Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11775


This item is only available as the following downloads:


Full Text


:v^y..^s-iv


I
B
ANNO XLV. NMEftO 43.
PARA"A CAPITAL E LGAftt ONDE HA SE PAGA PORTE.
l>or tres Hieres adiantados. A.............. 6)JOO
JPor seis ditos idem............. ....... 12*000
Por un amo idem. T............... 240000
Cada numero vulso.................. 41320
DIARIO DE
QU4RTA FEIRA 24 DE FEVEREIR DE 1869.
PARA DENTRO E TOBA DA PROVINCIA.
Por tres mezes, adiantados......................
Por sete ditos idem....................
Por nove ditos idqm........... ....... ??S2
Por ura anno................"...... iv^ooo
Propriedade de Manoel Fignefra de Fara & Filhos.
...
- .'.:'
AO ACEUTE:
OsSrs. fcrardo Antonio Alves A Filhos, no Para; Gonoahs Pinto, no MaranhSo; Joaquim Jos de OHveira, no Cear; Antonio de Lemos Braga, noAracaty; JoUo Mara*titf Chaves, noAw; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio *W*
Guimares Pancada, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na ViBa da Penha; Belarmino dos Santos Bteao, em Santo AnSo; Domingos Jos da Costa Braga,
* em Nazareth; Francino Tavares da Casta, em Alagas; Dr. Jos Martins Artes, a Bahia; e Jos Ribeiro Gasparinho; no Rio de Janeiro.
-fc-
PARTE OFPIGIAL
Ittfotcrlo dos negarlos catran-
geros.
OlHf I.LAH S LKGACOKS K CONSULADOS.
A legislaeo relativa aos passaportes exigidos a
entrada e saluda no imperio sonreu importante
modilicaco im consequeneia das disposcocs do
decreto n i.176, de de maio de 186S; por oulro^
lado a MMMMn de passaportes aos subditos bra-
sileiros existentes em paiz estrangeiro ainda per-
tence em regra as legaces imperiaes, e excepcio-
nalmente aos consulados, com quanto haja rela-
ja' i intima entre este ramo de servico publico e a
ebrigaoo de matricular aquelles subditos brasi-
leiros, que foi transferida das legarocs para os con-
sulados pela circular expedida por este ministerio
em 22 de dezembro de 186i.
Gonvindu, pois. regular de harmona com o do-
M-eto e circular citados, a expedicao dos passap ir-
te*, que est a cargo dos agentes diplomticos e
consulares do Imperio, imlicarei aV.ffl principios
e refraa polos quaes uns e outros devem pautar o
-od procedimeiito nos casos ocenrrentes.
Si) os seguintes"!
Para o sul>dito brasileiro. assim como para o es-
trangeiro domiciliado-o Brasil, actualmente vo-
luntaria a tabican Sos passaportes, salvos os
caso* especificados no art. 1" do decreto i>. 4,176,
de 6 de maio do 1868.
O estrangeiro que pela primeira vez entra no
Imperio, pode vir seta passaportcu nas tica sugei-
to s conse piencias dessa omissao, especificadas
no art. T do decreto n. 1,531 de 10 de Janeiro de
1853. o, portento, exposto a ser reexportado no
inesmo navio, se houver de ser malfeitor, e nao
exhibir attestados nos termos daquella disposi-
A falta de passaportes nao sugeita os capitaes
de navio e passageirus a pciialidadc algutna, sen-
do me sement Hies corre a obrigacao de fazer as
dcclaraces do art. 85 do regulamento de 31 de
Janeiro' d.' IH, confirmado pelo art. 4" do de-
erelon. 1,531 de 18*5.
A expedirn'dos pasaportes Dea pertencendo
aos cnsules. mas as legaces podero conced-los
em casos urgentej eespeeiaes, assim como aos
membros do corno diplomtico, empregados deste
ministerio e pessns de distmeeo, ou que tiverem
commissoes do governo.
Os cnsules nao deverio conceder passaportes
aos menores o s omitieres Jasadas sem aatorisa-
eao expressa do pai, tutor ou marido.
A precedente restriccao nao extensiva aos es-
trangeiros. eirjos passaportes nao teem de ser pas-
udos, mas sao sanale visados pelos cnsules.
Fica entendido que os passaportes reservados pa-
ra as legagoVs lambem poderao ser passados pelos
cnsules, guando os interessadbs os solicitarem ou
os chefes 4s legaces assim o determinaroin.
Recommendand a V. o fiel cumprimento das
"~3etorminaeo>s desta circular, renov-lije as segu-
anlas de iiiinha, ele.Bardo de Colegipe.
linislerlo da Marinha.
Rio de Janeiro, 6 de revereirn do tsto. Ba
Magesta'li-o Iuiperadorrlo por bem que os aspi-
rantes do terreiro anno. mencionados na relacao
unta, assignada pelo consclheiro director geral
desta secretarla de estado, sejam promovidos a
guarda marmita, ttt anriguidade de 30 de no-
vembro prximo firido. da ultima promo(;ao conc-
dala aos aspirantes do misino ftnno, cando de-
p.,is destes classilicados pela ordem em que se
aeham na referida relacao. .
O que a V. S. aco constar para sua inteligen-
cia e exeenco.
Deus guarde a V. S.Bardo de Cotrgtpe.tt.
eonselheiro director da escola de marinha.
Reltitio dos aspirantes promovidos a guraos
marinha, rm v,rtti mez.
Leonardo Ribeiro Alves, Jos Egydio Garcez
falha, Prancisc i Ignacio Peceira da Cunha, Joao
M -ndes da Costa Sabugal. Alexandre Galduio da
Vetea, Mauoel Dias Cardse Secretaria de estado
dos negocios da mantilla, fide fevereiro de 1869.
'ranchen Xavier Btmtempo.
Gtoverno da proviucia.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DA 22 DE EEVEBEir.O
ni. 1869.
Capitao Antonio da Silva Ferreira Jnior.In-
forme o Sr. eoimnandante superior.
Antonio Francisco Medeiros.Informe o Sr. Dr.
i;hefe de polica.
Francisco Cavalcante Ribeiro.Informe o Sr.
engcnUelro Lniz Jos da Silva
Gil Eastaquio da Malta.Informe o Sr. general
eommandante das armas.
Irmandade de Xossa Senbora do Rosario da fre-
gjoezia da Boa-Vista.Certifique.
Bacharel Joaduim Guedes Correa Gondim.
SeBe e da'.e o requerfmento.
' Jos Francisco de Paiva.Informe o Sr. Dr.
cliefe de polica.
Merchiades das Chagas Moiua.Informe o Sr.
director do arsenal de guerra.
Manoel Antonio Teixeira.Informe o Sr. enge-
nheiro encaiTegado das obras militares.
Mara lleniiqueta de Castro.Dirija-se ao Sr.
desembargador provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia em sessao da respectiva junta adininistra-
Kepai' it' da polica.
i1 seccao.Secretaria da polica de Pernambuco
SJ de feveiviro de 1869.
\. 273.Illm. e Exm. Sr.Tenho a honra de
I-var ao conheeimento de V. Exc. que, segundo
consta das participaces recebidas hoje nesta re-
particio, foram liontein rccolhdos casa de de-
lenea, os segntes individuos:
A' ordem do subdelegado do Recfe, Joo, es-
cravo de Bemardmo Gomes de Carvalho, por ser
encontrado depois de 9 horas da noite sem billite
de seu senhor ; Josepha Mara da Conceico, Fir-
mino Manoel Florentino e Joban Akerwon, por
offensas moral publica.
A' ordem do de S. Jos, Jos, escrvo de Anto-
nio Manoel de Campos, por offensas physicas; Pe-
ter Elinfen e Hinf Tlieoder, por embriaguez.
A' ordem do dos Afogados, Narciso, escravo do
barao de Campo-Alegre, por andar fugido.
Den gllarde a V. ExcIllm. Exm. Sr. conde
de Baependy, presidente da provincia.O ehfc de
polica, Francisco de Furia hemos.
-------------
Estamos em urna situacao approximada do
Mxico, quando o .general Rassmi deixou all
Maximiliano.
Merc de Deus, nao tem Loiez urna base de
operaeoes, como tinha Jurez nos Estados-Unidos.;
Nao temos contra nos os desflladeiros do Mxico,
nao teremos tira Queretaro. Mas Lqiez na cordl-
lheira com 4,000 tomen, impedindo a vtida para
a Assumpcao de todas as familias paraguayas e
estrangeiras, nullificando indirectamente a realisa-
cao de governo novo, poe a guerra de guerrilbaem
urna attitndc bem hostil aos al liados.
A 19 passou por este porto o Sr. marquez de
Caxias no vapor Guapar. Afflrmam-rae que um
accesso da febre que roubra antes Dias da Motta
e o barao do Triumpbo tinha obrigado ao general
braslero a transferir-se para Montevideo. Ficou
no commatido em chefe o marecbal de campo Gui-
lnernie, offlcial de muito bom conceito no exercto.
E de esperar do novo general umitas providencias
e urgentissimas medidas na phase em que nos
adiamos.
No da 25 passava tambem por este porto no
vapor Alice o general Osorio.
U Uravo Rio-grandense va tratar-se no seio da
familia de sua ferida, e de urna molestia chronica
de urna perna. Dizem que prometiera voltar, e
que dissera que nao metteria na bainha a espada
emquanto liouresse um Paraguaxjo a comliater.
0 servico dos hospitaes, de que j me oecu-
pei na anterior, regularisou-se, gracas s providen-
cias que se tomarain neste mez.
De Corrientes vieram 132 colchSes, e de Monte-
video 3,500.
As transferencias feitas nos vapores Galgo, Ci-
linde de Olinda, Anicota, Santa Cruz e Marcitio
'>'., evacuaran as enfermaras, e foram permit-
tmdo a recepcao dos novos feridos que chegaram
de Palmas e de Villeta.
No principio deste mez cada enfermara de ci-
pargia do primeiro e do segundo hospital contava
ra niais de 120 feridos.
rrirloiive facultativo (rae chegou a ter 150. Febz-
u ente a finida de outros facultativos que tinham
acompanhado o exercto at Assumpcao veio di-
minuir o insano trabalho qne pesava sobre alguns.
O numero de docntes que tem ido para o Bra-
sil este mez o que tem comportado aquelles cinco
vapores. _' .-
Os vapores Guaprr e Ahce nao tiveram feridos,
porque cbnduziam os generaes. Amen vvrdeviam
ser mais frriquentes as rcmessasde doeutes para o
Brasil, ainda que flcassem nos hospitaes de Santa
Catharina. E'. como ja disse minias vezes, excessi-
vamente til e eficaz isso.
Actualmente o primeiro hospital tem em snas
enermarias 1,566 docntes, Irierathdo os cholencos,
em numero de 31 e os Paraguayos 659.
0 segundo hospital tem 1,760, incluindo 27 va-
riolosos e 7 ofllriaes paraguayos. J por mais de
Pina vez tenho acensado a indifferenca com que
se consideram os servicos prestados pelos faculta-
tivos nos hospitaes que nao sao as ambulancias.
E' dos grandes preconceitos militares o crer que
os mdicos que acompanham as dvisoes entre
marcha pre^am mais servicos do que os que tra-
balham nos hospitaes sedentarios. E' um grave
erro. .Nos hospitaes est 0 posto lie honra do 'eol-'
tativo. E- -jrh, c.iro-meio aos typliosnoscomiaw.
das infeccSes ptridas, acudindo com a manir
abnegaca de* fjrnpTl" a cada Ppmido I06 Par'
te da accumlacao dos feridos e dos docntes, Sem
recelar o contagio e o trabalho, que o sacerdote da
vida e da sade demonstra sua bravura.
Nao azendo marchas c curando lipeiramente
os feridos que se piidem provar as habihtaeoes
scientilicas c a dedieaco clnica, nicos ttulos de
gbria para o facultativo. Nao meu intuito depre-
ciar os servicos prestados pelos facultativos as
marchas do xercito, e nos primeiros soecorros
prestados as ambulancias. Meu finwporm, e
elevaros dos outros prestados nos hoSpiwes seden-
tarios. Se os primeros soffrem muitas privacoes
em seus commodos, Ititam coro muites difficnlda-
iles essas mcsinas privacoes, essas mesmas diln-
euldades os inhibem de satisfacer aos verdadeiros
fins da profisso. .
Ainda que sejam, como os reconheco, habis e
zelosos, se vm privados de satisfazer a sua verda-
dera missao, a de curar. Aos outros, a falta das
privacoes e das diluculdades, lhes d os precisos
elementos para cuidar melhor de seus doentes,
estudar-lhes as molestias, fazer com mais segu-
ranza o diagnostico, empregar urna therapeutica
mais racional, e portante mais effieaz. No aecu-
mulo de docntes que cabe sempre aos facultati-
vos em servico nos bospit es sedentarios esta a
prova do grande trabalho que lhes toca, e portan-
to da necessidade de combater o preconceito mi-
litar.
Dou aqui a nota das apuracoes feitas nos dous
hospitaes desta circumscriprao de sade.
Segundo hospital.Siccao cirurgica. Operaeoes
feitat durante o mez de Janeiro ios feridos de
dezembro prximo pausado.
Amputacoes de cxa
Ditas da perna .
Ditas de ante-braco
Ditas de braco.
Ligaduras de arterias
Reseccoes ....
Desarticulacoes .
Primeiro liospital.=Secao cirurgica. Operaeoes
feitas durante o mez de Janeiro nos feridos de
dezembro prximo passado.
Amputacoes de perna
Ditas de cxa.
Ditas de braco
Desarticulacoes capil-
lo-humeral
Ditas de diversas pba-
langes ....
Ligadura da cartida
Hita'da femural .
Dita da radical. .
Rescceao do epephose
pelo esniagador de
Chassaranac .
Reseccao de ossos lon-
gos .....
cconomros cofret danperio eo bem dos mfe-
hzcs diicntt'1--ft 11
Em todo o caso, o pens que o que se deve-
pressar a reinen* dos feridos para a mai pa-
tria. No Brasil cada ferido custa cinco vetes me-
nos por dia do que custa nos hospitaes do xercito.
Afm das razocs medteis, a economa eotflltha a
prompta ida dos feridos.
De Gorrieates sei que o novo governador D.
Gustavino va satisfazewlo mais on menos a espec-
tatva das duas secedes do partido liberal, pois esse
governador foi u sAnolo entre as du:is frac-
coes, ca Antes assim.
= De Entre-Rios escreve um diario de Paysan-
d, que se descobrio urna compiracao, cujo ftru
era assassinar Urquza, contando com um propun-
ciamento, que devia reliontar no Paysand c no
Salto. No Uruguay se activava o summarti que o
governo tiiha mandado levantar com o fin de
esclarecer a verdad do facto, e descobrir os cul-
pados.
MONTEVIDEO 3 DE FEVEREinO DE 1869.
Acha-seesta cdade lionrada com a picsenca
dos hroes denosso paiz. que aqui procrala rcada
quirir algumas forcas pirase recolhcrem patri-
e ao seio da familia.
O Sr. marquz de Caxias- apparentemente parece
o mais robusto de todos; porm cohece-se visivel-
mente quanto sofrre ao v-!o caminhar vagarosa-
mente, o descansar de instante a instante, como lhe
suceodeu quando desemharcou. Est residindo em
urna quinta, prxima do hotel de Franca, onde se
acha o Sr. visconde de Inhama, c va passando
melhor. Consta que espera o Sr. eonselheiro P-
rannos, cuja chegda se aguarda por estes dias.
O nosso almirante desembarcou soffrendo bas-
tante, mas tambeth ja tuitid algoni unitivo sua
enfermidade. ,
O Sr. visconde do Herval segu lwje no Guapote
para o Rio-Grahddo Sol. Estove hospedado em
casa do seu compatriota Braga, socio da respeita-
vel casa de Cnceicao&C, em qanto pormane-
ceu nesta capital, e dizeta' que tnciona voltar ao
Paraguay para perseguir Lpez, logo qne complc-
lamente sare sen fcriiiier.to.
0 visconde de Itaparic para ah parte no trans-
porte Isabel. Va muito doente, e seu estado "
pira recelos. Deus permuta que os habis ci
giocs dessa corte salvem p bravo general, cujo
me ficou eternamente ligado ao maravilhoso canu-
tillo do Chaco, que tanta gloria nos pcnuUlte al -
cancar nos das de dezembro.
Com aquelles chefes chegaram tambem o res-
pectivos estados-maores. de modo que esta cidade
tem estado cheia de hospedes Ilustres.
J ha dias parti o encouracado Braai7.no qual se-
gu de passagem o celebre coronel paraguavo Ser-
rano. Em todas s mai;. recentes atrocidades do
l\ ramio este chefe represeritou o principal papel, e
deve o governo imperial er bem presente islo no
iratamento que der a este verdugo de minios bra-
sileros, inermes prisioncirs, que ikio enedntraram
nem piedade nem eomptrio.
Q Isabel conduz tambem Maurt.v, o heroi .> com-
PARAKUAY.
Excerplos de um caierno de registro de vrens, en-
contrado no aetnHpumento de Cumbarity.
Passo-Poo* 31 de Janeiro de 1868.Por ordem
suprema o capitao Za-arias Mendoza, suspendido
do eu post e fazendoo serrn de alien do ba-
talhao n. 48. O tenente Be i Cruz Carios, re-
baado a sargento e de effeetividade no batalho
n. 42. O alares Marcal Romero, suspendido do
seu poeto e fazendo o servieo dtfiarpentn lio regi-
ment n. 21. O alferes Thomar. Espinoli, r bai-
xauo a sargento. Os allero Salvador Asz e Mar-
eos Veiffc suspendidos do seus uostos e servindo
na cfesse'le sargentos nos betajboes ns. 40 e 41.
0 1 sargento Luiz Rodrigues, Walxado 12?' sar-
gento, e^tpois de apanhar 50 chibatadas. volte
para seu corno. O soldado Ignacio Cabinas seja
pausado pelas armas. (Asagaado) Francisco S.
tesqui*.
Arampaznent^ de S. Fernando, 31 de maio de
1868.Por ordgm suprema serao passados pelas
armas em Villa-Fianca : os desertores Domingos
Caballero e Joao Lpez, soldados do batalho n. 13,
capturados nos montes da dita villa, tendo o pri-
meiro duas feridas, una devida a elle e a outra
aos captores.
17 de juuho.Por ordem suprema foi passado
lelas armas o rasileiro, espa do ininiigo, Joao da
Silva. Tambem por desercao, o soldado de arti-
gara de Tebiquary, Jos Delvalle.
19 de jBiihn.Falleceu o traidor SilvestrfeSilva,
sua unirte foi natural. Tambem pororderi supre-
iflt, foram passados pelas armas os reos traidores
da capital, Estevao Hornera, Vicente Cabrera, Apo-
linario Dias, Nicolao Medina, Gregorio Firreira e
Flix Dias.
22 de junho.Por ordem suprema foi passado
pelas armas o desertor da 3* vez, Antonio Baba-
dila, do batalho n. 43. Tambem por ordem su-
prema foram passados pelas anuas os reos traido-
res da eapital, Joao Benitos, Antonio Barbosa,
Francisco Pereira, Po Ayala, Bernardo Percira,
Dionisio Gonzales e Jos Delvane.
25 de junliAPor ordem suprema foram passa-
dos peljt armas os reos traidores agrUlioailos Soito
Daz, Dohingos Talavra, Bartlioloni* Mayo, Gas-
par Morinigo, Miguel Gmciies. Thomaz Vasques.
Jos Maria Quintana e Germano Egusquzi, todos
trazidos d cantal.
28 de junho.Por otttem suprema foram passa-
dos pelas armas os reos traidores, Vicente Ortigo-
za, Thomaz Pedrozo, Eugenio Cteres, Martim Mo-
rales, Tliomaz-Cardoao, Galo Yturbe, Jost Manoel
Ulazu e Vicente Lopes, todos trazidos da capital.
Falleceu d nwrte natural -no calaboucoo desertor
braslero Pedro Antonio Alves
suprema foi passado
um. dSsffonas ae
joven ainda de 25 annos !
r uze >
T.mi diante de
.mo Ah
tor vicii
1 de julho.Por _
pelas armas o desertorVictoriaiio Zaraque, docor-
po dos vogavaiHe. 4,
5 de julho.Falledn de morte natural no cala-
bouco o reo traidor Joao Gmez, ex-tenente-coronel.
Outrosim o reo traidor Sotero Torres, soldado de
cavallaim.
6 de julho.Por ordem suprema foi passado
pelas armas o desertor Eugenio Nunes, soldado do
regiment n. 19.
7 de julho.Fallecen de morte natural o reo
agrjllioajin'iiiirio Nen>man, allfflnao de na-n. *
_ fl d-jwtl>n.FUe*ii do Morte iiatm al o N%
^,"n agrilhoado Paalo Becaris, italiano de naca >. Tam-
*0'e agosto.Beceo oven traidor, Joao Pa-
dilla. Avonfino.
14 di agosto Falleceram o reos traidores,
AgostinhO-Vleira e Eliseu Galiano, ambos Para-
guayos.
t de ajostovVaMecen o reo traMor, Jos Ma-
rta Patino, presbtero.
17 de agosto.-^-Falleceram os reos traidores, Pe-
dro Burgos, ParagUMP e Cortolano Marques, Hes-
panhoi. ^
18 de agosto.Fallecen o reo traidor, lente
Joo Cabellen).
19 de agoitaFalleceram os reos traidores, Da-
iftasio Cuevas, Pufaguayo e Alfredo Levrict, Fran-
cez. a
20 de agosto.Falleceram os reos trado^. \i*-
tehek) Fribo, HeKparriwil e Benjamn OriMeta, IV-
raguayo.
22 de agosto.Foram paesados pelas armas os
reos traidores, Cypriano Ilnpra, Andr UrapiHeta,
Carkis Recio, Jolo Carranza, Vicente Varete,.Con-
stantino Boreto, Antonio Oneto, Ehsardo Baea, Se-
bastio Ylbarra, Gregorio Vera, Narciso Lassetro,
Felippe Milleres, Joo era, Alexandre Pinto de
Soma, Nicolao Jhelini,Prederico Anabitarte, Tris-
to Rosa, Benigno Gntir, Wavmnndo Barrai* Lcmi-
4ro Barrios, Honio Silvern, Honorio Grillo, Ma-
thens Muso, Igrtaco Ruiz, Flix Garca, Fetix Ar-
rila, Pastor Censales, Joo Baeco, Joao Bapt-ta
Dr, Leopoldo Anglade, Francisco Cardse, M-
gHiel fjombardi, Jos Mino, Domingos Fernandes.
Fredereo Gariaga, Joo Gregorio Valle, Miguel rV-
rtijo, Mafloel Espinla, Flix Canda, Joaqun Fev-
nandes, Henrique Fuvo, Loureneo Graz, Francist*
Molina. Joo Andreu, Egydio Perrero, Desiderio
Arias, Jos Rcmondini e Po Possoli.-^Total 48.
Na mesma data foram passados pelas armas os
reos traidores, Francisco Rodrguez Larreta, Nar
ciso Prado, Santiago Malloze. Flysses Martnez,
Francisco Laguna, Jos Garay, Guilherme Starl,
Bernardino Ferreira, Jos Mara' Antigarrag. Leo-
nardo Slon, Nicolao Fruya, Salvador Echanique,
Santiago Deluqu, Paulo Kert. Jos Rustei, Joa-
qnim Bargas, Celso Correa, Domingos Rosas, Hen-
nqtio Garca, Pilar Guaicochea, Pascoal Bedoya,
Joo Batalla, Joo Ferrasi, Gregorio Molinas, Ro-
que Cospedes, Marcono Gomes, Francisco Vidal.
Jos Rodrigues, Joaqtiim Romaguera, Pedro Po'lle-
ti, Jos Maria Saucedo, Vicente Urdapiheta, An-
gelo Ugalde, Aurelio Manchuet, Guies Ranstei,
Bernardino Cabral, Faustino Rodrguez, presbytero.
exceptuando-se Nicolao Troya, que morrea artes
da execucn. Tlai 37.
23 de agosto.Falleceu o reo traidor, capitao
Romao Roga, e por ordem suprema foram passa-
dos pelas armas os reos traidores. Joo Valta, Na-
talicio Martmez, Benigno Rosas, Luiz Echevarneta.
I no, Antonio Snchez e Roqw? Snchez, ArgUBnos,
Total 13.
20 de setembro.Fallecern o n*o traidor Pa-
ragoa)o Mauricio Gonzlez, e nar-,Sfla'Brls3c*r o de-
sertor braslero Jo.-. Soares de raojo.
SI de setembro Falleceram na prao es Irai-
dotes Fulgencio Goneales e Antonio- Quintana, ti-
ragnayos ; Justino I^eseana, Argentim, e Antn*
da Silva, Braslero.
22 de setembro.Falleceram os reos traidore*
Francisco Pinto Jos Vega. Paraguayes.
Acainpiinienlo em Pi<|ttfiri, setembrn 12 de
1868. Por ordem superior foram paisa* pelas
armas o soldado desertor, Jos Segovia do i" regi-
ment deartlharia,capturado nodistrictoiel.
Ao sargento de polica Luciano Recldas Ar-se-
ho trinta pesos de premio peto zeto em capturar
o desertor Jos Segovia do '3" regiment dsartr-
Iharia, graiicaco qne se dignou cocoder-lbe e
Exm. Sr. inareilial preSlde'hte di rcpnblfca e-ge-
ileral em cliefe de seus exercitos. Francisco" I-
nesi/uin. tpia.
^23 de setetnbro.Falleceu o r traidor Stsba-
tio Salduodo, Paraguayo.
21 de seteiaboo.Falleceram os reos traidores :
Paraguayos, Ramn Marero, passado a bayoneta ,.
chafe de Tai\. Jos Uno Torres, partfcnlar, Dolo-
res Caballeiro ; Brasiteiro, Jos Veiga.
Por ordem superior foi posto eta fiberdade
reo Lzalo Goncalres, de Jaguaro.
25 de setembro.Falhf era ni na prisao es reos
traidores Joao Rodrignes.Brasilero; Pedro Merol-
tes. Italiano.
26 de setembro.Falleceu o rio traidor, Joa-
quini Patino. Paraguaio ; Antonio rtVSouza, Bra-
siMro, desertor de Jaguaro, foi passado a bayo-
neta.
27 de setembro.Palleceu na prisao o reo Jos
nxVarella. Italiano. Pass.fram trincheira para,
irabalhar os prlskineiros trazidos 4e labeliyry,
soldados : Deodato Jos dos Santos, Manoel Isido-
ro da Silva c Pedro Reginaldo, Brasileiros. Falle-
ceu o reo traidor. Jacundo Salduondo, Paraguayo.
Por ordem superior foram passados pelas arma
os reos traidores: ex-major Mathias Senabria, Pa-
raguayo ; ex-capitao Ignacio Caray, idem ; ex-te-
nente Elias Ortcllado, idem ; dito Francisco Soza,
idem ; ex-presbytero Martin Serapio Servin, idem;
dito Joo EvangelistaT'.arlios, idem ; ex-sargento
Dolores Bera, rdtnn ; Bernardo Ortellado, dem,
Gonieslndo Benltez, idem : Manoel Leandro C.olun-
ga, idem ; Zacaras Rodrguez, dem ; Vicente
Dentella, dem ; Segurido Cohmga, idem ; Isac Al-
varez, idem ; Francisco Ozeda, dem ; Juliano Ja-
ques, idem; Mathias Ferreira, idem ; Francisco
Zelada, dem ; Daniel Valiente, idem ; Jos Ma-
riano Servin, idem : Miguel Ramires, dem ; Jorge
Theodoro Gaun, Marcos Bernab,Celestino Cattim. Qenu,roft yem j0Sl; Franco, idem'; Antonio de
Jos Sanyur, Vacilliano Lanpini. Henrique Fenaus, las c,rrera9i oriental ; Franciseo Xavier de Mat-
Jos Haller, Carlos Tristn, Alexandre Ga cano, tog> Braslero ; Joao Fcrnandes Contadura, dem ;
Francisco Sora, Freneisco Balbucna, Bartholoineu jos* Gomes Maoiel, idem ; Francisco Eleuterio de
Albertoni, Estevao Mesa, Auteoxeliano CapdeyMIe, SouM dom j0rl(l flpian,,, HnHano ; Francisco
Eo esplendidol e aindi' ha de conquistar monos Jlf**- S*f XBSoS f M
louros para si e para a patria. Oxala seja elle re-
cebido como merece por esse novo ontliusiasta que
tanto applaudio seus feitos !
O capillo de mar e guerra Mamede retira-se no
inesmo transporte, vlho, alqnebrado de forcas, in-
capaz de concluir camianha, na qual tantos ser-
vicos prestou !
'Quantos offlciaes distfletos nutilisados I Rara
a natureza que pode resistir ao clima mortfero
do Paraguay. Quera tera sido poupado pelbalas
'vctima da inlluenca deletcna dessa trra abo-
minavel, que tem sido o noo inferno.
Nada se sabe dall. DeyKs da retirada do Sr.
marquez de Caxias nenl.uin moviincnto elTectuou-
se, e ludo permanece no statu quo. O inarcchal
Guilherme. .coininandaiite em chefe interino, nao
tem querido assuuiir a /esponsablidade de nenliu-
111a operaco, e limita-so a reorganisar o nosso
8
9
3
4
3
3
5
4
11
16
1
13 de julho.Por ordem suprema foram passa-
dos pelas armas os reos traidores Joo Baptista
l.eseano, Marcelino Marque, Salvador Martnez, Za-
caras Pereira, Jos Ignacio Garay, Manoel Car-
doso, Jos Thomaz Martnez, Serapio Escobar, Ro-
mao Ymfran, Joo de la Cruz Vera, Manoel Vieira,
o cabo Angelo Alderete, Basilio VillaMi, Nemecio
Benites, las Lu Votella. Manuel Monfei o Braga,
Francisco Magallanes, Antonio Carlos de Olveira e
Julio Baptista Drosla.
14 de julho.Por ordem suprema foi passado
pelas armas o reo traidor, alferes de cavallaria, Mi-
guel Gavoso.
15 de julho.Falleceu o reo traidor, Joao Lenze
Colomno, Inglez. Falleceu o reo traidor, Manoel
Madruga, Portngtiez. Falleceu o reo traidor, Po-
lycarpo Garro, Paraguayo. Falleceu o reo traidor.
Frifon Caete, Paraguavo.
10 de julho.FalBceu o reo traidor, Boaventu-
ra Careles, partido paraguas o. Foi passado pelas
armas o reo traidor, Miguel" Autonio Elotluy, me-
nor e Paraguayo.
17 de julho.Falleceu o reo traidor Minoel Bi-
cinejui, Italiano. Falleceu o reo traidor Jos Be-
;6ft'enazse AjpJonjBJBO^ ^^ ^ armils 0 ro
traidor Thomaz Pisarelo. Foi passado pelas armas
EXTERIOR.
RrxAs nKiitMATT, UbV. jAsfctod de 1869.
Em innlia cfirrespondencia de 28 do passado,
cu dsse qne, si Lapes jbii ijaYf'aao ~tn Lombas
Valentinas, onde o tinkamos cercado,'esvh cen-
ctxidn a guerra.
A'fute do dlcTadr, sua peTmiiertcfa na cordi-
Hisirv-t** forcea 4 verdatie da prft|sic50 inversa
<)a da a guerra.
Poes, pms. continuando sphlprefla coherencia
Tratando dos hospitaes ha um assumpto que
deve chamar a altenco, o do fornecimenlo d'el-
les. Como um elemento de riqueza para os forne-
cedores, tem sido no exercto dado ao fornecedor
do xercito, o Sr. Lanus. m mez antes da rau-
dnca dos hospitaes de Corrientes, comecava. a
fornecer aos daqqella cidade o Sr. Canassia, que
tinha feito immensas despezas para ter grandes
depsitos de gneros para aquclle fim. Com a mu-
danca do? hospitaes mudou tambem fornecedor
em agosto, e ficou de todo'oSr. Lanus. 0 Sr, Ca-
nassia fez valer o seu direito e justca, a barateza
de preco de seus eneros, quo elle fornece 40 %
mais barat do que o Sr. Lanus. Muito tempo se
passou soITrendo o Sr. Canassia, que at, a con-
vito da pagadoria, em Corrientes, tinha transpor-
tado seus depsitos para Humayt, com grandes
despezas.
Aflnal, depis dos dous mezes de pura perda,
porque foi privado do forneeimento em Humay-
t, conegttfo torn'cV a um dos hospitaes o se-
godo-
Agora, porm. a pagadoria lhe intima que deve
eeSsar 0 forncimtlto a 15 de fevereiro.
Ora. cinpro notar que os gneros do Sr. Ca-
exercito, to experimentado nos ltimos combates
Niguem sabe positivamente onde se acha Lonez,
nem quaes sao os recursos com que coma. En-
tretanto sua permanencia no territorio da repbli-
ca sempre um pergo, e seu nomc est rodeado
de to mysterioso prestigio que j niuitos o julgan
com forcas snfflcientes | .ira continuar a resistir.
Nao 'bom desprezar o inimigo que to tenaz
tem mostrado na defeza, mas tambem nao ha mo-
tivo para desanimar, per que elle hoje se esconde
as conlilliciras.
O <]ue nos compre fazer nao dormir, nem
deixar descobertos nossis depsitos, como Humay-
t, etc. ; por que elle pode tentar un golpe de mo
c ser bem succedido.
Os portos esto libres do bloquio; porm con-
tinuando a guerra, podemos, como belligerantes
exercer o direito de visita, e se a nossa marinha
nao tem mais bateras para destruir, nem inimigos
para combater, resta-lhe ainda a ardua missao de
policiar o Alto-Paran c o Paraguay, alim de evi-
tar que o inimigo possa receber recursos pelo li-
toral destes dous rios. Combinando o exercicio do
direito de visita com outras providencias, como, por
exeniplo, a declarar nicamente Assumpcao porto
franco e habilitado para o coinmercio, pouco pre-
juizo resultar do levantamento do bloquio.
Por fallar em Assumpcao, ennsta-me que aquella
cidade j aprsenla boje outro aspecto mais agra-
davel. 0 commercio tem tomado conta della, e vai
operando una metamoi phose completa em seu re-
cinto, onde a animaco suceede ao lgubre aspec-
to que ella apresentava quando nosso xercito eh-
trou em seus muros.
E' tambem conveniente que este commercio nao
se irradie por ora para o interior. ^Considerada,
como prac,a militar, nada deve sahir da Assump-
cao sem licenea das autoridades militares ali est-
belecidas. De outro nudo nos rft'esmos fornecere-
mos recursos ao inmij.o.
E' desejavel que cesu qnanlo antes a inaccao de
nossa gente. E'precisD_pei:segnir Lpez em seu
covil; necessario ir Villa Rica, percorrer todo o
interior do paiz, com a cavallaria, attrahir a popu-
lacho por todos os mei 3s, principalmente as mu-
Iheres e crianzas. Arrebatando-as influencia de
Lpez, e sustentndolas no littoral a guerra est
acabada, e concl nidos os nossos sacrificios.
A esquadra ficou provisoriamente sob o com-
manio do chefe Delphim. Ella precisa ter sua
frente um offlcial general de mai'. prestigio, como
o barao do Amazonas ou o chefe Elisiario.
Os navios esto careeendo de fabrico, e de offl-
ciaes. A expedico a Maito-Grosso perdeu um va-
por, o Jaguaret, que i com carvo; j parti para
substitui-lo o vapor Ckilia. Para vigiar os cinco
pequeos vapores que, se metteram no rio Mandu-
vir, conserva-se na sria embocadura o Barroso, e
um monitor.
Nao comprehendo o motivo por que o barao da
Passagem nao mandou incendiar aquelles navios.
Por este facto tenho ouyido algumas censuras, que
me parecem bem fundadas.
Nesta repblica eua copfederacao Argentina na-
da ha de nteresse., Estamos passando por uiu
o ro trado Gregorio Luibedo.
19 de jIio Falleceu o ro traidor Izidoro Tro-
che, Paraguayo. Falleceu o ro traidor Domingos
Purnicz.
20 de jnlho.Falleceu oreo traidor Miguel Ber-
ges, Paraguavo. .
21 de julho.Fallecen o reo traidor Agostmho
Elezdui, Hespanhol. Falleceu o reo traidor Justo
lleudes. Paraguayo.
22 de julho.Falleceu o traidor Clemente v do-
to, Paraguayo.
2i de julhoFalleceu o ro traidor Riynrando
Ortiz, Paraguavo. Fallecen o ro traidor Estevao
Lnisaga, Paraguayo. Fallecen o ro traidor Agos-
linho Piageo, Italiano.
25 de julho.Falleceu o ro traidor Cirios t)r-
mte. Falleceu o ro traidor Ignacio Galaxaga,
Hespanhol. Falleceu o ro traidor Eseolr stico Ga-
resse, Paraguayo. Falleceu o ro traidor Jos da
rnndez, Paraguayo.
de ininha* idu, aSrtiar qe est acabada a guer- :riala tema Seu fM^'iedas as partes dianas dos
ra er**, para assim djzer ; mas a guerra pe- facultativos de da, Irtrxaminam nos depsitos
quena, a jBcrra de guTtllh'a, ou guerra guerrea-, eno hosoital, entrefcuftrftu: os do Sr Lanus teem
'rrrt.acbamjimojclassieos portugtwzes, e?saf IWb-o'oDjeelo de tftm queixas e reclama-
coatinuar ainda. 5es. Tratando dwse ponto so tenho om mira a
Antonio Lucero, Melclnor Costa, todos estraugoiros
c Marianno Marques, Agostinho Pires e Manoei
Fernandez, Paraguavos estes ltimos tresTotal
23.
24 dejign-Mo.Fallecen, o ro traidor, D. Jess
Prm passados pelas armas os traidores, Cle-
mente Pereira. Martin Vera, Aniceto Dnrt<\ Casi-
miro Aquno, Francisco Romn, Paulo Rosas, Mi-
guel Garca, estes Paraguayos, e Epiphanio Pala-
cios, Joo Morera, Mximo Rodrigues o Jos Laeo,
estrangeiros.Total 11.
26 de agosto.Foram passados pelas armas os
reos traidores, Francisco Fernandos, fparaguayo.
ex-sargento-mor, capitn Mignel Raed, teen'.'
Anastacio V.illejos. alferes Jos Villasante. alferes
Dionisio Villalva, urlmno Paulo Gonzales, urbano
Francisco Frntos, urbano Aleixo Acuna, urbano
Mathias Montril,Italiano, Silv rio Bote, e os estran-
geiros Hilario Sant'Anrta e Antonio Fonseca.To-
tal l'i.
Por ordem suprema foram passados pelas armas
os reos traidores, Jos Maria Bruguez, o ex-epro-
nel Manoel Nunes, e sargento-mr Vicente Mora, o
tonente Ignacio Ramos, o sargento-mr Candido
Mora, o alferes Rosario Rabadilla, o capitao Miguel
Uossas, o particular Carlos [Uveros, Manoel Cspe-
des, o cx-presbvlero Vicente Baran, Fidelis Davila,
Joo MorlesJraeodoro Vera, alferes Jeronymo Del-
phim, Joo Madera, Xisto Pereira, Angelo Cacens,
Antonio nin Revs e Antonio VasconcellosTotal
19
Por ordem suprema foram passados pelas armas
os reos traidores, Manoel Trata, Paulo Sarracho,
Braz Recalde, Joo Antonio Bodrigues. Francisco
Decond, Valentn Bargas, Prudencio Ayala c Va-
leriano AyalaTotal 8.
Acampamento em Cumbarety, 7 de setembro.
Falleceram os reos traidores, Francisco Canda, o
lente Jos Martnez c o urbano Dionisio Figuei-
i'edo.
5 de setembro.Falleceu na prisao o traidor
Narciso Xuiiez, ex-juiz de paz em Villeta.
6 de setembro.Falleceram na prisao os reos
traidores, Anacleto Gonzales, Correntiuo, e Jos
Fen, Norte-Americano,
9 de setembroFalleceram o ro traidor, o sol-
dado Nicolao Sanabria, Paraguayo, e Timotheo
Correa, rasileiro.
10 de setembro.Foram passados bayoneta os
espas Vicente Amarilla e Innoeenco Gonzales, sol-
dados Paraguayos.
i i de setembro.=Falleceram os reos traidores
Gustavo Aman, Allenio, lente P atricio Goros-
tiaga. Argentino, e Antonio da Suva, Brasileiro.
2 de setembro.Ptlleceu o ro traidor, alferes
Thomaz Cspedes, c o urbano Romo Canda, Pa-
C. Fe....
28 de julho.Falleceram os res traidores, r.s- i-aguayos,
tevao Ydedusis e Antonio Sucini, Italianos. 13 e setembro.=Falleceram em sua prisao o te-
Eenosa crise fioaneeira, e pareo
ancos que aqu existem j l'n
& C, e o London & River Pate
quede tant.os
de p o M.au
29 de jumo.Fallecen o ro traidor, Jos An-
gelo I'araeuayo, e por ordem suprema foram pas-
sados1 pelas armas 09 reos traidores, Saniago Os-
cariz e Matiel Cabral, Paraguayos, c Candido vas-
cori^eflos, Portuttez.
30 de julIio.-jFallecerain os reos traidores,Ber-
nardo Artaza e rmino Gonzales, Paraguayos.
31 de jtilho.-Falleceu o ro traidor, Francisco
Rosas. .
4 de agosto.Falleceram os reos traidores, Ma-
noel Coelho, Portugnez, Abdon Molnas,P.raguayo,
e Pedro nglade, Francez.
5 de agosto.Falleceu o ro traidor Simfrozo
Cacres, Correntino.
6 de agosto.Por ordem suprema foi passado
pelas armas o ro desertor, Euzebio Heirera, Ar-
gepuo, e falleceu o jro traidor, Vicente Valle, Pa-
'" 7 de .agosto.Falleceu o ro traidor, Salvador
Figueredo, Paraguayo.
8 de agosto.-J-'alloceram os reos traidores, Lu-
ciano Baez, Paraguayo, e Joo Jusoni, Ita tao.
9 de agosto.Foram passados pelas armas os
reos traidores seguintes : Americo Vrela, Angelo
Silva, Antonio Airua, Antonio Fom, Antonio Re-
baudi Antonio Guaner, Antonio Foboas, Antonio
Yrala \res"tl de Dupr, Baldomero Ferriira, Beu-
iaiuin'Sauterre, Gaetano Barbosa, Eugeni 3 Mathcus
Agariaz, Hespanhol, Faustino Martnez, Feliciano
Hertoza, Frabcisco Canteros, Francisco Samanie-
go, Francisco Solera, Firntino Bararvaz. Gregorio
ArRuelles. Inocencio Gregorio, lzidoio Arnola,
Jos Caraiza, Jos Valle, Joo Campen, Jc-ao Fusoni
(este ultimo morreo de mrje natural un rnomemo
Mes de ser executado), Jitlio Rodrienez, JuJiao
Arilrio, Luiz Avila, Martim Canda, Nicolao Cas-
sales. Nicolao Snssini, Nicolao Delphino, ^edro Fal-
con,'lavo Arcona, Romo Franco, Romo Capde-
ville, SerapiSo Pneeta, Venancio Uribc. Vicente
Servin eVicerile Galorza.
nente coronel Gaspar Campos, prisionero. e o trai-
dor Gabriel Coria, Argentino.
listados presos morios em transito de S. Femando
aCumbarity desile 27 do passado (Agosto) ate 3
ib cotrente. ,
Joo Pastore, Pedro Talena, Antonio Charmau ;
estrangeiros: o traidor Jorge Kes, Suisso; Manoel
Antonio do Espirito Santo; o traidor Isidoro Mar-
tnez, Mexicano ; Jos Cactano Beurro. Carlos Bono,
Jorge Daly, Antonio Jos de Mora, Pedro Lagarde,
dr Gonzlez, Eleuterio Eneiro, Manoel Pena,
Aif
Jos Vicente Jutoro, Jos Maria"Canro, Andr \ ba
ncz, traidor Bolivia; o; Eustaquio uarte, Manoel
Riveras, Joao Almoyal Roberto Casimiro, v,alentin
Benitez, Rymundo'A(|iiino, Manoel Barges, Mi-
guel Silva o alferes Jos Gavil.Total 27.
14 de setembro.O tennte Aleixo Ybero foi pas-
sado bavontas, e falleceram os reos traidores,
Mariscave, Hespanhol, e Carlos Moreno, Argen-
tino. .
Poz-se em libordade o coronel Bernardino Draiz.
Com data de 4 do corrente se tiraram da prisao os
passados do inimigo, os prisjoneiros de guerra, e
presos por outras causas, para trabalho de trin-
cheiras, em numero total de 190.
15 de seteuihro.-=Fallceram os reos traidores,
Jacintho Duarte, Paraguayo, e Baltazar de las Car-
reras, Oiental.
16 de setembro.Falleceram os reos traidores,
Agostinho Trigo, Sebastiao Zusfroo, Euiejuio Mon-
des, Antonio Ortiz, todos Paraguayos, e Wenceslao
Jos Maria, Brasileiro. .
18 de setembro.Falleceu o ro. traidor Justo
Caceras. Paraguayo. Para trabathos de trnchela
ras foram.passados os segrate ro? : Simio d-
Silva, Antonio Luiz de Maraes mnocencio Mon-
teiro de MbifOonca, Jos da Silva, Jos da Costa
Leite, Jos Justlniano, Indclaciu de SMS, Manoel
dos Santos, Manoel Antonio da~lva e Manoel Car-
neiro, Brasileiros todos les dez, e Romab Lesca-
Invernsi, dem ; Joo Viacaba, idem; Julio Voca,
dem ; Vigente Reina, Hespanhol : Francisco Vi-
las, dem : Me -Maria Vitas, dem ; Henrique Rei-
na, idem; Ventura Gutierres, Argentino: Jos Ca-
teara, dem ; Caliste Lescano, dem ; Joo de la
Cruz Lopes, idem ; Chivs-istonio Carrano. idem ;
Leonardo Rui, Franeca ; Miguel Alderey, ideiu ,
Jos PtOfcr, idem ; Octavio Julgra, Allefnn;
Francisco Ordano, Rus( ; Isidro Cdina, Hespa-
nhol. Total i7.
28 de dezembro. Passaram da prisao para o
trabalho das trinrheiras os reos: Nicolao Lpez ;
Correntino ; Simn Ballejos, idem ; Luiz Bernar-
do Mure, Italiano ; Jos Mara Gomes, Argentino ;
Santiago Romero, idem ; Justo Fara, idem ; Ce-
lidonio Nanua. Hespanhol ; Celestino Leite de Ol-
veira, Brasileiro ; Francisco Joaquim, idem ; Lu-
dovco Barroso, dem. Total 10.
Por ordem superior foram passados pelas armas
os reos traidores ; Mxime calcon, Paraguayo ;
Pablo Colman, dem; Cecilio Vallejos, Correntino.
Tolal 3.
Por ordem superior lram poetes em liberdade
os reos seguintes : presbylro Jacundo Gil, Para-
guayo ; presbytero Mariano Agniar, dem; sar-
gento Boaveiilura Borden, dem. Total 3.
28 de seteinbro.=Falleceu na prisao o soldado
Manoel Gonralve-. lirasileiro.
30 de setembro.Falleceu na prisao o ro trai-
dor Thomaz Gil, Paraguayo.
1 de ontubro.Falleceu na prisao o ro traidor
sargento Boque Rivas. Paraguayo.
2 de outubro. Falleceu o ro traidor Andr
Garca, Paraguayo.
3 d<- outubro.Falleceu o*ro traidor Vicente
Robledo, AiL'entino.
4 de outubro.De ordem superior foi posto em
liberdade o prisionero de guerra tomado em Su-
robvby, eapitao Joaquim Gomes Peso, Brasileiro.
Falleceu o ro traidor ex-alWM Antonio Santa
Cruz, Parayuavo.
6 de outubro =De onleni superior foram pos-
tos em liberdade os prisioneros de guerra, sar-
gento-mr Maximiliano Bersen, Allenio ; tenente
Jeronymo de Aniorim Valporto, Brasileiro. Fal-
leceu o ro traidor Marcellno Sanche?. Para-
guayo.
7 de outubro.Fallecen o ro prisionero alfe-
res Severo f.onzalez, Argentino. Falleceu o ro
traidor. Francez, Joo Cartel l.euzensi.
8 de outubroFalleceu o ro traidor ex-alferes
Maiteel Baez, Paraguayo. Falleceu o ro prisione-
ro, Brasileiro Jos Soares.
11 de outubro.Fallecen o ro traidor Jos Ri-
veros. Paraguavo.
12 de outnbro.=Falleceu o ro traidor Viconte
Quadro, Italiano.
19 de outubro.De ordem superior foram pas-
sados pelas armas os reos traidores que deserta-
ram a guarda-bandeira do batalho n. 9: soldado
Luiz Alearas, do regiment n. 3, e Ramn Pa-
radez. ...
19 e 20 de outubro. =FalIeceu o reo traidor, sol-
dado Jos Palacios. Paraguayo.
21 de outubroFalleceu na prisao o ro trai-
dor, Brasileiro, Fernando Jos Moreira.
25 de outubro.Falleceu o ro traidor, Brasi-
leiro, Ricardo Costa Leite.
28 de outubroFalleceu o ro traidor, Brasi-
leiro, Tliom da Costa. .
29 de outubroFalleceu o ro traidor, Brasilei-
ro. Joao Moraes Bueno.
5 de novembro Falleceu o ro traidor, Para-
guayo, Miguel Patino.
7 de novembro.Falleceu o ro traidor, Para-
guyo, Benito Alvarez. .
8 de novembro.Falleceram na prisao os reos
traidores : lirasileiro, Jos Manoel de Campos ;
Argentino, Cypriaao Gonzlez ; Paraguayo, Jos
Maria Franco.
9 de novembro.Falleceu de peste no hospital o
ro traidor, Paraguayo, Valentn! Fernandes. Fal-
leceu de peste no hospital o ro traidor, Paraguayo,
De la Cruz Caneje. Falleceu o ro traidor, Para-
guayo, Sinoriano Martnez.
10 de novembro.Falleceu de peste no hospital
o reo traidor, Paraguayo, Boayentura Biasque, ex-
iuiz de paz de Tarapcgxi. Falleceu na prisao a re
traidora, Maria de Jess Ensquiza, Paraguaya Lis-
ta dos reos moftos na trincheira, Paraguaya; Ma-
fiano_Lopez, Francisco Sanchos, Aleo Benitez; Se-
bastiSo Ferreira e Boaventura Soria. 5.
Argentinos: Santiago Romero, Cornelio Salazar,
Luiz Soto, Aniceto'Cliorche, Jos Prez. Simao Ro-
mero, Roque Mansflla, Manoel Snchez, Angci
Agero, Cypriano Alonzo, Bazolio Canoro?, Maree (o
rrra/os Tortes, Lzaro LariejSantiagQA^iw,
ndr Atuno, Primitivo Soza, Jos Montero, Maltoe


IIEBtjWB"!



U'
Diario de Peruwmbuco Quarta eira 24 de Fevereiro ele 1869.
IJI
MU
:r:
X=
fcaaawinedieo, o inajor Polycarpo Cesario de Barros,
que lein sillo ncansavel; desda que chegou, em
Mansilia, Martin Acebo, llamn Prez,- Celidonio prever ao desembarque de alguna tenles graves
qtie linlia sen cargo, e aos cuidados dos outros
que eontinuaiu bordo. *
As autoridades poleiaes andaram provi-
denciando hontem aflmde dar-se sepultura ornes
corpos I _|>"--1t
..................
rinha fallecido o Rvm. arcipresteda provincia
e vgario da vara da comarca da capital, padre Joa-
quim Gomes de Olvetfa c Paiva
14
Pelo vapor ingei Tyclw Brote, entrado hontem
do Rio da Prata, recebemos fallas de Montevideo
al! ."> do corrente aturde.
Do Paraguay a nica r.msa fue temos a coa-
tfrmacao da milicia de lar marchado para o interior
urna expedirao argentina, baio sob o cumulando
docoroael lrarez, e compunua-se da legio para- rho Quatro limaos, procedente de Car
guaya e do regiment S. Martin, levando piruusjV flesiuo ao llio de Jasdrojpurragadg
arrebantaar gado, reconhecer a pusieao. aeLopei,e Assii, lio iufolizinenie que eoi p m
Alvarez, Izidoro Agero, Lino Trela, afela* Ven, ao Tenlrario devenios render homensgem ao dis-
Antonio ,Safbez, Hadurdello Aria/.a, Francisco
Agero, Jnnocencio Mendoza, Zavino Pari, Rampa
Mansilla, Martin Acebo, llamn Prez, Celidonio-
Fernandez Estevao Guanez, Mana Gmez, Juan
Larrea. si.
Brasileiros: Jos.' Costa, Antonio Francisco,'Si-
mio dos Santos, Jos Tertuliano, Manoel Souza,
Joaquim Soarcs, Jos Ufe asneen te Correa, Lzaro
Goncalves. Joaquim de Soaia, Emilio Alves, Fran-
cisco Peud.% Vicente Frrnandes. Josdo Nascimen-
to, Basilio Diniz, Jos Cautela, Manoel dos Santos.
Manoel Antonio, Feppc da Slv Jos Justiniaoo.
20.
Italiano : oab Camelo. 1.
Mal: 60.
l da nov*Ju)hre.Faileceu na prisao o reo trai-
Hbx-presh)tero,. Antonio Coivalan. Fallcrrain
na prisao os reos: Candido Centurin, Paraguay),
traidor; Boaventara Marta de Matlos. Brasileiro,
passado. Falleceram des peste no hospital os rs
traidores ; ex-presbylero Santiago Narbacz, Para-
fuayo; paisano Pedro Barrios, idem; soldado
racisco Ensin.i, idem.
13 de Doveniliro Fallcceu de peste m liospita,
o prisioneiro de guerra capilao Antonio Falconl
Argentino. Faileceu na prisao o prisioneim tencnte
Mauricio Soto, Argentino.
11 de novoinaroFallereu na prisao o desertor
do inimigo, sohjhfdo Jos Pcreira Campos, Brasi-
leiro. .
15 de novembro.Fallecen de peste no hospital
o Brasileiro desertor, soldado lltiymundo Colho.
De ordcn suprema, datada de 12, foi passado pelas
armas o reo ex-alferes Esequiel Dure, do bala-i
Uo n. 18. ,
i 7 de novembro.De ordem suprema deu-se
aIta,'passando capital, o reo traidor Gustavo Bayon
uii Libertad, Francez.
21 de novembro.De ordem-suprema foram pas-
sados pelas armas os reos traidores, espas do ini-
migo, soldados Juan Gonzalos, de Caraprgu e Ba-
silio Escobar. Fallcceu na prisao o traidor parti-
cular Simn Condes.
22 de novembro.Fallecen na prisao o reo trai-
dor Saturnino Tavares da Silva, Brasileiro.
2: de novembro.Faileceu na prisao o reo trai-
dor paisano Juan Cabrisa, Parafhayo. Faileceu o
prisioneiro de guerra Joaquim Manoel Conceico,
Brasileiro.
29 de novembro.Fallecen na prisao o reo trai-
dor, ex-tenente de cavallara, Eduardo Barrios.
I de dezembro.Fallecen o prisioneiro, soldado
Francisco Jlo da Silva, Brasileiro. Faileceu o reo
traidor Vicente Gmez, Paraguayo.
10 de dezembro.Entregaram-se presos para se-
ren conduzidos ao exterior os traidores Peler Cor-
nend Bliss, Norte-Americano, George I. Masternam,
tnglez.
II de novembro.Foram passados pelas armas
os los : capilao Andr Macktl, Paraguayo, trai-
dor ; tenentes Francisco .Ortellado c Ignacio Oseda,
idem, dem ; presbyteros Talavera, Antonio Valdo-
vinos e Juan Ama, idem, dem ; soldados Bernab
Snchez, Donato Lescano, Aniceto Joere, Francisco
Snchez, Sebasto Alonso, idem idem; urbanos
Francisco Snchez, Victoriano Cabrisa, Ignacio
Vera, Basilio Pereira, CasparLopes, Eleuterio Bar-
bosa, Luciano Deeoud, Simn Cspedes, idem,
idem, coronel Telmo Lopes, Santafecino, traidor,
particulares: Malaquias de Oliveira, Francisco Za-
l r de Oliveira, Joa o A. Deante, Brasileiros; Jos
Meira Caceres, correnlino; Caries Ulrich, Leen
le Delme, Pedro Nolasco Conde, Correnlino, coro-
nel Ulpano Solero, Correnlino, prisioneiro*; len-
les: J >.ti|niui da Silva Gusinao, Brasileiro Jrisc
Homero, Argentino, prisioneiros ; alferes Paulino
Itaez, Correnlino, idem ; sargento Francisco larrc-
ra, Brasileiro, dem; cabos, Francisco Jos de Oli-
veira, Jos Francisco do Amorini, idem, idem; sol-
dados, Jos Bar oso, Manoel A. dos Santos, Antonio
Manoel Rodrigues, Antonio Jos da Silva, idem;
passados Jos Prucian, Francisco Tavares, (espa)
Marlim Machado, Brasileiros; RaymundoRuiz, en-
trerano. prisioneiro; Irene* Alvariza, Oriental,
idem; Honorio Camb, Francez; Jos Espirito-
Santo Rodrigues, Serapnim Gomes de lloara, Jos
Fereira Branda.), Joaquim Goncalves e Jos Tho-
niaz da Costa, Brasileiros prisioneiros. Total, t).
11 de dezembro.Reos postes em liberdade; co
ronel Venancio Lopes, e preshytero Eugenio Bo-
gado, aggregado ao estado-maior. -
14 de dezembro.Fi lanceado o traidor lente
Simplicio Linche.
L-se no Monitor Campista do i:
Coinnuimcam-nss da Barra do Harade, em
data de 81 d Janeiro, o seguinto:
Crein que hou.-e algum naufragio por cst,1
paragoas. Mu dias, lein apparecido aa pi
ite uin aconleeimento desse genero: -fl
memos d earviio de pedra que temos recolaido;
duas velas, urna grande eoutra peinen; pe.l
de cavername de navio e taboas com a lor,
pria flassas coosti iccOcs e os coinpotfnt
sos, una colcha lina de rama, ama soitre
de panno com un rasgan, saceos vali?, ni
quaes lem a niarea ./. F. S. Hfjjtentt, una
nova do pinho; e boje vimos jogandu as ondas
sciire praia, um rolo de cabo atado a nedacos
de madeira de amurada de navio. Hizein os mo-
radores do lugar que affiairceram \u .fias
corpos de marinlieiris, o qe nao audanios a
car por nao os ternio visio. ,
t Os objectos suw aielata.los por uosno beuavolo
informante, sao provavelmenie destrocoa
INTERIOR.
Rio 11 DE PGVBRSIae DE I89.
Entrou hontem da As.suinpco o transporto de
guerra hubel trazendo V.) pravas ferdas < 03 Pa-
raguayos prisioneiros. Do Paraguay nao ha noti-
cia de" tnteresse./ as fnlAas de Montevideo, 3, nltt-
DMs que recebemos, tambera nada referem.
Sob a rubrica Exerie^aabliovnoa boje a tra-
dueao de algiuis excerptos de un caderno de re-
gistro de ordens, acJiado no acampamento para-
guayo de Cumbarity; abrange o prazo decorrido
ue 8 de Janeiro a 14 de dezembro de, 1868.
F:ste caderno, intitulado Tetthmmio de ordem
ncriplas dadas lu Mayoria, conten 'i paginas
de papel al maco dobrado ao meio e est quasi todo
eseripto pela mesnia letra : tem toda a aulhontici-
iladc e foi enviado ao governo imperial pelo nosso
general em chefe.
Vienun de passagem neste transporte os Srs. ma-
reehal de campo visconde de Itaparica, capitn de
mar e guerra Mamede SimDes da Silva, e capKao*
lente Joaquim Antonio Cordovil Maurity. O Sr.
viseonde foi comprimentado a bordo pelos Srs.
niiistros da martina e da guerra, pelo Sr. baro
de Bapagipe, ajudante de campo de S. M. o Impe-
rador, e por alguns altos funceiouari'S
Tambem grande numero de negociantes reuni-
dos no arsenal de marraba, se dirigiram a bordo
do Isabel, e oSr. Diiunmond. commissionadopelos
seus eongaa, falln oestes termos:
Sr. visconde.-O corpo do rommereo do anal
azemns parte, admirador dos heroicos CBHospra-
ticados por V. Exc na guerra contra governo
do Paraguay, vem hoje comprimeatar a V. E
lani.'iiiando que o actual estado de sande de V.
Exc. nao Ibes permita fazer-lhe una
como desejava. digna de V. Exc.
O Sr. visconde agradecen esta derooastracao do
corpo do commercio. e inais tarde, desembarean-
do, aceitn a hospiulidade dos mongas benedicti-
nos, alojando-se no mosteiro de S. Itento. 1
iviu vapor Ariaof entrado hontem dos portos
do sul, recebemos datas de Porto-Alegre at 2,
Rio Grande 4 e Santa Calharina 7 do correte.
Tanto nesta provincia como na de S. l'edro"do
Sul corriain. sera a menor perlurbaco da ordem,
as eleicoes primarias que se proceder em 31 do
passado.
Sob a rubrica Barbaria ou o que f l-se na Re-
tnerat;do de Santa Catharina de 4 :
Desde os dias em que aqui estiveram os tftms-
pores Cidade de Olinda e Annicota espalhou-se
na cidade a noticia, a principio simples boato,
do tere o sido laucados ao mar, de bordo de al-
gnm desses vapores, diversos corpos de militares
morios.
Repugnou-nos acreditar em taes boatos, mas
desde hontem revolto o mar lancou as praias da
capital a prova irrecosavcl de lao nefando aconte-
cimento.
Tivnmos conimunieacao de testemunha ocu-
lar, logo pela manhaa de hontem, de que as ho-
ra* dra na praia do Aeflugue, do outro lado do
Eslreito, uin corpo que boiava de bracos, tendo as
raaos ps amarrados em barras de ferro de pe-
queo peso : era o cadver de urna preta, j meio
corrupto e desnudado.
liis tarde um pouco, apparece um outro de
r parda, cabello corridio. como cabodo, c tam-
bem cora os ps ligados urna vara de ferro e
quasi ut, na praia da Rita Maria deste lado da
fia.
No momento em que se cuida va de recolh e
boiava am outro perlo, e indo urna canoa a
traz-lo para ierra, elle cabio n'um redomoinho e
suato-se.
i Horas depois um outro cadver, branco, pare-
cendo es'angeiro, veio dar tambem na praia de
Rila Maria e nhi foi recolhido tena.
a Na fortaleza de Sant'Anna appareceu outro
corpo, de cr negra, e pela tarde, nos dizem, que
inda outro, branco.
Na Praia do Fra consta-nos tercm appare-
.do dous outros cadveres.
as ilhas dos Guaras, aqu na Baha, foram
dar, pelo ijue nos contara, quatro corpos.
Um biate vindo de Garopaba refere ter encon-
trado algens cadveres dentro da haliia.
Ha individuos que affirmam estar bordo de
m dos vipores tundeado dentro do porto e perto
do cemiteiio publico, quando foram laucados ao
tres orpos morios ; alguns catraieiros con-
am igualtoente terem assistido a esses actos, e at
os moradores das ras do bairro daFigueira ob-
servaran! isso.
Releva aqui dizer que nao no consta eousa
iigiiois, i, (meJiuuttc respeto do Santa Cruz, mas
proteger as familias quequizessemvoltarAssump-
co, ende, segundo um correspondente, j havia
crescido numero dellas, |ue estavam sendo susten-
tadas pela c;xa di exercito. Outro corresponden-
te quer saber que Lopes se aehava em ('.asp, a Jl
leguas da capital e 6 a leste do Paraguay, com
4,000 homens, empregando as familias que trazia
coinsigo em levantar all trinchen as.
Em Buenos-Ayres tinhatn-se dado alguns casos
decholcra-morbus, sem carcter epidmico.
O paquete inglez Saiithiago, da linua do Pacifico,
j ha dias esperado neste porto, trello ile Magalhies. O Tetcgrapho Martimo de
Montevideo narra assmi o trgico sucoesso:
O vapor sabio de Valparaso a 13 de Janei-
ro. Depois de alguns dias de viagem solfreu rijo
temporal, com que principiou a tazer agua
A 21 esta va fondeado no ostreito e a 22, as 2
horas da madrugada, ao levantar ferro para de;
mandar a Punta rea, baten n'um peuhasco. At
as 8 da manha oceupou-se a tripolaco a trans-
portar os passageiros para aha da Desolacao na
Terra do Fogo. Ao descera capilao, que foi o
ultimo a abandonar o navio, subinergio-so este
complemente.
Tres diasperraaneceram os nufragos naquella
ilba.
< Ma segundo dia o capitn com 8 marinheiros
sahio n'um dos botes a percorrer o estreito em
busca de algum navio que auxiliasse os nufragos
que se achavam em perigo iinminenle, ameaeadjs
lelos servageiis e pela falta de alimento, pois esta-
vam a meia bolacha de racao, alm dos mariscos
que se podiam apanhar na illia c que eram apenas
mexilboes.
Ao cabo de dous dias de excurso o capito
encontrou opalhabote americano Surah H. MerryU,
que immediatamente fez rumo para o porto em
que se achavam os nufragos, recebendo-os as 10
horas da manha de 24 a scu bordo, onde' foram
liatados com todas asconsideracoes que adesgrac
inspirava a coracoes bem formados. Pela pequea
capacidade do navio foi, porm, inipossivel reco-
llier alguma bagagem que varios passageiros ti-
nham conseguido salvar, de modo qua todos per-
aeram litteraluiente quanto possuiam.
No dia seguinto encontrou-se a corveta ingle-
za Nassau0Hac, adiando a misso da exploraco
em que andava. recebeu a seu bordo os passagei-
ros e tripolaco do vapor perdido, e conduzio-os
a Montevideo onde chegaram na manha de 5 do
corrente.
Perdeu-se a correspondencia c ludo o mai s
que trazia o Santhiago, inclusive dous milhoes de
pesos duros em moeda que vinham a bordo, segun-
do dizem.
E' digno de elogios o comportamento tanto do
capito do MerryU como do da Nusstit.
A'ultima Inra informam-nos aiuda que o
capito do MerryU, vendo comprometidas as vidas
de tantas pessoas.alijou parte da carga que leva va
e toiuou a reboque dous botes do"' Santltiago com o
resto da gente.
Os nufragos desembarcando em Montevideo
apresentavam consternado!'aspecto. Tendo perdi-
do tudo as senhoras vinham vestidas com camisas
de marinheiro, algumas descalcas e desgrenha-
das. Os borneas tambem trajavam calcas de ma-
rinheirq. Todos os tres dias de estada na ilba da
Desolacaohavam sido passados sem abrigo debaixo
de chava constaute, que se por um lado tranz;a os
nufragos de frioe hiimidade, por outro os salvou
lalvez denioiTeremas.de. Na trasladado para
lili morreram um niarnhero e um menino, lilho
de um .los passageiros.
. A favor .lestes desgrasados abro-se em Monte-
vdeo una subscripcao para a qua I o governo con -
correu com 300 pesos, e a agencia da companhia
alojon-os pop sua con la em hospedaras at poder
enviar cada um ao seu destino, tendo j embarca-
do no Tijch Brake opapito, o piloto ealguus
passafreires.
Na Bolivia a insurreicao da cidade 'e Sucre deu
em nada, lendo-se submettido os sublevados.
fez em nedacos e jH-receram dous
iripolac^ao. *
DIARIO de: pernambuco
O vapor Guapnr, entrado hontem, trouxe datas
do Rio-Grande do Sul at 7 do corrente.
Noticiando a chegada do general visconde do
Herval, diz o Commercial da ultima data:
Na sexla-fera, comquanto esperado, foi a
cidade sorprendida ao amanheeer com a noticia
telegraphica de baudoiras da entrada do Guapor,
onde vinha o Exm. Sr. tenente-gencral visconde
do Herval. Em poucos momentos elle se achou
ueste aneoradouro, tendo apenas tempo a Illma.
cmara municipal de o ir receber e o acompanhou
at a sua residencia, casa do seu amigo o Sr.
Vicsnte Manoel Espindola, sendo seguido de gran-
de^umero de povo.
s O Te-Deum inarcou-se para a3 cinco horas da
tarde.
i A esta hora reunida a Illma. cmara munici-
pal, e a inaioria dos commerciantes distinctos desta
cidade, todas as autoridades civis emilitares, o
Clofa Germnico em grande maiora dos seus socios
roram a residencia do Sr. general, e acompanha-
ram at a igreja da venera! ordem terceira deNossa
Scnhora do Monte do Carmo, ondo o Rvd. Sr. viga-
gario fez una bonita alloeuco entrada do Exm.
Sr. general, seguindo-se depois o Te-Deum.
> A igreja eslava replecta de espectadores, a!
recepc&v rua ^c Pedro II da inesma igreja a residencia do
ral era dificil o transito, onde o bello sexo
abrilhantava anda mais este solemne acto. Todos
querian ver o here brasileiro que to brilhante
nonie choa nelo imperio e Earopa pelos scs
grandes feilos d'armas, e prestaf-Uie sua homena
gem. Ao sahir do edificio sagrado, recebeu una
das mais completas ovacoes, que s Ihe pude ser
comparada a que S. M. o Imperador teve quando
aqui chegou em 10 de julho, repentinamente.
O Ilustre general fez o transito a p, fazen-
do-o morosamente pela difculdadc de romper a
massa compacta do povo.
A' noite illuminaram-sc as principaes ras da
cidade, e algumas frentes Uesuas casas com muito
gosto, incluindo o edificio da alfandega.
Duas bandas de msica, sendo una dellas a
da sociedade Recreio Commercial, muito concorre-
ram para animar o enlliiisiagno jwpular.
S. Exc. dignou-se aceitar um espectculo
que Ihe offerecen o Sr. Cabra!, emprezario da
companhia dramtica onde houve urna enchente
completa, recitaram-se algumas poesas, retum-
bando o theatro com os effectivos vivas S.
Exc.
S. Exc. achando-se ainda bastante incomrao-
dado retirou-se pelas 10 horas da noite.
Hontem anda continuaram os festejos p-
blicos.
S. Exc. segu hoje para Pelotas, ao meio-dia,
no vapor S. Pedro.
BBC1FF. 24 l'B fBVEBEIRO DE 1869.
NOTICIAS DO SUL _DO IMPERIO.
Chegou hontem pela manha, o vapor brasileiro
Guar, trazendo datas do Ro de Janeiro at lo,
da Baha at 20 e de Macelo at 22 do corrente.
Sob as rubricas Parto Ofkial, Exterior e Jnre-
rior encontraran os letores as noticias mais im-
portantes, alel das qnacs s encontramos as que
seguem.
RIO DE JANEIRO
O correspondente do Diario, em Jfdhtevido,
escreve o seguinto em :! do corrente:
A imprensa platina ainda nao desisti de ag-
gredir-nos, e porjss) justo que prosigamos em
tirar urna justa desliara dos seus continuados ata-
ques.
Ha dias annunciou que a capital do Paraguay
tinlia sido completamente saqueada pf|ps nosso's
soldados, offiriaaa. trat pelo nosso general em
chefe f Que estaTlolaco, sem nome na historia,
mportava nada menos"do que a ruptura' do trata-
do da triplico allanea, para nao recahir sobre as
duasrepublicas muetot a odisidade de to ne*-
fando' crme, e os anathemas das nacSes civil isa-
das !
Averiguados os fados, o annunciado saque de
Assumpc) nao foi setSo mais urna nuvem de
odio que passou por cima da caneca .dos nossos
gratuitos inimigos, qu os fez perder a cabeca, ce-
gando-os completamente.
Como notorio,, a capital do Paraguay, ha 11
mezes tinha sido abandonada por um decreto do
vice-presidente Snchez, e seus habitantes intima-
dos para retirar todos os seus bens movis, o que
elles, como natural, apressaram-se a fazer. Ape-
nas ra alfandega foram encontrados alguns fardos
de tabaco, muitos couros e bstanle miiho.
t as casas b alguns movis muito ordinarios
havia, dos quaes se serviam os nossos soldados,
que nao haviam de acampar as ras tendo habi-
ta coes desertas a sua disposico.
^ Afina! a lio estirmalsalo saque de Assump-
rilo, pelo exercilo brasileiro, agora reconhecido
como obra dos ofliciaes do contingent oriental,
que apoderaram-se de una porco de cornos dos
depsitos da alfandega. e que %'pedido do general
Castro, que declarou terem.sido por elle rocj|lii-
dos o trajelo de Angustura para a capital d.
Paraguay, o Sr. m^rquez de Garfas, que havia
embargado os carregamentep, porniiltio_vque os
mandassom em dous navios para esta capnal, on-
de j chegaram ou estopara chegar !...
A esle respeito o Siglo, um dos orgos da ira -
prensa oriental que nos ajaca com mais acrimonia
no seu artigo de fundo ojlia 27 docommte, ex-
prime-seassim:
Muito se tem Tallado do saque de Assumpco
pelas torcas brasileir.is: duvidjsos sao porm os
factos o diversas as apreciacoes.
Nao obstante das averigacoes ajlStadas pe-
las denuncias fetas em Buenos-Ayres, nm acto at-
tentaioro e vergonhoso se.patenla.
E este acto, doloroso 6 conessa-Io, foi pratica-
ilo na divisa di llepublica'friental.
Dous navios foram carrejados, para commer-
ciar, de gneros saqueados em Assumpco, com
consentimento e beneplcito do chele da diviso
oriental.
Assegura-se que o marquez de Cavias quiz
embargar esses navios, pir.n ante a caiegoria
que os protega vio-so toreado a desistir.
' Talvez estivesse om nenle do general em ebe-
fe"?lo exercito alliado evitar a lodo oTNfse fe &"'
aiMi iiHH'.* nHlortvfwfF' "W*^ icto vez nao houvesse bOa vontade para evitar a Re-
pormitto que piles Tossem feitos cem a solemm-
dado e brilbap.tisme, que so esperava
Sao obstante a circumstancj di niao tempo,
bvo alagoano umprio o seu patritico dever,
tejando om todo o enthusiasmo a terminaco
da guerra o dando ao mesmo tempo todas as
mostras de reconheriment c gratidi.o a aquellos,
que maisoacorreram para esse glorioso desen-
lace
fcrtejos, para maior realce, foram acom
os de am baile dado no palacete da assem-
qoai esleve cncarrido.
Eiie os festejos, lornou-se sdiente o que
llzerain os estndantes do lyau, que aeompanhados
de um numeroso concurso das pessoas mais radas
da cidade percorreram as principaes ras ao som
do uyunoaacional, precedidos de um carro trina-
pilante, pnparado cour, toda a pompa para tal
liin, ,
No largo da matriz ti vemos nm lindo palan-
=cr

lace.
que onde se va a efligie de S. M. o Imperador e
era saudada pelo presidente da provincia, func-
cjeoarios pblicos e poro. A illumiuice dajiraca
rafexcelfeate. Oa, \Ji
v Nos quatro cantos urna pirmide bem ilumi-
nada se ergua e em seus lados la se o tributo de
gratido que manifeslava o povo aos hroes brasi-
leiros que se acham no campo da honra, ao gabi-
ate de 161> julho, familia imperial o ao defen-
sor perpetuo do Brasil o Sr. D. Pedro II.
No largo dos Martyrios nm outro palanque
bem ornado e Iluminado abrilhantava o festns
desses das.
Toda a rua do Commercio, Praca de Pedro
II e dos Martyrios, estavam embandradas e il-
luminadas, sooresahimlo enlrc as iljuminacoes
particulares a do sobrado vlce-consirrpnrtofiez
pela simplicidade e boin pato chinai com que foi
feita.
Todo fesliin
novidade.
correu em paz e sera a menor
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA..
ACTOS OFFICIAES Por deliberares da presi-
dencia de 22 do corrente.
Foram nomeados Joo Chrispinf de Arujo, para
reger interinaments a cadeira de instruccao publi-
ca da villa do Salgueiro; Joo Antonio da Silva
(libra!, Jos Maria dos Santos Cavalcante, Joao de
Azevedo de Araujo Pnheiro, Jos Mendos Carneiro
da Cunha, Sebasto Antonio o Reg Cavalcante
c Caetano Correa de Amorim, delegado c 2 a 6"
supplentes do termo de N izarelh.
Foi exonedo Atuerico Carueiro da Cunha Albu-
querque, de delegado Iliterario da freguezia da
Gloria do Gol; sendo nomeados para o substituir
Antonio de Barros Correa.
DINHEIRO.O vapor Guar trouxe as segrales
quantas para a nossa praca, para os Srs:
ps Pinto Teixeira. ..
Francisco Pereira CavaleantL
Joaquim. Jos da Silva Tavoas.
Antonio Vieira Danta
Antonio Mendes da Silva.
Aguas Bellas.
Eleitores para senada*.
Manoel Carvalho Cavalcanti d'Albuquerque 1.a-
, eerda- -. ,,-
Hanoi-i Soares .1 Ahnqnerque l'reac.
Lourenco Cavalcanti l'Albuquenpie Maranhao.
DeodaloItolembereaMIIniquerciiie.
Raymiindo Itolemberg d'Albuquei^ue.
Francisco Jos Brrelo.
Jos Amonio da Cama.
Joan I., mi renco da RocBa.
[Flix I.oaafrJo.-. Santo?.
Joaquim Urbano Wanderley.
fpionizio Vieira de Qoeiroz.
Jos Soares d Campos.
Antonio Paes de Albnquerque Brrelo.
frehppo Gonies dos Santos.
M^ximiano lio iribes l.eito.
Mhu'ocIde Barros Cavalcanti Mello.
Manoel Apolmario de Souza Medeiros.
Malinas Pinleiro da Costa.
Vicente Ferreira de Araujo.
Domingos Rodrigues Lins d'Albuquerque.
Candido Rodrigues Lins d'Albuquerque.
Jos. Cyriaco dos Santos.
Isaac Joaquim Cavalcanti.
Adrio Rodrijrues de Araujo.
Jos Innoccneio Bezerra de S.
Francisco Marlins d'Albuquerque.
Jos Tenorio de Albuquerque.
Ignacio Jos da Silva.
Alexandre (Ltvalcant d'Albuquerqne Mello.
Clcmentino (l'Araiijo Cavalcanti.
Eleitores para deputados.
Manoel Carvalho Cavalcanti d'Albuquerque La-
cerda.
Man"cl Soares d'Albuquerque Preac.
I I 1 I ^ l 1 itAfeBAlAA __ A? 1^ 1 II.__... % t
Lourenco Cavalcanti d'Albuquerque Maranhao.
Deodato Rolemberg d'Alln
Isaac Joaquim Cavalcanti.
rq
r1(i
Joo Querino de Aguilar & C.
Tasso Irmo. ..."...
C.
100:0005000
60:000000
20:340000
20:000 000
3:300SOO0
2:7924000
2:7003000
I:6."i()000
O0JOO0
.'ooooo
4003000
4005000
.-100.3000
2003000
1303000
S. M. o Imperador, acompanhado de seus sema-
narios, dirigio-se hontem, pelas 10 horas da ma-
nha, ao mosteiro de S. Bento, onde visitou o
marechal de campo visconde de Itaparica, que,
como noticiamos, all se recolhera enfermo.
Sahindo do mosteiro, Sua Magestade foi ao ar-
senal de marinha, onde percorreu as officinas de
machinas; embarcou na galeota e dirigio-se ilha
das Cobras, onde visitou o dique, a serrana a va-
por e a cabrea.
13 -
S. M. o Imperador, acompanhado de seus sema-
narios, ehegando hontem as 9 horai da manha,.]
ao arsenal de guerra visitou asoffleinas de machi-
nas, de fnndtcao, de ferrejro o de serralheiro.
Sua Magestade embarcou depois na galeota im-
perial e dirigo-sc Armaco, regressando a 1 }i
da tarde ao arsenal de marinha, de onde seretirou
oara 3. CJiristovo.
- Ji -
Foi coflccdida a demissao que pedio o desembar-
gador Manoel de Cerqueira Tinto do cargo de
vice-fresidente da provincia do Maranhao.
Foi nomeado o Dr. Jos da Silva Maia, primelro
vice-presidente da mes.'oa nrovincia.
Por cartas imperiaes dt?odo corrente mez foram
nameados ofliciaes da ordem* da Rosa, o Dr. Jules
lilner, profaaor da Facul&de de Medicina de
Parto, e Luia^arlos Mary.
publica Oriental a ncdoa que, tal acto Ihe acar-
rla, emquanto nao ;. reparar como exige a jnsti-
ca e a honra.
t Porm de qualquer modo a culpa recibe so-
bre o nosso pobre paiz; e ao governo corre o da-
ver de tomar urna prompta e seria iniciativa neste
assuinpto.
O saque, o commercio com gneros tomados
ao inimigo esto proscriptos para semp.'C da vic-
toria civiisada : s teem cabida na victoria bar-
bara.
Com o povo paraguayo a generosidad.' de-
veria ser Ilimitada, porni aqu trala-se unica-
mante de proceder com juslica. eom liediencia
aos mais comesiuhos principios" do direlo das gen-
tes.
Depois que noss;.s fronteiras deixaram de ser
ameacadas, a parte que tem cabido a Repblica
Oriental na guerra do Paraguay tem sido imbbi-
ta velmente secundaria.
A parle que Ihe fica daapictoria ha de ser
principal e principal pelos alentados, violencias
o saque.
O cambio regnlava sobre Londres de 18 1|2
a J8 3|4 papel bancario e particular.
As ap.dices ger;,;s de 6 por cento vendiam-
se de8J a 80 I [2 por cento.
Os soberanos (9?) vendiam-se de 13J360 a
133400 cada um.
A alfandega da corte rendeu da 1 a 14 do
corrente '.I9l:8i.'ii80.
Fcaram e.u-ga para Pernambuco as barcas
Sopayro oCor^a,
BABIA.
Foram nomeadoi : secretario da relaco me-
tropolitana, o padre J iliano Jos.; do Miranda ; juiz
dos casamentos, o consgo Dr. Jacintho Villas-Boas
de Jess; reltoi'o vkw-reitor do seminario arghi-
episcoBjaJ padres l.udgero dos Humiides Pacheco e
Pedro dos Sanios Pereira.
Lemos no tonal :
Espenando-se brevemente cutre ns o Cxni.
general visconde do llaparca, S. Exc. o Sr. con-
selhero presidente da provincia dirigio-se s au-
toridades superiores, para que o Ilustre general
receba as honras de q le merecedor, nao s pelo
lugar ejevado que oceupa no exercito, como pelo
concurso valioso que lem prestado as victorias que
eurheram de glora as paginas da historia patria.
Foi o movimento deste porto em Janeiro de
274 embarcacoes com 28,967 toneladas, 1,017 pes-
soas de equipagem c 1,410 passageiros, saber :
cntraram de tora do imperio 25, sendo estrangeiras
2o e nacionaes 2, cora 239 equipagem e 5,193 to-
neladas ; do portos do imperio 2a, sendo estran-
geiras 2 e nacionaes 22, com 211 equipagem e
3,183 toneladas ; dos portos da prpKinca 46 nacio-
nal, eom 259 equipagjn, e 2,iJaYtoheladas ; 28
vapores, sendo eslrangeiros 12 eSclonaes 16, que
Irouxeram 638 passageiros, sendo estrangeiras 131
nacionaes 408, senhoras 29, africanos libertos He
56 pracas ; um brigue escuna de guerra nacional
e urna fragata russa. Sahiram para fra do impe-
"'\ i9> sendo cstraiiBeiras 18 e nacionaes 1, com
190 equipagem e 5,65: toneladas ; para os portos
do imperio 46, sendo estrangeiras 17 c nacionaes
29, com 437 equipagem e 10,202 toneladas ; vaiw-
res 27, sendo estrangeiros It e nacionaes 16,
que conduzram 770 passageiros, sendo estraagaj-
ros 157 nacionas358, escravos 125, africanos'li-
bertos 50 e 80 pracas ; c 2 brigues escunas de
guerra nacionaes. o
iOTo0/iunbi? re3ulava : ^bre Londres 18 3ii a
18 7)8 d., e sobre Pars 500 a 505 rs.
- Sahiram para Pernambuco, no dia 17, as bar-
cas Novo hlisio e Perola.
AIAGO.VS.
csu procedencia apenas encontramos ose
gumte no Diario :
Consta-nos que o importante corpo commercial
de Jaragua intenta edificar urna casa appropriada
para nella funccionar o centro commerciaT desta
capital.
A lembranca box, memo digna de todo o
aproen, e tanto mais sendo ella coroada em seu no-
Augusto F. de Oliveira &
Pereira Carneiro & C......
Pinto Barbosa & C.......
Jos Dtiartc das Neves.....
Francisco Ribeiro Pinto Guimares.
Luiz Antonio Siqueira.....
Fortunato Ribeiro Bastos ....
Jos da C. Oliveira Figueiredo. .
Luiz Jos da Silva.......
Carvalho & Nogueira......
Pereira da Cunha & Irmo .
Jos S. de S Estoves.....
Agostnho Ribeiro da Silva .
Para as provincias do norte troixe elle :
Parahvba ....... 2003000
Cear........45:3003000
Maranhao ....... 18:4503000
Para......... 2:2503000
VEREADORES E JUIZES DE PAZ.Concluio-
se po da 20 do passado a nova eleico, mandada
faw pelo governo pela annulaeo da primeira, do
municipio de Floresta, sem nehuma occorrcncia
desagadavel.
Foram eleitos vereadores os Srs. : Francisco
David de S, Ncodemos Wenceslao d( Jess Ale-
criin, Guilhernie Ernesto de Novaes, Joaquim
Francisco de S, Joo de Araujo Lea', Jos Joa-
quim de Novaos, e Francisco Antonio Gotea de
Novaes.
Para juizes de paz foram eleitos: Frincsco An-
tonio Gomes de Novaes, Ncodemos Wenceslao de
Jess Aleerim, Vicente Gomes de S Jurcma, c
Manoel Lopes dos Santos B irros.
NOVENAS NO MONTEIRO. Tem sido ani-
madas e concorridas, sendo os verses entoados
pela Exm. Sr.' hlha do Sr. Ferreira Lopes, com
todo o costo & maestra- Os cucar re jados nida
nm inunda -jTara o brilhantism -dtumj ^ilius;-aa vendo coroados de felic resultado os seusesfor-
Krancisco Marlins d'Albuquerque.
Jos Lucio Leito d'Albuquernue.
Domingos Rodrigues Lins d'Albuquerque.
Manoel Apolinario de Souza Medeiros.
Jos Tenorio d'Albuquerque.
Joo Lucio Leito d'Albuquerque.
Candido Rodrigue^ Lins d'Albuquerque.
Alex mdre Cavalcanti d'Albuquerque Mello.
Clcmentino d'Araujo Cavalcanli.
Bento Leite d'Albuquerque Brrelo.
Manoel d'Araujo Cavalcanti.
Antonio de Barros Dantas Lete.
Jos Antonio da Cama
Vicente Ferreira de Araujo.
Jos Silvestre de Oliveira.
Malinas Pintciro da Costa
Ignacio Jos da Silva.
Pedro Francisco Dias de Oliveira
Jos Innocencio Bezerra de S.
Eslevo Martins dos Santos.
Jos Cyriaco dos Santos.
Alexandre Machado da Cunha Villar.
Estevao Cyriaco dos Santos.
Virginio Gomes Ferreira Netto.
Francisco Manoel da Silva Sonto.
MOEDA DE BRONZE SUBSIDIARIA.No da
13 do crlenle comeara, u.i caixa da amortisa. o
da corte, a entusa essa nova moeda, em sufis-
tlueo das notas de I 000, 23000 c 5i000 dila-
ceradas.
Acerca desta moeda, cunhada na forma do art.
3. da le n. 1083 de 22 de agosto de 1860 do
aii 38 da de n. 1507 de 26 de setembro de 1867,
publicou o proredor da casa da moeda, na corle,
o segrale:
Tendo de ser posta em circulacao a moeda
subsidiara do Inouze monetario, liga ternaria,
convm dar os caracteres della, alim de que se
nao abuse da cor c do bruno de omitas de-sis
nioedas. Os caracteres geraes sao os seguintcs :
retratos voltados esquerda, quando no ouro c
na praia os retratos esto voltados direita ; as
armas nacionaes nao esto guarnecidas do fumo e
caf, acccssiiiios das mesmas armas ; o contorno
de taes mondas nao serrilhado.
Caracteres especiaes : a moeda de 20 res
tem 25 mllimetros de modulo e pesa 7 erararaas;
o modulo da de 10 reis de 20 millimetros, o pe-
so de 3 lf2 grammas. A moeda de ouro de 103
pesa 8,%fli;!7.'. a de 55 4,482421873, o modulo
da primeira de 23 millimetros, o da 2." de 19.
A de prata de 500 reis pesa 6,23 grammas, seu
modulo de 23 millimetros ; a de 200 reis pesa
2.5 grammas, e seu modulo contm 1 millime-
tros.
A' vista dos caracteres expostot a moeda de
liga ternaria nao se poder confundiPcom nenhu-
)-iii,i das nioedas de ouro e de praia aqu memui-
hsell, Amonio Marta do Nasciinento, Joo Manoel'
ereiraj Manoel Antonio Fernandos, Antonio
Pereira da Costa, Manoel Hessias de Gusmao Lvra,
Joaquim Jos- de Araujo Vasconcellos, D.odato Af-
Monieiio. Josa(hat Pereira Baracho, Anto-
nio branecliiio Concalvcs Fontes, Jos Martina de
Ustro, Manoel Jos de Andrada, Brides .1 S mza
Castro, Manoel Jos de Andrada, Jos Martins da
Si|a JoaquMIirques nil' Manoel Brouc,
Antonio Aagm. do Gusmao, Antonio Elias de
Aaraiijo. Jo.-*unes Giiiinaries, Fortunato da Ro-
cha e Silva. Ignez das VirgflBIlto. Joanna Bap-
Usto de S. J,ao, Thomaz Itielby, Manoel Keerra
Gavalcanti, Mauricio Jos de Frailas, e 18 pn
inclusive (i de gales.
Seguem no niesiuo vapor para o norte :
Alferes Cosme Francisco dttffaira, Jos Isidoro
Xavier de Brito. .los iIDliveira Santos Jnior,
Candido G. Castollo Branco, tencnte coronel J
Liberato Lopes da Silva, Dr. Jos Manoel do Sa-
cramento, alferes Antonio Fernandos de Souza, An-
tonio C. Burlainaqiie, Vicenliua P. P. Sena, D.
lU-beeea Foxe e 2 lilhos, Jos.' Manoel da Silva Ga-
Ihardo, Ricardo Jacome Pinto, Joo Sebastio da
Silva Lisboa e sua scnhora, Antonio Duarte Pi-
mentef, Antonio Luiz da Snva Vlanna, Demetrio
Antonio Peixoto, Jos Lpez Cardo.
,u
PUBLICACOES k PEDIDO.
Ao corpo cleitoral do qnarto
ifislriclo.
Illm. Sr.Tenda o greapo da paiido coap.
dor escolliili.i o meu nome para apresental-o ao
corito elelloral do quarto districto, como candida-
to a um dos dous logares do dopntido que" ese
mesmo districto tem de elnger para a prxima le-
gislatura da assembla geral legislativa, jnlgo de
meu dever dirigir-mo a V. S. soliciando o seu be-
nigno acolhimento para lo liom'osa escolha.
Por ter j exerado durante onze annos incom-
pletos o elevado cargo de roembro da assembla
geral a o de depuiado provincial, juluo-me bomem
polilico tai. conliccido que me dis|>ensa de fazer
n'esta occasio urna pi-ofisso de f.
Devotado s causa publica, e sobretodo aos
interesses especiaes de nossa provincia, alim &
uianter-me seinpre em posicio independente, nun-
ca jirocuivi nem honras nem empregos; o ahi
esto os annaes do parlantento, tara altestar se en
fui semprc solicito em pugnar por ludo quanto
poda concorrer para a prosperidad'! de Pernam-
buco, e |iara mostrar quaes os serviros que por-
ventura para esse lira eu possa ter prestado.
Competo hoje a V. S. fazer-mc juslica, e conven-
cido que nao me recusar um voto de confianca,
peco (renca para oflereccr por anlecipaco os pro-
testos de meu profundo reconbeciuiento e da alto
consideraco com que lenao a honra de ser,
De V. S. a Itento" venerador e abrigado
AuffiAo F. iOttteira.
Recife, i 2 de fevereiro de 1809.
COS.
o resultad) das seguintes
eco de um resuliat'o que parece ser~levado"a
effeito ; sto ja nos consta haver inscripU a
quantia de 6:000*\ "
Nesta cidade tiveram lugar nos dias 3, *, 5 e
6 os festejos pela terminaco da guerra.
a A chuva que incesjante cabio oestes dias, no-
ASSOCIACAO COMMERCIAL.Hontem chegou
da corte, bordo do vapor Guar, uin retrato
oleo de tamanho natural, do distincto e bravo ba-
ro do Amazonas, para ser collocado i o salo de
honra dessa corporacao, como prova do aproen
dos serviros importantes prestados por esse hroe
de Riachuelo.
O irabalho primoroso, e honra ao scu autor.
GUARA'. Tira a mala- hoje as 3 horas da
tardef para os portos do norte do imperio, este va-
por da companhia brasilea.
CONFLICTO E MOHf E.No dia 12 do corrente
houve refundo conflic* entre dous individuos de
nomos Roberto e Chrispim, na povoaco deGruan-
gy, do qual resultou amorte de Roberto, pondo-se
Chrispim em fuga. Depois de pesquizas reiteradas,
conseguio o delegado de Itamb, secundado pelo
subdelegado de Timbaba, a captura do criminoso,
bem como a de dous desertor.'
BOA VIAGEM.Amanha noute sega basteada
a bandera de Nossa Senhora da Boaviagem, no
povoado desse nome. Os versos das novenas serio
cantados por diversas Exmas. Sras.
ELEICSS^-Tcmos
freguezias :
4o Dismir.TO.
Uom Gomelho.
Eleitores para senador.
Pedro Cavalcanti d'Albuquerque.
Manoel Silvestre d'Albuquerque Maranlo.
Augusto Martiniano Soaros Villela.
Antonio Goncalves de Mello.
Americo Cavalcanti d'Albuquerque.
Antonio Martins Ferreira dos Santos.
Jos Emiliano Cavalcanti d'Albuquerque.
Francisco Pinto Texeira.
Galdino Pinto Barros.
Gracindo Augusto Soares Villela.
Pedro Cavalcanti d'Albuquerque Jnior
Vicente Ferreira de Oliveira Callado.
Anlunio Teixeiaa do Macodo.
Julao Florentino de Mello.
Antonio Joaquim da Silva.
Pedro Tavares de Freitas.
Antonio Pnheiro deFarias Burgos.
Joo Peixoto Soares.
Pedro Smoes da Silva.
Antonio Alexandre Pereira de Noronha.
Jos Francisco da Silva
Jos Tavares de Lira Gamero.
Flix de Barros Rolim.
Joo Correa de Mello Palmeira.
Jos Alves da>Araujo.
Manoel Hygino da Silva Povoas.
Manoel Joaquim de Souza
Manoel Joaquim de Souza.
Manoe/ Joaquim da Costa.
Antonio de Carvalho Furtado.
Jos Francisco Duarte.
Candido Carlos da Costa Villela.
Domingos Tellcs de Carvalho.
Eleitores para depulados.
Pedro Cavalcanti d'Albuquerque.
Manoel Silvestre d'Albuquerque Maranhao.
Augusto Martiniano Soares Villela.
Vicente Ferreira da Cruz.
Dr. Francisco Ce-ario de Azevedo.
Jos Emiliano Cavalcanti de Albuquerquo.
Gracindo Augusto Soares Villela.
Theobaldo Pinto Teixeira.
Vigario Joo Clemente da Rocha
Juvenco Soares Villela
Pedro Cavalcanti d'Albuquerque Jnior.
Emygdio Alexandre Jos da Alapinha.
Joo Cavalcanti d'Albuquerque.
Antonio Pinto Villela.
Manoel Cavalcanti d'Albuquerque.
Antonio Pinto d'Oliveira.
Firmino Casado da Cunha Lima.
Neporianno Cavalcanti d'Albuquerque
Antonio Manoe! Teixeira.
Americo Cavalcauli d'Albuquerque.
Antonio de Carvalho Cavalcanti Leite.
Tudi Pinto Cresa
Cesario AawusflPeixoto.
Esperidio Goaies de Araujo Lima
Marcos Evangelista da Costa Villlela.
Manoel Lucio QflajaJ
Ignacio Pinto
a As subsidiarias nao poderao, como em ne-
nhura paiz, servir fiara eoiiheccf>-e peso dos ob-
jectos; se.ro, porni. medidas exactas, pois 40
moedas de viniera ou 53 de 10 reis prefazem um
metro.
COMI'A.NHiA DE NAVEGACO DO PACIFICO.
No Timet de 14 de Janeiro timo encontramos
as eguinte noticia :
O prximo navio desta linha ser o vapor a
hlice Magalhaes- de 3,000 toneladas de regisii o
que um dos cinco que se esto conslruindo pa-
ra a companhia nos estaieiros dos Srs. Randolph,
Klder &_C, de Glasgow. Os nomes dos outros
vapores sao : Patagonia, Alijes, Sarmiento e Fue-
go, cada um dos quaes poder receber 230 tone-
ladas .le caiga < 900 passageiros. Segundo o con-
trato com o governo do Chili, coinecaro ellos a
navegar mensalmente,. tanto de Liverpool como
de \ alparaizo, om inaio prolimo.
SABIOS ILUSTRES.Sob este titulo tem Luiz
Figuier, em Pars, publicado tuna erie de bio-
graphas como meio de vulgarisar muitos conlie-
ciinenlos uleis. Destas biograpbias verteu o Sr.
A. E. Sainar para a nossa lingiia. c publicou n'u-
0 conselhciro Jos Bento da Cunha e
Figueiredo, abaixo assignado, ospera qoe
todos os seus amigos particulares e polticos
do cutuIo do Cabo llie faeau ainda a (lis-
tincta honra de elegel-o depnlado a assem-
bla geral ; e luga a todos os seus amigo-,
polticos c particulares de toda, a provincia
se dgnem fazer-lhe a distincla honra de in-
cluir o seu nome na lista sxtupla para se-
nadores.
Longo do theatro da eleiclw, i msclhe-
ro Jos Bento nao duvda de que os seus
amigos, cuja generosidade invoca tiesta
occasio, supprirao a falla de sua pres
com dobrada deligencia. Elle assim o aup-
plica com todo o fervor de quem sabei
agradecertamanha honra o fineza. Cidade
de Belem do Grao Para !. de fevereiro
de 1809.
Jos liento Ja Cttnlta e Figueiredo.
Illm. Sr. Declarando o gremio do parti-
do conservador desla provincia, cm sesso-
ep 25 de Janeiro do corrente anno que a
iudicaco feita dos candidatos a deputados
geraes, nao excluindo a liberdade de esco-
lha por parte dos eleilors.e nem revelando
a inteneo de Ibes por enibaraco, s tinha
a autoridade de um conselho, motivado pela
necessidade de atteooj te iiciimstancias
do partido e pela apreciaco dos servieos-
prestados causa de, suas ideas; reconhe-
cendo, alias fra do circulo dos candidatos
propostos, muitos outros nomes dignos de
serem ofl'erecidos ao siilragio eleitoral;
tendo cu tido j a boma de representar es-
te districto em duas legislaturas da assem-
bla provincial, em nome das ideas du
partido que hoje dirige os destinos do paiz,
ouso ainda apresentar-me candidato a de-
putado geral por esle districto, aspirando
a honra de represental-o na prxima legis-
latura,
A dedicacao e firmesa de principios, de
que tenho dado pravas em toda minha vida
poltica; os servicos, que, por ventura, te-
nho prestado causa das (deas do pa'rtido,
soffrendo, por isso, demissao do cargo pu-
blico, que exercia, ha 17 anuos, sem haver
ma ntida edicfw, a i|iie mais de perto interessava jamis desmerecido do concert em que fui
sempre lido pelos uieus amigos, sao outros
tantos garantes,que offereco ao corpo eleito-
ral desle districto, ao qual me acho mais
estreitamente ligado por aquelles serv
e relaces polticas para merecer-lhe o suf-
fragio que ora solicito.
Se V. S. pois, lomando em consideraco
x deliberaco do gremio que, na ausencia
da opposicao, bem apreciou a liberdade e
criterio, com que V. S. c os nossos ami-
gos deveriam escollier os candidatos as
circumstancas actuaos do partido, como
de sua ndole e principios, quizer tambem
considerar o que deixo exposto, por modo
que, com seu voto e o de nossos amigos,
venho eu a ser eleilo; serei ncansavel na
defesa de nossas ideas polticas, pugnando
pela felicidade c prosperidade da naco, eg
especialmente pelo bem moral c material
desla provincia e districto, assim me esen-
dem a Providencia Divina e os votos de
meus concidados, que invocarei e saberei.
de preferencia consultar para bem cumprir
o honroso mandato, de que fr encarre-
gado.
E, sendo V. S. pessoa de legitima influ-
encia* neste districto, venho solicitar seu
valioso aporo, bem como o de seus numero-
sos amigos minha pretenco, tomando
desde j, a ser eleito pelo voto de confian-
efl e de conforraidade de ideas, o compro-
misso de desempenhar, quanto em mim
couber, tao elevado encargo.
Agradecendo, de ante rtiao, sua valiosa
coadjuvacSo, contiua a ser, com a maior
estima o consideraco.
De V. S. amigo, patricio e sincero corre-
ligionario. Cypriano Fenelon G. Alcofa-
rodo,
Recife, 9 de fevereiro de 1869.
os americanos, a'de Clirisloiao Colombo. dedican-
do-a ao Sr. visconde de Inbatima. O estylo do
Sr. Zaluar condecido (manto baste para excu-
sarmos de encarecer esla versan.
NIVERSIBADE DE BRDXELLAS.No dia 13
de Janeiro defendeu tlieses, para obter o grao de
professor adjunto aniversidade, o Sr. Pedro Ame-
rico de Figueiredo Mello, doutor em sciencias natu-
raes c professor na Academia Imperial de Relias
Artes do Rio de Janeiro.
A Indepeu-i m Betfe diz esse respeito o se-
guiute:
Um concurso avaltado assistio quarta-feira ul-
tima, na sala acadmica da Universidade Lcire,
defesa publica da these apresentada pelo Sr. Pe-
dro Anterico de Figueiredo Mello, para a obtengan
do grao divpiofossoradiualo 4 Universidade. O
assumpto datlicse loi a liberdade, o methotloe o et-
pirita do systemu no estaito da natureza. Na ex-
posicio, asejpi como na sustentacao da materia de
sua ihse, o Sr. Figueiredo patenteou talento tao
superior, que por inaisd'umav.z merecen applau-
sos do auditorio*.. Em vista disso a faculdadc das
scencia^ declarou, por unanimidade, ter elle salis-
feto com grande loucor. e Ihe conferio o grao de
professor adjunto da Universidade Leire de Bru-
xellas.
LEILAO. O agente Marlins faz boje leilao dos
movis, objectos de ouro e pertences do botequim
da rua estreita do Rosario n. 23, nertencento ao
espolio do subdito hespanhof Jos Felippe Martins.
Hnje 24 eflectua o agente Pinto o leilao de
movis, louca, crstaes, carros e cavados confor-
me e Thomaz Adamson Jnior, a rua do cotovelo, fre-
guezia da Boa-Vista.
LOTERA.A que se acha a venda a 96", em
beneficio da igreja da Boa Viagem, que corre no
da 26.
PASSAGEIROS. O vapor Guar chegado hon-
tem dos portes do sul, trouxe a sen bordo os se-
guintes :
Miguel Joaquim Ribeiro de Carvalho Jnior,
Manoel Goncalves CascSo, Joao de Miranda Ribeiro
Sobrinho, Joaquim Pacheco da Silva, Joaauim Pinto
da Costa, D. Carolina Leopoldina Kelly e dous li-
lhos, Jos Ildefonso de Souza Ramos Sobrinho, An-
tonio Jos da Silva Maia, alferes Manoel Ignacio
de Albuquerque Maranhao Lacerda, tenente Joao
Francisco Paes Brrelo, alferes Sinfronio Cesar
Paes Barroto, Joao Antonio, Jos Ignacio dos San-
tos Coelho, Jos Gurgel do Amaral Valente, C. Pe-
reira da Silva Ferraz, D. Maria Esmeraldina da
Rocha, Jos Pereira de Souza Samuel Isuati, Ma-
noel Joao de. Amorim, Manoel Joo de Amorim So-
brinho, D. Joanna Clara da Silva Schiappe, um fi-
Ihoe tres escravos,Ginseppe Bartholomeu, Amphi-
lophio Botelho Freir de Carvalho e um criado,
Vicior Jos de Medeiros, Jacintho Febrono Esme-
ralda, Jos Antonio Floresta Bastos, Jos Augusto
Rarboza Colho, Raimundo Mendes Martins e am
eseravo, Manoel Tiberio de Freitas Barros, Manoel
Jernimo Goncalves, Leooidn dalmeida (liberta),
Francolina da Silva LfaJ, Francisco Carvalho
do Passo e um eriado, Rodolpho Martig,M. Schlo-
per, Jos Antonio dos Santos Andrada, Ono yie-ldesfardados.
O tenente coronel Dedo d Aqu
no Fonceca e o notlclador de
Fernando |ara dfornal do
Reelfe.
Protesto contra o que se v escrpto no
Jornal do Recife, eom referencia a guarda
nanonal destacada m presidio de Fernan-
do ao menos ao que respaila ao batalbao
de meu com mando.
Os guardas nacionaes do 1.' batalliao de
artilharia qae se acham destacados no pre-
sidio na sao apartados nos vsperos da*
saJdas dos vapores, e nem para lo foram
\

X
"

r

V.


'
Diario
de Pemambuco -
______--------------------i------------i-----------------
- Quarta
feira 24 rfe Fevereiro de
33
.
r
3
Se ilor quizer vrritear. ?86frtem-|
inais do ou pedk ctrlid" ridos
guan! ] i iinaylaaqililalftliaii-
to ao mais asseauif A oiii:am
devidaiiiL'ule faiUados, > l rhegaram
de oulro modo, -porqte iBlraviapun os'
t'ardamenlos. <.,
Soja o Sr.uoiiciador mais delicado, nao
queira olender a guarda nacional que Ufo
baos s'ivicostem prestado ao paiz, o que
llie aconselliamos, euibora nao nos tenlia
icommodado.
Recife. de fevereiro. de
ecio d'A'jitino Fonceca.
N'.B. Por tcr sahidn com alguns crros hontem
puMcacao a repelimos hoje.
Senhcres redactores.Moro distante da cidade,
por aso cnsUi-ine cltegarem os jornaes as mos, e
por Cita razao agora (|iie direi au liberal, que
nao qualilicon-mc bem de liberal, pertcncente a
io aquello partido. Tenho dito que son no-
narchiYa constitucional, que para inini sao bons
todo oh gofernos que forem monarchistas c ami-
i bordado.
Nao digo isto porque (jncira adular a este oii
aquello governo. porque nao quero posieoos, e me-
ues emprego publico. Nao concordo rom meu pa-
reole.iuigo e collega, Manoel do Reg lanos,
guando censura o ministerio do S:\ eonselhciro
Zacaras, porque nao mostram-me melhor esta-
dista no Brasil do que o Sr. conselheiro Zacaras.
Se al(iuem entonde que estou cm erro, queixo-
me de nao ser poltico aspirante.
Eogenho Curiad de baixo, 22 de fevereiro de
1889.
Jos Francisco . :a Isao.
O lia;jilo de todos o hac alhaos
da Terra-IVova. conteeni un
demiento medicinal de IncsCI-
mavcl valor.
K de baixo da forma do oleo puro me-
dicinal de ligado de bacalho, de Launiau &
K.-mp, possuimos este balsamo martimo em
toda a sua excedencia nativa, rom todas as
suas propriedades curativas, puras e sein
alteraco, tal qual nos foi transmettdo pelo
Creador. As curas que esta prepararlo
est l'azendo, quer no paiz, quer no estran-
geFO, e nos casos de tisica, escrfulas,
affeceSo do ligado, assin como todas as mais
molestas agudas eebronicas queosorgios
da respiraco se acham expostos sao as
suas memores credenciaes. Tantas fraudes se
teem comettido com o oleo de ligado deha-
calho; tifo extensa e vepgonhosamente
tem sido diluido, adulterado e falsificado,
que o publico e a autovidade medica san-
dio com jubilosa alegra, urna preprelo
bygienka pura, na qual se pode confiar
com toda a seguranca. Os que desejo
obter um artigo de .superior excellencia,
adaptado todos os climas e sein rival para
a cura da tosse, resfrianientos, e enfermi-
dades conseguintes devem pedir o oleopmv
medicinal de ligado de bacalboj'de Lau-
raan & Kemp, e reparar bem se no letreiro
e ;ia capa se ada estampada firma desta
casa.
Acha-se venda as pliarmaeias de A.
Caors, J. da Conceicao Bravo & C, M.
A. larbosa,
muu & C.
.'cm 8, carpa tW barrir?* com l'arinha
de trigo o outn s gneros; Henique Forster
I\ Maura- 4 C, e Bartholo-
COMMERCO.
PRAGA DO RECIPE 23 DE FEVEREIRO
DE 18!>.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Avsucar brote GanaI=28M a arroba.
Cambio* sobre Londres -90 dv 18.3/i e 18 7/8 d
por 1/000.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Sev
Secretario.
BANCO MAUA & C.
Una do Trapiche u. 34.
Descorita lettras commerciaes a taxa con-
vencional. Recebe dinlieiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente.
Confere crditos, saca sobre as primevas
pragas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pracas.
Encarrega-se, por commissao, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes de
oompaahias, da oobranca de lettras c di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
queroutra operaco toncara.
O expediente para o publico comecar
s 10 lioras da manhaa, e terminara s 4
horas da tarde de todos os dias uteis.
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Dcsconta lettras.da praca taxa a con-
vencional*.
Recebe dinheiro em conta corrente c a
prazo xo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de arebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
ALFANDEGA.
tiMidimentofldo dia 1 a 23 689:413679
ldeiududia3....... 51:6914980
741:105/659
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volumej entrados
dem dem
com fazendas
com gneros
Volumes sahidos com fazendas
liein dem com gneros
58i
347
217
680
----- 897
931
Descarregam hojo 2i de fevereiro.
Vapor inglezSnliidinmercadorias
Patacho iaglcz=Vinemercadorias.
Barca fraacexa Colig:yidem.
Barca inglezaCaroca=\dem.
Patacho norle-aliemo Venedijidem.
Polaca italiana -Saraiui.
Escuna dinamarquexaHigard farioha de trigo.
Barca inglezaConradmercadorias.
Pancho americano Mnru Rireuteta.
HKGEEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUGO.
Rcadiraento do dia 1 a 22 38:359976
I .le do dia ti...... 4:0234002
42:382*978
CONSULADO PROVINCIAL.
Rewitmento do dia l a 22
I0em do dia 23
94:9284471
10.8994671
105:8283142
VIMENTO DO PORTO.
Ilemaa Aih'llieid,
lien, ecnipagem
inha de Higo;
&c.
ile I65t.n*i.
i-M 2.48? I
Saiuadefs liro'hers & C.
D pesca leudo saluda AriHia do Faial liaseis
mezes, patacho amoricaao foze Buhes, eapitao
Charles Sletson, equipagem 23, carga 70 barris
com azeite de peixe; ao mesmo eapitao. Veio
refrescar e seguio para a pesca.
Navios sahidos no mesmo dia.
BahaBrigue inglez Tarah, eapitao F. Romesil;
em lastro.
New-Yorkbrigue inglcn Berth, eapitao J. Brem;
carga assucar.
Obsetyacoes
Suspenden do lamarao "para o Rio-Grande do
Norte a barca Ingta Sea Queh, capito Welss,
com o mesmo lastro que trouxe de Gor.
dem para Macei a barca romana Saomuluinrii,
eapitao Anderson com o mesmo lastro que trouxe
do Rio de Janeiro.
EDITAES.
0 inspector da alfandega faz publico
que no dial do corrente depois de meio
dia, serao levadas a basta publica livre de
dreitos, as mercadorias abaixo declaradas
comprebendidas as disposices do cap, 6"
tit. 3o do regulamcnto de 19 de setembro
de 18U0. #
Annazem n. 1
Marca S8Urna caixa n. 5 com cha vin-
da de Liverpool, no vapor inglez Saladin,
entrado em 30 de novembro de 1864-, con-
signada a ordem, contundo 2i libras, Jvalor
da libra 1-55003i$000.
Marca R PUm embrulbo sem numero
com amostra de brea, vindo de New-Yorcb
no hiato americano S. C. Etam, entrado em
21 de Janeiro de 18G8 a H.Foster &C. sem
valor.
Marca"Hubrigos10 caixasn. 147 a 155
com rap, vindas de Liverpool no vapor
Saladin, entrado em 6 de marco do dito
anuo de 1868, T. de Aquino Fonceca, con-
tendoGO libras, valor das libras 2$000
1:2404000.
Quatro caixas n. 103 10(5 com dito,
viudo de Liverpool no vapor inglez Gladia-
tor, entrado em 31 do dito mez e anuo, ao
mesm Fonceca, contendo 28 libras, a
-SOOOi96f>0G0.
Alfandega de Peinambnco 20 de feve-
reiro de 1839.
Jos Mauricio Fernandos l'ercira de
Barros.
De ordem do Illm. Sr. r. director geni da
instruccao publica, sao convidadas as pessoas cu-
jos noines vito declarados na relacio abaixo publi-
cada, para no prazo mprorogavel de 30 dias, a
contar desta data, virem declarar nesla secretaria
se continuam ou nao a ter iberias as suas aulas.
alim de se fazerem os devidos lan^ainentos.
Secretaria da instruccao publica de Pernambu-
co, 23 de fevereiro de 1869.
O secretario,
Anreliano A. P. de Catvftlko.
felariio a que se refere o edilal cima.
Alexandre Jos Goncalves de Miranda.
Angelo Francisco da Costa.
Manoel Valeriano Barroso.
Adelino Ildefonso de Siqucira Albuquerque.
Manoel Jos de Farias Simoes.
Silvestre Nominando Lopes Frazao.
Padre Manoel Gomes da Fonseca.
Antonio ltulino Pessoa de Mello.
Padre Flix Barreto de Vaseoncellos.
Hacha re Pergentino Saraiva de Araulo Galvao.
Vicente Ferreira de Franca de Carvalho.
Primitivo de Miranda Souza Gomes.
Padre Augusto Adolpho Soares Kuswelher.
Padres Bento Schenibri e Mario Arcioni.
Joao Alberto Gomes.
Manoel Francisco Cocino Jnior.
Joaquim Trajano da Silva.
Francisco de Borja Oliveira.
Antonio Rogaciano de Gouva Motira.
SecundiBo Jos de Farias Siinfies.
Pedro Soares de Mello.
Martiniano de Azevedo de Carvalho Siqueira Va-
rejao.
Innocencio Peregrino Xavier Ramos.
Francisco de Assis Bezerra de Menczes.
Manoel Fonseca de Medeiros.
Padre Joao Servlo Teixeira.
Padre Francisco Joao de Azevedo.
Menelo dos Santos da Fonseca l.ins.
Padre Joaquim Mancio Maciel.
Padre Manoel Ferreira da Rocha.
Graciano Lisio Rodrigues Ferreira.
Fortunato Raphael dos Santos.
Padre Paulo Biolklni.
Padre Thomaz Vitali.
Padre Vicente Mazzi.
Padre Antonio Aragnetti.
Leopoldino Antonio da Fonseca.
Jos Fachinetli.
Antonio Agostinbo de Azevedo Carvalho de Siquei-
ra Varejao.
Casimiro Boiges Godinho de Assis.
Secretaria da instruccao publica de Pernambu-
co, 23 de fevereiro de 1869.
0 secretario,
AureKaM .1. /'. de Carvalho.
De ordem do Illm. Sr. Dr. director geral da
instruccao publica, faco constar a queni convier
que, em virtmle de resolucao do conseibo director
tomada em sessao de 29 de oiitubro ultimo, os pro-
fessores pblicos de instruccao primaria nao estao
inhibidos de ensinar, as horas vagas, por casas ou
collegios privados.
Secretaria da instruccao publica de Pernambu-
co, 22 de fevereiro de 1869.
O secretario,
Anreliano A. P. de Carvalho.
U inspector da alfandega faz publico,
que em virtudc da autorisacSo do Exm. Sr.
presidente da provincia, em officio de 1G
deste mez, serao levadas em hasta publica
a porta da alfandega, no dia 25 a 1 hora da
tarde, os productos chimicos nella deposi-
tados desde a extinecao do cholera-morbus
em 1856; avahados em 50^000, por csta-
rem deteriorados, sendo a arrematado li-
vre de direitos ao arrematante.
Alfandega de Pemambuco 20 de feve-
reiro de 1869.
Jos Mauricio Fernandes Pereira de
Barros.
ta Cruz & C-, ruja ftfuidacao Oca a rargo di
socio Joaquim F. Ja '.nn.
O contrato de suciedade rit Jos Rodrigue?
raz c Justino Francisco Hejrinjws, cstal*fcif*|l
nesla cidade sob a lirmade ver tu A IfcuflH
com o capital de 1:QU04 lynieeido pur audwt- eui
partes iguaw. '.',
O cilrato ie sooieda/le de Amonio Jos Mi-rei-
ra Gomes etto Goncalves Loureneo, ostabejeet-
dos nesla cidade sob a lirma de Mereira A Goncal-
ves, com o capital U I 0004, par o qual erar o
socio Gomes com i: 1504 e o socio Lourenco com
850*.
Secretaria do tribunal do commerek) de Per-,
nambuco, 12 de fevereiro de 186.
0 offlcial-maior.
hilio Guimaraet.__^J
= Ienderswillbereceived up to '2dock (med-
dav) on Fridav 26 Inst at the Britisb Consnlale
from partios willing to underlake tho repairs re-
quired by the Britisli Bark Carioca, al presen!
aacbored in this port. For partieulars apply to
the master Thomas Campbell on board or on sho-
re at u. 3 ra do Vigario.
Propostas serao recebidas at 26 do corrente
ao meia dia no consulado britannico, de pessoas
que queiram empreitar os concertos que paecisa
a barca ingleza Carioca, presentemente ancorada
neste porto. Trata-ss com o eapito Thmnaz Cani-
pbell bordo da mesma ou em trra a ra do Vk
gario n. 3.
ib'iiiiii'.'i
0MP.i\JIF.i MME1I.
Paquetes a vapor.
Dos portoirdo nofie esperado
al o dia 28*do crimine, o vapor
'aran/i, centiiianilaii:i' o rapitiio
de Fragata JitoSio .kiaqnim de
Santa Baii i. o qual depois da
tome seguir pftaa-.of d<> soJ.
pesde ja reoebn-se passageiros e oigaja-se a
carga que o Ta|K)r poder condozir, a qual dever
serembarcala.n dia de sua cliegada. IJncommen-
as e dinheir afrete al as dua horas do dia da
sua^sahida.
Nao se receben) como encomienda'! senao ob-
jectos de pequeo Talor e que nr*> excedam a duas
arrobas de p.-u (ltl g pnlmos cuWeos de medirjo.
Tudoquepassju'desles binitesdererisercndiaica-
do coat carga.
Previue-se arw Srs. passageiros pie suas passa-
gens s se receben na agencia ra da Cruz n. 57,
1 andaar. escriptorio de Antonio Luw de Oliveira
Azevedo A C.
Para o Marnho
A barca porlnguezn DespiquePlf, de primeira
classe, forrada dte cobre, sabe com a carga que
houvcr uestes 8. dias : a tratar na :ravessa da
Madre de Dos n. 10.
THEATRO
DE
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
9a recita lio asslgnattira.
Quarta-feira 24 de fevereiro
ESTRGA DOS ARTISTAS
Srs. Martinho Correa Vasques e Eduardo
Alves da Silva.
Primeira representa^ao do drama em o actos de
Mr. Anicc^Bougesis,
l'JIIIISTflL 0 WllnIMI
Personagens. Senhorcs.
SnzanaHcrner......D. Julia-
Diana Mondes...... M.Vellu.
Lucilia........ Apolonia.
A desconheeida..... Clclia.
Dr. Lalramblade (medico). J. Auguvto.
Christol (criado do doutor). Martinho.
Gilberto D'Artigues. Eduardo.
Honorato de Cegorac. Primo.
Mainurino.......Jordani.
Morelto........Thomaz.
Roberto........Santa Rosa.
O presidente Montbrison. Jos Victorino.
Sr. Duveroais......Ghimaraes.
Um criado.......Flaviano.
Camponezes, mocos, meirinhos etc.
Em Bordeaux 1822. .
DENOMINA CAO DOS ACTOS
1." acto.Um homicid'io frustradoSaja em casa
de Gilberto.
2. acto.O'"" encontr. A estalagem de Roberto
3. acto.Duas mulheres.terdim de Suzana em
dia de fesla.
4. acto.Christol, serva de D. Abbade.Sala do
presbiterio,
5. acto.O enforcado,So hospicio de S. Julin
dos Bois.
D fin ao espectculo a nova comedia em 1
acto .__
DOIS T.tUIIOIKKM
Personagens. Senhores.
Pomcl, tambor mor. Tbapiaz.
Bacqnet, tambor. .... Maninbo.
Brgida........Apolonia.
Um caixeiro......Guimares.
Em Argel 1860.
Principiar as 8 lioras.
AVISOS MARTIMOS.
&
COMPANHLA pernambugana
DE
\;ivoavo coteira por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caty, Cear, Acara e Granja.
O vapor Ipojuca, counnandnte
Martins. seguir para os pintos cima
no dia 3 de marco p. futuro as S ho-
ras da tarde. Recebe carga ate o dia 2, encom-
mendas, passageires e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
do Forto do Mattos n. 12._________________
Para o Porto
seguir com a maior brevidade possivel a mu ve-
leira galera portuguezi Nota Fama II, por ja ter
a maior parte da carga engajada : para o resto e
passageiros, aos quaes olterece^ excellentes com-
modos : trata-se com (.unha Innaos A C, ra da
Madre de Dos n. 34.
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DE
llavera* o costeira por vapor.
Mamangnape.
O vapor Coruripe, eammandante Penna, seguir
para o porto cima no dia 27 do corrente as 6
lioras da tarde, so neste mesmo dia chegar da
Europa b vapor inglez que se acha annunci.ido,
porm no caso contraro sahir no dia 28 as mes-
mas horas, recebendo carga, encommendas, pas-
sageiros e dinheiro a frete somente at 3 lioras da
tarde do dia 27 no escriptorio do Forte do Ma tos
n. 12.
Para Lisboa
V sabir com muita presteza o brigue portu-
guez Constante II por ter grande parte do seu
carregainento prompto : para o rstante o passa-
geiros, Jrata-se eom Oliveira, Filhos A C, largo
do Corj5o'Santo n. lH, ou com o eapitao na praca
do commerrio.
Maranho
Segu com brevidade o palhabote Joven Arlhur ;
para o resto da carga que lhe falta trata-se com os
consignatarios Antonio Lup de Oliveira Azevedo A
C, na da Cruz n. 57.
Para o Porto
Segu sem demora a barca portugueza A'oro
Silencio, por ter grande parte da sua carga promp-
ta, paran resto e passageiros aos quaes offerece
excellentes commodos trata-se com Oliveira Filhos
A C, largo do Corpo Santo n. 19 ou com o capitio
na praca do commercio.
Para o Porto
Segu com muita brevidade a barca porguezs
Harmona, para a carga e passageiros trata-A
com os consignatarios T. de Aquino Fonseca e
C, ra do Vigario n. 19, Io andar, ou com-e o c
pitao na praca.
Para Lisboa
o brigue/p^ortuguez Relmpago, segu em pnucos
dias, tem a carga proiiqita e para o resto e pas-
sageiros trata-se com os consignatar.os T. de
Aquino Fonseca A G. ou com o eapitao na praca.
Para o Porto
seguir dentro em poneos dias a barca portugueza
Amelia, de 1* marcha, por j ter mais de dous
tercos de sua carga prompta; para o pouco que
lhe 'falta e passageiros, aos quaes offerece exrelieu-
tes commodos, tratase com Bailar, Oliveira A C,
na ra do Vigario n 10.
NA
Com muita brevidade segu para o porto indica-
do a barca portugueza Belem, eapitao J. J. de Frei-
tas, a qual temi a maior parle do carregamento
prompto, recebe o resto a frete, gara o que trata-
se noescriptorio de Amorim Irmaos, ra da Cruz
numero 3.
LEILOES.
com
Me lito
DE
Ota) carro americano de 4 rodas, eobjrto,
laucas e arreios para um e dous cavallos.
Um cavallu proprio para carro.
Un burro gordo, manso e proprio para sela e
carro.
l'm cabriole! (dog-cart) de duas rodas com ar-
reios para um cavailo.
NI
Quarta-feira 2i do corrente a 1 hora da
tarde.
Por intervencao do agente Pinto. Na ra do
Mondego por occasiao do leilao dos movis da ca-
sa de residencia do Sr. Thomaz Adainso Jnior.
LILAO
De
cohp
DAS
Messageries imperiales.
Ateo dia 2 de marco espera-se dos porros do
su! o vapor francez Guienne, commanfcnte A. de
la Noe, o qual depois da demora do costume se-
Eiir para Brdeos tocando em Dakar (Gore) e
isboa.
Avisa-se aos Srs. passageiros que por deUbera-
cae do conselbo de adminislracio se acham redu-
zidos de frs. 125 as passagens de segunda classe
para Brdeos e Lisboa, assim como se concederam
bilbetes de ida e volta para os porros do Brasil e
Rio da Prata com 28 ",'. de abatnenlo pelo lempo
de seis mezes.
Para condiccoes fretes e pauagm trata-so na
agencia ra do Commercio n.,9.
movis, lonea e crystaes.
A SABER :
Um piano de armario, urna mobilia de Jacaran-
da com tampos de pedra marmore, 2 grandes
espelhos, quadros eom linas eravuras, randieiros
a gaz, 12 cadeiras italianas, i tapete grande (for-
ro de sala), 1 relogio, 1 guarda roupa, 1 guarda
vestidos, cofunodas, espelhos, lavatorios, camas
com colxao,'i cadeira privada. 1 jogo d3 bagatel-
la, 1 mesa elasliea, 1 guarda louca, 2 aparadores,
1 quartinlieira, 12 cadeiras, 1 sof de amarello,
loufa para cha e jantar, garrafas, copos, garfos,
facas e colheres. 1 urna de electro pate. 1 galhei-
teiro, 1 saleira, 1 excellente fogo americano, 1
lote trem de cosinha, flandres, 1 machini. do lavar
roupa, fructas em conservas, 2 caixas Je vinho
muscatel e muitos outros objectos.
HOJE
Na ra do Cotovello (Boa-Vista) (asa nn-
mero i A.
O agente Pinto autorisado pelo Sr. Thomaz
Adamson Jnior cnsul dos Estados-Unidos, far
leilao dos movis e mais objectos cima descrip-
tos existentes em casa de sua residencia ra uo
Cotovello n. 1 A, (Mondego) casa pertencente ao
Sr. Dr. Jacobina.
As 10 1/2 horas da manha partir da pra?a do
commercio um mnibus (gratis) para transporte
dos concurrentes ao leilao, o qual principiar as
10 3|4 horas em ponto.__________ _____
DECLARACOES.
Pela administraco do corrcio desta cidade se
faz publico que hoje feixar-se-ho as malas que o
vapor Guara tem de condur para os porros do
norte.
Os impresos serao recebidos at urna hora da
larde, as cartas admittidas a registro, at as 2 ho-
ras e as ordinarias at as 3 'horas, estas at 3 e
1/2 pagando porte duplo.
Corrcio de Pemambuco 24 de fevereiro de. 1869.
O administrador
D. P. Miranda.
Navios entrados no dia 2$.
lio-Grade do Sul30 dias, brigue nacional Cyt-
ne, de 237 tonoladas, eapitao Jos Martins de
Almeida, equipagem 13, carga 43,000 arrobas
3 de carne; Araerim Irmaos.
Sio do Janeiro e porros intermedios7 dias c 21
i.oras e do ultimo porto lo horas,vapor nacional
Pedro H. Duarte, equipagem 54, carga difieren-,
tea gneros; Antonio L. de O. Azevedo A C
Ke.w-York29 dias, patacho americano ifart//)**,
do 229 toneladas, capio James B, Brougkton,
Mm Ttrtttk rrt
Tribunal do commercio
Por esta secretaria se faz publico que ficam com-
petentemente registrados na mesma secretaria :
O distralo da sociedade de Antonio Ferreira da
Silva Maia, Manoel Alves Correa o Narciso Jos
Monteiro, que girou sob a firma de Monteiro, Cor-
rea A C, cuja liquidacao flea a cargo e sob a res-
ponsabilidade dos ex-socios Correa e Monteiro.
O distralo da sociedade de Jote Cardoso da Silva
Pinto o Antonio Jos de Souza Guimares, que gi-
rou sob a Jimia de Jos Cardoso da Silva Pinto A
C., cuja liquidacao ser feita por conta de anpo, e
a cargo do ex-socio Pinto.
0 contrato de sociedade de Francisco Jos Leite
e Antonio Goncalves da Silva, estabeleeidos esta
cidade sob a firma do Francisco Jos Leite A C,
coin o capital de 7:413*455, Ira o qual entra o
socto Leite com 6:412*445 em mercadorias, arma-
cao, nteaeiltoste., o socio Silva com 1:000* em
i dinheiro.
O distrato da sociedade do Joaquim Franciaco da
Cruz, Albino Jos da Gru e Manoel Ferre-a Bar*.
LEILAO
Ae nn* carro da alfandega e mu
bol manco.
HOJE
No caes da alfandega as 11 horas pelo, agente
PiMUual.
De O saceos com {arroz da In-
dia e 90 ditos com pimcnla
dito.
HOJE.
O agente Pestaa far leilo por conta- e risco
de quein pertencer de 50 saceos marca- 71 com
arr&zda India n. 1 a 50 e 20 saceos com- a mo-
ma marca n. 2 a 20 com pimenta vindos de Li-
verpool no navio inglez Sappho, eapitao- G. Ofrso-
ner, entrado ueste "Hirto em ll> d janeieo passa-
do e ambos estes gneros avadados de agua sal-
gada a bordo do mesmo navio e serao vendidos
em leilao no dia quarta-ftka 21 do corrente pelas
11 Imras n'i largo da alfifflpga.
LEILVII
ihmi;
mobilias, ricos quadros
un (i
com linas
De 1 piano,
gravaras, ospelhos grandes, laucas, tidros, 2 ca-
briolis e cavallos.
Na ra do Cotovello (DOa-VistaK para onde se-
gu as 10 X lioras um onmibas con os concorren-
tes ao leilin, o qual deve principiar as 10j horas
em ponto.
Guvallo .furt-ado.
Furiivnn nanoute do 19 de favereiro do enge-
nho Gurra, do Vjo, um caTalt dastaabo, gordo.
graade, ps e mao's gross, tem uma cicatriz
grande no eapinfcaeo, p das dinas do lado lireito, tem falla de eahetlo
porcausa.de cocar : roga-se as autoridades eom-
petentes apprehnsao dornesmo ou outra qualquer
peseoa, podendo leva-lo a villa do Cabo a casa do
Sr. vigario, que ier bcwnvcompensada.______
Atega-se urna esefava de 13 annos para o
servico interno de casa de familia : na ra do
Imperador, n. SO, 3" andar.___._____________
AO PUBLICO
O abaixo assignado. liquidatario dn extincla fir-
ma do Hiheiro A Inno, julga-se qniles para com
os credores a referida firma ; pom se alguem
se julgar credor aprsente sua conta no praso de
oito dias, acontar desta data, alim de ser confe-
rida c paga. O mesmo abaixo asfignedo roga aos
seus llovedores, tanto da extincta Gima de Bibeiro
A Inno. como seus especian^ ruie venliam saldar
os seus dbitos uo praso de ) das, tendo de ser
auizado todo ac|iu'lle qufl o deixa*' de fazer no
praso miprorogavel aqui mareado. Rer-ife 22 de
fevereiro- de 1869.
Francisco Jos Luz Ribeiro.
LEILAO
De um piano fbrte de Vigne, cadeira e msicas,
1 guarda vestido de amaivllo. 1 rica secretaria,
2 cadeiras de braco de jaearand, 1 cama fran-
ecza de amarello, 1 par de serpentinas, 1 par
de jarros, 1 tapete grande, 1 eomfnoda de jaca-
randa, 1 mesa elstica do 6 taboas. 1 flauta, de
bano. *
Cordeiro Simoes
far leilao dos movis aeima e existentes no 2o an-
dar do sobrado da ra rio Cabug n. 9 A, aonde
se effeituar o leilao, isto
Quinta-feira 25 do corrente
as 11 horas em nonio.
MUITA
ATTENCAO
Tendo-se recebido novos vestuarios bor-
diattos ]>ara anjos de procisslk) continuam a
ser vestidos com elegancia : no Recife ra
ria Cruz n. 48, segundo andar, c na Boa-
vista ra da Conceicn-n. 17.
Para cozbiha
Precisa-se de urna pessoa que cozinhe bem : na
ma do Crespo n. 23.
LEILAO
O agente Puntual vender em leilao por autori-
saco de diversos os escravos seguimos: 1 escra-
vo cosinheiro e sapateiro, idade 29 annos, um mo-
leque idade 10 anios. i escravas engomniadeiras
e cosinheiras de 18 a 26 annos de idade.
Quinta-feira 25 do crvenle.
No 1 andar do sobrado n. 62, a ra da Cruz,
as 11 lioras.
85 do corrente.
O agente Oliveira far leilao por couta
de quem pertencer do 200 caixas de genebra
laranja.
Quinta-feira 25 do corrente
as II horas em ponto na porta da alfandega.
risco
de
LEILAO
Da armaco envernisada e envidracada da
loja n. 5, a ra da Itnpcratri/.-
0 agente Bemardino Guimares, a mandarlo do
juizo municipal da 1* vara, vender essa arinacao,
por exerucao de D. Thereza Goncalves de Jess
Azevedo contra Manoel Alves Barbosa Sobrinho e
Lourenco Puggi, socios da firma de Manoel Alves
Barbosa Sobrinho A C.
Se\ta-leira 26 do corrente s 11 horas, na
mesma loja.
AVISO.
De um forno telheira, caixes, balanca wim pe-
sos, cylindro, jnaceira, tendedelra, relogio, br.lcao
de amarello, armacao, um cofre de ferro e mais
pertences da padaria da ra do Sebo n. 25.
Sexta-feira 26 do corrente.
O agente Martins fara leilao da padaria cima
em um s lote, pois garante-se o arrendamento
por 4 annos a quem comprar o estabelecimento,
as 11 horas do dia cima.
AVISOS DIVERSOS.
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DE
."Vavegaco costelra por vapor.
Macei, escalas e Penedo.
m0ff\y 0 vapor Potengi, commandante
//JA\. Pereira, seguir para os porros cima
BHB no dia 3 re margo as 5 horas da tar-
de. Recebe carga at o dia 2 as 3 horas da tar-
de, encommendas, passageiros e dinheiro afreto at
as 3 horas da tarde do dia da sahida noescriptorio
do Farte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
IVavegafio costelra por vapor.
Gcianna
O vapor Mamanguape, rom-
mandante Mello, seguir para o
porto cima no dia 26 do corren-
te as 9 horas da noite. Recebe
carga, encommendas, passagei-
ros e dinheiro a frete ao escriptorio do Forte do
Matos n. 12.
LEILAO
De um relogio de ouro patente, jt cadeias de ou-
ro, 1 medalhio de ouro, um caixo de folha para
roupa, diversas pecas de roupa usadas, um re-
wolver de 6 tiros, 5 mesas, 6 bancas, 2 oonsolos,
20 cadeiras com assento de palha, una dita de
balaneo, 2 relogios de parede, 1 marquesa, 1 mar-
quezao, 14 moxos, bancos, quadros, colh res, co-
pos, garrafas, pratos, machina de fazer caf, ban-
deijas, garrafas de vinho do Porto, vinagre em
barril e muitos outros artigos proprios ce hotel.
HOJE.
0 agente Martins far leilao por autorisacao do
Illm. Sr. vice-consul de Hespanha, dos movis e
roupa cima pertencentes ao espolio do subdito
bespanhol Jos Filippe Martins, na ra .;streita do
Rosario n. 23, as 11 horas do dia cima. ^^^_
LAO
de fazendas deteriorad as a
94 do corrente.
O agente Oliveira far leilao, por conta e risco
de quem pertencer, de algumas caixas Je chitas
de cobeita em mo estado por deterioramento pro-
prio, alguns fardos de estopa e outrs fazendas
avariadas vindas recenlementc de Liv;rpool no
vapor La Plata.
*^ HOJE.
s 11 horas da manhaa em ponto, em seu escripto-
rio a ra da cadeia n. 4, andar, por cima do ar-
mazein de fazendas do Sr. Barroca.____________
IraandadedoSantissimo {Sa-
cramento da freguezia da
Boa-Vista.
Xo se tendo reunido numero legal de irmaos
para que podesse fuuccionar a mesa geral, con-
vocada para o dia 21 do corrente, de ordem do
nosso inno juz, convido de novo aos nossos ir-
maos para comparecerem quinta-feira 23 do cor-
rente pelas 6 horas da tarde em nosso consistorio,
afun de em mesa geral se tratar de negocios ur-
gentes tendentes a interesse da mesma irmandade.
Consistorio da irmandade do Santissimo Sacra-
mento da matriz da Boa-Vista, 22 de fevereiro de
1869.
O escrivao interino
Marco!no Jos Pape..
"1VIS0
Cumpre-me responder ao annuncio que no Dia-
rio de hoie publicou o Sr. Henrique Olynpio la-
vares da Rocha.
Tendo fallecido, em fins do anno passado, o meu
muito prezado amigo tenente-coronel Jos de S
Mello Gadelha, de quem era eu correspondente nes-
ta cidade, at hoje nao fui procurarlo pelo Sr. Ben-
riqqe para apresentar-lbe a conta do debito daquaV
le (mado, Iflm de ser pago.
Nao constestando o Sr. Henrique a existencia do
debito, e limitando-se a protestar pelo nao paga-
mento dos juros, devo dizer-lhe que estou promp-
to a recebr o que me devido e com os respec-
tivos iuros, que vencem as letras acceitas por
aquel le finado.
Nao tendo sido procurado, parece-mc que as
minhas relacies com a familia daquelle finado de-
viam livrar-me a nao ejtigirlogo o meu pagamenrf):
boje, porm, que o Sr. Henrique mostra-se estra-
nho aquella attencao, dir-lhe-hei que nesta cidade
me encontrar prompto para receber o pagamento
apresentando a conta-e titulo.
Recife, 23 de fevereiro de 1869..
Jos Mara Ferreira da Cunha.
Baha
Para a Baha sahe tlentro de seis dias a polaca
italiana Sord, quem quizer na mesma aproveitar
carga enienda-se com o consignatario Joaquim
Jos Goncalves Bellro, ra *>4tapiehe n. 17,
Para Lisboa.

LEILAO
De 200 caixas com superiores
Constando ao abaixo assignado, gewo do
finado tenente-coronel Jos de S Albu-
querque Mello Gadellio, quo o Sr.. Josiv
Mara Ferreira da Cunha, morador na ci-
dade do Recife, se consttue credor do
mesmo finado, e tendo o abaixo assignado
desde o fallecmento daquelle tenente-coro-
nel so dirigido ao referido Sr. Ferreira da
Cunha,. para apresentar seus ttulos, e
serem liquidados, e nao o tendo feito at
a presente data, declara de liccordo com
os mais herdeiros que nao se responsa-
bilisa por qualquer premio que por ventu-
ra queixa o mesmo Sr. exigir quando
exisla debito legal, pedindo ao mesmo
lempo a razao de tamaita demora.
Engenlio Mugay de cima, 17 de feve-
reiro de 1869.
Henrique Olimpio Tavares da Rocha.
Manoel Luiz Pacheco, faz publico para scien-
cia do respeitavol corpo do commercio que nesta
data ficou na posse exclusiva do estabelecimento
de taberna sito no largo de S. Pedro n. 1., para qual tmlia admittido como socio o Sr. Joao Macha-
do Evangelho, e cuja sociedade tem girado al hoje
sob a firma de Manoel Luiz Pacheco A C, aqual
tica dissolvida, retirando-se o socio Machado pago
e satisfeito do seu capital e lucros, c obrigado o
annuciante liquidar-lodo activo e passivo.
Na ra da Sanzalla Velha n. 22 (casa terrea),
precisa-se alugar pretasou moloques quitandeiras,
paga-so bem semana luiente.
Prancisca Moreira Iteis Lobo, Manoel Ignacio de
Oliveira Lobo o Antonio Moreira Reis, esposa, pai
e sogro de Manoel Izidoro de Oliveira Lobo, fal-
lecido em Lisboa a 26 de Janeiro fmdo, pungidos
pela mais acerba dr, convidam a todos os paren-
tes e amigos seus e do fallecido o candse obse-
auio de assistirem a missa de Rquiem, que por
seu descanco eterno mandam celebrar no dia 2.*>
do corrente, trigsimo dia do seu passamento, na
igreja de Nossa Senhora lo Carino, as 6 1|2 ho-
ras da manha, pelo que lhe ficaro eternamente
gratos pela asslstencla aos ltimos suffragio3 por
sua alma.
AMA.
Preci^a-sc na loja da ra da Cadeia n' 9.
CASA
DE
Euipresla-sc dinheiro
sobre joias de ouro, pra-
ta, brilhanlcs e pedras
preciosas: na ma das
Cruzcs n. i,-- entrada
pela (ravessa da mes-
ma ra 1/ andar.
Aluga-se urna casa na ra Imperial, tem ar-
macao para taberna, tem forno para padaria, tem
pena d'agua em casa e por preco mnito commodo:
a tratar na ra larga rio Rosario n. i6
Precisa-se de um rapaz portuguez ou brasi-
leiro que tenha pratica de taberna ou mesmo um
menino com bastante pratica para caixeiro de urna
taberna : na ra do Hospicio n. 30 se dir quem
precisa.
Precisa-se de una ama para
casa de homem solteiro : ra do (
loja. ________
ruMiinar em
Crespo n. 8, B
CRIADO
Na ra do Imperador n. 73 2* andar, precisa-se
de um criado.
Segu eom muita brevidade a barca portuf ueza
fratidao, tem grande parte da sua carga pr )mp
ta ; para o que anda lhe falta c passageiros. tra-
----- ta-se eom Oliveira Filhos & C, largo do Corpo San- cima as 11 1*2 horas da manha no Aunes largo
bosa, que girou sob a flnaa de Joaquim Francisco to n. i9,ou com o eapitao na pra$a do comawrcio.' da alaudega.
passas. .
HOJE
O agente Pestaa far leilao por conti o risco
do quem pertencer de 200 caixas com superiores
passas desembarcadas a semana passad, e serao
vendidas em um oumais lotes a vontade no da
Respondendo-se ao Sr. Admira'or no Diario
de Per nambuco de sabbado 20 do corrente, sobre
as escavarjoes dadas pela ultima cheia, na estrada
do Cajneiro, em relacao ao Sr. Manoel Antonio da
Silva Ros, diz o Admirador que sendo o Sr. Silva
Ros o maior proprietario daquelle lugar, que a
elle cumpria ja ter mandado reparar a mesma es-
trada, visto ser esto particular; quando mesmo as-
sim se considere, s ao Sr. Silva Rios que lhe
cabe scmelhanie censurs. do Sr. Admirador f Por
que o maior proprietario ?
Ora, J se vio maior disparate ? Considerando-se
a mesma estrada particular (o fue ponho anda
minhas duvidas) censura devia recahir sobre to-
dos os proprietarios, sendo ainda com maior vehe-
mencia sobre o Hospital Poriuguez, pois para esto
estabelecimente, que talvez o Admirador tenha
de apeiar-se de seu carro; assim, pois, acho que
nao sem grave injustica que se attribua ao Sr.
Rios a mencionada ceusura do Amirador dos bu-
racos, protestando nao voltar sobre tal assumpto.
O que nao de buracos admirador.
AMA
Precisa-se de urna ama para comprar e cosinhar,
ara rapaz solteiro; ra do Queimado n. 12,
para
toja.
Joaquim de Gouva Crrdeiro, Joao Mendes Mar-
tins e Anselmo Rodrigues de Azevedo, inandam ce-
lebrar, no dia 26 do corrente pelas 7 horas da
manha, urna missa de rquiem na igreja de S. Gon-
';ulo. pelo repouso eterno de seu sempre chorarlo
amigo Jos Francisco Sjlveira Bittancourt, e con-
vidam aos seus amigos e parentes do finado para
assistirem a este acto de caridade, no dia e hora
cima declarado. _________^___
No domingo, a tarde, desappareoeu de casa
de seu senhor, ra da Aurora n. 72, a escrava
Lucinda, preta cnoul i, idade 30 aimos, tem o an-
dar um punco inclinado para diante, bastante espa-
dauda, com bellido em nm dos olhos
Foi comprada nesta praca ao Sr. Manoel Alvts
Ferreira, e natural do serto, bavendo todas as
probabilidades de estar occulla nesta piaca, pelo
que se protesta hayer todo o prejuizo causadr>
alm da accao criminal que no caso couber.
Roga-se, portan to, as autoridades policiaes e ca
pitaes do campo, a apprehnsao da mencionada es-
crava, pe se gratificar generosamente na casa
cima.
Urna pessoa com habiliiacdes se offerece para
encarregar-se de cobrancas, tanto nesta cidade,
como lora, dando lianza de sua conducta: quem
se quizer utilisar de seas servicos, dirija-se a loj-i
de fazendas dos Srs. Andrade & Mello, ra do Gres
lo, que achara com quem tratar. ^^__
Precisa-se de urna criada para todo o servi-
co de urna easa de pouca. familia, preferindo-se
escrava; a tratar na Capunga, porto Laserre n.
26, ou no Recife ra da Cadeia n. 5%.
Aluga-se
0 sobrado de um andar e solio sito ra de
S. Gonzalo n. 27, pintado de novo : a traiar nos
Quatro Cantos ra do Cotovello, taberna.
Precisa-se de urna ama quo saiba rjoamlur'
prereriodo-se escrava : a traiar na na do Hospi-
cio n. 47.



4*

4
biario PernmbutW ~* Quart er 24 de evereiro de 1869.
TZ
- .'.5-lr
rr
Copeiro.
un copeiro uo hal
Central, qne
^cT*S paga-se
4o fresarlo n. :I7.
Precisa-sede um copeiro.
reja deligoate e do bom co1
bem agradando : ra larg
Clles Estabelecid*^ ^ g^^ bem arejada casa
? .^Ste\* o tymnasio, na raa doHos-
^fo 32, dirigida pelos padres da
'"CyftpanMa tle Sesus.
* O reverendo padre rector dastc coNe^to scien-
Aifica aos pas de seas- alumnos edos domis que
ouizerem c,onaT-me a educacao de seus tilhos,
me iio dia 3 de fvereiro comeearao a fuccionar
das as antas, schando-se abenas j as matrt
colas. Hocbfi-se meninos de 6 a 12 annos
Sara soran instruidos as materias preparatorias
s fatuidades do imperio, a saber, primeiras le-
tras e lingo* nactonal, geographia e historia, ari-
flwierica e geometri%ingka, francez, (da-se infe-
rior e superior), laffra, dV-se nfima, media e su-
prema, i-so a pratiea'da prosa e da poesa), e
Analmente humanidafes mi a introdaecao rheto-
rica, qae coinprehenclc os tratados do estylo e da
elocucxbquer em pr lingoas latina a uacwnal. A imisica para cantu-
ra e para todos os iustrumcntos de sopro e cor-
das, assim como are lingoas allemaa, italiano, gre-
ga, eferea sefao-cnstaadas pedido dosseuhon*
pas
Gasino de arlthatelca, algebra e
$oiueiria.
0 bacharcl enulireito Caseiir Borges (odinho
de Assis, ensina estas materias no pnraeiro dar
da casa n. 17, sita na ra Nova, das 7 1/1 as 8/2
horas da manhaa aos senhores estudantes que (te-
sejam fazer exame no collcfio das artes, e das 7
1/2 as 9 da ohe aos senhores empreados no com-
inercio.
BARTHOLOMJ & C.
Trocm-s
as notas do banco do Brasil e das caiias flliaes,
com descont milito razoavel: na praca da Iade-
pendencia n. 22.______ ,___________._______
No sitia n. 1 da Passageni, vendc-se urna
esrava de meia idade.
Escriptorio
Gomes de Mattos Inultos esto com _o_ seu l-
criptorio aborto na ruando Vi
dar : propoe-se a q
de escravii^.
T CC
io n. 26, l' an-
signacao, menos
Precisa-sc do u'm merlino que saila comprar e
fazer mais'algum servido d casa : ira ra do Im-
73,2- andft
lit de^SeCu
Zeferino d'Almeita Pinto, advogado no
Rio de Jaietro e com escriptorin do agen-
cia na rea dos Pescadores n. 68. encarre-
ga-se de todos e quaesquer negocios jtult-
eiaes c administrativos, mediante honora-
rios e commisses rasoavois e moderadas.
JByoaBS que de seus serviros se terem utilisar, podero drrigir-se pesswl-
mente ou por carta ao escriptorio cima ou
actsadesua residencia, Cllete n. 172,
acompanluulos de todos os documentos
precisos e com indicarSo da pessoa com
quem sepossa tratar.
Para mais informaoSes dirigam-se a bo-
tica da ra larga do Rosario n. 10, nesta
^idade.
Xo armazem de Candido Alberto Sodr da Mot-
ta travessa da Madre de Dcos n. H, slo patcn-
tes mais de doz mil amostras de papel o rnats lin-
do que se tem vlstq nesta provincia, desde o mais
simples at o mais slmptdoso e proprio para
guarnicio e foYro desl*, gabinetes, capellas de
i^reja e sanctuarios. pela vsriedsde e belleza de
sous desenhos e artesos primorosamMite dou-
rados. O custo d"sse artefacto e o mais razoavel
posslvel, porqiw* ;qi.nas sesngeitar o Sr. prcten-
flclite a um diminufa tmmissao alm do mdico
preco porque vende b fabricante em Paris.
No mesmo armazem de Candido Alberto ven-
dc-se rouito em cunta <> segnihtd :
Milito bom forelo
Por 5fl o sarco de 120 libras. E' muilo barato !
ptimo cimento
Por 105 a barrica de 12 arrobas. Nao ha
dizer.
PARA USO INTERNO
P l\K I'Al A.D0.9 SI 'MP'LEf
Xarope de junibeba garrafa. l))!0O0
Viulto de jurubeba garrafa. 1600
Pilulas de jurut.eba.^|dro. 1^(600
Tintura de jurubeMFvidro. 640
Extracto liydraooolico dejumbelia. 12*500
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba frragiuoso garrafa. 20000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 1 #600
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2fi00O
Oleo de jurubeba vidros. 640"
Pomada dVjawbeb pote 6*0
* Emplastro de jurubeba libra. 2*i00
PARA USO EXTERNO
PA JCRUBEBA.
Esta planta hoje reconhecida como o mais poderoso torneo, como um cel-
lente desobstruente, e como tal tpplicada nos engorgitammilos d rigato e baco, as
hepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas com wi*zarc*as, la ihflammacoes
subsecuentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos iaternc^, nos tumores es-
Ama
Precisa-sc de nina ama :
n, 45.
na ra daConceicao
Pede-se ao Sr. Manoel da Costa Pereira, prati-
eante da repartieao das obras publicas, ora cm
Jaboatao. que eomparera ra Augusta, sobrado
. 102, am do saldar ^> MO debito, ou pagar o
que pedio, e ito wm brovidade.__________
Atteneo! attenc!
Guithcriiimo Rodrigues do Monte Lima faz sci-
ventc aos oBtaes de todos os carpos, que cana de
receber um rompilo sortimento do espadas, ban-
das, talins, talabartes c charlatoiras, o n.ais per-
tences. Assim como receben lambeni chaoeos de
oleado psra criados, do copa alta e baixa, eajn
"cordasdeouro ouprata, c vende mais barato do
que em nutra qnnKJtrer parle, na prai-a da Inde-
pendencia n. 17. junto a loja do Sr. Arantes.
Precisare de nina ama e>crava que saiba,
cozlnhar. ungnilir e bier compras (paga-so
boiui : a ti alar na ra da Cadeia do llecifo n. lr
ai'mazem.
que
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc
O qae diseos aflirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, eutre os
quaes podemos cr os Ms. Sis. Dr. Silva Ramos, Aquinb Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira o Carmo, Fmno Xavier, Silva etc. Todos eiles recWnbcBm xcllencia d este
poderoso irwdicaniMto sobre osdemais aftlioje coiibecdos para todos os casos citados,
tanto'que todos os Oias fazem d'elle applicaco.
Apresentando aos mdicos e ao publico emgeral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por tim generatisr mais o uso d'cste vegetal, fazendo desapparecr a
repugnancia que at boje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d elle, e
mais das vetea repugnantes a tragarcm-se, e que tiliham amda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna militas vezOs rmproficuo u
medicamento, qu>3 poderia produzir ptimos resultados.
Arnaco de nuiua
com os sexs pertcnces, pes c med das etc., ludo
cm muilo hotn oslado e proprio para ahmm.prin-
cipiante : vende-se por inetade ao sen justo vauo
Precisa-so de una onoiumadoira
do Qaeimafl i n. 6, primeiro andar.
mmmmmmw
na na
^9 ft JWKCtc;J
ffiL
N: iaAl)lRElTAN.3
As pilulas, o xarope alcohlico e
o ethereo de veame, conforme t
iiirmula do finado pliarmaa'Ulico Pa-
ranlios. assim como a pomada con-
tra as tnchacSes erysjpelosas, achao-
se a v. uda, na botica de Francisco
S Antonio das tragas i ra ireitan..
g y, defronte do armazem de mollia-
9 dos ili'inuinado viado braaco. Es-
B le BrtdfcameBtos teem sido e sao
S dos mais enrgicos agentes auxilia-
W, dores da iialureza na debellaco das
i doenras, SerVtftite de grande alivio
Jm a humanidade Boffredra, principal-
Si mente aquoHns, jo* di^oudo ile
^ poneos recursos o uo podeudo por
g nmitotenipo permaneceretn fflm uin
S tratamento tabez intil, fela ineffl-
^ cacia i'' cortos remedios, recorren!
eiles: e por sto asss recom*
gj mendadOs se fom?o. para as pessoas
S qneoffrardrliuraalism, es.ro-
^ fulas, ulceras, impigens, ervsipla,
W tumores nos ossos, tosse, asthina,
Wk amenoh l.a ou stippresso de mens-
5 truo e tflcnstrtiagao dilicil, sendo
jg3 porra usados onforme a direivao
6 escrita' q*ie os acotttpamfe.
SEGUROS
MARTIMOS
COWTltAFOGO.
A CoBpanliia lndemnisadora.estabeiefjnd
^ agsta praca, toma seguros martimos sobre
tumos e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mcrcadoras e mobilias: aa
nn do Vtgarw g. i, ivtmento terreo.
O- cii4o Wrtoe da lotera 1*C a beneficio d
igreia do X. S. da lion-wagein de n<. 2697, 2,073,
-lis, UVM e .11 t), pettinran aos Srs. Ricardo
Wittig, .Vtanoai Gi Martins, do Araeaty, e ticam em poder de tono
id fartin' AnWrift.
Joaquim Jos Gon-
palves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minbo, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em laringal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Vrseo.
Villa do Conde.
Anos de Val do Vez.
Vianda < Castiflo.
Ponte do I.inia.
Villa Ueal.
Viiin-Nova de Famalico.
Laniego.
Lagos.
Covtllia.
VasSl (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
BairrHos.
Do xarope Vctal AnieHcaoo. especlalldade de Barholonteu <& t
P 34-RUA LARGA DO ROSARIO-34
Nao oostumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e tk
xamos que sua applicacao e os resultados obtidos pelas, pessoas (rae se dignaran acuta-
los, Ihesdeem crdito evoga; porque sao sempre os attestados considerados gratuitos,
e delles que lancarao oclarlatanismo; mas, nao querendo ollender as pessoas que
espontneamente nos offereceram os que abaxo vao transcriptos, os fazemos publicar,
mamfestando-llHfsnossa gratidopela attencao, esperando que venham enes corroborar
o conceito, e acceitaco que tem merecido nosso xarope.
H Bartholomeu & C.
ATTESTADOS
lllms. Srs. Bartholomeu & C com a mais subida satisfacao que dcefar*
ser o xarope Americano de urna efficacia extraordinaria, pois que soffrendo ha dias de
intensa tosse, ponto denSo po'der dormir a noite a despeito mesmo de medicamentos
que tomava, a ellereconi e naterceira colher fui abiviado; ede todo me aclio Itoje res-
tabelecido com o uso somenf de quasimeio frasco: grato, pois,r e?se resultado aaani-
festo a Vv. Ss. me'u reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado Ha-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril do 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu & CPenhoradissimo com o favor me me fizeram
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, quando me aclia-
va bastante doente de urna conspacao, que me tornou completamente ronco e que
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitu de cumprir os meus deveres de cantor da
empreza lyrica, vou agradecer-llies meu completo restabelecimento, cjue obtive com um
so vidro do mesmo xarope, dopois de haver recorrido a muitos trtamenos. Desejarei
que outros como eu recorram ao seu xarope para se vero abiviados de tao lerrel
incommodo, tao fatal neste paiz. Com maior consideraco contino a ser de Vv. Ss.
attento, venerador e obligado.Luiz Cremona.
Recife, 23 de setembro de 1868.
lllms. Srs. Bartholomeu CO xarope Vegetal Americano qne Vv. Ss. teem
exposto venda de toda efficacia para o curativo d'asthma, conforme abi rvei apli-
cando-o a meu filho Joaquim, menor de quatro annos: victima d'esse flagello, que ala
ento por espaco excedente a dous aqnos havia resistido a outros xarnps de grande
nomeada. Queram, pois, Vv. Ss. aceotar a expressao altamente sinc ra de meu 11 eo-
nhecmeBto ao meritorio servico-que lhe prestaran! com o indicado xaro[ie, acreditan-
do-me para sempre deVv. Ss. criado, attento e obrigado.Americo Netto de Mendonca.
Recife, 2 deoutubro de 1808.
mente es
predades medicamentosas d'esta planta ,
dose conveniente a applicacao, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeicTto possivel, para o que nao poupamos esforgos, ni nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que ellos oflerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e nfatli-
velcura de qualquer dos soffrimentos, que deixams innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vanfagem decscolher as nossas Va-
riadas preparaces, aquella quemelhorlhe pode crivir, j pela fcil applieago, e ja pela
compcaiao das molestias, Hade, sexo, ou anda natureza de cada individuo.
As nossas preparacScs ferruginosas sao feto? de forma que se tornara comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
como taes esto 'aoje reconhecidos.
Para aquellos que mais minuciosamente queram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applicacao de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
i em nosso deposito um foihto. onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geraltle todos os preparados
ISoJica e drogara
34Ra larga do Rosarlo34. ; UTIMOAHJE
Aos 500 pares de brincos.
Ghegou e vende-se o Coraco
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
mosmhas com una franja penden-
te a um rico desenlio e ouro de
lei, pelo pequeo prego de 13(5000
cada par. baratissimo.
DENGAS DO PEIT
DE
DE
J. VIGNES
N. 55RA DO IMPERADORN. S5'.
Os pianosdcsta antiga fabrica sao hoje assz conhecidos para soja necesaria
insistir sobre sua superioridade, vantagens e garantas que offereccm aris compradores,
qualidades estas incontestaveis, que eiles tem definitivamente conquistado sobre \< dos
os que tem apparecido nesta praga; possuindo um teclado e macliinismo que obedec ni
i todas as vontades e caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por sercm fabricados
de proposito e ter-se feito ltimamente melhoramentos importanlissmos para o clima
deste paiz; quinto s vozes s3o melodiosas e flautadas e por isso muito agradareis aos
ouvidos dos apreciadores.
Fazenvse confoime as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Tflon-
del, de Paris, socio correspondente de J. Vigns, em cuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposicSes.
No mesmo estabolecimento se achara sempre um explendido e vanado sorti-
mento de msicas dos melhores autores da Europa, assim como harmnicos c pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commodos e razoaveis.
XAROPE d'HYPOPHOSPHTTO
CAL
A eftlcacf d'esta preparaclo est establecida desfle I87, pelos mais celebres-ftrrtiew. Desde
ento muitas imhac6es tem sido feitas, mas nenhuraa poude sustentar a comparaeo com o
producto apresentado peta nossa caza. Por isso excitamos o publico para que exiga sempre
esie xarope con urna bclia cor de rosa, nunca branca, e com a nossa assignalura roda do
frase.
Sob a sua inflaencia, a tosse acalma-se, os suores nocturnos oesso e o doente volve rpida-
mente sade. 0 seu empreo d tambem os mais brilhantes resultados nos defluxos, catar-
rhos, brenchiies, irrilagoes do perto. etc.
Deposito em Pernambuco* em casa de wr T.
cas da mam
Aos 4100031
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costume.
O abaiXQ assignado tinln vendido nos seus
muito felizes bilfietcs garantidos nm meio n. 56
com ?(irtpde 7005, tun meto ti. 1062 com a
firtc de 20 c nutras nmit.ts sorlfs e tOO.
40 e. 203 da lotera qne se acabon de extrnhir
em beneficio da matriz de Jaboatao (9-5.*) eonvida
aos r'ssuidorfs a vjrm rceber seus respectivos
urhiins sri os tlesconMs das leis na casa da
Fortuna ra de Crespo n. 2.').
Acham-se a venda os da i" parte da lotera ai
1 beneficio da igreja de mki Setthora da Boa-via-1
pem dos Aforados {'M) que se extrahir sextet-JWra |
26 do crrame mez.
mto.
Bilrvete.....43000
ltjio.....2*000
Qaarto.....1000
Et pwcae-ie lOOpara cima.
Bilhete.....
ci......
Qu'rto.....
.......Manoel Ifrtoi:
No icollegio da Canceicao precisa-se dejjma
eiipommadera perita.
J5A1AT1ISSIM
Calcado nacional, na fabrica de Jos Vicente
Godmfio & (,'., ra do Jardftn n. 19, avisam aos
tinuan a fabricar, cakadvem alta escala, e offe-
iwmas nieltoresciia'Jcats.'laiitoeni preco cuino
3in (ualidade. <)s propretafios deste estabelecK
ment chaman) a alttn^Iddk senhores consuml-
. dores do inte/mr,tujt quircui honrar rom
sua frguezia, especificando m seus pedaos S
juajidade o nuinerao,o*erecendo-se para os en-
vegar beni acoudiciimiios cm casa de seus cor-
respondeiites nesta iraca.
0
rrepara-se alrflo^o a jartwr m urna cj|S
estreha d<
particular de familia, na
Rosario n. 33, sobrado.
rUa
lU-se tMWOS a |rtiBio chin hypoihflc em
beo de raz de dnhrodo Wc# HeSU eidadfl: na
raa Nova, lufa de, ferrape a. 81.
Preis-se alagar nm moleqae ; na ra
Cabua n. 2 B.
"dT,
SCMPMIO DE ADVjNAClA
tiRaa larga do Rosario-36
0 advogado bchhfel Ayres de |
Albuquerque Gama tornou a abrir
o seu escriptorio na ra larga do
Rosario n. 2: onde piulo ser pro-
curado, qualquer'hora, para to-
dos us mistres da sua pfoftssaK
Frederico Maia
Mtola
O abaxo assijnado inga a> autirnlailes pe-
lieiaes ou a ipialqoer mitra pessoa que appreheu-
dam a escrava com os sifnaes abirixo deetnrados o
se dignem manda-la entregar ra da Rudh 2o
andar da,casa B.-17ou ra dp Imperador n.
12 em ett rarior*. R.t> ninfr*, cibt:. de 22 an-
nos pouco mais Su menos, estalUYa ordinaria,
bastante rot)ata, cabello earapinho, denes elSTOs
e perfitb's. pes regMaVH eprreitns e com amao
esquerda aleijada em 3 dedo. Fni,'io vesimdo
nma saia de chita escura, rorjrinhobranco cha-
les eor do Imninn ja nm pflnru dosbotailo, consta
ue vaga cm companba de um soldado pela roa
innepSi Citbanga o ootros
nhos.
logares circumvisi-
Juannim da Silva llego.
ANTONIO EPAMfNONDAS fE
MELLO tem o seu escriptorio de
advogado 4 iva do Oueiraado o. 8,
1." andar.
Precisa-sc de um moleinie de 13 a 14 anntw
paraserTleo eoleWlc.: u ra Direi n. 7, toja.
Irmandade do
Bom Jess dos Fassos
na matriz do Corpo
Teudo e^fa irmanflade fle xpAr-em tmn* "- C&tirfaTsi*a sa^.r.jwfi
meta* aimagem a seU V*Ar#\n m g W|* ospaquM jra Ifespaolu & qara o prt
a para fra
Com todo o asseio e promiitldao, dein preaaca-
IA adtrtrada. danro-se lone* fina e rnaMiai(49-s<>
levar riasc^s Me qufterWn : rt riii s#ewtdo
nofiaridn. 19, i'andar.
ICirurglo d<*nista pela
de uicdioina
do Rio de Janeiro.
Tem lloara de participar4 f eBjieiavel publi-
co dcsta capital e seus suburbios, que-tero abuyto o
seu binte d comunas o operases dentarias a
ra Direita n. 12, primeiro andw, onde pd* ser
procurado todos os dias das 8 horas da mantea! 8
3 da tarjle.. E*e aeflk-fe 15oiipet|teme,nte habSH-
lailo |iara donvTerfeljafVlMrar |entcs artiliciaes
por quaR|iitfr ws SJ'sftnts. ewmjassim desempe-
jihar ipil(pii+ oufro trbatim eoUcernente sua
puaidsa. O mesmo, recoirhecendtoqne nesem-
pre pDSSivelssenhoras ou orlas pahirem a
p'rocuij/o remedio, fferece-se a rearorer (fulai-
quer obsuculo, declarando que aacidadese pres-
tar a qnA! jiier diamado sem que issoinfluaoasa
ilguiHnacommodirModosprec* de s/ns traba-
Ibos.eqnando para fra della aeaira imino;ser'
precedido de um ajnte rasoavel, garanthido ile a
sin gabinete so encontrara eanstanUnante excel-
lenteps dentifricio, 'tlkir e outros medicamen-
w>9 edontalgiw : -i "roa ThrHa 'n. 41, primdir
andar.
GRANDE HOTEL
BE OBIENT
Inagurou-se este commodo e.ctegante
estabelecimento d'onde os seus frecuenta-
dores podero apreciar a especialidade ha
confecco dos eneros alimenticios.
As bebidas sfSo as mais primorosas e re-
commendadas.
A decencia e bom servico primam n*esta
casa no Iwlki goste orienial.
fanSm-c a ifmnicrfiocomeVloWas, tanto
avulso,.como por assignatura mensa. Os
preces s3o modhlot e convencioiaes.
Ha urna espacosa e bonita sala pora o
elegalfe jogo de brmr.
HB-tambem aposentos cotnmmodos O'fcem
moblhdos para hpedagm.
Ra larga do Rosario
n. 44.
-----------------------'.....ii li..,,l___^^j___L_*Ui___U____________i,______
l'recissv-se de um catteiro para urna liifa c
fazendas, com praca ou sem elk, .|ra ir 'phro
Aiafa-nora, qiae tenha a 16 armo de idade :
a tratar na na la Cadeia do Hecife n. 36, loja de
Alfredo A C.________________. .-,
- O wiliohador Igflcio Itifroso 4* 'Mello, riu-
dou sua residencia para a ra do Caes do Capi-
^bwpbr. asa terrea trota eoni pifrtae 'te krr ,m
laao
RA LARCA 80 ROSARIO N. 37
Este acreditado estabolecimento agmmta
de dia em dia qnnto possivel pdra ebe-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confoa'io-
nados com o melhor asseio, tem tfeltos apo-
sentos de bospedagem, tanto para urna so
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e hygiene, temo-la sempre em abun-
dancia para facilitar excellentes banhos.
CARLTERIA E PETIT RESTALKAM
Annexos ao Hotel Central, ra cstreita do
Rosaiio n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infinita
de charutos de Havana, Baha, Rio, etc. que
existem neste novo estabelecimento pres-
cindimos dos ann uncios pomposas qn
ramente se fazi'in, reiltizindo-nos api i
tres letras que 6ao tres bbb Ikhu, bonito :
barato. A' vista do genero annunciado po-
de-se julgar de nossa veracidaile. Esta casa
Ha tambem nina boa bibliotheca e perio- gosa tambem das condices de nm elegante
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para e pelit rettaiirant onde se pode ver a es-
recreo, buhares, etc. ele. pecialidade dos fiambres e salames deLioi:
Sendo ociosa qnalqer recommenda<;'5o para lanches e at fazer urna boa colagao.
para tilo acreditado estabelceimento, offiit- juntamente com os princpaes vinhos do
timos mais prembulos, ftizondo Ver por mercado, sobresahindo entre o bom a pura
fim, que o bom servico, ordem e moralida- e fervenle champagne, o mui saboroso Rlii -
de imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa cerveja, o licor epirituo^..
unperam
fiel do regulamento que possue.
Comedorias a la carte.
o qtianto pede urna mesa. Faz-rsa noul*
sorvete c variedade de refrescos,- .
TINTURARA IttKBi
55-RA DA INIPERATRIZ-EB
O proprietaro d'cste imporlaute estabelecimento tem S honra de partu
ao respeitavel publico que leudo fgido desta piara a peasoa que se achava na asa ge-
rencia, elle contratou para sua casa um perito oflkial que foi por muito tempo o pn-
meiro official da importante casa Sulingre do Rio de Janeiro ; por isso espera o animn-
ciante que todos flearo satisfeitos dos seus trabalhos, visto, alm d'isao, posstiir no w
estabelecimento as machinas mais aperfeicoadas para Ungir o lustrar do que se faz tw
na Europa, e achar-?e tambem prvido de fraude quantidade de drogas esoril;
sempre dwrimira qualidade e fornecidas pelas casas especiaes de Paris.
Tinge-.-*", lava-se e mpa-se com a maior perfeicjio fazendas em penas _<-a
em obras de qaluuer qualidade que Sejam, taes como 15, akjodo, seda, touqnm:.
peonas, clnqios do felro e de Manillia ou palhinha de tft as cores, etc. etc., t
tambem tira-se nodas c fitnpa-se a aecoo sem mohar os tecidos.
Os senhores negociantes, logistas c particulares experimenten! que todf
acharSo proveito e Yantagehs.
v3
t'ntura preta terc&s e sextas-feiras.
Aluga.se un ^ a
Caes do Rajuo% c um 31 .
la* na rea da mperatm 63 i andar.
------4i V JlJrgf'j^ ,
AhiL'a-se n aniM d* na ili<
ndar de m sol irado do
3 .da ra da Praia ; a tta-
o mt'z viridouro, ednt aauffin p'mipa e lirilhati
Hsmo rrae'a fethine.tei a niesa reidora re
eerrido an^iiumei^ deWifcs destf Seflfeo* flm
de meorrerm eohi as sas asmlas; e mn es-
tando a p.u de todos etle-*, e mesmo pelas distan-'
jue onali|iiet donatvd dfit tue .plelrart corledr-
ivi; digiiar-se-JSo eptrega-lo ao irmao prWeder (i'
Sr. Marcelino Jo.' Gonealvesde Fontes, cua da
Cadeia n. t, oa ao liuNooreiro JWnardo Peervira
LotUTro na de Atmiim n. 46. Odfto *hn;>ne-
nhuiaa pessoa se ada enealregalla para liaaf <-
jitsdc capa, coor salva, coa cdnstl rtnanda-
de so anrc.-entira.na dia fi. do eorreote ea um
Indhtdnn assttn cTTfaWrikpohU5 urrteo* tti-
eairegados 4/mjftP&(T9rl 3,,'ma meneior a-
A para formar eo n-
mlssio.
dos Copia
^Wrtos, ominha 1rt, Wrrard e Mm quintal, ea-
WMmMira: a fr na raa tmjpradr, io*
arado n. >, entrada pela de S. FrancisW.
Precisa-sede um preto escravo para todo o
sanifja : aa ra da Cruz n. i, primeiro andar.
M'ae'rd#iM knu
i salM; 3
se^iota
Orease.
teUnova.
Ceniza.
Puenteareia
Tuy.
Ptutte-'Vcdra.
Redondel.
Vigo.
Sant,iagp. ,
Pi*5la-*W tfum randa de 10 annos, ando-
C pTrferencta portngnez, para caixeiro de urna
taberna, que doiilecfmento de sua conducta, ao.-j
<|Hal nao se du8a lar inJresse caso entre cfn
algum capital :g na |if pipila n. 99.
m
dJrua das Cnizesj B-
estabelecimento : a
Alnpa
36, proprio 'Kfi*'qianil "Bstabelecimento
fa-atw mmtmwm^amitm. As-fcivs' Se
achara na. 49a, da ajaa/iaiiro *fronte do meno
para ^uera o qaiaer rer.
A abaixe assigYiadr. competentemeate li;*ilitada'
rerte w*'d*Artk''tt I, menihM atina pa-
smo de primeiras letras* de cottttrtis: asefritriv,
TRH.HOS URBANO*
DO (
Recife a Apipucos.
Para maior comaM#)ade dos nassageirosi o
tren' fae pasava no Haaeiro as lwr.w e 25 mi-
8
Rtra das Cinco Ponas86
Ol'rvelra A C. aviSa aos seus freguer.es que foram, Unte dosta
Thofinra Jos w,.t..v. v.--------------------------
ca romo do centro (la provincia, qne ftressou de sua viagen Europa njm <"
zemftro prximo passado, e se acha tabefeCido com um atmazcmbem sorttdo flerfie--
cewia (vulgo moldado) de bow gneros, e por precos commodos e garantmdo quaiKi; -
de, pezo e medida, nos geneiw comprados no seu armazem ; portante pede o wog
que n5o deixem de lhe daraprefereCla.
_;
I
mdhor tratamento, MWcacao e interesM palas utos da Bfte, panMf a* e. .*, W ttMk
rma*. RoeJSe tamben penswnistai i itefes-
**>.'!*!*? ed" O Sr. AfiToiiioTranciseoDuane qneiraap|a-
recr na raa Prrett n.f, a negocio AttengUo
Urna pes'fioa fjuc sabe ler, sej*1^
tar, se ofiertCi para caixeiro 3e $
ou mesmo de ra. Os pretenden1
jam-se a raa da Imperatriz q, 16, i* andar.
*W*Pa Aa$ti4 -attiaj- ttoum-
Bom ti
para
UtOCi
qnl* qnMvi' ca
_____. ^M-
!tdm5 i-s"eq6i entr conlfSS! fli ofc?*
CIO
gaahar
duraren as novenas de Nossa Seahora. da
eeiciui que al se ceteb.
CscriBtorlo da eompaoova i9 de ftuerdn e>
189.
W. Rawtftsefl,
em urna coxeira
de bous aarros di
dos os neeesarios
hw
oSt.
irair._________
* ^iama criada uto b-
a bem montada ni
como de emllos el
Ulem este negocio qu
do Roseria o. %i
oom queai m.
FRANCA-BRASIL
Gerente.
rliiwILJ------
AmrMfc ^
Atufja-ao ua:na.da.lrttoe*erava. so ttr:
quoH> afeis,*riia- nnmero 8. _~ L
Anda,se* *er>to a tnlcrta da ra dos
rfara% n., U^ttMhfn) a da ra do.fart.LJL
- Aaaalmo Pacheco da-Gn*& tai pOMi9V4<
vcnaVa o seu estaMettMti ssssia'nnii
M fitliav (|c nlw etjraeoswiiara rador n, 13, aos Su fatolm fcsfi co !*
ra, preferiudo-se escrava, que r^abrV i P* 1a**f*a.' fttm arioa!K'*
me com perfeicao, a ti-atar na loj* da rita nova mesmo far entrega no fia !. de mar^o prximo
a.,47. vindouro.
."ERaER, slfalale franeer, prevliieo respeRavel publico a sim naaierosm fref
z# one, loada transf'rM sna residmwia |ara a iw db Trtfpiche n. 7, primeiro andar, atol eocaatrai
nettmfti fods as quadadcs de fazendas nata trajo* de hmnem. e prepara costumes para montara i
seBWf. Falambom obras para mlfitares enara criados, pura as quaes tem grande sortimento de
hW^'stMlfis.'eoW V^,e:'ciord*;'<3 ce*de, brancos o amarellos. Recebe por lodos os vaporea os-
rdtfrnos mrarwc* para hornem, senhoras *""'""" j
fittTTtttttT^
itTHl
tPPUllIv
CIGARROS INDIANOS
NCANNABIS INDICA
\fR:W
iirnci(Ii
IIIIBIfl

Tado ca hmIm at twje precailsados coa^ a asuma naoieasMo mata de at paMatran
! dafcaha de todas ae fchMs, leudo sor base a beltadeda, a estrsmeaie oa apto. Memaaai etfM
aocMa fcMueai Mte*een, repaaaaea rraflea e aa Inglaterra, tan prawdojia .lafaMl
' tedio de leaaala aosaw as aa aofavaia pwariedada. ira wtmmrm mh* afca^ts
assim como a tosse nervosa, a insomaie. a iMtiea'lii'MiffM. a roaqaiaaa, aaaaap aa taa
I a as aevralfks faelaet. 1' poli otea o aaeio tti sdieadh qaefftfeemaieeaaarmvaaaa*
dos oom o extrae d aaaaaio da* India*, a* nO imadriaawi da ombaila.
tiflm ea> P* ewMrt, e ala de ahir V.
iiiuiimimii
i
-

:'(
i
.iAuiu.iumiiinit\ii*
J-


I
i
Diario de Pema*ibiico< Quarta feira 24 de Fevereir de 189.
5
Grande liqufcktflo de miudezas !
Aflbaso Moreire Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
toj* rua do Quehnado n. 85, resolveu annuMiar a_ mesmas miudeza para que o p
Mico se certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a
Na traversa du
turas de alfaialc
attenco
Dique ii. 10,'trabalta-}eeii cof-
_n
Massos com gfratnpos 25 a .
Pecas de tranca lisa e caracol a
Sationetes d todos os presos a
80 100 200 e.....
Abotoaduras para colletes .
BotSes de louca para camisa, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
deira) a.......
Frascos com agua de Colonia a
320 e........
Garrafa de tinta roxa a. .
Caixas com 100 enveloppes a.
Militas de seda para homenva
Fita de swria para enfeite de
vestidos por......
Frascos com oleo para cabello
a 400e.......
LSa pira bordar, libra. .
Bscevas finas para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e. .
Ditas muito finas para latos
por pre?o nunca visto 400
500 e......,
Pecas 4e tobados e entre meios
a 000 800 e .....
Grvalas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Bieo e renda das ribas a lodo
pre^o. S a vista faz f .
Pecas de fila de coz com W va-
nas a
2b
40
240
320
160
1#000
Latas com graxa, duzia a .
Coques muito bons com rede s
a rede val......
Meias para horneas boa fazenda
a 30600 e ......
Linha de marca.caixa com 16
novellos ,......
Latas com banba (familiia), duzia
Frascos com tanta a 320 400 e
400 Botes para punho fazenda boa
800; a80e....., .
500 Volta de Aljofre cousaboa a
800 Filas para detrum de vestido a
i Caixa com agutha francew a
600 Bofes de acopara coleto d-taia a
Carlao com ullinetesja
600 Caixa cora perfumaras muito
5800 fina. S a caixa val 10^000
88S| I2.?000 ...,
^^ Copo com opiata muitofino a
400 e ...... f
Meias muito finas para senhora
duzia........
10000 Cartas francezas a 200 e .
32o Ditas portuguezas a 120 e .
300 Caixa de linha do gaz branca 50
novellos.......
Frasco com tinta a 100 o .
600
>
480
lr>300
4,jK)00
240
20200
500
100
160
500
160
120
100
n
150000
500
50000
240
200
l'recfca-e de na-ama para epgem mu e .
sinhar, n^^^Mfruj** *'ft^ .-___J
- Atrae da ntttri M Boa-visa n. f6, T ata
dar, lia urna terava parase alagar, qnp I* t0*
servido de urna casa to familia, tanto externo im*
interno, tambero wndff-se u anuos.
Desappaaeeeu ou furtaram no du 18 do
corrente, pelase horas da tarde, una caM* OtfKfc
preta, grande, rom mareas brancas pe* uaruga
e tambem pela test-, sobresahindo na? marras
mais preto qne blanco, mito manca e eriactrira.o
est mojada de um moz : a pessoa a quem lar oue-
recida para comprar,ou que a appreheudcr e quuei
entrega-la, podar laver a seu douo na ra de >>an-
ta Tbcrezan. t, que ser graticado._________
Precisa-sc de urna ama para comprar e co-
inhar: na na do Qnennarto n. ._, laja.______
Olfcrece-s para caixeiro de cobranzas, sondo
nesta praca, um rapando idade 19 atines, o I?1
dar provas de sua eonduota : quem precisar m-
rija-ae a travesa da Sfcala-velha n. 40, pnruei-
ro andar. .
I
Franja de la para sapato (pe?a)
500 Papel de peso muko bom .
Sapatos de tranea c outros muitos artigos, que enfadonho seria mencionar
RA DO QEIMADO N. 55
600
106
10000
44000
..tfg^au,,.

FfiflO_
Escravo
Preeisa-se alngar um eseravo das 8 horas da
manha as 5 da tardo : na ra da Cruz n. 40, J"
andar._________________________!-
O abaixo assigna^'cotnpVa Itvre ri" dbsem-
baracada de qualquer etm?, a tnbema da rua im-
perial u. 208, ao Sr. baqulni Gencalves Vaaana :
os prejudicados reclamem no mosmo lugar, no
praso de tres das, sob pena de nao screm attcn-
didos depois deste praso Rerife 23 de feverciro de
1869.
PatricioMartin^geri-eira.dos Santos.
Ama
Precisa-so de urna ama do meia idade para
comprar e cozinhar para una familia de pocas
pessoa.
*. Fcrrctra VUlelsi.
Photographo da casa imperial
premiado em diversas exposi-
jrYs.
Na sua pliotograp,bja i roa do Cabug n.
1-8, entrada pelo pateo da matriz tira retra-
tas por todos os systemas photographicos.
Em porcelana, Era vi dio
Em talco Em papel
CART ES DE VISITA A90 A I)LZ1\.
Os retratos aute-de-risite sao cttaflos
era cartao de luxo bristal ou porcelana,
dourados ou lithographados, quadrilongos
ou vinhetas para o que existe urna varieda-
de de 12 modelos a escolta de quem se re-
tratar. Para as oulras especies ce retratos
temos caixinhas, passe-par-lants. qvadros
3 molduras dourauas e pretas cas?oUUas de;
ouro e alfinetes simples-e com pedras pre-
ciosas, havendo nos alfinetes urna mimosa
variedade de feitios.
0 nosso estabelecimento photograpbico
est sempre em dia com os raelhoramentos
eprogressos que na America do Norte, na,
Europa ou no Ro de Janeiro se consegu'
na arte photograpbica, e para ah anfarmos
tal fim nunca pouparaos despezas nem sa^-
rilicios, de sorteqtie os nossos numerosos
[feguezes podem ter a certeza de que sem-,
pre enconlraro em nosso estabclTrmento!
tudo quanto s arte e a moda offerecer de!
bom no novo e velho mundo aos amantes
da photographia.

O abaixo assignado, proprifitario do engenta
l)Hla-vi: la, uo termo" de Barreiros, roga a todas as
luloridaVs noliciaes o caphes de campo a ap-
prchensan dos eseravos segumtes : Luiz, cabra,
alto, secoo, sem denles na freue, os osos no ros-
to bem -;ilionU:s, ps.bem feitos, faltando as unlias
dos i|p,| < erandes e mais alpumas, fallante, e cor
marcas pelas costas de chicote : o Elisiaro, cabra
fula, corno regular, ps bom feitos. principio do
barba as rateas, e falla a onha do dedo grande
do pe direto, com todos os denles e com marcas
veas de chieoto-*! 30 a 35 armos, o segundo do
*) a 23 ntmos, os qnaes segniram cin destino i
ossa capital, c presume-se que aqui estejam, e'
promeHe-se a qafilia de 50 por cada mn\ a
qBera os levar ao lagar cima moneionado, ou er
Afolados, pateo da matriz, era rasa do sr. Jos
Lucio Lins, ou lo Recife ao I>r. delegado, ott sea
f5o Jos Caval-anti.
JoaatGavaieanti de AlbuqHorque MeJlo.
na ra Bella o. 3.
Precisa-sede unra oTdc lcite i o oitioda
matriz de Santo Antonio ni O._____
^^v.v
66
A aguia branca tem-se feito to conhecida e
acreditada, nao s pelas novid.tdes, variedades, su-
perioridadee abundancia de seu sormento, como
pela consuaie cominodidadc de seus presos, e mes-
ino pelo sen assai e nanea olvidado agr
ridade.
cas, e
do e :
;ince-
Guarda livros
Um guarda livros ofterece-se para f-rganisar
escripias, extrahir tahmcos por qualquer systema
ronhecido, podcmlo dlrigir-5c na na do Bangel
II. ;. ^ ^ ________________________________
Cal'braa*lie Ja^iiarifee.
Acaba de aMr-sc ni deposita de \nrdadeira
cal de Jaguaribe o do naje em (liante qutfquw >
\r* que se vend*, allegando ser daquells Injar,
fal menio encArrega-sc ** fornecar qiialqae.' P"^u
^nc ?e procurar, a>siui coiiu da c^il psn, malei-
r;is, ele. tudo por eominodo prfi?9: os pmMftrn-
tes dirfjam-so a pwa da C.oncerdin,- armazem i>
lo ao deposito do rarvo-de nwdeira.______;__
lva cN'ovaes rogam a seus dwcdorcso ->bC-
quio du, Hiamlarem pagar uaa coatas at o fin do
caliente mez, e finuo elle'ierao ellas entregues a
BMrocurador para eubiy-Jas judicialmente.
Rl
' ililil
, Hedsa-se de urna ama
Awora n. O.
IdT7P.CS.
1(1 CAMPOS
28-*=Rua em CROSSO i: a vauejo
Ctarotos de diversas martas dos bern
anvditadris faoricafitf. Cosa Jnnios e
Manod da Cosa Fwreira de (Sao Peta).
Faltona da ierra Mtfto boa, '4fi relea
sacca.
Miraguaia do Kio Grande do Sul, peixe
seeco de superior qualidade a G,54CO a ar-
Cengro e ruvo de Portugal, em bartis e
Micas,
CaBMn{w9eciov doMaranluto, ern libras.
tatas com peixe ent conserva sendo:
Salnwm, Lagosfts Ostras-e otrtr.is milita
iwalidades, a sata : PovUtguri^oiii^k'zesv
Amet'icaaos^ lkspaaii'>j. ^k-.,hl
O'Gampos- airtla- uWa- vttfwm ter a
honra di terjjrai-;i0 rospeta^pl niViIf'o, niito xcoUeiUes a^uienUis &* Liua Pkv
rdth, n Tiquira'o> Maratdtu fHr \ii-lhc a
idea que se aproxima o tempe' itm-rno*,.
e estomago,quente, e cumo se a 1 o s-u *
tabelecim'ento befn prvido dos genc'ros a-
ma.ditos^ recommenda uy iWjoJii,ai elfo.
onde encontrara^ o.s- ajiyu^*'1 'WH ^"vA:
6o* lineado, um completo sormento di
ada goiieros. liiui, (pit,.st,l(wftkiioatieiid--x
vebpato urna mesa mais om anfios pro-
vida.
Na ra po Rangel u. 41, 2 andar, precisa-
se de nina ama de bons costumes para o servico
interno de urna casa de pouca familia.
Roga-se pessoa que entrefou urna earta
na rua dos Pires n. 35. vinda da Rabia para o Dr. I
Lote Jos Correia de S, o favor de indicar sua
morada para ser procurado.
^ isa-se
Ao $r. Manoel Jos Marques Bacalho, do cor-
rwio nrai, qte rayalo a sua carta ite tia^a,
Procb*-e akigar tim pnto dr boa cttndncia
|)ar.i o servico de-moa ca>a de pranie familia : a
tratar no sobradan, da rua do Imperador, en
(rail* rjcla*) Si Fltrarisee.________ _____
Breelse saiba ouuiaar e ooiinliar peafeiHmente : na rua
Korniiisa n 3"!.
Manual para o exanie de hStiilitaco para nia-
tistciiodeinstrnciioprimaria pelos l)rs F. de
('astro Freires J. F. do Macedo : na liviana en-
eielo|n>dioa de i. b. da ^ejly, rua (La.Ciuzn. Si.
Ao hotel Dons Ahis;o.s.
Precisa-s- de um copeiro. pBi-.a.se onciEiegar ao
mesnw lempo deste hotel : na rua da matriz da
ltoa-vislan.8.
"Til-------T"
Grande liquLil 0 pfopweUnao (1 ihLxi .aitaHU'canbeeid
loja- de miudezas denomtHad Beija Plr
.rua Uo 0>f'B*a(lrtn. (W; quewwlb acalw
com o sortiwtento de nihidezas que existe,
Umi deliberado proeetk'r a urna completa li-
iiuidato, para o qut.ctaiuaa alkiirao de to-
dos.
Os objectos sero vendidos por metadeda
seu valor, epara que o publico, nao suj>po-
nba, que o presente annuncio una illuso.
isomautuu nuuui wiuuyuu (ia-na lista de alguina.M ir
(.lliopraoqorcaodeuro,n.2D,ruadoCabu-! nrecoscomo ataiso ver;
, moedas de. ouro e piala e podras preciosas. amniiuios pmob um o .iiwim y i..
mp-------------------------------------nao aposentando una lista compii ta detr>
Compra-se eseravos. : dos os onustos qw estio ex^i.rs a v. nd;.,
Lino de Faria & C. na rna do Vlgario n. 24, es- pola raza de se tornar un annuncio muito
extenso e por consequesda de enfadonha le-
tura, por isso apenas lemitaysr as: uinles:
AVISO
Essas verdanVs ineontestaveis sao sem dsvida
apreciadas pelo b.-llo sexo em particular, e pdo
respeitavel publico em fteral, e a Unto teni ebogado **""'."" >"
que eso f uasi passaiido como annexim ou pro- T". l, ^
verbio, quaudo se v um objwto de elegancia, ^ Z^0 1
ciegan
oge'mo-lo ob-
na loja d .o-iiia
gasto, nnvalaile, etc., etc., diz-se
jecto sera duvia foi comprado
branca.
Quando no club, nos bares, ou nosalodo
Santa Isabel, una excelleiuissima so afresfenta
garbosamente trajartdo, trazendo o moderno cinto
de mui brega fita, lisa, chamatotada, on escosseza,
as suas admiradoras dizem ctmsigo aquella fila
foi comprada na loja d'aguia branca.
Quando outra cxcelientisskiia, nao menos gar-
uma a outra os agradaveis oheiros de eiu seus liuos lencos, e cada urna das (ptacs orgu-
Ihosas pelo elogio do acert de sua eseolba, e como
que querendo por simesma justificar dizem simul-
laneaiuente vordade que estecheiro foi compra-
do na bja d'aguia feranca.
Aluda bhus.
Quando hontem os pais alBistos sentiam o rigor
da denlioao de seu charo lilliiiiiio, o hi>j alegres e
satisfeitos pek) feliz 'estataleeiuieuto recebem as
MUB elhor amigos, dizoin aquellos
eus ttue me MBiroupara que ooavwi
se, como ominvi, um despes viriueews coliaro I
tyer, que ?e vendein na luja d'aguia branca.
.tiH de mito ihss qnc aiaada
falta dizer.
Quando em um circulo de circumsoectos coa-ac-
teres se discutir a veracidade de taestfireres, appa-
recer um outro que queira anda levemente nter-
romper a djsOTssao, <>* primeiros |M>r momento es-
queccro a circomspeecSo e Hits darlo um gra-
- ioso debique duendo-lhesj sabefiijs qoc V.
um daquetles (pie inclina o chapeo -de sel Ti que
osa, mostra o rigor de sen bom gusto na acertada 'mereca, ser designado psia aguia tranca da. rna
escolha dos enfeites de alta novidade itae bella- i do Qneinml* n. 8. r
monte oruam seu ve-aido, anda nestuo as rivaes
de sua srptliia cenfessfeBiquea(|tttes enfeites
forain da loja d'aguia branca.
Quano n'outra exceHentissima, apeicr da sin-
gellexa de siu porte agraavol. se veni *s bonitas
mvas de peluca duqueza as suas bellas ami-
gas louvam-llie o gosto ecenfessam q-.K(juellas
tuvas foram da loja d*agoi* branca.
Quaiu'o mesuno dnas exwllenssin?, antigs
amigas de collegio, se eacoatram paqueMes loga-
res, depois dos cumprimentos de rwiprftco? boijqs,
mbaas por forca de sua elevada delicadeza, gabara
Avisa-so a-iiiem froiono de 30 o*isas eom
f da muon t 4 11. de n. 40o a VA viuda* pela
escuna dinamarquez* twxwo.-de Triese ombar.a-
w polos Siv. Moi-pnyo A fta-eate, terabondade do
mandar di^spaeliar.
O advogado r. Antonio de Va*-
roiic-t'llos Menozes "de Dmmmond
trjnsffinn n "SWWBrtpwM^WW
n T'i ImjxT? !w n. O.endfl J)d*y
sw i^-urado todos indias nters
das 4 P'hOr* ftk rtu*ifcriUVas 1 |a
U'.nff, p;r>. : fcistdleMfe Wh pW-
tiss>.
eriptorio, 1" andar, conipram eseravos de ambos os
sexos, sendo que, iuolegues de 14 a anuos e bo-
nitas liguras, sero pagos por muito,mais diuheiro
do que em outra qualquer parte._____________
Owo e prna
em nioeda c ein obras inutilisadas, compra-se pw
bom proco : na piara da Independencia P- 21
Rua do Rosario n. 79,
sobrado
.tgaicia 4e negocios da c6rtc pa-
ra 2s pf(frfm*t?R p dffilas para
Na praca da Independencia n. 33, loja de ou-
| rivos, compra-se ouro, prata, e podras preciosas.!-
tambeni se faz qualquer obra de encommenda, e
todo 6" qualquer concert.___________________
Compra-se
boje libras esterlinas, ouro e prata de todas as
nacoes e por uiainr prego do que em outra parte :
n rua da Cadoia do Reife n. 58, loja de azulejo.
na rua do
5o taas as colisas t&te por
auas escapan as outra*.
J ia esquecendo a aguia branca, ni as- em tempo
kmibrou-so para nociar, que PBtebeu una pe-
quea quaii.Kfede de aitliU's parar coqnes e gram-
j)oe para ditasJ tudo feito do atelal ce lindos e
agradiws-1 florido?, elrxs estas pela nTfBieh*a"vez
iipparecidas. e portaiMo irfteira novWiole.
Tambm rtiegaram novamentr delirados enfeites
-e flores oranlas de aljoares e vktrthes, tanto de
palha para coimes como para vestMos, e tudo
contina a recrecer a prcetarao das excdlentissi-
mas conheeedoms do bat.
' 77 RUA M IMPERATBB 77
N esto novo ostabilecimeuto lciam cini)l('to sortimento lie-medicameMos, pro-
ductos diimicos. e drogara, tudo do prtmetra qualidae, e se i-ffiHem por menos do
^ue em eutra qualquer parte.
iltanroetn um sortimento de medicaisentos lioeopatleos, unturas e glbu-
los rtierte?:, por precns commodM; neia como taropsWejurubeha ferrnginos# simples;
vinhos dejurubena simples e ferruginoso, e otjem coiltecido xaJrtpe de Patacry, es-
pecial 'sta pharmacia. Aviam-se receits a qualquer Itera do diave noite, com .promp-
tidao, cuidado, e pericia ; nao se negaai a qualquer oceurreneia em sso upgeillos. 0
Bocio gerente encarregsdo do estanelecimente mora > ineino, para o prompto a abrir a porta a qualquer liara que fo:- precisa.
C. Cato & C.
_____!.
EA DOS IIiIiOS.
rcu
Pemi.l a sahwpcan.
ep'i5flt Pliarnwcia IfcrKarthttomeo. Jft4R^a t?trg d' Rosaro-t-3A-
Na rua Xoyan. 0.
Precisa-!, de unra wrirtftira ou corihMro prc-
feviiido-se esclavos.
Bandeira de Nossa 8eiora
da Ijoa-n^geni,
Quinta-feira .prxima -Aioorrente as "9 horas
i noute, tecumgar cu loil? a pompa caiCtrmada
i :.-vantameiitf da liaflderra da mesinu -srrtMRi.
tina das memores mdsicasWfar em acoirpanta-
sfiento, soltar-ae-bi lindos :baloes, o aodiase-
gunte principiara') as noven, cantadas por dis-
iinctas scnboras. O propramm da festa sr em
vihpo anuuactsdo.
Methodo Castiiho.
Secundino Jos de Faria Siniocs. nrnpfesar par-
ticular de instrereo elementar pelo mothno lias-
llmo. avisa a rcspcit^,pu*l*PO e eotn eapiviali-
Aide aos ikis de familia, fue, esta aborta swaaula
desde o dia 7 di an r, na-raa da Penba a. 2.S,
primeiro audar, o.ide necelio Bcnsionistas por
preco commodo : o meio piwssor preimette
muito se esmerar no adiantmento nos. Acha-sc aterto desde o mesmo dia inuur-
se-de primwrasietras a noute para aquellas es-
siasque nao puderai frequenter duranre o da.
Precisii-se de ain meniuo brasileirq' de i' a
14 anuos, que tenha ou nao pratlca de taberna
na-i'ua dos Pescadores n. 43.
ado Francis' Cario-
da |afi#l| do Kio de
9, fttfnfi^lima agW-1
ra ovitilias, e do- .
raTreflWoW<|iai7sTelP^e*oallfcbilitadii,('
uw* Ue^utnUpoS,*Hcarrcga-se de todos e qu
quer. negocios jdiejaes. em 1 e_2 instancia, co
aefw> rtvl4s, rrWies-e nimaiWf I* recursos,
peb- jnrj\,'rodftmiw de antiguidade dt magistra-
dos, eto., eU. *
Incuine-se ontro sim de liquidac? cumm^-
es, de vefifieaoes, o ajues do coi e, de qo-
twutcos de divida, de rrec.wfaicos Of matricula t Jisa, o oowmerViiHH^wviHuje-
le ludo o r, nlpier tMbaH*'ftHTn-f "iiquet''
ubi de ser fel* peante as r tiw da rerte.
1fcdiant*"i-rondlcftese!rarntiasfiH-in Mpnr-
ti'S estipular, adiana dinliei'.os sebre i.s arrecada-
cSes e ilin-ii- s que Iho pwccerem seguros, c li-
q cilios.
Presta-sc r. ftrneeer a tnfornia^oeMrac exigircni, e que. pdr obler, so-
bre anfuntipts e interesses que Htes digaui ress
poilo.
Sons huasraios e cotmwsoes ser*' razoaveis e
moderados, rtgiihndu-se pela importancia e difli-
cuidades qoe ofTereoorcni. tides.
>. -<]ne drse6 serv$06 qaiaerem
Str, podViao -dttigit-* i*'-"aliicnte, ou por
a*i escrjjjlfi io ntn ntdicjulo, dewndo na
iioda hypothese remcwe* os documeitbs q$c
KiWm ou'capi. fiel dolles, e una infor.ua^oc'-
JuiWtanciada.'eswipta, e assjgiaia sobre o nege-
&> o i ncgiH'ios que liverem4e ser tra-ados. Alem
"rteta remessa esselmores (me morarejn forado
marjcpio neato, o cm qualquer- da? fshwtncias
levero enmpetontemonte autnrisar pessoa id-
nea, residente na corto, com quem a aife&cia possa
eut**der-.se e validamente contratar.
O liel desempeKlio dos seas dcvtetMs para com
lodos, e especialmente para eom aquelles, que nel-
la conftarem. cwistitne o fundo' capital, coa. que
a agencia principalmente cunta, .e pi r isso tem o
uiak \ivu mferesae em mante-lo, e lia ik zela-16
ci)ni a mas vigilaate oliitude.

Compra-se tuna burra ( cofre)
Crespo n. 16, primeiro andar._______________
0 mazeo de joiis
Na rua do Cabug n. 4 compra-so ouro, prata
c pedras preciosas por preeos mais vanlajosus do
que em outra qualquer parte.______________
Compra-se mu molequinlio de 4 a 5 anuos
de idade, (puf nao tenl vicios, e que soja sadio.
a pessoa uc tiwr e quizer vender dirlja-se a asta
t\ po^rapliia .para tratar.
"^Cmnpra-sp3 portas com0 t|. palmos de nltiira
c com 4 l|2 de largo, mais una janella com i 1|2
de altura e 3 1|2 de lai-^ *k> do autarcllo o j.
servido de outras casas : n-.m quizar ven<_?r cn-
lenda-se na rua da Solodatfe i. 32, ou na rua do
Quehnado, loja n. I, ou annuneie por este jornal.
i il i .....___J____
C.iixa'di'envelepes de coros.
Ditas de envelopcs com tarjn.
preta......-
Uilas il cnvelopes blancos grau-
aea.........
DiUts de envolojtfs grandes e pe-
queos. .......
Libra de laa para bordar, surtida
Duzia de carios dOiCOi%_it r;-\\-
ii7.es com 24 pares cada cailw
Dito de colbetes de nieto! prin-
cipe para .sopa,.......
Dita de ditas para (aikIiu de BieUikpiuuiiep1"'8 :''
rar assucar. ,.....
B(*uiulura(puia collete. ...
Pares de luya* de. fio darf^ocia
braiK'aii de coas ^\ai:;i tioiiiriii.
Ditas de ditas para senbora, .
pita nata siuio de senbra.
jiti d,) sapt^lioi defBSJPf**
VENDAS.
Na rua da Cooceico u. 20 prcis-se de'ana
anta para servico hoento.
0 MUSEO DE JOSAS
2___ci__4r
GOMES DE HATTQS IRIHlOS
tendo feito completa mudanca em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joiais, com o fti de
dar-lhe maiores proporcoes e elegancia, cout idatn
ao publico em geral e com especialidade as xms.
Sras. de bom gtmto a comparecerem pessoataiente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RUA DO CABUG N. 4
iid-ei_eratrarao um completo sortimenlo do que hr.de mais ftlega*^,
blk> e precioso em brilihantes, esmeraldas, iWHiiB-e tudo que era ttTas
de ouro, prata e piatiua se pode desejac
ADERECOS DE BR1LHHITES. ESMERALDAS E RUBINS
de ovos gostos, etjaederem oa.uzar um^raude eflfeito nos trages quar>s-
niaes- assim coime grande variedade de *u1vas e piteiros "de prtta cxdii*
tfatda e de.^ob ainda nao vrto'.
aqualidado dos objectos veudSdas.
*****
Amas
Preisa-Rf. de anas urna para ngrinimar' e ou-
tra phra cosmhar : xa rua aos Bifes i?. V9,
' Prria-se de urna aiiupara cuinurareco-
sinhar p&rt. una pessoa nffnPll* sarjo n. segundo andar.____________ _____
l'reeiaa-se. de uiia ama : na rut streita do
Cosario n.'24.
______________________________________________ _____________________________________________________________________________________________________________________--------------------------------------------------------------------------------------.,
Tb&Has vermicidas
He
AtetoiHd IVues de Castro.
Etfe rtcTfedfcido preparado, que t_o bda
acCelta^So WtB'toreeido nesta proviada,
tmvtfi se 'itctmlhi para acuTacdrla
das latpl^ns, sat-rt-as, caspas 'ytoda as
raJeVti* fl t*He.
Depoeto titrieo,
Pharmacia de fliMlholoraeu A C,
35-^rna larga do ROsariftSi.
Em g. M-* .WgnWho, toa n. ., rnte* de
chegar a igrAHLanda se ureeisar-i que enteptwia fe|onianaD vfctura, paga-be
bom alugucl agradando.
Alug"-?c ufri :*scrvo' 'ffef'a n'ii de an
ni do assncarauttri iervt?o d.alvimnga [
bom jcanocjrh, hft tm 4 Ca^a^n..^, armazcii
. t- Hoga-st; as autor
oc WWpp ^ajiprhWri^r'
OLEO W HOGG
Figados fresca de feacalhi)
Para cura certa de phtisica, affeccoes escrofu-
loss, tosse chronica, Iraquaza dos uiembrus e ilc-
bilidade geral, recomim.'nda-se a.okceUtneia tK'stt
oi< anda por ser agradavel no paladar.
VENDE-SE
tk
Pfiariascia- o drogada
DE
BAltTHOLUHEU i C. .
34 = Rua larga fia f&aif> ^-- .'4
Hna>HrWr^
..jrdadoj. .
fxjasdtcaecfliBlh dejfl_a^
Kscnva lina para limpar anuas.
Ifitaa de a*W-,......
{ Peute. pre.t I (^ai^iiCoiQ ;iip;u<:Ilt'id'' i'IiihuIm
a (140, 1^-200- e. ..
Poneca de n-ra 1A00), 1A.0O,
3(51200,. l_W00 a.....
Ap(Wo/ie yw<$ana para al-
, moco e jntar......
MH de^ yspoja. .
C*xa esul-pafifil hjani-d-c
de ft)-
encar-
Infiadores para vestido?
Cafta de linlia de marca
nadajea-ul.......
s do lia para menDOt.
.....
i/iaflttij^iaparafc/.cr
DHas de eauitet.eosi H
1 brancas e de eiures. ...
'Fita*' lftparvJW!p-imi d'- tu(lil
^gpCres-V un .*t.'
i teJe -Us
tic*
m
70S
600
900
2040
600
360
60t
600
SCO
-
mm
2J0O0
900
700
280
400
800
160
Bnas sraras ircnHMis pprfeWa* angn*. Ifcfe. it dit-'VS 1 iraufa. -
deiras, bonitas titruias, Iflide 91 a ?! annos, 4 h*eras~de>fita de liulio para C_.
ditas para todo scrvictt-itdita par-casa e iut_Ln:^ r^^ ^-K
ma idade. pnr430lmole(me pecado JdaM'"1 i 1.....' '
ancos,! mulato lSta-rbpelro e ewdntoire :
travessa do Carino n. 1.
enchainiis e travetas
30j
MI
260
900
500
406
Vcnd__:e enciiauuis e iravetas do
sti|ii-iior ^R-adc e dous lioHitos mastroa pnra
foarcaca, tnd<> por barato pfeco : a tratar na tra-
vessa do (_tro(a n. _, Caes du Ramos
Veiute-se
A casa terrea da rfla do TVragao n. 18 redMl*
cada e pintada de novo para poder morar qual-
quer familia : a tratar na rua da Cadeia do Reci-
fe por cima do armazem dos Srs. Ferreira & Ha-
theus, do lado do cesdaAp^ljL .
Cliegaram as novas sementes de hortar^a
de todas as qualidadeg: najua da- Cadeia 4o
Reife n. 50. ______ v._______, ,.
Vende-se azeite de peixe em garngu .a,5(S/
ri, em caada a 3600 e em haril a .'W<00 r>-i>
vallas para carro a 1*000 ris Unra, na tna oV
S. Francisco n. 70.
odtt Ditos pretos com chapa, para ali-
itirri ......... 400
Bt*iBbaiteob....... 320
Ditos trancos finos..... 400
Efcova para lentes a 16Q, 240 c 360
Dias-parafaljeHosmuiacinas. 90*
Pecas de franja para- to|cnBi
14 varas a pefla.. 2#6fa
EntremeiOR-bordaios a pera 500 c 600
IVUltiSros'chi porcelana 1 1.5500. 2^000
Bajaiospara meninas de escolla
boiio dosenbo a 500, I^dOO,
Ifi-iOO-e........ 2000
Filado sari_,detodas^s cores. 1A400
GcavaUs pretas a 400. flpO
Attenco.
Vende-se somentc para esta pra^a um nejgf i-
nha de i. annos e urna negrinha do 9 annds, a
tratar ruado Pilar n. 63 primeiro andar.
murade diversas obrafle poYa e cal po
|j_ir, bons viveiros oom *w_d_nt pebe, baixa
panaHipim, t>o ti^rat (Ntra (^Ipt^t-ip c.mi ex
teA'altB fructer;i8 ; ,par* ftf afijar.^ aualquer
boija,e,nara aiustar com ],o.a.quim .de 'CjBypira Mil-
lo, na, ra da nora jtiw b nsno tWi, on na
fumtir&rt da '.Wrnra.________'
~=^e5e7se du ^ora^'fltfafc, Salas, sbb-
do- nula preta rom tiablftlafes, eloaMa." muala,
aaibas paia{ora>da provapia j^rl^^to : na
ruada Praia.n. Si.
Attenco
Na ru* de Apollo a 88, armajem de assqoar, lut
para vender altjodo da Qahia da acreditada telri-
ca de Pedroso, aito liso muito hbm, dito trancado
da fabrica de Fernandes Velho,e cal de Lisboa a mais
nova que lia no mercado ; ditos artigos senikU
UcatjiMw MUtfb 3r, lw.'4t'ngbi) da SUV1 *"' twlo do que e ontr.. gri i| a negoei,4o seu tterwfftaii rua das,iiruies n. 9 11 m 1 n
segundo andar, dasyg^^eio da III. 1 1 i
r captos
_ ewrav Airtoni*, par
pouca barha, esuttnra regatar, cheio Jo
otaos gutaros, te*tMtt,_W*filaQ,
Maar.'inins'e ps grandes, caneno -respi
f 5af*^i3S_l'a_SR
ilWre etba Vestido nauta de teodcaimbo
1 <9. ?* P/fA. chano de baAa tt|,. qi_..
rcapturar leve-o a lojh d& Uta Ftra i-rea
%', ^ttfrefi f^fthpBbialo.
Precisa-s satnri -tM mora Amonio
da Costa, pintor, 'nJAdr' cidade do Porto,
, ttWo^Wnto da Crtttue Marta'babel,
-jtar ette sea nMo, tmmm Pinto da
)<}1 Janeiro, no vjir
sulas de
Os botis ctTeitos dostas eaiula para ft'er cw
tatr edgoBorrheas achaawn flon^roy_0a> ftm
exDprineias da muuos nma ____u.
QS4ncdicos de todos oeoue.as re,lomtnaiP*M
Mi&iZ fllcacia. fr^F
rWfT VENDE-SE

Phaia-urlii, r# a>t>t<>
1 xMkt igr sumnttf' itaaiaa*!
rzla
cottfatar
ffortifi^r
'wnH^
I '.



?DUrb de 'PeniMnbi*co Qarla lyira 24 de Fe vertir, de 1869.
Lindos curtes do caisa de cor com barra.e rom figurino indicando dfflolde do vesti-
do pelo baiutissimo prego de .1>;J Ditos de [tercalia juuilo uodei'ims com dn > safas a '> MDOO ris
Na lo das-Columnas da ra do Crespo u. 13 de Antonio Correa de Vascon-
celos d C.

\
flQ MVTJrf^ em1wdas" P>rtes do mando, empregam, com o maior xito,
yo iI1j1^1 (cores pallidas), as dores do estomago, e a exhaustacao do sangue; com esta preparacao, dio
ao corpo o vigor, ei s carnes, a sua firmeza natural; facilitara o descnvolvimento to labo-
rioso da pubcrdade. Com effeito, ludo, n'este medicamento, se acha reunido para lhe
asegurar o maior crdito, pois que entram, na sua composico, os elementos dos ossos o
do sangue. O sen autor, M. LBIU8, doutor em ciencias, pharmaceutico, professor de
enymica, inspector da Academia, foi, recentcmente, condecorado da ordem da LegiSo de
Honra, digna recompensa dos seus importantes trabalbos.
As seguintes apreciacdes dos mais celebres mdicos anda vcm corroborar e justificar
todos estes ttulos confianca publica :
t Precisa elassificar o phosphato de ferro soluvel entre os ferruginosos que melhor
convem aos doentes cujos orgos digestivos supporUm mal as preparac3es de ferro.
SOUBEIRAN, profeuer na Escola de medicina e de pharmacia.
0 phosphaio de ferro soluvel em quanto a mim, a melhor das preparacees ferrufi-
t nosas, e o seu emprego d os mais promj)tos e seguros resultados.
ARAN, medico do hospital Sainte Eugnie.
* A forma liquida do phosphato de ferro soluvel d-lhe urna immensa vantagem obre
as punas; eu considero este medicamento como mui superior s preparacdes iodadas.
ARNAL, medico de S. M. o Imperador.
Entre todos os ferruginosos, nlo conheeemos um s<5 que obre lio prompta e efBcazmente
como o phosphato. de ferro solavel, e isso, sem cansar o estomago.
BELLOC.fiAL'ME, B1G0T, FOLLET e PRVOST, mdicos dos kospitaes.
Os effeitos da preparaflSo de phosphato de ferro soluvel nie parecem ser mui seguros
e promptos. BEBOUT, redactor em chefe do Bullelin tkrapeuiiquc.
t Entre todas as preparacoes ferruginosas, o phosphato de ferro soluvel W a que sempre
me deo os melhores e mais satisfactorios resultados. GU1B0UT, medico dos hotfitaes.
0 phosphato de ferro soluvel (em, sobretudo, a vantigem de evitar a constipaco e
convir aos temperamentos delicados, e Dr FAVROT.
Deposito em Pernambvco, em casa de urer O'.
ALTAS MVMDES
LOJA DO PASSO
Ra do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador.
tasso notos.
PREGO CORRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
l}a fabrica de
PARA QARESMA.
Gorgoro preto.
Selini macan.
Sedas lavrailas.
Moireanlique preto.
Gros-de-naples
Basquines de gurgurao e de gros-dt-na-
ples enfeitado com primor.
Corpinltos de gro-de-naples.
Basquines, captabas, pelerinas, iclius,
de crochet e de gui[nir, pretos e bramos.
Mantas pretas de bloml.
Riquissimos chales de touqnim.
Requissimos diales de gurgurao de seda
preta o melhor oeste artigo.
Chales de miriu pretos cora requissimos
bordados c franjado de relroz.
Chales de mirinj bordados snltane;
ultima mora.
Romero pretos com Rudos bordados.
Leques de' ntadreperofci, mai-fim, sajida-
lo e osso, e patitos, para leakpras.
Ditos de sndalo para mTiiiias.
Chapelinas pretas.
PARA CASAMESTOS, BAILES. T1IEA-
TRU&, etc. ele.
Lindos cortes do' '&lond, coiundb setfm,
nautas e grinaldas.
Requissimos cortes* de sedas assim como
paractrvados.
Grtrgoro^lranco.
azul e ver*.
Grs-de-naples brftcos e de cores.
Seliin branco macau.
Setini. branco. azul, verde, cor de rosa
e ama re! I os.
Fil de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas saias.
Chales de gurgurao de seda de crt.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho Bordadas com primor.
Lencos decambraia.de linho bordados.
Riqiissimas colchas de damasco de seda,
assim como de seda e algodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos1 de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
Chapelina de palha 'da Italia, assim
ocuto de seda.
Eiifeites para cabera de senhora.
B*parlilhos para senhoras.
Mi-i.ts de laia para padre.
Ditas de 13a
Ditas dt
para senhorcse meninas.
Lencos de labyrinthe..
Fronhas de-rabyrmlbrj.
Ricos, rewiai e grades-,
Fnbsmas cawbraias li? cores, prenles,
las, e outros nluitos arfijjos de gr5o e
de alta novidade, isto so
Tem para vender era seus armzens, ajvw d^f eo-
tros, os seguales artigos :
Papel para imprimir.'
IVrlina azul. *
Greve pautado e liso.
Yinhos em caixas de dozo garrafas
Bourgogne.
Hfcry.
Maicira.
lfeiuiilage.
r.lianililis.
Licor de curarn de Hollanda cm falsas dcvin-
teequatrobotijinlKis.
Nosannazcns de Tassolimaos.
seda lio da Escossia r algodo,
Moiriantique branco
Na loja do Paosarua do-Crespo re. 7 A, exniina da do Imperador.
ffrntfi
it tes ma
irmdecin*
dr Ptrit.
III
POS
"MI
$M
PharmacrMco
laureado
i* (cadma
4$ nedetin.
Eua Nova n. 23,~Rua do Cabug n. 8
PernambiEico
Citos de seda trancada, Paragon, de Miaste*, r> poUegadas a m ; 26
pollegadas a 5fi, e 24 pollegadas a 14,5000.
a o I)lt? de sc de 20 pollegadas a W ; e ti pollegadas a lUOOft. i
Ditos de seda G.. de K. usa, de neo, de li bastes. 2S pollegadas a m : de
26 pollegadas s 41* ; e i pol'.egadas..a tO^OOO,
wnn ^^ de ^V3**' ^ af-o, ^ 42hast Pw duzia faz-se descont de 16 0[0
Chapor de sol de panno, de baleia, de 8 baste*. 2'i e 26 poHcgadas
a duzia. (Deseonto de 10 0|0).
Ditos d'e panno, de junco, 8 hastes, a 18,3000 a duzia. liquido..
aX2
As prepar3f9es lerniginasa liquidas tem deade aaito aniK* merecido a approrceao
especial aos mdicos, porque ellas obrSo mti* rpido e seguramente doqoe as pilota, e
sao mais fcilmente toleraos* pelos doestes. Os Pos ferro-manganicos possuem a inappro-
ciavel vantagem de poder offerecer n'um instante um agua- ferriginosa gaseosa, de gio
agradavel, mais activa do que ao aguas miweraes, e coatend* de mais um elemento precese,
o Manganese, que sempre se acha no saiajae-, juDctamcsrie com o ferro. Emprego-se eav
todas as molestias que tem povaasa o mpacrecimento do sangue, assim como para vigerar
os temperamentos debis e lymphaticos. A cklorose, aa Perdos trancas. d&r9tte$tomaga\
a irregularidade da menstnaeic- e amentrrha ou suppvessSo do menstruo, ceden rpida-
mente a seu emprego. Devcraos mencionar aqof um facto aotavel, isto que os doentes erra-
dos pela agua preparada com estes pos esto muito monos expestos a recadas do i|ue|
aquelles que forao tratados pelas preparacaoa ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pertambuce, em easa de M iC;
'.sy.-t.-f^;^;.
'.V.'^>. :'/f,^y.:^\-^i-^t\-^.:^^^.Vy.^ i
ParauBousict? militares.
Completo sortimento
NO
BAZAR DA MODA
> RA NOVA N. 50,
Esquina da ra de Santo Amare
. 39 por mono e M*** P *,
JOS DE SOUZa SOAIES 8r C.
*-,^^iUJAJOVA I. a
ESQUINA DA RA DE SANTO AMAIUL_
m: i^B*i,%
DD
PILULASrcBLANCARD
coa iowheto d& n**o iNAUtmvcL
'APPROYA DAS PEU ACADEMIA DE MEDICINA DE PAMS, KTC^
r Possnlndo as propriedades do lodo ot do ferro, eonvem-ospoeialmeBlo as KrrT.tr.tf 9
BSCitoniUMAS, a Tsica bo prinr.ipio.n ftturueta d lemptrmmmto otasobemnos cosos da
Falta tk cok, amenokrhea.oib que proaisahkagir sobm o sangur soja pararestit jir
lhe a ana riqueza a amindeneia normaos,.oa para provocara regular oseo curso pertedtt.
y. B. O iodurelo le ferro iroparo oa tlurado i a xditmept. infiel
irritante. Como prova de puma e-de aotheneidade daa >> 'ei'eivaa SM
tala, la elannri, dere-M exigir nono m yrU inaeMia
nosso im, aqni reprodnrida, ooe se arria, na parta inferior 4e a
r o tai* rrflf. Reve-se desconfiar das fahifioacoes.
Arham -.. em a- l.rnri. Mrwyv>f.s,r% Jowajarte, *0, J^'fjj
I irritan
k al
^k nos
Grades de ferro
para jarOfau, porteiras etc.
Nos armzens de Tasso limaos
CAKKIN1IO* !: Flll no
Para sirvios de, grandes armzens, para remo-
ver barricas ou raixoes de um para outro, lado pelo
mdico prego de 12000 cada um.
Farinha de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panmria (verdadira) Fon-
lame grande sortimento das meiliores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de farinha de trigo do
Chile
Todas novas, eliegadas ullhnamenfe oos arm-
zens de Tasso lrniSus......
Cemento romano
ro armzens de Tasso Irniaos.
Cemento hidrulico 125
O meflior para ludo trae sao obrt para agua, co-
mo 'assenfamento de canos de esgoto, algprozes^de-
psito, lamines (Tagua, etr, etc.: er porcoes tte
eincoenlo harriras se far ceduc(;3o neprego : nos
a>mazens de Tasso Irinos.
Cemento Portland
O verdadeirfyeementoPortfMd em casa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc.,'etc.
De diferentes ((miUlades para serrados *?- ani-
macs, cli galinbas otyjardins : dos ar-
mzens de "fsso irirwbs.
jBarris eom br?u
Xos annaaens de 'Vnm> Irmiw.
CANOS DE BAERO
Ka roa Nova de Santa'Rtta, na antij fabrica d?
saKto, ha par vender por proco- o raofs mdico-
possivcr, cano.- franceze? paira edifica^oes eesgo-
los detoda a qnaiidde,iiuajarluresva uktes os que
aift tem apparecido pela iod solidez.
PRBeW
'^OOporcan graneo d-X e mea jr.wVi'aday.
f llO por dito de 2 e Jrytjoartos de Hit.
i pOOOor dito>tl8 2 e uw (farto de diO:
JWOris por pistoleta di1 ZJrJIegadas.
Oifirvi'll.ts, curvase cano'de maior gsoMnra.a
vstale far o px&>. Compra? maiore efe 2005
tem 5por centoxte descont; por pronrattt paca-
mertfi. Pdt-se tct as amostras nos iwnazens
de Taesolrmaos.
Tijofes fraacezes
Par'tedrilhar raH Ierre won asseio pfecos
iiiodiens,- muito cmsvrtnientcts tv-pmprins paf^vlwlri-
Ihos 6> eosinhas am snbrAdbHv p4o seu asseio e
evitar a-passagem-do aguas pa o andar Fietrior
iMii-'sin o perigo Jb fogo, ao pretos de 30fi8l);i
450001 o milheir*>: na ra Jiavaide Santa Pte^na
antiga Cat>rica de sabau, e compras maiores de 20
so fai 5 por rento- do doscooOppr prompto paga-
mento. Podem-so ver as amoetras nos arnawns
de Ts>lrmao8.
Veas de espcneete v rd'tleiras par.".- ten-
ternas tecarros: nc-armazera de Tasso Innios.
Vito do Por Uno- superior : no annoneni
de aaSSOlTDeiOB.
Oj-melbor ccgna Gauthf erFreres: no ztmaa-
zem de- Tasso Irinios.
Esteiras dn India
Em easa.de Taoso- lrmaos rende-se esteirs* da
India, do diverso* paatroes vlrpuras, por perjo
rommanV
na do
espensi
^.V.GHtM^
HHAuVlcitie ?c. >*
Aim
TRIUMPHO
"QUARESSIA
QUARESMA
QUARESM.\. .a_, *
. ^ io^5p-r.^n[es or procos inteiraraenle redutuda, assna
Grande sortimento deag^^^r P0' .Jl0 de guipar ftizenda do ulti-
como basquines de g^-de-nap e e gtirgurao pieto mws ^ i ^^
mo gosto e outros mu.to^ objec o ro pr^o paja a es p*j ^^ ^ ^^
VietTcZ SSK K'de?dosPadr5es peffdimlnuio prec, de W
a 250( rs. o covado.
Alnacas de lindas cores, lisas e lavraaas.
aaSas com listras de seda para 10200 e *?>000 o cavado
SSde SS padres par. 500, 700,800 e 900 rs. o covado.
Cambraias brancas de 45000 at 80000 a pega.
Ditas de cores de lindos padres de 610 e 800 rs. a vara.
Saias de laa com bonitas barras.
Raip* de cores, brancos e do arcos. "aa.iv
&Se-naples pretos o de cores que se vende por barato prego.
Organdiz branco, brilhantinas brancas e de cores.
Espartilhos e entre-meios bordados.
Mnnm s braman^, a?oa hados de linho e de algodSo, e outras mu.tas fazendas
25nS^^ iriumpho poder comprar coraecononm mm^s
Bonito sortimento de casemiras pretas e de cores, brins brancos e de ^res, camisas
re KntoetSSfe ciroutag, mantas e grvalas do que ha mais moderno, chapeos de osl
d SVal&utras mitas fazendas que s vista poderao ^f^eJ=^ %
zer qualquer obra dealfaiate para oque tem um hbil meslre, tudo por prego que so
encontro no Trinmpho! ra do Queimado n. 7.
Alegrai-vos myopes, e presbylas, ja po-
dis ver de longe, ja podis ver de perto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortimento de
oculos, lunetas, pince-nez, face--main,
lorgnons, de ouro, prats, tartaroga, marlim,
ago, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
assim como binculos de urna a tres mu-
danzas para thejtra, campo e marinha da
ultima invenc5o ; duquesas, vienezas de G,
8 e 42 vidros, tudo dos melhores fabrican-
les da Europa.
0 mesmo vapor trou-
je urna excellentes nw-
china para gradual- e
observar o numero dos
vidros que se necessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excedentes ste-
rioscopos, instrumentos de mathematica,
barmetros, vidros de chystaj de rocha, e
de cores para resguardar a vista; concerta
todos estes qbjectos a pregos commodos e
com promptid5o; tira o, mftfo dos vidros e
encarrega-se de toda a encommenda relativa
a ptica. .
Recebcu tambera* os excellentes relogios
do antigo e afamado fabricante Robert Gerth
garantindo a sua superior qualidade.
DOENCAS das CRI ANCAS
o
XAROPE oe RARANOJODADU,
______ TL
Reta medicamento goza em Paria e no mnndo Inteiro de nma fama justamente imhNr
J^XSUte combinado neUe oiodo com o eco das planta. ^"^.X"^
f^^nhedda enas traae i naluralmenie existe o todo. E* com aste mouvo qne ella suppre
' l.CSo StoO de figadoa deBacalho, qne deve, secundo os homens saenUcos, a su.
T ^ a^^nca do iodo- E' preciosa no tniamento da. crlancu para combater lymphasmo,
^ffiPSHS" do pescoco, e u diversa. empc5e.^0 rosto, Oo roqneates nu
".dTnOTe! idade T7nico aTpoVanvo ao mesmo lempoT elle eiu o anpettto, faarta a
%$> So o. ieoidos a a Lie e vigor n.turaes.1' cada di. receiuo peto* medtOM
2S3si para combator as divena. .ffocc8 3. peUe.
Deposito em Ptrnombuco, em casa de Uamrm q.
Ulumlnapo.
RA DO C1\ESP0 N. 16.
Duarte Pereira 4 C, tendo recebido pelo
ultimo vapor grande e variado sortimento
de baloesde papel de-diversas qualidades,
e do mais moden&gosto, propros para
illuminagao tantfl 8a cidade como do
campo, assim o fazem constar a seus nurae-
rozos freguezes e ao respeitavel publico,
afnn de que com tempo se previnam, viste
como altento aos ltimos successos da fuer-
la se espera a cada momento a fausta no-
ticia de sua conclusao. A illuminagao eit
bal5es de papel alm de ser linda menos
dispendiosa possivel, os annunciantes ven-
dem-os por pregos mui razoaveis,
Escrava
Vende-se urna escrava, que lava, cosinha,
compra, e bda qui-andeira, com 30 anuos
de idade; a ver e tratar na ma do Pilar,
em Fra de Portas, n. 62.
LOJA. DO GALLO VIGILANTE
Ra do Crespa n. 7
Mandou vir de, sua conta e acaba de re-
ceber pelo ultimo vapor, completo sortimen-
ot de objeetos de no>idade e phaatasia, os-
quaes est resolvido a vender, per pregos
nimiamente haratos, para assim;aniniar aos-,
concurrentus e ao mesmo tempe.dar. sabida,
ao grande deposito que tem: isto ra do.
Crespo n. 7, loja do Gallo Vigilante.
Gollinhas,.punho6 e camisichas para se-
nhora, asendas de gosto e novidade.
Finos vestuarios para baptisados, assio.
como touquinhas, sapatinho^ e meiasinhas
para o mesmo liiu.
Grande sortimento de bwos e rerdas de
crocita e de outras muitas qualidades.
Superiores canas com laiisioas e sem el-
las, tendo o necessarjo paca costuras, pro-
prias para um delicado mimo.
Finas caixas. com tentos. e sem elles para
valtarete.
Agulhas para machinas- de costura.
Ditas para croch, sendo de ac, narfim
e outras mwtas qualidades, assim cmo li-
abas para o mesmo uiister.
Finas grinaldas para noivas.
Meias 4c borracha para quem soffre de
erysipeUa, assim como meias do La para
os que sofrem de Fheumatismcv
Suspensorios para homem'e meninos.
Finos pentes de tartaruga para ceques a
de outras militas qualidades e para outros
misteres.
Dedaes de madreperola, marta), osso,
ago, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome para fingir
cabellos, dando aos mesmos a sua lor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas perfumaras
dos memores fabricantes, assim como mui-
tos outros objeetos que imposaivel des-
crever: isto so na ra do Crespo n. 7, loja
do Gallo Vigilante.
Colares Royer elctricos magnticos con-
tra as convulsoes das criangas e para facili-
tar a dentingSo das mesmas, o Gal'.o Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
coUares e contina a ter sempre grande de-
posito, ra do Crespo n. 7.
Meias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes meias elsti-
cas dej)orracha contra varizese erysipellas.
,.Vende-se na
Pharmacia e drogara de
Rartholomeu & C.
34ra largado Rosario 3
Manoel Alves Ferreira & C, na ra da
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
superior potassa da Russia embarris 3 meios
barris e c de Lisboa da mais nova que ha
no mercade.
HTacarthy
Vende-se na ra da Imperatriz n. 3\ priniei-
ro andar uma escravinha com idade de 9 to
annos,
11 acfciuns fe de*<*.t tncar aloaSot.
Hojo^neest roaonhecio-que aj-marhiuas de
serrote- prejudican* o quebnu a fiboa do a^oJSo,
prea > recorser. a piacMnismo atenus aopero,
que jjroduzindo o. mesmo sarvico qie aquellas, e
facilidatle no tianaano, nao uelir.-s a fibra da Sa.
para que essa po^sa obter-aos mewados euiopeos,
a diflereut-a quu ha entre o algodS descaro^ado
pin-.a r'aMfc>emrle'!ot:o,peloprejpizu.q- tem rjasado,
e o a antipa koiBdeini, que nao- pode rj*petir
peia morosidad de seu amlialn. E' assim que
estas machinas so tomainas mais- proprias- para o
nosso alfiodSo, porqoe ao par da facBWade e
promptido eoneerva a fnn da la, que limpa por
ella, qualWeada na Europa a par da melBor bo-
landeira, vjkmio assim entre 10 arrobas 20 0/0
mais do qu*> a lia limpa pela machina tl serrote.
Estas machinas nao sao navas, pois que- ha muito
estao adoptadas no Efrvpto, aonde as <3e serrote
foram intairamenle ahandonadas, e por isso o algo-
do daqtwta procedencia, sondo da qutlidade do
da noss* provincia, obtOHi hojo de 10- arrobas *
0/0 mafe do que o nosso : vendem-so a S00W
nos areinzens de Tasso Irstos.
A NOVA ESPERABA
2l=-Kua do Queimado = 21
L para presentes
A Nova Fspoi-anca, ra do Queimado
n. 21 tem um variado sortimento de objee-
tos de gosto e phanlasia proprios para pre-
sentes, sobresanado entre elles ricas caixi-
nhas de bano com finas perfumaras, cos-
turaros de chagrn, agulheiros de madree
perola : assim, pois, quemquizer fazerumi
inda offerta,.dirigir-se Nova Esperanga,
ra do Queimado n. 21.
Collares anodinos ellecro-magnett
eos contra as comnilccs das
crean gas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
collares se vendrm por ahi intitulados os
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitos
pais de familias nao creem (comprando-os)
no effeito promottido, o que so pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanga, porm
que detesta a falsiticaro principalmente no
que respeita ao bem estar da liumanidade,
fez uma cncomntenda directa desles collares
e garante aos pais de familias, que sao ot
verdadeiros de Royer, que a lanas crean-
cas tem salvado do- teinvel ineomrT.odo de
convurces, assim ?ws precie, que ve-
nham a Nova Esperanca a ra do Quemado
n. 21 eomprarem o salva vida, papa seus
filhinhos, antes que esfes sejam acomnsttti-
dos do (errivel mal, quando ento ser di-
flicil alcancar-se o effeito desejado, embora
sejam empreados os verdadeiros collares
de Royer.
Para extmguir a sarda e
panno
Recebeu a Nova Esperan^,
Queimado n. 2T, leile de rosas,
psw extinguir asrdts e pannos,
BOIHteA DE CERA
A No* a Esperan^* a roa do Quemado n
21, aear-4 de reneBer um completo sorti-
mento oe finas bolecas de cera de diver-
sos lmannos, sendo as maiores do com-
primen! d'um covado ; estas bonocas tra-
zem bfisilos coque>e botinas, havendo en-
tre ellas algnmas qno fafbm e ou^tis que
choram de sorte qiie'faertmente poriem ser
preparadas, e fazer-se-'jm presente tfcsauita
acceita*;ao.
Finas oixas de tarta-USf para rap' ven-
dem-se a*/ua do Queimado n. 21 n>'' loja
i da Nova Eivperanga.
Modernw brincos de sndalo, s se- en-
LTjntraio na Nova Esperanga i ra- do
Oueimado a; 21.
MEIAS DE DAA
A Nova Esperanga a rtra- do Queimado- n.
ili acaba &$ receber vm especial sortmen-
to de meias d laa par* hoirrern e seailora.
COrmtA AS CttTOESTES
5 mal -terrivel a coa?est3o fulmifitmle:
de repente leva um invido, d'esta. para
milfcor vida, sem dar-lhe terufi) de receber
contersa medica; dci*tandt> as mais- das
ves?s mulber e fillios no mais amargurado
pranto ; a Nova Esperan? que deseja pses-
tar aervigos reeorreu a Vojer, o qual- lhe
mar.dfjuanntis-elctricos magnticos, como
o ubco preserwtivo prasMelhante-mali
elles antes qae- se acabe: oa Nova Bpo-
rane'
NAVALFfcAS
A Nova Esperanga a roa do Qu-iined
n. 2S'receben, tan sortimento de na/adas.
de qaalidade, e tamanl os especiaos assim
comoafiadorase massas par as niesma*.
L1NHA PARA CEH81R MEIAS-
ESta muiio necessarkr linha vende-se a
ra do Queiiaa*lo n. 21- na Nova Esperaega,
BORDADOS BON1TOSV B&NS E B.tftATC6
Esparlilhre-s na Ni>v. Esperanga. a na
do Qneima(lan..21.
Semeates.
Caegaram as novas Smenles de bortaMe* de
toi.is as quaKdadcs na na. da Cadeia do Hwife
11.3.
urnas mam
FIMDICIO DO BOWItllN
lina do Brntu u. 558.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas (le canna.
Taixos de ferro, batido fundido-
Rodas dentadas, paia moer com agoa,
vapor o aaimaes.
Alambiques de ferro.
Formas para purgar assucar.
E outros muitos objeetos, etc. etc., pro-
prios. para agricultura.
Tintura japemeza
Instantnea paratingir os cabellos e a
barba, a 10000 a frasco.
E' a nica approvada e recommendaiV
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
A venda em casa de Gustavo Hervelm n.
51. ra da Cadeia n. 51.
Vender Augusto
Commercia, u. 42.
F. de Oliveira t G. i ra di
^^nee
I
Em easa de Thood. Christiansen, roa doCom-
mereto n. 16^ enoonlram-se cffectivamente todas
as qualidades de vinho Bordeaux Bourgogne e do
Rbeno.

Cemento de Portland.
Vende-se no armazerh'de Vicente FeTeira
Costa 4 Filho, na ra da Madre de Deo* n, 22,
barris (rrandes. '^f 1
N praca da Boa Vista, sobrado a. U), ven-
54e por mdico prego caixas completa com
J forma, ferramentas e mais utendlios ne>:essarios.
' para a factura de flores de cera,
m m iaz
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster &
C, ra do Imperador, um carregantent de caz
de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
e a retalho por mano prego do que em outra (juaJ-
quer parte.
ACABAM
de chegar os sabonetes de
alcatrao
Para curar as molestias da pello, taes co-
mo impingens, dartros, sarnas, comichoes
e mais molestias de pclle sem occasionar
accidentes; desfaz as manchas do corpo,
pannos e sardas, restabelece a cor natural
quanto cutis, seca, grossa, amarellenta,
occasionado por alguma enfermidade, J co-
mo desinfetantee preservativo das molas
contigiosas. ,
Deposito, botica do Pinto, junto ao quartel de
polica, u. 10,
XAROPE DE JIUHIIA
WIEPAHADOS PELO MU^MACBtTICO
Itaquilla de AJbaaaCidal
Plnttjt
As pre^aragoes de Jarabeba s
hoje vaetajosamente coahecidas e
preconisadas pelos mais habis m-
dicos, tanto da Europa como do paiz,
pela sua efficacki nos casos de ane-
mia, efclorose, nydropesia, obstruc-
gao do abdoraeo, e tambem as de
mejasiruagit diflici. catharroma be-
xiya, etc.
Vendem-se em porgSo e- a reta..
Ibo, na cidade do Recite, pharmacia
de seu compositor, ra larga do
Rosario n. 10, junto ao. quartel de
polica.
XAROPE DE FEDEGOSO
E* de uma eflicacia verdadetramen-
to maravilbosa c>mo calmante do
systema nervoso e applicado con-;:
tra a paralisia, aslhma, tosso con-
vulsa ou roque! Hche, tosses recen-
tes ou antigs, suflocagoes, catbarros
bronchicos etc. e em geral contra
todos os soffrimentos das vias res-
piratorias, e na phtysica pulmonar,
suavirtude contra o ttano ou espas-
mos, convulgoes incontcstavoT e.
ninguem ha que a desconhega,
XAROPE DE SALSA PAlttll-
LHA DO PAFL.
QD
DepiiraAlIvo do sangue
Usado as molestias de peUe,
impigens, dores i houmaticas, e ul-
ceras venreas.
O nico deposito destes medica-
mentos na botica do Pinto, roa do
Rosario Larga n. 10 junto ao quar-
S tel de polica.
dkr'diegar os sabonetes de alcatrao, nc
deposito, botica do Pinto, junto ao quirte:
de polica.
ILEBtVEL


Diario de Fei',lumnico Quarta era 24 de Fevereiro de 18<>9.
TI
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
25200 a vara; dito de" linho fazenda muito
superior a 33200 a vara ; guardanapos de
linho adamascados a 1?500 a dazia e inulto
finos a 8jj800, e ditos econmicos a 3500
a duzia.
Crochs para dulcirs na lo/a do
Pavo
Ckegaranvos mais lindos panos 'de ero-
denas tanto d'encost, como de balance e
de guarnicao, e outros compridos para so-
ta, assim como ditos redondos para mezas
"redondas, ditos pequeos paraalmfadas, e
ditos para eobrir presentes, tendo pequeos
at para eobrir um prato, que se vendein
por preco muito em conta, na loja e arma-
zem'So Pavao na da Imperatriz n. 60, de
Felfo Percira da-Silva.
Fwtcs para vestidos tarancos
aIO.
"Vendem-seosmais modernos fust5es bnu>
oos flexiveis com padrees de listas e de
lpicos proprios para vestidos e roupas de
menino a 6O rs. o covado, na loja e arma-
aaoa m waiaaafiaaao. w
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
0 propietario d'cste estabelecimento couvida ao respeitavel publico desta ca-
Sital a vir surtir-se no grande estabelecimento que lem defatendas, tanto da-moda como
e lei, e as pessoas que negociara era pequea escalla, tanto da prca como do mattn-
nesta casa podero fazer os seus sortimentos cm pequeas e grandes porces, venden-
do-se^mes pelos precos que se compram as casas inglezas ; assiuicomo as cxcellentis,
simus familias, podero mandar buscar .as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-sc esto estabelecimen-
to aberto constantemente desde s 6 horas da manhSa as 9 da noule.
O atoalhado do Pavo. AS CA.MBRAIAS DO PAV.lO
Vende-se superior atoalhado de algodab Vendem-se finissimas pocas de cambraias
om 8 palmos de largura, adamascado a lizas transparentes, tanto inglezas coniosuis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
preces de jOOO at 10J000 a peca,-assim
como finissitftOs organdys branco uso que
sene para vestidos de bailes, por ser amito
transparente a OGO,'a vara, na Ioj do
Pavo ruada Impertrizn. 00, fe Pelixt'e-
reira da Silva.
Alpacas tarradas
Chegarain peto ultimo vapw as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que se vendem a 1000, o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de canna a
800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:200,
o covado, e outras muitas fazendas de gostoa
e moda que se vendem mais barato do!
que em octra qualquer parle, no armazem
do Pavo, ra da Imperatriz n. 06. de Felfc
Pereira da Silva.
Roupas para hontrm
Vendem-se superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de sea,
camisas inglezas e francezas com os peitos
de esguio, ceroutes francezas de linho-e al-
godo, meias crues inglezas superiores, ca-
misas de flanella -e de meia de laa, assim
comoneste eslabfecimento existe um grande
sorliniento de paunos prelos, e de caseairas
ngleeas de cores, e que so manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. freguc-
zes, e promctte-se-lhes que sero servidos
com a maior promplido e muito mais 'ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. G0,dc Flix Perei-
ra da Silva.
' tJoi'tfuados
Para camas ejanellas.
Vende-se uua grande sortimento dos me-
Ihores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a lOOOrs. cada par at 25*000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
PECHINCHAS
*
Novamente chegadas ao armazem
DO
MJEAO
DE
PAREDES PORTO.
Tendo-nos chegado idtimamente fazendas inteiramente novas, convida-
mos por este meio ao respeitavel publico a que nos procure comprar fazendas de
bom gosto e por precos que nao achira em outra qualquer parfc.
Lencos bordados a 65, 6oOG e l#500.
Ricos e bem cscolbulos goslos de bis-
marks para calcas e paletots a 2#$00 o
corte.
Admirem!
a 5S, 6fif> 75 e 8rs.,
i Leau.
i#padi-oes lindos por pre-
0%
zem do Pavo ra
Fe'
pereira da Silva.
da Impertrizn. 60, de
Cirosfcnaplce
ChegottiBara a loja do Pavao pelo ultimo
varpor um grande sortimento dos meihores
grosdenaples pretos e de cores, tendoverde
tambera, eue se vendem mais barato que
em outra qualquer parte.
PeOHISCHA EM .UX.ODOShVHO a 5-800
A PECA NA LOJA DO PWO.
Vende-se- superiores pecas de algodosi-
nho com 20 jai-das a 5#300 a peca, gran-
de pechtRcha, na ra da Imperatriz n. 60
armazetn de Flix Pereira da Silva.
MBADINHOS
Vendem-se fimssimos babadinhos, tiras
bordadas e ntremelos, mais baratos do que
em outra qualquer parte, assim como espar-
tilhos dos mais modernos, no ai-masera de
Flix Pereira da Silva, ra da Imperatriz
a. 60.
ALTA NOVIOADE
A LOJA DO PAVAO
Gurgitro de seda
Ghegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
aitos gurguroes de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos elavradiihos, com muito
lastro, garantindo-se que a fazenda mais
linda e de mais phantasia que este anno tem
chegado a este mercado, e vende-se por
preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
n. 0, de Flix Pereira .da Silva.
GROSBENAPOLES PRETO A QUATRd
HATACAS S 0 PAVAO.
Vende-se grosdenapoles preto de boa
qualidade pelo barato prec* de 1 H$0 o co-
vado, eo na loja e armazem do Pavo, rna
da Imperatriz n. 00 de Feliz Pereira da
Silva.
CAMBRAIA BRANCA A 80500.
Vende-se pecas de cambraia branca
tr\nsparente, com 8 e meia varas pelo ba-
rato preco de 3^500, ditas muito liuas tanto
tajvdas' como transparentes a -5500, 5.5000,
05500, 7r3000 e 85000, assim como organ-
1i 'Erarle fino tanto lizo, como de listas e
quadros na loja e armazem do Pavao ra
4n Jjperatriz n. 68 de Flix Pereira da
Suva.
ALPAGAS LAVRADAS 1PARA LCT0.
Ven|e-fie na loja do Pavo, as mais mo-
dernas alpacas lavradas para ludo, sendo
murtolargasepelo barato preco deSOOrs. o
covado. s*a loja e armazem do Pavao, na
da In^jeratriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
i
AS DEZ MIL VARAS DE CAMBRA!AS FRAN-
CEZAS S NA LOJA DO PAVO A 560
RS. 0 METRO.
"Vende-se finissimas cambraias francezas
coia os mais de.'icados padrocs, tanto mia-
dos como grados, e eom as cores mais no-
vas que tem vindo no mercado pelo bara-
lissimo preco deSoOn, o metro; garantindo
que 7 inclros do ura vestido para qual-
qaer senhora, e que em oua qualquer loja
nao se encontrar a mesma fazanda por
igual preco, e sim s na loja e armazem do
Pavao, ra da Imperatriz n. 60 de Flix
Pereira da Silva.
c.'assas f oglezaa allQrse metro
Vende-se urna grande porco de bonitas
cassas inglezas tanto raudas como miudi-
nhas e de cores fixas pelo barato preco de
440 rs. ometro.garentindo-se que 7 metros,
dSo um vestido para qualquer Sra. s na
loja do Pavao ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva.
Bareges a 400 rs.
S na loja do Pavo
Orelone para leiK*es cora 10
palmes de largura a 2$,
Acaba de ehegar esta nova e excellente
faienda branca propria para lenres de um
s panno, garantindo-se. que um metro e
urna quarta ou um metro e. meio d um
exeellente lencol de um s panno, assim
como esta boa fazenda tambem muito
propria para toalhas de-meza, rost etc. e
outi-ts mysteref, e vende-se pelo laratissi-
mo preco de M cada moro.
MOCAMBIQUE PARA VESTIDO A 800 RS.
Chegou para-a loja do Pavao um.elegante
sortimento o\3s mais bonitos mocambiques
proprios para vestidos com as crefi mais
modunas e que e vendem pelo barato
preco -de 500 rs. o covado.
ALPACO DE CORDO PAJiA VESTIDO A 13
Chegou esta nova fazeoa com o nomc
de alpaeo, sendo de cordo e com mais
largura -do que a alpaca, com as mais Huas
cores, como sejam JBismark, Jyrio, perolas,
roxo, cor de canna, magenta etc. e vnde-
se pelo baiatissimo prefco de 15 o covado.
ROMEBAS PARA QUARESMA A ,16|,
Chegram as mais bonitas e modernas
r&meiras pretas de guipure, que se vendem
polo baratissno preco 'le 1(55 cada urna.
Madapoloes finos
s no armazem do
Chitas escuras di..
Co de 320 e 360 rs.'ofovado.
Cassas de cores com palminhas e com
listas de diversos padree a 240 e 320 rs,
Lazinhas cinzentas e cor de bonina a
320 o co^do.
Chitas claras miudinhas a 320 e 3Q0.
Alpacas pretas e do cores lindas proprias
para vestidos a 680, 700 e 800 rs.
Pocas de cambraia transparentes a 45,
35 e 65. Por este preco admira a tfoos!
Cortes dec-asemirastlequadrinhos e Hs-
tas a 2;$800 3,1
Corpiuhos brancos para senhora a 35
?t>200.
Pehincha
Cortes -de cassineta de coros para cairas e
paletots a 15500.
Cassiaeta de cores com um peque to-
que de mofo a #jk0 rs. o covado.
Espcrtilhos miuto finos a 45500, 35 e
55500,
Admira!!
Gravatas de seda a 5#0 rs.
G*^inhas bordadas a 300 rs.
Laainhas a 200 rs.'!!
Larlnhos a 20 rs. ?!
Laainhas a 2C-0 rs. 1%
0 cordeiro previdente
Wua do QucimatlG n. IB.
Novo e variado soiliuicuto de perfumaras
finas, e outros ubjepl
Alm dojappleto sortimento de porfu-
(narias, dc^reTt?ctivamentc est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber mn outro sortimento que se torna ^
notavel pela vartodae d*bje dade, qualidad''s e comraodiilades de pre-
cos; assiin.pois, o Cordeiro l'revidrnlt; pede
e espera continuar a merecer aapreciacaa
do respeitavel publico cm geral e de su,i
boa fieguezia un pailicular, nao ,se afas-
tando elle de sua bem conlu-iidainansidao
e barateza. Em dita loja encoutrarao qr0
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Laminan.
Dita de Cologfie ingleza, americana, fran-
ecza, todas dos meihores o mais acreditado
l'al)iicankis.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor do larangeiraa
Dita dos Alpe*, 9-vilele para,loilet.
Elixir odontalgico para eonservacao do
asseio da bocea.
Cosnisitiqsies de tptrm qualidade echei-
ros agradaveis.
Copos e latas, mioYes e menores, com
pomada lina para <-abello.
Prscos-com dita japoneza, transparente,
e outras qualidatfes.
Finos extractos inglezes, americanos e
fraicezes em frascos simples e enlodados.
Essencia impeyal do fino c agradavel chei-
w de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo pliilocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de dif-
ferefttes tamnhos.
Sabonetes em barras, maiores c menores
paraiwaos.
Dits transparente5, redondos ecm figu-
ras (te meninos.
Ditss muito "finos cm caixinba para barba.
Cakinhas com bonitos sabonetes imitando
fmetes.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas .perfumaras, muito proprias para pre-
sentes.
Utas de papeMo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaris linas.
Benitos vasos de metal coloridos, e de
malves novos e elegantes, eom pdeanoz
e iboneca.
Especial p de atroz sem composicao de
ohii-o, e por isso o mais proprio para crian-
zas.
'piata ingleza e francezapara dentes.
'*s de camphora e outras differentes
quididades tambem paia dentes. "
Snico oriental Anda uaia coques.
tn outro sortimentos de coques de no-
ds-e bonitos moldes >x>m tilets de vidrilhos.
e alguns d'elles ornados de llores e fitas,
Kftcebei-am directamente da Europa as mais superiores fazendas pretas ipe- leslo todos ex pos tos apreciaco de quera
Tambem tem para acabar pecas de pan-
no de linho, com 27 varas, a ild e 180.
Toalhas de linho para rosto a 10$ a du-
na.
Aos Srs. armadores de enterros.
Vendem-se pecas de Imllanda preta com
40 covados a 50 : na ra da Imperatriz n.
48 e 52, junio a padaria franceza, loja do
teao.
Attencao 4 roupas feitas 11 r.o arflozem
do Leao, rwi da Imperatriz ns. 48 83.
Assim como temos um grandi, completo
e variado sortimeRto de roupas feitas: pa-
letots saceos, sobrecasacos, fraques, (jaque-1
toes, calcas, colletes, camisas, ceroulas,
chapeos etc., tudo por presos qae admiral
Tom tambem um sortimento de roupes
ordmarias por preco baratissM'.
Acaba de (Siegar tambem um compro
sortimento de damascos de cores, soado
azul, amareBo e cor de caf e$c., que se
voade porpreco coounodo.
Admira!!
Ko armazem do'Leo I 1
No armazem do LeSo !!!
No armazem do Leao!!!
No armazem do Lelo I!
Para familias
Grande Bazar, na Xova i*2. dcCarKctro Vi&^B^A C.
Acaba *lr ebegar a este esta!
grandeporefo de macizas para costuras do
autor Wliceicr Wi'.on, approvadas na ujtt-
ma exposic5o de, Pars, as quacs coztmcm
dous pospr;,its toda a costura, e bm a
vantag'y.n ,,. ser to suave u movimento,
P'.i qualquer enanca de oilo annos fanl-
rhenle trabalha, e pode, com cste entre-tc-
nimento, levar vantagtm ao servico diario
de tunta c.oslureiras. A comjirehenso e
simples, pois em om quarto de hora se ti-
ca senhor do movimento da machina, Pen-
do a mesma a propriedade de tazer' ^L1^'
guites costiu-ji-s: pospoi.t.'.r, rl-ahinar.
fianzir, marcar c bordar, como aprsenjam
os di ,m ,ihos que acompabam-a's. Os pro-
prietajios do estabelecimento se enc.arc-
gara de mandar ensioar jt'esla (id;-.Jpe
garantem entregar o importe.dispw 'ido ao -
comprador,* no caso de,nao trabjliar com
perfeieao a machina vendida, nao tendo,
porm, sofiridoclla ajj:urna a\aria, la U>m-
hem no mesmo estbelecimeiito machjna6
do autor Growcr Baker.de irabalho sim-
plosnienle rno, c outras com movimento
dos ps; e mxime lodos os pe Unces das
mesmas machinas., para vender avulso.
No ^piazem de Leo, asm da Imperatriz ns. 48 e 1&, juno aloja de:ouriies
e pedaria franceza.
~FAZE)AS PRETAS
PARA A QUABESHA
EBniiic.
Ra to -Oicimado n. H
\fn(le-so
pos de lararija rravo, i!:i China, Nina da Pei-t.-,
fnn'(:i-prio ilf maUti, paitirM iLidi'S : em Parnamcirim, sirio jtnrto ao joi-iaolo
(iir;inaiiieDlo d'ayo*.____________________
Vendes'.' ama arm;ieo Je taberna coi al-
guns peneros: a tmiar uarua Imperial n. 36.
Fundicao da Aurora.
Ni'e vasl'i i .-laltolei-iineute ecmnre se eiii-^nira
um completo scrlimciito de lanas i!e ferro liatiitn
e fundido, fabricadas reeentenieii'e, e se fabricam
de qualipier molde a vonlado dos compradme
procos razoaveis.
ES&EtAVOS FGIESS.
Fuffi a I.'i do forreafe
esi'avo de
SOeCASACOS PARA A QDARESMA A 18< E
203.
Vende-se um grande sortimento de so-
brecasacos e palilots sobrecasacados de fi-
nissimo panno preto pelo baratissimo preco
de 18$, sendo farades de alpaca, e por
20$, todos forrados *de seda, grande pe-
chincha, principalmente por estarmos na
qiiarcsma, assim como, tambem se vende
um grande sortimento de calcas e colettc*
de casimira preta que se vende muito mais
barato do que em outra qualquer parte.
ESGUO DE LIHO DE 1-2 JARDAS A 10,3.
Vende-se pecan de esguiao de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada pega, a
10;?000.
Poli de chvre a l$OOOo covado
Vende-se poil de Chvre muito largo com
as meihores e mais modernas cores pelo
barato preco de 1>000 o covado, nadoja e
armazem do Pavp, ra da Imperatriz n. 60
do Flix Pereira di Silva.
ALTA NOVIDADE
A
Loja do Pavior
GURGUROKS PARA VESTIDOS A 1,5000,
O COVADO.
eses para a -quaresma, as quaes ^slo vendendo petos mais mdicos procos em -vista
@z superior quahdade de ditas fazer*;is.
ai/tl ^otiii i i:
Basquines pretas de renda, verdadeua novidade, para senhora.
torguio preto de seda liso, e.com astas aseetinadas para vestidos.
Grosdenaples preto largo eslreito de diversas qualidades havendo ueste ^~
nero o que ha de tnefbor.
Basquines de croch pj"etos, ditos de seda preta com cintos delicadamente ee-
feitados, elegantes pe^Iums de seda rota, ichos pretos de renda, modere.s capinlias
pretes de renda e superioras vestidos de gorgurlo preto bordados.
-lloiranl que preto e bnmeo. bwmbisfna, superiores princezas pretas, merinos
de vero e trapeados fios meihores.
~ e earteiras de couro. or
Os mais lindo-; vestidos de blond com mantas, capclla paca notvas, ipenores j precos eoamodos.
os pretenda comprar.
. OLL.NHAS E PUNKOS CORDADOS.
Obras do muito gosto e perfeicao.
Ifsvclla.s e litas para eiutos.
Bel;.) e variado sortimento de taes objec-
tos, ttando a boa oscolba ao gosto do com-
pndc
FLORES FINAS
O qws de melhor se pode encontranis se
genero, sobresahindo os delicados ramos
orvalluiiis para roques.
Para vlageni.
Bolsas.-de tapete
me/ de jaiviiu, i.
e nome FeJi>pi?, 'alna com i' am#s ih-
dado, um |'.-.lien alto, .ulnancelhas pidas coi-
rades. oacabellos acai-oculaJoe, quanu anda ri-
za'duro >' cotOT)aspos larr, to urna narra d
rauFlicn dti lado dreito -obr o Qgarto, lvi > cal-
brim de (|.idiidios pretos, camina de im-
dapolo. i-iup:'') preto de iw redondo, wtt effra-
ro costumaya a papbar na roa rondozindo gere-
ro de urna venda da rua Direa para a e?t: i i
das Cinco Pontea, narnral do lupar Csnhotinho
da comarca de S. Rento desUi provincia, e k-
eomnrado ao Si. J. Alves de-Mello, tu ador nc
mouno lo#ar, presujue-se que o metnio es/ravn
continua a pandar na roa, munido de un Stlnei
talsp procurando senhor; pde-se nos Srs. eapi-
0M decampo rarisuntomades poUeiaat aei
lina do i!!1" i -it.vo e leva-lo ao J
ereira de Miranda puolia, njoradM cm Panti
Amaro, sobrado grande do Sr. Manocl Cujioatu
n. t, jue se faratiur 7?$"""
..'.
do
fronlias de cambraia de linho e de esguio bordadas, e liadas colxcs de seda e de laa
para camas.
Sabidas de fcailc kvmcaf. atues e cor de cioza d gosto especial e ves-
tidos de cambraia branca ricamente bordados.
Pojpeliiues de seda para vestidos lisos ecom lktas das mais lindas-cores
e mais bellos padroes, e grande e variado sortimento de sedas tanto em cortes como
era peca.
Cortintados bordado para camas e janellas, balees parisienses com
molas novo gosto, baloes reguladores brancos e de cor, espartilhos e bellas coteas
d croch.
Carniza* de I odio inglezas para homem, chapeos de sol de seda,
gravatas modernas, pannos finos e casimiras de cor e pretas, e outras muias fazendas! ment de trancas -de palha Dara^nf^ies'd'p
que vendem por muito comraodos precos.
A loja n. 11 da rua do Queimado tem sempre o melhor sortimento ce tapetes,
alcatifas o
Chapeliiits de palha enfeitadas, e enfeites dello-es obra de bom
josto.
E assim muitos outros objectos que se-
ra presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a rua d Queimado
p. -H.
ENFEITES DE PALHA 1 ARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente rua do Queima-
do n. 46 acaba de receber um bello srti-
Estcuas da India para fotrar salas.
vestidos, outras para chapeos, coques etc. tm*ntK su
tudo isto est sendo vendido com a sua bem ""sio amito marcado
na frente cor preta, sabio de chapeo do chite,' "m-
'Me ralea de castor, l-vaiuln um babuzinho de
'r-
Chcgaram os mais modernoa^gurguroes
'para vestidos, sendo de todas as cores, como
he vendem as mais bonitas bareges trammaren- \ hismark nernla
t-^s, proprias para vestidos com listrinhas a imita- seJam >ei ae' fzai J.osa'. D,sl,iarK' Pei oia-
eSo de lifrtras de seda, e vendem-se pelo barato roxo & tendo quast quatro palmos de lar-
precodeum cruzado cada um covado, unieamen- gura e vende-se pelo baratissimo preco
de i #000, cada covado^ nicamente no ar-
A
. '

te na loja c armazem do Pavao, rua da Impera
iz n. 60, de Flix Pereira da Silva.
Grosdenaples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
ihores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de 25000 rs. o
covado at 4)0000 rs. garantindo-se que
n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
qualquer parte,na rua da Impertrizn. 60,
de Flix Pereira da Silva.
Chitas
Vendem-se as meihores chitas escuras para
casa sendo de cores Oxas, pelos batatos
precos d 320 e 360 rs. o covado, ditas
muito finas francezas sendo claras, com pa-
drees de cassa a 360 e 400 rs, pecbincha,
na rua da Imparatr o. 60, armazem de F-
lix Pereira da Sirva.
mazem de Flix Pereira da Silva, na na da
Imperatriz n. 60.
Brins para calca na loja do pavAo.
Vende-se os mais modernos e meihores
brins de linhojde todas as cores, outros com
listas do lado, garantindo-se serm de linho
puro e vende-se por precos muito em con-
ta no armazem de Flix Pereira da Silva,
rua da Impertrizn. 60.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVO.
Vende-se urna grande quantidade de re-
lalhos de chitas e cassas pretas por preco
muito barato,e quanto maior for a porcio
que o frtfue comprar, mais barato se lhe
vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
DE GRIMAULT COIWP.
Ihrm*eeulIo de I. A. X. o principe Hapole**, em Varw.
A associacJe do ferro e da quina resolveo nm dos mais importantes oroblemas da pharmacia,
e faz om que se congratulam os medios dos relevantes servidos qne Ibes presta esta pre-
paracao.
Com effeito, ninguem ignora que a quina, em mateira medical, o mcihor tnico que se
possa empregar, sendo, sobreludo, unido ao Pbospbato de ferro, a mais estimada das pre-
paraces ferruginosas, pois que entrara na sua composieao o ferro, elemento do sangue, e o
phosphato, princi lio dos ossos.
Por isso, julgrnos que, para os srs medicos, sero neressantes as observacoes feitas pelos
seus collegas, os mais disonlos le P&ris:
Este Xaropc produz os mais felizes resultados nos easos de dyspepsia, cblorosis,
t amenorrbea, bemorrhagias, leucorrlieas, febres typhoidas, diabetes, e quando pr;csa
e restabelecer as lorias dos doentes e restituir ao coroo as forjas alieradas ou perdidas, p
ARNAL, medico de S.M.o Imperador.
E ama das raras combinacoes que, ao mesmo lempo, salisfazem o medico e o doente. Em
t quanto a mim, eu a considero como a mais cfficaz preparacao ferruginosa, cujo uso dos
a mais agradaveis para os doentes.
CAZENAVE, medico do hospital Saint-Louis, em Paris.
Com esta prparacSo d'uma fnna agradavel, e fcil de digerir, admiuistra-sc
doentes dois medicamcnios importantes.
CHAUR1ER, ehefe de clnica daFaculdade de Pars. ^
En emprego com o maior xito o Xirope de Quina ferruginoso, e o considero como
urna das mais felizes innovacSes, na mateira medical.
CHASSA1GNAC, cintrgiioem chefedo hospital Lariboisiere.
Este medicamento, sempre bem aceite pelos doentes, deo-me constantemente os mais
* vantajosos resultados.
HERVEZ DE CHEG01K, t*m*ro da Academia de medicina.
A limpidez d'esta preparacSo, o sen gosto agradavel, isento de qualquer sabor de
c ferro, fazem d'clla um medicamento to ctimz cerno agradavel. >
HQHOB.'addido Faculdade de medicina.
coubecida commodidsde do precos
ALEAI D'AQELLES!
Re,eebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos : assim como um variado sor-
timento de galIQes do ia, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade de gostos os tornara recommenda-
dos e apreciados ; comparec-So pois os pre-
tendentes que sero servidos a contento
TO BEM RECEBEU.
Novo provimenlo de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PELLICA,
De todas as cores tanto para faomen*
como para senhora?, constantemene achara-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
rua do Queimado n. 10.
U sbaixo assignado reminemla cantnr*
do pou o.-eravi. <}o nouie Joaquim. mulata, ueirt.
do ciisino doMomoIro, coBiptsdtf aflsseusdo-
M m S. .1. li firi,Mives da gilva, Vicente Ca-
valcanti de Altnmicnine e Alexandrc (Jomes da
Miva nosta ctdade, po| intermedio de -, ni
curadoros na pessoa do Sr. Maaoel Franci-coli
w rana, todosde Pao Alho cpoi i ervcncatdi
Sr. Santos (rreetnr de c-cravosi. cujn wcra
fanAcm natunl do Pod'AU e tero, os distieo
sogumt: dad!':.';;,,;-; s-,-,0 d corno e
poucoalt, bteodc. rabollo um pouco rarapinbadi
perneado, falla d .imies, urna InOammacao en-
ernada najnnla da maosquerda, falla a sertai e
jo, BiuitodeseaBarta ejiaasa : ievoii pj
maapoiaye rfacaii de ajaoflao, n cala.' de h
pardo. () nl.aixo assijniaao muito recommenda
captura deste sen e*cra*n lodas%a antoridados
o mauppsaoM encarrofaiM da raptnra de c-
vos, nao-so mas direms cidades. villas o pomv
dos, como pelo sertao, para onde nudo ter sepuido
promette bem gratificar, c tambem a (|ual(|r.oi
(essoa qne delle der notlcfa cea : a dii^gira i-
teaoiieuescrintflrio a roa do Crespn. lKvom
sen sitio no Mojeiro.
liecife, U de Janeiro de 1869.
_______- "'' io$i !!<, 'irigut t (h miza.
Fuoioiio din 11 de Janeiro do cnente a
do on-'enbo Batatura, Iregueria da Espada, o o*-
crayo jiiet,,, prionlo. d.i i anuos de idadt, cha-
ma.i.i .Marcelino, pie foi du Sr. Jo.lo da Cn
i- cojo escravo estove no deposito geral, e
ates : aitu. seceo do rorpo,
de bixjgaia, falla de dente!-
de graliieafo
llndres eom niais
fre}rue?ia do Cabo ;
roup, e suppoe-se estar na
(|Hem o anprehcDder levo-o
ao dito engentan, on a rua da Senzala-nova n. Vi,
l'oiitual. que n
'erioi, iio dd Sr. Beriiardiab
bor a pra'Opacao ai-irna.-
Acha-se lugida desde 13 de outubro doaao
iiltmioa escraya de nome Custodia, idade de 14 a
W Minos mulata, cabellos earapnhos. dente*
airo e limados, estatura reblare um tanto chela
ipo.e natural de I'iaoeozlnho. .!is|,;,t0 ,i
.VpueiiadeCarvalbo : ,[Uem a capturar ou.-j.^
;lr'"p ABnoJoaPemIrda fTnba. no
go do S. Pedro n. 17, que ser
compensado.
generosamente ie
aos
Deposito em Pernambuco, em casa de
a O'.
Jiirtnflt
di eadeaia
4e mitciu
.Para
0 traumeirto caaaffeccoescWorooas, lymphaiicas ou escrophulosas sempre lent-
simo, e multas vrzea ssas molestias resistem s preparaedes ferruginosa ordinarias, t*
indagacoes feitas pelos orofessores Hanntn de BnweWas, Geusoul e PMreqnin de LySo e
Berzebus e TronaneM de Park, tem propio que a causa d'essa persistencia era a completa
ausencia do Mananoeso, elemento que sstnpre deve-se achar no sangue junciamente coin
ferro. Estas plalas snoprem, pois, na* iberapefitica urna falta importante, e por esie
motivo ellas tem merecido approvaclo .la Academia de Medoeina e das principaes soeit-
dades medicas.- Deposito em Pemambiuo, em casa donmi o*.
*

NOVIDADE
A loja do Coelho & Oliveira rua do
Qaeimado n. 19, recebeu pelo ultimo vapor
um bello sortimento de bales de diversos
systeinas, os mais aperfeicoados tque teftn
vindo ao mercado, sendo :
Bales de guipur com tiras chamados
reguladores, ditos de muselina abertos por
ambos os lados, de modo que sendo todos
de um tamanho servem para qualquer se-
nhora, de laa de cores, com tiras, e as se-
geintes fazendas:
Saias de laa eom bonitas barras.
Chales turcos de seda e la Beatriz de
Tundas.
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
l-asinhas
Sultanes, Poil de Chevre, Tricte, dito de
xadrez e outras muitas, entre ellas urna
Especialidade
Laa pura de cores a 360 rs. o covado.
Basquinas a Mara Antoniete.
Cambraias fantazia.
Ditas brancas -transparentes c Victorias
Colxas adamascadas.
Cobertas chinezas a 2(j(S00 rs. e outras
muitas fazendas que tornar-se-hia enfadonho
annunciar.
-," i l.i-.MhijmioS. Ildro, termo de ,
'^ii.' dta e de janeiro de tW,. ,M
Ldj, enonlo, eor n.e.a fula, com idade de 3
no.-, pone, lliais m 1II0JJ.(S
de barlm no
ii
, com n,nia pcnugeii
nigode, e ja nascendt. na pona do
onn in TKl aP'erada- I-mas .:.!.
pouco finos o blanco do oiho
dedos dos pes encostados ao dedograin!
conjpridos un pouco que o grande! nuritodever-
ido. nao dei.va de estar em runcho i o li.^r onrte
nanita, e capaz de passar por forro, tem ap
(tuas ou tres mareas de ebieole. isto iae quenas, qne se precisa reparar, boa sttora, bonn
ta ligura. beieos meio grossos ; julga-se n
ne-t.i praca : quem o pegar dirija-.--' a
Srs. Manoel AJves Ferreira 4 C, roa da Moed
o, i andar, que ser recompensado c. m 10O0lHi
Pertence dito esrravo a Cbristovao licnti. do Re,,
Rarreto.
"5OS00O
de gratificac-Ho.
Furtaram no_dia 13 do eomnlc. das 2 para ag ,v.
horas da inanbaa, de um rancho de Tvgipi dous
cavados de canga I ha, anibis ferrados' a
direito,_e eom os -signaes seguimos : n l-
. quarto
Vende-se
pez de rozeiras e fructeiras de varias qualidades :
no pateo da Santa Cruz u. 20.
AttencSo
ndem-se caixas, meias e qnartos com pw
Madrt de" Ito ^^t* 4' a MU '' D3 lravessa **'
beieos brancos, umalistra branca dos bolV-^nara
a barriga, dous cascos dos ps brancos, pro
andador bajxo, de la.nanlio regular, castrado e
com um grao ; 8 i- vermelho, urna das orelhas
las na ponta, pesado, e tamben, castrado
pede-se a quem t.ver noticia delles. c s autori h-
liie os apprehenda.,1 c os mandem Te-.! ,
nho Aranba de baixo, na coman-a doCato
ou nojtecifc.arua da Senia-nova n 38 ondefe
cebera a gratilicaeao cima. '
EseravonEgdo-
Fugioeni 23 de Janeiro de 1869 o escravo Ifa-
b'?os,demeiaidade,cr pivia, fall,
goso, tem polas costas eicatiizos de l
un.a verruga no canto do nariz, os s
cei-po regular, tiuha sido do l
Leocadio \ieii, em Panel!
poneos mea de l veio 1.
ridas e capitaes do ca
a seu senbor JiisrjrdogL
gueu no Reeife n. 2 : e.. *?>
qualquer |
cara bom -* *" ^*"
Vista na eitrada de ioao de Barros.


i mura



8
Diario de Pernambuco Quara feira 24 de Fevereiro de 1869.
HERATMA.
---
Apeutanieotos acerca da cidade
de Tauris.
(Conclusao.)
Assim definida, a Azia central compre-
lende, em una linlia de 2:000 leguas de
.ppeitfea nascente. desde o lago de Van,
M'Torpaia, at a extremidade do grande
deserto de Gobi, na China, todas as pla-
nuras elevadas <5u territorios de vertentes
interiores c conceatric;is. Conseguinte-
mente a Pt'rsia, exceptuando o Lauristan,
amtade meridional do Falistan e o Lau-
ristan, faz parte da Azia central, e a sua
provincia amis occidental, o Azerbeidjan,
asta n'ella totalmente comprehcndida.
isla provincia compbe-se de duas re-
gios :
V, Urna vertente nordeste, cujas aguas
e-'lancam no mar Caspio;
\ Urna planura elevada am tanto cavada,
desarevendo de leste a oeste e ao sul ura
arco de circuid, -lie 120 leguas prxima-
mente, cercado d altas montanhas, e cujas
aguas, nao encontrando esgftlo nem para o
mar Caspio, nem para o mar. Negro, nem
para ogolpho Prsico, vo todas reunir-se
em urna vasta depressaO de 30 leguas de
cumplimento por 8 de largura, que se de-
nomina lago d trenla h.
E'no meto d'aquell grande valle, so-
lado do resto do continente, qtie Taiiris se
acha assente. NSoc Urna cdade da antiga
l'ersia, Ecbatane, como foi acreditado, sem
bons fundamentos, durante largo tempo,
qual era muito mus ao sul, em Hamadan,
Tauris, apellidada a Cpula do Islamis-
uio, urna cidade de crearo musulmana,
Que ella haja sido fundada por Revad-el-
Azdij logo depois da conquista do Azeiv
beidjan [los rabes (VD seclos), como o
em o geograplio Jaeout, ou por Zobeiach,
mullier do kalifa Anln-al-Ras'chid, confor-
memente a tradico mais espalhada, fado
quO.devc a sua fundacSo invaso da Persia
pelos rabes. Augmentou muito no X se-
culo pela emigraco dos turcos seldjucidas,
os quaes. antes de-passarem a Azia menor,
detiveram-se no Azerbeidjan e alli dei-
xaram um depsito, que cnstitu hoje o
fundo da populacho d'esta-provincia, onde
s nao I lia seno a liugua turca. Em
1258 foi etevada catliegoria de capital do
innato mongol do Irn, um dos grandes
imperios que coube em sorte aos netos
do grande conquistador Gengiskan. Foi
anto que, tornada tambem o emporio do
cummercio da Europa rom as India*,
ebegou ao mais elevado grau de prosperi-
dade.
A declinarn de Tauris comer no seculo
XVI, em resultado de tres circunstancias
-, A destruico de Rafia.
2-, d .'scobrimento do cabo da Ba-
Esperanca.
3\ O liiumpho dos Sopiis.
A destruico de Kaffa em Ii7Garruinou
o comm'rci dos genovezes, cujo emporio
ora Tauris. O descobrimento da navegaclo
para as indias pelo cabo da Ba-Esperanea
operou no coinmercio urna nova revolucao.
O triumplio dosSophis (1499) e o enorme
deseavolvimento do poder otlomano provo-
caran entre a Persia e a Turqua urna serie
de guerra incessantemente renascentes. Os
turcos, seohores deConstantinopla, da Ro-
melia, da Ariatolia, da Crimea, da Syria, e
que breve o seriam do Egypto (517),
deviam naturalmente cubicar una provincia
tal como o Azerbeidjan, limitrophe do seu
imperio, habitada por um povo de raca e
de lingua turcas, e que possuia a mais bella
cidade da.Vzia central. Tauris foi, pois,
n'aijuella epocba, e ao mesmo passo que
Bagdad, um perpetuo motivo de guerra
entre os dous estados musulmanos. Mas,
nota Mr. Crampn, em quanto que a Me-
sopotamia. habitada poT rabes e kurdos,
isto pe is su/mitas, urna vez conquistada,
foi fcilmente conservada pelos sultoes, o
\/ Tbeidjan, habitado por homens de raca
turca, mas chulas, posto quo muitas vezes
tomado e retomado, furtou-se sempre ao
dominio oltomano, para ficar ligado ao
grupo da inonarchia persa, isto ao ele-
mento, ao grupo chuta, de (jue fazia paite.
Os Sophis, anda que de extirpe turca do
Azerbeidjan, suppozeram que Tauris eslava
muito exposta s injurias da Turqua e
transportaram para Ispahan a sede do seu
imperio.
Nao menos difficil de determinar a
cifra da populacho de Tauris do que a de
qualquer outra cidade do oriente. Segundo
um recenseamenlo executado ha alguns
anuos, acharam-se 32:000 casas musulma-
nas. Na ia/1) dd por casa, temos 160:000
habitantes. Se-obse narraos, porm, que
esta media, geralmente admittida no Ori-
ente, quasi sempre inferior realidade:
que desde a epocha do recenseamento o
numero das casas cresceu pela paz: que
mister ajuntar a estes 160:000 musulmanos
sede it;n ios, um grupo armenio de cerca
de 3:000 individuos, a colonia europea, a
guarnico ordinariamente de 2:000 homens
e um elemento 'fluctuante de gente de fra
que a passagem das caravanas e as precises
do commerco ou da administraco attrahem
e demorara nos seus muros, de vemos crer
que Tauris contm ainda hoje urna agglo-
didos pelo governo aun arrematante, que
toe paga tres mftbbes etomans, cerca de
480:00051000 animalmente.
Esta cifra dd a medica da importancia
commercial da, hoje bastante di-cabida, c-
dade de Tauris.
ALflWDO MVT.
iheracSo de 180:000 e tal vez 200:000 ha-
bitantes.
Tauris tem 170 mesquitas, 70 banhos,
70 kans, 40 Caravenseralhes ou armazens
de grandes negociantes, 4:300 lojas. Aquel-
las mesquitas, porm, feitas de 4 paredes
lisas, sein minaretes, sao to humildes
quanto grandiosas e brilhatites as da idade
media, e os proprios banhos, quo os chris-
Jos nao podem frequentar, sao, no dizer
"dos proprios persas, de urna sdjido in-
supportavel As mas sao esbeltas, cheias
de lama no interno e de pbeira no vero.
A circulara) n'ells difiejj pela perpetua
ruptura dos canos que levam a agua das
montanhas visirihas s casas, porque nao
ha dhafarizes nem pocos. Tudo abando-
nado as ras publicas, incluindo os cad-
veres dos suppliciados. As casas, que nao
tm mais que um andar, nao tem janella
par a rea.
O que ha de nolavcl em Turis o ba-
zar onde se concentra durante o da toda a
populaco industria^ e commercial, que se
escita noute, pelosmmIii'iIcs. J nao
como no temperaos viajantes Chardih e
Taverhier, o mais bello bazar do Oriente.
Nao poderia ser comparado ao de Cons-
tantinopta,' mas Vira logo a par dos de
Oamaseo e do Cairo. A moitidao que o
atullia'torna o a'tcsso difficil e o dinheiro
n elle gira constantemente, raais do qne1
era qualquer outro lagar da Persia.
Os rendimentos da alfandega sao conce-
A paz e a guerra
0 I \\ n Vivl< E O SOLUAIDO
I
O artista
A es:hrtla de Bolonha, ilustrada pelos
Carmcbe (13ft-1881). por Guido (WW-
1(542), por Albano (1578-1660), por tiuer-
cino (1391-1666), e per Pesaroso (612-
1648), conta dous mestres do appellido de
Miteli, ou Metelli, conforme o esoieveram
diversos biograpnos, e especialmente os'
linpUadores florentinos que nos dekaranvo
abecedario piltoresco.
O primeiroMetelli, Agostinho(1597-1660>
applicou-se particularmente architedura e
pintura decorativa. Chamado.* corte de
Madrid pelo rei Filippe IV, para executar
urnas pinturas a fresco que o immortalisa-
ram, Agostinho Metelli deu^-se a este traba-
Iho com tanto esforco e solieitude, que
succuinbio de cancaco.
Seu illni ios Maria 11634-17181, artista.
para assm dizer, universal, o inventor
dos quadros chamados animados, compos-
tosde figurinhas, cujos omos, maoe^e ps
se movem por mecanismo oceulto. Esta
engenhosa phantasia, que foi vnlgarisada
|las innmeras combyiaces da industria
dos quincalheiros, nao bastara, de corto,
para salvar do esquecimento o nome de
Jos Maria Metelli; porm deve elle a fama
de que justamente goza aos seus tiabalhos
como gravador. Alm de dezesete estam-
pas, cujqjo assmnpto a fundaco de Roma
e a serie das scenasde Bolonha, segundo
Annibai Carracho, a fecunda imaginarao
d'este notavel mestre, que viveu 84 annos,
oceupou to laboriosamente o seu. buril, que
s o catalogo das composices originaes
formariam um volume.
Nasceu Jos Maria quaudo acabavam as
guerras da pennsula itlica, mas sangravam
ahida as profundas feridas da Italia central.
O tratado de Chierasco terminara as terri-
veis lucias do Mantuano, e entrega va casa
de-Gonzaga-Nevers o que restava de Man-
tua saqueada e incendiada pelo exercito hs-
pano-austriaco.
Muito tempo depois, os que a guerra
poupra ou smente mutilara, nao tinliain
regressado ainda aos seus lares ; muitos de
eerlo nao voltariam mais ; alguns morre-
riam no caminho ; outros, em lim, mais fe-
lizes, s etiegariam ao seu destino, descan-
cando'aqui o alli, ao cabo de longos e [le-
osos "das de jornada. Jos Maria era j
um moectao quando encontrou na estrada,
segundo dizem, coxeando um pobre volun-
tario, carregado com a sua ferramenta de
guerra, que regressava aos patrios lares
para contar como, depois de ter auxiliado
os Genovezes a bater Carlos Mahoel de Sa-
boya, fra obrigado a servir o proprio Car-
los Manoel, em primeiro lugar para se bater
contra os allemaes, e em segundo lugar
[tara fazer causa cdhimum c^m elles, por-
que era sabido que o duque de Saboya,
inconstante em objectode alliancas, tornava-
se hoje auxiliar d'aquelles que ni vespera
eram seus implacaveis adversarios.
Mas, quer fosse por esta razHo, quer fosse
por outra causa,' o certo que o gravador
Metelli teve a idea de gravar o soldado e o
alvrador, pondo em relevo, como exem-
plar e natural contraste, as miserias da
guerra e os beneficios da paz, e nos temos,
em vista disso, o pensamento de referir a
seguinte nteressante leuda.
11
Dous ros ile sanguc por urna lajrima de otro
Entre Rimini e a ponte de Augusto, no
lugar onde em outrostempos a via Emilia-
na entrava na via Flaminiana, a qual con-
duzia Roma ; n'esse lugar, diziamos.havia
urna pepuena herdade, onde urna viuva
viva do producto de algumas geiras que
IVrava com o auxilio de dous filhos gemeos,
que tinliam chegado i idade varonil.
A viuva tambem era mai de uin.i rapa-
riga, mas tao mocinha, que chegra apenas
a conhecer o pai. Estava-lhe, comtudo.
reservada nova provacao, pois que dava os
primeiros passos quando a morle da mai
completou a sua Iriste orphandade,
Nos dous primeiros dias do novo lucto,
os dous i raos [irometteram continuara ao-
xiliar-se no tiabalho do campo e em ludo o
que na hora extrema sua mi Ibes reco-
mehdra ; porm, assm como um amava
trra, que cultvava desde a infancia, o ou-
tro. entrevando mais risonbos horisontes,
sentia o desejo de procurar a prosperidade
nos lances da guerra, de que um veterano
seu vsinho contava ancdotas e maravilhas
enanca, que nao se cancava de ouvil-o.
Os soldados que iam para a guerra pas-
savam, de lempos a lempos, pelopaiz. Ale-
chegada dos militares e eotriste-
matra muitas pjssoas e saqueara muitas
casas. Mas, por inecidade, qaa?i todos
os despojos colhidos'novnei'dfrvioleDcia.a
violencia os tinha rehavfSo: o resto -^vtpo-
rra-se no 'fumo das orgias. De todas as
riquezas que Ihe passaram pelas mfc>s, fes^
tra-lhe apeiias-m Tedaeinhs de #r;ftm-
dido sob a forma de urna pera ou de um
lagrima.
A irma, examinamlo esta rulicai o soldado Jlie offirecfa, olecoA
Este pedacinho de oiro pareorse com
urna das lagrima; da Magdalena de pedVa
(jue choi!aaoa da cruz, urign '
aldeia.
d -rando, e ve-ido quj ao lado da rainha
que odiavanj, succedraum valido do povo
queitemam, lizeram causa commum com
. Leonor -e com os eastelhanos, que ella
chamara em seu auxilio. O povo quasi
eneraa, e de-ventres aosol, ooaio diz Fer-
a3o Lopes, tomara ok caslellos defendidos
pelos homens d'armas, e ergnra-se em
inassa para defender a independencia por-
NflM 'Alvares Perera estrearaa
eampadlra do Alentejo, gaiihaiulo a batalha
Je Atoleiros; Xisboi, durante tpiatro me
zes cercada, e commandada pelo mestre de
noswr- Aviz em pessoa, repellira todos os assaltos
di* re de Gastella, e soffrhi heroicamente
A esfcb palabras, que'0Mm-na fecorda- as tortwas de fome senvpensr em render-
Co impoftuOa, o soldado cawegot-.o seav se. E' verdade (jue ao-mesmo tempo as-
blante e-mordou-j Wgode; Unas, -Jomo "sokVa a pest^o^rr.Halcwtelhanfs e avisava
ituvem passou rpidamente, disse- inuo:
Confessa, ra[)ariguiuha, que desejavas
ter outro pedaco fle oiro igu.tl para fazer
um bom par de brincos; Deviam tornar-te
mais formosa.
A joven nio nispondeu negativamente.
Btteorridos-algimsdias, o soldado, ventlo
que n3o poda ainda habituarle, vida cam-
pesina, disse, mostrando o fragmento de d'isso mlheres eHreticas inorriam a'min-
irmao, fsequenam impe-
o esposo de D. Beatriz deque nao poderia
prolongar o seu obstinado assedio.
"Nos ltimos dias de setembro o aspecto
de Lisboa era soturno. A fome chegara
ao seu paroxismo: j tinham sido expul-
sos da cidade os judetis e as meretrizes,
como as primelfas bocas imitis que era
lieHo sacrificar em ittes apuros. Apesar
otro irm e ao
dir-lhoa sabida
Deixera-me. Um s nao basta para o
adereco de aossa bou irma. Guardem,pois,
este pedaco fte oiro, porque eu n56 vofarei
aqui^sein^pTeterihaganho oa-aehMo outro
igual.
DecorrOKitft muis (foinze annos. Duran-
te este longo periodo, o pobre soldado vio
novas batallKi, participo de novos saquea
nas oasas, nas-altleias e nos templos, sem1
que so lhe olferecesse ocoasio de adquirir ium barco se podia'esc^ir: a brodeira cas-
mitro pedacinho de oiro nomo o que (M-itemanatremulava tnmb'rt cmAimada. To-
xaraa saairma. Nem sompre se encen-jdos os horisontes cerrados, e em neiihum
tram imageus cujos olhos cliorem lagrimas d'elles flethavam. mesmo vagamente, as
de oiro e inuit'im a oubuja U')s dilapidad- roupas aereas d'essa divindaile consolado-
res da-faaawta lhei.i I ra qu se cliama fisperanca!
No entnaanto,' nm moco visirtho do la- Se elles, comtu 11, pafefe^wm
vrador soahera captivar a amisade d'stec madrugada em ifiv se abre esta
gua, e apresentavani aos defensores da cida-
He um lamentoso oirteetactilo; grupo smaci-
lentos v, desvairifif's esgravatavam a trra-
nOs sitios onde se vendiam coreaos, quando
cereaes havia, para encontraren alguns p>o-
bres graos di- trigo bue Res enganassem a
fome. Os soldados! resolutos, mas 'tristes,
relauceavam um longo rilhar p;ira o Tejo,
pediudo Proviil.Mi-ia o inesperado soccor-
i-o. Debalde! O rio estiva atull ado dena-
Vios eastelhanos. por entre Os qtaes nem
grava-o a
cia-o a sua partida, mas nao se atreva a
seguil-os, porque nao seria essa a vontade
de seu pai.
Quando a mi falleceu, o que prwBtette-
ra ao irmo nao se lhe figurava obstculo
poderoso contra a necessidade de ir ao en-
cdbtro das aventuras bellicas com qae so-
nhava ; bastava que se lhe deparasse oeca-
sio, e elle para logo se decidira a deixar
ao lavrador a duplicada obrigacao de culti-
var a heranca paterna e tratar da educai;So
da pobre orphti.
Acerca d'estes dous pontos, o pobre sol-
dado raciocinava assim:
Canliarao tOtos com a nimba ida para
o exercito. Deixarei a rainha irmo-a par-
te que me cabe na heranca paterna ; o quan-
do vottar nossa casa repartirei fraternal-
mente, com os que vo aqui aguardar-me,
as riquezas que nao deixarei de encontrar
por esses campos.
Appateceu a occasio propicia.
0 duque de Saboya inquietava os Ge-
novezes. Um dos agentes (jue tratavam dos
alistamentos para a repblica de Genova
parou um dl na aldeia em que vivlam os
dous gemeos ; alli ncontrou o curioso das
batalhas; houve entre o agetite e este cario-
so um momento de convers'aco sem a pre-
senca da familia, e a patria dos Dorias con-
\im mais um soldado.
Quabdo rgressou pela prim'eira vez, doze
annos depois da sua partida, servir nos
extremos da Italia, e atem d'esta pennsula,
ora a favor de uns, ora a fa'ydr de outros;
quahdo regresSon, algum tanto caneado e j
Velho, encontrou seu irmo guiando os pois
na lavoira, e sua irma, j urna gentil meni-
na, cuidando do Corral e do arranjo domes-,
tico, Yira maltas trras e muitas ebusas,
Ab sua irniaa,por urna pequea troca 'de
serviros: mas, porque a intimidado do
mancebo foi croando raizo* a affwcao da
joven se tornou mais profunda, um dia
ajustou-se o consorcio dos dous, e deste
modo o visinho devia tomar o Tugar do
ausente.
Estava-a ponto de realwaroo este enla-
ce, quando as urgencias da guerra trouxe-
ram aldeia vm capito do exercito do
principe, e o mancebo foi obrigado a en-
trar no alistamenlo foreado que o dito offi-
cal ia fazendo (te pessoas vlidas de todas
as povoaroes.
No momento da despedida dos n rivos, a
joven deu ao mancebo, como leuibranca,.
o pedacinho de ouro e um annel, segtiro
em urna tranca d is pn>pf ios cabellos, que
lhe deitou ao eolio ; e no primeiro bjecto
d<' ouro gravou urna cruz.
Desde este -momento, na casa do kwra-
dor icaram-se'esperando'dous ausente*.
Um s regrossim. Vinha paludo, muti-
lado, andrajoso. "* Era vez de andar, arras-
tava-se pela estrada, meio raorto de rana-
co e fomu. 'Em -vexifc riqhezas 'que de*
via "awumular etazer para- o lar paterno,
eram-lhe fardo penoso a miseria que o se-
guir e as annas embotadas-mo'sangiie-de
muitas victimas.
0 lavrador, tranquillo o vigoroso, semea-
va o trigo nas gefras. Cmbecia-se-lhe a
idade pelo eml)r iquecim-ento dos cabellos
e por algumas rugas na testa, mas nao por
que lhe faltasse eaergia arthirttirle e a intel-
tgencia. O desenvolvimunto e-o acert dos
igricoias alli o estaA-am attestan-
do.
Quando os tres fdhos da viuva se assen-
taram mesa da familia, o soldado fi o
primeiro a fallar d'este modo:
Nao consegu enriquecerme, porm
soube enmprir a promessa (pie fiz. Mi-
uha irma, j tens o par de brinco. En-
contrei um igual. Este sabio menos caro
que o primeiro, porque s custoa a vida
de um hornera.
E o soldado mostrou o pedacinho de ouro
sob a forma de urna pera, que suppoz ser
em tudo igual ao que deixara a irada.
Junti do pedacinho de ouro viuha um
annel, e entrelaerva esles objectos urna
linda tranca de cabellos.
O lavrador reconheceu o annl. A no-
va do moco soldado reconheceu o sigaal
que pozera na pera ou lagrima de ouro, c
a tranca dos seus cabellos. E anjbos, ater-
rados com a idea de que seu inniwfbsse o
assassmo do sen bom amigo, exWamaram
empallidecendo:
E' o iaesmo !
Os que tem confianca no futuro suppoem
que nascer- um dia sera que possa dizer-
se: Succcdeu isto no tempo em quo os ho-
mens ateavam a guerra.
. Os que veem mais longe, e acreditam
smente em que hio de apparecerno mun-
do racas melhores que a nocsa, julgam que
os crimes da guerra nao se praticaro
quando se disser: cSuccedeu isto no tem-
po em que havia homen. *-
estar na
narra ti va-
nos arredotesfte Aliad presenriariam nm
ospectacdl qne de erW os rejubilaria.
Nos que temos, como romancista, odom da
ubiquidade, tiansp irhn'-nos-hemos ao sl
do Tejo, e veremos o que por la se passa.
Vinha rompendo o sol, e os seus raios
alegres douravam as cumiadas dos montes
sobranceiros ao rio, e scintillavara nas lm-
pidas agua| que beijavam amorosamente as
quilhas das gales cas-telhanas. Indolentes
como quem se julgava seguro, -egalavam-'
se os eastelhanos dormindo Id grane ma-
tutee, como os francozes, sens alliados, di-
ziam. naspoteadas onde se alojavamem Al-
mada, Cacilhas e nas ahfeias circunvisi-
nltas.
Sbito um grito os sobresalta: Armas,
armas, CaMla, tkMtilla brada-se pelas
ras j cheias de sol. Logo em seguida
ouve-se o pesado tropear de cavados ac-
linlnram-se, escarvando o chSo beira do
abysmo, aobre o qual de longe pareciam
suspensos. O alferes, collocando-se no
centro, desenrolou a brisa o leu pendo
ovante ; os raios do sol relectiram-se, como
em espethos polidos, nessa longa lnha de
ferro formada pelas oervilheiras e os olmos.
Rea!, real, pelo mestre 8c Aviz! "brada-
ram de novo os cavaeiros.
E as suas espadas accendoram no ar co-
mo que um longo relmpago. E as trom-
betas, erguendo a sua voz estridula, envia-
ram a Lii&oa uma's'andaofo-lbstlva.
Respondeu-lhe ao longe um vago echo,
como que um longo murmurio. Era o
grito de jubilo soltado pelo povo de Lisboa,
apinhado nos caes, e que n'esses larapejos
indecisos, que futilavam aos raios do sol
na margem fronteira, adevinhra as espa-
das robustas, as invulneraveis coirafas de
Nono Alvares.
Oh meu valente irmo d'armas 1
murmurava Nuno laucando para Lisboa os
olhos arrasados d'agua. Dera dez annos
da nimba vida para poder agora combater
ao ten lado.
Oh Alda Alda f murmurava Alfon-
so Eanes. um dos mais novos ntreos es-
cudaros de Nno. Dera a mlnha vida
inte ira para que ete rio que nos separa
me levasse a tens ps, e me permittisse
porsar um beijo s nos teus labios.
E suspiraram ambos, o namorado escu-
deiro, e o heroico fronteiro de Entre Tejo
e Odiana, cuja amante querida era a gloria.
Algum tempo se^onservou a hoste n'a-
quella attitude soberba. Depois Nuno Al-
vares enterran as esporas no cavado c,
seguido pelos seus, galopou em direceo a
Cacilhas.
N'essa mesma noate estava em Pal-
mella.
n
Os Almenaras dePalmella.
Era urna noute sem la Lisboa dorma,
I"so se'pode chamar dormir tregoa rpida
que osoffrimento concede. Um plmbeo
silencio pesava sotire as tortuosas ras
da cidade, silencio cortado aqui e alm por
alguns gemidos flebeis, que se exhalavam
dos sitios de onde penavam as victimas da
fome, e pelos gritos de alerta dos atalaias
que yelavam nos muros, e cuja vigilancia
era (iscahsada por numerosas roldas e so-
breroldas.
O ro arrasiava no scio das trevas a sua
corrente negrejante matizada das perolas
luminosa que o co estrellado sobre eTa
semeava. O murmurio queixoso da vaga
quebrando nos caes, aquella triste melopea
que preside 1 eterna evoluco da superficie
movel das aguas, despertava nos-espiritos
abatidos urna pungente raelancoRa e um
desalent profundo.
No eirado dos pa?os de S. Martinho,
onde resida o mestre 'de Aviz, passeiava
espadas, o gemido dos moribundos, os gri-
tos dos combatcntes. Levantam-se pressa
bertados de ferro; logo depois o unir das -este acompanhadb;por alguns dos membros
do sen conselho, entre os quaes devemos
notar o chanceller-mr Joo das Regrae. O
O csi'uilcir
ainda sem saberem o que os desperta; aqui [bastardo de'Pedro1 h'est inquieto, agitado,
"ura castelhano, no trajo primitivo de Ado e febril. Muitas vezes para, e relancis
'Eva, mas ds espada em puSho, procura o
inimigoc; odrrosibgi'm em hbitos menores;
aqui appareceinn sen gtbm, ontro vestido
(li)iis pressa.
* Mis o que ? perguntam todos. E
um otro grito Ihes responde: Nuno
Alvares, Nuno Alvares; O nome do jo-
ven- hroe transforma em terror pnico o
sobresalto; pela ingivme encosta' que vai
ttr a -Aliada arroja-se a turba fugitiva, gal-
ga-aespavorida, atropeila-se, ns fatigam-se
e caem pisados aos ps pelos que os se-
guenn; a onda sobe, sobe sempre como as
aguas-de urna inundaco. J sentem o res-
ftilegar dos cavados dos soldados de D. Nu-
no. Jess! aquella massa confusa, que o
sqjI nascente Ilumina com espanto justifi-
cado pela variedailde dos trajos, pie todos
alli se encontrara, desde a nudez primitiva
at frrea vestimenta de um guerreiro da
idade media, faz um ultimo esforco, galga
gemendo o monte, precipita-se no cistejlo,
entra, cenam-se as portas e os cavallos of-
fegantes dosportuguezes, cobertos desuor
e brancos de espuma, estacam de improvi-
so diante do muro hnpnetravel da for-
taleza.
Corpode Deus, senhoros casteUianos,
brada urna voz forte, ainda que entrecor-
tada pelo cancro, nao tardar a des-
forra.
Era Nuno Alvares*que assim fallava;
Nuno .Vivares, que galopara dia e n lite, se-
guido por um punhadode homens d'armas,
desde Evora at a margem do Tejo, para
dar esta desagradawl alvorada aos soldados
do rei de Castella
A teraeridade fra grande ; a pequea
hote que cercva o futuro condastavel, e
que tal pnicoespalhaia ntreos eastelha-
nos, formava ura esquadro de duzentos
cavalleiros, quando muito.
J que to altos subimos, continuon
Nuno Alvares, mostremo-nos bem a ami-
gos e a miraigos.
E, dando voHa ao cavado, enc.im4nhou-se
para a eminencia que domina o Tejo coftto
um terraco natural.
Quando soffrearam os gineles a beira do
abysmo todos soltaram involuntariamente
um grito de admiraco.
A modesta cidade de D. Fernando desdo
brava-se nas colinas da margem fronteira,
entre o sitio onde boje se levanta o arse-
nal do exercito e o largo do Corpo Santo.
O sol bauhava as pinhas de casas ou
desdobravam pelas encostas dos montos
neite limitado espaco comprehendidos. As
setenta e sete torres da cerca desntavam
na pura atmosphera os bellicos perfis. Em
voltada cidade, a certa distanciada raura-
Iba, e comecando em Santos, dosenrolava-
i arraial castelhano, alinhado e resplan-
decente como outra cidade improvisada. Al
oeste de Lisboa erguiam-se as colimas,
hoje4amb8m cobertas- de casarin, entSb
de \ho Alvares.
I.
MA ALVORADA DK CASTKLII.VNOS.
Estava a terminar o primeiro canto d'essa
gloriosa litada portugueza, que teve por
Achiles Nunes Alvares Pereira, porUlysses
o doutor Joo das negras, e em que o mes-
tre de Aviz representou, de certo, um pa-
pel ainda mais glerioso de que o de Aga-
menn. A naeiooalidade portugueza ma-
nifestara-se j de um modo deslumbrante;
o povo fizera a sua apparico na scena
das historias ; e o rei de Castella suspenso
diante da nexpugnavel Lisboa, comecava a
pereeber o que e o quo vale o patriotismo.
Estava aqui quali' a fihaar o mez de se-
tembro de 1384. Durante o espaco de
tim anuo, que tropel de grandes aeoniteci-
mentos n'este cante' occidental da Enropa k vestidas apenas de veedora.
Moriera e!-rei D. Fernando em outubro de
Ctx.l, d.'ixando, como ultima consequencia
da sua desastrosa poltica, a heranca de
PoYtugal a sua-filha, ramba-|de CasteU, a
regencia do remo a sua esposa, a adultera
o criminosa Leonor folies. O -poro twse-'
cara protestando sordamente contra o tes-
tamento que o entregara aos eastelhanos,
a nobreza mostrara-se decidida a ni acei-
tar a preponderancia do com* AOdeirft,
aiiCTBte reconhecido da rainha vm. O
insWe de Aviz apparecera, como Instffl-
mehf providencial, para sat6fzer os odios
da fidalguia e as aspiracoes do povo. A
Binthaiada que vibrara nos pacos de 9:
Mhhn livrara o reino do valido odiado-;
a fogi de Alenquer (te D. Leobor, que ar-
da em desejos de vifiganea, dehura-'o cara-,
po livre ao mantenedor''da THrtWiialidBfle
os
olhos cora certo ardor para a margem me-
ridional do Tejo, outras vezes, chegando-
Ihe aos ouvidos algum- gemido que se ex-
hala do sejo da cidade-angustiada e oppres-
Sa, folla a passeiar com urna agitaejio qie
se trabe em palavras sem nexo, em gestos
de desespero. v
Peedido murmura elle ; perdido na
vespera do triumpho Esperar Se eu
podesse esperar dous dias A peste de^-
vasta o arraial inimigo Depois de afta
nha, manha talvez, nao ha nem um cas1-
lelhano diante de Lisboa Mas esperar...
como? A fome tenho-a aqui. o es-
pectro/' que me vem arrancar sem piedade
da mo os loiros e o (hade... Ah se eu
fosse rei!
Silencio murmurou Joo das Re-
gias odiando receioso para os outros hi-
dalgos que palestravjm aparte.
Mas o mestre nao o ouvia.
S Nuno Alvares ao menos alli estives-
sc defronte... Se nao fosse, como foi de
certo, um vo sonho a viso d"esta ma
nha... Impossvel! Cmo poderia estar
em Almada quando os eastelhanos o aper-
tara em Evora ? Se eu te podesse aqui
ter, racu fiel amigo, leal como atua espada.
e valente como ella...
Em baixo o rio deslisava magestoso e se-
reno. Cobria-o dimite da cidade urna flo-
resta de mastros, cerrada como um arvore-
dovirgem: era a esquSdm casteltoHva. O
soldouravaos difiranles planos deste qua-
dra varieg^do, e entolvia no manto lumi-
noso esse panorama, qne alegrara os olhos
de (paem nao sabia os horrores que occul-
)a\a.
Depois om fntante de muda comtompla-
OSO, Nnno Alvares, voltando-sc para os seus*
exclamou, proenrando reprimir a comp
cao que lhe fazia tremer a falla i
Senhores, saudemos a cidaiki heroi-
ca i Honra ao sen heroico chefe !
real, pelo mestre de-Aviz I
Real! real.! bradaramoi cavalloirasagitaml^
as espadan.
E logo a peqhena hosfe se formou em
portogaen. Dbalde w fidah|w, ^wsKltttSalKrtlrama; os cactos, ipnclWtBs, res accndra no urlsbntc.
Joo das Regras franzio o sobr'olho.
Nunca o clianceller mor se pode costumar
a ouvir seu amo elogiar Nuno Alvares.
Sbito os outros fidagos soltaram um
grito de espanto.
lhai, "^senhor, olhai, diziam elles
apoutando na direceo de Palmella.
Nohorisonte calligyjoso, no moio da's
trevas profundas, aecendera-se de subiLo
urna chamma vermelha, que fulgurava ao
longe como eStrella-pbarol que DeuS fizesse
surgir para Iluminar o caminho aos mys-
leriosos navegadores do ocano dos ares.
O mestre cravou os olhos cora anciedade
n'esse ponto vernumo qrfe reluzia ao lon-
ge, trema? fanal de esperanca. Todos
litavam a vista no horisonte, anciosos sera
saberem porque. No silencio profundo da
noute podia-se ouvir o bater dos coranes
dos homens agrupados no eirado, e o ru-
mnrejar das ondasinhas do Tejo, entoando
o seu estrbilho incessante. Nao espera-
ram muito tempo ; n'outro ponto do hori-
sonte, a pouca distancia do primeiro, ac-
cendeu-se nova chamma, depois terecira,
e outra ainda, a outra. Aquel les fechos
silenciosos fulguravaiu de sbito no co,
como olhos esbraznailos quo o co abria
para ver as miserias terrenas. Depois as
cinco estrellas rubidas permaneceram im-
moveis c scintidantes, como as antigs al-
menaras moiriscas nos pincaros das mon-
tanhas.
tile elle! biadou o mestre com
enthusiasm#; Narro Alvares que me d
signal da sua presenca, que me enva de
longe a sandaco e o conforto Meu fiel
paladino cavadeiro sem mancha I Am
nunciam-te essas letras de fogo que escre-
ves no horisonte, tomo te anounciaram
esta manha os relmpagos da tua espada!
Depressa, depressa venha um Tacho en-
viemos-lhe por cima d*.cidade em luto a
nossa luminosa resposta.
Logo subirara pagens ao eirado, trazen-
do Tachos, cuja chamma ondeante ao vento
projetou um claro tremolo sobre as fi-
guras dos fiflalgos reunidos no eirado e
fe-las ordear como esses vultos das velhas
tapecarias de Arras que a luz oscilante da
lampada Ilumina.
. Reinava profundo silencio; os pageos
Imraoveis, como candelabros vivos, espan-
cavam em torno de si as trevas com a luz
que os fachos espargiarn ; ao longe palpi-!
tavam as rbidas estrellas aue Nano Alva-
Ouvia-se l em baixo o manso mmorejar
das aguas do Tejo.
0 mestre approximou-s do parapeito,
sentouvse, e, firmando a barba na mo,
cravou nos pontos luminosos que fulgura-
vam para os lados de Palmella "ura oibar
melanclico. Depois comacau em va bai-
\ i, como se teraesse perturbar o silencio
augusto da noate :
Fadou-nos inuoj d'armas o destino!
Quando elle veio corte, de idade de treze
annos, quiz Leonor Telles voatir-lhe as ar-
mas. Nao encontraram coiraca que lha
servase, por ser crianca ainda. Eu tinha
entaoquiuze anuos; empreste-Ihe a rainha
coiraa de adolescente, e Leonor Telles,
cora essa mo que, banhando-se era tanto
sangue, nao perdeu nunca a transparente
alvura, enfiou-lh'a sorrindo. Era a nossa
cruel inimiga, que assim atava os lacos de
urna fraternidade que nunca se desmento f
Quera nos dira, enancas descuidosas, o
que havia de succeder depois) Annos
tranquillos, como fugis depressa I Praias
floridas, com quanta brevidade vos per-
demos de vista, mal pomos o pe n'este
baixel aventureiro para sulcarmoa o mar
procelloso da existencia !
Todos escutavam cora respeito; brba-
vam sempre alm das chammas longincuas,
e o Tejo murmurava queixoso, revolvendo
no seio das trevas as suas ondas negras.
O mestre continuou cora a mesma voz
melanclica e saudosa, que era apenas tm
murmurio :
Que valente espada aquella I que en-
| thusiastico espirito que ingenuo coraco !
Intrpido no perigo, urna crianca no tra-
to intimo Bravo leo para os inhnigoa,
para os amigos como esse leo de An-
drocles, de que ainda n'outro dia JoSo tas
Regias me contava aliistoria. um here
antigo! Ah mas quanto eu te invejo ago-
ra, meo fiel companheiro! Pefejas livre-
mente, fazes brilhar ao sol dos combates a
ua invhcivel espada, hitas, vence, teme
itrio e sublime E eu, eu, encerrado
'h'ts niuros, combatendo com ura espec-
tro intangivel, Cspeclor que me prostra,
que en iio posso domar a fome, hei de
morrer, mas de que mortel Ingloria, obs-
cura, e sem prbveito nem para o meu no-
me, nem para a patria.
E o mestre (ftxou cair a eabeca entre a&
raaos. Mudos e aterrados, os seus fiis
cavalleiros eonietnplavam com profunda
tristeza o desespero sombro dO'here. Lar-
go tempo se conservaran! assim ; depois,
levantando os olhos para o horisonte, virara
apagar-se urna das ebammas, e suacessiva-
mente as outras. O mestre segeio' tambem
ess** expirar das estrellas ficticias, emur-
murau cora voz cava :
Asim morre a esperanca.
Fez ura gesto com a mo, e pagens e
fidagos- sairam. Elle ticou sosinho, im-
merso nos seus pensamentos, com os
olhos evavados no horisonte sem luz, at
que os primeiros clares da aurora vierara
purpureatv o oriente.
III
Dramas nocturnos.
N'essa mesma noute, quando a comrau-
nicaco mysteriosa se estabelecera entre
Filmo Alvares e o mestre, quera na praia
desala, rale hoje existe a praca do Com-
mercio, fitasse a vista no Tejo e pozesse
o onvido escuta vera no se das trevas
branquearem, coroando-se-de espuma, as
ondas sulcadas pelo braco de um nadador
audacioso, e ouviria, entre o mormurio in-
cessante do fio, o tenue ramn produzido
pela effervescencia da agua.
O vulto chego praia, feram ultimo
esforco e saltou em trra, cahindo ao mes-
mo tempo quasi desfallecido ; ergueu-se
logo e dirigio-se cidade. Algumas pala-
vras trocadas cora o* atalaias das torres
fizeram com qye w das posta lhe fosse
aborta ; largo Ifemoo e demorn, com vi-
si vel impaciencia, mas tendo que responder
s pergunlas aneiosas dos besteiros, que,
acolhendo-o com alvoroco e nao se fartando
de o interrogar, o aqun tavam ao mesmo
tempo, e lhe davam roupas e armas. A
final conseguio despedir-se, e logo deitou
a correr na direceo da Ra Nova, enliou
por urna das labyrintlcas ras que ento
se cruzavara ne terreno hoje alinhado era
quarteires rectangulares, e intpellio, fi-
nalmente, a porta mal fechada de urna casa
de soffrivel apparencia.
Alda biadou elle com voz alegre ;
ininha querida Alda r sou eu o leu noi-
vo!
Parou assombrado; a luz mortca de
urna candeia divisara um espectculo ter-
rive!.
No meio da casa orna raulber velha e
bem vestida estorcia-se nas convulsr>es da
agona ; a um caoto urna rapariga sen-
tada, com os joelhos boca, bella, mas
com o rosto lvido e os cabellos desgre-
nhados, (lava um olhar desvairado no cor-
po quasi inerte, em que se iam apagando
os,ltimos lampejos da vida.
Alda exclamou o nadador correndo
para ella. 0 quo isto ? que desgraca foi
esta ?
Esta Lisboa mirad?, prezada e dei-
xada, responden a rapariga com urna vo>.
montona, repetindo machinahnente a in-
juria rimada que os lisbonenses no princi-
pio do cerco vibravam aos eastelhanos: se
queris carneiro qual deram a Andelre, se
queris do cabrito qual deram ao arce-
bispo !
Alda f bradou o moco. Nao me co-
nheces, infeliz ? Sou eu, o ten noivo, Af-
fonso Eanes.
Tenho fome, rc-spondeu Alda no
mesmo tom montono o doloroso.
. Fome, tn Quando faltn'o fio na
casa de teus pas ?
Tenho nanita fome, repetio Alda.
Aflbnso Eanes, n'um impeto de desespe-
ro, toraou-a nos braeos, levou-a junto da
luz, e, cravandoos olhos arrasados de agua
no rosto desfigurado da pobre rapariga :
Alda bradou ; nao me conheces,
Alda?
A rapariga mirou-o espantado, e depois
fuzilou-lhe nos olhos um latBpqje de razo,
e. saecudindo a cabeea orno para repell-
as nuvens cora que o delirio me turvava a
monte, exclamou cora jubilo :
AtTonso!
Oh Remdito Deus I disse elle.
Urna torrente de lagrimas inundo as
faces da pobre poiva.
4.

i
i~
1
.1
(Cotumuar-ae-ba).
fsf^S WlRIO-feirA tiAS Mif 'i.
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EC3HJV5UD_2862X1 INGEST_TIME 2013-09-14T03:35:14Z PACKAGE AA00011611_11775
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES