Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11758


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.
.
i
ANNO XLV. NUMERO 26.
PARA A CAPITAL l LUGARES UHDE HAO SE PAGA PORTE.
.Por.tivs hbh abantados.
,ior seis ditos id.-iu. .
Por mu auno ielew. .
Cada numero avulso ,

fcOOO
2W000
#320
(HURTA FBBA 4 ELE FEVEREIRO DE 1869.
o

PARA DENTRO B. FORA DA PROVINCIA.
Io tres flftezM .xlj miados..
Por seis dios idem. .
Por nove Porumanao. M .
6*750
4500
204250
276000
DIARIO DE PERNAMBUCO.
*
-opriedade de Mamel Figueira de Faria & Slhos.
r
HA ACENTES:
Os Sf Gerardo tonto Vives d Filhos. no Para: Gonralves & Pinto, no Maranho; Joaquim Jos de Oliveira,. no Cear; Antonio de Lemo&VR no tacad; Joo Siria Mi Chavea no Ass; Antonio .\nu-ques da Silva, no Natal; Antonio Joaquim
GuimarVs Pancada, em MmutuWape; AjntonAlexandriao de Lima, na Parahyba: Antonio-Jas* Gomes, na Vdla dafenba; Belarmino los Santo* Bufcau, <>m Saoto Antao; Domingos Jos* da Costa Braga;
em Nazarth: Francino Tarares da Costa, em Alagas; Dr. Jos Martin* Alves, naBahia; e Jos Bibeiro Gaspannh, bo Bio ete Janeiro. .
PARTE OFFICIAL
ftiiurno da proflncla.
Iaii general eomiuandan- ww*l m"n vn
i o requmenlo do te- / irwraudaae prselss
i da tagennaire Sebastin JP0-, iv,
expediente vsmnao rao asir. su. com de dak-
M RUT, PKESIDRNTK lA PIloviN. X\. BM -' Bfj JAXEIHO
di: 1869.
1' -irrito.
>'. 787.Portara ao Kxm
te das armasOrerindi
nnt3-coroiiel do eorpo da eng
Josa Basilio Pirrho, sobre que versa a informaba
le V. Exc. de'21 do correte, sob n. 39, expecu
nesta data a necessaria ordem, para que seja cOe
transportado a forte no vapor, qne se espera do
turto; o (pie communico a V. Exc. para seu eo-
nh'eeimeoto.
N. 788.Dita ao director do arsenal de guerra:
Drferindo nos temos de sua nfoniiaca de 21
do corrente, sob n. 2i, o requerimento deJoaqahn
Celerino de Oliveira Cmara, autoriso \. S. a man-
dar Ihe entregar os dous menores da companhia
desse arsenal Antonio Francisco de Oliveira C-
mara e Joaquim Francisco de Oliveira ('.amara,
Oaos do supplieante. depois que liouver indem-
nisado os cofres, das despezas f-'itas rom ditos
menores,
N. 78!.Hita ao mesmo.Faca \. S. apresen-
! do eorposob seu caminando para o servido policial
d'aquello distriehi.
N. 801Dita io mssni').Concedo a autorisa-
cao por Vine, pei Ida era offleio n.34 de.21 do cor-
-iite. para iluminar do eorpo sob sen commando
o soldado Jesuino ccioly Lios, que foi julgado in-
capaz So servir i.
N. 89o. Dita; o mesmo.Seja admitirlo no eor-
po sob seu com laudo o paisano fTmbelinff Anto-
nio Pereira, de q e trata o seu ofcio n. 35 de 2
- que se verifique ter tamben)
isa para perteucrr ao mesura
N. 806.Dita no mesmo.Mande Vmc. iluminar
do eorpo sob seu eoramando, conceden do-1 fife a
competente baba, ao soldado Jos de Santa Anna
llanos, que segu ido sua informarn em offleio n.
36 de 22 do curante, j completon o lempo de sen
engajaincnto c nao quor continuar a servir.
3." seccao.
N. 807.Porta ia ao inspector da thesnonqria de
fazenda.Kxpeca V. S. suas orden*, para que co-
mo solicita, no ircluso requerimento o trnenle-co-
roncl Sebastiao Jos Basilio Pjrrho, dora em dian-
te seja paga a sua mullier nestaprovincia dous ter-
cos de seu suido, visto ter elle de seguir, em srr-
vico para a cArte.
N. 808.Dita ao mesmo.'.'.ovidenne V. S. se
ji nao o tiver fe i o. para que esteja prompta a ser
i-rMi"liida para o ihwmHo de Kernaiiito na primeira
passado relativas ao subdito da Saxonia C(>rlFnc-
dricli Thorru von Boltensteru, que se ac-a em
servic.) do goverao imperial nessa,provincia como
agrimensor.
t. 825-Portara ao desembargador provedor
da Santa Casa de Miserwor.lia.Bj coofonnidade
governo imptrial a questao suscitada sobre a cons-
truceao do ediicio pora a bomba <\v e.-;oto na pra-
ja das Cinco-Pontas, no ha necessidile de disf*-
riment acerca do qiie representa o siujplicantc
Antonio Fk de Barros.Concdase a pewis-
com a ua infornncao de Sido corrate, sob n. de ser a pertra.qsiebrada a que lira pela parte in

EXTERIOR.
ao crente da eonmanhia ferambucana a han-; oecasio a larmh i pedida pelo consellio eronomico,
deiw de seda. que. segunib o sen ..fflcio de 21 do lo mesmo presid o e que uuudei eotuorac r npr-
del! d.
o
commandante di presidio de I'eru:uulo, em ofcio
de 21 do correntc, sob n. 191, baver remettido no
,-.nenie, sota n. 23, aclia-se ivcol!lkl a esse ai- tana de H lloco rente. ,..,, ,
seal, e tem de ser enviada ao presidente da pro- N- 809.-Dila- ao mesmo. -ParUri^iukM.ie
vincia ilas Alagas.
N. 790.Dita ao mesmo. Decbro a V S. para
cu conheeimenfi
divo dir
tiili do ai-sc
joerario invanu
N 701Dita ao eapito do porto.Remeti a N. 810Dita ao mesmo.Recomnendo a >.
Vnie copia do ollicio que me dii-k* o cheh da que, em vista ua olha, relacao nominal epret juntos
reoaiticao das obras publi.-as em ii d > rente, em diiplieata, que
s.
ob n. 30, e de outro a qne elle se refere, no qual
i njtenndwo ajudaate diiueUa repartieao Hanoo
Ijmrcncn deliaMos, participa haver nina canoa do
portuguea Antonio Jacintho Botelho, que era ron-
dmtida pelo eanoeiro Jacio de tal, arruinado una
das peras de madeira da perla iVagaa, existente de- dojtuique.
baixo 'da pneu< do Ya radon o ca ulind?, reeom--l
mendo a expedao de suas ordena para qne seja
me remettou o eommandaute _
superior da coi; rea de Garanliuiis com oflieio do! ser apresentada, devendo
9 do correntc, sob ns. 2 e 3, maade liquidar e pa- aquella provincia,
gar ao capitn Jo upiim Silverio de Souzn, a impor-
tancia dos venca entos relativos ao mez ile dezem-
bro ultimo, do o licial e praras destacadas na villa
N 811.Dita lo mesmo.Mande Y. S. ajusfar
contas e passar ifoia de soccorrinr'iito ao tenen-
' Jos Basilio Pyrrho, que ti
lovideiui-indo ao mesmo | de seguir para a corte no vapor que se espora do
intimada a pesea, que causmi e-e daino, a re-! le-corone| Sobas iao Jos Basilio Pyrrho, que tem
paral-o em breve praso,
1728, autoriso V. Exc. a mandar entregar a emi-
nianoCaetano Fernandes da Silva o eJucanlo do
collegio dos orphaos seu irmao. deame Hc-nnque.
N. 827.Dita a cmara municipal da cidade do
Re.eife A cmara municipal desla cidade faca ex-
trahir, e remella com a maior urgencia ao juir. de
pax mais votado do primeiro-districto da froguezia
de Munbeca urna copia autbentica da qualilicacao
da mesma frt^guezia do anno de 1868, alto de ser-
vir para a chamada dos votantes as eleiioes de
31 do corrente, como reqpisiU o dU juiz de paz
eia oflieio de 20, agora recebiflo.
N. 828.Dita a Odilou Autrechiliano Brayncr,
jui/. de paz mais votado do primeiro districto da
freguezia do Bonito.Fleo inteirado pelo seu ofli-
eio de 15 do corrente, de ter Ynic. no dia 7 pres-
tado juramento como primeiro juiz de paz deasa
parocliia e de haver sido feito pelo juiz de paz do
quadricnario flndn, a concovacao dos elcitores,
supplentes e votantes, que teem de. concorrer as
eleicoes de 31 deste nwz para eleitores geracs e
especiaes.
N. 829.Dita ao director da companhia de Be-
beribe.Em addrtamento aomen offleio de 22 do
corrente, com referencia a falta d/agua do chafa-
riz da fortaleza do Brum, remeti a Vmc. copias
dos oflicios n. 38 de 21 deste mez, do geoerat
commandante das armas, c de outro do comman-
dante daquella fortaleza,
N. 830. Dita ao gerente da companhia Per-
nambucana.Expeca o Sr. gerente da companhia
Pcrnambucana, suas ordens para qne seja MM-
bida e transportada para Alagas, no primeiro
vapor que seguir para o sul, a ser entregue ao
respectivo presidente una bandeira de seda que
do director do arsenat de guerra le
o frete ser pago por
quella provincia.
X. 831.Dita ao mesmo.Pode Ymc. fuer se:
gnir para os pollos do norte o sul at Acarac
e Penedo, os vapores pojncn e Potengy, rio dia e
hora indicadas- em seu oflieio de 22 do cor-
rente.
N. 832.Dita aos agentes da eoinpanhia Bra-
sileira de paquetes a vapor.Os Srs. agentes da
companhia Brasileira de paquetes a tapor, man-
' dem transportar a corle por conta do ministerio da
por parte
lempo no sentido, que solicita o uiou'ionado cuele norte.
no lina! d> seu rifado offlrio, N. 812.Dita no mesmo.Providencie \. S. pa- guerra, uo vapor que esperado i
.N 792.Dita ao cnsul da confed. laca) Norle-
Mlenia.Aiinuindo ao que eui oflieio de 20 do
corrate, solicita o Sr. W. Olio, consuelda cone-
deraeo Xorle-Allrma, dirijo-m Resta data nova-
uient'e 80 Exin. presidente da- Abgoa?; instando
pela remessa das informaeoes pedidas pen e\-rou-
-.til da Saxonia, acerca do subdito deesa iiaeao Cari
i Irick. Thower Balteuslern.
Renov ao Sr. \Y. Otto a segu ranea de minha
peribtU estima c distincta consideraco.
J" -.eci-l.i.
N. 795.Portara ao Dr. dietode polieio. -Jtomon-
a o offleio de V. S. de 20 do uovombro ulmo.
romas informaedes juntas por copia do Kxm. ge-
eer:'
ra que, em vista da folha junta em duplcala, qne! ente-coronel do crpo de engcnlieiro Sebastiao
me remettou o c efe da reparticao das obras pu-! Jos Basilio Pyrrho e a um SPU fllll Ilienor ac
ilicas com oflieio de 33 do eorrente, sob n. 31, seja! nomo Antonio Sebastiao Basilio Pyrrho.
paga a Raimo Mcnoelda Cruz Cousseiro, pela vei -: N. 833.Dita a cmara da villa do Limoeiro
ha de 2:00.<5000 posta a disjiosieao desta presi-jPelo offleio de 7 do corrente, que me dlrigW a
deacta telo aviso do ministerio do imperio de 16 de j cmara municipal da villa do Limoeiro, eleita pa-
novemliro ultimo, e ordem do thesouro nacional n.; ra o (|uadricnnio de 1869 a 1872, flquci Utefraoo
211 de 2U do me mo mez, a quantia de 905*80 rs.; de ter sido n'aquella data emppssada pelo verea-
ou a que se liquidar ; proveniente dos salarios dos dor da cmara anterior Victorino Archn? do He-
Paraffuaj.
H0IO:.VllO.s 1>,V> ATHOCIDADKS LWMilKTTIAS %lO
ranaanm dessa rdbhca.
rteressant** seria na verdaile o estud dbte
torarao moustniviso. deste homeiu, exlraorduiar
para, o crimav fito desde os su primeiros an-
ih*> al a heA:at^nbe de Yilleta. onde iuiuoIdu al
a ralii'ca de seos projirios iriuaos.
bous signaes de seu carcter causn asooi-
bro : sua cwvardia c ?ua feroeidade.
L>pez, uesu' ineiiino, revelou urna uubk-o e-x-
Haneiseo Ferrcira de Albuquerque.Pisve que i traordinaria, sera limites, iiraa sede de autori-
solfre molestia. | Jade iusaciavel, porm, seinpre na espbera vul-
Herminia Jannaria Tenorio Coelho.jlafcsme o j ^ ^ Pruai..
lena dos recites e com ipldade eintoda a e&tan-
sao de Nazaretb do Cabo.
Major Felipe Duarte Pereira.Dirija-se o- sup-
plicante Jhesouraria de fazenda, onile se ada a
sua |Kitenle d* reforma desih; ontu iro d> anno
pirfllHin nifnaftn eila infonna, aflu de |gar o
sello devdo, poder ento receber o sol Jo, de que
c redor.
o Sr. Dr.
Sr. desonibargador provedor da Santa '.asa de Mi-
se ricoriMa.
Joao Semandt^s Yianna.O snpplieante-no ne-
cessita lieenea para poder effeetiiar a san mu-
danea .vseu peMa, no> le.roios da infownaeao il<>
director geral da instruccao |iublica.
Jos- de Amorifu Lima." Salisfaca a osigencia da
thesianaria.
Maioel Joaquim do Reg Albuqiiei"Me.Em oe-
casio ojiporluna sera altendida a pietencao do
sunpncante vista do qne informen a thrsouraria
prartarial.
Nanoei Tbeotonio da Silva.Mk
diee de polica.
Maria Loica de Araujo.Infera* o S;r. Dr. chele
de polica.
1* de fevere-iw --
Eogenheiro Antonio Yicente do NasdimentoFei-
tosa. Ao Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda. ^
Alexandre Americo de t'.^Us Bramlao.Apre-
sentc-se junta medicanoieeada para cumplimen-
to di disposto no art. S 1 da lei provincial n.
276 de 7 de abril de 185.1.
Antonio Malaquias de Macedn Lima.Inform#o
Sr. engenheiro chefe da re|iartieao das obras pu-
blicas.
Padre Antonio Generoso Bandeira.+-Informe o
Sr. inspector da thesoumra provincial.
Companhia pernamburana de paquetes a vapor.
Informe o Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda.
A mesma.Informe o Sr. inspector da thesoura-
ria provincial.
Francisco de Pinito Borges.Inloi m
pector da thesouraria provincial, ou\ i
eer ti-cal.
Gregorio Francisco de Torres Yaseot cellos In-
doferido.
ftidre Jos Teixeira de M-dlo. Diri a-sc the-
souraria provincial.
Lata Francisco Yieira de Senna.A. Sr. insjiec-
tor da thesouraria de fazenda para saliif;izer oque
|H'de o supplicante.
o Sr. ins-
do o | tare-
mappa juntos, a lespeta frita com o sustento
., OJIO...
hendidos em 1866 peld dcfcfeaditfe termo de P
d'Alho a Francisco Correa da fltva I Mello, ciij;.
|ietic3o conimentada devolvo a V. S. com as inlor-
maeoes que acomiianbaram o seaofk-io cima ci-
tado. .
N. 796.Dita ao mesmo.Respondo o offleio de
V. 3. de 21 do corrente sob n. til, declarando-lhe j vista da eontajinta emduplirata.
que por ora nao possivel ser prestada a l'orc;.
policial que pede para o destacamento do termo
de Salgueiro, oque opporlunamente equando eos-
sarem outros servicos em me o corpu se acha .
mezes, ser tomado m consiilerar
N. 797.Dita ao commandante superior de San-
io .Antao.Intime Y. S. ao majar Pedro Ernesto
Rodrigues da Silva, que Ihe compre mandar rece-
ber na secretaria do governo sua patento de cirur-
gjao mor desse eemraando Baperior, salislazeud i
direitos della, visto como 0 seu titulo das hon-
ra de major nao o isenta de tirar aquella patate,
romo declara o aviso de 12 de Janeiro corrente
N. 798.Dita ao tviimunilaiie superior do Ga-
i anhus Communico a V. S. para sua nteiligeucia,
c. al'un de o fazer constar em ordem do dia, que
per decreto de 2 do correntc, publicado no Dia-
na Oficial de 12 sob n. 11, lu declarado sem et-
feito O dc23demaio do aune pagado, que ninieoii
.i tenente-coronel comniandanl>'do hatallio dein-
l'antaria n. 30, Thomazdc AquinoGavakantc, para
o posto de eoimnandante superior da guarda na-
cional dos municipios de Buique e hoin-Conselhc,
visto ter sido extinelo este eemraando superior por
decreto de 39 de outubro do mesmo anno, r.
'..365.
N. 799Dita ao juiz municipal da 1' vara desta
cidade.Transmiti a Y. S. para os fns conve-
nieafas aa inclusas guias dos sentenciados de us-
ura Joao Rodrigues Nepomoceno e Januario Pes-
soa da Silva, que. segundo o ofcio do comman-
dante do presidio de Fernando de Xoronha eumpri-
rnm as respectivas senteneas, leudo sido remetti-
d para esta cidade no vapor Giqni.
N. 00.Dita ao mesmo.Traiisimtto-lhe para
os tins convenientes as guias dos sentenciados de
justiea Manoel Lucas dos Santos c Jos Fraacisco
Besarra, por V. S. pedidos em ofcio de \ de agosto
e 28 de nvembro do anno prximo passado, as
quaes foram enviadas pelo coronel commaudante
do presidio de Fernando de Noronha em offleio de
h deste mez.
I. 801Dita ao mesmo.Transmilto a V. S.
paraos lins coavenientes os inclusos autos de ven-
tura e identidade do pessoa pYoccdidos aos cad-
veres dos sentenciados de justiea Christovao da
Rocha Wanderley, Antonio Joaquim Barbosa, Ma-
thias Primeiro, escravo, Joaquim, escravo de Mei-
quita. e Francisco, escravo de Joao Maximiano,
fallecidos na enfermara do presidio de Fernando
de Noronha, segundo informa o respectivo com-
mandante em ollicio n. 182 da 16docon-cnte.
>'. 802Dita ao commandante superior da Boa-
Vista c Ouricury.Communico a V. S. para a sua
nitrllipencia, e lim de o fazer constar em ordem
do dia. que por portara do ministerio da justii a
le 30 de dezembro ultimo, foi privado do posto,
por nao haver solicitado a respectiva patete no
praso legal o tenente-coronel commandante do 3o
rorpo de cavallaria do municipio de Ouricury o
eapilao Agostinho Correa de Mello.
Igual muiati mutandis aos commandantes su-
periores de Flore?, quanto a Antonio Jiums da
. iarros, nomeado para o posto Ai tenente-coronel
do batalho a. 32; ao de Tacarat, quanto a de
Manoel Nunes Nogueira de Baos, para o posto
de tenente-coronel commandante do batalho n.
34 : ao do Brejo e Cimbres, quanto a de Joaquim
Jos lavares da Silva, para capitn secretario ge-
ral do commando superior; ao de Nazareth, quan-
to a do capito Domingos Jos da Costa Braga,
para capital secretario geral do dito commando
superior; ao de Serinhaem, sobre a do capito
L.iNliolomeu do Reg Barros, para cirurgiao-mor;
i de Manoel Gomes dos Santos Pereira de Bastos,
para capito secretario geral do dito commardo
superior.
W. 803.Dita ao commandante do eorpo previ-
sorio de polica.Mande Vmc. apresentar ao sub-
delegado da Passagem da Magdalena tres pravas
N. 813Dita ao msmo.Transmiti a V. S.
para seu conhec ment e devida exeeucao copia
do regulamenlo dado a essa thesouraria ein 21 de
julho do anno prximo passado.
N. 816.Dita ao mesnio.A Joao Teixeira da
Rocha mande Y. S. pagar depois de liquidada, em
em duplcala, que me remet-
tou o chefe de "polica com oflieio de 22 do cor-
rente, sob n. 11(, a importancia da despea feita
rom o fornecme uto de luz e agua liara o quartrl
do destacamento da villa do Limoeiro, durante os
meses dejulho ;. dezembro do anno prximo pas-
sado.
N. 817.Dita ao mesmo.Em vista das contas
juntas em duplirata, que me reinotteu o chefe de
pol-ia com ofll mande Y. S. liquidare pagar a Flix de Figueira
Faria. a importancia da despeza feita durante os
nteses de nove ibro e dezembro do anno prximo
passado, com o forneeiniento de laz e agua para
o quartel do destacamento do termo de Santo An-
tao.
X. 818.Dita ao mesmo.Transmiti a V. S. a
conta junta em luplicata, afim de que mande pa-
gar a Tliomaz de Aquino Alves do Xascimento,
contme solicitou o chefe de polica, em oflieio de
22 do crranle, sob n. 122, o que justamente se
estiver a dever, proveniente da lavagem de roupa
para a enfermara da casa de deteneao, a contar
de 17 de julho i 11 do dezembro do anno prximo
passado.
N. 819.Dita ao mesmo.Tendo concedido hoje
a autorisacao que solicitou o chefe da reparticao
das obras "publ cas em oflieio de 22 do corrente,
sob n. 29, para mandar executar por adminstracao
as obras que anda faltam no primeiro lauro da
estrada da Vicie ra Grvala, por terefn sido in-
campadas por portara de 30 de outubro ultimo.
despendendo, pira esse fin, at a quantia de........
1:60U em quiso avahadas taes obras, como se
v do orcament > junto por copia ; a^sim o declaro
V. S. para seu conliecimento e direccao.
N. 820.Dita ao chefe da reparticao das obras
publicas.Com edo a autorisacao que Ymc. soli-
citou em offleio de 22 do corrente sob n. 29, para
mandar executar por adminstracao as obras que
anda restam no primeiro lango da estrada da Vic-
toria Gravat i, por terem sido ineampadas por
portara de 30 de outubro do anno proximo passa-
do, despendendj para esse fim at a quantia de
1:6004 em que sao avahadas taes obras, como se
v do orcamemo que veto annexo ao citado offleio,
o qual flea assim respondido.
N. 834.Dit. ao mesmo. Inteirado do quaoto
Vmc. parcipou em offleio de 22 do corrente, sob
n. 30, lenhe a ilizer em resposta que acabo de re-
commendar ao capito do porto, que faca intimar
pessoa que ; rruinou urna das pec,as de madeira
da porta d agn i, existente debaixo da ponte do Va-
raikmro era Olinda, para reparar esse damno crh
breve prazo, providenciando ao mesmo tempo no
sentido do fiuai do seu citado offleio, que Oca as-
sim respondid.
4* seccao.
N. 823.Offleio ao Exm. Sr. presidente da pro-
vincia de Ser pe.Aceuso receido o oflieio que
V. Exc. me diiigio em 28 de dezembro ultimo, sob
n. 386,acompaihado de dous exemplares ,do rela-
torio com qm^ o barao de Propri primeiro vice-
presidente pasou V. Exc. no dia 27 de nvem-
bro do anno Ardo a admraislracao desea provincia.
N. 834.Dilo ao Exm.- Sr. presidente da provin-
cia das Alagoa.Acabo de expedir ordem ao ge-
rente da comp; nina Pernambucana para fazer se-
guir na primera opporlunidade para essa capital a
ser entregue V. Exc, a bandeira de seda de que
trata o seu (fflcio de 3 deste mez, e que se acha
recolhida ao irseaal de guerra desta provincia ;
o que comm utieo V. Exc. para seu eonheci-
mento.
N. 833.Dito ao mesmo.Satistazendo a exi-
gencia do cot.su! da confecraco norte-allema
em offleio de 20 do corrente, vou rogar V. Exc.
se sirva de pi ovidenrar para que com a possivel
brevidade sejam prestadas as informaedes que, ,
requisicao do mesnio cnsul, solicitou esta presi-
deucia em oficio de 25 de abril do auno prximo
dos dirigi a cmara municipal da villa de Tacarat.
eleita para o quadriennio de 1869 a 1872, flquei
" dala prestado juramento e
de suas funecoes.
inspector da saide publica.
portador desta Manoel de Mes-
quita Ramos Wanderley, urna porcao de lamina
de paz vaccinieo de boa qualidade, afim. de ser
empregado no municipio di Serinhaem, onde est
grassando a epidemia das bexigas.
EXPEDIENTE ASSIGSADO PELO SR. DR. JOAQIIISt COB-
REIA DE ARAUJO SECRETARIO DO GOVERNO, EM 25
DE JANEIRO DE 1869.
4" seccao.
N. 836.Offleio ao director interino do arsenal
de guerra da corte.S. Exc. o Sr. presideme da
provincia determina-me, que responda 10 offleio
de V. S. de 15 do corrente sob n. 40. declarando-
lhe que, deu sciencia ao direclor do arsenal de
uerra desta provincia, da transferencia para elle
o invalido da patria, operario desse Bellannino
Bezerra de Brito.
2' seccao.
N. 837. Offleio ao Dr. chele de polica. O
Exm. Sr. presidente da provincia manda commu-
nicar a V. S. para o seu conneeimento e fins
convenientes, que nesta data se expedio ordem ao
commandante do corno de polica para fazer apre-
sentar ao subdelegado da Passagem da Magdalena
tres pracas daquelle eorpo para o servico policial
do respectivo districto.
. 838.Dilo ao mesmo.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia, respondendo. os offlcios de V.
S. de 22 do corrente sob ns. 116, 447, 119 e 133,
manda declarar, que a thesouraria provincial tem
ordem para pagar a Joo Teixeira da Rocha a
quantia de 43/H52 rs., aos negociantes Lopes e
Paiva-a de 124*000, a Flix de Figueira Faria a
de 26J880, e a Thoiaaz de Aquino Alves do Nas-
cimento a de 98*320 rs., constantes de taes offl-
cios.
N. 839.Dito ao commandante superior de Ga-
ranhuns.Nesta data traosmittio-se a thesouraria
de fazenda para o flm iadicado nos offlcios de V.
S. datados de 9 do corrente sob as. 2 e 3, a fulha,
relacao nominal e pret. que em duplcala vierara
annexos aos citados offlcios, as quaes fleam assim
respondidos, de ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia.
3* seccao.
X. 840.Offleio ao inspector da thesouraria de
fazenda.S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
manda transmttir a V. S. s 9 inclos.is ordens,
sendo 7 do tribunal do thesouro nacional ob ns.
1 a 7, duas em duplicata da reparticao do ajudan-
te general sob ns 657 e 658, e um offleio da di-
rectora geral das rendas publicas, datado do 12
do corrente.
N.- 844.Dito ao chefe da reparticao das obras
publicas.O Exm. Sr. presidente da provincia,
manda declarar a V. S. em resposta a sea offleio
de 33 do corrente sob n. 34, que transmitlio a
thesouraria de fazenda, para o fim conveniente a
folha, que era duplicata veio annexa ao citado of-
fleio.
. \ ncparUfS* |oll*- !-
2' seccao.Secretaria da polica de Pernambuco
3 de revrreiro de 1869.
2* secciio.Secretaria do governo de Pernam-
buco, em 3 de fevereiro de 4869.Pela secretaria
do governo se communica ao Sr. Tito dos Passos
Almeida Rosa, que nella se acha o tilnlo de sua
nomeaeo para a serventa vitalicia dos offlcios de
tabelliao publico, judicial, notas e escrivo do ci-
vel, crinie, orphos e annexos do termo de Flores-
ta, convindo que venha ou mande solicita-lo de-
pois de pagos os emolumentos e direitos respec-
tivos.
Pela secretaria do governo se communica ao Sr.
Joo Pessoa da Goma, que nella se acha o titulo de
permuta da serventa dos offlcios de partidor e
contador pelo de escrivo de orphos de Serinhaem,
convindo que venha ou mande solicita-lo dejiois
de pagar os emolo lientos e direitos respectivos.
Pela secretaria do governo se communica ao Sr.
Joaquim Ignacio dos Santos, qne nella se acha o
titulo de permuta da serventa dos offlcios de es-
crivo de orphos de Serinhaem pelo de partidor
e contador do mesmo juizo, convindo que venha
ou mande solicita-lo depois de pagos os emolumen-
tos e direitos respectivos.
N. 470.Wm. e Exm. Sr.Tenho a honra de
levar ;vo conhecimento de Y. Exc. que, segundo
consta das participaces recebidas hoje nesta re-
parlieo, foram recomidos a casa de deteneao nos
das "4 c 2 do corrente, os seguintes individuos:
Xo dia 1, a ordem do Dr. delegado da capital,
Matheus, escravo de Miguel Pires Falco, por f-
gido.
A' ordem Ao subdelegado da Gapung:. Benedicto,
.escravo de Ignacia de Luna Freir, requerimento
desta.
A' ordem do dos Afosado?, Joao Pereira dos
Santos, por crime de furto do eavalles.
o dia 3. ordem do subdelegado de S. Jos,
Joaquim, Africano lvre, at segunda ordem; Joo
Nunes Pereira d'Assumpco, Rosa Maria Joaquina
e Maria ajertrudes da Co'neeico, por isturbios.
A' oi-dam do dos Afogados.' Joo Alabama, por
aso de anuas defezas.
Por offlcios de 15 de Janeiro ultimo communi-
courme o delegado do termo de Cimbres, que na-
quella data fez capturar c recolher respectiva
cada Francisco Lopes, por crinie de furto de
cavados; Jos do Xascimento, indiciado como
cmplice no assassinato de Antonio Ferreira da
Silva, e a um individuo que armado conduzia a
urna mullier raptada.
Em data de 12 do mez prximo li ido partici-
pou-me o subdelegado do districto de Carapots,
do termo do Brejo, que capturou al I i e fez reco-
lher cada do termo Hereulano Be aventura Li-
beral, pronunciado uo art. 305 do cdigo cri-
minal.
Em offleio de 25 do referido mez de Janeiro
communicou-me o delegado do termo do Limoeiro,
que no districto do Bom-Jardim daquelle munici-
pio. Alexandre Ferreira de Lima ferio com ama
tacada Maaocl, escravo de Alexandre Correa da
Silva; que o respectivo subdelegado fez o compe-
tente eorpo de delicio e estava procedendo na for-
ma da le contra o delnqueme, cuja captura deli-
gencia.
Por offleio de 31 do aiez proxiaio passado, parti-
cipou-me o subdelegado do districto de Calende do
termo de Boaito, que s 5 1/2 horas da tarde, as
mattas do lugar Genipapo-daquelle districto, den-
se um grande conflicto, de que resultou a morte
de Alipio Alfonso Ferreira, e de seu primo Joo
Ferreira Lima, os ferimentos de Alfredo Affonso
Ferreira, de dous carreiros deste, e de Luiz da
Costa Pereira Lira, Joo Alfonso Ferreira Filho.
sendo que os ferimentos deste ultimo sao graves.
Que o motivo de to dcploravel acontcciinento foi
ter ido Alipio Alfonso Ferreira ao lugar do con-
flicto acompanhado de seus irmos Joo Alfonso
Ferreira Filho, Alfredo Affonso Ferreira c Augusto
Aflbnso Ferreira, de seu primo Luiz da Costa Pe-
reira de Lira, tres carreiros e outro* tontos abri-
dores de picadas, amistar urna porcao de pran-
chocs qne tinha comprado a sea to Miguel Gomes
Pereira de Lira, e haver a islo seopposto Joo Fer-
reira Lima, que para alli se dirigir, acompanha-
do de un filho, uro irmao de nonie Miguel, un Al-
lemao de nome Lucas c um outro individuo de no-
me Victorino, sb o pretexto de sen m as referidas
mattas propriedado sua a nao' do to de Alipio
Affonso.
O mesmo subdelegado proceden competente
vistoria no cadver de Joo Ferreira -.ma, deixan-
do de proceder no cadver de Alipio c nos demais
feridos, por terem sido conduzidos para outro dr-
tricto, coustando-lhe porm que o respectivo sub-
delegado cumplir a tal respeito com o seu dever;
p i nroeeder na forma da lei sobre semelhanle
Sentar desde seus primeiros airaos das fortu-
nas e das familias do l'araguti;. acostumado a sa-
lisfazer seus inauditos caprichos, namoriiu-se de
urna joven por nome Franvisc (anui'iidia.
Essa joven que o typo mais ialressasae, a
(gura ntais iterare que se deslaca, na desastrosa
historia do Paraguay, reudlio com decoro as exi-
gencias do joven coronel.
Isto nao deteve Lpez, qne mostrou-se Stanpre
|ierlinaz em suas empresas..
Uislarrailo era Iiiik'iii, dr> novo, iiitrodazio--e
ama noiitj em sua casa ; poreui 0 pai dessa jo-
ven, Guasada que o no.conhecia. e loraando-o
por um lioraein deseonheeido. trapera a reben-
que a cara do feroz.cuino covarde, Francisco So-
lano Lopes.
Lopes continuo o seu papel de di-sconhecido.
receben era tal carcter os acontes, fugio da
casa e minea faltn a ningueui era seinelliante
aventura.
0 desterro para o Chaco e as mais atroses per-
seguicoos. vieran em seguida a esta familia por
vate anuos consecutivos.
O ultimo de seus raeinbros pereceu nos Sim-
plicios em YIeta.
Lpez fui Europa : pooco tempo depuis de
sea regresso bou ve os successos de Capeda e era
segaida as disiutelligeacias do governo inglez cora
o do Paraguay.
publico "era Buenos-Ayres que em conse-
qneucla das ditas desintelligencias os vapores de
sua magestade britannice bloqucaram era nos-
so Borlo o Twnnnj. vapor de Lpez e ara dos
mais ligeiros que lein saleado as aguas do Rio
da Piala.
Achando-se Lope/, abordo do T'iquanj no mes-
mo dia que devia seguir para o Paraguay deu sua
itralas! o commandante do dito vapor porque
era inglez e nao podiaJjater-se cora o propno pa-
vilhao de sua palria.
A bordo do Taq[uani liavia ani alteres para-
guayo, liomem corajoso e valenle como as armas,
Andr Herreras, que deu a abordagem ao vapor
brasileiro Aliamdahij. e que pereceu depois em
Coimbra.
Este mancebo disse a Lopi'z: General, empe-
nlm a ininh.i caliera em conio vos li'vo a Assump-
cao. Os vapores mglezes sao d-* pouea liaiui.i .
Taquttry um raio. levo-vos Assumpcao com
o mea navio Ileso e coinpronietto-ine a metler
duas balas em cada casco dos najios"de sua ma-
gestade britonnica.
Lpez estava aterrorisado, debaixo da coberla ;
nao aceilou o offereciaieato de Andr Herreras,
desenibarcou noute e fugio por trra covarde-
iiieuie.
Este episodio da vida de Lpez foi referido por
Herreras un anno antes de niorrer a um de nos-
sos amigos, intimo amigo de Herreras.
Consignamos estes fados paja mostrar o ca-
rcter de Lpez, to monstruosamente feroz co-
mo inauditamente covarde.
E este hornera tem feito perecer em torturas e
nos campos de batalha 400,000 almas no Para-
guav I....
Lpez dizia aos seus amigos de manir con-
lianca, pouco antes de ser presidente : Minha
maior gloria a gloria das armas ; hei de oc-
casionar a guerra heide dominar o Rio da Pra-
ta : quero que meu nome seja o assombro da Eu-
ropa. H. .
Faltava valor a esse miSriavel para semelhanle
empreza to colossal.
O luxo inaudito de sua feroeidade desiravolveu
este brbaro desde maio prximo passado.
Foi ento que principiaram as suas prisors
era Assuinpcao, e tveram comeeo os fuzila-
uienios. ,
Assumpeo foi entao arrasada, as casas de com-
raercio roubadas e os coramcrciantes encarce-
rados. ,
Vamos dar em seguida a lista das casas de eom-
mercio saqneadas, e dos commerciautes de todas
as nacionalidades encarcerados e fuzilados de-
DESPACHO DA PRESIDENCIA DO DIA 30 Di; JANEIRO DE
1869.
Antonio Gomes Netto,Estando resolvido pelo
e ia proceder na forma
facto. uao obstante encontrar difflculdades em
achar testemunnas por se ter dado em lugar ermo.
Por offleio desla dato, communica- ne o delegado
de Olinda, que pela madrugada do da 1" do cor-
rente, no lugar Mataemho do districto e Reberi-
be daquelle termo, Angelo Custodio dos Santos le-
rira gravemente i Manoel Joaquim da Cruz e leve-
mente ao sogro deste de nome Hilario Jos da Cu-
nha e Manee! Pedro dos Santos Procedeu-se
aos compeleoAes autos de vistoria e ia instanrar-se
o respectivo processo contra o crunuioso emacap-
^dTgSe a V. Exc.-IHm. e Exm. Sr conde
de 'aepcndv, presidente da provncia.O chee
de, pohcia, r";anc/'sco ie Faria Lemn
pois.
Fazemo-lo, para que se note que jamis a voz
de nenhum ministro estrangeiro se ergueu para
reclamar contra estes attentados e em favor da
vida de seus subditos, excepto os agentes dos Es-
tados-Unidos, que teem servido para fazer chegar
a correspondencia a Lpez, e para tomar conta
dos llihinhos de madama Linch. >
Hespanhes. Casa de Urbe & C. capital de
200,000 pesos fortes.
Esta casa foi saqueada e encarcerados por Lpez
seu gerente e empregados, a saber :
Mignel Elordui. Florencio Oribe, Jos Elordui,
Miguel Elordui. sobrinho do primeiro, Bernardo
Artoza, Lucio Echebarrioste, Ignacio Galarraga:
vrava mi 50,000 patocoes, N. Uribe e seu so-
lio, gyrava cora 30,000 ptacoes, Innocencio
Gregorio, gyrava com 30,000 ptacoes, Vila ir-
mos, gyrava com 30,000 ptacoes.
Outras casas hespanholas da mesma capital:
Carlos Urknia Eugenio Mateu, Hyppohto Peres.
Ignacio Ros, Salvador Echeninue, Vicentes Mon-
tes. X. Andreu, Francisco Vidal, Jayme Folhidosa.
X. Ascona, N. Codina.
Casa ingleza saqueada e encarcerado seu ge-
rente, e fuzilado depois, Guilherme Stark.
Casas francezas salmeadas e fuzilados seus do-
aos : N. Philifer, M. Anglade. Narciso Sassonie &
Irmo, M- Ballet, Pablo Audivet, M. Roa.
Casas italianas saqueadas por Lpez, e encarce-
rados e fuzilados seus donos : Agustn Piaggio, que
gyrava com trezentos rail ptacoes, Antonio fie-
budi que gvrva com sesseala mil, Simn Fidan-
za, emprezario de vapores, Pig Pomd Barraque-
ro, N. Troza, N. Terrero.
Casas argentinas saqueadas e rnortos no pat-
bulo seus donos : Desiderio Arias, gerente da ca-
sa de Don Sinforiano Alcorta. de um gyro de
mais de dazeatns mil ptacoes, Cesar Gondra, de
um gyro de mais de quinhentos mil, Anreliano
Capdevila, Ramn Capdevila. Jos'1 Caleura, Ven-
tura Gutirrez, N. Borroza. Henrique Careta, (
Fernandez, Francisco Molla, Jos Tomas Ramirez.
casas todas de um consideravel gyro.
Casas orientaos saqueadas e morios no patbu-
lo os gerentes e enipregados : Antonio Nin
Reyes, N. Reyna. Francisi de klalzo, N. V-
rela.
Casas allemaes saqaeadas o mortos atrozmente
seus gerentes e empreados : Emilio Xenmanir,
gerente da casa Gondra Irmos, D. Adeodato e
D. Manuel, a quem saqueou Lopi'z quarenta mil
ptacoes, Gustavo Haimaisin, que gyrava com Imi-
ta mil. F. Hollinan, Carlos Wrich.
Casas portuguezas saqueadas e mortos no pat-
bulo seus donos : Americo Varella, vicc-consul,
Antonio Vasconcelos, flf. Leite Pereira, Candido
VasconccHos, Luiz Home.
Todos estes desventurados estrangeiros perece-
ram nos supplkis de S. Fernando, Y illela Lotaa
Negra.
E' da poca que referimos que a feroridbde de
tapez, a proporcao que se va rMnl". fnrtrnii
sua inaudita cruldade.
A primeira hecatombe de estrangeiros, pristnoei-
ros, paraguayos, raiilhercs a criancas leve lugar
em S. Femando em numero de 600 "pessoas.
Esle raonstro execrando conserva va expeetasaos
raios do sol as suas viclintas, mezes iateiros, sera
roupas com que cobrissera suas carnes e soffremlo
todo o genero de torturas.
Cada da fazia-se a listo dos que deviam ser fa-
zila Jos e os que marchavam para o pattulo passa-
vain por iliante dos outras prisioneiras e erara fu-
zilados a 50 varas de distancia deHes. c depois
seus despujos erara passados pela sua pri-*na.
O desatacado argentino Desiderio Anas.aprfti-
do por seu nobre carcter, foi unta das victimas
que elle mais fez ilfrer.
Mezes fnteiros cousarvou-o expos aos raios do
sol, e umitas vezes no epo qne Lpez chamara
l'ruqunynna.
Esle cepo consista em ligar um hornera entre
espingardas, manietado de pn e mii a,
Fazendo-o collocar-se de cocaras. passavam-llv
una espingarda as nemas e di on doze na nuca.
Atavam os extremos de manen a que cora a ca-
becea entre as pemas pareca urna raassa m-
forme.
(I destacado Arias soffreu estes tormentos ton
resignagao e suWo ao cadabbo sera exhalar una
queixa sequer.
Foi era S. Fernando, oad por esti raaneira sa-
crilicou este brbaro seiscentos de seus seme-
Ihantes.
O resto dos presos marcharan! guardados deste
popto at Villeta, obrigando-os a fazer esto marcha
de 45 leguas a pe, carregados de pelrectas belli-
cos de todas as classes, e mis.
Essa marcha foi o mais brbaro suplicio para
as victimas.
A umitas dolas ao sabir de S. Fernando liram-
Ihes os grilhoes, de modo que com os ps defor-
memente incliados, obrigavam-as a fazer o ca-
iiiiiIhi.
Aos que cahiain exnimes pela fadiga e pelas
dores dos espinhos que se lhes era va vam nos ps,
os soldados acabavam bayoneladas, por oruin
de Lpez.
Assim chegaram a Villeta estes des-rracados a
expirar nos mais atrazes supplicios.
Lpez nao rortoii, como se havia dilo, a ino di-
reita ao Dr. Carreras.
Estando no copo l'nitiiwiiiina a forra da espin-
garda das peraas separou-lhe as raaos dos pu-
nhos.
Carrejaram-o como una massa informe quando
foi ser fuzilado, roorrendo assim mesmo com um
valor estoico.
Gutirrez, Tirante, os Capdevillas. Arias, Solero,
Catenra e outros, todos pereceram.
Madama Lynch dirigia-se na hora daagoiu'a
nuer a estes querrs nuiiaeres une ueieeerain nrt
Lpez antes de fugir despaciou oite earruage-ns
e carretas arregadas com diversos objectos e tlie-
souros.
Nao leve tempo de mandar os objectos que fo-
ram tomados pelos aliados.
Resquin acompanhava-o, c Mac-Mahon acomf-a-
nhou os filhinhos.
A sanguinolento tragedia que acaba de ter-
minar em Villeta, nao tem cxemplo na liumani-
dade.
Aquellos bosques sombros como o coracao de
Lpez, hoje sao o sepulehro do povo qne foi seu
martvr no silencio daquella immensa solido.
E comtudo a voz audaz do cynismo c da impie-
dade se levanto em Buenos-Ayres chamando a L-
pezo apostlo da repblica t
A felicidade desses desgrae.ades foi nao encon-
trarem-se com elle era Vlela.
Teriam marchado ao supplicio como Carreras,
como Telmo Lpez, como Coriolano Marques, pere-
cendo nos calaboucos que luha para os seus ami-
gos o apostlo da repblica.
Quanto crime, quanto vergonha, e qnanto
erro I
Urna carta de Mephislofeles Tribuna de Bue-
nos-Ayres diz :
Temos fallado com alguns prisioneiros para-
goayos dos poucos que escapararn ao ferro ou
chumbo dos alliados, ou faca do verdugo Lpez.
Abvsma ouvir a relacao de suas crueldades e
irrita o estoicismo com que o supportaram suas
victimas.
t Estamos convencidos que foi um bem para a
nacao paraguaya o seu exterminio.
i Duzentos annos de civilisaco, ou melhor dito,
cinco, geraeoes successivas nao teriam regenerado
esse paiz aviltado e brbaro.
t A sement depositada pelos sinistros jesutas
fructificou: e a ignorancia, o fanatismo, a humi-
lhacao, a crueldade c a abjecijo, ludo confundido,
formn a massa dessa nacao degenerada em seu
principio.
t Foi por isso que tveram governadores como
Francia e Lpez. a
Os documentos inclusos para seren inseridos,
se houver espaco, mostraran ao leitor que Lpez
edmpraza-se em dar cabo deste povo, sacrificando
as familias dos que se passavara, se rendiam oa
erara prisioneiros.
a Isto horrivel, porm a veidade. Nao obs-
tante o povo paraguayo salvou-se.
Sua regeneracao ser completo, antes de mut-
to tempo. ...
A emigracao preenchera os claros deixaoos
pelos servidores do despotismo, e como esto ser
oriental, argentina e europea em sua maior parte,
aquelle povo degenerado por seu fanatismo e de-
gradado por seus vicios surgir poderoso.
Era o que precisava o Paraguay. Urna rege-
neracao paulatina era impossivel. Os seculos ca-
minjiam demasiadamente apressados, eos poyos,
que necessitam de liberdade anceiam urna transte-
cao violento.
Cem mil Paraguavos pereceram nos campos
de batalha c no patbulo. Seu sangue remro a li-
berdade de seu lilhos, e a dignidade de sua
nacao. ,.
O Paraguay ser feliz porque pode dizer, Ta-
cas allianca, que de Janeiro de 1869 em diante
outro tyranno nao pisar seu slo.
PERNAMBUCO.
EEVISTA DIARIA.
AUTORIDADES POLICIAES Por driiteracao
do 1* do corrente, sob proposla do Dr. rltefe de
polica, foram rtomeados, pela presidencia da pro-
vincia, para o termo de Olinda :
3- a 6o supplentes do delegadoDr. Manoel An-
tonio dos Passos e Silva, Dr. Francisco de Caldas
Lias, Joaquim de S Cavalcante de Albuquerque, o
llemeterio Jos Velloso da Silveira.
2 a 4o supplentes do subdelegado de S. Pearo
Martyr-Alexandre Jos Domeas, Demetrio de
Azevedo Amorim, Miguel Carlos de Faria.
3o a 6 supplentes do subdelegado da SJoao
Francisco da Rocha Baixa Lins. Tliomaz Jos de
Gusnio, JacntW Soares Botelho, eMalfcas Ferrei-
ra Lima. .. -.s-..
! a 6 supplentes do subdeh*ado iloj'***
do Marauguapj-Ttteodoro Ferwira da Audrao
v


Mil
PAftl

DUri* de Perntimbuco Quinta feira 4 le Fevereiro de 1869.
hmhi 1/
Francisco Antonio da Natividad* Saldanha. Cesmaltentando; sabir taro am peni, que naqaelle lugar,
Damin de Souza Pinto, Luiz de Franca Gucdes e poueo antes da ponte, passava com eareccao ao

Luiz Correa de Gusmao..
2* a 6* suppleajtes do subdelegado do 2 districto _
de MaranguapeJos Gdncalvcs da Silva, Laurn-1 to-ern, visto achar-se este completamente c^U
do C.irneiro de Vasconcclles, Francisco Xa%ter 9 horas da noite
qnerquc. Joaquim Estanto Caval- Passando, purtin, alli o-trem mu pivijmdajjum
Pessoa deAlbuqu;rquc,
cante de Albuquerque, e Juaquim Francisco Del-
gado. -_ .
ELEICES.^Prosqgem o trabamos etetoraes
uas diverjas fregu*, scmnenhunia oeenrrentia
desauradavel.
Na reguezia de S. Fre Pedro Goncalyes con-
dnio-se hontem a aonracao, sahindo eleilos :
Eleitares para senador.
Jos Pedro das Neta........
Itr. Antonio Gomes lavares.......
Joio da CunliMagalhaes Jnior.....
Jos da Silva Loyo Jnnior......
Manoel Jos Banasta.....
Estevao Jorge Baptista.......
Manoel Francisco Marques.......
Joan Marques Correa. .... .
Herculano Jos Rodrigues Pteheiro.
Dr. Antonio Estevao de Oliveira. .
ttmnet Estanislao ta Osla. : .
joao l'rancisco Pardelhas......
Joio leaqttiin Alvos........
Antonio Uulino de Andrade Luna....
Jos Marques da Costa Soares.....
Gustavo Sizazemlo Parlado Meinlonra.
Jos Joaquim Alves Miranda. ......
Bernardo Ferreira Loureiro......
Joio Licio Marques Jnior. .....
Antonio Faustino Cavalcanti de Araujo. .
Manoel Marques de Ahreu Porto.....
Jlo Francisco Marques........
Padre Miguel Vieira do Barros Marreea.
BJeitores para deputados.
Jos Pedro das Nevos. ..*.-. ^.
Dr. Antonio Gomes Tavares.
Joao da Cuuha Magalhaes Jnior.....
Jos da Silva Loyo Jnior.......
Manoel Jos" Baptista.........
Estevao Jorge Baptista........
Manoel Francisco Marques. J
Jos Estevao de Oliveira. ......
Joao Marques Correa.........
Anastacio Jos*- da Costa. .-
Herculano Jos Rodrigues Pinheiro.
Manoel Estanislao da Costa......
Jos Marques da Costa Soares......
Francisco Joao de Barros Jnior.....
Bcrnajal o Ferreira I-oureiro.......
Baltliazar Jos dos Res........
Antonio Rufino de Andrade feuua.
Manoel Marques de Abreu Porto.....
Jos Adrin da Costa Moreira......
Joaquim Anastacio da Cunha......
Jnsclsijoro (Vivir dos Reis.
Hermenegildo Antonio Barbosa de Almeida.
Padre Miguel Vieira de Barros Marreea. .
JUIZADO DE PAZ primeiraaudiencia do da
frecuezia do Santo Antonio, no correute auno, de-
ve ufar amaiihaa as horas e no lugar do cos-
- As do da reguezia de S. Fre Pedro Goiv-al-
ves serio as tercas e sextas-feiras, as 10 horas da
manhaa, na casa do residencia do juiz de |az do
priniero anuo.
FEIUMEXTOS No dia 25 do paseado, no ilis-
iricto de Boin Jardim Alexandre Ferreira del.ini;i.
ferie com urna faeada a Manoel. escravo de Ale-
jandre Correa da Silva,
No lugar Matumbo, do districlo de Beberibe,
no dia I." doeoiTente, Angelo Custodio das San!o-
ferio gravemente a Manoel Joaquim da Cniz, ao.
soero deste Hilario Jos da Cunha ea Manoel Pe-
dro dos Santos. A polica local instaurava 8 com-
petente process >.
CONFLICTO E MORTESEMCATEN DK.-Teuilo
j iuteirado os leitoresdo que oceorreu no dia 28
ilo passado, segundo as eonmmnicacoes do mmente,
chamamos a sua atlencio para a Parte de poliea,
publicada no logar competente, na qual vem rea-
ifido eom toda a mnuciosidade o fallo.
ESCOLA NRNAL.A matrcula ijesse cursado
instrneco ser encerrado no dia i." do eorrente,
COM'ANHIA PKRNAMll'C.\NA.Deve tor lu-
ga*, no dia US do correoio a asa uiiila geral dos
uewoistas deste euinpwuia, para a leitura do re-
laloro anuuo e elesio da directora.
EXAMES
370
*7
367
:m7
367
366
365
365
:i't
:i6:i
363
3Ci
389
32
36;
661
:i6i
36
:i60
ato
360
360
359
369
367
367
367
367
366
366
306
306
365
3
381
361
:(ii
36:1
363
363
362
362
362
362
360
399
Cajdeireiro, foj ulirigado a ter-se sobro os estribos
do lado esquerd i do ultimo carro de 2' classe do
muro, o infeliz prclo -den de costas nelle e foi ao
.Ui eom tal desgraca para si que cahio entre os
trilitos o passaram-lhe as duas rodas frazeiras \b
referido ultimo c irro sobre pspernas, fraeturaudo-
as em continente
O accidente c eu-so por tal forma que neta o
uiaeaiulsta nem o candactor tiveram sciencia el-
le, sentiado apenas umpei|ueno resalto que mullas
vezes produxiiio por pequeas pedras que os
iiiMlfeiloics eolioam sobre ostrilhos.
Do segtiodu Irein, ponm, que passou poucos
miimtos a|>s, .'e -anido o gorenh; da empieza, fo-
ram varias pessois ver o infeliz, e o Sr. gerente
f-lo eonduzir para a casa de seu senhor e man-
dou-lhe medico. O preto aloceu alguinas Unjas
depois. tendo ai tes. porm, (-ontessado que dera
lugar ao accidente a sua imprudencia.
Sao senipre la nentaveis tees acontecimentos_e
parca o sempre oda e qualqucr rcconimendacio
que, no sentido de seren elles evitados, se ca.
ESCRAVIDO NO PARAGUAY.Supjiunha-se
geralmente que de ha multo a escravidao eslava
abolida no Paraguay, donde tantas,vezes se atira-
H ao Brasil a po'lui do imperio esoravocrata. E'
mu erro. Anda se compra e vende-gente, e con-
cedem alforrias. Temos dlsso prova ein documen-
tos aullienlieos encontrados na Assumpcao, dos
quaes r.'[i!'oduaiuui6 akjuHs paia coiihecmento do
""mundo inteiro:
Digo .u. Mar a Viceueia Caiza, natural da re-
pnlitica i moradora nesta capital, que dou em ei-
fecliva venda a Jian Antonio Brisuela. da mesnia
natiiraliilade .e re-ideneia. nina pardaescrava cha-
imda Vicencia. d^ idade 3S anuos, eom todas as
suas qualidadcs cultas c patentes. jela soiurna
de cine unta peso;.torios, que rerelii ueste acto ein
dinheirn enrrente :i niuha inleira salisfac;in; e esta
escravj a compre a Auna Xabel Haedo, natural
da repblicae moradora nesta capital, tendo entSu
de ida I 29 aiinns, pela i|iiantia de cen pesos for-
tes, (> lsse poeten -er aos befts indivisos da finada
ini Magdalena Iglecia, eom cuja noticia, ennheci-
nienfo e consentimento, e essa virtudo do quo cedo
o tranitpasso so tomnrador todo o diieito de se-
nhorio e patrooatt. e faeo a presente venda deela-
raiulo ser legitime valor ila escrava os 50 pesos
fories j recebidos, e se mais valer faeo ao com-
prador dOacSo grietosa, pura e perfcila de qual-
quer excess, subinettendo-me a todos os senhores
jalas comaetentes pata que sendo preciso no com-
pillam e constranjam ao cumplimento* deste con-
trato. Assim 0 oulorgo permite testemunlias na
Assumpcao, aos 21 de maio de 1815. V rogo de
Mara Vicencia Ca iza por nao saber asiguar, si-
dra Lede$tvx.C/)tim testerttanbas, Manoel Jos
Torres, Murtim Jos Hodr'ajuez.'
' Conste aos que o presente d uimento virem.
3lie en Juan Antonio Brisuela, natural o morador
este capital, por elle declaro e oonfesso que nao
tendo successor ne n ascendente legitimo, e possu-
indo una escrava chamada Vicencia. de 37 annos
de idade,que comprei altara Vicencia Caiza da
mesnia naturalidade e residencia, a ella pelos sens
hons servicos e causas justas que nw mnvem, of-
ferecl dexa-la livre depois de met lallecimento, e
torno isto elfcetivo na melbor forma de direto,
sendo cito que, s: hedor do que em seinelhantes
casos me compete, mfhfaa Bvre c espontanea von:
tade, e pelo presente declaro que dou liberdade
dita Vicencia, paro que a tenha desde o dia do
nteu lallecimento, e nao antes, e me demitto o
aparto de todo o direto e dominio que tenho na
referida Vicencia. e lelloeedoe o renuncio etrans-
passo, para qae logo que en fallecer seja livre e
nao esteja mais lempo em servidla, c como tal
pessoa livre trate, eontnte, compre e venda, eom-
paraca emjuixo oulorgue testamentse escriptu-
ras e faca ludo o qi e para urna pessoa que nasceu
livre, usnd em tuiloda sua livre vontdc.e obri-
go-nie (|ue agora c MD todo o lempo Ihe ser eerla
e segura esla cscriptura, eno caso de eu tentar o
contrario quero bao ser oQvidoem juizo nem fura
delle, seguranza e lirmeza do que abrigo miaba
pessoa e bens, coni renuncia de todas as les que
me pissan ser benficas, em fcsteOuinho do que
outeicgo a prsenle nesta cjdada da Assumpeao,
Evangelista do Espi'ite-Santo; appellao, Manoel
Felppe da Silva.(y nlirmada a sentenca.
DKLiuKN-aa ('.bime.Ao Sr. desemhargador pro
motor da justiea: appcllante, o juizo; apoeUada,
Ahna Custodia de Jess.
A fcilos:
ApruLLAgio canil-Appcllante, Jos Ferreira
da Silva, ap icllada, a Justina.
Appnia.A<;oa3 civeis.Appellante, Jnad Luiz Fer-
reira Kibeiro; app diados. Dr<-curador peral e
outro. Appcllante, Joaquina Benedicta d:i Silva
Pereira; aopettldo, JnioRibeifo Pessoa l.acer-
da. Appellante, Jnai uim C;ivalcante de Albuqtn i -
ue Mello; appellailn, Dellloo Luiz ( avalcaiite
essoa. Appellante, Antonio Jos da II. -lu; ap-
pellado, Izidoro dos Santos Lima. App il me, Joio
de Souza Minarles; anpcllada, a prila llene-
dicti.
rASSAl.KNS.
Do Sr. desembareador Almeida Albuquerque ao
Sr. desemhargador M(>tte-T-Appcllacoe$ civeis: ap-
pellante, Estevao de Ajbuquerque MeHo Montene-
gro ; appellado, Estevao Josf Barbosa. Appean-
tes, Manoel Antonio dos Passos e outro; appellado,
Francisco das Cliagas Salguero.
Do Sr. desembargado!' Souza Leao jo Sr. desem-
bargador' UcluVa (a\alcante.Apncnaeao erimo:
appellante, Amaro Guiiealves dos Santos; apjiella-
da, a justua. Appelltees civeis : appellante, Jos
Camello do Reg Barios; appellado, Dr. Francisco
Joio Camciro da Cunha. Appellante, a fozeqda;
appellado. Juan Niim s de Souza Wandcrley. Ap-
pellante, Manoel Bar osa da Silva; ap|iellado, te-
nente-coroncl Feliciano Joaquim dos Sanios.
Ao Sr. desembargador Gitrana.Appellacao ci-
vel: appellante, Dr. Gaspar de Menezes Vasconcel-
los deDriimmnnd; ap|n;lladns, osherdelros de Jo2o
Henrique da Silva
Do Sr. desembargador Freilas Henrques ao Sr.
de lantcs, os herderos do commendador Manoel Fi-
gueira de Paria: appellada, a Cateada.
Ao meo-dia eiice.-rju-se asesso.
, aos 19 de ulbo de 1817, perante as testemnrmas
DE PREPARA! l MI i amecam WB|i Jt j [nl0ll0 Bl.sn(,,a__
boje, noeollemodasArtesas<'mef.r.^T"', Como te-temunhas.--Pedro Regalado Riqnebuf.
litan Mauoel Pieroso.M atoel Jos Jbrm.
Viva a repblica do Paraguay.
Digo eu Juan Antonio Brisuela. natural e mo-
nos pira a Faculda.le de Direito; bem como o
iiercieiq das re-peclivas aulas, daremto luneeiu-
uar na eguinte ordem: a de latim das H as^ld
as de pbilosopliia e de rhetoriea
&ar^Jjf,f^-W,'a..d?^
isnpaia
10; a de iiglez das |0 as 11; a de gebhi lia das
II as 15.
SYSTKMA METRIiX).Publica am-se as taboas
de redcato comparava de pesos e medidas, de
que j de nutra vez traa os nesta Herala: as
quaes acbam-sc na encardenacio Parisiense espes-
tasao publico.
Na especie um irabalho este qae saaslaz ao
sen lin, prestamto-se rpidamente a qnaesuoer
evelneos do calculo de conversan de sua medula
on peao em nutra medida ou p'-so qu* Ihe corres-
ponde. 1
O sistema dessas taboas assenfando na rednecio
dos pesos e medidas amigos aos modernos, edestes
aos daquelles, comprehende-se que nada pode dei-
xar a desejar: pois ein una taina tem-se ao mes-
ino lempo os doni pesos on medidas em MMSVer-
dadeirns valores coinparalivos e de ivduccao exae-
la, poup indo assim o trabaIbo aritbmetico desta,
que sera preciso em qualquer casa de negocio
reproduzr-se per da inhnitas vezes.
Ein sumnia, recienmendamos esse traballi > as
peaaoas do commercio, que odie terio um auxiliar
pralico para nao snlfrer delnnga o expediente, que
se quer rpido, do negocio a relalho, mxime agora
no comeco da pratca legal do syslema mtrico
entre nos.
TRILIIS l'KBAXOS.Lembramos ao gerente
di-ssa flwprna a narowidade de ser collo.'ado um
abrigo no ponto de parada dos tren* daquella
via-ferrea, situado as ofllcinas. onde os passagei-
his se vem obi'igados a licarein e\.postns as intem-
peries do lempo; em ultimo caso convm que ao
meaos se faca um alnaiara apoad no edibei tdn
escriptnrio: isto reclamado eom instancia, mxi-
me aproxhnando-se a estaca.) invernosa.
Outrosim de nei-essidade que no lugar da for-
ra se faca urna esUcio-abrigo para os passageiros,
qae,porteiiipo.sineo-tantes,s mbrigados n^cor-
ter s casas visinbas do ponto de estaciunameuto
GUIAS DE IMPOSTO.Informam-iios que se
i-obra 7^200 por cada guia de pagamento de im-
poste, qae se vai rec.lher ao cofres pblicos. Se
asaba nl> sabemos baseatlns ein que se prorelc
poresiafnna.aftendendo-sequeoregimenloesf*-
eial estabelecc quanlias nr.iito int>;rior essa para
o estipendio reinunerador do trabalho do passad ir
desse ti trumente. CoawsBi que a auloridade
competente syniliquedo faetoe deas provi.lencias
que elle pede, no ca.si> afina divo.
FESTA 11A >AL'E NO POpOEasa restivida-
Je de que nbjeelo de venera en Vogia Senhora
da Saudo, vai a-sumindn de anno para atino, mato-
res pntpnrijoes na popularidade o folginxlos con-
ernentes s irandes agglninerai;es de puvo. A
leanle-liontem (2), estijve. expleudida, quer pelos
iecoros da igreja interna e externamente, quer
pela extra ramada concurrencia, quer finalmente
tela msica e mais acces-orios da missa e (lelos
vaiegad >s entretenimentos offerecidns a pulilica
ilem.-n. Caleula-M em cerca de 8 a 10,090 o nu-
ner'o das peasoas iran-jiortadas ao Poco pela via-
ferrea de A mOmcos, nao se pudendo cafen lar o nu-
iBero das uan aleres, e a que seguiam a p nio s da cdade
i-inin dos arrabaldes.
DISTURBIOS.Em toda a parte, nos grande*
ajunatmentH te pnvo, se dio disturbios e alro-
l>--4cs; em iienlitima porm, assas manfestaeSes
!a impacienria d> uns e da impertinencia de outros
sao mais vehementes do que entre nos.
Anda honlem m*senciou o Poeo, scenas de dis-
turbios queso huein con'ra qneni as provoca e
aaThwtemaparte. Antes epnabo depois do fogo
4e ai-teticio, ao largo da matriz bouveram gritos^
nmpiiri es, i aehaojSM e tinte mais que aivmpanha
esoof dod is da desnrdem que sil vibrado* iinm >
deradani"iie pela impertinencia e impaciencia dan
turba*. Na 'istacao do Caldeireiro, antes da par-
i ida te* tren- pie se seguirara ao fogo, houveram
ignalvniHite nvuito* grito* e empuiTes porqietodo
i muirlo quera ser do* primeirns avoitar ansiares
Offle.'ie s.
A aecin da polica fez-se notar, sem que tod-via
-ua inluen'ii lzesse acalmar comnletamente os
que ha raod? ajnntamento de povo e p raeacia da lgica dos empurret, desordern entee
:dgan* dos pr;^entes.
JICCIDENTiCAnte-bontem a aeite um lamen-r
tswf aceid -nh den-se no logar 4a Maagamao, na
viaferrea de Apipueo*.
i Digo en
arnmpouha, datado de 19 de julho de 181", oulor-
gue: liberdade para depois dos meus das miaba
escrava Aicencia, comprada boje finada Marn
Vicencia Caiza? e desojando remunerar os liis
sen iros que antes e bpnisde outorgado o dito do-
cumento me lem prestado a referida escrava, re-
snlvo qu a mencionada liberdade se entenda entre
vivo* e desde o dia Je boje, para o qual effeito a
declare desde j livie para sempred toda a ser-
vida e Ihe dou poleres para que desde agora,
trate, leste, compare; i em juizo e pralique por si
mesnia, sem interven cao inhiba, qnanto se pennit-
te s pessoas que hasccram livres. pois para issn
Ibe oulorgo esta caito, na qual quero e miaba
voatade que se cnteudam insertas todas as clausu-
la-; para sua maiur lirmeza o eslabilidade, nbrigan-
dn-me de toda a forma evieco e sanamente e a
nao revogar total nem parcialmente a presente ma-
numsso, para cousiar o que assgno eom as les-
teniuiibas, na Assunipco, a i de agosto de 1857.
Juna Antonio Drisiul.Como testemonhas..Wn-
noel Benetiz.Pedro R'quilme.n
Viva a repblica do Paraguay.
* Pela presente pipk'leta concedo a permissan
neeessaria minba eu-ra va Trinidad para quepos-
sa alugar-se dentro da capital o manter-se eom o
seu trabalho pessoal. para constar o que Ihe passo
a presente na Assumj^ab, capital da repblica do
Paraguay, aos 9 de mar?o de 1861. Juan de la
Cruz (nybii.iiK
Tedas estas doeon cntos esto sellados e tem as
armas da repblica do Paraguay eom a legenda
Paz e jHslira.
LOTERA.A que se acba venda a 91", a
beneficio do palrimt mo dos orphos, que ('orre
abitado 6 de fevereio.
PASSAGEROS.,\ barca portugueza Despiqut II,
entrada hoiitem do l'orln. In.uxe seu bordi os
seguintes: Germano (Nympio Correa. Feliciano
Jmge da Croa, Aiuusln Dia* Correa, Luiz Mara
fia Cruz, Jiw Luiz ds Silva Patte, Alfredo da Costa
M galhs, Antonio Floriano du Aznba, D. Marga-
l-ida de Jess da Gloria, Hermngene* Nunes da Sil-
va, Joio da Silva, Jiai|uim Dias, Manoel Joaquim
de Asevedo, Antonio dos Sanios Jnior, Paulino de
Souza, Joaquim Fern ira Marins, Manoel Goncal-
ves A:ra, Albino Fen eir dos Santos, Antonio I)ias
da Silva, Jos Antonii da (>>sta, Joio Felippe, Iter-
naido (loncaln. Antonio Maitns Lanieira, Antonio
Rodrigues Lameira, oanoel ila Rocha, Joao Bastos
de Mello, Antonio Alves Pereira da Fnnseca, Anto-
uiu Carneiru de Souza Azevedo, Paulo de raiijo,
Jos Rodrigues Marti is. Jos Cesar de Mello, Au-
gusto Luiz Goncalves, Manoel Clifiorde.
Usa preto, escravo do Sr. praticomor Pardelba, PereiraConfirmada a
CIIROMM JCDIfMKM.
TRIBUNAL D 1 ll:i. %, lO.
SESSO DO DE FEVERE1RO DE 1869.
PRESmENCIA DO EXM. >B. DBSESBAnGAOOR SANTIAGO.
As 10 horas da mar bia, presentes os Srs. desem-
bargadores Gilirana, Umrence Sanago, Almeida
Albuquerque, Motta, 3uerra, Souza Lelo o Freil .s
Heuriques, faltando os Srs. desembargadores A.stis,
DiMiiingues e Silva, e Ucha Cavalcanie, abrio-se a
sessao.
Passados os fetos deram-se os seguintes julga-
meaass:
Rammos cbies.Iteccorrente, o juizo; receoi-
rid, The idoro Joaqui n Lopes Benevides.Relator
nSr. desembargador Gitirana, snrteiados os desem-
bargaiJores Souza Leiio, Almeida Albuquerque e
Moti'a.Iiuproce lente. Reccorren'e, o juizo; rec-
corrktes, Antonio Gapaleante Albuquerque e mi-
tins. -Relator o Sr. desombapgador Almeida Albu-
querque, sorteado* i Srs. d fscnbaigadure* Loo-
reaea Santiago, Molla e Freilas Henriqaes.Im-
procedente. Beccorreateo juizo; irenrridi, R i-
lino Jos Barbosa.Relator o Sr. desembargador
Metta. sorteiailes os Sr*. desembargadores Freita-
Heuriques, Loarenco Santiago e Souza Lea.Im-
procedente. ReeeerreiBte. ojuizu; receurridn, Joa-
quim J#sdeSaat'Aani Sortciadosos Srs.desom-
bsrgadores Leurenco antagn, Almeida Albuqner-
ipie e Gitirana, relator o Sr. de- ilenriques.-^Improeedi nivv Reccorrente, ojaizo;
reccorrido, Domingos Jo* ite Parias.Relator o 8r.
dnemB*rgalor Souza Lea o, snrteiados os Srs. des-
embargadores Aimeidk Albaquor-pie. Gitirana
Mulla.u irocedoate.
Aepiu.*;os8 vis. Appftuaate. Jos Antonio
de Oliveira; appellado Francoln i.aurentino do
iiftm.-Confirmada,, seatenca. AppaUante. Ma-
Muniz Pinto; apelado, Antonio da Rocha
ntmi mi. no c oh nuncio
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DO 1 DE
FEVEREIR0 DE 1869.
PaaSIBENCIA DO KXM. SH. DKSKMBAIIGADOB ANSKLMO
KRVM;is:n i-kretti.
As H boras da manliaa, reunidos os Si-s. depu-
tados Rosa. Miranda Leal e baria de Cruangy, fal-
tando por anda continuar iacommodado o Sr. de-
putado B^sto, conforme o oflico que hoje eudere-
c,ou anSr. secr.Hario, o I-aui. Sr. presidente decla-
rou abena a sessao.
I.ida, foi approvada a acta da sessao de ii do
mei prximo finio.
KXeiDIKNTK :
Olicio do presidente e secretario da junta dos
crreteles firmado de boje, a presentando o boletim
eonnri'jrcial la semana prxima passada.Ao ar-
chivo.
dem dos agentes da companba de seguros F1-
deliilade de Lisboa, firmado de J7 do prximo pas-
sado em resposta ao de ii do mesmo inez, dizendo
nao podaren satisfazer quanto se lhes *)licitou,
porque s a sede da ci inpanhia o poderla fazer.
Accuse-se.
dem da Componbia L'rasleia de paquetes a va-
por, datado de 29 do sobredito mea em resposta ao
de 22. dizendo que senilo a sede da companbia na
curte lo Rio do Janeiro, s a sua directora pode-
ra ministrar.asFfaformujdos pedidas.Aecnsetse.
dem da do seguros Fidelidado do Ro de Janei-
ro, tambem firmado d<: 29 do prximo passada e
em solucio ao de 22, allegando a mesnia razio de
que por ser a s-de da imaauslia no Rio de Janeiro,
J a directora podia fomeeer as informaeos soli-
citadas. A'-en-e-se.
dem do agente Loodon A.Brasilan Bank Limi-
ted, firmado de 28 da mesmo inez, satisfazendo
quani.i se Ihe solk'ilou por officio de 22.Acou-
se-se. .
(dam de G. O. Mano, superintendente da estrada
de Ierro lo Recite a S. Francisco, firmado de 27
do passado, satsaze,ndn igualmente o quo se Ihe
solicitara por oilcin tambem de 22.Accuse-se.
dem do agente da companhia contra fogoSegu-
ratea do Norte em Londres, datado de 29, salisfa-
zeieio o que se Ihe goKetton por oltlcio de 21Ac-
cuse-se.
dem do segundo se'retalio da 'bmpanba lu-
demnisadora, iirinado ele 26", daudo us esclaroci-
nh'iifos paoMB no officio de 22.Accuse-se.
Mein do aiiianuense archivista Franeelin Au-
gusto de Hollanda Chacn, firmado de baja coni-
muucando oslar fazen lo parle da mesa eleiloral
da fregue;,u de Sanio Antonio do HevilCjieto que
ll.lM [r.r-tl., !.>.,';,.II "l'"! A ''J1.1 I III'^' I Tnillr^l.
Aos Sis. (tepotados foram distribuidos os dous
seguintes livros : Diario de Jus Joaquim Aires,
dem ile Alvaro Augusto de Almeida & C.
O Sr. Dr. ollicial-niaior apresentou os termos de
Bancas do correteras que se referi a resolneio
do tribunal tomada na sessao prxima passada. -
Sobre o adore leatemuiaha de Macelo l Mamcdc
ficou satis! ito o tribunal, sobre os oulms mandou
proceder algumas mdagacSes.
[DESrAClOS.
Remtoriniente de los Antonio Gomes Jnior,
cidadao brasilciro e autor ibis Nocoes do Systema
Mtrico Decimal, pedinuo ser nomeado avaiiador
dn juizo commerial paia os gneros de peso, li-'
quidos e jxbmsab.Vista ao Sr. desemliargador
fiscal.
Dito do Jos Rodrigues Fcrraz, o Justino Fian-
cisco llemiques, registro de seu contrato social*
Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Dito de Antonio Ferreira da Silva Maia, Manuel
Alves Correa e Narciso Jos Montoiro, idoui do seu
contrato social.Vista ao Sr. desembargador fisoal.
Dito de Jos Cardlo da Silva Pinto 4 C, dem
do distrate social da lila finna.Vlte a petie i
depois de. vtllado o documento eom o sello devido.
KIHADOS.
Da Alvaro Paulo Noblato, em que pede ser no-
meado avaiiador do juizo do commercio.Con-
tina.
De Jos Mara Seve, igual pedido. dem.
Com inl'ormaciodoSr. desemliargador fiscal.
De Bento Reis t '.., contrate do sociedade -Re-
gistre-se.
E por que nada mais liouvesse sida prsenle a
despacho, o Exm. Sr. presidente encorrou a stisse
ae ilemeia hora? do dia.
Despresados os embargos, sendo vote vencido o Sr.
desembargador Accin.
Por nao estar presente o Sr. Baste, nio foram
propostos os foi! >s entre partes : appeLantes os ad-
iKiistradoi da masca fallida de Ant >uiu Jos de
Fgueired i. appellada D. Paulina Areins de Godoy.
Appellantesos di! is adniinistratloCes, appellado An>
Ionio Pereira du Carvalho.Embargantes os admi-
nistradoi di inassa fallida de Supura A Petaca,
eiuharg.ii'o o Dr. Augusto Careefo Monteiro da
Silva S:nitos_Apiiellanles Guhnaries A Oliveira,
appell.ula a directora da caixa flal do banco do
Brasil nesta eidade.AiijR'lhintes Johmten PaterA
C., apiM'llado Flix Sauvaga
A ntelo dos Srs. deputados adiaram-se ns jul-
gamentos dos feitos ctafo, partes: apjaellantes es
administradores da inassa fallida de Antonio Jas
de Figueiredo, ajipellado Francisco Jos fie Oliveira
Jnior.Embargante Francisco Goncalves N'"!tn,
embargados os administradores da massa fallida de
Amostra, Fragoso, Santos & C.Appellante Fran-
cisco Ferreira de Novaos, appellado Joaquim Jos
Pereira da Cunha.Appellante D. Maria Cordeiro,
appellado Joio Ribeiro Pessoa de Lcenla,Appcf-
Iante Domingos Ramos de Araujo Pereira, api>ella-
dos Moeda Medoiros & C.Appellante Antonio P>-
reira de Faria, appellado o curador da inassa falli-
da de Joaquim Jos de Arruda.Appellante Fran-
cisco Jos de Paiva, appellados Monteiro AI rmao.
Emharganle Joaquim Luiz Vieira. iHnbargados os
administradores da inassa fallida de Amorim, Fra-
goso, Santos & C.
PASSAGEN'S.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-.
gador Silva Gtiimaraes : appellantes Prente Vian-
n C, appenados os administradores da massa
fallida dt^ Amortan, Fragoso, Santos & C.
Do Sr. desembarpadur Reis e Silva ao Sr. desem-
bargador Arcioii: appellante Joio Antonio Pereira
Lima, appellados Moeda. Medeiros 4 CAppellante
Vicente Jos de Brito, appellado Francisco da Silva
Reg.Appellantes Fedel Pinto & C, appellados os
adininisiradnres da massa fallida de Ainonin, Fra-
goso, Santos & C.
AGORA vos.
luizo especial do commercio: Aggravante Ma-
noel Pereira Magalhaes. aggravado Manoel Jos-da
Cusa.
O Exm. Sr. presidente deu provimento em 19 de
dexembro prximo passado, seudo hoje publicada
a divisan.
Juizo especial do eommereto: Aggravante D. Ce-
sara Candida Notare do Gusmo, aggravado Manoel
Pires Ferreira.
O Sr. desembargador Reis e Silva negou provi-
mento.
Nada mais bou ve, e encerron-se a -ssio s 2
boras da tarde.
NOVO BANCO DE PERNAMBU
BALA.NCETE DU NOVO BANCO DE PEIINAJIIUJCO EM LIQUI-
AgAO, KM 30 DE JANEIRO DE 1869.
Activo.
Letras protestadas.....
Ttulos depositados ....
Despexas geraes......
Caixa.Pelos seguintes valores :
217:1124668
36:337*178
2594620
Ein ouro amoedado Em notas do beso e da Caixa Filial Banco do Brasil Em peala c lire. iro do Pa 2:62i880 37:287 OOO 165*210
fiis. ssivo.
40:077*120
293:787086
Capital............
Kmissio...........
Cobtss correales eom jaros. .
Cuntas correntes simples. .
Fundo de reserva.......
Titulns em caucao.......
Massas fallidas a cargo, do Banco
Dividendos..........
Lucros cnerdas........
116:0975000
10:6003000
7:935*631
5:6264081
112:7i3766
36:337678
3:615*907
60000
23020
Res.
293:7874086
33 unas
27 ditas
26 dita*
DKMOXSTIlAg.VO DA EMIsSAO
do valor de 2004000
de
do
lOOiftO)
504000
Res. .
6:600000
2:700 000
1- 300*000
10:600 OOO
S. E. e O-.
O guarda livros
Prancsco Joaquim Pereira Pinto.
roLiriOA tnteen:c"
Partido cOiiMprvailiir.
O kUBOOH DK CAXIAS.
O espirito do partido corrompe os nossos me-
lbores caracteres. As paixes sobrepiijam a ais-
tica, e uada d boui existe no adversario peliUco I
Esle raoilo do ver .as cousas deve solTre- a vigo-
rosa impugnarlo dos horneis honestos de todos os
partidos. O que ganha a causa publica com asse
amcsquiihamento reciproca onlrc os lumicns poli-
ticos f
A proposito do general em ebefe, marquez de
Caxias, causa dor intensa a conducta da mpren*a
oficial do partido liberal. O patriotismo c a* glo-
rias patrias desmaiam ante o odio partidario I E
quio baldos de razio sao os nossos amiges polili-
eos'quan lo referem-sc ao marquez de Caxias ?
Nao forauros conservadores
No anno passado, hislamenle por este tempo,
fomos mas os primeiros a manifestar piiblieaineute
o sentimebto que selevanlava enntra elle pela-sua
extraordinaria liesilacia e iiactividade, lopiis da
marcha de flancos sobre Huaiait; porm agora,
como entia, promstteios se 'os acontecimeatos
viessem -provar que haViamos apreciado mal Seu
merecimentos, somos tambera os primeiros a re-
onbeccr que o- velho- gaaoNl, tenddason>bii-
nhado a espada ao entrar no movimento de flanco
sobre as pasiones paraguayas nos montes de Vllc-
ta. mostrou toda a energa da mocidade, guiando
seu exercite de assiilio em assalto, de vielorias
rademenss ganha* a triumphos anda mais rudes,
desenvolvendo um vigor e um herosmo pessoal
que u devem tornar caro ao seu exercito o sua
patria.
e que qualidades de lio alta o valiosa ordem nio
fossem postas em pralica mais cedo, na poca do
seu enramando, porque nada devia-se considerar
impossivet ao exercito que tinha mn chefe que
possula o valor e a arte do commando, s;melhan-
tes aos que desenvolveu o marcchal marquez de
Caxias em os encarnicados combates que tiveram
lugar durante o mez que acaba de lindar.
O mez de dezembro de 1868 ser seguramen-
te registrad* nos annacs do Brasil, como a mais
brilhanle e gloriosa poca da sua historia. Nao
sera sj pelos seus resultados, por mais imponen-
tes que sejam, s-lo-ha ta nbein pelas provas de
valor que deram conjunctamente soldados, offl-
ciaes e general, pela intrpida e tenaz coragem
que, nao obstante a terrivel mnrtanda/le ssnsaa
entre elles pelos projecis paraguayos, levou as
columnas brasileira* urna e in.iiUs vezes ao assal-
to at que, a poder de valor c tenazes esforcos,
receberam a marte ganhando posifSes contra urna
defeza desesperada de inimigos bravos e dedi-
cados.
Por essas qualidades que mis temos nvara-
velmente reconliecido o crdito que merece o sol-
dado brasilero, quando bem coinmandado ; e
evidente peln seu coinpnrlainento, durante os l-
timos cmbales ferozmente contestados, que as
tropas sentiara a mais plena eonfianca em seus
immediatos chefes e no general em chefe, que os
guiou rpida e directamente sobre o inimigo, sjue
nao hesitoii em lancar-se no mais arduo da lula
para anima-lo com sua presenca no momento cr-
lco do combate.
Qualquer que seja o resultado final do casa-
do mnviniento sobre o qual anda paira alguma
incerteza, ninguem sentir-se-ha inclinado a negar
que IikLis as toreas brasileiras, desde o chefe at
sos de debikiade geral, iligesto fraca, i'
espeL;ilmcnte no Manato de tubrculos
pulmonares.
Purtanto, esla grande descobert.i no fl
illia do acaso, nem tlae-virriiilo* maravillio-
sas de alguma planta al agora desconheci-
da, mas rositkade muib annos de estudoa
apumlos nos hos[)itaes, no gabinete e na
clnica particujhr, e de experiencias Coilas
em todas as classes e ein talas as pitases
da molestia.
Urna importante qu*stao para
os iloontes.
Esta questao vital, que envolve a sath'
e bem estar de militares e militares do pes-
soas, vai ser submettida todos que sof-
freni de dyspepsia, priso db ventre, febres
biliosas, debilidade geral ou quatquer urna
otttra enfermidade procedida do estomago,
do ligado ou dos intestinos.
Queris por ventura persistir em usar d*
purgantes drsticos mineracs, os quaes si
fazem enfraquecer, atormentar e destruir <>
systema inteiro ; ou queris antes interme-
dio das pilulas assucaradas de Bristol, mu
cathartko vegetal, o qual aubjuga a moles-
tia sem reduzir a forra physica, absolu-
tamente brando e suavissimo na sua ope-
racao, e que actualmente poupa a necessi-
dade de urna continuada purgaco; emquan-
to que a mesnia produzida e aggravada
por meio d'esses purgantes violentos e eva-
cuantes ?
Se queris, pois, gosar da ventura de um
bom apetite, urna robusta digeslo, um li-
gado s3o, evacuacbes regulares, e a par
do espirito resultante d'esta retn i5o de sa-
lutferas condicoes, as pilutas assucaradas
de Bristol realisaro o vosso-desejo.
Experimentai-as e podis ficar certo que
vos nao ha veis de arrepender.
0 excedente acondicionamento das pimas
soaoHq, cumprran sen dever digna e valente- dontro de frasquinhos garante a sua durabi-
Iidade em todos os climas.
Em todos os casos aggravados oa prove-
nientes da impureza do sangue a salsaparri-
Iha de Bristol deve ser usada conjunctaiaeiite
com as [ululas.
Acha-se i venda as pliarmacias de A.
Caors, J. da Conceico Bravo & C, M.
A. Barbosa, P. Maurer C. c BartUolo-
meu & C.
mente.
Se assim eserevera os estrangeiros, porque nos,
liberaos brasileiros, ineuosprezaremos os nossos
hroes
O odio DOtMo estraga no nosso paz homens e
nstituieoes !
fDo Liberal de S. Paulo).
SESSAO JUDICIAHIA EM 1 DE FEVEREIBO
DE 189.
PStESmBNCU 1)0 EM\. SU. UKSEUBARAOnn K. V. TE-
BETTI.
Seavlario, Julio Guiuardes.
As 11 horase mcia daiuanliaadeelarnii-s.'abor-
ta a sessSo, e'tando reunidos os Srs. desembarga-
dore* Silva Gumaraes, Res e Silva e Accioli, e os
Sr*. deputados Rosa, Miranda I^eal e barite de Cru
uigv, faltando com |tartieipacao oSr. Basto.
I.ida, foi approvada a acta da sessao d 17 de
dezembro prximo passado.
criva testo de letra a 28 te jamiiro, sob o n. 1705.
O w-otoeollo do saerissM Alves de Brito conserva
a mesma namera;o e dala indicadas na arta da
sessao de 28 do mas lindo.
Mandou-se recolher ao competente carteno c*
autos de reviste viudos do supremo tribunal de
juanea, entre partes, recorrenteo Dr. Antonio Joa-
qnim Ayres do Nasclmenlo, curador in litem das
menores Manoelae Igncz, -ecorrido Miguel Archan-
jo de bigueircdo.
ACCOnDOS ASSIONAnOS.
Appellantes ps administradores da masa fallida
de Antonio Jos.'- de Kigueiredo, appelladi Jos Al-
ves de Agmar.-Bmbargantcs os ditos administra-
commando em chefe du exercito. Retirado quasi
vida privada, os ministros foram sua casa so-
licitar o concurso da sua espala a bem da patria.
Apezar de velho e aceumulado de honra;, acce-
de sem eondicTies as instancias de un ministro
adversario, e embarcase |>ara o Paraguay.
Qual o liberal honesto que poder hoje consu-
lar a nomeacao desse general, noraeaco :.mpo*ta
por nossos amigos ao patriotismo do veho '-abo de
guerra f
S nos lempos do dominio progresista o mar-
quez de Caxias era o alvo dos louvores ile todas
as procedencias, como podo boje a paxao poltica
in verter o sentmiento publice, conculcar ns lirios
nacionacs, o uffrontar a vordade e a justica, in-
Eianilo ao manjuez, e calumnianao-o t-m sua
nra militar ?
O Liberal nao acnmpanha o Ypyraruja no triste
expediente de fazer poltica custa da* nanas
que a patria deve venerar ; seria ate meno*prezar
u bom senso do povo pretender que um artigo de
jornal possa aoagar feitos heroicos quo s a bra-
vura pnideria suscitar.
Anda lerabrarao-nos dos clamores pela demora
da tomada de Hnmal. Qiranlos dissabores nao
enrtiria o marquez so lase es nossos jornaes ?
Xo emtanto, a um general ingles, >ir John Bur-
goyne. que commandou o ramo scie-itico d> exer-
cito de sua patria durante o assedio de Sebasto-
pol, deve elle una brilhante defeza do seu proce-
dimento era frente de Humana Disse esse gene-
ral no Times de 7 de agosto dn anno passado :
Deve ser aceita mmo mxima fixa na guerra,
que um exercito entrinclieirado em urna p >*ie4o
forte, por detrs de obras guarnecidas de crtha-
ria, nao pode ser asaltado de frente. Se os flan-
cos estiverem bem defendidos, como aconteca ero
Sebastopol, e a posicao nao puder ser conl< rna la.
o meio n;ual bloquear e bombardear o inimigo
at que o cTeito do fogo ou a falta de mantimen-
tos o obrigiie a abandonar a posicao.
O fecto de se aeharem assim, continua Sir
John, dous exereitos ein frente um do outro, tem-
se dado diversas vezes, o invariavelmente com o
mesmo resultado. As iihas dos confeJirado*
- V----_^------------- .'"*> \i I1IIII.-.I tt~ | '||T^IIIt# I 1'-|(>l.,,t<*. i0 linin.1 Ul" ,.l,(t. J .1 ,bv-
a.)res, eiiiiiarg.utu o padre Manoel Correa de Araujo diante de Riclimond o a presente campauha de
Mello.Anpellante Thnnii.z Jefferics, appellado A
SchaffterA C.-Embargantes Wilson k Hett, em-
barsMes A. schafft-r A C.-Embargante o cura-
dor llscal da massa fallida de N. O. Bteber & C snc-
cessm-es, embargados Snuito & Mcynier. '
JULGAMI'.STOS.
Juizo especial do comniercio: appellantes reos
Rallar 4 Oliveira, administradores da guasa fallida
PUBLICACOES A PEBIPO.
i:m:h \o
da mesa rcseilora da Irmandade
de ossa Sen hora da Conceico
do Militares que tem de fuue-
eiouar uo anuo de i 8Cft9.
presdeme.
Brgadero Joaquim Rodrigues Colbo Kelh.
WCE-PRBSIDENTE.
Dr. Praacisco I.ocas de Souza BaageL
SECRETARIO.
Manoel Fonseca de Medeiros.
THESOl'REIRO.
Ravmundo da Silva Maia.
PROCURADOR DO PATRIMONIO.
Capitn Manoel Jinquiu Machado.
PROCIIRAIKIR DAS CONFRARIAS.
Tt'iieute I.Oiz Jeronvino Ignaiin dos Santos.
' VOGAES.
Os Illms. Srs. :
Tenenle-eoroncl Francisco Camello Pessoa de
Lcenle.
Capitao Leopoldo Borges Galvo Ucha.
Vicente Ferreira da Porcumeula.
Tenente Manoel Autonio Viegas~
Tliom Lopes de Senna.
Dr. Ali'vanJre de Souza Terera do Carme.
Teaente Joaquim Manuel da Silva e S.
Jos Guilherme de Moura e Silva.
Major Antonio Doruellas Cmara.
Manuel Amante Tetaeim.
Antonio Jos Ribeiro de Moraes.
Tenenie-ciiouel .loaquim Caetano de Souza
Cousseirn.
do jislz. juiza. eserisa e inordo-
mas que per devoeo ho de
festejar, uo eorreate aaao de
l mh a Kx'eelsa vlrgeni e iin-
uaaeuBada Keahora da Coueel-
eo dos tlllltares.
Jl'IZ PROTECTOR.
O Exm. Sr. bario te Lirramento.
JIZAS.
A Exm. Sra. esposa do Illm. Sr. Dr. Prxedes
i; unes debanaa Pitanga.
Lima da Cunha Porto
consorte do Illm. Sr. Manoel Jos da Cunha
Porto.
ESCRIVA.
A Cama. Sra. D. Joanna Machado flava do Illm.
Sr. Joaquim Lopes Machado
MORDOMAS.
A Exmas. Sras. :
Baronesa de U inga,
liarotieza de Villa-Bella.
Baronesa de Nazareth.
D. Jose|ha llenrqueta de Castro e Silva consorte
do nosso inno o Exm. Sr. eouselheiro Joao
Baptista de Castro e Silva,
. Aimee Carolina T. Lopes de Senna consorte do
nosso inno o Itlni. Sr. Thoni Lope do Senna.
I). Maria Jas Pcretti Tilha do Exm. Sr. desembar-
gador Anselmo Francisco Peretli.
D. Alejandrina do Amparo (Aisla.
D. Mara Theodoia da Costa Pires consorte do nosso
irmi o Illm. Sr. tenente-coronel Jos Francisco
Pires.
D. Vindenciana Ferreira Gomes sobrinha do nosso
i rmao o Illm. Sr. Jos Thcodoro Gomes.
D. Amelia Augusta Martins consorte do Illm. Sr.
Joaqu m Martins Moreira.
D. Maria Estrella de Mello consorte do Illm. Sr.
Antonio Pedro le Mello.
D. Maria Joaquina de Mello vi uva do nosso rmao
o Illm. Sr. Ignacio Francisco de Mello.
Consistorio 'da irmandade de Nossa Senhora da
Conceifo dos Militares, 11 de Janeiro de 1869.
Vigario Antonio Marques de Castilho.
COMMERCIO.
os que ihe d rain o | A Exma_ Sra_ a Francisca
noel
rao de Ciaangy e Rosa. Reformavse a sentenc,
appellada com o voto do Enm. Sr. presidente sen-
do votos venciilos os Srs.Guiraaiaeso Reis e'silva.
Juizo especial e do commercio de Macei ap-
pellaiito reo Joaquim de Aievedo Maia, appellado
autor Jos Antonio do Almeida Gmmaries.---Jmze8
os Srs. a fe e Silva, Accioli, Rosa o Miranda Leal,
(.onhrmau-se a sentenea aj^euada, sendo voto ven-
cido o hr. Rosa quanto ao arbitramente.
Juizo municipal e daeemmarcio do Passo do Ca-
rniiragibt, provincia das Alagoas: embargante ap-
p-illado. autorItenriqueGlwen,eobargado; appel-
lado, roe Manoel Canwiro de Albuq^rque Jui-
zes os Srs. Gaimaraea, Aeoli, barao de Cruangv
e Miranda Leal. Receberanvse oe embargos
Juizo munieipal e do ciramercio do Pilar pro-
vincia das Alagos: embargantes, apuenado. reos
Joaquim Febrouio da Costee outros, embargadas,
appellados, autores Maia \ Landelino:Inizes o
Srs. Res e Silva, Accin, Risa e barao de Craangy.
Huraat entre os Estados Sol Araericano* apre-
sentam exemplos eraelnantes. Nao conheo caso
algum do ter um inimigo, coltecalo em laes cir-
cumsiancia, sucenrabid a um ataque viva for-
a antes d' Hie tema fcto calar a artilharia. Por
nutro lado ha miitos exemplos de ter sMo ropelli-
da a forca assaltanto mesmo depois de calada a
artilharia.
Adora, deoois dos combates glorioso* da ponte
Tosor. de Viltefa e de Angostura, era que o m ir-
quez fni a primeira figura, dovenlo-se tslves a
i*lo o resulta lo feliz dos ataque-, ainda o Ypirin-
pi vera dizer a>>s no-sos amia s peliticos : i Issn
,oi urna tentativa do suicidio ou acto de teses-
pero t
Ah I O Liberal nao acompanhar o orgiio dos
ehefes na injusta anreeiacao de um general que.
embora n-isso adversario poliiieo, almirado gn-
ralmmte, e at pelos estrangeiros, como o mime
re hornera le guerra da Aranriea do Sul.
Ainda ha poucis das, o Anq'o BrasiHan T'-me*.
foi obrigado a cantar a palinodia a renpeite do il-
lastre marquez de Caxias, e, eonlricto ante os ul-
timns suceessos de guerra, e*creven o seguinto :
< Ha ainda abruma d i vida a respeito da', ulti-
mas noticias do tbeatro da guerra, nenhum a po-
rm quante ao vater da forcas brasileiras e 'pan-
to ae inesperado farto do haver o marquez de Ga 'etrjas da medicina.
'tubrculos pulmonares
i
No DUiut inteiro tal vez nao baja moles-
tia alguma que tenha dado mais serios cui-
dados sciencia medica do que esta. Des-
da o tempo de Hyppocrates tem ella asso-
lado o mundo, e a estatistica mostra que
em nada tem diminuido o numero das suas
victimas.
Em Pars du todos que porrern 20 1|4
OfO sao de tubrculos pulmonares, em Lon-
dres 6 2i:i |0, em Berln 19 0|0 e em
New-York l*5i8 0|O.
Ha scalos que os homens scientificos e
pliilantropos busunn acciosusos um antido-
to que ponha tenna aos estragos deste ter-
rivel mal, muitos tem-no pronunciado n-
curavei o abandonad. o estutlo d'elle co-
mo iinprolicuo ; porm outros, condados
nos vastos recursos da sciencia. continua-
ran! : at qne por flm no seculo XIX coube
ao bem condecido chitnieo am-'ricino Dr.
Ayer, tic Lowell, nos Estados-Unidos, a
honra de anntinciir ao mundo a descobert.
de um remedio que preenche o desejado
fim.
Chama-se sua preparacSo opeitoiia.
de cerejas,por ser seu.ingTddente prin-
cipal extraliido da caasca interior da cere-
jeua brava, combinando com as virtudes
Medicinaes d'outras plantas j muto conhe-
pa(;a do recipe 3 de fevereiro
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Couros salgadas seceos200 rs. por libra no di*
Io do crrente e hoje.
Caiuhio sobre Londres 90 d/v 18 3/4 d. yjt
14000.
F. J. Slvcira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
BANCO MAU i C.
lf.ua do Trapiehe n. 3-i.
Desconta lettras commerciaes a taxa con-
vencional. Recebe diuheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta eorrente.
Confere crditos, saca sobre as primeiras
pracas do imperio, Rio da Frata e Euro-
pa, e compra cambiaes so'ire as mesma^
pracas.
Encarrega-se, por commiss3o, da com-
pra e venda de fundos pblicos e acroes de
companhias, da oobranca de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, c de quid
quer outra operaco bancaria.
O expediente para o publico comcrar
s 10 horas da manhaa, c terminar s V
horas da tarde de todos os dias uteis.
ENGLISH BANK
Of Rio ile Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a cgr-
vencionar.
Recebe diuheiro em conta eorrente e a
prazo lixo.
Saca vista ou praso sobre as cidadof-
piincipaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Bnenos-Ayres, Montevideo, N'ew-York
e Nevv-Oilearts, e imitte cartas de crebito.
para os mesmos lugares.
Largo do l'elourinho n. 7
O Englsh Bank of Ro de Janeiro, Limited
saca sobre as seguintes pracas:
Londres.Sobre London Joint Stock Bank
Pim.-Si.breFouldA C.
Hambnrgo.Sobre i. Berenberg Gossler A C.
Lisboa c Porto.Sobre Banco de Portagai-
Ro do Janeiro.Sobre Englsh Bank of Bia rt<
aneiro, Limited.
Bahia.Sobre C. Vanghan A C.
Para SobreTappenbeck Brambeer A C.
Caixa Filial do Banco do Brasil
A caixa filial do banco do Brasil en>
Pernamhuco em liquidarlo paga o 16 divi-
dendo das acces do Banco do Brasil ins-
criptas nesta caixa; a razo de 9p000 por
aeco.
Recife, 16 de Janeiro de 1869.
iALFAJOBU.
Rendimento do dia 1.....' ."t:999ACI
dem do dia 3....... 57.908*980
1U:908JH(
MOVIMENTO DA A1JFANDEA.
Volumes enu-dot>s
dem dem
eom fazeadas
com gneros
Volumes sahilos com fazendas
dem dem com gneros
434
967
M
ail
-----a?t
1WH
lias patsaieedn quabdades de um aentral aeUvo e
ofseverante, em addicao a outras que nun frim negadas.
na-dos escriptores antigos dsse: A cas-
interna da cerejeira brava til nos ca-1 abreu.
Descarreoam hoje 4 de fevereiro.
Barca francezaVer dianamorcadorias.
Patacho americanoAglaia =inercadorias.
Vapor inglezAmazon -dem.
Patacho norie-alleuioApollodem.
I'atailwi inglez.Wtrgareih t/ii/^=bacalliio.
Patacho inglezliara fracebaealho.
Bnguo inglezEleada idem.
lmt|orla Barra pnrlutoeea Dnpiqm II, vinda do Por-
to, inanifcstnu :
2 barris aguardante. 27 ditos vinho ; a Carva
Ibe, Zenha A C.
I.'i dos e :m caixas dito, iW saneas fciilo i n
Meados A Uellw.
6 d tus diui, i barris vinho ; a Manoel Jes*
O mealves da Fonle.
1 dito dito; a A. Alves Lebro,
i dito dito; a Bento Macedo Pocas.
1 dito dito ; a A. F. da Silva Coelho.
2 ditos dito ; a A. J. de Oliveira Lisboa.
1 dito dito ; a Manoel JosdeSunza.
4 ditos dito ; a J. J. da Costo Maia.
1 dito dito ; a Amorim Insana.
at ditos e 12 pipas dilo, 24 tilos ppwoa, 2 ans-
ias livros o forraaens Viasma A wnsaarisk.
1 dila miudezas, 2 ditas vmto ; a Maaaei dn
A. Andrade.
r 30 ditas dito ; a rjoraiogos Jas da Coma
10 ditos dito, 8 barra sarao de pareo ;A.r
MarUns do Miranda.
MO saceos farello ; ao bario do Nasareth.
40 ditos feijo; a J. M. da Rene A Fita.
30 barra rea ; a J. i. do Lima Pairan.
tais afean de arate ; a Gttnse de Mattoe *
arma*.
1 dita ditas de palbeta; a V. 1. Pereira da
II
v



D*rio de Pernambfico Quinta feira 4 de Feyereire) de- 1869.
<3
* ditas ditas de ferro : } L. A. Siqueira.
3 ditas. 91 eadiras e 2 sphs. 2 eaixas viatto ;
' Paulo G. (lomes.
*0 ditas dito ; a Manoel J. da Cunha Porto.
20 ditas dito : a Theodoro CliTistiansen.
i dita dito; aJ.F. dosSaos Coimf>ra Guimn-
l'aeS.
20ditas dito : a J. Moroira Lopes.
162 ditas dito : a Emilio Soares.
*>0ditas dito, 30 bailis sardnhas. 4 ditos pei-
se ; a Manoel Alvos Ferrara & C.
5 eaixas Imagen ; a Jos*'- de Souza BaiTciros.
4 WlieHMM : a Arniinio & C.
4 eaixas iialitos; a J. Vieira de Bario.
3 Utas iniudezas ; a M. J. Rlbeiro.
1 lita ditas : a J. F. daSiva.
1 dita ditas ; a Flix P. da Silva
i dita ditas: a Miranda Seve & C.
1 dita ditas ; a Henrique B. de Oliveira.
1 dita ditas ; a Montoiro & Irmao.
1 dita ditas; a Jos Joaquim Pereira de Abreu.
1 dita ditas: a Jos I', da Cimba t Filhos.
3 ditas ditas. 20dilas velas de cera: a Jos L.
'. Ferreira & ('..
109 diias vinbo, 7 amarrados eestos a Mar-
gues, Barros A C. -
1 dita vinho, 1 dita caros de porco ; a A. M.
de Garallm Azevedo.
2 ditas linha : a Thomaz F. da Cunha.
6 ditas dita. 129 ditas e 2Ui barris vinho ; a
Cimba Irados & C
6 ditos dito ; a Antonio de Azevedo Villa-
roneo.
33 ditas dito ; a Antonio Jos de Arantes A C.
32 ditos peixe; a Manoel Joaquim Loureiro.
4 ditos vinho: a Mainv, Hornaguera lujo & C.
19 ditos dito : a Bcrafim T. Bastos & Sr
361 piedras de lagedn a Ferreira & Loureiro.
18 ditas de loma: a David Ferrara Bailar.
1 barrira easlanlra : a Miguel Jos Adres.
X ancorlas azeitons : a Mo da Cunha Maga-
IbiM C.
2 eaixas linhas ; a Jos A. Guiuiares.
1 dita dita : a Christovao G. Brenekenfeld.
I dita dita; I H. J- da Cunha Sohrinho.
i dita dita ; a Julio Soares da Silva.
4 ditas carne de poico ; a Manoel Ruarte Ro-
uerigfe.
2'ijdis hacdho; aordein.
30 dit a aiin'iidoas ; a Tasso Irmao.
30 ditas vinho, 3 ditas pauto, 2 ditas e 3 bar-
lis ramo de porco : a Antonio L. Braga & C.
II eaixas nrragens, pelese linhas; a Prenle
Vianna & C.
300 rodas de aran de pao ; a J. F. da Silva
Nortea.
75 saceos feijao, 204 cestos albos, 1 caixa fer-
ragens, 2 ditas vinho ; a J. J. Gonoalvcs Bel-
trao.
11 ditas forragens e linhas, 14 barris pregos;
a Ferreira Guimaraes & C.
20 ditos ditos, 10 saceos tremocos; a Carvalho
A N'ogueira.
40 ditos feijao. toditos grao de Meo, 20ditos o
4 barricas nozos. 20 ditas ligos, 9 barris e 2 eai-
xas carne do poico. 1 dita cola. 4 ditas tetilhas.
1 ditas palitos, 200 ancorlas azeitons ; a Fran-
cisco Quedes de Arante.
33 ba icas pregos, 2 eaixas ferragens e linhas;
a Silva A Arios.
38 ditas pooiada, livros. linha. palitos e outros
objeetos ; a J. de A. Maia e Silva.
13 ditas o 2 Cardos livros, pomada, capachos,
i-etroz e liaba ; a DomingosTeixeira Bastos.
62 ditas tonca, 160 ditas c 12 barris vinho, 6
saceos alfazeni, 200 ditos arroz. 6 fardos lona.
303 cunhotes chumho : a Thomaz do Aipiino Fon-
soca A C.
HEGEBEDOKIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAE8 DE PERNAMBITG.
Bendimento dodia 1..... 2:6544172,
Mera do dia 3...... 863362
liDITAES.
0
Juizo dos feltos da fazenda de
Vrunrabuco.
Faf-9 publico ;iqueni eoifvier e interessar pos-
sa, que findo o pra 10 de tres ruezes acontar da li
de dezembro nlini), se hao de vender em hasta
publica, celebrada na cidade de Guyanna e na villa
de Itamb, perante o sobredite juizli, as trras per-
tenceutes ao extim to encapellado de Itamb. cons-
untos do edita! d j praca, publicado no Diario it
Pernambuco do ci :ado dia. Os une pretenderen)
lanzar a praso, conforme o art. 4o da leide 6 de
sotembro de 1850, leverao apresentar-re com sens
dadores habilitados, sendo as naneas prestadas ad-
ministrativamente e com todas as formalidades
das flaneas liseaes nos termos das instrucces de
30 de dezembro de 1863.
O escrivo,
Im !3 Francisco B. I)r. Franciso d'Assis Olivcira Maciel,
cavalheiro da Ordena de Christo e juiz
de direito da 1* vara criminal desla co-
marca do Recife por S. M. Imperador,
a quem Deus guarde, etc.
Fajo sabor que achando-se vago tita dos
oflkios de labi'llio de olas desla cidade,
pelo fallecimento do serventuario Joao Bap-
tista de S, qusl ofliciofoi criado pelo do-
natario Dit ule O elho, convido pelo presen-
te a quem prenter dar dito oflicio a apresentar
neste juizo no prazo de sessenta dias a con-
tar da data (estt, sua peticao datada cas-
signada pelo pre endent ou seu procura-
dor e acompanhada de certidao de idarte,
follta corrida, exame de sulliciencia e fflals
documentos que entender convenientes,
sendo todos devidamente sellados na con-
formidado do decreto n. 817 de 30 de
agosto de i 851.
E para que chegue a noticia todos man-
dei passar o presente cdital que ser pu-
blicado pela imprensa e aflixado nos luga-
res do costume.
Dado e passad) nesta cidade do Recife
aos 2(5 de janeirc de 4809.
Eu Joaquim Fnncico de Paula Esteves
Clemente, escriv3o o subscrevi.
Francis d'Assis Oliveira Maciel.
Bruno, senhor do eng^nho Adique ou Mamangna-
ye. provincia da l'aiali\la.. o+v.k I
principio do mez do itezenpiro do auno nassao.
Subdelegacia da fre;iiezia-do S. Pedro Martyr da
eldadcc .Ouda 26 do Janeiro de 1869.
Jos Eustaquio Macfel Monteira,
i SutxJajegMb em txcrcica?.
Faculdade de Direito
De ordem do Exm. Sr. director, fc?o pablico
que o servico das aulas preparatoria* ser regula-
do no presente anno pjla forma seguinte:
Latim das 8 s 10 horas da manhia.
Frncez das 9 s 10.
Ingle/, las 10 s 11.
Philosophia das 8 s 9.
Bhetorica dos 8 s II.
Geographiadas9s 10.
Geometra das 11 s 12.
As aulas estao desde j abortas.
Depois do dia 8 do corrento o alumno que se
pretender matricular as aulas de sciencias, de-
ver reqnerer precisamente ao Exm. Sr. director
assim como provar que aprdrtdel latim e francez,
se a matricula for do pliilosapliia ; rhetoriea e s-
mente francez se for do geogranhia.
Secretaria da Faculdadc de Direito do Recife. 3
levereiro do 1869.
O secretan/
lote. Honorio B. de Menezes.
CX)MIANHIA PEI^AMBUfANA
DK
Savcgatclro eoMleira por vav#r.
Maceio. escalas Penedo e Arecajib
O Vapor Potengi. ccnimaflfcante
Ponera, st , nodia 15doeorrento asSnerts da tar-
Rerbe carga at o dia H a*. 3 horas., da tar-
de, e*Jmmwidns.flassageriwediiihftirnafreto at
as 2 horas da tardo do dia da saluda no oscriptorio
do Forte do Mattos n. 12.
A pedido de uiiiitos carregadoros e varias
outras pessoas interessadas na prnvinria das Ala-
pas, resol ven a CunpanSiia l'erna.-huraa, a
miinlar suas viagons ha linha do sul, pulo que
sahirao os vapores naquella direccao a 7, 18,12 e
KMppliea.
Pede-so por oaridade ao Sr. liscal
Heoife que mando aterrar ou ao
doencallie. mido se actam, um boi e um cvalh.
que do lado da maro pequen eoealhara junto a
do bairro dn
menos puxai-
Para o Porto
Segu sein demora a barca portugupza oco
Silrneio, por ler grande parto da sua carga promp-
ta, para o resto e passageiros aos quaes oflerece
encllenlos commodos trata-se com Oliveira Filhos
4 C, largo do Corpo Santo n. 19 ou coni|0 capitao
na prafa do commercio.
JA l_ ^^ r \ A----- --,-- ,Mt,yy V.-. .u.y im ol' pi iiucii.1 cucriOfai.l IUI1IA> SL
JO de nada mes, expedindo ja agora o seu vapor iuralha da Ibrtaleta do Brum; em estado tao pu-
wmw para Maceio e Pteiedo, desfa vez so- ,fido que impostam todo o ar em grande distan-
nw-nte a 8 por eahir o da 7em domingo o terha- 'ca ; e os habitantes, da fortaleza e viajantes ao
vida alem disso um dia santo, nos iite7 e 22 nai
tocando as escalas.
ii
LEILOES.
Faculdade de Direito
De ordem do Flxm. Si. director, fago publico que
amanla eomecarao os exames preparatorios. 0-
pretendentes que se qoizerem inscrover, devero
reqnerer previamente ai mesmo Bxm. Sr. director
datando e assifrnaudo o roqueriinento c juntamlo
certidao ou outro docu nento do qual conste ter
ostudado a materia sohr que versar o exame.
.Secretaria da Faculdade de Direito no R'.'cife, 3
do fevereiro de 186!.
0 secretario,
Jos Honorio B. de Menezes.
, Sefli.0 com mnita brevidado a barca p utugueza
(hatidao, toni grande parto da sua carga promp-
ta ; para o que ainda lhe falta, c passageiros. tra-
ta-se com Oliveira Filhos A C, largo do Cbrpo San-
tp h. 19. i ni ooni o capitao na'prara do edmniercio.
Lisboa!
Vai sahii com milita presteza obrigne portugnez
Constante [ por |,.r grande parte do son carrega-
mento jMonipio ; para o restante o passageiros,
trata-so coro Oliveira, Filhos A(;., largo do Corpo
Santo n. 19, ou com o capitao na praa do com-
oiorcifl.
LEILAO
ajantes _
passar pelo mesmo lado entre a dita mar e a mu-
ralha.em grande distancia nao respiram senio a_
podriilao oe ambos os animaes. Pode-se ao Sr.
liscal que examino qual foi o selvagem da ruado
Brum. oue mandn por tros negros etn una car-
roca, hoiitem a I hora da tarde, o presente do boi,
cpie o dosCarregaram no Ingrtr. onde se acha.
porfeita
ra, urna
Do nina escrava mbM, de bonita figura,
engonunadoira. costaroirn 6 cosinhei
dita com 22 anuos do idade Com algumas habi-
lidades. 5 quarios todos em boas carnes pro-
prios para car$a o un boi de carrora.
ii4Mi:
O agente Martins competentemente autoi isado
far leilo dos escravos e quarios cima no. ar-
mazem d na do Imperador n. 16, as I horas
em tonto.
0 bacliarel Joo Goncalves da
Silva Montarroyos, pode ser pro-
curado para os mistures do sua
prolissao, na ra do Imperador
n. 10.
i
ra Lisboa
ira. vai
3:317*534
CONSULADO
Bendimento do dia I .
dem do dia 3 .
PI10VINCIAL.
fr.833S502
1:7434101
H:;i9fi603
M9VIMENT0 DO PORTO.
Navios entrados no dia 2.
Porto -'!1 dia;. barca p oluL'iieza Despique 11, de
293 t nieladas, capia i l'ausiiiio Jase de Carva-
lho, oqiiipagem H, carga diffoienlos geuei-os ;
a rerreira iV Loureiro.
Santos18 dia-. barca Ingtcxa MaryBoi, de 434
tonelada- oapi'.ao Antonio Cinancovicli, eqflpa-
gein 10, em lastro; a Johnsioii l'ator A C.
Penedo 2i horas, vapor nacional Paruhyki, do
iOi toneladas, coininairlanlo Azovodo, equipa-
p,' ii 1%, carga varios gneros; a Companhia
Pernambiicnia.
Ntnio acatado M bkmm ii t.
M irs.-ll'!'. t\a franco/, i Angust*, capitj Fer-
nandy, carga assucar.
Qbxcrnirw.
Suspenden do lamarao para Babia o brigue in-
ilv. Kate, capitao B. Blfroy. com a mesma carga
que tiouxo de Terra-Nova.
Navios nitrados no dia 3.
MarioS dia;. hiato hrsileiro Sobratense, de 97
IMUlrdas, cpate Antonio Ganes Pereira, equi-
in j im ti. cana sal; a S Leao Irmao.
Terra-Nova28 dias. escuna ingloza Dlannrhe, de
I M toneladas capitao II S. llellings, equip:igem
7, carga iSO barricas com baoalbo ; a John-
ton Palor A C.
Itdenos-Ayres 31 dias. barca americana Coas
Dnpont, de 134 toneladas capitao Pamas Me.
Befvery, oqnipagem 9, carga ossos e cinsa ; ao
ni o i capita i. Veio receber ordens.
ilanilinrgott."i rti-is. e-enna norte ailema Cufha-
ria, de l'iO toneladas, capitao C. M. Albrs,
equipagem 6, carga dinerentes gneros; a Ba-
bo Sohiueliaii A C.
Londres 67 dias, barca ingleza Zennia, de 31o
toneladas, capitao John I. Browo, equipagem 12,
o rga canos de barros e outros genero*; a
Sympson Brothers.
Dio-Grande do Sal38 dias, brigue brasiieiro Ti-
grr, do 163 toneladas, i-apitao Francisco Dias da
Bosta, equipagem 11, carga 7960 arrobas de
carne ; a lialliar iV Oliveira.
Baliia-20 dias, brigue noruegitcnse Casper Wd\
do itil tonel das, capitao G. Moller, equipagem
9, earga 2001) barricas com farinha de trigo; a
Joaqum Jos" Goncalves Beltrao.
Nonios vihidos no mesmo dia.
Rio 11 Prata -Sumaca hespanhola fottm Adelr. ca-
ptta i Pabla Castelaa. earga assucar e agur-
dente.
Bio da PrataPatacho hespanhol Voluntario Cata-
Mm, canteo James Ferr, carga assucar e
agurdente.
Re di Prata-Sumaca italiana Gracioso Mario,
capital Tohins Becci, carga acucar e aguar-
dme.
ParaBrigue brasiieiro Henriuue, capitao Joo F.
Loureiro, carga differontes gneros.
Kio-Grande do s>ulPatacho portugnez Mee Aba-
Osudo, capitao Jos Candido Arocha, carga as-
sucar y agurdente.
O cidado Antonio Augusto da Fonceca, juiz de
paz inais volado ca fregnezia do Sautissimo Sa-
cramento do baino de Santo Antonio da cidade
do Becifo da provincia de Pernambuco. em vir-
tude da lei, etc.
Fa$o saber que, pelo oflicio circular do Exm.
Sr. presidente da provinciaconde de Baependy
datado de 3 de oulu iro do anno prximo passado,
que por copia me fo remettido junto a um da c-
mara municipal dest cidade, de 19 de outubrodo
dito anno, convoco js eleitores deste municipio
para reuni > do c ximo vindouro, alini de proceder-sc a cleigodos
dopntados que d eete circulo para a assembla
geral legislativa, qti 3 tem de funecionar no qua-
triennio.
Em consequeneia do que, devem comparecer
na groja matriz desti freguezias9 horas da ma-
nha do dia 2 de marco cima declarad", os res-
pectivos eleitores gci aes, que compoe o collegio do
Becifo, os quaes sao : os de S. Froi Pedro Gon-
calves, de Santo Antonio, de S. Jos, dos Afogados,
da Vama, de S. Amaro de Jaboatao, de Muribe-
ca, de S. Lnnrencn (a Matta, do P050 da Panella
c da Boa-Vista.
E para constar n andei affixar este na torta da
igioja matriz desla freguezia e publicar peta im-
pronta.
Recife. 1 de fevereiro de 1869.
Eu Joaquim da Silva Reg, escrivo que subs-
crevi.
Anto lio Augusto da Fimiecu.
DECURACOES.
Consulado portuguez.
Os senhorescredorjs do espolio do finado sub-
dito portuguez Solido lio Jos Francisco (africano)
aui'iiaui apresentar mas eontas neste consulado
entro do praso de 8 dias, para sc-ieiu eonl'oiiila- e
pagas.
Consulado de nortugal em Pornanilmco aos 29
de Janeiro de 1869.
Anlunes Guimaraes,
ChanceUer.
= Pela recebedorii de rendas internas geraes
se faz publico que este mez e no de fevereiro
prximo futuro, que os contribuimos da laxa dos
escravos do exercicio enrrente de 1868-69, qi|Pr
moradores as freguozias da cidade, quer as de
fra, tooin de paga-la livre da mulla do 6 0/0, e
com ella de marco em diante.
Recebedoria de Pernambuco 8 de Janeiro de
1869.
O administrador,
________Manoel C; rnoiro de Souza Lcenla.
mm GERAL
Relacao das cartas re ristradas vindas do sul pelo
vapor francez No cerr, para os senhores abaixo
declarado- :
Autooio Carlos Pereira Burgos P. de Loan, An-
tonio Duarte Carneiro Vianna, Alfredo Pereira
Carneiro, Candido A. Matia Albuquerquo, Carnoi-
ro & Nogueira, Em lio Jeronymo Ferreira, Dr.
Francisco Vicente dos Santos' Jnior, Francisco
lljoiro Pinto Guiiiarios (i). Ik'lendora Candida
Ferreira Itabello, leni'ntocor.niel Hoinelerio Jos
Velloso da Silvoira, JWt Antonio Gnealves Gul-
uui aos, D. Josepha Honorata do Espirito Santo,
J laipiiin PlBto da Lapa, Dr. Joaquim de Oliveira A
Souza, padre Manoel da Vera Cruz, padre. Pedro
da Silva Araujo, Jost Pedro de Castr.
COMPANHIA PKRNAMBUCANA
n
.X'aveguvo costclra por vapor.
Fernando.
O vapor Giqni. commandaiite Aze-
vedo seguir para o porto cima no
dia 10 do corren te ao meio dia. Bc-
eebe carga at as 3 horas da lardo do dia 9, en-
C-OIlselllO C16- compras liavaos commendas. passageiros edinheiro a frete at as
O conselho promove no dia o do corrente mez, \0t?r^ (lodiada sahidano escriptorio do Forte
avista do propostas receidas ateas u horas da Ma tos n- *___________________________
manhaa esob as cordieos do estylo, a compra
dos objeetos do material* da armada segurafos: 6
pecas de arribem. 3 ancorotes de 2 qu.n:no< 200 XavegacO OStefra por vapor-
le cabo de linho ,. 1 1 _____. i
THEATRO
S. ISABEL.
GRANDES
Bailes de mascaras
MOS DIAS
Sabbado 6
Domingo 7
Segunda-feira 8
Term-feiro 9
DE
r rvi-Btrmo di: ihg.
O tiieatro acha-se decentemente preparado e or-
nado, para receber os unadores deste diverti-
monto.
A banda-de msica do 3 baialho da guarda
nacional deste municipio dirigida pelo seu hbil
mestre o Sr. Antohio Francisco das Chags, exe-
cutar novas e brilhantes quadrilhas, polkas, schs-
tes etc., etc.
Os bailes comecaraD a; 8 horas e 1|2 e termi-
naro as 2 horas da madrugada com o grande-
GALOPE INFERNAL
N. B. O regulamento da polica ser observado
em todos os bailes.
O brigue portuguez Lain I, epH3o Vi
sabir em umita brevidado. por ter a maor parte
da sua carga prompta; para a que anda lhe falla
e passageiros, trala-sc com Oliveira Filhos A C,
largo do Corpo-Santo n. 19. ou eom o referido ca-
fritao. na praca do Commercio.
PAR
Segu com brevidado o palhabote AirJ!// cebe carga miuda. e trata-se com o consignatario
Joao Francisco da Silva Novaos, ra do
n. 11.
Da taberna sita ra da Impe-
ralriz o. US.
HOJE.
Joao Bolsillo Jnior legal mente autorizado por
seus credores tendo de tratar de sua saude far
leilo por intervencao do agente Pestaa, da ar-
maco. gaz, gneros e mais ntencilios oxistente-
na taberna cima mencionada, em twn ou niai-
lotes, osle estabelecimento acha-se emboa pos-
cao. beni afregoezado e garante-se a casa, os pre-
tendentes que quizoivni examinar o bataneo acha-
se em mo do agente, e o leilo lera lugar as H
horas da mama do quiata-eira 4 do crrente no
mesmo estabelecimento.
O cirurgiao-mr do corpo de po-
lica, Joaquim Jos Almeida d'Al-
huquerqiie tem o sen consultorio
na rita do Livramento, I. andar
da casa n. 17, onde pode ser pro-
curado.
mM
Ama
Oftercce-so una mulher para ama de ca?a do
familia ou rapaz solteiro : a tratar no becco d<
Ouvidor, casa de alfeiate.
der
LEILAO
vi
i garro
A empreza previne ao Ilustrado publico que a
abertura da cstacao dramtica ter inoar a 17 de
fevereiro com o seberno irama
lugar
em .'i actos
W
0 assassino por amor
no qual farao a sua estra a Sr." D. Julia Azev-
do e o Sr. Primo da Costi, promptiticando-se j o
grande drama
para estra do prnieiro actor o Sr. Martinho Cor-
rea Vasques, do Sr. Eduardo Alvaivs^da Silva,
Primo da Costa, Julia Azjvodo o D. Apolonia.
A empreza annuncia anda ao Ilustrado publioo
que chogando-nos a grata noticia do lint da guer-
ra, suspender qualquer l raballio para dar lugar
ao espectculo em festejo a to feliz nova, sendo
0 producto flesw espectculo applicado as vuvas
dos voluntariospernamb nanos.
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
\-ivesa<*o <-oseira por vapor.
Macei em direitura e Penedo.
O vapor Juijumibr, ennmandante Moura, segui-
r para os portes cima no dia 8 do crrante as .'i
horas da tardo. Recebe earga ato o tlia 6 as 3
horas, encommcntfcis, passageiros e dinhiro a
frete at as 2 horas da tarde do dia da sabida no
escriptorio do Forte do Matos n. 12.
COMPANHIA PCUNAMBLCANA
DE
alqueires de cal prcta, 8 pecas d
de 1 pnllegada, 8 pecas de cabo de linho de 1 1/1
pol legada, 5,000 estopires, 200 lencos de seda pre-
til, 20 resma* de Iba de esmeril em panno, 6
arrahej le mialhar, 1 zas,50 folhas de papel para mappas, 2 resmas de
papel hollanda, 20 tin-liiilias, 40 h-adns de ferro
de i/8. SO grosas do ti redas para pharol. o 8 ti-
dros granaos de pati nte de o 1/2 jialmos de com-
priinento c 4 1/2 de largo.
S.ala das sessdes do conselho do compras navaet
1 de fevereiro de 1W.
O sorrrtario
Alexi ndre Rodrigues dos Anjos.
Pela subdelegada de S. Pedro Martytdaci
dado de Olinda aeha-:ie rerolhido cadeia' o preto
Antonio, qne diz ser nseravo do capHo Franciseo
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara.
caty, Cear, Acarac e Granja.
O vapor Pirapamu, cmnmandante
Torres, se|fcir para os portos cima
nodia 15 do corrente as 5 horas da
tarde, hecebe carga at o da 14 as 3 horas da
tarde, encommendas, passageiros e dinhiro a
frete at as 2 horas da tarde do dia da sahida no
escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
Para
Para o indicado porto segu em poueos dias o
palhaboto Ao3i('i. por ter a inaior parte da carga
e para o resto (pm lhe falta trata-se com o con-
signatario Joaquim Jos Goncalvos Koltro, ra
do TrapicJHJ n. 17.
COMPANHIA PEIINAMBL'CAN.
Ato
Mavcgaro rostelra por vtjipor.
Mnnangnape.
O vapor Coruripe, cominandante Pennal segui-
ra para o porto cima no dia 12 do crreme as fi
horas da larde. Recebe carga at o dia 11 as '.)
horas da larde, encommendas, passageiros e di-
nhiro a frete at as 3 Horas da tarde do] da da
sahida no escriptorio d Forte do Matos n. 12.
"COMPANHIA PERNAMBCA-
DE
."Vavesaro rosteira por vapur.
(ioianna.
O vapor Mamanguape, cqmman-
daute Mello, seguir para o pijrto aci-
T**^1 ma no dia ii do corrente a mcia
nte. Recebo carga, passageiros, encommen-
das edinheiro afrete no escriptorio do Forte do
Mattos n. 12.
0 agente Pontnal vender em leil'i i nnia psera-
I va preta, sadia, bonita figura, cosinheira e lava-
deira ; assim como um osera vo de meia idade
pfoprio para qualquer servico.
BOJE.
No i andar do sobrado n. 62. ra da Cruz
as 11 horas.
AVISOS DIVERSOS.
^
D-sc a juros sob hypotheca em predios
quantia do 2:."100 ou inesnio coinpra-se una casa
torrea : quem quizer annuncic por este jornal ou
dirija-se a ra Nova de Santa Rita n. 51, que se
dir a quem de ve se dirigir.
Rio de Janeiro
Para o porto cima segu com brevidade o pa-
tacho norte-allenio Amonitas por ter parte do
sen earregamentn engajado para o resto que
ll falta trata-so eom Antonio Lniz de Oliveira
Azevedo A C. roa da Cruz n. 57,1 andar.;
Paquetes a vapor.
Dos portos do snl esperado
al o dia 8 do currante, > van*
Paran, conimandanto o capitn
de fragata Antonio Joaquim de
Santa ifcirbora, o qual dpois da lo'imperador n. le
demora do costume seguir para os do norte.
Desde j recebem-sc passageiros e engaja-se a
carga ipio o vapor poder conduzir. a ipial dver.i
sor embarcada no dia desuaohegada. Eucoinmen-
dw e dinheirw a frote at as duas horas do dia da
sua sawo*
Nao se recebem como encommendas senao ob-
jeetos de pequeo valor e que nao exccdain a duas
arrollas de poso ou 8 palmos cubjeos de riedico.
Todnqoe pasear destet lnttssdevera ser embarca-
do como eargfe.
Provino-so aosSrs. passageiros que suas passa-
gons si se reoebcui na agencia ruada Cruz n. .ri".
1" andaar, escriptorio do Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
i)W\m\\ BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos partos do norte esperado
al o dia 0 do corrente o vapor
Toaiutiiis. oouiinandanlf J. M.
Ferreira Franco, o qual depois
da demora do costme seguir
para os do sul.
Desde j receliom-so passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no diado goatchegada. Kneoinmon-
dase dinhiro a frete at o da da ra sabida as 2
horas.
Nao se recebem como encominondas senao ob-
jeetos de pequeo valor e que nao oxcodam a duas
arrobas de peso on 8 palmos cbicos de medieae.
Tudo quepassar destes Rmites dever ser'emMr-
cado como carga.
Os cinco bonetes da lotera 9i* do patrimo-
nio dosorphaos ns. 4031, 1149. 273. 2443 o 1444,
pertencem aos Sis. Ricardo Weltig. Manoel Gomes
de Freitas e Manoel Jos .Martins. do Aracaty cu-
jos bflhetes fleam em poder do abaixo ssig-
nado.
Joo Jos da Cunha Lagos.
mmm mmmmmm mmmm
O advogadoDr. Antonii de Vas- I
S concellos Menezes de Drummond [4]
transferio o sch escriptorio para a ^
I ra do Imperador n. O.onde pode $
^ ser procurado todos os dias utois -^
"cS das II horas damanlia at as 'i da ?'
*8 tarde, para os misteres de sua pro- ]||
O abaixo assignado tem justo e contratado
eom o Sr. Ctiilherme Jorge da Multa, comprar-lhe
os generoso arinacoexistentes na taberna da ra
quem se considerar eom
direito queira apresenlar-se no prazo de lies das
a contar desta dala.
Recife, 4 de fevereiro de 1869.
Manoel JosGuedcs Magalhaes.
'renles di intrpido, bravo, e denodado
bario do Triumpho, pedein aos aioigos e
admiradores deste destnelo general o pie-
doso obsequio de assisliiem a mista que
pelo eterno descanro de sua alma manda
resar na majiiz da Ba-vista, sexta-feira,
o do rorrente. pelas 7 horas e l\i.
Precisa-se do una ama para cozinhar c com-
prar para urna pesioa : na ra do Fogo n. 27, I"
andar.
ATTENgTO
Pedo-se a quem aehou quatro chavos qwa lk-a-
ram perdidas na osiaeo. no Recife nodem en-
tregar na ra do Qucimado 0.1 i.
Ama
Preeisa-se de urna ama para o servieo interno o
externo d>> nina casa de urna so peMOa : a tratar
na ra do Hanj-'e! n. 33. 1" anda
o 12 14
ou cosinheira.
a II ina.il |vriu*lo9y>Ul j\p
annos edeum eosinheiro
1'i.cisa-se de nina ama para cosinhar: a
tratar no pateo do Taren n. G3. Na inesma casa
(treeisa-se alugar mu mleque ou mesmo um preto
de in.iii.r idade.
Escravo fgido.
Fugio em 23 do Janeiro de 18o9 o escravo M.i-
tbeos, de meia dado, cor preta, falla grossa, be-
xigoso, tem pelas cosas cicatrizo do hacalhao,
tem una verruga no canto do nariz, os ps fovei-
ros. corpo regular, tinha sido do Ilhn. Sr. Agosti-
nboLeocadio Vieira. em l'anellas de Miranda, que
ha poneos mozos de l veio fgido; pode-se as
autoridades e easities de campo de o pegare Un-
ieren) a sen senhor load Cantoso de Sa. na rna da
Lingoeta no llecife n. t; e o msmo protesta con-
tra qualquer pessoa (pie o lenha acolitado, e gra-
tificar bem a quem o pegar.
Gameleira.
Instruccao primaria.
O professor publico de Gameleira das -l
horas da tarde em dian'e, dos dias uteis.
presta-se a leccionar particularmente as-
materias do que faz parle a instruccao pri-
maria : quem de seu presumo se quiser
utilisar trate com o mesmo no dito povoado.
^TuTjeMMO^TrMTin^^lhielcrnoc'lia l'llto.
Joa(|uim Soares Nevos, fos Boares Revea e Joo
Teixeira da lloclla cordealinente agradecem aos
seus amigos e mais pessoas que sa dignaram fa-
zor-lhes o caridoso obsequio de assistir aos lti-
mos sulragios o aconipauhar ao ccmUerio o ea-
iiav! ilo sen presad > sobrinbo, irmao e primo
Antonio reuna linn-. oe mno i-uiitiuAin as
mesmas pessoase aoa seus o amigos do Indo, a
assistir a una missa que por alma do mesmo
niandain celebrar na groja do Espirito Santo
sabbdo 6 do corrente as 7 horas da manhaa
lelo que desde j se confessaiu eternamente gratos.
Precsa-se de um caixero com pratiea de ta-
berna : a tratar na na Imperial n. 47.
Precisa-se
na ra Nova n. 13, toja.
Daniel C. Ramos, Joi Ramos o Franisoo de
Paula Ramos, podes aos sens amigos o piedoso
de una boa cosinheira: a tratar obsequio de assistirem a una missa que nodia ti
do rorrele pelas 8 horas da manhaa mandam eo-
" lebrar na matriz de Santo Antonio polo eterno
repouso do seu irm > major Joaquim Franciseo
Ramos, niorto ltimamente na campanha do Pa-
ra guay. e anlocipamos sens auradocime-'t.^
Para o Porto
Segu com a inaior brevidado poss'ivel a barca
Amelia de prmeira marcha, por ler a maior parte
de sua carga engajada; para o pouco que '. be falla
e passageiros. aos quaes o/Tore excedentes onuno-
dos, trata-so com Rallar, Oliveira & C, ra do Viga-
rio n. 10.
A FRAGATA AMAZONAS
raga aquellos de seus devedores que teein eontas
atrasadas com a mesma. o especialmente aquellos
menos zolosos, acuja^ casa-; U-mii ido de baldeos
caixefros cobranca um cera, numero de veres,
i pie so dignen) vir saldar ditas eontas, pois im-
po.-sivel eonlinuar a ter OU caixoir
em coliraneas dessa ordem : nao
so-ha a Fragata constrangida a entregar as ditas
eontas a ipiem as cobre judicialmente, pois que
precisando mtiilo de dihheiro, a seus llovedo-
res a quem deve recorrer. Esio annnncio so se
deve entender com os reinissos, eno com os bons
freguezes que honram a Fragata, os quaes multo
bem se oonnecem._____________________
O abaixo assignado declara ao corpo com-
mercial que tem justo eom o Sr. Joo do Cont
Alvos da Silva a compra de sua taberna, sita a
na das Cruzes n. 41 A, livre c desemba arada de
dbitos praca e impostes : quem tver diroito a
dita taberna apresente-se nesles tres das, findos
os quaes nao sero attendidos. Recife 4 de fe-
vereiro do 1869.
Manoel Carneiro Pinto.
Jos Marcos Minio..- lien..n. c.iiivm.i a.,.-- .QS
Bisco martimo
Tuerd Dyckstra, capitao do patacho hollandez
S. Petersbiiry. precisa tomar a risco martimo, so-
bre o casco, apparelhs, vielualias, ca -regaiente
de carvo c frete do dito navio para pagamento de
despozas encorridas pola sua arribada nesle porto,
a quantia de 6 a 7 OOOOOO, para poder continuar
a sua viagem para Rueos-Ayres. As propostas
di viin ser entregues em cartas fechadas at o dia
6 de fevereiro ao meto dia, no consulado dos Pai-
zes-Baixos, ra da Cruz n. 9,
Previne-so aos Srs. passageiros que suas passa-
gons s se recebem na agencia ruada Cruz n. 7,
escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira .Izevedo
,x: C.
:i
l'roesa-se de uiu meniio brasiieiro de 13 a
14 annos, que" tenha ou nao pratiea de taberna :
na ra dos Pescadores n. 43.
n
V.k' i..,ir.,.r .n amigos, aos marttbeuses e amigos de Jos Roque
iro en.prog.ido da ^ anente da armada imperial fallecido
','. m."'!" mL I" pouco no Paragugy, a assistirem a urna missa
que pelo desenlie > de sua alma iqanda rezar na
matriz d Santo Aiiioniira> l| Iniras^da manluia
do dia t do cnenle, desde j se""cofessa agra- '
decido.
Compon/lia Pcrnambucana de na-
vcgngdo costara por vapor.
lie ordem de ednsMbo de menlo e para satis-
farn do que dispoB o art. 19 dos o-latutos, sao
convidados os senhores accionistas a reuuirein-sc
em assembla geral no dia 13 do corrente ao meio
dia no l* andar do seu edificio no caes da As-
sembla n. 12. _____________
Ama
Na ra di Torres n. It, 2 andar, precisa-se
de urna ama (pie cosinhc e engommc para una
pessoa. _
Precisa-se
Na na Dreita n. 53 preeisa-se fallar aos Sis.
alferes do 2o batalho da guarda nacional Joaquim
Manoel de Castro Santos fc Antonio Francisco Du-
arte. ou seu mano Dr. Mximiano Franciseo DW-
te, (j sahem para que).___________________
USA.
Na ra do Imperador n. 35, lado esauerdo, pre-
eisa-se do una ama, proferindo-se esclava
.M-ruia.
Preeisa-se alugar uni escrava para o servido
interno de casa de pouca familia : na ra das
Cruzes n. 66,1 andar. fc
De urna ama para rasa do punu familia qn*
saiba cosinhar e comprar : na rita do Lvramcnt>
n. 36, 2o andar.
Ama.
Precisa-se de urna ama para o servieo di) casi.
de pouca familia ; a tratar ua ra do Torres i.
14, 3* ailar. ________
Caixeiro
Preeisa-se do um caixeiro para taberna na ra
do Rangel n. 43, rouaijao. prefere-se portuguez
de idade de 12 a 14 annos.
RA
IDO
CABUG
esquina
da rna larga do
Rosario.
AO ANNEL DE OURO
LOJA DE TOIAfil
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempie un sortimento sem igual,
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender.
visti da qualidade e do prego das joias cada um poder- se-ha convencer daverdade.
6arante-se ser tudo de lei. Compra-se oro, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados.
A krja er3t aborta at s 9 horas da noute.
RIJA
EO
CABUG
esquina
da ra larga do]
Rosario.

',

.


Dfarw 4e Peniambuco Quinla feira 4 e Fevervito de 1869.
AHVIilfl
bacfcanil J. Franklin da $. Tavora*
46=Rita do Imimaika^i6
1 andar.
m.
Pilulas assiiraradiis de BrisloL
SkQ CONTEM NE* C..MtLANOS NEM NKNIHtt
OTBO ;UIKKRAI..
A grande necessidaido e falta de um ca-
thartico ou de urna medicina purgativa, fea
rauito que tem sido sentida, tanto pelo fo-
xo, como mesrao pormeio da faculdaik'
medica; e por isso, infinito 6 o gosto e
prazer que sentimos, cm podermos in
toda a confianraeseguridade, recommendar
as pilulas vegelaes assuearadas de Britltf,
como uma excellente medicina purgativa, a
qual encerra era -si todas as partes e mate
ingredientes essenciaes, tornando-se em i m
perfeito, seguro e gradavel cathartico de
familia. Este remedio nao eompesto
dessas drogas ordinariamente usadas na
eomposico dessas pululas, que por al se
vendem, mas sira, sao preparadas com as
mais tinas e superiores qualidades de rai'/es
medicinaes, hervas.e plantas, depois de e
haver chimicamente extraliido e separado,
os principios activos, ou aquellas parles
pie contem o verdadeiro valor medicinal,
daquellas poives fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor vir.u-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especificos, podemos nomear a po-
dnphytiin, a qurf segundo a expericn>'ia
tem demonstrado, possue um poder o mais
maravilhoso possrvel sobre as regioes do
ligado, assim como sobre todas as secie-
;0es biliosas. Isto de combinaco com o
Jepta/idiin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem c forniam uma pilula purgativa, tor-
nando-se por isso luuilisshno superior,
qualquer uma ouira medicina da niesna
uatureza, que jamis fon apresentado ao
publico. As liliilan mjetaes de Brislol, achar-se-ho sempre um jeme-
dio prompto, segu e eminentemente efli-
caz, para a cura de molestias, taes como
sojam as si'uintcs.
linwno do arlt hineJlca. algebra e
geometra.
O baeharel. m direito Casenairo Borges dodinho
de Assis, i!nsii;a estaS materias no primeiro andar
da casa n. 17, sitana ra Noy*, da* 7 1/2 as 8/2
lloras da man %aos sfnkopes atildantes que ib"-
sejaiu l'azor o* une no cu*e tas arlos, e das"!
1/2 as 9 d| UD le aos seahom upi erados no eom-
mercio. *. *
Troeaaa-se
as notas do banco do Brasil c das eaixas fllb.es,
com descont i mito razoavel : na praca da Inde-
pendencia b. 22. ________________________
Antonio Jos Rodrigues de Souza, precisa
alugar um en ido para o servico de casa, de mais
do 13 annos: a tratar coui o mesmo na raa A
Crespo n. 15, >u em scu sitio no Monteiro.
do
[1
T
BARIHOLOMEU & C.
Oyspepsia, ou indi-
gestio,
Adstringencia, ou..
prisSo do ventre
habitual,
Azia do estomago e
flatulencia,
Perda do apetite,
Estomago sujo,
ligurino,tem im grandesorlmiento de dominse
vestuarios de irincipe, tudo em muito boni estado
para alugar a 2 j cada domin e vestuario, e para
vender por mi ito barato preco, tem rosas para
v
GRANDE HOTEL
DI OMITE.
Do \arotr Vegetal Americano. eKitcrlaltdnticdc Bar lilaueii k C.
34HUA LARGADO ItOSAHH)34
Nao costumamos procurar altestados pan acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que gua applicagao e os resultados obtidos peltis pessoas que se digiiaram acceita-
los, Ihes-deem crdito evoga; porque sao sempre os attestados considerados gratuitos,
e delles que lancea miio o charlatanismo; mas, nao querendo oliendo- as pessoas que
espontanemcnte'nos olTmi'ceiam os que atiaixo vio transcriptos, os fazemos publicar,
manifeslando-lhes nossa gratidao pela attenco, esperando que venlia ellos corroborar
o conceite, e acceitaro que tem merecido nsso xarope.
BaFtkoteineit ATTESTADOS
Atas. Srs. Bartholomeu & C.-S com a mais subida satisfaco que declaro
ser o xarope Americano de uma eflicacia extraordinaria, pois que sofreudo lia das de
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamento*
qu t^mava, a elle recorr e na terceira comer fui alliviado, e de todo me aclio boje res-
tabelecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois,' esse resultado mani-
fest a \v. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, \enerador c obligado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Swa casa 20 de abril de 1868.
illms. Srs. Bartholomeu & CPenhoradissimo com o favor (pie me fizeram
de acoBsetkar o uso do xarojie Vegetal Americano, de sua composicao, quando me acha-
va bastante doente de uma constipado, que me tornou completamente rouco e que
tiouxe uma forte tosse, e me rnipossibilitou de cumprir os meas deveres de cantor da
empreza lynca, vou agradecer-lhes meu completoteslabelecimento, que oblive com um
so vidro d> mesmo xarope, depois de haver recorrido a mudos trtamenos. Desejarei
que outros como eu recorram ao seu xarope para se reren alliviados de tao Urrivel
mcommodo, tao fatal ueste paiz. Com maior consideradk) contino a ser de Vv. Ss.
attenh), venerador e obligado.Luiz Cremona.
Kevife, 25 de setembro de 1808.
Illms. Srs. Bartholomeu C0 xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. tet-m
a venda e de toda efficacia para o curativo dasthma, conforme observei appli-
' *"" Ap^enado" oTme^s e'aolubco em geral diversos preparados da juru-1 SXa Sn^'SiSS'i STJU'wS '"""" 'i- ^. d"C8e "^ qUC a!
beba, tivemos por ftm generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo d^apparecer a | *> H TSifSSfV^ 2t!S!2?l 2S" P!S de 8rande
rpmmninciT mu> nthoie sentiam ns dopntps de ns?r dos nrenrados emniricos il'eUe e ? V"ciram.' P?IS> Vv: Ss- acceitar a expressio altamcQte sincera de meu reco-
,cle"!',! Inhecimenlo ao meritorio servico quelhe prestaran! com o indicado xarope, acreditan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, atiento e obligado. Americo Netto de Jlendonca.
PARA USO INTERNO
P R E P A n A D 0 S 8 I L E S
Xarope ile jurubeba garrafa. I 5000
Vinho de jurubeba garrafa. -I#600
Vralas de jurubeba vidro. I $600
Tintura de jurubeba vidro. 640
Estrado hydracoouco de jurafeeba. 12f>o00
PREPARADOS COMeeOTOS.
Vinho de jorobeta ferruginoso garrafa. 2*000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 11>600
Piluta* de jurubeba ferruginosa vidro. 2*000
Oleo de jurubeba vdros. 640
4'omada de jurubeba pote 640
'Emplastro de jurubeba Jibra. 2*500
PARA USO EXTERNO
X JURUBEBA. ,
Ksta viantai''lKije reconheciila como o mais poderoso tnico, como um^icel-
lente desobstruute, o como tal applicadu nos engorgitamentos do ligado e baco, as
hepatiU's propriainente ditas, ou ainda ('implicadas com anazarchas, as iiiflammacoes
Na raa estr. ita do Rosario, sobrado Ae nm an- subsequentes as fferes intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
dar n, 35, alii;ram-sH ricos vestiarios bordados a pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, ras horope-
ouro e laa, no,os, de muito .Rosto, dminos de seda zjas, en-sipellas ; e assix'iada as preparaces ferruginosas, ainda de grande vantagem
^S1S^BS!^^^^'qPu^ as anemias clilorose,, faltas de menstruago, leueorrheias, desarranjos atnicos do
ra mandar kx a gosto e a carcter de qualquer estomago, dettdadc orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos aGrmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os IHms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca,. Sarniento, Seve,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a excelencia d'este
enieitarquaiqier v^miio'pXoprio",pra 6 car- poderoso medicamento sobre os demais at boje cenhecidos para todos os casos citados, ^ wwbT^todTefflca
BawL :tanto quo todos os dusfazem delle apphcacao. ^^ a meu flI|l0 Jmquim< mcml de jX^Jf*
mais das vezes repugnantes a tragarem^se, e que tinham ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a appiicar-se, o que torna muitas vezes improficuo um
medicamento, que poeria produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de havermos convenienle-
Inaugurou-se este commodo e elegante I mcnte estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
estabelecimento d'onde os seus frequenta-1 priedades medicamentosas dVsta planta em suas raizes, folhas, fructas ou bagas, e a
1 dose conveniente a applicaco, temi alm disto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeico possivel, para o ipie nao poupamos esforr.os, ao nos im-
portando o pouco lacro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
vel cura de qualquer dos solrimentos, que deixamos nnumerados.-se forem| em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolher as nossas va-
riadas preparaces, aquella que melhor lhe pode convir, ja pela fcil applicaio, e j pela
complicacao das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individu.
Hidropesa dos mem-
bros ou do coipo.
AlTrcces do ligado.
Ictericia,
Hemorrodias.
Man hlito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabeca.
confeceo dlis gneros alimenticios.
As bebidas sao as mais primorosas e re-
commendadas.
A decencia e bom servico primam n'esta
casa no bell) gosto oriental.
Mandam->e domicilio comedurias, tanto
avulso, cono por assignatura mensal. Os
procos sao mdicos e convencionaes.
la uma espacosa e bonita sala para o
elegante jog) de buhar.
Ha tainhein aposentos commmodos e bem
mobilhados para hospedagem.
Rtlci lcirS'a, dO IlOSariO junibeoa,"esabremaapplcaco de nossos preparados, destribuimos gratuitamente de proposito e ter-sc fe ito ltimamente melhoramentos imporlantissinms para o clima
O Um iiikw doniKIn un fnlhptn. ni
n. 44.
Em todas as molestias que derivara a
sua origem da massa do sangue: a salta-
pariillia de Brintol esse melhor de toios
os purilicadores deve ser tomado conjun-
tamente com as pilulas, pois (pie es:as
duas medicinas, tendo sido expicssamente
preparadas para obrarem de harmona u na
com a outra, quando fielmente assim se f iz,
nao nos resta a menor duvida em dizor,
qaB no maior numero dos casos, podemos
affiancar nosum grande alivio, como
iambem uma cura prompta e radical, k;ie
est bem visto, quando o doente nao se
ache n'imi estado muito alm dos recursos
humanos.
J. Fe?reira Villcla.
Pholographo da casa imperial
premiado em diversas exposi-
<;oes.
Na sua pholographia na do Cabug n.
18, entrada pelo pateo da matriz tira retra-
tos por todos os systemas pholograpiucos.
Em porcelana Em vidro
Em talco Em papel
CARTES DE VISITA A !)* A DLZIA.
Os retratos catte-de-visite sio collados
era carlo de luxo bnsial ou porcelana,
domados ou lthographados, quadrilong >s j
ou viobetas para oque existe urna varieda-
de de 12 modelos a escolha de quera se re-
ratar. Para as otitras especies de retratos
tennis caixinlias, passe-far-touts, quadros
molduras douradas e pretas cassoltas ce
'ioe allinetes pimples ecom pedias pre-
dosaSj havendo nos alfinetes uma mimosa
variedade de feitios.
O dosso estabelecmento photograpbico
est sempre em da com os mejhoramentcs
6 m-ogre.ssos que na America do Norte, na
Europa ou no Rio de Janeiro se consegue
na arte pbotographica, e para alcancarmus
tal lira nunca poupamos despezas nem sa-
nucios, de sorte que os nossos numerosos
freguezes podem'ter a certeza deque sem-
pre encontrarlo em dosso estahelecimente
tudo quanto a arle e a moda offereccr de
hora no novo e vellio mundo aos amantes
Ama de leilc..
Precisa-se le una ama de leiteprelerindo-N' os-
crava. para ac iliar de criar uma menina do 8 mc-
m do idade: na ra da Conceirao, na Boa-Vista,
n. 14._______________________"___________
Ama
Preeisa-se de urna ama para cozinhar e com-
prar, preferindo-.;e escrava : na ra do Livramcn-
ton. 4, loji.
Ama
Na ra do (Immnado n. 46. Iota, preeisa-se alu-
gar urna ama eserava para cozinhar e comprar,
paga-se liom ; luguel.
C isa tara alugar.
Aluga-se no liin da ra da Aurora unta boa
casa constando de andar terreo, primeiro an-
dar, sota e um mirante no centro, com commo-
J... ,,...u ,-..,,iv r.,.nin,i, ... i.au .v a dieioas
caa toda illiu inada a gz e com canno de esutog
com bom quii tal e eocheira : os pretendentsque
desejarem urna boa morada dirijam-se a ra No-
va n. 20. que ; ebarin com qnem tratar.
em dosso deposito um folheto, onde traamos mais extensamente
mesmos preparados.
Deposito gerul de lodos os preparados
Botica e drogara
3i Ra larga do Rosario34.
Recife, 2 de outubro de 188.
DE
J.
?l
N. 55RL'A DO IMPERADORN. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao boje assz eonhecidos para seja necessaio
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se torjaam complc- insistir sobre sua superioridade, vantagens c garantas que offerecem aos compradores,
lamente solevis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompostos di ferro que qualidades estas incontestaveis, que elles lera definitivamente conquistado sobre todos
como taes estao boje reconhecidos. os que tem apparecido nesta praca; possuindo um teclado e machinismo que obedecera
Para aquellos quemis minuciosamente queiram conhecer as propiedades daj todas as voutades e caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por seren fabricados
ii j H?frr: vhtih ana tf
XAROPE d'HYPOPHOSPHITO DE CA
d'esta planta e dos'deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas e por isso muito agradareis aos
ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blon-
del, de Paris, socio correspondente de J. Vigncs, em cuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposices.
No mesmo cstabelecimenlo se achara sempre um esplendido e variado sorti-
ment de msicas dos memores autores da Europa, assim cuino harmnicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commodose razoaveis.
A efficacia d'esta preparacSo estestabelecida desde 1857, pelos mais celebres medios. Desde
ento muitas imilacdes tem nido feilas, mas nenhuraa poude sustentar a coiii|iaracp com o
producto apreseniado pela nossa caa. Por isso excitamos o publico para que cxig4 sempre
esip xarope com uma beUa cor de rosa, nunca branca, e com a no-;sa assignatura roda do
frasco.
Sob a sua influencia, a tosse acalma-te, os suores nocturnos cessSo e o doente volv: rpida-
mente sade. O seu pmpregod tambem os mais brilhanies resultados nos defluxos, catar-
rlis, bronebites, irritavdes do peito ele,. n
Deposito em Pernambuco. em casa de Maorcr e c".
Aluga-se
urna eserava que faz com perfeico todo servico
de urna casa de familia : a tratar na ra larga
do Rosario n. 34, botica.
11P3II
Wm

i Tii.iKtiro:
Aos 500 pares de brincos.
Chegou e vende-se no Coraco
d'Ouro, ra do Cabug, brincos de
maosinh; s com uma franja penden-
te a um rico desenlio c ouro de
le, pelo pequeo preco de I5->000
cada par. baratissiino.
Precisa-s! alugar uma casa terrea ou de um
andar em qualquer bairro desta cidade, prefere-
se o de Santo Antonio ou S. Jos, tendo a mesma
casa bom quin al. sendo a frente nara o nascenl-
ou norte, e na Uta qualquer sitio que seja perla
do trem urbano em qualquer localidade, leudo
boa agoa ou ric : procure a tratar na ra da Au-
rora n. 74.
AlAiidOljU
Calcado nacional, na fabrica de los Vicente
Godinlu & C. ra do Jardim n. 19, avisatn aos
seus freguezes desta capital e do interior, que con-
tinuain a fabricar calcado em alta escala, offe-
recem as melhores eondicoes, tanto em preco como
em qualidade. Os propietarios desta eslabeleci-
mento cliainam a attenco dos senbores consumi-
dores do interior, que os quizeiem honrar com
sua freguezia, especificando em seus pedidos a
qualidade e iiutiieiacao,o!fereceudo-se para os en-
tregar bem acondicionados cm casa de seus cor-
respondentes nesta praca
Lagdo para calcadas
A tratar na-rua do Apollo n. 4. eseriptorft.
Aluga-se
Huma casa cora bastantes commodos na
cidade Nova de S. Amaro: a tratar cora An-
tonio* Jos Gomes em S. Amaro, das 6 horas
d maanhas 8, e das 3 em diante.

KSCETOMO DE ADVOCACiA
26Ra larga do Rosario-----20
O advogado bacharel Ayres de
Albuquerquo Gama tornou a abrir
o seu escriptorio na raa larga do
do Rosario n.
tel de policia.
m
m\
i
Precisa-se de urna ama de leite sem filho e pa-
ga-se bem : na ra da Cadeia do Recife n. 13, 2'
andar.
lo si'io n. 1 da Passagera, vende-sc ama
eserava de me a idade. "
Joaquin Jos Gon-
?alves Beltro
RA DO TRAPICHE & 17, l. ANDAR
Saccapor todos os paquetes sobre o Ran-
eo do Minho, em Braga, e sobre os segra-
les logares em Portugal;
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimares.
Coimhra.
Chaves.
Viseo.
"Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponto do Lima, i
"Villa Real.
Villa-Nova de Famalico.
I>amego.
Lago>.
Covilha.
Vassal (Valpassos). ,
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
Gymnasio proviciai.
De ordem do Illm. Sr. Dr. regedor se faz publieH
para conhcimento do corpo cathedratico e dos
pa dos alumnos, ou quem os representa, que a
abertura solemne do ann i lectivo (lea transferida
para o da 11 do corren'e as 10 horas da manhaa
Secretaria do Gvamasio 1 de fevereiro d 1869.
O secretario,
Antonio da Assumpfo Cabral.
Precisa-se de um trabalbador capaz pr.ra
tratar de um pi queno sitio, prefere-so casado: a
,ra*ar na na Nova n. 19, 1 andar.
SEGUROS
MARTIMOS
(OliM FOGO
A Companh a Indemnisadora, eslabelecind
nesta pra?a, tima seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: aa
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Collcgio de S. Francisco XavieT
Estabelecido na grande e bem arejada casa
onde esleve o Gymnasio, na ra do Hos-
picio n. 32, dirigido pelos padres da
companhia de Jess.
O reverendo padre director dasto collegio scien-
tifica aos pais de seus alumnos e dos demais que
quizerem conar-lhe a educacao de seus filbos,
que no du 3 de fevereiro comecarao a fuccionar
todas as aulas, achando-se abertas J as matri-
culas. Rereuem-se meninos de 6 a 12 annos
para seren instruidos as materias preparatorias
, das faculdades 4o imperio, a saber, primeiras le-
tras e lingoa nacional, geogranhia e historia, ari-
thmetica e geometra, inglez, francez, (da-se infe-
rior c superior), latim, da-se nfima, inedia e su-
prema, isso a priiea da prosa e da poesa), o
'(talmente humanidades ou a introduecao rheto-
rica, que comprehende os tratados do estylo e da
elocucoqiier em prosa queren poesa asdua?
ngoas latina a nacional. A msica para cantu-
ria e para todos os iustrumentos do sopro e cor-
tas, assim como as ngoas allema, italiano, gre-
na, braica serio ensinadas pedido dos wuhores
iiais.
Rosario n. -JO: onde pode ser pro- }
curado, qualquer hora, para to- jg!
dos os misteres da sua prolisso. jjgj
Descja se fallar com o Sr. Justiniano
de Mendonca Lima, na ra do Queimado n.
18 A, ou que se digne annunciar a sua mo-
rada para sor proemado.
O abaixo assignado faz sciente a>s" Illms.
Srs. pais de familias da povoaeao de Apipucos. e a
quem mais possa interessar, que do 1" de foverei-
"i em dianle coinecar o exercieio de suas func-
ees na escola de istruccao elementar da referida
povoacao, e que desde j'esi aberta a respectiva
matricula, a qual s poderao ser admettidos os
que yierem competentemente habilitadas na forma
da lei.O professor publico de-Apipucos, .
Jos Vicente Ferreira Barros.
Cozinheira.
Precisa-se de uma cozinheira : na ra do Mon-
dego n. 24. _______
Cosinheiro
Na cidade nova em Santo Amaro sobrado gran-
de do Sr. Manoel Custodio n. 22, precisa-se de
um cosinheiro homem ou mulher que seja de boa
conducta.
m
\siMmmsi
PILULAS, VIMIOI
E m
XAROPE DE JBBE3A. j}
PREPAIl-UlOS PELO PHAIt.MACEL'TICO ^
Voaqiiliu I A Suicida Pinto, p
As preparaces de jurubeba sao j||
hoje vantajozamente conhecidas e M\
preconisadas pelos mais haheis me- S
dicos, tanto da Europa como do
paiz, pela sua ellicacia nos casos
de anemia, chlorose, hydropesia,
obstrucf5o de abdomen, e tambem
as de menstruaco dillicil, cathar-
ro na'bexiga, etc.
Vcndem-se cm porfao e a reta- B
Iho, na cidade do Recife, pharma- ig
cia de seu compositor, rita larga ,
10, junto aoquar- M

1
XAROPE DE FEDEGqsO 1
; E' de uma ellicacia verdadeira- Jg'
! mente maravilhosa como (ialmantc
do systema nervoso e applicado B
contra a paralisia, asthmqj, tosse M
convulsa ou coqueluche, tpsse re- m
cents ou antiga, sulTocacoes, ca- W
tarrhs broncneos elc.x c em geral jig}
contra todos os soffrimcritos das |
vias respiratorias, o na fhytisica &
pulmonar, sua virlude centra o 8
ttano ou espasmo^ e convulses p
inconteslavel, e mnguem ha que
a desconheca. ^
XAROPE 1
DE $q,
SALSA PARRILHA DO PARA
OU
DEPURATIVO DO SANGUE.
Usado as molestias de pelle,
impigens, dores rheumaticas, e
ulceras venreas.
O nico deposito destes medica-
camentos na botica do Pirllo, ra
larga do Rosario n. 10 junto ao
{quartel de policia,
RLA LARCA DO ROSARIO 137
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia em da quanto possivel para che-
gar ao enme do bem vver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio. tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para uma s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indspensavel elemento para a
vida e hygiene, temo-la sempre era abun-
dancia para facilitar excellentes banhos.
Ha tambera uma boa bbliotheca e peri-
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para
recreio, buhares, ele. etc.
Sendo ociosa qualquer recominendaco
CIIARLTERA E PETIT RESTAIMT
Aimexos ao Hotel Central, ra estreita o
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infinita
de charutos de Havana, Rahia, Rio. etc. que
existen) neste novo estabelecimento pres-
cindimos dos annuncios pomposos que ge-
! ramente se fazem, reduzindo-nos apenas ;i
tres letras que sao tres bbb bom, bonito o
barato. A' vista do genero annunciado po-
de-se julgar de nossa veracidade. Esta casi
gosa tambem das eondicoes de um elegante
e petit resiciirant onde se pode ver a es-
pecialidade dos fiambres e salames de Lion
para lanches c at fazer uma boa colarn.
para to acreditado estahelceiniento, omit- juntamente com os principaes vinltos do
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bom a pina
fim, que o bom servico, ordem e moralida*
de imperam n'esta casa,' como observancia
del do regulamento que possue.
Comedorias a la caite.
e fervente champagne, o mui saboroso Rhe-
no, a primorosa cerveja, o licor espirituoso,
o quanto pede uma mesa. Faz-se noule
soi v'te e variedade de refrescos.
N^6Ul^fU3^=Eli==
Engommadeira,
Pi-ecsa-se de uma mulher que engomme per-
fetamente : i tratar na ra da Cruz n. 17 .'cun-
do andar.
Fazem-se llhs de ceringa para presante
com prompiido, aceio e pericia: no pateo de S,
Pedro n. i.
Ama.
. Precisa-se (le
i-botn que fot" do
na mesma.
para Administra
'aranbos; A tratar
Preeisa-se de um;, ama para cozinhar, trele-
nndo-se eserava : a tratar na ra do Queimado
n. 35 A, toja.
Alueam-sc os tres andares do Robrario da
n Nova n. 2,1 o vende-se uma eserava friou-
la anda moca, o pa t de urna mobilia : a tra-
tar no primeiro andar.
Precisa-se o lUndidores
ca da ra do Brum a. .>i.
e trro : na labri-
Declaracilo
D. Anua Joaquina de Mello Carioca, de-
clara ao publico que deixa de ser seu pro-
curador o Sr. capitlo Jos Rodrigues de
Oliveira Lima. Recife 23 dejaoeiro de IU60,
CASA DA FOrtTliYA
Aos 4:00011
Bilhetes garantidos.
A ra do Crespo n. 23 e casas do costume
O abaixo assignado tendo vendide nos seu
muito felizes bilhetes garantidos 1 quartos n. 422<
com sorte de 4000|; 1 quarto n. 888 com .
sorte de 700 e oulras muias sortes de 100*, 40;
e 203 da lotera que se acaben de i'xtrahir en
beneficio da igreja de Nossa Senbera do Tere
(93), convida aos pnssnidores a Viren) receber Ben
respectivos premios sem os descontos das leis n:
casa da Fortuna ra do. Crespo n. "i'.',. '
Acham-sea venda os da 8* parte di lotera en
beneficio do patrimonio dos orphaos ()i.') que s<
extrahit sabbado G do correnie mez.
Precos.
,- r Bilhete.....4JK10
Meio.....2J000
Quarto.....1*000
Em prelo de 1005 para cima.
Bilhete.....3*300
Mel......U750 '
Cnarto..... 875
___________ Manoel Martns l^uza.
Precisa-sA de um moleque.le 12 i 14 anno.
para servico externo : oa ra bireita n 79, luja.
EFFICACIA
DO
XAROPE DE RBANO IODADO
0 Xarope de Rbano iodado de Grimanlt e C\ pharmaceuiicos de S. A. 1. o principe
Napeleo, em Paris, preparado com o sueco das plantas anti-escorbuticas cuja eieacii
mui popular.
Encerra o iodo como combinaco orgnica, e 6 considerado como o melhor succedaneo
do oleo de ftgado de bacalho.
^ A rara perb'ivo d'esie prodneto anima-nos a dar a conhecer aqui a opiniio de alguns
d'entre os principaes mdicos de Paris, que diariamente o prescrevem.
0 Xarope de Rbano iodado um medicamento d'nm eff.'ito suave e seguro pare a
t medicacio dos meuinos, nao smente suppre o oleo de ligado de bacalho, mas ainda faz
as suas vezes com vantagem.
D' A. CAZLNA ve, medico em chele do hospittl Saint-Louis, em Paris.
0 Xarope de Rbano iodado um medicamento de primeira ordem para o tratamento das
affecedes lyniphaiicas e escrofulosas. Muitas vezes, empreguei-o com feliz xito, era ceos
f caso* de tsica ao sea principio, como succedaneo do oleo de fgado de bacalho.
Dr A. CHARRIER, anliye cheje de clnica da aculdade de Paris.
0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excellentes resultados como regenerador
do sangue, e succedaneo do oleo de figad de bacalho. >
D' A. FAVROT, autor do Traite des malaiiet des femmcs.
0 Xarope de Rbano iodado 6 om dos mais poderosos modilicadorcs das constnicoes
lymphacu. Tenho visto utaras escrofulosas que liada poda curar, cicalrizarem-se,
gravas a sua aeco, com prompiido exiraonlinaria. Tambem, pelo scu uso dcsttpparecein
as atfeccdcs tuberculosas dos onsos, nos meninos
Dr GUESNARl), antigo externo dos hospitaes de Paris.
* 0 Xarope de Rbano iodado possue todas as vamagens do oleo de fgado de bacalho,
< sem ter nenhnm dos inconvenientra que apresent* este ultimo medicamento. >
D GUIBOUT, medico dos hospitaes. Presidente da Sociedade de medicina de Paris.
Xarope de Rbano iodado de Onmauli e C encerra 1 iS por cento de iodo, na su
* compoticto orgnica anloga i que se acha no oleo de ligado de bacalho. >
Dr KLETZI.NSK 1, profetsor de chymica, touvado dos tribunaes de Yienna.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maurw O*.
FRANCA-BRASIL
A'B. MERQEB, alfaiate francez, previne ao respeitavel publico e a seus numerosos frecue
!, tendo transferido sua residencia para a roa do Trapiche n. 7, primeiro aidar, ah encontrarn
empre todas as qualidades de fazendas para trajes de homem, e prepara
m nhora. Faz tambem obras para militares epara criados, para as uae
IilIAii -i ...r.U> anas HEK^Ib a .. 9 a 1 _______1- t II !.
'es qne,
costnmes para montara d*
,-acs tem grande surtimento de
botoes s.mples, com virola e coroa de conde, brancos e aniarellos. Recebe por todos os vaporeB w
nara Imoieni. senhoras e meninos.
I
Jlllllll
xaismi
k mritau
i Paris
EJLULAS
dlBUBINduBUISSOn
fbvauctutiM
Uiratt
*
acaau
0 tratamento daaaffeecdeachlorotica, lymphattcas ou escrophuloeas; sempe* lentis*
simo, e mimas vzi>* twu molmas reswiem s preparaces ferrofinonas ordinarias. As
MHiagavOes e.ias p.-los profpsHeri Hannon da BruxeHa*. emaonl e fetreqoin de Lvo e
Benel.us e Trouwean de Paris. lem provailo que cansa d'essa peraistei.ci era a completa
ausencia do Hanganese. elemento Mue sempre deve-se a. bar no sangue janciamente com
i. tatas pilulas suppreu. pois, na therap.tica orna falu im|runte, e por este
ellas lera merecido a approvacao da Academia de Meiienna e das principaes socie-
''iwmMia, em cana de Wat C.
o fierro,
motivo
dades. medicaa llepoftto em

)




Diario le Perna.beo Quinta fera 4 de FtVerero de 1869.
r>

Grande liquida #o* de miudezas !
Affonso Moreira Temporal, quorendo .liquidar as miudezas cxistenttvs em sua
loja ra do Queimail > n. Jo, resolveu ainunriar asmesmas miudezas para que o pu-
blico se certifique do diminuto proco ponqu as est vendendo, a saber:
Massos com grampos 25 a .
Pecas de tranca lisa e caracol a
Sabonetes de todos os precos a
80 160 200 e ". .
Abotoaduras para colletes a .
Botfiesde loucapara camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
deira) a.......
Frascos com agua de Colonia a
320 e.......
Garrafa de tinta roxa a. .
Ca xas com 100 enveloppes a.
Mantas de seda para homenl a
Fita de sarja para enfeite de
vestidos por......
Frascos com oleo para cabello
a 400 e.......
La para bordar, libra. .
Escovas finas para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e .
Ditas muito finas para fatos
por preco nunca visto 400
300 e........
Pecasde babadosc entre meios
a 600 800 e .....
Gravatas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Bico e renda das ilhas a todo
preco. S a vista faz f .
Pecas de lita de coz cora 10 va-
ras a
23
40
.
240
320
160
tjooo
400
800
30)
80)
600
60i)
6 ->K00
320
300
600
1>000
320
300
Latas com grasa, duzia a .
Coques muito bous com rede so.
a rede val......
Meias para hoinens boa fazenda
a 3->600 e .. .
Linha de marca, caixa com 16
novellos ,......
Latas com banha (faniiliia), duzia
Frascos rom liauhaa 320400 c
Botoes para punho fazenda boa
a80e .......
Volta de Aljofre cousa boa a
Fitas para debrum de vestido a
Caixa rom agullia franceza a
Botoes de acopara coleto dnzia a
Carlao com alfinetes a .
Caixa com perfumaras muito
fina. S a caixa val 10,5000
12^000 ....,.-
opo com opiata muito fino a
400 e.......
Meias muito finas para senhora
duzia........
Cartas francezas a 200 e .
Ditas portuguezas a 120 e .
Caixa de linha do gaz branca 30
novellos.......
Frasco com tinta a 100 e .
480
-VoOOO
240
2>200
300
E
PROGRAMMA
DA
Fe*4a de Xo*sa Seuhora da Vali-
de no -i'onveato de Sttato
Autopio do liedle.
.V mesa regedora da devocao de Nossa
Senliora da Sade tendo por um dos setis
deveres festejar no corrente anno a l'a-
droeira da referida devpcSo, afim do satis-
1 fazer este comproraisso, muito Ihe temaju-
dailu ;i valiosa eoadjuvaco daquelles que
nutrindo sentimento de religiosidade de-
monstran! dedicacao Santissima Mai de
Di US.
Segunda-fera pelas 7 horas da noite de-
pois de reunido um avultado numero de
meninas, d'este convento ser levado
Feitor
Preclsa-se cora urgencia de umf'itor qvio en-
tonda bem de jardim : a tratar 110 Recifc, travs;*
da Madre de leos n. 16.
O Sr. Amonio Francisco urto quuira ajipa-
I retar ua ra Direita 11.38, a negocie de sen me-
l'L'SS-'.
Franja de la para sapato (peca)
300 Papel de peso muito bora .
Sapatos de tranca c outros mnitos artigas, que enfadonho seria menoiasar.
RA DO QUEMADO N.
100
160
300
160
120
100
13*000
309
>3400O
24a
200
600
106-
iooo
4f)000
20,000
De gratificbalo.
Quem achou na entrada do Parnamerim
um embruHio pequeo, contenido icaixi-
nhas om botoes de punho e duas com
de camisa, tudo de ouro, que (tarara d'um
em I passageiro que vinha de Appipucos no
procissao o estandarte de Nossa Sonhora da .trem de 8 horas da manh5a, no valor de
oa
A RRuit branca .lera-se feito .Oo conheeida iptl* agradaveis amditadt nao s nes novidades, variedades, su- i m sous lino. lencos, e cada na das miae orgu-
35e e abundada de sea sW.i.nento, con,, | taa. pelo doga do acert ***&8 "JJ
pela contme eomn.odidade de sous procos, a mes- que querendo P* > > jusliu M ul
mo pelo seu assaz e nunca olvidado .agrado since-1 taneamente- vwdade que eatocbeiro Iukoi
rklaile.
Essas verdades innontestaveis seo teta .dcvidn
apreciadas pelo beJto sexo em particular,e pelo
reepeitavol publico em peral, e a tanto Una eliegado
que estao quasi passando como annexim ou pro-
verbio, quando se v un objeeto de elegan-eia,
gosto, novidade, etc., ate., diz-se logaaque/le ob-
jeeto seni d-ivida foi comprado ua loja d'ajriia
branca.
Qiiaudo no. club, eos bailes, eu no salao do
Santa .Isabel, urna escellentissima se apreseata
garbosamente trajando. trazendo o moderno ciato
de aiui larga lita, lisa, ehamalotada, ou escoaaesa,
uunxuiieuie*-. wuaue que i
do ua loja d'asuiabranea.
Anda awas.
Quando hoiitem os pais afflietos aeBaBI o rigor
ta deulieao de sen-charo (Hhiiriui, e hoje. alegres e
satis/eitos |>e4o feliz restabelechucnto roebem ai
visitas dos seus mclhor amigos, dizem aqaeUes ;
estes, foi Deus queme inspiroupara que oompras-
se, eonio cooijirei, umdesses virtuosos cofiaret
Rover, que se v<*idem na loja d'aguia braiica.
\lcut do muito inais que aluda
talla dizer.
Quando em uui circulo de iicimi.speetos carac-
teras se discutir a voracidade de iaesdizeres, appa
reear u? optro qtie queira aimla Jevemente nter
as anas admiradoras dizem eomsigo aquella Ika rompar.a diaeoaiao, os.pj'imciros por monieuo es-
foi comprada na loja d'sguia branca.
Qiando oura excellejj'.issima, nao ,nn-nns par-
bosa, mostrao rigor de seu boiugoslo-ua acertada
cscolba dos eufeites de alta novidade que bella-
mente ornam seu vestido, anda niesmo as rivaes
de sua sympalliia confessaoiqueaquelles enfeiles
foram da loja d'aguia branca.
Quando n'oatra excellen'issima, apezar da sin-
relleza de sch porte agradavel. se vin as bonitas
(uvas de pellica dui|ueza as suas bellas anii-
gas louvam-llie o gosto e eoafeesam queaquellas
(uvas forain da laja d'aguia bt-anca.
Quando raciiw duas cxceUentissimn?. antipas
amigas de ollegro, se encontrain naquelies liba-
res, depois dos cuuiprimeiitos de reciprocos beijos.
ambas por foiea de soa elevada delicadeza, gabam
(|uecerao a ciieuiiispeoeao e (lies darao um pa-
cioso dolque dizeado-Hiesj sabemos que V.
um dfrfjBWles qne inclina o chapiVt d(! sol en que
mereca ser desipnado pota aguia branca da ra
do Queiniido n. 8.
Sio taas as usas que por
timas escapam as outras.
Ja ia esqneeendo a a^uia'branca,mas em tempe
lembion-sejiara noticiar, que rceebau Una pe-
quea quantidade de enfeites para coques e gram-
pos para dito?, tndo fdto de metal can lindos t-
apradaveis caloridos, obras estas pela primeira ve
apparecidas, e poi tanto inteira novidade.
Tmnbem chegaram novamente delicados enfeite-
e Ames ornadas de aljofares c vlrilhos, tanto di
palba para coques como para vestidos, e tud<
contima a merecer a apreeiaeSo das excellentissi
mas eenheaederu do bom.
DO
Saile, ao som da msica do 2.- batalho
deinfaotaria da guarda nacional, e hastear-
se-ha no respectivo mastro. o dia 2 do
corrente petas H horas da mantisa ter
ltiar a feta, na qual tecer o panegrico
Excelsa Senhora o muito digno guardiSo
d'este convento, e a orebestra ser regWa
pelo maestro Jos Miguel, e uofte o pre-
fidor da capella imperial Fr. Joaqun do
-spirito Santo recitar m bem*cabii4a dis-
curso. Em seguida ser eatoado >o Te-
D&m, e findu o qual ter lugar lamen-
to da bandeira. Robamos conbtirrencia
dot-devotos aestt acto para maiOr Irilliau-
tisno d'ellc.
Consistorio d devocio'e Nossa Seuhora
daSade, I de fevereirode 18.
() Merivao,
Izaias Francisco de Paula S
AJuga-se um tuoleque-de 10 a li annos.paia
o servico externo de muavasa : a tratar naraa
da Impratrlc, loja n. 13 A, _
130^, querendo ter a bondade ele entregar
ao chefe da estacao do porto dCapim re-
ceber 20;$ de gratificaco.
Precisa-se alugar em um dos ai
ndiahls pr-
ximos cidade, um sitio, cuja casa nao fique
face da estrada. Qem tiver algum estas condi-
coes, pdc 4irigir-se a ra do Apollj) n. 25 on a
do Puro n. 30, qc achara com quep tratar;
- ftwisa-se de una escrava que saiba eozi-
nhar, -engommar e fazer compras : a i tratar na ra
do Gadeia do "Reeife, n. 1, armazein.'
Aos 8 mil globos
de papel de cores rhegados para illumina-
'?3o dos fcsleos, S preco muito eni conta
e anda nras sendo em duzia: no arorazem
do VaHW Francez ra Nova n
P^*iM-se le una ama para j:o/.inlur : na
na do SenhoT Bom Jess das Crcoilas n. M, 1
auda\ --
J
k
Grande liquidado
O [iiopricrarl^*arrtiT.i < lic-m xiunecida
ni a do crespo y io. |()ja (|e ln ml|ada (|J(,ija H( r>
a ra do Oueimado n,(:{, querendo acabat
,com >) sorliiocni' I.- uitidezas que exisk.
Idtxliwi: ; quaWaiics, l(,ni l||l|ib|1I...,,,, Iirn,,,.,,,,. amna completa d-
quidaro, paca o que chama a attencao de to-
dos. '
Illuminaco.
do cnSPo y. ig.
:a A C. tomlo re
ultimo vapor grande e varimlo sortinientg
e do ms moderno golt, i>i\>|iro,s pira
ilhuninaCo tanto da ciiia-le cuno do
campo, assim b flizein constar a sous nnme-
Oi objecti.- ser*) vendidos por metadeite-
rozosfreguezes e ao reapeitavet publico.;seu ^^ ,,,,.., (|Ut, >paWjf)i no suppo-
afim de que com tempo se previnam, visto
como atiento aos ltimos successosda guer-
ra se espera a cada nomento a fausta no-
ticia de sua concluso. A illuininacio effi
bales do papel alm de ser linda e menos
dispendiosa possivel, os annunciantes ven-
dem-os por precos mui razoaveis,_______
~Vende-se
Duas pias de marmore muito lina*, com Boroes
om relevo, que pdem servir para oreja, ou para
casas particulares, vende-se per preco muito cOm-
modo: ra Nova, escriptorio de Quinteiro &
Agr, n. 63. _________ ___
Eap Gasse e Paulo
Cordeiro
No armazein de Jos Joaquim Lima Baiao, a o|)y j-ipdQg
roa da Cruz n, 18, tem constantenii'iile siipnuien- ,,.j' .___
lo de rap Osase grosso e lino, e Paulo Oordeirc I W de Ida pala dounim e
coniniun e ajado; nao precisa ater apoiogia de as cures, a peca.
sua excellente qnalidade, jkis ella j de inai>; l)ta f>r.'
conhecida, assim como o lugar proprio de sol |)ja
venda.
ntia,ipK o present anminrio una iHusau.
o proprietario da dita loja, olfereco urna pe-
quena lista de algumasmiudezes, com os
diminutos pircos 'nnio aliaixo se ver,
nao presentando tuna lista completa de to-
dos (is objectos'qtte est5o expostos a venda,
pela razao de se tornar um annuncio muito
j extenso e por consequBtbia de enfadonha !<-
' tura, por isso apenas lemita-se as seguiiUs:
1 Duzia de miadas de linha para .
fazer croch. 160
1 Caixa de liona com ;>0 novellos trO*'
1 Dita :o M'i
1 Dita 10 riiK
1 Duzia linha de caniteis de
100 jardas MO
1 Dita < de
todas
ri
liscrava.
Xa-ra da Gadeia n. i, 4 andar, precisa-se
comprar urna escrava com todas ai habilidades,
deidade de O "a 30 annos, mas laura.
Precisa-sede um criado copei|ro para casa
Escriptorio
Gomes de Mattos Irmos -estao
mensalidadcs dos manos, o fazer outros eriptorio aberto a roa do Vigario
s: fleve rosaSa" lio Scgio ou *c menos itar : propoe-se a qualquer consij
Um* easa e educaciodo miRierosisshftt' fami-
lia, 0'---.'|,nitti-Seiii ordnnar a Ainiiis-irai;a.; inter-
na e extena, precisa Ae nm pwcurader para ad-
ministrar doiis sitios eiversos jwedios. conrar ala-
guis e
negocio
ah ter o-sen eaci^lano.
Dove ,i|iii--.-jii.ii- documentos que juslPijucm a
sna iiMalidade e CEpacdadc; o mais nm cosi-
nbeiro lien hbil -va sua arte e acosti nado as
grandes familias ; mais u coiieiro aibil para
u servico 'de unia numerosa commmflade; de
mais un bolkiixi ttfae piste-* aos otaros servi-
008 da cusa; de mus dous toiuens para o servi-
co inteawi da casa, como vjorer, tirar jua, etc.:
deseja-se uoui ej^ncialidade houiens robustos e j
de idade.
Todos aquelles podciu dar todot; os esclareoiiiientos nwessains.
pai-a t\w s-jain temados-na-divida oecsideracao,
na ra do iiperadir n. 28.
A1ULMEM DO CAMl'OS.
de4iomem solteiro: a tratar ua rua
Rcife n. 4, 1 andar.
da -Gadeia do
Hroeisa-se de um nie.ntao de 14 a Ifi annos
de idade gtouco mais ou rmbos, paia aixeiro de
taberna: a tratar-ta ra do O'espo, loja da esqui-
na, n. 8.__________________
OSr.-iosc M! bruho vinto tle'Puf tugal na ra da (-ncia n. 1.
AKta deleite.
Precisa-sede orna,
andar.
ua ra da Penda i. 21, p
Precisare .de urna ama que eotislie beui,
liara casa de pouca familia : na ra do Iinpera-
or n. 71, 2* andar_____________________ ______
AMA
Procisa-se de una ama para casa de pequea
familia : na na do Crp-n n. 18. andar.
VEBDADIRO LE BOY
dsl Dador SIGSORET, ftaice Suceajr,
Situado em um dos baiiros mais cenlr.tes de Pars, sendo as immediaooes dos
principaes iheatros c outros muitos divertimenos, c assim das estacoesdos caminhos de
ierro para todos os pontos da Europa, acabado de ser inteiramentc renovado, nao se
temi poupadoo seu novo proprietario a desonzas para seu completo embellesamento e
aceio, lorna-se portaolo ventajosamente rccommeuilavel aos enhores brasileiros e por-
tug*iezes, a onde encontraran sempre acuella convivencia desejada em paiz estranlio.
por ser constautementt raquentado por seos compatriotas. O tratanmnto superior a
tOftoO elogio, mesa redonda, ou a carta, ou servida nos apozentos; habitaces conve-
nientemente despostas paca familias, e miarlos para urna s pessoa, o servico feito
ciwn a precisa regularidade: os procos muilo rasoaveis eao alcance tambera d'aquellas
pesoas que se queiram limitar.
Gabinete de leitura com os principaes jomaos dos dous patees, salo de recepeo e
de msica,etc. ote. Tolas est^s vantagens podetn serapplicadas igualmente aos senho-
rei passageiros das repblicas do Prata, porque aijn da semelhanca da lingua, ali en-
eitit -aro mulos senhores hespanhoes, por quem tambera esta casa 6 bastante fre-
cuentada.
RU
seini:,
O P4BI
Px:6fi
M
N
por
cuello
rtulo
elsiLiO Dlt SOIIKUO
runcts.
Por tola to de nn riloc
de 500 frneos acepuMi ta-
lan PvUtoadra.M hae*
1 mtyor duciuoto poi i'.t.
U
vaga
'Jilicael
gozen esto
precioso m-
ediot be det-
perudo li codicie
de un gran nmero
falsilicado!*; jor
lo Unlo debe eil ;ire ti
laeauKBO Li hnr, cuyo
talo inpreso eu nerro sobre
fondo vetuilo de cmaritlo
las Si i:- as La Ro i u ana,
asi como ai nombn SIGXOtT
aii ia sua rasTa bu ni.
N. i'.Sobre el corcho, debajoilal papel
ifae lleva ei solio FiamsaUB Corr
ve pagado
el travs del ^
de la botaa. fls/*
amarillo con Ayf oy
de esclavos.
om o seu es-
la. i6, Io an-
consigtKuo, menos
COMPBAS.
= Compra-se urna araiaQo en. iJracaila : a
tratar na ru Direita n. 3?>.
Com muito maior vam'agem
Compra o Coraco dcOuro, n. 2 D
ga, moodas de ouro e prata e pedras
ra do Cafc-
preciosas.

Loja do Pavlo.
GURGURES PARA VESTIDOS A i->lK),
O GOYADO.
Chegaram os mais modernos gurgures
para vestidos, sendo de todas as cafes, como
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
rxo A & tendo quasi quatro palmos de lar-
.gura e vende-se pelo baratissinio preco
de l;$00O, cada covado imifann-iito no ar-
mazein de tfelix Pereira da Silva, na ra da;
Imperatriz -b. 60.
Peca de fita de buho com 10 vasas,
i e qeu serve para cs.
Dita a cs
Pentes vultiados para menina e se-
nhora.
Ditos mulus finos.
Ditos preto com chapa.
Ditos branoo*
Ditos pretos.
Ditos brancos finos.
Escovas para tente; a it, O c
Ditas para cabellos.
Ditas muito finas.
Ditas para roupa.
Ditas dita de diia.
Peales de coque com tita a 1600,
Blll.NS l'MLV CALCA KA LOJA 1)0 i'AVO. .-ylXM) I!
Yunde-se os mais modernos e melhores i Pentes para coques KioO, 2o00
brins de tohode todas as cores, outros com! J.^OOO e
listas do lado, 'garantindo-so seren de linlto j pcca j,, fr:)nja paifloalha a peca
puro e vende-se por precos muito em con-com f 4 varis.
ta no arutazem de Flix Pereira da Silva, ;i j Entremeios bordados a peca 600
ra da Iiaperatriz n. 60. Tntenos de porcelana iJsO 2-5
Pechi.vcha km ai.oodosimio a .*;,vjOO Balaios para meninas do escolla
bonito desenlio 800, Ijf, I500
Peca de lila de seda para qnfei-
A PECA NA LOJA DO l'AVA.
Vende-se superiores pecas de algodaosi-
nho cora HO jardas a 5r)5O a peca, gran-1 [(-s je vestidos.
de pu/tt-iln, na roa .da Imperatriz n. 601 Fila de sarja de lodas as cores,
armazein de Flix Pereira da Silva.
Oejnprd-se eseraivos.
Lino de Caria & C, na ra do VigV* n- 2i, es-
criptorio, Candar, compran! eserav4e amboss \S DEZ HiL VAHAS DE CAMBBAIAS FU \N-
sexos scad que, P*o!eues de 44 a 4, anuos e*p*- cezxS S(') N V LOJA DO PATO A MO
mitas figJiMts, serao fiagtts por iituito- uwis dinhasn
do que *m outra quakjwr parte.
Ouro e prata
em moada e em obras iiiutilisadas, 'oaipra-se fwr
bom proco : na prara da Independencia n. tt.
Na^praca da ladependenraa ji. 3, loja de^a-
-rives, cauipra-seouro,prata^e yedras preciosafi,e
tambem se faz qualqufr obra de enconimenda, e
t>xlo e qaalmier concert._____________________
Compra-se
boje libras sterliaas, ouro e prata de todas as
iiaeoes epor maior preco do que em outra parte :
ji ra da Gadeia do Reeife n. 58, loja| de azulejo.
- Compra-so cobre: na ra do; (uciinado .
49, rival sein segundo.

VENDAS.
A FLOR n?> w
MO
i
-
si
e
fa
o
C-J
255
0 s


-x
^. -r; m O ?e ^ -^ ;^
C3
8S.a
5 efi
w o ? w -3 5^ a
9
s
o

s
E
Olt 1.1 O UO'Id v
^IPHOSPHATOdeFERRO
LERAS DOUTOR
Ueliaixo da forma d'um liquido sem sal'Ar.
anlogo a urna agua mineral, csie medica-"
meuio rune os elementos qoe constimem
as ossos e o sanguc. E' o mais racional dos
ferruginosos; por esta razao o adopuirio
os mais eminentes mdicos 'lo mundo in-
tciro. Comein mu 10 as meninas ile lemperamcnt delicado, cojo desenrolvimemo lar-lio.
as senhoras que pailet^rn d'eslas dores d'estomago intoleraveis, cansadas pela chlorosc,
anemia, mensiruac4o ou leucorrba, s enancas d'nma compleiv>o pa lida e delicada, e a
todas as pessoas que i-m e sungue empobrecido pelas doencas. Ef&cacia, rapidez d'accao,
cura pertena. sem ronnipn.So de venire nem aeran obre os denles, Ues sto as razet que
imperio para que os seBhores mdicos o prescrevio aos seus doeutes.
Deposito em Pernambwo, em casa re Harer O*.
Furgiram no dia o de Janeiro do corrente an-
no de 18GSt do eiigenho Jassini. em Serinhaem, os
escravos seguintes : Luiz, crioulo, do sorrieo do
campo, estatura e corpo regulares, bem fallante e
bastante esperto, cor preta, olhos um tanto api-
tombados, representa ter 30 annos de idade, pou-
co mais ou menos, tem cicatrizes de chiclo pelas
costas ; Maria, criou a, alta e corpo regular, falla
11111 lano de-cancada. rosto bem f ito, olhos gran*
des e um tanto brancos, represedta ter 2o anuos
de idade. do si rvice do campo, tem os denles al-
vos e pe feilos : "esta escrava foi comprada ao
Exm. Sr. bario de Nazaretli; Luiz. crioulo, com
.*i annos de idade, pouco mais ou menos, earreiro,
alio e um tanto secco do corpo, tem faltaile denlo
na frente, pernas Haas, bstanle esperto, c alo
peo feito de ps, tem cicatrizes de chicote nas
i-osla c- dulas tita, de cor preta ; foi este compra-
do ao major Luiz Ai-Ionio de Almeida nesta cida-
de, na (jualidade de procurador do Sr. Antonio
Mara fle Araujo, morador no engcnlio Pacas, tam-
bem de Serinhaem. enjo negro j foi eseravo do
Sr. Joiio Cardoso do cnpenhn Quimivo, em Agoa
Preta. Roga-se a captura de ditos escravos, e a
entrega lles a seu senhor no eugenho Jassir, o
major Francisco Manuel de Souza Oveira ; nesta
cidade na ra d;i Madre de Dos, escriptorio dos
Srs. Cunha Irmaos 4 C., ou na ra do Imperador,
escriptorio do Exm. Sr. bario de Naaarcth. A
pesaos que os capturar ou delles der noticias nos
lugares cima indicados ser generosamente re-
compenaada.
Victoriano ralbares
HARPA DE FOGO
Poesas patriticas.
Um volume ntidamente impresso
Assigna-se
Crespo.
Jia
liviana
fraucez.
ra do
Vende-se um carro da all'andega coui poueo
uso : na ra da Senzala Velha n. 84.
t.Y.GERM&|ty
INJECCAO
de GlMAULT e C* pharmaceuticos em PARIS
O neeesso dVsw iiijet-^ao, preparada com a folhas do Malieo do Pera, foi lo rpida, que
')llt ae tem tornada popular em todos os paizet dn mundo, para a cura da gonerrha e das porga-
toes de toda a Murexa. o. unir prortw.10 oeue genero oua entrada na Riaaia laana sido
wtboriada pelo conselno oitulii de Sao Petersturgo.
Depudito em Pernambuco em csm de BUmm C
OEPURATllF
dn SAN
J
Pars, 3S,RuaVivienne, D*
CHABLE MDECIN
AaENTr HMlHAHA>UKii.->i X. Ats, A^AfTEO
i;iH"- irr,,\'FAv.r al.TERACOKStHI SAM1UE.
I 'liO00curasilaim/-iri/fn
ululan, her/irt, t/irna
i nmixur.acrinumii.eaU
3'TCO, rtictmun do snn-
fie; nirui. t alltraentt
tu ny "(Aaiupo vegetal em mercurio).Sx-pa-
ralitao .Iiii-k RAKHOl vil\l KAaa
tuiuau-se ilous por semana, segumdo i> iractaneota
/!< .-n/iVn fttm i'Kgmio na> uiesuiaa mulcKtiaa.
^^ Este Xaruiie l',iira:lu de
ferr de i'.ll Altl.h. cura
immeiliatanipiuequilquaf
piiraa^ao, rilaxuqaQ,
' aeliilidaile. e igual-
Beuie o //itr r flif m branca* da* aiittieref.
Esw injeccao benigua emprega-ae com o Xarvpe de
Citriictn d* F--rro
HaaMrmMaa, Pomada que as cura em tre 1 dia*.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: a* affiecoe* eulaneat e eom xou-
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
o tkftMe, cada raacc val aeeeaaliii4e M Maeto.
PLUS D
COPAH
MBBn
i
RS. ^ METRO.
Ven'de-e finissimas cambrniis franco/as
rom os.Riis delicadospadi"oes,tanto mia-
dos cotae grados, c com as coj-os mais no-
vas que -tem vindo no mercado pelo bara-
tissinioivreco deSCOrs. o metro; garantindo
que 7 metros do um vestido para qual-
quer sedera, e t[ue em outra qualquer luja
nao se encontrar a mesma (azenda por
igual preso, e sim s na loja e anaazem de
I'avo, ra da Imperatriz n. 00 de Flix
Pereira da Silva.
CassasJitglezas a 1 IO rso metro
Vende-se ;uma grande* porcSo do bonitas
cassas inglczas tanto graadascomo miudi-
nhas e de cotes Qxaspelo baralo preco de
O re. ometro,?an:ntjndo-se que 7 metros,
dao um vestido pan qualquer Sia. bq na
loja do Pavao ra da Imperatriz n. i) de
Flix Pereira da Silva.
RETALHOS PARA LUTO NA I.O.I \ DO
PAVAO.
Vende-se urna grande quantidade de re-
taSios de eitias e assas pretas por preco
muito barato, e .quauto maior for ajpoiv-i
que o fregu comprar, mais barato se Ihe
vender na ruada imperatriz n. 00 de F-
lix Pereira da Silva.
GRS'iUNAS OU RVL ES A fSO0& X()
ARMAZEMttO PAVAO.
Ratoes rv'iOO.
Crinolinas 200*00.
Balos viOO.
Cradnas 4^600.
Baloes "'JiQO.
Crinolinas 2-5500.
Vende-se os mais moderaos balos ou
ciiiiolinas americanas, miituibeiu feitas, sen-
do todas de modelo esgiog, pelo barato i m.^nt tral
preco de 24300 rada urna, umeamentc na
Gravatas. pretas a 30 e
Ditas /le cores.
Sapatos de (ranea e tapete.
Garrafa de agua Florida vei da-
ira
de Frasco com extra toem sapall-
os.
nbDitos com oloos.
Dit'i agua de Colonia piqacnos.
Dilo, dito de dito de ever.
Di los com banha."
Ditos com tnico.
Ditos com oleo ilocomc.
Ditos com extracto e banlia.
Ditos c(jm extracto-- diversos
Pao de pomada.
Dilys pequeos de pomada.
("apellas pannoivas muito finas.
Sabonetes, t, '~lo
Ditos transparentes de Ha SOO,
Redes para cabera
Bandeja 900 a
Duzia de botoes de seda i ara en-
; feites de vestido
Porceira de cantas.
1*200
200
i 20
900
500
300
(00
m
326
22f>
ion
3(H>
USO
0l>
320
ROO
0BOO
iVfOOO
I600
700

2*000
I4PO0
800
SOO
,*soo
100
400
500
i *()('
500
1*000
WGL>
1*000
or.
rao
3*400
r\
i*oco
tlVillliJ
Para famih'-is
Ciraode Bazar, rma \o\ ais. ^ej e
S. delarneiroVianuaHk C,
Acaba de ebegar a este estabelechnei !o
grandeporclode machinas para costuras do
autor Wbeeier Wilson, approvadas na ufO-
ma exposico de Pars, as ijuars cozem O 1
duus pospontos toda a costura, o lera >
vautagein de ser tao suave o movimentc.
que qualquer criana de oito annos facil-
pde, com este er/lre.'-
. ui-iieulo, levar v,:-n;agem ao serviro dia. '
loja e ai-mazem do Pavao de Febx Pereira ;de tl.la Cl)^r^ A ^pXnslo *
da Silva, ra da imperatriz 11. 80,
CAMBBAiACOM SALPICO A30000 A PE(3l.
Vende-se pecas de cambraia branca com
salpicos, sendo ueste genero o melhor que
tem viudo ao mercado, tendo 8 e n-'ia va-
ras, pelo barato preco de 5#000, pecliincluj
na loja e armazein do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 00 de Flix Pereira da Silva.
Alegrai-vos myopes, e presbylas, ja po-
dis ver de lonpe, j podefs ver de perto,
nao ha mais vistas curtas, nem caneadas.
F. J. Germann acaba de receber pelo ultimo
vapor um rico e variado soitimento de
oculos, luretas, pince-nez, face--main,
lorgnons, bmculos de urna a tres mu-
dancas para tbeatro, campo e marinha ;
oculos, lunetas e pince-nez ele, de ouro,
prata, tartaruga, marflm, ac, bfalo, ncar,
unicornio emelchior; assim como binculos
simples, duquesas e vienezas de 6, 8 e
doze vidros, do melhor fabricante da Europa.
No mesmo estabelecimento existe tambem,
vindo pelo mesmo vapor excellentes machi-
nas para graduar e observar o numero dos
vidros que se necessita conforme a vista
de qualquer pessoa.
Tem excelleites ste-
rioscopos, instrumentos
de mathematica, bar-
metros, vidros de chys-
tal de rocha, e de cores
para resguardara vista;
concerta toiios estes
objectos a precos com-
modos e com promptidSo; tira o mofo dos
vidros e encarrega-se de toda a cncommenda
relativa a ptica.
Recebeu tambem excellentes
relogios do antigo t afamado
fabricante Robert Gtrth & C.
os quacs vende prepos com-
,modo garantindo a sua su-
perior qualidade.
ie qualquer pessoa
T
de chegar os sabonetes de
alcatrfio
Para corar as molestias da pello, taes co-
mo iinpingens, dartros,. sarnas, coiiiichoes
o mais molestias de" pello sem ocasionar
accidentes desl'az as manchas do corpo,
pannos e sardas, restabelece a c<)r natural
quanto cutis, seca, giossa, amarellenta,
occasionado por alguma enfnnidade, e co-
mo desinfctante e preservativo das molestias
contagiosas.
Deposito, botica do Pinto, junto ao qaartcl de
polica, n. 10.
Vnde-se a t.iberna n. li da ra dos Copia-
res ou becco do Lobato, bem alregiiezada e sorlida
de genoros do estiva, com poneos fundos, as--ini
como tamben) a armado da laberaa u. 2 da ra
iloKorte.
simples, pois em um parto de hora se 1-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do a mesma a propriedade de fazer as g
guintes* costuras: pospontar, abainlir.i.
franzir. marcar e bordar, romo aprsenla *
os desenlies que acompanbam-nas. Os prn-
prietarios do cstabelecimenlo se escarrr-
gam de mandar ensinar -n'esta cidade, e
garantem entregar o importe dispendido ao
eomprador, no caso de nao tnrhfd!:ar con
perieiro a maclena wi;diii,', nao te
porm, sofl'rido ella alguma avaria. Ha tanv-
bem no mesmo estabelecnente machin w
do autor Grower Baker, de tmbfftio <<-
plesmente mo, e outras com movim-1 c
dos ps; e mxime lodos os perteoces
mesinas machinas, par v/"nd<-ravnlso.
Fannha de Mandioca.
No trapiche da companliia. (ara 1
Corpo Santo, ha farinba de mandio
Porto Alegre, ensaccada c'de qualidade mut'.o
especial. Abordo do bripoe Norma >
para vender fannha de mandioca de Si '
Catharina, fresca e de boa qualidado
se vende a preco commodo; a tratar no
rriptorio de Amorim Irmo, ra da Cd
n. 3.
13 11
Vendem Augusto F. de Oliveira
finmmprcio, n. t.
Ul.
& C a ra do
Para o carnaval
Na na do Crespo n. 20 a para vender ricos d-
minos de seda e. de lia, por prados l>aratissimo8.
GADO 00R1X).
jNo eng<>nbo Uoa-vis'a, freguezia do Cabo, ven-
de-se gado gordo, quor para carro, quer para
acougue. ^____
Vende-e nina annaca) do ainaiailo enver-
nizada,, em bom estado, propria para qualquer
casa de Degoeio : a tratar na ra do Vigario n.
41, 1 andar. ^^^_
Borteguins par-A senhora
vindos pelo llimo vapor : na ra Direita nume-
rn Vi. %3_______________________________
Vende A barato e eom muito pouco uso um
rekigk) de ouro patente inglez:
Riisario n. 4. loja de robjoeiro.
na ra estreita do
Vende-se a taberna di- Cincn-Poutas n. 93'
com poucos fundos e bem acreditada.
Vende-se por necossidade nina Degriiit'-a
eom todas as habilida les : a tratar na ra do Pa-
dre Floriano n. 71. Na mesma casa di-so algcn
d.nheiro a ;uro.
Voude-se UM osi-rava : na ra da GIoi.r
n. 30.________________________________________
Vende-se moa innaeo de taberna com ai-
guns {eneros, proprifc para principiante: a tratar
na ra Imperial a. 37.
PARA 0 CARNAVA! .
A' roa da Hadis do Recite n. 5, loja d
xas de Jos Duiuing.* de Sampaio 4 C, eifeto
alem de inultos objectos de goptn, um K*aaon!3
de loques japoneies, que se acbam expostos :'i
venda (Mir presos baratisgimos. Estes Icqi i
ram a proposito, porque com pouco dinhoiio -
ohti-m um para ueste afamado ten po iio carn.i', t
todos munirrm-si> du indispen-avcl para podir
traier nina mascara, tanto mais quando est.
em urna estaeSb tao calmosa ; a ellos, j
rapaaeada, antes ana se acabem. Ha tamhem Cir>
sortimento completo de hivas do pellica ion-'
JK" bJraltsain*.
Vendem-se cortes do la de pistos i
que servem unto par senhoras romo para eria>-
5, |m-Io preca. de S4300 o corte : na raa_fto
ueiuiadoa 29.



Diario de Periiaiubqro (u'ulu felra- 4 de Ft'vereiro de 1869.
AO BAZAR MMODA
DE
JOS DE SOUZA SOARES fr C.
Ba Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
PARA O OVO IV\0 DE 1 *.
Novo si)rra(!uU)di'irr8(U' moda o luxo, recobidos pelo ultimo vapor rindo da Europa.
Espacial > irtimento deobjectaa para mimos.
Perfumaras finas dos principaes autores.
Lavas de pellica frescas, brancas e de cores para homens e scnhoras.
Chapeoiinhosde pama de Italia onfeitados,para senhoras.
Iticas chapelinas para scnhoras, Borrosde palha de Italia para senhoras e menina?.
Especial sortimouto do hitos para senhoras.
Enlcites de gosto par scnhoras.
Fitas de prosdemmle superior de todas as cores e larguras.
Franjas com vidnlhos. bramas, de cures e pretas.
GamitiM de todas as qualidade1* para vestidos.
Vestuarios completos para hapti.-dos. ,
fjolinhas e pannos enleitads para senhoras.
Coques modernos, lisos e enlejiados.
Unrnous de lia e seda. cores claras, moda legante para senhoras debom gosto.
Confohoa de cambraia enleitads para senhoras.
Cache-noz de 15.
Chapeos de sol para homens o senhoras.
Plores linas,sortimento es|>ecial.
Plumas elegantes de qualid;;ule superior.
I ;into> rico de palha, alta novidude.
Grinaldas de flores finas.
Camisas superiores para homens.
Colarinhos o punhos.
Grvalas < mantas modernas.
Bellidas de diversas qualidades..
< lanas grandes com quatro pecas de msica.
Flores de palha para guarnieres de vestidos, botos, fivelas, lagos para er/eites.
Chapees de pello de seda pretos, forma a Rotschild, fazenda superior para homens.
i! n rentes de plagu lino, gustos bonitos pararelogios.
i'.aeoletas de bom gostopara as mesillas,
Conentes pretas de borracha diversos modelos para volta?.
rtbjeetos para luto.
E mottas outros artigos de novidade que s vista podetn ser apreciados.
Existe continuamente um completo sortimento de miudezas) vende-se por grosso
A COJIOfOBOS PRE^^
BAZAR DA MODA.
f^msbezstssms^K^tt^ TASSOIHMAOS
\C Hf'E'TYIfi'lC todas as partes do mondo, empregam, com o maior xito,
Uo JlliL'll-'vFO o phosphato de ferro tblnvel de LEBAS, para curar a eblornis
(cores paludas), as dores do estomago, e a haflstaclo do sangro; com esta preparadlo, dio
ao oorpa o vigor, n as carnes, a sua fu-mesa cmarl; facttom o desenvolvimento to mo-
hoso da pnberdade. Com effciio, ludo, a'esic medicamento, e aeha reunido vara Ihe
assegurar o maior crdito, pois trae entram, na sua composifio, os elementos dos ossos e
do sangue. O sen autor, M. Leras, doutor em adradas, pharmacentico, Broessor de
chymka, inspector da Academia, foi, recentomente, condecorado da ordem da Legiio de
Honra, digna recompensa dos scus mi|K)rtanies iraballios. .
As seguimos apreflkcdes dos mais celebres mdicos ainda vem corroborar e justificar
todos estes tjifttos cnfiac>publca : ....
i Precisa classiliear o phosphato. de ferro aolnvel entre os ferrnginosos qne melhor
c convem aos docntes cujos orgaes digestivos ovpportatn mnl as preparaedes de ferro. >
SOUBEHtAt, pwfessvr na Escola de medicina e de pharmacia.
0 phosphato de forro otwel en qnanto a mim, a melhor das preparaedes ferragi-
nocas, c o scu emprego di os roai promptos e seguros resultados, a
ARAN, medico do hospital Sainte Euginie.
t A forma liquida do phospbato de ferro soluvel d-lhe urna immensa vantagem so'sre
as pilulas; eu considero este medicamento como mu superior ;is preparacoes iodadas.
ARNAL, medico de S. M. o Imperador.
t Entre lodos os ferruginosos, nlo eonlieccmos um sd que obre lio prompta e efficazmnte
* como o phospha'.o de ferro sohival, e isso, sem cansar o estomago.
BELLOC, BAUME, BIOT, FOLLET t PRV0S1, mdicos dos hospitaes.
f Os effeitos da preparacio de phosphato de ferro sowvel me parecen ser mu i seguros
e promptos. BEI10UT, redactor em chefe do Dullelin therapeutiaue,
Entre todas a; preparacoes ferruginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a qro sempre
t me. dco os melhores e mais satisfactorios resultados. GUIBOIT, medico dos hospiUes.
0 phosphato ile ferro soluvel tem, sobretodo, a vantagem de evitar a constipacSc
travir aos temperamentos delicados. Dr FAVB.0T.
Deposito em Pernambuco, em casa de Usuree O*.
t convir aos tempe;
." -*' ':& "'/ t'r ." '' ."-
e'a relalliu
PREQO CORRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
Pharmaeeutict
laureado
pela Academia
/*
medicina de tsri
PASTILHAS
[i DOSES DIGESTIVASl
oeBURINduBUISSON
Medalhado a,
pela*&
Sociedade \
*'U
fomente. %%t
u m dos
effeitos
CON LACTATO DE SODA E MAGNE$W
Estas Pastilhas eonstitnem o medicamento o mais novo e o mais radnaf'
todas as afleeooeii das rias digestivas. Ellas contem, com efTeito, o acido lctico, ni
elementos normes da digeslio, combinado can a magnesia calcinada, cajos bons el....
tera sido apprecialos p todos os medico, e o bi-carbonato de soda, sal que faz a base^das
aguas de Vichj e da maior pane das aguas mineraes alcalinas. Esta triplico coajuncto de ires
I productos caja efficela popular, explica o bom xito qoe se bien as ga$Mt$s'gastrakm
sakidas de guies, inchaedo do esltnago, vmitos depois das cernidas, indigesloes, dCrts
*estomago, etc. Deposito em Psnwmsiwo, em casa de lUarer o*.
Ra Nova n. 23,=Rua do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapeos de seda trancada, Paragon, de 16 bastes, 28 pollegadas a IG.-51; 2G
poHegadaj a Ity, e 21 pollegadas a yoOO. .
Ditos de seda G. de N. Bara, de ac, de 16 hastes, 28 pollegadas a l:>;
de 26 pollegadas a 13.-S; c 24 pollegadas a 120OOO.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 hastes, 28 poll.'gadas a 12# ; de
26 pollegadas a H; c 2 i pollegadas a I0000.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas a 6(5; c 26 pollegadas
a 51900.
Por diizia faz-se descont de 15 0{0
Chupos de sol de panno, de baleia, de 8 hastes, 24 e 26 pollegadas a 32$
a duzia. (Desoonto de 10 0|0).
Ditos de panno, de junco, 8 hastes, a 18($000 a duzia, liquido.
Approvofio
ia uedemia
ie nudecin
de Parit.
Pharmaceutko
laureado
da acadmie
de medecina.
_ Tem para vender em seus armazens, llm W on;
iros, os seguintes artigos : fl
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Vinhos em eaixas de doze garrafas
Bourgogne.
Hery.
Maceira.
Hermitage.
Chamblis.
Licor de curaco de Hollanda em eaixas de vm-
lo e quatro botijinhas.
GESSO
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmaos
i \iiiiimios ii: 11 iiito
Para scrvieos de grandes armazens, para remo-
ver barricas on caixoes de um para outro, lado pelo
mdico precode lOOOcadaum.
Fariiiha de trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia(verdadeira) Fon-
tana e grande sortimento das melhores marcas de
farinhas americanas.
Saceos de farinha de trigo do
Chile
Todas novas, ehegads ltimamente nos arma-
'.ens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nosarmazena do Taso Irmaos.
Cemento hydraulico 12^1
O melhor para ludo que so obras para agua, co-
mo assentameato do canos do esgoto, algerozes, 4e-
msito, tanques d'agua, etc., etc.: em porefies de
hnoenlo barriras se far reduceao no preco : nos
rmazons de Tasso Irmaos.
Cemento "Portland
Overdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
ornaos.
jrades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De differentes qualidades para cercadiis de ani-
naes, chiqueiros para galinhas ou jardins: nos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos.
CANOS DE BARRO
As preparae,Ses ferruginosas liquidas tem desde muitos annos merecido a approvaclo
especial dos medi(s, porque ellas ebrio mais rpido e seguramente do que as pilulas, e
so mais lacilmeute toleradas pelos docntes. Os Pos ferro-manganicos possuem a inappre-
ciavel vantagem do poder offerecer n'um insiante urna agua ferruginosa gazeosa, de goslo
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo denuda um elemento precioso,
o Manganese, que sempre se acha no sangee, junctamenie com o ferro. Empregao-se em
todas as molestias que tem por causa o empobrecimenlo do sangue, assim como para vigorar
os temperamentos debis c lymphaticos. A cklorose, as Perdas brancas dores d'estomago,
a irregularidade e'a menstruaeo c amenorrh/a ou suppressSo do menstruo, cedem rpida-
mente a seu empivgo. Devemos mencionar aqu um facto notavel, isto que os doentcs cura-
dos pela agua preparada com estes pds cslSo muilo menos expostos a recaidas do que
aqaellesqoe forao tratados pelas preparaedes ferraginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, em casa de Kaonr c*.
Na ra Nova de SanU Rita, na antiga fabrica de
sabao, ha para vender por proco o mais mdico
possivel, canos francozes para edificarnos e esgo-
'os de toda a qualidade, superiores a todos os que
iqui t.'in apparecido pela sua solidez.
.PRESOS.
I400 por cano grande de -i e meia pollegadas.
i 200 i>or dito de t e fres quartos de dita.
i O por dito de 2 e um quarto do dita.
300 ris por pistoleta de 2 pollegadas.
Cntovellos, curvas e ranos de maior grossura,a
vstase far o preco. Compras maiores de 2005
tem 5 por rento de descont por prompto papa-
nonio. Pdo-sc ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
LOJA DO PASSO.
Una do Crespo n. 9 A, esquina
da do Imperador.
O dono deste imiwriauto estabelecimento,
tendo recebido de sua conto, pelo vapor
francezii>flc/(K/ novidade proprlos para a festa, i ooiiscio de
que seu estabelecimento se adir. Bem sorti-
do, principalinenic em artigos de moda, pe-
de ao respeitavel pubHco e em particular
jos seus numerosos freguezes a bondade
de lioma-lo com sua conlianca, garantindo-
Ihes serem bem servidos e por preco ni-
miamente baratos. Venltam, pois, todos
comprar novas e lindas fazendas boas e de
alta novidade, com bem:
Riquissimos cortes de blondo.
. Riquissimos cortes de seda de cores.
Sedas de lindas cores para covades.
Moire-antiqe azul, verde, branco e pre-
lo.
Grosdenaples azul, verde, branco e pre-
to.
Gorgura branco e preto.
Setim branco macau.
Cortes d seda cora duas saias.
Cotes de la escosseza com duas saias.
Cortes d 15a e seda, novidades.
Poil al chevre de lindas cores.
Alpacas de cordo lindas cores.
Ditas lisas de todas as cores.
Cortes de vestidos de cambraia bordados.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho com lindos bordados.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Chapelinas de pallia da Italia.
Ditas de sedas de cores e pretas.
Enfeites para cabeca de senhora.
Coques de todas as qualidades.
Basquinas de seda enfeitadas com primor.
Leques de madreperola, marim, snda-
lo e osso.
Camisas bordadas para homens.
Colchas de algodo e seda' para cama.
Ditas de crochet para cama.
Pannos de crochet para cadenas e sof.
Chapeos de sol de seda pura senhoras.
Espartillios para senhoras.
Toninas de labyrinto.
Lencos de labyrinto.
Fronhas de labyrinto.
Bicos, rendas e grades.
Fmissimas cambraias de cores, percales,
13as e outros muitos artigos de gosto e no-
vidade.
Loja do Passo ra do Crespo n. 7 A es-
quina da do Imperador.
VERDADEIRAS
Para msicas militares.
Completo sortimento
NO
BAZAR DA MODA
RA NOVA N. 50.
Esquina da ra de Sanio .Amaro
20 a .10 por eento menos que em outra qualquer parte vendvm
JOS DE SOUZA SOARES ft C.
mais acreditado autor Goutrut Ainea Paris.
RIJA MOVA l. 50
. ESQUINA DA RA DE SANTO AMARO.
PILULAS BUNCARD
n^
COM IO0URETO DO FERRO INALTERAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Possnindo as pronriedades do lodo et do forro, convem especialmente as Arreecofts
Escbotti.osas, a Tisica no principio,a fraqwzade temperamento e tambemnos casos de
Falta hf cor, AMiwnnnnrA.em que precisarkaoirsobre o sangub saja para restituir
Ihe a sua riqueza e altundencia normae, ou para provocar e regular o seu curso peridico.
JV. II. O io Inrcio le ferro impuro on alteraiio om mdieamento infiel, S?/ f\
irrilxntp. Conio prora de pureza e (te ar.llirnriiladn das enlrtoir Ii- Jf/^,Mt -^ jT^
lula* nn-si. firma, a"iii rej roilnri'a, que w ariia na p:irie inferior de am
r >lii'o rn>r. Deve-se desconfiar dns fatifleaco.
k*eham-.<'>tii t4a. aa aliarmreiaa.
PhnrmaeetHco, ra Bonaparte, 40, ParfJ
~i i i -
y
lijlos francezes
l'ara ladrillar casas terreas comasseioe preces
I aiodicos, mui! convenientes e propriospara ladri-
Ibba de eoatahu em sobrados, pelo seu asseio c
, vitar a (tassajrem de aguas para o andar inferior
I .Miiesmo o perigo de fugo, aos precos de 30i000a
t'iSOO o milheiro : na ra Nova de Santa Rita, na
1 muga fabrica de sabao, o compras maiores de 200
i I nento. Podem-sc ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
i ternas de carros: noarojazem de Tas?p Irmaos.
Viudo do Porto fino superior: o arinazem
de Tasso Irmaos.
O mellior cognac Gauthier Freres: no arma-
I zeni de Tasso Irmaos.
Esteiras da India
I Km casa de Tasso Irmaos vende-s esteiras da
i India de diversos padroes c larguras, por preco
conuii"do.
Macarthy
Machinas de desearocar al^odo.
Hoje que est reconhecido (ae as macninas de
serrote prejiulicam e qdebram a Obra do aJfodio,
preciso recorrer a macbinismo menos agper
TRIUMPHO
Esta a expasifo do respeitavel publico oeste importante estabelecimento um
liado e completo sortimento de fazendas chegadas pelo ultimo vapor dff Europa, o que
temos a honra deannunciar aos pas de familia, assim como ao bello sexo, a quem o
Triumpho pede sua attencao; garantindo sempre em sita nova loja o gosto de fazendas e
novas modas e raodiicaco dos precos, para adquirir a sympalhia de qum der a honra
procurar o Triumpho.
Lindas sedal de cores novo gosto a 2^600 e 258000 o covado.
Gtaeex de seda e 13a apurado gosto para 1500 o covado.
Lfiaziahas com listras de seda para 1/1200, lfi000 o covado.
Ditas d; lindos padroes para 500, 700,800 e 900 rs. o covado.
Cambraias brancas de 4000 at 8-K)00 a peca.
. Ditas da cor novas padroes de 640 e 800 rs. vara.
Saias de laa com bonitas barras^
Baloes de la e murcelina e de arcos.
Oasquinas de gros-de-naple de 22?000a 405000.
Gros-de-nap!es pretos de 2.0000 a i,-?300 o covado.
Ditos de todas as cores.
Organd/, branco.
Briha'ntinas brancas c de 6Of0k
KspartUhos e entre-meios bordados.
Heias Roas para sonhera e.para homem.
Alm destas fazendas tem um completo sortimento de chitas escuras .
.1 ipelesv bramantes, atontados, toafitas de linho e dealgodo. e outras militas fazendas
dem por precos que s a vista o e )mprador se poder desengaar que sno
Triumpho poder comprar bom, e comecono nia.
PAR\ HOMENS.
Bonito sortimento de caserairas, brins brancos e de cores, camisas de linho e al"o-
d i, ciroulas, mantas e grvalas do que ha mais moderno, chapeos de sol de seda c alpaca
e outras militas fazendas que.i vista se podero agradar, e manda-se fazer qualquer oM-a
Conservadora (le SUR illdivi-1ot dc ^'l^^ & novidade e pbantasia, us
(juaes eslo resolvidos a vender por precos
dualidado, auiiga do
progresso.
Os luhyrintlios da Espcranra,
A loja de miudezas da rua*do Queimad
LOJA D(f GALLOiiGfiAffl
Ra do Crespo n. 7
Mandn vir de sua cuida e acab.i de re-
deber pelo ultimo Vapor, completo Sorlimen- que prodiuindo o mesmo servico que aquella.
facilidado no trabalho, nao quebrem a Obra da laa.
para que essa possa obler-nos mercados europeos!
a ditTcrenca que ha entre o algodao descarocado
por aquellas mencionadas machinas, que cslao II-
luiniaineiile baratos, para assim animar aos
concurrentes e ao mesmo lempo dar sabida
[,\o grande deposito que tem: isto ruado
' (respn n. 7, loja do Gallo Vigilante.
(iollinhas, punhos c camisinhas para sc-
n. 35 A. vem a presentar sua escolhida! nliora, fazendas de gosto e novidade.
fregnezia um artigo que at hoje custava
muito caro, c por isso s chegava para a
classe mais abastada ifa sociedade.
Tostlhas de !a!yria1hos
Perfeitamente guaes s que se fabricam
no paiz por urna dcima parte do valor d'el-
Finos vestuarios para baptisados, assim
como touquinhas, sapatinltos e meiasinlws
para o mesmo lini.
(iiaml.- sortimento de bicos e rendas de
cnxli e de outras muilas qualidades.
Superiores eaixas com msicas e sem el-
las viudo a esta loja, apreciar a perfeicp I las, ttulo o necessatio para costuras, pro-
reunida economa, (ncm sempre possivel priafi para um delicado mimo.
Finas eaixas com tentos e sem ellas para
e clara ma>
isso).
As toalhas tcem um circulo de lindo der-
senho e no centro se k em caracteres maius-
culos a allegorica insiripcHo.-rA' baptisar.
A' passeio.Meus cuidados.-l.cmbran-
?a.Visita.
Ninguem porcerto (leixar de ir completar
o enxoval do lindo filuo para fazer econoniia
de 45o 20i,esses nadas de que se compe
o guarda roupa das recem-nascidos qua-
si sempre ficam aos extremosos cuidados
das-mSis, a essas a niem c Rsperanca se
dirige, para quem desde j dispe-so a daf
amostras e certa est qu pelo prec;o nenbu-
madeixarde comprar.
Fronhas
A Esperanca, tambem receben fronbas no
mesmo gosto das toalhas (pie vende pelo ba-
rat preco de 3*000, o que custava 10$! I
apredai c se ligardes importancia ao con-
fortavel da vida,
vollarete.
Agulhas para machinas de costura.
Ditas para croch, sendo de ac, marim
e outras muilas qualidades, assim como li-
lil <- para o mesmo untar.
Finas grinaldas para noivas.
Meias de borracha para quem sofito; de
erysipella, assim como meias de la para
os que solrem de rheumatismo.
Siisp'Misorios pan homem e meninos.
Finos pentes de tartaruga para coques 'o
de outras muitas qualidades e para outros
misieres.
Dedaes de madreperola, marim, osso,
ac, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome parajtjngir
cabelius, dando aos mesmos a sua cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas perfumaras
dos mi'lliures fabricante, assim como mni-
randoemdevu7.o, pelo prejuizo que tem cansado,
c o da antiga bolandcira, que nao pode competir
pela morosidade de seu trabalho. fi* -assim que
ests machinas se tornam as mais proprias para o
nosso algodio, porque ao par da facilidado e
promptidao conserva a libra (la laa, que Iimpa por
ella, e qualificada na Kuropa a par da melhor lio-
lanileira. Valentn assim entre 10 arrobas 20 0/0
mais do que a la Iimpa pela machina de serrote.
Estas machinas nao rao novas, pois que ha muito
estao adoptadas no Egypto, sonde as dc serrle
foi-am inteirainer.te abandonadas, e por isso o alfro-
dao daipiella pro edencia, sendo da qualidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 arrobas 20
0/0 mais duque o nosso : vendeut-se a I50000
nos armazens deTassf) Irmaos.
FUNDICAO DOBOWMAN
15na do Bitim ii. it.
Machinas de vapor.
Rodas- d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batdo> fundido.
Rodas dentadas, pata moer com agoa,
vapor e animaos.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro-
prios para agrcoltnr.
de aUaJato^MM o que tem am isabil mestre, p preco em ludo, si encontrara no Tiiumpho '
ai do Queimado n. 7.
sem duvida comprareis : t
neste bello paiz ningum se faz pobre ds-'l'S oulros objectos que impossivel dis-
pensando 55 ou 20/5000, com o acceio c.'crever: isto s na roa do Crespo n. 7. loja
belleza dc que se decora a habitarso, ,-Js
vezes no que menos pensamos, entretanto,
como diziam nossos maiores, a sepultura da
vida : ainda s senhoras a quem a Espe-
ranca se dirige. Urna senhora cuidadosa
do nada faz a casa.
Ra do Qneimado n. 35 A,
Na rna de Hurtas rasa n. I.Mmpra-se jornaes
on outro qualquer papel qne esteja hmno, a 44 a
arroba.
Vende-sc a 120 5 p..): no arnlazem n. 32Jdo Caes Vinle o ous dc \,-
vt-iubra mnto ao esenptono r!o Sr, Claudio pubeux.
Vendase
nnta boa arrnacao de Inoro a tratar na na D--
reita dos Afopados n. 42.
do Callo Vigilante.
Collares llover elctricos magnticos con-
tra as convulses das mancas e para facili-
tar a dentincao das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
collares e contina a ter sempre grane e<'---
posito, ra do Crespo n. 7.
Ra da Cruz n. 68
ka para veader
MKWBASf poras di tfMoaU decimal,de fcda
as qualidades. para loias. trapiches e thernss.
e a
Tintura japoneza
Instantnea para Ungir os cabellos
barba, a if5000 o frasco.
E* a nica approvada e recommendada
por ter sido reconhecida superior a todas
as Unturas d'este genero.
venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. ra da Cadeia n. 51.
Rap Paulo Cordeiro.
Vende-se rap Paulo Cordeiro fino, via-
jado, em latas, meio grosso evnagrinho,
no deposito cargo de Joo Francisco da
Silva Novaes, ra do Vigaro n. 11. Faz-se
vantagens a quem comprar porcao, e troca-
l'se o rap que nao sahir ao agrado dos con-
sumidores.
Em casa de Theod. Christiansen, ra do Coro-
iikrcio u. 1, cncontram-se effctivamenle todas
as qualidades de vinho Bordcaux Bourgogne e do
lUieno.
EPIDEMIAS
J.lL!f0"MLEt?iB*WRAC!LUE *" P^"^ aejnra em tempes do
ep.dem.as : cholera, febre 3marella, peste, typho. etc. Berem eUr-s. a fal-
^.n:Mj'inzif **,?" mal *"<*> Por l
mais nociras do *m uteis. Deposito em Pari%, L. rRERE. I, ru Jacob.
Manoel Alves Ferretra & C, na ra da
Moeda n. 5, segurnlo anear tem para vender
snperiar potassa da Russia embarris e meios
barris cal de Lisboa di mais nova que La
no mercad*.
Km M-Jaaciro
D*pnchc!le; Tetd,
" Pirumkm. Uaurcr.
L
demento de Portkni~
i n Ven2* Bfl jrmMn> & Vieesae Ferreira da
(xKta & rilhn, na ra da Madre de Dos n. esn
i barrfe imtnries.
Vlnfco liiieira
Vende-wi em asrnretas rtf 9 caadas nnwiir
vinho*Flfneira, proprio rara casas particula-
res : narna4>AawNaa.fc
!Vles elaslicas de borracha.
As melhores e exccllentes meias elsti-
cas de borracha contra varizese erjMpeHas.
Vende-se na
Pharmacia e drogara (te
^artholorthlji C
34-~-raa larga-do Rosario34
Vende-se ,por inativo fe retirada, um; es-
crava CTiouIa, dc meia idade, cozinaa, engoitina,
ha doces mais arranjos de casa: na,ra d: Im-
peratrk 46, % andar.
' Vonde-ee unta aruiacao envera sadae mv,
dnacada, propr para piai-tuer estatwltcime.it.'
a tratar aa ra Direita n. ^0, tbernx
A NOVA ESPERANQA
21= Ra do Queimado = 21
E para presentes
A Nova Esperanza, rea do Queimado
n. 21 tem um variado sortimento de objec-
tos de gosto e pbantasia proprios para pr-
senles, sobresaliindo entre elles ricas caix-
nhas de bano com linas perfumaras, cos-
turemos de chagrn, agtilbeiros (le madre-,
perola : assim, pois, quemquizer fazer um?
linda offerla, dirigr-se Nova Esperanca,
ra do Queimado n. 21.
Collares anodinos cllectro-magneti
jeo contra as convulcdes das
creancas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por alii mtitulados os
verdadeiros de Royer, c eis porqae muitos
pais de familias nao creem (comprando-os)
no effeito prometlido, o que s pdem dar.
os verdadeiros ; a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsificaco principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidade.
fez urna encommenda directa destes collares
e garante aos pais de familias, que sao os
verdadeiros de Royer. que a lanas crean-
cas tem salvado do tcrrivel ncoiumodo de
convulcoes, assim pois preciso, que ve-
iiliam a Nova Esperanca a ra do Qneimado
n. '21 comprarem o salva vrda, para seus
IIIiiiIkis. antes me estes sejam acommetti-
dos do terrivel mal, quando erilo sci d-
fficil alcancar-se o efTeito desojado, embora
sejam emptegados os verdadeiros collares
dc Royer.
Para extinguir as sardas e
panno
Recebeu a Nova Esperanca, ra do
Queimado n. 21, leite de rosas, especial
para extinguir sardas e pannos.
BOECA DE CERA
A Nova Esperanca a ra do Queimado n.
21, acaba de receber um completo sorti-
mento de linas bonecas de cera de diver-
sos lamanbos.sendo as maiores do com-
priinento d'um covado ; estas bonecas tra-
zem bonitos coques e bolinas, liavendo en-
tre ellas algumas que fallara c outras que
chnram de sorte que fcilmente podem sei
preparadas, e fazer-se um iresentc de muita
acceitac3o.
Finas eaixas de tartaruga para rap ven-
dem-se a ra do Queimado n. M na loja
da Nova Esperanca.
Moderaos brincos-de sndalo, s. se en-
contrado na Ni iva Esperanca a ra do
Queimado n. 21.
MEIAS DE LAA
A Nova Esperanca a ra do Queimado n.
21, acaba de receber um especial sortimen-
to de meias de la para homem e senhora.
CONTRA AS CONGESTES
mal terrivel a rongestao fulminante:
de repente leva um individo, d'esta para
milhor vida, sem dar-lhe tempo de receber
conversa medica; deixando as mais das
veses mulher e lilhos no mais amargnrado
praoto; a Nova Esperanca que deseja pres-
ta]- servidos recorreu a Vpjer, o qual Ihe
mandou anneis elctricos magnticos, como
o nico preservativo para semeUiante mal
ellos antes que se acabem : na Nova Espe-
ranca-
NAVALHAS
A Nova Esperanca a ra do Queimado
n. 21 recebeu um sorUmeno dc navalhas.
de qualidades, e tamanhos especiaes assim
como aiadores e massas para as mesmas.
LINHA PARA CERGIR MEIAS
Esta muito necessaria linha wnde-se a
ra do Queimado n. 21 na Nova Esperanca.
BORDADOS BONITOS, BONS E BARATOS
Esparlilhos sd na Nova Eqnrrnr a "
do Queim;do n. l.
= "Qaom freeisar uV a^uyar tuna seiava
con leite para criar menir. diia-sea ra ba
pedal n.ftV. : ^^
Para armazens a-retamo.
O Campos da ra do Imperador u. 28, tm par;<
vender grande qnantidade de medidas de estanhf
para liquides, e de madeira para seceos, pelo sys-
tema mtrica decimal, pelo qaJ esto os negocian-
tes a retalhu obrigados a vender suas mercadorias.
a rottar do de marco do corrente anno. 0 an-
nnndante avisa e nraote aos me de taes medkla
neceasitam. que n estas asmis exactas, por
quanlo sao feMn Mi Parts, de eona>rmidade com
o syalema adimt do. e segiindd opadrio adoptado
pelo roverna iapcriaJ nao acontcccndo, porm,
o momo cor OdMM qne ahi se vendem, que sen-
lo di rnesnia cajacMade, dovrsincan de modello,
vinda offerecef dovdas najo s aos compradores
rom# ao? vaatltslM fa,
i i. .... a,!,. i,, i i. i i. i ii
a taWrna da ra Direita n. 50, propria para qnal-1 ,___
quer frincipianle por ter poucos fundos : atraOtrl > P<*ta moca com habilidades
aaamaa. U twrai waUte- tumi i m
11
UN
POR
Salvador II. *e 4Iftaoer4ae
2*13)1010.2,1000
umm nn
<.
I
r.
i


i
DSaHo de PernamWo Quinta feira 4 de
i
revereiro de 1869.

I

i

I '
a

i
i
GRANDE
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico dcsta ca-
pital a vir surtir-se no grande estabelecimento que tem de fazendas, tauto da moda como
de lei, e as pessoas que negociam em pequea oseada, tanto da praca como do malto-
nesta casa poderlo fazer os seus sortimentos em pequouas e grandes poreoes, vnnden-
do-se-lhes pelos precos que se compram as casas inglezas ; assimcomo as excellenlis,
simas familias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
iaos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que aeha-se este estabelecimen-
to aberto constantemente desde s t boras da maulia s 9 da noute.
atoalhado do Pavo.
superior atoalhado de algodao
O
Vende-se
rom 8 palmos de largura, adamascado a
M a vara; dito de Hubo fazendamuito
superior a :if00 a vara ; guardanapos dt
I.usiuhas
A dozc vintens.
- -a A doze vintens.
A doze vintens.
Vendem-se lasinhas de cores muito
PECHINCHAS
Novamente chegadas ao armazem
DO
^1%
DE
PAREDES PORTO
Tendo-nos cheg;?do ltimamente fazendas inteiramente novas, convida-
mos por este meio ao respeitavel publico a que nos procure comprar fazendas de
bom gosto e por precos que nao achara em mitra qualqucr paite.
Adiuirem M& bordados a (i>,tOO e 2^500.
Micos e Im-iu escolhidos gustos le bis-
bo-
firmii adamascados a i#00 a duzia e muito nitas com desenhos miudinhos e grandinhos
inos a 8*000, e ditos econmicos a 3*300; com listinhas c pintas pelo barato prego de
j duiia. |210ris o covadona loja do Pavo, ra da
Crochs para cadelras na loja do Imperatriz n. 60, de Feliz pereira da Silva.
Pavo
Chegaram os mais lindos
he ou guarda bantras,
panos de cro-
AS CAMBRAIAS DO PAV'AO
Vendem-se Onissimas pecas de cambraias
i para ca- "zas transparentes tanto inglezas como suis-
' sas tendo mais de vara de *'~>
deiras tanto d'encosto, como de bataneo e!sas ""'' "*!'a"lar8ura Pelo>
de guamico, e outros compridos para so-! P^Cosde ooo ate lOffIOO a peca, assim
f, assim como ditos redondos para mezas :mo misamos organdys branco
redundas, ditos pequeos para almofadas, 9
iso que
sene para vestidos de bailes, por ser muito
ditos"plra cobri'p'ree'ntes;^ndo^nos|[ansPai,e,'tf a, *#**!>* vara' "J* *
at para cubrir um prato, que se vendem *?*J"* Imperatriz n. 00, de I-el* Pe-
para cobrir um prato, que
por preco muito em conta, na loja e arma-
zem do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de
Flix Pereira da Silva.
Fustes para vestidos forneos
a4C
Vendem-se os mais modernos fustes bran-
reira da Silva.
FUSTO BRANCO PARA VESTIDOS A CO
Na loja do Pavo vendem-se os mais mo-
dernos fustoes brancos de lista e cordo
muito encornado mas muito flexivel, pro-
piios para vestidos,roupo ete.,e roupa para meninos, pelo barato pre-
cosflexiveis com padiesde listas e de,r0 de m ^ 0^ |ojaearmM
lpicos morios para vestidos e roupas de de m% fenn (|a Sj|va
menino a 640 rs. o covado, na toja e arma-
isemdo Pavo ra da Imperatrizn.. 60, de
Flix Pereira da Silva.
(rosdenaples
SEDAS COM LISTINHAS A 3->OOo o
COVADO
Vendem-se as mais modernas sedas de
. ... slinhas para vestidos, chegadas pelo ultimo L .
Chegoa para a loja do Pavao pelo ultimo ,. ^ ;|S (6m mais modcrnas quo tcm fe padana
varpor um grande sortimento dos memores. vin(|o es[l> m(1|.cad |() ,)arat0 < fc -
-rosdenaplespretosc de cores, tendo verde adlra. omdM ra da Imperatriz n.
til' de Flix Pereira da Silva.
Alpacaslavradas
Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que se vendem a I#000, o covado.
.Madapol5es finos a .*A, r,.\, 75 e 8 rs.,
so no armazem do Leo.
Chitas escuras de padres lindos por pre-
co de 320 c 360 rs. q covado.
Cassas de cores com palminhas e com
listas de diversos padroes a 240 e 320 rs.
Laazihbas ciiizentas e cor de bonina a
320 o covado.
Chitas claras miudinbas a 320 e 300.
Alpacas pretas e de cores lindas propnas
para vestidos a 680, 700 e 800 rs.
Pecas de cambraia transparentes a ',$,
5$ e 65. Por este preco admira a todos!
Cortes de casembas de quadrinhos e lis-
tas a 25800 e 3$.
Corpinhos brancos para senhora a 35 e
35200.
PechinehaP
Coi-tes de cassineta de cores para calcas e
paletots a 1,:>OO.
Cassineta de cores com um pequeo fo-
que de mofo a 400 rs. o covado.
Espartilhos muito inos a 45500. 55 C
55500.
Admira!!
Grvalas de seda a 500 rs.
Goliubas bordadas a 500 i$.
Lazinhas a 200 rs. !
Lazinhas a 200 rs. !
!
tmbem, que se vendem mais barato que
u outra qualquer parte.
CHALES A 25000.
Vendem-se diales de merino com boni-
las barras, pelo baratissimo preco de 25000
25500 rs., na loja do Pavo ra da Impe-, ditas lisas tendo tambem cor de canria a
rabil n. 60, de Flix Pereira da Silva.
PECHINCHA A 3:500.
Cortes de lia 3:500.
Cortes de la a 3:500.
Cortes 4e la a 3:500.
Lazinhas a 280 iris.
Liazinbas a 280 reis.
Lazinhas a 280 reis.
So o Pavo.
S o Pavo.
S o Pavo.
Lazinhas a 2*M rs. !!
No armazem do Leo, ra da Imperatriz ns. 48 o 52. jeuil
fraurexa.'
marks para calcas e paletots a 2^5500 o
corto,
Tambem tem para acabar pecas le pan-
no de iinbo, com 27 varas, a 175 e W.
Toalhas zia.
A os Srs. armadores do enterros,
Vendem-se pecas de bol lauda prtta com
iO covado* a 55 : na ra da Imperatriz n.
48 e 52. junto a padaiia franceza, jjoja do
Leo.
Attenco roupas feitas!! bo aijmazem
do Leo, ra da Imperatriz ns. 48 e 52.
Assim como temos um grande, completo
e variado surtiinento de roupas feitas: pa-
leUis saceos, sobrecasacos. fraques,', jaque-
tes, calcas, rolletes, camisas, cejroulas,
chapeos etc., tudo por precos que admira!
Tem tamliein um sortimento de roupas
ordinarias por preco baratissimo.
Acaba de ehegar tambem um co|mpleto
sortimento de damascos de cores,
azul, amarcllo e cor Me caf
vende por preco commodo.
Admira!!
No armazem do Leo !! f
No armazem do Leo 1 !
No armazem do Leo M !
No armazem do Ufo I'!
etc.,
sendo
que se
leja de
e de chavos igal-
800 rs, ditas mescladas muito finas a 1:200.
o covado, e outras mudas fazendas de gosto
i e moda que se vendem mais barato do i
que em uutra qualquer parte, no armazem
; do Pavao, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
ORGANDYS DE COR
ROM II
A, LESSA
li-BUAMW
Vendem-se organdys de cores com pa-
dres miudinh
cores pelo barat
covado, linissimas cassas francezas com deli-
cadas cores e bonitos desenhos a 320 rs. o
ovado e ditas a 300 rs, na ra da Impera-
I triz n. 60, armazem de Flix Pereira da
Os proprietirms desteestabelecimento aeakmi de montar urna das mai.s coib-
I pletas oflicinas de alffiiate, encarregando a Sirecco da mesma um dos mais habis
: artistas ; e para mellior satisfazer aos seus fi&gmxm tem nm variado sortimento (Jo ca-
Vendem-se bonitos corles de lazinhas j,
ara vestidos com padroes modernos tendo v^
cada um coitc 14 covados pelo barato pre- i JJ-1,".."
'O de 3:500 rs, assim como ditas em pecas' __ .
que se venilrm a 280 rs. o covado, sendo I Koupas para hornera
rande pechmcha na loja e armazem do Pa-! ^%dem-se superiores palitts de panno
fu ra da Imperatriz n. CO, de Flix Pe-; sobrecasacos forrados de alpaca e de seda.
reir da Silva. camisas inglezas e franeezas com os peitos
BABADINHOS '''' <'sgnfto> ceroulas francezas de Iinbo eal-
Vendem-se tnissimos babadinbos, tiras: 8dl. N8 cruas inglezas superiores, ca-
\ ..dadas e ntremelos, mais baratos do q> iInisas de flanella e de meia de la, assim
. m outra qual tilhfns dos mais modernos, nn armazem de .-sortimento de pannos pretos, e de casemas
Flix Pereira da Silva, ra da Imperatrs i 'OgfeK* de cores, e que se manda fazer
i.. i0. qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
/.<, o promette-se-lhes que sero senados
com a maior promptido e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer paite
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
a da Silva.
f'ortlaados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
Hmres e maiores cortinados bordados pro-
rganos ue cores com pa-, smira de toda qU;,|i,]ade) ^m0i, dn0:;j tiiin;. merinos e varios objectos propricls para
nos, em aaaaawes Praacos e ae j homem, assim como um completo sortimento de fazendas tinas de toda a qualdade,
ES r!L1E2LL!2.i arantes a mell.or q.udi.lade da fazenda e o pre^o mais rasmrfeijjossn-el
FAZENDAS PRETAS
PARA A QUARESMA
AUGUSTO PORTO a G.
ALTA
NOVIDADE
LOJA DO PAVAO
Gurguro de sea
Chegaram pelo Itimo vapor os mais bo-
tutos gurguroes de seda, proprios para ves-'
'idos, sendo lisos e lavradinbos, com muito
lastro, garantindo-se que a fazenda mais
liada e de mais phanlasia que este anuo tem i
,hegado a este mercado, e vende-se por HrK I*1"3 ,ama8 e Para J^ellas, que se ven-
preco muito razoavel, na ra da imperatriz !B a l->0p rs. cada par at^255000 rs,
ti. 60, de Fefis Pereira da Silva.
Flix
GROSDENAPOLES PRETO A (JL'ATRO
PATACAS S O PAVAO.
Vende-se grosdenapoles proto de boa
ipiahdade pelo barato preco de 1*280 o co-
vado, s na loja e amina mi do Pavo, ra
da Imperatriz n. 60 de Feliz Pereia da
Silva.
CAMBRAIA BRANCA A :^500.
Veade-se pecas de cambraia liranca
transparente, com 8 e meia varas pelo ba-
rato preco de 3500, ditas muito (iras tanto
i.-to na ra da Imperatriz n. 60, de
l\i eir da Suva.
Chitas
Vendem-se as meUiorescbitas escuras para
casa sendo de cores lixas, pelos baratos
procos de 320 e 360 rs. o covado, ditas
muito linas francezas sendo claras, com pa-
droes de catea a 360 e 400 re, pechincha,
na ra da Imperatriz n. 60, armazem de F-
lix Pereira ta Silva.
Cirowdeaaptea preto
Vi iide-se um grande sertimento dos me-
tapadascf..raotrans|iareiite.s4d500,54000. thdres grosdenaples pretos, tanto lar-
6$.'>00, J-JO00 e 85XW, assim conioergan-^.s como estratos, sendo de 2*000 rs. o
nado at 45000 rs. garantindo-se que
di muito fino tanto lizo, como de listas e
quadros na toja e armazem do Pavo ma
da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
sma.
ueste genero uinguem tem melhor fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
pislquer paite, na ni da imperatriz n. 60,
ALPACAS LAVRADAS |>ARA LCTO. de Felis pereira da Silva.
Vende-se na loja do Pavo. as mais mo.-
eraas alpacas lavradas para ludo, sendo
(iniitolargasepeh) barato pre^o de 800 rs. o
wvadn, s na loja e annazem do Pavo, ra
ia~ Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
Silva.
Poli de chvrr a lAOOOe covado
Yende-scpoif dt Cbvre rtraito largo com
as melbores e mais modernas cftres peto
ha? ato preco de 15000 o covado, na loja e
aniia/.emdo Pavo, ra da Imperatriz n.60
de Flix Pereira da Sirva.
TCSSES
CATAIRHOS
PASTILHAS PEITORAES
E LOURO GE REJO
IBIITJICOES
BO PEITO
B' ale o mais novo e denciuMi cotiieitw *t a^uia connecido. 9m io le admirido ra-
ptdanwnl a popularidad* 4e que goza. Oa mediros os mais dislincios O acon&eih contra
ab tostes, dtfluxos. caiarrhot. Unte* (otnruUas, cUxrrho epuirntUcu*, irrilafoe* do yeito. Com
grande empennoo procarfo as mees de famia, assim para ellas como oara as encocas, pob
primeint qe todo inoffcuivo. e aa sms prouriedades adocaniee no^deixto Mda a dtswjar
DepotMO em PernamtmcoT*m easa de Manrer O*.
IITIli
rfiisili
CIGARROS ffDIANOS S,
Ipucainnabis indicaM
.vPARISJ
BIH6II1I
Todos os meM al boje pn-eonisados contra a axilima alo lom ski* mais do nt paR
debaixo ie ledas as formas, tendo por base a belladona, o eatramene. ou opio. nrnssMw eipe-
riencia feilas cm Allt-manha. repelidas em Franca e na Inglaierra, lem prorado ma cinamo
indio* Bengala possnt as mais ootaveis pro|)rtedides para combaier essa lemfwf aOec|o
assim romo a loase nervosa, a insomnia. a tywca laryngea. a rooqnidao, suirtlo da
eas n^talgias faoae>. E' peis r*m o apoio da scie'ici [ni nffnrw tiins Mlui.1
dos com a extracto de eaaaoMi das India*, qua nos in |Hriamos da Bembaiu.
^^^^ _________Dcpaaia >*mamkuc: em casa de j\
**
lina do Oiii'iiiimlo n. II
Receneram directaniewt! da Europa as mais superiores fazendas pretas espe-
ciaos para a quaresmi, as quaes esto vendendo ptS mais mdicos pifaos em vista
da superior qualidade de ditas fazendas.
AIiTA %0VIIIAIM:
Basipjines prelas de renda, verdadeira novidade, para senhora.
liorimro pieto de ^. liso e com listas ass^tinadas para vestidos.
iir nero o que lia de melhor.
Basquine* de croch pretos. ditos d" seda preta com cintos delicadamente en-
feitados, elegantes |Hplums de seda iiKeta, ichos pivtos de renda, modei-naacapinlias
pretas de renda e superioras vesti Moir-antique preto e braneo, bonibasina, superiores princezas pret.as, nicrins
de vero e trancados dos melhoiv-s.
Os mais lindos vestidos de liloiid com mantas, capella para noivas, superiores
ronhas de cambraia de Iinbo e de rjsgufio bordadas, e lindas colxas de seda e de la
para camas.
Kahialas de baile brancas, aSMS e cor de cinza de #osto especial e ves-
tidos de cambraia branca ricamente Ixirdados.
Popellaes de seda para vestidos lisos e oa listas das mais lindas cores
e mais bellos padrSes, e grande e variado sortimento de sedas tanto em cortes1 como
ira pega.
Cortinado bordado para camas e janeas, balees parisienses com
molas novo gosto, baldes reguladores brancos e de cor, esprtiHios e belfas colxas
de croch*.
Carnizas de linho hactexas para homem, chapeos de sol d> seda,
grvalas modernas, pmnos finos e casimiras de cor o pretas, e outras muitas fazendas
que vendem por muito commodos Brego*.
A loja n. H da roa do Qucimado tem sempre o melhor sortimento de tapetes,
alcatifas e
0 cordeiro previdente
itua do Qucimado a. 1G.
Novo e variado sortrmeoto de perfumarias
finas, e outros objectos.
( Alm dooanpjew sortimento de perfu-
madas, de q'u; elfeov menle est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber um outro sortimento que" se torna
BrtHvel pela variedade de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
ios; assim, pois, o Cordeiro Previdente pede
e espera contiuar a merecer a apreciado
do respeitavel publico em geral e de sua
boa freguezia em particular, nao se afas-
tando elle de sua bem conbecida mansido
e barateza. Em dita loja encontraro os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
bita verdadeira /de Murray A Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melhores 6 mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para ronservaru do
asseio da bocea.
Cosmetiqucs de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos c
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do finoeagradavelchei-
rode violeta.'
Outras concentradas
mente finos e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade,
com escolbidos cheiros, em frascos de dif-
ferentes tamaitos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para nios.
Ditos transparentes, redondos e em figu-
ras de meninos.
Ditos muito linos em carimba para barba.
Caixinhas com bonitos sabonetes imitando
finetas.
Ditas de madeira invemisada contendo fi-
nas perfumarias, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, lam-
' bem de perlumaris linas.
Bonitos vasos de metal coloridos, c de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e boneca.
Especial po de airoz sem eomposicode
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
cas.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos de camphora e outras differentes
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Aluda mais coques.
Um outro sortimentos de coques de no-
vos e benitos moldes com filis de vidrilhos
e alguns d'elles ornados de llores e fitas,
esto todos expostos apreeiaco de quem
os pretenda comprar.
COLLINHAS E Pll.NIIOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeieo.
PiTcllas e Otas para eintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao-gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
O que de melhor se pode eneontrarnes se
genero sobresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para vlagem.
Bolsas de tapete ecarteiras de counvpor
precos commodos.
Chapelmas de palha da Italia mui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que sc-
ro presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a ra do Qucimado
n. 16.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente ra do Queima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
condecida commodidade de precos.
ALEM DAQUELLES.
Receben outros lindos enfeites de seda
para vestidos : assim como um variado sor-
timento de gal loes de la, babadinhos de
cambraia com bordados de cores,T.uja va-
riedadfe de gostos os tomam rocommenda-
dos e apreciados ; compareco pois os pro-
tendentes que sero servidos a contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e lindas de
guepure.
LUVAS DE PELUCA.
De todas as cores tanto para hornen
como para senhoras, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
ra do Queimado n. 16.
A Perfumara Victoria boje muito procurad
pela flor da aristocracia, e das elegantes, po*.
cansa da fabricacao superior dos productos des-
tinados aos usos do loucador, c entre os quaw
ella creoo ama especialidade em cada artigo.
Os seus novos perfumes, preparados eam a
Sstencia de Vlangylatig, que ella obtem mesnu.
as ilhas Pliilppinas, pela disrillacio do Unon*
oderatissima, nao temem ncnliuma ronenrrenciu,
bo qnc dix respeilo fineza e suavidade do eheiro-
pelo que aconselhamos ao publiro elegante que
peca como perfume para o lenco
0 EXTRACTO DE YLANCYLANC
0 B0UQET DE MAMLHA
Alm d'esies dois extractos excepcionaes, q^ue'
slo propriedade exclusiva de sua casa, os S>>?
Higaud e 6'% preparao igualmente, com parten
lar perfeicao, todos os extracto.-; adoptados pe.
moda, e enlre os quaes citaremos os seguiules .
Jockey-Club. Violeta. leuda.
Ess. Bouquet. larecliale. tatmi*.
Peno fresco. Nousseline. Magnolia.
Flor dos prados. Rndele lia. Rosa musnata.
TOLITOA BIGAIB
E' urna-Agua admiravel para o toilette, conv
titne ella o verdadeiro talismn da belicxa,< coi.
sema pelle fresca, e a tes do rosto branca. E'
ultima exprcsso da sciencia. .st por todo*
reconbecida a sua inconieslavel su|>eneridade
sobre as aguas de Colonia, a agua de Florida c ot
vinagres aromticos de maior nomcada.
OI.F.O B POMA 11%. NIR.iXaA
Excellenlcs prc|rac6es que se piulem tkaast*
o thesouro do cabello, c que, com, ostas de subs-
tancias tnicas e fortificantes, cmnellczao e cou-
servo o cabello, ao mesmo tempo que lbe com
municao um ebeiro suavissimo.
SABAO HIBAKD4
Quera comparar este sabo com os qne >*
vendem or ahi, fcilmente reconlircera sape-
riodade do nosso. Este torna a cutis muiossinit-
mscia, faz urna escuma abundante que foni-a um
verdadeiro banho de leite, e nada dcixa a desoa?
como delicadeza de perfume.
DENTORINA
PASTA BENTIFRICIA
A Dentorina um elixir dentifricio dos mas
suaves : perfuma e refresca agradavelmente t
boca, fortifica as geBgivas, e preserva os dentes
da carie.
Esta pasta dentifricio fez urna verdadeira re-
volucSo na Perfumara; acabou para sempre con.
as pos e opiatas, que sSo mais ou menos acido
on perigosos. Basta passir urna escova humids
por cima, para obter ama mneilagera suave
unciuosa que torna os dentes perfeiameote
brancos. ______
POS ROSADOS
Preservio a pelle do rigor dos venios e do fro.
communicao-lbe ama agradavel frescura, e pf
venem as sardas. Sao superiores aos pos de arre
a de amldo. Sea perfume delicioso.
Deposito em Peruambuco, em casa do S"
Froderiro C liurlamaqno
luja da Nova Faina.
& C. ra Nova n l
m (Ai m

Che-gnu aa antigo deposito de Henry Fnrstcr iv
C, ra (Uj Imperador, um eaaefcaoiento de :m,
de prinieira quatidadn; o qual f=e vende em parliiti*
e a retalho por mtuut prafD do que cm uutra qi:-
t|uer parle.
Taberna
Vende-w; a taberna da rita da Crtizes n. 41, n
loeal nao s bom para o misino oslabelecinier.ti'
como mesmo para qualquer outro negocio p>r ser
em urna ra das principis : a tratar na mesm.i.
VniJe-M: por preco razoavel i sof, I par de
'onsiilos, 6 eailciras e I cabiile, ludo com uso oq
do pateo Teteu n. 29. loja.
ESCRAVOS FUGICOS.
reeoiupensa
Para atnanhecer o dia 10 do corrente u},'o (ii
eugfculio Canabrava, do termo dc-Itamli. o sser^vc
Deiiaidu. ciioutii, de idade 23 annos. poueo m*
ou meno, alio, ceceo, i'osto d*-scarnado, pouta
barba, quixo lino, pea limpos, peinas linas, le.
do a falla um poueo demorada, e sendo baslai.'i
esperto; quem o capturar e o fur entrepaf iji
nii'iii'ii de Olivi-ita Auirade, ter milito boa recompensa.
Pede-se o auxilia o attencao da plieia, a quem se
previne que o mesmo escravo- seguio para o Rcev
fe etnbareando-se em Goyanna. Suspeila-se que
elle piocuie dalli embarcaiTse para qualquerO'i-
tra l Fugio a 15 do corrente mez de janeiro, o
eseravo de nome Felippe, cabra com 25 annos i
idade, un poueo alto, subaneelhas pelas eser-
iadas, os cabellos acaboculado?, quando anda pi
r
Estars da India para forrar salas.
SOI FRimEMTOS D-ESTO MAGO. COUSTIPA^AO-
Cur eui pooow das do Cfnlo oc BtXLOC em p ou em pa.tiluas.
ENXAQUECAS; NEURALGIAS. hm igleatiisatav
slpadas rpidamente pelas PEROLAS irCTHen i I' CitHU.
ANEMIA, A PALLIDE2 o os sormcntos ofm necositirad*
empivgo dos feriuaiaosos sao sempre combbaos cwn ameikar nssultade
pelas piuii as.OC vsllet. Cada PuU lem incravado o uoese fiUIT.
PO DE ROG. Basta dissolver u:n firosc* d'est* p* en mato
parraft d'.vua pxra se obtr una limonada acTadavel qae pura* sam aV
ser cobeas.
VINHO OE QUINIUM ie UOarroque. Este vinho. asa dos
poueo oij composieSo^ parantida ceiMUMe, urna das mtlatas pao
parsttea de quioo. s^n acoso astavel sobre te conalcsceau, aada-
lbt* torcas aprcesaiide i volta a sato. Gara as feras anuas* qao re-
iisU a sulfato do quinina.
MOL ESTIAS OA BEXIGA. nutor parte d'eMas moles,
tas, een as KtMieas, tombaans. catarros, a todas as dores aerroa* em
gersl sso cundas f*Ls psrolas os csacNCia de thereb ntin* da
Dr. Ctertiii. O prasVsssr Tiousseaa en>na. Trato e U-ttapmUm osa-
seiba os i*ra seren tomadas na occouio do jantar. na dose de 4 i 11.
OLES OE FIQADO OE BACALHAO OE BERTM.-
fiarantido puro e de pj.incira qoaliaaa, ont das peuoos aavovadas pato
Asademia de medicina.
afn.
< Tudo* te medktmeMn fmm apmmdot rrfl itriitMisl
imtierial io metem it Pmt.
Srl. S>
toroacasita;
Tawatra,
BnMiete11.
OGI'OIITO
r*, *
iiuuus* i Ptrmmew. IsimasatO.
a o.
NOVIDADE
A leja de CoeHio & Oliveira ra d
Queiiuado n. I!), recebeu pelo ultimo vapor
un beato* sor ti mu uto tk baikiS du diversos
syshtm&r os mais auarfi^atsusv fue leen
viudo ;k morcado, seado :
Bafts de guipur com tiras chamados
reguladores, ditos de musselina abertos por
ambos os lados, de modo que sendo todos
de utn taiuaiiiio servem para qualquer se-
ufacra, de laa de cores com tiras, e as se
geiutes fazendas:
Saias de laa com bonitas barras.
CuaJea turcos de seda e laa Beatriz de
Tundas.
Fitas de guipur pretos Rocaraboly.
Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
l.:iMohasi
Sultanes, Poil deChevre, Tricte, dito de
xadrex e outras muitas, entre ellas tuna
Especialidade
L3 pwa de cores a 360 rs. o wvado.
Basquinas a Mara Antoniete.
Cambraias fantatm.
Ditas brancas transparente e Victorias.
Cobras adamascadas.
Crttertiss cliineas a-USOft re. e rtr
muitas foiendas que tornar-se-hia onfadonlio
annunriar.
da cera, daian*a. de rame e de tete, a pre*s
baratissimo*, em por^dr.s e a rottlbo : no arcTB-
iem do vapar francez, ra Kot & 7.
za duro a rom pasaoa lantns, lem urna marra de
caustico d%lado diieilo sobre o Hgado, levon cal
Sa de liriti de quadrinhos pretos, camisa de ma-
apotao, ehauo preto de laa redondo, este esera-
vo costumava a panlrar na ma ooBnxindo (ttttf
ros de tuna venda da ra 1 invita para a eslacao
das lineo l'fiita.-, c natural do lugar i'.inhotmlm.
da. comarca de S. Bento desta provincia, .fn
comprado ao Sr. J. Alvos de> Mello, morador cu
misino lugar, prcfiune-se qne o inesnio carra:u<
continua a ganhar na ra, munido de um bi)fcc falso procurando senbor ; pede-se aos Srs. cap*
lies Je campo c mais antoridadr polMaes a r-
rura do dito eseravo e levado a) seu senhor JaW
Pfcri'ira de Miranda Cunba, uiorailm em Saab)
Amaro, sobrado graade- do Sr. Manuel CoesaaV
a. ti: que se gralificru Kanerosamenle.
O abaixo assignado ree-ominenda a capTnra
du sen eseravo de, nome Joaquim, mualo, nigi/e,
do scu sitio to Monteiro, comprado aos sen fc-
uos os Srs. Joao (Jonealves da Silva, Vicenta &
valeanti de Albuquerqne c Alexandre Gomas da
Silva, nesta eidade-, por in'orn edio de seua p>.
euraires na pessoa do Sr. Manocl Franrr co f\
valcanli, lodos de Pao d'Alho e por inlervene^r t)
Sr. Sanios (eorreetor de escravus). eujo e.oitmt
'ainhem natural de Pao d'Alho e lem os distie'-
semwifps: idade 33 annrjs, seero do eorpfl s nt
poueo alto, bipode, cabello un poueo carapinbaOt>
e pen'eado, faita de den'es. twa inflammacrio eo
cruada na jimia da man esquerda. falla a serlarfe-
jo, muito deseanead c mansa : levon camisas- eY
madapoln e riseado de algodn, e calcas de brttn
pardo. O abaixo asonada muito leeomrrendsi a
cap uradwste seu eseravo todas as an'orapta
e maje pessoa? encarregadas da rap^nrad ser
vos,flaoso |>elas diversas cid.-nies. villas c sptu
dos coaao-plo sflttn. para onde pode ubp wf b#s
prometie bem gra'ilicar. o tamben! a quafqissV
pessoa que d*elle der noticia eer'a ; a dirijirn*
seao sed escripmrio a ma dft f!respo ttt, en aa
=eu sitio no Mnn'eiro.
Rerife, S7 de Janeiro V aj*.
Antonio Jone Rodrigues de Fovza.
A ittfp qu xiautieiiw.u da fla^a de seu sennw o
,'setavo Oto. eriouln, natural da eidade ria BV
iplinio nfflelal de sapateim, e trahalhsva n
lo Sr Mximo Jris de Andrade. sita a ma
f.rr., sabe lar 6 enerflwrvB iniltola-se fcrro, anti
calcado, tem um olhn nftis petjueno do que
tru.bMB a caberaeomprida, U*' batida, o
en rom diversa r>atrftps prevenientes wwrl
las, nm tanto balxo e recreado do corno : .
o appet>entaar lvelo a ra- n. da roa hnparid
a sen srtmr ApHfitSoa*^ da Silva, ounotalM f
Paraito n. 6. cana do capitn Flix rTayaaca^aB
Soaza Magalhae, que :er i^cocnpensaob P*H;
smente.

mam i




UTTERATBA.
laslii8to Archeologta) e feogra-
pbici
CK 27 DK IA-
SK38^0 MAGNA AWIVKKS ARfc
NEIRO.
7>wcjm'so //') />e/o /te. J9 ixtqnm Fon-
vea de Albtitrrq>ir.
Senhores: sempre gtala a tecorda-
{Tiodes grandes fados: um da de gloria
assignala ideas immorredouras.
O dia 27 do Janeiro coinmemora duas
epochas gloriosas, ao niesmo tempo que
(neerra duas ideas monunvntaes:a res-
tauraco de Pernambueo e a inslallaco
d?sie Instituto; duas ideas monumentaes
sim; que a liberdade e o amor da patria
-foram as suas primeiras nocoes.
Um dia que traduzio dois nomesBrazil
e Pernambueo, dois nomos que defniram
-qaatre hroesVieira, Vida).. Dias, e Ca-
.iaro!
O movimiento.- da humanidaile. no ca-
pitolio da vida, sent a necessidado extrema
de attingir o.bello, o bom, o verdadeiio,
I ,ia\ras luminosas que nos fallam de Deus
o. que devem ser para a intclligencia hu-
a os horisontes da mmeiisidade.
A vida humana, que tem o son tempe, ex-
perimenta o despostar do dia, e o dcscahir
.'la tarde.; isto quer dizer que a hiimani-
dade tem a sua matrtia de luz e a sua
i oitu_4oltaiddade: momentos gratos
.ni que o sol da verdade Ihe aclara os
i assos e instantes-penosos em que a trova
da ignorancia Ihe embarga o transito
Caminhar seguro apoiar-se na certesa,
camiriJiar incerto sossobrar na duvida.
as narracoes histricas a verdade
6 una graoar a mentira um vicio, o amor
lila primeira urna bollera, a queda pea
-> munda, umrrime.
Tres sao as estacos da vida cm que
cada pe arito tem de parar para sentir ;
uma lagrima, nm praser. urna esperanza
esta a .sublime adorarn das epochas; a
agrima para o passado que symbolisa a
, aorte, o praser para o presente que sym-
bolisa a vida, a esperanra para o futuro
que syniboh'sa Deus!
Em cada uma deslas estacos h o es-
tado dos bombas e doslivros; a observa-
Cao dos factos; da sua theoria applicaoo:
da escola sociedade: vemos ah a re-
rellacao dos decretos da Providencia ;
dioramos a miseria do um povo c levanta-
mos monumentos a urna geraeo feliz -:
i nossa vista extende-se aos seculos e re-
.. cordamos a humani'dade inteira; gosamoi-
eato do bello, do bom. do verdadeirc
porque com o auxiliar da sciencia que
traveseamos os tempes, que transpomos
j tmido e vamos sondar a vida dos
morios
A nossa inteligencia extasia-SC ao com-
1 )Biplar o universo deban dos olhos ao
mesmo tempo que o nosso corado senu-
a mimanidade em si!
A fonte de todos estes conhecimentos
e a causa occasional de Uto nobre con-
quista sem duvida a historia ; essa tes-
temunha liel dos tempos, a luz constante
.da verdade e a melhor meslra da vida, no
dizer do Cicero.
O que seriamos nos si, a par do curto
espato da vida, nao houvesse alguma
COUsa de perpetuo que prendesse as nossas
.deices prsenles as tutu as, o nosso
mor ao amor da posteridade?
O que seria d'alma humana, se prevale-
cesem a* absurdas thoorias contra a sua
..nmortalidade ? .
A sida nao passaiia de umsonUo ingrato
e as doces esperances da etermdade, per-
- der-se-hiam n'uma Valoucura.
Mas a Omnisciencia fez do nosso espirito
o reileao de si; deu vida a inorte, fasendo
da elernidade o premio sublime de uma
, ova existencia- o futuro dos espintos. a
..publica das almas-no diser de Platao.
Em relaco a essa nova era celestial
tambem h na trra uma sombra de jmmor-
talidado ;-a historia um novo mundo:
s o co o paraso dos cspiritos, a historia
sen tambem a etemidade das nacocs.
E' doste modo que se estabelece asucces-
sap los lemposfigurando a historia a a
deia mgica dos aeontecimentos.
Meditando sobre cada passo que da a
humnnidade. julgamos notar ahi a unidade
e a concordia e acreditamos poder dar a
expli<-aco dos factos pelas ideas que re-
prosenlara; ento aproximando o passado
ao presente como os effeitos da causa, trans-
portando para a harmona eterna, as leis
que governam o mundo moral jeis o qav
a philosonhia da historia.
V rasan dos factos prende-se em duas
ep ca meihoraveis -o nascere o morrer;
alli o sorriso que desponla de envolto
coro a esperanra, a-vida aqu a descrenca
perdida na lagrima da .saudade, a morte;
o sorriso a luz do berro, a lagrima o si-
lencio do tmulo.
Das entidades suspiram no nascinento e
na morle a familia e a patria; aquella, no
ejtcesso dos sentimentos ntimos d'alma,
faz do amor urna divindade ; esta, na ne-
cessidade da reciproca onilo por amor da
fralernidade, faz da vida urna prophecia.
Da harmona do sentimento patrio, em
honrada assoeiaco humana, e por umacto
sui'ivmo do mais sublime dos devores,
o deter de pac,nasoe a immortalidade da
familia,o direito de testar.
' testamento aeternidde d>s affectos
da fantiia.
SL'idiwes: -sem culto do passado, como
disse um Hluslrado escriptor, nao h verda-
deiie patriotismo; o amor da gloria urna
segunda cousciencia que dirige os passos
iomein; o deste moo'o que se concilla
soiencia coma rsligioti mais forte all-
an a em que a inferencia e o coraco fa-
zem do seplicsmo uiii -crime, da descrenca
um romdemoado abaso.
Dous sentimentos dlviuos nascem. e se-
guem o homenio senfmento religioso eo
nacional; sublimes elevagEfes da nessi alma
que se reforem a Deus e patria.
Nada h de mais positivo* de mate abso-
luto e suave, mais doce c ns)sollador que
o amor o Deus:esse Jaco qpe prende a
humanidade aos cosjessa lente *o-
racSo (pie prestara os pvos c os res, os
(rlese os traeos, os ricos e os putyes.
As nacoes, l>em como os individuos, tero
sua alma, sua razao de ser no circul das
entidadesesta alma a relgio-: rel-
gi3o que felicita o povo,qn." acouse-llia os
govenios, que civilijjftos costimes, q*ie ins-
pira as artes, que sencbilisa o vere&dniro
soldad.., que aperliiGaa historia, queeter-
nisa os seculos!
No espirito humano- h fados qw* so
emnpre conscenctaflitear pi' nieio de
('. ca razao explicar ati'; oode for possiV-la
concepeo: tildo o jui- ovrede a harMO-
niosa le da philasoplia dfaJBoa, so i*h um ministerio ou aogpn.es) que faUero <.
raciocinio e o homem tem tb cunar-so aos
sentimentos atos do cerac3e>
(lo |
a
riio natal com um imn invencivel,os ge-
Ios da Irlanda o os aras abrasados da fri-
ca esto povoados.
O selvagem quer mais a sua cabana qne
um principe ao seu palacio ; o raontanhez
acha mais encanto na sua montanha, (|ue o
habitante do descampado, no sea sulco.
O martimo brinca no meio das vagas de
ocano, como i\ creanca que, se palanca
n'uma rede; o eainpone* sonh'a comas suas
vastas cam[)na.-.
E foi Christo modllo em amor da pa-
tria ;Jerusalem Jerusalem exclamava
elle, meditando na couklemuaco queamea-
cava esta cidade criminosa.
Do tj de uma colina, laucando a vista
movido pele saudade, vio a' trra natal, dir
o apostlo, e cliorou !.....
Senhores; o nosso coraco dexa-se
reconcentrar as profundas raeditaces; o
sentimento ganha em forja no pequeo es-
paco que vae da idea ao raciocinio, assim
que o amor da patria se define.
A par da dignidade humana movem-se as
grandes e nobres paixSes d'alma, com todos
os seus ardores e excitaces, clieias de
sorrisos e prantos. preenchendo muitas ve-
zes- martyrios e concedaido bem poucos
venturas} paixies que engrandecem o ho-
mem por ideas que se nao concebem, mas
que se eiiraisae n'alma. que se nao gero
no espirito, mis que nascem no coraco.
Foi na pagina luminosa do sangue do*
marlyres qw os serculos receberam a bri-
Ihante lifo da mai rnimorredor* abnega-
?o pela virfode. .
Ao vivo e arrente amor por Deus-e pela
patria, tem, a k-.credufefedf do sectrto1, cha-
mado. fanatismo1: me fanatismo 6 esse?
As inspiracoo d'almtr, a& sublimes poi-
xes do homem (fiando fssera fanatismo,
seria vm fttatismfr abeneoao pela fjrar-a
dos cfr* e pelos aplausos Fanatismo E fiwpor estr fanatisme jie
Saulo convertido tonwui-se e apostlo dae-
gentes.
Tamberotogdalenav abracndole com a>
cruz, regenerou-se.
Fanatismo'r Ainda bem qne Vidbl'de Ne-
greiros nos montes guararapes, vencen, por
(hias vezes, & cehorte betlandez*, que ten-
tara rouhar-ll-c a liberdade e a> indbpenden-
de sua carsMtbia.
Que fanatisme- digno ck exempH)- e de
respetosa adifiraco !
Por-este fanatismo foi que a cek-lre le-
go'Thebana, resistindo s ordensdo Im-
petatfof Maximinn^ prefwi' desobedecer
ao f*i, do que tthiar de seprir a-Deu:
de receben^o sold, tese a legio
chrO, de Deus recebemos vida.
Sublime- fanatismo este (pe levo j
Gutferaberg; a ear a mprawa por meio
da qunt o dbminirj'dk instruoc tornoiie
geral, } inundo mundo i> qae a historia chame
immortatidade da idea.
gica tantas outras que, de igual sorte, au-
xiliam a marcha do progresso histrico o
scienliico, de quanta utilidade nao o lu|-
trtuto Archeologico c GeograpliicoPernam-
bucano ?
Eu creio que o enthusiasmo v jni de Deus;
uma inspiraco divina, uma exaltaco ex-
traordinaria da alma humana, que sente-se
como que fra de si contemplar grandes
eousas. 1
N'umdia do enthusiasmo nasceu o>lo Ins-
tituto : compenetrados os seus dislinctos
membros de que a vida humana vai alm do
tmulo, fundram esta assoeiaeo que. pres-
tando culto ao passado, trata ee conservar
a memoria histrica de Pernamlmco, patria
de tanto herosmo 8 de tanta glm-ia.
Pela grandiosa misso que overeo este
Instituto deverrse-hia denominar antes
uma seguiita etemidade.
Nesta como na outra os hroes contein-
plam-se, os delinqoentes confundem-se; a
graca e a venerafo coram ob primeros,
o castigo e o despreso punem c segundos; materia criminal nenhuma
os tribunaes sao dousa co e a histo- gal, nao tira disso inducca
ria, os juizes tambem dousDeus e a pa-
tria.
Fermitu-me, senhores, qne abites de con-
cluir, me confesse admirador de vossas
virtudes e dedcaco por ainor da patria,
como Brasilem> e Peniambucano que son,
faco votos ao Creadoi' para (|U( o caminho
do ftrtnro se vos abra em flort* ji idea do Instituto- contera lio gi a*)s perfi>-
wes.
O coraco o etangelho d'al na.
Em cada folha do grande lvn da* vida, o
sentimento um ilogma* o pensemento
um divindade ; nao podemos isqueeer as
grandes iras que maream' na cj stenria Hu-
facalembrara tortura, nem na Inglaterra o reza jus cousaS( confiando aos presidentes
supplicio horrivcl que elles chamarira pea
forte e dura, e (fue applicavam aos que re-
cusavam submetter-sea certas pesquisas. A
incommunicabilidade simplesmente a in-
oommunicahilidade.
Ouanto ao interrogatorio, dizem que
uma armadilfia mais ou menos di.stan.ada
ao reo. Desde muito lempo est abolida
na Inglaterra essa tortura moral.
Fois na Inglaterra j nSo $e faz interro-
gatorio naforuiacoda culpa? Pelo contra-
rio, todos os (lias os magistrados la IkaCt-
dres interrogam os reos que tem de man-
dar para o jury das sessoes trimestraes ou
dos tribunaes superiores. O fado noto-
rio: intil citar exemplos.
A le franceza a mesma lei ingleza. os
nossos juizes formadores da culpa nao an-
plicam diversamente do que os juizes in^rlo-
zes. Interrogam o reo : se elle responde,
escreve-se-lhe a recusa. Mas a nossa lei,
que teve a sabedoria d-; nao admittir em
prfsutnpi;ao le-
fio contraria ao ac-
ensad*. O art. 40 de cdigo tky proeesso
criminal nao permilte, como o art. &K) do
cdigo do proeesso civt, ter poT avertgna-
dos factos a cujo respeiteo reo reeawres-
ponder.
(interrogatorio pois ulna medido cora-
das nossas audioncia.s' o cuidado de interro-
gar as testemunhas; esse interrogatorio
uio pode ser fcito pela mesma pessoa, tanto
na aecusa^o como na defeza, com perfeita
mparcialidade.
*
Dizem mais que a lei franceza inhumana,
ordenando o interrogatorio publico do aecu-
sado, pennittindo arrancar-lhe a confis-
sao com implacavei ardor.
Finalmente a le seria mais prudente, se
nao desse aos nossos presidentes, que abu-
so, o direito de resumir os debates.
Quendo a lei ingleza, dizem-nos que um
monumento de sabedoria : deixa s partes
o cuidado de examinar as testenHmlras:
prohibe interrogar os reos. Se permute u
resumo dos debates, pode fazel-o sera peri-
go, to reservados e discretos sao oejuze*
daquelle paiz,
.lides de todo, ser verdade- que os jui-
zes inglezes sejo sempre e em todas asju-
risdirfoes, extrardio-atulico cexame dae-
testenuinhas .'
Em Londres os magistrados da polica
mana>momentos de felcidadje: na doce
recordnco di)* factos cadh lenuranca des
perta runa saixlade.
No ta'de boje, eu saidb'em vos a ms-
tallaco deste Instituto, e.peli: wiudosa aie-
moria dhquell qnatro benoes (1) a rts-
tauraro de minfta chara patrie*.
. ERRATA
No disenrso do Sr. 2.- dentario db
Inetituto, onde se le Secretrmete, lea-s'
iifa das semiex etc.
i lis duas tegislaces. Andaraw bem j dirigem essa partp do debate pubfiuo coni(>
em onlena-lo: bom que o reo possa,! as outras. facto- ncontestavel, e m pro-
tanto no seu interesse pessoa como no da: vas sao t.wtas que to me canco ere' men-
vordade, ser solK-todo a expRcar-se acerca jcional-as.
dos factos- de qut; aecusado.
A nossa formactv da culjia, So censura- as sesscs trimes-rraes e nos tribunaes
da em nosso- paiz, t-sa Inglaterra objecto! superiores, as cousa* passo-se de ostro
de adniiraco. Nadb mais permito, diz o | modo, ver&ide.
Morniuy-Chinmiek, qfw o systeinu francez.
v W\ erimlnal
Emjintt cre
"V
| Gonuuarav)
Vftt^qpe reclamis essa pn
interesa? do aecuado (e
aciiiKHde interesse social). E
de que-os vossos clientes desejerh isse
elws-.'
naos te averiguar; rcconheci
-o, a paciencia, a; sinceridade
A idea magnifica e pomiiosit da exista- .
cia de Dous, resido ei fou^ os corafies Sooteores:- as Hberdades- publicas nee- j sultaste-los ante* de pedu poi
nelo amor ao mesmo tcuiso me em to*e cem e merrem cofKopatriot&nws as grajev nucaiiK vmie auno* ua niinn
ascabocaspelaiutuico. les iKa saben orar o bomeuKci.ai.aft ^to de- perto o qu se pass;i
Nohatheo seno per capricho (pie llores ki venerar'e do res^eito, que o
Deus nao tem barreira no sanctuarig tos tempo ni r i sea rtat memoria it povo.
con-ciencias. E ir.isto que- vos
O orgiillioe avaidade-luunana. mistiticSo- loria c* luz dos teiOfs
sena celebridade ; o atbeismo a c >rrrp- cinio dos-seculos t
cao dos sentimentos bastimos; coraed. s nioeumentos representa, una aso-
nara o atheo a que a pedra para o inar ciaco de ideas que-se prendenu ao ment
cinario: o delhquente tem a sua prprjajdo passad* ou gratido do fabww.
conseiencia porjuao- semoivo a sombra | A archeologia eospatho dis autiguiak
do alheismo \ des. Dente e Petraycha foraQ:Os obreiioe
A antiguidade va ae beHeaas da- re*r
gio. sahirosentimentouiwional. e voriti
do a cauza di-ambos, conehiio pela
na nica idea de Deus.
fw^i).
fea reeussitai ai
deste i>enhor histrico.
Foi i archeologoki que
Etruria.
As inscripces-qiter alphaoeteft ou.hyn>
Ns queremos a dtshnceao dos fa< Uis- glyphcas- prestam grande apem-4 reconii
melhor apreciarmos es seus resalta- des futuras.
para meinor aprecii hh> -
dos; creio que a reRgo
felicita o povo.
A numismtica, que se oceopa espeeitb-
,naVde-se ao povo o- fl MgJgwgJ"^ me"te moedaV medalha,"ajud .a
a libei dado participar das glo.jas hununa$ ,j ^ ^ ^ fl M.meaVt0je.qao trata
' da successo das- familias ; a- diplomacia
pelo estudo dos tirlos e diptem; a scie-
i-to quer dizer que o-sentimento nacioo
hispir nos doces eWwiead* liberdado que
a guarda avancaiUi.da ^f^^T^ISTiefaidiea petos^caMbraa**
cravos nao de.xam amar a ^: '^ uivisas. e fina|me:ite a phitelOgia que iwesu-
no h eseravo hroeque o lw ,^.;In .t.
o delirio da liberdade!
Deus, patria e liberdade !
sem duvida o mais nobre das. metinc-
tos do homem o amor da patria.
A Providencia, como disse Etatoadiriand,
collocouos pos de cada homem ao seu tor-

....
FOLHETIHI
CATH1BIIA
ya o verdadero sentido tos-autores o dos
vocabulos, a goographia o- a chronologia
com referencia >s tempes: lugares, aos
hoiaens c seus ostumes^aos paizes e-seus
climas, sao elementos poderosos que-cons-
pirain para a perfeieo dd^bfetoria
tanto para a indogaco- dos culpados como
para- a preparar" da aecusaco. em uma
palabra, tudo o que coiwcroe s medidas
que precedenr o julgameoto. >
E' verdadeimesta apreciaro. C -porque
eu desejo que se torne airdh niais. fiepe-
co cerfcs com[ilemcnt'os nossa le
Muais- vezes, na- audena> o acrisado
invoca testemimhas que, segundo cite, o
tiliw:
exaine {framhiutien) d* testemunha-
dindoaoadvogado da parte acrosadora, "(>
o nfra-exame (froMomiimattomao do aci >
sadbra, se o tem; porque nem sempre j
ir tem defensa.
Ser esse rgimen preferir!: ao nosso
-
1*'*' elle lugar auritas vezes,- not direi a'
escndalos, mas a scenas assaz dsagrada-
juslificariam; Indicou-as antes, diz elk, ao, ve, () dvogsi ,i0 esame, atrastado
juiz formadorda culpa, mas i do recusou ouvi-tas. (juasi sempre esse teImiahas com inerivel ardor, e as arrasta
meio de defeza nao serio; na pode so- ., foTUy. t\c pergntas, a *darac5es cuja
lo algunas vezes; em todo >m impirla |mportteta ellas li -avaha.- O'arfvogado
que nc venha perturbar a.ecasciencia lo (j0 c0ltra-exame if a tanta insistenc, acri-
juiz coFWccional mudo jury. Nao poduM m01|ia e habilidad*, que consegue, por
a lei ebflipr o juiat* >perguota ao reo se L,, ve7r.pertarbar atmelles a? quenv inter-
ti'in testwnunhas de defeza. e mencionar '* | pella. ear lancal-it- as na"- dpheaveis
perguutoi e a-resposta no auto i*e interroga*: contradkfOeS.
torio ? o reo initeasse testemnnhas, sc-
Seidado no
opijnales assim j
itaes cortos i
jan esfiij oitadas, aonforme os casos a sa<
coste) oainsta du*estado.
V
Gumgpe eouvir ^ar a certeaa^sabe
cibueeterda semelluntcs hitas-
difii-
s un i IIai ri j\ l&- nunca vi um reo rectamar contra- porte [das pesfBzas deprocesso, um -J1
s a tead^aorariff- fechadas iienhuna deUes tem te^ejos de reo qae-o-oSelieUvar Tena es*
apparecer aos ollios dos curiosos e dos in-lcommuaiiafio dupaocease.logafpaosprtW' vUvl0 for ,5.presad
o fv^fem^e m* r uifcJUBal de
i despacho- defiiitixo, i____;,^
Entiesaos o (K-tete. dirigido por um
- matristno, 6, diga o que dSsseremvmais
Slbitau- vezes tajujeai, na ""^^pSera*; mais stera e mais-impassivel.
oI!hs-." i xa-seo mxte'teneMto sem afogado, ej v .M.ca,w^ ,-, m,Tl i vida tenho atlribuc axisao faite certas nnprttswes <*n|aN ^^jerada. |>?..in!t;resses d r nao
nos tribu-' defeza. ara evitar- estas qmna* nao po>- ^^ zoiuiomeuX)*. Fde esit, \,r or-
a modera- dara aiej prescrever ao juiz lormaor ,,s,(,r,0>J(> -tskente, interrogar cada teste-
He juizes: culpa (fiie nomeie, ex-ofliciu, ^deOTrwl[munila,*po8 de seudepoiraento, e dizer
^.mZ !*" "do o pe ll.e parecer til contra .o- teste-
** ,,6,e,,&^_; munna l a pessoa hUroelle (pie o te^ Se
appareeeraos oluos do* cunos >s e ios in-icommu-ocacao uuiiroct.-so,ioK.>-?Heospi>-(j seu (?il(vjt0 for ,,^^^(10 poderi pedir
hlTeremes, nem que se entregenos actos-! gressos le devrasa o perauttuenw e noUl ,!**>, e o tiitonl de cassac-e-Wo-ha
da siMtvida malignklade publlia. todo o .raso, antas do despacho- definitivo; rp -|:tr_
Entuo n6s todoa-os-i4emeiitos da forma- seria aalorisado at a concluir vm suppk-j
o (L>ulpa, qtieixa, pmao, pe^uisas pre- ment de pesquiza, que o juiz nao poder
recusan senao por umitespacho motivado.
Se esta idea parecer teinerari, dosojo cu perior de tafMMrra, aa ronftfl em
menospe* lei, por fenual infnaiTio, i-;que ouve os depoaoentos, -lho tambem
nha a. averigua;o do oime a disposico- db upori^ a -escoUto que faa-.desses- depoi-
ro, desde que fr lavado o Agacho de menUi&. A nossa.tei respet, os depoimen-
remessa dos autos ao nbunal, atim de ga?
elle prepare i.sua defeza, qu-ir peante o
iribuwl corresciwnal, qner peraute o tiihu-.
nal superior^ Bem sei que essas coibw-
ncaes nunca se reeusao. Mas ouvi perr
guolar se eaam oluigatorias, e seria bom
quceessasse-a duviiSt. O intewsse da tefe-
liminaiTes, audc formula: em actos-regulares, (-tmam-se.
como se diz no Joro, pecas dt- proeesso.
Em materia correeciooai, lz-se eommuniV
Cao ao reo, quando elk- o desejav antes i\o
debate publico; (i maln-ria en ual. o iw
recebe-copia de tods ee aujoe'e gratuita-
mente:
Dous autos d*nesfca averignio udi -i.-i-
ria so^ mais que outros. objeito de visas
reciimiuaces: -ajoctimniiuiicabilidadeeo
iiiliH.-!X)gaterio dti-io.
A iocoBimumcabilLdude sem tduvida-..utoa
medida rigorosa*: mas urna nasas duran
que-a gente deve sol&ercomo4aiitas entras.
Aflige-se a p'iadade sempre^ a razao. a im-
pe muitas veses. Faz-se av mesma eousa
em Inglaterra, por qne l. comoc. >' urna
neoessidade. "Mas entre nos- nao pena que
Deiva me dizc-pque se a aessa {i) O orador acenava para
Si assim eontemk.a.sciencia aneheoto- de Vital, Viaira, Das e Canario.
os retratos
roa
Jules Sandeau
XI
Pars eua BignyT
(Contnuaco don. 26)
Nao comprehendo, meu primo,eli-
sia Malvinacomo tem podido resignar-se
a viver s c sem distraeces por espaco Je
lies mezes n'estes solitarios campos. No
eeu lugar, eu em menos de oito das sen-
tir-me-hia morrer de tristeza e ahrren-
me uto O castello ainda habitavel, po-
cra os arredores sao detestaveis. NSo
tenho visto aqui seno monUmhas, bosques,
prados e urzes. Estas, ainda assim, dito
flores e as flores fazem-me lembrar os bai-
les... A proposito-, gosta de bailes 1
At boje, minha prima, respondeu
togerioos meus melhores dias sao os que
tenho passado na solido. Nao conhecendo
nada do mundo, nao rae acho habilitado a
- fallar d'elle. Tudo o que posso dizer e
que me nao sinto attrahido para elle.
E' admiravel Pois nao desoja co-
nhecer o mundo ?
E' verdade. .
Ento em que passa o primo o lem-
> Eu lh'o digo. Estou horas inteiras
iHiira do Creusa a ver correr a agua a mous
ps : e pouco mais ou menos assim que
se teem passado aqui os meus dias.
Ah I poete f
Nao tenho essa ventura, nem esse
merecimento.
Todava, ao ve-lo, acreditara que faz
.ersos.
__E' uma linguagem sublime que com-
prehendo e adoro, mas que nao fallo.
- Tambem e'u adoro a poesa e folheio
o> poetas. Lamartine, por exemplo, La-
martine arrebatador.
Conheco apenas alguns versos do Sr.
de Lamartine, os quaes repito muitas vezes
i a sds comigo. Adoro-os com o som do
campanario ao cahir da tarde atravez d08
bosques. .
Ah sim, o som do campanario vn-
vez dos bosques... ao claro da Uia sobre-
todo Eu sou enthusiasla polos formo-
sos rclexos da la! Cantar-lhe-he uma
aria feita a proposito. Diga-me, meu pri-
mo, gosta de msica ? .
Fui educado no paiz onde a msica
anda envolvida no ar que se respira.
Na Allemanha ? Ditoso paiz Eu
nao admiti que se possa viver sem msi-
ca Preterida passar sem atavos e bri-
Ihantcs!... Conhce as cances de lanza
Puget?... Ah verdade, como vew ha
pouco da Allemanha. ha de dizer-me ; como
se usam os chapeos em Vienna... em Ber-
lim ?
Ora essa Na cabera, creio eu
respondeu seriamente Rogerio.
Malvina desatou s gargalhadas.
Ento diga-me : como se passa o
tempo n'este horrivel paiz cm que estamos?
Ha n'estes arrabaldes alguma assemblea
onde se possa a gente aventurar a dansar
uma vez eu outra ? Dansa, primo '? Pf-
do ; ia-me esquecendo que estava a fallar
com um indgena das margena do Oreno-
que !
N'este momento chegava-se ao patacio.
pepois do almoco, em quanto Rogerio
conversava com sua ta, que pareca escu-
ta-lo com prazer, o conde, puxando a so-
brinha pelo braco para o vo de uma ja-
nella, dzia-lhe: L r lls
Ento, minha joven c bella castella,
que me diz de meu filho ?
Digo que um Mohicano, mas que o
havemos de civilisar !respondeu Malvina,
gracejando.
Em poucos mezes este joven Moni-
cano ser nada menos do que conde de
Sougres, porque eu estou disposto a dar-
Ihe o meu titulo antes de partir. J repa-
rou nos nossos brazoes de armas ? Tres
aves mutiladas em campo azul. Temos an-
tepassados que repousam na Palestina, on-
de fizeram cruzadas. Um i'elles foi abra-
cado por Felippe Augusto depois da bata-
Iha de Bovines. Carlos VII, quando anda
era apenas rei de Bourgens, veio visitar
este castello : dormio exactamente no quar-
to cm que a menina dorme... V este bri-
Ihante ? Foi um presente que a ramha
Mara Antonietta deu a sua av materna.
Temos na nossa familia sangue tSo genuino
como o da-familia real. Sua mai commet-
teu um grande erro fazendo om casamento
desigual, ura erro kreparavel! A plebe
diz bem que a nobleza se nao fuer mis-
turar com ella. Acia da nobrca-s Deus!-
Uma corai de condessa ficaria muito bem
uo canto d'este iiiudo lenco accresreniou
elle com ar dislrahiao, amarrotendo com! a
ponta dos dedof. a fina jambiaia. orlai. de
rendas que Mabuja tinha namo.
om que ento, meu o^ o re Carlos
VII estove no. quarto onde eu domi esta
noute ?
Seto" duvida. Trazie, no seu squito
Xailraitcs o Dunois. Pos ainda mostrar-
llie a exti-emidade de u cortinado- que elle
rasgan cam as esporas.
Como assim ? *
E' tal qual.
E esse bri toante foi de Mara Anto-
nietta ?
Eu jurei que nao sahiria do meu po-
der em quanto vivodisse o conde, tirando
da gaveta um alfinete de podras, (j"e pre-
gou na mantnha que Malvina trazia ao pes-
coco.
N'este momento sentio-se desbsar sobre
a areia do atrio e parar junto da eseada um
caleche inteiramente novo, com 'luzentes
rodas, braz5es as portinholas, flexivel de
molas como um junco, ligeiro e elegante
como um psssaro.
Estava-se nos priraeiros das do outom-
no, ordinariamente esplendido as monta-
nhas do Creusa. O azul do co j nao
tinha o maior brilho ; os ratos do sol con-
servavam apenas a morna temperatura que
succede s ardencias do esto, como aos
amores ardentes da mocidade succede a
amisade serena e tranquilla. O malmequer
comecava a florir ; a brisa, tozando a cu-
pula das arvores, comecava a ouvir-se
mais'sonora.
A Sra. Barnajon e sua filha entraram na
carruagem, onde o conde e seu filho toma-
ram lugar face a face, e logo partiram ao
galop de dous bellos cavallos, afn de visi-
taroq os arrabaldes.
NIo obstante o que Malvina dissera, o
paizjera bello. E' verdade que o que mais
se deparava vista eram encostas cobertas
de urzes e declate-iras, bosque .immensos,
rochas escarpadas, e ao longe o rio, como
uma facha de orate a de Usar no fundo do
valle. Para llaMn'" o nico defeito (pie
tinha tudo isto era nao ser, em voz de real,
pintado u'uma vista de theatro.
za exige que ellas sejo obtidas ex i'ebito
jiitke, c Di ex uVifitofavoris
VI
Para terminar exame fo proceMO cr-1
minals-me rusta fallar da averigoaajb fei-
ta em audiencia.
A lei franceza. para algisis public'*tas, nao
comp-idicndeu a natureza humana e a nata-
tos de enancas, e-o dos denunciantes assa-
lariaclR. Admftteros a Inglaterra. A nossa
lei ni> ronhere- as testemanbas b rainha,
que a. lei ingleza< recebe, ejoando ellas vm,
e proem-a, quando se no-apreseatam: es*
traiHte institu;*, que permilte a acensa-
Conversoutse. Que se ha de tezerdenU-o
de um caleche, onde vo quatyo pessoas,
seno conversar ? O conde Cdlava co a
inna, Malvina com oprimo. Para quem
estava apaixonado, Rogerio nai se mostrou
muito fastidioso. Visa Catlilina na. ves-
pera e tinha tenco de a ir ver no dia i in-
mediato. Por outaa,: acabava de ouvir
dizer que a estada de sua ta etn Bigny nao
se proiougaria alm do o,utorano. Saba
que por esse mesmo tempo seu pai-parti-
ra para a Allemanha. e ento ficava senhor
de terreno todo. Por ultimo, a affecao
que Ihe testcmunbra o conde, a esperan-
ca de sahir victoriosa da empresa encelada,
a satisfaco de haver collocado a bandeira
na brecha, tudo concoma para o tornar
menos aborrecido e inspido do que era
de esperar. Acabou mesmo yor se pres-
tar de bom grado, sem. todavia, acliar n'is-
so prazer, aos galanteios de sup prima, que
a fallando de tudo a torto c al direito com
a imperturbavel presenea de espirito que
j Ihe conhocemos.
Na regresso do castello, depois de um
jantar sumptuosamente servido, passaram
para o salo, Iluminado como para uma
grande recepeo. As noutes j estavam
fresas. O fogo brilhava com um bom to-
me. Malvina assentou-se ao piano, emque
tocava trivialmente. Primeiro executou
algumas melodas de Schuberl, depois can-
tou sem pestanejar algumas arias do Ro-
berto do Dabo, da Juda e da Favorita,
ntremeadas do cancoes e barcorollas. Can-
tava com pouco gosto, mas tinha uma d'es-
sas vozes vibrantes que passam geralmente
por boas. O conde, que estava pasmado
ouvindo-a, estorca-sc de admralo na sua
cadeira de bracos, declarando que sua so-
brnha tocava como um Litz, p que a Ca-
talani. a Posta ou Malibran passanara por
discipulas ao p d'ella. Rogerio mesmo
nao pode deixar de confessar que sua pri-
ma tinha muito mrito.
Este dia, que no comeco lheLpareceu de-
vera ser horrivel e difficil de passar, para
logo o teve como menos desagradavel. Por
volta das dez horas temou-se & cha alegre-
mente ; depois o conde, despedindo-se dos
hospedes e estes d'elle, foi cada um para
os seus aposentos. Todos q jateo
embalados por diversos sonhos: o
irmo da posse dos bens de Bign, Rogerio
contando desposar Catbarina, Malvina peo-
san* na estada de Carlos VII no seu quai-"-
to o em que dentro de dous mezes seu
primo seria conde de Sougftree. Rogerio
vio a, pemiena fada, que se Me sorria e
Vnlvna contemploui as tres aves de ouro
dor publico eseollier, entee os criminosos,
o laais forte esteio da aecusaco, e assegu-
ra-lhc a impunidade n reco^tensa te*
seu testerntinho.
Ao oiwir isto, Rogerio fee-se venneUio.
dejtois paludo e por ultimo tornou-se tre-
niutov
tform. mewpai...
Estou que to nao recusars, a ftizei-
me este obsequio. Lembra-te, meu joven
amigo, de que t'n tia da familia tesSo -
que, destocando-so de um fondo azul vol- gro e que nos. sempre ionios muito- serios
-^ ^____- __L____J -^- n >an l- ^ l\1I .< t ililb 1 II ._ *_ .1 .. 1 A.f I rtlll II 11 IV I I i Til 'klC
foram
conde
fllho
vio-se triumphante de sua irmi e seu lillio
a Sra. Barnajon insistindo em propnv o
teavamem roda de seus Isombros. viudo a
linal toear-lhe com. o bico nos labios.
No da seguirae era um domingo. Havia
tres mezes que Rogerio nao deixava de
passar o domingo no prosbyterio. N'a-
quebe da segaramente fci o esperava Ca-
tharina e a boa Martha economisra em
toda a semana para toe poder ofiferecer al-
guna acepipe preparado de vespera. Fa-
ziam-se-lhe aJIi peqiionos festins: s n'esses
dias que havia vinho na mesa de Fran-
cisco Paty. Rogerio chegava hora da
inissa o nao voitava a Bigny seno a noute
depois de haver juntado no presbytorio. Por
cousa nenhuma d'este mundo faltara elle a
um d'ossos agradaveis coaftproinssos. Sof-
freria muito com isso o seu amor e co-
nhecia que a ternura de Catharina se re-
sentira igualmente da sua falta.
Ergueu-se, pois, de madrugada, decla-
rando a si mesmo que n'esse dia nao havia
para elle pai, tia, nem prima, e que, ainda
quando em Bigny ostivessem vinto tas
como a Sra. Barnajon e outras tantas pri-
mas como a menina Malvina, nao seria o
bastante para que elle deheasse de ir a S,
Silvano. Despresaria a presenca do pro-
prio re para correr ao posto onde o cha-
mava o coraco.
Quando sahia surrateiramente do castello
para ir apparelhar o seu. cavallo, qual foi o
seu espanto ao ver o catoche atrellado e
prompto defronte da eseada, c seu pai pas-
seando no pateo comRobineaul O conde
dirigio-se a elle ioimediatamente, abracan-
do-o com novas eflsocs de ternura.
Ro^erio?-r-disse-lho elle esqueceu-
me previnr-te de que as senhoras esto
habituadas a ouvir missa todos os domin-
gos e que contam comtigo para as acn pli-
ndares a S. Silvano. Os meus invariaveis
principios em materia de relgio nao me
permittem offereecr-me para seu compa-
nheiro e julgo que nao recusars substituir-
me n'este occasio, tanto mais que sei que
to tens feito muito devoto c assiduo em
servir a Deus,
em materia de attences. Lembr<>te mais
fe que, ainda quando nao fosse nha ir-
maa, terias a comprar um dever to hospi-
taldade.
Porna meu pai, eu tinlia disposto
d'este dia, e, a falhr-lhe a verdade odia de
hoje nao rae pertence.
Ento nao terias coragem de me sa-
crificar uma phantasia da tua mocidade, que
manhaa toras a faculdade de satisfazer t
J vs que eu nao mando ; peco apenas:.
Sim, meu pai,disse Bogero, fazea-
do um esforco supremo eu estou viva-
mente impressionado pelas demonstraefles
de ternura que me tem dado desde a sua
chegada aqui, a ponto do nao lh'o poder
exprimir. Parece-me que desde hontem
raiou para mim uma nova vida! Permita-
me... conceda-me, porm...
N'este ponto Rogerio foi intorrompido
pela rpida apprigo da Sra. Barnajon e sua
filha, uma e outra hullosamente vestidas,
principalmente Malvina, como se fossem
para o theatro italiano.
Como de presumir, o que havia alli de
menos era a devco. Quanto a Sra. Bar-
najon, nio deixava de experimentar alguma
satisfaco com a idea do visitar a pequea
igreja, onde se lembrava de ter-se ajoelha-
do quando creanca, porni Malvina saltava
de alegra pensando que ia ouvir missa
n'uma igreja do aidoia, assentando-se, pe-
rante o publico, como castella no banco
senhorial.
Foi em vio que Rogerio tentou doscul-
par-se. A Sra. Barnajon agarrou-lhe em
um braco e Malvina deu-lne o mitro. Quasi
que o arrastaram para dentro da carrua-
gem ; o conde fechou a portinholae os ca-
vallos partiram a galope.
(Continua r-se-ha.)
TP. PO MABI9-SM I>A8 0RH2E8 H
<
i nafta i
i
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVNC5ASQ8_A6XCHA INGEST_TIME 2013-09-14T03:13:53Z PACKAGE AA00011611_11758
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES