Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11753


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*-,'
ANNO XLV. NUMERO 21.
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE.
Por tres mezes adiantarlos.................. fi000
Vop seis (liles iilfin................... l^OOO
Por um anuo dem.................... 24)5000
<]ada numero avulso................... 320
DIARIO DE
QUINTA FEIRA 28 DE JANEBO DE 1869.
PARA DENTRO E TORA DA PROVINCIA.

Pon Iras mezes adiantados.
Por seis dte s Hit. .
Vor nove ditos dem .
Por um auno. .- .
60750
135500
20*250
275000
Propriedade de Manoel Figneir de Faria & Filhs.
SAO A;i:vri:*:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves d* Filhos. no Para ; Goncalves
Guiniara.'s Palenla, em Mamangu.ipe
em
BS Pinto, no MaranbSo; Joaquim Jos de Oliveira, no Cpar; Antonio de Lemfs Hrajra, no Ararat}*: Joao Miria Julio Chaves, no As': Antonio Marques da Silva, no Natal;
; Antonio Alexandrino de Lima, na Paraliyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da 1-Vrilia* Beiarmino dos Santos Oulcao, em Santo Arrtao; Domingos Jos da Costa JJraga,
>azaietli: Franeino Tavares da Costa, em Alagas; Dr. Jos Afartins Alves, na Babia: e Jos Ribeiro Gaspaiinlio, no Rio de Janeiro.
Antonio Joaquim
V


I.
.PARTE OFTICIAL.
f.'ovemo la'provincia.
IKNTK ASSH15AD0 l't-O BXJI. KR. OftKM'OK B\E-
1 RKM, I'KSIDKNTK l'.CoHOVIMMV EU 2 I>KJANKIHil
DE 1S6<.
1.* seccao.
N. 6i0.Portara au general commaiidante das
armas.Expera V. Exr. as Nas ordens, |iara que foiwando-sc com a proposta do I ir. chele de pali-
an eommandante superior da noria nacional les-, ca n. 57 de io do crrente, resolve iioiiiear para
le inuniriiiio, soja prestada etfeetivamente una \<* Inpai-es vagos de snpplon'os do subdelegado do
di inslrurro.
N. 656Dita.--0 presidente da jiroviiiria con-
h-raiando-se rom a propost*! do Dr. eliete de poli
cia n. .'i7 de !*> do enrrentf. resolve exonerar por
conveniencia dn servico, d Indares de ;i", 4",.'"
l>' siipplonios do subdelegadii da 2" dislriclo da
freguezia de Tracunliaem do Icnuo de Nazareth
os cldaoSos Jos Martiniai o de Soma, Antonia
Vicente da Costa. Prnano d i Silva Pereira e Hen-
rique Fenvira da Cunta.
N. li.'i". -Dita.t presidente da provincia *0-
praca montadi do-deposite especial
2.a scrco.
>'. 641.Portara ao Dr. chefe de polica.Jnl-
lo conveniente ao servico que continu no car-
go de primelro supplcntc do subdelegado de poli-
eia d> priineiro distrieto da l'reguozia de Itamb, o
cidadan Jos:'' Henriqne de Memwaca, resolv nao
eonced'M'-lhe a.exonerado, que solieitmi. do dito
caego : 0 que roiiiiiiiuiie a V. $.. em resposta ao
SC I cilicio ii. 88 dr 18 do corren!,\
N. 642.Dita ai conmiandaiite superior de Olin-
da.Haja Y. S. de prestar tora urgencia as inl'or-
macSes que llie foram pedidas cni portara de i"
denovembro ultimo, quanto ao armamento, muni-
'iv e OUlros objiftos Ioncenlos ao 9.* balalhao de
in'Hitara sob seu eojuiuaado superior.
O mesuio mnta'is mit'amls aos eonunandantes
superiores de Oaranhutis, Taearatii, Santo Anlao.
Hrejo. Pao il'Allio o Palmares.
N. 643,Dita ao rommandante superior de Ga-
i ni'.iuns.Km resposta no ollieio de V. S. del?
do mez liiidj, sibil. 200, tenlio a dizor-lhe. que
de exigir do otfieial de quem se qaeixa o com-
i un inte interino do balalhao n. 30, sobosse elim-
inando superior resposta por escripia as aceusa-
.ii is que lhe sao fintas, afiin de qi;e esta presiden-
cia possa ton ar A- provideneias que o caso recla-
mar.
Y tii4.Dita ao juiz de direi'o de Goianna.
Informe V. S. cun urgencia quando principiou a
eumprir a respectiva santenca o reo Procopio Lins
em oflieio do ti de nezeinbro Ando, o licni assini
consta ler etto soflrldo outras ponas alm desta, e
qi ii ii sea eooipurimiieiito n irisan.
\. 643.Oiia a i juiz municipal do terniode l'.a-
ru.ir.Tomaudo em consideracao o que. repri-
:i-niel.uiz Antonio Oirdeirn, a queiti |Kir \mr-
taiiade do eorrenle, nonteeipara servir iuteri-
ii luiente o cargo de escrivao de orpliaos d'esse
tei'Ui". ltante o impedimento d/> respectivo ser-
ventuario Gregorio Francisco de Torres e Vascon-
c-los. que Vine, declaiou-me achar-se graveinen-
le enfermo dos ollios. coinmiinico-llie para sna in-
leUigBMia eixecucao ipie marquei lo ditoCordei-
ro, o |u .izo de ilous metes para solicitar o eoinpeten-
te titulo da secretaria d'esta presidencia, devendo
Vme. defcrir-llic juramento e dar |K)sse. indepen-
dente da aiwosentaoio do titulo, depois de pagos os
direitose sello correanondontog a ditanoineacao.
Y ti'iC.lieliberacao.O presidente da provin-
cia de conformidade eom a proposta do Dr. chele
de polica, em oflieio n. 57 de lo do crrante, re-
- iivc nxonerar or conveniencia do servido, dos lu-
gares de segundo, t-nveiro e quarto siipplentes do
gado do leriim de Nazareth ;u> major Francisco
de Paula Brrelo Gontinho, tenente-coronel Antonio
\ ano Lopes Coutinbo, tenente-coioiiel Manoel
i ineiro Cavalcanti de Lcenla.
N. 047.Dita.O presidente da provincia con-
l'oniiando-se com a proposta do Dr. chele de poli-
ca, em ollieio n. .*i7 de lo do corrente, resolve no-
maar para os lugares vagos de segualo a (plinto
supplentes do delegado de polica do termo de Na-
zaretb os cidadaos seguinles : ." oapitao Cbristi-
vao de Hollanda (Cavalcanti de Atfuquerque, :t.
capitn Feliciaiixi Jos de Mello, 4." capitn Puni
Augusto Cavalcanti de Albuquerqtie. .'i." capitao
Thom Correa de Aranjo.
N. Mlt.Dita.0 presidente da provincia con-
tormando-sc eom a proposta do Dr. chefe de poli-
ca n. 87 de !."> do corrente, resolve exonerar, por
conveniencia do serrico, dos lugares de tereeiro,
quarto, quinto e sexto supplentes do subdelegado
do prinieiin distrieto da freguc/.a de Tracunliaem.
termo de Nata/eth, os ddadaos : Jos Antonio
i Joaquini Das l'.ibeiro Barbosa, l.uiz Fran-
eisco Xavier Galvao c Jos Pereira de Oliveira
Mello.
N. (ii9.Dita.O presidente da provincia con-
rormando-se eom a proposta do Dr. chefe depoli-
cia n. 57 de l.'i do corrente. resolve nomear para os
l-urares vagos de supplentes do subdelegado do
priineiro distrieto da freguezia de Tracunliaem, ter-
mo de Nazareth. os eidad.ios segnntes: 3." capi-
tao Jos Pedro de Oliveira Mello, 4." capitao joa-
quim Hiendes da Cuaba Azevedo, 5. alteres Anto-
nio Marcelino liandeira de Mello, 6." alteres Manoel
.i ao Cavalcanti.
. 650.~-Dita O presidente da provincia con-
forma ni i-secoin a proposta do Dr. chefe de poli-
ca de lo do corrente, sob n. 57, resolve exonerar
dos lugares de tereeiro, quarto, quinto e sexto sup-
penles do subdelegado do segundo distrieto. La-
iras, da freguezia de Nazareth: Jos Fran-
c i Belffl Jnior, Antonio Barroso de Moraes.
Manoel de Oliveira e Silva. Francisco Seahra de
Andrade.
R. 651.Dita.O presidente da provincia con-
fnrmando-se rom a proposta doDr. chefe de poli-
ca, em offlcio n. 57 de lo do corrente, resolve no-
mear para os tugaras de supplentes do snbdelega-
d > do segundo distrietto, Larangeiras, da fregue/ia
d; Nazareth, os cidados seguinles: 3." capitao Joa-
quim Zeferino da Silva Cabral, 4. tenente Thnmaz
da M tta Cavalcanti de Albuquerque, 5." alferes
Manoel Pedro de Oliveira Mello, 6. tenente Manoel
Francisco da Molla Albuquerque.
N. 651Dita. O presidente da provincia con-
formando-se rom a propnsta do Dr. chefe depolicie,
em ollieio n. 57 de to do corrente. resolve exonerar,
por conveniencia do servico dos cargos de priineiro,
segundo, tereeiro. quarlo, quinto e sexto supplen-
i do delegado do priineiro distrieto da freguezia
de Nazareth a Adeliano da Costa Villar, Francisco
de Araujo Cesar, Antonio Aurcliano Lupes (>>uti-
r.ho Jnior, Ignacio Bbero de Parias, Joao de
Araujo Cesar, Bernardino Jos de Serp;1.
N. 653.Bita.0 presidente da provincia con-
formando-se eom a proposta do Dr. chefe de poli-
ca, em ofhrio n. 57 de 15 do corrente, resolve no-
mear para os Ligares de supplentes do subdelegado
do priineiro distrieto da freguezia de Nazareth, os
cidailaos seguintes : segundo lpenle Manoel Jos
Pinto de Sonta Noves, alferes Eduardo Bessone de
Aluieida, lenlo Vicente de Hollanda Cavalcanti,
alteres Jos Pinto de Souza Nevos, alferes Antonio
Tavares de Araujo Jnior, alferes Antonio Tavares
do Araujo Snior.
N. 65).Dta.-41 presidente da provincia con-
formando-se com proposta do Dr. chefe de, poli-
ca de 15 do crtente, sob n. 67, resolve exonerar
por conveniencia do servico dos lugares de tereei-
i(liarlo, quinto e sexto supplentes do subdeie-
1 i do tei-ceir^distrieto, Alagoa-Seca, da (rege-
lda (I" Nazareth : Antonio de Hollanda e Albuquer-
que. Jos Bernardo do Aimeida, Joao Velho Barre-
o K ilalio Gomes da Cunha.
N. 655.Dita.O presidente da provincia con-
lonnando-se com a proposta do Dr. chefe de poli-
ca em oflieio n. ir? de 15 do corrente. resolve no-
mear para os lugares de supplentes do subdelega-
do do 3" distrieto, Alaga-Secca da freguezia de
Nazareth. os cidados seguintes: 3o capitao Ma-
noel da Trindade Bezerra, 4o Antonio Xavier Soa-
res de Albuquerque, B" alferes Antonio di' Hol-
landa Albuquerque Maranhao, 6* Rosendo de Al-
buquerque Mello.
2" distrieto da Ireguezia de Tcaciinhaem. termo de
Nazareth os cidados seguintes : > capitao Patri-
cio Jos Ribeiro de Vasconcello* 4 alteres Manoel
Jos Lopes de Albuquerque. 5" Joao de Albuquer-
que Barros, 6" capitao Joaquim Ignacio Goncalves
da Luz.
'.I' secca i.
N. 688. -Portara ao inspector da tltesouraria de
fazenda.Itecoinineiido a V S. uc mande pagar,
depois de liquidadas om v sta das tullas e iirets
nominaos junto em duplica!!, que me remeden o
capitao cominandante inteiino do balalhao n. 34
de infamara do municipio ce Taearat com ollieio
de 5 do corrente. os vencii^'ntos relativos aos me-
zes de selembro dezembro do anuo prximo pas-
pado do olllciale pracas da ruarda nacional desta-
cadas naquella villa.
N. 659.Dila ao inspector da Ihe.-ouraiia pro-
vincial.Expeca V. S. suas ordens para que. em
vista da inclusa conla, seja mga a Lailhacar A C.,
conforme solicilou o directo- peral da uistriicrfio
publica em ollieio de 13 do concille, sob n. 6, a
quanlia de liOiOtX) proveniente de quatro exem-
pjares da obraAtlas do ln perio do Brasil- pe i
Dr. Candido Mendos de Alii.eda. os quaes fora.ni
comprados em vrtude de aii'orisaeao dota \*t
dencia. -i
N. 660.Dila ao mesuio. -Auloriso V. S. nos
termos de sua nforniacao d hontein. sob n. 35. a
mandar pagar a fisno'Manoel Ramos, que assini
o solicita no incluso requeiiinento. a quanlia de
Illanco que segundo o pare -er da couladoria des-
sa tliesouraria ficou-se a dever ao rnio do
supplieante o fallecido Piancisco Jos Ramos,
proveniente dos alugueis das casas, que serviam
de qtiarlel a guarda da ribiia da freguezia de S.
jo- nesta cidade, durante o trimestre" de julho
selembro do auno prximo lassado. una vez que
elle prove estar esse trimestre coniprcaendid no
atle-tadn qne passon o inspi elor de quarleirao, e
vai transcripto na carta oreca loria, armexa ao men-
cionado requerimento.
N. 661.-Dita ao mesmo. Iuteirado de quanto
expoz em sua informacao de 28 de novembro nlii-
mo e 16 do corrente, sol ns. 737 e 29. reeommen-
doa V. S. ipie, em vista do prel ioiuinal que in-
cluso devolvo, mande pagar a quanta de 48*460
proveniente de faldamento vencido pelas pracas do
corno provisorio de polica, constantes do mencio-
nado prel, e que deram baixa do servico, visto ja
estar essa despeza liquidada por aquello eorpoj c
achar-se o pret assgnado pe o respectivo eomman-
dante.
N. tilia.Dita ao mesmo.Pode V. S. de confor-
miilade cou a sua informadlo de Imulem-sob n.
36, acerca do requeriuH'n'o pie inciu-n .li-vulvii^,
considsrar abonadas as falt: s que nos das 1 1
de novembro ultimo, den a professora de instruc,-
cao elementar d povoacao d i Bba-viagcm Fernn-
dina Palatina de mus, a fin de que possa ella re-
ceber o seu ordenado correspondente esses
fias.
N. 663.Dila ao mesmo. Haja V. S. de en-
viar-me eom urgenea, una relaciio explcita das
quanlia- que no crvente exercicio lem sido paga
pela verba depublicacoes, mpressoes do art. 40
da leijilo recmenlo vigente- nieiirTonaiido que sal-
do existe da mesma verba, que despezas de im-
pressde^ foram j liquidadas e paga-. oi eslao por
pagar e declarando a razio aorque o excesso des-
sas despetas levado a verbaeventuaese nao
a do referido art 40.
N. 66. Deliberacao.O presidente da provin-
cia, tendo ouvido as roparticoes competentes,.
usando da altribu;au que (be conl'cro o S 1" do
art. 10 do regulamenlo <|ue baixou com o decreto
n. 2,551 de 17 de mato de H60, resolve nomear o
servente da reoebedoria de rendas internas nesta
capital Antonio laiiz de Ca valho Modeiros para o
lugar vago de correio da mesma recebedoria.
N 665.Dila.t) presidente da provincia, tendo
em vista o resultado do coi curso que se proce-
den no da 28 de dezembro do auno prximo pas-
sado para preencbiinenlo di lugar vago c esrre-
vente da repartcao das obr s publicas, resolve no-
mear para esse lugar a Oct. vio Anonsode Mello.
N. 666.Dita.O presideole da provincia resol-
ve exonerar, por convenien -ia do servico o coro-
nel Kpaminondas Veira da l'.unlia. do lugar de fis-
cal da COJJectoria das rendas publicas da villa de
Iguarasst.
N. 667.Dila.O presidente da provincia resol-
ve. de conformidade com o art. 8 do regulamenlo
de 15 de setembro de 1861, nomear o juiz munici-
pal e ile orphaos do termo de [guarass bacharel
Jnao Carlos Augusto Cvale inte Vellez, para oceu-
par o lugar de fiscal da coll setoria das rendas pro-
vnciaes do mesmo tenso, percebeodo a poreeuta-
gein marrada no art. 11 do citado regulamenlo.
N. 668.Dita.0 presidente da provincia, tendo
em vista o que requeren o arrematante ra pontesi-
nlia dos Remedios, Rento J laquni Gomes, resolve
conreder-lhe de eonlormida Je com a informacao
prestada a este rcspeilo pelo chefe da repartirao
das obn.s publicas em oflieio de 15 do correiite
sob n. 18. mais quarenta diis de prorogaCM para
a conclusao das obras do *eu contrato, a contar
da dala em que se lindoii a mente para o mesmo fim. Esta ser apresentada
nasestaees competentes para ler a devida exe-
cucao.
4.* seci;ao.
N. 671Dito ao direettr gcral da inslriiccao
publica.Em vista de sua informacao de 13 do
curente sob n. 7, com referencia a do regedor do
Gymnasio l-ovincial, aulor so Vine, a mandar ins-
crever no respectivo quadro para ser admiltido
naquelle estabelecimento quando Imuver vaga
como alumno pendonista cratuiln o menor de no-
me Vicente lilho de Carolina de Lima Brito e An-
tonio Jos de Brito.
X. 672.Dito a caniara municipal da villa de
Itamb.Declaro acamara municipal da villa de
tamb em resposta ao seu oflieio de 11 do corren-
te. ipie aesla data reeommendo a caniara munici-
pal da cidade de Goyanna que providencio sobre a
entrega quanlo antes da parte das rendas dessa
cmara desde a sua insta] laco at que passon a
fazer a arremataco por si mesma.
N 673.Dito a cmara municipal de Villa-Bel-
la.Pelo offlcio que me dir gio a cmara municipal
de Villa-Bella em 12 de cezembro prximo Ando,
fiquei inlei ado e approvo a deliberacao que em
vista de antorisacao desta presidencia tomn a
mesma cmara de convencional* cornos arrema-
tantes dos impostos de seu municipio de serem
ellos arrecadados do 1* do co^jt-nlc ao ultimo de
setembro deste anno con -edendo-se-lhes o abate
da 4* parte do valor da arrematadlo que ltima-
mente fra feita por um anno a principiar do 1"
de-te mez at o ultimo de dezembro, afimdese
poder r'gularisar o anno linanceiro do 1 de outu-
bro viu Jouro ao ultimo de selembro de 1870.
N. 674.Dito a camar municipal da cidade de
Natare.h.Pelo offlcio m e me dirigi a cmara
municipal da cidade de N zareth em 7 do corrente
fiquc inteirado de haver ella prestado juramento e
tomade posse do seu cargo, e espero que a mesma
camaia empregiie todo o seu ztlo em promover os
irielhorainentos do seu municipio.
Ni 675.Dito a cmara municipal da villa do
Braja.Pelo ollieio que me dirigi a nova caniara
municipal da villa do Broto em 8 do corrente tico
inteirado de ter sido imposs.-da no ilia 7jMlO
pro-presidente da cmara trans icta o ea-iito Joao
James Marlins Chaves e seu secretario.
N. 676. Dito a cmara mun cipa I da cidade de
GoyannaJie conformidade com o que um* solici-
lou em oflieio de 11 do corrente junto por copia a
cmara municipal da villa de Itamb. reeontoendo
a caniara municipal da cidade de Goyanna que
providencie sobre a entrega quanto da parle das
N. 695.DVao director gecal d.1 instruccaij e Silva. Nao liavia maioria absoluta. No segundo
publica.S. flk. o Sr. presidente da provincia, escrutinio os amigo- dos ministros esmorceeram,
tendo por deli
informacao da
cao desta data c em vista de sua
* corrente, sob n. 10. resolvdo
nnos do art. 23 da le n. 598 i
164 a reinoeao que pedio o pro-
fessor publico da cadeira de iustruei-ao primario,
da villa de (MBphmis, Joao Fernandos Vianna,
para Nossa Saftbov; t O" de Ipojuca ; ssiui i
manda* coiiinumicar a V. S. para son eonbeci-
mento.
N. 696.Dito ao mesmo. Nesta data au'.orisouj-
sea tbesoiiraria pnivincial a pagar a Laflhacar &
C. a quanta de I2t>a. constante do ollieio de V. Si
rendas que competen a referid; eamra de Itamb, | datad de 13 do cocrente e sob n. 6. o qual lic;i
assim respondido de ordem do Kxm. Sr. presidente
da provincia.
N. 607.Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. pivsi-
denbs da provincia, tendo por deliberadlo desta
data e em vista do seu ollieio de 13 do "correte
sob n. 8. re-olvido nomear a Rufino Rpipbauio Ru-i
drignes dos Santos para reger internamenle e me-
diante agralitieacao aiuiual de 6IK).-3. a cadeira V
TiistruccaM primaria da freguezia de Aguas Bellas
assim o mauda eominiwiicar V. S para -en co-
! nheeimenlo.
j ^ N. 698.Dito i eamaral municipal de Flores.
S. Exc. o Sr. presdeme da provincia manda de
clarar caniara municipal da villa de Flores, que
vai ser levado per copia presenca do goverut
imperial o sen oflieio sem dala, en que essa ca
mar piite a roncessao di edificio da povoacao di
Baixa-Verde nesse municipio, que, como convento.
pe lenee ao hospicio de Nossa Senboi a da Penha
desta capital, para servir de ea-a de earidade na
mesma povoacao.
desde a sua installacao at que passou a fazer a
arremataco por si mesma.
N. 677.Dito a Antonio Rodrigues Revoredo.
Pelo seu offlcio de 2 do corrente, fiquei inteirado
de baver Vine, lia qual dade de 4" juiz de pa da
freguezia do Limoeiro no quadriennio lindo, Ton-
voeado neta dala 08 eleilores, supplentes e votan-
tes para a eleican de elcitorcs geraes e especiaes,
mareando o daS de fevorero v ndouro para as
referidas s"leieoes. visto nao o teieni folio em devi-
do lempo o Io, *, 3o juizes de paz afim de que se
elfectuassem no dia 31 deste mez, conforme as
ordens desta presidencia.
N. 678.Doclaracao.O presidente da provincia
em vista do oflieio d'o director geni da inslriiccao
publica de 13 do corrente sob n. 8. resolve nomear
a Rutina Epiplianio Rodrigues d* Santos para re-
ger interinamente e mediante a gratficae.ao animal
de 600 a cadeira de instriiecao primaria da fre-
guezia de Aguas-Bellas.
N. 679.Dita.O presidente da provincia alien-
deudo ao que requeren o prof<;ssor publico da
cadeira de instrucdio primaria da villa de Gara-
nhuns. Joao Fernandos Vianna, o tendo em vista
a informacao do director geral da instriiecao pu-
blica de" 18 do corrente sob n. 10. resolveu nos
termos do art. 23 da lei n. 598 de 13 de maio de
1864, conceder ao mesmo professor a remodi qne
l>edio d.-ujuella para a de Nossa Senhora d 0' de
Ipojuca.
EXPEDIEKTE ASSIONADO PELO SR. DR. JOAQUIM CORREA
DE ARAUJO. SECRETARIO DO GOVERXO, EM II DE IA-
iNEIHO DE 869.
2" seccao.
N. 680 Oflieio ao Dr. cliefcdepoleia.De or-
deiii do Kxm. Sr. presidente da provincia, trans-
miti a V. S. os ttulos junios de nomeacao de sup-
plenle de delegado e subdelegados de Naxarelh e
Tracunliaem. de eonforiiiidade i*om a proposla de : porto.
V. S. em ollieio n. 57 de 13 do corrente. Joaquim Celerino de Oliveira Cmara. -Dirija-si
N. 681.Dito ao COmmandantO superior uieruo ao major director do arsenal de guerra.
do Recit.O Kxm. Sr. presidente da provincia Jo> Alexandre Ribeiro.--Volie aoSr. desombar
nianda declanir a V. S... que nesta data se expedio ; gadorproved da Sania Casa de Misericordia, com
ordem ao general eommandante. das armas para* i ro(njcriineiilo priniillivo.
mandar prestar efloetvainenle a V. S. una pracfl Joao Vrente Torres BandeiraEntregue-BB os
montada do deposito especial de instru*dio de que documentos,
trata o seu ofllciode 18 do correle. Jos Euzehio Alvos da Silva.-lnfonne o Sr. ius-
N. 682. Dito ao commandante superior da Boa peetor da tbosouraria de bzenda.
Vista.De ordem do Exm. Sr. presidenle da pro- : liaeliarol l.niz Antonio PiresComo requer.
vincia transmiti a V. S. a informacao junta por ; liaeliarol Manoel Antonio da Fonseca e Mello.--]
copia da contadoria da Ihesonraria de fazenda. de | CeriiqiM'.
12 do corrente, relativamente as despezas feitas Miguel Cuntido de Mediaros PBo.A" vista d;
com os destaca menlos da villa de Boa-Vista, a qufi d'onucA*J e lio contrato i coiu o euiprci
iliiiilnniiaiinrin N. OtW. --1IIIO aO JI117 llr ilirclTTm Tito -i i.t..-.. ;.t.......m,. n'nyT.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia Gcdro Soares wuuvr-ir.1.U'iir. cpir-no^nici;
transmiti a V. S. copia do aviso circular da justi- j providencien no sentido da leclainacao.
ca de 23 de mareo de 1858, e dos mappas a que | 26
elle se refere, lica'ndo assim satisfeito o seu pedido Barao do Livramento.Informe thesonrarii
provincial, ouvndo o voto fiscal.
porque sendo 100 os rotantes, e 8 as lisias brancas.
oJiteve o Sr. Mendos I^eal 50 votos ; o Sr. Costa
Simos 42 e o Sr. Bosla e Silva 41.
Este rev! anda mais desanimou o ministerio,
imrquc no tereeiro escrutinio sobre 80 votantes, e
apezar de H listas branca'*, obtiveram 47 votos o
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DOS DAS 23 K 23 DT:
JANEIRO DJ 1869.
Tenente Clemente Prancilio Tavares,Passc nao
liavendo incoiivoiiiento.
Domingos Marlins Nogueira.Informe o Sr. Dr.
juiz municipal da 1J vara desta cidade.
Bacharel Francolino Re nardo Ouinlero.Osup
piteante nao pode ser attedido.
Alteres Geminiaiio Caelann Feriiandes da Silva.
Drija-se o supplieante ao Sr. d&^utbargador pro-
vedor da Santa Casado Misericordia, om sessao da
re.-iieciiva junta administrativa.
Coronel Jos Mara Idelfonso lcome da Veiga
l'e-soa o Mello.Informe o Sr. inspector da Ibe-ou-
raria de ftsul i
Joo Alfon-o Torres. Infoinie o Sr. capitao do
em ollieio de 1" do corrente.
N. 684.Dito ao juiz de direito de Cabrob.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda acensar
o recebimenlo do oflieio de V. S. de 19 do mez lin-
do, em que commumea ter no dia anterior reassu-
midoo exercicio do seu cargo o promotor publico
dessa comarca Tibureio Bayinundo da Silva Tava-
res.
N. 685.Dilo ao commandantc do eorpo provi-
sorio de polica.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarara V. S. para os lins conve-
nientes, que a thesouraria provincial lem ordem
para |iagar a importancia do pret queveio annexo
ao seu ollieio de 9 de setembro ultimo sob n. 667.
o qual Dea assim respondido.
N. 680.Dito ao capitao commandantc /interino
do balalhao n. 34 de infamara do municipio de
Taearat.0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. em resposta a seu ollieio
de 5 de Janeiro corrente, que nesta data autorisou-
se a thesouraria de fazenda a pagar os veneinien-
tos constantes do.citado offlcio.
3J seccao.
N. 687,=Offlcio ao inspe'ctor da thesouraria de
fazenda.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. para sen conliecimento e a
fim de que o faca constar a quem competir, que
por deliberacao de hoje foi nomeado o servente da
recebedoria de rendas internas Antonio l.uiz de
Carvalbo Medeiros, para o lugar vago de correio
da mesma recebedoria.
N. 688.Dito ao mesmo.0 Exc. Sr presidente
da provincia manda declarar a V. S. para os fins
convenientes me, segundo communica o juiz de di-
reito interino de Cabrob cm oflieio de 19 do mez
lindo, no dia anterior reassumio o exercicio do seu
cargo o promotor publico daquella comarca Tibur-
eio Valeriano da Silva Tavares.
N. 689.Dito ao inspector da thesouraria pro-
vincial.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. para seu conhcciinento c
lins convenientes, qne por deliljeracao desta data
foi exonerado, por conveniencia d servico, o co-
ronel Kpaminondas Vieira da Cunha do lugar de
fiscal da collectoria da villa de Iguarass, e Bornea*
do para o substituir ojuil municipal daquelle termo
baehafcl Joao Carlos Augusto Cavalcante Velez.
N. 690.Dilo ao mesmo.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia por deliberacao desta data e em
vista da informacao do director geral da insti uc-
ean publica de 18 do corrente sob n. 16, tem resol-
vdo conceder nos termos do art. 23 da lei n. 598
de 13 de maio de 1801 a remocao que pedio o pro-
fessor publico da cadeira de instriiecao primaria da
villa de Garanhuns Joao Fernandes Vianna, para
a de Nssa Senhora do O' de Ipojuca; assim o
manda communicar a V. S. para seu conhec-
inento.
N. 691.Dito ao chefe da reparticao das obra-
publicas.0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. para seu conliecimento e
fins convenientes, que, tendo em vista o resultado
do concurso a que se procedeu para preenehimen-
to do lugar vago de escrevente dessa reparticao,
resolveu nomear para esse lugar a Octavio Alfonso
de Mello.
N. 692.Dito ao Dr. Joao Carlos Augusto Ca.-
valcante Velez.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. para seu couhec-
mento que por deliberacao de hoje, foi V. S. nomea-
do para o lugar de fiscal da collectoria de rendas
prnvinciaes da villa de Iguarass.
N. 693.Dito ao coronel Epaminondas Vieira
da Cunha.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda declarar V. S. para seu conliecimento o
direccao, que, por delilieracao de hoje o exoneren
do lugar de fiscal da collecloria de rendas provin-
ciacs da villa de Iguarass.
4" seccao.
N. 694.Oflieio directora do theatro de Santa
Isabel.S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
tendo por despacho de hoje o em vista de 9ua in-
formacao de 18 do corrente, permittido Tobas
Pieredaro concert que lhe foi concedido no sala i
do theatro de Santa Isabel no dia 30 do corrente ;
assim o manda communicar V. S. para seu co-
nliecimento c fias convenientes.
Knipreiloiros dos Irilhos urbanos.Informo o Sr;
inspector da Ihesonraria provincial.
Joao Sabino de Souza Peixe.Informe o Sr. gene-
ral commandantc das anuas.
Joaquim Gomes de Sonsa.Informe o Sr. Dr. di-
reetor geral da iusliuccao publica.
Jeronvmo Alves da Cunta Lins.Informe o Si*j
director'da inslruccao publica.
Leopoldino Antonio da Fonseca.Informe o Si}
presidente interino do tribunal da reladio.
Manoel de Barros Brrelo.--Informe a lliosoura
lia de fazenda.
Heiii*tipo 2*1 seccao.Secretaria da polica de Pe nanibuc)
27 de jaiieiro de 1869.
N. 129.Illin. e Exm. SrTenho a honra d
levar ao conliecimento de V. Exc. que, segund
consta das participadlos receidas boje nesta re
partidlo, foram liontem recolhidbs a casa de de-
tendi os seguintes individuos :
mnlia ordem Jos, oseravo de Manoel de B. rj
e Mello, viudo da Parahyba. por fgido ; Joai
Antonio Das, vindo 'do Cear, como sentenciad*
com destino ao presidio de Fernando ; Manoi
Passarinlio ou Jos Grande, Candido Jos da Silv
e Antonio Pinito de Araujo, vindos das Alaguas,
priineiro como pronunciado cm crime de niorte nb
termo do Buique, o segundo como criminoso de
niorte no termo de Caruar e o tereeiro como cr
mili'iso de niorte no municipio de Cimbres.
ordem do subdelegado do Recife, Mara, afri-
cana lvre, por desordem.
A' ordem do da Boa-vista, Antonio Francisco
Gomes, por insultos e embriaguez.
Em data de 18 do corrente communieou-me o
subdelegado da cidade da Victoria, que no dia 4
fez recolber respectiva cadeia Luz, escravo
de Sebastiao de Andrade. que ha mais de um anno
se acbava oceulto por Manoel d'Assumpcao, con-
tra quem ia instaurar o competente processo, nio
tendo capturado por se adiar elle oceulto em lu-
gar nao sabido, e que no da 15 fez recolber ca-
deia daquella cidade Targno Pereira de Souzo.
por criroe de furto de cavados, c contra o meso 0
ia instaurar o respectivo processo.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exc. Sr. conde
do Baependy, presidente da provincia. =0 chele
de polica, Francisco de Faria tonos
EXTERIOR.
Correspondencia do Otario de
Pernaiubneo.
USBOA, 5 DK JANEIRO DE 1868.
Declarou-se novamente a Brise ministerial. Desla
vez nao por falla de quem ajude o gabinete a
levar a sna cruz ; 6 em face do parlamento que
trepida. A queslao poltica qoe s* ha\h suscitado
na questao da presidencia da cmara electiva, loi
tambem aceita pelos grupos adversos, e o resultado
foi um revez monumental, cuja conseqiioncia nao
pode deixar de ser, ou a queda do gabinete, ou a
dissolucao da cmara. Qual dos dous desenlaces
lera a situacao ? E' de crer que o governo apezar
das suas declaracoes de que nao addiaria as corles,
nem dissolveria o parlamento, haja de Indar anda,
dissolvendo. E' sto o que os scus amigos na ini-
prensa c nos concilibulos lhe aconselham.
A tangente de que nao toma este revez como
revez. c de que, por nao estarem anda todos i
deputados em Lisboa, a questio nao poltica, se-
ria tao desairosa para os ministros que, (briosos co-
mo sao.) nao se deve pensar um momento qoe
dem agora esta cor derrota parlamentar que
soffreram.
Como lhes disse, o candidato ministerial a presi-
dencia era o Sr. Costa Simoes. Estando 97 depu-
tados presentes, correu-se o escrutinio. Apparcee-
ram listas brancas. Obteve 42 votos o Sr. Mt li-
des Leal; 38 o Sr. Costa Simoes, e 38 o Sr. Coila
no ha de escolhero presidente da caniara electiva.
o Sr. Mondes Leal, que redigio o manifest fush-
wsta, logo depois da (Hieda do ministerio Aguar-
Fonies. A par do Sr. Mendes Leal, apparece mais
votado o Sr. Costa e Silva, legitimo representante
do gru|indo conde d"Avila.
IIa evidentemente eolligadio na opjioseao. A si-
tuacao nao monos embaracosa para o gabinete
que sneceder ao actual. "" -.
Afflrnia-w <|iie n'unia renniao em casa do du-
que de Loul se resolver derrabar, a todo o elis-
io o ministerio para evitar a ravolta militar que
eslava eininenJe por causa do desconleiilainenlo
do excrcto, o qual cada vez mais pronunciado.
Os proprios am'gos do ministerio aconseibam
a demissao. O bspo de Vizeu (ministro do reino)
foi de larde aopaeo.
Na caniara dos pares tambem foi nimio signi-
ficativa a volacao da coininiss,oo de resposta ao dis-
curso da corea. O mais votado foi o Sr. Rebollo
da Silva ; oimmedialo emvotos foi o duque de
Loul.
c- ministros reuniram-se noite n'uma das se-
cretaras.
Ksia organisada a forea que da India deve
partir para Mocambique. Cmpoe-se de 428 pra-
eas. oicaese caieIlao-nir.
Foi nomeado viee-consul do Brasil em S. Tho-
m o Si*. Pedro Zeferino Barbosa Paiva.
O Sr. Aimeida Campos foi agraciado com o
lindo do ronselho de S. M.
labio o ministerio O insenso da mais eslron-
dosa popularidade enturva os ares nos seus lti-
mos momentos. Resta saber, porui, se a maises-
Iroinlosa o scifipic a mais legitima de Indas M
popularidades possiveisc
Aatniosiilieradi1 Lisboa e Porto tem estado ca ro-
gada ; meelings numerosos redigeni proelamacoe*
e passearam honlem pelas ras hu de ardiles
e ao som de livmnos patriticos. O ministerio li-
coo cnci regado do expediento, onquanlonao che-
ga de Roinao duque de Saldanha que el-l'oi man-
ilmi chamar pelo telo'rapbo, parece (pie acoMe-
II,ado pelo ende de Lavradio, presidente da c-
mara heredilaria e nosso anlgo ministro naerle
de Londres. A' tarde reunio-se o conselho de es-
tado poltico, sob a presidencia do soberano.
Ni madrugada de quarta-feira (6) eslava o mi-
nisterio decidido a pedir a demissao. Nesse meslo
dia bou ve conselho de ministros, o aquella resolu-
caonao foi alterada. Hoiitein quasi todos os ftii-
islros foram ao paco levar n el-rei papis para
asignatura, c leuda ntottciio ftu el-rei ndo lhes
conetdia a (Ii*so1nrao da cmara (assim M expri-
me uma folha ministerial) pediram os ministros a
demissao que o soberano se diguou acceilar. Esta
resolncao foi limite oommunicada acamara |n*lo
marque'- de S -da Bandeira, presidente do conse-
Perguataado-se ao marquez. na cmara, quem
era o encarregado de fonnarnovo gabinete, res-
inindeu que el-rei nao o incumbir de diz-lo.
Esta resolncao, sendo conlieeida no Porto, fez
que se reunisse all no dia 6 um meeting que re-
solveu representar contra a demissao do ministe-
rio. Honlem (7) nonve all mitra reuniao de 3,000
pessoas na (pial foi lida e approvada a inensagem.
Foi noineada una deputaeao que parti do Por-
to ao anootecer para entregar boje a ropreseuta-
eao a S. M.
De inultos oulros districtos do reino receben o
governo demonstradles de adhesao. Km Lisboa al-
guns capitalistas, proprelarios e negociantes com-
bnaraui na praca em dirigir nina represenlaeao a
S. M. pedindo-lbe a conservadui do ministerio c a
ilissolucao da cmara. Esio-se colhemlo assigna-
turas.
Diz-seque o mareohai de Saldanha e.-i resol-
vido-a formar o ministerio eom exelusao do gru-
po fusionista. Parece que as sessdes das corles
sao suspensas por estes das, at chegar o duque.
Honlem a nouleespalliaiaiii-se em Lisboa pro-
claniaeoes. visivelmente emanadas da associarao
prtHic'ssistn. vuciforando contra as corles, e em
especial contra o Sr. Mendes Leal (que foi Ho-
rneado per el-rei presidente da cmara electiva,)
e contra o duque de Loul. Remettn-lhes nina
que me reto a man para eonheeer do espirito que
presidio redareao daquelle papel.
Na folha offlcal sabio hontem a reforma do de-
posito publico de Lisboa.
Hontem em quasi todo o dia c grande parte da
noute percorreu as ras da capital una pliilamio-
nica acompanbada de multa gente do povo. A tar-
de o ajuntamento dirigio-se para o Passeio Pu-
blico, onde S. M. a rainha andava passeiando com
suas altezas os Srs. infantes D. Carlos c D. Al-
fonso.
Acompanhava a S.M. o conde de Valle de Rds
(filho do duque de Loul) ; o povo saudou a fa-
milia real com vivas, e alguns gritos si; deram de
abaxo as ciortes, fra o duque de Loul. A r
ulia relirou-se do passeio.
Para a noute eslava annunciado novo mertfof
da Unido Progreuitta no palacete em que mora \ a
D. Fclippe de Vilhena em 1640, a S. Domingos.
Nao se realisou o meetipyj. Os grupos foram nou-
te com archoles o msica a casa do hispo de Vi-
zeu, (ministro do reino.) dar vivas a el-rei, ao mi-
nisterio e ao povo. O bispo falln ao povo da ja-
nella pedindo sorege rogando a todos que se re-
tirasen para suas casas e conflassem no patrio-
tismo do rei.
Constando que os grupos deliberavam dirigii -se
ao paco, o ministro mandn algurna forea da guar-
da uuiiiripal, que lhe sahio ao encontr no cami-
nlio tratando porm o povo com a maior blandu-
ra, mas sem permittir demasas. Ao paco foi so
admillida uma commissao compoeta do conde de*
Penicbe, Silva Lobo, Coutinbo e oulros. Esta pe
dio para apresenlar uma iiiensagein a el-rei. mas
o camarista, marquez de Ficalho que receben a
deputacao, disse que S. M. s poderia tomar co-
uhecimento dclla, estando prsenle o iiiinislro do
reino, e que baria de conduzr-se como rei cons
titticiotial.
0 povo retirou-se satisfeito com a promessa de
que a inensagem seria boje apresentada ao rei.
A este lempo, o marquez de S da Bandeira. in-
formado do que succedia, dirigio-se n'uma sege
para o pa^o. No caminho encontrou a tropa e o
povo. e vendo a disposicao dos nimos, recommen-
dou forra municipal toda a brandura. 0 povo
den vivas "ao marquez de S. sfatsaa |iessoas fo-
ram enlopor diversos caniinlios ter a Belin com
arebotes, msicas o vivorio. Deram all vivas ao
rei, a independencia nacional, ao conde de Peniche,
ele. ele. Mareharain todos depois para Lisboa, e
ebegando ao Roci all lhes falln um individuo
que ja no mesmo sitio harengara ao grujios an-
tes de irem para Itelm. Declara va ello que o po-
vo devia estar em MSe peitnanente atse resol-
ver a crise. Deram alais vivas e l foi ludo para a
casa do conde de Peniche, que lhes reeoiunieu-
dou ordem e sessao permanente.
Na cmara dos deputados houWfrande semsa-
boria. O Sr. Freilas e Oliveira ajqltaxphrar a sig-
nifleacao da volacao da camarfeas <"('(l"t' ao nu-
uistero, e duwr que a cmara'Uto coudcm.ua as
neraV
economas, nem quer reslauradies iPinafatlv
nem reaccionaria, etc., etc. Tudo cousas muit<<
para se diterem e ourrem naquelle lugar sea c-
mara esiiv.'s.-e ja constituida: mas como as ses-
siies preparatorias se nao admittem debates poli
lieos, o presidente retirou-lhe a palavra. A isto^a
os espectadores das galera-, baviam apupado o
ot*ador, dando giito de abaixo a caniara dos Pos-
presos al-
na orden',
'ocurar os
Hespondcu-se-
Ibe que o governo agradeca as doinons!radies do
sympalliia. mas que fossem para casa, ou* tratar
da sua vida, porque o govmn inanleria a ordem.
Hontem ao anoulecer l'eeliaiom-so todas as lo-
jas no Porto, at mesmo as que costiimam fechar
milito mais larde. Km Lisboa, fra os grupos d
vivorio. nmguem deixou de tratar dos seus ne-
gocios,
Os espoctacnlos esliveram paito cmirorridos e
renoii coinplelo socego em lodos elles.
Parece que foi assignada uma reforma da
inslruccao' publica. Na usliuceo superior bt
apenas a suppresso dos substitutos extraordina-
rios.
Na academia do Porto e na polytechnica de Lis-
boa, a de nlguns substitutos, Cujos lugares estn
vagos. Km Lisboa sao supprimidos dous, um de
inalboinalca e oulro de chiuica.
Xa inslruccao secundara e priniaria. apena
consta que o reino dovdido em provincias aca-
dmicas, das quaes licam dependentes os diver-
sos eslabelecinieiitos o escolas, lis professoresdos
lyreusterao ama pequea retribuhjao paga netos
alumnos, alim de se absterem do nsino particu-
lar. Tambem foi assignada a reforma do conser-
vatorio.
O marquez de S (presidente do consdbo d>
gabinete deniissionaroi declaren honlem as c-
maras que o mareclial Saldanha fora convidado
a organsar o novo ministerio; que acreitra a
missao, c partir miiiedalaiueiile para Lisboa.
O duque de Saldanha deve oslar em Lisboa no
dia 14 ou l'i deste mez.
A populaeo da capital tem dado abundantes
lestemunhos de popularidade ao ministerio, ou an-
tes ao principio em nome do qual proceden a di-
versas economas. Assim tvesse havido
nexo na exetucao dellas. Entretanto nao!
quem pense que se as reformas livessem come
pelo ini|iosto, se os conlrilmiules em geral lives-
sem sido os priuieiros a sentir as CQiisequcnrias da
imperiosa neeessidade de extinguir o dficit, as de-
monstradles ruidosas que se eslo presenciando,
em Lisboa e Porto nao teriam sido lio espontaneas,
ou talvez niesnio que nao as boyvosse. E demai.
veja-se o que fez o Porto e Lsluoa, e todas as cida-
des e villas do reino, (piando o gabinete Ferrac
Fontes bulio no imposto de consumo? F'ecliaram-
sc as lojas "Tliio em prova de siMitimenlo ponaie
poda periclitar a existencia do ministerio), mas
como protesto e despeito por se lhe* pedir maiio
contribuidlo. Na actualidade, como a vctima ex-
piatoria fi aclassedos empregados pblicos, como
nao havia anda chegado a foice das reformas ao
captulo imposto, como o contribuate anda ni
tintn experimentado as delicias da gravsima si-
tuacao em que o ihcsoure portnguet -e cncontra.
como os proprieta ros une tem trinta conlos o bmu>
nCreiiaaTrin rneram nrontis ncni- a \>.>$>u .
mil ris de deahna predial, como os relapsos qui-
nao pagain porone se Rain nos bous cilicios de
quem os prologo, coniinuam a nao pagar, como
tudo sto assim e tem continuado a ser, deixan-
do-sc sem pao empregados encanecidos no servicr
do estada, como a reformadlo lem batido s at
hoje porla do funccionalisino, os industriaes de
Lisboa (sem se lenibrarem que subsistem em gran-
de parle dos empregados publjgpsj, pefCOTMn a
cidade com msicas e ardiles, rcdigcm meiisa-
gens cora pedindo a conservadlo do gabinete e
a dissolucao das corles, fecbam as osetas pollas
das lojas em signal de lulo pelos ministros que sa-
nen!, e traten a capital em continuada agilacoba
tres dias em nomo do mais fervoroso nini-terialis-
mo de que nao ha memoria! Tocasse-lbes por
casa V-los-bianios enlo !... Ponba-sc os olhos
em Braga, que lia poueo reeelou oerapresumona-
cional, e applaudio todas as suppressoes, cortes e
reformas com que o servico publico anda a ser
desorganisado lia bons seis'mezes! Receitaram o
cmpnstimo nacional, e oppotoram a dedui;o de
fiO por cento em todos os ordenados que sobrena-
dassem ao calaclj'smo,offereceram (emprestadas, so
eulende) para salvar a patria mealbas de qunze
tostocs, mais veja-se o que deve o distrieto de Bra
ga de coutribuicoes nao pagas e de conbecmentor-
relaxados I Para-cima de 160:000*080 !!!
Se os obrigassem a elles, e aos do Porto, e aos de
Lisboa, e aos das mais tenas onde tem havido ai
chotada, vivorio, e portas de lojas meio-po, a*
os obrigassem a por para a fazenda o que deyem
e nao tem pago, e o que deveriain pagar e anda
se Ibes nao pedio, de crer que em lugar de vivo-
rio, (los arebotes c das demonslracoes pezarosas
pela queda parlamentar do gabinete, se livessem
insurgido como em Janeiro de 1868, quei mando
as repartieses de fazenda os papis em brilhante*-
anlos de f| como em Torres Yedras, como em
lanas villas aeonteceu, tiroteando como guerrflhas
tropa que ia l restabelecer a ordem e por cm
seguranza os archivos das repartidles de fazenda.
para ao menos flear ao thesouro algum vestigio
das matrizes das cofllribuicScs I
Portante, meus amigos, que Lisboa, o Porto, Pe-
naliel et reliqua vo Colgando sua vontade. Que
o povo das ras, nove decimos do qual nem paga
decirlas, nem eleitor, v locando o bynino, va
bcrranclo porta do bs|>o de Vizeu e intimando
ao peder moderador a soludo da crise ; que os
eleilores, se que muilos andam m stes tripudios.
tambero vo clamar ao paco de Belem que se dis-
solva a cmara que elles mesmos elcgeram, que o
alto commercio adorne com as suas assignaturas
as representacoes c mensagens favor dos minis-
tros, tudo isso se explicara quando se vir que o
emnrestimo que uliiinamento se fez as pracas de
Lisboa e Porto foi um bom negocio para os presta-
mistas, que alm do acuitado juro que tiram da
operacao, tlcaram com os encomios de acrisolauis-
simo patriotismo, tendo tido o goslo de ver o ga-
binete cm peso, de joeUios ao p das suas arcas,
pedindo-lhes couelhos sobre a goveruacao, mendi-
gando-lhes a mere do applauso proposko das
reformas que levou a cabo, e com que tem dado
cabo de grande parto dos snicos pblicos e do
futuro e cstabilidade dos servidores do estado.
L.


PERNAUBUCO.
REVISTA DIARIA.
ACTO OFFICIAL. Por deliberacao da presi-
dencia de 26 do corrente, loi exonerado de subde-
legado do segundo distrieto de Rarreiros, o Si.
Francisco Antonio Pereira dos Santos. t
ELKICAO. Em vrtude das deliberaeocs da
presidencia da provincia, pelas alteracoes que lem
soffrido diversas paroenias depois do anno de 1860
em que foi determinado o numero de eleilores.
que deve ter cada urna, acba-sc a dcstribuicao de
eleilores feita pela forma seguintc :
. disln
S. Frei Pedro Gongalves........... *|.
Santo Antonio.................
S. los..................... K


Mnrio de Pernambuco Quinta feira 28 de Janeiro de 1869.

i-Visto...................
Nos Scnhora da Paz des Afogados. .--
Peco da Paneba...............
Vossa Senhora do Hosarii* da Vare. .-.
S. Lourenco da Malta. ............
S. Amaro de Jaboato........
Nossa Senhora do Hosario de Muribeca.
Divino Espirito Santo de Pao d'Alhb. .
Nossa Senhora da Gloria do Goit.....
Nossa Senhora- da Luz...........
5
23
21

34.
27
29
W
27
21
392
2. Urkto. .,
N,ossa Senhora da C.onceto de Nazareth. *l
Santo Antonio de Tracunhaem....... 'J
Nossa Senhora do Rosario de Goyanna.
Nossa Senhora do .............
S. Lourenco de Tejucupapo.....
Noaaa Seiiiora do Destarro de tamb. .
S. Vicente................... *
Se de Olinda.................. I5
S. Pedro Marlvr................
Nossa Senhora dos Prazeres de Maran-
guape................... 17
Santos Cosme c Damiao de Iguarassti. .'7
Nossa Senhora da Coneeicao de tamarac. 21
Nossa Senhora da Apresentaeao de Li-
moeiro.................... 45
Sant'Anna do tiom-Jardim......... 53
Santo Amaro de Taquaretiuga.......
489
61
38
74
II
48
41
:i3
:t2
33
404
14
12
20
48
33
;i
22
19
32
38
41
30
359
33
4-'J
29
38
28
17
21
18
3." districto.
Santo Antonio do Cabo............
S. Miguel de Ipojuea. ............
Santo Antao..................
Nossa Senhora da Eseada. ,.....
Nossa Senhora da Coneeicao de Serin-
hiera.....................
S. Jos do Rio Formoso...........
Nosaa Senlura da Puriflcagao de Una. .
S. Miguel de Barreiros............
S. Jos de Agua Preta............
4.a dittricto.
Nossa Senhora das Dores de Caruar. .
S. Caetano da Raposa............
Nossa Senhora do O de Altinho.....
Nossa Senhora da Coneeicao de (Juipap.
Bom Jess dos Almetes de S. Bonn
Nossa Senhora da Coneeicao do Bonito. .
S. Jos de Bezerros..............
Sant'Anna de Grvala............
Josas, Mara, Jos do Bom-Conselho. .
Santo Anlonio do Garanhuus........
S. Flix de Buique..............
Nossa Senhora da Coneeicao de Aguas-
Bellas ...................
>. disIricJo.
Nossa Senhora da Penha do Villa-Bella. .
Nossa Senhora da Coneeicao de Flores. .
S. Jos de Ingazeira..............
S. Jos do Brejo...............-
Nossa Senhora das Montanhas de Cim-
bres ....................
Nossa Senhora da Coneeicao da Alagoa de
Bala.....................
Nossa Senhora da Sado de Taearal .
Rom Jess dos Afllictos da Fazenda Glan-
de ......................
Santa Mara da Boa-vista........
Rom Jess da Igreja Nova da Cachoeira
do Roberto.............
Nossa Senhora da Assunqieio de Cahrob.
Sanio Antonio do Salguciro.........
S. Sebastian do Ourcury...........
Rom Jess do Ex..............
tem, ehef adado vapor., ingioa^i Piado, nao po-
demos-deirn- d dixer dnas patarras respeito.
Haveudo entrado as malas na adiiiinislracao ao
ineio-dia,' ineia hora da Urde' foi' destribuida a
correspond neia franqueada os ass rgnautes,
do-o a 1 ln"a e 40 minutos toda a de porte, >
3 a portuleza, (cando os joniaespara ao depois,]
visto ser de menos urgencia aos senhres nego-
ciantes essa parte da mala. Islo realisou-se a
cntreaa de 3 horas, guando outr'ora eram necessarias cin-
co c mais, i onforme o minero de volumos rece-
bidos.
14
29
12
45
27
381
INSTITUTO ARGHEOLOG1COT.-ve enVetva-
monte lugar hontem a sessao ein asseinWa geral
do i*, anniversario dessa associacao, sendo o arlo
bastan; concurrido e |Kmposo. Da acta desea
seseis vino nossos Mieras o que alli se passoa.
Eis a acia:
Sessao en aatieamna geral do 7o anniversarii do
.Instituto Archcologieo Geographico Pernambu-
caaoc
1 Pnaidaneta do Exm. eoaasUniN nnanahor Mu
ni Siman*;
o A K hura da tarde, depois de reeehkla ac< nli-
miK-ia di guarda de lionra postada ero frente do
dilicio. o Kxin. Sr. conde de Baependj* acn pa-
nhado pela respectiva commissao, at olngar que
Ihe era destinad >. 8 estando presentes varias a ato-
ridades, offieiaes de dilTerenles coritos da guiada
es, c esta ein uso ha muito lempo na corte do im-
perio, sem enlmma reclamacao do commercio.
Aqnellas pessoas que desejam recelar prompta-
mente suas cartas, ilevem ser assianantes do cor-
reio, o ordf nar seus corrosiondentca no estran-
feiro que fianqueeui todas as caitas, como faz lio-
je o commercio do Rio de Janeiro.
Quando c nosse correio tiver pessoal sufflcientc
affluenei; do trabalho, esse servico sor foito
com mais p oinptidao, e de mantara a nada deso-
jar. Assim o esperamos.
NAVIO ENCONTRADO. Pelo Sr. capilao do
patacho or -americano Aglaia, ducado hontem
de New-Yoik, foi communieado que encontrn na
Lat. S. o c I.ong. O. de G. 34 56' a barca ingle-
za Observar do porto do SI. Johns, (Now-Bay) in-
do deste me uno porto para o de Buenos-vres,
tendo j 50 (lias de viageni.
Estove I'.! dias em calmara defronte do cabo
de S. Roque.
Tndo ia b ;m a boido.
PASSAMt" NTO.No da 24 do urente alleceu
110 scu enge 1I10 Btnto Velho, na comarca de San-
io Antao, o 1 bastado agricultor o Sr. Pedro Be-
zerra de Araitjo Pereira. chefe danamerosa fami-
lia lieltrao dessa localidade, na avanzada idade de
91 anuos.
FESTA IiA CONCKICAO, NA ESTRADA DE
JOAO DE BARROS.Acerca dessa lestividade 011-
viam-nos o -eguinte :
a A aurora do dia 24 do correte desdobroti-se
1 isonha e fel z para os moradores da estrada de
Jeae d Barras
Com elfi i lo neste dia eelebmu-se em a peque-
a erniida que aiii existe com toda pompa, res-
pecto e hrilluatisnio, a lista da Excelsa Senhora
Rajaba dos aojos e Mi inagriGca da luimani-
daile.
o Depois tas novenas que foram sublimes, nio
si) [tela orden e conveniencia que nellas reina-
rain, conuj. ambeni pekt liclissiino da hariiiouia
com que era 11 enluados os hyninos detouvor
Mai do nosse sacro-sanio lliileinplor, a festa veio
corear de una inaneia digna de encomios os
exercicios de piedade dos devotos
  • rada Senlmr.i,da Coneeicao.
    a Deixaml 1 de rclirir todas as circunistancias
    (pie prscedeta, aconnanban e segaen o oicio
    divino de una niissa snleuine, diremos soinente
    pencas palavras sobre o sermao do Rvm. Sr. I)r.
    Lmu Ferreir.i Nobre Pi-linca.
    TtHiianda por thema do sen discurso o lexto
    da Escriptur.iDe ana nulas est Jtsus, este ora-
    dor sagrado explicou de maneira brilhante e su-
    blime o dogma dii Coneeicao Iininaculada.
    Besenvo vendo uniailoulrina perfeilamento
    saa, o Rvm. l)r. prenden por mais demeia hora a
    allencao de numeroso auditorio, que com todo
    acatainento c respeito o ouvia.
    Desta maneira, o Sr. Dr. Pelinca, nao s ad-
    niinistrot o balsamo consolador aos corac5es dos
    Ribos devotados Virgeni sempre pura, coino an-
    da mais fertilicen o espirito daqueiles que eslao
    habituados a concenlrar o sen pensaniento, e pro-
    euram sondar os altos inyslerios da nossa santa
    religiiio.
    a Honra, f ortanlo, este eximio ppegador bra-
    sileiro.
    Foda af.-sla, e coino de eostume, a ninsica
    maivial do 2' balalho de iufanlaria da gualda na-
    cional, bs-se mvir, locando algumas pecas do seu
    repertorio ; d >pois do que sollaram-se alguns ba-
    lees, acompaaliados de iuiuiensas garandlas de
    fopueles.
    " A tarde, grande numero de pessoas dirigio-sc
    pequea tenida para ah, nao s dirigir as suas
    praeej 1 bvckmmbi Mai de Deas, como laaibenH
    para ouvii' i ittnat marcial, que em um coivto.
    collocado ao lado da erniida, enebia os ares com os
    Bous harnioiiiosos do sen instrumental.
    Vcio a noute e com ella aladainha, em a qual.
    como deve se, foiam dirigidas as oracoes de ri-
    gor e de particular devoco, ofertorio daqueiles
    pie com verdadeira piedade aeonipanharam as 110-
    conseguimos Iranspol-os casto de insano labor;
    rasgamos otilas invias ; atravessiunos longos
    pantanaes : eliegmo's defrentar com o ininigo
    entrinehoiradi em seus ltimos reductos; tenel-o
    vista como urna presa que nao nos pode falhar ;
    osperamoesonienle que se nos offereja urna oc-
    casiao feliz; os exereitos esperam toda hora
    . a orden de a vanear; o patriotismo mcendeia as
    nossas tileira*; os nossos genoraes se estiman,-
    louvam-se, engrandecem-8eun*aoftCHitros;coiBo
    Essa syslnna hoje adoptado em todos os pai- testemunhas (toque vale cada um; general em
    chefe acclainado por todo o exercito o primei-
    h ro tctico da America do Sal; c pai os exerci-
    * tos um nome prestigioso, respeitado, estima-
    t do, admirado; o immigo apoava nos ltimos
    entrincheranenlo do son poder desde agora
    nullif\cado; a victoria nos acea de maito perto;
    alguns dias roais, poucw dias mais, e, estar dita
    a ultima palavra. >
    E a ultima palavra est dita e elocuentemente
    dita. Suceessivas victorias, corajosamente tenta-
    das ein alguns |ioucos dias, vieram responder aos
    mais exigentes como o glorioso acahamento de urna
    longa edifficil rampanha em que o iuiuioo fot sem-
    pre ajudado pela cumpheidade de urna naiureza sel-
    vagem. Feitos lM!roi)i como os de Itosor, Villeta
    e Angostura, vieram um aps outro, quasi setn in-
    leimtlencia, implacavelmente eontialados, ajtintar
    ao patrimonio das glori.-.s nacionaes datas justa-
    mente celebres que a urna da historia reeolher
    orgulhosa como o honrosissimo epilogo dn inesti-
    raaveis sacrillcios dados pela actual geracao ao fu-
    turo do paiz.
    O geueral Ilustre que, em sua vida militar de
    quasi meio seculo, poude com raro fortunio con-
    quistar um nome immorredouro, linnou a sua gran-
    de reputacao com urna serie de victorias que oele-
    vam altura em que pairam Grant e Lee. A Ame-
    rica inteira se decobrir respeitosa diante do vul-
    to do eminente hrasileiro que, revelando os mais
    desejados dolos de nm general, esereveu para seu
    paiz a pagina mais boiu-osa dos seus fastos milita-
    res, e poude ao mesino tempo assegurar ao impe-
    rio o trinmpbo de urna grande causa que vai ras-
    gar toda lima extensa regio largos horisontesde
    prosperidade 1 engrandecimento.
    Rem o entreve o paiz. Chegou o dia de dopr
    as armas. A paz com os seus inestiniaveis liene-
    licios, este grande synonimo do trabalho, da abun-
    dancia e da riqueza, vai marcar urna era nova
    aeth idade nacional, Veio o tempo de refazer e de
    reconstruir pelo esorco nobre das luas pacificas
    o que foi preciso comprometter e empenhar para
    mamar inmaculado este sagrado de|>oslo de hon-
    ra, que os nossos pais nos iegaram em um paiz li-
    viianente constituido, as suas instituicoee,em tudo
    quanlo nos faz ser urna grande ao talhada aos
    mais ousados destinos.
    qne o nome de Pernambuco nao tenha sido hon-
    rado pelo valor de seus (Unos.
    Tem razio este heroico novo para erguer, tito
    alto como possivel, as suas mani'estaeSes I
    PUBLICACOES A PEDIDO.
    Ao annuncio que vem public do no Diario de
    sainado 23 do andante sol pn*te:ttd de se ter ;ui-
    nunoiado a venia do engeaho Mussayba, respon-
    de- nos seguales termos*:
    Une a impunidade do prevaricador criminoso
    faz a audacia do usurpador falsario e mentiroso ;
    assim aqueheque sem frabalhiir e sem algum
    meio de vida passa vida Colgada, inaravilhosa, mi-
    lagrosa, tem algum ollicioocculto, alguma indus-
    tria clandestina, com que laa-gyrar aliuma ruda.
    com a qual se serve para fazor desandar alheias
    rodas.....
    nacional, una commissao por parle do Gabinete
    Porluguezde Leitura, pessoas guadas e um grande
    numero de cidadaos de dulas as classes, veriilca-
    seiguaanmafa prasenea dos socios Drs. Joaquim
    Portell. Apriglo Guim'ares, Soares de A;\ -do.
    \cnas e assistiram a esta da Mai deeus.
    Wilruxio Pinto Bandira. Uuiuiu du Almeida-Jieji
    va-i iT.aiiqielh). Sampaio, Alexandre Penara do
    Camo, Alfonso d Albinpierque. desemltargador
    omingiies da Silva, comnuaidador Mello, [ladre
    inestre Lino do Monte Carmelo, majoma Sanador
    Henrique, Bernardo Qiiinteiro e Ferrey-a de 41-
    meida.
    O Sr. presidente declara anorta a sessao 1 le
    uu> disiMirso anlogo ao assmnpto.
    O Sr. secretario perpetuo faz a leitura de 10a
    rentarla sobra o najarianato do auno social lii do.
    a 0 Sr. Dr. Aprlgn como orador le o seu 1 is-
    enrao.
    Nesta occaso S. Exc. o Sr. presidente, da
    provincia retira-sc com as mesnns lonnaliilades
    com que entrn.
    Os Srs. major Salvador Henriipie, eoinmeiida-
    dor Mello e Dr. Sampaio, lm cada um, um discur-
    so aalago aodia 27 de Janeiro.
    O orador da commissao do Gabinete Porlu-
    guex de Leitura felicita o Instituto, em nome da-
    quea associacao, lendo tambem um discurso.
    O Sr. Dr. Joo Joaquim Fonseea de Albnqi >a -
    que, recita igualuienle um discurso de felicila-ao
    ao Instituto.
    Terminado assim o acto o Sr. presdante con-
    vida aos socios para a sessao especial deeleico no
    dia 15 de fevereiroprximo, e levantarse asess;io.
    THEATRO DE SANTA ISABEL.A compatihia
    dramtica, de que emprcHario o Sr. Coimbra,
    deve encetar os seus trabalho soenicos no dia -17
    de feverelre prximo; antes, porm; dessa d;uaj
    No acto da fesla foi publicado pelo orador sa-
    grado, e do alto da cadena da veidade. os nomes
    dosjuizes da fuliira feslividade. .pie sao : o Exm.
    R\m. Sr. bisf o diocesano e a Exma. Sin. O. Hita
    Caetana de F lia Neves. a ornan, como de regia,
    f tmn rcTrma e gataroai'a narioeiiTi, que wiiiJa
    cajiella em um rico andor. earregada |mr quatro
    senhorasocoin acoinpanliamenlo esplendido o ar-
    rebatador.
    Maisdeom mocas, todas elegantemente Ira-
    jadas de bninco, seguiam ao sen de um anglico
    canto, a santaimageinda Mai deeus.
    < A radian- a dos versos, o concert da msica e
    Jiriliwdas Imes, o numeroso squito, tudo isto
    compunlia um todo digno de conlemplar-se e admi-
    rar-se.
    Recebida a bandeira pela juiza, aconipanliada
    de Ma Exma. familia, ella com a engenuidade que
    Troquemo-nos mil parabens! Abi vem a paz
    com os seus indellniveis encantos, generosa de pro-
    messas. dadivosa, fecunda, prodiga de benu!
    Vamos deixar iwna campanhaporoulra; dcixainos
    la campanha das anuas pela campanha do traba-
    lho. Em urna e em outra, ha umita gloria que re-
    eolher.
    Firmada a nossa honra no exterior, mantillos ns
    nossos crditos, quebrada e humilhada a selvtica
    resistencia que se uipunha ao contiiientesul-ame-
    rieano como urna ameaca pennanente ao equilibrio
    poltico e ao alargamenlo de todos os avancos do
    espirito eniprehendedor; desdobra-sc as nossas vis-
    las nm grande futuro. Desde agora sao (anwliiu
    Man os conmicMiinenlos; nada nos embarga o
    passo.
    Tranquillos em nossas roaarjM internacionaes;
    estreitados os lacos que nos devem ligar as anjeas
    do conlinenle no amistoso e sincero empenho de mu-
    tuo resDMn ai suas lormas constituidas : despivoc-
    eupadop a dilculdades; viveiido a vidafelitti re-
    gular do gover eslrictamenle constitucional ao 11-
    Uue a intriga, o trama e a mentira contra us
    o contra nutres sau armas-lavorils do aventnret-
    ro, alavancas que sabe maneiar para minar, fazen-
    do carainbolar para sua algibeira o que por for-
    ma justa e honesta Ihe serla impossivel oblar.
    Tem razio, esse Sr. Hiale passou ucolume com os
    seus auloriihos por linha, cujo hfrtorico tiz sosso-
    brar certa bareaca bem esta Mee ida, cujas ruinas
    jazem alm-mar ; c como nio toni mais clicas e
    vo-se uiingoaiido as prezas, tiU honradamente
    feitas, preois fazer sossobrar ta hbem certa al*
    va renga Novas prezas tenta, novos embustes,
    novos tramas Ihe suggerem para fazer renovar um
    seu libellq perdido ; por isto que levado ao des-
    espero d por pao e por pedras, vendo escapar-
    Ihe a menina de seus olltos, o charo objecto d.j
    seus maiores cuidados, suas nicas esperancas ;
    essethesouro por cuja coala tem podido obter de
    um certo agila alguns comas ale ri*. Sem ir
    mais longe diremos a esse novo Cahim, que os
    orbaos, por quem tao liynoerilainento se mostra
    cuidadoso em seu aunuucio, se hiirrorisam de ta-
    maita hypocrisia, visto que tenjlo vivas proras
    do contrario desses" cuidados o das suas intrigas,
    sses orphaos miram-se no mesino asnellio daquel-
    las inl'elizes menores victimas expa|Tadas, tambem
    hoje orphaos, pelo amor e comiiaiso que d'ellas
    tiveram fementidos consemeiros. qm cujo namero
    se conta o nosso (kihim, por cuja causa e de i nitros
    seus comparcas se annunciou por| venda o enge-
    uho Mussayba ; por quanlo devcdbres do casal a
    que se alinde, nunca Ihe paganini um seitil.do que
    tanto llic devem, o qual tem sido Lbrigado a ven-
    der o que anda Ihe resta, insulUciente para desa-
    veneiar-se dos embaraces em que o collocaran
    esses manan o inqualilicaveis Idevedores, que
    sendo os proprios algozes do referido casal, como
    publico e notorio tem sido, agora anda-mais o de-
    uioustram com a miseravel trica) que inventam!
    Iste que quem annunciou o engolillo Mussayba
    para vender, nao o pode fazer t nem dispr de
    t mais bens, nao s |ior _no ter Teilo inventario.
    como porque est sendo exeeulad o
    E into urna miseravel intriga, orno j se disse.
    um calculo ridicuh, como ridi-ulo o carcter
    do seu autor.... O nngcnho de ipi. se trata conti-
    na astar. disposicoo de quem o ueira comprar,
    sem impecilio algum para o com|irador. urna
    mentira, que enteja sendo execntac o por algiiem.
    a pessoa que mandn annunciar 1 lito engenho, o
    que fcil de verilicar quem 1 isto tiver inic-
    res'se.
    O que verdade que o maneja dor dessa intri-
    ga que est sendo exeeulado, cu o mandado de
    penliora est aanda por executar poriioacbarem
    em qne, mas que nao obstante pa ;a um cont de
    reis de altiguel pela casa em que mora Quem
    poder entenda- que entenda.
    Recife, 24 de Janeiro de 1889.
    Juni/nim Salvador Pessoa i Siam rn CacaJaiti/i.
    Commissao enearregac a do fes-
    tejar a Excelsa Se hora da
    Coneeicao em sua apellada
    estrada de Joao de arros, no|
    eorrente anno de 1869
    1870.
    dente. No secundo periodo a tosse auaj-
    menta-se na IVequencia e na violencia, e a
    expectoraciio mais abundante e muitas ve-
    zes conten pequeas nodoas de satigue. 0
    fri, a febre, insomhia; stlor'de noiite, sio
    mais ilotaVei, a TeM-e hectica' uiosrt-a-se
    claramente.
    0 semblante paludo de utiuiWia, c de
    larde torna-se riirad.
    k- O terceiro periodo simplesmente o se-
    gando fradualmente auyinentadev
    A seveiidade, a rapidez dos symptomas
    et) progresso da molestia differem moito
    em differentes casos, e depende da consti-
    tuico da pessoa e do clima, tempo, etc.
    Em- alguns a marcha gradual, sem dflr e
    i com pouca tosse, acompanhado de diarrha,
    suor, ele, e o doente anda nos ltimos
    dias mostra-se chek) de coragem e espe-
    ranza. Em outros, e pela maior paite, a
    marcha desla lerrivel molestia rpida e
    dolorosa c a lula moital entre a esperanca
    e o desespero mostra a severidade da doe-
    ca e o soirriineiito do doente.
    Em torios os tres periodos, nao conhe-
    cemos remedio nielhor do que o Peitoral
    de cereja do Dr. Ayer, se (dr tomado a tem-
    po, a cura quasi certa, e meumo quando
    a motn prxima elle mitiga a dor c alli-
    via o solrimento do doente.
    Un tosse por mais leve que seja pon
    gOM erieve ser tratada immediatamente
    antes que tome assento sobre os pt'lmes;
    tenha sempre em casa um pouco dcste
    Peitoral de rereja e siga as direccoes que
    acompanham cada frasco.
    Se a molestia est j muito adiantaria
    procure tomar o Peitoral debaixo da di-
    reccio de um medico entendido. Obser-
    vando ao niesmn tempo toda a cautela pos-
    sivel, quanto dieta e ao tempo,
    0 Bnglish Ranlc of Rio de Janeiro, Limited,
    saca sobre as soguillas (iracas:
    UaresSobre Lniidon Joint Stock Hank.
    Pars.Sobre Fon Id & C.
    Hflw/mroo.-^Sobre J. lleraiu>r>F.isMcr & C.
    dtf e /'"'"i0Sol>ro Raneo dn Portugal
    Mo do Janeiro.Sobro English Bank o Rio de
    aneiro, LimiU-d.
    PanSobreTappenbaak Rrambeer 4 ('.
    ALIANDEC.A.
    imento do dia la M:. 7S0:336795
    ....... 36:770jKi
    Ideal do da 27
    787:107*OW
    MOVfMENTO DA ALFANDEGA.
    Volumes entrados com ftuendas 586
    dem idem com generan 4n
    Volumes saludos com fazendas
    dem idem com gneros
    100.1
    Presidente
    0 Illin. Sr. Dr. Ayresde Albtiquerq'ue Gama.
    Escrio
    0 Ulna. Sr. capilao Hcrmino EgydM de Figuoiredo.
    Tliesoureiro
    Illm. Sr. Francisco Lucio Colho.
    Procuradores
    Os Ilhns. Si s.;
    Francisco Lamenha Lins.
    Leoncio Gomes da Fonseea,
    fiuxrt de una poltica que, sem exclair todos os
    I'" Wessas da orden inaterial, inoral*THu,Uccuial. .,
    jem por sincero i desvelado imunm feu.uiia Jos," ii
    inviolava>(a lei lundaiiiental; restabelecido o jogo
    harmnico dos partidos veidadeiramente constitu-
    ionaes e a caracterisa, i todos dispendeu umita alfabiliilade.
    olferecendo nesta oeeasifiouma delicada ceia aquel-
    las pessoa* qt e acompanharan o estandarte da
    yirfen da i^nceicao.
    A mais respeitosa alegra reinou em bada fes-
    la e tindou ci m ella.
    Xa noiit de si'gunda-leira queimou-se mu
    bonito fogo de aitilicio, o que deu lim a testa ik
    Senhora da Gmceicao da estrada de Joao de. Rae-
    ros.
    DINHEIRO.-O vapor Cruzeiro do-Sal, leven, de
    BOSM parto, a- -eguinles quantias1:
    Para HaerM........... 40:700*000
    a Rabia.......... 4:496*000
    . o Rio de Janeiro.......127:.170000
    Sendo des ultima parcela 124:K70500 pan
    o thesouro nai tonal;
    LOTERA.A que se acha venda 6 a 94', a
    dar ella um"espectculo gala,"'no dia em que vier lienelicio do ratrimoniodos orphaos que corre no
    noticia da tenninacao da guerra do Paraguay. di* 6 de fevejiro.
    Ni es|ieclaculo gala sera representado o drama'
    Aimfe, estreido os artistas ftimo da Cost. Pinto,
    Jos Victorino e D. Julia Atevedo.
    No primeiro espectculo ordinario da empr?za
    subir scena o drama em cineo actos O entorna*
    do. para n estra dos artistas Eduardo e Marti-
    n lio.
    O Sr. Duai te Coimbra acaba de contratar* ls-
    una dama ingenua, a Srn: D. Appolonia Pinte:
    Joidani, mie-honteni cliegada do Para; a-qualroH
    PASS AGEII OS.Para os portos do sul segui-
    ratn no vapor Cruzeiro do Sal; Joo V. de R. Gal-
    vf.o, 1 escravo de Franci*-o J. da Costa Guimaraes,
    i dos de I.ui de Faria. 1 dita de Rarros & Tem-
    poral, Fraiici-co Kakehay. Jos Montear. Alfredo
    Pereira It. e 2 -scravos, 11 escravosde Antonio Al-
    ves deC. Vera, Manuel J. de Andrade, .Vndre de
    A. Porto. Jos A. T.Pinto e I limo maior, G. de Oli-
    veira Maia.GusepRartholoiien,FranciscoV.Duar-
    le e 1 escravo | cabo e 4 pracas, tenefile-coronel
    sempre nem acceila; nos theatros em que t-in ic- S. Rasilii) Pirrlio, Raslio Pfrrho, LcvtDavid Osear.
    presentado, |ior sua intelligeneia, appIieac*J B g-B-j Anto nio L. da Silva Vianna, Antonio J. A. O. Vas-
    10 fela arte que professa. eoiicellos C. e 2 eseravos, Dr. Flancisco C. Rran-
    do. 1 menor e i escravo, Dr. Joaquim de Aquino
    Gasjiar, tiln s e 1 escravo, 1 escravo de Vianna
    F. liuhn.arfuN. ditode'DainiaoSeraphim, Gregorio
    L. i:, de Avill.u. Dr. Floran C. de Miranda, Julio
    Kaliin, Jod Al.es deBrito.hacliarel Joao J. Ramos
    eSilva. Targino J. dos Alijos, r,vpiia'uo A: R., sua
    senhora e 1 lili o, Berilo J. de MeHeiros, Tiburcio A.
    de Garramo; Jas de h. Gavalcant, Antonio Fer-
    nandos Porto, Vntonio Tbomaz Pereira, R. de 011-
    veira, 1). Maria Isabel ('.. Pinto e 1 lilho menor os
    afriepos ItbeT rts SeBatfao, Francisco e Margarida
    R. Befledicte C embfS', CloreLeWoll e Antonio Jos
    Martin*.
    PRISOE8.-- ordem do Sr. Dr. chefe de poli-
    ca foram reflolhidos i casa de detencao^no dia iQ
    do eorrente, Manoel Passariiriio ou Joo GranVe,
    Candido Jos da Silva e Antonio Pinho d'Araujn ;
    o primeiro eomo pronimciado em crimo de molli-
    no termo de Hinque, o segundo como criminoto
    de unirte no termo de Garuar,, e o terceiro como
    criminoso de morte no termo de Cimbros. A or-
    dem do sulnleletrado da Victoria, foi igualmente
    recolhido a 15 cadeia d'aqucila cidade Targino
    Pereira de Souza, por crime de furto de cavatif.,
    e 18 o preto Luiz, escravo de Seliastiao de An-
    drade, que ha mais de un auno se acliava o>-
    culto. por Manoel da Assunqicao em lugar nao sa-
    bido.'
    PARTIDA. Os ofleiae3 do primeiro batelhio
    de infantaria da guarda nacional do Recife, em
    signal de regosijo iwlas noticios da coneluso da
    gu.MTa, que devem vir pelo paquete frarlcez, len-
    cionam dar urna partida ou sarao dansamavia
    noite de ) do crrente, no quartel 'do Hospicij,
    onde se acham aquartelados.
    |-4)MPANHiA .INBEMNISADOftA. Reuniaoi.
    se, no dia i, enmo eslava annunciado.os accit-
    histas desfci companhia de seguiw, e elegeram os
    seguhites senhora, que serviro no uctnal bier-
    nio:
    Baro de Catnpo-Verde.'presKlenli! daassemblta
    geral.
    Antonio' Gomes de Miranda Leal. TicevprM"
    denle.
    Manoel Jos da Silva Guimai -s e Fraheiseo fy-
    naci Tinoco de Soirtst, secretark)^.
    Francisco Joa dcRamn, Ito'da Silva Regada^
    e Antonio Josel*R*ela,' drertore.
    Iiiolica esphera de accao; estancada a fonto da*
    desjvzas improductivas que lo seneivelmente ag-
    giavaram o nosse astado financeiro; dir-se-hia que"
    ame* se annuneioii para o Brasil urna quadra
    mais platean a mais promettedora. E' verdadei-
    ramente de urna longa enfermidade qne nos levan-
    tamos; mas tudo nos preannuncia urna prompta
    e rpida convalescenca. Ha muito que fazer neste
    paiz, maito que emprehender, nmilo que rasgar;
    muito grande, muito esplendente o nosso futuro.
    Tenham f lodos os Brasileos. Xo banquete da
    prosperidade lia lugar para todos.
    Xem outros motivos explicam o delirio de todo o
    imperio ao reeeber as ultimas agradaveis noticias
    do Iheatro sangrento do Prata. Raras vezes se ter
    aasnnn manifestaedes de carcter mais popu-
    lar, mais sollo e mais espontaneo. O espectculo
    de que lomos testemunlia, nos deve todos eon-
    vencei-que o patriotismo urna virtude publica f
    nosso paiz.
    S urna circiimstancia tolheu estas manifesla-
    eoesoqueellas podiam ter, e devem ter, de impo-
    nente e magesloso. O paquete, que nos devi* ser
    portadet de tao' faustas noticias, avisinhou-se
    barra sem o signU que se fez convencional para
    annunciar osiriumphosdas nossas armas. Foi isto
    parle para que o numeroso concurso, impaciente-
    mente apinuado aos caes que bordam a cidade, p-
    dele dispersar-sesem a certeza e a seguranca ds
    noticias (pie eram esperadas. Foi smente des-
    J tiibnie5odos improsww, que a populaeSo foi toma-
    da de maf agradavel siirpreza pea importancia das
    novas.
    Xao obstante esla causa, a populacau uu as mais
    sensiveis mosiras do jubilo patmtico de que aM
    possuida. Grupos numerosos, em que se podiam v.'t
    puMUU de todas as classes, percorreram a cidade
    aosom de nnisicas. levantandoenthusiaslicassan- ^MeS22
    'daedes aos Inroes de Villete aos exereitos de mnr
    Xlcofo Perrelra Gomes.
    Eloi^ao dos < lo votos < devotas
    que teem do festejar a Excelsa
    Senhora da Coneeieo em sua
    eapella ta esttlida d-v ./oao de
    Estomago debilitado, opre*so
    dcpolM da comlihi. etc.
    A indigestan toma inumeraveis formas.
    As vezes o estomago torna-se tao sensitivo,
    que rejeita at mesmo as comidas as mais
    simples, e outras vezes a digesto .tilo pe-
    nivel, que o doente teme satisfazer o appe-
    tite. E' justamente em casos semelhantes,
    que as qtwlidades tnicas das pilulas assu-
    caradas de Bristol, mais claramente se ma-
    nifestatam. A senliora Margare! MeEIroy,
    de Troz, Nova York, assevera, que duran-
    te annos, ella nao-poda, digerir comida
    alguma solidanao enmend mais nada do
    que geleas, arroz, mngaos, etc. e isto
    mcsmocausava-ilie tanto vtame que ella
    se vio obrigada reduzir a quautidade um
    par de oncas tres vezes ao da. Ella acha-
    va-se n'um estado terrivel de magresa, e
    para servrmo-nos de suas proprias expres-
    ses, j bem poueo se llie dava o viver.
    Depois de ter experimentado mais de vinte
    modos de Irata'mento, ella finalmente piin-
    cipiou a tomar as pilulas assucaradas de
    Hrislol, c os seus resultados sao por ella
    mesma narrados da maneira segunde :
    com o maior regosijo de gratidV que Ihes
    participo que me ado boa. Como perfe-
    tamente bem, durnio descansada, tornei
    -engordar e nao siuto as menores dores.Tudo
    isto devo as pilulas assucarailas de Bristol,
    e por isso com o maior gosto do mundo as
    recommendo todos que padecem diun
    estomago l'raco e debilitado. Ellas sao da
    maior elicacia. Em todas as molestias ag-
    gravadas ou-provenientes de impureza do
    sangue, a salsa|iairillia de lliistol, deve de
    ser tomada comjunctamente com as pilulas.
    0 seu cxcellente accondicionamento torna a
    sua consenaco lixe ein todos os climas.
    Vcha-se venda nas pliannacias de A.
    Caors, J. da Coneeicao Bravo A- <"., M.
    A. Barbosa, P. %irer A C. c Bartliolo-
    meu A C.
    M
    270
    46i"
    Descarregam hoje 28 de Janeiro.
    Rarca francezaVeridiannmercadorias.
    Vapor inglezAnuizmi id.au.
    Barca ingleza=.S/)/)//'. dem.
    Lugar h\f\ciNavegator idem.
    Urifluc inglezWA Rrgue inglezTitaniaidem.
    Lagar lngiez=6'mr/fl9fon- dormeates.
    Escuna inglezaEuijle Wtn baaalho.
    Galera lorlugueza -='.Vor rauta II -varios g-
    neros.
    Importadlo.
    Brigue americano Aglaia, \indo de
    New-York, 'consignado a Theodoro Just.
    manifest*:
    25 caixastecdo de algodao; a Ferrea
    Matiieus.
    i ditas ditos de dito ; a Keller AC.
    13 ditas ditos de dito; a ordem. ,
    i dila esbeltos; a J. Pater AC.
    5 ditas fun'njum: a Snawt Hawkes A C.
    7 ditas videos ; a Carnerio Vianna AC.
    ( diUis ditos; alluarte, Pereira A V,.
    l ditas machinas de descarucar: a D.
    A. .Matheus.
    I dita ditas de ditos. ; ditas bitler, 6
    ditas leques, 4 barrrs vemiz, 60 ditos pi-
    xe, 173 ditos breu ; a Theodoro Just.
    300 ditos hanha; a A. L. de Oliveiru
    Azevedo A C.
    30 ditos dita ; a Corga Irmos.
    SO ditos dita; a Joao Ignacio da Costa.
    34 eaixas drogas: a .Matuer A C.
    HOO volumes aduelas, 500 ditos arcos
    e I!I8 lampos: atendido Alfonso Moreira.
    RECEREDORIA 1)E RENDAS INTERNAS GE-
    RAES DE PERNAMRUGO.
    Rendiineuio dodia 1 a 26 33:609fS3l
    dem do dia 27...... 2:004*770
    :j."i:6M*0ft7
    Barros, no eorrente
    !8f>9 1870.
    Juiz por eleieao
    O Exm. e Rvm. Sr. Rispo iocesand
    Jltiza por eleieao
    A Btav Sr.' O. Rita Gaetana de Ka a Neves.
    Esciivio por eleieao
    O Illm. Sr. major Jos Joaquim Antiines.
    Escrivaa por eleie.-'n i
    A K\m. Sr.a Anna Marlins da" Silva
    Escrivao por devoco
    O libo. Sr. Manoel Custodio I'oixoto Soai'es.
    Escrivaa por devoeao
    \ Exm,' Sr. I>. Thereza, esposa'do Illm. Sr. Joa-
    (liiim Ignacio Hibeiro.
    Juizes por devoco
    Os Illms. Srs.:
    Jos da Costa Dourado.
    Tenenle Jos Caetano da Silva.
    Commendador Miguel Jos de Alm )ida l'ernam-
    bnn.
    Coronel Candido Xavier Pereira de Irito.
    Juiza s por dovocao
    As Exm." Sr.":
    D. Guilbermina Moreira de Moraes fliabnini
    ISaroneza de Remlica.
    D. Margarida Julia Ferreira Machado.
    D. Isabel Pogy de Fi^ueireda
    Juizes protectores
    Os Illm.-. Srs.:
    Jos (arlos Perroira.
    Dr. Felippe de Figueira Faria.
    Cajiitao Amaro de Rairos Conva.
    Antoak) Remardo Vaz de Carvalho.
    Juiza prutectorae
    As Exm." Sr.":
    D. Maria. esposado lilim Sr. Dr. flaliuo Rodri-
    gues Fernandos Chaves.
    A esposa do Illm. Sr. Vicente Cardojo Avre*.
    D. Franci<"a Adelaida do Reg G-bsim.
    A esposado Illm. Sr. Dr. Jos Austrescgilo Hodri-
    anno <
    le
    Protectora das familias
    Em cumprimenlo do prevenido no ailifto 29 do
    regulameato, se convida a lodos os senhores con-
    tribuintes desta associaelo, que ainda nao tiverem
    apivsenlado as ceilWoes de idade do segurados,
    para que facam entrega debas na ra do Livra-
    mento n. 19, 1 andar, alim de ser exiiedidas o
    mais breve possivel para a nspectoria geral do
    Rio de Janeiro. As certidoes devem ser selladas e
    reeonhecidas por lahelliao. Recife lo de Janeiro
    de 1869.O represntame.
    N. F. de Vidal.
    COMMERCIO.
    CONSULADO PROVINCIAL.
    Rendimeiito do dia 1 a 2-"i 120:8715899
    dem do dia 27....... 2:27797
    12H:H94871
    MOVIMENTO DO PORTO.
    Sucia*entrado.* no rifa 27.
    Porto Alegre30 dias. h.aira porlugura SoelaJ,
    do SIS t.m Lula-;, capito Joaqun Goncalves
    Rocha. ei|Mipagem 1".9780 BaoaM rom l.oin'ha de
    maanea; a Joaquim Jse Goaealww BeKrao.
    New-York'Mi dias, brigue inglez Mliade. de 2V.1
    tonel,ida<.capitn Suinaien. equipagem 12, car-
    ga 2210 barricascoin larinha de trigo: a Sann-
    ders. Itrolliers AC.
    New-York4i dias, patacho inglez Edetto. de 222
    toneladas, aapKio Oliver, eqnipagem 11, carga
    2iK)0 iKinicas com farinha de trigo; a Philipp-
    Rrothrs 6c ('.. Seguio para o Rio de Janeiro.
    New-York44 dias, patacho americano Ai/laia.
    de 181 (iniciadas, capilao Raeid, eqiripagcn s
    carga MU harneas com larinha de trigo, e ou-
    tros MMMR : a Theodoro Just.
    Terra-NiVa24 dias, escuna ingleza Eaijle W in,i.
    de 174 lonelidai. rapitin Meiirv Manley, eqoi-
    pagem 9, carga 28.'i.*! barricas com bacalluto; a
    lleni y Forster & C.
    Navios sal idos no mesmo dia.
    Rio da Prattl 0S0UN dinamarqiie7ji Annn Mara,
    capitao a. Seetses, carga aamean
    Porlos do Sol vapor brasileiro Cruzeiro do Snt-
    comniaiiilante Alcoforado', carga, varios pane,
    ros.
    New-York barca ingleza Mary Cook. capilao J.
    Forfor, carga assncar.
    EDITAES.
    HiLiriA INTERNA
    l'arlido eomervador.
    MANIFESTAOS! -POPIT \I!1!S.
    Quasi ao me!.mo tempo que se feriam amar-'
    gem esquerda do Paraguay os memoravois feitos
    ajd> ienanaaa 1r-oos de par em par as portas da
    Assnmpclo, e sellar gloriosamente a longa'cam|ia-
    oba que tao iiif entes-sacrificios impoz ao paiz, es-
    creviamoe d'anui estas palavras que o tempo se en-
    caiTaguti de jmtiflear com a mais: plena-o tanaf
    netJMMNgh):
    O paiz que ha quatro anuos, nao se declarou
    cancade-dc urna bita em que so debato a honra
    da narSo-e que, nene longo periodo nao-deseon-
    tmlMm,sacrilill^6sdtbtvordem para preparar
    J v da Nilva-Loyo ios Amonio de Camno,/ tnuinphn-di-tao justa causa, pode esperar aln-
    apiilentes.
    l'rancisco Ferreira Rallhar.
    Auiorim e baro de Crtnny;-comiiwsso' de oxa-
    me de contas.
    CORREIO.TemosonvidoqOelxas sobre a nov
    (orina de ser destribuida a coiTespondeaeia posta!,
    na adiainislracao de correio; e, testemnnlias-oe-
    eulares da maneira porque foi ella feita ante-bon-
    e de trra. Um nome rompa unisono de todos ns
    labio*de todo os petos brastlciro; era o do aneiro de ISflS.
    Mrquez oe camas; O bravo visconde do Herva'
    nao era menos o arvo de repetMaa aelatnacoes. Sob
    as janellas do palacio da presidencia, onde o Se.
    e. ii i, le de Raepcndy e sua Exm. familia eram acooi-
    panhados por numerosos amigos, o enthusiasmo
    popular tocou por vezes ao phrenesi. As sauda-
    cocs repetiiun-se por hora sem intervallO; a at-
    lenSo eaneava-se de pairar sobr a immensa mttl-
    tidao que redohrava-de ardor cada nome quere-
    conlavn urna doria nacional.
    A rara' espontaniedade- > semelhanlw mostras
    do nthtlsiasmo popular diz muito elocuentemente
    com que.o9tromecimentopatriotko8eraoreccbidat
    as aoeias, esperadas tfidOTnomemo; que devem
    confiTuarpor commatilcacio offlctl oaeabmeiH
    todauerrae aslenneinstallacaodo periodo da
    paz.
    Sallemos que se conoertam mamfestaeoe de lo-
    ti <-f,-\nrtHrt Tai!** -^- .
    e nio ii I o nas
    estrada de Joo de Ranvis.
    Capella da Ooneeveao de Joo de jlarros,
    lodo os moradores da
    24 de
    Manoel JoaijmimkJbtvinSobre&a.
    -
    Tubrculos -pulmonares
    ii
    Os principaes sjtnptomas da forraafao de
    tubrculos uos-puimesi sao:
    Unta tfissc-sBCM cjoanilo se levanta dn
    manhaa: respir-anilo- curte dilculosa e
    rapid'quando su Pjz exerciclo.
    Paldz extraordinaria, molleza nos nw-
    ctllos, emagreeiibento em todo o corpo,
    'dfifculdadn em fazer esftfRfo,- quei*-pliysico'
    quer mental.
    Ests- symptiMiias pudem continuar por
    .rrtuito tempo sem atij porm cedo rm tarde appareeoifo signaes
    do sea pr-ogressrj: o pulso e b.ruar mais
    rpido,- sentiivse-lKt fri p^lo MpiRawca de
    De ordem do Illm. Sr, inspector da thesou-
    raria de fazenda desla provincia, sao |ielo pra
    te convidados os Srs. Francisco Uves de Hrito,
    Antonio Alves de Rrito e Sanio liaplista Pedio*.
    moradores no termo de Ingazcira, para dentro d
    prazo de 90 dias que llies tica marcado a eonUui
    desla data, rocolherem aos cofres da thesouraria
    cada um a quanlia de'oiOOO rs provenientes de
    mullas une Ibes foram impostas indo presidente do
    tribunal do jury do (ermo de Ingazcira |ior falta
    de comparecimento a 2a sessao do niesino jury.
    aegnado a'temo do resumo das mullas (|ue acom-
    pauhou o offhsio do respectivo juiz de direito de 31
    de dezenihro prximo passado.
    Findo o prazo ser a cobranca oTeeluada ejecu-
    tivamente de conformidade com o ari .t do regu-
    lameato que baixou eom o decreto n. 4181 do
    de Maio dn anno prximo passado.
    Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam>
    buco, 21 de Janeiro de 1869.
    O omVial-maior.
    Manoel Mamedtda Silva Costa.
    liii/o Pernambaeo.
    Faz-so publico a quem coH\ior e imeressarpos-
    sa. que lindo o praso de Ires mezes acontar de 24
    de aezembro ultimo, se bao de vender em hastx
    publica, celebrada na cidade de tioyanna e na villa
    de Itamli, peante o sohredito juizo, as trrasper-
    teiicunles ao extincto encapellailo de Itannf, eons-
    tatites do edilal depraca, publicado no Diario de
    l'ernamhneo do citado dia. Os que pretenden ,.i
    lascar a praso. conforme o art. 4o da lei de G de
    selembro de 1830, devero aprosentar-re com seus
    Hadorfls habituados, sendo as llancas prestadas ad-
    ministrativamente e com todas as formalidades
    das fiancas liscaes nos termos das instrumies de
    30dedezembrodel8Go.
    O escrivao,
    Luii Francisco B. de Ahneida.
    PRACA DO RECIFE 27 DE JANEIRO
    DE 1889.
    AS 3 12 HORAS DA TARDE.
    Algodao de Pernambuco 1" sorte^lliOOO por ar-
    roba.
    Algodo de Mtteiu I* sortc = loOOO por arroba
    posto a bordo, a frete de 3/4 e 5 0/&
    Algodao da Parahvba 1* sorte 15000 por ar-
    roba posto a bordo, a frete de 3/4 e 50/0
    Dito de dita ditalo'200 por arroba posto a bor-
    do, a frete do o'8 e 3 0/0
    Cambio'sobre Prtugat90 d/v RO / de pre-
    mio (hontem).
    Dito ditoa 8 d/v 171 00 de premio.
    F. J. Silveira
    Pivsidente.
    I^al Ser
    Secretario.
    BANCO AUA & C.
    lina do Trapiche n. 34.
    Desconta lettiascoumerciaesa taxa on-
    vencional. Receta dinheiro, a premio con-
    vencional, par lettns e em conta eorrente.
    Confere crditos, saca sobre iis primeiras
    pracas do imperio, Mi da Prata e Euro-
    pa, e compra cambiaes so'ire as mesmas
    pracas.
    Encarrega-se, por commissao, da com-
    pra e venda de fundos publicos e aeches de
    companhias, da oobranca de lettras e di-
    videndos nudo seu pagamento, ede qual
    quer outra operai;5o bancaria.
    0 expediente para o publico comee** rm^^
    DtCLARACQS.
    Vroxmm da Pitfiyba,
    O Illm. Sr. Dr. inspector do thesouro
    da o p mico timpa e.ue pedeana bravura e-peri-
    los daCosth^i cia-doy nosto uganeraes para o soguianupj ra- i
    pido de opera 'des qne a historiadas guerras1 da
    Americaregistratcorao notaveis desenhos de
    tctica militar..
    < Vanas ven yduws nossos. gaaaraas. Es-
    taoaccumuJacos fornidaveis mcios de .accjto;
    do genero. Todas anna* se enfondem nestrfnlHihto e de. tarttev jjpaitf: por febre.
    ?^?!?n!?** **Bodar'pm.m#i04-'sv. -Dahi em diante o doente passa noutr in-
    quieto, kisse secta" e irritante -todas as
    svW o alvoreotr-da mw#era que desnoaia rlsm
    nll para o paiz,
    O pavo Pernambucano est fio inmameanaa-4-.
    soctado-iudo quo se fw-de pvmde e debenaM
    i campanha, que nSe* se nao mbhbbunrosO^
    velo levauter-se eomo um si homem para gtorfl-
    car a victoria das aninfra*^iaaB '
    Nao na um episodio notavel desta- campante en>
    \ttoi que#e vir* na cama.
    Neste- prtBsh*periodo de fen tulier-
    atmtii os putaftes contara ja mais ou me-
    nes dos .depsitos tuberculosos.
    A transice -doprimeiro aos<:gundo pe-
    piodo desta molestuio em alguns vagarnw
    e apenas vitivej, em outros rpida e evi-]
    s 10 horas da manhaa, e terminara as I
    horas da tarde de todos os dias uteis.
    ENGLISH BANK
    OC Rio de Janeiro Limited
    Desconta lettffls da praca i taxa a con-
    vencionar.
    Recebe dinheiro- em conta eorrente e a
    prazo lixo.
    , Saca vista ou praso'sotire as cidade*
    principaes da Europa, tenvajfencias-na-Ba-
    liia. Buenos-Ayres; Montevideo, New-York
    e NevrOrl);ms. o imitte cartas de crebito,
    para os bombos hwares.
    Largo do I'eloarlntio a. 7
    Ofbtff Filial do Banco do Brasil
    A c.aixn rtiial-.dofcanoo do Brasil em
    Pernamkneo emMwjtHihajS* paga o 30 divi-
    dendo das acgOi do' Banca do Brasil ins-
    criptas, nesta caixa; araal)4le.9iJ000por
    aooiii'
    Recia, igde Janeiro e M6i.
    dente da provincia, ein ohlcio de hontem datado,
    ((UO'tenidee(ititratar->e a illuminaeao publica por
    meio de gaz crreme e a aba-tuciiento de apua
    potavel desta capital sob as seguintes condic-
    eoes :
    1." A ilhiminaeao seri exirresnondente a 400
    ci.ailownres, cada din dos- quaes dar urna lur
    equivalente ein iuiensidade 10 velas de espero ir.
    cete, das que consomenv ISO graos por hora, c
    estar accew 9 horas nrmale.'
    1* O abasleciinen > agua ser feim 0onm*r
    de cinahsacao c chafariz, ajenaTM a vanta?*m d
    vannr de agua para o contratante' ou companhi-'.
    que se organisar.
    I.' Os coniratns- flearao"dependentes daapprc
    vacie da aosemblea! provincial.
    Sio, portanto, convidados os que pretenderent
    cantraiar as mcnclonadaa obras apreseniarem
    iia propo-tas no praso de 40'das, a contar d
    d ata do -presente perante ee reparticio, afim de
    seren tomadas de\idamen,iint'onstdoracao:
    Thesouro provincialdaiPaflmnw. 16 de Janeiro
    de 1869.
    No-Imn*dtment'dff ofBelll da'secreniriw
    i irormir Isito'Gvnm Pessm:
    ' = Pelairecebedwia da renda miera*
    -se faz -publico que neste' mes a no de fetetelro,*
    prximo futuro,-que os contriuitue* da laxa esera*vis do exercicio .Torrente de 1868-60, qnw
    moradores nas rreguezias da cidade, quer nas de
    fra, leem de pa^a-la, livre da multa de l'W0,J*
    een * *
    i
    Pe
    p


    *


    ^^HilH^I
    _l_
    '.

    Pernambuco Quita
    Janeiro
    1869.
    ReccbedorU de Pernambuco 8 de Janeiro de
    1*69.
    O ;idiiinstrador,
    _______Manool Carnoiro de Souza Lacerda.
    De oriltunloilm. Sr. Mpecior d* tbeaouri-j
    ria defazenda desta provincia.se faz publico para
    conhecimcnto dos tnteressados, qne o tribunal di>
    ihcsouro .autorisou o pagamento de dividas de
    exercicins Ralos, cujos eredores sao os seguintes:
    Jaciathn Pereida do Reg .... J36309
    Miguel Bernardo Vieira de Amorim 23*000
    Jo* Alv.-s de narros..... 8*980
    Joao'Baptista da Malla..... SU9O0
    Bernardina Amalia da Silva Doria 1072o0
    Kielden Brothers....... 168*300
    D. Maria (ornes Coutinho do Ama-
    ral........... 1;20U968
    Secretaria da tliesourana de fazeiida de Per
    n unbuco ti ile Janeiro de 1869.
    O oflicial-inaior,
    Mannel Mainede da Silva Costa.
    AVISO AOS NAVEGANTES.
    Km virtud* de ordem do Exm. Sr. presidente da
    provincia manila i> lllm. Sr. capitn do mar e guer-
    ra ocapiiao d porto publicar oedital ajtiaixo trans-
    cripto, conforme solicitou S. Exe. o Sr. presidente
    da provincia ilo Para:
    Bdital. De ordem ik) Exm.Sr. conselbero pre-
    sidente da provincia se faz publico que no dia 24
    de novembro ultimo foi rollocada, as proximida-
    des do cotovello dii baixo de Uragauea.ao S. S. E.
    da ponta da Una daTjca, o ao S. E. i. E. da pona
    do Curuc emiatt. S. 0--26'", e long. O. de
    rew 47" 34'3", ein fundo.de 16 bracas ara
    lita, a barca Pliarol, que para semelbaute lin uV.-
    tiaou o. goveino imperial, uas condicooes segura-
    tes:
    E' toda construida de ferro, tem 80 ps de com
    primelo, 20 de bocea, 10 de ponta I, calando
    7.
    Eleva-se do centro un mastro no qual icada a
    lanterna que conten um apparellio luminoso do
    systhema caloptrico, coniposto da nove lampadas
    d" bal inca coui .nitros lautos rellectores prateados
    e ilispostos em grupos do tres.
    Este apparclho giratorio, roneluudoemi
    urna revoliiou completa com eclipse de o" cada
    urna.
    U plkoco luminoso eleva-se 20 ps cima dalinlia
    de mietaaeo, a luz clara c |hmI; regularmente
    sor avistada na distancia de Dito inilhas.
    O navio que buscar a entrada oeste porto logo"
    que tiver reconhecido a Barca-Pharol a devora
    i mM.-n.tr por B. B. enavegar ao S. 0.4. O.; della
    distante inoia milha, e logo que a tiver pela popa, a
    igual distancia, navegar ao S. O., tendo multa
    attencao a mar com que entrar, porque em va-
    sante encosta para cima do- baixo e a euchentc o
    afasia.
    Os rumos de qnceima se trata,, sao magno;
    ticos.
    Secretaria do governo da provincia do Para, 2
    de Janeiro de 1809.O secretario interino Joo Bri-
    gido do.; Santos.
    CnloieAntonio Aunes Jacome Pires.
    Confer.Satazar.
    Capitana do porto de Pernambuco, 16 de Janeiro
    da 1869.
    O secretario,
    Decio itAquino Fonscca.
    Viee-consulado do Per.
    O abaixo as?ignado vicc-consul da repblica do
    Per, tendo de remetter a junta de beneficencia de
    Lima, o producto da subscripeo aberta a benefi-
    cencia ilus projudicados com os ltimos terremotos
    que destruirn! diversas cidades e povoacoes da-
    qaeiie paiz, deixando niilharos de pessoas outr'ora
    abastadas. reJuzdas ao maior grao de niendicida-
    de ; avisa a todos os habitantes desta cidade que
    quoiram cuncorrer para um lim to caridoso, que
    no vieo-eousiilailo esta aborta a respectiva subs-
    cripcao. Jos Jacome Tasso,
    Viee-eiHiMil.
    Pela a.lniiiii^ii.ira. dO-Correio desta cidade, se
    laz publico a queni iulercssar possa. que nao so
    demorndoos vapores da-corapanbia Messngerins
    Imperiales esto porto em seu regresso do Rio de
    Janeiro, o lempo preciso para se lzor a expedicao
    i!as malas com direeeao a Euroiia. tem resolvan
    que as malas se feclieni s 6 horas da lardo do dia
    anterior ao da chogada dos mesinos vapores.
    Gorreio de Periiamburo, 18 de Janeiro de 1869.
    O adminislrador,
    Domingos dos Pomos miranda.
    Manta Casa da misericordia do
    Recife.
    A Illma. junta administrativa da Santa Casa da
    Misericordia do Recite manda fazer publico que ua
    sala de su: MMSes, no dia 28 do crrente, pelas
    quatro horas da larde, tem de ser arrematadas
    quein inai- vantagens oferecer, pelo lempo de um
    tros annQS, as rondas dos predios em seguida de-
    clarados :
    KSTAUELECIMKNTOS DE CARIDADE.
    Ra da Alegra.
    lema n. 7, por anno............... 300000
    lina de Hartas.
    Loja du sobrado n. 41, por anno........ 120000
    Ra da Alegra.
    Casa terrean. 7. idem.................300000
    Rua da Moeda.
    Pfiaoiro andar do sobrado n. 37, por anno 760O0
    Segundo andar, idem.................. 964000
    Areal do Forte.
    Casa terrean. I, por anno.............. lOOOOO
    Rua do Padre Ploriano.
    Casa terrea n. 13, por anno...... ...... 170-&000
    Bi'cco das Caraibas.
    Casa terrea n. S, por anno.............. 131-3000
    Rua da Imperatrz.
    Gasa terrea n. 68, por anno............3035000
    Rua da Concei?o.
    Casa terrea n. o. por anno............. 249-3000
    PATRIMONIO DOS OltPHAOS.
    Rua do Pilar.
    Casa le-iva n. 100, poi anno..........iOiMO
    dem n.-402. idem....................-IW^OO)
    Rua do Rangel.
    (^asa terrea n. 36, por anno............3025000
    Rua da Madre de Deus.
    Casa terrea n. 12, por anno............ 761*000
    1 ldom n. 6, idem ...................... 400*000
    Sino n. 3 do Forno da Cal, idem ........ 130*000
    Os pretendentes 1 deverao apresentar no acto da
    sminataco as suas flaneas, ou comparecerem
    ccompaaliadosdos respectivos fiadores
    3 retara da Sania Casa da Misericordia do Re
    cite, 23 de Janeiro de 1869. Oescrivao.
    Pedro Rodrigues de Souza,
    11
    HB
    AVISOS MARTIMOS.
    COMI'ANIIIA PEUNAMBl'CANA
    DE
    IVavegaco eoseira por vapor.
    .Maii'i, escalas e Penado.
    O vapor Potengi. canunandante
    Retesa, seguir paraosportos cima
    mw no dia 30 do corrente as 3 horas da lar-
    de. Receiie carga at o dia 29 as 3 horas da tar-
    de, encommendas, passageiros e dinheiro a frete, at
    ,es 2 lioras da tarde do dia da sabida no escriptorio
    do Forte do Mallos uv 12.
    rara
    O brigue eseuim nacional .Amelia II, segu no
    lim do crvenle nie* de Janeiro, anda recebe al-
    guna carga uiuda: trata-se com e consignatario
    Joo .Francisca ds, Silva Novaes, rua do Vigario
    rk.il.
    OOMPAMHIA
    DAS
    Mcssagcrics imperiales.
    At o dia 30 do crvente uiezcs|>era-se dospor-
    tos do sul o vapor francez Navarre. commandante
    Massenet, o qnal i.epois da demora do costume
    seguir para Bonlos tocando em Dackar (Gore)
    e Lisboa,
    Para oudicoes frete* epassagens traU-se na
    agencia rua do Cununercio n. 9.
    Para o Porto
    Segu sem dem na a barca porlugueza A'oto
    Silencio, por ter glande parte da sua cargapromp-
    :a, para o resto e |assageiros aos quaes offerece
    '\collentes eoiumcdos-trata-se com Oliveira FiUios
    3t C.,.largo do Cono Santn. 19.ou com o capitn
    11a praca do commercio.
    239 com 20 diuias do marnxjuim a variado abor->
    do do navio francez R'iooi, o leilao sera effeclua-
    do as 10 horas do dia diyma dito, no armazeui d:
    rua da Cadeia n. 28.
    KCTE^.
    Sendo urna mobilia de Jacaranda com 12 cadoi-
    ras, 1 sof, 2 consolos sem podra, 1 mesa redon-
    da, 2 mesas meias las, um par de bancas, 6 ca-
    deiras de amarello. 1 lavatorio, 1 marqueza de
    angico, 1 bah de madeira. 1 selim, 2 raarque-
    7.111 -s. 1 guarda vestidos, 1 par de aparadores, 1
    quartinheira. 1 cadeirade deseaneo, 1 candelabro,
    1 par de lanlernas, bacia para banliu e muitos
    outros objectos que serao vendidos .pelo uiaior.
    preco possivel.
    Sexta-teira 29 do correnle.
    O aggnte Martins far leilao dos movis acuna
    pertencentesaunia fainia que se rerou para o
    centro da provincia na rua uova de Santa Rita n.
    31, as 11 horas do dia cima .
    LEILAO
    (!oiii|iaiilii;i americana e brasiiei-
    ra de paquetes a vapor.
    At o dia Io de levereiro esperado dos portos
    do sul o vapor auvricano M&tutippJ, o qual de-
    |wis da demora do costun.e seguir para New-
    \ork locando na 1 ara e S. TJjomaz. Para fretes
    e.passagens traU'Sii.com os agentes He y Fors-
    ler & C, rua do Tr ipclio n. 8. _____________
    De una loja de tarlarugueiro
    sita rua d:is Trlnchelras nu-
    mero f.
    O agente Pontaal vender a loja acuna com to-
    das as mercaduras o ulenHIios ,x'itencentes a
    meauta, assim como um torno, proprio para ouri
    ves 011 Uirlarugueiro, seado u'uiyu em diversos
    loUs,a voat*de.dos licilantes podendo os mesmos
    que quzerem dirigir-se a rua da Cruz n. 62, Io
    andar, para vero balaHco e dirigir ao leilao.
    Sabbado 30 do corrento.
    Que devora ter lugar as 11 horas na mesuia
    loja.

    0
    AVISOS DIVERSOS.
    C0MP.\N1I 1A PElkNAMIiLCANA
    %'avegaco -osleira por vapor-
    ParaliyLa, .\utal, Maco, Mossor, Ara.
    caly, Cear, Acarac e Granja.
    O vapor Ipojuca, commandante
    Martins, seguir para os portos cima
    _ no dja 30 do correnle as 5 horas da
    larde. Recebe carga at o dia-29 as 3 horas da
    Urde, encommendas, passageiros e dinheiro a
    frete at as 2 horas da tarde do dia da sabida no
    tscriptorio do Fort 3 do Mattos n. 12.__________
    COMPANIIA PERNAMBUCANA
    DE
    TVavegaeo Mamanguape.
    O vapor Coruripi, commandante Penna, sogui-
    para o porto cima no dia 28 do correnle as 6
    horas da lardo. Recebe carga desde o da imme-
    diato ao de sua chi gada d'aquelle porto, at as 3
    horas da tarde do da 27, encommendas, passa-
    geiros e dinheiro a frete at as 3 horas da tarde
    do dia da sabida no escriptorio do Forte do Ma-
    Us n. 12._______________________________
    Para Lisboa
    O brigue porluguez Lnki I, capitn Vieira, vai
    sahir com muila brevidade, por ter a maior parte
    da sua carga promita; para a que anda Ihe falta
    e passageiros, traU-se com Oliveira Filhos & C,
    1 irgo do Corpo-Sarito n. 19,.ou com o referido ca-
    l itao, na praca do Commercio.______________
    Para o Porto
    Segu com a m.i ior brevidade possivel a barca
    Amella de prinieini marcha, por ter a maior parte \
    do sna carga engajada; para o [touco que Ihe falta
    e passageiros, aos lindes offere excellenles commo-
    dos, trata-se eomBultar, Oliveira & C. rua do Viga-
    ron. 10.
    A pessoa que aununciou querer ser caL\oi-
    10 de engenho dirija-se a rua Dirviui u, 106, que
    se dir quem precisa. ___________
    Ser certa que na fregueza de S.Jos do Re-
    cife um s partido apreseata, duas chapas, partin-
    do una da junta eonservdora e outra de mem-
    bros decidentes ?
    Ser tambem certo que V. L o organisador
    da segunda chapa ?
    Isto deseja saber
    i. J.
    Ama de leite.
    l^ecisa-se de mna^na rua Ua Peulia 11^ 21, pri-
    me! ro andar.
    TRILHOS IRBA.N0S
    DO
    LEILOES.
    I
    J
    ilc[.iOc:ii\jso l.OOO quartos
    eom passa- re^enleiiinilc dcs-
    erabarcadsis.
    HOJE.
    O agente Peslana far leilao por coiUa e risco de
    q .iem pertencer de 150 caixas e 1,000 piarlos
    com excellenles paisas desembarcadas recente-
    ironto, as quaes serio vendidas em um ou mais
    lites a vontadedos liiitanles no dia cima men-
    cionado as 11 horas da manha no armaaem do
    Annes defroute dalfandoga.
    LlLiO
    De salvados nuticos.
    A 28 do correte.
    . 0 agente ,Qliveipi far l,eiliuj)oc. Cflii.la.-^^sco
    de qHofn pnctencer los. sal va dos do patacho $ce,
    naufragado na barra do Ass coiisistiniTo, ein
    cuxacias, virador, espias, cabos diversos e fjf- la-
    borar, barril de alc.Mro, escada. ancorte, Rela-
    me quasi novo, cabes de rame, moitoes e c_a*ler-
    naes, lona, mialliar, sola. Do, pharoes.agnlhaBtin-
    to,botica, wsrcnhM liuas, ii bracas de c ureiiie.
    ferro e coDoupostd verso.-, bolo e i Jincha, lu-
    do no melTior est3>
    iMMi:
    as 11 huas da maniaa ein poni, lio .uiui/ei do
    Sarao do Livramcntoao caes do.Apello-_________
    Recife a Apipucos.
    Pede-se encarecidamente as pessoas que se
    quzerem inscrever como assignantos para o inez
    de feverero prximo futuro, o tacara at o im di)
    corrento.
    Para poupar o trabalho da declaraco inensal,
    aquelles que ipiizerein assignar por mais de um
    mez, podenisto mesmo declarar na occasio de
    inscrever-se afini do se Ihe jiassar munsalmente o
    competente billioie.
    Escriptorio da inpreaa 20 de Janeiro de 18(19.
    W. Hawlin-on.
    Gerente.
    AIIVOlilDO
    O bacliarel J. Fianklin da S. Tavofa
    46Rua do Imperador-=>46
    4 andar.
    I GOMES DE MATTOS IRMlOS
    tendo feito completa mudanpa em seu antigo e
    acreditado estabelecimento de joias. com o flm de
    dar-lhe maiores proporcoes e elegancia, convidam
    ao publico em geral e com especialidade as Exms.
    Sras. de bom gosto a comparecerem pessoalmente
    das 6 lioras da manha s 9 da noute na f
    RUA DO CABUGA N. 4 1
    ndeeneontraro um completo sortimento bello e precioso em brilhautes, esmeraldas, rubias e tudo que em obras
    de ouro, prata e platina se pode desejar, e para pro\a do que ho dito,
    apresentam d^sde j
    A ESTRELLA DO NORTE
    riquissimo bri haute de tamauho raro e seiruramente a maior e mais bo-
    nita pedra e.yposta a venda nesta praqa, a qual como tudo mais ser
    vendido pr,e 6arante-se a qualidade dos objectos venda.
    MUSEO DE ;
    Subdele^acia de polica da fiegue/.ta de S.
    Antonio (lo Wooil'o 27 du jnnoiro do
    1869.
    Por esta subdelegada se faz publico que se
    acba depositado una quantia em dinheiro que foi
    adiada em una das mas desta fregueza. quem a
    tiver perdido queira apresontar-sc que dando os
    sgnaos certos Ihe ser entregue.
    Antonio Domingos Piulo,
    Subdelegado.
    Precisa-'se de um menino de 9 a 11 annos
    de idads para caxeiro de loja de ourives e tam-
    bera se ensina o officio nao se duvidando dar-se
    algum ordenado com tanto (pie d fiador a sua
    conducta : na rua Direita n. 79, loja.
    2!
    I .
    i i
    I
    HOJK.
    De 150 caixas com p^ssas em caixas, tupias
    e quartos e 12 jacazes com loucinlio.
    O agenle Pestaa fara' leilao por cont o.rjsco
    de. quem pertencer de lSDcaixas, em caixas, meias
    e quartos com passas desembarcadas bonjem e
    13 jacazes com touc nho ein lotes a vonlado ; Ijoie
    as 11 horas da man aa no Annes defronte d,al-
    fandega.
    I.I.CI AO
    De O dazltis le marroqiiiui
    a variado.
    Sexta-feira 29 I..ja*ina9iil0. Uoras.
    0 agente Piulo f; r leilao requerimento de
    Magalhes Irnios f or, autorisaco do consolide
    Franca em presenta de se* delegado e por cpnla
    e risco de quem pe tenoer, da ca^xa marta M I n.
    A escrava Hcrculana
    Comprada a Exma. Sra. I). Clara Fenlon em Ja-
    neiro de 1867, passada a escriptura de venda, sa-
    ino e ate boje nao voltou, gnorando-se para onde
    se evadi. -E' mulata clara, fel, idade 36 a 38
    anuos, falta de dentes no queixo superior, sardas
    no rosto, cabellos um pouco corrido;, e cheia do
    corpo. Foi escrava do Sr. Joiio Simos de Almei-
    do da rua do Vigario, anteriormente do tenenle-
    coronel Joao de S, do engenho Tab, na Parahy-
    ba. J esleve urna vez em Goyaiina para ser ven-
    dida ; sealguem a quizor comprar vende-se, e se
    poder ser apprehondida, ou se indicaren! o lugar
    em que estiver, sendo encontrada, se dar a gra-
    tificacao cima, na rua do Hospicio n. 23.
    De ordem do lllm. Sr. presidente da
    sociedade Liberal L'niao Beneficente, con-
    vido a todos os socios, para no dia 31 as
    10 horas do dia, se reunitem em assem-
    bla geral.
    Salla das secces da sociedade Liberal
    Unio Beneficente 27 do Janeiro de 1869.
    O Io secretario,
    Joaqnim Xavier CoelhoBittencourt.
    O abaixo assignado tem justo e contratado
    com o Sr. Joaquim da Silva Lopes a compra de sua
    taberna da rua do Hospicio n. 30, livre e desem-
    barazada de dividas e de todo e qualquer onus :
    pessoa que se julgar com ireito a mesrna, com-
    Sareca para ser attendido, isto no praso de tres
    ias. Ando esto nao se attender a reclamadlo al-
    guma.
    Antonio Martins Saldanha.
    CASA DA FOttTINA
    Aos 4:000^
    Billietes garantidos.
    rua. do Crespo n. 23 e casas do costume.
    O abaixo assignado tendo vendido nos seus
    muito felizos bilheles garantidos 2 quartos n. 1226
    com a sorle de 4-.000 ; 1 quarto n. 2888 eoui a
    surte de 700 i e outras muitas surtes de 100, W
    e 20S da lotera que so acalmo de exlrahir em
    beneficio da groja de Nossa Senbora do Terco
    (93), convida aos possiiiiloros a virem receber seus
    respectivos itremios sem osdescontos das leis na
    casa da Fortuna rua do Crespo n. 23.
    Achain-se a venda os da 84 parte da lotera em
    beneficio do patrimonio dos orphos (94.") que M
    extrabir sabbadodo inez vndouro.
    Procos.
    Bilhele.....45000
    Meio.....25000
    Ojiarlo.....15000
    Em porcao de 1005 para cima.
    Bilhete.....3*800
    Meio......157.-O
    Quarto..... 87.:i
    ________Manuel Martins Fiuza.
    O abaixo assignado participa ao corpo do
    coiuineicio, que. desde o da 2i do correnle mez
    dcixou de sor caxeiro da loja Fragata Amazona'-.
    Manuel Pereira Bastos.
    = Precisa-se de urna pessoa que tenha platica
    de cortar calcado : na fabrica da rua do Jardim
    n. 19.
    ESCHIPMl DE A1IV0CVCIA
    2GRtta larga do Rosario6
    O advogado bacliarel Avies de
    :vil)llillltfl1|au uama-tomou a aDrir
    o seu escriptorio na rua larga do
    Rosario h. 20: onde pode ser pro
    H curado, ;i qualquer bora, para lo-
    [gi dos os mistere's da sua profissao.
    Aluga-sc
    a padaria sita no paleo da Santa Crol a. 1, um
    melhores local : quem a pretender dirija-se a
    do Sebo n. 8.
    do
    rua
    Jos Leopoldo Bourgard, roga as pessoas que tem contas atrazadas,.cm seu esta-
    belecimento rua da Cadeia do Recife n. 13, o obsequio de as saldar al o lim
    deste me/, de Janeiro.______________________________._______________
    Casa para alugar.
    Aluga-se no fim da rua da Aurora urna boa
    casa constando de andar terreo, primeiro an-
    dar, sotea e um mirante no centro, com commo-
    dos para grande, familia, achando-sc a mesma
    casa toda Iluminada a gaz ecom canno deesgoto
    com bom quintal e cocheira oa pretendentes que
    desejarem urna boa morada dirjam-se a rua So-
    va n. 20, que acharan com quem tratar.
    Os vapores da Coinpanhia Periianiburana a
    bojeen! diante rhegaro na linha do norte regulai
    e peridicamente at ao porto da Granja, c mesmo
    entre esle e os domis portos do norte da cidade
    da Fortaleza, capital da provincia do Cear, car-
    regarao ellos, v isto ter expirado o previlegio que
    parais-e lim tinha a Coinpanhia Maranhense.
    por isso o vapor ipojuca da Companha Per-
    nambucana, une segu para o norie no dia 30
    do corrento. enegara at aquello porto, para onde
    recebe carga e passageiros, tanto (leste cmodo
    outro qualquer porto da escala : trata-se no son
    escriptorio, eaesdaCmpabia Pernambucana nu-
    mero 12.
    Ama
    Prccisa-sc de urna ama para urna pessoa : na
    rua de Hortas n. SO.
    D-se sociedade na taberna sita na rua do
    Bosario da Boa-Vista n. 43, a una pessoa que en-
    tre com fundos superiores a 1:0005 e entrega-se
    mesma pessoa por balan?. >: quem quizer din-
    ja-se a mesma taberna, que achara qumi faz o
    negocio.
    - O abaixo assignado fillio do fallecido Jos
    Antonio de Azcvedo Santos, julga que seu pai nao
    devia a pessoa alguma: todava se alguem se jul-
    gar credor, queira se dirigir a rua da Liiperatriz
    n. 70. Recife, 24 de Janeiro do 1869.
    Josu Materno Azevedo Santos
    Aluga-se urna negrnlia do 12 anuos para
    servico 3e casa. na rua Direita n. 29.
    Aluga-se
    Huma casa com bastantes comnaodos na
    cidade Nova de S. Amaro: a tratar com An-
    tonio Jos Gomes em S. Amaro, das 6 horas
    : da manria"as 8, c das3 em diante..
    = Na rua da Concordia n. 9, padaria, precisa-
    se de urna ama para casa de familia.
    Saques
    Joo do Reg Lima saca sobre Lisboa, a rua de
    Apollo n. 4, escriptorio.
    AO PUBLICO
    Os abaixo assignados scentilieam ao publico que
    no dia 20 do corrente acalralo, a socieilade que
    tveram era compras de algodao, sob firma Pinto
    & Costa, e julgam nada dever, todava se alguem
    se julgar credor da referida firma queira apre-
    sentar sua conta na rua da Madre de Dos n. 4,
    armazem, que sendo legal ser paga em continente.
    Recife 26 de Janeiro de 1869.
    Luiz Jos Pinto da Costa,
    Jos Pinto Ribeiro._______
    Aluga-sc
    o 2o andar do sobrado daj-na do Vigario n. 11;. a
    tratar no armazem do mesmo.
    esquina
    da rua larga-do
    Bosario.
    liMH MBK ^1 MAS
    Este importante estabelecimento no seu genero,-tem sempre um sortimento sem igual,
    e vende por presos fue nenhuma outra casa pode vender.
    vista da qualidade e do prepo das jpias cada um pder-se-ha convencer da verdade.
    Garante-se ser tudo # lei. Compra-se-ouro, prata e pedras finas por presos mnito ele-
    vados.
    A loja esta aberta :At as 9 horas da noute
    i
    esquina
    da rua larga do
    Bosario.



    Diario de Pernambuc Quinta feira 28 de Janeiro de 1869.
    ITiiiBOS DI VLAME
    N. 3 RA DIREITA N. 3
    Continala a adiar-se venda-as
    pilulas eo xarope alcohlico c elhe-
    reode veame, conforme a frmala
    do flnado pharmaceatieo Prannos,
    na botica di? Francisco Antonio das
    Chagas ra Direita, n. 3; medica-
    cientos estes asss conhecidos, e
    proficientes a quemsoffre derlte-
    matismo, escrfulas, eryspla,.im-
    pigens, exostses ou tumores nos
    ossos, ame-norrha ou falta de
    menstruaro e meustruage ditli-
    ril, etc.
    SEGUROS
    MARTIMOS
    E
    CONTRA FOGO.
    A Companhia Indemnisadora.estabelecind
    nesta praca, toma segaros martimos sobre
    navios e seus carrcgainentos e contra fogo
    m edificios, mercadorias e inobriias:-aa
    ra do Vigario n. I, pavimento terreo.
    BARTHOLOMEU 8: C.
    Precisa-so de un Irahalhador capaz para
    tratar de un pequeo sitio, prcfere-se casado: a
    tratar na ra Nova n. ti, 1" andar.
    Gymiiaso provincial.
    O l)r. regec or no gyiimasio manda fazer publico
    para epnbeeu ie*fo dos senhores pas de familias o
    seguinte :
    1 Que no ;rynaso provincial de Pernambueo
    si> ensina: pr.ei -as letras, lingoa nacional, latim,
    francez, ingler., ademn, giego, arithnietica, alge-
    bra, gcomelrin e trigonometra, gcographia c his-
    toria, philosophia, rhetorica 6 potica, aBoeiae
    natm aes, msica e desenlio, para cujo cnsino lia 17
    professores thedraticos, 1 substituto e -1 repeti-
    dores,
    2 Que o clabelocimento adinitte alumnos de
    tres cujees ; pensionistas, que morad effectiva-
    niente na cas-i: meio pensionistas, que eiitram as
    8 horas da manlia e retiram-sc as 6 horas da
    tarde; externos que s vio ao estabelecimento
    s horas das .rulas.
    3 Que os ensionistas pagam 30 por mez em
    trimestres adiantados, e com este prgaincnto po-
    dem frcgnentar todas as aulas (excepto a de -mu-
    sical, oteen) casa espaeosa e arejada, comida boa
    e abundante, nupa lavada c engommada, papel,
    pennas e tin, medico e botira.
    4 Que os meto-pensionistas pagam liOBOpor
    mez, tambem ent trimestres adhortados, e com este
    pagamento poicm frequentar todas as aulas (ex-
    cepto a de msica), janlam no estabelctimento e
    teem papel, pumas c tinta.
    5o Que ose. [Venios pagam o por mez, do mes- .
    momodo, c-om este podem trequentai- todas as lente dcsobstruante,* como tal applicada nos
    aulas (excepte a de msica).
    6 Que os alumnos que quizerem frequentar a
    aula de msica pagarao, namesma conforniidade,
    li por mez. ^
    7o Que os ; himnos que forem julgados habilita-
    dos para exai ic, as diversas aulas corresponden-
    tes s do eolkgio das artes, querendo fazer oeste
    os seusxaines, teran preferencia para serem cha-
    mados logo depois dos alumnos habilitados do
    mesmo collejio.
    i
    Aluga-se
    mniescrava que faz com perfeicao todo servido
    le una casa de familia : a tratar ua ra larga
    'lo Rosario n. .'!'i. botica.
    Coziuheira.
    Precisa-se de una co/.inheira : na ra do Mon-
    lego n. 24.________________
    Aluga-se o Io
    33.
    andar na ra do Itanguel n.
    UU.
    Na na do Torres n: lt, 2" andar, precisa-se de
    nraa ama me cozitihc e engomnie para urna pes-
    soa.___________________________________
    jtaiia eozluhclra.
    Na ra do Pires, s ibrado n. 27, precisa-se de
    urna ama boa-enziuii ira e de boa conducta, pa-
    Ktv-se bem.
    25000
    Paga-sc iS Bwvsaea por nota esenva boa co-
    aheira e de boa eoodneta : na ra do Pires, so-
    brado n. 27.
    Ooziiiheira
    Mrm'anga de cscriptorio
    Joaquim Ge.*ardo de Bastos, transferia seu es-
    criptorio para a ra do Vigario n. 16, primen o
    andar.
    Ilethodo c a*i Ilio.
    Secundino J )s de Faria Simos, pmfessor per-
    ticular de instrneco elementar pelo aiethodo Cta-
    tilho, avisa ao respeitavel publico e com especiali-
    dade aos pis de familia, que est aberta a sua
    aula desde o dia 7 de Janeiro, na ra da Penha n.
    2S, Io andar, amdt recebe pensionistas jwr proco
    coiHinodo. < aiosmo professor promette muito se
    PARA ISO INTERNO
    p n i: i> an a d o s PIMPLES
    Xarope de jurubeba garrafa. DVOOO
    Vinlio de jurubeba garrafa. lr$0O(>
    Pillas de jurubr.ba vidro. I -sfiO
    Tintina de jurubeba \dr. iO
    Extracto byilraeoolico de, jurubeba. I,->oOO
    PREPARADOS COSIPOSTOS.
    Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2?>000
    Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. I f>GOO
    Pilulas de jurubeba. ferruginosa vidro. 2<>000
    Oleo de jurubeba vidros. 640
    Pomada de jurubeba pote 640
    Emplastro de jurubeba libra. 2A500
    PARA USO EXTERNO
    A JURUBEBA*
    Esta planta hoje reconbecida como o mais poderoso tnico, como um excel-
    engorgitamentos do ligado e baco, as
    hepatitis propriamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as iuflammaces
    subsequentes as fferes intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
    Do xarope Vegetal Americano, especialidade de Barlholonieu & C.
    34RA LARGA 1)0 ROSARIO34
    Nao costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei-
    xamos ipie sua applicaco e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceita-
    los, lites deem crdito e vogsf; porque sao sernpre os attestados considerados gratuitos,
    e e delies que lancamo o charlatanismo; mas, nao querendo olender as pessoas que
    espontneamente nos olerecoiam os que abaixo vao trausciiptos, os fazemos publicar,
    manifestando-litesnossa gratfdbpela atlfncao, e^icraudo que venliam elles corroborar
    o cometo, e acceitacao que tem merecido nosso xai ope.
    Bartholomeu & .
    ATTF.STAnOS
    lllms. Srs. Bartholomeu A C com a irais subida satisfato que declaro
    ser o xarope Americano de nina ellicacia extraordinaria, pois que soffrendo lia dias de
    intensa tosse, ponto de nao poder dormir a uuiU: a despert mesmo de medicamentos
    que tomava, a ellereconi e ua terceira colher fui alliviado, e de todo me ado hoje res-
    tabele-rido ciriouso s'dmente de quasimek) frasco: grato, pois,r csse resultado mani-
    fest a Vv. Ss. meu reconhecimeiito.De Yv. Ss. amigo, \enerador c obligado.Ma-
    nuel Antonio Viegas Jnior.
    Sua casa 20 de abril de 1868.
    lllms. Srs. Bartholomeu & CPenhoradissimo com o favor que me lizeram
    de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, quando me aoha-
    va bastante doente de una constipacao, que me tornou completamente rouco e quo
    trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus deveres de cantor da
    ou agradecer-lhes meu completo restabelecimento, que obtive com um
    mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tratainentos. Desejarei
    que outros como eu reconajn ao seu xarope para se verem alliviados de lo teirivel
    incommodo, tao fatal neste paiz. Com maior consideraco contino a ser de Vv. Ss.
    atiento, venerador e obligado.Luiz Cremona.
    Recife, 25 de setembro de 1868.
    poderoso medicaiHeno sobre os dentis at hoje conhecidos para todos os casos citados, I "lms,- 8?i Bartholomeu & C.-O xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. teem
    tanto que todos os -das fazem d'elle aiiplicarlo. ^f to a venda. deT toda.eflicac,a l)a!"a cuial,v<) d as,l,ma' "*" "bservet appli-
    Apresentando aos medios e ao pblico em gerai diversos preparados da juru-! m}- meu l,ho ,oa? J. y^una d'esse flagello, que at
    estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
    O que dieemos affirmam os mais distmotos mdicos desta cidadk entre os
    quaes podemos citar os lllms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
    Pereira do Carmo, Finito Xavier, Silva etc. Todos elles reconhceem a excedencia d'este
    cntao por ospaco excedente a dous annos havia resistido a outros
    i nomearla.
    ao meritorio servico quelite prestarain com o indicado xampe, acreditan-
    do-me para sernpre de Vv. Ss. criado, attento e obrigado.Americo Netto de Mcndonca.
    Recife, 2 de outubro de 1868.
    beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo" desapparecer a I "*" T^r^^ "c"" a"""f "aV,a n'sllllU01.a ouiros .xarolief de 8rand
    repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, e "1,Qu<,ram-' P'S' Vv" Ss' acce,tar a exl)resSa0 emente s.ncera de meu reco-
    mis das vezes repugnantes a tragarem-se, c que tinham ainda a desvantagem de nao
    ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo um
    medicamento, que poderla produzir ptimos resultados.
    Os nossos preparados s foram apresentados depois de havermos conveniente-
    mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bemeonhecer as pro-
    esmerar no aiiiantamento do seus alumnos, i) j priedades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas, fructas ou bagas, e a
    mesmo prafnior abri de?de o mesmo dia um: dose conveniente a applicaeo, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
    curso de primeira letras anoite para aquellas pes-
    soas que nio |:oderein l'rcquentir durante o dia.
    Antonio los Rodrigues de Souza, na ma do
    Crespo n. lo, ou em seu sitio, do Montciro, gratifi-
    ca a ejuem apturar o sen escravo Joaquim,
    pardo, de idad i 35 anuos, natural de Pao d'Alho,
    liara onde se nesse dia a conversar com pesada daquclie lugar,
    estatura, secco do corpo c um pouco alto, bigme
    e cabello meio carapinliado c ponteado, e tem um
    caroeo na munlieca da miio direita, do qnal solfrc
    lores i lieumaticas, teudo a falla a sei lanejo, muitn
    descampada.
    Precisa-se de urna boa eiziulieirn. o prefere-se
    eserova: a tratar na Passagem da Magdalena, no
    sitio do Sr. Cliiistiani.
    Ama.
    Precisa-se de urna ama para o servico interno e
    externo de una osa de ama so pessoa : a tratar
    na ra do Kaugel n. 07, 2o andar.
    Ama
    Piwisa-se de urna ama para
    urna s pessoa : a tratar na ra
    todo servico de
    da Senzala-velba
    n. 131, f andar.
    1). Anua Joaqaina de Helio Carioca declara
    ao publico qoe deba do ser si'ii procurador o Sr.
    casttio Jos- Rodrkues de Oliveira Lima. Recife
    25 de Janeiro de 1860_____^^^^
    () S Mauoel Pereira lastTTs-cesTteT o dia 24
    le Janeiro entrante deixou de ser eaixeiro na loja
    da Fragata Amazonas.
    Aluga-se um lum sobrado na ra Vellia n.
    ts, com mnitos eommodbs para familia, e bastante
    rreaeo, ou todo ou onu as lujas em separado, a
    preco razoavel : a tratar na ra da Imperatrlz.
    luja n. 51.
    MJjmjk-
    Precisa-sede unu am i para andar com um
    menino : na ra da* Laraagelras n. 2l, hotel com-
    mercial.
    Umiuo de nwt limetiea. algebra e
    geometra.
    ao maior grao de perfeicao possivel, para o que no poupamos esforcos, nao nos im-
    portando o pouco lucro que possamos tirar.
    Por tanto os que se dignaran recorrer aos nossos preparados podem ter a
    certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
    vel cura de qualquer dos soffrimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo
    applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolher as nossas va-
    riadas preparacoes, aquella que melhor lhe pode convir, j pela fcil applieacao, e ja pela
    complicaco das molestias, idade. sexo, ou ainda natureza de cada individuo!
    As nossas preparacoes ferruginosas sao feitas de forma que se tonlam comple-
    tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
    como taes esto boje reconhecidos.
    Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propiedades da
    DE
    N. 55RA DO IMPERADOR- N. o.
    Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assz conhecidos para seja necesario
    insistir sobre sua superioiidade, \antagens e garantas que offerecem aos compradores,
    qualidades estas incontestaveis, que elles tem definitivaniente coDqoistado sobre todos
    os que tem apparecdo nesta praca; possiiindo um teclado e machinismo que obedecem
    tuilas as vontades e caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por serem fabricados
    de>^l!2?2a&2 Seno'anda? e,n n08so ncPosito ,,m folheto' onde l,'atamos mais extensamente d'esta planta e dos
    pr
    la casa ii. 17, >ita na ra Nova, das 7 1/2 as 8/
    horas da manli.ia aos senhores estudantes que de-
    sijam fazer exame no collegio das artes, o das 7
    1, i as 9 da noite aos senhores empregados no com-
    mercio.
    AVISO
    leal
    jurubeba, e saberem a applieacao de nossos preparados, destrihuimos giatuitatente de proposito e ter-se feito ltimamente melhoramentos importantissnios para o cuma
    deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e llautailas e por isso muito agradaveis aos
    ouvidos dos apreciadores.
    Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blon-
    del, de Paris, socio correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sernpre premia-
    dos em todas as exposicoes.
    No mesmo estabelecimento se achara sernpre um explendido e variado soiti-
    mento de msicas dos melhorcs autores da Europa, assim como harmnicos e pianos
    harmnicos, sendo tudo vendido |tor precos commodos c razoaves.
    mesmos prepar?dos.
    Deposito
    3 i
    geraUe todos os preparados
    IBoflca e drogara
    Ra larga do Rosario3.
    Cosinheiro
    Na cidaile n >va n Santo Amaro sobrado gran-
    de do Sr. Manuel Custodio n. ti, precisa-se de
    um cosinheiro honieiii ou inulher que seja de boa
    conducta.
    Quem precisar de unta pessoa que te-
    nha pratica de escripturaco por partida
    fabradas, que traduz e escreve as linguas,
    Francesa e Ingleza, dando pessoas idneas
    i ir garaitia de sua repula<;ao, queira an-
    nunciar por este Diario, ou deixar sua mo-
    rada no escriptorio d'esta Redacco, com as
    iiciaes A. R.B._____________________
    Precisa-se de una ama para rozinhar e en-
    iommai' para dnas pessoas : a tratar na ra da
    <:adeia n. 38, amlar.
    Fazem-se lilbs de
    rom promptidao, aceio e
    tVdro n. 26.
    eeringa para presentes,
    pericia: no pateo de S,
    compaulila de paquetes
    Inijlczes a vapor.
    Os agentedi.real companhia de paquetes in-
    gieres a vapor fazem publico que os directores
    da nicsma, para facilitar as conimunioacdos entre
    Pernambueo, Bilhia, Bio de Janeiro, Montevideo c
    Buenos-Ayres .-.uloiisain una redncao as passa-
    gens para"aquelles portos ; d.i-se tanibem hillie-
    tes de ida evolia com prazo de O mezes, confu'-
    me a seguinte tabella recebidas em papel moeda. I
    Primea a ciaste. Ida. ida e mita.'
    De Pernambuec al Babia. 56 8i/
    Rio de Ja-
    neiro. ll-5 168-5
    Montevideo. 2oO .17."i i
    Buenos-Ay-
    res......270S -o o
    Passageiros da terceira classe pagam um quar-
    lo das quantias cima mencionadas.
    A passagem d aqui at Lisboa da segunda clas-
    se Pica reduzida de 27 a 24.
    Tainbcm acha n-se rcduzidos os fretes de di-
    nbeiro para Ingaterra, Franca e os portos do sul.
    Para ulteriores nformacoes trata-se na agencia
    ra do Trapiche Novo n. 40.
    |Trocam-se
    as notas do banco do Brasil e das caixas Ojiaos,
    com descont muito razoavel : na praca da Inde-
    pendencia n. 22.
    Antonio Jos Bodrigues- de Souza, precisa
    alugar um criad j para o servico de casa, Je mais
    de lo annos : a tratar com o mesmo na ra do
    Crespo n. 15, ou em sen sitio no Monteiro.
    COLLEGIO DE SANTO AMARO
    Becife, ra do Commercio n. 5.
    lsi* estaibeleelniento de eduea^o, adiase a disposlco dos
    lliinv. %vs. pas de familias e a queni nials possa convir. O Direc-
    tor faz seleuile, que desde j aeha-se aberta a matricula da aula de
    iustruceo primaria, a qnal ser aberta em o da 11 lo andante :
    bein como as secundarlas, cajos cursos tiveram principio pelas fe-
    rias e devem ser encerradas ciu mareo. As demais fiinccionaro
    do dia 3 de fevereiro em diantc, eom a regularidade do costume.
    Recife, 4 de Janeiro de f si>.
    LUJA
    DE
    RELOJOEIRO
    DE
    VCTOR GRAXDIN
    N. 10 Ra da Cadeia do Recife N.
    40.
    Collegio de S. Francisco Xavier
    Kstabelccido na grande e bein arejada casa
    onde esteve o Gyninasio, ua ra do Hos-
    picio u. 32. dirigido pelos padres da
    companhia de Jess.
    O reverendo pa>l re dlneter daste eoHegio scien- naval,
    titira aos pas de seus alumnos e dos deauis qoe
    juizerem confiar-lhe a educacao de St'us filhos,
    me no dia 3 de fevereiro eomcario a fuceionar
    fodas as aulas, acbando-se abertas j as matri-
    < utas. Recebem-se. meninos de 6 a 12 annos
    para serem instruidos as materias preparatorias
    das facilidades do-imperio, a saber, primeiras le-
    tras e lingoa nacional, geogranhia e historia, ari-
    thmetica e geonn-lria, ingle/., francez, (da-se infe-
    rior e superior), latim, da-se intima, media e su-
    prema, isso a pratica da prosa e da poesa), e
    mahnente humanidades ou a introduccao rheto-
    rica, que couiprehende os tratados do "estylo e da
    etocnci quer em prosa ijuer em poesa as duas
    tingoas latina a nacional. A msica para canto-
    riaepata todos os instrumentos de sopro e cor-
    itas, assim como as lingoas rtHeniaa, italiano, gre-
    ga, ebraica sei ao ensinadas pedido dos seuhores
    O proprictario deste estabeleci-
    mento, premiado com a medalha
    da exposicao universal de Paris no
    auno de i'8oo, tem exposto ven-
    da em sua loja, um grande sorti-
    niento de relogios para algibeira,
    'como sejam : de ouro e prata, sali-
    do dos melhorcs fabricantes, de patentes ingezes,
    goissos e horisontaes. Tambem t'-m ama gnnde
    quantidade de relogios para pande e que bateiu ho-
    Iras, ditos para enmarcacSes e para cima de mesa,
    todos estes relogios sao dos mais bonitos modelos,
    i O mesmo concerta relogios de todas as qualidades
    existentes, assim como tambem concerta chrono-
    meiriis de algibeira e martimos : reeebe sernpre
    Xa ra estreit do Rosario, sobrado de um an- P'"'todos os vapores, um completo sortimento de
    dar n, 3.">, alugai -se ricos vestuarios bordados a i correales e trancelins, sendo tudo 'de ouro do lei
    ouro e la, novo?, de muito gosto, dminos de seda i *e nwdelos os mais modernos, assim r<>mo diver-
    e de laa, todos de gosto e bordados de velludo, para sos ebjectos de bijout-liados mais bonitos e moJer-
    vender-se, e faz-se para qualquer pessoa que quei-1l)l- gustos.
    LSSKIa^.l g0S'? a ?Tmer J* 1,^"'!l'lue,'! ma i,->,ia de loiiga~p". tica no eeuunori
    figui.no, tem um grande sortimento de donnos e '..ff.Tece-.eparaescri^tnrar livros por partidas do-
    vestuanos de pnicipe, tudo em muito bom estado loadas, podendo ser procurado na na do Crespo
    para alugar a U cada domino e vestuario, e para u IX. pruueiro andar
    vender por niuito barato preco, tem rosas para
    enfeitar qualquer vestuario pVoprio para o car-
    Joaquim Jos Gon-
    palves Beltrao
    RA DO TRAPICHE N. 17, l. .\.ND.\R.
    Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
    co do Minho, era Braga, e sobre os seguin-
    tes logares em Portugal:
    Lisboa.
    Porto.
    Valenca.
    Guimaraes.
    Coimbra.
    Chaws.
    Viseo.
    Villa do Conde.
    Arcos de Val de Ve/.
    Vianna do Cabello.
    Ponte do Lima.
    Villa Ite'al.
    Villa-Nova de Famatcao.
    Lamego.
    Lagos.
    Covjlha.
    Vassal (Valpassos).
    Mirandella.
    Reja.
    Ilarcellos.
    Roga-se aoS r, Paulino Uezerra de Andrade
    Lima, snpple He de subdelegado da Gloria de
    Apedido.
    H) MM WSfifft WtW'M
    IPMLAS, VINHO"
    E7
    XAROPE DE JURUBEBA.
    gj PnEPARADOS PELO PHARMACE UTICO
    foaqiiim d'Almelda Pinto.
    As preparacoes de jurubeba sao
    boje vantajozamente conheeidas e
    preconisadas pelos mais habis m-
    dicos, tanto da Europa como do
    paiz, pela sua ellicacia nos casos
    de anemia, chlorose, bydrapesia,
    obstrueco de abdomen, e tambem
    nas dcmenstmaco diflicil, catliar-
    ro na bexiga, etc.
    Vendera-se em porco c a reta-
    lho, na cidade do Recife, pUarma-
    cia de seu compositor, ra larga
    do Rosario n. 10, junio ao quar-
    tel de polica.

    XAROPE DE FEDEGOS
    E' de urna efficacia verd; detra- ^
    mi ule ntaravilhosa como calmante |||
    do sistema nervoso e applicado j^
    na. tosse fe;
    gar ao
    m LARCA DO ROSARIO \T. 37
    Este acreditado estabelecimento augmenta
    de dia am dia quanto possivel para clie-
    (unte do bem vi ver.
    Alm dos saboreaos manjares confeccio-
    nados com o mellior asseio, tein bollos apo-
    sentos de hospedagein, tanto para urna s
    pessoa, como para-nuinorosa familia.
    A agua, indispensavel elemento para a
    vida e hygiene, temo-la sernpre em aban-
    dancia para faciliUir excedentes banhos.
    CIIARITERIA E PETiT RESTAL'BAT
    Annexos. ao Hotel Central, roa estreita do
    Rosario n. 4 A, andar terreo.
    Para dar s conhecer a variedade infinita
    de charutos de llavana, Baha, Ro, etc. 'iio
    existen neste novo estalielecimento pres-
    cindimos dos aniiuncios pomposos que ge-
    ralmente se fazem, reduzindo-nos apenas
    tres letras que sao tres bbb hom, bonito e
    barato. A" vista do genero annuneiado po-
    de-se Jalear de nossa veracidade. Esta casa
    Ha tambera unta boa bibliotheea e perio- gosa tambem das condinics de um elegante
    dicos nacionaes c estrangeiros, piano para e pttt restaitraid onde se pode ver a cs-
    recreio, buhares, etc. etc. pecialidade dos hambres e salames de Lion
    Sendo ociosa qualquer recommendacao para lanches e at fazer nina boa colelo,
    para tito acreditado estabelceimento, omit- juntamente com os principaes vinhos do
    timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresolando entre o bom a pora
    fim, que o bom servido, ordem e moralida- e fervente champagne, o mu saboroso Rhc-
    de imperam n*esta casa, como observancia no, a primorosa ceneja, o licor espirituoso,
    fiel do regulamenlo que possue. o quanto pede tuna mesa. Faz-so noute
    Comedorias a la caite. srvete e variedade de refrescos.
    m&
    :c centra a paralisa, asthma, tos
    Goil, que compa eca ua ra
    muito sedeseja filiar.
    Furtaram da ras larga do Rosario n. M, primei-
    ro andar, por todc mez de dezembro e Janeiro cor-
    rente, urna magniliea cruz de brilhanles comprada
    lia tres annos por 5901; SQppde-se ter sido o fur-
    to feito por algum fmulo da casa, por quanto lia-
    vendo diversas oui ras obras tambem de briliante
    na caixa d'onde fe i ella furtada, somente a cruz
    desappareceu, lie? ndo mesmo urna volta de jwrolas
    a que estava prc^a : gratifica-se generosamente a
    quem a tiver com|>rado, e restituir na mesma casa
    a Euzebio da Cun a Beltrao.
    Acaba de sabir do prek) relacio das unidades
    dos medidas brasilcil :s e ule ricas', por Jos Anto-
    nio (ornes Jnior, obra ao alcance de todas as in-
    da Cruz n. aA, que lelligeneias, e que torna indispensavel para o
    GRANDE HOTEL
    M ORIENTE.
    uso das medidas do svslcma mtrico, e ronde-se
    em casa do autor, roa do Destino n. 3, e na t\|K>-
    gnmbia Universal, roa do Imperadur, a Wrs.
    > i templar.
    liAi.ll'lSSiMO
    ^ Calcado nacional, na fabrica de los Vicente
    (Odinlio & f, i ra do Jardim n. 19, avisam aos
    >ous freguezesdesta 'aplaledo interior,queeon-
    tinuam a fabricar calcado em alta escala, e offe-
    recem as melhores coqucScs, tantoempreijo como
    em (ualidade. Os proprietarios deste -slabe'leci-
    mento ehamam a attencaodos senboivs eidisumi-
    dores do interior, que os quizerem honrar .oin
    sua fregnezia, especilicando em seus pedidos a
    qualidade e numeraeSo, offerecendo-se para o- en-
    tregar bem acondicionados em casa" de seus cor-
    respondentes nesta pr ira.
    Jjistructflo primaria.
    A abaixo issgnada competentemente habilitada
    recebe, ra do Aragio n. B, meninas para o en-
    sino de primeiras letras e de costuras : assegura o
    Illi'lllOr Iralamanl. **mmZ- :........... .,,!..
    Iratamento, Jedica^ao e interese pelas
    alumnas. Recebe tambem pensionistas e meias-
    pensionistas, taoto daeidade orno do exterior.
    ________Josepha Augusta de Castro i'nnsec-i.
    Ainda mais esta. Para anunheeer~o~dla~de
    boje, amarrado por uiim enium cajueira que dista
    da casa 5( passadas, furtaram o meu intelligeiite,
    velho e magro ravallo, castanho andrino, tendo as
    Inaugarou-se este commodo e elegante
    estabelecimento d'onde os seus frequenta-
    dores poderlo apreciar a especialidado na
    confeco dos gsneros alimenticios.
    As bebidas siio as mais primorosas e re-
    commendadas.
    A decencia e bom servico primara n'esta
    casa no bello gesto oriental.
    Mandam-se domicilio comedorias, tanto
    avulso, como por assignatura nensal.. Os!conforme deron eonbeeer-se pelas"piadas no
    precos s5o mdicos e convencionaes. "' ''' l"|,;i V*' "s divide, como bem grane
    Ha urna espa.osa e bonita sala para oiS^^S^S^SS^It Ad'."i:-
    alegante jogo de buhar.
    . Ha tambem aposentos commmodos e bp-ra
    mobilhados para hospedagem.
    Eualar^a doBosario
    ;c
    convulsa ou coqueluche-, tosse re-
    cente ou antiga, sulToeacoi-s, ca-
    tarrhs broncneos etc., e em geral
    contra todos os sofirimentea das
    vias respiratorias, o na phytisica
    pulmonar, sua \ilude contra o
    telano ou espasmos, econv.tlsot.-s
    incontestavel, e ninguera ha que
    a desconheca.
    XAROPE
    DE
    SALSA PARRII.HA DO PAK
    ou
    DEPURATIVO DO SANGUE.
    Usado nas molestias de pelle,
    impigens, dores rheumaticis, e
    ulceras venreas.
    O nico deposito destes media-
    camentos na botica do Pinto, ra
    llarga do Rosario n. 10 junto ao
    wuartel de polica.
    :a. 44.
    ...i ida
    connanca <\w eu tinha em tao bous requisita de
    dito meu cavallo me permiliira livrar do trabho
    o despezas de noute estribarisa-lo. inganei-mc
    materialmente. Sitio do Arraial, ft de Janeiro de
    Ijuem iiwi 1:000* que uiier dar pi
    para nina ahorra dirija-se a "-ua das Barreim na
    Boa-vista n. t), a tratar com una crioula.
    Ama de Icite.
    Proiiaa-se alugar um moieque, paga-so lia
    r*., qoe re-rule 15 ann de idade : na ra do Ca-
    <>agi n. i B,
    Precisa-se-de urna ama de leite preferindo-se es*
    zes de idade: na'ra daOncflieao, na B^a-V
    n. 14.
    A ama que se oflerece pura cosinbar e *u-
    ommar da ra de S. Bom Jesu* das Cri.ua,
    queira nu-r o numero da casa onde mora ou dis
    rit;ir-se na do Amorim o. 35, *> andar.
    Precisa-se alugat urna pru\ que seja pela
    eo-unheia, pref-re-se (scrara. paga-sa >>*m : n *
    ma do Crespo n. 8, loja de 4 patas?
    Frederico Maya
    C'lrurglo deniisia pela escola
    de medicina
    do Ro de Janeiro.
    Tema honra de participar ao rcspeitivel publi-
    co desta capital eseus suburbios, que tem .iberio o
    seu gabinete de consultas e operaces dentarias a
    ra Direita n. 12, primeiro andar* onde pode ser
    procurado todos os dias das 8 horas da man! js as
    i da tai de. Elle acha-se competentemente habili-
    tado para ~eom perfeicao collocar denles artiflciaef
    por qualquer dos sytcmas, e bem assim desempe-
    uliar qualquer outro iraballie coneernejole a sua
    profissao. O mesmo, reeonhecendo que nem sern-
    pre pjssivelassenhoras ou enancas saliireui l
    procc:a o remedio, olferece-se a remover qnal-
    quer obstculo, declarando que nacidad'^e pres-
    tara qualquer chamado semque issoin lira cansa
    ilgama na rommodidade dos procos de seus traba-
    mos, e. quando para fra deba assim ne'-mo ser
    precedido de um ajuste rasoavel, garant ado elle a
    seguranzae perfeicao de seus ditos trabaihos. Eni
    *c-u gabineu se encontrar eonstanteme ite cxeel-
    lenUjpo* dentifricio. elixir e outros medicamen-
    tos ouontalgieos : ra Direita n. 12, primein
    andar.
    Preciga-se de moa ama para casa de pequea
    familia: nui do Crespo n. 18 segundo at dar.
    EFFICACIA
    DO
    XAROPE DE RBANO IODADO
    O Xarope de Rbano iodado de Grmanlt e C", pharmaeeulicos de S. A. I. o prncipe
    Napoleao, em Pars, 6 preparado eom o sueco das plantas aoti-escorbucas cuja efhcacia
    mu popular.
    Encerra o iodo como combiaacSo orgnica, e considerado como o melhor succedaneo
    do oleo de figado de bacalho.
    (A rara perfeicao d'este producto anima-nos a dar a conhecer aqui a opiniio de alguna
    d'entre os principaes mdicos de Paris, que diariamente o prescrevem.
    O Xarope de Rbano iodado um medicamento d'um cffeito suave e seguro para a
    medicacSo dos meninos, nao smeme suppre o oleo de ligado de bacalho, mas anda fax
    as suas vezes eom vantagem.
    D' A. CAZENAVE, medico em chefe do hospital SaintrLouis, em Paris.
    O Xarope de Rbano iodado um medicamento de primeira ordem para o tratamento das
    affeccoes lymphaiicas c escrofulosas. Muitas vezes, empreguei-o com feliz xito, em certos
    c casos de tsica ao seu principio, como snecedaneo do oleo de figado de bacalhdo. >
    Dr A. CHARRIER, antiyo chefe de clnica da t'aculdade de Paris.
    O Xarope de Rbano iodado sernpre nos deo excedentes resultados como regenerador
    a do singue, e succedaneo do oleo de figad* de bacalho. *
    IV A. FAVROT, autor do Traite des maladies des femmes.
    < O Xarope de Rbano iodado um dos mais poderosos modificadores das conslituicocs
    i rymphaucu. Tenho visto u'.crras escrofulosas que nada poda curar, cicatrizaren-te,
    gracas a sua aeco, com promptidao extraordinaria. Tambem, pelo seu uso desopparecem
    as aflecedes tuberculosas dos ossos, nos meninos.
    IV GUESNAK, antigo externo dos hospaes de Paris.
    O Xarope de Rbano iodado possue todas as vantagens do oleo de ligado de bacalho,
    sem ter nenhom dos inconvenientes que aprsenla este ultimo medicamento.
    IV GUIBOI'T, medico dos hospaes, Presidente da Sociedade de medicina d Part.
    9 Xarope de Rbano iodado de Grmault e C* encerra 412 por cento de iodo, na sua
    composicio orgnica anloga que se acha no oleo de ligado de bacalho.
    D' KLETZlNSKl, professor de chymica, louvado dos trilmnaes de Vienna.
    Deposito em Pernambueo, em casa de Maurer O*.
    FRANCA-BRASIL
    O
    MR. MERC1ER, alliiiate francez, previne ao respeitavel publico c a seos numerosos fregue-
    zes qne, tendo transferido sua residencia para a ra do Trapiche a. 7, primeiro andar, alii encontrarso
    sernpre todas as qualidades de fazendas para trajos de hornera, e prepara costumes para montara de
    senhora. Faz tambem obras para militares c para criados, para asqnaes tem grande sortimento *e
    botes simples, com virola e cora de conde, braneos e amarellos. Reeebe por todos os vaporas es
    ltimos figulinos para homem, senhoras e meninos.

    IsproTajIt
    4a leaJtBi
    k atdtciu
    k Paria
    PILULAS
    m
    TTT
    JD11T0hFerkog,\NF.\F
    dubUMNduBIJISSon
    rbaraueettin
    laartati
    da
    araaVaia
    O tratamento dasaffeocoeschloroticaa, lymphaiicas ou escroubulosas sernpre leniis*
    simo, e muas vs cssas molestias resisiem s preparacSes rerruginosas ordinarirs. As
    ndagaedes feita pelos professores Hanuon d BruxeUas, Gensoul e Petrcqnin de Lyio
    Berzelius e Trousscau de Pars, tem provado que a causa d'essa persistencia era a completa)
    ausencia do Manganese, elemento que sernpre deve-se achar no sangue junciamente coa
    o ferro. Estas pilulas supprem, pois, na iherapctica nma falta imiwrunic, e por este I
    motivo ellas tem merecido a approvaco da Academia de Medecina edas principaes soeJe-
    dades medicas. Deposito sn Pemamouco, sn mu

    Deposito can Penuimeuco, m asa de
    llllallll.il in
    o*.





    \
    '
    <


    Diario de Pernainbuco Quinta feira 28 de Janeiro de 1869.
    Grande fiqindc&o de miwlezas !
    Affonso MoreSra Temporal, querendo liquidar as miudezas cusientes coi
    do Queimado n. 55, resolveu annum-iar as mesftutt miudezas para que o
    pitifinnp H. fiiminnta nrpro noraue as csl vende ido, a saber.
    loja ra
    buco se certifique do diminuto preco porque
    Ma
    pu-
    Massos (jom grampos 23 a .
    Pecas de tranca Usa e caracol a
    Sabonetes de todos os piceos a
    80 160 200 c
    Abotoaduras para rolletes a .
    Botesde loucapara camisas, a
    Garrafas d'agua Florida (verda-
    deira) a.......
    Frascos com agua de Colonia a
    320 e........
    Garrafa de tinta roxa a. .
    Oaixas com 100 enveloppes a.
    Mantas de seda para homem a
    Fita de sarja para enfeite de
    vestidos por......
    Frascos com oleo para cabello
    a 400 e ,......
    La para bordar, libra. .
    Escoras finas para chapeo a .
    Ditas para cabello a 320 e .
    Ditas muito finas para fatos
    por preco nunca visto 400
    300 e........
    Pecas de babadose entre meios
    a 600 800 e .... .
    Grvalas le seda de cor a .
    Ditas pretas a 400 e .
    Bico e renda das ilhas a todo
    preco. S a vista faz fe .
    Pe^as de fita de coz com 10 va-
    ras a
    40
    240
    320
    160
    l?000
    400
    800
    600
    600
    6-00
    320
    300
    600
    l $000
    320
    20,Latas com grsxa.duziaa
    480
    I 300
    i>000
    Cuques muito lons com rede so
    a rede val......
    Meias pan homens boa lazenda
    a 3>600 e......
    Linha de marca,Ca com 16
    novellos ,......
    Latas com banl a (familiia), duzia
    Fiascos com banhaa 320400c '
    Botoes para pinho fazenda boa
    a80e.......
    500, Volta de Aljol re cousa boa a
    800 Filas para deb tunde vestido
    Caixa com agalha fianceza a
    Botos de acopara colote dnzia a
    Cartao com al inetes a .
    Caixa com pe-fumarias muito
    fina. S a caixa val 100000
    126000....... ^f>000
    Copo com opita muito fino a
    400 e.......
    Meias muito fi las para senhora
    duzia. .....
    Cartas francezas a 200 e .
    Ditas porluguezas a 120 e .
    300 r'aixa "e mma 'lo "u uranca ^
    novellos.......
    Frasco com tula a 100 e .
    Franja de la pnasapato (peca)
    240
    2-S2U0
    500
    100
    160
    300
    160
    120
    100
    TRIUMPHO MEDICA DA SCIENCIA
    500
    3)000
    240
    00
    500
    Papel de peso muito bora
    Sapatos de tranca e outros muitos artigos, que enfadonho seria mencionar
    RA DO QUEIMADO N. 53
    600
    106
    l.jOOO
    l->000
    ftO ^ttttA*6'^'
    \ aguiu branca lem-se feito lio raniecida (
    pororklade e aimudam-ia da seu sornnieoto, come
    peta eunstaatc commodidade de sena proa, c mes-
    mo pelo sen assaz.e nunca vidado agrado e sincc-
    ridade.
    uvaa anuir os agradawta ttoeiros-de que iiam
    en eos Bmb tangos, e cada una das quaes orgu-
    II'iishs pelo datjtn ilo acerto de una rcollia, e como
    qiw +|iii>i,eiwk prr si uirana'justificar dizem siniul-
    taaeamedlo verdade -fue esteclwro foicomnn-
    4* na toja Magua branca.
    Alada mnift.
    Essas fardadas iucoirt lavis sao sera
    apreciadas pelo bello sexo eni particular,
    i espwtavel publico en fural, o a tanto lem
    .me estio qaasi passaado corno aimexim ou pro-1 SSTtSitm, ........ miDnill tas-
    oslo, uowdade, etc., efe, ta-M to^T^B^S; llover, pe se vendo na loja d'aguta branca.
    tcni do imito mais que aiuda
    falla dizer.
    iecto sera duvida (oi rwsHjn ado na
    branca.
    Quando no club, 68 bailes, os no salao Santa babel, unta excellentissiina se apreso!:
    garbosamente trujando, traiendo o moderno cinto
    de inni larga lila. lisa, chanialotada, ou escosse,
    as suas admirad, iras HBi comsifo aqnelta 'flti
    i.) compriida na tajadtajuia branrt..
    aaiido .mira ufrtnlinim mo menos far un fcyaeife ji a tarima- o cfcjgo de sol ou j
    iK.sam.wtra o rigor te aeU bon fosto na acertaot, narota nr,designado pela apia branca da .i
    .scoliadosenfcilcs A; alta nowUle .pie bolla-
    .tente oream seu vestio, ainda uiesmo as rwaei
    de sua sv>np;iilia eonfaasamqnc tneflea enteite
    foram da loja d'aguia-branca.
    Quando n'oulra excdlentissima, apezar da sin-
    -lTr/a le sen porte Mjradfcvel, se vm as bowia-
    luvas'idofelfieadnijueza as suas bellas aun-
    %aa l.iivici-llii' o gwtae eonfessaB ineaqwai
    lavas nhi da i"ja 4'fota branca.
    Quaad* mesmo di*s excclleuli-.mas, enligas
    ::niigasdt'r.ill ui". se acnIr:\rn naquelles luga-
    depoie dos ennuMHuentos de recprocos beijo.
    ..nmas por l'or.-a de sua elevada delicadeza, gabn
    Quano em iiiiicmcuIo de cittrumspectos carac-
    teres disentir ayracidade il<- taesdiseres, aitpa-
    reear un miro pie ipieira ainda levemente inter-
    ioih|mt a discuso, (meaeo a ejrcntnejeecio e llies daro un frra-
    cioso obique dicendo-lnesji sabemos e V.
    que
    ua
    do QiMMinado n. 8.
    Sao iauas js colisas qiic por
    oiuas i'Mvipaiii as ontaas.
    J ia-esqueceilo a afilia brama,mas em tempo
    I lembrou-se pan. twticiar, que j-ecebeu urna pe-
    j quena ^uanlida.le de enfces para coques cpram-
    ! pos par?, ditos, ludo feilo ,de metal c-un lindos e
    agradareis coloridos, obras estas pela primen vez
    anparecidas, e jortantointeira noridade.
    Tandtem ehegaram novaniente delicados enfeitcs j
    c lloresm-nadas do aljofares c vilrillios, tanto de
    palba para coques como para vestidos, e ludo
    contina a meneer a apreciaeao das excellcnissi-
    mas corttiecedoras Uotbom.
    Em lempos modernos nenhum descubri-
    mento operoumajor revolucao no modo de
    curar anteriormente em vogadoque o
    PEITORVL DE ANACAICITA
    TANTO NO TRATAMENTO DA
    iiissk, citopo,
    ASTHMA, THIS1CA,
    HOlOtlUO, RESFHIAMENTOS.
    BIIONCHITKS,
    TOSSK CONVULSA,
    DORES DE PEITO,
    F.\PECTL"RA(:AO DF. SAM'.l'E.
    Como em "toda a grande serie de enfermi-
    dades da arcama, do peito e dos orgaos
    da respiraco, que tanto atormentajii 'i fe"
    zemsoflrera hmnanidade. A maneira an-
    tiga de curar consista gerabnente na apiili-
    cacao de vesicatorios, sangrias^aijar ou ap-
    plicar extetiorraente ungentos tbrtissiraos
    compostos de substancias vesicantes, alm
    de produzir empolhas; oujos differentesmo-
    dos de curar, nao faziam seno enfraque-
    cer e diminuir as forras do pobre doente,
    contribuindo por esta forma d'uma maneira
    mais fcil e certa para a enfermidade a des-
    truicao inevitavel de sua victima Quem dif-
    ferente pois o effeito admiravel do
    PEITOML DE ANACAHUITA !
    EM VEZ DE IRRITAn, MORTIFICAR F. CAIZ-VR
    INAUDITOS SOFFR1MENTOS AO DOENTK,
    CALVA, MODIFICA E SUAVIZA ADOR.
    ALLIVIA A IRRITACO
    DKSF.MVOI.VE O ENTENDIMENTO,
    FORTIFICA O CORPO
    e faz com que o systema
    Desaloje d'uma maneira promplac- rpida
    at o til linio vestigio da enfermidade. Os
    melhorcs votos em medicina da Europa (os
    Leales dos Collegiosde Medicina de, Berlim)
    testficam serem exartas e veriladeiras estas
    lelaices analgicas, un alm (Bsso> experi-
    encia de militares de pessoas da America
    llespanhola, as este maravittiftso remedie, sao mais que
    ttitlicientespara susteiitare a opiniao do
    PEIKYR.VL DE ANACVHLTTA!
    eve-se .notar que este remedio se acba
    intei mnente iiento de veaenos, tanto mine-
    raes,0Qaoveget8es, ein^uanto que porm,
    alguns d'-esfes ltimos, e particularmente
    aquclles que sao dados.sob a forma do Opio
    a base da
    qpns tao
    dade do pu-
    blico. AComposicaode Anaalutlta Peito-
    ral aeba-se linda e curiosamente engarrafada
    em irascos da medida de cerca A; meio
    qiiartilho -cada um, e-romo a dose qne se'to-
    ma so diuna colher pequea: bast ge-
    nttaenle :i applicarao d'um ou dous frascos
    para a ellectuacao k-rjualipiercuta.
    Acha-se a venda nos estabelecimentos de
    A. Caors, J. da C. Iliavo A C, P. Maurer
    de iL, M. A, Barb sa. Barthotome A C, e-
    i'in lorias as prini'ipaes boticas e lojas de
    dracas*
    Jos Soares de Azevedo, p-oessor de
    lingua e litteratura nacional no Gymnasio
    Provincial do Recife, tem aberto em sua
    casa, ra Bella, n. 37,
    Uin curso de
    LINGUA KRANCEZA.
    GEOGRAPH1A E HISTO-
    RIA.
    PHILOSOPHI...
    RETHORICA E POTICA.
    Os estudantes que quizerem frequentar
    qualtpier d'estas aulas, tanto os que devem
    fazer exarae em margo prximo, como os
    que teem de seguk- o curso durante o anno,
    podem dirigir-se indicada residencia, de
    manhaa at s 9 horas, e de tanje a qual-
    quer hora.
    nperial
    exposi-
    Cabuga n.
    tira retra-
    zraphicos.
    *. Ferrelra vlllcla
    Photogiapho da casa i
    premiado em diversas
    Qes.
    Na sua photographia ra do
    18, entrada pelo pateo da matriz
    tos por todos os systemas pboto
    Em porcelana Em vidrb
    Em talco Em papel
    CAHTES DE VISITA A 9^! AjDUZl.V.
    Os retratos edrte-de-visite sai collados
    em cartao de luxo bristal ou porcelana,
    dourados ou lithograpbados, quidrilongos
    ou vinbolas para oque existe urna varieda-
    de de 12 modelos a escolha de quem se re-
    U*atar. Para as'outras especies de retratos
    temos caixinhas, mssp-par-touts. quadros
    e molduras douradas e pretas cassoltas de
    ouro'e alfinetes simples e com podras pre-
    ciosas, bavendo nos alfinetes unta mimosa
    variedade de feitios.
    0 nosso estabelecimento pholograpbico
    est sempre em dia rom os melhoramentos
    e progressos que na America do Norte, na
    Europa ou no Rio de Janeiro se consegue
    na arte pliotograpbica, e para a|cancarmos
    tal fun nunca poupamos despezas nem sa-
    crificios, de sorteque os nossos numerosos
    freguezes podem ter a certeza de. que sem-
    pre encontrarao em nosso estabelecimento
    tudo quanto a arte e a moda o crecer de
    bom no novo e velbo mundo aos amantes
    da photographia. ____'
    Illuminaco.
    Rl'A DO CRESPO X. JO.
    Duarte Pereira A C, temli recebido pelo
    ultimo vapor grande e variado sortimento
    de bairiisdi' papel de diversas qualiilades,
    e do mais moderno gosto. proprios para
    illuminaco tanto da cidade como do
    campo, assim o fazein constar a seus nume-
    rozos l're^uiv.es i ao resnetervel publico,
    alim de que com lempo se pri'\inain, visto
    como attento aos ltimos successos da guer-
    ra se espera a cada momento a fausla no-
    ticia de sua conoluso. A ilumiiiarao em
    baloes de papel alm de ser linda menos
    dispendiosa possivel, os anniincianles ven-
    dem-os por precos mui razoaveis, (At
    noticias da concluso).
    VcniJc-s.' una taberna sita no hairro .l>' S.
    Jos, proprfn para principianle : a Halar ua ra
    Imperial n. M. _____
    Yendc-se una arihacao de amaivllo enveroC
    sada em boni eslaiki. propria para fualquer tMI
    de negocio: a tratar na ra do Vgario n. H pri-
    ineiro andar.
    Vende-se una casa terrea, com bastant.s
    eommodoa, sita na ra da Ksiacao. na povoaeio dos
    Montes, em Una, junto a eslacan da entrada de
    Ierro : a Halar nesta cida.le coni Virgilio de Castro
    Oliveira, travessa da ra do Vinario.
    PlSTILlIAS ASSI(ARADAS
    DO
    DR. PATERSON
    De bismud e magiiezla.
    Remedio por excellencia para combater
    a magreza, facilitar a digesto, fortiflear o
    estomago etc.
    DEPOSITO ESPECIAL.
    Pharmacia deBartlioloineuci- C.
    3 i------Ra larga do Rosario------34.
    liiihocoin 10 \ai.is.
    c>.
    eos
    Offcraee-se urna ama para cozinbr, eoaom-
    mar e fazer bolinlios : a tratar na ra de S. Bom
    Jesns das Creoulas, vreferindo-se ca^a de pouca
    faimlia.
    I^agdo para calcadas
    A tratar na na do Apollo n. 4, escriptorio.
    Ama
    Precisase denota livre ou escrava para o pouco
    servic.0 de una casa de duas pessoas b lio somen-
    te cocernenti'*) de dentro de casa, inclusive en-
    gommado : a tratar na ra 4a Cadeja n. ii, -'
    andar, que faz esquina para o-becco Largo, paga-se
    *em e sarante-se bom tratanicnto,
    0 Sr. sargento brigada do corpo de
    polica queira vir aestatypograybi a en-
    gocio.
    Veml.'-sc una escrava de mi. klade, qua
    cosinba c engomma: na rnadaCadeia n. it^__
    Yende-se
    Duas pias de marmore muito linas, com Qoroes
    eni relevo, que podem servir para igreja, ou para j
    easas particulares, vende-sc por preco muito com-
    moda: ra Nova, escriptorio de Quinteto & 1
    Agr, n. 63._____________ _______
    Lojadaslels portas em fronte'
    do Livraniento.
    Pecas de bretanlia de linlio rom i-i varas, pro-
    prio para camisaa e salad de senhoi'a, p "l" nara-
    tissimo preco de, 10| a peca. ____
    Rap Gasse e Paulo
    Cordeiro
    No armazem de Jos Joaquini Lima Bairo, a
    ra da CnB n. 18. tem constantemente suprimen-
    lo de rap Gasse groaso e lino, e Paulo Cordato
    conimum e viajado: nao precisa fazer apologa de
    sua excellente qualidade, im.s ella i1 j A>>- mais
    conlM'cida, a.-sim como o lugar proprio de sua
    venda.___________________________________
    ATTENOaO
    Vewle-se nina escrava de nacao, exctjlento qui-
    ruilriim c laradeira, e soflritd eozinheira : a pea
    soa que a pretender dirija-se a ra Augusta Da-
    mero SMS.
    Aluga-se
    Taberna
    VERDADERO LE ROY
    elklor SIGN88ET, aico Suoescr,
    RU DE SEINE, 61
    <>n PAlIfl.
    \]\\\
    a menor
    sua clas-
    XI Vil Vil Lili
    Para desca ocar algod&o
    poifflo limersal de 1887. Premio imico.
    EMafi tovas machinas obran sena madmear a seale, som deixar Scm
    pai-cella dft^Ueido, e capservam *; fibras U)do o sen eoinprimonto e toda a
    ij.-.idade, tim que tanto desejavamos fabr cactes.
    0 aqaet&mcuto de algodo destruido por urna eirreota de ar fri, pi'oduzula
    .ido ventilador.
    Estas machinas apresentam a vantagem Je podereii sor reguladas pelos traba-
    iiadores os DMM inexpcHcntes. O lea poqueno volume e o sea pouco peso pemiittem
    tianspoita-las com ca\iHus, pelos -mais pessiados caniin ios, e o seu manejo e to fa-
    il que um lioiuciu s pode, sem se cancar, desearocar de ll a 20 arrobas, e um meni-
    no de 8 a 10 arrobas por-dia.
    Muitos agftoottores e fiegociaotes vinm funecionar estas atacbiaas em casa do Sr.
    ^'raano relojeeiro, sea expositor, e ipreeiaraai onito o systeaa pela aciJidade c aper-
    i'.'i.oado do trabalho, porque os lios nao sao cortados, e dci:;amos carocos lnpos sem ne-
    ihunia fetea, detrado pertaato tim beneticio de 90 a 23 por cento sobre as outras ma-
    chinas. vista destas vantagensj se v que estas machinas s<> preferiveis aquellas
    le sonar, tasto raais que as queixas dos fabricantes C dos negociantes de Liverpool.
    JSamreJiarburKfl etc. JUerunicom que o ministro da agricultura do Brasil prohibisse
    t so das ntaHiioa* d nrar, que muito deprecia o ajjgolp brasileiro nos mercados
    da Europa.
    m
    TOg
    Tgoun eilos
    :if>soe n-
    diosl.a4es-
    perla-lo U ocicu
    nn gran iiinero
    ,l blactdOMt jor
    ' lo lauto >> U enent il
    vkidakro Ll Ro, ooyo
    iiSn!o impreso en nfig o sobrt
    vn fondo voleado .le amarillo
    va hu firmas Ll Ilor T hu,
    coiao xr.i nombre SIGHOBKT
    ' in La aiaiu rasTA sil raru.
    S.B.Sobre el corcho, debajo del papel
    'azul que lleva al olio FaatMacn Corr
    it pegado _
    ' por el trates del ^r
    un rUsto amarillo con
    el sello sai Minino
    ancts.
    Por tola enve da sn valor
    da 500 francos aceptable so-
    bra Pars Londres, se haca
    1 mayor datetunta poaibla.
    delabottla, /\*f '
    por arremktmento a grande e escellelite baixa de
    capim. sita a Capunga rua la Ventura, na qual
    tem alguns *vs de eotiueiros : para tratar na ra
    larga do Rosario n. ^4, botica.____________
    Aluga-se a loja, i* e 2o andares do sobrado
    n. 30, sito ra da Aurora : a Halar na mi Bel-
    la n. 37. andar. ___________
    Escravo fgido
    Ausetilou-se pela secunda ve/, de liordo
    do patacho aribaldi o prole Jos', dado 32
    annos, cor escora, estatura regalar, oDios
    pardos, rosto comprido, barbado, natural
    do Cear, conhecido por Jos Matiuto ;
    f uem o apprehender queira leva-lo bordo
    o mesmo navio, ou no escriptorio de
    \uiorim Inaos para ser gratificado.
    Obilfieto intoiro n. 24J32 8*, paite
    da lotera concedida por 1ei provincial n.
    7H.do patrimonio dos orphos de l'er-
    nanbuco, pertence a Francisco Fcrreira de
    Menilonca. rendente no Para.
    Ama
    Na ra do Quatmao n. 46, loja, brecisa-se alu-
    gar uau ana escrava para eodalfea e comprar,
    paga-*- bom alugneL
    Br"
    COMPRAS.
    = Compra-so una armacao
    Halar na ra ireitan. 3o.
    Vende-sc a taberna da ra das Crua-s n. il. 0
    leed nao so bom para o meara.....taheleeiinento
    como rneamo para qualipier oulro negocie |>or rar
    emnmatna das priucipaes a tratar na nn-sina.
    Temporal
    Liquidadlo de raiudezas. ra do Queimado n.
    55. tubos OU channnOal para eandiotr a gil a
    3S0 n.
    Na ra ikn GoeflMM n. 18veno>-e llores e
    ramos deera, assim como acha-se umapeetwa
    coNipcteiiti'iii.'iil.' habililada para MO a fazer
    Rotea por preco commodo. Na mesnia ra v.ii-
    de-.*> t.iiiili.'in jarras de marmore proprios para
    jarliiii.
    ACABA
    Grande liqridacfto
    0 proprietario d'antiga c bcu ci bernia
    loja do miiulozas rVnoniinada Beija Ft<
    .i roa do Queimado n. 0:. quer
    cun o soi'tiinonto ilo miuiliv.a- qu<
    ten deliberado proceder a nina coopto)
    ipiidar:). para o que chama a atlriirao (i<; u-
    dus.
    Os objectos sero vendidos por mctadi in-
    seu valor, o para <|iie o pttbUro, oio
    nlia, que o presonte aiiiiuncio una Ib
    o proprietario da dita luja, offierece unta p-
    qena lista do algtimasniiiub/.' -,. nao?
    diminutos [precoscomo abaivo n rera;
    nao apresentando nina lista COBpleta Oc tar-
    dos os objertosqoe estie tiymtoi a tn
    pola ra/.aode se tornar um annuiMin na
    extenso o por consecuencia de enfadotiha ?
    tura, por issn apenas lomila-sc as SffM
    1 Dada Ar miadas de linia paia
    fazer crccli. MI
    I Caixa de linha coro O aoveflea
    I Dita .'io i1i
    I Dita lo r*o
    1 Duzia linha d'- carritefa do
    100 jardas M
    I Dita de
    200 jardas. I0M
    Fila de la para debrtBB de '
    as coras, a poca.
    Dita .' braiM-a M
    Dita l <>
    Peca de lita de
    o oea serve para
    Dita
    Pontos v.iltiados partMfltofl
    liora.
    Ditos inuilus finos.
    Ditos prolo com chapa.
    Ditos branens
    Ditos pretos.
    Ditos liiani'itsfiiMS.
    Escovas para denle? a DIO, 2.0 c
    Ditas para cabellos.
    Ditas muito linas.
    Ditas para roupa.
    Ditas dita de dita.
    Peiib's de coque !! fita a I00,
    2.9000 e
    Pontos para coques 1650, 26500
    36000
    Poca lo franja paratoana a pera
    com i 4 varas.
    Bntremeios bordados a peta 600
    Tintoiros de porretena II8W 2-:.
    Ualaios para moninas de escolla
    bonito desenlio 800. 16, 16500
    Pora do lila de .-oda para eofci
    ios de vestidos.
    Fita de sarja de todas as cores.
    Grvalas pretas a -IH) e
    Ditas de cores.
    Sapatos do tranca e nele.
    Garrafa do agua Florida verda-
    ira
    do Frasco com extracto en sapati-
    08.
    nhDitos com leos.
    Dito aguada Colonia, pni
    Dito, dito de dito de Rever.
    Ditos combanha.
    Ditos con lonio.
    Ditos com oloo liloeonjt.
    Ditos com extracto e tonha.
    Ditos com extractos divetjos
    Pao de pomada.
    Ditos pequeos de Donada.
    Capailas para nonas muito linas.
    Sabonetes, 120, 320 e
    . Ditos transparentes de bolla 500,
    ' Redes para cabera
    Bandeja ftoo a
    Duzia de lioto de ida para a-
    l'i'ilos de vestido
    Porceirade cuitas.
    de chegar os sabonetes do
    iilcatro.
    Deptnito, botka do Pinto, junto ao ipiaiiel de
    liolieiO
    PK^'^ANIlKK.flA
    PAI1A
    ESPA \ AIMIR EH.
    Vende-so em casa de Chalara Rabello, i
    roa da Cadeia do Recite o. 7.
    Vende-se
    :(
    o
    '. (i
    :-.(
    flfi
    MO
    W)
    MU
    W
    1*44
    i* u
    : "
    .
    ffn ii
    \ffii (t
    :
    . >
    I v.tl
    I v (!
    '.. 1.
    '. ti
    I -
    } : 1
    I
    ."i
    '
    . 1-vM
    . 0
    >: II
    emidracada : a
    Criado
    Preeba-se de um criado : na
    n. 73. andar.
    ra do Imperador
    Cozinheira
    Precisa-.'.]'' una criada cozinheira; na ra
    do Imperador n. 7-1. 2" andar.________
    Dedaraefto
    D. Anna Joaquina de Mello Carioca, de-
    clara ao publico que doixa de ser seu pro-
    curador o Sr. capito Jos Rodrigues de
    Oliveira Lima. Recife 25 de Janeiro de 1869.
    SOf Ffiltf ENTOS DE STOM ASO. CO ^STIP b AO.~
    Cara em puucos das feto CUfvio OE BEU.OC m p j ou ein |-i- !.!':?s.
    EWXAQDECA8; NEV'RALGIAS. .He*-** <^
    spados rpidamente pelas PEflOLAt O'ETHCR l U.ET1X.
    1
    ANEWIA, A PALLIDEZ e a soffrimnnOf 4u necessitam do
    einprcso dos l'erraginosos 3J0 sempre combatidos co i o oiellior rtsullads
    pelas PiLUL*$ OC VM.LI7. Ca a Pilula teni iiicravatxi o noise 111117.
    PO DE ROG. Baila dissorter ura ttitn date p om mu
    rrtfa d"ngua pan se obtt-r u na monada agrada*;! que purga sem b
    ajroaijoMi
    ViNHO DE QUINIftl poueoe caja compusicio garantida ceslaiite, 6 ana das mcllicm pre-
    para^e* de qoinino, cm acS) noUvel tabre oa aavaloscentes, dande-
    Ibc foriaa e apressando a olta a saude. Cora as fitre* antigai qua re-
    islae aa sultatA de quinino.
    MOLESTIAS DA BEKIGA. A majar parte d'cttaa moles-
    'as, cerno as sciaiicae, lomba;;., catarros, e todas :s dores nerTosas era
    geni sao curadas pelas pebolas de csscnou o: thecei ntina de
    Br. Clertan. O profcssor Trouseau em sea Tratado ae tl.erapeviica acn-
    bita as para aerera tMjudaa ra occasiio do jantar, na dote de4 a 1S.
    OLEO DE FIGAOO DE BACALHAO 3E BERTH.
    (iranti.io puro e de primeira qualjjade, um dos pnucoa apreadoa pela
    icadmia de medicina.
    AVISO. Ttioi nte mediamentot (oran apwatt pela fatdem
    , t'wjprrflf de medicina de Pcii*.
    m-fmetn
    Bahit..
    Cea erl.
    TtetciK*tuM;
    Tmesra.
    lmelo.
    DEPOSITO
    u racBc, i, M .c.h
    |eaiia.iii 4 Persaaen. aUmisetO.
    CfaY. .
    A viuva V J.isi: l.uiz de AzeVedn Maia de
    uf.vo raga aos credorps <1 nao Ihe anresentaram snai contas, liajain de o fa-
    zer no praso de 8 dios alim de serem declarados
    no respectivo inventario) cuja entrega faro uoseu
    estaheceimento de mastames, piara Jo Crpo
    Santn. I'.
    No palio do Carmo .n. 3 precisa-w Jugar
    mn prel'i para todo o servien.
    l'.iigommadeii'a.
    fn-ri-i--' ,!. nina r.mlivr rnie engomnie per-
    feitamente : a tratar na ra da Cruz n. 17, segun-
    do andar.
    Com muito motor vantagem
    Compra o Coraeo de Ouro, n. 2 D, ra do Cabu-
    g, nioedas de ouro e prata e p*;dras preciosas.
    Compra-se escrayos.
    lino de Faria & C, na ra do Viga io n. i, es-
    criptorio, 1 andar, compran) MCTKVO > de ambos os
    sexos, sendo que. jnoleipies de 14 a ) annos e bo-
    nitas figuras, serlo pagos por nmito nais diillieiro
    do que em outra qualqcr parte. ___________
    Ouro c prata
    cm moeda e em obras inutilisadas, flompra-sc por
    bom preijo : ua praca da Independencia u. ii.
    Na praca da Independencia n. Vi, loja de ou-
    rives, compra-seouio. prata, e pedral pr>3ciosas,e
    tambera se faz qualquer obra de enwmmenda, e
    todo e qualquer concert.________
    Compra-se
    boje libras estartina*, ouro o prata de todas as
    aatjSes epur mainr preco do que emioulra parto :
    n ra da Cadeia do Recife n. 38, lojaf de azulejo.
    VENDAS.
    A das une se atueatou da eatm de sen senhor o
    eseravo Clto, crioulo, natural da cidade da Bahia,
    opiiio .iilk'ial de -apaieii-o, e trabalhavn na loja
    do Sr. Mximo los de Andrade, sita i ra da
    Cruz, sabe ter e esrrever, e intitula-se forro, anda
    calcado, tem um ollio mais pequeo do aue o ou-
    tro, ti.'ni a cakvaconiprida, testa batida, o pesco-
    co com diversas ekatrizes provenientes de escrofu-
    fas,um tanto balso reforjado do corpo: quem
    .. ipprebender lere-o case n. l da ra Imperial
    a seu senhor Aprigio Jos,', da Silva, ou no largo do
    Paraiion. o.oafa do capilo Felht Francisco de
    Souza Magalhaes, que :er iwompensado gencro-
    samenle. _
    "ITOIO DE FIGADO" DE BCALIAO
    DI
    LauiMau A kemp,
    Se que dus>ejam ver-se lvres eisentas
    de enfeimidades.
    Aclia-.e venda nos estabelecimentos
    de A. Caors, J. da Coneeieo Bravo C.
    M. A. Barjjosa, P. Maijpef tV C. e Bartholo-
    mea 4 C.
    B iTi\ todas as priucipaes lojas de perfu-
    innrM e (.ticas.
    Vende-se una das iinneipaes iabernas aqui
    nesta cidade na exlivinadoure de Nauto Antonio
    a S. Jos, muito bem afreguezada para a trra, e
    pela sua boa localidade nao pode ser o iiiollm
    possivel, e agradar ao comprador, e o motivo do
    proprietario disfazer-se da dita em virtude de
    retirar-se para Europa a tratar de negocios ten-
    dent.'s a -"..'. patria : qKtlquer nessea que desejar
    fazer negocio, ditija-e a ra da Ma he de Dos
    armazem n. 3C, que adiar com quem tratar,
    dir-se-ha qual o estabelecimento.
    Vende-se duas solleiras e duas ombreiras de
    pedra da trra: tratar no escriptorio da ra da
    Cruz n. 50.
    Buhares.
    Vende-se magnficos buhare com seus
    pertenees, 1 gatlo com pedral de mai lim
    3 2 grandes iteiros envernisados e envi-lra-
    cados: na ra.1 da lmqeratriz n. 69.
    Farinha de Mandioca.
    No trapiche da companhia, largo do
    Corpo Santo, ha farinha de mandioca de
    Porto Alegre, ensaccada e de qualidade muito
    especial. Abordo do biigue Sorma ha
    para vender farinha de mandioca de Santa
    Catharina, fresca e de boa quilidade que
    se vende a preco commodo; a tratar no es-
    criptorio de 4mo) im Irmao, na da Cruz
    n. 3.
    uta cofre de ferro, grande e bem fornido : a trata!
    ua ra da Cruz n. 13, Io andar.
    CIINOI.1NAS OU BALOES 2wK)S(jN0
    ARMAZEM DO PAVAO.
    lliiles 2J5Q.
    Crinolinas WOO.
    Baloes 25500.
    Crinolina? 2#50O.
    Baloes a -vKXI.
    Crinolinas 2^")00.
    Venile-se os mais modernos liales ou
    crinolinas americanas, muito bem Ratas, sen-
    do todas de modelo esgtlos, Dlo barato
    proco de 2$500 cada urna, nicamente na
    loja e aimazem do Pavi de Flix Pereira
    da Silva, ra da Iinperatriz n. GO:
    Grosdenapotes preto, a qualro patacas
    s o Pavo.
    Vende-se grosdeBapolcs oreto de boa
    qualidade pelo barato preco de 1^280 oco-
    vado, s na loja e annazem do PavSo, na
    da imperatrlz n. 00 de Feliz Preir da
    Suva.
    Cambraias com salpico o^OOO a peca.
    Vende-se pecas de cambraia branca com
    salpicos, sendo neste genero o melhor que
    tom viudo ao mercado, tendg 8 e nioia va-
    ras, pelo barato preco de !iMh pe'hincha
    na lojae annazem do Pava, rea da Impe-
    ratriz ii.tt) de Flix Pereira da Silva.
    Cambraia branca S^iOO.
    Vende-se peras de cambraia branca
    lianspai-ente, com 8e ineia varas pelo ba-
    rato precu de :i.)i>00, ditas milito linas tanto
    tapadas como transparentes -viD, ;>->0O,
    6^300, 7^000 e 85000, assim como organ-
    d muito fino lauto lizo, como de listas e
    quadros na loja e annazem do Pavao ma
    da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
    Silva.
    Alpacas lavradas para ludo.
    Vende-se na loja do Pavo, as mais no-
    deraas alpacas lavradas para lucio, sendo
    muitolargasepulo barato preco do 800 rs. o
    covado, si na loja e armazem do PavSo, ra
    da Imperatriz n. 60 de Flix Pereira da
    Silva.______________^_____________
    Vaquetas envcrnisa-las para
    carros.
    Vinho de Bowleaux fino em eai-
    xasda marca de l. B. & C.
    Vinho de champigne em caixas
    eiidaruada Cruz c. 68.
    \LT.\ NOVIDADi;

    Loja do Pavao.
    GURGUKOES PAHX VESTIDOS \ 4>ft",
    O COVADO.
    Chegaram os mais modernos gui
    para vestidos, sendo de lo.las aa cin i.
    sijini verde, azul, rosa, bismaik. pen
    roso A- tendo quasi qualro pitaos tk
    mira e vende-sc pelo baittissiiuo pn
    (le I.>U00, cada covado unidamente
    niazem de l'elix Pereira da Sil>a. i:a i",i
    Imperatriz n. 60.
    Blll.NS P.MIV CVI.fTA \\ I.0JA 1)0 PAVO.
    Vende-se os mais modenios c miliit.
    liiins de liobode todas asedres.outmsi
    listas do lado. ganntmdt>40 -'i-i.i ile lu
    puro e vende-se por precos muito i m < -
    ta no armazem de Flix Pereira da sih
    ra da Impeatiizn. GO.
    PtClll.XCIIV KM Al.l.OI-OSI.MIO V 5*50*1
    A PRCA NA I.OJA DO FAVAO.
    Vende-se superiores picas de algodS -
    nho com 20 jardas a 5-$500 a peca, gr
    de pechincha, narua da linpei-.ilri/ n. '
    armazem de Flix Pereira da silva.
    AS HEZ .MIL VAHAS DE CA.VfDlt UAM1AV -
    CEZASS('NA LUJA 1)0 PAVO A
    RS. 0 METRO.
    Vende-se finis-imas cainbi-.iias fram...
    com os mais delicados padies, tanto mii-
    dos como gi ai'nlos, e coa as ayres mais d -
    vas que tem vindo m mnade pelo lr
    lissimoj)reco de-MOrs. o metro; gtrai l;.
    que 7 metros do mu vestido para qua-
    qiier senhora, c que em oiilra qualquei- o
    nao se encoiitrai a mesina lazenda |
    igual pieco, e tas na loja e arma/un i
    Pavo, ra da Imperatriz n. 60 de F
    Pereira da Silva.
    i uvtasiuglezits a 140 r*o mrii
    Vende-se tima gratule porcia de bouH
    cassas inglezas tanto graudascomo mhKi-
    uhas e de cores fixas pelo barato pre
    'tO rs. omelro.gnn.'iitindo-se pie? Mev.
    do um vestido pin ouatawr Sin. s (.
    loja do PavSo ra da Iniperairiz t- W
    Flix Pereira da Sil\a.
    KLI'ALHOS PABA LLTO NA LOJA BO
    PAVAO.
    Vende-se urna grande qtiantidade V r>-
    talhos de chitas CMtas pretas por W*" i
    muito barato, e quanto maior l'or afjioi
    gue o fregu comprar, mais barato se
    vi tder na ruada imperatriz n. 60 de Y
    lix Pereira da Silva.
    l'oil deehvre a 14tMM>o Vende-se poil de Clivre muito largo
    as melhores e mais modernas cor-
    barato preco de I -$000 o covado. itn i
    armazem do Pavo, ra da Imperaln .
    de Flix Pereira da Silva.
    amigo dos fuman-
    tes.
    na mesuu, na tr
    K-dro n. !.


    o
    Diark) de Pferuwnbuoo ^.Uii* feira 3M ijff Janeiro de 4869.
    AO BAZAR DA MODA
    DE
    JOS DE SOMA SGARES ft (1
    Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
    . PARA O NOVO AMO DE 1 $09.
    .Vnro sortimento de;ulfeoi de moda e luxo, recetados peo ultimo vapor viudo da Europa.
    Especial surlimeiiii. de objeetos para minio-:.
    Perfumaria* finas dea priici|iacsauron>s.
    Lavas de jtelliea friscas, brancas e de cores para homens c senhoras.
    C.hapeozinlios de palha de Italia enfeitados, para senhoras.
    Hicis nhaprliWlti para senhoras, rorro* de palha de Italia para senhoras p meninas.
    Especial sin linii'iilu de sintos naneen hons.
    EniViies denosto para senhoras.
    Fitas de groMeaanle superior de todas as cores e larguras.
    franjas com vidnlhns. brancas, de coi es e pretas.
    Gnarnicdes de todas as qualidades pata vestidos.
    Vestuarios completos para bapti.-ados.
    Golinbas e puniros eiifeitados para sei horas.
    Coques modernos, lisos e en/eitados.
    Rornous delfiae seda, cines claras, m>daelefante para ;enlioras de bom goto.
    Crtannos de eambraia entenados pan; senhoras.
    Cache-nez de la.
    Chapees de -n| para homens e senhoras.
    Flores linas, sortiniento especial.
    l'lumas. elegantes de qualidade superior.
    Cintas ricos de palha, alta novidade.
    Grinaldas de llores finas.
    Camisas superiores para homens.
    Colarinhos e punhos.
    Grvalas e mantas modernas.
    Rngalas de diversas ipialidades.
    Caixas grandes com piatiu peaaideninsca.
    Flores de palha para gunrnicoes de vestidos, botoes,fivelas,lacos para eufeites.
    Chapeos de pello de seda prelos, forma a Rotschild, fazenc a superior para hoirtett?.
    Corren|esde plaqu lino, gostos bonitos para relogios.
    Cazoletas de bom gostopara amfesnuis.
    r.iirrwUes pretas de borracha diversos modelos para volias.
    Objeetos para luto.
    E muitos outros artigos de novidade que s vista poden ser apreciados.
    Existe continuamente um completo sortimento de iniudeias,vende-se por grosso e> retall
    A f'OJIJIOUON PRECO*
    NO '
    BAZAR DA MODA.
    ?^^^^~w<"S?*^J^Jn
    AC HClTTif'fWl en lQlit "Par'e do mando emprefam, eom o mnor xito,
    \JO ililLL'llAAjj o ph-Mphato de ferro solte! de Lbras, para corar a chlorosis
    PREGO CORRERTE DOS CHAPEOS DE SOL
    Da fabrica de
    MANOEL & C.
    Ra Nova n. 23, Ra do Cabug n. 8
    Pernambuco
    Chapeos de seda trancada, Paragon, de 16 hartes, 28 pollegadas a 164; 26
    pollegadas a 154, e i pollegadas a 14*300.
    Ditos de seda G. de .\. liara, de ac. de 16 hastes, 28 pollegadas a l>:
    de -26 pollegadas a 13>; e 2 pollegadas a 12A000.
    Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 ha? tes, 28 pollegadas a &$ ; de
    G pollegadas a lij ; e 21 pollegadas a 10/5000.
    Ditos de alpaca, de ac, de 12 hastes, 28 polligadas a 6A ; e 26 pollegadas
    a 5#500.
    Por duzia faz-se descont de 15 0[0
    Chapeos de sol de panno, de baleia, de 8 hartos, 24 e 26 pettegadas a 32->
    a duzia. (Desenlo de 10 0|0).
    Ditos de panno, de junco, 8 bastes, a 18-^000 a duzia, liquido.
    Para msicas militares.
    GRANDE LIQUD3AC\0
    DE
    ISTi
    cas militares.
    Completo sortimento
    NO
    BAZAR DA MODA
    RA NOVA N. 50,
    Esquina da na de Santo Amaro
    0 a :t0 por cento mean que em outra qualquer parte venden
    JOS DE SOIJZA SOARES fr C.
    o nai acreditado autor Goutrot Ainea Paris.
    RIJA NOTA M, 50
    ESQUINA DA RA DE SANTO AMARO.
    para corar
    (corea paludas), as dores do estomago, e a exhaustacao do sangue; com esta prepaiacao, dio
    ao corpo o rigor, e s carnes, a ana rmcza natural; facilitam o dcsenvolvimcntc to labo-
    rioso da puberdade. Com efTcito, ludo, n'cste medicamento, se aclia reunido para Ihe
    assegurar e maior crdito, pois que cntram, na aua composicao, os elementos das otaos e
    do sangue. 0 seu autor, M. Leras, doutor cm sciencias, pliarmaceutico, prefessor de
    chymica, inspector da Academia, foi, retentcmentc, condecorado da ordem da Legiao de
    Honra, digna recompensa dos seus importantes tratadnos.
    As seguidles apreciares dos mais celebres mdicos ainda vem corroborar e justificar
    todos estes titules centones publica :
    Precisa, elassiiiear o phosphato de ferro soluvel entre os ferruginosos que melhor
    convem aos docntes cujos orgaos digestivos supportam mal.as preparaedes de ferro.
    SOBEIRAN, professor na Escola de medicina e de pharmacia.
    0 phosphato de ferro soluvel 6, em quanto a mira, a melhor das prcparacSes errugi-
    t neeas, oo seu emprego da os inais prompios c seguros resultados.
    AHAN, medico do hospital Saiute Eugnie.
    i A id ni a liquida do phosphalo de ferro soluvel d-lhe urna immensa vantagem sobre
    as pilulas; cu considero este medicamento como mu superior is prcparacSes 4ocdas.
    Ali.NAJ., medico de S. U. o Imperador.
    t Entre lodos os ferruginosos, nSo conhecemos um sd que obre lao prempta e efiieazmente
    c como o phosphato de ferro soluvel, e isso, sem cansar o eslonwjo.
    BELLOC, BAME, B1C0T, FOLLtT PUVOST, mdicos dofkoifut.
    Os fe i tos da preparavio de phosphato de ferro solurel me parecem ser mu seguros
    < e promptos. DEBOl'T, redactor em chele do Dullelin tlimpeutique.
    Entre txias as prcparacSes ferruginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a que sempre
    me de o; melhores o mais lattfeaorios resultados. GUIBOUT, medico dos hospitaes.
    0 phosphato de ferro soliwel im, sobretudo, a vantagem de evitar conttipacao e
    eenvu- aos temperamentos delicados. D' FAVROT.
    Deposito em Pernambuco, em casa de Mom C.
    ims&w
    -/ .'> ..">-.' ;."-
    P^AarmaecHice ,
    laureado
    pela Academia
    de
    nifl.icina de farit
    -. .
    rn
    PASTILHAS
    L poses digestivas!
    clBURINduBUISSON
    _ MedalhidoM
    da &
    de
    fomento.'
    CON LACTATQ Dfi SODA E MAGNE
    Estes PattOhu eeoatiMem o medleunnto o mais novo e o mais racional'para eombater
    toda* u effeccoee dea tm digesvu. Ellas contem, com effeito, o acido lctico, nm dos
    | elemento nonuee da digesio, combinado em a magnesia calcinada, cojos bous effeitos
    ten sido appreciados pof tedoa os mdicos, o bi-eerbonao de soda, eal que fai i bese das
    (fetomago, etc. Deposito em9Penumb%eo, em casa dHMm 0a.
    fV"
    Approtaste
    da academia
    de nudecina
    4* Parte.
    Phamaceutico
    laureado
    ia academia
    de medicina.
    As prepararoes ferruginosas liquidas tem desde muilos annos merecido
    pecial dos mdicos, porque ellas obrSo mais-. pido e securamente do que
    especia
    sao mais fcilmente tolera
    a approvacao
    rapido e seguramente do que as pilulas, e
    pelos doentes. Os Pos ferro-manganicos possuem a inappre-
    ciavel vantagem de poder offerecer n'um instante urna agua fefrnginosa gazcosa, Ide gosto
    agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de muis um elemento precioso,
    o Manganese, que sempre su acha no sangue, junctamente com o ferro. Empregao-se em
    todas as molestias qHe tem por causa o empebrecimento do sangue, assim romo pare vigorar
    os temperamentos debis e lymphallcos. A cldorose, as Perdas brancas, dores d'eslomaao,
    a irregularidade da menstruaco e ameuorrha ou suppresso do menstruo, cedenu rpida-
    mente a seu emprego. Devenios mencionar aqu um faci nolavel, isto que os doentes cura-
    dos pela agua preparada com estes pds estao muito menos expostos a recadas do que
    aquellos que forao tratados pelas preparaces ferruginosas ordinarias.
    Deposito em Pernambuco, em easa de Mauver C.
    VERDADEIRAS
    PILULAS
    DE
    COM IODURETO DO FERRO IMALTCRAVEL
    APPROVAOAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC. I
    Possuindo as propriedadesdo iodo et do ferro, coiirem especialmente as Amccos
    scroftlosas, a Tsica no piinr.ipio.a fraqwzade Umperamente tamliemnos casos de
    Falta de cor, AMF.NfinRHF.A,em que precisarf.agir sobre o sancue seja para restituir
    lhe a sua riqueza e almndene.ia normaes, ou para provocar e regular o seu curso peridico.
    Tem para vender em seus annazens, tlm de ou-
    tros, os sexuintcs artigos :
    Papel para imprimir.
    Perrina azul. ,
    Greve pautado e liso.
    Yinhos cm caixas de doze garrafas
    Bourgogne.
    Hery.
    Madeira.
    Hennitagej
    Chamblis.
    Licor dtt euraej'io de Hollanda em caixas de vin-
    le e quatro botijinhas.
    GESSO
    Nosarmazens de Tassolrmaos.
    Grades de ferro
    para jardins, porteirasete.
    Nos armazena de Tasso Irmos
    4 til El I \f 14* IMS FERRO
    Para seiwicns de grandes amuuens, para reino-
    ver barricas ou eaixoes de um para outro, lado pelo
    mdico preeo de 12000cada um.
    Tarinlia de trigo de Trieste
    Das memoras marcas l'anonia (verdadeira) Fon-
    lana e grande sortimento das memores marcas de
    farinhas americanas.
    Saceos de tarinha de trigo do
    (Me
    Todas novas, ehegadas ltimamente nos arma-
    zens (h; Tasso Innaos.
    _ Cemento, romano
    Nos annazens de Tasso Irmaos.
    Cemento hidrulico 12^
    0mellior paralijdo que siioulnaspara.agua.eo-
    ,no assentamento decanos de esgoto, algereaaa, de-
    psito. tancpies d'agua, etc.. ele.: em porrite8.de
    ni.....ntobarrteaese far rcHlueraouupreco : nos
    eonazens de Tasso Innaos.
    Cemento Portland
    0 verdadeiro cemento Portland em casa de Taeso
    Irmaos.
    Grades de ferro, cercas, por-
    teiras, ete, etc.
    De ditferentea qualidades para cercados de ani-
    niacs, eliiqueiros para galinbas ou jardins: uosar-
    mazeus de Tasso Irmaos.
    Barris com breu
    Xas armazens de Tasso Irmaos.
    CANOS DE BARRO
    Na rita Nova de Santa Hita, na antiga fabrica de
    sabao, lia para vender por prego o mais mdico
    possivel, canos franee/.es para edilicacoes e esgo-
    I tos de toda a qualidade, superiores a todos os que
    aqui tem apparecido pela sua solidez.
    PUCOS.
    15100 por cano rande"dc3 e moia pollegadas.
    1 200 por dito de 2 e tres quartos de dita.
    13000 por dito de 2 c um quarto de dita.
    oOO res por pistoleta de 2 pollegadas.
    Cotovellos, curvas e canos de maior grossura, a
    vista se far o preco. Compras niaioivs de 2004
    tem 3 por cento de descont por prompto paga-
    iiientd. Pde-sc ver as amostras nos armazens
    de Tasso Irmaos:
    lijlos fi*aueezes
    Para ladrilliar casas terreas comasseioe precos
    mdicos, muito convenientes e pronrios para ladri-
    llito de cosinhas em sobrados, pelo sen asseio e
    evitar a passaem de aguas para o andar inferior
    LOJA DO FASSO.
    Rb.i do Crespo o. 1 A. esquina
    da do Imperador.
    O dono crte impotente t-siabclecimento.
    tetido reiebido de sna conta, pelo vapor
    francez Extamiithtrfyiverms artigos de alta
    novidade propn'os pan a feta. imdiisio de.
    que seu estaiieleoimouto se wlui Dem sorti-
    (0, princiialoieiit(' em artigos de moda, pe-
    de ao respeitavel publico e em particular
    aos seus numerosos fregueses aboniad
    de honra-lo com sua eonftanca, garantindo-
    Ibes serem bem servidos e por preces ni-
    miamente baratos. Venltam, pois, todos
    comprar novas e lindas .fazendas boas e de
    alia novidade, com bem:
    Riquissiinos corles de blnmle.
    Riquissimos corles de seda de cores.
    Sedas de lindas cores para covados.
    Moire-anlique azul, verde, bronco e pre-
    to.
    Grosdenaples azul, verde, branco e pre-
    to.
    Gorgurao branco e preto.
    Setim branco macau.
    Cortes de seda com duas saias.
    Cortes de 13a escosseza com duas saias.
    Cortes de la o seda, novidades.
    Poil de chevre de lindas con*.
    Alpacas de cordo lindas cores.
    Ditas lisas de todas as cores.
    Cortes de vestidos de caniluaia bordados.
    ,Saias bordadas para senhoras.
    Camisas bordadas .
    Fronbas de linlio com lindos bordados.
    Lencos de eambraia de buho bordados.
    Chapefinas de palha da Ituli;i.
    Ditas de sedas decores epretas.
    Enfeites para cabeca de senhora.
    Coques de todas as qualidadi's.
    Basquinas de seda enfeitadas com primor.
    Leques de madnperola, marfim, sanda-
    Ufe osso.
    Camisas bordadas para homens.
    Colclias.de algodao e seda para cama.
    Ditas de crochet para cama.
    Pannos de-crecht-para cadeiras e sof.
    Chapeos de sol de seda para senhoras.
    Espartilhes para senhoras.
    Toallias i Ir laliyrinlo.
    Lencos de lahyrinlo.
    Fronbas de labyrinto.
    Bicos, rendas e grades.
    Finissimas cambraias decores, percales,
    las e outros muitos artigos de gosto e no-
    vidade.
    Loja do Pasto ra do Crespo n. 7 A es-
    quina da do Imperador.
    Para armazens a retalio.
    0 Camilos da ra do Imperador n. 28, tem para
    vender grande quanlkbde de medidas de ostanli^
    para lquidos, e de madeira para seceos, |ielo ys-
    tenia mtrico decimal, (lo qual estao os negocian-
    tes a retalio obrigados a vender snas mereadoras.
    a contar do Io de marco do Mrente auno. O an-
    nuncianle avisa e garante aos que de taes medida-
    necessitain, que sjio estas as mais exaftas, por
    quanto sao feitas em Paris, de conformidade com
    o systema cima dito, e s'(iindo o pedfio adoptado
    pelo goveriw imperial ; -nao aconteeendo, pmni.
    LOJA D'J GALLO VIGILANTE
    Ra do Crespo n. 7
    \
    AO TRIUMPHO
    Esta a exposicao do respeitavel publico neste importante estabelecimento um
    Undo e completo sortimento de fazendas clisadas pelo ultimo vapor da Europa, o que
    temos a honra deanntmciar aos pas de familia, assim como ao bello sexo, a quem o
    Tnumplio pede sua attencao; garantindo sempre em sua no-aloja o gosto de fazendas e
    novas modas e modificado dos precos, para adquirir asvmrathia de quem dera honra
    de procurar o Triumpho.
    Lindas sedas de cores novo gosto a 2600 o 2^8000 o covado.
    Glacez de seda e la apurado gosto para 1 ;>500 b covade.
    Laazmlias com Bstras de seda para i#200, 1-S000 o covado.
    Ditas de lindos padres para 500, 700,800 e 900 rs. o covado
    Cambraias brancas de 45000 at 8,5000 a peca.
    Ditas de cor novos padres de 6i0 e 800 rs. a vara.
    Saias do la com bonitas barras.
    Hales de la e mnreelina e de arcos.
    Basquinas de gros-de-naple de 22*000 a 40/5000.
    Gros-de-naples pretos de 2*000 a 4*500 o covado.
    Ditos ile todas as cores,
    i krgandis branco.
    Brilhantinas brancas e de cores. '
    Bspartlhos c entre-meios bordados.
    Meias finas para senhora c para homem.
    V!m destas fazendas tem um completo sortimento de chitas escuras e claras ma-
    apoloes, bramantes, afoalhados, toalhas delinho c dcalgodo, e outras imitas fazendas
    ques> wnii m por precos queso a vista o comprador se poder desengaar queso no
    Triumpho poder comprar bom, o com economa.
    IWKA IIO.VENS.
    Bonito sortimento de casemira?, brins brancos c de cores, camisas de linho e algo-
    dao, ciroulas, mantas e gravatas do que ha mais moderno, chapeos de sol de seda e alpaca
    '' outras militas fazendas que vista se podero agradar,.e manda-se fazer tiualiiuer. obr
    ie aiiaiate para o que tem um hbil mestre, p pref o em tudo, s encontram m
    aa do Queimado n. 7.
    Mandou vir du sua coala e acaba de re-
    ceber pelo ultimo vapor, complete sormen-
    OOllServadora de Slia- illdivi-jol de ^JWtos de novidade e pnantasi, os
    qtiaes esto resolvidos a vender por piceos
    nimiamenle Iwratos, para assim; niinar aos
    concurrentes e ao mesmo lempo Jar sabida
    ao grande deposito que tem: isto ra do
    Crespo n. 7, toja do Gallo Vigilante.
    Gollinhas, punhos e camisinhas para se-
    nhora, fazendas de gosto e novid tde.
    Finos vestuarios para baptisad >s, assim
    como touquiuhas, sapatinhos e meiasinhas
    para o mesmo lim.
    Grande sortimento de bicos e rendas de
    roch c de outras muitas qualidades.
    Superiores caixas com msicas e sem el-
    las, 4ndo o necessark para costuras, pi-
    se, far 5 |r cento de descont por prompto pega-
    mento. Podem-se ver a amostras nos annazens
    de Tasso Irmaos.
    Velas de aspan ncete verdadeiras para Lin-
    ternas de carros: noarmazem de Tasso Irmaos.
    V'inlio do Porto lino superior: no aruiaz-'in
    de Tassolrmaos.
    O melhor copnac Gaulhier Freres: no arma-
    zn de Tasso Irmaos.
    Esteiras da India
    Em casa de Tasso Irmaos vndese esteiras da
    Lidia de diversos padres e larguras, por proco
    conunodo.
    Macarthy
    dualidade, amiga do
    progreso-.
    Os labijriritlios da Esperanca
    A loja de miudezas da ra do Queimado
    n. 35 A, vem apresentar sua escolhida
    freguezia um artigo que at boje eustava
    muito caro, e por isso s cliegava para a
    classo mais abastada da soc.ie.dade.
    Toalhas le labyriai hos
    Perfeitamenle iiiaes s que so fabricara
    no paiz por urna decima parte do valor dal-
    las vindo a esta loja, apreciar a perfeico
    reunida economa, (era sempre possivcPWias para um delicado mimo.
    isso).
    As toalhas tcem um circulo de lindo de-
    senho e no centro se le em caracteres maius-
    culos a allegorica inscripcao. A* baptisar.
    A' passeio.Meus cuidados.Lenibran-
    Ca.Visita.
    Ninguem porcerto dcixar de ir completar
    o enxoval do lindo filbo para fazer economa
    de-f5-ou 20,esses nadas de que se compc
    o guarda roupa dos' recem-nascidos qua-
    si sempre ficam aos extremosos cuidados
    das mis, a essas a quem e Esperanca se
    dirige, para quem desde j dispe-sc a dar
    amostras e certa est que pelo preco nenhu-
    ma deixar de comprar.
    Frtmhas
    A Esperanca, tambem recebeu fronbas no
    mesmo gosto das toalhas que vende pelo ba-
    rato preco de 3,-5000, o que eustava 1001 I
    apreciai e'se ligardes importancia aocon-
    Kinas caixas com tontos e sem tilles para
    coltarete.
    ^Agulhas para machinas de costura.
    Ditas para croch, sendo de ac, marfim
    o outras muitas qualidades, assim como li-
    nhas para o mesmo mister.
    Finas grinaklas para noivas.
    Meias de borracha para quem soffre de
    erysipella, assim como meias de la para
    os que soffrem de rheumatismo.
    Suspensorios para homem e meninos.
    Finos pentes de tartaruga para coques Jo
    de outras muitas qualidades e para outros
    misteres.
    Dedaes de madreperola, marfim, osso,
    ac, metal, etc., etc.
    Superior agua cosmeocome para Ungir
    cabellos, dando aos mesmos a sua cor pri-
    mitiva.
    Completo sortimento de finas perfumaras
    Machinas Se descaro?ar algodo.
    Hoje que osla reconherido que as machinas de
    serrote prejiidiran e quebram a libra do algodao,
    preciso recorrer a machinisnio menos spero,
    que produzindo o mesmo (trrico que aquellas, e
    taeilidade no traballio. nao quebrcni a libra da 1:1a,
    para que essa possa obter-nos mercados europeos,
    a diflerenca que ha entre o algodao descamado
    lr aquellas mencionadas machinas, que estao Pi-
    cando em desuzo, pelo prejuizo que tem causado,
    eo da antiga bolandeira, que nao pode competir
    pe* inorosidade de seu trabalho. E' assim tnie
    estas machinas se tornain as mais proprias para o
    nosso algodao. pnrquo ao par da facilidade e
    proinptidao eonserva a libra da lia, que limpa por
    ella, qualilieada na Europa a par da melhor bo-
    landeira, valendq assim ejitre 10 arrobas 20 O'O
    mais do que a lia lioipa pela machina de serrote.
    Kslas machinas nao sao novas, pois que ha muito
    estao adoptadas no Egypto, aonde as de serrle
    forana inteinunente ahandonadefl, e por isso o alejo.
    dao daquella pro -edencia, sendo da qualidade do
    dajiossa provincia, obtem boje de io aimlu> o
    0/0 mais do que o nosso : veiulem-se a HjOOO
    nos armazens de Tasso Irmioe.
    Tabellas vermicidas"
    DE
    Antonio Nunes de Castro.
    Vermfugo eflicaz c preferir] todos os
    conhecidos j;i pela certeza de seu resultado,
    e j pela fcil applieaco s enancas, quasi
    sempre mais atacadas de t5o "terrivel
    muitas vezes fatal soffrimenlo.
    nico deposito,
    Pharmacia de Bariln.lonieoA-C.
    3 ina larga do Rosario.14
    como aos vendedores.
    M^ias elsticas de
    As melhores c e.xcellentes
    compradi ii-
    banacha.
    meias elsti-
    cas de borracha contra varizese eivsipellas.
    Vende-se na
    Pharmacia e drogara de
    Bartholomeu d- C.
    3 ira lara do Rosario34
    Vluho Fl^uelra
    Vende-se em ancoretas de 9 caadas superior
    vinho da Figueira. proprio para casas particul.i
    res : na na do Amorim n. 58. annazeni.
    \ tde-se.
    l'ni balco em bom estado : na roa da Sadeia
    do Recite n.,2.
    Vendem Augusto F. de Oiiveira & C. ra do
    Commereio, n. 42.
    a ra de Hortas casa n. I, eenpn-se jornae-
    ou outro qualquer pajiei que estoja liuipo, ai :i
    arroba.
    fortavel da vida, sem duvida comprareis dos melhores fabricantes, assim como mui-
    neste bello paiz ninguem se faz pobre dis- tos outros objeetos que impessivel des-
    pensando IS/ ou 205000, com o acceio ff
    belleza de que se decora a habitaco, s
    vezes no que menos pensamos, entretanto, .
    como diziam nossos maiores, a sepultura da
    vida : ainda s senhoras a quem a Espe-
    ranca se dirige. Urna senhora cuidadosa
    do nada faz a casa.
    Ra do Queimado n. 33 A,
    o Triumpho | _____
    DGENCAS dAslCUAlNCASI
    XAROPE de RARAIVO IODADO
    CUEA DOS GALIOS.
    PELA
    " Pomada galonpean.
    Deposito especial
    Pharmacia de Bartholomeo C.
    34-----Rita larga do Rosario-----34.
    Este medicamento goza ei ris e no mundo
    le o iodo com <
    ramente exia
    Bacallio, qut
    Mobsintcbesas dan"dUl~de7^
    ernunmde pouc i3ad* Tnico e depurativo ao mem?mS?e!t,d# V!U*-"9 *Pt***J**\
    digestao, resume aos leeidoe a sua rmeza e "r a^rSl ?. f''lU -.*P,*' bBf*
    especiaJwia para combsier as diversas aftecvdes da p e. eeiUdo pelea mdicos
    inteiro de urna fama justamente merecida,- por
    bem umecidaeasquaes j'nam'rarmcm.^.?."^^83Elanlas"corbulicas.eniaefflcacia
    eom vantagem o Oleo de ligado de BacallX nl a 0d0, ** qoe elle suppre I
    efiicaei* pre.senca do iodo. B preciosa no tr.'..^!..,.
    achar-i* intimamente combinado nelle_oiodo con, oVuo" das]
    o iodo. I
    mu**! "Snndo homens scientifleos, ^m
    ,k iretameutc das crlancM nmh.t a i**...__
    flM*)>o em Pernambuco.
    Vende-se urna taberna com puniros-- mndos o
    ^em afrejmezada, tanto para o mato como ,para a
    trra, o alupiel enmmodo e tem commodesi pera
    peqiiena tamilia,.a raza di voudasa dir, aos nre-
    tendentos : a tratar na nn Direita n. 0.
    Esteiras daHEdiaT
    *i^lai?errTlefrar t,0 ^ A,varo Anansto do
    plio-sortimonlo de esteiras da India para forro de-
    sala, do differentes ianruras, e excellento qnalid-
    de^e que se vende por procos razoaveis
    creverr isto s na ra do Crespo n. 7, loja
    do Gallo Vigilante.
    Collares Royer elctricos magnticos con-
    tra as coitvulsoes das crianeas e para facili-
    tar a dentingo das mesmas, o Gallo Vigi-
    lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
    collares e contina a ter sempre grande de-
    posito, ra do Crespo n. 7.
    Jabonetes delcatro
    DB
    Antonio Nunes de Castro.
    Este acreditado preparado, que to boa
    acceitacao tem merecido nesta provincia,
    muito se recommenda para a cura certa
    das impigens, sarnas, caspas e todas as
    molestias de pelle.
    Deposito nico,
    Pharmacia de Bartholomeu C,
    34ra larga dn Rosario34.
    FUNDICAO DOBOWMAN
    llua do Bruna n. 59.
    Machinas de vapor.
    Rodas d'agoa.
    Mocndas de caima.
    Taixos de ferro, batidogo fundido.
    Rodas dentadas, para moer com agoa,
    vapor e animaos.
    E outros muitos objeetos, etc. etc., pro-
    prios para agricultura.
    Proprias para a qua-
    resma
    A saber:
    Grs-de-napoles para todos os precos,
    Cortes de cxcellente gorgurao para ves-
    tido com 48 e 19 covados,
    Ditos de seda lavrada, boa fazenda e ba-
    rata,
    Moir-antique,
    Ricas basquinas c tambem as mais sim-
    ples e baratas, *
    A na do Queimado n. 31, loja de fazen-
    das de A. M. Roliin A C, aonde lamliem se
    encontrar completo sortimento de fazendas
    de toda a especie.
    GAZ GAZ GAZ
    Chegou ao antigo deposito de Henry Forster &
    fl, ra do Imperador, imi carregamento do paz
    de primeira qualidade; o qual se vende em partidas
    e a retalho por menos preco do que em outra qual-
    quer parte.
    Tintura japoneza
    Instantnea para Ungir os cabellos e a
    barba, a i^OOO o frasco.
    E' a nica approvada e recommendada
    por ter sido reconhecida superior a todas
    as tinturas d'este genero.
    venda em casa de Gustavo Hervelin n.
    SI. ra da Cadeian. 51.
    Bap Paulo Cordeiro.
    Vendo-se urna escrava, eriouia, de 3u.*ios
    oeiflade, que lava e castalia, e que boa quitan-
    l deu-a: a tratar na ra do Pilar n. 62.
    Manuel Alvesr Kerreira A C, na ra da
    Moeda n. 5, segando andar tero para vendet
    superior potassa da Russia em barris e meios
    barris e-tal de Lisboa da mais novaque ha
    no mertada.
    Cemento de Portlnndr
    Vende-se no armazem do Vicente Ferrei-a da
    Costa & Filho, na ra da Medre de leos a. S!, em
    barris grandes.
    Vende-se rap Paulo Cordeiro fino, via-
    jado, em latas, meio grosso evinagrinho,
    no deposito cargo de Joo Francisco da
    Siba Novaes, ra do Vigario n. II. Faz-se
    vaatagens a quem comprar por?5o, e troca-
    se rap que nao sabir ao agrado dos con- _
    stapidores. pra o carnaval
    -t--Em casa de Thcod. Chnstiansen, ra do Cora- Nf rudo Ceeo 6 tem paia vender velludo
    mere n. 16, enrontram-se effectivamenle todas de diversas cores, muito proprio pan roupa de
    as qtnlirirnln din linha iwiUau i Bijiiiiiwimi ti iln miiliiimi eprtMailn e um aade sortimento de
    Rlieno. glumas, que ludo se vende por baratissimo preco.
    Para familias
    Grande Basar, rna .\o a ... 'O e
    99, deCarnelro % launa A c .
    Acabado cJiegar a este estabelecimento
    grandeporro de machinas para coaturas do
    autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
    ma exposico de Paris, as quaes cozem com
    doits pospontos toda a costura, e tem a
    vantagem de ser t5o suave o movimento.
    que qualquer crianca de oito annos fcil-
    mente trabalha, e pode, com este entrete-
    nimento, levar vantagem ao servido diario
    de trinta costureiras. A comprhens5o
    simples, pois em um quarto de hora se ti-
    ca senhor do movimento da machina, ten-
    do a mesma a propriedade de fazer as se-
    gtuntes costuras: pospontar, abainhar.
    franzir, marear e bordar, como apeesentam
    os desenltos que acompanham-nas. Os pro-
    prietarios do estabelecimento se encarre-
    gam de mandar ensinar n'esta cidade, o
    gacantem entregar o importe dispendido ao
    comprador, no caso de nao trabalfcar com
    perfeicSo amachina vendida, nao, tendo,
    poi-m, soffrido ella alguma avaria. Ha tam-
    bem no mesmo estabelecimento machinan
    do autor Grower & Baker, de trabafco sim-
    plesmente m2o, e outras com memento
    dos ps; e mxime todos os perteajees das
    mesanas nMchiaas, para vender avuli
    *"
    1 i,
    -'


    Diario de Penambuco Quinta feira 28 de Janeiro de 1869.




    i

    jiv
    A DINHEIRO NA LOJA E ARW1AZEW
    DO -^
    DE
    Flix Pereira da Silva, suceessor de Gama
    & Silva
    0 proprietario d'este cstabelecimento convida ao rrspeitavel publico desta ea-
    pital a vir surtir-se no grande cstabelecimento quo lem dt fazendas, tanto da moda como
    de loi, e rs pessoas que ncgociam cm pequea escalla, tonto da praca como do matto-
    nesta casa podero fazer os seHS sortimentos em peqaents e grandes poreoes, venden-
    do-se-liies pelos precos que se compran as casas inglezas ; assimcomo as excellentis,
    imiis familias, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
    mos levar em suas cana pelos nossos eaixeiros, para o que acha-se este estabelecimeni.
    to aborto constantemrnte desde s 6 horas da manuaa as !) da noute.
    MADAPOLO 3:300. >*
    Vcndem-se pocas de roadapolo fino con
    ra""^am JcaJTa I J* ardas i"* *** ^lde 3:S0 a, ^
    KhA (.a,u m,,;h, dito com i i ardas a /oOOO, na ra da Im-
    0 atoalbaio do Pavo.
    Ye.udo-sc superiw atoalhado de algodao
    com 8 palmos de larg
    -SOO a vara; dito de finho fazenda milito
    superior a U<*9* vara ; gaardanapos fctfiS" nM' "
    limo adamascados a 1->300 *a duzia e muito
    fiaos a 8JJW00, < ditos econmicos a 96W0
    a dseia.
    < roi'fcs |&r:i < ule I ras na loja i!>
    Pava
    Chegaramos mais lindas panos de oro-
    che ou guara bantras, proprios para -ca-
    Silva.
    l^sluhas
    A doze vi leus.
    A d A doze vintens.
    Vende' oo laasinhas de ci-es muito lio-
    nitas com deswdiosmnjklinliose grandinhos
    com listinhas e pintas pelo barato prw;o de
    Temos novidadc na torra !
    Poivn ningiwm se espante
    A rottsxnaode dar cuidado,
    Ka? sempie a sna admiraoio,
    Mas uo offcnde a niriguem,
    Agora nao se lembrem de noVh incendio no pardieiro,
    Nem que limiv*e*plos5o na nmamliomba,
    Nem meo pnto Thomaz ugio da Detenran,
    Nem que o vapor cflegou embanderado,
    Nem que a FRAGATA AMAZONAS virou o S.
    Nao se trata disso
    Ser alijUMjtu: d paz que qurr pastar o metro no seu subs"
    titnto em consecuencia de estar abolida a vara ?
    NAO SENWORESTenham paciencia Esperan
    Nos vamos dizer do que se tratanao com aquellos modos que toma o cidado
    russo, Sr. Antonio Domingiics, piando reconftocfl que na melhor boa f Ihe empurraram
    algum livro sem principio nem mmas sim com aquellas maneiras assaV. delicadas que
    sempre so encontrara no prfiinfoso ninho da synipatliica Aguia-Branca : assimpois
    attondam: ._
    0 cordeiro previdente
    Ruada lueniado n. 10.
    Novo e variado Miiljraento de perfumarias
    tinas, h uniros objectos.
    Alin di completo sortimento de perfu-
    maras, de quo olleelivamenle est provida a
    loja dogordeiro Previdente, ella acaba do
    recebo- mu outro soriimento que se torna
    A NOVA ESPERANCA
    2J=Ra to. Qu^iiuajJo =-- 21
    L para presentes
    A Nova Esperanca, a ra do Queirnaw
    n. ti tem uin variado sortimento de objc
    tos de gosto e plianlasia proprios para pe*-.
    sontos, sobresabindo vnti e ellos ricas caix-
    III.IOM
    Amigos : fartar o estomago agradavelmentc venham ra da Impcratrizolhem
    para a casa ipre fira em frente ao magnifico caf olhem..... olhem..... Nao veem ?
    deiras tafite d'encosto, romo de bataneo e Swris o cavado na loja do Pavo, na da
    de guarnirlo, e outros compridns para so- Imperatrk n. 00, de Feliz Pereira. da Silva.
    Ca, assim como ditos redondos para mozas AS CAMIHUIAS DO PAVAO
    redondas, ditos pequeas para almofadas, e Vendern-se finissimas pecas de cambraias
    utos |>ara cobrir i-es/ntes, tendo pequeos lizas traspaivntes tanto inglezas comosuis-
    t p;ira cobrir m prato, que se vende'm sas teio naiti de vara de largura, pelos
    por prero muito era wta, na lojae arma-! precos de o-H'OO at 1?>000 a peca, assim
    /em do "Pavo ra da Imperatriz R. 60, do [como fiuissimos organdys branco liso que
    Flix Pereira da Silva. sewe para vesAos de bailes, par ser muito
    Hi&iHi -- s,v F"rtie* ,apa 'estl9 UIU Pavo ra da Imperatriz n. 00, de Flix Pe-
    a 640. rera ^a s|va
    Veidein-se os mawmodemosfc* ostlfxivois com jadios de Mas e del sa loja do Pavo vendem-e. os mais mo-
    itipki proprios pira vestidos e roupas de darnos fuste brancas de lista cordao
    menmo a 040 rs. encovado, na l;a e arma-, llWj,0 encorpado mas imito floxivel, pro-
    jem.do Pavo ra da IinperatFkn. 00, do |lrios para vesjilos^oupes^enteadores etc.
    Fin Pereira da Sirva. |ek., roupa para meninos, |olo baratopre-
    Chegou para a Jja do Pavo?pelo ultimo jfie 'Fc,,ix Perene da Silva.
    vapor um grande sortimento tos mebores \ SEDAS OOM IJSTINHAS A 3.i$00 o
    ^rosdenaplos prelts e de cores, lendo verde i COVAD
    uimbem, (|ii> se vendem mais barato que!.. VideiiM mais modernas sedas de
    un outra qnalqner parle.. istinhas pan vestidos, ebegadas pelo mltnno
    , i,.. Fo ^ -.Min "vapor com -M < ores mais modernas qae tem
    viudo a ete ni'rcado, pdh barato pneco de
    3 rs. o cwadi na ra las barras, pelo l-aratissimo prgo de -$000 m e f^^ p(M.,,jra (la gKva
    %l|iacas la*Tada
    Chegara^i polo ultimo vapor asmis mo-
    dernas alpacas lavradascom as mais lindas
    cores, que se vendem o l'iOOO, o covado,
    Agora dijanunmigT:
    0 BOM DEMONIO
    \,ri so hnzam
    < Qae peior
    Fiqueni bem quietos
    Qne mollior.
    Mullid", demonio que importa !
    Mulh^c, demonio bei de amar-te
    Vendem-so lijarles de merm com boni-
    s barras, pelo baratissimo proco de -5000
    e 25/>00 rs., na l^a do Pavo roa d'Impe-
    ratriz n. 60, de Flix Pereira la Silva.
    PiaaNKCHA A 3.-d0.
    FiHchhs ntuito serio
    ?a .'TsmgjLo
    0 ARMAZEM r*E MOLDADOS esquina da rujda Aurora defron'e do sumptuoso Caf Ivi-
    prratriz: o rjinsavel proprietario desso importante estabelceimento acaba de prove-lo
    lo que Im domis su|vrior o digno de urna casa dessa oinKin.
    Esb'inteivssante estabelocimento se torna saliente, nao s pela na ptima locali-
    dade, como^elo formoso e encantador emblema que assignala.Vede-o loimosa Circe,
    eneatad#Mi maga que se espema as aguas do nosso ameno Cupibaribe, e como que desa-
    tando o riso para a altanoira peranca-ilam breve gosaros mais gratoi^tkeiemimMfaB lbe serio levados pela nova es-
    trada de ferro que se aelia uo ugMOftMl^.
    Assim, pois.
    admirar a beIJa physionomia do BOM
    ALTAS NOVIDADES!
    notavel pela vai iedade de objectos, superiori- jufta* ('e ('hai;o com linas perumai ias,.cea-
    dade, ipialidados e commodidades de pre- turoiros de chagr< n, avulheiros do niadm
    eos; assim. jm lis. o Cordeiro Previdente pede IP^0'* : assim, poisv quera qoizer fazer uina-
    e espora continuar a merecer a apreciacao i 'inda ofterta, i|ii uu ."ova Esperadla,
    ra do Qnenado n. 21.
    Para bptLsados
    A Nova esperanca ra do QueimadOr
    21, tem ricos vestuarios proprios para hov-
    tisados. sapatinhos, ineins de seda c fio-da
    Kscnssia para o mesmo fin.
    do respeitavel publico em peral i; de sna
    boa Ireguezia era particular, nao se afas-
    tando elle da sua bem conliecida mansio
    e barab'za. Km dita loja encontraro os
    apreciadores do bom:
    Agua divbut de E. Coudray.
    Dita verdadoira de Murrav & Lanunan.
    Dita do Cologne ingleza, americana, fran-C'/om' on^dinoa dtatro-moyneU
    ceza, todas dos melhores e mais acreditados cosronlraas conm/rfes des
    fabricanu>s.
    Dita balsmica dentrificia.
    Dita do flor de larangeiraa.
    Dit;i dos Alpes, e vilete para toilet.
    cremiras.
    Nao resta a menor duvida, de que mudo
    collares se vendem por ahi intitulados ot
    Elixir od'ontalgico para conservaco do verdadeiros de Royer, e eis porqae ntftM
    ca.
    Cosmeliques de superior qualidade e chei-
    ros agradareis.
    Cupos o latas, maiores e menores, cora
    pomada lina para cabello!
    Fraseos cora dita japoneza, transparente,
    eoutrasqnaliilades.
    Finos extractos inglczes, americanos e
    francezes om Irascos simples e enfeitados.
    pais de familias nao creem (comprando-os
    noelleito prometlido.o que s poden dai.
    os verdadeiros ; a Nova Esperanca, porni
    que detesta a falsilicaco principalnicnte no-
    que respeita ao bem estar da Lumanidad,,
    fez una enconimenda directa destes collart-
    e garante aos pais de familias, que rti M
    verdadeiros de Royer, que a tantas
    ro
    Yentia toda a popjdnco do cife ver c
    Cortes de la 8:.'i00.
    Cortes de la a 3m99-.'
    <:wtes de lea a 3:.'00.
    Laazinnasa ^ pI.
    Lazinkas- a 280 res,
    i.-/inlias aOIO reis.
    S o Pavio.
    SO' PavISo.
    +. o Pavo.
    'ditas lisas tendo tambara cor de canna a
    800 rs, ditas mescladasmuito finas a 1:200,
    o covado e ou ras multas fazendas de gosto
    e moda qee se vendem mais barato do
    que em oatra < ualquer parte, no armazem
    de Pavo, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
    Pereira d gilva.
    ORGANDYS E COR
    Yondem-se (rgandys de cores c^tm pa-
    Vendem-se boatos cortes le lazmtwe; di;s iniu.liuhos em acentos broncos e de
    Oara vestidos compadres motiernos tonel cores pO baritissimo prefo de 360 rs, o
    ada mu corte 14 estrados pelo Imrato pie- 'ovado, nissimas cassaefrancezascomdeli-
    o de 3:300 rs, assiai como dtos em pec,a \ cadas coros e bonitos desenlios a 320 rs. o
    que se vendes a .280 rs. o covado, sendo, ovado e ditas 300 re, na ra da ioipero-
    jrande peeljatchana loja o armazem doPa-ti'iz n. 60, aimizem de Flix Pean da
    vo ra da iapeiwtriz n. 60, de Flix Pe- Silva.
    reir da Silva.
    BAK&INIIOS
    Yondom-se tiiiwsintos babadibos,
    PECHINCHAS
    ovamente ehegadas ao. armazem
    DO
    DE
    Itonp i> para homem
    Yendem-sc superior palitts de panno
    tiras i sobrecasacos foirados de alpaca e de seda,
    bordadas e entraMOits, mais tiaratos do que. -amisas inglezas e franoszas com os peitos
    em outra qualquer parto, assim como espar- le esgvio, revi ulas francezas de liiiboeal-
    'ilhos ilos mais moliernos, no armazem de Lgodlo, meias cruas inglecas superiones, ca-
    Felix Pereira da Silva, ra da imperatriz misas de flanella e de meia de la, assim
    n. '09. ; nomo nestii esta! elecimento existe um p*ande
    Al TI Mnilininr ^,rtimento.ep<,innospretos;edecasemiras
    ALIA IlUt/lUAUL iiuloz.'is de cores, e ipie se manda fazer
    i Idt fi PkVia i ipcalquer obr-a a contento dos Srs. fregu
    r u *| /'"f' proette-se-llies ue sero servidos
    r*- uurftrao.ae seda c rhegaram_pela#.mvaporosna.sno- ,,,to (ll) em outra ^ualquer parte
    nites gcr-ninios de seda, proprios para ves- Iiatfua da ,inf,Pratriz n. e -Flix Perci-
    bidos, sendo lisos e lavroinhos, com muito i r ^ ^j|va
    lustro, garantindo-ae qne a fazenda mais i C'ortlnadna
    inda o fo maispbaatasia me esteanao tem!
    llegado .este 'morcado e vende-se por! 2S!lfc ^ -
    ..eco muito razoavet, na ra da Impera rizL V^e um grande sortomento dose-
    . 60. de Flix Pereka da Silva. | Ihores e ma.ore: cortinados .bordados piw-
    \ t prwsfim camas eparajauelia*.qwse -veu-
    ^rp;atil3f ; ;||>UI a j#iqo ,*. ca(ja |mr t 235000 rs,
    )rgaudyferanco liso, muito fino a 00'f m ,-ur,,f,a Iporatria n. W, de Felht
    rs. a vara; dito com quadros ou listas,a- ,>''|vir,< S'lv}"_^..
    /.eiKla muilo superior a 1$ : fil de liio'
    braaco com paimnhas, fazonda mito tina a
    diwi a vara.
    Lencos brancos a 1^600 a duzia
    PAREDES PORTO.
    Tendo-nos chegado ltimamente faaendas inteiramente novas, comida-
    mos por O*; meio ao rospeitavel piAlieo a que nos procure comprar fazendas de
    ;fcom gosto-e por precos que nao achara-etn outra qualquer parte.
    Vendem-se as raeSiares chitas esewas para paletots a I^oOO
    Admireai!
    Madapoles finos a 5d, 6^ 7)5 e fW rs.,
    46 no armazem do Leo.
    Chitas esiaaros de padrees lindos por pre-
    O de 320 e 360 rs. o covado.
    Cassas de cores com palminhas e com
    listas de diversos padres a iO e UM rs.
    Wazinhas jnzentas c edr de bonkia a
    320 o covado.
    Chitas claras miudinhas a 320 e 360.
    Alpacas prelas e de cores Jindas proprias
    para vestidos a 680, 700 e 800 rs.
    Pecas de canbraia transparentes a k--,
    3-5 e <}). Por este preco admira a todos !
    Cortes de catemiras de quadrinhos cus-
    tas a 2*800 e 3*8.
    Oirfinbos brascos para senhora a M'
    Peelncha!
    Corte* de cassiueta de cores para calcas a
    casa sendo de corea- fixas,
    procos de 320 o 360 rs. o
    pelos baratos
    covado, ditas
    Vemlem-se lencos brancos de cambraia de1'!"1'10 ?nas twen* endo claras, orapa-
    algodo a i#W e 2-? rs., ditos de linho a 4rtes a 3fl? e 4.00rs' l,tc,inct,,a'
    to-
    35300 e i > rs. a duzia, na loja e armazem
    lo la\5o ra da imperatriz n. 60, de Flix
    Pereira da Silva.
    eila de listas para vestidos
    Chegarm as mais modernas sedas Iluta-
    das para vestidos, com as cores, mais
    dernas que tem viudo ao mercado e ven-
    demrse por precio muito em cona por es-
    tarmos mudos prximos da festa, isto na
    ua ra da Imperrtrirn. 00, armazem de Fe-
    B Pereira da Silva.
    Groad raaples preio
    Yende-si um ,?rande. soitiinenio dos. me-
    lhores grosden;iples celos, tanto lar-
    mo- gos muo estrelles, seudo de 2,i000 rs. o
    covado at 4-50)0, rs. garantindo-se que
    ueste genero nir gera tem melhor fazenda e
    , que se vende mais barato do que- em outra
    loja do PavO, ra da Imperatriz n. 60, dejqualquor parte, na ra da Imperatriz n.-G0,
    telix Pereira da Silva. I de Flix Pereira da Silva.

    (^assineta de cores cora um pepeno
    que de mofo a 400 re. o covado.
    Esparthos rauiU) tinos a 4;$300- SA
    3-)S00.
    Admira!!
    Oravatas de seda a- MM rs.
    Golinhasbordadnaa 300 t
    Laziidias a 260> rs. !
    I.aazinlias a lXI rs. !
    Lazinhas a 200 n.M
    No arma*ira.do Lei, ra da Imperatriji ns. 48 e 52, junto a loja de oorives
    e padaria-1 lancera.
    Lenc/is bordados a 6, 6->300 e I2o300.
    ftwfis e bem escolhidos gostos de bis-
    marls para calcas e paletots a MS o
    corte.
    Tanbem tem para acaiar pecas de pan-
    no de Jinho. com 27 varas, a I7:> e r8 Toahas de linho para rosto a i OS a du-
    zia.
    Aos Srs. armadores Vendem-se pecas de bollanda preta com
    iOcovados a 3-? : na ra da Imperatriz n.
    48 e 32, junto a padaria ranceza, loja do
    Le5o.
    Atteneo roupas feitas!! no armazem
    do Le3o, ra da Imperatriz ns. 48-C-52.
    Assiin e variado -sortimento de roupas feitas: pa-
    letots saco-jts, sobrecasacos, fraques, jaque-
    toes, calcas, rolletes, camisas, oerouJas,
    chapeos el'., tudo por precos que admira!
    Tem taraiiem um sortimento do roupas
    ordinarias por preco baratissimo.
    Acaba de chegar tambem um completo
    sortimento de damascos de cores, sendo
    aztd, amarello o cor de caf etc.,! quo se
    vende por proco commodo.
    Admira!!
    No armazem do LeSo f I f
    No armazem do Le5o I!!
    No armazem do Leo I! 1
    No armazem do Le3o f! I
    ra k
    especial
    crean-
    cas tem salvado do torrivol ncomraodo 4*
    Esseucia wiperwdomoeagradavelc)i- iwWWt assim pois preciso, que v*-
    devioleta. : "!iam a ova Esperanca a ra do Queimad^
    Oatra concentradas edecheiros igual-11!;,-' '"mprarera o salva vida, para seus
    mente finos o a"radaveis BluinnOB, antes que estes sejam acoiiirnett-
    Oleo pliiloeie verda'deiro. ,los (ltorrivel Dw,> Extracto d'oloo de superior qualidade,'llcl1 al,'anfa,'-se effeito desejado. embora
    com escolhidos cheiit)s, em frascos de dif- *& t'mpregados os verdadeiros coIUmo
    feentes btannos.
    Sahonetes em barras, maiores e menores
    para mos.
    Ditos transparentes, redondos e em figu-
    ras de meninos.
    Ditos muito linos emcaixinlia para barba.
    Caixinhas com bonitos sahonetes imitando
    fructas.
    Ditas de madeira invernisada contendo li-
    nas perfumaras muito proprias para pre-
    sentes.
    Ditas de papelio igualmente bonitas, tam-
    bem de porfuinaris finas.
    Bonitos lisos de metal coloridos, e de
    moldes noves e elegantes, com podo arroz
    e boneca.
    Especial pd de arroz sem composicio de
    ctieiro, e por isso o mais proprio para crian-
    cas.
    Opiata inglesa e francezapara dentes.
    Pos de eaniphora e outras differentes
    qualidad.-s tamben para dentes.
    Tnico oriental de Kemp. .
    Aluda mais coques.
    Um outro sortimentos de coques de no-
    vse bonitoMiioides com filetsde vidrilhos.
    6 alguns d'elles ornados de flores e litas,
    estao todos expostos apreciacao de quera
    os pretenda comprar.
    GOLLIMIAS K Pl'NHOS BORDADOS.
    Obras de muito gosto e perfeicJk).
    Flvellaa e Otas para -lutos.
    Bello e variado sortimento de taes objec-
    tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
    prador.
    FLORES FINAS
    0 que de melhor se pode encontrarnos se
    genero, sobresabindo os delicados ramos
    orvalhados para coques.
    Para vlagem.
    Bolsas de tyiete e carteiras de couro, por
    precos commodos.
    Cliapelinas de palha da Italia mui bem
    enfeitadas, e enfeites de-flores obra de bom
    gosto.
    E assim mudos oulros objectos que se-
    rao presentes a quem so dirigir dita loja
    do Cordeiro Previdente a ra do Queimado
    n. 16.
    ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
    CHAPEOS E COQUES.
    0 Cordeiro Providente ra do Queima-
    do n. JO acaba de receber um bello sorti-
    mento de trancas de palha para enfeites de
    vestidos, outras para chapeos, coques ele
    tudo isto est sendo vendido com a sua bem
    conhecida conimodidade de precos.
    ALEM D'AQUEIXES.
    Recebeu outros lindos enfeites de seda
    para vestidos ; assim como um variado sor-
    timento de gallos de laa, babadinhos de
    cambraia com liordados de cores, cuja va-
    riedade de gostos os tornara recommenda-
    dos e apreciados ; compareci pois os pre-
    tendentes que seriSo servidos a contento.
    TO BEM RECEBEU.
    Novo provimento de bicos e rendas de
    guepure.
    LUYAS DE PELLICA.
    De todas as cores tanto para homeu
    como para senhoras, constantemente acham-
    se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
    ra. do Queimado n. 16.
    de Royer.
    Aos amantes das cacadas
    Commodas boleas proprias para os cata-
    dores, vende-se ra do Queimado n. 31,
    loja da Nova Esperanca.
    Preparo para flores
    A Nova Esperanca. a. ra do Qiieini.;<
    n. I, tem un completo Bertimentodfl pro
    paros para flores, como soja papel para follas,
    ditopara petulas, calic, botos, folhas do.
    panno e todos os mais preparns paia fer-
    niar-se um ramo ou grinalda, com gosto e
    dorfoico.
    Auna divina
    A Nova Esperanca a ra do Queimado/'.
    l receben nova remessa de vcrdadeir
    agua divina.
    Para extinguir as sardas e
    panno
    Receben a Nova Esperanca,
    Queimado n. 21, leite de rosas,
    para extinguir sardas o pannos.
    Para abejar e consenar os dentes, re o
    bena Nova EsjwanVa, na do OneimauV
    n. l, o vordadoiro poz de rosas o o elilW
    Jentifrico e o dentalgico.
    Rua da Cruz n. 68
    ha para vender
    MEDIDAS e pnarih BjvMm ernal, de tod -
    as i|iialidadi's, para tojas, trapiclios e taberna*.
    u
    ESCRAVOS FGIDOS.
    WSgXgiW&t&?g&
    W^MS&E&z&f&E^Z
    TCSSES
    CATIRRHOS
    PASTILHAS PEITORAES
    DE sueco deALFACE
    E LOURO GEKEJO
    IR-RITACOES
    DO HIT*:
    E' este 0 mais novo e deiiciuou cunfuiiw ate agora coniiecido. Por irto tero adquirido r-
    pidamente a popolaridade de que goza. Os mdicos os mais distinotos e oonseltiSp contra
    as touet, defluxos. caiarrhot, touet convulsa*, catmrrhas epidmico, irrilafoet do peiu. Con.
    grande cmpi-iihu o prociiro as mos de familia, assim para ellas cono para a crianyas. pois
    pnmeiro que tudo nefiensivo. e as sua propriedades adoyantes n io deixo nada a desejar
    Deposito em Pernamlnuu' em casa de Sfaovar 0 C,
    SDFFOClflO
    lor/auDlo
    Todo os mew at hoje preconisado conira a astlima nao tem sir mais do ,qu pallativo*
    debaixo .1* todas as formas, tendo nor-base a bellndorta, o estramonio ou opio. Recente* exi*-
    ne.cias Imtas em All-manha,- repetidas era Franya P na Inglaierra. tm provado que- o cnamo
    indio de Bengala posase a* mai ootatcis propriedades para comba'*r essa lemvel -affecoio- t
    assim como a toase nervosa, a insomnia. a tysica larynj^a. a romi nidio, extinerio da voa *
    e as amtlpu fac*aes, E' pois com o apoio da scienria queofferecen os esiescian-os, presan-
    dos com o extracto de cnamo das Indias, que nos importamos de Bon traim. i-t
    t
    Depoeo rm remtimtmro; em casa de Mtirtr C
    lina do OiKiiuado ii.ll
    A este estabeecimento chegaramtis mais lindas chapelinas de crep, tule e pa-
    lhinha da Haa-, primorosamente enfetadis*.'
    Bafoes reguladores para senhoras e meninas, os nmis modernos e de-varias
    coros.
    fitodas.
    Basquinas de sedo para'senhor; o rae-toa de mais gosto,-e delicadamente en-
    Ricos \-est,t09do-blwi(If'eomnanta e capelltt, para noivas.
    Cortinados-deambraialioratidteliara camas' e janellas, dediversos gostos e
    cmalidades de iU t 80fHKr -
    Tapetes akatifagm-po<7apara'fon'jnrsalas, gabinetes e corredores.
    Camisas inglezas de^inho- parabomeflK
    Ricos-vestiln do-seda-protes boHfcldbs agnllfa-e de cambraia-brancos' taffli
    bem bordadbs pelo'mesmo systntaf
    Fronhas otoallras^ie'lirmo.'cido e!giii5o todaJ^bordadas para casamentT?.
    SdaS de lihda^cores-;'casimiras.deIcores!1 mais modernas, salas "de !5-com
    barras de cor, chapeos-de s(rt"dt^dingMzEs; espartilhos para serihofas c nieninas,
    colanuhos dohnlo para hOmem-e giande*'tttTiW de fazendas de todas as (mitifefe
    (juc se vendem pnr'preeo o^ifMrgrada^'doswniprlKtOit.v
    Noste'stabefeeimento comirtf* *roce1)e>se''-etefrasda'^ia part'forrar*sal-
    las de. di vei-sas-larguras c core*, que'vendnr-se mais baratas do rfte em out-a qnal-
    cpler parte; por fsto'diamam. a attenpao paraas- "
    Estetas' d&JjtdfH para forrar salas.
    NOVIDADE
    A loja de Coellio r Oliveira ra do
    Queimado n. 19, recebeu pelo ultimo vapor
    na bello sortimento de batoes de diversos
    systemas, os mais aperfeicoados que teem
    viudo ao mercado, sendo :
    Raides de guipur com tiras chamados
    reguladores, ditos de mussena abortos por
    ambos os Indos, de modo que endo todos
    de um tamano servem para qualquer se-
    nhora, de laa de cores, con tiras, e as se-
    geintes fazendas-:
    Saias-de la com bonitas barras.
    Chales turcos de seda e laa Beatriz de
    Tundas.
    Fitas de guipur pretos Rocamboly.
    Chapeos de sol pora senhora, muito lin-
    dos.
    Laainhas
    Sultanes^Poil deChevre, Tricte, dito de
    xadrez e outras mudas, entre ellas urna
    EspecialMade
    La pura de cores a 360 rs. o covado. -
    Basquinas a Maria Antoniete.
    Cmbraias fantazia.
    Ditas brancas transparentes c^Vidorias.
    Colxas adamascadas.
    Cobertas chin^zas a 2-51508 rs. c outras
    mltttaSfaZendasme tornat-se-ha enfadonhO
    arinundar.
    200S .1 OOS de -ralifk-aco.
    fii-atifica-M\ segando a distancia, a qnoin pegar
    I levara s.mi temu Hr Vfinu aineiroda
    Cnnba e Alboqnerqne, morador no eneenbo Con
    cordla, da fri'gii.'zia da Luz. o ecravo Joaqun d-
    Sant'Anna, preodeidade d'-K amas, burai, esfa-
    trna regular, porm un ponen ospadairdo'e lar*..
    olhot peejMWA, vivos t um poueo ln-arpo, den*v
    [lerfeilns, aNos e liniailns. cabera peqnem, jis
    mos regulan";. dftpoatO 8 esperto para qualquer
    sen in>. falla vagara-a e roa ou rtela, ;indarine
    poui'o eangueiii. deve ler uarca as m nas en-
    costada aosps de ferros que levoti. Fui cniiiprado
    ao 8r. bario de Naaarete este eomprou-o aoSi
    los Signe! Alleifl) que o (roux do Rto-Grandc
    do Norte e nlii o conipron ao Sr. capilao Frede>o.
    niuiador na villa do na de ferro, e o seo, pato
    capilao Fernandes conquou-o ao Sr. .Manee! Tile
    niaz da Silva morador na villa da Porta A!
    sendo o referido eeeravo natural doliijr ta frovii
    cia da Paraliyba.pertneen o viajou piiuciplmeiile
    os BCrUs de Ingazeira em Pajoi'i (nade lem I
    senhores moyos por MOC Hareolino e Camillvj
    Sen a Talhada, cidade de Soiua. Sen a do Martn*
    etc. etc., assim tambem previne-sea qnem aprep-
    hender o referido escravo dOe sendo no centro i,
    provincia da Paralnha oentrepue ao Dr. Jos Pan-
    liin de Figueiredo na cidade de Souza, ou-ao ca-
    pitn Joaquin Saldanlia. na fazonda'Mu lupa na
    riacho de rorros, no ra*o do nao querer irazer o<
    ?cu referido scnlior.
    No da 30 do mez de novembro prximo pac-
    sailo. fugio do enernho'S. Jos, do tertuo de Ser-
    nbaeni. a e.--crava de nome Benedicta, muala, lem
    ii annos de idade, cara hexigga, altura regulai.
    calielln cortado e dend-s podres! foi esrrva de Joao
    de Ilam* Araujo. rendeiro do enponhn M.iriarma,
    levon imi roupao de ehlta clara j velho. e um pan-
    00 da Costa novo : quem a pegar leve-a ao dito
    engenno, ou ao Sr. Manuel Alvos Ferreira r..
    nesla praca, que ser fleneTos;fmenle reeonipori-
    sado.
    Fugio do engenlio Soledade, na comarca d-
    Porto-Calvo,provincia das Alagas, uesciavoF--
    lippe, cabra, cabetfofl carapiR, de 24 annos de
    idade, (lonco ftaH on menos, poiu-a barba, pes pe-
    queos, nariz regular, omos grandes, denles um
    mueo limados e com falla de rfii na frente, andar
    geirn, cnjoesrraT'foreom]ir8dp; a<> Exm. barc
    de Nazaretli : pedete s aulondadis policiaes f
    e.-tpilaes de campo a apprebonsao do me-iio, e le-
    va-lo ao seu senhor nojrwerido engenlio, ou naci
    dade do Recife ao Sr Jo^rpiirri Rfldripues Tavare
    de Mello, largo dn Carpo-Santu n. 17, andar, qiif
    ser generosamente recompensado.
    de cera,1 de as*a,-de rame e de' seda, a preces
    bMMtMiRMs/.ain pnTfvJeca reiaJhn : no aruia-
    zem do vapor franeex, na Nova n. 7.
    100^000 do rnitificacio
    Acha-se fgido desde o da 4 de junho de iit?
    un mul:iliulio cakicolo de nnnie Jos, de 13 a lV
    anuas de id.ide. veib'do Bonito em Janeiro de 1C(
    e foi vendido nesta cidade por Antonio Jos o>
    Mello, nespeiante daquelle lugar, ao Sr. Fernaadc
    Jos Correa, com loja na ra Direila desta eidad^
    pede-se as" autoridades, quer daqui, qner de fora
    que o apreliendm' e o Ontregitem a sen senhor.
    na ra Nova desta cidado no segundo andar da
    easrtt 60quesera gratificado.
    Fnjrio no di 10 do col nho (Jniliba, freguczi; de Sdrinhiem, o eeerav*
    vallr com cangallia.'.com os
    alasao; bem-fcitii; esl; gordo; nao tem estrella na
    sitfnaes segnifata:
    rtrolla na
    ha poutt*
    testa, mu ralbado/ Foi comprado
    inores, ao Exm. Sr. bajao de Nazarcth.
    yiienrd'npprehenflrr fc entn'gar' ne-ta r-rara :u.
    l)r. km a-Silva- Bamos.-ou-a Gabriel Ante nlonV
    Caslrh OuirUi.'s na tramsa: do Oiieimadd n, 3^
    e no referido eiijfnhp Ouiliba a gtu ,-erb. i Di.
    los Kn^nio da,SilVaTOms. s&a generosmeSi
    i'.'Cohlpfflsttflo.
    ,0111
    "bTT
    da b'anncaia..,
    ecravo Saturnmo, mulato;
    Fumo do sjtio
    18 ito toriifim
    cabeWc* vrine?No^-snn batliaestaiu l -a mi
    ra(jwuv fornido"; Teprajenta aoraimrs
    sertSb, na? ja estenj^Betieribe
    cj carreiro e consta ler i l*im
    .- portanto
    compWentesi! pes>oa*do offfeio, de-o cap]
    o terarfem a sen gnmar.emdto sitio, q
    pensara conventontementc.
    I lEGlVEL


    Quintil feira 28 de Janeiro Je 1869.
    lofflBATOBA.
    A le criminal.
    Finqmit creduntque.
    I
    grande a Minerva dos Athenenses,
    o, damvm os sacerdote* do templo de
    Athenbs. Os homens de le na Inglaterra,
    ! m a sua Diana, a sua Minerva, a suadeu-
    .'. da ftziio. A lei, diz Blancktone. um
    dos grandes sacerdotes destt densa, a lei
    immfam a perlerrae da razo, e nina por-
    de vi se levanfa para repetir cm
    .aiiliii : a lei-cemmuin a perfeiclio da
    lo.^.
    Alguns an ios mais tarde Samuel Romilly,
    uhadasillustraces jodiciarias da Inglater-
    11 e Tima das saudades da Franca. d*ondc a
    ....i familia sabio logo depois da funesta re-
    i .sacao do edito de Nantes, declarava que
    3 legislarn ingleza, no estado em que fica-
    \, nao podia deixar de ser huerta, obscn-
    t '. contraditoria.
    Logo depois de entrar no ministerio do
    ,iti,ein I822,Bobert Fcelezfe/.desta ques-
    i",o objecto de suas prcoccupaees. Nao to-
    cn na lei comimim, que conservou osseus
    lysterios e indicacoes. Mas, sentindo to-
    as imperfeires da lei cscripta, empre-
    I iideu reunir-lhe os membros esparsos c
    lila vez perdidos.
    No parlamento.de 1825, apresentou um
    bil tendu por fin reunir emums arto(acn
    i das as leis sobrcojury,dispersadas em85
    estatutos, muitos dos quacs linliam ttulos
    que nao indicavfio por nentumi moflo con-
    : t di-oosicoes relativas a essa materia > um
    ijBzia respeito cobranca de pequeas divi-
    !as : outro construeeo das prisocs; ou-
    a celias incapacidades dos boticarios
    ira desi'inpenliar cargos munieipaes: outrn
    emfim, prohibirn de exportar coaros.
    Na sessSode l826,Robert Feelez pensou
    (ne nao era menos miente coordenar os
    .'i estatutos relativos legislacao sobre o
    i '.Ul-O.
    ti systema daquelle grande, estadista fo
    i ontinaadu por seas, successoros, e seria in-
    sto desroriheccr os bous resultados que
    roduzio parcialmeule.
    Entretanto a legislacao ngleza nao deixa
    ser dilliril de comprehendcr-se, e at OS
    i ue sSn ohrigados a appliral-o deploi o-lhe
    ; confusa'i. as obscuridades e as incer-
    I -:'as.
    Nao lomos infelizmente, dizia em de-
    -'nihro de 1861, o lord chiefe justicc do tri-
    :-mial da rainha a os jurados do processo
    Ulach, ncm cdigo de lei, uem consolidacao
    estatutos. I ma grande parte de nossa
    i c fundada exclusivamente as decisoes
    dos Irbunaes de juslca. Taes decisoessa-
    iiiaiu prouiptameiile da memoria, se au
    issem recodadas (recordad) na forma das
    copias authenticas. Estas s podem ser
    hadas e:n centenas do volantes. Sem o
    .-n\ilio dos compiladores, nao sei t> que seria
    de nos. A nossa lei seria um cabos de
    t onfttSSo. As colisas v5o mal ; estarian mil
    p$ peior, sem o auxilio dos que reco-
    iein nos aojaos tribonaes e dos que repro-
    lu/.emiias suas obras os Irabalbos reunidos
    dos juntes.
    O governomgtez ..nlinuou a obra da re-
    i ma. Enrarregou urna commssao de in-
    licarnm plano de dgesto, que apresentasse
    syntlteseda le commnm, da le estatua*
    lia'c dos 1.300volumes da dieta e decisoes,
    especies de respensa prldentum. No rela-
    torio quetiveram a boma de apresentar
    .linba. de 13 de maio de 1867, os com-
    nissarios p5em co relevo a utilidade do
    trabalbo e a opporlunidade de empreben-
    ',e|-0.
    Consegul-oha finalmente a Inglaterra ?
    Conseguir vencer essas resistencias lanien-
    l iveis cfoe se agilite, do sea interesse pes-
    . oal, todas as vezes que se trata de simpli-
    ficar a lei e tornal-a menos onerosa aos que
    precisSo de recorrer a ella? eus o
    qoeira.
    Entretanto, achei-me em presenta de urna
    I gislacao por assim dizerinsaciavel. Se com-
    n'ei erros, sejo-me elles perdoados.
    II
    Os ataques dirigidos desde algum tembo
    contra a nossa legislacao criminal nao se
    dirige geralmente nossa lei penal ; nao se
    diz que ella seja inferior i da Inglaterra.
    Parecern al reconhecer-lhe suj>erioridade.
    Fermltao que de passagem as com-
    bare.
    A primeira est resumida em um cdigo
    de notavel shaplicidade ; as prescripcoes sao
    claras e definidas.
    A segunda anda espalbada por urna inli-
    uidade de estatutos cuja redacc3o 6 toda
    confusa e dffusa. Entre esses estatutos,
    uns foram, vei^ade, revistos e consolida-
    dos. Mas outros conservaran o vice o ori-
    ginal, a msela de suas publicar/es succes-
    dcli'
    tucapix o
    menor de teta
    siva>; trezp"|Ds e cineoenta palo m^noa re- Declara
    gem titula boje o i rime de lalsidade. .unios.
    A l"ranca repell definitivamente essas Procura saber, conn a lei france/a, se o
    cru-is penas, gae viriam entristecer a sua \ menor de setea dezaseis anuos oi>rou com
    legi^irjn, o corifl geral, a golilha, a ex-'.ou sem dscernimentn.
    posicao publica, a morte civil : s applica a No ultim caso, numda-o para urna casa
    pena capital aos atlentados mas graves con- de correccao, e autorisa a por una parte
    tra as pessoas; i esson de applcal-a aos' da despeza a cargo de seus pais. Os in-
    crfines pollttrOs. glezes parecern felicitir-se com esta ultmi
    A Inglaterra lamben nestes ltimos amos] medida, que d em resultado augmentara
    mentaron notavehtenteo seu systema pe- vigilancia da familia. Porque nao usirenios
    nal. !della?
    A innrlej nao urna dessas penas fam-' Noprimeiro caso, a lei ngleza 6 ddsa-
    liaies: s attiuge aginaos grandes crimi-jpiedada: applica ao joven defiquente a
    nos >s : mas mai tila contra as Iraicoese
    folonas potticas, tina lei, que nao ve-
    llvi. pune com essi pona todo o appello se
    dicioso tendente ; destronar a rainba, a
    recorrer Turra contra ella ou o parlamento
    e a produzir a guerra ou a invasao.
    A Inglaterra tai ibem supprimio a pena
    que se cbamava corrupcSo de sangue (cor-
    rnplion of thc bhtqi), essa pena, mais hor-
    rivel que a morte .ivil. que, nao contente
    de tornar o condeinnado incapaz de rece-
    ber e transmiltir, eonsiderava-o alm disso,
    como .sobrevivent > execuco da pena,
    paia privar os seis berdeiros de direitos
    qui nSo podiam reclamar senSo a pedido
    del'e. Mas conservou o confisco, essa re-
    cordaiao da sua tntiguidde minciuminl.
    que BiackstOHti uitilica por esta singular
    naneira. Segnnd>elle; ao principio, todos
    os bens pertenciani a" communbo : ella bs
    dislribiiio a cada um de seus Miembros,
    com a condiiTio dt se dirigirem. bonesia-
    me.'itc: umdelles falta a saa-owigaco, a
    communbo pode ioui Justina, retoinar-lhe
    o que Ibe bavia dado. (I) A explicaco
    realmente diurna da pena que defende.
    A nossa lei termina os limites Vle cada
    umi das penas q le applica : quer que o
    juiz re*p 'iti' a ntiiaacao que ella Ibe faz.
    Me- reconhecendo pie s fados da roesna
    orden poden ir al o infinito, autorisa-o
    ella, em caso de c rcumstancias attenuan-
    tes, a sabir do circulo que Ibe tracou. e mi-
    tigar a pena at as proporrSesmais largas.
    E" ludo quautO concede sua piedade ;
    i i lotera a absolvilo do criminoso.
    Reeonhefo que os ingler.es nos gualam
    pelo menos na indulgencia, mas o sea sys-
    tema reseiite-se do vago e da indecisa* da
    sua I.-gislacao: pem limite severidadeda
    lei c nao o |iern benevolencia ; o juiz de
    polica pode, por exemnlo, suppriiHr a
    prisSo o applicar fomente a multa: pode
    supiiiinir a multa e s condenmar as
    costas; Ibe at pernHtidO fazer acto de
    onni|)Olcncia e nao condenmar a nenluima
    pena certas criminesos conientando-se com
    adnioe--tal-os. ()
    Expiimio-se i-\) o desojo de que a nossa
    legislacSg se appropriassem essas liberaes
    exigencial de um; jstica generosa e in-
    telligenU'. Nao partilbo essa idea. Darao
    juiz um (i.id'1-.to exorJiitante. organisar
    ornis ileplonrvel arbitrio, o da jnsticadis-
    tribailiva, o das co: denmaces edasabsol-
    vici's.
    pena ordinaria.
    Blakstone canta a execuco capital de
    umitas criancas de 10, 9e S anuos. (5)
    Ainda nao Coi reformada ess i lei da ve-
    Iba Inglaterra. -
    Nestes mezes ltimos, os unios Sinith,
    criancas de l a li annos, orain condem-
    nados por crime de ferimentos praticados
    n'uma mullier, o prirn "iro a 1 i mezes de
    prizao, e o outro a 7 auno.s de servidao pe-
    nal. O lord-chief Dowel fold cauri) obser-
    va no seu resumo que, se as feridas fossem
    seguidas de morte, os irmaos Smitb paga-
    ran o crime com a vda, justamente como
    se fossem mais verbos.
    Os menores de 16 annos quasi qne nao
    tem no Reino Unido, mais que um privile-
    gio,, o castigo de chicote, (t)
    A lei franceza d prava de um discerni-
    mento to reservado quanto intelligente na
    determinacao dos fados, que classilica en-
    tre os crimes, deudos e contravensoes.
    A lei ngleza talvez menos discreta nos-
    te ponto: Incrimina un vicio abominavel,
    que nao nomearei, cortos hbitos vergonbo-
    sos, taes como a embriaguez, e fados que
    s Deas pode punir, como o suicidio, os
    quaes ella castiga por ineio de confisco, e
    outr'ora, no tempo de Blackstone. com a se-
    pultura ignominiosa,dada, d beira de urna
    grande tetrada, ao cadver atracestado por
    urna eitaca. (7)
    Finalmente a nossa legislacao crjnihal,
    por urna disposico profundamente humana,
    prohiba a accaraulaco das penas. (8)
    A da Inglaterra, pelo contrario, idmit-
    te-a em todo o seu rigor: tantos dnictos
    quantas condemnacbes.
    Na audiencia do tribunal de Bow-Street
    de, 20 de maio de 1862, William Regan, de-
    clarado criminoso de rebelliao (assaalt)
    contra doas agentes de polica, fui condem-
    nado a urna multa de 20 sbillings por cada
    um dos ataques, ou najada di pagam-nto
    da multa, a una prizo de 1 das por ca-
    da um desses mesmos fados. i)i,
    Nestes ltimos annos, um I al Brcsnaban antropophagia," nove dos quacs foram oli-
    foi coudemnado a cinco penas de prizo eialnente verificados palas autoridades.' Cm
    FOLHETIM
    CATHARIIA
    POR
    Jules Sandeau
    IX
    Projeetos.
    (Continuaco do n. 20)
    Vssentados sobre o banco do jardim,
    all se coTiservaram os dous jovens por
    algom tempo, ora em terna contemplacSo,
    ora compondo o poema dos seus destinos.
    Que bellos projectos, que risonhas esp i-
    rancas !
    Ambos jovens e bellos, amorosos e en-
    cantadores, dispondo do futuro segundo a
    sua phantasia, iam intercalando a conversa
    com protestos de amor.
    Rogerio julgava-se rico pela sua legitima
    materna ; nao duvidava que o conde de
    Sougres, antes de partir para a Allema-
    nba, Ibe entregasse o dominio das proprie-
    dades de Bigny, como meio de se desem-
    barazar ao mesmo tempo de seu filho e
    das contas da tutela que deveria pres-
    tar-lbe.
    Era all, n'aquelles lugares, onde pela
    primeira vez se haviam encontrado e visto,
    que elles se promettiam viver ignorados,
    ionge do ruido do mundo, e distribuindo
    beneficios aos que os cercavam. Catharina
    viveria junto de seu lio, que visitara todos
    os dias ; Rogerio projedava a construcc5o
    de urna groja e de um presbyterio, onde
    Francisco Paty ira residir. Catharina n3o
    va n'isso obstculo : todo pareca fcil a
    t5o felizes imaginacoes. Despediriam Ro-
    bineau, nao por espirito de vinganga, mas
    porque o velho mordomo era inhospitalei-
    (i cdigo penal leva em conta a
    dos delinquientes. Qaando S0 menores de,
    It anuos, alisohe-os, se obraran sem dis-
    eernimenlo; e, se tiveram consclencia do
    crime. so os condemna a urna leve pena, (i)
    Pel contrario, a lei ingleza nao ton
    nenbunia especie da indulgencia rom o
    menor, que teve o ittsctrnmpttto de sua m
    acra.
    Kis o sea regm?m:
    (I) Kis a passaesm de Blackstone, liv.
    I. cap. VIH: O dcimo sexto ramo da
    renda ordinaria do re consiste as tenas
    e I ine confiscados por crime, bonacfmte-
    rutii. segundo a exoressfio do dreito civil,
    assim cbamados porque pertence ao fisco
    ou ao tbesouro... A verdadeira razo, o
    nico fundamento solido do confisco por
    crime consiste niito: toda a propredade
    deriva, na origen, da sociedade. E' um
    dos direitos civis confiados aos individuos,
    em truca do grao de liberdade material que
    cada humen de ve, sacrificar quando entra
    na sociedade comrrum. Se pois ummem-
    bro da connonhlo nacional viola o con-
    trato fundamental da sua associaro trans-
    gredido a lei mun cipal, perde os s^-usdi-
    reiios aos privilegios que reclama em vir-
    tinle desse contrac.o,e o estado pode com
    juslica {verajustli/ retomar, todaou parte,
    a poroso de propri "dade que a lei preceden-
    temente Ibe reroiheecra. D'abi resulta
    que. para todo o c 'ima grave, as leis de In-
    glaterra ordenan c confisco total dos bens
    movis ou pessoaes, e o confisco perpetuo
    em diversos casos, em outros s por algum
    tempo. dos immoveis ou propredade terri-
    torial, v
    (1) 2, 8, Yirt. rpg. c LXXI, sec. 33.
    (:D Bonneviile i'e Marsangy: Melhora-
    me/tto da lei criminal, 1864.
    (4) Cdigo penal, art. 66 e 67.
    (5) Blackstone, Liv. IV. cap. II: A au-
    tiga lei saxonia lixava en 12 annos a idade
    em que era possivel a intelligcncia comecar
    a desenvolver-se, a idade do discernimento,
    e d'abi at idade de 14 aanos, era o cetas
    ptfbertati prxima, em 'que o delinquente
    podia ser ou nao ser culpado de um crime,
    segundo a sua capacidade ou incapacidade
    natural: era o tempo duvidoso do discer-
    nimento. Mas pensava-se que, abaixo de
    12 anuos, nao podia ser voluntariamente
    culpado de nenlium crine capital, ainda
    que de fado commettido por elle, e bem
    assim que, cima de 14 annos, nao se po-
    dia suppo-lo innocente. A lei, tal qual exis-
    te na Inglaterra boje e tal qual sempre exis-
    ti, ao menos desde Eduardo III, Dio jul-
    ga tanto a capacidade de fazer mal ou com-
    netter o crime pelo numero dos annos e
    dos dias, como pelo grao de intelligcncia e
    de jufzo do defiquente. Forquanto um
    menor de 11 anuos pode* ser to astuto e
    prfido como outro de 14 anuos, e nestes
    casos, a nossa mxima que malicia stip-
    .. pkt a-tatem. Abaixo da idade de 7 annos,
    um menor nao pode ser criminoso: porque
    naturalmente quasi huposaivol nessa idade
    ser criminoso com sciencia do fado; mas,
    aos 8 anuos, pode ser declarado culpado.
    Assim tamben, posto que abaixo de 14 an-
    nos. um menor seja prima (ocie julgado
    dol incapax, entretanto, se o tribunal c os
    roubo de 12 jumentas com o seu garanhio
    ou de 12 vacas com o seu tourotF<>: na
    tempo emfim, em que as qacatoes ei-am re-
    solvidas em campo ceirado, com a espada
    ou pao na mo, segundo a qualidade dos li-
    tigantes.
    (Omtinunr-se-hit)
    POUCO DE TFDO.
    CHIME HORROIUISO. -Nos piiineiros
    mezft d i anuo passado, a tee devastoiV
    colonia de Argel, m Hiendo muitos cente-
    nares de pessoas por falta da alimento. Es-
    te Bagflo den ornrem a alcuns casos d
    tiragem respectiva
    imprens ingleza.
    a diversos orgos da
    iornaes tmtidianos pnolicdm em Londres
    com trabalbo. por ter na mesrna scena, ba-
    tido n um habitante de Londres e resistido
    a quatro constables. (JO)
    Estas varias comparantes entre as doas
    legislacoes bastam para demonstrar que
    se certos espirites pensain ainda em ntro-
    duzir melhoramentos no nosso systema pe-
    nal, nao tem de ir pedi-los aos nossus vi-
    sinbos.
    III
    mais
    cada
    lei
    At aqni apenas dei conta da parte
    fcil daminha trela.
    No exame do processo criminal, viu en-
    contrar numerosos contradictores,
    passo serei detido pelas suas criticas).
    As primeiras que encontr refereni-se
    instituico do ministerio publico.
    Temos, dizia Montesquieu, unt
    admiravel: a ipie qi^- que o |ii'i]icipe,
    estabelecido para fazerTxecutar as leis. pro-
    ponha um official para cada tribunal, atiin
    do aecusar, em seu nome, todos os crines,
    Os reformadores modernos nao sao desta
    opinio.
    Uns que tem por ebefe (II talvez sem o
    saberem, o homem mais odioso qoe, por
    irrisoria avf'p'irase, se cbamava amigo do
    povo, p i i a abolico completa e radical
    da instituir'.- a seus olbos, ella intil e
    perigosa. Dai, dizem elles, dai parte
    lesada o cuidado de reclamar a reparaiTio
    da offensa, de que foi victima: autoriaai os
    cidados a serem aecusadores at dos fac-
    tos que Ibes, nao dizem respeito; a reprs-
    alo dos crimes e deudos ser siifficitmte-
    fnente assentada, e nao tereis mais a ispe-
    reza magistral do funecionario que, > en-
    carregado de acensar os delinquente*,! aca-
    ba por ser um culpado em todos o^ros^,
    e chega insensivelmente a considerar j urna
    condemnacao como urna victoria pi^soal.
    (12)
    Outros, mais moderados ein seus lese-
    jos, consentem em conservar na Franja re-
    generada, os funecionarios encarregaihis de
    dirigir a aeco puWica, os procuradores ge-
    raes, eos procuradores especiaes. m8 re-
    clamam a suppresso dos magistrados, que,
    como os advogados geraes. s represepan
    a sociedade na audiencia. Nada impede,
    dizem elles, que se pergunte se nao seria
    possivel e com vantagem para a causa pu-
    blica, dar aos chefes dos nossos tribmaes
    o direito e o cuidado de fazerem ac npa-
    nbar ou representar ua audiencia, por um
    advogado de sua escolha, que, sem renun-
    ciar ao foro, terian nesse dia, como na
    Inglaterra, o estado c a sociedade por cli-
    entes. A emulaco e o amor proprio, es-
    ses dous grandes males do nosso carcter
    ro e cruel para com os pobres. Nao es-
    queceu destinar um lugar no castello para
    Faqueretle. O tio Badigois teria netos para
    deitarmais urna sardinba na braza, ficando
    ao abrigo da persemifo da justica. Ao
    coadjuclor nao fallaran sotainas e sobre-
    pebzos novas. O bom S. Silvano, mil ve-
    ves bem dito, como protector de tanta ven-
    tur i, teria urna magnifica bandeira de vel-
    ludo franjada de p.ata.' Choviam os patos
    e os peixes na cosii.ha da boa Martha. Clau-
    dio c seu pai Noirt I nao ficaram no esque-
    cimento : o pai substituira Bobineau no
    car^o de mordomo e o filho passava desde
    logo a oceupar o li gar de tbesoureiro. At
    Annette, a fiel Annitte, teria palha c aveia
    para fartar-se at ;,os olbos.
    Ainda aqu nao parava o programma.
    Hudar-se-bam is condicoes do slo,
    apr rfeicoando a cultura. Os terrenos, que
    at all nao tinham produzido mais do que
    trigo mourisco, castanhas e cuve silvestre,
    cobrir-se-hiam de amoreiras, vnhas e trigo
    superior ; creio ato que contavam ver aqni
    e all algunas laiangeiras. Realisar-se-
    hian rpidamente aa circumferencia de dez
    leg ias os sonhos na idade de ouro.
    Catharina era de opinio que sem demo-
    ra se communicassem esses planos a seu
    tio, porm Rogeric julgava mais prudente
    que se Ibe nao di sessem seno depois da
    chogada de seu pa e de vencidos todos os
    obstculos, quandi nao restasse ao bom
    do velho mais do que abencoar pacifica-
    mente o amor dos ieus dous filhos : d'esta
    forma poupar-se-lb ;-hiam desassocegos de
    espirito.
    Fosto que pequea fada repugnassem
    mystorios para coni o seu bom lio, acabou
    por ceder s razes apresentadas por Roge-
    rio ; alm de que, devendo o conde chegar
    n'im dos dias imniediatos, nao se prolon-
    gaiia o mysterio ni ais do que urna semana.
    que
    foi condemnada a ser queimada por ter
    morto sua ama, e dous rapazes, um de 10
    outro de annos, foram condemnados
    norte (e o de 10 annos foi com effeito en-
    forcado) por terem assissinado uns cama-
    radas seus. No exame reconbecau o jury
    que um debes se tinha escondido, e que o
    outro esconder o corpo da victima; o que
    manifestava que elles tinham consciencia do
    crime e bastante juizo para discernir o mal
    do bem. No seculo XVII, um rapaz de 8
    annos foi levado ao jury, em Abingdon, por
    ter laucado fogo a dous celeiros; foi con-
    vencido de vinganca, de maldade e de ai--
    tificio, declarado reo, condemnado e execu-
    tado. Muito mais reeenteraente, um me-
    nor de 10 anuos foi convencido, por con-
    fissao propria, de ter morto o seu compa-
    nbeiro de cama; todo o seu procedimento
    indicava claramente o discernimento do cri-
    me ; e como podia ser de perigosa conse-
    quencia poupaj' esse menino s pala consi-
    derarn da idade (o que espalharia entre
    o povo a idea de que as criancas podiam
    impunemente commetter crimes toatrozes),
    os juizes foram todos de opinio qua era o
    caso de condemnar aquelle a pena capital.
    (6) O numero dos condemnados ao chi-
    cote (Wipped') foi em 186a, de 470, c em
    1886, de 596. Judicial Estatistica, 1865
    1866.
    Rogerio, nao dizendo cousa alguma a
    respeito de sua ta e prima, teve em vista
    a tranquillidade da sua querida, sendo certo,
    porm, que a idea da chegada das duas
    damas nao alterava cm cousa alguma a se-
    renidade do seu coraco.
    O joven visconde parti antes de Martha
    e o abbade voltarem. Catharina chegou
    janella para o ver passar a cavallo. Disse-
    ram ainda adeus um ao outro com o olhar
    e com as mos, e, depois que elle desap-
    pareceu ao voltar do caminho, a pequea
    virgem voltou para o jardim, bem feliz por
    certo, mas, ainda assim, triste porque a sua
    felicidade era demasiado grande para po-
    der deixar de ser perturbada por alguma in-
    quietaco.
    Estava, pois, absorta cm risonha medi-
    taco, quando percebeu passadas all prxi-
    mo. Voltando-se para traz, vio Claudio,
    que a contemplava. Como estava na idea
    de que fra elle quem induzira o pai a
    pedi-la cm casamento, aproveitou a occa-
    sio para Ibe exprimir o seu desagrado par
    tal motivo.
    Ah s tu ? Estimo muito desem-
    baracar-me j de um peso que trago no
    coraco desde esta manla !.. Em primei-
    ro lugar, devo declarar-te que nao te quero
    para marido ; em segundo, estranho muito
    que, em lugar de te dirigires a teu pai e a
    meo tio, nao houvesscs primeira consultado
    a minha vontade. Finalmente, devo dizer-
    te que estou fatigada Jas tuas continuadas
    impertinencias !... Que queres de mim ?
    Appareces-me em toda a parte ; nao dou
    um passo que me nao saias ao encontr I
    Creio que ests em toda a parte, excepto
    onde deverias estar, que na tua escola I
    Catharina, redarguio o pobre rapaz
    submissamente parece-me que s bem
    cruel para com o leu companheiro de in-
    fancia I
    ao seu talento e promessa
    gitinw ambifio.
    Nao sao novas taes ideas ; j as esperi-
    mentou a Franca.
    Mas um s teve cursos nos primearos sc-
    ctrtos da nossa antiga monarchia, no tem-
    po em que a lei nao via nos ataques s pes-
    soas e s cousas, mais do que um djamuo
    individual e privado, reparavel por' urna
    composico pecuniaria ; no tempo em que
    medindo a moralklade de um acto pelo pre-
    juizo material que elle causava, a lei im-
    punha a mesma indemnidade ao assasina-
    to de urna mulher (seis centos sois) e ao
    (7) Blackstone, Liv. IV, cap. XIV.
    (8) Cdigo do processo criminal, artJ 36a.
    (9) Valentn Smitb: Do tribunal de poli-
    ca na Inglaterra.
    (10) Jims: *Mr. Yaaghon sentencedpres-
    naham to 14 days impruonment for the as-
    siult on Mr. Pasker, to one month'e i^iipri-
    sonment for the assault on Goint, and one
    month's imprisoninent for to assult m the
    secand constable, 14 days in eavh case forc
    the assault on lwo ollter constables, cM the
    sentence to be consecutia; and all luird la-
    bour.
    (11) Maiat, Plano de legislacao crii ti nal.
    Faris 1790.
    (12) K \m iir.it. Estud'is acerca das nsti-
    tuicoes poli ticas e sociaes du Inglaterra.
    Tens razo, Claudio ; perda-irie !
    balbuciou a-joven, estn lendo-lbe a mo
    Ora, mas tambem que idea foi essa de que-
    reres casar comigo ? Agora pergunte eu :
    o que lucrara com isso a nossa aiTuicao ?
    Nao sou eu como que urna tua irmaa ? Nao
    s tu como um irino meu ? J viste,casar
    um irmo com sua irma "?... S rasoavel,
    meu amigo. Eu nao sou a mulher que te
    convrn; tu careces do que se cbam. urna
    mulher completa. A Annica, por exuinplo,
    que urna mulheraca, eis o que te caria
    bem. Eu sou demasiado pequea e dbil.
    Nao parecera bem ao teu lado e seria at
    motivo de critica. Ora v, repara : quasi
    que nem poderia andan pelo teu braco1. Nao
    faltara qirem dissesse que tinhas casado
    com a fada Nabottet Ora, s frajnco ;
    mette a mo na consciencia : ser amor o
    que sentes por mim ? Pois bem : eu di-
    go-te que, pe!a minha parte, nem sinto a
    teu respeito sombra de amor, a menos que
    a amisade nao seja a sua sombra, como me
    inclino a crer.
    Bem o sei, Catharina, redarguio
    Claudio com, ar resignado bem sei que
    me nao amas. Tambem olha que nao fui
    ou que fiz com que meu pai te fosse pedir
    a teu tio. Nao fui ouvido para isso, mas
    j declarei firmemente que nao quera ca-
    sar-me. Acabas de me chamar teu irmo.
    Pois bem, minha irma, ouve o que s agora
    aqui me traz, porque raras vezes nos vere-
    mos de hoje em diante, para nao teres de
    que affligr-te com as minhas continuadas
    impertinencias. Vim aqui para te dizer
    adeus, Catharina I Nao que eu estoja
    prximo a retirar-me d'estes sitios, mas sim
    disposto a affastar-me da tua convivencia
    at que me retire para sempre I Quando
    tu estiveres completamente feliz e que o
    pobre Claudio j te nao possa ser til em
    cousa alguma, ento deixarei estes sitios
    d'elles foi descoherto por acaso.
    No dia 9 de marco de 1868 o juiz de
    paz da aldeia de Tiaret, procedendo a in-
    vestigaettes para descubrir os autores de
    um crime de homicidio platicado m pessoa
    de um indgena, que foi encontrado morto
    na montanha de Sidi-Khaled, entrn n'uma
    barraca, que ficava na estrada do mercado,
    e onde se achavam um homem e una mu-
    llier. A mulher estava sentada na entra-
    da da barraca, e o homem no meio d ella.
    Apoiada em tres grandes pedias, fervia ao
    luine urna panella de barro ebea de carne
    cortada em pedacos. Examinando o juiz
    tres pedes d- cabra que envolviain diversos
    objectos, achou que urna continha trapos, e
    cousas de pouco valor, outra dous albur-
    nozes, o rato ensanguentado. e a terceira
    dous bracos e duas penas recentemonfe
    cortadas de um corpo humano.
    O indgena que estava na barraca conser-
    vava-se immovel, e para se mover foi pre-
    ciso que o juiz o obligas a levantarle ;
    descobrio-se ento que estava sentado no |
    tronco ensanguentado de um homem; a
    quem tinban cortado as pernas, os bracos
    e a cabera. A carne que estava aolume
    [era de gente, temperada com pimenla de
    Cayana.
    A Ixirraca era habitada por cinco indge-
    nas. Keira lien Aissa, mulher de Kaddoiir
    beri Clierif, confeasou que a victima era
    um rapaz chantado Mansour ben.Mobammed,
    que veto ao mercado de Tiaret, e que Ibes
    pedio bospitalidade, que Ibe foi concedida :
    o hospede reparti com os in iradores da
    barraca as provises ojie trazia e deitou-se,
    e quando estava a dormir Sahroni propoz
    aos seus companheiros Kaddour ben ne-
    rif Bel Aiebooobe ben Baddour, Moham-
    med ben Kaddour, que o matassem: em se-
    guida agarraram-n'o e Sabron cortd-lb' a
    cabera.
    Sahroni, depois de matar Mansour, ar-
    rancou-lhe o-ligado e assou-o para comer.
    Os culpados negaram ter pratcado este
    crime; mas no s Ibes foram encontrados
    varios objectos pertencenles ao assassina-
    do, mas descobriram-se-lbes nodoas de
    sangue no fato-, e pravas jue ''os coden>
    navfio.
    Instaurado processo contra os cinco mo-
    radores da barraca, s um sobreviven, foi
    Sabron benYaia; os outros- morreram an-
    tes de serem julgados.
    As testemunhas dsseran> que o reo era
    extremamente comilo.
    Provou-se ujua nao foi a fotnc qne levou
    os culpados a- praticarem este crime. por-
    que se Ibes encontrou na barraca urna perna
    de camelo, e um cao estelado de fresco.
    O advogado attribuo o crime loucura,
    porque fado averiguado que a fome per-
    turba a razo, e segundo o depoimento do
    respectivo Kaid, morriam de-fome na aldeia
    de Tiaret 20- a 30 pessoas por dia.
    O tribunal de Argel declarou Sabron cul-
    pado com circumstancias atteuutintcs. e con-
    dennou-o a trbanos pblicos perpetuos.
    OS JORNAES EM INGLATERRA.Um
    documento parlamentar -ccentemente pu-
    blicado em Inglaterra d o prodigioso nu-
    mero de sellos empregados pelo correio
    para a expediento dos joriutes inglezes du-
    rante o aiino decorrido desde o l.- de ju-
    Ibo de 1866 a 30 de junl de 1867, o que
    demonstra o grande desenvolvimento que
    a inmensa tem tomado u'aquelle paiz clas-
    sico da.liberdade.
    Na lista que vamos transcrever falta o
    ailg Telegraph, omissao que nem o jornal
    d'onde extraimos esta noticia pode expli-
    car.
    A> documento official de que tratamos per-
    mute que se aprecie aproximativamente a
    (13) Lei ripuaria, tit. XII e XIII.Si
    rpm femnam ripitariano interfecerit D. C.
    Solid. culp. judicetur (L. ripuaria. lil. XII.)
    Quod st myeneuis XII eiptas cuiu annus-
    sario vel XII vareas cun tauv furatus
    fnrrit, I). C. Solid. ulpabilis jndiccetnr ti
    insnper capitule et delaiuram restitnat (Ib.
    le*. XIII).
    para ir aonde Deus ter servido. Durante
    este tempo nao me tornars a encontrar
    sobre teus passos, mas ter-me-bas sempre
    tua disposico. Se careceres do meu
    braco, a urna palavra, a um gesto, a um
    olhar teu ter-me-has ao teu lado Oxal
    que nunca de mim careos ; praza a Deus
    ue eu em breve me retire com a certeza
    a tua ventura cm troca da minha desdita!
    Adeus, pois I Nao me queiras mal por ha-
    ver com a minha presenca perturbado o teu
    doce enlevo! Sentia-me cioso, porque nada
    comprehendia ; agora, que tudo sei, s me
    resta a tristeza e a desventura !
    Proferidas estas palavras, o heroico ra-
    paz allastou-se a passos lentos, cabisbaixo
    e com as mos mettidas nos bolsos.
    Catharina seguio-o com a vista ; depois,
    liHipando com as costas da mo urna lagri-
    ma quense Ihe desusara no rosto^-poz-se a
    pansar em Rogerio.
    E Rogerio galopava na dJreoCSo de Big-
    ny, inebriado menos de amor do que da
    idea de liberdade ; alegre nao tanto pala es-
    peraba de desposar Catharina como pela
    idea triumphante de obter a sua indepen-
    dencia,
    Cousa admiravel I A parte o amor que
    o impellia, para quebrar o jugo que o op-r
    primia e provar a si mesmo que era livre,
    aquella creanca acabava de precpitar-se de
    olhos fechados no matrimonio!
    E' assim que se passa a vida, em busca
    da liberdade, nao se conseguindo alhul mais
    do que variar de jugo.
    Cheio de fogo e enthusiasmo, esporeando
    os flancos do seu cavallo e correndo como
    una setta atravez dos campos, Rogerio pa-
    reca que voava para a conquista do mun-
    do. Todava, ao atravessar pontos menos
    viaveis sob a mais completa escurido c na
    ausencia de Catharina, objecto do seu en-
    thusiasmo nao pode deixar de sentir corta
    3.400:061
    0 Standar!....... 419:826
    0 Morning-Post .... 220:000
    0 Daily-News..... 0 Morning-Herald. 0 Morning-Adve liser. . 99:686
    73:788
    30:000
    o Evenng Standard. . 823:536
    Pall'Mal Gazette. . 172:000
    Expresa....... 158:170
    Eveniig Star..... 110:0^
    Globe....... 100:000
    8un r....... 48:000
    London Gazette (2 vezes por
    semana)...... 630:000
    Evening Mail (3 vezes por
    semana)...... 235:000
    Saint James Cbronicle . 2:000
    Le Record (3 vezes por se-
    mana) ...... 410:000
    Le Guardian (hebdomada-
    rio ........ 259:593
    Jomaes hebdomadarios
    Illustrated London News . 806*315
    Bell"s Weeckly Messenger. 307:946
    The Field...... 292:$W
    Mark-Lane Express . 222:000
    Saturdav Review .... 194:00>
    The Magnet...... 190:000-
    News of the World . 187:520
    Gardners" Chronicle. . -148:192
    Bells Life in London. . 138:375
    Weckly Times..... 101:811
    Jurnaes ublic-ahs mus t {/miados
    Lincoln Mercurv..... 325:410
    Sussex Agricultural Express 320:000
    Midland Conotos Herald . 260:000
    Saeds Memiry..... 137:500
    South Eastern Gazette . 139:000
    Liverpool Mercurv . 127:000
    Strafterdsiire Advertiser . 116:740
    York Herald..... 108:000
    Carlista Journal .... 106:000
    Oxford Journal..... 105:000
    Norfolk News...... 105:000
    Hereford Times.... 102:000
    Iornaes eecossesu
    Nortli British Advertiser. . 843:000
    Scotsman....... 340:000
    Wecklv Scotsman. . 76:000
    Edimburgo UVuntoj Courant 249:500
    Nortli Bristish Agricultura.. 131:449
    Invernosa Courier. . 122:500
    Glasgow H.'iald. ...... 107:000
    Jbrnaes irlundeu* tptotidianos, de Ditblm
    Daily Expres. ..... 447:009
    Evening Mail...... 368.000
    Irish Times...... 267:500
    Launder's News Letter. . 144:000
    Evening Fost..... 122:500
    Freeman's Journal. . 84:000
    Evening Freeman..... 90:000
    Hebdomadars General Ad-
    vertiser ........ 8(j1:500
    Fariiier's Gazette. . 120:000-
    No cmanlos
    Limerick Chronicle. .. fO!7:500-
    Cork Examiner .... 102:500
    Bifast News Letter. fO2:500
    Esta relaco apenas diz resperfo, corno-
    s ve, a exemplares submettidos ao sello,
    a titulo de direitos de poeta. Felo que toca
    tiragem completa, muito diflicit conhe-
    r -la. Avala-se em 50:000 o numero de
    exemplares tirados quotidianamente-' pelo
    Times ;applicando ao quadro supia esta
    proporco. poder-se-b fazer idea da tira-
    gem real dos jomaes inglezes.
    AS BOAS FESTAS EM PARS.Todo:>
    os annos, no primeiro de Janeiro o servic>
    do correto acha-se extremamente sobfecar-
    regado em Pars.
    N'este anno o trabalbo dos carteiros nao
    foi menor do que nos outros annos, porqpe
    na reparticao do correio receberam-se du-
    rante os uitimos dias de dezembro, quatro
    a cinco mil masaos cada nianha.
    Na quinta-feira noute, vespera do dia
    de anno bom, dous milhes de billtetes de
    visita foram recebidos na repartirn central,
    independentemente das cartas e dos jomaes.
    cujo algarismo quotidiano nao se elevou a
    menos de quinhentos mil. Desde as quatro
    horas da manha at meia noute todo o
    pessoal esteve a p, tratalliando incessan-
    tementt, e presidido pelo chefe da distri-
    buicaodas cartas.
    impressao de surpreza lembrando-se dos
    solemnes comprorassos que tomara.
    Sentio-se no estado pouco mas ou me-
    nos do homem embriagado que, dissipados
    os cffetos do vinh, procura recordar-se
    com vago sentimeuto de reoaio, do que te-
    nha dito ou feito durante a embriaguez.
    E' verdade que de manh3a, ao drigir-se
    aldeia de S. Silvano, nao Ihe passra pela
    idea que teria de prender-se n'aquelle dia
    nos lacos do hymeneu. Ama va Catharina
    com amor sincero, potico e arrebatador,
    mas sem se lembrar da influencia que tal
    amor poderia lev no seu futuro. Anava
    ao acaso, como a qualquer aventura, como
    se amam as viagens aos vinle amos, emque
    os horisonjes sao infinitos e nem se procu-
    ra saber o seu termo. S depois que se
    teem corrido todos os atalbos e provado a
    zurrapa em todas as tabernas das estradas
    s quando a mocidade tenha pago ao tem-
    po, embora em trivialidades, o tributo de-
    vido, e soffrido tambem tedas as contra-
    riedades c amarguras que resultan dos
    desvarios, s ento so poder comecar a
    sentir o desejo de descanso e a entrevren-
    se as delicias do pai de familia que, ao re-
    gressar casa, encontra sobre os degros
    da porta o edificante quadro da mulher e
    dos filhos, que o aguardan de bracos abor-
    tos. Encontrar, porm, logo na primeira
    passada o Sr. Hymeneu armado de seus fa-
    chos a embargar-nos os passos e a bradar:
    Alto l D'aqui nao passars forcoso
    convnoos em que o encontr nao dos
    mais divertidos, embora oao haja urna gran-
    de tendencia para o ignoto, ou n5o sejamos
    impellidos por secretos tofitinctos para as
    colnas da tentadora BoMa.
    (Contmar-se-ka.)
    A
    f
    *
    TIT. W UURIO-Rl A 018 ClVZfiS N,


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID ETLXYKZUT_CFYLQX INGEST_TIME 2013-09-14T03:45:33Z PACKAGE AA00011611_11753
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES