Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11772


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO XLV. NUMERO 40.
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE.
Por tres mezes adiantados..................
Por se9 ditos idem.......... ..........
65000
124000
240000
320
DIARIO DE
S
SABBADO 20 DE FEVEREIRO DE 1869.
-----------,------------------------------------------;--------,------------------------------1------------------_
PARA DEHTRO E FORA DA PROVINCIA.
Por tres raeaes adiantados...............*. 6*750
Por seis ditos idem..................... 13*500
Por nove ditos idem................... 20/5250
Por um anno...................... 27)5000
MAMBUCO.
Propriedade de Manoel Figpeira de Faria & Filhos.
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filh
sao erara:
nio Alves & FilhosrjwioPara; Goncalves A Pinto, no Maranhao; Joaquim Jos de Oliveira, no Cear; Anwiio de Lemos Braga, no Aracaty; Joo Mara Julio Chaves, noAss; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joaquim
Guimares Pancada^em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomeana Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bolca, em Santo Antlo; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth; Francino Tavares da Cssta, era Alagas; Dr. Jos Marios Alves, na Babia; e Jos Ribeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
"
.

PARTE OITICIAL.
:%
Gorrmo da provincia.
EXPEDIENTE ASSIli.NADO PELO EXM. SR. CONDE DE BAE-
I'KNDY,'PRESIDENTE DA PROVINCIA, NO DA II DE
FEVEREIRO DE 1869.
1.* SOCPO.
N. 30XPortara ao Exn. general commandanle
das armas.Sendo autorizados por aviso do" mi-
nisterio da guerra de 30 de Janeiro prximo findn,
os concertos de quenecessita o quartel do deposito
especial de instruccao, o V. Exc. solicitou eni ofli-
eios n. iz" de !de outubro e n. 1158 de 29 de
dezembro do anno passado, acabo de expedir or-
dem aoengenheiro enearregado das obras militares
para que sejam eltes foctuados.
Jf. 301.Dita ao engetiheiro das obras milita-
res.Estando autorizado por avisa do ministerio
da guerra de 30 do Janeiro prximo lindo, os con-
certos dequepreeisaoquarteidodepositoespecial de
instruccao, oreados, segundo o seu offlcio de 15 de
outubro do auno passado, em 1:0103tt0, cumpre
que Vine, abra concorrencia para que sejam clles
effeetuados nos termos da lei por quem melhores
vantagens offrecer, submettendo prximamente a
approvarao desla presidencia o respectivo con-
trato.
. 3." seccao.
N. 306.Portara ao inspector da thesouraria de
fazenda.Expedindo ordem nesta data para que
sejam effeetuados os concertos de que necessita o
quartel do deposito espeeial de nstriicco, oreados
na quantia de LOlOittO e autorisados pelo aviso
do ministerio da guerra de 30 de janeiro prximo
lindo, junto por copia: assim o communico a V.
S. para sua intelli(wncja e fias convenientes.
U. 307Dita aMnesmo.Devolvendoa V. S. os
prets junios em duplieata, que vieram annexos ao
seu ofllcio de 8 do corrente sob n. 77, tenho a
dizer en resposta, que, de conformidade coin a
portara de 28 de Janeiro ultimo, mande pagar o
que justamente se estiver a dever dos vencimentos
relativos aos mezes de novembro e dezembro do
anno prximo passado, dos guardas nacionaes des-
tacados, segundo consta dos mencionados prots, na
povocao dePesqueira, visto ser este destacamento
0 mesmo, de que trata a tabella de i do citado mez
de novembro existente na villa de Cimbres.cuja
sede actualmento naquella povoaco.
.\. 308.Dita ao niesmo.Anuuihdo ao que soli-
citou ochefe de polica einoflicio de hontemn. 200,
recoinmendo a V. S., que em vista da inclusa conta
mande pagar a empieza da lnpeza e asseio desta
cidade a quantia de 10a proveniente da despeza
fetta Jurante o semestre de julbo a dezembro do
anno prxima passado, coin o apparclho collocado
pela memia empreza na ccretaria daqaclla repar-
t cao.
N. 309 Dita ao mesmo.Recoinmendo a V. S.,
que ten lo em vista o termo de orrematacao junto
por copia, mande pagara Manoel AmonioTeixeira,
conforme solicitou o engenheiro enearregado das
obras militares em ofllcio de bontem, a quantia de
9095, a que se julga com direito o mencionado
Teixeira, por baver concluido o calcamento da en-
trada da fortaleza do Brum e varios concertos, de
que preeisava aquella fortaleza. Do incluso conhe-
cimento consta ter elle pago na estadio comi>etento
o sello proporcional do seu contrato.
X. 310.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Attendendo ao que solicitou ochefe da re-
particao das obras publicas em ollicio de hoje sob
n. 83, leciiinmeiido a V. S. que mande entregar
ao thesoureiro daquella repartir) a quantia de
1:000.3 para oeeorrer as despez'as rom os reparos
urgentes dos dainos causados pela cheia as es-
tradas e puntes que ao entrada para esta ci-
dade.
4.' seccao.
N. 313.Ofllcio ao conselheiro Jos Carlos de Al-
meida Arias, enviado extraordinario e ministro
plenipotenciario do Brasil na corte de Londres.
Tenho a honra de transmiti- a V. Exc. o batan-
eo c a copia da acta, inclusos da liquidaeo das
con'as da estrada de ferro do Recife a S" Fran-
cisco, relativas ao mez de Janeiro prximo lindo.
N. 314.Ditoao engenheiro Luiz Jos da Silva.
Recolha Vine, com urgencia secretaria desla
presidencia todos os instrumentos fornecidos para
execurao dos trabalhos de que esteve enearrega-
do, aun de seren transinittidos secretaria de es-
tado dos negocios da agricultura, commercio e
obras publicas, como foi detenninailo por aviso de
29 de Janeiro prximo lindo.
N. 345.Dila aos agentes da companhia Brasi-
leira de paquetes a vapor. Podeiu Vmcs. fazer
seguir-para os portos do sul o vapor Tocantins.
procedente dos do norte, hoje a hora indicada em
seu olicio de hontein datado.
N. 316 Deliheraeao.O presidente da provin-
cia, atlemlendo ao qie requeren Secundlo Predi-
liuo (lomes de Oliveira, prafeante da secretaria
do goierno, resolve prologar por quatro mezes
copiados do dia 26 de Janeiro prximo lindo, e
com os respectivos vencimentos a licenca de oito
BK0B8 que lle foi concedida em vrtude do art. Io
da lei n. 822 de 12 de maio do anno passado.
EXCEDIENTE ASSIfi.NADO PELO SR. DR.JOAQl'IM COBBSA
DE AIIAUJO. SKCIIKTARIO DO GOVEUXO, F.M 1 i DE
FKV1.RKIIIO K 4869.
1" seccao.
N. 317.Ollicio ao engenheiro das obras milita-
re-.S. Exc. o Si-, presidente da provincia man-
da declinar a V. S. em resposta ao seu offlcio do
harten, que a thesouraria de fazenda tem ordem
para pagar a Manoel Antonio Teixeira a quantia
de 9095000 constante, de-seu citado ofllcio.
2" seccao.
N. 318.Ofllcio ao Dr. cliefe de polica.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia manda declarar a
V. S. en resposta a seu ofllcio de hontem, sob n.
-SOO, que a thesouraria de fazenda tem ordem j?ara
pagar a matia de 10,3000 constantes de seu ci-
tado ofllcio.
N. H9.LJito ao promotor pnhlico da comarca
de Cabrdb.O Exm. Sr. presidente da provincia
manda aecusar o rccebimenlo do ofllcio de V. S
de 8 do correte, em que communica ter nessa da-
ta entrado no goso da licenca que lhe foi concedi-
da por deliheraeao de 2f) de Janeiro ultimo.
3* seccao.
N. 320.Ofticio ao inspector da thesouraria de
fazenda.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
mandatransmittir a V. S. competentemente des-
pachado o requerimento de Joo Pinto do Lemos
Juuior, a que se refere a sua inforniaco de 3 do
corre nte,*sob n. 68.
. 321Dito ao raesmo.O Exm, Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S. para os
ns convenientes, que segundo o offieio do promo-
tor publico de Cabrob, Tiburcio Raymundo da
Silva Tavares de 8 deste mez, nesta data entrn
no goso da licenca, que lhe foi concedida por deli-
heraeao de 29 de Janeiro prximo fmdo.
H 322.Dito ao chele da reparticao das obras
publicas S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
manda declarar a V. S. em resposta a seu offlcio
de hoje, sob n. 53, que a thesouraria provincial
tera ordem para entregar ao thesoureiro dessa re-
parti.'ao o 1:080*, de que trata o citado offlcio.
XPEDHENTE ASSKJNADO PULO EXM. SR. CONDE DE BAE-
PEHDY, PRESIDENTE DA PROVINCIA, EM 12 DE FKVK-
BEIRO DE 1889.
1 seccao. ,
N. 234.Portara ao commandante do presidio
de lwand.aea V. 8. seguir para esta adade
na prtoteiTa oppotmidade, o sentenciado Jos do
Espute Ma, qoe segrodo o offlcio do juiz mu-
niei|ial da prtmeira vara de 8 do corrente, ja enm-
prioa peBa,aqu8fo condemna*).
N. 323.Dita ao mesmo. Transmiti a V. S.
as guas dos sentenciados constantes da relacao
junta por copia, quo seguirain para esse presidio
no vapor Giqttid, e juntamente as dos de nomos
Flix Correa Vllela e Manoel Soares, que ja ahi
se acham sem ellas.
2.* seccao.
N. 328.Ofllcio ao presidenle do supremo tribu-
nal de justica Transmiti a V. Exc. a resposta
junta que em observancia da |H>rtaria de 19 de de
zemhro ultimo, deu o juiz de direito da comarca
de Garanhuns, acerca de um requerimento do jiz
de direito Jos Ignacio Gomes Guimares.
H. 329.Portara ao chefe de polica.Pelo offi-
eio que V. S. me dirigi com a data de hontem,
sobn. 199, iquei interado das occorrencias,- que
cliegaram ao seu eonhecimento, havidas por occa-
sio da grande enchente do rio Capibaribe no dia
antecedente, bem como das medidas que V. S. to-
mou, e poz em execueao, conforme as ordens desla
presidencia, para soccorre as pessoas que a in-
nundacao proveniente d'aquella cheia sorprehen-
deu em suas hbitacoes, nao s alim do salva-las
do perigo que corriam, como para forneci ment
de vveres as que ticaram em estado de precisar
d'clles, em tao crilicas circumstancias; o que o fez
com a necessaria promptidao, como V. S. me diz,
segundo a autorisacao que lhe de. E apreciando
o zelo e dedicacao, com que V. S. se houve, cbe-
me louva-lo pelos servidos quo prestou om tal
emergencia, bem como as autoridades policiaes e
mais pfesoas que concorreram para o' bom resul-
tado das medidas empregadas ; devendo V. S. fazer-
Ihes contar o apreco, em que igualmente tenho os
seus servicos. Aguardo a conia das despezas fe-
tas com os soccon-os que foram dados, alim de or-
denar o respectivo pagamento. Nao estando ave-
riguado quantas e quaes foram as pessoas que fal-
leceram por occasiao da mencionada enchente, re-
coinmendo a V. S. que faca proceder s pesquizas
e indagacoes convenientes para que se tenhadisso
verdadeiro eonhecimento, participando-mc imme-
diatamente o resultado de taes averiguacoes.
N. 330.Dita ao commandante superior interino
do Recife.Expeca V. S. suas ordens para que urna
guarda de honra tirada de um dos corpos da guar-
da nacional, sob seu commando superior, aeompa
nhe a procissiio do glorioso Santo Amaro de Jaboa-
tao. que tem de sabir da igreja matriz d'aquella
freguezia na tarde do dia 21 do corrente.
N. 331.Ditasaos presidentes da relacao e do
commercio, juizes de direito, especial do commer-
cio, da primeira e segunda vara, e aos das comar-
cas de Olinda, Juunb, Cabo, Palmares, Cmaro,
Bonito, Tacarat e Cabrob.Haja V. S. de enviar
a esta presidencia at o fin do corrente mez im-
preterivelmente, urna relacao nominal dos serven-
tuarios de officios de Justina d'essa comarca, com
declaracao de quaes sejam esses officios, que leis
os crearam, as dalas em que os mesmos serventua-
rios foram nomeados, e por quem, se estao em
exercicio, e no caso negativo, desde quando, e por
que causa.
N. 332.Dita ao juiz municipal da primeira va-
ra desta cidade.Por ter sido recebido hontem a
tarde, tres dias depois, o seu offlcio de 8 do cor-
rente, deixei de expedir pelo vapor Giqui, pie sa-
ldo para Fernando no dia 10, ordem para que rc-
gresse a esta capital, como Vmc. solicitou, o sen-
tenciado Jos do Espirito Santo, que j cumprio a
sentenca a que fora condemnado : o que agora fa-
co para que volte na primeira opportunidade.
N. 333.Dila ao mesmo.As guias de que tra-
ta o offieio de V. S. de 8 do corrente, deixaram
de acompanhar aos sentenciados, que seguiram
para o presidio de Fernando no vapor Giqui, sa-
bido a 10 do corrente, por ter sido recebido o dito
offieio nesta presidencia no da U, convinde por
tanto que V. S. indague d'oude proveio essa de-
mora na entrega.
3." seccao.
N. 334.Portara ao inspector da thesouraria
de fazenda.Mande V. S. pagar os vencimentos da
jiarnigao do briguc escuna Tuneleiro, surto no
porto desta capital, e pertencente a divisan naval
deste districlo, segundo consta de offlcio do respec-
tivo chefe, datado de hontem e sob n. 57.
N. 335.Dita ao mesmo.Reconimendo a V. S.
que, em vista da relacao nominal e pret, juntos em
duplieata, mande liquidar os vencimentos, relativos
ao mez de novembro ultimo, dos guardas nacio-
naes destacados na villa de Sauta Maria da Boa-
Vista, e pagar a sua importancia ao capitaoJ'ran-
cisco Manoel Rodrigues Coelho, ou ao seu procu-
rador nesta capital, Andr Avelino Perera e Silva,
conformo solicitou o commandante superior da-
quella comarca, em offlcio datado de 12 de Janeiro
ultimo.
N. 336.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Ein vista do pret, junto em duplcala, que
me rcmetteu o commandante superior deste muni-
cipio com offieio de hontem, sob n. 16, mande*V.
S. liquidar e pagar a importancia dos vencimentos
a contar do 1. a 22 de ianeiro ultimo, dos guar-
das nacionaes do 6." batalhao de infantaria, que es-
tveram ao servico da polica no dstricto da Pas-
sacem da Magdalena.
N. 337Dita ao mesmoPode V. S., conforme
ndica em sua inforraacao de hontem, sob n. 67, a
que veio annexo o requerimento documentado, que
incluso devolvo, mandar cscrpturar, como divida
do exercicio prximo findo, alim de que opporiu-
namente se peca o necessario crdito para seu pa-
gamento, a quutia de 157^089, que, segundo o
parecer da contadoria dessa tliesouraria, se est a
dever ao professor de instruccao primaria da villa
de Cimbres, Eleuterio Roberto"Tavares do Espirito-
Santo, proveniente de seus veucinientos, a contar
de 9 de maio a 30 do junho do anno prximo pas-
sado.
N. 338.Dita ao procurador fiscal da thesoura-
ria provincial.Transmiti a Vmc. para seu eo-
nhecimento, o que acerca da arreeadacaWo im-
posto sobre doacoes informa o juiz de direito da
comarca de Garanhuns em offieio de 25 do mez
fmdo, junto por copia.
4" seccao.
N. 3\lPortarla ao vigariod'Agua-Preta.Mi'
nistre V. Rvma. a informacio exigida por despa-
cho de 22 de dezembro ultimo, lanzado no reque-
rimento em que Caetano Delfino Monteiro do Car-
valho pedia ser relevado da multa por faltado re-
gistro de trras.
N. 342.Dita ao gerente da companhia Per-
nambucanaO Sr. gerente da companhia Per-
nambucana mande dar urna passagem de estado
r, at o Rio-Grande do Norte, no vapor que tem
de seguir para alli, Pedro Deocleciano da Fon-
seca.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PELO SR. DR. JOAQTM CORREA
DE ARADJO, SECRETARIO DO GOVERITO, EM 12 DE FE-
VEREIRO DE 1869.
Ia seccao.
N. 343.Offlcio ao chefe da divisao naval.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda teelarar
a V. Exc, em resposta ao seu ofllcio de hontem,
sob n. 57, que nesta data expedio-se ordem a_the-
souraria de fazenda para ser paga a guaEuicao do
brigue-escuna Tonelero.
i' seccao.
N. 344.Offieio ao commandante suprior da
Boa-vista.Nesta data autorisou-se a thesouraria
de fazenda pagar ao capitao Francisco Manoel
Rodrigues Coelho, oo ao seu procurador Andr
Avelino Pereira da Silva, os vencimentos constan-
tes do offlcio de V. S., datado de if de Janeiro ul-
timo, o qnal fica assim respondido, de ordem do
Exm. Sr. presidenle da provincia.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 18 DE FKVE11EIRO
DB 1869.
Bento Joaquim Gomes.Informe o Sr. inge-
nheiro chefe da reparticao das obras publicas.
Padre* Francisco Verissimo Bandeira.Entre-
gue-so, passando o supplicante recibo.
Francisco Fcrreira Bbrges.Pague-se.
Hachare! Jos Rodriga do Passo.CaiaM
quer.
Joao Pinto de Lemos Jnior.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria Je fazenda.
Jos Pereira Borges.Na conformidade d i lei
de 30 de dezembro de 1841, e do regulamento n.
120 de 31 de Janeiro de 1842, nao pode ser atten-
dido o recurso, posto que interposto dentro do
praso legal.
Jos Odilon Annes Jacome-Pires.Como reiuer
com ordenado.
Racharel Leonardo Francisco de Almeida.In-
deferido vista da informacao do juiz de orphaos
da cidade da Victoria.
Bacharcl Pedro Aflonso FerreiraInforme o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Salustiano Severiano Ramos.Volte ao Sr. ins-
pector-da thesouraria de fazenda para ouvr o da
alfandega sobre os servicos do supplicante.
inoel Bezerra Cavalcanti.
inocl Dionizo Pereira .
do Reg Gadelha .
nio Jos Coelho. .
IPierre Vaiella Barca .
i Pinto 'ordeTro. .
aoel Tavares de Mello .
Aijiui-Prfln^
896
896
895
89a
895
895
895
Repartidlo da poeia.
2' seccao.Secretaria da polica de Pernambuco
19 do fevereiro de 1869.
N. 251. Illm. e Exm. Sr.Tenho a honra d
levar ao eonhecimento de V. Exc. que, segundo
consta das participacoes recebidas hoje nesta re-
parlicao, foram hontem recolhidos casa de de-
tenerlo, os scguinlcs individuos :
A' minha ordem, Deiphino Rodrigues de Andra-
de, como criminoso de furto de cavallo.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Manoel
Francisco das Chagas, por crime de estellionato.
A' ordem do subdelegado do Recife, Richard
Pard, inglez, requisicao do respectivo cnsul.
A' ordem do de Santo Antonio, Alexandrina Ma-
ra Maurica, por disturbio.
A' ordem do de S. Jos, Manoel Joaquim do Nas-
ciniento, como indiciado em crime de estellionato.
l'articipou-me o delegado de Sennhaeni, por
ofllcio de 15 do corrente, que o subdelegado do
districto de Gamcllera informra-lhe que no dia
8, no engenho Antas, Leocadia de tal fura espan-
cada por um individe, cujo nonie gnorava an-
da ; e que tendo procedido a auto de vistora na
pessoa da oflendida, foram as offensas consideradas
leves pelos peritos, deixando de instaurar logo o
piocesso por crime particular.
Communicou-me o delegado da Escada, por ofll-
cio datado de 15 deste mez, que, em um dos dias
do mez prximo passalo, um iudividuo desconhe-
cdo, que se achava em trras do engenho Sete
Ranchos, daquelle termo, ferio gravemente com
una facada, como foi verificado no auto do cirpo
de delicio, ao inspector de quarteirao Adolpho Eloy
Pacheco, quando. procura va este >epara-lo do um
outro individuo, com quem eslava qoostionando ;
consejaiittliy delnqueme evadir-se.
DeusT!uaruV~a V. ExcIllm. Exm. Sr. cuido
de Baependy, presiden.e da provincia.O chefe de
polica, Francisco de Faria Lemos.
PERNjVMBCO. .
KEVISTA DIARIA.
ELEir.OES.Abaixo damos o resultado de mais
algumas freguezia? :
Tia:iiuhdem.
Eleitores geraes.
Vigario .Basilio Goncalves da Luz. ...
Jos Francisco Lopes Lima. .".
Joo Cavalcanti Mauri'.'io Wanderley. .
Manoel Jos de Oliveiia Mello. ^
Christovao de Hollanda Cavalcanti de Al*f
buquerque.........
Joao Cavalcanti de Albuqnerque. .
Manoel Thoinaz de Albuquerque Mara-
flho..........
Thom Correa de Ara ujo .
Lourenco Bezerra Marinho Falcao .
Jos Pedro de Oliveira Mello ....
Joo da Costa Rbeiro e Souza ...
Ignacio Francisco Cavalcanti Wanderley
Manoel Joo Cavalcanri......
Antonio Tavares de Araujo Jnior. .
Francisco Saturnino Mauricio Wanderley
Antonio Tavares de Araujo Snior. .
Antonio Marolino Bandeira de Mello. .
Antonio Diniz de Albuquerque Mello. .
Manoel de Hollanda Covalcanti de Albu-
querque .........
Antonio Manoel Rbeiro......
Manoel Bezerra de Medeiros ....
Jos de Oliveira Mello Jnior.
Francisco Antonio de Souza RegrT .
Francisco Jos do Mel o Cavalcanti -. .
Gervasio Paulino Lopes Lima.
Manoel Tavares de Mello .....
Manoel lgnacio*Pereira de Moraes .
Joaquim Bezerra de Medeiros. .
Antonio Manoel Bezer.'a de Medeiros. .
Antonio da Molla Silveira Cavalcanti J-
nior ..........
Joo Angelo Lopes Lima.....
Manoel Caetano Borges Ucha....
Vicente de Hollanda Cavalcanti de Albu-
querque .........
Francisco de Bora Vieira de Mello
Manoel Bezerra Cavalcanti.....
Jos Gomes Ferreira ...
Joaquim Jos Mendes da Cunha Azevedo
Antonio Jos Lopes de Albuquerque. .
Bellarmino Bezerra N'egromonte. .
Eleitores especiaes
Migario Basilio Goncalves da Luz. .
Jos Francisco Lopes Lima
Joo Cavalcanti Mauricio Wanderley. .
Manoel Jos de Olivera Mello. .
Christovao de Hollanda Cavalcanti de Al-
buquerque.........
Joo Cavalcanti de Albuquerque. .
Manoel Thomaz de Albuquerque Mara-
nhao ........."
Thom Correa de Araujo.....
Lourenco Bezerra Marinho Falcao. .
Jos Pedro de Oliveira Mello ....
Ignacio Xavier Carneiro de Albuquerque
Ignacio Francisco Cavalcanti Wanderley
Jos Luiz Pereira.......
Antonio Tavares de Araujo Jnior .
Manoel Joo Cavalcanti. .....
Antonio Tavares de Araujo Snior .
Francisco Saturnino Mauricio Wanderley
Vicente de Hollanda Cavalcanti de Albu-
querque .......
Antonio Marolino Bandeira de Mello. .
Antonio Diniz de Albuquerque Mello. .
Patricio JosRibeirodeVasconcellos. .
Manoel de Hollanda Cavalcanti de Albu-
querque ........
Antonio da Motta Silveira Cavalcanti J-
nior...........
Francisco Amonio de Souza Reg. .
Gervasio Paulino Lojms Lima. .
Manoel Bezerra de Mudeiros.....
Francisco Jos de Mello Cavalcanti ,
Antonio Manoel Ribeiro......
Joaquim Bezerra de Medeiros. .
Antonio Manoel Bezerra de Medeiros. .
Joaquim Jos Mendos da Cunha Aievedo
i Joao Mauricio do Rezo Barros. .
Eleitores geraes.
Dr. Pedro Alfonso Ferreira.
Dr. Joao Francisco da Silva Braga.
FelippeBenicio.Alves Ferreira.
Antonio Evaristo da Rocha.
Pedro Miliano da Silveira Lessa.
Dr. Francisco Cornolio da Fonseca Lima.
Francisco da Cunha Machado Pedresa.
Bento Severiano da Fonseca Pita
Jos Norberto Casado Lima.
Austreclino de Castro S Barrete.
Herculano Antonio Jos Marroqnim.
Padre Sesostres Abdoa Freir de Carvalho.
los Antonio de Mello.
Felippc Nery Alfonso Ferreira.
Trajano Aitstrecliano da Costa.
Antonio Santiago Pereira da Costa.
Pedro Duarto Rodrigues Franca.
Petronilio Pita de Albuquerque.
Ernesto Arcefino de Barros Franco.
Domingos Alfonso Ferreira.
Ivo Pinto de Miranda.
Juvcneio Antonio Gaio.
Alexandrino Olympio de Hollanda Chacn.
Ernesto Miliano da Silveira Lessa.
Francisco Alfonso Ferreira.
Joo Lins Paes Brrelo.
Manoel Antonio Ramos.
Joo Pedro de Mello.
Manoel Antonio da Silva.
Manoel Pedro Evangelista.
Antonio Jos da Silva Marques.
Joaquim Marques da Porciuncula.
Joaquim Francisco da Silva.
Eleitores especiaes.
Dr. Joo Francisco da Silva Braga.
Dr. Pedro Alfonso Ferreira.
Felippe Benicio Alves Ferreira.
Padre Sesostres Abdon Freir de Carvalho.
Pedro Miliano da Silveira Lessa.
Antonio Evaristo da Rocha.
Dr. Francisco Cornelio da Fonseca Lima.
Antonio Leocado de I.co.
Francisco da Cunha Machado Pcdrosa.
Austreclino de Castro S Brrelo.
Antonio Raymundo de Lima Brito.
Jos Norlwi'to Casado Lima.
Manuel Paulo de Souza.
Luiz Jo? da Silva Burgos.
Herculano Antonio Jos Marroqnim.
Trajano Austrecliano da Costa.
Francisco Machado Teixeira Cavalcauti.
Ernesto Arcclino de Barros Franco.
Manoel Feliciano da Rocha.
Bento Severiano da Fonseca Pita.
Antonio Velloso da Silveira^.
Jos Antonio de Mello.
Francisco Paes do Luna..
Francisco Baplista Mendes.
Joaquim (eminiano Paes Barrlo.
Si/.enando Hilario Ramos.
Francisco Quintino Pereira da Costa,
loo"Flix Nepomuceno Jnior.
Ivo Pinto de Miranda.
Laurentino Correa da Fonseca.
Manoel Jos Arieira Vianna.
Trajano Cavalcanti de Albuquerque.
Clemenuno Accin Lins.
Freguezia da Luz.
Eleitiuvs geraes.
Joo de Azevedo Araujo Pinheiro .
Manoel Cavalcanti de Albuquerque .
Jos Mendes Carneiro da Cunha
Dr. Virginio- Carneiro da Canta e Albu-
querque..........
Jos Mondes Carneiro da Cunha .
Jos Geminiano de Araujo Pinheiro .
Manoel Melcniades C. de Albuquerque .
Joaquim de Araujo Pinheiro ....
Francisco Antonio Cabral de Mello. .
Antonio Vicente Ferreira Chaves
Raimundo Nonato Correa de Barros .
Francisco das Chagas Martyr ....
Luiz de Franca Allemo Cisneiro .
Gervasio de Assis Correa......
Miguel do Araujo Dantas......
Ignacio de Hollanda Cavalcanti de Albu-
querque. ......
Joaquim.Macario de Araujo Pinto .
Joao Jos Ribeiro de Moraes.....
Manoel Francisco de Mello.....
Manoel Alves de Souza......
Joo de Siqueira Paz.......
SANTO AMARO DE JABOATAO. Amanha
tem lugar a festa desse glorieso santo, no arrabal-
j de desse nome, pregando ao Evangelho o Rvm. frei
Joaquim do Espirito Santo e ao Te-Deum o Rvd.
Joo" Grego. A msica da missa a intituladada
Formiga tarde haver procissao, t, depois do
Te-l)eum, fogo do artificio, soltando-sc. qur pela
nianha qur tarde e noite, lindos baloes ac-
reostaticos.
THEATRO.Hoje a companhia dramtica do
Santa Isabel d seu segundo espectculo no cor
rento anno, levando scena os mesmos drama e
comedia dequarta-feirapassadaAimie, a Poattru
de Ivry e O komem nao 4 perfeMo.
proposito oonvm que recliliqnemosa nossa
noticia de hontem soba opigraphe desta.
No paragrapho que comerdepois tle algumas
scenas etf., onde diz-se serie intenompidn, de ve
lr-se serie nfo interrompida ; no paragrapho que
principia assim : Nao o menos etc.; onde se diz
qne poc o seu irmo, deve lr-se que pde o seu
amor. Os poucos outros erros sao de intuitiva cor-
receo.
CASA DE CONVERTIDAS.Na extremidade da
ra da Aurora, vollando para a que tem o nome
do Lembranca do Gomes, a qual flnalisa na estrada
qne de Santo Amaro va i para Olinda, acha-se
construida urna casa, alli mandada eregir pro-
prias expensas pelo Exm. conselheiro raonsenhor
Muniz Tavares, denominando-a Asylo das Conver-
tidas.
Esta denominacao deriva-se do fun para que foi
construido esse edificio ; pois uelle encontraro
abrigo seguro aquellas infelizes, que, tocadas da
divina graga, renunciarem a vida opprobriosa e
quizerem entregar-se oraeao e ao trabalho.
Nenhuma all ntrala constrangida, o s perma-
necer no referido asylo em quanlo senlir-se ani-
mada pelo fervor religioso.
A casa tem 50 palmos de frente c 100 de fundo,
sendo cercada de um muro com portao de ferro,
que para ella d ingresso.
Alm da habitacao para a regente e vico-regen-
te, e da sala de recebimento, contm dous grandes
saldes para dormitorio, em cada um dos quaes se
accommodarao dze lcitos, podendo chegar dezoi-
to por sua capacidade. No sotao est collocado o
salao de trabalho e o quarto para guarda-roupa,
905 alm de outro para enfermara, quando for neces-
904 saria, O refeitorio ospacoso, e igualmeale o sao
901 a cozloha, a dispensa, etc. etc.
901 Coueta-nos, que agora vai o mesmo Exm. cou-
897 selheiro moosenhor Muniz Tavares dar comeco a
897 capella interna, para que n3o faltem alli os exerci-
896 cios eepirltaaes, c poasam as boas convertidas cum-
8M prir os precaitoe da nossa santa religio, esperan-
m do para isto S. Exc. um retrato A
1123
1125
1125
1123
1123
1121
1121
1120
1119
1116
1116
1116
1115
1115
1114
1114
1114
lili
lili
1109
1106
1103
1103
1103
1102
1101
1101
1101
1100
1100
1098
1098
10*8
1095
1095
1093
1091
1090
1088
952
9*2
952
919
948
948
948
939
924
922
922
918
915
915
914
912
910
910
908
908
908
517
."16
513
512
510
501
498
497
493
487
482
480
475
471
470
461
459
ua
442
440
437
calix de prata, assim como outros objeclos indis-
pensaveis ao culto, que mandou vir de Franca.
Quando se adiar ludo concluido c devidauenlc
mobiliado, por occasiao da sagrada bencao laucada
pelo nosso virtuoso e Ilustrado diocesano, o Exjn.
conselheiro monsenhor Muniz Tavares conta entre-
gar ao mesmo prelado as chaves do edificio e jun-
tanwnte urna escriptura publica, em que declarar
o flm para que fez edificar esse asylo, BBstituindo
a mitra desta dioeese protectora o administradora
perpetna delle.
Estamos convencidos de quo o Exm. Sr. D.
Francisco Cardoso Ayres exultar de prazer por
ter mais esta occasiao de estender o seu cuidado
pastoral sobre ovelhas desgarradas. Filho de um
instituto de raridade, e possuidor dos mais eleva;
dos sentiincntos desta vrtude divina, nao cessar
de fazer votos ao Altissimo para que se colham
desta mil instituico os fructos mais salutares em
correspondencia "com a intenco elevada do vir-
tuoso instituidor.
MJJDANCA.O solicitador Ignacio Rarroso de
Mello reside actualmente ao caes do Capibaribe,
casa nova com porlo de ferro ao lado.
GIQUI".Chegou hontem urna hora da larde
esse vapor da companhia Pernanibucana, viudo do
presidio de Fernando de Noronha.
FERNANDO DE NORONHA.Em data (fe 16 do
corrente, eserevem-nos d'esse presidio o seguinte :
t Estamos na santa paz do Senhor ; a tranquil-
lidade publica nao tem sido alterada.
As cousas do presidio vio indo piano-piano.....
Tem chovido, e isso tem sido de vantageni, por que
j se vai cuidando da lavoura.
a bordo do Giqui, aqui chegou 13 o capi-
tao Leopoldo Borges Galvo Ucha, que veio
substituir o capitao Tiburcio Hylario da Silva Tava-
res, np lugar de major da praca, que interinamen-
te era bem exercldo pelo capitao Caldas.
O capitao Leopoldo pessoa de lino trato e
militar brioso e honesto, e, pois, tudo de bom de
esperar de seu comportamento, quei como hoinem,
quer como soldado e major da praca.
c Aqui lico ao seu dispon
Consta-nos, porm, por pessoa vinda d alli que
um conflicto ia tendo lugar entre guardas nacio-
naes e (iracas de linha. Foi o caso que, devendo
ser castigada una deslas, rcvoltaram-se as outras
piacas de linha, armando-se e querendo commet-
ter desatinos.
Os revoltosos foram sitiados, c felizmente dep-
zeram as armas as mina dos guardas nacionaes
sitiantes. Diz-se que eram sinistrus os planos dos
revoltosos, por isso foi urna fortuna que fossem
frustrados.
A' bordo do i Giqui vieram os cabecas do mo-
tim, que naturalmente tera de ser aqui julgados ;
e dizem-nos ainda que entiarara alli para o va-
por em completo estado de embriaguez.
Vieram tambera a dordo d*t iGiqui alguns sen-
tenciados.
FESTA LITTERARIA.Quinta-feira 18 do cor-
rente, leve lugar no seminario episcopal de Olinda
a abertura solemne das aulas no presente anno lec-
tivo.
Acharam-se presentes o Exm. bispo diocesano,
o Exm. presidente da provincia, o corpo cathedra-
tic do mesmo seminario, o cabido, as principaes
autoridades de Olinda e muitas oulras pessoas
gradas |tanlo daquella como desta cidade. Come-
cou o acto por un discurso latino, em que o Sr.
padre Rento Lulli expoz na linguagem de Cicero
a ineontestavel utllidade de cada una das discipli
as que hoje compoeni o curso luterano e tlieolo-
gieo daquelle seminario. Em seguida toinou a
palavra o Rvm. Sr. conego Santos e mostrou a ne-
cessidade que tem o clero brasileo de alargar
mais a esphera dos seus conheeimentos para poder
ser verdaderamente til religio o ao paiz. S.
Rvm. enxerga na actual reforma dos estudos do
seminario um ncleo para alli se estabelecer urna
faculdade thcologica. Oxala que taes votos sejam
cumpridos e que o governo aproveite os inmensos
sacrificios que faz o nosso esclarecido diocesano.
Os jovens seminaristas cantaram divn hym-
nos religiosos coin acompanhamento instrumen-
tal executado por elles proprios e alguns recita-
ran! bellas poesas anlogos ao acto.
Foi una verdadeira fesla Iliteraria com qne se
inaugurou urna nova poca para aquelle estabcle-
cimento. ... '_.
Em a nossa otava pagina damos o discurso dn
Rvm. Sr. conego Santos, e para elle chamamos a
attenco dos nossos leitores.
INSTRUCCAO PRIMARIA.Acha-se aborta des-
de o dia 7 de Janeiro a aula de instruccao prima-
ria regida pelo professor Joo Valenlim Ferreira
Bastos, ra de Santa Cecilia n. 37.
MAGISTERIO.Acha-se designado pela direc-
tora da instruccao publica o dia 20 do marco pr-
ximo vindonro, para nelle ter lugar o exame de
habilitado para o magisterio primario do sexo fe-
minino.
As concorrentes devem inscrever-se na forma
das nstruecoes de 11 de junho de 1859, at o dia
19 do referido mez.
FERMENTO.Nos fins do prximo passado
mez, em torras do engenho Scte-Ranchos, um in-
dividuo desconhecido ferio com urna faca o inspec-
tor de quarteirao Adolpho Eloy Pacheco, quando
este procurava separa-lo de um outro individuo
com quem questionava. O delinquentc evadio-se.
Fez-se no offendido o exame previo e formou-se
o auto de corpo de delicio.
ESPANCAMENTO.Em torras do engenho An-
Uu do districto de Gamellora, foi ospancada no
dia 8 do corrente, Leocadia do tal, por um indi-
viduo, cujo nome se ignora
Procedeu-se ao auto de vestoria na pessoa da
offendida, sendo declaradas leves as offensas, edei-
xando-se de instaurar logo o processo por ser o
crime particular.
LOTERAA que se acha a venda a 96" em
beneficio da igreja da Boa-vista, que correno
dia 26.
. PASSAGEIROS. Do vapor brasileiro Gtquia,
entrado da llha de Fernando :
. D. Anna Maria Margues Tavares, 1 filha e 1
criada, D. Rrasiliana Lins de Moura e 5 filhos, .2
paisanas, 11 jmperiaes marinheiros, 20 pracas da
guarda nacional, 9 sentenciados.
- Do vapor brasileiro Mamanguape, entrado do
Goyanna: .......
Francisco Jos Rodrigues, Manoel Rodrigues Ma-
chado, .Arthur Chortes, Joaquim da Silva Noguei-
ra, Julio Vaseurado, Manoel Pessoa de Araujo, Jos
Ca'eiro da Costa, Sergio Teixeira.
Ofllcio do secretario do tribunal do eominerci<
da capital do imperio, de 3 do crreme, enviando
a relacao dos coinmcrciantcs matriculad* n'
mesmo tribunal no mez de Janeiro ultimo.Accu-
so-so.
Offlcio do administrador do trapiche aUaadega-
ao do caes do Ramos, firmado de 11 do corrente,
respondendo ao que se lhe dirigir em o i. do
mesmo mez.A' secreanfc
Ofllcio de Saunders Brotners & C. administra-
dores do trapiche alfandegado do cae? do Apollo
n. 61, respondendo igualmente ao que se lhes di-
rigir em o 1 do correnteA' secretaria par:i
verificar. '
Aos Srs. deputados foram distribuidos os livros :
Copiador de Fraga (c Rocha.dem de Francis-
co CoilM da Fonseca Filho & C.
Vicente Antonio do Espirito Santo, avaliador
nomeado para ojuizo especial do commercio, pres-
tou o juramento de bem servir dito cargo.
DESPACHOS. /
Requerimento de Hermiuo Franklim m Costa e
S, pedindo o registro de seu titulo de cixcifo do
cominerriante Jos Francisco do Reg Mello.Co-
mo requer.
Dito de Manoel- Ribeiro de Carvalho, para se-
ren transferidos firma social de Carvalho & Pei-
xoto, de que Ite parte elle supplicante, os livros
que individualmente lhe pei'lenciam.Assignada a
policio, volte.
Dito do Joaquim Pereira de Carvalho e Joaquim
Correa dos Santos, para registrar-se-lhes o sen
contrato social.Assignado pelo 2." peticionario,
volte.
Djfci de Carvalho & Peixolo, para registro tam-
bera do contrato social de dila linna.Vista ao
Sr. desemhargador fiscal.
Dito de Jos Francisco do Reg Mello, declaran-
do, para que se facaui as precisas anntacQes que
Francisco das Chagas Builho Netto deixra, des-
de o dia 19 de novembro de 1868, de se caixeim
do supplicante.Como requer.
Dito de Fraga & Rocha, para que se mande re-
gistrar a nomeaco de seu caixeiro Domingos da
Cunha Guimares.Reconhecida a firma, regis-
tre-se.
Dito do agente de ledocs Jos Maria Pestaa,
mostrando haver substituido por Jos Antonio Rar-
boza o fallecido seu fiador Manoel Custodio Peixo-
lo Soares.Como requer.(Expedio se portarla
para ser levantada a suspendo que lhe fora im-
posta.)
Dito de Antonio Jos dos Res e Adolpho Mar-
ques dos Santos, juntando um contrato pelo qual
adraittiram como socio firma de Antonio Jos
dos Res & C. a Antonio Machado dos Santos-
Vista ao Sr. deseinbargador fiscal.
Dito de Joo Baplista (lucir de Lailhacar, pidin-
do o registro do dislralo da linna de Lailhacar &
CVista ao Sr. desembargador fiscal.
Requerimeutos adiados :
De Alvaro Paulo Noblalo.
De Jos Maria Se ve.
De Jos Antonio Gomes Jnior todos pedfawu
ser nomeados avaliadorcs do juizo especial do
commercio.Continuara adiados.
Replica de Jos Mendes de Frcita?, como procu-
rador da companhia de segurosFeliz Lembran-
ca.Nao tem lugar vista do parecer fiscal
Dada a hora (11 1/2), o Exm. Sr. presidenle cn-
cerrou a sesso. ,
de Santa Maria
8961 Magdalena, urna, imageu do Bom Pastor, ambula e
CHRONICA JIDIOARU.
Tiuni\tL no COMERCIO.
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 18 DE
FEVEREJUO DE 1869.
P.lESiM5ftClA DO EXM. SR. WtBMSABfiADUB ANSELMO
FUANCISCO PKRETTI.
As 10 horas da manliaa* reunidos os Srs. depu-
tados Rosa, Miranda Leal e barao de Cruangy, fal-
tando com causa o Sr. deputado Basto, S. Exc. o
Sr. presidente declarou aborta a sessio^
Lida, foi approvada a acia da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE : .
Offlcio do Exm. Sr. presidente 4a provincia, fir-
mado de 12 do corrente, exigmdo urna relacao
nominal dos serventuarios dos officios do jMVfft
desta comarca com declaracoes relativas a crea-
cao delles, e ao provimeaio o exercicio de taes
funecionarios.Deram-se as op*s coavenieaM
para ser satisfeita a exigencia do S. Exc,
SESSAO JUDIQARIAEM 18 DE FEVEREIRI
DE 1869.
PRESIDENCIA DO EMX. SR. DESEMUARGADOR A. K. PE-
v RKTTI.
Secretario, Julio Guimnrc*.
Ao meio dia declareu-se aborta a sesso, eslan-
uo reunidos os Srs. deseinbargadores Silva Gui-
mares, Reis e Silva e Accioli, e os Srs. deputa
dos Rosa. Miranda Leal e baa de Cruangy.
O Sr. Basto contina doente.
. Lida, foi approvada a acta da precedente Me-
llo.
ACCORDAOS ASSI.MOIiS.
Appellantc Antonio Pereira de Faria. appcllado o
curador da massa fallida de Joaquim Jos de Anu-
da; appellantes Feidel Pinto 4 C. appellados os.
administradores da massa fallida d Anortan, Fra-
gos% Santos & C.; appellantes Prente Vianna A;
('... appellados os ditos administradores.
JL'LGAMENTOS.
Juizo especial do commercio: appcllanto reo Vi-
cente Jos de Brito, apneilnde autor Francisco da-
Silva Reg. Juizes os Srs. Reis e Silva. Accioli.
Rosae Basto; sorteado o Sr. bario de Cruangy em
substituido ao Sr. Basto que ha seis sessocs con-
secutivas nao tera podi o comparecer aos trabalhos
deste tribunal.Julgou-se a desistencia requerida
pelo reo.
Juizo municipal c do commercio de Maceio: ap-
pellante exequente Antonio Pereira Lessa, appella-
dos executados Moeda, Medeiros & C. Juizes o
Srs. Reis e Silva, Accioli, Miranda Leal e baro de
CruangyConfirmou-se a sentenca appellada.
Juizo especial docnmmereio: appellantes Gui-
mares & Oliveir. appellada a directora da tafea
filial do banco do Brasil nesta cidade. Juizes. .-
Srs. Guimares, Reis e Silva, Miranda Leal c Bai-
lo; sorteados os Srs, Rosa e baFo do Cruangy em
substiliiico ao Sr. Basto, que se acha impedido ha
seii sessoes consecutivas, juraran ambos estes se-
ntares suspeicao, c o Exm. Sr. presidente ordenou
que se ofliciasse ao 1" deputado suptente para
tomar parte neste juigameiito.
Estando o Sr. Basto impedido ha sois sessoes con-
secutivas, c continuando seus incouiniodos, o Exai.
Sr. presidente procedeu ao sorleio da un juiz em
substituicaaao mesmo senhor, para cada um dos
feitos abaixo mencionados, os quaes depois de pro-
poslos adiaram-se os julgamentos a podido dos
juizes sorteados: appellantes os administradores da
massa fallida de Antonio Jos de Fgueirdo, appel-
lada D. Paulina Areias de Godoy; appellaues os
ditos administradores, appellado Antonio Pereira de
Carvalho; embargantes os administradores da
massa fallida de Siqueira & Pereira, embargado o
Dr, Augusto Carneiro Monteiro da Silva Santo
appellantes Johnston Pater & C, appellado Feliv
Sauvage. .
Presidencia do Sr. desembargado- Silva Guima-
res: appella<;o do juiz especial do commercio
appeltante Joo Casemro da Silva Machado, appel-
lado o bactiaroi Gaspar de Menezes Vasconcellos
Drummoiid. Juizes os Srs. Reis e Silva. Accioh.
Miranda Leal e Basto; sorteado o Sr. barao
Cruangy em substuieo ao senhor que se acha
impedido ha seis sessoos consecutivas.Adiou-ee
o julgamenlo.
DESIIi.VAg.VO DE DIA.
Embargantes os administradores da massa falli-
da de Se ve Filhos 6t C, embargados Kilson Triho+i
4C. primeiro dia til.
AOGRAVO.
Jaizo especial do commercio: aggravanle Anto-
nio ile Souza Braz, aggravado Jos Barbosa de
Carvalho.
O Kxm. Sr. presidente negou provimente.
Naiia aaais houve, e encerrou-se a sessao a urna
hora da tardo.

t
POLTICA INTERNA
Partid* cowtrTad*r.
KAZARKTH II DE FBVWKO W.
"urmilli ao conhaeiwento exame opjafr
pnhiipi onfputff. pt tM #itre|ue a*
.


Diario de Pernanntmco SaMado 2& t)e Fevereiro de 1869.
coes da polica, fui o objecro de racu primeiro tra-
E como a forma desee trahalho a minha pes-
isoa serviram de assumpto a un deseonelravado ar-
tigo, ownpar-me-hei nesta correspondencia de
ombat-lo, e bem assim, de um faci, que serve
te caracterseo a feico, que tomara os actos pou-
caes e judiciaes do Dr. Joao Baplsta do Amara 1' e
Mello, juiz municipal desta comarca.
Para entrar-se no espirito c no senthnento dessa
autoridade, basta attender-se ao prcedimento des-
attencioso, que lem ella lo para com todos os
eocarregados do poder publico, nesta comarca.
era excusito mesmo do juiz do direito; o qual
nao sendo poltico inclma-sea erenca liberal.
Ainteireza e conducta irreprehonsivel desse ma-
gistrado dcixam pereeber rtaramentc que, nenpum
fundamento justo c honesto pode ter o Sr. Dr.
Amaral, para viver em dcsintelligenca com o seu
superior. -,
O Sr. Dr. Joao Paulo; notavel pelo espirito de
justica e rcctidao (pie o anima,- e pela conducta
exemplar quo sempre tcm ostentado, ha conquis-
tado indisputavel direito aos respeitos d'aquelles
que o cominunicani. ou que delle dependeni; en-
tretanto, nom esse Sr. neni alguna das oulras au-
to ridades locaes se tem podido entender com o juiz
inunicidal.
O que, pois, separa o Sr. Dr. Amaral de todas,
as auetoridades de seu ^rmo, e de todos os
horneas honestos da comarca '
E' a sua ndole, o seu carcter, e especial-
mente o facto de quo me von oceupar; o qnal
escandalisa toda a Dopotacao do termo, e poe em
relevo o carcter e a ndole desse honiem prejudi-
cial.
O Sr. Dr. Amaral que devia ser o primeiro a
unir seus esforcos aos asuraos de todas as auto-
ridades, para de commuin ccordo, oppor justo,
legal, e severo correctivo a praga de ladrdes de
cavallo, que infesta o seu termo, precisamente
quem offerecc a mais elcaz garanta a impunidad
desses malfeitores; tornando-se quasi que o nico
responsavel por todos os furtos de cavallos, pelo
aeolhimento e protecejio, quo offerecc a seus au-
tores, : os quaes soltos por cssa autoridade for-
mam-ho um squito I
Na formacan da culpa, em vez de interrogar os
reos e as testemunbas sobre o delicio, taz um in-
querito minucioso sobre o acto da przo, os luga -
res em qne forain demorados, e sobre suppsias
torturas porque passaram os seus mimosos prote-
gidos.
Desviando-se por essa forma da marcha e ordem
regular do processo, viola os preceitos jurdicos,
que se devem observar na ind?gacao do acto cul-
poso, confundindo-o com outro, que est fora da
rbita de suas attrihuiries; e desvirta a nature-
za, que a lei quer imprimir a formacao da culpa,
deixando a indagacao do delicio, que deve seivir-
Iho de materia, para se oceupar de faltas, que
ainda que fossem conimcttdas,iio sao de sua com-
petencia.
Sr. Dr. Amaral I O caminho que a lei tem tra-
cado a seus executores, recta, ella os conduz a
m s fim social, a justica! c quando seus exe-
cutores se desviara dessa marcha, a responsabili-
dade nao deve ser para ellos urna simples ftccTio
legal.
E qoal ser oJim a que tenderao as relacocs so-
ciaes sob a administradlo do poder e autoridades
publicas, se aquclles nue violam tao caprixosa-
iiicnte os preceitos da lei, gozara de iraundades.
A responsabilidade condiecao indispcnsawl de
todo poder constituido; sera esse correctivo, nao
ha sociedade, que possa ser bem dirigida.
Todos os actos praticados por depositario do
poder, (ora das fueces que sao inherentes a seu
cargo, devem ser rigorosamente punidos.
E" mistar inquietar a falsa trauquilidade, em
que Vlveffl os transgr ssores, que, como o Sr. Dr.
Amaral. entendem, (|ue padem impunemente por a
propriedade do eidado a merco dos quadrilbeiros
que protegena,
E a todos aquellos que duvidam da responsa-
bilidad ilo laea agentes, nevemos responder, com
a eoncisao com que respondeuo paizano de Alhe-
nas ao sophisia grego, (pie negava o movimento.
o paizano, -em cuidar em argumentar, poz-seem
marcha, provando por esta accSoo movimento.
Andemos. Contra una autoridade, que af-
arola a sociedade, prolegendo escandalosamente o
furto, temos os recurso?, que nos offerece a lei,
afianzados por seus deis depositarios. Marche-
mos.
Sa i militas c diversas as infrecS es vergonho-
sas.
Nao se trata de interseos de partido) trata-se
de nina poanlaqao intftira oiTemiiJu maaus dire-
ti- que reclama justica.
E a justica nao lhe ser negada.
Entremos agora na segunda parte desta corres-
pondencia.
Escrevo milito por cima, diz romeamente o Jar-
dineiro.
Nao poda elevar-me; o assumpto era tao ras-
teiro, que Coi preciso abater-mc at rozar coma
pona das azas a cru-'a grossa do Jardineiro:
mas posso escrever para o publico.
O Jardineiro porm, que nao tem noin vivari-
dade de imaginacao, nem naturalidade, nem cle-
Ssacia, nom a menor cultura de espirito, incapaz
e produzir urna s idea, um pensaniento, nao
deve ter a pretendi de querer escrever para o
publico: e junta do-se a isso o desconceito em
que 6 tido goralmeute, veja que valor poibn ter
es stusoseriptos, e que qualidade de serviros est
prestando ao sea Mecenas com suas chocrmras
correspondencias.
Nao eslou milito elevado desta vez, fallo com
esta simplicidade e clareza, para litar ao alcance
da intelligenria e conbecmento:; do mcu censor;
sei medir as alturas e sou rauito complceme.
Besponderei a ludo.
Pcrgnnta-me, onde tenho estado, o que preten-
do, e para quem escrevo. #
Tenho vivido com modesta independencia entre
os ineus comprovincianos, e no nielo dos circuios
mais lusidos desta sociedade, ondo era impossi-
vel encontrar o Sr. Dr. Amaral.
Sem militar activamente na poltica tenho-me
prestada aos amigos, todas as vezes que se exige
de inim um servieo c agora venho para Naza-
reas, coDTidado por mullos amigos, para como ja
4bse, prestar-mes mea intimo e activo concurso
na marcha regular da poltica desta localidade.
Ningnem deve estranhar a minha presenca no
lugar onde na-ci, c onde cont numerosos amigos
e pareutes entre ambas as parcialidad $ polticas
em que se devide actualmente a comarca.
Estou porta'nlo muito bem e muito divertido,
quando vejo o seu Mecenas liberal (que na reali-
. dade lira bem collocado a sen lado.) aspirar com
certo desdora as suas llores, olhando obliquamen-
tc rara o bastid, que escapa para as mos dos
chefes naturaes do partido liberal.
Elle est muito molestado contigo ; e se desfaz
cm tesiemnnhos de sua lidelidade aos liberaes.
Nao tem razao, quiz ver se o attrahia, sem
mostrar grande desejo, esquivou-se, fngio para o
seio dos liberaes, escondendo o rosto as maos ; I
nao quero persegui-lo mais, ique-se com os seus
amigos.
Advirto-o, porm, de que cutre o grande nu-
mero dos liberaes ha urna allianc,a natural de op-
pnmidos contra os oppressores decahidos, ha um
taco que os prende pelo sentimento, sem embara-
zar as ideas que quasi se confundem.na necessi-
ade absoluta de reformas indispensavois reco-
nbecidas por todos. Creio que nao sao esses os
seus amigos de adversidade, porque elles eslive-
ram muito tempo na adversidade comnosco, e nos
os conservadores os abracamos cordealmentc ;
mas se nao obstante essa difflciildade diz o rfeu
Jardineiro que est bem collocado ; enio enga-
nei-ine redondamente, e peco licenca para retirar
lado quanto poisa ser offensivo ao muito liberal e
limito leal Meeenas. Era poltica andamos sempre
engaados.
Jo tem ainda razie de me querer por mal com
os liberaes, com quem me tenho dado muito bem
em certas qkmnms,
O Jardineiro em busca de material, faz urna lon-
ga viagem do norte ao sul, e do sul ao norte, para
em frente das ruinas de Iguarass prescrutador contempla urna a urna as negras pe-
dras, que se amontoam a suas vistas; procura
anguir alli os vestigios de minha passagem ;
eseava, medita; e tomando por thema a revolta de
M,phanlasia essa odiosa distineco, que diz, ter
eu feto na culpa formada a Manoel Pereira de
Jloraes. Aao llz tal distineco, pronunciei em cri-
me de revolta simplesniente a Manoel Pereira de
-Moraes e outras cabecinhas.
E exacto, porm, que cm outro proesso or
mun mstaurado pronunciei alguns seeteralos ano
crame Iterara diversos crimes.de roubo e assaw-
nato, destacando-se das torcas rebeldes.
Esse aeto praxicado por mim, deveria ter mere-
nd a approvagao do mesmo Moraes e outro che-
les, os quaes tiveram o muito louvavel procedi-
menlo de expeUir das toreas rebeldes aquelles ace-
leratos, quando elles, manchados por taes crimes
se reeolheram de novo as mesnias forcas.
Em houra aquellos ebefes relo nesseacto.
O&reca 9 meu atxusador docamem authen-
co, recorra aos archivos da poKe*(,Dndo fui reco-
Ibido o processo instaurado porinmede rebellio,
e se nao o tizer, sua'aecusncao ter tanta forci
quanta lem ludo quamo tem escriplo at hoje.
h assim quo se tem manchado o meu nome.
. E.assjm tambera que tenho quebrado essas ar-
mas velhas e enferrujadas de Iguarass, todas as
vetes, que sao Tirandidas pela calumnia. '
Tenho constantemente desaliado os meus ad-
versarios para diseutirem os meus fados em
Iguarass ; nao agora ojiando urna data de vinte
anuos deve ter obscurecido a memoria, foi sempre.
fui logo depois de minha aestituieo. nouco tempo
depois dos acontecimentoB ; e o' silencio teuf se-
guido a essea gritos agudas e penetrantes de urna
palavra, com a qual julgam ferir-me.
Iguarass i
imnetti um grande erro em Iguarass. Ac-
eeitei una luta desigual, sem calcular as niiiibas
forcas, fui vencido pelo mais forte, era a cohse-
queneia natural desse acto pouco relleclido.
Por prender sera culpa formada o autor de um
turto, que foi apandado com elle as uwos, achei-
me pronunciado no art. 145 do cdigo penal, co-
mo se houvesse commettido abuso de poder.
Foi cssa a inteligencia dos nossos magistrados:
porque disseram elleso crime ja eslava consum-
raado, nao havia nais flagrante.
Fui destituido por me ter excedido da repres-
s.lo de um erirac.. Nao me sobe o rubor as faces.
Fui punido par ino ter excedido em servir ao
meu pariido, indo de encontr a vontade" omnipo-
tente de um presidente.
Esse facto honra-mv, e o explicara se houvesse
espaca
Tenho respondido ao Jardineiro na parte relati-
va aecuaacM que me fez ; e juro-lhe, que Uio
victoriosamente como desta vez, hei de responder
todas as aecusacoes que lizer.
Sr. Dr. Amaral, detenha-se cm quanto lempo,
modere o seu ardor inconsiderado, creia-me, nada
inais til do que a moderaco ; em vez do saltar,
e voltejar donaamente aos pos do seu Mecenas,
empregue o tempo que lhe sobra de suas oceupa-
ces em trabalflbs mais sirios e |iroveitosos.
O seu Mecunas nao teiu o que dar, falta-Ihe tudo,
nao tem a menor signiticaco, desprovido de to-
dos os dons.
Elle lera conscienciadoque e do que val.
Ha hemens que se pdem comparar com esta-
tuas de cinza, urna vez tocados estao desfcitos;
nao quero tocar nessa estatua, porque nella en leio
rana inscripyao, que venero.
Nao serci eu quem v com negra mao quebrar
c sello sagrado da lage de um tmulo para offere-
Cer urna urna em teslemunlio da mais fcia in-
gratdo.
Sr. Mecenas, contenha-se.
O seu jardineiro tem muda forea na fbula'
mas deve lembrar-se que, Herculesio mais famoso
desses hroes, longo de se lanear temerariamente
sobre um ocano desconhcculo e tempestuoso, poz
limites sua marcha, gravando em suas decanta-
das columnas estas palavras niemoraveis--Arec
plus ultra.
' tempo de sabir das florestas encantadas da
Lidia, c seguir o caminho real, que nos conduz ao
dominio dos lacios verdadeiros.
Se o Jardineiro tivesse cultura, c a cap acidade
precisa para escrever, eu lhe dizia :nao pros'ti-'
ta sua penna na satyra mordaz, consagre-a dc-
fezados opprimidos, sem crear oppressores.
Se a iniagem da felicidade publica encanta suas
vistas e sen coracio, pinte os abusos, os rigores c
a crueldade cora as vivas cores da verdado ; ex po-
li ha seus quadros d'jce luz da razio ; e os espi-
ritos des va irados serio adorados.
Mas s;n a capacidade precisa para escrever.
sem b >a t e justas inteneoes, s pode ser acolhido
pelps lionfens de bem cm o riso o despreso que
merece.
Nao deixo em esqueehnento a sua lotera.
A lot ri 1 um jogo immoral, em que se arrisca
a fortuna dos particulares, tendo cada un 0111 vis-
tas um premio, que escapa quasi sempre das mios
cm que val cahir, e desappareee como urna nu-
vein que passa era horisonte dourado.
Ha promioB. porm, que sao duraveis e tem
um val ir niestimavel; esses premios sao devidoa
aoshomens, que bem mereeem de seu paiz pelqs
seuslong 1 ervieos, pela sua constancia, pela sua
armen na adversidade, por sua lidelidade causa
queservem o aos amigos quem se ligara ; n a
um desses premios tem os mais honrosos ttulos o
coronel Jos Francisco Lopes Lima. Nesta comar-
ca ningnem pode disputa-Ios aoanciao vcneravel,
em quem o Jaidinei cospe o ridiculo em despre-
so de sua pobreza.
lia horaens ipae se fazcm amar u respailar em
sua pobreza, ha quitos que se cobrcui de ridiculo:
neste ultimo casa est o Dr. Amaral.
E nosse estado, dominado pelos sentimentos ig-
nolieis que penetran) o< seus sentidos e vio at o
tundo de seu coray.o. ataca todo mereeiniento.
J disse o que eu pensava e senta acerca do Sr.
major Alfonso d Aioaqoerqne Maraubau, e para
confirmar o meu juizo basta dizer que, esse de-
tracto cavalheiro ta 1 bem conceituado, que de
todos os Nazarenos quem o Sr.Dr. Amaral mais
odeia. E a maior prova que podemos oTerecer do
mrito real desse cavalheiro.
Fere o Jardineiro indislinctamente a vclhicc c a
mocidade : ao coronel Lopes Lima, como ao Dr.
Barata, digno promotor da comarca, a quem nega
sentimentos de justica, sem oilerecer um tacto que
sirva de fundamento essa acousaei.
Sejao Jardineiro claro, aecuso em regra e ser
cabalmente respondido.
O Sr. Dr. Barata, sahindo apenas do mundo das
illuses, enlrou agora no mundo das realidades
com toda a pureza do urna reputac/10 intacta.
Mcrecendo geraes sympathias pela delicadeza de
suas maneiras e singeleza de seus costuraos ; est
cheio de torca moral, como autoridade, porque, no
(lcsempenho de seu ministerio, procura sempre
acertar.
Tenho respondido.
,___ C.C.
era-o de nao faltar pma, s sessio da senade, e
si nos intervallos o bera da minha provincia e'xi-
que fosse a crteropresentarqiulqacr neces-
sidade ao throiio e-a governo, l voaria com a ra-
pidez do raio; mtiVliavia eu de dejeobrir o
gredo do moto-roimn
Qoanlo re'ortnaa nada prome, porque fu-
jain de candidato, que comeca por prometler re-
formar umita cousa, sem pronetler reformar-
si primeiro: pois a mxima parte d,w malesnAIi-
cos nJoprovm tanto do bis defeitus, cio dos
que as execula n '
Entretanto, a-seunro que toda a idea bea, til,
e reclamada pelas necessidades do pu'z, ser sem-
pre bomwnda pira mim, elhe prasuiei todo o meu
jpoio. Eis o meu progrnmuia.
ltecire, 19 de fevereiro de {&&.
Joaquwi Pinto 'O cwtselhero Jos Betb da nha e
Figueirdo, ahaixo assignado, espera que
(udos os seus jjnigos particulares e politicps*
do circulo do Cabo lite facao aiinkt a (K
Ueta honra de elegel-o deputado assem-
bla geral ; e roga a todos os seus amigos
polticos e particulares de toda a provincia
se dignem fuzer-lhe adistincta li#njao> ir fv?r "ni
cluir o seu nome na lista sxtupla para se-
nadores.
Longe do tlieatro da eleic3o, o conselhei-
ro Jos Bento nao duvida de que os seus
amigos, cuja generosidade invoca nesta
occasio, suppriro a falta de sua presenca
com dobrada deligencia. Elle assim o sup-
plica com toda o fervor de quem saber
agradecer tamauha honra e fineza. Cidade
de Belem do Grao Para 4. (I- fevereiro
de 18G9.
Jos Bento da Cunlia e Figueirdo.
Illm. Sr. Declarando o gremio do parti-
do conservador desta provincia, em sessao
de 45 de Janeiro do correte auno que a
indicagSo feita dos candidatos a deputados
geraes nao excluindo a liberdade de esco-
Iha por parte dos eleitores.enemrevelando
a intenco de lites por embarazo, s liaba
a autoridade de um conselho, motivado pela
necessidade de attender s circumstancias
do partido e, pela apYeciaco dos servicos
prestados cansa de guas ideas; reconhe-
cendo, alias fura do circulo dos candidatos
propostos, (Quitos outros nomes dignos de
serena offerecidos ao suQ'ragio eleitoral;
tendo eu tido j a honra de representar es-
te districto em duas legislaturas da assem-
bla provincial, em nome das ideas do
partido que boje dirige os destinos do paiz,
ouso ainda apiesentar-me candidato a de-
putado geral por este districto, aspirando
a honra de represental-o na prxima legis-
latura,
A dedicacao c firmesa de principios, de
que tenho dado provas em toda minha vida
poltica; ossenic*os, que, por ventura, te-
nho prestado causa das ideas do partido,
sonrendo, por Uso, demissao do cargo pu-
blico, que exercia, ha 17 afinos, sem haver
jamis desmerecido do conceito cm que fui
sempre tido pelos meus amigos, sao outros
tantosgaiantes.queoferecoaocorpo eleito-
ral deste districto, ao qual me acho mais
cstreitamenle ligado por aquelles servicos
e relares polticas para merecer-lhe o suf-
fragio que ora solicito.
Se V. S. pois, tomando em consideracao
a delibcrario do gremio que, na atuendo
da opposico, bem apreciou a liberdade e
criterio, com qr,c V. S. c os nossos ami-
gos deveriam escolher os candidatos as
circumstancias aotuaes do partido, como
de sua ndole e principios, quizer tambem
considerar o que deixo exposto, por modo
que, com seu votle o de nossos amigos,
venho cu a ser eleito; serei incansavel na
defosa de nossas ideas polticas, pugnando
pela felicidade e prosperidade da naco, eg
especialmente polo bem moral e material
desta provincia e districto, assim me escu-
dem a Providencia Divina e os votos de
meus concidadaos, que invocarei e saberei,
de preferencia cDiisultar para bem cumprir
o honroso mandato, de que fr encarre-
caractores que governam sao honcstos,so a sal vacio
do peiE, as instituic3es iierfeitamente respeitadas,
se peto contrario est em oppdslifoluJo desappa-
rec com elles, tal a ambicio de poder que os
8eora.
A imprensa constantemente clama mostrando
todas estas inconsoquencias c psrlfeosas estrava-
gancias, procurando meios de ex.erininal-as.
t autor do inqierbdisnia e a reforma diz :*->
o governo representativo aquel e em que o povo
na sua totalidade. Auv'uma proporcio considera-
vol do todo, elege os Ioik deput.ules para a res-
pectiva cmara ; e si entre nos essa cmara nao
realmente eleita pelo povo, e siin pela influencia
dos ministros, onde est o governo representativo
entre n
I'odeJn dar tal noine a phanla'magoria i|ue ahi
venus decotada com tao nobre apoellido ? Irrisao !
mentira I I
K' (Tahirne vem o Thlse.tmento dos poderes po-
lticos e o esquecimento fatal de nossa constitui-
PUBLICACOES A PEDIDO.
Ao illustre eorpo eleitoral da
provincia de Peraanibiico.
Nao estranha novidade o apresentar-rae can-
didato a senatoria, porque umita gente tio despro-
vida do requesitos como cu o tem feito; novidade,
porem, e novidade grande, declarar que tenho
cincuenta annos: quem tal diria Sun, tenho cn-
eoenta annos; verdade que incompletos, mas
arada assim me peza mais fazer esta conlissio, do
que pedir votos aos meus comprovincianos I Nao
por ue me desdoure de pedir, nem porque me
envergonhe de ser velho, pois seria o negar os
beneficios da Providencia; mas porque rae in-
tristecq de nao ver n'uma vida de ineio seculo
um so servco relevante que me recoinincnde pe-
rante Deus, de cuja misericordia abas nao deses-
pero !
Outro tanto nio posso dizer a respeito da mae
patria, da qual segreda-nie a consciencia que nao
[ tenho sido ura lho intil. Menos queLxa de mim
pode ter o meu partido, porque l lera nos seus
archivos a minha f de offlcio, e por ella pode ver
que nao coiametti nunca desercao, nem simples,
nem aggravada. esde que assentei praca regular
em suas lileiras, o tenho sempre acompanhado na
boa e na m fortuna. Nio gemeu nunca, que eu
lhe nao gemesse ao lado, atlrahindo com a minha
tcnacidadc o furor dos advrsanosle provando ao
mesmo tempo que possivel aiuda viver no ostra-
cismo sem despir a constancia, e a Independen-
ClH.
Tinha resoWido nao fazer circular, e descancar
somente no favor conectivo do partido, que se leni-
brou do meu nome; mas entrei a fluctuar na cer-
teza, si o expediente seria bom. Urna voz por ou-
tra, fazia-me a mira mesmo este dilema: Si nao
peeo, dirao estes: quem nao pede porque ni 1
precisa. ti peco, dirao aquelles: (or pedir,
perdeu. Como sabir da difflculdade f Abr 0
Kvangelho, qne o livro das minhas consolacoes
e onde encontr sempre a resolucio de todos os
problemas, e l encontrei este consetho de Christo
Senhor Nosso: Ped, e recebereis. Pette, et ac-
cipietis. Como nao acceitar e seguir o conselho
do Mestre Divino f
Eia pois, senores eleitores, aqu me tendes a
pedir com todo o respeito os vossos suffragios para
senador, e para deputado I Bem sei que pedir
muito; mas tambera sei que o pedir pouco revela
em quem o faz certa especie de egoisme.e de or-
gulbo : de egosmo porque comeca a restringir de
ante-mi o motivo do reeonhecment; c de orgu-
Iho, porque affecta precisar pouco que se lhe d,
quando l por dentro lhe roe a cubica de receber
muito Deus me guarde de alardear urna e outra
cousa peante o corpo eleitoral I
Como deputado, nada mais prometi, do que o
proposito firme de continuar a comportar-rae na
presente legislatura, como naquellas em que tive
assento na cmara, de cujo largo tyrocinio nao
conservo remoraos de haver fallado aos meas de-
veres. Neste ponto sim, fallo com algum orgulho.
, C00*} senador, porm, (si me fosse dada a honra
na escoiha) o compromisso mais srio em que des-
de lOgO mC acharia rom ne mouc ^mnrAvir.i.Unnd
gado.
E, sendo V. S. pessoa de legitima influ-
encia neste distticto, venho solicitar seu
valioso apoto, bem como o de seus numero-
sos amigos minha pretenco, tomando
desde j, a ser eleito pelo voto de conlian-
ca e de conformidade de ideas, o compro-
misso de desempenhar, quanto cm mim
couber, to eleva o encargo.
Agradecendo, t e ante nio, sua valiosa
coadjuvaco, contiua a ser, com a maior
estima e consideracao,
De V. S. amigo", patricio e sincero corre-
ligionario. Cypriano Fenelon G. Alcofo-
rado.
Uecife, 9 de fevereiro de 1809.
A constitciieao e o Brasil.
lon'que des dees ruisonnnbhs
mil etjetees mt m-liett dan peu-
pie, elles ?/ prennent de si fortee
manes qn'elles doiveiU triunipher
tul tari.
BOTER COLLARD.
J c lempo de relbrmar-so os abusos; nao ha'
qum de boa fe e coutrislado nio confesso o avil-
tamenlo a quo tem a Ungido as seesas mais sabias
e liberaos instituicoes.
Entre a toara de utissa constituijo poltica e os
actos dos iovernos, existe ura immonso espaeo de
vergonhosas contradiecoes; a hypocrisiae a meo-
lira sao as palavras mgicas e seductoras de mui-
tos dos nossos raai elevados esUidistas. J 6 tem-
po de arrancar-Ibes a inmunda mascara coin que
elles sacrificara e escarnecen] da boa ndole do nos-
so povo. E qual ser o meio mais efflcaz e me-
nos violento para curar lautos males e prevenir o
terrivel cataclysuia que nos ameaca? Para nao ap-
pellarraos extremos recursos, ainda quo descren-
trs, confiamos nos poucos caracteres virtuos
honestos que ainda existem atormentados e oppri-
midos pela corrupeo da maioria, e temos f -em
Deus que a nossa forma de governo sera algum
dia urna realidade.
A depravacio que lavra l as douradas emi-
nencias do poder ainda nao conlaminou no povo,
e a triste ignorancia que lhe faz escurecer o espi-
rito nao poude apagar de todo as melhores incli-
naeoes de sen coracic. Nio ha povo que nao al-
meje liberdade; nao lia povo que nao deteste as
ferruginosas cadeias di despotismo, e quando este
o ameaca, a luta se prepara e a victoria c delle.
Homens sem consciencia quem tanto vos cor-
romped ? A arabijio desmedida do poder, essa so-
nhada gloria que juigais encontrar oceupando as
pnmeiras posicoes sociaes, se vos fascina pela de-
generacao dos vossos sentimentos, a massa popu
lar a ve *"
A
N'ste momento nao somos dominadas pelo espi-
rito de partido, procuramos nica nenie sem atlen-
der a considerafo alguma,expor o que na verdad
se passa no Brasil e o que est na consciencia de
todos os brasileiros.
iiqsso governo nio 6 de laclo representa-
pode ser constitucional. A nossa ra-
zio calma e desapaixonada nos di', que a reforma
do art. $0 da constituicio, acomranhada de urna
loi regulamentar, prudente e relleetida, o nico
meio que poden fazer de nossa forma de governo
una realidade.
Acabe-se com a ntentencao do governo as elei-
garanta-se a liberdade do voto que o inachi-
nisnio governamental como est rreditado era nos-
sa constituicio nao achara empecilios em sua mar-
cha, o progresso c a felicidade ser a brilhante di-
visa do nosso povo.
Dentemos a constituicio como ella est; pugne-
mos pela divisio e harmona dos poderes polticos,
que quando tivermos urna cmara que represente
os legtimos interesses do paiz, tolas essas incon-
sequencias e inconvenientes que I oje infelizmente
notamos, dosappareccrio.
A nossa constituicio muito libsral.
A maior parte dessas reformas proclamadas pela
imprensa opposicionisla, permitta-se que digamos.
sao antes fiihas de paixoes polticas, do que d'nina
sabia rellexao; em poltica o bom sonso a intelli-
gencia das necessidades presentes e permanentes
d'uin paiz, no pensar de Pelletan ; procure-se com
vagar causa dos males que nos alllige, que ha-
veinos de encontral-a na falsidade das elecocs. E
depois que tivermos urna boa reforma eleitoral, de-
pois que o governo do Brasil fr de direito c de
facto representativo, os abusos podem apparecer,
mas nio serio permanentes.
Liberle-se o povo da ignorancia que o opprirae,
facilite-se o couhecimento dos seus diretos que a
felicidade despontar.
Nao comprehendemos governo livre com subdi-
tos escravos.
Da instruccao do povo nascer u na representa-
cao virtuosa e Ilustrada, c com urna representa-
<*an virtuosa e Ilustrada a constituicio nos garan-
tir a liberdade que ella saneciona."
Beforma eleitoral e-instruccio do povo, eis qual
deve ser o sagrado empenho de lodos os Brasi-
leiros.
Geralmente diz Frtot, as e!eiroo< se fazem por
toda parte (mesmo na Franca) com muito deleixo
e facilidade. A escoiha dos representantes urna
cousa (Tunta tao alta importancia, que neuhum
eleitor deveria dar seu voto, fosse mesmo seu
mais prximo prente, sem ter nisto maduramen-
te pensado ; e o meio mais infallivel de nao se ex-
por fazer urna m escoiha, seria cada eleitor
voluntariamente, por si mesmo, sem que a lei
coiitivesse nina obrigaeio precisa, literal e for-
mal, impor-se como regra immutavel nao dar seu
voto, genio aquelles cidados que reunissem todas
as qualidades que o bom senso e a prudencia in-
dicara e destingnera como verdadeiras garantas
de luzes, sabedora, probdade, e por conseguinte
como penhores de una boa represer taeao.
Infelizmente isto o que nao se observa entre
nos ; o eleitor indicado por una influencia de fre-
guezia triumpha pela forca do governo, e ao de-
pois, como um simules portador de chapa, vai
cumprir a vontade d'aquelle que o designara para
tao honrosa mi mesquinhas transaccoos presididas pela brea, sur-
gera os^augiistos reprcsentinifrs da nardo, sempre
eseravisados ao governo que os etogeo, sanelo-
nando os seus abusos ; e com nina represenlacio
lio imperfeita temos, na judiciosa phrase de Mn-
tesquieii, ujn instrumento de mais paia a tyrannia.
Nests condicoes os salutares bemiicios ipie nos
promelte a constimicSo, serio os vasros sonhos do
paiz ; o equilibrio dos poderes ser um pensamen-
to sem execucio, urna verdadeira utopia. Entre
nos o desequilibrio c a lei que rege, e a sua cau-
sa a mi f dos nossos horneas poJitieos.
Blumine-se o povo, garanta-se o ecareieio livre
do voto, que e girao das altas po-ieol's sociaes e istmi teremos
realisado um perisamento pela causa lo povo.
Calistli"ne.
curavel e abandonado o escudo d'elle b-
nto improljctto ; .porm outros, confiados
nos vastos .1 da sciencia, continu-
ram: ate qoe por.lim no seculo XIX coube
ap bem conjiegdo. chimico americano Dr.
Ayer, de Cowell, nos Estados-Unidos, a
honra de ajwmnciar ao mundo a-descoberta
de um remedio que preetiche o desejado
fim.
Chama-se sua" preparaco opeitoral
de cebeias,por ser seu ingrediente prin-
cipal extraliido da casca interior da cere-
jeira brava, combinado com as virtudes
medicinaos d'oujtras plantas j muito conlie-
ctdas da-medicina.
Um dos esciiptores antigos disse: A cas-
ca interna da cerejeira brava til nos ca-
sos especialmente no tratamento de tubrculos
pulmonares.
Portanto, esta grande deseobcrla nao
lilha do acaso, nem das virtudes maravilho-
sas de algtima planta at agora desconhed-
da, mas resulta de muitos anuos de estudos
apurados nos bospitaes. no gabinete e na
dioica particular, e de experiencias feitas
em todas as classes e cm todas as phases
da molestia.
prximo futuro, que os contribuintes da laxa
corrate de I8G8-G9, quer
moradores as fceguciat da cidade, quer as de
fora, teem de paga-la, livre Oa mulla de 6 0/0, o
com ena de maren em dianffi
18ti9Cebetk"''a lv'rnaml)uco 8 de Janeiro de
O admiMwlrador,
Manoel i.arneii-o de Son/a Laceria.
o administrador da reeebcdoiia de rendas
internas geran declara .|ue temlo-e ecnerakio o
lancamenlo do imposto peajoal do exercieio cor-
rente de 18fi8-69 das freguezias de S. Jos e Boa-
vita, tica mareado o praso doste mez e de m
fuMi'o em que deve ser pan o referido impost
sem mulla, das sobreditas freguezias. como deter-
mina a ordem n. 17 do uiinisteiio da fazenda de
30 de Janeiro ultimo.
Bocebedoria de l'ernanibuco 19 de fevereiro de
1869.
Manoel Carneiro de Souza I.acerda.
COMMERCIO.
PUACA DO BECIFE 19 DE FEVEBEIBO
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDI'.
Algodo da Parahyba 1" sorte 16700 por ar-
roba posto a bordo, a frete de 5/8 e 5 0/0 por
libra (honteni).
Dito de dita l sorte165600 por arroba posto a
borde, a frete de 5/8 3/4 e a 0/0 (hontcm).
Cambio sobre Londres30 d/v 18 7/8 por U000.
Frete de assucar daqui para Marseillc 40/ e 10
0/0 (hontem).
Dito de ditor daqui pira Montevid.'o para ordens-
9 eales sera capa (honteml.
Leal Seve
Presidanle interino.
A. P. de Lomos
Seentam interino.
BANCO MJIUA & C.
Una do Trapiche n. 34.
Desconta lettras co .imerciaesa taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente.
Confere crditos, saca sobre as pmeiras
pracas do imperio, Rio da Prata c Euro-
pa, e compra cambiaes so'ue as mesmas
pravas.
Encarrega-se, por commiss3o, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes de
companhias, da oobranca de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
quer outra operado bancara>>
0 expediente para o publico comecar
s 10 horas da manha, e terminar as i
horas da tarde de todos os dias atis.
CORREN) GERAL '
Belacao das carta-; registradas viudas da Europa e
existentes na adminlstracao do correio desta ci-
dade para os senbores abalxo declarados :
Felomeno de Simone, Francisco Antonio Ote-
ro, Francisco de Simone, Francisco de Paes Bar-
roto, Francisco Pungitore, Guiseppe Bulaferoca,
Giorara Lacorozza, Nieola Lambaglia, Phipps i.
Enders, Pasquih Liighilmino (t).________________
Aviso aos navegantes.
Capitana do porto de Pemambuco 17 de Fevc-
iviio de 1869.
- Em virtude da ordem de S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, manda o Illm. Sr. raptto de mar
e guerra e capito do porto, publicar'o edital
abaixo transcripto, relativamente a reiuocao do
pharol collocado nos baixos de Bragane n'aquella
provincia, conforme solicilou S. Exc. o Sr. eonse-
Ihero presidente da provincia dp Pai.
EDITAL.
De ordem de S. Exc. o Sr. conselheiro presi-
dente da provincia, faco publico que lendo-se re-
movido a barca pharol da posicao annunciada por
edita! desta secretaria de i de janoiro prximo
passado. acha-se ancorada a me.-ina barca em
(|uraze bracas daguaera fundo d'areia lina, e ao
norte do Conveli do baixo de Braganca na dis-
tancia ultimada de nina c meta mimada frahl do
dito baixo, demorando-lhc a punta da ilha da Ti-
joca por 13. sueste e a do Curuc por 43. tam-
bera sueste, e na latt. sul 33' 27" e na long. oeto
do meridiano de Grew. 47" 40* 47''.
Os navios procedentes do leste que demandarem
a barca pharol, logo que estojara leste oeste
com ella, navegaran ao rumo d'oeste verdadeiro
paseando ao norte da dita barca, c joga que a te-
iiliain montado navegarao ao siidue^ie.
Secretaria do governo do Para 8 de fevereiro de
1869. O secretario interino Joao Brigido dos
Santos. Conforme, o olllcial maior' Bavmundo
Alves da Cimba. Confere, Antonio Annes JKeo
me Pires.Confer, Campos.
( secretario da capitana
______________Recto itAijumo Foiirera.
ENGLISH BANK____
O Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a ron-
vencionar.
Recebe dinheiro cm conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
C011IM0 UEKAL
Itelarao das carias registradas existentes
na adminislraco do correio desta cidade
para os senbores ahaixo declarados :
Dr. Amaro Joaquini daFonseca Albuqnerque,
Dr. Alfredo Teixcira Mendes, Antonio Bernardo de
Souza, Antonio Pires Ferreira, Antonio Pachecj
Soares da Silva, liolefun Bibeiro da Fondera. C
Pereira I loarle, Joaquim do Andrade Lima, Dr.
Joaquim Ferreira Chaves, /laquirn l'ereira Dnrte,
COnegO Joaquim Pinto de Campos (2), Dr. Joaimim
Pires Machado Portella, Dr. Jos Pfarto Jnior, Joao
Hamos, Jos Lucas Ferreira. tforeira ft Primo.
Manoel Ferreira Lima, Manoel Gome- Violas, Dr.
Manuel Jos Domingutt Codiceira, Dr. Manoel do
Nascimento Machado Portella, Manoel Bibeiro de
1 amibo, .Narciso Francisco Vidal (i), Tbeodora
principaes da Europa, tem agencias na Ba- Maria da Silva Pinto, Vicondc de CamragOe, I>r~
hia, Buenos-Ayrcs, Montevideo, New-York Vieente l'ereira doHcgo.
e New-Orleans, e imille cartas de crebito, | ^-^_^^
para os raesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
logo me acharia con) os meas wmprovincianos
com mdiffererica e talvez com desprezo.
A nossa constituicao poltica nos diz aun o (to-
erno do Brazil inonarcHIco constitucional e re-
presentativo; que monarebico estaraos concordes,
mas constitucional representativo, eis o grande
problema que todos 05 brasileiros resol vea sem
S,?^ P*1? ncKttta- 0 governo represen-
tativo lera sua ongeni e fundamento no sulfrag..
(pillar, qne a manifestacao mais solemne oa
vontade nacional. ~ioiuuc
Mas o que entre n6s o sufr-agio ponular? E'
urna farea vergonb.osa representada pela prepo-
tencia dos governo?, ma cousa que existe nara
aeobertar os representantos da nacao", a mentira
em que os governos se apoiam.
E anda existem homens que com o maior des-
caro, com a fronte elev.da em plena luz do sol,
fallara para o paiz em victoria das urnas' Da 00-
pressao dos mais inviolaves dircitos dos cidados
arrancara elles um diploma o cora elle jogam ara
nsnlto que eomoo dardo de Philocteto os nlniloa.
h este o pensamentq dos homens de todos os par-
tidosjwlitteos que varan de opimo conforme soa
posicao no governo se a sua poltica domia^fl
O ADMINISTRADOR DA PASSAGEM DE TROMBKTAS
E O SR. CAPITO IRIN'O JANL'ARIO DE OLI-
VEIRA.
Nos Itrnaes do Red fe de 11, *15e 1G
do corrente vem o Sr. capitao Irino Ja-
nuari do Exm. Sr. presidente da provincia, e da
Illm. cmara municipal de Agua-Preta, cm
consequencia de extorscs por mim feitas
ao publico, por occasio da grande chcia" do
rio de Una nos dias 8, 9 c 10.
E' verdade quo, durante os referidos
dias, c>leve interrompido o transito para o
povoado Trombetas pela jangada grande
que tenho; Nao porm, exacto que, du-
rante os inesmos dias e .depois d'elles, eu
tivesse extorquido a alguem, pela passa-
gem do rio, os precos que refere o Sr. ca-
pito Irino.
Sem duvida o Sr. capito foi mal infor-
mado.
Algumas Q|Ssoas que, a todo o transe
quizeram alPrVessar o rio naquelles dias,
me offereceram e deram para isso seis
tostes e at dous mil ris, cujas quantias
pagava-as cu, em pres nca%das proprias
pcssas, a quatro homens destituidos e vi-
gorosos, que, com inminente risco de vida
se atreveram, por diversas vezes, a atra-
vessar o dito rio.
E quando o Sr. fiscal, tambem mal in-
formado, me intimou para que nao cobrasse
de ninguem precos, alem dos taxades pela
cmara, lhe declarci que, estando inter-
rompido o transito ordinario do rio, em
virtude de forca maior, nao me oppunha
(e nem era possivel fazel-o) a que os quatro
individuosque estavam passando, recebessem
como retribuico de seu trabalho e risco
a que se expunham, as quantias que lhes
quizessem dar.
Foi isto, apenas, o que se passou, e foi
testimuhhado por innmeras pessoas.
Loo que foi possivel dar passagem
pela jangada grande, embora o rio ainda
se consrv&sse bastante cheio e inapetitoso,
foram por mim restabelecidos os presos
laxados pela cmara. Trombetas, 17 de
fevereiro de 1869.
Manoel Antonio Ramos.
ALFAXDF.GA.
Bendimcnto do dia 1 a 18 .
dem do dia 19......
562:2811825
35:331*432
587:8121957
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volnmes entrados co|n riendas
Idera dem com gneros
Volumes sabidos com fazendas
Idera dem com gneros
314
581
109
170
895
369
Descarregam hoje 20 de fevereiro.
Vapor inglezStiladimmcrcadorias.
Patacho norte-allemaoIVnn///idein.
Vapor niglezAwosoa=fazenaa8.
Barca franceza (7o///y=idem.
Barca inglezaCarioca =idem.
Brigue inglezfc'iv/bacalho.
Sumaca bespanhola Thereznvinlins.
Barca portuguesa--llinadfarinha de trigo.
Brigue argentino Volantefarinha de trigo.
Brigue portagnezBelmpago lagedo.
Brigue iwrtuguezDespique //diversos gneros.
Polaca italiana Saradem.
Escuna norte-allemaaCatharinaidem.
Barca inglezaZeiiniaidem.
Barca francezaMariosidem.
BECEEOBIA DE RENDAS fTERNAS GE-
RAES DE PEBNAMBUCO.
Bendimcnto do dia 1 a 18 30:i09$286
dem do dia 19...... M3U360
THEATRO
EMPREZA DRAMTICA
K:tb>ado 90 le fevereiro
Segunda representacao do drama em o a
n 1
31:3103616
CONSULADO PROVINQAL.
Bendimento do da 1 a
dem do dia 19 .
18
74:171*017
4:90i8l3
79:075^860
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia /9.
H11II73 dias, brigue inglez F'iiVt Ilabani, de 277
toneladas, capitao I. Croby, equpagem 10, car-
ga carvao ; a Sawnders Brothers.
Gorc16 dias, barca ingleza Sen Queen, de, 371
toneladas, capitao Wlss, equipagem 10, eni las-
tro ; a ordem.
Fernando de Noronha.48 horas, vapor brasileiro
Giqui. de 223 toneladas, commandante Joa-
quim Custodio Diiarie de Azevedo, equipagem 23,
era lastro ; a companhia Pernainbucana.
Goyanna10 horas, vapor brasileiro Mamangua-
pe, e 234 toneladas, commandante Mello, equi-
pagem 17, em lastro ; a, companhia Pernambu-
cana.
No qual faz a aua estra a Sr. D.
vedo.
Personagcns.
Aime (a pastora de Svn) .
Hortencia Fauvel. .' .
Senhora Deronvilie. ....
Julianna (moca da herdade). .
Francisco (soldado). .
Jarques Fauvel......
O conde de Grandnal. .
Luiz de Beanchamp. .
Arthur de Marsoy. .
Cannuche (111050 da herdade).
Bonrgogne.......
Julia Aze
Senbores.
Julia Azevodo
Mal 3 Velluti.
Clelia.
Apo onia.
I Augusto.
Thoniaz.
Primo da Costa
Flayiano.
Jos Oiiimaraes
Jordn i.
Santa Rosa.
camponezes, mercadores, ambulantes,
Sr."
Mocos,
soldados.
A scena passa-se em Ivry em 18-27.
1." acto0 desertorSala na bardada da
Deronvie.
2. actoO raraalheteJardiiu dos dons moi-
nhos.
3. actolima por outraSalo no caslello da
Grand-val.
4." actoSacrificio d Aime = O mesmo' do !
acto.
5. actoO assassino por amor Bosque em
noite tormentosa.
A msica composieao do dstncto artista
Coclho Barbosa.
Da lira ai) espectculo a nova comedia en;
acto
1
0 IioBiem nao perfeilo.
Scnliores.
Jos Victorino.
Thomaz.
Jordani.
SI. Velluli.
ApoJom'a.
Nao houve sabida.
Observacao.
ECITAES.
Tubrculos pulmonares
No muido inteiio talvoa nao hajt moles-
tia alguma <[ue tenba dado mais serios ent-
ilados sciencia medica do que esli. Des-
de o tempo de Hyppocrates tem ella asso-
lado o mundo, e a esatistica mo.'tra que
era nada tem diminuido o numero das suas
victimas.
Em Pars de todos que morrem 20 1(4
0|0 s3o .de tubrculos pulmonares, eia Lon-
dres 1G 213 0|0, em Berln 19 0\0 e em
New-York MB|8 0|0.
Ha seculos que os homens sxientilicos e
pw'lantropos buscam ansiosos um ando-
Faco constar a quem convier, que o Illm. Sr.
Dr. director geral da instruccao publica tem desig-
nado o dia 20 de marco prximo vindouro pelas 10
horas da manhaa, para ter lugar mista secretaria
exames de habilitacao para o magisterio primario
do sexo ferainino.
As senhoras que quizerem fazer ditos exames
deverao inscrever-se na forma das instruccSes de
11 de junho de 1859, at o dia 19 do mesmo.
Secretaria da instruccao publica de Pemambuco
19 de fevereiro de 1869.
O secretario,
Aurtlino A. P. de Carvalhe.
Personagens.
Miebou, moco ile freas.
Borot, seu amigo. .
Godolphin, piTUlniro. .
Magdalena, peixeira. .
Lnizinha, lavadeira.
Em casa de Miebou.
Principiara as 8 horas.
A/ha-sc aborta nina assignatura de 30 recitas
divididas era 3 presumes para camarotes e ca-
deiras, com abatimento de 10 por cento, tendo os
Sis. assignantes- direito a 10 espectculos (pelo
menos) inteiramente noves.
AVISOS MARTIMOS.
DECLARACOES.
A adininistracao do correio dosta cidade faz
publictMiie desta data em diante recebe asigna-
turas a 20 por anuo pagas adianladas, e no cor-
reio, eque os senhores assignantes receberao suas
correspondencias e jornaes somenle no correio. na
conformidade. dos avisos.
Correio de Pemambuco 18 de fevooeira de 1869
O administrador,
Para o Porto
seguir com a maior brevidade possivel a mi vc-
leira galera portugueza A'opo Faina II, por j ter
a maior parte da carga engajada : para o resto e
passageiros, aos quaes offerece excellentes com-
modos: trata-se com Cunha Irmos & C, i ra da
Madre de Dos n. 34.
PAMIA PllNAMBUCANA DE NAV-
GACAO COSTEEIRA POR VAPOR.
Porto deGallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Mamanguape, coja-
mandaote Mello, seguir p:
porlos cima no da 20 do cor-
rente a meia noite. Beccne ar-
ga, oucom mendas. passazeirB
a lete n escriptorio do Forte lo Mat-
tos n. 12.
Para Lisboa
O brigue portuguez Im I, capito
jahir etin umita

f
>
1

I

mel mal, murtn tem-ao prOouoci.tdo in-j se ha publico que ueste
ainda loe falu
la sua carga prompU .
mi n
mez e ro de k pitia, w praca do Commerc'
\


Mario de Penianibuco Sabbaclo 20 de .Fevereiro de 18fi9.
coMPAMiiA brama
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos du buI t esperado
at o dia 23 do rorrente o vapor
Gttarr cominandantc o primeiro
lente P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora du costunie se-
guir para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder condnzir, a qual dever
er embarcada no da de sua chegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua saluda as t
horas.
Nao se reeebem como encommendas senao ob-
jectcis de pequeno valor e que nao exeedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicas
Turto (|ue passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
COMPNIUA PERNAMBUGANA
DI
Xavcgavo costeira por vapor.
Macei, escalas e Pencdo.
O vapor Potenyi, commandante
Pereira, seguir para os portos cima
w no dia 3 de marco as 5 horas da tar-
de. Recebe carga at o dia 2 as 3 horas da tar-
de, encommendas, passageiros e dinheiro afrete at
as 3 horas da tarde do dia da sabida no escriptorio
do F..rte do Mattos n. 12.
CMPANHIA PERNAMBUGANA
M
Navegar costeira por vapor.
Goianna
O vapor Mamanguape, com-
mandante Mello, seguir para o
porto cima no dia 26 do corren-
te u 9 horas da noito. Recebe
carga, encommendas, passagei-
ros e dinheiro a frete no escriptorio do Forte do
Matos n. 11
Baha
Para a Pabia sabe dentro de seis dias a polaca
italiana Sara, quem quizer na mesma aproveitar
carga cntenda-se cora o consignatario Joaquim
ose Goncalves Beltrao, ra do Trapiche n. 17,
Para Lisboa.
Segu com muita brevidad, a barca portugueza
Gratidiio, tem grande parte da sua carga promp-
ta ; pan o que ainda Ihc falla c passageiros, tra-
ta-se com Ollveira Pilhos & C, largo do Corpo San-
to n. 19, ou com o capitao na praca do commercio.
Para Lisboa
Vai sabir com muita presteza o brigue portn-
guez Coartante II por ter glande parte do ?cu
carregainento prompto : para o restante e passa-
geiros, trata-se com Oliveira, Filhos & C, largo
So Corpo Santo n. 19, ou cotn o capitao na praca
o commercio.
UO.MPANIIIA PERNAMULCANA
DK
IVavegacSo costeira por vapor-
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caty, Cear, Acaracit e Granja.
O vapor pojara, commandante
Martins, seguir para os portos cima
no dia 3 de margo p. futuro as 5 ho-
ras da Urde. Recebe carga at o dia 2, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde do dia da saluda no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
Maranho
Segu com brevidade o palhab-Me Joven Arlhur ;
para o resto d carga que Ihe falta trata-se com os
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azcvedo &
C., ra da Cruz n. 57.
Para
Parat e indicado porto segu em poneos dias o
palhaboc liozita, por ter a maior parte da carga
e para o resto que Ihe falta trata-se com o con-
signatario Joaquim Jos Goncalves ReltrSo, ra
tio Trapiche n. 17.
PUA
Com mnita brevidade segu para o porto indica-
do a barca portUf ueza elem, capitao J. J. de Frai-
las, a qual tendoa maior parte do campamento
prompto, recebe o resto a frete, gara o que trata-
se no escriptorio de Amorim Irmaos, ra da Cruz
numero 3.
COMPNIUA PERNAMBUCANA
M
Navegaco costeira por vapor.
Macei em dreitura e Penedo.
WJlb' O vapor Jaguaribe, commandan-
JaL te Moura. seguir para os portos aci-
mtsm nw no dia 22 do corrente as 5 horas
da tarde. Recebe carga at o dia 20, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as 2
horas da tarde do dia da sahida no escriptorio do
Forte do Mattos n. 12.
LEILOES.
LEILAO
De estopa e algodozlnho ava-
riatlo.
Sabbado 29 de fevereiro as l i horas em
ponto.
O agente Pinto fara leilo por conta e risco de
quem pertencer de diversos fardos de estopa ava-
hados a bordo do navio inglez Sappho, epodas de
algodozinho avadadas d'agua salgada a bordo do
vapor inglez Alliambra na sua ultima viagem de
Liverpool este porto, o leilao ser cffeetuado as
11 horas do dia cima dito em seu escriptorio a
ra da Cruz n. 38.
LEILAO
De miudezas e fazendas.
A 23 do crranle.
O agente Oliveira fara leilo por conta e risco
de quem pertencer do molhor sortiinento de miu-
dezas as mais proprias para estabelecimentos
desta ordeni e do mercado, inclusive ferragens ti-
nas e obras de latan, assim como de outras fa-
zendas que sero vendidas sem limitacao de pro-
cos e cuja clas^iticaco se torna desnecessarin,
visto terein de ser previamente examinadas pelos
prclendentcs.
Segunda-feira 23 do corrente
as H horas da manha imprcterivelmente. em scu
escriptorio ra da Cadeia n. 4, primeiro andar,
por cima do armazcm de fazendas do Sr. Barroca
LEILAO
De *. barris com baiiha de or-
eo c O jacazes cora tonci-
nho.
Segunda-feira 22 do corrente.
O agente Pestaa far leilo por conta c risco
de quem pertencer de 25 barris com banha de
porco e 10 jacazes com toucinho em um ou mais
lotes no dia cima as 10 hura- da manha, no
trapiche do barao do Livramento, Forte do Matos.
Para o Porto
Segu sem demora a barca portugueza JVoro
Sttuu, por ter grande parte da sua carga promp-
ta, para o resto e pa-sageiros aos quacs olTerece
excellentes commodos trata-se com Oliveira Filhos
fe C, largo do Corpo Santo n. 19 ou com b capitao
na pra?a do commercio.
Para o Porto
Segu com muita brevidade a barca porgueza
Harmona, para a carga e passageiros trata-se
loui os consignatarios T. de Aquino Fonseea 4
C-, ra do Vigario n. 19, Io andar, ou com o ca-
pitao na praca. ________
Para Lisboa
o brigue portuguez Relampngo, segu em poucos
dias, leni a carga prompta e para o resto e pas-
sageiros trata-se com os consignatarios T. de
Aquino Fonseea 3c C. ou copt- o capitao na praca.
Para o Porto
seguir dentro em poucos dias a barca portugueza
Amelia, de 1* marcha, por j ter mais de dous
tercos de sua carga prompta; para o pouco que
Ihe falta e passageiros, aos quaes otlerece excelleu-
tes commodos, tratase com Bailar, Oliveira & C,
ni roa do Vigario n. 10.___________________
COMA BRASILEA
DK
Paquptes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o da 28 do corrente, o vapor
Paran, commandante o capitao
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbora, o qual depois da
demora do costume seguir para os do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
las e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sahida.
Nao se reeebem como encommendas senao ob-
jectos arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar destes limites devora ser embarca-
do como carga.
Previnc-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens so se reeebem na agencia ra da Cruz n. 57,
1* andaar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo 4 C.
Para o Maranho
A barca portugueza Despique II, de primeira
chsga, forrada de cobre, sabe com a carga que
houver nesles 8 dias : a tratar na travessa da
Madre de Dos n. 10.
De movis, loara e erystaes.
A SABER :
Um piano de armario, urna mobilia de Jacaran-
da com lampos de pedra marmore, 2 grandes
espelhos, quadros com linas gravuras, candiciros
a gaz, 12 cadeiras italianas, 1 tapete grande (for-
ro de sala), 1 relogio, 1 guarda roupa, 1 guarda
vestidos, coinmodas, espelhos, lavatorios, camas
com colxo, 1 cadeira privada. 1 jogo de bagatel-
la, 1 mesa elstica, 1 guarda louca, 2 aparadores,
1 quariinheira, 12cadeiras, 1 sof de amarcllo,
louca para cha e jantar. garrafas, copos, garios,
facas e colheres, 1 urna de electro pate, 1 galhei-
teiro, 1 saleira, 1 excellente fogao americano, 1
lote trem de cosinha, (landres, 1 machina de lavar
roupa, fructas em conservas, 2 caixas de vinho
museatel e muitos outros objectos.
liiarta-felra 8 4 de fevereiro
Na ra do Cotovello (Boa-Vista) casa nu-
mero 1 A.
O agente Pinto autorisado pelo Sr. Thomaz
Adainson Jnior cnsul dos Estados-Unidos, far
leilo dos movis e mais objectos cima descrip-
tos existentes em casa de sua residencia ra do
Cotovello n. 1 A, (Mondego) casa pertenecnte ao
Sr. Dr. Jacobina.
As 10 1/2 horas da manha partir da praca do
commercio um mnibus (gratis) para transporte
dos concurrentes ao leilo, o qual principiar as
10 3|4 horas em ponto.
AVISOS DIVERSOS.
Na ra do Livramento n. 10, loja, precisa-se
de urna ama que cozinhe bem.
Os baixo assignados scientilicam ao corpo
commercial desta praca, que tem dissolvido nesta
data a sociedaee que gyrava na razio social de
Magalhaes & Coelho, na padaria da ra da Praia
n. 47, e no deposito da ra estreita do Rosario n.
2, licando a liquidaeo do activo e passivo a cargo
do socio Bernardino Pinto Coelho, e o secki Manoel
Pereira de Magalhaes Jnior exonerado de toda e
qualquer responsabilidade, e embolsado do seu
capital e lucros. Recife 15 de fevereiro de 1869.
Manoel Pereira de Magalhaes Juuior.
Bernardino Pinto Coelho.
A Moca Perfeita.
Aclia'-sc inipressa a segunda cdiro d'esta
obra de educaco ijue lau bem acothiila fui
a primeira vez que foi publicada.
Esta nova edicSo muito superior pre-
cedente, pois que todos os artigos recebe-
ram n'ella ipaior descnvolvimento, e outros
novos Ihe foram accrescentados.
Em vez de 106 paginas que continha o
primeiro volume e de 136 que continha o
segundo, a nova edico contm 302 pa-
ginas no primeiro volume e 450 no segun-
do, o que-a torna quasi quatro vezes maior
que a primeira, pois que as novas paginas
sao maiores que as outras.
S a parte religiosa, que faltava inteira*
mente na primeira edico, oceupa na pre-
sente 222 paginas.
N'ella se explica toda a doutrina da
igreja, assim como tambem todos os deve-
res religiosos do christo com clareza e
preciso.
O autor ubmetteu sua obra ao exame e
censura do Exm. e Itvm. Sr. vigario capi-
tular d'esta diocese, e teve a honra de re-
ceber d'elle a seguate carta sobre a dou-
trina e mrito da mesma.
Illm. Sr......
t Com a carta datada de 17 do corrente
a que respondo, recebi os dous voluntes
da Moca Perfeita, obn por V. S. composta
para a educacSo de nossas jovens patri-
cias.
Pede-me V. S. que examinando cui-
dadosamente a mesma obra, nao s lhc
communique o que n'ella encontrar digno
de correcco, quer na parte moral, quer
na religiosa, seno tambem d o meu pa-
recer sobre o merecimento da mesma
obra.
Apreciando devidamento o sentimento
e as vistas de V. S. a este respeito, fiz
com cuidado o exame pedido, nao obstante
as oceupaces que pesam sobre mim, e
creio poder assegurar-lhe que nada encon-
Irei, quer na paite religiosa, quer na
moral, que offenda os principios funda-
mentaes da doutrina christ, da moral
evanglica e da educacSi? religiosa.
No meu entender, esta obra preenche
bem o fin para que destinada, ensinando
praticamente os deveres que as mocas tem
de cumprir e as virtudes que devem ex-
ercitar, quer na familia como filhas, como
irmas, como esposas, como m3es, como
amas ou senhoras, quer na sociedade civil
e religiosa.
t Accresce mais que no ponto de vista
religioso, V. S. nao se limitou a explicar-
Uves simplesmente os deveres que nos sao
impostos pela nosssa f, procuron tambem
esclarec-los sobre a verdadeira religio
que felizmente professamos, oceupando-se
extensamente em provar a divindade de
Jess Christo, que sem contradieco a
base fundamental da mesma religio.
Os exemplos que V. S. refere da in-
fluencia da mulher sobre a moralidade da
familia e do estado sao na verdade bellos e
bem escolhidos.
* Nao menos importantes e efQcazes sao
sem duvida os rasgos de herosmo que na
mesma obra se referem, praticados por
esse sexo na apparencia to frgil e na rea-
ldade to forte. Rasgos de amor filial, de
amor conjugal, de amor maternal, de amor
prximo, de amor da patria, rasgos emfim
de amor divino, tudo sublime, tudo en-
canta h'esta obra de educaco. .
t E para que nada faltasse na Mofa Per-
feita, segue-se depois de tudo isto a vida de
Nossa Senhora que incontestavelmentc o
modelo de todas as virtudes.
Nao tenho noticia de obra alguma que
seja mais apropriada para a educaco das
mocas do que a que V. S. subrnetteu ao
meu exame, e me convenco de que ella
produzir grandes bens no interior das fa-
milias.
f Felicitando a V. S. pelo relevante ser-
vico que acaba de prestar educaco de
nossas-patricias, fac.o votos para que con-
tinu a oceupar-se com obras de educaco
religiosa, como a presente que formando
excellenles mes de familias, muito contri-
buiro para o progresso moral e religioso
de nosso paiz.
Recife, 31 de Janeiro de 1868.
De V. S.
Amigo affet. e obrigm. C.
Deo Dr. Joaqnim Francisco de Furia.
Da-sc 1:0005 a premio com hypotheca em
bem de raiz de dohrado valor nesta cidade : na
ra Nova, loja de ferragens n. 31.

TRILHOS URBANOS
DO
Recife a Apipucos.
Para maior commodidade dos passageiros o
trem que passava no Monteiro as 9horas e 2o mi-
nutos da noite, passar as 10 e 33, em quinto
durarem as novenas de ?iossa Senhora da Con-
ceico que alli se celebra.
Escripturio da companhia 19 de fevereiro de
186*.
W. Rawlinson,
Gerente.
Precisa-se de um caixeiro para taberna que
saiba desempenhar o seu lugar : na ra do Ran-
gel n. 67.
Artigo de que se compoe a Moca
Perfeita.
TOMO I.
Cap. I.Creaco da mulher. Queda da
mulher pelo peccadt). Degradaco e oppres-
so da mulher entre os povos antigos e mo-
dernos.
Cap. II.Rehabilitaco da mulher pelo
christianismo.
Cap. III.Destino o misso da mulher.
O mesmo assumpto. Deslino e misso da
familia. Quadro da familia christo.
Cap. IV.Regeneraco da familia pelo
christianismo: Influencia da mulher sobre
a moralidade da familia e do estado.
Cap. V.Exemplos notaveis da influen-
cia da mulher sobre a moralidade da fami-
lia e do estado.
Cap. VI.Rasgos de herosmo pratica-
dos por mulheres. Rasgos de amor filial.
Rasgos de amor conjugal. Rasgos de amor
maternal. Rasgos de amor do prximo
Rasgos de amor da patria Rasgos de amor
divino.
Cap. VIL- A Snnla Virgem m^dcl de
todas as virtudes.rftascimento da Santa
Virgem,- -Apreaeiitafto da Sania Virgem.
A Sania Virgem no templo.A Santa
Virgem orphaa.Desposorio da Santa Vir-
gemAnnunciaclo da Santa Virgem.Vi-
sitarlo da Santa Virgem a Santa zabel.
Nascimento do menino Jess.Adoraco
dos magos.Purificacao da Sansa Virgem.
Fgida da Santa Virgem para o Egypto.
Regresso da Santa Familia a Nazareth.
A Santa Virgem durante as pregarles
de Jess.A Santa Virgem durante a pai-
xo. de Jess.A Santa Virgem depois da
morte de Jess.
TOMOII
SKCCO I
Deverese virtudes das muUteres na familia.
Cap. 1.Origem da familia, sei:s bene-
ficios.Papel dohomemna familia Papel
da mulher.Papel do menino.Retrato
moral da mulher.
Cap. II.Deveres das mocas na casa
paterna.Deveres para com Deus. Deve-
res para com seus paes.Dveres para com
seus irmos.Deveres para com os criados
de seus paes.Deveres para com seus mes-
tres e mestras.
Cap. III.Deveres das mocas na casa
propria.Preparaco para o casamento.
Reflexoes sobre o casamento.Deveres da
esposa para com o esposo.O mesmo as-
sumpto.Deveres da mi para coro os fi-
lhos.Deveres da ama para com os cria-
dos.Deveres da dona de casa.0 mesmo
assumpto.Misso da mi.A economa
intdligentc.Da ordem nos pensamentos,
as palavras e as accoes.Do emprego do
lempo.
SESCO II
Deteres e virtudes das mulheres i#o mundo
Cap. I.O mundo e seus perigos.
Cap. II.Da entrada no mundo.
Cap. III.Das amizades.
Cap. IV.Da conducta o do j)orte.
Cap. V.Do desejo de agradar.
Cap. VI.Da pulidez.
Cap. VILDa felicdade.
Conselhos de urna mi a sua filha sobre
a felicdade. Conselhos de um pa.
Cap. VIII.Qualdades, que as moras
devem exercitar e defetos que devem evi-
tar.Conselhos de urna madrinha a sua
ailhada.Primeiro conselho. (Da vaida-
de, da ostentaco e da impertinencia.) Se-
gundo conselho. (Daflaqueza,da rectido,
da mentira.)Terceiro conselho.(Da pa-
ciencia, da maasido e da colera.)
Cap. IX. Regras de conducta tiradas da
Escriptura Santa.
SECC.O III
Deveres e virtudes das mulheres na igreja.
Cap. I.Necessidade da religio.
Cap. II.Da verdadeira religio. Feli-
cdade de quem professa. Desgraca de
quem a despreza.
Cap. III.Das verdades que devenios
crer.
Cap, IV.Do mysterio da Santissima
Trindade.
Cap. V.Da creaco, obra altrbuida
Primeira Pessoa Divina.
Cap. VI. Systema adoptado per Deus
para a regeneraco do homem.
Cap. VILDa redempeo, obra attnbui-
da Segunda Pessoa Divina.
Cap. VIII. Prophecias sobre o Sal-
vador.
Cap. IX. As prophecias relativas ao
Messias cumprem-se todas na pessoa de
Jess Christo.
Cap. X. Outras provas da divindade de
Jess Christo.
Cap. XI.Mais provas da divindade de
Jess Christo.
Cap. XILDoutrina de Jess Christo.
Cap. XIII.Da justificado, obra attri-
buida Terceira Pessoa Divina.
Cap. XIV.Da igreja.
Cap. XV.Dos novissimos do homem-
Cap. XVI.Dos deveres religiosos do
christo.
Cap. XVII.Dos peccados contrarios
aos tres primeiros mandamentos de Deus.
Cap. XVIII.Das sete fontes de pecha-
dos, e das virtudes que lhes sao contra-
rias.
Cap. XIX.Das virtudes theologaes e
das virtudes moraes.
Cap, XX.Da piedade e da religio.
Cap. XXI.Do culto que se d a Mara
Santissima, aos Santos, as reliquias e as
imagens.
Cap. XXII.Dos meios que Deus esta-
beleceu para santificar-nos (Da graca.Da
oraco.Dos sacramentos.)
Cap. XXIII.Das festas e dos santos
tempos do anno christo e dos ritos e cere-
monias do culto divino. -
i
n
o
^ S
%2<=
-Sol
.2og5
o"S .2
r5sfa
re _. ^
(A ei tt CJ
rs 03 -o
= = ..- a
E
o
"E2
C 3 _
U c to
O g
oa
Z. re
fe
a s

1 X)
o
C
P
-
o re a
'5 ^ -5 g
.2 5 5.-B
re re a
a
.S.C. 53 2
- u ao a cu
lilr
lili
3 -r re

O

a
o
Lindos cortes de cassa de cor com barra,e com figurino indicando o molde do vesti-
do pelo baratissimo preco de 35300 o corte
Ditos de percalia muito modernos com duas saias a 5#000 ris
Na loja das Columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vascon-
celos A C._________________________________________________
GRANDE HOTEL
DO
BRASIL E PORTUGAL
Situado em um dos bairros mais centraes de Pars, sendo as immediac5es dos
principaes theatros e outros muitos divertimentos, e assim das estacoes dos caminhos de
ferro para todos os pontos da Europa, acabado de ser inteiramente renovado, nao se
tendo poupado o seu novo propretario a despegas para seu completo embellesamento e
aceio, torna-se portanto ventajosamente rccommendavel aos senhores brasileiros e por-
tuguezes, a onde encontraro sempre aquella convivencia desejada em paiz estranho.
por ser constantemente frequentado por seus compatriotas. % tratamento superior a
todo o elogio, mesa redonda, ou a carta, ou servida nos apozentos; habitacoes conve-
nientemente despostas para familias, e quartos para urna s pessoa, o servido feit.
com a precisa regularidade: os precos muito rasoaveis eao alcance tambem d'aquellas
pessoas que se queiram limitar.
Gabinete de leitura com os principaes jornaes dos dous pazes, salo de recepcaoe
de msica, etc. etc. Todas estas vantagens podem ser applicadas igualmente aos senho-
res passageiros das repblicas do Prata, porque alm da semelhanca da lngua, ali en-
contraro muitos sedhores hespanhoes, por quem tambem esta casa bastante fre-
quentada.
3
lPHOSPHATODEFERRO
[DE LERAS DOUTOR EM SCENCIAS J
INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIZ Etc.!
Tal a obra que acaba de ser publi-
Ella acha-se venda no escriptorio do
Correio do Recifera do Imperador n. 79,
primeiro andar, preco de 5)5000 os dous
exemplares, boa encadernaco.
Todo o pae de familia que zela a educa-
Cao de suas filhas, deve pois dar-so pressa
em comprar para ellas um exemplar desta
obra, certo de que nao Uies poder fazer mais
valioso presente.
O cinco biltiptus da lotera 96 a b indicio da
igreja de N. S. da Boa-viagem da ns. *>97, 2,073,
2*38, 2698 e 3i49, pertenrm aos Sr*. Ricardo
Wittig, Manoel Gemes de Freitas e Manoel Jos
Martins. do Aracaty, e ficam em poder do abaixo
assignado.
Francisco Martins de Amorim.
Dcbaixo da forma d'um liquido sem sabor,
anlogo a orna agua mineral, este medica-
mento rune os elementos que constituem
os ossos e o sangue. E' o mais racional dos
erruginosos; por esta razio o adopta rao
ds mais eminentes mdicos do mundo in-
teir*. Convem muito s meninas de temperamento delicado, eujo desenvolvimento tardio,
s senhoras que padecem d'eslas dores d'estomag intoleraveis, causadas pela chlorose,
anemia, menstrnaco ou leucorrha, s criancas d'uma compleicio pallida c delicada, e a
todas as pessoas que tem o sangue empobrecido pelas doencas. Jfficacia, rapidez d accao,
cura perfeita, sem constipacao de ventre nem accio sobre os dentes, taes sito as razOes que
imperio para que os senhores mdicos o prescrevo aos seus doentes.
Deposito em Pernambueo, em casa de Hmw c.
? \&&'t40fyc-$;*y-@l>
m
CAPSULAS VEGETAES

essencia de
Ellas obrio
1hM capsum com capa de gluten, contem ^ balsamo de l^ta "^''
M.ii^Wrvore do Per), e eonstituem um remedio infalUvel contra a gooorrnea
IW nsVrTesiomigo e nio ^rovodo nunca os enjos e nauseas que. occas.onao as capsulas
ortina^, tendo ,Timmens. van.agem de nio communicar ohe.ro U 0.rm. E por ette. mo-
tivos que ellas sio superiores as capsulas de copahiba, cnbebas, etc.
. v Deposito'em Pernambueo, em easa de Inm ""
RA?
|DO
CABUGI
esquina
[da ra larga do
Rosario.
MML DE OURO
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender.
vista da qualidade e do preijo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedra3 finas por presos muito ele-
vados.
A loj$ est aberta at s 9 horas da nouto.
RIJA
GABG
esquina
da ra larga do
Rosario. m
a


l)iario de Pemambuco Sabbado 20 de Feverero ele 1860.
AM1
Ru;i do Torres n. 16, 2o andar, precisa-se de
urna una que engommo e rosinhe para urna pes-
aoa.______________________'
O Sr. Antonio Francisco Duarte queira appa-
recer na raa Direita n. 58, a negocio de seu mle-
resec.________________ .
= Narulm-cita n. 88, casa
doParanlios, conlina-se a vender
"reame e a salsa do Dr. Tompson.
Eoslno de arithmetlc, algebra e
geometra.
O bacharel em direito Casemiro Borges Godinho
de Assis, cnsina estas materias no primeiro andar
8a casan, i 7, sita na ra Nova, das 7 1/f as 8/2
oras da nianha aos senhores estudantes que de-
sejain fazer exame no collegio das artes, e das 7
1/2 as 9 da uoite aos senhores empregados no com-
mercio.
que foi do fallec
der o verdadeiro
Collegio de S. Francisco Xavier
Estabelecido na grande e bem are-jada casa
onde estove o Gvmnasio, na ra do Hos-
picio n. n, dirigido pelos padres- da
companliia de Jess.
O reverendo padre director daste collegio scien-
lifica aos pais de seus alumnos e dos dentis que
uizercm confiar-Ihe a educado de seus lilhos,
que no da :t de fevereiro cometario a friccionar
lodas as aulas, achando-se abenas j as matri-
culas. Rccebeui-sc meninos de 6 a 12 annus
para sercm instruidos as materias preparatorias
las facilidades do imperio, a saber, primeiras le-
tras e lingoa nacional. geographia c historia, ari-
dimetica e.geometra, inglcz, fxancez, (da-so infe-
rior e superior), latm, da-so inlima, media e su-
prema, isso a pratica da prosa e da poesa), e
ilnalniente lminanidadesou antroducefm a [bet
rica, qm; conipreheude os tratados do estylo e da
elocucaoquer em prosa ipier em poesia nasdna*
lingoas latina a nacional. A msica para canto-
na e para todos os instrumentos de sopro e cor-
das, assim como as lingoas aUemaa, italiano, pre-
ga, ebraica scrao onsinadas pedido dos seuhores
pais.
as notas do banco do Brasil
eom descont muito razoavel
pendencia n. 22.
Rio de Janeiro.
Zefcrino d'Almeit:'. Pinto, advogado no
Rio de Janeiro e com escritorio de agen-
cia na ra dos Pescadores n. 08, encarre-
ga-sede todos e quaesqur; negocios judi-
ciaes e administrativos, mediante lionora-
tos e cuinmissoes rasoaveis e moderadas.
As pessoas que de seus svivigos se qui-
zerem utilisar, poderao dirigir-se pessoal-
mente ou por carta ao escritorio cima ou
acasadesua residencia,k Cllete n. 172,
acompanbadus de todogwos documentos
precisos e com iiidieacJb da pessa i-om
quem sepossa tratar.
Para mais informales dirigam-se a bo-
tica da ra larga do Rosario n. 10, nesla
idade.
II ....... J lltl LlMH
Trocam-se
e das caixas filiaes,
na praca da Iade-
No sitio n. i da Passagcm, vende-sc ama
ese rava de meia idade.
Ama
-Precisa-se de urna ama para o servico interno e
externo de nina casa de urna s pessa : na ra
do Bangel n. 33.
T---------------------------
Escriptorio
Gomes de Mattos Irmaos estao com o scu es-
criptorio aberto m ra do Yigario n. 26, 1 an-
dar : propoe-se a qualquer consignado, menos
de eseravos.
lOlTZlTC
Precisa-se do unf menino que sal> comprare
fazpr iaaisalgum servido de casa : na ra do Im-
perador n. 73,2" andar. V -
Offereee-se nina pessa para tratar do Din
sitio ^ratuilainente^porni ro>n as condenes que
os pietendentes verio : a tratar na mm da Con-
cordia, taberna *. 12. ... .
HZ
[TF
M.-.aoel Muniz Tavares Cordeiro convida aos
Perora de Brito, residente em Lisboa, a assi>t-
reni missa que pela alma do finado Frei Lol
das Dores, miada celebrar na igreja da ordem
terceira de S. Francisco as 7 imias da manliaa do
lia SO, e desde ja se confasa e*amaiiksnlo agra-
decido aquelles que comparecerem a esse acto
religioso.
Innuiuliido viagem.
Sao convidados todos os irmaos para compare-
i -.'.n n i ilonungo 21 do coireut.', as i) horas da
inanhaa, na respee|lva iirreji. afim de se proceder
aeleicao da nova me:a reg'ira.
= Juiio Kalm, no liotol Universo, vende libra*
etferlinaamais barato cfoquo' em outra qualquer
liarle.
Ama
ua ra 0a Cmceirao
Precisa-se de urna ama :
n,45. ____ ~"': 1 "*
Precisa-se de unaama para i-qcinkar e <-u-
gommar em casa de um homem solteiro : na roa
da Concordia n. 135. ?-
CKIAJX).
Precisa-.-e de um criado : na rna do Qtrcimado
i). 12. 1" ailar.
PESCO
Pede-se ao Sr. Manoel da Costa Pereira, prati-
eante da reparlicao das obras publicas, ora em
Jaboalo. que coniparcca a ra Augusta, sobrado
n. 102, aliui de saldar o seu debito,' ou pagar o
que pedio, e isto com brevidade.
Attenco! attenco!
Guilhermino Rodrigues do Monte Lima faz sci-
cn'e aos o fictas d todos os corpos. que acaba de
iceeber un completo sortimento de espadas, ban-
das, talius, talabartes e cliarlaliiras, e mais per-
tences. Assim como recebeu tambem chapeos de
oleado para criados, do copa alta e baixa, com
cordiio de ouro ou prala, o vende mais barato do
pie em outra qualquer parte, na prao da Inde-
pendencia n. 17, junto a bija do Sr. Arantes. .
Precisa-se de um criado para casa de lio-
mem solteiro : a tratar na,Camboa do Crmo n.
1, primeiro andar.
No ainiazem de Caadnki Alber'.o Sodr daMot-
la travessa da Madre de Dos n. l, estao paten-
tas mais de dez mil amostra de papel o mais lin-
do que se tem visto esta provincia, desde o mais
imples a'. o mais sumptuoso e proprio para
nicao e forro de salas, imbinetes. capellas de
igreja sanetuarioa,ela vnriedade e belleza de
-rus desenhos e arabescos primorosamente dou-
rados. O casto desse artefacto o mais razoavel
pssivel, porque apenas se sugeitar o Sr. pretcn-
(totite a nina diminuta conmiissao alm do mdico
preco jiorque vende o fabricante em Pari<.
.No niesmo annazem de Candido Alberto ven-
de-se muito em conta o seguinte :
3uito bom trelo
Por 53 o sacro de 120 libras. E' muito barato I
ptimo cimento
Por 103 a barrica de 12 arrobas. Nao ha que
dizr.
Arnia< ;'o de lalierna
cem os seas pertences, sos e med das etc., tudo
em muito bom estado e proprio para algum prin-
cipiante : vonde-se poi*m:tade do si-u justo val.io.
Criado.
No caes de Apollo, annazem n. 71, precisase
alugar para servico de casa um rapazinho de 12
a 11 anuos.
Joaquim Jos G on-
oalves Beltrao
RA DO TRAPICHE N. 17, I. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ran-
:u do Minlio, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Y;ilenca.
Giitmaiacs.
Coimbra.
Chaves.
' Viseo.
Villa do Conde.
Afeas de Val tic "Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Vifla-Nova de Famafico.
Lunwgo.
Lagos.
Covllhaa.
Vassal (Valpassos).
.Mirr.ndella.
Beja.
Barcellos.
BARTHOLOMEU a C.
PARA USO INTERNO
PREPA11A.DOS SIMPLES
Xaropc de jurubeba garrafa. Ii5000
Vitilio de jurubeba garrafa. 10600
Pilulas de jurubeba vidro. liJOOO
Tintura de jurubeba vidro. 8*0
Ex-?cto bydracoolico de jurubeba. 12^500
PREPAHADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa, i51600
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2000
Oleo de jurulKba vidros. 649
Pomada de jurubeba pote 640
Emplastro de jurubeba libra. 20500
PARA USO EXTERNO
. rA JURUBEBA*
Esta planta boje reconliecida como o mais poderoso tnico, como um excel-
ente de&obstruente, e como tal applicada -nos engorgitamentos do figado e baco, jias
hepatites propriameate ditas, ou aioda complicadas com anazarchas, .as inflammacoes
subsequentcs as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos intentos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazareba, as liodrope-
zias.erysipellas ; c assoctada as preparacoes ferruginosas, ainda de grande vantagem
nas anemias, cliloroses, faltas do monstruaco, leucorrheias, desarranjos atot lcos do
estomago, debilidade, orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizeraos allirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira do Carino, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconbeceraa cxcellencia d*este
poderoso medicamento sobre os domis at boje conbecidos para todos os casos citados,
tanto^que todos os dias fazem d'eile applicaco.
Apresentando aos mdicos e.ao publico emgeral diversos proparados da jm-u-
beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desappirecer a
repugnancia que at hoja sentiam os doentos de usar dos preparados empricos d'clle, e
mais das vezes repugnantes a iragarem-se, e que tinbam ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna multas vezes improficuo um
medicamento, que podria produzir o|)timos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de havermos conviniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conbecer aspror
priedades medicamentosas d'esta plaala em suasrazes, follias, fructas ou bagas, ea
dose conveniente a applicagao, tendo alm d'islo procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perlieo possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podera ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
vel cura de qualquer dos soflYimentos, que dexamos inniunerados, se forem em tempo
applicados, tendo aL';m d'sso, medico eu doentc a vantagem deescolbcr nasnorsas va-
riadas preparagoes, aquella que mellior lbe pode convir, j pela fcil applicagao, e j pela
complicagao das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
Do xaropc Vegetal Americano, cspccialldaricde Barlholomen dk C.
34RA LARGADO ROSARIO34
Nao costumamefc procurar attestados para acreditar nossos preparados, e de-
xamos que sua applicagao e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceiu-
los, bies deem crdito e voga; poi-que sao sempre os attestados considerados gratuitos,
e delles que lancamo ocbarlatanismo; mas, no querendo offender as pessoas qiw
espontneamente nos offereceram os que abaixo v5o transcriptos, os fazemos publicar,
manifestando-lhes nossa gratidSopela attengSo, esperando que venham elles coi roborar
o conceito, e acceitaglo que tem merecido nosso xaroiae.
Bartholomeu A C.
ATTESTADOS
Illms. Srs. Rartholomeu 4 C. com a mais subida satisfago que declaro
ser o xarope Americano de urna ecaria extraordinaria, pois que soffrendo lia dias de
intensa tosse, ponto de no poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamentos
que tomava, a elfo recorri e na terceira colher fui alliviado, e de todo me ado boje res-
tabelecdo com o uso somente de quasmeo frasco: grato, pois/ esse resultado mani-
fest a Vv. Ss. meu reconbeciraento.De Vv. Ss. amigo, venerador c obligado.la-
noel Antonio Vegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868..
Illms. Srs. Bartholomeu CPeidioradissimo com o favor que me fizeram
de aconselhar o oso do xarope Vegetal Americano, de sua composigo, quando me acha-
va bastante doente de urna constipaco, que me tornou completamente rouco e que
trouxc urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus devores de cantor da
empieza lyrica, vou agradeccr-lhes meu completo restabelecimento, s vidro m mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tralamcntos. Dcscjarei
que outros como eu recorram ao su xarnpe para se vercm alliviados de to tcrrivel
incommodo, tao fatal neste paiz. Com maior considerago contino a ser do Vv. Ss.
attento, venerador e obligado.Luiz Cremona.
Recife, 2o de setembro de 1868.
Illms. Srs. BaHliolomeu d CO xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. tetra
exposto venda de toda eflicacia para o curativo d'astlima, conforme observei atpl-
cando-o a meu ilbo Joaquim, menor de quatro anuos; victima d'esse flagello, que at
ento por espago excedente a dous annos bavia resistido a orttros xaropes de grande
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expresso altamente sincera de meu reo-
nbecmento ao meritorio servigo que lbe prestaram com o indicado xarope, acreditan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obligado.Americo Netto de Mendonga.
Recife, 2 deoutubro de 4868.
DE
.Ti
DE

J. VKiNES
N..55RA DO IMPERADORN. 55.
Os pianos dista antiga fabrica sao boje assz conbecidos para seja necessari
As nossas preparagoes ferruginosas sao feitasde forma que se tornam comple- insistir sobre sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores,
qualidades estas iucontestaveis, que elles tem definitivamente conquistado sobre tedos
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompostos de ferro
como taes esto boje reconliecidos. -
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applicagao de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente desta planta e dos
mesmos preparados..
Deposito geral-de todos os preparados
Botica e drogara
34Ra larga do Rosario34.
UTILIOADE
Aos 500 pares de brincos, j
Cbegou e vende-se no Coraco j
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de 1
maosinjias com urna franja penden- I
te a um rico desenlio e ouro de j
le, pelo pequeo prego de 15(5000
cada par. baratissimo.
DOENCAS DO PEITO
XAROF^E D'HYPOPHOSPHITO OE CAL
A efficacia d'esta prepara?8o est estabelecida desde 1867, pelos mais celebres mdicos. De.de
enlSo muitas mitaedes tem sido fcitas, mas nenhuma poude sustentar a comparacao com o
producto apresenlado pela nossa caza. Por isso excitamos o publico para que exiga sempre
esie xarope com urna bella cor de rdsa, nunca branca, e com a nossa assignalura a roda do
frasee.
Sob a sua influencia, a tosse acalma-se, os suores nocturnos cesslo c o doente volve rpida-
mente sade. 0 S9U empreo d tambem os mais brilbaucs resultados nos defluxos, catar-
rlios, broncbiies, irritaedes do peito, etc.
Deposito em Pemambuco, em casa de Manrer e C*.
que
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um teclado t macbiniemo que obedcem
todas as vontades e capriebos das pianistas, sem nunca falba-, por serem fabricados
de proposito e ter-se feto ltimamente niellioramentos importantissimos para o clima
deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas c flautadas e por isso muito agradaveis aos
ouvidos dos apeociidor^s.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blon-
dcl, de Pars, socio conespondente de J. Vignes, emcuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposices.
NO mesmo eslabelecimento se achara sempre um explendido c variado sorti-
mento do msicas dos melltores autores da Europa, assm como barmonicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commodos e razoaveis.
A viuva <; lierdeiros di) Jo;iu llenriques da
Silva, pede a Uidus os aanhens *|uo teom pradias
ou bairro da Boa-vista em terrenas loriaros ao ex-
lincto vinculo de N. S. da Conccicho dos Coquei-
nis, que hoje llies pertenccui, a tiundadc de lies
mandar pagar oa loros que ustiverein vencidos,
con cspet'ialidiidc as irniandades de S. Goacalo,
lleberibe, etc., na ra estreita do Rosario u. 3, no
1 andar, se recelie toilos 'os da*, das 9 da ma-
nilas as 3 da tarde.
irmaudade do S. MH. da freguc-
zia da ICoa-vista.
Por ordem do nosso irmao juiz convido a todos
os nossos irmaos para eonipai i-cerein domiogo, 21
docorrente, pelas 11 horas da inanhaa, em nosso
consistorio, afim de em mesa geral se tratar de
negocios urgentes teudeutes meina innandade.
Consistorio da irmandade de S. SS. da matriz
i Boa-vi3ta 17 de feveniro de 1869.
O escrivo interino,
MarrliiM Jos Pupos.
Eseravo
Precisa-se iilugar um eseravo das
manliia as S da tardo : na ra da
1 andar.
8 horas da
Cruz n. 46,
Feitor.
Precisa-so de um homem para trabalhar em
urna planta de rapim : a tratar na rna Direita nu-
mero 69.
BAKATlfciSlJH
Calcado nacional, n;. fabrica, de Jos Vic'-ntr
Godinno4C., ra doJaruimn. 19, avis.im-aus
seus freguezes desta capitule da interior, que con-
tinuam a fabricar calcado em alta escala, e olFe-
reeemas nudhorescondlejiea, tanteen prer^i como
eui qualidade. Os proprietarioi.desto estabelfci-
mento chamam a atteucao dos senhores consumi-
dores do interior, qnn "os quizerem honrar com
ua freguezia, especilic.indo em seus pedidos a
qnalidade e numeracan, olTerccendo-se. para os en-
tregar liem acondicionados em casa de seus cor-
respondentes nesta praca.
B
ESOUPT0I10 DE ADVOCACIA
26Ra larga do Rosario-26
O advogado bacharel Ayres de
Albuquerque Gama tornou a abrir
o seu escriptorio na na larga do
Rosario n. 26: onde pode ser-pro-
curado, qualquer hora, para lo-
dos os misteres da sua profrasSo.
Frederieo Maia
escola
O advogado Dr. Antonio de Vas-
concellos Menezes de Drummond
j transferio o sen escriptorio para a.
ra do Imperador n. 20,onde pode
ser procurado todos os dias ui.eis
das 1 i horas da manba at as 4 da
tarde, para os misteres de.suapro-
iss3o.
. O abaixo assignado roga as autoridades po-1
liciaes ou a qualquer outra pessa que appreheu-
dam a escrava com os signaos abaixo declarados o
se dignem mauda-la entregar ra da Roda 2o
andar da casa n. 17 ou ra do Imperador n.
12 cin seu cartorio, Baymiinda, cabra, de 22 an-
nos pouco mais ou menos, estatura ordinaria,
bastante robusta, cabello carapinlio, denles claros
e perfeitos, ps regulares e pneitos e com a mao
es(|uerda aleijada em :t dedos. Fugio "estindo
urna saia de chita escura, corpinho branco e cha-
le?, cor do honina ja um pouco desbotado, consta
que vaga em conipanhia de um soldado pela raa
Imperial. Cabanga e outros lugares circamvisi-
nhos.
-
RA LARGA DO ROSARIO N. 37
Este acreditado estabelecimento augmenta
de da em da quanto jiossivel para che-
gar1 ao rume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio. tem bellos apo-
sentos de bospedagem, tanto para urna s
pessa, como para numerosa familia.
COARLTERIA E PETIT RBSTALBAXT
Annexos ao Hotel Central, ra estreita do
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a varedade infinita
de charutos de Ilavana, Babia, Rio, etc. que
existem neste novo estabelecimento pres-
cindimos dos annuncios pomposos que ge-
i alente se fazem, reduzindo-nos apenas
A agua, indispensavel elemento para a tres letras que sao tres bbb bom, bonito e
vida e hygiene, tomo-la sempre cm abun- (barato; A' vista do genero annunciado po-
dancia para facilitar excelentes banltos. de-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
Ha tambem urna boa bibliotheca e perio- gosa tambem das condices de um elegante
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para e pelit restaurant onde se pode rer a es-
recreio, buhares, etc. etc. pecialidade dos fiambres e salames de Lion
Oendo *tjciroa (pctalquer recommendacSo p,ua lanches e at fazer urna boa colaco,
para tao'acreditado estahelceimento, omit- juntamente com os prncipaes vinhos d*
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bom a pura
(im, que o bom servico, ordom e moralida- c fervente champagne, o mu saboroso Rue-
de imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa cerveja, o lieor espirituoso,
fiel do regulamento que possue. o quanto pede imia mesa. Faz-se noule
Comedorias a la carte. sorvetc e varedade de refrescos.
Joaquim da Silva Reg.
Deseja-se ^allar ao Sr. Feiippc Antonio Tei-
teira do Albuquerque, oflicial de descarga da al-"
andega a negoeio de seu intimase, e como naoso
saiba a casa de sua residencia, roga-se de appa-
recer na roa das CPuzes n. 9, das 9 horas da ina-
nhaa ao meio dia.
CASA da raniiu
Aos 4:00011
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado tendo vendido nos seu*
multo felizes bilhetes garantidos um meto n. 536
com a sorte de 700J, um meio n. 1062 com a
sorte de 202 e outras muitas sortes de 100*,
40* e 20* da loteria que se aeabou de extrahir
em beneficio da matriz de Jaboatao (93.*) convidjk
aos possuidores a virem iweber seus lespectiv
premios sem os desoontos Fortuna ra de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da ** parte a lotera a
beneficio da igreja de Nossa Somera da Doa-via)
Precisa-se de urna ama escrava qae saiba ffem dos Afogados (%) que se extrahir sexta-ei^
ozinhar, engommar o tazer compras (pai bem) : a tratar pa ra. da
-irmazem.
Cadeia do Recito n. 1,
A vi uva, manos e cunhado do fallecido .Ncreu do
S Albuquerque. convidam os seus prenles e,
.ingos para assistirem a missa do stimo dia, qu
-* lia de resar no sabbado 20 do corrente pela 7
ia horas da manliaa na matriz da Roa-Vista
Precisa-se de una engommadeira
A> Queimado n. 6, primeiro andar.
na raa
Precisa-sede um prelo eseravo para todo o
servido : na ra da Cruzn. 1. primeiro andar.
Precos.
Bilhete. 4*000
Meio.....2*000
Quarto.....1*000
Em poreae de 10Q para cima.
Bilhete.....3**
Mefo......i*7S0
Quarto..... 873
Manoel Martina Fiuja.
Clrurglo dentista pela
de medicina
de Rio de Janeiro.
Tem a honra de participar ao rospoitavel publi-
co desta capital eseus sinurliios, que tem aberto o
seu gabinete de consultas e operacoes dentarias a
ra Direita n. 12, primeiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da mantea as
3 da tarde. Elle aeha-se competentemente habili-
tado para com perfeic^o coltocar denles artificiaos
por qualquer dos systema?, o bem assinr desempe-
nhar qualquer outro tratalho coneernente a sua
profissao. O mesmo, reeonhecendo que nern sem-
br possivel as senhoras ou enancas, salrem a
procti aro remedio, ffeiece-se a remover qual-
quer obstculo, der larand i que na cidade so pres-
tar a qualquer chamado sem que issoinflua tusa
alguraa nacommodidade dos precos de seus tralia-
lhos,e quando para fra delta assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavel, garantindo eHe. a
i segurancae perfeicao de seus ditos trbalo*. Em
seu gabinete se encontrai constantemente excel-
ente nos dentifricio. elixir e outros medicamen-
tos odontalgias : ra Direita n. 12, prftiro
andar. '
,___
No collegio da Conrejcao precia-e de urna
engommadoira perita.
A conmiissao enearrcuada de orgaupar
compromisso da innandade ile Jfossa Senhora do
em Parto, BnvMla a to*ia < irmaos dessa, con-
tracilpara se rennieni domingo as 3 horas da
taran em seu consistorio, afim de emittirm as
-uas acertadas opiniocs na organisacao do dito
inroimsso. l
O secretario.
________________Domingas Ramus Barbosa.
mnibus para Jaboa-
tao.
Domingo, 21 do eprrente, haw mnibus para
Cabeaiao as 6 hora da maubaa, a partir da ra do
imperador.
COMMEDORIAS
Prepara-se afcnoco c jantar em urna casa
particular de* familia, na ra estrena do
Rosario n. .'{"i, sobrado.
Amias
Em S. Jos do Manguinho, casa n. 2,
antes de ohegar a igreja, ainda se precisa
alugar duas amas que entendam de en-
gommado e costura, jiaga-se bom aluguel
agradando.
Aluga.e nrn 2* andar de um sobrado"~d
Oes do Itames, e um 3- da raa da Praia; a tra
rar na ra da Iraperatriz u. 63 2 andar -
GRANDE HOTEL
i ORIENTE.
Inaagurou-se este comraodo e elegante
estabelecimento d'onde os seus frecuenta-
dores poderao apreciar a especialidade na
confeceo dos gneros alimenticios.
As bebidas sao as mais primorosas e re-
commendadas.
A decencia e bom servico primam n'esta
casa no bello, gosto oriental.
Mandam-se domicilio comedorias, tanto
avulso, como por assignatura mensal. Os
precos sao mdicos e convenciojiaes.
lia urna espacosa e bonita sala para o
elegante jogo do bilhar.
Ha tambem aposentos commmodos e bem
raobilhados para bospedagem.
Ba larga do Rosario
n. 44.
Arrematado.
Buje, depois da audiencia do Dr. juiz munipipal
la 1* vara, vai a nra^a varios movis constante
Jo esciipto em poder doporteiro, m ar-
ieinatads por venda, por execucao de Joaquim
la Silva Costi, conira D. Maria Jos da Annun-
ciaao. (EscrivoMotto.)
Precisa-se alugar um moleque ; na ra. de
Cabmai n. 2 B.
Qtife*Kc&nttoiM2M Big ANTONIO EPAM1N0NDAS DE i
JtfELLO tem. o seu escrptono de
advogado ra do Oueimadoln. 8,
. ajidar.
Precisa-se alugar, .para o servido ex-
terno de urna casa, una preta. e um prelo,
eseravos, nao se exigindo que tenham ha-
bilidades, a tratar na ra do Crespo n. 8.
Na Capcofa, ra d Araade pi. 40 e 42.
precisa-se de-uraa ama fo:Taou eserava para todo
servico de urna casa-de pouea faaiilia, paga-v
Precisa-se de um caixeiro para urna luja de
lazenias, com pltica ou sem ella, para i para
Alagluaova, que loriha I i a 16 annos do dade :
a tratar na ra da Cadeia do Recife n. 35, loia do
Alfredo 4 C.
Nobotel lirasilciro, ra das Laiangeias n.
14, pfeeisa-se de doas moleque* para o serrifo do
nesnio hotel. -
55-RUA DA IMPERATRIZ-55
O proprietario d este importante estabelecimento tem a honra ^e participa!-
ao respeitavel publico (pie leudo ftigide desta praca a pessa (jue se aeltava na sua ge-
rencia, elle contratou para sua casa um perito oflicial que foi por muito tempo o pri-
meiro oflicial da importante casa Sulngre do llio de Janeiro ; por isso espera o annun
eiante que todos ticarad satsfoitos dos seus trabalhos, visto, alm disso, possuir no se
estabelecimento as machinas mais aperfeieoadas para ungir e lustrar de que se faz u$<
na Europa, e achor-se tambem prvido de grande quantidade de- drogas escoliadas,
sempre de primen* qiiTdade e fornecidas pelas casas especiaes de Pars. S
Tingc-se, lava-se e limpa-se com a maior perfek;o fazeudas em pecas e{
em obras de qualquer qualidade que sejanj, taes como la, algodo, seda, touquim,
peonas, cluip^os" de feltro e de Manllia ou palbinlia de lodas as cores, etc. etc.,
tambem tirarse nodoas e limpa-se a seeco sem moliiar os tecidos.
Os senhores negociantes, logistas c particulares expertmentem que todos
achar3o proveito e vantagens.
Tintura preta tercas e sextas-ftiras.
--------------------------,-------1
r
-AO
o
bem.
Precisa-se de um moleque de 12 a 14 annos
para servico externo : na ra Direita n. 79, toja.
Comida para fra
Comtodcio asseio epromntido, bew DreDara-
36, proprio para qnalqur estabelecimento
v iraw- epmJoeHnriqBesdaSilw. As d^j'
Ama.
Preeifa-a de. una air;
i counJiar para ui
na raa Bella n. 3,
pessoas
poorae
Na ra da Concordia n. 9, padaria, precita
se de urna w.para casa, Aluga-sa o arniazem da fu das Crze ?i.
kanoel Munteiro da Cunto faz cente que
desde o dia 12 do corrente mez tem modado sua
residencia da casa da ra do Briun n. 62 para a
ra do Imperador n. 42.
Irmandade do Divino Espiri-
t Santo.
.A meta reaedora desta irmandade tendo de dar
prineipio as obras ia capena-mr de sua-groja,
por esle motivo faz Miente que deixa de haver os
a de r^u a.jc ^ermofisdocosim^,. tkando, substituidos pela oV
comprar eeoainlur para urna taailia de peurae '<*" ^* vl*"R*cr* (lne ter lagar todos os de-
mingos da presente quaresma, pelas 7 oras da
noite, para o que sao convidados oe nossos irmaos
para assistirem a esse acto.
0 easriwio,
Joaqniwi Pranciapo da Silva Jiink.r.
. ncitador I^iacio Barroso de Matlcinu-
_ residencia para a ra do Caee da Capi-
cau terrea nova com porlio d* ei ro ao
AR.HAKbMI PER V% UBI (I \0
86Eua das Cinco Ponas86
Tfiomaz Jos deCHiveira A- C. avisa aos sens freguezes qoe foram, tanto desta pra-
W corntulo centro da provincia,, que re^rejmi.u de, sua viagem Europa no fim dede-
rembro prximo passad ;icna estabelecido eom um armazem bem sortid detitr-
cearia (volgo molhados) dj bons gneros, e por procos commodos e garantindo quada-,
de, pazo e medida, nos geoeros comprados no seu annazem ; portaalo pede e 0f%
que nao dewem de lite diraprejerencia.
frmca-brasl
ME. MERCIER, alfaiatc francez, previne ao rcspeita^l puliic e a sena "inrnil frtMue-
xesque, teiffie transferido sua residencia para a ra do Trapiclw n. 7, primeiro and*aBi encontwf
sempre todas as vialidades de fazendas para trajo? de homem, e prepara costumes para monlarfee
senhora. Paz'tamlienvobras para militares e para criados, para as quaes tem grande sortimenta.*
botoes simples, con> vi-ola e corea de cand,~m-ancos e amarellos. Bacabe m>r tedea os raoori a
ltimos Sfurtaos para hemeai, senhoras e meninos. ^^
rrrrirrttrta
F
mu
tPPllSSit
CIGArtROS INDIANOS N
iCANNABIS INDICAl
, iv pars
^..GRIWHJL1
LGriKicI*
IlBIilll
Todo os neiM at hoje preconisados contra aastbma nSo tem sido mais do qae palfialrroa
deaaixo e todas as formas, tendo pr basca baUadona, o eetrtmanio on opio. Recent- expe-
riencias fetas em Allemanha, repelidas em Franca a na Inglaterra, tem prarado qae o ciaamo
indio de Bengala possue as mais notaveis propriedades para combatr esta temiyel affeeelo, |
assun como a tosse nervosa, a insomnia, a utica iannna, a rooqaidaa, extinecio da tox, !
e u nevngias fsciaes. K1 pois como apoio da i
^_______Beposito ea Penumhueo, eat cata de
UUIIim ETt


Diario de Pniambuco Sabbado 20 de Fevereiro de 1869.
5
*.
Graiide liquidagilo de miudezas !
ATonso Morcira Temporal, querendo liquidar as miudeeas existentes om sua
loja ra do "Queiraado n. 55, resolveu annunciar as mcsmas miudezas para que o pu-
blico se certifique d diminuto preco porque as est vendendo, a saber:
Massos com grampos 23 a 20
Pecas de tranca lisa e caracol a 40
Sabonetas de todos os precos a
80 160 209 e..... 240
Abotoaduras para colletes a 320
Bj^s de louca para camisas, a 100
Garwfas d'agua Florida (verda-
deira) a....... 1#000
Frascos com agua de Colonia a
320 e........ 400
Garrafa de tinta roxa a. 800
Caixas com 100 enveloppes a. 500
Mantas de seda para homem a 800
Fita de sa/in para enfeite de *
vestidos por....... 600
Frascos com oleo para cabello
a 400 e....... 600
Lia para bordar, libra. G.$00
Escevas finas para chapeo a 320
Ditas para cabello a 320 e 500
Ditas muito finas para fatos
por piveo nunca visto 400
500 e........ 600
Pecas de babados e entre meios
a 600 800 e..... llOOO
Gravatas de seda de- cor a 320
Ditas pretas a 400 e 500
Bico e renda das ilhas a todo
preco. S a vista faz f .
Pecas de fita de coz com 10 va-
ras a ........ 500
Latas com graxa, duzia a
Coques muito bons com rede s
a rede val......
Meias para horneas boa fazenda
a 3fJ600 e......
Linlia de marca, caixa conr 16
novellos.......
Latas com bauha (Tamiliia), duzia
Frascos om banhaa :t20400e
Botoes para punho fazenda boa
a80e ...... .
Volta de Aljofre jmua ba a
Fitas para debrum de vestido a
Caixa com agtdha franceza a
Botoes de ac para colete dnzia a
Cartao com alfinetos a .
Caixa com perfumaras muito
tina. S a caixa val 10^000
12r)000.......
Copo com opiata, mnito fino a
400 e ...... .
Meias muito finas para senhora
duzia........
Carlas franceas a 200 .
Ditas portuguezas a 120 e .
Caixa de -linha do gaz branca 50
novellos.......
Frasco com tinta a 100 e .
Franja de 13a para sapato (peca)

Papel de peso muito bom
Sapatos de tranca e outros mudos rticos, que ciifqdonho seria mencionar.
RA DO QUEIMADO N. 55
480
14500
45000
240
2#200
500
100
160
500
160
120
100
15^000
500
809*8
240
200
GOO
106
i 000
4,5000
A & tJIMAl5
A aguia branca tem-se foito tao contienda e
acreditada, nao s pelas novdades, variedades, su-
licrioridude e abundancia de seu serrtimento, eoiii"
pela constante cumniodidade de seus precos, e mes
mu pelo seu assaz e uuuea olvidado agrldo e since-
i'idade.
Essas verdades ineont-staves sao em duvida
.., reeiadas pe bello sexo em particular, e pelo
.-ji.'itavel publico em jeral, e a tanto tera cliegado
que estao quasi passando como annexim ou pro-
verbio, quando se v um objecto de elegancia,
jiusto, novidade, etc., etc., diz-se logoaquclle ob-
jecto seni duvida foi comi>rado na toja d'aguia
branca.
Juando no club, nos bailes, ou no salao do
Santa IsaOtf, ama excellenti3suna se aprsenla
larbosainente trajando, trayendo o moderno cinto
I" mu larga Illa, lisa. cl\amalolada, ou cscoaseza,
.;- Boas ail.'niradoras dizem comsigo aquella tita
foi comprada na loja d'aguia branca.
Quando ootra exeellentissima, nao menos gar-
'sa, mostra o rigor de seu bom posto na acertada
seolha dos enfeitcs de alta novidade que ella-
'. ate oraain seu vestido, ainda mesnin as rivaes
de sua sympatiiia confessamqueaqueiles enfeites
foram da loja d'aguia branca.
Quando n'oulra excellentissima, apezar da sin-
za de seu porte agradavel, se vm as bonitas
i ras de pellica (talqueza as snas bellas ami-
loiivam-llie o gosto e confessam queaquellas
iuv.is forana da loja d'aguia branca.
Quando mcsraiJ clus exceHentissimas, antigs
amigas de collegio, se encontram naqueles loga-
re, depois dos cuniprinienms de recprocos bejos,
mbaas por (brea de sua elevada delicadeza, gabam
Roga-se ^ue eniregou urna carta
na ra dos Pires n. ,1 i, viuda da Baha para oDr.
Lniz Jo?'- Genvin do Sa, o favor de indicar sua
morada para ser procurado.
(
Pjlnlas assiicaradas de Brislol.
NAO CONTEM NEM CA OMELANOS NEM NENHUM
01 TUO MINEIlAL.
A grande necessidade c falta de um ca-
Uku tico ou de urna medicina [purgativa, ha
muito que tem sido sentida, tanto pelo po-
vo, como mesmo por meio da facuHade
medica; e por isso, infinito o gastae
prazer que sentimos, em podermos com
toda a confiancaesoguridade, i-ecommeadar
as pilulas vegetaes assucarailas de instol,
como urna excellenie medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e aiais
ingredienles essenciaes, tornando-se em un
perfeito, seguro e agradavel cathartieo de
familia. Este remedio nio c compusto
dessas drogas ordinariamente usadas na
composicao dessas pululas, que por al t se
vendem, mas sim, wo preparadas com as
mais finas c superiores qualidades de r; i/.t-s
toedicinaes, hervas e plantas, depois do se
haver cmicamente exlrahido e separado,
os principios activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medicinal,
daquellas porces fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu
de. Enlre, csses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dopl*gli/i, a qual segundo a experiencia
tem demonstrado, possue um poder ornis
maravilhoso possivel sobre as regies do
jigado, assiin como sobre todas as secre-
coes biliosas. Isto de combinadlo com o..
Irptamdnn, c mais algtms extractos vege- preparam-se para fura com a maJSr"itresieza qiu-
i. Ferrelra vlllela
Photographo da casa imperial
premiado ein diversas exposi-
q5es.
" N sua photographia ra do Cabug n.
16, entrada pelo pateo da matriz tira retra-
tos por todos os systemas photographicos.
Em porcelana Em vidro
Em talco Em papel
CVBT ES DE VISITA A 9* A DUZIA.
Os retratos carte-de-4-isite sao collado*,
em cartao de luxo bristal ou porcelana,
dourados eu lithograpbados, quadiilongos
ou vinhetas para oque existe urna varieda-
d de l modelos a escolha de quem se re-
tratar. Para as outras especies de retratos
temos eaixinhas, passr-jxir-toats, quadros
e molduras douradas e pretas cassoltas de
ouro c alfinetos simples ecom pedras pre-i
ciosas, hav.mdo nos allinetes urna mimosa
variedade de feitios.
O nosso estabelecimento photograpbico
est sempre#em dia com os melhoi amentos
e progressos* que na America do Norte, na
Europa ou no Rio de Janeiro so (onsegne
na arte photographica, e para alcancarmos
tal fim nunca poupamos despezas nem sa-
crificios, de sorte que os nossos numerosos
freguezes podem ter a certeza deque sem-
pro encontrar3o em nosso estabelcimento
ludo quanto a arte e a moda offerecer de
bom no novo e vellro mundo aos amantes
da photographia.
Siqncira Bcnt-JOrt, ausentes, baohard Francisco
Jos ardoso (iaiaiaraes, Francisca Amelia Ili-
lencoui! (lardoso, ausento?, Leopoldina Augusta
BrtcncouM, Mara Emilia Stvera lieneourt, al-
teres Iticulana Silveia Bessone, Joaquim Au-
gnsto IVirelra Jacobiffa, major Francisco Jos
Silveira, Anno Joaquina Silveira. Jett Jacinlbo
Silveira, lenente-eoronel Joaquim Jos Silveira,
Bibiana Augusta Martins Silveira, Manoel de Sa
Sooza, bacbarel Manoel Joaquim Silveira e Elisio
Alberto Silveira, cuidialmenlc agradecem a todas
as pes.-oas que se dignaram acoin|ianbar ao re-
milerio publico e ah assistiram as c-xequas que
m flzeraui ao cadver de seu muito presado c
chorado lilil, irroio; cimbado, sobrinbo e primo
J s Francisca Silveia Jlencourt, rogando-Ibes
de novo o cariiloso obsequio de assistirem as
ini>sas que se lein de iav.ar por intenro de sua
alma na matriz da Uoa-vista, ter^a-feia 2i do
coi -reate pelas 7 boras do manbaa e desde ja se
ronfessam exjremamcnte agradecidos a todos que
coiiipaiecereiii a este acto de earidade._________
28
10 CIPOS
28
A^isa-se
Ao Sr. Manoel Jos Marques Baealbo, do cor-
rcio ge ral, que resgate a sua caria de Ranea,
= Na ra po Rangel n. il, 2o andar, precsa-
se de urna ama de bons eostun para j ser ico
interno de una casa de pouca amilia.
Arrcuiaia^o
A arremalacao das easw dos Al'ogadosdo fina-
do Victorino Teixeira Leite que devia ter lugar no
dia 17 do cuirente ficam transferdiis para o dia
20 do corrale ao meio da aa sala das audiencias
pnate ojuif municipal supplcnto da seguuda
vara. EscrivSo Ilaptista.
Para a quaresma
Na ra estreila do Rosario n. 33, sobrad* de
um andar, fazem-se (lores de todas as q.alidades
paraoniameuto de igreja, aliar, aidores e sepul-
chro, inclusive arcos, palmas e rosas, e tudo quan-
to Cor concernente
taes e drogas altamente valiosas, cojlsti-
luem e formam um; pilla piirgaliva, t*r-
mndo-sc por isso muitisOTio superior,
qualquor urna oulra rnedfcna da me.sma
naluiv/.a. que j;'ujiais fura apresenlado ao venda o sumite : picos ramos
es assucmdai a nntWtio v,nr HrAi dccerT
quai-
laiu-
eilfe.i-
- Perden-se do paleo do Collegio pela ra do
Queimado, ra do Cabug at a ra Nova, um
estojo com ditas navalhas as quaes tem no cabo
as leiras iniciaes II. A. l, de Almeida, n-M-se a
peasoa tnie as aehou leva-las ao arsenal de ina-
rinha em casa do apontador do nesma que ser
bem gratificado. __
nahclro a premia
Na ra das Trincbeiras n. 48, Io andar, se dir
quem tem para dar.
AVISO.
Ra do'Imperador=
EM (.HOSSO E A VAItElO
Charutos de diversas marcas dos i
acreditados fabricantes, Costa Jimo
.Manoel da Cusa I-eireiia de TSao re!).
Fariuba da trra muito boa, 4 reie a
sacca.
Miraguaia do Rio. Grande do Sul, pixc
secto de superior qualidade a GMOO a ar-
rota.
Congro e ruivo de Portugal, em barris e
libras.
Camaroes seceos, do Maranho, em libras.
Latas com peixe em conserva sendo :
Salinom, Lagustas, Ostras c outias muitas
qualidades, a sabei': Portugti.-zes. inglezet-,
Aiiierirmos, llespanlies. efe., etc.
0 Campos ainda una ve/., vero ter a
honra de terebrar ao respeitov*! niblico, as
imiilo excellentes agurdenles de Lima Pa-
ran', e Tiquirado .Maranho, por vir-lhea
idea que se aproxima o lempo invernse,
e i|iie muito nescessario se iorna trazero
'stomago quente, e como se acha o seu es-
tabelecimento bem prvido dos gneros ci-
ma ditos, recommenda um passeio at elle,
onde encontrarao os amantes do que
bom bocado, um completo sortimento de
gneros finos, (jue se totnam reiouimenda-
veis para urna mesa mais ou menos pro-
vida.
publico. As plalas vegetai
d Bristol, achar-se-ho sempre "um reme-
dio prumpto, seguro e cnnnenlemeute efli-
caz, jmra ,a cura de molestias, taes como
sojam as sogwrtw.
I)ys|epsi:i, ou indi- ITydropesia dosm?m-
^stao,
urna a outra os agrada veis ebeiros de que usam
em seus linos lencos, c cada una das quaes orgu-
Ibosaspelo elogio do acert de sua escolha, e como
que querendo por si mesma justificar dizem simul-
[aneanieiitee veidade quo este clieiro foi compra-
do na loja d'aguia branca.
Ainda mais.
Quando lionlem os pais aflictos senam o rigor
da dentieao de sen Charo filhinlnf, e boje alegres e
saidMtAS pelo feliz restabelecimento rerebem as
visitas dos sens mellior amigos, dizem aquellos
i -les, foi Deas que me inspiroupara que eompras-
se, como compre!, umdesses virtuosos collares
Royer, que se vendem na loja d'aguia branca.
Acm do multo mais que aluda
falta dizer.
Quando em um circulo de circumspcctos carac-
teres se discutir a veracidade de Ues dizeres, a])pa-
recer um ouo que queira ainda levemente inter-
romper a discussao, os prmeiros por momento es-
quecerao a circumspec^ao e Ibes daro um gra-
cioso debiqucdizcndo-lhesj silbemos quo V..
um daquelles ipie inclina o chapeo de sol ou que
mereca sar designado pela aguia Jjranca da ra
do Queimado n. 8.
Mo tautas as ceusas que por
x urnas escauam as outrs.
J ia esquecendo a aguia branca, nas em tempo
lembrou-ee para noticiar, uh-reiLeu urna pe-
quea quantidade de piifes para- coques e gram-
pos para ditos, tudo furto de metal com lindos e
agradaveis coloridos, obras estas pea pmeira vez
apparecidas, e portaiilo inteira novidade.
Tambcm chegaram novamente delicados enfeites
e flores ornadas de aljofares e vidrilhos, tanto de
pabia para coques como para vestidos, e tudo
contina a merecer a aprecacao das cxcelleutissi-
mas conhecedoras do bom.
Adsingencia, ou..
j)ri_sio do ven (re
ibitnal,
Azia ilo ostomago e
Jlaiulwicia,
Perd do apetite,
Estomago sujo
i
bros ou do roi-pi),
Afleceoes do lig.do,
Ictericia,
"Hemorrodia?.
Mau hlito, "e irrQgli-
lundadrs do geio
fenino,
Dures de cabeca.
mHgflM-f|ii d;
massa do sangne ZAHI3< I4A|I'Vnri
fin li iliu iiiiiMn i .i-, .![ i, v
<(uer encoinmenda ueste gpnerrf: rtttro sim
bem se fttzetu liare- mimosas propria< para ci
tar-vestidos, saioes c capacetes de aojos e mais
barato que em oatra qualipicr parle. N mesura
casa e Ciunotran j preparados e promp s
de seda .nfeit;fttes
proprios paraoOr
O abai.vt assignado, proprielarlu do ngeuo
Bclla-visM|M lermo de liaiTciros; rojra a todas as
autoridades poueiaes e eapitSes de campo a ap-
prebensao dos eseravos semuntes : Cuiz, cabra,
Grande liqui 0 proprietario d"antiga e bem conhecida
loja de miudezas denominada Beija Flor
ra do Queimado ti. 03, querendo acabar
com o sortimento de mmicas qtie existe,
lem deliberado proceder a urna completa li-
quidacju, paca o quu,cliania a attenco de to-
dos.
Os objectos saro vendidos por melade de
seu valor, epara que o publico, nao suppo-
uha.que o presente annuncm urna illuso,
o proprietario da dita loja t'fferece urna pe-
quea lista de algiimasmiudezes, cornos seus
diniinutes precoscomo abaixo so ver;
mingo de liamos, velia-s.-ubiiadas rieainoulc, bor-
dadas a ouro, pi ipi as para iiajiti-ados. capella
llores para ineuiuase nuivas. Alem disto se
eumbem do preparo de bandejas de Ih'lOjS
enfetadas de conforjuidade ao lim a que se d
na. quer seja para casamenlos, quor para bailes-;
azeni Uunbtiiii ve*tulos para a quaresma ou ontro
qualquerque seiaeci?ar com a maior prumptidao '
e asseia ___________-^
Preeisa~s7d^ uuTiiiartino para caixeiro :no
pateo do Carino n. !'.
Atuga-se nina escrava recolhda para casa
de-ftmilia, a (pial sabe engommnr, lavar, ^1/11^^1^
'jecoec: OTwn.a pcettader dirija-se a na Au-
alto,
to bem salientes, ps benjfetos, fallando as indias
dos ded s grandes e mais al.amias, fallante, c com
marcas pelas costas de eWcote ; c Elisiaio, cabra
fula, curpo regular, ps bem fetos, principio do
barba nas suissas, e falta a imha do dedo grande
lo |' dir.'it. com todos os dentes e com marcas
velh delinete, de 30 a 35' annos, o segundo de
20 a 2-> annos, os quaes seguiram com destino
essa capital, e presume-se que aqui estejam, c
promette-se a quantia de k)3 por cada um, a
quem os levar ao logar cima mencionado, ou em
A logados, paleo da matriz, em casa do Sr. Jos
Lucio Un?, ou no ltecile, ao Di', delegado, ou seu
irmao Jos Cv-alcanti.-
Joao Cavalcauli de Albuquerqu Mello.
ntrjiti tn_ iliiv
>n&ff\ da
Oka ihrJ
os pwriiii-ailoi
L-mieiite con; fiftiU: pois que sus
ilutes medfrm xprel*l#!rlP 3U
pil^paradas para obrarenuie'lraTaaaia iimu t oo t.
crn a outra,.qoandioIwlmenc wem so azj ftafrorta-^
:jyMl^ik)rade Wdy quem prec
^'raftai co^nnmero5:
sido i-xpre^wrfle
na ama
n^p n*r.(^lA,a,Uir duvida em dier.
qp i o) o.tioi- nuinei-0 d^s casos, podbaos
alllancsr flio t um grande alivio, como
limk U EMPERATRIZ 77
N este novo eslabelecimento h um completo sortimento de medicamentos, pro-
ductos chimicos," e drogara, tudo de primeira qualidade, e se vendem por menos do
que em oulra qualquer parte.
lia tambem um sortimento de medicamentos homeopathicos, tinturas e glbu-
los inertes, por precos coramodos; bem como xaropesde jurubeba ferruginoso simples;
viuhos de jurubeba simples e ferruginoso, e o bem conhecido xarope de Paracary, cs-
al d esta pliarmaeia. Aviam-se reeeitas a qualquer hora do dia, e i o te, com promp-
tido, cuidado, e pericia ; nao se negam a, qualquer ourrencia ein casos urgentes. O
socio gerente eiuairegado do eslabelecimento moia no mesmo, para o que est
prompto a abrir a porta a qualquer hora que for preciso.
C. Cato & C.
_.
o Sr. Manoel -Antonio da Silvj
llios, [iropric-latio e morador no Cajuero se anda
nao tempo -ile S. S mandar tapar as dn* gratn,
des eseavacoes que fez na estrada defront-y. de -cus
predios, aeheia eme'ltimamente hodvft. ScrS. S
tambcm urna cura ] rompa e radical, isto est a espera que a Alma, tmara mfmicfpftl, ou as
eM. hemTYislo. (Tdaiwlo 0 daenieaj2i) SC oliras publicas w mande fazer, (conforme dzi, per-
ai
humano
j> benM>-isto, q-aando o doete,^) se dbrannb las rr mande
eJtfUii.in retido vmtn ak>m t\m r*cwm dc u sau t<--mpo, porquo quando S. S. rfquereu.a
w mesma cmara para edificar us seus predios no
lugar quo-esto-ollutados, c que a cmara nio
devera c aiseuiir, declarou no leimerio ento, se-
gundo se diz, que a dila eslrada u r.njneiro. 0
; considerada particular e nao publica, e por este
motivo mi u S. S. n.mpele manda-la reputar, \i-h>
ser omaior proprjefciirodavpie,la !oUdaJe.
.- / afn>iraddr. r
Anda sd vende a taberna da nra das Co-
piares u. etaiiibeni a da ra doJbTt n. i.
VERDADERO LE ROY
RU
tDocbrSlGaO'RET.aiaSucaar,
DE SEINt, S"t, en P*BIS.
Prix;Gfp.
u
tena.
rgouu eilo'i
precios* re
mcljt'sLt d.
:iuag U coJck.
lili :-rn-'
C 5.*'|c fJSa.liiit; fr
t*- lotanlodiJjeiiiii'iisc i ^
C \tr.nDSiio L ItrtT, ciij-
ir i lMi
HM* nprMOoii nccrc.sli*
III frailo -.i-'-e-do Je Uliurtt)
Uva lasfirwAsLiE Ror t un,,,
fci ;s.mo ki nombre SIGNCRh'/
Kl U lilil UIT4'IKL itnu
V. .Subrs el corebs, delujodtlpapl
*uul q>K Itera el kI'.u I'iikiui Cuirm
Te pegulo
' p el UavM- i>\
-..ello de la batel'
t rotulo fiA.ari.7oce
- I ss:lo mi. (oi(aK>>
FKANCS.
Por todo envo de en valor
ia HO francos aotfUile' k-
bre.Pari Londres, te haca
el mayor descuento posA.
.CS.
Manual para o exame de liabitit ie.a) para ma-
gislcrio de in.*tii;c,ao poiaria pelos Drs. F. de
Castro l^reires e J. F. de Macedo : na liviana en-
ciclopdica de J. t. de Mello, ra da ('.rm n. 32.
0 MUSEO DE JOIAS
C^
GOMES DE WATTOS IRM&OS
tendo feito completa mudanca em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fitn de
dar-lhe maiores proporpoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da, noute na
RA DO CABUGA N.
C/2
utlc encontrarlo um completo sartimei.ta bello e precioso em brilhantes, esraeraWas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
ADEREQOS DE BRILHANTES, ESMERALDAS E RUBINS
de no vos gostos, e que deven, cauzar um.grande effeito nos trages (j-uares-i
maes, assim come graiide varidade e salvas e paliteiros de prata con-
trastada e de gosto ainda nao visto.
Compram a trocatn qualquer joia ou |>edra preciosa e gaiantem
a.quadad dos objectos vendidos.
DE JOIAS
Ftmio no da 14 do corrente -a^i'e Domin-
as, esclava que foi do finado Pirinino Jos Flix
a osa, com os signaes seguintes: 33 anuos de
idade.pouco mais ou menos, eslura regular, secca
do cepo, um tanto magra, olhos esluigalhados,
nao mnito; nariz nm tanto gnisso, mma muito ta-
haeo. pelo que tem a voz um ikioco fanha; bui-
dos grossos, sendo o inferior alguuia cou;a cahido,
ps apalbetados com os dedos annulares. isto os
inmediatos aos minimos bastantes errtos, e os
grandes separados dos outros; vestido de chita
verde com listas brancas chale de initim amarelk)
con barra lavrada de luerentes cores. Quem a
aprehender, pude leva-la ra do imperador n. 12
primeiro andar, ou em Bebr-ribc ao Sr. Manoel
Pereira Brandao, no caso de ser ali aprehendi-
da. Recite, 19 de fevereiro de 1869.
secco, semdenteruaJ|firento,os o^.s no ros- lio livsoulaiulu urna li*t rompl-.-ta (luto-
dos os objectos que esHO'xpostos a venda,
pela r-azo de se lomar um ammncio muito
extenso e por conseijuencia de enfadonha lei-
Itira, por isso apenas lemlta-se as seguintes:
Caixa de envelopes de cores.. "GOO
Ditas decnvelopes com tarja.
pj'etii........ 906
Ditas di1 envelopes blancos gran-
des...... ... 70
Ditas de envelopes grandes e pe-
. quenos........ 600
Libra de la para boidaf, surtida 7JKM
Duzia de cartes de corchete fran-
cezes com i pares cada cartao 900
Dila de colheres de metal prin-
cipe para sopa. .- 4?>806-
Dila de ditas para cli. ... 2jM
Concha de mfil prncipe para ti-
rar assncar. ...... 60*1
Botuadora pan cofltie. MI
Pares de luvas de lio da saowia
branca o de cures para boiiieiii.
Ditas de ditas para seniora. 60**
Fila para sinto de senhorair S0
Pares de sapaiiltos d) cafimica.
bordsMos. .7.'". 11206
Percas de cascarrilha de la. S00
Escora lina para limpar imitas. 801
Ditas de ditas. j, .'.00
I Penlc preto de barba. 300
I Caiacun ;pMirelhode chumbo
a 610, l^OO e.....1-ViOO
Boneca do cera a )000, 1 SOO,
3fe00, 4^000 o.....53000
Apparelho d porcelana para ai-
mocee jantar. 2?>C00
Jogo de Vispora...... 'MXi
Caixa com papel wanede de co-
res......... 700
Inliadres para vefltido. ... 80
Caixa de- linha de marca encar-
nada e azul...... 28C
Silva & Novaos rogau) a seus devedores o obse-
qo de mandarrn pagarsuas emitas at o lim do
corrente mez. lindo elle serao ellas enlregues a
uni procurador para cobra-las jiidicialmenta
Precisa-se de urna ama
Aurora n. 20.
leite :
ra da
COMPRAS.
Com muito maior vantagem
Compra o Coracao de Ouro, n. 2 D, ra dn'Cabu-
2i, mnedas de ouro e prata e pedras preciosas.
Compra-se eseravos.
Lino de Faria & C, na ra do Vigario n. 24, cs-
criptorio, l" andar, compram eseravos de aiubo os
sexos, sendo que. moleques de 11 a 10 annos e bo-
uias liguras, serio pagos por muito mais dinheiro
do que em outra qualquer parte. ___________
Ouro e prata
m moeda e em obras inutlisadas, compra-se por
bom proco : na praea da Independencia n. 22.
Xa praea da Independencia n. 33, loja d ou-
rives, compra-seonro,prata, e pedras preciosas,e
e
i iv*.:*, <;uiii|iia-^uiuu, [ .n.i, c ico.^ | tambcm se faz qualquer obra de eucmmenda,
todo e qualquer concert.
Compre
Agradecimento.
A vitiva, filho, ora e sobrmho do fallecido Ma-
tbeus Antonio de Miranda, muito agradarein aos
abaixo mencionados a nenliuma consideracao que
fizeram ao convite que receberam para se digna-
ren! acompanbar ao cemiter > publico o cadver
do referido Matheus Antonio de Miranda, que du-
rante sua existencia foi dos mesmos abaixo decla-
rado seu verdadeiro amigo. Porm todava, quei-
rau> aceitar o agradecimento como se tivessein
comparecido, licando-Ibes em lembranea o seguinte
proverbio:Hodie mihi eras Ubi.
Jos Jerouyuo da Silva. '
Joaquim Lopes Machado.
Jos Joaquim de Lima bairo.
Joao Joso de Miranda.
Francisco Pinto Owrio.
TbeotonioFetis de Mello.
Jeao Flix de Mello.
Jos Peres da Cruz.
Joao lgncio Avila.
Paulo Jos Gomes,
tuilherme Ferreira Pinto.
Antonio Rodrigues Pinto.
'Hermenegildo Severiano. Gonca Ivs, tec-
do-se separado de sua legitima mu berFor-
tnnata Fredovinda da Conceic3o en, virlde
do seu proceder deshonesto, previne a to-
dos os Rvms. Srs. parochos de todas as
freguezias, que steve da referida sua min
Ihei" dous filos legtimos durante o tempo
que com a mesma conviwu: pelo que, se
por ventura aquella, senhora apresentar
para baptizar qualquer filho como legitimo,
de ver ser tido como natural, sen lo falsa
qualquer allegacSo, visto aquella senhora
n5o viver conforme precoitua a le i civil
religiosa.
Recife, 19 de fevereiro de 1809.
Caxpinteiro Filho & SobrinWo sacam por to-
ja os paquetes para Hespanha e qara os portos
leguintes :
yeoste
iva- ^
_ eweareias.
Tny.
Poote-VTeni.
BUL
; Santiago.
- Precisa-se de una mulber par ec carregar-
se de aatdar com ni riaaca de posen aani *
naMdave tukn de sua roupa : a rar a ron
| Cadeia de Ittcite i. 8, loja.
a-se
boje libras esterlinas, ouro e prata todas as
nacoes e por maior pret^o do que em outra parte :
n ma da Cadeia do Reeife n. 58, loja de azulejo.
Compra-se urna burra ( cofre) : na ra do
Crespo n. 16, primeiro andar. ________
0 muzeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
e pedras preciosas por pretos mais vantajosos do
que em outra qualquer paite.
VENDAS.
L.
Augusto Porto & C. receberam pelo vapor
Caienc superiores luvas de pellica pretas e de
cores para senhoras e homens, lindos peplums
de renda e guipurc pretos para senhoras o que
ha de mais moderno ; ra do Queimado n. '.
Leite virginal
Este leite branqua a pelle a mais escura
e a preserva da seceura vermel/iido e bor-
bulhas ; exhala os perfumes os mais finos,
e emprega-se^. quer puro, qcr misturado
com agua, em todas as circumslancias do
toilette ; nao ha nada de melhor para os
banhos urna garrafa 1$, e duzia li.
nico deposito pharmacia de Pinto, ra
Larga do Rozario junto ao quartel de poli-
ca n. 10.
Sapatinhos deiaa para meninos. lf
Tocas. ........ 80
I duzia de linha para fazer croch. ICO
Ditas de carriteis com 100 jardas
brancas e de cores. 3fiO
fita de lia para debrun de todas
as cores........ o60
Ditas de ditas, branca. .* m '00
Pegas de fita de linho para eos. -. WO "
Dita para eos....... 500
Pentes voltiadus para [meninas e
senhoras....... 40C
Ditos pretos com chapa, para ali-
zar .. ...... 40ft
Ditos bramos....... 326
Ditos branois finos..... 400
Escovj pera dentes a 100. 240 e 360
Ditas para cabellos muitoftaes. 90
Pecas de franja para toalha com
14 varas a peca..... 260f
Eutreineios bordados a peca iOO o 600
Tinteiros de porcelana U 1*500. 20WO
Balaios para meninas de escolla'
bonito desenlio a 600, 1000,
1500 e........ 20OO
Fila de sarja de todas as cores. 1^100
Gravatas pretas a 400. 80#
Vndese o grande sitio no beceo do Espi-
nbeiro, ao rliegar a estrada dos Affliclos, fitnK
murada 8 diversas otiras de peora e cal por aca-
bar, bons viveiros com abundante peixe, baixa
para capim, boas trra? para plantaeao coro ex
relente* frurteiras ; para examinar a quahpiei
horade para ajustar com Joaquim de Oliveira Mel-
lo, na ra da llora junto ao mesmo beceo, ou a*.
fundico da Aurora. ^^__^_
OLEO DE HOGG
Figados frescos de bacalho
Para cura certa de phtisica, aneeeSes escrofu-
losas, tosse ebronica, fraqueza dos membros e de-
bilidade geral, recommenda-se a excellenci ^este
oleo ainda per ser agradavel ao paladar.
VENDE-SE
NA
Pharmacia c drogara
DE
BARTHOLOMEU & C.
34 = Rita larga do Rosario = 34
Vendfea barato ma armaeio coarapleU e
baMo, proprio para taberna ou deposito : na. ra
da aimsada pa Capiuiga n. 28, e tambem alnpa-
ee dita casa eam s jnesmos objectos a quoni
quiaer bov.tr qaalquer negocio : a tratar ua ra
da Pernaiubneanas n. 40
Atteu^ao
Vendem-se caixa, meias e miarlos com paisas,
com pequeo loque a 4* a caixa : na travesea da
Madre de Dos u. 18.
Veade-se du*s eseravas moc;as, crioolas, sen-
do urna preta com habilidades, e. outra. mulata
ambas para fra da provincia upara o mato na
ra da Praia n. 4.
Capsulas de Eaquim
\m
Vende-se
*do roirraefi1iftetras de varias
gateo da Sirma Crur a. 10
.,_.-ie,.por b rato, o sobrado a. I
rafdd JTO; ^-ataxoa mesma roa a. 63,1* an-
dar.
_J______L.
Fareo
Juito fino saecos grande* ipm era caite a
; no largo ao Paraizo n. 30.
Ou bons effeito* destas capsulas para fazer
sar os gonorrheas a'cham-se comprovadas pe!
experiencias de mnitos armo?.
Os mediros de todee osprtfcjtrg' riiKWWiHHwiii
pela saa efteacia.
VENDER
Pharnacla e drogara
RAItTlfOh/tttt:V & C.
HRa larga *' Rosario31
PASTILMiS JUHBGUUS
DR. PATERSON
e bUmtk e wagaezta.
rtemudio pot fxatteoaia paw cnmfc^af
a tN&m, fteittar r|MWo, torM ?
estomago etc.
DfiPOfitrO SaWOAl.
Pliarmaeia de liartholomeu & C.
34--Ra larga do Rosario-------34,

I


Diario' ele Pernambuco Sabbado
AO BAZAR DA MODA
DE
JOS DE SOUZA SOABES 8: C.
Ra Nova n. 0, esquina da ra de S. Amaro.
PARA O MOTO AMMO DEM 869.
.Novo sortiincnio de arlaos de moda eluxo.reccbidos polo ultimo vapor viudo da Europa.
Especial sortiraeato deobjecioa para mimos.
Perfumara* linas dos principara autores.
Luvas de pellica frescas, brancas e de cores para homens e senhoras
Qfftpeuzinhosde palba de Italiaenfi!lados.paras'cnlii>ra>.
Hicas chapelinas para senhoras, gorrosde palba de Italia para senhoras c meninas.
Especial sooliento de sintos para senhoras.
Kiifcitcs de posto para senhoras.
Fitas do grosdenaple superior de todas as cores e larguras.
Franjas com viririlhos, branca*, de coros o preta*.
. Guarnc/ies de todas as qualidades para vestidos.
Vestuarios completos para baptizados.
Golinhas c punlios enfeitados para senhoras.
Coques modernos, lisos e enfeitados.
Bornous de t* e seda, cores claras, moda elegante para senhoras de bom gosto.
Corpinhos de cambraia enfeitados para senhoras.
Caehe-nez de la.
Chapos de sol para homens e senhoras.
Floros finas, sorlimento especial.
Plumasegantes de qualidade superior.
Cintos rieos de palba, alta novidade.
Grinaldas do flores linas.
Camisas superiores para homens.
Colafinhos e punhos.
Grvalas e mantas modernas.
Rngalas de diversas (nulidades.
Ca xas grandes com quatro pecas de musir.
Flores de palba para uarnces de vestidos, bototo, fivelas. laeos para enlistes.
Chapeos de pello de seda pretos, forma a ltotschild, fazenda superior para homens.
Corrontesdo plaqu uno, gustos bonitos paraa-clogios.
Cazoletas de bom gusto para as mesmas.
Correnles pretas de borracha diversos modelos para voltas.
ObJMfeM para luto.
E muitos outros artigos de noviilade que s vista podem ser apreciados.
Existe continuamente um completo sorlimento de miudezas, vende-sc por grosso e" a retalho
A COMMODOS PRECO
NO *
BAZAR DA MODA.
PREGO CBRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
Ra Nova
Pernambuco
Cabug n. 8
26
28 pollegadas a 16^
a 14,5;
Chapeos de seda trancada, Paragon, de i6 hastes,
pollegadas a 15<5, e 24 pollegadas a 14000.
Ditos de seda G. de N. Bara, de ac, de 10 hastes, 28 pollegadas
de 2G pollegadas a 135 ; c 24 pollegadas a 12000.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas a 12$ ; de
26 pollegadas a 11)5 ; e 24 pollegadas a 10^000.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas t 6: e* 2(f pollegadas
a 50500.
Por diizia faz-se descont de 15 0{0
Chapeos de sol de panno, de baleia, de 8 hastes, 24 e 2G pollegadas a 32$
a duzia. (Descont de 10 0|0).
Ditos de panno, de junco, 8 hastes, a 18G00 a duzia, liquido.
GRANDE LIQUIDAC40
DE
1
n
LOJA DO PASSO
Ba do Crespo n. 7 A, esquina da do
Imperador.
Gros-de-naples. broncos e de cotes.
Setim branco macau.
PARA QUARESMA.
Gorgorito preto.
Setim macau.
Sedas lavradas.
Muireantiqtie preto.
Gros-de-naples
Basquines de gurguro e de gros-de-na-
ples enfeitado com primor.
Corpinhos de gros-de-naples.
Basquines. capinlias, pelerinas, Bebas,
de crochete de gupur, pretos e blancos.
.Mantas pretas de blond.
Riquissimos chales de touquim.
Bequissimos chales de gurguro de seda
pela o melhor nestfi artigo.
Chales de mirin pretos com requissimos
bordados e franjado de retroz.
Chales de mirin bordados sultane;
ultima moda.
Bomeus pretos com lindos bordados.
Leques de madreperola, marfim, snda-
lo e osso, e pretos, para senhoras.
Ditos de sndalo para meninas.
Chapelinas pretas.
PARA CAS AMENTOS; -BAILE S, TOBA-
TROS, etc. etc.
Lindos cortes do blond. contendo setim,
mantas e grinaldas.
Bequissimos corles de sedas assini como
para corados.
Gurgurfto branco.
Setim, branco, azul, verde, coi de rosa
e amarellos.
Filo de seda, branco e preto.
Cortes de seda com duas saias.
Cuales de gurguro de seda de cores.
Camisas bordadas para homens.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho bordadas com primor.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Hii|uissimas colchas d? damasco de seda,
assim como de seda e algodo.
Ditas de crochet para cama.
Chapeos de seda bordados, para sol,
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de lindas cores.
Chapelinas de palha da Italia, assim
oemo de seda.
Enfeites para cabeca de senhora.
Espartilhos para senhoras.
Meras de laia para padre.
Ditas de laa
Ditas de seda fio da Escossia e algodo.
para senhoras e meninas.
Lencos de labyiintho.-
Fronhas de labyrinlho.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas cambraias de cores, percales,
las, e outros muitos artigos de gosto e
de alta novidade, isto s
Moireantique branco azul e verde.
Na loja do Passo ra do Crespo n. 7 A, esquina da do Imperador.
Afprovtfr
da tcademii
i* wuieciM
ii Parts.
As prer
iwPOS
S2S-MAN2
SE5*5
Pkamacvtico
lauread.
da acaiimi
dt medicine.
approracSo
especial dos mdicos, porque ellas obrio mais rpido e seguramente do que as "plalas, e
sao mais fcilmente toleradas pelos (lenles. Os Pos ferro-manganicos possuera a nappre-
aracSe? ferruginosas liquidas tem desde muitos annos merecido
arqu ellas obrio mais rpido
radas pelos doentes. Os Pos
clavel vantagem de poder offerecer n'um instante urna agua ferruginosa gaseosa, de ;j'osio
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de mais um elemento precioso,
o Manganese, que sempre se acha no sangue, junctamente com o ferro. Empregio-se em
todas as molestias que tem por causa o empobrecimento do sangue, assim como para vigorar
os temperamentos debis c lymphalicos. A cltlorose, as Peritas brancas, dores d'estcm.ago,
a irregulariiade da menstruacao e amewrrha ou suppressSo do menstruo, cedem rpida-
mente a sen emprego. Devemos mencionar aqu um facto notavel, isto que os doentes cura-
dos pela agua preparada eom estes pos eslo mu lo menos ex pos tos a recadas do que'I
aquelles que forao tratados pelas preparacSes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Parnambuco, em casa de Mww O*.
'Pty&fos'r
VERD ADORAS
Para msicas militares.

Completo sortimento
BAZAR DA MODA
RA NOVAN. 50,
Esquina da ra de Santo Amaro
20 a 30 por centoaoienos que em outra qualquer parte yendem
JOS DE SOUZA SOARES ft C.
do mais acreditado autor Goutrot Ainea Pars.
RA MOTA W.
ESQUINA DA RA DE SANTO AMARO.
PILULAS DE BUNCARD
CO IODURETO DO FERRO INALTERAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
' Possuindo as propriedadesdo lodo et do forro, conrem especialmente as Amecots
escrofulosas, a T*sica no principio,a (raqueta de temperamento tmbennos cases de
Falta de cor, AMKNORRHEA.em que precisareagir sobre o sangue seja para restituir
lhe sua riqueza e abundencia normaes, ou para provocar e regular o seu curso peridico.
N. B. O iodureto d. ferro imporo os alterado i va m*dirmenio infiel.
Irritante. Como prora de purexa de aathencidade das Ter4Weiru ri-
d. (lian ri, dcTC-s exigir DOSM ell prmtm resctlra a
no.io flrma, arni reprodoxida, que m cha na parte interior d. nal
rotule rerd<. Deve-xe desronliar das (altificacos.
Arhaw-ee em todas ytowrrt. PHarmaceutico, ra Benmfmrtt, 40, Part*
irritan
W I jle
fe
TASSOIRMOS
Tem para vender em seus armazn?, alm de ou-
tros, os seguintes artigos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Grcve pautado e liso.
Vinhos em caixas de dozc garrafas
Bourgogne.
Hcry.
Madeira.
Bermitage.
Chamlilis.
Licor de euraco de Bollanda em caixas de va-
te e quatro bolijinlias.
GESSO,
Nos armazens de Tasso Irniaes.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmaos
< vnic i\nos dk ri u it<
Para serviros de grandes armazens. para remo-
ver barricas ou caixoes de um para outro, lado pelo
mdico prego de 12000 cada um.
Fariiiha de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tana c grande sortimento das melhores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de farinlia de trigo do
(MiT
Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydraulico 12$
O melhor para tudo que sao obras para agua, cu-
ino assentamento de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, tanques d'agua, etc., etc.: em porrocs de
cineoento barricas se far reduegao no preco : nos
armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Portland
0 verdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De difTerentes qualidades para cercados de ani-
maes, chiqueirosnara galinhas ou jardins: nos ar-
mazens de Tasso Irniaos.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos.
CANOS DE BARRO
Na ra Nova de Santa Rita, na antiga fabrica de
sabao, lia para vender por preco o mais mdico
possvel, canos francezes para edificaees c esgo-
tos de toda a iputlidade, superiores a todos os que
aqu tem apparecido pela sua solidez.
PHECOS.
1 400 por cano grande de .'i e meia pollegadas
1 OO por dito de 2 e tres quartos de dita.
1 OOO por dito do 2 e um quarto de dita.
iOO ris por pistoleta de 2 pollegadas.
Cotovellos, curvas e canos de maior grossura. a
vstase Tara o proco. Compras maiores de 200 S
tem 3 por cont de descont por prompto papa-
miyito. Pode-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
lijlos francezes
Para ladrilhar casas terreas com asseio e preeos
mdicos, milito convenientes e proprios para ladri-
Ihos de cosinhas em sobrados, pelo scu asseio e
evitar pastasen de. aguas para o andar inferior
e mesmo o perigo de fogo, aos preeos de 30000 a
4o000 o milheiro: na ra Nova d"c Santa Rita, na
antiga fabrica de sabao, e compras maiores de 200
se far 3 por cento de descont por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
ternas de carros: noannazem de Tasso Irmaos.
Vnho do Porto tino superior: ho armazem
de Tasso Irmaos.
O melhor cognac Gauthier Frcres : no arma-
zem de Tasso limaos.
Esteiras da India
Em casa de Tasso Irmaos vende-se esteiras da
India de diversos padroes e larguras, por pnoo
coiumodo.
t.\.GERM4%
i
QUARESMA
QUARESMA
QUARESMA
ll/F\HAS PRETAS
Grande sorlimento de gros-de-naples por presos inteiraraente reduzidos, assim
como basquines de gros-de-naple e gurguro preto, ditas de guipur fazenda do ulti-
mo gosto e outros muitos objectos proprios para a estarlo, que se vende por menos
20 /0 do que em outra qualquer parte, assim como um completo sortimento de fazen-
das de luxo como sejam sedas de cores de lindos padres pelo diminuto pre?o de 2#000
a 2(5500 rs. o covado.
Alpacas de lindas cores, lisas e lavradas.
Uazinhas com listras de seda para 1,5200 eisiOOO o covado.
Ditas de lindos padres para 500, 700,800 e 900 rs. o covado.
Cambraias brancas de 45000 at 8;5000 a peca.
Ditas de cores de lindos padroes de 640 e800 rs. a vara..
Saias de ISa com bonitas barras.
Bales de cores, brancos e de arcos.
Basquinas de gros-de-naple de 220000 a 400000.
Gros-de-naples pretos e de cores que se vende por barato preco.
Organdiz branco, brilhantinas brancas e de cores.
Espartilhos e entre-meios bordados.
Meias finas para senhora e para homem.
Alm destas fazendas tem um completo sortimento de chitas escuras e claras, ma-
dapoles, bramantes, atoalhados de linho e de algodo, e outras muitas fazendas
que se vendem por preeos que s a vista o comprador se poder desengaar que s no
Triuiiplio poder comprar com economa.
PARA HOMENS.
Ronito sortimento de casemiras pretas e de cores, brins brancos e de cores, camisas
de linho e algodo, cirouias, mantas e gravatas do que ha mais moderno, chapeos de osl
de seda e alpaca, e outras muitas fazendas que s vista podero agradar, e manda-se fa-
zer qualquer obra de alfaiate para o que tem um hbil mestre, tudo por preco que s
encontro noTriumphol na do Queimado n. 7. .
DOENCAS das CRLANCAS
AROPE de RBANO 10DADO
DE GRIMAULT E C* PHARMACEUT1C0S EM PARS
stmM
Este medicamento goza em Pars e no mundo inieiro de tuna fama justamente merecida; pi
achar-se intimamente combinado nelle o iodo com o sueco das plantas anbscorbuticas, cuja efflcacia
bem conhecida e as quaes jk naturalmente existe o iodo. E' com este motivo que elle suppre
eom antagem o Oleo de figados de Bacalho, que deve, secundo os homens scientificos, sua
effiCftCia i presenca do iodo. E' preciosa no traumento das criancas para combater o lymphasmo,
u obtrucces das eUndala do pescoco, e as diversas erapeta do rosto, o freqoentei as
enancas de pouea idade. Torneo e depurativo ao mesmo lempo, elle excita o appete, facilita t
digesli, e reslitue aos tecidos a sua firmeza e vigor naturaes. E cada dn reeeitado palos ediOM
especialistas para combater as diversas affeccSes da pelle.
Deposito em Pernambuco, em casa de aTm o*.
Alegrai-vos myopes, e presbytas, ja po-
dis ver de longe, ja podis ver de porto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortimento de
oculos, lunetas, pince-nez, face--main,
lorgnons, de ouro, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
assim como binculos de urna a tres mu-
dancas para thcatro, campo c marinha da
ultima invL'iico ; duquesas, vienezas de G,
8 e 42 vidros, tudo dos melhores fabrican-
tes da Europa.
O mesmo vapor trou-
xe urna excellentes ma-
china para graduar e
observar o numero dos
vidros que se necessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes ste-
riosCopos, instrumentos de mathematica,
barmetros, vidros de chystal de rocha, e
de cores para resguardar a vista; concerta
todos estes objectos a preeos commodos e
com promptido; tira o mofo dos vidros e
encarrega-se de toda a encommenda relativa
a ptica.
Recebeu tambem os excellentes relogios
do anligo e afamado fabricante Roben Gerth
& C, os quaes vende preeos commodos
garantindo a sua superior qualidade.
Attenco.
Veude-re no caes de Capibaribe pedra mulati-
nha da primeira qualidade, pelo preco de 14300 o
palmo corrido, sendo hombreiras, soleiras e sepos
com o mais que se segu.
Illuminaco.
RA DO CRESPO N. 16.
Duarte lereira & C, tendo recebido pelo
ultimo vapor grande e variado sortimento
de bales de papel de diversas qualidades,
e do mais moderno gosto, proprios para
illuminaco tanto da cidade como do
campo, assim o fazem constar a seus mime-
rozos freguezes e ao rcspeitavel publico,
afim de quqgpm tempo se previnam, visto
como attentciosltimossuccessosdaguer-
ra se espera a cada momento a fausta no-
ticia de sua concluso. A illuminaco tac
bales de papel alm de ser linda menos
dispendiosa possivel, os annunciantes ven-
dem-os por preeos mu razoaveis,
LOJA DO GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo n. 7
Mandou vir de sua conta e acaba de re-
ceber pelo ultimo vapor, completo sortimen-
ot de objectos de novidade e phantasia, os
quaes esto resolvidos a vender por preeos
nimiamente baratos, para assim animar aos
concurrentes e ao mesmo tempo dar sabida
ao grande deposito que tem: isto ra do
Crespo n. 7, loja do Gallo Vigilante.
Gollinhas, .punhos e camisinhas para se-
nhora, fazendas^ de gosto e-novidade.
Finos vestuarios para baptisados, assim
como touquinhas, sapatinhos e meiasinhas
para o mesmo fim.
Grande sortimento de bicos e rendas de
croch e de outras muitas qualidades..
Superiores caixas com msicas e sem el-
las, tendo o necessario para costuras, pro-
prias para um delicado mimo.
Finas caixas com tentos e sera elles para
voltarete.
Agullias para machinas de costura.
Ditas para croch, sendo de ac, marfim
e outras muitas qualidades, assim como li-
nlias para o mesmo mister.
Finas grinaldas para noivas.
Meias de borracha para quem soffre de
erysipella, assim como meias de la para
os que soffrem de rheumasmo.
Suspensorios para homem e meninos.
Finos pentes de tartaruga para coques d
de outras muitas qualidades e para outros
misteres.
Dedaes de madreperola, marfim, osso,
ac, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome para tingir
cabellos, dando aos mesmos a sua cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas perfumaras
dos melhores fabricantes, assim como mui-
tos outros objectos que impossivel des-
crecer: isto s na ra do Crespo n. 7, loja
do Gallo Vigilante.
Collares Royer elctricos magnticos con-
tra as convulses das criancas e para facili-
tar a dentinco das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
collares e contina a ter sempre grande de-
posito, ra do Crespo n. 7.
Macarthy
Machinas de descarocar algodo.
Hoje que est reconhecido que as machinas de
serrote prejudicam c quebram a fibra do algodo,
preciso recorrer a machinismo menos spero,
[ue produzindo o mesmo servico que aquellas, e
acildade no trabalho, nao quebrem a fibra da laa,
para que essa possa obter-nos mercados eurojieos,
a dfferenea que ha entre o algodo descarriado
por aquellas mencionadas machinas, que estao 11-
cando em deslizo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga bolandeira, quo nao pode competir
pela morosidade de seu trabalho. E' assim que
estas machinas se tornam as mais proprias para o
nosso algodo, porque no par da facilidade e
promptido conserva a fibra da laa, que limpa por
ella, e qualifieada na Europa a par da melhor bo-
landeira, valendo assim entre 10 arrobas 20 0/0
mais do que a laa limpa pela machina de serrote.
Estas machinas niio sao novas, pois que ha muito
estao adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
do daquella procedencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 arrobas 20
0/0 mais do que o nosso : vendem-sc a 150*000
nos armazens de Tasso Irmaos.
A NOVA ESPERANQA
21= Ra do Queimado = 21
t para presentes
A Nova Espcranca, rea do Queimado
n. 21 tem um variado sortimento de objec-
tos de gosto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresahindo entre elles ricas caixi-
nhas de chano com finas perfumaras, cos-
turemos de chagrn, agulheiros de madre
[erla : assim, pois, quemquizer fazerum
linda offerta, dirigir-se Nova Esperaba,
roa do Queimado n. 2i.
Collares anodinos ellectro-magneU
eos contra as convulces das*
creangas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ahi intitulados os
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitos
pais de familias nao creem (comprando-os)
no cffeito promettido, o que s pdem dar.
os verdadeiros ; a Nova Esperanc, porm
que detesta a falsificaco principalmente no
que respeila ao bem estar da htimanidade,
fez urna encommenda directa destes collares
e garante aos pais de familias, que sao os
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
Cas tem salvado do terrivel incommodo de
convulces, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanc a ra do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seus
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando ento ser di-
flicil alcancar-se o effeito desejado, embora
sejam empregados os verdadeiros collares
de Royer.
Para extinguir as sardas e
panno
Recebeu a Nova Esperanc, ra do
Queimado n. .21, leite de rosas, especial
para extinguir sardas e pannos.
RONECA DE CERA
A Nora Esperanc a ra do Queimado n.
21, acaba de receber um completo sorti-
mento de finas nonecas de cera de diver-
sos tamanhos, sendo as maiores do com-
primento d'um covado ; estas bonecas tra-
zem bonitos coques e botinas, havendo en-
tre ellas algumas que fallara e outras que
choram de sorte que fcilmente podem ser
preparadas, e fazer-se um presente de muita
accettacSo.
Finas caixas de tartaruga para rap ven-
dem-sc a ra do Queimado n. 21 na loja
da Nova Esperanc.
Modernos brincos de sndalo, s se en-
contraio na Nova Esperanc a ra do
Queimado n. 21.
MEIAS DE LAA
A Nova EspeYancaa rita do Queimado n.
21, acaba to de meias de la para homem c senhora.
CONTRA AS CONGESTOES
mal terrivel a congesto fulminante:
de repente leva um individo, d'esta para
milhor vida, sem dar-lhe tempo de receber
conversa medica; deixando as mais das
veses mulher e filhos no mais amargurado
pi auto ; a Nova Esperanc que deseja pres-
tar serviros recorreu a Vojer, o qual lhe
mandou anneis elctricos magnticos, como
o nico preservativo para semelhante mal a
elles antes que se acabem : na Nova Espe-
ranc*
NAVALHAS
A Nova Esperanc a ra do Queimado
n. 21 recebeu um sortimento de navalhas.
de qualidades, e tamanhos especiaes assim
como afiadores e massas para as mesmas.
L1NIIA PARA CERGIR MEIAS
Esta muito necessaria linha vende-se a
ra do Queimado n. 21 na Nova Esperanc.
BORDADOS R0N1T0S, BONS E RARATOS
Esparlilhos s na Nova Esperanc a ra
do Queimado n. 21.
Sementes.
Chegaram as novas sementes de hortalice todas as qualidades na ra da Cadea do Recite
n.50.
Vendem Augusto F. de Oveira A C. ra (k
Comnircio, n. 42.
Meias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes meias elsti-
cas de borracha contravarizese eryspellas.
Vende-se na
Pharmacia e drogara de
Bartholomeu A C
34ra larga do Rosario34
Vende-se urna vacca, urna garrota e ovelhi,
prenhes e paridas : a tratar no sitio n. 17 na es-
trada dos AHhctos, paasaudo a capella.
Manoel Alves Ferreira & C, na ra da
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
superior potassa da Russia em barris e meios
barris e car de Lisboa da mais nova que ha
no mercade.
FUNDICAO DOBOWMAN
Rua do IIruin a. 59.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batido fundido.
Rodas dentadas, paia moer com agoa,
vapor e animaes.
E outros muitos objectos, etc. ;etc., pro-
prios para agricultura.
Tintura japoneza
Instantnea para tingir os cabellos e a
barba, a 1)$000 o frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido reconhecida superior a todas
as tintaras d'este genero.
A venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. rua da Cadeian. 51.
Em casa'de Tfieod. Clinstiansen, rua do Com-
mercio n. 16, encontram-se efectivamente todas
as qualidades de vinho Bordeaux Bourgogne e do
Rheno. b *
GAZ GAZ GAZ
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster &
C, rua do Imperador, um carregamento de paz
de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
e a retalho por menos preijo do qu em outra qual
quer parte.
Cemento de Portland.
Vende-se no armazem de Vicente Ferreira
Costa & Filho, na rua da Madre de Dos n. ti,
barris grandes.
PECHITHI
Vende-se barato um buhar com seus pertenees
na roa da Imperatriz u. 69.
ACABAM
de chegar os sabonetes de
alcatrao
Para curar as molestias da pelle, tae's co-
mo impingens, dartros, sarnas, comichees
e mais molestias de pelle sem'occasionar
accidentes; desfaz as manchas do corpo,
pannos e sardas, restabelece a cor natural
quanto cutis, seca, grossa, amarellenta,
occasionado por alguma enfermidade, e co-
mo desinfetante e preservativo das molestias
contagiosas.
Deposito, botica do Pinto, junto ao quartel de
poliqa, n. tft. ______
Vendase enchameis e trarotos de louro de -
PILILIS, rao
1 UROI'E DE JI Rl BEBA
I PKKPARADOS PELO PHAIIMACBI'TICO
foaqnini de Almeida
Pinto
As preparacoes de Jurubeba sao
as hoje ventajosamente conhecidas e
S preconisadas pelos mais habis me-
I dicos, tanto da Europa como do paiz,
pela sua efflcacia nos casos de ane-
mia, chlorose, hydropesia, obstruc-
Ca > do abdomen^ e tambem as de
menstruacao dillieil, catharro na be-
rjga, etc.
Vendem-se em porcao e a reta-
lho, na cidade do Recife, pharmacia
de seu compositor, rua Larga do
Rosario n. 10, junto ao quartel de
polica.
XAROPE DE FEDEGOSO
E' de urna efflcacia verdaderamen-
te maravilhosa como calmante do
systeraa nervoso e applicado con-
tra a paralisia, asthma, tosse con-
vulsa ou roqueluche, tosses recen-
tes ou antigs, suflocaces, catharros
broncneos etc. e em geral contra
todos os soffrimentos das vias res-
piratorias, e na phtysica pulmonar,
suavirtude contra o ttano ou espas-
mos, convulces incontestavel, e
ninguem ha que a desconheca.
I
|
XAROPE DE SALSA PARRI-
LHA DO PARA,
ou
Dopnralho do sangne
Usado as molestias de pelle,
impigens, dores rheumaticas, e ul-
ceras venreas.
O nico deposito destes medica-
mentos na botica do Pinto, rua do
Rosario Larga n. 10 junto ao quar- g
tel de polica.
_____1
superior qualidade e
barraca, tudo por barato preco
vesaa do Carioca n. i, Caes do Ramos
d chapar os sabonetes de alcatrao, no
_ ....uw, u v ue an-umi us sduuircic u aicairat), no
rp^Tt^TnaK^P05;10' b0tka d Pnl' mto W le
i de polica.
-I


Diario de Ptinambuco Sabbatlo 20 de Fevereio de 1869.
i i
I i
I
I
h


GRANDE LIQIJIDACO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
1)0
astKi aa toaiaaiaiaa, m
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprietario d'esto estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a vir surtr-se no grande estabelecimento que tem do fazendas, tanto da moda como
de lei, e-peseoasquo negodam cm pequea escalla, tanto da praca como do matto-
nesta casa podero fazer os.seus sortimentos eni pequeas e grandes porcoes, venden-
do-se-lhes pelos precos que se comprara as casas inglezas ; assiincomp as excellentis,
simas familias, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, uu mandare-
mos levar m sas casas pelos nossos caixeiros, parfa o qu acba-se esto estabelecimen-
to aberto tonstantemente desde s 6 horas da manhaa as 1) da noute.
O atoalhado do Pav5o.
Yewle-se superior atoalhado de algodSo
com 8 palmos de largura, adamascado a
fJSOO a vara; dito de linho fazenda limito
siperior a 30200 a vara ; guardanapos de
fcnho adamascados a 40500 a duaia e maito
finos a 85000, e ditos econmicos a 30500
a dnzia.
Crochs para cadelras na taja do
Pavo
Chegaram os mais lindos panos de cro-
ch ou guarda bantras, proprios para ca-
deiras tatito d'encosto, orno de balanco e
de gantico, e outixjs comprius para so-
f, assim como ditos redondos para mezas
redondas, ditos peepaenosparaalmofadas, e
ditos para cobrir presentes, toldo pequeos
at .para cobrir m pialo, que se vendem
por preco muito em conta, a loja e arma-
zem do Pavio rna da Imperatriz n. 60, -fie
Feix Pereira da Silva.
Vuistes jra vestidos braaoes
a 4.
\endem-se os mais modernos fust6es cos flexveis com padrees de listas de
salpicas proprios para vestidos e roupas de
menina a 6'iOrs. o covado, na loja e-arma-
zem de Pave ra da Imperatriza. -0, de
Flix Pereira da Silva.
t-rosdcnaplcs
Chegou-para a loja do Pavo pelo ultimo
varpor um grande sorSmento dos -melhores
grosdenaplcs pretos e de cores, tendo verde
tambera, que se vendem mais barato que
em outra qualquerparte.
Pechincha em algodosinho a -50500
a peca na loja do pavio.
Vcndc-se superiores pecas de clgodosi-
nho com 20 jardas de pechincha, na na da Imperalriz n. 60
armazem de Flix Pereira da Silv.
BAB.VDIXIIOS
AS CAMBKAIAS DO PAVO
Vendem-se nissimas pecas de cambraias
listas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 50000 at 100000 a peca, assim
como finissimOs organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser mujto
transparente a 10000, a vara, na toja do
Pavo ra da Tmperatriz n. 60, de Fel Pe-
reira da Silva.
Alpacas tarradas
Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as ms lindas
cores, que se vendem a 10000, o covado,
ditas lisas lendo tambem cor de canna a
808 rs, dHas mescladas muito finas a 1:200,
o covado, e outras umitas fazendas de gosto
e moda ^ue se vendem mais barato do
que em outra qualquer parte, no armazem
do Pavio, ra da ftaperatriz n. 60. de Flix
Pereireda Silva.
Roupas para houicni
VeRdem-se superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas inglezas e francezas com os peitos
de esguio, ceroulas francezas de liiiho eal-
godao, meias cruas inglezas superiores, ca-
ndas de flanJla e de raeia de la, assim
J como neste estabelecimento existe unt grande
softimento de.pannos.pretos, e de cascudras
inglezas de cores, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e prontelte-se-lhes que ser o servidos
vm a maior -promptida e muito mais ba-
rato do que em otra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. G0,de-Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vcnde-se um grande sorlimento -dos me-
lhores e mores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
i dem a 120000 rs. cada par at lOOO rs,
PECHINCHAS
Novamente chegadas ao armazem
DO
mJEAO
DE
PAREDES PORTO.
Tendo-nos chegado ultijnamente fazendas inteiramente nova:?, convida-
mos por este meio ao respeitavel peblico a que nos procure comprar fizendas de
bom gosto e por precos que nao achara em outra qualquer parte.
Adinirem!
Madapoloes finos a 50, 00, 70 e 80 rs.,
s no armazem do Leo.
Chitas escuras de padroes lindos por pre-
Co de 320 e 360 rs. o covado.
Cassas de cores com palminhas e com
listas de diversos padroes a 240 e 320 rs.
Lazinhas cimentas e cor de bonina a
320 o covado.
Chitas claras miudinhas a 320 c 360.
Alpacas preUs e de cores lindas proprias
para vestidos a 680, 700 e 800 rs.
Peras de cambraia transparentes a 40,
50 e 60. Por este preco admira a todos
Cortes de casemiras de quadrinhos e lis-
tas a 24800 e 30.
Corpinhos brancos para senhora a 30 e
30200.
Pechincha!
Cortes de cassweta de cores para caicas e
paletots a 10500.
Cassineta de oeres com um pequen to-
que de mofo a 400 rs. o covado.
Espartilhos omito finos a 40500, $3 e
50300.
Admira II
Gravatas de seda a 506 rs.
Golinhas bordadas a 500 rs.
Lazinhas a 200 rs. 11
LSazinhas a 200 rS.11
Laainhas a -200 rs.!!
Lencos bordados a 60, 60500 e 120500.
Ricos e bem escolhidos gostos de bis-
marks para calcas e paletots a 20500 o
corte.
Tambera tem para acabar pecas de pan-
no de linho, com 27 varas, a 170 e 180.
Tbalhas de linho para rosto a 100 a du-
zia. ,
Aos Srs. armadores de enterros.
Vendem-se pecas de hollanda preta com
10 ovados a 50 : na ra da Imperatriz n.
48 e 52, junto a padaria franceza, toja- do
LeSo.
Attenco roupas fekas 11 no armaKem
do Lelo, ra da Imperatriz ns. 18 e 52.
Assim como temos um grande, completo
letots saceos, sobrecasacos, fraques, jaque-
toes, caicas, coHetes, camisas, ceroulas,
chapeos' etc., tudo por precos que admira!
Tem tambem nm sortimento de roupas
ordinarias por preco baratissimo.
Acaba de chegar tambem um completo
sortimento de "damascos de cores, sendo
azul, amarello-e cor de cafe etc., que se
vende por preco comraedo.
Admira!!
. No armazem do Leo !!!
No armazem do Leo 1 f!
No armazem do Leo!!!
No armazem do Leo MI
No armazem do Leo, rea da Imperatriz ns. 48 e 52, junto aloja de ourives'
-e padaria franceza.
Vendem-se inissimos babadinhos, tiras sto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
bordadas e entremeios, mais baratos do que I Pereira da Suva,
em outra qualquer parte, assim como ospar- L-, .
tilhos dos mais modernos, n armazem de *-'r'
Flix Pereira da Silva, ra da Imperatriz
n. 60.
ALTA
A LOJA DO PAVAO
Gurgurao de seda
Cliegaram peto ultimo vapor os mais bo-
nitos gurguroes de seda, proprios.para ves-
tidos, sendo Usos elaviadinhos, com muito
lastro, garantindo-se que 6 a fazenda mais
Jinda e de mais phantasia que este anno tem
chegado a este mercado, e vende-so por
preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
GROSDEXAPOLES PRETO A OITATRO
PATACAS S O PAVAO.
Vende-sc grosdenapoles preto de boa
qualdade peto barato preco de 10280 o co-
vado, s na toja e armazem do Pavo, ra
da Irapcralriz n. 60 de Feliz Pereira da
Srha.
CAMBRAIA BRANCA A 30500.
Vende-se pecas de cambraia branca
transparente, com 8 e mera varas peto ba-
rato preco de 30900, ditas muito linas tanto
tapadas comolranf-parenlcs i 'i 5500, 50000,
60500, 70000 e 80000, assim como organ-
d muito tino tanto lizo, como de listas e
quadro na loja e armazem do Pavo ra
da Imperatriz n. 68 de Flix Pereira da
S'u.
ALPACAS LAVRADAS 1PARA LUCTO.
Vende-se na loja do Pavo, as mais mo-
deris alpacas lavradas para lucio,' sendo
maito.'argase peto barato preco de00 rs. o
avado, s na ioja e armazem do Pavo, ra
da imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Suva.
AS DEZ MIL VARAS DE CAMBRALVS FRAN-
CEZAS S NA LOJA Da PAVAO A 560
RS. O METRO.
Ve.ode-se finissimas cajubraias francezas
com os mais delicados padroes, tanto mia-
dos como grados, c com as cores mais no-
yas que tem viudo no mercado pelo bara-
tsimo preco de 560rs. o metro; garautindo
que 7 metros do um vestido para qual-
quer seqhora, c que em outra qualquer loja
nao se ^encontrar a mesma fazenda por
igual prco, e sim s na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60 de Flix
Pereira da Silva.
Ca&gaa Inglezas a 440 rs o metro
V&de-se urna grande porco de bonitas
cassas inglesas tanto graudas como miudi-;
nhas c de cores fixas peto barato preco de
140 rs. omctro,garentindo-se que 7 metros,
do um vestido para qualquor Sra. s na
toja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva. Q
Bareges a 400 rs.
H6 na loja do Pavo
Se vendem as mais bonitas bareges transparen-
tes, proprias para vestidos com listrinbas a imita
com
10
para lemjes
palmos de largara a 2$,
Acaba'de chegar esta nova c encllente
fazenda branca propria -para lencos de um
s panno, garantindo-se que um metro e
urna qtiarla ou um metro e meio -d um
exccllcnte lencol de um s panno, assim
como esta boa fazenda tambem muito
propria para .toalbas de meza, rosto -etc. e
ontros mysteros e vende-se peto baratissi-
mo proco" de 2# cada metro.
MOCAMBIQUE PARA VESTIDO A 500 RS.
Chegou para a loja do Pavao um elegante
sortimento dos mais bonitos mocambiques
proprios para vestidos com as cores mais
modernas c que se vendem peto barato
proco de 500 rs. .o covado.
ALPACAO DE CORDO PARA VESTIDO A i i
Ghegou esta nova fazenda eom o nome
de alpacao,' sendo de cordao e com mais
largara do que a alpaca, com as mais linias
cores, como sejam Bismark, lyrio, perolas,.
roxo, cor de canna, magenta etc. e vnde-
se peto baratissimo preco de 1$ o covado.
nOXEIRAS PARA QUiRESMA A 16,
Cbegram as mais bonitas e modernas
nomeiras gretas de guipure, que se vendem
pelo baratissimo preco de 1-0$ cada una.
SOBRECASACOS PARA A QUARESMA A I8J I
20-).
Vende-se jiim grande sortimento de so-
brecasacos c palitts sobrecasacados de fi-
qssum panno preto peto baratissimo preco
de 185, sendo forrados de alpaca, e por
iQ>, todos forrados de seda, grande pe-
chnclia, principalmente por estarmos na
quaresma, assim tomo, tambem se vende
um grande sortimento de calcas e eoiettes
de casimira preta que se vende muito mais
barato do que cm outra qualquer parte.
ESGOIAO DE fcUSBG DE i JARDAS A 105.
Vende-se peeas de esguiSo de linho, fa-
zenda superior, com 12 jardas cada peca, a
10.5000.
l*oll de ehvre a lOOOo covado
Vende-se poil de CJivre muito largo com
as melhores e mais modernas odres peto
barato preco de 1#000 o covado, na loja c
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60
de Flix Pereira da Silva..
ALTA NOVIDADE
A
Loja do Pavao.
GURGUROES PARA VESTIDOS A 10000.
O COVADO.
Chegaram os mais modernos gurguroes
para \estidos, sendo de todas as cores,como
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
14-RUA NOVA N.-14
Os propietarios d'eslc cstabeleeimento acabara de montar urna das mais com-
pletas offieinas de alftiale, enoarregando a dircecao da mesma um dos mais habis
-.listas ; e-para melhor satisfazer aos seus freguezes tem um variado sortimento de ca-
simira de toda a quatdade, pannos liuos, l>rins, merinos e varios objectos proprios psra
homm, assim como um completo sortimento do fazenflas Anas de toda a qualidade,
G'ante-se a melhor qualidade da fazenda e o preco mais rasoavel possivdl:
FAZENDAS PRETAS
PARA A QUARESMA
E.
Ra no Oiioinw'o n.il
Receberam directamente da-Europa asmis superiores fazendas prc-tas esp-r
ciaes-psra a qteresma, m quaes eso vendendo pelos mais mdicos precos era vista
a superior quadade de-ditas fazen AliTA WOVIDADE
Basquine; pretas de renda, verdadeira novidade, para senhora.
^Grosden;les preto largo estreito de diversas qualidades havendo neste ge-
aero o que ha de mejhor.
Basquines de croch pretos, ditos de .seda preta com cintos delicadamente en-
feitados, etogantcs pqplums de seda preta, ichos pretos de renda, modernas capiabas
preas de reada e superioras vestidos de gorgurao preto bordados.
. Afosantique preto e branco, bombasina, superiores prineezas preas, merinos
de vero e trancados dos melhones.
Os mais lindos vestidos de blond cora mantas, capella para noivas, .superiores
fronhas de cambraia de linio e de e-sguio bordadas, e lindas cokas de sed, e de la
para camas.
iahfd&i de baile braiKias, azues e cor de cinza de gosto espeiial e ves-
tidos de eambraia l>ranca ricamente bordados.
Fopeliues de seda para vestidos lisos e com listas das mais lindas cores
e mais bellos padroes, e grande e variado sortimento de sedas taalo cm cortes eomo
em peca. '
Cortinados bordados para camas e janoJJas, bales parisienses eom
molas novo gosto, bales reguladores brancos e de cor, espartilhos e bellas colxas
de .croch.
Carnizas de linho inglezas para homem, chapeos de sol de seda,
gravatas modernas, pannos finos e casimiras d cr .e pretas, e outras muitas fazendas
que vendem por muito commodos precos.
A toja n. 11 da ra do Queimado tem sempre o melhor sortimento de tapetes,
alcatifas e
Entenas da India para forrar salas.
C-ao de Iwtras de seda, e vendem-se pelo barato rXO & & tendo quasi quatro palmos de lar-
pre.;o de um cruzado cada um covado, uoicamen- gura e vende-se pelo baratissimo preeo
te na toja e armazem *" ->- -------
do Pavao, ra da Impera-
triz n. 60, de Flix Pereira da Silva.
CSrosdenaples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de'fciOOO rs. o
de 1#000, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na ra da
Imperatriz n. 60.
BINS PARA CALCA NA LOJA DO PAVAO.
Vende-se os mais modernos e melhores
covado at 4)JO00 rs. garantindo-se que brins de linhokle todas'as cores,outroscom
n'este genero ninguem tem melhor fazenda e listas do lado; garantindo-se serem de linho
que se vende mais barato do que em outra puro e vende-se por precos muito em con-
qualquer parte, na ra da Imperatriz n. 60, ta no armazem de Flix Pereira da Silva,
de Flix Pereira da Silva. j ra da Imperatriz n. 60.
Chitas RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
Vendem-se as melhores chitas escuras para |PAVO.
tasa sendo de cores fixas, pelos baratos Vende-se urna grande quantidade de re-
precos de 3i0 e 360 rs- o covado, ditas talhos de chitas e cassas pretas por preco
muito finas francezas sendo claras, com pa- muito barato, quanto maior for a porcS
dreg de cassa a 360 e 400 rs, pechincha, dtae o fregua comprar, mais barato selhe
na roa da Imperatriz o, 60, artnazera de Fe-. vender na ruada nnperatrfe n. 60 de F-
lix Pereira da Silva. lix Pereira da Silva.

80FFRIKENTOS LVESTOHAGO. CONSTIPACAO-
u ni poucos das pelo CAavto di klloc em p ou em pastilhai.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Bssas afr^s rfo <*-
eipadis rpidamente pelas PE.KU.at cether *!' CUUIi.V
AfIEMIA, A PALLIDEZ e os soTrimentos que necessitam do
emprejo dos ferruginosos sio sempre combatidos com o melhcr resuKadt
pelas i'iLuu DE vallet. Caia Piiula tem incravado o nome IUUI.
PC) DE ROG. Basta dissolver um frasco d'este p en mal*
farnfii d'agua para se obtr urna Hinonada agradaiol que-purga sera fa-
nr colieai.
VIHHO DE QUINIUM de Ubr. Este Tinho, um dot
^ poucos cuja composicio garantida constante, urna das melneres pre-
paracOi de quinina, sem accio notavel sobre os connlescentes, dando-
Ibes forcaj e aprestando 4 to ta a saude. Cora aa febres antigs qoa ra-
sistio ao sulfato de quininoi
MOLESTIAS DA BEX1GA. A maior parte d'eata* mete,
tas, ceno as sciiUicaa, lombagna, catarros, a todas aa doras nervosas am
geral s5o curadas pelas perolas o esuncia oe thekkkhtima do
Dr. Cleitan. 0 profeasor Tftusvau em seu Tratado dt llierapeuiUs acon-
telha aii para seren tomadas i* occasio do jantar, na doaa de 4 i 18.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH-
Garanti io puro e de primaira qualidada, na dos poucos aororadaa pala
Academia de medicina.
AVISO. Todos estes hedietmentos fsrm aprovadn pela Acadeni*
imperial dt medicina d Poris.
DEPOSITO
aa rwli, L. Ireii, 1, raa
Dsteacatua; laaawt 4 Pirntmhw.. sUoao. ai O.
1 Ceert.....altc&sa at O.
!
0 cordeiro previdente
Itua ilo <|EL'eima!o n. 16.
Novo e vaiiado sorlimento de porfuniaiins
finas, e outros ObjWl
Alm do completo "sortimento de perfu-
maras, deque elecvameiite estd provida a
loja do Cordeiro Providente, ella acaba de
recetar um outro sortimento que se torna
notavel pola variedad* de objectos, snberior-
dade, qualidades e commodidades de pic-
eos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer aaprcciacSo
do respeitavel publico em geral c de su;;
boa freguezia em particular, n3o se alis-
tando ello de sua bem conhecida mansidao
e barateza. Em dita loja cncontrarao os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dntriflcia,
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conscrvacSo do
asseio da bocea.
Cosmetiqucs de superior qualidade e chei-
ros agrada\eis.
Copos e latas, maiores c menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
e outras qualidades.
Finos extractos ingieres, americanos- e
francezes em frascos simples e enlatados.
Essencia imperial do fino e agradavcl chei-
ro de violeta. "
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finos c agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'olco de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de dif-
ferentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores c menores
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos,
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonelc s imitando
fractas.
Ditas de madeira invernisada enntendo fi-
nas perromarias, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papclo igualmente bonitas, tam-
bem de perl'umaris linas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial po de arroz sem compo
cheiro, eporissoomaisproprio para enan-
cas.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos decamphora e outras dilerentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental deKemp.
Aluda i&tais cequs.
Um outro sortimentos de coques de no-
vos e bonitos moldes com Qletsde vidrilhos.
e alguns cTelles ornados de flores e lilas,
estao todos exposlbs a{>reciacao de quein
os pretenda comprar.
COU.iXlIAS E PNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicSo.
Flrellas cOtas para el utos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficaudo a boa escoma aogostd do com-
prador.
TLORES HIIAS
0 que -de molhor se pode eneoitrarnes se
genero, -sobresaliiiKlo os deliaidos ramos
orvalhados para coques.
Rawk viagem.
Bolsas (Ui tapete e carteiras de-couro, por
precos coajinodoB.
Cliapelinas de palha da IUlia mui bem
enfeiladas, eenfeiles de flores obia de bom
gosto.
E assim muitos eutros objectos que se-
ro presentes a quein se dirigir ri dita loja
tdo Cordeiro Prevideate a ra do dueimado
c. 16.
JSNFEITES DE PALIL\ PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Pre\iVirfe ra do Queima-
do n. 16 acaba de receber um bello BOrti-
mecto de trancas de palia para eufeites de
vestidos, outras para chapeos, c/apee
tudo isto est sendo vendido cinn a sua bem
conhecida commodwlade de precos.
0 ALEM 9 A(.' KLLES.
Recebeu outros lindos enfeites de seda-
para vestidos ; assim auno um variado sor-
timento de gallees do la, babadinhos de
cambraia c*m bordados de core*, cuja, va-
riedade de gostos os tornam recommenda-
dos e apreciados ; comparecao pois 06 pre-
tendeotes que ci o servidos a contento.
TAO BEM RECEBEU.
Novo provinteQto de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS E PELLICA.
De todas as cores tanto para homen-
como para senhoras, oaisfantemento acbam-
pe a venda na loja do Cocdeiro Providente :
ra do Queimado n. 16.
Para iamilias
Ci'audo Bazar^rua Xova ns. ZO e
2S. eff*aPaT.clroViaBa!fc C
Acaba de chegar a. este cstabelecinicnto-
. randeporcaode i para cstara do
autor Whicr Wllson, approvada un ulti-
ma exposiiTi de Pris, as qavs coiem
dous P'sp:itos toda a costura, c tem a
vantagem de ser to sua^
que qualquer rri.-.nra de o/to anpos fcil-
mente trabalha, e pode. c< m este entretc-
nimento, levar vantagem ao snico diario
detr'mla costureiras. A henso
simples, pois cm un quaito de hora fc ti-
ca seiilior do movimento da machina, ten-
do a mesma a proptiedde d fazer as se-
pitcs costuras: pospontar, Ibamhar,
franzir. marcar c bordar, como apresentam
os desenhosque a.', nipruih.-.m-nas. Os pro-
prietarioa do estabelecimento se encarre-
gam de mandar en-mar n'csta cidade. o
garanten! entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso n nao traba&ar d.m
perfeiclo a machina vendida, nao ieulo,
porm, soll'rido ella alguma avaria. Ba tam-
bem no mesfflb estabeledraento, machinas
do autor Grower & Baker, de trbalho sim-
plesmenle no, e nutras com mo\imento
dos ps; e mxime todos os pert i
mesmas machinas, !idcra\uiso.
Capado barato
BoncguiDa (ta bezerra e eordarSo para homem a
B ,(KX).
Ditos de duraqiic para menina a 2000.
Botinzinhog para'ineoinosa tSOO.
Vende-se na uraej J;i idi pencia, loja de calca
do n. 8.
Vende-se
ps de Uranja craro, da China, lima da Pcreia,
trncia-po parreiras de (Brersaaqn
SadcB : em Parnaineiriia, WoJtrto ao portaodo
encnnamenlo d'agua.________________________
Vande-ro nina armado i a eoffi al-
,jius gneros: a tratar na ra Imperial n. 36.
Pasta a l.'i .lo eomnta a* i de
i a\\> do uome IVIipj e, t bra i ai !'<
idaitc, um pow arclbas prelaa e fer-
radas, os cal ellos acal o anda pi-
:\ dura e eom passo lem nma mana O
caustico do lado direito
ea Je brim de onadrii; i camisa de
sicode aapolo, chapeo preto di escra-
' vo i'ostumava a ganhr i n rondozndo :
ros de nma *ena da rna Direita para a esi
ihi- rinco Pontae, 6 natnraJ da lu^ai Canbotiuh.\
da comarca de S. B< la pn i ca, e foi
rado ao Sr. J. Alvca Mllo, i ador no
mesmo Ingar, pre?nme-se no o mesmo esi i
eontinua a ganbar na ra, djui id i de um ill i te
latso procurando eenhoi | os B- n
l|es de campo e mais anti
ir.ia do dita eseiwo e leva-lo r loto
ra de Miranda Cnnha, n em Sanio
Amaron sobrado grande do I Custodio
d. i ane se grathlcar g>neron
.
O abaixo assignado rec
do sen ccravo de Dome oaquta .
do seu sitio do Monleirp, con
Sr?. Joao Goneal
valcanti de Albnqncrque c Al<
Slva. ncsia Bidadc, por inten
enradbres n* pessoa do Sr. Mi ai i
v,; ii ti( t< Albo epi r
Sr. San rrecloa de escravos>
m natural de Ka d'Albo ten.
c< o do r
boariralto, bi(iodetcaliHo um p< i
(i
r Ca-
i
i 1 [TU
' '. '.
I .. i
. i
iadai
. O abaixo as.-ipurdo muito recwnn i
captura deste n
euai '''' '
vos, ni
do?, como para omta oda ter seg
, i ie di a qua
,, que il'cll.'*.!iT noticia eer a : a di
sean sen escripi trio a roa do Ci | n. I' i
.-i'-i -ii;n no Mon'eiro.
Reetfe, 7 djaneirde :
Antonio __
= Fon i oa da l i do eorrenbi
i-inilio. uAgo,idade avancada, bftn prcio,lalta i
to atrarroaaritti ijnaanaMJi a jua
torna-saaorieonsuqoiiite fwml i nma pe-
quena eruaiw alto da '.....l
um sacc.oMig1e*t*
um i cali Mi: (:-': :, ,. """
un n :i| bojiwIM, '.,
l'"l';'- a!n da cooa nin
ouTOrnHtafc encarn ib: n
d;i--sea..s_Mx ,.,,!)i;.,, ^ ,. js
dades poiieacf a cap! ir4diii e
almelada MadrueB luitnDias
indos unior, quo se gra ilicar i
i: ente.
IOOvS de graliead
NOVIDADE
Fugio no da 11 de Janeiro-do eorrente auno.
d.....,;',,,,l", Balitara, fre-mezia da Eseada o es-
preto, crio*, de ti anab de idade, cha-
mado ttarcehno, que foi do Su Joio da Cu' j
erara, cujo eseravo estove no deposita gen I o
'ni os signaes seguintes : abo, do cm-po
rosto muito mareado de bexigas. falta de d.
n lente cor preta, sabio de chapeo do chile, pa-
cal?a de castor, levando un babozlnho de
Daares com mais roupa, e supp r i i
rreguMn do Cabo : queai o i
ao dito engr-nlm, on i ra da Senzala-noya a
esciiptono do Sr. Heiriardino Pon tu al, que n
ber a grauficacio cima.
nsw^wwtkwf^i'
taln,.
Tasaos*. _
sUaatO

A loja de Coelho & liveira ra do
Queimado n. 19, recebeu pelo ultimo vapor
um bello sortimonto de bales de diversos
systemas, os mais apetfeteoados que teem
vindo ao mercado, sendo :
Bales de guipur com tiras chamados
reguladores, ditos de musselina abortos por
ambos os lados, de modo de um tamanho servera para qualmier se-
nhora, de la de cores, com tiras, e as se^
geintes fazendas:
Saias de la com bonitas barras.
Chales turcos de seda e la Beatriz de
Tundas.
Fitas de guipar pretos Rocamboly. k
Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
sLiasInhas
Sultanes, Poil deChevre, Tricte, dito de
xadrez e outras muitas, entre ellas urna
Especialidade
La pura de cores a 360 rs. o covado.
Basquinas a Mara Antoniete.
Cambraias fantazia.
Ditas brancas transparentes e Victorias
Colxas adamascadas. ,
Cobertas chinezas a doOO rs. e outras
muitas fazendas que tornar-se-hia enfadonho
annunciar.
A.-lia-se fgida desde 13 de outubro do;
ultu io a escraw de nome Custodia, ida*
ib anuos, mulata, cabellos c
alvos e limados, estatura regnrar e um ta
do corpo, natural de Kaneotiiho, districto
compensado.
Fugio do engenho S. Pedro, temi de Usu-
raros, no dia t de Janeiro de 1869, i
I.uiz.. crioulo, cor meia fula, com idade de U
nos, pouco uiais ou menos, eom umita punu
de barba no bigodc, e j nascendo na
queixo, falla meia apressada, brac.
i linos, o branco do ollio anarellai
ledos dos ps encostados ao .dedo grande
eompridos um pouco que o grande, muito dev.i -
tido, o,lo doixa de estar em funecao no lugar onde
lial/it.t, capaz de pausar por forro, tem apenas
dua ou tres marcas de ensote, isto mesara ,
(puna-, que M precisa reparar, boa altura. I
ta liguia, beicoe meio grussos ; julga-se an
nesta pura : quein o pegar dirija-se a casa
Srs. Slanoel Alvos Ferrqira A C., ra da Moeda n.
3, i andar, que ser recompensado com 100f00'.
Pertefiee dito eseravo a Cliristovo Benio do 1'
5i
de gratificante.
Pundiqao da Aurora.
este vasto eetabeleclmente sempro se encomia .
completo frumento de taixad de ferro bado i % S o> vS
adido. o fabriara ,4ZZ ?T^>S.*
^JkmkVkmkmkmkmk%mkmk9k3'TnWlf9f etieontra
un
e fond__
uiipra
Furlarain no dia 13 do __
horas da manhaa, de um
cavallos de canga P
direito, e com os signar
hoicns brancos, urna listra branca
i bartiga, .l.-u> isc >s dos p
nde-se a taberna da ra imperial n.
cuja casa
a tratar na mesma
ceberao a
i

UCMl


^^^I****
Diario de Pernambuco Sabbado 20 de Fevereiro de 1869.
UTTERATulA.
i. .....* -'
e eu inorrer na mocidade
Minha mai ilo saudades niorreria
Se eu nopresse aninlia
{A. BE AZKVEDO.)
Quando eu morrer, minha mi
Talvez muir dfc saudade ;
luda mais ser seu prantu
Si' eu morrer na uiocidade.
Com que dr extrema e lorie
D'agonia no transporte
Kllacnto nao chorar!?...
Ne*Sa hora to chorada,
Junto niini desconsolada,
..Minha mi fallecer !...
*
(ju'alTi.Tio pungente, acerba
Pela dr d'essa saudade ;
Minha mi nao sentir
Se eu morrer na mocidade 1
Quando mudo e j sem vida
Tenha a morte traduzida
Na pallidez de meu rosto:
Minha mai, eirto penosa
Ficar triste e chorosa,
I'alvez marra de desgosto.
Que pezar d'amarga angustia
N'essa hora to sentida ;
Minha mai por mim nao -carpe,
Me vendo moco e sem vida.
Ai! coitada, ella em delyrio,
Do lamento entre o martyrio
Chorar com piedade.
Miulia mai agonisante,
Talvez morra em breve instante,
Se cu morrer na mocidade...
Joao Soares da Franca.
O ehrlstianismo e o secnlo
Discurso do Sr. Freppel, dedo de Santa Ge-
miera e profesor de etiquencia sagrada
na Sorbonna.
(Concluso.)
Nao possivel que na patria de Descartes
c de. Malebranche, de Mainc de Biran e de
Rover-Collard, no possivel que esta gran-
de universidade de Franca se deixe invadir
por negaroes taes, ella que anda ha pou-
co alcou com tamanha galhardia a bandei-
ra do espiritualismo. Nao possivel que
a mocidade franceza nao se levante com
energa contra mximas que ayiltam o ho-
mem e comprimem nelle todo vo gene-
roso. N5o, nao possivel que um seculo
que receben ao nascer o baptismo da glo-
ria, que at boje tem-se mostrado to apai-
xonado pelas cousas do espirito, v sepul-
tarse na noute do atheismo, ficando pe-
cante Deus e pecante a historia um grande
seculo manco.
Mas emim, anda quando o mal nao se
restringisse aos actuaes limites, ainda assim
nao deixariamos do fazer justica aos nossos
contemporneos; e combatendo sem ces-
sar os erros o os vicios do nosso seculo,
amal-o-hiamos ainda e sempre, apezar dos
seus vicios e erros; porque assim que
Deus nos ama 6 ordena que amemos aos
antros. E se Tertuliano disse: Nenio tam
pater ni Deas, Ninguem pai como Deus,
ouso accrescentar que ninguem mi como
a groja.
Ah a groja! muita gente ha que, por
um estranho sophisma, quer da-la por
adversaria de um mundo que ella trouxe
no seio. A groja s hostil aquillo que
degrada a humanidade, direito dever
sen. Se solta gritos de mi piando lhe ar-
rancara os lilhos, tem para os seus trium-
phos heneaos e lagrimas de alegra. Ella
que nao amaldicoou o imperio romano,
(mando o imperio romano derramava s
torrentes o sangoe de seus fdhos; ella que
nao laucn anathema ao feudalismo, posto
que o feudalismo a ameacasse tanta vez na
sda independencia; ella que atrevessou o
antigo rgimen sem que jamis nenhuma
FOLHETIM
CATH/IMM
POR
.fules Sandeau
XVII
C'OBClllMiio.

Decorrera quasi um anno sem que en-
tre Claudio e Catliarina se trocasse una
palavra sobre casamento. Se ella nao lhe
faliava de tal, elle, pela sua parte, nem a
menor alluso lhe fazia. Quanto ao Sr.
Noirel, que era urna boa alma, como Ca-
tliarina trabalhava dia e noute, e a velha
Martha tratava cuidadosamente dos arran-
jos de casa, o mais pouco lhe importava.
Claudio, dotado no mais elevado grao
d'essa bondosa delicadesa que sabe ser de-
dicada sem apparato, solicita sem ser im-
portuna, desde que viva com Catharina
sob o mesmo tecto, redobrra de atten-
ces, de silencioso respailo c at adoraco
para com ella.
E de certo este estado do eonsas se pro-
longara indefinidamente, se o Sr. Noirel se
nao encarregasse do lhe por termo, bem
que contra sua vontade, porquanto era elle
to apegado vida como ao seu dinheiro.
Urna bella manha foram encontra-lo
morto na cama. Desde ento Catharina
comprehendeu que nao ihe era possivel
continuar a viver sob o mesrao tecto com
Claudio da mesma forma que at all.
Nao havia que hesitar. Decidio-se que
seeffecluaria qcasamento no praso d tres
mezes e que Claudio entretanto ra residir
na cidade, onde, no dizer d'elle, negocios
importantes reclamavam a sua presenca.
Di/.a-se que o Sr. Novel deixra urna
boa fortuna. Uns fallavam em vintc mil
escudos, outros elevavam a cousa a qua-
renta mil. Sem fallar do p de meia
adiado na enxerga, diziam os velhos do
sitio, lembraodo-se de duas herangasitas
queo thesoureiro tivera ainda em rapaz,
as quaes andavam a render com bons lu-
cros havia trinta anuos, que a fortuna su-
ba a mudo mais do que o vulgo suppu-
nha.
Claudio guardou sobre isso absoluto si-
lencio e era mesmo o revelou a Catharina,
para quem isso era objecto dfl>wico cui-
dado, e a qual, na msula<;o om que viva,
nao sahindo de casa seno Rara ir .igreja
ou ao cemiterio chorar sobre a sepultara de
sea to, era se quer ouvira fallar em tal.
O que facto que Claudio, no dia pos-
terior ao da morte de seu pai, se exonerou
medida oppressiva pudesae des:mmar-lhe o
zelo nem lideiidade ; tila emfim que, Ion-
ge de repellir nenhuma das formas sociaes
do passado, soube adaptar a" todas a sua dis-
ciplina e as suas leis: a igreja nao pode
mostrar pelo presente menos sympathia e
condescendencia maternal desque pelas ida-
des precedentes.
Porquanto, se ella de todos seculos
immutavel verdade de sua doutrina, de
cada seculo pelo concurso que lhe presta;
e se de tocios os paizes pelo seu princi-
pio superior a toda a ncionatfdado, de
cada paiz pelo amor que inspira a seus li-
lhos pela sua patria terrestre. Ejs porque
nenhuma transformaco das sociedades po-
de assusta-la; e comtanto que a justica e
a verdade nao percam nenhuin dos seus
direitos, nao ha povo que ella nao esteja
prompta a abracar para censado de luz e de
amor.
Sim, ainda que nos tratem de espiritos
simples e nimiamente confiantes, nao ces-
saremos de procurar esta allianga, porque
nossa misso. Que outros cavem um
abysmo entre a igreja e o estado, entre a
sciencia e a f, entre a autoridade e a li-
berdade, entre o capital e o trabalho, entre
todas essas torcas que Deus fez para se
moverem em espheras distinctas, mas nao
separadas, quanto a nos procuraremos sem-
pre e de preferencia os pontos de contac-
to, os interesses communs, as necessidades
reciprocas, a approximaco dos espiritos c
dos coracSes, o respeito dos direitos de
cada um e urna justa liberdade para todos.
Que poderemos nos querer, vos e nos.
meus irmos, que nao seja ajudar-nos em
nossaviagcm para os destinos eternos, nos
que a Deus approuve nascessemos filhos do
mesmo seculo e da mesma patria?* Para
esta unio na f e na caridade convidamos
os bomens importantes que felas funecoes
do ensino tem as mos o rutare da Fran-
ca, e a essa mocidade das escolas pela qual
sentimos to terna e viva affeiro, c a este
vasto auditorio vindo de todos os pontos da
capital para tomar parte nesta festa da re
ligio e da sciencia. Deus queira attender
aos nossos votos e espalhar sobre todos nos
as suas heneaos por mo do augusto prela-
do em quem se personificara com tamaito
esplendor o sentiment das grandezas do
paiz, a intelligencia das necessidades da
epocha e o. zelo pelos verdadeiros interes-
ses da religio.
DISCURSO
QUE .NO DIA 18 DE FEVEREIIIO, POR 0CCASI0
DA ABERTURA DAS AULAS NO SENARIO
EPISCOPAL DE OLIXDA NO OORHENTE ANNO
LECTIVO RECITOU 0 RVM. C0NEG0 JOAQUHI
FF.RREIRA DOS SANTOS, LENTE DE RHBfOBJ-
CA E ELOCUENCIA SAGRADA, E E L1MC.UA
INGLEZA NO MESMO SEMINARIO.
Senhores.Para que possamos conhecer
os multphicados beneficios que a religio e
a patria tem de auferir da actual reforma
dos estudos e do rgimen interno deste
Seminario; para que possamos com preten-
der a benfica influencia que estas reformas
tem de exercer no futuro dos nossos des-
tinos, mister que em primeiro lugar lan-
cemos urna rpida- vista sobre o estado
actual da nossa sociedade, e sobre os cu-
t-aves que a Religio Catholica vai encon-
trando no imperio da Santa Cruz.
O espirito de indifferentismo grassa por
todas as elasses da sociedade; o protestan-
tismo vai insinuando por toda a parte os
seus livros e as suas perniciosas doutrinas;
e urna emigraco protestante desenvolvida
em grande escala, e acolhida pelo paiz,
ameaca solapar entre nos o catholicismo.V.
substituil-o pelas doutrinas herticas, que
actualmente assolam a Europa, e trazem a
Italia, a Hespanha, a Austria e outros pai-
zes do continente europeo em continua
agitaco.
To multiplicados germer.s dti corrupto
e de impiedade que as seitas disidentes
vo lanrando no solo ameno do imperio de
do cargo de mostr escola e de cantor do
coro, o que foi para a parochia umaverda-
deira parda, ainda at agora irreparada.
Como instructor da mocidade talvez se baja
encontrado quem o substituisse dignamente
mas como cantor do coro bao de passar
mudos annos antes que a igreja 4o S. Sil-
vano ouea resoar sob os seus tectos urna
voz to sonora e magestosa.
No dia em que se despedio dos discpu-
los, dirigio-lhes-Claudio urna pequea allo-
cuco, que, parece, muito os impressio-
nra, sobre tudo quando comprehenderam
que o orador renunciava ao magisterio e
que iam Bear privados, talvez por tempo
Ilimitado, dos beneficios da instrucSo.
Estes attencosos rapazes manifestaram
a sua commoco .por meio de gritos estre-
pitosos, que tocaram o indescrptivel quan-
do Claudio deu a cada um d'ellcs, como
penhor da sua abdicaco, duas grandes
moedas de cobre para irem jogar o fito
no adro, onde mais tarde foi visto passear
tranquillamentc no meio d'elles, como
Sylla as ras de Roma, dfpois de depor
as insignias da dictadura.
Por esse mesmo tempo, o castello c do-
minios de Bgny foram postos em venda.
Dias depois do enterramento de Francisco
Paty, sob pretexto de distrahir Rogorio,
levaram-no para Paris, onde, de diverso
em diverso, ao cabo de seis mezes se re-
solveu a desposar Malvina. O conde, des-
ombaracado ao mesmo tempo de seu ftlbo
e da demanda, parti, no dia posterior ao
do casamento, em direceo- da Alloraanha,
acompanhado do seu fiel Robneau.
Nao tardaram muitos dias que a Sra.
Barnajon se nao certificasse de que .os do-
minios de Bigny, que, na opinio de seu
irmao, rendiam vinte mil libras, valiam o
Lmaximo quarenta mi!, comptehendendo o
castello, que calda em ruinas, e do qual o
conde, antes de se ausentar, tivera o cui-
dado de fazer tirar todos os ornatos de
luxo e mais utensilios alagados, com que
deslumhrara sua irma.
Esta descoberta, um pouco tarda, lzera
mudar em la de fel e absyntho a la de
mel, que j nao brilhava muito radiante.
Chelo de tedio pelas impertinencias de urna
tia que era tambem sogra, atormentado
por desgostos, em luta com as trivialidades
de Malvina e decidido a nao mais voltar
ao canto da trra onde perder a fel cida-
de, Rogerio, por sua propria autoridade,
fez vender o solar dos seus avs.
Conforme se tinha ajustado, Claadio o
Catharina casaram, passados tres mezes
depois da morte de Noirel, na igreja de S.
Silvano.
Foi unta solemnidade bem triste. Quem
Santa Cmzexigem que o clero brasiletro >
prepare para revestir a armadura de Deus,
e empunhar a espada da palavr* divina
(i) alim de repellir com toda a enrrgia
ataques do inimigo, e frustrar todas as com-
binacSesdas potencias infernaes.
Era mister portanto que d'ora em diante
se alargasse a esphera dos conhec mentes
que devem formar entre nos o Curto Eocle-
siastico ; e o sabio e virtuoso prelado qne.
actualmente presido aos destinos di. igreja
pernanbucana, compenetrado desta n
sidade palpitante da sua dicesi', romneu
por todos os obsticulos, vencen incrivels
ililhi-iildades, e o-ganisou mu plano do *-
linios, cujos foliis resultados s no-futuro
poderlo ser Wss aprecilos.
Sm, senhores, a actual reforma do Se-
mwrio s iw firtiiropoder ser eabalmen-
coBBprebendida e apreciada. Na poca pre-
sente peder algtnm julgar intil o estudo
desta ou (aquella lingua, desta ou daquella
materia : mas para que havemos nos de
cruzar os bracos, e asentar com o mais in-
i|ualilicavel desalent que o sacerdote bra-
sileiro dcvi' licarqiiem do movjmentosci-'
cntifico do seculo? Para que havemos de
persuadir-nos que o sacerdote brasleiro nao
poder entregar-s?, por exemplo, aos estu-
dos bblicos, verificar os textos da escrip-
tura sagrada nrt seu proprio original, mos-
trar o sentido "erdadiro em que devem
ser entendidas as diversas passagens dos
livros sagrados, e refutar victoriosaiiienU; as
interpretacoes erradas que as soitts dissi-
denii's nao se i>ejamdemulUfii-are de adap-
tar sua pretendida crenca .'
Senhores! o futuro do Brasil gran-
dioso, magnifico; e a Religio Catholica
nao pode deixar diracompanhar o progresso
material e .poltico do paiz, seja quil for a
senda que elle pretenda trilhar. O sacer-
dote brasileiro pois deve esta/ prnparad i
para apoiar o govemo, c roadjval-o com
todas as forjas, q.iando este quwer engran-
decer a religio do estado; assim como
para reprimir as tendencias protestantes
daquelles (pie, desconhecendo a sua misso
inflen aos seus juramentos, pretend'-
rem solapar a verdadeira religio, reconhe-
cida e estabelecida no paiz pelo nosso pacto
social, e arrastrar o Brasil para a irreligioe
para o protestantismo.
O quadro que vos proponho do futuro
da religio no irnwrio da Santa Cruz, e da
necessidade urgeite de se preparar o clero
para quaesquer utas no porvir, occorre
mente de todos aquelles que sinceramente
se interessam palo bem do paiz e pela pros-
peridade do catholicsmo; e o episcopado
brasileiro, sempre atiento s necessidades
do seu rebanho, o episcopado brasileiro,
atalaia vigilante, colloeada sobre os muros
de Jeiusalm para observar e prever, de
longe os inovimentos do inimigo, (i) co-
nhecendo quo jiroxima est a luta, nao
cessa de aprestar essa milicia do Senhor, de
iustruil-a e dispol-a para o combate. E por
isso temos visto nestes ltimos tempos di-
versos prelados brasileiros, profanado os
estados da Europa s preleeces dos seus
proprios Seminarios, enviaran para ali gran-
de numero de aspirantes ao sacerdocio,
alim de adquirir ai nos Seminarios euro-
peos os conhecii nentos .necessarbs para
desempenharem cabalmente as diversas
funcroes do seu ministerio.
Esses sabios e virtuosos prelados enten-
dem, talvez com razo, que s na Europa
se pode aprender a debejlar com toda a
proficicncia esses erros, esses sophismas.
essas subtilezas contra a religio, que temi
sido engendrados na Europa, ainda boje
acbam na Europa os seus mais extremados
propugnadores. '
Sao louvaveis pr certo as vistas e as
pas intences de;5ses prelados, cujas opi-
nies eu muito respeito e venero : porm.
senhores, sja^mo permittido declarar fran-
camente que, no meu modo de entender,
essas medidas parciais nao trazem um bem
(1) Ep. ad. Eph.
(i) Isaas, .
real ao paiz. Sem fallar na deprecaeao da
nossa moeda, nos im:nrasos cilddaes que
deste modo se transplantam pan paizes es-
trangeiros, as difflculdades sem numero
com que lua o pai de familia pira poder
sustentar ura hlho nos "seminarias da Eu-
ropa ; sem fazer cabsdal desta e de outras
razos que de prompto oceorrem ao pensa-
mento, me parece, senhores, qu; o Brasil,
no estado de adiantamento era que se acha,
e como futuro bril liante que divsa diante
de si, nao deve permanecer semire debai-
xo da tutella da Knropa; nao deve porsua-
dir-se que nao pode criar w seu proprio
territorio elementos de instruoco em todos
os ramos das sciencias, de modo a sentar-
se d prestar coustantementeprei o e home-
nagem aos estabeleciinentos europeos. Se
os erros e?wphimas dos protestantes Uve-
rom a sua origem na Europa, c ali acbam
ainda boje o.mais franco apoio, urna vez que
com a emigraco alies se vo tr;-nsplantan-
do para o Brasil, meu parecer que para
aqu se deve transpantar tambora a scien-
cia que refuta esses erros, deseencorta es-
sas subtilezas e desmiscra ess.s sophis-
mas. a
Foi portanto grandioso, senhores, foi
nobre, foi essencialmente patritico o sen-
timent que Inspirou o nosso virtuoso e
sabio prelado na reforma actual (b semi-
nario, e o levou a impor-se os maiores sa-
crificios com o lm de ampliar considera-
velmentc o quadro dos estudos que cons-
tituem hoje o curso ecclesiastico. O Exin.
Sr. D. Francisco Cardoso Ayres, apezar de
ter vivj0p longos annos na Europa, ou tal-
vez por isso m'.--iii i que a experiencia de
[largos annos -passados longe da sua familia
e da sua patria lhe temfeito conhecer quaes
) os perigs de se mindarem para trras es-
| tranhas jovens inexpericntes; inspirado
alm disso polo pratriotico senu'raento de
que, promovendo oswfresse* da religio
devia promover tambem quanto lli; f is;
possivel o adiantamento scientilico e mate-
rial do seu patt, o nosso virtuoso prelado,
digo, desejando. bem como os seus Ilustres
collegas no episcopado, dotar a sua diocese
de sacerdotes Ilustrados, nao se limita a
enviar para a Europa maior ou menor nu-
mero de aspirantes ao sacerdocio. N3o,
senhores; as vistas do Exm. prelado per
nambucano sao mais vastas; e pois, em
lugar de enviar essas tenras vergonteas a
paizes loiginguos, para ahi receberem a
sciencia e a educaco, transplanta paca o
seu proprio seminario essa arvore das sci-
encias ecclesiasticas, cujos tractos o 5 nos-
sos jovens iam at agora cplher na Europa
costa de imraensos sacrificios; augmenta
consideravelmente o plano de estudos do
seminario, e separa alguus ramos do ensi-
no nao encontra no paiz professores habili-
tados, elle os h vir de longes trras, com
tanto que na sua diocese todos os aspiran-
tes ao sacerdocio recebam essa copia de
conhecimentos variados, que tornam os mi-
nistros de Cbristo, na frase do Espirito San-
to, fontes perennes, que manando ms pro-
cas publicas, desalteran os povo?' sdenlos
de luz e de tei-dade. (3).
Assiin pois, senhores, dora em diante
poder cada seminarista applicar-se a este
ou quelle ramo de sciencia para que'mais
o attraia a sua natural inclinaco; porm
todos os seminaristas desta diocese, todos
os Levitas do Senhor recebero aqui igual
instruefo; eos mais sabios, os mais con-
siderados sero aquelles que, distinguindo-
se pela sua maior applicaco e aproveita-
mento, se avantajarem aos seus companhei-
ros em conhecimentos e em virtudes. O
seminarista brasileiro, educado na propria
trra natal, aprender a respeitar as leis
do seu paiz e applica-las aos p eceitos da
moral e s leis da igreja; conhecer que
nao existe antagonismo algum eitre o ser
ministro d Cbristo e cidado brasileiro;
aprender a mutua harmona que deve exis-
tir entre os dous poderes, e como ambos
devem trabalhar-de commura accordo para
presenceasse o aspecto dos assistentes, jul-
garia que, em lugar d'essc casamento, se
celebrava urna ceremonia fnebre. Clau-
dio estava triste e meditabundo. Catha-
rina deixra n'esse dia o seu vestido de
luto, mas tinha na fronte impresso o cunho
da dr.
De joelbos junto d"esse altar, onde fal-
tara agora Francisco Paty, pozeram-se am-
bos a chorar, acoramettidos simultneamen-
te da mesma recordaro saudosa. Toda a
assembla esteve a ponto de fazer outro
tanto. O nosso amigo coadjutor, que suc-
cedera ao velho pastor, esse mesrao se
senta veidadeiramente compungido, e
quando, antes de lancar a benco matri-
monial aos jovens noivos, alludio, n'uma
curta exhortado, ao ment e virtudes do
hora parodio fallecido, tremia-lhe a voz de
consternado e de todos os lados prerom-
peramais.
saluda da igreja, Claudio- fez entrar
u'um carrinho de verga, estacionado no
adro desde pela manha, Catliarina, Mar-
tha e Paquerette, e elle assentaado-se nos
varaes, applicou urna chicotada dcil An-
nette, que em breve os transportou aos
campos. Suspeitando que Claudio lhe que-
ra fazer alguma pequea sorpreza, como,
por exemplo, a ollera de urna refeico de-
baixo da ramagem em qualquer das ilhotas
do Creusa, Catharina nao se importou sa-
ber do destino que levavam. Alm de que
era tal a estupefasco era que a collocra
a idea de ser a raulher de Claudio, que
bem a podiam arrastar assim at ao lim
do mundo, sem que ella dsse por isso.
Martha, porm, comecava a exprimir a sua
adrak-aco pela distancia percorrida, quan-
do de repente Catharina deitando a cabeca
de fra do carro, vio com espanto, a -cem
passos d'alli, a grade de ierro da tapada de
Bigny, para a qual Claudio pareca dirigir
Annette. Foi em vo que Catharina gritou
que iam errados no caminho. Claudio,
como se estivesse surdo, enviou resoluta-
menle pela avenida do castello e s parou
no pateo, onde recebeu nos seus bracos a
sua ulher, que, fra de si, n2o sabia se
estava acordada ira dormindo.
Catharina nao sonhava. O que, porm,
era verdade era que o castello, em vlrtude
da transformaco porque passra, mal pa-
reca o mesmo. Da velha residencia s
rstate urna ala. O resto fra substituido
por urna linda granja, cem rotules verdes,
e all prximo bellas acommoda^cs para
gado. N'aquelles lugares, onde poucos
mezea antes reinaba a monotona o a cons-
a felicidade dos povos nesla vida e na ou-
tra.
J vedes, senhores que a actual reforma
dos estudos eclesisticos tem ura fira du-
plo, pois ao passo que proporciona aos as-
pirantes ao sacerdocio a instrueco necesa-
ria para o cabal desempenlio do seu minis-
terio, estabelece em um seminario brasilei-
ro o ensino de diversas disciplinas at ago-
ra desconhecidas ao nosso clero, e lanija
nesta provincia de Pernambuco os mais so-
lidos fundamentos para urna Faculdade The )-
lgica.
Porm n/i sao* estes to smento os
fructos que tem de dimanar de to acer-
tadas reformas. Se para o perfeito desem-
penho das funecoes sacerdotaes se requer
no ministro de Cbristo urna grande ex-
tenso de conhecimentos, tambem he
necSssario um grande fundo de virtude.
A sciencia sem a virtude de pouco serve,
Senhores, porque o sacerdote deve ao
mesmo tempo ensinar e edificar: ensinar
com a palavra e edificar cora o exemplo.
Para isto necessario que elle receba desde
o Seminario o germen de virtude que
tem de sustental-o no meio das contrarie-
dades do mundo edas tribulacoes da vida:
necessario que esteja sempre debaixo da
vigilante sollicitude dos seus directores
e do seu prelado; necessario que receba
com a instrueco scientifica a mais acurada
educado moral e religiosa; porque,
Senhores, como diz un> grave escriptor,
a vida do sacerdote no "seculo ser o re-
fiexo da conducta que elle houver seguido
no Seminario, (i)
Asss conheco, Senhores, que os piedosos
directores que se acham frente dos Se-
minarios da Europa, para onde os nossos
bispos enviam os seus diocesanos', se bao
de esforcar necessariamente por incutir no
animo dos seus alumnos os principios mais
santos da moral e da religio; porem,
Senhores, esses Seminarios receben) aluna-
rnos dos diversos paizes da America do Sul,
e quica mesmo de todos os paizes do
mundo. Nao haver perigo de que essa
multiplicada divergencia de costuraes, e
sobretodo o espirito de nacionaldade
criem naquelles estabelecimentos mal en-
cendidas rivalidades que possam com-
primir os fructos que os salutares con
seibos dos directores devem produzir ?
Ponhamos porm de parte estas e
outras consideraces, Senhores, e conven-
carao-nos do que, se esses esclarecidos di-
rectores, guiados pelo amor da religio,
educam os alumnos que Ibes sao confia-
dos nos puros sentimentos do dever e da
moral, o nosso virtuoso prelado, abrasado
no amor da religio e no amor da patria,
presando esta pequea porco do seu re-
banho, estas tenras vergonteas, como a me-
nina dos seus- olhos, os educar com o
acendrado zelo, com a abnegaco e com o
fervor que lhe inspira o salutar pensa-
mento de que trabalhando era favor da re
ligio trabalha igualmente em favor dos
seus diocesanos, em favor dos seus conci-
dados, em favor da sua patria: e estes
dois pensame.ntos religio e patria, estes
dois sentimentos,-igualmente bellos, igual-
mente nobres, igualmente santos, lhe tornam
suaves todos os sacrificios, e o fazem viver
no meio dos seus queridos seminaristas
como no meio da sua familia predilecta,
em cujos coracoes vai insinuando com a
palavra, e mais que tudo com o exemplo
a mansdo, a affabilidade, a prudencia, a
humildade e todas as virtudes que o carado
risain a elle proprio, e que tanto resplan-
decen! no ministro do Crucificado.
Jovens Levitas, que tendes a felicidade
de ser os primeiros em receber a esmerada
educaco e os exemplos de virtude que vos
prodigalisa o virtuoso pastor que a pro-
videncia divina collocou frente da igreja
pernambucana, tornai-vos dignos de to
extremosos disvellos ; aproveitai-vos dos
sacrificios que o Ilustrado diocesano tem
(3) Proverb.
(i) Mgr. Jacques Louis Daniel, E*vque
de Coutances,
cas. Todo um lado do pateo estava cheio
de utensilios de lavra e jardinagem. N'um
vasto campo de verdura pastava una vacca
branca salpicada de preto. A nica torre
que nao fra demolida, constitua agora
um espacoso pombal, d'ode sabiam ban-
dos de pombos. O interior da franja cor-
responda ao exterior. Tudo ahi era aceio
e commodidades, com urna elegancia no-
tavel e simples, como ora sempre inspira
a riqueza. Os movis eram. de noguera,
mas de tal forma lustrosos, que se poda
ver a gente n'elles. Jlavia alli um apo-
sento igual ao que Catliarina possala no
presbyterio ; tinha a mesma mobilia e na
mesma disposicao.
Catliarina, ao entrar, reconheceu o seu
pequeo leito, o seu Christo de marfim,
que durante vinte annos ve!ra_a sua cabe-
ceira. O arvoredo da tapaba nao existia :
fra substituido por um pomar e um jar-
dim, onde os taboleiros de legrausestavam
rodeados de jacynthos e craveiros. Toda
esta transformaco so operara como por
encanto : nao que a provincia do Creusa
seja o paiz das fadas, antes" se leve fiear
sab Mido que patria dos pedreros.
Depois de haver mostrado tudo isto a
Catharina, que se deixava conduzir pela
mo, depois que a levou, sem o menor
vislumbre de vaidade por sua parte, a ver
o seu quarto e o de Paquerette, d'alli
abegoaria, d'esta ao pombal e depois da
capoeira ao jardim, Claudio disse-lhe :
Tudo isto te pertence, e, ainda assim
conheco que nao esto realisados todos os
leus sonos s praza a Deus que isso de
mim dependesse I Ainda agora eu dara
a minha vida para poder addicionar a esta
propriedade a verdadeira ventera, que a
tornara apreciavel aos teus olhos !
Ao ouvir isto, a pobre rapariga sentio-se
vergar sob a confuso e a nugoa, por
quanto as feridas do seu coraco ainda nao
estavam cicatrisadas e, posto que verda-
deramente impressionada pelos extremos
do bom Claudio, sentia-so interiormente
despeitada pelo facto d'alli a teren levado
exactamente no da do seu casamento. Te-
ria querido que a tanta generosi lade hou-
vesse presidido mais circumspecco.
Tinham demolido as. paredes d) catello
e abatido as arvores da tapada, mas por
mais que fizesse para desfigurar at aos
aheerces este slugares, nao conseguiran!
apagar a memoria de Rogerio.
Catharina folgaria muito porque esta dia
nao terminasse. Vio cora inexplicavel des-
gosto a sol camiuhar para o eccaso c arl
approxmavam, pareciam-lhe povoadas de
espectros cphantasmas.
Claudio, ao mostrar-lhe todas as casas e
recantos da granja, dissera, com razo :
Eis aqui o teu quarto, eis ahi o de
Martha e o de Paquerete. E nao dissera :
Eis aqui o meu.
E a velha Martha, louca de alegra e nao
suspeitando sequer o que se passava no
coraco de Catliarina, estava longe de com-
prebender finas allusoes e ditos concei-
tuosos.
Houve momentos em que Catharina, com
as faces vermelhas de pojo, teve tentaco
de fugir e ir lancar-se no Creusa. O que a
detinha era a consciencia dos assignalados
servicos que Claudio em todas as alflicces
lhe prestara, o bem assim a recordarla do
compromisso solemne que tomara cabe-
ceira de seu to moribundo.
No meio de tud j isto, por volla de onze
horas da noute, noutou Mulla que Claudio,
tendo-se retirado depois de ceia sob pre-
texto deyjg^H- os criados, nunca mais rol-
lara, iontra vontade de Catharina, foi
ella prochra-IoL farejando por toda a parte,
mas nada de Claudio. Ninguem sabia di-
zer o que fra feito d'elle. No lim de urna
hora, passada em inuteis pesquizas, Mar-
tha, escandalisada e furiosa cima de toda
a descripeo, vUou dar parte a-Catharina
de to triste successo, a qual terminou dan-
do-lhe urna gargalhada o correndo para o
sen quarto. Toda trmula anda, mas ao
mesmo tempo alegre, despo-se pressa e
encolheu-se na sua geitosa cama, onde nao
tardou em adormecer no mais profundo
somno.
Nao eram passadas muitas horas, quando
a famosa noiva despertou ao ruido dos
trabalhos da casa. Correu janella, < ue
abri : um scintillante raio de sol, que pe-
netrou no seu pequeo quarto, animou- he
ao mesrao tempo o coraco. As ovelhas
balavarn carainhando para os campos, os
bois mugiam aspirando a fresca briza da
feito pan vos proporcionar neste mesm
estabeleciuuHito aquelle $vio de-aciencia que
alguna dos vossos conddados tem ido
beber em longes tetras: compenetra -vos
da responsabiliiado que pesa sobre vos ;
ontregai-vos ao estado, uio poupeis cs-
forcos, nem fadigw.e mostrai ao paiz que
a arvore da cienria, una vez plantada no
territorio da Santa Cruz, aqui reverdece e
produz Inicios to sasonados e.vgosos'
como os que se podara colhor nos paizes
mais cultos do mundo. Jovens aspirantes
ao sacerdocio I preparai-vos pelo estudo e
pela oraco para occorrerdes no futuro s
necessidades da igreja brasilea, que de-
posita em vos as suae mais lisongeiras es-
perancas.
Disse.
i;hi inos imims
A eleico presidencial.
A eleico que acaba de ter lugar nos Es-
tados-Unidos, e que veio confirmar a po-
tencia do partido republcanopelo facto de
levar presidenciao general Grant, nao entra
na ordem das oceurrencias imprevistas.
Ella nao nem o resultado de algum mo-
viraento inopinado na opinio publica ame-
ricana, nem q indicio de alguma mudanca
na situaco dos partidos. Havia muito
tempo que ella se preparava, e^jue mesmo
para os observadores sensatos nao era ma-
teria duvidosa.
J desde, o anno passado, quando o tri-
umpho parcial e passageiro do partido de-
mcrata as eleices locaes dos estados
pareca ameacar com urna rqina prxima
ao partido republicano, j nos tinhamos
aventurado a predizel-a. Em nosso con-
cedo, a influencia antiga e popular de?s?
grande partido, que se hayia augmentado
contra a guerra civil, e que tinha reconsti-
tuido a unio nacional, nao estava arrisca-
da, nem podia ser atacada seriamente,
pelo menos por muito tempo ainda: eram
os radicaesj que, depois de terem conclui-
do sua obra, iam tornar a cahir em sua
fraqueza primordial, e talvez sumirem-se
no olvido. Pelo contrario, os republicanos
j desembaracados da influencia radical, se-
guramente tornariain a empregar-se sua
natural moderaco, essa poltica pura-
mente nacional, da qual se tinham por al-
gum tempo desviado por causa dos perigos
da guerra civil, c pela necessidade de cor-
tar pela raz a praga da escravido.
Pensavamos (pie a reaeco inevitavel con-
tra as ideas radicaos devia ser lenta c com-
passada: nao seria sbita viravolta de un
povo espantado de si raesmo, e, por assim
dizer, envergonhado de seus proprios furo-
res ; mas sim o retorno gradativo dos an-
tigs costumes e do sangue fri costumei-
ro n'uma naco viril, a qual, no tropel das
suas mais enrgicas aeces, ou, se tanto se
quer, as mais violentas, nunca tinha per-
dido por um s momento -o uso de seu
bom senso. Em summa, prestivamos ho-
menagem a essa admiravel potestade da
opinio, que, nos paizes verdadeiramense
democrticos, mantm, sob as apparencita
da maior confuso, urna imperturbavcl or-
dem moral, que os governos absolutos em
vo teriam pretendes.
Grandes acontecimentos acabam agora
de nos ministrar urna nova occasio de ad-
mirar a virtude dos governos livres. A
eleico do general Grant, nada participa com
essas surprezas, com que um chavo vul-
gar, muito decantado entre nos, ameaca
emphaticamentc as sociedades, onde o po-
der depende do suffragio popular, ou em
que a poltica nacional. todos os dias pos-
ta de parte. E' por nm movimento insen-
sivel que os republicanos moderados vo
ganhamlo vantagem sobre os abolicionistas
radicaos. Em aliono da verdade, a cam-
panea eleitoral, de que acabamos de tratar,
nao urna receo ; mas sim urna era de
justica e de conciliaco, que est come-
Cando.
(Continuar-se-ha.)
*
ternaelo, tudo agora respirava vida, mo i noute successivamente invadir os campos.
vimento, ordem e trabalho. Ao cantar fo tinha acarea do matrimonio sonao ideas .corasigo que era rainba d'aqualle pp*MHK>
dos gallos, mistunva-se o mugido-las vac-! vagas e confusas, mas a trovas que
so
manha. Cacarejavam as gallinhas no pa-
teo ; os rebanhos dos pombos rcvoavam
por sobre o tocto do pombal frontairo.
Martha ao raesmo tempo percorria todos os
cantos casa, iriiciando-se no seu novo
dominio. O tio Rodigois preparava a char-
ra. Da cocaras, junto de urna vacca,
Paquerette fazia saltar entro os dedos o
leite espumante.
Qpem poderia desviar os oHios d'este
quadro digno de um pincel flammengo ?
Catharina nao pode deixar de sorrir-se,
aeatindo urna impregso de alegra oa ex-
perimentada havia mats de un> auno. Disse
nao se acabara tudo para ella e que lhe
estavam ainda reservados alguns dias fe-
lzes.
Talvez o que faltava a esta alma mace-
rada fosse um pouco do soccego c liberdade,
adra de cliegar sem esforco a comprehen-
der que nao ha no amor apaixonado mais
poesia do que pode haver na satisfaco
dos deveres, e a substituir a fecunda rea-
ldade s chimeras da juvontude.
Pela manilla aliante, quando Catharina,
receiosa de ver apparecer Claudio, come-
cou a mostrar adraraco pela sua inespe-
rada ausencia, appareceu um portador
vindo da cidade, que lhe cntregou a se-
gunta carta :
Catharina, o teu coraco ainda soffre
bastante. Ao mesmo tempo que jutgo nao
te ser preciso d'aqui em diante, vejo que
a minha presenca te poderia exacerbar o
tedio e retardar o teu restabelecimento.
Retiro-me e vou feliz com a ida de que
teu tio l do co se mostra satisfeito comi-
go Se eu tivera meio de, sem ligar a tua
vida minha, te fazer acechar os modestos
haveres que meu pai rae legou, ter-te-hia
dito : Recebe tudo porm tu nada rece-
berias por certo. Perda-me por te haver
desposado ; proced assim para ter o di-
reito de offerecer. o que pjssuia. Nao
grande a tua fortuna, mas basta para vi-
veres socegada, ao abrigo de necessidades.
e para fazeres bem aos teus pobres, de
quem desojo contines a ser a Providen-
cia. Nao te importes comigo : guardei
para mim mais do que o necessario. Vou
fazer urna vagem e tratarci de cultivar o.
espirito vendo mundo. Tu, minha irma,
trata de restabelecar-te, sooo totalmente,
ao menos o bastante para poderes suppor-
tar-me quando eu volte pedir-te hospita-
dade. Ters um canto na toa casa onde
rae acommodes, na certeza- de que nao le
importunarei, e, ainda assim, se te con-
trariar a presenca do meu nariz, que tanto
te fazia rir n'outros tempos, tornarei a re-
tirar-me para s regressar quando turne ,
chamares.Teu amigo Claudio. *
Catharina, depois de haver-lido estacar-
la, evou-a aos labios, colloeando-a depois,
como um talismn, junto de coraco.
Claudio regressou passado ura anno.
N5o sabemos se toroou a retirarle. O
que podemos dizer 'qoe a historia da pe-
quena virgem termina exactamente no mes-
mo dia do seu regroaso.
FIM
%

<
remo
teve um vago preaentimantde que j Ttr. W MAWf-BBA DAS (UiltHn.

\'r^a^L


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EP7YUI9FN_8163ZH INGEST_TIME 2013-09-14T04:45:30Z PACKAGE AA00011611_11772
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES