Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11766


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUMERO 34.
PARA A CAPITAL USASES ONDE NAO SE PAGA PORTE.
PDrtresmezsdiHUMlbs.................. 68000
Por seis ditos idetft.................... 12,5000
Por um anuo dem.................... 2W00
ida numero avulso.................... (J320

'1
SXBBADO 13 DE FEVEREIRO DE 1869.
c
PARA DEMTRO E FOSA DA PROVINCIA.
I'rltenBezesadiantados.................. 675*
Por seis ditos idem.................... 134000
Por iwe ditos idem................... 20W90
Poromanno.........'............. 27WQ0
I
*
Ai.' -
_____________
PropHedade de Maaoel Fffueiya de Faria & Filho&
Os Srs. Gerardo Antonio Al ves A Filhos,
GuimarJes Pancada,
-___.
------
_---------
. u
.?; ia--

SAO AClEXTE
, no Para: Conralvc-s i- finio, pq JMaranhJo; Joaqnim Jos de Oliveira, no Cear; Antonio de Lemos Braga, noAracty; Joo Mana Julio Chaves, no-Ass; Antonio Marques da Suva, no Natal; Antonio Joaqun
i, ttn Mamanguane; Attoaio Alejandrino de-Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gom'S, na Villa da Penha; Belarmmo dos Sabtos Bulcao, em Santo Antao; Domingo Jos da Costa Braga,
ein NSJretb; FrancinaS Tavares da Costa, era Alagos; Dr. Jos Martins Alves, na Baha; Jos Ribeiro Gasparinlio, no Bio de Janeiro.
3C
-;
PARTE OITICIAL.
uvcruo da proriacia.
8XPBDIKNTE ASSICNADO PKI.O FAM. SR. CONDE DEBAE-
PE.N'DV, PRESIDENTE DA PROVINCIA, EM 4 DE FE-
VEUKIRO DE IS'.I.
1' seecao.
N. 103.~Portaria ao Exm. Sr. general cora-
mandinte das annas.Tendo resolvido, por con-
veniencia do servir, me o capillo Tihurcio Hyla-
rio da Silva Tawaris v wott interinamente n hi-
par de ajuilante do director do arsenal de guerra
ilesta provincia, paseando o capitn reformado Leo-
poldo Bornes Calvan Ucha a snbstitui-lo no de
inajor da praca do presidio de Fernando^ de Noro-
nia, durante a ausencia dSqneHe capitao ; assim
o coininuico V. Exc, para que haja de expedir
suas orden s, alinde que se aprsente quanto an-
tes ao director do referido arsenal o capitao Ti-
hurcio, e siga para sua nova commissao imprete-
rivelineiite no vapor ,ue parte a 10 do corrente, o
canito Ucha.
N. 104.Uita ao mesmo.Recebi o offlcio de
V. Exc. datado de ;i0 do mez prximo Ando, sob
n. 60, aeoinpanhado do exeniplar do Jornal do
fecife. da mesina data, onde vem publicada urna
correspondencia do presidio de Fernando de Noro-
nba, acerca de oceurreneias que alli se tem dado,
com quehra da disciplina e da subordinacao que
deve baver entre a forra de linha e da guarda
nacional, que faz o servico da guarnicao do mes-
mo presidio, e os presos e negociantes da ilha. E
fiorque sao graves as oceurreneias que se formti-
am contra o commanda te do referido presidio,
e as desintelligencias que cxislem, com prejuizo
do servico, cuuipre que V. Exc. designe um ofll-
cial general ou superior qae'honver neta capital,
al'nn de transportar aquella ilia com a neeessaria
brevidade e l proceder a um rigoroso inquerito
sobre, ludo quanto lem occorrido, apresentando na
sua volta iuh relaturio eiiTuinstanciado e impar-
cial para ser levado ao conheeimento do governo
imperial. Por esta oeeasio chamo a atteneao de
V. Exc. sobre o oflicio que vem publicado abaixo
da dita correspondencia, e. que foi dirigido pelo
inajor da praca do presidio ao referido coniman-
danti'. Rio temi sido autorisada a publicacao
desse officio. parecendo niesmo que o signatario
d'cll.-deu nina copia para isso. faltando assim IOS
principios du subordinaran e respeito tilo recom-
mendatlos no aviso do ministerio da guerra n. 27.1
de i de outubro de I8.*9 ; haia V. Exc. de deter-
minar ao ofllcial que fr syuuicar dos factos cima
aportados, que averige donde parti a autorisa-
a para se publicar o mencionado offlcio e quem
nrneceu copia, alim de se tomar as providencias
que o caso exigir.
N. 10.1Dita ao chefe de diviso naval.Ao
officio n. 33 de 3 do corrente, em que V. Exc. pe-
de providencias para poder lazer inspeccionar de
sade pracas do batan naval, respondo dizendo-
Ihc q e esse servico deve ser foito pelo medico que
for contratado, em virtude da autorisaeao cons-
ume do mea oflicio do 1- dest^ mez juntamente
Cijm 0 de, arsenal de marmita.
N. 106.Dita ao director do arsenal de guerra.
Tendo resolvido por conveniencia do servico,
que o capitao Leopoldo Borges Galvo Ucha, que
su acha sesee arsenal eotno ajudante interino de
V. s.. va servir lambeta interinamente de major da
praca do presidio de Fernando de Noronha, pas-
sando para alli do mesmo modo o capitao Tihurcio
liviano da Silva Tavares, que estava no presidio :
assim o coiiiiiuiiiico V. S. para sua inlelli-
gencia.
N. 107.Dita ao rommandanlc do presidio de
Fernando.Tendo resolvido por conveniencia do
servios, que o capitao Tihurcio Hylario da Silva
Tavares vi servir interinamente o lugar de aju-
daite do director do arsenal de guerra desta pro-
vincia, passando o capitao reformado Leopoldo
Borges Galvao Ucha a substitui-lo no de major
di praca desse presidio, durante a ausencia da-
quelle capitn assim. o communico V. S. para
su coiihecimonto.
2* seceso.
N. 109.Portara ao Dr, ctiefe de polica.No
Jornal e um protesto datado
de 24 de Janeiro ultimo, sob a assignatura de An-
tonio dos Santos Vidal, contra o modo por que se
proceden no dia 20 ; eleicSes de juizes de paz e
vereadores na eidade do Rio Formoso. No dito
protesto refere aquelle Vidal que vio comecarem
a< prsoe no dia 17. sem culpa formada, recolhen-
do-sc cadeia individuos inermes, ameacando-se
com ccele e aeorutefnento a cidadaos pacificos, e
entrando na eidade una ferca lo batalhao n. 42 de
Serinhaemno-dia 20. que se espathva ir recrutar,
pelo que o povo amedrontado, traton de retirar-se,
nao pudendo o juiz de paz niais votado entrar na
igreja para installar a mesa pa rocinal, por nao
consenti-lo urna parte do destacamento, que foi
eoliocada na porta em frente da matriz. Chamando
a altencao de V. S sobre esta publicagao, recom-
incndo-iie que exija informa^oes minuciosas acer-
ca de todos os factos relatados nella, e me p irtici-
pe o resultado do que colher a scmelhantc res-
ucito.
jj. \\oDita ao mesmo.Nao possivel. satsfa-
zer o pedido do delegado do termo de Olinda,
quanto a ser-lbe dada una praca do corno provi-
sorio de polica para licar su dsp isi^ao. pela
1 '..Ha que d'ellas resente-se presentemente o referido
corpa
X. Hl.Dita .ao coinmandante do corpo provi-
sorio de jKlicia.Ppdc Vmc. engaiar no corpo sob
sen commatido ao paisano Jos Nunes da Fon-
seca, que allude o seu officio n. 49 de 3 do cr-
rante, urna vez que tenha a precisa moralidade
para alistar-se.
N. 112.Deliberafao.O presidente da provin-
cia, attendendo ao que pedio o hachare! Francisco
Machad j l'edrosa, concede-lhe exoneracao do car-
go de promotor publico da comarca de Pal-
mares.
N. 113 Dita.O presMeate da provincia Bo-
rnea o bacharel Pedro Afljoap Ferrara para o
cargo le promotor publico da comarca de Palma-,
res, vago pela demisso concedida nestadataao
bacharel Francisco Machado Pedroza.
N. 114Dita.O presidente da provincia,cob-
fonnando-se eom m proposta do Dr. chefe de poli-
ca em officio de boje n. 176, resolve nomear o ba-l
charel Francisco Cornelio da Fonseca Lima para o
lugar vago de delegado de polica do termo de
Agua lreta. j
3* seccao.
N. 116.Portara ao inspector da iesouraria
de fazenda.Recommendo a V. S.,que em vista
da folna e pret juntos em duplicata, qne me re-
melteu o commantonte superior deste manicipio
com oflicio de hontem, sob n. 13, mande liquidar e
Eagar os vencimentos dos offlciaes e pracas do 1
atalhto de infartara, aquaitelado no Hospicio e
dos contingentes a elle adddos, sando os dos offl-
ciaes correspondentes ao mez de Janeiro ultimo, e
das pracas somerte a segunda quiniena do mes-
mo mez.
N. 117.Dita ao mesmoTendo resolvido por
tonroniencia do servico, que o capitao Tiburcio
Hilario da Silva Tavares, v servir interinamente
o lugar de ajudante do director do arsenal de
guerra deeta provincia, passando o capitao refor-
mado Leopoldo Borges ialvo Udioa a aubstitut-lo
no de major na praca" do presidio de Fernando de
Noranha durarte a ausencia daquefle capitao ; as-,
sim o nommunico a V. S. para sea conheeimento &
direfso.
EXPEDIENTE ASSIGXADO PELO SR. DR. JOAQUIM CORREA
DE AHAIIJO, SF.CRETAllia D.i GOVRNOEM 4 DE ttr
TERKIRO DE 1869.
2*seccao.
N. 119.Offlcio ao Dr. cliefe de policia.O Exni
Sr. ^residente da provincia, manda declarar a V.
S. que o arsenal de gaerra tem ordetn para en-
tregar ao porteiro dessa repartirlo o cartuxame
pedido por V. S. em offlcio de hojo, sob n. 6.229.
N. 120.jDito ao mesmoDeertem de S. Exc
o Sr. presidente da provinti, e para ter o conve-
niente destino, remetto a V. S. o titulo do delega-
do de policia nomeado para o termo de Agua Pre-
ta por deliberacao desta data, de conformidade
com a sua proposta de hoje, sob n. 176.
N. 121.Dito ao comniandante superior iniori-
no de Bonito.O Exro. Sr. presidente da provin-
cia manda aecusar o recebnnento do offlcio de V.
S. de 24 do mez fmflo. eni que communica ter nes-
sa data assumido o commando superior da guarda
nacional desse municipio e do de Caruar no im-
pedimento do effeetivo e do tenerte-coronel chefe
de estado-maior.
N. 122.Dito ao juiz de direito de Palmares.
O Exm. Sr. presidente da provincia, manda decla-
rar a V. S., que por deliberacao desta data resol-
veril conceder ao bacharel Francisco Machado Pe-
drosa, a exoneracao por elle pedida do cargo de
promotor pnhlico dessa comarca e nomear para o
substituir em dito cargo ao bacharel Pedro Alfon-
so Ferreira.
3*seecSo.
N. 123.Offlcio ao ins|iector da thcsourarla de
fazendaS. Exc. o Sr. presidente da provincia,
manda transmittr.a V. S. as tres inclusas ordens,
sendo duas do tribunal do thesonro nacional, sob
ns. He t e um do ajudante general do exercito.
sob n 639.
N. 124.=Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia, manda declarar a V. S. para seu
conheeimento c fins convenientes, que por delibe-
racao desta dala foi concedido ao bacharel Fran-
cisco Machado Pedrosa. a exonerarlo por elle pe-
dida do cargo de promotor publico da comarca de
I'linares e nomeado para o substituir o bacharel
Pedro Alfonso Ferreira.
Itrpnrtifo da polica.
2' secco.Secretaria da polica de Pernambuco
12 de fevereiro de 1869.
N. 212. film, e Exm. Sr.Tenho a honra de
levar ao onhecimento de V. Exc. que, segundo
consta das participacoes recobidas hoje nesta re-
particao, consta-me que hontem neolium individuo
fra reclhido casa de detencao.
Por offlcio de hontem datado participou-me o
subdelegado do ilislriet.. de S. Jos, que una ho-
ra da tarde do mesmo da, na praia denominada S.
Jos, morreu affogado Jacintho Duarte Cedrim, o
qual era morador na ra dos Pescadores, e teve na
oomuo de banhar-se um ataque de epilepsia, de
que j soffria, nao podendo por isso aproveitar-se
uos soccorros i|ue lite foram prestados.
O mesmo subdelegado procedeu competente
visturia no cadver,
Deus guarde a V. ExcHlm. Exm. Sr. conde
de Itaependy presidente da provincia. O chefe de
polica, *
isa. solira-astoH qnalqtter pntwid.oneia, mesmo por
ter. o individuo membro prestimoso d'oppOsicSo ;
risa
ser o individu membro prestimoso d'onposicao
avista, porem, do fado occorrido, leon pro-
vada sua incaiiacidade, laando S. Exc a neees-
saria demisso.
O Despertador ha de fazer grande raatinada,
como de costume, inventando romances e trapa-
Ihadas ; mas o facto ecactaueaTe comoa
de referir-Be n e cr. v
Conclue-por hoje daixanio o uia para o
costeiro, que se espera na jjroxima semana
PERNAlffBCO.
EEVISTA DIARIA.
ELENJO.Eis o resultado da elecao de Santo
Antao :
Eleitores de deputados.
Jos Severfno Cavalcanti to Albuquerque.
Jos Cavalcanti Ferraz de Azevedo. .
Alexandre. Jos Mara de H. Cavalcanti
Manuel Cavalcanti de Albuquerque S. .
Manoel Correa de Queiroz Monteiro .
Joao Florentino de Ges Cavalcanti. .
Antonio Brazlino de Hollanda Cavalcanti.
Dr. Jos Ricardo Gomes de Carvalho .
Paulino Teixeira de Carvalho ....
Antonio de S-Cavalcanti......
Manoel Marta de Hollanda Cavalcanti. .
Joao Correa de Queiroz M3nteiro .
Felippe Cavalcanti de Albuquerque .
Alexandre Goncalves de Miranda .
Joaquim Pedro do Reg Civaleanti.
PedrO Cavalcanti de Albuquerque S. .
Joaquim de Hollanda C. de Albuquerque .
Jos Barbosa de Barros Cavalcanti. .' .
Jos Marques de Almeiiia .....
Dr. Francisco Correa de Queiroz Barros .
Julifio Goncalves de Lima
Tiburtino Pinto de Almeda Jnior.
Fraileisco rfc Faria temos.
Correspondencia do Diarlo de
Pernambuco.
PARAHYBA, 11 DE FEVKREIRO.
O vapor Torantms apenas me dcixou lempo para
dar-lhe noticias eleiloraes que por elle transmitti ;
hoje, porm, aproveitando-mc da offlciosidade
de um amigo, vot accrescentar-lhe q que, por
brevidade cntao oinitl.
Continuam a ser favoraveis ao partido conser-
vador as noticias eleitoraes que vao chegando do
interior da provincia ; as urnas pronunciani-s'de
modo imponente, por toda parte, em favor drstas
ideias, que realmente sao as que, neSte bello tor-
rao, reunem maior numero d'adeptns.
Ha nintos annos nao observo nesta provincia
tanta calma e tranquilldade no pleito eleitoral, o
que geralmente-coulessado por todos o* homens
sinceros da proprla opposi^ao, fazendo oeste modo
o elogio mais pomposo prudente e Ilustrada ad-
ministracao do Kxni. Sr. Dr. Theodoro Machado,
que, em" verdade, pode desvanecer-se de seme-
Ihante glora.
Creio, pois, que, no desempenho da minha mis-
sao de chronista, nenhum facto desagradavel terei
de menciouar-lhe com relacao ao processo eleito-
ral, que acaba de correr na provincia, do que
terei de felicitar-nie com a maior cordiahdade.
Antes assim.
Chegou a este porto, procedente do Ro de Ja-
neiro, um navio nacional conduzindo duzentos mil
pafalhipipedos para o cairamente da eidade, em
virtude de nm contracto, mandado effectuar na
curte pelo Sr. Dr. Innoceucio Serfico, com o ne-
gociane JoaoCancio l'ereira Soares,tiae se obrigeu
a eutregal-os aqui.
Apesar de reconhecidamente caros, segundo tcm-
se veriflcado,no trepdou o Exm. Sr. presidente da
provincia.em sua aceitacao, ex vi no dito contrac-
to, Armado c aceito por aquelle presidente, dando
asili um bello exemplo de probidade adminislra-
tiva, que outros, em certa epocha, tarto nenos-
caljaiam.
Por minha parte, nao mantinha receio algum de
que, por falta de material, flcasse interrompido
este melhpramento publico; agora, porm, com
esta superabundancia de recursos, os mais scep-
tiios dgvom onvencet>so da consternacaode tal
obra que. entretanto reputo bastante neeessaria.
Por causa desta occorrencia, teve de suspen-
der-se momentneamente os concertos da igreja
matriz desta capital, at qne se reeolva aquelle
compromsso, visto a exiguidade dos recursos fi
iiMiceros du thesonro mas tenho confianca de
que elles serao em breve continuados, pela ba
ventade que, respeito, nutre o digno adminis-
trador da provincia
Deu-se no thesouro provincial, um faeto bas-
tante desagradavel, e que muito tem encomuio-
dado seu intelligente inspeetor, Dr. Joaquim Mo-
n:ira Lima.
O porteiro Pootes foi cncarnegado de pagar urna
c >nta de setecentos mil ris, de objectos compra-
d para o expediente da reparticao; e, tendo re-
coi aquella importancia para satisfazer a dita
wnta, desappareceu com o dinheiro, sem qee se
saina para onde wgoa.
Immedatamente fot levada esto occorrencia ao
onheciment-do Ixm. Sr. BT. Theodoro Machado,
ene coniinenti deiBitti o criminoso empregafc,
romeando para substituil-o, o cidadao Barana,
i[ue, em epocha anterior,j oceupouaqtieUe cargo,
em nutoria probidade.
O digno inspector tom dado as pesuas provi-
dencias para captura do tal porteiro; mas al
agora tedas as diligencias tem sido influctuosas e
sem xito.
Deseoaua-se que elle posera Ierra ero meto, para
o interior da provincia, o qne nao e para admi-
rar visto ser natural aaqnellas regiees, seajundo
iienao.
J, de hamm^MCMOBejUa konraei d'aquelle
oaipreMdo Da re^articao, como, em reservado, a
m2*2* *ra eortimetto presidencia;
eniR tami. como nio mrrlam, ao que paTece, pro-
vas materbes deesa hnprotMade, o Exm. Sr. Dr.
Theodoro Machado, com a prudencia que o carate-
Manoel Baptista de Souza Frazao
Flix Antonio de Luna......
lunario Teixeira de Parias.....
Hermogenes Goncalves de Lima .
Paulino Das Ferreira......
Ignacio Teixeira de Mello.....
Virgulino Jos de Almeda.....
Gemiiiiano Campello C. de Albuquerque .
Miguel Correa de Queiroz Barros .
Jos Xavier Cavalcanti W.indericy. .
Jos de Souza Cabra! ....
X Antonio Fcrnandes Peixoto Rosal .
Manoel Joaquim Moreira......
Felippe Antonio Hodrigues da Costa .
Francisco Antonio Bezerra Cavalcanti. .
Landelino Lopes de Senna.....
Jos Pedro de Alcntara......
los ('nunes da Silva.......
Jos Bezera Cavalcanti de Abreu .
Antao Borges Alves.......
Thornaz.do Aquino Gomes.....
Antonio Barbosa de. Bar>; Uvakaa. .
Joao Pedro da Asnuncacjo. .
Jos Caetano Marques de Carvalho .
Manoel de R. Cavalcanti de Albuquerque.
Herculano de Barros Um-i.....
Tiburtino Pinto de Souza Morene .
IzidoroLorenco Bezerra.....
Joao Antonio de Hollanda Cavaleanti .
Manoel Jos Pereira Borgs.....
Joao Francisco Carneiro......
Manoel Campello C. de Albuquerque .
Joao Evangelista da Silva Taboca .
Jos da Cmara Pimentel ..
Francisco de Abreu Pereira.....
Manoel de Brito Salgueiro.....
Joao Baptista de Mello......
Manoel Cavaleanti Brrelo Lins .
Luiz Honorio Carneiro I. 'ao.....
Antonio Sabino da Silva Moiira. -
Luiz Jos da Silva Cavalcanti .
Joaquim Joao da Cnnha limoim .
Vicente Ferreira Tabosa. .
Bernardino l'edrosa de Oliveira. .
Francisco Antonio da Silva Costa .
Antonio Ferreira da Silva.....
Manoel Antonio Cabral......
Bernardo Rodrigues de Souza .
Christovao Dionisio de Queiroz Barros. .
Joao Paulo de Brito Guimaraes. .
Alfredo Leopoldino de Carvalho. .
! Lourenco V. Cavalcanti de Albuquerquo .
1782
1780
1777
17,73
1772
1764
1762
1760
1758
17
1732
1730
1742
1742
1742
1740
1737
i;:ti
1731
1731
1729
1724
1723
1720
1718
1717
1716
1712
12
1709
1706
1
1702'
1696
169?
1890
1686
1682
1680
1680
1676
1672
1670
1670
1667
1664
1661
1661
1638
1653
1632
1630
1647
1644
1642
1641
ltil
1636
l&M
lti.'lO
16*9
1626
I62'i
1621
1615
1614
1612
1611
1607
1607
1603
1600
Floriano Goncalves sVe Lima. ..... 1714
Joao Ignacio de Mr ira Fem 1711
Manoel Ignacio de Paula Fungo. ... 1711
Claudino Augusto do Lago 1708
orolheo de .Sonza Telles..... 1708
Romualdo Correa de Mello..... 1705
Francisco Alvos de Luna..... 1704
Atitonio Jos de BritO \ 1704
Francisco Correa de Andrade Lima 1702
fos da (".amara Pimentel..... 1701
THEATRO DE SANTA ISABEL Estra na
quarta-feira ptoxin arompanhia dramatici. que.
sob a direero do Si. Coimera, ltimamente che-
gfw da ciiile. Sobo secua o novo drama Artt,
pngttru iTIiii). euje assniNpm foi bebido no pro-
i'ussu desse ltalo, publicado na importante abra
Causas Celebres.
A innocencia da pastora, que se apresenta cri-
minosa para salvar a vida e a honra da fllha de
sua bemfeitora ; o assassinalo da infeliz polo solda-
do Francisco, seu noivo, n'pm accesso de cinie,
sao lances poderosos que constituem o drama um
dos mais bellos que se tem exhibido ao juizo pu-
bli.-o.
Alm do papel de Francisco estar confiado ao
primuiro artista do Brasil, Joaquim Augusto, cuto
talento j conhecido e apreciado pelo Ilustrado
publico desta eidade, temos o incentivo de urna es-
tra muito importante; a da primeira dama galaa
D. Julia Azevedo, encarregada do interessanle e
difilcil papel da pastora.
D. Juila Azevedo, urna actriz de nome, enthu-
siasticamente applaudida em varios titearos de
primeira ordetn, e grandemente elogiada por es-
rriptores iniparciaes e conhecedores uo verdadeiro
mrito.
Representa-sc (ambern nessa noite a nova come-
dia em nm acto O homrm nao perfeito; na qual
estra o Sr. Jos Victorino da Silva Azevedo ; sen-
do o principal papel desempenhado pela Sra. I).
Mara Vnllutl. actriz ja eonbecida, e muito bein
acceita pejo nosso pSiblfco.
O espectculo rtssaz interessante, e todo novo,
para ser recommeiulado ao bom gosto do publico.
CONCERT.Elfectua-se boje no Santa Isabel
o concert vocal e instrumental, annunciado em
beneficio da joven pemamhucana Angelina Pieri.
Tomam parte nesse espectculo, alm da heneli-
cfad.i, os Srs. Coi; Tournerie, Scolari, Tamburini
e Candido Filho, dirigiudo o concert o Sr.
Smoltz.
VAPORES ONEIDA.EGCIENNE.-iSe chegarem
hoje estos dous vapores, da Europa o do sul do im-
perio, destribuiremos amanha nosso numero de
segunda-feira.
PAHA MAMANGl'APE.Nao tendo chegado ai-
da a mala da Europa, tica transferida, pe lido, a
viagem do vapor Comript para alli. A hora da
saluda ser annunciada logo depois que chegar o
vapor francet
As cartas poderao ser entregues no escriptono
da agencia, devidamente selladas.
ACCIDENTE-l'm menor, tripulante da b treaca
Flor de Ooijanna, de que mestre Cosme Jos Ro-
drigues, estando hontem s 2 horas da tarde sen-
tado n'tiina jangada junto aquella embarcacao, de-
froute de l'oia de Portas, cabio ao mar e desappa-
receu. At s 5 lioras naopWe ser encontrado o
cadver, apezar dos esforcos empregados.
PASSAMENTODeu hontem alma ao Crea-
dor a Extna. Sra. D. Antonia Margarida dos Santos.
nuvi dos commerciantes de uossa praca os Srs. An-
tonio Augusto, Jos Fortunato e Augusto dos San-
tos. Porto. Eiv senhora virtuosa e de curasao
magnnimo e bondoso.
A' seus dignos filhos damos nossos sinceros pe-
zames. !
AFFOGADO.Ante-hontem, a una hora da tar-
de, morreu asphvxiado quando se banha^va na
praia de S. Jos, o Sr. Jacintho Duarte Cedrim^mo-
Eletores de senadores.
Manoel Cavalcanti de Albuquerque S... 1844
Manoel Correa de Queiroz Monteiro 1842
los Cavalcanti Ferraz de Azevedo. 1840
Jos Semino Cavaleanti do Albuquerque. 1840
Alexandre Jos Mara de H. Cavalcanti 1840
Antonio Brasilno de Hollanda (Svalcanti. 1836
Dr. Jos Ricardo Gomes de Carvalho 1836
Joo Florentino de Ges Cavalcanti. 1832
Antonia de*S Cavalcant...... 1832
Manoel Maria de HoUanda Cavalcanti. 1800
Paulino Teixeira de Carvalho..... 1800
Joaquim de Hollanda C. de Albuquerque 1809
Joao Correa de Queirs Monteiro 1800
Alexandre Goncalves de Miranda Cocino. 179M
Joaquim Pedro do Reg Cavalcanti. 1794
Felippe Cavalcanti de Albuquerque 1792
Dr. Francisco Correa de Queiroz Barros 1794
Pedro Cavalcanti de Albuquerque S. 1791
Jos Barbosa de Barros Cavalcanti. 1790
Tiburtino Pinto de Almeida Jnior 1790
Julifio Goncalves de Lkua...... 1788
fos Marcelno de Mello...... 1783
llerraugenes Goncalves de Luna. 17U*.
Ignacio Teixeira do Parias..... 1780
Flix Amonio de Luna...... 1780
Jos Marques de Almeida 1780
Felippe Antonio Rodrigues da Costa 1780
Manoel Baptista de Sou:ia Fraio. 1777
Ignacio Teixeira Je Melb..... 1676
Virgulino Jos de Almeida..... 1774
Geminiano C. Cavalcant de Albuquerque. 1473
Miguel Correa de Queiroz Barros 1776
Manoel Joaquim Moreira. ...... 1770
Antonio Fernandes Peixoto Rosal 1768
Jos Gomes da Silva....... 176fc
Francisco Antonio Bezerra Cavalcanti. 1764
Uuidehno Lopes de Senna..... 1763
Jos Pedro de Alcntara...... 1760
Jos Bezerra Cavalcanti de Abren. 1760

Ixidoro Lourenco Bezerra
Paulino Das Ferreira .
Francisco de Abreu Pereira. .
Manoel de Brito Salgueiro .
Luiz Jos da Silva Cavalcanti
Vicente Ferreira Tabocs.....
Manoel Antonio Cabral. .
Francisco Antonip da Silva Costa ..
Antonio Ferreira da Silva .' /
Auto Borges Alves. ....
Thomaz de Aquino Gomes .
fos Rufino BeBrra Givalcaati. .
Joaquim Pereira de Souza Barrozo.
Firmino Herculano da ftocaa .
Miguel Joaquim 'de Souza Pinto. .
Jos Ferraz de Azevedo. '. .
Antonio Maraes de Almeida. .
Victorino Jos Pacheco ....
Francisco das Chagas Pereira Bastos
Antonip Jos de Farias ...
Manoel Teixeira de Mello. ,
Joao Aplazie do Senna .....
Miguel Bernardo da R >cha Arage.
Antonio Carneiro de Queiroz .
Jos de Abreu Pereira ....
vm
1760
1753
1755
1752
1751
1750
1747
1746
i4
1744
1742
i adir ra dos Pescadores, da freguezia de S.
Jos. No exatne medico iveonheceu-se t ir sido
isso em eonseqnencia de Ihe baver sobreviudo um
ataque de epilepsia quando cabio n'agua.
IGREJA DE S.'goNCALO.Durante aprsente
quaresma haverao scrmoVs na igreja desta invoca-
cao, peto Rvm. Fr. Joaquim do Esprto-Saato, as
quiitas-feiras noile. I
OLINDA.Comecaiaui hontem, na igraja do
Bom-Fim, ossermos quaresiuaes ;. seguiud-se em
as sxla-feiras das prximas semanas. I
BOTICA.Recomnieudamos aos habitantes da
freguezia da Boa-vista, a pharmacia n. 77'da ra
da Imperatriz, que se acha, actualmente surtida de
forma a satisfazer todas as exigencias.
I OTEttIA.A que se acha a venda e a 9.)' em
beneficio da matriz de Jaboato, que corre segun-
da-feira 18 do corrente.
PASSAGEIROS Sahirampara o norte npvapor
Paran : .,
Manoel Correa Lima. Gustavo O. Alves Rigneira.
Joaquim Jos de Oliveira Lima, Antonio Carneiro
de Sutiza Azevedo, Theodoro Serafim da Silva. Dr.
Cunalo de Almeida Sonto, una cunhada, um so-
brinho e urna escrava. Francisco da Guerra Ma-
chado Jnior, Manoel Vidal. Manoel de Moara Ro-
hm, Francisco de Paula Barros, padre Luiz Nunes
Mouro, Alberto Peixto. Nathan Klein.
Sahiram para o sul no vapor Tocantes:
Antonio Martins Vianna, padre Manoel Mana da
Conceico, Andr Augusto Xavier de Macedo. sua
senhora e umacriada, Andr Norona del Cil. rran-
cisco Rayo Valente, Jos de Miranda Curio, Anto-
nio Jos da Rocha Pereira, Joaquim Bessa de Car-
valho, Arthur Jeronvmo de Souza Azevedo, Jos
Joasmin Ribeiro Sampaio, Francisco Jos de Oli-
veira e Sirva, Antonio Jos de Olivelni. >r. Jos
Ignacio de Albuquenme Xavier, Dr. Antonio Joa-
quim de Barros Sobrinho, Seveetn Mria la Lon-
cewo e urna menor de nomo Maria, Dr. Antonio
Das dos Santos. Antonio Francisco Leite, criminoso
de morte Theotonio Fenelon du Araujo e duas pra-
cas de polica que o escoltara, Pedro Augusto for-
ae quatro pracas para o exercito, um recnita
dem, Manoel Gomes da Silva, o seis escravos
entregar.
CBBONICA JITHCIARM.
imiti \ \i. o c OHvii:it< io
ACTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE 11 DE
FEVEREIRO DE 1869.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DBSBMSARGADOR ANSELMO
FRANCISCO PBHBTTI.
As 10 huras da mauliia, reunidos os Srs. depu-
rados Rosa, Miranda Leal e bario de CruMtry, e o
firmado do prmeiro do- corrente, Isatisfazeoilo o
que se Ihe pedir por offlefo de Janeiro. Accu-
se-se.
Aos Srs. deputados foran* distribuidos os se-
guintes livrrA : Diario de Jbs Cardoso da Silva
Pinto.dem de Manoel Leo-Carnetro Pinto.CV
piador do mesmo.Diario de* N-. Danheisser ero-
piador e diario de Manoel Leao Carneiro Pinto-
AC.
O livro da eorre<|>ondencia ofllcial foi achado
regularmente escripto at n. 63
Comparece Virgilio de Castro Oliveira, e como
bastaste procurador assignou o termo de respon-
sabilidade para a expedico do registro da barca
nacional Roclm, propried'ade de Antonio de Olivei-
ra Alnadas e Jos da Rocha e Souza.
Comparecou igualmente Jeronymo Emiliano de
Miranda Castro e prestou ojujanenio de bein ser-
vir o emprogo de avaliador do juiro especial do
commereo.
O Sr. Dr. ofllcial maior conaultou. ao tribunal
se fifl vista do dis|iosto no art 3- do decreto n.
2'W2 de 14 de novembro de 1860. devem ser isen-
tos do sello, a exceprao do diario os Itvros de Na-
than Danhoissen, ber como se de conformidade
com o art. 6 do dito decreto o livro de tallo deve
ser ou nao rubricado pelo Dr. chefe de policia.E
o tribunal despachou o seguirte. Vista ao Sr.
desembargador fiscal. ,
DESPACHOS.
Requerhnento de Jos Domngues de Sampaio e
Emilio Pereira de Abreu. para o flm do ser regis-
trado o distrete social, que juntam da firma Sam-
paio 4 Abreu. Vista ao Sr. desembargador fis-
cal.
Difb de Jos'1 Pires Chaves e Manoel Francisco
de Souza Lima, para igualmente registrar-se-lhes
o seu contrato social.Vista ao Sr. desembarga-
dor fiscal.
Dito do Antonio Francisco Martins de Miranda,
registro da nomeacao de Manoel Ferreira de Men-
donca, para eaixoiro de sua casa commercal em
substituico de Flix de Amorim Lima, que falle-
cer, e que deve ser eliminado do registro.Como
requer.
Dito de Antonio Jos Moreira Gomes e Jos Gon-
calves Lourenco, registro de seu contrato social
sob 1 firma de Moreira & GoncalvesVista ao Sr.
desembargador fiscal.
Dito de Anua Maria da Conceico, idem da et-
criptura de Autorisaeao iiuo Ihe dera seu marido
Francisco Jos da Silva hartos para cumniereiar
em sen nome.'Registre-se.
Dito de Maia & Espirito-Santo, pedfndo carta de
registro de seu brigue nacionalAlberto, vista
dos documentos que juutam.Sellado o termo de
vistoria, volle.
Dito dos mesraos, para se expedir sem demora a
carta de registro dosobredito brigue, obrigatulo-se
pelo termo que assignaram a apresentarem qual-
quer documento que faltar para a expedico do
registro, visto se acnar o navio prompto de carga
para seguir viagem ao Rio de Janeiro.Como re-
quer.
Replica dos mesinos, dizendo nao poderem cum-
nrir a eaigencia fiscal relativamente ao registro da
BarcaAdelante, viste ter sido a mesina cons-
truida em paixestrangoiroVolte no Sr. desem-
bargador fiscal.
Requerimentos adiados:
De Alvaro Paulo Noblato e de Jos Maria Seve,
pedindo ser nomeados avaliadores do juizo docom-
lnercio (Continuara adiados).
De Jos Antonio Gomes Jnior, para ser nomea-
do avaliador -do mesmo juizo para os effeitos me-
dida e peso segundo o systhema mtrico.(Adiado.
contra o voto do Exm. Sr. presidente).
Com inforinaco do Sr. desembargador fiscal:
De Antonio Ferreira da Silva Maia, Manoel Alves
Correia, e Narciso Jos Monteiro, distrato da Drma
socialMonteiro, Correia & CR?gSTre-fn.
De Jos Cuidoso da Silva Pinto & C, Distrato
da mesma firma.Registre-se.
De Joaquim Francisco da Cruz, idem da firma
social de Joaquim Francisco da Cruz & CRegis-
tre-se.
De Francisco Jos Leite e Antonio Goncalves da
Silva, contrato de sociedade da firmaFrancisco
Jos Leite & CRegistre-sc.
D Jos Rodrigues Ferraz e Justino Francisco
llenriques, idem da firmaFerraz & Henriques.
Registre-se.
Replica de Jos Meudes de Freita=. como procu-
rador da compauliia de segurosFeliz Lembran-
c,a.Adiado.
RESOLl'QAO.
Em consequencia da rommunicacao feita pelo
Sr. Dr. ofllciar-uiaior, noticiando o faltecimento de
Manoel Custodio Peixoto Soares que era fiador do
corrector Stepple e o do agente de leilocs Jos Ma-
ra Postana, resol ven o tribunal, e:u vista do art.
14 do cdigo criminal, que ficassero elles suspen-
sos do exercicio at substituirem o fiador; igual-
mente os corretores Slveira e Bernardino de Vas-
coneellos, e que se communicasse a respectiva
junta para a divida intelligencia e exeeuco. Re-
solvendo tambera que se pedisse inforuiaeoes do
consulado provincial relativamente a llanca do
agente de leilocs Jos Izidoro Smiles, eujo termo
fra apresentado pelo mesmo "Sr. Dr. ofiicial-maior
para os precisos exames.
Dada a hora (He meia do dia) foi encerrada a
sessao.
jiulfidaoV e infringentes de julgado.Embargas*-*
excrulado Francisco Goncalves tetto, embargad i
exequentes os adminislradores to massa fallida V
Amorim, Fragso.vSasHos 4 tiJuizes ns Srs
Res e Silva, Accioli, Miranda I,kiI e bario V
Cruangy.Receberam-9 os embargo.
Juizo mtmiripal e do eommcreso d<> Areia. pro-
vincia da P.waliyba.Embargarte apoellaate au
tor Brancisro Ferreira Novaes, liquilalario U
extincta firma Novaes \ Lima, embugado appd-
ladii reo Joaipiim Jos Pewira da Cunta -Juies
os Srs. Res e Silva. AcciolL. Rosa Miranda Leal.
Ordcnou-se urna diligenc.
Juizo ni:iiiii-i|iiil e do conMiiercio de Marrio : ap>
l II.ni te exequentc Dominftos Ramo de Aratrj"
Pereira appelladbs cxecutajis Mocita, Mvdciros *
r- Juizes os Srs. Reis eSiU.x. A.-etoli. Rosa e ba-
rao de Cruangy.Confirniou-s.!- a.sertfDi> apprl-
lada
Juizo municipal e-do comnwrrio du Pilar, pn-
vincia das Alagas : appelbuites autnn os adoii-
nistradores da massa fallida di- Artoniu Jws; ifc"
Figueredo, appellaito reo Francisco Ji>s de Oli-
veira Jnior.Juizes os Srs. Reis e Silva, AcctoK.
Rosa e Miranda Leal.Reformoo>se a sertenra
appellada com o voto-do Exm. Sr. prcsleale, sen-
do votos vencidos os Sh. Accioli e Miranda Li-al.
Juizo- especial do commercio.Embargos de
nullidade e infringentes dn julgmlu embarg.-int-
executado Joaquim Luiz Vieira, embargados exe-
quentes os administradores da inassa fallida le
Amorim, Fragoso, Santos 4 C.Juizes os Srs.
Reis e Silva, Accioli, Miranda Leal e bariio de
Cruangy.Reeeberain- Appellantes Feidel Pmto 4 C, a4>pellados os ad-
ministradores da maasa fallida de Aimi-im. FragiV-
90, Santos 4 (1^-Appeflante Antonio Pen-ira Les-
sa, appelladbs Moeda Medciros 4 C Ap|ellarte
Antonio l'ereira de Faria, appellado o curador fis-
cal da massa fallida de Joaquim los de Anuda
Adiados a pedido dos Srs. deputados.
Nfio tendo comparecido o Sr. Basta nao podc-
rara ser propostos os feitos era que o mesmo Sr i
juiz, entre partes, apellantes os administradores
da massa fallida de Antonio Josa de Ftnueirrito.
appellada D. Paulina Anisa d (iodox Apellan-
tes os raesmos admiistradores, apfSlada Antonio
Pereira de Carvalho.Km!largantes os administra-
dores da massa fallida de Siqucira 4 Pereira. em-
bargado o Dr. Augesto Carne.iro Monteiro da Sil-
va Santos.Appellantes CiqcmaraM 4 Oliveira, ap-
pellada a directoiia da eaia filial do beata aa
Brasil nesta eidade.ApiM-lkinles Jobaabw Paler
4 C., appellsdb Flix Sanvage.Appsflsate Vi-
cente Jos de Brito, appeltadu Francisco da Silva
Reg,
IHSUiNACAO DE WA.
Apncllanto Joao Cazemiro da Silva Machado, ap-
peUado o bacharel Gaspar de Menezes Vasconcel-
ios de Druiiunond'.
Em consequencia da suspeico jurada pe"
Exm. Sr. presidente, o Sr. desembargador Silva
Guimaraes, na ipialidade de vic.-pr.ideuli-. a-
signen o primeiro dia til para o julgamento do
supra dito feito.
PASSAOKNS.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Gutaaries : appellantes Prente Vian-
na 4 C. appi'll.nhis os administradores da masas
fallida de Amorim, fragoso, Sanios A C Kmbar-
gaotes os adiniiisrradorcs da massa fallida de Se-
ve Filhos & fj embargados Eilson Tritton 4 C
O Sr. desembargado!- Silva Guimaraes juinu
suspeic;ao e passou sem vi"t ao Sr. desembarga-
dor Reis e Silva o feito entre partes. appeUanter
Prente Vianna 4 C, apellados os adiiiinislrado-
res da massa fallida de Amorim, Fragi'iso, San-
tos A C.
Nada mais lwuve, e encerrou-se a sessao ss
duas horas menos um quarto.
SESS50 JUDICIARIA EM 11 DE FEVEREIRO
DE 1869.
PRESTOENCIA DO OflL SU. WESEMBAnGADOR A. T. PE-
BETTI.
Secretario, Julio Guimaraes.
Ao meio dia declarou-se aberta a sessao, estan-
do reunidos os Srs. desembargadores Silva Gui-
maraes. Reis e Silva e Aceioti, e os Srs. deputa-
dos Rosa, Miranda Leal e bario- de Cruangy, fal-
tando o Sr. Basto.
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
sao.
O escrivao Albuquerque fegistrou o ultimo pro-
testo de letra a 3 do presente mea sob o n. 1709 ;
e justilicoii que nao apresentou na dia 8 do cor-
rerte o mencionado livro porque morando elle es-
crivao na povoaco da Torre e achando-se entao
interceptado o transito para esta eidade, em con-
sequencia das e Chentes dos ros, nao Ihe foi por
isso possivel comparecer sos trabalhos do tribu-
nal, como Ihe cumpria.
ACCORDAOS ASSICNABOS.
Ape"rte Joaqnim de Azevedo Maia, appellado
3r desembargador fiscal, faltando por ericommo- Jos Antonio de Almeida GuimaraesEmbargan-
dadn Sr. depuTado Basto, S. Exc. o Sr. presiden- tos Joaquim Febronio da Costa e outros, embarga-
te declarou aberta a seSsfc.' dos Maia 4 Lantlelino.
Lida, foi approvada a acta I fwsso de 4 e a
declararlo aenao ter havido sessao em 8, n
Juizo especial
JULO AMENTOS.
do commercio
apellante em-
3W *- "J ^ SUUV (,01/IA.iOi **W wmmm^M ,-,---------
trasdo os Sm. deputados Rosa e bario di Cruaa- bargarto i.' Franoiseo Jos de Paiva, apellados
m o seu nao comparecimerto em razao da cheia; exequentes Monteiro 4 Irmao, successores ae
So rio que, mteTrompendo o transito, imedu-a-os Monteiro Loes 4 C, executado Francisco d Avila
de vir ao tribunal no dia 8, mr morrem. o \rri- Mendonca.Juizes os Srs. Guimaraes, Res e mi-
metro no Caxangi e e segundo em Bemlic.
EXtBDIRKTK -.
1741- Officio do secretario do tribunal do cwmraeroio
1741 da Bahia de 18 de janetro ultimo, aconpanhado
173S da TOtseie dos eomraereiantes matriculados em di-
f73f te tribunal no prximo passade semestre.Acou-
17'lt se-se.
1730 Oflicio do mesmo secretario de 28 c o. mesmo
4717 mez, acensando o recebimento do ofnclo qee Use
4717 fra dirigido em 7 do dito mezArchive-so.
1788 Ofltoio do presidente e secretario da un dos
1726 rtrroctoros, firmado de 8 do corrente, apresertan-
4721 do o bofottm commerrial da semana pro:Ua fin-
47*> da.Ao arehifb.
1720 fJsWoda gewte da cdituvihii Pawaahnttasvi,
va, Rosa e bario de Cruangy.Conftrmou-so a
sontonca apellada,
Juizo especial do commercio : appellanto exe-
quente D. Maria Cordeiro, ape"^0 embargante
! o major Joao Ribeiro Pessoa de Laeerda, exe-
cutado Pedro zes os Srs. Guniares, Re e Suva, Rosa e oarao
de Cruangy.Rformou-se a sertenca appellada
Jnizo especial do commercio: appean' exe-
quente JosTceaario de Melle, appellado, executado
Itofada Cunha Reis-Jntaes os Srs.Gomiaito,
Rei e SUva, Roa o Miranda LealReformou-se
a seatenca appellada, sendo voto, vencido o Sr.
Res Sirva. ,_
Jtao especial do commereio,abarfos de
CAM\R\ MIMCIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA KM i DE JANEIRO
DE 18(19.
PBE3IDG3C1A Do SU. PKKWBA SI..10ES. _.
Presentes os Si-s. Barros Reg, Gustavo do Re-
g, Santos. Dr. Villas-Boas e Silva do Brasil, faltan-
ando com causa os mais senhores, abrio-sc a ses-
sao e foi lida e approvada a acta da antecedente.
L-se o seguirte
i:\rFDiEXTF:.
Um offlcio do Exm. presidente da provincia, de
30 de dezembro ultimo, remetiendo a cmara para
seu conheeimento e lins convenientes, copia da_pro-
fana que na mesma data dirigir ao enger.lieirn
bofe da reparticao das obras publicas, bein como
da deliberacao pela qual resonen conceder ao em-
piezario do asseio e limpe/.a dfla eidade erm'*"
sao para dar comoco as obras da mesma empTesa
pela construccao da ediflto, onde ten de funcio-
nar a bomba de esgoto na praca das Onco-Pootas,
com as clausulas mencionadas na referida delibe-
racao.Que se officiasse ao engenheiro para pro-
ceder a exame no lugar, e declarar so elle o rae
lora dado pola cmara ao Instituto Archeologiro
para a construccao de urna es'atua.
Outro do mesmO de igual data, remetiendo um
exemplardo olelim publicado pelo Jornal do fe
ife da mesma data, onde vem relatados os br-
Ihantes feitos de armas alcancados pels forCas bra*
leiras nos das o, 10 e II do dito mez de dezem-
bro. contra os Paraguavos, que foram derrotados,
tomamfo-se-lhes seis horcas de fogo rom que guar:
neciam a ponte do Itnsor m Santo Antonio e a
fortifleaca de Vill.ta. mulo estava Lnpes, que foi
obrigado a fugir; rocommenda a cmara que faca
publicar no sea municipio tao glorioso aconteci-
'mento Inteirada.
Outro do mesmo, de 31 de dezembro prximo,
mandando informar sobre o que endera o chefe
da reparticao das obras publicas no officio junto
er copia/datado do 1." do referido mez, sob n.
133, a respeito da questao do tanque de nataco do
Gvninasio Provincial, em vista da planta existente
d Posto em discussao, resolveu-se informar que a
opinio do engenheiro, conforme se deprehende da
planta, e de seu offlcio do 1. de dezembro, sob n.
413, a que aeompanhou a dita planta colloca a
qnestao do tanque no mesmo p em que j estove,
isto que so deve interrome'' a n,a projeCtadi-.
desde da Uniao at da Aurora, contra o que ;.
cmara j se pronunoiou, a continuara a pronun-
ciar-se, entretanto por agora apenas note que o di-
rector no seu citado offlcio declara que a na po
iectada Bao ser interrumpida na diroceao roela
que deve ter, indicando ao mesmo teme deevu.
d'ella para o lado do sul. como certamente se de-
prchonde tambem da mesma planta apresentada, o
que sem duvida esti em contradi^o com a asse-
veracSo feito e o referido offlcio.
Finalmente, a cmara pede a attencao de S. Exc.
para as nformaeoes que j deu a tal reeto.
Outro do mesmo e 1 d corrente, transinittiiido
lior copia a cmara para seu conheeimento o safo
ila mesma data, pelo qual resolveu apiwuvar pro-
visoriamente nos termos do artigo % do decreto
de 25 de outubro d 18R1. a entura addirional
(jue se refero o offlcio da mesma cmara de 9 de
(lezembro prximo Ando, sob n. 80.Inteirada, e
que se officiasse ao fiscal'de S. foso, e ao engo-
liheiro eordeador.
Outro do procurador, nondo que so Ihe man-
ilafise alionar a quantia d88jad0, mertanaa qu-
desendeu com o selle de tetras do diversos con-
tratos 4 arrematacoes. Mandil-se levar em
corta.
etn. do mesnv>^raaBHBBdo o balaneee da re-
edejaa nvinteipal em o mea de dtmwu
ultimo.-Aewwis*) ao polW>.




Gai.iA3H 3Q ei oaAoW*
io de PcTnambuco
Outro do enponheirocordeaor, informando con- proocssos como escrivio 4^ubaieuado do 1.
ir o que requeren Joaquim Barbosa.de Qjiveira,
relativamente a substituido das paredes dfftyjollo
as paredas de Uipa deduas /asinhas baxas, a,ueJ
(wssue na estrada velha do cemiterio.-r*lnd.eferido. deram lugar td injustasaccusacocs, o seguinto.
a vista da informacao.
Outro Jo mcsmo, informando sobre que jde
no requerimnto junto Antonio Jos Rodrigue tdo-
Souza, proprietario do sobrado de dous andares,
silo a travessa do CamneUo n. 4, para concertar
uin dos portaos de pera do mesmo sobrado, diz
que nada teni a oppor.Oracedeu-se.
Outro do mesn o, Mermando contra a pretencio
de Jos Guilherme A C, para uer sota e coHocar
cano de esgoto para as aguas pluviaes na casa n.
41 da roa do Encantamento.Indeferido vista da
informara.
Outro do mesmo, informando sobre o que pede
D. Arselina Xavier Caracho da Cunlia, para rnu-
dar a posicao das dnas casas qne pretende fuer
em seu terreno entre a roa dos Perreiros e a do
Hospicio, em vez de seren com as frentes para esta
ru para o que ja teve licenca, sejan para a ra
do? Ferreiros, diz que nada ten a oppor, sendo
toiavki precisa nova cordeacao.Mandou-se cor-
dear.
Outro do mcsmo, informando contra a preten-
do de Joaquim Jos da Costa Pinheiro, de concer-
tar o armazem que fica no fundo do seu sobrado
n. 43 da ra do Imperador, levantando a coborta
de onforinidade com as posturas.Indeferido
vista da informarn.
Outro do fiscal da freguezia dos Afogados, pe-
diado que so. Ihe mandasse pagar a quantia de o
pie despendeu com o enterramento de um cav.illo
que encontrn inorto em 26 de dezembro passado,
na. Passagem da Magdalena, cujo dono na* ptdc
descobrir.Mandou-se pagar.
Outro do fiscal da freguezia do Poco da Panella,
r- (lindo qne se lhe mandasse pagar a quantia de
iOOO por elle despendida com o enterramento de
um cavallo apparecido morto na campia da Casa
Forte em o da 24 de agosto passado.Mandou-se
pagar.
outro do fiscal da freguezia de S. Lourenco da
Malta, diz.'nrlo ter despendido com o enterr&neuto
de dous cavailos encontrados morios na estrada
prxima a povoaeao, em das do mez de agesto
passado, a quantia de 85000, pede que se lhe mande
pagar a mesma quantia.Que se passasse manda-
) de pagamento.
Foi approvado um parecer da commissao de
saude, permittindo que Valtrudes & Borburema
pudessem continuar com a padaria n. 5o da ra
Imperial, e assentar nella urna machina a vapor.
O Sr. presidente fez ver a cmara que existindo
diversos offlcios remettidos por algnns collegios em
une se effectuou a eleico para senador em o dia
designado, bem como protestos, eumpria dar-llics
o destino conveniente, fazendo-se reinessa delles a
presidencia ou ao senado; a cmara que resol-
vesse.Dliberou-se, depois de alguma discussiio,
que se remettesse ao senado por intermedio do seu
respectivo secretario.
O Sr. Silva do Brasil requereu e foi approvado,
que se mandasse recommendar ao procurador que,
qjando demolidas as duas easinhas desapropriadas
ao bati de Una, e em seguimeuto ao becco la
Lama nobairro do Recife, mtimasse a Jos Jacorne
Tasso para demolr tambem o muro que proviso-
riamente conslruio em frente do cr.es de Apollo,
junto aos eus armazens.
Despaeharam-se as peticoes:
De D. Arselina Xavier Carneiro Rodrigues Cam-
SeJIo, Antonio Joaquim Ferreira Reinor, Benjamn
e S Pessoa, Francisco de Barros Correa, Jos Ni-
colao Ferreira, Jos Guilherme & C, Joaquim Jos
da Costa Pinheiro, Joaquim Barbosa de Oliveira, e
abrio-se a sessio.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem, secretario a
gohserevi.Pereira Simos pro-presidente, Santos,
Dr Pitanga, Suva do Brasil, r. Miranda.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 7 DE JANEIRO
DE 1869.
PRESIDENCIA DO SR. PEREIRA SUMES.
Presentes os Srs. Santos, r. Pitanga, Dr. Miran-
da e Silva 4o Brasil, abrio-se a sessao, e lida e
approvada a acta da antecedente.
Aehando-se presentes na sala das sessoes, nao
s o Exm. Sr. baro de Muribeca, presidente Jeito
para a cmara deste municipio no quatriennio
corrente de 1869 a 1872, como os domis Srs. ve-
readores, eleitos para o mesmo quatriennio, Dr.
Ignacio Joaquim de Souza Leao, Dr. Manoel de
Barros Barrete, Dr. Bento Jos da Costa, Jos
Mara Freir Gameiro, Dr. Joao Mara Se ve, Dr.
Joaquim d'Aquino Fonseca, Dr. Pedro d'Athayde
Cobo Moscoso e tenente-coronel Manoel Joaquim
do Reg e Albuquerque, o Sr. Pereira Simoes.
pro^presdente da cmara que hoje linda a sua
administrarn, convidou a S. Exc. para tomar assen-
to a direita delle, e apresentando-lhe o relatrio dos
negocios do municipio que occorreram no qua-
triennio prximo lindo, de 1865 a 1868, foi mes-
mo lido polo secretario; feito isto passou-o as
maos de S. Exc.
Em seguida o mesmo Sr. Pereira SimSes toma o
juramento do estyllo ao Exm. Sr. bario de Muri-
beca, e deixando cadeira presidencial, a mes-
ma oceupada por S. Exc. que convidou logo os
Srs. vereadores que devemeompr a nova cmara
para prestarem o juramento.
Concluida esta ceremonia, estando a cmara
impossada, seguio-se o juramento de todos os jui-
zes de paz das diversas frguezias do municipio
que cstavam presentesna occasiao.
O Exm. Sr. bario de Muribeca juiz de paz pri-
meiro votado da freguezia da Varzea prestou jura-
mento nae mos do Sr. Dr. Ignacio Joaquim de
Souza Leao vereador segundo votado.
Ultimadas estas formalidades, o Exm. Sr. presi-
d-ule nomeou ascommissoes as quaes ficarara-
compostas da maneiraseguinte:
Polica.Os Srs. Dr. Joaquim d'Aquino Fonseca
c Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao.
Edilicacao.Os Srs. Dr. Manoel de Barros Br-
relo c tcncnte-coronel Manoel Joaquim do Bego e
Albuquerque.
Petico.Os Srs. Dr. Joao Maria Seve e Jos
Mara Freir Gameiro.
Sade.Os Srs. Dr. Joio Maria Scvo c Dr. Pedro
d'Athayde Lobo Moscoso.
Cemiterio da cidade.Os Srs. Drs. Joaquim de
Aquino Fonseca e Bento Jos da Costa.
Cemitorios das frguezias do Poco, Varzea, S.
Lourenco da Matta e Janoato.Os mesraos senho-
res mencionados para o da cidade.
Matadouro publico.Os Srs. Drs. Manoel de
Barros Barreto e Pedro d'Athayde Lobo Moscoso.
Marcou sessao para o da 11 do corrente, e
levantou a presente.
Eu Francisco Canuto da Boaviage a subscre-
v.Bario de Muribeca presidente, Dr. Joaquim
d'Aquino Fonseca, Jos Maria Freir Gameiro,
Bento Jos da Costa Jnior, Manoel' de Barros Bar-
reto, Manoel Joaquim do Reg e Albuquerque, Dr.
Pedro de Athayde Lobo Moscoso, Dr. Joao Mara
Seve, Ignacio Joaquim de Souza Leao.
diMricto do termo de Ipojuca,< ^endo as partes
qucixosas clamorosamente prejudcadas, cabe-ine
diaer autos de airar es acontecimontos a que
vando ao ntsrtio temprftoda a cautela"pos-
srvel, quanto dieta e ao tem,
Sabfcado 13 de Fevereiro de 1869.

VJ*
RJI

Presumindo nao ter facto algum que me desa-
bone ria ninlia vida, quer publica quer particular,
desafio a oste'infffine calumniador, para" qiro dtga
francamente o que sob a aviltante capa de anony-
ino acaba de publicar em u nojonlo pm alambique voso.
A esse miseravel e a outros opposicionistas da
villa de I|>ejuca, refinado patoteiros; de quem
sabe-se perfeitaniente a chronica, e que envolv-
dos naslrevas da neite, maquinan em tartorU* de
filhos sem mes, as ealnmmas com que teem de
ferir os seus adversarios polticos, s de um cote me poerei servir para rcpellir a injuria que
pretendein laoear-me.
Els o primeiro facto :
Maria Rosa dos Santos deu peranto a subdele-
gada do 1 dstricto do termo de.Ipojuca, urna
queixa aecusanda Jos Candido de "Moura Pmen-
tel de Ise haver teito era seu corpo algn* feri-
nentos, e nedindo quo o subdelegado procedesse o
corpo de delieto, o que poucas horas depois teve
lugar, sendo pelos peritos declarado ter havido
dois leves fermeotos na le la da queixnza, o que
para o seu curativo eram precisos apenas cinco
dias.
Tejido o subdelegado de proseguir nos deinais
termos do processo compareceu ppttcoa das de-
pois a mesma offendida declarando ipje desista
da queixa por ella dada contra o dito Jos Can-
dido, e pedindo que se lavrasse o competente
termo, que por ordem do subdelegado foi por
niim lavrado e assgnado por ella desistente e duas
testemunhas.
Responda o Liberal. Poda o suhdelegapo dei-
xar de toiuar por termo a desistencia fcita pela
queixosa ?
. Es o segundo facto.
Vicente Gomes do Reg aehando-se entrigado
com Vicente Gomes de Oliveira, procurou armado
de uiu faca i insultar a este, que em boa inoeda
deu-lhe em continente o troco, resultando ser
aquello ferdo levemente nos bracos e nos dedos
da mioesquerda.
Procedeudo-se a corpo de delicio, os peritos de-
clararan que os fermientos eram taes que o nio
mpossibilitavam de trabalhar, pelo que o mesmo
subdelegado julgou improcedente o corpo de de-
licio, cabendo na forma da lei ao offendido Vicen-
te Gomes do Reg, interpor recurso para o juiz de
direito, o que ate esta data nio procurou fazer.
Sio estes Srs. Redactores os factos com que o
Liberal ou os insignificantes opposicionstas da
Villa de Ipojuca, pretenden! ferir-me, e a illibada
reputacao do Sr. subdelegado do 1. dstricto do
termo de Ipojuca; masque a Ilustrada opniao
publica inclhor os julgar. .
Continu o Liberal a espumar as suas diatribes,
pois que para a bidrophobia a cura difQcil.
Quera Srs. Redactores dar publcidade a estas
lnhas que muito lhe agradecer seu constante
leitor.
Ipojuca 12 de Fevereiro de 1869.
Joaquim Jos de Olinda Tacares.
COMMERCIO.
por
PIUCA DO RECIFE 12 DE FEVEREIRO
DE 1869. _
A 3 1/2 HOB>* A TABBE. P**
Assucar masesviido da J?arahj*a 842OO
arroba po(o a bordk.
Assucar mascavido du ^)o Grttde do Norte
35200por rro ia post 1
Algodo da Parilivba l' wrte 16.').iOpor ar-
rpba post a bordo, a, {rale do 3/4 e 5 OD
Cambio sonre:Lotidris f8 d, v 19
18 3 d, por UOOO. '
F. J. Silveira
-^- ^m Im Residente.
Leal Seve
- jSecretario.
d. e do banco
follia corrida, exarae de sufllciencia.e mis
decouentos qae entender ^convenientes,
sfeado todos debidamente sellados'na con-
Mbidade do decreto n. 8\1 de 30 de
' 'agosto de 1851.
E para que bogue a noticia todos man-
dei passar o presente edital que ser pu-
blicado pela .tmprensa e alxsdo nos luga-
rw-do costume.
Ddo e Mssad.4. nesta cidade do Recife
no* 2 de Janeiro de 1869.
Eu Joaquim Francisco de Paula Esteves
elementa, esciivo o subscre\i.
Frontis d'sss Olioeira Madel.
DECLARACOES.
BANCOtMAUA i C. =
Itua do Trapiche n. 34.
Desconta lettras commerciaes a Lt^a con-
vencional. Recebe dinheiro, a preiio con-*
vencional, por lettras e em conta corrente.
Conferc crditos, saca sobre as primeiras
pravas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pravas.
Encarrega.se, por commisso, da com-
pra e venda de fundos pblicos e accoes de
companhias, da oobranija de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, c de qual
quer outra operaco bancaria.
O expediente para o publico comecar
s 10 horas da manhaa, e terminar s 4
horas da tarde de todos os dias uteis.
O conselheiro Jos Bento da Gunha
Figueiredo, abaixo assignado, espera "que
todos os seus amigos particulares e polti-
cos do circulo do Cabo lhe racam ainda a
dislincta honra de elegel-o deputado as-
sembla geral; e roga a todos os seus ami-
gos polticos e particulares de toda a pro-
vincia se dignem fazer-lhe a dislincta hon-
ra de incluir o seu nome na lista sxtupla
para senadores.
Longe do theatro da eleico, o conseei-
ro Jos Bento da Cunha nao duvida de que
os seus amigos, cuja generosidade invoca
nesta occasiao, suppriro a falta de sua pre-
senta com dobrada deligeocia, Elle assim
o supplica com todo o fervor de quem sa-
bei agradecer tamanha honra e fineza.
Cidade de Belem do Grao-Par Io
fevereiro de 189.
Jos Bento da Canha Figueiredo.
'ENGLISH BANK____
O Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a con-
vencional-.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
recebedori de rendas internas tferaes
ico (pie 6 neste mez e no de fevereiro
futuro, que os contribuintes da taxa dos
scravos do exercico corrente de 1868-69, quer
moradores as frguezias da cidade, qner as de
fora, tee/n de paga-la, livre da multa de 6 0/0, e
dom elM tJeTnarco em diante.
Hecebedoria de Pernambuco 8 de Janeiro de
1869.
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
-V. B. A beneficiada agradece do intimo do coi
rac.o a bdos os artistas ^ue tito generosaniciite
se pi-estam a eoadjuva-Ja oeste seu pimoiro pas.
so da vida artsliea e especialmente aos Srs 1>m-
burh, Coy, Toiimrie, Sclar, Candido Jnior e
Mr. Smoltz'o ao digno etmirezario Sr. Coiirtbr pe-
la gracwidade de oeder-ihe o theatro.
Depois do esjiectaculo haver um trem especial
iara oummodidades das familias ora da cipital.
THEATRO
S. ISABEL.
Para o Porto
Segu sem'demora a barca portugueca A'oc*
uencio, por ter grande parte da sua carga promp-
ia, para o resto e passageros aos quaes offerece
exylleiites commodos trata-sc com Oliveira Kilhos
n rrg(J Urpo Sa10- t "u com o capilao
najiracji do conimercio. r
Pira Liskoa.
EMPREZA DRAMTICA
Inaugtfra<;ao da estaqao drama-
ticadel869.
4|u:ii U-felra 19 le fevereiro
Primeira representatad do drama en 5 actos
Companhia Pemambucana de na-
tiegagdo costea por vapor.
De ordem do conselho de direccac e para satis-
facJo do que dspSc o art. 19 dos estatutos, sao
convidado* os senhores accionistas a reunirem-se
em assembla geral no dia 15 do corrente ao meo
dia no Io andar do seu edificio no caes da As-
sembla n. 11
O English Bank of Bo de Janeiro Limited
casa sobre as seguintes pracas:
Ijondres.Sobre London Jont Stock Bank.
Pars.Sobro Fould & G.
Hamburgo.Sobre J. Berenberg Gossler & C.
Lisboa e Porto.Sobre Banco de Portugal.
Rio do Janeiro.Sobre English Bank of Rio de
anero, Limited.
Bahia.Sobre C. Vaughan & C.
Para.Sobre Tap|>enbeek Brambeer A C.
de
THEATRO
DE
SANTA IZAEL
Hoje 13 de fevereiro
tem lugar o beneficio da nossa pequea e
interessante patricia Arcelina Pieri; pedimos
ao publico concorra a este espectculo,
coadyuvando assim o progresso das artes
entre os nossos patricios.
Muitos Pernambucanos.
Caixa Filial do Banco do Brasil
A caixa filial do banco do Brasil em
Pernambuco em liquidacSo paga o 30 divi-
dendo das aeces do Banco do Brasil ins-
criptas nesta caixa; arazode 9AO00por
acejo.
Recife, 16 de Janeiro de 1869.
ALPANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 11 .
dem do dia 12......
338:8Mf068
32.847*088
371:6i8l53
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volumes entrados
dem idem
rom fazendas
com gneros
Volumes sahidos com fazendas
dem dem com gneros
283
217
ni
172
Correio geral.
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico que ein virtude da oonveneio postal
celebrada pelos governos erasileiro e frncez. se-
rao expedidas malas para Europa no dia 15' do
corrente pelo vapor inglez La Plata.
As cartas serao recebidas at 2 toras antes da
que for mareada para a sahida da vapor ; e os
jornaes ate 3 horas antes.
Administracao do correio de Pernambuco 9 de
fevereiro de 1869.
0 administrador,
____________Domingos dos Passos Miranda.
Arsenal de guerra.
Chama-se a attencao das peesoas pie quzcrem
vender ao conselho os objectos annunciados a tc-
rem em vista o annuncio do mcsmo de 9 do cor-
rente e publicado neste Diario a 10.
Jos Bapti 500
313
PUBLICACOES A PEDIDO.
H factos, cuja recepcao toca de tal modo a sen-
sibilidade e euche o coracao de tanta gratidd que
alm de nelle ficarem perpetuamente gravados,
experimenta-se grande alivio dando-sc expansao
'.ra sua publcidade.
Assim que aehando-me e minha familia cer-
cados completameute d'agoa pela horrenda cheia
que bsntcm infelizmente marca urna era, ameaca-.
dos de ver-mos nossa casa no lugar da Torre, onde
morames snbmergida, nossa vida em perigo. at-
tonito pelo choro de meus innocentes fijhinhos,
ontre elles urna lilhaque atirando-se a trrenle fe-
rio-sc, afflieto sem saber para onde-Ir, sem poder
aeodir a todos ao mesmo tempo e sem meios de
as salvar, vejo a protectora mao da Providencia
o Rev Sr. padre Jos Francisco da Silva Borges,
rapellio da igreja da Torre, que ehegando a nossa
porta todo mblhade remando com as suas proprias
maos um pequeo fcatel tiroa-nos, e conduzio-nos
para sua caza onde aos achamos abrigados sob a
mais caridosa hosplatjdade. ehegando sua abnc-
gacao ao ponto de ceder todos os seus commodos
a mtnha e entras familias aqu recolhidas e pro-
curar outro asylo.
Que fosse a um homem prodgalsado tal acto
era para um bem merecido reeonhecimento, mais
para nm homem que v estender-se o favor a seus
tilnmhos, e nm homem que v enchutas as lacri-
mas de sua familia, estancado o sangue que corra
* joma da fenda do p de sua filia, b! nao
nem dere ser simples aeradecimento, admiracao
mais profunda^ a grafido mais pura e sincera
arr meada do fundo de minha alma.
Sei qne offendo a modestia do virtuoso, do ver-
dadero ministro de Deus, resigno-me obedecendo
smente ao grito de minha consciencia,
Torre 8 de fevereiro de 1869.
Constancio Jos da Sika Manta.
Senhores Redactores:Havendo chegado ao meu
conhecimento ter o Liberal publicado contra mira
alguns artigos, accosaBdo-me de haver concluido
Tubrculos pulmonares
n
Os principaes symptomas da formaco de
tubrculos nos pulmoes, sao:
Urna tosse secca quando se levanta de
manhaa ; respirado cmla, dificultosa c
rpida quando se faz exercicio.
Pallidez extraordinaria, molleza nos mus-
culos, emagrecimento em todo o corpo,
(lilficuldade em fazer esforco, quer physico
qwr mental.
Estes symptomas podem continuar por
muito tempo sem augmentar-se o mal;
porm Mdo ou tarde apparecero signaes
do su progresso: o pulso se tomar mais
rpido, sentir-se-ha fri pelo espinhafo de
manha e de tarde, seguido por febre.
Dalii em diante o doente passa a noute in-
quieto, tosse secca e irritante todas as
vezes que se vira na cama.
Neste primeiro periodo de tsica tuber-
culosa, os pulmSes contm j mais ou me-
nos dos depsitos tuberculosos.
A transico do primeiro ao segundo pe-
riodo desta molestia em alguns vagarosa
e apenas visivel, era outros rpida e evi-
dente. No segundo periodo a tosse aug-
mentare na frequencia e na violencia, e a
expectorarlo mais abundante e muitas ve-
zes contm pequeas nodoas de sangue. 0
fri, a febre, insomnia, suor de noute, sao
mais notaveis, e a febre hectica mostra-se
claramente.
0 semblante paludo de manhaa, e de
tarde torna-se corado.
O terceiro periodo simplesmente o se-
gundo gradualmente augmentado.
A severidade, a rapidez dos symptomas
e o progresso da molestia diflerem muito
em differentes easos, e depende da consti-
tuic5o da pessoa e do clima, tempo, etc.
Em alguns a marcha gradual, sem dr e
com powca tosse, acompanhado de diarrha,
suor, etc., e o doente ainda nos ltimos
dias mostra-se cheio de coragem e espe-
ranza. Em outros, e pela raaior parte, a
marcha desta terrivel molestia rpida e
dolorosa e a luta mortal entre a esperanza
e o desespero mostra a severidade da doen-
?a e o soffrimento do doente.
Em todos os tres periodos, nao conhe-
emos remedio raelhor do que o PeUoral
de cereja do Dr. Ayer, se fr tomado a tem-
po, a cura quasi certa, e musino quando
a morte prxima elle mitiga a dr e alli-
via o soffrimento do doente.
Urna tosse por mais leve que seja peri-
gosa edeve ser tratada inmediatamente
antes que tome assento sobre os pulmoes;
tenha sempre era casa um pouco deste
PeUoral de cereja e iga as direc?oes que
acorapanham cada frasco.
Se a molestia est j muito adiantada
prjcre tomar M) Peitoral debarxo da di-,
recro de um medico entendido. Obser-
Descarregam hoje 13 de fevefero.
Escuna uorte-allcinaaCatharinamer Brigue portuguezRelmpagodem. '
Vapor inglezAta-on=morcadorias.
barca ingleza=Sa/;ifto=mcrcadorias. ,
Patacho norle-allemiioApolloidem.
Barca nglezaZenniferro.
Barca nglezaMaranhaoferro.
Patacho inglezBfnncAebacalho.
Barca fraucezaMai iusfarinha de trigo.
Brigue inglezEteadadiversos gneros.
Barca portuguezaDespique II varios gneros.
Patacho hespanholr Patacho inglezSanaonbacalho.
Brgne inglezGrecian=idem.
Jlarca inglezaConrMffarinha de trigo.
Briguo.norueguense--Gopor Wild= farinha de
trigo.
RECEEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do da 1 a 11 I8:OW*82
dem do dia 12...... l:72*o87
Fiscalisaeo da freguezia de
S. Antonio do Recife.
Pelo presente se lembra a quem inters-
sar que no dia Io de marco prximo,
tem findado o prazo de 6 mezes que a
Illma. cmara municipal, por seu despa-
cho de 19 de agosto do anno lindo conce-
deu aos interessados do seu municipio, para
ser feito dentro delle as afferices das ba-
lanzas, pesos, e medidas, pelo novo syste-
ma mtrico decimal, como est determina-
da pelo regulamento de 17 do mesmo mez
de 1868, approvado pelo Exm. Sr. presi-
dente da provincia em igual data.
Por cujo motivo do dia 2 de marco em
dinte passa esta fiscalisaco a examinar se
as ditas bataneas, pesos e medidas j esto
aferidos pelo dito systema, impondo aos
contraventores as multas determinadas no
^rt. 2. do titulo H das posturas de 30 de
junho de 1819.
Fiscafisaco da freguezia de S. Antonio
do Recife 11 de fevereiro de 1869.
O fiscal,
Caetano Pinto de Veras.
A
AIMEE
Senhores.
Julia Azevedo
Maria Vellut.
Clela.
Apulonia.
J. Augusto.
19:622^169
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1
dem do da 12 ,
a 11
46:4-60*o76
3:028*926
49:i79*o02
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 12.
Bahia13 dias, barca ingieza 8. Miehet, de NI
toneladas, capitao S. Andreu, equipagem 11. em
lastro ; a Johnston Pater & C.
Rio de Janeiro23 dias, barca ngleza Jessi, de
43i toneladas, capitao Wiiliam Clark, equipagem
12, em lastro a a Ttiomaz Jefferies & C.
Bahia=8 dias, barca ngleza Arkbar, de 424 tone-
ladas, capitao George Beer, equipagem 12, em
lastro ; a Thomaz Jefferies & C.
Babia8 das, barca norueguense Jons Xeelson,
de 416 toneladas, capitao Peder Andersen, equi-
pagem 12, em lastro ; a Thomaz Jefferies & C.
Cetle=35 das, brigue francez Cygne, de 226 to-
neladas, capitao Rouquer.fequipagem 11, carga
vinho; a Keller A C.
Barcellona57 dias, sumaca hespanhola Tnereza,
de.126 toneladas, capitao Pedro Estradery Mas,
equipagem 11, carga vlnho ; a Pereira Carneiro
a C.
Rio Gaande do Sul36 dias, patacho norte-alie
mao Nicolao, de 130 toneladas, capitao Nible,
equipagem 7, carga 12,000arrobas de carne; a
Maia & Espirito Santo.
Tamandar, Rio Formoso e Porto de Galinha=7
horas, vapor brasileiro Mamangwpe, 4e 231
toneladas, commandante Mello, equipagem 14,
em lastro; a companhia Pemambucana.
Rio Grande do Sul=46 dias, patacho brasileiro
a>\ 806 tone,a,las. capitao Joao Ignacio
de Mello Janior, equipagem 11. carga 9,000 ar-
robas de carne ; a Amorm Irmao.
Macelo3 das, pataeho inglez Lady Dird, de 116
toneladas, captaj Boargard, equipagem 7, em
lastro ; a Tasso Irmao, '
Navio sonido o mesmo dia.
Parahyba-Barca ingieza Mary Rond, capitao An-
tonio Lureencoveck ; em lastro.
laspec^o do arsenal co
mariaha.
De ordem do Bim. Sr. inspector raco. publico,
que acha-so-marcado o praso de 60 das, a con-
tar da data dopresente, para o concurso a que. se
vai proceder nesta inspeccao para provimento do
lugar vago de ajudante do escrvao do almoxarifa-
do de marinha desta provincia.
Os pretendentes devero inscrever-se no infi-
cionado praso, e exige -se-lhes que tenham tioa
letra, bom comportamento, e a idade de 21 annos
completos, assim como saberem grammatcada
lingoa nacional; principio de escripturacao |ior
partidas dobradjs, arythmetica e suas apphca^oes.
Inspeccao do arsenal d marinha de Pernambu-
co 12 de fevereiro de 1869.
O secretaria,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Vice-consulado de Hespanha
em Pernambuco.
El infrascrts, vce-consul de Hespana en esta
provincia, por el presente convida a tedos aquellos
que acreedores se juzgan del fallecido subdito ll.--
panol Jos Felippe Martnez, a presentar sus cuen-
tas en el improrogable plaso de quince dias, a con-
tar de esta fecha. Pernambuco a trece de febrero
de 1869EI vce-consulJuan Busom
No qual faz a sua estiva a
vedo.
Personagens.
Aime (a pastora de Svry) .
Hortencia Fauvel. .
Senhora Deronville. .
Julianna (moca da herdade).
Francisco i soldado).
Jacques Fauvel......Tlioinaz.
O conde de Grandnal. Primo da Costa.
Luiz de Beanchamp. Flaviano.
Artliur de Marsoy.....Jos Guimaraes.
Caunuche (mogo da herdade). Jordani.
Bourgogne.......Santa Rosa.
Mocos, eamponezes, mercaderes,, ambulantes,
soldados:
Ascena passa-se em Ivry em 1827.
!. actoO desertor-Sala na herdade da Sr."
Deronville.
2. actoO ramalheteJardim djs dous mo-
nhos.
3. actoUrna por outraSalad no castello de
Grand-val.
4. actoSacrificio d Aime = O mesmo do 1*
acto.
5. actoO assassino por amor Bosque em
noite tormentosa.
A msica composicao do distincto artista Jos
Coelho Barbosa.
Da flm ao espectculo a nova comedia em 1
acto
0 lioiiicn nao perfeito.
Personagens. Senhores.
Mchou, moco de fretes. Jos Victorino
Boirot, seu amigo..... Thomaz.
Godolphin, pastelero. Jordani. .
Magdalena, peixera. M. Vellut.
Luznha, lavadeira. Apolonia.
Em casa de Mchou.
Principiar as 8 horas.
Acha-se aborta urna assignatura de 30 recitas
divididas em 3 preslacoes para camarotes e ca-
deiras, com abatiment de 10 por cento, tendo os
Srs. assignantes direito a 10 espectculos (pelo
menos) inteiramente novos.
Segu com malta levidade a barca portugueza
Gratdtto, tem grande parte da sua carga promp-
ta ; par o que anda lhe falta e passageros, tra-
ta-s com Oliveira FlhoaAc .largo do Corpo San-
to n. 19,oii com o capilao najgajado rommerrio.
Para^Lisroa
Vai sahircom minia presteza o brgne portuguez
Constante II por ter grande parte do seu carrega-
mento promplo : para o restante e passageros,
trata-se com Oliveira, Filhos & C, largo do Corpo
Santo n. 19, ou com o capitao na praca do com-
mercio.
Para Lisboa ~
O brigue portuguez Laia I, capilao Veira, vai
sabir com muila brevidade, por ter a maior parte
da sua carga prompta; para a que ainda Ibe falta
e passageros, trata-se com Oliveira Filhos A ('..,
largo do Corpo-Santo n. 19, ou com o referido ca-
pitao, na piara do Commerck).
T
I'AKI
Segu com brevidade o palhabotc Aurelia, re-
cebe carga minda, c trata-se com o consignatario
Joao Francisco da Silva Novaos, ra do Vigari)
Para S. Miguel
vai sahir breve a osruua portugueza Aguia, roce-
ba passageros : trata-sc com o capitao ou com
E. R. Rabello, ra do Commercio n. 44.
LEILOES.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
* OE
XavegarSo costelra por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caly, Cear, Acarac e Granja.
O vapor Pirapama, commatodante
Torres, seguir para os portos cima
no dia 15 do corrente as 3 horas da
tarde. Recebe carga at o dia 13 as 3 horas da
tarde, encommendas, passageros e dinheiro a
frete at as 2 horas da tarde do da da sahida no
escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
* DE
Yuvfa/o costelra por vapor.
Macei, escalas Penedo e Aracaj.
O vapor Potengi, commandante
Pereira, seguir para os portos cima
no dia 13 do corrente as 5 horas da tar-
de. Recebe carga at o dia 13 as 3 horas da tar-
de, encommendas, passageros e dinheiro a frete at
as 2 hqras da tarde do dia da sahida no escriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
Conselho de compras navaes
O eonselho promove no dia 13 do corrente mez,
sob as candicoes do estylo e vista de propostas
recebidas at. as 11 horas da inanha; a compra
dos seguintes objectos do material da armada : 6
pecas de arrbein, 3 aucorotcs de 2 qunlaes, 1
ancora de 6 tpiintaes, 200 alqueres de cal preta,
8 pecas de cabo de linho de 1 pollegada, 8 pecas
de cabo de linho de 1 1/2 pollegada, 3 pecas 'de
cabo de linho 3 1/f pollegada?, 1 peca de cabo de
linho de 4 pollegadas, 1 peca de cabo de linho de
4 1/2 pollegadas, 3,000 estopares, 200 lencos de
seda preta, 20 resmas de lxa de esmeril em pan-
no, 6 arrobas de malhar, 10 libras de obreias
francezas, 50 folhas de papel para mappas, 2 res-
mas de papel Hollanda, 100 pratos traversos de fo-
Iha, 400 pucaros de folha grandes, 20 lira-linhas,
W trados de ferro de 4/8, 10 duzas de taboas de
assoalho de pao-carga, 10 duzas de taboas de
pao-carga de .3/4 de pollegada, 60 grasas de tor-
cidas para pharol e 8 vidros grandes de patente d
5 1/2 palmos de comprimento c 4 1/2 de largo.
Sala das sessoes do conselho de compras navaes
10 de fevereiro de 1869.
0 secre ario
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
COMPANHIA PERNAMBUCANA DE NAVE-
GACAO COSTEIRA POR VAPOR.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
0 vapor Mamanguape, com-
mandante Mello, seguir para os
portos cima no dia 20 do cor-
rente a meia noite. Recebe car-
ga, oucommendas, passageros e
ro a trete : no escriptorio do Forte ao Mat-
tos-n. 12.
COMPANHIA PEBNAMBUCANA
DE
Maregaco costelra por vapor.
Goianna.
O vapor Mamanguape, comman-
dante Mello, seguir para o porto aci-
_ ma no dia 16 do corrente as 9 horas
da noite. Recebe carga, passageros, encommen-
das e dinheiro a frete no escriptorio do Forte do
Mattos n. 12.
LEUAO
De um relogiode miro patente, 2 cadeias de ou-
ro. 1 medalho de ouro, ura capto de folha para
roupa, diversas pecas de roupa usadas, um rc-
wolver de 6 tiros, 5 mesas. 6 bancas, 2 consolos
20 cadeiras com assento de palha, urna dita de'
balanco, 2 relogios de parede, 1 marqueza, 1 mar-
quezao, 14 moxos, bancos, quadros, colheres, co-
pos, garrafas, pratos. machina de lazer caf, lian-
dejas, garrafas de vinho do Porto, vinagre em
barril o muitos outros artigos propros de hotel.
Qunta-feira 24 do corrente.
O agente Martins far leilo por autorisacao do-
Illm. Sr. vce-consul de Hespanha, dos movis e
roupa cima perteneenles ao espolio do subdito
hespanhol Jos Filippe Martins, na rua estreta do
Rosario n. 23, as 11 horas do dia cima.
AVISOS DIVERSOS.
Monte Po Popular Pernam-
bucano
De ordem do Sr. director convido a todos os so-
cios a comparecerem no dia 14 do corrente, pelas
10 horas do dia, para em assembla geral, tratar
de negocios concernentes a mesma socedade.
Secretaria da socedade Monte Pi Popular I'er-
nambucano 10 de fevereiro de 1869.
Julio Cesar P. da Rocha,
Io secretario.
Hospital
Porigiiez
rancia.
de Beneli-
A actual junta administrativa do Hospital Por-
tuguez de Beneficencia, tendo de impostar a nova
junla que tem de funecionar no corrente anno de
1869. roga a quem se-julgar credor do mesmo
Hospital, de apreseuiar a sa conta ao respetivo
esmoler, para ser incontinente paga.
r
Joanna Maria da Silva Avellnr, Jos M. Soa-
res de Avenar, Manoel J. S. de Avellar Jnior, ha-
chare! Joaquim T. S. de Avellar, c demais irmfios,
Drs. Wenceslao Garca Chaves e Js Maria da
Trindade (ausente), e Joao I. S. de Avellar, repas-
sados da mais mensa d to de seu mu presado esposo, pai, sogro, cunha-
do e irmao o capitao Manoel Jos Soares de Avel-
lar, agradecem cordalmeute a todas as pessoas
que se dignaram acompanhar at o ultimo jazgo
os restos mortaes do mesmo fallecido, e pelo pre-
sente convidara a todos os seus amigos a assisti-
rera urna mssa que tem de ser celebrada no dia
16 do corrente pelas 7 horas da manha na igre-
ja da Santa Cruz, pelo repouso eterno de sua alma
por cujo acto de cardade desde j se confessain
asss reconhecdos.
Costureiras
na loja do Trum[i.u
Precisa-se de costureiras
ruado Queimado n. 7.
urna
Offerece-so urna pessoa para tratar de um
sitio gratuitamente, porm com as condicoes que
os pretendentes verao : a tratar na rua da Con-
cordia, taberna n. 12.
Companhia americana
ra de paquetes a
vapor.
COMPOSITOR,
Precisa-se contratar um bom compositor,
para trabalhar n'uma typographia de pro-
vincia perto de Pernambuco ; quem quizer
deixe ficar as condicoes com que quer ir,
em carta fechada, nesta typographia.
EDJTAES.
PROGRAMMA
DO
A BENEFICIO DA JOVEN PERNAIBUCANA
ni pieri
En 13 de fevereiro de 1
. PRIMEIRA PARTE
!. Ouvartura da opera Simiramis, do maestro
Rossini.
2.- Dueto da opera Poliuto, pelos Srs. Tambu-
rini e Coy- .
3. Romance para piano da opera Ernrmi, pela
beneficiada.
pelo Sr.
At o dia 15 do corrente esperado do New-
York por S. Thomaz o Para o vapor americano
ilerrimack, o aual depois da demora do eoltume
seguir para os portos do sul. Fretes e passagens
trata-se com os agentes Henry Forster & C, rua
do Trapiche n. 8,
( DAS
Messugeries imperiales.
Offerece-sc um rapaz de 16 annos para cai-
xero com pratica de nuudezas, e d fiador de sua
conducta ; quem quizer utilisar-se escreva em car-
ta fecliada com as inciaes A. S. esta tynocni-
phia. .
Mauoei Pereira da Cunda vai a Europa.
O Dr. Francisco d'Assis Oliveira Maciel,
cavalheiro da Ordem de Christo 3 juiz
de direito da Ia vara criminal desta co-
marca do Recife ]>or S. M. Imperador,
a quem Deus guarde, etc.
Faco saber que achando-se vago um dos
o.^cios de tabellio de notas desta cidade,
pelcf faetimento do serventuario Joao Bap-
tista de* S, 0 qnal olDciofoi criado pelo do-
natario DCWte Coelho, convido pelo presen-
te a quem pt entender lo cuTcio a apresontar
neste juizo no waao tar da data deste, *u petizo.datada e as-
signada pelo pretndante ou sen procara-
dor e awmpanbada > cer^o de idade,
4. Canoao del forta da opera Marta,
Tournerie- .
S." Terceto da. opera I Lombarbi, pelos Srs.
Taraburni, Cay a Soolari.
SEGUIDA PARTE
1." Ouvortura da opera Barbeiro de Setiiha, do
maestro Ressmi. -
2.* Terceiro acto da opera Marta de Rohm, pe-
los Srs. Tamburini, Goyo Tournerie.
. TERCEIRA PARTE
!. Phantasia para flauta, pelo Sr. Candido J-
nior. .
2." Cavatina da-opera Ernani, pelo Sr. Scolan.
3. Dueto da opera Bailo in masekeiw, pelos
Srs. Tamburini e-Coy,
4. Carnaval de Vneta, pela beneficiada.
5.* Terceto da pera Italiana in Argei, Papa-
taci, pelos.Srs. Coy, Tournerie e Scolar.
O concert era dirigido pelo eximio naestro
I. Smoltz.. .
, Principiar as 8 horas.
A bcnekiada ir agradecer n'um dos interva-
los a rodas-as pessoa que se dignaram aceitar ca-
marotes.......
At o dia 14 do corrente moz espera-se da En
ropa o vapor francez Guienne, o qual depois da
demora do costume seguir para Bahia e Rio de
Janeiro.
Para condiedes, fretes e passagens trata-sc na
agencia rua do Commercio n. 9.
Listrucco primaria
A abaixo assignada competentemente habilitada'
recebe rua do Arago n. 5, meninas para o ec-
sino de primeiras letras e de costuras : assegura o
melhor trataraento, dedcacao e interesse pelas
alumiias. Recebe tambem pensionistas e meias-
pensiomstas, tanto da cidade como do exterior.
Josepha Augusta de Castro Fonseca.
Para,
Para o indicado porto segu em poucos dias o
palhabote Rozita, por ter a maior parte da carga
e para o resto que lhe falta trata-se com o con-
signatario Joaquim Jos Goncalves Beltrao, rua.
do Trapiche n. 17.
Para o Porto
seguir com a maior brevidade possivel a mu ve-
lera galera portugueza Nova Fama II, por j ter
a maior parte da carga engajada : para o resto e
passageros, aos quaes offerece excedentes com-
modos : trata-se com Cnnha Irmds &*C, roa da
Madre de Dos n..%.

j\racaty
Segnird com a possivel brevidade o palhabote
Sobralense ; a tratar com S Leitio Irmads. rua
da Madre de Deas n. 1.
Rio de Janeiro
Para o porto cima segu com breviiade o pa-
icho uorte-allemao Amonitas, por ter parte do
u carregamento engajado : para o resto que
lhe falta tratase eom Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, rua da Cruz n. 57, i andar.
VERDADERO LE ROY
ddlDoctorSIGNORET.mckm,
ROE DE SEINE, 51, en PAR*.
Prix:6fE
w
Md
(aun Mo.
x ra~
mfldiis lia des-
pertado la codicia
dMn gran nmero
:le alaiflcadore. jpt
(auto debe exigir kl
VICMtklO ll Bot, CDfO
r*lnlo irapreip en n.-^ro sohr
un (ido lando de amarillo
lleva larnut tUr t u i,
ao cono ni neaol*" SIGNORtT
ihi (Mti ni ti.ru.
'. B.Sobn 1 oreho, 4ek*> del papel
tul aue lleva el aeUo fauaacii Coma
pajado _
por el Un* del ^r
cwlle de la boteO, /~L^'
tattUloTktoii
IIHO >U HMIIH
ror I-i I eTta de un valor
de 500 f.-intos aceptable so-
bre Pars 6 Londres, ae haca/
al mayor descuento posible.
^v?J^r'^
V
'
N
i


esquina
da ra larga do
Rosario.
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por precos que nenhuma outra casa pode vender. *U\
vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados.
A loja est aberta at s 9 horas da noute.
a
esquina
da ra larga do
Rosario. m
a
IIMA (lt\\M DESCOBERT
4K
deFIGADOdeBAOALHAU
DESINFECTADO
MEDALHA
DE
HONRA
DE BACAllHAU
DESINFECTADO FERRUGINEO
k. As A
As propiedades medicaea do oleo de figado de bacalao Corto uninime-
mente reooahecidas. Mts mo cheiro seo sabor tftp desagradareis tornlo o
uso d'elle muitas vezes impossivel, naioo tos estmagos os miis robustos
. os mais condescentes.
Por isso a descoberta do Snr. Ckvbier que lhe permettio de desinfectar
inteiramente o oleo de ligado de bacalhao sem alterar suas propriedades lem
ido um dos mais felizes problemas resolvidos pela tberapeutica moderna.
O oleo de fijado da bacalhao desinfectado de Chevrier, com um
cheiro agradavel e um sabor assucarado, o nico que nao tem nem gosto
nem cheiro de peixe.
Objecto de numerlos relatnos cientficos elle gosa em Franca de urna
fama bem merecida, e e receitado por todos os mdicos em lugar do oleo de
ligado de bacalhao ordinario. Tendo as mesmas propriedades do oleo de
figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle nos mesmos casos isto as:
Pobrera da anear,
Bafalfameata par cxeeaae d.
Irabalha en de pra/rrm,
Meleatlaa d* arsnrhloa rece-
ir* iu rkranlraa,
T.aaea aerllaaaea,
iaatrltea, aaatralglaa,
uarea de eataaaaaa.
i ralla eaarefnlaaaa.
laltkaaaa,
ha raer* daa atajadas.
Tlalra aulraanar,
alaleaUaa da palle
C eaalltuira Ijaiakallra,
taemia, debllldade, fraaaeza,
alaaresa,
Elle convem a todas as cempleicoes e a todas as idades, e tomada fcil-
mente pelas pessoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorro para .
alimentario das crianzas fracas e deentes. ,
Vva fllete) arrompanba radia vldro
Deposito em ParU, na pbarmacia de Chevrier, e em
O oleo de figado de lacaikau desinfectado ferruginoso d*
Chevrier constitue o melhor meio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau, aug-
menta a aeco to efficaz d'este ultimo, se dissolve mais fcil-
mente nos lquidos das vias digestivas, fe assimila muito mais
bem do que quando tomado sob a forma de pilulas, xaro-
pes, etc., enfim porde suas propriedades irritantes e nao pro-
voca a eonsipacdo.
As pessoas as mais delicadas que nao podem supportar as
preparacoes ferruginosas ordinarias, as quaes, principalmente
nos paizesquentes, tera muitas vezes grandes iuconvenientes,
pdenlo com a nova descoberta do Snr. Chevrier, usar do ferro,
um dos mais poderosos agentes therapeuticos, tomando-o
unido ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chkvrikr, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
sejado ; julgamos intil de os enumerar.
e conten ata obwervaroe* mar*llr*ie.
todas as boas pbarmacias de Franca e do estrangeiro.
= Na ra Direita n. 88, casa qne foi do falleci-
do Prannos, conlina-se a vender o verdadeiro
veame e a salsa do Dr. Tompsuii. ^^______
Precisa-te de um menino de iz a 14 anno.
para eaixeiro de padaria no pateo do Terco nu-
mero 38.
= Ko sobrado n. 2 da na do Imperador h
urna caria vinda do Ass para o Sr. Bernardino
Henriqnes de Oliveira. ^^^___________
.1U.
Na na estrella do Rosario n. 18, 2' andar, pre-
cisa-so de unta ama. ._____
Precisa-se
de una coztnhcira, prefurindo-se escrava : a tra-
tar na ra de S. Goncalo n. 26.____________
'. = D. Marianna da Conceiyao Perora, curadora
de seu marido Jofw Tertuliano Moreira de Ca va-
llio, declara, ior ordem do Illm. Sr. Dr. juiz de
orphaos, que nenhum debito de seu marido sera
pago, a nao ter sido contrahido com autorisacao
do juizo, o que annuncia alim de que nao conti-
nuem a vender-llies fiado-, como se tem dado l-
timamente. ________
AVISO'
Xa ra Nova n. 46, luja, precisa fallar-se com o
Sr. Jos Patricio de Castro a negocio que nao ig-
niiia.
No collcgio da Conceicao precisa-se de urna
engnmmadcira perita._______________________
Caixeiro
Precisa-se de um eaixeiro de 13 a 16 anuos,
preferindo-se dos cliegados ltimamente : na ra
|dos Pires, n. 50._____________________
I __Precisa-se de um caixeiro para taberna : na
' ra do Pilar, travessa do chafar n. 4.
= Na ra Direita n. 84 se dir quem da 5:000.
a premio com bypotheca em liens de raiz.
Precisa-se de tun criado : na iua Nova nu-
mero 46.
-i
, Aluga-se a casa n. 8 da ra do Jasmiui: a
tratar no segundo andar do sobrado u. 37 ra
das Flores. _____
55-RA DA IMPERATRIZ--55
0 proprietaiio d'este importante estabelecimento tem a honra de participar
ao rcspeitavol publico que tendo fgido d'esta praga a pessoa que se acliava na sua ge-
rencia, elle contraten para sua casa um perito ollicial que foi por muito tempo o pri
msiro official da importante casa Sulingre do Rio de Janeiro ; por isso espera o annun-
iante que todos ficarSo satisfeitos dos scus trabalhos, visto, alm d'isso, possuir no seu
estabelecimento as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar de que se faz uso
na Europa, e achar-se tambem prvido de grande quantidade de drogas escolliidas,
sempre de primeira qualidade e fornecidas pelas qasas especiaes de Paris.
Tinge-se, lava-se e limpa-se com a maior perfeicao fazeudas em pegas ou
em obras de qualquer qualidade que sejam, taes como l, algodao, seda, touquim,
pennas, chapeos de feltro e de Manillia ou palhinlia de todas as cores, etc. etc., e
tambem ra-se nodoas c limpa-se a secco sem molhar os tecidos.
Os senhores negociantes, logistas e particulares experimenten) que todos
acharo proveito e vantagens.
Tintura prela tergas e sextos- feiras..
GRANDE HOTEL
DO
BRASIL EPORTUGAL |{|(||j:,IV\i:illll


s- **
i
VALOR THERAPEUTICO
DO
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
DE GRIMAULT E COHIP.
Halaaaeatiaos a. A. I. o principe aTapoleao, em Varia.
A associacSe do ferro e da quina resol veo um dos mais importantes problemas da-pbarmacia,
6 fax em que se congratulam os mdicos dos relevantes servidos que lhes presta esta pre-
para cao.
Com effeito, ninguem ignora que a quina, em maleira medical, o melhor tnico que se
possa empregar, sendo, sobretudo, unido ao Pbosphato de ferro, a mais estimada das pre-
paracoes ferruginosas, pois que entram na sua composico o ferro, elemento do sangue, e o
phosphato, principio dos ossos.
Por isso, julgamos que, para os srs mdicos, serSo interessantes as observares feitas pelos
sens collcgas, os mais distinctos de Pars:
Este Xarope produz os mais felizes resultados nos casos de dyspepsia, chlorosis,
amenorrhea, bemorrhagias, leucorrheas, febrcstyphoidas, diabetes, e quando precisa
a restabelecer as torcas dos docntes e restituir ao corpo as forcas alteradas ou perdidas.
AUN AL, medico de S. M. o Imperador.
urna das raras combinad-oes que, ao mes/no tempo, satisfazem o medico e o doente. Em
c quanlo a mim, eu a considero como a mais cfGcaz preparad-So ferruginosa, cujo uso dos
c mais agradaveis para os docntes. >
CAZENAVE, medico do hospital Saint-Louis, em Paris,
c Com esta preparacao d'uma forma agradavel, e fcil de digerir, administra-se aos
doentes dois medicamentos importantes.
CHARKIER, chefe de clnica da Faculdadt de Paris.
Eu emprego com o maior xito o Xarope de Quina ferruginoso, e o considero como
urna das mais felizes innovac5cs, na mateira medical.
CIIASSAIGNAC, cirurgiio em chefe do hospital Lariboisire.
Este medicamento, sempre bem aceito pelos doentes, deo-me constantemente os mais
a vantajosos resultados. .....
HERVEZ DE CHEG01N, membro da Academia de medicina.
e A limpidez d'esta preparacao, o seu gosto agradavel, isento de qualquer sabor de
ferro, fazem d'ella um medicamento tSo efficaz como agradavel. >
MONOD, addido & Faculdade ds medicina.
Deposito em Pernambuco, em casa de Kaorar a C\
EPIDEMIAS
O LICOR DE LABARRAQU E um preservativo seguro em lempos de
pidemias: chilera, febre amarella, peste, typho, etc. Devem evitar-se as fal-
sificacOes as quaes sao a maior parte das vezes mal preparadas, sendo por isso
mais nocivas do que ute'is. Deposito em Parii, L. FftERE, 19, ru Jacob.
Em Blo-Jaaelro. Duponchee; H. Tetdorpf. Em Pornambaoo. Maurer.
- |5
Situado em um dos bairros mais centraes de Paris, sendo as immediac5es dos
principaes theatros e outros muitos divertimentos, e assim das estaces dos caminhos de
feri'o para todos os pontos da Europa, acabado de ser inteiramente renovado, nao se
temi poupado o seu novo proprietario a despezas para seu completo embellesamento e
aceio, torna-se portanto ventajosamente recommendavel aos senhores brasileiros e por-
tuguezes, a onde encontrar5o sempre aquella convivencia desojada em paiz estranho,
por ser constantemente frequentado por seus compatriotas. O tratamento superior a
todo o elogio, mesa redonda, ou a carta, ou servida nos apozentos; habitacoes conve-
nientemente despostas para familias, e quarlos para urna so pessoa, o servico feito
com a precisa regularidade : os pregos muito rasoaveis c ao alcance tambem d'aquellas
pessoas que se queiram limitar.
Gabinete de leitura com os principaes jornaes dos dous paizes, sal5o de recepgo e
de msica, etc. etc. Todas estas vantagens podem ser applicadas igualmente aos senho-
res passageiros das repblicas do Prata, porque alm da semelhanca da lingna, ali en-
contraro muitos senhores hespanhoes, por quem tambem esta casa bastante fre-
quentada. .
[i]
[DE LERAS DOUTOR EM SCffiNCIAS. J
INSPECTOR DA ACADEMIA OE PARIZ Etc
Debaixo da forma d'um liquido sem sabor.
anlogo a urna agua mineral, este medica-
mento rune os elementos que con.stiluem
os ossos e o sangue. E' o mais racional dos
ferruginosos; por esta razio o adoptario
os mais eminentes mdicos do mundo in-
teiro. Convem muito s meninas de temperamento delicado, cujo desenvolvimcnto tardo,
s senhoras que padecem d'esUs dores d'estomago intoleraveis, causadas pela chlorose,
anemia, menstruacao ou leucorrha, s crian cas d'uma compleicio paluda e delicada, e a
todas as pessoas que tem o sangue empobrecido pelas doeneas. Efficacia, rapidez d accSo,
cura perfeita, sem constipacio de ventre nem aoejo sobre os denles, taes sio as razos que
imperio para que os senhores mdicos o prescrevio aos seus doentes.
Deposito em Pernambuco, era casa de Maurer a O*.
ATTENtO
ao r
ARMAZEM l'EinIlIKilIr
86Ra das Cinco Pontas86
Thomaz Jos de Oliveira C. avisa aos seus freguezes .que foram, tanto desta pra-
ca como do centro da provincia, que regressou de sua viagem Europa no fim de de-
zembro prximo passado, e se acha estabelecido com um armazem bem sortido de mer-
cearia (vulgo molhados) de bons gneros, e por precos commodos e garantindo qualida-
de, pezo e medida, nos gneros comprados no seu armazem ; portanto pede e^ roga
que nao deixem de lhe dar a preferencia.
Ra do Rosario n. 79,
sobrado
Agencia de negocios da corle pa-
ra as proYincias e destas para
a cdrle.
Sob a direccao do advogado Francisco Carlos
Br.indao, acha-se estabelecida na cidade do Rio de
Janeiro, ra do Rosario n. 79, sobrado, urna agen-
cia de negocios da corte para as provincias, e des-
tas para a corta, a qual, pelo pessoal habilitado, e
meios de que dispoe, encarrega-se de todos e quaes-
quer negocios judiciaes em 1* e 2* instancia, como
accoes cveis, crimes e commerciaes, recursos, ap-
pelacoes, aggravos, revistas, defezas perante o
jury, reclamagoes de antiguidades de magistra-
dos, etc., etc.
Incumbe-se outro sim de liquidagoes commer-
ciaes, de verilicacoes, e ajustes de contas, de co-
brancas de dividas, de arrecadacoes de herancas,
de matricula de juizes, e commereiantes, e em ge-
ral de todo e qualquer trabalho forense, ou que te-
nlia de ser feito perante as reparli^oes administra-
tivas da corte.
Mediante as condi^oese garantas que com as par-
tes estipular, adianta dinheiros sobre as arrecada-
coes e direitos que lhe parecerem seguros, e l-
quidos.
Presta-se a fornecer aos seus committentes a-
informacoes que exigirem, e que puder obter, so-
bre assumptos e interesses que Ihes digam ress
peito.
Seus honorarios e commissoes serao razoaveis c
moderados, regulando-se pela importancia e dB-
culdades que offereeerem os negocios conunet-
tidos.
As pessoas que dos seus servicos se quizeretn
utilisar, poderao dirigir-se pessoalmente, ou por
carta ao escriptorio cima indicado, devendo na
segunda hypthese remetter os documentos que
tiverem ou copia fiel dees, e una informaco cir-
cumstanciada, escripta, e assignada sobre o nego-
cio ou negocios que tiverem de ser tratados. Alm
desta remessa os senhores que morarem fora do
municipio neutro, e em qualquer das provincias
deverao competentemente autorisar pessoa id-
nea, residente na corte, com quem a agencia possa
entender-se e validamente contratar.
O fiel desempenho dos seus deveres para com
todos, e especialmente para com aquelles, que ncl-
la confiarem, constitue o fundo capital, com que
a agencia principalmente conta, c por isso tem o
mais vivo interesse em mante-lo, e ha de zela-lo
rom a mais vigilante solicitude.
1NJECGA0 VEGETAL
com MATICO
de GRIMAULT e C? pharmaceuticos em PARS
O successo d'esu injeccio, preparada com as folhas do Matlco do Per, foi tSo rpida), que
ella se tem tornada popular em todos os paizes do mondo, para a cora da gonorrha e das purga-
coes de toda a natnreza. E* o nnico producto neste genero coja entrada na Russia tenha sido
autaorizada pelo conselho maioo de Sio Petersburgo.
Deposito em Ptrnambuco, em casa de Mawat O*.
__
Sob urna forma lmpida e agradavel, este medica-
mento rune a quina'qne o tnico por excelencia"
e o ferro, um dos principaes elementos do sangue. E
adoptado pelos mdicos mais distinctos de Pa s, para
curar as cores paludas, facilitar o desenvolvimento
das meninas e restituir ao corpo os seus principies
alterados on perdidos. Faz rpidamente desapparecer
as dores d'estomago intoleraveis suscitadas pela ane-
mia ou pela leucorrha, s quaes as senhoras estio
tantas vezes sujeitas, regularisae faeilitaa mens .ruacio,
e receitado com successo s enancas partidas, lym-
ibaticas ou escrofulosas. Emfim, excita o ippetite,
avorecc a digestio, e convem a todas as pescas cajo
sangue est empobrecido pelo trabalho, pelas moles-
tias, as convalescencas longas on difceis. Os bons
resaltados nunca se fazem esperar.
Deposito em Perntmbuco, em cau de Kaava* a O*.
Paris, 36,RaVvienne, D*
CHABLE MEDECIN
ASKMTCaiUDADAS DESSKXUAES, AS ATKO
COKS CUTAMAS, E ALTKUCOESDO SANGUK.
--------------------^300O0carada$Mnpwviai
pstulas, herpes, sarna
omixoes,acrmonia,4aU
Vercoes, viciosas do san-
mmgue; virus, s alteracoe*
do sangue. (Xarope vegetal sem mercurio).***
ralivaa Te(aea BA1VIM MISBMEi
tomao-se dous por semana, seguindo o trscunh
Depurativo : emnregado as mesmas molestias.
*n Este Xarope Citracto ds
ferr de CHABLK. cara
inmediatamente qualquer
DEPURATIF
dxi SANG
purgacao, relaxacao,
e debilidad!, igual-
PLUS DE
COPAHU
ente os /luro t flores brancas daa alhera
Esta injeecao benigna emprega-s com o xartpe ds
Citracto de Ferro.
eaaarraiaaa Pomada qne aa cara em tres das.
POMADA ANTIHERPETICA
Contrai aas a/feccoet cutnea comixoes-
PILULAS VEGETES DEPURATIVAS
o av CaaMa^wiia tiko tai sMempsaad* 4
um oUisto.
Nutrimento
MEDICINA!
PRF.PAIUDO POR
.anian & Mentp
PARA
Tsica e toda a
qualidade de do-
eneas quer seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Express a-
mente escolhidt
dos melliores fi-
gados dos quaes
se extrabe <>
Oteo, no baa*
da Terra Nova
purificado chi-
micalmente, e
suas "valuaveis
propriedades
conservadas
cora todo o cui-
dado, era todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido submettido
a um exam-
muito severo, pelo chimico de mais talen-
to, do governo hespanhol em Cuba, e foi
por elle a conter,
MAIOR PORCO DIODINA
do que oulro qualquer oleo, que elle tem
examinado
IODINO E' UM PODER SALVADOR
Em todo o oleo de figado de bacalbu.
e naquelle no qual contm a maior porc3o
d'esta nvaluavel propriedade o nico
meio para curar todas as doeneas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Tsica, bronchites, asma, catarruo, tosse,
resfriamentos, etc.
Uns poucos frascos d carnes ao muiUi
magro que seja, clarea a vista, e d vigor a
todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodandt
quasi nada o estomago.
As pessoas cuja organisaco tem sido
destruida pelas affecces das
ESCRFULAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas cuja digestSo se acha com-
pletamente desarrapada, devem tomar
O OLEO DE FIGADO DE BACALHAO
DE
Lanjatan & krmp.
Se que desejam ver-se livres e isentas
de enfermidades.
Acha-se veuda nos estabelecimentos
de A. Caors, J. da Conceicao Bravo & C.
M. A. Barbosa, P. Maurer 4 C. e Butholo-
meu & "C.
E em todas as principaes lojas de perfu-
maras e boticas.
CURA DOS CALLOS.
PELA
Pomada galoupeau.
Deposito especial
Pharmacia de Bartholomeo C.
34-----Ra larga do Rosario34.
V
H-


M<'
Diario Pernimlnrc Satibad 13 de
evereiro

de 1869.

*
I Ferrelra Tllela.]
Photographo da* tasa imperial
premiado em dVersas exposi-
<;oes.
Na sua photographia rua do Cabug n.
18, entrada'pelo pleosla matr tira retra-
to! por iodos 'os fstefias plio|Dgraphicos.
Em porcelana Rm>idro
Em talco Em papel
/fLUVT ES DE VISITA A 9$ ADL'ZIA.
- Bs retratos corto-deleite sao collados
eu carto de luxo bristal ou porcelana,
mirados ou lithographados, quadrilongos
u yinhetas para oque exisle urna varieda-
de de 12 modelos a cscolha'de quem se re-
tratar. Para as outras especies de retratos
tomos caixinltas, pasm-jtiH-touts, qudros
inolduras' domada? epretas cassoltas de
Oro e alfinetes simples e com pedras pre-
isas, havendo nos alneles urna mimosa
variedade de feitios.
O nosso estabelecimento photograpbico
esta sempre cm dia rom os mettoramentos
e progressos que na America do Norte, na
Europa ou no Rio de Janeiro se consegue
na arte photographiea, e para alcancarmos
tal fnn nunca poupamos despezas nem sa-
crificios, de sorte que os nossos numerosos
freguezes podem ter a certeza de que sem-
pre encontrarao em uosso estabelecimento
tudo quanto a arte e a moda offerecer dw
bom no novo e vellio mundo aos amantes
da photogiaphia.
Joaquim Jos Gon-
calves Beltro
RUA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ran-
eo do Minho, em Rraga, e sobre os segua-
les logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimares.
Coimbca.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde. "
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.

Villa Real.
Villa-Nova de Famalco.
Lamego.
Lagos.
Covilliia.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Reja.
Rarccllos.
V
EuslaM de arMMietlea, algebra e
geometra.
O hacharen fiwriliwito asent Borges odinh,o
de Assis, asina estas materias no primen andar
4 casa a. f, srtana rua Nova, das 7 1/2 as 8/2
lioras da matiza aos senhores" eldanles que. ite-
sejam faadrexaiae no colegio da* arles, e das 7
l/x as 9 da ttoite aos sniores eiaprepidos no cot>
iBercio._______ _-
Trocam-se
as notas do banco do Btasil
edm desenlo nratto razoavel.;
pendencia n. 22.
e das raixas iliaea,
mt praca da lude-
GRANDE HOEL
M ORIENTE.
Iuatigurou-e esto oommodo e elegante
estabeeciment d'ondd os seus-frequenta
dores poderlo apreciar a especialidade. na
eonfecrlo dos generes alimentidos.
'As bebidas sao as mais primorosas e re-
commendadas.
A decencia e bom servico primam n'esta
casa no bello gosto oriental.
-Mandamoe- domicilio oemedarias, tan**
avolso, como por assjgrraftrra mensa. "OS
precos sao mdicos e convencionaes.
Ha urna espacosa e bonita sala para o
elegante jogo de bilhar.
lia tambem aposentos commmodos e bem
mobilliadus para hospedagem.
Rua larga do Rosario
n.44.
Ama
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
prar, preferindp-secscrava : na rua do Livramen-
to n. 4, loja-
iTiLiiitiu:
Aos 500 pares de brincos.
Cliegoa e Vcnri-se no Coraco.
d'Ouro, rea do Cabuga, brincos de
mosinhas com urna franja penden-
te a um jaco desenlio e onro de
lei, pelo pequeo preco de 13^000
cada par. jiaratissimo.
fCHSl
vende-sc urna
No sitie n. 1 da Passagcm,
escrava de meia idade.
a-* .------------. ....----------------.-----------------
Pracisa-sa d um tiahalhador capaz para
trata}- de um pequeue sitio, prefere-se casado : a
trufar na rua Nova n. I!>, 1 andar.
Precisa-se alugar, para o servico ex-
terno de urna casa, urna preta e um preto,
escravos, nSo se exigindo que tenham ha*|
bilidades, a tratar na rua do Crespo n. 8u
(iKA\D IWTEl
i
1
Pateo da illbeh n. .
Osdonos deste mui-acreditado estabe-
lecimento partecipara- ao respeitavel publico
desta heroica cidade. qne se eucarregam
de mandar levar, comida em casas parti-
culares com menos O % de que em outra
qualquer parte, e garante a decencia bom
servico, que para isto tem um bom cosinhei-
io Fumara.
SEGUROS
MARTIMOS
CO\TRA FOGO.
A Companla Indeinnisadora, estabelecind
nesta praca, toma segus martimos sobre
navios c seus earreg*mentos c contia fogo
em edificios, tetvadors c mobilias: aa
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
BARTHOLOMEU ft C.
LJ
P.VR\ LSO IJ
1epaii|do%.
:rno
S MTLE8
rss

rr.
Do xaiopc \ cgeiad Auierl* ana. eapeelalldade de Vartholomcn 4t C.
3i-rWIA LARGADO ROSARIO"3i
Nao costumnof procurar attestados para acreditar nossos preparados e dei-
x;unos que sua applicacSo e os resoltados obtidos pelas pessoas que se dignaram |cceta-
los, Ibesdeem crdito evoga; Borque alo sempre os attestados considerados gratuitos,
e-dWles^ie lancamo ocluratanirt; mes, nao querendo ofl'ender as pessoas que
espontneamente nos offereceram os que abaixo va Iraoscfiptos, os lizemos pabli<*r,
manirestando-llies nossa gratido pela attenco, esierand* que venham elles corroborar
o cenceitOj e acceitaco que tem merecido nosso xdrope.
, Bartholomeu & Or*
ATTESTADOS
Illms. Srs. Rartliolomeu & C. com a mais subida satisfago que daclfero
eroxarope Americano de urna'afllcacia extraordinaria, pois que soffrendo ha Olas de
intensa tosse, ponto de nao. poder dormir a norte a desparto- raesmo de medicamentos
qpe tomava, a alorecorri e natercelra colher fui aiviado, e de todo me arlio hoje res-
tabelecido eomuso somente de quasimeio asco: grato, pois/ esse resultado uani-
todb a Vt. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venwaxlor'e obrigado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1898.
Illms. Srs. Rarlholomeu 4 CPenlioradissimo com o favor que me Iterara
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua romposico, quando me adia-
va bastante doente de urna constipaco, que me tornou comjjletamente roino p que
tronxe urna forte'tosse, c me impossbflitou de rumprir os meus deveres de cantorda
empreza lyrica, vou agi-adeoor-Uies meu completo restabelecimenlo, qae-obtrve coa ora
iMriiwUetiv*~ll-^ vidcado-esau.iarpe, c\nm.de Laver reoonitka umU*imAtmmim. gesejarei
' que ontros como eu recurrara ao seu xarope para se verem alliviados de tie terrivel
iacommoe,.tlD fatal aeate pa. Com rnaior consieraoo coitino a ser de' Vv. Ss.
atiento, venerador e olirigao.Luiz Cremena.
Recite, a-de getembre de MW8.
Illms. Srs. RarthoFomeu & C4HrflTie Vegetal Americano que Vv. ^s. tecm
eiposto venda de toda efficaca*$ara o flnrttivo d'asthma, conforme obsertei appli-
cando-o a meu filho Joaquim,jBenor de quatro anuos; victima d'esse flagello, que at
ento por es[iaco excedente a dous arnios havia resistido a outros xaropes de grande
nomeada. Queiram, poig, Vv. Ss. acceitar a expressSo altamente sincera de meu reco-
nhecimento ao meritorio servico que llie prestaram com o indicado xarope, acreditan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attehto e obrigado.Americo Netta, de Mtndonca.
Recife, 2 deoutobro de 4668.
Xarofle de urubiba garrafa. 1000
Vinho de Jbrubeb g^rVaraT" TODO
Pilulas de juruUeba tiro. 1)5600
Tintura de jiirulad vidro. (iO
Entrad hydraooolifode juw*#. 12^509
^^^i HlEPAItAnOS COMPOSTOS.
Vinho de jianbeba ferrugkiaso garrafa. 2000
arope de jurubeba ferruginoso garrafa. I600 rj
Uda&ttjurntW^nQi&ividi. m rfjien
Oleo de iurulteba vidaos. r 6W
Pomada de jurubeba pote 640
^-.Cv^^ ^ Emplastro de iurubeBa libra. 25500 k.
PA1A USO'EaO
, AU A JURUBEBA.
Esta planta hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excel-
lente desobstruente, e como tal apj)lica4a oof engorgitamento do fjgado e baco, as
hepatites T)fopriamente' aftas, Ou aida complicadas com anazarchas, as imlaramacoes
ubiequeuUS as fetres intermitentes ou durezas, aps abcagso atarnos, nos tumores os-
penalmente do tero e abdomen, nos tumores gtondulesos, na anazarcha, as hodrop#
zias, eryspelras ; e associada afs prdparacoes ferruginosas, e anida de grande vantatrem
as anemias, chloroses, faltas de menstruacir, Iqwwheiw,
estomago, debilidade orgnica e pobreza de salue, etc.
O que dizemos alirmam os mais disletos mdicos flesta dade^ e|lre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Nmos, Aquino Honseta, Sarmen'X), Sene,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Sirva ele. Tedos elles reconliecem a excellcncia d'este
poderoso medicamento sobre osderaais at Ik# conhecidos para-t8os os casos citados,
tanto que todos os das fazem d'elle applicacal.
Apresentaido aos mdicos e ao publico ero,-feral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por lim generalisar mais o uso d'este vegetaJ, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes e uaar dos preparados empricos d'elle, e
mais das vezes.repugnantes a tragarem-se, e fie tinham anda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a appcar-se, o que torna muitas vezes improflcuo um
medicamento, que judera produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apreientadosdepois dehavermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias preeieas para bem conhecer as pro-
priedades medicamentosas d'esta planta em soas raizesv fome. Eructas ou bagas, e a
dose conveniente a applicac5o, tendo alm d'ito procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeicSo possivel, para o loe nao poupamos sforcos, Rao nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar. ?
Por tanto os que se dignarera recorer aos no$sos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de qoe se pode encontrar, a prompta e infalli-
vel cura de qualquer dos soffrimentos, que debamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de cscolher as nossas va-
riadas preparares, aquella que melhor lhe pode oowvir, j pela fcil applicacao, e j pela NV5SR>A DO'IMPERADORN. 5*.
complicaco das molestias, idade, sexo, ou airida natureza de cada individuo. Os pianos dista antiga*fabrica sao hoje assE conhecidos para seja necessario
As nossas preparares ferruginosas sao feitas deforma que se tornam comple-1 insistir sobre sua superioridade, vantagens e garantas que offerecem aos compradores,
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompostos de feiro que qualidades estas incontestveis, qne elles tem definitivamente conquistado sobte todos
como taes esto hoje recoohecidos. os que tem apparecido nesta praca; possuindo um teclado emachinismo que edecem
?13(a(B^
DE
-
I'I.IMOM
. V1GNES


Para aquedes que mais minuciosameiite queiram conhecer as propriedades da
jurubeba, e 6aberem, a appllcac5o de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folheto, onde tratamos,mais extensamente d*esta planta e dos deste Paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas e por isso morto agradan is aos
todas as ventados e caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por serem fabricados
de proposito e ter-se feito ltimamente melhoramentos importaossimos para o clima
mesmos preparados.
kDeposito
geral de t(Wos os preparados
Botica e drogara
34Rua larga do|losario~-i4.
DOENCAS DO PEITO
XAROPE D'HYPOPHOSPHITO OE CAL
ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as eneommendas, tanto nesta faliriea como na ' del, de Paris, socio correspondente de J. Vigncs, emcuja qpital foram semprtl premia-
dos em todas as exposces.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um esplendido e tariaflo sorti-
mento de msicas dos meMiores autores da Europa, assm como harmnicos pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commodose razoaveis.
Fil UVll l1 II
Os donos deste novo hotel participam
ao respeitavel publico, que os seus frequen-
tadores podero apreciar a especialidade
dos gneros alimenticios, e tambem rece-
bem assignantes e se encarregam de man-
dar comida em qualquer casa, todo por
preco muito commodo.
|No pateo da Ribeira n. 9.
Precisa-se de um nioleque de l a 14 annos
para sen-ico externo : na na Direita n. 79, loja.
ma de Irile.
Precisa-se do urna : na rua da Penha n. U, 1"
andar._____________
O Sr. Antonio Francisco Duarte queira appa-
reser na rua Direita n. 58, a negocio de scu inte-
resse.
PREPARADOS DE tILUK
llil .lll:lll!FJ
N. 3 RUA DIREITA N. 3
As pilulas, o xarope alcohlico e
o ethereo de veame, conforme a
formula do finado pharmaceotico Pa-
ranbos, assim como a pomada con-
tra as inchaces erysiplosas, acho-
| se venda, na boca de Francisco
E Antonio das Chagas na Direita n.
[ 3, defronte do armazem de molha-
| dos denominado viado branco. Es-
tes medicamentos teem sido e s3o
dos mais enrgicos agentes auxilia-
dores da natureza na debellaco das
doencas, servindo de grande alivio
a humanidade soffredra, principal-
mente aquelies, que dispondo de
poucos recursos e nao podendo por
muito tempo permanecerem em um
tratamento talvcz intil, pela inefli-
cacia de certos remedios, recorrem
elles; e por isto asss recom-
mendados se torno, para aspessas
que 5olfrem de rhumatismo, escro-
fulas, ulceras, impigens, erj'sipla,
['tumores nos ossos. tosse, asthma,
amenoiiha ou suppress3o de mens-
truo e menstruaco dificil, sendo
porem usados conforme a direccao
escripia que os acompanha.
Collegio de S. Francisco Xavier
Estahelecido na grande e bem arejada casa
onde estove o Gymnasio, na rua do Hos-
picio n. 3, dirigido pelos padres da
companhia de Jess.
O reverendo padre director daste collegio scien-
tifica aos pas de sens aliunnos edos deinais que
quizerem confiar-lhe a edncacao de seus filhos,
que no dia 3 de fevereiro conierarao a fuccionar
todas as aulas, aelundo-se abertas j as matri-
culas. Recobertt-so meninos de C a l annos
Sara seren instruidos bis materias preparatorias
as facilidades do imperio, a saber, primeiras le-
tras e lingoa nacional, geograpliia c historia, ari-
tlanetica e geometra, ingle/., francez, (da-te infe-
rior c superior), latm, da-se intima, media e su-
prema, isso a pralica da prosa e da poesa), e
ilnalniente humanidades ou a introduccSo a rheto-
rica, que coinpreliende os tratados do estylo c da
elocucoquer em prosa querom poesa asduas
lingoas latina a nacional. A monea para cantu-
ra-e para todos os iustruraentos de sopro e cor-
das, assim como as lingoas allemaa, italiano, gre-
ga, ebraica serao ensilladas pedido dos seuhores
pas.
ATTENCO
Tendo sabido da cidade do Recife no dia 28 do
passado o escraro izidoro, preto, de nacao Angola,
magro, estatura mediana, penca barba", idade de
40 a 48 annos, embriaga-se muitas vezes, trazen-
do um bah de couro, succedeu sor visto no dia
30 nos limites dos engenhos Maeuj e Palmeira
deitado ao lado da estrada, tendo o balui junto a
si. Como at o presente nao tenha chegado ao
engenho Garana freguezia de Santo Amaro de
Jaboatao, suppoe-sc ter sido furtado o dito bah
e que por isso tenha elle fgido. Roga-se pois a
pessoa que tiver noticia do bah ou do escravo,
de mandar trazo-Ios ao dito engenho pelo que ser
bem recompensado. O bah eontinha algnmas
calcas e colletes de panno preto, outras brancas,
um paletot grosso de invern, outro de brim, len-
cos, meias. collarinhos, mnhos, camisas, ceroulas,
irascos de cheiro e de oleo, sabonetcs, eseovas de
dentcs e de cabellos, seis pares de luvas de pelli-
ca, um par de botinas de bezerro, seis lvros en-
cadernado?, tendo as costas as iniciaes R. H.,
um alinanak da provincia deste anno, urna caixa
com papel e outra com capas de carta, urna car-
teira comas iniciaesC. B. R., urna charuteira com
as iniciaes F. S. C, duas cartas com subscriptos
aos Srs. Francisco Manocl deSiqueira (^valcanti
e Christovao de Barros Reg, urna caeta de prata.
algumas imagenszinhas, alguns rosarios e varios
outros livros e objectos diversos.
A efflcacia destej paiMi>eM(lbelecidamde46o7, seles mtis cetres mdicos. Dc de
ento muitas imitaeoes tem sido feilaa, mas nenhuma poude nstentar a comparacSo com o
producto apresentao pela nossa ca. Por isso excitamos .o pttblico paw que exiga sempre
este xarope com ama belia e6r de rdfea, nunca branca, c eom soasa assignai ura roda do
frasco.
Sob a sua infloeacia, a toase acalma-se, os snores nocturnos cesso e o doente volve rpida-
mente sade. 0 sen emprego d tambera os mais brilbantes resultados nos defluxos, catar-
rlios, bronebites, irritacSes do peito, etc.
Deposito em Pernamlmco, em casa de atr*r o*.
tRATIKflMO
Calcado nacional, na fabrica da los Vicente
Godmho &C., rua do Jardimn. 19, aviaam aos
seus frejniezes desta capital do interior, que con-
tinuam a fabricar calcado em alta escala, e offe-
recemas nielliuri-s condi'ides, tanto em preco couiu
em qualidade. Os proprietaiios d*te estabeleci-
mento cluuuam a atUmsio dos senhorea consumi-
dores do Interior, que os qukercm honitr eom
sua fregueela, especificando em as pedidos a
qualidade e numeracao, oflerecendo-se para os en-
tregar bem acondicionados cm casa de seus cor-
r^spondentes nesta praca.
Lagdo para cal<;a A tratar na rua do Apollo n. 4, escriptorio.
ESCRIPTORIO DE ADVOCACIA
2rjRua larga do Rosario26
0 advogado bacharel Ayres de
Albuquerque Gama tornou a abrir
o seu escriptorio na rua larga do
Rosario n. 2G: onde pode ser pro-
curado, qualquer hora, para to-
dos os misteres da sua proQsso.
Illa. ata
AMA
Precisase de nina ama qne saina bem cozinhar,
e qne seja lie!, preferindo-se escrava : na loja da
rua Nova n. 11 ou 21, 2 andar
AVISO
HOTEL
DA BOA FAMA
Pateo da Ribeira n. 9.
N'este novo hotel naver todos os domin-
gos e dias santificados mao de vocea mais
barato de que em outra qualquer partea
Precisa-se alugar um nioleque : na rua'd
Cabug n. 2 B.
Frederico Blaia
escola
ao Sr. Sebastiiodo Reg Barros que o seu escra-
vo Ladislao. ausentou-se do armazem d'onde o
senhor o tintia alngado, logo no dia seguinte, e
como nao saiba sua morada deseulpe avisa-lo pelo
jornal.
EscriptOFio
Gomes de Mallos Irmaos estao com o seu es-
criptorio aberto na rua do Vigario n. 26, I" an-
dar : propoe-sc a qualquer consignaco, menos
de escravos.
AO PUBLICO
Leude e?tc Diario de 9 do corrente, deparo eom
men nome na lista de supplentes de eleitore da
reguezia da Boa-vista, o que muito me admirou
por nao ter previamente sciencia alguma, nem ter
sido consultado a respeito, quando por t em
iferentes pocas sempre fai ourido, e tMeatiim
;.s minhas desculpas ; e como nao autorisasse pes-
la algnma para fazer-mc sdnelhante honra, ra-
zio esta por que declaro ao pobtico nSo aceitar
dito encardo.
__^^________Manoel Joaym Wag.______
Preebia-se de mu menino de II a 14 aunes
. Sebastao Olegario Lamenna l,iu dootam ao
publico o a eawy du eawereio. ipa lem justo a
taberna (fe rua Di ra ta dos Afogados n. 42 perlen-
cente a Jse de Souza Pofwra, e re algucm se
julgar com direito a memia aprsente no przo
de :i das a contar de Iwle. Recife f3 de fevVifei-
ro lie 1869.
YlaMAA til 11 Mi I ||C
WflTelra.
Os udministradores da massa fallida de Joaqoim
Jos Sllvera ertSio aatoriswlos pelo Sr. Dr. juiz do
commnrio a p.i!arem o i" dividendo da mesnia
massa a razo de 2 e meio a 3 decimos, para o
que poden os credores se dirigir ao escriptorio do
Dr. Jos Bernardo Galvao Alefbrado.
riniri5 dentista pela
de medicina
do Rio de; Iauciro..
Tem a honra de participar ao respeitavel publi.
co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o
seu gabinete de consultas e opera rua Direita n. 12, primeiro andar, onde |Kid si
Srocurado todos os dias das 8 horasO* mancSa. as
da tarde. Elle acha-se compeenteMent ttaliili-
udo para com perfeicio collocar denles arflnciaes
por qualquer dos systema, e bem assim desempe-
nhar quaRper outro trabalho concernente sua
profissao. O mesmo, reeonhecendo que nem sem-
pre possivelg senhoras oo criancas saWreni I
proettar o remedio, efferece-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tar a qualquer chamado tem que ssoinflua coima
alguma na coramodidade dos precos de seus tralia-
lhos,e quando para Irjra della assim mesmo sera
precedido de um ajuste ramavel, garantindo elle a
seguranca e perfeicao de eu ditos traballtos. Km
seu gaoinete se encontrar constantemente excel-
lenteps dentifricio, elixir e outros medicamen-
tos odonlalgicos : riMt.ftireiU a. 12, primeiro
andar.
mk 1)4 FORILXA
Aos 4:00(1 i
Billetes garantidos.
A rua do Crespo Dv3 e casas do cestume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos seus
muito Mizos nilheles garantidos umnk-io n. 41112
oom asorte de 4:6064 ; um nMio-a.,883 com a
sorto de 700*. ious fprartos n. 89 com a sorte de
202a e outras muitas Borles de 1005, 40l e 204
da lotera que se acabou de extrahir em bene-
ficio do patrimonio dos orphaos (94.*) comida
aos possuidores a viran receber seus respectivos
premios sem os dsconfos das leis na casa da
Fortuna rua de Crespo n. 23.
Acham-se a wnda os da 4* parte da lotera em
beneficio da matriz de Jaboatao (9o) que se ex-
trahir segunda-feira lo do correnie iiiez.
Precos.
Billiete.....4*000
Meio.....21000
Quarto.....lioo
Em porcae de 100 para cima. I
Bilhete.....3*500
Meio......1*750
Quarto..... 875
Manoel Martms riuza.
RUA LARGA DO ROSARIO 37
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia em dia quanto possivel para che-
gar ao cume do bem viver.
Alm dps sabonisos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e hygiene, temo-la sempre cm abun-
CSMITERI., E PETIT RESTMRWT
Annexos ao Hotel Central, rua estreita do
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infinita
de charutos de llavana, Babia, Rio, etc. que
existem neste novo estabelecimento pres-
cindimos dos annuncios pomposos que ge-
ralmente se fazem, reduzindo-nos apenas
tres letras que s3o tres bbb bom, bonito e
barato. A' vista do genero annuncado po-
dancia para facilitar excellentes banhos. I de-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
Ha tambem urna boa bihliotlieca e perio- gosa tambem das condices de um elegante
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para e pttfl restaurant onde se pode ver a es-
recreio, buhares, etc. etc. pecalidade dos fiambres e salames de Lion
Sendo ociosa qualquer recommendacSo para lanches e at fazer urna boa colaco,
para t3o acreditado estabelceimento, omit- juntamente com os principaes vinhos do
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bom a pura
fim, que o bom servico, ordem e moralida- e fervcnle champagne, o mui saboroso Rhe-
fle imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa ceneja, o licor espirituoso,
fiel do regulamento que possue. o quanto pede urna mesa. Faz-se noute
Comedorias a la. carte. soneto e variedade de refrescos.

O advogado Dr. Antonio de Vajs-
concellos Menezes de Drummond
tiansferio o seu escriptorio para- a
rua do Imperador n. 20,onde pode
ser procurado todos os dias uteis
das 11 horas da nianhaa at as 4 ta
tarde, para os misteres de sua pro-
lissSo.
EFFICACIA
DO
Em S. Jos do Mangunho, sitio n. .
precisa-se d'uma boa eagommadeira 1 forra
e que seja de boa conducta.
= Precisa-se de um pequeo para caixeiro de
taberna prefcrindo-se dos ltimos chegados do
Porto : na praca da Boa-Vista n. 17.
Precisa-se de urna coamheira fon ou ep-
a uva. que calenda bem da.- seu ollici > : a tratar
na na do Commercio n. 8, andar.
Aluga-se um segundo andar de um sobrado
o*a% do lamo*, e'um terceiro andar da rua da
Praia : at*taia rua da Imperatriz n. 63, se-
gnodoanda|.
java caixe'* Ue taberna: na rua Imperial a 213.1 imperador n. 40.
O atanco a?signado faz sciente a todns as
pessoas- que se julparem credoras da taberna sita
tralvessa da Senzala-velha n. 6, que no praso de
8 dias apresenlem suas coBtas conferidas -pele ex-
admiaiftrader da refeda taberna lfnmemm im
da Silva Saatw. para urom pagas, fteoife 12 'de
teveraio de 1889.
t Francisco Airee Monteiro Jnior.
freoao-aedo aa atoa nwo^nprar eo-
nntiar para casa de rapazes solteiros :aa rua do
Preeisa-se de um pequeo de 12 a 15 annos
de idade para criado e que d de sua conducta
nanea : a na Direita n. 1!, andar.
Queta qnizer ser fe,tor de um sitio, assim
como qnem tiver um escravo, e qnizer alugar
para servico de campo. dirija-e ao largo da ri-
bdira de S. Jos, a tratar no sobrado o. S.
~- Precisa-** aiupar nm sitio grande eom Mw
cam de vivenda : a tratar na rua da Imperatriz a.
SoVloja.___________
0 muzeo de joias
fia#ua do e peds prwhsasper precos mais vaBtajsos do
qne eiii outra qualquer parle.
XAROPE DE RBANO
0 Xarope de Rbano iodado da Grimanlt e C, pharmacentico de S. A. I. o principe
Napeleao, em Paris, preparado eom o sueco das plantas aa-escorbuticaa cuja eficacia
muipopalar.
Encerra o iodo como combinaclo orgnica, e considerado como o moilMt MKcedaneo
do oleo de ligado de bacalhao.
A rara pirfeicao d'este producto anima-nos a dar a conhecer aqni a opiata* de algnm
d'antre o pncipae* mdicos de Paria, ane diariamente o preserevtm.
pi-mcipaea mdico* de Paria, ^oe diariamente o preserevtm.
< 0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento d'nm effeito suave e seguro para 'a
meninos, nao smente suppreo oleo de figado de bacalhao, mas anda faz
medicacao dos
as na* vezes eom vanta
DA. CAZEN
em.
VE, medico em chefe do kospital Saint-Louit, em Varis.
0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento de primeira ordem para o tratamento da*
affeccBea Irmphaiicas e escrofulosas. Muitas vezes, empregnei-o com feliz xito, em certos
* casos de tsica ao sen principio, como succedaneo do oleo de figado de bacalhao.
IV A. CHARRIER, antige chefe de clmica da t'aculdade de Pars.
0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excellentes resullado* como regenerador
do tugue, e succedaneo do oleo de figade de bacalhao.
A' A. FATROT, autor do TraiU du maladiet das femmet.
< 0 Xaropt de Rbano odado nm dos mais poderosos modificadores das cen&titiicjSes
lymphatictis. Tenbo visto ulceras escrofulosa* que nada poda curar, cicatrizarem-se,
c grecas a sua accao, com promptidio extraordinaria. Tambem, peto seu aso desepparecem
as affeceots tuberculosas dos ossos, nos meninos. >
D* GUESNARD, antigo extern dos ketpitem dt Por*.
* 0 Xarope de Rbano iodado possue todas as vantagens do oleo de ligado de bacalhao,
c sem ter nenbum dos inconvenientes qne aprsenla este ultimo medicamento. *
D' GU1B0UT, medico de* hotpium. Presidente da Sociedad de medicina di Pon*
0 Xarope de Rabino iodado de Grimanlt e C* encerra ti8 parenlo de lodo, na toa
' >ga i que se acha no oleo de figado
< KLETZ1NSK1, profeuor de ehymica, louvado des triemnam da Viemm.
composici orgnica anloga que se acha no oleo de figado de bacalhao.
"LETZJN8KI, profeuor de ehymica, buvade
Deposito em Pernumbvco, em casa de Manrer a 0a.
= Preclsr.-se de urna ama que cosinhc
goiiHne : na rua de S. Francisco n. !>'*.
e en-
rVecisa-se.de urna ama para o servico interno
n. 14, i- aadar, entrada polo beceo Largo.
Antonio Augusto Ferreira Luna convida aos
seus amigos e prenles e aos de seu primo ra-
piao Joo Barbosa Cordciro Feitosa, fallec do no
Paraguay no combate de 6 de dezeuibro, a ouvi-
rem urna missa que por alma do mesmo manda
dizer no dia 13 do corrente, as 7 horas da manhaa
na matriz da Uoa-Vista. _____
^^baix^Sgnaaoroga^^utondaa js po-
liciaes ou a qualquer outra pessoa que apprehen-
dam a escrava com os signaes abaixo declarados e
se dignem manda-la entregar rua da Roda S
andar da casa n. 17 ou rua do Imperador n.
12 em scu car-torio, Raymunda, cabra, de 22 an-
nos pouco mais ou menos, estatura ordinaria,
bastante robusta, cabello carapinho, denles claros
e perfettos. ps regulares e perfeitns e com a mo
esquerda aleijada em 3 dedos. Fugio relinda
urna sala de chita escura, corpinlio branco t cha-
r de bonina ja um pouco dosbotado, nonsta
que vaga em companhia de nm soldado pe;, rua
Imperial, Cabanga e outros lugares circumvisi-
nhos.
Joaquim da Silva Reg.
FRANCA-BRASIL
>
MR. MERCIER, alfaiate francez, previne ao respeitavel publico e a seus numralos fregue-
ses que, tendo transferido sua residencia para a rua do Trapiche n. 7, primeiro andan, ah|ocontrarae
sempre todas as qualidades do fazenda para rajos de liomein, prepara costumes para montaria de
senhora. Faz tanJiem obras para militares a para criados, para as quaes tem grande sarmento de
botSes simples, com virola e cora de conde, brancos e aniarellos. Recebe por todos os vapores o*
ltimos figurines para homcm, senhoras e meninos.
Ifj Precisa-se de uuia ama para o servico nter
de wm easa de doas pessons : na rna da Cadeit neertefBodfrma eaea de dnaa pemmr. sa
rua Fonnoca a. D.
PECHINCHA
VESTIDOS A 6:000 BS.
Superiores cortes ele gronedme de seda, frsos e de ltm,
de muito lindas cores, com 18 a 20 comw* cwte,, ft)lb born i*.
ko,prego de 6$0W) emftt um: na foja das columnas rua do Crup
n. 13, de Antonio Correa de Tfasconceflos fy C.


r,

i


Diario de Pernambuco Subbado 13 de Fevereiro di; 1869.
Grande liquidado de miudezas !
Affnso Moreira Temporal, qnerendo liquidar as miudezas existentes era $ua
loja ra do Queimado n. 55, resolveu annunciar as mesmas miudezas para que o "pu-
blico se certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a saber
Massos coili grampos 25 a
Pecas de tranca lisa e caracol a
Sabonetes de todos os precos a
80 480 200 e '.....
Abotoa.luras para coP.etes a .
Botes de louca para camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
deira) a.......
Frascos com agua de Colonia a
320 e........
Garrafa de tinta roxa a. .
Caixas com 100 enveloppes a.
Mantas de seda para homem a
Fita de sarja para enfeite de
vestidos por......
Frascos com oleo para cabello
a 400 e......
La para bordar, Ijj!^. .
Es'covas finas para tiiapo a .
Ditas para cabello a 320 e .
Ditas muito finas para fatos
por preco nunca visto 400
500 e........
Pecas de babadose entre raeios
a 600 800 e ...
Gravatas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Bico e renda das Ibas a todo
preco. S a vista faz f .
Pecas de fita de coz com 10 va-
ras a ........
20
40
240
320
100
15000
400
800
500
800
600
600
65800
320
500
600
14(000
320
500
500
Latas com graxa, duzia a 480
Coques muito bons com rede s
a rede val...... I 300
Meias para homens boa fazenda
a 30600 e...... 4,>000
Linha de marca, caixa con'16
novellos.....? 240
Latas com banlia (farniriia), duzia %$200
Frascos fcom banhaa 32O40Oe 500
Botes para punho fazenda boa
a80e r. -. .... 100
Volta de Aljofre cousa boa a 160
Fitas para debrumde vestido a 500
Caixa com agulha franceza a 160
Botoes de acopara coletednziaa 42*0
CartSo com alfmetes a 100
Caixa com perfumaras muito ~
fina. S a caixa val 40fOOO
12,51000....., .
Copo com opiata muito fino a
400 e....... 500
Meias muito linas para senhora
duzia........ 8toeo
Cartas francezas a 200 e 240
Ditas portnguezas a 120 e 200
Caixa de linha do gaebranca 50
novellos....... 600
Frasco com tinta a 100 e 106
Franja de la para sapato (peca) I 000
45000
I
>X\
Precisa-se de urna ama de leitc que traga o
seu lillio, lenlia leitc cota alnimiaiicia. nao s
para aidnnienrtrt este, como lamben uni.i enanca
de diis inezes : a tratar na ra Formosa n. 13,
911 Imperatriz, luja n. 44.
55000 |
Papel de peso muito bom
Sapatos de tranca e outros mudos artigos, que enfadonho seria mencionar.
RA DO QUEMADO N. 55
''^ll"-"!
tu

A ** $UfcMA6
A agnia tranca tem-se feito itae coubecida e
acreditada, ao s pelas novidades, variedades, su-
jierioridadc c abundancia de seu sortimcnto, como
pela consteate commodidade de-seus precos, e mes-
no pelo en assaz e nunca olvidado agrado e since-
ridade.
Betas verdades incostestavois -sao sem duvida
apreciadas pelo bello sexo em particular, c pelo
respeitavel publico em peral, e a tanto tem chegado
que estao fuasi passanao como annexim ou pro-
verbio, (piando se v um objetto de elegancia,
gosto, novidade, etc., etc., diz-se logoaqucue ob-
jecto sem-duvida foi comprado na loja d'aguia
branca.
Quando no club, eos bailes, ou no safio do
Santa Istfacl, urna escellentissima se aprsenla
garbosamente trajandu, trazeno o modera cinto
de mu larga fita, lisa, chamalotada, ou escosseza,
as suas admiradoras Jizem eomsigo aquella fila
foi comprada na loja d'aguia branca.
Quando outra exeellentissima, nao in osa, mosira o rigor de seu bou gosto na acertada
Mulla dos enfeites de alia novidade que bella-
mente orr.am seu vestto, ainda mesmo as rivaes
de sua syapatbia coafcssam queaimeUes eafeites
foram di.luja d'aguia tranca.
Quando n'outra exeellentissiaia, apezar da sin-
gelleza de seu porto agradavel, se vm as bonitas
uvas de pellica dinjueza as suas bdlae ami-
gas lonvair.-lhe o gosto e confessam quexquellas
uvas foram da loja d'aguia branca.
Quando .mesmo duas excelleutissimas, antigs
rnigas de res, depei6 mbaas porifaroa de sua elevada delicadeza, gabam
unta a outra os agradaveis cneiros de que usxn
obi seos finos lencos, e cada urna'das quaes ogu-
llwsaspelo elogio do acert de sua- escoma, e como
que querendo por 9i tontamente verdade do ua loja d'aguia branca.
Jaula mala.
Quando hontena os,pais affiictos sentiam o aigor
da denlicao de seu-charo lilhitibo, c hoje alegres e
I satisl'ritos pelo feliz >restabelecHarnto recebe as
j visitas dos seus melbor amigos, tizcni aquelles
j estes, foi'Deus f|U8 s', conlo oomprei, umdesses virtuosos coliares
Hoyer, que se venden na loja d'aguia branca.
ftm du iiiuii mais que ainda
falta dlzer.
Quando aa unvoirculo de circumspectos carac-
teres se discutir ;rveracidade deitaes dizeres,j^ipa-
i'cer itmoBtro que queira ainda levementeanter-
romper a discussao, os prmrs por momento es-
cioso deaaaae diztmdo-lhesj -sabemos que V.
um daqnettcs que inclina o claM-o de sol mereca ser designado pela aguia branca da ra
%o tsmtsui as coiaaas que por
unas escapam as ontras.
J ia esfueceado a agnia branca, mas em'tcmpo
lembrou-se paca noticiar, que reeebeu urna pe-
quena quantidade de enfeites para coques e gram-
pos para dos, -tudo feito de metal com liados e
a .'adavcis coloridos, obras estas pela primeira vez
^parecidas, e portanto inteira novidade.
Tambem ebegaram novatnente delicados eafsites
; e flores ornadas de aljofrese >Mdr:lhos, tanta de
[pama para coques como para vestidos, eludo
i contina a mereear a apreciaec das exccUemHei-
1 mas conhecedoras do bom.
A Perfumara Victoria hoje muito procurada
pela flor da aristocracia, e das elegantes, per
cansa da fbrlcacSo superior dos productos des-
tinados aos usos do toueador, e entre os quaes
ella crece urna espeeltdtde em cada artigo.
Ot seus novos perfumes, preparadas cora i
Eutncia de Vlangyking, que ella obtem mesrao
na>ilhas.Pbilippiaas, pala disllaco do Uona
oioratistima, notememnenhuma cencurreacia,
no que diz respeito fineza c suavirfade do cheiro-
pila qife acoaseJamcs ao pnWco elegante qe
pe?a como perrome para o lenco.
/ EXTRACTO DE YLARGTLANG
(T BOUQUET DE ANIUUw
Alen d'cles deis estrados excepcioaaes, qjie
Slkfropricdade exclusiva de sua case, os 5nr
Aieaad e O, prcparSo ig'ialmente, oom pnico
lar perfeigao, todos o; extractos arioplaos pek.
moa, e entro es quaos citaremos os segnintes-:
Jedcev-Club. Violeta. Keuia.
. Bouquet. Ilareeliale. /asman.
Fono fresco. Uousscline. Magnolia.
F|r ios prtes. Randtletia. Rosa musg*$m,
TOfcMJTIK.l Hf-tlD
E' urna Agua admiravel pra o toilette, ceas-
titneella-everdadeiro talismn da belleza,* can-
serva a pclle fresca, e a tez -da rosto branca. E' a
ultima xpresso da setcncia. Est por ledos
reeomSecida a sua incontcstavcl superiartade
sabr s aguas de Cototiia, a agua de Floride e oa
vinagres aromticos de m-ior nomcada.

X

Pilulas assucaradas de Brislol.
NAO C0TESI NEM CALOMELANOS NEM NE.VHIB1,
OUTRO MINERAL.
A-grande uece^sidade e falla de um ca*
tlarlico ou de urna medicina Iptirgativa, 1
isiiitu que twm sido sentida, tanto pelo p#-
vo, como mesmo por meio da facaldadb
medica; e por isso, infinito c p gosto ti
prazer que sentimos, em podei-anos com
toda a confianza e seguridade, recommerdar
as paulas vegetacs assuzarwdas <' Jristol,
como urna excellente medicina piugativa,,t
qual encerra em si toda* as partes e aial
ingredientes cssenciaes, tornando-so oa ttari
perfeito, seguro e agradavol catliarlko d*
Ciwlia. Esto remedio njo 6 composto
dessas drogas .ordireariaiuente usadas na
otaposirSo dessas priilas, que por ah e
venden*, mas sim, si# preparada un as
tttais finas esuprirtn-s qualidades (V, i;ske
Ama
Precisa-so te nina ama para cozinhar c com-
prar ; -na roa arircia do Kosario n*i. hja.
Na ra DP'ita n. 53 precisa-se fallar ao Sr.
Slnonio Francisco Duarte, ou sen mano Dr. Ma-
xiniiano Francisco Duarte, (j sahem para que).
Alugam-^c duas negras, urna cozinlia a eu-
gominai c outra pequea que tem 12 annos, am-
ana para servido interno : na ra Direita n. 29.
COMPRAS.
= rawpf |ifl urna armarao envidraQida : a
tratar na na Direita n. 35.
Com muito mat'or vantagem
Compra o Coracao de Onro, n. 2 D, ra do Cabu-
ip'i, inocuas de ouro e prata e pedras preciosas.
Compra-se escravos.
Lino de Parla & C, na ra do Vigario n. 2i, es-
criptorio, i" andar, compram escravos de ambos os
sexos, sendo que, moloques de 14 a 20 annos e to-
ditas figuras, serlo pagos por multo mala dinheiro
do que em outra (pialquer parte.
Ouro e prata
an moeda c em obras inutilisadas, compra-se por
bom preco : na praca da Independencia n. 22.
ou-
meaioiaes, hcivas C plantas, depws dyj) -- ^^-a^Tlalndependenna n.33, loja de o
wer chimicaroecte extranido separapO,!m-es, comp-:eouro,prata, e pedras prcciosas.e
OS principios divos, ou aquilas partes ; tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
qpe contera o wrdadeiro wlr n edicinaj todo emiabpier concert.
.CO e roMtHt tiintvnt
ftwellenlfce preparaiV que se podem chamar
o taeaanrn do cabello, >. que coeapaataa de aubs-
tancias tnicas e fortificantes, embelleci e con-
seprat) o cabello, ao m;sme tempo qae (he coaf
manicio Um ehetro natisimo.
. ..
StltU MIBA4MIA
comparar osle sabio eoni os que -se
vendem por ah, fcilmente recoaheecia sape-
Tiodade do nesso. Esto torna a ecfts muiHssi-.o
maeia, faz urna eseama abundante-que forma m
verdadeiro banho do leite, e nada-deixa a desecar
como delicadeza de perfume.
BCKlORIWn
PASTA Bl^TIfRItlA
A Dentorina um elixir denliricio dos ma
suaves : perfuma e refresca agradavelmaate a
boca, fornea aa geagi ,as, e reserva os denles
da caria.
Esta vasta dtmtifriaa fez urna verdadeira ra-
volucio na Perfomaria; acaben para temare com
oe pus e opiatas, que sio mais eu menos aciden
on perigosos. Basta paasar tuna cscova hunJida
por cima, pan obter ama macilagam aave a
unctuosa qoe torna os dentes perfeitameBta
brtnenii ^MMisaan
dafuellas porrees fibrosas ineiles o agres-
tes inteiramenle destituidas^ menor virtu
df. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especleos, podemos nomqar a po-
Compra-se
hojp libras esle linas, ouro e prata de todas as
nacoes e por maiorpreco do que em outra parte :
ama da Cadeia do Itecife n. 58, loja de azulejo.
TiUUMPHO MEDICA DA SCIENOl
ivphgtiin, a qual segunde a e\|)erieBC offerece-se um rapaz de 16 annos para cai-
tem demonfrado, possue ?m\ poder o raaifi I seh-o, com pratica de miudezas, e d fiador de sua
maravilhose possivel snbne as regies^do'C(m(llI,,|il; in '\r utilisar-se escreva m car-
*figado,. asW cftmo s*r todas fe'secce-|5li;eehada eUl *in,c,acs A" & nesla t>lwgra-
221 S?9- ^ *^nbi,a* C i -Compra-f.mnaburrai cofre): amado
kpianimm, e mais at^ws xtraetos>egt>ncn.S|M, .'^-pmneiro andar,
taes e drogas alfcrmrrttf valiosas, rowafr-
liiem-elk*rruam'urna pilla purgativa. t nando-^e por isao iiFiilissmio stipcrior. a
quirtipicr urna otfra medicina ta iiu-sb
naturiwe, que jflais fm-a aprcscnlado ao
publtff. ~As ptttnae veiji-taes assacaraSs.
de Briml., achar-soiJto sem|H"e upi reme-
dio prompto, segure <; eminentemente cffi-
caz, para a cura de molestias, taes cosbo
M'jatu as seguintes.
Dyspq>sia, ou indf-
ge^tao,
Aditriogencia, ou-.^
priso do ventee
habitual,
Aw. do estomagle
Ratulencia,
Pewla do apetite,
Estomago sujo.
Hydropesia dminem-
bros ou do corpo,
Aeccoes do fijado,
ictericia,
Ilemorrodias,
Man hlito, c rreg-]
laridades do sexo
femeitiiio,
Dores do cabeca.
BrSADOS
PEDIDO
FratBelseo \ntr.r.io e Carrallio fc C llqnhlatarlos ala exiliar-
la Orina ocial de IIco Monea, rogam ao* devedorea tirata.
obsequia de maodarem satisfazer sen debitas at olin doror-
rente mea. sob pena de seren chamados Judfelalnenie ao e
primenlo desse dever.
Itecife. & de fevereiro de 1 HH'ft.
INJECTIQN BROU
BT'ee* '''"*' lreerl*, twoiuumciu a ui.ira ..c cu mu ucoiini'*ddii. V.cut
mi prmrtpaM boticas do mundo. (Eligir a inKraefa* as), (a bdos de exiiUMia.) rarii. en u
* iaitnur Bao*, boisletard MaaaMa. IH.
_ P0S
fTCSCTTS
conuiMinict-
de amldo.-fien pertinia aelatieao.
_Beposito -asn Pernambuco, em
Frederiro C. K urlamai|iie k C.
loja da iNva Fama.
i
do S

.1
Olho de vidro.
A pessoa que perdeu um olho de vidro,
ii'tBndosIsanlieiros da praia do-Carant ota
Okida, queira procura-lo tiesta typogra-
ph.
Tin todas" as BI^BT'^e ^riwhai t
*rt<8 pmrilha os fturiliokjArej 'tlo-fe ser tantado C'iijun-
BUrtln* com a ptias. ii (pie estas
Miim edrmas,,tendo siil*voxf n^samciitt'
prt^iadaS'pantokratom de liarmonia urna
con a outra, quEUdoliolinente assim-sc faz,
mu nos resta a menor duvida cm dizer,
qoe no maior numero dos caso*, jtodaanos
affiancar nlo soom grande alivio, como
tambem urna cura prompta e radical, 1sto
eat bem viste, quando o doeuteue se
aohe-n'tim eslaa muito alrn dos raoorsos
Uuaiauos.
Matriz de S. Jos.
A meza rogedora da irmandade do San-
tissimo Sacramento da freguezia de S. Jos,
faz sciontea lodos os seus itlaos e ao res-
peitavei pubUeo, que nos domingos da pre-
sente qvaresma as 10 horas da msnlia lla-
vera missa canlada com sermo, sendo
orador o fhat padre Augusto Mara Fen-eira
Botellto, sja bem conhecido na tribuna sa-
grada.
= Fugio no da II do crreme o cscravo Ja-
cintho, ConfOidade avanzada, bempreto.follaTBiii-
tn atravessatk), quando anda a junta os joellios e
torna-se por-consequini caanbeta, tem ama pe-
quena croa o sito da rabeen, costuma andar com
um saceo as costas e um pao na mao, carregou
urna calca de-casimira velbade qaadrinhos com
um remend azBl no joelho.-palctot velbo azul es-
curo, cliapottoha preto com e alto da copa pin
tado ou envertisado d< encarnado : recommen-
da-se aos Sr*. cap^aes decampo e mais aertori-
dades policiaes a captura do dito escravo e 1eva-lo
a iravessa da Madre de Dos a Jos JoaquimBias
Fernandes Jnior, que se gratificar geaerosav
mente.
no largo do O rpo Santo-n. '. andar, cobre
velbo.____________________^_^
~"ORa E PRATA
Em obras velhas, comprarse pos maior
preco que em outra qualquer parte na ra
do Cabug n. 5, junto loja de cora.
VENDAS.
Vende-se
^ taberna dama Direita n. 30, propria para qual-
quer principiante por terpoucos fundos : a tratar
na mesina
Farinha de niilho.
Vende-so farinha de milho amarello
muito tina, ein pot\ao e a retalho, por pre-
iro commotlo, na tatema da ra taiga do
Rosario dofronte da botica do Bartbolomcu
o na ttavosaa das Cruzesn. 16esquina para
o quarlel de polica.
Venae-se-ou. permuta-se tuna grande pro-
priedade perto de Apipucos e baratissuna : a tra-
tar no pateo do '.trino n. 28, junto a groja do
Santa Tliereza. das 9 oras em diante.
I'KC IBI\II%
Vende-se barato um bilharean seas pertenees :
na roa da Imperatrz u. 69.
Cosinheiro
Ko caes de Apollo, armasom 11. 69, presa-se
da nm coziuheirodt} boa coidircia, para casa de
pequea familia.
Precisa-se- de urna mulher que salba cozi-
nliar : na-rua aoiQueiniado n. iV.
Preclaa-ae-deium caixeiro para una fazendas, com-pratica ou sem ella, para ir para
Alagia-nova, que tenha l\ a 16 aanos de iade :
a tratar na ra da Cadeia do Itecife n. li-'i, loja de
Alfrefio fC. |
ahencao
Na.;ua do Imperador loja de ot.rivt-s prerisa-
se ahigar niulheres farras para romprarelcosinhar.
7ioi,i:oi uno
Deseja-se alugar um moleque bom; ra
larga do Rosario u. 44.
Sementes.
T7Z
f*^
Sa ra Nova n. te. loja, precisa |fallar-fe a
Sr. Cuilbenne Kudrgaes Brerkenfeld a negocio
qte nao ignora.
0 MUSEO DE JOIAS
,
GOMES DE MATTOS IRMAOS
tendo feito completa mudanca em seu antigo e
acreditado estabelecimento de joias. com o fim de
dar-lhe maiores proporcoes e elegancia* convidam
ao publico em geral e com especialidade os Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manha s 9 da noute na
RA DO CABUGA N. 4
onde encontraro um completo sortimento do que ha de mais elegante,
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rtibins e tudo que em obras
de ouro, prata e platina se pode desejar, e para prova do qoe hito 4ko;
apresen tan i desde j
A ESTRELLA 00 NORTE
riquisaimo brilhante Je tamanho raro e seguramente a maior e mais bo-
nita pedra exposta a venda nesta praca, a qual como tudo mais ser
vendido pretjo razoavel.
Garante-se a qualidade dos objectos venda.
0 MSEO DE JOIAS
Batane
'-. Cheparam as notas sementes de bartalice de
todas as qaaadades na ra da Cadeia do Recite
n.50.
Para senrijo domesti-
co interno.
Ha para alugar-sc um moleque de li annos
na ra do Hospicio n. 28.
I
A confraria de S. Benedicto, erecta no con-
vento de Santo Antonio desta cidade do Recife,
tendo de proceder a eleico dos mesarios que de-
vea reger a iiie- medio do secretario da dita confraria, a todos os
seus maos para que comparecam no da 14 do
presente mez, no consistorio da confraria, as 10
horas da manha, afim de se efTectuar a dita
aMcJm.
Martinho Jos dos Santos Braga,
______________ Secretario. ______
Madamc Auguste Caors vai para Franca, le-
vando eaa sua osnpanhia os seus dous lilbos me-
nores.
- l'reeisa-se de nm pequeo para caixeiro de
taberna, preferindo-se dos ltimos ebe^ados do
Porto : na praca da Boa-vista n. 17.
ALERTA!!!
Pai Joao Congo (chefe), M-vista, Gomi d'Amor
( vagabundo), Mato-no-zinho, Hequeodoro Potroso
e Adolpho Biscaia, socios gerentes da firmai?a-
qes-Jrtujues-Larapio-lAdrao & C, con vidam a
todos os socios coniinanditarios para um; reunan
queter lugar nae.arftinra d* oheft carne seera,
a roa da Praia, ne dia 17 desa mee, as 9 fieras,
lim de lhe darem parte de que resolveram que
os credores entrem uara a sosiedade com mais 50
0/0 parasgarantia d seus crditos, que- depois se
for preciso mais, os mesmos credores vendo o que
fonliarain i.re*peit(tbilt$sima firma btm seguro
darao mais alguma oouza. Os credore! nao po*
dem comparecer nessa rcuniSd, pois os pandilhas
reunidos saberao lezur os seus interesse>.
Desapparecen desta typographia nm taman-
du meirm, que por ser muito manso deve ter
entrado em alguma casa prxima ; qneni o tiver
traeendo-o ser reeomnensado.
Tera-feira 16 do crreme, depois da audiencia
do Dr. jiiiz de orphaos, ir praca de venda o es-
cravo pardo Clemente, de idade de 10 annos, per-
teneente aos menores berdeiros do linadi Manoel
Ignacio de Lyra.
Padaria alema.
Ra do Lima, em Santo Amaro.
Precisa-se alugur um moleque de W aawi, pou-
co mais ou meaos.
Feijto mulatinho
Vende-se superior foijo mulatinho em saceos
e a retalho : na ra dr Penha n. J.
Vendcm Angust* F. de OBveira & C. ra do
Coninicrcio, n. 41
Lingoas.
Na ra da Praia n. 2i vendem-se lingoas de su-
perior qualidad.' por preco muito coiiiiiiodo, ctie-
gadas do Rio tirando do Sul.
Capsulas de Baquim
Os bons cffetos destas capsulas, para fazer ces-
sar os gonotThvas acham-se ootaprovadas pelas
experiencias de muitos annos.
Os mdicos de todos os paiies as recoinmendam
pela sua eflkaein.
VENDE-SE
KA
acia e drogara
DE
BARTHOLOMEU & C. "
Ra larga do Rosario34
Em tempos molernos- nenlium ttaBCobri-
mento operou maior revoluc-3o rio modo (Ji
curar anteriormente em voga do que o
PEITORVL DE .UCAHHT.4
TANTO NO TRATAMENTO DA
tossk, chopo,
ASTIIMA, Tlll.SIf.A,
nOl'Ql'lDO, RKSFIUAMF..NTOS.
BHONCMirtS,
TOSSK CONVII.SA,
DOnES DE PF.ITO,
EXPICTt'RACAO DE SANCIE.
Como em toda a grande serie de enfermi-
dades da samanta, do PEtTO e dos obgaos
da REspirtAco, que tanto alormentam c fa-
xcn solTrer a humanidade. A maneira ati-
tiga de curar consista geralmente na appli-
ca(;ode vesicatorios, sangrias,sarjar ou ap-
plirar exteriormente ungentos fortissimos
compostos de substancias vesicantes, alen:
de produzir empollias; cujos differentes mo-
dos de curar, nao faziam Bettfa enfiaque-
oer e diminuir as forras do pobre doente,
contribuiudo por esta forma d'tima maneira
mais fcil e certa para a enfermidde a des-
truico inevitavel de sua victima Qucm dif-
ferente e pais o efiVito admiravel do
PEITOILtL DE ANACAHUITA !
EM VEZ DE lRniT.VR, MORTUICAR E CAIZAR
rNArDtTOS SOFKRI.MI-.NTOS AO DOENTE,
CAUMA, MODIFICV E SI AVIZA A DOR.
MLTrA A tRRITAr.O
DESEMVOI.VE O ENTENDIMENTO,
FORTIFICA O COPO
e faz com ijue o systems
Desaloje d'una maneira prompta e rpida
al o ultimo vestigio da eifermidade. O?
memores votos em medicina da Europa (os
Cantes dos Gollegios de Medicina de Bern
tesliicam serem exactas e venladeiras esta-
relaeoes analgicas, ou alrn dissoja experi-
eticia de milbares de pessoas da America
Ilespanliola, as quaes l'oiam curadas com
este maravilhoso remedio, sao mais que
suficientes para sustenlarem a opiniao do
PEITORAL DE ANACAHUITA!
Deve-sc notar que este remedio se ada
inteiatnenle izentodc venenes, tanto BHW-
raes, como vegelaes, em quanto que porm,
alguns d'estes ltimos, e particularnMDte
aquelles que sao dados sob a forma de Opio
o Acido Uydrocianico, formam a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes 13o
fcilmente se engaa a credulidad1 do pu-
blico. A Compnsicao de Anacabuita Peito
ral acha-se linda e curiosamente engarrafada
em Irascos da medida !"' reir d mei
rjjartaaio cada uin,e como a (lose ote se to-
ma -s d'uma colher peipiena: liasta ge-
almente a applieafo d'um ou ilous frascos
para a elTectuacao de qualquer cura.
Adia-se a venda nos estabelecimentos de
A. taors, J. da C. Bravo C, P. Maurcr
em todas as principaes boticas e lojas d*
dragas-
ALTA NOVIDADE
Loj
34-
Vende-se imi liot1 ein bom estado
piche do barao do l.ivi-amcnto.
no tra-
'Padaria allema
DE
Maternm Lenz
BB
*\VTO AMARO.
Tem para vender chegado pelos ltimos navios
vindos ddlambiirgo :
Presuntos e salames
Hervilhas radiadas,
Hervillias inteiras,
Peras seccas,
Amechas seccas,
Macaos,
Kirchcn.
Tudo de 1" qualidade,
Precos baixos.
Ventle-se una escrava prela e moca : a Ira-
lar na Boa-Vista na da Goneeieao n. 8.
OLEO DE H0(1(
\ Figados frescos de bacalho
Para cura certa de phtisica, affeccoes escrofu-
losas, losse chronica, fraijueza dos membros e de-
bihdade geral, recoinmenda-se a excetlencia desle
oleo ainda por sur agradavel no paladar.
VENDE-SE
NA
Pharmaeia e drogara
DE
BARTHOLOMEU & C.
34 = Hua larga do Rosario = 34
Pundicao da Aurora.
Neste vasto e nm completo sortimento de taixas de ferro batido
e fumdMo, fbrisada* reeentemente. e se fabricara
de qualquer niilde a vontade dos compradores, e
precos razaaveis.
= No pron^!lo da estrada de Joo de llairos,
o prime iro sino rimjo pela Snledade, a esqnerda,
vende-se ma commoda grande. ____________
Vcn nita negrinha de 6 nnos de idade e um negrtmio
de 13ahnw, imano da mesma : na roa do Pilar
n. 63, t* andar.
~ Vende-so o grande sitio no becco do Espi-
nfceiroj^o chegar a estrada dos AtUictos, frente
murada e divBRas obras de pedra e cal por aca-
bar, bons vivemos com abundante pelxe, baixa
para capim, bas trras para plantacao com ex-
calentes fructoiras ; para examinar a qualquer
htira, e para ajustar com Joaquim de Oliveira Mel-
lo, na ra da Hora junto ao Yacsmo Becco, ou na
iunuicio da Aurora.
ja do Pavo.
GLRGUROES PARA VESTIDOS A 1000,
0 COVADO.
Chegaram os mais modernos gurgurSes
para vestidos,; sendo de todas as cores, como
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
rxo & & tendo quasi quatro palmos de lar-
gura e vende-se pelo barutissimo prec
de i000, cadacovado nicamente no ar
niazem de Flix Pereira da Silva, na ra da
Imperatriz n. 60..
RllINS PABA CALCA NA LOiA DO PAV0.
Vende-se omais .moderaos- e melhores
brins de linho|de todas as coras, outros com
listas do lado, garantmdo-se serem de linlt^
puro e vende-se per precos muito em con-
ta no'armazem de Flix Pereira da Silva,
ra da Imperatriz n. GO.
AS DEZ MIL VARAS DE CAMBRAIAS FRAN-
CEZAS S NA LOJA DO PAVAOA56
RS. O METRO.
Vende-se flnissimas cambraias francezas
com os mais -delicados padrees, tanto mui-
dos como grados, e com as cores mais no-
vas que tem vindo no mercado pelo bara-
tissimo[preco de 560rs. o metro; garantind
que 7 metros do um vestido para qual-
quer senhora, e que em outra qualquer loja
nao se "encontrar a raesma fazenda por
igual preco, e sim s na- loja e armazem de
Pavio, ra da Imperatriz n. 06 de Flix
Pereira da Silva.
Caaaas Inglezas a 440 ra o metra
Vende-se urna grande porco de bonitas
cassas inglezas tanto graudascomo miudi-
nhas e de cores fixas pelo barato pre<^) de
4i0.rs. ometro,garenaado-se que 7 metros,
dao um vestido para qualquer Sra. s na
loja do Pav2o ra da Imperatriz n. 00 de
Flix Pereira da Silva.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
fl'AVO.
Vende-se urna grande quantidade de re-
tamos de chitas e cassas pretas por preco
muito barato, e quanto maior for a porgaa
que o fregu comprar, mais barato se lhe
vender na ra da imperatriz n. GO de F-
lix Pereira da Silva.
CRINOLINAS OU BAL 'ES A 2#J00S^ N#
ARMAZEM DO PAVAO.
Balos %&!M.
Crinolinas 2&SCp.
Bales 2*500.
Crinolinas 2^300.
Baloes 25500.
LTiBoinas a zoouu.
Vende-se os mais modernos baloes oa
crinolinas americanas, muito bem feilas, sen-
do todas de modelo esgnios, pelo barata
preco de 25500 cada urna, nicamente aa
loja e armazem do PavSo de Flix Pereira
da Silva, ra da Imperatriz n. 60.
GAMBBAIA COM SALPICO A 50O0 APEGA-
Vende-se pecas de cambraia branca coat
salpicos, sendo neste genero o melhor que
tem viudo ao mercado, tendo 8 e meia va*
ras.pelo barato preco de 54000, pechincba
na lojae armazem do Pavio, ra da kupa-
ratriz n. 80 de Flix Papeira da Silva.
.No caes do Ramos n. 10, vendem-so dnaf
burras maneas e ama carroca nova, por prea>


(>
Diario lie i'eruuiibucq ~t( tybbado $ AO BAZAR DA MODA
DE
JOS DE SOUZA SOARES ft C.
Rua Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
PARA O HOAO AMMO BE 1869.
Novo BortifflQntodeartffQsde moda e laxo, rccebidos polo ultimo vapor rindo da Europa.
Especial sortimento d objectos para miraos.
Perfumaras linas dos pnncipaes autores.
Luvas de pellica fresos, brancas ede cores para homcn9 e senhoras
Chapeo-rinhos de palhadc Italia enfeitados, para senhoras.
Ricas rhapclinas para senhoras, gorros de palha de Italia para senhoras e meninas.
Especial sortiinento de sintos para senhoras.
Entintes de gosto para senhoras.
Fitas de grosdenaple superior de todas as coros o larguras.
Franjas rom vidrifhos, brancas, do cores c prelas.
fiiiarnices de todas as qualidades para vestidos.
Vestuarios completos para baptizados.
Golinhas e punhos enfeitados para senhoras.
Coques modernos, lisos e enfeitados.
Bornotu de 15a c seda, cores claras, moda elegante para senhoras debom gosto.
Corninlios de cambraia enfeitados para senhoras.
Caehe-nex de la.
Chapeos de sol para homons e senhoras.
Flores linas, sorlimonto especial.
Plumas elegantes de qualidade superior.
Cintos ricos de palha, alta novidade.
Crinaldas de flores mas.
Camina rapertoresparahonais.
Colarinhos e punhos.
Grvalas e mantas modernas.
Bengalas de diversas qualidades.
Cantas grandes com quatro pecas de msica.
Flores de palha para guarnieses de vestidos, botos,fivelas,laces para enfeitcs.
i tapos de pello de seda pretos, forma a Rotschild, fazenda superior para hoinens.
torrentes de plaqu lino, gostos bonitos para relogios.
Cazoletas de bom gostopara as mesmas.
Correales prctas de borracha diversos modelos para voltas.
Objectos para luto.
E nmitos uniros arligos de novidade que s vista podem ser apreciados.
Existe continuamente um completo sorlimonto de uiiudezas, vende-se por grosso
e"a retalho
A COMMODOS PRE0
NO f
BAZAR DA MODA.
PREQO CBRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
MANOEL & C.
Rua Nova n. 23,=Eua do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapeos de seda trancada, Pararon, de 16 hastes, 28 pollegadas a 16$ ; 26
pollegadas a 15$, e 2i pollegadas a li#000.
Ditos de seda G. de N. Bara, de ac, de 16 hastes, 28 pollegadas a 440;
de 26 pollegadas a 43,?; e 24 pollegadas a 12-J0OO.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas a 12)5 ," de
26 pollegadas a 410 ; e 24 pollegadas a 10/5000.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas a 60 ; e 26 pollegadas
a 50500.
Por duzia faz-se descont de 15 OjO
Chapeos de sol de panno, de baleia, de 8 hastes, 24 e 26 pollegadas a 320
a duzia. (Descouto de 10 0|0).
Ditos de panno, de junco, 8 hastes, a 18?000 a duzia, liquido.
GRANDE LIUIDACAO
ZS5SUU
Para msicas mililares. .
Completo sortimento
NO ,j i.
BAZAR DA MODA
RUA NOVA N. 50,
Esquina da rua de Santo Amaro
20 a 30 por cont menos que em outra qualquer parte vendern -_
JOS DE SOUZA SOIRES 8; C.
*-*S$ mota m. e
ESQUINA DA RUA DE SANTO AMARO.
curar a enloma
OS MDICOS, o phospbato de ferro tolnvel fe u3T\P
(cores paludas), os res do estomago, e a exhausttcSo doJmgW com esta preparaolo. m
aVorpo 0 vigor, e la carnea,Ti^ fr-neza nataral; fatfSm o dssenvolv.mento lio Ub-
. w *7 f __I.j. r ir.:-, ... .'..,. ..^Mmnu. %n anta reunido Dar me
m*JOf eijlo,
oros
US
n'este'medieSBp, *a reunido para fte
na ua eomiSrfoao, os elementos dos osees o
cm scieacia*,'' pharmaceBOfv prfessor de
ente, condecorado da ordenada Legiio ds
ibalhos. iU .Ja -
, ...edicos wtt vem. eorroborar e josUfcar
rioso 'da poberdide. Com effei -
assegurar o maio.r crdito, pois qu.
do sangue. 0 sen autor, M. Ler.js, i
chymioa, inspaeto:- da Academia, fo; -
Honra, digna recompensa dos seus i;
' As segrales apreciacoes dos mis .
todos estes ttulos connanea pobliea: .- -h--
Precisa claasiliear phosphato d.i .-,. ,uvcl entre os ferruginosos que melbor
c convem aos dtales cojos orgios digestivo* > -portam mal as prepsraooeo do terro.^
SOUBEIRAN, profester na Esosla de teeina e de piamacta.
0 phosphato de ferro soluvel em qnanto a mim, a melbor das prepara?** teftifh;
< noais. e o seu enprego di os mais promptos e seguros ftpaiUm. ...
"" ARAN, medico dolUipUal Sainte Eugnie.
t A fdrrha liquida do pbosphato de ferro soluvel d-lhe orna inmensa vantagem sobre
a as pilulas; eu considero este medicamento como Orai superior s preparacoes odada. a
P ARNAL, medico de S. M. o Imperador.
c Entre todos o; ferruginosos, nSo cembecemos nm s ojne obre Uo promptt e effieazmf nte
t como o phosphto de ferro soluvel, e isso, sem cansar o estomago.
BELLOC, BAUME, BIGOT, FOLLET e PRVOST, tueduos doi hosptt**.
c Os effeitos da preparaclo de phospbato de ferro sohrfet meparecem w;^.!n*L'^^!,
e promptos. BEBOUT, redactor em ehefe do Bulletin tkrafentique.
a Entre todas as preparacSes ferruginosas, phosphato de ferro soluvell foi a qwiMim
a me deo os melhores e mais satisfactorios resultados. GIBOKT, medico dot hoeftUia.
0 phosphato de ferro soluvel ten, sobreWdo, a vanUgem de ejitora eonstipact e
convtr aoi lempramentos delicados. ~ AYRyi'
Deposito em Pernambuco, em casa de
O tratamento das affce^ocscliloroijeas, lympbartcas ou csero))lnr>osa3 sempre teol-
simo. e militas vezes cssas molestias resistem s preparacocs tVrrwginosas ordinarias. A
indagares feitas pelos prfcssorcs llantion de BnmUas. Censoal' e Petrcqnin de f-yS e
Bcrzel jas e Trousseau de PSris, tcm preado que a ewsa d*essa persiseeneia era a conrtteta
ausencia do Man^anese, elemento que semnre deve^se acharorsangoe jonctaDiente com
o ferro. Estas pilnlas supprem poi, na- iheraprtie orna falla ini|>eTtenie,e por oSiie
motivo e*is tem merecido a approva;a da AcademiB tle ffedecraae das priucipaes socie-
dades medicas. Deposito em Pernamlmve, em cas* de mrw V.
nn

MI
Apprttt(i*
da Mdemi*
iiwttdecinw
iePerii.
POS
SmaN
tsdrud
drswdscfM.
TASSOIRMAOS \
Tem para vender em seus armazens, altrtl |e OJO-1
tros, os seguintes artigo : '
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado c liso.
Vinlios cm caixas de doze garrafas
Bourgognc.
Hery.
Hadeira.
Hermitage.
Cbmmolis.
Licor de curaco de Hollanda em caixas de vin-
te e quatro botijinhas.
'GESSO,
Nos armazens de Tassolrmaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras ctr.
Nos armazens de Tasso Irmaos
< iIC1SIMJIOS ||; FERRO
Fara servicos de grandes arnmzens, para remo-
ver barricas ou caixoes de um naraoalro, lado pelo
mdico precode 12*000 cada um.
Farinha d^ tngo de Trieste
Das melhoras marcas Fanonia (vercJwdeir) Fon-
tana e grande sortiinento das memores marcas de
fai'inli.-is americanas.
Saceos de fariulia de trigo do
(Me
Todas novas, ehegadas ltimamente nos: moa-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hydrauleo 12$
O melhor para tudo que sao obra* para'agua, su-
mo assentamento decauosdeesgolOj algerozes, de-
posito, tanques (Tagua, etc., ete.: em porrocs de
rincoento hirric.ts se fr rednc^aB-Bopreco : n*.
armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Portlaml'
O verdadero cemento Portland em sasa'de Tasso,
Inr.os.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., et&
De- dJITerentes- quididad** para cercados de ani-
maes, cliiqueironiara; gatmhas ou jarulhs: nos ar-
> lruiaos.
merecido- a approvacSc
" i que as pilulas, e
posnem a inappre-
cive vantagem de poder offerecer rf^m instante mma agua ferruginosa yacos, dfc gusto
agradavel, mais activa do qne as aguas mineraea, e eontendo d*mais um-eMmeDt precioso,
o-Manganese, que sempre se acha no sangae, juneUmonte eos o ferro.' Bteptefift-se' em
todas as molestias que tem por causa o empobreaimento do sanmie, assim oomo para vigorar
os temperamentos debis e lymphalieos. A cUoreee, as Perio branca*, dore drettomtgo,
raptas-
es ra-
dos pela agua preparada eom estes pos eso omito menos-agostos a recsB do que
MU
*wreptiaridade da menstruafdo e emtenorrhoon-vapptess-casmenstcao, oedossira
mente a seu empitgo. Devemos meocwoar aqu n facto notavtl, isto i que o deesrtes
emprtgo
_.-ua pr!pa
aqnells que forto tratados pelas preparaoSes ferruginosas onSo.
Deposito em Pernambuco, em casa, do
--;..:'v#.<>V*/.
II?
VEBDADEIRAS
PILULAS
mazenu de Tasso
Banis com bren
Nos armazens efe Tasso Irmaos.
CANOSDEBAREO
Na rua Nova de Santa'Rita, naantig^fafcriea de
sabao, ha |ra vender por preco o msi mdico
tpossivel, ranos framsezes para ediflcaso eesgo-
tos de toda-a qualidalo, superiores a to169-os que
atiui tem ;*mareeir)o. pola sua solidez.
MECm
lf00 por cano gade'>:j e meia pultegadas.
liOO por- dito de 2 tres-Jarlos de tilia:
14000 non dito de ciim tfnarto de ditau
500 ris por pistoleta d* i pollegadas.
Cotovello.+.curvaseeaiM de maior groesnra, a
vstase far*o preco. Compras maiorexte 200
lem 5 por cento de drtconto por prompt paga-
iwmto. PoVse ver as amostras nos-atnsazens
.dte Tasso Irmis.
Tqblos feancezes
Fara ladriUtar casas lerreas com asseio-e- preqos
mudicos, mniOconvemeates e- propriosposaladri-
LQJA DO PASSO.
na d C icspo n. 7 A, esquina
ta do Imperador.
0 dono tlese importante esUbetecimento,
tendo recebido de sua emita, pelo vapor
francez Extaemadure, diversos artigos de alta
novidade proprios para afesta, e consejo de
que seu estaljelecimcBto se acha bem sorti-
do, prnicipalmcnte em artigos de moda, pe-
de ao respeitavel publico e em particular
aos seus numerosos fregflezes a boidade
de honra-lo com sua conlianca, garantido-
lhcs serem bem servidos e fot precos ni-
miamente baratos. Venham, pois, todos
comprar novas e lindas fazenda boas e de
alta novidade, com bem!
Riqusimos cortes de blonde.
Riquissimos cortes de seda de eores.
Sedas do lindas cores para covdes.
Moire-antiqe azul, verde, braneo e pre-
Grosdenaples a2rf, verde, branca* e pre-
to, .
Garffuro branco e pr'eto.
Setn branco maca.
Corts de seda com duaa saias.
Corles de I5a escooseza com duas tato.
Cortes de I5a e seda, novidades.
Poil de chevTe de liadits cores.
Alpacas de cordao liadas eores.
Ditas Twas de todas as cores.
Cortes de vestidos de earnbraia bordado*.
Saias bordadas para, senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linlio com lindos bordados.
Lencos de cambraia de tnho bordados^
Chapelinas de palha da Italia.
Ditas de sedas de cores e prctas.
Enfeites para cabeca de senttora.
Coques de todas as qualidades-.
Basquinas de seda enfeitadas cam primor.
Leques de madreperola, marflm, sanda-
% e osso.
Camisas bordadas para homen.
Colchas dc-alRodSo e seda pnra-cama.
Ditas de crooet paa cama.
Pannos de crochet para cadeinras e sof.
Chapeos de sol de' seda para swhoras.
HSparttlhos pan-- senhoras.
Ttoalhas de laiivrinto.
Sencos de laberinto.
Fronhas de labyrinto.
Bleos, rendas o grade.
Pinissimas caiatoaias do cores, parales,
aaa-e outros miiM* artigos de gott> e no-
vfcMt.
Eoja do Passo rua (i Crespo n. XA es-
quffla da do Imperador^______________
a ioouusto do rmme mALFttMviL
'APPROVADA^PELA ACADEMIA DE MEDICINAvM PARISr.ina
<- FossBinoo.asproprioadesdo Mrot do '^^^^^^tifSSa!
scrofulosas, a Tsica no principio,a/ra^TUsoa* ^VnmmU>jiualMDl^LS
Falta de c6n. aheno.khf.a, em que precisa.r.AGiR ^E>^A1^^1^1lIf^
lhs a suariquezs e abundencia normaes, ou pora provocar o-rognlar o sen urao poriotlMOv
lf. B. O iodureto da ferro irapnro sa alterado w ss^icament met,
kriuntc. Como prora de porex o^s athMCidMla* w
Ih rf Blaaeu d, davt-M nifi "s *
bosso flrmu, aqui reprodaiid, tul* Terde. De-e-f desconflfcr m
l,liMWnm l
h. m f' inferior
{alfil catos.
Hmrmace%mco%m
ft NOV ESPERANG*
21 =Rua b QLimadc>=21
E papa presentes
AvIViiva Esperaaca, roa do Quainaad.
n. 1.- tem um v;iriado sortimeno de- oojec-
tos d gosto e pJantasia proprios para-pre-
sente, sobresahintrO^ntr elles ricnxraixi-
nha de bano ecm finas- perfumaris cos-
AtKWtVJilHt Se. '
ATTEMCAO
AO TRIUMPHO
Fst nTxnosklo do respeitavel publico neste importante estabelec.meato um
mmmmMMm
,emos a honra dea:.Sr;agaSo f--^JS^OMOjaMM
iificaco dos procos, para l
imPno- au-
lle cores novo gosto a 2&b
Gacez de seda e 15a apurado gosto para
de procurar o Triumpho
Sa sed. decoros novo gosto a 600cWOO o covado.
Drtas deI lindos padr5es para 500, 700,800 e 900 rs. o covado.
Cambraias brancas de 40000 at 80000 a peca.
Ditas de cor novos padres de 640 e 800 rs. a vara.
Saias de 15a com bonitas barras.
Bales de la e murcelina e de arcos
Basquinas de gros-de-naple de 22,5000a 400000
Gros-de-naples pretos de 20000 a 40500 o covado.
Ditos de todas as cores.
Organdiz branco.
Brilhantinas brancas e de cores.
Espartilhos e entre-meios bordados.
Meias finas para senhora e para homem. .... i nn mn
lm destas fazendas tem im completo sortimento de chitas escuras e claras, m^-
liM^bS^atoilhados, toalhas dehnho c dealgodo, e outras mudas fazendas
^e^nd^Tireco que s a visU o comprador se poder desengaar que so no
Triumpho poder comprar bom, e ^J^'^s
Bonito sortimento de casemiras, brins broncos e de cores, camisas de linho e algo-
3S$i^^ M S.6P P^ mudc X> eBcon.ram no Triumpho I
ua do Queimado n. 7.
DOENCAS das CRI ANCAS
XAROPE oe RARANO TOPADO
Alegrai-vos myopes, c presbytas, ja pen-
dis ver de longe, j podis ver de perto,
nao ha mais vistas cwtas, nem caneadas.
F. J. Germaan atsiw de reeebr pelo ulti-
mo vapor um rico. variado sortimento de
oculos, lunetas *pince-nez, face--main,
lorgnons, de oiwo, prata, tartaruga, marfim,
ac, bfalo, ncar, unicoroio e melchior;
assim, como binculos de waa a tres mu-
darlas para theatro. caiupo e marinha da
ulma invoneSo; duquesas, vionezas de 6,
8 e 12 vidros, tudo dos melhores fabrican-
tes da Europa.
O mesmo vapor trou-
xe urna excellentes ma-
china para graduar e
observar o numero dos
vidros que se nocessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem excellentes ste-
rioscopos, instrumentos de mathematica,
barmetros, vidros de chystal de rocha, e
de cores para resguardar a vista; concerta
todos estes objectos a procos commodos e
com promptid5o; tira o mofo dos vidros e
encarrega-se de toda a encommenda relativa
LOJi DO GALLQ VIGILANTE
Rua do Crespo n. 7
Mandou vir de sua conta e acaba de re-
ceber pelo.ulmo vapor, completa sortimea-
ot de objectos de novidade e ptentasia, os
quaes esto resolvidos a venden por probos
nimiameate baratos^ para assiaa an:.mar aos
concurrentes e ao mesmo temf>o d?tr sabida
ao grande deposito que tem: isto rua dai
Crespo n, 7 loja. do Gallo Vigilan!.
Gol-nhas, punfeos e camisinhas pata se-
nhora,. fazendas de gosto e-novidade,
Fios, vestuarios para baptisados,. assim
como, touquinhas, sapatiobos. e raiiasiahas
par* o mesmo. fin.
Grande sortimento dobicos e- rondas de
croch e de outras muitas quaWades.
Superites caixas com musisas e sem el-
las, tendo o necessario para costuras, pro-
pinas para um delicado mimo.
Finas caixas com tentos & sem elles para
vol trete.
Agulhas para machinas, de-costura
Ditas para croch, seodo de ac, mar&n,
e outras muitas qualidades, assim como, li-
nhas para o oesmo mister.
Finas grinaldas para noivas.
Meias de borracha part quem sofflre de
erysipella, assim como ^neias-do 18a pai
os que sofrem do rbeumatisraoJ
Suspensorios para homem e wiainos.
Finos pentes de tartaruga par* coques *o
de outras muitas qualidades e, para outros
misteres.
Dedaes de madreperola, narnm, osso
ac, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome pira tingir
cabellos, dando aos mesoas a sua cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas perfumaras
dos melhores fabricantes, assim como mui-
lkws de cosinhas em sobradas, pelo seu asseio e j i.MHin ariiOw.irn a%iniaadrr<
ertar apassagwn de aguasara o anda ferior | tureaos de Cliagren, agutoeiro t^ maare
) em.'^mo o perigo de fofo, a...- preeos de-3O)*000 a peraa : assim, fois, qucquizer faerum
N 45000 o millHriro: na roa Nova efe Sniita Hita, na indis offerta, dtrigir-se i Nova Esperanca.
rua do Queimadh n. 21.
Odiares anotms eUctro-mtqfmU
eos contra as itMUtttyi lf lili
creatinas*
?Ct> resta a menor dxda, de rae i*uito
coifatres se veadem por ala intitiadts os
verdadeiros de Royer, e eis poripe. uitos
ps-de familia nao esee (coraproado-os)
11 >i'fifi ti i i'ni'K't tillo, o (|tw s ytjdco dar.
os-verdadeiroa-; a No*a EsperaoQa, porm
qae detesta ai falsificado principalBsMite no
(iie respeita ao bem estar da Sutaanidade.
M urna encommenda directa destes. rollares
i garante aovpais de familias,, qoe sao osw
verdadeiros de Royer, que a tantas crean
-.-as tem salvado do terrivel iofloaanodo de>
anticta fabrira-e sabio, e-oom*oas mareres do 500
se far 5 por oes*) de Viseme por prompto- paga-
i nwBto. PndeafMO ver as aaoostras Boo-amozcns
de Tasso IrnJos.
Velas desparnaoete Terdadeia?.s-paia lan-
ternas de carros: no ainazem de Tasso Ifiraos.
Vinho do Porto nop snoperior: no amiazem
t Tasso Irmaos.
O melhor.cofraao-Gaoflhier Frenos : Boarma-
TMm de Tasso irmaos.
Esleir* da India
Em casa do Tasso Irmaos vende-s es*iras da
India de di/tersos psdces e larguras, for pre^o
oonimodo.
Maearthy
Machina de 5Scaro*ar aigodo.
Hoje qnaestreeonheeido qae as raiuthinas de
serrote ptoj^dicam a-m'bram a.libra d algodio,
preciso recorrer a achinismo mtAos asiiero, i mmvili/.7ipo
que protteado o nosoio servi^ que fjuellas, e i ."Tiicoes assim pois e P', 8
bcilidadi no trateaho. nao quiAseni aifcra da la, I nham a Not Esperance a rua, do Queimado
seus
para queessa.posea Ater-noi mercados europeos, n. 21 comprarem o salva vida, para
adilTerearaque. na catre o ateoda da!>carot:adu.|p||hn))0S tes que estes sejam acommaMi-
por aqurfas meamooadas machi** que estao & | W Hn fprp!vfi, m>}. mianilnu,Ill5n rf a.
cando
eo da:
pela morosi
estas Loaciiinas-se lornam as mais. norias pan o
nosso algodSoy porque ao par da facilidad- o
promptidQ conserva a fira da laa, que limpa por
ella, o qualificnda na Ecropa a par na melhor ki-
landoirai vaendo assim. entre ti anobas 2c>. 01)
maie do que a lia limpa pela loaehina de seirote.
EsUs ma,c rus uo sii> novas, pois que lia utuilo
eslat) adoptadas no Ejrypto, aoide as de serrote
foBam integramente Jiandunadas, e por taso o algn-
dao daquolia proceibncia, sondo da qualUadi- lo
i la im.-sa provincia, oblan, buje de 10 alubas O
9/0 mais do que o nosso : vendem-se a 130*000
nos armazens de Tasso Irmaos.
FUNDICAO DOBOWMAH
lina do Eirtiiu n. &9.
Machinas de- vapot.
Rodas d'agoa.
Mocndasde canna.
Taixos de ferro, batido; Itondido.
Rodas dentadas, paia aaoer com agoa,
vapor e aaimaes.
E ootroe muitos objectos, etc. etv pro-
prios para agricultura._____________
Tintura japoneza
Instantnea para tingir os cabellos e a
, barba, a 10000 o frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. rua da Cadeian. 31.
no tmmdo inte.ro do ^^.i^S^S^Si
schar-sc intimamente combinado nelle o iodo com o sueco das plantas MtoM.u^ eW'???:
6 bem conhecid. e as quaes j aturalmente existe o iodo. E' com este mouvo que elle suppre
com vantagem o Oleo de figados de Bacalho, que deve, secundo os homens scienliftcos, a sua
efficacia i presenca do iodo. E' preciosa no tratamento das crlancas para eombater o lympnatismo,
as obstruccSes das glndulas do pescoco, o as diversas erupcoes do rosto, to freqnentes nu
crincas de pouea iaade. Tnico o depurativo ao mesmo tempo, elle excita o appetite, facilita a
digestio, o restitue aos tecidos a sua firmeza o vigor naturaes. E' coda dia receitado peto* mediOOC
eopocialistas pora eombater u diversas affeccoes da pelle.
Deposito em Pernambuco, em casa de aunar aReSbeu tambem os excellentes relogios tos" ^^^^^ M.
do antigo e afamado fabricante Robert Gerth crevw- ? so ^ ^^P0 7' toi"
& C, os quaes vende precos commodos do_?.uo i?l ;,,: ,,?!/. <-
garantindo a sua superior qualidade. Collares Royer electricos> m^^ -
- tro as conYulsbes das enancas e para ractti-
tar a dentinco das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
coliaros e contina a ter sempre grande de-
posito, rua do Crespo n. 7.
HISTORIA DO IllSII.
POR
Salvador I.. de Albiiqucrque
2 ED1CAO 2*000
s
CHALES A 20000.
Vendem-se chales de merino cora boni-
tas barras, pelo baratissimo preco de 20000
e 20500 rs., na loja do Pavao rua da Impe-
ratriz n. 60, de Flix Pereira da Silva.
--------
Attenco.
.
Veude-f c no caes de Capibaribe pedra mulati-
nha da primeira qualidade, pelo preco de 1J200 o
palmo corrido, sendo hombreiras, soleiras e sepos
com o mais que se seirue. ^__
Vende-se por necessidade urna negrinha
com todas as habilidades : a tratar na rua do Pa-
dre Floriaao n. 71. Na mesma cobo d-st algum
dinheiro a juro.
Rua da Cruz n, 68
ha para Tender
MEDIDAS e pesos do systema decimil, de todas
as qualidades, para lojas, trapiches e tabernas.
Cartelra
Vende-se nma carteira com estante
na rua Direita, taberna n. 91.

a tratar
Meias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes meias elsti-
cas de borracha contra varizes e erysipellas.
Vende-se na
- Pharmacia e drogara de
Rartholomeu A C.
34rua larga do Rosario34
'" Vende-se por preco raioavel 1 sofai'rltar de
consolos, 6 cadeiras e 1 caWde, tudo com uso : no
do pateo Terfo n. 29, luja.
Manoel Alves Ferreira A C, na rua da
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
superior potassa da Russia embarris e meios
barris e cal de Lisb6a da mais nova que ha
no mercado.
Em casa de Theod. Christiansen, rua do Com-
merek n. 16, encontram-se effectivamente todas
as qualidades de vinho Bordeara Dourgogne e do
Rheno. ^^^^^
Para armazens a retalio.
O Campos da rua do Imperador n. 28, tem pars
vender grande quantidade de medidas de estanto
para lquidos, e de madeira para seceos, pelo 9ys-
tcm mtrico decimal, pelo qual estao os legocian-
tes a retamo obrigados a vender suas mereadorias,
a contar do 1 de marco do corrente anno. O aa-
nunciante avisa e garante aos que de tees medida?
necessitem, que sao estas as mais exactas, Pr
quanto sao feitas em Pars, de confornudade com
o systema cima dito, e segundo o padrao adoptado
pelo governo imperial ; nao acontecendo, porm,
o mesmo com outras que ahi se vendem, que sen-
do da mesma rapaeldade, deversificam de modello,
vindo ofOTecer dflvidas nao s ao9 compradores
cmtio aos vendedores.
G.U GAZ GAZ
Chegon ao antigo deposito de Hcnry Forster c
C, rna do Imperador, um earregamenlo de caz
de primeira qnaldade; o qual se vende em partidas
e a retalho por menos preco do que em outra qual-
qner parte.________________________________
E. R. Rabello teui para vender em seu es-
rriptoiio rua do Commercio n. 44, t andar, vel-
las de era, vinho Sherry muito superior em cai-
xas de i duzia de garrafas, e cachimbos de diver-
sas qualidades.______________________________
sejam empregacas.
de Roy*.
Para extsaguir as sardw e
panao
Recebeu a Nova Esperanca, nua do
Queimado n. 21, leite de rosas,, especia*
para exngiir sardas, e pannos.
BONEGA DE CERA
A No'm Esperan?a a rua do (Jaoimado n.
21, acaba de reeeber um coifpLeto sorti-
mento de finas bonecas de ceaaj de diver-
sos taraanhos, sendo as maleces do com-
primento d'uui covado ; estas bonecas tra-
zem l)Ofiito8 coques e botinas, havendo en-
tre ellas algumas que falla e outras quo
choram de sorte que fcilmente podem sec
preparadas, e fazer-se xm presente de muita
acceitaco.
Finas caixas de tartaruga para rap ven-
dem-se a rua do Queimado n. 21 na loja
da Nova Esperanca.
Modernos brincos de sndalo, s se en-^
contrajo na Nava Esperanca a rua du
Queimado n. 21.
MEIAS DE LAA
A Nova Esperanca a rua do Queimado.
21, acaba de reeeber um especial sortimen-
to de meias de la para homem & seabora.
CONTRA AS CONGESTOES
mal terrivel a congesto fulmiaante:
de repente leva um individo, d'esta para
milhor vida, sem dar-lhe lempo de reeeber
conversa medica; deixajdo as mais das
veses mulher. e filhos no mais amargurado
pranto; a Nova Esperanca que deseja pres-
tar servicos recorreu a Vojer, o qual lhe
mandou anneis elctricos magnticos, como
o nico preservativo para semelhante mal
elles antes que so acabera : na Nova Espe---
ranea*
NAVALHAS
A Nova Esperanca a rua do Queimado
n. 21 recebeu um sortimento de navalhas,
de qualidades, e tamanhos especiaes assim
como afiadores e massas para as mesmas.
LINHA PARA CERGIR MEIAS
Esta muito necessaria linha venderse 1
rua do Queimado n. 21 na Nova Esperanca,
BORDADOS BONITOS, BONS E BARATOS
Esparlilhos s na Nova Esperanca a rua
do Queimado n. 21.
'Ka rua de Hortas casa n. i,comnra-se jornaos
ou ootio qualquer papel que esteja linipo, a W
arroba.
Vende-se urna armacao envornisada e envw
dracada, propria par (pialquot-aslabeh-ctmenlo:
a tratar na rua Dtrrita n. SO.Taborna
SScsi
7 au-
Vondem-oo do oscrajas com habilid
tendo urna dellas urna linda filha do 6 para
no& naroa dos Prazores, nos Coelhos, n. 21
Cmt~de Portland.
Ven*-* no armaiem de Vicente Ferreira
Costa A Filho, na rua da Madre de Dos n. 22,
barr grandes.

ti
*
:


Diario tie Peruambuco Sabbado 13 de Fevereiro de 1369.
~^.

"TT
h
1

S

I
A OINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO -^
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprietario (Teste estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a w surtir-se no grande estabelecimhto que tem de fazendas, tanto da moda como
de li, t as pessoas qae negocian* em pequea esculla, tanto da praca como do matto-
nesta casa podero fazac os seus sortimentos em pequeas e grandes porcSes, venden-
do^e^Mies pelos precos qae se compram as casas inglezas ; assimeomo as excellentis,
simas familias, poderao mandar bascar as amostras de todas rs fazendas, ou mandare-
mos evar em suas casas pelos nossas caixeiros, para o que acha-se este estabelecimen-
to aberto constantemente desde s "6 boras da aanhaa as 9 da noute.
No\ramente chegadas ao armazem
DO
EJEAC*
DE
PAREDES PORTO.
Tendo-nos chegado ltimamente fazendas inteiramente nov.s, convida-
mos por este me io ao respeitavel publico a que nos procure comprar fazendas de
bom gosto e por precos que nSo acj&r em outra qualquer parte.
Admiren*!
O atoalhado do Pavao.
VenuVse superior atoalhado de algodfio
com 8 palmos de largura, adaaiascado a
#OO a vara; dita de lindo fazenda muito
superior a 3jeO a A-ara ; guardanapos da
linlio adamascados a 46500 a duaia e muito
fiaos -a 0090, e ditos econmicos a 3f>i>00
a duzia.
Ci'ecfcs para caddrae aaa laja do
tul
Ghegaram os mais lindos panos de cro-
ch ou.guarda bantris, proprios para o
deiras'tanto d'encosto, como de balance e
de guarnicao, e outros compritios para o-
f, assiai como ditos redondos para mesas
redondas, ditos peqsenos para almofadas, e
ditos para cobrir pwsentes.teodopequeos
at para cobrir una prato, que se ventem
por preeo muito em conta, na toja e arma-
zem do -Pavao ra da Imperataiz n. 60, 4e
Flix Pereira da-Sikn.
Pastees para resudo* brancas
IW.
Vendeat-se os mais modernosfustoes brin-
cos Qexweis com padrees de listas e salpicos proprios para vestidos-e roupas-de
menino a'640 rs. o ovado, na'leja e arma-
zem do Pavo ra da Imperatwzn. 60, de
=Flix Pereira da Silva.
CU'OMleuapIes
Chegoupara a loja-do Pavao pelo ultimo
warpor um grande sttimento dos melhores
grosdenaples pretos e de cores, tendo verde
tambem, que se vendem mais fearato que
em outra qualquer parte.
^PECHI.XCHA EM ALGODOSIMIO A -OfJJOO
A PECA NA LOJA DO PAVA*.
V'nde-se-superiores pecas de atgodosi-;
nho -com 20 jardas a i>#500 a peca, gran-
de peehincha, na ra da Imperatrit n. 601
armazem de Flix Pereira da Silva.
PECHINCHA A 3:500.
Cortes de aa 3:500.
Cortes de 15a a 3:500.
Cortes de laa a 3:380.
LSazmas a 289 ris.
LSazinhas a 280 reis.
Lazinhas a.280 reis.
S o Pavao.
S o Pavao.
S o Pavao..
Vandem-se bonitos cortes de ISazinhat
para -vestidos com padroes modernos tendo
cada mm corte i i covados pelo fcarato pre-
co de 3:500 rs, assim como ditas em pecas
que se vendem a 280 rs. o covado, sendo
grande peehincha na loja e armazem do Pa-
vao ra da Imperatrz n. 60, de Flix Pe-
reira (la Silva.
BABADINHOS
"Vendem-se finissimos babadinhos, tiras
bordadas e entremeios, mais baratos do que
em outra qualquer parte, assim como espar-
tilbos dos mais modernos, no armazem de
Flix Pereira da Silva, ra da* Imperatrz
n. 60.
ALTA NOVIDADE
A LOJA DO PAVO
GurgurSo de seda
Chegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos gurguroes de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos e lavradnhos, com muito
lustro, garantindo-se que a fazenda mais
linda e de mais phantasia que este anno tem
chegado a este mercado, e vende-se por
preeo muito razoavel, na ra da Imperatrz
n. 60, de Flix Pereira da Silva,
GROSDENAPOLES PRETO A QATRO
PATACAS S O PAVO.
Vende-se grosdenapoles preto de boa
qualidade pelo barato preco de I 1280 oco-
vado, s na loja c armazem do Pavao, ra
da Imperatrz n. 60 de Feliz Pereira da
Silva.
CAMBRAIA BRANCA A 3,5500.
Vende-se pecas de cambraia branca
transparente, com 8 e meia varas pelo ba-
rato preco de 3?ji500, ditas muito finas tanto
tapadas como transparentes 4)0500, 5|0OOO,
6$500, 7,5000 e 85000, assim como organ-
d muito fino tanto lizo, como de listas e
quadros na loja*e armazem do Pavo ra
da Imperatrz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
ALPACAS LAVRADAS JPARA LUCTO.
Vende-se na loja do Pavo, as mais mo-
dernas alpacas lavradas para lucto, sendo
inuitolargasepelo barato preco de800rs. o
ovado, s na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatrz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
JLasluhas
A deze vintens.
A doze vintens. #
A doze vintens.
Vendem-se lasinhas de cores muito bo-
nitas com desenhos miudinhos e grandinhos
com listinhas e pintas pelo barato preco de
2i0 ris o -covado na leja do Pavao, ra da
Imperatrir.n. 60, de Feliz Pereira da Silva.
AS CAMBRAIAS DO PAV6
Vendem-se finissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tatito inglezas cwno suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos >e 55000 at 105000 a peca, assim
como finissimos ergandys braneo liso que
serve >para vestidos transpapente a 15000, a vara, na loja do
Pavo raa da Imperatrz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
FUSTO BRANCO TARA VESTIDOS A 640
Na loja do Pavo vendem-se os mais mo-
dernos fustes brancos de lista e cordao
muito encorpado mas multo flexivel, pro-
prios para vestidos,roupoes, penteadores etc.
etc., e 'noupa para meninos, pelo barato pro-
co de: de Felte Pereira ta Silva. .
SEDAS COtf LISTINHAS A 3500o o
COVADO
Vendem-se as nsais modernas sedas de
listinhas para vestidos, chegadas vapor com as cre6 mais modernas que tem
vindo a este mercado, pelo barato preco de
35 rs. oeovado na ra da Imperatrz b.
60 de Feiix Pereira da Silva.
Alpacas lavradas
Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que se vendem a 15000, o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de canna a
800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:200,
o covado, e utras muitas fazendas de goste
e moda que se veadem mais fearato do
que em outra qualquer parte, no ai-mazem
do Pavo, raa da Imperatrz n. 60. de Flix
Pereira da Suva.
. ORGANDS DE COR
Vendem-se organdys de cores com pa-
drees miudinhos em assentos brancos e de
cores pelo baratissimo preco de 360 rs, o
covado, finissimas cassas frarttezascom deli-
cadas cores e bonitos desenhos a 320 rs. o
covado e ditas a 300 rs, na ra da Impera-
trz n. 60, armazem de Flix Pereira da
Silva.
Roupas para hornean
Vendem-se superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas inglezas e frahcezas com os peitos
de esguio, ceroulas francezas de lindo e al-
godSo, meas craas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e de meia de la, assim
como neste estabelecimento existe um grande
sortimento de pannos pretos, e de casemiras
inglezas de eres, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-lhes que sero servidos
cora a raaior promptido e muito mais ba-
rato do que. em outra qualquer parte
na raa da Imperatrz n. 60,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a I256O0 rs. cada par at 255000 rs,
isto na ra da Imperatrz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
Chitas
Vendem-se as melhores chitas escuras para
casa sendo de cores fixas, pelos baratos
precos de 320.e 360 rs. o covado] ditas
muito finas francezas sendo claras, com pa-
droes de cassa a 360 e 400 rs, peehincha,
na ra da Imperatrz n. 60, armazem de F-
lix Pereira da Silva.
Cirosdeuaples prcto
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de 25000 rs. o
covado at 45000 rs. garantindo-se que
n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
qualquer parte, na ra da Imperatrz n. 60,
de Flix Pereira da Silva.
Poli de ehvre a l.$OOOo covado
Vende-se poil de Chvre muito largo com
as melhores e mais modernas cores pelo
barato preco de 15000 o covado, na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatrz n. 60
de Flix Pereira da Silva.
85 rs.,
Madapoloes finos a 55, 65, 75 e
s no armazeit do Leao.
Chitas escuras de padroes lindos por pre-
co de 320 e 360 rs. o covado.
Cassas de coras com patanhas com
listas de diversos. padrQes a 240 e 330 rs.
LSazinhas cimentas e cor de betuna a
320 o covado.
Chitas claras itiudinhas a. 320 e 960.
Alpacas pretas e de cores lindas proprias
para vestidos a 630, 709 e 800 rs.
Pecas de camtrraia transparentes a 44,
55'e 65. Par este preco admira a todos !
Lencos bordados a 65, BQG e I2#50O.
Ricos e bem escolhidos gostos de bis-
marks para calcas e paletots a 25500 o
corte.
Tambem tem para acabar pecas de pan-
no de finho, coa 27 varas, a 175 e 485.
Toallas de 4mho para rosto i 105 a du-
zia, .
Aos Srs. armadores de enterros.
Vendem-se pegas de hoUaoda preta com
W covados a 55 : na ra da bitperatrk u.
8 e 52, jaatoa padaria francesa, toja doj
Cielo.
Attencs roupas ferias! I m armazem
C0I?if CoS^inraS tas a 25800 e 35.
Corpinhos brancos aara senhara a 35
$5200.
PoclaiichaJ
e
Cortes 4e cassineta de cores para calcas e
paletots a 15500.
Cassineta de cores com um pequeo lo-
que de mofo a 400 rs. o covado.
Espartihos milite finos a 45500, 5&
55500.
Admira!!
Gravatas de seda a 500 rs.
Golinhas bordadas a 500 rs.
Lazinhas; a 200 rs. i 1
Lazinhas a 200 rs.! 1
* Lazinhas a 200 rs. i 1
No armazem do Leo, ra da imperatrz ns. 48 e
e padaria franceza.
Assim como teams um gran 3, completo
He variad sortimento de roupas feitas: ^-
%3tots saocos, sobrecasacos, fraques, jaque-
toes, calcas, cohetes, camisas, ceroufcis,
Chapeos etc., tudo por pregos^jue admira!
Tem tambem um sortimento de roupas
ordinarias por proco baratissimo.
Acaba de ebegar tambem m completo
sortimoato de damascos 4t cores, seodo
azul, amarello e cor de caf te., que se
vende ipor preco oommodo.
Admira! i
No armazem de Leo 11
No armazem do Leo I! 1
No armazem do Leo!! !
No armazem de Lelo 11
52, junto a toja de ourives
ROIIPA POR MEDIDA
LIMA, LESSA & C.
14-RUA NOVA N.-14
Os propnetaros d'este estabelecimeato acabam de montar urna das mais com-
pletas oflicinas de alfaiate, encarregando a direceo da mesma um dos mais habis
artistas; e para melhor satisfazer aos seus freguezes tm um variado sortimento de ca-
simira de .toda a qualidade, pannos finos, brins, merinos e varios objectos proprios para
humem, assim como um completo sortimento de fazendas finas de toda a qualidade,
_______Garante-se a melhor qualidade da fazenda e o preco mais rasoavel possivel.
FAZENDAS PRETAS
PARA A QIMRESIM
AUGUSTO POSTO & C.
Roa do Queimado n.il
Receberam directamente da Europa as mais superiores fazendas pretas espe-
i a quaresraa, as quaes esto vendendo pelos mais mdicos Drecos jm vista
ciaes para a quaresraa, as quaes est|i
ja superior qualidade de ditas fazendas.
^j^^2^^2^^&^a^^g^gg^^^^
TCSSES CATARRHOS PASTILHAS PEITORAES IRRITICOES DO PEITO
rDBSUCCODEALFACE]
E LOURO CEREJO
E' ote o mais doto e pidtment* a popularidad aa Lossu, defluxot, catar grande empenho o procur primeiro que tudo inof Deposito em Perna*nb% delicioso confeito at agora conhecido. P s de que. goza. Os mdicos os mais distin rhot, tottet conmutas, catarrkot epidemia lo as mies de familia, assim para ellas coi tensivo, e as suas propriedades adocantes n ico,* em casa de Mnm O*. r isla tem adquirido nietos o aconselbao contra rritacet do peilo. Com no para as enancas, pois lo deixio nada a deeejar.
AliTA \o\ III % ni:
Basquines pretas de renda, verdadeira novidade, para senhora.
Gorguro preto de seda liso e com listas assetinadas para vestidos.
Grosdenaples preto largo estreito de diversas qualidades havendo neste se-
ero o que ha de melhor.
Basquines de croch pretos, ditos de seda preta com cintos delicadamente en-
fetados, elegantes peplums de seda preta, fichos pretos de renda, modernas capinhas
pretas de renda e snperioras vestidos de gorguro preto bordados.
Moirantique preto e braneo, bombasina, superiores princezas pretas, merinos
de vero e trancado* dos melhores.
Os mais lrados'vestidos de blond com mantas, capella para noivas, superiores
fronhas de cambraia de linho e de esguio bordadas, e lindas colxas de seda e de la
para camas.
, SfcWdas de baile brancas, azues e cor de cinza de gosto especial e ves-
tidos de cambraia branca ricamente bordados.
u *BPe',,,,i;s de seda Pa'"a vestidos lisos e com listas das mais lindas cores
e mais bellos padroes, e grande e variado sortimento de sedas tanto em cortes como
em peca.
Cortinados bordados para camas e janellas, baloes parisienses com
molas novo gosto, baloes reguladores brancos e de cor, espartilhos e bella* colxas
de croch.
Carnizas de llnho inglezas para hornera, chapeos de sol de seda,
grvalas modernas, pannos finos e casimiras de cor e pretas, e outras muitas fazendas
que vendem por mui to coramodos precos.
A loja n. II da ra do Queimado tem sempre o melhor sortimento de tapetes,
alcatifas e
Estevas da India para forrar salas.
T
lilil
Frllillt
,f CIGARROS INDIANOS
JDOCANNABIS INDICA

somcicli
IIMOIDla
Tolos os meios at boje preconisados contra a astbma nlo tem sido mais do qne palliatiTOB
debaixo de todas as formas, tendo por base a belladona, o estramonio on opio. Recentes expe-
riencias feitas em Allemanha, repetidas em Franca e na Inglaterra, Mm prorado que o cnamo
indio de Bengala possue as mais notareis propriedades para combaier easa tenuvel affeccio,
aun como a toase nervosa, a insomnia, a tysica laryngea, a ronquidit, exneclo da vos,
e as nerralgias faciaes. E* pois com o apoio da sciencia que offerecemos estes cigarros, prepara-
dos nd o extracto de cnamo das Indias, que dos importamos de Bombsim.
_________ Depasito'esa Ptmtmbuco, em easa de er.
8OI-FRIMENT03D'E3T0MAG0,C0M8TIPACAO.-
uura eni poneos das pelo carvao ot selloc em p ou em pastilhas.
ENXAQECAS; NEVRALGIAS. bsuaffecedestfodis-
llpadas rpidamente pelos PEROL A* CCTHER I- amu.
ANEMIA, A PALLIDEZ os offnmentos que necesalamdo
empregd dos ferrugHiosos sSo sempre corabatos com o melhor resultado
pelas pii.ulas OC vaLLET. Cada Pilula tem inenvado o norae TiUET.
PO DE ROG. Basta dissolver um frasco d'este p em meia
garrafa d'agua para se obtr urna limonada agradavel que purga sera fa-
xer colicii.
VINHO OE QUINIUM U UU1H. Bate Tinho, nm dos
poucos c jja composico i garantida constante, urna das melhores pre-
parares de quio, sem seco ustaval sobre os convalescentes, dande-
lhes forcis e apretrarulo a rolta a ssude. Cura as fetres antigs qu re-
aietio ao sulfato de quinino.
MOLESTIAS OA BEXIGA. A alor parte (Testas moles-
tias, com) as sciaticag, lombages, catarros, o todas as dores no-rosas em
geral sao curadas pelas w rola I OC CStCBCM OC THERUentina do
Dr. Clertui. 0 professor Trousseau em sea Traltio dt thertftutic* acoa-
selba as para sercm tomadas na occasiio do jantar, na dse de 4 i 11
OLED DE FIGAOO OE BACALHAO DE BERTH.-
Garantidc puro e de arimeira ptuidads, um dos poucos aproTades peas
Academia de medicina.
Ocordeirx) providente
Ra do Qucliiiatlo o. 16.
Novo e variado sortimento de" perfumarias
finas, c outros objectos. ,
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que effectivamente est provida a
loja do tordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pila variedade de objectos, superioi i-
dade, qualidades e commouidades de pre-
cos; assim, pois, o Cordciro Previdente pede
^f espera continuar a merecer a apreciado
do respeitavel publico em. geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se alis-
tando elle de sua bem conuecidaraansido
e barateza. Em dita loja encontrarlo os
apreciadores do bom:
Agua divina do E. Coudray. .
Dita verdadeira de Murray Je Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
cesa, todas dos memores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservagio do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
e outras qualidades.
Fiaos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples eenfeitados%
Esseacii imperial do fino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finos eagradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto com escolliidos cheiros, em frascos de dif-
ferentes tamaitos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinlmcom bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumarias, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perfumaris finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composicode
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
Cas.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambem para denles.
Tnico oriental deKemp.
lida aliis coques.
Um outro sortimentos de coques de no-
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhos.
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
estad todos expostos apreciacao de quem
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PU.NIIOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfoicao.
Flvellas e fitas para eintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS.
O que de melhor se pode encontrarnes se
Lgenero, sobresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para viageni.
Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
precos commodos.
Chapelinas de palha da Italia mui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
r5o presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a ra do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
0 Cordeiro Previdente ra do Queima-
do n. I Cacaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto esta sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidade de precos.
ALEM D'AQELLES'.
Recebeu outros lindos enfeites. de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de galles de la, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade de go&tos os tornam recommenda-
do6 e apreciados ; compareco pois os pre-
tendentes que sero servidos a contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homcrr
como para sen horas, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
ra do Queimado n. 16.
.*.-:
Para familias
Grande Bazar, raa ova ns. tO e
i. de Carne Ir o Vlanna '.
Acaba de chegar a este' estabelecimento
grande poicad de machinas para costuras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposiro de Paris, as quaes corem.com
dous pospontos toda a costura, e trn a
vantagem de ser to suave o movjm que qualquer criaba de oito annos i'ac-
mente tr&alha, e pode, com este entretc-
nimento, levar vantage ao servico diario
de Linta coatunjras. A comprehensao e-
simplcs, pois em um quarto de hora se ti-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do a mesma a propriedade de fazar as sc-
guintcs costuras: pospontar, abaiLJi'T,
franzir, marcar e bonlar. tomo !iprt3entam
os desenhos que acompanham-nus. Os pro-
prietarios do estabelecimento se encarre-
gam de mandar ensinar n'esla cidade> e
garntela entregar o Ep?rte dispendido ao
comprador, no caso de nao Uabalhar coT.
perfeico a maclna vendida, nao tendo,
porm, solfrido ella alguma arara. Ha tam-
bem no mesmo estabelecimento machinas
do autor Giower d Baker, de abalho sim-
plesmente mo, e outras com movimento
dos ps; e mxime todos os pertences das
mesmas machinas, para vender avulso.
1 JLA>i
de chegar os sabonetes de
alcitrto
Para curar as molestias da palle, taes co-
mo impingens, dartros, sarnas, comichoi s
e mais molestias de i>elle sem eccasionar
accidentes; desfaz as manchas do corpo,
pannos e sardas, rcstabelece a cor natural
quanto cutis, seca, grossa, amarellenta,
occasiouado por alguma enfermidade, cro-
mo desinfetaute e jiresei^ativo das molestias
contagiosas.
Deposito, botica do pinto, junto ao quarte* o
poliria, n. 10.
Farinha le Mandioca. '
No trapiche da companln'a, largo do
Corpo Santo, ha farinha de mandioca de
Porto Alegre, ensaccada e de qualidade mdito
especial. Abordo do brigue torma ha
para vender fariulia de mandioca de Santa
Camarina, fresca e de boa qualidade au
se vende a preco commodo; a tratar no es-
m'ptorio de Amorim Irmo, ra da Crea
n. 3.
Uluminacao.
RA DO CRESPO N. 16.
Duarte Pereira d C, tendo recebido pelo
ultimo vapor grande e variado sortimento
de baloes de papel de diversas qualidades,
e do mais moderno gosto, proprios para
illuminacad tanto da cidade como do
campo, assim o fazem constar a seus nume-
rosos freguezes e ao respeitavel publico,
afim de que com tempq se previnain, visto
como ltenlo aos ltimos successosda guei
ra se espera a cada momento a fausta' no-
ticia de sua concluso. (A illuminacad en
baloes de papel alm de ser linda menos
dispendiosa possivel, os,Tniuiiciantes ven-
dem-os por prec.js mui razoaveis,
ESCRSV0I FG100S.
Janeiro,
rugi a l' do correte mez do
e?rravo de nome Fenpe, cabra toni t.
idafe, um punco alto, subrancclhas prelas e sti
radas, os cabellos araboeabdo, i|iiando inda p -
za duro e com panoa largaa, tem nma marca i i
caustico do lado direilo sobre o ligado, levoo i. -
ca debrioi eouadriabos pretos, camisa de ma-
dapolio, chapeo preto de Ka redondo, este escra-
vo costumava a janhar na nw conduzindo e-
ros de una venda da na Diivita para a estao
das Cinco Ponas, natural do lujar Hanhoiinhiv
da comarca de S. Benlo dcsia provincia, e fci
comprado ao Sr. J. AlVaa de Mullo, morador no
mesmo lugar, presame-se que o mesmo escray >
continua a ganhar na raa, munido de un bilheto
falso nroeurando senhor ; pede-se aos Sis.
Res di
cap-
NOVIDADE
.iFISO. Todos
etes medicamntos fmrtm apromdtt pti* Aedemi
imperial de medi* de Paris.
Ho-Jnttrt
DEJ'OSITO
a tula, i* rauena, ia, r ja*a
PTtmshm.
Ctmrs.
ato.
aUraaaet O.
A loja de Coelho Ohveira ra do
Queimado n. 19, recebeu pelo ultimo vapor
um bello sortimento de baloes de diversos
systemas, os mais aperfeicoados [que teem
vindo ao mercado, sendo :
Baloes de guipur com tiras chamados
reguladores, ditos de musselina abortos por
ambos os lados, de modo que sendo todos
de um taraanho servem para qualquer se-
nhora, de la de cores, com tiras, e as se-
geintes fazendas:
Saias de la com bonitas barras.
Chales turcos de seda e la Beatriz de
Tundas.
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
JLasinhas
Sultanes, Poil de Chevre, Tricte, dito de
xadrez e outras muitas, entre ellas urna
Especialidade
L3a pura de cores a 360 rs. o covado.
Basquinas a Mara Antoniete.
Cambraias fantazia.
Ditas brancas transparentes e Victorias
Colxas adamascadas. .
Cobertas chinezas a 24500 rs. e outras
muitas fazendas que tornar-se-hia enfadonho
a anunciar.
e campo e mais autoridades poiiciVs a cap-
tura do dito esclavo e levavlo ao seo senlior Jo.-o
Pereira de Miranda Cunha. morador em Santo
Amaro, sobrado grande do Sr. Manoel Castodib
n. 22, que se f ratificar generosamente.
O abaixo assignado recommeda a capiu.r.
do seu escravo de nome Joaqiiim, moiatO, fucid.
do seo sitio do Monteiro, comprado aos teas do-
nos os Srs. Joao Goncares da Silva, Vicente Ca-
vilcantide All.uquerque e Alexandre Gomes dr.
Silva, nesta cidade, por interniudia de seus pro
curadores na pessoa do Sr. Manuel Francif i
vilcanti, todos de Pao d'Alho e por iatervencaoU
Sr. Santos (corrector de escravusi. enjo escravo p
tambem natural de Pao d'Alho e tem os distici -
suguintes : idade 33 annos, secco do corpo e um
p-ouco alto, bigode, cabello um poueo caraplnliado
e perneado, falta de dentes, urna inflammacao en-
cruada na junta da mio asquerda, falla a srtane
jo, muito desea neada e mansa : Ievou camisas do
madapolao e rucado de aJgodao, c calcas de brim
pardo. O abaixo assignado muito recommeda a
captura deste seu escravo todas as autoridades
e mate pessoas encarregadas da captura de escra-
vos, naos pelas diversas cidadee, villas e povoa-
dos, como pelo sertao, para onde pode tur gegnJdO ;
prometi bem gratificar, e tambem a qualquer
pessoa que d'elle der noticia certa ; a diiigiren:-
seao seu escriptowo a na do Crespo n. 15, ou so
seu sio no Monteiro.
Retire, 27 de Janeiro de 1869.
Antonio Jos Rodrigue* de Sonza.
Fugio do engenho Morenos, no dia 7 do cor-
reiite, um negro de nome Thomaz, com os sigues
sucintes crioulo, nir pivta. idadu 20 annos. es-
Ufara regular, sein baiba,dentes e ps perfeitea,
mais um pouco arqueados, tem urna ftida n'um
calcanhar, pucha pela penia quando anda, es-
pailaudo, foi escravo da'viuva D. Auna Maria da
Luz que mora na povoacao da Varzea e foi sen.
dido ao snlior do engenho Morenos ha 14 dias
este negro tem irmao em poder da mesma senho-
ra : quem o apprehcnder leve-o ao engenho M -
reuos ou no Recife ra da Praia armazem do Sr.
Samuel Haliday que ser Dem graticado.
Bareges a 400 rs.
na loja lo Pavo
Se veadem as mais bonitas bareges transparen-
tes, proprias para vestidos com listrinhas a imita-
$io de listras do seda, e vendem-so pelo barato
preco de um cruzi.do cada um covado, nicamen-
te na loja e armazem do Pavao, ra da Irnpera-
triz a. 60, de Felij; Pereira da Silva.
.00$ de gralilcifio
Fugio uo dia 11 de Janeiro do eerranle anno,
do engenho Batalura, freguezia da Estada, o es-
cravo prcto, crioulo, de 2i annos de idade, cha-
mado Marcelino, que foi do Sr. Joao da Cunha
l'ureira, atajo escravo estuve no deposito geral, e
tem os signaes seguate? : alto, ecco do a
rosto muito marcado de lexigas, falta de di
na frente, cor preta, sabio de chapeo do chile, pa-
letot e cal^a de castor, levando um bahuzinho de
(landres com mais roupa, c suppoe-e estar na
freguezia do Gabo : quem o apprehenoVr le
ao dito engenho, ou ra da Seniala-nova n. 38,
escriptorio do Sr. Bernardino Pontual, qHe r
berfa gratifica?ao cima.
Acha-se fgido desde o dia 29 de Janeiro
do presente anno, o escravo Hercalain >.
de idade de 40 a 43 annos, com os signaes se-
guate*: altura regular, secco do corpo. edr
poeta, peinas bastante tln
barba, falta de dente
costas; gratitica-se qtiem o poaar e leva
seu swhor Antonio uvaleanti da A
querque, no engenho Tai uta, da coi
ca d.i a ra do Apollo n. 34,
segundo an<:
.^A.


Diario de
__1
-u-
Pernambuco
-------------1-------------.----------_------^^4.
Sabbado
- '
13 de
Fevereiro
______~_
de 1869.
SJTTERATBA.
O fabrico da plvora.
(Concluso.)
Na verdade, estas bjeccoes seriam sem,
alcance no que respeita ao deposito de
plvora em grande quautidade; mas
justamente quando a plvora est, accurau-
lada oom seguranza em grandes depsitos
que os riscos de desastre sao menores
menos necessario appliear-lho procesaos
protectores. O porigo comer quando ella
manejada, e ncu!iiim;i medida seria mais
perigosa do que familiarisar artilheiros a
marujos com urna substancia inoffensiva
n'um momento dado e terrivel no instante
seguinte. A pretendida seguranza condu-
ziria irresistivelmente a flatas de precaucSo
e poderia resaltar d'ahi os desastres que
a iuvenco quer evitar.
A questao do exame e do ensaio da pl-
vora de guerra 6 infinitivamente mais com-
plicado e serio. Por agora nao est re-
*s: lvido. At aqui, depois de queimar um
pouco de plvora em urna placa de vidro
(onde o maior ou menor residuo (toteado
indica melhor ou peior fabrico do producto)
e fazer um p cubico de plvora termi-
nada, para verificar gnmo modo a densi-
dade della, nao se fazia mais do que atirar
algumas onzas de plvora em um morteiro
c arre gado com urna bala clieia, sendo que
a melhor plvora era a que lanrava o "pro-
jectil mais longo. Mas assim como se
dcmonstrou lia muitos annos, a experi-
encia do morteiro completamente intil
quando se trata de experimentar forca
das plvoras de diferentes especies que
devenrser einpregdas com carga forte.
Todos os artilheiros da Europa continental
renunciaram a osse meio. Os inglezes o
conservaran! como meio simples c rpido
de comparar as plvoras fornecidas pela
industria particular com os typos da mesma
especie da fabrica real de Waltham Abbey.
Mas os resultados dados por duas plvoras
de especies diversas sao completamente
"Ilusorias.
V questro das experiencias adquiri grau-
di>>ima importancia depois da adopcao da
arttlharia estriada, quando se reconbeceu
que a plvora da guerra ordinaria era a
um lampo demasiado forte e sbita na sua
aeco para o grao de resistencia das
pecas. A torca da plvora depende de
duas cousas: a quantidade de gaz desen-
volvido c a rapidez com que se produz
e$se desenvolvimento. A somma de calor
mvolvido representa importante papel
na acro, em virtude da expanso que
produz nos gazes ; ora, quanto mais r-
pida a combusto, maior o calor. Urna
experiencia para ser theoricamente perfeita
deveria dar urna medida correcta destas
las condicoes; mas dando como con-
cedido que a quantidade de gaz produzida
por certa quantidade de plvora 6 urna quan-
tidade uniforme, toda a queslo se resume
em achar o meio de jnedir a rapidez da
combusto de cargas de plvora differindo
nao s em quantidade, mas tambem em
grossura, forma, densidade, e dureza de
graos.
As pessoas que s veem na plvora a
sua pr< priedade explosiva, que em appa-
rencia, transforma instantneamente n'uma
irresistivel massa de chammas militares de
barra de urna substancia inerte, diflicil-
iiieiite concebero que se possa fallar do
grao ile rapidez do combust5o da plvora.
Pode-so entretanto demonstrar por multas
uianeiras que, posto que a exploso de urna
quantidade de plvora encerrada n'um ca-
sen conjunto, at certo ponto, snb iulke, i torios flexiveis impvdem toda a dispfttfft
eis iquaes as conclusues ge ramente^ ad-
mitidos.
Establecido o-principio de que as di-
versas plvoras em uso sao da mesma cora-
posicSo'iio que toca porporcSo e incoT-
porazio de squs elementos, (nao pudendo
qualquer modificando neste ponto fazer
mais do que dar urna decomposicjto menos
pereitapor occasiao da ignico e 'lijar,
por conseqnencia, as peras), d;'t-se entre-
tanto que os graos podem dUTerir conslde-
ravolmente ein"grossura. forma, denSidade
rigidez e polido.
A rigidez, que depende principalmente
da quantidade de humillado presente na
massa antes de ir prensa, em goral
mais ou menos uniforme, e como ainda
nada se inventou para experimentar a rigi-
dez de um corpo, intil complicar a ques-
to a este respeito. Quanto ao maior ou
menor lustre, basta dizer que a plvora
cujo graos tem um alto grao de polido,
principalmente quando se emprega ura
pouco de chumbo, parece ser mais lenta de
inllamar-se de que a plvora de gr'Sos ru-
gosos epurosos, isto porque a plvora po-
de mais fcilmente agarrar-se s superficies
rugosas.
Mas a densidade dos graos, isto a1
quantidada.de materia presente em cada
um delles, nao s pode variar, como varia
consideravelmente. A fallar a verdade,
pde-se aflirmarque impossivel pelo mo-
thodo actual, fabricar plvora de urfiformo
densidade. Resulta isto, como se expHcou
da impossibilidade de dar a mesma som-
ma de prosso plvora submettida pren-
sa hydraulica, e isso na i s por causa da
dilliculdade que ha de prensar cada vez
essa quantidade -de plvora exactamente
semelhante, mas por causa da impossibili-
dade de obter urna pressao uniforme para
toda a massa ao mesmo tempo prensada.
Urna plvora densa deve pois natural-
mente arder mais ^lentamente do que outra
menos densa, nao s por causa da contex-
tura mais apertada dos graos, menos favo-
ravel combusto, mas tambem, e eviden-
temente, por causa da maior quantidade de
materia que se deve consumir na primoira
volume por volume.
As questoes de grossura e lrma de graos
e os effeitQS produzidos por modilicaces
neste sentido sao extremamente embarazo-
sas, e os resultados obtidos parecem
primeira vista, contraediiorios. Se, como
se deve admittir um pequeo grao de pl-
vora leva menos tempo em arder do que
um grande, podia-se suppftr que um car-
tucho cheio de graos pequeos seria mais
depressa convertido em gaz do que um
cartucho de graos maiores, Na pratica da-
se o contrario.
Outra cousa sendo urna esphera a for-
ma mais diminuta em que a materia pode
ser posta, um grao de plvora espherico,
por isso mesmo que otferesse combus-
to a menor superficie, deveria arder mais
lentamente que a mesma quantidade de
plvora disposta sobre a forma de urna es-
cama achatada.
Tambem na pratica, a velocidade de
combusto de um cartucho cheio de graos
espliencos maior do que a de um cartu-
cho cheio de graos achatados, estivitamen-
te apellados uns contra os outros.
A explicaco destes fados em apparen-
cia inconciaveis que os gr3 grossos ou
graos esphericos, leudo entre si intersticios
muito mais largos, permitteni mais rpida
passagem flamma de nm a outro grao.
Por outros termos, posto que a velocidade
da combusto diminua, cresce a velocidade
de ignicao, e a conseqnencia 6 dar-se o
resultado contrario aquello que se busc iva
certo ponto, do modode fabricoyrcujqs
resultados sejam unfljrjnes. /j& r
Nao nova a i Nb; fui esiiogaja pdr
Congreve n'uma obra que data de cincoenta
annos. Em pequera escala a dea rali-
savel. Kll'iiaiivame de nao ha anas do (a*
comprimir a polvt"i em p em'pequ irnos
moldea.-com diversas pressofs, at .n,: os
Procurei.para isso o lugar mais solado,
ue gaz, e o empreo do delicado inttru- alim de flear mais s. Nao impedia isto
ment de balstica Mn commaadanta Navez qfe fosse de quando em quando pertur-
para medir a vefradaP da feda, pr^ams 'bada na minlia conlamplacao pele dialogo
perfeitamente que assim* ". O 'proo'ema das pessoas'que paSseavara e rofavam for
actual em materja d3 plvora fabricar urna mim.
plvorafOTfoitoen qw cadarfra^aij||,eo^ Atraditanialguem quo a conversa dos
todos Os>iirofe'tle vista, igur ad-Wvll!p^s^etfdorW''1raty dlra 'rgspelto a coosa
nbo; cuja forca d destruico dependa..at nenfauma do que nos rodeava, hem ao
menos versa va sobre assumpto proprio
das horas drylo ?
Uns 'U.itavam das operaces da prata,
outros das operaces da guerra; estes do
jantar que deviam dar no dia seguinte.
aquellos da cwaea"Hu^liaviam mandado
ftzer. Hotive um grupo que. dorante meia
hora s tratou da asceusa prowma ou re-
pequetios bols, <\w natar; tfB^pSWten*! c^m rtm rjpSz, seu marido
creio, gasta va toda a sua eloquencia em
provar que a crinolina era urna cou*a eterna
porque era necessaria ; ao que respondja o
mando:
Se a prima Jsepka dissesse isso, v;
mas tu, tu que tens um corpo de Venus!
Indlscripco queso eu onvi.
Ajiesar il'estas frequentes interruncoes
oontinuava eu a ollrtir para o mar 3 a eh-
golfar-me todo em devaneios poticos,
devnelos necessaros n'csta vida em que
tudo ou quasi tudo chato e prosaico,
J Se ia approximando a noite, quando
vieram para junto de mim dous coutm-
pladores, um homem e urna mulber. O
homem teria trinta* cinco annos e a mnlher
meal*,ma,**gw;*tffti.'^fquii%!!! ex(
mente a densidade desejada. A diffiaulda-
de e o perigo s co aiecamjuaiando se tenta
o fabrico em ferga estala. E' satisfactorio
pensar, no entanto, que se consegoio supe-
rar bs obstculos, e que o fabrico efe pbl-
vora granulada em p, embola, pWrt' nnr-
(Ivr.ram.i os inglezfs llie eliarnaan, vm-ser
immediatamente inaugurada.
Cabe aosnmoricanos-a honra de serem
os primeims que tentarara peduzir a fi)rca
destruidora da pokora sem destroir-lhe i
forca de propulsao. Fizeram com fflissa
de iwlvora, em prensa bydraulioa, disoos
chatos do calibre do cabnao. tsses discos.
invencfio do ton l> remus, foram levados
Inglaterra e experimentados, mas #9 resof-
c_Segniram-se alguns WSlafltes de iten-Jdra nopf)nto menos rreqiienta(l0 aquellas
O lmem du^o Iratoa jnulher para se,l^TjL ^^ is9e.tte ^^ ant3
ra, 9 estendeti I ^ 3 de partfr quero darli.e uma,ppova de con-
fianc. Vou contar-lhe oque inda n3o con-
tei a ninguem ,nem-contarei mais.
Estou prompto a ouvil-o-, at porque
lifna sua rda e nas*aiis pata*ws um nao
sei que de myslerioso,,
ftto ha mysterionenhum. Vaisaber.
Na idade de trinta e dous annos achei-
retirarera
Gompriinnto-ml* ptce, e eu
me; lembro di p ter vjsto nunca. E culpa
da memoria. D'onde me conhece ?
N3d o conhe?Ojmas qaando o- vi
confundi-o com um amigo mer e foi por
iss...
= Nao importa ; nao. somos amigos,..
temos j um ponto tT contacto. Qua'n

nos enconlrarinos aqui contemplaremos jun m mil 0 coflCifo deserto e a vida fatiga-
tados qnenNram, foram irregflfcres e muco .trinta. Confesso que desviei .(tarante'
satisfactorios. i alguns minutes os olltos da extenco de
Os rnssos ensaiaram ttnnl^m eflzeramaguas ipie se abra diante de mim, para os
nho possa ser considerada/ como instan-
tnea, nao simultanea. Com sffeito, sen- augmentando a grossura dos graos e arre-
do a porfi de plvora collocada perto do i dondando-lhes a forma. As condic"es di-
expeiwnc.ia com-uma polvoru prismtica fa-
bricada com massa de plvora compressa
em pequeos prismas hexgonos perforados.
Tambem os belgas se oceuparam (amisto.
Em (i.) 0T>, experimentai'am-se urna pl-
vora anloga chamada pobwa om bnla; em
867, essa plvora foi adoptada pela aiti
Iharia para todas as cargas grandes. Esta
s (Yiihre da plvora russa qnanto forma
e grossura dos erraos; sao pequeos cylm-
dros de urna polegada e meia, sobre tres
quartos de pollegada de dimetro, com um
pequeo buraco em urna das ponas. Cons-
titue essa plvora u plvora de graos uni-
formes exigida pela artilharia estriada mo-
derna, e a diiterenca de fabrico entre ella e
a antiga plvora de canho consiste nica-
mente em levar os ingredientes j incorpo-
rados prensa hydraulica, que os empurra
para pequeos moldes de forma desejada,
em vez do apertar urna massa de mistara
sob a forma de bolo de prensa e esmaga-
la depois em graos irregulares, para seren
mais tarde repassados e alisados antes de
entrar no consume. Estas operaces ido
s3o neeessarias como as bolas de que fal-
lamos, as quaes passam logo do estado de
massa ao seu estado definitivo.
Tem-se feito de tempos a tempns n ar-
senal regio pequeas quan'dades dessa pl-
vora, e os bons resultados que ella d na
pratica fizeram com que a commisso de
artilharia reromm 'inlasse a adopcO |deHa
em todas as cargas grandes. Far-se-ha o
fabrico em Warlbam-Abbey em grande es-
cala, e se as machinas em via de construc-
oo trahalharem com rapidez e seguranza,
grandes provises se darSo em breve ar-
tilharia de mar e trra.
ouvido da peca a primeira que arde, s 1
'jradualmente passa a combusto por toda
a carga.
Por mais mprovavel que isto pareca,
induhitive!, positivo que, quando se atirar
>\nn fortes cargas, certa quantidade de
plvora, a qie est mais affastada do ou-
vido da peca, muita vez espalhada fra
do canho com a bala, sem ter tido tempo
de inflamarse, e adiada junto a boca da
peca espalhada pelo chao.
A rapidez .da aeco de urna carga de
plvora depende de duas condieces : o
grao de rapidez de combusto de cada
grao, o que se pode chamar velocidade
de combmtoe o grao de rapidez com
que a chanima se comraunica de um a outro
o que se pode chamar a velocidade da ig-
iiirao. Como a forca destruidora da pl-
vora depende de rapidez da aeco, esses
dous pontos foram estudados com particu-
lar cuidado na Inglaterra e outros paizes,
ha alguns annos, principalmente depois do
usuccesso de algumas grandes pecas ingle-
zas. Posto que a questo esteja ainda em
FOLHETIM
C1TH1RIIA
POR
Jules Sandeau
XV
Desgrana sobre desgraca.
(Continuaco do n. Z'i)
Urna hora depois, Catharina regressava
a S. Silvano, aimiquillada, com o coraco
retalhado, sem forcas mesmo para soffrer,
ncm energa para se dar conta do que lhe
succedera.
la andando, colbendo aqui e alli as flo-
res das sebes, que desfolhava machinal-
mente pela estrada.
QHCn visse os seus passos desiguaes, o
olhar lerno, mas incerto, e nos labios um
sorriso mil vezes mais amargo pungente
do que o da desesperaco, suppo-la-hia
tomada, como phlia, de monomana po-
tica.
Ao passar n*um alto, que dominava as
planicies raarginaes do Creusa, reconbe-
ceu ella, atravez das faias e alamos, Ro-
gerio e Malvina, cavalgando ao lado um
do outro e seguidos a cem passos de dis-
tancia pelo bregeirete do groom, cujas botas
de canho branco e agaloados dourados
reluziam com o reflexo do sol.
Vestida com um fato de amazona azula-
do, que lhe desenhava elegantemente os
contornos do corpo, na cabeca um chapeo
de feltro pardo e seu veo fluctuando ao ven-
to, MaNna monta va com tanta destreza come
elegancia um puro alazao limosino, magn-
ficamente ajaezado, e que, meneando Tea-'
baca orgulhoso, como que so moslrava
ufano Mt o peso da formosa cavalleira.
Catharina pensou no seu modesto ves-
versas ein que cargas de plvora podem
arder, impedem que se estabelecam reg'ras
certas ueste assumpto por que os dados
obtidos n'um canho, com urna carga Iraca,
sao contrariados com urna carga forte, e a
plvora, que fatiga muito urna peca quando
empregada em cariuchos curtos e compac-
tos, pode ter um eieto dilferente encerra-
do em cartuchos longos e estreitos.
Bem como varia em densidade, assim a
plvora varia na grossura e na forma dos
graos. O esmagamento do bolo da prensa
em graos na machina de granular produz
fragmentos de todas as formas e dimenses.
A operaco da peneira por que passa a
plvora produz todava urna certa uniform-
dade na grossura dos graos, mas nao ha
dous graos que se parecam. Resulta que,
com a maneira actual de fabricar plvora,
nao ha duas cargas capazes de produzir
n'iima peca exactamente a mesma forca
destruidora. A introduco da artilharia
moderna de preciso, especialmente a dos
canhes Armstrong de carregir pela cula-
tea, em que os projectis prvidos de envol-
tido de chita, no seu singelo chapeo de
palha, na sua pequea jumentinha, e, sor-
rindo-se tristemente, proseguio no sen ca-
minho.
A pouca distancia d'alli oncontrou Clau-
dio, passeando, como sempre, philosophi-
camente, com o nariz no ar e as mos nos
bolsos. Ao ve-lo, nao pode abster-se de
um movimonto de satisfaco e quasi de fe-
licidade. Era a dr que a approximava do
seu velho companheiro. Catharina deu-lhe
o braco, seu dizer paiavra, e ambos pro-
seguiram silenciosos na derrota.
Havia urna hora que assim caminhavam,
trocando de tempos a tempos algumas pa-
lavras sem significacao, quando de repente
virara do lado da aldeia de S. Silvano um
claro avermelhado que esbrazeava o liori
sonte e projectava ao longe sobre a paisa-
gem uns reflexos lvidos. Julgaram ao
principio que era o effeito do sol a por-se,
porm nao durou muito o equivoco, por
quauto o sol acabava de por-se do lado op-
posto. A' medida que a noute se cerrava,
o clarao adquira maior eievaco, tornndo-
se mais vivo e afogueado. Pareca urna
nuvcm com os flancos ensanguentados, na
base iramovel e escura, no cimo inflamma-
dada como a crtera de um vulco.
Claudio o Catharina olharam-sc com
mutuo espanto, sem ousarem commnnicar
as suas reflexes.
Afinal o mancebo, para tranquilizar a
sua amiga, disse-lhe:
E' urna aurora boreal. N3o sei se
te recordas de que no anno passado, peto
fim do outomno, presenceamos do terrassil
do presbiterio am espectiiculo perfotc-
mente idntico.
Mas nao vs urnas faicas ?
Sao. as estrellas que appareeem.
E o fumo ?
E' o nevoeiro da noute.
Tmulo e ber^o.
Se o leitor destas paginas tem idea do
que fumar um bom charuto depois de
jantar, diante de um lindo panorama,
entre os afagos da briza, respirando os
aromas do mar, comprehender fcilmente
que eu fosse na tarde de um dia de abril
de lHG ao Passeio Publico, levando na
boca um charuto de Havana e no esto-
mago um jantar do Hotel Inghz.
A tarde era de abril; nolhes digo mais
nada. Estar fresca, o co era azul, o sol
j penda sobre as montanhas disposto a
dormir, e urna briza que vinha da barra
agitava as folhas das arvres do Passejo.
Sub ao terraco.
Haviam l algumas pessoas, homens e
damas, passeando e conversando, e creio
que alguns at namorando, o'que natural
principalmente as horas de urna boa di-
gesto.
L cncontrei um addido de legaco es-
trangera que, desde que chegou ao Rio
de Janeiro, ainda nao deixou de ir' urna
s tarte ao Passeio Publico, excepto quando
a chuva o pilha em casa.
Eu confesso que ha occasies em que
nao gosto de conversar, apezaj de ser o-
homem mais conversador d'este njundo.
Troquei duas palavras com o diplomata,
e deixei-o continuar no passeio, indo-me
eu encostar ao parodio que deta para o
mar.
Escuta, escuta exclaraou Cathari-
na, fazendo-o parar.
Bem ouw; s> os chocalhoj- dos re-
banhos.
Ora escuta melhorrepeli a peque-
a virgem.
Pozeram-se eoin o ouvido escuta, e,
passados alguns segimdos, atravez do varia-
dissimo susstirro que se eleva dos campos
ao declinar do dia, reconheceram elles o
toque dos sinos a rjate.
EF fogo E: um incendio exrla-
1110 u Claudio. .
E aonde ?perguiftbu Catharina.
Em S. Silvano I Recpnheeo os sons
do sino da nossa aldeia I
E, sem dizer mais urna paiavra, comftfa-
ram de .andar ou antes correr.
as proximidades da aldeia tudo era des-
ordem e afflicco.
O galo, que tinha sido retirado dos
curraes, vagueava ao acaso, soltando lin-
gos mugidos. Movis meio queimados,
arcas, saceos de cereaes, coixes, roupas,
tudojuneava o slo e se amontoava as
avenida?. Aqui eram pobres mulheres
trazoado pela mo os filhos em camisa e
para o futuro sem abrigo ; all urna fami-
lia inteira lastimando-se sobro os despojos
incendiados de seus parces Iraveres.
Quando Claudio e Catharina entraram na
aldeia, j o incendio latvia devorado duas
casas e ama terceira era presa do. fojo*
Apinhada em frente da porta, d'onde as
chammas; sa^iam como de urna crtera, a
multido* afflicta, ata irresoluta, ptrtoia
esperar aom urna an:iedade indescriptivel
o desenl|te de um drama cujo comoco
Catharin|i' e Claudio nao haviam presen-
ciado.
Todosios espirites parerfam proftmJa-
mente cominovidus via-se apallidez ir por na formosa cabeca da reciim-cbe-
gada. Era formosa deveras. Tipha ura
typo antigo. Tudo alli era correcto e
puro. Os olhos, que eram rasgados,
tinham urna hit serena, >'cn que os olhos
da gente fcilmente se embebiam. Depois
,1 simpf"idad. Trazia um vestido dnzenti
e nada mais.
Olhei para ella, e depois para o nmem
que tinha a ventura de a possir. O
o homem olhou tambem para m m, e eu
to vexado fiquei que, nao sei )or que
rasan, tirei-lhe o chapeo. Elle correspon-
deu ao meu comprimento. A mulber
olhou para mim, e sem inclinar a cabeca,
voltou-se para o marido e fallou-lhe bai-
xinho. 9
Creio que lhe perguntou quem *u era,
porque elle respondeu cora ura gesto de
quem dizia: Nao sei.
Continuei a olhar para o mar.
Os dous tambera olhavam, silenciosos
como eu, apenas trocando urna ou outra
paiavra em voz baixa, como se os labios
tivessem modo de perturbar-lhes o espi-
rito voejante.
A noite vinha cahindo, e j os primeiros
raios da la entravam a confundir-se- com
os ltimos reflexos do sol ausente. O es-
pectculo ia mudar de aspecto sem perder
a belleza. I)ispuz-me a licar alli at mais
tarde, confesso que a protenca da desco-
nheeida era um dos motivos que i me re-
tinham.
Nao acontece isto com certas pessoas ?
Nao ha creaturas que tm o condo de
altrahir as outras, de as captivar, sem que
ellas o saibao, nem que as outras o sus-
peitem ?
O luar comecou a afugentar os passea-
dores, e o terraco ia-se tornando vazio.
Os meus dous vizinhos continusvam no
seu posto.
A noite era j fechada e a la estiva so-
berba.
No fim de urna hora o homem e a mu-
Hier dispunbam-se, a sabir, e eu inivolunta-
riamente voltei os olhos para elles.
Nao verdade, disse-me repentina-
mente o homem, que o mar umi bellis-
sima cousa ?
Nao contando com a pergunta, nao atnei
com a resjpesta. ei um passo para elle, e
ped que repetisse a pergunta.
Qdando elle a repetio disse-lhe eu:
; a mais bella cousa que co-
nheco.
V-se iogo, tornou o desconhecido;
v-se que o senhor comprehende o mar.
Cousa rara. Tambem eu o compeliendo,
e mais do que isso....
Calou-se, e eu prevendo que a conver-
sa para va aqui, tratei de a prolongar di-
zendo ;
Pela minha parte, amo-o tanto que se
algum dia quizer ir era procura da raorte,
n3o escolherei outro caminho.
O homem sorrio; a mulber tambem.
Pareceu-me que eu tinha dito urna to-
lice.
Estarei tal vez dizendo urna necedade..
Perdo, tornou o homem, est dizen-
do urna belleza. Que melhor tmulo do que mos ao Passeio publico, e sem
este ? Mas tambera que horco terraco, sentrao-nos em um banco de pe-
tos este gelitil espectacuf.
Com muito gosto.
Trocamos .os bilhetes de visita. Elles
sahiram e eu fiquei. Pude Icr ao luar o no-
me do homem. Chamava-se Carlos Ama-
ral.
No dia seguinte voltei ao Passeio, mas
nao encontrei os meus dous incgnitos.
Aconteceu o msmo nos quatro das se-
guintes.
J cuidava nSo ps ver mais, quando um
dia passando pela ra do Ouvidor senti que
chamavab por mim; era o meu homem.
Vinha s.
Apertmos a mo um do outro.
Perguntei como estava a mulber ; res-
ponderme que Iwa.
Nao voliou mais ao Passeio ? disse,
lhe eu,
Nao. Ha prazeres que se nao devem
repetir muito, alim de nao eahir na sacie-
dade. Asciencia humana isto. E o se-
nhor ?
Eu continuo a l ir.
que o seauor olha o mar como um
philosopho.
Creio que Uie acoateoe o mesmo.
O homem sorrio, como havia feito urna
vez no terraco do Passeio, e disse :
, Talvez.
A eonversa tomou nova direceo.
Soube que o homem era filho do Norte,
que tinha trinta e quatro annos, que pos-
suia alguma fortuna e viva independente. A
mulber tambem era do Norte. Nao tinha ne-
iihmiia fortuna.
No fim de urna hora separmo-nos. Dis-
se-me elle que inorava na na dos Arcos
0. *, e* pedio instantemente que eu l
fosse.
Como era esse o meu desejo, fui.
Nunca tive em parte alguma recepc3o me-
lhor do que- n'aquella casa.
Aquella gente praticava a hosptalidade
antiga, e segundo a phrase popular, mettia
a gente no coraco.
Clara, a mulber de Amaral, era urna ex-
cedente senhorade casa : severa e amavel,
graciosa e recatada, sabia attrahir os affec-
tos sem prejudicar a consideracao. Serei
tranco : enlrei n'aquella casa com espirito
de rapaz travesso. A recepro transfor-
mou-me. No fim de dous mezes eu era
um irmo e um amigo.
Nem Amaral nem Clara tinham segredos
para mim. Era eu o confidente natural,
nao das suas tristezas, porque as n3o ti-
nham, mas das suas alegras, porque as ti-
nham muitas.
Ninguem mais frequentava a casa. Notei
um da esta circumstancia, e Amaral respon-
derme :
E' que eu liquidei os amigos.
Era isto ao mesmo tempo um compri-
mento que me fazia.
Emfim, ao cabo de seis mezes, Amaral
annunciou-me que sabia do Brasil.
Vai para Europa?
Para Europa, Asia, America, para
qualquer parte. Onde achar um recanto
ah ficarei.
Quando vlta ?
E' provavcl que nunca.
A esta dcclaracao disse-lhe francamente
que set:tia ver-me separado d'elles para
sempre.
Mas onde quer que eu esteja pode ir
ver-me, disse Amaral. Eu rae encarrego
de Ih'o mandar dizer.
Pois sim; apenas me fr possivel ir
vel-os, contem comigo.
Amaral apertoy-me a mo.
Clara accrescentou:
Se se lembrar de nos.
Porque nao ? A nossa amisade co-
mecou de um modo to original, que eu
nao posso deixar de ver n'isto o dedo da
Providencia...
0 dedo da Providencia est em tudo,
respondeu Amaral olhando para [sua mu-
Iher.
Jantmos d'ahi a pouco.
Como o paquete parta d'ahi a cinco dias,
disse-me Amaral que precisava de ir fazer
algumas compras, e pedio-me licenca para
sabir.
Eu sah com elle.
Feitas as compras de que precisava fo-
subir ao
todos, os. ros tos; nao havia semblante d'onde
nao fnsluzisse o terror.
Meu tio, onde est meu tio ?excla-
mava Catharina, procurando Francisco Paty
sem poder encontra-lo Meu tio est mor-
to 1proseguio ella, vendo em um magote
a velha Marina agitando os bracos o desen-
vencilhando-se de algumas pessoas que
queriam impedi-la de se precipitar na casa
incendiada.
Vejamos, o que se havia passado.
Como nao tivessem ainda voltado do
campo os donos da casa que estava em
chammas, tratou-se, logo que o fjgo all
penotrou, de tirar para fra todos os mo-
vis, que se achavam agor amontodos no
adro da igreja. Tudo ou quasi tido se
havia salvado : s squecera urna cranla
de peito, suspensa ao longo da parede
n'uma especie de cama de rede, como ainda
hoje se usa em muitas villas da Bretanha.
Nao deram por tal senao quando o iviran
os gritos que soltava o desgracadinho no
meio do estalar dos barrotes e da crepita-
rlo do fogo. Quizeram correr em seu soc-
Corro, mas j era tarde. O fogo invadir
tudo e ninguem se atreva a arrostar cora-o
terrivel elemento. S a propria mi teria
coragem para tanto I
Foi entab que, sem pensar na sua avan-
zada idade e sem consultar mais do que a
sua Ilimitada caridade, Francisco Paty,
que nem om s momento abandonara o
lugar do sinistro, animando uns, diriginde
os outros, consolando as victimas, desif-
nando o presbyterio como o abrigo sem-
pre patente aos pobres e aos aflctOff; foi
antlo, diziamos nos, que Francisco Paty
prorompeu atravez das chammas, cem un
ar t5o tranquillo e modesto como Christo
camintando sobre as vagas do encapellada
mar.
Poi em vio que de todos os lados se gri-
tava para que nao avancasse, visto correr
para urna morte inevitavel, debalde o coad-
jutor, o Sr. Noirel e a velha Martha se es-
forcaram por o conter. Com geral espanto,
vio-se aquella veneranda cabeca introdu-
zir-se e desapparecer no golpho das laba-
redas.
Dous minutos como dous secutes haviam
decorrido, sem que elle reapparecesse.
Todava o incendio redobrava de intensi-
dade. A casa aluia o desmoronava-se por
partes ; o telhado ameacava a cada instante
abater. Os gritos da creanca tinham cos-
sado ; s se ouva o ruido surdo igual ao
bramido da tempestado.
Foi n'esta conjunctura que Catharina
chegou.
Era um momento tomou conhecimento
de tudo. A sua primeira supplica diri-
gio-se a Deas-,- a seguhd a Clatrdlo. Nem
Deus, nem Claudio lhe responderam. Clau-
dio desapparecera na multidaV).
E' impotente a paiavra humana para ra-
produzir a scena pungente que ento se
deu n'aquella pobre aldeia. Catharina,
lesvairada, espavorida, supplicante, corra
-le um lado para o outro, agarrando as
maof de ufts, abracando outros e excla-
mando :
Salven me t, salvam-no f... Nin-
guem tora coragn de salvar o ao^so pai
comawm f fjti "ftremrTs cfuafido elle nao
esisa>?... .Grueis, assim que nos e i ti-
mara ? Nao serei eu j a toa boa amiga,
a sutpequei fda Dig, falkm, h>
grat nhamas consolado na dr ?... Todos me
vira nascer e crescer, de iodos sou como
irml anda assim, datxarao morrer
lapu ,Ho, urna amigo, seo vftfto pastor T
Meas fimos, meus Queridos fijaos,
ditia-^mK'*m o Sr. ToiraT sou bam jm-
'one, ^as prometi dez l*Uw asaidos
7T "JTTTTTTfTTT
la. Acabava de urna grande tempestade
dMOquo-Jiaviam naufragado todas as minlias
iflases, *as melHores-dD todas, e olhando
em redor de mim na vi nenhum braco que
me amparasse, nem osperanca que me sor-
risse.
8uccessivamente engaado por amigos
em quem eu havia posto a minha confian-
za, com o coraco ferido e exhausto, nao
vendo nos homens mais do que ama reu-
no de vicios, eonsegui 'encontrar uaa ho-
mem que se compadecesse de mim e tor-
nou-se inseparavel da minha vida.
Ao mesmo tempo, e pela primeira vez,
araei uma mulher. Dispenso-lhe a doscrip-
c3o d'ella, e bem assim a narrazio dosmeus
Benmentos. Ateei c fui amado.
Mas que quer que lhe diga ? Um da
amigo e mulher trahiram-me indignamente
Aquelles em quem eu havia posto a minha
confianca mostraram que nem ao ineBoe sa-
biam agradeoel-a. **
t Erro ou nao, entenda que devia sahir
de um mundo onde s havia encontrado
desillusoes em troca dos affectosqueeu ani-
lina va no coraco.
Foi isto na minha provincia.
Para morrer podia escoiher um pu-
nhal. um pistola, uma corda, uma dse de
Miieno. Mas tudo isto era artefacto huma-
no; cu estava to mal com os homens, que
nem Ibes quera os instrumentos de morte.
Procurei o mar.
0 mar, disse eo comigo, um grande
tmulo que a naiureza oll'eiece a todo o
que est desejoso de lanzar margem o
signa! da vida.
Era de manhia. Passei a noite a'es-
crever algumas cartas, n3o para amigos,
que j os nao tinha, mas para varios ere-
dores a quem mandava pagar.
A manhaa estava bella como se tivesse
de assistir a nm noivado. Noivado era o
meu de certo; a morte uma noiva ; o se-
pulcro um leito de nupcias. E eu tinha o
mais bello c mais vaste leito de nupcias
que um noivo pode desejar.
Encaminhei-me para a praia.
Quando ahi cheguei eram seis horas.
O sol comecava a surgir das aguas, como
um olho de Dos que pareca espreitar a
minha coragem.
Atirei o chapeo a orla e dispuz-me a
dar um salto ; mas hesitei. Pela primeira
vez na minha vida fiz esta pergunta comi-
go mesmo: o que ha alm disto?
Ao mesmo tempo considerei que o lu-
gar era improprio; a praia era rasa. Para
encontrar a morte seria preciso andar ainda
um grande espaco pelo mar dentro. E se
alguem me visse ?
t Perto haviam urnas rochas levantadas,
que entravam pelo mar adianto.
O lugar era melhor.
Caminhei para l.
Depois de procurar lugar por onde su-
bir encontrei um leve declive, e tomei por
elle. *
O meu passo era lento, n3o porque eu
hesitasse; mas parece que n'esses lances
supremos ludo assume um carcter de gra-
vidade.
Quando cheguei ao alto da rocha, olhei
em roda de mim.
Ninguem.
A trra a um lado com todos os seus
vicios; a outro lado o mar com lodos os
seus silencios.
Lancei um ultimo olhar para a trra,
e dirigi-me para o mar.
Andei cincoenta passos, e emquanto
caminliava para a sepultura, ia recitando
uma prece.
Ajudava-me eu mesmo a bem morrer.
Quando cheguei ao cabo da rocha, vi
que havia uma especie de grande degro:
Olhei para baixo.
Vi um espectculo inesperado.
No degro achava-se uma mulher ajoc-
Ihada com as mos postas, voltada para o
mar.
* Vi logo que ella encommendava-se a
Deus, para cujo seio a lancar-se.
Ento eu, que a morrer, que rejeita-
ria todo o auxilio que me de6sem para vol-
tar vida, tive um movimento interior;
resolv arrancar aquella mulher raorte.
Se a deixasse morrer parecia-me que
assumia uma complicidad.
' (Continuar-se-haJ
quelle que se arriscar para salvar o nosso
parodio Lembrem-se de que, se o per-
dermos,. nao encontraremos outro igual!
Felizmente ajuntou elle l para os seus
botoesque nao est aqu o vadio de meu
filho, porque esse iria l deixar o cohete,
a j aqueta e as calcas!
Meus amigos, meus charos irmos,
vamos, facam um sacrificio !dizia o coad-
jutor, sera grande ruido, mas con vencen do-
se de que, em lugar de palavras eloquentes,
o melhor expediente seria dar elle o exem-
ploO que valem estas chammas compara-
tivamente com o fogo do inferno ?
Como isto, sucia de covardes ?
gritara Martha, mostrando-lhes os punhos
fechadosPois esto ahi de bracos cruza-
dos, quaudo o seu pastor n3o hesiten em
laacar-se ao fogo para salvar um de vossos
filhos f Deviam "honrar-se de poderem
morter queimados por amor de to boa
almaf 1 *" -r
Tudo isto era dtto ao mesmo tempo, no
meio de uma perturbace da quat ninguem
poderia dar id*a, em qaaato qa mes-
mo passo o incendio lanrava, atmwz das
sombras, as suas faixas de oentemas.
Todos olhavam uns para os outro s em
silencio e desaatmades.
Reamado a-e*terg

Utariaa anda ata vea ehaoMr-CtaTio
mas elle nio apparecia. Vendo-se aban-
doaada de tedos, a pequea? Hda!rompeu
atravec da artoRdao para jr morrer com
. sou tobo lio, torai ao raeimo tsropo um
a ah alguem que nos _n*> te, grito estrideate pwfio de todos os peitos.
Era Claudio, qua apparocara k porta da
casa, traseado agarrado a parocho, eoma
realiza^wOWda as aftas esfarrapadas da
sotaina.
frmmm a a
ritba* MAJMaWaWA DAS CiriES H. ,
-
i
)
: 1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E762XMXLK_MWR81B INGEST_TIME 2013-09-14T04:46:15Z PACKAGE AA00011611_11766
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES