Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11764


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XLV. NUMERO 32.
P4BA A CAPITAL E IUGARES OJIDE RAO S PAGA POBTE.
SPor es lopaes 3(antados.............. Mnnrt
torsos, ditos idem.................. jSSSn
ior ura aono dem........,........"'*.'' SnoS
Cada numero avuJso............. 03*0
QUINTA. FEIRA II DE FEVEREIRO DE 1869.
Q
PABA DINTBO E FORA DA PBOVIHCIA.
Por tres Atejos adiaiitados............. 6*750
Por se ditos idem. .....'.".' .: .' ....'' 13*500
Por aove dito* idem.............. 205250
Por um ardo. ......... '............ 27ooo
DIARIO DE PERfAMBlM
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
HAO ASBNPW:
*


W' /
l" '
i
Antonio Marque da Suva, no Natal; Antonio Joaquim.
Domajoa Jos da Costa Draga,
PARTE OFFICIAL.
Miiiisf ei io da Mui-inliu.
NOTICIAS I)A ESQUADRA.
t.iumandocui cJicfc daloica naval do Brasil
em ogefoas contra o governti do Paraguay. Bor-
do >lii vapor Primceza] era Assumpeao, i de anu-
jo de 186(1. J
Iliin. e Fxiu. Sr. Tcnlio a maior satisfaeao
^presentando a V. Exc, por copia, o officio que
b .ratera me dirigi o cuele de divisao baro da
Passajem, dando-ra parle da ocrupacao da capi-
tal da repblica paraguaya, cninmissa que Ihe foi
nrarregada por S. Exc. o Sr. maraal comman-
dante eiu diefe de todas as forras do imperio, e de
luda quanto oceorrera mr oceasio de dar cxe-
cu$ie as orSeas que reeebera ; e aprovetauloa
opportunidade. dirijo no governo imperial as mais
enlhasiasticas rnngratulaces por mais esse trium-
php afcaaeado para a causa da civitsacao.
I>.-ns guarde a V. Exc.Illm. e Exm. Sr. sena-
dor do imperio baro de Cotcgqic, ministro e se-
cretarte le estado dos negocios da inarinlia.Vis-
codita lukaM't. eoiimiandantc eiu cliefe.
Guninandante da |irimeira divisao daesquadra.
Bordo do eiioourarado liahia, cui Assumprao, :i
de iaaeiro de 1869.
lUm. Exui. Sr.Teulto a honra de levar ao
.alio conbeetatcfllo de V. Hie. me no tirimeiro (lia 'mecimento do V. Exc. o resultado di eonimissao
todos inserviveis ; que de suas guarnieres, ainda
compostos de ceuto e oitenta hpinens, parle recu-
so u baler-se, quer a bordo, quer fazendn-uos rogo
de fuzilaria de dentro do inatto (o que nos teria
causado grave prejnizo, visto que era preciso le-
var as guarnicoes todas eiu cima, e seui o menor
abrigo.) Tal "a desmoralisaeao a que est reduzi-
da essa pequenissinia poreo de humen que obe-
dece a Copez !
Pretendeu-se rebocar o grande e velho vapor.
Este ehealhou, e seu estado de ruina era tal.que
julgou-se mais conveniente abandoua-lo.
A expedicao eslava de volta neste j)orto a 9 an-
I tes do nieio da. No oflicio junto por copia, eai
que o harao da l'assagem me d cunta do resulta-
do de sua commissao, encontrar V. Exc. os mais
minuciosos delallies sobre o que durante ella oc-
correu. 0 chele loava cora toda a razo, e ueste
louvor eu o acompanho, os conitnandanU's, ofi-
ciaos e guarnicoes que temaram parle no bello
servieo que acabado dcscnipenhar, ultima palavra,
se me-nao engao, qae pronuncia a artimaa de
nos** navios na presente eampanha naval
Deus guante a V. ExcIlbji. e Exm, Sr. sena-
dor do importo bardo de Cotegipe, ministro e se-
cretario de estado dos negocios da raarinha.
Visnndt de /Ahumo, commaudantc em cluife.
(omuiando da t* divisao da esquadra.Bordo
do eneouracado liahia, em Assuiupco, em 9 de
Janeiro de 1869.
Illm. e Exm. Sr.Tenhoa honra de levar ao co-
euin|trir (moiissao alguma, especialmente longa,
como a que acaban de deseiupentaar, e eslau coa-
veiM!d*^ e asseguro a V. Exc. que so nao (use a
dedwacao, enlhusiasmo a ha votttnde debeni ser-
vir dos coinmandantes, ofliciaes, praticos e guarni-
eoos ein eral, como V. i:xc inuilas ven tcni sido
testeniunha, nao se teria' conseguido jierseguir e
levar-ao deses|ioro os vaoores inin^es at a, pro-
ximidades da uascenle de un rio. onde infn duzi-
ram-se a todo o trame f-'cliando a sua retaguarda,
Oa le evitar o aprisionameuK/ ou destruico com-
pleta.
Dmi guarde V. Exc Iluu. e Exm. Sr. c-niso-
iim-iio Mscoudede Inhaiima, vieo-aJmirante eom- legado do prnuire distritto da freguezia .le Ma-
I ll 1 Itl 1*1 I I til (lili :lll J.. iIh ....... .i .J _... _SBK-----*---------- ** ~ -------- 1 > >
N. 16.Dita.rO presidente da provincia, con-
lormando-se cora a proposta do cliefe d; polica
em BWfift. 137 o W do mez ">-_ rMlVJ"
nerarf por conveniencia do servico, m lupiV
de primeiio e terreno supplentes de subdelegado
ao primeim diiricto da freguezia de Maranguape,
do termo de Otada; Jos Victorino Delirado de
wtoe Manoel Marques da (>ista Soares.
r *'Bta.O presidente da provincia, co-
torinanao-se coii a iirojKsUi do chofe de polica
em offleio n. 157 de 29 do inez liado, resolve no-
inear para os lugares de prmeiro, segunda, ter-
reno quario quinto e sexto supplentes de subde-

sao, em que actualmente se acha no couselho de
compras do arsenal de guerra, nomeando nara.o
sub>tiitnr o conferente Joao Jos" ncTiques '
mandante em chefe da esquadra em operacies.
Hamo d'x Passaijem, cominandantc da divisao.
lo auw de 1869, sob os memores auspicios, as
fmr.is ii;sileiias de mar o trra orruparam rlTec-
aifamante a ridade de Assuiu|icao capital do Para-
guay, registrando assini nos laaos luminosos desta
aiapanlia mais um feito de grande alcance para a
poJilira da .nena e por met de Deas,eneruen-
t Conforme as minbag instruccocs achava-se
proiupla, s 10 horas da manbja desse dia a di-
"risio composta dos cncoaracados BMiVt, llanoso
Tnj>'ind'ur. monitores Pai, Alagos, Sania Cu-
'A/(;/'i. I'iimlii/. ion firnufa e Cear, e os trans-
pones Paquiiilt e liiiaiitmi. e a bordo destes
Ioik ltimos embarrada ii 61 brigada doexercito
imornal i i co.nini.uido do coronel llornes Ernes 1
As JO nona e qwBM minuios. de Villeta, le-
vaiiizraiii aseen lodos os navios e deienninoi que
0 AorrtMe Piaaki/, romos rtrtiBortcp na ret*-
cuarda da liaba farmassem a divisa de eacai-
Itaiiju'. e monta invostiriam a capital Wauga
.para elTectiia-lo.quaiidi 80 assigualasse : os domai-
aatfios iiiiv.'i-'avan na lo-uiatura om ntiss ordenei.
Seg^io, pois, ebria de i'iitluisiasiiio a expedido
SMU roiurarirdade alguma a capital iuiniiga onde
vhciMinos asi e meia lloras da larde, em rnnse-
quencia da pouea inareba do&moiUtoai e necessi-
dadadt tor vista todos ,.s navios.
i.'iidi Iranauoslo os pontos oulr'ora forlilica-
dos, recofibaeMo ae haror resistencia e colloca-
i}> os navios mi posieio de proteger a operacao,
assignalei divisao de desembarque que investis-
se o poro, e al procedeu-se iiumedi; tamenle ao
1 leseatMnlM coiu toda a actividade, apezar do
aia lempo.
C loras d> larde essa operacao eslava con-
cluida, e tivuiulava ein Av-iuoprao a bandeira
imperial : no arsenal de inarinlia onde niandei
biste:ir na pusieao em ipie se arliava acampla a
forra rxpedicioiiaria ao 0 ("ominando do coronel
Hermos, aquemlambein eatreguei para osaefiui
npi i-jubl'-nia da no.-sa iiaeionalidade, e linalnienle
no \...-iu palacio de Lopes no propriolugar emqqe
fiH'a derrabada a bandeira )iaraguaya, por tiros
navio no bombar deamento que esta divisao
fi-z ata -)J de noveiubro ultimo, foi levantada una
nova baste, e eu, em iiessiia, nella arvorei o pa-
vilht) brasilero.
Antes de eaeetar-se o desembarque vio-se una
orra immiga di 1 -avallara e infanlaria que pare-
mia relir.ir-se precipitadamente, e nessa oi-casia 1
coascguiQ eaaapai-se do capliveiro e ser recolhi-
d > a ordo inclume um soldado Bpsao voluntario
de Mallo Grosso, onde caliir^i prisioneiro.
No porto euconlrei fondeada nina escuna ita-
liana cata a sua raappativa Iwndeira. Est, pois,
1 -ainada nina das maiores as|racoes da trim^
aliianra : Assumpeao que revelara un as|ieclo
horrivel a qna jara redolida pelo exilio, fuzila-
mentos, prisaaa anKairaneas e entrincheiramentos
l -:ias roas. ajMvsenta aclualinenle una nova
,'i de redempcao e aaBaranea para o inalfadado
povo uaraguavt), yue sera duvida alguma cubrir
le lualdieoen o bastardo diclador Lpez que fez a
sua naca i seo leudja e sari iicoua ans seos va-
prirbak sanguinarios. Ao terinin.ir receba V. Exc.
tudos os Urasilriiiis a- nossas mais fervorosas e
-einl lutastieas congralulan'ics.
Deiis guarde aV. Exc. Illm. e Esa). Sr. con-
adaeiro viseeode de Inhama, vice-almirante com-
mandante em chefe da esquadra em operacoes.
i tiu da PassayeiH, chefe de divisao.
que V. Exc. se dignou incuinbir-iue, a respeito
dos vapores paraguayos.
Conforme as anteas de V. Exc. segu no Bahiu
do aocoradouro dcsta capital no dia 5 do corrente,
s o horas da maulia, comas canhoneiras Mearim
Cammand......1 chefe da forca naval do Brasil em
iperaeoe; contra o governo 'do Paraguay. Bor-
lo do mar Princeza, em Assuinpco, 11 de Ja-
neiro de 1660.
Illm. e Exm. Sr.Ao cliegar a Assumpeao foi
uiiiii atiaieiro cuidad 1. de intelligencia cun S. Exc
o Sr. inarquez. coniniandanle em chefe de todas as
forca* di imperio, haar septir aguas cima, m
demanda dos pouros vapoies que reslam ao ini-
mig >, una expedicao, incumbida de. toina-los ou
Icstrui-los 110 lugar ein que os cncoutrasse, se
osle fosse accessivel aos aossos navios.
Ao amanbecer do dia do corrente sahioessa
expedir^ ao atando do chife ifa divisao liar 1 da
Passagei, coioposta do eneouracado Hahia, das
rinhomiiis Mearme hahy, e dos monitores fa-
*. Piattkft. toar, Alafia* e Santa Cathaatua ;
navegando at pouco antes do sol posto, dev
fundo na km do Manduvir, onde coostava estar
o i ni migo enfurnado.
Na 1 sendo e*M afflnente do Paraguay conhecido
pelos nessos praticos. I'orcoso foi proceder-se *
uuii'ir.iiliecimento previo, do quai se cymduio
pie. einLora coiu prolundidadc siifTiciente, era o
Manduvii muito estreito e sinuoso, si'i jiodendo
A*sim, no dia seguinte, deixaado lioar da oarte
de fra o eneouracado e a canhoneiras, uassou-
se chete para o S/Ca/iaria(i,e cuinos piuco
monitores, vencendo muitas dHHcuMades, navegou
mais ile vinte leguas, e deu vista linalinente dos
pores que procurara. A^ossados estes pelos nos-
sos, roniccaiaui a nietter apjqik- escalares e cha-
lanas ; e por fim largaram o reboque, que )e\a-
v.ini, de um grande, muito verbo e ronipletainenu?
estragado vapor, qne servia de pontao, e de um
ovo cmo. que ainda em ftm de novembro passa-
do eslava to esttleiro do arsenal de Assnmpcwj, e
que nao tinha a maclna coiutiletamente montada
. de mu patacho,''tmdo o cuidado de arrombar o
fundo dos dous ltimos, que foram logo a pique.
la-ex-endo de momento a momento as difficul-
Uade fia. inveMac>04aste. ulgaT mpfelameao das-
e.mheciili). pue o initjiigo alcanzar um lago onde
ti piTSMgiaaV p*Me*paeo de auatro tetuas. Na
pa*yaMn mais eatreita desto, poreai, oiarmito,
seue vapores, que metteu no fundo, obstruindo-a
ao niesiuo tcnipo cotu giwsas arrores derrabada
de ambas as margens.
Ah riearam,|ie, meeados saifr vapor** qaej
s podero sabir do sea escondrijo deposde traj-j
balhos insaiiose-eaaemposaormaes. Estes aun-
a. aans ervirao contra o imperio.
A gitarnicodo patacho, compoata 4a>feia pua-
ras, nassoo-se para nos. Informa ella que os va-
gare escapados, exceptuados um ou dous, sao
e hahu, e os cinco monitores Para, Aagoas. Piuu-
h'l, Santa Cutharina e Cear, navegando no ro
Paraguay cima at fox do rio Manduvir, onde
as i 1/2 horas da tarde fundearam todos os
navios.
No rio Manduvir coiistava-me que se achavam
refugiados os vaores ; mas, sendo esse rio abso-
lutamente desconliecido pelos mais habis e ant-
gos praticos, e existiudo duas embocaduras, nao
invest inimediataiiiente sem proceder urna explo-
raco, nindaaque lgera, a i]u.-il foi feta 110 niesmo
dia no niontor Para pelo pratco liernardjio.
Coneluitla a exploracao, ao por do sol, desde lo-
go reconheceu-se que nao convinha entrar o/><(-
//''/ e as duas conhoneiras, porque o rio nimia-
mente estreito e turluuso, e somonte coiu os moni-
tores poderia ser feita a connnisso.
Ao clarear do dia seguinte suspend roa a divi-
sao e dexando fondeados OS tres navios mai ires
na embocadura de baixo, que a mais franca,
transfer-1 iic para o monitor Santa Calltarina, e s
o hora; da manba j os monitores navegavam o
Manduvir, encontrando-so seuipre mais de i i/i
bracas d'agua. Esse ro um dos confluentes do
Paraguay, e a sua navegara > lorna-se arriscada,
mormente para os monitores, em consoquenria das
votas rpidas e successivas que apresenta em to3o"
o curso.
Os monitores, apezar de sua marcha morosa e
mo governo, que os obrigava a Irem continua-
mente de encontr s arvores e barrancas, a des-
peto do auxilio vantajoso de suas duas machinas,
comtudo nayegaraui al aoesenrecer cerca de mais
de 20 leguas!
A's i oras da tarde avstarain-se grande dis-
tancia os vaporea inimigos : iminedatainente as-
signalei andar a todo o'vapor. Os vapores inimi-
gos seguam aguas cima, conduzindo a reboqaej
alguns navios. Os monitores ai-ancavam couside-
raveliiieiile com grande esforco, mas somonte s 6
horas puderam alcancar a posicao em que se aclia-
va o uiuiigo quando lora avistado, c ahi observa-
mos a preciptacao cora que elle fugia, abandonan-
do e metiendo a pique chalanas, cscaleres e todos I
os reboques que eonsiavan de uuj magnifico vapor
novo com duas calderas e sua machina em cima
do eonvz, o vapor Coiteteij, antigo americano Ve-
saviu, porm muito alquebrado e reduzido a pontao
e um patacho de nomo Rosario, carregado de azei-
te, graxa, massamc e poleame.
Nao interrorapeu-se a marcha dos monitores e
proseguio-se no encalco dos vapores at s 7 horas
da noile, quando perdi a esperanza de alcanrar
nesse dia o inimigo, que se introdozira em um
braco desse ro, anda mais estreito e sinuoso, e por
isso mandei ancorar os monitores.
Ao passar-se pelo palacho, appareceu-me umes:
c;lei' coqi bandeira liiauca e seis Paraguayos qoo
se entregaram, dizendo um delles ser mestre do re-
ferido patacho e os deinais marinheiros.
Esse mestre refere que sao cinco os vapores que
aind. restara a Lpez, e desde s 8 horas da 111a-
nliaque elles estavain navegando; dsse raais que
no dia 6 chegra um ajudante de Lpez cora or-
deus para levar todos os offieiaes c marinheinis, e
abandonar os vapores que estavam guarnecidos
com 180 pracas, e dous anubados com pegas-de
32. Ao amanbecer do dia 7 eutraram os monito-
res no arroyo ou brac,o do ro Manduvir : ahi a
uavejaco exlremainenle didlcil e notou-sc mui-
las arvores quebradas que deinonstravam o esfor-
co que zra o inimigo para escapar-se. Depois
de tres horas de navegacao percorrendo cerca de
quatro leguas, encontramos com o vapor Para-
yiiarn, que acabava de ser posto a pique, tendo
emcima do eonvz duas caldeiras novas, oistruin-
do e nterceptando o passo de urna margem
oulra.
Examinei e observe que nao havia passagem, e
Utnta-la seria sacrificar os monitores, partinao-lhes
33 hlices ou o lente, c nao se conseguira o desi-
dertum, pois o inimigo estava revelando a disposi-
cao ilesesperada de ir metiendo a pique cada um
de per si de seus vapores, com o fim de obstruir o
rio, o que seria fcil com vapores alterosos, visto
que a sua largura nao excede a 12 bragas e sua
profini-lidade a 3.
Ne- tas circunisiaucia.v achaudo-sc o inimigo des-
moralisado, aterrado e perseguido 21 leguas por
um rio qoo nterna-se pelo seu territorio e com as
luoviineiiios limitados lelos seus proprios obslacu-
los. resolv rel ocedur os monitores caldudo a r da
inejhor forma possiyel. Ao sa|ir do arroyo love o
Para uuia.avara. seria no (eme e do qual nao se
ulilisou mai om toda a doscida." 0 Alag/xu o re-
b icol, algumas boras, pufm em consequencia das
siuuojdaijes Jo rio, largou o reboque, e o Para
cahindo a r ogovernapdo com as di^is helicus fez
teda a Dav|aacatt at entrar no rio Paraguay. 0
P'iaay e Cear (orara encarregaoos do rebocar o
vajwr 0>(Men, se por ventura esse ser viro nao
compromettesse a navegagao dos monitores. De-
pow do coBsideravois osfnrcosnao puderam os dou>
mouriores conduzr o vapor que por duas veas
enea]liara com o toar que o rebocava. Ordenei,
porli ate, que o abaudonassem, pois que nao jnerc-
caexpar-se um monitor a alguma avaria grave
por tu pontao, j aiquobrado, voltio e lazendo mui-
b agua. A's 3 horas da tardo fondearain os mo-
nitores em frente estancia Barrios, onde havia
muito gado disperso : essa estancia assu como
toda* a villas situadas,as waruaas do Mandivir.
rtao couiuietautento abandonaas. Ao amaaueeor
do da* ajui om todos os awnitoras e as 5 1/B
4>4atacde estavam todos reunidos na li*z di.
CUtverno da provincia.
KXfKOlKNTK VSSI.NAOO 1>KJ. > RXMVSJb 6BHM| DE BAE-
I'K.noy, NHMMim da i'iioviM-.iA iiKr::ii?;AMBUi:o.
KM 1 DK FKVKI1K1KO DE 186.
1 seceo.
?t- t-I\>rtaria ao cnife de divisao, comiaan-
d.inte. da estaco naval.Informe V. Exc. cua o
que se I he offeroeer sobro a repreaeBtaeae ein or-
gtoal inclusa a documentada do cnsul purtuguoz
relativamenle ao grumeti da canhoncira Hecife Ji -
s Vieira Vallado, aliui de que o governo impe-
rial, jiossa resolver a tal res|ieit como for dedi-
reito.
% 2.Ditaao mesmo.-Nao tendo comparecido
abordo, conforme consta da .parlieipaeo do uom-
maiKlanio do brigue-barca Itamurae, junta ao ofli-
cio de V. Exc. de 30 de Janeiro prximo lindo, o
me Jico que o Dr. Gabriel Alcides Rapozo da C-
mara se comproraeltea n deixar para lazer suas
veces, quando no 1. de dezombro do auno passado.
obteve tres mezes do licenca para tratar do sua
s.mde, e em vista da decl irac.io feta |elo mrsmo
medico, autoriso V. Exc. contratar algum facul-
tativo que substitua aquello Dr. Itapozo ida Cmara;
tirando este sem direito a vencmento algum ilu-
raute o lempo da licenca, visto nao se liaver rea-
lisado a clausula com que Ihe fora ella concedida.
N. 3.Dita ao director do arsenal de guerra.
Annuiudo ao que solicitou o inspector da alCaodega
d'esla ra|iital, ein officio de 3) de Janeiro ultimo,
ranguapc do termo de Olinda, na ordem dr sua
coDocacao; Tlieodoro Ferreira de Audrade, Fran-
cisco Antonio da Nalivdado Saldanha, Cosrae Da-
imao de Souza Pinto, Jos Candido de Lima, Luiz
d Franca Snedes e Luiz Correa de Gusiuao.
N. 18.Dita.o presidente da provincia, enn-
formando-se com a nriposla do chefe de polica
em olllcio n. 157 (le 29 do mez findo, resolve axo-
nerar |ior conveniencia do servieo, dos cargos de
segundo, uuarto, quinto e sexto suplientes do sub-
delegado da fregnezia ifci S, do termo de Olinda,
ao tanentc Antonio Ferreira Lobo, Francisco Xa-
vier de Montee, Luiz Jos DelmirO Pereira je Luii
Alves ltigaud.
N. W.Dita.Opresidento da provincia, con-
formando-se com a propusta do chefe de polica
e nomear para os cargos de segundo, quarto, quiu-
to e sexto suplientes do sulnlelegado da freguezia
da Se do termo de Diinda, na ordem em que vio
enllocados; Jwio Francisco da Rocha Daixa Lias,
Thomaz Jos de Gusmao, Jacintlio Soares Dotelho
e Malinas Ferreira Lima.
N. 20.Dita.O presidente da provincia, con-
formando-se com a proposta do chofe de polica
enj officio n. 157 de 2!) de*janero lindo, r sol ve
exonerar a bem do servieo Aos cargo* de terceiro
e quarto supplentes do subdelegado da freguezia
de S. Pudro Marlvr do tenno de Olinda, a Manoel
Nones de Meilo e tsente Rufino da Silva Maia.
N. 21.Dita.O presidente da provincia, eon-
formando-se eoo a ]iro|x>sta do chefe de polica
em ollicio n. 157 de 2 de Janeiro lindo, resol ve
nomear para os lugares de segando, terceiro e
que Ihe declaro pura seu conhecimento t
posta ao diado rfhV-io.
N. 3i.Dita ao Dr. Joao da.Silva Ramos.Ton-
k) designado S-. S. e os Drs. Pedro de AtahydeU-
Iw Moscos e Francisco Pires Machado PorteTIa
jara coniporem r junta medica crurgica, que- de
eenforandade com o art. | 1 da lei n. 276 de
7 de abril de 1851 deve dar parecerse o 1- es-
criturario d,i thesonrarla provincial Alexandrc
Amerin. de liddas Brando, achn-se phvicaiu.ii-
te impossihilitaikjde continuar no exercicio do seu
emprego; asaUa lli declaro parasen conheci-
mento, esperando ipie aeccitara de boa-vuniade
i-ssa conimiss'o.
Jt 35.Igual aos Drs. Pedro de Atahvde Lobo'
Hoscoso e Francisco Pires Machado Portella.
N. -"Ui-Portaria ao chefe da reparticaiv das
obras publicas. Tendo o governo imperial por
aviso do ministerio ita agricultura, rommercio e
obras publicas em 22 itt- [yniiin prximo lindo,
junto por copia, approvado a desijiiaco feita do
local na pracadtis lanco Reata para a'construcro
do cdicio-einque teni de fnnecionar a bombade
ftsgoto da. companla Recite Drainage ;
commtintco a V. S. |>ara seu conhecimento
Convenientes.
NOTICIAS DO NORTE DO UPERIO.
Chaeou liuulem o va|R>r brasileiro Tocaidin^.
assnn
e fins
sob u. Gti, resolv nesla data dispensar o chufo da quarlo suppleiues dli gaAaVdendq da freguezia de
t-nvira seceo da mesilla aifnndega, Faustino .los S. Pedro Martyr do termo de Olinda, na ordem em
dos Santos, da commissao em que actualmente se
acha no conselho de compras desse .arsenal, no-
meando para o subsiituii o prmeiro conferente
Joao Jos Henriqne*. Oijc declaro a Y. S. para
seu conhecimento. e aliin de que o faca constar ao
mencionado conselho.
N. 4.Dita ao coiuinaud-iiiie do preskb'o de Fer-
nando.(loinniunico a V. s. para seu c .nhecimen-
to e lilis conveniente.<, que secundo consta de aviso
de repartigo da guerra de 19 de Janeiro ultimo,
tein de ser para ahi remetlidos 30 sentenciados da
jusliga que se acliapi preso; na caileia da capital
ta urovinria do Rio Grande do Norte.
N. o.Dita ao conselli.i de compras do arsenal
de guerra.Autoriso r, conselho de compras do ar-
senal de guerra a iiromive a compra dos livros
constantes dos pedidos justos, Job ns. 6 e 7 para
a cscripturaeo do niesmo arsenal.
N. G Djliberagao. 0 presidente da provincia,
attendendo ao que requeren Antonio Elias deRir-
i i-, e tendo ein vista as iijraiaroes do capilan do
porto e inspector do arsenal de marraba, de i' e
iO de Janeiro ultimo, sob ns. 9 e 1678, resolve cm-
cejer-lhe licenca para tirar por espago de 2 anuos
.contados desta dala, pedra de cantara com igual-
dade ciu toda a extenso e pela parle interna s-
mente dos recifes de Nazafetti do Cabo, d-vendo
ser esta apresentadn ao capil i do p.trto p ao ins
pector do arsenal de marraba e a quejo mais cn-
vier.
2' seceo.
N. 8.Oflicio ao presidente do supremo tribunal
de justiga.Passo as raaos de V. Exc, o ollicio in-
cluso do juiz de direito da comarca QC Itamb, re-
lativo ao seu exercicio.
N. 9.Portara ao chefe de policaTendo a
thesouraria provincial impugna 11, cu oflicio de 2)
de Janeiro ultimo, sob n. 4!l, o pagamento integral
da quautia de 9l890, em que, segundo a conta.
aue velo annexaao seu offleio de lff do citado mez
e Janeiro, n. 08, iiiiportavaiii as oespcas Teilas
em dezembri) do amu prximo passaaoj coin 6
susto-to dos presos pobres da cadeia do lenno de
Caruar, por se haver incluido na mencionada cun-
ta asomma de 1^200, corrispoudente ap preso Ma-
noel Pedro de Azcvcdo, que nao (gura na rchgp
de taes presos, ministrada pelo delegado 'daqnelle
termo, recommendo nesla dala a precitada thesbu-
raria, que pague smente 905600, de-contando as-
sim a referida soifnna de 14200. 0 que declaro a
V. S. para seu conhecimeut i, e alim de que o faga
constar aquem competir, exigindojao mismo tempo
do predito delegado informacoes a este respeito.
N. 10.Dita ao mesmo.Constando de aviso da
repartigao da guerra, de 19 de Janeiro ultimo, mi
teem de ser remettidos para o presidio de Fernando
de Noronha 30 sentenciados de jstigji, que se
achara presos na radei;i da capital do Rio Grande
do Norte, assim ocommunico a V. S. para o seu
conhecimento, c aim de qne opportunameiUe os
faca desembarcar com a devida seguranga.
>'. II.Dfla ao mesmo.Remetto V. S. os in-
clusos officios, hqjo recebidos, que dirigiram a esta
presidencia com a dato de 3 de Janeiro utyimo, os
juizi-s de paz mais votados do quadriennip lindo,
das paroenias de S. Flix e Peda-a, do municipio d|e
Buique, Thomaz de Aqojno >valcanti e Henrique
da Silva Lobato, qneixando-se do procediniento das
autoridades policiaes do dito auniripio, na ocea-
sio qm que.se tratava de eifeciui.r uaquelle dia as
novas elcicoesde vereadores c juizcs'dp. paz; alim
de que V. S. mande ouvir o delegado do tormo,
sobre as arguicoes constantes dos'ditos officios, de-
termmandp-Uie.' que faga verifica/ se ambos f. n.pi
escriptqs pela mesraa pessoa, c quomella soja.
N. 12.Dita o mesiU).--SoIici(c'do deseyliar-
gador provedor da Sania Casa de Misericordia
maiidassu adnuttr no hospicio de Olinda o alie-
nado, de que trato o oflicio de. V. S. datado de.
lude, sob n. 16Q, c quefizesse ei)trega,r a V. S- -i
ordem que desse para aquella admissiio. 0, que
communico a V. S.,em rasposta' ao ftifo ollicio.
N. 13.Dita ao juiz municipal da primer < vara,
desta cidade.Constando de aviso da reuartigiiqda
guerra de 19 do uniro ulliino, que teenide .jr
reiueftidos para o presidio de Fqrsaitdo de.Suro-
nba, 30 sentencanos de justica. q-ie si>acham pre-
sos na ca-lria da capital da provincia do Rio (r'an-.
de do Norte, assilu o coquniinico a V. para *p i
conhecimenlo.
N. .Delberagao.O presdeme Ja proxiocia
conformando-se com a prorosta do cjiefede pi|H-
ca em oflicio n. 157, de 29 deianeiro fiado, resol-
ve exonerar dos cargos (te 2.,3.*,4., 5." fi.sup-
plentes do subdelegado do segundo districto da fre-
guezia de Mar guape do tenno de 01iuda, a'Frm-
csco Camello Pessoa Cvakauti, Eramaseo Xi\ier
Coelho, Cosme Damiao do Souza Pinto, Mauopjja-
vateanti de Albuquorque Gadellia o Loureueo Jas-
tinjano Tavaree.
N. 15.Dita.O presideite da pro.vincja on-
fotmando-se com a proposu do chefe de poljci
ora oflicio n. 157, de 29 de Janeiro fipdo, re>,lvje
nomear para os cargos de 2., 3.", (4.", $. e 6.? sjuj-
... idantes, do subdelegado do segundo distrjeto !5e
caaiau a svi*bocas da manbaa e ach^-se fuu- Maranguape, do termo de Olinda, a ordem em uue
daaia n peaigao deteradaada por V. Exc. v^o coUocados : Jos GoqgaJves da Siva, Laiiriii-
mwm,jtumpre.me tambem participar a do Canjeiro'de Vasconc^,JrU^isoo4ajirs.
V.IC.^e lodos os monuoses w-e*isam de cop- soa de A*uquerqno, Joanjim "^SwKTMal-
certosi^rtautosnasiua d Pura, aam a mo decididamente uao se pode jado.
que vao collocados Alexandre Jos Dornell.is, te-
aonte Deaatrio de Azevedo Amorim e lente Mi-
guel Carlos d<* Rana,
N. 22.Dita.O presidente da provincia, con-
formando-se com a proposta do chefe de.polica
em oflicio n. 157 de 29 do mez lido, resolv ex >-
aerar por conveniencia do servigo dos cargos de
terceiro. quarto, quinto e sexto snpplenles co de-
legado do termo de Olinda, ao tenente-coronel Ma-
noel Dionizio Gomes de liego. Joao Baptista da
Silva Manguinho, Ftdippe Manoel de Christo Leal
e Joao da Cruz Fernandes de Souza.
N. t'\.DHa.O presidente da provincia con-
formando-so own a proposta do cftefe de indicia
em olncio n. K7 de 29 de Janeiro lindo, resolve
aaK'ar p?ir:fos"lmniTW de terceiro, quarto, quin-
to e sexto supplentes do delegado do termo de
Olinda, na ordem em que vao collocados, ao bi-
cliarel Manoel Antonio dos Passos e SUva Jnior,
bacljarel Francisco Lins (ildas, majar Joaquim de
S Cavalranl'- d'Albuqiierqne o tene,nte-coronel
Ilemeterib Jos Velhiso da Silveia.
3' secgio.
N. MLPortara ao inspecJor da thesouraria de
fazenda Remetto a V. S.. para seu conhecii lento
e lies Convenientes, copia do oflicio que nesta data
dirijo ao chele de divisao c.iinmandante da esta-
ca i naval, autoiisan lo-o a contratar um facultati-
vo para sulisttuir o Dr. Galiriel Alcides Raposo da
Cmara, durante o tomp > Ainque estiver le li-
eenca.
N'. 26.Dila ao inosmo.Declaro a V. S. para
seu conhecimento e direcao ipie, segundo consta
de ..nieio do ebeto de noticia, ilatailo de 28 di mez
passada o sob n. loo, o debitado do termo d Exd.
afugAra urna rasa coiu commodos sulttcientes para
servir l I i de cada 6 de quarlel ao resp;ctivo
destacamento.
N 27.Dila ao mesmo.Declaro a V. S. para
seo coqhecmento e lins convenientes que. segun-
do consta de aviso do ministerio da fazenda de 18
de Janeiro ulliino, fora deiiiittido o 3* escriiptin a-
rio dessa thoouraria, Dionisio de Arauio Calanhe-
dc. em viste de suas inj'iH-iuacoes ns. 36j e 'n'.'.K de
2i de outubro e 16 d aezemiiro do anno prximo
passado.
N. 28.l)i|a ao mesmo.Annuiudo ao que soli-
citou o inspector da alfandega desla capitel eoi
ollicio de 30 de Janeiro ulliino. sob n. 66, resolv
nesta dUa dispensar o chele da 3" seccio daiuella
repartigao, Faustino Jos dos Santos, da ommis-
sao qm que actualmente se acba no conselho de
compras de arsenal de guerra, nomeando para o
substituir o 1 conferente Joao Jos lleiiriqms. O
pie declaro a Y. S. para seu conhecimento .e di-
recao.
J. 29.Dila ao mesmo.Tendo nesta dato au-
lorisado o conselho de compras do arsenal de
uerra a promover a compra dos livros constantes
os pedidos juntos por copias, sob ns. 6 c 7, para a
escripturacao do mesmo arsenal : assim o commu-
nico a V. S. para seu conhecimento.
N. 30, Dita ao inspector da thesouraria provin-
cialAutoriso V. S., nos termos de sua informa-
gao de 29 de Janeiro ltimo, sol n. 47, a mandar
entregar ao vigario da freguezia do Buique. padre
Jos Teixeira de Mell, a tjuantia de 1:230 3. que
spghriflrt o parnTf (W'cofltnitnra (tossn ttioson-aria
aeha-se re**)JinJo';iO t'SBfl'h'O eon*e, proveniente
do benaflil/lBfi* pawtti Weha 'extrahda em
14 de abril do auno prximo passado, favor das
obras da igreja majriz itoijuella freguezia.
N. 31.Diteaio hiesmo.-Ein vista da folha juti-
la a'm duplicla. qu me remtti-u o cliefe do polica
couiot&-i,oi de 28 dejapeiro ult'mio, sb p. lbTi.
ip^pdt V. S. pagar ao Dr. Trislao' de Alencar Ara-
npe quantia de 20J5, piovienle do aluguei de
qtiatro mezes da casa que serve de cada no tornio
do Bxu, vencidos em 21 de dezembro do anno pr-
ximo passado. Julgo conveniente deelarar a y. S.
para sen ^nhecitnento e direccao'que,'segundo
consta do citado oflicio, o deli^gauj) daqiielle rato
aliiga urna qqtra ca^sa por 8 mp1nsaos.comconi-
modos sufflcie,tttes para cada e quarlel do respec-
tivo destocainento.
N. 31Dito ao raqsaiQ.jlip rasposta ao olgcip
de V. S. datado de 29 do mc'z prximo lindo, sob
h. 49, declaro-lbe que a circumstancia de encon-
trar-se.uma pcquoua'difrereuga na conta de dcs-
pezasfeitas ein dezembro do rano p.-issadoepm o
sustento dqs presos p'obres da cadeia de Caruar,
combinado foui a n-lagi i eqviada |>elo respor;tivo
delegado, que ruin icou a dita conta, nao nwuvo
,lri.\ai--e de pagar a importancia della 1 qui-
ada, e que logloionte se devqr, poniuauto e?la
presidencia rometteud-a .1 V. J, s leve em vis-
ta evitar que- a dompr q de seinelliante paturoza traga para o futuro piv-
juzos fazenda, pplq maior prego que ejiLira)
ais foruocedores contando com aquella den
ni devolvo a V. $.a sobiidito conta, para que
011' pagar exceptuando a"quanliade 100,
rolaiya ao m-qso Manool Podro de Azevedo, acer-
ca da qual detriniuei ao cbol'e de polica que re-
auisijasse es^r^wnorito da resiiectiva aulori-
it iK\i ii m. da polica.
2' secca.Secretaria da polcia de Pernambuco
10 de fevereiro de 18b).
N. 201.Illm. e Exm. Sr.Tenho a honra de
Icvar-ao eonheciinento de V. Exc. que, segundo
eonsja das participacoes receliidas boje nesta re-
pafticao, foram honteui recolhidos a casa de de-
tenerlo, os segiiintrs individuos :
A' minha ordem, Thomaz Slianck, requisigao
do engenheiro fiscal da estrada de ferro.
A ordem do subdelegado do Recife, Antonio Luiz
Das, por embriaguez e offensas mural publica :
e Joao Leandro do Espirito-Santo Marques, paraser
conservado em custodia,
A' ordem do de Santo Antonio, Manuel Patricio
da Paixao, por disturbios.
A' orUeni do de S. Jos, Mara Antonia Cecilia
dos Saiitos'e Sotetv Ifcniardo Gomes de Souza, at
segundit ordem.
Deus guard a V. ExcIllm. e Exm. Sr. conde
de Baependy, presidente da proviaoia.0 ebefe
de polica, 'triteisaf de Faria Ismo*.
'
DIARIO DE PERNAMBUCO
N. 33ljte a iasne^or dj ajfandega. Tiq-
uala data disoomar aJBHfc4a '%
mando mlfa*\to.< S iwi&.em ofli-
cio de 30 de jape^ro uJUnu). sob.^ w,_
renar^ofausUno i>*> i^ j^jtoA d cuaas;

BBClfB H: 1*K FKVEnumo DK 1869.
NOTICIAS DA EUROPA
O vapor /fnHJaW, da linha de Liverpool, che-
gado liahia no- dia i do corrente, foi portador
de jurones ile Lisboa at 17 do pas.-ado. Dos jor-
naes da liabia transcrevemos o seguinte :
poitri-c.Ai.
Gontinuava este paizsem ministerio, esperndo-
se ainda a chegada 4) genend duque de Saldanlia.
que cuino se sabe linha sido chamado de Roma,
onde servia para orgauisar o gabinete.
O duque de Salda iba viajava vagarosamente sii
no da 11 sabio de Roma e nao efiegaria a Lishpa
antes de 23 ou 27, e depois de chegar t-lia de or-
gauisar o mnislerio, no que havera alguns dias
de demora:
Era opiniao geral que um eniprcstimo consde-
ravel seria o meio de remediar a crise frnanceira,
ipie mais se a'ggravava com o delict niensal de
SO i:(WO00 rs. e (pie j fazia subir a mais de
lo.Oit.-OOOOOO rs. a divida lluctuante.
Na cmara electiva o dejmtado Coelho do Ama-
ral, apreseulou urna moeao asgnada por 44 de-
putados. ein virtml" da qual o Sr. leudes Leal
ressentido,-resignon o lugar de presidente a ca-
inara. o Si-. Costa e Silva 0 de vce-prsdentc eos
Srs. Tiberio e Assis rweira de Mello os nc secre-
tario e viiT-secrtario. A ssso trnou-sc tumul-
tnaria.
O Sr: Mendes Ial declarou que desistira de
sua cadeira de deputado se a cmara o obrigas-e
a continuar na presidencia. O Sr. Mardel prop iz:
e a cmara approvou, qu se nomcasc urna com-
itssaopara apreciara legitimidade da causa ripre-
-entada pelo Sr. Mendes Leal para a renuncia.
De diversos lugares tinliam cllegado manifesta-
ges ora favor dii conservacao do ministerio, cuja
poli tica- eraa das economas.
FRANCA
A conferencia sobre os negocios do Oriente ja
un ha celebrado quatro sesses.
O jornal Framr jnlga saber uue as deliberacoes
da conferencia darn em resudado urna declara-
cao de-principios de direito publico aos qnaes a
Turqua o a Grecia serao convidailas a adlierir.
.4,lguns- estudaotes de Paris pediram ao senado a
expulsao dos jesutas da Franca.
lIKSfVNll.v"
A imprensa hespanhola. como a ingleza, oceu-
pam-se- da cedenca de Gihraltar. -
O Gualois diz que a candidatura do diumc de
Aosta a maiR prov.ivel para o throijo da Hespa-
nha, e apiada por' maiores influencias, deveudo
elle resignar todos os sens diretns ha Italia.
Um telegramraa de Madrid, de 1,(, diz iiii" um
derrelo de Prim se pronuncia pela separadlo, e
ouiro proclama aTiberdade dos Mrateos. Cilonge
dirige protestag.oes aos" eteltores.
A subscripcao aberta m Mafaga a favor das fy-
milias dos m'orts e teridos nos'uUimos aconteci-
mentos daquetta cidade, elevou-se a 13,113 reales,
nos primeiros dias.
Todo o regiment de Cadix e 4,00 voluntarios
da liberdad (le Barcelona offerecerain-se ao ^o-
verno para- irem nacrear Citba. 0 tvrnoaccoi.
tou a oferta e conccddu a marcha.'
As noticias de llespanha nao ps neeoews em
tal eonfusao, que nihgucm poder dizer"qual sera
oresultado daeleigao.
i:(c,r.ATEfUjA
O Times da que lord Clrcndon e Johnson as-
signaram una con,vengao a respeito do abamn.
pouco dilferenie da printcira:
A proeiamagao que o general Cidorna dirigi
aos habitantes de Bolonha, Parma e Hcggio tii pora
acolhida. Depois dos ltimos conRclmcnts a
trampiHlidade- tem se mantrdo naqu.'lhs provin-
, As mais recentes noticias sao a tranquillidade
restablecida ; mas mio'dS*am:t|'accii>ar a inoT-
le e o ferimeuto de alguns patanos. e as pedas
solTridas na{( torgas do ciercito'.
AISThl.V
O governo austriaco conppa cm lula
clero. pu*"J
casamento
catholico da intei-vepgo da greja i
dispensando no ditorcia o rertlflc
(Sopor parte-do-parodio.
rniqnA
Os ltimos actos ci governo da Porta denotara
com o
acto de coiicifia-
trazendu datas do Aaw al ti, do Para ate
31 iV> passado, do Maraiihao at 4. do Cear at ?>
do lte> Grande al 8 o da Parauyba aU' 9 do cor-
rate.
AMAHOKAS
No mteror desla provincia, at fronteira d .
Per, asaan a cholerna, com cameter epid-
mico. A presidencia da provincia lixera egnir sor-
corros pm-a Silves, Ser|ia e-Borba.
Nos cofres da thesoiwaria provurial iatia
um saldo ein diuheiro de 5fc4M3! rs. no dia
lo de Janeiro.
. Diaute o mez de dezembro do anno passado
impui-tou em 71:750*840 rs. a arreedaro do-
imiwstos provinciaes, recolbioa. aos cofres respec-
tivos.
paiu'
Comecara o pleito eleitural. sem nenhuma oeeor-
rencia desagradavel.
A. presidencia da provincia procurava contra-
lar a construc<;ao de um thealro na oapiiod.
A alfaudega renden no. mez passado. .
382:086!l2 rs. -. .
Fallecer o empregado da reebedoria pro-
vincial. Antonio Jos da Silva Nevos.
Na occasiao aa que imprima o Lioerai ih
Para, ata dos trabalhadores que daa inovimeato
a niacliina. teve urna vertigem, e cabio de fnaa
que licou com a cabria sla-e a moa de impres-
sao, e alii fui esiuagada pelo movimenlo.
No dia 28 do passado deu costa, na illia da
T;Unia, nina enorme piralivba, com o cempri-
meiito de H:k--. in|jari e largura de l.
Os coUmios aineriran is. qm se estabeleeeram
na cidade de Sanlarem, coiuK,-avaui a exportar
para a imitar do Para, ptimo'fumo de seu fa-
briro.
Na districto da Mclgaro, Gregorio dos Mar-
tyres. menor do 14 annos. maln a seu pui com
um tiro dt atpuMjaaua, da seguinte maneira:
Elle e seu irmio limpie dos Hartares, tendo
ouvidu em mu madrugada a-sobios de antaom
lugar proxjiiKi da casa, e oude era cosliime ajaja-
recerem. taes antenas, para l seguiram tomando
cada um seu ponto de. espera.
t Gregorio, tendo observado um inovimeato no
mallo, a depois parar um vulto, contra ote rou sua espio^arda. e ouviudo um gemido em se-
guada ao Upo, coireram ambos ao lugar, ealii eu-
eotitrara.nH) eadaverde sen pai.
Ksie nl'el*z havia uassadu a Dojte em um sitio
vsiulio, para o qual linha ido em canoa, e com..
durante a noite desapuarcccssc aquella, leve de
vollar por trra s 4 lioiasda madrugaila, o que
sem duvida nao poderam prever seus lilho.-.
VARAMIO.
As noticias do thealro da guerra, levadas i
capital palo Tmaiitiits. f..ain enlliiiMa.-ticamonte
festejadas, com salvas das folale/.-..s, passeiatas.
msicas, imuuinacoes, poeziai e discursos. A sa-
inara municipal mandou celcluar um "b-Dami.
em accao de iracas.
Pre|iaravani-se muitos fesiejos, por parte da
cmara iniinicipal. do COflUO do coimnercio e dr
diversas sociedades, para a noticia da cooelusan
da guerra.
_ f>presidente da provincia Hiera nm excur-
sao villa do Kosario, i burdo do vapor Oorttu
Mendet, aiim de exaininar as obras da cachoeira
ila Vera-Cruz.
Terminaram os trabamos eleitoraes as re-
gui'zias da Pipila!, em completa calma, bem cuino
as de Alcntara, S. liento, S. Vicente Forree.
Rosar a Aran.
A cunara municipal da capital iiomeou urna
coiiiinissao composta dos Sis. senador 1'iniiino
Rodrigues da Silva, Drs. Anteara l'errrtm Yianna
e Candido Mondes d Abueida paja con\pi\npontei'
a S. M. o imperador pelas victorias alcncadas
pelas armas naclonas e derraparan dr A-*WMf?r!Iri
No dia 3 dy correle lew "a presidencia*Aa.
provincia purlicipagin olllcial de que, estando na
villa do tt .sacio a jantar no dia s 7 horas da.
noule o [nenie K.mualo Fraiieisr. Machado
delegado d'ponrfa rentad inoio o capitao An-
tonio G -rvaso Machado e uniros amigos, f.d des-
parado do quintal da casa um tiro de revolver
sobre o piimeiro d'aquelfes cidadaos. que fifOu
Bfaveinente (Brido, bem como o segundo levemen-
te com bagos de chumbo.
Nenhuma relaco tem a (iielle attentado com a
eleicao a que all se proceden, pois que a apnra-
p30 desla se concluir as 6 horas da tarnVd'a-
qitPTle da, havendo corrido todo o proresso- lei-
toral na maior calmn e -on iro.
Para o local seguir, no vapor Pindar, o r.
chefe de polica.
A alfandega renden : no mez de Janeiro
IToil-SSii. e de 1 A S to ronente i7::mt\m*.
Picavam carga os navios: F. Drake, $-
rah. D. PriMens, Caroliir o apla para,'Uvr-
|hmI ; Jwn JWI' para Darcelona :
Fallecer o Sr. Jos Ferreira Pmentel Bel-
leza.
Lemos no Paiz :
No dlH 3 do correnti' teve lugar, no semina -
rio das Meres, d'istribuirao dos |vuiios aos
alumnos qOe mais se dislinginram o anuo passado.
Foram examinados nesse ahno 98 alumnos e> oas-
tes apena* obtiveTam premi.w Iti. e H mpnro'brtn-
rosa. Os premios sao classilicadns om treil gra*.
1 e 2.- medalh.is de ouro, c .1." de prata';-a
mengao honrosa t tarrtbem scompnnbada de una
medlha db pinta Mtmo singdla. 86 um atuiarm
obteve o I." premio. .Nao significa isto infr'tlai.
Bmxresse as otitras' aulas alutimo mui djNlurtos,
mas qirizeram tls'lm os i-ntes dinJenitai1 ofpe-
mios para haver o'maior estimulo entre os ldm-
nos. i '--i
Prca- leu a soleninidade da destribuigao ma
missa. cantada )>elo Rvm. Sr. conrgo Dr.'M;nioel
TaWres'da Silva, lente do grtrttde. Jcnflhart.
aroinpanh.vla de' euros .fos alumnos: -A-lfea
missa assistiram o Exm. Sr. bisixi dtednanir
lentes de ambos oi seminarios, o as seaboras e
caTallieiros que foram para a fesia ci>lleglat.,,,Br-
minada A missa, ante- que sbis-eni os qae Se
achavam na igreja, o Rvm. Sr. padre Fofesfca.
viep-reitor e lertp'dc aJtflosojiWia qn'pemidnA c-
mlnarib.'eu nm eloquente discurso, iijiproprisdo
ao arm. i repassado d'aq ndias suas phra*s*e
ppnskmentos t-io p-irameiitr rrli^iosrts qne'Mii.
pWfti deixar de catar no espirito dos memVs
'" V'ReunKlos os collegiae-. lentes p mais
no vasto salo do p^anip-, ^iip estava simpUBT'
MpgaYnVnlpntr arnmil-'. oceuprm o ICxm. VlSpo
o ltwat qiip me era t o reitor e a esqnerda o' vice-n-itfir dh-semftMno.
r no correr dn^rish' a bancada dos'tente--
bendo Sua 'Exf. d,ue estavn no Calilo o *sr. Di
liMdeira de Mello, fcnte' da ftculaaje dedlrello
do'Reelfr, mandot pord.vns lentes convida-Hlia-
ra toj.ir assento entre os lentes
Sfthio rntSfi i'ola tiibiln levantada na en-
tra rxIrpiimladV do saH.V o II
00 I.eillOS
tense est venc
Afflrma-se que a Grecia reaolveu nao aeeeitar
a discussao.
Navios gregos .anuraram no Dj
ru--so com a
intpnsacao do iv
payiJ
e leu um bello discurso, em IJue-enm-
nelnomn a fnndaofe do pequeo seminaflt, tra-
ten do desvelo patoraal *n que o dirige aae-
raudo pastor. da dae*'iuaranliense, touvouaos
altiintis'proiniados, oxeiandb-os a trabalftbr para
nos seguintes anuos colher nowns louma.- **>
sdits companbeiras .para imHa-tes. tettbraad*
Mies que aquello, rujo nomo nao foi menaataaa.
bm podara' no auno segomuy sex prartatro^ote
.dos. Teniiaou o seu isursst 'aatidaeaal-
do as senhor.'is e ravalbe r. que honraraut *les-
ta dos seus collegmae, ou antes sMs-Aiaos.
e|juiq-se.' a chataadjt da petuiadoa, a cada

X



Diario de PernauabufC Quinla eara 11 Ae Fevereiro de 1869.

um ia receber do Exm. Sr. hispo o premio que lhe
competa, prcgando-lhes S. Exc na pcito a rns-
pectiva medala he coroando-os com coras de
ioaro. O alumno depoia de receber o premio pas-.
>ava tribuna, donde lia am discurso de agrade-,
ment, sendo os dos premiados em latim, fran-
4-ez e inglez nesgas lingnas, e cm seguida ia occu-
par ama das eadeiras destinadas aos premiados.
Urna banda de msica tocava nos intervallose
l oruava assim nfais alegre a foeta, j de si Uo
.alegre e agradavcl.
Terminou a distrbuicao por um hymno de
Jess, cantado pelos alumnos.
piai-hy.
f alleceu na povoacao de Peripcry, o Rvm.
Domingos de Freitas e Silva.
chara.
- A associacao commercial nomcou duas cotn-
inissSes, para e incuinbirem dos festejos pela
onclusao da guerra. A primeira, encarregafla
le agenciar donativos, compoe-se dos Srs. Mannel
Ferreira, H. Brockleburst, H. Kalkmann, R. Hu-
ghes c Luiz Ribeiro. A segunda, que deven diri-
gir os festejos, compoe-se dos Srs. J. Foster, E.
Coraptom, Manuel Nunes, J. Fonseca, J. Rangel,
Severiano da Cunha, Sexas Gomia, L. Sands,
Diogo Jos da Silva, J. Mackie e Jos Luiz.
A alfandega renden no inez de Janeiro.....
73$62033, sendo :
Importacao............. 40:671 UO
Exportaco............ :W668
Despacho martimo..... 175300
Interior................ 3:271*425
Falleceram : no Crato, o capitn Antonio
Ferreira de Mello ; c no Assar, o vereador Anto-
nio Leite de Lean.
Lemos no Ccarense :
Crato.O padre Ibiapina concluir suas mrs-
-oes e seguir no dia 2 do passado para Barbalha
nade se achava missiouando. A despedida do mis-
ionario fui tocante. .
Recebemos a Fe; da Religiiin, que continua a
publicar muitos lacios estupendos da miraculosa
onte do Caldas, na Barbalha. Os cepos recupe-
Tan a vista, aleijados, e enfermos que ja se julga-
Kam desengaados da vida se restabeleccm ao
.imtact.i das aguas prodigiosas. Diz o jornal que
o numero de romeiros que ali affluc eleva-se a
200 diariamente I
Cantara sua primeira missa o novo levita
.Manoel Carlos da Silva Peixoto.
Em Missan Velha, cantn tambem sua pri-
neira missa o Rvd. Francisco Casemiro de Souza,
nmbos ordenados nltihiamcnte por S. Exc. Rvma-
o Sr. D. Luiz.
Funccionava regularmente oIntrnalo ao
Cora.;;io de Mari a-instituido naquella cidade pe-
lo coiiimcndadnr Roliin.
O padre Ibiapina promova a construreao ele
urna casa de caridade na Barbalha. O capitn
Pedro Lobo de Meneies offerecra para a obra o
donativo de .3:000*0110.
1110 (HUNDE.
J era conhecido o resultado eleitoral das uc-
guezias de Tnurus, Sant'Anna de Mattos, Angii-n e
ss. O pfeito correu ahi com toda a calina c h-
berdade.
PARAHYBA
Nosso correspondente escreve-nos o. seguinte,
uta data de 9 do coi-rente :
Concluin-se o processo eleitoral nesta capital
e seus arredores, com a maior tranquillidade, ten-
vendo completamente o partido conservador por
extraordinaria maioria.
As noticias que temos de varias localidades
.lo interior sao sobre modo lsongeiras ao niesino
partido ;por toda parte a victoria, no nieio da
mais profunda calina e socego.
A opposican, balda dos meios de comprestao,
oe que tanto abusn, abandonou as urnas em cer-
MM lugares, pela simples razan de ter sido tonal-
mente abandonada pelo povo, que j nao er em
<\\3& jeremiadas.
Entretanto nao o fez sem o costumado alando
de phrases bombsticas e campanudas, entre as
<|uaes figuram as indefectveiscompressao, vio-
lencia, bayonetas, elecomo obrigatoras c iudis-
pensaveis, para produzirem maior effeito, fra da
provincia, '
Verdade que o systema, j por muilo sedujo,
cahio em desaso, se que nao tocou ao mais pro-
tundo ridiculo, como me parece.
Artigos de jornal, escriptos de tal modo, con-
tra a verdade dos factos, que o povo apalpa c re-
.onhece, nio servem senao para descrdito de
tan autores.
A questo de candidaturas, por esta provin-
cia, ehegou allnal a seu termo, com ai-quiescencia
geral das legitimas influencia*
Sero, pois, eleitos temporaria os segumtes
Srs.:
;f l"dStlii'l".
1. Barfio de Maraanguape.
2." l)r. Anizio Salathi I Carneiro da Cunta,
.< 3. Dr. Diogo Vellio Cavalcanti de Aibuquer-
que.
2*districto.
1." Conselheiro Antonio Jos Henriques.
2. Desembargador Francisco de Aflata Pereira
Rocha.
Faro parte da lista trplice para senador os
Srs. :
1 Conselheiro Autonio Jos Henriques.
i 2.* Desembargador Francisco de Assis Pcrei-
ra Rocha.
m 3." Baro de Mamangnape.
Faco aqui ponto final.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
ACTOS OFFICIAES Pelo ministerio da justica
fui expedido, em 27 de Janeiro ultimo, o seguinte
aviso, presidencia desta provincia:
Illm. e Exm. Sr -Offlciou V. Exc. a este mi-
nisterio, em 8 de Janeiro corrente, remetiendo
ripias do requ rmenlo uo qual D. Lauriana Can-
Hda de Higuera Duarte de Drummond pede pro-
videncias para que seja cumprido, pelo presidente
da relacao, o aviso de 12 de fevereiro de 1866; e
igualmente da infnrmacao que prestou naqu Mi
pialidade o fallecido conselhciro Firmino Autonio
.le Souza.
Consta desses papis que, fallecendo o briga-
leirn (aspar de Menezes Vasconcellos Drummcnd,
deram principio ao inventario dos bens do me; un
juizo de orphao a requeriineiito da vi uva, e
H)go depois o juizo dosfeitos, a requerimento dos
berdeiros. A este ultimo juizo rompareceu a *4a>
va allegando a incompetencia do juizo e aggravan-
.! para a relacao, a qual nao deu provimento ao
recurso e reconheceu a competencia do juizo dos
Coitos por cnnnc\o e dependencia da causa.
O juiz de orpliaos dirigio-sc ento aquelle tri-
bunal suscitando um conflicto de jurisdiccao com
o iuizo dos Jeitos, mas o conselheiro presidente da
relacao, ouvindo previamente o juizo dos feitos,
proferiu, em 23 de setembro de 1865, um despacho
d!cidindo que nao existia conflicto alguin de jurjs-
diccio que devesse ser submetlido a julgamcnto o
tribunal.
En)vista dessa decisao expedo este ministerio
0 aviso referido de 12 de fevereiro de 1866, decla-
mado que o presidente da relacao nao proced ira
bn recusando submetter ao ronhecmiento do tri-
banal o conflicto de jurisdiccao.
Mas esse aviso nao influlo na decisao do presi
deate qne nao foi reformada, para o effeito de
sub aetter ao eonhecmento do trbunrJ a repre-
sucao do juizo dos orphaos.
Agora, porm, requer de novo a vuva a essa
presidencia para lomar eflectivo o aviso, e V. Ese.
uboietle o assumplo deliberacao do governo
imperial.
. De confonnidade coa os principios obsen-alos
aer este ministerio, devev. Exc. indeferir o reque-
riiaento da supplicante, nao smente por nao ser
Ha parte no conflicto de jurisdiccao, mas princi-
piiinente por tratar-se de urna questo puramente
juciaria, da exclusiva competencia dos tribu-
oaes. Se o presidente da relacao exliorbita das
^tbuicoes que lhe conferio o reg. de 13 de janei-
r* de 1833, decidindo previamente o que seja con-
l*ao de jurisdiccao, e subtrahindo ao conhecimen-
to do tribunal o que bem ou mal lhe lr dirigido,
se admissivel no julgamcnto dos recursos pelas
retacees, urna prejudicial apreciacaode sua lej.iti-
tuidade pelo presidente das mesnas, ao#uprtino
Iribunal de justica compete decidir ou por virtude
d oueixa criuie ou em novo conflicto de juris-
licfao suscitado pela relacao contra seu presi-
date. *
iELEJCOES.Conelnram-se os trabadlos eteito-
?a>s dan freguezias seguinte* :
f didricto.
Ka freguezia da Boa-vista foram eleitos elei-
tores para senador :
A alomo (orneiro Machado Ros ... i53
Mr. Bento Jos da Costa...... 3
iHioael Domingos Aflbnso Nery Ferreira i53
Desembareador Francisco de Atik Pcreira
echa........ ^
Praneisco de Mirand Leal Scve **~
J&. Jyaquim de Soan Reta..... >M
Jos Martias .do Ri# Jnior..... 453
Antonio Joo das Santos Ferreira Barros 453
Manoel Carneire de Souza Lcenla 453
Manoel Coellui Cintra....... 453
Dr. Manoel Barbosa do Araujo. ... 453
Manoel Rodrigues do 0'...... 453
Simplicio da Cruz Ribeiro..... W3
Thomaz Jos da Silva Gusmo..... 453
Dr, Tristao de Alencar Araripe. 4.';i
Teodoro Machado Freir Pereira da Silva 453
Jos Mara Freir Gamero..... 453
Desembargador Joo Antonio de Araujo
Freitas Henriques.......
Joao Francisco Antones. r. 453
Moasenhor Joaquim Pinto de Campos. 453
Desembargador Lourenco Jos da Silva
Santiago...........
Antonio Manoel da Silva Guimaiae 425
Augusto Paulo de Lentos Duarte. 425
Bernardino de Senna Silva Gnimares 42
Oriselheiro Francisco de Baula Baptista 425
Manoel Carneiro Machado Freir .
Vicente Cardozo Ayres...... 425
Dr. Luiz Salazar Moscozo da Veiga Pessoa 405
Dr. Manoel de Barros Brrelo .... 405
Manoel Antonio Cardozo..... 405
Jos Luiz Innocencio Poggi. 405
Joao Pinto de Lemos Jnior..... 403
Jos Pedro Baptista....... 405
Jos Goncalves da Silva Bastos. ... 405
Dr. Joaquim Pires Machado Portella. 405
Jos Pereira Teixeira. ...... 405
Ignacio Jos Pinto........ 405
Joaquim Jos da Silveira. 405
Joaqun Demetrio de Almeida Cavalcante. 405
Josu Materno de Azevedo Santos. 405
Jos Gomes Leal........ W)5
Dr. Joao Jos Ferreira de Aguiar. 405
Frederico Augusto de Lemos..... 403
Bernardino de Senna Muniz. ^ 403
Dr. Bernardo Pereira do Carino. ... 405
Dr. Braz Florentino Henriques de Souza. 405
Dr. Cypriano Fenelkm Gucdes Alcoforado. 405
Domingos Al ves Matheus...... 405
Antonio Cesa rio Morena Das .... 405
Francisco Martins Baposo...... 405
Joo Martins do Rio....... 405
Heliodoro de Aqui no Fonseca. 391
Alvaro Pereira de S....... 373
Joaquim Aurelio Wanderley. .... 355
Cynno Rodrigues da Silva Campos. 305
2." dittrclo.
~ Na freguezia de Maranguape foram eleitos
eleitnres para senador e deputades:
Coronel Joaquim Cavalcanti d'Alhuquerque. 590
Dr. Francisco Gomes Velloso de A. Lins. 587
Joaquim de S Cavalcante...... 586
Firmino Theolnnio da C. Santiago. 581
Francisco Camello Pesstia Cavalcante. 4I4
Theodoro Ferreira de Andrade. ... 491
Manoel Joaquim dos Santos Christo. 490
Laurindo Carneiro de Vasconcellos. 490
Joao Lins do Moraes........ 487
Manoel Lobo de Carvalho..... *"
Francisco Xavier Pessoa de Albuquerque. 475
Luiz de Francadiuedes. : 473
Joo das Chagas Ferreira....... 472
Andr Avelino Ferreira Das..... 457
Joao Antonio Ribeiro....... 454
Francisco Antonio da Natividade Saldanha 352
Joaquim Francisco Delgado. ... 320
Na freguezia de Tejucupapo foram eleitos:
Eloitores para senador.
Francisco Xavier de Albuquerque Mello. 730
Joao Ribeiro "Campos e Vasconcellos. 728
Satvro Clementino Colho Catanho. 728
Joo Tavares da Rocha...... 728
Antonio dos Santos Medciros d'Aguiar. 727
Antonio Goncalves de Azevedo. 726
Antonio dos Santos Falcad..... 723
Flix Jos Cesar de Vasconcellos. 225
Manoel Ferreira de Allemo Cysnciro. 724
Manoel Rodrigues Ventura. 722
Jos Antonio Martins da Costa. ... 712
Jos AlvesBezerra........ 710
Alfercs Ignacio Jos Martins..... 700
Jos Ignacio Moreira....... 680
Antonio Jos de Souza Costa..... 675
Carlos Jos de Souza Castro..... 674
Herinogenes Jos de Souza Caslro. 670
Joo Monteiro de Souza...... 668
B.'lisario Monteiio da Rocha..... 665
Satyro Valladares de Menezes. ... 664
Wenceslao Francisco Reges. .... 660
Antonio Alfonso de Mello...... 659
Bellarinino GkjIIio da Silva..... 650
Lucio Jos Dornellas. 650
Joo Rodrigues da Silva...... 648
Martinho Colho da Silva..... 449
Eleitores para deputados.
Joao Ribeiro Campos e Vasconcellos. 707
Francisco Xavier d Albuquerque Mello. 701
Antonio dos Santos Medciros de Aguiar 701
Satyro Clementino Colho Catanho. ., 701
Antonio Goncalves de Azevedo. ... 701
JooTavares da Rocha...... 700
Antonio dos Santos Falco..... 700
Dr. Francisco de'Paula Rodrigues de Al-
meida........... 700
Francisco Rezerra de Figueirdo. 689
Joo Clementino Colho Catanho. ._ 688
Alfonso Jos de Albuquerque Maran'uo. 685
Etelvino Daniel de Araujo Machado. .650
Joo Evangelista Fragoso de Albuquerque. 646
Jos de Mello Albuquerque Montenegro. 646
Ernesto Brasiliano da Cunha Ucha. 645
Manoel Jos d*Albuquerque Mello Gadelha 643
Benvindo Jos Bezerra...... 642
Basilio Magno Martins da Costa. ... 641
Luiz Malinas Bezerra de Menezes. 640
Flix Jos Cesar de Vasconcellos. 639
Joo Dias da Silva Coutinho..... 638
Lourenco Francisco Diniz..... 637
Jos Antonio de Souza Costa..... 636
Vicente Ferreira de Oliveira. 636
Barnab Correa de Mello...... 635
Joo da Rocha de Souza...... 633
Na freguezia de Nazareth foram eleitos:
Eleitores para senador.
Vigario Jeronymo Jos I achoco Albuquer-
que Maranho........ 711
Dr. Joo Paulo Monteiro de Andrade. 711
Jos Cabra I de Oliveira Mello. ... 711
Herculano Cavalcante de S Albuquerque 711
Diogo Velho Cavalcante de Albuquerque. 711
Alfonso de Hollanda Albuquerque Maranho 711
Feliciano Jos de Mell...... 711
Dr. Christovo da Rocha Cunha Souto-
maior......... 711
Antonio Jos de Oliveira Mello. '. 711
Franklim .Uves de Souza Paiva. ... 711
Antonio Lourenco Tavares de Albuquer-
que........... 711
Ignacio Vieira de Mello...... 711
Plinio Augusto Cavalcante d'Albuquerque 711
Domingos Jos.' da Costa Braga. ... 711
Antonio de Hollanda Albuquerque Mara-
nho........... 711
Francisco Rufino Carneiro de Castro. 711
Manoel Jos Pinto de Souza Neves. 711
A n Ionio Bernardino Lopes Lima. 711
Severino Correa Leal....... 711
Manoel Francisco da Motta Albuquerque. 711
Antera Florentino Pessoa de Mello. 711
Manoel Cabral de Oliveira Mello. ... 711
Joaquim Zelirino da Silva Cabral. 711
Francisco Vespucio Correa de Castro. 711
Joao Velho Brrelo....... 711
Francisco Manoel de Albuquerque Mara-
nbjio........... 711
Antonio Claudino Alvos Gomes. ... 711
Jos de Hollanda Cavalcante..... 711
Pedro Francisco de Oliveira Mello. 711
Antonio Vieira de Mello...... 711
Jos Francisco Belm....... 714
Eduardo Bessone de Almeida. 711
Rozendo de Araujo Albuquerque Mello 711
Thomaz da Motta Cavalcante...... 711
Manoel d Macedo....... 711
Jos Vicente de Lyra....... 711
Francisco de Souza Barcella..... 708
Jos Eulalio Gomes da Cunha.... 707
Domingos Dias de Araujo. .... 705
Leandro da Annunciacao. ..... 705
Jos Ferreira dos Santos...... 704
Eleiiires para deputados.
Vigario Jeronymo Jos Pacheco de Albu-
querque Maranho...... 701
Dr. Joo Paulo Monteiro de Andrade 700
Herculano Cavalcante de S Albuquerque 698
Jos Cabral de Oliveira Mello. ... 698
Alfonso de Hollanda Albuquerque Mara-
nho........... 696
Ignacio Vieira de Mello. ..... 695
Diogo Velho Cavalcante de Albuquerque 93
Feliciano Jo de Mello...... 691
Antonio Jos de Oliveira Mello. ... 691
Christovo do Rocha Cunha Soutouiaior. 690
Plinio Augusto Cavalcante d'Alhuquerque. 685
Antonio Lourenco Tavares d'Alhuquerque. 683
Domingos Jos da Costa Braga.... 684
Franklim Aives de Souza Paiva. ... 684
Antonio Bernardo Lopes Lima. 683
Francisco Ruttjw Correa de Caslro. 682
Joaquim Zeflrtno da Silva Cabral. 682
Manoel de Macedo........ Manoel Jos Pinto de Souza Neves. 680
Pedro Francisco de Olivera Mello. SO:
Manoel francisco da Motta Albuquerque. 72*
Manuel Cabral de Oliveira Mello. ... 71
Eduardo Bessone de Almeida. .... 70
Severino Correa Leal.......- 667
Beato Franco Rmueiro. ...... 665
Manoel Pedro d'Olivetra Mello .... 665
Antonio Cabial dviliveira Vasconcellos 660
Pedro Tavares d'CMiveira Mello. ... 660
DumUwos Dias d'Araujo...... 58
Jos Ribeiro da Cunha...... 653
Lourenco Dias d'AraujO...... W5
Manon! de Carvallo Pedresa..... 650
Joo Jastiao da Cruz....... 50
Antonio Manoel da Trindade..... 619
Justino de Freitas Pereira 615
Jos Gomes TOliveira Cotilmho 642
Justino Antonio /Olive* *p%. 64(1
Antonia Luiz Pereira....... 633
TheodooTavares dOliveia Mello. 630
Antonio Alves de Menezes..... 623
Sebastio Carlos d'Oliveira ...... 620
DINHEIBO-O vapor Todantint trouxe para a
nossa praca as seguintes quaniias. para os Srs. :
Joaquim Jos Gon.;alves Beltro 10:0004000
C. E. Riedle....... 1:0004000
Marques, Barros A C..... 1:0004000
Lino de Faria AC...... 3004000
Miguel Jos Alves..... 9874000
Domingos Alvos Matheus ... 1634:100
Trouxe mais sta vapor as seguintes quantias :
Para ajBahia...... i:264!29
Para o Ro de Janeiro .... 186:6184934
sendo desta parectla 172:8194019 para o thesouro
nacional.
JABOATO.Hoje as 7 horas da nole ser has-
teado o estandarte da festividade deste povoado.
AFFOGADO.Antc-bontem as 6 horas da tarde,
flTnriiiam-nos que morrra allegado um menor da
coinpaiihia do arsenal de marinha, que estando
brincando dentro de um hote,cabira ao mar.
CAPU.VGA.Temos inf.irmaces de que neste
povoado prestaran! relevantes servicos a popula-
can, por occasio da cheia do Capibaribe, alm do
respectivo subdelegado o Sr. Ernesto Vieira de
Araujo, que foi ineansavel, os Srs. J J. Tasso, Ma-
noel Jos Antunes Guimares, Jos Leandro Lopes
de Oliveira, Manoel Francisco Colho Jnior, Dr.
Jacobina, Jos Rodnpiano dos Santos, alferes Pires
e o destacamento de polica.
ASPHYXIADO.Foi encontrado, no lugar da
bomba da Ponte de Ucha. que arrehentou, o ca-
dver de um homem, pardo, que representava 24
annos pouco mais ou menos.
VAPOR IPOJL'CA.Este vapor daComnanhia
Pcmambucana, eguio do Coar para a Granja,
onde deve limitar o fundo, no dia 6 do corrente.
PAO D'ALHO.Informa-nos pessoa que passou
por Pao d'Alho, que essa localidado solreu bastan-
te com a cheia do Capibaribe, (cando muito ar-
ruinada toda a ra da Matriz.
PONTE DE S. JOO.Desuiente-se a noticia do
desmoronameuto dessa ponto. Ella resisti sem
grave daino as agnas da cheia do Capibaribe.
S. LOURENCO DA MATTANoticias dessa lo-
raldade dizein que soffreram bstanle os enge-
nhos General e Camorim, cahindo naquelle parte
da casa de purgar, perdendo-se cento e tantos pes
de assuear, c neste carregando a cheia o alambique
e algumas pipas ele agurdente.'
ESCALERES DA MARINHA Reclama-se-nos
contra a parle da nossa noticia de hontem que se
refere aos otllciacs de marinha ; Undo l'eito a
noticia bascados na iil'onnaco do subdelegado da
Passageni, aqui mencionamos o protesto por sim-
ples cnrlezia, visto como inerccc-nos f aquella au-
loridade. No enlamo se foi menos exacla a noticia,
nao nos despresainos de por este ateto destruir a
censura.
TE-DECM.Huic, as 3 horas da laide, tem lu-
gar na matriz de Santo Antonio, esse acto, em ac-
co de graeas pela concliiso da eleico. OSr.
juiz de paz'respectivo convida a todos os eleitores
especiaos e geraes para essa solemnidade.
FALLECIMENTOHontem deu alma ao Crea-
dor o Sr. Manoel los Soares de Avellar, cartora-
rio da thesouraria de fazenda, victima de padeci-
nienlos amigos.
LOTERA.A que se ada a Venda a 93 em
beneficio da matriz de Jaboato que corre segun-
da-fera 15 do corrente.
PASSAGEIROS.Dos portas do norte do impeli,
conduzio seu bordo o paquete nacional vapor
Tocantins, para o nosso porto, os seguintes: Anto-
nio Pereira da (i* a Lima, Goorge Seymour, Mar-
ciano Januario, Lamacbia Gniseppe, Antonio dos
Santos Villaca, Mauricio P. F. Pereira e una cra-
da, o escravo Severo entregar ao Dr. Clausulo
Araujo Guimares, Antonio Rajmundo Teixeira.
Jos Caldoso dos Santos, JosMatheu;Gomes, Ry,d.
Miguel Mara Spolis, Domingos Diucleciano d.AJ-
buquerque, Francisoo de Castro. Francisco Ustuno,
Luciano Ortuno, Joaquim Ignacio lreira Jnior,
Antonio Francisco de Oliveira, Manoel Modesto Pe-
reira, Vicente Ferreira Gocs Lyra, Miguel Soares
Raposo da Cmara, iescravos, Francisco das Cha-
gas Cavalcante Pessoa, Jos Paulino da Silva, Dr.
Gabriel Soares Raposo da Cmara e seu criado
Manoel, Jos Paulino da Silva, Manoel do Nasc-
ment Ribeiro, Joo Agusto da Silva, Manoel Go-
mes Moreira, Antonio Correa da Silva, Tassiano
Gomes da Silveira, Joo da Silva Guimares Fer-
reira.
Seguem para o su! do imperio, abordo do mesmo
vapor: Torquato Alves Barbosa, 2 praeas de poli-
ca, 2o cadete Henrique Joo Guimares Pereira, 4
praeas de pret, Io lenle Manoel Lourenco da
Costa Rocha, Jos Joaquim de Burgo, Manoel Joa-
quim de Oliveira Prxedes, 2 tonentc Antera da
Costa Albano, 5 voluntarios da patria o 38 escra-
vos entregar.
CEM1TERI0 PUBLICOObtnario do dia 8 do
corrente :
Placido, Pernainbnco, 17 mezes, S. Jos ; moles-
tia externa.
Mara, Pernanibuco, 13 mezes, S. Jos.;; convul-
sOes.
Jos, Pernambuco, S. Jos; tymponite.
Mara, Pernambuco, 6 mezes, Recite; espasmo.
Francisco das Chagas de Jess, 75 annos, solteiro,
Boa-Visto; hepatile chronico.
Joo Emilio de A/.evedo Guedes, Portugal, 54 an-
nos, solteiro, Kceifc; eudocardite agudo. -
Margarda, Pernambuco, 2 mezes, Recite ; coque-
luche.
Domingos Alves da Silva, Portugal, 26 annos, sol-
teiro, Boa-Vista ; febre pernciesa.
9
Antonia da Penha Falco, Pernambuco, 70 anuos,
viuva, S. Jos : apoplcxia.
Mara, Pernambuco, 45 dias, S. Jos; convul-
soes.
Amelia, Pernambuco, 4 annos, Boa-Vista ; vari-
las.
Maria da Penha, frica, 70 annos, sollera, Boa-
Vista : inlerite chronico.
Maria do Carino Ferreira, Pernambuco, 30 annos,
casada, S. Jos; espasmo.
mo o repositorio de quanta imnvtnlirie reooHiem
em suas alcoksos Iraperos da poieca. E'para
all que se amontoam a rava, o dio e o dcs-
peito.
Anda o-nititno numero veio renti-mar essa tris-
to celebrdade que o programina da dillamacn
tem trasio ao orgo jlsioiiixte. Depois de urna
dislinccfl magra ente o poder pelitico e o poder
administrativo, com a qual se condi e que aquel-
le o -ifrventor e este o executer d.*s les. parecen
ao escripte/ que nao devia reraaiar os seus ex-
tractos, de une ficou a fonte em seg/edo, sem dcs-
cahir da aitura do gratule prmeipit para o plano
resvaladta da injuria. Nao nndia Bear a dislineco
satisfeita por nina apreciacao ais ou menos bem
inlenconada, mais ou meaos sbwen, dos actos da
adiuinstracSo em que se possa ter yisto um desvio
da Hitrma severa de imparcialida. e que adere
distinguir. Nao pareceu bem ter siuento urna lin-
guagein viva e aiiaixonada na aaruciacao dos tac-
to Era mais preciso ; o insulto devia vir coroar a
theoria. E veio.
Quartflo outrns ftiufis nao recokieeidivsein a
aduiinistraeo do nobre Conde de Baepfendy gra-
tdo do paiz como um perodif de exacta e escru-
pulosa observancia da le, bastariam as suas de-
cisSes em materia eleitoral, urna urna approva-
das pelo governo imperial, para dar irrefutavel tes-
kiiuiinho de seu invioiavel amor jusliea. Longa-
menle motivadas e em regia acompanhadas de
urna cxpnsiso detida e minuciosa dos factos, ellas
sao taes que satisfazem o espirito mais exigente.
Para varias localidades, ellas rontrariaram em cer-
to modo as vistas de alguns ospiritos que derem
por ellas ter aprendido que honrar o triuinpho
de una opnio asscnla-lo na larga base da mais
piira e regular manfestaco do voto. Todas as
violencias, todas as irregularidades, foram.pozadas
com igual severidade na batanea administrativa.
Nenhuina representaco dcixou de ser considera-
da ; nenhnm documento foi posto de margem
nesse paciente trabalno de laboriosa investigaeo
que, percorrendo urna por urna todas as actas das
eleicoes das provincias, leve em atlenco todos os
incidentes sem desprezo de nenhiiu a llegaco.
Foi, entretanto, neste ramo da aduiinistraeo do
nobre Conde do Baependy, que o a'guista do Li-
beral eiitendeu proposito ajustar oliservacoespara
concluir contra a reclidao das vistas administrati-
vas. Incrivel desato Quanto venlade que o es-
pirito altamente justicoso do Sr. de Baependy, a
sua imperturoavel prudencia, a sua atlenco soli-
cita por todos os ramos da adininislraco^ est to-
lhcndo aos contrarios motivos de aecusar I
Deixando cahir a censura cm una maligna va-
guido, o escriptor do IJberal nao lera certamen'e
em conta qne escreve para a provir-cia. Pois que !
Essas dccisoes foram publicadas medida que
eram resolvidas ; especificaran! os fictos ; foram
quasi todas extensamente motivadas ; e essa nies-
ma imprensa, que guardn o mais rigoroso segredo
sobre a irnparcialidade, smente agora suspemtda,
desses actos, os condemna lodos em urna phrase
como o eorpo do delicio da administrarn I Nao
esta va ahi ampia materia para o exame, para a
confrontacao dos factos, para a apreciarn calma e
desapaixonada ? Si essas decises, lo do dominio
liiiblico, vos parecer ni concertadas com vistas po-
ltica*, e nao inspiradas pela mais irreprchcnsvol
mparcialidade, como desemprogals o excellcnte
nieio da analyse, este processo to fcil de trazer a
convieco t
Convinde que a vossa maneira d^ discutir in-
solfrivel. Pondos o insulto no lugar do exame ;
nenies a afTirmaeo palavrosa no lugar da analy-
se ; e por este nxlo turnis iuipos-ivel o que tan-
to desojramos, e a discuso, mas a discussao
sensata, inspirada antes de tudo do amor da ver-
dade.
Pde-se ser homem poltico, sendo se e ficando-
seharneen de b;m. O Sr. Conde de Baependy ser-
ve, muito verdade, c desde longos annos,
urna escola poltica que o respeita como um de
seus melhores caracteres; mas ao mesmo tem-
po um, espirito convencidamente dedicado atadas
as virtudes cvicas que fazem de um homem pol-
tico um cidado benemrito.
COMMUNICADOS.
Sao sempre os mesmos os paladinos da opposi-
eao I Evitando a discussao grave e discreta, sup-
Srem por urna desconvencida declamacao o vacuo
e ideas que se fa/ em torno de sua imprensa.
Nao eitam factos seno para os desnaturar. Bedui-
nos polticos, dos de que falla um eminente joma-
lista portaguez, salteam todas as caravanas em que
prescnlem riqueza. Verdadeiros corsarios da m-
Etensa, aviliam e degradam todos os dias este no-
re instrumento do {tensamente. Nao entera ou
lingeiH nao sentir que deshonrara a sna causa,
deslustrando e desempregandoeste poder, so auxi-
liar de todas as conquistas do espirito humano.
embalde tentar com siniillunte turba de apos-
tlos descraos a rehabilitato da imprensa polti-
ca. EMes desservem de boa mate a idea para ser-
vir o odio. Onde devia estar a discuta calma e
Iluminada, elles deixam ver es esgarra do despeito
mal contido. A injuria e a dfamaco, elles nao
eonheeem nutras variantes. Parece que Ihes nao
de oferro em braza da reproueao publica.
To ao contrario do que devia ser urna opposi-
r sincera, eonveacida, desiateressada, possuida
elevados intuitos e ardenlemente entpenhada
em fazer barreira aos possives desregramentos do
poder, sao pretenilidos fberaes que, juntando in-
juria injuria, julgam-se em sua parva esterilida-
de desohrigados de toda a cooperarn uo mo-
mento das deas, eoiivertendo a sua imprensa em
poste de crucifica cao i que um certa auraero de
victimas eonduido dia por dia. Um ai dos as-
sumptos que fluctuam no inundo politie, nao Ihes
merece as honras da discussao.
Est a pmva em qua'quef numero do jor-
nal que passa por ser o cathecismo da seita fa*io~
nitta. E aili por via de regra que mais impuden-
te se despeja o insulto, porque e all lamlvui que
o despeito se mosira mais ralado.
Nisto mas smente nisto atantajado todos os I
orgaos da iraprensa opposiclooista, o iibtrnl eo- j
POLTICA INTERNA
Partido conservador.
( Tramcripriio.)
O NOVO l'ROr.llAMNA DO SR. SABAIVA.
A passagem do Sr. Saraiva na adminstraco da
provincia de Pernambueo foi rpida, supposto que
fio brilbante, como a do meteoro.
Em breve, arrependido da pressa com que pas-
sara da cadeira de ministro de 4 de maio para a
de presidente daquella provincia, sob as ordens do
gabinete conservador de 12 de dezembro, vemos o
Ilustre babiano accommeitendo a poltica do mi-
nisterio, que enthusiastieo applandira em seu
oriente.
Antes j de abrir-se a sesso da assembla geral
a 10 demaia de 1850, o Sr. Saraiva dava mostras
da sua transformaco, prometiendo ser na tribuna
da cmara dos deputados um dos mais ardentes
campees da opposican.
Cumprio a promessa. Naquella casa do parla-
mento contemplou o publico no Sr. Saraiva mais
um exemplo de versatilidade.
J o publico, porm, nao se niaravilhava. Tinha-
se habituado a ver naquelle homem poltico as
mudancas mais inesperadas sem procurar-lhes cx-
plicaco.
Notava s-mente que, ainda to moco, se enm-
prazesse a representar, de cara r legre c animo
contente, o pouco airoso papel de Probeu.
A reforma bancaria matn o 12 de dezembro,
mas ao seu norae ficaram ligadas honrosas tradic-
ees. Para assegurar-lbc na historia do nosso
paiz a estima da opnio bastara j a firmeza com
que soube bastear e sustentar at a hora extrema
da existencia a bandeira das doutrinas puras e ver-
dadeiras em materia de crdito.
Occupou o seu lugar o gabinete de 10 de agosto,
organisado pelo Sr. Silva Ferraz.
Nascera esse ministerio na occasio em que o
seu antecessor se declarara incapaz de levar avan-
te as suas ideas financaos, vista de una oppo-
sico, que em numero quasi cquilibrava-se com a
maioria.
Era natural, pois, que o pensamento predomi-
nante em seu prograinma fosse o da opposican
triuniphante. Delle serte possvel esperar tudo,
menos urna reforma bancaria, panuda pelos
principios da proposta do Sr. Sal es Torres Ho-
rnera.
Os que assim acreditaran) estavam cm erro,
sem excepeo dos proprios ministros, que havian
as flleiras da miona, oppugnado as ideas res-
trictivas do crdito, consagradas naquella pro-
posta.
O Sr. Silva Ferraz era um dos campeoes dessas
ideas, supposto nao fosse por tal proclamado Em
1860 apresentou, sustentan c fez passar por im-
mensa maioria reforma muito mas ampia,milito
mais compressiva (permitia-se a,e:ipresso) que a
do gabinete de 12 de dezembro.
um dos factos mais singulares cm nossos an-
naes parlamentareslomar um ministerio por ar-
tigo principal do sen programina aquillo mesmo
que occaskmra o desappareciment i do seu ante-
cessor, a convorter o funesta pensarnento em me-
dida salvadora com o voto dos seus n tais infatigaveis
adversarios.
Um dos que apoiaram a proposta do Sr. Silva
Ferraz e por ella votarara, sem protesto netn ob-
servacao, foi o Sr. Saraiva. Nao admira. Eslava
no seu carcter.
Cahio esse ministerio pela dissoluco espontanea.
Eram o hecterogeneas as partes de que se eom-
punha, que muito foi terem estad 3 at marco de
1861 unidos entre si e sob a presidencia de homem
da ndole do seu organisador.
A 2 desse diez regia o imperio uin ministerio
franca e decididamente conservador, presidido pelo
Sr. marquez de Caxias e composto de nomens da
estola do Sr. Sayo Lobato, Manoel Felizardo, Pa-
thAos
Aoannuucio de sua composico o liberalismo
fez-se prestes para dar-lhes batalhns na imprensa
e na tribuna. Nao bou ve homem simples ou cr-
dulo que se engwiassc a respeito las tendencias
polticas do gabinete.
A pasta do imperio nao foi prvida desde log^o,
porque na organisacao fra destinada ao Sr.
S*lM VA
Foi consultado o Sr. Saraiva. ento ausente na
Bahia. A snaresposta e a sua presenca nao se fize-
ram esperar.
Passados poueos das o gabinete estava completo
e o .ministro do imperio era o Sr. Saraiva.
O Sr. Saraiva, que assim Iratava as suas ideas e
erencas com a polilica de 2 de nureo e dizia ao
mundooeqnilibrisla de 4 de inaio sempre
conservador, hontem, hoje e aninha o Sr.
Saraiva nio poda aquecer lugar aquelle gabi-
nete.
L eslava um homem, a quera guardava amargo
reseatiroento, nasrido das aggressdej da hnprensa
ao carnaval de 4 de majo. Com o Sr. Sayo Lobato
d 8r. Sattlva linha cont qu ajusb r.
E ajusurara-se as contas por tl maneira que |
a 9 dejnlho de 1861 escrevia o Sr. Saraiva ao
presidei.te do consemo estacarla, que deve s-;r re-
gistrada eiu-^ es monumentos parlamentares do
nosso baiz:
Illm. > Exm. Sr. marquez.Quando V. Exc.
coDvidou-me para fazer parte d gabinete que
dignamente preside, tive a honra de expor-ihe
com franqueza meii pensamento geral acerca da
[mli'ea e o prazer de adiar V. Exc. de aerpedd
com a miuha maneira de apreciar a situacao do
paiz.
Julguei ento poder auxiliar a V. Exc. acei-
tando am lugar na alta aduiinistraeo do es-
tado.
.Hoja tenho opinio diversa. Por mais que
queira lUndir-me, nao posso convencer-me pennaneeer entre bulos os- ministros a harmona
que temos procurado inanter.
Nao basta |>ara a torca e crdito do governo
a solidane lado ni suas vistas geraes. nrister
que os m nistros confiera por tal forma em todos
os seus co. legas, que se insprem a maior e a mais
particular estima.
Asseguro V. Exc. que essa conllanca nao
existe.
Em taes circumstamias incu dever rogar a
V. Exc. que se digne solicitar a S. M. o Imperador
a muida exonerarn. Em presenca das cmaras
posso ser substituido e nenbum chibara.; traz a
nimba deliberacao a V. Exc.
Termino giadecendo o cavalheirismo, com
que sempre proceden para coinigo c assegurando
que sou, clc.=Jos Antonio Saraira.
A esta carta aecresceiitou o Sr. Saraiva o cora-
meutaio vocal que a explauou, com as seguintes
palavras, | referidas na cmara dos deputados, a 11
dejiilho:
Nao concebo, Sr. presidente, que possa aj-
guetn permanecer em um gabinete em que nao
reine a maior e a mais reciproca estima c con-
Saaea.
O homem de bem, aquelle que serve o seu
paiz sem .nitro iuteresse que nao soja o de obter a
estima dos seus concdaoos, nao pode Picar se-
no onde se aeha na maior conlianca, na maior
intimidad.', porque sao estas duas coniicocs inds-
pensaveis para a execuco completa e "segura do
programn i de um gallineto.
Eo ex-ininistro do imperio, concluindo asex-
plicacocs do seu proee.liinento, foi senlar-se era
limadas c;ideiras da extrema da esquerda.
Nao verdade que o pensamento do Sr. Sa-
raiva |icrmanece as nevoas do enigma, e o seu
carcter de homem poltico as variacoes de Pro-
theu?
Qvem pede comprehender o Esphynge ?
PUBLICACOES A PEDIDO.
de justica registrarnios os valiosos servicos
prestados pelo digno fiscal da freguezia do Poro da
Panella o Sr. Pedro Amerco da Gama Duarte por oc-
casio da cheia do Capibaribe, de que j os jornaes
deram noticia e todo o publico tem conheci-
inento.
Mas que ha cerlos fados a respeito dos quaes
por mais qne se diga, nunca se diz tudo.
Iiivadin.lo as aguas todas as mas da povoacao,
mergulhando as casas da margan do rio, e siibin-
do limito cima da na da matriz, um dos pontos
mais elevados, derramado o susto e o terror em
toda a populac. DO nieio do pranlo das crancas
e da mais justa consternaeSo o Sr. Pedro Amerco
teve a feliz leinbranca de" tomar una canoa que
desda cora capim, e eontprando-o fe-lo tancar a
correato do rio e conveneendo o respectivo canoei-
PO da ture -sidade de prestaren! socorro aos afile-
los, comecou cora intrepidez ecoragcm em sua
benfica obra.
Entre as pessoas soccorridas podemos enumerar
por ora as familias do Exm. Sr. baro de Villa-
Bella, do tenenle-coronel Luiz Francisco de Barros
llego, do Sr. Joo Lucio da Costa Monteiro, de Pe-
dro Tavares da Costa, que j baria abandonado a
casa totalmente passando-se para a ra da Postra,
adoSr. Manoel Constancio da Silva Neves, a de
Joo da Cunha Ileis, a de Jos Felippe, a de D. Ge-
drudes Mara de Jess e suas llhas, Tbereza de
tal e a Paulina, cscrava de Manoel Francisco
Duarte.
Alm destes servic .; meritorios sobresali o soc-
corro prestado a Martiniano Francisco dos Prazc-
res, que se achava na Hiputinga j desanimado
trepado em urna aivore j quasi subineigida e um
.-avallo com as tarcas j perdidas.
A Caelano Pinto que se achava em um mocara-
bo com cinco lilhos tendo o mais velho apenas .'i
annos j entregue* a orna morle quasi incvtavel e
totalmente sem recurso trepado na casa com os fl-
llios, exhausto j de loicas a ponto de nao poder
mais gritar.
Ao portiiguez Manoel Pequeo, que se achava
de todo desanimado c.iu sua iimllier trepados em
urna arvore e conseguio-se colher at objectos de
casa que boiavam a flor d'agua.
Era todo esle servico foi o Sr. Pedro Americo
auxiliado pelos tres eanoeirs Manoel Antonio Ja-
nuario e os eseravQS Roberto, do negociante Viei-
ra, e Joauuim, dos berdeiros de D. Angela Maria
de Miranda.
Alera destes servos ..litros muitos prestou o
Sr. Pedro Amerco, que ehegou at a abnegaco
de deixar sua propria casa invadida d'agua, para
voar em soecorro dos aftl icios.
Honra ao Sr. Pedro Amerco c regstre-se o seu
nome par dos benemritos em to momentosa
situacao para a alllicta populacho do Po?o.
Srs. Redactores: O Liberal de 3 do corrente
transcrevendo incompleto o depoimento ou interro-
gatorio desos Menino sobre o assassinato c deflo-
ramento da infeliz Autonia, diz; que o depoimenlo
tem sido sustentado por mais do urna vez, e al
no dia 27 de Janeiro prximo passado na prezenca
do pae, perante milita gente, concluindo ser ver-
dadetro pela indifferen;a com que o pac se tem im-
portado vulgar a moneda lilha, porque tendo logo
noticia nao appareceu na villa para fazer punir
um crinic d'aqnella ordem, se elle nao estivesse
cmplice; ainda mais tendo estado na semana an-
tecedente em casa da iuc, e dizendo que se
apromptasse, que elle na semana seguinte a viria
ou mandara buscar para seu engenno, dando-lhe
105000 rs. para uns botins, visto nao querer ir
para o poder d'clle pae, que ha tempo quera que
ella casasse com um pardo seu morador e aluna-
do, ao que elle exitou e nao quz semelbante caza-
uiento, donde vem a rava d'elle, porque ha quera
diga que a quera tambera por sua......, e que
cazando cora o inglez .Henrique) nao poderla con-
seguir seus intentos, razio |iela qual se oppunha
ainda que lingisse querer que se realzasse, mas
sem gastar real; ao que o inglez nao amono por
dzer que nao poda fazer em vista de suas cir-
cuinstancias, mas que ira adiando este negocio,
visto que elle pae s faz promessas de boca, e nada
de realisar por ser muito semtico: que Jos Me-
nino um crioulo atildado do pae, e com
quanto forro um servo escravo de seu padrinho,
vizinho da infeliz e da mesnia criaco em idade c
era quera ella tinba conlianca por ser elle portador
dos seus recados para o namorado, e d'este para
cilla. Foi incompleta a publcacao do depoimento
ou interrogatorio, porque, como todos virara, foi
lido; ter Jos Menino dito e confessado no predito
dia presente o pac di inreliz com semblante riso-
nho e nao com chouro, que logo que a infeliz des-
appareceu de caza, sua me dirigio-se Corby e
lhe rogara que entregasse sua Ama ou lhe disss-
se se ella eslava era poder de Henrique.
Donde vinha esta certeza me contra Corby e
Henrique, a nao estar vulgarisado que aquelle era
o median.' ro (reste para semelhante rapto, com o
tiiit sem duvida de a infeliz nao ir para companhia
do pae, omisso, que acoberta a Henrique e a
Corby do lapto e assassinato ?! A analyse brusca
e infame ali traeada nao nem pode ser da re-
daccao, mas daquelles, que olham para a bolsa al-
lema, esta leleci.la na vwla do Cabo.
O estrago pelo servico hediondo e a morte mais
horrorosa nao convdaVam a presenca de am pae
anda que natural, estando, como est, alecto o
caso autoridade policial.
A pretet cao do pae de levar a filha para sna
companhia so denota evitar o rapto orojectado e
consumma lo por Henrique, seu irmao e Corby,
como eonfesson Jos Meuino no primeira e tercei-
ro interrogitorio, nos quaes dizter entregado a
infeliz na ponte do engenho novo aos referidos,
Henrique, u irmo Corhy, sendo estes que a le-
varam paia o lugar do delicio. Os 104000 rs.
que segundo diz o Liberal deu o'pai a filha para
botins. s \ ieram a balha para caprxosamente en-
sinuar, que destes e das botas de montara do pae
eram os rsstos que (diz a vistoria) foram encon-
trados de pessoas calcadas de botins que lam e
vuitavara ao lugar do delicio; entretanto qne nao
foi encontrado rasto de cavado, era se achou a
infeliz com botins ou entre suas roupas, mas a
conidio de sua edade, que mostrava ser maior de
17 annos; daqi principiou Henrique a submer-
gir-se na eonflssao do crime. O pardo morador e
afilhado para quem o Liberal allude o cazameoto
com a infeliz, e Sebastio Alvares de Miranda Va-
rejao lilho natural do pae da infeliz havido de urna
frda hvre e consegointeiiiente inno da infeliz, O
qual se acJia cazado com una nuca liranca e de
familia honesto, perto ou mais de dous anuos ;
ja se pode ver da falsidade do fallado cazainento.
Se assim pralicou o pae com o tilbn, como o-
contrario praiicar cora a lilha ?!
Quanto os melosa que allude, s nodem deluci-
dar esse beta Pita, Henrique e o patoteio qne
adurain a kilsa all.-m.
Se o pae queria roaiisar ea com Henrique, como este confessa no Uberal, como
o pae inaial-a para se o nao effectuar como
diz Jos Menino iu> segundo e quarto entei-rogato-
rio ?!
V-se bem, que nao pudendo Henrique resistir .
pravas robustas que contra elle tem o pae da in-
feliz de procurar cazat-os. deu como causa do as-
sassinato e de fe.-tini os meios por elle urdidos, ao
pa so que tica va em paz, s rom o logro por cas-
tigo ; a quanto est sujeito um pae...! Se o pae
nao sendo o primeiro cazou a me da infeliz ara
a amparar, como casar a lilha para ter meios ?
Henrique deflorou a infeliz, por escarnco, fez..
festim. e assassinou-a para |erder o pa*1, e sobre
tudo isto ainda e insolentemente o injuria!
. Que o pai queria cazar a filha sem gastar um
real por ser muito somilico; que elle' Henrique
adiava por falla de doto: que .para o defloramenlo
c t-la por amasia tmha indos Henrique: que
para cuiupiir porm com o dever de honra falta-
va-lhe dol ; e ato bello fl Pode n'esta avenluta
proseguir liom andar, que achara o dote; cum-
irindo, entretanto, dizer, que o pac deu ordem a
seu correspondente para fazer os gastos dq. caza-
mente e dar a esse monstro um cont de ris em
dinhera; Na verdade, que foi o pac bem mesqui-
nbo altando logo nao lhe dotou ai rostas, nao
assim Sr. Pita?
Mas precise respeitar a lei.
Foi mesqiiinho para o dote, e nao devia ser para
punir a morte, estando como est entregue po-
lica.
Tanto contracenso nao pode ser da xedarcn !!
Jos Menino quando j rapaz foi afilhado de
crisma do pae da infeliz, nunca morou em sua
raza, tem a idade de 44 anuos- nao foi nem poda
ser da idade c criacao da infeliz, porque esla era
apenas pouco maior de 17 annos, e admira que
sendo .servo es- ravo do pac da infeliz nao o acoui-
panhasse para a freguezia de Ipojuca, onde mora
perto ou mais de o annos, e ficasse no Cabo
sendo que ha longos annos o abandonara pelos im-
mensos furtos que lhe fez, alguns dos quaes fo-
ram vendidos no (iabo pessoas que exstoin.
A voz publica que o pae da infeliz um cida-
do honrado, laborioso, respeilador do futuro,
cumprdor de seus tratos: que nada deve a nin-
giiem, sendo origem do que possue seu laboro
agrcola.
Suffocado o pae pela dor, deshonra e persegui-
c/io, enleii.leu o Sr. coronel Manoel Jos da Costa
delegado deipuiuca dispensar o apparato de torea
publica a lira de nao augineut ra alllicco a af-
ilete (o qne inulo lhe agradecemos) por ler ido
pessoa Intente intimar a pi sao, como fez. e foi logo
obedecido como cumple a tollo homem de bem.
Para que apparato de Dolida, quando a le pode
ser cumplida telo cidadao, que descanca tran-
quillo em sua conscienca e vida publica i
Em favor do cidado assim constituido vem o
arl. 175 do Cod. do Proc. crim. e Av. do Gov.
que recninminendara s autoridades escrpulo
para elfectuarprisocs.
Devcm-se prender os vagabundos, os crimino-
sos, e mos; mas os horneas dislingueiii-se por
seus talentos c virtudes.
Srs. reductores. Coiistando-uie ncsla cidade
onde sou professor publico de insirucco primal i
que me attiibiiem a autora de alguns artigos pu-
blicados no Echo Liberal, peridico que ainda ha
pouco aqui se publicava, declaro alto e bom ton,
que iienli;ina gerencia toubo, nem directa nem in-
direetamcnle na redaceo do BtttBM jornal: e as-
sira provoco a quem quer que seja, a provar o
que se me arroga.
Sou professor publico, quero antes cuidar em
bem deseinpenhar as fonecoee do meu magisterio,
do que envolver-me em jiolitca, donde neiihuin
proveito rae poder vir. a polilica una scien-
cia diflkil e esprahosa, e infeliz daquelle, que sel-
la se envolve sem os elementos necessaros que
ella reclama. Tendo apenas 22 annos de idade,
eonsidero-me muito moco para essas bitas polti-
cas, que exigen calina, prudencia e experiencia.
Cidade da Victoria, ti de fevereiro de, 18U9.
(Hympio Francisco Honorato.
Protectora das familias
Em cumprimento do prevenido no artigo 29 do
regulamento, se convida a todos os senhores con-
tribuidles desta associa.io, que ainda nao tiveniu
apreseiilado as cerlidoes d idade dos segurados.
para qne focan entrega dellas na ra do Livra-
mento n. 19, 1 andar, afim de ser expedidas o
mais breve possvel para a nspeewfia geral do
Rio de Janeiro. As ci rlidoes devem ser selladas >
reconhecidas por labellio. Rocife 13 de Janeiro
de 1809.O representante,
N. F. deVi.hH.
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 10 DE FEVEREIRO
DE 1869. .
AS 3 1/2 HORAS DA TARDR.
Algodo da Parahyba 1 sorte 10*200 por ar-
roba posto a bordo, a f.-ete de 3/4 d. e 5 0/0
Algodo do Rio tirando do norte10*200 jxir ar-
roba posto a bordo, a trole d 3/4 d. c 5 0/0
Cambio sobre Londres90 d/v 19 d. por I 000.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Scve
Secretario.
BANCO MAUA'4 C.
Ra do Trapiche n. 34.
Descorita lettras conimerciaes a laxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente.
Confere crditos, saca sobre as primeiras
praeas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaos sobre as mesmas
praeas.
Encarrega-se, por commisso, da com-
pra e venda de fundos pblicos e aeces de
companhias, da oobranca de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
quer outra operacQo bancaria.
0 expediente para o publico comecai
s iO horas da manhaa, e terminar s i
horas da tarde de todos os dias uteis.
NGLISH BANK. _
Of Rio de Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo tixo.
Saca vista ou praso sobre as cidades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imiUe cartas de crebilo,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelournho n. 7.
O English Bank of Rio de Janeiro Limited
casa sobre as seguintes praeas:
landres.Sobre London Joint Stock Bank.
Pon.Sobre Fould 4 C.
Hanburo.Sobre J. Berenberg Gossler A C
Lisboa e Porto.Sobre Banco de Portugal.
Rio do Janeiro.Sobre English Bank of Rio de
aneiro, Limited.
Bahia.Sobre C Yaughan 4 C.
Para.Sobre Tapfienbeck Brambeer & C
Caixa Filial do Banco do Brasil
A caixa filial do banco do Brasil ta
Pernambuco em tquidacio paga o30 divi-
dendo das accSes do Banco do Brasil ins-
criptas nesta caixa; a raz3o de 9000 por
3CC90-
Recite, H de Janeiro de 1869.
ALFANDKA.
Rendimento do dia i a 9 282:SKi34S
de#dial0....... 30:901


313:1041947
/"
If^BS


>

Diario de Pernambuco Quiita fera II de Feverero de 1869.

MOVIMEXXO l>A ALFADUtiA.
Volnmes sabidos rotit fascinas i -t-
Ideni dem
Volumes tridos
dem idem
wn IJiinid.is
cora gneros
101
4
3
Sil
DescarTetam hoja 4' de fevereiro.
Escuna norte-allemaa Ctharinamercadoras.
Brizne portUKiiezRelmpagoidem.
Brigue nereguensoGaspar Wild = farinha de
trigo.
Vapor inglez.lmazon=nicrcadorias.
Barca ingleta=.Sffp/)/w=me:idoria*.
ralarho norte-allemaoApolloidem.
Ktrca iuglezacm Barca ntflcaMaranhrioferro.
Patacho inglezBfonrAbacalho.
Barca francesaMariusnabos.
Barca portuguezaDesp'gue II varios generOs.
t'atarli j hespanhulTiliit=h\em.
Barca l"ranceJ!a=.l/iw.M de Nantes=sa\.
Patacho inglez Sin.ronbacalho.
KECEKBOUA BE ItfiNBAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Oendinirnto dodia 1 a 9 l".:0!)3.'i
idem } dia 10...... l:8ii503
I6:89A8.k>
CONSULADO
Bendimcnto do dia 1 a 1)
dem do di* 10 .
PROVINCIAL.
iO:7r.U0:t!)
2:0'Ji7i8
:7ti!l:W7
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios futrados no dia 10.
Bio Grande do Sul :I5 das, patacho nacional Mo-
reira, de 361 toneladas, capital Francisco Ma-
ra de Simza. equipageai 11, carga l.200 arro-
bas de carne ; a Amonio Irinao.
Rio Grande do Sul ti dia, patacho nacional a-
i id, de il toneladas, eapitao Joao Carduzo Mei-
relles, equiparen! II. carga 11,153 arrobas de
carne ; aDavid F. Balthar.
Bio Grande do Sul 31 das, patacho nacional Sal-
cipuehsy de US toneladas, rapifSo Manoel Jos
Pereira Caldas, equipagem 13. carga 12,700 ar-
iohas de carne ; a Rezende & C.
Bio de Janeiro23 dias. barca russa Herculct, de
331 toneladas, eapitao W. Alilfors, eipiipagcih
18, ent lastro ; a Saunders Brothers &C.
Rio de Janeiro21 (Uas,brigue dinamarquez Ckris-
lian, de 19t toneladas, capitn Nielsen 'xmipa-
gem 9, carga caf ; au raetuno caintao. Veto re-
frescar.
Ilha do Sal14 dias, brigue portuguez Feliz Mal-
ftia, de SU toneladas, eapitao Ignacio B. Pe-
reira, equipagem 12, carga sal ; a Thomaz de
A. Fonseea & C. Seguio par i o Rio de Janeiro.
Bio Grande do Sul39 dias, brigue nacional Ame-
lia, d<" 228 toneladas, eapitao Jhvneto Doinin-
;-iies do Keis, equipagem 11, carga 11,400 ar-
robas de caine; a A. L. de O. Azevedo 4 C-
Bio de Janeiro21 dias, barca portugueza flor-
moniu, de 389 toneladas, capitn Antonio Jos
da Cruz, eiptipagein 16. carga 2,000 sacros com
caf e outros gneros : a Tnoinaz de A. Fonse-
ea & C.
Bio de Janeiro28 dias, barca norte-allenia/V/A/,
de 324 toneladas, eapitao J. Thomson, equipa-
geni 11, eio lastro : a Sawnders Brothers A C.
Portos do norte8 dias e 12 horas, vapor naco-
nal locantins, de 730 Umeladas. eoiiimandante
Jos Blaria Ferreira Franco, equipasen! .'2, car-
ga dilferentes gneros: a A. L. de" O. Azevedo
A C.
Navios subidos no mesmo dia.
Para e portos intermediosVapor nacional Para-
n, commandante o eapitao de fragata Santa
Barbara.
Ilha de FemandoVapor brasileiro Qtqu'ui, com-
inandaiite Azevedo, carga differentes gneros.
Canalscuna norte-allema Jacob, eapitao B. F.
de Haan, carga assucar.
OttenafpO.
Suspended do lamar para a Babia o patacho
hespauliol Joven Ricardo, eapitao Flix Bruguei-
ra. com a uiesmi carga que trouxe de Barce-
lona.
Fundeou no tomaran uma barca porlugucza,
mas nao leve couiniunieaco com a trra.
contar da data da publicarlo deste, compfente-
lui'iile iosiruiil'i coiu documentos que proven di-
ras misinos animaos, sob lena de se effee-
tnararesaectiva arremataran na conforin.dade dos
artigo 89, 90 n fll do reg ulaimnto h. 24:13 de 15
do junho de 1859.
E para que ebegue a noticia todos, mandei
passar o presente que ser afuxadu nu lugar do
costante e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesla cidade de Olinda da pro-
vincia de Pernambuco ao 1.* da do raez de feve-
reiro do anno do nascimento de N'osso Senhor Je-
ss Christo de 1869, quadragesimo oitavo da inde-
pendencia e do imperio do Brasil.
Eu Jos Policarpo de Freitas Jnior, escrivao i. -
lorino do civel no impedimento do respectivo es-
crivao o escrevi.
Manocl Antonio dos Passos e Silva Jnior.
DECLARACOES.
= Pela recebedoria /te rendas internas geraes
se faz publico que liedle inez e no de fevereiro
prximo futuro, que os contribuintcs da laxa dos
escravos do exercicio forrete de 1868-69, quer
moradores as freguezias da cidade, quer as de
tora, teem de paga-la, livre da multa de 0 0/0, e
com ella de marco etn dianle.
Recebedoria de Pernambuco 8 de Janeiro de
1869.
O administrador,
Manocl Carneiro de Sonza Lacerda.
AVISOS MABITIMQS.
COMPANIII.V PEKNMNJCaA '
Maregatio castelra pe>r vapor-
Parahjjia, Natal, JHaoo, Mossor, Ara.
c aty, Ceari, .Acarac e Granja.
**J|to? .0 vapor Pi apama, commandante
JIXK Torres, seguir para os portos cima
ammA no dia 13 do corrente as 5 heras da
tarde. Reeebe carg:. at o dia 13 as 3 horas da
tarde, encoinmenda*, passageiros e dinlioiro a"
frete at as 2 horas da tarde do dia da sabida no
eseriptorio do Forte do Mattos n. 12. ^^^^^_
&
Companhia Pcrnambucana de, na-
vegando costeira por vapor.
De ordem do conselho de direccao e para satis-
faci do que dispde o art. 19 dos estatuto, sao
convidados os senhores accionistas a reunirem-se
em asseiubU'ia geral no dia lo do crrente ao meiu
dia no Io andar do seu edificio no caes da As-
senibla n. 12.
Correio geral.
Pela adnunistracao do correio desta cidade se
faz publico que ein virtude da convenci postal
relolirada pelos governos brasileiro e francez, se-
ro expedidas malas para Europa nu dia 13 do
corrente peto vapor inglez La Plata.
Asearlas serio recebidas at 2 horas antes da
que fur marcada para a sahida do vapor ; e os
jornaes.at 3 horas antes.
Adminisiraco do correio de Pernambuco 9 de
fevereiro de 1*869.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Arsenal de guerra.
Chaina-se a attenco das peesoas que quizerem
vender ao'conselho os objectos annuncados a te-
rein em-vista o annnncio do mesmo de 9 do cr-
reme e publicado ueste Diario a 10.
los BaptUta de Castro Silva.
COMPANHIA PKHNAMBUCANA
DE .
Navegado costeira por vapor.
Macei, escalas Penedo e Aracaj.
O vapor Poten.ji, commandante
Pereira, seguir para os portos cima
no dia 15 do corrente as 5 horas da tar-
de. Recebe carga at o dia 13 as 3 horas da tar-
de, encommendas, passageiros e dinheiro a frele at
as 2 horas da tarde do dia da sabida no eseriptorio
do Forte do Mattos n. 11_______ ______ *
COMPANHIA PEHNAMBUCANA DE NAVE-
GACO COSTEIRA POR VAPOR.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tarrtandar.
O vapor Manwngtuife, com-
mandante Mello, seguir para os
portos cima no dia 20 do cr-
renle a meia noito. Recebe car-
ga, oncohimendas, passageilvs e
dinheiro a frete : o eseriptorio do Forte do Mal-
los n. 12.
Bio de Janeiro
Paro o parto acidia so$nj> com brevidrde o pa-
acha n>H'6--:ilftn^(| jkwoimtax, por ter parle do
seu rarregaineoto engajadii : para resto que
Ihe falta ala-se coi Ai*mto Liliz de Oliveira
Azevedo & C, nuda Cruz n. 37. fanJar._______
^racaty
Stgnir rom a possiver'' brevidde o paliabrtte
Sobralense ; a tratar com S Le tan Ihnaos. a rita
da Madre de Dees n. 1.
HraS.- Miguel"
vai sahir breve a osruiia porlugueza Amia, rce-
v asa?eirns : irata-se com o eapitao ou com
E. R. Rabello, ra do Commercio n. 441
^9ISSffiSOTWfSl"5w*'*2
LEILOES.
LEILAO
COMPANHIA PEHNAMBUCANA
DE
XaveisavSo costeira por vapor.
Goiaiuia.
O vapir Mamanguape, comman-
dante Mello, seguir para o porto ci-
ma no dia 16 do corrente as 9 horas
da noile. Recebe carga, passageiros, encommen-
das e dinheiro a frete no eseriptorio do Forte do
Mattos n. 12.
do
ECiTAES.
O Dr. Francisco d'Assis Oliveira Maciel,
ravalheiro da Ordem de Christo e juiz
dudireito da 1' vara criminal desta co-
marca do Hecife por S. M. Imperador,
a i|uem Detrs guarde, etc.
Fago saber que achando-se vago um dos
oflicios de labellio de notas desta cidade,
pelo fallecimento do serventtiario Joo Bap-
lista de S, o qual officiofoi criado pelo do-
natario Duarte Coellto, convido pelo presen-
te a quem pretitender dito olliciu aapresentar
neste juizo no prazo de sessenta dias a con-
tar da data deste, sua petiro datada e as-
signada pelo pretndeme ou seu procura-
dor e acompanhada de certidao de idade,
folha corrida, exarae de sulliciencia e mais
documentos que entender convenientes,
sendo todos devulamente sellados na con-
formidade do decreto n. 817 de 30 de
agosto de 1851.
E para que chegue a noticia a todos man-
dei passar o presente edilal que sera pu-
blicado pela imprensa e allixado nos luga-
res do costume.
Dado e passad nesta cidade do Rccifc
aos 2(5 de Janeiro de 1869.
Eu Joaquim Francisco de Paula Esteves
Clemente, escrivao o subscrevi.
Frontis d Assis Oliveira Maciel.
Sania Casa da Misericordia
llecifc.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recito manda fa/.er publico ipie na
sala de suas sessdes, no dia 21 do correnle, pelas
qur.tro horas da larde, lem de ser arreinaladas a
quem mais vantagens oderecer, pelo tcnipo de um
tres anuos, as rendas dos predio- em seguida de-
clarados :
ESTABELECIMEXTOS DK CAHIDADE.
Ra da Alegra.
Casa terrea n. 7, por auno..............300.d000
Ra de Hurtas.
Loja do sobrado n. 41, por anno........ 1203000
Ra da Mueda.
Primeiru andar do sobrado n. 37, por anno 706000
Segundo andar, dem.................. 964000
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1, por auno.......... .. lOOOOO
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 13, por anno............ 1705000
Bceo das Camillas.
Casa terrea n. por anno.............. lolOOO
Ra da Iinperatriz.
Casa terrea n. 68. por anno............303*000
Ra da Oinceicao.
Casa terrea n. 5, por anno.. .. .* ........249*000
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 100, por anno..........201*000
dem n. 102, idem....................201*000
Ba do Raugel.
Casa terrea n. 56, por anno............302*000
Rua da Madre de Deus.
Casa terrea n. 12, por auno............ 780*000
dem n. 6, dem......................480*000
Sitio n. 5 do Forno da Cal, idem ......
Rua do Curdoniz.
Casa terrea n. 1, dem...............
Rua da Gloria.
Casa larrea n. 2.'...................
Os pretendentes deverao a presentar
arrematarn as suas (ancas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos dadores.
Secretara da Santa Casa da Misericordia do Re-
cito, 1. de fevereiro de 1869. O escrivao.
Pedro RodrignesHe Sonza,
Companhia americana e brasiiei-
ra de paquetes a vapor.
At o da 15 do corrente esperado de New-
York por S. Thomaz e Pai u vapor americano
Merrimitck, o nnal depois da demora do costume
seguir para os portos do sul. Freles c passajrens
trala-se com os agentes Henry Furster & C, rua
do Trapiche n. 8,
tOUlPHHIA
tu
Messageries imperiales.
Ateo dia 14 do crrante mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez lUiicnnc, o qual depots da
demora do costume seguir para Baha e Rio de
Janeiro.
Para condicoes, frete e passagns trata-se na
agencia rua do Commercio w. 9.______g_____
Pr 7
Para o indicado porlo segu em poneos dias o
palhabote Hozifa, por ter a maior parte da carga
e para o resto que Ihe alta trata-se com o con-
signatario Joaquim Jos Goncalves Beltro, rua
do Trapiche n. 17.
.. 150*000
.. 440*000
.. 144*000
no acto da
di Hizo ale aiise aOw do lermo de
Olinda.
O Br. Manoel Antonio dos Passos e Silva Jnior,
miz municipal, orphos e ausente, supplente em
exercicio do termo de Olinda. por sua mases-
tade imperial e constitucional etc.
Faco saber aos que presento edital virem e
'I elle noticia tiv.icin. quejielo lllin. Sr. Dr. chafe de
pdicame foi apresentado dous cavaUos, sendo um
alazao, de frente aberla e quatro lies calcados, c
outro |iedrez e nafego de um ipiart -, para eu Ibes
dar o conveniente destino como bens do evento, os
quaes toram apprehrndidos pelo subdelegado 'do
district de BeUeribe dons criminosos, c remet-
tidos a elle pelo delegado deste termo.
Chamo por tanto a toda e qualquer pessoa que
se adiar com direito a ditos animaes, que se apro-
S'-nle nesie juizo dentro do prazo de tres dias a
Conselho de compras navaes
O conselho promove no dia 15 do corrente inez,
sob as canilicoes do estyto e vista de propostas
recebidas at" as 11 horas da manliaa, a compra
dos seiminles objectos do material da armada : 6
pecas de arriben, 3 am-orotes de 2 quniacs, 1
ancora de 6 Htntaes, 200 Mqueires de cal preta,
8 peras de cabo de linho de 1 pollegada, 8 pecas
de cabo de linho de 1 1/2 pollegada. 3 pecas de
cabo de linho 3 1/2 pollegadas, 1 peca de cabo de
linho de 4 pollegadas, 1 peca de cabo de linho de
4 1/2 pollegadas, 3,000 estopares, 200 lencos de
seda preta, tO resmas de lisa de esmeril em pan-
no, 6 arrojas de iniajliar, JO libras de obreias
francezas, 50 folhas de pa|iel para mappas. 2 res-
inas de papel Hollauda, 100 pratos travessos de to-
Jlia, 400 pucaros de folha grandes, 20 tra-linlias,
40 trados de ferro de 4/8, 10 duzias de tahuas de
assoalho de po-carga, 10 duzias de taboas de
po-carga de 3/i de pollegaila, 60 grasas de tor-
cidas para pbarol e 8 vidros grandes de patente de
3 1/2 palmos de coinpriiiiento c 4 1/2 de largo.
Sala das sessdes di conselho de couipras navaes
10 de fevereiro de 1869.
O sccre ario
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Para o Porto
Segu sem demora a barca portugueza .\
Silencio, por ter grande parte da sua carga proinp-
ta, para o resto e passageiros aos quaes olttrece
excalenle owomoiim trata-se ewoi Oliveira Fil'ios
& C, largo do Corpo Siinto n. 19 ou com o caprfo
na (iraca do comniercio.
Attenco
Para Lisboa.
CORREIO GERAL
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico que hoje (II) as :t horas da larde le-
char-se-hao as malas que o vapor Tocantiwt. tem.
de condtuir para os jiortos du sul. Os impressoi
serao recebidos at 1 hora da tarde, as carias a
registrar al as 2 horas, e as cartas ordinarias at
as 3 hora, e destas at meia hora depois recber-
se-hao as cartas ordinarias com porte duplo.
Administraco do correio de Pernambuco '11 de
fevereiro de 1869.
O administrador.
Domingos dos Passos Miranda.
Segu com milita brevidde a barca porlugueza
Gralido, tem grande liarle da sua carga promp-
ta ; )iara o que anda llie falta e passageiros, tra-
ta-se com Oliveira Fillios & C, largo do Corpo San-
to u. 19,ou com o capi'u na piara do commercio.
Para Lisboa
Vai sabir com muita presteza obrgne portuguez
Constante II jior ter grande parte do seu carrega-
menlo prompto : para o restante e passageiros,
trala-se com Oliveira, Filhos & C, largo do Corpo
Santo n. 19, ou com o eapitao na praca do com-
niercio.
Para Lisboa
O brigue portuguez Laia I, eapitao Vieira, vai
sahir eein muita brevidde, por ter a maior parte
da sua carga prompta ; para a que anda Ihe falta
e passageiros, trata-se com Oliveira Filhos A C,
largo do Corpo-Santo n. 19, ou com o referido ca-
pitao, na praca do Conv. nercio.
Para o Porto
seguir com a maior brevidde possivel a mu re-
leva galera portugueza Nova Fama II, por j ter
a maior liarte da carga engajada ; para o resto e
passageiros, aos quaes olterece excellentes cum-
modos: trata-se com Cunha Irmaos & C., rua da
Madre de Dos n. 34.
COMPANHIA l'ERNAMBUCANA
DK
Haregaco costeira por vapor.
Mamanguape.
0 vapor Coruripe, commandante Penna, segui-
r para o (lio cima no dia 12 do corrente as 6
horas da tarde. Reeelie carga al o dia 11 as 3
horas da tarde, encommendas,| passageiros e di-
nheiro a frele at as 3 Horas da tarde do dia da
sabida no eseriptorio do Forte do Matos n. 12.
De uma mubilia e Jacaranda (gusto antigo), um
guarda ronpa de amarello, um dito menor, um
(Mano moderno de Jacaranda, un toalhete de mog-
no, um aparador com lampo de pedra, dous jar-
ros de alabastro com llores de marisco, urna ban-
ca de pe de cajfca. um guarda vasos, urna cama
franceza de amarello, 4 quadros com linas estam-
pa, diversos ditos a oleo, urna conmiods. de ama-
rello, 36 cadeiras de amarello com pouco uso pro-
prias para sala de jantar, 4 marquezas usadas, 2
tocadores, l apparellw de loiKa para janlar, 3
banlenas quasi novas, 1 estojo de vigem rom
seus lerteiices, 1 caxnha para voltaretj, 3 fruc-
teiras de vidro, 4 pratos de dito e de cores, diver-
sos pares de garrafas de crystal, 23 eopos dito
Sara champagne, 2 pare de compoleiras, 1 can-
elabro de vidru com 51uzes, 4 serpentinas, mar-
quezoes e muitos outros objectos que eslario pa-
tente e bem assm uma poi cao de cintos para se-
nhoras dos mais modernos, propros para luja de
miudezas que se vender sem limites.
jWMIi
Pele agent Martin no armazem da rua do Im-
perador n. 16, as 11 bora< do dia.
LEILAO
De farinba de triso do chyli.
as 10
HOJE.
Quinta-feira H de fevereiro
horas.
0 agente Pinto far toil i por ordem de PeVoira
Carneini AC,e por conta e risco de quem per-
teacef de J.400' saceos de farinha de trigo do
brigue inglez Constenaz, depositados no trapiche
do iarao do Livramento caes do Apillo aunde se
effectuar o leilao.
1^
JJliUJi
De aso caixas coui garrafas
azelie doce refinado.
HOJE
Quinta-feira 11 do corrente as 10 horas
em ponto.
O agente Pestaa fara- le So por conta e risco
de qnem pertenct r de 140 caixa com garrafas
de aile doce retinado c sero vendidas em um
ou mais toles no da c hora cima ao Aunes de-
fronte da alfandega.
LEIO
da
de urna taberna eita a rua
Imperatriz n. 68.
H0.1K
Joio Botellio Jnior, legMmenre autorisado por
seus credores e para tratar de sua sude. far lei-
lao por intervenefio do igenle l'ostana, da arma-
co, paz, generas e mais titencilios existentes na
taberna cita na rua da Inqieratriz n. 68, e ser
vendida em um uu mais lotes a.vontade dos lc-
lanles, o bataneo acba-se em mo do agente para
ser examinado, e o leilao tei luif.ir na inesma ta-
berna, s II horas da nianha do dia cima dito.
mu
De
farinha do C h.vli.
HOJE.
O agente Oliveira far leilao por conta e risco de
quem perteneer de cerca 300 saceos de farinha de
irigo do Chyl avahada e em lotes a ventado dos
pretendentes.
Quinla-feira 11 do corrente
s 10 horas da inanha em ponto, no armazem dos
Srs. Matheus Austin AC, rua da Senzala Velha.
55--RUA DA IMPERATRIZ-55
O [iroprietario d'este importante estabelecimento tem a honra de participar
ao respi'ilavel publico que temi fgido "esta praca a pessoa que se achava na sua ge-'
renci, elle cotitratou para sua casa um perito ofllcial que foi por muito tempo o pri-
meiro ofllcial da importante casa Sulingre do Rio de Janeiro ; por isso espera o annun-
ciante que todos flcaro satisfeitos dos seus trabalhos, visto, alm d'isso, possuir no seu
estabelechiiento as machinas mais aperfeicoadas para Ungir e lustrar de que se faz uso
na Europa, e achar-se tambem prvido de grande quantidade de drogas escomidas,
sempre de primeira qualidade e fornecidas pelas casas especiaes de Paris.
Tinge-s. lava-se e limpa-se com a maior perfeico fazeudas em pecas ou
em obras de qualquer qualidade que sejam, taes como l, lgodio, seda, touquini.
pennas, chapeos de feltro e de Manilha ou palhinha de todas as cores, etc. etc., e
tambem tira-sc nodoas e limpa-se a secco sem molhar os tecithos.
Os senhores negociantes, logistas e particulares experimentera que todos
acharo proveito e vantagens.
Tintura preta terc&s e sextas-feiras.
THERAPEUTICO
AVISOS DIVERSOS.
Monte Pi Popular Pernam-
bucano
De ordem do Sr. director convido a todos os so-
cios a comparecerem no dia 14 do corrente, peas
6 horas da tarde, para em assembla geral, tratar
de negocios coneernentes a mosma sociedade.
Secretara da sneiedado Monte Po Popular Per-
nambucano 10 de feveviro de 1869.
Julio Cesar P. da Rocha.
Io secretario.
PARA
Segu com brevidde o palhabote Aurelia, re-
cebe carga raiuda, e trata-se com o consignatario
Joo Francisco da Silva Novaes, rua do Vigario
n. 11.
Hospital |l'orliigucz de benefi-
cencia.
A actual junta administrativa du Hospital Por-
tuguez de Beneficencia, leudo de nipossar a nova
jimia ((lie tem de funecionar no corrente anno de
186!), ruga a quem se julgar credor do mesmo
Hospiial, de apreseutar a sua' coala ao respectivo
csmoler, para ser incontinente paga.
COJPOSITOF
Precisa-se contratar um bom compositor,
para trabalhar n"uma typgraphia de pro-
vincia perto de Pernambuco ; quem quizr
deixe ficar as condices com que quer ir,
em carta fechada, nesta typgraphia..
- Oftorece-sc um rapas de 16 annos para cai-
xeiro com pratica de miudezas, e d liador de sua
conducta ; quem quizer utilisar-se esereva em car-
ta fechada com as inieiaes A. S. esta tvpogra-
phia.
Precisa-se de dous p*rtugaezes paia feitor
e destilador em um engent) : a tratar na rua do
Alecrim n. 3i, portan de torro.
Manoel Pereira da Cunha vai a Europa.
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
DE 6RIMAULT E COMP.
PkarraMCUtiroi d* A. I. o pri'ncipr Hapolrka, em Parit.
A issociacSe do ferro e da quina resol veo nm dos mais importantes problemas da pharmaeia,
e faz com que se congratulam os mdicos dos relevantes servicos que Ihcs presta esta prc-
paraco.
Com effeito, ninguem ignora que a quina, em maleira medical, o mcihor tnico qne se
possa empregar, sendo, sobreludo, unido ao Phosphato de ferro, a mais estimada das pre-
paraedes ferruginosas, pois que eniram na sua composicao o ferro, elemento do sangue, e o
ihosphato,' principio dos ossos.
Por isso, julgmos que, para os srs mdicos, serao inleressanles as observacoes feitas pelos
seas collegas, os mais dislinctos de Paris :
Este. Xarope produz os mais felizes resultados nos casos de dyspepsia, chlorosis,
c amenorrhea, hemorrhagias, leucorrheas, febres typhoidas, diabetes, e qutido precisa
t restabelecer as torcas dos doentcs e restituir ao corpo as torcas alteradas oa perdidas.
AUN AI., medico de S. M. o Imperador.
c E uma das raras comhinacoes que, ao mesmo tempo, satisfazem o medico e o doente. Em
t quanto a mim, eu a considero como a mais efficaz preparado ferruginosa, cujo uso dos
t mais agradareis para os docnies.
CAZENAVE, metlico do hospital Saint-Louis,em Parit.
t Com esta preparacao d'unia forma agradavcl, e fcil de digerir, administra-te ao
doentes doit medicamentos importantes.
CU AKlil EPi, ehtfe de clnica da Faculdadt de Parit.
t Eu emprego com o maior xito o Xarope de Quina ferruginoso, e o considero como
t uma das mais felizes nnovacoes, na matera medical.
CHASSA1GNAC, cirurgio em chefe do hospital Lariboisire.
Este medicamento, sempre bem aceito pelos doentes, deo-me constantemente os mait
vantajosos resultados.
1IERVEZ DE CHEGOIN. nifimiro da Academia de medicina.
A limpidez d'esta preparacAo, o seu gosto agradavel, isenlo de qualquer sabor de
t ferro, fazem d'ella um medicamento lio efficaz como agradavel.
M0N0D, addido d Faculdadt de medicina.
Deposito em Pernambuco, em casa de Mmmtm O*.

INJECGAO VEGETAL
coiwr IHATICO
de GRIMAULT e C5 pharmaceuticos em PARS
Si
0 successo d'etta iojeceto, preparada com as folhas do Maiico do Peni, foi lio rpida, que
ella te tem tornada popular em todos os paizes do mundo, para a cura da gonorrha e das purga-
coes de toda a natureza. E* o nnico producto neste genero coja estrada na Russia taha sido
authorizada pelo conselho medico de Sio Peteraburgo.
Deposito em Pernambuco, em casa da Mm O*.
E^SHSaSHSasasaSZSESESaSil SSR 5S5S5H5ilHa5HEna5H5a5a5H5a5H5Hnl
mi a
|DO
CABGI
esquina
I da rua larga do
Rosario.
AO ANNEL DE OURO
nL.OFi% MME JOHN
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender.
A vista da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados.
A loja esta aberta at as 9 horas da noute
RIJA
KO
(I4BUG
esquina
da rua larga doj
Rosario.
I
:i


4

Diario de Pernatnbuco Quinta feira 11 de Fevereiro de 1869.

:rr
~
=
*"
r !f
>'
*
Ferreira VHlelal
Photographo da casa imperial
premiado em diversas exposi-
jes.
Na sua photographia ra do Cabug n.
18, entrada pelo pateo da-matriz tira retra-
tos por todos os systema* photographicos.
Km porcelana Era vidro
Era ulco Em papel
CART ES DEVISITA.A-90ADUZIA.
Os retratos c*rte-de-vmte sao collados
eu cartao de luso bristal ou porcelana,
dourados ou lithographados, quadrilongos
ou vinhetas para o que existe urna varieda-
tratar. Para as outras.e.species de retratos
teaos caixinhas, passe-par-touts, quadros
e molduras domadas cpretas cassoltas,/df.
ouro e alfiuetes simples e com pedrarpr*
.-losas, havendo nos alfineies urna mqBoss
vare O nosso cstabelecimento photograr)bjci>
est sempre em dia com es melhoramentos:
e progressos que na America do Norte, na
Europa ou no Rio de Janeiro seconsegue
na arte photograpliica, e-para alcancarmos
tal fm nunca poupamos despezas nem sa-
crificios, de sorte que os nossos numerosos
freguezes potlem ter a certeza de que sem-
pre encontrarlo em nosso cstabelecimento
ludo quauto a arte e a moda ollerecer de
bol no novo e velho mundo aos amantes
da photographia. '_____________
uim Jos Gn-
RA 1)0 TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR.
Sacca por todos os paqwtes sobre Gitan-
eo do Miiiho, em Braga, e sobre os segra-
les logares era Portugal:
Lisboa.
Porto.
Yalenca.
Guimares.
Coirnbra.
Chaves.
Visco.
Villa do Conde.
Arco* de Val de Vez.
Vianna do Caslcllo.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalico.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vas sal (Valpassos).
Mirandella.
Reja.
Barcellos.
Husino de arlthMWttica, algebra e
geeaaetria.
aaj bacharel enifflrefto Casemiro Borges Godinho
U^Assis, eiisina estas materias no pruneiro andar
di casa 11.17, sitana ra Nova, das 7 1/2 as 8/2
Mas da manhaa aos senhores estudantes que de-
sejam fazer exanie no collegio das artes, e das 7
t/ as 9 da aoite aos senhores empregados no coaa-
mercio.
lYocanwse
aaaotas do banco _do Brasil e das caixas filiaes,
aan descont muito razoavel: na praca da Inde-
dencia n. 22. Am^bb9
GRANDE HOTEL
BARTHOLOME 8: C.


Joaq
IliJUxw *^-.
Inangurou-se estoconmodo e elegante
esVatoektejmeiito donde os seusIrequenta-
docts -.porterao apreciar a especiatade na
copelo dos gnefosaliaeiiticius.
As fc'bidas so as mais primorosas e re-
couuiieii dailas.
A decencia e hora sepvio primal n'esta
casi w* bello guato orienl.
l|atdam-se domicilio comedn*;, tanto
avrtlso, como W)r assigaattira mansa 1. Os
precos sao mdicas e coiiTencionee.
la urna cspafM e bonita sala para o
elegante jogo(!rj|iipEr
lia lainbem aposentos eommmodos e bem
mf)bilhados para bospedageui.
Ra larga do Rosario
te.
Ama
^Precisa-se de una ama para eozinhar e eom-
|irai. |(ri-f-niido-sgrwcnua : na ra do Livramen-
to il i, toja.
i tii.iiaiii:
Aos500 pares de brincos.
Cbegou e vende-se no Coracio
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
mosinhas com urna franja penden-
te a um rico desenlio e ouro de
le, pelo pequeo preco de I5#00O'
cada par. barati^simo.
No silio n. t ila PasageSB, wide-se urna
escrava (Te ritea idade.
~- Prefisa-se do mu aaballiaanr capaz para
tratar de-eio pequeo sitio, proferc-ne casado: a
iratar ama Nova n. t), I" and*.
Precisa-se alugar, para o servico ex-
terno de urna casa, urna preta e um pelo,
escravos, nao se exigiudo que tenham ha-
bilidades, a tratar na ra do Crespo n. 8.
MAME HOTEL
III l\ FAMA
Palco da Kibelra u. 9.
Os donos d'este mui acreditado estabe-
lecimento pailecipam ao respeitavel publico
dest.a heroica cidade, que se encan-egam
de mandar levar comida era casas part
ulares cora menos O %do que em outra
qualquer parte, e garante a decencia bom
-ervico, (pie para isto tem um bom cosinhei-
ro Fumara.
20,000
De graificaco.
Quem achou na entrada do Parnamerim
um embrulbo pequeo, contendo 4caix-
ulias com botoes de punho c duas com
de camisa, tudo de ouro, que cahira d'um
passageiro que vinha de Appipucos no
trem de 8 horas da manlia, no valor de
150$, querendo ter a bondade de entregar
ao ebefe da estago do porto do Capim re-
cebe r '206 de gratilicacao.
LM.SUU
Os donos deste novo hotel participara
ao respeitavel publico, que.os seus frequen-
tadores podero apreciar a especialidade
dos gneros alimenticios, e tambem rec^
lem assignantes e se encarregam de man-
dar comida tjm qualquer casa, tudo por
pre?o mnito commodo.
No pateo da Rrbcira n. -9.
(Joziidieiro e eopeiro
Na rna da Unio n. 60 prec?a-sc de um cozi-
iihciro e copeim para una pciiueiu familia.
' ......1 '
Amrt.
Prccisa-se.dc una ama ivu> cuuiiliar tni cas;i
te homein solteiro que lem pouca faiuitu : na
i-fia do Cfeupo, casa n. Vi.
Precisa fe de um moieqiti'dc 12 a ti anuos
ra servido pxierm< : na ra Diivrta n. W, fcija.
ffttu
...-.(-s.-oe tundidores
na il> Ifromji. A.
s e tetro : .oalaliri-
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A Companhia Indcmnisadora, estabclecind
nesta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregameutos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobias: aa
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Coltegio (ic S. Francisco Xavier
Estabelecido na grande e bem arejada casa
onde esteve o Gymnasio, na ra do Hos-
picio n. 3, dirigido pelos padres da
companbia de Jess.
O reverendo padre director daste collegio scien-
tiflea aos pais de seus alumnos edos deinais me
quizen'in coirl^iHtic a cducarn -defins lilhos.
lu- mi lia 3 fe fwicreiro conw#af3o t .'fuceiomr
Unas as mas, achando-sc abertas ja as matri-
culas. Ucebem-se meninos de 6 a 12 annos
pava seren .instruidos as materias preparatorias
das facuafles do imperio, a**alieY, primeiras Je-
tras e lingoa naciomil. geographia e histoiia, ari-
thmetica e geometra, inglez, t'rancez, (da-se infe-
rior c superior), latim, da-sc nfima, media e su-
prema, sso a pratica da prosa e dajwcsia), e
analmente humanidades ou a inlrqduccao rheto-
rica, que compreliende os tratados do estvlo e da
eloCuco(|uer em prosa quer em poesa naduas
lingoas Litina a nacional. A msica para canto-
ra e para todos os iustrumontos de sopro e cor-
das, assim como as lingoas alloman, italiano, gre-
ga, ebraica sero ensinadas pedido dos seuhores
pais.
PARA USO INTERNO
P1CPAUADOI SJMPlLfi'S
Xarope' & jurubeba garrafa. liWOO
Vinho de jurubeba garrafa. 10600
PiluUs de jurubeba vidro. 1W00
Tintura de jurubeba vidro. 640
Extracto hydrcooco dejurubtiba. 12>500
PREPARADOS C0MP08T0S.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2iJ000
jk Xarooe e Jurubeba ferruginoso garrafa. 1600
Tilulae de.jirubeba ferruginosa vidro. 2 Oleo de jurubeba vidros. C40
Pomada de jurulteba pote C40|
Emplastro de jurubeb libra. 2)o00
PARA USO EXTERNO
A JMI1KKB4.
Esta planta hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excel-
leote desobstruente, hepatitis propiamente ditas, ou anda cumplicadas com anazarchas, as intlain uacm-s
subsequentes as febres intermitentes oa durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do uteri' e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as hodrope-
xias^eosipellas ; e ajsociada as prepara?<5esferruginosas, ainda de grande va(ntagem
1 as anemias, chloroses, faltas de imensxracSo, leacorrhtias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreta de sangue, etc.
O que dizemos affirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, eiitre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Tofos?ellcs Teeonhecem a exceHencia d'est
poderoso medicamento sobre os demais at hoje conhecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os (lias fatem d'elle applicaco.
Aprseotarido aos mdicos e ao publico era geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos or fm generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que al hoje snthm os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, e
mais das vezei lepogmintes a tragarem-se, e que tinliam anda a desvantagem de nao
sor calculada a dpse conveniente a ajiplicaj-rse, o que torna muitas vezes improflcuo um
inedicamento, que poderia prodiizir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de havermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
piedades medicamentosas d'esta planta om suas raiaes, folhas, frucUs ou bagas, e a
dose conveniente a applicaco, tendo alm d'isto procurado levar os nossos prep**ados
ao inaior grao de perfeico possivel, para o que .rflo poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco iucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarera recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de (pie se pode encontrar, a prompta e. infalli-
vel cura de qualquer dos solfrimentos, que deixamos irinumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagera de escolher as nossas va-
riarlas preparacSes, aquella que melhor Ihe pode convir, jti pela fcil applicaco, e j pela
complicarlo das molestias, idade, sexo, ou anda natureza de cada individuo.
As nossas preparacoes ferruginosas sao feitas de forma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
como taes esto hoje reconhecdos.
Para aquelles que mais minuciosamente qpeiram coojieoer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applicaco de uossos preparados, destribumos gratuiamente
em nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta plantq e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
lol i 34Ra larga do Rosario34.
DOENCAS DO PEITO
I
1
Urna casa de cducacSo de numerosissma fami-
lia, desojando bem ordenar a administra cao inter-
na c externa, precisa de um procurador para ad-
ministrar dons sitios e diversos predios, cobrar alu-
gueis o meusalidades dos uioeos, e fazej- outros
negocios: deve residir no collegio ou ap penos
ah ter o seu escriptono.
Deve apresentar documentos uue justifiiiucn a
a pie
ralid:
s nu
sua moralidade o capacidade; de mais nm cosi-
pheiro bem hbil na sua arte c aeostnmad) s
grandes familias; de mais um copeiro hbil para
o servieo de nina numerosa cuiiiumnilade; de
inas um Imlieiro que proste-se aus outros servi-
das da casa ; de mais dous homens para o servi-
So interno da casa, como varrer, tirar agua, etc.
eseja-sc com especialidade homens robustos e j
de idade.
Todos aquelles que se julgarem nessas condiciies
podem dar todos os esclarecimentos necessaikis,
para que sejam tomados na diwla copsideracao,
na ra do Imperador n. %X.
AUM.UEM O CAXTOS.
I
Do xarope Vegetal .Marfcajao. apedallilade 4e arf bfwa>a c.
34RA LVRGA DO ROSARIO34
to tostumamos procurar attestados para acreditar nossos pteparadw, ,e av
Karnos que sua applicaco e os resultados obfdos pelas pessoas que se dignara k<*Hsk
los; Ihesdeera crdito exoga; porque sao sempre os attestados cpnsiderados gratuito
e .delles que lancamo ocliailaUnismo; mas, nao querendo nffender as peSsoas qo*
espontneamente nos offereceram os que abaixo vo transcriptos, m fazemos pnbiicar,
manifestando-Jhes nossa gratido,pela attencao, esperando que venham elles corrobora
o conceito, e acceitacao que tem merecido nosso xarope.
J ..... Burthelorntu C
ATTESTAB08
Illms. Srs. Bartholomcu & C com a mais subida satisiBc* que declara
ser o xarope Americano de urna efOcacia extraordinaria, pois que soffrendo ha dias it
intensa tosse, ;i ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamento
que tomava, a elle recorr e na tereeira colher fui alliviado, e de lodo me acbo hoje res-
tabelecdo com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois,f esse resultado mani-
fest a Vv. Ss. meu reconhecmento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obligado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu A CPenhoradissimo com o favor que me fizera
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico. quando me acha-
va bastante doente de urna constipaco, que me tornou completamente rouco e qu
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus deveres de cantor da
empreza lyrica, vou agradecer-lhes meu completo restabelecimento, que oblive cchi um
s vidro do mesmo xarope, depois de haver rua-ridoa muito* alaanattt&. -luuxjiuti
que outros como eu recorram ao seu xarope para se -veicm alliviiuaVis de tan t-niir;
incommodo, to fatal neste paiz. Com maior considerarSo eonlimio a ser de -V*. Ss.
attento, venerador e obligado.Luiz Cremona.
Recite, 25 de setembro de 4868.
Illms. Srs. Barthoiomeuj C.O xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. tea
exposto venda de toda efficacia para o curativo d'asthma, conforme observer aapii-
cando-o a meu tiln Joaquim, menor de quatro annos; victima rPesse flagello, que at
ento por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de granda
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expresso altamente sincera de meu reco-
nhecimento ao meritorio servigo que lhe prestaram com o indicado xarope, acreditan*
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obligado.Americo Netto de Mendonci.
Recife, i de outubro de IU(.
DE
Finios
DE
XAROPE d'HYPOPHOSPHITO
GRIWALT e: C'f pharmaceuticos em PARS
A efficacia d'esta preparacio et estab lecida desde 4 857, pelos as celebres medico. Desde
ento rnuius imitacoes tem sido feitas, mas nenliuraa poude sustentar a comparacao com o
produelo apresenudo pela nossa eaaa. Por isso excitamos o publico para que exiga sempre
este xarope com una beUa cor de rosa, nunca branca, e com a nossa assignaiura roda do
frasco.
Sob a sua influencia, a tosse acalma-s, os suores nocturnos cesslo e o doente volve rpida-
mente sade. 0 sea empreco d lambam os mais brilhames resultados nos defluxos, eatar-
rbos, bronebites, irritacoes do peito, etc.
Deposito em Pernambuco, em casa oe M-urer e C*.
BAAT181SMU
Calcado nacional, na fabrica de Jos Vicente
Godinho 4C, ra do Jardimn. 19, avisam aos
*cus freguezes desta capital e do interior, que con-
liiuam a fabricar cale.uloem alta escala, e offe-
recem as mclbores condiees, tanto empreo como
sin qualidade. Os proprietarios deste estabeleei-
iuoU) cUauuin a.acusiu dos suuiurcs.consumi-
dores do interior,que o i|uizeroui -hoarar com
sua fruuoczja, espociliiiaudo om sean pedidos a
(jualidade e. nuiuiMario oltereccndo-se para os en-
tregar bem acondicionados em c respondentes nesta prca.


Ama e Iciie.
li-.-ri>a.^ .L. ima i.a rm ,ia i^niin u *i i.. Mana F;mua soares vlauna. U. Isabel Mara da
ndar. "*"*' m** "' 'l Fonseca Saares, Joaquim Jos da Costa *inbein>
1). Uciniucilda C;iodida da^qnseca Soares, D.
Carlota Marcolina Soares Pnherro (ausente), Q.
Maria Rmllia Soares Vlanna, D. Isabel Mara
- Sr. Antonio Fra: rte queira appa-
eoar lia ra Dimita n. 88, a negocio de seu atc-
4auseutoi,.e Auioniy JHuai'te Catueiro Yjima, vu-
va, lilhas e genros do finado Mauoel Custodio P<--
Lagdo para calcadas
A tratar na rna do Apollo n. 4, escriptorio.
ESCRIPTORIO E ADVOCAM
26Ra larga do Rosario26
0 advogado bacharel Ayres de
Albuquerque Gama tornou a abrir
I o seu escriptorio na ra larga do
Rosario n. 2(1: onde^de ser pro-
curado, qiwlquer hora, para to-
dos os misteres da sua profisso.
HOTEL
DA BOA FAMA
Pateo da Ribeira u. 9.
N'este novo hotel haver todos os domin-
gos e dias santificados inuo de meca mais
barato do que era otra qualquer parte.
Precisa-se alugar um moloque : na ra' d
Cabug n. 2 B.
Cozinheira
o de una casa de pouca familia : ruaes-
Ho-ario n. :2, segundo andar.
Frederico Maia
Cirurgio dcuitKia pela cacla
de medlciaia
do lllo \e ^amelro.
Tema honra de participar ao respeitavel,publi-
co Jes i a capital e seus s ub u rbius, que tem alerto o
, >cu galiincti- de consultas e opuracoes dcqtariat a
-\<>to -Soares, cordialinoaUs agiailecem a todas a*. Ima DiwjU n.t, prwuiiro auu>r, oude^po^e ser
CASA DA FOilTLY.
Aos 4:000
Bilhetes gai'antidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costume.
O abaixo assgnado tendo vendido nos seus
muito felizes Ui|heles garantidos um-neio n. 413
com a sorle de 4:0004 ; um meio n. 83 com a
sorte de 700, dous (piarlos n. 89 com a sorte de
J02* e outras muitas sortes de 1005. 401 e 305
da lotera que se acabou de exlrahir em bene-
ficio do patrimonio dos orphos (94;") ronvida
aos possudores a virem receber seus respectivos
premios sem os descontos das leis na casa da
Fortuna ra do Crespo n. 23.
Aeliam-se a venda os da i' parte da latera em
beneficio da matriz'de Jabot) (t) nu? se ex-
trabir segunda-fera 45 do.oorrenie uiqz.
Precos.
Bilhete.....45000
Meio.....2000
Quarto.....1*000
Em porcae de 1005 para cima.
Bilhete.....3500
Meio......157S0
-.Qaaxto,.. 873
Manoel-Martins Ftura.
^^w^* ^TW^* J^^^* *^^^^ TT^fTT^ V V ^^^*^^J* r* W ^^' p rf w w r*
O bacharel Joo Goncalves da |
Silva Montarroyus, pode ser pro- <
curado para os misteres de sua j
profisso, na ra do Imperador f
n. 10. I
O cirurgi3o-inr do corpo de po- |
licia, Joaquim Jos Alves d'.Al- i
buquerque tem o seu consultorio I
na ra do Livramento, 1. ai'dar *
da casa n. il, onde pode ser jiro- j
curado.
pessoas que no da 5 do corrate fizeram o can-

Gaiuellciii.
Ia$trcfio pimiina.
6 |)r.)ffssor publico de (am.'lleira das .'I
horas da tarde em diante, dos dias atis,
IH-se a lecamwr -pttieularmente as
i.wHeiias de que fez part.a instruccSo pri-
uiari: quem de seu prestimo se quiser
ntiii8|r4ijac tumuuiesriionu do puvuado.
publico 3 da tarde. Elle aeua-se computeahuueflte haliili-
lailo para coin pe l'oicao enllocar dentes ariificiaes
por (|ual(|ucrdos systemas. e bem aseim desempe-
nliar qualquer outro trabalho concernente i sua
profisso. O niesino, reconhecendo que nem sem-
pre possivel ssenhoras ou crianzas sabirem a
proco: ar o remedio, oHi;rece-se a tDuspver qualr
quer obstculo, declarando que na eidade se pres
tara a qualquer chamado sem que issooflu:. cous*
o cadver do'dilo seu mariiln. pai.>gro; de
novo Ibes i'qgam de assistir aos sufragios ^ue por
npenal fabrica de chapeos, ra do Creajo sua alma maddam celebrar qumta-feira 11 do
isa-se de mva cozinheira ou cozinheife. eorreute, na frea do Cnrpo-Santo, ti-ujo lui;ar
ecisa-se de urna ama para coziiibaTe faer !Peh*./* hnras.da manha missa Je itgKiew e
orocurado todos os da
uiu'o aun
s das (Tlii
ras da mantea as
iiiemento solemne, por cujocompareeiBuntoes-
tes actos do rekgiao e cariiladi- iiiitis una vez pe-
i I...... .m> smnmeiriM- e gra'i.ltq, -------n......(......o-------,^,MM. >TOW,u.,v,^
H BB [aiguma na eoaunodidade dos presos de seus traba-; cswavo' _
Hios, e quando para fra delta assim aaesnio ser] jpracisa-se alugarn tun dos arrabaldes pro-
precedido de um ajuste rasoavel, garantindo elle a ximos cidade, um sitio, cuja casa nao fique
Ue4urancae uerfeigao d^seuaditostrabxlhos. 4im face da,esu-ada. Quem tver abum ue^^comli^
son gabinete te eucontriri constantemente eUcjl-
Irmndade de N. S. da
Soledade.'
0 advogado Dr. Antonio de Vas-
eocellos Menexes de Dnimmond
[ transferio o seu escriptorio para a
ra do Imperador n. 20,onde pbde
ser ju-uairatlo todos os das uteis
das i i horas -da manha at as da
tarde,^)ara os misteres de ua jmy-
mwmmmmmmmmmn
Escriptorio
Gofaat.de Mallos Irniaos ostao com o seu e--
crptaao aborto na ra do Vigario n. 2), 1 an-
dar : aiopoe-se a qualquer consignaca), menos
lente pos dentirricto, elxir e outros medicaran
tos odontalgicos : ra Direita n. 12. primeiro
andar.
AVKt
i. S liasno do Reg Barros que o seu escra-
\ > Ladislao ausentou-se do armazem d'oii(|e o
->-nhor o tinha alugado, logo no dia seguinje. c
c.tmo nao sai ha sua morada desculpe avisa-ln pela
j r.ial.
Nao se tendo effectaadp a eleeao^la nova mesa
waedora n4ia7do oorteae, yt^iac-*nd-
o earrntinio por tres vece* para n'earfo ilejuiz
le ni ve empate, dfixando assim qualquer delles de
oblar maora absoluta, coudicao pxpressa no art.
^39 do comproiiisso^resolveu o Illm. Sr. Dr. juzde
capellas, pt^ideate do aqto, adk\-b para dinningo
14 do crrante, por rujo motiw convido inda to
|r^M.raJ&*,Cj))np raasma.ijrreja. no xeferjilp djn, telas 10 lioras da .boira de S. Jos, > elrieSa' P:ira 'i0 "0Vn pr0e<,ers" WI*eH* l'rcisa-se alugar lm sitio grande com^bJ
/- .... u o, ji casa Consistorio da irmandad de No#a Senhora da ,f, i..,
Soledade, 8 de fevereiro de 1809.
O escriro,
Vicente de Moraet Mello.
c6es. pode dirigir-se a ra do Apollo n. 2.'> ou af
do <)ro n. 30,.que achara com quein .Mita|S
Bm-h. Jos do Manguialio, sifioiT,-
precisa-se d'uma l^t.eiigoumiaileita fgeca.
e que seja de boa aoiwtawa.
^fliwin (JizT- aajr felar da um sftia ,ms^
como quem hver tim encravo, quuwr alagawf
- O abaixo assgnado declara ao rsjjeta^el
arpo ooiniflrio, ^ue oropiou a iaburoa ata
m rna Aaft-aia n. 84. ao Sr. Domingos Francisco
ira. |ivrev dMenibacacaasu ajgneuv
l'oJs.'iaMiar a^hidirejio.a e|fc, reclame oojwaao
de tros clias.
Vfe *,* favergtro.dO'iS).
Manee! Jw de Mattso.
Justino Teixeira de Moura comproo, livre e
ifcsenifcaracada, a casa terrea n. W da rna Direita
los Atbgados, chaos proprios, com tados os sens' precisa-se de nm hom amassador : a tratar no- -ta), I para vender unTcaroeir eem sellm, ibwi-
i-rtences de padara. ] largo do Paraizo a. 16. so, para menino montar.
Offerem-M :ut|i ama orf!*adoo afi"^
menos de ra, em casa de horaem solteiro : a tra-
J. VIGNES
X. r3RA DO IMPERADORX. 53.
Os pianosdtsta antlga fabrica so hoje ass conhecidos para seja necessaria
insistir sobre sua superioridade, vantagerjs e garantas que offerecem aos compradores,
quadades estas incontestaveis, que elles tem definitivamente conquistado sobre todo
os que. tem apparecido nesta praca; possuindo um tecladoemachinismo que obedecero
todas as vontades e caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por seren fabricados
de proposito e ter-se feito ltimamente melhoramentos importantissimos para o clima
deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas c flautadas e por isso muito agradaveis ao
ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se confoi-me as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blon-
del, de Pars, socio correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premia-
dos em todas a $ exposices.
Xo mesmo cstabelecmento se achara sempre um explendido e variado sorti-
mento de msicas dos mejhores autores da Europa, assim como harmnicos e piano
haimonieos, sendo tudo vendido por precos commodos e razoaveis.
CIIARLTERIV E PETIT RESTALRAVT
Annexos ao Hotel Central, ra estrella do
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a couecer a variedadu iaunita
de charutos de Havana, Baha, Rio, etc. que
existem neste novo estalielecimento pros-
RA LARGA DO ROSARIO R, 37
Este acreditado estabelecmento augmenta
de da em da quanto possivel para che-
gar ao come do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o mellior asseio. tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para una s'cindimos dos annuncios pomposos que ge-
pessoa, como para numerosa familia. | ramente se fnzem, reduzndo-nos apenas i
A agua, indspensavel elemento pora a tres letras que sao tres bbb bom, bonito e
vida e hygiene, temo-la sempre em abun- barato. A' vista do genero annunciado po-
dancia .para facilitar excellentes banhos. de-se julgar de nossa veracidade. Esta cas3
Ha tambem urna boa biblotheca e perio- gosa tambem das condices de um elegante
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para e petit restauratit onde se pt'ule ver a rs-
recreio. buhares, etc. etc. pecialidade dos fiambres e salames de JJoo
Sendo ociosa qualquer recommendacao para lanches e at fazer urna boa coIai;aV>,
para tSo acreditado estabeleeimento, omit- juntamente com os principaes vinhos do
limos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bom a pura
fm, que o bom servico, ordera e moralitla- e fervenle champagne, o mui saboroso Rhe-
de imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa cerveja, o licor espirituoso,
fiel do regulamenlo que possue. o quanto pede urna mesa. Faz-se noute
Comedorias a la carte. sorvete e variedade de refrescos.
EFFICACIA
po
XAROPE DE RBANO IODADO
0 Xarope do Rbano iodado de Grauzt o O, pharmaeemicoa do S. A. I. o jtoizMipo
Napoleio, em Paria, preparado com o sueco daa plantas au-escorhuca* cuja ftioscia i
miipopalar.
Encerra o iodo como combinaclo orgnica, e considerado como O melhor succedaneo
do oleo de figado de bacalho.
A rara perfeicio d'este producto anima-nos a dar a conhecer aqni a opiniio do alfaas
d'entre os principaes mdicos de Pars, que diariamente o prescrevom.
0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento d'um effeito suave o segare pora a
medicagio dos meninos, nlo sdmente suppre oloos ligado do uaetlMo, mas aias fes
as suas vozes com vantagem. s
D' A. CAZENAVE, medico em cite fe do hotpitsl Saint-Lov, em Par.
0 Xarope de Rbano iodado na medica monto do primeira ordem para o Iratamonto dw
affeccdef lvmphacas e escrofulosas. Muitas veaes, empreguei-o com feliz xito, em cortos
t casos d tsica ao sen principio, como succedaneo do oleo de figado de bacalho.
t' A. CHARRIER, omlayo cliefe de clnica da t'aculdade d Par.
0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excellentes resultados como regenerador
do sangue, o succedaneo do oleo de ngad de bacalho. >
Dr A. PAVR0T, autor do TraiU da maladiei des femmes.
0 Xar>pe do Rbano iodado um dos mais poderosos modieadores das consumiles
t Ijmphai cas. Tenho visto ulceras escrofulosas que nada poda curar, cicatrizaren-**,
< gracas a sua accio, com promptido exiraordiaara. Tambem, pelo seu oso dtseppstooom
u afleccSes tuberculosas dos ossos, nos meninos. *
Dr GUESNARi), oni^o externo do* kospaes de Pont.
0 Xaiupa de Rbano iodado possue todas as vantagens do oloo do figado do anolaa,
* sem ter oenhum dos inconvenientes que aprsenla esie ultimo medicamento.
P' GUU30UJ, medico djuhoiiitaatP.rendeiUedjiSocit4ad6 de medicina d*P$*.
Xarope de Rbano iodado de Grimault e C" encerra t por cena* de iodo, aa saa
a coapos**) orgnica anloga i que ie ada no oleo de ligado de baealMo.
IV KLETZINSKI, profestor dt chymica, louvado doi tribunaet de Yienn*.
Deposa em Pernambut$, em casa de Mnm O*.
rafa a etfade .Ja y*etoi-| Ifa m do Mmi) n.l.f^ (BoataL aa aa Igaaja da adw de Doooom**e laaajajln
(M^H'-Mmiim da. irnal
da Senhora Sant'Anna, reeta na igreja da
de Dos, convido todos os nossos i raos para se
reunirem em mesa geral no dia 11 do corrente
ia%^is 5 horas da urdej, po consistorio d igatfi, alai de Je ti ajar de nagoaids da mesn
irmndade.
de taa.O eerwie,
Mauoel de Azevedo Postes.
FRANCA-BRASIL
R.IR|'IER, airaiara.fraDcez. u-aaaaao reapeitvelpublico e a seus numerosos frejoi1-
zes que, tendo tr moerido sua residencia para a ra do Tr.ipiche *. 7, ppneiro atdaci ahi eaeouUjta>a
sempre todas finalidades de fazendas paratrajusde homenirieg1ivulra coamuos para raonUitaa
senhora. Kaztanu-'" obras para iiiiliai'i-s i'paia i-riadus, para as quaes uhii graads socziniezdft
>its sjoujje vi om virola e cora de conde, broncos e atnarellos. Recebe por todos os vaporaa t
ltimos flgunno' para honiem, senhuras e meninos.
__-. ^,. _
PECHINCHA
VESTIDOS A $.000 fl$.
Superiores cortes de gronedine de seda, lisos e de /ijr|w,
de muito lind^ cores, com 18 a 20 covados o cor.t^ pdp Jxieatk-
muo preco de-6$Q00 cada mm: m % das coiunmms, nm oCrtifm
\n. 1%, da Antonio Corra de Vasconcellm $ C.
r
r


""JT
rtKfT^

Diario de Peruambuco Quinta feira 11 de Fevereiro de 1869.
A'

/
l
i .m
tunmAl
Gitde tq,uidaoao de miudezas !
H
Alfonso Moreira Temporal," querendo ikpOar as wflfm ,?HfiiGPV? fcm *H*
lo n. 53, itesolveu annuncar tis mesa MiUdezw para que* pa-
toja ra do- Queimado
ilico se certifique do diminuto preco poique as esta vendendo.a saber:
Massos com grampus 25 a
{ceas do tranca lisa e caracol a
Sabonetas de todos os presos a
80 .00 29!) e .....
Abotoaduras para coftetes a .
Botoes do loucapara camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
d 'ira i a.......
Frascos com agua de Colonia a
320 o........
Garrafa de tinta roxa a. .
Caneas com 100 cnveloppes a.
Mantas da soda para homcm a
Fita de sarja para enfurte de
vestidos por......
Frascos com oleo para cabello
a 400 e.......
t,aa para bordar, libra. .
Escoras finas para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e .
Ditas muito finas para fetos
jwr preco nunca visto 400
500 c........
Pecas de babadosc entre meios
a 60!) 803 e.....
bravatas de seda de cor a .
:Vtas pretas a 400 e .
Rico e renda das ilhas a todo
preco. S a vista faz fe. .
Ceras de fita de coz com 10 va-
ras a
20
40
2*0
320
100
1000
400
800
800
800
600
600
6*800
320
300
600
UOQD
320
500
300
Latas com graxa, duxia a
Coipies muito bons com rede s
a rede val......
Meias para horneas boa fazenda
a 3,9000 e......
Linha de marca, c4Ka cam 10
novellos .
Latas com l^w'faiu^toXduzfl
Frascos rom banhar&fcfMWW
Botoes para punho fazeuda boa
a.00 e
.480
um
**0
240
%5200
WA0
4f^'ft.*1^

m:Wit.
i. n.t tgr| i' "-'H
VTTE .
ido aalii*> aontade d Rcclfe no d.a # do
o o escravo Izidoro. nieto,* aro Aiu*,
. estatura mediana, pouea ba*a, klade w
:> un*. *ia- HMMt3i*vu. ilraaiu-
lia
300
460
480
*Q0
Volta4ityr^jo/r$ cousaboa ipO
Fitas para debrum de vestido a
Ca xa com agulba franceza a
Botoes de ac para eolete dnzia a
Carto com alfinetes a i.
Caixa com perfumaras muito
fina. S a caixa val 4O#O00
iirJOOO ....,..-
Copo com opiata milito fino a
ioo e .; ,.
Meias muito fuu.-para senhora
duzia........
Cartas francezas a 200 o .
Ditas portuguezas a i20 e .
Caixa de linha do gaz branca 50
novellos.......
3001 do,uti bali bah**, miGtoUtiu aw-wsty> JP .
I :t04aO limites dos etmeiiaort MCHi'1 e Palme ira
+L <0iiii. ale o presente nao teidia enejado ao
si.
entho Carau^.fregueria de Saino Amaro de
JaKatao, supiese ter. sido fortado o dito baln
t> uu iKir isa) ti*ha ril-t'ngi*. Rafla-w f* *
i:ew ir*:m eswawo,
deintoiMi-4B be* rec.uii,|wi*a(lo. 0 'balyi eonliulK alguna,
calis e .foleles de uaono weio, mitras tiranas,
un jialetot tiro ms^
1 *
!
Auiai
Muas assucaradas de .trigal.

455000
|
500
5.$000
200
NAO CONT NEM CALME!. A NOS NEM NENUUM
orrno mineral.
A grande necessidade o falta de irn car
ftarto ou de wa medicina pmga^^a, li,
muito que tem sido sentida, lano pelo fiot'
vii, c.ouhi juesaio por mew la lacaililade
medica; -e por sso, mtiiitlo o gjoslo ^j
fwaaer que mentimos, ein pudonno'^ coi
186(1, camisas, ecio'ulas,' toda a confianca eseguridade, recommentao
frateos de'clieiro e de oleo, 3fcn, wivas As as pttHs vffkues astHcaradas de mistla
iet0*e .ir r;,i,4iu-, seis Du)'de iuva> ]j)lh/cquw uuw excelleutw jiwkiua mrmHj nuui i-ai.\a iiiyredjejilos lseuciaes, tuiM#idu.-ae .eiu WL
iHTetO, seguro e.agradiivel catlailco de
fainWa. Kste reiiiedio nao coi iposto
drogas ordinariamente usadas M
.I10S HlB-\K0$
H)
Recife a Apipueos.
iba U do corrale coiitmuarao a (une-
rioiiar oui.i d'aui.:s os Irens, eujo transito se aeba
iiiterroui|ido por causa da eheia que obstruio a
; estrada.
j Eucriptoiio da empreza 10. de fevereiro de 1869
W. Hawlinson,
Gerente.__________
- Mara da Assumpcjio de l.urta Almeida,pro-
fcessoia publica da 3* cadeira da freguezu de San-
to Antonio desta "idade, faz sciente aos pas de
NllL'M Mas aluiunas, e a qnem mais convicr, que se
ada eom a sua aula aborta ein sua residencia
na do ltam.'.'l n. 44, 2" andar.
caden
lunaliuanakda homirw (k.-lc jkftUU.
coiu panol o mitra com cara,
AHESfCAO
Na rua do Imperador, loja de ourivis, ; lugam-
%o mullicrcs forra para comprar e cozinliar.____
Ama
Prorisa-se de nina ama para casa de pequea
[familia : na rua da Senzala-vclba n. H2.
r;ir-
Frasco com tinta a 400 e .
Franja de 13a para sa'pato (peca)
Papel, de peso muito bom
papel o ouirii ctuuc^ias aerara, uaw
t.iracimasJHieiaest:. H.W., urna etanKeira en
240 : aH i^ejaes F. S. awwcartas com Mibscri] tos
ao* Sr*. Francisco Mano.-I de Siqueira- Ca,valinti i s,,s ..-""*>,
e CbrittovrM de barros Rugo, una canta de pr;0a, \ COmpoSK.'ao (lessas! pillulas, ipiO J*or auBM
.i i^umas iuia^.'iisziuia=. alguns rosarios c vaiios j venuCDi, mas sim. sao preparadas iloin at-
oo tro*.livros e objectos divers.^s. raaj| |j3 superiores i|iial.lades del i'.iijfct
Preeisa-90 de una ama de leite que traga o
feu lilbo, c lenta leite com abundancia, nao s
Vara aiiiamentar a este, como tambein urna enanca
de dous mezes : a tratar na rua Formosa n. lo,
ou Iuiperatriz, loja n. 44.
600
406
14000
iOOO
Sapatos de tranca e piltros mnitos artigos, que enfadonlto seria mencionar.
RUA DO QUEMADO N. 5o

Prerisa-se de Hm bom
nacional, rua da Cruz n. 1.
ropeiro : no hotel
Presa-se de nina ama para o sersift interno
de urna c*i di JiWi ,W --44 J'ua da Udcu
n. 4, 2" aadar. entra la peto bace Carg.__
b6 QEiMA6

A af lia bracea tem-se feito io Teditada, WW s pela> auvidadcs, variedades, su-
. erioridade e abundancia di- sen sortimeirto, como
,-la coaaute rttminodidade de seusjM-ec^is, e me-
o>d |>elit ea assia e nunca olvidado adrado o siuce-
: idade.
Essa.s vere incontestaviris sao sem duvida
. i .'ciadas pelo bello sexo em p:rticular, pelo
i .-sp-itavcl puivco oin peral, e a taato tem clmgado
pie esli quasi passiunlo como auaexiin ou pro-
vi-bio, quaudo 80 v uui objei*) de elegancia,
ist, HovidaV, etc., etc., diz-se l^goaqiuille ob-
iii sem 'ivida l'oi comprado a loja d'aguia
braaaa. ,. ,
\ Oando m club, nos bailes, ou no salao do
>anta MM, urna excelleutissitaa se aprsenla
-arbosameiitc trajando, trazendo o moderno cinto
::! mui larga fita, lisa, cbamalotada, ou esensseza,
h suas admiadoras dizein comsijo aijuella lita
' .i comprada M loja d'aguia lintuca.
Quando outra excclkntiisima, nao menos gar-
> -clia ibis eefetes de alta ntMMade que bella-
mente ornam sou vestido, anda nitismo as rivac-
toa sympir.bia conlcssaminieaqueiles ealeilei |
oram da loja d'aguia brauea.
Qmudo n'oulra exeellentissiiita, apezar d* sin-
_ bv.a de seu.porte agradavej, se vm as bonita*
I:ias de pellica anqueza as suas bellas ami-
. ts lonvam-IWe o gosto e confescam queaquellas
i ivas loram aloja d'aguia branca.
Qnando mosino duas excelleiitissimas, antigs
aiujgaa de collegio, se eucontnuH uaijucUes toga-
ama a outra os agradareis cheiros de em eus finos lencos, e fada una das i|iia<>* orgu-
Ihosaspelo ekigio do acert de sua escoiba, e como
que querendo por si mesma justificar diaem simul
taueamentee verdad que este ebeiro foi*ompra
do na loja d'aguia branca.
Aluda mais.
Ouando hontem os pais allictos sennaoi o rigor
iLi denticao de seu diaro lillnho, e boje alegres e
sitislcitiis pelo feliz rcstabelecinicnto. recebem as
sitas dos seus mtiUior amigos, dizi'Hi aipielles a
estes, foi Deus que me nspinmpara que compras-
*t\ como comprei. un desses vutoasos collares
ttoyer, que se vend<'m ua loja d'aguia branca.
Jileui do uiuito mais que aluda
Calia dizer.
Quando em un irculo do circumspccios carac-
lens se discutiravoraeidade de taesdueres, appa-
roear mn outro ipjc queira anda levcnKiite nter
ftecisa-se de um p.-pieno vi*. *^|nwtfirigff!, hprtrS e plantas, depois (lefie
de Uaie.uarn criad. e quede de sua conducta ^ chimicameirte e.vtraliido e separad^
banca: a rua Ihreita u. ti, 1" auiiai. ... "**
"------------:----------------;-----106 principios activos, ou aquellas paites
(4 HT 4 ,(',H! conlem venladeiro valor meificimil*
. \ 1,1 \ j daquellas porches librosas inertes e agres-
jL..tX"1- tes jnteiramente destituidas ila menor \irtn
de. Eatre esses agentes activos ou ingw
dientes esi*ecilicws, podtMHu lunneai a po-
___. dopligttin, a qual iegundo a experiencia
Pugio do engonho Minino*, no dia i do cor- tein Jeinonstradiij possue mu poder o mais
iaiuraregula.^eiuarba.dente^e>s mMIo.< //*), aswm cuino sol.iv dit as sccro-
mais un pouco arquead'-s. t.-ui *"' fcrlda hun f rfitg WTrCttw. Isio de combiuacao com o
ralcauliar, purlia pela peina i|inU)do ada. es- l,paiulrUi ^.u,ais alifUHS extractos veiv-
jiadBwtJo, f'eVi>.yiuvaltAi*^^lafii ^ attniuei.te valiosas;
Luz uue mora na povo;u'ao da \Jt* **1 'UIV .,___" > .. .'..
did*% senl.or *> en-eirtio Mureana^a 44 .liaw,'tumn e tOHDim>UBia pilula > piH^ativ
esto wgjo Icm invay em poder da luesina seidio.. namlo-se por iso muitissiiuo sup
W_" i quah|uer .tima oulra uiodkia da
naturea, que jamis lora apresentiido ao
publico. As minias veyetacs assnowidas
uY, j (fe :Jrstol, adbai'-!e-bao seHjpre mu reme-
Porto : na parada:Rui-Ws4a. 1^_________, j.flW'.pfoim.rt, seguro e emioeieiiieiile Hr
/ 1011 jijara as seguirte*.. ,
^1 DjfSpepsia, ou wli- Hydixyc*ii dos mem-
' igesiio, Ui'o u.u do c*Hpo,
= Compra-se urna armacao
tratar ua-rua Direilan. 3k
envidracada : a
Com muito motor vantagem
Compra o Corarlo de" Ouao. n. 2 D, rua do Cabu-
[. nioedas de miro e prata e pedias preciosas.
I poder.
[ove-o
ra : iem o aiiprelande;-leve-o ,a.o c.ngenl|o 5-,quah|uer .lima oulra UiotlK'ia da
mwwJffiiym^J$BBS& d0 hr': naturea, me mais ora apresen
naatf pato *W ***-. ..jUmco. Z Xlas metJ asm
lonstE
i. lor-
rini'.
lli'MlW
Ouro c prata
em moeda c em obras innnlisadas compra-se por
Imm preco : na praca da Independencia n. 22.
.Na praca da Independencia rt33, loja deou-
lives. couipr-seoiiro.prata, e pedras prociosas,e
tambem se faz qualquet obra de eiieoiunienda, e
iodo e ipiabpier concert. __________________
-i >ioctst-sn *mi *i*W( pwa, "ijwiii .iW
tabarno prcfemiaVse is Wny> cttegados
Conipm-se esaravos.
Lino de Faria & C, na rua.dft Vgarto n. i\, ps-
criptorio, 1" andar, conipran esclavos de ambos os
Mxas, sendo nue, moleques de i'i a 10 anuos e bo-
nitas figura*. ser>) pagos por milito mais dkibeiro
do que em oiiUii nuaUfuef parte. _________-
na WTi Cna'.|ri n$. t" &n^r.
de sua amizaile |o ^e difmaaam assistir ao auf-
romper a discussao, os prinieros por momento es- hamos que por sia alma s -ertebraram mvdia<8
quecerao a crcanispeeeao e Ibes darao un gra- do trrente na igreja maWiz A> .Ooit* -Santo; e
cioso debiuue dtaendo-lheej sabemos que V. ,de joyo llie i-uanm enraree^aiutrnte a bundaile de
mu daquelles que inclina o ciiapo de sol ou que ass #fein sogo4a4e'ik i *o ciirrente. as n>i-s
mereca ser designado pela aguia branca Ua rua (|n par sua alma tciu Oe celebrar-se na refprlfla
do. Queimado n. 8. i^r ja.matriz do OMpn Santo, pelas 7 I "2 horas da
mank por cuJo.i,(inJi|iareciuie(|to a este a
em (Mt-r-ito wbmiM ^mumU .- wL-iii-niitomago *- ilmi iiiUln>.>iwm(;M-' \
. ri-.iiiciMMi Martillle Auujrjui.____ g^l^naj laridades dajexo
-Ifl^PFse de una cozinheira forra""M e- p,.;,];, ,],, apetite, femenino,
liui.bidiU a| juolstias ne ilw|vam f
Liia-ifigem * (k> s^jiie: Jf.salsa
Mara JiaiTunT^ir^.-ypgoTBaw, ._ mmttUi e Mstul esse inellior dfe todo>
lia Uli"i*ln
I' iTOl
desagrsoVceii (Jompra-se
fhoje libras esterlinas, ouro e prata de todas s
nacoes e por inaior preco do que, em outra parte :
na rua da Cadeia do Recife n. 58, luja de aznjejo.
Compra-se urna cscrava que seja
preta, e que saiba pontear e vestir urna
senliora, paga-se bem agradando; rua do
Queimado n, IQ, Io andar._______[____
Offerece-se mn rapaz de t annos liara cai-
xeiro coui pratca de miudezas, e da fiador de sua
conducta : queni fpiizcr uflisr-se escreva em car-
ta fechada com as iniciaes A. S. nesta typogra-
nliia.
iwians do finado joTw RniimT rte Azevedo One-Itaineate com as pifulas, pois ^u estas
= Conipra-se 12 cadeiras. 1 sof c 2 consolo'
lusados: a tratar na loja u.18 da rua do Quei'
loado.________________
na roa do
Compra-se una burra) eort |
tresno ii. tl>, primeiro andar.______
ne*Q**4aa meftoias, tnilo sWo expressameirte
^repicadas para ol^rarem "tle harmona tima
com a ouU'a, quando fielnieute assim se faz.
nao nos resta a menor duvida ein dizer.
que go inaior numero dos casos, podemos
'
COMPRA-SE
amanear Bao sum grande alivio, como
*o tauas as colisas mpc por m
urnas esea|>am as ouas. inmit
Ja ia esquecendo a aguia branca,mas em tempo
iembroti-se para uoticiar, que rec.Ku unape-
ipiena quantidade de enleites para coques e gram-
pas |iara ditos, tudo feito de metal <"om lindos e
aiiadaveis coloraos, obras olas pela primeira vez
appart^eidas, e ptrtnto inteira novdaic.
Tambem chegaram novamento deluidos enfeites
e llores oruadas ae aljofares e vidrillwts. tanto de
palUa |iara coquea como para vestidos, e tudo
e caiiii.iue, mais cajiliyarao
de "ratidao e amizafli'v
TTST
taralem urna cura promjrta e radical, isto
us senil-'est Peni visto, quando o doenti; nao se
^^^^ache n'um estado muifo alm dos recursos
Precisa-sc de ipna ama que saijia tiem eealijM-.
e que seja fiel, preferimlo-se escruta : na teja da
rua Nova n. II ou 21, 2* andar.
es, depois dos cumnrimentos de reciproco* beijos, eonimn a mereoer a aprecia^ao das excollentissi
mbaas por forra de su.-, elevada delicadeza, gabam mas conhecedorasdo bom.
U
Francisco Autouio de C'arvallio tk liqaiidatnrios da extiac-
f ;i firma social de llego & Houra. rogam aos devedores dcsta. o
obsequio de uiandarcm saisfazer seus dbitos :c o fim do cor-
rerte ntez. sob pena de seren f: amados judia'ialaaente ao ciiiu-
>->i'imcno desse dever.
Itccifc. h de fevereiro de 1HU9.
INJEDTION BRQ
ll)lcnlc liiIalUiet c Pruertaliva, abtoluUiiKQK. a ui.irj i|i.enui mu icninni. auilitu. V,.wj<
iin principies boticas do mundo. (Eligir a inilruccao do uso). (Maono* de uisuocia.) l'aris, em ea
iavcattr aan. baotnaia Minan. Ita.
AO PUBLICO
l.'-odc este Diario de 9 do correte, deparei com
meu nome na lista de suvplentes de eleitore da
Ireguezia da Itoa-vista, o que muito me adinirou
por nao ter previimieiue sei^iicia alguma. nem ter
sido consultado a respeito. quando por vezes em
ilil-ireutes aueoe sempro fui ouvido, e atteiuliibis
as lunbas disculpas ; e.coino nao autorisasse pes-
soa alguma-para l'azer-nie seiiMlhante honra, ra-
zao esta por que declaro ao publico nao aceitar
dito encargo.
Manoel Joaqum Uia*.
Preeisa-se de um inonio de li a ti annos
para caixeirtt de taberna : na rua Imperial n. 13.
Precisa-se de uiua mullier que saiba cozi-
nliar : na rua do Queimado u. ii.
Precisa-sc de una ama para o servico nter -
uo e externo de una casa de duas pessoaf: na
rua Formosa n. 6.
Preclsa-e alpgar uma.preja para lodo o
servico de casa e da rua : na rua Nova n. 33.
Oosinheiro
recisa-se
casa de
No caes de Apollo,' arnjazeni n. 69, |
do un cyziujteiro de, boa conduca, uara
pequea familia. i______
Aluga-se^a casa terrea e soto sita na rua da
Alegra n. iuijo so duvida l'azer abat monto no
aluguel dando um auno adiantado: a traLir na rua
da Guia n. 7._______________________i________
Atuxa-se a casa dos leoes ua rua dos l'ra-
jeresn. i, com grandes coinmodos pata familia
Precisa-sede unta apia para comprar c co-
zinhar para casa de rapaies solteii-os : iia rua do
Imperador n. 4.
A pessoa que propoz trocar o relogio tpie
est venda na rua estreita do Rosario n. 1, quei-
ra tora bondade de apparecer na mesma
Ama.
Preca-sc de una ajua para cozinliar e coju-
iirara>ara duas passoas : na. rua velba de Santa
|itan. Ifc ..^.^^ ^
Prcisa-st alugar una oserav para engoin-
mar e fazer o.servico interno de una casa : a tra-
tar na rua da Cruz n. 1, 1" andar.
- O abaixo asignado tem justo e
edes
PBB!
0 MUS
E JOIAS
GOMES DE MATTOS IRMOS
tendo feito completa mudanca em seu aatigo e
acreditado estabelecimento de joias, com o fim de
dar-lhe madores proporcoes e elegancia, convidam
ao publico em geral e com especialidade as Exms.
Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
das 6 horas da manhaa s 9 da noute na
RUA DO CABUGA N. 4
ndeencontrarao qm completo sorllmenlo do que ha de mais clegattte.
bello e precioso em brilhantes, esmeraldas, rubins e tudo que em obra*
de ouro, prata platiua se pode desejar, p pura pro va do que bao dito,
apresenlam tlesde ja
A ESTRELLA DO
riquissUo tbrdhaute de .tatuanho raro e seguramente a maior e tuais bp-,
ttita pedra expoata a veuda nesta pca^ft, a jual como tudo .mais ser
vendido pree/) razoavel.
Garante-se a qualidade dos objectps venda.
OS
HMitratado
vender ao Sr. Manoel Jos Guees de afagalbaos,
para pagamento de seus credores, a si a taberna
da rua do Imperador n. 83 : quem se considerar
prejudicado aivesente-se no praso de t -es das, a
coutar dela dala. Recite ID de fevereirj de 1860.
Guillierme Jorge da Matta.
Aluga-se umQguado andar de um sobrado
do caes do Ramos, e um torceiro andar da rua da
l'raa : a l ra lar na rua da Imperan i/, n. 03, se-
gundo andar.
-^ Precisa-se de una mulber branca, nacional
eu estrqggeira,. com capacidade para dirigir a
casa w um humem solteiro : quem pretender pode
mirar seu nome e inorada rua da Concordia n.
121 para sef jnecarada.
1
IN.3RUADIRE1TA.\.3
As pilulas, o xarope alcohlico o
r>wtbero de velaqi, coafuntie a
Ijjfinula do tinado piarajaceutic Pa-
Bawhos, assim como a pomado. con-
tra ap inchaceserysiplttsas, aclio-
se venda, na botica de Francisco
Antonio das Cliagasaua Direitan.
3, derVonte do annazem de ncilia-
dos denomioado viado branco. Es-
te^medicamenlos teem sido e sao
dos mais.-$iwg.eo6 agentes auxilia-
dores d&naturezana debc!lac?io das
doencas, garvindo de grande alivio
a lauuaanklade sotredOi a, principal-
iiwnte aquelles, que dispundo de
pouco&retursos e naopodemlo por
muito tempo permanecerem em um
trataroento talvoz intil, pela inetli-
eavia de cestos remedios, recorran
elles ; e por isso asss iecoui-
mi'iidadiQ *e. tomo, para as passoas
que wfiieui. de rliumatismo,, escr-
fulas., ulceras, impigeof, eijiipla,
UiiU)f#s nos psos, tosse, *%*.'j
^^Q|rl^o^ufiB''es#odpmelt-
;tfuo.e j^natru^ao dimcU, Wm.\
porm. HSiidws confu me a Jireccnu j
.cripta q,e,ps wmpaii!.
io largo do CyK> Santo n.
elho.
4. Io andar, cobre
VENDAS.


Grande liquidvcilo
(JpjMprmtamo-d'antiga e be eonticcida
loja de miudezas denominada tBeija Flor,
t'ua do Queimado n. 03, querendo acabar
con o aorfimento de niitidef.as. que existe,
tem deliberado proceder a una completa li-
(jui Os objectos scro vendidos por uiejailede
seu vale, e para que o publico, uo suppo-
nba, que o presentoannuncio urna illusm,
npniprietarioda dita loja, ollcrece urna pe-
quena lista de algmnasmiudezes, com os seus
diminutos[preewscomo abaixo se ver;
nao apresentando urna lista completa de to-
dos os objectos que estao expostos a venda,
pela razo de se tornar um annuncio muito
extenso e por consequencia de enladonha !c-,-
tura, por isso ajienas lemita-s as seguiutes:
1 Du/.ia de miadas de linha para
fazer croch.
i Caixa de linha com 50 novellos
1 Dita < 50 f
1 Dita 10
i Duzia linha de carritqis de
100 jardas
1 Un i c de
00 jardas.
Fita de laa para debrum de todas
as cores, a peca.
Dita branca
Dita i
Peca de fita de linho com 10 varas,
e qeu serve para cs.
Dita cs
Pentes voltiados para menina e se-
nbora.
Ditos minis finos.
Ditos preto com chapa.
Ditas brancas
Ditos pretos.
- itos liiainu.sli.iiis.
jiciivas para (lentes a ICO, 2'U) e
Ditas para cabellos.
Ditas muito tinas.
Ditas para roupa.
Ditas dita de dita.
Pents de coque com fita a H500,
ar5000 e
Pentes para coques l;>.*0, 2t);>00
3>000e
Peca de franja paratoalha a peca
com 4 varas.
ntremelos bordados a peca COO
Tinteiros de porcelana 1<>50 2-A
Balaios para meninas de esrolla
bonito desefifo 800, \#, |A5(io
Pera de fira de? seda para enfei-
tes de vestidos.
Fita de, sarja de todas as cores.
Grvalas pretas a 30 e
Ditas de cores.
Sapatos de tranra e tapete.
Garrafa de agua Florida tarda-
ira
deFrascocom extracto em snpali-
os.
nbDitos com leos.
Dito oguade Colonia, pieuerios.
Dito.dito de dito de liever.
Ditos con tonicii.
Hilos com oleofilocoroe.
Diti s ruin extraclo e hanha..
Dit'scom extractos diveisi P
Pao de pomada.
I Utos pequeos de pomada.
Capellas paraftoivas muito linas.
Sabondes, iiO, 320e
Ditostmnsparenles de bolla 500,
HetJes para rabei;a
Bandeja !)00 a
Duzia de botoes de seda para en-
feites de vestido 240
Porceira de. contas._____________806
ILT NIIYIADE

Loja do Favo.
GURGUROgS PARA .VESTIDOS A 1.5000.
0 COVADO.
f^hegaram os mais modernos gurgmes
para vestidos, sendo de todas as cores, como
sejara verde, azul, rosa, bismark, petla,
rxo & tendo quasi quatro palmos de lar-
gura e vende-tse pelo baratissimo preco
de I-H000, cada corado nicamente no ar-
mazn de Flix Pereira da Silva, na rua da
Imperatriz n. 6d.
Brins para calca na loja do pavo.
Vende-se os mais modernos e memores
brins de linho^de todas ascres.outroscom
Utas dolado, garantindo-se serem de linho

m
800
800
500
300
lAOO
5(50
900
IO
800
;*k>
300
500-
00
:il
(Xi
SOtJ
280
000
320
509
2*600
4iJ0O0
20600
700
2o500
-_... e
11$000
14100
500
500
1^500
14000
400
ion
{,00
,, .(..
IMKMi
i {;!
I OOP
500
500
80
354(Ki
500
I $000
304)
ii>800
Alegrai-vQs myopes, e pivsbytas, ja po-
dis ver de longe, j podis ver de pert,
nao ha mais vistas curtas, nem caucadas.
F. J. Cern aun acaba de receber jielo ulti-
mo vapor un rico e variado sortimento de
oculos, lunetas, pince-nez, face--main,
lorgnons, de ouro, prata, tartaruga, martim,
a?o, bfalo, ncar, unicornio e melchior;
assim como binculos de urna a tres mu-
dancas para theatro, campo o marinha da
ultima inveneo ; duquesas, vtaneaas de G, j l^0 e veuje-se por prefos muito em con-
8e iyidros, todo dos melhores fabrican- ^ a0 "armazera d Flix Pereirda Silva,
tes da Europa.
0 mesmo vapor trou-
xe urna excellentes ma-
china para graduar e
observar o numero dos
vidros que se necessita
conforme a vista de
qualquer pessoa.
Tem oxed lentes ste-
rioscopos, instrumentos de mathematica,
barmetros, vidros de chystal de rocha, e
de cores para resguardar a vista; concerta
todos estes objectos a preeps conimodos e
com promptido ; tira o mofo dos vidros e
eucarrega-se de toda a encommenda relativa
a ptica.
Recebeu tambem os excellentes relogios
do antigo e afamado fabricante Itoberl Gerth
& C, os quaes vende ;i precos commodos
garantindo a sua superior qualidade.
Vende-se
* taberna da rua Direita n. 50, propria para qual-
quer principiante por ter poucos fundos : a trinar
na mesma
Fariua de millio.
Veude-se farinha de milho amarello
muito fina, em porco e a retalho, por pre-
co commodo, na taberna da rua targa do
Rosario defjijate da botica do Bartboloraeu
e na travesaa das Gnes a. 16 esijuina para
o quartel do polica.
= Xa.rua do fondego, na Boa-viaia, n. 1, t
andar, ha para vender-se um excellent carneiro
manso para menino andar, com selliin e os arreios
necessarios, tudo novo.
-r Vende-se ou permuta-se urna prande
prio^ade pertf' de Ajlieupos e baratissima : a tra-
tar'ao pateo do Camian. 28, junto a igreji de
Sania Tlieraaj, das 9 Itoraa am tliaiUe.
tniMHt
\|nde-se Luao um buhar rom stu-pertences
na rua da Iaiwttrii u. 69._____________
-S u, casa do-Hamos n. 10,
burras iBansas e urna carroca
coiamodp.
^^i ii
vntn-se duas
nova, por preco

Caraclra
1 .W:
-n------r-r-
na
^Mdo,^ tuna cartaira coui otank : a tratar
> ,.^ab^ a. 1-
Fepo mtltiniio
Yande-se superior feijao i w
o a rattlho ; ua ma dx Peana a.
saceos
rua da Imperatm n. 00.
AS DKZ MIL VARAS DECAMBRA1ASFRAN-
CEZAS S NA LOJA DO PAV0A5.0
RS. 0 METRO.
Vende-se finissimas cambraias francezas
com os mais delicados padrees, tanto mi-
dos como grados, e com as cores mais no-
vas que tem vindo no mercado pelo bara-
tissimo.'preco de 560rs. o metro; garantindo
que 7 metros do um vestido para qual-
quer senhora, e que em outra qualquer loja
n3o se "encontrar a mesma fazenda poi
igual prco, e sim s na loja e annazem. rio
Pavao, rua da Imperatriz n. 00 de FcIk
Pereira da Silva.
CasasInflezas a 44 rao metro
Vende-s'tima grande poroto de bonitas
cassas jnglezas tanto gratulas cuino miud.-
nlias e de cores fixas pelo barato preco.de
4'40rs. ofrietro,garentindo-se que 7 meta s.
do um vestido para qualquer Sra. s ua
'lojado Pavo rua da Imperatriz n. (JO de
Flix Pereira da Silva.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVO.
Vende-se urna grande quantidade de re-
talhos de chitas e cassas pretas por pn < i
muito barato, e quanto maior for afporco
que o fregu comprar, mais barato se lite
vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da-Silva.
CRINOLINAS OU BAL ES A 2,5800 S^ Nf)
ARMAZBM DO PAVO.
Ralbes 24500.
Crinolinas 3A50O.
Baloes 2^500.
Crinolinas i *50O.
BtKJes 9fMX).
Crinolinas i JfiOO.
Vendc-se os jj^ '^detaos
foa-iniiaas amaricaiias,/
do todas de modelo
preco de JAtt) cadt.- _
I loja e armaawD dt> Pavo
da Silva, rua da Impera i
CAMBRAIA COM SALPICO
Yende-se pecas de capibraia branca cuw
saipk'os, $eod<> esto genero p uoinor que
tem vindo ao mercado, tendo 8 e meia va-
ras, pelo barato jjreco de 5^000, lcebiucha
na loja e apnaienj do Pavao, rua da Impe-
ratriz n. 00 de re,ti.meira da Silva.




G
Diario de Pernambuco Quinta fera M de Eevereiro de 1869 !
N
AO BAZAR DA MODA
DE
JOS DE SOUZA SOARES ft C.
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
PARA O *0 VO 1 *.10 I>K i 8.
Perfumaras liims dos principan! autoras
. &:&^ ***
En/cites de gosto para seuboras.
Fitas de grosdonaple superior de todas as cores e laaras
Franjas cora ndriIhoB, brancas, de cores e pret-i*
Guarmrocs de todas as qualidades para vestidos'
\ estuarios completos para baptizados
(.i.lmlias e pannos enfeitados para senbons
Loquea modernos, lisos e enfeitados
rlSSHStSSSr rircl;,ras',noda,'ll,an,cI,ara ***** debom gosto.
Loi pinlios de cambraia enfeitados para senlioras.
t.aelie-ncz de l.
Chapos de sol para homens e senhoras.
Flores finas, sortimento especial.
Plumas elegantes dequalidade superior.
Cintos ricos depalha. alta novidade.
Grinaldas de llores linas.
Camisas superiores para homens.
Colarinhos e punlins.
Gnvatas e mantas modernas.
Bengalas de diversas qualidades.
Caixas grandes, eom quatro peras de msica.
Plores (1,'palha para guarnicoea de vestidos, hnir.es, fivelas, lacos para enfeitcs.
Chapeos depel odesedapretos,formaaRotscliild, fazenda superior para homens.
brrenles de Maque fino, gostos bonitos pa ra relogios.
Cacoletas de bom casto para as mamas.
torrentes pretes de borracha diversos modelos para voltas.
injertos para luto.
E nraitoa outros artigos de novidade queso vista poden ser apreciados.
fcxiste continuamente um completo sortimento de miudezas, vende-sc por grosso e a rctalho
AC Hn?l"iTP AC em lodaf as parles do mondo, esnpregam, eom o maior xito,
\JO aiMhiJl\j\J09 o phosphato de ferro solnvel de Leras, para corar a chorecis
(aeres paludas,, as deres do estomago, e a exbaaslacte do ungoe; eom esU preparaclo, dia
aa eorpo o vigor, e as carnes, a sna firmeza natoral; faeihttm o deaenvolvimeaM tio labo-
rioso da puberdade. Com effeito, todo, n'este mdicamente, se aefaa reunido para Iba
assagorar o maior crdito, pois que entram, na sua eomposico, os elementos dos os e
do tangue. O seo uW"", H. Leras, doulor em acieacias, pharmaceotico, professor de
chymica, inspector da Academia, foi, recentemente, condecorado da ordem da Legio de
Honra, digna compensa dos sena importantes tnbalhos.
As segointes aprecUces dos mal celebre mdicos ainda vem corroborar a lenificar
lodos estes titu os a confianca publica :
c Precisa clarificar e phoapbato de ferro soleve! catre os ferruginosos que melhor
< convam aos doentes cojos or|ie digestivos iopportm mal as preparacoes de lrro.
SOUBEIRAlt, professor na Escola de meicitm e de pkarmaci.
c 0 paasphato de ferro soluvel em qnanto a mim, a melhor das preparacoes fe-rogi-
t nosas, e o seu emprego d os mag promptos e sea-uros resnludos.
O
alni de aa-
promptos e seguros
ARAN, u.edico do hospital Sainte Eugnie.
A Mrma liquida do phosphato de ferro soluvel d-lhe nma immensa vanUgem sobra
as pillas; en considero este medicamento como mni superior s preparacoes iodadai.
AUN A L, medico de S. M.o Imperador.
c Entre todos ferruginosos, n5o conhecemos um sd que obre lio prompta e efficazmente
como o phosphato de ferro soluvel, e isso, sem cansar o estomago.
BELLOC, BAUME, BIGOT, FOLLET e PRVOST, mdicos dos hospitaes.
t Os effeitos da preparacie de phosphato de ierra solavel me parecem ser moi seiruros
a promptos. BEBOUT, redactor em chefe do Bulletin Ikrapetuique.
Entre todas as preparacoes terroginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a que sempre
me deo os melhores e mais satisfactorio resultados. GIIBOIT, medico dos hospitaes.
i 0 phosphato de ferro solavel ten, sobrando, a vantagem de evitar a constipado a
t couYir aos temperamentos delicados. Dr FAVROT.
Deposito em Pernamtmco, em can de
aurar O*.
A OHHOlS PECO
NO *
BAZAR DA MODA.
PRECO CORRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
Ra Nova n. 23,B,ua do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapeos do serla trancada, Parador, de IG has!
Iparmcla
al traofaut
de rstciH
fars
fkVKKrMM
linrraa1*
>
Ktiasil
irl ?mSi ttv6LSd,'lr.WlLas' &*"* ou .sau,.l,ulo<* sempre Icntio-
fn A r f ""** *"*>" disten. H-. prr..,.rae milagros fr.l. peto j.roresore lUnrn.n de RriM. llwmnl rtVMfH .* Lve> t
Kmeliii e TmBsaaaii A, fmrst\ leni prov-.,. ,,,, rnB 4^ ,......r, ,n (,I1|.i.^
aiisonria do Mangan**. Irnwnio qae-aempn. do,v-v -rhar no >anK...- >r*tim-ub-
o ferro. E*la* pdnhi. ...pprom, poK na fU>raprnir nm* (1'ia p.*.*.*. r ,M,r e,ie
motivo ella iem merecido a aPprnv1.vo -lus BMdlaaa. iM-posuo em r^Bc, ^ Msa ,(p m0nr c..
Illlll'lll
Tem para vmder em seus armazen
tros, os seguintes artigos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Vinhos em caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Hery.
Madeira.
Hermitage.
Chamhlis. '
Licor de curaco de Hollanda em caixas de vin-
teequatro bolijinhas
GESSO,
Nosarmazens de Tassolrmaos.
Grades de ferro
para jardins, jiorteiras etc.
Nos armazens de Tasso IrmSos
c aii 111 mos ii: perro
Para servidos de grandes armazens, para remo-
ver barricas 011 raixoes de um para tmtro, lado pelo
mdico preeo de <2000 cada um.
Fariiilia de trigo de Trieste
Das me/boras marras Panonia (verdodeira) Fon-
tana e grande sortimerto das melhores marca de
fariuhas amerieanas.
Saceos de farraha de trigo do
Chfle
Todas novas ehegadas tfffimamente nos avma-
zfins de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nosarmazens de Taso Irmtos.
Cemento liidrairftro \2$
01nell.11 ir para tudo qne sao ofteat para apna, c-
ino a*sen*amento de cam* de esgo>, aflgeroze, de-
iwsito, taaxjucs d'agua, elr., ele.: em pi>rco>s de
cineoento barricas se far redcccnnareco : nos
r reduce
armazens de Tasso Irmaos.
preeo
Cemento Portlawf
II]
MAN^
As
especial
Pharmoaiutks
lauread
da acedtmta
de MdN*Mt
nwkea annos mereodo a approvae3o
os mdicos, porque ellas obrio rtiais rpido e seguramente do que ll liatll" e
so mais fcilmente toleraJas pelos doentes. Os Pds ferro-manganicos possuem a inappre-
l'ollegadas a 13, e 2 i pollegadas a ii.4000.
Ditos de seda G. de N. Bata, de ac, de
le 2G poliegadas a VH ; e 21 pollegadas a i#000.
os, 28 polfegaM a IU; 2fi
IGhasos, 28 pollegadas a 14,5;
* ii 5*108 d.e,fda (ifde lis?' de acn'"de ,2 haslcs' 28 Potadas a m ; de
sb pollegadas a IIA ; e 2i pollegadas a i0.*000.
de alpaca, de ac, de 12 bastes, 28 pollegadas a 6A; e 20 pollegadas
Por duzia faz-se descont do 15 00
^apos.(1,'.sol.,,l'>.ani10' de baleia, de 8 bastes, 21 c 26 pollegadas a 32,5
a 00.
ferruginosas liquidas tejn desde
ipid
ciavel vanUgem de poder offerecer n um insume urna agua ferruginosa gazeosa, de costo
agradavel, mais acuva do que aa aguas mineraas, e contando de mais nm elemento precioso,
o Manganese que sempre se acha no sangne, juntamente com o fesro. Kmpregio-se era
todas as molestias que tem porcaus o empobrecimento do-sangue, assim como para iaanr
os temperamentos dbei e lymphaticos. A ehlorose, as lerdas brancas, dresd'estomuo,
a trregulartdadeda menstruac&o e amenorrha ou suppressao do menstruo, cedem rpida-
mente a sen emprego. Devemos mencionar aqnl nm facto notavel1, isto i ene os doentes onra-
dos pela agua preparada com estes pds esto mnito menos expostos a recadas da que
aquellea qne forto tratados pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, em casa de Mt o*
O verdadeiao eemento Porr*nd em caeR- Se Tasso
| Irmaos.
Grades de ferro, toms, por-
tems, etc.f etc.
De differen*! qunMades par* reirados-dk ai-
lases, chuiueirn^nana galinhas oaiartlins : neo ar-
mazens de Tasso Itonao.
Btras com bieu
Nos armazens de Taw> Irmaos.
CANOS DE BAEEO
Su ra Nova de Sant.Ttila, naans^afabrk-xfc
mbio, ha para vender per preco o rnais moie
LOJA DO PASSO.
Rna Jo Crespo Jf a, coquina
ala do Ijuperador.
0 dono desteimiiorlante estabelecimento,
tendo recebldo de sua conta, pelo vapor
francez Extaemadure, diversos artigos de alta
novidade proprios para a fesla, econscio de
que seu estabelecimento se acha bem sorti-
do, principalmente em artigos de moda, pe-
de ao respeitavel publico e em particular
aos seus numerosos freguezes a bondade
de lunra-lo com sua conlranga, garantinde-
lhes serem bem servidos e por precos ni-
miamente baratos. Yenbam, pois, todos
comprar novas e lindas azendas boas e de
alia novidade, tom bem :
Riqusimos cortes de blonde.
Uiquissimos cortes de seda de cores.
Sedas de lindas cores para corados.
Moire-antique azul, verde, branco e pre-
lo,
trosdenaples azul, verde, branco e pre-
io,
Gorgoro branco e preto.
Selim branco macau.
Cortes de seda com duas saia.
Curtes fV la escosseza com duas saiaa.
Cortes de la c seda, novidades.
Poil de cbevre de linda cores.
Alpacas de cordo linda cores.
Ditas feas de todas as cores.
Cortes de vestidos de camlraia brdalos.
Saias bordada para senhoras.
Camisas tarda-das >.
Fronlias de linho com lindos V>rdados.
Lencos de eambraia de linho- bordados^
Wiapelinas palha da Italia.
Mas de sedas- de eores e prett.
Efteites par cabee de senhorzi
Cutfues de todas- as qnadades.
Basquinas de sedu enfeladas com1 primor.
iefjues de mntf-epere*, marfim, snda-
lo osso.
Camisas bordaAis- para fcomens.
Chebas de algodao e srte para canr.
Dw de crochet para Gama.
Pannos de crochti para> oadeiras e sefi-,
.Chapeo de sol dr sedh-pw senhorasv
Espasmos para senJiora-..
ToaUtas- de labyrirjb;
Lencas- de labyrintei
Fron&nyde labyrinW);
Bicos,
a duzia.
(Descont de 10 OjO).
Ditos de panno, de junco, 8 bastes, a M0OOO a duzia, liquido.
7.^; $i&i&7&i$;ry?4?
GRANDE LIQUIDACIO
Para msicas mi.tares,
Completo sortimento
NO
BAZAR DA MODA
RA NOVAN. 50,
Esquina da ra de Santo Amaro
Ib a 30 por eento menos que em outra qualquer paite renden)
JOS DE SOUZA SOARES & C.
1o mais acreditado autor Goutrot Ainea Pars.
RA MOVA M. 50
. ESQUINA DA RA DE SANTO AMARO.
rendas e grades-.
Finissim cambraiar dfe core, percales >
appi tem apiarekl pala snnsolidei.
precc Loja dftso ra b Oresp. 7 A es-
i&iOft por cana* jrftnde3 e meia. axl^g.-inar quina da ib Imperador.
do Qaeimar!^=2i
A
MMO por dito d 2 e um qtarto de (Ha.-
SfWrvis por pistbleta de 2 gallegadas.
fovelliis, eurras-e canes el* maior jawisara.a 21 = KTaa
vuta** far o praco.- Comps maiores-de 200* -i
,e!^ l*l fent dscon*or prorafa paga- & mY& PeSeiltfS
mento. Pode-se w as anwelras nos aamaaens
dnnawlrmioe,
VERDADEIRAS
PILULAS de BLANCARD
COM IO0URETO DO ftnno INALftIMVek
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DI PARS,. ETC.
Possuindo as propriedades do loda ot do farra, eonveea aspaeialmenta-naa- krrtOiA
escrofulosas, a Tsica no principio.a fraquexade temperamento a-tambemno casos da-
Falta de cor, AMKNORRHRA.em que precisa rkagir sobrr sawgue seja para restituir
lhe a sua riqueza e anundencia normaes, ou para provocar regular o seuourso periodlooi
K. B. O iodareto da ferro impnr* on ilterdo nm medicamento- infiel,
irritante. Como prora de porea e de aullienidade dai ier4alrlH SH>
luan de DlancaM, drr-M exigir nosso *>!* n sralm rf i
no-so Brmm, .1 itii reprodoiida, e/ue m acha aa parta infartar da um
roiui* rerdt*. Dere-M desconfiar dai alsificacoi.
ari.am-*e>na i* aa baln!. Ptusrmaentift.rmsuBe
em
i
a
0
Est a exposico do respeitavel publico neste importante estabelecimpnto um
lindo e completo sortimento de fazendas chegadas pelo ultimo vapor da Europa, o que
temos a bonra deannunciar aos pais de familia, assim como ao bello sexo, a qoem o
Triumpho pede sua attenco; garantindo semprt em sua nova loja o gosto de tonadas e
novas modas e motlificaco dos precos, para adquirir asympathia de quem dei a honra
de procurar o Triumpho.
Lindas sedas de cores novo gosto a 2$000 e ^SOOO o corado.
lacez de seda e la apurado gosto para 1 (500 o covado.
Lazinhas com listras de seda para 14200, 1^000 o covado.
-tas de lindos padroes para 500, 700,800 e 000 rs. o covado.
Cambraias brancas de 4i000 at 8O00 a peca.
Ditas de cor novos padroes de 6i0 e 800 rs. a rara.
Saias de la com bonitas barras.
Bales de la e murcelina e de arcos.
Basquinas de gros-de-naple de 22/5(000 a 40^000.
Gros-de-naples pretos de 2-jOOO a 4^500 o covado.
Ditos de todas as cores.
Organdiz branco.
Biilhantinas brancas e de cores.
Espartilhos e entre-meios bordados.
Meias finas para seahora e para homem.
Aleta destas fazendas tem um completo sortimento de chitas escuras e claras, ma-
dapoles, bramantes, atoalhados, toalhas de linho c dealgodo, c outras muitas fazendas
que se vender por precos que s a vista o comprador se poder desengaar que so no
Tmimpho poder comprar bom, e com economa.
PARA HOMENS.
Bonito sortimento de caserairas, brins brancas e de cores, camisas de linho e algo-
dao, ciroulas, mantas e gravatas do que ha mais moderno, chapeos de sol de seda e alpaca,
e outras muitas fazendas que vista se podero agradar, e manda-se fazer qualquer obra
de alfaiate para o que tem um hbil mestre, p preco em tudo, s encontram no Triumpho |
ua do Queimado n. 7.
DOENCAS das GR I ANCAS
XAROPE de RABINO 10 DAD O
POR
Salvador II. de Albnqnertgue
2a EDIEAO 2MWO
LOJA DO GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo n 7
Mandou vir de sua conta e acaba de re-
ceber pelo ultimo fapoi:,.completo sorlimen-
ot de objectus de novidade e ph;wta>ia. os
Tijotos lra.neezes
Vara- ladrilh.ir easas torrea.* eom asseio* presos
: medieos, inuito cuDvemeiues e- pronrios paaladri-
Ihw dfc cosinhas em sobrado%.pelo sr.u asseio- e
i vsmr- a passapoic d aguas pxra ontesmo oporigoJafogo, as parcos de 5W00O:i
53U08 o inilheiro;m ra Kt*ade SantM1a, na
anpa fabrica do ;ta, e conip;s maiores :l'200
! so far o |mr renta >d desconla.p>r proniptO paga-
: mnito. Podm-s ver as'anreasras nos annaacns
|. do- Tasso Irmaos.
Velas de <. faannaivte fMMainu p.wa.Jan
terna* de carros: Boarmazem $tTasso Inaaos.
Vinho do *rto lino supinar: no araaaaeni
do- Ttisso Irmaos*
O'inelhor ongnar GauthisfiFrees: ne-arma-
teai d Tasso litaaos.
Esteras da India
Km casa do Ttsso Irmaos veade-se eseifas da.
Iiilia ciamiiedo.
Macartby
^achini^akdier fcsrainsfiar al*f>d.
Hoje que est, reeonliecido nuo.as maithSKis de
serrote prc.>udiraiu e quekrana.libra fa- abjodao,
CfJBeaw reenrreri a machiatsno menos spero,
qae prodnrwlfto aaesmo sec"ien que 4fwllas,
A Nova EifWfanca, roa. do Juwmad./
n 1 tem cnTariado stMrliento d objec-
t-de gostV'-e1 phantasia jiroprios- |pn pre-
2fms, sobrsr*aindo ente efles na eaixi-
tk;n ib; ebaiM eom fina* r-r-fum.<*. cos-
l'jveiros de- chfren, ag-jnros ifc iln
j.srola : assim^pois, queaaquizer taerum;
tt offerta,.'#rigir-se 'Pibva Espwranca.
rw.do Queiao n. 21.
CUIbres ftiMlmos cllkHro-m,irptti
eos cortPm as coTvndces las
creang NSo resta a-iim-aor duwfe, de qiuymtvtt)
c atares se rnrtwn por ah intitulado os
vwtadeiios d Royer, e-eis porqae mito-
pais-de lamiina no craem (compr^ndb-os
nonefieitopromeUido.o rtje s pdda- dar.
03-wrdadeirt)e-> a NovaBte|ieranca, paren i
qp detesta i'.falsificaci>'paTncipalBiente nt.
qpa respeit&ia bem estn da btimanidMe.
OsVeWm encoMBaenda direeta destes-collares
e garante a-s-pois de inr*as, que s os
vefdadeiros dte Boyer, qee a tantas obmu-
%t& tem sal.ii.lo do terrvel mconuboda de
aWTilcesr aesim poa- preciso, que vt-
ii
GADO GORDO.
>"o engenlio Boa-vista, fregut>zia do Cibo, ven-
de-se gado gordo, quer para parro, quer |iara
acougne.
Vinho Figneira
Vende-sc em ancoretas de 9 caadas superior
vinho da Figucira, proprio para casas partieula-
res : na na do Amorim n. 58. armazinu.
Vende-se por necessidade urna neffritiha
com todas as habilidades : a tratar na ra do Pa-
dre Florkmo n. 71. Na uicsuia casa d-se algum
dinheiro a juro.
, e
farilidade notrabato, nao pjmMb a e da laa, tkua a NoratJBsperan* ra do $aimad<
quaes esto, resolvidos a vender yin grecos fSHSSISC ^'^^S^^ <**<& \*> 21 coriaarem o saiva vida, jara seo?
nimiamente baratos, para, assim animar aos- j,yr aquei'ssVaekmTdasi^ QtWnhos, antes-que esias sejam acommetti-
candoemile^uo,pelo prejiia que ta rusado,! t**8 d ter^el mal, ciando entas^sw d-
eo daaaiig,i,ln)iaiKleiia, q/ nao p competir EHcil alcanfiMr-se O elliife desejadftj embor.i
palanuf^idade de seu iratalkn. ET assim que.sejam empvegados- c*. wdadeiras- coare>
estas n-^chmas-se torntil asmis preprias para lt/\lf.Vir ^ 6
nosso algodao, porque atv |var da acilidade a-ST .. ^
pnimrid5o.^,n-aafib..dalaa,V* limpa poisiPara eXtlIlfi'Ufr US 898X1(18 (*
ella, u-qualiiicQda na P:uEnm a uaramellior Im>| A.iiu^,iav* to hwho t
Vcndctn Augusto F. de Ovcira & (1 ra do
Conimercio, n. 4.
CUALES A 25000.
Vendcm-se chales de merino com boni-
tas barras, pelo baratissimo preco de 2#00Q
e 2^500 rs., na loja do Pavao ra da Impe-
ratriz n. JO, de Flix Pereira da Silva.
Attenco.
Vende- c no caes de (l-qiibarbe pedra mulati-
nha da primeira qnalidade. pelo preco de 14200 o
palmo corrido, sendo hombreiras, soleira e sepas
con) o mais que se segu.
A FLOR DO PIMO
I
-
fi
i
Acabam d chegar os .ci-
garros especiaes e fumo
picado em pacotes, manu-
facturados n Para pelos
presos da fabrica ; nico
deposito era Pernambuco,
piara da Independencia n.
39, loja de calcdo de A.
A. dos Santos Porto.
A FLOR 1IO IIMI
9
e
e
a
g
il
e
RIMAULT E C{ PHARMAdEUTICOS EM PARS
Este
achar-sa
bem
uto goia em Paris e no arando inteiro de ama fama justamente merecida, por
inte combinado nelle o iodo eom o sueco das plantas antiscorbuticas, coja efflcacia
e as quaes j naturalmente existe o iodo. E' com este motivo qne elle suppre
eom vantagem o Oleo de Bgados de Bacalhio, qne deve, secundo os bomens scientifleo, t sna
eficacia i presenca do iodo. E' preciosa no traUmento daserlancas para eombater o lymphatismo,
as obstrueedes das glndulas do peieoeo, e as diverias erupcoes do rosto, Uto freqnentes as
enancas de pouca idade. Torneo e depurativo ao mesino tempo, elle exciu o apaete, facilita a
digesto, a restue aos tecidos a sua firmeza e vigor n.Muraes. E* cada dia receiudo pelos medios
especialisus para eombater as diversas affecefics da pe le.
Deposito em Pernambuco, em (asa de ataara* o*.
Illuminaco.
RA DO CRESPO N. 16.
Duarte Pereira A C, tendo recebido pelo
ultimo vapor grande e variado sortimento
de baloes de papel de diversas qualidade,
e do mais moderno gosto, proprios para
Iluminaran tanto da cidade como do
campo, assim o fazem constar a seus nume-
rozos freguezes e ao respeitavel publico,
afim de que com tempo se previnam, vislo
como atiento aos ltimos successos da guer-
ra se espera a cada momento a fausta no-
ticia de sua concluso. A illuminaco em
baloes de papel alm do ser linda menos
dispendiosa possivel, oannunciantes ven-
dem-os por precos mu razoaveis, >
Vende-sc urna preta de meia idade, cozinhei-
r.'i e lavadeira, por pouco dinheiro : ua ra dt
Imperatriz n. 55, tinturara francera.
concurrentes e ao mesmo tempo dar sahida<
ao grande deposito que tem: isto i
Crespo nu. 2,. loja do. Gallo Vigilante.
Gollinlao.^ punhotj. e camisinjias para sa^
nhora, Cttcendas de gosto e nowidade:
Finos, vestuarios- para baptisados, assim
como tauquinbas, sapatinho e nieasiulias
para o. mesmo fina.
Grande sortimento de biso& e rendas- de
crocli e de outras muitas qualidades.
Superiores caixas com rausieas e som el-
las, tendo o. necessario para costura, pro-
prias para um delicado taimo.
Finas caixas com tontos e sem ttes para
vottarete.
Agulhas para machinas, de costara.
Ditas para croch, sendo de ac, marfua
o outras muitas qualidades, assim como li-
onas para o mesmo. mtster.
Finas grinaldas para noivas,
Meias de borracha para quem sofire de
erysipella, assim como meias de la para
os que soffrem de rheiunatismo.
Suspensorios para homem e meninos.
Finos pentes de tartaruga para coques ]d
de outras muitas qualidades e para outros
misteres.
Dedaes de madreperola, marfim, osso,
ac, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome para fingir
cabellos, dando aos mesmos a sua cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas perfumaras
dos melhores fabricantes, assim* como mui-
tos outros objeclos que impossivel des-
crever: isto s na ra do Crespo n. 7, loja
do Galio Vigilante.
Collares Royer elctricos magnticos con-
tra as convulsoes das criancas e para facili-
tar a dentinc-o das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
collares e contina a ter sempre grantle de-
posito, ra do Crespo n. 7.
landdrfl, valeado assim entre 10 arfabas 20 O/'*
mais do qne a laa limpa h>I inachm de serrote.
Estas machinas nao sao aovas, poi* qn? lia muift
estao adoptadas no Egypto, aonde- as de serrle
foram inteiramente abriidonadas, o-por isso o algji-.
dao daquelia prof.eden*ia, sendo i qualidade'do
d4 nossa provincia, obten boje e 10 arrobaba
0/0 mais do que o nosso : vendwn-se a i'A-,dMO
nos armazens de Tasso Irmaos.
Ra da Cruz n. 68
ha para Tender
MEDIDAS e pesos do systema decimal, de todas
as qualidades, para lojas, trapiches e tabernas.
FUNDICAO DO BOWNliVN
lina d Rrnm n. 5V.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoau
, Moendas do caima.
Taixos 4e fierro, baliilo fundida .
Rodas dentadas, pata moer com agoa,
vapor e animaes.
E outros muitas objectos, etc. etc., pro-
prios para agricultura.
e a
Tintura japoneza
Instantnea para tingir t cabellos
barba, a l#000o frasco.
E' a nica approvada e recommendada
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. ra da Cadeian. 51.-
Em casa de Theod. Christianson, ra do Com-
mercio n. 16, encontram-se effectivamente todas
as qualidades de vinho Bordeaux Rourgogne e do
Rheno.
Para armazens a retallio.
Meias elsticas de borracha.
As melhores e excellentes meias elsti-
cas de borracha contra varizes e erysipellas.
Vende-se na
Pharmacia drogara de
Bartholomeu A C.
34ra larga do Rosario34
O Campos da na do Imperador n. 28, tem para
vender grande quantidade de medidas de estanto
para liquides, e do madeira para seceos, pelo sys
tema mtrico decimal, pelo qual esto os negocian-
tes a retalho obrigados a vender suas mercadorias.
a contar do de marco do corrente anno. O an-
nunciante avisa e (arante aos que de taes medida?
necessitam, que sao estas as mais exactas, por D \ \ receben n sortimenl sV
quanto sao feitas em Paris, de confonnidade cpm
o systema cima dito, e segundo o padrao adoptado
pelo governa imperial ; nao aconlccendo, porm,
o mesmo com outras que ahi se vendem, que sen
do da mesma capacidade, drversifteam de modello,
viudo ofTerecer du vidas no s aos compradores
como aos vendedores.
panno
Recetan> a Nova, Esperanca*.' rea do
Queimado n. 2J, hite de rosa*,, especial
para exnguir sarrias e pannos..
BONBA DE CERA\.
A \a Esperanza a ra do Queimado ti.
21, acab> de raoeber um completo sorti-
mento. de finas lanceas de cara da diver-
sos lmannos, sando as maiores do com-'
prinanlo d'una oovatlo ; estas- bonwcas tra-
zera bonitos engates e botinas, fianettdo en-
tre ellas algumas que fallam-e outras qut-
cliMum de socte que fcilmente- podem ser
pireparadass e-razer-.se unpresente demuita.
aecefbcSOv
Finas caicas de tartaruga papa rap ven-
dem-se a na do Queiuudo n. 21 na lojo
da Nova Esperanca.
Modernos brincos ife sndalo, s se .sn-
contrarao na Nova Esperanza a ra' di
Queimado n. 21.
MEIAS BE UA
A Nova Esperana-a roa do Queimado n.
21, acaba de receber un especial sostimen-
to de meias de \3n paja homem e senhora.
CONTRA AS CNGESTE&
mal terrivel a congestao fulminante:
de repente leva um individo, dvsta para
milhor vida, se dar-lhc lempo de recbet
conversa medica; deixando as mais dais
vosea mullier e lilhos no mais araargurado
pranto; a Nova Esperanca que desejl pies-
ttr servicos recorreu a Vojer, o qua! ^ie
mandou aunis elctricos magnticos, come
Vende-se por preco razoavel 1 sof, 1 par de
consolos, 6 cdeiras e 1 cabkle, tudo com uso : no
do pateo Terco n. 29, loja.
Yene-se
Duas pas de marmore mito finas, com Gordos
em relevo, que pdem servir para igreja, on para
casas particulares, vende-se por preco mnito cotn-
modo: ra Nova, escriptorio de Quintelro &
Agr, n. 63.
GAi; GAZ GAZ
Chegou ao antigtt deposito de Henrv Forster &
C, ra do Imperador, um rarregamento de gax
de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
e a retalho por menos preco do que em ontra qual-
quer parte.
o nico preservativo para semelhantoual
el les antes que se acabem : na Nova fone-
ranca"
NAVAUIAS
A Nova Esperanza a ra do Queimado
navalhas.
de qualidades, e tamaitos especiaes assim
como aiadores e massas para as mesmas.
LNHA PARA CERGIR MEIAS
EsU tnuito necessaria i ulia vende-se a
ra do Queimado n. 21 na Nova Esperarle3-
BORDADOS BONITOS, BONS E BARATOS
Esparlilhos s na Nova Esperanea a ra
do Queimado n. 21.
E. R. llabello tem para vender era sen es-
criptorio ra do Commercio n. 4i, 2o andar, vel-
las de cera, vinho Shciry muito superior em cai-
xas de 1 duzia de garrafas, e cacliknbos de diver-
sas qualidades.
Natrua de Hortas easaji. 1, coiiipra-se j
ou ontro qualquer papel qlecsteja limpo, a4 a
an'oba.
Vende-se una aruiacao
dracada. ptreprfa para ajualqnc,
a tratar na ra Diieita n.
envernisada e envi-
ptabelecimento:
erna.
Vende-se una arnucao de taberna com si-
gnos gneros, propria para principiante : a tratar
na ra Imperial n. 37.
Cemento de Portland.
Vende-se no armazem de Vicente Ferreira da
Costa & Filho, na ra da Madre de Dos n. 22, em
barris graade?.

1 -
i



h

11

i
*
f

:
!i

?
GRANDE LIQUIDACAO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO ^.
DE
Flix Pereira da Silva, sucoessor de Gama
& Silva
O proprtctario (Teste estabeteci ment convida ao respeitavel publico desta ca-
pital t vir surtir-se no grande estabelecimento que tem de fazendas, tanto da moda como
de W, e as pessoas que negociam em pequea escalla, tanto da praca como do matto-
nesta casa podero fazer os seus sortimentos em pequeas e grandes porcoes, venden-
do-se-lhes pelos precos que se compram as casas inglezas ; assim como as excellentis,
simas familias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se este estabelecimen-
to aberto constantemente desde s 6 horas da inanha s 9 da noute.
PECHINCHAS
Novamente chegadas ao armazem
DO
le4o
DE
O atoalhado do Pav5o.
Vende-se superior atoalhado de algodSo
com 8 palmos de largara, adamascado a
/JOO a vara; dito de linho fazenda muito
superior a 3 #200 a vara ; guardanapos de
linho adamascados a 41500 a duzia e muito
finos a 8^000, o ditos econmicos a 3#>00
a dua.
Crwhfi para eadclras na laja do
Pavo
Chegaram os mais lindos panos ch ou guarda barftras, proprios para ca-
denas tanto d'encosto, como de bataneo e
de tguarnico, e outros comprides para so-:
lasinhas
A dore vintens.
A doze vintens.
A doze vinffins.
Vendom-se ISasinhas de cores muito bo-
nitas oom desenhos miudinhos e grandinhos
com listinlias e pintas pelo barato preco de
240rtis o covado na loja do Pavo, ra tfci
Imperatriz n. 00, de Feliz Pereira da Silva.
AS CAMBRAUS DO PAVO
Vendem-se nissimas pecas de camkraias
feas transpatentes tanto ngleaas comostris-
ss tndo uiais de vara de largara, pelos
precos de 51OO0 at '1 05000 a peca, assim
tt, assim como ditos redondos para mezasicomo Ifofesimos-argandys braneo liso que
redondas, ditos pegenos para mofadas, el 4serve para vestidos de hades, por ser muito
PAREDES PORTO.
Tcndo-nos chegado ltimamente fazendas inteiramente novas, convida-
mos por este meio ao respeitavel publico a que nos procure comprar fazendas de
bom gosto e por precos que nao achara em utra qualquer parte.
Adniirem!
83 rs.,
ditos para cobrip -presentes, tenlo pequeos
at para cobrir m prato, que se venden
por preco muito em conta, na loja e arma-
zem do Pava ra da Imperaftriz n. 60, de
Flix Pereira da-Silva.
'Fuses pava vestido* forneos
a40.
Vendem-se oeonais moderaos fustoes bran-
cos flexiveis -cem padrees de listas e
salpicos proprios para vestides e roupas
menino a 64Q;rs. o covado,>na loja e arma-
em do Pavio raa da Imperatrizn. ttC, de
Flix Pereira da Silva.
Orosdena|Aes
Chegou paca a loja do Psvlo pelo dlimo
varjwr uin grande sortimertlo dos memores
grosdenapies pretos e de cores, tendoverde
tambem, qrn; -se vendem taais barato que
em outra qualquer parte.
Pechlvcha >CM algodosimio a 5r>500
A FEOA NA LOJA 09 PAVO.
Vende-se superiores peces de algedosi-
nho com 2 jardas a 5:5500 a peca, gran-
de pechinclia, na ra da Imperatriz n. 60 i
armazem detfelixPereira'da Silva.
KGHNCHA A 3:500.
Cortes de na 3:500.
Cortes d la a 3.500.,
Cortes de 13a a-3500.
Laazinhas-a^O ris.
Laainhas a 28 reis.
Lazinhas a 280 rete.
S o Pavio.
-6 o Pavo.
S o Pava.
Vendem-se bonitos cortee de lazinhas
para vestidos com padroes modernos tendo
ada um earte \t& covados pelo barato pre-
o de 3:500 re, assim como ditas em pegas
pie se vendem a 280 rs. o ovatrfl, sendo
..nande pediincha.na loja e amiazem-do Pa-
transparente a 1(91000, a vara, na loja do
Pavo ra-da Bmperatriz n, 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
FUSTAOBRANCO PARA VESTJBQS A 640
Na toja do .fcavo vendem-se os mais mo-
dernos fustoes brancos de lista -e cordao-
muito encorpado mas muito flexivel, pro-
prios f ara veslidos.roupSes, penteadores etc.
"T etc., e roupa;para meninos, pelo ibaratopre-
' ?o de '640 ris o covaflo, na loja e armaaem
- de Flix Pereira da Slka.
SEDAS GOM LISTINHAS A^iJOOo O
COVAOO
^endem-se as mais modernas sedas -de
listihas para vestidos, chegadas pelo ultimo
vapor com as cores mais modernas que'tem
viudo a este mercado, pelo barato preoode
3j? rs. o cocido na noa da Imperatrt n.
08 de Flix Pereira da Silva.
11 paca*Jarradas
Ohegaram pelo ultimo vapor as mais-mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
eeres, que se vendem a l;5000, o covado,
(iias lisas tendo tambem cor de canna a
880 rs, ditas mescladas multo finas a 1:200,
o covado, e outras muitas fazendas de gosto
e moda que se vendem mais barato do
qae em oulra rpialquer parte, o armazem
do Pavlio, ma da Imperatriz n. 60. de'Felix
Pereira da-Silva.
RGANDYS DE COR
Vendem-se rganos de cotes com pa-
dres miudmhos em assentos brancos e c^res pelo Ibaratissimo preco de 360 fs, o
covado, finsimas cassasfrancezascom deli-
cadas coros e bonitos desenhos a 320 rs. o
covado e ditas a 300 rs, na ra da Impera-
trk n. 60, armazem de Flix 'Pereira da
Silva.
Ronpas para hontem
xVendem-se uperiores palitts-de panno
sbrecasacos'ferrados de alpaca e MadapolSes finos a o,?, 6l, 75 e
s no armazem do Leo.
Chitas escuras de padrees lindos por pre-
Co de 320 e 360 re. o covado.
Cassas de cores com palminhas com
listas de diversos padrSes a 240 e 320 rs.
Lazinhas cinwntas e cor de bciiina a
320 o covado.
Chitas claras miudinhas a 320 e 360.
Alpacas pretas e de cores lindas propinas
para vestidos a GSO, 700 e 800 rs.
Pecas de cambraia transparentes a 4J,
H e Cortes decasemirasdeqaadrinlios efe-
tas a 2*800 e 3*3.
Corpmhos brancos para seohora a3j
31200.
Pechiiinha!
Cortes -de cassineta de cores para calcas e
paletots a 1<$500.
Cassinetade'Oeescom um peqe to-
que de mofo a *O0 rs. o covado.
Espartilhos faOO.
*> A Cravatas de oda a 500 rs.
Golinhas bordadas a 500 rs.
Lnzinhas a 200 rs.lt .
Lazinhas a 200 rs.! I
Lazinhas a 200 rs. t!
No armazem do Leo, a roa da Imperatriz ns. 48 e
e padaria franceza.
Lencos bordados a 60, 65300 o 125300.
Ricos e bem escollados gostos de bis-
marks para calcas e paletots a 25300 o
corte.
Tambem tem para acabar pecas de pan-
no de nho, com 27 varas, a 17(5- e 185-
Toalhas de linho para rosto a 105 a du-
zia.
Aos Srs. armadores de aterros.
Vendem-se pecas de hollaoda preta com
W covados a *5 : na ra da Impcratr n.
48 e 52, junto a padaria francez*, loja Leo.
Attencao a roupas feitas 11 ao arraaz do Leo, roa 4a Imperatriz ns, 48 e 5,
Assim como temos um grande, completo
e variado sormento de roigas feitas: pa-
letots saceos, sbrecasacos, fraques, jaqte-
tes, calcas, cohetes, camisas, cewwlas,
chapeos -etc., tudo por precos que admira!
Tem tambem um soTtimento de roupas
ordinarias por preco bardssimo.
Acaba -de chegar tambem um completo
soitimento aarf, amanello e cor de caf etc., que se
Aieade por preco comawdo.
Admira!!
lo amazem do Le3o I!
No armazem do Leio! I!
Jto armazem do Le3o!!
io armazem do Leo 111
52, junto a loja de ouirives
Ocordeiro previdente
*Ruat do (colmado n. 10.
Novo evaiiado soitimento de iici-fumaras
linas, e oulros olijeclos.
Alm do completo sorlimento de perfu-
mai'ias, deque ell'edivamriite est prvida a
loja do Coideiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que se torna
notavel pela variedade deobiectos, snperiori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
cos; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciaran
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afns-
tando elle de sua bem conliocida mansido
e barateza. Em dita loja cncoutraro os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangciraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservai;o do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do lino e agradavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo philocomc verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolhidos cheiros, em frascos de dif-
ferentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores c menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
ructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, muito propinas para pre-
I sentcs.
Ditas de papeao igualmente bonitas, tam-
bem .de perlomaris linas.
Ronitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Para familias
Grande Razar, rita Aova us. SO c
29, de t'aritcii'O \ launa A C.
Acaba de cliegar a este estabelecim i!o
gramlcporcaode machinas para costinas do
autor Wlieeer Wilson, appiovadas na ulti-
ma exposicSo de Paris, as quaes cozem cora
dous pospontos toda a costura, e tem a
vanta-em de srr lo BMM o arenlo,,
que qualquer enani'a lo nilo annos facil-
iiicnte trahallia, e jHJde, com este eutrele-
nimento, levar vantagem ao servico diario,
de tiinta costureiras. A innipn lieii>ai -
simples, pois em um <|uai to de hora se li-
H senhor do movimento da machina, len-
do a mesma a propiiedade de fazer as se-
Kiiintes costuras: posponUir, abainliar,
franzir. marcar e bordar, como apresentam
os desenhos que acoinpanham-nas. Os pro
prietarios do estabelecimento se encaire-
gm de mandar ensinar n"esta cidade e
garan^em entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao trabalhar cora
peileirao a machina vendida, nao tenA
porm, soffrido ella alguma avaria. Ha t;nn-
bem no mesmo estabelecimento machinas
do autor Grower A Baker, de trabaiho siin-
j)lesmente a mo, e outras com movimenio
dos ps; e mxime todos os pertences das
mesinas machinas, para vender avulso.
vo ra da Imperatriz u. 60, de Flix Pe- cairesas inglezas e francezas com .s jeitos
reir da Silva.
MBADINHOS
Vendem-se finissimos babadinhos, tiras
i)ordadas e entremeios, mais baratos to que
de esguio, ceroulas francezas de linho e al-
godSo, meias craias inglezas superiei'es, ca-
misas de flanella e de meia de la, assim
como neste estabdecimentoexiste um grande
^m outra quakfuerparte, assim-como espar- sortHaento de pawios pretos, e de casemiras
iIhos dos mais modernos, no armazem de l ngletas de cores, e que se manda fazer
Flix Pereira da Silva, ra ida Imperetriz j quaiqeer obra a contento dos Srs. fregue-
,-'*^'- zes, e promette-se-lhes que sero servidos
ALTA JK)VIDADE
A LOIA DQ PAVAO
GurgurSo -de seda
Chogaram pelo ultimo vapor os mais Eo-
litos gurgures deeda, proprios para ves-
udos, *indo lisos elavrodinhos, com mude
ustro, garantindo-se que a fazenda mais
inda e de mais phantasia que esteanno tem
zes, e
com a tmaior promptido e muito mais ha-
rato do que era outra qualquer parte
na ra da Impcratrie n. 6Q,de Flix Perei-
ra da Silera.
Cortimados
Para camas e janella*.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores e mejores cortinados bordados pro-
-hegado ,-a este "mercado, e vende-se por | P1",108 Pa"se Parf m&lhf: ^J*-
ifieco muito razoavel, na ra da Imperal'iz re>
a, 60, de felix Pereira da Silva.
OROSOTNATOLES PRETO A QATRO
-PATACAS S(') O PAVO.
Vende-se grosdenapoles 'jreto de boa
qualidade peto barato preco de lr>280 o co-
vado, na toja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz B. 60 de Feliz Pereira da
Silva.
CAMBRAIA BRANCA A 3&O0.
Vende-se pecas de cambraia branca
iransparente, com 8 e meia varas pelo ba-
rato preco de 3S00, ditas muto finas tanto
lanadas comotransparentes 4^500, 3*300,
0*800, 1/mo e 84000, assim como organ-
d muito fino tanto fizo, como de listas e
quadros na loja e armazem do Pavao a
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
ALPACAS LAVRADAS |PAR\ LUCTO.
Vende-se na loja do Pavo, as mais mo-
dernas alpacas lavradas para I neto, sendo
muitolargasepelo barato preco do 800 rs. o
ovado, s na loja e armazem do PaVo, ra
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
toto na ra da Imperatriz n. 60, do Flix
Pereira da Ska.
Chitas
Vendem-se amelhores chitas escaras para
casa sendo de cres fixas, pelos baratos
m-ocos de 320 e 360 rs. o covado, ditas
muito finas francezas sendo claras, com pa-
droe* de cassa a 360 e 400 rs, peehiadia,
na ra da Imperatriz n. 60, armazem de F-
lix Pereira da Silva.
Crosdenaples preio
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de 2,J000 rs. o
covado at 4IO0O rs. garantindo-se que
n'este genero nnguem tem melhor fazenda c
que se vende mate barato do que em outra
qualquer parte, na ra da Imperatriz n. 60,
de Flix Pereira da Silva.
Poli de ekvre a 14000o eovado
Vende-se poil de Chvre muito largo com
as melhores e mais modernas cores pelo
barato preco de 1*5000 o covado, na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60
de Flix Pereira da Silva.
LIMA, LESSA & C.
14-RUA NOVA Mi
Os proprietarios d'este estabelecimento acabam de montar urna das mais com-
pletos effieinas de alhuate, encarregando a direccao-da mesma i um dos mais habis
artistas:; e para melhor satisfazer aos seus freguezes tm um variado sortimento de ca-
simira de toda a qualidade, pannos finos, brins, merinos e varios objectos proprios para
homem, assim coevo um completo sortimento de faaendas finas de toda a qualidade,
Garntele a anemor qualidade da fazenda e o preco miisrasoavelpossivel.
FAZENDAS PRETAS"
PARA A QUARESMA
&
de ehegor os sabonetes de
ale4itrao
Para curar as molestias da pelle, taes a -
mo impingens, dartrw, sarnas, comii'h'ns-
e mais molestias de pelle sem occasionuf
accidentes; desfaz as manchas do corpo,
pannos e sardas, restahelece a cor natu;!
quanto cutis, srea, grossa. amarellenla,
occasionado por alguma i^ennidade, e 1 -
mo desinfetaute e preservativo das molestias
contagiosas.
Deposito, holica do Pinto, junio ao qoaitd do
polica, 11.10.
Farinha de Mandioca.
No trapiche da companhia, largo o
Corpo Santo, ha larinha de mandioca do
Porto Alegre, ensaceada e de qualidade nmilo
especial. A bordo do bi igue Normo 1
Espeoiat p de arroz sem composicodc para vender farinha de mandioca de Santa;
c.
espe-
vista
TBSSES cmiiHOS PASTILHAS PEITORAES IRRITACOES DI PEITO
[de SUCGO DE ALFAGE]
E LOURO GEREJO
p I*1 p 1 V ette a mais novo e llmenla a popularidad touu, dfluxcs, catar and empenho 0 proco r imeire qne lado inol Depoailo em Ptrntmh deiicioao confeilo at agora conliecido. P b de que gasa. Os mdicos os mais dislin rhot, totm convulsas, catmrrKos tfidtmicoi lo as mies da familia, assim para ellas co tensivo, e as svas propriedades adocantes n ico,* em casa de Ww O*. or islo tem adouirido relos 0 sconselhlo contra irriactes do p*ito. Com 110 para aa criancas, pois iodeixio nada a desejar.
Una 4o liicimado n.H
lleedberam directamente da Europa as mais superiores fazendas predas
ciaes para a quaresma, as quaes staa veodendo pelos mais mdicos procos em
(Unauperior qalidade de ditas*fazendas.
.11/rA \VIDA K
Basqiines pretas de renda, verdadeira novidade, para senhora,
r,orgui*o preto de seda liso e com listas assetinadas para vertidos.
Crosdenaples pa'eto largo estreito de diversas qualidades havendo neste ge-
nero e que ha de Hielhor.
Basquines de croch pretos, ilHos de seda preta com cintos delicadamente en-
feitados, elegantes peplums de seda jirela, fiebos pretos de renda, moderna* caponas
pretas de renda e superioras vestidos de gorgurao preto bsrdados.
Moirantitpje preto e branco, boaibasina, superiores princezas pretas, merinos
de verSo e trancados Os mais lindos vestidos de blond eom mantas, capella para noivas, superiwes
fronlias de ambraia de linho e de esguiao bordadas, e lindas colxa de seda e de 15a
para camas.
Sabidas de halle brancas, azues e cor de cinza de gosto especial e ves-
tidos de cambraia branca ricamente bordados.
Popelines de seda para vestidos lisos e com listas das mais lindas cores
e mais bellos padrees, e grande e variado sortimento de sedas tanto em cortes como
em peca.
C*r molas novo gosto, baloes reguladores brancos e de cor, espart.illios e bellas colxas
de croch.
Carnizas de lluho Inglezas para homem, chapeos de sol de seda,
grvalas modernas, pannos linos e casimiras d cor e pretas, e outras muitas fazendas
que vendem por muito commodos precos.
A loja n. II da ra do Queiniado tem sempre o melhor sortimento de tapetes,
alcatifas e
Esleirs da India para fotrar salas.
cheiro, por isso o mais proprio para crian-
cas.
Opiatagle^a e franceza para denles.
Pos e camphora e outras diflrentes
qualidades tambero para denles.
Tnico oriental deKemp.
Jada mais coques.
. Um ottlro sortknentos de coques de no-
vos c bonitos moldes com filis de vidrilhos.
e alguas d'elles ornados de flores e fitas,
est todos expostos apreciaco de quem
os pretenda comprar.
GOUINHAS E roNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Filenas e Otas para ciatos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa cseolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
O" que -de melhor se pode encontrarnes st*
genero, sobresahindo os delicados ramos
onalhados para coques.
Para tiajem.
Bolsas de ia|vete e.carteiras de couro, por
precos comuiods.
iqienas de paiha da Italia mui bem
enfeitdas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim mui tos outros objectos que se-
ip presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a ra do Queimadi 1
n. Id.
EWEITES DE PALHA PABA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente ra do Queima-
do a. 1(5 acaba de receber um bello sorti-
Qlharina, fresca e de boa qualidade
se vende a preco commodo ; a tratar no -
criptorio de Amorim IrmSo. ra da Cr /.
n. :t.______________________________
Manuel Alves Ferreira & C, na ni; 1
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
superior potassa da Kussia em barris e me( s
bai ris e cal de Lisboa da mais nova que I a
no mercado;.
Fugio a 15 do remata mez de Janan 1
i'-i-ravii ae Borne Fa&ppe, cabra com : ud
dado, um pnuco alto, sut)r;mcclli;is pretas 1 ?ir-
radas, os rabellog ao'Hicula^. quando anda 1 -
za dnio e rom pasaos Jaira, lem una marr;
eastict.do lado finita suiro o Rgado, levi 11
a debrim da(iMdrinhea preto?, raniisa de nr.-
aapolio, cliap) jireto de las redondo, c&tc psvi.-
roeoBlumavaa abar na roa conduzim
ros de nina venda da ma Direita para a -.. 1
das cinco Pontos, utorl do lagar Caahotinl ,
da comaira de & Rento desla piiviic.
miuprado ao Sr. J. Alvos, de Helio, iu< radoi- 1 1
uicSdio lugar, prcsiBie-se pe o mem ntrs 1
continua a panha na ra, inunido
biso proemando senhor; pwle-fo sos fr.. ca| -
lies inra do dito i'.-cravo e Icva-lu au sen tenbor
Pereira de Miranda Cunba, morador em San
Amaro, tobrado rramle do 8r. afanoel Cost 1
11. ti, que se gratilicar gwiorosamentp.
(i abaixo assgnndo rccomiHeoda a rapiuia
do M-ii eseram de. nonie Joaqnini, mulato, m
ilo sea sitio do Mm'eico, comprado aos nms A -
nos os Srs. loio Goncalves da Silva, Ylfenle 1. -
valcanti de Alliuqiierque e Alexaiulre Gmesela
Silva, nest.i eidade, por UHennedio de mus pro
curadoies napaesoa do Sr. Manuel rranciscoli
valcanti, todos
ment de trwu <1p n nsn cnaii,^ ,1, I l"';:"u: ",U0:! tle > ,l'^|l-l>' PW baerveutt I
mciHoae naneas ue paiiupaia eneite de Sr.Santos (corrector de esfravos'
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo to est sendo vendido com a sua bem
conhecda commodidade de presos.
ALEM D'AQUELLES.
Receben oulros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de gallees de la, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade de gostos os tornam recommenda-
dos e apreciados ; compareco pois os pie-
tendentes que 8er3o servidos a contento.
TAO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUYAS DE PELLIC4.
De todas as cores tanto para homeiv
como para senhoras, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
ra do Queimado n. 16.
NOVIDADE
' '. -..- ', -.:.*.
', :,:', '.. /} '..:". '>,
ytttttttttti
mu
misil!
CIGARROS INDIANOS
1D0CANWABI8 INDlCAll

IIFIflCiCl
IIOIDIlll

Todos o* meios at hoje preconisados conira a asuma nio tem sido mais da dabaixo de todas as formas, tendo por base a belladona, o estramonio ou opio Recentes u>e-
rieaeiaa feitas em Allemanha, repetidas em Franca e na Inglaterra, tem provado oe o eaaiM
iadia de Bengala possue aa mais oataveis propriedsdes para combater easa lenuve! aflecelo
assim como a toase nervosa, a iasomnia, a tvsica larjmgea, a ronqnidaa, axtiaedv daroi
e as aevralgiaa faciaes. E' pois con o spoio da seieacia quaofferecemos estea acarras, mui It
dos com o extracto de cnamo das Indias, que nos importamos da Bombaim.
_______________Pepoaita em Ponumtbutv, em casa de Mwm r.
AfISO.
80FFRIMENT03DE8TOMAGO. CONSTIPACAO-
Cura em poucos dias pela CAflvAo M SCLLOC em p6 ou em pastillas.
ENXAQUECA8; NEVRALGIA8. Easuafleccfcssiodia-
lp*d rapidamante peas krolas 0-ETMCH t aittiM.
ANEMIA, A PALLIDE2 e o soffrimntMque necstamda
tmprego dos ierruginofos So iempre combatidos com o melhor resultada
pelas piluuu oc VAUXT. Cada Piluls tem incraTsdo noos T11UT.
PO DE ROG. Basta t&solwr um frasco d'este po em maia
amia d'agua para sa fctr urna limonada agrdate] que purga asm b
ser clicas.
VIMHO DE QUINIUM $ Lmp*. ~ s*. Ttahdi m
poucm cuja composico e garantida consunta, i urna das meUwrss pra>
parsoSes de quiin, sem accio aatavei sobra as connlescentai, dano-
lbes forcas e apressande i tolta s moda. Cara as febre antigs ana ra-
sistlo ae sulfato de quinino.
MOLESTIAS OA BEXIOA. i malar parta d*aaUs malea,
tiat, cama u sciaticas, lombagos, catarras, a tedas aa dtree nerrosaa em
geni ilo coradas pelas PcnoLAS oc cstcajeta oc therucntina da
Dr. Qertan. 0 profeasor Tronsmau em san IVaM* U ttarajKMit* acn,
seiba ss para serem tomadas ns aecasiao de Jantar, na dose da 4 i 11.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH-
6arantUk puro a da primeira ,alidada, ma dos psucos apraradM pda
Academia de medicina.
Todos estes medicawxmUt ftrmm aprotmdu pela Atndrmi*
imperial ie mediana i Paris.
DEPOSITO
rli, U VRIU, It, ra Jaaak
Bataaaasas]
TaasaaM.
A loja de Coelho Oliven-a ra do
Queimado n. 19, recebeu pelo ultimo vapor
um bello sortimento de baloes de diversos
systemas, os mais aperfeicoados k'que teem
vindo ao mercado, sendo :
Baloes de guipur com tiras chamados
reguladores, ditos de musselina abertos por
ambos os lados, de modo que sendo todos
de um tamanho servem para qualquer se-
uhora, de laa de cores, com tiras, e as se-
geintes fazendas:
Saias de 13a com bonitas ban-as.
Chales turcos do seda e la Beatriz de
Tundas.
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
I.iaslnhas
Sultanes, Poil deChevre, Tricte, dito de
xadrez e outras muitas, entre ellas urna
Especialidade
L5a pura de cores a 360 ti. o covado.
Basquinas a Maria Antuniete.
Cambraias fantazia.
Ditas brancas transparentes e Victorias
Colxas adamascadas.
Cobertas cliinezas a 2)5500 rs. e outras
muitas fazendas que tornar-se-hia enfadonho
annunciar.
Bareges a 400 rs7~
S ma loja do Parte
Se vendem as mais bonitas baregts transparen-
te?, proprias para vestidos com listrmbas a imita-
cao de listras de seda, e vendem-i pelo barato
preco de um cruzado cada um covado, nicamen-
te na loja e armazem do Pavao, ra da Impera-
tris n. O, de Fel Pereira da Silva.
. ctijo esfl
lainbem nalnr! de Paod'Allio e tem os distiii ^
s.'uninii's: idade 31 anuos, secco do corpo (
i".....oaito, bigode. eabollo ara pouco earaptohai n
h penloado, folla m desatas, ama inflammaro en-
eruada iajunta da niao esquerda, falla a ser!
jo, muito desfaneada e mansa : levou rami.;- i o
madapolao e riscado de algndao, e calcas de briin
pardo, i) abaixo assignado muito recoinnienda a
captura deste tan deriva todas ag autoridad* 3
e mais pessoas encarregadaj da raptara de esei-a-
vos, nao s pelas diversas cidades, villas e povo; -
dos, como pelo serlao. para onde pode ter seguido ;
promet.- bem gratificar, c tambem a qualquer
pessoa que d'elle der noticia certa : a dirigireir.-
seao sen eseriptorio a ra do Crespo n. b'i, ou r.
sen sitio no Monteiro.
Recife, 27 de Janeiro de 1869.
Antonio Ja.< Rodrigues de Souza.
A dias que se ausentou da casa de seu senbor o
escravo Cleto, rrioulo, natural da eidade da Babia,
ptimo iillicial de sapateiro, e trabalhava na lo a
do Sr. Mximo Jos de Andradc, sita ra ta
Oiuz, salie Ierc escrever.e inlitula-se forro, anua
calcado, tem un olbo mais pequeo do que o ou-
tro, tem a cabera coniprida, testa batida, o pose -
eo com diversas ricatrizes provenientes de esen
las, um tanto bailo e reforcado do corpo : quw 1
o aupreheuder Jeve-o a rasa n. 12 da ra imperial
a seu senbor Aprigio Jos da Silva, ou 110 largo d.)
Paraizo 11. 26, casa do capillo Flix Francisco d Souza Magalhacs, que :er recompensado gen-1
smente. '
100$ de gralificai'o
Fugio uo dia 11 de Janeiro do crreme ann\
do engento Batatura, Iroguezia da Esraila, oe
eravo preto, crioulo, de 24 annos de idade, cha-
mado Marcelino, que foi do Sr. Joao da unha
Pereira, ctijo eseran esteve no deposito geni, u
tem os signaes seguintes : alto, secco do corpe,
rosio-niiiito marcado do bexigas, falla de deali
na frente, cor preta, sabio de chapeo do chile, pa-
tatal e calca" de castor, levando nm hahuzinl
{landres com miis, roupa, e stippoe-?e estar mi
i'ieguezia do tato : quem o apprebendcr le
ao dito engenln?, ou ra da Seniafa-nova n. 36,
eseriptorio do Sr. Bernardino Pontuai, que rece-
her a gratift>aro aefero.____
Acba-se fgido desde o dia 29 Uejaneii >
do prsenle auno, o escravo Herculano. criniil.-,
de idade de 40 a 43 annos, eom os -signaes -
guintes : altura regatar, secco do corpo. cor ton
pela, peritas bastante linas, testa cantuda, po
harba, falta de denles c com signaes de chicote n.j
oslas; gratifica-se quem o pegar e lera
qaerque, no engenho Tapugi de cima, da comar-
ca do Cato, ou no Recife, a ra do Apollo n
segundo andar.
Fugto do poder de abaixo assig
eiavaile nonie Luisa, ida tantos ai
crioula, um pouco futa, aliara regular. ,
orno, e denles limados : mga-w as aiiiomi
Itolieiaes que a focam appreheader e -ao* cap
de campo ou a qualquer |as*eo.
gi-atkar generosai
mesmo abaixo asignado ,
que a" leis Iba foctmn contra quem a trmr t-
ente.
Lo da Siiva Gusmao.


8

Diario de Pernambuco Quinta feira 11 de Fevereiro de 1869.
--------------------------.---------------,--------------.--------------.----------------------!------------------------------
UrTERATOEA.
Instituto Areheologico o Geogr-
fico Porninkicano.
SESEO MAGNA EM 27 DE JANEIRO
Dimtrsv do comnmndor Antonio Joaqun
de Millo, socio effeclko.
S-iiitores.A Divina Providencia comm-
MWOC aimla, que o meu nada podesse
anastapet at va ueste lia solemne.
Kis-me aqui pois embebido comvosco as
doces alearas tost anniversario desta
ODinpiaceiLcia graciosa d*alma, desta ener-
ga fecunda, que se repruduz sempre util-
mente peta arte engenhosa de seivir pa-
tria.
A idade, que me desfalca a facilidade, e
abundancia das eluquentes expresses, me
deixa aimla aaatl da sensibilidade, que se
cornmove, e exalta com a vista dos espec-
tculos solemnes das dedicaces grandes, e
axcniurosas em prol do nosso paiz.
Ein rnoio de vos, envolto, e absolvido
pelos fulgores, e jbilos desta festival cele-
bracio anoua, eu sinto vivamente quanto
os prazeres do espirito sao doces*, quando
se nao op|H*em 108 do coracao; e sinto
anula bem quanto a allianca de urna terna
amisade com pessoas de mrito, e de ins-
truoro, nos abre una fonte perene, e pro-
ficua da mais pura satisfarn, e delicias.
Com a vehemencia, e candura, que com-
l*nlsSo o meu coracao, e com o entliusiasmo.
de todo o meo espirito, eu vos abraco es-
tre.lamente, Ilustres consocios : eu me con-
gratulo grandiosa comvosco pela prosperida-
de, que tem sido possivel, da associac.o. cu-
jo anniversario, com tanto esplendor, e lloa-
ras, justamente ueste recinto celebramos.
Salve Instituto Arcbeologico, e Gcogra--
phico Pernambucano; salve. A patria j
deu tua dedicaran e fadigas alguns des-
robriinentos de preciosidades arcbeologicas,
que o descuido dos nossos maiores, e os
apsaas, ministraram insensiveis voracida-
ite do lempo. Se alguus dos trabalbos pre-
cisos j publicados, ou dispostos para oj
seren, oxigem tal vez anda aecurado exa-
ni.'. que o talento o mais transcendente
susceptiva! de illuses, e engaos; mas
lora as Iuzes de todos reunidas descutir
i aperfeicoar as ideas que cadaum, name-
lhor, boa f e singeleza, ollerece ao publi-
co observador e Ilustrado.
Km todo o mbito da provincia resoa a
existencia desta empieza pacifica, e louva-
v.l. a que o Instituto poz hombros. Os
lioinens eruditos, aspirantes do bello, e
gloria da provincia, vendo a frequeneia das
vossas sossos, dirigidas constantemente
pelo anciao respeitabilissimo, que nos pre-
side ; contemplando alguns apreciaveis, e
triis esi'omis voseos; esperanzosos excla-
man!, batendn as palmas: Avante! Cons-
tancia I Todo o feliz successo nasce da
perse veranea-
peridade do Instituto, confund j com e*H medo que O im possivel ober moa ba
assuaipto o do anniversario maravlwso j^lvora wmi Pjcorrec Jaminao. S
sendo a plvora
A \ ilude ergue o premio re lgente
Alm de agudas metas arriscadas ;
Pedo afrontados atados, pede (trigos
Aos que a arranca-lo correm. ()
As aguas do Nilo quando tem chegado
ao seu nriior crescimento sao de tanta do-
cuia, que ananas o leite apode igualar ;.e
tem alm rreto a propriedade de se nao
eoiTo.'iipercm, e conservarem-se to sas
e perfoitas em pequeos vasos, como em
grandes depsitos. Prosiga, e avulte o ma-
nancial dos nossos trabalbos, e deligencias,
porque emlim na redundante accummula.-
caO dalias acharemos a dorura inestimavel
do conliecimento, e verilicacfio de tudo
quanto em nossa provincia se possa com-
prchonder na sciencia da untiuttidade fiyti-
rada: e especialmente de tudo quanto seja
ideal co, e correlativo com as energas va-
lentes, e admiraveis, com o amor da inde-
pendencia O liberdade, porque tanto obra-
vam. e com que tanto se engrandeceram
elern miente os nossosantepassados; gran-
daza simples, e desinteressada, que parece
nio ser j da nossa idade: nem oulrosim
a sii|ierlicialidaile, a lisonja, ou o temor in-
dicio, continuarn a corromper a nossa
bella historia; rio caudal, em que tevede
hanrir os descendentes a fortaleza, e virtu-
des benvolas, de que se nutre, e sacia o
patriotismo.
Mas devendo eu talvez, agora, senbores,
limitar-me celebrarn da abertura, e pros-
da nossa restaurar ao. E como seria pos-
sivel abstrabir boje esta faeanha estopeada?
Vos, que tendes sempre em vista eaitoda
a vicissitude social, em todo o ensejo da
vida civil, a honra e gentilezas da restaara-
c3o da nossa provincia, engastastes o apa-
recimento do Inslituto nos lavores do ouro
sublime do dia memorando 27 de Janeiro.
Sendo porm este dia o aauiversario da
predita restauraeo, em 1631, sera dtivida
assim o praticasles com a primoruda fineza,
com o patritico intento de que se nao pos-
sa ver a preciosidade da abertura do Insti-
tuto sera a concorrencia associada e iufali-
vel da presenca dos fulgores, e valor m-
ximo da outra, em que se ampara e envol-
ve. Na restaoraco, e seus antecedentes,
c conexos prodigios, tambem se baseam
em grande parte, os Iraballios e fins do
Instituto.
O terrivel poder da desgrara (disse Qui-
zot) acorda as almas generosas sentmen-
tos, forras e virtudes, que se Ibes nao co-
nheciam, que a prosperidad; traba suseita-
do, e que brilham, de repente como para
collocar a dignidade do homem no lugar da
magestade do re. Mocidade, flor da vida,
to brilhante .de frescura, e encantos! Es
o retrato moral dos nossos avs, desde
1630 a 1631. Invadido e conquistado
pelo estrangeiro parte do solo natal, o va-
lor que como em repouso acamava em sens
peitos, ao brado augusto, e severo da li-
berdade, e da f, pida, salva os estorvos,
esgrimindo o voraz ferro, pem m lula
sangrenta de mutos anuos com Q esban-
dalhamcnto do estranho jugo alroz, e in-
fame. Exulta victoriosa a uacionalidade
brasilea nesta plaga pernambucaua : pla-
ga elevada, por to insignes feitos d'armas
e bellas aeces, ha farol grande de herosmo
o mais brilhante, que se ost -uta, para todos
os tempos, ao Brasil admirado. Personi-
cando a provincia, ella poderia segura-
ramente aqui deixar, como uin poeta lusi-
tano:
Se de mim com gloria fallo,
-Honro a dadiva dos Numes.
Tempo a inda vira, oh sim, lempo an-
da vira, em que alguma lyra sonorosa leca
em magnifica epopea a coroa de honiena-
gens, que aos nossos honrados maiores
deve a patria ; a pabia agradecida, cuja
independencia e liberdade, elles fazendo os
sacrificios, mais venera veis, o sobrenatu-
raes, de tudo quanto de mais caro e sagra-
do o homem preza, a encheram de urna
gloria inmortal.
boa
liu.
am coaipapio iIn^co,
mas urna simple! rnisJBra ecanje^ rasultl sai-preendiida.
s3o de urna caccao. da quanlidade permiti-
da para majar de urna vez todas as pess jas
rauaidas a oJDfina. A lacima da le deve
que quanto mais activa e completa essa
mistura, melhor o producto. E' neces-
sario adnlir, purteo,^epar 0$etAatrj
esa mistura cmprela, nada ptl smisitC
tuir operaco mecnica.
A plvora sabe da o|ciiJ.a de JfjBlinacJy
em paite no estado dejlo molleJBlkeciao
pelo nome de mill-rnt*. \artc ilSpad^ |e
p. Com esta forma, posto que to ox-
plosiva como qualquer outra, s propria
para serempregada pilo aiHbetep ou c*-
lador. Alera do iiiconveuieiite y seapve-
A qiiantioade de plvora que se deve
submetter operaco subsequente, a da
frwudaciiu, iguatWnte limita la. O |iia-
burnir a l metros desta, depols a outra
a 200 metras de prensa, dahi a urna dupla
ofliciaa do ppesso sitiad* a |00 metros
dessa, a nalmeate a outra otTicini tjoioca-
da na mesma distancia. Algum.as dessas
oicinas fc-ram destruidas quasi ao mesmo
tsnH)'qu( a.oflkia de granulaco; mas
ce da poKora, e faz-se andar a roda com
rapideiduwnte algumas horas, o que lira
ao gra oda a poeira pelos buracos da ta-
lagait.
A'vperacSo do por anloga. Ocylin-
(1ro. substituido por um barril demdei-
ra; aiccao d Uiis cvutif os outros
timo em que se>de operar de 12 cjl^^ftl Qffi vO***** orante TroSu^S^ bo^
(600 kdogrammasi e nao deve Iwver na fli-"*
cia mais do dobro ilesse |ieso ao mesmo
ttMffc. Mwi
o|oBa quanto
entre urna ofliciua de granulacao e as ou-
tra s.
r Coasiste a operacoda grinulico em re-
dozir a graos de varios tainaidios o bolo
tes da explosaV), semoutro damno que al-
gumas (|!H.imadurase contusas prflvenien-r
. lei oeste ponto tambem tes da queda de taboas inflammadas.
) distancia que deve haver As outras cxplosrJes dp gnnularo ofrof-
reram: urna na fabrica "de F^varslam, em
1864, onde, dons operarios peder a vf-
(.) Filinto.
FOLHETIM
CATHARIMA
POU
Jules Sandeau
XIV
A entrevista.
(Continuacao do n. 31)
Por urna tarde, Paquerette, introduzin-
do-se como um furao1 no pateo e subindo
com a ligeiieza de nm gato ao qoarto da
pequea lada, depois de fechar a porta e
certificar-se de que ella se achava s, sal
tou-lhe ao pecoco, e; tirando db peito
urna carta, mostrou-a alegremante a Ca-
t harina.
En m algumas letras de-'Rogerio : res-
piravn ellas verdadeiro amor, mas nio
esperances, deixarido ver que aqueile man-
cebo perder aconiianca que em vace
esforcava por inspirar a sua (|uerda. Ar-
dante e apaixona'da, mas vaga na exprcssSo
e nao iixaudo Dada, aquella carta, em vez
de Ira quillisar Catbariaa, servio para Hic
i xaceibar a ebre que a devorava.
l.ini larde, re.rressando da cidade.Onde
seu to a resolver a ir sob nao sci que"
piitexto, mas com o imico kn de a s-
traliireCatliaiina desviou-se do seu cami-
nbo, (, Aunutte, como se estivesse iniciadla
nos S'igrcdos de su.ulona, lomou por seu
arbitrio um atalhoqiie a conduzio a Bigny.
Era. uoute quando chegou defronte da
grado de ferro do-castella.
biipellida pelo deinOnio da paixo, a-
tliwina, ajieando-se, inti-Bduo-se na ta-
pada, mas possuida de lauto susto, que o
coracao pareja nae poder coater-se no seu
recinto.
Kecwiheeeu aili- olupar aade pela prii
m. ira vez eiRiontrra-'ftagerio. Pinicos toe-
liiiliam decorrido desde aqueile encoT
tro, e, todava, quo mudada estava ella;
do que era eolio i Jiawahse uaa difbrea-
<;a anloga entre aqueMa norte de outubr
e a manha de mio, em que Rogerio Ib
appajecera.
O fabrico da plvora.
(Continuarn. /
A operaco da incorporacao muito mais
perigosa que todas as oittras do fabrico.
E' s as fieiras que se p'odeni esperar
exploses; por toda a parte sao ellas a
excepeo, e felizmente nfto se produzem
seno com raros intervallos. Dahi as
restricejoes impostas quantidade de mis-
tura de laminar a um tempo. Harameiito
os desastres tem consequemias fataes.
Os rolos trabalham por si c nao exigom
constante exigencia. Assim que, os ope-
rarios s de tempos a tempos entrara "as
oflicinas de laminacao, para humedecer
a mistura ou apartal-a da mesa onde lica
amalgamada.. Segue-se que sao poncas as
probabilidad) s de sef azerem victimas d;
urna explosao.
Os edificio*sao construidos o mais le-
vemente possivel: as empeas sao de
tijolo e o telhado e as paredes de taboas
linas, de maneira que quando se da urna
explosao debaixo dos rolos a* forra do
golpe attinge construeco em vez- de
mar comprimida e prejudicar as machinas.
Da laminacao aperfeicoada que ella recebe
depende principalmente a excellencia da
plvora ingleza, e nenhum outro mothodo
de encorporaco tem sido inventado que
de resultados to bons. Gcneralisa-se o
emprego de rolos oufiekas ailhoc. Essas
machinas substituem gra moinhos francezes de plao a as machinas
de tonel. Nos primeiros a conqiosir-i.
pulverisada debaixo de caito numero de
piloes; nos segundos- agitada em barril
com balas de metal. Esses processos nao
sao tao bons n m to expedidos como o
processo inylez, e podse alirmar sem
Mular debaiie do uma >f|in ||comnioda
para o- u*>, a^riaeui -de ama qu.ii tidade
de pi'i fa la e5!piT;rfmeilte su^rppti\el de
buiuidade A primera coqsa .quo s dejw
fazer coiuj.-im il-a em bolos dur>s Ha
prensa hydraulia. Para is*o, collpcada
entre placas de bronze ou de cobre um a
cantada de miia pollegada de esp'ssiira
em solidas caixinhas d(T madira ferradas
de bronze, e sulnettida a uma pressfro de
7 toneladas por p quadrado. O bolo
que resuita cliama-se pnes vikt. A pol-
]VU) sabe da p ai a forma de ardosia.
I iSiHse dous apparelhos di/eren.es : o mais
recente n machina de ir Wflliam Cmi-
pm C.ompoe-se a outra de urna grande
grada de posuspetisa ao tectopor cordas
e agitada por ineio de urna manivella. Por
baixo dessa grade prende-se certO numero
de peneiras emn -fiHk duplo de pergami-
nlip, sedujo os Iwracos da segtuida peneira
menores que os da primen a. lvm cada pe-
.Heira pye-ije, onn fragiuenbs de bolo da
prensa, dou^ diseos Je lignina vitoJ. Posta
anuas portatHs, s recebe eipco stimos
dessa pressao.
De, Sanvia" de j>resa> .que & Jjaz na
massa da plvora depende priucipahiqnte
a rapidez ra explosilo da .plvora com luida:
lWe-se linter qif s dessa presro, que
depende a rapidez, se a massa, antes de
pastar pela prensa contm essa ipiaa'iflaile
uniforme de humidad* e se rompe .esse
grao da mesma grossura e forma. -Kssa
vola de ramo de pHriteiro, destinada s a maeliina em niovimeuto, agita a grade in-
supporlavel rumor, laucando e^n roda de si
nuvens de p de plvora. Os dUcos al;d-
roando-se as peneiras quelirao o bolo m
pequeo^ fragmentos, e os graos passq
atreves do |uimero perga^ninhu e sao reii-
dos no segundo: quanto ao p cabe no
as::jall}o, oyde apanhail i com mpa pa,
ipeuas se conclue a granulacao.
Este method.i tao grosseiro piao peri-
goso, como fcilmente ge pode imaginar.
massa, mrH-cakt muito explosiva pode ser machina ile C ingreve, pelo contrario,
convertitla por uun forte pressoji-m subs-
tancia to durae compu'ta, que urna vez
accesa leve para consumir, um tempo apre-
ciavel.
A
se-
gura esimples ao nvsmo tempo. Consiste
essencialmente em tres o as vefes qnalro
pares de roios debnui/.e den'idos, dispos-
tos consecutivamente em diroccio obliqua,
um [ior ciini dootiTO e h'iido crivos rectan-
gulares dirigidos. Iiniliemem declive, indo
da parte inferior de cada par de rolos ,
parte inferior do par seguate. Por baixo
de ludo ha urna especie de calha1 compri la
em declive; contendo tabiquaes parallclos de
gaze melallica rom malhas de dimetros
dilferentes, com um assoalho inferior para
receber o p.
0 bolo da prensi. levado ao [irimeiro par
de rolos, quebrado por elles em graos
que caheiu na' primeira peue'ua, passo
atravez dellase sao assaz pequeros, e, no
caso contrario, vao ao segundo pa de rolos,
e assim -par-diante. Os gi-os que passo
cahemno juiujoiro tabique metlico da ca-
lha, a quaj, cqaio as peneiras, mantida em
cstaiio de vibracao continua pela acfo da
machina. Ha geralmenteires ardeos de
cada uma
que rece-
bem os graos terminados de grossura diver-
sa, Os graos muito grossos repasso pela
jnachijia, os demasiado ininimos voltio
L'm pi'd.hd de hilo de preusa ardarla-loflicina para serem outra vez trabalhados
tivamente lentainonle, sto o lempo df MuranJe uma bjoqi|mais ou mimos.! Amachi-
combusto' afreciMl o nao se pmdttzex- na prov-se por si mesmo. da maneira que
plosao expimtanea. Mas nao se concilla '
que operigo dos desastres da operaco da
pressao menor por isso .ou que ossa opo-
r.ico.ofl'creivmenor perigo MpMB .oiilros
para a vida-dos operarios. Pslo contrario
K desastres asollicinas deqiresso piiu-
A maior parte das difTjeuklades para
obter resultados unifornies no fabrico, wni
da nperaco da j)'ensa. Tal como se pa-
tica boje, a pressi contina al que um
bolo tenha sdo ebrigado a certa prphn-
didade na caixinba que conlm as carnadas
de plvora enllocadas entre as placas.
Segue-se que a-mesma que m nao tenha
posto na caj.xinlu: uma quantklade \aota-
mente igual, da materia, e que cada vez
que essa materia nao contenha "exacta-
mente igual quanthiade de humidade, o
bolo da pressao. ireri cabe, variar em
densidade edureza. Se nose comprimios m
ao mesmo temp pequniias ipiautidailes
de materias, ou se a materia alo fosse
allectada pela mudanca atgiosplieriea, as
dilliculdades sero insignilicantes. Mas
quando se apertajn deuuiluncequantidades
de ttQa 800 libras le peso e (xmtejido 1;1N11^ metlicos, prendendo
(l/.'variaveis de hiiinidadc ij^pos9ive lia ^ej t,,-cu|0S de niadeira
garantir os resultados conformes enire-
laco rapidez e facilidade do fabrico.
Caminhava com passos reciosos, e, me-
dida que se approximava do castello, ouvia
mais distinctamente os sonsdo piano taom-
panhando a voz de Malvina. Assentou-se
no chao e eom a cabera entre as mitos es-
culou aquellas vozes, que parecalo mofar
da sua tristeza. Depois de breve espa?o,
Catharina nao ouvia mais do que os ge-
midos do vento por entre os ramos das
arvores, quando de repente sentio ai pr-
ximo moverem-se as follws sebeas quo jun-
cavam o chao, e, para nao ser vista, mal
teve tempo .de se occllar atraz de um cy-
preste.'
Dous vultos se adiantara::i a passos len-
tos, e, som embargo da eseurido da noule
Catharina reconheceu n'etles Rogerio e sua
prima.
Era, com effeito, a menina Ramajo.
embucada n'um albornoz de cachemira
clara e indolentemente apoiada sobre 'O
braco do joven viscon'de.
.Qual a raao d'essa teistoza e e-
dtacSo ?dizia ella Quando eu eslava a
cantar, vi que as lagrimas llie corran pe-
las faces. Que tem? Digi-m'o. Que-
reria ter os recursos de espirito qua me
fallam para os empregar em distrahi-le e
animado. Infelizmente, s posso dispor
do coracao. Rogerio, este caraoio ?cslfi
disposto a partilhar das suas maguas e sirtto
com orgulho que-elle uao-( de todo iudig-
-no da sua conlianca I
Os dous vultos foram-se afastanfloe
Catharina nao pode ouvir mais nada, po-
rm o que vira e Uvira bastava para aca-
bar de I he levar o desespero i> a mor te
ao coracao.-
chaJmente quaudoa plvora as na pren-
sa nao silo raros, e-*aoas mais violijulas
exploses a que d lugar o fabrico da pl-
vora. De vinte grandes exploses occor-
ridas na Inglaterra, desde maio de-1888 a
dezembro do-1887, sem contar as peque-
as exploses as oflfcirMs da laminarn,
quatro foram nas.prensas, uma eio c^sa
dos Srs. ("urlis o Hervey, em llomvslow,
em 1839, ostra ra fabrica de Ikillincollmg.
em 1861 ; ootra em casa dos Srs. Sfcerp,
em Cliid-Nrlh. en 1861, e a ultima na la-
brica de Evell, em 1865, prodn/jnd.i' tdas
a marte de 16 pessoas. E' muita vez d-
Hicil as grandes exploses, em que gi-al-
mente duas ou tres offieinas sao destruidas,
saber qual foi a primeira. As quatro ex-
ploses da prensa arana nota das nao daixio,
contudo, nenhum; duviila a este respailo.
A quantdade de plvora que a.Jei iugle-
za permiti ter reunida em uma officina de
pressao limitada a 20 ewt (1,105 kilo-
grammas) e nao se pode prensar mais da
matada ao mesmo tempo. Essas medidas
salutares perdem comtudo o seu objecto,
visto que nao existe rcgulamento relati'.o
distancia que deve haver entre as oflicinas
de pressao e as outras. Bastara a ejplo-
depois |de ter enchido urna granjde tremo-
nliade bolo de prensa, as op-raiios podem
ir para um refugio exterior protegido por
uma forte trinqueira e por a mr,ciina em
movimento. A machina, Rpeaas conclue a
obra, "teinuma campinha que adverte os
operarios.
A julgar pelos numerosos desastres que
se produzem as oflicinas de gmnulacao, a
operaco parece especialmente perigosa.
Da6 vinte desastres em vinte anrios cima
citados, nove occorreram nessas oflicinas,
sto termo medio, um por anuo. 0 ter-
mo medio certamente grande e deve as-
sustar, quando se pensa no numero de mor-
as que produzem as exploses e os dai-
nos causados. Na fabrica da plvora de
Relie, em 18'30, a explosao de una ollici-
iia de granulacao matou um homem ; no
mesmo auno, igual explosao na fabrica de
llelford, no condado de Argyle,niatou seis.
Em 1863, uma ofliciua de burnir, que foi
despedazada com a exploso da [fabrica de
da; outra m fabrica de Hoslyn, perto fife ,roo'|; ad^ada'alis para lodos '<* "r'anop's.
fiSibargo, em 18>ti, era que morreum/i. 6 mineral de chumbo empegado coma
Ewell, no Surrey, matou tres
Einalmeute no mesmo auno, em
operario.-,
lezembro,
Kames,
Dar-se-ha caso que nao comprchonda
o que eu soffro ? '^da Ihe testa que
me delinho de tristeza e saudade ?
'Parece-me eme, se o suppuzesse infe-
liz, embora a mil liguas distante d'ond? eu
estivesse, tudo quanto me rodeasse m'o
Paria sentir. Ainde que entro nsmerlias-
sBm serras e mares, pareee-me que, se dos
seus olhos rolasse uma lagrima, eu a sen-
tira rahr sobre o mcu cora#fo !
i Estou n'uma agitac-o, n'imtormento
uc me fazein desgranada Deus aban-
dnnou esta casa ; o meo -aojo da guarda
i eixou-mc : sinto-me sem forcas at para
orar I Perdi o gosto por ta'do !
0 que estar para acontecer-nos9
na grande explosao da fabrica
occorrida tambem n'uina ofliciua de granula-
cao sete desgranados foram mortos e oito
horrivelmenta feridos. Esta uUimji explosao
foi talvez a mais terrivel que se pode citar
n"uma fabrica de plvora. O ince idio com-
municou-se successivamente da officina de
granulacao a urna oflieina de press
taucia de 130 metros, a uma oflieina do
io, ads-

Nao descrcio do seu amor, creo n'lle
como em mim propria, mas sinto-me to
sobresaltada e afilie a, que receioma estoja
imiainente uma (.ra ida fatalidade Sinto
s ^|zes no despedicar do meu corarn
precios de desfallecimento 'iw'seu ttofli
as isto engao, nO'VmenHoge-
O seu amor por mim anda, existo c
sempre, nao verdade ?
toi desde que o vi com essas seakoras
a que comegou este meu soffrimetito.
esse da tenlio no coracao como que
uma%ibora a dlfeceratMn'o E* fogoso
que aiinha sorte se decida ; forcoso que
euo*eja, Rogerio, qne-ihe-falle, obre-
tudc%ue o oucaf Nho posso mais vi ver
assint; antes a morte do que este estado
de arustia que me cnsdme I
na:
i fu
Oca, preciso notarmos que esui croan
ca possuia ao mesmo tempo alma ass.i.
sublime para poder reiiuuciar faciunonto ;'
ventura, excessivamente pura jadi*vdar
do carcter de Rogerio e cssenc.iaLnaat
melindrosa para continuar a acceitar a po
colU^^Sdhcn, qpois, d^ffTsua
situacore wi ttw 'sagata, mh aquella
mi He denrtra t exercieio *b !^/tea|
quanto inexperta nos trabalbos fla pienal,Jna, n
ascceva o saguiote; ,jdo pi
-
rette
caste
quer
uflia
Vien:
N
deixa;
iiavam de ramo em ramo amedrantados.
~Sob o co eirtbaciado e pardacenio desli-
lavara bandos de grous. Os tojos da char-
neca comecavam a mostrar aqui' e all as
amarellas flores, sobie as quaes a aranha
ia'livremente stenderido as suas largas teias
que pareciam como camas de rede abando-
nadas por duendes e mais genios da noute.
Oatharina contemplava com um sentimen-
to de tristeza e quasi de lerna affeico a
paisagem sombra, cujas carregadas cores
se casavam com as disposices da saa-alma.
Parecia-llie que a creacio se vestia de luto
pela ausencia da estaaio risonha. Cami-
nhava de cabefa baixa e quem a vissedifli-
rilmante reronheci'ria n'ellaa creaaelfelia
fqae alguns meses antes eorria ao lonjg) da
fjkffi fsesca e risoaUa: como a pnm
nunad e alegre como a cotovia as si
Com tudo, ao ver o sol rasgar o
e brilhar com aquello fulgor com qn
ostenta n'at'guns dias'do outomnoj
um'raio de ealor e vida animar-lhe o i
'a ver Rogerio, e nao poda presunir qud
b e%p>rnsse a 'menor infelicidade sob| um!
sol o bello, sob um co to limpo e
sdrbno.
No mesmo dia, mesma hora, o nd
deJJougres e sua irmia passeavam afcbos
'- a Sra. Rarlojon
OS!
homem; outra no mesmo armo, na fabrica
de Melford. em que pereceram tres ajBW
rips; finahnen|e os dups ulUraos", no anno
passado, enj d.'zembrp: a da fabrica de
Hlackbeck, jierlo de Anibleside, que matou
tres opranos, e a de Faversham, que des-
truio uma 'lupia officina de pressao e um
armazem de materias, e produzio a morte
de 11 pessoas. fesfas nov exploses fize-
ram perecer 37 pessoas: quanto aos quei-
mados, desfigurados e damnificados de todo
genero, nao s conhece a sonuna delles.
Sao tanto mais lameiitaveis esses terriveis
desastres qonlo que jno ha razo para
que a redufo de grjjos" de bolos de prensa
seja mais perigosa do que qualquer' outra
operaco do fabrico da plvora. Em cer-
p fabricas bem organisadas, a granulacao
e considerada como trabalho sem perigo,
e, alm disso, as machinas sao construidas
de tal modo que, quando funecono, a pre-
senca dos operarios intil. A causa real
da frequeneia desses desastres parece ser
que, se ha em alguma paite falta de cuida-
do e precauco, como por exemplo, a pre-
senca de cornos cstranhos em qualquer
phase que seja do falnico, essencialmente
na operaco da granulacao que as consc-
quencias se produzem.
A presenca accdeplal de cascalbos miu-
dos ou de cprjpos estranhos pode aecender
a plvora por meio de frieco na propria
niachina. Mas a causa do perigo por ex-
celleucia vem naturalmente da grande quan-
lidade de p da plvora resultante da ope-
raco da granulacao, e que cobre em es-
pessa carnada todas as partes do edificio,
tecto, paredes, assoalho. Os riscos das
exploses causadas pelp vai-vem dos opera-
rios ,nessa officina sao taannos, que os
assoalhos sao, como dissemos, torrados de
coin e pregados com taxas de cobre, e os
sapatos dos operarios nao s nao contm
Cerro, como at nao devem nunca tocar em
lugar d'onde possam trazer alguns frag-
mentos de cascalbo ou de podra.
0 singular nao que as oflicinas de gra-
nulacao construidas pelo antigo systema te-
.nham voado algumas vezes com exploses,
mas que b;jam passado urna semana sem
que isso Ibes aconteca. Nessas oflicinas,
toilo o p calda no assoalho em uma espe-
cie de parque, onde os operarios iam de-
pois apanlu-lo cora ps de madeira orladas
de cobre. Ha razes para crer que em cer-
tos casos os operarios nao levem o calcado
especial, que os assoalhos nao sejam for-
rados de cuuro, e que as taboas sejam pre-
gadas com ponas de ferro. A explosao,
quando se d,e d-se fcilmente, tira
todo o vestigio desses desarranjos, e na de-
vassa os jurados, que nao sao abrigados a
saber quaes sejam as precauces exigidas
no fabrico da plvora, eontentam-se gcral-
mente com a declaraco do director do es-
tabelecinento de que todas as precauces
tinliam sido observadas.
A lei ingleza que regula o fabrico omis-
sa a respeito do vestuario dos operarios e
ilas precauces que devem observar. Nos
estatlecimentos bem arraujados, onde ha
toda a especie de cuidado no que concerne
liinpeza dos assoalhos, calcado de empre-
gados, etc., nao se deixa um grao de pl-
vora tocar no chao. O que pode cahir no
chao molhado e varrido com a poeira, e
as varreduras sao postas de reserva para
extrahir se-llie o salitre que contm.
A plvora, depois de granulada, desig-
nada as fabricas inglezas pelo nome de
graosujo, froiil gram, rude, angulosae
cheia de poeira como lica. A operaco se-
guate, a espanaco, tem por objecto limpa-
la de todo o p e prepara-la para ser po-
lilla e secca. Para isto pe-se certa quan-
lidade de grao sujo em uma roda, que nao
mais que um longo cylindro co de madei-
ra, coberto com uma talagarca com malhas
mais ou menos apertadas segundo a espe-
nito lustre. Cu: i pnjuena addinio de mi-
neral de liuml-o facilita regularmente a
operatfo: mas, cofagisso realmente uma
impureza, s com" grande moderaco se
deve euipregar. N'uma .especie particular
ite p'lvora 00 estado, a dos canhes Arms-
deia da Hachero, nao montada na sua bur-
rinha, mas a p, como quem ia dar um
giro as proximidades de S. Silvano.
A manha esta'va fria o nebulosa; a na-
tureza ressenlia-se j dos primeiros fros do
invern. Aveweis e os.pintarroxosesvoa- verdade qneBigny constitua a legitima ma-
que Bigny rendia, um anno por outro,
vinte mil Jibias, tornra-se mais cautelosa,
sentindo-se rada vez menos disposta a cor-
rero risco de. nmi demanda e as tortuosi-
dades da chican*. Por outro lado, se era
intancii expressa de demorar a rapidez da
cgaibusto dos graos, e o brilho que re-
sulta para essa plvora notahilissimo.
Certas plvoras de mais teuro grao exi-
eni arranjos especaes para a espanaco, a
im de impedir que os giios se quebreme
augmentem o p j existente. Tal espe-
ciaimenle o caso da plvora do estado des-
tinada s armas de guerra poi'tateis. E' a
mais hianda de todas as pohoras; exg.-
ndamenos de 6 horas e meia de agitaran
pos harris para adquirir o pulido, e talvez
espauacocs separadas para car completa-
mente limpado p.
A le sobre as plvoras completamente
vaga no querespeita quanlidade de pl-
vora que pode ser guardada n'uma officina
de espanaco. Contenla-se em dizer que
essa quanlidade nao devora nunca ir ajm
lo que lecessaiio para o trabalho imme-
diato da oflieina.j. Esta elasticidade de ter-
mos deixa a quantidade de plvora dis-
crico do fabricante^ e de ordinario este
accunuila grandes quantidades de plvora
as oflicinas de scea e de espanaco, con-
vertidas assim eip verdad 'iros d-posdos.
o que o artigo da lei em questo quer jus-
tamente impedir.
Finalmente sao raros os desastres as
oflicinas em que se limpa c pule a pplvora.
Registraram-se tres na Inglaterra uestes l-
timos !) annus. Isto tanto mais notavel
quanto que nessas oflicinas esto geralmen-
te installados grande numero de cyndms
de espanr e de pulir, constantemente em
actividade, e produz portanto muita frieco
em todo o mecanismo metlico que depen-
de delles.. As oflicinas de limpar c por
passo emgeral, ea opinio parece justifi-
cada, por seren as partes mais seguras de
urna fabrica d plvora. As devassas fei-
tas depois de duas das tres exploses cita-
das acuna demonstrarais este fado. Na
primeira catastrophe, a de Rallincolly, em
1855, que produzio a morte de 5 pessoas.
nenlrama causa se achou do acontecimento.
e o director dclarou que Ihe era menos f-
cil comprehender a explosao nessa oflieina
do que em qualquer outro ponto do estabe-
lecimeiito.
0 segumlo desastre, aconteclo em 6o-
wood, perto de L'velstone, em ISli.'l, foi
igualmente funesto ; tres operarios morre-
ram inmediatamente e grande numero de
outros licaram perigosamente flidos em
Qpnsequenca da explosao successiva de ou-
tras tres officiaas, depois da primeira que
foi a de pulir. Parece entretanto que esta
nao trabalhava naquella occasio. Mis es-
tava um operario oceupado em limpar a
machina ; pode-se pois attribuir a causa do
sinistro a alguma falta de cuidado da par-
te des.se infeliz, e nao a nada especial di
operaco de pulir e limpar.
r
Em*julho, no anno seguinte, voou lima
oflieina de limpar plvora em casa dos Srs.
Curts e Hervey. em Tunbrigile pondo fogo
a uma oflieina de pulir adjacente emaUndo
tres operarios na primeira o um homem
(pie se aproximava dalli rebocando um bar-
co. Na devassa um dos socios, que eslava
ha 40 annos na industria da plvora, dcla-
rou que nunca ouvira fallar de explosao em
una Offico de es|ianejar. as do gra-
nulacao, disse ello, que se do as explo-
ses.
A operarlo de Notar a plvora pode dis-
pensar descripcao especial. As velhas es-
tufas em que se eiinnlava a plvora para
seccar, espathada em grandes lnndejas.aque-
cilas directamente por fogo applieado ile-
baixo de um largo zimbork) de ferro ou de
cobre construido no interior das paredes, j
nao passam hojede ama recordarlo do pas-
sado.
(Conlinuar-se-ha.)
*ntre S. Silvano e a Hachero ha na
beirada estrada mi grande carvatho, ^oM^ampos. NSd -ffe a Sra. Ran
develer notado por causa da Inragfti da trvesse o menor prazer n'aquelles pa
Virgm com o Menirto Jesos nos bracos, Je, matutinos, porm o conda convidara-
all se* v. Amanilla ao mio da achar-ave-. anles levara-a e ellafoi-se deixando c
hei jdfeto a esse camino. zir. Depois do ultimo colloquio em
rejn o billiebe^ni^uhias -**!**''ris* com mu frmSo, fteditra ella
me mesmo -di i ^ntreigoVr-o S'Sjue-' ffeWira ptrlfandamente. 0 egosrro
qual se poz, logo a camfnho do calculo levra-a nsensivelmente a enea
mais contente e altiva do queqaal- .questo dos seus Bteresses'aqbiUin
vato^^,otti*i'eii!r>^g^%%efto. Depois de passar lonjas ho
terna de Rogerio, intil era a Sra. Barna-
jon sustentar o pleito.
Por ultime, o que ella observara do ca-
rcter e espirito d'aquelle mancebo muito
Ihe agradava, porque em nada conlrariava
os saus hbitos de soberana. Viate mil
libras de renda Malvina feita condessa !
um genro dcil Craiu razes de sobra
para que a Sra. Barnajon ebegasse a de-
sejar to ardentemente como seu irmo o
casamento entre apa lillia o sau soarioh/),
o que a esta lima constitua a sua nica
ambico.
Pois bem, meu irmo, dlziaella ao
conde tudo visto e maduramente cal-
culado, parece-me que tinha raV.5o no que
me disse outro dia noute. No quceu
julgue a minia causa perdida ; bem lougt
d'isso. Corr pelos olhos os p
me coou e em presenca d*BllB&T5D me
e^idero convencida. Ouauto aos ruilas
de seu filio, contesto-os, tom o principio
ile prioridaaVe meu faaor. CnUeOautu
ado desagraiiavel o jioueo mnalrsadar dar
aaliundo o espectculo \}**s 'nfffflfs fflS*1
ssusss, e, se pcrste na'idea de que a
ligato dosua>sos fiuio.se vantajosa...
E, dizendo isto, entregou a sua irma o
bilhete de Catharina.
Paquerette, cansada de andar em volta
do castello, tomara -a rcsoluco, visto nu
IIie apparecer Rogerio, de entregar, o bi-
lhete ao seu condecido groom, que, sem a
menor detenca, o foi entregar ao Sr. Ro-
liineau.
Uma entrevista I exclamou a Sra.
Barnajon, depois de l*r o bilhete.
Sim, senhora.uma entrevista. E ne-
nham-nos c pregar agora que a innocen-
cia reside as aldeias, e que o pudor, ex-
patrando-se das cidades, se refugiou as
margensdos regatos!
Uma entrevista repeta a Sra. Bar-
najonUma entrevista junto da imagem do
Menino Jess e da Santa Virgen !
Excellente maneira accrescentou o
condede conciliar as exigencias do co
com as conveniencias da trra !
0 mano concebe que isto uma cou-
sa horrivel e comprehende tambem que
dever nnsso impedir que se d tal escan-
Nsso particular junto -a ttrMe1
ou de Berln,
[suspeitando que o bilhete jwdjjsse,
' ser entregue a ^rWcaB^r-
[dia seguinte 8o mnfila, escapon-se
rterio e *ma -alireceSoTO-l-J
Wmsoltar as opinies dos advogados
meUidas sua aprecico, foi fe rea
conj'encer-se da (mp as probabilidades
tcuaes ae ambos os lados eavctori
ni modo duvideaa, que s a sorle i
lia determinar. Ora, depefe que
Corr pelos olhos os pareceres que lMo """o^de nassos -afros ?
COo conde de SbugrsSabe porventura
a lilaila o bfegrakdc impedir "que as nans
cbttim plraandl o vento as impelle #-is.
amantt? para onde () amfJrWHM ?
I fllllinWBJIiiihrar-se, mano, de:
essa desgraeada i-apaiiga sa aat-parer |
sempre I -A sobrinha de om f/Ntrvho!
horror! T forroso que scfallc ttimcrli
mente o que se Ihe mristre o abys;
lo debaixo dos pos ; pi-oriso sjtlva-{
todo o lanse 1 ~-^SKfl
*-^isSw jCWhimflw'Botillo "> jwjWp
PtdBdo
minho Ki?"aTH ej
fiart^ap mealhen^^^n
!8o quer-me fazer peHuaftir -le |ua-NfTatfSIMHa^
do Vii ae?S#ugr*ir
xonado poe uma aldeasha T
Por cer'oque.persisto nessa delibe-
rMjoexclamou o conde Mas, coja os.
demonio: 1 rtager -st apaixonado at
aOWs8fpflo"'tr^r,iWhai!iHj IftUiu ftl'qite1 -

3m queMMV* Virger
falla, deve ser a bella I
sMa^Whronc
is que aqui nos Ir
mana I
E tita ariamente, que Ihe affirmo
ir-* Aspe-aa a caar -comrite. Desejs
es 'amnres rHo,.
var'waa alma
| oarer de $* der aft
" i aatwa#M>'MUfiiiit
i
sn
s mos.
mMTrr
Va,'*, vamas'1!
tesomanente a^ra. BarnajonTrata-a
(mimtf mHm).
I
II
w
aM
rrrrrr
y
! nr. m^itMMIiii das ciogs w. v
r
,'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EX6G0PTP1_5B64SB INGEST_TIME 2013-09-14T02:42:14Z PACKAGE AA00011611_11764
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES