Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11770


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i
hi&

/
[J*
h
ANNO XLV. NUMERO 38.
PARA A CAPITAL E LUGARES OHDE NAO SE PAGA PORTE.
Por tres raezes adiantados................, 6JD00
Por seis ditos dem. ,................. !OO'
Por ura anno ktem. ............... ." '24,5000
Cada numero avulso................... 320
QUINTA FEIRA 18 DE FEVEREIRO DE 1869.

PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA.
Por tresmezes adiantados.....t............ 750
Por sea ditos idem.................... 430500
Por nove ditos idem.................^, aofttso
Por um anno..................... 27|JX>
DIARIO DE PERNAMBUCO.
Propriedade de Manoel Figuera de Faria & Filhos.


SAO AGENTE*

Os Srs. Gerardo Antonio Alves
no Alves A Fillios, no Para; Goncalves Pinto, no Maranhao; Joaquim Jos de Oliveira, no Cear; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty; Joao Maria Julio Chaves, no Xssb; Antonio Marques da Silva no Natal Antonio Joaam
Guimares Pancada, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Paraliyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penlia; Belarmino dos Santos Buicao, em Santo Anta; Domingos Jos da Costa Braga ^^
em Nazareth; Francino Tarares da C*sta, em Alagas; Dr. Jos Martins Alves, na Baha; e Jos Bibeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
V
.

PARTE OFFICIAL
ioverao da provincia.
EXPEDIENTE ASSIG.NADO PELO EXM. SR. CONDE UUI-
M.HDT, PlIESlDETTE DA PROVINCIA DE PKH.NAJUUCO,
EM 6 DI KEVKREIBO DE 1809.
S'SCCCo.
ft. 18i.Portara ao inspector da thesouraria de
tazenda Tendo nesta data autorisado ao intpec-
tor do arsenal de marinha, a comprar a CardosoA
Iruio, pela quantia de 30 seis toneladas de car-
vo eoke para a eontnuacao da fundieo de balas;
assim o commuiiico a V. S. para se;i conheci-
menlo.
N. 18,'I.^-Dta ao raesino.Tendo nesta data ap-
provado a deliberacao (pie tomou o capitn do
porto de despedir do servios da capitana o guarda
Antonio Jos de Soasa; assm o coiumunco a V.
S. para seu conhecimento.
N. 181.Dita ao niesmo.Remetto a V. S. a fe-
ria dps voncimcntosdoatrabalhadores enipregados
nos concertos do palacio desta presidencia, na se-
mana de 1 a 6-do frrente, aliin de que mande
pagar na forma do costme, a quantia de 99 200,
em que importa a dita feria, ou a que se liquidar,
pelo crdito de 2:OO concedido pelo ministerio
do imperio em aviso de 16 de novembro do anno
passado, a que se refere*a ordem do thesouro na-
cional n. 211 de 20 do mesmo mez.
N. 185.Dito ao mesmo.Dcvolvendo a V. S. o
requerhnento documentado, a que se refere a sua
informado de hontem, sob n. 71, e no qual o ma-
jor do rorpo provisorio de polica, Antonio Feitosa
de Mello, pede pagamento da quantia de lo0, que
allega haver despendido com a conducao de arma-
mento da estoco da via-ferrea em Una para a villa
do Buique, e vice-versa, tenho a diaer que mande
effectuar esse pagamento, logo qne o meocionado
major aprsente as duplicatas dos recibos annexos
ao predilo requerimonto, atlendendo a que o ar-
mamento d
que se trato, parle era do que eslava
em poder da guarda na.-iunal e que foi mandado* .Joaquim'Jos da Costa Leite, esemo o escrevi.
reeolher pela presidencia, sendo entregue no arse-
nal de guerra, e parte fui enviado desta capital
para a guarda nacional de Garanhuns.
N. 180.Dita ao inspector da tliesouraria pro-
vincial.Em vista da inclusa eouta, mande V. S.
pagar empreza da Jornal do Recife a quantia de
lijOOft, proveniente de setenta boletins que forne-
ceu secretara do governo, contendo noticias do
iheatro da guerra coaira o governo da repblica
do Paraguay.
N. 187.Hita au mesmo.Mande V.- S. em vista
da inclusa relacao, liquidar e pagar ao secretario
do Gyinnasi.i Provincial, bacharel Antonio da As-
siunnclo Cabral, para isso indicado pelo respectivo
regedor em ollicio de liontem, a im]K>rtancia das
pens.:- correspondentes ao irimestre de Janeiro
marco deste anno, dos alumnos externos gratuitos
daquclle estabelecimento, deseontando-se nessa oc-
casiio a quantia do .'O) $ para amortizaco da que
"in virlude de portara desta presidencia de 19 de
dezeiubro ultimo, foi adiantada por cuiprestinio ao
mencionado estabelecimento.
4"seccao.
- N. 189.Offleio ao Dr. Diogo Velho Cavalcanti
de Albnquerque, presidente da provincia do Cear.
Rogo a V. Exc queira expedir suas ordens para
q le o delegado de polica do termo do Ico, dessa
provincia, ponha em liberdade o individuo de nome
Antonio Jos de Magalhes, que, tendo sido reedi-
tado no municipio de Ourcury desta provincia, Ji-
cara, por doenca grave, naqueiie termo, d'onde de-
va seguir para esta capital. Havendo-me reque-
rido o pa desse recruta a sua soltura, provando
com documenlos a senco (|ue tinha para o servi-
eo do exereito, depois de ouvr o chele de polica
desta pi ovincia, attendi aquella pretenco ; e por
isso que solicito de V. Exc. a expediento deordem
para que seja elle relaxado da prisao em que se
Cha no indicado termo.
N. 190.Portara ao director geral da instrue-
cao publica.Approvo a deliberacao tomada pelo
conselho director, communicada por Vmc. em offl-
ciii de 28 de novembro do anno prximo lindo, sob
n. 128. para (pie em vez de urna relacao de lvrqs,
cojo uso obligatorio para as aulas de instruecao
primaria, se organise una lista de todos os livros
aoprovados para uso das mesinas aulas, ficando
escolha dos professores o emprego daquelles que
melhor se prestarem ao cnsino.
N. 191.Dita cmara municipal da cidade de
Gi\annaPelo offleio que me dirigi acamara
municipal da cidade de Goyanna, em 29 de Janeiro
ultimo, liquci interado de terem sido expedidos di-
plomas aos cidadaos eleitos juizes de paz dos dis-
trictos da freguezia de S. Lourenco de Tcjucupa-
po, e de baverem prestado juramento em sesso
extraordinaria da mesma cmara, o o 1, 2o e 4"
juizes de paz do Io distrcto, e oh 4o do 2o da
predita freguezia.
N. 192.Dita ao engenueiro Luiz Jos da Silva.
Com as copias das informacfcs ministradas pela
contadoria e pelo inspector da thesouraria de fa-
zenda em 26 de Janeiro prximo lindo, sob n. 49,
respondo ao offleio de Vmc. de 28 de dezembro do
anno passado.
N. I:.Dita aos Srs. P. F. Needhan e Candido
C. G. Alcofofado, presidente e secretario da com-
ais ao encarregada de promover o estabelecimen-
to de urna linha telegraphica entre esta capital c o
sul do imperio.Transmiti a Vv. Ss. para seu co-
nhecimento, copia do aviso do ministerio da agri-
cultura, commercio e obras publicas de 19 de Ja-
neiro prximo lindo, declarando que por outro
aviso de 14 de dezembro do anno passado, j teve
solucao a proposta para o estabelecimento de urna
linha telegraphica cutre esta capital e o sul do im-
perio.
N. 194Dilaao gerente da companhia Pernam-
bucana.O Sr.aerente da companhia Pernambu-
cana mande dar duas passagens de estado r,
al o Kic-Grande do Norte, no vapor que tem de
seguir para all, Joaquim Romo Seabra de Mello
e seu i1 Mm Antonio Joaquim Seabra de Mello.
N. 19a.Deliberacao.O presidente da provin-
cia, atlendendo ao que requeren Mafia d'Assump-
co de Luna Aliiiekla, professora publica de ins-
truecao primaria da 3' cadeira da fregneza de
Santo Antonio desta cidade, e embista da informa-
co do director goral da instruecao publica de 20
de Janeiro ultimo, sob n. 13, resolve conceder-lhe
30 dias de licenca com ordenado somente, c a con-
tar de 7 do citado mez de Janeiro, para tratar de
sua satide.
N. 196.Dita.O presidente da provincia, attenr
dendo ao que requereu Maria Aiexandrina Dias de
Toledo, professora publica de instruecao primaria
da povoaco de Trombetas, e em vista da informa-
cao do director geral da instruecao publica de 7
de Janeiro ultimo, sob n. 2, resolve prorogar por
tres mezes com ordenado somente a licenca que
Ihe foi concedida em 12 de novembro do anno pr-
ximo Ando, para tratar de sua sade.
N. 197.Dita. presidente da provincia em
vista da informaco ministrada pelo director geral
da instruecao publica, em 25 de Janeiro ultimo, n.
16, acerca do requerimento de Thereza Josephina
da Cnaha Sales, professora puolica de instruecao
primaria da 2* cadeira da freguezia de Santo Aro-
tonio desta cidade, resolve concderllie 3 mean
de lieeaea com ordenado somente, e a eontar do
dia 7 do predtto mez de Janeiro pan tratar de su
saude.
EXPBDIRJrrE AS61GNADO PEW) R. DI. JOAQUIM C0B>
BEA DE ABAUJO, SBCBBTAWO DO OOVBRSO KM 6
DE FEVKHBIBO DE 1869.
'* seocao.
N. 198.Omcio ao Bxm. gaera! cojnmandantc
das armasDe ordem de S. Exc, oSr. presiden-
te da provincia, declaro a V. Exc. em resposta ao
Sju oIbco de a do corrate. sal> n. 73, que nesta
ata autorisou-se o major director do arsenal de
guerra, a mandar concertar o relogio de parede
da fortaleza do Brum, como V. Exc. solicitou em
seu citado offleio.
2.* seccio.
N. 199.Edita!.Pela secretaria do governo se
taz publico para scieueia. de quem interessar pos-
sa, o edital abaixo transcripto do juiz de direito da
comarca de Goianna, pondo a concurso a serven-
tia vitalicia dos officios de escrivao d jury e exe-
cucoes crninacs da dita comarea, ficando assig-
nado, a contar desta data, o prazo de 30 dias, para,
de eonlormidad com o disposto no decreto n. 817
de 30 de agosto do 1831, os pretendentes apresen-
tareui os seus requerimentos devidamente instrui-
dos.
N. 200.Edital.O Drf Francisco Gon?alves da
Rocha, offlcial da imperial ordem da Rosa e juiz
de direito da comarca Je Goianna da provincia de
Pernambuco, por S. M. imperial e constitucional,
que Deus guarde, etc.Facp saber aos que este
edital virem, que, em vrtude de ordum do governo
da provincia, estando vagos o offleio de escrivao do
jury desta comarca e o de escrivao de execuQoes
criminaes, que Ihe annexo, creados arabos estes
officios pelo art. 108, da lei n. 261, de 3 de dezem-
bro de 1811, visto como nao tendo sido prvidos pelo
governo imperial desde a data de sua creado,
exercendo-os por isso actualmente Juvenal Anto-
nio de Albuquerque, na qualidade de escrivao in-
terino, nomeado por este juizo, acham-se os ditos
officios em concurso com o prazo de 60 dias, den-
tro do qiktl os pretendentes, que a elles se quize-
rein propor, devem apresentar os seus requi r-
menlos instruidos com os documentos exigidos por
lei, affii de seren enderezados ao governo impe-
rial. E para quo chegue ao conhecimento de to-
dos, mandei passar o presente, que ser publicado
pela imprensa, e afflxado no lugar do costume.
Cidado de Guarna, 23 de Janeiro de 1869.Eu
Francisco Goncalves da Rocha.Est conforme.
O escrivao, Joaquim Jos da Costi Lete.
4.* seceo.
N. 201.Offleio ao regedor do gymnasio pro-
vincial.Nesta data transmittio-sc a thesouraria
provincial para o lim indicado no offleio de V. S.
datado de hontem, a relacao que veio annexa ao
seu citado ollicio, o qual tica assini respondido, de
ordem do Exm. ir. presidente da provincia.
tXl'EDIKNTK ASS1CNADO l'KI.O EXM. SK. CONDE DE BAE-
PENDY, PRESIDENTE DA PHDVINCU, E.M 8 DE FEVK-
REIRO DE 1869.
1.* seccao.
N. 202.Poetarla ao capitao do Porto.Tendo
neste momento reeebido participacao do Dr. chefe
de policia de que o rio Capibanbe, quo cornee^ a
encher com forca pelas chuvas que tem cahido,
j.t destruir a ponte do lugar da Torre, e parte da
da Magdalena, interceptando a coramissao para
esta capital; cuiupre que V. S. com a maior ur-
gencia mande algunas baleeiras para aquel les li-
gares, aiin de prestarem soceoro as pessoas que
nao podem sahir de suas habitacSes, etn conse-
quencia daquella endiente, estenuendo esta pro-
videncia para o aterro dos Afogados.
N. 203.Dito de igual theor ao inspeclor do
arsenal da marinba.
i1, seccao.
J. 206.Dita ao commandante superior inte-
rino do Recife.Mande V. S. desligar do 1 bata-
lliao de infamara da guarda nacional deste muni-
cipio ao tambor Jos Estevo Apolinaro, filho me-
nor de Maria Magdalena da Assuiup^ao, de que
trata o seu offleio n. 14 de 5 deste mez, visto nao
poder elle servir por incapacidade phisica.
3/ seccSo.
N. 207.Portara ao inspector da thesouraria
de fazouda.Dcvolvendo V. S. o requerimento
documentado, que se referem os seus officios de
30 dejimho, 20 de agosto e 22 de dezembro do
anno prximo passado, sob ns. 397, 499 e 813, e
no qualBernardino de Senna Dias pede indemnisa-
cio do daino causado em seu terreno sito no Va-
radouro em Olinda, com a construccao de urna cai-
xa d'agua e urna levada para o eeanaraento das
aguas do rio Beberibe para aquella cidade, tenho
a dizer que o autoriso, do conformidade com o ul-
timo de toes officios, a despendor pela consignacao
das eventuaes uo-corrente exercicio, a quantia do
330 que reclama o procurador fiscal dessa the-
souraria, sendo 300 para lev;u-se a effeilo a in-
demnisafao de que se trato, e 30J provenientes
de despeza.; feitos com o respectivo processo. Para
isso fica aberto o necessario crdito, conforme V.
S. solicitou no mencionado offleio.
N. 208.Dita ao mesmo.Declaro V. S. para
seu conhecimento e flns convenientes, que nesta
dato autoriso o chefe da repartigo das obras pu-
blicas a mandar fazer por adininistracao os reparos
de que necjssito o pioprio provincial que serve de
ipiartel ao destacamento da Passagem da Magdale-
na, despendendo para esse flm at a quantia de
275, em que foram oreados taes reparos.
N. 209.Dita ao mesmo. Interado de quanto
V. S. expoz em seu offleio de 6 do correte, sob
n. 60, tenho a dizer em resposta que o autoriso a
mandar pagar pela sobra da consignacao do 19
art. 13 da lei do ornamento vigente a quantia de
1003 proveniente dos 10 por cento que foram des-
contados da importancia da bomba construida no
18 da estrada de Pao d'Alho, c que por engao
da contadoria dessa thesouraria deixou de. ser in-
cluida na prestacao definitiva das obras daquellc
lanco de estrada, e levada a caixa de depsitos.
Incluso devolvo o certificado que veio annexo ao
citado offleio.
N. 210.Dita ao chefe da reparticao das obras
publicas.Pode Vmc, conforme indica em seu
offleio de 6 do corrente n. 52, mandar atir por
adminstrafao os reparos de que precisa a casa
que serve de quartel ao destacamento da Passa-
gem da Magdalena, despendendo para esse fim at
a quantia de 2735 em que foram oreados taes re-
paros, segundo consta de seu citado offleio, que
fica assim respondido.
4 a seccao.
N. 213.Dita ao engenheiro encarregado das
obras geraes.Tends, reeebido participacao do
chefe de policia de que o rio Capibaribe que come-
ca a eneher com fonja pelas chuvas que tem cahi-
do, destruir a ponte do lugar da Torre, e parte da
da Magdalena, cumprc que Vmc. com urgenciajv
examinar o estado de seguranca das pentes desta
cidade, e solicite as providencias que julgar neces-
sarias no caso de qualquer d'ellas estar em perigo
de cabir.
N. 21i.Dita ao inspector da sade publica.
Remetta-me Vmc. com urgencia algumas laminas
ou tubos com puz vaccinieo de boa qualidade para
seren enviadas ao presidente da Parahyba, que as
solicita.Igual ao coramissario vaccinador pro-
vincial.
N. 215.Circular cmara municipal do Reci-
te.Convindo que estejam nesta presidencia at o
lim de marco futuro; impretenvelmente, de sorte
que possara ser enviado ao ministerio do'hnperio,
para os Uns declarados nos arts 191 e 123 da lei
n. 387 de 19 de agosto de 1846, as copias das ac-
tas das eleicoes primarias para deputodos e sena-
dores, que se est procedendo, determino c-
mara municipal do Recife que, proporcao que
fr retobeado das mesas parochiaes os respectivos
Irvros, faca immediatamente extrahir, nos termos
do art. 6* das instruofoes de 30 de setembro do
ai passado, e do art. 89 das de 31 de dezembro
do. raesmo anno, e remetta esto presidencia co-
pias das. asta, tanto da organisacao das mesas, 1*,
REVISTA DIARIA.
ACTOS OFPCIAES.Por delibcracio de 17 do
corrente, foi exonerado, seu pedido, de delegado
litterario da freguezia do Podida Panclla, oSr.
Dr. Jos Bernardo Galvo Alcoforado Jnior.
BANDEIRA .NO MON'TEIRO.-Hoje-noute sera
basteada a bandeira do -Nossa Senhora da Con-
ceicao, que se venera ua capella da povoacao do
Mouteiro. v wTm
Logo que terminar o sent dansante, llavera
mn ticn dos trllios urbanos para o Recife.
PUNTES W) CACHANGA E DA PASSAGEM.
A reparticao das obras publicas trato de iUr meio
coiumodo e seguro aos moradores de alm do rio
Capibaribe, fazendo passadicos no lugar das pon-
tes dessas denoiiiinacoes.
EI.EICORS.Temos o resultado das segu+ntes
freguezias :
2* distrcto.
RnsHrio de Goyanna.
4fr Eleitores para senador.
CoroBenw Joaquim da Cunha R. Barro?
Jos Correa de Oliveira Andrade. j
Dr. Joao Alfredo Correa de Oliveira .
Amaro Gomes, da Gamba Rabello.
Bento Jos' das Netas Wanderley.
Padre Manoel Marqrtes Bsrbosa'.
Arminio Americo ltvares da Cunha MehV
Jos Francisco de P. C. de Albuquenjue
Padre Manoel Cavalcanti B. d%Mcnezes.
Dr. Honorio Fiel de S. Taz Cumdo J
Antonio Pinheiro de Mendonca J
Jos Correa de Oliveira A. Jnior. i
Bento Archelo Vaz Curado J
Honorato da Cuuha liego Barros. \
Padre Jos Paulino da Silva Monteiro. .
Benwreauto Pinheiro de Mendonca. J
i ajudante do mesmo cpito do porto ; Valentinianoda Cunha Reg Barros. .
imonico a V. xc. para seu conheci- Cudovico Francisco Cr\alcanti .
Francisco Gucdes do
** e 3* chamadas dos votantes, como das especlaes
da apuracao dos votos para eleitores, geraes e |ra
eleitores esiieciaes, devendo todas ellas, mesma as
da apuracao dos voto;, vir em duplcala, tiradas
ou subscriptos pelo secretario da cmara, oon-
certodas por um dos tibellias de notas do lugar, e
na falla destes por um dos eserivaes de paz. O que
inuito recommebdo lobredita cmara municipal.
No mesmo theor s demais cmaras.
EXPEDIENTE ASSIONADO PELO SR. DR JOAQCLM COB-
I1EIA DE ABAUJO, SFCRETARIO DO GOVERNO, EM 8
fifi FKVKHEIBO DE Ik4i9.
N. 216.Offleio ao Dr. chafe de polica.S. Exc.
o Sr4>residente da provincia, respoudendo o offl-'
co de V. S. datitdode 27 de Janeiro ultimo, e sol
n. 147, manda declarar, que nesta data auforisou-
sc o chefe da repartieao das obras publicas a man-
dar fazer por administracao os reparos de que pre-
cisa a casa, que serve do quartel ao destacamento
da Passagem da Magdalena.
EXPEDIENTE ASSIC.NAD0, PELO EXM. CONDE DE BAE-
PENDT, PREsniENTE DA PROVINCrA, EM 9 DE FET
REIRO DE 1869.
1." seccao.
N. 220. Portara "ao chefe da divisao naval.
Submettendo nesto dala a decisao do governo i.n-
perial a baixa do grumete da crvela a vapor Re-
rife, de nome Jos- dos Santos, reclamado romo
subdito portuguez com o nome de Jos Vieira Val-
lado, pelo cnsul de sua magestade fidelissima,
queica V. Exc. providenciar para que o referido
grumete, sobre que versa a sua informaco n. 54,
de 6 do corrente, seja conservado a bord daquella
curveta ou do brigue-larca Romanc at ulterior
deliberacao do mesmo governo imperial.
_N. 221.Dita ao mesmo.Tendo resolvido a
vista do que verbalmente representou-me o capitao
de mar, e guerra, eapilodi porto, nomear o nri-
meirstenente da armada Finnino Xavier Rodri-
gue? Pinheiro, (me se cha nesta capital, com per-
missao do ministerio d;i marinha, para servir inte-
rinamente de
assm o communico
ment.
N. 222.Dita ao Exm. Sr. general commandante
das armas.Autoriso V. Hxc: a permittir que o
soldado invalido do 1." regiment de artilluria
de liuba Joaquim Antonio da Rocha, v a villa de
Garanhuns, onde poder domirar-se por espaco M
dons mezes, aflm de tratar de negocios de sua fa-
milia, ficando assim deferido o roqnerimt'nto (y*
veio annexo ao ollicio de V. Eac. de 8 do correte,
sob n. 80..
N. 2J*-Dita ao masno.leudo pr delibera-
(ao de hiije concedido a exonemeao qne solicitou
cajiitoo reformauvl eercilo.Ilzeii(toMaui>>iro de
Lima, do lugar de ajudante do director da colonia
militar de Pimenteiras, assinfo communico a V".
Exc. para seu conhecimento.
N. 221.-Dita ao director do arsenal de guerra.
Nos termos de sua informaco de 8 do corrente,
sob n.32, e de conformidade com os parecere da
thesouraria de fazenda, juntos por cd)>ia, mande V.
S. satistazer com urgencia- os dous inclusos pedi-
dos de fardamento as pracas do exereito e da g lar-
da nacional, que se aciam destacadas no presidio
de Fernando.
N. 223.Dita ao inspector do arsenal de mari-
nha.Mande V. S, postar amanha no caos do
Forte do Matto, um escaler qae possa transportar
para bordo do vapor OiftS, da companhia Per-
nambucana 5 sentenciados de justica e 10 guardas
nacipnae que" os vo escoltando, e'que nesse va-
por tem de seguir para Fernando de Norouha.
I?. 226.Dita ao capitao do porto. =A visto de-
que V. S. me representiu verbaluiente tenho deli-
berado nomear o primeiro teuente da armada Fran-
cisco Xavier Rodrigues Pinheiro, que se acha nes-
ta capital com permissao do ministerio da mariiilia,
para servir interinamente de ajudante de Y. S. na
capitana do porto. O que Ihe communico para sua
intelligencia.
N. 227.Dito ao cnsul de Portugal.Foi-me
presente a representacfm de 29 de Janeiro prximo
lindo, em que o Sr. cnsul de Portugal solicita bai-
xa para o grumete da curveta a vapor Recife, do
nome Jos dos Santos, por ser subdito portuguez o
cliamar-se Jos Vieira Vallado, conforme consto
do certificado junto a mesma representacao. E em
resposta cabe-me dizer ao mesmo Sr. cnsul, que
nesta dato submetlo o assumplo a decisao do go-
vMShiaiperiaJ a queju compete providenciar sobre
a referida baixa, c quo com a sua solugo restitui-
rei ao Sr. cnsul o certificado que velo junto a so-
bredto. representacao. Entretanto envio-lhe copia
das informacoes que a respeito niinistraram o ooa-
selheiro chefe da divisao naval do segundo distrcto
e o commandante d"aquella curveta. '
N. 228.Dita ao cnsul da Confoderaco Norte-
Allema.Transmita em oigiual ao Sr.cnsul da
Confederacjio Norte-Allima o termo de decJaracao
feita perante o chefe de policia da provincia das
Alagas pelo cngenlieiro civil, subdito da Saxonia,
Carlos Frederico Thuron von Bottenstern, e solici-
tados em offleio do ine*mo Sr. cnsul, de ii de
abril do anno passado e 20 de Janeiro do corrente.
Renov ao Sr. cnsul a seguranca de minha estima
e consideradlo.
PERNAMBUCO.
N. 229.Dito ao conselho de compras navaes.
Pode o conselho de compras navaes, nos termos do
respectivo regulamentj promover acquisicao dos
objectos constantes do seu offleio de 18 de Janeiro
ultimo, visto serem precisos para provimento do
almoxarifado do arsenal de marinha, communcan-
do o resultado a-flsta presidencia.
N. 230.Deliberacao. -O presidente da provin-
cia atlendendo ao que requereu o capitao reforma-
do do exereito Rozendo Monteiro de Lima, resolve
conceder-lhe exonerac.o do lugar de ajudante do
director da colonia militar de Pimanieiras.
despachos da presidencia do dia 16 de feverkiro
di 1869.
Baro do Livramento.Informe o Sr. engenhei-
ro rln'fc da reparticao das obras publicas, qual a
importancia do calamento feito no corrente exer-
cicio, e quanto se tem despendido at agora com
o mesmo calcamento nos exercicios anteriores,
desde o seu comeen.
Jos de Amorim Lima.Sim, pagos os direitos
devidos.
Jos Xavier Faustino Ramos Jnior.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Manoel Bezerra dos Santos Jnior.Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Reparticao da policia.
' seccao.Secretoria da policia de Pernambuco
17 de fevereiro de 1869.
N. 234.Illm. e Exm. Sr.Tenho a honra de
levar ao conhecimento de V. Exc. que, segundo
consta das participacoen recebidas hoje nesta re-
parco, foram hontem reeolludos casa de de-
tencao, os segrales individuos :
A" ordem do subdelegado do Reeife, Jos Au-
gusto Lopes, Portuguez, a requisicao do resnlHi-
vo cnsul.
A' ordem do de Sanio Antonio, Maria Francisca
da Conceicao, Manoel Boayenturae Joao Franeis-
uo Es|)irito Santo. ,
Jos l:ipiistde Ar.iujo M. Caric .. J
Francisco Asast Bezerra de Menezes \
Manwlda Conceicao P. de Albuquerque.
Jsa doaCarmo C.'Correa de Oliveira.
Uiodegario (;. de Oliveira Andrade .
Hermino P. do Mendonca e Mattos .
Dr. Joao Francisco C. de Albuquerque.
Joo Doniingues da Silva.....
Epiplinio Jos da Silva.....
'Jos Cesar de Alboquerquo ....
Francisco de l'.-iula Castilla Curado .
Victorino Moi-cira de Souza ....
Jos Antonio de Albuquerque. .
Francisco de Paula Cabral.....
Joaquim de Mallos Alcuitillado Rochedo.
Manoel A. d&_Purilicac,ao.....
Antonio Ferreira de Aguiar ... .
Francisco C. de Albuquerque Chacn
Joo Gomes dwSouza .
Antonio Correa dos Santos Leal ,
Amero Militao de Guimawes Milla .
ManoelLoumfejo Nuass da Suva. .
Trajano de Medciros e Albuquerque. .
Eleitores para deputodos.
Joo Joaquim da Cunha Reg Barros. .
Bento Jos das Noves Wanderley. .
Jos Correa de Oliveira Andrade .
Amaro Gomes da Cunha Rabello. .
Dr. Honorio Fi.-I de S. Vaz Curado .
Dr. Francisco T. da Cunta .Mello .
Antonio Pinheiro de Mendonca. *
Padre Manoel Marques Barbosa .
Jos F. de Paula C. de Albuquerque. .
Padrelimoe! Civalcanti f. de Menezes.
r. Joaquim Tasares de Mello Brrelo .
Lud-ivico Francisco Cavalcanti.
los Cesar de Albuquerque ....
Arminio Americo T. da Cunha Mello.
Dr. Joo Alfredo Correa de Oliveira .
Honorato da Cunha Reg Barros ,
liento Arcbelo Vaz Curado ....
Jos Correa de Oliveira Andrade Jnior
Valentiniano da Cunha Reg Barros.
Francisco de Paula Cabral. J
Joo (oiiies de Souza......1
Jos Felippc Bezerra de Menezes .
Jos Antonio de Albuquerque. .
Joo Domingues da Silva.....I
Joaquim de Mattos Acautillado Rochedo.
^Joaquim Jorge Figneira da Silva .
Antonio Ferreira de Aguiar ....
Luiz Cavalcanli de Albuquerque e Souza.
Jos Baptista de Aran jo M. Caric.
Joo Carneiro da Cmara .
Estevo Candido da Silva. .
Bemvenuto Pinheiro de Mendonca.
Manoel Assuero da Purificaco .
Manoel Barbosa Cordeiro .
Manoel de Brito Camello da Veiga.
Jos Ignacio de Mello.....,
LeaSjegario Correa de Oliveira Andrade i
Joo Alves Ferreira Muribeca. j
Astrulino Jos da Silva Barretto }
Thoiii-iz Antonio Guimares.....
Jos Antonio Ferreira da Costo. i
Francisco de Salles Medeiros .]
de Goyanna.
Eleitores para senador e deputodbs.
Vigario L. de Albuquerque Loyolla. 1
Antonio (iuades Gondiui J
Joaquim Jos Gomes de Oliveira .
Felippe Francisco Cavalcanti ....
Padre Jos Leito da Costo Machado. .
Luiz Francisco de Albuquerque
Joo da Costa Bibeiro Canto ....
Seraflm Velho Camello P. de Albuquerque
Silvano de Araujo B.e Albuquerque. .
MigueUoaquim Cesar......
Franeffco TavaTes de Mello ....
Viecnte Ferreira Beza>ra dos Santos.
Manoel da Costa Henriquos de Carvalho.
Francisco Ignacio de Andrade.
Luiz Gomes Correa de Oliveira. .
Aquilino Jos de Guimares Ferreira. .
Antonio Bibeiro Campos .....
Joaquim Demetrio Pereira Freir. .
Manoel Freir de Andradaa ....
Antonio Freir de Souza Monteiro .
Joao Garneiro Pereirde Souza ,
Manoel Bezerra d'Assumpco. .
Jos Maria Peixoto de Andrade .
Jos da Silva Santos......
Francisco Rodrigues C. de Albuquerque.
Joaquim dos Santos Borges Teixeira .
Henrique Pereira Guedcs. -
Joo Antonio Rodrigues Con va. .
Antonio Pessa de Albuquerque .
Joao Peixoto Ferreira de Andrade. .
4o DISTRCTO.
Bezerros.
Eleitores para senador.
Francisco Gomes dos Santos .
Francisco Apolonio Bezerra c Silva .
Manoel Bezerra dos Santos Jnior .
Joaquim Pantaleo Xavier Lemas. .
Bernardo Jos Brayncr.....
Jds Florencio de Lima, ....
Jos Bezerra de Vasconcelloe. .
Francisco Rumo Torres

1
uc u..inHyau, n.iuin-i ouatruiuravc. joao rntnets- francisco nuutau torres .
co Tibureio, por disturbios ; Franoiseo Jos Bap- rancisco Gomas da Silva VieiTJry .
tista e Antonio Franci&io de Oliveira, at segunda
ordem ; e Joao, escrwro de um Dr. Mancei de-Tal,
por fgido.
Deas guarde a V. lExe.Illm. Exra. Si*, conde
de Baependy, presiden: daaroTincia.9 chefe d
polica, Francisco de Faria Xmo.
Miguel Arcbagelo Bezerra c Silva
Manoel Jos lie Vasconceltos Santos .
AntouiQ Manoel da Cunha. .
ClementinO dos Santos Lima Sement.
Francisco Tbom da Silva
1018
1016
KM3
1012
1011
1010
1008
1006
1005
1003
1002
1001
999
997
996
994
992
991
990
988
987
985
984
983
982
981
980
978
976
973
74
971
971
968
967
965
962
361)
957
954
953
913
1003
99o
988
982
981
974
972
966
963
962
959
953
931
948
9*8
947
941
912
936
935
935
934
931
930
928
923
923
922
921
920
919
91!
906
902
894
889
886
875
870
852
847
841
914
906
902
901
895
890
886
85
882
881
877
873
871
868
854
830
843
842
840
837
834
834
834
831
828
823
821
810
806
801
774
774
774
774
772
771
770
770
768
766
766
765
763
765
765
765
Joaquim da Costa Pereira......768
Jos PerinodaSflva. ......
Jos Joaquim de Lvra......
Joao Baptista Lima.......
Antonio Pereira d; Silva. ....
Manoel Salvador dos Santos. .
Jos Francisco dos Santos. .
Joo Francisco dos Santos.....
Eleitores para deputodos.
Francisco Apolonio Bezerra o Silva 774
Francisco Gomes dos Santos .... 774
Joaquim Pantaleo Xavier Lima ... 774
Manoel Bezerra dos Santos Jnior r 774
Bernardo Jos Brayner...... 774
Jos Florencio de Lima...... 774
Jos Bezerra de Vasconcelos .... 772
Francisco Rumo Torres..... 771
Francisco Gomes da Silva Vieira. 771
Clementino dos Santos Lima Sement. 770
Manoel Jos de Vasconcellos Santos. 770
Antonio Manoel da Cunha...... 770
Miguel Archangclo Bezerra e Silva 770
Joaquim da Costo Pereira..... 768
Jos Pereira da Silva...... 768
Francisco Thotle da Silva..... 786
Joo Bodrigues Lima...... ,763
Joo Baptista Lima....... 765
Jos Bernardo dos Sanios..... 763
Manoel Antonio de Mendonca. 763
Jos Joaquim de Lyra...... 763
Jos Rufino de Olivira. 765
HARPA DE FOGO.Sob esto titulo annuncia o
Sr. Victoriano Palhares um novo volume de poesas
suas, que deve em breve apparecer.
Poeto dotado de urna alma grande c apaixonada.
o Sr. Palhares nao podia ser inscnsivel ans trium-
phos de sua patria; fez vibrar sua lyra, e della
arrancn em honra do Brasil as melodas que boje
colleccoiia e offerecc ao corpo do commercio, em
cuj seio coiita mutos amigos e devotodas sym-
pathias.
A guerra do Brasil com o Paraguay forneccu o
assumpto, a mente e o estro do poeto vestirain-n'o
das galas da poesa : era justo c natural que taes
materiaes produzissem una Harpa deFoiio. EllB
vira corroborar de algunia forma o bom coneeito
de que goza o poeta.
Nos o felicitamos pela lembranca do mimo s
ledras patrias, e desejamos que tenha o melhor
xito possivel essa nova pagina de sua alma.
Assigna-M' no escriptorio deste Diario e na li-
vraria franceza, ra do Crespo.
BARCACA.Hoje, na praca do Corpo-Santo, se
vender em leilo urna, com proporco para armar j
grande brigue.
ALFORRIASSomos informados por pessa dig-
na de inteira f: que o Sr. capitao Flix Francisco
de Souza Magalhos, sollicitador no foro desta cida-
de, ha vendo liberlado m setembro do ultimo an-
no una sua eserava por nome Heleodora, que Ihe
hava prestado longos e estimados servicos, aca-
ba de renovar este acto de generosa liberalidade
respeito de urna cria por nome Angelo, com dous
annos e quatro mezes de idada.
Sempre promptos registrar e louvar actos des-
ta natureza, com prazer que entregamos ao pu-
blico a noticia destes verdodWras rasgos de esia-
teresse que poem mostra' sentimentos de* ordem
inuio elevada.
Em nome da humanidade, aceite o nosso com-
provinciano os nossos afervorados teslemunhos de
admira^o.
LOTERA.A que se acha a venda a 96" em
beneficio da igreja da Boa-vagem. que corre no
dia 26.
pellanle, o juizo; appellado, Vicente Rodritoes Pe-
reira.
Do Sr. desembargador Domingues e Suva ao Sr.
desembargador Souza Leao.Appenacao ctime:
appellante, o juizo; appetlado, Antonio Jos d...
Santos. AppeUaco civrt: appellante, Jos* Rodri-
gues Paz; appellada, I). Helena Maria do Canno.
Do Sr. desembargador Souza Leo ao Sr. desem-
bargador Ucha Cavalcante.AppeHacio ritme:
appellante, Luiz Jos Maranhao; appefada, a jus-
Ao Sr. desembargador Gitirana. ArjpfAla$des
civeis: appellante, Vtctoino I-opes da Costa; ap-
pellado, Domingos .Muniz-Barros Monteiro. Appel-
lante, Heliodoro Acacio Rongel; appcuado, Joo
Fernando da Cruz.
Delicr.ncia crime.Ao Sr. ftesemliargador pro-
motor da justica: appellaiite-, o juizo; pncHadb,
Severino Torquato dos Anjos. Appellante, o ioizu;
apiwllado, Manoel Clementino de Souza. Appel-
lante, Manoel Joaquim Quicabeira; appeHada, a
justica. Appellante. Salvador Antonio Rodrigue-
Lima; appellada, a justica. AjmeHant-, ojmzo;
appellado, Joaquim (inines da Silva.
Assignou-se dia para julgamento dos segomte;
feitos:
Appellacaocivel.Appellante, Antonio Francis-
co Anastacio; appellado. Candido Aflnnso Marrira.
A' 1 hora d tarde encerrou^se-a sesso.

CHRONICA JUDICIARIA.
TIIIHl \AS. DI lili \t \.
SESSO DE 16.DE FEVEREIRO DE 1869.
PRESIDENCIA DO EXH. Sil. DESEMBARGADOR SANTIAGO.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. desem-
bargadores Gitirana, Lourenco Santiago, Almeida
Albuquerque, Motta, Assis, Domingues e Silva.
ICh.ia Cavalcante, Souza I^o e Freitas Henri-
ques, faltando o Sr. desembargador Guerra, abrio-se
a sesso.
Passados os feitos deram-se os seguintes julga-
menlos:
Recursos chimes.Reccorrente, o juizo; reccor-
rido, Manoel Alexandre Garca.Relator o Sr. des-
embargador Gitirana, sorteados os Srs. desembar-
gadores Lourenco Santiago, Ucha Cavalcante e
Motta.Dcram provimento. RcccffiU'i, P juizo ;
reccorrido, Francisco PereiFala Silva.Relator-t
S,r. desembargador. Lotffenco Santiago, sorteados
os Srs. desenibargadores Assis, Domingues e Silva
e Freitas Henriquos.Improcedente. Reccorrente,
o juizo; reccorrida, Maria Pereira do Mattos.Re-
lator o Sr. desembargador Motta, sorteados os Srs.
desembargadores Souza Leo, Almeida Albuquer-
que e Domingues e Silva.Improcedente. Rec-
corrente, o juizo; reccorrido, Cacemiro Jos Espi-
nla.Relator o Sr. desembargador Almeida Albu-
querque, sorteados os Srs. desembargadores As-
sis, Souza Leo e Ucha Cavalcanti. Im-
procedente. Reccorrente, o juizo; reccorrido,
Francisco Xavier de Barros.Belator o Sr. desem-
bargador Assis, sorteados os Srs. desembargadores
Gilirana, Molla e Almeida Albuquerque.Impro-
cedente. Reccorrente, o juizo; reccorrido, Tertu-
liano Alves de Queirz.Relator o Sr. desembar-
gador Assis, sorteados os Srs. desembargadores
Almeida Albuquerque, Souza Leo e Ucha Caval-
cante.Improcedente. Reccorrente, Francisco Ma-
ria Bezerra de Mello; reccorrido, o juizo.Relator
o Sr. desembargador Souza Leo, sorteados os Srs.
desembargadores Ucha Cavalcante, Gilirana e Al-
meida Albuquerque.Improcedente. ReccmTente
o juizo; reccorrido, Pedro Jaime de MenezesRe-
lator o Sr. desembargador Souza Leo, sorteados
os Srs. desembargadores Assis, Freitas Henrques
e MottaImprocedente. Reccorrente, o juizo;
reccorrido. Marcolino Antonio Xavier.Relator o
Sr. desembargador Ucha Cavalcante, sorteados os
Srs. desembargadores Motta, Souza Leo e Gitira-
na.Improcedente. Reccorrente, o juizo; reccor-
rido, Manoel da Silva Velloso.Relator o Sr. des-
embargador Freitas Henrques, sorteados os Srs.
desembargadores Almeida Albuquerque, Ucha
Cavalcante e Motta.Improcedente.
Agoravo de PETigXo.Aggravante, D. Mariana
da Conceicao Pereira; aggravado, o juizo.Rela-
tor o Sr. desembargador Almaida Albuquerque,
sorteados os Srs. desembargadores Domingues e
Silva, e Lourenco Santiago.Negaram provi-
mento.
Appellaqao crvEL.Appellante, Joaquina Bene-
dicta Vieira da Silva; appellado, Joaquim Bibeiro
Pessoade LacerdaNullode fl. 62 em diante.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Guerra. Appellacdes civeis: appellante,
Antonio Norberto de Souza Lealdade; appellada. a
cmara municipal de Olinda. Appellante, o"visi
conde de Suassuna; appellado, Joaquim Rodrigues
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque.Appella-
cao ciyel: appellante, D. mneisca Thomazia da
Conccigao Cunha; appellada, a fazenda. Anpella-
cao crime: appellante, o juizo; appellado, Manoel
Jos de Mello.
Do Sr. desembargador AlmeMa Albuquerque ao-
Sr. desembargtlor Motta.AppHIaces ivas: an-
pollante, o juizo; appellado, Themoteo Joo da
Costa. Appellaut,e, rtiniano Barbosa do Car-;
mo; appellada, a justica. Appellante, o juizo; ap-l
Bollado. Janu&rio da Costo Jarles. Appellante, oj
juizo; appellado, Severino Dantas de Araujo. Ap-1


Eevisao do jury do Recife
mlldejauOTo.
Poco.
Francisco Bodrigues dos Passos.
Francisco Jos da Silva.
Francisco Jos Vianna.
Francisco de Paula do Reg Barros.
Varzca.
Dr. Francisco do Reg Barros de Laeerla.
Francisco Soiier d Figueirdo Castr.
Francisco de Pauto Correa de Araujo.
F'ranciaco Xavier Carneiro Lns.
1 -'rancisc-inla Silva Miranda.
I-'iiinino dos Santos Vieira.
Jaboato.
Dr. Felippe de Souzn Leo.
Dr. Francisco do Reg Barros Brrelo.
Francisco Antonio Pereira da Silva.
Francisco Cavalcante de Souza Leo.
Francisco Carneiro de Lacerda.
I". i; Bcmrio Cavalcante de Albuquepqnc.
Feliciano Bodrigues da Silva.
Recife.
Gustavo Sesiasemo Furtado de Mendonca.
Gedeo Forjas de Lacerda.
Santo Antonio.
Goncalo Jos Affonco.
Dr. Gervasio Rodrigues Campello.
S.Jos.
Dr. Galdino Ferreira Gomes.
Godofredo Henrique de Miranda.
Boa-Vista.
Gustavo Jos do Reg.
Dr. Gabriel Alcides Raposo da Cmara.
Dr. Gabriel Soares Raposo da Cmara.
Dr. Graciiiano de Paula Baptista.
Galdino dos Santos Nunes Je Oliveira.
Gemcniano Joaquim de Miranda.
Recife.
Capitao de mar ff guerra Hermenegildo Antoni
Barbota de Almeida.
Dr. Henrique Mamede Lins de Almeida.
Horacio Pires Galvir. -
Sanio Antonio.
Herminio Ferreira da Silva.
Henrique Jos Alvos Ferreira.
Heliodoro Fernandos da Cruz.
S. Jos.
Hemeterio Maciel da Silva.
Boa-Visto.
Heliodoro de Aquino Fonseca.
Dr. Henrique do llego Barros.
Horacio de Gusmo Coelho.
Henrique Soares de Andrade Brederodes.
Henrique Giiillienne S'teple.
Hvppolito Cassiano de \asconcelIos AMUjuerque
Maranhao.
Dr. Horacio Walfrido Peregrino da Silva.
Capitao Henrique Eduardo da Costo Gama.
Hermas Carneiro Machado Ros.
Poco.
Henrique de Miranda llenriques.
Hercnhqn Duarte de Miranda llenriques y"
.Recjfe, -----"
Ismael Cesar Duarle Riheiro.
Ignacio Accioly de Vasconcellos.
Santo Antonio.
Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leo.
Dr. Ignacio Firma Xavier.
Ignacio Bento de Lovolla
S. Jo.;,
Ignacio Pessoa Estoves da Silva.
Boa-vista.
Isniael Amavel Gomes da Silva.
I/.idr., Jos Pereira.
Ignacio Fran'seo Marf.ns.
Ignacio Alvim da Silva.
Ignacio Jos Pinto.
Vanan.
Ignacio Alves Monteiro.
Ignacio do Nasciniento Goncalves da Luz.
Jaboato.
Irino Coelho da Silva
Ignacio Francisco Pereira da Silva.
Recife.
Joo Francisco Pontes.
Joao Xavier Bibeiro de Andrade Jamor.
km Marques Correa.
Dr. Jos Antonio de Almeida Cunha.
Jos Antonio Pinto Serodio Jnior.
Jos Guilherme Guimares.
Tenente-coroncl Jos Lucas Soares R. da Cmara.
Jos Francisco da Fonseca Galvo.
Jos Fr; ncisco de Mello Correa.
Joo Baptista de Oliveira.
Dr. Joo Raymundo Pereira da Silva,
Joaquim Felippe da Costa.
Jos Joaquim Dias Fernandes Jnior.
Jos Luiz de Azevedo Maia.
Jos Adrin da Costa Moreira.
Jos Goncalves Torres.
Jos Pedro das Neves.
Jos da Silva Loyo Jnior. ^
Jos Rodrigues Pereira.
Jos F ancisco de S Leito.
Jos Izidoro Pereira dos Res.
Santo Antonio.
Dr. Joo Joaquim Fonseca do Albuquerque.
Joo da Cunha Soares Guimares.
Dr. Joo Franklin da Silveira Tavora
Dr. Joo Jos Pinto Juuior.
Joo de Castro de Oliveira Guimares.
Joo Manoel de Cslro.
Di\ Joo da Silva Ramos.
Joo Goncalves Pires Ferreira.
Dr. Joo Ferreira da Silva.
Dr. Joo Chinaco do Espirito Santo.
Dr. Joo Barbalho Ucha Cavalcante.
Joo Carlos Augusto de Figueirdo.
Joao Jos Henrques.
Joao Felippe da Costa.
Jalo de Freitas Barbosa.
8r. Joo Goncalves da Silva Montorruyos.
r. Joo Diniz Ribeiro da Cunha.
Joo de Assis Pereira Rucha.
Jos Goncalves de Medeiios.
Jos Joaquim da Costa I.eite.
Jos Francisco do Figueiiodo.

r
)


2 .6381 30 mm 30 8! IB
de. Pemambaco 'Quinta ieira 18 de Fevereiro de 1869. -
t*
Jos Affonso do Reg Barros.
Jos Antonio Pinto.
Dr. Jos Joaquim Tavares Belfort.
Jote Joaquim de Mcndemca.
Jc* Duarte Pereira.
Jos dos Santos Neves.
ka Joaquim Xavier Sobrelra.
Jos Conegundes da Silva.
Jos Jaeome de Arau,o. .^
Jos Roiolplio dos Saatos.
Jo; Candido de Souza Castro.
Jos Doniingucs I'elxoto.
Jos Francisco de Nazath.
Jos Elias de Oliveira.
Joi Henriques da Silva.
Jos Francisco doJtcgo Mello.
Jos Rodrigues do Souza.
Dr Jos Elisjttde Carvallio Moura.
Dr-Jos Hyl Duarte Pereira. ,
Dr Jos Fraafisco Uc-hoa Cavalcante. "^
Dr. Jos Joaquini de Alnieida Nobre.
Dr Jos Doiningues da Silva%
Dr Jos Joaquim de Moraes Sarment.
Jos Hygino de Souza Galvao.
Jos Candido Viegas.
Dr. Jos Flix do Brito Macedo.
Jos Barbosa de Miranda Santiago.
Jos Pedro de Souza e Silva.
Jos Augusto de Araujo.
Jos Luiz Netto de Mendonca.
Joaquim Yaz de Siqueira.
Joaquim de Souza Miranda Couto.
Joaquim Olynto Bastos.
Joaquim Anto de Souza.
Joaquim Correa de Araujo.
Joaquim Jos da Silva Guimares.
Jo&quiu Ferreira Ramos.
Joaquim de Souza Raposo.
Joaquim llgolino da Silva Fragoso.
Jokjuu Alves Monteiro.
Joquim da Costa Pajosa.
Joaqun Mendos Carneiro Leo.
Joaqin dos Santos Neves.
Joaquim de Alnieida Pinto.
Joaquim Antonio Carneiro.
Dr, Jacintho Pereira do Reg.
Dr. Joo Francisco Teixeira. ._
Joaquim Jos do Reg Rangel.
Joaquim Ignacio de Carvalho Mendonca.
Joaquim Lopes Machado.
Dr. Joaquim Mara Carneiro Villela.
Dr. Joaquim Pontea de Miranda.
Julio ios Pereira da Rocha.
Dr. Jorge Doradlas Ribeiro Pessoa.
Jeronyino Emiliano de Miranda Castro.
Januario de S Brrelo.
Dr. Jerouymo Salgado de Castro Guimaraes.
S. Jos.
Joo Jos de Carvalho.
Joao Morena de Mondonga.
Joo Pacheco Alvos.
Joo Soares da Fonseca Velloso.
Joo Antonio de Mello.
Joo Joaqun da Fonseca Capbaribc.
Joo Cesar Cavalcante de Albuquerque.
Joo'Antonio da Silva Pereira.
Joo Joaquim de Siqreira Varejao.
Jos Xavier Faustino Ramos.
Jos Alfredo de Carvalho. *
Jos Joaquim de Oliveira Baduem.
Jos Antonio Pereira da Silva.
Jos Francisco de Salles Baviera.
Jos dos Santos Lages.
Jos Francisco de Souza Lima.
Jos Carlos Paes Barreta..
i laquira Bernardo dos Reis.
Joaquim Folipoe Viegas.
Joaquim Jos Ramos.
Joaquim Barbosa dos liis.
Joaquim Francisco de Torres Galindo.
.loaquim Aves Machado.
estBO Rodrigues (lardoso.
Joaquim Pedro dos Santos Bezerra,
Dr. Joaquim Jos Ferreira da Rocha.
Joaquim Luiz Viraos.
Boa Vista.
Dr. Joao Vicente da Silva Costa.
Joo Francisco da Cruz.
D. JooCapstranoBandera de Mello FHUo.
Joaquim Francisco do Reg.
Joo ila Silva Paria;
Dr. Joo Honorio Bezerra de Menezes.
Joao Carneiro Lins Suriano.
Joo Manoel-Ribeiro de Castre).
Joao Francisco Antunes.
Dr. Joo Mara Seve.
Joo AthaiiasiaBotelho.
Joao Hartins dos Ros.
Joiio Pedro do Jess da Matta.
Joo Hermenegildo Borges Diniz.
Dr. Joo JuvencQ Ferreira de Aguiar.
Joo Duarte Carneiro Monteiro.
Cm nmendador Joo Bapstade Castro e Silva.
Joao dos Santos Porto.
Joo Valontim Vilella.
Joo Carneiro Monteiro da Silva Santos.
Jos Pereira Teixeira.
Jos de Vasconcellos.
Jos Maria Seve.
Coronel Jos Gomes Lial.
Dr Jos Carneiro da Rocha.
Jos Eusebio Alves da Silva.
Jos Pires Ferreira.
Jos Marques da Costa Soares.
Dr. Jos Honorio Bozerra de Menezes.
Jos Joaquim da Siva Guimaraes,
Dr. Jos dos Anjos Vieira de Araorim.
Dr. Jos dos Santos Nuncs de Oliveira.
Dr. Jos Soriano do Souza.
to^ Jernimo de Souza Limoeiro,
Jos Maria Freir Gameiro.
Jos Dellino da Silva Correa.
Jos Pacheco de Medeiros.
Jos Luiz Innoceneio Poggo.
Jos jBaptista de Castro e Silva.
Jos Carneiro da Cunha.
Jos Maxinnano Soares de Avellar.
Jos Antonio Moreira Das.
Jos francisco de Paula Bamos.
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Jos Antonio Vieira de Souza.
Dr. Jos da Silva Braga.
Jos Henriques "aC^'i"- "
Jos Garlos Teixeira.
Jos Cavaleanti de Albuquerque.
Jos Goncalvel Pereira.
Jos Afluso dos Santos Bastos.
Dr. Jos Antonio Pinho Borges.
Jos Perette Seve.
Dr. Joaquim Jos de Campos C. M. c Albuquerque.
Dr. Joo Joaquim Ramos e Silva.
Joaj Gregorio dos Santos.
Dr. Jos Vicente Duarte Brando.
Joao Tibureio da Silva Guimaraes.
Joai Jos do Miranda.
Joaquim Pedro Brrelo de Mello llego.
Joaquim de Gusino Coelho.
Dr. Joaquim Pilis Machado Portolla.
Joaquim Juvencio da Silva.
Joaquim Gilsseno de Mosquita.
Joaquim Goncalves Ferreira.
Joaiiuin Pires Carneiro Monteiro.
Dr. Joaquim de Oliveira e Souza.
Dr. Joaquim Jos de Miranda.
Dr. Joaquim de Souza Reis.
Dr. Joaquim Antonio Carneiro da Cuuha Miranda.
Joaquim da Costa Itibeiro.
Joaqnim Jos de Faria Neves Jnior.
Dr. Joaquim Jos da Fonseca,
Dr. Joaquim Ferreira Chaves.
..Joaquim Salvador de Siqueira Cavaleanti.
Joaquim Jos Silveira.
Dr. Joaquim Avres do Almeida Freitas.
0r. Jeronyino Vilella de Castro Tavares.
Justino Jos de Souza Campos.
Juvencio Augusto de Athaydo.
Dr. Julio Augusto da Cunha Guimaraes.
Jamiario Constando Monteiro de Andrade.
Conielheiro Joo Silveira de Souza.
Or. Jos Antonio de Figueiredo.
Major Jos Luiz Pereira.
Tencnte-coronel Joaquim Caetano de Souza Cous-
seiro.
Jos Ilenrique Trindade.
Dr. Jos Fernandes Pereira de Barros.
Joaquim Aurelio Wanderley.
Aogados.
Dr. Jos Roberto de Moraes e Silva.
Jos Ruarque Lisboa.
Dr. Jos Maria de Albuquerque Lima.
Joo Ribeiro Pessoa de Lacerda.
Joao Cavaleanti Lamenta Lins.
Joo Pereira da Cunha.
Joao Ignacio' do Reg Medeiros.
Joo Joaquim Alves da Silva
Joa da Cruz Macedo.
.fono Velloso Soares.
Dr. Joao Alfredo Correa de Oliveira.
Joao Antonio de Araujo.
Jos Elesbao Borges Ucha.
Jos Pereira da Cunha Jnior.
Jos Francisco Brando Cordeiro.
Jos Marcelino Alves da Fonseca.
Jos Joaquim Simos do Amara!.
Jos Bernardino Pereira de Brito.
Jos Francisco Franco.
Joaquim Francisco do Espirito-Santo.
I Joaquim Jos Alves de Albuquerque.
Poco. '
Joo Luiz Vctor Lculhtar.
Jos Ignacio Pereira da Rocha.
Jos Francisco Pires.
Jos Francisco do Reg.
Jos Goncalves da Porciuncula.
Jos Theodoro de Senos.
Dr. Jos Bernardo Galvao Alcoforado.
Dr. Jos Bernardo Galvao Alcoforado Jnior.
Jos Francisco do Reg Barros.
Jos Dommgues Codcccira.
Joaquim Pires Ferreira.
Dr. Joaquim Francisco de Miranda.
Jesuino Ferreira da Silva.
Varzea.
Jos Goncalves de Albuquerque.
Jos Mendes Vieira.
Dr. Jos Maria Moscoso da Veiga Pessoa.
Joaquim d'Asnmipcao Quoiroz.
Joo Cavaleanti Filgueras de Menezes.
Jos Jacques da Costa Guimaraes.
Jos Antonio de Brito Bastos.
Jos Antonio de Oliveira e Silva.
Muribeca.
Joo Luiz Ribeiro de Farias.
Jos Joaquim dos Santos e Silva.
Jos Mendes de Carvalho.
Jos Ignacio de Lira.
Dr. Joaquim Elvira de Moraes Carvalho.
Joaquim Ribeiro de Aguiar Montarroyos.
Joaquim Pedro Carneiro Campello.
Jos Carlos Vieira Teixeira.
Jaboatn.
Dr. Joao Augusto de Souza Leo.
Jos Francisco Pereira da Silva Jnior.
Joaquim Pereira Viannav
Juvno Coelho da-Silva.
Jos Fernandes Monteiro.
Jos Francisco do Bogo Rarros.
Jos Thomaz de Aqnino Pereira.
Jos Rufino Rarbosa da -Silva.
Jos Marques Carneiro Leo.
Jos Joaquim de S Brrelo.
Jeronymo de Souza Leao.
S. Lourenco.
Joo Francisco Xavier Paes Brrelo.
Joo Gil Paes Barreta.
Jos Correa Leal.
Jos Duarte de Albuquerque Maranho.
Jos Francisca do Barros Bego.
- (Continuar-se-ha)
POLTICA interna
trac
cusa
Partido conservador.
OS LIBERAES PKRANTE A^CRSAS.
Aqueiles que boje atroain os ceos e a trra con-
o systema eleitoral e as violencias, de que ac-
sam" por tal motivo a actual situaco poltica,
esquecem-se do que se passou as leijoes de
1840.
Estavamentao no poderos homens que haviam
promovido revolucronariamerifc a maoridade, cm-
pregando todos esses ineios reprovados e desmora-
lisadores, de que o Sr. Theopllo Ottoni nao duvi-
dou fazer alarde na sua circular aos eleitores mi-
neros; o assim como revolucionariamente haviam
conquistado o poder, fomentando sentimentos que,
lgicamente, deviam produzr as suas naturaes
consequeneias, assim tambem conquistaran! revolu-.
cionariamente as urnas nesse anno fatal.
Foram os liberaes que, sofregos do poder. linham
especulado coin todas as paxes, os primeiros que
deram o exemplo, em 1810, desde o norte at o
sul, de eleieoes que foram verdadeiras bachanaes
e conquista' das urnas.
At 18iO o paiz nao liaba presenciado esses
grandes escndalos, que ento foram postos em
pratica. Havia lula, os partidos apresentavam-se
arregimentados no campo eleitoral, havia mesmo
violencia em un ou outro ponto, mas nada tinha
havdo que se parecesse com as scenas vergonho-
sas e revoltantcs, que o governo da maoridade au-
torisou e efflcazmente apoou.
Aqu, na capital do imperio, os papos amarellos,
em bandos ameac, dores, percorriam as ras ar-
mados de cacetas, dando morras aos taimaremos,
couimandados por Orelhas, e outros emissarios do
ministerio; oceupando as matrizes, afugentavam,
com berreiros, caceladas e puuhaes os cidados
honestos. *
E o que se passra na capital do imperio fura,
nein mais nem menos, o que se passra em todas
as provincias : e onde, apezar de todos os ineios
de compres-o, nao poda o partido no poder al-
canzar tniimpio legal, foram os eleitores elevados
un numero fabuloso, ou fabrearam-se duplcalas
de eleieoee.
O que dzemos Sao inveneo, nao lilho da
paixo poltica, histrico.
O ministrado imperio cnt) cbamava-se Amonio
Carlos, era um dos Andradas ; e esse ministro,
antes das eleieoes, diza a' quem o quera ouvir,
hacemos de vencer, custe o que aislar.
E veaceram, mas tai com o sangue das numero-
sas victimas, com a fraude mas vergonliosa e *les-
mnralisadora, que jamis se vira, c com os escn-
dalos m is revoltantes.
O relatorin, que preceden o acto da dissoluro
da cmara assim eleta, consignou, fundado m
pegas ofticiaes, os abusos mas importantes, que
tornavam essa eleicao urna revollante mentira :
eleieo, que fra a causa verdadeira ,da queda do
ministerio e do partido da maoridade, que sobre
si chamara profundo do descrdito em todo o im-
perio.
Em 1840 nao havia le de 3 de dezembro, uo
havia portante delegados e subdelegados ; a guar-
da nacional nao eslava as condcocs em que lo-
je se acha, no havia designacoes para o servico
de guerra.
Em 1850 as instruceoes eletoraes eram as mes-
mas pelas quaes se tinhain feito no imperio as elei-
eoes desde que o Brasil se constituir naco.
Em 1840 regia o cdigo do processo sem altera-
gocs ; eram por provincias e no por districtos as
eleieoes do denotados.
Ale 80 os lionifus da revolucao de abril nao
tinham podico vencer i ','!''coes no municipio da
corte, apezar de ser a sede do goVruC supremo.
que at 1840 havia nos partidos una certa
moralidade e pudor que os liberaes de 1840 que-
brantaran), como procedimento consequente com
essas miserias, a que se soceorreram para serom
governo.
Em 1840 havia, porm, a desmoralsago de um
governo que nada respeitava, e que mandava cor-
pos arregimentados volar as grejas, como acon-
teceu na fregueza de Santa Rita e em oulros lu-
gares.
All a artilharia da mariiha, formada dentro da
igreja, com o seu commaudante a frente, o coro-
nel Pimental, grilava em coro, respondendo aos
cidados que se oppunham, fundados na le, a
que os soldados votassem ; a brigada vota. E a
brigada votou, porque assim o mandou o ministro
do imperio, e as mesas nessa e em outras fregue-
zias foram ejichotadas, para seren recompostas
com outros muihros.
Todos os exemplos dos grandes escndalos, que,
em eleieoes, como no geral, na poltica do nosso
paiz^Be teem dado, partiram scnipre dos liberaes,
que mas ostentaeo fazem de amor lberdade ;
foram cmaras suas que abriram o triste prece-
dente de depuracocs partidarias, dando assento
orno deputados a individuos que nao o eram.
E sendo assim, quo crdito devem merecer
verdadeira opniao publica os protastos da oppo-
sicao actual m favor da lberdade das urnas t
Que o processo eleitoral deve soffrer reformas nao
seremos nos que o contestemos ; que outras leis
reclamam importantes retoques, tambem urna
necessdade oralmente sentida ; mas que os
liberaes sao os menos aptos, pelo que teem prati-
cado quando no poder, para bradarem contra o
viejamente das eleieoes, tambem o que uo po-
derao negar todos os que quzerem ser sinceros.
Os liberaes peranta as urnas, quando no poder,
teem sido os primeiros a comprimir c corromper o
voto popular.
Esta a verdade histrica ; assim como ver-
dade histrica que os seus excessos, a sua impa-
ciencia pelo poder, sem quererem aguardar o
amadurecimento dos fructos de urna opposico sen-
sata, os tornam os menos aptos para a regenera-
cao pnlitica, industrial e econmica do paiz.
(Do Diario do Rio.)
Longe do ttiuatro da eleicao, ainsclhei-
to Jos Besito na duvida de y^iu os seus
anjees, coja generosidade invoca nesta
o^ifio, sufrirlo a falta 8e suavpesenca
com dobrada plica com t(*4 o fervor de quem saber
agradecertamiiirha honra e fineza. Cidade
de Brtcm do de 184i!).
Jos Beato (a Ciutha e Flf/uilirdo.
Srs. edactnet .Leudo na seu iarib de 11 do
correte urna entresnandeneia refutandn ao que
se publicoauo Uljcrttom iviagio a ediifissao d
IndigestSo, on Dyspepsla.He
urna enfermidado naseida e criada pelo lu-
xo da civUiEaco. Ellas constituem a pe-
trilidade iraposta pela nature/.a em conSe-
quenciadadesmaziada indul<;iicia. As fe-
gras para o tratamento desl molestia s5o
simples, e sao applicaveis para todos os ca-
sos. Censen e-se o verittwUfe, renove-se
o tom 8 vigor perdido do estomago, e re-
gule-se a accao do ligado, e assim ter-se-ha
conseguida a cura. Porm agora seguem
se as pergunlasaneios do enfermo: (^omo
c de que modo pode isso^er feito ? Onde
Jos Menino cmplice Ha mor* da mfellz Antonia {existe ou podet se adiar ami medicina
yarejo, vi, que coin|aaato o autor da eorrespon-1 possuidora d'uma vrtude e forca ovest gan-
te, fortalecendo e correctiva sobre estes
orgos ? A resposta achar-se-ha nos seguin-
les attestados divulgados'pelos nossas me:
dwos os mais respeitaveia. O Dr. Wel^,
"de Nowa-Yorb, diz; tendo lia mais de 18
mezes esta parte feito constante uso das
pillas assucaradas de Bristol, como um al-
terativa e tnico, e as considero como o
remedio mais eflieaz e certo que temos para
eombater a dyspepsia e indigesto, e assim
como para todas as desordens c disman-
chos do estomago, figado e intestinos. O
Dr. L. Mills, de Nowa-York, o Dr. Elias
Mott, de Brooklyn, o Dr. Parker NeJson,
de Piiladelpbia, fazem mensao honrosa das
mesmas easrecommendam com igual affi ti-
co. As pilulas acham-se mettidas dentro
de vidrinhos de crystal, e por isso se con-
sorvaro perfeitas em todos os climas. Em
todos os casos de impurezas do sangu, a
Salsaparrilha de Bristol, deve-sc uzar con-
junclamente com as pilulas.
dencia,aflue alludo, tivesse augmentado nimio
bem para desteir a $Ua iinputacao, que se quer
a toda tarca fazt aOMf.natural daquella infeliz;
todava lite sea|iarain Tactos narrados por Jos
Menino, que mnd spreiB.para esclarecer ao fes-
peitavel publico, a Jim de que com raza faca o
seu juzo a res|tetodonae da desditosa Antonia.
Jos Menino logo qie foi preso, quando Hie fbi
encontrado um len^b com as lettras incaes da
infeliz, confessou, que cora etTeito clU tinfea rap-
tado aquella infeliz, e que a conduzihao al a ponte
do eiigeulio novo, aui a uha entregado a Heni ique
Fich, seu rnio.e a Joaquim Pascobal Corby.e que
recebera em pagamento-de Henrque 104000 rsjff
aquelle lenfo, promcMendo-lhe este daHhe mais
dinheiro, e que ollando da li nao soubera mais
do lio i da infeliz.
Ao depois Werrutwdo novamente disse: que
quem linba mtalo a infaliz.tinliam sido elle c Joa-
quim Vawltoal (>by,fzHdoelle e'^afo com a toa-
Iha, e ambos puchando as pontas assmi tinham
inforeado a iHfeliz: sustenta! isto mesmo perantc
Joaquim Pascoal, dizeudo-Jlie mais, quo nao ne-
gase, pois era ludo verdade o que naquella oc-
casio refera, que se lembrasse da caita, que,
ello Joaquim Par-coal liuha escroto a infeliz em
casa de Joao Ecnngetisla, da qual tinha ello Jos
Menino sido portador, e em vrtude de tal carta
tinha a infeliz o aeompanhado.
Chamando Joo Evangelista, este dsse, que era
verdade ter Joaquim Paschoaljfeta urna carta em
sua casa, mas que nao sabia do eonteudo d'ella,
cuja carta fura entregue a Jos Mjniuo, reo, que
eslava presouto.
Perfumado a Joaquim Paschoal o que continua
a carta, respondeu, qne nao era .carta e sim
ora vordade ter mandado por Jos Menino urna
caria fechada em branco contando dentro nina
ineiada de linha, que a finada Ihe tinha emeom-
mendado.
Perguntado aonde linha comprado as linhas,
respondeo, que tinha mandado compra-las no lie-
nto ; perguntado quem as tinha corajudo, res-
pondeo que fra um hoinem, que nao onihuria.
Ora, senhores Redactares, quem lo ignoran-
te, que nao conhece nesta causa o dedo do gi-
gante?!!
Passado quatro eu_cbiCQ das Jos Menino foi
conduzido em jiracissio' para o lugar, onde ap-
pareceraM) cadver da infeliz Antonia, e ento ah
sendo interrogado por quasi todos quo acompa-
nharain o rancho, mudou Jos Menino de resolu-
co, e disse, que<|ueni tulia matado a infeliz tara
seo pac.natural Francisco Alves de Miranda Va-
reino, sendo elle Jos Menino o conductor da in-
feliz, c .(pie fez o laco da toalha e fra o pac o
proprio que a iiifoseou, e conlnuou a sustentar
isto.
Pergunta-se, onde est a verdade da -o^usso
de Jos Menino ? I Como hoje homens mal in-
tencionados e inimigos de Varejao queront por
torca que esta ultimaconsso seja a verdadeira?!
Tenhq estado silencioso a espera o processo de
Varejao, que alias esta preso lia ans de quinze
das sem se dar comeo* ao processo; e logo que
appareea tal processo,' protestamos acotnoaiilM-o
e publicar ludo quanto se ir passando, para qne fc
o respelavej publ co lique de tudo scenta, e veja "
Aviso aos navegantes
Capitana do port de Pernamouco 17 do Feve-
reiro de 1869.
Em vrtude da ordem de S.Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, manda o lllu>. Sr. capito de mar
e guerra e capito do porto, publicar o edital
abaixo trangCHgto, relativatuente a reuiQC^Lo do
pharol roUoeadn nos baixos de Braga'nra n'aquclla
provincia, conforme solicitan S. Exc. Sr. flonsc-
lliero presidente da provincia do Para.
,EDITAL.
De ordem de S. Exc. o Sr. conselheiro presi-
dente da provincia, faco publico que tondo-se re-
movido abarca pharol da posieo anniniciada por
edital deata secretarla de 2 de Janeiro prximo
passado, aeha-se ancorada a mesina barca era
quinze brabas d'agua em fundo d'areia fina, e ao
norte do Cotovetlo do baixo de^raganra na dTs-
lanca nWtniada de urna e meia milha d frald do
dito baixn, demorando-lhe a poqta da ilha da Ti-
iooa or .13. sueste e a do Curuc por 4S. tam-
bem sneste, e na lat, sul 33" IV e na long. oeste
do meridiano de Grew. 47" 40 47 .
Os navios procedentes do leste que demandaren!
barca pharol, logo que estejam leste oeste
PUBLICACOES A PEDIDO.
O conselheiro ^los Bento da Cunha e
Figueiredo, abaixo assignado, espera que
todos os seus amigos particulares c polticos
do circulo do Cabo lhe faci ainda a dis-
tincta boma de^tegel-o depotado assem-
bla geral; e roga a todos o# seus amigos
polticos e particulares de toda a provincia
se dignem fazer-lne a distada honra de io-
cluiro seu nome na lista sxtupla p^ra s-
fiadores.
Illm. Sr. Declarando o gremio do parti-
do conservador desta provincia, em sesso
de 23 de Janeiro do corrente anno quo a
indicaejo feit^ dos candidato a~ deputados
geraes nao xcluindo a lberdade de esco-
Iba por parte dos eleitores,e.uenirevelando
a intene.ao de Ibes por'enibaraco, s-i linha
a autondade de um consellio, motivado pela
necessidade de attender ;is circumstancias
do partido e pela apreciaoo dos*%ervicos
prestados causa de suas ideas; reconbe-
cendo, alias fra do circulo dos candidatos
propostos, muitos outros nomes dignos de
serem offerecidos ao suffragio eleitoral;
tendo cu tido j a honra de representar es-
te districlo em duas legislaturas da assem-
bla provincial, em nome das ideas db
partido que boje dirige os destinos do paiz,
ouso ainda apresentar-me candidato a de-
ptado geral por este districlo, aspirando
a honra de represental-o na prxima legis-
latura,
A dedicado e firmesa de principios, de
que tenbo dado provas em toda minlia vida
poltica; os servi.;os, que, por ventura, te-
nbo prestado causa das ideas do partido,
soffrendo, por isso, demissao do cargo pu-
blico, que exerci.i, ha 17 anuos, setn-haver
jamis desmerecido do conceito em que fr.i
sempre tido pelos meus amigos, sao outros
lautos garantes.q ie ofieTBCO ao corpo eleito-
ral desle dislticj), ao qual me acliD mais
estreitamente ligado por aqueiles servicos
e rclacoes polticas para m?reeer-lho o suf-
fragio que ora solicito.
Se V. S, pois, tomando em considerado
a deliberadlo do gremio que, na auseacia
da opposira, bem apreciou a lberdade e
criterio, cora'que V. S. o os nossos ami-
gos dcveriimt.escolher os candidatos as
circumstancias acluaes do partido, como
de sua ndole e p 'incipios, quizer tambem
considerar o que deixo exposto, por modo
que, com seu voto e o de nossos amigos,
venbo eu a ser eleito; serei incansavel na
defesa de nossas ideas polticas, pugnando
pela felicidade e prosperidade da naco, eg
especialmente pelo bem moral e material
desta provincia e districlo, assim me esc-
dela a Providencia Divina e os votos de
meus concidados, que invocarei e saberei,
de preferencia consultar para bem mprir
o honroso mandato, d# que fr encarre-
gado.
E, sendo V. S. pessoa de legitima influ-
encia nesle districlo, venho solicitar seu
valioso apoio, bem como o de seus numero-
sos amigos minha pretenco, tomando
desde j, a ser elefro pelo voto de conflan-
cn e deeohformidade de ideas, o compro-
misso tle .desempenhar, quanto em mim
couber, to elevado encargo.
Agradecendo, de ante m5o, sua valiosa
coadjuvacao, contiua a ser, com a maior
estima e consideracSo,
De V. S. amigo, patricio e sincero corre-
ligionario.^- Cypriano Fendon G. Alcofo-
rado.
Recite, 9 de fevereiro de 1869.
COMMERCIO.
PIUCA DO RECD7E 17 DE FEVEREIRO
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDB.
Accoos da companhia de Reberibe 83o00 poi-
cada* accao.
Cambio sobre Londres 90 d/v 19 d. por lOOO
Cambio sobre Portugal 90 d/v 175 o/ de pre-
mio.
-30 d/v 18 7/8 d. por i.
Leal Seve
Presidente uterino.
A. P. de Leraos
Secretario interino.
Cambio sobre Londres-
BANCO MAUA & C.
lina do Trapiche n. 34.
Desconta lettras co umerciaesa taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente.
Confere crditos, saca sobre as primeiras
pracas do imperio, Rio da Prata e-Euro-
p, e compra cambiaos sobre as mesmas
pracas.
'Encarrega-se, por commisso, da com-
pra e venda de fundos pblicos e acc3es de
companhias, da oobranga de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
traer outra operario bancaria.
. 0 expediente para o publico comecar
s 10 horas da manha, e terminar
e terminara as i
de que parte est.i innocencia; uoentreunto comki0ras Ja tarde de todos OS das uteis.
as explicaQocsqut acabamos de dar, o un o que
tara j publicado no seu coneeituado jornal, de 11
do oarrente, a que j nos referimos, ea-o respei-
tavel publico inteirado da vardade.
Villa do Cabo l de fevereiro de 1809.
ENGLISH BANK__
O Rio de Janeiro Limited
De9Conta lettras da praca taxa a con-
vencional
Recebe dinheiro em conta corrente e a
praz fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tera agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-Yori!
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
-------------.
O English Rank of Rio de Janeiro Limited
casa sobre as seguintes pracas:
Londres.Sobre London Joint Stock Rank.
Pars.Sobre Pould & C.
Ilnmliurgo.Sobre J.Herenberg Gossler &.T,.
Lisboa e Porto.Sobre Raneo de Portugal.
Rio do Janeiro.Sobre English Rank of Rio de
neiro,Limited.
Baha Sobre C. Vanghan & C.
Sobrea. Para.Tappenbeck Rrambeer & C.
com ella, navegar ao rumo d'oeste verdadero,
passando ao norte da dita barca, e logo que a le-
nliaui montado navegarao ao sudueste.
flcretaria do governo do Para 8 de fevereiro de
18. O secretario interino Joao Hrigido dos
Santos. Contarme, o ofllcial maior Raymundn
Alves da Cunha. Confere, Antonio Anncs Jaeo-
me Pires.Confer, Campos.
O secretario da capitana
Dedo d"Aquino Fonreca.
Manta Casa da Misericordia do
Iteelfe.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recita manda fazer publico que na
sala de suas sessoes, no da 18 do corrente, polas
quatro horas da tarde, lera de ser arrematadas
quem mais vantgens offerecer, pelo tempo de um
tres annos, as rendas dos predios em seguida de-
clarados :
ESTARELECIME.NTOS DE CARIDADE.
Roa da Alegra.
Casa terrea n. 7, por anno..............3005000
Ra de I tartas.
Loja do sobrado n. 41, por anno........ 120.4000
Ra da Moeda.
Primern andar do sobrado n. 37, por anno 76J0OO
Segundo andar, id.-m.................. 964000
AreaT do Forte.
Casa terrea n. 1, por anno.............. lOOObO
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 13, por anno............ 170.3000
Reco das Carvalhas.
Casa terrea n. 5, por anno.............. 1513000
Ra da Imperatriz.
Casa terrea n. 08, por anno............3033000
Ra da Conceicao.
Casa terrea n.v 8, por anno..............2493000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 100, por anno.........201 000
dem n. 102, dem....................201O00
Wua do Rangel.
Casa terrea n. 6, por anno..........;. 302-3000
Ra da Madre de Deus.
Casa torrea n. 12, por anno............ 7803000
dem n. 6\ idom......................4803000
Sitio fl. 5 ilo Pomo da Cal, dem ........ 130000
Ra do Coraouiz.
Casa terrea n. L dem.................4403000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. $3.....................1443000
Os pretendemos devoran apresentar no acto da
arremataco as suas Bancas, ou comparecerem
acompanlados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cita, 1. de fevereiro de 1869. Oescrivao.
Pedro Rodrigues de Souza,
Manoel Jos D mingues Codiceira, Dr. Manoel do
Nascnnenio Machado Poctelb, Manoel Ribeiro de
Carvalho, Narciso Fiaucisco Vidal (2), Tlieodora
Mana da Silva Pinto, Vconde de Camaragibe, Dr,
Vicente Pereira do Reg.
n mmm
DE
S. ISABEL.
EMPREZA DRAMTICA
Wabbado O de evereiro
Segunda representac,ao do drama em o actos
AIME
Julia
I
Azc-
Seahorcs.
Julia Azevedo
Maria Velluti.
Clela.
Apolonia.
No qual faz a sua eatra a Sr." D.
vedo.
Personagens.
Ainie (a pastara de Svry) .
Horlencia Fauvel. .
Senhora Deronville. .
Julianna (moca da herdade).
Francisco (soldado). J. Augusto.
Jacquas Fauvel......Tlioinax.
O conde (de Grandual. lYimo da Costa.
Lua do Beanchamp. y llaviano.
Arihur de Marsoy. ., Jos (humarles.
Cannuche (moco da herdade). Jordani.
Bourgogne.......Santa Rosa.
Hocos, camponezes, mercadores, ambulantes,
soldados.
A secna passa-se em Ivry em 1827.
1. actoO desertor-Sala na herdade da -Sr."
Deronville.
2.* actoO ramal leteJardm dos dous mor-
nhos.
3." actoUrna por outraSalo no castalio de
Grand-va!.
4. actoSacrificio d Ainie = O mesmo do 1
acto.
8. actoO assassino por amorBosque era
noite tormentosa.
A msica c eomposicao do distincto artista Jos
Coelho Rarbosa.
Da fin ao espectculo a nova comedia em t
acto
0 IioiiK'in lulo e
Personagens.
Micbou, moco de freles. .
Roro!, eu amigo. .
Godoiphin, pasteleiro. .
Magdalena, peixeint .
Luizinha, lavadeira.
Em casa de Michou.
Principiar as 8 horas.
Acha-se aberta urna assiguatura de 30 recitas
divididas em 3 prestacoes para camarotes e ca-
deiras, com abalimenta de 10 por cont, tendo os
Srs. assignantes direito a 10-espectculos (pelo
menos) inteiramento novos.
ALFANDEGA.
Itendimento do dia 1 a 16 .
dem do dia 17......
482:9803787
47:67239^4
330:653*771
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volnmes entrados com fazendas
dem ideni com gneros
Volumes sahidos com fazeiuJas
dem dem fiour-geeros
489
716
195
417
----- 612
120o
Protectora das familias
Era^uniprimento do prevenido no artigo 29 do
regulamcuto, se convida a todos os sentar es con-
iribuntes desta associaejo, que ainda na Uverem
apreseuttdo'aseertdoesde idade dos segurados,
para que faea^entrega dellas na ruadoLivr*-
meoto n. 19, i andj-, afim de ter expdidaW
mais breve possivel j^tra a inspediria geral do
Rio de Janeiro. As cjrtdoes devolf jer selladas e
reconhecMas p*r tabolliao. Recita 18 dii Janeiro
de 18W.M)renre9firiante, ^^
N.P, de Vidal.
Descarregam hojo 18 de fevereiro.
Vapor inglezAmazoa=mercadoria{.
Barca inglezaCar/oca=iiiircadoras.
Ilarca francezaCo//g,n Patacho norte-alleniaoApollodem.
Hiale inglezTi/gresidem.
Patacho norte-alleinao Venedijidem.
Brjme inglezErabaealho.
Patacho hespanholLuisavinhos.
Ilarca inglezaConrad farinha de trigo.
Sumaca hespanhola Tlierezavinhoi.
Patacho hespanholTalUi=\dcm.
Barca francezaMariussaK
Rrigue portugueaRelmpagolgedo.
Barca inglezaZeuniaferro.
Escuna norte-allemaaCatharina idem.
Barca portuguezaDespique 11 varios gneros.
Barca portuguezaHigacafarinha de trigo.
RECEEDORIA-DE. RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PE11NAMRUCO.
Rendmento do dia 1 a 16 27:3473274
dem do dia 17...... 1:2433018
28.o90392
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendmento do dia 1 a 16
Idem do dia 17
65:9823192
3:9993939
69:9524131
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 17.
Liverpool45 dias, barca ingleza Henrelh, de 322
toneladas, capitao Thompson, equipagem 12,
carga carvao ; a Thomaz JefTeries 6. C.
Para pelo Ass40 das, hiato brai-ileiro Joven
Artkur, de 69 toneladas, capitao Julio Gomes da
Silveira, equipagem 9, carga sal; a Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo 3c C.
Navios sahidm no mesmo da.
LiverpoolBarca ingleza Karelau, capitao Easson,
carga algodo.
RarcelonaSumaca hespanhola Adela, capitao Pe-
dro Maritano, carga algodo.
Observacao.
Suspendeu do lamarao para o Marai bao a barca
norueguense Argentina, capitao A. B. Moreck,
com o mesmo lastro que trouxe de Rntherd.au.
dulzo dos 'eitos da iazeuda de
Pernainbiieo.
Faz-se publico a quem convier e interessar pos-
sa, que Ando o praso de tres mezes a contar de 24
de dezembro nltimo, se bao de vender em hasta
publica, celebrada na cidade de Goyanna e na villa
de ltamb, nerante o sobredito juzo, as trras per-
tencente*' ao extincto cncapellado de ltamb, cons-
tantes di edita! de praca, publicado no Diario de
Pernamhiira do citado dia. Os que pretenderem
lancar a praso, conforme o art. 4o da Ici de 6 de
seteuibrode 1880, deverao apresentar-rc com seus
adores habilitados, sendo as fiancas prestadas ad-
mnistrativanicnte e com todas as formalidades
8as Sancas tiscaes nos termos das instruceoes de
30 de dezembro de 1865.
O eserivo,
Luiz Francisco B. de Almeida.
laspeceo do arsenal de
mariuha.
De ordem do Illm. Sr. presidente da provincia
se faz publico o eililal abaixo transcripto, relativo
a remocao do pharol eollocado nos baixos de fira-
ganca o Para.
Inspeceao do arsenal d marinlia de Pernambu-
eo 17 de fevereiro de 1869.
O inspector.
II. A. Barbosa de Almeida.
EDITAL.
De ordem de S. Exc. o Sr. conselheiro presi-
denta da provincia. Taco publico que tmdo se re-
moviilo a barca jibaro! da posicao annunrrada por
edital desta secretaria de 2 de Janeiro prximo
passado. acha-se* ancorada a mesma barca em
qflinie bracas d'agua em fundo de arela fula, e ao
noite do cotovello do baixo de Braganca na dis-
tancia estimada de una e meia milha da fralda do
dito baixo, demorando-lhe a ponta da ilha da Jf-
Joca por 13a sueste e a da Curuca por 45 tantKcm
sueste, e na latt. Sul 33' 27" e na long. BCste do
meridiano Grew.-47* 40-47".
n< navios procedentes de leste que demandarem
a li uva l'liarol, logo que estilara leste-oeste com
ella navegarao ao rumo de oeste, verdadeiro, pas-
sando ao norte da dita barca, e logo que a tenham
montado navegarao ao sudueste.-------
Seciearia do governo do Para 8 do fevereiro do
1869.=0 secretario interino, Joao Brigdo dos San-
tos. ConformeO oflicial-maior, Raymundo Ai-
ras da Cunha. ConfereAntonio Annes Jaeome
Pire, i :>mfereCampos. Conforme,
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
= Pea recebedoria de rendas internas geraes
se faz publico que neste mez e no de fevereiro
prximo futuro, que os contribuutes da taxa dos
cscravos do oxercicio corrente de 1868-69, quer
ni oradores as freguezias da cidade, quer as de
fra, teem de paga-la, livre da multa de 6 0/0, e
com ella de mareo em diante.
Recebedoria d Pernambuco 8 de Janeiro de
1869.
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
perfeil.
Senhores.
Jos Victorino
Thomaz.
Jordani.
M. Velluti.
Apolonia.
AVISOS MARTIMOS.
na
Com muita brevidade segu para o porto indica-
do a barca portugueza Belem, capitao J. J. de Frei-
tas, a qual tendo a maior parte do carregament
prompto, recebe o resto a frete, para o me trata-
se noescriptorio de Araorim limaos, ra da Cruz
numero 3.
Para o Porto
seguir com a matar brevidade possivel a mui ve-
leira galera portugueza Noca Fama 11, por j ter
a matar parte da carga engajada : para o resto e
passageiros, aos quaes olterece excellentes com-
modos: trata-se com Cunha Irmaos & C, ra da
Madre de Dos n. 34. __________m
PAMIIA FUNA.MBUCANA E NAVE-
GAC-AO COSTEEIRA POR VAPOR.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Mamanguape, com-
maudante Mello, seguir para os
portas cima no dia 20 do a r-
renle a meia noite. Recebe car-
ga, oncoiniiieiulas. passageiros o
dinheiro a frote : no escriptorio do Forte do Mal-
tas n. 12. A
O juiz de paz do 3o distric-
to ta freguezia da Boa-Vista,
audieiicianasterqas-feiras das 10
hofas da nianbapraga da Boa-
Vista n. 2, e quando o dia seja
feriado ou santificado, ter lugar
no dia immediato as mesmas
horas.
COSPAXHA BIUSILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portas do norte esperado
at o dia 28 do corrente, o vapor
ranina, cominandante o capitao
de fragata Antonio Joaquim de
Santa Barbera, o qual depois da
demora do costume seguir para os do sul.
Desde J recebem-se passageiros c engaja-.se a
cai)jift que o vapor poder conduzir, a qual dorar
t*M embarrada no dia desuachegada. Enconimen-
das c dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sabida.
Nao se rocebem como encommendas seno ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedain a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar destea limites devora ser enmarca-
do como carga.
Previne-so aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se/ccebem na agencia ra da Cruz n. 57,
Io andaar, escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo A C.__________________________
"compaiu msiEST
DE
Paquetes a vapor.
Dos portas do sul esperado
att* o dia *3 do corrente o vapor
Guar, rommandante o primeiro
tenente P. H. Duarte, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portas do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o dia da sua sahda as 2
horas.
Nao se recebem como- encommendas seno ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a duc
arrobas de peso ou fl palmos cbicos de medicao.
Tudo que pausar destes limitas dever ser embar-
cado como carga.
Subdelegada de polica da freguezia de Santo
Antonio, 16 de fevereiro de 1869.
Por esta suWelegacia se faz publico que foi ap-
prehenddo e suppe-se ter sido furtado, um burro
castaubo com betta preta pelo tambo, tem uma ta-
nda na pata diantera dirata, com tarro no quarta
esquordo, quem a elle se julgar com direito, quei-
ra apresentar-se, que provando sua propriedade
I lio ser entregue.
O subdelegado,
Antonio Domingos Pinto Jnior.
DECLARACOES.
IMREl GERAL
Relacao das cartas registradas vindas (la Europa e
existentes na adminlstracao do corrtio desta ci-
dade para os senhores abaixo dedar ulos ;
Felomeno de Smone, Francisco ^.ntonio Ote-
ro, Fmncisco de Smone, Francisco de Paes Bar-
reta, Francisco Pungitore. Guiseppe Butaferoca,
GioraniTJacorozzcola Lambaglia, Phipp i
Enders, Pasquih Lugnilmino (i).
GRREIO GERAL
RelaQo das cartas registradas existentes
na administraco do correio desta edade
para os senhores abaixo declarados :
Dr. Amaro Joaquim da Fonseca Albuquerque,
Dr. Alfredo Teixeira Mendes, Antonio Bernardo de
Souza, Antonio Pires Ferreira, Antonio Pachec i
Soares da Silva, Belefon Ribeiro da Fonseca, C.
Nodelino, Elias Bantista da Silva Ramos, Erasmo
Jos de Mello, Frederico Chaves, Francisco Canuto
da Roaviagem, Julio Cesar de Alemio, Joviniano
Pereira Duarte, Joaquim do Andrade Lima, Dr.
Joaquim Ferreira Chaves, Joaquim Pereira Duarte,
coaego Joaquim Pinto de Campos (i), Dr. Joaquim
Pires Machado Portella, Dr. Jos Pinto Jnior, Joo
COMPAMIIA PEfLNAJ^CANA
^
M
Xavcaa^So oosleira por vapor.
Macei, escalas e Penedo.
O vapor Potengi, commndante
"Pereira, seguir para os portas cima
no .dia 3 de marco as 5 horas da tar-
de. Recebe carga at o dia 2 as % horas da tar-
de, oncommendas, passageiros e dinheiro afrete at
as 3 horas da tarde do da da sabida noescriptorio
do Forte do Mattos n. 11______________y
COMPANHH PERNAMBUCANA
DE
Navegado costelra por vapor.
Macei em direitura e Penedo.
O vapor Jaguar be, eomraandan-
to Moura, seguir para os portas aci-
_ ma no dia 22 do corrente as 5 horas
da tarde. Recebe carga at o da JO, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete al as 2
horas da larde do dia da sahida no escriptorio do
Forte do Mattos n. 12.
Para o Maranho
A barca portugueza Despique II, de primara
elasse, forrada de cobre, sane com a carga que
houver nestes 8 dias : a tratar na travessa da
Madre do Dos n. 10______________________
Para Lisboa
i O brigue portuguez Laia I, capr&o Vieira, vai
bahir com muitt brevidade, por ter a maior parte
da soa carga prompta; para a que ainda lhe falta
e Diissagciros, trata-se com Oliveira Filhos & C

' P
\ f
i
\


;\
.
v

>
;

Ramos, Jos Lucas Ferreira, Moreira & Primo, lareo do Corpo-Santo n. 19, ou com o referido ca-
Manool Ferreira Lima, Manoel Gomes Viegas, Dr. Ipiuo, na pra^a do Coamercw.


Diario
mi
Pernamfroeo Quinta feira W
tte Fevereiro de ISOSk
f
C0MPA5IHA PERNAMBUCANA
TVavegacSo rost< Irn ]> vapor-
Parahyba, Natal} Mac*i, M^or. Ara.
caty, Cear. Acara c e Granja.
't/iy 0 vapor Ipojvia, commandante
Jt 14 Martins, seguir para os portos cima
HBB no di 3 de marco p. futnro a 8 ho-
ras da tarde. Recebe carga al o da 2, enconi-
mendas, passageiros e dinheiro a fete ate as
2 horas da tarde do dia da saluda no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
to di jnizo de orphos de vaincnte a leilii. dita (jareara, pertencente aos
bens do finado JomVLuh do Azevcdo Maia, p-
denlo sor examinada no eaiafc'iro da constructor
i Sr. J. A. Rodrigues, ra do Bruui.
Maranhao
Segu com brevidado o palhabote Joven Arlhur ;
para o resto da earga que Ihe falta tratase com os
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
C, ra da Cruz u. 37.
Para
Tarat o indicado porto segu em poneos dias o
palhaboe Rozita, por ter a maior parte da carga
i; para o resto que Ihe falta trala-se com o con-
signatario Joaquim Jos Goncalvcs Beltro, ra
do Trapiche n. 17.
Para o Porto
Segu sem demora a barca portuguesa Noto
Silencio, por ter grande parte da sua carga promp-
t, para o resto e passageiros aos mu olTerece
oxeellentes noinmodns trata-se cora Oliveira Fiibos
& C, largo do Corpo Santo n. 19 ou com o capitiio
na praca do commercio.____________________
Para Lisboa.
Segu com milita brevidadi a barca portugueta
Uratidao, teni grande parto da sua carga prorap-
t ; |ara o que anda Ihe falta e passageiros, tra-
ta-se com Oliveira Fiibos & C, largo do Corpo San-
io n. 19,00 com o capitiio na praca do commercio.
Para Lisboa
Vai sahir com milita presteza o brigue portu-
ner emtante II por ter grande parte do sen
rarregamento prompto : para o restante e passa-
geiros, trata-se com Oliveira, Fiibos & C, largo
do Corpo Santo n. 19, ou com o eapitao na prac,a
do commercio.
Para o Porto
Segu com muita brevidado a barca porgueza
Harmona, para a carga e passageiros trata-se
com os consignatarios T. de Aquino Fonscca &
C, rua do Vigario n. 19, 1 andar, ou com o ca-
pitao na praca.__________________________
Para Lisboa
o brigue portuguez Relmpago, segu cm poneos
dias, tem a carga prompta e para o resto e pas-
.-ageiros trata-se com os consignatarios T. de
Aquino Fonseca & C. ou com o oapitao na praca.
.
LEILO
He 1OO a SO calas com duzla
de garrafas de azelte doce
Mil
as 11 horas no armazein do Annes, largo da al-
fandega, por intervencao do agente
. Cordoiro Simftcs
LEILO
DS MOTEES.
A SABER :
Um piano forte, urna mobilia de Jacaranda, 4
jarros com Bttm, um relogio de parede, um sor-
limento de msicas para piano e canto, 2 conimo-
das, 2 camas do ferro, ditas para menino, 1 to-
cador, 1 sof, 2 consolos e 12 cadeiras de ama-
relio, 1 quarlinheira, 2 venecianas, 1 banca de
jogo, cadeiras de balanco. 1 fogo, 2 cabides, 1
mesa de engommado e outros objectos.
ftexta-feira 19 de fevereiro
rua da. Imperatriz n. 40, Ia andar.
Tobius Pieri tendo do retirar-sc para Europa
com sua familia far leilo por intervencao do
agente Pinto, dos movis de casa de sua residen-
cia, no 1- andar do sobrado da rua da Imperatriz
n. 40, onde se effectuar o leilo as 10 horas do
dia cima dito.

3
vico que araba d>' prestar educarlo" de
nossas patricias, ftijo votos para cyiti con-
tinuo a oceupar-se com ol iJlueacJu
religiosa, como a presente xpte formarulo
excelleilfs mas (Je faiis, milito oorttm.
buirao para o profresso moral l religioso
de nosso paiz.
Rccife, 31 de Janeiro de 1868.
De V. S.
Amigo affet. e obrigm. C.
DeSo Dr. Joaquim Francisco de Faria.
AVISOS DIVERSOS.
LEILOES.
LEILAO
De um relogio de ooro patente, 2 cadeias de ou-
ro, 1 mcdalhao de orno, um caiso de folha pai?
roupa. diversas pecas de roupa usadas, um re-
wolver de 6 tiros, 5 mesas, 6 bancas, 2 consolos,
20 cadeiras com assento de palha, urna dita de
balanco, 2 relogios de parede, 1 marqneza, 1 mar-
quezao, 14 moxos, bancos, quadros, eolheres, co-
pos, garrafas, pratos, machina de fazer caf, ban-
deijas, garrafas de vinho do Porto, vinagre em
arril e muitos outros artigos proprios de hotel.
HOJE.
O agente Martin3 far leilo por autorisaco do
Illm. Sr. viec-consiil do Hes()anha, dos movis e
roupa cima periencentes ao espolio do subdito
hespanhol Jos Filippe Marlins. na rua estreita do
Rosario n. 2.1, as U horas do dia cima.
u
De um guarda roupa de amarello, nina mcia
rommoda, dous pares de cadeiras de balanco, um
candieiro a gaz,l par de rodomas, 4 quadros com
ricas gravuras, 1 banca para ourives, 1 guarda
vestido de amarello, 3 mesas proprias para en-
gommado, dous pares de serpentinas, diversos
quadros a oleo, .2 marquezoes, diversas marque-
mas, consolos, nicsas redondas, cabides, quarti-
nheiras, um meio apparelho de louea para jantar,
1 tocador de Jacaranda, 13 cadeiras de Jacaranda,
18 ditas de amarello com pouco uso, 2 pares de
bancas de Jacaranda proprias para jogo, um re-
partimento de amarello para escriptorio, um re-
logio patente inglez de ouro, urna pulseira esmal-
tada, um meio aderen e uns oculoscom armaco
de ouro.
HOJE
O agente Marlins competentemente autorisado
vender em leilo os objectos cima desenpto no
armazem da rua do Imperador n. 16, ao meio dia
em pento, scni reserva de preeos.
IJ
DE
Um terreno na rua Imperial
Tbeodoro Jos de Sant'Anna.
Km dito dito na mesma rua n.
casa Francisco das Chagas.
Um dito dito na mesma rua n.
casa Tiburcio Valeriano Raptista.
Um dito dito na mesma rua onde tem casa
Custodio Jos da Silva.
Dividas na importancia de 7:98ii-j96 em le-
tras.
HOJE
O agente Martins far leilo dos terrenos c divi-
das cima por authorisaejio do Illm. Sr. Dr. Clau-
dino d Araujo Guimaraes cnsul de Portugal
pcrlencentes ao espolio do subdito portuguez Joa-
quim Jos dos Santos Andrade.
No armazem da rua do Imperador n 16, as H
horas do dia.
onde tem casa
132 onde tem
la onde tem
EM ULTIMA PRACA
di n ittcici
em 2/3 de construccao, eom 140 palmos de qui-
lla limpa, 28 de bocea, 11 e 2 pollegadas de pon-
tal, construida de bom amarello, pregada de co-
bre, o lotada para 12,000 arrobas de carne de
charque, demandando apenas 9 palmos d'aeua.
HOJE.
is do corrate.
No largo do Corpo Santo porta do ar-
mazem n. 17, onde
0 agente Rernardino Guimaraes por authorisa-
A Moca Perfeita.
Acha-se impressa a segunda edjeao d'esta
obra de educarlo que to bem aclhida foi
a primeira vez que foi publicada,"
Esta nova ediyao muito superior pre-
cedente, pois que todos os artigos recebe-
ram n'ella maior desenvolvimento, e outros
novos Hie foram accrescentados.
Em vez de 106 paginas que continha o
primeiro volunte e de 136 que continlia o
segundo, a nova edicao conten 302 pa-
ginas no primeiro volunte e 430 no segun-
do, o que a torna quasi quatro vezes maior
que a primeira, pois que as novas paginas
sao maiores que as outras.
S a parte religiosa, que faltava inteira-
mente na primeira edicao, oceupa na pre-
sente tii paginas.
N'ella se explica toda a doutrina da
igreja, assim como tambem todos os deve-
res religiosos do christo com clareza e
preciso.
O autor submetteu sua obra ao exame e
censara do Exm. e Rvm. Sr. vigario capi-
tular d'esta diocese, e teve a honra de re-
ceber d'elle a seguinte carta sobre a dou-
trina e mrito da mesma.
Illm. Sr.......
Com a carta datada de 17 do corrente
a que respondo, recebi os dous voluntes
da Mora Perfeita, obra por V. S. composta
para a educado de nossas jovens patri-
cias.
t Pede-me V. S. que examinando cui-
dadosamente a mesma obra, nao s Ihe
communique o que n'ella encontrar digno
de correceo, quer na parte moral, quer
na religiosa, senao tambem de o meu pa-
recer sobre o nterecimento da mesma
obra.
Apreciando devidamente o sentimento
e as vistas de V. S. a este respeito, fiz
com cuidado o exame pedido, nao obstante
as oceupacoes que pesam sobre mim, e
creio poder assegurar-lhe que nada encon-
trei, quer na parte religiosa, quer na
moral, que offenda os principios funda-
mentaes da doutrina christ, da moral
evanglica e da educaco religiosa.
No meu entender, esta obra preenebe
bem o fim para que praticamente os deveres que as mocas tem
de cumprir e as virtudes que devem ex-
ercilar, quer na familia como filhas, como
irms, como esposas, como mes, como
amas ou senboras, quer na sociedade civil
e religiosa.
Accresce mais que no ponto de vista
religioso, V. S. nao se limitou a explicar-
les simplesmente os deveres que nos sao
impostos pela nosssa f, procuron tambem
esclarec-los sobre a verdadeira religiao
que felizmente professamos, oceupando-se
extensamente em provar a divindade de
Jess Christo, que em contradieco a
base fundamental da mesma religiao.
Os exemplos que V. S. refere da in-
fluencia da mulher sobre a moralidade da
familia e do estado sao na verdade bellos e
bem escolhidos.
Nao menos importantes e efflcazes sao
sem duvida os rasgos de herosmo que na
mesma obra se referem, praticados por
esse sexo na apparencia tao frgil e na rea-
lidade to forte. Rasgos de amor filial, de
amor conjugal, de amor maternal, de amor
prximo, de amor da patria, rasgos emint
de amor divino, tudo sublime, tudo en-
canta n'esta obra de educaco.
E para que nada faltasse na Moca Per-
feita, segue-se depois de tudo isto a vida de
Nossa Senhora que incontestavelmente o
modelo de todas as virtudes.
Nao tenho noticia de obra alguma que
seja mais apropriada para a educaco das
mofas do que a que V. S. submetteu ao
meu exame, e me convento produzir grandes bens no interior das fa-
milias.
"Felicitando aV. S. pelo relevante ser-
Ar figos de que se compoe a Mofa
Perfeita.
TOMO I.
Gap. I.Crearn da mulher. Queda da
mulher pelo peccada. Degradaco e oppres-
so da mulher entre os povos antigos e mo-
dernos.
Cap. II.Rehabilitaco da mulher pelo
chrislianismo.
Cap. III.Destino e roisso da mulher.
O mesmo assttmpto. Destino e misso da
familia. Quadno da familia ehrista.
Cap. IV.Regenerarn da familia pelo
christianismo: Influencia da mulher sobre
a moralidade da familia e do estado.
Cap. V.Exemplos notaveis da influen-
cia da mulher sobre a moralidade da fami-
lia e do estado.
Cap. VI.Rasgos de herosmo pratica-
dos por mulheres. Rasgos de amor filial.
Rasgos de amor conjugal. Rasgos de amor
maternal. Rasgos de amor do prximo.
Rasgos de amor da patria Rasgos de amor
divino.
Cap. VII.A Santa Virgem modelo de
todas as virtudes.Nascimento da Santa
Virgem.Apresenttico da Santa Virgem.
A Santa Virgem no templo.A Santa
Virgem orpha.Desposorio da Santa Vir-
gemAnnunciaco da Santa Virgem.Vi-
sitado da Santa Virgem a Santa Izabel.
Nascimento do- menino Jess.Adoraco
dos magos.Purificado da Sansa Virgem.
Fgida da Santa Virgem para o Egypto.
Cap. XVI.Dos de veres religiosos
clirjsto. ^
Cap XVII.Dos jpeccados contrarios
aos tres primeifos- tmmdaineutos de Deus.
Cap. XVIII.Das sete antes de pecca-
dos, e das virtudes- que Ibes so contra-
ria.
Cap. XIX.Das- virtudes theolosaes e
das virtudes morae*.* ; "x : ^
Gap, XX.Da piedade e da religiao.
Cap. XXI.Do culto qne.se d a Mara
Santissiraa, aos Sarrios, as reliquias e as
imagen*
Cap. XXII.Dos meios que Deus esta-
beleceu para santificar-nos (Da graca.Da
oraro.Dos.sacramentos.'i
Gap. XXnl.Das festas e dos santos
tempos do anno christS e dos ritos e cere-
monias do culto divk.
Tal
cada,
Ella acha-se
a obra que acaba de ser publi-
venda no escriptorio do
Cop-eio dolicciferuado Imperador n. 79,
primeiro andar, preco de fi;$000 os dous
exemplares, boa encadernaco.
Todo o pae de familia que zela a educa-
co de suasilhas, deve pois dar-se pressa
em comprar para ellas um exemplar desta
obra, certo de que nao-Ibes poder fazer mais
valioso presente.
ran
A Santa Virgem durante as pregacoes
de Jess.A Santa Virgem durante a pai-
xo de Jess.A Santa Virgem depois da
morte de Jess.
TOMOII
SECCAO I
Dererese virtudes das mulheres na familia.
Gap. i.Origem da familia, seus bene-
ficios.Papel do homemna familia.Papel
da mulher.Papel do menino.Retrato
moral da mulher.
Gap. II.De veres das mocas na casa
paterna.Deveres para com Deus.Deve-
res para com seus paes.Deveres para com
seus irmos.Deveres para com os criados
de seus paes.Deveres para com seus mes-
tres e mestras.
Cap. III.Deveres das mocas na casa
propria.Preparaco para o casamento.
Reflexoes sobre o casamento.Deveres da
esposa para com o esposo.0 mesmo as-
suinpto.Deveres ca mi para com os fi-
ibos.Deveres da ama para ;com os cria-
dos.Deveres da dona ae casa.0 mesmo
assumpto.Misso da mi.A economa
intelligente.Da ordem nos pensamentos,
as palavras e as acones.Do emprego do
tempo.
SECt'XO II
Deveres e virtudes das mutlteres no mundo
Cap. I.O mundo e seus perigos.
Cap. II.Da entrada no mundo.
Cap. III.Das amizades.
Cap. IV.Da conducta o do porte.
Cap. V.Do desejo de agradar.
Cap. VI.Da polidez.
Cap. VII.Da felicidade.
Conselhos de urna mi a sua filha sobre
a felicidade. Conselhos de um pai.
Cap. VIII.Qualklades, que as mocas
devem exercitar e defeitos que devem evi-
tar.Conselhos de urna madrinha a sua
afilhada.Primeiro conselho. (Da vada-
de, da ostentaco e da impertinencia.) Se-
gundo conselho. (Da fraqueza, da rectido,
da mentira.)Terceiro conselho.(Da pa-
ciencia, da mansido e da colera.)
Cap. IX. Regras de conducta tiradas da
Escriptura Santa.
SECCAO III
Deveres e virtudes das mulheres na igreja.
Cap. I. Necessidade da religiao.
Cap. JI.Da verdadeira religiao. Feli-
cidade de quem professa. Desgraca de
quem a despreza.
Cap. III.Das verdades que devemos
crer.
Cap, IV.Do mysterio da Santissima
Trndade..
Cap. V. Da creaco, obra attribuida
Primeira Pessoa Divina.
Cap. VI.System.' adoptado por Deus
para a regeneraco da homem.
Cap. VII.Da redemppo, obra attribui-
da Segunda Pessoa Divina.
Cap. VIII. Propltecias sobre o Sal-
vador.
Cap. IX. As prophecias relativas ao
Messias cumprem-se todas na pessoa de
Jess Christo.
Gap. X. Outras provas Jess Christo.
Cap. XI.Mais provas da divindade de
Jess Christo.
Cap. XII.Doutrina de Jess Christo.
Cap. XIII.Da justificaco, obra attri-
buida Terceira Pessoa Divina.
Gap. XIV.Da igreja.
Gap. XV.Dos novissimos do homem.
ANTONIO EPAMINONDAS DE
MELLO tem o seu escriptorio de
advogado rua do Queimadojn. 8,
1. andar.
Na Capunga, rua da Amisade ns. 40 e 42,
prerisa-se de urna ama forra ou tuerten para todo
servico de urna casa de pouca familia, paga-sc
bem.
Fugio do engenta S. Pedro, termo de llar-
reiros, no dia 6 de Janeiro de 1869, o escravo
Luiz, crioulo, eor meia fula, com idade de 25 an-
uos, pouco mais ou menos, com muita penugem
de barba no bigode, e j nascendo na ponta do
Regresso da Santa Familia a Nazarett*. queixo, falla meia apressada, bracos e pernas um
pouco linos, o brauco do olho amarclla^o, tem os
dedoS dos j>s encostados ao dedo grande, e mais
eompridos um pouco que o grande, muito dever-
tido, nao dcixa de estar em funeco no lugar onde
habita, capaz de passar por forro, tem apenas
duas ou tres marcas de chicote, isto mesmo pe-
quenas, que se precisa reparar, boa altura, boni-
ta figura, beic,os meio grossos julga-sc andar
nesta praca : quem o pegar dirija-so a casa dos
Srs. Manoel Al ves Ferreira & C., rua da Moeda n.
o, 2o andar, ijue ser recompensado com lOOOO.
Pertence dito escravo a Christovo Denlo do llego
Brrelo.
Manuel Monteiro da Cunha faz scienle que
desde o dia 12 do corrente mez .tem mudado sua
residencia da casa da rua do Bru n. 62 para a
ruado Imperador n. 42.
Irmandade do Divino Espiri-
to Santo.
A mesa regedora desta irmandade tendo de dar
principio as obras da eapella-mr de sua igreja,
por este motivo faz srienfe que deixa de haver os
sennoes do costume, tirando substituidos pela de-
voeio da va-sacra, que ter lugar todos os do-
mingos da presente quaresma, pelas 7 Doras da
noite, para o que sao convidados os nossos irmos
para assistirem a esse arlo.
O eserivo,
Joaquim Francisco da Silva Juni'.r.
Oferece-se urna ama para todo o servico de
casa, sendo de pouca familia ou moco solteiro :
no becco da Lenha n. 6.
Irmandade de S. da Boa-
viagem.
Sao convidados todos os irmos para compare-
ccfcii! no domingo 21 do corrente, as 9 horas da
manha, na respectiva igreja. afini de se proceder
a eb-icao da nova mes* regedora.
= Julio Kalm, no-hotel Uuiverso, vende libras
esterlinas mais barato do que em outra qualquer
parte. ______________
ima
Precisa-se de urna ama
n. 45.
na rua da Conceicao
Precisa-se de urna ama para cozinhar e en-
Sommar cm casa de um homem solteiro : na rua
a Concordia n, 125.
No hotel Brasileiro, rua das Larangeiras n.
14, precisa-se de dous moleques para o servico do
mesmo hotel.
Ama.
Precisa-se de urna ama de meia idade para
comprar c cozinhar para urna familia de poucas
pessoas : na rua Bella n. 3.
Na rua da Concordia n. 9, padaria, precisa
se de urna ama para casa de familia.
COMMEDORIAS
Prepara-se a moco e jantar em unta casa
particular de familia, na rua estreita do
Rosario n. 35, sobrado.
Lindos cortes de cassade cor com barra.e com figulino indicando o molde do vesti-
do pelo baratissimo preco de 3^500 o corte
Ditos de percalia muito modernos com duas saias a 5^000 res
Na loja das Columnas da rua do Crespo n. 13 de Antonio Correa de-Vascon-
celos 4 C.
GRANDE HOTEL
DO
BRASIL E PORTUGAL
Situado em um dos bairros mais contraes de Pars, sendo as immediacoes dos
principaes theatros e outros muitos divertimentos, e assim das estacoes dos caminlws de
ferro para todos os pontos da Europa, acabado de ser inteiramentc renovado, nao se
tendo poupado o seu novo proprietario a despezas para seu completo embellesamento e
aceio, torna-se portanto ventajosamente recommendavel aos senhores brasileiros e por-
tuguezes, a onde encontrarlo sempre aquella convivencia desejada em paiz estranho,
por ser constantemente frequentado por seus compatriotas. 0 tratamento superior a
todo o elogio, mesa redonda, ou a carta, ou servida nos apozentos; habitacoes conve-
nientemente despostas para familias, e quartos para urna s pessoa, o servico feito
com a precisa regularidade : os preeos muito rasoaveis e ao alcance tambem d aquellas
pessoas que se queiram limitar.
Gabinete de leitura com os principaes jornaes dos dous paizes, salo de recepto e
de msica, etc. etc. Todas estas vantagens podem ser applicadas igualmente aos senho-
res passageiros das repblicas do Prata, porque alm da semelhanca da lingua, ali en-
contraro muitos senhores hespanhoes, por quem tambem esta casa bastante fre-
quentada.
Precisa-se de urna ama que cosinhe bem
para casa de pouca familia : na rua do Imperador
n. 74 2* andar.__________________________
CRIADO.
Precisa-fe de um criado : na rua do Qucimado
n. 12, 1 andar._________________________
Ama
Na rua Direita n. 61, loja de chapeos, precisa-
se de urna ama para easa de homem solteiro.
Jezuina Alexandrina de Carvalho Pcdroso
avisa aos pais de familia e a quem convier, que se
acha inteiramente no exercicio da primeira cadei-
ra da freguezia de S. Jos, na rua Augusta n. 70.
Precisa-se na rua da Cruz n. 33 de urna ama
escrava que saiba bem cozinhar para casa de pou-
ca familia._______________________________
Precisa-se alugar.um moleque ; na rua do
Cabug n. 2 B.___________________________
Ullerece-se urna senhora para cosinhar em
sua propria casa; nessa mesma casa lava-ie e en-
gomma-se : quem precisar dirija-se rua da Glo-
ria n. 6.
PHOSPHATOdeFERRO
DE LERAS D0UT0H EM SCIENCIAS J
INSPECTOR DA ACADEMICE PARIZEtc
Dcbaixo di forma d'um liquido sem sabor,
anlogo a urna agua mineral, este medica-
mento rune os elementos que constiluem
os ossos e o sangue. E' o mais racional dos
ferruginosos; por esta razio o adopta rio
os mais eminentes mdicos do mundo in-
teiro. Convem muito s senhoras que padecen d'eslas dOres d'eslomago intoleraveit, causadas pela chlorose,
anemia, menstruacio eu leucorrha, s criancas d'uma compleicao paluda e delicada, e a
todas as pessoas que tem o sangue empobrecido pelas doencas. Efficacia, rapidez d'acoio,
cura perfeita, sem conslipacSo de ventre nem accio sobre os dentes, taes sao as razdes que
imperio para qne os senhores mdicos o prescrevio aos seos doentes.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maura a O*.
^M^^^^^^^^;^^^^;^^^^^:^:^^'^
CAPSULAS VEGETAES,
.m>
a'

DEGRIMAULT E C.a PHrlIVIACEUTICOS em PARS

Estas capsulas, com capa de gluten, comeen o balsamo de copahiba associado essencia de
Matico (arvore do Per), e constiluem nm .remedio infallivel contra a gonorrh. Ellas obrio
sem cansar o estomago e nio provocio nunca os enjos nausea que occasionSo as capsulas
ordinarias, tendo a immensa vantagem de nio coramunicar cheiro s ourinas. E' por estes mo-
tivos que ellas sao superiores s capsulas de copahiba, cubebas, etc.
a Deposito'em Pemrnnbuco, n easa de Kanar a C*.
Bl5HSE5H5Z5H.Eai5E5HSH5aE5L5il SE5Z 5H5H5a5EL5H5H5aHH5EBE5E5H5S5E^
RUA
CABUGI
esquina
| da rua larga do
Rosario.
AO ANNEL DE OURO
M^BJA DE TOlitS
Este importante estabelecimen to no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender.
A vista da qualidade e do preco das joias cada umpder-se-ha convencer da verdade.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, rata e pedras finas por preeos muito ele-
vados. I ,
RIJA
EO
A loja*" est aberta at s 9 horas da noute.
CABUG
esquina
da rua larga do|
Rosario.



4
Diario de Pertiatnbeo Quinta e\ra 18 de tfvefeiro de 1869

____
PROGRAMMA
DA
Festa deHosa Senio-
ra da Conceiqao no
Iffonteiro.
No da 18 Jo correrte, pelas 7 horas da
nuute ter lugar a ascemc*) da respectiva
bandeira, sahindo ella da casa doSr. An-
tonio Jos Gomes do rreio, collocada
cm Hrna riquissima chai-ola, que sera le-
vada ir quatro virgens, ^ depois de per-
correr at o Caldeireiro velara a ser deposi-
tada em um raage*oso arco triumphal con-
fronte a igreja.
Observar-se-ha nesta wxasio urna so-
leanklade toda ova e surpreadente.
No da segante principtarao as novenas
Jorge Vctor Ferreira Lopes; havendo efe,
todas as noutes msica militar, orcljestra
dirigida pelo notavel mestre o Sr. Colas,
* um Tindo fogo de artificio.
Na vespera, pregar norteo Sr. padre
Augusto Maria Ferreira Botelho.
No dia 28 celebrar-se-ha a festa com'
todo o esplendor e reverencia que soe ca-
racterisar as solemnidades do culto chris-
tao, orando ao Evangelhb o Sr. padre Dr.
Luiz Ferreira Nobre-Pelinca. e no Te-Deum
i noite o Sr. Fr. Joaquina do Espirito San-
to. Neste dia, tarde subir ao ar um
lindo bailo muito original, e a noute todo
o largo da igreja ser formosametite Ilu-
minado.
No dia immediato ao da festa quemar-se-
na um fogo de bengala de gosto anda des-
eoiihccido entre nos.
Nada pouparam os encarregados da fes-
ta, nem dedicacSo nem esforcos, para que
o resultado da misso deque forana encar-
regados, corresponda dignamente a to su-
bido assumpto.
Condados no espirito verdaderamente
religioso que impera no coraeo deste mag-
nnimo povo, esperam os mesmos que por
parte de todos aquellos que estiverem no
raso de auxlia-los no completo desider-
tum da nobre empieza em que se einpe-
nhararn, nada deixar de realisar-se a fim
de que bem alto e significativamente possa-
raos dar a Divindade um sincero testemu-
nho de nosso amor e adoradlo.
Eoftino de nrKfce*le, algebra t
geometra.
^Assis, cosina estas materias no prirneiro andar
da casa n. 17, sit na ra Nova, das 7 l/_ as 8/2
|lras da manhaa aos senhores estudantes que de-
selam fazer exame no collegio das artes, e das 7
sejam
i/i as 9 da noite aos senhores eiapregados no cora-
mVcio.
Trocam*se
as notas do banco 3o fras!! e das eaixas filjaes,
fgw descont muito razoavcl :
"idencia n. _. __.-_. .
na praca da Iade-
k| No sitio
serava de meia
n. 1 da
ia idade.
Passgeui, vende-se urna
Ama
Precisase de una ama para o servico interno e
externo de urna casarouma s pessoa : na roa
do Rangcl n. 33.______________pp
Precsa~-7c~(u ama am* para todo e qualqner
servico de una casa de paqaena fmula : na ra
do* Hospicio n. 64.. ^ ^ ?*
CRIADO
Na ra do Imperador n. Ti, 2 andar, prc .
de ura criado. eia-*e
Cozinheira
Precisa-se de urna criada cozinheira : na ra do
Imperador n. Ti, 2 andar. ^-4
Escriptorio
Gomes de Hattos I raaos estao eotn o scu es-
criptorio aberto na roa do Vigario n. 26, 1" an-
dar : nropoe-se a qnalquor consignacao, menos
de escravos. _^______,
Precisa-se do um menino que saiba comprar e
fazer mais algum servico de casa : na ra do Im-
jperadur n. 73, 2" andar.______________
riuantlade de W. S. da Coneel-
cSo dos miliares.
Por delibcracao da mesa regedora desta irman-
dade sao convidados os nossos charos maos para
uina mesa geral que dever funecionar quinta-rei-
r 18 do corrente, pelas 5 horas da tarde.
0 secretario,
Manoel Fonseca de Medeiros.__
OfTerece-se urna pessoa para tratar de um
sitio gratuitamente, porm com as condicoes que
us pretendentes vero : a tratar na ra da Con-
cordia, taberna n. II
Precisa-so do um moleque de 12 a 14 annos
para servico externo : na raa Direita n. 79, loja.
Ama de leite
Aluga-se urna ama de leite escrava com filho :
quem precisar dirija-se a praca da Independencia
n. 5. I l
.iVxi.
Ra do Torres n. 16, _*War, precisa-se de
uiua ama que engomme e cosinhe para uina pes-
soa.
AMA
Precisa-se de urna ama : a tratar no pateo do
Terco n. 63. __________
Moleque
Precisa-se alugar um moleque ou mesmo um
negro de maior idade : a tratar no pateo dj Ter-
so n. 63._____________________________
Com seguranza
Precisa-se de 500i a juros por 3 mezes, pagn-
do-se os juros de 2 per cento : ha ra do Hospi-
cio n. 38. se dir quem quer.________________
Brigue inglez Peeless, chepudo de Terra No-
va consignado a Saunders Brothers & C. tem um
carregamento de 2164 barricas de bacalho em-
barcado pelos Srs. Bieber & C, de Londres, o
possuidor do conhecimenjo ter a bondade de
apresentar o mesmo no escriptorio dos consigna-
tarios.
O Sr. Antonio Francisco Duarte queira appa-
eeer na ra Direita n. 58, a Begocio de eu" inte-
resse.
AMA
Na na do Torres n. 42, 3o andar, precisa-se de
ama mulher para engommar e que tenha regu-
lar comportaiiiento, paga-se bem.
= Na ra Direita n. 88, casa que foi do falleci-
do Prannos, eontina-se a vender o verdadeiro
veame e a salsa do Dr. Tompson.
IVD1V IJJJ
No armazem de Gandido Alberto Sodr da Mot-
ta Iravessa da Madre de Dos n. 14, estao paten-
tes mais de dez mil amoslras de papel o mais lin-
do que se tem visto nesta provincia, desde o mais
simples 'at o mais sumptuoso e proprio para
guarnico e fono de salas, gabinetes, capellas de
igreja sanctuarios; pela variedade e belleza de
scus desenhos e arabescos primorosamente dou-
rados. 0 custo desse artefacto o mais razoavel
possivel, porque apenas se sugeitar o Sr. pretn-
deme a urna diminuta commisso alm do mdico
proco, porque vende o fabricante em Paris.
No mesmo armazem de Gandido Alberto ven-
de-se muito em cunta o seguiutu :
Milito bom firelo
Por 5s o aeeo de OHbras. E' muito barato I
ptimo cimento
Por 10 a barrica de 12 arrobas. Nao ha que
dizer.
Armaco de taberua
com os sexs pe teneos, pesos e med das etc., tudo
cm muito bom estado e proprio para algum prin-
cipiante : vende-sc por inetado do sen justo vabo
Aluga-se a loja do sobrado n. 32, sito na
pra?a daBoa-vista, tendo commodos para qual-
qner estabelecimente : a tratar na ra do Alecrim
Criado.
No caes de Apollo, armazem n. 71, precisa-se
alugar para servico de casa um rapazinho de 12
a 14 annos.
Cozinlieiro
Procisa-se de um cozinheiro para m collegio :
a informar na ra do Imperador n. 28.
Precisa-se de um menino du 12 a 14 annos
para caixeiro de taberna, preferindo-se dos tilli-
mos chegados da Europa : no pateo da Ribeira
M. 13.______________________
Aluga-sc o tercairo andar do sobrado da
ra da Imperatriz n. 39 com um grande sotao,
terrado e bastantes coinmodos [tara urna familia :
a tratar na ra Augusta n. t.
Collegio de S. Francisco Xavier
Kstabelecido na grande e bem arejada casa
onde esteve o Gymnasio, na ru,a. do Hos-
picio n. 32, dirigido pelos padres da
companhia de Jess.
O reverendo padre director daste collegio srien-
fica aospaisdeseus alumnos edos demais que
uizerem confiar- Ihc a educacao de scus filhos,
^ue no dia 3 de fevereiro comecarao a fuccionar
das x aulas, acliando-se abertas ja as matri-
las. Recebem-se meninos do 6 a 12 annos
Era seren instruidos as materias preparatorias
jfaculdades do imperio, a saber, prfmeiras le-
ans e Imgoa nacional, geographia c historia, ari-
_metica e geometra, inglez, francez, (da-sc infe-
rior e superior), latim, da-se nfima, media e su-
rema, isso a pratiea da prosa e da poesa), e
finalmente humanidades ou a introduccao rheto-
rica, qno comprehende os tratados do estylo c da
locucoquer em prosa quer em poesa hasduas
Bagoas latina a nacional. A muaca pr canlo-
ria epai'a todos o instrumentos fie soprp e cor-
4as, assim como as lin^oas altemaa, italiano, gre-
ta, ebraica serio ensinadas pedido dos senhores
Rio de Janeiro.
Zferino d'Atmeita Pinto, advogado na
Rio de Janeiro e com escriptorio de agen-
cia na ra dos Pescadores n. 08, encarre-
ga-sede todos ejuaesquer negocios judi-
ciaes e adtm'nistiftvoa, mediante honora-
rios e commisses rasoaveis e moderadas.
As pessas que de *eus serveos se qui-
erem iitilisar, podero dirigr-se pessoal-
ente ou por carta ao escriptorio cima ou
aeasadesua residencia, Calfete a. .72,
acempa iliados de todos os documentns
jpredsos e com fhdica(So da pessoa om
flaem sepossa tratar.
Para mais infonnaees diiigam-se a ho-
tca da ra larga do Rosario n. O, '
idade.
Joaquim Jos Gon-
palves Beltro
RA DO TR.\PICIIE N. 17, !. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre oBan-
o do Minho, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalicao.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
ITIIIIlilM.
Aos 500 pares de brincos.
Cbegou e vende-se no CoracSo
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
mpsinhas com urna franja penden-
te a um rico desenho e ouro de;
!ei, pelo pequeo preco de 5*5000
cada par. baratissimo.
Escravo
,Precsa-se alugar um escravo das 8 horas da
manhaa as 5 da tarde : na ra da Cruz n. 46,
i* ndar._______________
Feitfor.
Preeisr.-se de um homn para trabalhar em
urna plaa de capim : a tratar na rea iireita nu-
mero 69.
ATTENCO
poMPFarecwJotaw^ at2oo assignado, do
-itio Campo Gratato, dfcrtrfrto -"Maranguape no"
da do mea prximo passado, um cavallo de
^Idjo, anda novo, nao tendo ferro afcram
mato calcado de um p, e tem mos, como valga-
mente se dit, eneruzadas : roga-se a qualquer
(tessoa qne o apprehender de levar ao mesmo
abaixo aotgMdo n_<|uelle districo, on em Olincta
ra casa do Sr. tenente-eoronel Manoel iAntonJo
dos Panos e Silva, que ser reeonmns*do.
Jos TUcodoro Cavalcanti Horaes Lins.
CASA DA DORTDNA
Aos 4:00011
Bilhees garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do caatume.
assignado tendo
O abaixo assignado tendo vendido nos
muito felizes bbetes garantidos un nudo n. 356
com a sorte de 7004, um rucio n,. 1062 com a
;i_ mte de JO** e outras muHae sortee de i1
nena: ^ 208 da loleria que se abbtt dowclrahlr
em beneficio da matriz de laboato (95/) convida
aos possuidores a virem receber seus respectivos
premios sem. os deseontos das leis na casa da
Fortuna ra do Crespo n. 23. .
'Aebam-se a venda os da 4 parte da toteria a
benefieio da igreja de Nosa Senborada Boa-via-
fem as AfcfaflDB (96) ^ue aeetrahira _t_Ja-feii
56 do correne mez.
Precos,
Btfhete.....4*000
Meio.....2*000
Quarto. .... 1*000
Em poreie de 100* para cima.
ttMe. .... -'3#e0
eP......Atm
Qnarto..... 75
Manoel _lar JMtt Fua,
BARTHOLOMEU 8: C.
PARA ISO INTERNO
P REPARADOS SIIPLES
Xarope de jufulwba garrafa. 1*5000
Vinho de jorobeba garrafe. *(600
Pilulas de jtirubeba vidro. 1(5600
Tintura de jurubeba vidro. 640
Extracto bydracoolico dejurubeba. 42_O0
PREP.ULVDOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2<000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 15600
Pilulas de jurubeba ferruginosa'vidro. 4f$000
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurubeba pote 640
Emplastro de jurubeba libra. 24500
PARA USO EXTERNO
A JURUBEBA.
Esta planta hoje roconhecida como o mais poderoso tnico, como um encl-
lente de&obstruente, e como tal applcada nos engorgitamentos do figado e bago, as
hepatites propriamente ditas, on ainda complicadas com anazarchas, as mflammacOes
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos uraores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as hodrope-
zias, erysipellas; e associada as preparaces ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, cbioroses, faltas de menstruacSo, leucorrheias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que diiiemos ailmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a excellencia d'este
poderoso medicamento sobre os demais at hoje conhecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicacao.
Apresentndo- aos mdicos e ao'puWico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que al hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle,
mais das vezes repugnantes a iragarem-se, e que tinham ainda a desvantagero de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improfkuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s forain apresenlados depois de havermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias preciss para bem conhecer aspro-
priedades medicamentosas d'esta planta em 'SltWaizes, folbas, fructas ou bagas, e a
dose conveniente a applicacao, tendo alm d'fslo procurado levar Os nossos preparados
ao maior grao de perfeic3o possivel, para o que n_o poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco hiero que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
vel cura de qualquer dos soffrmentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico cu doente a vantagem de escolhcr as nossas va-
riadas preparaces, aquella quemeihorlhe podecorrvir, j pela fcil applicacao., ejpela
complicarlo das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nos?as preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
como taes esto hoje reconhecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propiedades da
jurubeba, e saberem a applicacao de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
era nosso deposito um folheto, onde trotamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
Botica e drogara
34Ra larga do Rosario34.
Do xaronc Veccta! Americano. esplalld-Mlede Harlholoniru d_C.
34^RUA LARWrDO RSAR10-34
Nao costumanos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que sua appHcacie'eos resultados obtids pelas' pessoas que se dignaram acceita-
los, Loes deem crdito evoga; porque so sempre os attestados considerados gratoRos,
e delles que lancamao o charlatanismo; mas, nao querendo offender ai pessoas que
espontneamente nos offereceram os que abaixo vo transcriptos, os fazemos publicar,
manifestando-lhes nossa gratido pela altenc5o, esperando que venliam elles corrobora*
o conceito, e acceitacio que ttm merecido nosso xarope.
Barthoiomen & G.
ATTESTADOS
films. Srs. Bartholomeu A C com a mais subida satisfac5o que declaro
ser o xarope Americano de urna effleacia extraordinaria, pois que soffrendo ha das de
intensa tosse, pon/o de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamentos
que tomava, a elle recorr e na terceira colher fui alliviado, e de todo me artio hoje res-
tabelecido com o oso sement de quasimeio frasco: grato, poia,r esse resollado mani-
fest a Vv. Ss. meu reconhecimento. De Vv. Ss. amigo, Venerador e obligado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa O de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu 4 CPenhoradissimo com o favor que me fizer.ia
de dconsemar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composiclo, quando me acha-
ra bastante doente de urna constiparlo, que me tornou completamente rouco e que
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus deveres de cafltor H9
empreza lyrica, vou agradecer-lhes meu completo restabelecimento, que oblive com um
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos Iratamentos. Desejare
qHe outros como e recorram ao seu xarope para se verem alliviados de lo terrivei
incommodo, tao fatal neste paiz. Com maior consideraco contino a ser do Vv. Ss.
attento, venerador e obi gado.Luiz Cremona.
Recife, 23 de setembro de 1808.
Illms. Srs. Bartholomeu & C.O xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. teem
exposto venda de toda efficacia para o curativo d'astbma, conforme obsorvei appli-
cando-o a meu filho Joquim, menor de quatro annos; victima d'esse flagello, que at
ent5o por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de grande
nomeada, Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expresso altamente sincera de meu reco-
nhecimento o meritorio servico que Ihe prestaram com o indicado xarope, acreditan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obligado.Americo Netto de Mendonca.
Recife, 2 de outubro de 1868.
DE
DOENCAS DO PEITOI
XAROPE d'HYPOPHOSPHITO
CAL
GRIMAULTt C* PHARMACEUTICOS' EM PAR
A effleacia d'es ta preparacSo est estabelocida desde 4 857, pelos mais celebres medico*. Isde
entSo muius im tacoes tem sido fcilas, mas nenhuraa poude sustentar a comparacio com o
producto apreser lado pela nossa caza. Por isso excitamos o publico para que exiga sempre
este xarope com ama bella cor de rosa, nenet branca, e com a nojsa asaignatura i roda do
frasee.
Soh a toa infidencia, a tosse acalma-se, os snores nocturnos cessto e o doente volve rpida-
mente 4 sade. 0 seu empreo d umbetn os mais brlbanles resultados nos defluxos, catir-
rbos, bronchites., irritaedes do peilo, etc.
Deposito em Pernamlmeo, em casa de Mont o*.
BAKATIISISIMO
Calcado nacional, na fabrica de Jos Vicente
Godinn. & C, ra do Jardiai n. 19, avisam aos
seus fregaezes desta capital e do interior, que con-
tinuara a fabricar calcado eui alta escala, e offe-
recem as mclhores condicoes, tanto empreo romo
em qualidade. Os propietarios deste estabeleci-
mente chaniam a atteucao dos senhores consumi-
dores do interior, que os quizerem honrar com
sua freguei^a, especificando em seus pedidos a
qualidade e numerario, offcrecendo-se para os en-
tregar bem acondicionados em casa de seus cor-
respondentes nesta prac_a.
Lagdo para calcadas
A tratar na ma do Apollo n. \, escriptorio.
ESCRIPTORIO DE ADV0CACI4
26Ra larga do Rosar626
O advogado bacharel Ayres de
Albuquerque Gama tornou a abrir
o seu escriptorio na ra larga do
Rosario n. 26: onde pode ser pro-
curado, qualquer hora, para to-
os misteres da sua profisso.
0 advogado Dr. Antonio de Vas-
concellos Menezes de Drummond
transferio o seu escriptorio para a
ra do Imperador n. 2Q,ond pode
ser procurado todos os dias uteis
das 41 horas da manhaa at as 4 da
tarde, para os misteres de sua pro-
fisso.
Frederico Maia
Clrnrglo dentista pela escola
de aediclna
do Rio de Janeiro.
Tem a "honra de participar ao respeitaA'cI publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o
sen gabinete de consultas e operaces dentarias a
ra Direita n. i J, prirneiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da manta as
3 da tarde. Elle _du.-se competentemente habili-
tado para com perfeifio collocar denles artiflciaes
por qualquer dos systcmas, e bem assim desempe-
nhar qualquer outro trabalho concernente sua
proflssao. O mesmo, reeonhecendo que nem sem-
pre pcosivl as senhc ras ou efiancas sahire'fn a
procuioro remedio, (Tercce-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tar a qualquer chamado sem que issoinflna etiusa
alguma naommodidaiedos prevos de ^seos tr.iba-
lhos, e quando para fra della assim mesmo'ser
Lprectdido de um Mam rasoavel, garantindo elle a
seguranza e perfec^o de seas ditos O-abalhos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente exil-
entenos dentifricio, elixir e outros medicamen-
tos odontalgifos
Vidar.
i itnt DirettB n. 4, prirneiro
= Precisa-se de urna ama que cosinhe e en-
gomme : na ra de S. Francisco n. 54.
O abaixo assignado roga as autoridades po-
liciaes ou a qualquer outra pessoa que apprehen-
dam a escrara com os signaes abaixo declarados e
se dignom manda-la entregar ra ca Roda _"
andar da casa n. t ou ra do Inrperador n.
l em sen cartorio, Raymunda, cabra, de ti an-
nos pouco mais ou menos, estatura ordinaria,
bastante robusta, cabello rarapinho, deites claros
e perfeitos, p esquerda alcijada em 3 dedos. Fugio Vestimlo
una saia de chita escura, corpinho branco e cha-
les Cor de bonina ja um pouco desbota lo, consta
que vaga em companhia de um soldado pela ra
Imperial. Cabanga e outros lugares circunmsi-
bos.
Joaquim da Silva Reg.
GRANDE HOTEL
Amas
Em S. Jos do Wigoinho, easa n. 2,
antes de he)gar a igreja, ainda 6e preciaa
alugar duas amas que ntendam de er%- fazetaa, com pratiea
gommado e costura, paga-se *bota alugui
^gradando.
Inaugurou-se este cotnmodo e elegante
estabelecimento d'onde os seus frequenta-
dbres poderSo apreciar a especia I idade na
confeccao dos gneros alimenticios.
As bebidas s3o as mais primorosas e re-
commendadas.
A decencia e boto servico primam n'esta
casa no bello gosto oriental.
Mandam-se a domicilio comedorias, tanto
avulso, como por assignatura meisal. Os
precos sao inodicos e convencionjes.
lia nina espacosa e bonita sal; para o
elegante jogo de buhar.
Ha tambem-aposetnos conmnnodos e bem
mobilbados para uospedageqj.
Rualargu do Rosario
n.44.
DE
J. VIGNES
N. o5RA DO lfPERADORN. 5S.
Os pianos desta ahtiga fabrica s5o hoje assz conhecidos para seja necessari*
insistir sobre sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores,
qualidades estas ncontestaveis, que elles tem definitivamente conquistado sobre todos
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um teclado e macliinismo que obedecem
todas as vontades e caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por eran fabricados
de proposito e ter-se feito ltimamente melhoramentos importantissimos para o clima
deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas e por isso muito agradaveis aos
ouvides dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Bknv
del, de Paris, socio correspondente de J. Vignes, cm cuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposices.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado serti-
mento de msicas dos melhorcs autores da Europa, assim como harmnicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por procos commodos e razoaveis.
RA LARGA DO ROSARIO H. 37
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia em dia quanto possivel para che-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de liospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
CIIARITERIA E PETI71ESTAIHACT
Annexos ao Hotel Central, ra estreita 0
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infinita
de charutos de Havana, Babia, Rio, etc. que
existem neste novo estabelecimento pres-
cindimos dos annuncios pomposos que ge-
ralmente se fazem, reduzindo-nos apenas
tres letras que sao tres bbb bom, bonito e
vida e hygiene, temo-la sempre cm abun-' barato. A' vista do genero annunciado po>
dancia para facilitar excedentes banhos. de-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
"Ha tambem urna bof bibliotlieca e perio- gosa tambem das condicoes de um elegante
dicos nacionacs e estrangeiros, piano para e petit restouravt onde se pode ver a es-
recreio, buhares, etc. etc. pecialidade dos fiambres e salames de Lion
Sendo ociosa qualquer recommendaco para lanches e at fazer urna boa colado,
para tao acreditado estabelceimento, omit- juntamente com os principaes vinhos d
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bom a pura
fim, que o bom servico, ordem e moralida- e fervente champagne, o mui saboioso Rbt-
de imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa ceneja, o licor espirituoso,
fiel do regulamento que possue. o quanto pede urna mesa. Faz-se noutw
Comedorias a la cartc. sorvete e variedade de refrescos.
55--RUA DA IWIPERATRIZ-55
0 proprietario d'este importante estabelecimento tem a honra de participa]
ao respeitavel publico que tendo fgido d'esta praca a pessoa que se achava na sua ge-
rencia, elle contratou para sua casa um perito oflicial que foi por muito tempo o pri-
rneiro offictal da importante casa Sulingre do Rio de Janerro ; por isso espera o annun-
crante que todos icaraO satisfeitos dos seus trabalhos, visto, alm d'isso, possuir no se
estabelecimento as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar de que se faz uf
na Europa, e achar-se tambem prvido de grande quantidade de drogas escomidas.,
sempre de primeira qualidade e fornecidas pelas casas especiaes de Paris.
Tinge-s. lava-se e limpa-se com a maior perfeicao fazeudas em pecas o
em obras de qualquer qualidade que sejam, taes como la, algodo, seda, touquin..
pennas, chapeos de feltro e de Manilha ou palbinha de todas as cres, etc. etc., e
tambem lira-se nodoas e limpa-se a secco sem piolhar os tecidos.
Os senhores negociantes, legistas e particulares experimenten, que tofo
acharao proveito e vantagens.
Tintura preta tercas e sextas-feiras.
ATTENCO
AO
Precisa-sede lim caixeiro para una loja de
Alfi
ou sem ella, pa:-a ir para
-nova, qiie tenha ti a 16 annos de idade :
ir na ra daCaaeia do Recife n. S,'loja de
fredotC.
(eograpl-ia e francs Precisa-se alugar urna preta moca para iodo
O bacharel Pranciwo Odelon Tavaras Linft'lec-i *erv'?0 ic um* '"hora : narria dototramento n.
*?** *ona particularmentt frattew e eographja no 31' ou nia Augusta n. %. Na misma easa se
pateo do Terco n 33, c ahi pode ser proSrado vest(m-mijos para proci3Sw, por todopfeco. '
por aqgellejne_qiiiierem estudar os mesmos pre- AJqga-ae a casa. n. 8 da rna* do Jasmiui: a
aquelles qne quierem estudar os mesmos iire- Aluga-se a casa. n. 8 da ra*
itoffos, ttas rte 7 hot_ST_.-t-rde.__________ ttati( hoftegundo anuar do sobrado
Precisarse alugar, para o servico ex- l
temo de urna casa, urna preta e m t*io,
escravos, nao se exigindo que tenham ha-
biWbdes, a tratar 0_qfrua do Cresporn .
Precisa-se dtuim "pequeo para cal
taberna, preferindo-se dos ltimos ehegao* do
Porto: na praca da Bca-Vista n. 17.
sea nome para Francisco
vira.
n. 37 da roa
ARlVfAXBlI _P_KRMA_fIBtICAlil
86Ra das Cinco Pontas86
Thomaz Jos de'Oliveira & C. avisa aos seus freguezes que foram, tanto desta pra-
ea comMIo centro da provincia; que regressou de sua viagem Europa no fim de e-
zembro prximo passado, ese acha estabelecido com um armazem bem sortido denaer-
cearia(Blgo molhados) debons gneros, e por precos commodos e garantindo qualida-
de, pezo e medida, nos gneros comprados no seu armazem : portaoto pede ertf
que nttdaixem de lhe dar a preferencia. _____________________________
FRANCA-BRASIL
MR. lERCIER, alfaiate francez, previne ao respeilaivel publico e a lens numerlos frirf&e-
zes que, tend OPiisferido sua residencia para a ra do Trapiche n. 7, prirneiro andar, atu encontltm
sempre todas as qualidades de fazendas para trajos de horaeiri, e prepara costumes para montarla de
senhora. Taztmbemobras para militares eparacriados, para as quaes tem grande gortimeiH* d
botoes simples, com virola e corta de conde,trancos e amarellos. Recebe #ar lodei os vapo_-tf,ti
ltimos flgurinos para Uemem, icnhoras e meninos.
ngotrimadeira nerita.___________
_Ki-
Ka ma trtiuo osario x W. 2o a ndar, pre-
WdeWittaB.
Ahna.se um 1 aHkr "fle i_
Ci do Rjwies, e um Jda _
tar na ra da imperatiiz a. 63 aadar.
DSPITAL PEDRO II.
Para a entrada de qualquer doente neste hospi-
lanoicanessoa incumhiWjttJDncaler guias e
herdbino Dr. Antonio lri Uo Haras Neves m
a mordomo Tieentc d P. O. Villas-Boas
* Br_T_r*re 9 iianra-iiii-M-i-u .
na tJewararia proTtaeial, e dessa beta t
m mt ik 4t itiith ii Joio li
Btrroa.
IITIU
IHISS
f CIGARROS INDif,VOr
DOCANNABIS INDIO
lllllllll
Todos o meios at hoje preconisados conira* ajthma lo tem sido mais do que palli
debaizo de odas as formas, tendo per base a bellsdoa-, o estramonio on opio. Recomes
riendas feitas em Allemanha, repetidas em 'Franca e ns IrigUstm, tem prova_ qve o
indio de Bengala possue as mais notareis prepriedsdes para eombster esta temivel
- rowmidi*, extinecio
esitMij-iMSV
assim como a tosse nenrosa, a insomni, a tysica l_ry_fi-, r
as neyralgias iaciaes, pois com o apoio d sciencii qw oflere
do.com eitmto de e_Mmo das tnsaTmie es iniportutios de 1
b-T0
i
' '



I


KiWh
Diario de Pernambuco Quinta feira 18 de Fevereiro de 1869.
d
* a
--------
UII|M
MORAL
Grande liquidadlo de miudezas!
Alfonso Moreira Temporal, querendo liquidar as raiudeas existentes em sua
loja ra do Queimado n. 55, reselveu annunciar as mesraas mifldes para qne o pu-
blico sti certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a saber:
Massos com grampos 25 a
Pecas de tranca lisa e caracol a
Sabonetes de todos os precos a
80 160 200 e.....
Abotoaduras para colletes a .
Botfles de louea para camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
deira) a.......
Frascos com agua de Colonia a
320 e........
Garrafa de tinta roxa a. .
Caixas com !0b enveloppes a.
Mantas de seda para homem a
Fita de sarja para enfeite de
vestidos por......
Frascos com oleo para cabello
a 400 e .
Laa para bordar, libra. .
Escavas finas para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e .
Ditas muito finas para fatos
por preco nanea visto 400
500e........
Pecas de babadose entre meios
a 600 800 e .....
Gravatas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Bico e renda das ilhas a todo
- preco- So a vista faz f .
Pecas de fita de coz com 10 va-
ras a
20
40
240
320
160
l;?000
400
800
500
800
000
000
6800
320
500
600
1.5000
320
500
500
Latas com grasa, duzia a'
Coques muito bons com rede so
a rede val......
Meias para homens boa fazenda
a 30000 e ..... .
Linha de marca, caixa cm 16
novellos ,......
Latas com banlia (famila), duzia
Frascos com banhaa 320400e
Botes para punho fazenda boa
a80 e....., .
Volta de Aljofre cousa ba a
Fitas para debrum de vestido a
Caixa com agulba franceza a
Botoes de a$o para eolete dnzia a
Cartao com alfinetes a .
Caixa com perfumaras muito
fina. So a caixa val 10,000
123000 .......
Copo com opiata muito fino a
400 e......
Meias muito finas para senhora
duzia........
Cartas francezas a 200 e .
Ditas portuguesas a 120 e .
Caixa de linha do gaz branca 50
novellos.......
Frasco com tinta a 100 e .
Franja de 15a para sapato (pe?a)
480
15500
i$000
500
50000
240
Nulas assucaradas de Bristol.
240 NO>C0NTEM NEM CALOMELANOS NEM NKNHWM
20200 o ru mineral.
500 A grande necessidade e falta de um ca-
tliartico ou de urna medicina ^purgativa, ha
100 multo ^joe tem sido Bentida, tanto pelo po-
160 vo, como mesmo por meio da faculdade
500 medica; e por isso, infinito o gosto e
160 prffler que sentimos, em podermos com-
120 toda a confianza e seguridade, recommendar
100 as plalas vegelaes assucaradas de Brktol,
como urna exoelleitte medicina purgativa, a
qual encerra em si .todas as partes e mais
150000 Ugrtedientes essenciaes, 4rjiaudo-se em um.
perfeito, seguro e agradavel cathartico de
familia. Este remedio nao composto
dessas drogas ordinariamente usadas na
composi?*piBiSipttn1as, que por ah se
vendein, mas sim, sao prejwradas com as
mais finas o superiores (pialidades de raizes
200imedcinaes, hervas e plantas, depois de. se
haver ebrneamente extrahido e separado,
6001 os principios activos, ou aquellas palles
Papel de pesa muito bom
Sapatos de tranca e outros muitos artigos, que enfadonho seria mencionar.
RA DO QUEIMADO N. 55
106
10000
40000
ile contein o verdadeiro valor medici i;il.
daquellas porches fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dnphgtim, a qual segundo a experiencia
tem demonstrado, possue um poder o mais
maiavilhoso possivel sobre as regibes do
figado, assim como sobre todas as secre-
eoes biliosas. Isto de combinaro -On o
Irptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
lini:.icila r.l:i da Boa-vista.
Por ordoin iTo nosso irmao juiz convido a todos
os nossos raaos para comparecerem domingo, 21
po corrente, pelas II horas da manha, em nosso
consistorio, aiiiu de em mesa geral se tratar de
hegocos urgentes tendentes ino-ma innandado.
Consistorio da irinanda.le de S. SS. da matriz
da lloa-vjsta 17 de fevereiro de 1869.
O escrivao interino,
Marclino lose Pupes.
I Ferretea villela.
Photographo da casa imperial
premiado em diversas exposi-
'Wa Sua photographia rna do Cabug n. j A viuva elierdeiroVle Joao Henriques da
rft, entrada peto pateo da matriz lira retltl-, Silva, pede a todos os senhores que teem predios
tos por todos os systemas photograplco. i"" b:,im' ,la B?a-is'a eni terrenw rordrosao ex-
* r..___ t- a.. lindo miiciiIo de N. S. da Lonceicao dos Loquci-
fcm porcelana Lm Muro |n. (|11(1 hllje ,hes pcrtenceulj a Umteie de Ibes
Em talco Em papel mandar pagar os foros que estiverem vencidos,
CART ES DE VISITA A9 A'DUZIA. com cspecalidade as irmandades de S. Gonzalo,
Beberibe, etc., na na estreita do Rosario n. 2, no
_ 1" andar, se recebe lodos os dias, das 9 da nu-
era cartao de laxo brtstal ou jwreelana, ph5a as ', (la ^j,,
d0U10s. eu l'thographados, quaririlongosj =, A pra,a do Sr. Dr. ^
m. de orphaos em que
ou vinhetas para o que existe urna vaneu> ,,., (),, ser arrematado o pardo Clemente, de idade
de de 12 modelos a escolha de quem,se re- de to annos, avaliado cm oooj, sera a do dia 19
tratar. Para as outras t^MifaVel retratos do corrente, depois da audiencia do mesmo juizo,
temos caixinhas, passe-par-totOs, quadres
COMPRAS.
= Na ra po K.nngel n. 11, 2 anda
8 molduras doura'das e pretas cazoletas de, fe. ,,,...,ir__. i ^ ..,, i_. _.> interno de urna casa de pouca familia.
ouioe alimetes simples ecom pedras pre-
iosas, bavendo nos alfinetes urna misio
variedade de fitios.
0 nosso estabeleciniento photograpbieo
est aempre em dia ebm os mclhoramentos
e progressos que na America do Norte, na
Europa ou no Rfcr de Janeiro seeeoseguo
na arte photographica, e para alcncennos
tal fim iiunca^poupamos despezas nem sa-
crificios, de sorte que os nossos numerosos
freguezes podem ter a certeza de que sem-
pre encontrado em nosso estabt lecimento
tudo quanto a arte e a moda ofi'ereeer de
bom no novo e velho mundo aos amantes
da photographia.
preetta-
MTVifi
SEGUROS
Com muito maior vantagem
Compra o Corado de Ouro, n. 2 D, ra do Cabu-
la, moedas de ouro e prata e pedras preciosas.
Compra-se escravos.
Uno de Paria & C, na ra do Vigario n. 2i, es-
ciiptorio, Io andar, comprann escravos de ambos os
Bexos, sendo que, moleques de 14 a 20 annos c bo-
nias ligaras, serao pagos |wr muito mais dinheiro
do <|u "IBIPRA-SE
> no largo do Orpo
i velho.
Smto n. 4, i* andar, cobre
MARTIMOS
MivrRroco.
Ouro e piafa
' em moeda c em obras nutilisadas, compra-se por
| bom preco : na praca da Independencia n. 22.
.Xa pratja da Independencia n. 33, loja deou-
rives, compra-se ouro. prata, c pedras preciosas,e
tainbein so faz qualquer obra dc enconunenda, c
A CompanhTa Indeinisadora, esbelceind todoeqaal^ieUoncertn.---------------------------
nesta praca, toma seguros martimos sobre (iOlllDrl-SG
,ue^^f0^ eseus cargamentos e contra fftgo | hjl! libra, Alinas, onro e prata de todas as
em edificios, mercaduras C mobilias: aa inacoese por maior preco do que em outra parte :
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo. i n roa da Cadeia do Recife n. 58, loja de azulejo.
6$ CtUEIMAD'^'
nando-se por rsso muitissimo superiof,
qualquei- urna outra medicina da mesma
natureza, que jamis fora apresentado ao
publico. As pilulas cegetaes assucaradas
de Brtstol, acbai^se-bo sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente efii-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
A agaia branca tem-se feito tao conhecida e
acreditada, nao so pelas navidades, variedades, su-
perioridade e abundancia de sen sortimento, como
pela constante eominodidade de seus precos, e mes-
mo pelo seu assaz e nunca olvidado agrado e since-
ridade.
Essas verdades ineontestaveis sao sem duvida
apreciadas pelo bello sexo em particular, e pelo
respeitavel publico em geral, e a tanto tem clxfrado
que esto qaasi passando como annexim ou pro-
verbio, (piando se v um objecto de elegancia,
gosto, novidade, etc., etc., diz-se logoaquelle ob-
jecto sem d'ivida foi comprado na loja d'aguia
branca.
Qaando no club, nos bailes, ou no salao do
Santa Isabel, urna excellentissima se aprsenla
garbosamente trajando, trazendo o moderno cinto
de mui larga fita, lisa, chamalotada, ou escosseza,
as suas admiradoras dizem comsigo aquella fita
foi comprada na loja d'aguia branca.
Quando outra excellcntissima, nao menos gar-
osa, mostra o rigor de seu bom gosto na aceriada
escolha dos enfeiles de alta novidade que bella-
mente ornam seu vestido, aind mesmo as rivaes
de sua sympathia confessam queaquelles enleites
foram da loja d'aguia branca.
Quando n'outra excellentissima, apezar da sin-
gelleza de sen porte agradavel, se vm as bonitas
luvas de pellica duqueza as suas bellas ami-
gas louvam-llie o gosto e confessam queaquellas
Hivas foram da loja d'aguia branca.
Quando mesmo duas excellentissimas, antigs
migas de collegio, se encontram naquehes loga-
res, depois dos ctunprimentos de recprocos beijos,
mbias por Ibrca de sua elevada delicadeza, gabam
urna a outra os a grada veis clieiros de que usam
em seus finos lencos, e cada urna das quaes orgu-
Iliosas pelo elogio do acert de sua escolha, e como
que querendo por si mesma justificar dizem simul-
tneamente verdade que este cheiro foi compra-
do na loja d'aguia branca.
Anda mais.
Quando hontem os pais atllictos sentiam o rigor
da dentico de seu charo Hlhinho, e hoje alegres e t'm .load!>,as "lOICSlias que
sasfeitos pelo feliz restabelecimento recebem as I sua Orign da massa do sangue: !
visitas dos seus melhor amigos, dizem aquelles :
estes, foi Deus que me inspiroupara que compras-
ou indi-
Dyspepsia,
gesto,
Adstringencia, ou..
priso do ventre
baliitua!,
Azia do estomago e
flatulencia,
Perda do apetite,
Estomago sujo,
Hydro[iesia dos mem-
bros ou do corpo,
Afiecces do ligado,
Ictericia,
llemorrodias,
Mau hlito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabera.
derivam ?
so, como compre, um d'esses virtuosos collares
Royer, que se vendem na loja d'aguia branca.
Alen* do multo mais que anda
falta dlzer.
Quando em um circulo de circunspectos carac-
teres se discutir a veracidade de taesdizeres, appa-
recer um outro que queira ainda levemente inter-
romper a discussao, os primeiros por momento es-
quecerao a circumspeccao e lhes darao um gra-
cioso debique dizcndo-lhesj sabemos que V.
um daquces que inclina o chapeo de sol ou que
mereca ser designado pela aguia branca da ra I
do Queimado n. 8.
imrrilha de /ttWi)/-esMnelUor--de todo;
os parilicadores'(leve ser tomado conjun-
tamente com as pilulas, pois que stos
duas medicinas,-tendo sido expressamente
preparadas para obrarem de harmona urna
em a outra^quaidaflelmente aSm St faz, yenda o seguintc : ricosnios. do seda enfetados
Sao tantas as coHsas qne
ninas escapara as outras.
J ia esquecendo a aguia branca,mas cm tempo
lembrou-se para noticiar, que recebeu urna pe-
quena quantidade de enfeites para coques e gram-
|ios para ditos, tudo feito dc metal com lindos e
51 grada veis coloridos, obras estas pela primeira vez
apparecidas, e portante inteira novidade.
Tambem chegaram novamenle delicados enfeites
e flores ornadas de aljofares e vidrilhos, tanto de
paiha para coques como para vestidos, e tudo
contina a merecer a apreciacao das excellentissi-
mas conhecedoras do bom.
nao nos resta a menor duvida em dizer,
quf no maior nuiisni dos casos, podamos.
aiianfar nao s um grande alivio, rwmo
tambem urna eura prompta e radical, isto
est bera visto, quando o deente nao se
; ache n'um estado muito alm dos recluios
. i humanos.
por
BOTICA fi CASA OE DROGAS
77 RA DA IMPERATRE 77
N'este novo estabelecimento h um completo sortimento de medicamentos, pro-
ductos chimkos, e drogara, tudo de primeira qualidade, e se vendem por menos do
que em outra* qualquer parte.
H tambem um sortimento de medicamentos homeopticos, tinturas e glbu-
los inertes, por procos commodos; bem como xaropes de jurubeba ferruginoso simples;
vinhos de jurubeba simples e ferruginoso, e o bem conhecdo xarope de Paracary, es-
pecial d'esta pharmacia. Aviam-se receitas a qualquer hora do dia, e noite, com promp-
tido, cuidado, e pericia ; nao se negam a qualquer oceurrencia em casos urgentes. 0
socio gerente encarregado do estabelecimento mora no mesmo, para o que est
prompto a abrir a porta a qualquer hora que for preciso.
VERDADERO LE ROY
d! Doctor SI&AIORET, ni Saaior,
RU DE SEINE, 51, m PABIM.
3

551
l'm:6fp.
O
t
ti
|8
^ z.
z a
5 55
I6-
pi'g.lO
|M I 1"
ti ello de la
;n rtulo nninri
flu ni ntl Mlli.MO
Mit-.i:lk.
tor tolo ei.vio de ca MlN
i!, neo Utm aceptable. o-
iirc earu LoiKre. be baca
,1 mayor descuento poiU-!e.
U
u
'?
Utattd
OM aYlM
prfc(*'S i-
me>li"k lid n-
l*-i ail<> la ni'.n ii
fi ;ii um j<>
O/ ;.. ui.iutielte elidirse l
- ."''.'.alo faftpMMn iT*i;n'*]re
i.n Ub4o velMJo de amarillo
a lufriMclafl Ror Y LA MA,
Vq '/ Hg fDio xx\ nombre SGNOUKT
*K LA MiftNA PA>TA DKL PAHL.
A'. I' S>il'f el torcho, debajo del papel
ui qu 0 MUSEO DE JOIAS
GOMES DE MfiTTOS IRW1A0S
tendo feito completa mudanza em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-Ule maiores propor^oes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUG N. 4
onde encoutraro nm completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar.
aderecos de brilhantes, ESMERALDAS e rubins
de novos gostos, eijuedevem cauzar um grande erreito nos trages: quares-
maes, assim come grande variedade de salvas e paliteiros de pirata oomi
trastada e de gosto ainda nao visto.
Comprara a trocam qualquer joia ou pedra preciosa e
a qualidade dos objectos vendidos.
i 7> i i t 1 Coninra-sc una lmrra( cofre
EnSinO de pnilOSOpnia Crespo n. I<$, primara ;.n.1:..-.
na ra do
OURO E PRATA
Em obras vellias, compra-se por maior
- Na ra Dimita n. :w, dop.)siio pmcisa.se preco que em outra qualquer parte na ra
slugarum oseravpara todj sorvico, d-sc cumi- ()0 Cabug n. 5, junto loja de cera,
ad e mesa e 25i mensaes. -----------------------------=-------------------
0 muzeo de joias
Na na do Cabug n. 4 rompra-se ouro, prata
o pedras preciosas por precos mais vantajosos do
que em outra tpialquer parle.__________________
~~ Omipra-se urna pequea casa em. boa roa'.
qnem pretender vende-ta dirija-se a ra do Quei-
mado d. 22.
Tobas Harrcto do Mnezes ensina pliiiosuplia.
na na Diroii.i n. 88, Io andar poueudo |>ara
isso sur prm'iirado das !) honre at mein dia.
Koga-se Jiessoa (ue ontregou nina carta
na ra dos Pires u. 35, vinda da Babia para o Dr.
Lu'iz Jos Correia de S, o favor. de indicar sua
morada para ser procurado.
UI CAMPOS
28
28 = Ra do Imperador^
KM GftOSSO E A Y,UUaO
Charutos di' diversas marcas dos bem
acreditados fabricantes, Gusta Jrnrios c
Manoel da Costa l-fireia Ue (Sao Feliz).
Farnha da trra muito boa, 4# rm a
saces.
Miraguaia do Kio Grande do Sul, peiic
secco de superior qualidade a ti4O a ar-
roba.
Congro e ruivo de Portugal, cm barris c
libras.
Gamares seceos, do Maranhao, era libras.
Latas com peixe em conserva sendo:
Salmom, Lagostas, Ostras e outras muitas
lualidades, a saber: Portuguezes, Inglezc",
Americanos, Hespanhes, etc., etc.
O Campos ainda urna vez, vero ter a
honra de leiubrar ao re^peitavel publico, as
muito xoeUentes agurdenles de Lima Pa-
rati, Tiquira do Maranhao, por vir-lhe a
idea que se aproxima o tempo invernoso,
e que muito nescessario se torna trazero
estomago quente, e como se ada o seu es-
tabelecimento bem prvido das gneros ci-
ma ditos, recommenda um passeio at elle,
mide encoutraro os amantes, do que c
bom bocado, um completo sortimento de
gneros finos, que se tornam recommenda-
veis para urna mesa mais ou menos pru
vida.
Para a qnaresma
fa ra estreita do Rosario n. 33, sobrad de
um andar, fazein-se llores de todas as qualdades \
para ornameuto de igreja, altar, andons e sepul-
rhn, inelusifR arcos, palmas e rosas, e todo quan-
to Tor eonceftiente aos sacros actos ; assim como
prcparam-*e>pai lr^cwiwi iiiaiinipnistezami.il-
quer eiieo"niraeBda neslo genero ; eutro sim tata- ]
lien fazem llores mimosas propnas pura enfei-
tarvejtidas, saiotes c'capacetes de. nnjos, e maisj
barato que em outra qualquer parle. Na iiiesina |
tasa se nertitram j preparados c promptos
VENDAS.
No principio da estrada de Joao dc Barros,
o primeiro sitio fiado pel Soledade, a esquenla.
vende-sc urna comnioda grande.
i ramiiillio com llores de cera propros para do-
mingo de Hamos; veilas enfeitadas rirameifte. bor-
d^bK a ouro. pmprias para baptisados, ctpcljas de
flores para meninas o noivas. Alem d sto se en-^
cuiubcm do preparo de bandejas de bolos fins
eiifeitadas de conformidade ao flin a que se destft
na, quer seja para, casamentos, qer para bailes ;
fazem tambem vestidos para a quaresnia ou oiltro
qualquer que se precisar com a maior promptidae
e asseio.
LWAS DE PELLICA
Augusto Porto & C. receberam pelo vapor
GutatM. superiores luvas de pellica pretas e dc
cures para senhoras e homens, lindos pepluins
de renda c guipure pretos para senhoras o que
ha de mais moderno ; ra do Queimado n. 1'.
Leite virginal
Este hite branque-a a pello a mais escura
____________________________I e a preserva da seceura leiuicUiido c bor-
' llin (0 IPC bullis ; exhala os perfumes os mais finos,
. ... *,... -.. e emprega-se. quer puro, quer misturado
Aluga-seumaauade ierte escrava com lilho: > \ l iLnmaimriZi An
quem precisar diriia-se a praca da buependencia *m 'P"'*' ei" WT ?S Cl,clum,lancia!' fl
numero 5. Imlette : nao ha nada de melhor para os
bandos urna garrafa 4(5, e duzia iOfS.
N-'i)
nico deposito pharmacia de Pinto, ra
Larga do Rozario junto ao quartel de poli-
ca n. 10.
O padre Victorino Jos dos Santos Fortnuato,
Antonio Augusto dos Santos Porto, Jos Fortuna-
to dos Santos Porto, Augusto FfederiCo dos San-
tos Porto, Leonor Bastos dos Santos Ilorto, Anua
Carolina dos Santos -Porto, e JuJia Bcl^ia Marha-
ao Porto, cordialmente agradecen! a todas as pes-
soas que se dignaram assistir as exequias e acom-
panharem ao cemiterio publico o cadver de sua
muito presada mii e sogra D. Antonia Margarida |
dos Santos e de novo Ibes regam o caridoso ob-
sequio de assistirem as missas que por intencio
de sua alma se tem de rezar na igreja do Divino
Espirito Santo quinta-feira 18 do corrento as 7
horas da manha. Prevalecendo-se do onsejo
tributam igualmente seus agradocimeutos a illus-
tre innandade do Divino Espirito Santo pela at-
tencao que voluntariamente llie prestou.
de ebegar os sabonetes de alcatro, no
deposito, botica do Pinto, junto ao quartel
de polica.
Joao Baptista Ferreira da Annunciaeao, Antonio
Dias da Silva Gardeal, Filomena Candida de No-
vaes Anuunciaco, Mari.i Filomena de Novaos
Cardeal, Candida Filomena de Novaes Paes e Gui-
Ihermina Candida de Moim Novaes, tendo de
mandar rozar urna missa as 6 horas da manha
do dia 20 do corrente na ijrreja de Sfjita Bita de
Cassia por alma de seu cunhado e rmo o capito
j Antonio Augusto de Jloura Novaes, Diorlo no re*
Eublica do Paraguay no combate de 21 dedezem-
ro do anno prximo passado, convidam os seus
prenles e amigos bem como os do fallecido a as-
sistirem a esse acto de caridade pelo que desde
j anteeipam seu reconheciinento e gratido.
garantem.
=B=aa
DE JOIAS
Manoel Muniz Tavares Cordeiro envida aos
seus amigos e aquelles do Sr. Marcelino de Souza
Pereira de Brito,I residente em Lisboi, a assisti-
rem missa das Dores, manda celebrar na igrej i da ordena
terceira de S. Francisco as 7 horas da utanha do
dia 20, e desde j se confessa extranujnente igra-
decido aquelles que comparecerem i esse acto
l-eligioso.
O bacharel Cao tao Maria dofaria Nevos pede'
as pessoas que o nonrain com a sua estima e aos
8aretes e amigos do finado Manoel Izidoro de
livejra Lobo o caridoso obsequio dki assistirem a
mim qupalo qrno repooso de s3a alma lhe
nuiMafi rozar a igreja da Soiodado, sibnado 20 .do
c orruiu^da^Thwr^^^^^^ ^^^^^
Ama
\ Efecis-s^ de urna ama na ra d Boda n. 30,
ta.TDV iT7.....,,.-----------1....... 11
XAROPE DE JliRlBEBA i
PREPAnADOS PELO PHABMACEL'TICO
loaqvim de Alnelda
Pinto
As preparacoes de Jurubeba sSo
hoje vanidosamente conbecidas e
preconisadas pelos mais habis m-
dicos, tanto da Europa como do paiz,
pela sua eficacia nos casos de ane-
mia, chlorose, hydropesia, obstruc-
co do abdomen, e tambem as de
menstruaco diflicil, catharro na be-
xiga, etc.
Vendem-se em porcao e a reta-
lho, nacidadedo Recife, phainiacta
de seu compositor, ra Larga ao
Rosario n. 10, junto ao quartS! de i
polica.
XAROPE DE FEDEGOSO
E' dc urna efficacia verdadeiramen- i
te maravilhosa como calmante do
systema nervoso e applicado con-
tra a paralisia, asthma, tosse con-
vulsa 011 roqueluche, tosses recen-
tes ou antigs, suflbeacoes, catharros
linincliicos etc. e em geral contra
todos os sofirimentos das vias res-
piratorias, e na phtysica pulmonar,
sua virtud contra o ttano ou espas-
mos, convulciJes incontestavel, e
ninguem ba que a desconheca.
XAROPE DE SALSA PARRI-
LHA DO PARA
ou
Depurativo do sangue
UsMo as Molestias de pelle,
impigiens, cera9vwneraa8.
0 unixi deposito (lestes *iodica-
mentes na botica do-Pinto, ra do
Rosario Larga n. 10 junto ao miar-
.Rl de polcia. \^
Grande lquidaQ&Q.
0 proprietario d'antiga e bem conhecida
loja de miudezas denominada Beija Flor
ra do Queimado n. 61, querendo acabar
com o sortimento de miudezas que existe,
tem deliberado proceder a una completa li-
3uidai;uu, para o que chama a alinelo dc to-
os.
Os objectos sero vendidos por metaded
seu valor, e para que o publico, nao suppo-
nha, que o presente annuncio urna illusSo,
(i|iiii[irietarioda dita loja oerece urna pe-
quena lista de algumasmiudezes, com os seus
diminutos precoscomo abaixo se ver;
nao apresenlando urna lista completa de to-
dos os objectos que estao expostos a venda,
pela razo de se tornar um annuncio muito
extenso e por consequencia de enfadonha lei-
tura, por isso apenas lemita-se as seguintes:
Caixa de envelopes de cores. 600
Ditas de envelopes com tarja.
preta........ 900
Ditas de envelopes brancos glan-
des......... loe
Ditas de envelopes grandes e pe-
queos. ....... 600
Libra de laa para bordar, surtida 75000
Duzia de caribes de corchete fran-
cezes com 24 pares cada ca to 90
Dita de colheres de metal prin-
cipe para sopa....., i<)80$
Dita de ditas para cha. 2f$40
Concha de metal principe para ti-
rar issucar. ,..... 600
Botuadiira para cohete. ... '('4
Pares de luvas de fio da escocia
brama e de cores para homem. COA
Ditas de ditas para senhora. 006
Fita para sinto de .senhora. 806
Pares de sapatinhos de casimira,
bordados.......I02W
Pecas de cascarrilha de laa. 50C
Escova tina para limpar unbas. 600
Dilas de ditas....... 3K.
i Pente preto de barba. 306
i Caixa com apparelhode chumbo
a 640, IMOO e.....IdSOt
Boneca de cera a i.jOOO, I#200,
3.J200, 4,S0OO e.....55006
Apparelho de porcelana para al-
moco e jantar. 25006
Jogoiie Vispora...... 906
Caixa com papel branco e de co-
res......... 706
Infladores para vestido. ... 8
Caixa de linha de marca encar-
nada e azul....... 286
Sapatinhos de la para meninos. 40f
Tocas......... 806
I duzia delmha para fazer croch. 166
Ditas, de carriteis com 100 jardas
brancas e de cores. 360
Fita de la para debrum de todas
as cores........ 560
Ditas de ditas, branca. ... 260
Pecas de fita de linbo para eos. 900
Dita para eos....... 500
Pentes voltiados para [meninas e
senhoras....... 406
Ditos pretos com chapa, para ali-
zar .. ....... 406
! Ditos brancos....... 326
Ditos brancos finos..... 400
Escova para denles a 160, 240 e 360
Ditas para cabellos muito finas. 900
Pecas de franja para toalha com
14 varas a ipeca.....2606
Entremeios bordados a peca 500 c 600
Tinteiros de porcelana 15 15500. 25000
Balaios para meninas de escolla
bonito desenho a 500, tltOOO,
15500 e........25000
Fita de sarja de todas as cores. 15100
Grvalas pretas a 400.. ... 500
Vende-s o grande sitio no neceo do Espi-
nheiro, ao chegar a estrada' o9 'Afililos, fnenle
murada e diversas ofiras da pedra e cal por aca-
bar, Imns viveiros com abnibni.' peixe, baixa
para capimy boas trras para plantacao com ex
cellents rwteiras ; para examinar a qnalqnei
hora, e para ajastar rom Joairaim de Olivmra Mel-
lo, na ra da Hora junto ao mesmo boceo, ou na
fundicao da Aurora.
- Aiugvs o armaiem da ra das Crlues n
!W5, JUSBprJfl para qnalqucr estabelecimento : a
tcMlat ea Joe Jienriauos da Silva. As chavea se
ffikitein.Akia-^dftmiiTi
I Tar* quem o^over *er.
I
Vendem Augusto
Goramercio, n. 42.
K. de Oliveira & C a ra do
ets-
pelas
recommendara
1 iWiiiMli'iwi jiii rnnraTai ocas, erk)uja#,ben-
dkuna ai>baaip^forada.pi*vaBe*a raa xini*.'>&. _____________________
= Vendo-se a taberna da ra Imperial ti. 196
oda mmiiiro' dotroii do momo oojd poneos fondos, cuja casa teatOMauodos faei
1 fmm*+m**i
Capsulas de Raqum
Os Bons cITeitos destas capsulas para fazer
sar 9 gonorrtoas acham-e oomprovada*
experiencias de moitos aoaes.
Os mdicos de lodo os paiios as
pela sua efDcacia.
VENDE-SE
HA
Pharmacia e drogara
11AHTHOUOSIE k C
34-^Rua laiyaf 'dq.D8ario-^54____
PAsmas S^raws
DR. PTHISON
De bfsnnnth e magneria.
Bewdio por excebenifa para combaler
'lA-flwgcwn. cilitar *.Qgetio, fwificar
es tomare etc.
DWOSITO BJfBeAL.
Ebarmacia 4* B^uVlowpu d C.
34^-^yaJyaa-. da Mam*-----3*-
nuvjto Riar i *iMNNr.ua mesma ra n. 3,1" an-
dar.

iaWBBI^iM


r
&
Diario de Periiaiubuco Quinta feira 18 de Fevereiro de 1869.

AO BAZAR DA MODA
DE
JOS DE SOUZA SOARES 8' C.
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
PARA O HOTO ASHO 1>E i 809.
Nvro surihnento de artigas de moda elumrecelmlos jk'I ultimo vapor vindo da Europa.
Especial s.irtimonto de obyectos para miiiius.
ri'i'fumarias finas dos principies autores.
Luvas di- pellica fresca-;, brancas e de cores para homens e senhoras
Chapeoxiunos de pallia de Italiaeiifeitados, para senhora?.
Ricas chapelinas para senhora, gorros 4e palha de Italia para senhoras e meninas.
Especial sortiiucuto de sintos para sonhuras.
Enfeites degusto para seohpraa.
Fitas de grosdenaplo superior de todas as cores e larguras.
Franjas rom vidrilhus, branca*, de cores e pratas.
Guarnicoes de todas as qualidades para vestidos.
Vestuarios completo* para baptisados.
Golinhas e punhos enteitados para senhoras.
Coques modernos, lisos e enfeitados.
Boriiinis de (fe e seda, cores clara?, moda elegante para senhoras debom gosto.
f.orpinhos de caibraia enfeitadospara senhoras.
Cacao noi de la.
i apos de sol para homens e senhoras.
Plores finas, sortimento especial.
Plumas elegantes de qualidade smerior.
(untos ricos de palha, alta novklac.
CrinaldM da loros linas.
Camisas superiores para homens.
Colarinhos e punhos.
(iravatas e manta? modernas.
Henalas de diversas qualidades.
Caixas grandes com quatro pecas de msica.
Floros de palha para guarnicoes de vestidos, Imtocs.fi velas, lacos para enfeites.
Chapeos de pello de seda pretos, forma a ltotschild, fazenda superior para homens.
Corremos de plaqu fino, gustos bonitos para relogios.
Capilletas de bom gosto para as mesmas.
I '.orrentes pretas de borracha diversos modelos para voltas.
Wbjertos para luto.
E limito? outros artigo? do novidade que s vista podem ser apreciados.
Existe continuamente um completo sortimento de miudezas, vende-se por grosso e^a retamo
A COMMOBfOS PRESOS
BAZAR DA MODA.
PREQO CBRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
Eua Nova n. 23,Ra do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapeos de seda trancada, Paragon, de 16 bastes, 28 pollegadas a 16$ ; 26
pollegadas a 13$, e 2i pollegadas a 14,^000.
Ditos de seda G. de N. Bara, de aro, de 16 hastes, 28 pillegadas a !4;
de 26 pollegadas a 13)$ ; e 24 pollegadas a 12i5000.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas a I2ft ; de
26 pollegadas a 110 ; e 2i pollegadas a 10/5000.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas a 6 ; e 26 pollegadas
a 5^500.
Por duzia ftiz-se descont de 15 OjO
Chapeos de sol de panno, de baleia, de 8 hastes, 24 e 26 pollegadas a 32$
a duzia. (Descont de 10 0|0).
Ditos de patino, de junco, 8 hastes, a 18(5000 a duzia, liquido.
GRANDE LIQUIDACO
DE
rvc irrUtrAC em loda* M Prto do mondo, emprega, eom o miior xito,
{JO n.EjlJl\j\J&f o phosphato de ferro aolnvel de Lbras, para enrar a el lorosis
(cores paluda), as dores do estomago, e a exhaustacio de Ufoe; com eta preparado, dio
ae corpo o rigor, e s carnea, a roa firmea natural; facilitan o detenvolrimento to labo-
rioso da pubtrdade. Com effeiio, todo, n'este medicamento, se aeha reunido para lhc
assegurar o maior crdito, jaois que entram, na sua compoaico, os elemento do caaos e
do sangue. 0 sen autor, M. LlsUB, itoutor em ciencia, pharmaceutico, profeaior de
chymicsy inspector da Academia, foi, recentcmentc, condecorado da ordem da Lefio do
Honra, digna recompensa dos seus imporiame trabalkos.
As teguintea apreciaedes dos mai celebre mdicos anda ven corroborar e jm tincar
todos estes titulo confianca publica :
< Precisa classificar o phosphato de ferro soluvel entre O ferruginoso ae rielhor
c convem sos doentes
o ne
de ter
tes cujos orglos digtvoa supportam mal as preparacoes de ferro,
SUUBEIIUN, professor na Escola de medicina e de pharmacia.
* 0 phosphato de ferro soluvel era qaanto a mim, a melhor das preparadles ferrOfi-
c nosas, e o sen emprego d os mais prertiptos e seguros resultados- *
ARAN, medico do hetpital Sainte-Eugme.
t A forma liquida do phosphato de ferro soluvel d-lhe urna immensa vantagem sobro
a as pillas; en considero este medicamento como mui superior s preparacoes iooadiia.
ARN'AL, medico de S. M.o Imperador.
Entre todos os ferruginosos, nSo conhecemos nm s que obre 15o prompta e efficumoaU
como o phosphato de ferro soluvel, r isso, sem cansar o estomago.
, 1KLL0C, BAIJME, BIGOT, FOLLET e PRVOST, mdicos dos hospaes.
t 0 effeitos da preparaclo de phosphato de ferro soluvel me parecem ser mui seguro
a e promptos. BEBOUT, redactor em chefe do Bulletin thrapeutique.
Entre toda; as preparacoes ferruginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a qoe sempre
c me deo os melhores e mais satisfactorios resultados. > GUIBOUT, medico dot hotpitaes.
O phosphato de ferro soluvel tem, sobretodo, a vantagem de evitar a eonstpacto o
vu* aos temperamentos delicados. Dr FAYROT.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maurar *T.
nm nuil iimiirnTiT
IpprotjU
a Kadeaia
(V svtana
de Pars
OLLAS
nlODlIRETo-T^o^-MANCANESF
deBUHINduBUISSON
PturtMceatic
lnrrid
fe
academia
0 tratamento dasafTeccdeschloroticas, lymphaticas ou cscrophulosas sempre lentis-
simo, e militas vpxes essas molestias resistem s preparaedes ferruginosas ordinaria). As
indagaedes feilas pelos professores Hannon de BruxeUas, Censoul e Petrcqoin de Lyo e
Bcrzclius e Trausscau de Pars, tem provado que a causa d'cssa persistencia era a completa
ausencia do Manganeso, elemento qnc sempre deve-se adiar no sangue junctamenle com
o ferro. Estas pimas supprem, pois, na therapctica orna falta importante, e por este
motivo ellas tem merecido a approvacHo da Academia de Medecina c das principaes socie-
dades medicas. Deposito em Pernambuco, em casa de Mtaurer C.
Afprttefii
da academia
U nedecint
de Par.
Pharwtacevtko
lauread
da academia
i medicina.
TASSOIRMOS
Tem jiara vender em seus arniazens, atoi de ou-
tros, os seguintes artigos :
Papel para imprimir..
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
As preparares ferruginosas liquidas tem desde moitos annos merecido a approvacio
especial aos mdicos, porque ellas obrSo mais rpido e seguramente do qoe as pillas, e
sao mais fcilmente toleradas pelos doentes. Os Pos ferro-manganicos possoem a na iprc-
ciavel"vantagem de poder offerecer n'um instante orna agua ferruginosa gazeosa, de gosto
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de mais um elemento precioso,
o Manganeso, qoe sempre se acha no sangue, junctamenle com o ferro. Empregio-as em
todas as molestias que tem por"causa o empobrecimenlo do sangue, assim como para vigorar
os temperamentos debis c lvmphaticos. A chlorose, as Perdat brancas, doresd'eslomago,
a irregularidade da menstruacao e amtnorrha ou suppressio do menstruo, eedem rpida-
mente a seu emprego. Devemos mencionar aqu om facto notavcl, isto que os doentes cora-
dos pela agua preparada com estes pds esto muito menos expostos a recadas do que
aqoelles qoe foro tratados pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Psrnambuco, em easa de Maurer c*.
F5
VERDADEIRAS
Pura msicas miliiares.
Completo sortimento
NO
BAZAR DA MODA
RA NOVA N. 30,
Esquina da ra de Santo Amaro
'20 a 30 por cento menos que em outra qualquer parle vendem
JOS DE SOUZA S01RES 8: C.
io mai 5 acreditado autor Goutrot Ainea Paris.
RITA NOVA Y. SO
ESQUINA DA RA DE SANTO AMARO.
AO TRIUMPHO
Est a expsito do respeitavel publico neste importante cstabelecimento um
Cndo e completo sortimento de fazendas chegadas pelo ultimo vapor da Europa! o que
temos a honra de annunciar aos pais de familia, assim como ao bello sexo, a quera o
Triumpho pede sua attenco; garantindo sempre era sua nova loja o gosto de fazendas e
novas modas e modificacao dos precos, para adquirir a sympathia de quera der a honra
de procurar o Triumpho.
Lindas sedas de cores novo gosto a 25600 e 258000 o covado.
Glacez de sedaela apurado gosto para i.^500 o covado.
Lazinhas com listras de seda para 1(5200, 1#000 o covado.
Ditas de lindos padtes para 500, 700,800 e 900 rs. o covado.
Cambraias brancas de 4&000 at 8,5000 a peca.
Ditas de cor novus padrees de 640 e 800 rs. a vara.
s.iias de la com bonitas barras.
Bales de 15a e murcelina e de arcos.
Basquinas de gros-de-naple de 22JO00 a 40#000.
Gros-de-naples pretos de 2(51000 a 4iJ300 o covado.
Ditos de todas as cores.
Organdiz branco.
Brilhantinas brancas e de cores. .
E^partilhos e entre-meios bordados.
Meias finas para senhora e para homem.
Alm tiestas fazendas tem um completo sortimento de chitas escuras e claras, ma-
dapoles, bramantes, atoalhados, toalhas dehnho e dealgodlo, e outras muitas fazendas
que se vendem por precos que s a vista o comprador se poder desengaar que s no
Triumpho poder comprar bom, e com economa.
1 PAM. HOMENS.
Bonito sortimento de caserniras, brWM'ancos e de cores, camisas de linho e algo-
d5o, ciroulas, mantas e gravatas do que ha mais moderno, chapeos de sol de seda e alpaca,
e outras muitas fazendas que vista se podero agradar, e manda-se fazer qualquer obra
de alfaiate para o que tem um hbil mestre, p proco em tudo, s encontram no Triumpho I
na do Queimado n. 7.
DOENCAS das CRIANCAS
XAROPE de RBANO IODADO
u*
PILULASueBLANCARD
COM IODURETO DO FERRO IMALTRAVEL
'APPRO\ ADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DK PARS, ETC.
' Fossuindo as propriedades do lodo et do forro, convem especialmente nas ATRCCols
escrofulosas, a Tsica no principio.a fragtmade temperamento Umbemno caso da
Falta be c6k, amenorrhea, em que precisarkagir sobre o sangue seja para restituir
lhe a sua riqueza o amindencia normaes, ou para provocar o regular o seu curto peridico
lf. B. O iodaret de (erro impuro oa atiendo i m modicamento infiel,
Irritante. Como prora d poma do aoibencidad* das araadoira* FW
laU* de llnrrd, dpre-sa xifir nosso ell pr rcatotUa
domo tirana, aijni wprodmida, qo so artia na parta inferior da um
rotula verde. Deve-se desconfiar das falsificaoos.
Aebaaa-ee ean toda, aa aharaaralaa. Pkarmaeeutico, ra Bonapartt, O, srtt,
Irritan)
^ lula. <
^^ D04SI
BsV
em caixas
Bourgogne.
Hery.
Madeira.
lierinitage.
Chamblis.......
Licor de curacj'ip de Hollanda cmcaixas de vin-
tee quatro botijinhas.
Nos armazens de Tasso taaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso limaos
C AltlllAHO* Il<: lllt!tO
Para servidas de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou caixdes de um para outro, lado pelo
mdico preco de 12000cada um.
Fariiiha de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
tahac grande sortimento das nicluorcs marcas de
arinhas americanas.
Saceos de iriuha de trigo do
Chile
Todas novas, cliegndas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irniaos.
Cemento romano
Nos armazens,d> Tasso Irnios.
Cemento hydraulico \2&
O melhor para ludo que sao obras para agua, ce-
rno assen lamento de canos de esgoto, algerozes, de-
posito, tanques d'agua, etc., etc.: em porgos de
cincoento barricas se far reduccao no prego : nos
armazens de Tasso Irmaos. .
Cemento Portland
0 verdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
(maos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De difTercntes qualidades para cercados de ani-
maes, cbiqueirospara galinliasou jardins : nos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos.
CANOS DE BARRO
Na ra Nova do Santa Rita, na antiga fabrica de
sabio, ha para vender por proco o mais mdico
possivel, Canos franceze* para edifieac/ics cesgo-
tos de toda a qualidade, superiores a todos os que
aqui ii'in apparecido pela sua solidez.
PHE(;OS
13100 por cano grande'de :t e meia pollegadas.
1 200 por dito de 2 e tres quartoa de dita.
I OOO por dito do i e um quarto de dita.
500 ris por pistoleta de pollegadas.
Cotovellos, curvas e canos de maior grossnra, a
I vista se far o preco. Compras maiores de 2003
tem 5 por rento de descont por prompto paga-
! ment. Pde-se ver as amostras ios armazens
de Tasso IrtnSo*.
lijlos fraucezes
Para ladrilhar rasas terreas comasseioe preros
mdicos, muito convenientes e pronrios para ladri-
Ihos de cosinhas cm sobrados, [icio seu asseio e
i evitar a passagem do aguas para o andar inferior
e mesmo o perigo de fogo, aos preeos de 30^000 a
453000 o milheiro : na ra Nova de Santa Rita, na
antiga fabrica de sabao, e compras maiores de 2003
se far 5 por cento de descont por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras nos armazens
; de Tasso Irmaos. '
Velas de esparmacete verdndoiras para lan-
I temas de carros: no armazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto lino superior: no armazem
de Tasso Irmaos.
O melhor cognac Gauthier Freres: no arma-
zem de Tasso Irmaos.
Esteiras da India
Em casa de Tasso Irmaos vende-se esteiras da
India de diversos padroes c largura?, por preco
cominodo.
t\.GERM/%
/t#MtWcm Se. >'
QE GRIMAULT E CA. PHARMACEUTICOS EM PARS
jB
Er.te medicamento goza em Par e no mundo inteiro de nma fama justamente merecid,.
achar-se intimamente combinado nelle o iodo com o sueco das planta antiscorbutieas, cuja elucida
bem conhedda o nas qnaes ji naturalmente existe o iodo. E' com este motivo que elle suppre
eom vantagem o Oleo de figado de Bacalho, que dte, secundo os horaoUa icientificot, a ana
eficacia presenca do iodo. K' preciou no traumento da crlancas pata combater o lymphatiame,
as obsirnccoes da glndulas do peacoco, e aa diveraaa eropoSea do reato, to freqnentea nu
enancas de ponca idade. Torneo e depurativo ao mesmo tempo, elle excita o appetite, facilita a
digeitlo, o reatitae ao tecidot a sua firmeza e vigor naturaea. E* cada da recatado pelea mdicos
especialista para combater as diversas affeecSes da palle.
Deposito em Pernambuco, em casa de
*.
Alegrai-vos myojies, e presbylas, ja po-
dis ver de longe, j podis ver de porto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ulti-
mo vapor um rico e variado sortimento de
oculos, lunetas, pince-nez, face--main,
lorgnons, de ouro, prata, tartaruga, marlm,
ac, bfalo, ncar, unicornio e melebior;
assim como binculos de urna a tres mu-
danzas para theatro, campo e marinha da
ultima invencSo; duquesas, vienezas de 0,
8 e i2 vidros, tudo dos melhores fabrican-
tes da Europa.
O mesmo vapor trou-
:ce urna excellentes ma-
china para graduar e
observar o numero dos
vidros que se necessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes ste-
rioscopos, instrumentos de mathematica,
barmetros, vidros de chystal de rocha, e
de cores para resguardar a vista; concerta
todos estes objectos a precos commodos e
com promptidSo; tira o mofo dos vidros &
encarrega-se de toda a encommenda relativa
a ptica. -. ,
Rccebeu tambem os excellentes relogios
do antigo e afamado ,'bricante Roben Gerth
& C, os quaes vende procos commodos
garantindo a sua superior qualidade.
Attenco.
Vende-'e no caes de Cpibaribe pedra mulati-
nha da primeira qualidaie, pelo preco de 1*200 o
palmo corrido, sendo hoinbroiras, soleiras e iepos
com o mais que se segu.
Illumina(jo.
RA DO CiESPO N. 16.
Duarte lereira & ()., tendo recebido ))elo
ultimo vapor grande e variado sortimento
de baloes de papel-do diversas qualidades,
e do mais moderno gosto, proprios jtara
illuminaco tanto <3a cidade como do
campo, assim o fazem constar a seus nutne-
rozos freguezes e ao respeitavel publico,
aflm de que com tempo se previnam, visto
como attento aos ltimos successosda guer-
ra se espera a cada momento a fausta no-
ticia de sua conclus3o. A^ffiacSo err
bales de papel alm de ser linda meaos
dispendiosa possivel, os annunciantes Ten-
denvos por precos mui razoaveis,
LOJA DO GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo n. 7
Mandou vir de sua conla e acaba de re-
ceber pelo ultimo vapor, completo sortimen-
ot de objectos de novidade e phanlasia, os
quaes esto resolvidos a vender per precos
nimiamente baratos, para assim animar aos
concurrentes e ao mesmo lempo dar sabida
ao grande deposito que tem: isto i ra do
Crespo n. 7, loja do Gallo Vigilante.
Gollinhas, punhos e camisinhas para se-
nhora, fazendas de gosto e novidade.
Finos vestuarios para baptisados, assim
como touquinhas, sapatinlios e mtiasinhas
para o mesmo flm.
Grande sortimento de bicos e rendas de
croch e de outras muitas qualidades.
Superiores caixas com msicas e sem el-
las, tendo o necessario para costuras, pro-
prias para um delicado mimo.
Finas caixas com tontos e sem cites para
voltarete.
Agulhas para machinas de costura.
Ditas para croch, sendo de ac, marfim
e outras muitas qualidades, assim como li-
nhas para o mesmo mister.
Finas grinaldas para noivas.
Meias de borracha para quem soffre de
erysipella, assim como meias de la para
os que soffrem de rheumatismo.
Suspensorios para homem e meninos.
, Finos pentes de tartaruga para coques 9
de outras muitas qualidades e para outros
misteres.
Dedaes de madreperola, marfim, osso,
ac, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome para tingir
cabellos, dando aos mesmos a sua cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas perfumaras
dos memores fabricantes, assim como mul-
los outros objectos que impossivel des-
crever: isto s na ra do Crespo n. 7, loja
do Galio Vigilante.
Collares Royer elctricos magnticos con-
tra as convulses das criancas e para facili-
tar a dentinc5o das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
collares e contina a ter sempre graade de-
posito, ra do Crespo n. 7.
Macarthy
Machinas de descarocar algodo.
Huje que est reconhecido que as machinas de
serrote prejudicam e quebram a fibra do algodao,
preciso recorrer a machinismo menos spero,
que produzindo o mesmo servieo que aquellas, e
faeihdade no trabalho, nao quebrem a fibra da ua,
para que cssa possa obter-nos mercados europeos,
a differenea que ha entre o algudao descarocadu
por aquellas mencionadas machina?, que cstao fi-
cando em deuzo, pelo prejuizo que tem causado,
e o da antiga bolandeira, (pie nao ptte competir
pela morosidade de seiftrabalho. E' assim que
estas machinas se tornam as mais proprios para o
nosso algodo, porque ao par da facilidade e
promiitidao conserva a fibra da la, que limpa por
ella, c quallficada na Europa a par da melhor bo-
landeira, valcndo assim entre 10 arrobas 20 0/0
mais do que a la limpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
esto adoptadas no Egypto, aonde as de serrote
foram inteiraniente abandonadas, e per isso o algo-
do daquclla procedencia, sendo da qualidade do
da nessa provincia, oblem lioje de 10 arrobas 20
0/0 mais do que o nosso : vendero-se a 130/000
nos armazens de Tasso Irmaos.
FUNDICAO DOBOWMAN
Una do Biriiiii u. &9.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batido fundido.
Rodas dentadas, pata moer com agoa,
vapor e animaos.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro-
prios para agricultura.
e a
Vende-sc urna vacci, urna garrota e ovelhas,
Iprcnhes e parida : a fritar no sitio n. 17 na es-
lirada dos Afllictos, passando a capella.
Meias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes meias elsti-
cas de borracha contra varizes o erysipellas.
Yende-se na
* Pharmacia e drogara de
Rartholomeu & C
34>ra larga do Rosario34
Manoel Alves Ferreira 4 C, na ruada
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
superior potasga da Russia em barris e meios
barris e cal de Lisboa da mais nova que ha
no mercada.
Cemento de Portland.
Vende-se no armazem de Vicente Feneira
Costa 4 Filho, na rna da Madre de Dos n. 22,
barris grandes. ., _
Tintura japoneza
Instantnea para tingir os cabellos
barba, a 10000 o frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido jeconhecida superior a todas
as tinturas (Peste geneto.
A venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. roa'da Cadeian. 51.
Em casa deTheo*. Chnstiansen, ra do Com-
mercio n. J6, eneontram-se effeetivamente todas
as qualidades de vinbo Bordeaux Bourgogne e do
Rheno.
GAZ GAZ G4Z
Chepou ao antigo deposito de Henry Forster &
C, rna do Imperador, nm earregamento de caz
de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
e a retalho por menos preco do que em outra qual-
quer parte.
LOJA DO PASSO.
Rua **(rPo n. A, e*qi.ina
0a do Imperador.
0 dono deste importante estabelecimeito,
tendo recebito de sua conta, pelo vapor
francez Extaemadure, diversos artigos de alta
novidade proprios para a festa, econscio de
que seu estabelecimento se acha bem sorti-
do, principalmente em artigos de moda, pe-
de ao respeitavel publico e em particular
aos seus numerosos freguezes a bondade
de honra-lo com sua confianca, garantindo-
ihes serem bem servidos" e por precos ni-
miamente baratos. Venham, pois, todos
comprar novas e lindas fazendas boas e de
alta novidade, com bem:
Riquissimos cortes d bonde.
Riquissimos cortes de seda de cores.
- Sedas de lindas cores para covados.
Moire-anliqe azul, verde, branco e pre-
lo.
Grosdenaples azul, verde, branco e pre-
to.
Gorgurao branco preto.
Setim branco macau.
Cortes de seda com duas sias.
Cortes de 15a scosseza com duas saias.
Cortes de 13a e seda, novidades.
Poil de chevre de liadas cores.
Alpacas de cordao lindas cores.
Ditas lisas de todas as cores.
Cortes de vestidos de cambiaia bordados.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho com lindos bordados.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Chape-linas de palha da Italia.
Ditas de sedas de cores e preta.
Enfeites para cabeca de senhora.
Coques de todds as qualidades.
Rasquias de seda enfeiladas com primor.
Leques de madreperola, marfim, snda-
lo c osso.
Camisas bordadas para homens.
Colchas de algodo e seda para cama.
Ditas de crochet para cama.
Pannos de crochet para cadeiras e sof.
Chapeos de sol de seda para senhoras.
Espartilhos para senhoras.
Toalhas de labyrinto.
Lencos de labyrinto.
Fronhas de labyrinto.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas cambraias de cores, percales,
faas e outros muitos artigos de goslo e no-
vidade.
Loja do Passo rua do Crespo n. 7 A es-
quina da do Imperador.
PECHIMCHA
Vende-se barato um buhar com seus perlenees
ra ruu da Imperatriz u. 69.
ACABAM
de chegar os sabonetes de
alca-Mo
Para curar as molestias da pelle, taes co-
mo impingens, dartros, sarnas, comichoes
a mais molestias de pelle sem occasionar
accidentes; desfaz as manchas do corpo,
pannos e sardas, restabelece a cor natural
quanto cutis, seca, grossa, aroarellenta,
occasionado por lguma enfermidade, e co-
mo desinfetante e preservativo das molestias
conJafiJM
Deposito, botica do Pinto, junto ao quartel de
polica, B.W.
ne-se sottente para esta praca urna bo-
nita negriiia de 6 anos de idade e um negrinho
de 13 annos, irmao da mesrna ; na rua do Pilar
n. 63,1 andar.
A NOVA ESPERANQA
21= Rua do Queimado = 21
L para presentes
A Nova Espernnca, rua do Queimado
n. 21 tem um variado sortimento de objec-
tos de gosto e phanlasia proprios para pre-
sentes, sobresahindo entre elles ricas eai-
uhas de bano com linas perfumaras, cos-
tureiros de chagrn, agulheiros de madw
perola : assim, pois, quem quizer fazer ama
linda ollera, dirigir-se Nova Esperanca,
na do Queimado n. 21.
Collares anodinos ellectro-magnet
eos contra as convulces das
creancas.
N3o resta a menor duvida, deque muito
collares se vendem por ahi intitulados os
verdadeiros de Royer, e eis porqae muito?
pais de familias nao erem (comprando-os)
no effeito promeUido, o que s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanza, porm.
qiii' detesta a falsifieaco principalmente no
que respeita ao bem estar da uumanidade,
fez nina encommenda directa (lestes collares
e garante aos pais de familias, que s5o os
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
cas tem salvado do terrivel ineommodo de
convulces, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperanca a rua do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para seu
filhinhos, antes que estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, qmndo ento ser i-
flicilalcancar-seo eflito desejado. embom
sejara empregados es verdadeiros collares
de Royer.
Para extinguir as sardas e
panno
lecebeu a Nova Esperanca, rua do
Queimado n. 21, leit de rosas, especia,
para extinguir sardas e pannos^
BONECA DE CERA
A No^a Esperanca a rua do Queimado n.
21, acab* de receber um completo sorti-
mento de finas nonecas de cera de diver-
sos tamaitos, sendo as maiores da com-
primento d'um covado; estas boneca6 tra-
zem bonilos coques e botinas, havendo en-
tre ellas algumas que fallam e outras que
choram de sorte que fcilmente podem ser
prepatadas, e fazer-se um presente de umita
acceitacao.
Finas caixas de tartaruga para rap ven-
dem-se a rua do Queimado n. l na loja
da Nova Esperanca.
Modernos brincos de sndalo, s se en-
contrado na Nova Esperanza a rua do
Queimado n. 21.
MEIAS DE LA
A Nova Esperanca a rua do Queimado n.
21, acaba de receber um especial sortimen-
to de meias de la para homem e senhora.
CONTRA AS C0NGESTE9
mal terrivel a congestao fulminante:
do re]lente leva um divido, d'esta para
milhor vida, sem dar-lftc tempo de receber
conversa medica ;deixando as mais das
veses mulher e fimos no mais amargurado
pranto; a Nova Esperanca que deseja pres-
tar servicos reeorreu a Vojer, o qual lhe
mandou aunis elctricos magnticos, como
o nico preservativo para semelhante mal a
elles antes que se acabem : na Nova Espe-
ranca1
NAVALHAS
A Nova Esperanca a rua do Queimado
n. 21 recebeu um sortimento de navalhas,
de qualidades, e tamanhos especiaes assim
como afiadores e massas para as mesmas.
LINIIA PARA CERG1R MEIAS
Esta muito necessaria linha vende-se a
rua do Queimado n. 21 na Nova Esperanca,
BORDADOS BONITOS, BONS E BARATOS
Esparlilhos s na Nova Esperan? a rua
do Queimado n. 21.
Vendem-se quatro escravas de 20 a M an-
nos, bonitas figuras, boa conducta, engommam,
cozinhaaa e coeem muito bem, duas ditas mu ro-
bustas proprias para engento), e teem habilidades
um mofoque peca de idade JO annos, um mulato
bom coiintieiro e copeiro, de idade ti annos : na
trarnwa do Canyo n. 1.
Sementes.
(jaram as novas se: hortalice
todas as qualidades. na rua da Cadeia do Recio
a. 60.
A
,
J
N -
~ ~~ <


H
sVHHHaV
ti

Diario de Periianibuco Quinta feira 18 de Fevereiro de 1869.
r.
I
>
i
i
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO ^
aBoa $& maenaaianak Q(D
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
0 proprietario d'este estabelecimento1 convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a \r surtirle no grande estabelecimento que tera defaiendas, tanto da moda como
de tei, e as pessoas que negociam em pequea escalla, tanto da praca como do matto-
nesta casa podero fozer os seus sormentos em pequeas e grandes porcoes, venden-
do-se-lhes pelos precos que se compram as casas inglezas ; assimcomo as excellentis,
simas familias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se este estabelecimen-
to aborto constantemente desde s 6 horas da manhaa as 9 da noute.
O atoalhado do Pavo
Vende-se superior toallrado tle algodo
com 8 pfenos de largura, damascado a
20200 a vara; dito de Unta fazenda muito
superior a 3^200 a vara ; guardanapos de
linho adamascados a 4#500 a duzia e muito
finos a WKK), e ditos econmicos a 3,J5O0
a duia.
Oroeks para caelras na lJa do
lav5o
Chegaram os mais lindos panos de cro-
ch ou guarda bantras, proprios para ca-
deiras tanto d'encosto, como de balanco e
de guarwcaO, e eutros compridos para so-
f, assim como ditos redondos para metas
redondas, ditos pequeos par* almofadfe, e
ditos para cobrir presentes, tendo pequeos
at para cobrir um prato, que se veedem
por preco maito em corita, na loja e arma-
tero do Pavo ra da Imperatriz n. 0, dei
Fehx Pereira da Silva.
Itasdes para vestidos braneos
Vendenvse os mais modernos fustes-bran-
cos flexiveis com padroes de listas e de
lpicos proprios para vestidos e roupas de
imenino a G40 rs. o covado, na loja e arma-
zem do Pavo ra da Imperatrizn. 00, de
Flix Pereira da Silva.
Grosdeaaples
Chegou para a loja flo Pavo pk> ultimo
varpor um grande sortimento dos melhores
.grosdenaples pretos e de cores, tendo verde
tambem, que se veadem mais barato que
em outra qualquer parte.
Pechijch.v em aloodosinho a 5#500
A PECA NA fcOJA DO PAVO.
Vende-se superiores pecas de algodosi-
nho cora 20 jardas a 8#500 a peca, gran-
de pechinclia, un ra da Imperatriz n. Q
anuazeai de Flix Pereira da Silva.
PECIHNCHA A 3:300,
Cortee de 13a 3:300.
Cortes de 13a a 3:oO.
Certes de la a 3:300. .
Lazhihas a 280 ris.
Lazinhas a 280 res.
Laazinlias a 280 res.
S o J*avo.
S o Pavo.
S o Pavo.
Vendem-se bonitos cortes de lazinhas
para vestidos com padres modernos tendo
cada uin corte 14 cavados pelo barato pre-
oo de 3:300 rs, assim como ditas em pecas
que se vendem a 280 rs. o covado, sendo
grande pecbincha na loja earmazcm do Pa-
vo ra da 'Imperatriz u. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
DABADINlfOS
Vendeoirse finissimos babadinho6, tiras
bordadas e-eutremoios, mais baratos do que
em outra qualquer parte, assim como espar-
lilhos dos mais modernos, na armaKem de
Flix Pereira da Silva, ra da Imperatriz
a. 60.
ALTA N0U1DADE
A LOJA DO PAVAO
Gurguro de seda
Chegaram pelo ultimo vapor os mate bo-
altos gurguroes de seda, proprios para ves-
tidos, sendo usos e lavradinhos, com muito
lustro, garantindo-se ue a fazeuda mais
inda e de mais phantasia que este auno tem
ohegado a este mercado, e vende-se por
prego muito razoavel, na ra da Imperatriz
o. 60, de Fbx Pereira da Silva.
GROSDESAPOLES PRETO A QATRO
PATACAS S O PAVO.
VenAe-se grosden.ipoles preto de boa
pialidade pelo barato preco de 1^280 o co-
vado, s na loja e armazem do Pavo, ra
4i Imperatriz n. 60 de Feliz Pereira da
Silva.
CAMSRAIA BRANCA A 3*300.
Vende-se pecas de cambraia branca
transparente, com 8 c meia varas pelo ba-
rato preco de 3>300, ditas muto linas tanto
tapadas ornotransparentes 4300, 3*000,
0300, 7.-JOO0 e 8-5000, assimcomo organ-
d muito fino tanto lizo, como de listas e
quadros na loja e arraazem do Pavo ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
ALPACAS LAVRADAS JPARA LUCTO.
Yende-se na loja do Pavo, as mais mo
deraas alpacas lavradas pai-a lucto, sendo
muitolargasepelo barato preco de800rs. o
.vado, s na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz n. 00 de Flix Pereira da
Silva.
\S DEZ MIL VARAS DE CAMRRAIAS FRAN-
CEZASSNA LOJA DO PAVO A 560
RS. O METRO.
Vende-se finissimas cambraias francezas
cora os mais delicados padroes, tanto uti-
dos como grados, e com as cores mais no-
vas que tem vindo no mercado pelo bara-
tissimo preco de 560 rs. o metro; garantindo
metros do um vestido para qual-
Uaasiukas
A doze vintens.
A doze vintens.
A doze vintens.
Vendcm-se laai&has de cores muito bo-
nitas com desenhos miudinhos e grandinhos
com lislinhas e pintas pelo barato prego de
240 ris o covado ni loja do Pavo, ra da
ImperaUu n. 00, de Feliz Pereira da Silva.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendem-se finissimas pegas de cambraias
lizas transparentes tanto ioglezag otiw suis-
sas tendo mais te vara de largura, pelos
preces de 5*000 at 10*000 a peca, assim
como finissimas organdys braneo liso que
serve para vestidos -de bailes, por ser muito
transparente a 1*000, a vara, iva loja do
Pavo ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
FUSTO 8RANCG PARA VESTDOS A 640
Na loja do Pavao vendem-se os mais mo-
dernos fustoes francos de -Esta e coi muito. encordad mas muito flexivel, pro-
prios para jwstidos,roup5es,penteadores etc.
etc., e roupa.para meninos, pelo barate pre-
go de '640 ris o covado, na loja e animen)
de Flix Pereira da Silva.
SEDAS COM L1STINHAS A 3*00q
COVADO
Vendem-se as mais modernas sedas de
listinlias .para vestidos, cuegadas pelo ultimo
vapor com as cores mais modernas que tem
vindo a este mercado, pelo barato pi-eco de
3* rs. o covado na ra da Imperatriz n.
60 deFelix Pereira da Silva.
Alpacaslavradas
Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que se vendem a 1*00?), o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de canna a
800 rs, ditas mescladas muito finas a :200,
o covado, e outras muitas fazendas de gosto
e moda que se vendem mais barato du
que em outra qualquer parte, no armazem
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60. deFelix
Pereira da Silva.
ORGANDYS DE COR
PECHINCHAS
lovamente chegadas ao armazem

bo
DE
PAREDES PORTO.
Tendo-nos chegado ltimamente fazendas inteiramente novas, convida-
mos por este meio ao respeitavel publico a que' nos procure comprar fazendas de
noni gosto e por prego que nao achara em outra qualquer parte.
Atlmirerft!
Madapules finos a 5*, 6*. 7* e 8* rs.,
, no armazem do Leo.
Chitas escuras de padroes lindos por pre-
go de 320 e 360'rs. o covado.
Gassas de cores com palminhas e com
listas de diversos padroes a 240 e 320 rs.
Lazinhas cinzentas. e cor de bonina a
0 o covado.
Chitas claras miudinhas a 320 e 360.
Alpacas pretas e de cores ndas proprias
para vestidos a 680, 700 e 800 rs.
Pegas de cambraia transparentes a 441,
3* e 6*. "Por este prego admira a todos 1
Cortes de casemiras de quadrinhos e lis-
tas a 2$800 e 3*.
Corpinhos braaoos para senhora a 3* e
3*200.
Pecnincha!
Cortes de cassineU de cores para caigas e
paletots a 1*500.
Cassinetae cores com um pequen to-
que de mofe a 400 rs. o covado.
Espartaos muito finos a 4*500, 5*
5*500.
Admira! I
Grvalas de seda a 500 rs. --
Golirihas bordadas a 500 rs.
Lazinhas a 200 rs.! t
Lazinhas a 200 rs. 1!
Lazinhas a 200 rs. 11
Lengosiordados a 6*, 6*500 e. 12*500.
Ricos e bem escollados gostos de bis-
marks para calcas e paletots a 2*500 o
corte.
Tambem tem para acabar pegas de pan-
no de linho, com 27 varas, a 17* e 18*.
Toalhas de linho para rosto a 10* a du*
zia.
Aos Srs. armadores de enterros.
Vendem-se pegas de hollanda preta com pomada fina para cabe
0 cordeiro previdente
Ra do Qt.efmado n. 10.
Novo e vai-ir.du sorlimento de perfumaras
finas, e ontros object
A16m do completo sriimento de perfu-
maras, de que elTectivamenflc est provida a
loja do Cordeiro Prevident*1, ella acaba de
receber um outro sortimcnlo que se torna
notavel pela vai iedade deobjecios, superioii-
dade, qualidades e commodidades de pro-
cos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciaran
do respeitavel publico em geral e de sm
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conhecida mansido 'l111-' W\
e barateza. Em dita loja encontrarSO os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Muiray A Laminan.
Dita de Cologne ingleza, amei cana, fran-
ceza, todas dos melhui'es e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrficia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet,
Elixir odoutalgico para conservago do
asseio da bocea.
Cosmeques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiuies c menores, com
40 cavados a 5* : na ra da Imperatriz n.
48 e 52, junto a padaria Eranceza, loja do
Lelo.
Attengo a roupas feitas 11 no armazem
-*> Leio, ra da taperatriz ns*. 48 e 52.
Assim como temos um grande, cempieto
e variado sorthnoBto de roupas feitsis: pa-
letots saceos, sobrecasaoos, fraques, jaque-
toes, algas, cohetes, camisas, ceroulas,
chapeos etc., udo porpregosque admira 1
Tem tambem un sortimento de roupas
oriiaarias por preg %aratissirao.
Acaba de chegar tanbem um completo
sortimento de damascos de cores, Sendo
aawl, amaretio e cor 4e caf ele, que -se
vende por prego commodo.
Admira!!
No armazem do Leo 11
No armazem de Leo 111
No armazem do Leo 111
No armazem o Leo 1 i 1
Para familias
GrandeBnzar, rna Xova us. c
*. dc'arnoIroVlanua* C
Acaba du chegar a este estabelecSmenle
grande poirao de machinas para costuras do
autor Whecier Wilson, approvadas na u
ma exposieode Paris.as quaes cozemom
dous puspontos toda a costura, c Km a
vantagem de ser to suave o nwtmcntti,
,er ciianea de oito amos pe \U
mente traballia, c pode, cun este entr
nimentd, levar vantagem ao serwo mano
detrinta cosluieiras. A ctanwehensaoe
simples, pois em um quarto de hora se n-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do a me.-nia a piopiiedade de fazer ns se-
guintes costuras: pospontar, abankliar,
i'ranzir, macear e bordar, como aprcscntim
os dejenhos que acompanuam-aas. s pro-
prietarios do estabelecimento se encarre-
aam de mandar ensinur n'esta cidn-le, e
paru!.teB|,ntregar o importe dispendio ao
compraitor, no caso du nao tiabaliai com
nuiicicao amachina vendida, nao teno,
porem*, soffi ido ella alguma isw. Ha tam-
bera no mesmo estabelecimento machinas
do autor Grover & Baker, de twbamo sim-
plemente mo, e outras com mov.mento
dus ps; e mxime todos os pertftices d.s
mpm:i* chinas, nara vender avulso.
No armazem do Leo, rea da Imperatriz ns. 48 e 52, junto a loja de ourives
e padaria franeeza.
Frascos com dita japoneza, transparente
e outras quafidades.
Finos extractos tnglezes, americanos u
Trance/es um frascos simples ecufeitados. I^esi
EasoRcia impeiial do lmo e agradavel chei-
ro de violeta.
Ootras concentradas e de cheiros igual-
mente linos egradaves*
Oleo philocome verdadeiro.
Extiacto d'oleo de superior qualidade,
com escolkidos cusiros, em frascos de dif-
erentes Umanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos eem figu-
ras de meninos.
Ditos mui'io fifws eraeaixinha para barba.
Crxnhaseom bonitos salwnetes imitando
fruidas.
*itas de madera invarnisnda contendo fi-
nasperfumarias, muito proprias para pre- i ^^^''^ooo.
settes. ] Ditos de fluraque para mente* 12-3000.
5)itas de 5rpoloigualmentelbonitas, tatt- Botmzinhos para menino*a l
ROIPA l'llll MEDIDA
LIMA, LESSA & C.
14-RUA NOVA N.-14
0s proprietarios d'este estabelecimento acabam de montar urna das mais covn-
iptetasofficinas de alfaiaie, encarregando a direegao da mesma um dos mais habis
artistas; e .paca melhor satisfazer aos 6COS freguezes tm am variado sortimento de ca-
yendem-se organdys de cores com pa-1 soai^ de toda ai qualidade, pannes Anos, brins, merinos e varios objectos proprios paro
OLEO DE HOGG
Figados frescos de acall.:
Paracura cci la de ulitiica, afeeggea oht
ktas, luisa ebronica, rai|ueia dos nicmbro e dc-
bilidade peral, ivc,,ininendanciu d
oleo ainda por ser *radaWttl no Datadarit
VKNDE-SE
s\
droa,vU
l*harittocala c
DE
UliTilOLOMEl- &
r,4 Uva larga do llosa no -- :J4
C.
Calcado barato
e cordavao para l;*'
droes miudinhos em assentos brancos e de
s miuumnos em assemos urlicos c de l
xres pelo baratissimo prego de 360 rs, o '
covado, finissimas cassas francezas com deli-
cadas cores e bonitos desenhos a 320 rs. o
covado e ditas a 300 rs, na ra da Impera-
triz n. 00, armazem de Flix Pereira da
Silva.
I&oupas para h-omca
Vendcm-se superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca o de seda,
camisas inglesas e francezas com os pcitos
de esguio, ceroulas francezas de linho eal-
godo, meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e de meia de la, assim
como neste estabelecimento existe um grande
sortimento de pannos pretos, e de casemiras
inglezas de cores, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-lhes que sero servidos
cora a maior promptido e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. ra da Silva.
Cortinado*
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento .dos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 12^000 rs. cada par al 25)3000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 4S0,4e Flix
Pereira da Suva.
Chitas
Vendem-se as melhores chitas eseras para
casa sendo de cores fixas, pelos baratos
procos de 320 e 3C0 rs. o covado, ditas
muito finas francezas sendo claras, com pa-
tOes de cassa a 300 e 400 rs, pecoiacha,
na ra da Imperatriz n. 00, armazem de F-
lix Pereira da Silva.
Grosdenaples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de 2#000 rs. o
covado at 4#000 rs. garantindo-se que
n'ete genero ninguem tem melhor fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
qualquer parte, na ra da Imperatriz n. 60,
de Flix Pereira da Silva.
Poli de chvre a 1 .JiOOOo covado
Vende-se poil de Chvre muito largo com
as melhores o mais modernas cores pelo f
barato prego de 1>000 o covado, na loja e
armazem do Pavo, ra da DaperatrU n. 60
de Flix Pereira da Silva.
ALTA NOVIDADE

Loja do Pavao.
Gl'RGURES PARA VESTIDOS A 100Q.
O COVADO.
Chegaram os mais modernos gurgures
para vestidos, sendo de todas as cores, como
horaam, assim como dfa completo sortimento de fazendas finas de toda a qualidade,
Garaate-se a umaihor qualidade -da fazenda e o prego maisrasoavel possivel.
FAZENDAS PRETAS
PARA A OUARESMA
IL
bem de perfumar i s linas.
Bonitos vasos de metal ?coloridos, e-de
moldes notos e elegantesyeom p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composigode
j-dheiro, eporissoomaisproprio paracrian-
icas.
Opiata ingteza e franeeza para dentes.
Pos de-camphora e outras differentes
qualidades mbem para denles.
Tnico oriental deKemp.
% tilda m.ts roques.
Um outro sortimeutos de coques de no-
ves e botutos moldes com filis de vidrilhos.
e alguns 4'eMes ornados de flores e fitas,
esto tml(*s expostos i apreciaeo de quem
os pretenda comprar.
GOLTSUAR E PXHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Fveila-* e Utas para eiutos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escoJlia aogosto do com-
prador.
FLORES FINAS-
0 que de melhor se pode encontrarnos se
genero, -sobresahindo os delicados Tainos
orvalhadospara coques.
Para vacein.
Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
pireeos comiROilos.
(jiapelinas de pallia da Italia mu bem
enfeitadas, eenfeites de flores obra de bom
que 7 metros do um vestido para ,
auer senhora, e (me em outra qualquer loja sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
nao se "encontrar a mesma fazenda por rxo A d- tendo quasi quatro palmos de lar-
e sim s na loja e armazem do ffura e vende-se pelo baratsimo prego
nao
igual prego
n. 00 de Flix
Pavo, ra da Imperatriz
Pereira da Silva.
Cassas laglezas a 44 rs o metro Imperatriz n.
Vende-se urna grande porgo de bonitas
cassas inglezas tanto graudascomo miudi-
de 1^000, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na ra da
60.
Bbins para calca na loja do pavo.
Vende-se os mais modernos e melhores
nhn f de cores fixas pelo barato prego de brins do linho|de todas as cores, outros com
440 rs. ometro,garEntindo-se que 7 metros
do um vestido para qualquer Sra. s na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva. *v
Bareges a 400 rs.
S aa loja do Pavo
Se vendem as mais bonitas bareges transparen-
tes, proprias para vestidos com litrlnhas a P*8*-
?o de iietras de seda, e vendem-se Pl. barato
pre$o de um cruzado cada um covado, nicamen-
te na loja e armazem do Patio, rna da mpera-
iz a. 00, de Flix Pereira da Silva.
listas do lado, garantindo-se serem de linho
puro e vende-se por pregos muito em con-
ta no armazem de Flix Pereira da Silva,
ra da Imperatriz n. 60.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
(PAVO.
Vende-se urna grande quandade de re-
tainos de chitas e cassas pretas por prego
muito barato, e quanto maior for a porgo
que o fregu comprar, mais barato se lhe
vender na ruada imperatria n, 60 de F-
lix Pereira da Silva.
Rua do Quehitado 9.11
Receberam directamente da Europa as mais superiores fazendas pretas espe-
ciaos para a quaresma, as quaes esto vendendo pelos mais mdicos pregos em vista
ja superior jualidade de ditas fazendas.
Ai/rA AOVIIIAIII:
Basquines pretas de renda, verdadeira novidade, para seimort.
Qorgurao preto de seda liso e com listas assetinadas para feudos.
Grosdenaples preto largo estreto de diversas qualidades javendo neste ge-
nero o que ha.de mttllwr.
Basquines de croch pretos, ditos de seda prea com cintos delicadamente en-
feitados, elegantes peplums de seda preta, fichos pretos de renda, modernas capinlias
pretas de renda e superioras vestidos de gorguro preto bordados.
jfoirantque preto e braneo, bombasina, superiores princezas pretas, merinos
de vero e trancados dos melhores.
Os mais lindos vestidos de blond eom mantas, capella para noivas, superiores
fronhas de eambraia de lirihe e de esguio bordadas, e lindas colxas de seda e de la
para camas.
Sabidas de baHe brancas, azues e cor de cinza de gosto especial e ves-
tidos de cambraia -branca ricamente bordados.
Popelines de seda para vestidos lisos e com listas das mais lindas cores
e mais bellos padroes,, e grande e variado sortimento de sedas tanto em cortes como
em peca..
Cortinados bordados para camas e janellas, bales parisienses com
molas novo gosto, baloes reguladoras brancos e de cor, espartilhos e bellas colxas
de roch.
Carnizas de linho iuglezas para homem, chapeos de sol de seda,
grvalas modernas, pannos finos e casimiras de cor e pretas, e oulras muitas fazendas
que vendem por muito commodos pregos.
Aloja jl li da rua doQuejmado tem sempre o melhor sortimcnlo de tapetes,
alcatifas e
Esleirs da India para forrar salas.
Vpde-se na invada Independa, luja de cal<;a-
do n. 39.________'
Fundico da Aurora.
Neste vasto t>i:ii>ele<'iuieiia sanN wencontra
um completo sortmenlo de laixas 3e enn ,';:it!'lo
e fundido, rubricadas recntemente, e s tahrienn
de qualquer uHde a vontade dos compradurw, o
[troces rnztwlf.
gosto.
E assim milites outros objectos que se-
ro msenles a quem se dirigir dita loja
Fugio a lo do oomMe inez de jaaicn
esrravo de neme IVIqpe, ealn.i coni "i-i mv., i -.
idade, uiii pouco alto, subrancelhas |nc-:as f
radas, os cabellos aeabculndo?, quando and
;.a duro o eom pasos lardos, toin uini taicai-c
cauatk du lado direitq subre o ligado, levou eti-
ca il'! brim de quadrinhos pelos, camisa de n>a-
dapolo, chapeo preto de laa redondo, e.-le vvu-
vo costumava a (janfiar na rua condnzindo pene-
roa de una venda da rua Dfreita para a i slaco
das Cinco l'onlas, t* nalural do lugar Canholinho
>ia oonarca, de S. Bcuo desta provincia, e fu
comprado ao Sr. i: Afves de Mello, morador no
nis,mo logar, prefom-se ^uo o niesujo escrava
ccniHiiii a ganhat1 na rua. munido de un bilhete
falso procorande aenkar padeVec aos 8r. rapi-
lacs ilo cantpo e mais autoridades jiolicia. s a caj
tura dy ditoescravu e le*fl-lo ao seu scnuor Jos
Pereira de Miranda Cnba, morador em Sanio
Amaro, sobrado grande do Sr. Manoel Custodio
n. i, qso se gratiticar generoeamenta
O abaixo assignado recommenda a c do sni c-ciavd d,' ikihio loaquu, mualo, li ;
do seu sitio doMoulciro, ceuiprado aos seus -
nos os Sis. Jno (oncalvcs da Silva, Vii nfc <:.-.-
valcanli de Albuqnerqu. Alwandrc i
Silva, nosia cidade, por intermedio <' s i< pro
earadorea napeesoa do Sr. Manoel Franchco'. i
va lean ti, todos de Pao d'Albo e por intervenga) d>
Sr. Santos (corrector do escravos). cujo scra\
le escravos). cujo esera\
i'iiii d'Alho e lem os dii i
^1
SOFFRIMENTOS D ESTOMAGO, CONSTIPAQAO.-
Con <>m poucos ios pelo CARVlo oc aciLOC em p ou em pastillas.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Euatfect ipadas rpidamente pelas PliOLA O'ETHCR i I' CMTM.
AMEMIA, A PALLIDEZ ala soffiimentosque necessitamdo
emprfgo dos ferrnginetos slo sempre combatidos com o melhor resultado
pelas P1LUUS DE VALLCT. Cada Pilula Um incravado o norae T1LUT.
PO DE ROG. iasta disaolver um frasco d'este p em meio
mt
garrafa d'agua para ae obtr ama limonada agradavel que purga
zer clicas.
VI'NHO DE QUINiUM oV Utarraque. Bato vinlio, um dos
pouco cuja coniposicio garantida constante, i ama das melhores pre-
paragiies de quinin, sem ac<3o notavel sobro os convalesceutes, dando-
lhes forcaa e apressande i rclta a saude. Cura as labre* antigs que re-
sisti ao sulfato do quiniio.
MOLESTIAS DA BEXIGA. -. A maior parto d'estas moles-
tias, como u sciaticas, lombagos, catarros, a toda* aa dores norrosu em
geral sao curadas peas PEROUM K ESaCHCia oc THERKKNTIM o
Dr. Cl :rtan. 0 profetsor Trousseau em sen Triado d Iheraptiuics acon-
olba is para serem tomadas na occasiio do jantar, na dos* da 4 i 11
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH-
Garan ido puro o de prneira qualidade, um do* poucos aprovados pola
Academia de medicina.
n. iti.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente roa do Queima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de pallia para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidado de precos.
. ALEM DAQUELLES.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de galfes de la, babadinlios de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade de gostos os tornam recommenda-
dos e apreciados ; comprelo pois os pre-
tendentes que sero servidos a contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provmonto de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homen
como para senhoras, constantemente acbam-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
rua do Queimado n. 16.
ATISO. Todos
esta mcdiaimentoi ftrtm aprovadtt pela Audemi*
imperial a\ mediana ie Parte.
$k-Jlrt.
MahU..
o> >*!*,
Dcmucbiub;
.TasaoBM.
BissaalO.
DEPOSITO
u i; rao Joook
Ptnumbm. aUosaa ot O.
Can.
Haaaaa et O.
A
NOVIDADE
A loja de Coelho A Oliveira rua .do
Queimado n. l), recebou"pelo uffimo vapor
um bello sortimento de bales de diversos
systemas, os mais apeifeicoados tque tecm
vindo ao mercado, sendo :
Bal5es de guipur com tiras chamados
reguladores, ditos de mussetn abertos por
ambos os lados, de modo que sendo todos
de um tamanho scrvenfpara qualquer se-
nhora, de la de cores, com tiras, e as se-
geintes fazendas :
Saias de la com bonitas barras.
Chales turcos de seda e la Beatriz de
Tundas.
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
taslnhas
Sultanes, Poil de Chvre, Tricte, dito de
ladrez e outras muitas, entre ellas urna
Especialidade
La pura de cores a 360 rs. o covado.
Basquinas a Maria Antoniete.
Cambraias fantazia.
Ditas brancas transparentes e Victorias
Colxas adamascadas.
Cobertas chinezas a 2#5O0 rs. e outras
muitas fazendas que tornar-se-hia enfadonho
annunciar.
seguimos: idade 'Si anuos, secco do vorpir
pouco alto, bigodo, cabello uin ptKsflfl cu |
e ponteado, falta de denles, una inlbmiii:,--,io -,
ciliada na junta da mo esquorda, falla a .-.'l:.::
jo, miiitodescaii{ada emansa : levou rainM
madapolo e riscado de aluodao. o calcas do bi.o;
pardo. O al.aixo as.-i:ii;iilo muilo rcfonoorml;. a
captura deste son esclavo todas as autoridad! -
c. mais pessoas onearregadas da captura i!o -
vos, naos pelas diversas fdades, villas i |i .,
dos, cuino polo senao,para onde pode ter seguido ;
prometi bom gralillear, e tambora a qualipiT
pessoa que d'elle der noticia cria ; a dirigire, -
seao seu escriptorio a rua do Crespo n. 13. >iu ac
sen sitio no Monteiro.
Rceife, 27 de Janeiro do 1869.
__________Antonio Jos Rodrigues de Souza.
= Fggio no dia 11 do corrente o escravn ;,-
cintbo, Congo,idade avancada,bempi'etn,falla m:.i-
to atravessado, ipiando anda a junta (i- joelhos o
lorna-se por consequinte cambeta, tem urna i
quena croa no alto da caneca, costnma andar coi i
um sarco as costase uin pao na mo, canv
urna calca de casemira velba de quadrinli is
um remend azul no joelho, paletot velboajui
curo, cliaiK'ozinho preto com o alto da copa pin
tado ouenvernisado do encarnado : recommon-
da-ae aos Srs. capitaea de cani|m e mais autoii-
dados policiaes a captura do dito escravo o I' ;. i
a Iravessa da Madre de Dos a Jos Ji aquim Hi.'.s
Fernandos Jnior, qne se gratitic^r genero' i-
mente.
100$ (le gpalileafi
Fugio uo dia II de Janeiro do corrente am o,
do engenbo Batainia, freguezia da Escada, o <-
cravo preto, crioufc), de ionos do ida
mado Marcelino, que foi do Sr. Joito da (Cunta
Pereira, cujo escravo estovo no deposito peral, t
tem os signaos seguintes : alto, secco do c
rosto muito marcado de bsigas, falta de di>s
na frente, cor preta, sabio di'chapeo do chile, |...-
letot e calca de castor, levando um 1 ahuzinho oe
flndres com mais ronpa, e suppoe-se estar ra
freguezia do Cabo : quem o appreheuder leve
ao dito engenho, ou rua da Senzala-nova n. 3I,
escriptorio do Sr. Bernardino Tontual, que i
ber a gratificaQao cima.
Escravo fgido
Fugio em 2:1 de ianeiro de 1869 o escravo ;;>-
theus, de meia idade, cor preta, falla gmssa, be-
xiaxiso, tero pelas cosas cioatrizes de bacalh,. ,
foem una verruga no canto do nariz, os ps f>
ros. corpo regular, tinlia sido do lllm. Sr. Age
nho Leocadio Vicira, em Panellas de Miranda, qne
ha poucos mezes de l veio fgido ; pede-e ..<
autoridades e capites de campo de o pegar ftHra-
zerem a seu senhor Jos Cardoeo de S, na rua da "
Lingoela no Rceife n. 2 ; e o mesmo protesta con-
tra qualquer pessoa qne o ten ha acoutado, e gra-
tificara bem a quem o pej?ar.
pez de rozeiras c fructeiras
no pateo da Santa Cruz
Vende-se
le varias qualidades
Vende-se una
bem afreguesada Bji|
dos, propria pafi^H
rece vantagens,
a tratar na me-.
n. 97,
ueos fun-
casa ofTe-
se explicar :
Acha-se fgida desde I.- do outnbro doanno
ultimo a escrava de nome.Custodia, idade de 24 a
26 annos, mulata, cabellos carapinhos, dentM
alvos o limados, estatura regular e uin lulo chi t
i-po, natural de Piancozinho, disli icto da
Baixa-vcrde, e foi vendida aqui pelo Sr. Vici
Nogoeira deCarvalho : quem a eaptorar qucwa
dirgir-sc a Albino Jos Ferreira da Cunh.
go de S. Pedro n. 17, que ser generosanunt'
compensado.
Fugio no dia 5 do corrente do sitio da Pro-
prida, na villa de Serinhaem, o niolato Gautl
ci, idade 20 a 22 annos, espigado
regular, um tanto desalTeicoaJo, cacNo por'
desandado, inlilula-se poi
tal vez queira sentai' pr
autoridades policiaes a c
quem o peor 1 Cadiaa u. l":
ser generonanente giatiflcado.




8
Diario de Pernambuco Quinta feira 18 de Fevereiro de 1869.

UTTERATDBA.
Dlreltoa das Mineras
Era quaesquer seiencias, e principalmen-
te as do materia poltica, nada ha de maior
efficacia para ewedar a theoria, como s3o
as observags sensatas, suggardas pelo
espirito pratico, e a appcacl) dessas aos
fados. E' isso um como contraste da ex-
periencia, que verilica as leis antigs, e
preconisa a outras novas.
Assim que em certas occasies pode
acontecer que urna phrase inteira da verda-
de, que d'antes tinlia estado incgnita, de
sbito fulgure vista de todos. Ora. pa-
rece que isso precisamente o que no dia
de hoje se esta dando, e*o que cada vez
melhur apparecer, a respeito do direito
de suffragio, grapas s recentes disposiges
da le eleitoral de Inglaterra, concernentes
ao voto accumulado.
Em resumo, a idea ingleza nao seno
um germen, cujo desenvolvimento ser mu-
to inais fecundo, do que ao principio nao
suppuzeram aquelles mesmos, que acabam
de semea-lo na lavra do direito. No pri-
meiro conceito desses, urna tal medida nao
passava a muito alm de um expediente
poltico. Tratava-se de obstar aos incon-
venientes, que poderiam provir da potes-
tade de uina nova catliegoria de eleitores,
ainda pouco industriada e menos preparada
para exercer sens direitos.
Era urna medida de precauco, legal e
verdadeiramente sensata, mas que fra ins-
pirada pelo espirito aristocrtico. Porm,
a instituicao do voto accumulado, quer sen-
do considerada englobadamente, quer em
esguardo das circumstancias, que parecem
destinadas a Huir della, ja tem um alcance
muito lato. Na realidade, pde-se esperar
que a adopeo do voto acumulado na le-
gislaco eleitoral das democracias, trar a
sotucao de urna das mais graves dfficulda-
des, que o suffragio universal suscita.
O principio da soberana do povo o
que decisivamente est dominado a civlsa-
co de nossa poca: tende elle a prevale-
cer umversalmente, e em toda a parte, onde
foi admittido o suffragio universal e direc-
to, ha de ser elle a expresso da soberana
do povo. Nena as eleices com duas gra-
dares, nem as de voto restringido, nao sa-
tifazem plenamente a soberana nacional.
A votacao em duas gradacoes, isto a que
principia dos simples votantes parochiaes,
e linda em seguida pelos eleitores de colle-
gio eleitoral; estabelece entre ambas essas
calhogorias "eleitoraes urna desigualdade de
direitos polticos, que nenbuma razo pode
justificar. Em vao, se objectar que essa
tal desigualdade procede da propria eleico.
E' que o modo da eleico acha-se trans-
viado. Ora, se a lei eleitoral, segundo a
qual se faz a eleico, tira sua mesma ori-
gem da eleico a duas gradacoes, ento Oca
merecendo as mesmas censuras, que se fa-
zem s eleices, que ella rege. Se ella
provm de urna autoridade, cuja base
mais resumida, a sua faculdade obrgatora
tambem se torna mais diminuta. Ainda
mais, suppondo-se que urna assembla, pro-
vinda do suffragio universal e directo, pos-
sa decretar urna lei, que organize a eleico
a duas gradacoes, esse modo de eleico
tambem nao encontrara em tal hypothese
legitimidade alguma. Porquanto, a forma-
cao da assembla, que tvesse decretado
urna tal lei, entendia-se estar protestando
contra essa mesma lei. Demais dsso, e
o que razo suprema, nao lia poder al-
gn1., que seja capaz de ligar a vontade de
urna naco. Urna naco tem sempre o di-
reito de effectuar na sua legislaco taes re-
formas, que melhor llie aprouverem; e a
nago, que tem esse direito, composta
de todos os cidados. Os incapacitado*
pela idade, por molestias, pela carencia de
facilidades mentaes, de que todo o homem
dotado, e os que pela depravaco da sua
conducta, se lornaram indignos, sao os ni-
cos, que devem ser excluidos.
Pouco resta a dizer a respeito do suffra-
gio restringido, que ficou condemnado pe-
las precedentes consideraces. Alm dsso,
urna tal restrieco aprsenla urna difficulda-
de infiissoluvel, que com toda a evidencia
patenta quanto restrieco tem dearbitra-
riedade e injustica: veni ella a ser a im-
possiblidade completa de racionalmente se
poderem fixar os limites, donde comecain
e onde acabam, os direitos de cleger e de
ser eleito.
Em materias polticas, a pretendida inca-
pacidade de cidados, cuja capacdade esl
reconhecida as relacSes da vida civil, o
que lia de mais repugnante. O que ver-
dade, que a capacdade poltica nao ad-
i uire toda aquella latitude, de que ver-
i adeiramente susceptivel, seno por meio
de um conjuncto de instituices, que neces-
saViamente falha no gremio de urna demo-
FOLHETIM
CATHIMM
POR
Jules Sandeau
XVII
Donde se v que qnem espera
sempre aleaaea.
(Continuaco don. 37)
Francisco Paty, acabrunhado polos annos
e fatigado da sua duturna carreira pastoral,
nao se restabelecera do estado a que o
reduzio o seu supremo esforco de heros-
mo e caridade.
A decadencia das forras physicas trahi-
ra-lbe o arrojo do espirito ainda vigoroso :
ia em breve coroar com a morte a sua glo-
riosa carreira da vida.
Passou os ltimos dias a exhortar re-
signago pela sua falta as pessoas que es-
timara e amparara durante os ltimos vin-
te annos da sua existencia.
Para que choram, meus amigos ?
dizia elle s pessoas que desde pela ma-
nha at noute lhe rodeavam o leito
Para que se affligem d'esse modo ? Bem
vem que eu j de nada sirvo n'este mun-
do, e, portante, melhor que v para o
outro. Se Claudio nao me houvesse soc-
corrido, caria reduzido a cinzas, sem ter
podido salvar aquella creancinha. Deve
voltar para a trra este corpo macerado e
j sem presumo. A minha alma nao ces-
sara de estar no meio de vos, nem de orar
por vos junto do Todo Poderoso. Ao san-
to patrono (Testa freguezia direi quanto
toda esla gente se torna digna de auxilio
pelas qualidades que todos possuem de
cracia novel. As condiges e^enciaes da
capacdade poltica consisteiii, em primeiro
lugar, na instruceo popular, depois, na li-
berdade da imprensa, na do reiinioes pu-
blicas e na de associacSes polticas; e quan-
to ao mais, nao bastante smente que
exista um tal estado de cousas, mas *im
que elle seja assaz antgo para se arraiga-
ren! as usancas, que delle redundam, e para
que urna experiencia sensata dirija o exer-
cicio do direito.
Assim pois, quo o suffragio universal
directo, no gremio de um estallo que re-
conliece a soberana nacional, a nica en-
tidade lgica e legitima. Nem a carencia
de luzes, nem a falta de independencia, n>
sao vicios inherentes sua atureza, e que
nao possam ser remediados. Esses sao vi-
cios passageiros, qae occorrem as estras
quando ainda nao se tem pratiea perfeita.
A ensinanca primaria, osjornaes, as discus-
ses oraes dereunies publicas, instruirn
a democracia, e o espirito de associago
lhe assegurar a independencia. Para com
as nossas sociedades actuaes nao nisso
onde est a difficuldade mais seria.
O inconveniente do suffragio universal,
qae, antes da descoberta do voto aecum-
lado, pareca nao ter remedio, provinha todo
do excessivo poder, com que apiella tal
maneira de voco roborava as maiorias.
De facto, no systema eleitoral que tem vi-
gorado at o ppesente, as maiorias1 que
reinam sos, vmdo as minoras a tirar mini-
ficadas ; e por consegirinte bem pode acon-
tecer que as minoras, quasi iguaes em nu-
mero de individuos s maiorias, qae por
bem pouco triumpharSo, nao sejam repre-
sentadas, e fiquem inertes dentro do estado,
ou sem meios de aeco as assemblas po-
lticas e conselhos administrativos. Dssde
que, a lim de se dar remedio > menciona-
da injustica, se buscavam novos modos de
votacao, todos os systemas propostos falha-
ram em varios pontos, primeiramente no
da compcaco, e depois no defe'ito capi-
tal e de todo inadmissivel em um:i legisla-
Cao democrtica, qual era o de se atacar o
principio de igualdade. Ora, nao ha cen-
sura alguma desse genero qae desabone o
respectivo systema de suffragio accumu-
lado.
As estipulaces essenciaes do suffragio
accumulado, tal e qual elle foi concebido na
Inglaterra, consistem no segninte : Em cada
urna ciroumscripco ou collegio eleitoral,
onde elle se pratiea, ha varios deputados a
se elegerem. Cada eleitor dispon de tanto
votos quantos devem ser os deputados. S-
mente em lugar de ser obrigado a votar em
diversos nomes, o eleito pode dar a um s
nome tantos votos quantos elle devia repar-
tir pelas pessoas a que o collegio tiver di-
reito de eleger como seus representantes.
J se percebe qual ser a consequeneia
dsso.
Supponha-se, por exemplo, que n'um
dstricto se devem eleger tres deputados.
Urna minora de eleitores, que exceder de
um terco do numero total, combinando-se
bem, poder conseguir que ella s eleja um
representante, que pura creatura da elei-
co dessa minora,
Dessa maneira preservou-se mteira
igualdade dos direitos de eleger; os direitos
das maiorias sao respeitados, e smente
firaro reduzidos ao que devem ser.
A totalidade da naco que, effeelivamen-
te tem direito a ser representada, e nao a
maioria to smente,
Gracas ao suffragio accumulado, a totali-
dade englobada da naco'ser representada,
e as minoras de eleitoros crearo outras
minoras de deputados, proporcionadas
importancia das minoras eleitoraes. O mes-
mo acontecer com todos os mais gneros
de elei(;oes.
Tomada conectivamente a insttuico de
suffragioaecumulado, ella reunir,nos estados
democrticos, duas vantagens, que sao mu
credoras de apreciaco.
Por um lado, as ideas novas que aprovei-
to democracia, mas que nem sempre a
democracia comprehende e que s vezes
acolhe mal, a nova nstituico prestar meios
mais facis de se desabrocharen; e por
outro lado, ella preservar quanto I7ir mis-
ter a voga de suas carencias.
Quanto mais a tendencia humanitaria pro-
girdir, tanto menos as modernas democra-
cias se assemelharo s antigs, cuja recor-
daco ainda incommoda tanto os timoratos
leitoresde historia,
as democracias de nossa poca existem
elementos.desconhecidos em todas as pocas
anteriores, que presto seguras garantas
de ordem, de justca e de dignidade.
Sao principios de razo e principios de
liumanidade, simultneamente philosophicos
e christos, e de origem mui complexa, os
que penetram a nossa civilisacao, e cuja
verdade manifesta ser de ora em diante
bem acceita pela consciencia publica.
Ao influxo de taes principios, os costu-
fmes das democracias se vJo ton; ndo cada
dia mais suaves, e ellas masovvi denli-q
em pouco tmpo Wfia a ser ^iltivis e ger
nerosas.
Os que tem pretendido Sote star taes
pontos, em suas apreciacoes, divagan
entre datalhes superlciaes.^ Porera nSe-j
baja ilTusIfS I O" estado sod das nossas
diMiiocracias nao e nunca fi| de ser, de
inteira perfeiro. Nossas democracias
ainda commettem erros lamntavife e h)
de commettel-3s sonare.
Contnuaro a ser victimas de seduces,
motins e preconceitos, e s vezes as maiorias
repellirto am encarnicamento, fradulA
:ia proporraVt do nv-rito e d^icaco vil.
a certo fioileris. Sempre sssin ha d
acontecern tertos casos e ehtao ser
quo'a-arinort gllM,ilM''ecolhW em se
gremio a esses homen, maUratadj pela
mgratdo, e que os hablitem a W vin-
garem nobremente por meio de servicos
patria. Isso ter de ser um:d*s recursos
do sifffranii> accnmiifatlo. ^
A Hnica objeccao. que se levanta contra
nm tal systema de votar, "que iese se
complicar, e que tornar necessario o es-
crutinio de lisa. A' priewira vista, a
objeoco parece seria, espeeialmente para
Franca, tanto no ponto de vista exdusiwh-
mente racional do valor do escrutinio de
lista, como no ponto de .vista de con*titu-
cionalldade.
Primeiramente, importa consiilerar que
de modo alguna nao da atureza o es-
crutinio que as listas ssjam nuiaersas :
isso nao necessario. Sim, se is-Kstas1
forem em mui grande numero, o tiscinti-
nio de Mista de nada serveria ; mas, se
polo contrario a lista nao contiver suno
um pequeo numer de nomes, ent5> a ins-
tituico fica excelente. Cada eleitor pode
conhecer perfeitamente a tres camldatos,
meacienados n'uraa lista, e nessas propor-
ceB nada impedira que os eleitores se
reunssem para "rtalhor se combinavom. o
que j de per si seria um excellente io+
pulso. Tamben nao deve osquecur, qu
um regulamento eleitoral nao pode sur de-
finitivamente legislado'em urna quadra re-
volucionaria; porque ento necessaria-
mente tudo provisorio e incompleto.
Quando se pretende apreciar o valor de nava urna cathegoria que nao poda re-
uma lei eleitoral, que organise o suffragio
universal, deve-se faier idea de om es-
tado de cousas om regularidade domocra-
tca. Isto supposto, nagine-sc bem o
que poderia sen escrutinio de lista n'um
paiz, o;ule desde algum totopo todas as
liberdades polticas tunuaosassem sem
obstculos. Haviia logoassociages, qae
se reuniriam com frequencia. E o que se
entidade que falseara a eljico. E
muito de presumir que nisso nao bou ve s-
mente'un pensaraento de reaccao, mas
tambem a expeesso.'d'uma covicco a res-
peito da questo especial, pois que varios
republicanos, e sobretudo muitos espritus,
isentos de prevences polticas, tinliam
Srit&o, ferca* Ud escrulinio le lista, una
semelhante opinio. Conseguintemente, o
art. 36 da constituirn de 1832 foi regido
na phrase seguinte : Os deputados sao
eleitofi pelo suffragio universal, sem es-
crutinio de lista.
Quanto a urna lei, que teuha por objejto
organisar n'um paiz de liberdade o sulfragio
accunuUailo, piule .ella ser promptamente
promulgada, seiu occasioirar atabuma per-
turbaco, o pem mesmo ser necessario haver
mas rearma ger,4 va legisla* eleitoral
do paiz. E' o que veremos bem depressa
traduzir-se em lacios em todo.-, os estados,
que comprehendjMn as vantagens da liber-
dade e da igualdade dos direitis.
as loeaidaues, em que^gundo a lei1
actual, s seelege um nico deputado em
cada dstricto eleitoral, bastara que essa
localidade fosse reunida a inais duas outras,
e que todas tres ormassem urna s oir
cumscripcan eleitoral. Cada eleitor dispo-
ria de tres votos, que conforme sua conve-
niencia, ou dara a tres candidatos sepa-
radamente, ou dal-os-hia todos tres a um
s candidato. S com isso o sufffagio
accumuladt) caria organisado, e se guar-
daran intactas todas as outras disposires
das leis eleitoraes.
Assim, pois, nos paizes, cujas constitui-
C~>es r50 excluem o escrutinio re lista,'des-
de j se podem assegnrar as vantagens do
suffragio accumulado', que sao mximas.
Nada enerva mais tristemente o espirito pu-
blico como a inaecp prolongada das mi-
noras nessi.'s pay.eS, oale as maiorias se
consorvam sempre as mesmas. Ha deza-
sete 'annos qur a Franca com o espectcu-
lo de suas eleices nos est dando um ex-
emplo mui batatal.
Em toda a parte, com rariss mas oxoep-
oes, a Franca obedece o signal dado pelas
sumidades do poder. Sabe-se qual em se-
guida foi a .coinposifSo das assemblas po-
lticas e aihainisU-ativas. Nellas s domi-
presentar cabalmente toda a naco. Ora
s ella a que domina, como se passa j a
demonstrar. E' urna especie de aristocra-
cia de facto, que sob a direccao enrgica
de urna vontade suprema tornou-se dona
da paiz. Essa aristocracia quasi que se
nao conipe de nenhuina parte dos nem-
bros da autiga lidalguia, nem abrange em
seu seio os homens que illustraram as nos-
faria em taes reuiiies ? A principal occa- sas assembliias da revoiaco efundamen-
sobrios, laboriosos e honestos. Nao rae
deixaro ficar por mentiroso, nao assim ?
Que juizo faria o bom S. Silvano do vosso
antigo parodio ? Estimare) que honrem
a minha memoria, porm mais por meio
de boas aeces do que com demonstracoes
de luto. Em vez de derramarem lagrimas
sobre & minha sepultura, empregttem todas
as occasioes de porem em pratiea verda-
deros actos de virtude. Lembrem-sef de
que Deus me ha de pedir contas do rsba-
nho cuja guarda me foi confiada, e que a
miaba alma se glorificar no co e os meus
ossos estremecero de alegra no seu re-
pouso todas as vezes que bem merecerom
do nosso Divino Mestre.
Por ultimo fallava sempre do ohjecto
que sobre tudo lhe preoecupava o espi-
rito.
Deixo a cada um de vos o nico the-
souro que possui no mundo: minha so-
briiiha, que espero todos considerem como
filha sua. Deixo-a mais pobre do que qinl
quer de vos. Acorapanhai-a depois da
minha morte, cercai-a do vosso amor, sa-
jan todos para ella como familia-sua. Nao
esquecam que a todos que me forem acont-
panhar na eternidade lhe perguntarei pa-
rante Deus porque forma conirlbtjiram
para a feliridadc da minha Catliarina.
Na manha posterior noute do sinis
tro fez com que lhe apresentassem a tfean-
cinha resgatada a preco da sua propria
Ua, afim de se certificar de que n fra
intil a sua dedicaco e a de Claudio.
Perdoe-lhe, Sr. abbade I tfclahta-
va a mi da creanca ao apresentar-ih'a e
lancando-se de joehos junto do ledo do
anciao.
Que hei de e perdoar a esta inno-
cente creatura-?dizia Francisco Paty, to-
mando-a ternaneote nos bracos Se toe
paro seria o ex.minarem-se os votos dos
que tivessem salido eleitos, quer para a
asseaibla geral, quer para as provinciaes
e Bunici)alades. Ficanda desde ja sub-
tendido que, sob um tal rgimen de li-
berdade, a votacao dos mandatarios da
naco seria publica em todas es assembla*.
Primeiro que tudo, se discutiran asqne6-
tes, sobre as quaes se tivesse votado.
Tratar-se-hia de dar-Ibes solace*, se exa-
minaran! as que j tivessem sido dadas, e
finalmente, os eleitos seriam confirmados
ou desapprovados. Em seguida, se com-
pararan os ttulos dos eleitos, e dos bo-
mens novos, que fossem notaveis no paiz
ou mesmo fra delle, isso a flm de con
conhacimento de cansa seren, quando
conviesse, substituidos aquelles mandata-
rios, que nao prestassem mais. Portento,
quando chegasse oteoipo de eleico, os
eleitores nao s veriam em embaracos.
Conhccendo>se todos os candidatos, ainda
mesmo que fossem muitos, e que se tivesse
de incluir tantos nomes urna s lisia,
isso nao traria cbscuridade ou conftasro.
Comtudo mais Valeria que as listas conti-
vessem poucos nomes, pois quenessa
condco o escrutinio de lista conservara
suas vantagens, sem msela de inconveni-
entes.
Assim que o escrutinio de lista, consi-
derado em si mesmo, nao to smente de
urna maneira abstracta, mais sm no ponto
de vista racional das suas diversas applica-
ces nos estados livres, que o adoptara,
na realidade'iio tem os inconvenientes,
que em Franca julgou-se conter elle no
periodo de 1848 1851. E" fra de du-
vida que os vicio;;, que entao se lhe no-
tavam, eram reaes; mas de nenliuma ma-
neira provinham da mesma essencia do
escrutinio de lisia, sendo que a origom
disso veio da precipilafo extrema, com
que foi pessimamenle organizada naquella
temporada de tantas perturbacoes.
Como quer que fosse, quando em 1831,
por occasio do golpe de estado, consum-
mado em Franca, o presidente da rep-
blica, ao expr em sua proclamaco de 2
de dezembro as bases da futura constituic3o
proscreveu o escrutinio de lista, como urna
for dado entrar no paraizo, sao taflvez es-
tas mosinhas que me abrirlo as portas.
Fique-lhe, porm, de emenda, minha boa
amiga, para nao tornar a deixar pendu-
rados, como saceos as paredes, os seus
filhos, alias qualquer incidente imprevisto
poder, na sua ausencia, causar-lhes a
morte com urna congesto cerebral.
E, dito isto, mandou que dessem po-
bre mulher o pouco dinheiro que restova
no presbyterio.
Era assim que elle se dispunha a morrer
to virtuosamente como vivera, havendo-s
para com todos amavelmente, privando-se
de tudo para agazalhar o prximo, e, di-
garao-lo sem exaggeracl), nao guardando
mesmo com que pagar no dia immediato
talvez a despeza do caixo que lhe encer-
.laria os ossos I
O seu fim asseiuelhar-se-hia na sereni-
dade ao declinar fosse urna preoecupaco que incessante-
mente lhe perturbava o espirito. Se se
affligia por deixar no mundo Catharina
pobre e sem amparo, nao o atormentava
menos o segredo que sorprender a sua
sobrinha. E, todava, julgava que aq^elle
amor ainda seno declarara e que jazia en-
volto no recinto do CoracSo que ia con^u-
mindo. Se Francisco Paty sspeitasse o
ponto a que as cousas haviam chegado, se
soubesse que sua sobrinha e Rogerio se
tinham jurado mutua felicidade, conlte-
cendo, como conhecia, o carcter do conde
e do fllho, qual nao seria o seu horror ?
Seria o mesmo que deixir a fllha do s ja
irmi beira de um precipicio agarrada a
un frgil ramo ou entregos proteccSo
de um milhafre urna avezinha !
Ainda que nao avaliava 0* mal Seno em
parto, era isso o bastante'para dSs'cgar-
lhe a alma, que se aproptoquava do pas-
taram a nova-ordem: nellas sa na) encon-
tram, seno em numero iasignJScante, aos
descendentes desses valentes soldados da
Franca, que morreram nos campos de ba-
talha, Sao superioridades sociaes com um
typo mui particular, que surgirn dos fac-
tos e do espirito da presente apacha. Como
partido, as ditas superioridades sociaes na-
turalmente forman o partido do imperio,
e tamben pretenden formar anda m lis
o partido nacional, o que evidentemente
exagerado.
Em sumiua, como na maior parte esses
homens datem de mais cedo que o impe-
rio, e que a homens polticos convenha es-
tabelecer, o m lis que fr possivel, um pon-
to de contacto entre os#diversos periodos
de sua vida publica, por isso se intitulam
tambem partid conservador, e eis
como a tal respeito elles explican a sua
misso.
Todas as vezes que, no meio das emer-
gencias revolucionarias da Franca um par-
tido surge, os homens dessa escala seapre-
sentam a offerecer ao tal partido seu con-
curso com dedicaco pela causa publica.
S pedem em paga de tal concurso apoio
em prol delles para as eleices, em que
se apresentarem candidatos, e os que isso
conseguem, depositara no partido urna con-
fianca Ilimitada.
Quanto ao mais, nao se deve julgar que
esses pretensos conservadores sejam des-
tituidos de merecimento. Bem longe um
tal pensar 1 elles sao em geral pessoas dis-
tinctas e dignas de considerar'). Ha so-
bre "tudo, urna classe d oonhecimentos,
e um genero de servicos, em que elles pri-
mara: sao os conheciraentos administrati-
vos, e os servicos mui efficazes e generosa-
mente prestados aos nteresses lcaos do
paiz. So o que Ibes falta, a indepen-
dencia. Elles nao crem nisso, e se irri-
tan contra quem tal lhes disser. O que
coopera para elles vverem em tal lluso,
o possurem em geral grandes fortunas,
e estarem persuadidos comsigo mesmos de
que gozam de verdadeira independencia, a
da situacao. Porm um semelhaote argu-
mento nada prova. A independencia da si-
tuacao nao a do carcter; o mais das
samento. O tempo instaVa; forgoso era
fixar um refugio para Catharina, definir-
lhe o sen futuro.
Depois de se assegurar das disposiges
de Claudio, o pastor vio que s lhe res-
tava resolver sua sobrinha a procurar ura
abrigo no nico porto que lhe restava
aberto, contando, para realisar este plano,
com o precoce bom juizo d'aquella creanca,
que Deus, por sua iafintia bomlade, o-
tra de tanta circumspecgo e formo-
sura.
Um dian'aquelle mesmo em que Clau-
dio de seu motu proprio foi procurar Ro-
gerio, comprehendendo que a sua boa ami-
ga, n'aquelle estado de dr e abandonada
fazia consistir a esperanca n'elle Catha-
rina achava-se s cabeceira do lio. Mar-
vezes essas doas independencias, bem diver-
sas entre si, se achara mui separadas, e a
independencia poltica nao se demonstra
seno por meio de actos. Ora, ba mais de
quinze anuas, que esses meemos actos nao
deixam a menor duvida. Na cmara dos
< cpulados, a maioria se deixa absorver toda
em qoestao de financas e dfc onjem do dia.
e quanto ao que diz respeito a poltica, ella
se coeforma com o poder supremo.
Ainda mesmp que os desacertos polticos
reajam contra as-finangas e que o ergamen-
to fique sobrecarregado, os membros da
maioria'' reconhecem taes* erros, Iwtimam
a persistencia nelles, mas nao exercem op-
posicao elficaz. as assemblas provinciaes,
nao se querem votos,- que sejam uteis, juas
sim que sirvam para ganhar tempo. Alm
disso os enrgicos presidentes dessa as-
semblas dirigen os trabamos de maneira
tal que apenas os membros teem o tempo
necessario para votar. E' o ministerio do
interior que d impulso a tudo. N3o se
faz reclamaco alguma sobre um tal objer-
to, nem sobre qualquer outra materia ; nao
ha amis tenue apparencia de independen-
ca. O mesmo se d para com os conselhos
municipaes.'
Ora, sobre um tal rgimen, e com seme-
Ihantes costumes polticos e administrati-
vos, as minoras loram-se tornando to ba-
cas, que as assembas locaes se lhes nao
ouviam mais as vozes de opposico.
verdade que no corpo legislativo, ou cma-
ra dos deputados, acontece o contrario,
pois que all a eloqueircia, a energa, o po-
der irresislivel do talento, as autoridades de
carcter, e a recordaclo de grandes servi-
ros, sopara tudo isso que opposico fal-
tuva em quantidade numrica. Os nobres
dictamos da tribuna repercutiram no uni-
verso, e principalmente em todos os recan-
tos da Franca. Todava, as minoras inde-
pendentes ainda continuara a nao ser re-
presentadas com sufficiencia. Se ainda se
deve esperar muito por isso, como infeliz-
mente parece muito provavel, ento o con-
juncto das liberdades polticas, a que tem
direito o elemento democrtico da consti-
tuirn poltica, e sem as quaes o suffragio
universal falhara, em rigorosa equidade exi-
gira pelo menos que as minoras existen-
tes nao mais ficassem minificadas por urna
torca esraagadora, e que assumissem seu
lugar comuetente na gerencia em geral do
estado.
Em summa, quaesquer que possam ser
os destinos, que o porvir reserva para a
liumanidade, parece desde j que urna ul-
terior adopeo do suffragio accumuladj se
effectuar em toda a parte.
Sem duvida se deve prestar homenagem
Inglaterra pelo mrito de ter ella desco-
berto a fecunda idea do voto accumulado;
mas nem, por isso se deve disfargar que nao
ser all; que a idea ha de produzir os
seus resultados mais grandiosos.
Era seu primeiro periodo, a idea na In-
glaterra s aproveitar mais as aristocracias
de sangue e dinheiro; mas n'outras partes
da trra aproveitar, em primeiro lugar, aos
i nteresses democrticos e liberaes, e depois
des?es a tantos varios outros, que ainda
nao estam representados sulficientomeiite.
Nos paizes democrticos, se houver algu-
ma aristocracia, que possa ser favorecida
pelo suffragio accumulado, ser nicamen-
te a aristocracia de intelligencia. Porm
as nacoes nada podero perder cora os bons
xitos, que tal aristocracia vicr a ganhar.
Hoje em da, em certos estados, onde a
aeco do poder exerce muita influencia sob
as eleices, as maiorias nao brilhara pela
sublimidade de talentos. Sem serem des-
providas de intelligencia, sao pelo contrario
dotadas das aptidoes medianas e distinctas,
que em geral acompanham a gente rica,
pois que laes hbil itagoes provm da educa-
gao; alm disso, por seu espirito de disci-
plina, condescendencia e submisso, izem-
se recommendaveis aos governos. Quanto
as outras mais qualidades de urna ordem
superior, em que bem poueas vezes reca-
hem os bens da fortuna, pois que essas se
consagran as ideas com desinteresse de in-
teira independencia, dcbalde se procurar-
an no gremio dessas taes maiorias.
D'entre os homens, Ilustrados por taes
qualidades, lguns ha, que, depois de rudes
embates, conseguen entrar para a cohorte
da opposigo.
Dequevalem essas maiorias, que esto
sempre lisonjeando? Melhor servira aos
governos urna opposico vigorosa, que os
obrigasee a fazer concessoes, quando sobre-
tudo, essas pretensas concessoes nao sao
outra cousa mais do que a restitucao dos
direitos, que pertenciam aos povos.
Semelhantes concessoes sao vehculos
para se obterem bons resultados, ou pelo
menos medidas salutares. Ser ento^ue.
sendo a potencia eleitoral conferida as mi-
norias pelo suffragio accumulado, o acces-
so s assemblas electivas se flanquear
mais con viernes, inteiramente indVpenden-
tes, e outras illustrages.
Em uiaapabivra.uma tal potencia utili-
sar a um vasto aggre|a<|p de nteresses,
que agora esto incgnitos, e alargar o
horizonte da justica e o campo da activi-
de esperar que ssea faru* bam cedo
apparecero. Ja l se to o tempo em que
as nacoes podiam ser governadas, quer por
vontodes pessoaes, quer por faccoes exclu-
sivas, que a fim de mais se imporem ao
povo, ueurpavam para si o-monoplio deser-
vir ao publico.
As naoSes agora iio-devem mais ser go-
vernadas, senio por si aiesmas, slo, pul-
mandatarios, que com toda a exactido e
caa superioridade reproduzam todas as
ideas, todas as aspiaces, todos os senti-
iilentos legtimos, de que se compite a
vida cpllecva. Na poca actual urge que
no amago de todos os estados livres, a um-
versalidade toda inteira resplaudeca em
todos os seus matizes pela f de seus re-
presentantes, e que o maior numero se ins-
pire pelo contacto dos grandes espirites.
AMADEO BRETN.
tha, vencida pela fadiga, fra deitar-se um quillo sorrir do ancio,
pouco sobre a cama ; a joven, nao poden-
do igualmente resistir a cansago, aeabava
de adormecer. Com a cabega cabida para
traz sobre as costas da cadeira, os bracos
pendendo inertes ao longo do corpo exte-
nuado, dorma ella esse leve somio que
nao d inteiras tregoas ao soffrimento.
Francisco Paty, assentado na cama, con-
templava immovcl aquelle paludo rosto,
com a mais profunda tristeza.
Filha querida, dizia elle em voz
baxa digo-te adeus a ti, que du-
rante vinte annos foste o attractivo d'esta
casa ; a ti, amavel e querida ere; tura, a
quem devi a felicidade de gosar no mondo
as delicias da mais terna amisade 1 Adeus,
alegra da minha velhice, sol da najnha
vida Ea teabenge, joven corapinheira
da minha austera peregrnagao; eo te
abengoo, encantos da minha solido I Bem
dita sejas,^ formosa flor, presa,pela in ^D'es softana do pobre padre !
Fallando assim, incnou-se sobre ella,
beijando-lhe ternamente a fronte de alabas-
tro.
Ao contrario d'aquelles labios, j fros e
prestes a gelarem-se, Catharina estreme-
ceu, abri os olhos, percorreu as maos
emmagrecidas e febricitantes pelo rosto, e
poz-se a contemplar a cabega encanecida
do pastor, que retomara a anterior posi-
Co.
Meo to, disse ella pareceu-me,
em quanto dorma, que o ouvira dizer-me
adeus e julguel sentir a sua alma pous ir-
se-me na fronte antes de subir ao co I
Francisco Paty nao respondeu. Apertou
a sobrinha contra o peito, e ao mesmo
tempo duas lagrimas, que nao pode con-
ter, lhe corrern pelas faces lvidas.
At eotio Catharina, animada pelo tran-
IFOUCO DE TUDO.
NOTICIAS D1VEBSAS.O Mmi de
Saint Petersbourg, de il, do crrante, diz
que a noticia enviada de VieoplNe Austria
relativamente as entrevistas do, principe
Alexandre da llesse, iiaumereceto,, algum.
Mr. de Guiers, ministro plenipoten-
ciario daitussia em Tehern, foi, naajes-
ma qalidade, nomeado para Berna, afim
de substituir Mr. de Ozeroff, que se acha
nomeado viador la gra-duqneza herdeira
da Bussia.
Nao sabemos se este despaclw recado
em algum prente, ou no proprio Sr. de
Ozeroff que foi ministro da Bussia n'esta
corte, e que to gratas recordagoes deixou
de si em Lisboa, nao s pelas exeellentes
qualidades, mas pelas elegantes wcepfoes
que deu na sua casa da ra de S. Francis-
co, e pelos numerosos obsequios que dis-
pensou a nossa sociedade.
A duqueza de Aosto deu luz no dia
13 do coricnte um filho, ao qual foi confe-
rido o titulo de duque des Pouilles; o re-
cemnascido delicado, mas bem constitui-
do. Dz-se que Vctor Manoel partir no
da 17 para Genova, a fim de ver seu neto.
O titulo de duque des Pouilles dado ao
recemnascido prova,. segundo dizem cartas
de Italia publicadas na Libert, que se deso-
ja ser agradavel s populacoes do meio-dia.
Pensava-se primeiro no titulo de duque de
Milo; mas o principe Humberto, herdeiro
presumptivo da coroa reserva esse titulo
para o seu primeiro filho.
O principe Humberto tem a saude muito
delicada, e a sua joven esposa, a princeza
Margarida, est no mesmo caso ; por con-
selho dos mdicos, devem ambos passaro
invern em aples, ou n'alguma outra ci-
dade do meio-dia. A duqueza de Genova,
me da princeza Margarida achava-se n'es-
te momento soffrendo bastante do peito,
em Mantua ; c seu filho o principe Tliomaz
um dos pretendentes ao throno de Hespa-
nha, est tambem bastante doente em Bri-
gbton.
Sabem em quanto se avaha a quantia
que por dia se perde e ganha no jogo em
Paris ? Em um milho de francos !

O rei Vctor Manoel publicou urna
obra tbeorica intituladaO perfeito militar.
Ha dias houve um conflicto entre ura
navio hollandez e prussiano. O capito
d'este ultimo nao s causou avarias ao pri-
meiro, mas insultou a sua tripulago que
lhe respondeu letra. Apenas o navio hol-
landez entrou no porto foi assaltado por
gendarmes prussianos, e o capito foi con-
demnado a pagar urna enorme quantia e a
sahir do porto immediatamente, ao que este
se negou.'
Este e outros conflictos mostram bem os
sentiraentos hostis d'aquelles dous visinhos.
CONVENIO DE EXTBADICCO. A
Hespanha e Italia lizeram um convenio de
recproca extradieco de criminosos.
Comprometeram-se a entregar recipro-
camente os individuos criminosos perse-
guidos ou comdemnados por qualqu3r dos
estados contratantes.
PEIISONAGEM EM PARS. Est actu-
almente em Paris Retym Pacha, ministro
da guerra do vice-rei do Egypto, onde foi
com o lira de comprar amias novas, desti-
nadas a por as tropas egypeas ao nivel dos
progressos de todas as'artilherias euro-
peas.
nao perder toda
esperanga, mas agora aquella silenciosa
expressao de ternura fez-lhe ver que tudo
estava acabado e que seu tio ia morrer.
E nao rae anganei, nao proseguio
ella suffocada pelos solugos e abracando
o tio, que a innundava de lagrimas e bei-
jos.
Oh meu Deus, exclamou o ve-
nerando anciobem sabis que esta alma
nunca murmurou contia os decretos da
vossa vontade I Sempre que me descar-
regastes o golpe, bemdisse a vossa dextral
Agora chamas-mo vossa presenca : eis-
me aqu prompto. Bem vedes, meu Deus,
que s me lastimo por ter de abandonar
esta creanca !... O que ser de ti, minha
filha? Qae direi eu atoa mi quando
ella me perguntar o que fiz, antes de te
deixar, para assegurar a felicidade do teu
futuro ?
N5 se afjlija por miaha causa, mea
to responde^ a pequea virgem, me-
ne^odotnstontonte a eabeca, Qae felici-
dade poderei esperar n'este mundo depois
de perdida a da sua presenga ? Hesta-me
trabalhar. Deus, cuja providencia se es-
tende sobre todas as creaturas, nao me
abandonar. Son estimada n'esta aldeia ;
tenho boas amigas na cidade, que me pro-
tegero. Em ultimo caso, escreverei ao
bispo de Limoges, que, em respeito sua
memoria, me facilitar a entrada n'um con-
vento. Portento, meu tio, nao tenha cui-
dado em mira.
Minha filha,redarguio elle raras
vezes permitte Deus que os morios, posto
excessivamente amados na vida, arrebatem
para sempre a felicidade d'aquelles que
ficam na trra : sao decretos seus que aps
a saudade brota a alegra, como sobre o
c o da sepultara renasce a relva. Se as-
sim nao fosse, nao estara eu resignado
com a morte... Es estimada na cidade
como na aldeia, mas isto anda nao basta
para que eu morra socegado. Fallas-me
em convento... tu, andorrana dos ares ?
Nao, tu nao has de renunciar a esta bella
atureza, que ambos tanto amamos, e no
meio da qual sentirs, quando eu j nao
existir, a minha alma a divagar as brizas,
e confundida com os aromas dos valles e
dos bosques!
D'este ponto passou a fallarlhe dos de-
veres, dos gosos e tambem dos soffrimen-
tos a qae nenliuma creatura se pode sub-
traliir, sem faltar ao destino que loe est
marcado pela Providencia, o depois de lhe
ter feito ver que a familia o nico desti-
no da mulher, que o lar domestico o ni-
co reftigto ende Hie lcito encontrar a fe-
licidade Imneste, bem como que lora d isto
todo incoastonte e ficticio, chegou final-
mente a fallar de Claudio.
(Cmainttar-se-ha).
ni. DO MAMO-BU PA3 CBUfig X.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFMVD4UYM_Z33I9R INGEST_TIME 2013-09-14T00:42:26Z PACKAGE AA00011611_11770
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES