Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11779


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i #-
ANNO XLV. NUMERO 47.

PASA A CAPITAL E LUGABIS OXVZ NAO SE FAGA PORTE.
*J*or tres meze* adiantados................
4>v seis ditos dem....................
Por ui anno idem....................
Casi numero avuiso.............'...,,
____SfiGUHDfl FElRfl I DE MAJP DE 1869.
PAstt DEHT80 ff*U DA PiOVWCIA.
Por iros mezcs adianladis.........4 .
Pasis dHos idem............
P?r nove ditos idem.............^ sk
Por um auno............ ai .
IMAMBTO.
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.
i------------------?--
UAO ACiEXTKN :
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Pilhos, no Para
Guimaraes Pancada, em
ara; Gonfalvesd Pinto, o Maranhao; Joaquim Jos de Oliveira, no Cear- Antaooe Uroos Braga, no Aracatj; J0S0 Mana alio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal Antonio Joaouim
Maraanguape; Antonio Alejandrino de Lina, na Par,rtiyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penlia; Belarmino dos Santos Bulcao, era Santo Antao- Domintros Jos da Costa h ^qwa
em Nazareth; Francino Tavares da Csta, ?m Alagoas; Dr. Jos Martin Alves, na Baha; e Jos Bibeiro Gasparnho, no Bio de Janeiro. '
PARTE OmCIAL.
overa da proviuri*.
BXHDSUNTi: ASS1GNAD0 PKLO EX*. SU. C0XDF. DS BAK-
MtMOr, l HKSIOENTE DA i'ROVl.NCIA, BM 23 DE FBVE-
KKIIO DE 1869.
i.* seccao.
N. 6T>.Portara aoEsm.general coairaanJantc
das, armas.ummunieo a V. Kxo. para seu
eonhecimento, que em aviso de 13 do correnle,
-pedido iielo ministerio da guerra (nlapprovado
'i procodimeato da thesouraria de fazend impug-
nando o pagamento ao alferes liouorario do exer-
cito Mariano dos liis Espinla da forragein para
un cavaltu russo que llio tira fornecido por or-
den dcsla presidenria para dille servir-se duran-
te tiempo qne o mesmo alferes estove no termo
delngnseira, coijo/ecrutador, porquanto pelo
-xereii-io de-so emprego apenas conipolc-lbo a
ratiucncao uiaread.rno-ar do decreto n. 2821
de 21 do agoslo de 1861.
N. 006 Dita ao wesajo uo imperial, segundo consta do ajrfso circular do
ministerio da guerra, de 12 do correnle, que os
otflciaes honorario* dexerfito e quacsquer outros
]ue pegressarcm da campante! inutilisados por
ferimentos ree'cbidus em combates, e nao possam
prover es nieus do sua "subsistencia, devem conti-
nuar a recebcr t> sofd correspondente aos seus
pasto, at que entreo elTectivainente no goso da
pensao a que liveju direito; assim o communico
a V. Etc. pan sen eonhecimento.
N. 607.Dita ao mesmo.Para que passa o go-
verno imperial resolver acerca do pagamento (|uc
Sede o soldado reformado do exercito Tliumaz do
reverto Roa, da 8 prestaos), do premio de en-
.'ajamenlo. sin--se V. Bxc.de reaietter-mie pira
ser transmitida a secretaria do estado dos nego-
oios da guerra, orno exige o aviso de 9 do crten-
te, a fe de quicio da referida praca.
N. ilnV-Dite ao inspector d arsenal de mari-
nhaDeterminando o xm. Sr. ministro da marinha
em ;>visi> de ti do correte, que. o bacbarel em let-
tras Joaqun Jos da Siqueira Varejo seja admit-
tid ni forma do olerecimenlo por elle Uto o
aceito pelo goverao imperial, a euainar gratuita-
uidnlc aos aprendntes.dcsse arsenal, geomotria p-
plicata niecbaaica' e desenlio do machinas, uas
cundieoes esttbeleeidas no rcgulamcnto dos arsoj
naea, fluanlo as horas de estudo, frecuencia e esa-
mes, e.wnt |irjii/i dos deveres a que estao sujei-
tos os uesm is arldices; assim o communico a V.
S par*, seu conhecjinento.
>. Gl>j).--I)ita ao hachare! Joaquim Jos de Car-
valho Siqueira Varejao.Tendo o governo impe-
rial, em aviso de do moriente, do ministerio da
marmita, aceitado o olerecimenlo fe i lo por Vmc. e
ordenado fosse admiltido at segunda ordein, para
ensinar gratuitamente aos aprendiz.es artilices do
arsenal de marinha, giumetria applicada, niecha-
nica e desenlio de machinas, as condicoes estabe-
lecidas ti. regnlaBMBto dos arsenaes, quanto as
li ras de estado, frequeucia e exames, e sem pre-'
jtlizo dea develes, a-q:ie estn sujeitos os mesmns
.irtitice^: assioi communico a Vine, para seu conhe-
cimeot': pievciiindo-o de que nesla dala se expe-
dio as convenientes ordens ao inspector do arsenal
de narinha.
2' seccan.
M, 6i:(.i'oi'taria aocheie de polica.Nao sen-
l poasivel por ora prestar ao delegado do termo
de Iguarass as 10 pracas do corpa provisorio de
polica por elle pedidas no offleio a que se refere
o de V. S. il 19 ile.-te mei sob n. 251 eumpre qne
aquello delegado requisito do coinmandante do
eorpo respectivo da guarda nacional, pracas em
condicoes de eoipregarem-se coni proveito ao ser-
vico policial, representando a esta preridencia por
intermedio de V. S. e ao commandanie superior,
quando as ditas pracas nao forem zelosas no cum-
plimento de seus deveres.
N. (IV. Dita ao mesmo.Inte irado pelo offleio
de V. S. n. 368 d 22 do corrente, de ter o delega-
do do termo de (tamb arrendado a Antonio Jos
Bruno Jnior nina casa pura servir de prsao na
povoacao de Timhaiiha, pelo aluguel mensal de
105, lenln a dizer-lhe que exija do dilo delegado
o contrato respectivo para ser enviado a thesoura-
ria provincial.
N. Gl.'i. Dita ao mesmo. Annuindo ao que
V. S. solcitou em oflicio de 20 de Janeiro ultimo,
sob n. 101. nesta data recom nendo ao inspector da
thesouraria provincial a expedieao de suas ordens,
para que os veneiinenlos do destacamento da cida-
de da Victoria sejam pagos pela respectiva col-
lectora, em vista das competentes folhas e pret*.
asignados pelo coinmandante do batalhao, a t|ue
pertencer o mencionado destacamento, e rubrica-
dos pelo cmiinamlante superior. Assim lica res-
pondido o solicitado offleio.
N. 6IG. Ditaao mesmo.Em resposla ao of-
icio que V. S. me dirigi em 19 do corrente, sob
u. 2o2. tenho a dizer, que mande pagar pela verba
da polica a quantia do 9JA20 ris, em que, se-
gundo a conla, que incluso devolvo, importa a des-
peza falta pelo eapilo Canutlo Augusto Ferreira
da Silva, na qualidade de commandaute do desta-
camento il i termo de Seritiheui, com o forneci-
mento de lu para aquclledestacamento e o da ilha
de S. Aleixo, a contar de i de dezembro do anno
proximo pastado al 29 de Janeiro ultimo, poisque
essa despeza gcral, e nao provincial.
N. 017. Ditaao coronel.Manoel GoncalvesPe-
reira Lima, conimandantc superior interino de S.
Antao e Eseada. = Em resiiosla ao offleio de V.
S. do 8 de-te incz. tenho a dizer-lhe que por de-
creto de lo de dezembro do anno lindo, de
que j se lhc deu communicacao a 31 do dilo mez,
o coronel Andr Das d'Araujo foi considerado
avuiso. em c.inscipieiica da renlegracao do barao
de Utinga no posto de coinmandante supperior da
guarda nacional desse municipio e do de Escada.
X. 618 Ditas ao jiTz de direto dos fetos da
fazenda e aos da comarcas de Olinda, l'o d'Alho,
Carur, Palmares, Cabo, S. Antao, Goianna, G-
ranhuns, Itamb, Bonito c Limoeiro. Transmu-
ta a V. S. a inclusa por'aria que Ihe dirigida
pelo conselheiro presidente do supremo tribunal
de justica. s-jliri o processo de reclamaco de an-
lignidade do joii de direlto Ignacio Joaquim de
i'aiva Freir d'Andrade, am de que, no praio
iieua lixado, enve por intermedio denla presiden-
cia a resposta que houver de dar.
N. 619. Deliberaeo. O presidente da pro-
vincia attendendo ao que requereu o desenibarga-
dor da relaeio desta provincia Francisco d'Assis
Peretra Hocha, reeolvo conceder-Ihe 2 meies deli-
eenca com ordenado para "atar de sua saude na
provincia do Cear.
KSPACHO DA PRESIDENCIA DO DA 96 DE FRVRRBmO
DB IKtM.
Antonio Francisco Medeiros.Como requer, e
nos termos do estylo.
QAbaixo assgnados moradores na ra de 8. Fran-
cisco. fixpedio-se ordem no sentido que re-
queren!.
Padre Antonio Generoso Badera.=Estando en-
cerrado o exercicio dentro do qual de va ser eon-
ceJidoo auxilio votado na respectiva teidoorea-
rnento, s ompeto ajora ssembta provincial
a Hender representagao do nppJieante.
Aureliano Augusto de VaBconcellos. A vista
d.'.s informacoes, eeno requer.
Bernardino Pinto Coino.Drija-se ao Sr. en-
geaheiro chefe da reparticao das obras publicas.
Bernardino da Silva Costa Campos.-*#as8e-se
portara.
Candido Valeriano da Silva Freir.Dirja-se
.j thesouraria provincial.
Evaristo "Velloso da Silva.Informe o Sr. Dr.
juiz de direito.
Guilherinina do Alineid Guedes Alcororado.
informe o Sr. desembargador provador da Santa
Casa de Misericordia.
Padre Jeao Vicente Guedes Pacheco.Apr-
sente o titulo de liGenca ihesouraria de fazenda,
Laurentino Correa de Barros.Como requer.
Manoel Estanislao .da Costa.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda. /
sua resolucio du annuir aos desejos das potencias,
sem attonder as con.- equeucias que d'ah lite pode-
rao resultar.
O re, depo de aceitar a demisso do ministerio
Biilgatis-Delvanis, maiidiHi rJiamar os persooi
gens poltico, mais icjpoi lantes, que todos se ivfu-
saram a constituir um gabinete, com a eondicao
la^Sfe 'luqiKdla cidade ; o ministro respondeu
'*?* nm evasivo interpellacao. A cantara
appAvou urna proposta de censura, era vista
I foi o gabinete aprsenla r a sua de-
Espera va-se que se formasse um gabine-
iii
da una
mfejpo
S que frian parte Bratiano, Ghika, c"Gogol-
K'ano; mas, tendo o principe Carlos indica-
de aeeilareui as decicoes da conleretcia, qu a Ido ao gabinete demissioario, quo se apresen-
maiona da nacao pensava assim eqne aguerra, [tasseacamara o propozesse francamente um voto
Repartido da polica,
2' seccao.^-Secretaradapoliciade Pernambuco,''
27 de feve^iro de 1869. / /
N. 295.-r-IUm. e Exm. Sr.Tenho a bonrMe
levar ao conhecimenlo de V. Exe. que, segundo
consta das partcipaCjes recebidas,hoje no/ re-
particao, foram honlem recolhidos casa; de 4c-
tenciio. os seguintcs individuos : '
A' inJnha ordem, Alexandrina Mara da Concei-
cao, por teimar em conservar-se nos trilitos urba-
nos na occasao em que passava o trem.
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Francisco
Hamos dos Santos, por crime de furto.
A' ordem do da Boa-Vista, Lourenco, escravo
de Antonio Pedro de S Brrelo, por andar fgido.
Por offleio da'ad.) de 22 do convnte, parlicipou-
me
no
re i
t?}0. dftSdopassado eslava resovida a crisej
ninisterial. constitniudo-se um gabinete presidido
de contonea, e tendo-lhe este sido dado pela c-
mara, j-ehrou o ministerio a sua demisso. As
cmaras foram depois dissolvidas.
O coronel Kreuski do exercito prussiano, que
liara pelo seu governo sido posto a dlsposicao do
principe Carlos, para organisar as milicias" rou-
as, leve de partir, em coiisequcncia de mani-
na regiao (contal, e com quanto fosse iltrbuido
ao acaso cs$e fact, preiideu ai|uclla autoridadeao
delinijuente, contra o qual vai'procedilos termos
da le, principalmente por'^iaa ser a primera vez
que dis|ira armas contra quem com elle folga.
Deus guarde a "V. ExcIllm'. Exjn. Sr. conde
de Baepcndy, presidente da provincia.O chefe de
polica, Fm,icisco de Faria Lemos. '
DIARIOi DE PERNAMBUCO
BBGffB, 1" DE MAKOO DE 1869.
NOTICIAS l)A EUROPA.
Gomflicto rmnit mifti ftrrf rrryr. disposto a ce-
'r %dCso~e* du conferencia, o ministerio peden
. sua demisso;grande agUarfio nojpaiz;depois
de muitos d Bulgaris-Ueltiinis que aceita-o protocolo de Pa-
rs ; expectativa geral sobre im resultados da
crise. O conde Wtileivski parti pira Varis.
longo de ser fatal Grecia, nao poda deixar de Ihe
ser provyilosa.
/
inini
por Zaigiio, metubro inlluente da cmara dos de
(muidas, t tendo por ministro dos negocios estrau-
geiros D^yauis, que iazia parle do anligo g; bine-
te. A nova situacao aceita a dedaraejo da confe- festariics populares dirigidas conira elle.
rencia. O conde de Walewski,.parti no da 9 d Acna-se na Roumnuia una missao militar fran-
Atlienas e dz-se que era portador da aceilacao. j ceza, eomposta de offlciaes di netos, que pelas
E',de notar que estes telegraininas foram dados sdas qualidades e sua lealdade souberam gi
pelo Constitucionnel le 9, o que a France de 7 dizia
que Zaimis se negr. a formar gabinete.
E" para admirar como os no vos ministros se
conformaran! com a accelaco, vistas as maoifes-
tacoes imponentes do p.vo'gregu. E' fcil mudar
o ministerio, mas nj fcil mudar o tempera-
mento bcllicoso e turbulento de um puvo para
quem a lei tao pouca cousa, o a poiiliea iiiterna-
cional urna inslgmlicaucia.
Os revolucionarios gregos agitam-se em toda a
parte. Dz-se que os Gregos residentes em Ingla-
terra formaram urna commisso, quo tem por lim
trabalhar em favor do eslabelecimento de uina re-
publica, no caso do rei Jorge ceder as exigencias
da Porla Oltomana.
Alguns jornaes gregos diicm que se a Turqua
declarar a guerra Grecia, esta potencia so nao
encontrara solada uo campo da batalha. Dizia-se
lainbem que, una vez declarada a guerra, teriaui
lugar movimeutos revolucionarios, em dyersos
pontos do imperio Otlomano.
O antigo governo grego liava excedido urna cir-
cular a lodos os cnsules gregos, ordeuando-IJies
que abrissem subecripcoes para o einprcslimo itei
cem mllies de draenmas, votado pelas cantaras
de Alhenas. Esta circular, dalaili de 20 de Janei-
ro, declara a lodos os^flregos residentes no eslran-
geiro que se traa de assegurar a independencia
da patria gravemente ameacaila.
O governo, com o producto do ultimo empresti-
mo, liava enviado o dinheiro necessaiio para pa-
gar as duas crvelas encouracadas Jorge I e Olga, respsndencia que houve enlre o gabinete de Ber-
que se construem em TriesU'. | lin e o de Pars a este respeto. mas o Jiro ama-
Continuam em grande escala os preparativos j relio na la diz a tal respeito.
gear as sympalbias geraes, o que sao tidos
irrande estima pelo exercito romnano, que pede a
consyvaca da missao l'ranceza, o que fosse cncar-
regw tambem de instruir as milicias.
O jemal a Servia diz que a inutilidadc da con-
ferencia faz prever quo, em caso de gurra, toma-
rao parte nVil i a Serria, a lipiria, u Ilerzego-
t"', a Bosnia e o Montenegro.
ALLKMANHA
Nxdiscussaii do proiectodesequestrnrao dosbens
dosehitores de Hesso, o Sr. de Bismark, o dcclarou
que se reconheceu que a paz foi ameacada por causa
de um. erro ; que a Prussia viga as agtacoes
progressivas, que suspeita qne no estrangeiro se
especula com a desmembradlo patritica da Alle-
inanha; que detesta a ospionagem, ma; que a re-
coilheee til para descobrir os reptis, c segui-los
at asistas cavernas, e que empregar o seu di-
nheiro para os espionar o superar.
1 jornaes francezes, examinando < discurso
promniciado p u Bismark por occasao Jo seques-
tro dos ln-ns de el-rei do llanover, notama impor-
tancia qim aquello estadista lign estada omTran-
c ne b'gio hanoveriana, que o rei da Prussia
considera a prosenea daquella legiao etn Amiens.
come urna anteaba para a Prussia, quando os le-
gionarios, (pie nao serao mais de fiOO, se acham
.dispersos e desarmados, por que foi isso una
da* eondieoes de hospitaliuade que Ihe concedeu
o inferno.francez.
Sr. de Bismark tambem alludiu urna cor-
bellicos, tanto por parle da Grevia como daigape-
rio Ottoinano.
0 governo otlomano, segundo dizein de Constan-
Coutinuam os preparativos de gitrra da Turqua tiuopja, far ludo o que poder para evitar a guer-
e da Grecia. Turqua expulsa de seu territorio
220 Gregos e prehibe a entrada nos sem polios
aos uar os daquella potencia. Fallase da abdi-
car.no do rei Jorge....
PiiiNcii'Aixi daxciha^os, Agitara) no paiz. De-
misso e recvMucaS dms cmaras.
\\,u\\\s'.i.K.Linguagem do conde de Bismark em
reanlo aos manijas estrangeiros contra a unido
allemda. Projecto de tentativa de assassina-
ta do conde de Bismark por um estudante
hanoveriano. Preparativos para a guerra. O
governo russo concentra forras as suas {ron-
tetras de sudoeste.
FnANCA. nterpetlaroes no parlamento sobre os
. accontecimentas da ilha da liennido. e sobre a
le de mprensa. Fallecimento do Sr. Mouslier,
da princeza Bacciochi e do duque de la Page-
re. Preparativo bellicos. Recolta na Argelia.
I.\t.i.aterra. Reunido do parlamento a t! de fe-
terero; discussao:abolirio dos privile-
gios da igreja na Irlanda e. economas. Resolu-
nio definitiva da quesio do Alabama.
Italia.Restabelecida a tinwiuillidade. Continua
a fallarse em miidanca ministerial. Parece que
o governo francez negocia um accordo com o ita-
liano para a evacuaco de Roma pelas tropas
francesa.
Hesi'axiia.Abertura do parlamento. Organisarao
administra/ira.Nao ha accordo sobre a qnestan
de candidaturas. O governo provisorio vaise
formar em directorio eomposto de-Prim, Serraim
e Rivero. Vogam muito as ideas e mawjos ib-
ricos.
Portuial.Notecias diverus.
CONFLICTO GRECO-TURCO.
Depois de conhecido o resultado da conferencia
de Pars, relativamente ao ultimtum da Turqua,
tem-se estado na expectativa de saber se a Grecia
anprova as resolucoes das potencias. O conde de
Walewski drgio-se logo a Alhenas para entregar
ao governo grego o protocolo da conferencia, con-
cedendo Grecia o praso de oito das para res-
ponder.
O rei Jorge recebeu affavelmento o conde de
Walewski, e mostrou-sc disposto a aceitar as deci-
s5es das potencias.
O ministerio, poreni, apesar de concordar em
que as actuaes circumstanias era imnossivel e
inconveniente dar outro passo, que nao fosse a
aeeitacjio. resolveu apresentar ao re a sua de-
mi-sao. por coherencia, c niio ter de mudar de
poltica. O rei, anles de conceder a demisso,
rosolvou refleitir. .
No ultimo de Janeiro, a difflculdade que encon-
trou o soberano de formar novo gallineto, levou-o
a pedir aos ministros demissionarios a continuarem
no poder, com a eondicao de que, apesar do aceita-
rem as decses da conferencia,' responderan) a
nota franceza, por um despacho bastante desenvol-
vido, que contivesse bastantes considerares sobre a
Grecia, e sobre o papel quo deveria representar no
Oriente.
(lomo os nossos leilores sabem, o governo grego
linha dado instruceoes ao seu representante' em
Paris, para chamar a dseussao na conferencia a
este lerreno, e que foi-este -o motivo que o fez
excluir da conferencia. '
O ministerio, lavrandoeste protesto, conservava
a sua popularidade, o explicava ao paiz a sua po-
ltica.
No dia seguinte estava redigido por Delyanis o
despacho, c foi lido em conseluo; diz-sc que sob
as mais habis formas diplomticas, e as mais be-
nvolas expressoes para as potencias, o despacho
continna, a respeito da Grecia, um verdadero
programma. Parece que foi communicado extra-
ofllc talmente ao eorpo diplomtico, e que esto
regeitou o texto do despacho.
O ministerio apresentou novamente a sua
demisso, que foi aceita.
O praso concedido Grecia para responder foi
prorogado at se constituir novo gabinete.
Havia grande agitacao em Athenas e as pro-
vincias. O povo grego nao se pode conformar
com a aceitacao do protocolo das potencias. Tem
havido meetings, pedindo a reconduceao do minis-,
torio. Houveram manifestacoes hostis ein frente o
do palacio real, e das residencias 'dos ministros, e
soltarara-sc contra esles ltimos gritos de morte
no caso em que eaicassem aos pos os intoresses
nacionaes. Ketava-se grande agitaeao nos parti-
darios da guerra a todo o transe, e fallava-seem
que o rei Jorge nao leria outro alvilre a tomar,
que od* sua abdica^ao; e aecrescontava-se que
provavetmente embarcara no navio de guerra
francez Forbin, que havia chegado ao porto Py-
reu. Houveram. grandefcSemonstWiCes de alegra
quando se recebeu a noticia de que havia sido
laneada as aguas a crvela encouracada Olga, que
era coustruida em Trieste por eoota do governo
freg.
O re Jorga, entretanto, mostrare luabalavel na
ra, porque sabe positivamente quealgutnas popu-
lacoes, induzidas por agentes estrangeiros, apro-
veitar-se-ham do urna lula .com a Grecia para a
insurreccionarem ; nas se se vr constrangida a
sabir da inaccao, obrar cora una enortia pouco
\Tilgar. o ministro da guerra Namik Pachaam^. \,
senlou ao divn um plano completo, que foi appro-
vado. Se a resposta de Alhenas nao for favoravel,
serao chamados os redfs de priiueira classe ;
aquelles que j tiverem completado seis annos de
servco formarao 81) batalhoes, que serao enviados
aos seguintes pontos : 12 a Widin, as margens
do Danubio; 10 Mista ; 10 Supina ; 8 Phi-
lippopoli; GTirnowo ; devendo os restantes guar-
necer as 'ronteiras da Grecia e as de Montenegro.
Estes re-Jifs constituem um reforjo consideravel s
tropas de que a Porla dispoe nesle momento.
A Gazeta do Norte publica uina resposta enr-
gica aos ataques d u tornaet fiancezes.
KOasetada Cm: dizque, por comrauvicacao
taita ao governo prnssano polo de una das gran
des potencias, consta qne un estucante hanove-
riano, enjo nome citado, foi cscolhido pelos seus
paes, para assasinar o conde do Bismark.
Q Bovcrno prussiano acaba do roorgansar o
-rvico dos correii^para o exercito em campanha.
OJ'df^p a_l0das as compaiihi.o do aminhon
d/: Ierro, para que os vagos de mercaduras pos-
sam sor transformados em poucos minutos em
carruagens de 3* chisse, afim de transportar tro-
pas
A praca do Moguncia est sondo posta em guer-1
ra, e parece que o governo prev que aquella pra- j
ca ha de soffror prximamente um sitio, por isso
que mandou cortar todo oarvoredo, e derribar as
casas que possam estorvar o jogo de artilharia.
O Monitor Wxrrtembuguez desmei te fornial-
| monto a noticia dada por um jornal, de llamburgo
Xainik-Pacli um liomem activo, uiellincnte, e de que os reinos de Bavora do Wurtemnerg,
que nao quor ser sorprendido pelos acontocmon- tenham concluido com a confedera^ao da Allcma-
tos ; omprcgou toda a sua atlenco no armamento I nha do Norte, eonvcflces anlogas as q c se pro-
dos soldados, e a Porta possi'ie boje um numero su- jectam com Rulo, rotativamente reciprocidade
luciente de espingardas do agulha para armar a do seryien militar entre estes reinos c a Allema-
sua infantera. Espera anda outras espingardas | nha do Norte.
encommendiulas nos palies estrangeiros, e que ho 0 parlamento bvaro votou, porin, que se appli-
dc brevemente chegar Constanlinopla.
O primeiro eorpo do exercito ettomano tomou
posico na margein esquorda do golpho de Vol,
pequea distanciada planicie de Pharsala.
O exercito de 2i,000 eomposto de tropas esco-
lludas ; posse ptima arlilharia e umitas provi-
soes, no dizer de una folha franceza.
0 representante da Russia em Constantnopla,
o general Ignatieff, reclamou contra a conccnira-
to de torcas ottonun.is na Bessarabia.
Foram expellidos do Constantnopla 220 Gregos
suspeitos, dando-se-lhcs o termo de tres dias para
sabir in da capital.
Grande numero de subditos gregos refugiai ani-
se nos principados Moldo-Valacos, cujo governo
Ibes deu hospitalidade sob as segumos condicoes :
!. os Gregos refugiados nao podero como emi-
grados reclamar a pn leeoo dos ccnsulados gre-
gos ou romanos; 2." ao chegar aos sitios aonde
tencionem residir, devero declarar o nome, sexo,
dado e profisso de todos os individuos do suas
familias; 3.*os refugiados nao podero attentar
em cousa alguma conira a Turqua.
O sulteo, sabondo t stas resolucoes, escreveu ao
principe Carlos felictMHio-o.
J comecou a ter oxecucSo a medida lomada pela
Turqua do prohibir a entrada nos portos turcos
aos navios mercantes gregos. Hobrt-Pach, logo
quechegou Creta, mandou alguns navios da sua
e- a i Ir.i para o archipelago com aquello lim. Pa-
rece, porm, que esta medida so tem sido posta
em execucao nos grandes portos, mas que as
Ihas, onde os Gregos commercam em grande es-
cala, anda se conserva tudo como antes.
Dizem do Constanliiopla que a Porla resolveu,
no caso do governo greg aceitar o protocolo
da conferencia, fazer cessar as perseguidles prin-
cipiadas contra os vapores Enosis e Creta doli-
dos no porto de Syra.
O apaziguamenlu completo da ilba de Creta
torna nuteis aquellas perseguicoes. Dous dos
chefes da itisurreico j assignaram nma capitu-
lacao semelhanle a do Petropoulaki, e outro que
nao quiz aduitir os touuos de Jal capula^o
offereceu-se a^ejiar-Ureta.
Na Austria Oai prohibida a exprtacao do ar-
mas e mullicos para a Turqua.
PRIKCIPAIOS O.VNUiUNos.
Cartasrecebida>i de Bucbarest mostram ascausas
da crise ministerial, que havia noticiado otelegra-
pho.
O partido revolucionario agilava-se extraordi-
nariamente, e Bratiano e os seus amigos faziam
propaganda por toda a parte.
Contrariando as prudentes prescripcoes do mi-
nistro do interior, tfnham feito manifestacoes a. fa-
vor dos Gregos desembarcados em Galatz, em
Ibrala, e em militas outras cidades situadas so-
bre as margens do Danubio. Estes Gregos, proce-
dentes da Turqua, havam sido prevenidos de que
terian de sabir do territorio roumano se violassem
as leis da hospitalidade, como j dissemos; o
ministerio deseja observar a ncutralidade e man-
ter relac6es amigaveu com o governo otloma-
no. O partido de que Bratiano chefe tem ideas
oppostas, e procura 'aze-Ias triumphar no paiz,
Este partido acaba de constituir urna junte, e fa-
zondo-se orgao das aspiracoes dos Blgaros;o
programma a autonoma para os BulfUs com
urna assembla eloitf, pelo suflragio iKersal.
eleico pela assembb* de um governo aja no-
meaco sena approvada pelo sulteo.
0 partido revolucionario roumano nao ignora
que a reahsaeao de tel programma nao poder ser
conseguida sem urna guerra.
Tendo o governo sido interpelado '!Mnara
dos deputados sobre urna ordem eonwumfcada
ao Sr. Bratiano, encarregado de un atso es- _
pecial-em Paris, afim le que regresase ioimedla-- do algumas peBetrado
O governo hngaro so est conforme com o
Vienna em domar o espirito annexionista dos ro
quem aslcis prussianas relativas as miras.
Dizein de Vienna, quo estao do- accorioos pre-
sidontcs dos gabinetes hngaro- e austraco sobre
a questo. do Oriente.
de
pirito annexionista dos ron-
manos, que desejam possuir a Transyl\ania. Os
Hngaros sao sympathicos aos Servios, que nao
pretenden) annoxar a si os distirictos servios da
llungria, e opinan! para que a Servia so oucarro-
gue da regeneracao da Porto Ottomana.
Os jornaes austriacos continuara a assegurar
que o governo russo Concentra numerosas tropas
as suas fronteira do sudoeste, e accrescentam
que taes forjas sao una amoaca contra a Austria
e contra a Turqua.
O clero hngaro est resolvido a suslentor o
partido Deak, oni troca do que o cont de An-
drassy coniproinetleu-se a nao propor reformas
religiosas dieta hngara, e especialmente a do
casamento civil.
Dizem de Londres que um ministro do estado
inglez tem einpregado toda a sua influencia em
Berln para que nielhorcm as relacooi cutre a
Austria e a Prussia.
Diz a Gazeta Ofjkial de Vienna que o im-
perador d'Austria deu uina audiencia a D. Manoel
Ranees, nomeado representante em V.enna, do
presidente do governo provisorio de Hespanha, e
que nessa entrevista apresentera as su as creden-
ciaes.
FR\.\r,\.
Realisaram-sc no parlamento francez duas
interpeljaooes importantes : urna do Sr. Benoisl
censurando o coraporlamento das autoridades,
durante os ltimos acontecimentos da ilha daRcu-
nio. 0 Sr. Baroche deu as explicacoes pedidas, e
o Sr. Benoist retirou a sua interpellaco
A segunda annunciada pelo Sr. Maup;is, rela-
tiva as perseguicoes que se tem feito imprensa;
parece, porm, que o ministro o Sr P.ouhcr se
negou a responder todas as interpell.uous sobre
a poltica interior do governo juerial, o que tem
causado grande desgosto na opmiao putlica. Ile-
uiiirara-se os deputados da opposicao o resolvern!
addiar todas as interpellaooos ao governo at dis-
cussao dos orcamenios.
0 parecer do Sr. Dutniral pr.opoz que, para o
futuro, sejam suln^ttidos ao eorpo'legislativo os
orcamentos extraordinarios de Paris e de Lyon.
0 conselho de estado trata de formular dous
projpetos de le de bastante importancia, o .primei-
ro sobre as cadernetas dos operarios, o outro sobre
consummo.
A caderneta tornar-se-ha facultativa em vez de
ser obligatoria para os operarios, como actualmen-
te. 0 segundo projecto marca as trelas maxinyp
sobre as. quaes podero as municipalidades obter
os seus respectivos direilos de consummo.
Falleceu em Paris no dia 5 o mtirquez de
Mouster, ex-ministro de estado. Morreu no dia
3 a princeza Bacciochi, prima ou iroiaa do impe-
rador dos Francezes; contva 63 annos. 0 seu
nome tornou-se celebre pela corajosa tentativa que
fez para auxiliar o duque de Rechstadt (Napoleo
II) a evadir-se dn castello de Schoembrunn. A
princeza nao deixou fllhos; o seu herdeiro 6 o
conde Flix Bacciochi, primeiro camarista do
imperador.
Falleceu de urna apoplexia fulminante, no pala-
cio das Tulherias, o duque de Taschea de la Pa-
gerie.
Dizem de Paris que do centro e me o dia da
Franca continuara os transportes-de munices de
guerra at s flronteiras de Este.
Os jornaes publican) alguns pormenores
acerca da msurreiclo de Argel. Nnmeresas parti-
das de rabes marcbayaffl.em direccSo de TeH, ten-
nos territorios habitados
pelos colonos. Estevam coradas as communicacoes
entre Gereville o Fagum.
Estevam ausentes tanto o general Deligny, como
o governador geral da Argelia, o marechal Mac-
Mahon.
0 commandanie Leghouat com 1,200 Francezos
alcancou no dia 2 una brhante victoria sobre
3,800 indigenas.
Diz se que o inimgo esta' em completa derrota,
o que a Iranquillidade se estabelecra, tirando, a
data das ultimas noticias, as tropas em perseguieo
dos inimgos na direccio de oeste.
I.V.ATERRA.
Lma circular de Gladstonc annuncia que o par-
lamento se va oceupar do importante* discussoes
logo na sua abertura, que deviater lugai- a 16 do
passado. As prlncipaes questoes sao :a abol-
cao dos privilegios da igre a estabelecda na Irlan-
da, qneslao que servio de landoira para a reunan
de todos os partidos nberaes, e a realisaeao de im-
portantes economas. Diz o Morning Post que o
Sr. Gladstone pensa em reduzir n'uin miltia de li-
bras sterlnas as despezas do exercito, e na mosina
proporcao as da marinha.
O protocolo, relativo a questo suscitada entre a
IugJaterra c os Estados-luidos a proposito do .1/u-
buma, foi expedido pelo cabo transatlntico e en-
tregue aoSr. Seward a 18 de Janeiro. Xosso mesmo
da foi submeltido ao conselho de ministros, que o
approvou, e em seguida enviado ao presidente do
senado. Este entregou-o ao presidente da commis-
so dos negocios estrangeiros. Parece que osle
ultimo preferira demorar este negocio at quo se
constituisse a nova administracao presidida pelo
general Grant, mas a opiniao publica nao aceita de
boin grado estes detengas em um negocio tao ami-
go como osle.
Parece que o ministro americano Reverdy John-
son conseguid do governo inglez mais do que se
espmva em Washington, pois no protocolo so en-
eontram as ideas dadas as prmeiras instruceoes
do governo americano ao seu representante em
Londres, e ludo o mais que depois reclamou.
Scro noiueados dous coinuhssarios por cada
governo, para examinar o julgaras rcclamacoes ;
mas previamente nonieaio una pessoa, que lera
a qualidade de arbitro no caso em que houver em-
Eato. Su nao podereni combinar na escoma de ar-
tro, gen e-te nomeado sorte, cada vez que for
necessario o seu servico. .Nao consegundo obter
accordo em qualqnei dos assumptos submeUidos a
suadecisao, o arbitro decidir de forma doliuitiva,
e sem apiiellMo. Os cominssarios devem decidir
toda- as questoes no prazo de dous anuos, a contar
do dia da sua primeira reunio, que se eflectuar
em Washingtoii. Todas as quantias que concede
rom para faasr face s reelaiiLucocs serao pagas
no prazo d 18 m zo*, e sem juro a contar da-
quelle em que se roalisou a deciso.
No estado de Oajtca rebeutou una rovoluco
formidavel conira Jurez. A lula dos partaos
contina com a maior actividade e os jornaes pro-
nunciain-se respectivamente pelos dlTerentes che-
tan que a^jparfim.rui P.imUO. ___
O correo da India, chegado *BruxfisrcT5n-
firma a noticia da niatanca dos europeus uas illas
da Nova Zelandia. O Sijling Morning Herald toma
a responsablidade desle desastre sobre as autori-
dades nglezas. .
ITALIA.
Falla-so anda em modilicaco ministerial ;
dz-se que Menabrea pedio "a sua demisso,
que Ihe foi aceita, teservando-se o re a tratar da
substiluico do gabinete depois da corte voltar do
aples para onde parti. Acompanhaiu o rei Vc-
tor Emmanuel, os ministros do reino, da guerra,
da marinha o o general Caldini. Parlrain do Paler-
mo para aplos dITeentesdeputecoes para apre-
sentar ao re da Italia as liouieiagens dos po-
vos sicilianos, e pedir ao rei quo visite tambera
a Sicilia.
Vorilcou^sc a Bterpeliaco ao governo acerca
da applicaeai do imposto sobre as moagens, o de-
pois do ouvdas as explicacoes do governo, a c-
mara passou ordem do dia. O parlamento foi
adiado para o dia 16 do passado.
O governo devia apresentar ao parlamento os
pormenores da negocelo projectada sobre os bens
do clero. A divida fluctuante sobe quantia de
2800 iiiilhoes do reales.
A ordem acha-sc restabelecida na Italia cen-
tral. Terminuu a niissode Cadorna.
Mena.')roa respondeu a urna interpellacao
sobre a questo romana, dizendo que a Italia
responder ultima nota inserta no J.ivro ama-
relio, e publicar sobro a questo romana ante-
documentos redigidos como sempre em conformi-
dade com os inleresses e dignidade da Italia.
Diz-se que o governo francez eutrou em ne-
goeiacdescomo italiano sobre a questo de Roma;
o que, logo depois^ das eleicoes geraes do mez de
mato, se examinar as condic">es em virtude das
qnaes possa verilicar-so a evcuacao do Roma.
HKSI'ANHA.
Abriram-se solemnemente no dia 11 as cortes
constituimos, sem opparato de tropas. O genera,
duque de La Torre (Serrano), presidente do go-
verno, fez um brilhante diseurso enumerando os
actos do governo provisorio, as suas reformas, os
meios empregados para sustentar a ordem, e felici-
tando a nacao por ter recobrado a liberdade e
estar em paz com todas as potencias. Aconsclhoq
a concordia dos cidados o a prudencia na reso-
luco dos negocios pblicos. Manteve-sca ordem,
apezar do grande enthusiasmo e de concorrerera
solcmnidade mais de dose mil pessoas.
O governo provisorio publicou um decreto re-
conhecendo em llespanha os diplomas seicnlicys
portuguezes. A Gazetta publica um decreto sobre
iiisiitiiiroe-, tendo por lim empreslimos hypotbe-
carios de predios territoriaes. Outro decreto or-
dena a fabricacao de meeda. O almirante Topete,
ministro da marinha, publicou um decreto suppri-
mindo a classe de chefes de peca e sargentos inores
da marinha, substtuindo a por um navio escola,
cujo regulamento se publicou lambem. 0 jornal
oftieiai publicou mais a lei orgnica do almiranlado,
e um decreto que transiere para as deputecoos
provinciacs e cmaras municipaes o protectorado,
inspec^o e administrado dos collegios de in-
ternos existentes as Inslluicves do. ensino se-
cundario.
A respeito da nao recepcao om Roma do em-
baxador hespanhol o Sr. Posada Herrera, dccla-
rou o governo, que havia oxageracoes, pois que o
embaixador hespanhol havia sido bein recebido
pelo cardeal Antonelli, e que se se haviam levan-
tado difllculdadcs cmquanto ao principio ostabele-
cdo em llespanha sobre umdade do foros,
abohndo-sc o foro ecclesiastico, o governo jwati-
licio j o linha aceitado como principio, o que
era j de bom agouro; que nao se tinha rebaxado
em cousa alguma a dignidade do representante do
Hespanha, e que em todo o caso o governo hes-
panhol,uel guarda da honra nacional, esteva ds-
posto a proceder com o represntenle do Roma do
mesnw modo porque tora tratado o de Hespanha.
Entretanlo Herrera preparava-so para partir Roma.
Foram presos om Miranda quatro estudantes
do seminario de Burgos, que se tornaram suspei-
tos de complicidadc no assassinato do governador
de Burgos. Foram presos 13 conegos daquella ca-
thedral por suspeitos de compliees no ussassinato.
Dizem de Burgos que se espalhra. dinheiro para
provocar os ltimos acontecimentos.
0 governo cancedeu urna pensao do 1,300 escu-:
dos viuva de Gutirrez Castro, governador de
Burgos.
Em Burgos esto mais de 100 pessoas .presas.
Cuntinnam a discutir-se e a inculcarse as can-
didaturas dos duques de Moutpensier, duque do
Ao>te, Oo Ivirigiian n Espartero; o as de D. ba-
be, 11., principe das Asturias, D. Henrique de
l>i>u bou, etc.
Entretanto uestes ltimos lempos principiou
a ebaniar mais a atlenco o empenho oort que se
pretcale antopor todas estes candidaturas a do
el-rei Fernando II de Portugal, e os man jos ifceo-
nicos, que se tramara Unto em Hespauna Como
mesmo em Portugal.
Alm do facto do reconhecmento das habilita
$6es scientifleas recebidas- as escolas e institu-
tos de Portugal, falla-so em serem considerados
cidados Hespanlwes, todos os porlufuezes que o
desejarom sem processo de naturalisafo e outros
muitos manejos, rnjos Ibis fcilmente se pereebeu)
O Gaulois diz que ante a attitude da naci e em
vista das dmeuldadcs que pode encontrar una
candidatura ao thronu aeeitavel por toda a narao.
todas as fraccoes libelaos decidirn! confiar a um
triiiinviralo o poder supremo executivo. Odi-
reiOorii) seria formado pelo genoral Prim, Serrano
e Hiyero. Em viste deste deciso, poder-se-h
considerar como proclamada a repblica, se se
realisar tal projecto.
O jornal a Unido desinente formalmente a
fufoentre D. babel I). Garlos, estando este mais
do que nunca disioslo a uo fazer a menor eon-
cesso quanto aos seus principios o dueilus.
r-OIITI'G.VL.
= Continuam exaltados os nimos no reino,
dando causa novos rumores e motivos de temor
o seguinte decreto do governo iiospanhot:
Una das mais constantes aspiracoes dos libe-
raos da nos-a patria, foi e a intima unio e
amisade entre a Hespanha e Portugal. Unidos
ainb s os povos no panado pela mesma serie do
vicisstudes o de glorias; irmaos na sua origem e
nos seus intoresses, sem fmnteiras como os Pyri-
nous e as costas, qne sao os meios de que a'na-
tureza se vale para separar as naces e as racns,
devem coinmimicar juntos para realisar as suas
aspiracoes de cvilisaco. ajudaixlo-se mutuamen-
lo. o procurando estabelewr a mais prntiiuda bar-
iiionia no seu modo de ser e uas diversas mani-
festarnos da vida publica.
Os suceessos politices do nosso paiz nos lti-
mos anuos, tora contribuido muito para estrllal-
as relacoes-aniigavcis entro um e outro povo,
sendo este portadlo o momento opiMurlinio para
eomeear a favorecer uina amisade coideal e sin-
cera, da qual seguramente bao de resultar gran-
des beneficios para Bubas as naroo-.
Attendendo ao (pie tica expsto, b is.uvlo as
attribucdes que me ompetem como numbro do
governo provisorio e minislro do fomento, decieio
o seguinte:
Art. 1." Os diplomas de sliidos,'passAdos no-
cstabelecimentos pblicos de en-ino em Portugal
sern vlidos om Hespanha.
Art. t.f Para se reconheccrem esses diplomas.
se exgiro os mesmos que tiverem sido concedi-
dos, pelo qie respeita a oulra universdade ues-
Art. .V Os tilo! pi ifi-sioia's pnrlgnec!s
serao tambem validos om llespanha com M ine--
mas formalidades.
t Madrid, 6 de fevoreiro de 1809.O ministro
do fomento, Manoel Rniz Zorrilha
Aguardava-se o proceder do governo portuguez,
om face de semelliantes actos demonstralivos do
dosejo da unio ibrica.
Dizia-se que j haviam desinlelligencias cuin-
os ministros, por causa de novas medidas finan-
ceiras propostes pelo respectivo ministro.
O governo mandou prohibir a continuaco
das reunidos da sociedade Progressista, de Lisboa,
porque pretenda tratar de pedir ao rei a convo-
eaco da cutes constituimos, guarda nacional e
abolieo do veto.
As coratnissoes oncarregadasdn estudo e or-
ganisaco da novale eleiloral prnseguiain em seus
irabalhos, dizendo-se que dentro em pouco seria
olla publicada.
Foi nomeado encarregado do negocios, junto
a corle do Brasil, interinamente incumbid.) da le-
gaco portugueza, o Sr. eommondador Fausto Gue-
des", que hontem mesma nsssau no Oneida.
Foram nomeados govornadoros: de Cabo
Verde o Sr. eapilo lente Caetano Alexaodre de
Almeitla c Albuquerque. Coiniiiainlaiite da Corveta
Duque da Tercttra;ae Angele, s Sr. Jos Ro-
drigues i '.oeiiio do Amarai.
O titulo com que foi agraciado o Sr. Ssbas
lian Pinio I.eile. visconde do Candara, nom--
do lugar onde elle uscan.
Falleoeram; o marechal da campo reformado
Joo Ferreira do Campos; e o alastedo propriela-
rio da Torceira, Sr. D. Pedro de lli ito Rios.
Coi ria. a ultima hora, em Lisboa, que o go-
verno hespanhol resolver, em conseno de minis-
tros, apresenlar o Sr. D. Fernando-ao throno do
llespanha.
J se acbaya em Lisboa a estatua do impera-
dor D. Pedro IV, para ser collarada no monumen-
to do largo do Roci. Veio do Havre. Pesa 3940
kilogrammas t custou 6:6S0ff00 feries.
No dia 11 do passado, foi laneada s aguas
doDouro, a barca U. Francisca, de propriedade do
Sr. Joaquim Percha Marinbo. da praca da Babia.
0 uavio rade 33 metros e30 do compriinento, o
demanda 10 ps d"agua, quando oarregado.
O Bejense da a segrate noticia arelioologca
Junto a estacad do cammho de ferro, a meio
metro de profundidades encontrou-se urna sepul-
tura. A ossada que esteva dentro desfez-se cem
o ar. Na sepultura havia urna medalha do tempo
da repblica romana. Na cara do Sr. Baptista
Barreiros, n'um falso, encontrou-se a ossada do
dous cadveres. Na miiralha que anda a demolir-
se tem-se encontiado urna cruz de Malta, diversos
capiteis corintbios o dricos, fragmentos de lapi-
des inmutares XXVIl e XXX, fragmentos de ec-
lutnnas e ditos de estatuas >.
Nosso correspondente de Lisboa diz-nos o
seguinte :
a Por noticias do governador do (uilimane
(Mocambiquo) consta que o capilo-mor de Mani-
r Ihe participou que um grande numero de boers
da repblica de Trajas-Vad (dizem quo cercado
14 mil familias) pedio liceuca para se esiabejnssr
no local da amiga fera portugueza, para residir,
cultivar o paiz, coQunerciar e explorar as minas.
O paiz montanhoso, tem ptimo clima, muito
gado, podras preciosas, ouro e mu rio.
So isto ludo, como parece- exacto, e se da
parte do governo houver a necessaria diplomacia
para encaminhar convenientemente a questo ani-
mando desde j os colonos, c nao icmeudo fazer-Ihc-
amplas concessoes do terrenos e outras vantagens.
se os poderes,.pblicos virem n'ustes onucteodo
urna nova e importante populac franca, ti'alw
Ihadora, j accliinada_, o sobrtudo respellada c
temida polo eenlio, possivcl que nos venbamos
anda atoralli bastante preponderancia c forca.
Ha milito que a feira de Monca foi por nos
abandonada, estando anda boje as suas minas de
ouro quasi de todo virgens.
t A repblica de Trans-Vad comp5e-se de Hol-
landezes que habilaram o cabo da Boa Esperanca,
e que os Inglezes exuulsaram para o interior, onde
se pililosj ft'ni"'t-----duas colonias flores-
c iiuinuiuees sao os melhores colonos. Os
beneflpiips que d'ah podera resultar sao innmera
veis, tanto para o conunercio como para a nave-
gacao.
Foram ms as ultimas noticias de Timor, que
chegarau) anles de hontem pela mala da China. O
regulo dqXov j baten duas vezes a for^a porta-
Zl


IHHH
trio Je PeniamaWco
i saluda do Bailado al ly paia *
V-lo, A pedas dos nossosA*m do 126 entre
mortos ettdo. 6 g por tenwr algum ataque dos Timotes
* m
Eis oaaMiaos telegramma* polticos rscebidos
eos Lisboa: .,_
Madrid, 13 as 9 e 50 minutosRivero foi eleito
presidente da cmara por s8 ota contra 67. A
poca dix que Olosaga prflhrelqiMite renunciara
a embaixada de Pwfa parPWaigbsento aca-
mara. Garria sori nonicado envtiBo extraordina-
rio era Inglaterra.
Pars, 13.Walewski ombarcou terea-feira
Sara Syra, levando resposta satisfactoria para a
recia. ,. .
t Bochare*, 41Xas etdades de Vatachia cir-
culan), apesarda vigilancia di governo wclaina-
coes de MazzirH, excitando os povos do oriente a
O Monteur publicou o verdadeiro manifest
de 1. Isabel de Bourbon aos Hespanhes. Termina
lindo*tuppUeo-vos, Hespanhes, que vos aunes
todos em torae de mim, para impedir a estran-ao
dus templos do Deus verdadeiro, e asianumeras
prolanacoes fle que victima a rehgiao de nosso
**? Nisa (sera dato).Morreu Fuad-Paek, impor-
tante estadista da Turqua- ....
. FldWBM, 13A Correspondencia italiana
naga que a Italia esteja negociando qualquer alllan-
9a jara o caso de guerra.
---------
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
2:000-;,
1:6703
1:000*
880*
5003
4CTOS OFFICIAES.Por aelbcracBes da pre-
sidencia, de 20 do passado, foratn nomoados :
Xildeiico de Araripo Faria e Jeronvmo .Uves da
Cunha Lins, repetidores gratuitos do Gymnasio
Provincial ; ......
Joao de Souza Bangcl Filho, ajudante do porteiro
do arsenal de guerra.
FERMENTO CASUALNo dia 14 do passado,
oslando o menor Jos Al ves Pereira a tolgar com
uina espingarda, no lugar Brcjo Secco, do termo
deGaranliuns, disparou-se esta com tal mfehcida-
dc que foi emprimarse a carga na fronte de Joa-
qun Lucas dos Sautos, que com aquelle eslava.
0 dliaquente fui preso, e ia ser procossado.
HOSPITAL PEDRO U.Acha-so de mez ueste
estabeleciineato o Rvm. Sr. conego Francisco Ro-
chad Pereira Britto de Modeiros, mordomo da
Santa Casa de Misericordia. Tudo quanto disser
lesiH'ito ao cstabelecimento de ve ser feilo por seu
intermedio, para o que pode ser procurado na
a* de sua residencia ra -Nova de S
o. 13
DINHE1RO O vapor Potengi trouxc as seguin-
tes qaantias, para os Srs. :
Tasso limito...........
J. J. Goncalves Beltrao.
Alvaro A. de Alineida..
Justino J. de S. Campos
Perreira Qascao.......
O vapor inglez Oneida trouxe 1,000 para
os saibores Kcller A C, 1,000 paraosSrs. Au-
gusto F. de Oliveira &C, e 1:032-3000 em ouro
para o Sr. Joao do Reg Lima.
ELEiCOES.-Temos o resultado da freguezia do
Cabo, onde foram eleitos eletores para senador :
Vigario Jos Luiz Pereira de Queiroz. .
Onde da Boa-Vista......
Br. Manocl Clemcntina Carneiro da Cunlia
Jos, Paulo do Reg Brrelo.....
Antonio loaqotm C. de Albuqaerque .
Paulino Tires Falcas.......
Braz Carneiro Leao........
Francisco Paes Brrelo ._.....
linbclino de P. Souza Leio.
Or. Joao Francisco de Arroda Faleao .
Josa de Monea Gomes Ferrera.
Manoel Barbosa da Silva .....
Jen) Thomaz de Agoiar Jnior.
Or. Ignacio de Barros Barreto. .
Par i.indo do Reg e Mello Barreto. .
Gai nermioo Joaquim do Reg Barreto. .
tal Joaquim dos Santos Can
Manoel Ignacio de AlbuqueraroMarajiliao.
Vnunio Manoel lo Rogo Barros
Leodegario de S Cavalcanti ....
Florentino Cavalcante d'Albnqucrque.
Mainel Olvmpio Carneiro Leio. -
Ygostinho Bezerra de Mello Barreta
Kduardo Carneiro Leo......
Jlo Xavier Momios da Silva ....
Manoel Jos de Carvalho......
oaqoim Manoel do Reg Barreto .
Francisco de Paula Alhuquorquc Lima .
lose de Ainnquerque Mello Loyolh. .
Antonio Netto Carneiro Leiio ....
Manoel J. Cavalcante de Alhuquerque. .
Severino Jos dos Santos Agoiar
Virginio Barbosa da Silva.....
Feliciano do Reg Barros .....
Joa piim dos Santos Romeiro de Gouvea .
Lab Rodrigues Mentes da Silva .
Joaquim Fragoso Pereira.....
Joaquim Carneiro Leao.....
Manocl Pedro do Reg......
\Ia<1iiel Marques da Silva.....
tas Maria de Alhuquerque Maranhao. .
oao GnalhcFto de Barros Seve. .
Sebastiao Mendos da Silva Jnior .
francisco Gamillo de Paula Pacheco .
Joao Paes Barreto de Lacerda ....
Vntonio Mendes Pereira......
Sebastian Flaviano Pereira da Paz.
Jas da Silva Salgado......
Francisco Rutina'do Reg barreto. .
Flix Perreira Coimbra -.....
Thomaz Jos da Silva Gusmao ....
Ignacio Jos da Silva
Joao Chnsostomo de Senna Tapioca .
Joao Barbosa da Silva ..
Leopoldino Augusto Cesar do Gusmao. .
Joan ttibero da Silva.......
Joaqaim Xavier Bapbsta......
Manoel Cavalcanti da Costa.....
Jos Presbtero da Enpectacao
Joto Eloy Cavalcanti.......
Joao Nuties" Cavalcanti......
INCENDIO.Sabbado, por volta de ditas ho-
ras da madrugada, as igrejas da cidade deram
-.igual de incendio, o qual se manifestara no an-
dar terreo do sobrado da ra d i Imperador n.
69, sob a oseada que conduz ao i." andar, e do
lado do caes Vinte Dous de Novemhro, para onde
deita os fundos o sobrado, e onde se acha urna
loja Je fazendas.
Maadou tocar incendia urna pessoa da loja de
harbeiro, que havia na parte da frente do andar
terreo, por ver a grande quantidade de fumo que
se exhalara pelas fendas da escada e-per um oculo
*Accudiram varias bombas, parea so prestaram
servicos duas do arsenal de guerra, que foram as
nicas em estado de o poderem fazer.
Accudirara igualmente o Sr. Dr. chefe de noti-
cia, o director das obras publicas, que dtrigio a
-1 iieco do in.endio, o commandante ao corpo
de polica e varios de seus subalternos, inspecto
res de quarteiro, e subdelegados de algnmas fre-
gsezias, o Dr. delegado, o director do arsenal de
gofa, e alguns piquetes da guarda nacional, dos
rsenaes e da p As tres e 1/2 horas da manhaa estova extmeto
o incendio, tendo-se cousoguido concntralo no
p>Hrto onde eumecou.
Parece que ateiou-se elle em palbas quo ha-
viam sob a escada, junto s quaes parece ter li-
eado algum vaso com keitmuc, visto como exha-
lara-se de envolto com o famo um aauseabnndj
cheiro (kse liquido queintado.
Esta circunstancia, qoe parece Ser fortuita, po-
de no entsato servir de guia aa pesqta que de-
ve a nlicia.intentar eom o m an veriSear a ca-
: (l.i incendio.
m vei t i vernos oceasao de opservar
WBfcito o servco da extnecj" *>* in-
>ndis entre nos. Nada se faz sem gritos des
cotnimaaes ; to se prestam obedecer ; a* bombas aempre dete-
rioradas e os hombeiros pouco dcstros as ma-
nobras ; urna eonfusS geral o o dobrar conti-
nuado e atterrador dos sinos; tudo isso forma
um qnadro qnc contrista e causa tedio.
E, no entonto, o apezar das continuadas recla-
mac5es da imprensa, que nao l'az mais do qne re-
petfr o clamor gara], niio appareceu ainda e pro-
vavelmente nao apparecer quern tome pei-
o consegir da assembla provincial a decretocao
da organTSB^o_de um corpo cxclusivaafcBlc dedi-
ado exlinceo dos inc-jndios !
O Recife -5 urna cidade que polo seu grande des-
livimento e sea grande commercio est no
1 de merecer que aquellos que fazem ptear so-
bre ella os imposto1, drramem-lhe igualpionte os
beneficios. E nngucni dir ue pequeo bene-
ro o mimosea-la coo uw corpo regala de bom-
heiros, ^iBRfca rhamnu? do incendio assuu
casas e as Tortunas de seus habitantes. "
Kiaguem nielhur que o presidente da provincia
subleva-1 pode coasegur esse. bem publico, fazmdo sentir
' em sen relatorio as'sembla a necessidade dessa
institulcao phllantroplca.
Deus queira que desto vez nao preguemos no
deserto !
ACG1W5NTB.O irem que do Reoife seguieJ^'1'j11'
sexta-feira s e 1/1 horas da tar.le para Apipa-i
eos, soflreu prximo estajao do Caldoireiro um'
accidente, que felizmente nao teve eoosequencita
dolorosas.
A locomotiva reboca va cinco carros, que lova-
vaia numero de iiassageiros superior a sua loU-
caofj o quarto carro sohretudo ia inteiramente
pejadb. Na.) foi os sem djivida a cansa do ace-
dente, mas isso contribuio para qne elle tivesse
lugar ri'aqncBa occasiao.
' Partio-se o eixo do jogo de rodas da frente lio
quarto carro, e dcscarrilharam em consequenna
todas as suas rodas. O carro dorreou do lado rtu
frente, e anda foi arrastado nesse estado daranle
uns dous minutos, t que, sabedor do smistro
polo clamor dos passageiros, o maquinista deu o
signa! de parar.
Os passageiros apenas soffreram o susto, que
nao foi pequeo.
Desengatoii-se o carro damnificado e o trem se-
gura pencos minutos depois at o um da Knha,
rebocando a locomotiva os tres primeiros carros.
Mola hora depois eslava a liuha completamente
desembarazada, sem qnc com o accidente soffres-
se o transito.
TRIBUNAL DO JURY.Deve boje comecar a I,
sessiio judiciaria da comarca do Reeifo,.sob a pre-
sidencia do Sr. Dr. Manoel Jos da Silva Serva,
juiz de direito da 2" vara.
fe IRRISORIO.Repctio-se hontcm, com raaior
escndalo, a maricira exquisita de contar as b
horas de demora no nosso porto dos vapores ua
lnha de Southampthon, pols que tendo tundeado
o Oneida s 2 Ii2 da tarde, c entregue as malas
no correo s t 1|2, pedio as que devia conduzr
para o sol do imperio as 5 M2, vindo assim a
reduzir o tempo a 3 horas, contando-se da em que
fundeou i da em que entregou as malas no correo.
De que servir tal demora ? Para que essa
burla de G horas de estada, que em realidade
apenas ha 2 ou 3 ?
Chamamos a-attencao do governo para seme-
Ihante abuso, t*o prejudicial ao commercio.
CHRYSOLITE.Este vapor, da companhia de
Liverpool, devia sabir de Lisboa para
porto de 16 a 17 do passado.
AMimoSE. Para o Para, Maranhan
devia sahir a 22, esto vapor, da 1
verpool.
NAVIOS V CARGA.Ficavam: Pereira Bor-
nes e Maria da (loria para Pernambuco, Hom
Successo para o Maranhao, e Vgeim para o Para,
em Lisboa ; JVora Symp'ithia e Triumpno para
Pernambuco, Josephhm e Soria Carolina para o
Maranhao, no Porto.
NAVIOS SAHIDOS.= A" 4, F7or do Vez para o
Para, e Bella Figueirense para Pernambuco, de
Lisboa; a 11, Sei/aranca para Pernambuco, e
Adelatde para o Para, e*PorK
NAVIOS ENTRADOSChcgaram Lisboa : a
2, lugre Julio, c a o, briglie Florinda, ambos de
Pernambuco.
ASSOCIACO BRASILEIRA HE BENEFICEN-
CIA EM POHTUGAL.Lcmos este respeito na
Carretpomleneia de Portugal:
Ube-nos a satisfaeao de annunciar aos nossos
letores, qne acaba de ser fundada em Lisboa urna
associacao de beneficencia, com o lim exclusivo de
prestar soccorros todos os filhos do Brasil que
carcccrem delles em Portugal. A philantropica e
louvavel idea parti do Ilustre ministro do Brasil
nesta corte, o Sr. consclheiro Manocl Maria Lisboa.
Communicada por S. Exc. a alguns cavalheiros
seus amigos, foi logo acolhida para ser levada a
prompta execncao. Para este fun reunram-se no
palacio da legacao do Brasil os Srs. visconde de
Condexa, visconde de Gandarinha (Sebastio Pinto
Leite), conselhero Carlos Ferreii-a dos Santos, con-
selheiro Moraes Carvalho, coinmendador JooHcn-
rii|ue Ulrich, Marques le S, onsnl geral do Bra-
sil, secretario interino da legacao, e Io adddo Col-
laco de Magalhacs.
" Adoptadas na mesma reunio as principaes
bases da associacao, foi logo eleto nina mesa pro-
lisoria. para proceder confeccrio dos estatutos e
1 1 i.._-r.____^1. ^........;,.,; i-,
2600
2600
2000
2600
2o96
1806
15%
2390
2584
2."i80
257o
2573
2373
2570
2560
2560
2557
2553
2550
2533
2525
2515
2510
asoi
2496
2496
:W\
2480
2475
2475
2470
256!
2455
2453
2440
2i 34
2430
2426
2415
2410
2408
2402
2400
2398
2398
2394
2390
2380
2:*80
2373
2370
2370
2366
2366
2363
2360
2360
235.
2350
2330
2348
Cesar F.. Garcez, Geaeal Viera do MeHa. Manocl
Barbosa A. Ferreira,l'raneisco da Silva Misdareira
e { criado. Ernesto Rodrigues Vieira, Pi'aril^L
Xavier F. Garcez, padre Justiniano de Mdt Sil-
va, Sinieao ile Faro Meadoaca, Goncalo PaesiTAM^ loa-viagcm.
vedo Pafo,'raippe d'Awveao Faro e 1 criln, Ma-
noel Cardoso Vieira de Sello, Aureliano Antonio
Ribeiro, Antonio Corroa<4e Figueirdo, V
Dr. Jno Maria Seve.Dr. Lobo Moseoso.RegC' e
Albujuerque.Manoel de-Barros.Costa Jnior.
MB de Souza Leao.
^Blfurmu.O secretario, Ejaacisco Cunto da
o nosso
Lesii,.Antonio Vi
Manoel Daarle F. Fen
Cunlia Figueired.., M.irlaao
ajor Fruicisae V^-eaacHos miil|iic, lai-ia
Anglica, 2 praras do rpo de RoNria de f oiam-
buco, Robert Forsyi, Eduardo Alhaineio. W.
Wi'iclicrer,- Sebasl t> Camilla africaiiM^^^H
Antonio Pereira CaM s, pito Mariuelli.eteu pi-
ulo, los Joaquim d'awir;i.
Entrados 111 vi por brasileiro J" Antonio Martius de Miranda e 1 escravo, Flix
Umbelino de Souza, i>m Lopes Braga, Mora Mag-
dalena. .
. Entrados no vapar ingle Oneida :
Franlh Bcnnett o sita senhora, Jsiie Ikrriion,
Luz Antonio Siqulra, Antonio Hara Mar4
ques, Manoel Coutinho Jnior, .Joaquim des San-
tos c Silva, Joaquim Luiz Ribeir 1, e mais JJ.3 pas-
stigeiros em transito para os differentes porlos
do sul.
Sabidos no mosrae vapor
Julio Kahii, Roberto Forsylh, WillLam Pwell,
G. W. W'uchcr, Mclchior de Salo, o Pedro Ay Re-
Revero.
CEMITERIO PUBLICOObituario do dia 24 do
corrente :
Francisca Maria de Jesn, Pernambuco, 76 asnos,
viuva, Boa-vista; amoleeiinento cerebral.
Justina. Pernambuco, 2 uiezes, Boa-vista; ospasm >.
Rito'Carolina da C'Wto, Pernambuco, 25 auno*, ca-
sada, S. Jos; plithysica,
Nicolao, Pernambuco, 33 anuos, Boa-vista; pneu-
mona clironica.
Francisco, frica, 50 anuos, Santo Antonio; diar-
rlia.
Felisberto Fernandos Pedrosa, Pernambuco, 60
anuos, sltera, Sanio Antonio ; congedao cere-
bral.
Anastacio, Pernambuco, 10 mezes, Santo Antonio;
tumor.
Maria, Pernambuco, 2 mezes, S. Jos; espasmo.
Jos, Pernambuco, 6 1 iez.es, S. Jos ; eclampsia.
23
Manoel Jos Ferreira, Pernambuco, 60 annos, viu-
vo, S. Jos; gastrite.
Manoel, Pernambaco, 13 mezes, S. Jos; bronchite.
Antonio Goncalo, frica, 90 atmos, soltero, Boa-
vista ; ana'zarva.
POLTICA INT
^WPTJtd
ador.
de r.AXias.
r Libania Rodopiana Marignier, Pernambuco, 41 an-
lo 1 i im< solteira, Boa-visto; tubrculos pulmonares.
uo b Manoel, Pernambuco, 3 annos, S. Jos; eonvul-
soe*.
es-
Maria, Pernambuco, recennascidn. Biia-vista;
pasmo.
Jos Gomes, Cear, 6C' anuos, soltero, Boa*-vist*;
tubrculos pulmonares.
Joao, frica, 60 annos, Boa-vista; hepalite chro-
nica.
Benedicta, Pernambuco, 22 annos, Recife ; febre
cerebral.
Jos, Pernambaco, 10 m aes, S. Jos; convulsoes.
-26- *
Joanna Maria da Soledade, 70 anuos, casada, S.
Jos; espasmo. ,
Mathildo Luza da Conceicao, Pernambuco, 39
annos, solteira, Santo Antonio; pleumonia.
Ignacia, Pernambuco, 36 annos, Boa-vista; moles-
tia no tero.
Antonio, Pernambuco, 8 mezes, Santo Antonio ;
convulsoes.
Jos Francisco Barrenos, Rio Grande do Norte, 30
annos. casado, Recife; apoplexia.
Auna Theodora Carneiro de Almeida, Pernambu-
co, 54 annos, viuva, Boa-vista: congestoo ce-
rebral.
Pedro Gouealves, Hespunha, 36 annos, soltero, Boa-
vista : tiib.-rculos pulmonares.
Henrique, Pcrnambuc>, 2 mezes, Boa-vista ; inte-
nte.
regulamontos. A eleicao reeabio por unanimida-
de nos Srs. conselheiro Manoel Mara Lisboa, cn-
sul (WM Jo Brasil o Collncn do Mo^ftlliS*.
O primeiro acto da mesa foi ir pedir pessoal-
mente a S. M. a uiperatriz viuva do Brasil, que
se dignasse accoitar o ttulo de protectora da as-
Billtanin A virtuosa princeza accedeu da raellior
ventalle ao pedido, applaudo o peusamento da as-
sociacao, e offercecu immediatauente a quantia de
200 do joa pela sua inscrpcao na listo dos so-
cios, e outros 2003 pela sua sub-cripcao neste pri-
meiro auno. O Sr. conselheiro Lislwa subscreveu
tambera, parece-nos que por urna alta personagein,
mas sob o ttulo de anonymo, com urna joia avul-
toda.
t A inserip^ao dos socios acba-se aberto e vai
j em crescido numero. A joia da inscrpcao L de
2 e 300 res mensaes. Ha joias importantes das
quaes opportunamente daremos conto.
A mesa provisoria deu j principio presta-
cao dos soccorros. Pedio ao hospital francez A>, S.
Luiz que, mediante a competente retribnicao, ad-
mittisse alli urna viuva brasilera com filhos. que
se achava enferma c em tristissimas circumstan-
cas, at poder ser transportada com a sua infeliz
familia para o Brasil, e tem destribuido algumas
esmolas.
Urna associacao fundada por pessoas tao se-
rias c to bem relacionadas, ha de necessaramen-
te sustentar-so e corresponder satisfactoriamente
aos caridosos e laudaveis fins da sua instituieo.
CARIDADE.lnformam-nos que os Sis. Dr.
Francisco Angosto da Costa e Jos Moreira Lopes,
animados de venladeira candado, prornovem os
meios para a reedilieacao da casa de urna mulher,
maior de 90 annos, moradora no lugar Jacar,
perteneonte ao segundo districto da freguezia da
Boa-vista, que dcsabou com a ultima cheia. Esta
pobre mulher, sem pareutes nom protectores, fica-
ria sem abrigo, se nao se apiedassem d'ella esses
senhores, promovendo a reconstrueco de sua
casa.
(Jairas necesidades, porm, deve ella ter, por-
quanlo perdeu o pouco qnc possuia, c acha-se em
extrema miseria, e para r media-la esses cavalhei-
ros recebero donativos das almas bemfazejas e
cardosas.
INMUNDICIA.O Sr. fiscal da freguezia de San-
CAMARA MUNICIPAL.
SESSO EXTRAORDINARIA EM 21 DE JANEIRO
DE !._
prftsm:.sciA do f.xm. sn. ovalo uMiinniF.c.v.
Presentes os Srs. Dr. Souza Ltxfo, Dr. Sjve, Dr.
Lobo Moseoso, Dr. Barros Barreto, Dr. Costa J-
nior, e Reg e Alhuquerque, faltando com causa os
Srs. Dr. Aquino PiHuecaeProiro Gamejro, abrio-se
a sessao.
La-se

EXPEDIENTE.
Um officio do Exm. presidente da provincia do
15 1I0 corrate, dirigido ao Evm. Sr. presidente da
cmara, diz qne ha vendo a juiz de paz segundo
votado da freguezia de S. Jos, Ihe declarado nao
existir no archivo copia do ultimo alistamenlo dos
votantes da mesma freguezia, pelo que devo ser
feita a chamada delles as eleicoes do dia 31 do
corrente para eleitores de deputados e senadores,
recommenda a remessa quanto antes do mesmo
alistamonlo ao dito juiz de paz, ou ao mais votado
sejestiver juramentado.--Quo secumprisse.
Urna pctieTio de Landelino Antonio Ferreira,
arrematante de diversos tamos da ribeira da fre-
guezia de S. Jos, vinda da presidencia para infor-
mar, na qual oupplicante, queixando-se dos
altos preces porque, arrematou os talhos ns. 3, 4,
5, 11, 21, 13 el do mesmo acougue, por tres
annos, pede que arreiuatacao so vigore por uui
auno.A' commissao do policia.
Um ofllcio do Sr. vereador Dr. Joaqiim d'JVpii-
no Fonseca comiivinicando que por doente nao
Kido comparecer a sessao, e pede a cmara que
e conceda nina I cenca de tres mezes pira 1ra-
tar-se, lindos os quaes, ou antes, comparecer a
tomar parte nos trabalhos inunicipaes.Posto en
dscussao, ilelberon-se conceder os tres aezes de
licenca, e nao chamar por ora o supplenle.
Outro do juiz de paz primeiro votado dii-i" dis-
tricto da freguezia do Jaboatao Manoel de Souza
Lelo, coniiniiaieando que, devendo proceder elei-
cao no dia 31 do corrente, roga cmara que se
digne renietter-lho o livro da qualificacSa para
P ir elle procdef a chamada.<^ae se'jjanctta
copia authentioada.
Ontro do juiz 1I0 pa.'. primeiro volado do 1 dis-
tricto da riogUeaa .*'. Lourenco, Dr. JoTo Fran-
cisco Xavier Paas Barreto, communieando tetas-
Irado em ex rei-Ji 1 domesioo cargo em o dia 12 do
corrente.Ineiada.
Otro il 1 mesmo, diz id 1 q 10 por circumstan-
cias supervinientes e Imprevistos, nao pode o cida-
do Jos Ltriz Gomes de Hollando, que propz
para escriv.io daquolie juia, exercer as iunr
1 og*4 caaiara que considero sem elfoito essa pro-
posta, ou a !i>ineac;V>, caso j se tetina nsalsado;
aprsenla eai lagar do proposto a Francisco Lniz
to Antonio pede-nos que declaremos aue, a seu ZS,m!wto^^^^
maoda do foi relirada toda a inmundicia que Iyi1.
Partido
tridailo entre tantas nutras memorave| !
^ tivel descH de dar qaiium no invicto inarechal
marquez ttVwixias, juljAiiiilobans todos os ineio-
que o avaiitagem eun lse iufantilprazer, socoer-
reu-se a um dos projeetia que a opposico histo-
rica nrremessou ao gabiaete de 3 de agosto, cojo
digno presidente foi.
A aggressao f ira justificada pelas nalavras di-
rigidas .ni docuuitHitoafliciil tuiporUDUssimo por
m dos mombixa de.e galnflote asst^inbh'M **
ral. E no emtaato o Sr. Zacaras teve-a em cuita
de demasa opposkionista.
O honrado Sr. Fontenellc, membro ca cunara
dos deputados, estreando o debate do voto de gra-
ipts na di;tt5 de maio do anno proxmi passado,
inquiri qual tinha sido o fun da guerra contra o
Paraguay, o disse :
< (Queris ver corno vingar a honra do Brasil,
ultrajada pelo Paraguay nao seguud* esto mi-
nisterio, a aspiracio nica da presente guerra ?
Oucamos as palavras do nobre ministro da
marinh :
O Brasil tem sido icstemunha do heroico pro-
c*;diinento dos seus filhos as inhspitos regoe-
do Paraguay. Evitando o campo razo, onde fcil
nos fon a victoria, o dietador vangk>ria-se. entre-
tanto, de impedir o passo aos nossos bravos. So
victimas de seu nrgulho nao estivessem eontidas
pelo terror e pela crueldade dos castigos, as dc-
sercoes em inassa ja teriam sido o desenlace
benigno da lula... ()
IJepois de dizer Islo, que me parece nao um
appello muilo digno da honra do Brasil, porque
appellar para as desercifes do iiimign, con-
tina :
t Nenham brasileiro ignora os brlhantes epi-
sodios des-a luto formidavel que esfliinossus-
tentando em o nome do direito e da cwitisacao....
< Ja aqu v-se que o lito da guerra mais ex-
tenso do que a sinqiles vinganea da honra nacional
ultrajada. Ja nao guarda os limites das simples
guerras nacionaos; entra nos mais largos das
guerras de propaganda.
A historia da guerra, contina S. Exc. o Sr.
ministro da marinha, consagrando os lins genero-
sos do nosso procedimento e recordando que o
mus precioso saiujue brasileiro foi cimentar a U-
berdade em umpaiz que pareca destinado per-
petua tijiannia, ser urna magestosa epopa divul-
gada por toda a parte em honra e gloria da pri-
ineira naeo di America do Sul.
t S. Exc. mais claro sobre o pegamento que
o ministerio tem a respeito dos designios da guer-
ra, quando trata do ataque de Careza, na des-
cripeo que delle faz, dizendo :
c "As 8 horas da manhaa de 3 de setembro fluc-
tuava o pavlho-auri-verde sobre um monto de
destrocos, em que a Provhleucia quiz que sobre-
sahissm 800 cadveres das desventuradas rfcfi-
RUU du turannia de Lpez, sendo nao menos de
130 hrasileiros qne alli deram a vida pela RE-
DEMPCO do Paraguay.
0 honrado Sr. Fontenellc citou ainda as segun-
tes palavras da nossa legacao no Per em nota ao
governo daquellc estado, incluida entre os anne-
xos do ministerio de estrangeiros, com o assenso
do Sr. Zacaras :
Celebrada (a trplice allianca) no intuito de
repellir as aleivosas aggrssoes do chefe para-
guayo, obriqando-o a restituir a soberana sua
propria nacao, que conserva escrava-----
E foi o Sr. Zacaras, notem todos, foi o Sr. Za-
caras quern censurou o governo por nao ter eli-
minado do officio do Sr. marquez de Caxias as
parases qualilkadas por elle de lapsus jmis gen-
tium !
Momoravel tamhem foi a resposta que o presi-
dente do conselho, o Sr. Zacaras, deu a esse t-
pico do discurso do Sr. Fontenelle.
Dsse elle : ^
E milito para notar que o nobre deputado.
que por longos mezes foi um sustentculo do go-
verno, fosse agora desencovar nm argumento sem
replica a respeito da guerra de regeneracao no re-
latorio do mou illuetro eolloga o Sr ministro ib
tuarnha.
Quando o nobre deputado referio-se hontem
a esse relatorio, pensavam todos que era o relato-
rio doste anno... Mas nao o relatorio da ina-
rinlii do anno de 1867.
Logo venial no ministerio de 3 de agosto, islo
, no Sr. Zacaras, o que perigoso < indescutpa-
vel no Sr. marquez de Caxias !
Accresccntou o honrado cx-presidento do con-
selho :
Salta aos olhos que o peusamento do gorerno
em assumptos de mxima gravdade nao se lia ik
derivar de um periodo de relatorio (!!!) ; e quando
assim fosse deveria recorrer-se, visto que se trata
de guen-a, ao relatorio da pasta encarregada es-
pecuttmen'e daguerra (!!!)
Adianto profero o Sr. Zacaras estas palavras
mais que todas dignas de perpetua memoria.
< Podia-se assignar no principio a regenerar-la
como fim di ijHerra, por que o ministerio di guerra
sappoz que os Paraguayos iletestassem o seu chefe,
contara que lago que as forras brasileiras pizas-
sem no. territorio paraguayo koueesse maitas ma-
nifestaroes em favor do invasor; mas hoje nao, por
que a km'kiukmiv ha mostrdo a imi'haticabilida-
de de tal supposto e por consequencia a regenera-
cao, que era admissivel a principio, agora nao se
pode tolerar como fim da guerra. ><
Eis-ahi o panegyrico dos paraguayos pela bocea
do Sr. Zacaras, chefe do gabinete de 3 de agosto 1
E cabal 110 seu laconismo. Poda ser mais estre-
pitoso araato das virtudes do inimigo ?
Pos bem Por que o Sr. marquez de Caxias
escreveu que nao tera duvda em analtrur on-
tro paiz e condiror.' de promover urna reaeco con-
tra o inimigo o Sr. Zacaras, armado da frula
magistral, bradou :
i A alistenco do general brasileiro nao tem
mrito, por qu exprime necessidade e nao vir-
lude.
< Com esta parte do sen officio o que fez foi pro-
clamar, por seu orgo insuspeito, por que o or-
gfio do chefe das forras alijadas contra Lpez, a in-
C irruptbilidade do povo paraguayo. Qu neces-
sidade havia de assim tornar-se o nosso general o
aradlo das virtudes do inimigo?
Para remate dcste, j longo, artigo transereve-
pracas do imperio, Rio da Prat* e Euro-
pa, e coiRpra. cawbjaes sobre as jaesmas
praras.
EticaiTe#a-se,.por commis.sSo, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes de
campanillas, da oobraiica de lettras e di-
videndos omit sen- pagamento, ede.qjial
ipier mitra operado bancaria.
0 expediente para o publico comecar
s 10 lioras da manlia, e terminara s
horas da larde de todos os dias uleis.
ENGLISH BANK
O Rio de Janeiro Limiteil
Desconta lettras da praca taxa a con-
vencional
Reccbl dinlieiro cm conta corrente e a
prtzo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
piincipaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Peloorinho n. 7
----
ALFANDEGA.
Rendiinento do dia 1 a 26 86o:9"l23
dem do dia*27....... 30:831*797
dem do dia 27
7:30i#929
133.53i51
896:757*720
MOtIMEXTO DA ALFANDEGA.
Volumes entrados
dem iem
com fazendas
com gneros
V' il mus saludos com fazendas
dem idem com gneros
33
319
204
578
382
782
Descarregam hoje l" demarco
Patacho inglez=F//icmercaduras.
Barca inglezaCariocaidem.
Patacho norte-allemaoVenedyideal.
Escuna norte-allemaaAi/e/i'(ffarinha de trigo
riaiVa ingiera Xtuniavarios genero^.
Patacho americano Mary Riceidein.
TABEI^A DosrnF.cos dos oeneros sujeitos a ni-
nRITo^DE BXFOBTACID. SDIAKA DS 1 DE KEVE-
BRIQO A 27 DO V'ICSMO MEZ DE 1869.
Mercaderas: Unidades. Valores.
Abanos ......... cento IjOO
Alcool ou espirito de aguarden-
te.......... caada
Agurdente cachaca.....
Idem de calina...... t
dem genebra.......
dem rutilada ou do retan
Algodo em caroco arriba
dem em rama ou cm laa.
Angico (toros )...... duzia
arroba
900
420
U000
880
800
2 975
HUMO
iMflOOO
l.000
2A6K)
4*700
:til(X>
6J40O
.
caada
airoba
libra
arroba
libra
um
arroba
um
arroba
urna
arroba
libra

um
libra
cento
i
libra
2 500
15800
1 V.00
11806
23500
havia na travessa de Joao Patriota, apezar de nao
ser smente de sua attribujiio esse servico^ por
perteacer ao fiscal da freguezia de S. iosa, emvir-
tude de ser ah a divisao da freguezia.
GNEROS DE ESTIVAEsse vapor trouxe os
seguimos volumes com queijos: SO a Corga Ir-
maos, 13 a J. J. Goncalves Beltrao, iOa F. A. Mon-
teiro Jnior, 12 a Joao I. da Costa, 20 a Cuvalho
Zenlia & C, 4 a J. M. Palmeira, 1< a Vicente F.
da Co ta & Filhos c 15 a Keller & C.
NOTICIAS COMMERCIAESEis os precos dos
prncipaes gneros do prodnecao do Brasil, as
pracas da Europa:
yOndret, 12 de [eoeniro.
algodao tica calmo aos precos de 12]/ a 12V8
d. o de Pernambuco, 13'/ o do Maranhao, <25/g o
de Macei, 12/* a llJ/s o da Parahyba, e 12/, o
do Cear.
O assucar est animado coa urna alca de 9 d.
Os precos regulam do 25/ a 27/ o branco, 23/9 o
rnenos o 20.6 a 21/ o maseavado de Pernam-
buco, Macei e Parahyba.
A borracha do Para llca calma a 2/2 1/2 a fina.
Havre, 12 de fevereiro.
O algodao de Pernambuco ordinario vende-s
de frs. 141 a frs. 145.
O cacao do Para tica colado a frs. 70.
LOTERA. A que se ada a venda a 97" a
beneficio da igreja de Nossa Senhora do Guadalu-
pe de Oanda. qne se extra hir no dia 6.
PASSBIROS. O vapor Potengi, vindo de
Aracij eescallas tronxe a seu bordo os seguin-
tes :
Jos Diuz Barrete e nm criado. Martiuho de Fre-
Is Vieira de Mello, Joao da Rocha Vieira de Mello,
D. Maria Diniz de Mello, D. Anna Joscpha Frai-
las, D. Maria de S. Jos de Frcitos de Barros, D.
Thero-a de Jess Fernandes de Barros, D. Antonia
Lniza Fernandes de Barros, Manoel Joaquim Fer-
naniles de Barros e 3 criados, Francisco da Silva
Castro, Candido Vieira da Cunha, Guilherme
Vieira da Cunha, Manoel Ventura Lclte Sampaio,
Sancho de Barros Pimentol, Scba*li3o d'Aguiar
Bolto, Joao d'Aginar Botto e 2 criados, Camillo Cor-
rea Dantas, Jo berg Dantas e 2 criados. Jos Fernandes Marques,
Antonio Thoroaz da silva, Gervasio Rodrigues
Dantas e i criado, Mauricio Lobo, Mosquito Dan-
tas, Pedro Aofom d'Oliveira Ribeiro, Martinho
mos as seguinles palavras, como cloquente prova
Outro do "director do arsoaal le guerra, major da descripro poltica do presidente (lo 3 de agos-
IVanc s,.) Rapfia q de Moli Rogo, declarando que
laudo-so o iuconvenonte de achar-so na pequea
praca formada em frente daquelle estahelecimento
e o caes Vinte o dous &i Novembro, transformada
em lusar de despojo publico e deposito de liso, e
dizendo alguns earrocciros qne por autorisacaodos
liscaes que assim o fazem, ruga a cmara se
digne providenciar de modo que cesse tal inconve-
niente etc.Que informo o tiscal.
Outro do oqgenheiro cordeador, informando so-
bre o requermento de Bernardo Boque, proprieta-
rio da casa O.Sl da ra da Espcranca da ireguezia
da Boa-Vista, enteque pede licenca para levantar a
frente da metma casa, declara' que nada tem a
oppor, dando-se previamente a coroViacao.Man-
dou-sc cortear.
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
remettendo quatro termos de rtracco s posturas
conimettida por Antonio Jos Moreira Gomes c
Hcnriqne Tellisman.Ao procurador.
Mandou-se remotter commissao de pcdeia um
requermento de Manoel Figuejra de Faria t Fi-
lhos, pedinda se lhe nundasse pagar a importancia
de seu eontrato, relativo ao mez de dezembro ulti-
mo. Man ou-e.
Mandou-se tambero remetter s coramissoes de
petizo e Mljcacoes. a esta urna peticao de D. An-
nnnciada Camello AI ves da Silva, em que pede
liara botar urna eomieira e urna terca na sua casa
n. 3, da rtxa da Matriz da Boa-Vista; c aquella
urna peticao dos enproteiros das obras da mpeza e
asseio da eviado.
Dcspaoliaram-se as pet'cdes:
De Antonio Jos Rodrigues de Souza, Antonio
Francisco Monteiro, Antonio Ignacio MonteiroAC,
Antonio Aug'isto Ferreira Luna, ordem terceira de
S. Francisca, Anton'.o Gomes da Cunha e Suva,
Bernardo Roque. Candido Jos de Sant'Anna, Fran-
cisca Emiliana da Cunha Ribeiro, Javina Deolin-
da Rbalw. Franc:sco Zacaras de Moraes Gomes A
Silva, Jos Huberto d'? Moraes e Silva, Joao Baptis-
U da Silva DaV-as, los Marlins do Rio, Joaquim
Clemoato Ribeiro de Bastos, Joaquim da Silva
Costa, Lu'. >b Moraes Gomes ^rreira, Manoel
Ferreira Pinto Malheiro, Pinto A BaiTos, Thomaz
de Carvalho Soares Brandao e Vicente Jj^i de O-
veira. e levanou-se a sossio.
Eu rr.*.ncoo Canato da Boa-viag warettrio
a subsflrevj. -Barao di Muribeca, piasiiente.
to, quando referia-se a um tratado, anda lioje, se-
eacTii:
i O que verdade que tal idea < a da re-
dempcao do Paraguay ) nunca entiiou .no TRATA-
DO (!!!) .
Ah o ininilavel Montaigne tinha mil vozes ra-
zo, quando, em allusao aos liomons da estofa do
honrado Sr. Zacaras, dizia
o Ce/les c'cst un subject merveilleusement vain,
divers et ondoyant que I lioiiiine ; il est m ilayse
d'y fonder ingement constant et uniforme. (Et-
sais e Miehel de Montaigne, liv. I c. I!.)
(Do Diarto do Rio).
COMMERCIO.
PRAGA DO RECIFE 27 DE FEVEREIRO
DE 1869.
AS 3 1/5 HORAS DA TAr.DE.
Assuear de Macei 3/300 por arroba posto a
bordo.
Cambios sobre Londres 90 d/v 18 I/i d. por
I #000.
Cambio sobre. Pars 90 d/v 515 rs, j.or franco
(hooteme hoig).
Descont de letras da praca == 7, 8 e 0 0/0 ao
anno.
Prete de algodao para Barcelona45 reales e 5 0/0
(hontem).
Dito de dito para Liverpool=l/2 d. S 0/0 por li-
bra (hontem).
Jf. J. Silvera
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
BANCO MAUA & C.
linaza Trapiche a. 3 A.
Desconta lettras co imorciaesa taxa con-
vencional. Recebe dialiciro, a premio con-
vencional, por lettras o eun conta arente.
Confere crditos, saca sobre as prlmeira?
() Diga o honrado Sr. Zacaras se acha ou nao
um
libra
um
cento
ulna
arroba
alqueire
arroba
um
arroba
urna
arroba

duzia
cento
>
um
caada
arroba
mollio
um
quintal
um
arroba
urna
libra
mollio
3J000
73000
75000
6fS00
440
360
400
580
3*800
44000
13600
3.3500
63500
250
500
20000
23000
33000
i3000
660
255
290
170
380
lOOOO
13000
360
520
i *500
.000
23000
160
230W)
23500
103000
4*000
54000
154000
83000
103000
83000
13000
33200
253000
conforme ao jus gentium esta provocis-} do seu
ministerio a m crime militar.
Arroz com casca.
leta descascado ou pilado .
Assucar branco......
Idem maseavado. .....
dem retinado.-......
Aze'rte de ameadoim ou amen-
dobim.........
dem da coco.......
dem do mamona......
Batatos alimenticias.....
Baunilba.......*
l>'lacha ordinaria, propria para
embarque.......
"d.'m lina.........
Caf hom........
dem cscolha ou restolho .
dem torrado.......
Caibros.........
Cal meta........
Cal branca........
Carne secca ( xanpie ). .
Carneiros........
Carvio vegetal.......
('avernas de sicupira ....
Cera amarella.......
dem e carnauba em bruto. .
Idem idem em vellas ....
Cavado! porco)......
Cha..........
Charutos ........
! <>Vos sea.is
Colla..........
uniros de boi, salgados .
Idein idem seceos espichados. .
dem idem verdes.....
i dem de cabras cortidos .
dem de onea.......
Doces seceos ,......
dem em gela ou massa. .
Idem em calda......
IJixa.ms ........
Bspaaadoraa grndes. ....
dem pequeos......
Esleirs para forro, ou estiva de
navio.........
dem de carnauba.....
Estopa nacional......
Farinha da laaadioca ....
dem de ararula......
Feijao de qualquer qualidade .
Frechaes ........
Fuinoem folha bom.....
dem em folha, ordinario bu res-
toiho.........
dem em rolo, bom.
Fumo em rolo, ordinario oures-
loilu.........
Galianas........
Gomrna de mandioca. ....
[peeaeaanha ( raz).....
Jacaranda ( coucociras) .
Leuhaem achas......
dem de mangue em toros. .
Liiihas e estelos......
Meln melaco.......
Milho............
Ossos....., .
Palha de carnauba.....
Papasales.......
Pao Brasil ........
Idein de jangada......
Pecnury.........
Pe.lras o'amolar. w
dem de Mrar.......
dem de rebollo ...;,.
Peonas de orna. ......
jassava.........
Ponas no chutas de vaccas o
invilhos........
Pranchoes de amarcllo de dous
sostados .....
Idem de loara.....
Rapa.......
Sabio. ......
8J........., .
Salsaparriiia.......
Sapatos de couro branco -.
Sebo em rama ..'....
Idem em celias. ......
Sola em vaqueta.....
T.1.0.1S de amarello ....
dem divenas.......
Tapiocas......"...
Tatajuba........
Travs.......... urna
Unhasde boi......'. cento
Vassonras de piassava....
Idem do limbo .Jk.
dem ile carnauba .....
Vinagre.........caada
ADITAMENTO.
Cigarros.........
Costadinho de viubateo de mais
de urna pollegada. ....
Dito de ouU'a qualquer madeira
de urna pollegada.....
Cerveja em biUja ou garrafa .
Mel di abelhas ......
Taboas de viuhatico at urna
pollegada........
Dito de outra qualquer madeira
ato urna pojkgada.
Era ud sspa.
Alfandcga de Pernambuco 20 de fevereiro de
O Li.fijHerenle, Florencio Domingtes da Silva.
eonferente, HeraUatto Cesar Ottoni.
o.Alfaolega do Pernambuco 27 de fe-
^186911 ptreira de Barros.
5rme.Uaquim Tertuliano de Medeiros.
RIICEnEI)()RIA-l)E RS.NDAS INTERNAS GE-
1(.\JS8 DE PERNAMBUCO.
Rondimanio dodia J a 26 51:403*901
dem do dia I"...... 7:786*413
'RAIA 00 RECIPE
EM 27 DE FIVKilKlHO DE 18G9.S 3 hohas DA T.UUOK.
v ItUli^TA WUIAWI
fBiiiius. -O* saques sobre Londres regularan) de
18,1-i a 1!) d.por I 'i a 810 rs.
por franc,: subindo o total aos yaques elfectaados
nesta semanaj* 130,000.
Akmmmo. -o de l'ernaiiibuco escomido e regular
vendeu-sc de 13.5*100 a 163 a arroba, o de Marcio
posto a li ido de 17*200a 17*70). c o da Parahy-
ba de UTOOa K'-SOO.
Assri:.\n.O maseavado purgado vondeu-se de
3*4oo a 3^600 a arroba, e o dito bruto de 2*650
a 2.S900.
Ar.oABDr.NTE.Idea a 923 porpip i.
Corotos. Os soceos e salgados venderam-se a
260 rs. por |j| a.
Asaos.O [filado da India vcnilru-se a 3*200
a arroba.
AsarfE-DocK.O de Lisboa obteve 35400 por
galao.
Bacaliio.Em atacado vendeu-se de 18*000 a
18*500, c a retalho a 223 a barrica.
Batatas.Venderam-se a 3800 o gigo de 35
libras.
Boi.AaiiMiAS.dem a 4 3 a barrquiuha.
Caf.Idean de 53200 a 63 a arroba.
Cha.dem de 2*200 a 2*800 a libra.
Ckkvkja.-A duzia de garrafas vndenle V
4 3500 a 8*200.
Faiuxiia de irhio.Ade New-York retalhou-^
a 283 abanh-a, a de Richmond de 2H3 a 3U,
a franceza a 293, a de Trieste de 303 a '.151, a do
Chile il<; no a 125UO o sarco com 100 libras e a
daCalifnrttia a 135; fu-ando em deposito 8.80*
barricas da priineir.i. 1.000 da secunda, l,flO da
terceira, 9.600 da quarta. 16.000 saceos da quin'a
e 12,600 da sexta.
LoucxA ingiera ordinaria vendeo-se com 44"
porcentuile pressJS sobre s Pastara.
Mvnteiiia.Vendeu-se a ingleza de 1-3 3 1#0.'<
da france/a de 880 a 900 rs. por libra.
Massas.dem a IOS a caixa.
Oleo de lishaca.dem a 2*400 por galao.
Passas. Idem a 6* a caixa.
Presuntos.Idees a 203 a arroba.
Qukios.Os flamengos venderam-se a 2*200
cada um.
Sabao.Vendeu-se o inglez a 170 rs. por Htora.
ToLciMio.-Idemode Lislnki de 103000 a HfODO
a arroba. #
Vixaguf.O de Portugal vendeu-se de **).<.
a 130* por pipa.
VimiosVendeu-se o deLisbiVi de 220* a>.'.
e os de outros puzes de 210* a 2603 por \px
Vh.as. -As de composicao regalaran! de G80 a
700 rs. o pacote.
DisorWTO.O rebate de letras regulou da C a
8 por cento ao anno.
FnETr.s.Para Liverpool, carragsndo aqu 3,V i
1/2 d por libra pelo algodao em navio de vela, '. -
d. por libra 5 % em vapor ; pelo lastro de es*
17/6 a 20/ 5 /0; earregandoom Mac.-i 20/
primageni; para o Canal (-anegando aqu -.K)/
pelo assucar.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 37.
Ro-Grande do Sul38 dias, hiate |orlugnez
S. Loureino, de 221 toneladas, capito Mai
Antonio Vieira, equipagem 8, carga 3,600 Tra-
bas de carne; i Thomaz de A. Fonseca A C.
Rio-Grande do Norte13 dias, brigue brasUsro
Adelahle, de 225 toneladas, captao Manoel Cor-
rea dos Santos, equipagem 9, em lastro; a Joa-
quim Jos Goncalves Beltrao.
Babia8 das, barca brasilera Peroia, de M9 to-
neladas, capitao Manocl C. dos Passos, flSSjrpa-
cem 11, carga charutos e oaios gneros; a
Joaquim Jo) Goncalves Beltrao.
Rio e Janeiro19 das, polaca hcspanbola V
ra, de 160 toneladas, capitao Juzc Curol, eqoip-
gem ti. em lastro; ordssa.
Mi ir ios saltillos no mesmo dia.
H-uiibiirgnPatacho norte-allemao Albatroz, capi-
lao E. c. Sastresa, carga algodao e outro
eros.
BahaItrigne-escuna nacional de guerra Ton
ra, coiniiiandante 1" lente Joaquim Nolnsc
da Fon loara Pereira da Cunha.
Subios entrados no dia 28.
Penedo por Macei2 dias, vapr brasilero la-
g tormo, de 459 toneladas, comiiiandant-! Mo.ira,
oipiipageni 30. em lastro: a companhiaIVrnn~.-
huenns.
SouiliampsTh e |wrtos intermedios27 dias, vapor
inglez Onriila. de 1372 toneladas. coBSBBras
Frcderiek Recks, equipagem 118, carga fazen-
das o outros leeros; a Adamson Howive ft C.
Navio saludos no mesmo din.
Parahiato brasileiro Aurelio I. capitao Trajan
Aniunes da Costa, rea assucar.
123000 Porios do Sulvapor inglez Oneida, commamk ite
Recks.
Rio-Grande do SulPatacho brasileiro Datad, f&-
|i tao Joao Cardoso Meirelles, carga assucr.r.
EDITAES.
O Dr. Tristao do Alencar Araripc, uftlcial da iaspo-
rial ordem da Rosa e juiz de direito espacial do
ciHiimercio deslacnlade do Recife de Pernamba-
co, por Sua Magestade Imperial e Constitucional
oSr. D. Pedro II, a quern Deas guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virrm o
95*000 dVlle'noticia livcivm, que por parto de GeruH >
cento
um

libra
1
alqeuire
arroba
par
arroba
>
um
duzia
>
arroba
quintal
34000
123000
6*000
200
13000
240
13000
5*006
6*000
5*000
123000
900
800
uooo
23000
160
2*800
ceuto.
20*000
103000
13000
160
400
303000
800
5*000
7*000
4*500
140*000
87*000
3*000
2*000
63000
380
10*000
8*000
M400
800
320
um 16*000

caada
una
12*000
1*600
1*280
12*000
8*000

50:490*314
CONSULADO PROVINOAL.
RtouuneaMdodjalalG 25;031*522
Henrique de Mira, me foi dirigida a plic-) do
theor seguinle :
Illm. Sr. Dr. juiz de direito especial do commer-
cio.' Geraldo Henrique de Mira, seade eredoi
Joao Antonio de Barros Junior, por du.is lettras du
seu aceite da quantia de 650* cada un; i. veneidss
a primeira em 29 de fevereiro e a segunda em " de marco de 1864, por conta das quaes j rjeebeu
a qoaaka de 200*, quer protestar nos termos do-
art. 453 3 do cdigo commercial contra a pres-
cripcaodas mesmas, prestes a realisar-se pelotem-
po deeorrida. Requer perianto V. S. airas-so man-
dar tomar por termo o sen protesto c iutima-lo a:>
supplicado. K porque este se lenha retirado para
o sul do imperio, sendo hoje aqu ignorado o lugar
corto de -na residencia, o supplicaiite requer ni;!<
V. 8. sirvs>se adn itti-lo a justilirar a ausencia
do Mipplicado, designando .lia e hora para a ia-
quericao das testomunbas, alim de quejnlgada
proceilente a jiftiliacn, a intimacao se Inca poi-
cara de cd'tes na forma do cstvllo.
Pede V. 8. der-rmento.-E R. M.Cos'a Ri-
bira.
Na qual dei o despacho da theor seguinte :
Sim, justilicada a ausencia no dia 17 do correntft
mezas |{ horas da manhaa. Recife, 15 de feve-
reii-o de 1869.Alencar Araripe.
Em virtnde do qual lora a mesma peticao distri-
buida ao escrivaV sesle jurzo Manuel Mana Rodri-
gues do Nascimenlo, o qual la\rou o termo de
(irotesto do theor seguinte,:
TVrMO de protesto.
Aos 15 de fevereiro de 1869, na cidade do Reci-
fe, om meu cartoiio, appareceu o supplicanto por
sen advogado o Dr. Antonio Jos da (.osla Ribeiro,
e disse porante mim e as testemunhas infra asig-
nadas, que reduzia a protesto o contedo do sua
peticao retro, a qual onerecia como parte n
presente que lira sendo; e de como assim o dissv
e protestou, lavrei este termo, no qual depois o
lidio se flrmou com as ditas testemunhas.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
ervao, o eacrev.Antonio Jos da Costa Ribeiro.
Francisco Joaquim Pereira.FrancolinoOlympio
Pesaisa de OHveira.
B tendo o supplicante produzido suas testemu-
nhas ; sellados o preparados os autos, subirn
minha concluso e nelles dei a sentessa do theor
seguinle :
Hei por justilicada a ausem-ia, e mando que o
supplicado soja citado por carta de edites de 30
dias ua iVinna i>M|uerda, pagas ascustas ex-causa.
Recife,. 10 de fevereiro de 1809.Tristao de Alea-
car Araripe.
Por torea da qual o escrivo fez patsar o pre-
sento edital, pelo qual chamo, cito e hei por ind-
inado o dito supplicado. para que comparara sasto
UN dentro do dito prazo, atim de aasgsir o qua
fr de jusli
E para que cbegiie ao conhecim^to de lodo^,
mande passar o presente, que ser pnMcadopera
imprensa e aflixado no lugar do costuesc.
Recife, 23 de fevereiro do 1809.
Eu Socundiuo Heliodoro da Cunha, e-
juramentado, o escrevi.
Eu tkmoiI Maiia Rodrigoes do Nascimento, cs-
eriva evi.
Tristao de Alencar Araripe.



f
Diario de Peniambuco %-pimia feira
____ T^
P de Mait** de 1869.
1
Jj.
luiizo dos ffellos da fazentla de
ivrunailt.iro.
Faz-so poblii-
ue liii'i i u nrasBc
de (iczeinl.ru ultimo, : h". Sublica, celebrada n
e Itamb, peranto o Sfmredo fimo) asierras per-
teneenles a* exlmcto encapellado de Itamb, cons-
tantes do edilal de praca. publicado no Diario ile
Pernambuco do citado dia. Os (pie prctenderem
Ianear a praso, conforme o arL v da lri de 0 de
sewmbfride VWD. da-verSn apresentar-re rom sera
fiadores habituados, sendo aflani*as prestidas ad-
ministrativamente o com todas as formalidades
das atacas FJsracs nos torm das instnn-coes de
D de dezembro de t
' O escrivao.
Luiz Francisco B. de .Unteida.
DECLARACOES.
(mhkuiIo das nmias.
l'-se cuiiliiM'ian.'iitii ao Sr. 1" cadete Antonio
Kugeuio Alves Fermn, u i ex-praca Jos/' Mneba-
>I> BrvM, que devern vir receber no ipiai'tel ;e-
ifrl, em nualqoer di til, da; i) horas ta na-
nhia, s i da tarde, o pi hneiro a quanlia de 90-JlSl)
i1., e o segundo a de tii-jWO rs., que pelo Exm.
Si. conselbeiio ajudanlo general do uxercito Imam
rempttidas af'nn de llic- ser entregues.
Secretaria do cominando tas arma* de Peinan-
buco. 2o de fevereiro de 181W.
Francisco Camello Pesson (/ Lncrni.
Tenente-coronel secretario.
De ordi-in do Illui. Sr. inspector da tliesoii-
raria de fazenda d'esta provincia sao citados- pelo
presente o* ex-coHecton-* do municipio de lirua-
r&ss. T.arlos Augusto de Barrus Liiua, Krancisco
das Chapas ("ordeiro Campos e Clandinode Menc-
. es Vascouccltos de Druinmonde seos dadores o
setos lierdi'iios se or venina ellos j foreni fal-
lecidos, pira no tirara drt quince alias que Ibes
)icanaica4o acontar tiesta data, allegaren pan*
escripto o que fr a beinde sea direito, prodiui-
41-iu documeutbs etc., sobre a tomada de sias
iflas, sendo a d priinciro relativamente ao po-
rtada d.'conido de 10 de abril do IHIi a :tl de
Janeiro de 18tio exerrirns de 18ol a 18Gfi, as do
mo l de setembro de 18t*>, a III de dezem-
bro de 1866. conipreliendendo o exereicio de 186."
J 1800 u parle do de 1801 a I80'i <: as lo teri'eiro
ao de I7dejunliia llfle julbo de 18<;ii exerclCk)
J-'1868a 1800, ein que servio de coll.rior interino
il'aqiielle municipio. Sa-cretaaria da thesmiraria
t fazenda de Pernaubueo ii de fevereiro da;
18S9.
O Oficial niaior
Utnoel il'itnettryta KVea
i
. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA'
DE
Ter?-felrs de mr?o de I HH
Herita extraordinaria Herede assignntnra
Grande drama em 5 actos
0
Sepne- pelo artista o Sr. Martinbo
ARIA CMICA
Kel ou o miudinho.
I'imlo o divertimento a comedia em 1 acto
O* DOU* TAMBOR12.
Principiar as 8 horas.
Precisa-sn alagar urna escrava paraa com-
prar o osinliar : a tratar no pata) do Terco n.
03, padaria.
AVISOS MARTIMOS.
Com muita brevidnde segu para o porto mdica-
-do a barca --ortugtH-i-a Belem, capitao J. i. deFrei-
las, a qual tendo a. uiak-r irarte do &aiTC|*&menf>
prompto, retobe o resto a frete, "para o que trata-
se noescriptorio de Amorina Irmaos, ra da Cruz
numero .1__________________j_________-
Para Lisboa
Val sahir com muita presteza o briue portu-
guez Constante II por ter grande paite do seu
carregatnento prompto : para o restante e passa-
geiros, trata-se com Oliveira, Filhos c C, largo
da) Corpo Santo n. 19, ou com o capitao na praea
do commaicio.______________ .___________
lai-;i Lisboa
o brigue portuguez Relmpago, se^ue em poneos
dias, tcm a carga prompla e [tara'o resto o pas-
sageiros trata-se rom os consignatarios T. de
Aquino Funseca & C. ou con o capita na praca
LEILOES.
~ -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------'
reebi'doiKt de rend;is
ic teniLi-sn-ciiiieluido n
internas gerai's declara ipu
monto alo imposto pessoal do: pximvicio cor-
te de 1808-61) das fregnaaias do S. los e Boa-
i-ta. lira mareado o praso doslfl mez e de mareo
futuro em que (leve ser pago o referido imnosto,
*em multa, das sobredi tas negnezins. como deter-
mina a Onlem n. 17 do mini-icrio da fazi-mla de
:-i da Janeiro ultimo,
lioeebedoiia de Pernamimca 1(J d.' I'rvcreiro de
1 l-.'.
Nanocl Carncirn di' Suiza Lcenla.
._______________________ _____
Aviso aos navegantes.
Capitana do porto de Pernambuco 17 de Feve-
r a-i do I8W.
Kui vil lude da ordeni de S. Kv. o Sr. piesi len-
te da provincia, manda o Illm. Sr. capitiio de mar
0 guerra e eapilao do porto, publicar o edilal
al.'-iixo transcripto, relativamente a remoran do
idiarol enllocado wtm baixosde Itragauea n'aquella
i ivicia, conforme soliciloii S. Exc. u Sr. conse-
ro presidente da provincia do Para.
EDITA I..
De ordeni <]$ S. Exc. o Sr. coiiseili mo presi-
1 i,te da provincia, meo publico que lendo-se r -
.ido a barca pljai\>l da posii-ao atuiunciajla por
a'dital desta fecretarin de de Janeiro prximo
passado, acba-se ancorada a niesnia linea em
quinze bracas d'agu..ein fundo d'areia lina, e ao
H rte do Oitovelln do bafea de llragamp na dis-
(anota ultimada de nnu aymefa inilhada frald do
ajilo baixo, denioiando-llie a pouUi Ja illia da Ti-
oca por 13." sueste e a alo Cliruc por i.'i." tam-
bem sueste, e na lat, snl :'' 7" ejialong. oeste
do meridiano de Grew. 47 40' 47".
I'- navios procedentes do lejteqne datmai>.larem
a barca pbarol, logo que estojara leste oeste
eo ella, navegaran ao rumo d'eesto verdadeiro,
ptsSMdo ao norte da dita barca, o logo que a te-
abJM montado aavegaro ao -inluesti'.
S-eretaria do governo do Para 8 de frveri'iro de
186'J.O secretario interino Joa> Brgido dos
Santos. Conforme, o nlllcial maior Raymundo
Alvos da Cunha. Confere. Antonio Aunes Jaco-
uie Pires.Confer, Campos.
0 secretario da capitana
. Decio il'Aqiono Fonceea.
< DAS
Hessa-geries imperiales.
Ateo ank' de marco espera-se dos portos do
snl o vapor francas Gulenne, commandante A. de
la Noe, o qualdepois da dema-ra do costmne se-
guiriparaUordcos tocando em Uakar (Goree) e
Lisboa.
Avsa-so aos Sis. passageiros que por delibera-
i;ae do coiiselbo de administraeSo so acbam redu-
zidos de frs. l-i as passagens de segunda classe
pa Burdeos e Lisboa,assim como se concedern)
billietes de ida e vol'a para os portos do Brasil e
Hio da Pratacom ib' '/.de abatimenlo pelo lempo
de jis mozos.
Para enndiecoes frotes e passagens trata-se na
agowoaia ruJMhv I
lo de Janeiro
Para o porto'aciiiia segu em pono is dia- a es-
enna dinaniarqueza Ilwieti por ter parle do seu
carrejamenlo engajado : tiara o resto que Ihe
falla trata-se com Antonio Luiz de Oliveira Azevc-
do C.,rua da Cruz n. 57.
Conselho dr rom jiras navacs
C' consellio contrata no ilia 5 de marco prximo
vinfoam i tisla de propostas entregues' a' as 11
oras da manbaao lornecimento de viveros, die-
Us i; outros objeetoi de epnsumo aos navios da
armada o estabeleemontos de mariiili.i no trimes-
tre do abril a jnnbo d> eorren'e anu, comfosto
o fornecimento dos soguiiies objeetos : arroz do
Hsranbao, a/.eile doee ale Lisboa, dito inferior,
agurdente de itgmn>, assuear Io'.ihco retinado,
li-iria, ararutafSstcar braneo gross), acalbo,
bolacbiiha amorieana, cangiea ou milbn pilado,
:..!' em grao, dio nmido, carnauba em v,-las,
cha byasoii. ca eevadiui.i. 'cann' secca
'! to Grande de Sal, fo".j?T > farinba do mandioca
da trra, gliiilias, lotiba. mala, uiantigar^igleza,
1ii'i fnnrm. najnjl i ~il, tm inli i de l.isboa,
tapioca, tijojo de al venara prosa i, viuho de Lis-
boa, velas stearinas c vinagre de Lisooa.
Sala das sossrtes do conSolho de compras na-
v s 27 de fevereiro de 180i
O secjfeiario,
Alejandre Radrigues dos Aojos.
i;i amerifana e
ra de paquetes a vapor.
At o dia :i do inaret esperado dos porlos do
sul o vapor americano Mn'ttmick, o qual depois
da dentara do co-tume o+uiir para New-York
tocando no l'.u e S. Tlimnaz. para tictes e pas-
sagens trata-se coa os agentes lleniy Forstcr &
C, na do Trapieben. 8.
Para o Porto
Vai sabir cont milita brevidade a veleira barca
Flor ile S. Simao visto ter WirtB da carga enga-
jada, pira o resto o passagens trata-se cornos
consknatarios C'valno k Nogueira na ra do
A|iffo n. 211.

I'ela adniinistracao do correio desta a-idade
so faz publico, que desta data em dianlo serio ex-
i.'lidas, toilas as segundas e sextas oirasde cada
semana, malas para as agencias de Podras de Fogo,
Gayanna, Ijy;arass e Olinda, e no regresso tocar
estafeta as mcsnias.
reio de Pernambuio, 27 do fevereiro de 1809.
O administrador.
Domingos dos Passos ilianda
Crrelo grral
?ela administragao do correio desta cidade se
faz publico aquetn interessar p issa' que nao se
rando os vapores da companliia Messageries
Imperiales neste porto em seu regnsso do'ttin de
Janeiro, o lempo preciso para se tozen a txpodiqio
aas malas para Europa, tenl resulvido quo as
malas se focbem as 6 horas da tardo do di*, ante-
rior ao da ehegada dos me anos vapore
Correio de Pernambuco 2.' de fevereiro de 180.
-^ _. p 0 administrador,
Bomiagos dos Passos Miranda.
COMl'ANUU i'ERNAMBL'CVNA
DE
.\avearo rosteira por vapor-
Parabyba, Natal, Macu, Alossur, Ara.
caty, Ceai, Acarac e Giauja.
0 vapor Ipojuca, commandante
Martins, seguir para os portos cima
no dia I da> nurm p. fulano iw S hn-
ras da.tarde. Hecebe carga at o dia 2, eacom-
mendas, passageiros e dinboiro a frete al as
2 horas da larde do oa da sabida no escrptorio
do Forle do Mallos u. 12.
COMPANHIA PERNAMBGANA
DE
^avcgaro eosieira por vapor.
Haci, escalas e Penedo.
O vapor Potengi, commandante
Perera. seguir para os portos cima
no dia 3 de marco as 5 horas da tar-
da Recebo carga at o dia 2 as 3 horas da tar-
ile,enconiineudas, passageiros e duboiruafrete at
as 3 luirs da tarde dd dia da sabida no escrptorio
doF.M-tcdnMattos n. 12.
Para o Porto
seguir eoin a maior bre.
leira gala-ra. piirtugnem fot
a maior DArta a carga,engajad
passageiw, aos (piaee otwrece excvenle

sotun-
Oltorece-s'e tamnania para andar ooi meninos,
r e tratar db alguns servaos b-cvM *& ra
modos-: tota-ae com^janlia InSos& C, na da do Amoriin n. SH'-se dir com quenv.se-drve tratar.
Madre dfDeos n. 34.
I
Por routa do seguro
O agente Oliveira far b'ilao, por orde.rn de Olto
Bobre-. e cont c risco de quem pertenec*, de urna
calxa conlondo cerca 6o0 duzias de Iracas do ca-
racol, de la. pelas e de coros, avahadas, viudas de
Haniluirgo, va Havre, pelo navio Cnltjry, eem
continuaran vender mais, por conta di diversos,
sem limilarao em procos, um inteiro sofiflaeato
de miude/.a-. eonsrs'udn em 2 caixas de lindos
bnuqu :dos para meninos 1 dita com botoes para
vestuarios de senb'ora, cintos modernos, malas e
sacros de eouro e de tapete para viagein ementa-
ra, oharuteiras; toallas do crochet, bengallas di-
versas, clic4>le.s de dilerontes qualidadts, esporas
o estribos, casticaes e palmatorias de lato, tltesou-
ras linas para costura, esoovas para unhas, pon-
tos de algibeiras o outros artgos proprios do uler-
eado.
QlAltTA-FEIBA 3 DO CRRENTE
A's 11 lunas da niaub em ponto, no seu es-
crptorio ruada Carleta: n. 4, r* andar, por cima
do armazem de fazendas do Sr. Barroca.
n;y:a.
icaTo
AMA
2L
Para o Porto
Segu sem demora a barca purtugueza ftovo
Silencio,.por ter grande parte da sua carga promp-
ta, para o reto e pa.-savoiro- aos quaes oll'orece
exeellenles eomniodos trao-se com Oliveira Filhos
A C, largo do Corpo Santn. 40 o.com o capitao
na praca do commcrcr. ** *
Para O Porto
Se guie com muita brevidade abarca porguozs
llmnionia, para a carga e passageiros trata-aSc
com os consignatarios T. do Aquino Fonscca e
C, rua do Vigario n. 19, Io andar, ou coiu-u o c
pilao rm piara.
Ama
Para Lisboa.
Segu cora pima brevidadi: a barca portugueza
Gratido, tem grande parte da sua carga prorap-
ta ; para o que anda Ihe falta e passageiros, tra-
t-se to n. 19,u com o capitao na praca do comniorcio
Para o Porto
seguir dentro em poucos das a barca portugueza
Amelia, de Ia marcha, por j ter mais do dous
toreos ale sua carga prompta ; para o pouco que
Ihe falta e passageiros, aos quaes offerere excelleu-
tos coinmodos, trata-so com Baltar, Oliveira & C,
na rua do Vigario n. 10.
Bahia
sahe dentro ile seis dias a polaea
italiana Sara, quem qnizer na mesiua aproveitar
jarga eiitenda-se com o consignatario Joaquira
Jos Goncalyes Behrao. rua do Trai>ilie n. 17,
Precisa-se de urna ama forra
ruada Conceicao n. 45.
ou eapva na
Ba do Eosaria n. 79,
sobrado
Agencia de negocios da curie pa-
ra as proiincias e deslas para
a edrte.
Sfih a drecrsii
nova ao sabir da rua de S.
finncJIb para os Colhos n. 24, edificada em
chaos proprios, com oitoes meieros, travejada
para sobrado, com encanamemo de gaz, sala es-
tucada e muitas entras aeeommodanjes para
grande familia,
Sexla-feira 5 demarco.
O agente Pinto far Jeilao procedida a competen-
te aulorisaoao. da casa ariuvi dita, a imal se torna
recommendada pela sua contruc(o -e capacida-
des matoriaes : o Icilo ser efeetuado s 10 horas
do dia cima dito, no escrptorio do referido
ageute. ra < iin
* AVISOS DIVERSOS.
Bevoao do Seiihor Santo
Chiisto dos Milagres.
Nao se tendo reunido no dia 7 de fo*i irelra ul-
timo, numero sutHcionte de devotos, por sor vespe-
rj da fe-*!.-! do Montoiro, de novo sao rogado* os
develo* ilo niesmo Senhor, parase reunirem boje,
pelas 61j2 horas da tarde, para trataren! da fusta
ipBosso Hedemptor, que deve ter lugar no dia 7
ilo eorrente. O procurador perpetuo do aitar apro-
veita a oecasiaodesteannnncioparapedir toda as
pessoas que laiem pane o,i i. .'.,. ^ ., .a<>t. p- ><
votos que voluntariamente ipiizerem aooenmr
com snata i|naMas para a nie^ma festa, de a* fazo-
rem com brevidade, pois que nao tem lempo de ir
pessnalmojiie a casa de todos, pelo que relelierao
do Senhor SentClnsto a justa rewiripe'isa.
Hecifo, 1 de marco de IHIj^
Jote de Millo Cotia
Pivois se c paga-sebem, a 11.11 criado de
12 ;i ll anuos de idado, s se aceita dando liau-
caila conducta : a rua Direita u-Ai. 1 andar.
O Di*. Jos Mauricio Fernandes Pe-
reir de Barros, nao tendo podido
despedirle de todas as pessoas
que o hotiraiam com suas visitas,
pede-Ibes desculpa pot' eattlalta.
involnntaria, e Ihes offerece os seus
serviros na Corte, para onde se re-
tira com licenca do governo.
puu a iiirccpio ao advogado Francisco Carlos
Rtndao, acha-se ostabelecida na cidade do Rio de
Janiiro, rua do Rosario n. 79, sobrado, uin agen*-
cia de negocios da corte para as provincias, c des-
tas para a corte a qual, pelo pessoal habilitado, e
tneios de qneutspoe, encarrega-.-e de todos o quaes-
qnei* negocios judiclaes em 1* c 2* iUsti.ncia, como
ace'ies civeis, crimes e commerciaes, re>:ur*os, ap-
pellaeoes, aggravos, revistas, defezaa peanle 9
jurv. reclaniacoes de aiUiguiiides de magistra-'
dos, etc., etc."
Incumbe-se oulro sim do liqnidacocs commer-
eiaea, de verifteaeoes, e ajustas de cunta**, de eo-
brancas do dividas, do arrofadaces dbj.'r;uiras,
de matricula de juizes, e eominerciaiiles,"e 1111 ge-
ral de todo e qualquer trabnlho forense, am qne te-
nha do ser feito peranto as reparlieoes s^MBstra-
tivas da corto.
MedianteascondiiV'ese.garanlia.sque c m as par-
tes estipular, adianla dkiuei'ros sobr ai airecada-
cocs e direilos que Ihe parocerem se;rur'os, e ft-
ipiidos,
Prosta-se a forneecr aos seus com tientes a-
uifornuctiis que exigirem, o que pu*loi oblcr, so-
bro assumptos e interesses que Ibes digafa ress
peito.
Sens honorarios e commissocs sern razoaeemd
moderados, regulando-se pela importancia o lli-vi
culdades que ollcreccrem os negocio; comet-s
(dos.
As pessoas que dos seus 'servicos so quizerom
otilisar, poderan dirigr-se peaseotmnte, ou por
carta ao escrptorio cima indicado, devendo na
segunda hypothese romeller os declnenlos que
tivoretn ou copia liel delles, o nina nfornuro eir-
cumstanciada. escripto, e assignada sobre o nego-
cio ou negocios -pie tiveromdc ser tratados. Alan
dosla reiuessa os senbores qiie inorareni lora do
municipio neutro, o em qualquer das nriniucjas
deverao competentemente autorisar pessoa 110-
nea. residente na erle, com quem a ag-ncia possa 1
entondor-se e validamente contratar.
O fiel dosempenlio dos seus daivores para com ,
todos, e, especialmente para com aquellos.'que nel-
la confiarcm, conslilue o fundo cajiital. com que
a agencia principalmente conta, o por sso tem o
mais vivo intoresse em mante-lo, e ha de zela-lo
com a mais vigilante solicitude.
-i--------------------
PAST 11.11 IS ASSM \1I\II\S
no
DR. PATKUSON
De liisimiili c magnezia.
Remedio por excellencia para combater
a magreza, facilitar adigestao, fortificar
estomago etc.
dkpopito r.SPt*.r:iAL.
Pliarmacia deB;irtlioinm''u: C.
31------Roa larM fio Rosario--IJ4.
BOTICA EC ASA D DROGAS
77 RUA DA MPERATMZ 77
N'este novo estabelecimento lia um completo sortimento de medicamentos, pro-
ductos cliimicos, e drogara, tudo de primeira qualidade, e se vendem por menos de-
que cm oulra qualquer parte.
Ha tambera um sortimento de medicamentos homeopathicos, tinturas, e globu
los inertes, por presos commodos; bem como xaropesde jurubeba lerruginoso simples,
vinbos de jurubeba simples e ferruginoso, e o bem conbecido xarope de Paracary, es-
pecial d'esta pliarmacia. Aviara-se receitas a qualquer hora do dia, e noite, com promp-
tidao, cuidado, e pericia ; nao se negam a qualquer oceurrencia em casos urgentes. O
socio gerente encarregado do estabelecimento mora no inesmo, para o que esta
prompto a abrir a porta a qualquer hora que for preciso.
C. Clao & C.
VgRIUDIRO LE ROY
ctTSIGHORET, nico Stwor,
Ii'ui;iitl;id*> do Stnhor Ilom *f
ttns Aun Dores em-. i^oiif-ilo
Em virtude dajlohberacip da mesa regedora
sao convidado- totos OS iruiaas da resjiectiva r-
mandade para comparecerem no consistorio d-
qnell greja no. dia 7 de mar^o prximo vindouro.
a 1 hora d* lawe\ compett'nlP.meirto paramarntados,
am deai*ompanbarem a procissao do Senhor Bom.
Jess dos Pobres AIDictos, quo sahe da mesma
greja. Consistorio 26 de fevereiro de 1869.
.. O secretario,
Raphael Arftianje de Rosa Lima.
Hotel nacional.
O abaixo assignado, proprietario do hotel cima,
declara aos seus freguezos e ao conpo do commer-
eio dr-ia cidade. que o Sr. Thentoteo Landulplio
Stomelli, (ausente) icixou de ser inleressado no
referido hotel desde o da ll de jaueim prximo
passadu : c para que nao appareca duvidas com o
mencionado Sr. Stomiill,.faz,-|e Aprsente dea-lara-
rao. Iteeife i7 de favieniM A>-J8G9.
. Hermenegildo A. amaftigibc.__
= Venderse aa na da Imperatriz n. 14, Io an-
dar, um escraviutoo de 9 a 10 anuos.
Capsulas de Baquim
Os bons effeitos destas capsulas para fazer ces-
sar os gonorrheas acham-se compr ivadas pelas
experiencias de nitritos annos.
Os mdicos de todos os paizes as retommendam
pela sua efflcacia.
VENDE-SE
NA
Pharmaela e drogstrta
DE
BARTIIOLOMEU & C.
Ru31a larga do Rosario34
SOFFRIMENTOS D'ESTOMAGO. CONSTIPAQAO.-
Cma eoi poucos dias polo ca vio oc acLLOC em p ou em paulinas.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Es^s afleoeses a di>
tlpadas rpidamente pelas PEROL! D'ETMER 41'UIT11.
ANEMIA, A PALLIDEZ e os irrlmentoi que necessltamtl
eniprego dos ternigincsos o sanpre combatidos com o mdhor resultad*
PO DE ROG. Basta disolver um (rasco d'este p era mel
garrafa d'ngua para se obtr urna limonada agradavel que purga sara h-
ter clicas.
VINHO DE QUINIUM *e barraque. Este vinho, um dos
poucos amja couipoaigio garantida constante, urna das melhores pre-
parac&es de aniinin, sem accio aotavel sobre o* eonvalescentes, atando-
Ibes torcas e apressande i rolla a saude. Cura u febi-es antigs afot to-
si-tao ao sulfato de quimiio.
MOLESTIAS DA BEXIGA. i maior parte d'eatas mokt-
tlas, como as ticas, lombagos. catarros, e todas as dores nervosas asa
gsj-al sao Airada? pelas PEROiaa DE CSSCNCU DE THEREBEHTlna da
Dr. Qertan. U professor Trousseau em seu Tratado i* Iherapeulica acon-
solha as para seren tomadas na occasiao do Untar, na dise ale 4 i tt.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH.-
GaraiHido puro e de primeira qualidade, um dos pencos aprovadoe pela
iwdemla de medicina.
fISO. Todos estes medicamentos foram aprovadu peU Academia
imperial de medicina de Pars.
^
iv
Nt-Janttrt
Bahia
as rarle,
Dororaciar.LLi;
Taisoara.
lUus et C*.
DEPOSITO ; i
ratas, rae Jaeek
Pernambuco. Manas et O.
Cetra.
lanuta et O.


Scbonete de alcatnio.
DE
Antonio, Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to boa
cceitaco te'merecido n'esta provincia,
muito se reconunenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
PUarmacia de Bfu-tholomeu C,
34roa larjra "o Rosario34.
.
VERDADEIRAS
PILULAS de BLANCARD
COM IODURETO DO FERRO IN-LTRAVEL
APPROVADAS PELA ACADBMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
PoMuido as propriedadesdo Iodo et do fnrro, convem especialmento as AwkcooI
BKaoTLOSAS, a Tsica no principio, a (raqueta d temperamento e tambem nos sosia
Falta i* c6r. amkhorrhba, am que precisa bjeacir sobre o sanguk seja para resUMr
-Ihe a sua rkwen e abundancia normaos, oh para provocar e regular oseucurao penodieo.
N. B- O iodurelo da ferro inparo ou alterado am medioeaneni inlieJ,
rilanle. Como prova de prese de eulbencidade das er laa ate Waetarl, deve-se exigir nosse aetse nojjo rasa, aqoi reprodoxida, aie se ache na parte inferior de
ratal* vrala. Deve-se desconfiar das alsiflcacoee.
Aekaaaa-aa eea f ala mm afcarretaa. PkarmaeauHco, nta BaitafmMt, 40, Pars.
irritan
CABDG.V
esquina
df
OURO
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual.
\Aa mo inro-n a ^ ven |aa rua arga ao ^ ^^ da qualiae e o prepo das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.
Garaate-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados.
, A loja est berta at s 9 horm da noule.
Rosario.
RITA
EO
CAMJG
esquina
da rua larga do]
Rosario.
stmm

esk

m


I

Diario de Pernambuco Segunda^eira 1 de Marqo de 1869.
---------------------------------------------------- ":v "' v :'
Rio d Janeiro.
Zeferino d'Alraeita I'irrto, advogado no
IUo de Janeiro e com escriptorio de agen-
cia na rua dos Pescadores nv68, encarre-
ga-se de todos e ijuaesquer negocios judi-
es e administrativos, mediante honora-
rios e commisses rasoaveis e moderadas.
As pessoas que de seus "servicos se qui-
2erem utilisar, pderao dirigir-se pessoal-
mente ou por carta ao escriptorio cima ou
a casa de sua residencia, Cllete n. i72,
acorapanhados de todos, os documentos
precisos com kidicacao da pess6a com
quem sepossa tratar.
Para mais informaccs dirigam-se a bo-
tica da rua larga do Rosario n. 10, nesta
eidade. "L ________
Trocam-se
anotas do banco do Brasil e das eaixas filiaes,
Mk descont muito raxoavel : na prae pendencia n. t.
No sitio ii. l da Passagem, vende-se urna
escrava de meia idade.
BARTHOLOMEU tt C.
- /lomes de MatloJTfflT Jtao com o seu es-
iriptorio aberto nMaVHOTgario ai. 26, 1' an-
t : propoe-se a jualquer, eonsignacao, meos
eseravns.
^Trecisa-se de u
Wer mais algum soP^^H
perador n. ~'.\. 2" andar.
me saiba comprar e
oba : na rua do Im-
ttencao! atteneo!
Guilhermino Rodrigues do Monte Lima faz se-
ente aos offlciaes de todos os corpo^ que acababa
recetor um completo sortitaiento de espadas, ban-
das, talins, talabartes e charlatciras, e ma*s pea "'
tenes. Asskneomo receben tainl-eni cliapeos be Jt
oleado para criados, do ropa alta o baixa,-com
cordit de ouro u prata, e vende mais barato &o
que emoulra jualquer parte, na praca da Inde-
pendencia n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
Precisa-se de* urna ama escrava que saiba,
cozlnhar, engommar e tazar compras (paga-sc
bem) : a tratar no Corredor o Hispo n. i'l
SEGUROS
MARTIMOS
m liun
No annazem de Candido ARiert" Sodr* da Mot-
ta travessa da Madre de Dos n. l eataf patn-
tcmM de dez mil amostras de papel o mais Iin-
diduawe tem vis* nesta provincia, dode o mais
shhiIhs at o mais sumptuoso e proprio para
nai-niptt c forro de salas, gabinetes,.pacollas de
sga-e sauetuarios, pela v&ricdadc e belleza de
sefis ofcenhos e arabescos primorosamente dou-
rados. () costo d3sse artefacto o mais razoavel
pssit, porque apwias se sngeitara o .Sr. pretn-
deme a- tima diminuta commisso alm do mdico
preeo porque ven* o fabricante em Pars.
No niesnio anniBMh de Candido Alberto ven-
de-p muito em coala o segoiote :
)uitobom arelo
'or o sarco de l libras. E' muito barato t
ptimo cimento
a barrica de Urobas. Nai
ha que
COM1RAFOGO
A Compatihia Indemnsatiora, estabelecind
nestia praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadura* c mobilias: aa
rua do Vigario n. i, pavinfcento terreo.
O- cinco bilhetos da lotera % a 1 ti i i.- i. il.i
igre'ia de N. S. da Boa-viageso de ns. 2<)7. 2.07:1,
24S, 26'J8 e 3iii>, peitencem aos Srs. Ricardo
Wittig, Manoel Gemes de Freitas e Manuel Jos
Manins, do Aracaty, e lieam em poder do abaixo
assignado.
Francisco Martins de Amorim.
Precisar**; da quauti* tic l Aii a juros so-
hre livpoth'i-a de urna parte de um sitio nestesar-
rabaldes : a pessoa que qiffivr fazer este negocio
.munnrie" por este jornal._____ _____
HRCOM SMulH)
Rua do Qimado n. 49,. loja do monteas de
Jos de Azevmlo ll.iia e Silva, tem para vender og
artigos abaixo declarados, tudo bom V liTirtitissi-
oo."que sao paia acabar.
Duzia de sabnnetes muito linos a 786 rs.
Pan* de sapalos de tapete para hemem a 15280.
Ditos de tranca para eruanca a 1^.
Tramoia de Porto, bordada, a melbor a 200 rs.
Dita do Porto liza,!da mollior qualidade a 100. 120,
1(10 e 200 te.
Resma de papel -almaco, lizo superior a UOO.
Dita de papel alinaco pautado a i.5.
I.ivro de nussSes abreviadas a 23.
Oirtilhas com toda a doutrina e mu tas resas a
:i20 rs.
Silal)arios portuguezes om estampas a 320 rs.
Baralhos Iraneczes muito tinos a 200 e 2i0 rs.
Sabao inglez superior qualidadea300 e l~>.
Grvalas prctas c de cores multo fina* a 500 rs. ^
Duzia de meias para senliora, fazenda fina a 45-
Redes pretas lisas para segurar cabello a 320 rs.
Varas Se transa de seda de todas as ores a tiOO rs.
Pan de brincos dourairos com mftwhiba o po-
dras a 320 rs.
Orlo com corchetes de duas ordens e sao de la-
ti a 2 Abolladuras de vidro para colete muito finas a
12^ 240 e 400 rs.
Pares.de botoes donrado para punhos a 160 rs.
Caixatt de pennas de ac mnito linas a 40, 320 e
Cartaas om duzentas laraas ae i
.nitr. AlcAdudie a 100 l'S.
Caixas de pennas do ac, a verdadeira peona a
upa
Carr lei- de liulia Alexaudre ns. 70, 80. 100 at
20* a 100 rs.
Caix com superiores oUeias de massa a 10 rs.
Carri|eis com duas oitavas do rotroz piolo a S00 rs
Duzia de aguibas para macbinas a i.
Ubral de pregos francezes de t'jdos os tuuianhos
aJIOrs,
Uvrqiescripturados para rol de roupa a 120 rs.
Caival coib papel amisade muito tino a 700 rs.
Caixa coai cen envelppes da usellioi qualidade a
para meninos riiuito ba fazend a
Por 105
dizer. _____ -_________'
Arma^o de taberna
com os sen- pertijrevpesoe o med das etc., tudo
mi muito bom estado e proprio para algum prin-
rtpiantc : vemle-ictMir nietade do seu justo Yaiio
Joaquim Jos Gon-
palves Beltrao
JttJA DO TRAPICHE N. 17, i. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minho, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
GuimarSes.
Coimbra.
(3iaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de \c.z.
Taita do CastelJo.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalico.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Bareellos.
hhM mmm wsm m
i t 11,i ii a iif:
Aos 500 pares de brincos, j
Chegou e vende-se no CoiacSo j
iVOuro, rua do Cabg, brincos de i
mlSostnhas com orna franja penden- \
ta.um tico dosanho e ouro de \
Iei, pelo pequeo preco de 15-^000
cada par. c baratissimo.
INTERNO
S SIMPLES
v-t -t ,^JWfe .de juiubcba garraa. 15000
r JSlulas^de jurubeba vidro. j(6eo
Tintara de jurubeba vidro. 40
Extracto Irydrecoolico de jurubeba. 12^1500
PltPARADO COMPOSTOS.
Viulio do jurubeba ferruginoso garrafa. 2$006
Xarpe de jurubeba ferruginoso garrafa, i -5600
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2#0O0
Oleo de jurubeba yidros. 640
Pomada de jurubeba pote 040|
Emplastro de jurubeba libra. 2^500
PABA USO EXTERNO
A JURUBEBA*
Esta planta e lioje reconheuda como o mais poderoso torneo, como un excei-
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do figado e baco, na&
hepatitis propriamente ditas, ou anda computada* com aaazai-cba*, uu iaiimaciis
subscqucnles as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos intfflnios, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos.'ffl'imiwirclia, as bodrope-
zias, eiysipellas; e .issociada as preparacoes ferruginosas, anda de grande vantagen
as anemias, chloroses, faltas de menstruaco, leucorrfioias, desortaijds alo ticos do
estomago, deflflldada orgnica e pobreza de sangue, etcl
O que dizemos affirmam os mais dfstinctos mdicos desta oidade,' entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. I)r. Silva Hamos, Aqnino Fonseca, Sarmenio, Seve,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconbecem a excedencia d'este
poderoso medicamento sobre os demais ale boje conhecidos para todos os casos citados,
tantojque lodos os dias fazem d'elle applicacSo.
Apresentando aos mdicos e ao publico emgeral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fim generaltsar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at boje sehtiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, e
mais das vezes repugnantes a iragarem-se, e que tinliam aitula a desvantagem de n3o
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improlicuo um
medicamento, que poderla produzir ptimos resultados.
Os nossoti preparados so foram apresentados depois de bavermos con\reniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias'precisas para bem cnhecer as pro-
priedades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas, fructas ou bagas, e a
dose conveniente a appcaco, tendo alm disto procurado levar os nossos proparados
ao maior grao de perfeico possive|, para o que no poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignaren! recorrer aos nossos preparados podera ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
velcura de qualquer dos soffrimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escollier as nessas va-
riadas preparacoes, aquella que melbor llie pode convi-, %a pela fcil appcacto, e j pela
complicaco das molestias, idade, sexo, ou anda natuteaa dcada individuo.
AsnossaspreparacScs ferruginosas sao feitas deforma que setornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de fego que
como taes est5o hoje reconbecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram cnhecer as propriedades da
jurubeba, e saberen a applicac3o de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folhetq, omle tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
tni dtt 34Hualaga do Rosario34.
Do xarope Vegetal liuerlcauo. espeeflalMadede Kartholew<-u Al.
Y cp ^ S*-3litLARGADO1 ROSARIO34
Nao costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que soa,applfcac5o e os resi/ltdos obtidos pelas pessoa* que se dignatam acceita-
ios, ihfcvdeam- crdito evofn; porque sao eempre os altestados considerados gratuito,
delles que lancamSo o charlatanismo; mas, nao querendo offender as pessoas que
espontneamente nos offerecerara os que abaixo v5o transcriptos, os fazemos publicar.
manifestaBdo-liesnossa gradap pela attenc-io, esperando que venham elles coiroboraf
0 conanto-e acceltacio que te merecido nosso xarope.
ATTESTADOS
Illms. Srs. Bartholomeu C com a mais sabida saifc&cie- qbe declaro
ser o xarope Amerieanoe umaellieacia extraordinaria, pois que soffrendo La dias'de
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeilo mesmo de medicafiieatos
que tomava, a eile recorr c na terceira colber fui alliviado, e de todo me ado hoje res-
tebelecido com o uso somente de qaaslmeio frasco: grato, pois.' esse resultado mani-
fest a Vv. Ss. mcu reconhecmento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obligado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 4868.
rtmw. Srs. -Barthotomen 6 CPenhoradssimo com o favor que me fizeraro
de acooselhar o uso do sirope Vegetal Americano, de sua comrosico, quando me acha-
va bastante doente de nma constiparo, que me tornou completamente ronco e qufc
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumplir os meus devores de cantor da
empreza lyrica, vou agradecer-Ibes meu completo restahelecimento, que oblive com um
so vidr,o do mesmo xarope, depois de baver recorrido a muitostratamentos. Desejarei
que outros como eu recorram ao seu xarope para se verem alliviados de to terrivel
incommodo, to fatal neste paiz. Com maior consideraco contino a ser de Vv. Ss.
attento, venerador e obligado.Luz Cremona.
ecife, 25 e sateBabr^de 488.
Illms. Srs. Bartbolomeu & C0 xarope Vegetal Americano que>v. Ss. teem
exposto ti venda de toda eilicacia-para o curativo d'astbma, informe observet appi-
cando-o a meu filho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'esse ftogello. que at
ento por espaco excedente a dous annos bavia resistido a outros xaropes de grande
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expressao altamente sincera de meu reto-
nbecimento ao meritorio servico que Re prestaram com o indicado xarope, acreditan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obligado.Americo Netto de Mendonca.
Recife, 2 deoutubro de 1868.
DE
' W.^.'.'V ?,y's:gr: 'tWZWTES&WAZrii-
m%sm
'yj.su 1'alUr aoSr. lw Jariuttiu J;i Silva
o de seu iqtertvse,na ruadas Cruzcs u. 11
o andar, da* 9 horas ao nieio dia.
J. Ferreira villcla.
Phjtographo da casa' rniperkl
premiado em diversas exposi-
O advogado Y)r. Antonio de Vas-
concellos Menezes de Drummond
transferio o seu escriptorio para a
'roa doJmperador n. 20,onde potie
Ser procurado todos os das uteis
das 11 boras da rnanha at as i da
tai de, para os misleres de sua pro-
fissao.
DOENGAS DC PITa
XAROPE d'HYPOPHOSPHITO
A eflcacia d'esta preparado estcstsbelecida desde 1867, pelos mais celebres medico. Dtsde
ento muitas imiticdes tero ido feilaa, mas nenhuma poude sustentar comparacao com o
producto apreseniado pela nossa caza. Por isso excitamos o publico pare qaeexiga sempre
este xarope com urna bella cor de rosa, nunca branca, e com a nossa assignaiura i roda do
'un ~ ii i
Sob a ana influcneia, a tosse acalma-se,os snores nocturnos cessio e o doente volve rpida-
mente i sade. 0 seu empreo d tamhcm os mais brlbantes resultados nos dofluxos, caiar-
rbos, bronchites, irritacocs do peito. ele
TPMrtflln pm Pcvtyntuhnrf, *m paca dp Mintw O*.
Precisa-se do luna ama para cozinhar d.eoni-
prar |iaia casa de pouca familia : na rua da IV-
nhan 27.
Xo collego da Concoirao precisa-se d urna
engommadeira perita.
BARATISSIMO
Calcado nacional, na fabriea de Jos Vicenta
Godinho A C, rua do Jardira n. 1% avisaui aos
tfus froguezosdesta capital-'do interior,queCon-
tinuain a fabricar cal^ido'em alta escala, e dffe-
recemas inetuores condi^oes, tanto uipreci como
8iii qualidade. Os proprietarios deste estobeleci-
mento chainam a attetcaodos senuores consumi-
lorw do interior, que os quizerem honrar com
ia freguezia, espcciti<>ando em seus pedidos a
qualidade e nmneraco.offerecendo-separa osen-
(regai- bem ai-ondicin.idos em casa o> seus eor-
raspondentes nesta praca.
r
i
COMMEDORIAS
Prepara-se almoco e jantar em urna casa
articular de familia, na rua estreib dof
osario n. 35, sobrado.
Precisa-se alugar uin moleque
Cabug n. i B.
na Na do
INTOMO EPAMINONDAS DE
MEI^L tem o seu gscriptoiio de
advogado ;i rua do Queimado n. 8,
x*Tindar.
mgmnnmMm
- Pci9B'5!i' de un moleque diH a
para servico y tej'ao : "* Mllfret#t-
Ama
. Precisa-i Ot uin ama tie imeia idade para
i-qmprar e ooz^har para unja familia .de potras
pessoas : un rua Bella d. 3.
-I--------------i-----'-------------------!----.:-----------------^_____________
Doseja-ae fallar coa o> Ss. aieiano Goolal-
ves da Hocha, na rua VeH n. 08.
jJma deleite
Preeisa-sfl de urna adHt'et4e*e :
nhan. 21, l-andar.
Na'sna photop-ap A mr4 C**f*i.
18, entrada pelo pateo da matriz tira retra-
ta par todos os ayitoauo pitotograpitieos.
Em porcelana Km tidro
Em talco Em papel
CABT ES DE VISITA A H A DiZIA.
Os retratos carte-ie-eimte sao ollados
hu cartao de luxo bristal ou porcelaiia,
dourados ou lithographados, quadrilongos
oa vinhetas para o que existe urna varieda-
de de 12 modelos a escolha de quem se re-
tratar. Para as outras especies de retratos
temos caixinhas, passe-par-touis, aladres
o molduras douradas epelas eassottas de
ouro e alfinetes simples e com podras pre-
ciosas, ba\endo nos alfiletes urna mimosa
variedade de/ertios.
O nosso estabTcimento photograpbico
..sli gpe em m romos melhoramentosIt^^Z7aw^o
.iprogressos qu na Amrica dolvorte, na --------------*-
Europa ou no BTq de Janeiro se .consegue. AWLA
na arto pbotof rapiMca, e para aicaacaratos
tal fim nunca poupamos despezas nem sa-
Tificios, de sorte que os nossos numerosos
t reguezes podem ter a certeza de que sem-
pre encontrarlo em nosso estabelecimento
mdo quanto a irte .e a moda offerecer de
bom no novo e velbo mundo aos amantes
da pholographia. i_________________
Jos da Costa Cazeiro e Romao Jos da Sil
a Marques, fazem sciente ao respcitavel puNico
i com especialidade ao commarcio que na pre-
seatte daiadi^solveran amipayielmen|e a sociedade
jM tmham ni dous ealabelKimentos de taberna
tosa na da enzalaVcllia b. 80 e rua da Sen-
2* N"va n; 39> s"b a firma social de Co'ta &
Mwa, tirando o socio Costa d'ora em diante na
Precisa-se alugar um
escrayo para can
.64.
nertfa dajj>e-
4
sr
Precisase da una ama : aa rua da Cade* a.
9, loja.______
l'recUa-s.- do um TBlor para cgenl. [>rv-
friaiii'-se algum que tenha praca: a (sitar fp
iut do Ogro n. 3i, portab de ferro.
Precisa-se de dous hon ens para jiWlac/uTe
trabaMio de casa de purgar em um o_tfe_ho : a
tratar ua roa do Ouro n. 32, portao do fenu
Frederico Mala
( Ir-iir-io dentista pela escola
de medicina
do Rio ile-lancir-o.
Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o
ieu gabinete de consumas e opuFacea dentarlas a
na Dfreita n. rt, prMtaro andar, onde pode ser
Sroourado todos os dias das 8 boras da nianr. .a as
da tarde. Elle acna-se competentemente habili-
tado para com perfeicati collocar dentcs artifiriaes
por qualquer dos systemas, e bem assim desempe-
nhar qualquer outro trabalho concernente sua
profissao. 0 mesmo, reeonhecendo que nem sem-
pre possivel as senhoras ou criancas sahirem a
proejar o remedio, eflerece-se a reiupver qual-
quer obstculo, declarando que nafMfese pres-
tar a qualquer clamado sem que issoinOua cousa
alguma na commodidade dos preces de seus traba-
Ihos, e qnndo para fra della assim -raosino ser
precedido de um ajuste rasoavel, garantindo elle a
seguranca e perfeico de seus ditos trabalhos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente encl-
lentenos denttlrleo, elixir e outros medicamen-
tos oaontalgicos : rua Direita n. 12, primeiro
andar. ______ ^
Alnga.se um 2 andar de am sobrado do
Caes do Ramos, e um 3 da rna da Praia; a tra-
tar na rua da Imperatri'. n. 63 i andar.
GRANDE HOTEL
DE ORIENTE.
Inatigurou-.se este commodo o elefante
estabeiecimento d'onde os seus frequenta-
dores poderlo apreciar a especaliJade na
confecelo dof. genej-os alimenticios.
As bebidas slo as mais primorosas e re-
eommendadas.
A decencia e bom servico prtnam n'esta
casa no bello gosto oriental.
Mandam-se domicilio comedoras, tanto
avulso, como por assignatura men>al. Os
precos slo mdicos e convencionaes.
Ha urna espac#sa ^ bonita sala para o
elegante jogo de buhar.
Ha tambem aposentos commmodos e bem
mobilhados para hospedagem.
Rua larga doEosario
n.
Precisa-se d'uma criada de boas coetaroes
para casa de familia, qu> nao esteja acostuniaAi a
rua, preferindo-se escrava, que cosinhe e engom-
me com perfeico, a tra lar ta loja da rua nova
n. 47.
caa-
DE
poseeelusiva*meamosealabelecimentos pa-
"rVofoC0m0.?enR,proPr^ com todo v
e ppsaiea existente e demonstrado no balanco a
:JeiPcafioox sol3 ftS! di* **"
l V?nao oaxjwop <-'>sia oWado a liauidaco
do.act.vo e passivt, da extmeta ma "a'2
umeo responsavel e retirando-se o cx-oio Sil
va pago e satisfeijo de seu capital e lucros edeso~
nerado de quaqBW nsponsabilidade Hewfo *4
de feveniiro de 1869. eww **
Jos da Cosu Cazeiro.
Rom5o Jos da Silva Marques.
Precisa-sede umeaixeiro brasileiro para
taberna : na travessa de S. Jos n. 1.
iaia-a da ata taUor no Mtio do Sr. ftar-
JIU.
Precisa-se de urna ama de conflanca e sem fl-
Ihos, dando fiador a respeite da sua probidade,
para tomar conta da casa de um estrangeiro sol-
teiro que mora em um sitio, e fazea* todo o servijo
da casa : a quem convier dirija-sa a rua Nova b.
19, Io andar
Precisa-se de um caixeiro para urna toja uc
lazenda, com ortica ou sem ena, para ir para
Alaga-nova, que tenba 14 a W annos de idade :
a tratar ama daCadeia do Recife n. 3!>, loja de
Alfredo h C.
N. 55BA DO IMPERADOI
Os pianos desta antiga fabrica slo boje assz conhecidos para seja nocessaria
insistir sobre sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradoras,
qualidades estas incontestavois, que elles tem definitivamente conquistado sobre todos
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um teclado e macbinismo que obedecem
todas as vontades e caprichos das pianistas, sem nunca falbar, por serem fabricados
de proposito e ter-se feito ltimamente melboramentos importautissimos para o clin a
Jiste paiz; quanto as vo/es 6lo melodiosas e flautadas e por isso mudo agradareis *'S
o\idos dos apreciadores".
Fazem-se coiforme as cnoofimendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blon-
del, de Pars, socio correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premia-
dos em todas as expo6ces.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sorti-
mento de msicas dos' melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commodos e razoaveis.
RUA LARGA DO ROSARIO 137
tlARLTERIA E PETIT IKTALlAff
Este-acrwWldd estabelecimento augmenta Amexos ao Hotel Central rua estreha do
de dia em dia quanto possivel para che- Kosario n. 4 A, andar terreo,
gar ao cume do bem viver. Para dar a cnhecer a variedade infiniu
Alm dos sabrosos manjares confeccio- de charutos de Havana, Bahia, Itio, etc. que
nadf com n mellmr assoio, tem bellos apo- existem neste novo estabelecimento pres-
sentos do hospedagem, tanto para urna so cndimos dos annuncos pomposos que ge-
pessoa, como para numerosa familia. lamiente se fazem, reduzindo-nos apenas v
A agua, indispensavel elemento para a tres letras que slo tres bbb bom, bonito e
vida e hygiene, temo-la sempre em aban- barato. A' vista do genero annunciado po-
dancia para facilitar excelentesbanhos. de-se julgar de nossa veracidade. Estacas
Ha tambem urna boa bibliotheca e perio- gosa tambem das condic-Oes de um elegante
dfC06 riacionaes "e estrangeirtt, piano para e petit icttauratit onde se pode ver a (s-
recreio, buhares, etc. etc. pecialdade dos fiambres e salames de Li'fl
Sendo Ociosa qdalquer rccommendaCao paj:a lanches e at fazer- urna boa colelo,
para to acreditado estabelceimento, omit- juntamente com os principaes vinhos do
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bom a pura
fim, que o bom servico, ordem e moralida- e fervente champagne, o mu saboroeo me-
de imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa cerveja, o licor espirituoso,
fiel do regulamejito que possue. o quano pede urna mesa. Faz-ae >ou^
Comedoriasala carte. sorvete evai-iedade de refrescos.
IA
Aluga-ae
queni']ba
^ffHMO&
Ana deleite.
ana de leita ajentTOm filho :
sea praca-daUdaif endeiicia
Para coziiika
Precisa-se de urna pessoa que cozinhe !>em
rua do Crespo n. 23.
---------_
na
Aluga-se
urna cochftira na rua da Palma, tambem pode
servir para qualquer oficina : quem a firetender
dirija-se a rua da Concordia, sobrado n. 13.
wso.
55-RUA DA IMPERATRIZ-55
0 proprietario d'este importante estabelecimento tem a honra de partkpai-'
ao respeitav-'l jiulilico que tendo fgido d esta praca a pessoa que se aobava na sua ge-
rencia, elle contratou para sua casa um perito oflicial que foi por muito tempo o pri-
meiro officiaL da importante asa Sulingre do Rio de Janeiro ; por isso espera o annun-
ciante que todos ficarlo satisfeitos dos seus trabalhos, visto, alm d'isso, possuir no sen
estabelecimento as machinas mais aperfegoadas para tingir e lustrar de que se faz so
na Europa, e achar-se tambem prvido de grande quantidade de drogas escolhida.
sempre de piimeira qualidade e fornecidas pelas casas especiaes daParis.
Tigese, iavase e limpa-se com a maior perfeiclo fazeudas em pecas on
em obras de qualquer qualidade que sejam, taes como II, algode, seda, touquir
pennas, chapeos 'de feltro e* de Manilha ou palhinha de todas as cores, etc. etc., e
tambem n'ra-se nodoas e limpa-se a secco sem molhar os tecidos.
Os senhores negociantes, 'ogislas e particulares eiperaMutem que todus
adiarlo proveito e vantagens.
Tintura preta tercas e sextas-feiras.
i
ATTENCO
lo
rocaeui Bemtica.
Sr. Antonio Francisco Buarte ffueira appa-
recer na rua Direita n. $8, a negocio de seu mte-
tease.
Precisa-se de
na praca da Boa-vista n. i
r
Aluga-se
o Io andar do sobrado da rua dos Martyrios n. 4,
muita fresco e com bstanles conunodoa, assiiu f
coma una casa na rua do Calabonco e ouira na
rua Imperial, c urna lojinha no beceo de Joao
l'.itriota. porfifeco ranito coiatBodo : qts?m pre-
tender dirija-se ao mesmo sobrado n. secundo
andar.
EupresUi-se Jhheiro
sobre jdias de ouro, pra-
ia, irruanles e pairas
preciosas: mi Iravesst
das Croes n. f,
a esta iyp^igrapliia.
andar.
-- Aluga-se para ca preta escrava, fiel, que eozinha, engomma e com-
mem a pretender dirija-se a rua das Cra-
ialagaron prelo daL_
***** m^rn mueaaa de grand l
trada pela de S. Francisco.
Offerece-se pat.a cai:wir e cefcrafceas, kndo
nesta praca, um rapaz de idade 10 annos, o qual
dari prOvas'de saacondocta : quem ffrlisar di-
rija-se a travessa da centala-vlha a. 4,'primei-
ro andar._____________^^^___^^^
CUEA D03 CALLOS.
Ooistando a abaixo assignado, gnro do
ftaado Uente-coronel Jos de S Albu-
qerque Mello Gadelho, qoe o S". Jos
Mara J-'erreijada Cunta, morador na ci-r
dade do Recife, se constitue credor do
mesmo finado, e tendo o abaixo as signado
desde o faliecimento daquelle tenBte-coro-
nel se dirigido ao referido Sr. Ferreira da
nha, para apresentar seos -ttulos, e
serem liquidados, e nao o tendo .feito at
a presente data, declara de coordo com
os mais herdeiros que. nao se responsa-
bilisa por qualquer premio que por ventu-
ra queixa 6 mesmo Sr. exigir talando
exista debito legal, pedindo ao nesmo
tempo a razSo de taniatia demora.
Engenho Mugay de cima, 17 do feve-
reiro de 1869:
Henriqne Olknpio Tavares da Rocha.
ARMAZim PKIIVAHBKIIO
86Eua das Cinco Pontas86
Thomaz Jos de Oliveira & C. avisa aos seus freguezes que foram, tanto dealaora-
refNfcsou de sua viagem Europa no fim ud <
ca >"(tm do centro da propnela, que
zembro prximo passado, ese acha
cearia (vulgo molhados) de bou gneros
d, pezo e medida, nos gneros comprados no seu armazem ; perianto
que ido deixem de Ihe dar a preferencia.
estabelecido com um armazem bem sortido d*pe
e por pregos commodos e garantindo qtaLd.
r-
pede i*tga
AVISO
-
Jleposito eipecial
Pbarmacte m B-rmWntto &'t.
34-----.Kua lar^a do Rosario-----34.
J d Leo^ adotmif traior di masaa
Se atanel do Ahiparo^Cj, roga aos se-
"kM|to.CiCsma masaa, nucirn apre-
iitokpara seren varideados e las-
> deolrodo praso 4e
lias; na
andar,
FRANCA-BRASIL
MR. MERCIER, alfaiate franeez, previne ao respeitavel ptiMico e a seu numewsos fregn
es mje, tenca* transferido sua residencia para a rua do Trapiche n. 7. primeiro andar, ani efiCCMaro
sempre toda a qualidades de fazendas para trajos de homem, e prepara costumes para montara de
senhora. Faz tambem obras para militares epara criados, para as quaqs tem grande sortimMatp c-
botoes simple, eJMt vma -e cera d eonde, (trancos e amarellos. Recebe por tadi s os vapMtt
nkimos Ugernff para hemen, senboras e meninos.
44TII1
0PPBEI810
IGAPROS INDiANOS^
DOCANNABIS INDICA
w' t-PARS<
Todo* oe meioa at hoje preconisados 40i|a aoihma nSo tem sida i
debaixo de (odas as formas, tendo por base a fcMkukma, o estramonio oa opto. Recente* i
riencias feitas em Allemanba, repetidas em Franca e na Inglaterra, tea provado qne oj
indio de Bengala possue as mais notareis proprie-lades para combaier e*u i ,my^^
assim como a toaae nervosa, a insomnia, a tvsica laryngca, a rouqa

JJJ4!UIIIIIIU444 IIIIIIIIH4JUX1



Diario le Pemanibuco Segunda feira 1 de
M
irooil<
1869.
6
.'
L
i '
3S
Grande licfuidacao de miudezas !
ASonso More ira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
IJa i 'ua do Queimado q. uo, resolveu aununciar as mesmas miudezas para que o pu-
blico se certifique do diminuto preco porque, as est venciendo, a saber:
Massos com grampos 25 a .
Pecas de tranca Usa .e caracol a
Sabonetes de todos os presos *
80 160 200 e.....
Abotoaduras para collptes a .
Botlqsde lougapara camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
deira) a.......
Fraseos com agua de Colonia a
320 e........
Garrafa de tinta roxa a. .
Caixas com 100 enveloppes a.
-Mantas de seda para horaem a
Fita de sarja para enfeite de
vestidos por.......
Frascos com oleo para cabello
a 400 e......
Laa para bordar, libra. .
Escovas finas para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e .
Ditas muito finas para fatos
por preco nunca visto 400
00 e. ...... .
1 Veas de babadose cutre meios
a 000 800 e .....
Gravitas de seda de cor a .
I titas pretas a 400 e .
(Jico e renda das Ibas a todo
preco. So a vista faz fe .
Mecas de lita de coz com 10 va-
res a ........
Fundico da Aurora.
Ncstc vasto e*ttkl*|p*nte sampre ae ficoatra
uici completo surtiiumi^a t|ix|e da ri> batid*
se rsd
e fundido, fabricaujL n
de qualqner
recos raz|i.iavi4ii
240
320
ICO
ItjiOOO
400
800
500
800
GOO
600
6^800
320
500
600
1,3000
320
500
500
20 Latas com graxa, duzia a .
40 Coques muito bons com rede so
a rede val......
Helas para homens boa fazenda
a 3.-5000 e......
[.Linlia de marca, caixa com 16
nvellos.......
Latas com banha (familiia), duzia
Frascos cora banha a 320 400 e
Botes para punho fazenda boa
a 80 e....., .
Volta de Aljofre cousa boa a
Fitas para debmmde vestido a
Caixa com agulha france/.a a
Botes de acopara oolete dnzia a
Carlo com allinetes a .
Caixa com perfumaras muito
fina. So a caixa val 10;5000
12:5000.......
Copo com opiata muito tino a
400 e ... .
Meias muito finas para senhora
duzia........
Cartas francezas a 200 e .
Ditas portuguesas a 120 e .
Caixa de 1 inhado gazbranca 50
nefelios. .
Fraseo com tinta a 100 c .
Franja de 13a para sapato (peca)
Papel de peso muito bora
Sapatos de tranca e oulros muitos artigas, que enfadonho- seria mencionar.
JMJA DO QUEMADO N. 55
.P'ACIHA^,.
480
1
46000
240
2*200
500
100
160
500
160
120
100
15000
500
50080
240
200
600
106
1.5000
4,5000
se fjdircan
o dos coofrtilores;
ESTABELECIMENTO EM 1832
SlMliarillia i!e Br
LEGITIMA i; OltlGLNA!.
KM FnJE0%.GR.iKHES
rlstol.
lUil Mlil
Precia-se do uina ama de
Aurora n. 20.
Alug.i-se una luja com
para qualquer negocio no pateo
baix d i Roteado n. 2: a tratar-na
feas junto a mesma.
armario ]
do' Trro
Ama
>.i ra ilo Aniorim n. 39,
para casa de pouca familia.
precisa-sc di uma
Escravo
Precisa-so alugar um oseravo das 8 hu as da
manhaa as o da tarde : na rita da Cruz u. 46*10
andar.
i ____________.i--------------------------1
Ropa-sc pessoa que entrego urna carta
na ra dos Pires n 33, vinda da Babia para oDr.
Luiz Jos Correia Sa. o favor de indicar sua
inorada para ser procurado.
Para a quaresuia
Xa ra estreita do Resario n. 3", sobrada de
nm andar, fazivn-se llores tte todas as qualidde-
para ornamento de i g reja, altar, andores e sepnl
Bhro, inclusive arcos, patinas e rosas e tudo enjau-
lo for concernen te a os sacros actos ; assim como
preparam-se para fora com a maior presteza qual-
juer encommenda neste genero ; cutro afta tam-
be:n se fa/.em llores mimosas proprias para enfei-
tai vestidas, saioles e capacetes de anjos, c inais
barato que em oulra qualqner parle. Xa niesma
venda'o SSSl" &SSL LarenfSos ^'^s coui agua 'de QM verd .M,a a 1,
m.ngo deftnnos; veJasenfeiindas-Ticamente. bur- n,(;ai *""
ladas a ouro. proprias para baptizados, calila* de t^JJ^X^*JS!??*:
llua d<> Quemado t. 49 faja miudezas de Jos de .izevedo
Mata e Sdca connecido por Jos
SigodinJio.
Esl.i queiniando os oajOflo abarco declarados
[K-lo diininulo preco, a saber :
verdadera a i#
llores para meninas e noivas. Alem disto" se en-
Cunibem do preparo de bandejas de bolo finos
DO SANlil E enfeiladas de conformidade ao I tai a que so. desti-
na, quer seja para casamento*, rque para bailes;
fazeni tamben vestidos para a quaresma ou outro
qualqner que se preciar com a maior pramptidao
,, asseio.
II
I
V
0*1
Reata \ cuela um cscolbido sortiinento de ob-
jectos de niarcineria. como sejain, mobilias de Ja-
caranda, inegnocamarelln, obra nacional eestrati-
geira. de apnrado goto o por preco > raioaveis :
ua ra estreita do Rosario n. 'M. Nesta wesma
casa fazem-se com perfei^ao iodos os trabalhos de
palhinha, como sejam, eni|ialbamentos de lastros
para camas, cadeira- [e suplas.
O GRANDE PlIUFICADOR
Esta exceente c admiravel medicina, e
preparada d'uma maneira a mais sci-'iiii-
ca por Chimicos e Droguistas mu i doutos e
d'ima hsIiiiit3(j profunda, tende tido mui-
tos annos de experiencia ao par d'uma lou-
gae laboriosa prati.a.
A sua composiro nao consiste ruin sim-
ple extraed) d'um s artigo; as sim,
eomposta d'extraelos d'um numero de rai-
les, hervas, cascas, e folhas, possuindo to-
cl;csellas, sua virtude especial cu pp1er
ni curar as molestias as quacs Uvin seje
ouessento, no sangue ou nos humores;
e estesdilTcix'iik's extractos vegeles, acbam-
pe por urna tal forma combinados puni
de conservarem em toda a sua forra, o cu-
rativo especial de virtude, tj'ue cada um de
per si. possue. A raz da planta de Salsa-
parrilha, produzida as Flonduras, a Dos usamos nesta prepralo, sendo a cpia-
lidade que todos os mdicos mais prezan qu e oxtraJra bbafel timt viaduuro.
e estimam. Na composico di H:sa- Procos.
|anallha de llristol entra mais de 50
por rento deste concentrado exilado, Ella
nao encerra em si cousa alguma, que .pos-
ta por leve ser perigosa ou injuriosa
Aos 4:000$
Billietes garantidos.
A ra do Crespo n.23 e casas do costme
O abaixo assignado tendo vendido nos
muito felizes bilbctes garantidos um meio n. 3958
com a sorto de 4:000$, 2 quartos n. 100 coin a
norte de 7o0,.'( quartos n. 161t com a sorte de
KMj i' oiitras militas sortea de 100, 40| e
O da lotera que se acabou de extrahir em
o*atelieio da igreja de Nossa Senborada Boa-via-
geni dos Afogados (%) convida aos possuidores a
Tirein receber seis respectivos premios sera os
doscofll das li'is na casa da Fortuna ra do
Crispo ii. 23.
Aeliam-se a venda os da 4" parte da C4 e I
Tliesoun muito linas para unbas e costuras z
MU rs. ---
Tintelms cheios do tima muito prta a 80. 100, 460
e OO rs.
Varat.de franja branca de Bajo para toalhaa a
IDO rs.
aas do pbosphuros de sejpiraiiea a 20, 40 e
160 rs. _
Xavalhas de cabo de marfiru e *e se paraata a
qualidde a 2.
Libra de laa para bordar a 7*.'
Pecas de Gta branca elstica muito superior a 203
e 300 rs.
Xovrllos delinba branca rom 400 jardas aflDrj
Resmas de papel de peso liso maH i l)n i a tXu.
iuf UaUl com superior banha a iK) e tUQ i-
Caixas com st'is irascos de ebeiro muito lino a
800 i s.
Caixa- coindoze fraseos, fazenda s bou-a JfiZOC
e i ,:00.
Fraseos mu sopetr oleo OkHWOM a JXW r.
Calunpas de sabio transpurente muito bonita c 6-
no a 240 .
Duzia de paos de nmada do qoino. da melhor
qualidde a 240 rs.
Pecas de tira- bordadas muito laa* a ROO, )0 e
800 rs.
da 7' lotera a beuolicio da igreja de Nossa So- Ditas de Iwbadinhos com dez varas a 600 rs. ^
nbora do iuadelupe da Cidadc do Ulinda ('./'.) Carrllels de linha de todas as reres, para acaba?
aiOis.
Garratas com agua divina a t-5500.
i Fra-cns rom superior niacaen perilla a 12i r>.
Caixas do viilro com d.ize diilaos. que s a caix."
&A

A aguia branoa tem-se feito tao conbecida e
A'T'ditada, nao sa pelas novidades, variedades, su-
l'erioridade e abundancia de seu sorlimento, como
pela constante conimodidade de seus prec*s, e mes-
mo pelo seu assaz e nunca olvidado agrada e siuce-
ridade.
Essas verdades incontestaveis sao sem duvida
apreciadas pelo bello sexo em particular, e pet
respeitavel publico em peral, e a tanto tem chegado
que estao quasi passando como annexim ou pro-
verbio, quando se v um objecto de elegancia,
posto, novidade, etc., etc., diz-se logo aquclle ob-
jecto sem duvida foi comprado na leja daguia
branca.
Quano no club, nos bailes, ou o sali do
Santa Isabel, urna exeellonlfesinia se aprsenla
garbosamente trajando, trazendo o maderno cinto
e mui larga fita, lisa, chainalotada, ou escosseza,
a* suas admiradoras dizem coinsigo aquella fita
fti comprada na loja d'aguia branca.
Quando outra exeellentissima, nao menos gar-
osa, nioslra o rigor de seu boui gost na acertada
iolha dos eufeites de alta novidade que bella-
nente ornam seu vestido, anda tucano as rivae?
ie sua syrojKtlhia oomBsamqneaquellos eufotles
oraia da loja d'aguia branca.
Quando n'ontra ekcallntisgima, aeezar da sin-
pelleta de seu porte agradavel, se vem as bonitas
uvas de pellica anqueza as suas bellas ami-
gas louvam-lhe o gosto e confessam queaquellas
wvas foram da l*ja d'aguia branca.
Quando mesm duas excellentissimas, antigs
.imigas de collegla, se encontram baquelles loga-
res, depois dos CHinprimentos de recipi-ocos beijos,
ubaas por for?a de si.i elevada delicadeza, gabam
* -i.. -.
urna a outra os agradaveis cheiros de ^ue usam
em seus finos lenc Ihosaspelo elogio do acert de sua escolto, e como
que querendo por si niesma justificar dizem siniul-
taneainent'. verdade que este ebeiro foi compra-
do na loja d'aguia branca.
Aluda mais.
Quando liontcm os pau afllictos sentian o rigor
da denUcao de seu cliaro filuinlio, e hoje alegres e
sattefeitos lelo feliz restabelecinicnto recebem as
visitas dos seus melhor amigos, dizem aquellos
estes, foi Ueus que me iuspiroupara que comnras-
se, conio comproi, um desses virtuosos collares
Rover, que se veudem na loja d'aguia branca.
llena do multo mais que aluda
falta dizer.
Quando em um circulo de circuinspectos carac-
teres se discutir a voracidade de taesdizeres, ajipa-
recer um outro que queira ainda levemente inter-
romper a discussao, os primeims por momento es-
quecerao a circumspeccao e Ihes darao um gra-
cioso debique dizcndo-lhosj sabemos que V.
um daquelles que inclina o chapeo de sol on que
mereca ser designado pela aguia branca da ra
do Queimado n. 8.
tto tantas as eousas que por
urnas eseapam as outras.
Ja ia esquecendoa aguia branea.mas em tempe
lembrou-se para notkiarj que raeebeu urna |>e-
quena quantidade de enfeites para coques e gram-
pos para ditos, tudo feito 'do metal eom lindos e
agradaveis coloridos, obra estas pela primeira vez
apparecidas, o portairto inteira novidade.
Tambem chegaram nevamente delirados enfeites
e flores ornadas de aljofares e vidrilhos, tanto de
palha para coques como para vestidos, e tudo
continua a merecer a apreciacao das excellentissi-
nias conhecedoras do bom.
A Per fumaria Viaotka 6 Ixije mnjto pro:ar4
peta flor da aristocracia, e das elegantes, por
cansa da fabrietco snperior dos prodnetos e-
iiaados aos sos do toueader, e entre os qww
etat creou urna espalida<4c m cada artigo.
Os sens novos rerfumes, preparados eow >
Sismen de Yttngy'ang, *ie elfc obtem meswic
ms irhasHiippins, pela distillnclo do fjiwna
darattntffui, naotememenbama concorTcneia,
bo que d respeiio fineta e savidade do diciro-
pelo aue acoiiselhmos ao publico elegante que
pees como perfome para o lenco.
O EXTRACTO BE YLANCYLASG
0 BOUQli-T fiF. MAN1LI1A
Alen d'esics dois extractos eicepciotues, qo
*5o propriedade exclusiva de sua cas, os'Snr
R (""' V, prriMadttiitoaBl^MltJit>alilt.M
li torios os extractos adopta&ps jie!.
sade; e tanto ueste, como em quasi to-
dos os mais resjieitos, ella iuleiraineute
diversa de todas essas mais prepararles,
as quaes debaixo do nomo du Sa
\h\, san aecundicionadas ou postas em gar-
,j rafas pequeras, sendo recatada em dos*
mui dimiwrtas HJu'mt colhpr de rli por
eatl.t vez. Ns pelo contrario engarrafo-1
bos a iffM
SSfSAPJWOHA 1)K KISTOL
em fi-a*.vs ^-ati*es, e assu put este iwoi),!
ividinies com os consumidores, o craftd1
provei e vantagera atcaagadb por acuelles
quo acondieioiiam sua ptepaiaca ctu gar-
ralas pequeas. Cada uin dos fiascos da
iim-.i alsaparrllliti de Bristol
Itilbcte.....4000
IIOQ.....2A0OO
Quarto.....1000
Em porejao de 100^ para cima.
Bilhele.....3'i00
Meio......I*7o0
Quarto..... 87o
Manoel Marlms Fiuza.
No da 3 do cotTente, depois da audiencia do
saparrt- pr. ^,7 municipal da segunda vara. eseriv5o Mot-
i.i. vai praea um sobrado de um andar sito a
i'iad.i-. Aguas Verdes n. 23 eom duas salas, qna-
tre tfuartos, travejamento para sotan, cozinba fora,
quinfa! espacoso c murado, eacinwa mcieira, em
i-liSa proprms, e que ser arrematarte sol a ba-o
do valor de 8:U0O, vi-lo ler sido para pagamento
lar pericial
rada, e mire os
. Bouqut!.
Perno frese. ,
Por das pr*4ff..
ques citifremes os aegmintes :
I.
Rota mutyosa
DOENCAS das CRIANCAS
X4ROPE de RBANO 10 DADO
QE GRIMAULT E C* PHARWACEUTIGOS EM PARS
Este medicanienio goza em Pans e no mnndo inteiro de urna tama jusiamente merecida, par
achar-se intimamente combinado nelle oiodo eom o sueco das plantas antlscwbaticaa, caa effleacia
bem conhecida e as qnaes j naturalmente existe o iodo. E' com este motivo que elle suppre
eom vanugem o Oleo de figados de Bacalho, que deve, secundo os homens scientifiow. im
i presenta do iodo. E' preciosa no tratamento das eriancu para combater Ivmphasmo
as obstrucedes das
enancas de pouca '{&
landulas do pescoco, e as diversas ernp?5es do rosto, o freqiemes as
lade. Tnico e depurativo ao mesmo terano, elle exeiu appete facilita a
digestio, restrtae aos tecidos a sua firmeza e vigor naturaes.'Ef cada da recatado palo* nediaaa
especialistas paraoombater as diversas affec{5es da pclle. "'" "^
Deposito em Pernambuco, em casa de Haorar O*.
lOl.lllVA MMItl
E' urna Agua adtn*avchparava /*iiet..com-
tituc ella o.vcrUad^irn laUsmauia bclkza, e con-,
sena a.pelle. fresca, f: a tea droslo branca, t.' t
uliima cxpreijio da scicncia. Esta por todo
Eonhecida a sua nicontestavel superiaridade
re as aguas de Colonia, a agua de Florida c o
wagres astmaiicos lir>aior.nineada.
LRO E POlUKi MIHiint
Excellenles preparacoes que se pndem chamar
a Ihisonm do aabetlo, que, eomposta do sub-
tosteias mica o torlieanieg. "mtitlltalfT e^on-
servio o cabello, ao mesmo lempo que lbe com-
munico nm ebeiro snarissino.
Quem comparal tste a*5o -com o''irBe se
venden por ah, fcil menle reconhecora supe-
riodade do nosso. Este torna a cutis muitissimu
raacia, faz urna escuma abundante que fonra nm
verdadeiro banbo de eile, e nada deixa a deeejar
como delicadeza de perfume.
DIMOBIVA
FASTA DEMTIFRIIi
A Dentorina 4 um elixir denlifricio dos ma*
naves : perfuma e refresca agradavelmenle a
boca, fortifica as gengivas, e preserva os denles
da carie.
Esta pasta dmtifrici* fez mna verdade ira re-
volucSo na Perfamara; acabou para sem p re com
as pos e opiatas, qu; sio mais eu menos acido
on perigosos. Basta |ssar urna escova hmida
por cima, para obter nraa mneilagem suave
onctuosa que torna os dente perfettamentt
Teos.
MsssVVl**'a
POS ROSADOS
PreservSo a pclle di rigor dos ventos e do fri,
oomsnnnioio-lbe ama agradavel fraseara, t pra-
venesn as sardas. Sao superiores aos pos e arros
de amldo. Sen perfame delicioso.
Bepcsito en tmmmhico, en eua do S"
jira aceita neto finado bacharel Francisco de Pan-
laCavaieaiUi de Albuquerque, a qual vai a prara
para pegamento de 4>. Anua Amelia Pina, como
lu dado no inventario a que se procedeu por fal-
loimento do coronel Loui neo Cavaleanti de Al-
buquerque, visto que a dita D' Anna nao quer au-
forir maior preco por dita ca o herdeiros do dito coronel daquella que Ihe
OOlleem a OjfSSa qtiatrlidade ifntal porpao devida, nein to iioucoser prejudlcada no caso em
coUtkla naqucUas gnalas ueqw# is, c alen I' eI'a soja inferior ao computo .da referida divi-
disso, possaie ainda muito tuais luna d! ^::ihji neiw nM^ te qnti^k^>
U.4..J .. i lile naja, assim como licara c mi direito a haver
vtrttMfe nv-dtemat do que aqw*a,,pie poi' | te ^rWiros qualqner difforenea que porvenlura
VCRlura se possa UCbar COUnfla dentro de ; laja para seu integral pagamento._________
SS5 gnalas de pequeno lanWnlio. l'or-j ~ZrF?0 aa tnda detofneiro da ma dastfiT-
taulu tuoi natural, que aqu.'ll.'S, llueve ci.eiras n. 34. o menino por nomo Flix, com os
cJiam oceupados om preparar e vender a ^g"''" tanaes: dada de,u a 13 annos, cor
' .. iT..- ,..' Y. ,..,r ,..,,,>,,., 'parda, cabellos caraianbos, ollios grandes, orelhas
(,il,l- piedlfcoes. ,.,1^.11,11,:^ l^l^Mia-. ,,,,,,,.. ,,, ;llifnnstf ;llT:,llL(>< na- estas, pi -
venienle de vadiaedes. pea bem feilos, (lentes po-
ln-, : ii. .ii'-se a qualipier pe.-soa do povo, ou as
aiitoiidad.s polica-'s. a apprelii'iiao doditonie-
^ff*ivani- i "i" f '^jrjn^anesmai-ua _________
-, (inariil inTu- Esfaketecimento fnebre no pateo
^ do Paraizo.
Ag.;. --lando-s a testa deste estalieleeiinento.
onde o publico e os seus amigos o acharan Bem-
pro p-.-ompto para satisfazer suas obrigacoes, visto
como o 8r. Jos Pinto de Magalhaes vendeu o dito
esuibelecment livre c lesotnuaraeado de qtial-
quei' oiiiis. J bem couliecido e lendo gozado a
cooperaba), .vero, ainda por esta vez pedir que o
nao abandonen! : pudendo ser procurado a qual-
qner hora do dia no mesmo esUibelecimeiit e a
Bilosn sua casa na ra (bis Flores u. 19.
vJBpdlnheim a 2 Ditas de madoira eom alunles, o que Na de njc
Ilior a 320 rs.
'Groeas de botes de louca, Itos e Uirdaot a
CO rs.
, Caixas redondas para rpn enlutando tartaruga a
1,5300.
Po s de lita liara eos da mcHior iiuaiidado a
300 rs.
Escoyas para liiupap .lulos, tuenda que s a vis-
ta a SOrs.
Dtlus |iara liuipar unbas de sujicriqr qualiqade a
,>ijo rs.
F>m casa de Tfieod. Clu istiansen, ra do Coro"
quatiade 3"30 alin" dos juros vencidos da mercio n. 16, encontrun-se effeelivamento Uidas
as (|ualidades de vinho Bordeaux Bourgogne do
Rhcno
t.t-^R^%
nujiinurcrq e ^rilTit Slntra os n->s.sos fra^-
'-Tal(V;: |iroc.laiuando. i|ik- a i.ossi Sal-
*:ij9arrulla tlr^Bnll..jiuitpiissBi8 a
#irgquf)
llleliul'
irtinle:
puJ'
'(rtus, ou sfcirpr^me^rHmrerimiHios para
r,l|C0l .aas OMitntVes de n>rlii oes e l'-
tWnHiMos iytthitie, Tr"w recebkic^
^>\4 lodaai.as claabesda sociedade, uo qtun
ptenmineiita att*Bio poder cimUivo \ x-
Uides maravlwisas da nossa.
-fUSAPJWR1L1IA PE BRfSfOf,.
A vaatageme termos S nossos,prtj-
piftos agt-ntes naque lies legare* aodo;as
dtjffereitis raizot;, droga*, hervr s., e plan-
tas dt que se coajpoeiu as twssas ntedioinas.
ptHlu/.ilas>. cer aguelle constante cuidado e disvello na
minuciosa' esutifca ; e o que, a?seura e ga-
ranta .-aaiformiilfcle de excllaicia.
Em quantoqBe, por outro lado, nos nao
nos paupamos uein dinheiro. netn .n-
genctas ; afim de alcancarmos o melhor
e uiMcanieiitt o melhorde cada um artigo
ou npridiente.tfue entra .na sua aunposi-
cao; >' pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva caufianca; que po-
demos. loutaraeiaU dizer aos doentes de to-
das as"flarries, ede todos os pftS, (|ue na
*uKar>.irr!Uk3i de Brillo I posstiem
um remedio mais ecaz e seguro; do que
nenlium outro, qtse vos tenha sido offere-
cido atitoje, oqual por oertu uao hade
niallograr vosas .expectativas, na prompta
e elTertiva caa da* seguinteseufermidades:
0 MUSEO DE MAS
n
02
GOMES DE MATTOS IRMlOS
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com ofim.de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as I]xms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente f ^j
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RUI DO CABUGA N. 4
onde encontraro um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, "rubias e tudo que cmi obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADERECOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, e que devem eauzar um grande effeito nos trages quares- i! |T""^
maes, assim come grande variedade de salvas e paJiteiros de prata con-| pr*
trastada e de gosto ainda nao visto.
Escrfulas,
aliagas antigs,
keras,
Feridas Ulcerosas,
Tialaa,
Svpkilis,oaMal Ve-
nreo
Hu'.'res Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Faraiuio,
Nervosidade,
Debidade Geral,
Febra e Malignas e
Pebre e .Sezes
Biliosas,
j Compram a trocam qualquer joia ou pedra preciosa e garantem
a qualidde dos objecto* veudklos.
&
-.
0 MlJSEOjyOIAS
Tumores
A^jscessos Apostemas,
Eflupces,
Hei-pciS,
Sateagem
Impigens,
Iewa, febres iuteiiilLeiilcs e reroitlentes,
hydropesia e ictericia* etc., ele.
Ontrosim, aclur-se-ba, que para o bom
resultado eperfeilo curativo de tolas aquel-
las enfermidades cima apontadas o adian-
tamento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesmo
tempo das nossas mui valiosa plalas
vegetaes assncaradas 4e Ilrlstel.
tomadas em doses moderadas em connec-
cao ou conjunetamente com a Salsiparrilha;
ellas fazem remover e expedir grandes
quantidades de materia morbificas e hu-
mores viciados que se desprendem e livre-
mente circulam espalhados pelo systema,
isto causado pelo uso da Salsaparrilha; a
por esta forma facilita a votta e o exercicio
normal das operacoes funecionaes,
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
k. Caors, i. da C. Bravo C, P. Maurer
de C, M, A. Barbosa, Bartholomen C.
Vonde-se o grande sitio no becco do Espi-
aheiro, ao chegar a estrada dos AlBictos, frente
murada e di venas obras de pedra. e cal por aca-
bar, bons viveiros com abundante pti.xe, balxa
para capim, boas trras para plantario com ex-
cellenles fructeiras ; para examinar a qualquer
bora, e para aiustar com Joaquim de Oliveira Mel-
lo, na ra da Hora junto ao mesmo becco, ou na
fuadicao da Aurora.
Ama de leite.
com filho
Aluga-se nina ama escrava
a ra da Concordia n. 58.
a tratar
COMPRAS.
Com muito maior vantagem
Compra o Coracao de Ouro, n. 2 D, ra do Cabu-
la, ni-".!.>< de ouro e prata e pedras preciosas.
Coiupra-?e uin molequinlio de 1 a 5 annos
de idade, que nao tenha vicios, e que seja sadio.
a pessoa que tiver e quizer vender dirija-se a esta
typograpliia para tratar.
Couipra-se eseravos.
Lino de Faria & C, na ra do Vigario n. 24, es-
criptorio, 1 andar, compram eseravos de ambos os
sexos, sendo que, raoleques de 14 a 20 annos e bo-
nitas figuras, sei ,io pagos por muito mais dinheiro
do que em outra qualquer parte._______________
Ouro e prata
em moeda e eiu obras inutilisadas, compra-se por
bom preco : na praca da Independencia o. 2.
Na praca da Independencia n. 33, loja de ou-
rives, cornprvaeouro, prata, e pedras preciosas,*
tainliHiise faz qualquer obra de encommenda, e
todo h qmjqner concert.
boje lib;
nacoes
na ra
Compra-se .
esterlinas, ouro e prata de todas as
r maior preco do que em outra parte :
Cadeia do Beeife n. 58, loja de azuleja
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e^dras preciosas por precos mais vantajosos do
qtje em ab'a qualquer parte.
VENDAS.
----r--------------r.-----------:------'----------------------Tr-*
Para familias
Methodo Castilho.
Secuadino Jos de Faria Sn&es, pra essor par-
ticular de instruccao elementar pelo meihodo Cas-
tilho, avisa ao respeitavel publico e com especiali-
dade aos pais de familia, que est aborta sua aula
desde o da 7 de Janeiro, na ra da Penha n. 25,
pryjjeiro andar, aonde recebe pensionistas por
preco commodo : o mesmo professor promette
muito seesmeraj- u,u adiautanicnto de s-;us aluui-
ua, Acha-se abcrio (Jesde o mesmo dia um cur-
so de pruBeiras letras a noute para aquellas pes-
s6as quenao puderem frqueptar dur inte o da
^ Na ra Augusta n. 94rvestem-se anjos para
ludes por conimod*?-preo>, e ud a moda,
Cirande Bazar, ra Xova ns. SO e
9, dcC arneiro Viauiu ti < .
Acaba de cnegar a este estabelecimento
grande porco de machinas para costuras do
autor Wheeier Wson, approvadas na ulti-
ma exposicao de Paris, as quaes cozem com
dous pospontos toda a costura, e tem a
vantagem de ser t3o suave o movimento,
que qualquer crianca de oilo annos fcil-
mente trabalha, e pode, com este ntrete-
cimento, levar vantagem ao servico diario
de trinta costureiras. A comprehensSo
simples, pois em um quarto de hora se fi-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do a niesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar,
franzir, marcar e bordar, como apresentam
os desenhos que acompanham-nas. Os pro?
prietaiios do estabelecimento se encarre-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e
garantem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeico a machina vendida, nao tendo,
porm, soffrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabeleYhHent' machina?
do autor Grpwer & Baker, de trabaIho sim-
plesmente 'mSo, e outras com jnoyimentc
dos ps; 6 mxime todos os pertences da
msmas owcfein^parft vender virise.
Alegrai-vos myopes, e prolivt.is. ia r-c-
deis ver de longe, j podis ver de pe
nSo.-bamaii vistas curias, nem caucadas
F. J. iiermann atiaba defec'ehprpelo ulf-
ino vapor um rico e variado sortimento ci
oculos, lunetas, pince-nez, tac
lorgnons, de ouro, prata, tartaruga, marflm.
ac, bfalo, ncar, unicornio e nelchior,
assim como binculos de unala tres mu-
dancas para tbeatro. campo e marinha da
ultima invenro ; duquesas, vienezas de f)r
8 e i2 vidros, tudo dos melhorcs fabri
tes da Europa.
O mesmo v.ijior irou-
xe urna excelleutes ma-
china para graduar e
obsen'ar, o numero dos
Aidros que se nooessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excelentes ste-
rioscopos, instrumentos de raatheuiate,
barmetros, vidros de chystal de rocha, e
de cores para resguaidar a vista; concerta
todos estes opjectos a precos commodos e
com promplidao; tira o mofo dos vidros e
encarrega-se de toda a encommenua relativa
a ptica.
Receben tambera os excellentes relogios
do antigo e afamado fabricante Robcrt Gertk
& C, os quaes vende precos commodos
garantindo a sua superior qualidde.
TOlMOT
28 = Ruado I&ipera(lor*=2S
$M GROSSO E A VAREJO
Charutos de diversas marcas dos bem
acreditados fabricantes, Costa J nios e
Manoel da Costa Ferreira de (Sao Feliz).
Fariha da tena muito boa, a 4,-$ reis a
sacca.
Miraguaia do Rio Grande do Sul, peixe
seccoile superior qualidde a 6j{i500 a ar-
roba.
Congro e ruivo de Portugal, m barris e
libras.
Camaroes seceos, do Maranho, em libras
. Latas, com peixe era conserva sendo :
Salraora, Lagostas, Ostras e outras muitas
cualidades, a saber: Portuguezes, Inglezes, .
Americanos,JJespanhes, etc., etc.
O Camilos ainda nWi vez, vem ter a
honra de lemorar ao respeitavel publico, as
muito excellentes agurdenles de Lima Pa-
rati, e Tiquira do Maranh5o, por vir-lhe a
idea que se aproxima o tempo invernoso,
e que muito nescessario se torna trazero
estomago qnerrte, e como ^ cha o seu es-
tabelecimento bem prvido dos gneros aci
ma ditos, recommenda um passeio at elle,
onde encontraro os amantes do que
bom bocado, um completo sortimento de
gneros unos, que se tornam recommenda-
veis para urna mesa mais ou menos pro-
vida.
MOIIIIil t
Vende-se orna mobilla de amarello ero bom
uso : quem pretender dirija-se ao Ceceo Larfo
I. ?
n. I. 1 andar.
Laazinhas a 21500 o corte
com 12 covados de bonilos padroes : no araiazein
da estrella largo do Paraizo a. 14.
No trapiche do Guerra, ao Beato, vanaV-se
um braco de batanea grande--Romao cosa pesos,
conchas e correntes.
Labyrinthos do Cer
Chegaram ra do Crespo n. 8, os bem eoabe-
cidos labyrinthos do Cear sendo Undisaimot le-
< proprios para mimo, lindas fronhas proprias
para noivos e riquissinaa loa 1 has proprias para
hansados, cojos objeetne se vandem amito tm
crmta._____
MILHO,! MfOO
a sacca e de tangi a 4AoQO : no aruiazem laXti-
trella, isjtiH) oV> Paraiau o. U-_________
da Cadera do** b.*M *
ra TejBder-se tres portadas ooropte-
Na roa
chapeos, ha
tas do podra"


m



o
Diario de Permui.buco .Segunda tetra i de Mar,;., de 186H

IC
T
Lindos cortes de cassa de cor com barra.c com figurino indicando o molde do vest-
d> pelo baratissimo preco de 3^500 o corte
Ditos de percalia multo modernos com duas saias a.8006 rJs
>;i loja das Columnas da ra do Crespo n. 13 de Atunio Correa de Vasoon
cellos & C.
PRECOCORRENTE' DOS CHAPEOS DESOL" "
Da fabrica de
Rua Nova n. 23,Rua do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapeos de seda tramada, Paragon, de 1G bastes, 28 pollegadas a 16$; 26
pollegadas a 15$, e 24 pollegadas a 145000.
Ditos de seda G. de N. liara, de ac, de 16 bastes, 28 pollegadas a 14>:
de 26 pollegadas a 135 : e 24 pollegadas a tS0OO.
Ditos de seda G. do N. lisa, de ac, de 12 bastes, 28 pollegadas a 124 ; de
26 pollegadas a 114 ; c 24 pollegadas a 10*000.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 bastea, 28 pollegadas a t ; o, 26 pollegadas
a 6.$500.
Por duzia faz-se descont de 15 OjO
Chapeos de sol de panno, debaleia, de & bastes, 21 c 26 pollegadas a 32A
(Descont de 10 0|0).
Ditos de panno, de junco, 8 bastes..
duzia.
a 18->000 a duzia, liquido.
PHOSPHATOdeFERRO
LDE LERAS DOUTOR EM SCIENCIAS.J
INSPECTOR OA ACADEMIA DEPARIZ Etc.!
Dcbaixo da forma d'nm liquido sem sabor,
anlogo t nma agua mineral, csie medica-
mento runc os clcmciilos que constiweni
os ossos e o sangne. E' o mais racional dos
"erruginosos; por e.-.u razio o :m)oj>1 i;;io
os man &nMMtit mdicos do mundo in-
tciro. Convem muuo s meninas de temprame!! i o delicado, cujo dcscnvolvimonto ludia,
js senhoras que nadecem d'eslas dores d'esloinago inloleraveis. damJi pela clilorose,
anemia, mensiruacSo eu leucorrliia, s enancas U una compleivo paluda e delicada, c a
(odas as ncsso.is que tem o sangue empobrecido pelas docncas. Fficucia. rapidez d'acvao,
cara perfeita. sem constipacio de ventre nem accao solire os denles, laes sao as razos que
imperito para qne os senhores mdicos o prescrevo aos scus docnles.
Deposito cm Pernambuco, em casa de Maurer e C.
LOJA DO PASSO
Ra do Crespo n. 7 A. esquina da do
Imperador.
Gros-de-naples-brancos e de ores.
PARA QIARES^I
Gorgor3o "priete.
Setini macan.
Sedas lavn-das.
Mpireantique preto.
Cros-de-nanles
Jlasquine (le gurgurao c de gros-de-na-
ples enfeitado com piTOHA".
Corpinhos de gros-le-naples.
Basquines, capinhas, pvlerinas. iichus,
de crochete de gaiptir, pretos e brincos.
Mantas pretil de blond.
RI(|UissiTnos chales detouqoim.
lteq.uismo9 chafe? de gurgarao de peda
pela o nfsbor neslt? artigo.
Chals ce mirin jicetos com requissimos
bordados e franjado ck retroz.
Chales de mirm bordados sultme,-
aitima moda.
Romeos pretos- com jaldos bordados.
beques fe nwdVeperotsv marfim, samla-
lo e osso, c pretos, para choras.
Mtos de sndalo- para meninas.
CJtapelinas ptvtas.
PAM CASAMIENTOS. RAILES.T\W-
TIWftKl etc. ri".
Lindos cortes do blond-, tomtepdo sttitn,
mantae C grriald.
Reijiissiinos cot'tes dtsds assim como
para covitifos.
Ciingurao branco.
Moircantque branco Hd c verde.
Na leja do P.isso roa do Crespo n. 7 A, esquina da db-Imperador.
Setira branco macau.
Setim, branco, azul, ven le. cor de rosa
e amarcllos.
Pit de seda, branco c prcto.
Cortes de seda com duas saias-
Cnales de gurgurao de seda de res.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
tamisas bardadas .
Fronhas de linho bordadas com primor.
Lencos de candirn de linho bordados.
Riquiswma colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordado, para sol.
Poil de, ciievre de lindas cores.
Alpacas o lindas cores.
Chapelinas t*e palha jda ftalia, assim
oemo de seda.
Knfeiles paraabeca de senlkwa.
Espartilhos- paral senhoras.
Metas de tai a para padre.
Dtas fe I;
Uit;is de sedh lio da Escossr* e-agffRo.
par senhoras meninas.
Lencos de unjrjltfSD.
Fronhas de labjv'mrto.
Hin^s, rendas e g**le*..
Fislmas t:imfrrain de cores, pei^ali"1*.
TASSOIRMOS
Tem para vender pin seus annazens, ali 4e *-
tros, os seguirte* artigos :
Papel para imprimir. ,
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Yinhos em caixas de dozc garrafas
Donrgogno.
Hery.
Madeira.
Hcrtmiage. ....
Cbamblis.
Licor de cunta de Hollanda em caixas de Tin-
te equatro botijilias.
GESSO,
Nos arniiuens de Tasso IrmBas.
Grades de ferro
para janlins, porteiras etc.
Nos armazens de Taaso Irmos
< IIIIIIMIOS Ii: FKHHO
Para serS icos de grandes armanras. para rno-
ver barricas ou caisoes de ura par mHro, lak>|clo
mdico j>recodcl200cadauin.
Fariiiha de trigo de Trieste
Das moflilas marra*Panonia (ver>ladi:ira) F(-
tanae grande sortiinentodas memores mareas de
(arinlias anicricanaS.

A NOVA ESPERANQA
21 = flua do Queimado=2I
para presentes
A Nova EsjH'iincn, ra do Queimado
n. 21 t_'m nm variado sortimento de objec-
tos de gesto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresahindo flMMttes- ricas cajxi-
nhas de bano com finas perfumaras, cos-
lureiros de chagrn, agoftelrtis de ma*ef
perola : assimxpois. qum(aher fazer ran>
linda oflerta, dirigir-se Nova Esperan?*-
na do Queiniudo n. 21.
Cofia re anodinos ellcctro-magneit
eos coi-'iro as convulvtt das
crean cas.
Nlo resta a menor diivida, de qm milito
collares se vendem por Slri intitulados o
verdadeiros de Royer, e eis porque mitos
pais d<; familias n3o crcem (comprar.io-os>
noetfeitopromcttido.o qne s pdem dar.
os verdadeiros; a Nova Esperanza, prsrm
que detesta a falwficaco principalmerrtte nf>
que resneita ao-lfem estar da humanidti fez urna encomrnendsr direrfa destes collares
e garante aos pais db famiFias, qne sfo o
Saceos de arinlia de trigo do **muw ^^^!iSL2S
rrt y ?s tem salvado do Semvei mrommodo arr
las. eiMitros ninKos
dealtaioTiide, istb .g
Wtiffps
u>
O tf
'e)i
'&&!&H&&m&&t
GARSUtAS
COM
de GRIMAULT e?Cf PHAMAcamcos
Estas capsulas, ctffn capa de gluten, conieem o balsamo de copahiba associado .1 esseneia de
Matico (arvore do Peni), e constitnera nm remedio inEallivel contra a gonorrhCa. F.lbs obrio
sem cansar o estomago e no provocao nunca os enjos e nauseas que occasiono as capsulas
ordinarias, tendo a immcnsa vanugem de nao communicar cboiro s otiriaas. E' por estfi mo-
tivos que ellas sio superiores is capsulas de copahiba, cubeba, ele.
neposito'em Perr.ambueo, em casa de: Kanrere c-.
0 roslo e outros muitos objeclos proprios para a estacan, que se venue por inei
) % do que em outra qnalquer parte, assim como ura completo urtmanto do 6a
ts deluxo como seiam sedas de cores de lindos padroes peto dumnuto preco de 2K
por menos
" izen-
:>000
OlAUESMA
. QUARESMA
QUARESMA
FAZEWIIAS PKETAS
Grande sortimento de gros-de-naples por presos ihtelramentp reduze i.s, assim
como basquines de gros-de-naple e grguro preto. ditas de guip
mo
20
das de luxo como sejam
a 2/i;HX) rs. o covado.
Alpacas de lindas cores, lisas e lavradas.
Lazinhas com lislras de seda para 15200 e 1>000 o covado
DiUis de lidos padroes para 500, 700,800 c 900 rs. o covado.
Cambraias brancas de WOOO at 8^000 a peca.
Ditas de cores de lindos padrees de 640 e 800 rs. a tan.
Saias de 13a com bonitas barras.
Bales de cores, brancos e de arcos.
Basquinas de gros-de-naple de 22^000 a 405000.
Gros-de-naples pvetos e Organdiz branco, brilhantinas brancas e de cores.
Espartilhos e entrc-raeios bordados.
Meias finas para senhora e para homem.
Vlm dcstas fazendas tem um completo sortimento de chitas escuras c claras, ma-
dapoes, bramantes, amainados de linho e de algodo, e outras murtas fazendas
que se vendem por preces que s a vista o comprador se poder desengaar que so no
Triumpho poder comprar com economa.
JfcUtA HOMENS.
Bonito sortimento de casemiras prctas e de cores, brins brancos e de cores, camisas
de linho e algoiSo, ciroalas, manjas e gravatas do que lia. mais moderno, chapeos de os!
de seda e alpaca, e outras muitas aeendas que s vista pdero agradar, c manda-se fa-
zer qualquer obra de alfaiate para o que tem nm hubil mestre, tudo por preco que so
encontro no Triumpho! raa do Queimado n. 7.
EPIDEMIAS
O WICOR DE LABARRAOUE um presijrvalive-'jejtrtj tta temps de
epidemias ; cholera, febre amarella, peste, lyiriio, etc. Itevein evilar-se as fal-
sificacSes as quaes sao raaior parte das Teres mal pi-epaiadas, sendo por isso
mais nocivas do que uteis. Deposito em Para, L. FRBltE, lf, ru Jacob.
Duponclicllt; 1! T^-l ;-..' E"> Prnibc. Uaurcr.
Approvaio
ia tcadrnU
i medecina
itParit.
r^POS
S2S.Mr\N
23
Pkmmaceutico
laartad*
ittuimit
i* niieina.
Clie
7tdas novas, chegadas nltimamentc iws- ajina-
zen du Tasso bmios.
Cemento romano
No Cemento hydraralieo 12^
O melbor para.tno que sao obras para a iit, ra-
mo lssmi lament de cauos de esgoto, algroies, de-
posito, Binqocx d'atnia, etc., elr*:: em purciVs de
cincoen barricas s l'ar rednrrrn>nopi'rn>; nos
armazeus de Tasso Irmos.
Cemento Pbrflaml
O i rrd liliii ii 11 manmTOi IIli 111Ti ni i nm do T;wso
Innaos.
Grades de ferro, creas, pqt-
teiras, etc:, etc.
De dir.Tfle*qualdlPs para ffrradosQ> a-
!.m.ics, i'biqirosiiara u.-.linli-i oujardiiis: iiosar-
Bazcns de Tr Irmos.
Brris c@m l>reu
Nos armaz.ns de Ta CANOS DE BASRO
^as
convulces, assim pois prenso, que vs-
nfm a Nova Esperancra ra do Queimadh
n. 21 compraren o saJVa vida, para sen
lill.'iihos, antes que estes sejat acommetti
dos io terrivel mal, quaado eno ser di-
fficifalcancar-se o effeito dscjailo, emboi>
sejam enqirega* os verddeiren collare*
de Bwyer.
Para extiiigiiir a* sanias e
panno
Receten a Nova- Espcraa Qiifinadft n 2l,leitt de posas-,
,ara e.viiguir sarfc c pannos-.
BOISECA DE CERiV
A NV 'isperea a-rua do Oneimsdo n.
21, ;h*- de recetw um completo sorti-
monto o*"lnas bone *>s de ce' de divpr-
sa tamaohos, aendwas maiope*" do som-
primenir.-d'iini covadH ; estas towca tra-
/.ini boniftw coques HSWnas, Sarendo en-
tre ellas aigumas quefallm e outras qu^
' droram di? sorte quefteilmeiit*-])den>ser
na do
tspecia;
As proparages ferruginosas liquidas tem desde muilM annos
cecial aos mdicos, porque ellas obrio mais rpido o seguran*
especial
mereci a approvtcao
seguramente do que as pilulas e
oraue enae ODrao mais rap:
s mais fcilmente toleradas pelos doentes. Os Pos ferro-nanganicos possuem a" inappre-
ciavel vantagem do poder offerecer n'um instante nma agua ferruginwa gazeosa, de %Mo
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e conted* de mais om elemento presioso,
o Manganesc, que sempre se acha no sangne, Junctamante eom O ferro. Bmpregio-s em
todas as molestias que tem por cansa o empobrecimeato d* sangue, assim ceno para vigorar
os temperamentos debis e lymphalioos. A chlorose, tu Perdas brancas, aires d'estotmioo,
a irregularidade ck menstruaco e atnonorrha ou suppressao do menstruo, cedem rpida-
mente a sen emprsgo. Devenios mencionar aqui nm fado netavel, isto qe os doentes cura-
dos pela agua preparada com estes pos esUto muio menos expostos a recadas do que
aqueles qne ferio tratados pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, em casa de Wm e*
F!
TERDADEIRAS
PILULAS de BLANCARD

COM IODMC10 00 FIRMO HMfcftMMMH
APWlOTibDAS PBLA AEJkDBMU DB MTOICINA DI PABI8, TO-
?ossulndo a jHtpriedades do !# el do Urf^tovvm espeeiaknente na AfVCCCOts
escrofulosas, a Tsica no principio, a ftaowMdfrtomperamento-e tambera na eeso *
Falta de c, ahenorrhea,* qu precisa reag sobrk o SAttoK seja penwstitur
lhe a sua riquetti e ahundenei* norraaes, ou para provocar e regular o seu curso peridico.
N. B. 0 iodnreUi d ferro impuro on alterado am Mdicaaente inlW,
irrtente. Como prora de porcia e-de aaibencidede das aiilr t*
lu mumemr*, dere-s exigir nosse Me paaSa^reeil t
ongo Brt, aq i reproiluiiil, qne ni na pr laJaner de o
. rluT. irrdr Ii?ve-a* dMconfiar das fataifleacos.
tthMi^en te* .B*wrri.___narmaenHet, ro* >eeepeHH.4*V eri.
t
Narn.i Nova Je SantaRtU,. naaue^afabri.a d* preparad.!*-, e fazer-se-oprsenle demuit..
alM, ha para rendes; por preco o n-siis iiiodice-jacOCtafiiOi
mv.-I emov rraurezi'g para nTMrarfoi eestio- jrias caini (le tailarwrai)! rap ven-
4 >-<. toda a .|iwliSaalc,siip.;ri#ivs *.dos os que-* "1 ,ln Onf: ;;ii lera ap.aierMlo pela sanolidl .. ^7se t W. r zv na >j
pkkojs- rW Nota a,^rauca
iSVOO piirr." grande" t)e :-l o me jmllciada? Ittoderee* brincos C. sndalo, a-se an-
uaoopor dito*! *e tres qmu-tos* dita. contraro na Nova Esperance*Tua' do
1 ntio por uiiftde 2 e um narro deta. i ^,
5**0 r is por ptoiiHa de i /n\k%ni)m. Vl imadC-. Zl.
tJo*)vellns, "KA-aae canos d* inaior prossura.M' MrJAS tm LA A
I uta se tarso vw. Coin^w* inAioew de 200i A Nova Esperanca a roa do Cinsiman^n
tm i por eet fe descom.-por pmapfe paga- 21. t ab SSratMh&S Vr :l t"M'*'U ""* """'"""'ode metatvle la pm.home e- seimara
|TOoirm.j1>.r ,;;i5lTAAS ,:X0ESTI'B
llJO'iOS irftftOese^ mal terrivel a eoRceatao ftilniirianl;
itera lanYilha^ferrc*ma8eeioe prego*L]e repente teva um mrftidd, 'sta. pn.
arfeos, ninito^wvementes e .*,mspara laM- _^ m d .^^ U;m?(> ih,rec3)(,,
iImjs de cosmhrsem sobradw,.polo-aci asseio el """"*' ""' "?.' .
avisar apasgacoii-de aguas^cfilo a.lar inferior: tonversai RMiica ; f:aKio as- ih.uj- na
aiaesmo onen^o-dtefego, aoprcciM de 30*000aJ vesos msibar e filhos w mais amorgunad'
i."*)." ruilliwm : na ra JfovadV Santa Rita, na.1 ranto : aKWva EspeMra que bsej' pws-
ai-i^arabricat'.nsHban..ecniimr.-.s maiwes de 2005 j,..-...-;, F.rnrreil a Vbier O OOal Ifcf
nv-uo. Pdeme* w as am**ab armarcH mando aanms electr do Tasso lrnise.
Velas (fe Atpannacele venda .luirs para laetr
lemas de carro: noariiiazenntfeTattmlrmfios.
W lulU I
-^ VinlKk d.I\)rtotino snpKHi*r: no ;uinaxea
, de- Tasso Irino.
I) nii un i;1: uoai;ic Gaurtii'i* Vtetvs : noar.'.u-
' zem de Tassclnus.
Esteiras da India
Em i-.is.i il |l India <\: dWMBOs padnM!* s- larguras, por xt li coiniiiodo.

OLEO DE HOGO
DO
Figados frescos de bacal luto
Para cura certa do i Iitlsica, alTeccoes ocrofu-
lo*as, toss-elinmiea. liaipieza dt>s raembrett e-de-
bilidad; .riiil- reeoniiiiind.vso a excellenct. deste
ideo aiada jior ser agradavel no jKiladar.
VENDCrSE
tu
iMi.iiuiai i i e drogara
ni;
RAltTHrtl.OMI-U1 & C
34 = Ra larga do Rosario = 34
Chegaram as novas sementes de bortalica
de todas as qualidades: na ra da Cadeia do
Recite n. 50.
LOJA DO CALLO VIGILANTE '
Eua *> Crespa a. 7
Mandou vir de sua eonta e acabt de re-
ceber pelo ultimo vapor, completo s-oi:trmen-
ot de objecWs de navidade e pltantasi, us
quaes estro resohwk a vontbt: por prwus
nimiamente bavu\os, para assiva animar aos
concurrentes e ao mr-snio tempe dar saluda
ao grande deposito que tem:.-is|oia|a do
Crespo n. 7, toja do Gallo Vigant.
Gollinh.as, punbos e Carajsmhas p;ira se*
nhora, faiendas de gosto e novidad.
Macarthy
o nmeo p_servatiTo para senwibantemal
elles artas-que se ac*: na ]to*oBpe-
ranca-
NAVAUIAS
A Ntw speranc. a ra Queimad"
n. 21 locebtm um sortimento de.- navaifcas
de quawkwlps, e tamaubos especiae* awkn
como a6adores e mattsas para as mesmas.
HachiMos de desrwar algsadi*.
Hoje |a osla reconheeido pie as maclmias de
serrle psa/idican e qut-anun a fibra do ?.Jgodao,
preciso eeorrer a maoiainisino menos spero,
pie pruduzado o mesmo tUfu que aquella, e
facilidadu no trabalho, iu qnerem a fibra da laa.
para qoe et>sa possa obter-nos mercados europeos.
a dilTeresta que lia entra o alfiodo deseamrado
jwr .KjrJasmencionadiismacliiiias, qn> esiao li-
cand(>6iftdeuzo, pelo p.ejuizo que tem eausado,
oodaanttfa Itolandeisa, que nao pu> eorapetir
[xila ii.iiosilade i seotrabaiiio. E' assim pie
alas inachims so tonatiui as mais pro.ras para o'
nosso alfjeiiati, port^w ao par da 'tacilidade el
irtirt|>liilao eonsciv a fibra da laa, pw liiiqi.-i pur
Fitts vestuarios para bapttado, assim! a, qualifieada Eim-pa a par da nveHior 1-1
e-inttudino p n^aminhas ''h-ira, valendo assim entre 10 aironas 20 0/0,
sapatrfiltos e Kmm myi do qW) a r ^^ pe|a machini fc ^^
Vorvfcw Augusto F. de OHveira- 4 C:. ra d
Comn^sries n. 42.
mm
m mm. m mmn m
Attencao
Na rua de Apollo n. 28, nrmazem de assucar. ha
para tender ali-odao di. Babia da aciediada fami-.
i--i d<> lvrti-oso. iliU) liso muito bom, dito Iraacado
d i fabrica de Fernanies Velho.e cal de Lisboa a mais
* |rysipella',_ assim como meias de laa p ira
como tooqninhas,
para o mesmo fim.
Gvande sortimento de bicos. a rendas de
crocit e de omras militas, qualidades. \
Superiores caixas com msicas e aom li-
las, tendo o necesario,para tjostiiras, pyo-
prias para um defecado mimo.
finas cain com testos e sem eltos para |
voltarete.
Aguiltas paja macliias de costura.
Ditas para croch", sendo de aco.Tiwrfim
e oitfras multas qualidad'-s, assim cuino li-j
tilias para o msmfhister.
Finas grinaldas para ne^as.
s iiais barato do que cm outra qualquer parte.
AO BAZAR DA MODA
Rua Nova n. 50, esquina da rua de S. Amaro.
io--**
^s*
Para seuhoras.
COQUES da ultima moda, enfeitados e liso?, gran-
de sortimento.
- CHAPELINAS de palha da Italia, guarnecidas com
delicados e elegantes enfeites brancos c de cores
CHAPEUSINHOS e gorras de velludo e de petift
(alta novidado !)' de palha da Italia, a emti
especial sormento.
CINTOS de cures e pretos, rico sortimeuio
na moda.
FLORES QnaSjBraide sortimento.
r.HlXALDASfcafcbpaaa "I
!-,UsJ;,-,1WVc^ni11-,cu,-ii1,
Para homens.
CAMISAS eom peitos, colarnbos e puah.
bu tino, lisos e bordados, raodB.
AHIKHOSdo IiiIkj e algodo.
IMiO de ditos.
UAVAIAS de todas, as qualidades.
1*)
de li-
CAMISAS bordadas por edmmodos preces. BOTOES para nuWiait; gdarnicSci para r
LENCOS bordados c pom letras, novidade neste. COMENTES d ptq a MJitaeao do onro. lin-
genero j do costo.
LEQUES a emita?ao de marfim, gosto novo e de CHA1iK( )S ,| ,,.)!. de pda, forma a P.olcliil.. qua-
sndalo. |u|ai|,. superior.
C.OLINHAS e punhos, a emitacao de guipure. I Cn.\pEos de seda, dar sol
ENFEITES pretos e de cores para cabera, lindos MK(AS ,|,, npeVibr qualidade.
a Marie Rose, ulti-
moldes.
L'ARNICAO alta novidad !
mmente usada em Pars.
COKPLNIIOS dn gnipure brancos e pretos findos
modelos.
BORNOUS de laa e seda, cores claras, elegante
moda em Paria.
CRLNALDAS de tlore finas.
(PARTILHOS superiores.
MEIAS supe, iores de lio de Escocia.
LUVAS de peliea chegadas pelo ultimo vapor.
ADEREMOS de coral verdadeiro e camafeo, gosto
delicado.
DE PALHA
GUARNICES para vestidos.
TRANCAS para enfeites dfe coques.
BOTOES lisos e com pingentes para vestidos.
CINTOS alta novidad.
KKNGALINHAS linas e chicotes.
1,1 ACTAS aro deanj e (ailiaaga.
Para eraueas.
VESTUARIOS completos para baptisados,
SAPATINHOS de merino o setim enfeitados.
MIIAS le seda a HO de BwOfia.
CHAPEUSINHOS de palha da Italia.
TOUCAS do fil e setim enfeitadas c de chroch.
BCNECAS vestidas, milito bonitas e db
lniuqiiedos.
Perfumarlas linas.
ACl'A FI-0R1DA verdadelra de Murray A Lan-
man Netor-York.
TNICO uiienlal, \ ordadero.
Atl'A DIVINA de p. Coudfay e wperk* 2ua e
- -liria do Colonia
ESTRATOS c esseucias Tuins e de agradavei^ aro-
mas |iara o lenco.
VINAGRES aromtico.' paratoilot.
POS DE ARROZ para ainaciar o pede ; em paco-
ricas ^.;lixl^lla. com anuijlio.
POS superior para limpar os (lentes.
COSMETIOI'ES de Una qualidade.
SAROSETE*, grande fortueat* d*te encra
d/3 sn|iiiior qnalidade.
LEOS de pliilocome. babosa e aoli'iue.
HAMIA lina para os cabellos.
ACl A de flores de laranja.
CRE)1E de sabo para barba.
Caixas prqiaiadas com perfumaras finas.
Hindezas fiuas.
SUPERIORES fitas de rosdenaples de toda
corta ajaagu -ludo preto e de cores, e
gnranro-para clnhi*.
BABADLNHOS e entroineios bordados.
GUARNICES de sede, de euros para enfeites de
vest I
TRANCAS pretas com vidrilhose pingen
BOTOES de cores, brrucds e pret03 com yidrilhos
lisos e com pingantes.
DEDAES^ de madrejierola, de marfim, de

metal.
THESOURAS finas para costura e unhas.
CAIVETES finos com quatro fomas. E muitos
outros artigos de miudezas que se torna enfa-
donho mencionados.
Meias de borracha para quem se
>s que soffrem de rheunatfsmo.
Suspensorios pata homem o meninos.
Finos pentes de tartaruga para coques o
le outras milita,5 calidades e para outros
inisteres. I sr
Dedaes de madreperola, marfim, os.
|(?o, metal, etc^, elt^TjJt;ra rf/ya
1'upaoiQr agna cosmeocome pam4ingir
wbes, ^andt ads mesmos. a sua cor pri-
mitiva. '** *A*i
') sortotwto de fwas perfuijtarias
csfAtcaWtiS/assbn-coml mui-
Tudo se vende por presos bastante commodos,
tas machinas nS 5o novas, pois que fea mit*
!ao adaptadas uu Egypto, aonil. as do serrn-
ain inleiramcute abandonadas, h por isso n'aica-
> daqueUa proxodpneta, senil da qnalidade *)
nossa provinela, obtem hoje-do 10 rrotras.*
mais do qe o nosso : vendem-se a fO&MO
nos armazens de Tasso Irmioe.
Of en de antenrloas
Emeairas R tata; crida eaixa lOOlLb^s;
aos armartus de Tasso^Iruiios.
FUNDICftO DOBOWMflN
Rna lo IIruin n. 5$,
- Machinas de vapor. ^fe
Rodas d'a0!i.
Moendas a canna.
"Baixos de (fernp. batido, londido.
Rodas dentadas, pata moer
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para plirpar acucar,
E outros muitos nlSjectos, c\c. etc.. prtt-
prio para agricultura. rfTrrM
com agna.
Tintura japoneza
i
isto j&,Hr'rM>*>,Cr^^).-7, \9jtt
Tigilmte. forvaofc
Royer elctricos magnotieos cpn-
fVulscs das criancas e para facili-
a donnglo das mesmas, o Glo Vigi-
fimte autigo recebedor d'estes prodigiosos
ijollarcs e contina a ter sempre grande de-
josio, -pua do Crespo n. 7.
llewra elsticas de borracha.
As melhores e excellenles meias elaSti-
qas de borracha contra varizes e erysipellas.
Pharmacia drogada do
Instantnea paratingir os cabellos e a
barba, a 000 o frasco. ^ l
E' a nica ajiprovada e rerojumcd,ada
por4ef-*Klp raconhecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
veniia em casa de Gustavo HeWlin n.
SI. rua da Cadeia n..51.
y ^ 1 Miar *- **n I J f r
^he(jol!aoftBfeii,iQOlito d* ISir>- Mnrftti A
C, rpa do Imperador, um campamento de paz
de primeirn qnalidade; o qual se vandeem partidas
e a retalho por menos proco do que cm outra qual-
parl quer
Barthmomeu i C.
na laga do Rosario34
Manoel lveo Ferrara ft C. tama da.
|loedi n. 5, segundo andar tem para vender
uperiorpota8sa da Russiaembarris e meios
barris c cal de Lisboa da mais nova que ha
o mercado.
Cemento de Portland.
Vende-se no armazem do Vicente Ferrejra
Costa A Filho, na roa da Madre de Dos n. 22,
larris grandes. ___ J A
Na praca da Boa Vista, sobrado n. W, ven-
e-se por mdico pretjo caixas completa-
erramentas e mais utencilios iiecessanos
a factura le Dores de cera.

PKKHAHADOS f.tUU CiUVOM-Vt TICO
Joaqute de Ateeiit
riuto.
As preponadles d Jmatebn sao
boje vaiktijsiimente oabeaidas e
preconisaJas pelos us babeis me-
f lieos, taotn daJiunuta como do paiz,
pela sua eficacia oos rasos re ane-
I mia, chnvtose, hjdtoposia, obstrue^
i gao do abdoiiu'tu e tambem as to
^ menstmafo dificU, catharro na bo.
I xiga, etc.
Vcodem-se em porc3o e a. leta-
| Iho, nacidado jo ecif^. phariaacia
^ de seu ciiipositoi', roa* Larga. Jo
ag Rosario n. 10, junto ao quaebdi dio
S poitcia,
XAWWE DE FEPEGtiWSdr
I'.' de urna eflicaifcterdadeiramen-
i mai-aviiliosa covo calmaste do
sysiema nervoso applicado con-
i pofalisia, astfania, tosse con-
vul.sa ou roqueluche, tosses recen-, j
tes ouantigas,suffocac&es, catharros
bronebicos etc. e em geral contra
todos os solrimentos das viaS res
plrntoj i.'is, e na pbtysica pulmonar,
l sua virnide nnita. o ttano ou ej
i mos, convulcpws incoles
s ningtiein ba que. a. deaconlie
Dcpnratvw dio samme
Usado as moJeslias de pbye,
impigesv doivs rlieumaticaiaoiSt
MM venreas.
0 tiH'o deposito (lestes mciWl-
mMlos na botica do l,into,"rmwib
Rosario Larga n. 10 junio i
le de polica.
de cliegar os saquetes de &%& S^
lcafaio
Para curar as molestias da pello, tacs co-
mo impiugens, drteos, sarnas, comieboes
e mais molestias de pello sem occasionar
accidentes; desfaz as manchas do corpo,
pannofi 3 sardas, restabelece a rr natural
quanlo cutis, seca, grossa, amarellcnta,
mod
cont
Deposito
polica, a. iO.
a enfermidade, e co-
.tKo'dasmolestliB
0 Plnt-), junto ao panel de
I
de polica.
- arta
I!
de llailio em Fmrtm
Vond-se na loja de ferrufens de Thoniax
nandes da Cunha, na rna da Udea n. 44, preeo
coBimodo ____________________.
Farello
No lartf do Paraizo n. 30 coatiaua-se a uanta

<*
I
L


Diario de Pernambuco Segunda feira 1 de Mun-o de 1869.
i-
k
A DINHEIRO NA LQJA FMMAZEM
DO

DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
.n;o fl fliltiV..
. OC _>_1VH
O proprietario d'este esUibelecnenW%)nvida ao rcspcitavel publico desta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que lera de lamidas, tanto da moda como
de lei, a ns pessoas que negocian* m pequea escalla, mat d placa como do matto-
uesta casa podero azer o* seu sortimentos em pequeas e grandes porcoes, venden-
do-se-lhes pelos precos. qtw se compram as casas ingieras ; assim como as cxcellentis,
simas familias, poder mandar buscar as amostras de todhs as farefvdas, ou mandare-
mos levar ejtsuas'casas pelos aosss caixeiros.'parao que acha-se este cstabelecimcn-
to aberto oonatautemonte desde s horas a raanhaa as 9 da qoute.
O atoalhado do Pavao. XS CAMBRAJAS DO PAVAO
Vedem-se ui6^flu pecs de cawbraias
feas transparentes tanto inglezas como suis-
sas-tendo oais 4e vara de largura, pelos
preoos de 5,j0Q0 at tOfJOOO a poca, assim
fio (inissiiaes organdjs bratwo Hso serve para vestidos de bailes, por ser maito
transparente a ifjOOO, a vara, na le do
'Pavao na da Imperatriz n. Gd, de FeHx Pe-
reira da Suva, ir
Alpacsla vrjnla
Chegaram pelo Itiuio vapor as mais mo-
dernas -alpacas lavradas com as mais lindan
coi es,-que se veadem a 4^000, ooovade,
ditas lisas tende tamben cor de canna a
800 fs, ditas mesclad ntuito finos a 1:200,
o covado, a outras muitas fazendas de gosto
e moda que se venden mais barato do!
que cm outra^ualquer parle, no armazem,
do Vavio.'i-ua da Iiaperatriz n. 60. de Felix:
Percha da Silva.
H-__as para h Vendem-se supriores pautte de panno
sebreoasaeos forrados le alpaca-e de seda,
tamisas ioglezas -e fraaceaas coia os peito6
de csguo, ceroulasfrancezasde liahoeal-
godo, meias cruas inglesas superiores, ca-
misas de flanella e de moia de 15a, assim
como nesteestabeledmeuto existe-em ponte
sortimonto^epanuosipreU)!;, o de easemirHS
foetts decores, .e que se manda fazer
Vende-se superior atoalhado de algodto
com 8 fuimos de largara, adamascado ai
23200 a vara; dito de buho fazeada multo
superior a 3_00 a vara ; guardanapos de
nhodamascados a 4#B0 a dnzia e muito
anos a 8Q00, e ditos econmicos a 3550>
a dtezia.
Crochs para cadeiras lo Ja do
Favo
Chegar__ _t ou guarda bantras, propios para Ga-
feiras tan d'encost, como de balanco _
le guarnicSio, e eutros comandos para so-
f, asswa-como itos redondos para mesas
redondas, ditos pequeos para almofadas, e
_tos para cobmr presentes,tendopequeos
-ate'para cobrir um prato, que se veadem
por preeo inufco em conta, na loja e arma-
zem do PavSo na da Imperatriz n. 00, de
Flix Pereira da Silva.
FwMtes y ara vertidos bra<-oa
__>.
Vendem-se os mais modernos fustSes bran-
cos-'lexiveis com padrees de listas e de
sdicos propries para vestidos e ronpas de
neniio adiOrs. o covado, na'leja e arma-
zem do PavSo ra da _upcratri_i. 60, de
F_ix Pereira da Silva.
Cirosdeaaples
Chegou,para a loja da Pavo pelo ultimojquaiqucroi^a a contento dos Sps. fregue-
arpor um grande siatimento dos melhoresj zeS) e promette-se-lhes que setfeo servidos
gMadeoaplBS pretor e de cores,- tendo verde |Com a in-m- promptido e muito mais ba-
umbem, que se veadem mais barato qae
& otra qualquer jurte.
ECHIXH.Y EM .iLG#BOSIM10 A -->500
-A-PECA NA IAKK DO rAV.V*>.
Vendeos" superiores pecas de algodosi-
*3 com^O jardas a /vS.'iOO a peca, gran-
de pechiacba, narua <1a Imperatoe n. ftO
jrmazem te Flix Pereira da Silva.
BABAD1NHOS
^emlem-se finissimos babadinlws, t'uafi
bardada e entreraeios, mais baratos do qae j Pereira da-Suva.
-m outraqnalquer parte, assim como espar- -
lhos.dosmais moderaos, ne arm?izem de^reonc pard wsiyj
eiix Perea da Silva, ra da -iMperatrj j>alHOsae brcguraaji,
n. 80. Acaba de-chegar esta nova o emoliente
| > y rvt i minr j fazenda faram propria f ara lentos de un
ALIA Hl/yiUAUlL i s panno, garantindo-se que um tietro e
LOJA DO PAVAO ,uma quarta -ou um me*o e meio #d um
rato do que om oulra qualquer parle
na ra da ImperatriK n. G0,de Rlix Perei-
ra da Silva.
Cortlaados
Para cantas e janellas.
Venderse um graade sortimeafta dos me-
lliores c iwrn cortinados bordados pro-
priosparacimase \un janellas,qae se vea-
dem a 124000 rs. cada par at 000 rs,
isto na ra da Imperatriz n.'CO, *le Flix
PECHEVCHAS
Novamente chegadas ao armazem
PAREDES PORTO
(rande liquidaqao.
| a proprioUfrio dMrrtlga eiicn conhecida
loja de mindezas dej.imnada Heja Flor
Admirem!
MadapolSes finos a 3(5(i U, U e U rs.,
s no annazem do Leao.
Clutas oscuras de padroes lindoe^Kir pra-
to de 320 e 300 rs. o covado.
Cassas.de cores com palminhas o com
listas de diversos padree a 2*0 e 8*> rs.
LazirdiascinzontaB e cor de boaina a
320 o covado.
-Chitas claras miudinbas a 320 e 300.
Alpacas pretas e de cores udas proprias
para sesudos a 680, WOe 800 rs.
Pecas de cambraia transparentes a Ifl,
H e 63. Por este preco adtaira a todos 1
Cortes de caseaiiras de qaadrinho* q lis-
tas a 24800 e 5HL
Lencos bordados a $, 3< e 123300.
Ricos e bem escolhidos gostos de^ bis-
marks para calcas e paletots a 23300 o
corte.
Tambem tem para acabar pecas de pan-
no de Imho, com 27 varas, a IH e 18d.
Toalbas de linho para rosto a 103 a du-
zia.
Aos Srs. armadores de enterros.
Veadem-se pecas de bollanda preta com
40 covados a 53 : na ra da Imperalrtz n.
48 52, junto a padaria franceza, loja do
Lelo.
Attencao i roapas feitas! t no armazem
de Le5o, roa da Imperatrie ns. 48 e 52.
Assim como temos um grande, completo
Ocordeiro previdente
Kna do <|elmadi> n. I.
Novo e variadi 'lliraarias | ra do'Oueiniadi) n. G3, qn re d< a
finas, C ^HV*!' com o soi timento de miidezas que existo.
Alin do completo snrtimento de perlu- tem deliberado proceder a urna compl
arias, de que eitectfvameni i prvida a qUda(:0> para () (m. c|)ama a attencie de to-
dos.
Os objeclos serio vendidos por m^tadede
sea valor, epara que a publico o3p upyo-
nlu, que o prescutu aoMpcio e urna illu
oproprietarioda dita loja olcrece urna pe-
quea lista de alyuinasmiude/es. com os seos
diminutos piceoscomo abaixo se ver;
nao apreseiitaiido una lista completa deii>
dos os objeclos que eslo expostos a yepda,
pela ratcao de se tornar um aimuncio muito
extenso e por-consequencia de enfadpojia l< >
tura, por isso apenas lemita-se as seguint.
332O0.
es eeni
10
-Gurguro Ae seda
CLegaram^elo ultimo vapor os mais bo-
.tos gurgurSes de seda., proprios-para vos-
idoa, sendo usos e lavra'inhos, com muito
iistra garantindo-se que a l'azenda mais
inda e de mais phantasia que esteanno tem
hega-lo a este mercado, e vende-se por
preco muito racoavel, na naa da Imperatriz
o. 60, Ae Flix Pereira da Silva.
(ftOBDENAPOLES-PRETO A QUATRO
PATACAS S O PAVAO.
Veade-se gcoadeaapoles prelo de boa
nialidade pelo barato preeo -de 13280 o co-
ado, s6 na loja e armazem rfo Pavao, ra
la bnpei'alriz a. 60 de Feliz Pereira da
-Silva.
CAMBRAIA BRANCA A 83500.
Vende-se peras -de cambraia branca
i
Coipinhos feraacos para senhora a 3fl e Variado sortneoto de oupas feitas: pa-
jletots saceos, sobrecasacos, fraques, jaque-
toes, calcas, cohetes, camisas, ceroulas,
irecniuciia. chapeos ec., tado por procos que admira!
Owte.s de eassineta de cores para calcas-e Tem laabem um sortimento de roupas
pdleiots a \$m. ordinaffas por preco barassano.
Cassineta de cores ooti umpcqaeao no- \ me de mofea 400 re. o covado. | sortimento de damascos de cores, sendo
Espartilbos muito finos a 4#560, H e azu, amareltoe cor de caf etc., que se
:&3500 vende por preco commodo.
Ne armazem do Leo, rea da Imperatriz ns. 48 e 52, junto a loja de oorives
padaria franceza.____________________ _______ _____
"FAZENDAS PRETAS
PARA A QUARESfflA
aicto porto a c.
Una do ttnninado n. II
Receberam directamente da Europa as mais saperiores fazendas pretas epe-
ciaes 'i-a aqsaresma, as quaes sto vendendo pelos mais mdicos presos em vista
ja -sujeror qutidade de ditas faaeudae.
JlITA -ftlVIDABE
Rasqinos pretas de-rauda, verdadeira novidade, para senhora.
GorgBi-o prato de seda liso e cem listas assetinadas para vestidos.
Grosdanaples-^s-elo largo estreite de diversas quadades bavendo ueste ge-
nero o Basquines de croch.pretor, ditos 4e seda preta com cintos delicadamente en-
leitados, elegantes peplums de -seda prata, chos pretas de renda, modernas capinhas
acetas de renda <; superioras vestidos de gorguro preto bordados.
A loja n. 11 da ra do-Oueimado tem sempre o melhor sortimento de tapetes,
alcatifas*
Esleirs da India para forrar salas.
escltenlo lencol de um s panno, assim
tomo esta boa fazenda tambem _uito
propria para, toalbas de;_ie_i, roste etc. e
outros myatereo e vende-ej pelo baressi-]
_.) prego de 2r atla metaj.
_OCAMBIQL_i_BA VSMDO A 508 S.
<_gon para a4oja doPaSd um elegante
sortimento dos mais bonitos inocambiques
praprios para vestidos com _; cores mais
modernas e que se vender pelo baratoj
preee de 500 rs. o covado.
ALPACAO DE C_HD_OP_RA -VESTIDO A I
Chegou esta nova 'azenda cen o nome
de alpaco, sendo de oordao e com mais
largura do que a alpaca, cora as mais lm las
cores, como sejam Bismark, lyrio., perolas,
UWSpareate. Vom 8e meia varas pelo ba- i, cor de rann, magenta etc. e vende-
rato preco de 3*300, ditas muito finas tanto se pelo baratiss.mo proco de 10 o _pvado,
tapadas omotransparentes 4,5500, 5>000,
J5500, 7;)000 e 8:>000, assim como organ-
li muito fino tanto lizo, como de listas e
juadros a loja e armazem do Pavao ra
la Imperatriz n. 00 de Flix Pereira da
silva.
ALPACAS LAVRADAS TPARA LUCTO.
Vende-se na loja do PavSo, as mais mo-
lernas ateaeas lavradas para lucto, sendo
inuitolarg'asepelo barato preco deSOOrs. o
ovado, *i na loja e armazem do Pavo, raa
la Imp_*atriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
*S DEZ MIL VARAS DE CAMBRAIASFRAN-
CEZVSSNA LOJA DO PAVO A 560
RS. 0 METRO.
Vei'.de-se iinUsimas cambiaias francezas
om 43s mais delicados padroes, tanto mia-
dos como grados, e com as cores mais no-
vas que tem viudo no mercado pelo bara-
fissimo prec<) deSOOrs. o metro^arantimlo
que 7 metros do um vestido'para qual-
quer senliora, c que em outra qualquer loja
uo se ^encontrar a mosma faze__i por
igual pra^), o sim s na loja e armazem de
Pavao, raa da Imperatriz n. 60 de Flix
Pereira da Silva.
Caeafiig!e--s a 14 rs o metro
Vende-se urna grande poroo de bonitas
as-as inglezastanto graudascomo miudi-
ah-s e de cores ixas pelo barato preco de
O rs. ometro.gareHlmdo-se que 7 metros,
dao um vestido para qualquer Sra. s na
toja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Pelix Pei'eira da Silva.
ROMEUJAS PARA QUARfiSMA A tfi,
Cliegraia as mais bonitas e modernas
rcmeiras pretas de guipure, que se vendem
peij baiatissimo preco de IQft -cada urna.
SOBRECASACOS PARA A QL'AKE__A A IW BI
m.
Yendc-se um glande sortimento de so-
brecasaeps c palitos sobrecasacadqs de fi-
nissimj panno preto pelo baratissimo preco
de IjBjl, sendo forrados de alpaca, e por
_03, todos forrados de seda, grande pe-
chincha, principalmente por esarmos na
quaresma, assim como, tambera se vende
um grande sortimento de calcas e coletles
de casimira preta que se vende muito mais
barato do que em outra qualquer parte.
ESGUIAO DE LINHO DE 12 JARDAS A 103.
Vende-se pecas de esguSo de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada peca, a
103000.
Foil de chevre a I .*< eovado
Vende-se poil de Chevre muito largo com
as melhoresc mais modernas cures pelo
barato prccx> de l.>000 o covado. na loja e
armazem do Pavo, ra da Impera) riz n. (50
do Flix Pereira da Silva.
VALGR THERAPF.UTICO
DO
XAROPE OE QUINA FERRUGINOSO
AE 6RIMMLT E COMP.
___mae_iti_a _. A. o pri_eip Vapoleko, em Parii.
A _6O0S do ferro e Ja (juina resalveo um dos mais importantes problemas da pharmacia,
e faz ora que se coogratulam os mdicos dos relevantes servidos que hes presta esta pre-
paraco. .
Com effeto. ninguetn ignora que a quina, em mateira medical, o o melhor tnico que se
possa emprear, sendo, sobrenado, uliiio ao. Phosphaio de ferro, a mais estimada das pre-
parares ferruginosas, f os que entrera ca sua composico o ferro, elemento do sangue, e o
phosphato, principio dos ossos.
For isso, juigamos que, para os srs mdicos, serao interessantes as observacoes feitas pelos
scus collegas, s mais distinelos de Paris :
_sU> Xarope prodnz os mais felizes resultados nos casos de dyspepsia, chlorosis,
< amenorrhea, beaiorrhag_3, leucorrheas, fcbrestyphoidas, diabtes, e quando precisa
s resubclccer as lorcas dos -ocntes e restituir ao corpo as forjas alteradas ou perdidas, i
ARNAL, medico de S. M. o Imperador.
urna das raras eo!iibin.i.,Qc que, ao mesrao tempo, satisfazem o medico e o doente. Em
quanto a mim, eu a considero cono a mais eflicaz prcparacSo ferruginosa, cujo uso dos
mais agradaveis para os doenioe.
C1ENAVE, medico de hospital Saint-Louis, em Paris.
m Com est preparaeJo d'uma fnn agradavel, e fcil de digerir, administra-se aos
doeotes dois _edicamenios importaiHes.
CBARHIElt, chefe i& cliuka da Faculdade de Parit.
En emprego cem o maior xito Xarope do Quina ferruginoso, c o considero como
a tuna das mai6 felizes innovares, ua mateira medical.
CHASSAIGNAC, cirurgio em chefe do hospital Lariboisire.
Este medicamento, sempre be_ aceito pelos doeutes, deo-me consunlemente os mais
vantaiosos resultados.
HERVEZ DE CHEG01N, membro da Academia de medicina.
A limpidez d'esta preparacSo, o seu gosto agradavel, isento de qnalquer sabor de
i ferro, _em d'ella um medicamealo tao efficaz como agradavel.
MONOD, addido Faculdade de medicina.
Deposito em Pernambuco, em casa de e C.
manas, _e eme eiieeiivamenic esia proviua a
loja do Cordiro PrviOentc; olla acaba de
receber um outro sortimento (pie se toma
notvel pela variodade de objetos, superiori-
dado, anualidades c commodrdades de pro-
cos; assim, pois, o Cordiro Previdente pede
espera continuar a merecer a apretiaco
do respeitavel publico i;m geral e de sua
boa freguezia m particular, nao se afas-
tando elle de sua liem fmhedda mansidao
e barateza. Em' dita loja en^ntriirSo os
apreciadores do bom:
Agua divina de ?.. Coudray.
Dita verdadeira de JliTrfy iLamman.
Dita de Colognc ingleza, amcricarla, Iran-
ceza, todas dos thiortS e Hti acreditados
fabricantes. ; .
Dita balsmica dentiiftoia.
Dita de flor de lurangeiraa.
Dita dos Alpes, e violte para toilet.
Elixir odontalgico paia conservacao do
asseio da bocea.
Cosmeliques de superior oualidade e cha-
rpa agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina pai a cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
eoutras quididades.
Finos extractos ingleses, americanos c
francezes em frascos simples o enfeitados. _
Essencia imperial do linoe agradavel chei-
ro de violeta. ,
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finos e agradareis.
Oleo pbilocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, cm frascos de dif-
ferentes tamanhos.
Sabonetes em barias, maiores e menores
pata utos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos milito finos em cafxmha para barba.
Caixiuhas com bonitos sabonetes imitando
finetas.
Ditas de madeira inveinisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
SCIlt-'S.
Ditas d papclo igualmente bonitas, U-.m-
bem de perfumaris linas.
Bonito vasos de meta] coloridos, e de
moldes novos e elegantes, om pv> de arrfz
e boueea.
Especial p de airuz sem composirode
cheiro, e por isso o mais propino para crian-
cas.
Opiata ngleza e franceza para dentM,
Pos ile campliora e outras dillerentis
ipialidades tambem para denles.
Tnico oriental de Kdiips
Aluda uais oques.
Um outro sortimeiitos de coques de no-
vos e bonitos moldes com filete de vidrillios.
e alguns d'elles ornatlos do llores e litas,
estSo todos expostos apreeiaeao dequem
os pretenda comprar.
GOLLIMIAS E PUXI10S BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeieao.
Firellas c Otas para cintos.
Cello e variado sortimento do laes ohjec-
tos, licando a boa escolha angosto do com-
prador.
FLORES FINAS
0 que de melhor |epdoencontraraess*
genero, sobresaliindo os delgados ramos
orvalhados para coques.
Para vi:u:<*m.
Bolsas de tapete e-vni'iras dee*)Ur, por
procos commodos.
Chapelinas de palba da Italia mtii bem
enfeitadas, e enfeites de_ores obr de bom
gosto.
E assim muitos-outros bjectos que se-
rie presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a ra do Ouximado
n. lo.
ENFEITES DE.PAL1IA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS e coqi:i<:>.
0 Cordeiro Previdente u do Queima-
do n. 10 acaba de receber um
ment de trancas de pallia para enfeites de
Caixa de envelops de cores. .
Ditas de. euvelopes cum taija.
|>reta........
Ditas de envelopes blancos gran-
des.........
Ditas de envelopes grandes e pe-
queos. .......
Libra de la para bordar, surtida
Duzia de cartijes de corchete ti an-
cezoseom l pares cada ca tao
Dita de collieres de metal prin-
cipe para sopa.....
Dita de ditas para cha. .
Cencha (Je metal principe para ti-
rar assucar. ,.....
Domadura para collete.
Pares de tovas de lio ta escocia
branca e de cores para homem.
Ditas ile ditas para senhora. .
l'ita para sinto de senhora. -
Patea de sapatinhos de casimira,
boidados.......
Pecas de cacurilha de la. .
Escova fnu para impar trabas.
Ditas de ditas. ....-
I Pente preto de barba. .
I Caixa com anparelbo de chumbo
a iO, \yim e. .
Boneca de cera a loOUO, 1400,
:i>00. 'i:)0O0 e.....
Appaiiho de peiceUna para al-
moco e jaiiiur......
Jogo de Vispora......
Caixa com papel blanco e de co-
re~.........
Infladores para vestido. .
QUpU de liliha de marca encar-
nada c azul.......
Sapatinhos de laa para meninos.
''"as. .....
600
MO
'., 700
000
5^000
seo
U800
_#M"^
600
:,' i
600
. .000
8 UOO
300
300
:kkj

^OCKI
0OGO
9C)
760
60
40A
800
m
Bareges a 400 rs.
Hna loja do PavSo
lem as mais bonita* bareges Ira
:, pi-"tpr_tpaM vesti'los eoni li-,trinhag a
ALTA NOVIDADE
A
Loja do Pavao. *
GLRGUROES PARA VESTIDOS A I -)000,
O COVADO.
Chegaram os mais modernos gurgurOcs
' para vestidos, sendo de todas as cores, como
So vm ?,pMMtaefv v-sti.ios mi listrinhu a imita- ejam \eide, azul, ro_, mmMW^puoia.
;3o de^iSHa **ia. TCndm-se pelo barata rxo & tendo qua_qualroD_mu.de lar-
^rei do um.cruzado cada um covado, unicamen- gura O vende-se pelo baratissimo preco
te na loja o rmaacm do Pavio, ra da Impera- j,, J.UXK), cada CO vado nicamente lio art
tris ..', IWK Poroira da Silva ^^ de Fe,x perera ^ silv3) na rua d3
GroMle-aples preto I toperajS 60.
\rende-se um grande sortimento dos me-
bores grosdenaple prets, tanto lar-1 Brins para calca na i.oja i>o pavo.
gos como eeti-eitos, sendo de 2,5000 rs. o' Vende-se os mais modernos e memores
vivado at _$O0O. rs. garanlindo-se que brins de !inho|de todas as cores, outros com
n'este genero ntoguem tem melhor fazenda e listas do lado, garantindo-se seren de linln
que se vende mai* barato do que em outra puro e vende-se por procos muito em con-
quaUpier parte, na rua da Imperatriz n. 00, ta no armazem de Flix Pereira da Silva,
1. 13._U __..._;__ ,1 l wtJv ril_ il-i ImniiMh'l'; n __ _
de Pex Pereira da Silva.
chita
\kdm-se as nieiiores chitas escuras para
^asti sendo de cores aa P1^ bai-atos
prejos de 320 e 300 rs. o covado, ditas
muito finas francezas sendo ciaras, com pa-
droes de cassa a 360 o 400 rs, pechmcha,
m na da Imperaiz n. 00, armaze^I '-..
Jh Pereira da Silva.
rua da Imperatriz n. 60.
RETALrtOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVAO.
Vende-se urna grande quantidade de re-
tadlos de chitas e cassas pietas por preco
muito barato, e quanto maior for a poirao
que o fregu comprar, mala barato se Ihe>
vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva,
Ippnnjte
_ icitma
_ a_eau
e Paris
ElLULAS
flffllTO-FEBf
deBURINdBUISSOn
Piaraueeuli*
lurtail
_
__il
0 traiamento das afeci;6escblorotic_, lymphaticas ou escrophulosas sempre lentis-
simo, e muitas vezes essas molestias resistem preparaedes ferruginosas ordinarias. As
indagacoes feitas pelos professores Uannon de Bnixelias, Gcnsoul e Petrequin de Lylo e
Berzelius e Trousseau de Pars, tem provado que a causa d'essa persistencia era a completa
ausencia do Hanasese, elemento que sempre deve-se achar no sangue junctamente com
o ferro. Estas pilulas supprem, pois, na larrapetica urna falta importante, e por este
motivo ellas tem merecido a approvacso da Academia de Hedecina e das principaes socie-
ttencao.
Vende-se cutente para esta praja nni.a&Qii-
n!ia de \i araos c nina iicprntta d ."i atino--. .
tratar ruado Pilar n. tii primeiro andar.
Atteucao
Vende-se a labenia d_ Cinco Puntas n. 93,
beo aeraidibila, arraso,_a _g_n_(a, e i
conunodos para familia.
ESGRAVGS FGIDOS.
vestidos, outras para chapos, coques etc.
tudo isto esta sendo __didoe__ a sua bem
conhecida comraodidade de presos.
ALE.M D'AOJJELLES.
Receben outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de galloes de laa, babadinhos de
cambraia com bordados de c>'ire?,oua v;t-
riedade de gostos os tonum r-vonimenda-
dos e apreciados; compaiwo pois os pre-
tendentes que seria servidos a contento.
TAO BB_ RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepuro.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para lionien
como para senhoras, constantemenie acham-
se a venda na loja do Gordeiro Previdente :
a rua do Queimado n. I_
Uoga-se as mtur__es pi.iiciaes e rpita'
de campo a apnrl_i_:> do escntvo Aututiw. par-
do, de idade prnicn mala ou nienosde '22 an_ ,
pora harta, e#t.lmia refutar, ebrio do earp ,
oHins regorares, lesta iMsItiusa, _Nriz_Uado, bocc:
regular, Uiiou e p_ ;r.indes, faliellikereso t, !' i
unta eicairiz u:i testa proveniente d'uiu golpe ,
muito prosista e astuto, e costmna taeiucar-:
\[\f levuii \. t Je lijodaosinlio brac-
eo, c:;lca preta, ehapo de bott votho .' fwm j
oapttirar leve-o a luja da Boa Pmui a roa
Queimado n. :>.'>. t\ i umpeiisado.
O abaixo a3gna*iu reconimeuda a capn \
di) son escravo de nume Joaquim, muJato, fu^-i'
do sen silio do Onteiro, emprado aos ser-
nos os Sis. Joao Oone.iives da Suva. Vieenle i
valeanli de Allmi|uen|iie e Alexandre Gomes d i
Silva, nesla eidaile, por intermedio de seas pi
curadores na pssoa do Sr. Manoel Francfccoli
valeanli, lodos de Pao d'AIlto e por intervencaed)
Sr. Sanios (corrector de eseravos). cujo escr.
tambem natural le Piod'Alho e tem us dis'
sei:iiini poiico alto, bigofle, cabello um pouco earapinba
e penteado, falla de dente?, nina innamniafao
croada na junta da inao esquerda, falla a srtaue
jo, muito descansada e mansa j levoo eao_M
madapolao e riscado de algodao, e calcas de briiu
pardo. O aliaixo assipnado muito recommend.a a
bello SOi'tl- capltira desle sen es;ravo todas as autoridads
e mais pessoas encarregadas da captan de o
ppr
Pe
dades medicas. Deposito em Pernambuco, em casa da __nr*r O*.
I

m
,0 ___ yp e_3 uta l03nquivuu9j tua oisod(T
'10UA7J Q sopsouap toioouaduiai soa juuo *
a ojiEdiisuoo 8 JBjua ap _atiu8i s 'opmajqo 'mal |_0f o_aj ap ojaqdsoqd i) i
fWutov tov oijpam 'moemo *>Piimw ouojsiiot snrn a saioqiam so oap ara .
dui_ aub s icj ja.nios o_aj ap mqdtoqd o 'Msouianxiaj sagdutdaad stpoj _iug >
vn*w_dou?vJ Wn8 P S8* m ^9P', 'IflOift soidmo.id a
so_as rato _s uiaaajcd sui aAiiios o_aj ap eiBqdsoqd ap osoued&id ap soiaa 0
imyiioi sop ojtptut _S0A3\W 3110J '10018 _R1Vfl '301138 ,
-oasuioisa o bjubo mas 'ossi a 'p.vi!|os ojjaj ap oiqdsoqd o moa *
3ioain_onj3 a r.duioad oji ajqo anb os ton Mmaaaqaoa oju 'sosouitujaj so sopo) _)ng
uopvadui o-i rp ooipm '1VNHV
t _ppoi seQ3_d8jd s? jouedns ;'nin omoo oioa_t3tpaaiaisa osptsaoa na !snwl n
a_{_ ui3_bu_ Btuaunii Bran' aq]-fp ]3AUtos oxiaj ap eitqdtoqd op' Bpinbq suupi y *
W'onj pjuios jwdstu op oorpmu 'ktVHV
o spBjiaiaj so__ a soiduiojd srsui so


-{Sauaj saoBJt d_d stp :oq|3_ a -uitu o oiaenb '# i3aui_ o_ej ap oiaqdsoqd q
i vyymMud ap wumpuu p tqoMg w* atttJMl 'NVUl-flnOS
a -O-aj ap sagBJsddjd sa |buj uiBjjoddns (oaivnSjp saalto sofoa satuaop sos mBO
joqiam ano. sosou8n_aj so _tua (8adi_ oj_j ap otaqdsoqd o jasgissap sioajj
: aotiqnd _atguoa a sopnrt saisa sopoi
jtagiisnf a i_cqo_oa ata& aputa rooipa_ i_qiao ama aop aa^aiaajda saiuirJas iy
i oanqui sotuBUOduti saat sop isuduioaej Btip 4uuoh
ap 0|iJai en taapao ap opauoapaoi 'aiusmajuaaaj 'ioj 'aimapsay sp jopadso) krju_qa
ap Jos_joJ o tono soa> totnaoMie so 'eyoitod_o'Bn ao __wa enb siod oiip_a joibui o j_i_a_B
eqi Bri opinnaj sqai aa 'eineuaKpaw e_a,u 'opa 'otaya 03 apepjagnd ap obou
-oqBi os) ot>_!_|OAu_ap o um_ii : (iiaaats aaaaUf ana a _vn ay a 'joia o odioo aa
ojp 'o^8_4_d usa 09 ianfuts ou pf_MaBqxa a 'ofcunoiw op sajop ca '(sapuiid sauoa)
siso_iqa a _jna _?d 48T8n ap liaj_ ouaj ap otaqdsoqd o 'CA rilal _J Cfl
4|ixa iota o moa 'iut3aj NOVIDADE
A loja de Coelho A O-Wira .i rua do
Queimado n. 19, recebe?! pelo ultimo vapor
11111 bello sortmeato de balSes de diversos
systctnas, os mais aperfeiroad- que teem
viudo ao mercad >, sendo :
Baloes de gupur ;o_ liras ''llamados
reguladores, ditos de musselina abortos por
ambos os lados, de modo que sendo todos
le um tamaito seneni para qualquer se-
: nhura, do l_a de cores, :om ftras] e as se-
geinles fazendas:
Saias de laa com bonitas barias.
Chales turcos de seda e la Beatriz de
Tundas.
Fitas de guipure pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
tfftfcfftai
Sultanes, Poil de Chevre, Tricte, dito de
xadrez c outras muitas, entre elLs urna
Especialidade
La pura de coros a 360 rs. 1 -ovado.
Basquinas a Maria Ahtoniete.
Cambraias fanUizia.
Ditas brancas transparentaste Victorias
Colxas adamascadas.
Cobertas chinezas a _/!_O0 rs. e outras
muitas fazendas que tornar-se-hia enadonho
annunciar.
vos, naos |iel.-is diversas _dad< s. villas e poyo -
dos, como pelo seilao, para onde pule ter seguido ;
promelie bem gralilicar, e tambem a qualq-i 1
lesaoa ijite d'cln; der noticia certa ; a dfngirem-
_ ao sr;i e_r|ot_|_ a rua do Crespo n. 13, 011 1
sen silio no Monleiro.
P.ecife, 27 do jand.o de 18C9.
Antonio Jos Rodriyum de jouztL
IMS de paOcafS"
Fngio no dia i I de Janeiro do correute tono,
do cnueuuo HaUtura, l're_ezia da Mscada, o et.-
cravo preto, crioulo, do ? anuos de idade. cha-
mado Marcelino, qae foi il.i Sr. IqSo da Cunba
l'eieira. cojo esciaYo estere no deposito geral, .-
tena os signaos unistai: alto, aaeeo do tor\
rosta muito uaixsadtf de be_aas, falla de dviit-
na (Tente, cor preta, sihio de__po Jo chile,
letnt c cajea de casMr, levando um babuzinl
IKbdres em mais roupa, c suppde-se eoli
11 e tozia do (bo : quem o apprebender le
ao dito engenlio, ou a rua da Seuzala-nova n
escriptork) do Sr- Beanardino l'entual, que 1
grafiflra?a cima.
Tinta rxa da Mon-
teiro.
Vende-se tinta rft_ V Mwueo pata <-
na loja decalca.' /Jq amarello da rua da
Cruz m 21.
ligio do engenlw S. Pedro, termo de Da -
.no dia i! de Janeiro de 1869, o esc
l.uiz, crioulo, cor meia fula, eom idade de 13
nos, pouco mais ou Meoee, eom umita peni;
dedarlia no bigode, e j.i na rcodo na |ioni.
qucixo, falla meia apie.-.-ada, luaei e panas nm
pouco finos, o blanco do orno amarellaco, t_ai
dedos lio- pos encostados ao dedo grande, e_a's
compridos um pouco que 0 grande, emito de
tido, nao deixade estar em kinccau 110 lugar ande
halla, capa/, de MS8_ por turro, tem ap
(lus ou tres marcas de chicote, isto niesnio pi -
quenas, que se precisa reparar, boa altura, bou -
la figura, beieeS meio grossos jtilea-se and...
nesla praea : quem o pegar dirija-se a casa d s
Sis. Manoel Alyoa Kerreira & C, rua da Moel
S, 2 andar, que ser recompensado com 100400o.
Perrenec dito escravo a Christovao Dent do Rogo
Baneto.
Escravo figido
Fngio em 2M de Janeiro de 1809 o escravo Ifc-
(lir.-.,ir meia idade, cor preta. lalla grossa. b^-< -
gosu, tem pelas costas cicatrixos de baralhao, lt
urna Temida no cauto do nariz, os oes fuv#ii& ,
corpo regular, tiulia sido do Illm. Sr. Agostinbo
: lio Vieita, em Panellas de Miranda, que h.i
is mezes de l.i veio fgido ; i>ede-se as aute-
1 ida- e capiies decampo de o pegar e traiere 1
a -; 11 senhor Jos Carduzo de S, na rua da Lin-
n. 2 ; e D_me protesta contra
qua tnier pessua quao tenha acoutado, e gratifi-
car bem a quem o p?Kar. tkinsta andar na !
Vista na estrada de Joao de Barros.
o domingo, i tarde, desapparoceu de ca> 1
de sen senhor, rua da Aurora n. 72, 1
Lucinda, preta cnouli, idade 30 annos, tem o
ilar um pouco inclinado para diante, bstanlo etpa-
dauda, com bellido ei un dos olhos
Foi comprada nes ao Sr. Mano< 1 tem*
natural do t"da* i-
probabilidades de oslar oectilu oesta p aea.
que se protesta haver todo o prejuizo caus
portaHto, as antoridades pob'i
)prehens da w_m'o_m1
iraa, m_ -.>jTaajtHar generosamenlo na < 1
I HH_H


,
Difiri de Pemambuco Segunda feira 1 de Maivo de 189.
c
XL^
JL
LITTERATSA.
litados I nido*
A e/p/ro presidencial
(Gontinuacfto.)
V
Esse programma era tal qual se devia
esperar. Sim embargo disso, levanto^
em todo o p;\iz i'iti' msmo as fileiras
dos proprios demcratas um sentimento
de roprovacq^Binada, no que se mes-
clava urna certa impressil) de sorpreza
e de niagoa. Os demcratas moderados, repetir que iriam tirar sin desforra, e tor-
leculir (|uo nao bave-
n'a votaco popular, que ella propria se
eocregaria de designar os eleitores presi-
rica, raMp$ um paz, onde os
nunca perdem o animo. Us che-
les solistas, apenas regressaranit da con-
venga > de Nova-York, logo se pzhirii'ga-
lhardaraent em ampo. Km todas as par-
tes oiganisaraia grandes iwriiiii/t, ou'fw-
s populares, aliin de seratilicar o pro-
nma democrtico e de se 'reanimar o
fervor de seus co-partidistas. Tinlia-lhes
u'vivido a esperanca. Aforra dse lites
que repeiam as heresias fin mreiras de Mr.
Pendli-ton, ou que nao as encaravam seno
como instrumento grosseiro de agitarn
popular, 'firaram estupefactos com taes
declarares imprudentes, que, mo grado
delles, ligavam-os a urna poltica liuancoira
desiear, e cahida em desprezo. Esses per-
cebiam que os grandes e pequeos capita-
listas, enjos fundos gyravam na utilidade
peculiar do governo federal, se conlavam
os milhares em todas as cidades; e que o
povo dos Estados-Unidos eslava muito
i Ilustrado e era mui sisudo, para (pie .i
apparncias de urna banca-rota nao fizesse
revoltara consciencia publica. Os dem-
cratas, pois, tinham-se compromettido
sem vantagem alguma; suas modernas
tbeorias io alienar d seu partido mais
votos, do que nunra teriam sido capazos
de Ihes dar. Por toda a parte, os repu-
blicanos, apanhaudo a arma, que. se acabava
de lhes fornecer, denunriavam em suas
reunidos a grande fraude dos domocra-
tas. Km cada estado se reuniam conven-
ces para se preparar as eleicSes locaes, e
essas se pronunciavam com energa contra
os repudiadores. Era principalmente sobre
esta questo que pareca versar a gerencia
da eleico; e deve-se confessar que os de-
mcratas nao tinham acertado bem na es-
colha de seu terreno.
A campanha eleitoral j estava coraecada
pois que, em aliono da verdade, pode se
dizer que ella durava desde o anno ante-
rior, e que as eleicSes dos Estados do sul
Ibe tinham servido como de um primeiro
episodio. Grande era a importancia dessas
oleicoes, por quanto o sul, depois de urna
ausencia de oito annos, ia tornar a entrar
parr a gerencia da poltica, e a sua votaco
poderia fazer que a balanca pendesse para
um ou outro lado, conforme a preferencia
que a respectiva gente do sul* desse, ou
aos republicanos, ou aos demcratas. Por
tanto ambos esses partidos pleiteavam por
aquillo, como por urna presa pingue os
republicanos apressurando com o maior
esforco a reorganisacao, que deveria avul-
tar-lhes o numero, e recru lando por toda a
parte 'os eleitores, que fossem pessoas de
cor, afim de arrola-los sob o estandarte do
radicalismo ; e os demcratas resistndo ao
projecto de reorganisacao naquelles Estados
onde elles se sentiam mui traeos, o com-
petindo contra os republicanos pela acqui-
sicao das boas gracas da portenlissima gen-
te de cor, onde quer que se dsse proba-
bilidade de vencer. Nao carece dizer que
os republicanos em toda a parte os que
primavam, gracas as leis que lhes haviam
outorgado urna especie de censura arbi-
traria a respeito da composico do corpo
eleitoral. Nao obstanje todos os estorvos
suscitados pelos demcratas, os Estados do
sul iam-se reorgauisando na conformidade
das preseripces do congresso, e um por
um reassumindo o antigo lugar, que oceu-
pavam outr'ora no complexo do rgimen
federal. Primeiramente foi o estado de
Arkansas, cujos tres representantes radi-
caes haviam nomez de maio, quandoainda
durava o proeesso do presidente, sido ad-
mitidos ao congresso; em seguida, foi a
Lousiana, que liava nomeado para seu vi-
ce-governador um homem de cor equs en-
viara ao congresso um reforco de tres depu-
tados e dous senadores, todos republica-
nos; e por ultimo a Carolina do Norte, a Ca-
rolina do Sul, a Georgia, o Alabama, a Flo-
rida, que, cada estado por sua vez, foram
admittidos depois de haverem confirmado
a emenda na constituicao c satisfeito a todas
as clausulas de reconatraciion bil, ou lei de
reorganisacao. Para mais presteza, o con-
gresso faria urna lei chamada mnibus bil,
a qual restaurara englobadamente em todos
os foros constitucionacs aquellos estados, que
tinda estavam menos doceis, o fixava as
condicoes finaos para a tal conciliar-lio. Com-
uido, em af'.i'is estados, a resistencia du-
rou algum tempo c obstinadamente. No
estado do Alabama, por exemplo, sendo
que havia muito tempo que nao tiuha sido
possivel obter que o voto do povo confirmas-
se a nova constituicao do estado, foi neces-
sario, afim de searranjar urna maioria ap-
parc-nte, que o congresso modilicasse os
registros eleitoraes. Na Florida, e em va-
rios outros estados, o primeiro cuidado das
legislaturas reoigauisadas foi o de se revo-
garem as incompatibilidades polticas dos
trancos. Tres estados ainda estavam
fra da unio nacional, e por isso nao po-
diam tomar pacte na eleico presidencial:
o Missisip. a Virginia e o Texas. Este ainda
nao tinha acabado de formar sua constitui-
cao e estava na mais coufusa anarchia ; a
Virginia ainda nao tinha eleito a sua legis-
latura c nao apresentava tranquilidade; e
quanto ao Mississipi, que dera aos dem-
cratas urna maioria de dez mil votos, so
empregaria, para convertel-o, o procedi-
raento, que nao falhara para com o Alaba-
ma c o Arkansas, isto a revsalo dos suf-
iragios o o cancellamento do eleitores dem-
cratas. A pretexto de fraudes, j se tinham
annullado as eleicSes de duas comarcas, c
se aguar.lavam mais pretextos para se annul-
larem outras eleicSes.
As scenas tiuham-se trocado: os esta-
dos do sul, que outr'ora mostravam-se to
desejosos de tornarera outra vez para o gre-
mio da unio federal, agora recusavam dei
ur-se conduzir para alli, e era pelo con-
trario o congresso, o qual, depois de por
tanto tempo lhes ter fechado a porta, agora
obrigava-os a.ac eitar o prdo, c os recon-
duzia de corda ao pescosco para dentro da
nnio federal. Para malhor contel-os em
sujeico e evitar que elles se arrependes-
sem, o mnibus btll decretava a perpetuida-
de das conoessoes urna vez feitas e a im-
possibitidade de nunca mais podeivm ser re-
vogadas. Por essa occasio os estados do
sol achavam-se encerrados dentro de urna
especie de priso lega!. Nao lhe restava
mais outro recurso, seno aeccitar franca-
mente essa legalidade de nova especie, e
do atraieoado vjnente aspa ;i siria aeinza. Nai nierecim
transmudaram enLpB jMTMwnd faMM-jiimita m|oitaniia semelhantes linguagens,
gos de seus antign/<9ft>IfMrl <'Fa0"*8w,w, 19\. ^ sermti mui tas \ezes repe-
A exasperado geni, princlpaimenre ronthr wra?aegenTraTiam*m trivialidades; mas
estes ulmov paisayajfJos limites. Gritaya a?cjntecia_que de injurias de prdavras pns-
o VeumSS^miBF^il ri*l\(.u& al. >e Qla, o q braneo e
tura social para seus cadveres empj^tafc, negros nao podiam se encontrar, sem se
pois dos

Ihante
;*
nar a ganhar na urna feitora! o que tiuljam
perdido no campo de batatlia, elles ejTecti-
vafnente tomaram isso muito a ueito. Do-
mis, ellesjtinhanimudado de plano: jno
podendecontarcom a populacoln mca.aqtial
fondo sido excluida de gozo de votar,'nao po-
da mais servir-lhes de cousa algum, erles
resolveram valer-se da gente de cor. J
que os homens de cor eram decididamente
os donos da situaco, havia de ser por in-
termedio desses que se obteria justica. e
tambem havia de ser n'aqucllas Hleiras, onde
se rerrutariam soldados a favor da causa
dos estados do sul. Talvez' nao viesse a
ser impssivel aos antigos senhores o tor-r
narem a ganhar as boas gracas dos libertos
que foram seus escravos, c de dar a estes
urna valente organisaco, que contivesso em
respeito dos radicaes.
Logo em principio o resultado foi maior
do" que se tinha pensado antes. Em todas
as cidades grandes dos estados do sul se
installaram clubs de gente de cor em oppo-
sico ata clubs radicaes. Negros oradores,
contrtanos no servco dos demcratas,
percorriam os distrctos ruracs, convocando
barbaces, (ou reunioes ao ar livre) que
convidaram pessoa^ brancas e de cor.
Em Nova Orleans, o club democrtico
negro cedo achou-se bastantemente forte
para effectuar um passeio pelas ras luz
de archotes; e com bandeiras, cantando es-'
trebilhos contra os radicaes. Km todo o
lugar se lidava por alcancar o patrocinio
dos eleitores de cor. Urna vez, que os
demcratas tinham convidado os negros
para um grande barbacue, que d;:va-se dar
em Lagrange, no estado de Arkansas, os
radicaes fizerain crer a essa pobre gente
que l seria toda envenenada. Outra vez.
o demcratas exerciam urna reunio na
praca maior de Richmond e exhortavam a
gente de cor a vir ouvil-os. Ento, lluni-
cut, chefe delles, reuio-os no salo da loyal
leaguo, e fel-os jurar impedir toda a reu-
nan do demcratas, e rasgar todas as ban-
deiras de Seymour e Blair; e elles corre-
rn! em tropel para a reunio, interrompe-
ram-n'a com algazarra, atiraram com tijolos
ao general Ould, que estava orando, e pro-
vocaram as represalias dos bramos, o que
poz termo a- qualquer tentativa de reu-
nio.
Na Georgia, os proprios negros, incita-
dos uns contra os outros, batram-se entro
si mais de urna vez. O pobre homem de
cor, que pouco tempo antes era objecto to
humilde e desprezado, tinha viudo a ser
n'aquella quadra um objecto, por cuja posse
proliavam encarnizadamente, tanto os seus
antigos amos, como aquelles que se gaba-
vam do havel-o emancipado ; era como urna
contenda entre quem lhe faria maoreS
adiantamentos de promessas, quem inven
tasse os mais engenhosos modos de captal-o
o quem o pretendesse converter em instru-
mentos de suas proprias vingancas, ouam-
bicoes; neste conflicto do influencias,
cujo custo elle mesmo vinha a pagar com
sua pessoa, nem sempre a vantagem redun-
da va em prol de seus amigos mais verda-
deramente zelosos.
Os demcratas tambem empregavam ar-
mas dilTerentes. Se os radicaes, aos oihos
dos homens do sul, passavam com razo
como opressores, deve-se confessar que sua
existencia comecava a fazer-se difficil e que
careciam de urna certa dse de coragem
para oceupar este posto arriscado.
Sem duvida elles eram donos dos gover-
nos artirnaes, que elles mesmos tinham
dado aos estados do sul: era em suas mos
que estavam reunidos todos os poderes le-
gaes, pois que os regulamentosque os re-
giam, por elles haviam sido dictados; e elles
proprios, par dos seus janisoros e de
suas creaturassentavam-se as legislaturas,
que elles mesmos tinham feito cleger. Era
asgan que por briucadeira se dizia que um
dos membros do senado e dous da cmara
dos deputados do estado de Luisiana ser-
viam durante o intervallo annual da sesso
legislativa, a bordo do um dos paquetes do
rio Mississipe, um como barbeiro e os ou-
tros dous como mocos da cmara. No es-
tado do Alabama, varios legisladores eram
pessoas de cor, que serviam nos botis de
Montgomery. Essas assemblis, oslando
compostas de tal maneira, nao podiam dei-
xar de ser outra cousa, seno doceis ins'ra-
mentosde todos os capricho^ dos cheles radi-
caes.osquaes.qurantesqur depois da reor-
ganisacao nova,erara os verdadeiros dictado-
res dos estados do sul. Quanto autori-
e exravai-a to fun
dez sceulos nao soja1
essas malditas ossadaS?
v i ve rejtt^faiibitf nyuy
apadnStAaSle
espo:
ilelles paitar aii
queutr'tfi tives.-i
s/agl OMjtiiz Moody, declatiiano um dia
;olrao radicaes em um cfnl> de Late,
exclamaba: O ineu remetlio seiii ir-
los a pedradas- Knforquemos algpni densos j de acaricia-
p-.tife.s. qqeimemos seus livros, e ten1iam
ama boas vesiwras de eJek;r)eid[ niix an-
tiga. Os demcratas do sul au oecqltava
a tenco que tinham de empregar a nra.i
Kilos fallavam muito de mais, para que
' perignao deivasse de ser'-grave. -Nao
se importavam do irritar a cljekra do pevo
de noite. c de claramente provocal-u
urna nova guerra. Os desvarios de urna
tal linguagera nao deviam ser tomados^
seno como desforra da pro|H-ia fraqueca
delles, e a violencias individuaes que ee
praticavam em cortos pontos, nao podiam
ser eleitos de um trana urdido. O qoe
era ainda mais grave do. que taes motins
casuaes e rixas frequentes com os libertos
radicaes e mais pessoas ile er, ora a po-
derosa organisac i de urna vasta sodedade
secreta, a qual, desde algum te.uqio, fazia
contra o partido republicano urna dessas
guerras surdina e disfarcadas, contra o
que nao ha defesa. Essa assocaco conde-
cida pelo nome de Kuklux-clan dejirpposito
se encapava com o prestigio do my^tero.
Nao se lhe conbecia a verdadein foi-ca.
porm, saba-se que eslava ramificada era
todos os estados do sul, e s membros se ga1iavm(|fi pojerem levantar
em um s tempo dez exrrcilos- Toda a1
pipulaco branca,. Jirjncjnauaeole a dos
estallos f'ronteiros, em que as piques po-
lticas sao mais. vehementes, llir estava
assodada. Oizia-se que ^ lUaa contaba 30
mil homens armados no estado s dr
Tennessi.'e. Km Arkansas em o tirmento
das milicias locaes;, ruanadas para mm-
palavias. e brigar pedra-
ssimo preludio da alliaica
a polos demcratas, entre
juc tiijliam .-idj outr'ora
desmentido to nae fruamen-
negros aproodtmi a nunca mais
eotifflf coa os protestos deamieicfe dos de-
mncratSs, o este; Rcarm saliendo bem co-
udamente que acabavum de perder a voUs
cao dos esiados do sul.
(Ctottitour-tt-ltii/
-i iilusao nao iIuimii
ie os prupri.is (i'inocratas
de trata-la romo se devi
Km despeit das (ajfps senlimentaes q
lhes havia figuradb para quererem bem
ao* nogres, edo interesse que Hles;tinhain
os, o ango preconct ito que se
achaNt tan arraigitdb nos toneOei dos de-
mcratas^ tornava a galope por assim di-
zer. Klles nao podlom acostumar-se a en-
latar para o homem de cor, como para
urna'creatura humana, nem resignar-se a
a admitti-lo em parte alguma em pe de ver-
dadeira i^oald;Kle. A legislatura do Alaba-
ma, no momento mesmo em que decreta-
va as mais -severas exciuses intra os
antigos rebeldes, sempre se oppozera a
admissio de pessoas de cor nos vehculos
pblicos. as assemblas em que tinham
issento a par de seus antigos escravos, os
mesmos republicanos atura vam de m von-
tade urna tal visinltanca.
Se na vontade delles stivesse, enxota-
riam a vergalbadas os seus caros collegas,
e mandariam planlar algodio a esses la-
nos insolentes que agora macaqueavam de
amos. Foi a essa teutaco imprudente
que a legislatura da deoigia cedeu. A
eleicio tinha sabido favoravel aos demcra-
tas ; esses tinham maioria na cmara dos
deputados e pensavam que isso era excel-
lente occasio de raostrarum a sua raodeni-
co o sizudez. Nao depararam simio com
um meio de se cempromtterem por urna
violencra grosseira edosazada. Acamara
comecou por annnllar todas as incompati-
bilidades estabelegdas pelas leis do con-
gresso. Foi isso urna imprudencia intil,
a qual,-bem que jiatural da parle d'elles,
aiuda se lUes poderia pei^Joar; nas, ac rocoaOs por esse primeiro resultado feliz.
os demcratas quizeram ir mais longe e
wtaram pela expnlso de todos aquelles
Tolerancia.
I1SMMO SACRAMENTO DA CIITF., PttP H.
0AQIIIM DO MONTE CARMKLI.O, COJffi'*A
SDK S. PAUU).
Donunum Dtum, iuum ado-
robis, rt misoH servia.*
* Tu adorars o Senhor
Deus, suiBote lhe swvirs.
MATTH. 40 X.
leu

batel-o. Os seus agontH sempre mascara- de sens rollegns que fossem nepros, e de
dade desses improvisados dictadores paro- .dado material do que para a vida
cia absoluta, tanto mais a situaco delles -nao se conservava n'outra cousa
na realidade se tornava perigosa e precaria;
por quanto nao smente o povo ora ge ra
estava em condico permanente de protes-
to contra a especie de governo que esses
taes homens lhe haviam dado, e nao s-
mente a mesma gente de cor, que at en-
to se mantivera fiel, comecava a trahil-os,
como tambem s pessoas dos mesmos dic-
tadores tornavam-se alvos prncpaes as
mais brutaes invectivas, e objectos de vin-
gancas mui ferinas. Todos- os das se pro-
feran! contra elles palavras ameacadoras,
dos o que nunca poierant' ser" aburrados,
pareciam que a um signa! dado sordlam d>
trra e se escondiam logo. Se os radicaes
libertos manifostvam intenrao, em ijuakjoer
ipiadra da eleico, de fiear de guarda s
urnas de votos, erles 'preveniam umv tal
intenco o iinpediamquea eleico seeffectu-
asse. Se o governador do Arkatisas, assns-
tado do poder do klan, mandava vir iO
mil espingardas para se armarom as milicias
cvicas, cem boraens mascarados,. ou com
a cara, mascarada de fuligem, em pleno
da embarcavam no caes do Memphis, e
iam apressar no .Mississipe a embarcaro
ipie carregava essa preciosa mercadera, e
depois entravam pela cidade sem que nin-
guom os embaracasse ou os reconlieeesse.
Assassinatos se coramettiamcoinfret|iiencia,
sem que nunca pudesse descobrir os
matadores; e a voz publica attrfbuia taes
attentados vingancas raysteriosas da te:
mivel kti-klux-ckm. Os republicanos do
norte gritavam muito contra esses criines
o exagoravo-llies o numero. Os dem-
cratas, pelo contraro, imaginavam que
tudo isso era effeito de juma grande coiiju-
raco radical, cujo intento era queimar as
tres cidades de. Nisliville,Miirfreeboroogh
e Columbia, c massacrar-lhes os habitantes,
Um jornal do Cincinati aecusava o general
dos confederados Forrcst de ter dito que o
kUm propunha-se a assassinar todos os radi-
caes brancos de Tennessee. Forrest, por
sua parte, protestava contra essa tal ca-
lumnia, e representava o klan como urna
assocaco puramente defensiva. Decla-
rava ello que os seus compatriotas nada
mais pediam seno que os deixassem cul-
tivar sens terrenos, e que, quanto a elle, o
que mais desejava sobre tudo era a paz;
porm, accrescentava tambem, se o gover-
nador Brownlow ejecutar o seu projecto de
por fura da lei a todos os antigos confede-
rados, e de mandar fuzilal-os pelas suas
milicias, em tal caso nos veremos obri-
gados a defender-nos. Era -nesse tbeor
que ambos os partidos mutuamente se
assacavam as culpas daquellas violencias
commettidas: A sb acreditar nos jornaes
republicanos, eram os bomens brancos do
norte e as pessoas de cor, que sem cessar
estavam oxpostos a ser massacrados, e
pelo contrario acreditando-se nos dem-
cratas, eram os carpel baggers e os calla-
ipags, < s que estavam todos os das amca-
eando aquellas vidas.
Ouaesquer que fossem os verdadeiros
culpados, os estados do sul achavam-se
abysmailos nos horrores da anarchia. No
meio dessa condico desordenada e -sob
pretextos de vinganca publica, se perpetra-
va urna infmidade de criraes-partictrtares.
Nao havia maior seguraba para a: proprto-.
humana:
seno de
urna s assentada expelliram a \inte e cin-
co. Qnatro individuos, cuja procedencia
sangunea era duvidsa, foram examinados
por urna commisso ad hoc. Decidio-se
finalmente que os que nio participassem
em anas veas menos de urna oilava parte
de sangne africano, seriam por graca espe-
cial admittidos na assombla, o tratados
como se fossoin nascidos brancos. J era
isso muita bondade para com a gente de
cor.
Os republicanos receberam un a tal no-
ticia, cheios da mais completa alegra. Es-
se acto de cega paixo e de brutalidade
malvola cra-lhes de summo proveito aos
interosses delles; jiois que vinha consum-
mar a ruptura da allianca, j 13o frouxa,
([ue os demcratas tenia vam. formar com
os homens de cor. Um deputado mulato,
por nome Turner, tinha antes de deixar a
cmara, Janeado um desafio solemne aos
demcratas. Nos partimos, exclamou ello,
nos partimos porque yus nos expulsaes:
nos vos pedimos smente urna cousa, a
qual conservar a memoria do acto- que
hoje vos commettestes. Ns partimos, e
vamos empregar todos os nossos esTOcos
om inspira? a todos os da nossa raca o
odio contra o partido democratice. Se os
negros, sahindo algum da do estado de
ignorancia e embrutecimento em que vs
os tendes abysmado, vierem a se voltar
contra vs. lembrai-vos ento que vs mes-
mos assim o quizestesI
Pouco tempo depois urna oceurrencia mui
funesta exarcobeu at o cumulo a legitima
irrtaco dos emancipados da es>ra\ido.
Um assalto sanguinolento, que foi. como
urna matanca decidida, foi praticf.do pelos
demcratas da Georgia contra un oando de
negros inoffensivos. Um prestito do negros
radicaes, armados segundo o costumegeral,
mas aparentemente sem intences hostis.
mas sim pacificas, e tendo sua frente um
membro do congresso, apresentou-se de
manha s portas da cidade de Camila. A
municipalidade da cidade Iho recusou a en-
trada. Os negros apezar dessa prohibirn.
presistiramem continuar a sua maiclia: lo-
go que o prestito entrn n'tima ra, do to-
dos os lados se dispararan! tirara de espin-
garda, e immedjatamente a campanha pa-
rou. Redobraram-se as descargas, 30 ho-
mens bem armados, atiram-.se cora tanto
impeto contra os negros, que a camjSMha
recuou, debandou-se e fugio. Ino os
brancos foram no encalco delta, e rrratnram
a quantos puderam, e 3a morios e 60 f-
lidos jazeram sobro o terreno da caj3|ci-
na. Os demcratas pretenderam cujofri-
meiro tiro tora disparado por acasoj as
nem por isso lleixaram de icar convictos
dessa cidade tio atroz.
Dias antes dessa tragedia, achandr> o ge-
neral Boseneraniz na Virginia, ene mtrou-
passageiros despojados as estrada*, de se, eomo por acaso, em AVhaite Sripliur
m* u^ dt "".^1 'j-llC0 eslas nolaveis palavras: Areligioca-
mesmo fempo -bnrieyosf tho{iia^x,,^ ^
do-passar na Georgia ^ a MigiT |o mpST iSE as outras
s 49trofiifr irec|t*r|nnn> re| $&*& pefniitlldas 'ilm seu culto
domestico, ou particular, em casas para
ispo destinadas, sem Turma algin|a etterior
le WPAjf
Prestai-nos, pois, vssa's attehiT.es benig-
nas por mais atfuptopimitii.v

.
Coittinuar-se-hii.
casas roubadas forra de anuas, de ma-
nieres brancas violentadas polos negros, e
nagros enforcados ou torturados por ho-
mens brancos. Os negros lealtetas do Ala-
bama iam armados is suas reunifies rdwio-;
sas, e depois de ouvirem o sermao faw'am
icicio militar, diaendo franoamenle que
se estavam preparando para prxima
eleii;o.
Toda a gente conliecia a necessidade de
e orgajiisarem de iifvo as milicias cvica
e a cada canto se dizia que, para se chegar do estad, que havia dous annos -tinha-
a dar seu voto as prximas eleices, seria' sedebandado em virtude dodsposW pelo
mister passar-lhes por cima dos cadveres.
Os jornaes despejavam contra elles o voca
biliario inteiro de injurias e at mesmo se
inventavam outras novas, como que se a lin-
guagem ordinaria nao bastasse para expri-
mir o odio e o despreso que se lhes vota-
va. Forjaram-se duas alcunhas esquipati-
cas, cuja dissonancia gutural e assolvajadafe copia dos actos do congresso e dw'arti-
(juadrava singularmente com o efeito das; bs da constituicao, a respeito da lalerveo-
furbundas vociferacoes xtump-speakers de- $o do poder militar nogovornt.neldos s-
mocratas, isto democrticos oradores das lados. Na Louisiana ofl'awaearnatos torna-
duzias. Tambem chamavam-nos de carpet- ram-se 18o freqfentes, e corr iamanha au-
baggers.isto portadores de saceos do va- #acja que o prop io gpvelpr^f vro-se
gem, e callwags, ou trampolineiros marom-[abrigado a precaver-se.em am mmam de
^ngresso. Os -governos do Albama/Te-
nessee o Louisiara invocavm o apoio
autoridades militares e snplcatam
ao presidente que lhes aecudisse cotn ua-
ifilio fjrfe. Mr. Johnson fez, era de es-
rar, orollus niouias, e cortfeniou-se fle
metor a todos os commandantes federaes
atiraremse desesperadamente na batalhaffnoaestadodosul,atroaiamnasas8(!irib:a.s, #10, bem csdoMlee-d
eleitoral. Tambem se trata va de se lhes ti-
rar aquella ultima esperanca, alterando-se
para tal lira em aiguns estados as mesmas
jomas de eleico. A legislatura radical
resai Osboinene^ecr,' qiwtinh;M w-
nto na lesgisfatura. assnnUraW am atti-
ide atlahWt-a nn ean^.ln iJU,j..5 .u.
bistas. Os carpet-baggers eram os foras>-
teiros sem eir nem beira, aventuraros que
tendo vindo do norte com urna moxila, em tode alian^^no seft^'MnfriuJiito cha-
qu tFasiam todos os seus teres,agrradaviMn a atado Finclibak, deckr^v,* ao demcratas
ma, Iwm cih> Mies ww^rsoatariini
proscrevam as antigs familias e com pre- 'de esgotar seqs reUSrl
dicas demaggicas assanbavam os libertos, que a ptin^it <&#&
0& scallwags, eram- os bomens do sul, os sem seria o signal deVepresaiun,
papa-fogo do tempo da revolucao, que ten- esse quo awactert des mil fabo*; 1 cidt-
Springs com aiguns chefes da conftderaco
do sul. Levado por um desejftde .ionsilia-
ro e concordia, e ao mesmotemp nod-
zer das ms linguas. fiarlo na promessa de
urna embaxada ao Mxico, elle dirigio-lhes
pi'eposflrs de par e allianeas 'de rftro b pro-
ndente o encarregara de combinacao emn
^os demcratas' do norfe. Achdu-'se Sfses
antigos rebelde eom disposices to com-
placentes, e d'um bomrenso to aprewa-
*l,rque elle n5o pode deixar de Aotictgji a
seos amigos por ama carta, que d ?pos se
Fpublfcon, as excellentes cortdire em^fce
agora vviam. Todos unanftnertte Ih
clararam que j desde tempos elles ti
renunciado as ideas de escravido e d
parago, o que smente careciam, d
pouco de paz, para virem a ser excelentes
subditos do governo federal, o que, em,
todos elles seminara para com sjus antiaos
escravos a mais terna e mais paternal
ea. Os negros, disseram elles em
lavras formaos, nao trrl amigos melh
que seus antigos senhores. As duas r;
esCfo, desde muitissimo tenjpo/ atst v
das a viver urna* a par de outra", fl i r^j
taeao-qujeoecorreuv em nadaernudo os
'tinentos de benevolencia, que os bra
ssnjpre tjyeram para corda^te^
Que se deixom os negros viver so
fliiBoeia legitima dos brancas,' e a \m.
weer outra vez nos estados do su!.
dfedartao estava asslcada pelo? no
'maGr^e*' de Roberto, lee, Alan
Stephens, Beauregard e muitos outres
' ws5*lo dtaw-se qne caso se fes
Este preceilo, chrislos, imposto ao or-
gulhbso principe das trovas, qnando ousou
levar suas insignes snggesfoes at o pro-
prio Filho do Altissimo, at Pessoa do
Verbo Divino : este preceito irrevogavel
principio primordial de toda a justica, pri-
meiro fundamento de toda a moral, e base
de todas as virtudes sociaes : este preceito
que desconcertob as tramas do tentador, e
lhe fez reconhecer sua vileza e o sea atre-
vimento, com soheja razo deve tambem
estender-s'* trfdos os descendentes do pri-
meiro homem, que desfigurados pelo fer-
rete da culpa original, nao ficaram como
Satn o os seus desgranados cmplices, na
mpossihilidade absoluta de se rehabili-
taren!.
Mas, de que modo compre guardar um
fundamento, que abrange os mesmos con-
demnados f
A pergunta nao seria de fcil soluco
se porventura nao contassemos com as
palavras do Aedempor do mundo. Alais
ue va vez interpelado sobre o maior e o
mais importante dos deveres para aquelles
que desejam possuir a vida eterna, o Ho-
mem Deus nao disse : Deixai como Abra-
ho a vossa casa e o paz em que nascestes;
ou ainda como o Pai dos crentes, sacrifi-
cai vosso mais querido filho ; ou, como os
mancebos de Babylonia affrontai a colera
dos despotas, cntrariai suas vontades,
provocai suas vingancas, accendei suas for-
nalhas, tingi com vosso sangue os seus pu-
nhaes ; ou, emlira, como o Baplista, as-
sombrai os desertes com o espectculo su-
blime de vossas inauditas penitencias.
Sem desapprovar nenhum desses gene-
rosos sacrificios, sem mesmo deixar de
econsellia-los flor dos discpulos que o
amascem mais ardentemente : querondo
estender a todo o mundo os Iructos de sua
generosa encarnaco, o Verbo adoravel diz
apenas : Amai a Deus de todo o vosso
coraco e com todas as forras de vossa
alma ; amai como a vs mesmos o vosso
prximo, e tende por certo, que nestes dous
nicos preceitos resume-se toda a lei e os
prophetas. / hits duobus manditis uni-
versa lex pendet et propketae.
Talvez perguntem-nos agora; devemos
reconhecer por nosso prximo, ama-lo
como a ns mesmos, fazer todo o bem
que pdennos ao homem que ousa rebel-
lar-se contra Deus, que blasfema de seu
Divino Filho, que rejeita as instruccoes de
sua igroja, que profana os seus mysterios
e calca aos ps seus sacramentos ?
E porque nao, christos ? I Pode acaso
o requinte da malicia destruir a essencia
do homem ?1 Nao o enfermo perigeso,
que mais reclama os cuidados do medico
empenhado em sua cura ?1
Por maior que o peccado nos pareca.
por mais enorme que se nos figure o cri-
me, o delinquentc sempre urna creatura
tormada imagein e semelhanca do
Eterno, remida com o sangue precioso de
um Deus, e como tal, qode a qualquer hora
encontrado infinitamente mais misericor-
dioso o corapassivo que o pai do prodigo
para recebe-lo e abracado, como ao melhor
dos filhos. E se Deus procede assim co-
mo pode o hemem aborrecer era tempo
algum seu semelhante ?!
Daqui segue-se nocessariamento que o
amor dos praprios inimigos, daquelles mes-
mos que nos induzem ao erro e a predi-
Co ; o dever do chama-Ios ao conheci-
mento da verdade, sem jamis molestados
nesse caritativo empenho ,- sao condicoes
indispensaveis para a xecucSo do preceito
encerrado as palavras do Evangelho de
hoje, e queryem-nos agora de epigraphe :
Dominum Deum adorabis, et illi soli s?r-
vies.
E pois, a tolerancia religiosa, isto a
permisso concedida pela lei fundamental
do Estado de poderem os sectarios de re-
ligioes diversas da bue felizmente profes-
samos exer seu culto sob certas e determi-
nadas clausulas ; longe de ser, corno se
pensa, um perigo para a religio catholica
apostlica romana, nica vordadeira e san-
ta : pelo contrario, urna obrgaco inde-
clinavel para todos aquelies que a profes-
sam, obrgaco que lhes minislra um meio
eflicacissimo de melhor conbecerem e do
fazerom conhecer a todo o mundo o quanto
eeta religio excedo a qualquer outra, pela
magestade de seu culto, pela pompa de suas
augustas ceremonias, pela santidade de
sets dogmas, pela pureza; finalmente, das
virtudes qnq s ella ensina. -
Consultemos a historia, christos ; quaes
foram os preliminares para a einancipaco
do crristianismo .do imperio Romano, se
nao essa mesma toloxancia decretada por
Constantino ? E o que foi ento urna me-
dida salvadora, um bem immenso, de h>
commensuravel alcanc para o mundo in-
teiro, seria hoje um perigo para o Brasil '?
Oh fura preciso nao contar cora a fir-
meza da f que nos anima, gracas a Deus!
Fra preciso nao reconhecer o quanto os
dogmas catholicos ficarn a perder de vista
de tudo o qu' nfo como erles, obra do
co Fra, em, preciso ignorar o que se
passa actualmente na Europa, em nossa
America, no mundo inteiro, onde as naofies
mais poderosas e as mais civilisadas sao
tambem as mais tolerantes, o as mais tole-
rantes aquellas que mais acatara e veneram
o catholicismo, e onde elle faz mais rpidos
e mais admiraveis progressos 1
E o que pode receiar urna rdigio como
a nossa, nica possaidora da verdade. que
nunca fugio s discusses,. que sembr as
aceitou, porque vio sempre aellas novask
occasioes de trumpho?
Vejamos, porUuito, quanto foram bem
(inspirados os legisladores constitucionaes,
' quando consagraran^ em nosso pacto poli*
POUCO DE TUDO.
O lonco.
\Q
1
Quando alia Quite o vendaval divaga
Sb a coberl (t'amplido do hr,
O lonco marcha na ombria plaga,
Ent n Os perigos Mm temorbar t
Nao se trepida nu feral roebedo
De andar errante sob o tetaporat ;
Arroja as fra? nos sen* ps nem inedo.
Rompo as vereda, nao rirmii o m\'.
Encara a furia do trova ufano.
A luz incerta do relampo ardenle;
Conjnra a *orle... viveitoal cigano
Sem lar, perdido neste mundo ingente.
Nao km a llamm.i da veloz ccntelha.
Que sonda as aguas do cerleo mar;
O meteoro, que a zona esprtha
Mui coruscante no lenc/il do mar I
Nao teme o ato dojgeiro vento
Cantando enf torno ifr cypresle-. alm:
Nem da araponga sen fetal lamento
Na penedia a divagar tambem t...
Nem o Neptuno a dedobrar seu manto
He argnteas ondas no parcl sonibrio,
Nem. mesmo o mocho com tamanho epan*
Soltar um echo guttural tardo t
Affronla os guinchos dos leoes precitos,
Sem tino v Solta dos labios em agudos gritos
Um canto... e toca na viola sua :
Diviso a fragua que no ar flammeja
A luz brilbante do relampo alm t
0 lirinamenlo que o azul negreja,
A la argntea a se occullar tambem!

1 Esculo, escuto o crepitar do venta, i
Que rijo vea no commado arvr,
Da araponga seu fatl lamento,
Do mocho ao longe seu gemer de horror!
Conjuro a ira do trovao que va
livando ern torno do cinreo ar!
Da vaga o manto que na praia toa.
So rola ufano do lencl do mar I
Nao estremezo do coriseo ardente,
De zona em zona a scintUlsr incerto.
Nem da centclha que a montanha ingente
Funde... e o pcuedo do espinliat deserto'
Reneg a furia da borrasen altiva,
(1 Hato agudo da ventana ac longe;
Guardo em men peito nina agona viva
A i'ino vivo a carninbar... qual monge.
<< Nao temo a vaga arremessarna praia
Sen grande manto em murmurio rouco;
Me Mapro e canto, nem meu peto esmaia.
De nada temo porque sou um louco I
Maldigo a sorte neste lar tristonho
De minha ainada que adore! Ungida...
Amar nao soube... seu amor foi sonho,
, Sua promessa foi p ra niiin mentida !
Duro fadario te persiga avante,
Atroz tormento teu sorrir confunda!
Ah! d'ontrc os bracos de teu fido amante,
Da morte o golpe te assassine inmunda!
Por ti ingrata nesla balsa louco
Ucnego o lado, e meu sinistro ser;
Anda acho meu tormento pouco,
Possu ir soffrendo at assim morrer !
Olvido a era que gosei amores,
Carinos, brincos, to meigo fadario:
Hoje s gso neste lar horrores,
-Mas nao trepido que sou tomeurio.
Vivo as grutas no central das fras.
Su alta noite a praniear divago,
Ah I nao almHo deleitosa? eras,
Pois muito sofiro, e o uiep peitu esmago.
1 Smente aJmejo que a tyranna morte
Deite sen golpe sobre mini. que triste
Vivo no manilo .1 suppurtar a surt',
Entre os alj\ sinos porque Deus permittv.
Misera sorte mciis ambiguos passos
Viga, e traz-me sentimenlo atroz f
K ovoso rgo para o ar nos bracos
Minha viola e quebrara leroz. >
III
Ergueu-se o louco do local sombro,
Marchou avante d'um cachpo.. alm !
Se cngellaudo co'o furaco tardo
E a tempestade a esguichar tambem !
Sobre as espaduas a vita sua
Duituu rendida a carninbar errante :
Pisava ufano na planicie ma
Mudo, indeciso a reflecttr constante
Para, que vagas temerario espectro
So, exilado, pensativo ento f
(>)in o teu rosto macilento, electro
Triste curvado p'ra o funreo chao f
E's algum baldo cacador altivo,
Que se nao teme de alta nite errar ?
Dentro em teu peito um sentimento vivo
Nao leus guardado a te flagellai .'
fogn do abysmo que le aguarda louco.
Nao j^rremesses p'ra o perigo ingenie:
S* aima achas ten tormento pouco.
Corla o desasir qee te segu em [renta
Foge arrojado do feral rochedo,
N,io te approximes p'ra o sinistro lar!
Es um vampirodestemido, quedo.
Que nao rceeia solitario estar?
Mas nao affrontds o trovao rai^.
Que va, va pelo co rugindo 1
Jein o coriseo que faisca iroso
Sobre o fastigio do monto se abrindo I
Volve teus passos p'ra um Jacal jocundo,
Nao vas a'morte msera busar;
Sorri-te... olvida esse amor immundo,
Ah nao te arrojes no volco do mar !
<-i
Marolwu o loueo p'ra um local ue*erto,
l'allido, inquieto para o co ollur...
De quando em qnando de sena labios fr*
Pungentes nota^ desataudo ao ai l
Pegou na viola, espedagou-a ir|o,
Entre os cerrados penhaicaes; q assim
So, eaiuinhaudo sem geveuio e luz.
Junto urna cruz se finando alfnn.
+ Amar de Smaa P. Pesso*.
NAUFrtAGIO. A fragata* hespapWn
Mar (rida foi a pique em vjagem de Car-
diff para as Filippinas ; 14 marinheirtMxpje
se haviam mettido n'um bote, para ir alean-
car urna barca hoilandeza, que se presteva
a recebel-os no alto mar, morreram afofm-
dos.
ffrTw WAItlO-ll A 91S CECliSi \
i
i
i
I

\<

'

I

I

T

~^7
J. >}l [ !J '
^"



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET42ISIUN_WU4367 INGEST_TIME 2013-09-14T00:49:35Z PACKAGE AA00011611_11779
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES