forma al-
guma humana Junt 1 daiquelles fragmentos
lluc'uantes, porm o capit >, :' do ocalo, que Ihe aprese-utoii um grumete,
terminou por distinguir um homem meio
n agarrado ao ramos. Este homem nao
fazia movunonto algum ; poler-se-hia at
acreditar que% eslava monto o que os seus
me.ubros haviam ficado eniralacados na
arvoro aun as agonas da raorte. .
Toda a tripolac-o, que ent i 89 arhava
sobro o convez, explicava a seu mi lo osle
encontr. Josephina, quo 90 consonara
junto do capito, perguntou-lhe toda tr-
mula :
Ento, capito, nao me diz o que isto
significa ?
Sora duvida algum naufrago,res-
ponden ello mas custa-iue, ainda assim,
a convencer, porque B'estc' ltimos dias
oo tem havido tempestados.
So um naufrago, dovoaios prestar-
me soccorro.
cujas letras sao s cadas sobre a praca de
Londres. Ad 00uro francez seria
atacar a preponderancia de que a libra es-
terlina goza no commeirio asitico o o mo-
nopolio, que essa tal moeda ccera para o
commercio inglez.
.O outros dous partidarios o\, ac quo,
sem se contentaren! com allegar motivos
sem iinantes, \ 1 i-econh scem a opportoai-
dade d'nim inu langa no systema monetario
bntannico, e negam as vanlagens commer-
- da unio monetaria. Objectam com
D5 numerosos inconvenientes; que proviriam
de qualquor alterado na libra esUrtna, em
razo di modificacJo dos contractos miis-
tenles, do trabalho excessivo com a roviso
d) coritas de banqueiros e grandes estabe-
leciraeutos, e das pedas consleraveis cau-
sadas pola tal reduccao, ao que ludo so nao
poderia obviar por meio d'uma tarifa de
COnfersSQ, que nao se poderia applicar para
cora as sominas menores de 5 shillings.
Estas ultimas ohjecQoes sao serias: amas
referem-se s diflieuldades da transiro de
una unidade monetaria de2ofr. 20 c. para
outra unidade de 25fr.,e sao iocontoslaveis.
mas ellas podem ser separadas, pois que a
importancia do intento alcau'.-ado as atlenua-
ria c tornara menos sensiveis, sondo ellas,
demiis disso, passagiras:-as outras ob-
jeccoes, versa.idi. a respeito das vantagens
da unfieaca4ponetaria, quo elles negam,
n5o pdem Hrmais bem refutadas, do qu"
110 curso do inquorito foram por outro*de-
zesete depoentes, todos favoraveis ao asso-
ciamento da Inglaterra Unio de 1865.
bem que divqrgiudo nos meras de tal se
ellectuar.
Todos elles preconisaram as vantagens
que redundaran) de urna somelbaoto on-
gregaco internacional. Na opinio debes,
taes vantagens terian uma natureza inteira-
mente commercial. Tem-se fallado do in-
terosse que proviria aos viajantes, mas esstt
inleresse muito.mediocre parda inmen-
sa utilidade.que o commercio fruira de uma
moeda internacional com curso trancaiaente
cosmopolita. A convenci de 1865 pro-
von-o impamente com a tal respeito clas-
silicar a Inglaterra n'um estado commercial
inferiora Franca parante a Blgica, a Suis-
sa ca Italia, suas consocias na convenrao
respectiva.
Com elfeito, mais fcil a um negocian-
te italiano, pok'exetnplo, coulwcer os procos
das mercadorias francezas, do que os das
mercaderas anlogas, que a Gran-Bretanha
Ihe poderia fornecer. l'ortanto, ello de.
preferencia se dirige Franca, e a prova
desse laclo j se mostra na xmcurrencia,
que actualmente Roubaix est fazendo a
Bradford. O mesmo se est dari'lo na Al-
lemanha, do|xisdo tratado Austro-allemo
do 1857, entre Sorlingen, no continente al-
leino, e Shefield na Inglaterra, o com-
mercio inglez sufre tanto mais pelas rencas das moedas, <|uanto as manufacturas
do paiz, as (pues vendo-se obligadas de pre-
venir as perdas, qne Ihes podem resultar
do calculo destas dilerencas, ficam na ne-
cessidade de deixar em suas contas uma
margem sullicieule, que assim vom a im-
portar n'umdireito addicionalao commercio.
Esse tacto, que equivale a um direito de
3 Y> S(' a Inglaterra se alliassc com a con*
meo de I808, bem do crer queso-re-
uziria 1 l|, o que representa pouco
mais ou monos o agio da fluctuaco do cam-
bio. Do urna lal aunuencia tambem resul-
tara 0 crescimento das rolacoes comraer-
ciaes com os paizes da unio monetaria,
em virtude desta razao mu simples, que
tulo o que leude a facilitar o commercio,
tambem coopera para o seu augmento, cou-
dic3o essa, em que muito se adiar a adop-
eo da moeda internacional, Os negocian-
tes nao se veriam na obrigaco de lor em-
pregados especiaos que fosseiu veraados n 1
conhecimento do moedas estrangeires, "
quo seria urna economa de tempo c dinlioi-
ro. Aquellos negociantes, que, nao poden-
do manter taes empregados, recusam em-
pivliender espeaulacOes para com o exte-
rior, emraz das difliculdades provoaieu-
tos da difTerenca de moedas, de clculos
do cambios, e do remansas do pequeas
quantias, nao teriammais de sujeitar-sc ao
intermedio dispendioso das grandes casas
commerciaes. Os viajantes do commercio
poderiam abrir relacoes directas com os
marcadores de varejo, os quaos ento n)
receariam alargar o mbito do suas ope-
racoes. Dessa arte so facilitara uma con-
currencia vantajosa, tanto para o vendedor,
como para o comprador.
(Conliiium-t-kii)
POUCO DE TUDO.
DECIFHACAO. A das charadas, honteiu
publicadas m nossa 8.a pagina, saoRe-
doma, Vieira, Remissivel; c a do logogry-
pho bailador.
Beceio que qdatquer soccorro Ihe
> 'ja intil proseguio o capito, sem tira;
o oculo dos-olhos.Elle nao se move eo>
passaros que esvo.icam sobro elle pare
regozjar-se com aquellos pobres despo-
jos... Porm, nao... nao assim... l fez
elle um movimento, erguen o braco*, ahri"
a bocea para gritar : ainda est vivo...
E, dirjgindo-se trio dac 1, gritn :
J, j um escaler ao mir ; agora
trabaltia todo o mundo t
Miguel, como quem previra wta ordena,
descera para o convez e rennira-je ;n
outros marinheiros, ajndando a manohn
de safar oesealer. Era um inslanto eslava
asta rta"agua, e mudos mirinlinco-j, entre,
os qaaos figura va Bertoiay, se apoderaVam
dos remos.
Esperem I disse Grandval Em
tambem vou !
E, sallando no escaler, assoutoii-so
leme e mandn remar.
Depressa t disse Josephina do tom-
badilboL acaba elle de fazer um aigaal
de desasperacao !
0 capito fez-lhe alfectuosam^nte signal
de que se tranqaillisasse o o esealor aias-
tou-se, lutaado com esforca ^ntra va-
gas.
Nao teve. porm, qs< andac muito. A
eorrente trazia-lhe ao encontr o objeclo
quo attrahia as atleutfoes e logo os roari-
nlieros poderam formw un idea enaet-t
da siiuiro do naufrago.
(Ctotiit*at-4*>lM)
firT'o wro^Si a das ire, .
\
-
1
\
y
f.f
*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EF5UBWR8V_KVYRK4 INGEST_TIME 2013-09-13T23:50:15Z PACKAGE AA00011611_11789
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES