Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11778


This item is only available as the following downloads:


Full Text

*
"*
T
^X
ANNO XLV. NUMERO 46.
SAB8AD0 27 DE FEVEREIRO DE 1869.
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE.
Por tres mczes adiantados. ..... k '........ 60000
Por seis ditos idem.................... 12)5000
' -Por-um anuo idem.................... 24)5000
ada numero avulso................... 320
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA.
t Por tics mezes adiaalados.
'Por ses ditos idea. .
Por ncve ditos idem .
Por urn anno.
W70
43*860
20/1280
27*000
Propriedade de Manoel Figrueira de Faria & Filhos.
SAO ACKXTB;
l

Os Sis. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para; GocalvesA Pinto, no-Maranlio; Joaquim Jos de Oliveira, no Omite Antonio deLemos Braga, no Arncaty; Joo Mara Julio Chaves, no Ass; -Antonio Marques da Silva no NaSl; Antonio Joaquina
Guimaraes Pancada, em Mamanguape; Antonio Alexaodi'iiio de Lima, na Paraliyba; Antonio Jos ornes, na.J a da Penha; Bidannino dos Santos Bulcao, em Santo Antao;.Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth; Francino Tarares da Cfsta, emAlagas; Dr. Jo Martms Aires, -naJJaliia; e Jos Bibeiro Gasparinuo, no.Bio de Janeiro.
PARTE ornciAL.
<-ofrno da provincia.
EXPKDIKSTK ASSKNAU PRL EXM. SH. CONORDBAB-
psnuv. rmrnawrnrir da 1'hovi.ncia, km ti de fe-
VKBKIUO 1>K 18liP.
I' seceao.
N. 8S1.Portara ao Exi. Sr. general eomman-
dante das anuas.Expeca V. Exc. as suas ordens
para que ao juiz imiiiii-i|ial ila 2J vara sej hje
iprcscnlada urna praca montada, para levar ao3
diversos subdelegados deste mnaicipio, os offieios
Huc lhe- sito dirigidos para a convocado da prxi-
ma sessao d i iurv deste termo.
N. SolDita ao director do arsenal de guerra.
Attandendo ao que solicitou o brigadeiro comman-
danto das armas em oflicio de 20 do corrente, sob
ii. lOli, recoiiiuieiidu a V. S. (|ue mande entregar ao
comuiandanto do de|iosiio de recrutas depois de
cortados de' nodo que nao possam ser a presenta-
dos em oulra occasiao, os lences velhos do brim
que furaaj secolhidos a esse arsenal, perlcirteiUes
a enfermara militar, visto seren elles precisos na
ni.'na enfermara para ataduras e fio?.
S. 653. Dita ao capitn do Porto. Segundo
parlieipou-mu o chefe de policia em ollieio de 20
do crrante, sob n. bi, foram entregues ao capa-
taz dessa capital as lies ultimas jangadas, que fo-
ran a restadas para soecormr a pnpulacao dos ar-
rabalae> desta ciilade na recente eiichenle da rio
Capibaribe, inclusivo uina em mau catado, queja
assim lWra entrabe pelo rwBOdJTO proprelario.
N. o,'i.Dita M uiigenbeiro das obras Balitaras
Auloriso Vnic. a mandar fazer o concert de
que precisa Craneanamente do caz da guarda d'al-
audega pela iinportaneia de 600 constante de
seu ollieio de 18 do corrente.
2a seceao.
N. ooS.l'ni tarn ao ebefe de polici i.Inteirado
de quanto V. S. me participa am seu ollirio n. 2til,
de 11) do corrente, leulioadizer-lhequorreoinineii-
de as autoridad < re-pectivas a captura do delin-
quanto. qitc em dias de Janeiro ultimo ferio as
trras do engento SeMC Ranchos do termo de Es-
cada, ao inspector de quarteiro Adolpho Eloy
Pacheco.
N. 559. Dita ao mesmo.Iajeiradn de quanto
V. S. me participai ui seu oflicio de 20 do corrente,
sob n. 2Gi, quanto a entrega feita pelo fiscal da
freguezia da lia-vista ao capataz da capitana do
Porto do tres jangadas, que restavam para com-
pletar o numere tl'aquollas que foram dadas para
soecorrer a piqmlacao dos arralialdes desta cidade.
por occasiao da recento ebeia do Capibaribe, tentio
.i dizer a V. S, que de paite desta presidencia
louve ao dita fecal petos bous servico por elle
prestado- nessa inundaban.
N. 5l.Dita ao juiz de direito da 2a vara desta
cidade. De-..'no a V. S. para no da 25 do cor-
rente ao neto da fazer parte da junta, que em ul-
tima instancia t mi dcjulgar neste palacio ao alfe-
res Miguel Joaquim do liego Darros. do corno pro-
visorio flo polica, cojo preresso icIhso envi a V.
S. para nesia occasiao apresentar o relatono
tstyl
>. 561.Dita ao juiz municipal da Ia vara desta
delegado do segundo districto da freguezia do Es-
pirito Santo do municipio de Pao d'Allio, os seguin-
tes cidadaos : 2." Jos francisco de Moura Albu-
querque, 3. Andr de Albuquerque Mello, 4" Joao
Francisco do Hollanda Cavalcanti, 5." Manoel Fran-
cisco de Suza, 6. Francisco de Barros Barbosa.
N. 372.Dita.O presidente da provincia, con-
formando-se com a proposta do cliefe de polica,
em oflicio n. 236, datado de 19 do corrente, resol-
ve exonerar por conveniencias do servico, a Ma-
noel Marques de Albuquerque Mello, Jos Francis-
co da Costa Figueiredo, alferes Conrado Ferrera
da Costa e Raymundo Nonato Correa da Luz, dos
lugares de 3", 4", 5o e 6 suplientes do subdelega-
do do districto da freguezia de Nossa Senliora da
Luz do municipio de Pao d'Alho.
N. 573.Dita.O presidente da provincia, con-
formando-se com a propusta do ebefe de polica
em oflicio n. 256, de 19 do corrente, resolvq,-;no-
mear para os lugares vagos de supplentes do&ub-
dclegado do districto da freguezia de Nossa Senho-
ra da Luz, do municipio de Pao d'Allio, os seguin-
les cidadaos : 3." Jos Geininiano de Araujo Pi-
nheiro, 4. Antonio Vicente Rodrigues Chaves, 5.
Joao Dias Cerneiro da Cunba, 6." Jos de Mello
Azedo.
3.* seceao.
N. 574.Portara ao inspector da thesouraria de
fazenda.Transmuto a V. S. para terem o conve-
nienfe destino, as inclusas relacoes nom'maes de
pagamentos, e de alteracoes havidas no mez de Ja-
neiro ultimo, com as prcas dosbatalhoes da guar-
da nacional 1." de arlilharia, 1.", 2.", 3., 4., 6.',
8.- e 9." de infataria, destacadas no presidio de Fer-
nanda.
eommandante do presidio de Fernando, em oflicio
de 16 do corrente, sob n. 193, haver remettido no
vapor Giquia, com destino a essa thesouraria 9
sacras de algodfio em la de prodnecao do mesmo
presiilio; pesando 47 arrobas e 2 libras, e 150
SSOOM com milho contendo 300 alqueires; assiin o
declaro a V. S. para seu conhecimento e direccao.
N. 576.Dita ao mesmo.Envi a V. S. para
os lins convenientes, as inclusas guias de soceor-
rimontos dos soldados da guarda nacional Jovino
Ignacio da Paixiio e Joaquim da Costa Vieira, (|ue
ebegaram do presidio (Je Fernando, onde se aclia-
vai destacados, sendo o primeiro do 1. batalhao
de infamara e o segundo do 1." de arlilharia.
N. 577.Dita ao mesmo.Tomando em consi-
deracao o que no incluso requerimento, a que se
refere a sua inlormacao de 20 de Janeiro ultimo,
sob n. 36, expoz o juiz de direito da comarca da
Boa-Vista, Dr. Luizde Albuquerque Martina IV
reir, recommendo a V. S. que mande pagar o or-
denado do supplicante durante os tres mczes, a
copiar de 10 de deeaibr sado, em que estove no goso da lieenca que lhe foi
concedida por deliberado Insta presidencia de C
de outubre d"nquelle anno^ n* obstante ter esse
magistrado princjiiado a fruir a lieenca de queso
trata ous mezes depois da dala de sua concessao,
pois (pie acha-se elle no mesmo caso, constante da
portara de 30 de abril do anno cima citado.
N 378. Dita ao mesmo. Providencie V. S.
para que depois de liquidados, em vista da ulha e
pret. juntos em duplcala, os vencimentes, r
Amaro que allega ser siu Blho, o qual foi deixado
na roda da casa dos expostos na noile do da 20
de Janeiro ultimo como, V. Exc. declara em seu
oflicio de 19 di corrente sob n. I"1
N. 588. Dita ao mesmo. Tetjtbfl mplotado
a sua educaee no collcgio dos ^MVeoaA
Exc. declara um sua inlVirmacao de 19- '''-HflMP1 8
sob n. 1739, a educamla Emilia lVroira.de CiUlro, j
autoriso V. Exc. a mndala entregar a liara
llenriqueta de Castro inaeda mesmx educanda.-
N. 5W). Dita ao mesmo. Em vista do oflicio
de V. Exc. de 19 do corrente sob n. 1762 concedo
a autnnisaco que pede a junta administrativa
dessa Santa Caza para mandar entregar 'a baro-
neza de Vera-Cruz a educanda da caza dos
expostos, Hita de Cas?ia,medianteaseondceoes de-
claradas em seu citado oflicio.
N. 590. Dita ao ins|iector da saude publica.
Tendo, segundo participa o delegado de polica
do termo de Serinliaem ;m oflicio de 17 do cor-
rente, recrudescido a epidemia da varila ir'aquel-
la villa, e sendo por elle requerido urna poquena
ambulancia de remedios propros para e>
a I i ni de seren Conocidos aos desvalidos que de
forem alTeclados, recommendo a Vine que
toda a urgencia satisfaga (se pedhin, enviando,
dita ambulancia a esta presidencia para ser remet-
tida aquello delegado.
N. ."ioi.Dita ao barao de Aragagy, presMtJHfi
da cmara municipal da cidade do ilmFormosn.
Foi-me presente o olli-io quo V. S. dirgio-me
em data de 3 do corrente, participando-mi ter
prestado juramento a 30 do mez anterior, een la-
do no exereicio da pres.dencia da nova-cmara
dessa cidade, bem como de haverem sido jura-
Cario Jos Mas d Silva.Informe o Sr. direc-
lor da haii-iio,-;-,., pulK.
Capftttlino Freir Mftriz.0 documento qu eo
sujipllcante pedo foi remettido pelo eommandante
do coro e por isto niio Iho pode ser entregue.
Flix los Seralmi. InfonneoSr. eommandante
mprior%iiiterino.
Framj|co de Souza Magalhaes.A' vista tas
N 575 Dita ao mesmo.Participando-me o mientados na inesina occasiao os domis verendo-
... -mr .OD-!. .......1_____^_ -1.^ ______ .\ ^.. .1 :._.:..... A*.1 ,lll'l. ni.
cidade.Transmiti a V. s. para os tos conveni-
entes, os inclusos ".nos de visioria c denudado
de pos fa procedidos nos cadveres dos sentencia-
dos de jusca Isid tro escravo, natural desta pro-
vincia, i: Jos Sabino de Souza. da do Maranhao,
fallecidos na eiifermaria do presidio de Fernando
de Noroiiha. segnndo declarou o respectivo com-
niaiidanl" d'aipielle presidio, em oflicio de 15 do
eorreute si b n. 193.
N. 562.Dita ao mesmo.Transmiti a V. 8. as
guias dos sentenciados dejustiea constantes da re-
lacao. junta por eopia, que segundo o oflicio do
eommandante do presidio de Fernando de Noronha
de lo do corrente, sob n. 192, cumpriram as res-
pectivas sentencas e viuram nafit esta cidade no
vapor Gtquh.
N. 561. -Ditas aos tenentes-coroiiei- Decio de
Aquino Fonceca. Francico de Miranda Leal Seve
eJoaquim Jos da Slveira Designo a Vine, para
fazer parte da junta que em ultima instancia tem
lo jlgar ao aiferes do oarpo pruvisorio de polica
Miguel Jouquim do llego Da iros, a qual deve reu-
nir-e naste palacio no da 25 do corrento ao meto
da.
N. 564.Dita no jai/, municipal do Pao d Albo.
Para poder sa'isfazer o que solicitou-me o bri-
gadeiro comman lanle das armas, em, oflicio de 19
do conente. sob n. 102,envie-me Vme. una copia
authentiea da sentenca proferida pelo.jury desse
termo. ,i ;i de junbo do auno passado, contra o sol-
dado rccrula Jos Mauricio dos Sanios.
N. 565. -Deliberagao.0 presidente da provin-
cia, conf irnnodo-so com a proposta do ebefe de
polica, em offleio de 19 do corrente mez, sob n.
236, exonera 1>or conveniencia do servico, a Tho-
rn Leai ro de Castro, Jo- Hufino de Souza Ra-
mos, i nardino Caetano de Souza e Ainerico Car-
neiro da Cunba a Albmjuecqne, dos lugares de 3",
V1 5- e 6 suppleiiies do delegadti de polica do ter-
mo de Pao d'.MIio.
N. 561'..Dita.O presidente da provincia, con-
orniandt-i; coni a proposta do chefe de polica,
im eliiei i de V.) de corrente. sol) n. 256, nomeia
; ira o lugar vago de delegado de polica do termo
dj Pao d'Alho, o actual segundo supplenle do mes-
mo delegado, major Joao Antonio da Silva Cabral.
N. 56'.'.Dita.O presidente da provincia, con-
tormand Me CODO a proposta do chefe de polica,
em otflcio de 19 do cu rento mez, sob n. 256, no-
moa para os lugares vagos df. supplentes do dele-
gado de polica do municipio do Pao d'Alho aos se-
guantes cidadaos : 2." supplenle tenente-coronel Jo-
s Mara dos Santos Cavalcanti, 3." supplenle Joao
de Azevcdo Araujo Pinbeiro, 4. supplente major
Jos Mendes Carneiro da Cunlia, 5.- supplente Se-
bastiao Antonio do Bego Cavalcanti, 6." supplente
major Caetano Correa de Aniorim.
l. 568.Di11.O presidente da provincia, con-
formando-si' con a proposta do chefe de polica,
moflieran. *, de 19 do corrente, rcsolve exo-
nerar por conveniencias do servico, a Christovao de
Hollanda Cavalcanti, Jos Carneiro da Silva Bel-
trao, Ignacio Joaqiim de Souza Moreno, Manoel
Jo iquim do llego e Vicente de Souza Ferrer, dos
lugares de 2, 3", 4, 5o e 6 supplentes do subde-
legado do primeiro districto da freguezia do Espi-
rito Santo do municipio de Pao d'Alho.
N. 569.Dita.O presidente da provincia, con-
f >rmande-se com a proposta do cliefe^le polica,
em oflicio de 19 do corrente, sob n. 256, resolve
exonerar por-conveniencias do servico, a FrancM-
co Jos de Barres e Silva, Antonio Joaquim Correa
Lins Wanderley, Bernardino Caetano de Soa.
DiogoSoare.- Carneiro de Albuquerque e Jos Viei-
ra de Mello, dos lugares de 2', j^l0, 5o e 6 sup-
plentes do subdelegado do seguudo districto da fre-
guezia do Espirito Santo do municipio de Pao
d'Alho.
N. 570.Dita.O presidente da provincia, con-
formando-se com a propasta do chefe de pelieia,
a-n ofBcio n. 256 de 19 do correte, reselvenomear
para os Jugaras vagos de supplentes do subdele-
gado di primeiro districto da freguezia do Espirito
Santo, do municipio de Pao d'Alho, es seguintes
-idadaos : 2." Setero Marques de Araujo Pinheiro.
3. Portlro daSilva Tavares CeaMw, *. Jos Bar-
bosa da Molla. Stlveira, 5.' Aalewia *eaqnim Ca-
mello, ii." Fel Jes do Ait MeHo.
N. 571.Dita.O presidente da provincia, con-
f.ffwni'lo-se com a proposta do chele de policia,
vos ao mez de Janeiro ultimo, do oflieial e pracas
da guarda nacional destacadas na villa do Brejo.
mande pagar a sua importancia a Jernimo Remi-
ra Marino ou a Evaristo Mendos da Cunba Aze-
vcdo, conforme soheiton o eommandante superior
d'aquetla corncea em oflicio do i." do corrente.
N. 579. Dita ao mesmo. Tendo nesta data
autorisfido o tenente do corpo de engenheiros en-
carregado das obras militares, a mandar fazer o
concert de que precisa o encanamento do gaz da
guarda d'all'andegk pela importancia de seis mil
nis, assimocommuuico a V. S. para seu conhe-
cimento.
N. 580. Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial. Devolvendo a V. 9. o incluso requeri-
mento, o autoriso nos terina*, de sua informacao
de 19 do corrente sob n. 84, a mandar pagar pela
sobra daljbnsigiiacao #o 17 do artigo 15 da le
do orcainenlo vigente, ~a importancia da primeira
presia'cao, a quo tem direito Manoel Bezerra dos
Santos'Junior, na qualidade de arrematante das
obras do agudo de Bezerros, como se v da certi-
dao annexa ao mencionado requerimento, urna vez
(pie elle aprsente segunda via do respectivo cer-
tificado, o qual, segundo consta de sua citada in-
formacao, extraviou-se com o primeiro reaueri-
mento em que o supplicante solicitou esse paga-
mento.
N. 581. Dita ao mesmo. = Expeca V. S. suas
ordens, para que, em vista dos prets notninaes
juntos em duplcala, que me reraetteo o eomman-
dante superior do municipio de Pao d'Alho com
offleio de 4 do corrente, sejam liquidados e pagos
ao cabo Pedro Joaqnim de Santa Anna os venci-
mentos, relativos ao mez de Janeiro ultimo, dos
guardas nacionacs destacados n'aquella villa, pro-
videnciando ao mesmo tempo para que taes ven-
cimentos d'ora em diante sejam satisfeitos pela
respectiva collectoria, mediante os competentes
prets.
N. 582. Dita ao mesmo.Em vista do pret no-
minal, junto em duplcala, mande V. S. liquidar e
pagar ao sargento Diomedes Francisco das Cha-
gas, conforme solicitou o eommandante superior
da comarca do S. Antao em oflicio de 18 do cor-
rente, os vencimentos, relativos ao mez de Janeiro
ultimo, dos guardas nacionacs destacados na villa
da Escada.
N. 583. Dita ao mesmo. Annuindo BO que
solicitou o chefe de polica em offleio de 19 do cor-
rente, sob n. 250, recommendo a V. S., que, de-
pois de liquidada, em vista da conta e rclacao jun-
t.is. mande pagar a Flix de Figueira Faria a im-
portancia da despe'za feita com o sustento dos pre-
sos pobres, rocolhidos a cadeia da cidade da Vic-
toria, durante o mez de Janeiro ultho.
N. 584. Dita ao mesmo. A Flix de Figuei-
ra Faria mande V. S. pagar, depois de liquidada,
em vista da conta junta emduplicata, que mere-
metteu o chefe de policia com oflicio de 19 do cr-
reme, sob n. 249, a importancia da despeza feita
com o fornecimento de luz e agua para o quartel
do destacamento da cidade da Victoria durante o
mez de Janeiro ultimo.
4.* secgao.
h. 585. Oflicio ao presidente da provincia do
Para. O sentenciado Domingos Martins Noguei-
ra que se acbe cumpaado seaieana em Fernando
de Norunba, allega em urna peticao ter sido juhja-
do na capital d'essa provincia a 10 de inaio de
1865, e que interpondo recurso degraca,S. M. Im-
perial se dignara eommutar a pena a que foi
condomnado-em 10 anno de prisao, coiumutacao
esta.que. diz nao constar u'aquelle .presidio. Tendo
ouvdo o juiz municipal da primeira vara desta
capital, declara este nada constar do cartera por
onde corre as execucoes crimes, pelo que levo-tudo
aocouhecimento^de V. Exc.a.flmde mandar in-
dagar o que nouver.a respeUo do supplicame e
enviar-me a respectiva guia.
N. 586. Dito ao presidente da .previne do
Maranhao.Transmiti a V. Ec.-paraosfins on-
venientes.incba eepia do auto de visioria e
identidade de pessoa a que se proceden W m^-
ver do sentencdo de.justica iessa provincia Jos
Sabino de Souza ..que^Wleeeu na nfermaria do
presidio de^i^ftaaeo,rfKiiad-deeiareu o respec-
tivo eommandante em oflicio *e 15 do corrente N. 587. = Fortatia ao rftrectur provedor da
Santa Caza deJHiieriaiBrdia. Convonbo em que
e-em>ioB.WaeYrdo^em;rttc7riolve no- W entreguea Domingas Mariada Silva, depois
mear are os liares vagos de supplentes do sub lile pagar Ua as respectivas despezas, o menor
res e osjuizcs de paz dos dstrictos das duas pa-
recidas, que compiten) o municipio da sobredita ei-
da le. dayjue liquei scicule.
N. SW Deliberacao. O presidente da pro-
vincia, em vista do que 3xpoz o direetor gera! da
instniccao-publica em oflicio de 16 do corrouto,
sob n. 28^ rosolve nomear a Joao C.liiyspim do
Araujo, para reger int >rinamenle e median c 3pj
graticaQao animal de 600 a cadoira de instru"
cao primaria da villa di Salgueiro.
" N. 391iia.=0 presidente da provine-, >
vista da nroposta dodinctor geral da msirucyao
publicada 18 do corrente, solm. 40, resolve exo-
nerar a Aiiierico Carec o da Cimba Albuquerque.
jlo cargo de delegado littcraro da [rogueaia da (do-
ria de (Juila.
N. 594.Dita.O presidente da provincia, ten-
do em vista a proposta do direetor geral da ns-
truccao publica de 18 do corrente, sob n. 40. re-
solve nomear ao eapitao Antonio de Barros Cor-
iva para o cargo de dole:ado litterario da Ireg
zia da Gloria de Goita.
expediente assicn.vd9 pelo su. 011. jovqiim
di: aii\i;jo, secrbtario do g >vbaro, 8 im>.
fevereiro d8 1869.
1" seceao.
N. 595.Oflicio ao Exm Sr. general
daute das armas. De ordem de S. I
presidente da provincia, declare em re
sen oflicio de 3 do corrente, sol n. 6S. que tiesta
data aulorisou-se-o tenerte do orpo de
ros encarregado das ob:-as militares, a miuida l.t-
zero concert de que precisa o encanamento
do gaz da guarda da allandeira.
N. 596.Dito ao mesi mDe ordem de S. Fisc.
a Sr. presdeme da provincia, declaro a V. Exc.
em resposta ao seu oflicio de 20 do corrente. sob
n. 106. que Mea expe ldi a convenieute ordem ao
major director do arsenal de guerra para mandar
entregar ao eommandante do deposito de recru-
tas, os lencos velbos de brim que foram altane-
mente all rccolhidos, alim de servirem de atadu-
ras o fios para os (lenles da enCermarja militar.
2" S('C-.r; i.
M. 597. OlTicio ao Dr. chefe- di* polica, -O
Exm. Sr. presidente da provincia manda doctorar
a V. S. em resposta a s seus offieios de 19 do cor-
relo, so!, ns. 2i8e2-'i(), (pie nesta dala auioriieti-
se a thesouraria provincial a pagar a Flix Fi-
gueira de Faria asquantas constantes dos c ta-
dos offieios.
N. .'i'.is.Dito ao comnjMulinte superior da co-
marca de Santo Antao.-*tljnSxc. o Sr. presidente
da provincia respondendo o oflicio de V. S dal Wo
de 18 do corrente,*nia!H.a declarar que a thesou-
raria provincial tem ordoin para pagar ao sargento
Deoinedes Franciseo das Cnitgas, os vcncinienios
constantes de seu. citado offleio.
N. 599.Dito ao com nandante superior de Pao
d'Alho.S. Exc o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a ?. S., em resposta ao seu oflicio de 4
docorrente, que a thesouraria provincial tem or-
dem para pagar ao cabo Pedro Joaquim de S uta
Auna, os vencimentos constantes de seu citado '?m-\
ci, os quaes d'ora em diante passam a ser sati
tos pela collectoria dessa villa, em vista dos
petentes prets.
N. 600.Dito ao eommandante superior do Lie-
joNesta data aulorison-se a tliesonraria de fa-
zenda a pagar a Jcronvmo Pereira Marios, oj a
Evaristo Mendes da Cui'ha Az.ivedo, os venciireii-
tos constantes do oflicio de V. S., datado ao 1' do
corrente. o qual tica assim respondido,
de 8. Exc. o Sr. presidente da provincia.
N. 601.Dito ao juiz municipal da ?' vara dista
cidade.O Exm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S. que nesta data se expedio or-
dem ao general eommandante das armas para lhe
ser apresentada a praea montada, de1|netr|t o
seu omcio de 19 do corrente.
3* seceao.
N. 602.Oflicio ao chefe da repartilo
obras publicas.O Exn. Sr. presidente da [ro-
vincia manda declarar a V. S. para sen con
monto e tlns convenientes, que nesta data auliri
sou-se ao inspector da besouraria provinrial
denar o pagamento da primeirt prestacao, a que
tem direito Manoel Bezerra dos Santos Jnior como
arrematante das obras lo acude de Bezerros, urna
vez que elle aprsente reguda via do respectivo
certificado, o qual extrf.viou-se, segundo infonaou
aquelle inspector em offleio de 19 do corrente [tez,
sob n. 84.
4' 3eccao.
N. 03.Oflicio ao director geraW instn:
publica,S. Exc. o Sr. presidente i
informa'jjW^oucedo a lieenca pedida com ordena-
do mdHfe a contar'e TUlrjSBBtfb, crino pro-
poe o director da instruccao publica.
Francelina Maurtna da Silva e Albuquerque
Altendondo as airopmstancias em que si aolia a
supplicante e ao que informa a thesouraria, pa-
gue-se lh os seos vencimentos, sob banca idnea,
at que assembla provincial atienda no rramalo
a esta despeza.
Flix do ValoisCorrea.Nao tem lugar oque
Irequer o supplicante sor nao estar marcada qunta
'para pagamento da iQadeira da freguezia da Ba
Vista.
Izid' ro Marinho Cesar.O supplicante n\o |>de
ser allundido no que irquer, visto ter sido decla-
rado seni efleito a reitioeao para mitra cateira do
prol'essor qui' eslava ns de (araiilmns.
Jos de Amoriio Lima.Sim. pagos os direitos
diviil m
Joanua*Justina de Siqueira Varejao Concedo
um mez. com voncimento de ordenado smente, a
contar do Jia em que teiinirthr a anterior li-
imnte lao Flix Nepomuccno Jnior.Infor-
me o Sr. iuspoctor da thesouraria de fazenda.
hnmaz de Aguiar Jnior.Junte i planta
do terrean, que allude, nos t'c/mos do ait. U do
decreto b. 5105 de 22 d fevereiro do 1868.
Major Jos Policarpo de Freitas.Certifique o
que constar.
Capiwhioaiiuim Antonio de Moraes.Aguarde
tendo subido o processo conclusao do juiz mu-
nicipal da segunda vara.
Parlici|>ou-me o delegado do termo de Olinda,
por offleio le 84 deste mez, que no dia anteceden-
te o subdelegado do districto de Beberihe litera
recolhcr a cadeia d'aquella cidade, sua disposi-
cao, o (lardo Marcelino Jos dos Anjos, por ter fe-
rido levemente com um compasft a crioula Maria
Krancisca da Couceicao, que foi vistoriada per
aquella autoridade.
Deus guarde a V. ExcIllm. Exm. Sr. conde
de Baependy, presidente da provincia.O chefe do
policia, Francisco de Furia Lemos.
INTERIOR.
Correspondencia 4o Diario Peraanibiico.
o supplicante a decidi do ministerio da gi erra ao
oflirm des);, presidencia n. 9 de 8 de Janeiro pro-*
ximo lindo.
Dr. Joao Paulo Monteiio de Andrade.Junte a
planta do terreno, a (pie alinde, nos tormos do
11 do decreto n. 4105 de 22 de fevereiro de
Jos Jacome Tasso.Informo o Sr. desembarga-
dor presidente do tribunal do commercio.
Luiz de Albuquerque Araujo (raleante.In-
forme o Sr. engenheire ebefe da reparticao das
obras publ
Mala Francisca do Rosario.Estilo dada? as
liiovideiicias para screm substituidas as piaras da
guarda nacional, que se acbam no caso do lilho
da supplicante.
Miguel Joaquim Barbosa FoKscea deCarvalho,
Informe o Si inspector da tliesouiaria do fazenda.
Jeroiiyi la Cunba Lius.l'ass-.-" titulo
mcjffiao interina som vencimentos.
lino Anlonio da Fonseca.A' vista das
admittidos como alin mos ex-
ilios do suppJicanle.
iderico de Araujo Paria.Passc-sc titulo de
nomoae~o interina sem vencimentos.
C onando das anuas.
OUARTI.l."- ERAL DO COMMANDO DAS .MIMAS DE TEH-
2fi E FEVKUljIlW DE 1869.
Qrian do iia 432.
O urjgadejro eommandante das armas faz pu-
blico p i idos iin< ;
i. Qao i da corte e appresntoa-se
neial a 3 do coi rente me/, o Sr.
eapitao reformad i do exercito Antonio Mara de
Castro Delgado.
r. tenante do 1." batalhao o infan-
taria Francisco Ignaci i Manoel de Linu que se
auhava-Besta provincia a eji-ra de. deciso do go-
i sobre n ifa ipn1 requeren, appre-
sentou-.-e a 3 qestc mez alim de segu r para a
da corte e foram incluid -
no re'spec ; pri-'io:ieiros de guerra
paragu. AMstin Ensina.
Alo.
',. siilencia comiunioii em data de
15 haver snbmetliil > do .gnverno impe-
rial o requerimento em que o Sr. alteres do II"
batalhao de intantaria Matioel Jos da Silva Leite,
pedajirerogacao di lieenca com que se achava
provincia, para, continuar a tratar de suajtoi'-5 na ?u
5. Que a presidencia por deliberacao de do
corrente, concexjeu a exoneracao que pedio o Sr.
eapitao reformado do exercito llozendo Monteiro
do Lima, do lugar de ajndantedo director da colo-
nia militar de l'menteiras.
6." Que em oflicio de Iti. comnitinirou o eom-
mandante do presidio d.- Fernando, hacer o Sr.
eapitao do U' batalhao de intantaria Antonio Ray-
j mundo Luis Caldas, revestido do com lando do
nto de linlia a 11. par ternesse dia en-
trado no exereicio de major da praja do mesmo
formado do exercito Leo-
braw Calvao Iclioa, iomeado poi portara
de 4, tu.lo de-te mez, para exercer
interinamente tal empregf durante a au-cncia do
i-maior de arlilharia Tibnr-
Tavares, que em virtude do
i oo-iiia portara, passou a servir in-
teinauente o lugar de ajudante do director do
sta provincia,
i 23 apreseulou-se da lieenca com que
i o Sr. capitn reformado do exercito
i Alipio de Carvalho Mcndon^a, fiscal do
recrutas.
8," Que a presidencia commiinicou em oflicio de
ogoverno imperial deliberado, segundo
ministerio da gnerra de 12,
' do corrate mez. qne os ottieiaes hDnorarios
e qaeesquer ontros qne regre*sarem da campanha
inulilisados por ferimentos recebidos em com-
bate e nao pnssam prever os meios de sna sub-
sistencia, devem continuar a receber o sold cor-
PAHAHTBA, 25 HE HVERElItO.
Por falta Je certas inlaAiaces lenho dftxado
de fallar-lhe da cheia que sollremos no da 8 do
corrente, o que Caco hoje um pouco mai* habilita-
do sobre o assumpto.
Nao foi somonte o rio Capmsribe, que fez das
suas, conforme tfi em seu importante Diario ;o
l'arahyba, que disceu com um mame d'agua ex-
traordinario, nao lhe lieoii milito atraz.
izein algumas pessoasantigas, coin quem con-
verse, que esta cheia s tem paridade com a que
[vemos em #817 ; as de 1812 e 1852 foram, sem
a menor tanda, algo inferiores.
O Parahyha transborden copiosamente do seu
leito, cspraiaiidcse por Ibda vanea, devastando
innmeros partido; de cannas, e inutilisandomui-
tos recados d'algodao I
Os engenlios Inhobim, Jabor, Torrnha, S ibas-
topol, Pndoba, Peixe, Cangullo, Capellinha, Velho
Saramago e outros, cujos nomes nao me record,
perdern) quasi todas as m plantacoes, chegando
a agua em ataas, a invadiros proprios edificios !
Urna familia, a^avessando em canoa o rio Tai-J
falcara fugir cchente, perdeu 7 pessoas, sem
que podesse ser soccorrda per uoiibum dos habi-
tantes circumvizinhos !
A nova ponte de Cerro da Batalha solfreu varias
araras, principalmente no aterro do lado do nas-
cente, ]Kir enormes escaracSes ; a do lugar deno-
minado Pocao licou ompletanieute estragada !
A nova" estrada de rodagem soffreu bastante,
mxime da ponte da Batalha at a Cruz do Espiri-
to Santo, nos lugares que se reconhecem niais
baixos.
Indspensavelmentc nesses pontos ella deve ser
alteada, como j se tem observado ao contratante,
que, entretanto, permaneca incrdulo sobre essa
O Exm. Sr. Dr. Theodoro Machado, com a sol-
citude que o distingue, trata de reparar os estra-
gos dessas obras, naqiiillo que toca i provincia,
com os recursos seu alcance, tornando-sc, por
isso, digno dos maiores encomios.
Ef o que me csaaa da cheia por emquanlo.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
ACTOS OFFICIAES.Por deliberacSes de S2 o
25 do correnle, e sob proposta do Dr. chefe de po-
licia :
Foi supprimido o districto de subdelegjcia de
Tltanga, i- da freguezia de S. Lourenco da Matta,
paSMDdo o seu territorio a ficar annexo ao do pri-
meiro.
Foram nomeados : Jos Ceminiano de Araujo
Pinbeiro, Antonio Vicente Rodrigues Chavos, Joao
Dias Carneiro da Cunba, o Jos de Mello Azedo, 3"
a 6" supplentes do subdelegado da Luz; Manoel
Joaquim Mauricio Wanderley, Manoel Correa A-
Araujo, Jos Ferraz Daltro, Jos Antonio de AI-
ineida, Felinto do Reg Barros, c Francisco Jacin
tho Pereira, 1" a 6" supplentes do subdelegado de
S. Lourenco da Matta.
BOA-VIAGEM. Bealisou-se, na noile do 25 do
corrente, o levantamento da bandeira de Nossa Se-
nliora da Boa-Viagem, no povoado desse nomo,
com o maior brilhantisino peajivel, havundo ordem
e regulariilade em toda a solemnidad. A bandei-
ki foi aiMpanhada por crescido numero de. se-
nliora*, Tjtie entoavam verso- a Virgom da Boa-
V'iageia,!) som de uina banda de msica marcial.
O ailrnun igrejr Vdiava-se adornado e*m reos
iie iollias, todos Iluminados, bem como a maior
parte dascasas do |M)Voailo.
PASSAMENTt\Segnndo carias do theatro da
guerra. Calleceu ahi ltimamente o eapitao do 55"
batalhao danroluntarios da patria. Andr Xavier
Vianna Jnior, natural desta provincia, e lilho do
Sr. lenle Andr Xavier Vianna.. Era condeco-
rado com os hbitos do Cruzeiro e llosa, pelos va-
liosos sei vicos que prestou, principalmente em
Paysand,ondenraito se desaagaieeU [iromovid"
ollicial
ESPI1UTO-SAXTO DO COLLEGIO Dentro em
breve deve enmecar a obra do altar-nnir da igreja
dessa inviicacio, nesta cidade, visto assim o 1er
deliberada a mesa regednra da irmandade. O pla-
no adoptado, se for posto om execncao, deve tor-
nar esse tenplo o primeiro da capital.
Importando a-obra em sonuoa avultada, a mesa
v-se forjada recorrer aos eus irmaos, que sin
em mmtiro crescido. boai como aos deis ; c, esta-
mos cerros, sera acolliido com interesse um tal pe-
dido, prmoipabribnte attendendo-se aos esCorco-
exli .(ordinarios Coitos por essa irmandade para o
aforinoseamento e decencia d'uin templo, qne nao
ha amitos annos acbava-se entregue prolauarao
Os bolos deven ser entregues nos membros I is
conimissoes nomcadas pela irmandade.
INDECENCIA. Informam-nos que na ra do
Calaboucjo ha um morador, que tem por costunie
andar dentro do casa em camisa, conservando a-
Tanellas abenas, sem atl'iica o as familias que nio-
ram confronte; as quaes sao Coreadas a viver con-
cenlradas no interior da casa "alim de evitar >
quadro vive
f>RO.\TN>:iA subdelegado da freguezia
A cmara municipal da villa do Inga, influen- ,(,, p,l(.() ^ p,u^n, f^j prouunciado no ;.rt. 192 do,
ciada pelo genio da discordia que all mora, acaba cdigo crimin il, Ji;'. Pauli; de eslabetecer eonfteto eom a presidencia, insistin- to deJot Caiai i 15 de oiitubro do ana
do eindar como regalar a apuracao d votos para passtde,
vereitdores do mesmo municipio, annullada cu. J2 EKIIIMENTO.-Ko dia 22 do eMrenie no p.-voa-
0' uovcinbro prximo passado, por Calsillcacoes ,) d,. Heberibe. Marcelino Jos,-,los Aojos iwiole-
liavnlas nesse acto, olnigando S. Exc. -
por deliberacao desta dita, e em vista do que expoz
V. S. em offleio de 16 do corrente, sob n. 38, re-
solveu nomear a Joao Chrispini de Araujo para re-
Ser interinamente e mediante a gratificacao am-ual
e 6003, a cadeira dajnstrucco primaria da vn"la
do Salgueiro; o que a V. S. coinmunico,de ortlem
do mesmo Exm. Sr., para seu conhecimento.
N. 94.Dito ao mesmoTendo S. Exc. i
presidente da provincia, em vista de sua propista
de 48 do corrente, sob i. 40, resolvido por delibe-
racao desta dala, exonerar a Amerieo urrneiro da
Cunba Albuquerque do cargo de delegado ttira-
rio da freguezia da G oria de Goit, e nomtado
para o substituir ao eapitao Antonio do Barros
Correa ; assim o mandi communicar a V. S. jjara
seu conhecimento, euv .ando-lhe o titulo do noniea-,
do para ter o conveniente destine.
aaSPACHOS DA PRBSIDCIA DO DIA ,25 DE rEVKHEmO
BEl8#9.
Adelaide Leopoldina Carneiro Gluwes.Cerno
requer.
Ansa Peres Campe lo Jaonme daeSema.or-
rae o Sr. inspector da thesouraria de (aseada.
Aalemo AugustojeactelInforme o Sr. eage-
nheiro chele da repartiere das obras pdHfoas.
Antonia dos AnJos4arereiimeBto.Conee*im
mez de lieenca com vencimeato do ordenad
siente.
responden te aos seus |iostos at que entrem effec-
tivamente no goso da'pensao a que tiverem direito.
Outro sim determina que na manha do dia 1
demarco vmdouro.passe revista de mostrea com-
panhta de operarios militares do arsenal de guer-
ra e depsitos existentes nesta provincia, em sen
respectivos quarteis e pela ordem seguinte :
As 6 oras a companhia de operarios, as 61/2 ao
deposito especial de instruccao, as 7 ao dos recru-
tas, e as 7 i/2 ao de prision'eiros de guerra para-
guayos.
AssignadoJouquim Jos fonralres Fontes.
ConformeEmiimno Ernesto' de MeltJ Tambo-
rim; tenente ajudante de ordens encarregado do
detalhe
Repartlfo da policia.
seceao.Secretaria da policia de Pcrnambuco
f6 de Cevereiro de 869.
N. 391.BEn. c Exm. Sr.Tenho honra de
tevar ao couhecnento de V. Exc. que, segundo
consta das parfleipaces recchidas boje nesta re-
particaoj foram bontem recolhidos casa de de-
tencao. os seguintes individuos :
ordem do subdelegado do ReciCe, Silvestre
Pereira da-Conha, a disposioo do Dr. juiz espe-
cial do remmerrio. por erieie de fallcnc a ; e Ma
aoela Joarnna Gtmhcrmina por desordem.
Era 23 do corrente me intbrmou o subdelegado
aa*r^e^.tt>-Poco da Panella, nue o individuo
'afilfno, que lora indiciado autor do
rhne4e nemic1dioo>etpetrado na pessfa de Jos
Oevamom em Vi de outubre do ann j passado,
Tonunclaio no art. W4o cdigo peiau,
spensos, ocemtnandante supenoi
Pilar e Pedias de Fugo Francisco Vieira Leitaode
Mello, e tenente coronel Luizfranei>co de Vas-
concellos, eommandante do batalhao de Sania Ri-
, ta, por nao terem dado cumprimento algum as or-
alIVres Gre'^dens da presidencia, relativas aos contingentes de
guerra. ?
- O orgao da opposicao contina a bradar con-
tra o Exm. Sr. Dr.Tlieodoro.Machado. por causa
da suspensao de seu predilecto correligionario,'
o Dr. juiz municipal da comarca de Souza, c mais
anda por nao terem prestado juramento e entrad.)]
no exereicio de seus p istos dous oQlciaes supe-
da guarda nacional de Campina Grande,
que estes lirados veem sempre rechea-
dos de todaa sorte de invectivas e apodos, do que
tem pasvido arsenal a Ilustre redaeco, resvallan-
do, Celizmente, todos elles no escudo da justica e
integmade, que circunda sua resignada victima.
O Exm. Sr. Dr. Theodoro Machado, indilferente
como sempre a essa trovoada secca, mandou Cazer,
em attencaoaopublico^iue respeita, as declarace.es.
que abageo transcrevo, afim de que iwssa, por si
mesmo, avahar a sua conducta em ambos os as-
sumptos, c a procedencia de toes aecusacoes;
Declararocs.
Pela secretaria da presidencia da provincia se
declara :
o 1." Que as primabas accoMOoas do delegado
de Souza, contra o juiz municipal Dr. Manoel Ru-
fino de Alencar, Coram Ceitas, comprovadas com
pecas ofllciaes e dirigidas ao Exm. presidente da
provincia, em dato de 28 de agosto do anno pas-
sado.
2". Que as mesmas e mais nutras aecusacoes
foram Ceitas e dirigidas presidencia contra o dito
juiz municipal pelo juiz de direito da respectiva
co.narca. '^.
.i 3. Que em consequencia disso, ordenou-" pre-
sidencia em data de 3 de outubro quo o juiz muni-
cipal responoesse as referidas aeeasaeoes dentro
do prazo de quarenta e oito horas.
4." Que s cinco horas da tardo do dia 16 de
novembro, 191 o mesmo juiz municipal intimado
pelo oficial de justica Leonardo Jos Dantas, para
dar sua resposta, e remettel-a por intermedio do
juiz de direito.
5o Que at o dia 20 de novembro, data em
que o juiz de direito ofliciou a presidencia, nao
havia recebido aquella resposta.
6." Que tendo sido recebida essa communica-
cao do juiz de 'direito em data de 3 de -dezembro,
inda esperouse pela resposta do juiz municipal
at ao da 11 do mesmo mez, em que foi decretada
a sua suspensao.
1.' Que esta resposta s-foi aqui entregue no
dia 5 de Janeiro, e ainda quando fosse dada em
tempo, nao alterara a decisao tomada pela presi-
dencia, porque nao destruio os principaes runda-
meatos da suspensao.
8. Finalmente que o dito juiz municipal tendo
sido comprehendido em proeesso pelo homicidio de
Jos Leandro Soares, est agora sujeito decisao
da relajlo do districto, de quem depende o recur-
so interposto do despacho da despronuncia.
Pela mesuia secretaria se declara mais :
t 1* Que em 30 de novembropreterito secom-
municou ao commaudanto suaiWr da guarda na-
cional de Campina Grande, que so achavam no-
meados ofllciaes superiores da mesma guarda na-
couaL e baviam tirado suas patentes, os Srs. Joao
Lourenco Porto c Honorato da Costa Agr.
2-Que com datado i*a corrente mez *e: orde-
nou ao dito eommandante superior que dwertere
juramento queJles offldaes oaraque assunuseem
o exereicio deTeus poetes. 0 me ja deve ter se
TSta "deste emoaettte a ooposi.ao aplacou a
Cervura, c toritu-seilMPM-cio?specta.
Quem tal-dira?
Concluo esta, -guacdawlo o mais para o oncan-
tado vapor cost'
de an-
uo para anno, vao avancnitdo em exfbroos para
toma-lo cada vez mais aitraliente na occasiao des-
sa festividade nae, como tulas as do campo, en-
tremeiada de l'olguedos profanos, onde a popnla-
i;ao acha algumas horas de distraccao. Alm de
outros agradaveis festejos soltar-se-hao a noite.
ipier d'amanhaa, quer de segunda-fe;ra, fogos
presos, baldes, rogos de boiigalla, etc., etc. 11a-
erie trena bastantes r(u saiistacam a concurren-
cia publica.
1HEATROMoje representa-se no Santa Isabel
o drama Ckrislol o enforcado. a comedia /to*.<
lamfwies e a scena burlesca Ktl ou o miudinbo.
ECeICOES.Temos o resultado das seguintes
freguezis :
1. DISTUICTO.
Parara.
' Eleilores geraes.
Vi.-coinle de Camaragibe.
lia rao de Muribeca.
Dmaso dAssiinipcio Peres.
Dr. Francisco vio RAgo Barros Lcenla.
Dr. Manoel Artliurde Hollanda Cavalcanti.
Francisco de Paula Correa de Araujo.
Jos Antonio de Brito Bastos.
Ignacio Alves Monteiro.
Manoel Francisco de Cirvulho Paos de Andrade.
lose Mendos Vieira.
Antonio Alves d'Oliveira e Silva.
Joao Cavalcanti d'Albuquerque Lins.
Firmino dos Santos Vieira.
Antonio Pedro Cavalcanti de Albuquenuifi Lin-
Francisco Xavier Caraeiro Lins.
FianciscoSotler de Figueiredo Castro.
Egidio Carneiro liodiiu'ue- Cimptllo
Roque Antonio Corre.
4 D'STaicTo.
IlHllO.
Eleitores para senador.
Vigario Joaquim da Cimba Cavalcanti.
Manoel Gomes da Cimba Pedresa.
Joao Manoel Puntual Jnior.
Theotonio Jos de Freitas.
Odilon Austrikliano Bravner.
Vulpiano Jos de Mello.
Manoel Thomaz de Villa-No va.
Joo Soares de Carvalho.
Eduardo Daniel Cavalcanti Vejez de Guivara.
Flix Fernandes Portclla. f
Joao Braulio Corre e Silva.
Eduardo Jos de Sant'Auna.V.
Antonio Jos Pereira.
Vergolino da Silva Barros.
Antonio Feij de Mello Lins.
Antonio Francisco de Mello.
I'luminato Antonio Soaree da Fonseca.
Antonio Parigo da Cunba Pedroea.
Agstinb Paclieco Jlajiouso.
MigiK'l Rodrigues dos Alijos.
Manoel ICdoaialo da Costa Monteiro.
Jos Francisco Soares.
JoaoClaudiaoo de I no, osa Varejao.
Francisco Pereira Leal.
Fraacisc Tiburcio Paulino de Mullo e Silva.
Manool Gomes Cabral.
Joaquim Antonio da Cunba.
Manoel Theotenio de Mello Jnior,
los fio Pereira.
Guandenco do Monte Cabral.
Joamo Josiidas ('.hagas.
Fiaviano ttoaorate de Moraes.
Eustaquio Jos Nanea Muniz.
Avelino -Rodri|ues da Silva.
Pedro Ignacio da (kisto.
Jo-e. Joaquim da Fonseca Javarandim.
Justino F.ugoni i Lavinos.
Matbias Benigno Wamlerb y Tiba.
Miguel Soares da Silva.
Joo Manoel Saares da Silva.
Manoel Thomaz Paulino *e Mello e Silva.
Porfirio Xeixeira de Carvalho.





Diario de Fernamfcuee* Sabfcado 27 fie Feverewo de 1869.
Joaqaim Cordciro Ribeiro Campos.
Jos Victoriano de Vasconcellos Pereira.
Alexandre Marques Lina.
Joao Izidro Goncalves da Cruz.
Antonio Bezerra" de Menezes Borba.
Leandro Barbosa Calumbf.
Francisco Teixeira de .Carvalho.
Antonio Jos de Mello.
Antonio Jordo da Silva Vieira.
Eleitores para depulados.
Joao Manoel Pontual Jnior.
Vigario Joaquim da Cunha Cavalcanti.
Manoel Gomes da Cunha Pedrosa.
Theotonio Jos de Fre tas.
Odilon Austrikliano Brayner.
Antonio Jos Pereira.
Manoel Thomnz de Villa-Nova.
Eduardo Daniel Cavalcanti Velez de Guivara.
Thoinaz Jos do Aquino Pereira.
Flix Fernandos Portella
Joao Francisco da Fonseca e Mello.
Paulo Cavalcanti de Albuquerque.
Mainel Antonio da Fonseca.
Francisco Pi da Silva Valenca.
Thclesphoro Marques da Silva.
Ignacio Themndo Lessa.
Sysnando Sergio dos Santos.
Antonio Francisco do Mello.
Antonio Pungi da Cunha Pedrosa.
Manoel Honorato da Cunha Pedafu.
Francisco Velloso da Silveira.
Jos Gomes de Moura Borba.
Joaquim Miguel Gomes da Silva.
Manoel Thom da Fonseca e Mello.
Jos Honorato Chaves.
Hcrculano da Silveira Falcao.
Jos Pedro de Albuquerque.
Manoel Joaquim da Silva Barros.
Antonio Francisco de Assis Pereira.
Joronymo Alberto Maia.
Vulpiano Jos de Mello.
Flix Athanasio de Villa-Nova.
Manoel Victor da Fonseca Marques.
Jos Antonio da Motta.
Manoel Joaquim da Cunha.
Francisco Antonio de Amorim.
Jos Mathias dcOliveira Guimaraes.
Antonio Jos Pereira Jnior.
Joao Braulio Correa da Silva.
Jos Sypriano Bczcrra de Mello.
Jos Bibeiro Ribas.
Chrslovo Bczerra do Menezes.
\utonio Teixeira de Carvalho.
Man >el Thomaz de Souza.
Joao Candido do Mello.
Jos Joaquim da Silva.
Joaquim Manoel de Vasconcellos.
Manoel Thomaz de Aquino.
Manoel Joaquim de Albuquerque.
Jos Correa Pessda de Mello.
Joo Gomes Cabial Jnior.
Gracatu.
F.leitores para senador. ^
Vigaio Manoel Gomes de Brito. .* .

TOiT
i Torri
res.
es.
s
Ki
812
811
811
810
809
808
80C
808
807
876
805
80o
80i
80.1
802
802
801
800
Gmalo Teixeira de Carvalho
Joao Bezerra de Vasconcellos
Jovino Bezerra de Vasconcellos
Antonio Manoel Pereira Vianna.
Miguel Francisco Vieira. .
Sidronio Joaquim do Reg Barreto.
Joaquim Lins de Araujo. .
Jos da Silva Rios.....f
Mancel Baptista das Nevos .
> "i.Tii Mitin i Francisco do Reg.
Joaquim Militao de A niara I. .
Francisco Gomes de Araujo. .
Antonio Estoves da Silva Cruvello.
Jos Alves de Lima.....
Scraflin Jos dos Res .
Joaquim Antonio da Silva Mello. .
David Cyriaco de Rrito. .
Joao Baptista de Mello ....
Eleitores para deputados
Vigario Manoel Gomes de Brito. | 812
Goncalo Teixeira de Carvalho .... 812
Joao Bezerra de Vasconcellos Torres 811
Jovino Bezerra de VasconQehos Torres. t 811
Antonio Manoel Pereira Vianna. ... 810
Miguel Francisco Vieira. ..... 810
Jos Clemente da Silva...... 809
Jos Paulino Pereira da Costa .... 808
Bernardino de Paiva Cavalcanti. ... 808
LuizReltro Jorge ........ 807
Manoel Bezerra de Siqueira Ramos 806
Manoel Baptista das Neves..... 805
Serafim Jos dos Rcis...... 805
Antonio Rezerra de Vasconcellos Torres 801
Manoel Thomaz de Albuquerque 8034
Bellarmino Bezerra de Mello .... 802
Antonio Aniceto da Silva...... 802
Joaquim Luiz de Araujo...... 801
Sidronio Joaquim do Reg Brrelo. 800
S. Bento.
Eleitores para senador.
\ntonio Bento de Oliveira..... 1649
Joao da Porciuncula Valonea i 1645
Bento Jos Alves de Oliveira .... 1643
Francisco Rodrigues Valenca .... 1640
Francisco Bezerra Wandcrley .... 1637
Lucindo Camello Pessoa de S. Cavalcanti. 1635
Joaquim Soares da Rocha..... 1630
Zacaras Soares da Rocha..... 1629
Antonio Correa da Rocha..... 1028
Jos Camillo Valenca....... 1627
Joao Rodrigues Valenca...... 162o
Francisco Candido Valenca..... 1622
Joaquim Dantas de Oliveira. 1618
Joaquim Jos Pacheco do Amaral Reg 1600
Gabriel Mara da Silva Velloso. 1597
Joaquim Ferreira Callado..... 1592
Pedro Alexaudrino de Mello..... 1584
i'.laudio Columby de Azevedo .... 1580
Jos Felippe da Silva....... 1575
Jos Leonardo da Costa...... 1570
Carlos .Muniz de Mello...... 1499
Antonio Guilhermino do Oliveira 1497
Amaro de Medciros Amaral..... 1495
Vntonio Vidal dos Santos..... 1490
Antonio Joaquim de Souza..... 4477
Antonio Avelino da Silva Burgo. 1473
Joaquim Pedro Alexandrino..... 1473
fokreoebido cm fcsixo-do;pallio que fui .confiezido
pela efllcialidade da guarda nacional al a reja,
aAhmdo-se tapetadas de flores as ras por onde
passou S. Exc fcvma.
t Ao chegar S. Exc. a" igreja, o Rvm. 'Jos Es-
teres Vianna subi ao.palpito e dirigi urnaT>re-
ve,Dorni elocuente >all<>cugao anloga aoacto ;
def-uis da qual fui anteado o Te-Demm Imuamus.
S. Exc. Rvnu. retrtou-sc coa as Ke?mas formalidades para o
.aposento que Hietmha sido destinado, e onde lhe
fui servido um sumpteeso jantar.
* Nessa oeeasiio iicram-se inultos brindes c
entre outros un 4o-vigario ao Exm. diocesano, nu-
tro do major Jas Bear Jnior ao vigario ; outro
do Sr. bispo ao ntesao vigario, outro. major
Jos Pedro ao padre Vianna ; outro do Dr. Pedro
Rats aos inaaos lie S. Exc. Rvma. eutro do
Si-. Scbastio CinJta-S. Exc. Rvma.
A' tarde & Exe, sagrou sorenjneieeate um
sino, que deve aenvir para a nova matriz, e ao
flua foi dado o nouie deMaria. Foram padnnhos
o tenentc-coronel Gmcinato Velloso da Silveira,
Dr. Gervasio Goncalves, capitao Vicente .Elias, al-
fares Jos Basilio,'Felippe lien icio Alves da Silva c
Bento Severiano da Fonseca Pitta.
o Foi a primeira vez quaassistimos a,acto tao
solemne.
a No dia 24 S. Exc. Rvma. administre o sa-
cramento da conlirmaco, e noite sabio a per-
coroer as ras do paveado, que se acnavain todas
Iluminadas.
No dia 25 continuou o chrisma at 11 liaras do
dia, leudo sido chrismadas duzentas e tantas pes-
soas. Em seguida dirigise S. Exc. para a casa
onde.eslava hospedado, e ah lhe foi servido um
lunch, depois do qual encaminhou-se para -a es-
taeao, acompanhado telo coronel Coriolaao-e todos
os seus prenles e amigos, seguidos de carca de
mil pessoas e da msica lo povoado.
Embarcando S. Exc. Rvma, no wagn espe-
cial, que lhe foi olfereeido pela companhia da-es-
trada de ferro, o major Jase Pedro levanlou os se-
guntes wvas, queToram calorosamente correspon-
didos : religio catholica, S. S. Pi IX ; ao
Exm. e Rvrn! Sr. bis|>o diocesano ; ao Rvm. ri-
gario e -ao clero brasileiro.
Tocou a msica o hvmao nacional c subirana
os Su*. Silva Guimaraes, Bbm o Silva, Miranda
fceal e S Leitao.O Sr. Sa Lciie jurn suspei-
cao e o Jwh!. Sr. presidente oreaau qua se o-
ciaste ao 2. depntado suplente para tomar parte
ueste jugarcento.
Juizo especial do comaercio:; embargantes a-
tores appcllados os ad lida de Siqnieira & Pereira, emba gado r) appet-
l.tute o fcr. Augasto Carneiro Monteiro da Suva
Santos : ynizos os Sis. Suva tiuimaries, Reta o
Silva, Rusae barao de Crnangy.GVdcnou-se uata
deligenrk.
PAMUMOI.
Do Sr. dcsonibargador iUwliuimaraes ao -Sr.
desembaegedor Ruis e Silva : aapellante o tutor
dos orphioe lilhos le Herealane ieodato dos San-
tos, appafitdo o tutor dos orputi Pililos de Anto-
nio Joaqaiai Goncalves.
EI.IfiEKCIX. ,
Appellaates os lierdeiros de Banoel de Figuei--
roa Faria,.;-.ppellad9 o Dr. GaWriel Soares Raposo
da CmaraVista ao Dr. curador geral.
AOGRAVO.
Juizo especial do cominereio^ aggravante Ma-
noel Carne-o da Silva, aggravados Marques Silva'
& C. em liqHtdacao.
O Exm. Sr. presidente negon preriinentn.
Nada inais houve, e cncerrou-se a sessao a urna
hora e um qaarto da tarde.
ao ar muitas gyrandolas de fugeles.
a S. Exc. Rvma. deixa gravados no coracao de
todo este pevo os mais indeleveis sentimentos de
sympathia e onsidcfncao |wr sua pessoa.
LOTERA. A que se acha a vend* a 97" a
beneficio da igreja de Nossa SenhorFdo Guadalu-
pe de Olinda, que e Mtrahini no dia 6.
RILHETES QFBEtECJDOS. Numeracao dos
bilhetcs da lotera 97* offerecidos pejo thesoureiro
das* loteras para auxilio das despezas da guerra.
Bilhctes ns. 4001 a 4010.
Producto dos bilhctes offerecidos at hoje......
7:518^200.
Collegto das Artes.
Lista dos esludantes chamados a exame dclatim
no dia 23 de fevereiro de 1869.
Plenamente___ 7
Simplcsmente.. \
Reprovado..... 2
POLTICA INTERNA
13
Lisia dos estudantcs chamados a exame de phi-
losopla no dia 24 de fevereiro do 1869.
Plenamente.:..
Simplcsmente..
Reprovado.....
12
CHRONICA JUDICMRM.
iitnti wi. no coiuieRCio
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 23 DE
FEVEREIRO DE 1869.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOS. ANSELMO
FRANCISCO PERETTI.
As 10 horas da manhaa, reunidos os Srs. depu-
tados Rosa, Miranda Leal e barao de Cruangv, con-
tinuando a faltar por doente o Sr. deputado'Baslo,
o Exm. Sr. presidente deelarou aberta a sessao.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
Eduardo Jos Alves de Mello ." 1472
Ceciano Jos Marques...... 1471
Bento Jos Alves de Oliveira Filho. 1469
Jacintho Ferreira Callado.....1461
Antonio Ferreira de Moraes.....1457
Joaquim Mendonca da Silva.....1456
Jos Manoel Pacheco. % 1453
Loorenco Bezerra da Costa.....1452
Eleitores para deputados.
Lucindo Camello Pessoa de S. Cavalcanti. 1507
Francisco Bezerra Wanderley .... 1506
Joaquim Soares da Rocha..... 1504
Zacaras Soares da Rocha ...".. 1502
Antonio Correa da Rocha.....1500
Antonio Bento de Oliveira.....1497
Francisco Rodrigues Valenca .... 1496
Joao da Porciuncula Valenca .... 1494
Bento Jos Alves de Oliveira..... 1493
Jos Camillo Valenca....... 1492
Joao Rodrigues Valenca...... 1491
Francisco Candido Valenca..... 1490
Joaquim Dantas de Oliveira..... 1489
Joaquim Jos Pacheco do Amaral Reg 1488
Gabriel Maria da Silva Velloso .... 1487
Joaquim Ferreira Callado..... 1485
Pedro Alexandrino de Mello..... 1480
Claudio Columby de Azevedo .... 1474
Jos Felippe da Silva....... 1473
Jos Leonardo da Costa...... 1471
Carlos Muniz de Mello...... 1466
Antonio Guilhermino de Oliveira 1465
Amaro de Medeiros Amaral..... 1464
Antonio Vidal dos Santos...... 1463
Antonio Joaquim de Souza..... 1462
Antonio Avelino da Silva Burgo 1460
Joaquim Pedro Alexandrino..... 1458
Eduardo Jos Alves de Mello .... 1457
Oeeiano Jos Marques...... 1455
Bento Jos Alves de Oliveira Filho. 1454
Jacintho Ferreira Gallado..... 1453
Antonio Ferreira de Moraes..... 1452 \
Joaquim Mendonca da Silva..... 1431
Jos Manoel Pacheco....... 1449
Lourenco Bezerra da Costa..... 1448
GAMELLEIRA.Escrevem-nos desta localidade,
m 26 do correte :
Esta freguezia, primeira que foi cannica-
mente provida pelo Exm. e Rvm. Sr. bispo dioce-
sano, acaba de ser visitada por esse prelado. Urna
sita tao honrosa veio marcar urna nova era, e o
jubilo que manifestaran! os seus habitantes, aties-
ta bem o grao de consideracao em que elles aqui-
lataran) a visita de tao nobre quanto virtuoso pre-
No dia 23, ao chegar do trem de passaaeiros
omaso Rvm. v.gano Augusto Franklin Morara
da SiIv:, dingio-se para a estacao do caminho de
ierro, acompanhado da irmandade do Sacramento
da guaida nacional, das pessor s mais gradas desta
localidade, e de outras visinhas, e de um crescido
numero de povo, teudo sua frente urna msica
marcial.
Ao saltar do trabn S. Exc. Rvma, o Sr. vi-
gario apresentou-lhe a imagem do nosso Redemp-
jor que elle beijou, e fita> ai donis ceranoaias,
EXPEDIENTE :
Officio da direccao da associaco commercial
benelicente, firmado de 22 do corrente, respon-
dendo ao que se lhe solicitou por officio de 14 do
prximo findo.Accuse-se agradecendo-se.
Aos Srs. deputados foram distribuidos os se-
guimos livros : Diario e copiador de Palo'Fer-
nandes de Mello Guimarc3.Copiador de Joao da
Silva Faria.
Visto o Jivro da correspondencia ofllcial foi
achado sem falta at n. 78.
O Exm. Sr. presidente assignou 2 offlcios que
sao dirigidos, 1 ao Exm. Sr. presidente da provin-
cia em respost ao de 7 de janciro ultimo, acom-
panbando copia da informucao subministrada pela
associaco commercial benellcenle, e outro ao Dr.
juiz de dimito da !. vara agradecendo-se-lhe o
haver attendido a requisicao que se lhe fez para
dispensar do servico do dito juizo aos ofllciaes de
Justina do tribunal.
O Sr. secretario expedio um officio em que se
remelte ao inspector da thesouraria da fazenda
copia do termo da nova flanea que prestara o cor-
retor Silveira.
Maia & Espirito JSanto prestaram o juramento
estatuido no art. 463 do cdigo commercial para
ser-lhes expedidas as cartas de registro do brigue
Alberto c do patacho Araujo.
DESPACflOS.
Requcrimcnto de BarthoTomcu Lourenco, pedin-
do carta de registro para a sua barcaca, que pre-
tende armar em hiate com a denominacao de
Deus te Guarde.Sellado o termo de vistoria com
o sello competente, *olte.
Dito de Francisco Jos Alves Guimaraes, pedin-
do o registro da nomeacao de seu caixeiro Pedro
Alexandrino Carlos Maia. -Registre-se.
Dito de Pedro Alexandrino Carlos Maia, para
que se lhe certifique se seu patrio Francis Jos
Alves Guimaraes ou nao matriculado nesle tri-
bunal, e se elle supplicante tem o seu titulo re-
gistrado no mesmo tribunal.Como requer.
Dito de Antonio Fernandes de Figueirdo Paiva,
para se dar baixa no registro da nomeacao do seu
cx-caixeiro Antonio Raposo Alvernas Jnior, re-
gistrando-se a nomeacao, que junta, do sufistituto
Joao Jos PereiraComo requer.
Dito, de Francisco Jos Moreira Jnior, para se
lhe dar por ceitido se elle est ou nao inscripto
como caixeiro da padaria de Magalhaes 4 Cclho.
=Como requer.
Dito de Antonio Lope3 Braga, Francisco Jos
Gomes e Joao Baptista Gomes, registro de seu
contrato social sob a firma de Braga, Gomes & C
Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Dito de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C,
apresentando a procuracao dos directores da com-
panhia de seguros martimosConfiancada cida-
de de S. Pedro do Rio-Grande do Sul, constituin-
do-os procuradores da mesma companhia nesta
cidade.Registre-se.
Replica de Maria 4 Espirito-Santo, mostrando
haver, no que Ihes era possivel satisfeito a exigen-
cia do Sr. Dr. ofllcial -maior relativamente a expe-
dicao do registro do brigue Alberto e pedindo que
seja-lhes entregue a indicada carta.Seja entre-
gue a carta, assignando os supplicantes termo de
responsabilidade para dentro de 2 mezes apresen-
tarem o documento que falta.
Requerimentos adiados:
De Alvaro Paulo Noblato.
De Jos Maria Seve.
De Jos Antonio Gomes Jnior. = Continuara
adiados.
Nada mais se offereceudo a despacho, foi en-
cerrada a sessao as 11 horas e meia do dia.
Partido conservador.
VARIEDADES DO SR. ZACAKIM.
Ficou provado, pelas ptODrias palavras do hon
rado Sr. Zacaras, prol'erTdas em 183, que a al-
lianca do Brasil QgHi o gederal Flores eomecou em
28 de Janeiro dorfliesmo anno, mediante as notas
trocadas entre o nosso enviado extraordinario e
aquclle chefe oriental, e iio-em 20 de everciro,
tanto mais quanto o convenio dessa data foi pelo
ex-presidente da eonselho qualificado do pac-
i de familia, ocio poltico preliminar %-recom-
posiao a\i familia orientpte nadn mais.
Fora pelo mesiuo filustre senador ponderado, em
sessao do senado de 10 de junho, que esse aecordo
entre o Sr. Villalba e o general Flores nao con-
forme o direito das gentes, um acto diplomtico,
porque acto diplomtico suppe retardes d,- estado
mettado, e taes relacoes nao havia entre Villalba
c Flores !E accreseeutra :
Acto diplomtico, Sr. presidente, o de que
do noticia as notas de 28 e 31 de Janeiro, escrip-
ia aquella pelo general Flores, prometiendo espon-
tneamente ao Brasil, no caso de assumir o gover-
no da repblica, a sitisfacao devida s nossas re-,
clamacoes, constantes do hltimitum de 4 de agos-
to, e esta pelo nosso euviadp extraordinario, decla-
rando que liera nteirado da espontanea declara-
ciio do general Pitos.
Digo que este acto um acto diplomtico,
porque aqui, sim, nao se trata de asMnpto ex-
clusivamente pertencente a familia oriental, mas
de negocio cjucerifente a dous estados.
Anota de 21 de Janeiro estipula reparaco as
nossas reclamacoes ostipuladas no ultimtum ;
nao cogitou, porm, de reclamacoes por aggravos
iwsleriorcs aquella data, restando-nos, quanto s
offensas ulteriores, a promessa de novos ajustes e
a beoignidado do mesmo feneAl para com as re-
clamacoes que o imperio tenba de fazer.
Ufn acto diplomtico |ide desta arte ser invo-
cado pelo Brasil, no que pertence reparacao de
aggravos anteriores ao ultimtum de 4 de agos-
to ; mas d'ahi em diante nada ha estipulado, ludo
depende da boa vontade, da benevolencia do gene-
ral Flores, boa vontad que nao um convenio di-
plomtico.
Quem negou ao convenio de 20 de fevereiro o ca-
rcter de acto diplomtico perante o direito das
gentes, quem reconheceu em a nota de 28 de Ja-
neiro quanto ha mister um acto para ser diploma-
tico, poderia sustentar a identidade dos contrarios
em todas as questoes, quando a 28 de Janeiro de
1869 escreveu estas palavras admiraveis :
t Mo ha ducumento donde se deprehenda al-
lianra do BratU com o general Flores sendo o fa-
moso convenio de 20 ite fevereiro, e os que dizem o
contrario mostram que csto realmente bem pouco
inteirados desles assumptos.
Fatigou-sc, portante,- o Sr. Zacaras no exame
de urna questiuneula, em que, quando muito, po-
deria dar moslras da subtileza do seu engenho,
sem offerecer ao mesmo tempo documento da gra-
vidade do suas cogitaooes de estadista impar, se-
gundo expressao sua. E fatigou-se em mal proprio
s rnente.
Mas o honrado ex-presidente do eonselho est,
por acto inveterado, aleito a essas distinceocs es-
colsticas, c para firma-las empenliaria csl'orcos
roz despotisain, .de que narrem.iagicios, lituanas
antigs ou modernas : sem duvida, a regeneracao
do povo paraguayo ser urna da* venturosas en-
seiiuoncias deut penosa guerra.
Conseguida wrte efieitc, mil vezts agradavd
liumanidade, eihwiroso civlisn^-ac deste seeulo,
nao claro que os lionicns de-cora o recto, con-
victos de estar as instituir/es Jvies a fecidade
idos povos, os f ne folgam de ver quebrados os .gri-
Ihoes que rocfceia o os pulsos a,in:. nacao, lian de
cubrir de bencioe as bandeiras que conduzir;un
victoria a trplice allianca ?
O mundo intairo appLnulir-eatifsito, E a hu-
niaiiidade l'olgar considerando que urna guerra
internacional rematasse, uio na con (uistu do bel-
iligerante vencida, mas-na suajiegoneracJo social.
Quem se omyraz no reconhecimento desta ver-
.dade, que neiu pelo mais arrojado sophisma seria
controvertida, diz ou er, por veatura, que a rego-
acracao do Paraguay tem sido -a causa e o fim guerra sustentada pelo lirasil contra Ijjpezf
Em que, porta uto, aquellas .discretas palavras
do Sr. marquez de Caxias podem prestar-so in-
triga fo inimigos Podero adversarios de m f, esp ritos mesqui-
dahi assumpto para mais um acervo d descorte-
zias pouco dignas do publico, no paz e fra do
paiz. Podero os aluinniudores, assalariados ou
gratuitos do imperio, sob pretexto irrisorio, ima-
ginado pelo Sr. Zacaras, forjar mais una insolente
diatribe contra o Brasil. Mas a razio, despida do
despeito, do odio, da sanha, originados em mere-
cida derrota, a razio, que cosmopolita e inde-
pendente de paixoes daquella estofa, dissipar a
intriga vilissima e rasgar espacosos horisontes
verdade.
(Do Diario to Rio).
Delle resta-nos so hoje a lembranca,
a lembranca do irmao, do amigo c filho,
que cedo nos deixou T
A vida um combate sem esp'ranca;
ownwoas. u para urina-las uiiiiiwiiiaiia csmi tos ma. .r.n mnpn ,in i..., oniiro n trillia
at mais, que humanos, mnnente tiadtkviu) eabo'mas ^"So Xtomboal
de suas demonstracoes coobesse-lhe o suave prazer
de apoquentar um adversario.
Por urna dessas, um senador, o anno. prximo
urna
passado, a quem alias se dirigi com respetosas
cautelas o quera aluciar com exagerados elogios
queima-roupa, dissc-lhe enfiado :
Rectiquei immediatamente, quanilo V. Exc.
fallava. Deixe isto para o jornalismo, nao para
nos.
E como o Sr. Zacaras, minutos depois, insistisse
no exorcicio de seu habito, o mesmo senador, j
exacerbado, rctorquio-lhe :
Para que ha de V. Exc. cancar o seu tempo
com isso ? no tricas de partido.
E o mais singular o enfado de que se deixa va
tomar, quando alguem pareca inclinado a usar
de igual recurso I
' Bem o experimentou outro senador, tambem pelo
Rio de Janeiro, conservador, porm, e nao liberal,
a quem o ex-presidente do eonselho disso, com a
amenidade de voz e gesto, que todos lhe conlie-
cem :
Deixe o nobre senador semelhante thema a
certa imprensa, que ludo acolhe como meio de
guerra ; ello improprio do senado c do nobre
fsenador, dotado de tanto talento, e por isso dispon-
do de tantos ineios, que nao essa intriga para fa-
zer guerra a seus adversarios.
Parece que o honrado Sr. Zacaras vive es-
preita de occasio em que desfecho um dos seus
tiros no inclyto marocha! marquez de Caxias. Ao
mnimo pretexto faz-se prestes para mostrar-lhe o
subido grao de sua pericia, a lina tempera, a bon-
dade experimentada de suas armas.
Vio-se a valenta com que esbaforio-se em mos-
trar que houve lapsuijurisgentium em ter escripto
o benemrito general que nao teria duvida em pro
mover una rcaccao conxra o inimigo em outro
paiz que no o Paraguay
Promover nao : seria um attentado. Auxi-
liar, sim ; estara nos termos juris gentium.
Novo ensejo olereceu-se-lhe de provar o extre-
PuBLICACOES A PEDIDO.
seirilda niorte do mcii amigo
los Silveira Bittem ourt.
Quando agora brilhava-lhe na fronte
o sol da nspiraco c caminhava
na estrada da sciencia;
3uando agora na extrema do horisont;
os annos seus a aurora comecava
tao cheia de innocencia;
quando o fog^o do genio lhe fervia
no coracjto tao cheio de esperanca,
depressa pereceu I
Hoco tinha urna gloria, que sorria ;
o talento, o vigor de urna cranla,
em quem o amor nasceu !
Morreu I sim, como a flor, que cae mirrada,
como a brisa ligeira, que nao volta,
ou raio de urna estrella I
Onda fraca do mar arremessada
assim vai-se quebrar na praia envolta
com outra que a encapella !
Nunca mais o vera' de mlm bem perto;
nunca mais o verei sorrindo ledo
dos gozos no viver I
Oh tao moco (pie estava elle [wr certo
deveria seguir cedo, bem codo
a estrada do sabor !
Nunca mais o verei! Sina funesta! -
nunca mais os seus labios hao de agora
palavras murmurar;
ncm cm uoites talvez de leda festa
ouvroi mais cantar aquella aurora
ausente do seu lar !
Mocoainda na flor da juventude, '
cedo a niorte n'um beijo tao ligero
cortou-lhe os vos seus I
Hoje, em tristonho e fnebre atatide,
dorme apenas seu soinno derradeiro
sonhando junto Deus I
Sim, agora deseanea!... E' grande e pura
essa dr, que me fere o pcito agora
as lagrimas de um pai!
mas su'alma no co cedo fulgura
como a estrella, que apunta-nos a aurora
c nos fugindo vai I
como habilissimo advogado que o finalmente si,
com a pratica que tem dos negocios de fazenda,
Onde, ha quasi J8 anuos, axeree o lugar dnipra-
curador fiscal, esti tanto como qualquer outro na
altura de bem desempenhar este mandato, elegen-
do-o deputado, .satisfar pelfeitamntc as vistas do
partklo, que oulras nao podein ser sena i-o ter en
sua direccao homens que possam dar completo
desenvolviinento s suas ideas.
E, como satisfazendo as vistas do partido, o cor-
po eleitoral nao contraria o pensamonto do gre-
mio, como ja nao o contrariou na elei^ao para ve-
readores, votando no tenenle coronel Manoel Joa-
quim do Reg e Albuquerque, conservador dis-
tmeto e prestimoso, que, nao obstante nio ter sido
o seu nome incluido na chapa, |ide entrar para a
cmara municipal, obtendo votos em lodas as fre-
guezias, mesmo naqaellas, onde cxerceiu verdadei-
ra ulluencia menbros proeminentes do .gremio,
sem que d'ahi resultasse nenhum prejuizo ao par-
tido, nem desar ao prbpro gremio, por igual po-
de o corpooleitoral de lioje, prescindmdo de cha-
pa, votar naquelle candidato que julgar em melho-
res condiedes de desempenhar o seu mandato,
sempre na hypothese de nao haver, com nao ha,
candidato de opposimo.
Conseguintemente", se a decsao do gremio tem,
como deve ter, a importancia de um documento
poJitico; c se exprime o vencido naquella sesso,
nao pode hoje ser traduzida d*o modo porque o vai
sendo para fim diverso do declarado e assentado
na mesma sessao.
Mantenlia-se, pois, o corpo eleitoral na le-a c
espirito da mesma deciso, que o Dr. Fenelon se-
ra' o votado por este districto. Assim pensam c
desejam.
(Muitos eleitores.)
Dr.
ARREMATA! 1AO.
o_ da 27 do corrente, defiis ila audiaacia I.
-. jmz # imiiiieipal da segunda vara, eseriv.
"K S \ P" ""i obrado de um andar fit.
i^ n ^Uas"Vei!lls 23, rom duas salas,
rematado sob a base
visto ter
3:
propnos, e qoe sera ar-
de
Doeucas do pcito
Hoje a moda de.wobrir plantas novas de nomes
desconhecidos, naturaes sempre de algum paiz
distante e inculto, i Tem virtudes maravlli-
sas I dizem os seus descobridores, e abraca
toda qualidade de mal que aflligo o genero huma-
no de nina maneira tao suave e doce que, at os
que nao estao doentcs, querem o ser para seren
curados por tao maravi/hoso remedio. Porm o
bom senso do povo quasi sempre repugna seme-
lhante charlatanismo. Todo mundo sabe que os
lempos dos milagros j I se foram ha muitos se-
culos, e hoje nao se cura molestia alguma senao
tratando-a segundo os principios da sciencia.
Nao se despreza tao fcilmente a experiencia
de 2JXK) annos. assim diz o Dr. Ayer, c quamlo
confeccionou seu grande remedio para molestias
do peito e garganta, o peitoral de cereja, tomn
por base de seus estados a experiencia dos sabios
da sciencia. que lm existido desde o tempo de
RyppoeraiOB at hoje. E o remedio que elle con-
segnio produzir, tendo por ingrediente principal o
extracto da casca interior da cerejeira brava,
um monumento de triumpho da sciencia sobre o
charlatanismo.
A accao deste remedio sobre qualquer tosse,
bronchile, mflammacao da garganta ou pulmoes
rpida e efllcaz.
i ii remedio vegetal assombroso
Afinal ehefon-se descobrr na essencia con-
1 centrada d'um producto vegetal, um efllcassimo
remedio positivo, contra todas as enfermidades
precursoras da thysica. A arvore da sade, pois
que assim venladeiramonte que se deveria cha-
mar, da qual se extralie este nestimavel Ihesou-
ro, a Anaeahuita do Mxico, e o Peitoral de
Anacahuita, forma a preciosa composicao que al-
canca sempre a victoria sobre as enfermidades
inimigas dos orguos da respiracao. Jamis houve
remedio algum que se fizesse aentro em to pou-
co tempo tao umversalmente popular. Os gratos
testemunhos dos coracoes agradecidos, que pade-
cerain de tosses, esquiien.-.ias, rouquidao, inflam-
macao do peito, bronchites, stnma, catarrnos,
constipacoes, thysica, etc., se recebem cada dia
aos centenares de todas as quatro partes do
mundo.
Acha-se a venda as pharmacias de A.
Caors, J. da Conceigao Bravo & C, M.
V. Barbosa, P. Maurer & C, e Bartholo-
meu C.
Cavalcanti de Alb.iquenp.e, a qual vai a raca
para pagamento do l>. AnnaAnelia Pina.'coni.,
foi dado no inventario a que se'procedou or fal-
lecimento do coronel Lourenco Cavalcanti de Al-
buquerque. visto que a dita D. Auna nao quer au-
ferir maior proco por dita casa, e prejudicar asnm
os herdeiros do dito corone daquella que lhe
devida, nem tao pouco ser prejadicado no caso
cm mo ella soja inferior ao computo da referida
divida, fazendo a credora entrega de qualquer
BXeesso que baja, assim como ear com direito
a haver dos hcrdeiii s qualquer differenca qu<-
por ventura baja para seu integral pagamento
Rocifo, 24 de fevereiro de 1869.
= Pela recebedoria de rendas internas geraes
se faz publico que neste mez c no do fevereiro
prximo futuro, que os contribuimos da taxa dos
escravos do exercicio corrente do 1868-69, quer
moradores as reguezias da eHadb, quer as dn
fra, teem do paga-la, livre da mulla de 6 0/0, e
com ella do marco cm diante.
Recebedoria de Pemambuco 8 de Janeiro de
1869.
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
O administrador da recebedoria de ronda-
internas geraes declara que tendo-se conchudo o
lancamento do imposto pessoal do exercicio cr-
reme de 1868-69 das fregm-ms de S. Jos e Boa-
vi-ta, tica marcado o pMM latt mez e de mar.
futuro em que deve ser pago o referido imp.
sem multa, das sobreditas freguezias, como deter-
mina a ordem n. 17 do ministerio da fazenda di-
30 do Janeiro ultimo.
Rocebedoria de Pernambuco 19 de fevereiro de
1869.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Morreu como a creanca meiga e bella !
como a luz, que se apaga de repente,
ou como a tenra flor I
mas su'alma qual raio de urna estrella,
foi depressa viver no co contente,
ao lado do Senhor I
Fevereiro de 1869.
Eduardo de Carcallto.
O Dr. Fenelon e a chapa
do gremio.
Ao corpo eleitoral deste districto apreseuta-se
candidato deputacao geral o Dr. Cypriano Fene-
lon Guedes Alcoforado.
A letura de sua circular, publicada as gaze-
tas desta cidade, nos stuneriu as seguintes relle-
xoes.
O gremio pernambucano, na difficuldade de
comprehender cm urna chapa os nomes de todos
os correligionarios distinctos, dignos de ligurarem
na representaeo nacional por esta provincia, pro-
enrou obviar "esse embarace, dexando ao corpo
eleitoral ampia liberdade de escolha de seus re-
presentantes ; tendo a chapa por elle feita apenas
a autoridade de um eonselho, como se v da acta
da sessao do eonselho director de 26 de Janeiro do
corrente anno, publicada neste Diario.
Em frente, pois, do corpo eleitoral deste distric-
to, se apresentam hoje quatro conservadores, que
aspiram a honra de representar a provincia na
prxima legislatura.
Se da parto do gremio nao houve, como elle
proprio eonfcssa, intem-ao de embaracar, com a
apresentacao de sua chapa, o corpo eleitoral na
a co incoes. |vrc escoma ,ie SCU3 representantes, a este, e so-
mente a este, compete o direito de apreciar os ser-
vicos dos candidatos apresentados, o com justica
decidir-se por aquellos que tiverem sonido me-
COMMERCIO.
PRAGA DO RECIFE 26 DE FEVEREIRO
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDB.
Algodo de Pernambuco Ia sortel600 por ar-
roba.
Algodao daParahyba iJ sorte 175000 por ar-
roba posto a bordo, a frete de 5/8 e S 0/0
(hontem).
Dito de dita 2* sorte16^000 por arroba posto a
bordo, a frete de 5/8 e o 0/0 (hontem).
Cambios sobre Londres 90 d/v 18 1/2 d. por
I 000.
Frete de algodao daqui para Liverpool em vapor -
i/2 d. e 5 0/0 por libra sem capa.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal *e ve
Secretario.
Rendimento do
dem do da 26
^LFANDEGA.
dia lT .
832:3684831
33:557*992
Aviso aos navegantes.
Capitana do porto de Pernambuco 17 de Feve-
reiro de 1869.
Era virtude da ordem de S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, manda o Illm. Sr. cpitao de mar
e guerra e capitao do porto, publicar o edita!
abaixo transcripto, relativamente a remocao do
pharol oollooado nos baixos de Braganca n'aqueila
provincia, conforme solicitou S. Exc. Sr. conse-
ihero presidente da provincia do Para.
EDITAL.
De ordem de S. Exc. o Sr. conselhciro presi-
dente da provincia, faco publico que tendo-se re-
movido a barca pharol da posieao annunciada por
edital desta secretaria de 2 de Janeiro prximo
passado, aeha-sc ancorada a mesma barca cm
quinze bracas d'agua em fundo d'areia fina, e ao
norte do Cotovello do baixo de Braganca na dis-
tancia ultimada de urna e me;a milhad frald do
dito baixo, demorando-llie a ponta da ilha da Ti-
ioca iKir 13." sueste e a do Curuc por 43. tam-
bem sueste, e na latt. snl 33' 27" e*na long. oe'te
do meridiano de Grew. 47" 40 47".
Os navios procedentes do leste.quc demandaren!
a barra pharol, logo que cstejam leste oeste
com olla, navegarao ao rumo d'oeste verdadoir ;
passando ao norte da dita barca, c logo me a le-
nta montado navegaran ao sndueste.
Secretaria do governo do Para 8 de fevereiro do
1869. O secretario interino Joao Erigido ios
Santos. Conforme, o ofllcial maior Raymund i
Alves da Cunha. Confere, Antonio Anns J
me Pires.Confer, Campos.
. O secretario da capitana
Decio "Aquino Fonceca.
Crrelo geral
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico a quem interessar possa, que nao sa
demorando os vapores da companhia Mesageries
Imperiales neste porto em seu recresso do Rio de
Janeiro, o tempo preciso para se fazer a expedicao
das malas para Europa, tem resolvido que as
malas se fechom as 6 horas da tarde do dia ante-
rior ao da fchegada dos mesmos vapores.
Correio de Pernambuco 23 de fevereiro de I8#9.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
CORREIO GERAL
Relagao das cartas registradas existentes
na administracao do correio desta cidade
para os senhores abaixo declarados :
Azevedo Garca, Dr. Alfredo Teixeira Mondes,
Bolefon Ribeiro da Fonseca, C. Moderno, Carlos
Jos Augusto de Oliveira, Cosmo Jos dos Sanios
Callado, Candido Thomaz Pereira Dutra, Domingos
Teixeira fiastos, Francisco Elias do Reg Dantas,
Dr. Francisco Goncalves de Moraes, Francisco Lau-
ro Honich, Julio Cesar A. Csneiro, Dr. -Joaquim
Jos da Fonseca, Joaqu m Pereira Arantes, Ma-
noel Joaquim de Miranda Seve, Narciso Francisco
Vidal (2), Pedro Jorge da Silva Ramos, P. Themis-
toclhes Romo Pereira dos Santos, Dr. Victoria",.
de S Albuquerque.
863:925*928
MOVMENTO DA ALFANDEGA.
Vol times entrados
dem idem
oin fazendas
com gneros
SESSAO JUDICIARIA EM 25 DE FEVEREIRO
DE 1869.
PRESIDENCIA DO EMX. SR. DESEMBARGADOR A. F. PE-
RETTI
Secretario, Julio Guimaraes.
Aos dez minutos depois do meio dia declarou-
se aberta a sessao estando presentes os Srs. de-
sembargadoros Silva Guimaraes, Reis e Silva e
Accioli, e os Srs. deputados Rosa, Miranda Leal e
barao de Cruangy e o Sr. deputado supplente S
Leitao.
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
sao.
ACOMDAOS ASSIGNADOS.
Appellante Joo Casemiro da Silva Machado,
appellado o bacharel Gaspar de Menezes Vascon-
cellos de Drummond ; appellantes os administra-
dores da massa fallida de Antonio Jos de Figuei-
rdo, appellado Antonio Pereira de Carvalho; ap-
Kliantes os ditos administradores, appellada D.
ulina Areias de Godoy ; embargantes Johnston
Pater & C, embargado Flix Sauvage ; embar
gantes os administradores da massa fallida de Se-
ve Filhos & C, embargados Kilson Tritton 4 C.
JULOAMINT06.
Juizo especial do commercio; appellantes Gu-
ma*2?? .* O"6"* appellada a directoria da ca-1
> filial do banoo'do Braail Msiacidad*" jujzesjr6gtai^r7ubsln-^
mado poder de sua dialctica, increpando e cor-1 lhor causa do partido.
rigindo mais una expressao do Sr. marquez de
Caxias.
Disso o invicto general, que as vkorias ltima-
mente alcancadas sao motivo para jubilosas con-
gratulacoe.s, porque mediante ellas v as nos-
sas bandeiras cobertas de bencaos por todos quan-
tos se interessam pela regeneracao de um povo
que ha tanto tempo supporta resignado a cruel-
dade de um despota feroz.
Com a rara perspicacia, de que ha dado tao nu-
merosas, tao celebradas manifestaedes, o honrado
Sr. Zacaras divisa nessas palavras perigo nao pe-
queo.
De certo modo, diz elle, se prestam intriga
dos inimigos do imperio que attribuem ao intuito
de regenerar o povo paraguayo a guerra que sus-
tentamos contra Lpez.
A regeneracao do Paraguay, como causa c fim
da guerra, sustentada pelo Brasil contra Lpez,
fra um grande crime contra a lei internacional.
Se urna certa imprensa que ludo acolhe como
meio de guerra, tivesse explorado esse thema para
repetir urna de tantas sandias aggressoes or ella
dirigidas ao invicto general, todos, extranhando
anda urna vez o desmando intellectual dos moder-
nos Thersites, achariam, com tudo, que estara no
espirito de sua misso.
Mas o Sr. Zacaras! o presidente 'do ministerio
de 3 de agosto Fica-lhe, por ventura, bem soc-
correr a meios taes para fazer guerra o hoiaem
que mais snicos tem prestado na^o brasleira ?
Padeceu por isso, a seu ver, injustamente. (Juer
que por isso padeca quem culpa nao fez !
A guerra, em que ainda estamos empenhados
contra o Paraguay, prxima, felizmente, ao seu des-
fecho, onginou-se na Imais injusta provocacao, na
injuria mais prfida, traicoeira e sensivol, que ja
nunca loram pelo governo de um povo irrogadas
a urna nacao.
Nesta futa de quatro annos temos dispendido
centonas de milhoes, milhares de nossos patricios
sofireram patritico martyrio sobre o territorio ini-
raigo. O nosso proposito, o nosso nico e por todo
o sempre nobre proposito, foi defender o nosso di-
reito e desaffrontar os brios naconaes.
Se da victoria alcanzada pelas armas brasiieiras,
coadjuvadas pela allianca, dsve resultar necesa-
riamente completa mudanca na vida poltica do
Paraguay; se dictadura monstruosa de Francisco
Solano Lpez tem de suceeder governo regular; se
Respeitando os candidatos indicados para este
districto, injustica fariamos ao Dr. Fenelon, se
por ventura o julgassomos a quem de cada um dos
apresen tados.
Seus servieos ao partido conservador, quer na
imnrensa, quer na assembla provincial, quer fi-
nalmente as lutas eleitoracs, j na freguezia de
S. Jos, e j na da Boa-Vista, em pocas em qne
esses servieos eram verdadeiros actos de coragem,
e taes que lhe custaram a perda do emprego de
procurador fiscal, que. exercia, ha 17 annos, siio,
por certo, dignos daapreciacao do corno eleitoral
deste districto, afim de merecer-lho de preferen-
cia votos para deputado na prxima ele$ao.
Mantida, e bem mantida flcar a unidade do
pensamento do gremio acerca dos candidatos que,
de preferencia, devem ser votados; se o corpo
eleitoral, na ausencia da opposico, reconliecendo,
como o gremio, fra do circulo dos candidatos in-
dicados, muitos outros nomes dignos de figuraren!
na chapa para deputados; levando emeonta ao
Dr. Fenelon os servieos por elle prestados cau-
sa do partido no tempo da adversidade, benigna-
mente acolher apresentacao de tao prestimoso,
quao distincto correligionario.
A dedicacao e firmesa de principios, do que tem
elle dado provas em toda sua vida poltica, sao as
verdadeiras garantas de que o partido ha mister
para a uniformidade e o razoavel desenvolcimento
de suas ideas.
Si, pois, os candidatos, que hoje se apr jsentam
ao corpo eleitoral deste districto, sao todos con-
servadores de ideas definidas e de valiosos servi-
eos, pouco importa ao partido conservador, priu
cipalniente n'uma questo de competencii entre
correligionarios, que em nada affecta a tua exis-
tencia e razoavel desenvolvimento, que o corpo
eleitoral se pronuncie antes por este, do que por
aquello candidato.
O partido conservador, pois, confia, nao que os
candidatos pelo simples facto de serem indicados
pelo gremio, sejam acolhidos por aquelles, que elle
mesmo escomen para eleger os seus representantes;
e sim que o corpo eleitoral, collocando-se na altu-
ra de sua missao, eleja deputados que, pelos seus
couhecimentos. possam discutir, do/ conformidade
com as ideas do mesmo partido, as questoes fi-
nanceiras do estado, e curar de veras do bom mo-
ral e material do paiz.
Portan^, se o corpo eleitoral entender que o
Dr, reaelon, como deputado provincial que ja foi,
Vol nmes sahidos com fazendas
dem idem com gneros
596
483
201
228
-----429
1079
Descarregam hoje 27 de fevereiro.
Patacho nglez= Vinemercaduras.
Barca inglezaCiu-ioi,,a=idem.
Patacho norte-allemo Venedyidem.
Patacho americano -Mary Riceidem.
Escuna norte-allemaa--4rfefe'(Zfarinha de trigo
RECEEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.-
Rendimento do dia 1 a 23 47:845*722
dem do dia 26...... 3:558179
31:403*901
Rendimento do dia 1
dem de dia 20
CONSULADO PROVINCIAL.
a 2o
116:953*832
8:977*690
THMTRO
DE
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DE
Sabbado 27 de fevereiro.
3l recita de assiguatur.
GRANDE NOVIDADE
Espectculo em
V
PARTEN
Drama cm "> partes
123:931*522
MOVMENTO DO PORTO.
iVauio entrado no dia 26.
Aracaj e portos intermedios-;4 das, vapor na-
cioual Potengi, de 281 toneladas, commandante
Pereira, equipagem 30, carga assucar; com-
panhia Pernambucana.
Marios sahidos no mesmo dia.
Rio de JaneiroPatacho norte-allemo Delfn,
capitao I. K. Libienthal, carga differentes g-
neros.
BabiaBrigue norueguonse Casper Wild, capitao
George Muller, em lastro.
Rio da PrataBrigue brasileiro Alberto, capitao
Joaquim Antonio do Soccorro, carga assucar.
DECLARACOES.
De ordem do Ilim. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia sao citados pelo
presente os ex-collectores do municipio de Igua-
rass, Carlos Augusto de Barros Lima, Francisco
das Chagas Cordciro Campos e Claudinode Mene-
zes Vasconcellos de Drummond e seus fiadores ou
seus herdeiros se por ventura elles j forem fal-
lecidos, para no prazo de quime aias que Ihes
(lea marcado a contar desta data, allegarem por
escripto o que fr a bem de seu direito, produzi-
rem documentos etc? sobre a tomada de suas
contas, sendo a do pnmeiro relativamente ao pe-
riodo decorrido de 10 de abril de 1862 a 31 de
janeiro de 1863 exercicios de 1861 a 1866, as do
?ega?d0.i,de setemb'-o de 1868, a 31 de dezem-
bro de 18bo, comprehendendo o exercicio de 1863
a 1866 e parte do de 1864 a 1865 e as do terceiro
a 25J iJS2,h0 a i2 de Julb0 de 1866 exercicio
de 1865 a 18o6? em que servio de collector interino
d aqnelle municipio. Secretaaria da thesouraria
ua* Pernambco de fevereiro de
O oflkial maior
Finda a representacao do drama o artista Sr.
Marttnho cantar pela primeira vez neste tbeatro
a muito applaudida
ARIA CMICA
Kel ou o miudinho.
e ultima pane a comedia em mu acto
OS BOUS TAMBORES.
N. B. Os Srs. que encommendaram bilhete- de
camarotes e cadeiras, |iodem desde j mandar a .
escriptono do th.;atro, aquellos que isso nao z,-
rem nao tero direito a reclamacoes.
Principiar as 8 hoa^r
AVISOS MAWIMOST
COMPAlViaA
DAS
lessageries imperiales.
Al o dia i de marco esperase dos porto:, do
su! o vapor tnamGuieime, commandante A. de
la ivoe, o qual depois da demora do costuma se-
P'rapara Brdeos tocando em Dakar (Gore) o
_Avisa-se aos Sis. passageiros que por delibera-
?ae do eonselho de administracao se acham redu-
zidos de frs. 125 as passagens de segunda classo
para Brdeos e Lisboa, assim como se conoederam
bilhetcs de ida e volta para os portos do Brasil o
Rio da Prata com 25 ,'.de abalimento pelo tempo
de seis mezes.
Para 'londiccoes freles e passagens trata-sa na
agencia ra do Commercio n. 9.
fiio de Janeiro
Para o porto cima segu em poucos das a es-
cuna dinamarqueza Hygea por ter parle do sea
carregamento engajado : para o resto qun lie
falta irata-se com Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
-

>
tamt Mamcd da Silva Costa. | do 4 C, ra da Cruz n. 57.


Mario de ttenambnet Sab&rdo 27 ele- Fevereiro e 186..
3
C0MPANH1A PEIINAMBUIIVNA
ftavegaco eostclra por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caty, Cear, Acafibe e Granja.
^1/ ^0 'apor fpojuca, coaunandante
s -a29RBB "o dia .1 > marco p. futuro as 3 he-
ras da tarde. Recebe carga ate o dia 2, eneom-
mendas. passageiros c dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
do Forte do Maltes u. 12
GOMPANIIIA ROLNAMBUCA
DE
!Vavcgaio rostelra por vapor.
Porto de Gallintias, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Mama aguape, com-
mandantc Mello, seguir para os
pertos nWma no dia 28 do cor-
lente a meta noito. Recebe car-
_F.ga, euconnnendas. passageiros e
dinerrn a frete no escriptorio do Forte to Mat-
J08 n. 11
' C0MPANH1A PERNAMUUCANA
-Slavegacao rostcira por vapor.
Ibmangoape.
O vapor Corurrp?, commandantc Pcima> seguir
nrn o parto cima un dia 27 do ewrente as t
loras da tarde, se nesle incsiin dia chegar da
Europa o vapor ingles que se ada annueiado,
porm bo caso contrario sabira n > dia 28 as mes-
mas huras, rccebendocarg:i. eoeaminaadas, paa-
sageiros e dinheiro a frete somonte al :i horas da
tarde do dia 27 no escriptorio do Forte do Matos
n. 11_______________________________.
COMPANIUA PKRNAMBUCANA
IpF.
TVivpgarjjio costcira por vapor.
Mtcei, escalas e Penedo.
O vapor Poleitgi, roiiimaiiibiitt^
i'
Para Lisboa
Tai salii eom nmita prosaica o arigne portu-
11 pi r ler granY parte do sen
carregamnMD pimipto : para o restante e passa-
geiros, trata-so com Oliveira, FiUir.s & C, largo
do Corpo Santo-n. 19, ou com o capitao na piuca
do commercio.
Para Usboa
o brigue portugus Relmpago, segu em poucos
dias, ten a carga proinpta e para o resto e pas-
sageiros trata-so com os consignatarios T. de
Aquino Fonseca & C. ou com o capillo na praea
AVISOS DIVEBSOS.
Fundicao da Aurora.
Nestc vasto estabelecimcnte sempre se enconlra
um completo sorttoeato de taixas de ierro batido
e fundido, fahric.-uTas reeentenientc. e se fahricam
de qualqaer molde a vontade dos compradores, e
procos razoaveis
Precisa-so de*una criada de bons eostumes
pan casa de familia, prelerindo-se escrava, que
cozinlic e cugninme perfcitamontc : a tratar na
na ilo Imperador n. 6o, segundo andar. _____
Ama
Em S. Jos, do Haagninbb, casa n. 2, antes do
rbegar a igreja, ainda se precisa alugar duas amas
que entendam de ongonmiado e Melara, paga-se
hom alupuel agradando. ______
^ Pereira, seguir paraos portos cima'
" no dia .'de mareo as 5 horas datar-
de. Recebe carga al o dia 2 as : huras da tar-
de, encnniiiiendas, passageiros e dinheiro afrete at
as 3 horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
do Parte do Mallos n. 12.
ClUPAMl BRASILEIRA
!>B
Paquetes a vapor.
Dos portos do noile esperado
al o dia 28 do corrente, o vapor
Paran, comm.tndanie u capilao
". de fragata Antonio .]>:<|nim .de
m^ Santa Barbn, O qual depois da
demora do cosime seguir para os do sul.
Daado j receliem-se passageiros 8 engaja-se a
carga qneo vapor poder eonduzir, .i qual deveri
ser embarcada no dia desoaehegada. Enconunen-
das e dinheiro a frete al as duas lenas do dia da
sua sal i i da.
Nao se retoben) como enoaanntcmlas senio ob-
jeetoadepeqnono valor e que nao exccJam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos Cnicos de medicao.
Tudo qne passar destes limitesdever ser embarca-
do como carga.
Previne-se aos Srs. passa?eiros que snas passa-
gens s se reeehein na agencia ra da Cruz n. 57,
I* andaar. escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
A/.evedo & C
Coinpaiiliia americana c brasile-
ra de paquetes a vapor.
Ue o dia :i de marco esperado dos portos do
sul o vapor americano Merruauk, o qual depois
da demora do Bastante seguir par New-York
tocando no P.ir e S. Thomv., para frotes c pas-
as trata-se com os agentes lleury Forster &
C. ra d > Trapiche n. 8.
Aluga-se urna lija com nrmicln propria
para qualquer negocio no piteo do Terco por
fo.iix. d> sobrado n. 2 : a tratar ni loja de! ima-
gens junto a misma.
Para o Porto
Segu sem demora a barca portugueza floto
SiUncio, por ter grande parte da sita carga promp-
ta, para o resto e passageiros aos quaes offerece
exceHentes commodos trala-se com Oliveira Filhos
A C, largo do Corpo Santn. 19 ou com o capito
na praca do commercio.
Para o Porto
Segu com muita brevidade a barca porguezs
Harmona, para a carga e passageiros trata-A
com os censignatarios T. de Aqoino Fonseca e
C, ra do Vigario n. 19, Io andar, ou come o c
pito na pra(;a.
Para Lisboa.
Segu com muita brevidade a barca portugueza
(iratidao, tem grande parle da sua carga promp-
ta ; para o que ainda Ihe falta e passageiros, tra-
ta-sc com Oliveira Filbos & C, larg.) do Corp San-
to n. 19, en com o capito na praca do commercio
Silva & Heves rogam a seus devedoies o obse-
quio de mandarem pagar snas contas at o fin do
corrente mea, o lindo elle serlo ellas entregues a
mu procurador para cobra-las judicialmente.
lETT
Precisa-se de una ama de leite : na^ ra da
Aurora n. 20.
XJ7RCS.
Manual para o exame de habilitacilo para ma-
gisterio de nslrurcjio primaria pelos Drs. F. de
Castro Freires e J. F. de Macedo : na livrana en-
eiclepediea de J. il. de Mello, roa da Cruz n. 52.
5
de gratificacuo.
Furlaram no dia 13 do corrale, das 2 para as 5
horas da manha, de un rancho de Tygipi, dous
cavallos de rangalba, ambos ferrados no quarto
direito, e com os signaes segundes: o Io ruco,
beicos brancos, urna listra branca dos bolsos para
a barriga, dous cascos dos ps brancos, grosso,
andador baixo, de lainanho regular, castrado, c
com um grao ; o 2" vermelho, urna das orelhas
lascadas na pona, pesado, c tamben! castrado :
pede-se a quem livor noticia delles, e s autorida-
des, que os apprehcndam c os mandem levar ao
engenho Arariba de baixo, na comarca do Cabo,
ou no Hecifc na da Senzala-nova n. 38, onde re-
eeberio a gratilcacao cima. ________
Ama
Na ra do Amorim n. 39, precisa-se de urna
para casa de pouca familia.
Escravo
Prccisa-sc alugar um escravo das 8 horas da
m.inhaa as a da tarde : na ra da Cruz n. 46, Io
andar.
--=-- Aluga-se para casa de pouca familia urna
preta escrava, fiel, qu3 cozinba, engomma e com-
pra : quem a pretender dirija-se a ra das Cru-
zes n. 4.
Amas
Para o Porto
seguir dentro em poucos dias a barca portugueza
Arhta. de 1* marcha, por j ter mais de dous
tercos de sua carga proaipta; para o pouco que
lhe falta e passageiros, aos quaes offerece excclleu-
tes commodos, tratase com Bailar. Oliveira & C,
na ra do Vigario n. 10.
Para o Porto
seguir com a maior brevidade possivel a mu i ve-
leira galera portugueza Nuca Fatua II, por j ter
a maic>r parte da carga engajada : para o resto e
passageiros, aos quaes offerece exceHentes com-
modos : trata-se com Cunha Innos & C., ra da
Madre de Dos n. 3i.
Baha
Para a Bahia sahe dentro de seis dias a polaca
italiana Sara, quem quizer na mesma aproveitar
carga entenda-se com o consignatario Joaquim
Jos Gonealves Beltrao, ra do Trapiche n. 17,
PARA
Com muita brevidade segu para o porto indica-
do a barca portugueza Belem, eapio J. J. de Fre-
tas, a qual tendo a maior parle do carregamento
prompto, recebe o resto a frete, para o que trata-
se no escriptorio de Amorim Innos, ra da Cruz
numero 3.
Precisa-se de duas urna para engommar c ou-
Ira plira cosinhar : n ra dos Pires n. 42.
TasTdIfoutiNa"
Aos 4:000$
Billietes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado tendo vendido nos seus
muito felizes bilheles garantidos um meio n. 2953
comasortede 4:0003, 2 quarto? n. 100 com a
sorte de 7003, 8 quartos n. 4616 com a sorte de
202i e outras muitas sortes de 1003, 403 e
203 da lotera que se acaben de extrahir em
beneficio da igreja de Wossa Senhora da Boa-via-
gem dos Afogados (96^ envida aos possuidores a
virem receber seus respectivos premios sem os
descontos das lels na Casa da Fortuna ra de
Crespo.n. 23.
Acham-se a venda os da 4* parte da 6" c 1*
da 7* lotera a beneficio da igreja de Nossa Se-
nhora do Guadelupe da Cidadc de Olinda (97.*)
que se extrahir sbbado 6 do mez vindouro.
lYc^os.
Bilhete.....43000
Meio.....2S000
Quarto.....1000
Em porcae de 100 para cima
Bilhete.....33500
Meio......13750
Quarto..... 875
Manoel Martins Fiuza.
Jos da Cosa Cazeiro e Koino Jos da Sil-
va Marques, fazein sciente ao rcspeitavcl publico
e coin especaldade ao commercio que na pre-
sente data dissolveram amigavehnente a sociedade
que tinham nos dous ostabelecimentos de taberna
silos ra da Senzala Velha n. 80 c ra da Sen-
zala Nova n. 39, sob a firma social -de Co-ta &
Silva, ficando o socio Costa d'ora em diantc na
posse exclusiva dos mesmos ostabelecimentos pa-
ra geri-los como seus propros, com todo activo
c ppssico existente c demonstrado no balanco a
que procederam para dssolu<;o de dita socieda-
de, ficando oex-socio Costa obrigadoa liquidacao
do activo e passivo da extincla firma social cono
nico responsavel e retirando-se o ex-socio Sil-
va pago c satisfeito de seu capital c lucros e deso-
nerado de qualquer responsabilidade. Recife 24
de feverciro de 1869.
Jos da Costa Cazeiro.
_____^ Romao Jos da Silva Marques.
Precisa-se de um caixeiro brasileiro para
taberna : na travessa de S. Jos n. 1.
Precisa-se de um feitor no sitio do Sr. Bar-
roca em Bemflca.
Para u qiiarcsaia
Sa rua estieila to Hosaro ft-SS sobrada de
tai andar, fazein-.-* libres-do tintos as qi alidades
posa ornamento de-igiojj, altar, andoies ', epul-
cheev inclusive arcos, palmas e osas, e tudo quan
to Ser eoncernente aos sacros actos ; assim como,
pntparam-se para fra eom a maior presteza qual-
qaer encommenda neslo genero ; entro sim tan;-
bem se fazem flores mimosas piopsws para enfei-
tae vestidos, saiotes e capacetes de anjos, o mais
barato que em outra qualquer parte. N mesma
casa se eneontram j preparados- e nremptos i
veadao seguintc : ricos rimes dsecta enfeilados
ramitilho com flores de cera proprios para do-
mingo de liamos, vell.is enfeilatlas ramcnlc, bor-
dadas a ouro, proprias para bapsados, ca|>cllas do
flores para meninas e noivas. Ales disto se en-
cumbem do prepam lh ba&dejas do bolos finijs
enfeitadas de conform.dade aBm a que se desli-
na, quer seja para cas inientos, rqne para bailes ;
fazem tambem vestulos para a quaresma ou outre
qualquer que se precisia com a maior promptido
e asseio.
Manoel Luiz Viraes manda
celebrar, na eapella ilo cemiterio
publico, uina missa e memento
notlia27 to corrente pelas oito
horas da man tula, por alma de
seu prente e amigo o conselhei-
ro jos lorencopinto, fallecido
a27dedezembro prximo pas-
sado em Portugal; e convida
seus amigos que quizercm assis-
tir aquello acto de tanta carida-
de, pelo que desde j lhe ica
o;rato.
AVISO
Burgos Punce de Len, administrador da massa
fallida de Manoel do Amparo Caj, roga aos sc-
nhores credores da mesma massa, qneiram apre-
sentar seus crditos para seren verificados e clas-
silicados nos termos dn lei, isto dentro do praso de
oito das : na rua das Trincheirs, sobrado n. 48,
Io andar.
Bescja-se fallar com o Sr. Marciano Goneal-
ves da llocha, na na Velha n. 68
= Convitla-se a todos os innos da innaudade
de N.ii. da Boa-viagein a se rounirem em mesa
geral. domingo 28 do correle, alim de preceder-
se a elecao da nova mesa, visto como no da 21,
designado para a nossa elecao, nao houve nume-
ro suUlcicnte de irmos.
J. J. de Oliveira Fonseca,
Secretario.
Ama de hite
Precisa-se de nina ama de leite : na rua da Pe-
nba n. 21, 1 andar.
Precisa-se alugar um escravo para carregar
fazendas : na rua do Hospicio n. 6i.
AMA
Precisa-se de urna ama
9, loja.
na rua da Cadeia n.
Precisa-se do um feitor para engenho, pre-
ferindo-se algum que tenha pratica : a tratar na
rua do Ouro n. 32, porlo de ferro.
Precisa-se de dous hon ens para di-tilaet e
trabadlo de casa de purgar em um engenho : a
tratar ua rua do Ouro ti. 32, porlo de ferro.
:i
Precsa-sc de una ama de conlianca e sem fi-
lbos, dando fiador a respeito da sua probidade,
para tomar coala da casa de um esirangeiro sol-"
teiroque mora ein um sitio, e fazer todo o servio*
da casa : a quem eom ier dirija-se a rua Nova n.
19, 1 andar._______________________________
SILVAIN BLM E JOSEPH LEH-
mann, agradecem cordialmente
a todas as pessoas que se digna-
ram acompanhar ao ultimo jazi-
go os restos mortaes de seu sem-
pre chorado irmao e primo Eu-
enio Blum.
i
AVISO.
pan ^imaHKis wm mmmmtmtmmmmm
Precisa-se de um caixeiro de 12 a li annos:
na praca da Boa-vista n. 18.
Aluga
-se
o 1 andar do sobrado da rua dos Martyrios n. 4,
muito fresco e com bastantes commodos. assim
como urna casa na rua do Calabouco e outra na
rua Imperial, c urna iojinha no becco de Joao
Patriota, por preco milito commodo : quem pre-
tender dirija-se ao mesmo sobrado n. 4, segundo
andar.
Devoc&o do Seiilior Santo
Cliristo.
Oprovedor perpetuo c administrador do al-
tar do Scnhor Santo Christo dos Milagres que se
venera na igreja do Divino Espirito Santo, convo-
ca todos os devotos da mesma imagem, a reuni-
rem-se na saehristia da mesma igreja, hoje 27 de
feverciro, as 6 horas da tarde, alim de tratar-se
da festa do mesma Scnhor.
Na rua Augusta n. 94 vestem-se anjos para
procissoes por commodo preco, e ultima moda,
IflOIIlIilA
Vende-se urna moblia de amarello em bom
uso : quem pretender dirija-se ao Becco Largo
n. 1, Io andar.
A\isa-se
Ao Sr. Manoel Jos, Marques Bacallao, do cor-
reio geral, que resgate a sua carta de llanca,
Cot1stand0ao.almi.il>assignado, jrnro do^
fiado tellente-ot)On^ Jos de fn Albu-
iwrque mi- Gadelio, que o 3f. Jos
Mara Ferriiiudti. Crnlia, moradoin na c-
Sede do Keoife, se conslitue "tlor do
esmo finatto o bmo o abaixo signado
bsde o falleeiniento daquelle tenrate-coro-
el se dirigisto-ao peferido Sr. Feareira da
Cunlia, para apnoscnlar seus linios, o
serem liijuidado*, e nao o tendo feito at
aprsente date, declara de accor-io com
s mais henteiros oe nao se rosponsa-
bilisa por tjaaltjaee cerni que pen ventu-
ra queixa mesnso Sr. exigir quando
exifila deleito l&ga, pedindo ao ines/no
lempo a raaao de tamanlia demon...
Engeulio Ifog^y de cima, 17 de feve-
rcir-o de 186k
Henrique Jiispio Tavares da ipcha.
Vcnde-se o grande sitio lio liecro do Espi-
nliuiro, ao eaegar a estrada dos Afilelos, frente
murada e diveosas obras de pedra e cs.i por aca-
bar, bons viveiros com abundante pu*, baixa
para tapien, boas leiTas pava plantaeao com ex-
eailealBi irneteiias ; para examinar a- qualquer
hon, e para ajustar com Joaquim de Invini .Mel-
lo, na rua da Hora jauto ao mesmo boeso, ou na
fnndiciioda Aurora.
Methodo Oastillio.
Seeundino Jos de Faria Simbes, profesor par-
ticular de instruccao elementar pelo mntiiodo Cas-
tillui, avisa ao respeitavel publico e com especian-
iladi-ans pas de familia, ruie esl aierta sua aula
desde o da 7 de Janeiro, na rua da. Pen na n. 23,
primeiro andar, aonde recebe pewionisUis por
preco commodo : o mesmo professor pi-omette
muito se esmerar no adianlamcnto.de seus alum-
nos. Acha-se aborto desde o mesu dia un eur-
so de priineiras letras a iioute pan aquellas ps-
etes quenao puderem frequentar duraito odai
. Fcrrclra Tllela.
PhotographQ da casa imperial
premiado em diversas exposi-
Na sua pliotographia rita do Cabug n.
18, entrada pelo pateo da matriz tira retra-
tos por todos os systemas pltotogt apeos.
Em porcelana Em vidro
Em talco Em papel
CARI ES DE VISITA A 9 A DUZIA.
Os retratos carle-dc-visite sao collados
eu carto de luxo bristal ou porcelana,
dourados ou lithographados, quadriloBgos
ou vinhetas para o que existe urna varieda-
de de 12 modelos a escollia de quem se re-
tratar. Para as outras especies de retratos
temos caixinlias, passe-par-touts, quadros
e molduras douradas e pretas cassoltas de
ouro e alfinctes simples e com pedias pre-
ciosas, havendo nos alfinetes urna mimosa
variedade de feitios.
0 nosso estabelecimento photojjrapbico
est sempre em dia cora os memoi amentos
e progressos que na America do Norte, na
Europa ou no Rio de Janeiro se consegue
na arte photographica, e para alcangarmos
tal fim nunca poupamos despezas nem sa-
crificios, de sorte que os nossos numerosos
freguezes podem ter a certeza de que sem-
pre encontraro era nosso estabelecimento
tudo quanto a arte e a moda offerecer de
bom no novo e velbo mundo aos amantes
da pliotographia.____________________
Kpga.;se pessoa que entregou urna carta
na rua" dos Pires n. 35, vinda da Baha para oDr.
Lniz Jos Correia de S, o favor de ir.dicar sua
morada para ser procurado.
= Vende-se na rua da Imperatriz n. 14, Io an-
dar, um cscravinho de 9 a 10 anuos.
2
Precisa-se alugai um preto de boa conducta
para o ser vico de urna casa de grande familia : a
tratar no sobrado n. 2 da rua do Imperador, en
trada pela de S. Francisco.
VERDADERO LE ROY
:br S1GN0RET, nica Sucasor.
% 11 I w.
a
"O -. 3
& S.-81
. re o "O
9 ^ = I
c '225
= o =
.2 o
t

_C
3

. js p
c o e
72E6
i/. G
10 91
re T3
S C en c
*gSm .B
r.
rt O O
.O O 2
o3sg
2 fe s*
* re e o
Srfi tfi -
o-re
c o *o-o
* *- w c
= c ss
s
s
o
o
BOTICA ECASA DE BROCAS
77 RUA DA IMPERATRIZ 77
N'este novo estabelecimento h um completo sortimento de medicamentos, pro-
ductos chimicos, e drogara, tudo de primeira qualidade, e se vendem por menos do
que em outra qualquer parte.
H tambem um sortimento de medicamentos homeopatbicos, tinturas e glbu-
los inertes, por precos commodos; bem como xaropes de jurubeba ferruginoso simples;
vinhos de jurubeba simples e ferruginoso, e o bem conhecido xarope de Paracary, es-
pecial d'esta pliarmacia. Aviam-se receitas a qualquer hora do dia, e noite, com promp-
tido, cuidado, e pericia ; nao se negam a qualquer occurreaeia em casos urgentes. O
socio gerente encarregado do estabelecimento mora no mesmo, para o que est
promnto a abrir a porta a qualquer hora que for preciso.
C. Cato & C.
SOFFRIMENTOS D'ESTOMAGO. COMSTIPAQO.-
Cur em poucos diu pelo cAvio de klloc am po ou em pasiiltus.
EHXAQUECA8; NEVRALOIAS. Euiff3eSSw*v
slpidas rpidamente pelas PEROL AS D'ETHER k I' CLUTW.
ANEMIA, A PALLIDEZ e os loffrimentos que necessltam de
emprepo dos ferruginosos sio sempre combatidos cem o meuor resultad*
petas pilulas OE vallet. Cada Pilula tem incravado o norae liLlIT.
PO DE ROG. Basta dissolver um frasco d'este p em mal*
garrafa d'agua para se obtr urna limonada agrdate! que porga tem fa-
ter clicas.
VINHO DE QUINIUM de .barraque. Bste vinho, um do*
poucos cuja composicao garantida constante, t uraa das melhores pre-
paracoes de quinin, sem acejo notavel sobre os convalescentes, dando-
Ibes forc.is c apressande i Tolta a saude. Cura u labres antigs qoe re-
sisti ao sulfato de quinina.
MOLESTIAS DA BEXIGA. A maior parte d'esta, moles-
tias, cerno as sciaticas, lombagos, catarros, e todas as dores nervosas em
geral sao curadas pelas perolas de essencia de therebertira do
Dr. Clertan. O professor Troussoau em sen Tratad di iherapetaict sceo-
selba as para serem tomadas na occasiio do jantar, na dose de i H,
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH.-
Girantido puro e de primeira qualidade, um dos poucos aprovados pek
lejsjjsjtll de medicina.
AVISO. 'Toiot estn medicamentos ftram aprovadM pela Academia
imperial de medicina de Pars.
Capsulas de Raquim
Os bons cffeitos destas capsulas para fazer ces-
sar os gonorrheas acham-se comprovadas pelas
experiencias de muitos annos.
Os mdicos de lodos os paizes as recommendam
pela sua efflcacia.
VENDE-SE
HA
Pharinaela e drogara
DR
BARTHOLOMEU & C.
L
Mt-Jnel
Bahi..
b Varis,
DovoiicHn.il;
Tusoari.
Uai et O.
DEPOSITO
raamat, it, ra* jea
HsaaAn I Pernamiuce. Mann et O.
Ceart.....sUcun et Cu.
Ru34a
larga
do Rosario34
VERDADEIRAS
PILULAS oe BLANCARD
COM IOOURETO 00 FERRO INALTERAVEL
APPROVADAS PKU ACADEMU DB MEDICINA DE PARS. ETC.
owuindo as proprledadesdo lod et do ferro, eonvem especialmente as Arncoota
BSflfcoruLOSAS. a Tsica no principio. fratjuexadt temperamento e tambem nos casos oe
rALTA PR cftR. AMENORRHKA.em que precisa reagir SOB* o sanguk seja par restiltw
-Ihe a sua riqueza e abundencia normaes, ou para provocar e regular o seu curso peridico.
A'. B. O iodarelo de ferro iuipuio ou alterado om medicamento inliel,
Irriunte. Como prava do pnresa da ullientidade das r*r*m**irmM rs-
ll aa> mmmmmr*, deve-se exigir nosso rila *t> praSa reaal*a> 4
nosso Ira, aqui reprodoilda, que t acha na parta inferior da um
rsala vrala. Deve-se desconfiar das fahiacacoi.
araaai na eaa Sa4aa aa aaarwetaa. Pkarmaceutico, me Jaimparta, 40, *>era.
RUA
IDO
CABUG
esquina
| da rua larga do
Rosario.
AMEL DE OURO
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre nm sortimento sem igual,
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do preijo das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedraa finas por presos muito ele-
vados.
A lja est aberta at s 9 horas da noute, .^^fe
RITA
EO
CABUG
esquina
da rua larga dofll
Rosario. m


Diario de Pernanibuco Sabbatlo 27 de FVefeiro de 18G9.
Rio de Janeiro.
Zeferino d'Almeita Pifie, advogado no
Rio de Janeiro e con escripturu de agen-
da na ra dos Pescadora n. 68, encarre-
ga-se de todos c quaesquer negocios judi-
ones e administrativos, mciliante honora-
rios e commissoes rasoaveis e moderadas.
As pessoas que de seus scrvicos se qui-
zerem utilisar, poderlo dirigir-se pessoal-
raente ou por carta ao escriptorio cima ou
acasadesua residencia, Cllete n. 172,
acompauados de todos os documentos
precisos e com indicaco da pessa com
quetn sepossa tratar.
Para mais informaces dirigam-se a bo-
tica da ra larga do Rosario n. 10, nes
cidade.
Trocam-se
ss notas do banco do Brasil c das caixas ftliaes,
com descont muito razoavel : na praca da Inde-
pendencia n. 22.
No sitio n. 1 da Passagem, vende-se urna
, va de nieia idadc.
Escriptorio
Gomes de Maltas Irmaos estao com o seu es-
briptorio aberto na ra do Vigario u. i, i" an-
prop5e-se a qualquer consignadlo, menos
jar
de
cscravos.
Precisa-se de um menino que saiba comprar c
fajer maisalgum -ervieo de casa : na na do Im-
perador n. 7:t, 2" andar. ^^^^^
Ama
Precisa-se de una ama
n. IK
na ra da Conceicilo
Pede-?c ao Sr. Manoel da Bosta Pereira, prati-
eartd da repartido das dinas publicas, ora cm
j'anoatao, que coinpareca na Augusta, sobrado
n. 102, aliui de saldar o sen debito, ou pagar o
que pedio, e isto com brevidade_____________
Attenco! attenco!
Guilliemiino Rodrigues do Monte Lima faz sci-
ente aos ottelaes de todos os erpos, que acaba de
receber uin completo sortimento de espadas, ban-
das, talins, talabartes e cbarlateiras, e mais per-
tences. Assim como receben tamben chapeos de
oleado para criados, do copa alta e baixa, rom
cordiodeouro ouprata, e vende mais barato do
que 'inoulia nualijucr liarle, na praca da lude-
iwndencia n. 17,'Juotoa loja do Sr. Arantes._____
II
BARTHOLOMEU 8: C.
J
p
Xar<
16600
IdGQO
OiO
No arniazeui de Candido Alberto Sudr da Mot-
ta iravessa da Madro de Dos n. i i. estao paten-
tes mais de dez inN amostras de papel o mais lin-
do que se tem visto nosta provincia, desde o mais
-imples at o mais sumptuoso e proprin para
luiarnieao e forro de salas, gabinetes, capellas de
iL'reja c sanctnarios, pela Variedade a belleza de
seus desenhos e arabescas primorosamente dou-
rados. <> cust.i d'ssc artefacto o mais razoavel
pQssivel, porque apenas se sugeitar o Sr. prcten-
deate a tuna diminuta commissao alm do mdico
proco parque vende o fabricante cm Pars.
No mesmo armazem de Candido Alberto ven-
de-sc muito em coala o seguintc :
Muito boni' farelo
Por .'$ o sacco do_120 libras. E' muito barato !
Optinio cimento
Por 103 a barrica de 1- arrobas. Nao ha que
dizer._______
l'recisa-.-c de urna ama escrava que saina,
cozinhar, engommar e lser compras (paga-se
ten) : a tratar no Corredor d> Bispo n. 3.
MARTIMOS
PARA USO INTERNO
II EPAU A nOS SIMPLES
ile. jurulHiba garrafa. lfM>
Vinlo de jurubeba garrafa.
r Pillas de jurubeba vidro.
Tin; ni a de jurubeba vidro.
Extracto liydraooolico.dejurubeba. 12*500
PHKTAIU.DOS C0MP0ST0S.
\inho de jurubeba ferruginoso garrafa. '2:>O00
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. I '>OO
Pillas de jurubeba ferruginosa vidro. ^OOO
Oleo de jurubeba viuros. <>40-
Pomada de jurubeba pote Hj
Emplastro de jurubeba libra. 2oQ0
PARA USO EXTERNO
A JURUBEBA.
Esa planta 6 boje reconbecida como o mais poderoso torneo, como um excel-
lente deaobstruente, e como tal applicada -nos engorgitamentos do figado e ba;o, as
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, ete.
O que dizeiaos allirmam os mais distinctos mdicos
Do vaiope Vegetal Americano.esueelalidadedeBai'tholomeu & C.
.34RA LARGADO ROSARIO34
Nao costumamos procurar attestados psra acreditar nossos preparados, e dei-
xarnos.que sua.applicac.3o c os resultados obtidos pelas pessoas que so dignaram acceila-
los, llies deem crdito evoga; porque sao sempre os attestados considerados gratuitos,
e delles que lauca mo o charlatanismo; mas, nao querendo offender as pessoas que
espontneamente nos oflereceram os que abaixo vao transcriptos, os fazcn:i publicar,
manifestando-Uies nos6a gratido pela. attenco, esperando que venham tiles corroborar"
o conecito, e acceitaco que tem merecido nosso xarope.
Bartlioluuhii < &
ATTESTADOS
Illms. Srs. Rartholomeu & CK com a mais subida satisfaco que declaro
ser o xarope Americano de urna eficacia extraordinaria, pois que soflreudo lia dias de
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de raedirsmentos
que tomava, a elle recorr e na terceira collier fui alliviado, e de todo me acl;o boje res-
tabelecido com o uso smente de quasimeio frasco: grato, pois,r esse resultado mani-
fest a Vv. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador c obligado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 18G8.
Illms. Srs. Rartholomeu & CPenhoradisimo com o favor que me izeram
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, quando me aclia-
impletamente nuco e que
meus deveres .de stabelecimento, que i btive cem um
muitos Iralanu otos. Desejare
que outros como en recorram ao seu xarope para se verem alliviados de lo terrhel
de Vv. Ss.
UOXTRAtfOGO. .
A Coinpaiibia Indemnisadora, estabelecmd
neslfl piara, toma seguros martimos sobre
:iavios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, inercadorias e mobilias: aa
rua^o V^aronJ^ Pjyjye"fe tegeo.___
Os cinco bilhetos da lotera )6a beneficio iU
eneja d N ^. da Boa-viageiu de ns. fl7, 4.07;t,.
\2S, SW598 e 3iW, ncrlencoui aos Srs. Hicardo
Wilti'g. Ma.....I Gines de l'reitas e Manuel loj
Martins, do Aracaty- e lieam em pofer, abano.
assignado.
Francisco Martins de Amonm.
Da-se 1:0003 a premio com bypotbeca em
bem de raz de doblado valor nesta cidade : na
na Nova, loja de lerragons n. 3*.
Irmandade doSenhor
Bom Jess dos Passos
na matriz do Corpo
Santo.
Tendo esta irmandade de exprem solemne
procissae aimagem de seu Padroeiro no dia. ISII
do inez vin.louro, com aqnella ,pompa e brilban-
tismo que de costuine, tH a mesa regadora re-
'orrido aos numerosos devotos deMe Senbor, alim
de coneorrerem com as snas ajnelas; e nao es- i
lando a par de lodos ellos, e mesmo pelas distan-
cias dt suas muradas, a mesa regedora llies pedo i
([xa qualquer donativo com que queiram concor-
rer, dignar-se-liao entrega-lo ao irmao provedor o
Sr. Marcelino Jos iloncalves de Fontes, ra.da
Cadcia n. ou ao tlir l.oureiro ra do Amorini n. ii. Outro sim, ne-
nhum.1 pessoa se acba encarregada para tirar es-
molas de capa com salva, como consta irmanda-
de se apreseutra no dia 19 do corrate mez um
individuo assim caraclerisado, pois os nicos en-
carregados dissa missao sao os cima menciona-
dos o os que a elles se juntaren) para formar jcom-
missa).
Armaeo de taberna
rom os seus pertences, pesos e med das etc.. tudo
cm muito I.ni estado e propno para algum prin-
cipiante : vende-se. por inetaoe do seu justo valgo
Joaqun Jds8 Gon-
calves "fieltro
RA DO TRAPICHE N. 17, l. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Miuho, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Guimares.
Goimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Urna.
Villa Real.
Villa-Nova de Famajico.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpssos).
Miraodella.
Boja.
IJarcellos.
UTIIIJDADE
Aos 500 pares de brincos, p
Cbegou e vende-se no Coraco ^
jdOuro, ra do Cabug, brincos de j|j
;mosiiibas com urna franja penden- -||
te a um rico desenho e ouro de Hg
-le. jielopequeo prefo de l.^OOQ jgj
cada par. baratissimo.
VV1S0
. ... incommodo, to fatal neste paiz. Com maior considei aco contino a ser
desut cidade, entre os aUent0 venera(k)r e obrigado.Ltiiz Crcmona.
quacs podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve, I{oeifc ^ (e ^.^foro (|fi im$
Pereira do Carmo, Firmo Xavier .Silva etc. Todos elles reconhecem a cxcellencia d'este illms. Sis. Bartholomeu & C.- xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. tetra
poderoso medicamento sobre osdemais ate hoje condecidos para todos os casos citados, exposlo venda de l0(]a eflicada para Q CUI.alivo d'asthma, conforme obs.iv. i aapi-
tantojque todos os das Eazem dalle applieacao. cando-o a meu filho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'esse flagerlo, que at
Apresentando aos mdicos e ao publico emgeral diversos preparados da jura-1 enl3o _0 excedonle a dous annos liavia resistido a outros xaropes de rraad*
beba, tivcmos por (iai generahsar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a nomcaaa ueiram pois Vv. Ss. acceitar a ex
repugnancia que al boje sentiam os doentes de usar dos preparados empiricos d'elle, e
mais das vezes rcpiijmantes a tragarem-se, e que tinliam anda a desvantagem de nao
ser.calculada a dase conveniente a applicaT-ap, o que torna muitas vezes improficuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de havermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bemeonhecer as pro-
piedades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, follias, Eructas ou bagas, e a
dose conveniente a applicl|So, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de prfeico possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro (pie possamos tirar.
Por tanto os quo se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
velcura de qualquei- dos soflmenlos, que deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm dsso, medico eu doente a vantagem deescolher nasnossas va-
riadas preparaces, nquella que melhor Ihe pode convir, j pela fcil applieacao, e j pela
complicacao das molestias, idade, sexo, ou anda natureza de cada individuo.
Asnossas prcparacries ferruginosas s5o fetas de forma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompostos de ferro qur
como taes esto hoje reconhecidos.
Para aquellos que mais minuciosamente queiram conheccr as propriedades da
jurubeba, e saberem a applicaco de nossos preparados, destribumos gratuitamente
em nosso deposito um folheto. onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geFalde todos os preparados
Botica e drogara
31Ra larga do Rosario34.
presso altamente sincera de meu reco-
nhecimento ao meritorio servico que Ihe prestaran com o indicado xarope, acreditan-
do-me para sempre fie Vv. Ss. criado, attento e obrgado.Americo Nelto de Mendonoa.
Recife, 2 dooulubro do 1808.
laiDiaisa
DE
B
IAMOS
DE
J. VIGNES
Lendo-se no Diario de Pernanilmeo n. 30, de
16 do correnle, um editaldjjnizo especial do eom-
mercio, no qual se declara que em virtude de
iustiueicao dada pelos administradores da massa
fallidaAmorii,i Kraoso. Santos & ('... licara pro-
irada a ausencia de Henrique Jos da i'.unlii. em
lugar ocerto e nao saludo pelo presente se faz
publico, o que por todos, c couliecido, e nao igno-
rado pelos proprios justiltcantes, que o dito Hen-.
nque %* da Cunha reside na cidade do Porto,
i ra de I). Pedro n. i'\ 2. Sirvam ao menos es-
las linhas, como protesto, contra essa, falsa a->ei -
los Qualro Cantos, roa do ColoveHo da loa-
vista a 1, primeiro andar, ha urna escrava para
alupar-se para todo servico de casa de familia
na mena lia um carneiro manso para menino
indar mi sellim novo, para vender-se.
Pnci-a-i' da quantia de-l:116 ajaros so-
bre hypotheca de urna parte de, um sitio nestes ar-
rabaldes : a pessoa que qui^er fazer. ,este> aegocip
annuncic por este jornal.
GtflMHB^ezoL retiradu.>cpara Eijr^a.de
clara nada dever nesta praca : decais fan'bera
^ue vendeu sen salo de cablleireiro a Sr.Jero-
nymo Delsi^g,
Avisa->e a inem foro dono de 30 caixas com
aeo da marea F 1> &C. de n. 40o a 4-ii viudas pela
e. das pelos Srs. Morpuyo i Prente, ter abondade de
mandar despachar.
0 advogado Dr. Antonio de Vas-,
concellos Menezes de Drummond.
I transferip o seu escriptorio para a
ra ilo Imperador n. 20,onde pode
ser. procurado todos os dias uteis
das 11 horas da manhaa at as 4 da
naipe, para os misteres de sua pro-
['lisso.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
prar para casa de pouca familia : na ra da P-
nha_n 27._________________________
Xo collegio cnRommadeira perita.
DOENCAS DO PEITO
XAROPE d'HYPOPHOSPHITO OE CAL
GRIMAULTtC'^ pharmaceuticos em PARS II
A efftcacia d'esta preparacSo est eslabelecida desde 4 857, pelos mais celebres mdicos. Desde
enio muitas imitai;5es tem sido feilas, mas nenhuraa poude sustentar a comijaracao com o
producto apresentado pela nossa caza. Por sso excitamos o publico para que exiga sempre
esie xarope com urna beUa cor de rosa, nunca branca, e com a nossa assignaiura roda do
frasco.
Sob a sua influencia, a tosse acalma-se, os suores nocturnos cessio e o doente volve rpida-
mente sade. 0 seu empreeo di lamban os mais brilhantes resoltados nos defluos, csUr-
rhos, bronchites, irritacoes do peila, ele.
Deposito em Pernatnbuco, em casa de Mt O*.
N. 55RA DO IMPERADORN. 55.
Os pianos dt sta antiga fabrica sao boje assz conhecidos para seja necessari
insistir sobre sua-superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores,
finalidades estas incontestaves, que elles tem definitivamente conquistado sobre todos
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um teclado e macbinismo que obedfltea
todas as vontades c caprichos das pianistas, sem nunca falbar, por seren fabricado?
de proposito e ter-se feito ltimamente melhoramenlos imporfantssimos para o clima
deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas c por isso muito agradaveis aos
ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blon-
del, de Paris, socio correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposices.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explcndido e variado sorti-
menlo de msicas dos molhores autores da Europa, assim coino harmnicos e pianos
barmonicos, sendo tudo vendido por procos commodos e razoaveis.
BARATISSIMO
Calcado, nacional, na fabrica de Jus Vicente,
odinne &.C., ra do Jardimn. 19, avisam aos
-eus fri'guezes desta capital o do interior, que. con-
tinan! a fabricar calcado em alta escala, c offo-
recem as melhores condlfocs, tanto em preeo como
era qualidade. Os propietarios deste estabelccj-
niento chanuim a attenco dos senhores consumi-
dores do interior, que os quizercm honrar com
>ua .freguezia, es|iecilcando em seus pedidos a
qualidade e numeracao, jffereceudo-se para os en-
tregar bem acondicionados em casa de seus cor-
respondentes nesta praca.
GRANDE HOTEL
1AIARGA. DO, ROSARIO! 37
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia em dia quanto possivel para che-
gar ao cume do bem.viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de bospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indtspensavel elemento para a
vida e hygiejie, temo-la sempre em abun-
dancia para facilitar exceHentes banhos.
CIURITERIA E PETIT RESTALRANT
Annexos ao Hotel Central, ra estrea de
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infinita.
de charutos de Ilavana, Babia, Rio, etc. que
exislem neste novo estabelecimento pres-
cindimos dos annuncios pomposos que fe-
ralmente se fazem, reduzindo-nos ajanas
tres letras que sao tres bbb bom, l>oni*r> e
barato. A' vista do genero annunciado po-
de-ce julgar de nossa veracidade. Esta c;>>
c
RIVAb SEM SEGUNDO
Ra do Queimailo n. 49, loja de miudezas de
Jos de Azevedo Maia e Silva, tem para vender os
artigo* abaixo declarados, ludo bom e Laritissi-
mo. que sao para acabar.
l)uia de sahoiietes muiliiiiiius a 700 xs.
Pares de sapatns de tapete para hotueui a lo8o.
Ditos de nanea para civanca ais.
Tramoia do Porto, .bordada^ a mtHhor a o rs.
Dita du P.io liza, da melhor qualidade a 10,. 120,
160 e JQQxs
Resma de papel almajo, lizo superior a 'l*O0.
Dita da papeiautar4>'.~puiado a i 5.
vro de misses abreviadas a 2.
CartHhas com t^U.a douuirta e inujtasre
Sabaa fn^ez*UperW# q'ulidaearjOO* W.
irayalas prelas e de corea inuito finas a 300 rs.
Oiuia de meias para senhora, fazenda lina a L
Redes pretas lisas para segurar cabello a 320 ss.
Varas de transa de seda de todas as cores a GOOjfc,
'ares de brincos dojiraJflS oni mozinha e pe-
dias a 320 rs.
Oartdes com crcheles de duas ordens e sao de4r
So a 20 rs.
limaduras de vidro para colete muito lina a
iO, 240 e 400 rs.
Pares de boloes dourados para punhos a Itk) rs.
Oaixas de peanas de ac n^iiilo tinas, a 240, 320 e
Cartdes coq> diMaat^s jarda <|e linlia do fabri-
cante AlanSJ IQf fs.
de pennas de aeo, a verdadeira penna a
'ftiTIlflLfVllLflW
Prepara-se almoco e jantar em urna casa
particular de familia, na ra estreita do
'Rogara u. '35. sobrado.
Prejjaa-sa
Cabua ri. 2 BV
aliigar.uu) mul*;que na ra do
ppi|
jTQNIO EPAMINONDAS DE
[ ^JELLO tem.o seu escriptorio de jjn
\ advogado a ra do Queimado n. 8, |
I." andar.
Precisa-se d nt mleque de 12 a 14 annos
para servico externo : na ra Oireita n. 79, loja.
(taida par^. fra
Com todo asseio e promptidao, beta prepara-
^ ft ""VJVXlrV tevaf pmwtjgll^ni^ef^fl,;. na ra,, estreita do
t'Wijnigy BmyJkJJobabo sacaia ^>t4o-
-OSr^Woni
feeer na rea Duvita
^2O0''aSd0() i1;"'1*"^''^^ 7. W 10 kJ*.
Caixas com superiores obreias de massa a 40 rs.
OarrHeis com dnas oitavas de retroz preto a SOO rs
Oiiziasdet^ul^iam, f-wfyMA U+,
t Abras de prego* iraufiezes uetbifcs osutnanlioi
a240rs, *
Uvrosescriturados para rol de roupa a 120 rs.
'Caixas com papeLjgjjiy^^iu^liii i a 700 /
;-iixas com cciafofc'loflifatriBmoi qualidade a
Tabres para meninos multo boa fazenda a
seguintes
lense.
ov
pa*a-tiefKmlia e qara os
Vigo.
Samfcigo,
resse.
jicisco Duajtejfu.-iraappa-,
9| mmSo de seuinta*
Frederico Maia
CirnrglSo dentista pela escola
de medicina
de Rio de Janeiro.
Tem a honra de participar ao respeitav. I publi
co desta capital e seus suburbios, que tem abeito o
sen gabinete de consultas e operarles dentarias a
ra Direita n. 12, primeiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da mant'a as
3 da tarde. Elle acha-s tado para com perfeicio foBocar dentes artilciaes
porqual(|uerdos systemf.s, e bem assim desempe-
nhar qualquer outro trabalho concernente sua
profissao. O mesmo, reeonhecendo que nem sem-
pre possivel s senhoras ou criancas sahirem a
proccijr o remedio, fferece-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
lara qualquer chamado sem que isso influ cousa
algiuna na commodidade dos precos de seus traba-
mos, e quando para lora della assim niesmo ser
precedido de um ajuste r;isoavel, garantindo elle a
seguranza e perfeicab de seus ditos trabalhos. Em
seu gabinete se encontrjj constantemente exeel-
lenleps, denli^jcio, elixir c nutres uiedicamen?-
tos odontalgicos : ra- Direita, n. ti, primeiro
andar.
-Alfredo & C.
Aluga^e ua-i andajr.-de *uii,.sobrad* do
Caes do llamos, c unt,3' a ru^-da -Piai; a tra-
tar na ra da Iraperal? u. 6i>.$. andar*._____
Precisa-se d'uuia.triada .de iioos. rxtuiat
para casa de familia, que nao esteja acostumada a
ra, preferindo-se escrava, quo cosinhe e engom-
mecon*prfoiga<%a tratir.,aa.:oia(^a -ra nova
Deseja-se tallar ao Sr. Jos Jacintho da Silva
a negocio de seu interesse,na ruadas Cruzes n. 9
MBHia* ^aiba comprar e coznnar peneitamente : na ra'
Fornosa n. 33.
Carlos Augusto Lins de Souza e usa mulher D.
ilefiuiia Augusta jLins de Souza convidam a to-
dtfdOS souy.amiMuB pain^ijUifi' fde ,asi}irei
as missas.que mandam celebrar no dia de segun-
^i-bi^lamrm% i&*fyW& da^majilil^
a i^b-nMUao-na wMkyM^toi' aln de sua ^
presada mi e sogra D. Joai|uinaLins de Souza
viuva do finado desembargador Jos Libanio de
Souza fallecido a 12 do crreme na provincia da
Baha.
Am*
m
Fmpresla-se dinkiro
sobre joias deliro, -pra-
(a, brilhands e {raras
preciosas: na travos
das Cruzes n. 2,
a este lpgr3rtia U\
andar.
m
Inagurourse esteconunodo e elegante,
estabelecimento d'onde os seus.frecuenta-
dores podero apreciar a especialid,i.de na
confeceo dos gneros alimenteios.
As bellidas ao as mai*. primorosa* o re-
conunendadas.
A decenci.i ; bom ^er.vico prnam n'esta
casa no bello goto oriental.
Mandam-se domicilio ,comcdoria<;, tau,i
a vulgo, como por assignatura ineusil. Os,
precos sao mdicos c convencionaes.
Ha urna espajosa e bonita ?ala 'iara. o
elegante jogo do.billiar.
Ha tambem aposentos commmodos e \ m
mol ii I ha ilus para Jiosptdag^).
Ha tambem urnarm bibliotheca e perro- gosa tambem das condices de um elegante
! dicos nacionaes e estrangeiros, piano para e petit resiaumnt onde se pode ver a >
;recreio, buhares, etc. etc. pecialidade dos fiambres e salames deLiir.
Seao"o ociosa. qualquer racommendafo para lanches e at fazer urna boa colee?-''
para to acreditado, estabekeimento, orait-, juntamente com os principaes vinhos oo
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bom a pura-
fin,, que o bom servico, ordem e moralida- e fervenle champagne, o mu saboroso Rlif-
de imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa cerveja, o licor espiritaos
fiel do regulamento que.poasue. o quanto pede urna mesa. Faz-se wet*
Comedorias a la carte. sorvete c variedade de refrescos.
55-RUA DA IMPERATRIZ-55
^ O proprictario, d'este importante estabelecimento tem a honra de partici, i
JtvU. lRrffQ, UO ROSlTlO ao reapeml ptihlic-o qiie tendo fgido d'esta praca a pessoa que se aeliaw na -ua pe-
0 ^ reacia, eile contratou para 3a casa um perito offlcJal que foi por muito-tempo o p:
H, 44, miro ofiieial'da pniiortaute casa Sulingr* do Kio de Janeiro ; por isso espera o annui-
- idant que Mos Jicaro satisfeitos dos seus trabalhos, visto, alm d'isso, possuir no wn
TRILHOS URBANOS
no
Recife a Apipucos.
Tinge-se, lava-se .e limpa-se com a maior perfeieo fazewlas em pefas oti
'em obras, de qualquet .qualidade- que sejam, taes como la, algodSo, seda, touquir.
j peanas, chapeos de ero e de Manilha ou palliinha de todas as cores, etc. etc.,
tambem |iMrse^)Qdoa3^e limpase.^ eecco sem molliur os tecidos.
s.;8euhores negociantes logistas e parliculares experimenten) que totk*
aeoarOicproveitQ e, vantagens.
Ttfilum.pret* jergas c se,xla$-feira$.
Pana maior cominodidade dos passagenos
trauque passava no Monteiro as 9horas t "i mi-
nutos da noile. passar as iO c 35, em -qu- nlo-
durarem as novenas de Nomi,-Senhora-a Co-,
cflwiai flue^aiksjfieieb^..
t
KytlftJMWrl>f" '''-rtflfy^ OWfff? i"!U>-4a-
mingolwowrrente, dnraa fes de- "rtisa Se-
nhorA4J*Coo^ao^no,.Monteiro, os Jres destal,
empfM|Vorr8rao at*a ft lras daT^nanlK a oon-
lorniM.tabella, e dafcif*or. diaate de boa em
hura, lanto para ida como para a volta.
Os treas Je ida que param nos- pontus i uerine-
diarioasiao os de A, o, 7 ftlsoras, de /oHjfc os
de iX, 8 e uUto!cuja-Jflatrnotivas, ^rarao
urna bandeira waei^aiKiiartfipni cuuhee.ooi.
O jbilbetes de paogiafem o^ecife ao ikipteiro
e vi^MWrsa^ao ~ Ntlr' aao^erviro poa-esse
ptrio da companhia 19 de feversiro de
VTTENCAO
AO
W./BvUnsiWtM.
Gerente*.
AmvJeAetft.:
. PrapiHfse ji6.uuia;v.anit. de meta idadft. pai* ,,
comprar e cozinhar para urna familia de pouca's
pessoas : na ra Bella o. 3.
iraca, UBii'jpa*. de idade 1*"i8, o qual
rov|MiMWM4.iKMf. imtfmv"
a traesada 'Sala-velh? n^^pi-,
r andar.
cusa: jm''oissi&
PEIA
Pharnada 34-----fiua larga -lo Rosario-----34.
Aluga-se urna ama de leite escrava com tilho :
qqu\ fracisarJi**?* pracR.4k.MiPf *****
rtuB>ero-&.
91
AZEM PBRSAMBUCIOO
86-Ba, das Cinco Pontast-88
Thomaz Jos de Ofiveira & C. avisa aos seus- freguezes que foram, tanto des
contigo centro da provincia,: que regrfmm de sua viagem Europa no fim di
iLevabr^ffox\mo passado,.se acba estabeiicido com um armazem bem sortido de pe-
ceariasnlgo molhados) debensvgeneros,^ por precos commodos e garaptindo qualida-
de, pex e medida, nos ge.oero*-)comprados no seu armazem* pw*nito pede e tof
que Blodeuem de Ihe darapiefefencia.
FRANCA-BRASIL
M%NEROKR, alfaiate franeez, previne ao respeitavol pubiino e a #en namermoa frfp
ifcHU6,lend-XBsferido sua residencia para a ra do Trapiche-n. 7, primeiro andar, ah ncontp|jk-
$im>Rda*!IM4|uandades de fazendas para trajos de homern, e prepara costumes para montari* dr
snher. Faz lambenj obras para militares epara criados, para as quaes tem grande sormenpQdt
tci* > mrix de adv crneos e amarellos. Raoebe -por to>8 os vaporjww
iheraa-a meninos.
i-^te uma^My^^u^fozinhe bem j, na
rt^ecifa-se de urna mulher capaz pan costu-
ra, passar a ferro alguns objettos e ou-os servi-
ros proprios de,senhora : na tinturara frinceza,
^datoi^ri. *..**.
Jxmm
itea coehaira lOMr/t WVatH. tautbeni pode f
strvir para qualquer offlema : qnem a pretender
1 diriia-se a na da Concordia, sobrado a. 13.
tFHUtl
DOCANNABIS INDICA!

IDPPMifI*
lilil*
Todos ot meias at boje preeonnados coaita a. wUusa nao um sida mai do oh pallii
debaixo de todas u formas, tendo por bata* bdktoaa, o estramonio on opio. Reeeatos i .
riencias feius em Allemanha, repetidas em Franca e na Inglaterra, wm prorado qae o eumo'.
indio de Bengala possae as mais ootaveis propriedades para eombater essa tenuvel sffeeclo,"
assim como a tosse nervosa, a insomnia, a tysica larjages, a rowpdle, extineoto da -
-r -r-'r*' Tr' i' rin mn mi* iiiiMiiiniiiffT'^-***--
4iiniiuu7imunii
os
I

\
I


Diario de Peuiattibiico Sabbado 27 de Fevereiro de 1869.
rs:
\
COMPRAS.
Com milito maior vantagpm
Compra i do Ouro, n. D, na do Cabu-
edas de Qnro e pfata e podras preciosa?.
"Compra-so um mulequinlio de 4 aaunos
de idade, que iKi,i Ii'iiIki vipo, e que -j-i sadin.
a pesfoa mw titw o qooer vender dirjanse a est
la para tr.iiar.
Compra-se escravos.
Lino do Faria & C, na ra do Vigario n. i. 88-
rrtptorkt, 1" Mular, compran eseravos de ambos os
sexos, sendo quo, molequb de 14 a 40 annos e bo-
nitas ligtn nagas por inuito inaia dinlieiro
do uno en ouira qpalquer parte.
Ouro c prcta
cm moeda c cm obras iimlilisadas, compra-se por
boa preco : na praea da Independencia n. M.
GRANDE LIQIJIDACO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
(
.Na prara da lndept-udeiu-ia n. :, loja de ou-
rives, compra-se ouro. prata, e pedras preciosas.e
tamben se. faz qaalqtier obra de cncommenda, e
todo e mialqncr concert.
Compra-se:portas com) l\i palmos de altura
' rata 'i l|3 de largo, mais nma janella rom I \\-
de altura e :! I|2 de largo, ludo do amareUo c ja
sarvMe de entras casas : mam quier vender en-
i-'rida-si' na ra Ja Soledaile n. .12, ou na ra do
Oueimad >. loja n. I, ou annuncio por e-te jornal
Compra-se
hoje libras esterlina, ouro e prata de todas as
mnMis epor maiorprMv do que em nutra parto :
ni ra da CSdoia do Recite a o'8, loja de azulejo.
0 muzeo de joias
>"a ra do Calmg n. 4 eompra-sc ouro, prata
pedras preciosas por procos mais vaotajosos do
que ein outra qnalquer parte.
Compra-se urna burra ( cofre)
Crespo n. 1(>, prhnoho andar.
na ra do
VENDAS.
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O propietario d'este estabelecimento convida ao respeilavel publico desta ca-
pital a vir surlir-se no grande estabelecimento que ten de-faz, tulas, tanto da moda como
de lei, e as pessoas que negociam ero pequea escalla, tanto da praca como do matto-
aesta casa podorao fazer os seus sortimentos em pequeas e grandes jiorces, venden-
io-se-lhes pelos preeos que se comprara as casas inglezas ; assimeomo as excellentis,
simas familias, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, on mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se este estabelecimen-
to aborto constantemente desde s 6 horas da manhia s 9 di nou'.e.
O atoalhado do Pavao. AS CAMBRA1AS DO PAVO
Vende-se superior atoalhado de algodao Vendem-selinissimaspecas de cambraias
i com 8 palmos de largura, adamascado a lizas ti. disprenles tanto inglezas como suis-
i|200 a vara; dilode linho fazenda unido sas tendo mais de vara de largura, [Kilos
preeos de O0O at tO000 a peca, assim
como linissimos organdys branca liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a l000, a vara, na loja 8o
Pavo ra da Iinperatrizn. GO, de Flix Pe-
reira da Silva.
Alpacas lavradas
Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que se vendem a lOOO, o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de caima a
XI
n
superior a 3200 a vara ; guardanapos de
linho adamascados a i #500 a duzia e muito
finos a "8-JOdO, e ditos econmicos a 3J5O0
a duzia.
Crochs para eadclras na loja do
Pava o
Chegaram os mais lindos panos de cro-
ch ou guarda bantras, proprios para ca-
leas tanto d'encosto, como de balance e
Je guratelo, e outros compridos para so-
f, assim como ditos redondos para mezas i
PECHMCHAS
Novamente chegadas ao armazem
DO
MJEA.O
Tcndo-nos cliegado ltimamente
mos por este mcio ao respeit.avel publico a
bom gosto c por preeos que nao adiar em*utra qualqaer parte.
fazendas inteiramente novas, con vid a-
que nos procure comprar fazendas de
Vende-se por preco Commodo um epgenlio, si-
tuado na Varo'a da l'arah\!ta di Norte etrtu
legoae da cipit.il oooi paridos' para torrejas doo4
:uil pies de assueai. cow inuil.is mattas de boas
niadeiras, cercado de vanea, bas obras de pedra
c cal em panto grande, como pejam rasa de enge-
uhf), niitcnda nova, una csdetioBtC gallern assn-
tiradada entre a casa do oogMtba e raldeiras,
d'onde oonmodancBte se pode administrar o ira-
balho.curral, casa de iiurgar coni cpardade para
recolber as nioro3 safras, bom depsito de mel,
.las casas de vivenda de pedra e ral, forradas e
envidracada*. eapeKa em boni estado, casa para
feilor e armazem de lijlo, casa de l'a/.r lariolia.
estribara para (i cvalos, casa de bagaco e um urosuLuaiwiL
lindo jardiin juntj a casa de nioradia. com puma-; Uiegnu para ,1 loja do Pavao pelo ultimo
i irueleiras ee, .Mais um sitio peno do meemo varpor um grande sortimento dos nielliores
,,: con easa de peta e cal, forrada c envi- ?rosrjenapies prct0s e de cores, tendo verde
tambem, que se vendem mais barato que
ein entra qnalquer parte.
redondas, ditos pwpfekioa para almofadas, e 0 rs, ditas mescladas muito finas a -1:200,
ditos para cobrir presentes, tendo pequeos
at para cobrir um prato, que se: vendem
por proco muito em conta, na loja e arma-
zem do Pavao ra da Imperatriz n. 60, de
Flix Percha daSilva.
"listos para vestidos forneos
a *.
Vendem-se os mais modernos fustes bran-
:..s flexiveis cdt padtoes de listas e de
i salpicas proprios para vestidos e wmpas de
I menino a G40 rs. o covado, na loja e arma-
zem do Pavo ra da Imperalrizn. 60, de
Flix Pereira da Silva.
draeada; e mais tres, d iguaes proporcoce e
modos. O dono destas propriedades ve
permuta-as por preJios uesta capital, a praso com
modos. O dono destas propriedades vonde-as,
Eeri
Ja seguranra. e a dinbeiro, tud rasoavelnvn-
te. A' iraiar iii'sia eidade no oshwbm do <-anno
' MB o Dr. Jos<- Jaciutli i de S.iiiki, ou na l'.ualislii
coni Antonio lluiino de Suiza.
Pkcuixciia km ai.oodosinho a rJSOO
A PKCA NA LOJA DO PAVAO.
Vende-se superiores pecas de algodosi- j
alio com -20 jardas a ^oOO a peca, gran-1
de pechincha. na ra da Imperalriz n. 60
armazem de Flix Pereira da Silva.
BABADiNHOS
Veadem-se finissimos bahadinhos, tiras
bordadas c entremeios, mais baratos do que
Para lamilias
92, lcC asuoJro viaJiaA C. Flix Pereira da Silva, ra
Acaba de cliegar a este estabelecimento n. 60.
.valide poi rao de nnicliinas para costuras do
autor Wheeier Wlson, approvadas na ulti-
ma exposico de Paris,-as quaes cozem com
bus pospiuitos toda a costura, e tem a
vantagem de ser tSo suave o inovimento,
j,\e qualquer crianza de oito annos fcil-
mente tmbajha, e pode, com este entrete-
t.imeiito, levar vantagem ao servido diario
de triiita costureiras. A comprehenso
o covado, e outi as muilas fazendas de gosto
e moda que se vendem mais barato do
que em outn qualquer parte, no armazem
do l'avao, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
Houpas para lionieui -
Wndem-se su|>eriores mlitts de panno
soiwceasa. os fin-rados de alpaca e de sedtt,
camisas inglezas 3 francezas com os peitos
ile esguio, ccrouls francezas de" linho e ;il-
gotSto, meiaS cffirts inglezas superiores, ca-
misas de ilaneUanj -de meia de Ia, assim
romo ueste cstabel .cimento existe um grande
soltimento depantwsprelos, e de casemiras
inglezas decires, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fi'egue-
zes, e prornclte-.-e-llies que sero serv-idns
cort a !>:(( .r promptidaee mudo mais ba-
rata do que enr outia qnnlqwrr parte.
na rila da Irtiperauiz n. C0,de Flix Perei-
ra ta Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
V.md.'-s* um glande sni-fimentr dos m*-
lliores o malores cortinados brfTartrrs'pTo-
llkijMiM^M>H^^.NMa^aiklU^ > ViHW
det a rtlftOO rs. cada par al SpQOO rs,
ist: no na da Imperatriz n. 60, de Flix
Pcreiw d*SMvr.
Adinirem!
Madapoloes finos a o;J, 6$, 1& c 8^ rs.,
s no armazem do Leo.
Chitas escuras de padres lindos por pre-
co de :iO e 360 rs. o covado.
Cassas de cores com palminhas e com
listas de diversos padres a 240 e 320 rs.
Laazinhas cinzentas e cor de bonina a
320 o covado.
Chitas claras miudinbas a 320 e 360.
Alpacas pretas c de cores lindas proprias
para vestidos a 680, 700 e 800 rs.
Pecasdecambraiatransparen.es a -1.
i:; e 6&. Por este proco admir Cortea de casemiras de quadriibos c lis-
las a 23800 e 3-?.
Corpinhos brancos para senhora a 3)J e
3S200.
Lencos bordados a 6S, 6o00 c 12*500.
Ricos e bem escolhidos gostos de bis-
marks para calcas e paletots a ^^500 o
corte.
Tambem tem para acabar pecas de pan-
no de linho, com 27 varas, a i 7/? e 180.
Toalhas de linho para rosto a 10$ a du-
zia.
Aos Srs. armadores de cuterros.
Vendem-se pecas de hollanda preta com
10 covados a 5-3 : na ra da Imperatriz n.
48 e 52, junto a padaria franceza, loja do
Leo.
Ocordeiro previdente
Ra do <|neiwado n. i O.
Novo e variado sortimetrt do perfnmarias
linas, e otrtros ol
Alm do complete sortimeni ierfu-
marias, de que eUbctrVamei
loja doCordeiro Previilcnte. ella acidia de
receber um onflro sortimento que setoina
notavel pela variedade de objectos, s.uperp
dade, cualidades e commoqidades de pre-
as.sun. pius, o CindeiroProvidente \
orspera Ciintintiar a merecer a apreciaco
do respeitav I publico em geral e de sua
boa livgui'zia em particular, nao se a
lando elle de sua befa conbecida mansido
e barateza. Km dita loja encontrar3o os
apreciadores do botn:
Agtia divina de K. Cendra*.
Dita v.-rdadeira de \imay d- l.anmian.
Dita de Cnhjme ngWza, americana, frac-
oeza, tudas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrilicia.
Dita de flor de tarangeiraa.
Dita dos Alpes, o vilete para toilet. .
Elixir odontalgia) para coriserv^o do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qiuilidade B cli, i-
ros agradaveis.
Copos e latas, muars e menores, com
pomada fina pai a eabilo.
Frascos com dita japoneza, transparente,
eoutrasqualidades.
Finos extractos inglezes, americanos c
Attenco roupas feitaS!! no armazem ancezes em frascos simples e enfeilados.
do Leao, na da Imperatriz ns. 48 e 52.
Assim como temos um grande, completo
e variado sottimento de roupas feitas: pa-
letots saceos, sobrecasacos, fraques, jaque-
toes, calcas, -pilotos, camisas, ceroulas.
chapeos etc., ludo por preeos que admira!
Tem tambem um sortimento de roupas
ordinal ias por preco baratissimo.
Acaba de chegar tambem um completo
I em outra qualquer parte, assim como espar- rLKirt- ,-
ne armazem de CrWon* pf* ^nt?6 cdin 10
da Imperatriz
pal mos d el rg u ra a 2 S,
Acaba de cliegar eta nova e excelleiite
aaenda branca proprl para leiiroeS'drirn
si pa'nhO, gai-aniilliio-se- qtW um metPo e
urna qnarta ou uth- metro e mohy d3 um
escelliyrti' letifo" il-u' s- |mmiov a*sim
como esta^boa fassmla tamben nlmtoH
pnomia pefa4oatt;a* outros myshue* cvwrde- \-m\o brmAim*
mopreco de 2-5 cada metro.
ALTA NOVIDADE
A LOJA DO PAV:VO
Gurguro de seda
Chegaram pelo ultimo vapor os mais be-
sitos gurgurots de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos elavradmhos, com muito
lustro, garantindo-se que a fazenda mais
linda e de maisphnntasia que esteanno tem
simples, pas em um quarto de bota se fi- chegado a este mercado, e veade-se por
a senber.do mvimeala da macliina* ten- prece muito raitaaveln*roa-da.Imperatriz
do a mesma a propriediidu de fazer as. se-! q. GO, de Flix Pereira da Silva.
guildes costuras: posponan abainhar,; GROSDENAPOLESPRETOA OUATRO
l'ranzir, marcar e bordar, como apresentam | PATACAS S4M> PAVA*.
os desenhosque acompanham-nas. Os pro-: Vende-se grosderrapoles preto de boa
prietarios do estabelecimento se encane-: qualidade pelo barato preco de I$280 oco-
gam de mandar ensillar if esta eidade-. o vado, s na loja i?, armazem do Pavao, ra
garantem entregar o importe dispendido ao I Ja Imperatriz n. 60 de Feliz Pereira da
comprador,- no- caso de-no tralwlhar <:om j Sirva.
p Tl'eii-ao a machina vendida, nio teinio, CAMBRAIA BRANCA A 3$500.
pqrm, s.liVido4.'lla alguma avaria. Hatam-j Vende-se pecas- de cambra branca
bem no mesmo eslalieleAimeutO' madiiuas-itransparente conv8e meia vares--pota.ba^-roxo, cor de caima, umpent etc. evomW*
do autor Grower & Baker, de trabalho sim-rato preco de 3->300, ditas muito linas tanto ser-pelo barati*apre^Vtle I
ple.smente nio, e outras com.movimcnto! tapadas coraotransparentes 4^900, 5^000;'
dos ps; e mxime todae^s portenees das--6ioo, ~->0Q9 e 8->000, assimaomo organ-
mesmas machinas, para vender avulso. ,j|. nmito fine tantodizoy coiriO'de listen e
piadros na loja e armazem dePavfie rita
rda Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
ALPACAS i.AVRADASiPARA LCT*
Vrrde-se na loja do Pavo, as mais mo^-
dernas alpacas lavraras para lucio, sendo
muitolargasepolo barato prece de800rs. o
Hlmina(jo.
RCA DO CRESPO X. 16.
Duarte Pereira 4 r... tendo recebido pelo
ultimo vapor grande e variado sortimento
de baioesde papel de diversas qualidades,
e do mais moderna gosto, proprios para
iiimiiiiiac tanto da' eidade como do
campo, assim o fazem constar a seus nume-
rozos (regnazes c ao respeitavel publico,
am de que com tempo se previnam, visto-
como attento aos ltimos successos da guer-
ra se espera a cada momento a fausta noH
twia de sua conclus3o. A illuminacao cea
liaiOes de papel alm de ser linda menos
dispendiosa possivel, os annunciantes ven*
dn-e$ por preeos mui razoaveis,
Vende-se encUoieis e tra vetas de lo un de
superior qualidade e dons tionitos mastros para
t.area?a, tudo por barato preco : a tratar na trs4
vsa do Cariora n. 2, Caes d Ramos
1
de linho do 'orto
Vo-se oaloja.de ferragens de Thomaz Fer-
andes da Cunha, na ra da Cadeia n. 44, prefo
cotnmodn.
Vende-se um escaler em bom estado
o eom todos os seus pertences; os preten-
dentes procuremna ra Nova n. 21, cas*
de Germano, _______________________
VILIIOA 4^000
a sacca t de la relio a4i00 : nuaruiazeni daKs-
ireUa, largo do Paraizo n. 14.
Laazinhas a 2 S500 o corto
com ti covaAyde foniws padroVs : no armazem
la estrella largo do^Psfraio n. ti.
Fareilo.
So largo do Paraizo j, 30 conlinua-se a vender
tarelk) a 4'|K00 oOOO.
MOCAMBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Cbegou para uddja* drrPWv5'0um elegante
sortimento dos mais bonitos mocambipies
proprios- para -vestWo* cm cores mais
.modernas e que se vendem pelo barato
(ireco de-SOOrs.- o covado;
ALPACAOflE CORDAO PAtlA VESTIDO A \ 4
Cbegou^ esta nr.va fazunda -com o nome
dealpadiO; sewdo-docorde e com ntais
largnra- do que a alpaca, com as-mais lia ias
cores, como sejaoi Bismaifc/ 1>to, parolas,-
ROtfBtfttS WlM orVRRSMA A't-5.
Cligram as nwibonrtft'e modetri'as
romeiras pretas xk -gnimre, que 'se'vendem
pelo baratissimo preco de 16?$ cada urna.
SOBRECASACOS PARA A QUARESMA A l* E
Vende-se um grande'-sortimento^de so-
brecasacos e palimw sol)recasacado8 de fi-
nissimo panno-preto' pelo baratissimo preco
covado, s na loja e armazem- do Pavo, ra de 18.^, sendo forrados de alpaca, e por
da Imperatriz n. 60
Silva.
de Flix Pereira da
AS DEZ MIL VARAS DE CAMBRAIAS FRAN-
CEZAS S NA LOJA DO PAVAO A 560
RS. O METRO.
Vende-se linissimas cambfaias francezas
com os mais delicado? padrocs, lauto mui-
dos como grados, e com as cores nrais-'no-
vas que tem vindo no mercado pelo bara-
tissimo preco de560rs. o metro; garaiitlndo
que 7 metros duro mu vestido para qual-
quer senhora, e que em-outra qualqeer loja
nao se 'encontrar a mesma fazenda por
igual prec-o, e simio na loja e armaxam de
Pavao,wrua dax Imperatr n.^ O- de Feio
Pereira da Silva.
Cassas inglezas m 44* rs metro
Vende-se urna graide porco de bonitas
cassas inglezas tanto gratidas como miudi-
nhas e de cores fixas pelo barato preco de
't i0 rs. ometro.trarentindo-se que 7 metros,
do um vestido para qualquer Sra. s na '
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva.
Bareges a 400 rs.
Sd na loja do Pavao
Se vendem as mais bonitas bareges rraasparen
O,?, todos-forrado;-de'seda, gwmde pe
chincha; principalmente por estaimos na
quaresma, assim como, tambem se vende
um grande sortimento* de casimira preta que-Se vende muito mais
barato do'que^em'Oritra qualquer parte.
ESGC1O DE LtNaO DE 12 JARDAS A 10J.
Vende-se peras de esguio de linho, fa-
zenda-superiot*, C4-4djaida8cada pe>a, a
100000.
Poli de chvre a l.*OOOoeovado
Vende-re poli de Chvre multo largo com
as melhores e m;,is moderna^ tres pe
barata prUtja deM;JOO0 6 co*ao, na li.ja*
sortiniento de damascos de cores, sendo jP;,!;|. m50s.
azul, amarello e cor de caf Me, que se
l vende por preco commodo.
Admira!!
I No armazem do Leo !!
"No armazem do Leo!!!
No armazem do Leo !! !
Pechincha!
Cortes de cassineta de cores para calcas e
paletots a MtBQO.
Cassineta de cores com umpcpieno to-
que de mofo a 400 rs. o covado.
Espartilbos muito linos a 40500, li e
HUK
Admira!!
Grvalas de seda a 500 rs.
(ioUrrhas bordadas a 500 rs.
Laazinhas a 00 rs. !
ManhilHM a 200 rs.!!
Ltaeiajias a 00 rs.! I No armazem do Leo !!!
Ng afmarem de Leo, ra da Imperatriz ns. 48 e 52, junto a loja de ourives
e padaria trartceza-. "__________________ _
FAZENDASlPRETAS
PARA A QUARESMA
&c.
Essencia imperial do (moeagradavelchi
ro de violeta.
Outras concenlrilas e de iheiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo phnVbme verdldifoJ
Extracto d'oleo de superior qualidadt.
com escolhidos cheiros, em frascos de de-
ferentes tamaitos.
Sabonetes em barras, maiores e menoi
armazem do Pn-\5c, rita da Imperatriz
,,de Flix Pereira da Silva.
i. e
ALTA
Loja do PaA^o.
GCRGUROES PAIU VESTIDOS X l0007
0.C0V.VD0.
Chegaram os mais'modernbs -gurgares
para vestidos, sendo detodas as cores, como^
sejam-^erder azof," ioag" -bismark, poipla^
gao de'lisiras de seda, evendera-se peU barata rSOS* 4 tedo q~iltisi rjdatro palmos dC-laf-
pre;o de um orzado cad* ui_cvdo, uniramen- guha e vende-Se^pef iaratissimO' pre^O
No trapiche'do Guerra, no Rertfo, vend-*e
ra bra^o de balanea grande-Romio^-rotn pesos,-
r,oBha*a' oarantair'
rxa de M6n-
teiro.
VeiKle-se tint*ftx de Montetro para-escrever:
-a loja de tapto-fe satand* amarelt da ra da
Orazn > %m r- ir-----------
LmrwAfa 4o Oftr
Chegiraul ra d n. \owbga conhe-
^idosTabvi Q"-
emipntmt- para mtmos, lindas fironta proprta?
pu-a noivo 0 ri^ii>sicM* tams propria* par*
baptisados, ujo? objectos so vendem oratto m
cunta.
te na loja e-arma^em "do-" Patao- ra da Impera-
triz n. 60, e*Y-li< Pefeira a Silva.
rosdeoaples |reto I imperatriz n. 6r>.
Vende-so um jande sortimento dos me*
Ihores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreiM*.-9eml0^fe 5000 rs. o
covado t'ifiiOOO- rs. garantindo-f) que
te-R^iero' nmgaora tem molhor fazenda e
que b vendemais^baratO do que em outra
quaiquen partej*rio-ro.da -bnperatrkns' 0*'
de Flix'ftereira/da Sirva-
Chltaa
VendeBHseasBH6#es chitas-escuras para
caareentottereore** iixs/v pelor--bafatqfrj
rs. o covado?--ditas
Hiia do OflHtiado 11. II
ft.-et*'iat# drtciai^H da Europa as mais superiores fazendas pelas .'>ie-
iam'para* a (fjatv-mi, as qjiaes e*o veddendo pelos mais mdicos preeos em vista
(ja-up'iior qMatifWde de Trfts'fa?elidas.
ALTi MlI.*E
Hasquines pretas de renca/.verdaideira novidade, para senhora.
Gorgmopreto d seda liso e cAi listas assetinadas para vestidos.
(?r^dtthaples preto Lrrgo estrei de diversas qualidades havendo ueste gc-
nt-nrrr qx\C hirn>rterndr.
Badianes- de ctocfi pretos, ditos Be seda preta com cintos delicadamente xui-
feados, eleijantespeplums de s^la preta, fichos pretos de renda, modernas capinhas
pretas de retida e superioras vestidos d'jrguro preto bordados.
Jloirantique preto e br; neo, bombasina, superiores prncezas pretas, merinos
de verso e traneados dos melhores.
Os mais lindos vestidos de blond com mantas, capella para noivas, superiores
fronhas de cambiaia de linho e de esguio bordadas, e lindas colxas de seda e de la
para camas."
Sabidas de baile brancas, ardes e cor de cinza de gosto especial e ves-
tidos de cambraia branca ricamente bordados.
Popelines de seda para vestidos Usos e com listas das mais lindas cores
e mais bellos padroes, e griide e variado sortimento de sedas tanto cm cortes como do Cordeiro Providente a ra do Quei
em peca.
Cortinados bordados para camas e janellas, balSes parisienses com
molas novo gosto baloes regula Jores brancos e de cor, espartilbos e bellas colxas
A/* i*rn(\|i
ramizas'd linho'inglezas para homem, chapeos de.sol de seda,
grvalas modernas, pannos finos e casimiras de cf b pretas, e oirtrs mitas fazendas
que vendem por mnito commodofi procos.
Aloja n. II da ra doQueimado tem s^mpfd oelhor soitiftelito de laptes,
alcatifas e ^
AsftiMi ta India para forrar salas.
VALOR THERAPEUTICO -
DO
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
DE GRIitULT E COMP.
rbarm>ecal*o* de S. A. I. prm.ipe Wptlaka, n Vam.
A aswciacl do ferro e da quiafcefolveo um dos mais importantes problemas 'da' pharmacia,
a tai ion que Se eongratnlam os mdicos dos relevante* servicos qae Ihes prstt esta pre-
Com effeito;'ningnera ignora qoe a quina, em maleira medical, o mplhor tonteo que e.
possa empregar, sendo, sobretud), unido paraedes ferruginosas, pois que etitram na fuiriomposico 0 ferro, elemento do sangue, e 0
phosphato, principio dos ossos. .e>\.,^ri
' Por isso, julgimos que, para os -sfs mdicos; serie iiiteflBsnBa as obserracoes tenas pelos
seus collegas, os mais disiincios de ParisT
t Este Xarope ^1" os mais felkcs resultados nos casos de djspepsia, ^hkwosis,.
t amenorrhea, hemorragias,'Icncorrheas, tebrestyphbihs^ibeles, e qwnd prtcisa
c rcsiabelecer as torcas dos docnles e restituir ao corpo as forcas alteradas ou perdidas.
ARN/VL, medico de S.M. o Imperador.
nma das raras corobinacoes qua, ao mesm* lempo, safftfnera d medico e o doif ato. Km
s qoanto a mim, en a considero corto a mais -ffleaz preplrfci ferruginosa, cujo as dos
* mais agradaveis para os doentes.
CA2EAVE, weific Ao hospital Saint-LouiS, em Paru.
c Com'^esU prepralo d'uma forma agfadavel, e fcil de digerir, admjnistra-se aos
doentes dois medicanienio impofiaiues.'c
CHA'RRIEB, efte/e de clnica da Faeuldaie de Pars.
Eu emprego eeni o mtior xito o Xarope de Quina terrdgiboso, e considero como
t iba das mfirfllies ioao6<;'na mateira medical.
CftASSAtGNA:, cirtirgiSo em hfe'do hospitalLarboisr.
Este medicamento, scropre*1)'!m aceito pelos doentes, de-nie constantemente" os mal*
,t Ttntajosos resnltados.";.^ ^ __i .
HERtEr E CHEG01N. membro 4a Aeadrnia ie medicttm.
t A limoidei d'est' preparaba), o sen gosto agradavel, isento de qualqaer sabor de
S'etl um medicainento to efficaz cuno agratorel.
M0N0D; addidoS'Faculdadt ie medicina.
Deposito em-'J'wiMniieWi'em casarauftr o*.
de t;?000, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Vireira da Silva, na ra da
BrINS rAltA C.Vl.CA n \ loja do pavao.
Yendc-se os miif? modernos e melhores
brms de 1inhofd(9< todas as cores, mitros com
listas do lado, gaiantmdo-se serem do-fnhr>f
puro e vende-se por preeos muito em" on-
tano-'annaiem'de Pelhc'fefeira'da SiWSP
ra da Imperatrh: n. GO.
RETALHOS PARALUTO"^AtOJA IKT^
VeM%ll^;;rntft'yJntmtidde dc^
presos de 320 e 360 rs. o "covadOy*'dittfc talhW'de chita* cassas pretas por preco,
mditeMtnja^aoewas'aMKlo claras/compa- mtirto-barato, e- qtianto mafor for a porc,ao
dres de wssa a 360 e 400. rs, p^chrcna;|qu<^-fregu comprar, mais barato' se IhV
na ra lix Pereira^43Hva. lix Pereira da Silfa.
Ditos transparentes, redondos ecm (gu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
[raptas.
Ditas de madeira taveroisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelSoigualmente bonitas, tam-
bem de perfumaris finas.
bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos c elegantes, rom p dt arreo
e boneca.
Kspecial p de.arroz sem conmosifltode
cheiii), e por isso o mais propri para 'riar;-
Opiata ingleza c franceza para denles.
Pos de camphora e nutres differentes
qualidades tambem para denles.
Tnico orjcntal de Kcmp.
Alud mala ojuos.
Um oiitro sortimentos de coques de no
\os e bonitos moldes com Blata tie vidrill
e alguns Melles ornados de.Sures cbta^.
est3o todos exposlos apretiScSo dequer.
os pretenda comprar.
GOLI.I.MIAS i: immios bohiiaixis
Obras d^mtiito gusto e peieirao.
Fivellas e litas para ciutos.
Bello e variado sortimento de lies objec-
tos, icando a boa escxdlia aogostn do coir.-
piador.
FLORES FINAS
0 que demelhor sepdeencoiitrariief <
genero, sobresahindo os delicados un -
orvalhados para coques.
Para vfagem.
bolsas de tapete c carteiras de couro, por
[irecos commodos.
Chapelinas de palba da Italia mui bem
enfeitadas, e enfeitcs de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
rio presentes a quem se dirigir dita
Cordeiro Providente a ra do OueimaTJ
11.16!
ENFEITES DE PALllA PARA VESTIDOS,
. CHAPEOS E COQUES.
0 Cordeiro Previdente ra do Queima-
do n. IG acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palhapara eufeites de
\estidos, outras para chapeos, coques etc.
ludo istb est sendo vendido com a sua bem
conhecda commodidade de preeos.
ALEM D'AQUELLES'.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assimeomo um variado sor-
timento de glibos de 13a, babadinhos de
cambraia com bordados de cenes, cuja va-
riedaile de gostos os tornam recommenda-
dos e, ajprecjado* compareeo pois os pre-
tetWCTiws que sereo servidos a contento.
, tlO BEM RECEBEU.
N0V9 provimento de bicos c rendas dt
griepnre.
LUYAS DE PELLICA.
Pe to^as a,s cores tanto para horneo*
como pa/aseiiliora.scortJ.ajDtementt! acham-
se a venda na. lpja do Cordeiro Previdente :
ru" o Queimad h. i 6.
OSDDE
A loja de Coejbo & Oliveira ra df
QirftuaaVn. .19,, reeCbeji. pelo ultimo vapor
um helio sortimento "de Dalbes de diversos
systemas, os mais aperfeicoados que teem
vindo ao mercado, sendo :
Baloes de guipur com tiras chamado;
reguladores, ditos denpisselina abortos por
arabos os lad^f- de modo qu sendo todos
'de um tamanbo serviyi^ para qualquer se-
nhora, de Ka''fl cores", cora tiras, e as se-
geintes fazettas :
Saias de la com boni^s batras.
Chales turcos de seda e laa Beatriz de
Tundas.
t Fitas de guipur pretos Rocambolv.
Chapeos de sol paia senhora, muito li>
dos.
Laaittha*
SHltanes.RiJ daCfcerre, THcote, dito de
"kadrez e ouU-as muitas, eptre ellas urna
E^pMalidadcr
LSa ,ept de cores a 3j60,.rs. o co\o.
Basquinas a Mara Antohiete."
Cambratslantzia.
, Di^braqas. topsoarentes e Victorias
Cotias adamascadas.
Cobertas chineza outra?
mitas fazendas que tornar-s faienho
mnunciar.
.'
VSPsi
c frugjis jtf/iarias qu.
nta Cruzo, a).
idade?
e quartos com picas.
a caixa : na travesea da


o
Diario de Periiambuco Sabbatlo 27 de Fetereiro de 1869.

/ Lindos cortes do cassa do cor com barra.e com figurtoo indicando o molde do vesti-
do ;elo baratissimo preco de r>>o>0 o corte ,.
Ditos de percalia muito modernos com dona satas a 39009 res
Mt loja das Columnas da ra do Crespo
ccllos- C.
n. i3 de Antonio Correa de Vascon-
ALTAS NOVIDAES
LOJA DO PASSO
PREQO COMENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
Ra Nova n. 23,=Rua do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapos de seda trancada, Pararon, de 16 bastes, 28 pollegadas a 1G! ; 26
.{? tegadas a 15), e 2't pollegadas a 145000.
Ditos de seda G. de N. Bara, de ac, de 10 baste* 28 pollegadas a 14j5;
* -O poHegftdas a 135 ; e 2i pollegadas a 1250QO.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 bastes, 28 pollegadas a 120 ; de
2i pollegadas a 115 ; e 24 pollegadas a 1050U).
Ditos de alpaca, de ato, de 12 bastes, 28 pollegadas a G5 ; c 2G pollegadas
a 5500.
Por duzia fiz-se descont de 15 0{0
Chapeos de sol de panno, debaleia, de 8 bastes, 24 e 2G pollegadas a 325
a duxla. (Descont de 10 00).
Ditos de panno, de junco, 8 bastes, a 185000 a duzia, liquido.
GRANDE LIQUTDACAO
Ra do Crespo n. 7 A,
Imperador.
nina da do
Tira mosteas multares.
Completo sortimento
uODA
RA NOVA N. 50,
Esquina da ra de Santo Amaro
20 a -10 por rento monos que em outra qualquer parte venden
JOS DE SOUZA SOARES
do mais acreditado autor Goutn.t Aiaea Pars.
RIJA IOIA TI. SO
ESQUINA DA RA DE SANTO AMARO.
PARA QUARESMA.
Gorgoro preto.
Setim -niacau.
Sedas tandas.
Moireanliquc preto.
Gros-de-naples
Basquines de gurguro c de gros-de-na-
ples enfeitado com primor.
Corpinbos de gros-de-naples.
Casquines, capinlias, pelerinas, fiebns,
de crochet e de guipur, pretos e brancos.
Mantas pretas de blond.
Riquissimos chales de touquim.
Requissimos chales de gurguro de seda
prela o melhor ueste artigo.
Chales de mirin pretos com requissimos
bordados e franjado de retro/..
Chales de mirin bordados sultane;
ultima moda.
Romcus pretos com lindos bordados.
Leques de madreperola, marfim, snda-
lo e osso, e pretos, para sentaras.
Ditos de sndalo para meninas.
Chapelinas pretas.
PAR.V CASAMKNTOS, BAILES, TUEA-
TROS, etc. etc.
Lindos cortes do blond, contendo setim,
mantas c grinaldas.
Requissimos cortes de sedas assim como
para corados.
Gorgorito branco.
Gros-de-n.i;'1 > ..eos e de cores.
Setim branco ma.-.iu.
Setim, branco, a/.u1, verde, cor de rosa
e amarellos".
Fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas saias.
Chales de gurguro de seda de cores.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho bordadas com primor.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Riquissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol, .
Poil de cbevre de lindas core.
Alpacas de lindas cores.
Chapelinn de palha da Raba, assim
oemo de seda.
Enfeites para cabeca de senhora.
Espartillios para senhoras.
Me.ias de laia para padre.
Ditas de la
Ditas de seda fio da Escossia e ilgodo.
para senhoras e meninas.
Lencos de labyrrntho.
Fronhas de labyrintlro.
Ricos, rendas e grades.
Finsimas cambraia di? cores, percales,
TASSO IRMAOS
Tem para vender en s>'us armazen?, alem oc ou-
tros, o seguintes artigos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve paulado c liso.
Yiiilios em caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Hcry.
Madeira.
Hermilage.
Chambiis.
Licor de curago de Hollanda em caixas de vut-
le e qualro botijiuhas.
GESSU,
Nos arrnazens de Tasso Irmos.
Grades de ferro
para jardins. porteiras etc.
Nos arrnazens de Tasso Irmaos
4 \ It it I MOS DE FERRO
Para servicos de grandes annazens, para remo-
ver barricas ou caixoos de iim para outro, lado pelo
mdico prego de 12JS000 rada om.
Fin'nhn iif tl'io-O fio Trieste 'le det*ta a fals,icaCa0 principalmente no
IdlilIIld ue M%u_aUU lietc respei|aa0 bem estar da humanidad.
ez una encommr-nda directa destes collares
A NOVA ESPERANQA
21 = Kua do Queimado = 21
li para presentes
A Nova Esperanca, roa do Queimado
n. 21 tera um variado sortimento de objec-
tos de gosto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresahindo entre elles ricas caix.-
nlias de bano com finas perfumaras, cos-
tureiros de chagrn, agulbciros de madre
perola : assim, pois, quem quizer fazer um
linda olerta, dirigir-se Nova Esperaba,
ra do Queimado n. 2t.
Collares anodinos ellectro-magneti
eos contra as convulces das
creancas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por abi intitulados os
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito?
pais de familias nao creen (comprando-os)
noeffeiUipromettido.o que so podem dar.
o verdadeiros; a Nova Esperanca, porro
laas, e outros muito
de alta novidade, isto s
artigos
de ;osto e
Moireantique branco azul e verde.
Na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.
ft.C.
QUARESMA
QUARESMA
QUARESMA
FAZENDAS PRETAS ,
Grande sortimento de gros-de-naples por precos inteiramente reduzdos, assim
como basquines de gros-de-naple c gurguro preto, ditas de guipur fazenda do ulti-
mo gosto e outros muitos objectos proprios para a estaco, que se vende por menos
20 /0 do que em outra qualquer parte, assim como um completo sortimento de fazen-
das de luxo como sejam sedas de cores de lindos padres pelo diminuto preco de 2000
v'i(K> rs. o covado.
Alpacas de lindas cores, lisas e lavradas.
Lazinhas com listras de seda para 1)5200 e 1,5000 o covado.
Ditas de lindos padres para 500, 700,800 e 900 rs. o covado.
Cambraias brancas de 4$000 at 8000 a peca.
Ditas de cores de lindos padres de 640 e 800 rs. a vara.
Saias de la com bonitas barras.
Rales de cores, brancos e de arcos.
Rasquias de gros-de-naple de 22,5000 a 40(5000.
Gros-de-naples pretos e de cores que se vende por barato preco.
Organdiz branco, brilhantinas brancas e de cores.
Espartilhos e entre-meios bordados.
Meias finas para senhora e para homem.
Alm destas fazendas tem um completo sortimento de chitas escuras e claras, ma-
dapoles, bramantes, atoalhados de linho e de algodo, e outras mudas fazendas
que se vendem por precos que s a vista o comprador se poder desengaar que so no
Triumpho poder comprar com economa.
PARA HOMENS.
Ronito sortimento de casemiras pretas e de cores, brins brancos e de cores, camisas
de linho e algodo, ciroulas, mantas e gravatas do que ha mais moderno, chapeos de osl
c seda e alpaca, e outras muitas fazendas que s vista poderlo -agradar/e manda-se faT
7.cr qualquer obra de alfaiate para o que tem um hbil mestre, tudo por preco que so
encontro no Triumpho I ra do Queimado n. 7.
EPIDEMIAS
O LICOB DE LABARRACXUE um preservativo seguro em tempos de
epidemias : cholera, febre amarella, peste, typho, etc. Dcvem evitar-se as fal-
si0cac5es as quaes sao a maior parte das ve2es mal preparadas, sendo por isso
mais nocivas do que uteis. Deposito em Part, L. FIIEKE, 19, ru Jacob.
Ea Itio-Jameiro. Dttponche'.te; B. Tettlorpf. Km Pcrnamhoco. Maurer.
Ap>rora(ao
ia academia
it medicina
U Parii.
SS-MABSS
ftarmacntico
laureado
eadmit
it MeaViM.
As preparares ferruginosas liquidas tem desde muitos innos merecido a approv:icIo
especial tos medisos, porque elas obro mais rpido e seguramente do que as pimas, e
so mais fcilmente toleradas petos doentes. Os Pos ferro-manganicos possuem a inapore-
ciavel vantagem de poder offereeer n'um instante urna agua ferruginosa gazeosa, de gasto
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de mais um elemento areeioso,
o Manganese, que sempre se acha no sangue, junetaraente com o ferro. Empregio-se em
todas as molestias que tem por causa o empobrecimento do sangue, assim como para vigorar
os temperamentos debis e lymphaticos. A chlorose, as Peraat brancas, abres d'etkmcgo,
a irregularidade da menstrua fo e amenorrha ou SBppressio do menstruo, cedem rpida-
mente a sen emptego. Devemos mencionar aqu Ote faeto notavel, isto que os doentes cura-
dos pela agua preparada com estes pos esli muite menos expostos a recadas do que
aqueles que forao tratados pelas preparares ferruginosas ordinarias.
Deposito em Payam-buco, em casa de Btaaraa O*.

VERDADEIRAS
PILLAS de BUNCARD
COM IODURETO DO FERRO fNAt-TMVEL
'APPROYADAS PELA ACADEMIA DE MEDHHNA DE PARS, ETG.
r Possuindo m propriedadesdo lodo el do forro, eoivem aspociamiente bu Ameei*s
tscuoniLOSAS, a Tsica bo principio, fraqwia d$ temperamento o tambera nos casos da
Falta m c6k, amenorrha. em que precisareagir sobre o sangtjb sej para resH'ar
lhe a sua riquexa e abundencia normaesi ou para provocar a regular oseu curso peridico.
IV. B. O iodimto de ferro impare oa ahera* i a
irritante. Como prora de pama de aathencidade
Bv Salsa ale Blaaesitl, deve-M exigir nossa el! te bti
^^ nosio Arma, aiui reprodaiid, que M eji na parM
^k raala verac. Dere-M desconfiar das faliificacoi.
^Bt aehaa m* rm laaaa aa afcaiainlaa. Phar*
SSSBII a"K^mmmmmi^mmmaaMBMHiaaaBvaBaB
OLEO DE HOGG
harmmeiuHe; pag BtmtftrU, "aria
Das memoras marcas Panoni (verdadeira) Fon-
lana e grande sortimento das memores marcas de
l'.irinlias americanas.
Saceos de farinha do trigo do
Che
Todas novas, ehgradas ultimameMe nos arma-
zens de Tasso Irmos.
Cemento romano
Nosarmazens de Tasso Irmaos.
Cemento hidrulico 12$
O melhor para tudo qne sao obras para agwi, co-
mo assenlainenlo de canos de esgoto, algeroaes, tle-
poeito, tanrpacs d'agn, ete., etc.: em porrees de
(incenlo barricas se far reduciionoprec: nos
annazens de Tasso Irmaa*.
Cemento Portland
O verdadeiro cemento Pbrtland em casa de Tjuso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, ete., etc.
De diferentes qualidades paca cercados de ani-
oteA, chiipieiros para galinflae ou jardins : nosar
laazens de Tasso Innios.
Barris com breu
?mw annazens do Tasso Innaos.
CANOS DE BARRO
IfB ra Nova de Santa Rita, sa amiga fabrica de
sabii, ha para vender por pr3wi o mais mdico
Ipossive), raaos franeezes para dificaeocs cesgo-
I los de toda a qualidade, saperio.-vs a todos os que
i ai]ui Sem apparecido pela sua scfMoz.
PRESOS
1M60 por rano grande de -i < meia pollegadas.
1-J2W0 por dito de 2 e tres qua.ms (!. dita.
15flH>por dito de 2 e um quarto de dila.
500:n;is por pistoleta de 2 pollerudas.
Cofcxrrtlos, curvase canos de nmior grossur.i.n
vstase faro preco. Compras maiores de MOJ
tem 5 por rento de desronto po? promjito paga-
mento. HMte'M ver as amostras nos annazens
de Tasso Irados.
Tijolos franceses
Para ladrilhar rasas terreas eoraasseioe precos
mdico., muito convenientes e proprios para ladri-
Ihos i cosinhas em sobrados, pt*k> sru asseio e
evitar a>passagcm de aguas para o andar inferior
emesmo o|>erigodefogo, aos presos de SOiOOUa
f'50<> o milheiro: na ra Nova de Santa Rita, na
antiga ribetea de sabao, e eompras maiores de 200-5
se faro porecnto de desronto por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras nos arrnazens
de Tasso Irmaos.
Velas de esparmacete verd;a)eiras para lan-
ternas deearros: noartnazeni de Tbsso Irmaos.
Vinho do Porto lino superior: no armazcm
de Tasso Irmos.
O melhor eognar Gauthier Fueres : no arma-
zem d Tasso Irmaos.
Esteiras da India
Em rasa de Tasso Irmaos vende-se esteiras da
India de diversos padrOes e larguras, por preco
conmiodo.
DD
Figados frescos de bacakio
Para cura certa de phtisira, afTecQes escrofu-
losas, tosse chronica, fmqueza dos membres e de-
bilidade geral, recommenda-se a excclleneia deste
oleo ainda por ser agradavel no paladar.
VENDE-SE
NA
Phai'niacia e drogara
DB
BARTHOI.OMEU & C.
34 = Ra larga do Rosario = 34
Chegaram as novas sementes de hortaliza
de todas as qualidades: na ra da Cadeia o
Reeife n. 50.
Attenc&o
Na ra de Apollo n. 28, annazem de assuear, ha
para vender algodo da Babia da acreditada fabri-
ca de Pedroso, dito liso muito bom, dito tranrado
da fabrica de demandes Yelbo.c cal de Lisboa a mais
nova que ha no mercado ; ditos artigos vendem-
sc mais barato do que em outra qualquer parte.
AO BAZAR DA MODA
Ba Nova n. 50, esquina da ra 'de S. Amaro,
NOVIDADES
Para senhoras.
COQUES da ultima moda, enfeitados e lisos, gran-
de sortimento.
CiIAPELINAS de palha da Italia, guarnecidas com
deliquios e elegantes enfeites brancos e decores
CHAPEUS1NH0S e gorras de velludo e de pennas
(alta novidada !) de palha da Italia, a cmtiacao,
especial sortimento.
CINTOS de cores e pretos, rico sortimenio a ulti-
ma moda.
CAMISAS bordadas por commodos precos.
LENCOS bordados e cop letras, novidade neste
seero ,
LEQUES a emitagao de marfim, gosto novo e de
sndalo.
GOLINHAS e punhos, a emitagao de guipur.
ENFEITES pretos e de cores para cabeca, lindos
moldes,
"GUARNH;ao alta novidade a Mane Rose, lti-
mamente usada em Pars.
CORPINHOS de guipur brancos e pretos lindos
modelos.
BORNOUS de laa e seda, cores claras, elegante
moda em Paris.
CRLNALDAS de flores finas.
PiSPAllflLHOS superiores.
MEIAS supe ores de fio de Escocia.
AS de pelica chegadas pelo ultimo vapor.
ADERECOS de coral verdadeiro e camafeo, gosto
delicado.
DE PALHA
GUARNICOES para vestidos.
TRANCAS para enfeites de coques.
BOTOES lisos e CINTOS alta novidade.
FLORES finas, grande sortimento.
GRINALDAS de ditas para coques.
LACOS, flvelas, penachos para enfeites.
Para homens.
de
CAMISAS com peitos, colarinhos e punhos
nho lino, lisos e bordados, moda,
COLARINHOS de linho e algodo.
Pl'NHOS de ditos.
CiKAVATAS de todas as qualidades.
BOTOES para punhos e guarnicoe3 para coletes.
CORRENTES de plaqu a emitagao do ouro, lin-
do costo.
CHAPEOS de pello de seda, forma a Rotchil, qua-
lidade superior.
CHAPEOS de seda, para sol.
MEIAS de superior qualidade.
BENGALINHAS finas e chicotes.
LUNETAS aro de ago e tarturaga.
Para crianzas..
VESTUARIOS completos para baptisados.
SAPATINHOS de merino e setim enfeitados.
MEIAS de seda e fio de Escocia.
CHAPEUSINHOS de palha da Itaa.
TOUCAS de fil e setim enfeitadas e de chroch.
RUNECAS vestidas, muito bonitas -e diversos
brinquemos.
Perfumarlas Anas.
AGUA FLORIDA verdadeira de Murray & Lan-
man New-York.
TNICO oriental, verdadeiro.
AGUA DIVINA de E. Coudray e superior agua e |.
essencia de Colonia.
ESTRATOS e cssencias linas e de agradaveis aro-
mas para o lenco.
VINAGRES aromticos paratoilet.
POS DE ARROZ para amanar a pelle ; em paco-
tes e ricas caixmhas com arminho.
POS superior para limpf.r os dentes.
COSMETIQUES de fina qualidade.
SABONETES, grande sortimento deste genero e
de superior qualidade.
LEOS de philocomo, babosa o antiques.
BANHA fina para os cabellos.
AGUA de flores de laranja.
CREME de sabao para barba.
Caixas preparadas com perfumaras finas.
Mludczas finas.
SUPERIORES fitas de grosdenaples de todas as
cores c larguras de veludo preto e de corea, e
gurguro para cintos.
BABADINHOS e entremeios bordados.
GUARNICOES de seda de cores para enfeite de
vestidos.
TRANCAS pretas com vidrilhos e pingentes.
BOTOS-de cores, brancos e pretos com vidrilhos
lisos e com pingentes.
DEDAES de madreperola, de marfim, de co e
metal.
THESOURAS finas para costara e unhas.
CAIVETES finos com qualro folhas. E muitos
outros artigos de miudezas que se torna ena-
donho menciona-los.
Tudo se vende por presos bastante commodos,
LOJA DO GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo n. 7
Mandou vir de sua conta e acaba de re-
ceber pelo ultimo vapor, completo sormen-
ot de objectos de novidade e pbantisia, os
quaes esto resolvidos a vender por precos
nimiamente baratos, para assim animar aos
concurrentes e ao mesmo tempo dar sabida
ao grande deposito que tem: isto ra do
Crespo n. 7, loja do Gallo Vigilante.
Gollinhas, pnaos e camisinhas para se-
nhora, fazendas de gosto e novidade.
Finos vestuarios para baptisados, assim
como touquinhas, sapatinhos e meiasinbas
para o mesmo fim.
Grande sortimento de bicos c rendas de
croch e de outras muitas qualidades.
Superiores caixas com musas e sem el-
las, tendo o necessario para costuras, pro-
prias para um delicado mimo.
Finas caixas com tentos e sem elles para
vol trete.
Agulhas para machinas de costura.
Ditas para croch, sendo de ac, marflm
e outras muitas qualidades, assim como li-
abas para o mesmo miste?.
Finas grinaldas para noivas.
Meias de borracha para quem soffre de
erysipella, assim como meias de lia para
os que soffrem de rheumatismo.
Suspensorios para homem e meninos.
Finos pentes de tartaruga para coques o
de outras muitas qualidades e para outros
misteres.
Dedaes de madreperola, marfim, osso,
ac, metal, etc., ele.
Superior agua cosmeocome para Ungir
cabellos, dando aos mesmos a sua cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas perfumaras
dos melhores fabricantes, assim como mui-
tos outros objectos que impossivel des-
crever: isto s na ra do Crespo n. 7, loja
do Gallo Vigilante.
Collares Royer elctricos magnticos con-
tra as convulsoes das criancas e para facili-
tar a dentinco das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
collares e contina a ter sempre grande de-
posito, ra do Crespo n. 7.
Macartky
Meias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes meias elsti-
cas de borracha contra varizes e erysipellas.
Vende-se na
Pharmacia e drogara de
Bartholomeu & C.
34ra larga do Rosario34
Manoel Alves Ferreira 4 C, na ruada
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
superior potassa da Russia em barris fi meios
barris e cal de Lisboa da mais nova que ha
no mercada.
Cemento de Portland.
Vende-se no armaiem de Vicente Ferreira
Costa & Filho, na ra da Madre de Dos n. tt,
barris grandes.________
Na praga da Boa Vista, sobrado n. 10, ven-
de-se por mdico prego caixas completas com
formas, ferramentas e mais utencilios necesarios
para a factura de flores de cera.
HiU'Wuas de descaro?ar algodo.
Hoje- /pie est reeonherido qoe as machinas de
serrote |>rejiidiram e quebram a, fibra do algodo,
preciso recorrer a machinismo menos spero,
que pnoduzindo o mesmo servio que aquellas, e
faciliiiaile no trabalho, nao quebiem a fibra da laa,
par qae essa possa obter-nos merrados europeos,
a dfeienga que ha entre o algodo desearorado
por aquellas mencionadas machinas, que cstao ti-
rando em de=uzo, polo prejuizo que tem eausado,
eo da anliga bolandeira, que nao pode roinpetir
pela morosidade de seu trabalho. E' assim (pu-
estas machinas se tornam as mais proprias para o
nosso algodo, porque ao par da facilidade e
proraptidao conserva a fibra 6% laa, que limpa por
i iiu e qualificada na Europa a par da melhor no-
lintktra, vaiendo assim entne 10 arrobas 20 0
mais do que a laa limpa pefe machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
cstao adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
fnratn inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
do daqnella pro'denria, sendo da qualidade do
i la nossa provincia, obtem. koje de 10 arroban 20
(/O mais do que o nosso : vendem-se a 130j*)
aos arrnazens de Tasso temaos.
Oleo de ameadoas
Em eaixas de 8 lats, rada eaixa 100 fiaras :
nos arrnazens de Tasso'Frmaos.
e gante aos pais de familia, que so o
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
ras tem salvado do terrivel neommodo de
convuHoes, assim pois precise, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 esmprarem o salva vida, pora sei
Qlhinho, antes que estes sejam acwmmetti-
dos do terrivel mal, quando entSo ser di-
lficil alcan?ar-sc o effeito desejado, embora
sejam empregados os verdadeiros eoUares>
de Royer.
Para extinguir as sardas e
panno
Reccbeu a Nova Esperanca, ra do
Queimado n. 2t, leite de rosas, espeaial
pan extinguir sardas e pannos.
BOItEGA DE CERA
A No' a Esperanga a ra do Queimado p.
21, acal> de receber um completo sorti-
mento de Onas benecas- de cera de diver-
sos tamanhos, sendb as maiores do cum-
plimento d'um covado ; estas bonecas tra-
zem bonitos coquea-botinas, havendo en-
!rc ellas algumas qpe fallam e outras que
ofcoram de sorte qie fcilmente podem ser
eparadas, e fazer-se um presente de muita
isreeitarao.
Finas caixas de tartaruga para rap ven-
(L-in-se a na du Queimado n. 21 na loja
tfo Nova Esperanca.
Modernos brincos de sndalo, s se en-
contrado na Nova Esperanca a ra do
Qaeimado n. 21.
MEIAS DK EA
A Nova Esperanca a na do Queimado n.
2-Meaba de receber em especial sortimen-
to-de meias de la para liomem e senhora.
CONTRA AS CT*6EST0ES
mal terrivel a congestio fulminante:
d* repente leva um indfvido-, d'esta para
mihor vida, sem dar-lhe tmpo de receber
conversa medica; deixando as mais das
veses mullier e filhos no aaais amargurado
pranto ; a Nova Esperanca qw desoja pres-
tar sen eos recorreu a Vojer, o qual lhe
mandou anneis elctrico magnticos, como
o nico preservativo para semelhante mal ;i
eltos antes que se acabem : na Nova Espe-
raM'
NAVALHJS
A Nova Esperanca ru do Quemadf'
n. 21 recebeu um sortimento de navalhas.
de qualidades, e tamaitas especaes assim
como afiadores e massas para as mesmas^
L1NHA PARA CERStR MEIAS
Esta muito necessaria linha vende-se a
ra do Queimado n. 21 na Nova Esperanca
BARDADOS BONITO*; BONS E BARATOS-
Esparlilhos s na Nova Esperanca a ra
da Queimado n. 21. _______
Vendfr-se
is de laranja rravo, da Ghiaa, lima da Pcrri*.
Itarta-pao de massa, paweiras de diversas qur
tlades : em Parnameirini, sitio jnnto ao portao d>>
eanamento d'agoa.
i:
Vendem Augusto
Gommerrio, n. 42.
F. de Oliveira & (1 a roa de
FUNDICAO DOBOWKAN
lina do iiini u. o-.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Mocndas de carina.
Taixos de ferro, batida fundado.
Rodas dentadas, paia moer com agoa,
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assuear.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro-
prios para agricultura.
Tintura japoneza
Instantnea paratingir os cabellos e a
barba, a liOOO o frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas deste genero.
venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. ra da Cadeia n. 51.
HAZ I.AZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forstcr 4
C, ra do Imperador, um earregamento de caz
de primeira qualidade; o qual se vendo em partidas
e a retalho por menos preco do que em outra qual-
quer parte.
ACABAM
de chegar os sabonetes de
alcatrao
Para curar as molestias da pelle, taes co-
mo impingens, dartros, sarnas, comichees
e mais molestias de pelle sem occasionar
accidentes; desfaz as manchas do corpo,
pannos e sardas, restabelece a cor natural
quanto cutis, seca, grossa, amarellenta,
ocasionado por alguma enfermidade, e co-
mo desinfetante e preservativo das molestias
contagiosas.
Deposito, botica do Pinto, junto ao quartel de
polica, n. 10.
Vende-se urna armagao ie taberna cora al-
guna gneros; a tratar oa ra Imperial n. 3&
ryys, IUII0
1 XAROrf DE JlllKU 1
PREPAnAKIS HXO PHARMACWTICO
f o a 411 Im de Almeida
Pluto
As pseparacoes de Jurubeba sao
hoje vaatajosamente conhscidas e
preconisadas pelos mais habis m-
dicos, tanto da Europa coma do paiz,
pela saa efficacia nos casas de ane-
mia, chlorose, hydropesi, obstruc-
Co do abdomen, e tambem as de
meastruacao difDcil, catfiarro na be-
xiga, etc.
Vendem-se em porfo e a reta-.
lho, na cidade do Reafe, pharmacia
de seu compositor, ra Larga o
Rosario n. 10, junio ao quartel de
polica.
XAROPE DEFEDEGOSO
E' de urna effieacia verdadeiramen-
te maravilhosa como cataaate do
' systema nervoso e appifcado con-
tra a parahsia, asthma, tosse con-
vulsa 011 roqueluche, tosses recen-
tes ouaatigas.suffocafoes, catharros
bronebicos etc. e om geral contra
todos os soffrimentos das vias res-
piratorias, e na phtysica pulmonar,
suavirtude contra o ttano ou espas-
mos, convulces incontestavel, e
ninguem ha que a desconbeca.
XAROPE DE SALSA PARRJ-
LHA DO PARii
oc
Depurativo do saague
Usado as molestias de pelle,
impigens, dores rheumacas, e ul-
ceras venreas.
O nico deposito destes medica-
mentos na botica do Pinto, ra do
Rosario Larga n. 10 junto ao quar-
tel de polica.
ACABAM
de chegar os sabonetes de alcatrab, nc
deposito, botica do Pinto, junto ao quarte.
de polica.
* '1


Diario de Pernambul i>bado 27 de Fevereiro de 1869.
Grande liquidadlo de niiudezas !
Alfonso Moreira Temporal, querendo liquidar as mimlezas existentes em sua
toja ra do Queimado n. 55, resolveu annunciar as mesmas miudezas para que o pu-
blico se certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a saber:
Massos com grampos 5 a .
Pecas de tranca lisa e caracol a
Sabonetas de todos os presos a
80 160 200 e.....
Abotoaduras para collctes a .
Botes de louca para camisa^ a
Garrafas d'agua Florida (verda-
dera) a.......
Frascos com agua de Colonia a
320 e........
Garrafa de tinta roxa a. .
Caixas com 100 enveloppes a.
Mantas de seda para bomem a
Fita de sarja para enfeite de
vestidos por. '. .
Frascos com oleo para cabello
a 400 e.......
La para bordar, libra. .
Escovas Anas para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e .
Ditas muito finas para latos
por preco nunca visto 400
500 e.......'.
Pecas de baados e entre meios
a 600 800 e .....
Gravatas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e -
Rico e renda das ilhas a todo
preco. So a vista faz f .
Pecas de ita de coz com 10 va-
ras a.
2*0
320
160
10000
400
800
500
800
600
600
6*800
320
800
600
1*000
320
500
20 Latas com graxa, duzia a
40 Coques muito bons com redti so
a rede val......
Meias para homens boa fazenda
a 3;500fj>e......
Linha de marea, caixa com 16
novellos ,......
Latas com banda (familiia), duzia
Frascos com banlia a 320 400 e
Botes para punho fazenda boa
a 80 e.......
Volta de Aljofre cousa boa a
Fitas para debrum de vestido a
Caixa com agulha franceza a
Botes de acopara coletednziaa
Cartao com alfiletes a .
Caixa com perfumaras muito
fina. S a caixa val 10*000
125000 .......
Copo com opiata muito fino a
400 e ...... .
Meias muito finas para senhora
duzia........
Cartas francezas a 200 e .
Ditas portuguezas a 120 e .
Caixa de linha do gaz branca 50
novellos.......
Frasco com tinta a 100 e .
Franja de la para sapato (peca)
500
Papel de peso muito bom
Sapatos de tranca e outros muitos artigos, que enfadonho seria mencionar.
RA DO QUEIMADO N. 55
480
15500
45000
210
25200
500
100
160
500
160
120
100
155000
500
55000
240
200
600
106
15000
45000
rtg ^jfiii Rjt^i
h
* *6 $iMAfi6
A guia 'branca lem-o feito tao oonhecida e
ditada, o so pelas novidades, variedades, su-
p rioridade .abundancia de sen sortimento, como
('la constante commodida-de de seaaqmms, e mes-
ao peto seu assaz e nunca olvidado agrado e since-
r idade.
Easae verdades incoutestaveis ;.to sem duvida
.4-feuiadas pele bello sexo em particular, e pelo
reepoitavel pubkco em peral, e a tanto tem chegado
que esto quasi passando orno annexim ou pro-
verbio, quando setr un objecto de elegancia,
gosCo, novidade,-<;tc., etc., diz-se logeaquele ob-
jecto sen d'ivida foi comprado na loja d'aguia
braaea.
Quando no club, nos bailes, ou no-saio do
-Santa Isabel, urna excellentissima se aprsenla
^arboaameate trajando, trazeado o moderno cinto
le mu larga lita, Ika, cliamalotad.i, ou cseo&icza,
as sua adiairadoras dizem eomsigo aquella fita
foi comprada na lojad'aguia br&nca.
(litando nutra excej;ntissima, nao menos gar-
-a, inostra o rigor de mu bomgosto na acertada
seona dos enfeites de alta novidade que bella-
mente ornara seu vestido, ainda niesmo as rivaee
ia syrapata confessamquoaquelles enfeitee
floran da loja d'aguia branca.
Quando n'outra exccllenlissima. aaezar da sin-
vrileza de seu porte agradavel, se vui as bonita?
ivas de pellicaduqueza as siiasbellas auri-
gas louvam-lhe o gesto e confessam queaquellas
usas oram da loja d'aguia branca.
Quando mesmo duag exceiketissimas, antigs
as de collegio, se encontrara naquelle* loga-
"ea, depois dos cuniprneiitos de reciprouos fceijos,
tma por forra de sua elevada delieade/a, gabam
urna a outra os agradaveis clieirus de que usam
em scus tinos lencos, e cada urna das quaes orgu-
lbosas pelo ologio do acert de sua escolha, e como
que querendo or si mesraa justificar dizcm simul-
tneamentee verdade qne este cheiro foicompra-
do na loja d'aguia branca.
lida uiafs.
Quando hontaei os pais afllietos sentiam o rigor
da dentico de seu charo lilinho, e boje alegres a
satisfeitos pelo feliz restabelecimcnto recebein as
visitas dos seus mclhor amigos, dizem aquellos
estes, foi Dous que rae inspiroupara que compras-
s, como comproi, um desses virtuosos collares
Hoyer, que se vendem na loja d'aguia branca.
llan do limito mus que ainda
falla dlzer.
Quando em um cisculo de eircumspectos carae-
teres se discutir a veracidade de taes direres, appa-
recer ara outro que queira ainda levemente inter-
roniper .a discussao, oe primeiros por momento es-
i|(icci'iit a eircumspe-c/ao e lhes daro um gra-
cioso dokiqne dizendo-iliesj sabemos que V.
um daqiMiles que indiiu o chapeo de sol ou que
mereca ser designado pela aguia branca da ra
do Queimado n. 8.
So testas as eeasas qne por
iitna* eKcanaw as outra*.
J ia esqueeeudo a aguia branca, mas cm empo
lembrou-se paca noticiar, que recebeu urna pe-
quea quantidade de enfeites para coques e gram-
pos para dito?, tndo feito de metal com lindos e
agradaveis coloridos, obras estas pela primeira vez
apparoeidas, c poranto inteira novidade.
Tamban chegamn novamente delicados enfeites
e flores ornadas de aljofares e vidrilhos, tanto de
palha para coques como para vestidos, e ludo
contina a merecer a apreciado das scellentissi-'
mas cooiieeedoras do bom.
Grande liquidaqao.
0 nropriettrio dantiga ebem corteada
loja de miudezas denominada Beija Flor
ra do Queimado n. 63, querendo acabar
com o sortimento de miudezas que existe,
tem deliberado proceder ama completa 1-
quidaco, para o que chama a attenco de to-
dos.
Os objectos scro vendidos por metadede
seu valor, c para que o publico, nao suppo-
nha, que o presente annuncio urna illusao,
0 proprietario da dita loja offerece urna pe-
quena lista de algumasmiudezes, com os seus
diminutos precoscomo abaixo se ver;
nao apresentando urna lista completa de to-
dos os objectos que esto expostos a venda,
pela razo de se tornar um annuncio muito
extenso c por consequencia de enfadonba lei-
tura, por isso apenas lemita-se as segundes:
Caixa de envelopes de cores. .
Ditas de envelopes con; tarja.
preta........
Ditas de envelopes brancos gran-
des.........
Ditas de envelopes grandes e pe-
queos. .......
Libra de laa para bordar, surtida
Duzia de cartoes de corchete fran-
cezes com 24 pares cada carto
Dita de comeres de metal prin-
cipe para sopa. ,
Dita de ditas para cha. .
Concha de metal principe para ti-
rar assucar. ,.....
Botuadura para collete. .
Pares de luvas de. fio da escocia
branca e de cores para homem.
Ditas de ditas para senhora. .
Fita para sinto de senhora. .
Pares de sapatinhos de casimira,
bordados.......
Pecas de cascarrilha de laa. .
Escova fina para limpar untas.
Ditas de ditas.......
1 Pente preto de barba. .
1 Caixa com apparelho de chumbo
a 640, 1500 e.....
Boneca de cera a 15000, 15200,
35200, 45000 e.....
Apparelho de porcelana para al
moco e jantar.......
,Jogo de Vispora......
Caixa com papel branco e de co-
res........ .
Infladores para vestido. .
Caixa de linha de marca encar-
nada e azul.......
Sapatinhos de la para meninos.
Tocas.........
1 duzia de linha para fazer croch.
Ditas de carriteis com 100 jardas
brancas e de cores. .
Fita de la para debrum de todas
as cores.........
Ditas de ditas, branca. ,
Pecas de fita de linho para eos. .
Dita para eos.......
Pentes voltiados para meninas e
senhoras.......
Ditos pretos com chapa, para ali-
zar .. ......
Ditos brancos.......
Ditos brancos finos.....
Escova para dentes a 100. 240 e
Ditas pira cabellos muito finas. .
Peras de franja para toalha com
4 varas a peca. "*. ,. ,
Entremeios bordados a pera 500 e
Tinteiros de porcelana 15 15500.
Balaios para meninas de escolla
bonito desenlio a 500, 15000,
15500 e. : .
Fita de sarja de todas as cores. 15100
Gravatas pretas a 400. 500
600
900
700
600
75000
900
45800
25400
600
360
600
600
800
15200
500
600
300
300
15500
55000
24000
900
700
80
280
400
800
160
360
560
260
900
500
400
400
320
400
360
900
25600
600
25000
}}
'I
Ra do Queimado n, 49 hja de
miudezas de Jos de Azevedo
Mata c Silva conhecidopor Jos
Bigodinho.
Est queimando os objectos abaixc declarados
Fo diminuto preco, a saber:
rseos com agua de Colonia verdadeffa a 1$.
Garrafas cora agua Florida verdadeira, que so%a-
rantca i 5200.
Pentes para regacar cabello do meninas a 320 rs.
Thesouras muito' finas para unhas. c costuras a
500 rs.
Tinteiros cheios de tinta muito preta a 80, 100, 160
e 400 rs.
Varas de franja branca de linho para toa)has a
160 rs.
Caixas de phosphoros de seguranza a 20, 40 e
160 re.
Navalhas de cabo de marfim e que garante a
qualidade a 2.
Libra de laa para, bordar a 7*.
Pecas de fita bran;a elstica muito su Dcriur a 200
e300rs.
Novellos de linha branca com 400 jardas a 60 rs.
Resmas de papel de peso liso muito fino a 25500.
Latas com superior banha a 200 e 400 rs.
Caixas com seis frascos de cheiro muito fino a
800 rs.
Caixas com dozc frascos, fazenda s boa a 1#200
e 2#500.
Fraseos com superior oleo filocome a 500 rs.
Calungas de sabao transparente muito bonito e fi-
no a 240 rs.
Duzia de paos de pomada do Reino., da melhor
qualidade a 240 rs.
Pecas de tiras bordadas muito finas a 500,600 e
800 rs.
Ditas de babadinhos cora dez varas a 600 rs.
Carriteis de linha de todas as cres, para acabar
a20rs.
Garrafas com agua divina a 14500.
Frascos com superior macaca perula t. 320 rs.
Caixas de vidro com dozc didaes, que s a caixa
vale dinheiro a 200 rs.
Ditas de madeira. com alfinetes, o que ha de me-
lhor a 320 rs.
Grosas de botes de louca, lisos e bordados a
160 rs.
Caixas redondas para rap emulando tartaruga a
ifseo.
Pecas de fila para eos da melhor qualidade a
500 rs.
Escovas para liuipar dentes, fazenda que s a vis-
ta a 240 rs.
Ditus para limpar unhas de superior qualidade a
300 rs.
A FEAGATA
AMAZONAS
58 por cento
Ouro uaclonal e partugiiez.
Veude-se na ra da Cruz n. JO.
Parolo.
No largo do Paraizo n. 30 eontiruia-se a vender
farelaa i.'iOOeoOOO.
Becebeu um bonito e variado sortimento
de fzendas, pretas proprias para a presente
estaco, como sejam:
Luidos cortes de seda preta com listras
assetnadas para vestidos de superior qua-
lidade, e o melhor que ueste genero tem
viudo ao mercado.
Seda preta semelhante aos mesmos cor-
tes para vender a covados.
Bonitas basquinas pretas de guipur
muito bem enfeitadas, (neste genero tam-
bera lera brancas).
Grande sortimento de basquinas de seda
preta enfeitadas com muito gosto, e para
diflerentes precos.
Sortimento de grosdenaples preto para
diversos presos.
Gurguro de seda preta de superior
qualidade.
Mantas de blondo de seda prMa muito
finas.
Continua sempre a ter: cortes de blonde
para casamentos; lindos cortes de seda de
cores; camisas francezas e ingieras, com
colerinho e sem elle, para homem; camisas
^^w^franeezw para menino; bonitas -aserraras
de cor; variado e lindo sortimento de alpa-
cas, la epoil. de chevre; chapelhas, cha-
peos e gorros de palha da Italia e de velu-
do; luvas de pelicaJouvm para homens
e para senhoras; e militas outras fzendas
de apurados gostos; assim como tambem
vende esteiras para forrar salas etc.
Em casa de Theod. Christiansen, ra do Com-
mercio n. 16, encontram-se effectivamentc todas
as qaalidades de vinho Bordeaux Bourgogue e do
Rheno.
t.Y.GERfUty
famAujliin &.
Alegrai-vos myopes, e prefinas, ja po-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortimento de
oculos, lunetas, pince-nez, face--main,
lorgnons, de ouro, prata, tartaruga, marital,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melcbior;
assim como binculos de urna a tres mu-
danras para theatro, campo e marinha da
ultima ivencSo ; duquesas, vicnezas de 6,
8 e 12 vidros, ludo dos melhores fabrican-
tes da Europa.
O mesmo vapor trou-
xe una cxcellentcs ma-
china para graduar c
observar o numero dos
vidros que se necessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes ste
rioscopos, instrumentos de mathematica,
barmetros, vidros de chyslal de rocha, e
de cores para resguardar a vista; concerta
todos estes objectos a precos commodos e
COm promptidof tira o mofo dos vidros e
encarrega-se de toda a cncommenda relativa
a ptica.
Recebeu tambem os excellentes relogios
do antigo e afamado fabricante Robert Gerth
& C, os quites vende precos commodos
garantindo a sua superior qualidade.
... >,
28
ao curas
2
Rua do Imperador
E.M GROSSO E A YARE JO
Charutos de diversas marcas dos bein
acreditados fabricantes, Costa Jrmos e
Manoel da Costa Ferreira de (Sao Feliz).
Farinba da torra muito boa, 45 reis a
sacca.
Miraguaia do Rio Grande do Sul, peixe
seccode superior qualidade a 65100 a ar-
roba.
Congro e ruivo de Portugal, em barris e
libras.
Camarita seceos, do Maranho, em libras.
Latas rom peixe em conserva sendo:
Salmoin, Lagostas, Ostras e outras muitas
qualidades, a saber: Porluguezcs, Inglezes,
Americanos, Hespanhes, etc., etc.
O Campos ainda tuna vez, vem ter a
honra de lembrar ao respeitavcL publico, as
muito excellentes aguardentes de Lima Pa-
rati, e Tiquira do Maranho, por vir-lhe a
idea que se aproxima o tempo invernoso,
e que muito nescessario se torna trazero
estomago quente, e como se aeha o seu 63-
tabelecimento bem prvido dos gneros ci-
ma ditos, recommenda um passeio at elle,
onde cncontraro os amantes do que
bom boc-ado, um completo sortimento de
gneros finos, que se foinam recommenda-
veis para una mesa mais ou menos pro-
vida.
Vende-se
urna e;;-a |errea na Capunga, edificada de novo,
com quintal murado, tendo 22 ps de larangeiras
e mais fiue.teiras, na rua da Ventura n. 10 : a
tratar na rua da Imperalriz n. 84.
Attenco.
Viinde-se somente para esta praca um negri-
nha de 12 annos e urna negriuha de 5 anuos, a
tratar rua do Par n. 03 priineiro andar.
Atteuci
Vonde-ffl a tal 93>
bem acreditada, a pra?o: com Mguranca, 0 !
rommodot |ara familia.
ESEPM FGIDOS.
Roga-.-c as autoridades piiliciaes e
Se campo a apprehen?5o do esaxn Kattmo, \
do, de dado pmico mais 0" 'enos de 22 MBos,
poaca l^iha, ostttura regular, cheio do rorp^
olhos eugulares, testa pequea, nanrama*), do
regular, miios e ps grandes, cabello eres i
urna cicalrii na testa proveniente d'nm
muito prosista c astuto, e cosluma inculcai^e
liviv levou vestido camisa de algodloswBo br;
co, caica preta. chapeo de baeta volho .
raptnrar l'.'ve-o a loja da Boa Fama a ro >><*
Queimado n. 35, qoo ser nvoiiipensado^__
~ O abaixo assignado recommenda a
do seu escravo de nome Joaquim, nuilato. fni
ilo seu sitio Ao MuiiU'iro, comprado aos rus do-
qos os Sis. Joo Gonealvesda Silva, Vicente 'a-
valcanli de Alluumerqe e Alexandre Gomes da
Silva, nesta cidaiV, por iutei medio de MSJu
curadores na pessoa io Sr. Manoel Francifco i
valcanli, todos de l'o d'Alho e por inlervenea1 di
Sr. Santos (correelor di' escravo). rujo e-vravo*
lamljcm natural de Pi d'Alho e tem Oi distm-s
seguintcs: idade :)o anuos, seceo do corpo e um
punco alto, bifode, cabello um pouco carapi.'
e pcnleado, falta de dente?, una inflammacSo i o-
eruada na junta da mo esquerda, falla a ttU |
jo, muito descanrada e mansa : levou camisas i!*
madapolao e riscado de algodo, o calcas de I
pardo. O abaixo asignada muito recommenda a
captura oeste seu escravo todas as autoridade
emais pesaoas cDcarregadaa da captura Je escra-
vos, nao s pelas diversas eidades, villas e povoa-
dos, como polo sertao, para onde pode ter -
promelte bem gralilicar, c tambera a ojualq -
pessoa que d'elle der noticia certa ; a dirigiris
scao seu cscriplorto a rua do Crespo n. !", &
sen sitio no Monleiio.
Recifc, 27 de Janeiro de 1809.
Antonio Jos fndrigues de Sow.c.
100$ de rralilicaro
Fugio uo da fl de Janeiro do canete .
do engcnbo Balalora, fre^'uezia da Escada,
cravo preto, crioulo. do 2$ anuos do idade,
mado Marcelino, que foi do Sr. Juao da Cunta
Pereira, enjo esclavo estove no deposito goral. e
tem os signaos seguintes: alto, secco do co
rosto ninio marcado do bexigas, falta d>' l-
na frente, cor preta, sahio de chapeo do chile,
letot e calca de castor, levando um bahuzmhc i.
Ilandres cm mais roupa, o suppoc-fe ester na
fregnezia do Cabo : queai o apprehcnder l
oditoengentio, ou ruada Senzala-nova n.
CBCriptorio do Sr. llernardino I'ontual, que p
beri a gralilieacao cima.
Fugio do engenta) S. Pedro, termo de ;,
reros, no dia (idoJaneiro de 1869, o escra o
Luiz, crioulo, cor meia fula, com idade de ii an-
nos, ponco mais ou menos, com muita penUg \
de barba no bigode, e j nascendo na pon.:
queixo, falla meia apressada, bracos c pcnijr. a
pooM linos, o branca do ollio anarellaco, tem (4
dedos dos pe~. encostados ao dedo grande, em i
compridos um pouco que o grande, muito ver-
tido, nao deixade estar em funeciono lagar
habita, capaz de parear por forro, tiwpeins
dus ou tres marcas de chicle, isto meimo | -
(ucnas, que se precisa reparar, boa altera, bol -
la lipura, beicos nieio grossos ; julga-se ao
nesta praca : quein o pegar dirija-so a rasa
Srs. Manoel Alves Ferreira & C, rua da lio!.. ;.
5, i andar,que ser recoraBedsado cera iQOiCC':.
Pcrtencc dito escravo a Cliri-tovao Bentodo Jti o
Brrelo.
Escravo fgido
Fpgio em 23 de Janeiro de 18(59 o osn, i
iliei.s, de meia idade, cor preta, falla gross.-'.. i
goso,-tem pelas costas ckairizos de bacalhao
orna- verruga no canto do nariz, os Des fovii corpo regular, tinha sido do Illm. Sr. I
Leocadio Vieira, em l'anellas de Miranda. ;
poneos rom s de l vet fgido; pede-sr as au: -
ridas e capitacs decampo de o pegar e traze;
a sen senhor Jas Carduzo de S, amad:
gueta nolieeifen. 2 ; e >> mesino protesta c
qualquer pes-ra que o (eolia acontado, e gn
cara bem a queni o pegar. Coasta andar ua
\"i-'a na .'sir.ula driJoao de lian 9.
e domingo, a tarde, desappareceu d: ca a
de seu senhor, roa da Aurora n. 72. a esc i
Lucinda, preta crioul i, idade :>0 annos, tem o
dar um pouco inclinado para diante, bastante .<, ,.
dando, cun bcllide em mu dos olhod
Foi comprada nesta praca ao Sr. Manoi I A
Ferreira. e natural do se'rto, liavendu todai s
probabilidades de estar occnlta tiesta p, -:--. peh)
que se protesta haver todo o prejuizo ca.
alm da aceo criminal que no caso couber.
Roga-se, poranto, as autoridades policiae
pitaes de campo, a apprehcosao >l\ mencionada
cr.ua, qne s-1 gralificar generosamente na
cima.
4.
LISTA GERAL
90

DOS PBEMIOS DA "T. PARTE DA LOTERLV CONCEDIDA flOR LEI PROVINCIAL N. 402, A BENEFICIO DA IGREJA DE NOSSA SENHORA DA BOA VIAGE.M DOS AFOtiADOS, EXTRAHIUA EM 26 DE EEVEREIFIO DE 1809.
S. PKKMS. N8. PREMS.lNS. PRK.MS. RS. PREMS. Jffi. PRFMS. N8. PREMS. US. PREMS. KS. PREMS. NS. PREMS. AS. PREMSANS. PREMS. HS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS, REMS.
)-
R
:] i* 228 44 472
1 29 77
14 30 80
S 34 84
31 48 90
39 53 97
51 59 99
56 71 500
57 76 1
58 93 2
01 97 7
62 307 13
6i 11 24
67 13 25
73 14 31
77 16 32
&3 20 35
89 22 36
90 34 37
93 8 46 O 53
98 41 50 37
100 :m 51 73
i u 56 u 91
3 61 Si 90
4 69 44 603
8 70 7
27 72 10
28 : 18
39 76 20
44 __ 83 22
46 88 - 23
48 96 27
52 97 28
53 408 30
56 9 _ 45
59 1 20 __ 48
63 21 49
64 84 22 59
80 41 27 61
87 39 67
90 41 72
94 43 75
95 51 76
97 84 53 77
207 44 54 . 86
16 84 56- 88
31 44 57 91
23 60 700
93 67 4
44
84
44
84
44
84
44
706
10
15
27
43
46
47
32
53
66
67
70
79
81
91.
98
802
10
12
13
15
25
28
31
32
37
41
40
54
36
62
64
69
73
73
80
81
88
89
91
94
96
98
914
15
18
21
32
35
44
937
39
II
45
48
52
59
63
73
78
80
89
N
95
1003
5
11
14
39
41
47
51
53
56
57
59
61
62
66
70
71
84
94
98
1105
11
27
29
34
39
45
54
64
65
69
71
76
87
1214
8.4
44
204
1225
36
38
41
49
52
.56
63
65
69
70
89
90
93
96
1301
3
5
6
8
13
18
22
24
26
41
45
51
52
60
62
70
79
83
84
86
97
99
1403
17
18
20
38
42
47
50
55
60
63
H
204
44
84
44
8f
1473
77
78
85
88
89
1509
37
38
40
47
63
64
69
70
72
75
84
88
89
90
91
92
1600
20
37
43
47
52
57
59
63
67
69
71
81
82
83
84
87
93
1701
4
6
13
14
17
39
47
44
20i
84
43
1752
37
59
63
75
83
85
90
93
96
98
5
9
11
12
30
32
34
36
45
50
57
59
63
65
69
73
84
44
1801
11
20
.21 04
22 44
38 84
40 44
52
56
61
63
70
71
74
fl
78
79
89
92
97
1902
4
1&76
78
80
83
87
89
SO
94
98
003
10
18
20
w
28
29
33
u
'.::
48
50
59
62
63
64
83
88
t
>7
'9
2104
6
17
28
30
33
36
49
31
52
54
68
n
65
67
69
H
(13
44
2187
91
92
96
99
2201
4
6
10
11
16
17
21
29
31
35
40
43
45
46
47
79
81
86
92
98
2304
6
10
13
22
26
27
29
36
41
48
62
63
69
77
79
82
67
2400
a
7
8
10
1004
44
84
44
2418
19
30
35
38
42
45
52
65
67
73
90
91
2507
14
17
16
19
22
23
27
39
58
71
72
75
2601
14
15
30
39
43
46
50
59
62
67
74
76
79
81
83
91
97
84
44
2717
44 2723
28
34
39
41
45
46
52
55
72
74
75
78
79
84
90
404 94
44 2806
18
19
21
22
23
31
32
33
34
39
48
42
43
48
49
51
52
65
66
79
81
82
84
89
93
96
2901
3
5
19
27
u
84
44
4.4 2932
33
36
42
50
53
55
73
77
83
92
94
3006
8
9
12
II
16
17
19
20
23
30
31
32
42
46
30
31
53
60
68
70
74
78
7Q
83
86
98
3112
13
13
16
25
27
31
33
34
36
44 3138
37
84
44
84
44
4:0004
44
14
60
20;
404
72
73
85
3200
4

13
22
44
47
49
51
60
65
66
69
77
78
80
82
92
96
3306
II
20
25
29
32
33
36
41
48
49
51
55
65
7
77
84
92
{403
7
9
i
15
3417
22
20
27
29
32
37
48
50
52
56
58
63
68
69
71
79
87
3502
3
7
10
11
U
13
23
27
29
30
37
39
41
42
43
44
49
50
51
55
58
60
63
69
71
76
83
84
86
89
44
84
44
84
44
3599
3600
17
18
23
43
47
48
30
53
62
70
80
81
87
97
3701
9
12
13
20
24
28
30
41
48
50
54
56
60
63
66
C8
76
77
82
84
89
92
96
97
98
3600
16
40
41
42
43
44
48
204
44
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PilEMo-
404
44
84
44
84
44
204
44
3845
46
49
50
53
57
' 59
71
74
78
82
83
88
89
91
94
)900
3
6
9
13
20
22
32
34
37
40
41
45
51
60
63
65
70
71
82
84
92
95
98
4002
8
11
13
23
24
27
34
36
44
84
44
84
44
4*
84
44
4043
48
52
53
62
66
69
71
7
74
75
77
85
88
91
92
94
99
4105
6
15 -
16
18
20 -
23 -
27 -
36 -
41
42 -
49 -
54 -
57 -
59 -
72 -
75 -
78 -
80 -
81
4201
8
13 -
20
21
27
31
33
45
49 -
52 -
44 4254
55
69
71
72
74
73
77
87
92
96
97
4303
6
14
(!
28'
36
38
40
41
48
55
56
58
59
60
61
66
67
71
77
79
88
91
93
4404
7
12
21
24
27
50
62
64
68
74
76
i
44
4>
84
44
84
44
84
82
87
89
92
99
.4502
5
13
16
18
21
25
27
28
34
39
io
46
56
61
65
67
68
76
87
97
98
4604
9 -
11
16
24
28
32
36
37
54
56
67
68
70
71
73
80
81
95
96
97
2o4
204
41






8
Diario de Pernambuco
*S4*.
IfflMURA.
Chronlca thea toral.
I
Un immortal pliilosopho, um notavel
cscriptor da media idade, o grande Miguel
Montaigne,legando ;'i posterdadea mais pura
verdade. disse: Oestylo 6 o fimem.
Pensaminto sublime.que, um sculo mais
farde, fui repelido pelo conde de Bulln e
que, depois de quatro rentos longos annos,
anda repercute por todos os ngulos do
universo, reverberaudo em todos os co-
racSas.
Escrevendo, o liomem se denuncia ; ma-
nifesta a sua grandeza ou a sua miseria, a
sua pobreza de carcter ou a sua baixeza
de sentimentos. Por mais que empregue
o luxo da linguagein, a belleza do phrasea-
do, jamis conseguir occultaro bem ou o
mal que se nimba em seu peito. Por
mais que se eleve s grandes concepces,
amis poder convencer que um motivo
frivolo nao garra de norma s suas ae-
eoes.
A inprensa, portanlo, o telescopio
d'alma, como llie chamou o primeiro cm-
elo da Franca, o Sr. Lamartine : o nau-
ta gigante que pereorre ufano o interior do
bomem. descolando os segredos da sua
conscienci;i, os arcanos da sua razo, como
bellamente se exprimi a primeira cabega
da patria de parios Magno, or. Vctor
Hago.
Quem turar Ihlo as obras de Proudhon,
naoduvidar allirmar que o seu corpo era
o envolucro de um espirito perverso, de
iiioaataMtfflr! Apreciando-se as bellas
me. Hre Ventura de Ranlica e as
-ii'iisintis .phrases do profundo atibarte
Gousse!. encontrar-se-ha o raciocinio de
mos dadas cumi a fe, a liberdade harmo-
msada coui a religin, a igreja e a socie-
dad* aurHHfndo-se mutuamente e, por
eonseguinl i, os escri plores, abatidos e hu-
milbaaos ante a cruz e a purpura, ado-
rando a Dos patria Lendo-se Dan-
ton, cuja audacia revoltante indicou-lhe o
ensanguenlado caminho da guilhotina, lia
de admirar-se o instincio de fera que o
domina va. que servia incentivo aos seus
actos. Sendo o ocho da perversidade do
infame Marat e do sanguinario Bobespierre,
so pregava o terror e a morte. O Pavo,
parto mostruoso de urna imaginario infer-
nal, era o symbolo da Franca de 1792. do
tmulo da aristocracia luso, que por
ahi corre com o nomo ile jornaes. nao sig-
nifica liberdade de pensamenra, n3o ; tra-
duz liceuca, desenvoltura, prostituirn da
imprensa. Km toda a parte se abusa da
imprensa, representando ella o vil baldo,
le se mercadeja impdicamente a repu-
i albeia !
Para provar o que levo dito, basta lem-
brar que, quasi sempre se penetra no
sanrtu ario d i lar domestico para s violar
lerriveis segredos de familia. Mutas ve-
zes, quando a rgem, no isolamento com-
pleto de sua alma, no mysterio da sua
corisciencia, procura confundir as suas
oracoes com os cnticos dos anios. duea
que ella nao respeita a boma de seus pais
e, juizes incompetentes, a condemnama-i
desprero publico! A viuva, que chora a
perda do esposo e que treme pela sorte
dos filhos, iceusada de vendor sorrisos
de envolta com as suas lagrimas! Ao
negociante honesto e probo, que a fatali-
dade arrojou ao abvsmo de tuna quebra,
iiamam ladran, ainda mesmo que elle,
mais tarde, suceumba vergonna da perda
do seu crdito I pobre actriz, que,
amando o progresso, a gloria da sua arte,
emprega esforcos desesperados para dar
vida aos seres imaginarios que representa,
orrindoquando temo ioferao no coraco,
chorando quando (tosejara mostrar-se ale-
gre, prodigatisam sentimentos baisos e
mesquinhos, paixoes torpes e vis! A to-
dos, finalmente, que nao conseguem at-
irahir cortos sympathias. nao faltam defei-
tos nem maculas, ertibora ninguem consi-
dere mais puro aquello que ousa atirar a
primeira pedra.
Isto n i ser triste, doloroso e fatal ?!
A imprensa santa inspirarao do predes-
tinado lilho ila vellia e nebulosa Allema-
nha, magnifica realidade de um sonho de
Guttembe% dirigindo-se ao coraco, fal-
lando alma, deve ser o paludo reflexo dos
iossos sentimentos, o cspelho da nossas
virtudes.
Para mim, nada ha mais baixo 6 vil do
que a impreusa quando se prostitue men-
tira ; quando se transforma em pelourinho,
onde se procura atar os caracteres distinc-
tos para soffrerem os acoutes da covardia,
da infamia e da miseria ; quando se cons-
titue o echo de mesquinhos interesses. de
nojentas intrigas, de ridiculas vingancas ;
quando, finalmente, serve" de arma as lou-
cas vaidades, aos orgulhos infundados ;
quando, n'uma palavra, trajando as vestes
immundas da calumnia, essa arma mais
infame do que opunkal e mais prfida do
que o veneno, mata o que o bomem possue
de mais bello, de mais sublime,os seus
lirios, a sua dignidade, a sua honra !
Quando, porm. a, imprensa, sublime
sacerdocio, na phrase do conselheiro Men-
des Leal symbolisa a franqueza e a leal-
dade, rutse pode temer o dominio do
vicio e a queda da virtude. o imperio do
crime e o ajiquilaraento da innocencia.
vssim ^nsando, procurarei respeitar
to nobre instituidlo, erguendo em meu
coraco um modesto altar, onde lbe ren-
derei fervoroso culto.
Ser possivel o desempho do to gloriosa
msso ? Sei perfectamente queso urna
intelligencii asss esclarecida podara obter
feliz xito ; porm, tem suceedido, muitos
bateis, confiados a habis e intelligentes
nautas, t ;m naufragado na immensidade do
ocano e muitos homens rudes, lutando
heroicamente cooira os elementos teem
conseguido dirigir ao termo de longa jor-
nada a sua barca que, altaneira, transpon-
do abysmos, pereorre o reino de Neptuno!
Assim, pois. fallando obre o thea tro,
oceupando-me dos dramas "que subjrcm
scena e analysando o traballio dos artistas,
tornar-me-Uei severamente imparcial, fazen-
do justica: separando o bem do mal, a
noite do dia, a luz das trovas ; aplaudido
I' todas as caasiduracoes P ;-s "^ e*W o
testemunho da minha consciencia e superior
aos impulsos generosos do ra?u coraco
est o amor que tributo verdade I
Se, porm, no desempenho da minha
ardua e espinhosa tarefa" quherem coagir-
me a modificar as rajabas ideas ou a rene-
gar das minhas puras crticas, desde j
oassevero, imitando o bejenais do T. Bar-
rierre, com toda acalma, fleirnne sangue
fri, bradarci : A (mienta in I
dente !
Fice trabada a minha linha de conducta :
verdadeiro circulo de ferro, donde, fe em
Deus e na minha propria con-ci'-ii, n)
haver podjjr. humano que me obriguj a
transpo-lo.

Em a noite de 17 do correte nos foram
franqueadas as portas do Sonta Izabcl. O
publico pernambucano, vido uc distraces,
concorreu abertura do nosso theajro,
qjje, n'essa noite, a esforcos do digno em-
presariij, o Sr. Duarte Coimbra, olterecia
um aspecto mais risonho, mais seductor.
Despert do lethargo que Ihe entorpeca a
mente, o nosso publico, cheio de expecta-
tivas, transpoz os umbraes do Santa Isabel.
s oito horas j todos os espectadores oc-
iiipavain os seus lugares e, anciosos. agun-
davam a represenlago do drama que hwia
merecido a elevada honra de encelar os
trabalhos da nova companhia dramtica na
presente estaco ; pcrrni o regenta da er-
diestra, o moderno Sr. Jos (/tellio Bir-
boza, atando em seu pescoco um alvissimo
lenco de finissima cambraia, nao se mova,
permanencia impassivel, symbolisandoniii-
morea estatua. A torre de Malakoff fez-
se ouvir, annunciando lentamente as oito
e meia horas, sem que %a orcheslra S3 djg-
nasse de por termo anciedade p liftca.
Apenas, porm, urna banda de msica,
postada no saguo do thealr, tentn exe-
cutar o hymno nacional, principion a agi-
tar-se o sublimado arco da m-\?\c.a rabeca
do Sr. Jos Coelho... Pode lcar corto o
Sr. Jos Coelho que, n'essa noite, contra a
minha vontade, esqueci-me do meu amigo
Colas. O novo regente da orc.liestrsi des-
emjienbou perfeimente as suas funecjs
e, por isto, tomo tiberdade d' dirigir Ihe
um aperto de mo bem significativo.
Subi scena o drama em actos inti-
tulado Ai mee ou O assassino paraatv.
Aime urna bella composigo Jjtteraria
que nao pode deixar de ser frenticamente
applaudida, enthusiastiemente victoriada por
quem tiver cabeca que pense, alma que
soffra, corafo que sinla. Para mim, esse
drama s tuin um grande defeito, s se re-
sente de urna enorme falta; defeito, po-
rm, que nao filho da ardent' e fecunda
imaginaco do dramaturgo falta, par.n,
que vai buscar a sua origem na historia !
O fin trgico da misera e desgracia
Aime planta a dor e o luto em todos 08
coraces. Como evitar o mal, se, a 23 de
m 1:0 de 1827. n'avenida d'Ivry. um indi-
viduo, 11 inralo Francisco Ulbacli, assassi-
nou publicamente urna linda e singla
pastora, Aime Millo! ?! Como previnir o
defeito, se, na praca de Greve, acbela
de Honorato F. Ulbaeh rolou pelos degros
do cadafalso por ter levado a m irte ao
seio ainda virgen, da pastora d'Ivry .'.'
Porque o autor, rasgando essa ensangren-
tada pagina da historia, nao premion a
virtude ? O autor, que foi fcil em inia-
ginar as scenas dos quatro primeiros actos
do seu drama, porque, ao concluir o quin-
to acto, uio preerio o anachronismo do-
lorosa e atlerradora verdade histrica ?!
Francisco, Aime, Mm Detrouville, Ory e
Julianna sao personagens histricas; Grand-
val, Fauvel, Hortencia, Beaucham|\, Mar-
soy, Cabhuche e Bourgogne sao creaturas
par comprar umi faca quando s? dirigala mo
prefeitiira com o lim de sollicitar o seu I morte
passaporle. A' tarde de 2'i de rnaio
1827. procurou fallar a Aime;
avenida d Ivry, deparou com ella que
hva em companhia de 'Julianna. Juli
era urna rapariga da herdade qu
amava c protega. Aime dizia a Julia
que S'Ya muit i infeliz, se ni se ce
c 1:11 Ulbaeh. Vendo dproximir-se o soq
amante, cilou-se e prpeuroa fuii n
presenflt. Ulbaeh, agarrando-a, d-ipois
rev explicaco, oravou-lbe no seio a faca
I 1,'. pela minlia, havia comprado. Cinco
vezas o braco do assassino ergueo-s
cinco ve/'sa laca subii 'rgh-se 10 corpo
di desventurada Aime! D corpo de
delicio q ie se procedeu no cadver consta
que a pastora d'Ivry era virgem, quilo.
despeiiliaiido-se do rochedo da vida, baixou
campa; quando foi as>assinadi
homemque deviarespjital-a. Ulbaeh pouso
tempj depois, seutiitdo-se extremi'neBte
fraco [Kira suicidarse, co*id elle mesmo
confessi n'uma carta dirigida a um d >s
sana enmaradas, entregou-se priso.
Sendo comlemnado morte, expiou o seu
crime no cadafalso. No cadafalso termi-
nou-se uaia existencia sempre tempestuosa;
no cadafalso extinguio-se a chamma que
poderia regenerar o vagabundo de S. Pe-
lagio: 111 cadafalso, por tanto, fimlou-se
um amor que, sempre louc.i, loi desgra-
cado!
Entre o drama o ficto histrico ha
o mrito e consagrando completa udiffe-
renca ao demerito ; elevando a modestia e
abatendo o orguiho.
S com a verdade se poder ra|Mllir os
infames mercadoaes que ipretend^ra invadir
esse magestoso templo, que se chama thea-
tro I
Como ckronista, esquecendo afljejces ej
araizades, serei implaciel, emltora tenhai
No drama s ha de histrico o assass-
nato ; s vindico o crime atroz e me-
donho com que o autor lerminou o seu
poema dramtico.
Diz a historia : Honorato F, Ulbaeh,
tendosido creado no I! ispiejdos O 'pli 1-
ila ra de Santo Antonio.-^P'' vagabu:iil >.
passou quinze mezes ear^oissV e em s.
Pelagio, onde, como diz Fonquiar {Causes
celebre'!) aprendeu o que deca ignara?;
onde comecou a trilhar o eaminho ijne
conduz ao cadafalso. Sabjndo de S. Pela-
gio, Ulbaeh procurou viver honestamente,
empregando-se em casa de Ory, marcador
de vinhos, estabelecido as proximida les
de Fontaineblaeu. Foi ahi que Urbach co-
nncceu Aime Millot, pastora modesta e
instruida. Aime, indo quotidianament)
vender leite casadOry, iuspirou a Ulbaca
um amor immenso, loueo e desesperado,
sem que, ao menos, procurasse dar-lhe
vida com urna palavra de esperanca. Ella
ouvia o seu adorador com o somso'dos
aojos nos labios, com alegra no coraco,
confiando na coratle virgem que Ihe orn va
afronte e no. seu passado sem manchal
sem macula. O amor de lbach, le dia a
dia, tornava-se mais ardente, mais impe-
tuoso e, |por conseguinte, mais audaz.
Ulbaeh aventurou-se a ir fallar a Aime
em casa de Mm. Detrouville, na avenida
d'Ivry, onde ella resida. Mm. Detrouville,
informada do passado vergonhoso de Ul-
baeh, prohibi a pobre Aime que conli-
nuasse a recebe-lo e a fallar-lhe. Aime,
submissa e obidiente, cumprio rigorosa-
mente as determinaces da sua protectora.
Ulbaeh conheceu grande mudanca no tra-
tamento que a sua amante Ihe prodigaHsava
e, cioso. segua-a por toda a parte. Mili-
tas vezes vio Aime conversar familiarmen-
te com um maneebo que, como elle, sem-
pre a acompanhava. Ulbach*tornou-se, ta-
citurno... M. Ory, seu patrio, notando o
seu procedimeuto, reprehendeu-o spera-
mente e ameacou-o de expli-lo. Uibach
principiou a aborrecer o trabalho e, quasi
sempre, Mr. Ory sorprendia-o pensativo e
meditabundo. m dia... (dia fatal I) Mr.
Ory, cansado de advertir, disse a Ulbaeh
que dispensava os seus servicos.
Ulbaeh... ro-se pairou^lbe nos labios
esse sonse que symbolisa a insania,-o
idiotismo. Ah disse elle, eu nasci sob a
influencia de urna estrella fatal Hi des-
Unos escripias Sahindo de casa'de Ory,
lie ou muitos dias exposto ao seu estado
primitivo. Encontrando-se com um dos
seus cantaradas, disse :
E' urna desgraca, cerdade; mas o que
deoo fazer? J/a destinos escriptos! \o>
compras? Condemnacao de Honorato F.
l'lbach, assassino da pastora d'Iory, com
todas as circunstancias aggravaides do
seu crime! Compras? s cusa um sold!
Condemnacao de Honorato fc UlbackJ um
sold, smente um sold! O cama rada do
Vhch ficou attonito e estupefacto I
grande derenca, com passo a peovir.
.analysando todas as personagens qoe fi;,ui-
ram no drama.
Aime (a protogonista) um Ifpe an-
glico, um ser divino. Abandonada pir
seus pais ,i carida le poltica, eir.onicou
na Sra. Djtrouoille (qu; Ihe d;:i abi
esse alfecto que nos prende vidi. esse
seotnaato sublimi que t.mi o pide- de
dominar todas as nassas facu dad;;, at nnd 1
imperiosamente obre todos os nossos ^e;l-
tidos, o santo a.or de miel Aimic,
syoibolo da gratilai, para causar alegras
Sra. DetronvMl, n~\ t duvidaria sacrili ;ar
a s.ua vila e, mais ain la, a sua, propria
honra. De fado, apenas conheceu que
Hortencia, sua irraa de leite, eslava prestes
a submergir-se n'um abvsmo de profua*
liidide medinha c insondavel, para sa-
tisfaser os desejoi de sya excellente mi
adoptiva, tornou-se a sin sombra e, sur-
preliendendo os arcanos da sin alma, os
segredos do seu coraco. tomn a heroica
resoluc.o de salval-a. No momento em
que Hortencia. em casado conetkQran*
cal, seu amante, ia perder a honra, e, com
ella, a vida, Aime, a pobre ingeitada, a
desventurada creanca que bava sido en-
contrada na miseri (lescmpenhando ua
mssioqae, por sobrehumana, nao se pode
imitar. debrii;a-se s bordas do abysmi
e, agarrando-se ultima cadeia que prenda
a honra de trtcnci.%, coasgue eotregal-a
sempre pura i\ sua mi; deixando-se,
porm, caliir, cahir com manyr, cahir como
aojo! Salva a honra de 'Hortencia ;
mas, para todos, milis para a sua cons-
ciencia, perde a sua repulacio. Dante
do li im im que ama, diante de Jacqitss
Faitcei,vrrkloH>rtencia, se diz amante
do cmi'i: de Grandi ti.. Para completar
o seu sacrificio, oceultan 11 de todos a Era-
queza de Hortencia, expulsa por Famtl
da casa, onde cresceu, onde, pela primeira
vez. sorrio-lhe a felicidade. Reduzda no-
vaniajite miseria, no bosque, -em noite
de medonha tempestad', abraca e blije
Julianna, iiiflbmliino-a de diz r a Fran-
cisco, seu noivo, q e nunca deixara de
am.... de pensar nelle. Francisco ouve
tudo. Pede-lhe que falle, que Ihe derr
no coraco todo o segredo que o seu
conten; eHa,porem, guarda profundo si-
lencio. Francisco, agarrando-a pelo braco,
obriga-a a abaler, a curvar para a trra
urna fronte que devera estar sempre altiva,
sempre elevada para o co' Francisco,
sem piedade, sem compaixo, rnata-a I
Expirando nos bracos de Hortencia, diz':
Francisco, eu ama va-te, eu amo-te
Era tarde! A tormenta ruga no espaco;
a natuiv/.a, sempre caprichosa, desazn-se
em lagrimas; o reptilnojeiilo e asqueroso,
que se arrastava no limo uns vil da Ierra,
co.n os seus olbares magnticos, bava al-
trahido a innocente robaba ; o paludo lyrio
da campia tinha sido esmagado pela nefasta
violencia da tempestado Aime, jazpndo
inanimada sobre o fro chao, anda es-
tigmatsada por Fauoel que, longo de der-
ramar urna lagrima de saudade, diz :
Pobre moca! comiaetteu urna falta; mas
foi bem castigada! Elle ignorava que
sua mulber tinha cabido como a Magdalena
infame e que o tenue braco de Aim, pra-
ticando urna augusta transformaco. a le-
vantara Magdalena sublime! Assim o
mundo: immenso lustre, onde ha luzes e
ciysta s reflectores, brilbando as luzes
por s memas, e os crystaes pelas atizes.
Fauoel preferir o cryslal luz.
Hortencia, #posa de Faucel, esquecen lo-
se dos seus mais sagrados deveres^alcando
aos ps os preconcetos sociaes, apaixonan-
ilo-se pelo conde de Granical, acceita impu-
dcam nte a eutrevist;:. que Ihe proposta.
A' boca marcada, vai ao castello de seu
amante, onde, julgando encontrar um co-
raco ardente e fogoso, tem de lutar com
u na razao calma e fra; onde, desejando
aperlar em seus bracos um libertino, v-se
separada de um bomem de bem No mo-
mento ei ipie o chama miseravel, seu ma-
rido faz-se aununciar. Ella procura occul-
tarse; mas ouvindo as vozes dos convivas
do conde, recua. Imaginndole perdida,
insiste. O conde obriga-a a sahir por urna
porta. Seu marido descobre que e la es'.
no castello; mas o appa'recimcnto de Minee*,
aiiequiJatodas as suspeitas de Faucel. Hotk
tenciam* salva e Aime perdida. Na sua
queda Hbrtmcia encontrou quem a soccor-
resse O mal foi amparado pelo btm, o
vicio pela virtude. o crime pehr innocencia.
Hortencia urna muliar que deseja enga-
ar seu marido ; mas Deus, por meio d
um dos seus anjos, arranca-lhe da fronte a
dolorosa cora de agudissmos espiahosque,
mais tarde, forcaba-ha a dizer, imitaidoo
Satans de Milton: Mal, s o meu bem!'
FtaHdade, s a muta Procidencia! Aime
transformara o demonio em arijo : Horttncia
nao quer acceitar o uau sacrificio; mas
o brigada a calar-se por-dimg que, mdican-
Seja a i
1 d'i eua fclicid
is da eternidade, mais urna
silencio onsciencia de Hor-
A Sra. Detroucillt urna p ilire mi.
Ama suas lili: esse amor que, nao
definido por quem nao o sent:
nao p id hendd 1 por quem
-lira. Temando p da sorlo de Horten-
a Aim i e vele pela na felici-
dn le.
ilisfiz a sin vontade. \ sua hon-
ra .salva ; mis... a honra que s parten-
de dizer-me que prava esperado,
que eu Ihe apresentava a minga
li:i ni 1 o! 1 I
J.
\ S; 1. )-
irouole mereca o sa^ri i.'io. A m icdade
ciii'va-se respeitosa ante velhice. A Sra.
Dtro'fiHr era urna ba mi e Aime una
excellente fillia. Cmiono seriam felizes,
sea fatalidade nao as separasse.
Francisco, com elle mesmo o diz, s
p issuia un) bem, s tinha um D us : o
amor de\ Minie. Cj.no ella, nao coabecera
sbus pais": orno ella, mendiga va um altee
[o una affeico sincera ; como elia acredi-
fava pamente na existencia do ame r. Ama-
va huca e desesgaradamente a Aime e o
seu amor Ihe dava vida. A oanseripoio le-
vara-os fileiras do exercito, olirigandc-a a
abandonar a sua amante. Dominado pola
saudade, commetteu a sublime fra pieza de
desertar para ter o prazer de contemplar o
ser que oceupava a sua imaginaco. Preso
como desertor, a pedido de Aime, salvo
pelo conde faramleal. Francisco acceita
o beneficio com o annuneio da sua des-
a. dizendo :Omnu perdao... ,'>>rclk?J
Q tem sera esta h un 'n:'... Duvida da cons-
tancia e da idelidade de Aim '< e illa, para
abraodar a lempesiade que lbe rehwitava
no corar), lbe faz presente d 11 na faca
audacia
sempre
escripia cheia de borres. Para prevenir
equvocos e, mais ainda, para evitar des-
gostos prematuros, torcoso declarar, a
Sra. D. Apofona, no desempeuho do seu
papel, bouve-se perfetamente, captando as
sympathias dos velhos e os applausos dos
mocos. Fica esperada, como disse, porque
desejo ve-la n'um papel superior s suas
torcas para melhor avahar o seu mrito arts-
tico. A Sra. t). Apofona, dispondo de in-
telligenca o vivacidade, muito pode concor-
rer para o engrandecmento da sua arte.
Auguro-lhe um futuro brilbante, se con-
tinuar a estudar. Um da bei de ve-la,
berta de orgullio e de nobre vaidai'e,
camnhar ufana sobre immensos tapetes de
flores, dominando as multides com uin s
dos seus olbares, com um s dos seus
gestos!
O Sr. Jos Guimares (Marsoyj bebeu
soffrivelmente o seu copo de champagne.
O Sr. Flaviano (Beauchamp) satisfez a
minha espeetatva, agradou-me ; notei-llie,
porm o desejo ardente de por em exposi-
co a sua voz. Canta bem, ouvi dzer a
um velho dilecto das musas; mas, ou a
msica era m, ou o Sr. Flaviano deixou-a
vagar na trra em planto elle se elevava s
mivens.
O Sr. Primo da Costa (Conde de Grand-
esteve ninito amarello. Nos cabellos,
nos-sorrisos, na roupa, em ludo (menos
no chicotinho) apparecia a desesperada cor
de enxofre. Apesar, porm, do acanha-
mento, motivado pela estra..... no ter-
cciro acto, fez-mc palpitar o coraco e,
palavra de honra, tve teiitaces de dar-lhe
duas palmadas.
II tuve muila agua c pouco fogo no gui-
quo tirar na rifa: Touti, Francisca *e\satlo que Ihe foi destrbudo.
Entretanto, valha a verdade, para um
moco que conta smente tres mezes de
vida artstica, prometle muitissmo. (on-
tinu., Sr. Primo; continu. A senda
1|ue trlha immensa: caminbe. tendo f
no futuro .que, fagueiro, Ihe sorri.
O Sr. Tliomaz (Faucel), o sympathico
artista "da nossa platea, como sempre, den
expanso ao seu provado talento, sua re-
conhecda intellgencia. Artistas como o Sr
Tbomaz, nada devem receiar da critica sen-
sata. Eu, em verdade, oceupando-me do
eu te riujanar, matame emu rila. Franois-
co seg.i- urna m'ilber q 11, oeculta n'um
ve 1. se dirige a > astpllo de Grand val.
Ali Aim '<, deaut \ 'de I 'dos, l!ie declara
que amava o conde, que a sua amantes
Francisco nao er na sua desventura e.
apenas se convence da pretendid 1 e suplos-
la trahioo, com a faca que recebera das
propria^ mos de Aime, lbe arranca a
vida !
Jacqices Faucel, genro da Sra. DelmuciUe,
bomem probo e honrado, pronuncia a sfc-t
tenca de sua mulber as seguintss pala-; trabalho do Sr. Thomaz, sinto-me acanba
vras: A um marido engaado t resta j do: astro brilbante, offusca, oscurece todas
maar osfulpadose fazer-se saltai os mi- as vistas. Entretanto, rcagindo energca-
los! Tendo combinad com tirwileal a mente contra a minha fraqueza, procura-
compra dadous cavallos, vai ao sen rastel- re analizar odesempcnbo da parte que lbe
lo, onde", ao Mtirar-se. descobre o vo de foi confiada. Attraho toda a minha atten-
sua mulber. ao irapor ao conde que Ihe : cao as scenas que o Sr. Thomaz sustenten
mostr a mulber. que eslava no castalio, un :t" e 4o actos.
dizendo ser a sua, Aime, rpida como a A entrada de Faucel no castello de Grand -
corea (pie. ferida pelo braco docacador des- val foi magnifica. Qseu aspecto, a sua voz
humano, transpe a distancia que separa coinmovida e trmula, os seus olbares er-
a florida campia do espaco bosque, appa-j ranles, tudo, tudo finga crr que elle sabia
rece :Esse vea,da ella," msu : fu a Sra.: que Hortencia eslava no castello, deshon-
Fiuirl quem m'o imi! Juiz severo e ira- \ raodo-o. Quando doiis homens de bem
placavel, Faucel, solToeando os biados da | realis-, n um negocio, apertam-se as mios.
consciencia de sua mulber, expulsa Aimp\\o proferir esls palavras, Faucel deixoii
da casa de sua sogra e, veado-a mora, per- cahir sobre o rosto paludo de Grawlculxim
nnin'ce inflexifel. olbar terrivel, um olhar capaz de confundir
Eis Fauvel, sobre cuja fronte reflectia a o proprio cynismo. (Juan'lo elle admira a
vergonba de Hortencia. espada, dizendo :Os nossos acs tinham
O conde de Gnandcal, moco libertino, pulsos mais fortes c que Grandcal respon-
concebeu a idea daafazer urna brilNInte con-
quista na pessoa de Hortencia. IA)de-lhe
urna entrevista, que Ihe concedida";mas
Aime, o anjo boin, invocando a miiotia de
sua mi, roga Ihe que desista do seu in-
tento. O filho subjuga o amonte : Grand-
cal jurou a Aime que respeitara a honra
de Na irm. Comprio o seu juramento.
Beauchamp c Marsoy sao dous m'vants.
Cannucke e Julianna... Cu/nuche (mu- \tmro a rend 1 tteste
co da herdade) um pobre rapaz que,
amando Julianna, julga-se infciiz por nao
ser correspondido. Eaprega'todos os es-
forcos para apoderar-se do coraco de Ju-
lia/mi que, a principio, moslra-se indur-
ronte; mas, dominada pelo chime, confessa
de adirmativameiite, elle parece desafial-o,
continuando : Vel-o-hemos amanhaa no
campo f Ignorando Faucel a sua vergo-
nha. essas transires, executadas pelo Sr.
Thomaz, conseguiram dludir os espectado-
res, que, temerosos, aguardavam a sua desaf-
fronta, a sua justa vinganea. Examinando
o veo de Hortencia, que encontrano chao.
Faucel estremece....Uarece-me que reco-
vo, disse tremendo.
Est umi tnalher teste castello Quero
i-pI-h! Essa tnalher ....min!ta Apparecc
Aimr...\o pobre naufrago, lutando desespe-
radamente contra o furor das ondas, surge
urna frgil taboa que a conduz vida, fur-
tando-o morte quasi infallivel. Faucel
o veo
que tambem o ama, queixaudo-so (ue elle, com despreso atura o veo sobre Aime.
se namora com outras raparigas. Julianna, Toda esta scena foi brilhantemente executa-
indicaodo as partes mais elegantes do for- da. No i" Seto, intil dizer, como no
moso todo de Canuucht, pucba-lhe o nariz, 13, o Sr. Thomaz, mais urna vez, provou
obritando-o a maldizer di sa belleza, que, no palco, re. Nunca Uve a satsfa-
Trocam-ae palavras amorosas e Cumiche,
Bue, em vendade, nada tem de parvo, ser-
ojo (le entender-me pessoahnente com o
Sr. Thomaz. e, por isto, as palavras que
vindo-se da permissio que Ihe generosa-, -cali i rain do bico de minha penna, sao sin-
de provocar desgostos e pezares- cima *acb.correa Ptris inteira e.... sfarou
mente concedida, beija a linda maosinha de
Julianna, dizendo :T s a Jnji do tou
* Nunuche! Ambos sao a alegra
do drama...
Bourgogne ___nada. Ory, no drama,
representa um papel insignilicantissimo; na
historia, porm, foi O primeiro liomem que
'autou a Francisco os ineios de viver hon-
radamente.
Fcita esta simples exposico do drama e
conhecido o fado histrico, qualquer intel-
lgencia, por mais acanhada, fcilmente po-
dar notar a grande differenca que ha entre
ambos.
Aime, portento, um drama que, nao
obstante, a morte da protogonista, fatal erro
dramtico e borrivel verdade histrica, me-
receu as Ijbnras da preferencia na inaugu-
racao dos trabalhos da nova companhia.
-
Duas palavras sobre o trabalho artstico.
O artista que encarregou-se da pirte de
Ory-----(Quem seria elle ?i deu o seu
recado muito bem.
O Sr. Santa Rosa na parte de Bourgogne
mereceu que se Ihe airaneasse a in lecente
e immoral cabaUira. No primeiro acto,
quando Aime eslava cantando, o S:\ Santa
llosa entiiiideu que devia fazer espirito, ex-
citando o riso da platea com o seu intem-
pesivo ridicjulo. No segundo acto, entre-
tanto, nao soube pronunciar as palavras
que ouvio ao ponto para quem lancava uns
olhares-to cheios dodefluxo... O Sr.
Santa Rosa prestara um grande seiwico ao
publico, jecolhendo-se aos bastidores ou,
ao menos, baixando qunhentos por canto o
cambio da sua jpcosidade.
O Sr. Jordani (Cannuche) um moco
intelligente e esperancoso. Em todas as
scenas em que tomou parte den vida ao
seu papel, tornando-se muito notave. o seu
trballjo na scena 11" do primeiro acto. A
mandado de Aime vai buscar vinho ade-
ga. Sahe, deixando em scena o sargento e
Aime; ao voltar com o vinho, porm, en-
contrando-se com Francisco, a Sra. Detroit-
ole e soldados, fica estupefacto. Aqui
est o vinho... Oh! A transir5o foi
muito bem feita. A boca que pronunciou
esse oh mereca um bejo dado por Ju-
Fica
do-Ihe sua mi, lbe diz i Bemvqtte naor tanna.
pode fallar. Hortencia hnmima-se aote a A Sra. D. Apolonia (Julianna)..
idea de matar sua mi com a cevelaco da esperada.
sua vergonna: cala-sal Fatal#eoek> que Wo deejando aventurar juzos ttsnora-
a morte de Aime. ecebeadoi Hfei s'8 o esemplo do meu velho .ineslre
suspiro de sua im, Hortencia ainda
fallar... Aime, luanlo heroicamente
garrasda morte, e fcpaudo-lbe a boca
nte. tinha a^B^ncavel
ceras, sao verdadeiras; partmdo do arna-
co do coraco, s'io refractarias baixeza
e ao servilismo.
O Sr. Joaquim Augusto, no papel de Fran-
cisco, de que.se 'encarregou, colimo majs
urna cora de glora para ornar a sua lron-
te altiva. Os seus gestos, a sua voz, tudo
desenhava perfetamente as alegras que
senta Francisco quando sorria, c as angus-
tias que o dilaceravam quando chorava.
Sorria-se ao aportar em seus bracos a lin-
da mulher que amava, ao beijar apaixona-
damente as faces do ser nico que nata
regenerado a pbase mais "terrivel da sua
dolorosa existencia; e chorava, erando na
sua desgraca, julgando exposta miseria o
objecto querido de todo'os seussonhos O
Sr. Joaquim Augusto, elevando-se altura
do genio, manifestou todos os sentimentos
do personagem que representava. No 1"
acto, ao entrar em scena, foi applaudido e
diversos bouquets foram hincados ao pal-
co. As ovaces merecidas engrandecern!
o artista, sem lisongear o bomem. O tra-
balho do Sr. Joaquim Augusto admira-se e
nao se analysa.
A Sra, D. Clelia (moderna etjoucille),
como sempre, agradou.
A Sra. D. Mara Velluti (HnriencHl Fau-
vel), as scenas do 3? e 4o actos, esteve
sublime. Os sarcasmos, dirigidos ao conde
de Grandcal, foram muito bem expessos,
perfetamente explcitos. No momento em
que Fauoel expulsa Aime, a dor de Horten-
nos representada pela Sra. D. M. Velluti,
tornou-se palpavel, evidente, manifesta e
sensivel.
Conolundo, em todas as suas scenas, a
Sra. D. M Velluti dentificou-se com o ty-
po creado pelo auctor do drama.
A Sra. D. Julia Azevedo (Aime-, a pas-
tora d'hrffl...... Ser a mesma D. Julia
lia de que falla o Sr. Dr. Joaquim Xavier
da Silveira as impressoes que ptiblicou no
Sete de Abril ? Nao, nao l A Sra. D. Ju-
Azcvedo, a artista que, a 17 do corrente,
estreou era o nosso tbeatro, di ere muitiss-
mo da D. Julia que, em S. Paulo, em a
noute de JG de abril de 18u, plantou no
coraco da joven poeta impressoes to ar-
dentes, to vivas.
O Sr. Dr. Silveira, nos seus .arroubos,.
separando o corpo da alma, oceupou-se de
um, esquecendo aoutra. Unndo-se a ma-
teria ao espirito, a arga ao balito divino,
dar-se-ba vida a umante que se define per-
fetamente, nao obstante o coraco ser bas-
tant^fioo de sentimentos e aliagua pau^
perruna de expressoes.
J aliando da Sra. I). Julia, nao seguirei u
efasto procedimento do Sr. IK Silveira;
o separare! to grande alma de corpo to
D. Julia, como artista, um genio. Aos
genios nada mpossiwl. Daqui a facili-
dade que tem a Sra. D. Julia em lo.nar-sc
sublime na dor da Yirgm du Uosteiro e
P> nomartyri) da pasU.ra dhrq;
(endiosa em Muri, iuimit ivc-i em Am
N'uma o amor filial que rapan ; a outra
deixa-se dominar pela gralido. Os leos
de sangue mpoeni a Mmia um sagrado
dever: Ainv'e, porm, n lem obrigafo
.1 cuniprir. Jisla sacrifica a sua honra e a
sua vida: aquella s pretende ser punida
pelo crime platicado por seu pai.
Entre Aime e Mara ha a mesma distan-
cia que separa o bomem da eternidade. Re-
presentando Aime, a Sra. D. Julia immor-
talisou-se, eonstituio-.se digna rival de Ra-
cnel.
Em diflerentes scenas, essa grande ar-
tista, consaguio dominar os coraees, v-
irar todas as almas. Na scena 8* do 2o
acto, quando Francisco lbe diz que o con-
de Ihe pedir o proco do seu perdao, ella
responde :O preeo ?! A' palavra acom-
panhou 11111 gesto... gesto de nimba, cons-
eja da sua grandeza. Palavra e gesto ex-
primiram a mais severa censura. Mai>
tarde, na mesma scena, litando os lindos
olhos no amante, com a mais perfeita oatu-
raldade, diz :Qlha bem para mim, para
os nieus oUios! Se algnnuts vezes a boca
mente, os olhos nao podem mentir... Fran-
cisco, eu amo-te A diccao foi maviosa,
voz terna. as scenas 4a e 5* lo 3o acto
o trabalho da Sra. D. Julia esteve magn-
co, surprehendedor, patbetico. Porcada
por Francisco, lirada:Auuhol Cabe
de joolbos sob o peso do enorme sacrificio
... Fauvel, com despreso, alica-lhe o veo.
o veo attingio a Aime, era o symbolo di
marlyrio ; o despreso, porm, reflectioso-
bre Hortencia e, portanto, sobre Fauvel.
No quarto aclo.... Meu-Deus quem po-
der descrever o trabalho da Sra. D. Julia
na scena 0a do 4" acto ? Bast dizer que a
Sra. 1). Julia nessa scena, fez derramar la-
grimas a algumas pessoas que, em xtasi
contemplativo, admravam o seu bello e
syinpathico talento. No 5" acto, scena 4*,
quando Ctmnuclie lbe entrega o dnheiro
que o conde de Grandcal Ihe mandara, ar-
ranca do intimo d'alma a mais nobre des-
affronta: Vui,ai I Leva esse dinheiro a
quem l'o enlregou e dize-llf... orne bem!
e dize-lhe que posso sacrificar a minha lion-
ra ; mas que nao a vendo!
Aime e Francisco ficasa sos... Para Ai-
me, abrem-se as portas da eternidade.
para Francisco, na praca publica. cr^ue-S'1
o cadafalso e para a Sra. I). Julia Azevedo.
representando Aime, franquea-se o cami-
nho da gloria!
Deu fim ao espccttjmjo a espiritosa co-
media n'um acto: O Aoanem nao perfeita.
O Sr. Jos Victorino, e-treando no pa-
pel de Micliou, agradou muitissmo. Como
nao ser assim, se o SivJfctoriiio um ar-
tista intelligente e estudioso0
O Sr. Tbomaz (Boirotj... As risadas de
Boirot cahiram no goto da platea c engas-
gou a muita gente de grvala lavada. Ilou-
ve at quem... Puff!
O Sr. Jordani (Godolphin) foi bem, muito
bem! Ah, pasteleiro de urna flga, quem te
fez4ao casquilho, to peralta? (Casquillio.
Sr. Jordani, o que significa ? Ser desa-
foro?)
A Sra. D. Apofona (Lnr.inhai captivou a
platea : mas eu furtei-me influencia dos
bellos olhos da mulber para melhor apre-
ciar o trabalho do artista. Gostei tanto do
trabalho da Sra. D. Apofona que, ao ve-la
chorar, sent a vagabunda de urna lagrima
dependurar-se-me as palpebras a... disse
de mim pira mim:Se en fosee am / co de salmo 011 um lenco de tabaco que ca-
kist as mos d'aquella lacudeira... Ih!
N'este Vi.' nao ha malicia alguma. Loqua-
cidade nao .. .peccado.
A Sra. I). Mara Velluti (Magdalena*
dea muita vida comedia.


O segundo espectculo leve lugar a 2o
do corrente. Representon-se Aime c O
homem nao i perpmo. No drama, 2o acto,
o Sr. Santa Rosa appareceu mais prasen-
tero, mais juvial. Nao olhou para o pon-
to, honra Ihe seja feita. Desta vez traza
o seu papel na... caixeta que Ihe eslava
pendente do pescoco. No 3o acto, o Sr.
Flaviano Coelho, transformando o cas-
tello de Grandval n'um lupanar immundo.
.... apresentou-se disposto para a pande-
ga, para a orgia. Em 187 j era uso ir
de Pars Ivry com sapatos de entrada bai-
la, meu eart) ? Na comedia. Luizin/ia pe-
dio a Boirot que nao a encommodasse com
as suas risadas quando ella cantasse en-
tretanto, ella mesma rio-se, como se tives-
se visto um macaco verde na platea.
O homem nao ... ah, ah, ab! perfeito '.
O verso ficou mais elegante, mais chistoso
e, por isto, tambem r-me.
Por hoje... Tem sido longa a minha jor-
nada ; estou fatigado.
Au revoir.
2't de feverero.
D.
lMa A eleico presidencial
(Continuaco.)
IV
Ella recommendava o estabelecimento de
urna laxa sobre os ttulos da divida e so-
bre os outros papis pblicos de crdito
monetarios, o que tambem equivala a
urna outra forma de baocarota. Ella re-
clamava urna nica e a mesma raoeda para
o governo e para o povo, para o trabaja-
dor e para o funecionaro, para o produc-
tor e para o rendista do estado. fiUa, fi-
nalmente aconselhava a eeonomif,- a re-
presso das fraudes e a forma dos abusos.
Urna resotec5o de outro genero pwmettia
a energa proteec5o dos demcratas a lodos
os naturalizados, lisonja de eostutna, ende-
rezada -ande assoetacao feniana, e des-
tinada, assim como a svmpalka da conven-
cao republicana, a eagodar 09 vates dos
boas eleitores irlandeses. Essa era ama
quesSo, em que ambos es partidos estavam
de-accorda.
m
(Omamm-JDt-ka.)
ftf. IK> blA*l-*l I>i8 CRI3ZE8 n. N

,1
p
\
*****


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEKTVQYLP_FRVLRN INGEST_TIME 2013-09-14T04:03:48Z PACKAGE AA00011611_11778
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES