Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11776


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUMERO 44.

.



*
PARA A CAPITAL LUGARES QW)E NAO SE PAGA POETE.
Por tra mezes adiantados..............* 60000
Por aeis ditos dem.................... 120000
Por-un anuo idem.................... 24,5000
Cda numero vulso................... 0320
DIARIO DE
QUINTA FEIRA 25 DE FEVEREIRO DE 1869.
6*JS
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA.
Por trt;s mezes adiantados...............
Por sers ditos idem................ .
Por nove ditos idem *................
Por un anno...................
NAMBUCO.
Propriedade de Manoel Figueiria de Faria & Filhos.
__________________________:------------------------------i---------------------------------------------
^
S.iO ACKXT^S:
Os Sis. erardo Antonio Alves & Filhos, no Para; Goncalves 4 Pinto, no Maranhao; Joaqoim Jos de Oliveira, no Cear; Antonio deLnos Braga, no Aracaty; Joo Mara Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal
Guimaraes Pancada, em Mamanguape; Antonio Alexandritio de Lima, na Parahyba; Antonio-Jos (omes, na Viila da Perda; lieiarmino dos Santos Bulcao, em Santo AntSo; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth; Francino Tavares.tla Cssta, em Alagas: Dr. Jos Martins Alves, na Baha; e Jos Ribeiro Gaspartnho, no Rio de Janeiro.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------W---------------------------!-----r'fl "- I. -
Antonio Joaquim
PARTE OFFICIAL.
Rio de Janeiro, 13 de fevereiro de 1869. Illm.
E xni. Sr. Em ofilci n. 44 de 30 de novembro
do anno Ando, expde V. Exc. que tendo sido no-
meado supplente do jiiiz municipal o Dr Newton
Cesar Rurlainaque, engenheiro das obras provm-
ciaes e enearregado de outros trabalhs |>eIo mi-
nisterio dos negocios da agricultura, commercio e
obras publcas, parece-llie inconveniente ao servico
publico.a accumulaeao do excrcicio das respecti-
vas func^oes, vertlcando-se neste caso a terceira
hypotbefe do aviso n. 89 de 4 de junho de 18i7.
E Sua Magestade o Imperador, a quem foi pre-
sente o dito ofeio, bou ve por bem mandar de-
elalhr a V. Exc, que entre os dous cargos existe
ineohipatiblidade para impedir a nomcaeo e nao
para cassal-a estando j (cita; e que, comquanto
o exercicio de outro emprego, sendo supplente e
nao juiz effectivo o engenheiro de que trata V.
Exc, e existindo outros supplentes, que servem
durante o sen impedimento, a admiiiistracao da
2 com o referido decreto, joetica nao soto detrimento tao grande que exija
a noraearao de outro.
Deus guarde a V. Exc. Jos Martiniano de
Alencar. Sr. presidente da provincia do Piauliy.
Ministerio do Imperio.
AVISOS
Rio de Janeiro, 8 de fevereiro de 1869.Illm.
e Exm. Si\Tenho presente o officio n. 80 do inez
de dezembro do anno pausado, no qual V. Exc traz
ao conhecimento deste ministerio a representacao
em que a Santa Casa da Misericordia da cidade de
Pelotas pede a rcvogariio do decreto de 5 do agos-
to do mesmo anno, que coneedeu permissao a ir-
muidade de Nos* Senhora da Roa Morte e As-
suinpQo, erecta na matriz de S. Francisco de Paula
da dita cidade, para compra de um terreno, no
qiial pretenda estalieleeer cemiterio: e expondo o
que acerca da creaeS> de cemiterios pblicos as
ridades de Porto Alegre, Rio Grande e Pelotas,
determinan! as leis provineiacs, conclue que ulga
no easo de ser alterada aquella repn sentacan.
Declaro, em resposta a V. Exc, que o mencio-
nado decreto limiton-so a outorgar a licenca exi-
gida pelo de 20 de agosto de 1864, n. 1225, para
as coruorace* de mi inorta poderein adquenr
beus de r.iiz: nao sgnilica a neressidade, nem im-
porta o recoiilieeiMienlo da conveniencia de esta-
r-so o cemitefio. Devendo a innandade para
levar a effeito seu designio; cumprir todas as dis*
|i .sicojs relativas ai) ubjeeto que tinha em vista
ama dallas ficou satisfeila cor
d.- 'i de Agosto; as autoridades competentes incum'
be fazor obsenar as deuais na espbera de suas at
tribuiefles.
Deus guarde a V. ExcPaulino Jos Mitres ar
S'>K3.-*Sr. presidente da provincia de S. Pedro.
Rio de Janeiro, 8 de fevereiro de 1869.Illm.
e Exm. Sr.Coiiimuiiirnu V. Exc. em ofleiode 21
de outubro -ultimo, ter tomado a deliberacao de
approvar a eleirio a qu se procedeu, em setem-
bro, para vereadores e juizes de paz na freguezia
de S. Francisco Xavier, no municipio de Monean,
- !. a paesMenria do juiz de paz mais votado, an-
nullando a que se fez ao mesmo tempo e foi pre-
sidida pelo 2" juiz de paz.
Em resposta declaro a V. Exc. que o governo
imperial sustenta o acto de V. Exc, visto que na
prlmaira das referidas eteicoes foram observados,
i os preceitos tegae< e na segunda deram-se
as irregularidades :-l* de presidil-a incompeten-
temente o 2o iuiz de paz, e.-tando o 1- presente e
em exercicio de suas aUrrouiroca eleitoraes ; z* de
I, fota em casa particular, estando designad*
para o acto a casa da cmara municipal, onde a
i" cieico se realiso i. ,
Deus guarde a V. fixC-r#M/*w Jos Soaresae
S ;(J.Sr. presi 1 te da provincia do Marauhao.
Rio de Janeiro. 8 do fevereiro de 1869.Illm.
eEtiu. Sr.Communieoj V. Exc em resposta a
sea ollicio de 3 de novembro ultimo, que o g.>
venid imperial approva o acto pelo qual V. Bac
,i ; .rou val la a eleirio, a que se proceden, em
seteinbro, para verendores e juizes de paz, na ijjre-
ia matriz da freguezia de San'Anua de Rnnty,
, presidencia do 3 jul* de paz da freguezia
j \ ,-a Sciihara da C mceieai d;> Brcjo, distncto
mais visinho, e nulia a que se fez na mesma occa-
m urna casa particular. *hdo presidida ate
o dia 8 pelo 1" juiz de paz do astricto da Matnz,
c posteriormente pelo terceiro; visto que, como
consta das respectivas actas :
!\ primeira das referidas eleico.'s, cojo pro-
cesa i carrea e mi regularidade, foi competentemen-
te presidida pelo 3- juiz de paz d> distncto mais
\ ;,i,ia.....i rasa i e aiu lrejn comparecido os do
districto da Matriz, nom os dous mais votados
da uellc .... i
_A circumstancia de ter sido Teita a segunua
pmi casa particular contra o preceitodos arts. 4o e
o., ,1a k-i n. 3H7 de 19 de aftosto de 18^,scmpro-
var-.o a verdade do motivo, trae se allegou, de
neiaa praticadas na igreja matriz, e raaaei de
iiullidade segundo a doutrina das avisos ns. .18 de
8 de marco, S ^'l de -' Je,aln11' %3 S1IJ:
de 18'."; 166 de 81 de junho de 18t9, 229
de 2S da inaio de 1860 e outros.
)"is guarda a V. Exc^Z'.iHfoto .fose vomrue
Son-a.-!*, presidente .la provincia doMarapnao.
da presidencia, recommendo a V. Exc. a estricta
observancia desta furmalidade, sem a qual nao
deve tolerar o governo provincial, que permaneca
no exercicio empregado algum sujeito a esse mi-
nisterio, nem consentir que llie sejam pagos os res-
pectivos vencimentos.
Deus guarde a V. Exc.Jos Marliniano de
Alencar. Sr. presidente da provincia do Rio de
Janeiro.
Miuisterlo da justiea.
AVI- -
Rio de Janeiro. 13 de fevereiro de 1869. Illm.
e Exm. Sr. Em officio n. 38 de 9 de mareo de
1 'i;r. coinmunieou o antecessor de V. Exc. a este
ministerio que, participando-llie o juiz municipal
(t i ti uno do mar de Hespanha. bacharel Joao Ro-
inete Carneiro de Mendonea, baver entrado no
gozo de urna licenpa, concedida pelo governo im-
perial em 4 do referido mez, recusara consideral-o
licenciado por nao ter sido apresentada a respec-
tiva portarla ao eumpra-se dessa presidencia,
.mbora aquelle juiz afllrmasse ter sido expedida.
Ein resposta declaro a V. Exc. que bem procedeu
ndo, como clausula esseucial para a execu-
de taes actos, 0 cumpra-se dessa presi-
oeocia ,
Deus guarde a V. Exc. Jos Mirtin*aio de
Alcnrur. Sr. presidente da provincia de Minas
Ger
Rio de Janeiro. |! de fevereiro de 1869.-Illm.
Sr. Em ollicio de 24 de dezembro ulti-
mo, submetteii V. K.xc. consideracao do governo
i,I a consulta q'ie llie dirigir o delegado de
polica dotermo de Pirahy, bacharel Eugenio Au-
gusto de Carvalho Menezes se podia continuar
;i patrocinar nao s alguma*ausas erimes, de
(iue j se acuava eneaicegado, antes de ser no-
!o, como as de eus amigos, que fossem pro-
Ios eriminalniente, ao que V. Exc respon-
deu que, sendo-lbe livre o exercicio da advogacia
n termo, nao poda cornudo esse exercicio dei.xar
Ifrer a re triccao deteruuada pelas funci;oes
rgo policial, nao llie sendo licito portanto,
salvo nascaasas em^ae j fosse advogado, en-
carregar-se da defesa de reos, cujo patrocinio nao
; .brigada a tomar. E S. M. o Imperador, a quem
t i prsenla o citado officio de V. Ejtc, manda de-
ir qulem resolven V. Exc a duvida proposta
petei legado,poniuanto prohibindoexpres-
samenMoes juizes municipaes os avisos n. 621 de S
de dezembro de 18:!7 e n. 62 de 28 de agosto de
lx'io icio simultaneo da advogacia; probi-
bicio ampliada ltimamente pelo aviso n. 87 de
26 de tevereiro de 18(>7 aos supplentes dos ditos
juizes, e dndose a respeto dos delegados de po-
licnt no fr. criminal asnoesmas razoes que deter-
minaram aquella prohibtglo, nao pode estadeixr
de Ihes ser extensiva.
Deus guarde a V. Exc. Jos Martiniano de
Alencar. Sr. cousellieiro presidente da provin-
cia do Rio de Janeiro.
Rio de Janeiro, 13 de fevereiro de. 1869. Illm.
c Exm. Sr. Acensando recebimento do officio
de 13 de Janeiro ultimo, com o qual remetteu.T.
Exc. urna relacao dos juizes de direito e munici-
paes da provincia, que niio apresentaram ao cum-
pra-se dessa presidencia as suas cartas de nomea-
cao. cabe-me declarar a V. Exc, que, em virtude
do aviso circular de 13 de Janeiro passado, devem
iispensos toto os empregados sujeitos a esge
ministerio que esiivorem servindo sem titulo, fl-
caoda ao prudente arbitrio de V. Exc o me* de
verificar o facto. Resultando, porm, da mesma
relacao o eonheeimento do abuso de enlrarem
nimios empregado no exereicio dos cargos sepi
Cioverao da proviaeia
KXPKDIENTE ASSIGNADO PBLO EXM. SK. CONDE DE B.VE-
PBNDV, PBESIDENTB DA PROVINCIA, EM 16 DE FE
VEKEIRO DE 1869.
3* seccao.
N. 433 =Portaria ao inspector dathesourarirde
fazenda.Recommendo V. -S. (pie, em vista dos
prets juntos cm duplicata, que me remetteu o bri-
gadeiro commandante das armas com oflicios de
hoje, sob ns. 98 e 99, sejam liquidados e pagos os
vencimentos relativos primeira quinzena deste
mez das praeas euiprogaiis no deposito de reefu-
tas, c aos prisioneiros de guerra paraguayos.
N. 436.Dita ao mesmo.Declarla V. S., em
resposta ao seu olficio de boiiteui n. 87 e para os
lins convenientes, que acabo de aulorisar o ins-
pector da alfaodega desta capital a mandar por em
arfemalaeo os medicamentos de que trata o cita-
do ollicio, fazeudo recolher ao cofre dessa thesou-
raria o producto liquido de tal arremalacao.
N. 137.Dita ao mesmo.Nao se tendo effec-
tuailo a compra da machina de doscaroear algo-
do pelo systenia de navalhas, requisitada pelo
commandante do presidio de Fernando e autorisa-
da por-esta presidencia desde 30 do novembro de
1867, nao obstante os repetidos annuncios para
esse fim publicados, autorisei o director do arsenal
doguerr a compra-la, apresentan lo a contapara
ser satisfeita a sua importancia : o que V. S.
communiro para seu conhecimento e lins conve-
nientes.
N. 138. Dita ao mesmo.Remeti V. S. para
seu conhecimento copia do aviso expedido pelo mi-
nisterio da agricultura, commercio e obras publi-,
.i en 30 do Janeiro prximo lindo, pelo qual foi
deferida a representacao que a companhia da es-
trada de ferro dirigi ao governo imperial etn 20. de
fevereiro do anuo passado contra a excluso feila
pelos coramissarios do mesmo governo das despezas
com a remessa da renda liquida da mesma estrada
para a sde da companhia cm Londres,- excluso
que bavia sido approvada por aviso daquelle mi-
nisterio de 13 de junho de<4867.
N. 439Aviso a que se refere a portara supra.
N. 4.-3' seecao.Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios da agricultura, commercio e obras pu-
blicas, em 30 de Janeiro de I869.=lllm. e Exm.
Sr.Kepresentou a companhia da estrada de ferro
do Recite, em data de 20 de fevereiro do anno pas-
sado contra a excluso feita pelos coinmissarios
do governo, das despezas com a remessa da renda
liquida da mesma estrada para a sede da compa-
nhia em Londres, excluso que foi approvada pelo
aviso deste. ministerio de 13 de junho de 1867.
Deprehendeiido, porm. do contrato celebrado com
esta empreza, que o juro garantido pelo estado
deve ser pago na mesma moeda de capital nella
empregado, o que se nao dar desde que a despe-
ta com a remessa da dita renda recalar so-
bre a companhia, sendo certo que, a prevalecer
semelliante doutrina, a empreza tirara mais van-
tagem cm realisar urna renda bruta sufllciente ape-
nas para as despezas do custeio, do que em obter
renda liquida que nao fr superior a 7 por ccnlo
do capital empregado, o que seria contrario aos
interesses do commercio da lavoura e do thesonro
nacional, tenho deliberado, deferindo a preten^ao
da companhia, ordenar que qialquer prejuizo ou
lucro resultante da dilferenca de cambios etn rela-
cao ao cambio pela remessa de fundos da provin-
cia para Londres feit pela companhia. seja inclui-
do as contas de reccita e despeza da mesma estra-
da. E porque possa acontecer que a companhia
em algumas pocas auferisse vantagens da dille-
renca de cambios na remessa de sua renda liqui-
da para Londres, esta medida ter lugar smente
d'ora em diante, ficando ludo quanto se refere a
atrasado subordinado ao mesmo principio, mas
dependente do exame e liqnidacao das contas qae
nesta data mando proceder ein Londres pelo ins-
pector das estradas de ferro subvencionadas que
all se acba.Deus guarde V. Em.Joaquim
Anlao Fernandos Leao.-, presidente da provin-
cia de Pernambuco. Culfra-so. PalaoijMlo go-
verno de Pernambuco, cm 13 de fevereirolfe 1869.
C de Baepenih/.
N. 440.Portara ao inspector da thesouraria
provincial.Fico inteirado pelo seu ofeio de 13
do corrento, sob n. 71, de haver V. S. dado despa-
cho para pagamento da dspeza feita ein dezembro
do anno prximo passado, com o sustento dos pre-
sos pubres da cadeia do termo do Orejo com o aba-
te da quanua de 1*400 correspondente ao preso
escravo Pedro Feliciano.
N. 441.Dita ao mesmo.Mande V. S. liquidar
em vista da relacao e codtas juntas, a despeza fei-
ta, durante os mezes de outubro a dezembro do
anno proxioio passado, com o sustento dos presos
pobres da cadeia do termo de S. Rento, e pagar a
sua importancia a Antonio Alves de Oliveira, con-
forme solieitou o chele de polica m officio de
hontem, sob n. I4.
N. 442.Dita ao inspector da alia ndega.Em
resposta ao seu officio de 19 do corrente, sob _n.
104, tenho a dizer que mande por em arrematado
os medicamentos, que depois de acabada a epide-
mia do cbolera-morbus, eejlincta a junta de hy-
giene publica em 1856, foram depositados nessa re-
particao, fazendo recolher ao.cofre da tkceouraria
de fazenda conforme indica V. S. no sen citado olfl-
cio, o producto liquido de tal arre.natacao.
4." seecao.
i. 447-r-Gfiicio ao presidente da provincia do
P*r.Nesta data expeco as convenientes orden?
ao inspector do- arsenal de marinba e ao capitao
do porto desta capital, para dar a necessaria pu-
blieidade ao edital qiie V. Exc. me remetteu com o
seu officio de 8 do corren te.
N. 448.=Portaria ao administrador do correio.
bre isto a attencao de V. S.,>jMeoniinendando-lhe
a expedicas de providencias pita que par elle se-
jam curapridos os seus doveres, sob pena de res-
ponsabilidade.
N. 449.Dita ao superintendente da estrada de
ferso do Recife a S. Francisco. Remeti ao Sr. su-
perintendente da estrada de ferro do Recife, para
seu conhecimento, copia do aviso expedid) pulo
ministerio da agricultura, commercio e obras pu-
blicas, em 30 de Janeiro prximo liado, pelo qual
foi deferida a representacvi dirigida ao governo im-
perial pela companhia da me-ma estrada em 20 de
fevereiro do anno passado, contra a excluso feita
pelos commissarios do mesmo governo das despezas
com a remessa da ronda liquida da referida estra-
da para a sede da companhia qpi Londres, exclu-
so approvada por aviso d'a jiiefle miuistap) de 13
de jnn o de 1867.
N. 430.Dita ao engenheiro fiscal da esfradade
ferroRemello a Vine para seu conhecimento e
execueo, copia do aviso expedid.) pelo ministerio
da agricultura, commercio e obras publicas, em 30
de Janeiro prximo [indo, lelo qual foi deferido a
representacao que ao gov>;rno imperial dirigi a
companhia da estrada de ferro, em 20 de fevereiro
do anno passado, contra a excluso feita pelos com-
missarios do mesmo governo das despezas coin a
remessa da renda liquida da mesma estrada para
a sede da companhia em Londres, excluso ap-
provada por aviso d*aquo!le ministerio de 13 de ju-
nho de 1867.
N. 431. Dita a cmara municipal da villa de
Ouricurv. Accusando reeebido o ofeio que me
dirigi ein 11 de Janeiro prximo lindo, a cmara
municipal da villa de Ouricurv, do quadnennio
lindo, tonho a dizer que em tempo esta presiden-
cia tomar em consideracao oque essa cmara re-
ferio no citado officio acerca do prazo para a con-
vocacao dos eleitores, suppientes o votantes para
a nova eleiejo de vereadores e juizes de paz.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PEIiO SR. DR. JOAOJJIM 0111111!.*
DE ARAUJO, SECRETARIO DO COVEllND, EM 16 M tt-
VEREIRO DE 1869.
Ia seecao.
>'. 432.Officio ao Exm. general commandante
das armas.De ordem de S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, declara a V. Exc. em rwpMtMO
seu olcio de 3 do corrente sob n. 66, que lea
expedida a conveniente ordeno ao coinu.andante
superior interino da guarda nacional deste muni-
cipio, para providenciar acerca da substiluirao do
soldado do primeiro batalho de infantaca Joa >
Fernandes da Qfuz, que 9e acba imposibilitado
de continuar no destacamento do presidio de Fer-
nando, eoap consta do termo de inspeccio
veio annexo ao seu citado otcio.
N. 433. Dito ao presidente da com.nissao de
tyndK-ancia do arsenal' de guerra.De ordem de
S. Exc o^r. presidente da provincia, declaro a
existente o
ciona a
informag
um passado
Aviso
H) de leste do edificio, em que func-
alfan lega, e de que trata a sua
1931 de 5 de agosto do anno proxi-
V. Exc. em resposta ao seu ollicio do 13 do cor-
rete, que tica expedida a conveniente orden ao
Dr. jui de direito da orinieira vara desta cidade,
para que o escrivo respectivo d ao membro des-
sa eominissjto.bacharel Olympio Marques da Silva,
as Cjurjidoes das pegas que llie forem aponiadas
nos processos de responsablidade instaurad > ean-
tra diversos empregados do arsenal de guana no
anno de 1863 em diante.
2' seecao.
X. 43'. Officio aochefe de polieiiu O Exm.
Sr. presidente da provincia, uiaiula declarar a V.
5. cm resposU a seu ofeio de hontem sob h. 22,
que a thesouraria provincial teai ordem para pa-
gar a Antoni* Alves de Oliveira a quantia do 304,
coiuiaie do citado ofeio.
X. 433. Dito ao juiz municipal da primeira
vara desta cidade.De ordem do Exm. Si. presi-
dente da provincia transmiti a V. S. a guia in-
clusa do preto Isidoro, que pelo juiz niuu
Seriiiliom foi remettida em virtude da reqilKcao
ile V. S. em officio de 9 de dezembro ultimo, que
flea assini respondido.
N. 436. Dito ao inspector da thesouraria de
fazenda. S. Exc. d Sr. presidente da provincia
manda transmittr a V. S. despachado, o requeri-
niento de Jos de Amorui Lima, a que se rclcre a
sua informac'io de 13 do corrento sob n. t"!.
N. 437.Dito ao mesmo.S. Exc o Sr. presi-
dente da provincia manda transmitlir a V. S. as 7
inclusas ordens, sendo 4 do tribunal do tliesouro
nacional sob ns, 13 e 17 a 19 urna do miisterti
da guerra datada de 3 do corrente, e duas em du-
plcala da reparlcao do ajudante general as. 660
e 661, bem como dous officos da directora geral
das rendas publicas do Io e 3 taubem do cor-
rente.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PEI.O EXM. Sil. CONDE DEB*
PENDV, PRESIDENTE DA PROVINCIA, NO DIA 17 ?E
FEVEREIRO DE 1869.
Ia seccao.
N. 438. Portara ao "Exm. general comman-
dante das armas. Com a inclusa copia do ollicio
do Dr. e-befe de polica datado de 16 do corrente
sob n. 228, respondo ao que V. Exc. me dirigi
em 11 deste mez sob n. 89, acerca do destino que
tiveram 70s remitas Camillo Jos d'ofiveira, 6
Jos Mauricio dos Santos, os quaes acbando-se
com praca no deposito, tinhain sido postos a dis-
posicao daautoridadc policial alim de seren com-
petentemente processauV.
N. 439. Dita ao director do arsenal de gner1
ra. Pode V. S. mandar eliminar da companhia
de aprendizes desse arsenal e entregara seus pais.
ou pe-soas que tenhain direito a elles os mtBoree
Zelirino Joo Raptista, Joiio Thoinaz da Rosa, Ma-
noel Salvino de S. Anna, Jesuino Auguso Randei-
ra de Mello, e Antonio Gomes da Luz. visto que
foram julgados Inoapaies do servico militar como
V. S. declarou em seu officio de 6 do corrente sob
n. 31.
2' seccao.
N. 460. Portara ao Dr. ebefe de polica.
Inteirado de quanto V. S. participa em sen officio
n. 229 do 16 do corrente, tenho a dzer-lhe, que
exija declaracao do nome do individuo que foi as-
sassinado no termo de Nazareth, e os dos autores
do delicio, declarando so estes estao o niio ijre-
sos.*
N. 461. Dita ao juiz municipal de Garanhuns
Segundo informacao do juiz de direito dessa
comarca e do delegado desse termo, nao tem
damento a represenlacao por esse>1uizo feita
tra o alferes do corpo de polica Joao Pires Fer
reir, nao sendo exatos os tactos narrados em of-
ficio de 17 de outubro ultimo
N. 462. Dita ao commandante do corpo
visorio de polica. Pdo Vine, alistar o corpo
sob seu commando aos paisanos Joao Rento Gui-
lherme de Assis, Manoel Ferreira da Paixao, Luiz
Francisco das Cnagas, c Thomaz d'Aquino Lopes.
havendo vagas, e tendo elles a necessaria norali-
dade, ficando assim respondido o seu Officio n. 29
Ai 15 do corrente.
3 seecao.
N. 464.Portara ao inspector da thesouraria de
fazenda.Expeca V.S. suas ordens, para que, em
vista da folha, relacao nominal e prct, juntos cm
duplicata, que me remetteo a commandante supe-
rior da comarca de Olinda com officio de 14 do
corrente, sejam liquidados e pagos os vencimentos
dos oflciaes e praeas da guarda, nacional diistaca-
das na fortaleza do Brum e Buraco, sendo es de*
offtelaes relativos ao mez de Janeiro ultimo, e os
das praeas a segunda quizena do mesmo noz.
X. 46o. Dita ao mesmo. Declaro a V._S.
ue se refere a portara supra.
iisfario dos necrpios ^ fua^nda
Ra de Janeiro 50 de'janeiro de t8f!9.Illm. e Exm.
Sr.Em resposta ao officio de V. Exc. de 7 de
agosto do anno passado.acompanhando o do inspec-
tor da^lfandega dessa provincia, com o respectivo
orcameuto, solicitando providencias para i|iin#ja
coberto o cano que existe ao lado de leste nofldi-
ficio em que trabalha aquella reparticao, d claro a
V. Exc. que, a vista do dsposto no % i. do \rt. 66
da le do i. di outubro So 182i, deve a dpeza
com semelhanteobra correr por coma da cmara
municipal dessa capital.
Deus guarde a V. ExcVizconde de llab.irahij.
A S. Exc. o Sr. presidente da proviacia d: Per-
nambuco.
Cumpra-se e coinmunique-se.Palacio do go-^
verno de Peruambuco, 13 de fevereiro de 1869.
Conde de Bnependij.
X. 466.Dita ao mesmi.Por aviso do minis-
terio da fazonda datado de 6 do corrente, e cons-
tante da inclusa copia, foi aiprovada a deliberacao
que omei de aulorisar V. S. a aeeeitar o offeieci-
mento que fez o bario do Livrainento para ejecu-
tar por amoratada a construcciio da casa destina-
da a guarda-moria da alfandega desta capital. O
que em addtameuto ao meu ofeio de 12 de Janei-
ro ultimo, Ihe declaro para sen conheciuiento e alim
de que recommende a-esse empreiter, que faca a
obra, segundo o plano j appropdo, e com as al-
teracoes indicadas na ordem d i thesonro nacional
n. 183 de 29 de outubro do auna prximo pasea-
do, das quaes se far exoreasa mencao no respec-
tive contrato.
Aviso a que se refere a portara supra.
%' seecao.Muisterir dos negocios da fazenda.
Ro de'janeiro 6 de fevereiro de 1869.Illm. e
Exm. SrParticipando-me V. Exc cm seu ollicio
* 12 de Janeiro prxima passado, que, em vrtule
do exposto a essa presidencia peto inspector da
thesouraria de fazenda d'ess. provincia, anterisra
o dito iaspector a aeeeitar o pnerecimeolo qtie fez
o bario th i.ivramento para exerutar por emplei-
ta la a construcci) da casa, destinada a guaida-
m ira da respectiva alfandega, me liante as condi-
coes constantfS da nota, transiiiiltida ao tbesouro
com o sen citado oflicioe a quantia de 14:28'*793,
vo'ada para esse fim pela ordem n. 183 de 27 de
outubro do anuo prximamente lindo ; declaro a
V. Exc. que appr ivo este sen acto, recomme dan-
(pie^do, porm a V. K.xc. que faca cumprir literalmen-
te a referida ordem
Deus guarde a V. Ese.Viscomle de Baboraay.
A. S. Exc. o Sr. presidente la provincia de Per-
nambuco.
Archive-scPalacio do governo de Pernambuco
13 de fevereiro de 18.-*oimc de Barpendy.
X. 467.Dita a i mesmo. A vista do que V. S.
epre-cntou em ollicio n. 90 datado de hontem, am-
niiinico-lhe que nom* Antero Augusto l'elxoto
Je Aleaj, pan exerc-r intei i mente o lugaj-
vago d^alfjlBwiressathesii:irai-i.\, ate que o go-
verno imperial neolva -"obre o preenchimento ef-
l'ectivo desse emprego.
N. 463TDita ao mesmo.Em vista do incluso
documento, matada V. S. pagar a Sebastiao Lpez
Guimaraes, a quantia de 120.1000, qu se Ihe esta
a dever p haver feito d.scarregar para bordo do
vapor nacional Guapote cen toneladas de carvio
de podra cm 28 de agosto do anno prximo pas-
sado, como se v do mencionado documento.
X. 469.Dita ao inspector da thesouraria pro
manda declarar que a thesouraria provincial tem
oriem para pagar ao delegado do termo, do Li-
mociro, ou pessoa por elle autorisada, a quantia
de 9500, constante de seu citado ofeio.
X. 479.Dito r.o commandante superior de Olin-
da.S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda
declarar a V. S., que transmittio s thesourarias
geral e provincial, para os lins convenientes, as
folhas, relajees nominaes e prets, que em duplica-
ta vieram annexos ao seu oflcio de 14 do corren-
te, o qual lea assim respondido.
X. 480.Ofeio ao chefe da, reparticao das obras
publicas.O Exm. Sr. presidnic da provincia ac
ba de aulorisar o inspector da thesouraria provin-
cial a mandar adiantar ao tliesoureiro dessa repar-
ticao ns dous contos de ris constantes de seu offi-
cio de hontem, sob n. 60, o qual fica assiiu respon-
dido.
4* seccao.
X.481. -Otcio ao director geral da nstrucco
publica.S. Exc o Sr. presidente da provincia,
tendo por deliberacao desta data e em vista do seu
olcio de 12 do corrento sob n. 27, resolvido con-
ceder a exoneracao que pedio o Dr. Jos Bernardo
Ualvao Aleoforado Jnior do cargo de delegado
literario da freguezia do Poco da Panella ; assim
o manda commnnioar V. S. para seu conheci-
mento.
Horenno Jos Cavalcante de Albuqnerque.
aebaaiiao Jos de Araujo.
Jos Tlwodoro Pereira.
Francisco de Salles Thenorio.
Aiuoiimi Junijuim ,i.i i'a)siu.
VrtmnrM de Benerides Muniz FalciW
Alexandre F. de Magalhaes Bastos.
lose de Renevides e Albuquerque.
Manuel Jos de Albuquerque.
Joao do Reg Mariel.
Thomaz de Arauj! Albuquerque
Rento Moreira de Albuquerque.
Leonardo Bezerra de Albuquerque
Joao Jaime Martins Chaves.
Joao Baptista Reg Macicl.
Ralduino Baptista de Aguar.
Britoraldo da Silva e AJbuqueniue
Manoel Rodrigues Franca.
Antonio Jos VTeira da Cuuha.
Izidro Cavalcante de Albuquerque.
Jos Amancio de Lima.
n n Eleitores para deputados.
Con.go Pedro MarmlioFalcao.
Francisco Alves Cavalcante Camboim
Caetano de Oliveira Mello.
Francisco Berenguer Cesar de Andrade.
Manoel Claudio Bezerra de Menezes
Jos do liego Cfluto Maciel.
Joao do Ri;go Maciel.
GermiMiano do Reg Maciel.
1 Joao Marinho Falcao.
X. 482.Dita ao gerente da companhia Per-
uanibucana.S. Exc o Sr. presidente da provin-
cia manda aecusr recebidos com o officio de V. S.
de 15 do corrente os exemplares do relatorio e ba- ] Jos Alves Marinho Falcao.
lance da companhia Pernambucaua relativos ao: Thomaz de Araujo e Albuquerque
anno prximo lindo, bem como o mappa das dis-1 Jos Antonio Pereira.
tandas om millias nuticas que percorrem os vapo- Exauoisee das Qbagaf Pereira.
res da mesma companhia. Francisco de Oliveira Mello.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 23 DE FEVEREIRO H'fat.'- f\ B^1- 0.,
DE 1869 "ulrno nem.'trio da Paixao e Silva.
Antonio Gomes dos Santos.' -Estodadas as cor.- S'gJSi" 9^-
venieutes providencias para que se conclua quan- u._ ', ,,,,',,- N,'":a-
lo ames o proeeaso do sunplb-ante. "2 .^'' "s. ftMfa-. ?
Aniceto Elias Soares de MelloInforme a ca- '^r' J ^ ]^'i Ifreira Luis.
. mn..nal Ai ni.ln.l rto VUtll {"l* 10De MliniZ.

mar municipal da cidade da Victoria.
Aba.xo ata
Poco da Pan(
desta cidade.
Abaixo assgnado proprietario e moradores do 1'\,l'1 l!l'f" -Maciel Jnior.
r-. m-miPinTl J'o Pita Alves Maciel.
Poco da Panella.Informe a cmara municipal
viiicial.-^Rec.imnendoaV. S. que, om vista da in-
clu a eMRa, mande pagar ao delegado dotenno/o
de Lmoeiro, ou a pessoa por elle autorisada, eonror-
me soMRou o chele de p .liria, em ollicio de hon-
tem, sob n. 230. a quantia de 93500, despendida
com o roserto de un arrombamtnto feit i na ca-
deia ilain-lla vilfal.
X. 470. -Dita ao mesmoMande V. S. liquidar
pagar, em vista da folha, relacao nominal e pret,
junio ein duplicata, que me remetteu o eonunan-
querque
igo-
Tendo o delegado de polica do termo de S. Bea%aMa)Pl conhecimento, e a fim de que o faca
to, em nfrtf y ^ |ji^ig fnn -pprnggnndn j fvf eSBHr ao inspector da alfandega desta f^^H
presiden-.a sobrajStj^aupncao que emprega que em vista do dsposto no avisp junio por eopia
na expedicao da, corr\spopd|Sia o ajudante do expodido peto mipsterio de fazenda en> 30 de ja-
agente do corrtio d*aquella tHI, na ausencia do ueiro ultimo, acabo de rocomraeodar a uara
apresenurem o titulo de nomea?ao ao Cumpra-te I agente Luiz Antonio de Alroeida Costa, chamo so-
municipal do Recite., que mande cubrir o ano
liante superior da romaica de Olinda, com olcio de
14 do corrente, os vencimentos do ollicial e praeas
da guarda nacional, destacadas n'aquella cidade,
sendo os do oleal relativos ao mez de Janeiro ul
timo, e os das [iracas a segunda quinzena de mes-
ni i mez.
N. 471.Dita ao mesmo.Anniundoao que so-
lieiou o chele da rcp.irlicio das obras publica-; em
officio de hontem, sob n. 60, recommendo a V. S.
que mande adiantar ao thesoureiro daquclla repar-
ticao mais 2:0005000, para continuar a oecorrer
as despesas com os reparos das pontes e estradas
arruinadas com a ultima endiente do rio Capiba-
ribe, visto j adiarse esgolado o l:000iOW), que
para o mesmo fim adiantou essa thcsourarii.
N. 472.Dita ao mesmoDeclaro a V. 9. para
seu conhecimento e devidns effeitos, que o chefe da
repariicao das obras publicas partcipou me em
officio de Iwiilem, *ob n. 61, haver mandado la-
vrar, em cumprimento da delibra^io docta presi-
dencia de 14 de novembro ultimo, o termo de re-
ce!.ment provisorio da obra do 16- lance da es-
trada do sal. de que arrematante Joaqi im Ma-
noel da Costa, e passar o respectivo fortificado,
deduziudo-se da importancia deste o valor da pon-
te para ser pago quando cstiver concluida.
N. 473.Dita ao chefe da repartigao d s obras
publicas.Pelo seu otcio do hontem, sob n. 61.
liquei inteirado do haver Vine mandado nio s
lavrar o termo de recebimento provisorio Ja obra
do li; lanco da estrada do sul, de que arrema-
tante Joaqim Manoel da Costa, mas tambe m pas-
sar o respetivo certilioado, dedozindo-?c da im-
portancia deste o valor da ponte para s>r pago
quando eswr concluida. E em resposta tenho a
dizer que von dar srieneia disso a thesouraria pro-
vincial, para os fins conveniente?.''
4-" seccao.
N. 475.Portara cmara municipal di. cidade
do Recite.Em vista do disposto no aviso expedi-
do pelo ministerio da fazenda em 30 de Janeiro ul-
timo, e constante da inclusa epia, recommendo a
cmara municipal da cidade do Recife que mande
cubrir o cano que existe ao lado de leste do edi-
ficio cm que funeciona a alfandega desta capital,
despendendo para esse fim at a quantia de.....
2:094*400, em que Tai avahada essa obra, como se
v do ornamento tambem junto por copia.
N. 476.Deliberacao.O presidente da provin-
cia, cm vista do officio do director geral dains-
trueco publica de 12 do corrento, sob n. 27, re-
solve conceder a exoneracao ({fie. pedio o Dr. Jos
BernaflM fiajgao Aleoforado Jnior, do cargo de
delegado IMswario da freguezia do Poco da Pa-
nella.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PELO Sn. DR./0AQUIM CORREA
DE ARAUJO, SECRETARIO DO GOVHNO, EM 17 DE
VEREIRO DE 1869.
I1 seccao.
N. 477.Ofeio ao vigario Camillo de dendon-
ca FuadoDe ordem de S. Exc. o Si. presi-
dente da provinciit, declaro V. S. par? seu co-
nhecimento, Que segundo consta de aviso da re-
particao de narinha de 4 do corrente, nao existen)
presentemente no arsenal de marinhada rte ju-
gares cm que possatti ser admittidos os orphaos
seus tutelados maiores de 14 anno, como V. Rvma.
pedio, os quaos pdera obter destino til para si,
o para o servico publico na companbia de apren-
dizes marinheiros desta provincia ou na laquell
corte, confoime preferirem.
i* seecao.
N. 478.OJBcio ao Dr. hefe de policioS.
Exc. o Sr. presidente da provincia, raspar deudo o
o!to de V. S. datado de liontom, esob n._230,
Abaixo assignado propretarios-e moradores na
freguezia do Senlmr Rom Jess do Ex.Sellado
o requerimento e documentos que juntam.
Beato Joaquim Gomes.Como reqiter, vista
da informacao.
Rellanuino da Cimba Cories.-jProvo a legali-
dade da conta, c pie os medicamentos foram cf-
l.'divamente fornecidos pelo supplicante, e qual a
ordem que para isso teve de pessoa comp 'lente.
Beruardino da Costa Mnueiro Informe o Sr.
Dr. director geral da nstrucco publica, depois de
ouvir o da escola normal.
Caelaip^gUalphino Monteiro de Carvalbo.Infor-
me o SnBBnheiro Luiz Jo-e da Silva.
RachareT Trancisco Jos Alves de Albir
FilhoEncainnhe-se.
Francisco Ferreira Borges. Informe o Sr. ins-
pector da thesourariaida^zenda
Joao ttapUMa-dOfnsjKInfeww a >ic
nlii'iro Luiz Jos da Silva.
Jos Luiz de Franca TorresDirja-se
sourara provincial.
Jos Joaquim Lopes de AlmeidaInforme o Sr.
coronel commandante superior da guarda nacio-
nal de Olinda.
Vigario Jos Tcixeira de MelloInforme o Sr.
ongonheiro chefe da repartilo das obras publicas,
e com urgencia cm que estado se acba a obra da
igreja de que se trata, quanto se tem despendido,
e qhanto se ter ainda de despender com a mesma
obra.
JuliaSenhornha de SOliveira. Junte-seo re-
querimento a que este se relere, e informe o Sr.
desembargado!- provedor da Santa Casa de Mise-
ricordia. .
Podro Jos da Silva.=Informe o Sr. engenheiro
Luiz Jos da Silva.
Fr. Pedro da Purificacao Paes c PaivaInfor-
me o Sr. inspector da thesouraria de. fazenda.
gvestre nominando Lopes FrazaoInforme o
Sr. director da instruccio publica.
Repnrti^.To la polica,
2' seecaoSecretaria da polica de Pernambuco
24 de fft-ereirn de 1869.
N. 278.Illm. e Exm. flrf-Tenho a honra de
levar ao conhecimento de V: Exc que, segundo
consta das particpaeoes recebidas hoje nesta re-
particao, foram hontem reeolhidos casa de de-
tenei, os seguntes individuos :
minha ordem, Bernardo e Felipp'e, escravos
este de Adolpho Wanderley Lins de Barros, e
aquelle de Joao Sicupira Marinho Falcio, por an-
darem fgidos.
A' ordem do subdelegado d> Recife, Manoel An-
tonio de Souza, por insultos.
A' ordem do de S. Jos, Henry Simmons, por
embriaguez.
A' ordenado da Roa-vista, Bernab e Benedicto.
escravos, este do conselheiro Antonio Ignacio de
Azevedo, e aquelle de Joao Martins de Torres Ro-
bn, por disturbios.
A' ordem do do Poco, Miguel Schlosset), por dis-
turbios. .
A' ordem do de Muribeca, Eduardo Virginio,
por fermentos e offensas physicas.
Em ofeio de 10 do corrente communieoii-ine o
Dr. juiz de direito interino da comarra do Brejo,
que no da 8 decretara a pronuncia do ex-carce-
reiro da eada de Cimbres, Manoel Rodrigues de
Mendonea, no art 129 2, combinado com al'
parte do art. l do cdigo criminal, na forma do
aviso de 19 de junho de 1857 que se refere a cir-
cular de 27 de agosto de 1833. e mais no art. _lq7
do mesmo cdigo, no
serventuario se instaurou
los fados criminosos de h:
na noite de 21 para 22 de abril de 1866, levando
em sua companhia o individuo de Home Bellarmino
Jos Pereira dos Santos, pronunciadoem crime de
moeda falsa naqnelle mesmo termo.
Deus guarde a V. ExcIllm. Exm. Sr. conde
de Baependy, presidente da provincia.0 chefe de
polica, Francisco de Faria Lemos.
Antonio Rodrigues Lima.
Bi llarmino Jos da Silva.
Sidmo Jos d i Silva.
Antonio Marinho da Costa Tenorio.
Jos Leopoldino de Pontes
Luiz Alves Maciel.
Leonilio de Oliveira Mello.
Jos Baptista Pereira.
Evaristo Cavake de Albuquerque.
Maawg.Baptista Torres.
Alvamjoleiitiio de Almeida Calanho.
AnawMe Araujo e Allmiiucramft
Jos da Silva Amaral.
Joao Marques Pereira.
Antonio Pereira da Silva. Jf
Taek.
_ Eleitores para senador.
lranciseo Cavalcanti de Albuquerque.
1-rancisco 4 cente da Cuulia Vah-ass,*.
\,-rJ,, Joaipiini Belarinino de Mirand.
fCapitao Jos Xavier de S.
tl:_ Antonio Joaquim Leite.
Antonio Xuues de Souza.
David Alves dos Santos.
Tenente Florencio Pereira de Barros.
Tenentc Francisco Antonio de Barros.
los Pereira de Barros Meiueiro.
Domingos Gomes da Cr.iz.
Joo Damaceno Galro.
Manoel de Jess Cavalcanti.
l;rancelino Francisco Sonto.
Cypriano Exalto de Araujo.
Manoel Cavalcanti de Albuquerque. ,
Vicente de Souza Bailo-.
David da Silva Gesta
Francisco Xavier da Silva .Nones.
Qiiirino Correa da Silva.
Ignacio Gomes Lima.
Eleitores para deputados.
Manoel Cavalcanti de Albuquerque Jnior.
Francisco Cavalcanti de Albuquerque.
Manoel Vctor da Silva.
Manuel Antonio Vianna.
dio Goncalves Cavalcanti.
Pi
.1 a Francisco Cavalcanti.
SCO Huliniau i da Silva.
Cavalcanti de Albinpierque.
Feliciano da Costa lavares.
Balbino Pinto Bandeii.i.
.loan Rodrigues da Silva.
Joaquim Jos da Cnlllia.
Francisco Ferreira de Blito.
Manoel Antonio da Costa Gauxc
Pedro Bezerra de Parias.
Manoel Barbosa de Cerqueira.
Jos Manoel do NaseRnentu.
Manuel Coi rea da Graca.
Manoel Francisco Boteliio.
Joao Honorio de Araujo.
Andr Correa da Silva.
D1NHEIROO vapor Guard levoii At a
prara as seguntes quantias
Para a l'arahvba.
l'ara o Cear. .
Para o Maranhao
Para o Para. .
PRONUNCIAPelo juiz
comarca do Brejo foi pronunciado no art. 129
2., combinado com a Ia liarte do art. 123 ds c-
digo criminal, o ex-raiceiviro Ba cadeia daquella
villa, Manoel Rodrigues de Meiidouca, porta
aammloiiailo o seu puslo em 22 de abril de 18GI>
levaiul i em sua companhia o criminoso Befermtnu
Jos Pereira dos Santos.
COLLEGIODAS ARTESNo da !9doMMta-
1.000
1124000
30:8005000
de difeito mlariuu dd
PERNAMBUCO.
EEVISTA DIARIA.
ELEigESTemos o resultado das seguintes
freguezias :
5o DISTIUCTO.
Brejo.
Eleitores parasenador.
Conego Pedro Marinho Falcao.
Francisco Alves Cavalcanto-Gamboim.
Caetano de Oliveira Mello.
Manoel Clandio Bezerra d> Menezes.
Francisco Berenguer Cezar de Andrade.
Geminiano do Reg Maciel.
Joao Marinho Falcao.
Jos Alves Marinho Falcao.
Jos da Silva Amaral.
Joao Xunes de Araujo.
Quintno BrasiBno Correa de Sa.
Francisco de Carvajho Brasil.
Joaquim Jos?, da Silva Limara.
Manpel Jos do Nascimeto.
Jos Manuel da Silva.
Christov.io da Rocha Cavalcante.
Frnesco Lopes Freir.

I
hindo : 4 plenamente .'i simplesmente e '1 rrpro-
vados.
Xo dia 22 lizeram exames de ieglez li
hindo : 8 plenamente, 2 simplesmente q i repro-
vado.
PRESTIDIGITACAO XO MONTEIROO artista
Jos Goncalves d Albuquerque, dar as noijes
de hoje, manhai e depois. espectculos depres-
lidigitacao na casa da inoiitaiiba j^r 'tomes do
Correio, no povoado do Monteiro, efeue.- ndo sem-
predepoi.- das novenas, o do domingo,
era que principiar s 5 horas da larde.
Inl'oriiiam-nos que o producto de um d >s es|K-c-
taculos destinado ao asylo de aflenados de
Olinda.
REPRESENTACAO.C'.usUi-nos que ada
submettiila decsao da lllma. cmara deste mu-
nicipio urna representacao dos coaunereiantc de
gecoos e inoiliados desta cidade, pcdinda>4he que
para 1872 ''^^Bb^^^H^"
das antigs medidas de supe- seidatie e.
pesos petosystema mtrico fraucez. na c>nfonni-
dade da Ici de 18(12. que para isso fixou o prazo
(ainda nio flndo) di dez annos, como alias ja tem
sido praticado por nutras cmaras do imperto, por
quanlo nao havendo ainda essas novas medida.'
ein quanlidade sulllciente. para todos aquelles
tabelecimentos desta ci I ide, o contrario Importar
constituir um verdadeiro monopolio em favor de
ppucos, que actualmente as puderem obter, tor-
nando por isso mesmo mais caros os n
gneros, tudo em prejuizo iran
midor
Alm disto a adopto deflniliva de taes uedida-
dcnde de regulamentos e de tabellas compajpjh



Diario de fernambuco Qainln feira 25 de Fevereiro de 18.6.9.
vas dolas, como autorisa aquella le ao gaweviK'
imperial, que alias as nao bajseu, limitando-se-ape-
nas mndarazer a ropeciha conversfio as a!-
fandegas.
E'pois deesperar da esclarecida e impareial
vamara leste municipio urna decisao a tai respei-
to, que nfopouda a contornea publica *pi ella
inspira, kem orno que nao so se concilio coai os
priaepiosde justica seiiuo tamben) com oajtoJ)-
me*%tere*cs da pupolaeia, que de ordlnarWpus
soffre por occasiao essas-Tapidas e radieaestano-
vacies.
Raja vista o exemolo da Franca, onde we ori-
gen) esse systema,e ievou mais.de meio seoo para
uuiformisa-lo.
LHLO.Amanhaa 26 do correte ffcetua o
agente Pinto o leilao do movis louca, vidros e
rystaes, existentes no segundo andar do-sobrado
la praca da Ba- Vista n. 21, casa da nstdencia
.lo Sr. iiisjiector da arfanftVga, t,ldo np conform-
dade com o annuncio inserido no lugar competen-
te deste Diario.
LOTERA.A que se ada a venda a 96', cm
beneficio da igreja da Bea Viagom, que corre no
dia 2*
PASSAGEIROS.Do vapor Guag, sahiftos para
o norte :
Claudio Bczerra, Antonio Pereira da Costa Li-
ma e 3 nlhos, deseuibargador Francisco de Assis
Pereira itocha, sua scnliora, 2 Albos, 2-osera vos c
urna menor, Joo Rodrigues Yiaiioa R., Jos dos
Santos Vitlaca a~sua senliora, Dr. J. A. Ernesto
Para-ass, J. JoseTle OIi#ira,R. Frederico Gustavo
4 sua senbora, Jos -Binarte de Souza, Antonio S-
rooes dWlmeda, Manoel dos Santos ViUaca, \ i-
ceote de Andrade, Joo Cardozo de MeireUes, ma-
rinkeiras Antonio Beller, Miguel O. Vianna, Joao
L. G., J- Felippc, A. de Freitas, A. Jos Ferrara,
Jos O. C, Antonio Ribeiro.
Sakiuo^ para o Aiacaty no liiatc Sobrulense :
Joao deS Leiao, Joao Saboia de Castro e Sil-
va, Jos Joaquim Ozorio, Joaqun) Gurgel do
Amaral.
CEMITERIO PUBLICO.Obtuario do dia 20 do
corrente: .
Benvinda, Pernambuco, lo annos, Boa-Vista ;
-'hepatite.
Rufino. Pcrnambuco, 20 annos, Recife; tumor.
Deolinda Mara da Coneeieao, Pernambuco, 19
annos, casada. Sanio Antonio ; tubrculos pulmo-
nares.
aria, Pernambuco, 13 annos, Santo Antonio:
onvnlsdes.
22
Alfonso, Pernambuco, 7 mezes. S. los; eonvul-
Clara Maria das Virgen*, Alagoas, 38 anuos, sol-
teira, Roa-Vista; mu abeesso.
Porfirio. Pernambuco, C dias, S. Jos ; hepatite.
Antonio Rodrigues de Olivcira, Pernambuco, 51
.nios, casado, Recife: hypertrophia no coracaa
Kstev.o, Pernambuco, Santo Antonio: ttano.
Jos dos Santos, Pernambuco, lo annos, solleiro,
Boa-Vista; catarrho pulmonar.
Maria Vieira da Paz, Pernambuco, 23 annos,
casada, S. los; bexigas.
23
Antonia Basilia do Espirito-Santo, rcmambuco,
.30 annos, solteira, Boa-Vista; hydropesia.
Joao, Pernambuco, 20 annos, Boa-Vista; ane-
mia.
Gertrudcs, Pernambuco, 86 annos. Boa-Vista ;
congestao cerebral.
0 escriviw AUwiijuerque registrn o ultimo pro-
testo de letra a 16 ao presente mez sob o n. 1717 ;
e o cscriyao.Alves de Brito a 19 do dito mez sob;
o n. 1047. : ,,
Mandou-so recolher ao cartorio do esenvao Al
ves de Brito v leito viudo do supremo tribunal de
'oega obediencia, nos aera sabemos, e lhe 4ese>a-
nios bom resaltado, (cande S. S. certo qe nsula
^conseguir, b
Son mateial de nova especie, liem disse o
orrosporidenle liberal ds velltti especie, jwrijue
nunca aon|panhci aos pretensos libe raes em SUas'
justina eire-pacs, recorrentess administradores i pmijirioacfies e correras polticas;
la uassa fallida de Scve Filbos & C, recorridus, Son uarJiberal de, nova cspccio^liern odisse o
Kilson Tritio & C.
ACC0RDAOS ASSICNABOS. "
Appellante'Vicente Jos de Brito, appellado Fian-
cisco da Silva Reg; appellante Antonio Pereira
l.essa appeUados Moeda, Medoiros & C.
O Sr. SaLeito participou que por ineommodado
nao compawce presente sessao para efjulgamen-
to do fcitonntre partes, appcilaates Cumiarles A
iiliveira, appellada a directoria dacatxafil
Banco do.irasil nesta cidade.
JURAMENTOS. ,
Juizo especial do commercio: presidencia do Sr.
desembargado!- Silva Uuimaraes sooiente sate
julgainento. Ajipellante executado Joao Casimiro
da Silva Machado, appellado exequente o bacnarel
Gaspar de Menores Vascom-ellos Drummond ^jui-
zes os Srs. Res e Silva, Accioli, Miranda Loare"-
rao de Cruangy.Conliiuiou-se a sentenca apio-
lada, sendo votoj vencido o Sr. bailo de Cruangy.
Juizo espeeial do commercio : embargantes ap-
pellantes autores Johnston Pater A C, embargado
appellado.rq Relia Sauvago ; juiz*s os Srs. Res
e Silva, Accioli, Rosa c baro de Cruangy.Orde-
nou-se urna diligencia.
Juizo municipal e do commercio do Pilar, pro-
vincia das Alagoas : appellantcs reos os adminis-
tradores da.massa fallida de Antonio Jos deFi-
gueiredo, qppellado autor Antonio I'eieira de Car-
valho: juiacs os Srs. Reis e Silva. Accioli, trao
de Cruangy e Miranda Leal.Confirniou-se a^en-
tcnea appellada, sendo voto vencido o Sr. desetu-
bargador Accioli.
Juizo municipal c do commercio do Pilar, pro-
vincia das Alagoas : appellantcs reos os adminis-
tradores da niassa fallida de Antonio Jos de Fi-
gueiredo, npjtellada autora D. Paulina Arcias de
odoy; juizes os Srs. Reis e Silva, Accioli, bario
de Cruangy e Rosa.Annullou-se o processo.
Juizo.especial do commercio : embargos aoac-
cordo que despresou os embargos infringentes do
julgado. Embargantes exeeutados os administra-
dores da inassa fallida de Sevc, Filbos & C, em-
bargados exequentes Kilson Trtton 4 C.; iuizes os
Srs. Silva Guimaiaes, Accioli, Miranda Leal c Rosa.
Despresados os embargos, sendo voto vencido o
Sr. Rosa.
0 Sr. bariio de Cruanjty nao apresentou o feito
adiado a seu pedido na sessao passada, entre par-
tes, embargantes os administradores da inassa fal-
lida de Siqncira & Pereira, embargado o Dr. Au-
gusto Carneiro Monteiro da Silva Santos.
PASSAGEXS.
Do Sr. desembargado!- Reis e Silva ao Sr. es-
embargador Accioli : appellante Adriano Xavier
Pereira de Brito, appellados'os administradores da
inassa fallida de Aniorim, Fragoso, Santos & C. ;
appellante appellado Jos Maria Goncalves Perei-
ra, appellante appellado Bellarmino Pinto de
Araujo.
AGcnwo.
Juizo especial do commercio : aggravantc Ma-
nuel Jos S Araujo, aggravado Rulino Antonio de
Mello.O Exm. Sr. presidente den pmviinento.
Nada mais hoave, e eneerrou-se a sessao a urna
hora e un quarto da tarde.
(HROMCA JUDICMRM.
TfililU ^. \. IHO COMMERCIO.
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 22 DE bargaflores Gitirana, Lournco Santiago, Ahneida
Albuquerque, Motta, Assis, Domingues e Silva,
1'EVBREIII DE 1869.
rUBDKNCU D) EXM. SR. DGSEMRAnGADOn AMSBUiO
FRANCISCO PE11KTTI.
As 10 horas da manhaa, reunidos os Srs*depu-
u tinuando a faltar por doente o Sr. deputado Basto,
d Exm. Sr. presidente declarou aliena a sessao.
Lida, l'oi approvaila a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTA
Oftlcio do Dr. juiz de direito da 1 vara criminal
desla cidade, com data de 20 do corrente, dizendo
ha ver, de contoomidade com a requisicao que se
lhe lizra por oftlcio de 18, dispensado do servico
daquelle juizo aos.dous ofticiacs de justica deste
tribunal.Accii-'-se, agradecendo.
Dito do pivsidentedecretarlo interinos da junta
los correctores, firmado de hojo, remetiendo o bo-
lelim commercial da semana prxima passada.
Ao archivo.
Aos Srs. deputados foram disiriDutiios 03 segnin-
tes I\tos :Copiador de Monteiro limaos, diario e
wpiador de Rocha Leal & C, diario do London &
Brasilian Bank Limited, copiador de Antonio Luiz
de Ohveira Azevcdo Se C.; caxa. razao, leudes, re-
formas, resfales, penhores, para a casa commer-
cial de Natlian Danheisser; diario de Mello, Filho
A C.; diario e copiador de Jos de Mello Triu-
dade.
Visto o livro da correspondencia offleial verifi-
flou-se estar regolarmente escripturado at n. 75.
O Exm. Sr. presidente assignou un oflieio que
dirigi ao Dr. juiz de direito especial do commer-
cio. E 0,-Sr. secretario lirmou tres, dirigidos, un
.no secretario do tribunal do commercio da capital
do imperio, outro ao conselheiro inspector da the-
-sonraria de fazenda, c o terceiro junta dos cor-
rectores.
O Sr. Dr. ofllcial-maior scientificou ao tribunal
le que os mappas enviados por Saunders Brothers
A C. e BeolO Jos da Cosa, aquelles como admi-
nistradores do armazem alfandegado n. 61 do caes
do Apollo, e este do trapiche Ramos, estavam con-
lorines coiu os anteriormente apre-entados.lutei-
raio.
DESPACHOS.
Requcrimento de Manoel Ribeiro de Carjiafto,
em que pede a transferencia dos seus livros orario
. copiador para a firma de Camino & Peixoto, de
sjao f.iz liarte elle supplicante.Como requer
Dito de l-Vlx Antonio Pinto Serodio, pedindo o
registro de sua nonie; cao de caixeiro do eomner-
ciaate matriculado Augusto Cesar de Abreu.
Como requor.
Dito da direccao da coinpanhia de seguros ma-
titimos e terrestres Indemnisadora, registro de
orna parte da acta dareunio da respectiva assem-
Wa eral que, na conformidade dos estatutos, lhe
serve de procuraco para poder administrar os ne-
gocios da companhia uo actual biennio.Como
requer.
Dito do corrector Francisco Jos Silveia, mos-
trando bavor feito a substRuicao do seu fiador Joo
Pinto de Lomos Jnior pelobaiao de Campo-Ver-
. de, assini como da segunda -testemunha da abona-
ba* Jos dos Santos Noves por Jos Moreira Lopes,
e pedindo que fossem guardados no archivo deste
tribunal os documentos comprobatorios do allega-
do.Como requer, procedendo-se o levanlamento
da suspessao.
Com mformacio do Sr. desembargado!- fiscal:
Dnvida do Sr.'Dr. olHcial-raaier relativamente
ao sello e rubrica dos livros de athan Danheisser.
Na forma do parecer fiscal. (O 8r. desembarga-
dor iscal opnou pela adniissao do sello do todos
os livros apresentados rubriea pelo sobredito
Danheisser, em vista da genrica disposicio do
art. 61 do decreto n. 2,713 de 26 de detemfiro da
I86t, e que quanto ao Bvro de talao competa ao
Dr. chefe de polica a sua abertura, encerrainento
4 raBrica, como se deduzia do art. 6a combinado
wm o art. 8 do deercto n. 2,692 de li de novem-
bro de 1860).
Requcrimento de Carvalho & Peixoto, contrato
de sociedade.Registre-se.
Dito de JoaoBaptistaGuelf de Lailhacar, distrato
social.Regi Dito de Francisco Teixeira Barbosa c Custodio
depinho Porto,contrato socialRegistre-se.
Adiados
D; Jos Antonio Gomes Jnior.
O-i Jos nria Sevc.
Da Alvaro Paulo Nblalo.Continuam adiados.
RESOLUC-AO.
O Exm. Sr. presidente ndmeou o Sr. deputado
Rosa para substitu/ ao Sr. deputado Basto na
eomniissao que tem de dar seu parecer sobre ser
neeessario mais avaliadores para o juizo do eom-
mwi.'io, e resolved mais que os livros que perten-
eera ao mesmo Sr. dpputado rubricar, fogsera dls-
trbiiUlea aos oatros Srs. deputados para ao depois
serem compensados.
Dada a hora do estylo (H 1/2), e nao havendo
mais a trar-se, o Exm. Sr. presidente encerrou a
i iiaisa \ai. Di mui.a* ao.
SKSSAO DE 23 DE FEVKRE1R0 DU1869.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADO!) SANTIAOO.
As 10 horas da manliaa, presentes os Srs. desem-
Souza Leao, Uchda Cavalcante e FreiUs Henriques,
fallando o Se. desembar|jador Guerra procurador
da corda, abrio-se a sessao.
Passados os feitos deram-se os seguintes julga-
nicntos :
Aggravo de PETtgSo.Aggravante, Manoel do
Carino Pereira; aggravado, o juizo.Relator o Sr.
di'si'inbargador Domingues e Silva, sorteados os
Srs. dcseinbargadores Souza Leao e Uclida Caval-
cante.Negou-se provimento.
Recursos crjjies.Rcccorrente, o juizo; reccor-
rid i, Guilhnrme Nimes da Costa.Relator o Sr.
iesmbargador Lournco Santiago, sorteados os
Sis. desembargadores Motta, Doiningiies e Silva
fl FreitasHcnriques.Improcedente Kcccorrenlo,
ojuizo; Tercorrido, Guilberme Nunes da Cos-
ta.Relator o Sr. desembargador AWneida Albu-
querque, sorteados os Srs. desembargadores Lou-
rnco Santiago^UchoaXavalcante e Do-mingues e
Silva.Improcadonta.--*flccroi-ronte, ojuizo; ree-
corrido, Pedro Dantas de Olivcira.Relator o Sr.
(ilwul specie, poi.j'. lira c^aTA
iiiim um miniSM'Q iu fun ;
Smuh- heit o diese o
,".//.y niteful, pdnfl^iuan^Rii opfosicio, nao
sei ralamniar loa adversarios,altribuin.o-ll'ie&Hial-
llailes une ellps na) tooiu.
Sou um liberal de ana especie, hci o disse o
lyllto HimrtiJ, p irque eiitend i que a Iib$da8e Be
o privilegio de un punhadbde'hoimni, -linios de
anibinaon sdenlo:! de vingimeaj.
Sm m liberal de nova e*peew, l>eiu o disse o
vtHw liberal, iiorqiie mero o imperio na le psra
a felicidade de met paiz.
Eis-ahi, Srs. conespondeate. porque me chamis
liberal de anvn e^i^cic.
Eoque queris com o nosso liberalismo-? Rom
alto fallan) os nossos feitos.
Se pensis injuriarMiie com a qualicacao de li-
born de ora esped, engana-vos, acceito-a. anda
que foese ella injur osa ; porque, assiin como una
pedia lancada ao ocano nao excita-lhe as iras,
assim.a injuria nao desperla o desejo do vingan;a
s almas generosas.
Nao quero ser boral como entendis. Vendes
servido a todos os partidos, jurado em tadas as
bandeiras; Nao quero ser liberal ass'im.
A Jilterdade nao para mim o bem ser dealguns
poneos de aventuraros, mas o direito de todos os
cidadSos.
Os raeus principios liberaos sao bem nmliecidos:
a ambicio, o egoismo, a iuju-lica nao tem acento
entre cues.
Nao tem partido, porque para mim a liberdade
est cima de todos, mas predio aquello que vem
inculcar-se de liberal, procura por todos os meios
promover os mteresses da eommunhao, roasando
as reformas compativeis com o estado da sociedade
eujos destinos Ibe silo confiados.
lando atirar-mc um pouco da lama que o co-
bre, o correspondente //fiera/" felicita-me pelo bonito
papel que fez, assignando de cruz o que me orde-
iiaram, e diz o correspondente, jue bem sabe por-
que cu sou obdiente, e que deseja o meu bom re-
sultado.
Que, como o correspondente de Jaboato, eu niio
sou capaz de assiguar um papel cujo alcance eu
d'-conheijS, bem o sabe o pretendido correspon-
denle de Jaboato.
Que, em poltica, nada aspiro se nao a regenera-
cao da faccao progresista, bem o abe anda o per-
tendido correspondente.
Que nao pretendo cinpregos pblicos, neni ?-
miilus, bem o sabem os que me conhecem.
J v o correspondente liberal que nao sou ca-
paz de assignar escriptos alheos, onde sejam estra-
nhos pensamentos mcus, isto bom para S. S. que
nao sabe o que faz.
Em summa,querouvir-me, Sr. correspondente?
Preflroser conservadora ser liberal, porque en-
tendo que o partido conservador tem em si morali-
dade, illustraco e odas as condiccoes neeessarias
a promover afelicii'ade deste imperio.
Por ora, nada mais tenho a lizer, se nao que
desojo nao ter polmicas ; conheco a minha fra-
queza e todos os mctls djs#ejos saoter bi'ia reputa-
can e ?er til a minha patria.
Recife, 22 de feverein de 1869.
M'inoel do Reg Barros.
PUBLICACOES A PEDI80.
desembargador Ahneida Albuquerque, sorteados
os Srs. desembargadores Souza Leao, Domingues e
Silva, o Assis.Improcedente. Rcccorrente. o jui-
zo ; reecorrido, Dr. Francisco Gomes Velloso de
Aluuquerquc.Relator o Sr. desembargador Motta,
sorteados os Srs. desembargadores Freitas Ilenri
ques, Souza. Leao e Loureuco Santiago.Impro-
cedente. Rcccorrente, ojuizo; reecorrido, Luiz
Antonio de Mallos Arraes.Relator o Sr. desem-
bargador Assis, sorteados os Srs. desembargadores
L'ehoa Cavalcante, Domingues e Silva, e Mot-
ta.Improcedente. Rcccorrente, ojuizo; recror-jl
rido, Antonio de Hollanda Cavalcante Jnior.Re-
lator o Sr. desembargador Francisco Domingues e
Silva, sorteados os Srs. desembargadores Louren-
,' Santiago, Gitirana eAlmeida Albuquerque.Im-
procedente. Reccorrente, o juizo; reecorrido, Co-
lumbo Pereira de Moraes.Relator o Sr. desem-
bargador Souza Leao, sorteados os Srs. desembar-
gadores Freitas Henriques, L'ehoa Cavalcante e
Domingoes e Silva.erain provimento.
Appellacoesciveis.Appellante, Joo Luiz Fer-
rara Ribeiro; appellado, o curador geral..Man-
daram com vista ao appellado. Appellante, D.
babel Joaquina de Souza; appellado, Antonio Jos
da Costa Imburana.Confirmada a senthea. Ap-
pellante, HeliodonMleacio Bangel; appellado, Joao
Fernando da CrunDespresados os embargos. Ap-
pellante, Victorino Lopes da Costa; appellado,
Domingos Muniz de Barros Monteiro.Despresados
os embargas.
APPEU.AQOES crimes.Appellante, Martiniano
Barbosa do Carmo; appellado, o iuizo Improce-
dente. Appellante, o juizo; appellado, Themoteo
Joao da CostaImprocedente. Appellante, jui-
zo; appellado, Vicente Bodrigues Pereira.Impro-
cedente. Appellante, o juizo; appellado, Januario
da Costa Jales.Improcedente. Appellante, ojui-
zo; appellado, Manoel Jos de Mello.Improceden-
te. Appellante, Florencio Manoel de Arruda; ap-
pellado, Joao Baptista da Silva Cruvello Uaproce-
dente.
PASSAENS.
Do Sr. desembargador Ahneida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta.Appellacoes civeis: ap-
pellante, a irmandade do Divino Espirito-Santo;
appellado o commendador Manoel Camello Pires
Faieo. A^jellante, Jos Bodrigues-Paz; appella-
da, D. Helena Maria i do Carmo. Appellante, Sevc-
rino Antonio Pereira da Silva; appellado, Herme-
negildo Eduardo Reg Monteiro.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembrga-
te Assis.Appellaca civcl: appellante, a fazen-
da ; appellado, Joaquim Lopes de Ahneida.
Do Sr. desembargador Domingues c Silva ao Sr.
desembargador Souza Leao. Appellacao civel:
appellante, Balthazar LopesLiraa; appellado, Fran-
cisco- Cordeiro da Cruz.
Do Sr. desembargador Souza Leao ao Sr. desem-
bargador UcUa Cavalcante.Appellacao crime:
appellante, Francisco Luiz Paz de Almeida; appel-
lada, a justica. Appellacao civel: appt llaute, Jos
Rodrigues Paz; appellada, D. Helena Maria do
Carmo.
Do Sr. desembargador Ucboa Cavalcante ao- Sr.
desembargador Freitas Henriqnes.Appellacao ci-
vel: appellante, Jos Pedro Velloso ta Silveira;
appellada, a fazenda.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
feitos:
APPELLAglo crime.appelhnte, ojuizo; appel-
lado, Antonio Bezerra dos Santos Granjeiro.
Appeixacoks civeis.Appellantes, Santos & Ro-
bn; appellado, Dr. Jos Soares de Azevedo. Ap-
pellante, Luiz, por sen curador; appellado, Dr.
Francisco Pinto Pessoa.
A' urna hora e meia da tarde eucerrou-se a
sessao.
Ao corpo cleitoral do quarto
riislrirto.
Illm. Sr.Tendo o gremio do partido conserva-
dor escolhiho o meu nomo para apresental-o ao
corpo cleitoral do <|uarto districto, como candida-
to a um dos dona lugares de deputado que esse
mesmo districto tem de eleger para a prxima le-
gislatura da assembla geral legislativa, julgo to
meu dever dirigir-me a V. S. solicitando o seu be-
nigno acolhimento j ara tao honrosa escolha.
Por ter j exercido durante onze annos incom-
pletos o elevado cargo de membro da assembla
geral e o de deputado provincial, julgo-me homem
poltico tao conhecido que me dispensa de fazer
nlnsta occasiao ujiii prolisso de f.
Devolado s causa publica, e sobrutudo aos
interesses especiaos de nossa provincia.- aiim de
iiianter-mescinpre cm poslco idepedlJlte, nun-
ca procura nem honras iicui empMfos; e ahi
esto os annaes do parlamento, para attestar se eu
fui semprc solicito em pugnar por tudo quanto
podia concorrer para a prosperidade de Pernam-
buco, e para mostrar quaes os servidos que por-
ventura para esse lim eu possa ter prestado.
Compete boje a V. S. fazer-me justica, e conven-
cido que nao me recusar um voto de confianza,
peco liecnca para offerecer por antecipaco os pro-
testos de meu proft ndo reconhecimeuto e da alta
considerado com que tenho a honra de ser,
De V. S. atiento venerador! obligado
Augusto F. d'Oliveita.
Recife, 12 de fevereiro de 1869.
O conselheiro Jos Bento Ja Cunha e
Fiffoeirdo, abaixo ssignado, espera que
todos os seus amigos particulares e polticos
do circulo do Cabo lhe faco anda a dis-
tincta honra de elegel-o deputado assem-
bla geral; c roga a todos os seus amigos
polticos e particulares de toda a provincia
se ilignem fazer-Ihe a dstincta honra de in-
cluir o seu nome na lista sxtupla para se-
nadores. ,
Longe do theatro da eleico, o conselhei-
ro Jos Bento nao duvida de que os seus
j amigos, cuja generosidade invoca nesUdpiiao PSrmino umeailpeio' 'memo encontrado
POLinCA INTERNA
iESSAO JL'DICIARIA EM 22 DE FEVEREIRO
DE 1869.
ntESIDENCIA 00 EMX. SR. DESEMBABGADOB A. F. PE-
BETT1.
Secretario, Julio Giinaraes.
Ao meio dia declaron-sc aberta a sessao, estan-
oo reunidos os Srs. desembargadores Silva Gui-
mariies, Reis e Silva e Accioli, o os Srs. deputa-
dos llosa, Miranda Leal e barao de Cruangy.
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
3*0,
Partid* oaservador.
Lendo a correspondencia do Jaboato, publicada
em o n. 45 do Libera.', orgao de tudo, menos de
um principio ou idea poltica, entend nao deixar
passar sem resposta o que ahi se le a meu res-
pei to.
Diz o correspondente do Liberal:
Lemos a correspondencia do liberal de .nova
especie, o Sr. Manoel do Reg Barros, publicada
no Diario de hontom, e nao podemos deixar de fe
oecasian, stipprirao a falta de sua presenta
com dobrada deligencia. Elle assinl o sup-
plica com todo o fervor de quem saliera
agradecer tamanba honra e fineza. Cidade
de Belem do Grao Para 1. de ivereiro
de |86Q.
/o>': liento da Cunha e Figueirio.
Illm. Sr! Declarando o gremio do parti-
do conservador desta provincia, em sessao
ep 85 de Janeiro do corrente armo que $
ndicacSo feita dos candidatos a deputados
geraes nao excluindo a liberdade de esco-
lha por parte dos eleitores.e nem revelando
a intencao de lhes por embaraco, s tinha
a autoridade de um conselho, motivado pela
necessidade de altender s circurastancias
do partido e pela apreciado dos servidos
prestados causa de suas ideas; reconhe-
cendo, alias fra do circulo dos candidatos
proposos, muitos outros nomes dignos de
serem Acrecidos ao suffragio eleitoral:
tendo eu tido j a honra de representar es-
te districto em duas legislaturas da assem-
bla provincial, em nome das ideas do
partido que boje dirige os destinos do paiz,
ouso ainda aprese ntar-me candidato a de-
putado feral por este districto, aspirando
a honra de reprcental-oSa prxima legis-
latura, ,
A dedicaejo e lirmesa de principios, de
que tenho dado piovas em toda minha vida
poltica; os sarvicos, que, por ventura, te-
nho prestado causa das ideas do partido,
soffreado, por isso, demissatSb car$o pu-
blico, que exercia, ha 17 annos, sem baver
jamais desmerecido do conceito em que fui
sempre lido pelos uieus amigos, sao outros
tantos garantes,que offereco ao corpo eleito-
ral deste districto, ao oual me acho mais
cstreitamente ligado por aquelles servicos
e relacoes polticas para meracer-lhe o suf-
fragio que ora soltlo.
Se V. S. pois, tomando em considerado
- dehberaco, do gremio que, na ausencia
veuho eu a ser eleito; serei iucansavol na
defesa de nossas ideas politice?, pugnando
pela felicidade e prosperidade da nacao, eg'
especialmente pelo bom moral e material
desta provincia e districto,- assirn me escu-
den) a Providencia Divina e^os votos de
mcus concidados, que invocarei e saberei,
de prefefdficia consultar para beta cutnprir
o honroso mandato, de que fr cncarre-
gad >.
J, sendo V. S. pessoa de legitima influ-
i neti districto, venho -olicitar seu
valioso apjio, bem como o de s^us numero-
sos amigos minlia preteafio, tomando
desde j, a ser eleito pelo voto de couian-
ca e de conformidade de ideas, o compro-
misso de desempenhar, quanto em mim
couber, tao elevado encargo.
Agradecendo, de ante mo, ?ua valiosa
coadjuvaco, contiua a ser, com a maior
estima c consideraco,
De V. S. amigo, patricio e sincero corre-
ligionario. Cijpriano Fenelon G. Aleo fo-
rado.
Recife^ 9 de fevereiro de 18(>9.
Para o Sr. Dr. Vello-
so ver.
Constando-nos gne o Sr. Dr. Francisco Gomes
Velloso de Albuquerque Lins, actual siibdele do segundo districto da freguezia de Marangnape,
procura attestaeies para contraditar os helos
constantes da denuncia lada ao Illm Sr. Dr. che-
fe de policia; pelo digno delegado em exercicio do
termo de Iguarass, corroborada poi informaedes
do de Olinda, oirerecemos-lbes os seguintes rti-
gos para que melhor se possa justificar os factos,
qne sobre sua autoridade pesam.
1. V. S. desde que entrou na administracao das
carvoeiras de sua cunhada, nico meio de vida
que aprsenla, tem feito do engenho Timb um
foco de assassinoa e malfeitore*, jue poueo se era-
pregando no fabrico do carvao, transitam com a
maior otentaeo armados de clavinotes e faces^
desrespeitando e insultando as pessas considera-
das do logar, roubando cvanos, cabras e ove-
lhas, c tudo mais que possam pilbar, entretendo-
seedias e noutes em orgias, onde para maior
afronta a moral publica, conservam mu sarilho os
clavinotes, que disparato ao retirarem-se eluili-
cantes.
2." V. S. tem abusado do prestigio da autorida-
de para obstar que os consenhores usufruam co-
mo sua cunhada, as maltas do, engenho Timb,
servindo-se daquelles malfeitores para ameaca-
rcm a quautos nao se sujeitam a trabalharem por
parte da inesma eonsenhora.
3. Abusando ainda do poder que lhe foi con-
fiado, recebe para refazer, gados sem ter cerca-
dos de pastagem onde os conserve, pelo que sus-
tentam-se as plante$Ges da pobre vi.'.inlmnra que
vive exclusivamente de agricultura ; e par* cu-
mulo de abusos, espalda patrullase un expressa
reeonamendacao de prenderen! a quintos maltra-
tarem enejado, que pasta como se eslivesse cm
algum sertao destinado a criaeao f !
4. Entre os nialfeitores de lina tempera que
formam o respeitavel corpo por S. S. c inscrvado no
engenho Timb, figura o famigerado c muito res-
pectado Beriiardino, assassino de tres mortes sabi-
das, sendo a ultima praticada com dous tiros na
pesa'ia de um ahnocreve no lugar de Maneota a
poucas bracas distante de Timb, cu o processo
dorme no esquerimento, tal o terror que inspira
o tremendo baramarte deste malvado I
5. Esse processo por V. S. ainda conservado
na mesma casa em que de bacamarte em punho
resisti a forra publica que o cercon, feriado
mortahnente com um tiro o sargento Torres, que
da niesnia fazia parte, isto a poucos passos dis-
tantes da residencia de V. S., onde convive dia e
nontecom os seas companheiros, disparando-sc
tiros de alegra mesmo a dez horas.
6." Bernardino alm das mencion?.das mortes,
tem praticado sem a menor repararaoda parte de
V. S. os seguintes factos :
Em urna bella noute que bem adiantada estava
esse facinora acompanhado de mais tres compar-
sas, no lugar Maricota disparou dous tiros de bal-
la na porta da casa em que mora Joao Yigario,
fieando sua mulher leridano ventre pelo estilha-
co da porta atirado por nma das bala.
Em claro da e na estrada mais publica deste
lugar, .desfechou por duas vezes urna pistola con-
tra Joo Vicente, que por milagro sempre falbava
fogo, escapando a victima por soccorrjr-se da ca-
sa de Manoel Angelo, que procurou com toda do-
eidade a mainar o tigre.
Nao querendo Estevao Carpina l eber toda a
agurdente que Bernardino lhe efferecia em um
cpo, atirou-lhe com o resto por cim e satiran-
do-se o velhosem articular palavra, e ja a cero
distancia, desfechou-Ibe Rernardino o bacamarte,
cuja bala por pouco o nao alcancoa, acompa-
nliando o tiro com estas palavras : este (mostran-
do bacamarte) anda sempre prompto a espera
do Sr. teneute-roronel Souza Leao.
Por meras distrarades praticou mais os seguin-
tes factos : Ferio a Jos Rornao com una tacada
no quadril.
Na noute de S. Joao, estando Francisco Masca-
renhas asajpdoinilho em una foguera, Bernar-
dino disparou do lado opposto o seu mosquolao,
cuja carga cmpregoti-se as madeiras, uando
Mascarcnhas coberto pelo brazeiro it.ipnUido pelo
choque.
Ao passar pela porteira de Timb, querendo co-
nhecer a forija de seu tira duvida o disparou so-
bre urna das guardas da mesma, cuja bala atra-
vessando-a por pouco nao se empresa em urna
pessoa da familia do Sr. Raixa Lins.
7." Passando a outro fado, V. S. recebe u do ca-
i> Or. Ayer, de LowWI, nos Estados-
Unidos, fabn'i-a ii iboratorio oitenta
grosfl por dia il i ululas calharti-
cas durante todo o armo, isto dezaseis
vidrinbos por miinito, o ditas dses por
segundo'; prtanto, mais de 80,000 p:-
toinam csl^a^pilulas todos os dias, op....
2,380,000 por mez. Facto este que faz
adnirar&6'J000 vio todos os dias na pericia medica de um
hajnemtl
Um homem em cojos hombros pesa urna
responsabilidade tal deve ser sempre, como
neste caso de urna iiib-igeiina da pri-
meira ordem e de um caractor elevadis-
simo.
Protectora das familias
Em cumplimento du prevenido no artigo 29 do
regulamento, se convida a todos os senhores con-
tribuimos dsta assotiaejo. qne ainda nao tivercm
apreseutado as certidoes de idado dos segurados,
para que faeam entrega dellas na rita do Livra-
mento n. 19, Io andar, alim de ser expedidas o
raals breve possivel para a inspectora geral do
Rio de Janeiro. As certidoes devem ser selladas e
reconhecidas per tabelliao. Recife' 13 de Janeiro
de 1809.O representan/e.
N. F. de Vidal.
COMMERCIO.
sem dono em seu ct reado, e sem a menor repug-
nancia o empregou em seu servido as carvoei-
ras, impundo toda a casta de difflculdades ao do-
no que o procurava, s o entregando depois de
cansado e quasi inutilisado I
Um subdelegado com honras de taeharel, nao
se pile perdoar semelhante crime Assim vive- "ttciros.
nos na maior inquietar), suppoiido a cada tiro
que se ouve urna victima, pois este monstro amea-
ea de n orto a quantos com elle nao nmmungam
na mesma taca Ese o muito tigno Sr. Dr.
chefe de polica, nao tomar o seu cuidado a cap-
tura desse degenerado e a destruicao do tal qui-
lombo, que tao de jierto ameac nossas vidas e
propriedades, em breve veremos reproduzidas as
scenas do antigo reinado do hacamari3 em Man-
eota...
Nao o espirito de partido que nos leva assiin
proceder ; neste districto, salvo as pencas excep-
coes, sao seus habitantes conservadores ; porm
conservadores que reprovam altamente semelhan-
te desvario na autoridade de quem depende a ga-
ranta do cidadao.
A pruvar quanto leva dito, se preciso for, com-
promette-se sob jurament
O verdadeiro consi'ivador.
da opposico, bem apreciou a liberdade e
criterio, com que V. S. e os nossos ami-
gos deveriam escoltar os candidatos as
circurastancias actuaes do partido, como
de sua ndole e principios, quizer tnmtam
licitado pelo bonito papel que fez, ataigaanct de considerar o que deixo esposto, por modo
cruz o qne e ordenajam, A razao ie tao j que, com seu voto e 0 de nossos amigos,
Transforma o syste rna
Urna das maiores maravilhas da sciencia medi-
ca a rapidez com que a Salsaparrilhi de Bristol,
restitue as torcas perdidas aos doentcs. S a ex-
periencia pode perniittir aos enfermos o realisarem
os seus effeitos nos casos de debilidade geral. Pou-
co importa o estado de prostracao physica a que
doente se veja rednzido, pois a salsa parrilha de
fistol, Ih'a tornar a restituir. Algi.ns medico<
:eem suggerido a injeecao de sango; puro as
vejas dos enfermos, porm este poderoso restaura-
tivo converte cada nma gota de sangue no corpo
do doente em um tnico efllcaz. capa: de prestar
novas foreas aos msculos, aos ervos ao estoma-
go e a todo o machiniamo animal. Que uenhuma
pessoa por mais fraca e dbil que seja perca a es-
pet-anea de viver at urna idade mui avancada,
porque nesta preparaeJo exlHe um principio vital,
que restabelcce as forgas dos mais debis como
por encanto. Vende-se por toda a paite do mun-
do eivilisadb, as principaes boticas e lujas de dro-
gas.
Estatistica curiosa.
Quem sonharia da importancia de urna
empreza estabelecida com o im nico de
fabricar um purgante para o uso geral do
pavo, e eom que voz de magoa fallara os se-
guintes algarsmos do soffrimento e da dr
que combatida diariamente por urna cousa
15o insignificante como seja urna pilula ?!
PRACA DO RECIFE 24 DE FEVEREIRO
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Assticar bruto Caiial==li900 a arroba.
Accoes da companhia de Reboque Vigilante=2"3
por ac<;ao.
AccOes da companhia de navegacao costeira Per-
nambucana90j por accao.
Cambios sobre Londres 90 d/v 18 3/4 d. por
lOOO.
Cambio sobre Parto 90" d/v 515 rs. por franco
Cambio sobre Hainbuio 90 d/v 940 rs. por
m. b. (houlem).
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
BANCO MAUA & C.
Hiia do Trapiche n. 34.
Desconta leltras co nmerciaes a taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente*
Confere crditos, saca sobre as primeiras
pracas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pracas.
Encarrega-se, por i ommissao, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes de
companhias, da oobranca de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
quer outra operaco bancaria.
- O expediente para o publico comecar
s 10 horas da manhaa, e terminar s 4
horas da tarde de todos os dias uteis.
ENGLISH BANK
Of Jtyp de Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro era conta corrente a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tera agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
ALFANDEGA.
KendimentoJJdo dia 1 a J .
dem do dia 24 .
741:1055659
40:6713413
781:777072
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volumes entrados com fazendas 618
dem idem com gneros 427
Volumes sahidos com fazendas 196
dem idem com gneros 999
1045
Descarregam boje 25 de fevereiro.
Vapor inglezSahulinmereadorias
Patacho inglez=Vinemereadorias.
Barca inglezaCinoc=idem.
Barca franceza Co//7H//=idem.
Patacho norte-allemao Venedijidem.
Patacho americanoMary Riceidem.
Polaca italiana -- Saramarmore.
Barca inglezaConradfarinha de trigo.
Escuna norte-ailemaaAdeleididem.
Iniportaco.
Vapor bras-leiro Guar, viudo dos
portos do sul do imperio, manifestou :
.10 rolos fumo ; a Rosa d- Irmos.
5 ditos dito ; a Joaquim B. dos Reis.
0 caixas fazendas; a Siimpson Broad
-C,
:t ditas ditas; a Schafheithin & G.
i dita ditas; a tirainer, Frey & C.
13 ditas ditas ; a ordem.
l fardos (Titas;' a I). C. cv C. C. Sim-
pson.
5 caixas livros; a Joao Walfredo de Me-
InstruecSo publica, sao convidadas as pessoa-
jos nomes vilo daclai-adus na rdacao abaixo p
cada, para i improrogavul de 30nias, a
contar desta data, virem declarar nesta secretaria
itiniian ou nio a ter alienas ps suas aulas,
alim de se rawjrotns dvi
Secretaria da instruccao publica de Pernan
co, 23 de fevereino
C n-io.
JwilimbA P. de Carvalho.
Relfi-to a que se refere (tedital cima.
Alexamhi Jos Goncalves de Miranda.
Angelo l-'ianckco da Costa.
Manoel Valeriano Barroso.
Adelino Ildefonso de Siipieira Albuquerque.
Manoel Josa de l'arias SiinSen.
Silvestre .XiMninando Lopes Fraiao.
Padre Manoel Gomes da Fonseca.
Antonio Rulino Pessoa de Mello.
Padre Flix Barrlo do Vasconcellos.
Baenarel Pergentino Saraiva de Araujo Galvao.
Vicente I-Vrreira de Franca de Carvalho.
Primilivo de Miranda Souza Goma
Padre Angosto AdoJpbo Boarea Kuswether.
Padres liento Scheinbri e Mario Aieoni.
Joao Alberto Gomes,
Manoel Francisco Coelho Jnior.
Joaquim Trajano da Silva.
Francisco de Bnrja ()lveira#
Antonio Rogaciano deGouvea Moma-.
Secundno Jos de Farias Simocs.
Pedro Soares de Mello.
Martiniano de Azevedo de Carvalho Siquelra Va-
rejao.
lnnocencio Peregrino Xavier Ramos.
Francisco do Assis Bezerra de Mcnezes.
Manoel Fonseca ele Mederos.
Padre Joao Scrvulo Teixeira.
Padre Francisco Joao de Azevedo.
Menelb dos Santos da Fonseca Lins.
Padre Joaquim Mancio Maciel.
Padre Manoel Perreira da Bocha.
Graciano Lisio Rodrigues Ferroia.
Fortunato Baphael dos Santos.
Padre Paulo Biolkini.
Padre Thoniaz Vital).
Padre Vicente Mazzi.
Padre Antonio Araguetti.
Lco|H>ldino Antonio da Fonseca.
Jos Kachinelli.
Antonio Agostinho de Azevedo Carvalho de Siquei-
ra Varejao.
Casimiro Rorges Godinho de Assis.
Secrelaria da instruccio publica de Pernambu-
co, 23 de fevereiro de 1869.
O secretario,
^^^^^ Aureliauo A. P. de Carvalho.
De endein do Illm. Sr. Dr. director geral da
instruccao publica, fie;o constar a quem convici
que, em virtnde de resolacio do conselho reJtor
tomada em sessao de i) de tatabro ult!mo, ospru-
fesores pblicos de instrnceio primaria nao esta >
inWbidos de ensinar, as horas vagas, por casas ou
collegios privados.
Secretaria da instruccao publica de PernambLi-
oe, 22 de fevereiro de 1869.
O secretario,
______________Atireliano A. P. de Carvalko.
O inspector da alfandega faz publu'o,
e[ue em virlude da autorisaco doExm. Sr.
presidente da provincia, em oflieio de 10
deste mez, serao levadas em hasta publica
a porta da alfandega, no da 5 a i horada
tarde, os productos chimicos nella deposi-
tados desde a cxlincco do cholera-morbus
cm I85G ; avahados em 5000O, por c>ta-
rcra deteriorados, sendo a arremataco li-
vre de direitos ao arrematante.
Alfandega de Pernambuco 0 do feve-
reiro de 8G9.
Jos Mauricio Fernandes Pereira-ule
Horros.
!

De ordem do Illm. Sr. Dr. director geral da
instruccao publica, fago constar a quem convier,
que em virtnde de resolucao do conselho director,
approvada pelo Exm. Sr. presidente da provincia,
em vez de una lista de livros, cujo uso era obli-
gatorio para as aulas publicas de instruccao pri-
maria, ser adinettido as referidas aulas, a con-
tar desta data, qualquer um dos livn s constantes
da relacao abaixo publicada, npprovados pelo
mesmo conselho, (cando a escolha dos profi
res o emprego daquelles que melhor se prestaren)
ao ensino.
Secretaria da inslrurcao publica de Pernambu-
co 24 de fevereiitJ de 1869.
O secretario.
Aureliano A. de Carvalho.
= O inspector da alfandega la publico que o
leilao do rap annunciado para hoje e que deixou
de ser effectuado por falta de licitantes, lica trans-
ferido para sabbado 27 do corrente.
Alfandega de Pernambuco 24 de fevereiro de
1869.=Jos Mauricio Pernandes Pereira de Baj-
os.
'.i
i
1
"i
1
l
Iho.
dita ditos; a Nogueira A- Modeiros.
ditas ditos; a Lailhacar d- C.
dita charutos; a J. L. Bourgard.
dita retratos; a Jos da Silva LoyoFi-
EncommendasI volunte a Fernandes A-
Irmo, 1 a Miguel Ferreira Pinto, 1 a F.
F. Borges", 1 ao Dr. Luiz Felppe de Sou-
za Leo, i a J. A. Ribeiro de Souza, 1 a
Joo da C. S. Guimares, i a A. L. de
Oliveira Azevedo 4'C, la Raymundo
Mendes Martins, 1 a J. Pater & C, 10 a
a Tasen Irmaos, 4 a F. R. Pinto Guimares.
;' a Flix Pereira da Silva.
RECEEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rcndimento do dia i a 23 42:3825978
dem do dia 4...... 3:105814
45:4885792
CONSULADO PROVINCIAL.
Beudimento do dia 1 a
Idem do dia 24 ,
23
105:8285148
5:2705862
111:0995010
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio entrado no dia 34.
Rahia10 dias, brigue inglez Alpim Cro, de 232
toneladas, capitao William Stay, equipagera 10,
em lastro ; a Thomaz Jefteries & C
Navios sala'ios no mesmo dia.
Para o portos intermediosVapor nacional Giwr,
commandanle primeiro teftente Pedro H. Duar-
te, carga d Derentes generen.
RabiaEscuna hollndola Sekkolina, capitao C. H.
Veen, com a mesma carga que trouxe de
Tr este.
Rio Grande do Norte Patacho norte-allemao
Apollo, capitao J. H. Frage, em lastro.
Observagao.
Suspendeu do lamarao o brigue inglez Peerls.
capitao Rhodes, carga a mesma que trouxe de
Terra Nova.
ECITAES.
De ordem do Blra. Sr. Dr. director geral da
1193 O inspector da alfandega taz publico, que
achando-se as mereadorias comillas nos volumes
abaixo mencionados no caso de seren arremata-
das para consumo nos termos do cap. 6o. tit.::.
do regulamento do 9 de selembro de 1860, os
seus elonos ou consignatarios deveriio despachabas
no prazo de 30 das, sob pena de, dudo elle seren
vendidas por sua conta, sem qne lhes Oque cjm-
petindo allegar contra os effeitos desta venda.
Armazem n. 8.
21 volumes marcas T I ns. 1624 a 1643, e K76
com pajiel vindos do Havre na barca fran-jeza
Sature, desean irados para o ai mi em 26 e 28
de maio de 1868, consignados a Tasso Irmaos.
1 barril sem numero e sem marca vindo de Li-
verpool no vapor Pantheo descarregado para o -
armazem cm 26 do junho da dito auno, ignora-se
o cometido e consignacao.
10 caixas de ns 1613 a 1624, c marcas GAM
ADM com vinlio, viudas de Londres no lugar 01-
dembufgense Sagitta, descarregado para o arnr.-
zem cm 4 de agosto.
dem ordem.
1 dita n. 1, marca GAM com dilo, idem idem.
74 latas sem numeras, marca T e A com tintas,
idem idem.
158 ditas sem numero, marca Z P idem id
a Rabe Schmettan & C,
Alfandega de Pernambuco, 23 de fevereiro d.>
1869.
Jos Mauricio Fernandes Pereira de Barro?.
O Dr. Tristo de AlencaV Araripe. ofllcial
da imperial ordem da Rosa, juiz do di-
reito especial do commercio nesta ci-
dade do Recife de Pernambuco por Sua
Magestade Imperial que Deus Guarde.
Del
Faro saber aos que o prsenle edita) vire n
del le noticia tivoreni. que no dia 12 de abril do
corrente auno se ha de arrematar por venda a
quem mais der em praca publica deste juizo o se-
guirte.
A sexta parte da casa lerrea de podra o cal, si-
ta na ra Imperial n. 68, freguezia de S. Jos,
com porta e duas janellas de frente, com 27 pal-
mos o meio de largo no vao, e 89 e meio de fundo,
duas salas e seis raartos, cozinha fra, quintal
murado com cacimba, avahada dita sexta parte
por 4005000. sendo avaliacao total de todo o pre-
dio de 2:4005000. a qual foi penhoraila por exc-
cucao de Jos Dativo dos Passos Bastos, contra a
viuva de Joaquim da Costa Brandao e o cnsul
portuguez.
E nao havendo lancador qu#> cubra o
preco da avaliacao a arrematado ser fei-
ta pelo preco da adjudicado na. forma da
lei.
Recife, 4 de fevereiro de 1869.
Eu, Manoel Maria Radriges do Nasci-
mento, escrivo o subscrevi.
________Tristqde Menear Araripe.
0 Dr. Tristo de Alencar Araripe, ofllcial
da imperial ordem da Rosa, e juiz de di-
reito especial do commercio desta cidade
do Recife de Pernambuco por Sua Mages-
tade Imperial e constitucional o Sr. D.
Pedro II, a quem Deus guarde etc.
Faco saber aos que o presente edital virem o
delle noticia tverem, eme no dia 8 de marco da
corrente anno, se ba de arrematar por venda a
quem mais der em praca publica deste juizo, o
guite:
Doie cadeiras de amarello usadas a 3000, dous
consolos de dito a 55000, urna mesa redunda do
dito por 8*000, urna marqueza de dito por lOiOOO,
quatro lanternas com pes de vidro, duas quebra-
das a 25000, quatro jarros de porcelana a 2*000.
Os ipiaes foram penhorados por execucao de J
Dativo dos Passos Bastos, contra a viuva de 1
quira da Costa Brandjio e o cnsul portugnea i
E nao havendo lancador que cabra o preco d4
,
*
'
I


Diario- de Pernambuco
QfeiiUr- feira 25 e Fewrehv> te 1869.
4
da
le
l>u-
aio a arrematarao ser foita pel
adjudicarlo uaform? da 1<
E piri qn '
., miad
. afilado nos I un- e
blicado pela impfew* '
Kccifo, i de fcvoreiro do 1809.
En Manoel Mara Rodrigues do Nasci-
mento, escrivo, o subscrevi.
Trhtao de Alencar Araripe.
JECLARACOES. _
Subdelegara de polica do 4" di-tricto da
frcuezia de Sanio Amaro do laboatao, 2i de feve-
reiro de 4809.Por esta snbdelogacia Be ni pu-
blico, que apparoceu e suppoe-sc ter silo lunado,
mu eavallo ru-so ciu algumas piulas de pedrez;
ICfll mu osparvao queimado na .pata trasoir di-
reita, com ferro no meta i ludo : ipiert i elle se
r rom direito, queira a presentar-so, que pro-
pia propridade lhe ser entregue.
O subdelegado,
Stronyuo de Smza Leo._______
i'el.i recebedorta de rendas internas geraes
se taz pnblico que ueste tez e no de fcvoreiro
prximo (aturo, que. os eontribuinles da laxa dos
scravos do exerekio .jrrente de 18(i8-(>9, quer
11'.-adores as frogue/.i.is da ridade, quer as de
(ora, Icen de paga-la, livre da mulla de C 0/0, e
eom ella de marco em diante.
Recebtdoria de Pernamlmeo 8 de Janeiro de
1869.
O administrador.
. Man.vl C.irix-in .! SniuaTaecrda.
A administraran do eurreiu dosta eidade faz
publico que tata dala em dianto recebe assigna-
tura? a *>J por anuo pacas adiaatadas, e no cor-
rein, oqtu os soobores asignantes receberao suas
spundencias e jomaos somonte no correio, na
eonormidade dos avisos.
Corrcio de Pernambuco (8 de feveoeiro de 1809.
Oadminbtiador,
Deongos dos Passos Miranda.
I'
o ultima parlo a comedia em um art i
oh or tahsii>uk*.
N. B. ()Sr< mmendatam billieb de
camarotes f i-adeir;s, podeni desda j mandar ao
ptorio do tlalro. aquello que isso nao tize-
rem nao terao direito a reelamaeCies.
Priucipiara as 8 horas.
Faz-se scienteao respeitavel publico que no do-
mingo 28 do corrente, dia da festa de Nossa Se-
nhora da Conceicao no Monteiro, os trens desta
empreza corrern at as 9 horas da manhaa con-
forme a tabella, e d'ahi por diante de hora em
hora, lano para ida como para a volta.
Os tiro- de ida queparam nos pontos interme-
diarios sito os de I. 3, 5,7 c 9 hora, e de volta os
de 2,4, 6, 8 e ultimo, cujas locomotivas lovarao
una bandeira nacional para seren enaltecidos.
Para o Maranho
Abarca nortngtieza Dmjiw* //. de riun.rjt
Madcc de Dos n. 10.
Para Lisboa
Vai saMr com mnita pntstez* o '*rirne poro
guez Constante II por te" grande parle do f
carregamento promplo : para o restante e pasar
Seiros, trata-se com Olivera, Filhs & U i;"p
o Conpo Santo n. 19, ou eom o capitao ia pra.
do commercio. ___________
e
dia.
Os bilhetcs de passagera do Hecife ao Monteiro
vico-versa sao especiaes e s servirlo para csse
AVISOS MARTIMOS.
De ordem do illm. Sr. inspector da lliosou-
raria de fazenda d'esta provincia sao citados pelo
presente os ex-collectores do municipio de Igna-
rass. Carlos Augusto de Barros Lima, Francisco
das l'.iiauas Cordeiro Campos e Claudmode Nene-
/.es Vasconcellos de Dmminond e seas dadores ou
. henleiros se por ventura cites ja foreui fal-
lecidos, ara no praxo de quinze das que Ihes
tica malvado a contar desta data, allegaren! pof
escripto o que I'r a bomdo sen direito, produzi-
rem documentos etc., sobre a tomada de suas
-. nado a do primeiro relativamente ao pe-
riodo decorrido de 10 de abril de 1802 a 31 de
Janeiro de 1865 exercicios de 18(il a 1866, asilo
segunde r> do setoinbro de 1865, a ;tl de dezem-
bro de 1866, compreheiidetido o exercicio de 186o
a 1866 parte do de I86i a 1863 e as do tetueiro
ao de 17 delunho a 12 de jnlho de 1866 exercicio
d 1868 a 1866. em que servio de colleetor interino
d'aqnelle municipio. Sccretaaria da tliesoiiraria
razeaUa de Pernambuco 22 d l'evereiro de
1869. .
O ofncial inaior
Mu noel Mamttlr da Silra Costa.
O administrador da recebedoiia de rendas
internas geraes declara que lendo-se cncluido o
Janeameuto do imposto pessoal do exercicio cr-
lente de 1868-69 das freguezias de S. Jos e Boa-
vi-ta, Bea marcado o praso deste niez e de marco
futuro em que deve ser papo o referido imposto,
.-em multa, das sobreditas freguezias, como deter-
mina a ordem n. 17 do ministerio da duenda de
:0 de Janeiro ultimo.
Ro-ebedoria de Pernambuco 19 de fevereiro de
i69.
Manuel Carneiro de Souza Lcenla.
C0MPANH1A PERNAMBUCANA
DE .,
\avoa;aco costeira por*v yapor-
Parabyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caly, Cear, Acarar e Granja.
O vapor Ipojuca, commamlante
Martins. seguir para os portos acuna
no dia 3 de marjo p. futuro as O ho-
ras da tarde. Recebe carga at o dia 2, encom-
niendas, patSMfefa e diidieiro a frele ate U
2 horas da tarde do dia da sabida no escriptono
do Forte do Mattos n. 12._____________________
COMPANIILV PERNAMBUCAM
DE
XaTC^a?5o costeira por vapor.
Porto de Gallinlias, Rio Formoso c
Tamandarc.
O vaj.or Mamanguape, com-
mandante Mello, seguir para os
portos cima no da 28 do cor-
rente a ineia noiie. Recebe ear-
_ ga, cucominendas. passageiros e
dinheiro afrete : no escriptorio do Forte do Mal-
los n. 12.
Maraiiho
H?iii-
Precisa-se no luja da ra da .(lAdbia e
9.
Precisa-** de tuna nase. paja cosinharem
i-asa de homeimsolteiro : run'do Crespo n. t;Jl>
loja.
m. Snfn tS"Sf TJZ^ ""' ~ U'ua^ea^u, luibilii^ s otfcreee p^ra
que WO riVares da Rocha. cflcarregare d8>nl.rancas tanto nesta cidad,
lent Jallecido, (i flus do annt pis-So ,omo fft, danrki Uanca de sia condpeta : qnem
Segu com brevidade o palhabotc Joren Ar,
para o resto da carga que lhe falta trata-se com .o
consignatarios Antonio Lu.', de Oliveira Azeveao a.
C, ra da Cruz n. 57. ________ _
Para o Porto
Segu sem demora a barca portugueza *wo
Silcntio, por ter grande parte da sua carga prome-
ta, mura o resto e passageiros aos quaes oflereee
exeellentes oommodos trata-se com Ohveira.nios
A C, largo do Corpo Santo n. 19 ou com o oapiuo
na praca do commercio. W______
Para o Porto
Segu com muita brevidade a barca porguezs
Harmona, para a carga o passageiros trata-*
nnii os consignatarios T. de Aquino t-oo-seea e
t, ra do Vigario n. 19, lindar, ou com-e o c
pitao na praca!______________;.,
Para o Porto
seguir com a inaior brevidade possivel a mui ve-
leira galera portugueza JVora Fama II, por ja ter
a inaior parte da carga engajada : para o resto e
passageiros, aos quaes olferece exeellentes com-
modos: trata-se eom Cuiiba Innaos & C, rua da
Madre de lteos n. 84.________________________
G/)MPANUA PEKNAMBUGANA
ra
11 : os.-m-'o rostclra por vapor.
Mamanguape.
O vapor Contrae, coiuniandante Penna, seguir
nara o porto cima no dia 27 do corrente as 6
horas da tarde, se neste mesmo dia ebegar da
Europa o vapor inglez que se ada annunciado,
pnruino caso contrario saldr no dia 28 as mes-
illas horas, rccebemlo carga, encominendas, pas-
sageiros e dinheiro a fete somente at 3 horas da
tarde do dia 27 no escriptorio do Forte do Matos
n. 12.
Para Lisboa
o briguc portuguez Relmpago, segu em poueos
dias, tem a carga prompU. e para o resto e pas-
sageiros trata-se com os consignatarios T. de
Aquino Fonseca A C. ou com o capitao na pwea.
o incorauito amigo leaeote*ora8lJ.''dfc-
S Melro*Gaddha, dQuimera eu corres-
poBjente Desta.cidaflfe, at hoje nao fui pro-
curado pe lo*r. lleB llie a coflla do (lebW8a(|uelle kml, alaa
do ser pago.
No foitstestando o Srlleiirtjuif a o sis-
Arlkm* r tencia do debito, e Bmitando-se a.protesiar
polo r3o pagamentrwlos juros, dbvo dlzer- -
llie que estou pronipoa reeebei oque me
devido e com os respectivos juros, (]
veneem as letras aceitas por aquella iH
nado.
Nao lendo sido paoenrado, paroee-nn: qjbb
asminbas relaccs com a familia. daC|iiellei
tinado deviam ivraMne a nao Mgir logo';
o meu pagamento : hoje, poroto* qpe-o>Sr.
Flenrique moslra-sfr esiranho aifpella alteft-
fo, dir-llie-liei que nesta eidade- me encon-
trar sempre prompto. para rereber o. Mga-
mento apreseotand a conta e titulo.
Recife, 23 de fevereiro de ia>l>.
Jos Mara Frrena da ClHilut.
se quizer utilisaride seus sertieos, dirija-sc a loja.
de fazendas dos Srs. Andrade A.MlIb, rua do Cres-
po, que achara com quein tratar.
Cieosraphla e tvancez
O bllcharel Francisco OdeloifaTaTaras Lima tee-
ciona parliculannentc francs; e geographia no
pateo do Terco n, |3, e ahi pide ser procurado
por aquelles p quizerem estdar os mesnios peer
prratorios, das 5 as 7 horas da-, tarde.
ESTABELECIMENTO EM 183a

SaLstyarillia fr Brislo!.
LEGITIMA E GfSCINAL
E KtASCOe WliVNDKS
Para o Porto
seguir dentro em poueos dias a barca porhigueza
Amelia, de Ia marcha, por j ter mais de djius
tero de sua carga prompta ; para o imco que
Ihe'falta e passageiros, aos quaes olferece exeellen-
tes comtnodos, tratase col| Bailar, Ohvj
na rua do Vigario n 10.

LEILOES.
Aviso aos navegantes.
Capitana do porto de Pernambuco 17 de Feve-
reiro de 1869.
Em virtude da ordem de S. Exe. o Sr. presiden-
te da pitivincia, manda o Illm. Sr. capitn de mar
e guerra c capitao do porto, publicar o edital
abalxo transcripto, relativamente a remocio do
pliarol enllocado nos Dataos de Braganca n'aquclla
provincia, conforme solicitou S. Exc. o Sr. conse-
Ihero presidente da provincia do Para.
EDITAL.
De ordem de S. Exc. o Sr. cmselheiro presi-
dente da provincia, faco publico quo tendo-se re-
uinvido a barca pharol da posico innunciada por
'al desta secretaria de 2 de Janeiro prximo
passado, acha-se ancorada a mesma barca em
luinzo brabas d'agua em fundo d'areia lina, e ao
norte do Cotovello do baixo de Braganca na dis-
tancia ultimada de una e mea milha da frald > do
dito baixo, demorando-lhe a ponta da ilha da Ti-
joca por 13. sueste c a do Carac por 18. tam-
bem sueste, e na latt. sul XV 27" _e.na long. oeste
neridiano de Grew. 47" 40 i"".
Os navios procedentes do leste que demandaren!
a barra pliarol, logo que estejam leste oeste
rom ella, navegaran ao rumo d'oeste verdadeiro,
passando aoffitrte da dita barca, e logo que a te-
nhain montado navegaro ao su.liieste.
Secretaria do governo.do Para 8 de fevereiro de
VS69. O secretario interino Joo Brigido dos
Santos. Conforme, o ofBcial inaior Raymundo
Alvos da Cunha. Confere, Antonio Annes Jaco-
me Pires.Conferi, Camiws.
O secretario da capitana
Decio d'Aipiino Foucera.
Manta Casa da Misericordia do
Ileelfe.
K lllma. junta administrativa da Santa Casa da
M s.-ri.'ordia do Recife manda bzer publico que na
sala de suas s.-ssocs. no dia 2'i do corrente, pelas
quatrn horas da tarde tem de ser arrematadas
quein mais vantagens offereccr, pido tenipo de um
a tros annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTABELECIME.NTOS DF. CARIDADE.
Rua de Hortas.
Loja do sobrado n. 41, por anuo........ 1205000
Rua da Mo.'.la.
Primeiro andar do sobrado n. 37, por anuo 76OOO
Segundo andar, idom.................. 96000
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1, por anno.............. lOOiOOO
Rua do Padre Floriano.
Casa terrea n. 43, por anno............ 1703000
Rua da fanperatriz.
Casa terrea n. 68, por anno............3035000
Rua da Conceico.
Casa terrean. 5, por anno.. .. .". .. ..... .. 2493000
PATRIMONIO DOS OltPUAOS.
Rua do Pilar.
Casa terrea n. 100, por anno.........2013000
dem n. 102, idem....................2015000
Rua do Rangel.
Casa terrea n. 56, per anno ............ 3025000
Rua do Cordoniz.
Casa terrea n. 1, idem.................4405000
Rua da Gloria.
Casa terrean. 2o-.................... 144*000
Sitio n. 5 do Forno da Ca, idem ........ liiOOOO
Os pretendentes devero apresentar no arto da
arremataban as as flaneas, ou compareccrem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cite, 18 de fevereiro de 1869. escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza,
COH1MY1II t
DAS
Messagcrics imperiales.
Ao dia 2 de marco espera-se dos portos do
sul o vapor francez Gvienne, commandante A. de
la Noe, o qual depois da demora do costume se-
guir para Brdeos tocando cm Dakar (Gorcc) e
Lisboa.
Avisa-se aos Srs. passageiros i|ue por delibera-
cae do cnnselho de administra^o se acham redu-
cidos de frs. 125 as passagens de segunda classe
para Brdeos e Lisboa, assim como se coneederam
billietes de ida e volta para os portos do Brasil e
Rio da Pratacom 25 ",'de abatimento pelo tenipo
de seis mezes.
Para condiccoes (retes c passagens trata-se na
agencia rua do Comfhercio n. 9.
LEILAO
De um piano forte do Vigne, cadeira c msicas,
1 guarda vestido de amarello, 1 rica secretaria,
2 cadeiras de brago de Jacaranda, 1 cama fran-
cezade amarello, 1 par do serpentinas, 1 par
do jarros, 1 tapete grande, 1 commoda de jaca-
randa, 1 mesa elstica de 6 tahuas, 1 flauta de
bano.
Cordeiro Sutes
(ara leilo dos movis cima e existentes no 2 "an-
dar do sobrado da ruaibCbug n. 9 A, aonde
se effeituar o leilo, isto
HOJE.
as 11 horas em ponto.____________
LEILO
BE E8RAVOS.
O agente Pontual vender era leilo por autori-
sacaode diversos os escravos seguintes: 1 escla-
vo cosinheiro c sapateiro, idade 23 annos, um nio-
lequeidade 10 annos, 4 cscravas engommadeiras
e cosinheiras de 18 i 26 annos de idade.
HOJE
No Io andar do sobrado n. 62, a rua da Cruz,
as 11 horas. '
CMPANHIA PERMMRUCANA
DE
\aveiiacao costelra por vapor.
Macei, escalas e Penedo.
O vapor Polengi, commandante
Pereira, seguir para os portos cima
no dia 3 de marco as 5 horas da tar-
de, Ib-cebe carga at o dia 2 as .'! horas da tar-
de, eneommendas, passageiros e dinheiro a frete at
as 3 horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
do Parte do Mattos n. 12.
COMPANIILV PERNAMBUCANA
DE
Vavesat-iio rostelra por vapor
Goianna
O vapor Mamanguape, com-
mandante Mello, seguir para o
porto cima no dia 26 do corren-
te as 9 horas da noite. Recebe
carga, eneommendas, pas*ageif
ros c dinheiro a frete no escriptorio do Forte do
Matos n. 12.
S do correte.
O agente Oliveira far leilo por conta e risco
de quom pertencer de 2(0 caixas de genebra de
laranja
HOJE
as 11 horas cm ponto na porta da alfandega.____
TIMO
e movis, lo i^a e crystaes.
A SABER :
Urna inobilia de mogno com tampos de pedra
marmore composla de 1 sof, 1 mesa oval, 2 con-
solos, f cadeiras de bracios e 12 ditas de guarni-
can, i"espelbo Oval, 4 casticaes com mangas, 2
jarros com flores, 2 candieirs a gaz, 1 mesa com
duas gavetas, 1 estante para livros, 6 cadeiras de
faia, 1 camafraneeza de Jacaranda," 1 toilet eom
pedra e loucja, 1 guarda roupa, 1 marqueza. 1 la-
vatorio, 1 mesa elstica, 1 sof, 12 cadeiras, 2 di-
tas de balanco, 1 apparador de armario, 1 dito ps
torneados, 1 aparclho de louca para jantar, 1 dito
para cli, garrafas, copos, clices, compoteiras, 2
bancas de jogo, 1 quartinheira, 1 guarda comida
de rame e outros objectos existentes no 2 an-
dar do sobrado da praca daJtoa-vista n. 21.
Sexta-feira 20 de fevereiro.
authorisacao do
Pereira de Itar-
um sbi ,
Rua do Quemado n, 49 loja de
miudezas de Jos de Azewdo
Mata e Suva conheckto porJos
Bigodinko.
Est queimando os objectos abaixo declarados
elo diminuto preco, a saber :
rseos com ayna'de Colonia vcrdadcia a 15-
Garrafas con agua Florida verdadeira, que se ga-
rante a 1 OO.
Pentes para regacar cabello do meninas a 320 rs.
Thesou ras nmito' linas para unhas e costuras a
500 rs.
Tinteiros cheios de tinta limito preta a 80, 100, 160
c 4001-s.
Varas de franja branca de linho para toa Ibas a
1(50 rs.
Caixas de phosphoros de segnranca a 20, 40 e
160 rs.
Navalhas de cabo de marfm e que se garante a
qualidade a 25.
Libra de laa para bordar a 75-
Pecas de fita bran a elstica nmito superior a 200
300 rs.
Novellos de linha branca com 400 jardas a 60js -
Resinas de papel de peso liso milito lino a 25500.
Latas com superior banha a 200 e 400 rs.
Caixas com seis frascos de cheiro nmito fino a
800 rs.
Caixas com dozc frascos, fazenda s boa a I-200
e 25500.
Frascos com superior oleo (llorme a 500 rs.
Calnngas de sabio transparente nmito bonito e fi-
no a 240 rs.
Duzia de paos de pomada do Reino, da melhor
qualidade a 240 rs.
Pecas de tiras bordadas muito finas a 500, 600 e
800 rs.
Ditas de babadinhos com dez varas a 600 rs.
Carrileis de linha de todas as ciros, para acabar
a2rs.
Garrafas com agua divina a 1.3500.
Frascos eom superior macaca perula a 320 rss
Caixas de vidro eom dozo didaes, que s a caixa
vale dinheiro a 200 rs.
Ditas de madeira com alfineles, o que ha de me-
lhor a 320 rs.
Grosas de botos de louca, lisos c bordados a
ICO rs.
Caixas redondas para rap emittando tartaruga a
15500.
Pecas de fita para cs da melhor qualidade a
500 rs.
Esrovas nara linipar denles, fazenda que s a vis-
ta a 20 rs.
Ditu.; para linipar unhas de superior qu;.lidade a
300 rs.
hmandadede JS, S. da Concedo
dos Militares.
Jao tendo comparecido qiiinta<-feira ultima nu-
mero sullcienie de irmos para fltmceionar a bm
gcral, oijnarcadoo dia J5 do andante, P?
horas da tarde cm ponto, para ter lugar a reten
reunan.
o secretario,
% Manoel Fonseca de Medeiro?. __
(Jeorges Sezob retirando-so para Enropade-
clara nada dever nesta praca : declara ,an*f**
>juevende.u seu salo de cabclluiceiro ao Sr. Jero-
uyino Delsue.
Precisa-se de una iiwlhev capaz para coalu-
ra, pas.-ar a forro alguns objectos e outros serv
eos proprios de senfiora : na tinturara firaaceza.
rua da ImperAtriz n. 55. ___
Na rua da Praia, armazem t W, pre.-isa-se-
alugar una cscrava inora ou velha.___________
Precisa-so da Tpianii.i de r.tlt ajaros so-
bre hvpotheca de una parte de-nni sitio nestes ar-
rabales : a pessoa quo quizer azer este negocn
annuncie por este jornal.________
PRIMEIRO LIVRO
RA
DK
Baha
Para a Babia sabe dentro de seis dias a polaca
italiana Sara, quem quizer na mesma aproveitar
carga entenda-se com o consignatario Joaquim
Jos Goncalves Beltraft rua do Trapiche n. 17,
Para Lisboa.
Segu com muita brevidadi a barca portugueza
Gratidaa, tem grande parle da sua carga promp-
ta ; para o queainda lhe (alta e passageiros^tra-
ta-se com Oliveira Filhos & C, largo do Corpo San-
to n. 19, ou com o capitao na praca do commercio
Ienders wil! be received up to 12 clock
(mcdday) on Fridny 26 Inst al the Rtitish
Consulate from parties willing to underla-
ke the repairs required by the Rtitish Rark
Carioca, at present anchored in this port.
For particulars apply to the master Tilo-
mas Campbell on board or on shore at n.
3 rua do Vigario.
Propostas sero recebidas at 20 do
corrente ao meio dia no consulado britan-
nico de pessoas que queiram emprcitar os
iMincertos que precisa a barca ingleza Ca-
rioca, presentemente ancorada n'este porto.
Trata-se com o capitao Thomaz Campbell
bordo da mesma on em trra a rua do Vi-
gario n. 3. ,
AVISO.
O agente Pinto far leilo por
'. Dr. Jos Mauricio Fernandes
Sr
m;, dos objectos cima descriptos existentes em
casa de sua residencia no 2 andar do sobrado
da praca da Boa-vista onde se efectuar o leilo
as 10 horas do dia cima dito.______________
LEILAI!
Da armacSo envernisada e envidnicadn da
loja n. i, a rua da Impcratriz-
O agente Bemardio Guimares, a mandado do
juizo municipal da Ia vara, vender essa armacSo.
jior execucao de D. Thereza Goncalves de Jess
Azevedo contra Manoel Alves Barbosa Sobrinho e
Lourenco Puggi, socics da firma de Manoel Alves
Barbosa Sobrinho & C.
Sexla-fira 26 do corrente s 11 horas, na
mesma loja._________________
Constando ao abaixo assignado, genro do
finado tenente-coronel Jos de S Albu-
querque Mello Gadelho, que o Sr. Jos
Maria Ferreira da Cunha, morador na ei-
dade do Recife, se constitue credor do
mesmo finado, e tendo o abaixo assignado
desde o fallecimento daquelle tenente-coro-
\\el se dirigido ao referido Sr. Ferreira da
Cunha, para apresentar seus titjlos, e
serem liquidados, e nao o tendo l'eito at
a presente data, declara de accordo com
os mais herdeiros que nao se responsa-
bilisa por qualquer premio que por ventu-
ra queixa o mesmo Sr. exigir quando
exisla debito legal, pedindo ao mesmo
lempo a razo de tamarilla demora
Engenho Mugay de cima, 17 de feve-
reiro de 1809.
Henrique Olimpio Tavares da Rocha.
I
THEATRO
DE
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
DE
Sabbado 27 de fevereiro.
3* recita le asslgnatura.
GRANDE N0VIDA1M-;
lspretaenlo em'
9
part:
Drama em parles
0
Finda a representacao do drama o artista Sr.
Martinho cantar pela primeira vez neste tbeatro
a muito anplaudida
ARIA CMICA
Kel ou o miudinho.
C0MFVM1IV BRASILEUA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o da 28 do corrente, o vapor
Paran/i, commandante o capitao
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbora, o qual depois da
demora do costume seguir para os do sul.
Desde j recebem-se passageiros c engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada. Eneommen-
das e dinheiro a (rete at as duas horas do dia da
sua sabida.
Nao se recebem como eneommendas sc-nao ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medico.
Tudaquepassajdestes limites dever ser embarca-
do eomo carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa*
ens s se recebem na agencia rua da Cruz n. 57,
' andaar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
i.
De um (orno telheiro, caixoes, balanca com pe-
sos, cylndro, maceira, tendedeira, relogio, balcao
de amarello, armaco, um core de ferro _c mais
pertcnces da padaria da rua do Sebo n. 25.
Sexta-feira 26 do corrente.
O agente Martins fara leilo da padaria cima
em um s lote, pois garante-se o arreudamento
por 4 annos a quem c omprar o estabelecimento,
as 11 horas do diafecima.
PAt
AVISOS DIVERSOS.
IrinandadedoSantissijiio iSa-
cramento da freguezia da
Boa-Vista,
Nao se tendo reunido numero legal de irmos
para que podesse funecionar a mesa* geral, con-
vocada para o dia 21 do corrente, qt ordem do
nosso irmo ju'z, convido de novo aos' nossos ir-
mos para comparec rem quinta-feira 23 do cor-
rente pelas 6 horas da tarde em nosso consistorio,
afim de em mesa geral se tratar de negocios ur-
gentes tendentes a in eresse da mesma irmantade.
Consistorio da irmandade do Santissimo Sacra-
mento da matriz da Boa-Vista, 22 de fevereiro de
1869.
O escrivo interino
_______ Marcolino Jos. Pape..
RIVAL SEM SEGUNDO
Rua do Queimado n. 49, loja de mi jdezas de
Jos de Azevedo Maia e Silva, tem para vender os
artigos abaixo declarados, tudo botn e baralissi-
iho, que sao para acabar.
Duzia de sabonetes muito finos a 700 rs.
Pares de sapatos de tapete para honiein a 15280.
Ditos de tranca para creanra a 15.
Tramoia do Porto, bordada, a melhor a 200 rs.
Dita do Porto liza, da melhor qualidade a-100, 120,
160 e 200 rs.
Resma de panel almaco, lizo superior a 35200. #
Dita de papel almaco pautado a 44.
Livro de misses abreviadas a 2?.
Cartilhas com toda a doutrina e uaui :as resas a
320 rs.
Silabarios portuguezes com estampas a 320 rs.
Baralhos raneczes muito finos a 200 e S:40 rs.
Sabo inglez superior qualidade a 500 e 15-
Grvalas pretas e de cores muito finas a 500 rs.
Duzia de meias para senhora, fazenda fina a 45.
Redes pretas lisas para segurar cabello a 320 rs.
Varas de transa de seda de todas as cores a 600 rs.
Pares de brincos dourados com maoziiha c pe-
dras a 320 rs.
Cartoes com corchetes de duas ordens c sao de la-
lio a 20 rs.
Abotuaduras de vidro para coleto muito finas a
120, 240 e 400 re.
Pares de botoes dourados para punhos a 160rs.
Caixas de pennas de ac muito linas a 240, 320 e
500 rs.
Cartoes com duzentas jardas de linha do fabri-
cante Alexandre a 100 rs.
Caixas de pennas de ac, a verdadeira penna a
Carriteffde linba Alexandre ns. 70,83, 100 at
200 a 100 rs.
Caixas com superiores obreias de ma>sa a 40 rs.
Carriteis com dnas oitavas de retroz meto a 500 rs
Duzias de agulhas para machinas a 25-
Libras de pregos rancezes de todos oj tamanhos
' a240rs,
Livros i-scriptura.lus para rol de roupa a 120 rs.
Cuicas com papel amisade muito fino* 700 rs.
Caixas com cem envelopes da melhor qualidade a
600 rs. ,'
Talheres para meninos muito ljoa azenda a
240 rs.
0 GIl\M)K FUNFf&lDOR DO SAMMJE!
Esta excolleate e admiravcl medbdM, e
preparada d'uma manira a mais santifi-
ca por Cfaimfeos o Dt-oguistas mui ('lindos e
d'uma batracio i>rofiinda, tendo tido mui-
tos annos de experiencia ao par d'uua lon-
ga e laboriosa pratica.
A sua composicac nao consiste dfum sim-
ple extracto d'um s artigo; nais sim3
composta d'extractos d'um numero de rai-
zes, hervas, cascas, c folbas, passuindo to-
das ellas, sua virtude especial ou poder
em cura- as molestias as cpiays teem sede
ou essento, no sangue ou aos humores;
e estes differeutes extractosvegetaes, achanv-
se por urna tal forma combinados ponto
de conservaren! em toda a sua loica, o cu-1
rativo especial de virtude, que cada uu de
per si possue. A raiz ib planta de Salsa-
pamllia, produzida as Honduras, a que
us usamos nesla preparado, sendo a qua-
l'ulaile que todos os mdicos mais prezam
e cstimam. Na ounposiro da Salsa-
parrllha le Bristol entra mais de 50
por cotilo deste concentrado extracto. Ella
nao encerra cm si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ou injuriosa
sade; e tanto 'este, como em quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramente
diversa de todas essas mais prepararles,
as quaes debaixo do nome de Salsaparri-
Iha, sao accondicionadas ou postas em gar-
rafas pequeas, sendo receitada em doses
mui diminutas d'uma colher de cha poi-
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARR1RA DE RRISTOL
em frascos grandes, e assim por este modo,
dividimos com os consumidores, o grande
proveito e vantagem alcancado por aquelles
que acondicinalo sua preparacao em gar-
rafas pequeas. Cada un dos frascos da
nossa Malsaparrilha de Brlstol
oonteem a messa quantidade igual porco
contidanaquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue ainda muito mais forra e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventura se possa achar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tamaito. Per-
ianto mui natural, que aquelles, que se
acham oceupados em preparar e vender as
suas produc?oes, em garrafas pequeas,
murmurem e gritem contra os nossos fras-
cos grandes: proclamando, que a nossa 8al-
Haparrilha de Brlstol nao possue a
menor virtude; porm quo* effectivamen-
te sao clles postos em silencio, quando indi-
camos, ou simplesmente referimo-nos para
com essas centenares de certides e tes-
temunhos authenticos, por nos recebidos
de todas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARHILIIA DE RRISTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
dfferentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compem as nossas medicinas,
sao produzidas, que nos habilita exer-
cer aquelle constante cuidado e disvello na
minuciosa escoma; e o que assegura e ga-
rante uniformidad? de excellencia.
Em quanlo que, por oulro lado, nos nao
nos poupamos nem a dinheiro, nem dili-
gencias ; afim de alcancarmos o melhor
e nicamente o melhorde cada Um artigo
ou ingridiente que entra na sua composi-
Co; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva confianza; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as naces, e de todos os paizes, que na
Salsaparrllha de Brlstol. possuem
um remedio mais efficaz e seguro; do que
nenhum outro, que vos tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por certo nao hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e effectiva cura das seguintes enfernudades:
Dr. AbiMo C. Borges.
2* E1MI0 MKLHOHABA E A.UGMENTAM
A' venda uallvrarla Francez
Esta obrinlia, piaaeira que com tal titule
apareces no paiz. composta segundo um
systema especial, abreviado, philosophicQ**
ameno, e muito tfifferente das cartas ce
nhccidtis com o nome de A R C.
Recomendaba o acto de haver sid adop-
tada para as escolas publicas de quasi to-
das as provincias do imperio, sendo por
toda, a parte tito vantajosamente aceita, que
era menos de 18 mezes achou-se esgotada
a primeira edicao de dez mil exeroplares.
~ARREMATACAtt
No dia 27 do corrente, depois da audiencia do
Dr. juiz municipal da segunda, tara, escrivi
Motta, vai a praca um sobrado cte um andar sit>
a rua das Aguas-Verdes n. "t, com duas salas,
dous i|uartos, cosinha (ora, ((jiintal murado, ca-
cimba meieira, em chaos propnos, o que ser ar-
rematado sob a base do valor de 8:000*000 !*fe,
visto ter sido dado para pagamento da quantia. d<-
:i-.:U56*000 rto alm dos juros wncidos da lellra
aeceita pelo finado hachare! Francisco de Paula
Cavalcanli de Albucpierquc, a qual vai a praca
para pagamento de 1). Anua Amelia Pina, com
l'oi dado no inventario a que se procedeu por at-
U'imento do coronel Lourenco Cavalcanli de Al-
buquei que, visto quo a dita 1). Anna nao quer au-
ferrinaior preco por dita casa, e prejudirar assim
os herdeiros do'*dito coronel d'aquelt que lhe
d.vida. nem tao pouco ser prejudieado no casi
em que ella seja inferior ao computo da referida
divida, fazendo a credora entrega de qualquer
excesso que baja, assim como cara com direito
a haver dos herdeir s qualtjucr differenea que
por ventura haja para seu integral pagamento.
Recife, ii do fevereiro de 1889.
Escrfulas,
Chagas antigs,
ulceras,
leeros
SyphHis.ouMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilidade Geral,
Febrae Malignas e
Febre e Sezes
Biliosas,
Pillas assiicaradas de Brislol.
NAO COMEM NEM CALOMELANOS NEM NENHUM
OITRO MINERAL.
A grande necessidade e falta de um ca-
thartico ou de urna medicina purgativa, ha
muito que tem sido sentida, tanto pelo po-
vo, como mesmo por meio da faculdade
medica; e por isso, infinito o gosto e.
prazer que sentimos, em pdennos com
teida a confianza eseguridade.recommendat
as pilulas vegetaes assucaraaas de Bristol,
como urna excellente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e maii>
ingredientes essenciaes, tornando-se em um
perfeito, seguro e agradavel cathartico de
familia. Este remedio n5o composto
dessas drogas ordinariamente usadas na
composico dessas pululas, que por alti se
vendem, mas sim, sao preparadas com as
mais finas e superiores qualidades de raizes
medicinaes, hervas e plantas, depois de se
haver chimicamente extrahido e separado.
os principios activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medicinal,
daquellas porces fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dophgtiin^ a qual segundo a experiencia
tem demonstrado, possue um poder o mais
maravilhoso possivel sobre as regioes do
figado, assim como sobre todas as secre-
ces biliosas. Isto de combinado com o
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formain urna pilula purgativa, tor-
nando-se por isso muitissimo superior, *
qualquer urna outra medicina da mesma
natureza, que jamis fora apresentado ao
publico. As pilulas vegetaes assucaradas
de Bristol, achar-se-hao sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente effi-
caz, para a cura de molestias, taes comcv
sejam as seguintes.
ou indi-
AMA
Com muita brevidade segu para o porto indica-
do a barca portugueza Belem, capitao J. J. de Frei-
tas, a qual tendo a maior parte do carregamento
prompto, recebe o resto a (rete, para o cjue trata-
se no escriptorio de Araorim Irmos rua da Cruz
numero 3.
Precisa-se de urna ama para comprar e cosinhar,
Ear rapaz solteiro; rua do Queimado n. 12,
ja. m
Fundico da Aurora.
Neste vasto estabelecimento sempre se encontra
um completo sortimento de taixas de ferro batido
e tundido, fabricada j recentemente, e. se abricam
de qualquer molde a vontade dos compradores, e
precos razoaveis.
Vende-se o grande sitio no becco do Espi-
nheiro, ao chegat a estrada dos Autillos, (rente
muradae diversas obras de podra e cal por aca-
bar, bons viveiros com abundante peixe, baixa
para capim, boas tenas para plantacao com ex-
eellentes ructeiras ; para examinar a qualquer
hora, e para ajustar com Joaquim de Oliveira Mel-
lo, na rua da Hora junto ao mesmo bceo, u na
undigao da Aurora.________________
Aluga-se
Feridas Ulcerosas,
Tumores
Abscessos Apostemas.
Erupfes,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres intermitientes e remitientes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ha, que para o bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apontadas o adian-
tamento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesmo
lempo das nossao mui valiosa pilulas
vegetaes assucaradas de Bristol,
tomadas em doses moderadas em connec-
co ou conjunctamente com a Salsaparrdha;
ellas fazem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendem e hvre-
mente circulam espalhados pelo systema,
isto causado pelo uso da Salsaparrilha; 9
por esta forma facilita a volta e o exercicio
normal das operaces funecionaes,
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. CaorsJ. da C. Rravo 4C..P. Maurcr
4 C, M, A. Rarbosa, Rartholomeu & C.
Dyspepsia,
gesto,
Adstringencia, ou..
pristo do ventre
habitual,
Azia do estomago c
flatulencia,
Perda do apetite,
Estomago sujo,
O sobrado de um andar e sotao s to rua de
S. Goncalo n. 27, pintado de novo : n tratar nos
Quatro Cantos rua do Cotovello, taberna.
Precisa-se deum caixeiro brasile ro para ta-
berna ; na travessa de S. Jos % i.
Precisa-se do urna criada de bons costumes
para rasa de (amilia, preerindo-se escrava, que
cozinhc e engommo er(eitamente : a tratar na
roa da Imperador n. 63, segundo andar.________
Lava-sc e engomma-se roupa por prejo I
commdo : na rua da Esperanza n. 95. 1
Hydropesia dos mem-
bros ou do corpo.
Affecees do ligado,
* Ictericia,
Hemorrodias,
Mau balito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabeca.
Em todas as molestias que derivam t
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrilha de Bristol esse melhor de todor
os puriicadores deve ser tomado conjun
lamente cora as pilufass pois que estes
duas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarem de hannonia urna
com a outra, quando fielmente assim se fez,
nao nos resta a menor duvida em dizer.
quo no maior numero dos casos, podemos
affiancar nao s um grande alivio, com<
tambem urna cura prompta e radical, isto
est bem visto, quando o doente n5o str
ache ii'um estado muito alem dos recurso
humanos. jm
_^-----------------------------------------------------
Scbonete de alcatrdo.
ntonio Nunes de Castro.
Vermfugo efficaz e preferivel todos os
conhocidos j pela certeza de seu resultado,
e j pela fcil apphcaco s enancas, qua>'
sempre mais ataidas de o ttfrnvel e
muitas vezes fatal soffrimento.
nico deposito,
Pharmacia de Bartholomeo 4 C.
34rua larga do RosarloJ* .
i


Diario de Pernambuco Quinta feira 25 de Fevereiro de 1869.
T~rr
Copeiro.
Precisa-sede ura copeiro no hotel Central, que
^eja leligente e de bom comporlamento.jiaga-se
beaa agradando : ra larga do Rosario
Trocam-se
Rio de Janeiro.
Zeferino d'Almeita Pinto, advogado no
Rio de Janeiro e com escriptorio do agen-
cia na na dos Pescadores n. G8, encarre-
ga-se de todos c quaesquer negocios judi-
ciaes e administrativos, mediante honora-
rios e commissoes rasoaveis e moderadas.
As pessas que de seus servicos se qui-
xerem utilisar, poderao dirigir-se pessoal-
mente ou por carta ao escriptorio cima ou
a casa de sua residencia, Cllete n. 172.
acompanliados de todos os documentos
precisos e com indicaco da pessa com
quem sepossa tratar.
Para mais informares dirigam-se a bo-
tica da ra larga do Rosario n. O, resta
cidade.
Ama
Precisa-sc de una ana :
.45.
na na
da Concedan
Pede-sc ao 9r. Mam .el da Costa Perelra, prati*
eante da repartido das obras publica*, ora em
Jaboatao, que compareca a rua Augusta, sobrado
u. 102,afnn do saldar o sea debito, ou pagar o
que pedio, e Hto cu .de.__________
Attenco! attencao!
Guilheruiino Rodrigues do Monte Lima la/, sci-
entc aos offirias de lodo os rorpos, que a.*:da de
receber um completo sortimento oPespadas, ban-
das, talins, alabartes c charlateira; c ai per-
tences. Assim como reeebeu tambera chapeos de
oleado para criados, do copa aita e baixa, rom
cordita de ouro ou brilla, e vende mais bai lo 11
pie em outra q-.ialquer parle, na praca da Inde-
pendencia n. 17, junto a toja do Sr. Anules.
as notas do banco do Brasil e das caixas flliaes,
eom descont muito razoavel : na praca da Inde-
pendencia n. 22.
No sitio n. 1 da Passagein vende-se urna
escrava de meia idade.
BABTHOLOMEU a: G.
Escriptorio
Gomes de Mattos Irmaos eslao com o seu es-
criptorio aberto na ra do Vigario n. 26, 1" an-
prop5e-se a qualqner consignarlo, menos
dar
de esclavos.
loiorc
Precisa-se de um menino que saiba comprar e
fazer mais algum servico de casa : na ra do Im-
perador b. 73, 2o andar.
-------------------------------------------------------
Precisare de urna ama escrava que saiba,
eozlnhar, engmmar e fazer compras (pnga-se
hem) : a tratar na na da Cadeia do Recife n. 1,
armazem.
Precisa-si' do urna eiijtommadeira ; na ra
do Queimad'i n. (i, primeiro andar.
PilMliS DE \I\I
N.: RA DIREITA N. 3
As pilulas, o xarope alcohlico e }J
o ethereo ile veame, conforme a gg
formula do finado plurcmacautico l'a- fgt
ranhos, assim romo a pomada con- |gg
traasincliacoeserysipoisas, arMo- jjj|
se venda, na botica de Francisco 1||
Antonio il;ts Chagas ra Pireilan. jSj
3, defronte do armazem de mollia- |f
dos denominailo viudo bnineo. Es- j||
tes medicamentos teem sido e sao
dos mais enrgicos agentes auxilia-
dores da natureza na d.!> .nrio das W*
doeneas, servindo de grande alivio @
a huinsnidade solYredra. principal- j||
mente aquelles, que dispondo de ?m
poneos recursos e nao podendo por fe
muito tempo pennanecerem em um j!
tratamento tajvez intil, pela in i-
cacia de cerlos remedies, recGfrrem ^
ellos ; e por sto asss re*
mendados se toroSo, para as pessas
que oiTrem de rMumatismo, escr-
fulas, ulceras, qpjgeus, erysipla,
tumores nos ossbs, tosse, nsthma, j^J
amenorrba ou sonpresisao do mens- pj}
truo e menstruaro diflicil, sendo 8$
poivm osados conforme a d recelo fjg{
escripta que os aernupaob.
No armazem de Candido Alberto Sodr da Mol-
la travessa da Madre do Dos n. 11, cstao paten-
tes mais de dez mil amostras de papel o mais lin-
do que se tem visto nesla provincia, desde o mais
simples at o mais sumptuoso e proprio para
guarnico e forro de salas, gabinete*, capellas de
reja e sanctuarios; pela vaiiedade e belleza de
seus desenhos e areseos primorosamente dou-
rados. O custo djsse artefacto o inais razoavel
possivel, porque apenas se sugeitar o Sr. pretn-
deme a urna diminuta conimissao alm do medico
proco porque vende o fabricante f m Paris.
No mesmo armazem de Candido Alberto ven-
de-se muito em cunta o seguinte :
Muito bom arelo
Por 3 o sacro de 120 libras. E' muilo barato !
ptimo cimento
Por 103 abanica de 13amibas. Nao ha que
dizer.________________________________
irmacao de taberna
com os seas pertence, pesos e med das etc.. nulo
em muito bom estado e proprio para algum prin-
cipiante : vende-se por melado do seu justo vali
Joaquim Jos Gon-
palves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, i. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
jo, do Minho, em Braga, e sobre os seguin-
>.es logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Va I enea.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Yianna do Caslello. 0
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalico.
Lamego.
Lagos.
Covilliaa.
Vassal (Valpassos).
.Mirandella.
Beja.
Barcellos.
UTIL1DADG
Aos500 pares de brincos.
Chegou e vende-se no Coracao
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
mosinhas com una franja peiulen-
jgt le a um rico desenlio e ouro de
jfS lei, pelopeflueno preco de l'5.$600
cada par. baratsimo.
PAWA USO INTERNO
P" KI'AB A DOS SIMPLES
fcjurubeba garrafa. 1^000
\Tiib.! de juruBeba garrafa. 1*600
'-'utos de jurubeba vidro. 1*600
W Tintnra de jurubeba vidro. 640
Extracto hydracoolico de jurubeba. 124500
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2^000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 1 #000
Pilulas de jumlteba ferruginosa vidro. 2*000
Oleo de jurubeba vidro*. 640
Pomada de jurubeba pote 6-40]
Emplastro do jurubeba libra. 2*500
PARA USO EXTERNO
, {, A JURUBEBA.
Esta planta 6 hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, e< mo um excel-
ente desobstruentc, e como tal appicada nos engorgitamentos do figado e baco, as
hepatites propriamente ditas, ou anda complicadas com anazarchas, as inflammacoes
"" tsequentes as febres intennitentcs ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
taimente do ulero e abdomen, nos tumores glandulosos, na rozarcha, as hodrope-
, erysipellas.; e associada as preparacoes ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, chloroses, faltas de menstruafo, leucorrheias, desarranjos atnicos ilo
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos affirmain os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos "citar os Illms. Sis. I)r. Silva Ramos. Aijuino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereii-a do Carino, Firm Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecema excellencia d'este
poderoso medicamento sobre os demais at hoje conhecidos para todos os casos citados,
lanto)qe todos os das fazem d'elle applicaco.
Apresen lando aos mdicos e uo publb emgeral diversos preparados da juru-
beba, tiveraos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at boje sentiam os doentes de uur dos prepanfdos empricos d'elle, e
mais das vezes repugnantes a iragarem-se, e que fflm'anfrainda a desAantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o qoe torna muita3 vezes improficuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apreseulados depois de havennos conveniente-
mente estudado jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bemeonhecer aspro-
prii'dades modicaaiientosas d'esta planta em suasraizes, folhas, fructas ou bagas, e a
dose conveniente a applicaco, tendo alm d'fsto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeico possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro i|iie possamos tirar.
Por tanto os que se dignarenr recon-er aos nossos preparados podem ter a
certeza de que ell?solFerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompla e infall-
velcura de qualqner dos solTrimentos.quedeixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doentc a vantagem deescolher nasnossas va-
riadas preparacoes. aquella que melhor Ihe pode convir, j pela fcil applicaco, c j pela
complicaco das molestias, idade, sexo, ou anda nalureza de cada individuo.
Asnossas preparacoes ferruginosas sao feitas de forma qne se tornan comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompostos de ferro que
como taes esto hoje reconnecidos.
Para aquelles que,mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applicaco de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folheto, onde tratamos inais extensamente desta planta e dos
raesmos preparados.
Deposito
geral de todos os preparados
Botfoa e drogara
34Ra larga do Rosario34.
mes stBsra
m
m
KISRITliViOS
CONTRA FOiO.
A Companliia Indemnisadora, estabelecind
nesta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carrOgoeotea e contra lago
em edificios, mereadorias c mobilias: aa
ra do Vigario n. 4. pavimento terreo.
Os cinco Ilhrtos ta lotera '.';> ;i benetoio da
igreja de .V S. da Boa-vi \gtn de ns. 0!)7, ifiTi,
i8, 2698 e 'Vid. perteaewi ao9 Srs. Rkardo
AVittig, M;iim;I Gejnes de Freitas c Ifanel Jos
Martins, do Ararat\, e licini ei poder do abaixo
assigiiado.
Praneisoo Martins Da-86 l:(XM)-5a premio OOSR hyjtiHlii'Cit em
ben de raiz lo dobi'ado valor nesla cidade : na
1 ua Nova, loja de ferragens n. 31. **
Irmandade doSenhor
Bom Jess dos Fassos
na matriz do Corpo
Santo.
Tendo osla irmandade de exporem solemne
iiim.-issFio a iniagem de seu Padroeiib no ilia l
lo mer nndimro, com aquella pompa o bnlhnn-
isbio qtie de codtuoie, Iiiii a mesa regedora re-
corrido aos numorosix devotos dcste Sonhoh alirn
de roncorrerem tando a par de lodos elles, e menta pelas distan-
Mas de suas mamb, a mesa regedora lites pede
|tie tjuai|ini (linaiivo com que rjueiram concor-
rer, rjugnar-se-li^o entrega-lo ao inno provedor o
Sr. Mareefiuo Jo- (ofldve? de tintes, na da
Cadeia n. 2. ou ao Ibcsolreiro Bernardo Fenvira
Loareiro i ra do Amorm n. 44. Outra sim, ne-
aliiinia possoa so ac,ha encariegada para lirar es-
lila- de alva, como consta innauda-
le se apre.-enira no dia 19 do crreme met um
individuo asslm earacierisado, pis os nicos en-
anegados dessa missio sao os cima mencina-
los e o-juc a alies se Jnnlareui para formar ein)-
uissao.
CASA DA FORTCSA
Aos 4:0005
Billietes garantidos.
A ra do Crespo n. ~1'\ e casas do costme.
O abiso asslgnado temi vendido nos sea*
muituJi'liies bilheles garantidos un meio n. 53li
com sorte de 700, um moia> n. 1062 com a
sorte de 2025 e outras muitaa sortes de 100.5,
i0{ n 20 da lotera que se arabou de exlraliir
em beneficio da matriz de Jalioatao (93.a) comida
aos possnidores" virem receber seus respectivos
prmioi gam OB desceios das leis na casa da
Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acliam-sea venda os da '' parte da lotera a
beneficio da igreja de Jwssa Senhorada Bba-via-
f em dos W igwos (Oiii qae se extrahir sexla-feira
26 do i-o nenie mez.
Precos.
Billiete. ". 4 5000
Meio.....25000
uaito. ., ) 4000
Km poreae de 100* para cima.
Bilhete.....35500
Meio....., 15750
Quarto..... 875
Manoel Marlins Fiu?.a.
DOENCAS DO PFTT
XAROPE D'HYPOPHOSPHITO
CAL
GBIMALTeXa PHABMACiUTICOti V PAR
A efficacia d'esta preparacSo esiestabelecida desde 1857, pelos mais celebres mdicos. Desde
enlSo muitas imitacocs tem sido feitas, mas nenhnma poude sustentar a comparacSo com o
producto apresemado pela nossa caza. Por isso excitamos o publico para que exiga sempre
este xarope com urna beUa cor de rosa, nunca branca, e com a nossa assignaiura roda do
frasco.
Sob a soalalhicncia, a tosse acalma-se, os suores nocturnos cesso e o doente volve ra sida-
mente sade. 0 seu empreco d tambero os mais brilhanies resultados nos defluxos, eatar-
rhos, bronchites, irritacScsdo peito. eic
Deposito em Pernambuco, em case deTBurer e O*.
m3&00^*$4f&&#;.: f:^^m%X#tt'ZA#.?y?#m'!:.
BARATSIMO
Calcado nacional, na fabrica de Jos Vicenie
Godiio & C., ra loJardimn. 19, avNam aos
mu fregnezesdesta capitaledo interior,quecon-
tinnam a fabricar calcado em alia e.-cala, o offe-
cecema nielhorodcondieoe*. tantoem proco como
iin qualidade. Os proprielarios doste estabeleop
nento cliamam a alte ncao dos senhpres consuirii-
dn interior,qu- os quizerem honrar eoiii
na freguerih, cspecMcaado em seus pedidos
ipialid tregar bem acondicionados eui casa de seus cor-
respondiitos nesta pif c,a.
Do xarope Vegetal Americano. espeelal|dadedeBartholoBiea A c
3iRA LARGADO ROSARIO34
Nao costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que^ua applioar^ao e os resultados obtidos pelas pessas que se dignaram acreita-
los, lhesdeem crdito evoga; porque sao sempre os attestados considerados gratuitos,
e delles que lancamao o charlatanismo; mas, nao querendo offender as pessas qu
espontneamente nos offereceram os que abaixo vo transcriptos, os fazemos publicar,
manifestando-lhes nossa gratid5o pela attenc3o, esperando que venliam elles corroborar
o conceito, e acceitafo que tem merecido nosso xarope.
Barlltolomeu & C.
ATTESTADOS
Illms. Sis. Barthulomeu & C com avaiais subida satisfacao qne declare
ser o xarope Americano de urna efficacia extraordinaria, pois que sotTrendo lia das de
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamentos
que tomava, a elle recorr e na terceira colher fui alliviado, e de todo me aclio boje res-
tablecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois/ esse resultado- mani-
fest a VMflfc- meu reconliecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Barlbolomeu & CPenhoradissimo com o favor que me fizeram
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, quando me acha-
ra bastante doente de urna constipaco, que me tornou completamente rouco c que
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus deveres de ca.lerda
empreza lyrica, vou agradecer-lhes meu completo restabelecimento, que oblive c< m i:m
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tratamnitos. Di fcjarei
que outros como eu recorram ao seu xarope para se verem alliviados de t5o Irnivcl
incommodo, t5o fatal ueste paiz. Com maior consideraco contino a ser de Vv. Ss.
atiento, venerador e obrigado.Luiz Creraona.
Itecife, i'.i de setembro de 1808.
Illms. Srs. Bartholomeu & C.0 xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. term
exposto venda de toda efficacia para o curativo d'astbma, confoime obsenei fpji-
cando-o a meu illio Joaquim, menor de quatro annos; victima d'csse flagello, que at
cutio por espaco excedente a dons annos liavia resistido a outros xaropes de granda
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expresso altamente sincera de meu reco-
nliecimento ao meritorio servico que Ihe prestaram com o indicado xan pe, acn dilan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, atiento c obligado.Amcrico Netto de Mendonca.
Recife, 2 de outubro de 18fi8.
DE
.1.
DE
H
1A
N. 95RA DO IMPERADORN. lili.
Os pianos dista antiga fabrica san Imje assz conhecidos para seja necessnria
insistir sobre sua superioridade, vautagens e garantas que offerecem aos compradores,
qualidades estas inc/)ntestaveis, que elles ten definitivamente conquistado sobre
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um tecladoe iiiadiinisnio que i bedecena
todas as vontades e caprichos das pianistas, sera nuura falhar, por aerea fobrkaidos
de proposito c ter-sc feito ltimamente melhorainentos mportantissintos para < clima
deste paiz; quanto.s vozes sao melodiosas e flautadas c por isso muito agradarais aos
ouvidosdos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. BIi n-
del/de Paris, socio correspondente de J. Vigaes, era Cuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposic5es.
No maamo estabelecimento se achara sempre um cxplcndido e variado sorli-
mento de inusalk dos mellmres autores da Europa, assim como harmnicos e .'.".in >
harmnicos sendo todo vendido por piecosgpmmodos e razoaveis.
um:
ria larga do rosario n. 37
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia em da quanlo possivel para chc-
gar ao come do bera viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
CIIARLTEUIA E PET1T RETAI1AXT
Annexos ao Hotel Central, ra eslreitfl do
Rosario n. \ A, andar terreo.
Para dar a conhecer a vaiiedade infinita
de charutos de Havana, Kaliia. Rio. etc. oue
existem neste novo estabelecimento pits-
Xo eofegio da ('oneeieo prerisa-se. do una
engoniinadeira perita.
AXJJMJLXJ
Ptcpaia-se almoco e jantar em una casa
particular de familia, na ra ..estreita do
Rosario'n. 3i>, sobrado.
Precisa-gc lugar um moleque ;
Cabug n. i R.
tftf OH
na ra du

Su rua do Imporador n. TI i andar; lu^cisa-se
le um criado.
Joaquim de Gonv.Ja Crrdiiro, J-.io AisMT
-iris e Anselmo Rndripues de Azevedo. inandain ce-
lebrar, no dia 26 do corrate pelas 7 horas da
iianhi, urna missa de refuitn na iareja de S. Gon-
^alo, pelo repouso eleino de seu sempre chorado
uniga J.is Francisco Silvcira Bitlaprourt, e con-
idam aos seos amibos e parentes do linado para
iwMfreai a este a<-io de earidade. no dia e. hora
acuna declarado.
Mi.noel l.m/ Pa( z pul.|ico
jiadorespeilavel cor|, docommercio que nesta
ata Iicdu napose exclusiva do e^ial.elecimonto
le ,"'""iS^',hirg0 de S" Pedr Irae
pial tiu&dWuhtOdo como snrao o Sr. j.o Macha-
do Evangelho. e cuja sociedade tem girado ate Uoie
~ob a (Irma de Manuel Luiz Pacheco & (', anual
ira dissolvida, rdirando-se o socio Ma.
isatisfto do sen ram'.al e lacros, c obeigadu o
uinuncjimte a li'i'ii l .,v,;
Na rtia da Saazalla Velha u. i (casa lerrea)
>recisa-5e alugar pretas ou mjleques quitandeira-.
paga-se bem semana Intente.
ANTONIO EPAMINONDAS DE
MELLO tem o seu escriptorio de
advogado ,rua do Queimadon. 8,
1. andar.
Preeisa-se te om molequede 12 a 14 annos
para servico externo : na rua Dire&a n. 7!>, loja.
Comida para
rua Dirajto n. 7!>,
ara rara
Com'todo o asseio e promptidao, bem prepara-
da e adubadn. dandu-se louca fina e mandand i-c
levar naaeasas me quizereni : na rua estreita do
Itsarion. 19, laudar. -
Carpiniiiiu Fitfio & Sobrinho sacan pul
dos os paquetes para Hep.inha e qara os portos
segnintes :
Orense.
i'.Hanova.
Ceniza.
Puenteareia
Tuy.
Ponle-Vedra
Redondela.
Vigo.
SantiajO. .
-*, ir. Antonio Francisco baane queira appa-
rocer na rua Direita o. 58, a negocio de seu i.ite-
resse.
Frederico Maia
Cirar^io leiiC.sta pela eseola
de medlcloa
lo Rio le Janeiro.
Tem a honra de participar ao respeilavel publi-
co desla capital eseus suburbios, que tem aberto o
son gabinete de consultas e operacSn dentarias a
i rua Direila n. 12, primeiro andar! onde pode ser
In .curado todos os diasdas8 horas da man:" a as
1 d.itarde. Elle adiase conipctent'-mentc habili-
tado para com perfeicocoUocar dentos aitiliciaes
porqualiiuerdos systemas, e bem assim desempo-
nliar qualquer outro faballio concernente su
proflasao. O mesmo, recouhecendo que neni sem-
pre passivelssenhoras ou enancas sahirem a
procc.-..ir o remedio, olTerece-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que ua cidade se pres-
tar a qualquer chamado seinque issoinflua cousa
:ilguinaaacommodid;ule dos precos de saos traba-
Ilios.e quando para '(ora delta a'ssim mesmo aera
precedido do um auste rasoavel, garantindo ella a
-i'Suiancae perfeicSo de seus ditos trabalhos. Em
sen gabinete se encontrar consiantemento oxoel-
lento pos deatifycio, olixir e outros medieamen.-
tos odontalgicos : ria Dir.-ita n. 12, prunejro
andar.
Aluga.se um 2* andar de um sobrado da
Caes do Ramos, e um .1 da rua da Praia: i tra-
lar na rea da Imperatriz n. 6.1 2 andar.
Precisa-se d'unia criada do bons costumes
para casa de familia, que nao estoja arostinmda a
rua. prefertmfo-c cscrava, que eosinha c engor-
me com [lerfeicao, a tratar na loja da rua nova
n. 17.
mmm
VAHA
GRANDE HOTEL
M1MTE.
InaHgiirou-se este eommodo e elegante
estabelocinrento d'onde os seus frequenta-
dores poderlo apreciar a especialidade na
confeccao dos gneros alimenticios.
As bebidas sao as niais primorosas e re-
eommendndas.
Adece;. a e Bn servico primam n'esta
casa no bello ?osto oriental.
Mandam-se domicilio comedoi .is. iaul4
avulso, como por assignaiura mensal. Os
precos sao mdicos e convencionaes.
Ha urna espacosa e bonita sala para o
elefante jogo de buhar.
Ha tambem aposentos commmod >s ebein
mobilhadas para hoapedagem.
Rua larga do Rosario
n.44.
sentos de ho^ndagen, tanto para una s cindimos dos annunM pomposos
pessoa, como para numerosa familia. j ramente se fazem, rflduzindo-nus apenas
A agua, indispensavel elemento para a tres letras que sao tres blib bom, hn
vida e bygiene, temo-la sempre em alitin- barato. A' vista do genero amranriaiirj pr>
dancia para facultar excellntes banhos. de-se julgar de nossa VcrCidade, Esta casa
Ha tambem urna boa bibliotheca e perio- gosa tambem das condiroes de un,
dicos nacionaes e .'stnmgeiros, piano para e petit resta/muir onde se pode ver a -
recreio, buhares, etc. etc. peciafidade dos fiainhivs c salames 6c L,\ n
Sendo ociosa crualquer recommendarSo para lanches e al fazer urna bo.1 cp!ac3o,
para to acreditado estabelecimento, omit- juntamente com os priiuipas viulv
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o hnw.a pina
fim, que o bom servico, ordem c moralida- e fervenle champagne-, o inui sabm
de imperam n'esta casas como observancia no, a primorosa cerveja, o licor espirito
fiel..do. regulamonto que possue. o quanlo pede una mesa, l'az-se mute
Comedorias a la arte. sorvete evariedade derefivsnK.
Piecsa-se de urna ama que saiba cozinhar,
yreferindo-se escrava : a traiar na rua-do Hospi-
cio i. 47.
Attencao
Urna pessa que sabe ler, escrever e con-
tar, se ofTerece para caxeiro de escriptorio
ou mesmo de rua. Os pretndontes diri-
jam-se a rua da Imperatriz n. 16, <" andar.
aMoraraR
Francisca Morona Res Lobo, Manoerpiacio
Oliveira I/ifw e Antonio Moreira Pois, H e sogro de Manoel Izidoro de Oliveira Loh
lecido em Lisboa a 26 de Janeiro ind", pi
pela mai> acerba dor, nvidam a tod.
tes e amigos tem o do fallecida o cari.i
ouio de assfotirem a missa de Kequiem, que 7r
descanco eterno iipnJam colebrar no dia o
do coTrentg, trigsimo dia do seu passamento, na
igreja de Nossa Salfeora do Carmo, as 6 1|2 ho-
ras da manhaa, pelo que Ihe flearo eternamente
gratos pela assistencia aos ltimos suftragiiis por
sua alma.
se dinheiro
sobre joias k t)orof pra-
ia, Mltales c^ rtdrs
predosas: na Iravessa
g das Ciros n. 2, janto
a esta lypograpbia. 1/
andar.
II
Precisa-se tic um caxeiro par urna lo} de
(Benda, com praca ou sem ella, para ir para
Alagoa-nova, que tenha ti a 16 annos de idade :
a tratar na rua da Cadeia do Recite n. :<3, loja d
Alfredo & C.
O solicilador Ignacio Barroso de Mello, mu-
dou sua residencia para a rua do Caes do Capi-
baribe, casa ten oa nava cora purtao de ferro ao
lado
I
55--RUA DA IMPERATRIZ-55
THILHOS URBANOS
DO
Recife a Apipucos.
rara raaiw eoMBodidadi' doi. passa^ciros o
trem qua'passava nblloaleiraas 91ioras a 25 m-
imtos da naite. jiassar as 10" e 33, eia quinto
dnrarem as novenas de Nossa Senhora da Con-
eeij-ao que alli se cHebra.
Escriptorio da wmpannja 19 de fevereiro de
1869.
W. Uiwlinsaii.
Gerente.
O propietario d'este importante estabelecimento tem a honra de partiera
ao respeitave! publico que leudo fgido d'esta praca a pessoa ijuje se a.-liava na se .
rencia, elle contratou para sua casa um perito oicial que foi por muito tempo o pri-
meiro official da importante casa Sulingre do Rio de Janeiro ; por isso espera o annun-
ciante que todos ficarao satisfeitos dos seus trabalhos, visto, alm d'isso, possuir no sea
estabelecimento as machinas mais aperleicoadas para Ungir e lustrar de que se faz hs
na Europa, e achar-se tambem prvido de grande quantidade de drogas. escolL
sempre de primeira qualidade e fornecidas pelas casas especiaes de Paris.
Tinge-se, lava-se e limpa-se com a maior perfeico fazeudas em pecas ife
em obras de qualquer qualidade que sejam, taes como la, algodiio, seda, touguira.
pennas, chapeos de feltro e de Manilha ou palhinha de todas as .res. etc. etc..
tambem tin-se nodoas e limpa-se a secco sem molhar os tecidoe
Os senhores negociantes, logistas e particulares experimenten! que todos
acharao proveito e vantagens.
Tinlura preta tergas e sextas-feiras.
VTTENfAO
> Ama de leile.
Alnga-se una ama de leite cscrava con filho :
quem precisar dirija-se praca da Inderiondencia
0*P5-______________________
- Ainda se vende a taberna da rua dos Co-
piares u. 14 e tambem a da rua do Fort n. %
uga-soTUM cas;, na'rua rmperial, i
na tabera, tem fomd para padaria, tem
agua em casa e por proco muito coninudo :
na rua larga do Rosario n. i6
djiin rapaz porm?aezl)u bi-asi-
leiro que t.-nha pratica de taberna ou mesmo um
menino com bastante pratica para Caixeiro de iraa
rabana : na rua do Hosjiieio n. 36 se dir qein
preem.
so de uma"criada~para todo o ?
ro do 0a casa de pouea familia, preferindo^se
cscrava; a tratar na Capunga, parta Lasarr i n. I Precisa-se de urna pessoa que cariaba bm : na
6, ou no Recife rua da Cadeia n. L 1 roa do Creepo n. 19,
Angelino Pacheco da Cosa faz publieo, que
vendeu o seu estbelechtiento sito a rua io Impe-
rador n. 13, aos Srs. Joaquim Jos dos Sntos J-
nior e los Pinto Tavares Jnior, a cujos Srs. o
mesmo far entrega no dia 1. de marco prximo
vindouro.
Cavallo futttdo.
Furtaram nanootodel do- fevereiro do enge-
nho Guerra, do Cabo, um eavaUo castanho, gordo,
grande, ps e mos grossas, tem nnu cicatriz
grande nojspinhaco, no meio della urna lerida ao
ndas ciinas do lado diroito, tem falta de cabello
por aausa de cocear : iua-se as autoridadt s com-
petente* apprehdnsaa do-mesnte ou oatra quakjuer
pessoa, podendo leva-lo a villa d Cabo a easa do
ar. vigario, que ser bem rceorapeasada. ____
Para cozinha
AO h
i/Jlll PERJlAMBUC'JUO
86Rua das Cinco Ponas86
Thotiae Jos de Oliveira ot O. avisa aos seus freguezes que foram, tanto desta pra-
Ca como do centro da provincia, que regressou de sua viagem Eimopa no fim de
zembro proxinjo passado, esc acha estabelecido com nm armazrrobeiiTSOiiido deTner-
cearia (vulgo molhados) de bons generes, e por precos commodos e garantindo qualida-
de, pezo e medida,- nos gneros comprados no seu armazem ; portanlo pede e roga
que n5o deixem de Ihe dar a preferencia.
FRANCA-BRASIL
a
MR. MERC1ER, alfaiate fiancez, previne ao respeitavel publico e a eus numerosos (regnr-
es que, tendo transferido sua residencia para a rua do Trapiche n. 7, primeiro andar, ahi enfloptraraf
sempre todas as qualidades de fazendas para (rajos de homcm, e preara cocui mes para n>
senhora. Faz tambeiq obras para militares e para criados, para as quaes tem-grande sortimento r
botdes simples, com vrola e corda de conde, brancos e amarellos. Recebe por tod s os vapor
ltimos figuririo: para liemem, senhoras e meninos.
.
1ITII1
irrinsli
Todos os mcios at Ijoje preconisados contra a asllima nao taro sido mais do na palliatt
debaixo de todas as formas, tendo por base a belladona, o estramonio oo opio. Reeentes eipe-
riencias feitas em AHemanba, repotidas em Franca a na Inglaterra, lam provado qoe o cinaroo
indio de Bengala possue as mais notareis propriedadeapara eombaier easa temivel ahVocio,
assim como a toss.e nervosa, a insomnia, a lysio* larynaea, a rowqnkiia, extinoeto da roa,
liabTos
e as nevralgias fsciaes. E' pois com o apio da seiencia q' e offerecemoa estes gaitde, prepara-
dos com o extracto de cnamo das Indias, que ~
4|_______ Deposito em Pemam
t

?
h


1
TtTTTTfTTTTTftTT



\
-
>
Diario de Pernambuco Quinta feira 25 de Fevereiro de 1869.
TEMPORAL
Grande liquidadlo de miudezas!
Alfonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
loja ra du Queimado n. 5o, resolveu annunciar as mesmas miudezas para que o pu-
blico se certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a saber: -
Massos coin campos 25 a 20 Latas com graxa, duzia a .
grapp
l**3C-a* de tranca lisa e caracol a
Sabonetes de todos os precos a
80 ICO 203 e.....
Abotoaduras para colletes a .
Botes de baca para camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
deira) a.......
Frascos coai agua de Colonia a
320 e........
Garrafa da tinta roxa a. .
Clisas com 103 enveloppes a.
Mantas dojeda para liomem a
Fita de sana para enfeite de
vestidos pa......
Frascos com oleo para cabello
a 400 o.......
Lila para bordar, libra. .
Eipovai ias para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e .
Dilas mullo linas para fatos
por pre^o nunca visto 400
500 e........
Pecas de babaJose entre meios
a 603 800 o .....
Grvalas, de seda de cor a .
Ditas pivtas a 100 e .
tico e renda das ilbas a todo
pre?o. So a vista faz f .
Pecas de tita de coz com 10 va-
ras a .
Sapa
40 Coques muitobons com rede so
a rede val......
240 Meiaspara homens boafjBenda
320 a 3)5600 e U .
100 Linba de marca, caixa com 16
novellos,......
i #000 Latas com banba (familiia), duzia
Frascos com banlia a 320 400 e
400 Botoes para punho fazenda boa,
800 a 80 e....., .
500 Volta de Aljofre cousa boa a
800 Fitas para debrum de vestido a
Caixa com agullia francaza* a
600 Botoes de ac para colete duzia a
Carto com alfinetesfa .
600 Caixa com perfumaras muito
65800 lina. B a caixa val lOiOOO
320 12*000 .......
" Copo com opiata muito fino a
400 e.......
gOgJMeias muito finas para senbora
I duzia. ..:....
480
1,>500
4000
240
2^200
500
100
160
500
160
120
100
15/>000
500
ATTENCO
Na travessa do Dique u. 10, trabalua-e eui cos-
turas de alfaiate. '_______.
Pre uireco-
sinhar, na rao dat 1, loja._______
Atraz da utatrb da Boa-vista n. 1 an-
dar, lia una escrara para se alagar, que faz todo
servico de tuna casa de familia, tanto externo como
interno, tambora vende-se wa escravinho de 12
anuos.___________________
Dcaappaieoea un 1'urtaram no dia 18 do
corrente, pelas 6 horas da larde, ama es lira bicho,
preta, grande, com marcas brancas pela barriga
e tambera pcia testa, subresahindo as marea*
tnais preto ipwbrauco, muito mansa e criadeira.e
est mojada de um raez : a pessoa a quem for olle-
recida para eomprar,ou que a apprchender eqalier
entrega-la, poder laver a sen douo na ra de 8an<
la Thoroza n. I i, que ser gratificado.________
Precisa-so de urna ama para comprar e co-
zinhar: na na do Queimado n. ti, loja._______
OlTerece-se pal-a caixeiro de eotoraneas, mo
nesta praca, um rapaz de idade 19 anuos, o qnal
dar provas de SOS conducta : quemprecisai'di-
rija-se a travessa da Senzala-velha n. 4o, primei-
ro andar.
Corapra-se escravos.
Uno du l-'aria & C, na ra do Vigario n. 24, es-
; criptorio, 1" andar, compram escravos de ambos os
sexos, sendo que, moloques de li a O anuos e bo-
i. J. Forrera Vllkila. niias ii.rui^, serap pagos por muito inais diuhciio
Photogrtjjho da casa imperial te""'""raqualgncrparte.________^_
Ouro c praa
em muidaeem obras inutilisadas, compra-sepor
i ni pe
premiado ein diversas exposi-
28
10 CAMPOS
28
bojn proco: na praga da Independencia n. 22.
Na ia pliotograpjua ra do Cabug n. Na praca da Independencia n.;i3, loja deou-
18, entrada pH pateo .la matriz tira tvlra- [? compra-seo.iro, prata, e podras preciosas, e
Escravo
l.->000
320
500
5,-5000
240
200
Carlas francezas a 200 e .
Ditas portuguezas a 120 e .
Caixa de linba do gaz branca 50
novellos....... 600
Frasco com tinta a 100 e 106
F tanja de 13a para snpato (peca) 1 #000
500 Papel de peso muito bom 4#O00
os de tranca e outros muitos rticos, que enfadonho seria mencionar.
RA DO QUEIMADO N. 55
Precsa-se alugar um escravo das 8 horas da
manliaa as oda tanlc: ua ra da Cruz n. 40, 1"
andar. %? ________
O aballo assi;. nado cumpruu livre e desem-
baracada de ququer onus, a taberna da ra Im-
perial n. 20.', ao Sr Joaqulm Goncalw- Yiauna :
os prejudicados reclamen no memo lugar, nn
praso de tres dias, sob pena de nao seren atten-
didos depois deste praso I\ecife 23 de fevereiro de
'1869.
Patricio Martina Ferreira dos Santos.
Ama
Precisa-se de urna ama de meia idade para
comprar e cozinhar para urna familia de poucas
pessoas : na ra Heliad. 3.
los por tpdns os s^temas pbotographicos.
Km porcelau Km vidro
Em talco Km papel
CART ES DE VISITA A & A DUZIA.
Os retratos cartc-dr-risiir sSo collados
m caitao de luxo bristal ou porcelana,
(ambem se faz qualquer obra de encommcuda, e
todo e qualquer concert.

[SgI
mSU

Guarda livro^
Um suarda livros olTerece-se para organisar
escripias, extrahir talaucos por qualqu ;r svstoma
eonheci lo, podendo dingir-se na ra do Harigel
n. 9. '
Cal braut:ade lagasai'ibc.
Acaba de abrir-ye um deposito de rerdadeira
cal de aguaribe e je h"j. em diaule qualquer nu-
tra que se vender, allegando ser daquell lugar,
ialsillcada. A |icssca que ilirg este esiabi'li'n-
meatd enearrepa-se de lornecer qualquer porc.au
i|u se procurar, assiio com i da cal preta, madei-
ras, etc., ludo por commodo piojo: os'precnden-
tes jrijam-se a prac;; da Concordia, armazcm jun-
to ao deposito de caimito i^)inpra-sc3portasciini9 1| palmos dejiMura
e com 4 1|2 de largo, mais una janclla com 4 1|2
de altura e 3 l|2 de largo, todo de amarollo e j
serrido de outras casas : quem quizer vender en-
i'iida- na ra da Soledade n. 32, ou na ra do
,nr-HD Onelmado, Inja n. 1, ou annunrie por este jornal
uouraaos ou lithographados, quadrilongos----------^--------------------------=-----
ou vinhetas para oque existe urna varieda- UOmpra-Se
de de 12 modelos a escolba de quem se re- lio4 libras esterlinas, ouro o prata de todas as
tratar. Para as outras especies de retratos minies epor maior pceo (toque em outra parte :
temos caixinlias, passe-par-iouis, quadros roa da Cadeia do Recife n. 58, loja de zqlejo.
S.r^rs lHrad:,slePretas cassftas de 0 miizeo de joias
"C fM? "Pto e fm l,cdiaS l1r- Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, praU.
Josas havendo nos alfinetes urna mimosa c |ilHi,,ls precio |.or preeos mais rantajosos do
vanedade de feitios. que em outra qualquer parte.
0 nosso estabelecimento pbotograpbico! ^pr......
est sempre em dia com os melhoramortos'
e progressos que na America do Nort^lla j
Europa ou no Rio de Janeiro se consegue >
na arte pliotograpbica, -e para alcaiicannos
tal fim nunca poupamos despezas nem sa-;
cricios, de sorte que os nossos numerosos
fceguezos podem lera certeza de que seni- feide-e por pren conuuodo um engenho, .-i-
pre encontrarao a nosso estabelecimento! "I"10 na Varaia da l'aral.vha do Norte e tres
indrt nnar.i ^ ^n n o ~,i . udo quanto a arte e a moda olfcrecer de ,[, p5es de ^ \,rm Illl]j[.lis Iliatlas J,,, l)(-,as
oom no novo e velho mundo aos amant.ss mafeira, cerrado de ranea, bas obras de pedra
da photograpbia. cal em ponto grande, como sejam tar-a de eDge
= Na ra po llangel n. 41, 2" andar, precisa-
se de una ama de bous costumes para o servido
iiiterno de urna casa de pouca familia.
olio, nioeiida uova,
lirdada entre
d onde commodan
________ |ba|ho,curral, casa de purgar rom rapacidad)! para
una carta recollier as palores salas, bom deposito de me
Ra to Itperador*
EM CKOSSO E AVAUEJO
Cbarutos de diversas marcas dos bem
acreditados fabriraiii i Jrmaos
Manoel da Costa Ferreira de (Sao Feliz).
Farinlia da (erra muito boa, itfreisa
sacca.
Miraguaia do Rio Grande do Sul, peixe
seccode superior qualidade a 6|400 a ar-
roba.
Congro e ruivo de Portugal, em barris e
libras.
Camares seceos, do Mararibo, 'm libras.
Latas com pei.xe em couserva sendo :
Salmom. Lagostas, Ostras e outras muilas
qualidades, a saber: Portugu.-zes. b^tezes,
-Vmericanos, Ilespanlic..,. eic. etc.
O Campos anda tuna vez, vem lera
bonra de limbrar ao raneitavd publico, as
muito excellentes aguanftntes de Lima Pa-
rali, e Tiquirado Maranlio, por vir-lbc a
idea que se aproxima o lempo invernoso,
e que niuito nescessaiio se lorna liazero
estomago quelite, e como M ada o seu es-
tabelecimento bem prvido dos gneros a
ma ditos, recommenda mu passeio at elle,
onde encontrarao os amantes do que 6'
bom bocudo, un completo sortimerftd de
gneros linos, gue se loniaiu recomnvnda-
\cis para urna mesa mais ou menos pro-
vida.
Koga-se a pessoa que entregou
na ra dos Pires n. 33, viuda da Babia para o Dr. dum casas do vivenda de pedra c cal, forradas e
Luiz Jos Correia de S, i' favor de indicar sua einidracadas. eapella emoam estado, casa para
morada para ser procurado. leitor e arinazem de lijlo, casa de fozer Cariaba,
-----------------------------------------------------------' estribara para 6 cavallos, casa de liagaro e um
A\ isu-so ''"'" Ja|dm Junto a casa de ofbradia, cora poma-
c. m i r~ \< i. ii i r'" liuetciras etc. Mais um sitio perto do mesmo
Ao Sr Manoel Jos M;,r-|ues Bacalbao, dg cor- no ,,,, ,.,,., ,,,, |ra p ^ ir,adae envi-
icio goial. .pieresgate a sua carta du.lauca. macada; e mais tres, de Igiiaes pWpoTcdes e rom-
Preeisa-se alugar um preto de boa conducta modos, o dono destas propriedades vende-as,
para o servico de urna casa de grande familia : a permuta-as por predios nesta capital, a praso com
tratar no sobrado n.'2 da na do Imperador, un boa seguranca, c a dinbeiro, lujo rasoavelmen-
trada pela de S .Francisco. j te. A'tratar'nesla ciliado no convento do Carmo
Grande liquidarao.
0 prupdeiario d'antiga e bem conberida
loja de miudezas denominada beija Flor
,a. imiaexcelKnt^ gallera a-so- a ra do Oilcimado II. ;l. (Ilieieido axabV
tem dt'liberailo proceder a urna completa li
\ agnia branca tem-se feito tio conbecida e
acreditada, nao so pelas aovillados, variedades, su-
peripridade a abundancia 9e seu sorlimento, come
pela eousi.i ni- cominodidade de seus procos, e ms-
ala pelo mu assaz o nanea olvidada agrado e since-
ridade.
Basas verdades incontesfaveis rao sem duvida
apreciadas pelo bello sexo em particular, e pela
resp itav I puulico em peral, e a lano lem chegadu
qoe(-st.lo<|,i.-im: pass.imlo como annixim ou pro-
v.trbio. qado s1 rt um obji'cto de elegancia,
gasto, novidade, ele, etc., diz-se logoMiuetle ob-
jecto sonf anvida "ro comprado na loja d'agnis
branca.
Qii'.i lo n i rlab, .nos bailes, on no salao de
Santa kabfll, urna excellenlissima so apresOnta
garbosaraante trajando, (razondo o moderno cinto
d mai aiva lila, lisa, chaipalotada, ou e C
as snas adniiradoras ilzom comsigo aquella-fita
foi comprada na loja d'aguia branca.
Qaandoo;'!-! ,- He.iii-sinia, nao menos gar-
osa, m istra o riauf de sen li.mig.isto na acertada
ftcoBa dos eufeiies do altanpvidade que bella-
mente ornara seu vestido, ainda mesmo as rivaes
hI bvi p ithia eonfessara queaquelles enreiles
foram da-lija d'agaia branca.
Qutnd i n'ontra eseeHerttissima, apetar da sin-
r 'Ary..\ de sen porte agradavel, se vm as ItontU
luvaydc pellica dqgaoza 'as sfasJiel^* ami-
gas louvam-lli i gosto e ceii!'e-.-am iueaqu-'lla?
lavas rdram da loja faguia btanc'a
Qoando mesmo dnas osoolloniisslmas, amigas
amigas de collegio, se encontram naqueles loga-
r -. depnij 4o cumprimentos de recprocos beijos.
urna a oulra os agradaveis cheiros de que usam
em seas linos lencos, c cada nina das i,uaes ergu-
idos as pelo elogio do acert de sua eseon, e como ^
que querendo por si meana Justificar dizeui simal- '
taaeamcnte wrdade que estej:huiro foi compra-
do na loja d'aguia brauca.
Aiuda uiais.
(buindo honleui os [iais aflictos seutiam o rigor
da ilenlicao de sen charo lilmnio, e boje ..'.ly< .- <
satisfeitos pelo feliz restabelfccmicnto recebem as
visitas dos bous metbor amigos, dizem aquelles a
estes, foi Deus qm me inspiroupara que compras-
se, como comprei, omdesses virtuosos Bollares
llover, que se vendera na loja d'aguia branca.
AesJ do e:v:i(o tniils que aiadn
itia dizer.
Quando em um circulo de circumspeetos carac-
teres se discutir a veracidade de taes dizeres, appa-
reoer UBI outru que queira ainda levemente inter-
ronmer a discussiio, os priuieiii s por momento es-
qnecero a' eircumspeccao e boa darao um gra-
cioso debique dizendo-lhesja sabemos que V.
un daquolles que inclina o chapeo de sol ou que
mereca ser'designado pela agnia brauca da ra
do Queimada n. S.
Avisa--, u- a ;iiem f.ir o dono de0ca\a> i'mi
, ac da marca F11 & li de n. VO'i a i-ii viadas pola
. esouifei diii,iKi.ir(piez:ii///!/o), de Trieste embarca-
j>el;s Sis. .Morjiut'oi: Paientc. ti.-ralmudade de
mandil r dospaclaaii
Ha tantas as consas qne por
cimas eseapam as outras.
J la esquecendo a aguia branca,mas em tempe
leinhroii-se para noticiar, que receben urna pe-
qnena quantidade de enleiles para co<|ues e gram-
pos para ditos, ludo feito- de metal o ni lindos e
a;-.udaveis coloridos, obras estas pela primeira vei
apparccws, e portanto inteira novidade.
Tambera ehegaram novamente delicados enfeitc
e llores ornadas de aljofares e vidrilhos, tanto de
palha para coques como para vesiidos, e ludo
contina a merecer, a aprceiacao das excelleutissi-
rabias por forca de sua elevada delicadeza, gabam I mas conhecedoras do bom.
0 advogado Dr. Antonio de Vas-
loncellos Menezes de Druininoiid.
trausferio o seu esaiptorio pra a
rea do Imperador n. 2trie pode
ii',.. os ij uLi
11 horas da manliiia al as ^la
tarde, [iara os raislcios de -apro-
sso, \-fk 3A
l'KLi
Contada galonpe.iti.
Ri^xvsito especial
Phamnicia de Bartholomeo A C.
Bi--Ra latgai ao Rosrip------31.
l'i-ecis
salba con;pr,ir
Pnrrnsn n :n.
isa-s de una ama de Ima c n.l-.cla. que '' ,] ',|' *'*% Jarinllw"d| Souza, ou nal'arahvha
nraroeori}har perle.ia:,:...: : ua ra ''"" Antonio l.uliao de s.na.______________
Anias
Prei:i-.a-.-'Mle duas rana para cugouiojaj
Ira pitra eosmhar : na ra dos Pifes
K;eo,:
A .FRAGATA
Precisa-sede urna ama para comprar e ilo-
siuliar para urna pessoa na na eslreita do ro-
sarlo n. 2 refundo andar.
,1
J\Ji M
Recebad um bonito e variado sorlimento
fazendas, pivtas proprias para presente
Preeisa-se du.uina ama ; na i ai do eslaf5o, com) sejam :
r!o:"'i'JU- i- i-iiidos corles de seda pala com listras
~ ^MTi---------' i-------------assbtinadas para veftdos de superior qua-
1 amellas a oruiiCK las lidade, e o melhor ae ueste genero tem
Antonio Ntmes deGastfo.
m< Ksle. acreditado preparad*j qiie tao boa
3|aeteitaC;fto h'in tu -ic-ido
: muito se recoinmiTida pa
das imp^ns,'"' sardas,
inulco...- de prlle.
l>e|K>sto iiko.
Pknmacia do liarlbolomni A C,
3i :-ga do li -W.
Ama
nesta piwncia,

s|as e todas as
Em S. Jos du Mang.inl*<%8a n. auto de 'P^ilidade.
I__________ r .. .1 .. 1 I............. i \|ilnt e, e o meinor que nesie genero
viudo ao mercado.
Seda preta semelhante aos mesmos cor-
les para vender a eoyado.
umitas basquinas pretas de guipar
muito bem enfeilailas. (neste gen ro lam-
bem lem brancas).
Grande sortimentq de basquinas de .--ida
preta enlejiadas com muito gosto, e para
differeutes pcecos.
Sorlimetiio de grosdeniplfs P*ew l'JIJ
diversos preces.
Gorgarao de seda preta de suiterior
thodo Castilho.
I diegar a reja, ainda *e preeta alugai uias jiiii:>
laiecntendam de cii-ommado e costura, paga-sn
bom aiuguel agradando.
Mantas de blonde de seda preta muito
Secumliiiu Joh- de Paria Siinea, pru'oasor pa
licular du insliuceai elementar polo melbodo Ca* z
i i H io, avisa ao rcspertavcl publico. com especiali-
dade aos pis le uuwilia, quut. abertu sua aula
desde o dia 7 de Janeiro, na roa da l'enha n. 2a,
primeiro acdM1, aoude rocfb/' pensionlas por
preco comniedo : o hicsrhi prM&sar pomette
muiio se e.snii lar no adiautameiUo de seus alum-
nos. Adm-e fcerlo desde -a mewno dia uincui-
so de primeiras letras a noule paaa aquellas pes-
soas que nao pudeiviii l'reqiieniar durante o dia.
'le
-se uiu escravo para sei la-
ucar ou para servico de alvarenga por
Na ra daConcei^an. 2U precisa-se de urna
ama para servico interno.
77 RA M IMPERATRIZ 77
N este novo estabelecimento h um eomplfe sorlimento de medicamentos, pro-
ductos rhiinicos, e drogara, tudo de primeira qualidade, e se vendem por menos do
que em oatra qualquer parle.
lltaiiiljem um soriimniio do medicamentos bomeopatbicos, tinturas e globu-
I!- ni"iles.jjorpregos commodos: bem como xaropesde urubeba ferruginoso simples;
vahos d.'jurubeba simples e ferruginoso, e o bem conltecido xarope de Paracary, es-
pecial (Testa pliarmacia. Aviam-se receilas a qualquer hora do da e noile, com proinp-
Ikbo, cuidado, e pericia ; nao se negam a qualquer oceurrencia em casos urgentes. 0
socio gerente encarregado do (.stabelecimenta mora no mesmo, para o que est
premploa abrir a porta a qualquer hora que for preciso.
C. Cat$n d- C.
Precisa-so saber onde mora Antonio Pinto
da Costa, pintor, JRural da cidade do Porto, tilho
de Diego Pinto da Costa e Mara Isal,'I para fal-
lar com sen man, i >aieiHi Pinto da i losla che-
gado hoje do Rio de Janeiro, no vapor Guar :
esl na ra da L.inu'd'.a n. I.
Quem uiii'.er lo nar conla de mna fabrica de
vella de caniauia,di;'ija-se a ra do Brum n. 101
que se dir quem precisa.
Continua sempre a ter: cortes de blonde
para casamenlos; lindos corte.s de seda de
poeiro,r riuLda Cadeia n. rmatmB008.?:cm**** francezas c inglezas, com
-Bm^Mto,mSr^JbatoMri fonnho sem oll' Par h?,mcm L'""!sa
a negocio de seu intere>se,na ra das Grozes n.'.) iranceas para menino; bonitas casointras
de cor; variado e lindo sortimento de alpa-'
jas, laa e poil de clievre; cbapelinas, cba-
sse.na
segtfdo andar, das*9 h ira ao molo d.'a.
ruin
quidarai, para o que chama a alteino de to-
dos.
Os objectos serio vendidos por metadede
seu valor, epara que o publico, nao suppo-
nba, que o prsenle annuncii i na lusao,
oproprietarioda dita loja offerece tuna pe-
quea'lista de alouiiiasnnude/.es, c m os seus
diminutos precos romo ababa se ver;
nao apresentaiido una lista completa de to-
dos os objectos que eslao expostos a venda,
pela razao de se tornar um annuncio muito
extenso epor consequencia de enfadonba lei-
tura, por isso apenas lemita-se as seguintes:
Caixa de envelopes de cores. .
Ditas de eavelopes com tarja.
preta........
Ditas de envelopes brancos gran-
des.........
Ditas da envelopes grandes e pe-
queos. .......
Libra de laa para Ivular, surtida
Duzia de carios d corcliete li au-
rezescom i pai es oada carto
Dita de collieres de metaj prin-
cipa para sopa.....,
Dita de ditas para di*. .
Concha de metal principe pira ti-
rar assucar.......
Uniuadura para colleta. .
Pares de lovas de dio da es
brdna e ij rft i pgr^ u< ,
Ditas de ditas para soubura. .
rila para siuto de scahora. .
Paics de sapaliiiiios de casimira,
bordados.......
Pe asde cascarrillia de lea.
Bfecova lina para limpar
Dilas de dilas. .

606
006
706
COO
7 #000
900
: $& 0
i '
I
Ponte preto de bar,..
1 Caixa com apparelhc de litmibo
a Oi, liKW c.....
BOneca de cera a 1-5000, l->00,
:t^0(), li:?* c,.....
Apparelho de porcelana para al-
nioro e janlar......
Jugo de Vispoca.
liic>ic, i iiuiicioiaa, i.ua- >'b" <*- ""|"".....
palha da Italia e de velu- Caixa com papel branco e de
I
o-WOO
900
ipeos e gorro
do; linas de jielica Jouviii para hornen?
ia parasenhorae; e muilas outras fazendas
| de apurados gostos; assim como lambein
i'O-
siha \ :^-r, rogara a seus d.>vcd< res o ,>bse-1 vende esleirs para forrad salas i te
quio de uiandarera pagr^uas cuntas al o lim do
corrente mez, e lindo effe serio olas enlregucs a
iini procurador para cobra-las judicialmente:
Triios urbanos
Agora sim, grabas a Dos !!! Qne novidade ha
aos trilitos Mramb ?... fjae novidade f!... Cuida-
do; o Saldanha do Caldcireiro chele \la estacan
doliecife. T1I4I
1
Preeisa-se de una ama para cozinbar e com-
prar para casa de pouca familia : oa raa da Po-
nhan. 27. *
0 MUSEO
GOMES DE MATTOS IRMftOS
tendo feito completa mudanca em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe maiores proporcoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
onde enconlrar-ao um completo sortimento do que ha bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de novos gostos, equedevom cauzar um grande effeito nos trages quares-
maes, assint come grande variedade de salvas e paliteiros de prata con-
traslada e degoslo ainda nao visto.
Compram a trocam qualquer joia ou pedra pre aqulida rA
u
ilil mi
Precisa-se de urna ama de
Aurora n. 20.
OLEO DE HOtiti
PD
LT7RC5.
Figados frescos do bacallio
Para cura certa de phlisiea, alTcccdes escrofn-
rua da luS'ls> tosse "bitlnica, fraqueza ilos meinhros e de-
bilidade peral, reeomraenda-se a espellenca des*
--------' oleo anda por ser agradavel no paladar.
m'

Xirantein

0 MUSEO DE JOIAS
-
Manual para o exame de habilitaeao para ma-
isterio de instrnecao primaria jielos Dw. F. de
i'.astro Preires e J. V. de Maccdo : na liviana en-
ciclopdica de J. 1). de Mello, ra da Cruz n. o.
Ao hotel Dous Ami'iiis. .
Pi"ecisa-s- de um copejro para se euKirregar ao
mesmo lempo deste hotel : na rna da matriz da
Boa-vista n, 8._________________________
Irmaudade do Bom Fn
A irmandade doSenhor 1!on Jess ilolkmi Fin
daridade de Olinda, dcixa de continuar no exei-
cip da via-sacra e nos sermoes de quaresma por
a igrojado mesmo Seuuor se aHiar inierdicia. se-
gundo fez publicar S. Bxc. Hvraa. no dia H de
wvereiro do corrente anno. quando ella ha pouco
tinha principiado seus actos, por dizerem ler ha-
vido falta de respeito ao culto em occasiao da lian-
deira de ^ Goncalo, a qnal teve luear no dia 2H
de Janeiro prximo lindo, cuja handeiri sabio da
dita igreja, e com a qiia a irmaudade nada teve, i
concedendo apenas liceoca a alguns devotos para '
fazerem a festa do dito sanio, licenca ?. irmandade absolutamente nao podiiygar.
Lemlo-so no Diario de Pi.'i'uanibucui n. 36, de
10 do corrente, um edita! dojuizo espec al d*com-
raercio, no qual se declara que cm virtude de
juslifica^ao dada pelos administradores da mansa
fallidaAmorini Fragoso, Santos & C, Picara pro-
vada a ausencia de Henrimie Jos da Ciraha, em
lugar incerto e nao sabido; pelo pret>cnte se faz
publico, oque por todos conhecido, e nao igno-
rado pelos proprios justilicantcs, que o dito llen-
rique Jo^aa Cunha reside na cidade do Porto,
roa dm). Pedro n. 13 2. Sirvamao menos es-
tas liuhas, como pi'otesw, contra essa falsa asser-
;ao, que se oiz justificada.
Nos Quatfo Caqos, ra doCotovdl da Boa-
ista n. 1, primeiro andar, ha una escrava para
ajugar-se para todo servijo de. casa de familia ;
na raesma ha um carnciro manso para menino
andar com sellim novo, para vender-se.
vi:ndi-se
KA
Pharmacfa e drogara
DI
HAHTHOI.OMEU & C.
34 Hita lar (ja do fosario'-= 34
Vende-se enchameis e Iravetas de louro de
superior qualidade e dous bonitos mastro- para
barcaca, tudo por barato preco : a tratar na tra-
vessa do Carioca n. 2, Caes do Ramos
Vende-se
A casa terrea da ra do Arago n. 18 reedifi-
cada e pintada de novo para i>oder morar qual-
quer familia : a tratar na ra da Cadeia do Reci-
fe por cima do armazem dos Sf. Ferreira 4 Ma-
theus, do lado do caes do Apollo.
Ama de leite
Precisa-se de urna ama de leite : na roa da Pe-
nda n. 51, Io andar.
= Aluga->e urna eseravmha recolhida. do idade
de 16 ataos, eugogtaa bem, cozinha, cose, faz reu-
datopsaboa : aa roa do Arago u. 3v
Com muito mam- vqxdaaan
Uiegaraitt-as novas semen tes de hortaliza
de todas as quali Jads: na ra da Cadeia do
Recife n. 50.
S. Francisco n. 70.
Attenco.
Vende-se somonte para esta praca um negri-
n'i.i de 12 annos e urna negrinha de ."i annos, a
tratar ruado Pilar n. 63 primeiro andar.
Attenco
Na ra de Apollo n. 28, armazem de assucar, ha
para vender algodao da Bahia da acreditada fabri-
ca de Pedros, dito liso muito bom, dito trancado
da fabrica de Fernandes Velho.e cal de Lisboa a mais
nova que ha no mercado ; ditos artigos vendom-
se -nais barato do que em outra qualquer parto.
I;
res......... 700
Infladores para vestido. ... 80
Caixa de linlia de marca encar-
nad? e azul....... 280
Sapatjnhos Je laa para menta 408
Toras......... S'K-
I duzia deliiilia para aer ciMcli. ICO
ilas dearrileis rom 100jumas
brancas e de cores. -ICf'
Fita de laa para debrum de todas
as cores........ 56$
Ditas de ditas, branca. O
Peras de fita de linho para eos. 900
Dita para cus. ,. OO
Penti-s voltiados para meninas e
senliocts....... 400
Ditos pretos com chapa, para ali-
zar .-. ...... 400
Ditos brancos....... 320
Ditos brancos finos. -* 400
Escova para dentes a 160. 240 e 360
Ditas para cabellos muito linas. 906
Pecas de franja para toallia com
1 i varas a peca. rJ600
Entremeios bordados a peca 500 e 606
Tinteiros de porcelana 1M#00. 2^000
Balaios para meninas de escolla
bonito desenLo a 500, IrSOOO,
1*500 e........ 20OO
Fita de sarja de todas as conei. I -5106
Grvalas pretas a 40Q. ... 500
Capsulas de Baquim
Os bons offeitos destas capsulas para fazer ces-
sar osgonorrheas achani-se ownprovadas pelas
experiencias de muitos annos.
Os mdicos de todos os paizes as recommenda
pela sua efllcacia.
VENDE-SE
NA
Pharmacia e drogara
BARTHOLOAICl & C.
34Ra larga do Rosario3i
rvsTiAS Assu: iradas
DO
DR. PATERSOiN
De blMMnth e uiezia.
Remedio por exceJJencia para combater
a raagreka, facilitar a digestao, fortificar
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia deBartholoiiioiuv C.
34Ra, larga do Rosario*34.
. Compra o Cori^ao.dc Oqro, n. ID, ra do Cabn-
",moedas de. ouro e prata e pedras preciosasJ
Cow>pra-se nina burra ( cofre)
;Crespo n. IC.friirieirn apdar.
Compra-s um molequiuhp de 4
de. idade, que nao tenha vicios, t que
a pessoa qpxa livor o quizer vender diri
ypograpniapara tratar.
de linho do Porto
Vend-sft xy, loia de ferrageus de Tliomaz Fer-
nandes da, Cunha. na ra da Cadeia n. 44, prcro
cojaiuiodo,' __
te taberna no corre-
do Bispo, propria para um princ piante com
.i%commoJidade? precisas qne rom i vista meHior
i tratar na roa do Hospieto n. 30.
"~OIo. de ameudoM .
lia caixas do A lats, cada caixa 100 libi^ .
IO;; aatyi/ftna de. Tasso Iraios.
Yendo-sc um escaler em bom estado
m todos .os seus pertences; os preten-
ikntes pfocurem na ra Nova u. 21, casa
&t Germano.
58 por cento
Ouro aaeioaal e fordiguez.
Vende-se na ra da Crz 4. ?0.
Fardo.
No bugo^j Piu-ao n. aO eonBa-*e a voodgr
fareloa4|S00eSt009.
Vende-se
urna casa terrea na Capunga, edificada de novo,
c.oin quintal murado, tendo 13 irangir?
e maij, fructeiras, pa. ra, da Ventura u. lO a
tratar na ra da Imperatiii n. 84.
Ainda se vende a taberna da ra dos Copia-
rea n. 14, e tambeo a da ra 1
Vende-so urna armacio io ufcarn cota%
guns gneros; a tratar na ra Imperial n. 36.


c
ario de Pernanibueo Quinta feira 25 de Fevereita de 1!"?69.


Lindos cortos de eassa de cor com barra.e 4m figurioo indicando o molde do vest-
lo liaratissiino preco do 3-$>00 o corte
Ditos do porcalia muito modernos com duas saias a :>>(K>0 ris
Na toja das Columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Va:
cellos A-C,.
ascon-
r\o urrnirAC em ,0<^as as Parte* do mundo, empregam, com o maior xito,,
Uo MliL'lXeU'^S phsphato de ferro soluvel de Lbras, para curar a chlorosis
(core paludas), as dores do estomago, e a exhaustacao do sangue; com esta prcparacSo, dSo
ao corpo o vigor, e s carnes, a sua firmeza natural; facilitam o desenvolvimento to labo-
rioso da puberdade. Com effeilo, todo, n'este medicamento, se acha reunido para lhe
assegurar o maior crdito, pois que cntram, na sua composic5o, os elementos dos ossos e
do sangue. O seu autor, M. LbrAS, doutor em sciencias, pharmaceuuco, professor de
chymica, inspector da Academia, foi, recntenteme, condecorado da ordem da Legio do
Honra, digna recompensa dos seus importantes trabalos. ,
As seguintes apreciaedes dos mais celebres mdicos iinda vem corroborar e justificar
todos estes ttulos i confianca publica : ,.
c Precisa classificar o phsphato de ferro soluvel entre os ferruginosos que memor
convem aos doentes cujos oreaos digestivos supportam mal as preparares de torro.
SOtBEinAN, professor na Escola de medicina e de pliarmacia.
i 0 phsphato de ferro soluvel em quanto a mim, a melhor das preparacSes ferrufi-
c nosas, e o seu emprego d os mais promptos e seguros resultados.
ARAN, medico do hospital SamteEugme.
A forma liquida do phsphato de ferro soluvel d-lhe urna immensa vantagem obre
as pilulas; eu considero este medicamento como mui superior s preparacSes odadas.
ARNAL, medico de S. .o Imperador.
t Entre todos os ferruginosos, nao conhecemos um s<5 que obre lio prompta e eflicazmente
como o phsphato de ferro soluvel, e isso, sem cansar o estomago.
BELLOC, BAUME, BIOT, FOLLET e PRVOST, mdicos dos hospilaet.
Os effeitos da preparacSo de phsphato de ferro soluvel me parecem ser mui seguros
< e promptos. BEBOUT, redactor era chefe do Dullelin thrapeutique.
t Entre todas as preparacSes ferruginosas, o phsphato de ferro soluvel foi a que sempre
t me deo os melhores e mais satisfactorios resultados. GlilBOUT, medico dos hospilaes.
0 phsphato de ferro soluvel ten, sobretudo, a vantagem de evitar a constipacao e
t convir os temperamentos delicados. Dr FAVROT.
Deposito em Pernambuco, em casa de Hnm e O*.
MIV
LO JA DO PASSO
Ra do Crespo n. 7 A.
Imperador.
PREGO CBRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
Ra Nova n. 23,Ra do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapeos de seda trancada, Pararon, de 16 hastes, 28 pollegadas a 10^ ; 26
[alegadas a loi. e 24 pollegadas a li>000.
Ditos de seda G. de N. Rara, de neo. de 16 bastes, 28 pollegadas a 14;5;
de 26 pollegadas a 13* ; e 2i pollegadas a 124000.
Ditos de seda G. de N. lisa, de aro, de 12 hastes, 28 pollegadas a 12$ : de
26 pollegadas a 115 ; e 24 pollegadas a 10,->000.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas a 6;>; c 26 pollegadas
3 :;:;oo.
Por duzia faz-se descont de 15 0[0
Chapeos de sol de panno, de balcia, de 8 hastes, 21 c 26 pollegadas a 32$
a duzia. (Descont de 10 0|0).
Ditos de panno, de junco, 8 hastes, a 18*000 a duzia, liquido.
GRANDE L1QIDACA0
PARA OlARESMA.
(orgoro preto.
Setim macan.
Sedas lavradas.
Moireanliqnc preto.
(iros-de-naples
IJasquines de gurgurao c de gros-de-na-
ples enfeitado com primor.
Corpinhos de gros-de-naples.
15as(|iiincs, capabas, pelerinas, Helias,
de crochet e de guipui, pretos e brancas.
Mantas pretas de blond.
Riquissimos chales detotiquim.
Requissimos chales de gurgurao de seda
prelqa melhor neste artigo.
Coles de mirin pretos com requissimos
bordados c franjado ce retro/..
Chales de mirin bordados sullane:
ultima moda.
Ron eus pretos com lindos bordados.
Leques de madreprola, marfim, sanda-
lo e osso, c pretos, para synlioras.
Ditos desndalo para meninas.
Chapelinas pretas.
PARA CASAMENTOS, BAILES, T1IEA-
TROS, etc. etc.
Lindos cortes do blood, coinVndo setiin,
mantas e grinaldas.
Requissimos cortes de sedas assim como
para corados.
Gurgurao branca.
Moireantique braneo azul e verde.
'nina da do
icos e de cores.
Gros-de-i..'.''
Setim bramo ao.
Setim, braneo, a-Jl, verde, cor de rosa
c amarellos.
Fil de seda, braneo o preto.
Cortes de seda com duas saias.
Chales de gurgurao de seda de cures.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Frondas de linho bordadas com primor.
Lencos de calhbraia de linho bordados.
Riquissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodao.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
Chapelinas de palha ,da Italia, as3rn
orino de seda.
Knfeiles para eabeca de senhora.
Espartilhos para senhoras.
Metas de laia para padre.
Ditas de lia
l):i;is*de seda fio da Eseossia e algodao.
para senhoras e meninas.
Lencos de labyrintho.
Fronhas di- labyi intbo.
Ricos, rendas c grade*.
Hiniss-imas camhraias de cores, percales,
las, e ontros muitos artigos de gosto e
de afta novdade, isto s
Na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.
Apprevacio
la. academia
it medecint
i* Ptrtt.
Pkamotnitko
hurtado
l* academia
i* medicina.
As preparares ferruginosas liquidas tem desde muitos annos merecido a approvacao
especial aos mdicos, porque ellas obrao mais rpido e seguramente do que as pillas, e
sao mais fcilmente toleradas pelos docntes. Os Pos ferro-mangan ros possuem a iaappre-
ciavel vantagem de poder offerecer n'um instante urna agua ferruginosa gazeosa, de gosio
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de mais um elemento precio;o,
o Hanganese, que sempre se acha no sangue, junctamente com o ferr. Emprego-se em
todas as molestias que tem por eausa o empobreeimento do sangue, aesim como para vigorar
es temperamentos debis e lymphaticos. A chlorose, as Perdas brancas, dores d'estomago,
a irregularidade da menstruacio e amencrrh ou suppressSo do menstruo, cedem rpida-
mente a seu empreo. Devemos mencionar aquf um faci notavel, isto que os doentes cura-
dos pela agua preparada com estes pos eslo muito menos postes a recadas do que
aquelles que foro tratados pelas prepracoes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, em easa de Mmum c".
T^^S^^^i^^^^^y^^^^^^^^^^^^^^i'O^
Wl\
VERDADEIRAS
Para msicas mililares.
Completo sortimento
no"
BAZAR DA
RA NOVA N. 60,
Esquina da ra de Santo Amaro
20 a 30 por cento menos que em outra qualquer parte vendem
JOS DE SOUZa SOARES ft C.
do mais acreditado autor Goutrot Ainea Paris.
HUA WOVA W. 5
ESQUINA DA RA DE SANTO AMARO.

OLARESMA
QUARESMA
QUARESMA
FAZEWOAS PRETAS
Grande sortimento de gros-de-naples por precos inteiramente reduzdos, assim
como baso^iines de gros-de-naple e gurgurao preto, ditas de gtnpur fazenda do ulti-
mo gosto e outros muitos objeelos proprios para a estaco, que se vende por menos
20 % do que em outra qualquer parte, assim como um completo sortimento de fazen-
das deluxo como sejam sedaste cores de lindos padrees pelo diminuto preco de 2^000
a 2^500 rs. o covado.
Alpacas de lindas cores, lisas e lavradas.
Lazinhas com listras de seda para 1^200 e 1#000 o covado.
Ditas de lindos padrBes para 500, 700,800 e 900 rs. o covado.
Cambraias brancas de 45000 at 8$000 a peca.
Ditas detcores de lindos padres de 640 e 800 rs. a vara.
Saias de laa cora bonitas barras.
Bales de cores, brancos e de arcos.
Basquinas de gros-de-naple de 220000 a 400000.
Gros-de-naples firetos e de cores que se vende por barato precio.
Organdiz braneo, brilbantinas brancas e de cores.
Espartilhos e entre-meic-s bordados.
Meias finas para seabora e para homem. i
Alm destas fazendas tem um completo sortimento de chitas Iscuras e claras, ma-
dapoles, bramantes,* atoalhados de linho e de algod5o, e outras muitas fazendas
que se vendem por pre?os que s a vista o comprador se poder desengaar que so no
Triumpho poder comprar com economia.
P V PAILV HOMENS.
Bonito sortimento de casemiras pretas e de cores, brins brancos e de cores, camisas
de linho e algodao, ciroulas, mantas e gfavatas do que ha mais moderno, chapeos de osl
de seda e alpaca, e outras.muitas fazendas que s vista podero agradar, e manda-se fa-
zer qualquer obra de alfaiate para o que tem um hbil mestre, tudo por preco que s
encontf*o no Triumpho! ra do Queimado n. 7.
DOENCAS das CRIANQAS
XAROPE de RBANO IODADO
DE GRIMAULT E CA. PHARMACEUTICOS EM PARS
H

Este medicamento goia em Paris e no mnndo inteiro de uma'fama justamente merecida, MI
achar-se intimamente combinado nelle o iodo com o sneco das plantas antiscorbntieu, coja efficada
bem conbecida e as qnaes j naturalmente existe o iodo, fe' com este motivo que elle snppre
com vantagem o Oleo de figados de Baealho, que deve, secundo os homens scientificos, a sua
efficacia presenca do iodo. E' preciosa no tratamento das crancas sera eombater o lymphatisrao,
as obstrucedes das glndulas do pescoco, u diversas erupcoes do rosto, to frequentes na
enancas de pouca idade. Tnico e depurativo ao mesmo tempo, elW exciu o appetite, faeilitt a
digestio, restitne tos tecidos a sua firmeza vigor naturaes. E' cada dk receiudo pek medios
especialistas para eombater as diversas affeccSes da pello.
Deposito ero Pernambuco, em casa de
PILULAS 0E BUNCARD
^
coa lODimcTO do amo inaltpuvel
APPROVADAS PEU ACADEMIA DE KEDICINX DE PJ1S, ETC.
r Possuindo as propriedades do lodo et do forras convem especialmente as AftcccoUs
BCRorutosASn* Tsica no principio.a fraqvexad$ temperamento e tambero no casos Ai-
Falta db coRrAMiNORRHEA, em $u precisareagir sobre o sangue seja para restituir
lhe.a sua riqueza e ahundencia normaes, ou para provocar e regular o-seucurso peridico.
N. B. O iodoreto di* ferro imparo ou altando tn medicamento infiel, ^?S
trriUnte. Como prora, de pureza d aatbaneiada das %t*mtrmm rt- jfjfa^m
laa de IMaaeard, dere-so exifir nosso aciMa 4e prata reaetira t^^Klvtt
nosso Arma, aqu reprodozida, que m aelia na parta inferior da un
rotula verde. IVve-se desconfiar das falsiflcaco.
PharmaeeuHeo, ra BimopmrU, 40, ParU
Irritan
k lalu
B^k noss<
ftkv
Achmmof em toaaa rharmre
y
TASSOIRMAOS
Tem para vender cm seus armazens, alin de Oti-
lios, os seguales artijjj
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Yinhos em caixas de doze garrafas
Hourpogne. *
Hery.
ktaduira.
Hermitago.
Chamblb.
Licor de nirago de Hollanda era caixas de vin-
lecquatru botijinlias
Nos armazens de Tassolrmaos.
Grades de ferro
para Jarinj, porteiras cte.
Nos armazens de Tasso Irinitos
C AISIMMIO* I>i: FIERRO
Para serviros de fraudes armazens, para remo-
ver barricas ou catos de um para outro, lado pelo
mdico preco do 12J0O0 cada Din.
Farinlia de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia fverdadeira) Pojr
imae grande sortimento das inefr>ores marcas de
facilillas americanas.
Saceos de arinha de trigo do
Che
Todas novas, ebegadas ultimmcatc jos arma-
zens de Tasso Irm5g.
Cemento romano
No? armazens de Tasso Irmaos.
X^emento hydraulico 12$
mellinr para tudo (|oe ^5o obras para agaa, co-
mo asseiitamento decanondeesgoto, algerozct, de-
posito, tanques (Tagua, e!?., etc.: em poreSe i de
cincoentolianicasse"far ruduccao no proco : nos
armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Portland
0 verdatleiro cemento Portlawl em casa do Ta^o
liniiitos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De diflVrentes qnalidades para- cercados de ani-
maes. chiqueirospara galiuliasoa'jardiiis : nos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos.
CANOS DE BAHRO
Na ra Nova de Santa Rita, na ar>S^a fabrica de
sabio, lia para vender por preco o mais mdico
possivel. canos l'caitcezes para edifleaeSes eespo-
tos de toda :tqtuUidade, superiores a h>dos os que
aqui tem appaVetMo pela sua solide/.
PRECOS
1 400 por cano grande de 'i e mcia pollegadas.
laif por dito de letreeqoartosde-ata.
1 OOO por dito d 2 e um qtiarto de Jifa.
500 ris par pistoleta de 2 pollegadas.
Cotovellos, corvase canos de maior grossura.a
visiase Carao pfeeo. Compras maiore* de 200
lena o por ewto. do descont i>or prontpto paga-
mento. Pode-sa ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
lijlos francezes
Para ladrilhap casas terreas comassei-to precos
mdicos, muito convenientes e proprios gara latri-
Ihus de cosinhas em sobrados, pelo souasseio e
evitar a passagenv de aguas paca o andar inferior
e mesmo o perigo do fogo, aos precos de 30000 a
ioOOO o milheieo : na ra Novaie Santa Rita, na
antiga fabrica de sabao, e compras maiores de 2003
se far o >or cento th descont por prorapto paga-
mento. Podem-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Velas de esparmacetc venladeiras nara lan-
ternas de carros: noarmazem de Tasso Inmaos.
Vinho do Porto fino superior: no armazem
de Tasso Irmi'tos.
O melhor cognac Gauthier Freres: no arma-
zem de Tasso Irmao.
Esleirs da Inda
Em casa de Tasso- Irmaos vende-se esteiras da
India de diversos padioes e larguras, por preco
commodo.
t.\XERM4%

LOJA DO GALLO VIGILASTE
Ra do Crespo n. 7
Mandou vir te sua conta e acaba ile re-
ceber pelo ultimo vapor, completo soriimen-
ot de objectos de novidade e phantasia, os
quaes esto resolvidos a vender por pre?os
nimiamente baratos, para assim animar aos
concurrentes e ao mesmo tempo dar ^bida
ao grande deposito que tem: isto ruado
Crespo n. 7, loja do Gallo Vigilante.
Golliiilias, punbos e camisinhas para se-
nhora, fazendas de gosto e novidade.
Finos vestuarios para baptisados, assim
como touquinhas, sapatinhos e meia-.inhas
para o mesmo fim.
Grande sortimento de bicos e rendas de
croch e de outras muitas quaiidades.
Superiores caixas com msicas e sem el-
las, tendo o necessario para coaturas, pro-
prias para um delicado mimo.
Finas caixas com tentos e sem elles para
voltarete.
Agulhas para machinas de costura.
Ditas para croch, sendo de ac, rr.arfini
e outras muitas quaiidades, assim como li-
abas para o mesmo mister.
Finas grinaldas para noivas.
xe urna excellentes ma- Meias de borracha para quem soifce de
china para graduar o erysipella, assim como meias de laa para
Alegrai-vos myopes. e presbytas, ja i>o-
deisverde longe, ja podis ver de perto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortimento de
oculos, lunetas, pince-nez, face--main,
lorgnens, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
a$0, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
assim como binculos de urna a tres mu-
11 auras para theatro, campo e marinha da
ultima invengo; duquesas, vienezas de 6,
8 e 42 vidros, tudo dos melhores fabrican-
tes da Europa. *
0 mesmo vapor trofl-
observar o numero dos
vidros que se necessila
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes ste-
riotopos, ,jnstniment3s de mathematica,
barmetros, vidros de chystal de rocha, e
de cores para resguardar a vista; concerta
todos estes objectos a precos commodos e
com pfomptido; tira o mofo dos vidros e
encarrega-se de toda a encommenda relativa
a ptica.
Recebeu tambemos, excellentewelogios
do antigo e afamado fabricante Robert Gerth
dt C, os quaes vende precos commodos
garantindo a sua superior qualid
Illuminaco.
RA DO CRESPO N. 16.
os que soffrem de rhtumatismo.
Suspensorios para homem e meninos.
Finos pentes de tartaruga para coqjes o
de outras muitas quaiidades e para cutros
raisteres.
Dedaes de madreperola, marfim, osso,
ac, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome para tingir
cabellos, dando aos mesraos a sua cor pri-
mitiva. A
Completo sortimento de finas perfumaras
dos melhores fabricantes, assim como mui-
tos outros objectos que impossivel des-
crever: isto s na roa do Crespo n. 7, loja
do Gallo Vigilante.
Collares Royer elctricos magnticos con-
tra as convulses das criancas %papa facili-
tar a dentingo das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
collares e contina a ter sempre grande de-
Duarte Pereira A C, tendo recebido peMpsito, ra do Crespo n. 7.
ultimo vapor grande e variado sortimento jt------------------------------^--------r
de baloes de papel de diversas quaiidades, |]ffeias elsticas de borracha.
e do mais moderno frusto, proprios para
illuminaco tanto da cidade como do
campo, assim o fazem constar a seus nume-
rozos freguezes e ao respeitavel publico,
afim de que com tempo se previnam, visto
como attento aos ltimos sijeessos da^uer-
ra Seespera a cada momento a fausta jjo-
ticia^le su#onclus5o. A illnminaoie ir
bales de pa^dalm de ser linda meno
dispendiosa possivel, os annunciantes ven-
em-os porprecos mui razoaveis,
AEscrava
Vende-se urna escrava, que lava, cosinha,
Maearthy
Maehiuas de descaroear atgo<1io.
Hojc que est ceeonhecido que as machinas de
serrote prejudicam e quebram a fibra do algodao,
.preciso recorrer a maehinismo menos spero,
que produzindo o mesmo sen-ico que aquellas, e
facilidade no trattalho, nao quebrem a fibra da laa,
para ipie essa jtossa obter-nos mercados europeos,
a diflerenca que ha entre o algodao descarocado
|x>r aquellas mencionadas machinas, qne esto fi-
cando emdeeuco, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga bonndeira, (pie nao pido competir
pela morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se tornara as mais pwprias para o
nosso algodao, porquo ao par da facilidade e
promptidao conserva a fibra da fila, que limpa por
ella, 6 quauficada na Europa a par da melhor no*
landeira, valendo assim entre 10 arrobas 20 0/0
mais do que a laa limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, po que ha muito
esto adopladas no Egypto, aonde as de sernote
foram inteiramente abandonadas, e ]>or isso o atgo-
do daqnella procedencia, sendo da qualidad* do
da nossa provincia, obten) hoje de 10 arrobas 20
0/0 mais do que o nosso : vendem-se a 150^000
nos annazens de Tasso Irmaos.
A NOVA ESPERANQA
21= Ra do Queimado = 21
h para presentes
A Nova Espcranca, ra do Queimado
n. 21 tem um variado sortimento de objec-
tos de gosto e pliantasia proprios para pre-
santes, sbbresahindo entre elles ricas caixi-
nhas de bano com finas perfumaras, cos-
turaros de chagrn, agulheiros de madrw
perola : assim, pt>is, quemquizer fazerum
linda ofiera, dirigir-se Nova Esperanca,
ra do Queimado n. 2t.
Collares anodinos cllecro-magnett
eos contra as convulces das
creancas.
Nio resta a menor duvida, de que muito
follares se vendem por alii intitulados os
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitos
pais de familias nao creem (comprando-os)
noeffeiioprometlido.o me s pdem dar,
os verdadeiro; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsificarSo principalmente no
que respeita a bem estar da hmanidade.
fez urna encommenda' directa destes collares
e garante aos pais de familias, que sao os
verdadeiros de Royer, que a taDtas crean-
Cas tem salvado do terrivel incommodo de
convulces, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanza ra do Queimado
n. 21 fiomprarem o salta vida, para seos
filhinhes, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivef mal, quanio enfio ser di-
flicil aktncar-se o effeito deseiado, embora
sejam empregados os verrJadeiros collares
de Royer,
Para extinguir as sardas e
panno
Receben a Nova Esperance rea do
Queimado n. 21, leile de rosas, especia.
para extinguir sardas e pannos.
BONICA DE CERA
A Nca Esperanca a ra do Qusimado n.
21, acata dV receber nm completo' sorti-
mento de finas honeea de cera de diver-
sos tamaitos, sendo as maiores do com-
pi ment d'um cavado ; estas bonceas-tra-
aem bonitos coqaes- e bolinas, havendo- en-
e ellas algtimatt que faBant e outras- qur
coram de sorte que fcilmente podem ser
preparadas, e fawr-se tu presente demuil^
acceitaco.
Finas caixas de tartai tig-a para rap ven-
d\jm-se a ra do Queimado n. 21 na loj*>
da- Nova Esperanza.
Modernos brincos de sndalo, s se en-
centrarlo na Nova Esperanca a ra do
Qneimado n. 21.
MEfAS DE LIA
A Nova Esperanca a ra do Queimado n.
21, acaba de recebor um especial sortimen-
to de meias de laa para homem c senhora.
CONTRA A9 CONGESTES
mal terrivel a congesto fulminante:
de repente leva um individo, d'esta para
miihor vida, sem dar-lhe tempo de receber
conversa medica; deixando as mais das
veses mulher e fimos no mais amargurado
pranto ; a Nova Esperanca que deseja pres-
tar senicos recorrou a Vojer, o qual lhe
mandou anneis elsetricos magnticos, como
o nico preservatjw para semelhante mal a
ellas antes que se acabem r na Nova Espe-
ranca-
NA'VAiHAS
k- Nova Esperanc>a a rna- do Queimadr-
n. 21 recebeu um sortimente de navalhas,
de quaiidades, e lmannos especiaes assim
como afiadores e massas para as mesmas.
LINHA PARA CERG1R MEIAS
Esta muito necessaria linha vende-se a
raa do Queimado n. 21 na Nova Esperanca.
BORDADOS BONITOS, BONS E BARATOS
Espartilhos s na-Nova Esperanca a ru:<
do Queimado n. 21.
c
de
em
ira, e boa quitar.deira, com 30 annos.
e; a ver e tratar na ra do Pilar,
de Poftas, n. 62'.
ro
a anos.
le-se na ra da Imperatriz n. 34 primei-
andar urna escrayinlia com idad* de 9 a 10

As melhores e excellentes meias elsti-
cas de borracha contra varizes e erysip ellas.
Vende-se na
Pharmacia e drogara de
Bartholomeu & C.
34ra larga do Rosario34
Manoel Alves Ferreira & C, na ra da
5|oeda n. J, segundo andar tem para vmder
snperior potassa da Russia em barris e meios
barris e cal de Lisboa da mais nova que ha
no merd._________
Cemento de Portland
Vende-se no armazem de Vicente Ferreira
Costa & Filho, na ra da Madre de Dos n. l,
barris grandes.________________________
Na praca da Boa Vista, sobrado n. 10 ven-
de-se por. mdico preco caixas completa:; com
formas, ferramentas e mais utencilios necet sanos
para a factura de flores de cera.
FUNDICAO DOBOWnMN
Una do rum u. 59.
Machinas d^Vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batide fundido.
Rodas dentadas, paia moer com agoa,
vapor e animaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assacar.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro-
prios para a agricultura.
Tintura japoeza
Instantnea para tingir os cabellos c a
barba, a 1#Q00 o frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
A venda em casa de Gustavo lenelin n.
51. ra da Cadeia n. 51.
Em casa de Theod. Christiansen, ra do Cora-
mercio n. 16, encontram-se effoctivamente todas
as quaiidades de vinho Bordeaux Bourgognee do
Rheno.
GAZ GAZ GAZ
?' >
Chegon ao antigo deposito do Henry Forster &
C, ra do Imperador, nm carregamento de gaz
do primeij-a qualidade; o qual se vende em partidas
e a retalho por menos preijo do que em outra qual-
quer parte.
ACABAM
de chegar os sabonetes de
alcatrao
Para curar as molestias da pelle, taes co-
mo impingens, dartros, sarnas, comiches
e mais molestias de pelle sem occasionar
accidentes; desfaz as manchas do corpo,
pannos e sardas, restabelece a cor natural
quanto cutis, seca, gross. amarellenta,
occasionado por alguma enfermidade, e co-
mo desinfetante e preservativo da6 molestL
contagiosas.
Deposito, botica do Pinto, junto ao quartel
polica, n. 10,
Vende-se
>s de laranja eravo, da China, lima da Porcia,
frncta-pao de massa, parraras de diversas quaii-
dades : em Panameinm, sitio junto ao pnrtao .1-
ncanamento d'agoa.
Vendem Augusto F. de Oveira & C. ma d<
Commercio,!. 42.
I PILllAS, \m
1 XAROPE DE JIRIBEIA
1'IlKPAHADOS PELO pii.vnMAcra.Tico
lo-.tqniii de Ainirida
| Pinto
As prepracoes de Jurubeba s3o
*a boje vantajosamente conhecras e
preconisadas pelos mais habis me-
iMi dicos, tanto da Europa como do paiz,
^ pela sua efficacia nos casos de aae-
g mia, chlorose, hydropesia, obstruc-
fltf cao do abdomen, e tambom as de
S menstruacao difiicil, catharro na be-
I xiga, etc.
B Vendem-se em porcao e a reta-
lho, na cidade do Recife> phannacia
de seu compositor, raa Larga do
Rosario n. 10,.junto ao quartel de
policia.
XAROPE DE FEDEGOSO
E' de urna efficacbverdadeiramen-
te maravilhosi como calmante do
systema nervoso e applicado con-
tra a paralisia, asthma, tosse coa-
vulsa ou roffueloch, tosses recen-
tes ou antigs, sufTacacoes, cathniros
bronchicos etc. e em geral contra
todos os soffriroentos das vas res-
piratorias, e na phtysica pulmonar,
suaviilude contra o ttano ou espas-
mos, convulces incontestavel, e
ninguem ha que a^desconheca.
X,^R0PE DE SALSA PARR1-
LHA DO PARA
ou
Depurativo do sangue
Usado as molestias de pelle,
impigims, dores rheumaticas, e ul-
ceras venreas.
0 nico deposito destes medica-
mentos na botica do Pinto, ra do
gg| Rosario Larga n. 10 junto ao quar-
mt tel de policia.
flBEBSSloSBnSI
AI-
Bepos
rde po
chegar os sabonetes de alcatrao, nc
ito, botia do Pinto, junto ao quarte.
polici.
j
L
*


-
.1





Diario de Pernainbuco Quinta feira 25 de Fevereiro de 1869.

i
A
*
Y
GRANDE UQIDACAO
ADINHEIBONA LOJAXARMAZEM
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
&# Silva
0 propietario d'esteestabelecimenlo convida ao respeitavel publico desta ca-
pitn a \ir surtir-se no graado estaholocimento que tem defalcadas, tanto da moda como
de lei, o as pessoas que negociara em pequea escalla, tanto da praga como do matto-
aesta casa podero fazer os seus sortiajentos em pequeas e grandes porcoes, venden-
do-se-lhes pelos precos que se cotnpram as casas ingtetas ; assimeomo as cxcellenlis,
simas familias, poderao mandar buscar as amostras de todas as faxendas, ou mandare-
mos levar m suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se cse estaboleciaien-
to aberk constantemente desde sMJ horas da manhSa as 9 da noute.
O atoalhado do Pavo. \S CAMBRAIAS DO PAVO
Vende-se superior atoalhado de aigodo Vendem-se liuissimas pocas de cambraias
Cora '8 palmos de largura, adamascado a lizas transparentes tanto inglezas como suis-
00 a vara; dito de buho fazenia muito sasofendo mais tic vara de largura, pelos
sapwior a 31200 a vara ; guardasapos de
iinho adamascados a 4#800 a duzia e muito
fiaos a 8^000, e ditos econmicos a 3J500
duzia.
Crochs para cadeiras na loja d
Pavo
Chegaram os mais lindos peos de ore-
cb ou guarda bantraa) propiios para -ca-
deiras tanto d'encosto, como -de balarlo e
de goarKao, e outros compridos para ^so-
f, assim como ditos redondos para mazas
redondas, ditos pequeos para almofadas, e
ditos para cobrir presentes,*tendo pequeos
at para cobrir m prato,que se vendem
par preco muito em conta, a loja e arma-
sam do Pavo ra da Imperatriz n. 06, de
Flix -Pereira daSilva.
BPnstcs para vcstMos bntaeos
Mi
Vendem-se os mais modernos f ustoo63iran-
-:os flexiveis cam padiaes do listas a de
--salpieos proprios para vestidos e roupas de
menino a 640-rs. o covado, na loja e arma-
aem do Pavo ra da teperatrizn. QO, de
'FlixPereira da Silva.
Grosdenaples
Chegou para a loja doPavo peto ultimo
varpor um grande sortimento dos mlhores
jjrosdenaples pretos e de cores, tenido verde
tambem, que se vende*; mais barato que
em ontra quaquer parte.
'PeCHINCHA ESI ALCODCSINHO A d^oOO
V PIX.Y NA LOJA DO PAVAO.
Vende-sc superiores pecas de algodosi-
nho cam 20 jardas a ">-*E00 a pe'ca,e |ran-
le pchinclia, ca na da imperatriz n. 60
armazem de Flix Pereira da Silva. ; priora camas e para janellas, que se ven-
DABADLMOS j em a 1jOOO rs. cada par at 25)>000 rs,
Vendein-se fmissimos babadmhos, tiras j st0 Ba rua ja imperatriz n. 60, de Flix
bordadas e entremeios, mais baratos do que perejra da Silva,
em outra qualquer parte, assim como espar-
tilhos dos mais modernos, no armazsm de
Flix.Pereira da Silva, ruta da imperatriz
a. 60.
picvos de 5,?G00 at 10^000 a peca, assim
c#mo finissimos organdys branco feo que
serve para vestidos de bailes, por sor muito
transparente a 1(0000, a vara, na toja do
Pavo rua da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Suva.
\l pacas lavradas
Chegaram pelo utmo vapor as tnais mo-
dornas alpacas lavrldas com as ais lindas
cores, qoe se vendem a 15006, o covada,
ditas Usas tendo tambem cor 800 rs, -ditas mesdladas muito ftaas a 1:208,
o cavado, e outras muitasfazendas de goslo
e moda que se vendem mais barato que em outra qualquer parte, no armaaem
do P*vio, rua da Imperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
Ronpas para JMHBiem
Vemiem-se superiores paHtts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas inglezas e francezas com os peitos
de esguio, cerotlas francezas de linho eal-
godo, meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e de meia -de la, assim
come neste estabelecimento existe um grande
sortimento de pannos pretos, e de casemiras
inginas de cores, e que se manda fazer
qukjuer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-ee-lhes que sero servklos
com a maior promptido e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
la ma da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da' Silva.
Cor finados
Para camas c janellas.
VeEde-se um grande sortimento dos me-
lliores e maiores cortinados bordados pro-
PECHINCHAS
Novamente chegadas ao armazem
DO
DE
PAREDES PORTO.
Tendo-nos chegado ltimamente azendas inteiramente novas, convida-
mos por este meio ao respeitavel publico a que nos procure comprar fazendas de
bom gosto e por precos que nao achara em outra qualquer parte.
Admirem!
Madapotes finos a 5#, M, 70 e 8 rs.,
s no armazem do Leo.
Chitas oscuras de padroes lindos por pre-
co de 320 e 360 rs. o covado.
Cassas de cot (listas de diversos padroea a 240 e 320 rs.
Laaeinhi ciaentas e cor de bonina a
320 e covada.
Chitas claras miudinhas a 320 e 360.
Alpacas pretas e de cares lindas proprias
para vestidos a 680, 700 c 800 rs.
Pecas de cambraia transparentes a i#,
3# e >. Por este preco admira a todas 1
Cortes de casemkas de quadrinhos e lis-
tas a 2#800 e 3.
Corpiahos braaous para senhora a e
3200.
P*5chifioh!
Cortes de castieta de cores para calcas e
paletots^ 1^500.
Gassineta de Mes com umpeqaeno 'to-
que'de mofo a OO rs. o covado.
Espartilhos aeiito finos a 45500, 5jl
5^800.
.AdmFa!'!
Cravatas de s(da a 300 rs.
'Goiinhas bobadas a 800 rs.
Lazintias a 200 rs. I'!
Laazinbas a 20O*rs. f!
Lazinbas a 20 ts. I f
Lencos bordados a U, 6?>500 e 12^500.
Ricos e bem escolhidos. gostos de bis-
marks para calcas e paletots a 2oo00 o
corte.
Tambem tem para acabar pe-;as de pan-
no de hnho, com 27 varas, a 17f e 18)J.
Toalhas zia,
Aos Srs. armadores de entreos.
Vendem-se pe?as de hollanda preta com
40 covados a 50 : aa roa da Imperatriz a.
48 e 82, junto a padVia franceza, loja do
Leao.
AHenco rjas tetas \! rio armaiem
do leao, rua Tmperatrix as. 48 e 52.
Assim como temos um grande, completo
e variado sortimento de roupas feitas: pa-
letots saceos, aobretasacos, fraques, jaque-
8es, calcas, cohetes, camisas, ceroulas,
chapeos etc., tudo por precos croe admira!
Tem tambem um sartimento ^ordinarias por preco ibaratissimo.
Acaba de chegar tambem um completo
sorttaertto-de damascos de cores, senda
azul, amaretlo e cor de caf etc., que se
vende por preco eommodo.
Ad
mira
M
No araazem do Leo II!
No armazem do Leo 111
To amiazem do Leo 11
Noarmazem de Leo 111
No armazem do Leo, =rua da toperatriz as. 48 e 52, junto a loja de ouriws
e podara franoeza.
ALTA N0V10ADE
A LOJA DO PAVAO
Gurguro le seda
Chegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos gurguroes de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos e lavradiulvos, com muito
austro, garantindo-se que c a fazenda mais
'kida e de maisphantasia que este anno tem
hegado a este mercado, e vende-se f or
preco muitp razoavel, na rua da Irnperatnz
a. 60, de Flix Pereira da Silva.
GILOSDEXAPOLESPRETO A QUATRO
PATACAS S O PAVAO.
Veade-se grosdenapoles preto de boa
quadade pelo barato preco de 1 280 o co-
vado, s na loja e armatem do Pavo, rua
da Iiaperatriz e. 60 d Feliz Peieira da
Silva.
CAMBRAIA BRANCA A 3>500.
Vende-se pecas de cambraia branca
transparente, cora 8e meia varas pelo ba-'^o, cor de caima, magenta etc. e vende-
Cretone para Jen<;es com 10
palmos dearguraa 2^1,
Acaba de chegar esta nova e excellente
fazenda branca propria para enres de um
s panno, garanlindo-sc que un metro e
urna qnarta ou um metro e meio d um
excelieite lencol de um s panno, assim
como esta boa fazenda tambem muito
propria para toalhas de meza, rosto etc. e
oojros.nysteres e vende-se pelo baratissi
mo prece fie 20 cada metro.
MOCAMBIQLH: P:VR.\ VESTIDO A 500 RS.
Chegou para a loja do Pavo um elegante
sortimento des mais bonitos mocambiques
proprios para vestidos com as cores mais
modernas e qe se vendem pelo barato
preco de 500 ra. o covado.
ALPACiO DE COiDAOPARA VESTIDO A I i
Chegou esta nava lzenda com o nome
de alpaco, sendo de cordo e com mais
largura do que a alpaca, com as mais lin las
edres, como sejam Bismark, lyrio, parolas,
FAZENDAS
PURA A QUABESHA
0 cordero previdente
Rm Noto e variado sortimento de perfumaras
linas, e outros objectos-.
Alnj do completo sortimento de perfu-
marias/de que effecUvamente est provii
loja do Cordeuo Previdente, ella acaBa
receber um otitro smiimento que se torna
notavel pela variedade de objeclos, superiori-
dade, qualidades ccommodidades de pic-
eos; assim, pois, o Coi di'ii o Previdente pede
c espera continuar a merecer a apreciaco
do respeitavel publico em gtjral e de sua
boa freguezia cm particular, nao se afas-
tamlo elle de sua bem conhecidamansido
e barateza. Em dita luja encontraro os
apreciadores do bm!
Agua divina de E. Comlrny.
Dita verdadeira de Murraj 4 Laminan.
Dita de Cologncingleza, ameiicaoa, '
ceza, todas dos mlhores e mais acredita
fabricantes.
Dita balsmica dentriflcia.
- Dita de flor de larangciraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservaco do
asseio lia bocea.
Cosuietiques de superior qualidade e chei-
ros agiadaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada Una para cabello.
Frascos com dita japuneza, transparente,
eoutras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
franca*es em frascos simples c enfeitados.
Essencia imperial do lino e agradavel chai-
ro Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo'de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de dif-
ferentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e cm figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em calimba para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bera de perfumaris finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composico de
cheiro, eporissoomaisproprio para crian-
ras.
Opiata ingleza e franceza para dentcs.
Pos de camphora e outras dilferentes
qualidades tambem para denles.
Tnico oriental deKemp.
Anda mais coques.
Um outro sortimentos de coques de no-
vos e bonitos moldes com lilctsde vidrilhos
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
cciaco de quera
Pra fitniilias
Grande Ifozar, na Xova us. O e
*2. dcCarnelrofiannait .
A hegar a este estabeleehw
oreo de machinas para costto*as do
autor Whcier Wilson, approvadas na nlti-
ma exposico de Pars, as quaes cozenicora
dous pospontos toda a costura, e tem a
vantagem de ser lo suave o njovimento,
que qualquer manca de oito aimos fl
Diei te trabama, e \w\i\ com este ntrete
hncnto, levar vantagem ao servico diario
de Irinta costurcraf. A comprWnslo
GOLLINHAS E P.MIOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicSo.
rato preco de 3fi80, ditas muito linas tanto
tapadas comotransparentesa 4?>)00, 3;5OO0.
*i$500, 7,-JOOO e 8;>000, assimeomo organ-
^ muito fiao tanto lizo, como de listas e
-raadros na loja e armazem do Pavo rua
Ja Imperatriz n. .60 de Flix Pereira da
.Silva.
ALPACAS LAVRADAS JPARA LUCTO.
Vende-se na loja do Pavo, as mais mo-
dernas alpacas lavradas para lucto, sendo
muitolargasepelo barato preco de800rs. o
se pelo baratissimo preco de I,$ o covado.
COMEIRAS PARA QARESMA A 16|,
Cbegram as mais bonitas e modernas
romairas pretas de guipuj'e, que se vendem
pelo baratissimo preco de 10.-5 cada urna.
SOBRECASACOS PARA A QARESMA A 18 E
m. .
Vende-se um grande sortimento de so-
brecasacos e palitots sobrecasacados de fi-
uissimo panno preto pelo baratissimo preco
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
\S DEZ ME. VARAS DE CAMBRAIAS FRAN-
CEZAS SNA LOJA DO PAVO A 560
RS. 0 METRO.
Vende-se Inissimas cambraias francezas
om os mais delicados padroes, tanto mui-
dos como grados, e com as cores mais no-
vas que tem vindo no mercado pelo bara-
lissimo preco de 500rr. o metro; garantindo
que 7 metros do um vestido para qual-
quer senhora, e que cm outra qualquer loja
oo se "encontrar a mesma fazenda por
^igual preco, e sim s na loja e armazem de
Pavo, rua da Imperatriz n. 60 de Flix
Pereira da Silva.
Cassas inglezas a 440 rso metro
Vende-se urna grande porco de bonitas
assas inglezas tanto graudascomo miudi-
nhas e de cores fixas pelo barato preco de
140 rs. ometro,garentindo-se que 7 metros,
do um vestido para qualquer Sra. s na
loja do Pavo rua da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva.
Bareges a 400 rs.
* na loja do PaiSo
Se vendem as mais bonita* bangta tran.sparen-
te*, proprias para vesdos com listrinhas a imita-
Roa do Qicimado n. II
Receberam directamente da Europa as mais superiores fazend|s pretas espe-estb todos exposlos a apreciac
ciaes tpara a quaiesma, asqaaes eto'veadendo pelos mais mdicos ,ia superior qualidade de tas fazeodas.
ALTA %H'TIDADE
Rasquines pretas de renda, verdadeira noviade, para aenhora.
Gorguro pialo de eda liso e eom listas asetinadas para vestidos.
Grosdeaaples preto Jargo etreito-e diversas qualidadea -bavendo neste ge-
nero o qae ha de melhor.
Basquines de croch pretos, ditos de seda preta com cintas delicadamente en-
feitados, alegantes pephuns de seda preta, fidbos pretos de renda, modernas capirtias
pretas de renda e saperieras vestidos degopgsriio preto bordades.
Joirantiquc preto e branco, boBAaiaa, superiores princezas pretas, /nerins
de vcrSo e trancados dos mlhores.
Os mais lindos vestidos de blond eom mantas, apella para noivas, superiores
fronbas de cambraia de finho e de esguio bordadas, e Kndas colxas de seda e 4e la
para amas.
ttahid as de baile brancas, azues a cor de cinza de gosto especial e ves-
tidos de cambraia branca ricamente bordados.
Popelines de seda para vestidos lisos a eom betas das mais lindas cores
e mais bellos padres, e grande e variado sortimento de sedas tanto em eortes como
em peca.
Cortinados bordados para camas e janellas, balos parisienses com
molas novo goat3, baloes reguladores brancos e de er, espartilhos e billas colxas
de croch.
Camilas de linho inglezas para homem, chapeos de sol da seda,
grvalas modernas, pannos finos e casimiras de cor e pretas, e outras muitas fazendas
que vendem por muito eommodos procos.
Aloja n. II da rua doQueimado tem sempre o melhor sortimento de tapetes,
alcatifas e
Estars da India para f feaarir, marca lardar, mo apresentam
os desenlio* que arompanham-nas. Os pro-
prietarios do estabelecimento se encam-
gam de mandar cusinar n'esta cidade, o
garantem entregar o importe dspendidd
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeiro a machina vendida, nao tendo,
porm, soffrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabelecimento machinas
do autor Grovver & Baker, de trabalho sim-
ple-miente mo, e outras com movimento
dos ps; c mxime todos os pertences das
mesmas machinas, para vender avulso.
Barato qie admira
Vi'iide-e raperiores BmWhh da crc, pelo La
ralo preto de i'it rs. o covado, algodaoconi peque-
o toque do amia a 45000 rs. a peca : no e
de Vinle e Dona de Novenibro 6, por baixo do
sobrailo novo. ________-_______________
MILHOA ifSOO "
a sacra e de tardo a IAjOO : no.tnnazem da Es-
trella, largo do Pa raizo n. li.
ESCUALOS FGIDOS.
Roga-?e as antorida de campo a apprelienao d i escravo Antonio, par-
do, de idade noueo mais mi menos de _J innor,
piitu-a barba, estatura regalar, chelo do corpo,
olbos regulan'-, (esta pequea, narizaflhdo, !
regular, mios 0 |h;s grandes, cabello cresp i, v :
una cicatriz na testa proveniente d'um roIjc ;
muilo prosista e astuto, a e siuioa Bcufcar-se
lvro: levou vestido camisa de algodiosinho bran-
co, calca, preta. chapeo de baca velbo : queni
capturar leve-o a bija da Boa Fama rua du
Queiniado D. '.'<>. que ser recompensado. :
O abaixo assignado recommenaa a captura
do -en eseravo de nome Joaquim, mualo, fgido
do li sitio do Monlcirocomprado aos seus do-
ne- us Srs. Joao Cioiiealves da Silva, Vicente Ca-
vale,"utide Albuqnenje e Alexandrc Gome!
Silva, nesta eiJaJe, Tf ""^'"cdio de eeosjtfo
curadores na pessoa do Sr. Hai oel riaiiei-?C.""
valcanti, lodos de l'o d'Alho e por inlervengacd)
Sr. Sanios (corredor de wravcsi. eujo escravo
tambem natural de Pao d'Alho c tem os distico
seguintcs: idade^S annos, secco do corpo e uiri
poueoallo, bigode, cabello um ponco carapinbade
e perneado, falla de dentes, una inOammacao en-
cruada najuula da mao e.-queida, falla a srtane
jo, muito descansada e mansa : levou camisas madapoln e ciscado de algodie, e calcas de brini
pardo, o dbaxo assignado muito recommenda :.
captura desle sea escravo |odai as auloridadi
c mais pessoas encarroadas da captura de escra-
FivcJIas e Otas para cintos. Mus> "3"so l)0las 'versas cidades, villas e
Bello e variado sortimento de taes objeo? f;!':,','"'",",1"',' ^^S?" "";lci;,l,le ,w "^ ;
ino fin,in a unn ,, s plmete bem g at 11 ira T, o tambem a (lualqiii i
tos, ucanuo a boa escolha ao gosto do c,om-
20$, todos forrados de seda, grande pc-
chincha, principalmente por estannos na
quaresma, assim como, tambem se vende
um grande sortimento de calcas e colettes
de casimira preta que se vende muito mais
barato do que cm outra qualquer parte.
ESGIO DE LINHO DE 12 URDAS A 105.
Vende-sc pecas de esguio de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada peca, a
10-5000.
Poil decfavre a 1 . Vende-se poil de Chvre muito largo com
as mlhores e mais modernas cores pelo
barato preco de 1$000 o covado, na loja e
armazem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60
de Flix Pereira da Silva.
ALTA NOVIDADE
A
Loja do Pavao.
GURGUROES PARA VESTIDOS A 1 >000,
O COVADO.
Chegaram os mais modernos gurguroes
para vestidos, sendo de todas as cores, como
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
;o iie listras de seda, e vendem-so pelo barato rosa & & tendo quasi quatro palmos de lar-
gura e vende-se pelo baratissima preco
de i #000, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na rua da
Imperatriz n. 60.
preco de um cruzado cada um covado, unicameo
e na loja e armazem do Pavao, rua da Impera-
triz n. 60, de Flix Pereira da Silva.
Cirosdenaples preto
Vende-se om grande sortimento dos m-
lhores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de 2#000 rs. o
covado at 4^000 rs. 'garantindo-se que
n'esta genero ninguem tem melhor fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
qualquer parte, na na da Imperatriz n. 60,
da Flix Pereira da Silva.
Chitan
Vendem-se as mlhores chitas escaras para
casa sendo de cores fixas, pelos baratos
pre?os de 320 e 360 ps. o covado, ditas
muito finas,francezas sendo claras, compa-
dros de cass3 a 360 e 400 rs, pechincha
BRINS PARA CALfA NA LOJA DO PAVO.
Vende-se os mais modernos e mlhores
brins de llnhojde todas as cores, outros cora
listas do lado, garantindo-se serem de linho
puro e vende-se por precos muito em con-
ta no armazem de Flix Pereira da Silva,
rua da Imperatriz n. 60.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVO.
Vende-se urna grande quantidade de re-
tadlos de chitas e cassas pretas por preco
muito barato, e quanto maior for a porco
que o fregu comprar, mais barato se Ihe
VALOR THERAPEUTIC0
DO
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
DE GRIAUULT.E COMP.
VbirmaoDtieoi d 8. A. I. o principe Wapolefto, cm Vara.
A associacle do ferr e Ha quina resol veo um dotmais importantes problemas da pha:*macia,
e faz eom que se congratulam os mdicos dos relevantes servicos que lhes presta esia pre-
para ci.
Com effeito, ninguem ignora que a quina, em mateira medical, o melhor tnico que se
possa empregar. sendo, sobretudo, unido ao Phosphato de ferro, a mais estimada dis pre-
paraedes ferruginosas, pois que enlram na sua composico o ferro, elemento do sangae, e o
phosphato, principio Jos ossos.
Por isso, juljrmos que, para os srs medcoW$er3e interessantes as observacSes feiUa pelos
seus collegas, os mais dislinctos de Paiis:
t Este Xarope produz os mais felizes resultados nos casos de dyspcpsia, chlorosis,
t amenorrhea. hemorrhagias, leucorrheas, febres typboidas, diabetes, e quando precisa
c restabclccer as forcas dos doentcs e restituir ao corpo as forjas aderadas ou perdMas.
ARNAL, medico de S.M.o Imperador.
a E ama dat raras combinares que, ao mefmo tempo, satisfazem o medico e o doente. Em
quanto a mi.n, eu a considero como a mais cfficaz prcparaSo ferruginosa, cujo uso dos
t mais agradaveis para os doentes. '
CAZENAVE, medico do hospital Saint-Louis, em Pars.
a Com esta preparacSo d'uma forma agradavel, e fcil de digerir, administra-!* aos
doentes doil medicamentos importante?.
CHAHKIER, chefe de clinica}aFacudade de Paris.
Eu empreo com o maior xito o Xarope de Quina ferruginoso, e o considero como
< urna das nu.is felizes nnovages, na mateira' medical.
CHASSAtGNAC, cirurgiio etf chefe do hospital Lariboisire.
Este medicamento, sempre bem aceito pelos Joeafes, deo-me consuntemente os mais
vantajosos resuludos. *
HERVEZ DE CHEGOiN, membre ia Academia de medicina.
c A limpidei d'esta preparacSo, o seu gosto agradavel, isento de qualquer salor de
i ferro, fazem d'ella um medicamenlo t3o efficaz cerno agradavel.
MONOD, addido Faculdade de medicina.
Deposito em Pernambuco,>m casa de
O*.
na roa da Imperatriz o, 60, armazem de FoaJBndera na ruada imperatriz n, 60 de Fe
Jix Pereira da Silva, "Jl* Pereira da Silva.
prador.
FLORES FINAS
O que de melhor se pode encontrarnes &
genero, sobresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para vlagem.
Rolsas de tapete e earteiras de couro, por
precos eommodos.
Chapelinas de palha da Italia mui bem
enfeitadas, eenfeites de llores obra de bom
gosto.
E assim ftuitos outros objeclos que se-
ro presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a rua do Queimado
o. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
0 Cordeiro Previdente rua do Queima-
do n. IG acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeitos de
vestidos, outras para ahupos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida comraodidade de precos.
ALEJ D AQUELLES.
Receben outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de galloes de !aa, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade do gostos os tornam recommenda-
dos e apreciados ; comparecao pois os prc-
lendentes que sero servidos'* contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homerr
como para senhoras, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
rua do Queimado n. 16.
pe&oa que d'efi der noticia certa ; a drigiren
se ao scu eseriptorio o PTja do Crespo u. I.'i, .
seu sitio do aooteiro.
Recito, V do Janeiro dol86D.
____- AsIoh&Jqm liodriffues di Soaza.
iOOS (le gntifeati*
Pugio no ln II de Janeiro do eorrente i
do enfrento Balalurn, Ireguezia da Esrada,
cravo preto.-rioiilo, de i anuos de idade, cha-
mado M.nwlino. que foi do Sr. Jlo di I
Pereira, yo seravo estove no deposito seral i
tem os signaes segnintes: alto; aooeo do o
rosto mimo marcado de bexigas, falta de d
ia frente, cor preta, saino do chapeo do chile, pa-
leto! e caifa de castor, levando um babuteho de
nandres com mais roupa, e supp6e-se estar na
frepieiia do Cato : qoem o apprehcnder leve-o
ao ato eflgenno, ou a rua da Senzala-nova n. 38
eseriptorio do Sr. Beroardioo Poutual, que rece-
ben a gratilicaco cima.
Acha-se fupida desde l.'l de outuhro do auno
ultimo a escrava de nome Custodia, idade de 24 .1
16 anuos, mulata, cabellos earapiohoa, dentes
irnos e lunados, estafara regular e um tanto cheia
do corpo, natural de Piaucozibo, distreto do
Baixa-verde, e 1 i vendida .nqui pelo Sr. Vicente
Nojii.-ira de Carvalho : quem a capturar qoeira
drrmr-se a Albino Jese Ferreira da Cunha, no lar-
S. Pedro n. 17, que ser generosamente re-
Boapenaado.
hmneMin
lureait
a
_____ aeaMi
0 traumetto du afTeccoeschlorotieas, lymphiticas ou escrophulosas sempre lentis-
simo, muii'ts vetes essas molestias resistero s preparaedes ferruginosas onfiariis. As
indigscoes hitas pelos orofessores llinnon de BraxeUn, Gensonl e PetrjqoiB^efLyao e
Berxelras e T-onssean de Paris. tero provado qoe a cansa d'essa persistencia era a conpleU
ausencia ao .anganese, elemento que sempre deve-se aehtr no sangue junciamente com
-,!;""0* n""'P""as opprem, pow, na tneraprlict orna falta importante, e por este
motivo ellas icm merecido a hpprovuclo da Academia de Medecini e du principaes iocie-
dades medicas. Deposito em Pem-imbuco. em casa de
Maaaai O".

NOVIDADE
A loja de Ajoelho & Oliveira rua do
Queimado n. tO, recebeu pelo ultimo vapor
um bello sortimento de baloes de diversos
ystemas, os mais aperfeicoados ipie teem
vindo ao mercado, sendo :
Baloes de guipur com tiras chamados
reguladores, ditos de muAclina abertos por
ambos os lados, de modo que sendo todos
de ura tamaho servem para qualquer se-
nhora, de 13a de cores, com tiras, e as se-
geintes fazendas:
Saias de la com bonitas barras.
Chales turcos de seda e la Beatriz de
Tundas.
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
Lasinlias
Sultanes, Poil deChevre, Tricte, dito de
xadrez e outras muitas, entre ellas urna
Especialidade
LSa pura de cores a 360 rs. o covado.
Basquinas a otaria Antoniete.
Cambraias fantazia.
Ditas brancas transparentes o Victorias
Colxas adamascadas.
Cebertas chinezas a 25OO rs. e outras
muitas azendas que tornar-se-hia enfadonho
nnunciar.
Vende-se
pez de rozeiras e fructeiras de varias qualidades :
no pateo da Santa Cruz u. 10.
Fugio do engento' S. Pedro, termo de Bar-
renos, no .)i:i 6 de Janeiro de I8(i9, o esclavo
l.uiz, erioulo, cor meia fula, com idade de 15 an-
no, pouco mais ou menos, com muita penugem
de barba 110 bi;ode, e j nascendo na pona do
queixo, falla meia .ipre-sada, bracos e peinas um
poin'i linos, o branco do olho amareaco, temos
dedos dos ps encostadoa ao dedo grande, o maij
com ridos um poueo que o grande, muito dever-
tido, nao deixa de estar em foneco no lugar onde
habita, c capaz de passar por forro, tem apenas
duas on tres marea* de chicote, isto mesmo pe-
quenas, que se precisa reparar, boa altura, boni-
ta figura, beiees meio grossos ; Julga-se andar
nesta praca : quem o pegar dirija-se a casa dos
Srs. Mamx'l Alves Pen-eira &C, rua da Mocda n.
5, 2a andar, que ser recompensado com lOOjOOO
Pertence dito escravo a Christovao Bento do Re
Barreto.
M
de gra tinca cio.
Furtaram no dia 13 do crreme, das 2 para as o
horas da manbib, de un rancho de Tygipi, dous
cavalios de eangalha, ambos ferrados no quarto
direi o, e com os sigiiaes seguintes: o l' ruco,
beii-os brancos, urna listra branca dos bolsos par i
a barril,'.!, dous cseos dos ps brancos, prosso,
andador baixo, de lamanbo regular, castrado, .
com um grao ; o 2- vcrnelho. una das orelhas
lascadas na ponut, pesado, e tambem castrado :
pede-se. a quem tiver noticia delles*, e s autorida-
des, que us apprebendam e os manden) levar ao
engenho Aranba de baixo. na comarca do Cabo,
ou no Reeife rua da oenzala-nova n. 38, onde rc-
cebeao a pratilicaeiocima.
Vandem-se caixas, meias e qnartos com pansa?,
eom pequeo toque ai-Ja caita : na traveua da
Madre de Dos n. 18.
Escravo fgido
Fugio em 23 de Janeiro de 1809 o escravo Ma-
theos. de meia idade, edr prea. falla grosra, bexi-
goso, tem pelas costas eicatrizos de Uivalho, tem
una verruga no canto do nariz, os nos fovtmo--,
corpo regular, tino* mo do lllni. Sr. Agos'inho
Leocadio Vieira, era Panellas de Miranda, que ha
poneos mezo* de la veio fgido; pede-se as auto-
ridas e capitaes decampo de o pegar o tlaaerem
a seu sennor Jos Cardo de >S, na rita da Lin-
gueta no Reeife n. 2 ; o o mesmo piotesta contra
qnaltjtier pessa que o tenba acoulado. o graii-
car lem a quem o pegar. Consta andar na Boa-
Vi'.'.i n.i ps'nd.i de loan de Barros.
i\o iiumingo, a tarde, desappareceu df casa
de seu senbor, i-ua da Aurora n. 72, a escrava
Lucinda, preta cnoul 1, idade 30 annos, tem o a-
ilar nm pouco inclinado para diantc, liastante c
daudji, com liellide emnm dos olbos
Foi comprada nesta pra^a ao Sr. Mano* I A
ira, e natural do todas as
probabilidades de estar occulta nesta p ac. pelo
1 haver todo o prejuizo can
aleada accao criminal ,
Re^a-so, portanto, as au ca-
pitaes de camr>-
rseuwmr
cima.


8
Diario de Pernambueo Quinta feira 25 de Fevertiro de 1869.

LITTERATRA.
escudelro de Nuno Alvares.
(Conch^au.j
Tu vens salvar-me, nao c assira ?
disse ella com a voz entreeartada, febrict-
lantc, agarrando-Ihc nos bracos com impe-
to. Vs ? a minlia pobre mi morreu de
tome, eeu vou seguirla se mcho acodes!
Salva-roe leva-me comtigo : Como vies-
te ? Lisboa um inferno. Arranca-rae
d'elle. Oh fajamos fajamos! que me
devora a (orne !
Deus (tu eeo! exclamou t\ffonso com
desespero ouvindo-llies estas phrases in-
coherentes ; pois assim estaes ? E sal-
var-te como? Para ti ver, atravessei o
Tejo, deixei-me ficar em Cacilhasescoodido
quaudo Nono Alvares parti para Palmella,
e noite deitei-me ao rio; o amor dcu-me
torcas. (I) Mas a ti! mas a ti como hei
de salvar-te ?
Leva-me a nado.
Impossivel, bem vas !
N'um barco.
Mas como, se as gales e as naus de
Castella, presas urnas as nutras, tomam o
rio todo em frente1 da cidade ?
Mata-me entao, que eu nao posso
sofrer mais tormentos, tornon Alda com
modo sombro e resoluto.
Alfonso Kanes torceu os bracos com de-
sespero ; depo s, com os denles cerrados,
bradou :
Morreremos juntos, ao menos.
Tomou-a nos bracos, que ella, de iraca,
n3o podia dar um passo, e atravessou cor-
rendo as ras da cidade.
Chegando porta por onde entrara, cha-
mou de parte o anadel dos bsteiros que
a guarnei-iam e fallou-lkc em voz baixa.
A conversar o foi rpida mas vehemente. t
Insista o csrudeiro. resista o anadel. A
final este cedeu, e, abrindo-lhe a porta,
isse com voz commovida,
Proteja-vos Deusl
Alfonso Kanes sabio.
Correu ao longo da crea al chegar ao
ponto onde R gales porluguezas, parausa-
das pela (brea iinmensamente superior do
ininigo, jaziam adormecidas. Soltou um
lite vasio que estava amarrado praia, e,
deitanilo Alda no fundo, tomou os remos
e vagou silenciosamente em direceo a Ca-
cilhas.
A massa enorme da esquadra castel.bana
inr,erpunlia-se ao frgil bote e ao porto de
savaco. As gales e as naus, presas urnas
as Qatras por grossos catabres, que arras-
tavam na agua, baloicajam-so indolente-
mente com as ondularles da vaga. As
sentinellas, eedeudo ao peso da somno-
lencia que a madrugada exhala, mal vela-
vam na proa e na pftpa dos navios.
O bote dirigio-se ousadamente para um
dos intcrvallos.
Largando os remos e deitando-se de
costas, Alfonso Eanes lancou a mo ao
calabre, levanton-se a costo relezando os
msculos, e o bote, impellido por esse
mesmo esforro, deslisoo rpido por baixo
do calabre erguido, que ao mesmo tempo
cscapou das mos de Alfonso Eanes e
cabio de chapuz na agua, que espadenou
rom eslrondo.
Um barco! bradaram as sentinellas,
acordando do meio somno cm (|ue se iam
deixando adormentar.
Estamos perdidos! murmurou Alfon-
so Kanes.
E, lancaudoa mao aos remos, fez voar
o barco sobro a liquida planura.
i); gritos de alerta dcspertavan a esqua-
dra de navio. Faziam-se as signase combi-
nados e dnas gales que cruzavam de dia e
de noite no Tejo. Innmeros fachos aver-!
melharam as aguas do rio, e mostraram o
frgil bote desusando, como um barco es-
pectrai, e deixando atraz de si urna esleir
de espuma.
Oescortinou-o nma das gales do cruzeiro,
aprooa para elle e deu-lbe cara.
Morremos Alfonso ? perguntou Alda
laucando o braco ao redor do pescoco do
seo noivo.
Qnem sabe? Reza, filha; a Providen-
cia mai.
Kra urna luda insensata, mas o bote voa-
va comosetta despedida pelo arco. Ainda
assim, a gal, impedida pelos seus cento e
vinte remadores, creada a cada instante
sobre elle sem esforco, comoum cysnc que
resvala superficie do lago.
Acidado ugia ao longo; comecava a sur-
gir vagamente do seio das trovas o pano-
rama severo da margem fronteira; a espu-
ma refervia em torno do bote; cada vez
mais perto vinha a gal, precedida pelo cir-
culo sanguneo qu3 projectavam as aguas
dea oii doce fachos accesos na tolda.
f) bote nao tardos a entrar nesse circulo
luminoso; Alfonso Eanes fez um esforz
sobrehumano, salven um esparo immenso
e, ainda assim, nao conseguio quebrar a
barreira de luz que o mantinha implaca-
velmente quasi debaixo da quilha da gal
Q que ? pergonleu Nuno franaindo
o sobr'olho
^-*Meu senhor, meu ettihor, respondeu
cudeiro com voz entrecortada, arde
Lisboa !
Arde Lisboa ?! exclamou Nuno sol-
tando um grito em que a raivaf a dor e a
clera se eonfundiam.
E descendo as escadas, montando de
um pulo no cavallo apparclhado, parti a
galope.
Os seus cavalleiros estavam agrupados
a beira do rio, e cravavam um olhar ater-
rado nohorisonte, onde momentos antes
se desenhava Lisboa, e que electivaniente
um grande clarao, rasgando a nebrina, cn-
rubescia.
Tinham visto ao longe surgir um ponto
vermelho, que pouco a pouco se alargara,
como se o sol n'aquelle dia nascesse do occi-
dente ; depois a cbamma transformara-se
em. incendio que esbraeara o horisonte ;
como que se desenrolara alm urna larga
tela .sangunea, que ainda projectava no
Tejorelexos escarlates; urna ligeira nfrfam
afuyentara a alvacenta nebrina ; lt>go*rolos
espessos de fumo negro se tinham evolvido
do seio das chammas, completando, com o
seu crep a recobrir a purpura das laba-
redas, o horror e a magnificencia do
quadro.
Nao havia duvida, Lisboa ardia. Ou
por traicao ou por escalada, tiaham os cas-
telhanos ateado o incendio.
O' meu nobre irmao d'armas! exclamou
Nuno ; hei de eu em tal perigo ver-te sem
te poder soccorrer! Covardes.' nao ousaram
medir-se comtigo em campo aberto, tiveram
medo dos relmpagos da tua espada, e pe-
(firam traico, a manha. o que nunca po-
deriam obter da forca! Venceram os tra-
idores, e> accendem urna cidade int 'ira
para queimarem !o mais nobre, o mais va-
lente cavalleiro das Hespanhas!
E Nuno Alvares, o hroe de Atoloiros,
chorava como urna crianca, e os seus, ven-
do-o derramar aquellas lagrimas, contem-
pla vam-n'o respeitosos e tremiam ao
mesmo tempo, porque sabiam qual seria a
clera do leo quando o seu frreo espi-
rito reagisse contra a primeira commoro.
Assim estiveram largo espago; o horisonte
passou de rubido a negro, apenas averme-
lhado de quando em quando por alguns
relmpagos expirantes do fogo que consu- i
mira o seu alimento ; depois esses mesmos
rolos de fumo, que se agglomeravam no
co dispersou-os o vento, e o horisonte
reappareceu lmpido e radiante,
Milagre! bradaram os que se agru-
pavam em torno de Nuno.
Como se emergisse altiva de ujptttar de
fogo e de fumo, que a respeitara, Lisboa
apparecia ao loage, bella, altiva, intacta.
No firmamento, j cheio de sol, reobrta-
vam-se scintillando os perfis das suas casas,
as torres das suas Igrejas, agrup 'das em
luzente pinha. O incendio envolvra-a toda
como um cordo de fogo, mas .nem urna
cbamma a lamber, nem urna centello lora
expirar as suas ras.
Victoria! bradou Nuno Alvares adi-
vinbando oquesuccedra. Arden oarraial
castelhano que cercava Lisboa O rei de
Castella levanta o assedio e queima o acam-
pamento Venceua constancia dos nossos!
Real real pelo mestre de Aviz!
Real! real! pelo mestre de Aviz re-
petiram todos.
Deixai-me di/.er mais, continuou Nuno
Alvares, deixai-me soltar um viva ao rei
nacional que livra definitivamente a nossa
patria das gaitas do estrangeiro! Soja
nosso soberano o'filho dos res, o hroe
que o triumplio consagra, a quema victoria
cnge o diadema Real! real! real! por
| D. Joo I, rei de Portugal!
Todos repeliram o grito com entusi-
asmo.
Queira o co, accrescntou Nuno. que
seja este d'aqui a pouco o grito em todo
o reino.
D'ahi a um quarto de hora, seguido por
todos os seus, parti a galope na direco
de Cacilhas.
Concebra o audacioso projecto de ir sem
mais tardanra abracar o mestre de Aviz.
Em Cacilhas ser-llie-hia mais fcil en-
contrar um bote que o levasse.
Acompanhado pelos seus escudeiros, e j
impaciente procura va Nuno Alvares des-
cortinar algum barquinbo que I he servisse,
quando unrdos seus seguidores, que fi-
chamava-se I>. Joo I, e
contestavel de Portugal.
Nuno Abares o
N. PWHWRO HA-AS.
fHiar I'RF.A.VBlI.o.
Estamos em quarta-Mnp.
\ aurora cojo; dedos de poesa
tanto amouque alia! morreraWpocsiaie
aurora estendia sobre a cidade ainda se-
mi-somnulenta un paludo rellexo, sinisttp
como urna raerla In
Ostribalhadocs, diligentes como cun-
vm a cafadatvs... de magro jwnul, com
pgeirocawinhavam para as ettas tirlas
do costume ; o: caixeiros esfregando
olhos, iam vagarosamente abrindo ts por-
tas ; aguadeiro coiHluzia a temerosa'* ri-
bombante carioca,-pouco se incommodando
com o rauito que incommoda aquel les que
como os typugraphos lea semine de se
deilar depois de meia noo; finalmente
aqu e alli a apparecendo urna ou ootra
negrinba na jauella, bocejando preguicosa-
mente.
Eitretaitk Julio e Miloca ainda com os
seus trajos can)avleseos esgueiravaio-se
rlpidameute pela ra abaixo.
Julio ia pallidc, Miloca livida, Juiio sua-
va, Miloca esluava, Julio pirecia taciturno,
Miloca tinha um >k fnebre. E ambos es-
tafados, moiloSHamarrotados, silenciosos
pensavam as vas frivolidades da vespera
e as tristes realidades do amanheeer :
as gargajhadas de ailiusiasmo cxpiailas
por urna lorie rouquidao, na voga arran-
cada dos galo|us infernaos que os pavera
como areos.de bodoque, nos primees da
cea saldados con furiosa indigesta:)* em
conclusao, as prodigalidades de uaa lora
traduzidas n!um alcance de seis mey.es. E
os transentes vullavam-se com certa u-
riosidade sardn ca para ver aquelki'gatos
pingados da folganca trazendo o luto da
sua propria folia.
Estamos em quarta-feira q-iaita-feira
de cinzas.
Vendo os outios olhar, olhei tambem, c
reflectindo, pareeeram-me Julio e#Milocao
symbolo da vida de nos todos.
A nossa vida a vida Os amadores
de metaph tras muitas e muitas vezes a
tem comparado com o:m longa mis;arada.
Nao ser, porm, antes ama longa quarta-
l'eira de cinzas-? una quarta-feira de
ciazas que recomeija^a toda ahora cm toda
a parte para personagens dilferentes.
Lombrai-vos q lios, tristes Milocas deste mundo, nao ou-
vs a cada instante soar ais ouvidos osse
para a mrla isto indilferente. A seus
olhos o que foi j nio Dez centmetros
de naas no chapeo, cinco de meno-
\ vesttdo qttanto basta para tornar umei-
dad3o objecto de enriosidade para os a radores da moda.
So- ainda a cruel nao infloisst seuo as
bugiarias das roupas mas qua o carac-T
ter, o espirito, a linguagem tul se molda
aosed capiela).
Apparecitijl home.n trajanh-' calca de
ganga di fndia, ca-ii azul co:n boflies
amarellos, da gola bjna alti c todaab(toa-
da, ha trila amos era um leo, I ojo ac!iam
que ridiculo; h >je :\ linguagem dos im-
drigaese anagramas e ntolaaavc e stdira.
ootr'ora era urna r i/.l) para sar convidado
ajantar coma* imis alais aefsoiiagens :
escarnece-se uai ho:nein porq \i traz una
burjaca j muito velha, quando ella estava
nova achavam-a magnifica; oqu; nnguem
perguiita se o bomem tem niiios para
comprar outra.
justo, nao se pode pensar em ludo.
A QUAHTA-FtlHA DV. CINZAS AMOI\.
Se eu tivesse da crear urna djfiiJcao do
amor, tomara a jjbcrdade da Ihe chamar:
um poema que comee i por sempre e
acaba por nunca. Iufelizmenl. ningfcem
podecomeca-lo p.ilolin.
Cedo ou tarde elle chega, c na mai ir
parte dos casos cedo v chega esse fim
i'orinidavel, essa quart i-feira de cinzas to
receiada.
E ento I
Ah! prfida ah cruel!... quanda me
lembro... (|uando psm i... U ni flor seCi:a,
duas ou tres cartas, umi felicida le inteira
resumida em n:is frangalhos A fl >r ti-
nha sido colinda em duelo, e:n u n dia de
sol radiante, beira dj u;n cainnhoque o
infeliz anda est vendj... asearlas l'jraip-
llie escri])t is p ir aquella miniosa ma > q*;
elle nem ons:iva lucir... a (br tornou-se
amarella, o p ipil desbotou... Li vo essa-
lembraacas fementidis ao fogo... arrepen-
de-se, quer couserva-las precn sanente...
tarde, a cbamma j lamben ludo... s
Ihe resta um poueo da cinza... El in cine*
rem reoerteris!
bem amarga esta quarta-feira de cin-
zas (
A QUVnr\-FEinA de cinzas da fortuna.
Mil, dez mil, cem mil, um milho de
soberanos, compra na praca qualquerMar
roquino que nao tem um de seu. Todo o
mundo meu, grita elle logo. Mas onga-
na-se, torna a fkfflr sem cousa uenhoma.
A fortuna esi;apa-lhe das mos para ir cihir
n'outras mais aperladas. E desde que a
fortuna Ihe escapa tudo o mais se vai com
Alda! exclamou elle deixando 05
remos: um ultimo beifoj O nossonoivado
ha de fazer-se no co! O' Virgem Santa,
s nossa madiinba!
Alfonso f Alfonso! fui en que ti
perdi! exclamou Alda lancando-se-lhe
nos bracos debulhada em lagrimas.
A gal chegava rpida como a podra des-
pedida da funda: nao pude suster a velo-
cidade da carreira, quando os tripulantes
viram da tolda o barco parado; a proa
apanhou-o; ouvio-Se um grito dilacerante ;
a gal, impedida pelo movimento adquirido
andou ainda I; es ou quatro bracas. Quando
os tripulantes corrajeam popa, viram s
um referver de agua no sulco espumoso d
quilha.
O barco desippareora.
IV
osMAurncs da victobia.
Romper a manh5a, formosa manha de
outono. Para o lado de Lisboa urna ne-
brina pouco densa envolva a cidade como
que em veo de gaze: o sol nascente brn-
cava as ondas belicosas do Tejo.
Com o semblante carregado. Nuno Al-
vares, que se erguera havia pouco, cingia
a espada que ura pagem Ihe estendia,
quando um esr.udeiro. correndo como
lonco, entrou no aposento do mestre de1
Santiago, no castello de Palmella, onde
Nono Alvares se aquartelra.
;l) Aquemachar inverosmil esta facanha
do meu here direi que, durante este mesmo
cerco, ura bomem resoluto atravessou duas I
venes o Tejo n'uma noite para por o mestee
de Aviz em communicaco cora os defen-
sores de Almada. Veja-se Ferno Lopes
.--Mronica del-rei D. Joo I, p. I.
esta" segregando o presente ?
Lembrai-vost jwe sois p6 !... Estas fa-
tdicas palavras por toda a parte esto es-
cripias, esto escripias em torno de nos, e
com tudo as esquecemoa>ypu procuramos
esquece-las, em va o, pofqne pava no-las
recordar ahi esta > as quarlas-feiras de cin-
zas inexoraveis, succedendo-se seai oler-
rupeo des(Je que a primeira den o" sigoal.
A primeira ah quera pensa nella sem
se Ihe confranger o coraeao. 6
A QUARTA-FEIHV DE CINZAS DA MOCU)ADE.
Por mais que tenham feit os espiritos
fortes para riscal" a moiidade do dicciona-
rio contemporneo, todos tem lido vinte
annos urna vez na existencia. E tambem
oh dr todos tem deixado de os ter.
O que importa a presnmpco diste ou
daqueile que quer sempre ser moco, por
mais que diga e faca, as rugas tomam-lhc
conta do rosto, os cabellos fazem como as
andorrahas, fogein chegada de invern,
e se se conservara, prfidos, para tra-
Inr cora seus (ios de prata o incgnito que
a fatuidade quera guardar.
Os mais teimoMis agarram-so entao aos
cosmeliecs,. ao gesso, ao vermello, s
tinturas indianas, s perfumaras cosmopo-
litas, c assim bem pintados, rebocados e
engrasados, lendj.i lido, nos romances, que
o coracao nunca cnvelhcce. semelhantes aos
olficiaes da guarda nacional, coateetam-se
com figurar as [taradas e em um ou outro
piquete sem nunca mais se arriscarem em
Odfflbate campal.
Rons romances! Excellentes perfumis-
tas quem nao c jnhece a saa linguagem
dourada !
Tal a ordem das cousas, e eis a ra-
tava os olhos, resguardando-os com a mo, t0 p^uo a inocidade tema sua quarta-
feira de cinzas. forroso ve-la passar
as vagas douradas pelo sol, allirmou-se
mais e soltou um grito.
pois cadveres disse elle.
Ao mesmo lempo dois corpos que boa-
vam, toba da agua, a capricho das on-
dulacoes do rio, foiam no fluxo da mar
arrojados praia, onde o refluxo os abau-
donou.
Eram um homem e urna mulher abra-
cados tao estreitamentc, que nem a morte
os conseguir desprender. A vaga rolava-
os como um corpo s.
Alfonso Eanes 1 disse o escudeiro que
primeiro o descortinara; e esta a sua
noiva, Alda, e Alda Gomes, a sua noiva,
que estava em Lisboa,
Em Lisboa! exclamaram os outros.
Quiz salval-a dos horrores do creo,
disse Nuno Alvares aproximando-so c im
tristeza. Pobre amigo! foi por isso que
em segredo nos largaste Tres horas de
paciencia, e estovis salvos, tu e a la
noiva; assim raorreste no instante di victo-
ria, porque n3o tiveste conanca na fortuna
do mestre de Aviz! E eras um bravo ;
a tua morte heroica e obscura cerra dig-
namente o creo de Lisboa, em qfi houve
Unto herosmo, em que houve tanta cons-
tancia, e em qu o proprio desalent se
mahifestava beroatemente, como 8 flju se
mauifestou.
Ajoelhando pedosamente, poisou ura
beijo na fronte livida^lo cadver. DesoiS
exclamou :
Es o signal da victoria Lanca-nos
a vaga respetosamente aos ps os corpos]
dos ltimos martyres.
N"esse mesmo da, mettendo-se p'um
bote quasi ssinho, atravessou a esquadra
castelhana, estupefacto do arrojo, e que,
ao recordar-sc do assombro para correr ap
barco, j o vio abicando as praias da ci-
dade. Saltando cm trra, Nuno Ah
oxcjamou com supersticiosa tristeza :
Pobre Alfonso Eanes! A ihinha te- tropo
meridade de hoje foi a tua perda de hon->- t# ou
tem! E Tost tuquo me salvaste! O leu de Julio,
sacrificio aplacou o tornou-me. propicia a *)pia a b
fortuna !
D'ahi a jjmjnstanle cahia cheio de jubile.
com o seu disfaree de hqntem : Julio tam-
bera tinha conservado o seu trajo carnava-
lesco, e no cratanto os palpavos zolhbavam
dellc. Aquelles que se levantam nao tem
pieibdc dos que se deitam } 6 a hisfirra de
lodos os crepsculos.
Boa noite, mocidade A tua misso
est concluida, viveste a ten talante, deixn
a outros o suar, o tiritar e a masuaja ri-
dente. Esses me smos pouco temp fructaro, bem de pressa para ellesepara
ti vira
A QUAIITA-FKIH A DE CINZAS DASILLUZS.
Crer urna bella palavra, e urna aapb
ainda mais bella.
0 meu amigo X...I o meu charo amigo
X.;.* sempre se comer a vida por ter mui-
tdWestiB amigos
Os Orestes e Pylades do continuamente
representacoes nos theatros da sociedade.
1 in dia chega, que se devia esperar, c
que nunca se espea. Amigo X...lcaro
amigo X...! aqoallc que devia sacrificar
pelo outro o seu repouso. i vida, sua
pessoa, l aeha una occasiao dPo supplan-
tar. llagatella, ajienas um lugarziaho de
6:0005 por anuo.
Pylades, quando muito, poderia merecer
metade. Orestes ;oca a orelha e reflecte.
Mais tarde, Orestes reclama urna divida
modesta, um servico que teve muito pra-
zer de prestar.
Pylades mostra os dentes, mas nao mos-
tea o seu dinheiro. -Oreles passa a ralo
pela testa e torna-se sombro,
Dous mezes depois, Orestes sabe que
Pylades em todas as occasioes que pode,
denigre-o a aecusn-o de ter indignamente
abusado da sua dedicacao.
Desta vez Orestes pie as ra3os na ca-
beca, e cnxerga una laptna eadidi.
Entretanto lia pessoas que so dmiiija de
me o pobre 'Oreses se. toniasse inySaJI
SU sempre oa^^^^nrans
i zQmbavam da credulidade tarda
irns para cnaprim?ntar o milliolirio, mas
tambem por si mesmos se carregam para
nao comprimentar o arruinado. (Juan 11
elle taha eavallos nao Ihe faltav quera os
admirasse. Depois que ficou sem nada
censuram-o porque os teve. Tratava-se
com sMIptuosidade, todas as notabilidades
gabavama sua masa; mas umjantar bem
dirigido d sempre lugar a umi o'fensa. e
hoje qiialfncam-o de prodigo.
Km'im o homem nao foi um boaiein h-
bil, nao ficou sendo senao ora avenlureiro,
e um aventureiro era decadencia ... esti
tudo dto.
Pode acreditar que bom o conselho.
quando frpela ra raspe-se, confundinlo-
se na turba o mais que puder, do contraro
ninguem Ihe pode aliancar que os apupos o
nao acompanhem at a casa.
Siga o exemplo de Julio, que com tanta
pressa se recolhia, e quando eslver s,
com a bolsa vazia e o quarto deserto, pre-
gue a s mssmo os sermes q.ie deveria
ter ouvido antes do se tancar no vrtice da
ambicio.
O remorso urna philosophia retarda-
taria.
a o/ arta-i- an.v de cinzas da gloria.
Outr'ora, urna reputaco edi!icava-se
lentamente e da" mesraa sorte se demola.
Hoje ediftea-se depresaa para so demor
ainda mais depressa. a>
Contem-se as estatuas quebradas que
vo por ahi.
Em um anno, por pouco que qualquer
seja impaciente, pode tornar-se a distincto,
o grande, o Ilustre, o sublime F., o pri-
meiro dos escriptores passados, presentes
e futuros, o autor do famoso drama, es-
piado..., c o sujeito forca de oavir re-
petir esta agradavel mentira, compraz-se
em Ihe prestar fe, e mesmo mais alguma
cousa com a ajada da vaidade. De sorte
que a posteridade l o ir encontrar algum
da com a fronte cingida de 1 ouros pas-
seianUo altivo no parque reserva lo da his-
toria.
Imprudente, nao contou com os atetes
liltetarios.
Oh oh que cora de loaros esta!
dir um.
Quem este sujeito ? tornar outro.
Donde sabio este hroe de carnaval ?
exclamar terceiro.
E urna vez aaMlinados os gaiatos para
a gloria do homem nao ha mais salvacao.
Comeca urna carreiradepulhasoncarnicada,
implacavel:
Fra os louros fra os huiros !
E comtudo cram louros qm; na o impedi-
ram ninguem de dormir, pelo contrario.
a otarta-feiua de cinza l'IYU .
A primeiraiilasse ou a ultima. Um car-
ro com urubm ou sem elles. Urna, ou
cem pessoas acompanhando. Um discurso
bem sentido so a situacao o exi,,'e : nem
urna palavra se o sujeito pertonce vil
multido. Mais ou menos lagrimas, raaior,
menor, ou nenhuma heranca. 12is os d-
tames que se reduz pouco mais ou me-
nos a quarta-feira de cinzas 'final qae a
mesma para toda a gente.
Emquanto eu assim pensava, Jabone Mi-
loca tinham desapparecido, a tristezfr^po-
rm licava.
Perdoa-me, caroleilor, escrevi isto, bon-
tem, em quarta-feira, quarta-feira d i
cinzas.
na poqnoTip* da nave que ainararido
sub cuva de plvora o de balas
resColegava em haustosdheroisnao
dos eavallos dynainieos no curso-
calando os ents, pondo ura treio as aguas!
Ki'alidado homrica, transumpto
das bolucas virtudes retratadas
aos vultos d'Ossian ; braxileo Nelsbn,
que, om verdes anno a kaUptaiieos falos,
fiproiiiziste lances d^i snBnaV
padro das anglicanas inaravilhas !
Honra de una nacao. alvo de um povo
que l le aguarda a te .andar, ovante,
do< jbilos grataron au p'ahna?,
palmas de gratidao, vicosas tomare
ante o liafo malfico d inveja.
Filbo de N'itherohy, amamentado
no inasuii) seio imenieu forca c nome
Blona d*j lstack t dos Mendo.
Gloria, amparh e lh que de bracos abertos, coroada
por diadema de cas, sofrega espera,
inais feliz que Cornelia e que Veturia,
o caro (ilho que bem val patria
o que mereceu delta os que sao Gracehos.
Vai, lidalgo que os leus brates as ancoras
lens, que aprsenlas nesta larda gasta,
nao pelo p dos annos, que bem nova,
mas pelo fumo honroso aos combates:
nessa farda que a ti s nao pertence,
porque lambam vestida pela historia,
nessa farda to simples, i,> modesta,
que arminlios e bordados nao ostenta,
porom, que, empoeirada e descosida
pelos vaivens de asperrima eampanha,*
mais culto inspira que europeis lierdados
da nobleza sem jus na fatua campa.
Vai descansar, guerreiro, e a farda despe
de tua mai nos bracos carinhosos,
de tua mai, que de prazer com lagrimas,
lia de condecorar-te eternamente
das fadig.es di guerra que pro vaste.
Vai, capitao Indmitos marujos,
que nunca ante oicanhdes voltaram rostos,
chorara porque te vaes, mas se resignara
do vasio que deixas sobre as aguas,
que sorvirara d'espelho tuas glorias,
porqne ao menos Ihes Rea "o estreito lenlio
que foi te Capitolio fi* que ellos sabem
r encanto se estampou tu'alma
Bss batel que intoirocm ti j vive
coen,' tu vjaa nelle ; que ellos olham
para o tea Ai'Ujaax, como olhamos
pira i redoma em que encerrou-se um idolo.
O idijto se vai, es tu meu bravo,
que nos seio-, da patria a morar corres.
Segu |ii-o:(irias auras te acompanhem !
N i i io2o en prol de ti calmas do Atlntico,
porque de ti fallou-llie sempre o Prata.
S. i horas de parlir, Maurity, aceita
dos leus irmios no adeus, ideas do bardo !
fiifinL) ianiz Brrelo.
Assiiipcao, 29 de Janeiro de 1889.
Adeus a Haurity.
,'um socilo era.queo.senlioismo
lade por am disfaree
nos bracosU mestre de Aviz, que o rece.
bia com os omos cheios de lagrimas alegres.
E d'ahi a seis mezes o mestre de Aviz
QLWRTArrBWA M. fikM^AS A W>\,
Era no auno de util e mumv
Ifym-se la^l^l^l^lH
No anno de mri
? *
'Assombro de Ifmnait, bravo dos bravos
quo aeceadestes n'u:n dia luz de glorias
I que um see.ulo af reditam I Nauta imaie iso
> juvenil aador linna^te encomios,
n nobres tespeitaveisCSsse lirmaml
Prodigio do vontade, animo excelso,
tcrnpwado por Deus contra os furars
.do genio do exlcrminiu Aojo hBmBito^i
que, era vez do igaeu gladio ts portas d) Bden
para o ngresso vedar da culta aos llio;,
Ha dextra irresistivel meneando
o' rebelde iio e co'a sinUtra
'f^\ fa-itigio Ais victorias,

'jeras bom mais que o Hercules, valendo
,! oe fcrts de rnta frota invicta a grande
U
ISstados-Unidos
A eleico presidencial
(Contimuiro.)
III
A agitaco, causada por essa oceurrencia,
na) tardou em aplacar-se. Nao obstante as
emocoes, que agitaram a todos os partidos,
o processo do presidente n3o foi sen3o um
episodio feito para promptainente ser esque-
cido. O povo americano tera muita exp>
riencia dos negocios pblicos, para se dSo
deixar perturbar por acontecimmtos de tal
genero, e nao ser combatido era seus in-
tentos por consideracoes sentiinentaos. Dei-
xando a ura lado o presidente Johnson
aproveitar os ltimos instantes de seu po-
der presidencial para recompor de alto a
baixo o sou'gabinele e formar um gabina- a
seu geito : e deixando a outro lado qae o
velha e implacavel Thadeo Stevens, que j
estava com os ps pau a sepultura, teiroas-
es em formular novel afligos de impea-
ebment, o paiz p&z-se a considerar seria-
mente na prxima eleico e comecou a lan-
ear suas vistas para as convenc,5es prepa-
ratorias; que iriam lixaro programma poli-
tico e escoliier as caadidatoras de cada um
dos dous partidos.
Ora a questo dos direilos dos estados e
a reeonstruecao dos estados do su} n5o
eram as nicas, que mais importavam in-
teira opinio publica. A guerra tinha con-
tado pela disputa acerca dos direitos dos
estados, e a questao do restabjlc,-ment
dosgovernos do sul j eslava em mais de
sua amelade resolvida pela adraissao dos
seus djpajados na c nigivss. Havia una
.mira questlo iuj mjnos importante, que
naquclla occasiao mais preoecupava os es-
piritos : era a das (naneas e da divida pu-
blica. Havia muito te:np? que o estado das
(mancas assustava a toda a gente, e que
dava opposic > motivo do expTdbracoes
contra a nnioria do congresso. O encargo
excessivo dos imposlos, e a enormidade de
emprestimos contrahidos pelo governo fede-
ral, tinham despertado a solicituder ou pro-
vocado a irritac5o dos dem )cratas, A* con-
Qanca exceasiva e descomnunal.que reinou
durante a guerra, tin!ia-se seguido esse.
aliatimento, que sempre vem dapois oVM
modas esforcos. Dj nada airaos se lata a,
que libertarse desse onus tao pesado, e de
minoraros encargos da nacao, rc[u liando- e
para tal im urna parto dos compromissos
poblfcos. Em urna palavra a Idea de un
banca-rota comecava a seduzir os espiritos
fracos, e a tornar-se o (jama de um novo
partido. Esse partido recrutado simult-
neamente entre os republicanos e entre os
demcratas, j se achava bastantemente for-
te para avahar em subido precio a sua allian-
fa, e para impor suas condicoes a quem a
buscasse. Se rigorosamente nao era da
temer-seque o thesouro faltasse aos seus
compromissos, pelo menos era muito da
esperar-se que sobrevriam embaracos con-
sideraveis, e urna modificado cabal no
systema financeiro, estabelecido naquclla
ultima temporada. *
Todos se recordam dos meios'heroicos,
empregados durante quatro annos para se
sustentar a guerra civil. Seis emprestimos
contrahidos um logo depois de outro, e pre-
fazendo todos juntos a quantia de dize mi-
niares de milhts ; a crearo de papel moe-
da de curso forcado, einiido,-ein prop i -
X$o de necossidade, at a simma do dore
milliares e quinheirtos milhoes; um systema
de impostos multiplicados e enormes, que
por todo a parle esgotavam a riqueza na-
cional, atacando a industria, agricultura,
commercio e sobrecarregando tanto sobre
a mo de obra, como sobre a materia pri-
ma, e cobrando direitos sobre um mesin i
objecto todas as vezes que esse apareca sob
um novo feitio : e finalmente impon lo i
taxa le um dizimo sobre o rendimento
particular dos Cidados, e todas as mais
iastiluices iscaes do velho mundo, impro-
visadas entre um povo acosttimado s maio-
res inmunidades financeiras; taes foram as
origens, donde por cinco annos o gavera)
federal tirou com que prover as despezis
militares. A administraco do partido re-
publicano havia cortado muito largo. Tara-!
bem tinha dado algumas mosteas desse
furor patritico da convenco nacional .11
Franca, cuja audacia reformadora de tirar
partido da propria ruina, para se levanta-
ren! os alicerces de Urna nova ordem, ella
tivera imitado.
Nao se contentando de prover ampia-
mente as despezas da guerra c de ir en-
hendo o seu tempo sem cuidar do futuro,
a baixo todo i il dos esta-
dos-Unidos. Mr. Cnasse, que era eatao mi-
nistro da fazenda no gabinete de Mr. Lin-
coln* emprehendera cem desembarace ar-
ranjal-as sobre nova base, o submcttel-as
para sempre a essa centralisa.o e miado
lio necessarias, a que desde ciacoeMa an-
nos passados os estadistas ro partido de-
mocrtico sempre oppu/vram urna resisten-
cia obstinada. A' matituiro du papel-moe-
da, que nasceu do-provisorio revolucionario,
mas que era eminentemente centralisadora,
elle tinha juntado essa organisacao de bran-
eos naconaes. destinada a mais realcar o
valor da nioeda nova, e a por meio de
lagos de estreita dependencia melhor col-
ligar com o thesouro federal todos os
grandes estabeleciraentos financeiros,que
da!li pordiante tivessem dejser fundados nos
Estados-Unidos.
Havia quatro annos que o systema de Mr.
Chasse estava cm vigor. J se tinha aufe-
rdo todos os resultados, que delle se de-
viam esperar.as despezas da guerra tinham
sido subvencionadas com liberalidade, e as
consideraveis vantagens ollerecidas pelo
thesouro tinham originado a creaco de
urna quantidade de novos bancos, e tinham
ao mesmo tempo decidido a maior parte
dos antigos a se arrolar sob a norma do
governo federal. Alguns abusos grosseiros,
provenientes de urna imperfeico da le. e
algumas tenues fraudes, praticadas a custa
do thesouro, tornavam urgente urna refor-
ma, que firraasse um pouco mais o crdito
publico.
Entretanto pela era primeira vez que'a
ordem e seguranra reiaavam as financas,
e parece que o systema arrojado de Mr.
Chasse tinha decididamente ganhado a pri-
mazia. O que, infelizmente, se nao podia
fazer, era restaurar de umdia a outro as
forras financeiras do paiz, e alivial-o dos
excessivos encargos, que tinham por muito
tempo ainda de pesar sobre elle. Jamis
houve heranca alguma de guerra civil, que
parecesse lo custosa de se carregar como
esta.
A divida nacional, que j se comecava
amortizar lentamente, ainda importava em
perto de trezc militaros de milhoes, compre-
liendeiido se o papel-moeda; e o papel, que
depois da guerra subir muito, assim mes-
mo ainda valia um terco menos do que o
ouro. Comtudo, nao se havia esmorecido.
Ao passo que nos estados do sul se faziam
enormes despezas para alimentar os escra-
vos emancipados e para sustentar a auto-
ridade federal; e ao passo que no norte se
providenciava acerca das prodigalidades ex-
travagantes do congresso para cora os anti-
gos defensores da patria, o thesoura nacio-
nal ia reduzmdo a divida, resgatando o pa-
pel-moeda, e satisfazendo a todos os seus
empenhos.
Tinha se tomado a resoluco de pagar
at o ultimo dollar. Se as vezes se tinham
suscitado discussoes entre os expancionis-
ffl.s, ou partidistas da expanso do papel-
moeda, e os conlractionislas, que pelo con-
trario queriam reduzil o, essas sempre ter-
minavam cm vantagem destes contractic-
nistas. O ministro .Mac-Cullock tinha mes-
mo obtido do congresso autorisacio formal
para todos os mezes resgatar quatro mi-
lhoes de dollars em notas chamadas green-
backs. Quanto a divida publica, propria-
mente dita, exceptuando alguns demago-
gos ou excntricos, que pregavam a banca-
rota, toda a gente quera que fosse paga
inteiramente.
At ent > tudo ia bem, e nao tera occor-
rido alguma difculdade seria, se a pros-
peridade publica nSo tivesse de padecer
gravemente por causa desses sacrificios, que
foram mui prolongados. Pflf muito tempo
ainda o dcsenvolvimcnlo da riqueza nacio-
nal apenas pareca ter al'rouxado ; a cobran-
ca dos impostos era fcil, as rendas do es-
tado se mantinham seguras, e pelo contra-
rio tendiam a so augmentar; mas umanno
depois j nao aconteca isso mesmo; o em-
pobreciiuento drjpaiz se manifestava pela
baixa das rendas publicas. O commercio
delinhava, a agricullura eslava acabrunha-
da pelas fintas e a industria, apezar da
en uiiiiiladi: de tarifas protectoras, a mor-
rendo de innanicao.
Os lavradores do sul, j arruinados em
tres quartas partes de sua propridade, hi-
tando com as primeiras difliculdades do
trabdho de gente liberta, vexados pela-
mis colheitas e pela onerosa taxa de expor-
i dos algodoes, que o congresso acaba-
va de decretar para favorecer o norte, re-
nunciavam cultivar suas trras e emigravam
para as do norte. A industria dos tecldos
ro estava na Nova-Inglaterra menos com-
proniettida do que a do planto de algodo
no sul. Ao cobrar-se o income-tax no fim
do anno financeiro, as declaraces doscon-
tribuintes aecusavam nina dnimiicjio assus-
tadora da fortuna publica. Urna boa parti-
dos maiores rendimentos di) paiz tinha bat-
uda de dous tercos, e mesmo alguns Oca-
rara reduzdos a quasi nada.
Essa ma/.ella comecava a contaminar as
datan laboriosas, bem pouco acostumadas
naqnelle paiz a so 11 rer penurias As laxas.
ambara tivessem sido alteadas, nao produ-
ziam a somma indispensavel ao thesouro
para se pagarem os juros da divida publica
o mais exigencias do servico da naco. Bem
I'. no orcaineuto da receita o despeza no
estado o ministi o Mac-Cullock tivesse leva-
do em muita conta a Sdica pial de todo o
povo, a realidade veio a flear inuio abaixo
de taes prevwes. Nouliimo semestre de
1807, a iitluiide revenuc (contribuicoes indi-
rectas) que no anno antecedente dava ainda
135 milhoes de dolais, depois nao deu se-
nao apenas 100 milhoes em vea de 106,
que se esperava produzisse. Presumia-se
quo se assim continuas^em as coqsas, as
ilepeaas do anno frrente excedertom da
receita 100 milhoes de dollars.
Era impossivcl elevar as laxas, j haven-
do ellas tocado o limite, donde jioderiam
vir arruinar o.paiz, sora terem dado o m-
nimo proveito. Demais estavam mal re-
partidas, nao tinham base regular, e erara
d'uma cobranca custosa e diicil. O con-
trabando vigorava na fronteira canadiana ;
mesmo no interior do paiz comraeUiam-sj
fraudes enormes, que assassinavan a toda
industria regulara que redu/iam o thesou-
ro penuria. Era para esse bulo que se
devia dirigir a atlenco de ma selarecido
legislador ; porm o congresso que tinha
calu'jo sob a influencia dominante dos ma-
nufactureiros da Nova-Inglaterra, nao tinha
sabido sequer o por ao mal seuo urna ele-
vaco desmarcada dos direitos. da alfande-
ga, medida -boa someate para mais aggra-
va-to.
(CotiUnuar-se-ha.)
I I'
v

i
t.
1
1
I
t

'^
tal administracSo tinha reformado de a \\ TVV. DO MAMOiva AS ttlCZES R.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAG6BP18B_H89KV0 INGEST_TIME 2013-09-14T03:11:04Z PACKAGE AA00011611_11776
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES