Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11748


This item is only available as the following downloads:


Full Text
%
ANNO XLV. NIMERO 16.

PARA A CAPITAL E LUGARES OIDE IAO SE PAGA PORTE.
Por tres mezes adiantadns..................
Por seis ditos dem....................
Per un anno idera...........,...........
Cada numero avulso....................
BC
000
amo
i<5000
320
SEXTA FEIRA 22 DE JANEIRO DE 1869.
PARA DIITRO E FORA DA PROVINCIA.
Por tros mezesadiantalos. ............... 6,>75o"
Por seis ditos idom.......;............ I350O
Por nove ditos dem................... 20(5230
Por m anno...................... 27000
PERMMBIJCO.
Propriedade de Manoel Fgneira de Faria & Filhos.
SAO AGKyTKW:
;

4
Os Srs. Gerardo Antonio Alvos & Filhos, no Para; Gonralvos c* Pinto, no Maranlio: Joaquim Jos de Oliveira, no Cear; Antonio de Lomos Braga, no Aracafy: joao Aaria Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal Antonio Joaauim
Guimaifk's l'iiiuaila, em Mamanguape: Antonio Alexandrno do Lima, na Parahylia; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dosj Santos Bufcao, em Santo Anto; Domingos Jos da Costa Braa
em Na/.aieth; Francino lavares da Costa, em Alagas; Dr. Jos Martins Alvos, na Baliia; e Jos Rilieiro Gasparinlio, no Bio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
do aiienal de
I>ira umi d is
invento tht pro vinel a.
BVPEDlK.NTK .ISSIUXVIIO l'Kl.'l KYM. SR. COMIK DB BAH-
l'KNliV. mCMOnRR U.V PBovimm. vi ll v i5 Mi
IAKKHK) dk 1867.
i.-1 tercio.
5. 43o.Portara ao director
guerra.Autoriso V. S. a reinver
utBciaasde ferreira de tereefak elno a chamin
la forja di de latoeiro, co.n > pro;i >'. n olb.a n.
1S de l da c.invuie. scieatni-a i1 -o, I" qu: nw-
ta data determina aj engenheiro das obras milita-
!<'. que examine e orw eom urgencia os reparos,
de que precisa a enberta da ultinu dqaeUai oii-
eioas, raqu; tunda o sea triBaio aiiui rifada.
y. 133.')t:iai a *;!! ir t arscaal de nrir-
no i.Do (unforundido cora o i| solicitan o nre-
M'l."!'!' d; provincia di Pera, en oftlH t d 7 i! i
corrate, mande V. S. dar a Q);rearia p:iblieid.i-
d.' a i e lllal jnnl i p ir copia, relativamente ao p!ia-
rol calmead J nos baixas d: Bragau ;a u'aqi;!la
provincia-
igual ao capital d> pirto.
a. 4-17.Dita aa ni mu i.- Mand V. S. par en
lierda le os rae/Otas Venancio Ferreira d >s San-
lose Prancisc o Antonio di Oliveira, vst) torum si-
i> julgados iacauazej di servs i da arma la, coin >
se v di term ? hujraeeai anuex i a sei oiBeo
de ll di eorrente, siii a. t. (jnn:i a >; ixu d
u .mes Jos Dimnigu's ate Saat'Aii'.n e .ilurl
J i i misa Floras resalvere dapan s-jbro sj 11 re i '
rnfnto*.
2.a seceo.
S. 441.Ol "i i ai piuselli-ro ptujidealc di
i. -r -ii tribuiuJ il-' Hlira.--'arlicijii a Y. Etc.
i]us a-.'sia dita r mv l ajjai? didirjil >d i i'jinir-
>i I) Uiait-j. li.u Uidrigiies ('.'lav.'s, das fai'JS
,j. \\r:v.)<-1, e n i da il i llf'i i. I. luren i FraneHeo
ll- Alm-idi c.i'a i'i '. m". e ni i' i' tai v taeiai 'ni >s.
por motivo A: ni ilesa.
>. I4s.'.'oitaria ai e tai na i-Ja a'; superior in-
t >rin) ii < i vi\ ;.v teaent da ti.' o'imoiiia d i
8. haiillit. do infaalaria PtfJi' S < li:r> liar-
b > i da Silva, IJBfl pa-s:m a residir n i municipio
i E*4*ada, i'oMlornii' ni'. coiist;i de inioiinicio des-
> r v.ii namlo superior n. 103 de li> d' seteinliro,
do de San! i A ata i do 28 de dzetiihrj do ann >
prosim i lia 11, mande V. s. dar a guia me |ie lio.
de i| ii' tr.iti o artgala d i decreto ir. II O de t
de atarea de tSSi.
.\. .iJ)ita a a ui.)s!ii >. -Informe V. s. coa
i ia. uavinlio e.:n nan lauto d> 7.-' batalh)
da gnanfa nacional sob sea com nri.li sipirio:-,
.|jmi e noand > dea antorisacae para a traiultoea-
Cta di .'i.' pstea a lJ coai.iaaVia c i. it i l)-.; ilirl is Vieira Teisoira ; e se tal aato-
ii.-_'iij f.ii vriial apar escripl i; vala ni)^oxs-
X 4oV.Dila ai inssmo.Remetto por copia a
Vine, -a inclusa iut'oiinai:"m ministrada pela cma-
ra municipal dista c dade. cui 4 do crrenle Sib
n. 1, relalivainente questao do tanque de nata-
i;a i do Gyinaasio provincial, e rccoimnendo-llie
qa proceila de acnirdo com a mesma cmara na
direccao que deve Mr a ra pivjeetnda desde a da
l'niai ai a da Ancora, no iiaino da Boa-Vista.
4' seccao.
N. 455. OTicio ae presidente da provincia do
Para.Nesta data exieco is cnnvenienies ordens
ao inspector d > arsenal de marinlia e capitn do
|h.i i desta capital, para dar a uceessaria publici-
dade ao edital que V. Exc. me rcaietteu com o sen
ufflcio de 7 do corrate, relativamente ao pharol
cotocado nos balxos de Braganea nessa provincia.
N. 450.Dito ao n esmo.Segnirain liontem no
vapnr Ingle que parti para a Kuropa, os olllcios
q:ie V. hxc. me renietteu. rom o sen de 7 do OOf-
rente, eoui desuno ao* nossos ministros em Para
o na Itelgica e cnsules genes em Hruxellas ti 8a
nova.
N. 457. Portara a > presidente da cmara mu-
nicipal desta cidado.Dcclarando-me em ollicio de
li Mtoin o jui de paz do segundo anno da fregue-
zia de j. .los, que irV existe no archivo re-pecti-
vo ;. copia do ultimo i listamente dos votantes da
nie.-ina l'regnezia.. pelo qual deve ser feita a clia-
panhia Pernambucana mande dar urna1 passagcni
de estado a re at o Cear no vapor que segu boje
para o norte a Jos Suspiro de llollauda.
If. 407.Dita ao nlesmo.O Sr. gereute da coui-
panliia Pernanilmeana mande dar'unta passagem
de estado a pia da vapoi' Giqui, al o presidio
de Fernando de Noronha, a Anna Francisca Fer-
rara nmllier do sentenciado Manoel Jos de Fi-
guciredo.
madi dellea nas eleiccs do dia 31 do crrente,
para olu' res de dc.pufados e .senadores; compre
que V. S. mande ex rabir do livro existenti-no
arcli'ivj da cmara i nmicipal, e rcinelfa quanto
antes ao dito juiz de paz, 00 ao inais vota lo, se ja
estiver .ur.un-ntad, i om exercicin, nina copia
antlienliiM do referido alistndolo, para servir
:>quelle lim.
N. 458.Dita a Lm indo Camello Pesada de Si-
ajndira Cavalcauti, niavidente interino da cmara
municipal davilli'de S. lenloKecebi oolliuo
que YuK". dirigk-ine ciu 8 do correte, expomlo
dbsfacsoe da presidencia do da 20de janeiro
de 1809.
Aureliano Augusto de Vasconcellos.Concedo a
licenca requerida por tres mezca e com ordenado
sinenlc.
Antonio Luiz de Carvalho Medeiros.Seja no-
meado.
Abaixo assignados moradores no termo de (am-
ores.Informe o Sr. Dr. juiz municipal do termo de
Cimbres.
Antonio Teixeira Pimcntel.J oi prvido o
lugar que requer.
Aristides Duarte Carneiro da Cunha Gama.
Como requer.'
Carolina de Lima Brito.Remettido ao Sr. Dr.
director geral da instrucejg publica para o lim
declarado om oIBcio desla'data.
I'rancisca de Paula Fi^ueiredo.Informe o Sr.
desembargador provedor da Santa Casa da Mise-
ricordia.
Fortunato Jos SampayoJ foi prvido o lugar
que requer.
Honorio da Costa Monteiro.J foi prvido o
lugar (piei-equer.
Joan Fernandas Vianna.Como requer.
Jo.o Jos Bibeiro de Moraes.Passe titulo de
licenca por um anno com todo os > encimemos na r
forma da lei n. 822 de 12 de maio do anno prxi-
mo lindo.
Jos Caetano de Medeiros.Informe o Sr. ins-
que asen convite algnns membros do inst|luto as-
sistiram a aquella solemnidade.
O mesmo Sr. menciona as seguintesoffeitas :
Varios nmeros do Diario de Pnivimiiico, pelo
do.* ae-
rlo l.i-
emplar
pie apesar das diltgencuis que einpregara, nao p(M.(0|. da thesouraria provincial, ouviudo ao aduii-
II lili lltl'('l TICIIl l'.'Mllir M Olllll CllICN >l'll< 110- .-_!... m r
i ir di se "retalia d i gavera i a existencia de seme-
lliante ordem, que so padia ser dada nos Mm da
lei
V. Vi':.):ia ao coiimiau.lanle suiVM'ior de San-
io Autt.Ao lente da (., eampaubia ib & ba-
t;dl'"io de infaatiria da guud nacional de-te mu-
hicipio, PelroSeiunliao Barbosa da Silva, que se-
gn lo inforinico desae conunando hiperier de 18
de d". nubrud amo praxbna Onda, paon a re-
sidir no da Eseada mandei nesta data dar a guia
que pedio e de que traa o artigo 45 do decreto
11304b 12 de marco da 1853.
N. 415.Dita ao niosnio.--Previno a V. S. de
no a guarda de honra que mandei apreseatar em
frente da igreja matriz da fregnexia d i cidado da
Victoria nadia 7 d (vereiro vindouro, para acom-
panbaraptoeiasao do martyr s. Sebastian, ede
que trata o niesmo ollicio de 8 do curenle, deve
o r prestada no da 24 de?te mez.
S. 146.Dita ao eammaiidanto superior do Bo-
nito.Expeca Y. s. as anas ordena, ai'un de que
seja p isiada no dia 7 de fevereiro viudauro, em
trente da igreja onde se lanle featejarn glorioso
S. Sebaatiio nessa villa, se houvor procissao em
que saia o Sautissim > Sacramento, urna guarda de
ti mu a do liai.dliao n. 20 da guarda nacional, sob
seu coininando superior.
t. 'i7.Dila ao jui/. de diii.i.o da comarcad.'
Caiaiani. -Hi-inei!o;i V. S. u inclusas copias au-
thenticas de um offleio que, em data do 8 do car-
rente mez, airifio-me o presdeme interino da c-
mara municipal da villa de S. H;nto. Lucimlo Ca-
mello Pessoa do Siqieira Cavalcauti, e dos docu-
m-atas, a que se refere, relativamente aos motivas
por que nao pal executar a portara desta pres-
t nela de W de deiembro ultimo, acerca da apn-
r -ao geral dos votos para vereadoreadas eleitoca,
a pie se proceden asparociiias di mesmo inuiii-
ci| i i. em 7 de etenibro do antro pasaado. K cum-
pi que V. s.. ; vala dos ni.--ni i- daenmento?, dd
Indas as providencias sen alcance para que os
livms das referidas eloicoos, que foram entregnes
.' vereador Fi-incisco Al ves Maciel. quecnto ser-
via de presidente da cmara, coma consta dos red-
hi)siunt08 per copia por elle passados em 28 de se-
t'Mihro. sejini, arrecadados do poder de quem esti-
v leiu, e mandados restituir aoarebivo datlita O
i ira, por intermedio do actual presidente interino
Lucinda Camello PeaKMde Siqueira Cavalcauti,
p.-eeleudo Y. S. iminedialamenie responsaliili-
d a piellas pessoas.que se mostraran culpa-
das da subtraoo dos mencionadas livros. De lu-
de me dar Y. S. cunta circuuislanciada. c com i
d flor brevidade.
N. 418. -Dila ao coinm.iudaote do carpo provi-
i de polica.Pude Vmc desligar do corpa sol
gen cumulando o soldado Manoel Kudrigues ("liry-
Satouw, de que uata o sen ollicio n. 18 de 12 d"
cirreate, pprjer completado o tempo de sen enga-
jamente, e nao querer continuar a servir.
N. 449. Deliberario. O presidente da provin-
cia, atteniJeiidi ao que llie requereu o juiz de di-
reto da comarca do Bonita. Joo Hodrigues Cha-
ves, resalvo couceder-lhe doua mezca de lii-enca
cem veaeiinent e para tratar de saa salido na pr-
viiicia da Parnbyba onde se aclia.
\. 450.Dita.O presidente da provincia at-
teudeudoao que llie requeran o juiz de direito da
< uarea do Brejo, Lonrenco Francisco de Almei-
da Catanh i. reaolve concoder-tia mez e meia
de licenca com veneimentoS, para tratar de >oa
> ide.
l. 451.Dita.0 nresidente da provincia ai-
iiln ai que requereu Lu Paulino Vieira de
M'llo, segunifu talicllio publico do judicial e no-
li-, esciivo do crime e cive!, e ollieial do registro
ithecas da comarca da Limoeiro, rc-
solve conceaerdhc irinta dias de licenca para tra-
tar de sua saiile.
N. 152.Diia.0 pretidonM da provincia at-
teudeado ao que requeren o baajurei Antonio
PornandM trigo d l. reir juiz municipal e de-
legado depolieia do termo da Buique, reaolve Con-
. i 'i-lhe dous meces de licenca. com o respectivo
ordenad i, para tratar do sua sade, onde llie con-
rier, lioa mi i de neunum effeite a dberacao de 3
de dezembr i ultimo, conccdendo-lha qu'uize dias
d- lid
N\ 453. Porlaria ao esMfe da reparu^ao das
-Inleiadi de quanto Vine, expz
a oflli-io de 12 doc irrente sol n. 17. a que
ipia de nutro, que Ihe dirigi i
rente da empreza dos trilhos urbanos do Jlecife a
Apipueos, acerca do triste aconteciment que ?e
(lm no lugar do sitio da Jaqueira, teobo a di/.er
em i de moda a se nao
a os abusos praticadas pela mesma em-
preza, garantindo-se entretanto o< direitos que ella
i- ve-
lculas pelo? caminhos
lie foi pis mediatos em totes, para com elles formar cmara,
par se escusarom todos-, sem dar anda mesm)
que sereunissein, exeiuca a inhiba portara de
M de dezembra ultimo, por nao estarlo archivo da
cauura na respectiva secretaria, mas em poder do
tenente-coronel Lui/. P;ililiiio de Hollanda Yalenca,
que cliainou a si todos os papis a elle peilencen-
tes, entre os quaes euttefU os livros das eleicocs
de vereadorea e juizes de paz a que se proceden
i'iu 7 de seteinliro do ; mo proviino lindo, lias fre-
.'ue;as de S. Denlo e Juipap. Acrescenta Vine.
|Q0 requerendo ao segundo suppk'nte da juiz mu-
nicipal do termo, basca e:n casa )o sobivdito te-;
nenie-coronel, nao ubi i vera defuridicnto por dizer
e nio se acliava}em exercicin.
o dito siippleuto qu
poiv ii o pnmeiro snpplente que era o mesmo te-
neuti -coronel. Inteirado de tuda qikanto Vwc. re-
fere, tenuo de declarar lbe em resjiosta, qno, es-
landi: nesta pn sidencia enviadas pejo juiz de paz,
que presidio a, eleicao de vereadorea e juizes de
paz, bita na matriz'de S. Bento, as copi.s authen-
ticas das acias dessa eleicao, e podendo por ellas
eonn 'eer-se quaea sao us cidad.ios qleitos juizes da
paz dos respectivos dist ictus no actual qualrien-
nio,_ em 'to a Vmc. co[ ia da acta es|)\ical da apu-
raran dos votos, am de que lendo a presente, ex-
peca depois de nianear e juramentar quem sirva
inMiinamento de secretario da eamjkra, diplomas
aos afeites, eos convid> quanto antes a prestar ju-
rainenta para enlrareni immediaUuiiente em exer-
cicio Nao existindo aqu iguaes cJpias das actas
da eleicao feita em Qnipap. COUicaRflico a Vmc.
que nesta data ordenei ao juiz de naz, (pie presi-
dio a mesilla eleicao, que einpregnfc a necessari.
diligencia para exlrabir do edital que deve ter
publicado nos termos do arl. 109 da lei n. :W7 de
l'Jdc agosto de 1810, una copia auihentica dclle
c a remetta a Vine, aflu de, com'a que ora en-
vi, ser tiansinitlida ;i -amara municipal da villa
do G.iranlinus, para pro -eder a apucacaa geral dos
votos para voceadores, na furnia determinada na
portarla de 51 do dejemeru, visto qi^e este acto de-
ve ser celebrado como i niero legal de vereado-
rea, que nao pode reu lir-SC 00 municipio de S.
Bento. Coniinunico-lbe oulrosini, aa juiz de direita di comarca para /que por todos
OS ni 'ios a sen alcance trate de ol ter d'aijiielle em
cujo poder fc acharan os livros das cleicoes de
ambiis 33 parochias, procedendo na confoi'midf.de
da le: responsabilidadc de quem pstver culpado,
pela sub'raccao dos mencionados livros, a vista
das recibas passados pelo vereador caue servia de
presidente da cmara, o majar Fitnicisco Alves
Maciel.
N. 15.1. -Dita a canina municipal da villa de
Itaiul.Kecebi o ollcio que me dirigi a nova
cama a municipal da (illa de [tamb ei 7 da cor-
rente e leo inteirado impotaado peto presidente da cmara llida com o
sen s retara
H, 46>.Dita a cam, i a iiiuuicipal d^ cidade de
Goya ma.ltccamm'iid.. a cmara municipal da
cidad d Goyanna. q ic mande examinar com
o maior cuidado onde fram os livros, qncj, segun-
da declara no ollicio i cluso por copia oV II do
corrale, acamara ni, nicipal da villa deltamb
nao e N. 461.Dita ao juiz de paz do 2" auno da fre-
guezi de S. Jos do Reife.Em roaposta ao seu
ollicio datado de booteiu, coniinuiiico-lbo que ex-
ped ordeni ao presid ute da cmara municipal
desta ^idade. para fazer extrahir quanto antes e
remel..er a Vmc, ou ao juiz de paz inais volado, ne
j estiver juranienlado em exercicio, urna copia
auihentica do ultimo aiislamente dos votantes dessa
paroehia, pelo qual setena de fazer a chainada
dilles as promanas ele oes primarias desigliijis
para a dia :tl do corren1 j
N. 102.Dita ao juiz I" paz inais votado do dis-
trito da matriz da frifnzia de Quipap.Nao
sendo possivel proceder-se a apuraeo geral dos
votos para vereadore- i a cmara municipal dessa
villa lia eleicao, a que so proceden a 7 de setein-
liro do anno passado, vi-tO que os livros das arlas
lessa e da paroebia de S. liento, nao estao no ar-
chivo da cmara, constmdo acharein-se em podr
do tenente-coi-onel Lu Paulina de Hollanda Yal-
lenca, que os nao tem entregado at agora; cum-
ple que Vmc. einpieguido todas as neeessarias
delli^eiicias. faca extrab r urna copia autbenlica do
edital que deve ter publicado, depois da apuracao
especia] dos votos, na forma doart. 109 da lei
n. 38'; de 19 de agosto le 1840, e a remeta ao
presidente interino da dita cmara Lucindo Ca-
mello Pessoa de Siqneur Cavalcante, allm de que
se preceda apuraban geral cima mencionada.
X. 105.Dita ao tenerte-coronel Mariano Ramos
de .Mi idnea.Pelo sen oUeo de 7 do corrente,
liquei inteirado de ter k'tne. na qualidado de ve-
reador inais votado da cmara municipal a villa
de Jtamb e |>or nao se baver reunido numero
sufflcienle de vereadore-. asaumide a presidencia
da mesma cmara e em vista da circular desta
residencia de 10 de do; embro do auno passado,
aterido juramento e pesse aos nevos vereadorea e
aos j uzes de paz, que achavam presentes, nu
que procedeu bem e i os termos da citada cir-
cular.
J. 404.Dita ao geiviile da comnanhia Pernam-
bucaiia.Q Sr. gerente la coiiipinlua Pernambu-
cana mande dar transporte at o Rio-Grande em
lugar de proa desthlado a passageiros de estado a
Melera Mara da Gonce cao e a dous lilhos me-
nores.
N. 465. -Dita ao m -ma.i) Sr. gerente da
comjanhia Pernambucaia mande dar una p
gem de estado a r at INwiedo no vapor que segu
boje para o sul a Manoe l'elix do'Nascimento.
S'. 400. Dtlaao iv.:--i c0 Sr gereuMda cam-
iiistrador do consulado.
Joaquim Candido Ferreira da Luz.J foi pr-
vido o lunar que requer.
Jos Firmo Pereira do Lago.Nao ha vaga em
que possa ser admittido.
Joaa Amancio Brumo. J foi prvido o lugar
que requer.
Luiz Antonio CordeiroFica marcado ao sup-
plicante o praso de dous aiezes paia solicitar o
respectivo titulo, devendo entrar em exeracio,
iudependente delle depois de juramentad^ e de
pagos os direitos e sello da ioiiieaeo.
Manuel Cleinentino Carneiro da CunhaCerlili-
que.
Manoel de Barros Brrelo. Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda ouvindoo da al-
fandega, e o engenheiro res|iectvo.
.Manoel Luiz Carlos Lavares.Nao ba vaga em
que possa ser admittido.
Manoel Bissonio de Mello.J foi prvido ,o
lugar que requer.
Sebastian Lopes Guimaies.Selle o docu-
mento.
Tobas Pere.Quanto ao dia, como requer.
Thereza Alexandrina de Barros Mello. Informe
o Sr. director da nstruccaa publica, ouvindo o re-
gedrir do (iyinnasio.
Victorino Jos Ferreira.Informe o Sr. director
da instruccao publica, ouvindo o regedor doCym-
nasio.
Reparti^ao 21 seccao.Secretaria da polica de Pernambuco,
21 de jaieiro de 1869.N 111.Illm. eExm.Sr.
Teuha a boina de levar ao conlieciuiento de V.
Exc. que, segundo consta das participadles recibi-
das boje nesta repartien, foi honleni recolhido a
casa de detenco ordem do subdelegado da Mag-
dalena o preto'Bernardo, escravo de Antonio Cor-
iva de Audrade, por andar fgido.
Detis guarde V. Exc.Illm. e Exni. Sr. conde
de Baependy.O ebefe de polica, Francisco de
Furia Cerno*.
PEMASBUCO.
REVISTA DIARIA.
ACTOS OFFICIAES.-Por deliberacao de 20 do
corrate, e sob proposta do Dr. ebefe de policio, fo-
ram Horneados:
Cbrystovao do Hollanda Cavalcante de Albuquer-
qne, Feliciano los de Mello, Plinio Augusto Caval-
cante de Alliuquerque e Tbom Correa de Araujo.
* a a> supplentes do delegado do termo de Na-
zareth.
Manoel Jos Pinto de Souza Xeves, Eduardo Bes-
son de Alineida. Vicente de Hollanda Cavalcante,
Jos Pinto de Souza Nevea, Antonio Tavares de
Araujo Jimior, e Antonio Tavares de Araujo Snior,
Io a 0" supplentes do subdelegado do 1" distrcto da
freguexia de Naxareth.
Joaquim Zeferino da Silva Cabral, Tbomaz da
Molla Cavalcante de Albuqnerque, Manoel Pedro de
Oliveira Mello e Manoel Francisco da Motta Albu-
iiuerque, 3o a 0" supplentes do subdelegado do 2o
districto ila mesilla freguezia.
Manoel da Trindade Bezerra, Antonio Xavier Soa-
n s de Albuquerqiic, Antonio de Hollanda Albu-
qnerque Maranhao e Rosendo de Albnqnerque
\lllo, 3 a O- supplentes da subdelegado do 3o dis-
tricto da mesma freguezia.
Jos Pedro de Oliveira e Mello, Joaquim Menes
da Cunha Aevedo, Amonio Marcolino Bandeira de
Mello e Manoel Joao Cavalcante, 3 a 0o supplentes
do snlid.'lexailo do 1 dislricto da freguoxi* fe Tt-
cunhaem.
Patricio Jos Ribeiro de Vasconcellos,Manoel Jos
Lopes de Albuqnerque, Joao de Albuquerquc Bar-
ros e Joaquim Ignacio Gonealves da Luz. 3o a 0
supplentes do subdelegado 'do 2o distrcto da fre-
guezia de Tracunbaem.
a Fai removido, a sen pedido, para a cadena
vaga de instruccao primaria de Nossa SenhoradoO'
de Inojuca, o professor de Garanbuns, Joao Fer-
nandes Vianna.
Foi designado para regor interinamente, me-
diante a gratificacao annual de 60O000, a cadeira
de iiistrucrio primaria da freguezia de Aguas Bel-
las, Rufino Epiphanio Rodrigues Santos.
Foram Horneados na mesma data ;
Correio das recebedorias de rendas internas, An-
tonio Luiz de Carvalho Mgleiros.
Escrevente da reparticao das obras publicas. Oc-
tavio Afonse de Mello.
TOCAXTIN'S.Se este vapor, que boje se espera
do -ni do imperio, fr portador de importantes.no-
ticias do theatro da guerra, daremos um boletim.
poucas horas depois de destribuida a mala.
FESTA NO POCO.-Amariha noile ser bas-
teada o estandarte' da Senhora da Sade, depois de
ter percollado algumas ras dos povoados do Mon-
teiro e Poco.
INSTITUTO ARCHEOLOGICO E GEOGRAPHICO
PEKNAMBIICANO-Reuniose hornera, sub a pre-
sidencia do Exm. Sr. monsanbor Muniz lavares
e com asistencia dosSrs. Drs. Aprigio Guimai
Gervasio C.ampello, Soares le Azevedo, Affon-
Albuquerque, Cicero Peregrino, Joaquim Portella
e os Srs. padre Lino do Monte Carmelo. Salvador
Hennque e Ferreira de Almeida.
0 Sr. secretario perpetuo d conta do seguind-
expediente:
Coa offleio da directora interina da assoc-
cean nic.Dezesetc de Janeiro, convi lando o insti-
luto para assistir a inauguracao da mesma no dia
17 do corrente.O Sr. secretario perpetuo deelara
eoiisovio Dr. Figueiroa; alguns ,iniinen)s
guintas jornaes :Oprnio Nacional e 0>i
lieral. pelas respectivas redaecoes; um c:
dos contoa brtumrot, oflbrtodo pete autor
M'dula de vinte cenlinietros da banco italiano di
Montevideo, e treze moedas de cobre, senloduas
da repblica Oriental, quatro ranrezas, sei portu-
guezas e una hetpanhoia, pelo Sr. majorSalvador
llenriqne de Atbuquerque.Todas esuas Wfei uis
sao recejiidas com agrada, e niandam-se archivar.
O Sr. padre Lino do Monte Carmelo, obtendo a
palavra, declara que j se acha lavrada e ni-olbida
ao archivo a escriptura de obrigaco asiignada
pelo lenle euronel Tliomaz Cavalcante da Silvel-
ra Lins, proprietario do sitio denominado dij Forte.
lela qual se coinpromette -elle e seus berileiros a
conservar no referido sitio a columna commem
rativa do Arraial ivo do Rom Jess, que e insli-
tuto de!ibenm mandar alli levantar.
Um offleio do Exm. presidente da provincia, de
9 do correle, declarando ;i cmara, que licam ap-
provadas, com a candicao de ser por um anno.
mutado do 1* de outubro'ultimo a 30 de 'seleinbro
de 1869, as arremalaeoes dos diversos.tainos de
acongues das freguezis de S. los navi-ta. de
que trata a primeira parle do oflicio que llie diri-
uina i gio a mesma cainara em 18 de novembro prximo
Nesta mesma oceasto declara o mesmo Sr. que
o t;ibellia interino Culos Jos de Sa. pn^tara-se
gratuitaiiienle a lavrar a referida escriptura, eni
alleneaij ser ella para um lim lao patriotiro.
O Sr. presidente miaifesta a esta ollera o agra-
decimenlo do instituto.
MISSfjES EM CABROBO".Acerca das misaSea
feilas nessa villa pelo Rvm. missionario ca]iuchi-
nlio fre Seraphim de Catania, escreveni-nos am 28
Ai noviunbro:
A" convite do Rvm. vigario desta freguetia,
aln io o Rvm. fre Scraphiiii de Catania a missao a
17 do corrente.
Pivseiiidindo de relatar a maneira cana que,
cuino por encanto, apparereu tuna bella el'gante
lalada de inais de quatro rentas bracas qin.Iradas
na frente da igreja matriz, feita em quatro das pelo
povo da locahdadc. s noticiaremos o que hciuve, e
os prodigiosos resultados da linguagem de i ni sa-
bio e etoqente missionario as populan'
termo; edo 2" e 3o disiricios do termo de
da provincia da Babia, que ella concor-
des!!
apia
r em
esses
vetes
doce
iae-lo
Grosso.
rcram.
Sem sermns excessivos. podemos avali
4, seus lares em quadra lao calamitosa, sem os Becur-
sos precisos, i' em oeeasio que solTrein ama lerri-
vel seeea, que assola este sertao, vendo suecmbir
sem recurso seus gados!
Tanto pude a palavra sagrada de umafostolo
di i i-hii.-iiaiii.-ino'
i Descrevcr o resucito c a eoinpimcao coi i que
esses Deis onvirain senipre o respeilav.-l ma lona-
rio, seria trela importante para uesrriminar como
um povo to allani'iro, sem quasi educaro -ivil e
religiosa, se conservau em profundo silencio ongas
lunas, ouvindo a explicaco docalliecismo, que com
siminia prurirnria Ihes iniiistrava o Rvm. fiei Se-
rapliim, o anlraudu-ae no ibn do senuao, sili ado-
so e obediente para cumplir no seguinento da noi-
le. as ohik-s pelo missionario indicadas!
O Rvm. irei Seraphim linio pode conseg r : a
iiMurezn. prodija com seu pbisico. Ihe deu bella
vi /., lacilidade de enuneiaco e alia intellig ocia.
Para convencer serve-seo Rvm. fivi Seraphin de
argumentos vforcados pelas comparacoos: i as-
inlogia. a phisica', a anathomia, a botnica.: his-
toria natural, de tuda lanca mo com vantagein;
admira a lacilidade com que elle ilesenvolve
ramos dos coiihecinientos Wlmanos! Seas
se eleva as sumidades da sciencia, tambem
a phnis!' bnslesca do matute para melhor fl
eompivhcnder e profligar seus vicios e criuies.
Tratando o Rvm. fre Seraphim do bautismo,
muito conconvii para que no futuii) nao paian
em erros grosseiros. idiii|iroiiielteiido a sajvacao
deanes innocentes, ensinou-llies, em forma ile ar-
gumento, a maneira par que o deveriam fazer, se-
gundo as condiroes e ocriirrencias nos nasciliien-
tos. O liomii'idio, o latrocinio e o furto, o coiicubi-
nate c a feilicara, foram os puntos que constante-
mente debaten e que ihe merecern! a maior at-
tenro.
Que ri'levanssinio servico prestoii oRvn frei
Si'iapbiui a esla part' da popularan ila prov ncia.
livrando da prostituirn tainas doncellas, ai ra can-
do ila manceba lanos hmeos, que por seus coii-
selhos se uniran em matrimonio?! Que grandes
bi'iiilicios (lerrainaiia o Hvni. frei Serapbiin uestes
anrtoes, se de ama aaa tres aunas e pereorreasa pan
inodilicar o genio feroz, de giaUBM parte dej seus
habitantes ? Ah! entSo poderiamas regenerar com
faciliilade nina sociedaile lao pervertida: mu essa
ventura nao terso os habitantes do sertao, c talvez
nestas plagas remotas nao appareca uestes jvinte
aunos urna missao tao benlica.
O Rvm. fre Seraphim pode vangloriar-se de
ter conseguido, o que nunca poderam conseguir
frei Benriques (o terror do sertanejo),e frei Casta-
o de Troina, isto tocn o coracao de algun que
j nesse tempo, sabiam de inipedinientos e que nun
en declararan), como bem umque fazia vinte e dous
para vinte o tres aimos, que se lnlia casado nuda-
mente, e s agora descubri o impedimento e iieva-
lidou-se esse casamento.
Dispensou o Rvm. frei Serapliim a vinte e um
parochianos, em diferentes impedimentos nos graos
ie parentesco, para o que eslava autorisadn pelo
Exm. e Rvm. Sr. hispo diocesano,fazendo-se duran-
ti a missao Irinta e dous casamentes, sendo i ate
quatro revalidados e sete de eouciiliiiiato.
Dando o Rvm. fiei-Seiapliim nu ultimo dja sua
b.'Uco apostlica, declarou: quo se retirava
fi ito por ver a paciencia coni que oouvirau
d ii.Ji> iia mesma oeeasio perdi a aquelles q ie BC
jidgiissnH olTi'iididus. pela Uoguagem austera que
em geral lbe foi preciso empregar, em razao di seu
minislerio. l'm mas, foi a resposta de sua liuniildade christa e da-
saudades que Ibes deixava.
O nosso Rvm. vigariu se presten coin a n llior
vontade s exigencias do Rvm. frei Seraphim, para
que fosse feliz em sua missao; e receben delle ledas
as pravas de defferencia, ajudando-o constante len-
te no conlissiunario e outros actos religiosos. Fi-
nalmente, nenlmm aeontecimento nolavel rouve
que causasse perturbaco na ordem, ou destrosto,
e nem caso de moleslia'a lamentar, como sfle sem-
pre apparecer pela decomposico do ar. em lio
grande aglomeracao de povo.'* C"iUo!ico.>
FESTIVIDADE.Domingo 24 do corrente lera
lugar com toda a pompa a festa de Nossa Senhora
di Coneeico na igreja do Barro; sendo orador do
EvangeUw como do fe-Deum o Ilvni. Jos E-
\ ianna, bem conhecido na tribuna sagrada, tendo
Iirincipio a festa as 11 hars e o Te-Deuin as 7
loras.
LEH.O.Hoje o agente Cordeiro Sffldet faz
li'ilo nu arinazoni da Annes, largir da Allandega
de 20 latas coinch lino mu luti's. a ventada.
LOTERIA.A que se acha venda a 91' a
beneficio da igreja de Nossa Senhora do Terco
dcsla cidade, que corre terca-feira, 26 do'cor-
rente.
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO FATRAORDINARI \ EM 23 DE DE/'.EM-
BR DE I8i
PBESIDK.NClA DO Sil. 1IARR0S BEfiO.
Presentes os Sis. Gustavo do Reg, r. Mi*
randa, Dr. Pitanga, Dr. Villas-boas, e Sil'
Brasil, faltando com cansa os inais st-nhores, abre-
o, e lida eapprovada a acta da antece-
dente.
I/' inte
EXPEDIE.Mi:
lindo, sob n. 73.Inteiradi. e que se flzessem os
termas de contrato.
Ontro de mesmo, de ti do confhle, enmmuni-
canda cmara em resposla ao seu ollicio n. 79
de 9 do niesmo mez. que approva com a eondicao
de ser |wr espaco de nm anno, contado do l-'de
outubro ultimo a :) de sclenibro do anuo vindou-
ro, a arrematacao dos talbos do aceugue publico
da freguezia daBoavista ns. Ii, 18, 19, 20 e 21.
Inteirada. facam-se os termos de contrato.
Outro do niesmo, de 19 do corrente, responden-
do ao da cmara do 1 do dito mes, sob n. 76, tem
a dizer que concede a autorisaco que pede para
contratar com Tliomaz Othon de Souza Santiago,
com o abate da quinta parte do preco por que foi
em praca, visto na ler apparecido licitante alguin,
os alugucis da casnha n. 20 da ribeira da freyue-
za do S. Jos por lempo de 3 annos smente, e
com a clausula de assignar termo, prestar fiador
idneo, fazer todas as obras e coneertos de que
precisa o edificio e entrega-lo no lim daquelle pn-
ce i'in perfeito estada de canservara, pintado e
calado, e depois de exame feito pelo respectivo en-
genheiro : sendo os ditos alugueis pagos por tri-
mestres, brando niaiso locatorio abrigado a entre-
gar a referida casa em perfeito estado, sem mais
demora, quaudo deixe de satisfazer o aluguel de
um semestre.Que se faca o termo de contrato,
convidando-so o locatario para assigna-lo,
Outro do mesmo, de 21 do corrente, transmil-
tiiulo cmara um cxemplar imprenta da 3/ edi-
ra das nnces do systeuia mtrico decimal, olfere-
cido presidencia por Jos Antonio Gomes Jnior.
Ao archivo.
lina |>etieo de Joao Mauricio de Sena, com
disp icba da presidencia, mandando informar, na
qual faz ver a S. Exe. que, tendo arrematado os
Balboa ns. 1, 2 e 6 da ribeira da freguezia de S.
Jos, e nao fosse approvada a arrematacao, e fos-
sem os dilos lalhos praca com o accrescimo da
trra parte sobre o preco da arrematacao feita em
2l de seteinliro do corrente anna, e nao baveiido
licitante que quizesse por tal preco, pede S. Exc.
que lbe mande entregar os ditos talbos pela arre-
matacao de 2-3 de setembro. na importancia de
1:0033 ns. 1 e 2, e de 600$ o de n. 6.-Que se
iiil'iiinassr com ooccorrido.
Outro do secretario da presidencia, r. Joaquim
Corren de Araujo, de 12 do corrente, remetiendo
de ordem do Exm. Sr. presidente, para conlieci-
nicnto da cmara, copia da deliberacao de 29 de
outubro ultimo, pela qual- o iiic;mo Exm. senhor
ivsolveu declarar que a prorogacao concedida ao
commendadar Antonio Gomes Nettb, cessionario de
Carlos Luiz Cainbronne, no contrato para o come-
50 das obras do asseio e lmpeza desta cidade
comprehensiva do nrazo para sua conclusao, que
deve ser em jntiho de 187d, vista que a proroga-
cao para este lim de 18 meaos, igual que o
cessionario tem pelo primitivo contrato.Intei-
rada.
Outro da Dr. chefe de polica, Francisco de Fa-
ria Leinos, de 16 do corrente, remetiendo por co-
pia a porlaria da mesma dala, pela qual, atienden-
do ao que Ihe representaran os proprietarios dos
vehculos de coniluccao empregauos no transporte
de gneros e ostras mercailoi ias da estacan das
Cinco Puntas para os diversos estabelecmenlas
d sta capital, resolvou dar aos meamos vehculos
una nova direccao no seu transito, revogando a
portara daquella reparticao de 5 de fevereiro des-
te anuo, que Ibes deu un longo curso rom mani-
fest prejuizo d'elles e das respectivos rarregamen-
tos, roga enmara que ueste sentido d,as auas
ordens aos liscacs das freguezis de S. Jos e Santo
Antonia.Que se lizessem as neeessarias rominu-
nicaroes, c se aceusasse a recepeo do ollicio.
Outro do mesmo, remetiendo nina queixa que
lbe foi aprosentada por Manoel Maximiano Guedes,
proprietario do sitio da Tamarineira n. 1( contra
alguna de seus visinhos moradores as estradas do
Rosarinho e dos Afilelos, pelas destruicoes causa-
das em sua propriedade. qur as creas de sen
sitia, qur as plantafdes, com os gados que vol-
lam, allm de que a cmara se digne providenciar
como julgar conveniente, e em ordem que o res-
pectivo fiscal cumpra as posturas que tratara de
semelhantc assumpto.Que se recommendasse ao
fiscal lizesse observar as postulas, e se responderse
ao r. chefe de polica.
Outro do director da reparticao das obras pu-
blicas, declarando ter o engenlieiro ajudante da-
quella repartirn communicado-lhc o eatldo de
inimiindice e ebsteuccio em que se acha o caes
do Apollo e Ramos pela accumulaco de lixo que
sobreHea fazem com detrimento dos transentes e
prejuizo salubridade publica, roga cmara se
digne dar as providencias neeessarias para remo-
cao desses nionluros e limpeza dos meamos caes.
Que se respondesse ao director, que a cmara
desconbece a autoridade que o mesmo tem para
Ihe transmittir ordens acerca de snas atlribuicoes.
Outro do inspector da satide publica, pedindo
cmara que se digne forneeer-lhe o mappa estatis-.
tico da morlalidade desta capital a contar de no-
vembro 1I0 anno passado este. menciona mo a mo-
lestia, idade, cor. condiro e naturalidade, visto
ramo tem do apresentar relatorio do estado sa-
nitario da provincia.Que se ordenasse ao admi-
nistrador do reinitcrio publico que forneeesse.
'Outro do primeiro supplenle do subdelegado da
freguezia de Santo Antonio, Antonio Augusto da
Fonseca, communicando achar-sc em exercicio do
mesmo cargo por impedimento do subdelegado
effectivo.Inteirada.
Outro do subdelegado da freguezia de S. Jos',
Antonio Moreira de Mendonca, communicando
acbar-sc em exercicio do mesmo cargo, para o
qual fu ltimamente nomeado.Inteirada.
Outro do advogado dando resposta ao que Ihe foi
dirigido em lo do corrente, pedndo-se-Ihe o des-
pacho dos papis relativos a D. Thereza Carneiro
Lius de Miranda que existem em seu poder, cabe-
Ihe dizer que j den parecer em ofllco de 16 de
novernbrn p. p. Na falta' de inais completo .cs-
clarecimento que alludio em dito officio, apenas
pode dizer que as certidr.es sao relativas duas
herancas diversas, que sao a de Joaquim Jost1 de
Miranda c de filho deste, Bernardo Antonio de Mi-
randa,/ que as partee relativas peticionaria s
pdeui ser pagas na razio de 8:0004, o nao de
12:0004, como j ponderou : que nao pdem ser
pagas estas quantias ein quanto subsistir pennora
etc.Neste sentido despachou-se a petieao de D.
Thereza Carneiro Lins de Miranda.
Outro do procurador, remetiendo o conhecimen-
W da quantia de 541790, importancia dos tres pOT
cento. deduziilos dos venciaieiitos dos einpregados
rela'ivaniente ao mea de OUtUblV ultimo, que reco-
llieu 1 thesouraria de fazenda Arcbive-sr.
OuU'odo mesmo, doclarande ter satalaito a Ba-
ziho Alvares de Miranda Varejfio de 7944870. reb-
ino Ihe I >i ordenado por despacho de 28 de outuliro
ido. cuino saldo de ajuste d.....iotas da quesillo
que o niesmo tintn com a cmara.Ao archivo.
-Outro do mesmo. remetteodo o recabo | mala d.>-
cuinentos provenientes da quantia de Sl3a.l.),iim-
portancia que pagon conform- 'lio de 23
de oniul.ro passado. a D Thereza i.arneiro Lins de
Miranda, herdeira do casal -lo fallecido Bernardo
Antonio de Miranda, pela deaappropnaran da
Outro do engenheiro coi deador, Jntorniandu -
reqiierimento de Manoel Joaquim Banasto, proprie-
tario ila rasa n. 6 da na dos Guiares na freguexia
de S. Jos, np qual pede brenca para concertar a
robera e fazer outros coneertos internse exter-
nos, declara que o pavimento terreo do dito sobra-
do tem vinte palmos de altura, e nadase Iheoffe-
reee oppr a sementante jiroienco.(]oncedeu-se.
Oulro do mesmo, informando que certo o qin-
allega no reqaerfanonto Junto Jos Alves da Silva
(Mimarles, aenhor e iwssm'dor do terreno de mari-
nba n. 3i sHo estrada de Olinda.
Esse terreno ost eomprehenddo na parte desti-
nada ja ha milites annos na planta (La cidade iKira
jardim publico, e por este motivo nio pode dar a
conleacao, romo Ihe foi determinado |mr despacho
laucado no dito reqiierimento.Nao tem lugar.
Outro do niesmo, informando o reqiierimento em
que Salustiano Augusto Pinienta de Souza Peres.
pede para fazer algnns reparos, eolierta nova e co-
zmha na casa de sen sitio em Parnamerini enano
quer concluir o quanto ao lado da mesma casa ;
cunipre-lhe dizer q# nada tem .1 opiMir.O.nce-
deu-se.
Oulro do mesmo. informando sobre o requer-
mente de Jao Antonio Carpinteiro da Silva, para
construir una casa com sota nos ooes existentes.
junto ao seu esiabeleciniento no Mangiiinho, e od-
lirar um porlo no muro, que tamliem pretend-
razer em dita casa, cumpre-lhe dizer ipie nada tem
a op|x>r, exiYiiiando o suplicante a olira de con-
Iorniidade coin as |M>stiiras. sendo previamente da-
da a cordearo.Mandau-se eordoar.
Outro do fiscal da freguezia do llecife. [ledindo a
cmara ezpedisse as snas ordens pan Ihe ser pa-
ga a quantia de 84OOO, im|iortarira que despen-
den rom o enterraniento de dans ravallus que fo-
ram encontrados inoiins. um no dia 23 de novem-
bro ultimo, enconando no taado trapiche, e ou-
tro no dia 7 do corrente, junto a rampa do caes di
Apodo.Que se passasse mandado.
Outro do inesnio, pedindo que se mandasse pa-
gar ao falcultativo Jos Antonio Marones a quantia
de 184000, importancia de tres cormas sanitarias
une proceden em ali0arentoa aniahobifiiMwma da-
queUa freguezia nos dias 16 de agosto, 6 de outu-
bro e 4 do corrente, tudo deste anno.Que se pas-
sasse mandado
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio.
informando o requerimento de Francisca Carolina
dasCbagas. moradora na ra larga do Rosario
n. o, em que pille liccnra para matar gado suino
na nesina rasa, tem a d'izer que nao ha inconve-
niente na cuncessn da mesma licenca. tuna ver
que cninpra ella a disposirao do arl. 19 ila pastura
de 30 dejuiibo de 18411. e Mi da postnn de 10
de novembro de 185*--0mredeu-se de coniormi-
dade rom a informaco.
Outro do Bacal da Llreguexia de S. Jos, eommo-
nicando que a compaiibia da estrada de ferro do
Recife a S. Francisco est elevando a maior altura
a muro da fortaleza das Cinco Puntas ao lailo da
estacan, e tendo o mesmo de ser fechado resum
porlao na frente da ra que vem poftna da ma-
triz respectiva, em direccao a amiga casa ano ser-
via de repeso, sem que hoovesse solicitado licenca
para essa obra, Haz ao eonheciniento da cmara.
rogando-Ihe que se digne ordenar o que deve fa-
zer em tal caso.Que se respondesse ao fiscal, que
proceda como nos casos ordinarios.
Outro do fiscal da freguezia do Poco da Panella
remetiendo um termo de infraecu as postulas
commettida por Manoel Duarte Rodrigues Pinto.-
Que se remetta o termo ao procurador parlase-
lo por em juizu.
Foram approvados tres pareceres de comniisso
0 primeiro da coiuinissao de polica, dando por con-
feridas as eootas turnadas ao procuradur. relativas
aos meses de outubro a oovetnbra, eos dous uni-
mos da conimisso de saude. perinitiindo o pri-
meiro que Miguel Pires Rranco possa estabelecei
no caes do Capibaribe casa n. 32. nina |iequena fa-
brica de sabio e relinaco, visto que a mesma ca-
sa tem as proeja al acnimodacdes, e o segumlo.
que Jos Nicolao Ferreira. podein mudar da casa
n. 49 da na Imperial para a de n. 57 da mesma
ra a sua reamarn.
Tendo Jos Kamos da Silva, anual arrematante
da casa n. o da ribeira da freguetia de S. Jos de-
clarado por pctieo que parte daquella casa esla-
va sendo oeenpada pelos utensilios necosaarjoa ao
servico da limpeza das nas, requeria que fosse da-
da ordem ao procurador para levar-lbe em cunta
no pagamento do aluguel da dita casa a quantia de
0000 iiiensaes ; resolveu-se nianilar orden ao
procurador para fazer retirar os niesmos utensi-
lios, e oeste sentido desparhou-se g petiro.
Despacharani-se as petie'ns de Antonio Jos Mo-
reira Gomes, Antonio Ignacio Iteiter. Albino Jea
Ferreira da Cunha, Amonio Jos Alves. Antonio Jo-
s Silva do Brasil, 1). Arselina Xavier Carneiro Ro-
drigues Campillo, Bernardino Martins de Souza.
Cardozo k Irnuio, Francisca Carolina das Chagas.
Francisco Gomes Ferreira de S Leitao, Fepi1
Santiago Qavalcanli, Felippa Mara da Conceifo
Francisco de Barros Correa, Guilbenne Augusln
de Athayde. Hjpoliio Cassiano de Vasconcellos Al-
buquerquc Maranlio. Ignacio Barroso de Mello.
|a'apito Jost1 Carlos Manso da Costa, Jos Baptista
da Silva Duela. Joo Saraiva de Araujo Galvao, Jo-
s Antonio Moreira Dias, Jos Francisco de Mene-
zes de Amoriin, Jos Antunes Gnimaraes, Joaiiuini
Baptisua do Araujo. Jos da Silva Cosa, Jos Al-
rea da Silva Guiniares. Joaquim Militan Alve.- la-
ma Jnior, Jos Ramos da Silva (2). Juan Pacheco
Alves, Joao Antonio Carpinteiro da Silva. Jos Jan-
quim BarlKiza da Silva.-Jos Marcelino da Rosa A
Filho, Joaquim Jos de Souza. Jos Jeronymo da
Silva, Jos Pereira de Miranda, Joaquim Jos
da Costa Pinheiro, Joo Bernardo do Reg, Jos
Goncnlves Ferreire Costa, Junta da Santa Casa de
Misericordia (2), Jos Pelicio Borges Uchoa, Jsa
Nicolao Ferreira, Luiz Jos da Costa Anioriin, Mi-
guel Piros Branco, Manoel Narcizo da Ceatn, Mi
daa Armoutt, Manoel de Souza Menezes, Manoel
da Silva Lopes, Mara Iguacia do Espirito Santo, Pe-
dro Rates de Borges, Paulo Jos Gomes & Chma
eo, Satyro Serallm da Silva. 1). Theresa l^rncin-
Lins de Miranda. Tliomaz de Carvalho Soare-
Brando Sobriaho (3). Vicente Jos' de Oliveira, e le
vantou-se a sesso.
Eu Francisco Canuto daBoa-viagem. secretarios
subacrevi.Barros Hego, pro-presidente. Si-
tos.Silva do Brasil.Dr. Villas-Boas.Rego.-
Dr. Pitanga.Di. Miranda.
PUBLICACOES A PEDIDO.
A reforama ajas alfaBdegas.
i que b
IK6S.
n
de 6 de maio 1868, organi-ila- em imprmente
do disposto no art. 36 aa lei citada, na exprimem
certamente o pjmsauento de legislador. A' excep-
i o da redurraa operada as dlfferentes classe*
de empregos, alio ellas copia fiel das tabellas an-
teriores.
A lei recommcndou, que, na reforma aulori-
sada, fossem mantidos oa ordenados actnaes dos
enaprecados, e que se opera'sse re- (?ra-
tiBcacoes e poreentagena de modo que fosse re
vida a des| l,;""te dos veoc-
BMloa Aos io.-'"-; emprogados, un que resultas-
M da e 'vos in
Entrotai. i' di-dribuien das quota-

con> irearain a-
da Praeiiih ilcitas aatem-
nado.Ao arem> res, sem plausibili



i




uwmm
M
2. .e38l 10 fll3tl :IQ S A8I31 ATISio de Pernambuco Sext* feira 22 de Janeiro de 1869. OfllMUM^K OHMfi
As classes dos empreados menos ay*iniv*dos
sin justamente aquellas que as repartibles ab
mais atarefadasde si'rvicn; e por tanto e injusto
omesquinliar-se ainda mais os vencimntos de fcies
dasses em proveite iudebito de outras; quando
a responsabilizado c esforcos na arrocadaeo das
rendas sao oommiuis a todas ellas.
Somos daquelles que acataui e applaudem as
hierarcliias as repartieses, eonvhnos na neees-
dade de sua manutenga; mas desopino ifue *
nica distineco entro-os veneoueiitos seja. a esiar
belecida quanto parte fixa dos mesniog vonei-
meatos.
A poreentagein abonad aro-labore, ella e
niaior ou menor, segundo a renda arrecada ; ;s-
4a avulta, ou deeresce, segundo o movimento eoin-
merrial ; e, pois, para a sua arrecadacao e lisca-
lisaco, sao cniuouins os esforcos dos einpregad >s,
segundo a ndole do seroico de cada om.
Nao venios, por lano, juslillcarao ,xi aeto que
acoiiselhou o abono por excniplo a uin 1" escripiu-
rarki de 10 quotas, e ao 4o o de 3 apenas, quaido
ambos iraballiam cumulativamente; assim ao 1
onerenle 18 e ao 2" 7 quotas, quando tainbem do
mcsiuo nodo estes trabalham promiscua e cumu-
lativamente? I
Se entre esf as classes de empregos nao seda
subsiituieao; se, por tanto, nao sedando subs-
luieo se confunden! em nina classe coininun
como retribuir-so a uus eom Mais vautageos i|iie
a onlros por servicos que com ignaldade pies i-
ram ?1 nao basla para inanler a lei arebia estabe-
leeida em taes empregos gradacao estabelecida
nos ordenedos e gra tfica cfos?
Convimos por mais de urna razo, e achamos
mesjuo de direite, que os cuotas das roparlieous,
seu* immediatos e os cueles de seccan, teuliam na
distiibuicAo da poreentagein urna quoto maior;
poiquanlo sao empregos do subsiituieao, cuja i a-
tureza do servido milito especial, o atiribuieao, gy-
ran em esptela mais elevada ; e por tanto nao
sao iguaes dos empregos comuiims a responsa-
bilidade de l.ws lugares.
A imporlancia desses empregos e o prestigio de
que devom accrcar-se os individuos que os oo a-
pam, reconmundam de eerto modo urna tal reiri-
bulcao. E por tanto a*res[cit.> das demais clases
nos parece de toda ajusUca que a porcenlagjni
soja destribuida reparlidamcute. Nao concurren).
)ior ventura lodos do mesuio modo para a arreca-
dacao das rendas com iguaidade de esforcos o res-
ponsabilidaile ?
E" este uin dos pnttos que reclamam sriamen-
te a atteuco do S. Exe. na reviso das tabellas de
ti de maio a que nos lomos referido. Se a refor-
ma r operada sol) o aspecto de DOSSM conjecl li-
ras (-Temos que se approxiinar ella do peiisamen-
lo da li'i ano a deoretu. no iutoito decorrigircer-
los abusos e irregularidades que se notara na for-
ma por que se retriliuem aos onipregados.
Leudo no Diario de Pernambuoo de honteo, o
artigo publicado sob a epigraplie partido cmitr-
i tutor, fulge do raen dever declarar. que nao acli ou
-obro o nit'u espirito a consideracao do screm o
Se. Jos Duarmdas Noves e sua sonbora membros
de ama fmula ImynrtMln e respeitavel nesta pro-
vincia, para deterin'mar-lhos a priso preventiva,
como feria ordenada qiialquer pessoa do povo.
requisitada como l'oi jhJo Dr. prometer publii o ;
porquaitlo esta mesilla consideracao nao me
laria tremer pola minlia reputaco, o caso de nao
ser ella requerida, ou que nao euiendesse fazol-a
independontemeute le tal reqnisioio.
Agradeeo. no mais. as benvolas pal avras (|ue
se diumou despender e.jiuigo o Ilustrado nrtiru-
lista.
Rei'ife 21 de Janeiro de iK>.
J. Hircano Aires Mariel.
Ao publico.
Brevemente ter lugar no tlieatro de S. Isabel
un guinde rtmi-erlo ruad e, instrumental a fa'"or
da joven peruamburana Arselina Pie.ri, Binado
ilislincto professor de msica Tainas Pieri, no (|iial
se prestam generosamente a tomar liarte os dis-
tinctos e applaudidos artistas as Sras. Julia Tam-
tntriiii e Sis. Coy, Toarnerie, Scolari, Candido .'-
iiior.c dirigidos pelo eximio maestro Smoltz.
Esta joven na lema idade de seis anuos tendo
-desenvolvido um pr.voce talento musical, e que-
rendo tem dignos pais aproveitar este instincto na-
tural, resolvern) leval-a para Europa, ealbcol'.o-
cal-a n'un dos iin;lbores conservatorias alim de
beber na escola doi melbnrea ini.'slres de arte di-
vina lao justamente apreciada por todo o mundo
civilisado.
E' em noiui' dessa i-rianea, qrne appellamos paia
o publico, e roniaiuos no sen instincto benvolo e
generoso, para que concurra a esle coiicei lo oll'e-
recido pela sua pequea patricia, cujo producto
leve servir pata son despezas de viagem l ii s-
traccao musical.
<>ertos, que este appello re*jar no coracao de
todos aquellos que amain a illustracao do MU pai/.
e um numeroso concurso vira valisar as e~ e-
i ancas deitt nossa joven patricia.
Muitox pernambuantos.
BANCO MAUA4 C.
Roa lo Trapiche n. S t
DesconU ultras co iimerciaes a taka cut-
vencional. Recebe dinhe-o, a premio con-
vencional, p )v lettras e- em centa corrente.
Confere crditos, saca sobre as primeiras
prpB-^o iripwto, Hk> da Prala-truro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pracas.
EBearrega-se, por commissao, da com-
pra e venda de fundos pblicos e acees de
companhias, da oobranca de lettras e dl-
videidos ou de seu pttgamento, e de qual
queroolra eperaco bancaria.
0 expediente para u publict comocar
s 10 horas da manlia, e terminar s 4
horas da tai de de todos os das uleis.
ENGLISH BANK .
Of Rio de Janeiro Limited
Desconta 'ettras da praca taxa a on-
vencionar.
Recebe di heiro em couta corrente e a
preso fixo.
Saca vis la ou praso sobre as cidades
principaes di Europa, tem agencias ne Ba-
nk, Buenos-Aj res, Montevideo, New-York
e New-Oileans, c imitte cartas de crebito,
para os niesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
Caixa Filial do Banco do Brasil
A caixa filial do banco do Brasil em
Pernambuco m liijuidaijiio paga o 30 divi-
dendo das i croes do Banco do Brasil ins-
criptas nesti caixa; a razao de 9iMXK) por
aeco.
Recife, 16 de Janeiro de I8G9.
ALFAM)Ki.\.
Rendimenlo (W dia 1 a 0 .
dem do 11 i,-\ i.......
S6:23W374
C28:'J7779
MOVIMENTU DA ALFANDEGA.
Volumes entrados
dem idom
com Inundas
com gneros
Volumes saliuios com fazendas
dem iden cun aenOTOS
m
461
15:t
34i
8To
Descarregam boje 22 de Janeiro.
Vapor iuglez Alliamlin: mercadorias.
Lugar inglcz-- Suinjitorideni.
Lugar iuglez--Curriugioii adormentes.
Barra iugleza =&Hip*o=carvao.
Patacho liespanh >lAdellevinlios.
Barca frnwffilii* lH'ff de AraM/=ccmento.
IIEGEBEBOHIA DE HEXDAS INTERNAS GE-
n.'JSS DE PERNAMBUCO.
Rendimenlo d)dia 1 a 20 23:8246
dem do dia I...... i:07li80
fina, a barca Pkmol, que para seweihanto limdes-
'nou o governo imperial, as condiccoe seguin-
tes:
E,' toda construida de ferro, tcm 80 ps do com-
primento, 20 de bocea, 19 de pontal,
Eleva-sc do centro um mastro no qual rada a
lanterna que contm ura apparelho luminoso do
f-tlicma catoptrico, composto de nove lampadas
lialanca com onlros unte reeetores pratc-tAia
disposls em grupos do tw.
Este apparellio giralorii, conclumdo em o"
urna revoucao completa- com eclipse de j" cada
una.
O pboco lumiuo-o eleva-so 30ps cima dalinha
de lUiciiiaco, a luz clara e pude regularmente
ser avistada pa distancia de oito milbns.
O navio.que buscar a entrada desle porUi logo
que liverweonliecido a Barra~Pkarol a dever
onservr;por B. B. navegar ao 8.0: *. O.; defla
distante meia milha, e logo que a tiver pela popa a
igual dislancia, navegan ao O., tendo .muita
alteuco a marn com que enlrar, |rque en vi-
sante encosta jiara cima do baixo e a enebente o
afasta.
Os rumos de que cima se traa sao magne
ticos.
Secretaria do governo da provincia do ftan, 2
de Janeiro de 18690 secretario interino JooBri-
gido dos Su utos.
Confere.AnUiiio Anuos Jacome Pires.
Confeti.Salaz>r.
Capitana do pollo de Pernambuco, 16 de Janeiro
de 1869.
O secretario,
Deeiu d'Ai/iiiiiii Fonsern.
O conseibo de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinte :
81 covados de panno azul.
336 varas de brim escuro.
164 ditas de dito braueo.
"iti ditas de algodoziubo.
51 lares de luvas de algedao.
34 jiares de bolins.
93 lencos de ajeodo.
9:t paros de meias.
37 sustM'iisoiios.
28 bouets do panno azul.
28 grvalas de sola de lustro.
2 Joles grandes para offieina de feneiro.
400 inapps para o movimento dirio da enfer-
mara.
20 resmas de papel almasso liso:
20 ditas de dito pautado.
30 arrobas de chumbo"em barra para bailas.
20 pares de sapatos de lona.
1 machina para desearocar algodao pelo gj s-
tcma de navalha!.
40 arrobas de plvora grossa para salva.
As pescas ne. se projiozercn a Ibrnecer ditos
objecios, devento apresentr em carta tediada as
auna propostas, na sala das sessoes do eopselbo em
28 do corrente, s 11 horas da nianhiia arompa-
nbadas ditas propostas das competentes amostras,
marcadas rom o signa! que as mesmas se de-
signe.
Os mappas poderao ser examinados antes no ar-
senal pelas pesapas que os pretenderen) furnecer
pai direccao.das m.-smas em suas pnipostas.
Sala d;:s sessoi's co conseibo de compras do
arsenal de guerra, l de Janeiro de 1869.
F. liaplntfl de Mella Mego,
Presidente.
Jn la dista deCasIro c Silva,
Secretario.
Para Lisboa
Segu em poucos das o brigue portuguez Cons-
Zmle I, por ter grande parte do seo carrejan lento
promplo ; para o restante e passaMlros, trat-se
com Oliveira, Filhos & C, largo do 19, ou com o capitn na praca do Commercio
- qQMCASHL\ PliBJUMBL'CiA ,
D*
\avega^i coslelr.i pr vapor.
Paraliybi Natal, Maco, :\lossor,
Atacaty, Cear Acarac.
0 vapor Ipojttca, commandante
Marlins. seguir para osportos cima
no dia 30 do corrente as 5 horas da
Recebe carga at o dia 29 as 3 horas da
eneominendas, passageiros e dinbeiro a
flrete at as horas da tarde o dia da sahida no
escriptorio do Forte do Mattos n. 1H
24:904.5102
CO.Si LADO PROVINCIAL.
Rendimenlo d> dia I a
dem do (lia 21 .
10
99:4831251
3:976*505
103:4697(i
Senso coinmum.
Kinquanto o mercado est innnndado tle
pie[.iaiacoes chamadas sals.m'.viuiilh.v,
que, nao tendo em si as qnalidades que
licviin sempre recommendar um rcmedij,
sao apregoadas ora a titulo de frascos gra 1-
des, ora pela virlude da anliguidaile, e ora
per seren novas, nos aposentamos ao pu-
blico um remedio em frascos de taan! o
regular, que tem seu favor smente a
virtude de curar toda a qualidade de mo-
lestias ipie vem da impureza do sangue.
E esle remediochama-sesaisM'ARRii.iiA
DE AYKR.
A anacahuita peitora].
Por meio da poderosa aeco d'este re-
medio irresislivel, as enfennidades da gar-
ganta c dos pulniois se dissipam e se des-
vancela como por um mgico encanto.
Aquelles que padecem de astlima e se
vinera quasi que privados de guardar una
posieo liorisontal durante anuos inteiros,
piincipiam a respirar com facilidade e dor-
mem traninjillamente depois de haverem
lomado algumas dses leste delicioso e
admiravel xarope. A tosse angustiosa e
violenta, as fortes constipares, o sangue
dos pulmoes, a rouqyido e peda di
voz, e todas as molestias do peito e mo-
las da Iraclia, que tem urna tendencia i
ptMsict, se curam pmmpta e radicalmente,
mediante o uso rl'este remedio suavisa-
ilor.
Fortifica e vigorisa os 9tffim da respira-
<;o e os torna invulneraveis s mudancas
repentinas da temperatura atmospkerica ; e
romo na sua elaborada composirao nao en-
tra nem existe outra cousa mais do que bl-
samos saudaveis, pde-se por isso mesmo
rabear com toda a soguranca at mesmo
as mais tencas c delicadas creaturas.
Acha-se i venda as pharmacias de A.
Caors, J. da ConceHo Bravo A C, M.
A. Barbosa, P. WSrtrer A C: e Bartholo-
ineu & C.
Marios entradas no dia 21.
Ass14 das, hiale nacional tiooa Esperanra, de
61 toneladas, capitio .Manuel Fernandes Jalles.
equipagem 6, carga algodao e sal; a tarlholo-
meu Lourert;o.
Babia 11 das, barca ngleza Syrarusrt, de :io4
toneladas, lapao Andrew Fenlay, equipagi'iii
11, em lastro de assocar a D. C. & 1,. C. Sim-
psou i C.
NaOi'ot saludos na iiwsmo dia.
Rio-Grande do S11I Baa nortugueza Nova Ma-
riana, capitio Francisco Jos de Abren, carga
assocar.
Rio-Grande do Nortelliale.luasileiro Flor da Rio-
Gramil'. ea|ilao Vicente Jos da Cusa, carga
dilYereiites geueros.
PortoRarca porlugueza Vencedora, capilao Joa-
quin Pinto lia Costa, carga assocar, inadeira e
algodao.
Liverpool pelo Cear Palaclio inglcz Sausliine,
capitfio Bonos, em iasli-o.
AlaiseilleHaraafranee/a Hite, capilao lluigant,
carga assuc; r.
OMK'TtlVtO.
Suspendeu lo lamarrw para o Cear, o brigue
inglez tocktco'th, capito T. Ely, com o mesmo
lastro que Irot xo da Babia.
== O inspector da aifamlega faz publico que o
leilao das2o barricas com p de pedia inariuore,
annunciado para boje, e que por falla de licuan-
tes deixou de ser elfectuado, tica transferido para
sexia-feira 22 do corrente.
Alfandega de Pernambuco 20 de Janeiro de
1869.
Jos Manririo Fernandes Pereira de Barros.
EDITAES.
De orden do Illm. Ir. inspector da thesou-
raria de fazenda desla provincia, s.ao pelo presen-
te convidados os Sis. Manuel Joaquim do Reg
Barros, Ciernen tino Jos de Alexandria, Bellarnii-
no Jos Niuies. Jos/' da Silva Bandeira, Elias Bap-
su de Oliveira, Jos Pedro de Alexandria e Jos
Caetano Madeiio. moradores no termo de Ingazei-
ra para dentro do prazo de noventa das que Ibes
fica marcado a contar desla data, recolherem ao
cofre desta liusoiiraria cada um a quantia de do-
notase vmte 11 cinco mil res proveniente de mul-
las que Ibes loiaui impostas pelo Dr. juiz de die
reito presidentt do tribunal do jnry do mesmo ter-
mo por faltad: (.....iparecimento a segunda es-
sao do dito tribunal, lindo o prazo sera a cobran-
ca das referid multas eueetoadaa execntivamen-
le de conformilade com o act 3 do regulamento
rjue baixou con o decivio 11. 4,181 de 6 de maio
do auno prximo lindo.
Secretaria d; tbesonraria de Pernambuco, 12 de
j;uieiro de 186.
O oflicial-maior,
Mi.mel ilamtit da Silva Costa,
wUf IbnLIU.
PRAl^ DO RECIFE 21 DE JANEIRO
DE 1869.
AS 3 i/iOOSS K T.AIIDE.
\-soia iirahj canal2^550"aarrolta (boutein).
Algodao do Pernambuco 1* sOrte= 13000 por ar-
rolla.
Algi*lo da Parahyba Ia sorte 13jto0 e MniR-
por arroba hontem).
.Cooms salgad' IGO rs. per libra (bonteni
jimbio sobro Londres 90 d/'v 19 3/4 d. jjoi
1 000 (bontem e boje),
'.ambiu sobre Paris 90 dVv 487 rs. por franco,
'unliio sobre Portugal loa Vo a 60 d
unto de letras de 4 mezes10 0 0 ao anno.
F. J. Silveira
Prosidentef
LeaiSeve
Secretario.
OCLARACOES.
= Pela recebedoria de rendas internas "gentes
se fazfpublico ([ue neste mez e no de fevereiro
prximo futuro, que os contribuintes da taxa dos
escravos do exc rcieio coirente de 1868-69, qner
moradores as freguezias da i-idade, quer as de
fura, teom de pt^a-la, iivre da inulta de 6 0Q, e
com ella de mareo ei diante.
Recebedoria de Peniambnco 8 de Janeiro de
1869.
O administrador,
Man >el Carneiro de Souza Lacerda.
Vicc-consnlado do Per.
O abaixo assignado vice-consul da repblica do
Per, tendo de remetter a junta de beneceucia de
Lima, o producto da subscripcao aberta a benefi-
cencia dos prejudicados con) os ltimos terremotos
que destruirn) diversas cMades c povoaeoes da-
qnelle paiz, deixaulo militares de pessoas utr'ora
abastadas, reduzidas ao ftiaior grao de mendicida
de; avisa a toaos os habitantes desta cidade que
queiram concorrer para um lim tao caridoso, (ue
no vice-consulado esta aberta a respecli\a subs-
cripcao. Jos Jacome Tasso,
__________ Vice-consul. _____
Pela adioiuistntcao to correio desta cklade, se
faz publico a qiieiii'inleressar possa, que nao se
denioiaod" os vapores da cooipatmia Messageries
Imperiales neste porto em seu regresso do Rio de
Janeiro, o lempo preciso para se l'azer a cxiiedicao
das malas com direccao a Europa, tem motado
que as malas se lecliem as (i horas da tarde do dia
anterior ao da cliegada dos meamos vapores.
Correio de Pern imbuen. 18 de Janeiro de 1869.
O administrador,
Uutitiiujus dos Passos Miranda.
De ordeiii do Illm. Sr. inspector da tltesou-
raria de faconda 1! sta iii'ovincia, sao pelo presen-
te convidados os ,Srs. Francisco AI ves de Brito,
Antonio Alves de Brito e Siman Baptista Pedros,
moradores no termo de Ingazeira, para dentro do
prazo de 90 dias que Ihes tica marcado a contar
desta data, recolherem aos cofres da thesouraria
cada um a qnautia de7oi000 rs provenientes de
mullas oue Ihes foram impostas pelo presidente do
tribunal do jury do termo de Ingazeira por falla
de comparcrinienlo a 2a sessao do mesmo jury,
segundo o termo do resumo das multas que acoi-
panhou o ollicio do respectivo juiz de direito de 31
de dezembro prximo passado.
Findo o prazo ser a cohranca effectuada execu-
tivamente de ennformidade con o art. 3o do regu-
lamento que baixou com o decreto n. 4181 de 6
de Maio do anno prximo passado.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco, 21 de Janeiro de 1869.
O oflieial-maior.
Manoel Mamede da Silva Costa.
tarde,
tarde,
Para
0 brigue escuna nacional Amelia 11, segu no
llm do corrente mez de Janeiro, ainda recebe al-
guina carga miuda : trata-se eom o consignatario
Joao Francisco da Silva Novaos, ra do Vigario
LEILOES.
De SO < :i va com ina^ijiiOco cha
Ilyssou.
Cordeiro Sim&cs
por conia e risco de ipiem pertence far leilao de
20 caixas com cha lino llvsson desembarcado l-
timamente em un ou mais lotes s
concurrentes, isto
HOJE.
as 11 horas, no armazem do Annes
la ni lega.
LEILAO
vontade dos
' *. Ferrclra vlllela.
PhotograpHo da casa imperial
premiado em dtwrsasexpoii-
qoes<
Na sua photograpbia na do Cabug n.
iS, entrada pelo pateo da matriz tira retra-
tos por todos jss sysiemas photographicos.
Em porCelatia Em vidro
Em tak'o Em papel
(^RTOES DE VISITA A 9 ADUZIA.
Os retratos cartu-de-mite s5o collados
ein carto de luxo clnistal ou porcelana,
domados 011 lilhograpliados, quadrilonros
ou vinhetas para o que existe urna varieda-
de de 12 modelos a escolha de quem se 'e-
tratar. Para as outras especies de retratos
temos caixinlias, passe-par-touls, quadros
e molduras douradas e pretas cassoltas de
ouro e allitietes simples e com pedras pre-
ciosas, liavendo" nos alOnetes urna mimosa
variedade de feitios.
O iiosso estabeleiimento photogcapbico
est sempre em dia rom os mellioramentos
e progiessos que na America do Norte, na
Europa ou 110 Rio. de Janeiro se consegue
na arte photograpliiea, e paza alcancarmos
tal fim nunca poupamos despezas nem sa-
crificios, de sorte que os nossos numerosos
freguezes podom ter a certeza de que sem-
pre encontraro em nosso estabelecimento
j tudo quanto a arte e a moda oflerecer de
1 bom no novo e vellio mundo aos aman;es
ESTABELECIMENTO EM 1832
Salsaparllia de Brisiol.
LEGITIMA E ORIGINAL
RM FBASCOS r.RAVDKS
largo da al- da photograpliia.
De um carro americano de 4 rodas
arreios para um eavallo, tudo en
feito.
Um eavallo grande proprio para carro e bom de
sel a.
HOJE
SextOrfeira 22 de Janeiro as 10 1 2 horas
em ponto.
O agente Pinto far leilao por cona e ordem de
um eslrangeiro que retira-se para Europa, do
carro e eavallo cima descriptos as 10 1|2 horas
do dia cima dito na praca do Corp o Santo lado
da sombra.
JLEIIiAO
De 3 casas terreas.
O agente Puntual vender em leilao 3 casas ter-
reas sendo a primeira sila ra dos Pires n. 30,
solo proprio, a segunda e terceira sitas a roa do
Moiidt^go ns. 3 e 43, solo forciro, as quaes sao
vendidas por autorisacao de una pessoa que
acba-se presentemente na Europa.
Os Srs. licitantes podei o examinar as ditas ca-
sas e concorrerem ao leilao.
HOJE
Xo primeiro andar do sobrado n.| C2, ra da
Cruz, as 11 horas.
Descja saber noticias a nifii de Manoel Fur-
reira da Silva, que veio de Correntes em compa-
nbia de Manoel Franci>co, morador em Grapi, ha
coberto com I2annos, eba 7 annos que de Grapi veio para
estado' per- ''sta C1('ade em companliia de Augusto Cosario :
1 dirigir-se a ra das Flores 11. 12.
lingir
Aluga-se o Io ailar do sobrado da ra do
Queimado n. 33: a tratar na luja do mesmo.
Aluga-se o Io andar na ra do Ranguel n.
Precisa-se de uin
ra do Imperador ti. DD.
leitor para engeiiho:
Aluga-se
una ama para casa de familia para o servieo inter-
no e externo, menos cozinha : a tratar na roa lar-
ga do Rosario n. 34. botica.
LEILAO
De nma grande casa com solo da ra da
Ventura n. 15, porto do Lasserrc na
Gapunga com casa, sitio murado, cacim-
ba e arvoredos.
Terca-I'eira 26 de janiro.
Luiz Puecb tendo de retirar-se par x Europa far
leilao por intervencao do agente Pinta, de seu pre-
dio, acuna mencionado, o qual se torna recom-
mendavel por ser edificado em chaos proprios c
Serte da eidade,. o leilao ser effectt lado no dia c
ora cima rijpridos no escriptorio lo menciona-
do agente i ra da Cruz 11. 38."
AVISOS DIVERSOS.
INTUITO AnUIEOLOllO E CEOGRAPIIICO
Aluga-se
a luja do sobrado n. 91 sila na roa Imperial, com
bastautes coinm idos para familia : a tratar na ra
da Cadete do Recite n. 62, i* andar.
Na na do Hospicio, sobrado 11. 23, junto Mt
trilhos urlianos. ha una escrava para alugar, que
cozinha, engonuna e lava.
Aluga-se a casa terrea n l'J da ra do Tam-
bi, na Roa-vista: a tratar na!alfandegi com o des-
pachante Joo Bartholomeo' Goncahrea da Silvr.
Alugani-se o 1 e audai'es do sobrado da
roa da Penha 11. 29. proco eouunodo : a fallar na
ra Direita 11, 93. 2o andar.
Precisa-so de una ama quesaiba cozinliar
para casa de homem solteiro : na ra das Laran-
geiras n. 12, relinacao.
Algndo da Rabia da fabrica do l'cdroso,
vende-se mais barato que em outra qualquer par-
te : 11a roa da C/ideia 11. 1, 1 andar.
Aluga-se
' A excellente asa e grande sitio, de Gilhermc
Settc, nos Afogaftos, ra de S. Miguel junto gro-
ja, tem viveiros Icom peixes. grande babea de ra-
pim, nuiilos cdqueiros e grande quantidade de
fiucteiras, cacimbas com bombas e-tanques pira
banbos, etc.: a tratar na ra do Queimado n. 18,
oja.
Aluga-se
A casa terrea com sotao na ruado Fogn. 32,
para qualqucrtestabelecimento 011 moradia: atra-
lar com o solicrlador Manoel Luiz da Veiga.
AVISOS MARTIMOS.
Para o Porto
Segu sem demora a barra portugueza Novo
Silenrin, por ter grande parte da sua carga
prompta ; para o resto e passageirc, aos quaes
olferece excellentcs cominodos, trata-se com Oli-
veira, Filhos 4 C, largo do Corpo-Santo n. 19, ou
com o capito na praca do Commercio.
Conselho de compras navaes
O conselho n > dia 25 do corrente mez promove
a compra, sob 19 condices do estylo e vista de
propestas recebidas ati as H horas da maiibaa.
dos segnintes (bjectos do.maierial da armada: (i
pecas de arriben, 3 aneorotes de 2 quintaes. 12
bandeii-as naci'taes de 4 pannos, 200 aFiueires de
cal preta, 8 pee. u de cabo de lirtlio de i polegada,
8 pecas de eabfl de linbo de 1 1/2 polegada, 200
caetas. "i.iKJO estopares, 10 arrobas de graxa do
Rio Grande. 200 lencos de seda preta, .'10 pecas de
lona larga da Russi.i. 20 resma* de lixa de esmeril
em panno, 6 arrobas de mialliar, 10 libras' de
obreias l'raneezas, 50 folhas de papel para mappas,
2 resmas de pap?l bollanda. 2'pecas de tapete, 20
tira-linhas, 40 ti ados de ferro de 4/8, 60 grosas de
torcidas parapharol, e 2 vidros grandes de pateae
de 5 1/2 palmos de comprimento e 4 1/2 de largo.
Sala das sessiles do eonsellio de compnis navaes
18 de Janeiro d WH9.
O secretario
ilexaare RodririHrs dos Anjos.
Para Lisboa
O brigue portuguez Lata I, capito Vieira, vai
sahir com muita brevidade, por ter a maior parte
da sua carga prompta; para a que ainda Ihe falta
e passageiros, trata-se com Oliveira Filhos & C..
largo do Corpo-Santo n. 19, ou com o referido ca-
pito, na praca do Commercio.
COIMA BRASILERA
DG-
Paquetes a vapor.
Tendo o Instituto Arclieologi ro e Geogra-
phico l'emamliucano fie oelebnr o stimo
anniversario da sua fundaco r o dia 27 do
corrente Janeiro, pela 1 liora da arde, no sa-
13o da Bibliollieca Publica Provincial, no con-
vento de Nossa Senhon do Can no, sao con-
vidados para semelhante cffeito j'in assmbla
geral todos os socios que se iicharem no
Recife,effeolivos, honorarios 11 correspon-
dentes.
Nao conhecendo o Instituto a kde das dif-
ferentes asssociaces litterarias. scientifteas,
artsticas e de Ijeneftcencia que sxistem nes-
ta eidade, tem a honra de coavidar pelo
presente edital a cada urna de aes associa-
Coes assistir solemnidade do dia 27, ou
a fazer-se ahi representar.
E'para conhecimento das corooraces ou
pessoas que tiverem de ornar a sessao com
a sua palavra authorisada, aqui se transcre-
ve a ultima parte do art. 28 do regiment
do Instinto:
Se na sala existem socios ou pessoas
outras que desejam 1er algumas memorias
interessantes, participam-no ao secretario
perpetuo, para este prevenir q presidente,
o qual d a palavra aos autores das memo-
rias ; a leiturn de cada urna das quaes nao
pode estender-se ali de meia libra. Porm
nenhuma memoria ou trabalhb pode ser
apresentado e lido em sessao publica, sem
3ue antes seja submettido a um?! commissao
e exame para isso nomeada,' a qual tem
voto decisivo sobre a conveniehcia ou in-
conveniencia da leitura.
' Secretaria do Instituto, 18 d; Janeiro de
1869.
J. Soaros de Aievedo,
secretario perpetuo.
O solicitador Manuel Luiz da Veiga con ti na
a inorar na ra da Gloria u. 94 ; arceita casas de
partido com mdico enerarlo, e se encarrega de
talugueis de casas msia praca. cuiicerlos, etc. com
urna porcentaftem razoavd.
I'recisa-e arrendar mu sitio grande, alea
distancia de 3 leguas desla eidade : a tratar na /ua
da liuperatrizn. 26, loja.____________________
Precisa-se de uin feitor que seja trabalbador
e de beffi coniportamenlo : a tratar na ra da
Praia ns. M e lo.
Precisa-se de un caixeb'o com pratica de
taberna : na ra da Aurora 11. o0.
Dos portes do norte esperado
at o da 2ti do corrente o vapor
Cruzeiro da ShI, couunandante.
Aliiorado,o qual depois da de-
mora do cos uine seguir jara os
Desde j reeebem-se passageiros e engaja-se a
carga (ue o vapor poder eonduzir. a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen-
das e dinbeiro a fete at as duas horas do dia da
sua sahida.
Nao se receben como encommendas setSo ob-
jectos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo que passar destes limites dever ser embarca-
do eomo carga;
Previne-se aos Sis. passageiros que suas passa-
gens s se reeebem na agencia na da CruK o. 87,
Io andaar. escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
A VIS ) AOS NAVEGANTES.
Era virtude di ordem do Exm^Sr. presidente da
provincia manda o Illm. Sr. capito de mar e guer-
ra c capilao do porto publicar o edital abaixo trans-
cripto, conforme soliciten S. Exc. o Sr. presidente*
da provincia do Para:
Edital.fie or km do Exio. Sr. eonslheiro pre-
sidente da provincia se faz publico qne no dia 24
do novembro ult nao foi enllocada, as proximida-
des do cotovello do baixo de Braganea ao S. S. E.
da ponte da ilha JaTijea, e ao S. E. 4. E da ponte
do Curuc em bu. 026 9", etong.O. de
Grew 47* 51-3'-, em lando de 16 bracas are
Paiti o Porto
Segu com araoior brovidade pessivel a barca
Amelia de primeira marcha, por ter a maior parte
de sua carga enfraila; para 4 ponco que Ie'falta
e passageiros, ana oses offerw eocellentes commo-
des, trata-se conlBaltar, tHivoira k C.,reado Viga-
rio n. 1. v
Rio (rande de Sal
Para o referido pirto saldr infallivelmente at
o dia 27 do correte a barca portugueza Armma.
recebe alguma car^i a frote pare o qne podetra-
tar-secom o seu consignatario David Fixreiro
Baltar, ra do Brum n. 92.
Ama de leite
Pracisa-se de urna ama para acabar de criar
uina crianca de 8 mezes, prefere-se ni fllho : a
tratar na na da Aioorim n. 49, 2 andar. ______
A ct'iwa, fithos e genro do fi-
nado J-os, dos Santos Neves con-
vidam aos seus parentes e amigos
para assistirem sjm'ssas que, pelo
repouso eterno d' aquello sempre
lembrado e chorado esposo, pai e
sogro, mandam celebrar no ck'a 26
do corrente, primeiro anniversario
de seu fallecnento, na igreja Or-
dem Terceira de S. Francisco, s
7 horas da manha ; e desde j
agradecen cordialmente todas
as pessoas que se prestaren ueste
acto religioso.
Na ra estreitaldo Rosario, sobrado de um an-
dar n, 3o, alugand-sc ricos vestuarios bordades a
ouro e laa, novo?; de milito gusto, dminos do sida
edela, todosde gosteebordados de velludo, pura
vender-SO, e fa-se para qualquer pessoa que quei-
ra mandar lazar a gusto e a carcter de qualquer
figurino, tcm ion grande sorliment de dminos e
vestuarios deprincipe, tudo em niuito bom estado]
para alugar a 2 cada domin e vestuario, e para
vender por milito barato proco, tem rosas para
enfeitar qualquer vestuario proprio para o car
naval.
0 GRANDE PURIFICADOS DO SANGUE !
Esta excellente e admiravel medicina, e
preparada d'uma maneira a mais scientili-
ca por ebrneos e Droguistas mui doutos e
d'uma instrueco profunda, tendo tido inul-
tos annos de experiencia ao par d'uma lon-
gae laboriosa pratica.
A sua composico nao consiste d'um sim-
ple extracto d'um s artigo : mas sirn, >:
comjiosta d'extractos d'um numero de rai-
zes, hervas, cascas, e folhas, possuindo to-
das ellas, sua virtude 6peei ou poder
em curar as molestias as quaes teem sede
ou essento, no sangue ou nos humores ;
e estes dilTerentes extractos vegetaes. nhain-
se por tuna tal forma rouihijiados ponto
de conseivarem em Uxla a sua forra, o cu-
ravo especial de virtude, que cada um ib-
per si possue. A raz da planta de Salsa-
parrillia, produzida as Ilomtaras, a qui-
nos usamos ueste preparacio, sonto a qua-
lidade que todos os atedios mais prezam
e estimam. Na composico da Walsa-
parrllka de Uristol entra mais de 50
por cento deste concentrado extracto. Ella
nao eiiccrra em si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ou injuriosa
sade; e tanto n'este, como ein quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramenle
diversa de todas essas mais preparaces,
as quaes debaixo do nome de Salsaparri-
Iha, sao acondicionadas ou postas em gar-
rafas pequeas, sendo recoitada em dosi s
mui diminutas d'uma colher de fch por
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPAKRIltA IIK BRISTOL
em Irascos grandes, e assim por este modo,
dividimos com os consumidores, o grande
proveito e vanlagem alcancado por aquelles
que aiondicionam sua prepararn em gar-
rafas pequeas. Cada um dos Irascos da
DOSSa S;vIk:i|:u i ilha d Brlstl
oonteem a messa quantidade igual porc 1
co.itidanaquellas gnalas pequea,0 alm
disso, iiossue ainda muito mais foi\'a e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventura se possa adiar contida dentro de
seis garrafas de pequen tenuuho. Por-
tanto mui natural, que aquelles. ijue se
acham oceupados em preparar e vender as
suas produccoes, em garrafas pequea.;,
murmuren o griten eontra os uossos fras-
cosgrandes: iiroilaiiiaiuln.ipieanossa Xal-
sapai'rlha de Bristol nao possue*;i
menor virtude; porm quao efiectivamen-
le sao cllcs postas em silencio, quando indi-
camos, ou simplesmente referimo-nos para
com essas centenares de certidries e tes-
temunhos autheuticos, por nos rtcebidos
de tollas as classes da sociedade, nos ipiaes
plenamente attestarn o poder curativo c vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARRILIIA DE BRISTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
dilTerentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compoem as nossas medicinas,
sao produzidas, 6 que nos habilita exer-
cer aquello constante cuidado e disvello na
minuciosa escolha; e o que assegura e ga-
rant: uiiiformidade de cxcellencia.
Em quanto que, por outro lado, nos nao
nos poupamos nem dinheiro, nem dili-
gencias ; alim de alcancarmos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
ou iiigridiente que entra na sua composi-
co ; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva conlianca; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as nacoes, e de todos os paizes, que na
ttalsaparrllha de Bristol. possuem
um remedio mais ellicaz e seguro ; do que
nenhum outro, que vos tenha sido offere-
cido al boje, e o qual por certo nao hade
mallograr vossas exiiectativas, na prampte
cffectiva cura das seguintes enfermidades:
Precisa-se de una ama para cozinliar ;
ma do Livramenlo n. 22, terceird andar.
n.i
Quem precisar de duas amas para ciuinliai' e
engommar, oirija-se a ra da Sen'ala-velba n. '18,
depo;ito.
Fiirlo.
Purtarautda ra larga do Rosara n. 59, primei-
ro andar, por todo mei de doseoftro e Janeiro cor-
renle. nina magnifica cruz de brillantes comprada
ha tres anuos por 5904 > soppSe-se ter sido o fur-
to feito por alguui fmulo da casa, por quanto lia-
vendo diversas outras obras tambeni de brillante
na caixa donde foi ella birlada, somonte a cruz
desaH|areceu, lcando mesino unta volta de iterlas
a que eslava presa : gratilica-se generosamente a
quem a tiver comprado, e restituir na uiesma casa
a Eueebio da Cimba Beltraa___________________
Precisa-se de uin moleqne para o servieo do-
mestHV) : na ra de A|oas-ve.rd( 11. 86, 1 andar.
Um moco competentemente habilitado pro-
poe-se a encinar lingoa nacional, latim e francez
eom perfeicao : quem pretender dirija-ss a ra da
Roda n. 47, l" andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar e cotinhar,
Sreferindo-se escrava : na ra do Livrameoto l
. loja.
Tliomaz Eadslbrtli faz seienle ao publico que
em 18 do corrente deixou de ser caixeiro do Sr.
Augusto C. de Abreu.
Escrfulas,
Uhagas antigs,
Ulceras,
Feridas Ulcerosas,
Tumores
Abscessos Apostemas.
Erupcoes,
Her[es,
Salsagem
Impigcns,
Tinlia,
Syphilis.ou Mal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidadesilo
Sexo
reminino,
Nervosidade,
Debilidade Geral,
Fehra e Malignas e
l'ebre e Sezoes
Biliosas,
O abaixo assignado faz seiente ao respeitavel
publico e com especialidode ao eorpo do commer-
io, que deo sociedade ao seu caixeiro Jos Fran-
cisco Mureira, em sen estabelecimento de fazendas,
desde o 1 de Janeiro do crreme anno. licando o
dito estabelecimento gjrando sol a llnna de Jot-
3uim Silveira de Souza & C. Recite 21 de Janeiro
e 1889.
_____ Joaquim SHverio de Sohzo.
Precisa-se de um eaisero quo tenha pratica
de taberna, que dttador de sua contiucta: roa
das Cruzes u. 2i
- Offerooe-se um huwampara vavro de qual-
quer estabelecimento para fura desta, iraca, dando
fiador a sua conducta; qnem preear anouncie
I para ser procurado.
Urna crioula de 20 anuos, qOe sabe coser, la-
var, engommar e cozinliar. deseja obter a suali-
berdade, mediante afuste para pagar em servicos:
quem poderannuncic. ______
Precisa-se de um trabaihador capot pata
tralar de um pequea* silio, prefere-se casado: a
tratar na roa Nova n. 19, 1 andar.
No largo do Carnio n. 13, precisa-se de um
eaixeiro com pratica de taberna.
Lepra, febi'es intermitientes e remitientes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-lia, que para o bom
resultado e perfecto curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apuntadas o adian-
tamento da cura, grandemente promwi-
do e apressurado; usando s ao mesmo
tempo das nossas mui valiosa pitillas
vegetac* aoouearada de Bristol.
turnadas em doses moderadas em eonnec-*
gao ou conjunctamente com a Salsaparrillu:
ellas fazeiu remover e expellir grandes
quantidades de materias inorbiftcas e bu-
Ames viciados que se despremlem e livre-
mente circulam espalhados pelo systema.
isto causado pelo uso da Salsaparrilha: e
por esta forma facilita a volt, e o exerokio
normal das operaces funecionaes,
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo & C, P. Maurer
& C, M, A. Barbosa, Bartholomeu 6 C.
Jos Soares de Azevedo, pro essor de
lingua e litteratura nacional no Gvmnasio
Provincial do Recite, tem aberto em sua
casa, ra Bella, n. 37,
Um curso de
LIKGUA FnA-MCBZA.
GEOARAOHIA l HISTO-
RIA.
PHILOSOPIUA.
orrooRicA e meticv.
Os estudantes que quizerem frequentn
qualquer d esta aulas, tanto os quflMn
fazer exame em marco prximo, cano os
quetaem de seguir o curso duniote-oanno,
podem (hrigir-se indicada residencia, de-
manha at s (Moras, e de tai-de a qual-
quiT hora.__________-_________-_^
Caixeira
Precisa-se do um eaixeiro tam alguma pratica
Copeiro.
Precia-e do nm copeiro e urna criada que se-
jMn deligentes e de bons cos'.umes ; na ra larga de fazendas para um wtabeleeknente perte desta
do Rosario n. 37. | praca: a tratar na loja n. fl da ra do livraiiente

1
<

V
i

I




ei
Diario de Pevnambuco Sexta feira 22 de Janeiro de 1869

H i
I
VALOR TKERAPEUTIC3
jn>
XAROPE DE


1
QUINA FERRUGINOSO
DE fiRIMULT E COMP.
l*naraaetitieoi da I. aV. I. o principe aTapo eao, m Var.
A asaociacSe do ferros da quina resolvee un dos mais impon inte problemas da pharmacia
e faz eom que se congratulam os mdicos dos relevantes sen eos que lhes presta esta prc^
paraeto. e r
Con effeito, ningoem ignora que a quina, em mateira mediel, o meltior tnico que se
possa eapregar, sendo, sobretudo, unido ac Phosphato de ferro, a mais estimada das pre-
paracoes ferruginosas, pois que cniram na sia composico o fe ro, elemento do sangue, e o
phosphato, principio dos ossos.
Por iso, raigamos que, para os srs medios, serio interessaiiles as observacocs feitas pelos
seus collegas, os mais dislinctos de Pars:
Esas Xarope prodm os mais felfee resultados no casos de dvspepsia, cblorosis,
ameaorrliea, hemorrbagias, leucwrheas, febres typhokias, diabetes," e quando precisa
restabclocer as torcas dos doentea e restitiir ao corpo as forcas alteradas ou perdidas.
ARNAL, medico de S. M. o Imperador.
a urna das raras oombinacoes que, ao meuno lempo, satisf;.zcm o medico e o doente. Em
quanto a mim, eu a considero como a mais efjicaz preparadlo ferruginosa, cojo uso dos
a mais agrada veis para os doentes.
CAZENAVE, metio do hospital Sair, t-Louis, em Pars.
a Com esta preparado d'uma forma agradavel, e fcil de digerir, adminisrra-se aos
doentes dois medcamenos importantes, *
C1IARRIER, chejo de clnica da Fot uidadt de Pars.
t Eu emprega cem o maior xito o Xarope de Quina ferriginoso, e o considero como
a urna das mais felizes innovaces, na mateira medical. *
CHASSA1GAC, cirurgifa em chefedo hospitalLariboisire.
Este medicamento, sempre bem aceito pelos doentes, deo-me constantemente os mais
vantajosos resultados.
HERVEZ DE CHEGOIW. membro da Acaiemia de medicina.
A limpidez d'esta prcparaco, o seu tost agradavel, iscnto de qualquer sabor de
< ferro, fazem d'e'.la um medicamento to efficaz como agradavel.
' MONOD, adido acwdade d medicina.
Depasito em Pernambuco, em casa de tairer e O*.
AVISO. Todos
SOFFRIMENTOS D'ESTOMAGO, CONSTIPAQAO.-
Cur em poucos das pelo cabvo o BELLOC em p ou em pastilhas.
ENXAQUECAS; NEURALGIAS. Essa af ecS5cs sio dis-
slpadas rpidamente pelas PEROL* r/ETHER U I' (UBIS.
ANEMIA, A PALLIDEZ ( os soffrimr-ntos que necessitamdo
empreo dos ferruginasos sia aempre combatidos com o melhor resultado
pelas piluia oe vallet. Cada Pilu a tem incravado o nome V1LLET.

PO DE ROG. Basta disolver un frasco d'eite p em meio
garris d'ajrua para se obter urna limonada agradavel que purga sem 6-
zer clicas.
VINHO DE QUINIUM de Ubsrraque. Este mino, um dos
poucos cuja coropositao garantida constante, urna das memores pre-
parasfcs de quinino, sem accio notavel sobre os convalescentes, dando-
Ihes torcas e apressande volta a saude. Cura as febres antigs que re-
tiblao ao sulfato de quinino.
MOLESTIAS DA BEXIGA. A maior parte Certas moles-
tas, cama as sciaticas, lombagos, catairos, e todas as dores nervosas em
geral sio curadas pelas perolas de ESSENCIA OE THErebentina do
Dr. Clcrtan. 0 profeasor Trousseau em seu Tratado de therapeutica acon-
selha as para seren tomadas na occasiio do jantar, na dae de 4 12.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH.-
Garantido puro e de primeira qualidace, um dos poucos aprovados pela
Academia de medicina.
estes medicamentos foram aprovudts pela Academia
imferial de medicina de Part.
lio-Jnteirt.
rm Parla,
Prroscnrm;
Tissaara.
Hua et O.
DEPOSITO
L. FRERE, I, aaa Jaca
Hnuuw i Pernambuco. BUiasa et O.
Ceara. .
Mi mu et C1'.
.O M.ij ap seo tuo 'osnoiuotwj uw oiisodag
sajuaop 9nos son OBAOjasjd o sooipaui sajoiiuas ro anb .j ...,,.i...,
.1110 S307EJ SC OIlCl oor.x <>|UJ|J mi jiijus 01J.WR UIJU 3J]U3.\ Op OS)adl|U03 U19S 'BV31JS0 a.1113
'ogftaa.p zapidw'IDB3IJJ3 'seduoop SE[od opioajqodina anSues o uoi anb seossd sb sepoi
j a 'eprar(op o *pi||*d oefooiduioa uin.p sjueuo sb 'Baqjjoanoi no cptanjisuain 'biuioub
'asojoiip ajad sepesima 'si.\Bj,>-oini o9Buioisa,p s.uop scisa.p uiaoapad anb SKJOtiuas sb
oipju o oiuoiui.v|OAuasop fiu 'oprjuAp oiiumi'.ijdiuoi ap SBUiuatu sp oimu uiauo[) o.nai
-ni opumu op so.np.i'ii ssiuouiuia siui so
oiupidope o- obzbj biso jod :sosou;injjoj
SOp |BUO!OB.I SIBU1 o tg "obSubs O 9 sosso so
ii.ininsHOj onb soiuoui3|a so ounpj oiuam
-lotpom aisa 'ibjouiiu buSb suin b oSoibub
jo<|i:s uios opinbi] um.p biiuoj ep oxisqoQ
a^aSSaRgp^S^f
^3 ZIVd30 VIW30VOW0 0103dSN
[sviDNaiDs R3 ttuooa svttai ao]
0HH3Ja(I0lLVHdS0Hd



-
_ivi
Preiisa-se de :0(X>4 a joros, pagaudo-se o pre-
mio que sr fonvencioiiar, e dando- "* ; R**> f|ne fiiiter fu-r e rtt fechada jia na-das Gnu,
Birnee i. F. M.
Zi'S
leponio,
}. 13, rom
as
Ptalas assiicaradas de llrislol.
NAO CONTEM NEM CALOMELANOS -NEXI NENHL'U
OCTRQ MINERAL.
A grande nisccssiiladi' e falta do um ca-
tliaiticoou de urna mediiiita purgaiiva, lu
muilo que tcm sida seiiliila. tanto pelo po-
vo, como mesmo por nteio da faculdade
medica; e por issu, ininito o gusto e
prazer que sentimos, em pdennos com
toda a confiancaeseguridade,recominendar
as pihuas vegetaes assuaniukis de BrieUtl,
como urna excedente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e mais
ingredientes e&enciaes, tomando-se em um
Iierfeito, seguro e agradavel -cathailieo de
familia. Este remedio nao composto
dessas drogas ordinariaineiiU; usadas na
composico dessas pululas, que por ah se
vendem, mas sim, so preparadas com as
mais linas e superiores qualidades de raizes
medicinaos, nenas e pUntas, dupois de se
haver chimicamente exahido e separado,
os principios, activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro varor medicinal,
daquellas porcoes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre -esses agentes activos ou ingre-
dientes especilicos, podemos nomear a po-
dopftgtiin, a qual segundo a experiencia
tem demonstrado, posstfe um poder o mais
naravilhoso possiwl sobre as rogioes do
/gado, assim como sobre todas as secre-
poes biliosas. Isto de conjbinacSo com o
leptamlrh), e mais alguns extrado vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formam urna pitilla purgativa, tor-
nando-se por isso muitissiino superior,
qualquer urna ostra medieuia da mesma
natureza, que jamis fura apresenlado ao
publico. As piktlas vegetaes asstuaradas
de Dri.sid, adiar-se-hao sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente efli-
cuu para a cura de molestias, taes como
sejam as seguinles.
Apeoiao.
Acaba de gahir do prelo relacao das unidades^
uas uiedidas brasileras emolricas, por Jos Anto-
) Gomos Jnior, obra ao alcance de todas as in-
ellifencms. e cjtie se torna indispeBsavel para o
two ios medidas do s\ stema mtrico, e vende-so
em casa .lo autor, na do Destino n. 3, e na tvpo-
rapliia LBiversal, ra do Imperador, a 240 rs.
o exeinplar.
Precisa-se de um monino para caixeiro de
Mbema, que lenha pratlca d'clla : a tratar na ra
Dvspepsia, ou indi-
gestao,
Adstiingencia, ou..
prisao do venlie
habitual,
Azia do estomago e
flatalencia,
Perda do apetite,
Estomago sujo,
Hydropesia dos mem-
bros ou do coqjo,
AJfecG5es do igado,
Iclericia,
Ilemorrodias,
.Man balito, e iiTegu-
lrtdads 8o s.to
femenino,
Dore? de cabera.
Em Indas as molestias pie derivam a
sua origem da massa do sangue: a salsa-
parrilha de Bmtoi esse mellioi' de todos
os purjlkadores deve ser tomado rournn-
tamenfe com as [talas, pm que estas
duas medicinas, leudo sido expresserneirte
preparadas para obiarem de harmopia una
ccou a outra, quaiidoJieltiiejile as.-Jiu se faz,
nao nos resta a menor duviUa em dizer,
que no maior uiiiero dos casos, podemos
Hangar .uo s um grande alivio, como
tambem urna c*ira prompta e radical, isto
est bem visto, quando Oadyeute nao se
ache n'um estado muito alm dos recursui
humanos.

- D. Emilia von Slisten. viuva de Pe-
dio G. von Stipsten, faz publico que a casa
comraercial de que fez parte o seu tinado
marido, continuar c*mo at aqui sob a fir-
nrade von Sohsten \ ('.. temi pdssrido a
fazer parte da mesma o Sr. Geraldo Abro
Pedro Brender a Brandis.
Rectfe, $) dejan.'iro de *888.
nea, residente na corte, com quem a ag
entender-se e validamente contratar.
O liel dcsempciiho dos scus de veres para com
lodos, e especialmente para com aquolle*. que nel-
la copareni, constiiuo o fundo caoital, eom que
a agencia prhicipalineiile emita, e iier
oais vivo inteivsse em maule-lo, o h;
com a mais vigilante solicitado.
PARA A BOA C0N8ERVAC0
.le
VOSSU (IVBELLO
UHi do
.'iicia possa
isso tem o
de zela-lo
MARTIMOS
CO\TllA FO-O
A Companhia Indtimiisadora, estabelecind
nesta praga, toma seguros mariiimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: aa
ra do Yigario n. 4, paviuiento terreo.
Dcseja-se fallar com oSr. Franeisoo Xavier
da Silva Goimaraes : na ra da Cruz n. 27, pri-
nieii" andar.
Pars, 36,RuaVivienne, D"
CHABLEMDEriN
BASENFERMIUAUAS DESSKXAES, AS AFFKO
COKS CUTNEAS. F. AI.TERAgOESDO SANGUE.
TiOOOOcurasdasMn/>ingrn
Imslulas. herpes, sarna
komixoes.acrtmonia.e aU
| ere oes, viciosas do san-
__que; virus, e alleracoe
do S'/iune. (Xarope vegetal sem mercurio). Repa-
rativa vrH.f, BAjmaM MIMBUa
tomso-se dous por semana, seguindo o traciamenia
Df'iiralivo : em- regado as raesmas molestias.
Este Xarope Citraeto da
ferr de CHABLE. cura
immediatamente qnalquer
purgacao, relaxacao,
oeoiltaWe, e igual-
mente osluxot flores brancas das muthere.
Esta injeeoio benigna amprega-se aom o Xarape a
Citraeto de Ferro.
Hrmgrruld Pomiid* que as cara em tras diaa.
POMADA ANTtHERPETlCA
Contra: as affeccoes cutneas cornizos-
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
ao 0' CbaMe, toa frasco ai aaeoatpabado iM
us folheto.
DEPURATI
da SA1V<
PLUS DE
COPAHU
Elle um preventivo seguro e cer o contra
a calice,
Elle d e restaura Jorca s.-midade a pelle
da caber-i
Elle de prompto tacessfaqueda prema-
tura dos cabellos.
Elle da grande riipieza de lustro aos ca-
befies,
Elle doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e posico que se eeje
ii um estado tormoso, liso e macio,
Elle fazerescer os cabellos bastos e coin-
pridos.
Elle conserva a pelle e o casco da cabera
limpo e vre de toda a especie de caspa,
EJIIp previne os cabellos de s tornarein
brancos,
Elle conserva a cabera n'um estado de fies-
cura refrigerante e agradavel,
Elle nao demasiadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadico,
Elle nao deixa o menor eheiro desagra-
davel, s
Elle o melhor artigo para os cabellos das
ctiaacas,
Elle o melhor e o mais aprasiyel artigo
par a boa conservarlo e arranjo ilos ca-
bellos das senhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pen-
teado dos cabellos e barbas dos senho-
res,
Nenhum toncador de senbora se pode con-
siderar como completo sem o
Tonteo OrteuiaJ
o qual preserva, liaipa, fortifica e aformosea
O CABELLO.
Acha-se a venda nos ostaliclecinicntos de
A. Caors, L da C. Bravo C. P. Maur.i
& C, M. Barbosa, Bartholomeu u,e ca
todas as principaes lojas de perfumarte
I e boticas,
Ra do Rosario n. 79,
sobrado \
Agencia de negocios da curte pa-
ra as provincias e dcstos para
a corte.
Sob a lireeeao do advojrado Francisco Carlos
Brandan, acha-se eslaJieleeida na rida'de do lo de
JaneiiTj, ra do Rosario n. 79, sobrado una agen-
cia de negocios da corte para as provincias, e des-
tas para a curte, a ijual, pelo pessoal nabif&ado, e
mean de que fispifo, enearretra-se de todos e qtJOes-
ijuer negocios judiciaes em tJ e f instancia, como
iieenes civeis. eriiues e cnimneiciaes, recursos, ap-
pejMtdes. aggavos, revirtas, de/ezat. peame o
jury, reclainacoes de autiguidades d magistra-
dos, etc., etc.
Iticundie-se ontro sim de liquidaciies commer-
ciaes, do verificares, e ajustes de cntas, de 60-
brajifas de dividas, de aritcadaeoes de lieraneas,
de matricula de jauta, e commereiantes, e em ge-
ral de todo e quakmer tralmlho forense, ou que le-
nha de ser (cito |Kranle as renarliroes administra-
tivas da enre.
MediauteascondioiPseiarajitiasque com as par-
les estipular, adanla ilinlii'iios sobre a* arreed i-
coes e direitos que llie parecerem seguros, e 1-
qiliiliis.
I'resia-se a ferneeer aos seus committentes as
inforniaces ijtie exigirem, o que pudor obter, so-
lii' assuniptos e iotemaes que Ibes digam res-
pi-ilo.
Seus bonorarios e conimissoes soraii razoaveis c
moderados, regulando-se pela inipuriaucia o dilli-
culdades que offerecercui os negocios conimet-
tidos.
As pessoas que dos seus servidos se quizereni
otilisar, poderao dirigir-se pnsso'almeiMe, ou por
caria ao escriptorio aeima indicado, devendo na
segunda hypQtheso remetter os documenins tpie
tiverein ou copia liel delles. e una informacao cir-
cumstanciada, escripta, e assignada sobre o nego-
cio ou negocios qqe tiverern de ser tratados. Alm
desta i'&nessa os seulnires |iio morarem fon do
municipio neutro, e em qualquer da^ provincias
deverao roinpetentemente autorisar essua ido-
ilil MJMU UllilUl/llV VI Vil
Para descaropar algodo
Ex|M>sifo trifersal de 1867. Premio imico.
Estas novas machinas obram sem machucar a sement, sem deixar flear a menor
parcella do tecido, e conservara s fibras todo o sou coitprineiito e toda a sua elas-
ticidade, lim que tanto desejavam os fabricantes.
O aqueutamonto do algodao destruido por urna correnteza de ar fri, produzida
pelo ventilador.
Estas machinas apresentam a vantagem de poderem ser reguladas pelos traba-
lliadores os mais iuexperientes. O seu pequeo volume e o seu pouco peso permittem
transporta-las com cavallos, pelos mais pessiinos camiidios, e o seu manejo tao f-
cil que um homems pode, sem se cancar, descarnar de 48 a 20arrobas,e om meui-
no de 8 a lOari-obas pordia.
Muitos agricultores e negociantes viran funecionar estas machinas em casa do Sr.
Germano relojoeiro, seu expositor, e apreciaran muito o systema pela facilidade e aper-
feifoadodotraliaJho, porque os lios nao .o corlados, e deixamos carocos limpos sem ne-
nliunja feliw, deixando pijrtanto um beneficio de 20 a 25 por cento sobre as outras ma-
chinas. A vista destas vantagens, j se ve que estas machinas sao preferiveis aquellas
de seriar, tanto mais que as queixas dos fabricantes e dos negociantes de Liverpool.
Havre, llanwrgo etc., lizeram com (pie o ministro da agricutiara do Brasil prohibisse
o uso das machinas de serrar, que muito deprecl % algodo brasileiro nos mercados
da Europa.
INJECCAO VEGETAL
com MATICO
oeGRIMAULT e C* pharmaceuticos em PARS
0 snecets d esta njeccao, preparada com a folbas do Mtico do Per, foi to rpida, que
ella se tem tornada popular em todo os paizes do* mondo, para a cor da gonorrha e das purw-
coes de toda aatareza. K' o nico producto ueste genero cuja entrada na Russia tenhi ido
autnorizada pelo conselho medico de Sao Petersburgo.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maarat a O*.
DOENGAS DO PEITO
XAROPE 'HYPQPHQSPHITO
atl
A effleacia d'esta preparacSo est establecida desde 1S57, pelos mais celebres medico. Desde
ento muitas imitacoes tem sido feitas, mas nenhumapoude sustentar a comparacio com o
producto apresenlado pela nossa caza. Por isso excitamos o publico para que exiga sempre
este xarope com .urna beUa cor de rosa, nunca branca, e com a no&a assignaiura roda do
frasco.
Sob a sua influencia, a losse acalma-se, os suore nocturnos cessio e o doente volve rpida-
mente sade. 0 seu empreco d tambem os mais brilhantcs resuludos nos deflmos, catar-
rhos, bronchites, irritacSes do peito, etc.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maorer e O*.
Sob urna lnna lmpida e agradavel, este medica-
menio rene a guia, qne o tnico por excellencia,
c o erro, um dos principaes elementos do sangue. E'
adoptado pelos mdicos maisdistinctos de Pars, para
curar as cores paludas, facilitar o desenvolvimento
das meninas c restituir ao corpo os seus principios
alterados ou perdidos. Faz rpidamente desapparecer
as dores d'cstomago intoleravcis suscitadas pela ane-
mia ou pela leucorrlia, s quacs tantas vezes sujeitas, rcgularisae faeilitaa menstruacao,
e receitado com successo s criancas pallldas, lym-
pliaticas ou escrofulosas. Emtim, excila o appele,
favorece a digeslo, c convem a todas as pessoas cojo
sangue est empobrecido pelo trabalho, pelas moles-
tias, as convalcscencas longas ou difficeis. Os bons
resultados nunca se fazem esperar.
Deposito cm Pernambuco, em casa de Maorer a O*.
,1!
IUA
tuo

CABUG
esquina
| da raa larga do
BtaMll.

ANNEL DE OJRO
WJO&J9L ME lOIAS
Este importante tabelecimento no seu genero, tem sempre nm sortimento sem igual,
e vende per presos qne nenhuma outra casa pode vender. m
*iita da quallfede e do prep das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.
Oaraate-se sor tudo Aa leL Compra-se ouro, prata e pedraj; finas por presos muito ele-
vado. Q
A leja fist berta at s 9 iioas da noute.
esquina
da ra largado
Rosario.
-I--T:
.,;... _;<*


D
ferio de Pernambueo Sexta feira 22 de Janeiro de 1869.
0 Sr. sargento brigada do corpo de
policia queira vir a esta Typographia a en-
godo.
.Trocam-se
as notas do banco do Brasil
com descont nmito razoavel
pendencia n. 22.
c das caixas filiaos,
na praca da lude-
BA1UTIS8IM0
Cateado nacional, na fabrica de los Vicente
Godinho & C, ra do Jardim n. 19, avisam aos
seus freguezes desta capital e do interior, que con-
tiauam a fabricar calcado em alta escala, c olio-
recentas melhores condieoes, tanto empreco como
era qualidade. Os proi)ietarios dcste estabelcci-
roento chamam a altencao dos senhores consumi-
dores do interior, que os quizerem honrar rom
sua freguezia, especificando em seus pedidos a
qualidade e numeracau, offerecendo-se para os en-
tregar bem acondicionados em casa de seus cor-
respondentes nesta praca._______________
Antonio Jos Rodrigues de Souza, precisa
alugar un criado para o servieo de casa, de mais
de lo' annos : a tratar com o mesmo na ra do
Crespo n. 15, ou em seu sitio no Monteiro._____
Frederico May#
irurgio dentista pela escola
de medlclua
lo Kio de Janeiro.
Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o
seu gabinete de consultas e operacoes dentarias a
ra Direita n. 12, priineiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da mantSa as
3 da tarde. Elle aclia-se competentemente habili-
tado para com perl'eico collocar denles arliliciaes
por qualquerdos s>stemas, e bem assim desempe-
nhar qualquer outro trabadlo concernente sua
proDssao. O mesmo, reconhecendo que nem sem-
pre possivel s senhoras ou enancas saliirem a
procu..ir o remedio, olTerece-sc a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tar a qualquer, chamado sem que issoinflua cousa
algnma nacommodidadedosprecos de seus traba-
Ihos, e quando pan fura dola assim mesmo ser
precedido de un ajuste rasoavel, garantindo elle a
seguranra c porfeirao de seus ditos trabalhos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente excel-
lenteps denlifricio, elixir e outros medicamen-
tos odonlalgicos : ra Direita n. l, priineiro
andar.
Antonio de Andraolv de Luna avisa ao pu-
blico e especialineiile ao respeitavel corpo do
commercio, que ailmitlio para socio do sua casa
eommercial em (ioianna a ra do Meio n. 27, a seu
sobrinho Luiz Antonio de Andrade Luna, tendo
principio no dia Io de Janeiro de 18(19, na razo so-
cial de Ivo Antonio de Andrade Luna & Sobrinho.
Joaquim Jos Gon
calves Beltro
IDA DO TRAPICHE N. 17, i. ANDAR.
Arrendarse a propriedade denominada
BarradeSenulik'in'no littoral da freguezia
do mesmo noine, com muitos foros rece-
ber e muitos t oqueiros a desfructar, tendo-
alm disto, a excellette e rara posigao de
beira-mar, e l>eira-rio, inteiramente apro-
priada para manter-se ah qualquer.es
tabelecimento eommercial de seceos, e mo-
Ihados ; a tratar ra do Imperador n. 20,
ou ra da F.oreiitina n. 28.
Ama de leile.
Precisa-se de urna ama de leite preferindo-sc es-
crava, para acatar de criar nina menina de 8 me-
na de idade: ni ra daConceicao, na Boa-Vista,
n.
li.
Attencio
Antonio Carlos Pereirade Burgos Ponce de Len,
como solicitador do foro desta cidade o dos termos^
do fra, se eneaiTcga de todas as questOes que fo-
rem suscitadas perante os tribunacs ci\eis, cri-
mes, commerciiies e ecclesiaslicas, prometiendo
continuar a exercer o seu emprego, com a mesnia
lealdade, activida.de e dedicarlo. O annunciante,
pode ainda receter certo numero de casas com-
mcrciacs, por contrato animal e bem razoavel. De-
ve declarar, que costuina dar as cuntas de despe-
zas judiciaes, todas^ datadas, especificadas c com
escrupulosa exactido, como affirmam os que tem
sido seus constituintes. Quem pois quizer o hon-
rar, com sua conianca, dignar-se-ha procura-lo
ra das Trincheiras'no primeiro andar do sobrado
n. 48, junto ao cartorio do Sr. cscrivao Motta, para
onde acaba de mudar-sc.
Precisa-se>letun menino de 12 a li anuos de
idade, que tenha pralica de venda: na na do Ran-
gel n. 73, onde dar fiador sua conducta.
CASA DA F0R1
Aos 4:000$
Billietes garantidos.
da 1' parte da lotera em benelicio da groja de
Nossa Senhora do Terco do Recife (93.") que se
extrahir terca-foira 26 do corrente mez.
Precos.
Bilhste.....44000
Meio. .... 2000
Quarto.....1000
Emporran de 1005 para cima.
Hilhele......15500
Meio......1*760
Quarto..... 873
Manoel Martlns Fiuza.
BARTHOLOMEU fr C.
co do Miulio, em Braga, e sobre os
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Giiimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
reos de Val de Vez.
Vianna do Casteito.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova re f amalieiio.
Lamago.
Lagos.
Covttfaaa.
Vassl (Valpassos).
MirandeBa.
PARA USO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES
Xarope de juruboba garrafa. i 000
Vinlio de jurubeba garrafa. ?>GOO
Piluls de jurubeba vidfo. iW)0
Tintura de jurubeba vidro. G40
Extracto bydraeoolieo de jurubeba. 12^360
preparados compostos.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 26000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. I 1600
Pilulas de jurulieba ferruginosa vidro. 20000
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurul)eba pote 640
Emplastro de jurubeba libra. 20500
PARA USO EXTERNO
A JlKlltlIM.
"* Esta phmta boje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excel-
lente desobstruenle, e como tal applicada nos engorgitamentos do figado e baco, as
hepatites propriarnente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflammaces
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos ti mores es-
pecialmente do tero e abdomen, nns tumores glandulosos, na anazarcha, as hodrope-
zias, erysipellas ; i) associada as preparaeoes ferruginosas, ainda de grande vantagein
as anemias, choroses, faltas de menstruac5o, leucorrheias, desarranjos alonicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos alirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Fereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a excellencia d'este
poderoso medicamento sobre os demais at boje conhecidos para todos o* casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicacao.
Apresentando aos mdicos e ao publico emgeral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
a ra ao Lres]K> n. 2J e casas do costume. repugnancia que it boje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, e
..Ihetes garantidos ma. da. ^ rei)Ugnantes a tragarero-sc, e que tinham ainda a desvantagen, de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improfieuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de bavermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
piedades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas, finetas ou bagas, e a
dose conveniente a apnlicaeiio, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perelco possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados poflem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a promptla e infalli-
vel cura de qualquer dos sofirimentos. que deixamos innumerados, se forem tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de cscolber as i ossas va-
riadas preparad-oes, aquella que melbor lhe podeconvir, j pela fcil appliea<;c, e j pea
complicaeo das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparaeoes ferruginosas sao feitas de forma que se torna^i comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, poique procuramos os compostos de
como taes esto boje reconliecidos.
Para aquellos que mais minuciosamente queiram conhecer as propri
jurubeba, e saberem a applicacao de nossos preparados, destribuimos gra
Gymnasio provincial.
O Dr. regedor do rymnasio manda fazer publico
para eonhecimena dos senhorespais de familias o
sofruinte :
1' Que no gymnasio provincial de Pernamburo
*e ensina: prime ras letras; lingoa nacional, lalim,
Sacea por todos os paquetes sobre o Han- [rancez. inglez, a lemao, grego, aritlimetica, alge-
doMiuho. eniRraLa. esobre os sesuin-i^^e:,!,!:!"'i:i.?.u'W.
igoiionietria, geographia e his-
toria, philosophia, rhetorica c potica, sciencias
naturaes, msica e desenho, para cujo ensino ha 17
professores cathelraticos, 1 substituto e 3repeti-
dores,
2" Que o cslabeleclmenlo admiti alumnos de
(res classes; pensionistas, que moram elTectiva-
niontc na casa; meio pensionistas, que entram as
8 horas da manliaa c retirain-se as G horas da
tarde ; c externos que s vo ao estabelecimento
s horas das aula.'..
3o Que os gem'QHisku pagam 30 por mez em
trimestres aauBt>4os, e com este prgaui"nto po-
dem frecuentar todas as aulas (i'xcepto a de mu-
sica), e leem casa espacosa e arejada, comida boa
ealmndaiite, roupa Javada e engonmiada, papel,
pennas e tinta, medico e botica.
i" Que os meto-pensionistas pagam 35O0O por
mez, tainbcm em rimestres adiantados, e com este
pagamento podem frequeutiir todas as aulas (ex-
cepto a de msica), jantam no estabelecimento e
teei papel, peniu.se tinta.
em nosso deposito um folbeto, onde tratamos mais extensamente d'esta plai ta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral Botica e drogara
31Rualarga do Rosario34.
Do xarope Vegetal Americano, especlalidadc de llarlholomeu t C.
3iRA LARGADO ROSARIO3i
N5o costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que sua applicacao e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceita-
los, Ihesdeem crdito evoga; porque sao sempre os attestados considerados gratuitos,
e delles que lauca man o charlatanismo; mas, nao querendo olTender as pessoas que
espontneamente nos olereceram os que abaixo vo transcriptos, os fazemos publicar,
manifestando-Hies nossa gratido pela attenelO, esperando que venbam elles corroborar
o conceito, e aeee'itaco que tem merecido nosso xarope.
Dartholomeii < C.
ATTESTADOS
Illms. Srs. Bartholomeu & C. com a mais subida satisfaco que declaro
ser o xarope Americano de urna clhcacia extraordinaria, pois que sollrendo ha dias de
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamentos
que tomava, a elle recorr e na terceira colber fui alliviado, e de todo me acbo boje res-
tablecido com o uso somonte de quasimeio frasco: grato, pois,r esse resultado mani-
fest a Vv. Ss. meu roconbecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador c obligado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu & CPenlwadissimo com o favor que me fizeram
de aconsclhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, quando me acba-
va bastante doente de urna constipaeo, que me tornou completamente ronco e que
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus deveres de cantor da
empreza Ivriea, voa agradecer-lhes meu completo rostabelecimento, que obtive com ura
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tratamentos. Desejarei
que outros como eu recoiram ao seu xarope para so verem alliviados de to terrivel
incommodo, tao fatal neste paiz. Com maior eonsideraeo contino a ser de Vv. Ss.
atiento, venerador e obrigado.Luiz Oemona.
Recife, .3 de setombro de 1808.
Illms. Srs. Bartholomeu C0 xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. teem
exposto venda de toda ellieacia para o curativo d'asthma, conforme observei appli-
cando-o a meu filho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'csse flagello, que at
ento por espaeo excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de grande
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expresso altamente sincera de meu reco-
nhecimento ao meritorio servieo que lhe prestaram com o indicado xarope, acreditan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attentoc obligado Americo Netto de Mendonea.
Recife, de oulubro de 1808.
dades da
uitamente
N. 55RA DO IMPERADORN. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao boje assz conhecidos para soja necessat io
insistir sobre sua superioridade, vantagons e garantas que ofTeroeom aos compradores,
erro que quahdades estas ineonteslaveis, que elles tem definitivamente conquistado sobre todos
os que tem appareeido nesta praca; possuindo um tecladocmacliinismo que obedecem
todas as volitados e caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por serem fabricados
do proposito o tei-se feito ltimamente melhoramentos importantissimos para o clima
deste paiz f quanto s vozes sao melodiosas e flautadas e por isso muito agradaveis aos
ouvidos dos apreciadores.
Fazem-so eonfonne as encommendas, tanto nesta fabrica como nato Sr. Blon-
del, do Pars, socio correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposices.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sorti-
mento de msicas dos melhores autores da Europa, assim conio harmnicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commodos e razoaveis.
COLLEGIO DE SANTO AMARO
Recife, ra do Commercio n. 5.
liir
-'itflv
PnOGrlAMMA
da ie* f'oeo da Pauella.
Tendo de solomnisar-se condignamente a
fiesta da excelsa Senhora da Sade, faz-se
publico que, mediante previa licenea da au-
toridailc competente, deixarao |de ter lugar
na matriz da referida freguezia, e se forjo
na capolla da povoaeao do Monteiro, asoloi-
ees populares a que so ha de proceder neste
mez de Janeiro.
Sabbado 23 do corrente, pelas 7 horas da
Roe, liaver o levantamiento da bandeira,
sahindo da residencia da Exm. juiza, Casa
Forte, conduzida por meninas o acompanha-
da por grande numero de mocas, todas
uniformemente vestidas do branc, soltan-
-do-se nossa oecasiSo varias gyrandolas do
logeles e subindo ao ar um magnifico ba-
13o ao desparar um morteiro. 0 acompanha-
mtnto ir al perlo da oslaco do (iildereiro.
seguindo para o Poco entrar na ra da
Mangueira, Quiabo e ra do Rio, e chogan-
do ao atrio da matriz, passar sob um vistoso
bem Iluminado arco no ciino do qual se
abrir nina linda assueena de fogo, apparo-
oendo brilhanle do luz a augusta oligie da
excelsa Padroeira: para maior brilhantis-
ino deste aelo. pede-se aos moradores das
nas por onde tem de passar a bandeira,
que se sirvatn Iluminar as frentes de suas
casas.
No dia seguate eomecar a novena, ha-
veudo todas as nortes msica militar de pan-
'-udaria, e outra de oreheslra regida polo
distiueto aneetro Colas, sendo os versos
cantados pela nicsma Exm. Sr.a que a isso
se prestou no anuo pascado, e com a maior
graciosidade se presta ainda esta vez a fazer
> mesmo obsequio em honra da milagrosa
Senhora da Sade.
No dia a de feyereiro ter lugar a festa
com toda a pompa e cxplcndor devidos
magestade divina, orando ao Evangelho o
lllm. Rvm. Sr. padre Dr. Luiz Ferreira
Nobre Pelinca, e noite ao Te-Detm o lllm.
Rvm. Sr. padre Augusto Maria Ferreira
flotelho.
Findo o Tc-eum queimar-se-ha um ri-
niissimo o variado fogo de vista, feito por
um hbil artista pyroteehnico, e composto
de diversas figuras allegoricas, tornando-se
uotavol o ataque de um encouracado a for-
inidavellintalezade Angostura, cabendoafi-
na! a victoria ao estrellado pendo auri-ver-
de, que tremular galhardamente na forta-
leza paraguaya, apparecendo nessa oecasiSo
eircumilada de myriadas de luzes a sagrada
tfligie da Padroeira.
Os encarregados da festa tem envidado
todos os esforcos para que tamanha solemni-
dade se la-;a com o possivel brilhantisrao, e
esperam a efficazcoadjuvacrio o concun-encia
de todos os devotos da mesma Senhora, que
>alwr remunerar com larga mo a piedade
* dedicaeo de qne dei-cm pro vas.
Deposito de molhados
Joo Bolsillo Jnior, nao podando continuar con
vmi u-'^rocio iw ejicommodo de sade, vend-> o seu
Rosita de niolliados sito ra da Imperatriz n.
iH, bem afreguezado, e para pagamento de jeus
tratar no mesmo.
5o Qno ns txtenios pa^am o por mez, do mos-
Ksie estalieleclmcuto de educaeo. acha-se a disposldo dos
lIItus. >ira. pas de familias e a queiii mais possa eonvlr. O Direc-
tor faz seicute, qae desde j acha-se aberta a matricula da aula de
.no modo, ecom este" podem ticquentar todas <",Mcc prilmaria, a qnal ser aberta em o dia 11 do audaute :
aulas flcenlo a do msica). hem como as secundarias, cojos cursos tUerara priucipio |elas fc-
6* Que os alumnos que quizerem froimentar a ras e devein ser encerradas em mareo. As demais funcclonaro
xi^,cap*iW*^ nan,cs,na canformMlade, do dia 3 de feverelro em diante, eom a rc-tllarldade do costume.
7- Que oi alnmm. ^^ f^ ii^4o. k^*h- erlft, 4 fie jauciro dfi_J NO.
dp.nara exanie, as diver--i= onlaa^eonvanoadca-
roanrwuugitnBiim querendo fazer ueste
os seus exames, te rilo preferencia para serem clia-
mados lo?o depois dos alumnos habilitados do
mesmo collegio.
Mudanva de e.scripfon'o
Joaquim (erardo de Bastos, transferio
Igar
seu e
cnutorio para a ra do Vigario n. lt. primeiro
andar.
IUA LARGA DO ROSARIO N. 37
Luiz Bmygdiii Hodrigues Vianna. advoga na
ra do Queimado i. 2i, primeiro andar, onde po-
de ser procurado para os musieres de sua prolis-
sfio das 10 Moras da manliaa as i da tarde nos dias
alis.
= Precisa-se dt um caixeiro que tenha platica
de taberna e de fiador a sua conducta : na ra
das Cruzes n. 24.
Hetliodo Castilho.
Secundino Jos de Faria Simos, professor par-
icular de instruccio elemeEt ir pelo .netbodo Cas-
illio, avisa ao respeitavel publico e com especiali-
dade aos pais de familia, que esl aberta a sua
aula desdi' o dia 7 de Janeiro, na ra da Penha n.
SS, 1 andar, aondt recebo pensionistas por preco
commodo. O mesmo professor promette muito se
esmerar no adiau amento de seus alumnos. O
LOJA
DE
REL0J0EIR0
DE
VCTOR GRANDIN
i 0 Ra da Cadeia do Recife N. 40.
0 proprictario deste estabeleci-
mento, premiado com a medallia
daexposifao universal de Paris no
anno de 1855, tem aposto Ven-
da em sua loia, um grande sorti-
inento de relogiospara algibeira,
como sejam : de ouro e prata, sen-
do dos melhores fabricantes, de patentes inglezes.
suissos e horisontaes. Tambem tem una grande
quantidade de relogios para parede e que baten ho-
raa, ditos para embarcacoes e para cima demefa.
todos estes relogios sao dos mais bonitos modelos.
O mesmo concerta relogios de todas as qualidades
existentes, assim como tambem concerta chrono-
metros de algibeira e martimos : recebe sempre
por todos os vapores, um completo sortimento de
con entes c trancelins, sendo tudo de ouro de lei
PILULAS, MN
E
XAROPE DE JURUBEBA
PREPARADOS PELO PHARMACF.l' "ICO
loaquim d'Almelda Pi ato.
As preparaeoes de jurubebji sao
huje vantajozamente conhecidas e
preconisadas pelos mais habei; i me-
do
asos
esia,
CIIAR1TERIA E l'ETIT RESTALRAM
Anuexos ao Hotel Central, ra estreita do
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a coidiecer a variedade infinita
de charutos de Havana, Babia, Rio, etc. que
existen ueste novo estabelecimento- pres-
cidHDoe dos annuncios iiomposos que fe-
ralmente se fazem, reduzindo-nos apenas
tres letras que sao tres bbb bom, bonito e
barato. A' vista do genero annunciado p-
dicos, tanto da Europa come
paiz, pela sua ellieacia nos
de anemia, chlorose, hydrorj
obstrueco de abdomen, e tan bem
as de menstruacao diflicil, cathar-
ro na bexiga, etc.
Vendem-se em por^o e a reta-
mo, na cidade do Recife, pharma-
cia de seu compositor, ra
mesmo professor abri desde o mesmo dia un ede modelos os mais modernos, assim comodiver-
curso de primeiras letras a noite para aquellas pes- sos objectos de bijouteria dos mais bonitos e moder-
nas i|iie nao podciem Ireqnentar durante o dia. 106 IDflMM.
do Rosario n.
tel de polica.
arga
10, junto aoquar-
mapessoa de longa pratica no commercio
olferece-s.- paiaescrijiturar livros por partidas do-
Antonio Jos Hodiigues de Souza. na ra do
Crespo n. 15, ou em seu sitio do Monteiro. gratifi-
ca a quem capturar o seu escravo Joaipiim. loadas, pedeodo ser "procurado saudo Crespo
pardo, de idade M aonos, natural do Pao d'Alho, i u 18, primeiro andar.
!>ara onde se, suppoe ter fgido por ter sido visto
lesee dia a conversar com nessda daquelle lugar,
st.itura, secco do 'or|io e um pouco alto, bigode
) cabello meio carapinhado e peuteado, e toni um
nroco na munheci da mao direita, do qual sotre
llores rheumaticas. tendo a falla a sertanejo, muito
desean cada.
= Precisa-se de urna ama para cozinhar e fa-
ier o mais servieo de urna casa : na ra estreita
do Rosario n. 3, 2- andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para oosinhar e engom-
niar para urna casa de pouca familia: na ra de
(lorias n. 104, loja.
i.'usino de arithmetica. algebra e
geometra.
O bacharel emdreilo Casemiro Borges (lodinho
de Assis, ensina estw materias no primeiro andar
da casan. 17, sito r a ra Nova, das 7 i/ as 8'3
horas da manhaa a<*s senliores estudantes que d-
Hten fazer exame no collegio das arles, e das 7
1/4 as 9 da noite aos senhores empregados no com-
mercio.
Joaquim f.oncalves Ferreira, tendo de ret-
! rar-se para os suburbios desta cidade a" tratar de
su i saude. v80 imposibilitado de continuar com !
o seu eslabeioefanento de relinacao sito na ra das
Cum Ponas n. 01, vende a mesma. na falta ar- j
rcoda-se, conteodo a mesnia todos os requjsiios
necessanos, emo bem eatxdes para deposito de
quatro mil arrobas, fogao a moderna de carsito,
deposito d'agua O tanque pan batilin. eniumodoslS
para caxeiro, separado dos trabalbadores. deposito]
de canao e grande qiii.iul eora sabida para o For-
te, casa muito fresca, muito boa localidade para'a
venda de rettlbo, -e com especialidade para com- <
prar assucar. qneni a pretender para compra ou
arrendameuto, olTerecendo a casa ser propria, po-
dendo-se assim garantir qualquer negocio de maior
estabilidade, procure na ra da Aurora casa ter-
rea n. 7i.
/
Real
VVISO
Precisa-se de urna ama de leite para acabar
de criar urna crian ca de 9 metes, porm sem cri-
anca : quem quizer dirija-se ra do Brum nu-
mero 69.
redores: a
Pede-se iDforma<;des se existe nesta capital
o Sr. Luiz Leite Guimaraes, filho de Manoel Leite
<,atmatitn,mrtao de Portugal; no escriotorio
le Jos Victorino de Rezende i C, na roa da Ca-
eia n. M, t andw.
companhla de paquetes
inglezes a vapor.
Os agentes da red eompanhia de paquetes in-
f;lez?s a vapor fazem publico que os directores
M mesma, para facilitar as communicacoes entre
Pernambnc9, Baha, Rio de Janeiro, Montevideo e
Buenos-Ayres autorisam urna reduelo as passa-
geus para aquelles portos ; d-s tambem bht>
(es de ida e volto com prao de 6 mezes, confor-
me a seguinte tabella recebidas em papel moeda.
Prmra tmm. Ida. ida e totta.
De Pernambueo att; Baha. 5t> 8i
Rio de Ja-
neiro. 168*
Montevideo. 250* 375*
Buenos-Ay-
res. .....z70 i03
Passageiros da tei ceira classe pagam um quar-
to das (juanas cima eBcionadas.
A passar'm d'aqci at Lisboa da segunda das-
f-t ca reliuida de 9 ti %.
Tambem acnam-se redudos os /retes de di-
nheiro para Inglaterra, Franca e os portos do sul.
Para ulteriores in ormacoes trata-se na agencia
la do Trapiche Noro n. 40._________.
Ricardo Barbosa Copertino, por baver outro
(toifful asno, das feu encante a signa-*e
1"ca1^B"rtH"* 1W*- R6ife) jane
le loov.
Memorias do clero per-
nambucano
Quem tiver a obraMemorias do clero pernam-
bucano. que quizer vender ou trocar por urna
outraMemorias histricas da provincia de Per-
nambueo dirija-se a tardo ao escriptorio do
primeiro andar desta typographia.
XAROPE DE PEnSeOS
E' de urna elbcacia verdadera-
mente maravlhosa como cahr ante
do stftema nervoso c appl:ado Q
contra a parah'sia, asthma, osse
convulsa ou coqueluche, tosse re-
cente ou antiga, suffocaeSes, ca-
larrhs broncneos ele, e em {[eral
contra todos os solfrimenfos das
vas respiratorias, o na phyjisica
pulmonar, sua virtude conip o
letano ou espasmos, e convulses
incontestavel, euingucm ha que
a desconheca.
XAROPE
DE
SALSA HARHII.IIA DO PARA
OU
DEPURATIVO DO SANGLE.
Usado uas molestias de nelle,
impigens, dores rheumaticas,
ulceras venreas.
O nico deposito destes me bra-
camente s na botica do Pinto Jrua
llarga do Rosario n. 10 junto ao
artel de polica,
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia em dia o,uanto possivel para che-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com n mp.Mjm- asseo, tem bellos apo-
sentos de hospeAumii. tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, rndispensavel elemento para a
vida e hygiene. temo-la sempre em abun-
dancia para facilitar excellentes banhos. !de-se julgar de nossa veracjdade". EsuTcasa
Ha Limbem urna boa bibliotheca e pero- gosa tambem das condicoes de um elegante
dicos nacionaes e estrangeiroa, piano para e petii ntkmmu onde se p'ide ver a es-
recreio, buhares, ett. etc. pecialidade dos fiambres e salames de Lien
Sendo ociosa qualquer recomraendaco para lanches e at fazer urna boa cola, o,
para to acreditado estahelceimento, omit-juntamente com Os prucipaes vinhos do
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o. bom a pura
fim, que o bom servieo, ordem e moralida- e fervente champagne,!) mu saboroso Rhe-
de imperam D'esta casa, como observancia no, a primorosa cerveja, o licor espirituoso,
fiel do reglamento que possue. o quanto pede urna mesa. Faz-se noule
Comedonas a la carie. sorvete c variedade de refrescos.
FRANCA-BRASIL
o
MR. MERCIER, alfaiate francez, previne ao respeitavel publico e a seus numerosos Ireguo-
zes que, tendo transferido sua residencia para a ra do Trapiche n. 7, primeiro andar, ahi encontrar;fj>
sempre todas as qualidades de fazendas paratrajosde homem, e prepara costumes para montana de
senhora. Faz tambem obras para militares e para criados, para as quaes lem grande sortimento e
botos simples, com virola e cora de conde, brancos e amarcllos. Recebe por todos os vanea -
ltimos figurines para homem, senhoras e meninos.
ia^^Hs
Devoro de I\os*a Senhora da
Mande na convento de Manto
Alup-se o t andar c sotao*da sobrado da Antonio do Recife.
ra do Aragao n. I, com excellentes commodos ; Por ordem do fllm. Sr. irmao juiz sao convidr-
para familia: a tratar no 1 andar do sobrado n. t dos todos os nossos charissimos irmaos para do-
oO da ra larga do Rosario. : mingo 2i do corrente pelas 10 horas da roanha.
vmmIcii i coroparecerem em nosso consistorio, atim de pro-
ceder-so eleicao da mesa regedora de 1869
a 1870.
Franscisco Jos Martins da Costa
taberna que lhe pertence ao Sr. Ant-mio da Silva
>etto, na ra Imperial u. 178.
Jos Ooncalves Delirio & Irmao fazem ver
ao corpo do eompan k que Jos Dias Brandao
deixou de ser seu caixeiro, a contar do da 18 do
corrente.
Fugio do sitio daSapucaia, em Beberibefa
tHjlo corrente, o escravo Saturnino, mulato (ac*
cabellos vermelhos, sem barba, estatura meno' que
regular, fornido, represento .TO annos, natura! do
sertao, us ja est em Heberibe ha muitos annos :
ecaneu-o e consta ter relaccs no bairro do Re-
cite : recommenda-sc portanto as autoridades
competentes e pessoas do offlcio, de o capturaren
e lavareu a seu senhor em dito sitio, que recom-
pensara convenientemente.
Precisa-se
de um menino de ta 16 anuos, ma pratica de caixeiro : no .axmaiem do p^^o do
Tet<0 n. 66.
Consistorio da devoran de Nossa Senhora da
Sade, 21 de Janeiro de 1869.
O escrivao,
satas francisco dr Paula e SIvl
Da-se sociedade n'uuia lab-roa innie aliv-
guezada na freguezia de Santo Antonio, a una
pessoa que entre eom fundos superiores a 1:00,
e entre^a-se mesma pessoa por balance : qiioin
quizer talle na ra de lorias n, 7, que :ihi dirn
que faz o negocio.
Quem precisar de uin homem solfeiro que
sabe 1er, escrever e contar para caixeiro de enge-
nho, annuncie. ______
Preeisa^ede urna ama para todo~ser.ico de
una s pessoa : a tratar na ra da Senzala-nova
n. 187, 2 andar.__________________________
Precisa-se de uo,a ama para cozinhar para
pequea (antia; na roa da Moeda c 17
EFFICACIA
DO
XAROPE DE RBANO I0DAD0
0 Xarope de Rbano iodado de Grimanlt e C, pharmaeenlicos de S. A. I. o principe
Npeleo, em Paris, preparado com o sueco das plantas ao-escorbucas cuja eicacia
mui popular.
Eneerra o iodo como combinaco orgnica, e considerado como o melhor succedaneo
de oleo de figado de bacalho.
A rara perfeicio d'este prodneto anima-nos a dar a conhecer aqni a opiniio de alguns
d'entre os principaes mdicos de Pars, qne diariamente o prescrevem.
0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento d'um effeito snave e seguro para a
medicacio dos meninos, nao sement suppre o oleo de figado de bacalho, mas ainda faz
t as suas vezes com vantagem. >
D' A. CAZENAVE, medico em chefe do hospital Sainl-Lou, em Paris.
0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento de primeira ordem para o tralamenio das
a affecfdes lymphaiicas e escrofulosas. Huilas vezes, empregoei-o com feliz xito, em certos
c casos de lisica ao sen principio, como succedaneo do oleo de figado de bacalho.
Dr A. CHARRIER, antigo cliefe de clnica da faculdade de Paris.
a 0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excellentes resultados como regenerador
do sangue, e inccedaneo do oleo de ligad* de bacalho.
IK A. FAVR0T, autor do TVait des maladies des femmes.
0 Xarope de Rbano iodado i nm dos mais poderosos modificadores das consiiiuicSet
c lymphaticas. Tenbe visto ulceras escrofulosas que nada poda curar, cicalrizarem-se,
< gratas a sua aeco, eom promplidao extraordinaria. Tambem, pelo sea uso desepparecem
as affeccoes tuberculosas dos oesos, nos meninos. >
D' GliESN ARl, amigo externo dos hospilaes de Paris.
0 Xarope de Rbano iodado possue todas as vantagens do oleo de figado de baoalho,
f sem ter nenbnm dos inconvenientes qne aprsenla este ultimo medicamento.
Dr Gl'lBOlT, medico Ate hospitaa. Presidente da Sociedade de medicina de Paris.
a 6 Xarope de Rbano iodado de Grimanlt e C* eneerra I [2 por cento de iodo, ni su
composif lo organiea anloga que se acba no oleo de figado de bacalho. >
Dr KLETZINSK1, professor de chymica, louvado dos tribunaee de Vienna.
Deposito em Pernambueo, em casa de;
OS

Irfrmftt
a mmsm
k aeieflu
te Par

PILULAS

0 tratamenlo das aflecctks chloroticas, lympbatica ou escrophulosas senpre lens-
simo, e manas vnes essaa molestias resistem it preparaeoes ferrngiMuu diaras. As
indagacoes Xeitos pelos professores Hannon de BruxeUas, Gensoul e Petrequin de Lylo e
Berzeliua e Tronssean de Pars, tem provado que a causa d'aau persistencia era a completa j
ausencia do Manganeso, elemento que sempre deve-se acbar no sangne jnnetamente eos j
o ferro. Estas pilulas supprem, pois, na iherapctica urna falu importante, e por este
motivo ellas tem merecido a approvaclo da Academia de Medectaa e das prnaipaes socieif
dadee medicas. Deposito em rememouco, era casa de Miim O*.
Illllllllll
iiiib

' i


i



*
])iario de Pernambuco Sexta feira 22 de Janeiro de 1869.
5
.

,-

Grande liquidadlo de miudezas!
Alfonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
loja ra do Queimado n. 55, resolveu anni ociar as mesmas miudezas para que o pu-
blico se certifique do diminuto preco porque as est venciendo, a saber:
Massos com grampos 25 a .
Pecas de tranca lisa e caracol a
Sabonetes de todo3 os precos a
80 160 200 e.....
Abotoaduras para collctes a .
Botoes de louca para camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
. deira) a.......
Frascos com agua de Colonia a
320 e........
Garrafa de tinta roxa a. .
Caixas com i00 enveloppes a.
Mantas de seda para homem a
Fita de sarja para enfeite de
vestidos por. ....
Frascos com oleo para cabello
a 400 e.......
La para bordar, libra. .
Escovas finas para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e .
Ditas muito finas para fatos
por preco nunca visto 400
500 e.........
Pecas de babadosc entre meios
a 600 800 e .....
Grvalas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Bico e renda das ilhas a todo
preco. S a vista faz f .
Pecas de fita de coz com 10 va-
ras a
20 Latas com grax i, duzia a .
40 Coques muito bons com rede s
a rede val...... i #500
240 Meias para homens boa fazenda
320 a 35600 e 4*000
160 Linha de marca, caixa com 16
novellos ,...... 210
1 000 Lats com banha (familiia), duzia 2*200
Frascos com banha a 320 400 e 500
100 Botoes para puni fazenda boa
800 a80e....... 400
500 Volta de Aljofre cousa boa a 160
800 Fitas para debrum de vestido a 500
Caixa com agu ha franceza a 160
600 Botoes de acopara coletednza a 120
Carillo com alfil tetes a 100
600 (]aixa com perfumaras muito
63S00 f,na. S a caixa val 10^000
320 12000 ....,-. 13,>000
300 Copo com opiata muito fino a
400 e....... 500
rnA Meias muito finas para senhora
0001 duzia........ 30000
1,5000'hartas francezas a 200 c 240
320ftf*S portuguesas a 120 e 2(K)
yOO Caixa de linha do gaz branca 50
novellos....... 600
Frasco com tinta a 100 e 108
Franja de laapai-asapato (peca) lOOO
500' Papel de peso iiuito bom .
O advogado Dr. Antonio de Vas-
conccllos Meneaos de Drummond
transferioo seu escriptorio para roa
do Imperador n. 20, onde pode ser
procurado todos os dias uteis paraos
misteres de sua profissao, das 11
horas da manlraa s 4 da tarde.
Os abaixo assignados par-
tieipam ao publico e ao commer-
cio que a antiga casa commercial
de seu finado pai, osenhorJos
ROUBO
^ Roubaram na nohc de 18 do corrente de Jos
Faustino de Hat ios LcHe, que vindo da eidade de
Nazarcthpernoitra uo hotel do Sr. Pinto em S.
Lourenco da Matta, una bolsa contendo os objectos
segitmles:1 pulseiras de laco com pedras, 1 dita
de lila de ouro, liso, 2 ditas de eobras, de coral, 2
cadas de relogio, 3 meios aderecos de coral, i
mus cora perola*, 1 dita de coral, 1 vdlta de pe-
rolas com urna cruz esmaltada, 1 dita de coral com
cruz, 3 brillantes no valor de 90000 Cada um, 1
relogio suisso de ouro, 2 alflnetes de retralo, 8 di-
tos lisos, 2 sinu-s, 5 chaves de relogio, i pares de
brincos de maozinha, 7 pares de rosetas de coral.
2 ditos de podra rxa, i dito de brilbanCiha, 9 bo-
toes de abertura lisos, 3 ditos de cravaeab, 2 pares
Para familias
A NOVA ESPERANQA
21=Rua do Queimado = 21
L para presentes
A Nova Esperanca, ra do yueimado
n. 21 tem um variado soi time uto de objn-
* 1 -- -~ ""mil ii>o>, .> irnos ue rrata^U'j, 2 parw
dos Sailto.S Neves, ica gyrailO, de botwa de punlio lisos, l dito de coral. 3 ann.'is
sob a firma de Jos dos Santos *
Neves & Irmao, desde o Io de Ja-
neiro do corrente anno.
Recite 15 de Janeiro de 1869.
Jos dos Santos Neves.
Joaquim dos Santos Neves,
Sapatos de tranca e outros muitos artigos, que enfadonlio seria mencionar.
RA DO QUEIMADO N. 55
8a S^SSHK^
A loja (laguia branca
o receptculo das modas e no-
vldades.
A gata branca tem-se feito tao conhecida e
nivditada, nao s pelas novidaes, variedades, su-
perioridade e abundancia da seo sorlimcnto, como
pela constante eoniniodidade de seus precos, e mes-
mo pelo seu assaz e nunca olvidado agrado since-
tidade.
l?tn ,m,rhpJ^;se- con, >. un desses virtuosos rollares
una a mitra os agradareis cheiros de que usam
em seus linos lencos, e cada una das quaes orgu-
lliosaspelo elogio do acert de sua escolha, c como
que querendo piir mesina justilicar dizem simul-
tneamentec verdade que este cheiro oicompra-
do na loja d'agoa branca.
Anda inais.
Ociando Imnteni os pais afilelos senttam o rigor
da denticao de sel charo filhinho, e hoje alegres e
satisteitos peto fe iz restabeiecimento fecebeo as
visitas dos seus n albor amigos, dizem aquellos
espeitavel publico em geral, ea tanto tem chegado
que estao quasi passj iiilo como umcxioi ou pro-
verbio, quando se v um objecto de elegancia,
rosto, novidade, etc., etc., diz-se logoaquelle ob-
iedo sen d'.ivida fui comprado na loja d'aguia
branca.'
Quando no club, nos bailes, ou no salao do
Santa Isabel, una excellentssinia se aprsenla
garbosamente trajando, trazeiuto moderno cinto
de mui larga fita, lisa, chamalolada, ou e-cosseza.
;is soas admiradoras dizem consigo aquella lila
l'oi comprada na loja d'aguia branca.
Quando outra excellentissima, nao menos gar-
bosa, mostra o rigor de seu bom posto na acertada
c scolha dos eufeites de alta novidade que bella-
mente ornan seu vestido, ainda niesmo as rivaes
de sua sympathia confessam queaquelles enfeites
toram d loja d'aguia branca.
Quando neutra excellentissitna, apezar da sin-
,'elleza de seu porte agradavel, se vem as bonitas
loras de pellica diiqui-za as suas bellas ami-
bas lotivam-lhe o gosto e confessam qutaquellas
Iotas forana da toja d'aguia branca.
Quando nasme doas exeeHentissimaa. antigs
amigas de collegin. se eiicontram naquelles loga
Rover, que se venlem na loja d'aguia branca.
ilciii do muito maEs que ainda
falta dlzer.
Quando em tan circulo de circumspeclos carac-
teres se disentir a veracidade de taesaixeres, appaj
re er um oulro truc ipieira ainda levemente nter-
romper a dscoseao, os primeiros por momento es-
qoeccrio a eireomsnee^o e-lhesdarao um gra-
cioso debioue dizendo'lbesj sabemos qu V.
um daquelles que inclina o chapeo de sol ou que
mereca ser designado pela aguia branca da na
do Queimado o. 8.
Mo tantas as colisas que por
ninas eucapan as oAtras.
J ia esquecendo a iguia branca, mas em tempo
lenibrou-se para noticiar, que recebeu nina pe-
quena quantidade de enfeites para coques e grani-
llos para ditos, ti de feito de metal com lindos e
agradareis coloridos, obras estas pela primeira vez
apparecidas. e poHantointeira novidade.
Tanibem chegaiam novameirte delicados enfeites
e flores ornadas de aljofares e vidrilhos, tanto de
palha para coquis como para vestidos, e ludo
Lagtklo para calcadas
A tratar na ra do Apollo n. i, escriptorio^^
iannwams^|
r rUEPAliUNIS 1 VLAME *
N. 3 RA DIRE1TA N. 3
Continam a acliar-se venda as
pilulas eo sarope alcohlico e ethe-
reo de veame, conforme a formula
do finado pnarmaceutico Paranhos,
na botica de Francisco Antonio das
Cliagas ra Direita n. 3; medica-
mentos estes asss conliecidos, e
proficientes a quem soffre de rhe-
matsmo, escrfulas, crysipla, im-
pigens, exostses ou tumores nos
ossos, amenorrlia ou falta de
menstruacao e menstruaap difli-
cl, etc.
=* Precisa-se saber se existe nesta provincia o
Sr. Augusto Jos de Souza, natural da provincia do
Rio Grande do Snl, c qne l'oi furriel do batalliaode
caradores n* 10 ou 11, e depois fez parte do corpo
policial desla provincia : no escriptorio de Jos
Victorino de Rezende & C na ra da Cadeia n
52, 1" andar, recebe-se as informac5es a res|>eito
Ama.
Precisa-se de urna ama para lodo o servieo de
nina <*asa de urna s pessoa, paga-sc bem : a tra-
tar na na da Palma n. 50.
i
VVISO.
O abaixo assignado, cnsul dos Estados-Unidos
da Amorca, deseja fallar com as seguintes pes-
soas : Trajano Augusto de Carvallio, on^alo Joo
da Silva Pon tes, Miguel dos Santos Costa, Felippe
Francisco Gomes, Tbeopliilo Jacintho de Souza
Mello. Luciano Aives Conceicrio, Guilhernie Vieira
da Kuclia e Manuel Jos Pereira Marinlio : i|uii iiessoaque pode dar alguma noticia sbreos
mesmos, o abaixo assignado tomar como um es-
pecial favor.
Thoiuaz Adamson,
Cnsul do Estados luidos.
JR1LMPIIO DA SCIENCIA MKDICA
res, depois dos <-iiiiipiinientos de recprocos beijos,, continua a merer a apreciacao das excellentis^i
arabas por loica de sua elevada delicadeza, galiam mas eonheeedoras dolwm.
GRANDE HOTEL
i ORIENTE.
Inangurou-se
'Stabelecimento
este commodo e elegante-
donde os seus frequenta-
IiLstruecao primariii.
A abaixo assigiiada competentemente habilitada
recebe, a ra do .jagao n. 5, meninas para o en-
sillo de piiiueiras letras e de costuras : assegura o
melbor iratainen o, dedicacao e interesse petis
a!minias. Recebe tambera pensionistas e me.ias-
peibiuiiistas, lauto dacidade eonio do exterior.
Josepka Augusta de Castro Foiiseca.
Pr.'cisa-se alngar um nioloque, paga-se 14 8
.lores podero apreciar a especialidade MiE^K1^8 **: doCil'
confea'o dos gneros alimenticios.
As bebidas sao as inais primorosas e re-
lomnieiidadas.
A decencia e bom snico piiniam n'esta
.asa no bello gosto oriental.
Mandain-se a domicilio coinedorias, Lanto
ivulso, como por assignatura mensal. Os
precos sao mdicos e convencionaes.
la urna espacosa e bonita sala para o
legante jogo de billiar.
Ha tambem aposentos commmodos e bem
mebilliados para liospedagem.
Ba larga do Rosario
n. 44.
Attencrio.
Fugo liontem o escravo Julio, de ba
. preseiica, naco .Mo.;ambii|ue, de 48 a .f>0
anuos de idade poucojnais ou menos, alto,
torpolento, rosto comprido, beicoS grossos,
os brancos dos ollios meio amarellados, os
.1 los e barba (tintando de branco, mas
trae as vezes a cara lisa, tem a falla baixa e
grossa, uiua cicatriz grande e profunda por
cima da foate diivila bem vizivel, que foi
"um couce de cavado, maos regulares, ps
pequeos, aleijado da penia esquerdana
altura do joellio, pelo que arqueada e
quaudo anda manqueija, tem tres talhos da
uac.3 bem salientes entre as sobrancelhas
posto ao compiido ; levou urna trouxinlia
contendo una cal^a de brim de algodo
riseado c urna carniza de chita; levou ves-
tido carniza de algodo riseado americano,
calca de brim pardo por cima de outra de
casimira dequadrinbos, chapeo de fltro de
copa redonda preto. ludo bastante usado,
foi pegado ha um niez na Varzea, e talvei.
ia tenlia tomado essa direccao, ou Torre,
Kstrada-Nova & e as ruis proximidades
rlestes lugares, foi eseravo do Sr. Jos 6entc
da Costa, do engenbo novo da Villa do Ca-
bo, e talvez ande por alli.
Columa andar traballtaodo deenxada era
diversos sitios d'aquelles irebaldes, dizen-
do ser livre. As autoridades policiaas e aos
.apitaes de campo roga o abaixo assignado
a ia captura, que os recompensar ; assim
como protesta contr quem o tiver por dolo
acoitado. Rexe iO de Janeiro de iHd9.
Silvino Antonio Bodrigut.
Fabrica de carros c gelosias.
F. Voier.
9--Ra do lnipcrador9.
Nesle estabeleciinenlo seinpre se encontrar um
grande soriiuiento deGelozias(Slenesianas)dasmais
modernas e d todos os tamaitos e larguras, com
sos, 4 ditos de firma, da trra. l:580OUO em di-
nheiro, 2 cartas una com 20000 e ulra com
10000 e alguma roupa. Roga-se as autoridades
policiaes e a auaesquer pessoas que tcnlvnn noti-
cia deste roubo ou lhc sejam offerecidos a venda
alguns destes objectos. o favor de appmienda-los
e dar disto conhecimenlo a autoridade do lugar e
na ra Imperial n. 44.
E' elle.
O Joao Congo ou Joao Feliz, estando engaiolado
era um segundo andar da ra do yangel com suas
eamas convida a todos os seus dignos comparsas a
irem-lhe assistir para verem a sua dergraca da
sorte, visto nao poder ter o gosto de passear ntn de
dia neui de noite, por a sua conscicncia o acensar
de que os seus feitos sao niais negros do que a
mais escura noite.O secretario,
________ Caranguejo.
Ama
Precisa-se de urna ama para cozinbar : na ra
do Queimado n. 5.
COMPRAS.
Cmpram-e 30 pipas com mel (s o caldo)
a tratar no caes do Ramos n. 24.
= Compra-se um escravo preto que jseja regu-
lar cozinheiro, cuja idade regule de 25 a 30 anuos,
cuja compra realisada para a provinch do Rio
Grande do Sul: a tratar no escriptorie de Jos
Victorino de Rezende 4 C, na ra da Cadeia n.
52, 1 andar.
= Compra-se una armacao leuvidraVada : a
tratar na ra Direita n. 35.
Escrava
Precisa-se comprar una escrava que
gommar e cozinhar e de boa conducta,
ver annuncie ou dirija-se a ra do
n. 69.
Ferros vellios.
Compra-se toda e qualqner porcao, talnto batido
como fundido: no caes Vinte e Dous de
n. 24 (armazem).
Corapra-se um pianno inglez que
derno ; a pessoa que tiver para vender!
tratar no pateo do Terco n. 83.
saiha en-
quein ti-
pueiinado
Vovembio
seja ino-
pode vir
Com muito maior vantagzm
Compra o Coracao de Ouro, n. 2 D, ra do Cabu-
g, moedas de ouro e prata e pedras preciosas.
Compra-se una burra (cofre) que teja segu-
ra ; a pessoa que a tiver |>ara vender po le vir tra-
tar no pateo do Terco n. 63.
.Compra-se eseravos.
Lino de Paria & C, na ra do Ytgaiio
criptorio, Io andar, comprara eseravos, de ambos os
sexos, sendo quej moloques de 14 a 20 s nnos e bo-
nit.is ligaras, serao pagos por muito ni; is dinheiro
do que em outra qualqner pai te.
Compra-se
ama escrava moca de cor prcta, que s
o engtmimar bem, paga-se vantajosa
n, 24, es-
Grande llazar, roa Xova nn. 20 c tos de gosto e plianisia prow'ios pai a \uv-
sentt-s. sdliii-saliindo entre ellos ricas cali-
nitas de bano com linas perfumaras, ro.
lurt'iros de cliagren, aguSteiros de madie
perola : nssim, jmjs, qoenqoizer fazoriimi
linda offerla, dirigir-se > \(iva Esperanca,
ra do Queimado n. 21.
Para baptsados
A Nova es[icranca ra do Qaeimado n
ti, tem ricos vestuarios propiius para bap-
tsados, sapntinltos, meias de sida e lio ita
Escossia para o mesmo lim.
Col/ares anodinos ettectro-nuigneti-
cos contra as convulces das
99. de Carnelro Viaaua & C .
Acaba de cliegar a este cslabelecimento
grande porco de macliinas para costuras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposico de Pars, as ques cozem com
dous pospontos toda a costura, e tem a
vantagem de ser tao suave o movimento,
que (jualquer crianca de oito anuos fcil-
mente ti abalha, e pode, com este entrete-
nimento, levar vantagem ao servifiO diario
de triuta coslureiras. A compreliensao
simples, pois em tun (piarlo de hora se 11-
ca senlior do niovinn'iilo da machina, ten-
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar.
franzir, marcar e bordar, como apresentam
os desenhos que acompanliam-nas. Os pro-
prietarios do estahclccimento se encarre-
gam de mandar ensillar n'esta cidade, e
garantem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao tralialhar com
pereico a machina vendida, nao tendo,
porm, soffrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo eslabelecimento macliinas
do autor Grower Baker, de trahalho sim-
plesmente m3o, e oulras com movimento
dos ps; e mxime todos os pertonces das
mesmas macliinas, para vender avulso.
Rap Gasse e Paulo
Cordeiro
No armazem de Jos Joaquim Lima Bairao, a
ra da Cruz n. 18, tem constantemente suprinien-
o de rap Gasse grosso e lino, e Paulo Cordeiro
commum c viajado; nao [iivcisa fazer apologa de
sua excedente qnalidade, |xiis ella j de inais
conhecida, assim como o lugar proprio de sua
ksTILHAS ASSUAIUDAS-
no
DR. PATERSON
De bismuth o iiia&;nczla.
Remedio por excellencia para combater
a magreza, facilitar a iligesiao, fortificar o
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia deBarttoiomeudc C.
34------Ra larga do Rosario------34.
Vende-se una casa terrea, cora bastantes
conimodos, sita na ra da Kstacao. na povoacao dos
Montes, em Una, junto a eslaco da estrada de
fcim : a tratar nesta cidade rom Virgilio de Castro
Olveira, tiavessa da ra do Vigario.
ALTA NOVIDADE
creangas.
Nao rosta a menor duvida, de que muifo
collares se vendem por ahi intitulados os
verdadeiros de Rover, o eis porque nnnjs
pais de familias nao crcem (eomprando-osj
no effeilo promettido,o que s pdern dar.
os verdadeiros: a Nova Esperanca, porm
que detesta a falsificaco principalmente i-o
que respeila ao bem estar da bumauidadi,
fez urna encommenda dii-ecla destes collait^
e garante aos pais de familias, que sao i.s
verdadeiros de Rover, que a tantas crean-
cas Um salvado do terrivel incoimnodo re
convulces, assim pois preciso, que >e-
nham a Nova Esperancaa ra do Queimado
n. 21 compraren) o salva vida, para seus
Bibianos, antes que estes sejam aconimetl.-
dos do terrivi'l mal, quando ciilao ser d*-
flicil alcancar-se o elTeito desojado, embora
sejam empivgados os verdadeiros collares
de Royer.
Aos amantes das cacadas
Gommodas boleasproprias para os cata-
dores, vende-se a ra do 'Qaeimado n. ,
loja da Nova Esperanca.
Preparo para flores
A Nova Esperanca, ra do Queimado
n. 21, tem um completo sortimentode pre-
paros para flores, como seja papel para folla .
dito para petates, clice, botoes, foHias de
panno e todos os mais prearos para fi
inar-se um ramo ou grinalda, com gosto e
(Iiileicao.
Agua divina
A Nova Esperanca a ra do Queimado n.
21 recoben nova remessa de verdadero
agua divina.
Para extinguir as sardas e
panno
Receben a Nova Esperanca. roa fio
Queimado n. 21, leite de rosas, especial
para extinguir sardas e pannos.
Para alvejar e conservar os denles, rec
lien a Nova Esperanca, a roa do QUeimadb
n. 21, o verdadeiro poz de rosas e o elixir
ientifrico e o dentalgico.
tilia cozer
nento: na
Oli-
rua do Vigario n. 10, escriptorio deBatliar,
veiea A C
Ouro e prata
em mocla e em obras inutilisadas. eoi^pra-se por
bom preco : na praea da iHilejiendencii. n. 22.
oja de ou-
|>recios:is.e
iiuncnda, e
Em lempos modernos nenhum descubri-
meno operou maior revolcao no modo de
curar anteriormente em vogadoque o
PEITORVL DE AMCAHHTA
TANTO NO TRATAMENTO DA
TOSSK. CHOPO,
ASTIIMA, TIUSICV,
llOIOtlDAO, HKSKR1AMENTOS.
BflONCIUTES,
TOSSK CONVULSA,
DORES DK PKITO,
EXPrXTI I1AC.O DK SA.NT.IK.
Gomo emloda a grande serie de t-nfermi-
dades da oarga.vta. do peito e dos ohgaos
da nKspinAoAo, que tanto atormentan! e fa-
sem soffrer a humanidade. A maneira an-
tiga de curar oonsistia geralmente na apjili-
cacao de vesicatorios, sangrias,sarjar ou ai>
plicar exterioimente ungentos fortissimas
compostos de substancias vesicantes, alm
deproduzir empollias: cujos dijferentesmo-
d;
Na praca da Independencia n. 33,
lives. coinpra-seouro,prata, e pedras
tainbeni se faz quabpier obra de ene
todo e qualquer concert.
U lllfli
.T
OTROBPRATA
Compram-fe moedas de prata e ouro de todos
; os valores, ouro e prata era obras velluis, e pedras
preciosas; compra-se bem na ra da Cadeia n. 2,
' debaixo do arco da Conceicao, loja de o irives.
Grande liquidaeiio
O proprietario d'anga e bem conucda
loja de miudezas denominada iDeija Mor
ruado Quenadbn. 63, querendo acaba;
com o sortimento d6 miudezas que exist'.
completa I -
qnidai.fKi, para o que chama a attenrdde l- -
dos.
Os objectos ser-i vendidos por mi l d<
j seu valor, epata que o publico, au sup] -
liba, que o presente annuncio una illti.-. .
o proprietario da dita loja, offerece una pt-
= Compram-se apolices da divida publica : na
ra do vranicnto n. 20.
Compra-se urna negra qne saiba cozinltai e
engoramar : na ra de Santa Rit .-< Nov;. n. 63.
Compra-se urna rotla era bom -stado : na
praca di Boa-Vista n. 9, loja.
VENDAS.
ATTENCaO
Vende-se urna escrava de nacjto, excellent qui-
tandeira e lavadeira, e solrivel cozinhe ra : a pes
soa que a pretender dirija-se a rita
mero 96.
Km casa de Tlieod. Cbristiansen, i na do Com-
raercio n. 16, encontram-se elTectva
coi -rentes galvanizadas c tambera de fita de linlio: i ,.. ,.,i j}, in j-'r
assenta-se cora brevidade as que aran para dar truicao inevitavel de sua victima Quem dif-
diinenefies das fa u cadas, e concerta-sc as niesinas ferente pois 0 effeito admiravel do
= Preeitn-se d ama ama de Jeito 9eai lilh**
na roa do Vigario n. 5, 3 andar,
por preco rasoav i.
Cachorro perdido.
Perden-se sahbado 16 do corrente as i horas
da larde, quando acompanhava o dono, um ea-
chorro preto, peq eone muito goj-do,eom os qualio
pi'-s calcados de braneo, desappareceu nas proxi-
midadi-s da pon e Provisoria; quem o tiver ou
delle dr notu-ia se gratificar com gmerosidade,
na ra do Sebo n. .".
= Tendo o coronel Jos Mara Ildefonso trasido
da provincia do Amazonas um casal de mutnns,
pasaro pnlo, com a cabeca encarnada, hontein.
segunda-feira 17, s 10 horas do dia. desaparecen
a Batea, que salando do ninlio onde Itavia posto
dous ovos; e como por mansa eslvesse acostnnMula
a passear pelos q lintaes visinlios, na ra do Hospi-
cio, hnntein raesnio foi vista pelo camarada do mes-
no coronel, no muro do quintal do meu amigo o Sr.
Ttioinaz de Aqnico, de onde se passou para o muro
da casa da Maeh imbomba, de onde j mais foi vis-
la a iuttum: o mesmo coronel pede a quem a pe-
gou, que lera urna gratilicacao se Ib'a entregar, s
para nao perder o casal, visto que o mumn ma-
cho est muito inquieto pela falta da outra.
Nos, abaixi assignados. temos justo e con-
tractado com o Sr. Thomaz Antonio Coiiiihra, a
compra de urna ce suas tabernas, sita na ra Im-
perial n. 19o, livre de qualquer debito que o mes-
rao Sr. assim pos ia tur.
Red, Ifldejineirode 1869.
Jos Piret Chores.
_____ Ha noel Francisco dt Souza Lima.
.Augusto Octviano de Sena k C, ra do
Queimado n. 2, pecisam de una caixeiro do 14 a
16 annos.
dos de curar, nao faziam senao enfraque- a* qualidades de vinlio Bordeaux, Bou gogne e do
.cer e diminuir as forcas do pobre doente, IRl"'"0-_________________________
rontribuindo por esta forma d'uma maneira C\q\7Q 11 r\ f}p eolio
mais fcil e certa para a enfermidade a des- VdVctllU UC DCJia
Vende-se um cavallo de sella com an lares muito
bons, novo, gordo e bonito, tendo vindo do Cear:
para ver na cocheira do Bento Hespan ol, e para
tratar na ra larga do Rosario n. 24, 1 andar.
Cozinheiro.
Precisa-so de um bom coiinheiro: em Sanio Ama-
ro, jrasa do Sr. Manoel Custodio, n. 22.
Preaisa-se le urna ama forra ou captiva, que
saiba cozinhar e eugommar : na Tua da Crnz n.
40. armazem.
&ci
riptoriode advocada
26Re k jitak do RosAR-^26
O advogado aacharet Aj-es de Albuquerque
Gama tornou ibrr o seu escriptorio na ra lar-
ga do Rosario n 26, onde pode ser procura'!
qualquer bora, f/a todos os Clisteres da sua pro-
flio
PE1T0HAL DF. ANACAIIUTA !
EM VB DE lllltITUi. M0R1'IFIC\R E CALZAR
inviditos soferimentos ao doente,
calma, modifica e sivviza a dok.
aixivix a irritaqo
i.csemvolv; o entexdimento,
i onriKit: v o coui'O
faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira prompta e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os
memores votos em medicina da Europa (os
Lentes dos Collegiosde Medicina de Ikrliitn
testiicam seren exactas e verdadeiras estas
relato.'s analgicas, oualm disso|a experi-
encia de milhares de pessoas da America
Hespanbola. as quaes foram curadas com
este maravilhoso remedio, sao mais que
sullicienles para sustentarem a opini3o do
PEITOHAL DE A.NACAIIL'ITA I
Deve-se notar que este remedio se acha
inleirainenle izentode venenos, tonta mine-
iaes, como vegetaes, em quanto que porm,
alguns destes ltimos, e particularmente
aquelles que sao dados sob a foima de Opio
e Acido Hydrocianico, formam a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes t5o
fcilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A Composicao de Anacahuita Peito-
ral acba-se linda c curiosamente engarrafada
em frascos da medida de cerca de meio
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma s d'uma colber pequea: basta ge-
ralmente a applicjco d'um ou dous frascos
para a effectuacSo de qualquer cura.
Acba-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo & C., P. Maurer
ACM. A, Barbosa. Barthotomen C, e
em tidas as principaes boticas c tojas de
dragas* _
Precisa-se de ora caixeiro de II a 16 annos.
e que tenha alguma pralica de taberna: a tratar
na ra Direita dos Alagados n. 38.
Precisa-se de urna criada para servieo d
casa: a tratar na praca da Sm-ViW(, 2-4, .
ugusta iiii-
ente todas
Proprias para a qua-
resma
A saber:
Grs-de-napoles para todos os
Cortes de excellente gorgurao
tirio com 18 c 19 covados,
Dilos de seda lavrada, boa faz
rata,
Moir-antique,
Ricas basquinas e I unbem as
pies e baratas,
A ra do Queimado n. 31, loj de fazen-
das de A. M. Rolim 4 C, aonde
encontrar completo sortimento de fazendas
de toda a especie.
precos,
para ves-
tida e ba-
litis sun-
A
Loja do Pavo.
GURGURES PARA VESTIDOS A -1-9000,
O COVADO.
Cliegaram os mais modernos gurguroes
para vestidos, sendo de todas as cores, como
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
rxo A- d- tendo quasi quatro palmos de lar-
gura e vende-se pelo haralissimo preco
de l.-)000, cada covado nicamente no ar-
mazem de Flix Pereta) da silva, na ra da
Imperatriz n. CO.
BUKS PA1A CALCA NA LOJA DO PAVO.
Vende-se os inais modernos e memores tem 0 proceder
brms de linhode todas as cures, outros com
listas do lado, garantindo-se serom de linho
puro e vende-se por precos muito em am-
ia no armazem de Fefix Pereira da Silva. ;'t
ra da Imperatriz n. 60.
Pechlncha em alcodosinuo \ iijoOO
A PSCA NA loja DO PAVAO.
Vende-se superiores pecas de algodaosi-
nbo com 0 jardas a 5-^500 a peca, gran-
de pecJiinclia. na ra da Imperatriz n. 60
armazem de Flix Pereira da Silva.
AS DEZ MIL VAHAS DE CAMBRA! \S FRAN-
CEZAS S NA LOJA DO PAVOAB6C
RS. O METRO.
Vende-so fiqissimas earabnas francezas
coin os mais delicadospadies,tanto niit'i-
dos como groados, e com as cures inais no-
vas cpie tem viudo no mercado pelo bara-
tissimo preco de.'ilOrs. o metro; garantindo
que 7 metros do um vestido para qual-
quer senhora, e que em outra qualquer loja
no se encontrar a moma fazenda por
igual preco, e sim s na loja e arniazein do
PavSo, na da Imperad iz n. 00 d Flix
Pereira daSilva.
C'assa loglezas a -t-tO rso inof s*i
Vende-se urna grande porcao de bonitas
cassas inglezas tanto graudas como miudi-
nbas e de cores iflxaspelo barato preco de
O rs. ometro,gar!ntiiido- do um vestido para qualquer Sra. s na
loja do Pavo ra da Emperatriz n. 60 de
Flix Perei da Silva.
RKTALHOS PAR.V LITO NA LOJA DO
PAVAO.
Vende-se una grande quantidade de re-
talbos de chitas e cassas pie-las por preco
muito barato, o quanto amor for a 'porco
que o fregu comprar, mais barato se lie
vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
loiIJde ehvre a 1 OOOoeovado
Vende-se poil de Chvre muito largo com
as melliores e mais modernas cores pelo
barato preco de l.#O0O o covado, na loja e
armazem do Pavo. ra da Imperatriz n. GO
de Flix Pereira da Silva.
YE.YWE-SE
Um fardamento completo de oflicial da
guarda nacional todo novo e eim perfeito
estado : na ra dasCruzes n. 42
_______________________________________________________________________________________________________________________________________i---------------------------------------------------------------
Vende-se urna canoa grande aberta bem
construida, que serve para conduzir tijolos un ea-
piui : a tratar na ra da Gloria n. a olaria do
fundao.
Temporal
Li.piidaco de miudezas, ra do (Jueimado n.
55, tobos ou chamines para candieiro a gaz a
3*)rs.
AttenQflo.
Vende-se um excellentp caiixi e urna parelha de
cavallos.arreiados, mansos c bous: no Hospicio
numero 1
Para o carnaval
Na roa do Crespo n. 6 tem para vender' velludo
de diversas cores, muito proprio pra roupa de
qualquer qualidade, e um grande sortinieuto de
Aos Srs. di' cng'nho
Ha para vender una cediente imihlnl de ds
lila^iio, a qual se acba en etsa dos Srs. Villaca
ruado Hrum (fmidii>). Para tratar com o sci.
dono na ra do Hospicio n. a, que far negocio :
dinheiro on a prazo.
Yende-se
Duas pas de niarmore muito linas, eom floroef^
em relevo, que pdein servir para igreja, ou para
casas particulares. vende-<> por pree/> muito com-
modo : na Nova, Iseriptorio da (juinteiro &
Agr, n. 63.
Yeiido-sc
um cofre de ferro, grande c leni fornido
na rol da Cruz n. 23, Io andar.
a tratar
Yende-se
A taberna sita no becco das Qrvalha* n. 1, afre-
cuezada tanto na pra^a ooino lora d Ha; por seu
dono ter a familia doent" lora da cidade e querer
retirarse, vende-a; boa para qualquer princi-
piante, e tem commodos para familia; a tratar na
mesma.
de cera, de massa. de rame c de seda, a presos
bnritissimos, em porches e a retalho : no arma-
m do vapor francez, ra Nova n. 7.
Vendem-se oito morada le pedra e
cal, na na Imperial ; a raesroa ra uu-
pluns, que todo s randa por barati isbw preco. 1 mero M7.
quena lista de algumasmiudezes, com os sea;
diminutos procoscomo abaixo se ver; .
nao apresentando urna lista completa de to-
dos os objectos que estad expostos a vends.
pela razad de se tornar um annuncio muito
extenso e por consequencia de eufadonha loi-
tura, por isso apenas leimta-se as seguintes:
I Duzia de miadas de linha para
fazer croch.
I Caixa de linha com 30 novellos
1 Dita oO
1 Dita t 10 t
1 Duzia linha de carrilcis de
100 jardas
1 Dita i de
OO jardas.
Fita de la para debrum de lodas
as cores,a peca.
Dita i branca
Dita
Peca de lila delinltocom 10 varas,
e qeu serve para eos.
Dita t ros
Pentes volliados para menina c se-
nhora.
Ditos muitos finos.
Dilos pelo rom chapa.
Ditos brancos
Ditos pretos.
Ditos brancos finos.
Escovas para denles a ICO, 240 e
Ditas para cabellos.
I lilas milito finas.
Ditas para roupa.
Ditas (lila de dila.
Pentes de coque com fita a ia-JOO,
2)000 e
Pentes para coques l->o0, 500
3*000e
Peca de franja para loalha a peca
com 11 varas.
ntremelos bordados a peca 000
Tinteirosde porcelana I;o00 U
Balaios para meninas de escolla
bonito desenlio 800, D>, i 500
Peca de lila de seda para enfei-
ies de vestidos.
Fita de sarja de todas as cores.
Grvalas pretas a 30 e
Ditas de coree.
Sapatos de tranca e tapete.
Garrafa de agua Florida verda-
ira
deFrascoeoa extracto em sapall-
os.
nbDitos com leos.
Dito agua de Colonia, piqueos.
Dito, dito de dilo de liever.
Ditos com banha.
Dilos com tonieo.
Ditos com oleo Mocme.
Ditos c ni extracto e banlia.
Ditos com extractos diversos
Paode jiomada.
Ditos pequeos d.^mmada.
CapeHas para noivas muito finas.
Sabonetes, !20, :i0 e
Ditos transparentes de IwUa 500,
Redes para cabeca
Bandeja 000 a
Duzia de botos de se.lapara.cn-
feites de vestido
Porcera de coritas.
100
;.: 0
00
500
300
I&00
."iliO
WO
120
Di 10
500
300
500
m
3J0
sao
kOO
360
'jO
000
330
500
ijoob
aiouo
700
24500
tfOOO
irMO
IdlCQ
00
M)
ww
l*JWl
00
400
500
1*000
500
I00O
looo
i*ooe
30U
i#W0
240
600
=r
.--.


..

6
Diario le IVinaiulmc N.-vln feira 22 de Janeiro de 1869.
AO BAZAR DA MODA
DE
JOS DE SOUZA SOARES ft C.
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
PARA O HOAO AraiH DE 18.
Novo sortimentodeartigosde moda e luxo, recebidos pelo ultimovapor viudo da hirrnpa.
Ks|H>^u*l S!>itiinenti>iliMilijeit js pan minios.
Perfumaras finas dos principara autores.
Lavas de pellica Irese. brancas e de r ores para homens e senhoras.
Chapeozinho de palha de Italia enfeitados, para senhoras.
Ricas ehxprlinaspara Mioras, gorros de palha de Italia para seniora* e meninas.
Espoeial sortimento de sintos para senhoras.
Enfeites de gosto para senhoras.
Filas ilc grosdcnaple superior de todas as coree rlargums.
franjas rom vidrilhos, brancas, de cores e pretas.
Goariiicoes do todas as cualidades para vestidos.
vestuario completos para baptUa&os.
{oliidias e punlms enleiados para seidiora?.
limpies modernos, Hsus e enlejiados.
Bornous de laa e seda, cores claras, moda pingante para inoras de bom gosto.
CorpinhM decambraia enfeilados para senhoras.
- Caehe-mv. de I i.
i'.hapnsde sol para lioinens e seuliora?.
Flores Anas, sortimento especial.
Plumas elegantes dequaliilnde superior,
(linios ricos de n'illia. alta novidade.
Ilrinaldas de llores linas.
Camisas superiores para horneas.
Colarinhos o pnaos.
(i avalas e manta? modernas.
Bengalas do diversa. qualidades.
is nande^aonquatcQ perasd'-msica.
Flores de palha parajruarai$i$es de vestidos, botos, fivelas, lares para onfeiv.;.
Chapeos de pello de sed pretos, forma a Notscfild, faiciMa superior para humen*.
('.on'.-ntosdo plaqu finn. gustos bonitos para relogios. #
escoletas de bom gosto para as mesmie.
torrentes pretas de borracha diversos modelos para vollas.
Objeetns iiaralulo.
E mallos oulros artigos de novidade que so vista podeni sor apreciado-.
Existe r nlimiameiite un completo so lmenlo de miude::as, vendo-sopor arosso e n retalBM
A OH]fIOnO FRENOS
BAZAR DA MODA.
ao \gJ2X\l/TIC *em ,0^as as Prtado mundo, empregam, cora o maior xito,
Uo WJSJJJUlfklj Jo phospbato de *m> sourvel da Lbras, para curar a ehlorosis
(cores paludas), as dores do estomago, e a exhaustaclo do sangue; cora esta prepaiaco, dio
ao corpa o vigor, e s carnes, a sua firmeza natural; facilium o desenvolvimento to labo-
rioso da puberdade. Com effeilo, ""indo, n'esle medicamento, se aeha reunido para lhe
assegurar o maior crdito, pois que enliam, na sua componedo, os elementos dos ossos e
do sangne. 0 seu autor, M. Leras, dontor em ciencias, pharmaceutico, proeasor de
chymioa, inspector da Academia, foi, recentemente, condecorado da ordem da Legiao de
Honra, digna recompensa dos seus importante! trabalhos.
^n TASSO IRMAOS
em sobre

As seguales apreciaedes dos mais celebres mdicos anda vem corroborar ti justificar
lodos estes ltalos i confianca publica :
Precisa c!assificar o phospbato de (brro soluvel entre os ferruginosos que melhor
t convem aos doenics cojos orgaos digestivos sapportam mal as preparaces de ferro.
S0UBE1RAN, professur na Escola de medivina e de pliarmaca.
* 0 pbosphato de ferro olavcl em -manto a mim, a mcllior das prepararle ferrap-
noaas, o o seu cinprego da os mais pron pos c seguros resultados.
ARAS, medito do hospital Sainle Kvgnie
t A forma liquidable phospbato de ferro .soluvol da-llie ama immeasa vaulagem (
as plalas; eu considero este medicamento como mu superior s preparacoes iodadas.
ARN AL, mal ico dcS. U. o imperador.
Entre lodos os ferruginosos, nao conhecemos urn s quo obre io>prompta e ffioazmnte
como o pbosphato de ferro soluvel, a isso, sem cansar o esiomago.
BELL0C, BAU31E, 151GT, FOLLET e PREV08T, mticos dos hofpUaet.
t Os effeUos da preparacio de pbosphato de ferro soJuvet roe parecem ser mu seguros
e premptos. PKBOIT, redactor em chefe do bullelin thrapeutique.
Entre todas as preparacSes ferrofinosas, o phospbato de ferro soluvel foi a que sempre
me deo os fiflhorcs e jnais satisfactorios resullados. GUIBOL'f, medico, dos hospitaes.
t 0 phospbato de fvw soluvel tem, sobretudo, a vanUgcm de evilar a conslipacao e
couvir aos temperamentos delicados. Br FAY&OTy
Deposito em Pernaml>uco, em casa de Morr e O*.
tW.'T"'
'/*. 'X> '/ -'y. .-" '".
Pharmaceutico*Z-
' Umroado0
iicia de fSri.
PASTILHAS
[BDOSESkDIGESTi^^l
deBURINouBUISSON
Medalh
=^F CON L^GTATO Dfi; SOD^'E^MAGNE
Estas Pastilhu cbnatitaem o medicamento, o mais novo e o mais racional para embater
todas as tfeecoes das yhs digestivas. Ellas eonlem, com effeito, o acido lctico, nm dos
elementos normes da digesiSo, combinado com a magnesia calcinada, enjos boas effeitos
tem sido appreciados por todos os mdicos, o bi-carbonato de soda, sal qne faz a base das
aguas de Vicny e da maior parte das aguas mineraes alcalinas. Este trplice conjuncto de tres
productos cuja efficacla popular, expliea o bom xito qne se ebtera as gastrites, gastralgias
IsahMS degaxes, imkacio 4o tstomago, vmitos depois' das comidas, indigestoes, dores
i testomago, etc. Deposito em Pernambueo, em casa de M>arcr o.
PREQO CBRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
l)a fabrica de
P"
Eua Nova n. 23,= Ra de Cabug n. 8
Pernambueo
r.linpfis de seda trancada, Paragor, de 1G bailes, 28 ptHegodas a lfif>; 20
egndas a 155, e i pollcgadas a I4:?(K>0.
Ditos de seda G. de N. liara, de ac, de 1C hastes, 28 poHegadas a li-5:
de J pollerudas a i:!:-> : o 2i pollegadas a 12^000.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 liantes, 28 pollegajBas a 12,-1; de
26 pollegadas a 115 : e 2i pollegadas a 100000.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas a 6): e 20 polleiradas
a :;s;;oo.
Por duzii az-se descont de 15 0{0
Chapeos de sol de panno, debtleia, de 8 hartas, 24 e 20 poUegMks a 32->
lozia. (Deseonto de 10 OjO).
Ditos de panno, de junco, 8 hastes, a 18000 a duzia, liquido.
ApprovafSo
da academia
it mdecina
dt Paris.
Pharmaceytko
au reato
da academia
te medecini.
As prcparacSes ferruginosas liquidas tem desde muitos annos merecido a approvacSo
especial dos mdicos, porque ellas obro mais rpido e scguramenle do que as jilulas, e
sao mais fcilmente toleradas pelos docntcs. Os l's ferro-manganicos possuem a inapprc-
ciavel vanlagem de poder offerecer n'um oslante urna agua ferruginosa gazeosa, de goslo
agradavel, mais aeliva do que as aguas inincrae?, e eontendo de mus um elemento precioso,
o Manganese, que sempre so ada no sangue, junclamcnte com o ferro. Empreg.io-se em
todas as molestias que tem por causa o empobrccimcnlo do saneuc, as6m romo para vigorar
os tempramenios debis e lymphaticos. A chlorose, as Pcrias brawas. dires d'istomago,
a irregularidado da merntruacao e qmenorrha ou suppressSo do menstruo, cedcrii rpida-
mente a seu emprego. Dcvcmos mencionar aqu um facto notavcl, isto 6 que os doe les cura-
dos pela agua preparada com estes pos cslSo muito menos expostos a recada do que
aquclles que forao Iralados pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambueo, em casa de Mmusav e C.
a >
rs
GRANDE LIQUID4C ill
msicas militar
Completo sortimento
BAZAR DA MODA
RA NOVA N. 50,
Esquina da ra de Sanio Amaro
n a .'10 por cenio menos que en ratea qqakraer parto Tendea
d JOS DE SOUZA SOARES V C.
d'i mais acreditado autor GontMl Ainca I'aris.
RA MGVA M. SO
ESQUINA DA RA DE SANTO AMARO.
VERDADEIRAS
r vcituiAiijbiniia i ^
P1LULASDEBLANCARD
COM IODURETO DO FERRO INALTRAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMU DE MEDICINA DE PARS, ETC,
r Possuindo as propredades do lodo et do ferro, convem especialmente as Ktft.cc.oP9
escrofulosas, a tsica no principio,a fraeuexa de temperamento e tambera nos casos de
Falta de cor, amf.norrhf.a, em que precisa reagir sobre o sangue seja para restituir
lhe a sua riqueza e abundencia normaes, ou para provocar e regular o seu curso peridico.
lf. B. 0 ioil ureto de ferro impuro oa alterado um medicamento infiel,
Irritante, r.nmo proy An pnreza de anlhencidade das Ter4m4eiraa ri-
Iuln de Itlancard, deve-je exigir DOSSO aeUa da prala rraclira e
noso Crnia, aqu reproduzca, qne s arha na parte inferior de nm
rata'* Tordo. Deve-sedesconfiar dai falsificacoi's.
Aeliara-*e ra todaa a* pbaraapeiaa. PharmaceuUco, ra Be
LOJA DO GALLO VIGILVTE
Ra do Crespo n. 7
Mandou vir de sua cunta e acaba ilo re-
i't'ln't' polo ultimo vapor, completosoitimon-
Coiiservadora de sna indivi-i*,le 0,,Je,,0S ii"viil^|,; e p*, os
'traaos eslao rtwolTidus a vender .por procos
| nimiamente baratos, para assim (animar aos
dualidade, amiga do
AO TRIM
Est a exposicao do respeitavel publico oeste importante estabHecimcnto um
luid., e completo sortimento de fazendas chegadas pelo ultimo vapor da Europa, o que
wmos a honra deannunciar aos pais de familia, assim como ao bello sexo, a quem o
Tnumpho pede suaattenciio; garantindo sempre em sua nova loja o goslo de fazendas e
novas modas e modiieacao d.,s precos, para adquirir a sympattiia de quem der a honra
de procurar o Tnumpho.
Lindas sodas do cores novo gosto a .->(500 e 268000 o covado.
C.jacez de seda o laa apurado gosto para .500 o covado.
Lazmlias com listras de seda para 141200, i$000 o covado.
Ditas de lindos padroes para 300, 700,800 e 900 rs. o covado
Cambraias brancas de 4#000 at 80000 a peca.
Ditas de cor novos padros de 640 e 800 rs. a vara.
Saias de laa com bonitas barras.
Btloes de laa e murcelina e de arcos.
Basquinas de gros-de-naple de 22000 a 40.-5000.
r.ios-de-naplos pretos do 20000 a 40300 o covado.
Ditos de todas as cores.
Organdiz branco.
Brilliantinas brancas e de 60MR.
EitpMtitttos o enliv-mi'ios bordados.
Alcias finas para senhora e para homem.
Um destas fazendas tem um completo sortimento de chitas escura* e claras, ma-
dapoldeSj bramantos. atoalhados, toalhas de lindo e dealgodc, c outras muitas faeendas
queso vendem por precos queso a vista o comprador se poder desengaar que s no
Trierapho poder comprar bom, e com economa.
PARA IIOMENS.
Bo lito sortimento de casemiras, brins brancos e de eores, camisas de (indo e aJgo-
do, ciroulas, mantas egravatas do quoha mais moderno, chapeos deso do seda o alpaca,
e Mili as muitas fazendas que vista se podero agradar, e manda-se fazer qualqner ebra
d- aliaiato para o que tem um hbil mestre, p proco em tudo, s encontram no Triumnho .
ui do Queimado n. 7.
progreso.
Os labyyinthos da Esperanm
A loja do miiulozas da ra do Qireimado
n. 33 A, vem apresentar sua escomida
l'reguezia um artigo qne at boje cusfava
muito caro, e por isso st'i chegava para a
classe mais abastada da" sociedade.
Tballias de labyriuthosi
Pcrfoitamonio iguaos s quo so fabrican)
no paiz por urna dcima parte do valor d'el-
las vindo a esta loja, apreciar a perfoic.i
conencrentes e aomesmotompoidar sabida
ao gratulo deposito qui.' tem: .isto ra do
Crespo n. 7, loja do Gallo Vlgil inte.
Goilinhas, punboa e camisinh; s para se-
nhora, fazendas dr gosto e novic ado.
Finos \ostuaiios para baptisi os, assim
como tou(|iiinhas, sapatinhos e neiasinlias
para o mismo lim.
Grande sorlinionto de bicos e rendas de
croch e de outras nnkias qu;:lMlades.
Superiores Moas cointi!>icas e sem el-
as, tondo o necessai io para costuras, pro-
reunida economa, (hem sempre pOMtvel .prias para um dolicailo mimo
isso).
As toalhas teem um circulo do lindo de-
senlio e no centro se le em caracteres maius-
culos a allegorica inscripfo.A' baptisar.
A' passeio. W#us uiado.Lembran-
ca.Visita.
Nmguem porcerto deixar de ir completar
o enxoval do lindo lilho para fazer economa
de 45ou 2O0,csses nadas deque se campoe
o guarda roupa dos recem-nascidos qua-
si sempre ficam aos cstrensosos cuidados
das mls, a estas a quem o- Esperance se
dirige, para quem desde j-dispe-se a dar
amostras e corta est que peloprevffneiiliii-
ma deixar de comprar.
l'roBhas
A Esperanca, tandiem recebeu fronhas no
mesmo gosto das toalhas que vende pelo ba-
rato preco de 30000, o que custava iO.s! !
apreciai e se Hgardes importancia ao con-
fortavel da vida, sem duvida comprareis:
Finas caixas com tontos e sem ellos para
voUarete.
Agullias para machinas de costura.
. Ditas para croch, sendo de aoo, marfim
e outnis muitas qualidades, assim como li-
uhas para o mesmo mislri'.
Finas grinaldas para noivas.
Meias de borracha pn quem soffre de
erysipella, assim como meias M laa para
os (pie sollrem de rhoumatismo.
Suspensorios para homem e meninos.
Finos pentes de tartaruga para coques ]i
de outras muitas qualidades e para outros
misteres.
Dedaes de madreperola, mar m, osso,
ac, metal, etc., etc.
SuptfFior agua cosmeocome para fingir
cabellos, dando ao* mesmos a sua cor pii-
mitiva.
(i un pie Lo sortimento de finas pe fumarias
dos meihores fabricantes, assim como mui-
Tem para vender em seus arniazens,fllini4e ti-
tros.os seguintes artigus :
Papel para imprimir. ,
Perlina azul.
Greve pautado c liso.
Vinlios en caixas de doze garrafas
Bourgognp.
Herv.
HadBira.
Heruulage.
Chainlilis.
Licor de curaco de Ikillauda em caixas de vin-
te e qualro Iwtijinhas.
ESSO
Nosarmazens de Tasso Irmaos.
Grades de ferro
para jardins, portearas ele.
Nos arrrmzens de Tasso Irraaos
AltlIIMIO^ i>i: I 1IIUO
Para senripw .le grandes anuazens, para remo-
wr barricas ou caixm's de um para ouUo, lado pelo
mdico preco de 12000 cada um.
Fariiilia de trigo d<3 Trieste
Das mellioras marcas Pauuiiia (verdadeira) Fon-
lana e granqe sortimento das menores marcas de
larinhas americanas.
Saceos de tarinlia de trigo do
Che
Tulas novas, cltegadas ullimamenle nos arma-
zens de Tasso Irinaos.
Cernalo romano
N'osarmazcns de Tasso huaos.
Cemento hydraulico 12S
0 melhor para indo que sao obras para agua, co-
mo ass.'iilamenlo decanos de esgoto, algerozes,de-
posito, tanques d'agua, etc., etc.: em porrees de
itk-o.-nt.i barricas se l'ar reduce;" no preco : nos
anua/.' ns de Tasso Irmos.
Cemento Porllanil
0 verdadeiro cemenlol'oitland em casa de Tasso
Inuios.
Grades de ferro, cercas, por-
teras, etc., etc.
De dilTerentes qualidades para cercados de ani-
maes, cliiqueiros^para galinbasoujardins : nosar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com bren
X.s anuazens de Tasso Irmos.
CANOS DE BARBO
Na ra Nova de Santa Rita, na antiga fabrica de
sabao. ha para vender por pree.0 o mais mdico
possivel. canos francezes para edificantes e esgo-
to de toda a nualidade, superiores a todos os que
aqui tem apparecido pela sua solidez.
TRENOS.
15100 por cano grande"de 3 e meia pollegadas.
1 tfOO por dito de i e IresApaartos de dita.
11000 por dilo .le e um (piarlo de dita.
500 ris por pistoleta de 2 pollegadas.
Cotovellns, curvas c canos de maior grnssura. a
vislase Carao preco. Compras inaioivs de OOi
tem S por rento de descont por prompto paga-
mento. Pude-so ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
lijlos francezes
Para ladrillar casas terreas comasseioc precos
mdicos, muito convenientes e propriosparaladri-
llios detfosinhas em sobrados, pelo s.u asseio e
evitar a |ossagcm de aguas para o andar inferior
e mesmo o perign de fogo, aos precos de .'!0000a
i000 o millieiro : na ra Nova de Santa Hita, na
antiga fabrica de sabao, e compras inaiores de 20l)
se fai' *> or cento de deseonto por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmao?.
Velas de esparmacele verdadiras para lan-
tornas de carros: noarmazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto lino superior : no armazem 1
ile Ta~so Irmaos.
. O melhor cognac Gautliier Freres: no arma-
zem de Tasso Irmaos.
Esteiras da India
IEni casa de Tasso Irmaos vende-se esteiras da
India de diversos padroes c larguras, por preco
roiiunodo.
Macarthy
Jlacliluas do desearoeai* al^odiio.
Boje que est reconlieiridu que as machinas, de
serrote prejudicam c quebrara a libra do aJgodio,
precisa reeorror a maeliiuisuio inenos upen,
que prndiizindo o mesmo servico que aquellas, e
l'acilitladi; no traliallio.'nao quebrera a fibra da laa,
para que es>a ponga obter-uos mercados enropeos,
adilTeienca ipie ha entre o algodao descarocado
por aquellas mencionadas machinas, que eslab li-
cando em desuzo, peh) prejuizo que tem causado,
e o da antiga bolandeira, que nao pode competir
pela morosidado de seu traballio. E* assim que
estas machinas se lornain as mais proprias para o
uosso aleudan, por ine n par da l'acilidade 0
prompii.l.i oBsetwa a fibra da laa, que limpa por
ella, (' qualilicada na Europa a par da melhor bo-
landeira. valcialo as-ini entre 10 arrobas 20 0/0
mais do que a laa limpa pela machina de serroh
Estas machinas n.io sao novas, pois que ha muito
estao adoptadas ne Egvpto. aonde as de serrote
foram inteiramente abandonadas, e por isso o algo-
dao daquella pro edencia. sendo da qualidade do
danossa-provincia, oblem boje do 10 arrobas 20
8/0 mais do que o nosso : vndem-se a fSO^OOO
nos armazens de.Tasso Irmaos.
Tabellas vermicidas
Antonio Nunes de Castro.
Vermfugo eficaz c preierivei todos os
conhecidosj pela certeza do seu resultado,
e j pela fcil applicaran s enancas, quasi
sempre mais atacadas de tao terrivcl e
muitas vezes fatal soffrimento.
nico depfjsib),
Phannacia de BartholoincoA-C.
. 34ra larga do Rosario34
LOJA DO PASSO.
lia do Crespo n. 7 A, esquiaa
da do Imperador.
,Q dono desleimpotuite cMabelecimento.
teodo recehid*. ile ua cunta, pelo vapor
francea Sxfaeiiit novidade ptoarios i.ua a ftata, econgeio de
que sen gstiwetecMneqfo se ada bem sorti-
do, pn'iK'ip.iliii.'iit'1 em arfifOs.de moda, pe-
de ao respeitavel publico e em particular
aos seus numerosos freguezes abondade
de honra-Id com sua conlianca, garanUndo-
lhes serem bem servidos e por precos ni-
miamente baratos. Venham, pois, todos
comprar novas e lindas fazendas boas e d
alta novidade, com bem:
Riquissimos cortes de blonde.
Riquissimos cortes de seda de cores.
Sedas de brtdas cores para covados.
Moire-antiqtie azul, verde, branco e pre-
to.
Grosdenaples azul, verde, branco e pe-
lo. #
Gorguro Dranco e preto.
Setim branco macan.
Cortes de seda com duas saias.
Cortes de laa escosseza com duas saias.
Cortes de la e seda, novidades.
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de cord3o lindas cores.
Ditas lisas de todas as cores.
Cortes de vestidos de canibraia bordados.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho cora lindos bordados.
Lencos de cambraia de linho bordado?.
Chapelinas de palha da Italia.
Uitas de sedas de cores e pretas.
Enfeites para cabeca de senhora.
Coques de todas as qualidades.
Rasiptinas de seda enfeitadas com primor.
Leques de madreperola, marfim, snda-
lo e osso.
Camisas bordadas para homens..
Colchas de algodo e seda para cama.
Ditas de crochet para cama.
Palillos de crochet para cadeiras e sof.
Chapeos de sol de seda para senhoras.
Espartilbos para senhoras.
Toalhas de labyrinto.
Lencos de labyrinto.
Fronhas de labyrinto.
Ricos, rendas e grades.
Finissimas cambraias de cores, percales,
las e outros mnitos artigos de gosto e no-
vidade.
Loja do Passo ra do Crespo n. 7 A es-
quina da do Imperador.
Viuho Figucira
Vende-sc em ancoretas de 9 eanadas superior
vinho da Figueira, proprio para casas particula-
res : na na do Amoriin n. 58. armaiem.
Vende-se una casa em fyprpi, de lijlo, en
ehios pntprio:. junto a reja : a tratar no pateo
do enraizo n. 20.
Vende-se tuna trra parte dn casa Ierre:<.
sita rtn Velha n. 9 : qneo qotter din'ja-se i
rua cs'reilado Rosario n. :I2. :i" mular.
Ornamentos de igreja.
Vitideni Gregorio Paes do Amaral Al!.
a rua do Cmspo n. 5. casullas e una um-
bella do damasco de se feitameute acabados.
PAIIIII.
Vendem tambera um riqiissiino pallin
de damasco de seda branca portoguez bor-
dado a otiro fino.
Nemlem-se eaixos ci ni veas de earnaub
milito claras do Aracaty, e epeiras grandes e pe-
quenas, de bonita pintura, tudo por preco COturno-
do : na rua do Vicario n. 33.
Vende-se
tres cscravas crioulas. duas mocas o urna de mei.i
idade, todas rom habilidades : na rua da Praia
n. 47, primeiro andar.
Msicas
neste bello paiz ninguem se faz pobre dis-'tos outros object.is que impossivel des-
pensando 156 ou2O$000, con o aa-eio e W^n isto s na rua do Crespo n. 7, loja
DOENQ AS das GR I ANCAS
XAROPE de RBANO 101}ASM
^-MiwJMli^ PHARfciAr.EUTir.nq fiy! PARS
belleza de que se decora a habtaco, s
vezes no que menos pensamos, entretanto,
como diziam nossos maiores, a sepultura da
vida : ainda s senhoras a quem a Espe-
ranca se dirige, fma senhora cuidadosa
do nada faz a casa.
Rua do Queimado n. 35 A,
Vende-se ou arrenda-se o engenhoS.
Gaspar, sito na fregtieria doSerinhaem, co-
marca do Rio Formlo, prximo do embar-
que, cara grandes partidos de pal, e mae-
sap i roda da moenda, motos e mangues
para madeira necessaria, bom pasto^tc.:
tratar na rua do Imperador n. 20, ou rua
da Florentina n. 28.
do dallo Vigilante.
Collares Rnver elctricos magnticos con-
tra as convulsoes das'criancas e para facili-
tar a dontincao das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo rocebedor d'estes prodigiosos
collares e contina a ter sempre grande de-
posito, rua do Crespo n. 7.
FUNDICAO DOBOWMAN
lina do Itriini a. 58.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batido? fundido.
Rodas dentadas, para moer com agoa,
vapor e animaes.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro-
prios para agricultura.
GAZ 1.1/ I.AZ
Chejron ao antigo deposito de Henry Forster &
C, rua do Imperador, um rarregamento de paz
de primeira qnalWade; o qjal se vende em partidas
e a retalho por menos prero do que em ontra qual-
quer parte.
Vende-se partituras para pianno^ e canto,
e pianno s, para msicas militares, pocas
de operas, e danfa, medrado para rebecas,
flauta, e ophcleyd, duelos para* duas flau-
tas, para dous cirmelos, fantasa para pian-
no, e rebeca, tambera ha ontras pecas par.,
pianno 1 e G otos, alguns pedacos facis
para pianno s. Na mesma ha tambera
missas para quatro vozes: as pessoas que
quiserem podn compra-las rua do Jasmim
n. 27 ou a rua Nova n. 21 fabrica de cha-
peos de sol.
Cemento de Portaiid.
Vende-se no nruiazem de Vicente Ferreira 3a
Costa & Filho, na rua da Madre de Dos n. S2, em
han-ie grandes. _______
Vende-se.
Um baleao em bom estado ; na rua da Cadeia
do Recite n. 23.
Saboiietes de akatriio
BE
*ctll'-J"^T2T!L e0> T,*'rt!,e B. nd iciro de- ama fam. ustanente merecida, por
ido et lioneni acientifioo
oai pan. eombater o lymp
digesuo. resume tes umd. su Em. vigor Dturae.,E, Xiffi

especialistas para combater as diyersas affectoes da pelle.
Depotito em Pomumbuco, em casa de
da c.
CURA DOS CALLOS.
VILK
Pomada galonpeau.
Deposito espedal
fharmacia de Barmolomeo & C.
34------hm larga dt> Rosara-34.
Vende-senmatabernrcom' poneos fundse
mos afrefnwada. tanto rmra o mato como para a
ierra, o alugml eomrai.v o^m eoramodos para
pequea familia, a rario da venda se dir aos prt'
tawwta: a tratar aa roa Wreita n. 50.
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado .preparado, que t5o boa
acceitac3o tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nnico,
Pharmacia de Bartholomou 4 C,
3irua larga do Rosario34.
Tintura japoneza
Instantnea para Ungir os cabellos e a
barba, a 1$000 o frasco.
E' a nica approvada e rocommendada
por ter sido reconbecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. rua da Cadeia n: 54.
Mucamba
Veade-se nma bonita mnlata de 16 anuos 4v
idade, viuda ltimamente do Cetra prop ia para
niucumha, para ver c tratar a rua da nperatrfc
n. 2, segunan andar.
~ Vende-se urna canoa nova que peca 1,500
fijlos : na rua Imperial n. 247.
Vendem Augusto F. de Oliveira. & C rua de
Commercio,n.4l
Fariiiha 4e mandioca,
Tem para vender Joaquim Jos Cioncal-
ves Beltro, recentemente chegada de Saa-
ta Camarina, a nonio do patacho portuguez
rabe, Tundeado defronte do trapiche do
Exm. bar3o do Livrfflnerfto e para tratar
cn o mesmo na rua do Trapiche n. 47,
ou a bordo do refcrWoiVw.
Rap Paulo Cordeiro.
Vende-se rap Paulo Cordeiro fino, via-
jado, em latas, melogrosso e vinagrinho,
ao deposito cargo de Jo5o Erancisco da
SilvaNovae, rua doVigarion. 41. -Paz-se
vantagens a quem comprar por?3o, e troca-
se o rap que nao sabir ao agrado dos cn-
inmklore. _______
Na rua de Bortas n. 1,' deposito de charutos j
(cigarros tem para vender jphosbnoros de segu-
franja invencao moderna a 800o cento. '
- Mafioel rves Ferreira C, na rua da
Moeda n. 5, segundo andar tem para vendet
superiorpotaasa daAussiaem barris e raeios
barris e cal de Lisboa da mais nova que ha
no i mercado._____________________
Na rua de Hortte casa n. I.cempra-se jornae
ou ontroqiialquer papel que esteja liaipo, ai| a
anab.
> Vendo-ie 1 asm va, bonita eriouia, iaigni'
engommadeira e cozinheira, com nm lindo nfhi-
riho, 6 ditas para todo servteo anua meWKi odr
eoMao, I eseraw o por 7004, 1 an toa
quiandBirae pie fartodo o%ervoo por 750* : na
travessa doGarBwn.1. ________
Vendo-se urna Bfeta meca, cqiu nabilidades;
a tratar na rua do .ragao n. 32.
Para armazens a roallio.
O Campos da rua do Imperador u. 28. tem para
vender prande qnantidade do mediRs de estanho
para liipiidos, e de madeica para soceos, polo s\>-
tenia mrtrtfO decinml, pelo qusl estn Os negocian-
tes a retalho olnigados a vider suas mercadorias,
a contar do 1 de marco do coi rente anno. O aB-
luinciaule avisa e garante aos que de taes medidas
nnromilnm. que s aiiM as mais exactas, por
qnanti sao loias an Paris. de confnnnida.le cun
o sviteina cima dilo. e secundo o padrao adoptado
pelo governe imperial ; nao acontecendo, porni.
o mesmo com outras <|ue ahi se vendem. ipie son-
de da mesma eapacidode. MMKttmVB de modello,
vindo oferecor duvidas nao s aos compradores
como aos veuiliilores.
Meias elsticas Se borracha.
ka inelliores c excellentes 'meias elsti-
cas de borracha contra vari/ese eryaipeHas,
Vende-se na
Pharmacia e drogara de
l'.artholomcu d- C.
1irua largado Rosario31
v
m


IIMI

-

.
K"***
Diario tle Pernambueo Soxla frira 22 dr Janeiro (Te 1869.

A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
DO -^,
______ .1
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O proprictario d'este estabelceimcnto convida ao ronpeilavel publico dest ca-
pital a vir surtir-se do grande estabelecimento oue tem de fazendas, tanto da moda corno
le le, c in masos que negociam eui pequea escalla, tanto da praca como do matlo-
nesta casa podero faaer os seus sortimentos em pequeas e grandes porcoes, veiiden-
do-se-lhes pelos precos que se compram as casas in^lexAs ; asshnoomo as excellons,
simas familias, poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o que aoha-se este estabdecimon-
t aberto constantemente dtgde as 6 horas da manl^asO de noute.
O toalhado do Pavo.
Ynde-98 superior atoalhado de algndo
cora 8 paitaos de largura, adamascado a
:'v2(>0 a vara: dito de linho fazenda nraito
superior a 300 a vara ; guardanapos de
linno adamascados a t$500 a duzia e milito
tinos a 8009, e ditos econmicos a 3#i09
a duzia.
C roclis para catlelras na loja do
Pavo
'hegaramos mais lindos panos de ero-,
eM on puarda bantras, proprios para ca-jcom listinlias e mitas guio barato preco de
MAD Vl'OLO A 3:300.
Vendem-se pecas de madapol5o fmo coin
lat jardas pelo batatoprecu de 3:500 a pe: a.
dilo rom 14 jardas a 7#000, un ra da Im-
IK'ratriz li.OO, armazem de Flix Pereira da
Silva.
Uiasliihas
A doze vintens.
A doze vintens.
A doze vintens.
Vendem-se laasinbas de corea muito bo-
nitas eom desenbos miudiiibos e srandinlios
Temos itovidade na Ierra 1
folln ninguein se lepante
A COflsa nao de dar cuidado,
Faz sempre a sua admiraran,
Mas n3o offende a ninguem,
'Agora nao se lembrem de novo incendio no pardreiro,
era que hmrve cxptoso na maxanboinba,
Nen que o preto Thotnaz fiv.'io da DetencSo,
Nnn Hfle o vapor cliegou embandenadd,
IS'em que a FRAUATA AMAZONAS-virn
Nao se trata disso
oS.
Ser tguMJtUz V paz qno quer pastar u nu-lro no seu subs">
Ututo em eonseaiH'uaia.dc estar abolida a vara .'
NAO SI:N1()HESfenliam paciencia Baperem
Nos vamos di zer do que so trata-nao com aquelles modos que toma o cidadao
russo, Sr. Antonio Dumin'gues, quando reeoribece que na mellior boa f IIm- empurraran!
algum livro sem principio nem fin -mas sini ron amellas maneiras assz delicadas que
sempre se encontram no perfumoso ninbo da SfBipatliica Aguia-Branra: assim pois
allendam: .m.
detrtts tanto d'encosto, como de balanco e
de gnarnicao, e outros compridos para so-
f, assim como ditos redondos para mezas
reflda, ditos pequeos para almofadas, e
diiis para rohrir presentes, teudo pequeos
at para cubrir uia prato, que se vendem
lO ris o covado na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. GO, de Feliz Pereira-da Silva.
AS CAMBHAIAS O PAVO
Vendem-se linissimas pocas de cambraias
lizas transparentes tanto-inglezas como suis-
sas teado mais de vara de largura, pelos
por preco muito em cunta, na loja e arma- pcepos de 56000 at 105000 a pepa, assim
aem do Pavo ra da Imperatriz n. (50, de'como ftnissimos orgamlys branco liso que
Flix. Pereira da Silva. Isme Para vesti4(,s de bailes, por ser muito
_ ._ ... transparente a lA'OOO, a vara, na loja do
Fnstoes i>*ra vestidos oranrospviQ uth napcran-iz n. 00, de Flix Pe-
a4. I reir da Silva.
Vendem-se <*s tois modernos fustes bran-j pi'STO BRANCO PARA VESTIDOS A 040
cosBeriveis com padroes.de listas c de Na loja do PavSo vendem-se os mais mo-
salpicos propios para vestidos e roupas de i demos fusloes trancos de lista e cordao
menino alilOrs. ocovado, na loja e arma- ;n,to encornado mas muito llexivel, pro-
zem do Pa\so ra da Iniperatrizn. 00, le nros j)ara vestidos,roupoes, percadores etc.
Flix Pendra da ana. ete., roupapar-a meninos, polo baratopre-
Ol'jaulys '" 'te GiO ris de Flix Pereira fia Silva
Drgaady b.mco liso, muito Bao a o; SE1)AS cm USTmi\s A 3.^0^ 0
rs. a vara-, dito cora quadros ou listas.fa- COVVDO
/oda mito superior a 10 : lil dedioj Vend.mi-se as mais modernas sedas de
brai.ro om palmu.has, lazenda murto km a |isth|||.|S p.^ V(,s( (|us_ (.,U,,(1.1S {)do llitimo
b*o 1^. a vara. vapor com es cismis modernas que tem
Cirosflenaplcs viudo y oslo mercado, pelo barato pi-ero de
Cbojaa para a -1-jja do Pavo pete sltimo '-U rs. o cavado na ra da Imperatriz v
varporam grande'sortimento dos melkores M de Pete Pereiada Saa.
gn sdflaaples pretos e de cores, |eado Wde Alpacas lawadas
Uimbom, que se vendem mais banao que; C*egauan pelo ultimo vapor as mais me-
em ovtra qiadqaer parte. j damas asacas lavradas com as mais badas
Lencos bruicos a l#GOO a dasia cores, qae se vendem a \ 5000, o covado,
Vcnlein-seleiicosbrancosile caiidiraia lo litas lisas tendo tamben cor de canha a
algodao a l-WW e 2? rs., ditos te k'nbo a 1800 rs, dita mescladasannito linas a i:200,
: im e i-> rs. a dalia; na loja e annazein <> covado, e outras multas lazendas de gaste
rioPuvo ra da imperatriz^i. 06,-de Flix e moda-que se vendem mais barato do
Penara da Silva. I que em outra quaupier parte, no armasem
t |\t is \ f)OO0 '>av5' rua daImporatriz n. 00. del^elix
; Pereira da Silva.
ORtiANDfS DE COR
VeaiSem-se org.mdjs de cores com pa-
para a
]
Amigos de fartar o estomago agradavelmente venham rua da Imperatriz
casa que Tica em frente ao magnific cafolliem..... olliem..... Nao wn
OM DEMON
Nao se henzam
Que e peior
Fiqurin bem quietos*
* Que mellior. 1
Mullu'i', demonio que imparta '
Mullier, demonio bel de amar-te !.
olliem
Agora digam ('amigo :
133,
Fallemos muito serio
Com o funde eutar aos liomens a abastecer as suas despensas no MAGNIFICO
ARMAXEM DE MOLIfAOOS a esipiina da rua a Aurora defrortte do sumptuoso Cif hn-
perotsiz; o incansaveJ. proprietario desse importante estabelccime:ilo aralia de ]iro\r-io
duque lia de mais superior e digno de tima casa fiessa orUeal.
Este interessa;ite estabelecimeato se torna saliente. n6o si'i \'-\ o ptima lo.ali-
dada, romo pelo ormoso e eneantaiKirenditema qae o assigoata. \'ede-i \,riosa Circe.
ettCaatadOra maga fao se spellia as aguas do nosso ame,(1 Capibarroa, e como que desa-
liado o liso para a It.meira Olinda que al^m se avista gatbosa e gentil repcela da ora es-
{rmica de em breve gosar os mais tjfMos pasMkmtes pie |ln> sero tevdns pela n >vaes-
Jrsida de ferro qae e acha 110 nascedouro.
Vendem-se diales de merino com boni-
tas larras, pelo baratissimo preco de 2000
i t&QO rs., na loja do Pavo rua ia Impe-
ratr n. GO, de Flix Pereira da BBva.
PECIIPaCHA A 3:500.
Cartas da a :!:K)0.
Cortes de la a 3:500.
Cortes de la a3:300.
i I aafins a 280 ris.
Laziiias a 280 reis.
Liazinbas a 280 *is.
S o Pavo.
S o Pavo.
So o Pavo.
dries siiudinhos em assentos brancos e de
cores pelo baratissimo preco de 3C0 re, 11
covado, linissimas cassasfrancezascoradeb-
cadas>cjres e bonitos esenhos a 320 rs. o
covado e ditas a OOrs, na rua da Impera-
triz n. JO, armazem fie Flix Pereira da
Silva.
Roupas para houicni
Veiiilem-se superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
I camisas inglezas o. francezas con os peitos
:de esguio, ceroutas francezas de linho e al-
godo, meias cruas iaglezas superiores, ca-
misas de flanella e de meia de la, assim
Vendem-se bonitos cortes de i&a&ahas
C aa vestidos com pailres modernos tendo (nnulllillliiHllkli 1 nlVilii 1M1 fllilDitr
< ada mu corte U -covados pelo lai'ato pre-, sorthneiito de para ios pretos, e tle caseauras
co tle 3:500 rs, asfim como ditas em pecas iaglezas de cores, e quese 'manda fazer
que se vendem a 280 rs. o ovada, Bando IqaUqaeroara a cimiento dos Srs. fregue-
prande pecliinclia na loja e armazem do Pa-; &$, e promette-se-lhes que sero servidos
vao rua di Imperatriz 11. 00, de Flix Pe- (.m a .Maior pronptido e muito mais ba-
reira fia Silva. rato (! que em oatra (piabpier parte
BABAOINIIOS ina i-ua ia Impera riz n. 60,de Flix Pr*i-
Venem-se finissimos babadinh<>., tiras n a fifa.
bordadas e entremeits, mais barabis-do que! o cenados
en oulra qualquer pait, assim como sparr i |arn cpmas e janellas
tdlios dfcs mais moderaos, no anaaeem de i yeMt^ m g 'strlimeilto dos w-
K-l.xPore.ra da Silva, rua da Imperatriz 1 10res e raaioros rortinadas bordados w-
" w'- pnos para camas e para janeilas, que se veu-
Af T Mfllf in Afir ^em a l-2#000 rs. cada par at 25i>000 i*.
AL I A IfUV lUAUt isto na rua da Imperatriz a. 60, de FeJb:
i LOJA DO PAVO |v,ei,a da M*t-
Gurguro de seda Vlilias
Chegaraifi pelo ultima vapor os mais bo- v Mdwwaas melhores chitas escuras para
aiios gargnAM da seda, proprios para vas- m\([ "^ la8' Pto9. ba,^^s
tilos, sendo lisos e lavradi.ib.as, com muito P"?? ^^ e 'lb0 rs- fvado' d,tas
lustro, garanlindo-se que a fazenda mais "lu.,u> ',uas JrasC*$als ^ daras- ?" P*"
Jinda e de mais phautasia que ala anno tem I,ln,i;s d',aSia a ] J. e *%*]*, ech,ncha.
1 negado a este mercado, e veude-se por !a !a ln^1'17' 6' annazem (le Fe'
pi-ei;o muito razoavel, na rua da Imperatriz x Pere"* <1a Sl,va-
a. 00, de Flix Pereira da Silva. Crosdenaples preto
-Sedas de lalas para vestidos Vende-se uin grande sortiinenlo dos me-
Chegarum as mais modernas sedas lista-, Ihorcs grosdenaples pretos, tanto lar-
das para vestidos, eom as cores mais no-lgo como estreitos, sendo de 2y&000 r.s. o
deraas que tem viudo ao mereado e ven- covado at i-OOO rs. garantindo-se que
iiem-se por preco muito em conta por es-; nYsle genero ninguem tem mellior fazenda o
tanuos luuitos prximos da festa, isto pa que se vende mais barato do quo era oulra
luja do P;ivo, rua da Impera'iz n. GO, da: qualquer parte, na rua da Imperatriz n. GO,
Flix Pereira da Silva. I de Flix Pereira ca Silva.
Venlia toda a poptilarao V> Recifc ver
DEMOMO.
Assim, pois,
admirar a bella pliysionomia d
ALTAS NOVIDADES!
BOM
ECHINCHAS
Novamente chegadas ao armazem
DO
DE
PAREDES PORTO.
Tendo-nos ebegado ltimamente fozendas intek-aniente i>ovas, convida-
mos por e;*e meio ao respeftavel publico a que nos procure comprar fazent ias de
bom goste e por precos qoe nao aohar eas outra qualquer parte.
Admire 1
Madapoes finos a 5$, G|, 7$ e 8$ rs.,
s no armazem do Leiio.
Chitas escuras de padfes lindos por pi-e-
co de 320 e 3G0 re. o covado.
Gassas de cores com pahainbas c com
listas de diversos padres c 240 e 320 rs.
Lazinlias inzentas e cor de bobina ;
320 o covado.
Chitas claras miudinhas a 320 e 3G0.
Alpacas Metas c de cores tundas proprias
para vestidos a G80, 700 e 800 rs.
Pecas de cambrain transparentes a 4,
.*),> e G-S. Por este preco adwira a todos 4.
Lencos bordados a 6A, 8jjSM8 e f 2*500.
Ricos e bem escolhidos gastas fe bis-
marks para calcas e paletirts a 25500 o
corte.
Tambem tem para acabar pecas te pan-
no de linho, com 27 varas, a 17 > e 18$.
Toallias de linlio para rosto a 10.1 a du-
zia.
Aoti Srs. armadores denterros.
\enlo-se pecas de hollanda preta com
40 covadosa 51 : na rua da Imperatriz n.
8 e 52, jauto a padaria francoza, laja do
Leo.
Alleneo roupas feitas !
Cortes de casemiras de qeadrinbos c lis-'49 Loo, m da imperatriz ns. 48 e
TCSSES
CATAIRHOS
w&mtmi
PASTILHAS PEITORAES
E LOURO GREJO
IRRITAC&ES
DO PEITO
E' este o man novo e delicioso coafeiio al ago-a conticcido. Por isto tem adijuirido ra-
pidameoic a popularidade de que goza. Os mdicos os mais distincios o aconscllio contra
as tosset, defluxos, catarrhos, tosses convuUas, catnrrhos epidemia, irrittifoe* do peito. Com
grande empenhoo procurSo asmSes de famMia, assim para ellas como para as enancas, pois
primeiro qne tndo inoffensivo, e as snas propriet.adcs adocanles nao deixlo nada a desejar.
, Deposito em Pernambuco, em casa de Haova* e O*.
11TII1
PPlIIsiO
CIGARROS NDANOS
IfJDOCANNABIS INDICAl
.vGRIMAULTtC'.-PHARMACaiTicoSEMpARIS
IBPDCiIl
oiimili

Todos m raeiae at baje preconisados mira a anhma nao lera side mais do qne palliativo
debaiu) de todas as formas, teado por base a belladona, o estramonio ou opio. Rcenle expe-
riencias feitas em Altemanna, repelidas em Franca e na Inglaterra, lem provado que o cansino
indio de Bengala possue as mais notaveis propriedades para combatir essa temive) affeecio,
asrim con a loase nervosa, a insomnia. a tysiea larynjr.a. a rewqi ido, ealineco da vas,
e as ncvralgias faciaes. E' pois eom o apo da scioneia que offerecemos estes farros, propala-
do* com o extracto de cnamo das Indias, qne nos importamos de Bom laim.
Deposito em Penumbttea, em casa de lUnr C.
m-4444i44444|.444^M.l-li444.4441 i-l-Ul
tas aJ*80Qe3,5.
(^orpinhos bnancos para saadiora a 34 e
:i-^00.
Pechincha 1
Corles de cassiaeti de cores p^ra calcas e
paletots a IdoOQ..
Cassineta de cores com um pequeo to-
que de mofo a WM) is. o covado.
Espartilhos muito finos a 4-aOO, 5t$ e
Admira!!
Clvalas .le seda a 500 rs.
Gofiritias bordadas a S00 rs.
I.azinhas a 200 rs.! I
l.azinhas a 200 rs.! f
Laa/.inhas a 200 rs. !
nazem
52.
Assim coo temos m grande, completo
o variado sortimento de roupas feitas: pa-
letots sarros, sobrecasacos, fraques, jaque-
teSi cali;as, molletes, camisas, uoulas,
cbapos etc., ludo por precos que .admira!
Ten tamben um suimento de (roupas
ordinarias por preco baratissimo.
.Valia de cbgar tambem um completo
sortimento de damascos de cores, sendo
azul, amarello e cor de caf ele, qae se
vnde por preco commodo.
Admira!!
No armazem d LeSo I!!
No armazem do Le5o! !
No annazem do LeSo!.! 1
No armazem do Leo f!!
No annazem do Lelo, rua da 'Imperatriz ns. 8 e 32, junto a loja de oarives
e padaria franceza.
NOVIDADES
Rua do Qiieiiuado n. II
IfilSTOPORl k
A este estabelecimento chegaram as mais lindas cbapelinas de crep, tule e pa-
Ihinba da Italia, primorosamente enfeitadas.
Balees reguladores para senboras e meninas, os mais modernos e de varias
cores.
feitadas.
Basquinas de seda para senboras, o que ia de mais gosto.c delicadamente en-
Ricos vestidos de blonde, com, manta e capella, para noivas.
Cortinados de cambraia Ijordados para camas e janeHas, de diversos gostos e
qualidades de io>$ at M0DOO.
Tapetes alcatifas em pe?a para forrar sala, gabinetes e corredores.
Camisas infdezas de linbo para honiem.
Ricos vesCSos de seda pretos bordados agulha e de cambraia l>rancos tam-
bem bordados pelo inesmo systema.
Fronhas e loalhas de Rnho e de esfoilo todas bordadas para casamentas.
Sedas de b'ndas cores, casjitiras de cores as mais modernas, saias de la com
baas de cor, chapeos de sol de soda inglezes, espartftog para senhoras e meninas,
colarinhos de finho rara bomera e grande sortmente de fazendas do todas as qrnridades
ique. se vendem por precos qae agradan aos compradores.
Nste eslalielecimento coafina a reeber-e estelas da India para- forrar sal-
las de diversas larguras e cores, quo vendem-se mais baratas do qne em ootta qoafc-
quer parte", por isfxrchamam a attenrSdt para as
Esleirs da nax para forrar salas.
0 cordeiro previdente
Una do fcveimad* n. I.
Novo variailo suri ment de perfumaras
linas, e nnlros'objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, do que llli'ciivamente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
receber mu entro sortimento qiTe se torna
notavel pela variedade de objectos, superiori-
dad', qualidades e commodidades de pre-
cos; assim. pois, o Cordeiro Previdente peda
e espera continuar a merecer a apreciaran
do rrspeitavH publico em geral e de sua
boa iremem lanilo elle de sua bem conliecida raansido
o baratera. Km dita loja encontraro os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dila \erdadeira de Murray : Laminan.
J)ita ile Coiogne ingleza, americana, Iran-
re/.a, todas dos melbores c mais acreditados
fabricanti s.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgia) para conservaco do
asseio da horca.
Cosuu-tiques de superior qualidade e ebei-
roa agradaveis.
Copos e latas, maiores c menores, rom
pomada Bna para cabello.
Frascos rom dita japoneza, transparente,
eoutras qualidades.
Finos ('virarlos inglezes, americanos c
francezes em frascos simples eenfeitados.
Essencia imperial do linocagradavelcliei-
10 de violeta.
Outras. concentradas e de ebeiros igual-
iik'nle linos e agradaveis.
Oleo pliilorome verdadeiro.
Extracto d"olt-o de superior qualidade,
com escolbidos chebos, em frascos de dif-
fereates tanoaabos.
Sabonetes em barras, maiores e menores
para huios.
Ditos transparentes, redondos eem figu-
ras de nirninos.
Ditos milito linos emcaixinlia para barba.
(iaixinliasroin bonitos sabonetes imitando
fructas.
Ditas de madt'ira invernisada conlendo li-
nas perfumarias, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
bem de peiinnaris linas.
Bonitos BO de metal coloridos, e de
.nobles novos e elegantes, com pde^rroz
e boneca.
Especial p de arroz sem composicode
ebeiro, e por isso o mais proprio para crian-
cas.
opiata ingleza e fi ancezapara denles.
Pos de campbora c outras diferentes
ipialidades lambem pan (lentes.
Tnico oriental deKemp.
Anda mais eoqnc.
Um outro sortimentos de coques de 110-
veee bonitos moldes com filets de vidrilbos,
e alguns driles ornados de flores elitas,
esflo todos expostos apreciaco dequem
os pretenda comprar.
GOLUNHAS E PUXHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeirao.
FiTelIas c litas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
O que de mellior se pode encontrarnes se
enero, sobresabindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para viasrni.
Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
\recos commodos.
Cbapelinas de palba da Italia mui bem
enfeitadas, e eafcatee defieres obra de bom
josto.
E assim muitos outros objectos que se-
ro presentes a quem se dirigir dita loja
do Cordeiro Previdente a rua do Queimado
n. 16.
ENFEITES DE PALIIA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente rua do Queima-
do n. Ib acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
conliecida commodidade de precos.
ALEM D'AQUELLES.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos : assim como um variado sor-
timento de gallitos de la, babadinhos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
riedade de gostos os tornam recommenda-
dos e apreciados ; compareco pois os pre-
tendentes qne sero servidos a contento.
TAO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUYAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homens
como para senboras, constantemente acham-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
rua do Queimado n. 16.
ESCRAVOS F6IB0S.
200$ {OOSfegralifiracJlo.
(;i;ufica-c, segando a distancia, a quean \<
o levara seu scnlu.r o Dr. VirjitKi CameKQda
Cuaba e Albuijuei'|ie, murador do fii^eno Cwi
i-unlin, da fi'i'guezi.i da Luz, o eferave Ioaqslm d>
Sanl'Auua, preto de idade dci'i anuos, Liival, crtt
(rua rejiular, purni lunpuueo espadando e lary<
nlhos pi'ijiicnos. vive e un pt-ueo 11 ancos, denl--
perfeos. alvM e Ruados, raJKca paqueai, P*s p
iikuis repiilan's, dis|H,si(i e esperto para qualqio r
servida, falla vaparoae piussa uu cteia, andar vTir.
pouco panpueiro, deve Irr marca as ptrnas m
castada ftosp 1* fenos .pi' l.voii. Km emupiadn
i Sr. bario de Naanet e arte cempnm-o aaSr
Jos Miguel (Allrmn) que o li'i.ix.- do Itio-Gcaodi
ilu Norte e ani o comproa ao sr. rapitau Krcdriiu ,
motador na villa do l'ai de Ierro, e osea pai i
capilao Keinaiides eoiii|afii-o M Si. Manoel TtM>-
maz ia Sil\i otate na villa de Porla Ak-giu.
-.iiiIii o releridweienvttBatnicaJ dobig ilaprovin-
cia da Parahrba, perteneen e viajen |ii-iu<*i|>ain
os sertocs de Ingazeira em I'ajc (ande tem doii*
scnhnres mo^os iiai- Mne KaWoitM e QamHfa
Siria Talliada. cidade de Soma. Sena do Marina
ele. le.. assim lamn m pivune-se a ipumi una
liendiT o referido esclavo que mlu un coi tu. o
provincia da Parahyba oenrregne ao Dr.Joc6 Pao
ltn> de I'igueiiedo na cidade te Bauza, ou ao es-
pitan Jeaijiiim Saldanlia. na fa/nida Mulug i.-
riacho de Poicos, no caso de uio querer trazei i
seu referida senlior.
Alleneo
!
Fuen boje pela uunkaa esesara do oomc ;<-
nirnsa, perteocente ao Dr. Elias Fredcrleo de Ai-
mi'iila e Alhiiqiierque. ila l'.,r;ih\hn. a qnal ten <
signaes seguintes : cor preta. eaieca peipiena, a-
liellns c.uapinlics. nllins gramles, otatura icgnl, r,
dor|io liastante secco. pea um penco apathetado;.,
gesticula muito ipiandn falla, cmn idade de tfi para
17 anuos, muito ladina, lava bem, cn/.inlia n<-
gomma, fatuo com vestiiln de chita roxa e cha!'
azul : ipiem a prender pode entrega lUflO Dr. Jii
nesin (le Apiinn Fonseea. na rua Nova n. 7, '."'
andar, OU ao Sr. Manuel Caldea Barrete, em Hel "
rilie. qoe sera recompeneado detMantete.
NOVIDADE
A bija de Coelho d Oliveira na do
Queimado n. 19, receben pelo ltimo vapor
um bello sortimento de baloes de diversos
systemas, os mais aperfeicoados que teem
viudo ao mercado, sendo i
Baloes de guipur com tiras chamados
reguladores, ditos de mnsselina abertos por
ambos os lados, de modo que sendo todos
de um tamanbo servem para qualquer se-
nbora, de la de cores, com tiras, e as se-
geintes fazendas:
Saias de la com bonitas barras.
Chales turcos de seda e*la Beatriz de
Tundas.
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
Liaslahas
Sultanes, Poil deChevre, Tricte, dito de
xadrez e outras muitas, entre ellas urna
Especialidade
La pura de cores a 360 rs. o covado.
Basquinas a Maria Antonio-te.
Cambraias fantazia.
Ditas brancas transparentes e^Victorias.
Colxas adamascadas.
Cobertas cbiireas a 2^500 rs. e outras
muitas fawndas que tornar-se-hia enfadonbo
annunciar.
Attenco
VenaVw o enfenfio Mas.jta| sito errt S
Aturo de Mboato, o qnal rontm bastaRtes mat-
U virgeos, e piwporcAo par o rofazimento de pra-
lo em grande escala, cujos terrenos de p_lanuc,o
se arharn intelramente deseaneado? por nao seren
trabafMMktt b* mat de Pannos: qnetn o pretn-
ler dmja- a ru do Impermtor n, J*, a tratar
com o Dr. Aflbnso de Albuqucrque Mello.
No da :w do nez de novembro prximo pa.-
sadn, fugio do engcnbo S. Jeee, do teimodc Ser.-
iiliieni. a escrava de nema lluiiedicta, mulata, tem
m anijos de idade. cara bexigoaa, altan regular.
ealiello cortado e denles podres. Coi escrava de Joac
ile Barrea Aranto, rendwco do engcnbo Marianna.
levou um roupao de chite riera j velbo, e um pan-
no da Cosa boto : quem a pegar leve-a o dilo
engenho, ou ao Sr. Mam el Alves rerreira A C,
nesta prac,a, que ser generosamente reconipen-
sado.
Fugio do engenho Sotedade, ua comarca de
Pnrto-llidvo. provincia das Alagas. uescravoF-
lippe. cabra, cabellos carapinluis, de ~i\ annos dt
idade, |niiico mais ou neoi, ponea barba, [es p'-
quonos, nariz regular, ellms gramles. entesaif
pouco limados e eom falta de um na frente, andar
iigeiro, eujo escc;ivo foi comprado ao Exin. bari
de Kanreth : pede-se a aoioridadei peikiac" <
capitaesdecampo a ipprebensao do momo i le-
va-lo ao sen senlior no referido engenho. ou na;
dade de Recite ao Sr. Joaquim Rodrigues lavare!
de Mello, largo do Carpo-Sanio n. 17, 1" aid;.: o
ser generosamente reconipeBsado.
10)|000 de gratMcaciUi
Acba-se iiigido desde o da 1 de juitii i de iL
um mulalinho eanoeolo de Bonte .l".-. de 13 i
anuos de idade. veio do Bonito cm Janeiro de i1'' I
e foi vendido nesta cidade por Amonio Jos' i
Mello, negociante daquelle hitar, ao Sr. Pernandn
Jos Correa, eom luja na rua Btita dcsla cidade,
pede-se as autoridades, quer ilaipd, qner de
que o anrabeBdaai a o entoguen a sen senbor.
na rua Nova desi i'idai'.e no segundo andar <.'
eua n. 50 nue ser graflcado.________
250,(100
A escrava IJerru/ana
('.onipiada a Exma. Sra. P. Clara Fentor. ens
Janeiro do 1867, passada a esrriprnra di; venda,
sabio c at boje nao vollou. igimiando-se para on-
da se evadi. K muala dar, fel, idade 36 a W
annos, faltade denles no qneixo superior. ard s
no rosto, cabellos mn pouco corridos e chela d
corno. Foi escrava do Sr. Joiio Simoes d'Almeida
da rua do Yigario, e anteriormente do tencua
ronel Joao de S do engenho Tab, na Parabybft.
J estere urna vez cm Goyanna para ser rendida,
se algueni a quizer conijiror vende-se e se peder
ser apprebendida,ou se indicarem o lugar em qot
esliver, sendo enconlrada se dar a gratificara
cima: na rua do Huspicio n. 2."!.
Fugio no dia 10 do corrente mes, do'enge-
nho (Juiliba, freguezia dtt Serinhaeni, o esciav
Benedicto, crioulo, idade 30 e tantos anuos, baixe.
fciCfleg miada, Aera a Msode, dente quebrado na
Ireite, bem fallante e ladino, montado em um ca-
vallo coin cangalba, eom ns signaes seguintes:
alaso. Iiem l'eite, este gordo, nao tem estrella na
testa, nem calcado. R> comprado ha pnuw
mezes ao Exm. Sr. barao de Naznruth.<
Oueiu o apprefaenier e entregar mota praca ao
Dr. Joao da Silva Ramos, ou a Gnbnel Antonio >
Castro QuJntaes, na traressa do Qoeimado n. J,
e no referido engenho (Juiliba sen senlior Kj
iee liugenio da SHva Ramos, ser geniosamente
recompensado.
Paz um mez qoe fugio do engenho Cann;
vieira, freguezia da Gloria do finita. um esclavo de
D. Tbereza Francisca dos Santos Pin(jpiro, por
nomo Vicente, crioulo, de idade 30 annos, ponen
mais ou menos, estatura regular, cor preta, on lula
por estar um pouco descerado, omite ladino, com
marcas de bexigas no rosto, bastante barbado^c
in-quenas as barbas, as costas una cicatriz ne
sipoadns mala para um dos lados, una pequea
ferida na porna, qne talvez ja esteja sii.1. muito n-
ralta : (|uem o anprehender pode dirigir-se ao dito
engenho, (pie ser bem recompensado.
Fugio a 18 do eorrentemez de Janeiro, o es-
cavo FeJippe. cabra um touco alto, idade i tu-
nos, principiando a barbar no qneixo, cabellos pre-
tos. acahocolado. olhos apertaaos e quando olhi
fecha as sohraneelhas, tem urna marea de causti-
co do lado direito sobre o ligado, levou no corno
calca de brim de qnadrinhos pretos. camisa d
madapoln, chapeo de la redondo um pouco tiza-
do. Este escravo costnma a conduzir genero h
urna venda da roa Direila para a eslacao das Cin-
co Ponas, o mesmo anda com um bilb'ete procu-
rando senbor. sem o consenlinienlo do inesmo Se-
nbor. Pede-se as autoridades pob'riacs e algi.ru .
pesada que o vir. de o pegar e tevar ao e se-
nbor, no sobrado grande de Santo Amaro do Sr
Manoel Custodio n. 22 que se gratificar gneros
mente.
Rceife, 18 de jaftero de t80!>.
Continua fgida a escrava Domingas, de cx>(
cabra, dade 30 a 3S nes, rom nina cicatriz d(
fogo cm todo o peito do p esquerdo, caliera rapa-
da de pouco, natural do Rio do Peixe.' consta
estar amafiada rfa roa Imperial, o qne se protesta
cora todo o rigor dn le i contra a pessoa que a ter
inculta por Unios os prejuizos e dainos une pj
sam acontecer dita escrava : qnein dejfa sfihbfli
e drr parte na rua do Ranpel n. 9. ser gratitiaV
e se Ihe guardar segredo.
Desde o dia 2 de setembro do auno pToin
passado (pie fugio da casa de sed senlior a e-rrat;
Edutges, cabra, de idade de 13 annns. pouco msti*
ou menos, ahora regular, magra, pes peipipflo
peitos sumidos, picad de Dexigas, cabello qrJ
pinaim. nao faaia uso de separa-o. a cor t
pooco macilenta, sem falta de denles na frc....
em cada urt dos cotoveHos tem mU caroco basfan
te KiRcnfe. gostt (Wagfiarfenft, fuma carhiifiW>
iwwto falladcira, ha>noticia que sohip para o rtn-
tro, indo pela estrada de Santo Anta : roga-s*fi
todas as autoridades, rapite* de campo, ou a quete
a negar leva-la casa-de sen seiitior. rua d &-
deia do Recite n. 8, armazem, oBdte ser gratiBh-
d* generosamente.
Fiigo o- oreto crTotir de noinTIS
dolpbo, de, idade de 24 annos pouco iilAi
ou nlenbs, no da 9 do corrente vesgo N
ambos o* llios quando alirma para al
ptifem, andar" gingndo, usa cavagnat, levou
vesido cala pai w
carnada, andbn embarcado cm vapores da
coriipatibi Prnattibncaha, quem P'dfaV
Irve-o ao Cndor do BispO n. 33 WM
de Cuiz dlWrvelra titia.







L_
Diario do Periiambuco Se.xla fera 22 de Janeiro de 1869.
LITTERATURA.
Itevlatfa sclentllca e Industrial.
A sciencia e o progresso. Utilidailc da vulgarisa-
;o da sciencia.^-0 tioiucm c a natureza.A
ierra c o iiniwrVn. -A forma da Ierra e Fernao
1p Magathc?.Aristteles advinlum.Movimen-
lo da rotacao da trra. Qnanto anda o habitan-
; do l'ai^'i'.Moviniento eni nula do sol.Os
i.t- f os anuos.As esta{5cs. -Mudanzas om
l:'MH) annos.03 outros mundos.O volume
dil trra e o volume do sol.A attracrao.As
das. Vlagetn no espaJQR.
l\ii) (,kI i vez mais intimas as relacQes
O't) progresso dasscienetaseodcseovol-
ftiU(jil,ii-i\ilisaPo. I >epnis de se consumir
longo tempo em penosas, e, mais das
es improductivas lucubrarles, para des-
crtirir o impenetravel mysterio da origem
mundos, para arrancar aos insondaveis
sraos do espaco, iudelinida succosso
dos lempos o segredo da creaco do univer-
., a sciencia transforraou-se. Na obscr-
iCao dos phenomenos da natureza busca
oda agora os fundamentos da sua rpida e
progresiva evolncao. Medindo. pesando,
bies mostrara o somo a cada phonomeno
da natureza [liysica, a cada acto da vida
moral da hu unidade, preside urna le,
simples mas si hume, que a ra) pode pelo
esludo e anda mais talvez por essa como
presciencia me o liomern tem da harmona
universal, destobrir atravez da multipliri-
dade o quasi infinita variedade' dos fados
observa veis.
Itobustoee-si o nosso vigor para o Ira-
haio comas fi(i',;is (|u a natureza, sub-
mis.vi eincaus-v-i o? presta; alarga-seo
nosso espirito prfeKftttando os segmlos do
universo : e torio se deve ao incessante es-
forro, ao inext ngui\ol zelo de incansaveis
tralulhadores que, na solidan, consumindn-
se enl largas vigilas, engolfando-se em pro-
lumias medita-oes enriquecein o mundo,
airescentam as glorias do espirito humano;
sem as vestes cliegarem, ao menfls, a alean-
car o perpetuaren o sea nome |na memo-
ria ilos povos. K" neeessario, que todos
conliecam o progressivo desenvolvimento
da sciencia ; c justo que t(Mlos venerem os
nomos dos que n'ella trabalham.
Kstas consideraces bastam para demons-
a
quistas da intelligencia, o que a observacojdado a dita de vero meu antigoconfessor,
colligio. | fazer-lbo conssa geral e receber das suas
A trra ege glo.wiao grande para o ,ho- maos a cominunho em 5 de novembr
.leulando. descrevendo, comparando, ex- lrai. ., ulMaAt das bastas destinadas
penmentattdo, alarga as suas conquistas, dl. _c0|n singHeza, sem ampios desenvolv-
ussegara os seus dominios, multiplica as nlltos, evitando, uianto possivel, as obs-
.".las forras, e ergue por vezes, coin mao
. gura, parlo do vn em que a natureza se
i ivoive. Sem nada perder da sua grandeza
es remontndose asmis altes conceptes
a que o espirito humano pode elevar-se em
busca da verdade, a sciencia, incausavel e
rgiea. presenta todosos phenomenos na-
turaes, basca descubrir as leis que os rogu-
' m, e ao mesrao lempo indaga solicita quaes
i meios de augmentar os recursos produc-
idos di industria, sujoitando, dominando,
i irigindo, applicando asforcas naturaes em
proveito da humauidade.
\ Dssio da sciencia nebro e grande.
Usando de poderosos meios de aualyse, de
orfeitissimos instrumentos de observaco,
rocera ella, urnas vezes. conquistar a ver-
i .de sem so proomipar com interesses
: 'luanos, oulras adiar aos descobrimentos
uMis pplieares. E, pule dizer-se, cada
ufll dos descobrimentos da sciencia tem
...do. ao mesmo lempo, gloria paraoesp-
rito humano, e origem dos mais brilhantes
e grandiosos progressos do mundo. A es-
plendida, maraviliosa historia das invences
do nosso seclo ah est para provar, que
03 estudos snentiieos nao sao esteris.
rjac por ellos a humauidade se civilisa, se
e grdete, so liberta do pesado jugo da ma-
teria, para melhor cuidar do ser aperfei-
(. ;miento moral.
y lio estreite boje a dependencia em
que a sociedade est da sciencia que bem
se deve suppr entorpecida, senSo de todo
i torta a naco na qual a sciencia se nao
cultiva. Onde a luz nao brilha os povos
i io podem senSo perder-so em trovas.
Km todas asrelaces moraes o materiaes
da vida, na industria e as artes, a scien-
cia o melhor guia para o homem civilizado.
: ella a origem primeva do poder d'este
Etossoseclo, atente donde manam acivi-
lisacao, a riqueza, a moralidade dos povos.
; Mvulgar, pois, as verdades scientificas, dar
noticia dos descobrimentos e successivas in-
'iicos. que vao de da em dia amplian-
do os tliesouros da sciencia o da industria,
>em duvida um dos mais valiosos servi-
ros que a imprensa peridica pode prestar
oivilisaco.
E" a sciencia actualmente de todos e para
todos. Sao urnas vezes enredados c con-
fusos, outros transcedentos e difliceis, os
meios e procesaos de que. usa: sao Ionios.
incertos, hesitantes os seos pasaos: o que
um dia Ihe parece ser conquiste definitiva
- gura, vem depois a roconhocer que nao
mais do que urna transco do erro para
a verdade; comtudo desse lidar continuo
.-ai a luz, que encaminha o espirito para
os -candes descobrimenlos. E' proveitosa
I Cao "para todos, o observar quanto tra-
balho, quanta inedilaco, quanto estudo
preciso aos sabios para doscollrirem urna
d'essas leis simples, que dominamos ple-
nmenos da natureza. Convem que saiba-
mos todos, quantos vivemos cercados dos
lortentos da civisaco moderna, que esta
deve sciencia todo o sen poder creador,
toda a sua grandeza.
A cada passo estamos gozando o fructo
dos longos esforcos. com que asgeracoes
idas conseguirn) apossar-se do mun-
do que habitamos; j sulcando os vastos
g descoihecidos mares; j lutando com a
furia dos elementos, com a ferocidade dos
barbaros o com o pavor que em espiritos,
embora enrgicos, devia causar entao quasi
incommensuravel amplido da trra. Te-
mos em torno de nos as loicas naturaes,
o calor, olectricidade, a luz trabalhando ein
proveito nosso. Est-nos a cada instante,
a sciencia a ensinar o modo de prolongar
a vida, de evitar os pericos, de confortar o
espirito e o corpo, de debellar erros, de
oxtiaguir abusOes. Vai-nos a lico dos sa-
pos
caridades sem comtudo sacrificar a verda-
denoticia dos raais uotaveis fictos, dos
mais interessai;l"s desoobrimehtes da scien-
cia e da indusl a.
FOLHETIM
c.
JLRIMA
ron
Jules Sandoau
VIH
atlas fellzes.
(Continuaco do n. 15)
Foi forcoso separarem-sc tanto mais de-
preesa quanto o co se ia ennevoando, nao
devendo Camarina perder tcmpo para che-
10 a S. Silvano antes de se desenvolver a
tempe stade.
Com effeito, prximo da aldeia de Ha-
> hre, rebentu um ebuveiro tal, que a
tena virgem teve de acolher-se na ca-
itaiia, onde Paquerette era guardadora de
gado. A rapariguita, estando enlo so,
equion-a o melhor que pode, isto de-
pois de abrigar Annetle sob ura pequeo
folheiro, accendeu urna bella fogueira, a
qoal Catharina pode enxugara saia e aque-
cer as lindas maos.
Havia talvez urna hora que all se acha-
va odiando para a chuva de pedra e ou-
vjodo as tagarelices de Paquerette, quando
de lpente percebeu ao longe o galopar de
eavalfo, approximando-se cada vez mais.
V rapariguita, que esteva porta, poz-se a
gritar, balendo as mos com alegra :
Menina, menina, all vai o tal lindo
serihoi' t
Quasi ao mesmo tempo parou de sbito
um cavallo porte e Rogcno apeou-se.
Sorprendido tambem pela tempestade,
ia procurar um abrigo sob aquelle tocto,
o homem, tersuadido de que o universo
fora creado pan elle, julgou ser a trra
centro do ilumnenlo, da vida, da activida-
de productora la natureza. Os esplendo-
res do co na) podiam deixarde o iinpres-
sioiiar ; mas nao va alli a manifestaco da
grandeza iudelinida do espico, da prodi-
giosa multipclade dos mundos, va sin
asiros destinados a dar-lhe a luz o o calor,
e a ornaren! o rasto templo onde elle devia
elevar os seus liymnos ao Creador. Em
todas as antigs religiQes do oriente se de-
para com ama cosmogona, na qual se re-
vela a tendencia do homem a referir a si a
existencia do universo, e a dar I 'rra o
lugar primeiro, como centro de toda a crea-
cao, as pocas obscuras da sciencia. em
que o pensaini' do comtudo buscava j pene-
trar o grande, c sublime segredo da origem
das cousas. Adorando asforcas "da nature-
za, em todas as suas manifestaciies; no tro-
va) e no rain : no rio caudaloso que d a
feeundidade ao solo 00 o estorilisa com suas
inundacSes: na floresta densa e pavorosa ;
no sol que iuvuhe a torra com seus raios
de luz e de calor; ou no firmamento es-
trellado ; o lmii'i povda trra e co de
potencias benficas ou malficas, deifica
igualmente as forras que criam e as que
destroem. O mundo todo como que vive
para dar ao boniem a felicidade, ou para o
involver em angustias, em pavorosos tor-
mentos.
Foisempre grande, intonsissimo no ho-
mem o desojo le conheeer a natureza da
trra, a sua origem, o seu modo de ser, a
causa actual da sua conservacao, a possibi-
lidado da sua duiaco ou destrucao, as
suas relacoes de distancia, de grandeza, de
posicao com os rateos astros que enchem o
espaco celeste : porque torra est elle in-
timamente unido, indissoluvelmente preso
durante a vida, a ella ha de por im entre-
gar os seus despojos moraos. Correram
os tompos,acciriiiilaiaiu-se as observaces,
aperfeicoarain-s,' os methodos, amparam-
scosconheciminlos.de geraco em gera-
cSo se disenvoheu a tatito humana, e a sci-
encia chegoo por im a apurar mportentes
verdades, que nos devem daca profunda
eonviecao, de que o homem s pode ser, s
grande pelas suas facilidades; pola intelli-
gencia ; pelo sentiinento do justo e dobom;
pela sublime concepi;ao da omnipotencia di-
vina. O homem eleva o sen espirito at
Deus quando, pelo poder da razio, com-
preliende a natureza, como a ensnou a com-
preheuder o grande llumboldt. A natu-
reza, disse sse sublime philosopho, consi-
derada rcionalmeiite, isto submellda
no conjuncto de suas manifestaciies ao tra-
ballioilo pensai lento, a unidade na diver-
sidade dos plieo menos, a harmona entre
as cousas que f >ram pela sua forma, pela
sua constituicao petas foiras que as animam
creadas.com dessemelbacas; o todo (o
grande Pon) pe letrado pelo sopro da vi-
da. O resultado mais importante de um
estudo racional lia natureza o comprehen-
der a unidade e a harmona n'esta inmen-
sa nmltiplicidado de cousas e de fieras,
abracar como mesmo ardor oque devido
s descobertas dos seclos que passaram e
s dos tempes em ffue vivemos, analysar
um a um os phenomenos, sem succiimbir
sob to grande mole. Veste sentido da-
do ao homem, mostrando-se digno do seu
elevado destino, comprehender a nulureza,
descubrir algn; de seus segredos, sub-
metter aos esfor;os do pensamento, s 63D-
mem, que file ainda o nao pode porcaprrer
todo ; nem modil-o exactamente ; nem in-
ventariar-lhe completamente as producdMfe;<
nem conhecer-lhe a variedade dos climas, e
a rigorosa forma de todas as trras eiaersas
o dos mares ; a Ierra, que. a cada .passo
aprsente ao homem una infundado de pro-
blemas, e a maravilhacom um sem numero
de prodigios, apenas um ponto impercep-
tivel por pequeo, invsivel por obscuro,
perdido entre miioes de astros luminosos
na immensidade do espaco. A trra, o
nosso mundo grande em relaro pe-
quenez dos que o habitamos: comparado
coma parte do universo queosnosos ollios
annadosde telescopio, podem descubrir,
elle relativamente menor do qne o mais
pequeo grao de arela comparado com a
trra intuir. Urna rpida resenta dos re-
sultados positivos da sciencia basta para
nos convencer d'esta verdade.
A trra prximamente espherica. O
seu contorno, de quarenta millies de me-
tros, poderia fcilmente ser circumdado
pela populaco de qualquer dos grandes es-
tados da Europa, so todos os habitantes de
um d'aquelles estid >s dessom u.is .iosqu-
tros as mfos, e se podessem dispor ao lon-
go de um meridiano.
Se a torra fosse ci remudada por um ca-
minho de ferro, que seguisse exactamente
um dos seus circuios mximos, poderia um
viajante percorrer esse extenso camiiilio em
trinta e tres das, com a velocidade de 30
kilmetros por hora.
Revelado polos nivegadores portugue-
zes o mysterio d'essas regios remotas, de
que os povos europeas tinliam apenas vagas
ideas ; feita a volta do mundo, pela expedi-
cao do ousado e infeliz Fernao de Migalhaes;
a forma geral da torra' icou melhor conhe-
cda do que o lora nunca at entao. N um
livro attribuido a Aristteles, v-se quanto
poderosi a s pliilosophia, nao s para
bem apreciar as relacos que ligam entre si
os fados couhecidos, mis at para adivinliar
ipie a harmona da natureza deve ter produ-
zido, embra a observaco no-Io nao toaba
ainda revelado : < A Europa, a frica, a
formam conjunclamente urna grande ilha
cercada por um vasto mar, como as nossas
illiasiulias p so pelos mares de pequea ex-
tenso. Mas deve julgar-se que existem ao
longe outros continentes, formando oulras
grandes ilhas, banhadas em torno por gran-
des mares. Nao parece, ao 1er estas li-
nlias, que Aristteles adivinhou os desco-
brimentos que, rauitos soclos depois, fi-
zeram os Portuguezes e os Hespanhoes?
1868,
O humilde expolente abjura de todo o
coracio e que tem feito e inclinado ante o
vosso throno e a vossos ps, pede, verda-
deiramente arrependido e conlrico, pordao
pelo grande crime commettido emSerristori
e por todos os seus peccados, implorando
tambem o perdao do mundo inteiro e de
todos os parentes dos desgraeaiUjs que po-
receram em Serristori.
t Roga tambem a Vossa Santdade que
Ihe conceda em nomj de Deus o lerdo, a
henco apostlica, e abjura e protesta con-
tra a infame soita qu: o enganoul com fal-
sos pretextos, fazendo-o executaf p (jue tem"
feito. Vos roga alm d'isto que quando o
meu miseravel corpo seja enterrado, facaes
conheeer o meu arrependlnunto e senti-
mentos a todo o mundo por mek dos joc-
ha que o liervanario a qn >r envenenar do
mesmo modo que consenta em euveueuar
seu marido. fcamhert ajpr^soliitou, para
corrobora q aviso que entenda dever dar
mulher de Marino, que a amante d'este
j tinlia envenenado seu maride com o au-
xilio do hervanario.
* Quando no dia seguhrte Anglica Jour-
dan referi estas palavra mulher de Ma-
rino, esta ficou taoassustadi. que desaten
a chorar; um ponce depois ttipara casa,
o ainda bastante atorrada contou debulha-
d.i em lagrimas ao marido quinto Ihe ha-
viam dito.' Marino fez quanto pode para
tianquilisara mullt, fazendo-llr crer qu
era urna historia tudo que Ihe tinhain con-
tado ; mas na roalidade fi>;ou m'iito inquie-
to porque tnlia suas razoes para adiar al-
gara fundamento ao aviso de Anglica Jour-
dan, e resolveu desde logo descubrir a ver-
dado.
Primeiro que tudo dirigte-se casa da
naes, para que sirva de confuzao I aos infa- viuvaVille, com quera niia effectivamente
mes satlites inimigos da le de Iieus e da! retacees, havia quasi dous annos. Esta ne-
igreja, e de exemplo mocidade para que
se nao deixe seduzir por esta conjuracao
ioiquia e diablica, que nao mais do que
a infamia, a Iraico e a corrupto.
Que esta publicidade sirva de expi icao
e penitencia do meu grande crime de ter
faltado ao respeito a Vossa Santidade meu
Pai e Soberano, de ter sacrificado lautas vic-
timas, de ter enchido de lagrimas e deso-
luco a tantas familias e em repararn d i
todosos escndalos dados, repito: Peo
perdo a Vossa Santidade da traico e as-
sassinios que tenho commettido.
J tenho pedido perdo ante tstenla-
nbas e mostrado o meu arrependiniento,
mas venho de novo supplicar a Vi)>sa;San-
tidade que me abence e rogue por este
homem, que quando recebaes esta j esta-
r na eternidde, e protesto que rogarei a
gou tudo, excepto haver tratado com o her-
vanario Joyo, tendo ido poucos dias antes
casa d'elle para ajustar a compra de um
fornecimento de bebidas. A resposta pa-
receu pouco satisfatoria a Marino, que con-
tinaoo as suas investigaces. Nao foi com-
Uldo mail feliz com Lamberte, quejulgava
ter sido a autora do aviso mysterioso teans-
iMittido por Anglica Jourdan, mas que o
negoo formalmente. Marino resolveu-se a
ir procurar Joyee recorrer mentira para
Ihe arrancar a verdade.
Sou o amante de. mdame Ville, disse-
Ihe elle, e sei tudo que so passou. O pie
fez apenas metido, da trela. Quto vi-
ver em liberdade coni madama Ville ; pode
livrar-mo do mnha mulher ? A estas p i-
lavras Fraefsco Jejw olhou fixamente pira
osen interlocutor,"com) para saber se Ihe
olhou em
Deus pela conservaco da Santa S e pro- fallavacom sincerdade; depois
pagaraoda nossa Santa Madre Igrfejae pela! roda de si, observou de novo Marino com
(Gmtinmr-se-foi).
POCO DE TUDO.
CARTA A'S. SANTIDADE PI I*. Te^
nos dito que Monti e Tognetti moneram
ari-ependidos, e que Monti operario de al-
guma nstruccio, tinha escripto una carta
a Sua Santidade.
Os jomaos italianos reproduzem este do-
cumento escripto do punho e letra-de Monti
e assignado auto tostemunhas para que fos-
se (presentado ao papa depois da e.ecu-
co. Postoque nao pela redaeco o estrio
merece ser conhecida a carta do arrependi-
do ; diz assim:
Santissimo padre : O arrependido mo-
co Jos Monti, natural da cidade de Termo,
educado por paes bons e piedosos, instrui-
do na sua infancia no collegio dos padres
da mesma cidade, e guiado at idade de
18 anuos polo seu confessor, religioso dos
mesmos padres, aquem por favor de Deus,
encontrou em Roma, expoe que :
Pelos 21 annos de idade se eslabolcceu
u"e,sia i'idade com sua mulher Lucia Cazali
Monti, levando at ao auno 1803 una vida
medianamente cbristS no santo temor de
Dous. Nomesmo anuo Iraioucom pessoas
completamente desconhecidas com quem
nos unimos em leal amisade, sem saber
que nos havia de ser fatal. Estas depoi
de Ihe ter perturbado o espirito, e pelo
anuo do iSo e 00, sem Ihe dar a conhe-
eer o que fa/.ia. ou antes sem que o abaixo
assignado adivinhassem em que abysmo ia a
sepultar-se, o associaram seita dos carbo-
narios.
paz catliolica, o para que conceda
a todos os peccadores contrictos
para entre os bemaventurados.
* llumilhando-me aos vossos p
santa benco para mm, para os
solados paes e toda a miiiha famil
todos os liis vivos e mortos, c a
para um ser, o mais sagrado par;
pequeo Ciro Monti de vinte meze
recommendo. Reijandoos vosso:
grados,peco outra vezjperdo com
dezejo, e digo coin f vordadoira.
O humilissimo, o obedientissi)ao e ade-
ptissimo lilho e subdito arrependid
o coraco, Jos Monti.
s poco a
ineus de-
:i, e para
jbivtudo
mm, o
s, e vo-lo
ps sa-
vivissimo
> de todc
TRIBUNAL DES BOUCHES DI
o perdo i attenco, e chegando-se a elle, disse-lho ao
eos leveouvdo : Diga-me so homun > Mni-
o eslava um pouco alterado, mas com to-
da a presoiica de espirito, responden : Se
nao fosse homem nao eslava aqu. Previno-
o porm, que nao quero que minha mulher
solfra tantoepor tanto tempo como Mr. \il-
le. Estas palavras tranquillisaran o her-
vanario, a pliysionoinia alegrou-se-lhe, Es-
teja descancado, respondn ello. Nio fui
ou que tratei Mr. Ville, foi aquella trapa-
Ihona Lamber!, que s serve para deitar
cartas, c quor intrometter-se no qu nao
sabe. Nao era capaz de acabar com Mr.
com pos blancos. 'Tirou do frasco algu-
nas pitadas do pos que eabrulhou n'um
-:ou tudo a Ufarino com a.
listn-roe* circumstanciaias; afonselban-
do-o, em vista das indiscripces de Lam-
berte, a Bao fazer uso em Marsella. Ao
jue Marino responden, que sua mdher
eslava em Manosquc e que era alli qw
ia dar o veneno. Mas em logar de ir a
Manosijue foi ao commissario da polica, a
queinjl tinha dado parto na vespera e
ntregou-Ihe os meilioamectos recebidos.
Estes objectos, analtsados* per um perito,
foram roconhecidos romo acido arsenioso e
lolhas de le-lladona.
Na manh do dia 2l a jnstica mandn
prender Jove, Faimy Lartiert, e as vina*
Ville, Rosina Salvago e Gabriel.
Envenenamento de Antonio Ville.
Antonio Ville tinha sido tecelo e de-
pols morcador de pannos. Depois de ad-
quirir alguns meios de fortuna, deixou "
negocio. Era homem de bem e geralmente
estimado ; deixava viver sua mulher em
plena libeidade.
Madame Ville tinha urna loja de loo;as
de porcel lanas. Lm tanto desregrada di
costumos, uestes ltimos annos nao teve o
menor resguardo. Mantinha relacos adul-
aras com Bartholomeu Marino, e apezai
da ter-j 10annos, den largas i soa paixSo.
Abandonava o seu eommercio e gaslav
loiicamente o seu dinheiro em presentes *
festas. Para saber se era amada consul-
tou Fanny Lamb-rt, afamada na arte d
deitar carias. Foi assim que estas din>
mulheres se conheceram e combinaran!
matar Antonio Ville. Nao se sabe de qnem
veio a idea, ambas se accusain reciproca-
nionto. E" corto porta que Lamber! M
oncariegou de alcancar as drogas preci.-a-
o que foi Francisco Joye que as fornec o
Francisco Joye habitava Marselha desde
fevoreiro de IS07: veio de Toulon, iHid--
havia sido coinquinado por furto. Pri-
meiro estabeleceu-se nos antigos bairn
de Marselha, na ra de Santo Antonio,
ahi gaiihou a rejiulai;ao de hbil feiticeiro.
e deitava cartas por monos dinheiro qu--
Lambed. Depois estebelecee-eeeooaolsr-
vanario na ra do Panier, eooasrvtaki
sempre a casa da ra de Santo Antonio.
Fanny Lamberl especula va com os tMsa
alhoios para alimentar os seus.
No principio do anuo de 1868, Muk
Ville comecoo a dar veneno a seu marido.
que tendo al ahi boa saude, principiou
adoecor gravemente. Beta mdicos o tra-
taram, o como ellos tivessem algiinns su>
IUIONE;
onde esteva to longo do encontrar Catha-
rina como osla de o ver alli chegar.
Ao avistarem-so, craram, porque, desde
que eomprehenceram o estado do seu pro-
prio coraco, j nao tinham, face a face, a
mesma tranquilla presenca de espirito. Fe-
iizineiile, a tagarelice de Paquerette pode
tira-Ios de emlis raros, fazendo sem cusi
auvir a mvstorosa lnguagem das suas al-
mas, que tacitaiiiente se comprchendiam.
-- Conla-me a la historia disse Ro-
gero rapariguita.
A minha h -loria texclamou ella
Pois urna pobre creafara comoeu...
Vamos, cotila repeli o mancebo.
E* da sua onlade ? Pois nao levar
amito tempo a contarredarguo Paque-
rette, asseutando-se na extremidade de urna
velha mesa, com os cotovellos descansados
S o rosto virado para RogerioFui encon-
trada, por urna manha de abril, n'um
fosse, onde havia muitas flores do meu no-
me, o qual alli leve sua origem. Uns po-
bres rendeiros ia Hediere me recolheram
3 crearam, e, lo.'o que eu comecei a andar
desembarazada, confiaram-me os porcos
para gaarda. iJm dia, em que os apas-
cenlava, encontrei a menina Catharina,
montada na sua j umentinha parda. Parou
a conversar comigo familiarmente e disse-
ne que fosse a S. Silvano... Devo dizer-
Ihe que eu at alli nao fui raais, nem me-
nos do que urna herva do prado ou um
musgo dos bosques. Nao conhecia cousa
alguraa d'esta vida, e era como urna folha
1 aluda da arvorc que ignora onde o vento
llevar e passando ,dias Instes por rae
ver s no mundo A menina Catliarina
fez mudar tudo. Ensnou-me a amar o
)om Deus, a coitempla-lo em toda a na-
Esta sociedade pareceu boa ao abaixo
assignado. Porm, demasiado tarde conhe-
ceu a sua ruina, e aos homens que se ga-
bavam de amor patria e de fraternidade.
em quanto que estos mesmos, depois de se
ter servido d'elle para executaf os seus de-
signios, o tem atraicoado entregando-o s
m5os to verdugo, para se salvarem a elles
do jugo do governo! Urna pequea devoco
a Maotma me tem salvado! A leitura dos
bons livros tem despertado em mim os
sentimentos dos primeiros annos, e me tem
TRES MARIDOS ENVENENADOS POR
BAS MULHERES EM MARSELI Aas
audiencias de 3, 4, 5, O, 7 e 8 d! dezem
bro foram julgados, cm Aix no tribunal
Des-Iiouches-ilH-Wione, seto aecusaios, sen-
do tres mulheres por envenenaran os ma-
ridos, e quatro cmplices.
A aceusa^o expunha os factos pola so-*
guinte forma:
No dia 8 de agosto, um Bbs com-
raissarios de'policia de Marselha receben
de um ollicial de podreiro, chamido Har-
tliolomeu Marino revelaces extraordina-
rias, eprimeira vista incriveis. O podrei-
ro aflirmava que tres mulheres casidas, ha
pouco viuvas, Ville, Gabriel e Salvago, ti-
nham envenenado os maridos con o auxi-
lio e concurso de um hervanario ibamado
Joye, e de urna certa Fanny Lam icrt, co-
nhecida no seu burro como inullic de vir-
tude.
O-modo como Marino teve conhoci-
mento d'estes factos, e as razos jue o le-
varan a participados justca, sc to fra
do commum, como as proprios aco**teciinoii-
tos denunciados.
Marino era casado com urna mulher
que venda llores na alameda de S. Luiz,
onde habitualmente esto estabel cidas as
raiiiallieteiras. No da 20 do flgoi to urna
mulher, que se suppoe ser Fau ly Lam-
bert, mais conhecida pelo nome de Lam-
berte, foi alameda do S. Luiz iroeurar
a mulher do Marino, a qual estav;i ausen-
te. Lambert dirigio-se a Anglica lourdan,
que tinha a sua barraca junto d; mulher
de M ino e deu-llie um recado singular
ifestes termos: i Diz a Miette Marino que
esteja provenida e tome muita ca Rola em
si, Seu marido tem urna amanto e esta
amante quer mata-la a fogo lento.
Ajustn com o hervanario da ra Pa-
nier o modo de realisar os seus- intentos.
So Miette quer convencer-se da verdade
(pie v com duas testemunhas casa do
hervanario. Deve dizer-lho que tent um
amante, que se quer ver livre do sou ma-
rido, e para o conseguir que vem pedir-lhe
veneno. O hervanario ao principio ha de
recusar, mis se Ihe offerecer umn avalla-
da quantia de dinheiro, ha de consentir por
fim. Esto Miette tomar as sujas duas
companheiras por testemunhas, e dir-lhos-
Ville, se nao sou eu com os m -us nos bran-1
eos; aviei-o em poucos dias. D ixe tudo : Rfi mn""* <\'im ** ;1S tQ**
por minha c,ia fa-a exactem mto o que L m J *H5Bto J8"*00-,1,a1"'' i el ts', '
eu Ihe disser, ea sua mulher ha de ir de- a nia,Cr,as, *** foram su;bmet ida-
I a urna aualyse; mas por mfehcidade o
tureza e a bemdize-lo as suas obras ;
ensnou-me pie, nao obstante a minha mi-
seria, nao deixo de ser urna das crealuras
d'esse poderoso Deus, e qu a minha alma
veio do co e para l ha de voltar. Nao
sei se s verdades que elia me revelou,
se ao prazer de a conheeer. que devo at-
tribuir amudanca que em mira seoperou,
mas o que eu sei que desde o meu
encontr com a pequea virgem j me nao
msidero s e abandonada, e, em vez de
chorar, como d'antes, ando alegre e sem-
pre a cantar por esses caminhos fra. Eis-
aqui, lindo senhor," a minha historia.
Em quanto ella assim fallara, os dous
jovens, assontados cada um no seu esca-
bello, rfaquella cabana patente a todos os
ventos, entre aquelles muros nisc arrui-
nados, sob aquellas travs denegridas, on-
de a aranha tecia em paz a sua teta e d'onde
pendam alguns mullios de ceblas verme-
Ibas, estavam ambos to bellos, Catharina
sorrindo e extasiada n'um ngulo da mesa,
Rogerio destacando-se no oulro cora a sua
bella e loara cabelleira ; to bellos, de um
effeito lo gracioso e potico, que Paqueret
te achava-se como encantada, e chegou,
terminada a sua historia, a um ponto de
ficar immovel a contemplados.
Quem nao dira exclamou ella
que sao dous anjos surprendidos no seu
giro pela tempestade e entrados n'esta ca-
bana para cnxugarcm a pennugem das suas
a zas l
_ Ornando isto, Catharina ergueu-so, e, di-
rigindo-se porta, poz-so distradamente
a olhar para o sol, que brilhava no horison-
te, e para as nuvens dispersas no co, em
quanto que Rogerio assentado cliamin,
continuava a conversar com Paquerette.
Ento, minha pequea,dizia ello
a menina Catharina tudo o que mais esti-
mas no mundo ?
Ah do certo ; nem podia sor de ou-
tra forma. Estimo-a primeiro poique ella
boa e nem eu conheco nada melhor no
mundo ; depois porque bella, e to bella
como ainda nao vi nada, nem mesmo *
senhor, que todava, interessante Nada
regosija o meu corago como o ve-la !
Reparou bem n'ella no dia de S. Silvano,
com o seu vestido branco e o cinto azul
como os seus olhos ? Nao fazia tao bello
effeito ajoelhada alli n'aquella velha, igreja,
no centro dos pobres de todos os arrodo
res ? Nao pareca a Santa Virgem rodea-
da dos aTJflictos, cuja rai ella ? Tambem
o senhor estava bello assentado lio seu
banco : fui eu a primeira que o vi e que
o mostrei menina Catharina. De| certo a
sua presenta Ihe causou grande alegra,
porquanto ella, ao ve-lo, vez-se vermelha
como ura morango e os seus lindos olhos
pretos scintillaram como estrellas Quer
que Ihe digaaccrescentou ella mysterio'
smente e era voz baixa o que pens
n'este momento 1
Quero, sirarespondeu o mancebo,
que_a escutava antioso.
Pensredarguio a pequea, sorrin-
do-scque, se em lugar de eu ser urna
pobre guardadora de porcos, fosse um jo-
ven elegante, senhor de castellos c trras,
como o senhor ...
Entao que farias ?
Adevinherespondeu Paquerette.
Como posso eu adevinhar ?
Pois ento nao adevinhe.
Vamos, vamos interrompeu Catha-
rina.O co est claro ; j faz hora torapo.
Paquerette, adeus; obrigada. Vamos-nos
embora.
coutrar-se no dia seguinte s setc horas da
noute, em casa de madama Ville.
Esta seena passou-se no da" 2i de
agosto ; por ella tinha j Marino sabido bas-
tante para ter curiosidade de saber o resto.
No dia seguinte 25, foi a casa da vi uva Vil-
le, e disse-lhe: Sei tudo, Joye contou-me
ludo; dentro em pouco vem aqu para nos
ajustamos.
Agora dze-mo tu a verdade. A vinva
Ville comeeou a choraf e conlirmou os di-
tos do hervanario. Fanny Lambort pres-
tou-lhe auxilio primeiro para dar a morle i
seu marido, mas ltimamente uns pos brin-
cos, fornecidos por Joyo, substituirn! as
antigs droga eapressarara o resultado. .
* A viuva Ville confessou depois que
igualmente projectava matar a mulher de
Marino, e qoe se depois d'estes duas mur-
tas, Marino rocusasse atada casar com
ella, que o envenenava tambera. A ho-
ra apresada, Joyn chegou. Perguntoii a
Marinse estava firmo na mesma resoluco
e respundendo aquello afirmativamente,
ajiistarain que Jove traria o veneno no dia
27.
No dia 2). que era urna quarla-feira,
Marino foi com madama Ville a una peque-
a casa de campo, onde costumavam reu-
nir-se. Naturalmente laliaram do aconte-
cido na vespera, e Marino para fazer crer a
Ville que elle queria na realidade attentar
contra os dias do sua mulher, mostrou-se
receloso que o seu crime fosse descoberto.
Nao sejas tolo de ter modo d'isso! Nao
somos nos sos, dsse-lho madama Ville; u
em seguidacontoii-lhe que duas iiiullnres
tinliam feito aos maridos o mosnu que olla
fea ao seu. Uma era Rosina, mulher de
frotes ; outra a viuva Gabrieli uma rapari-
ga, que venda vinho na ra Fontaine-d'Ar-
meny. Este tratou directamente com Joye,
a outra servio-se de intei \enco de Lam-
berl.
Finalmente na qninta-feira noite Joye
entrn em casa da viuva Ville com um em-
brulho de hervas seccas e cora um frasco
Instantes depois, Catharina e Rogerio
montados cada um na sua bestinha, cami-
nhavam um ao lado do oulro, sob um do-
cel de carvalhos e faias, que saecudam.
como perolas sobre suas cabecas, as gotas
de chuva depositadas na ramagem. Viram
o sol desappareeer por detraz das colimas,
e quando o co comeeou de brilhar coin
estrellas, ainda elles estavam distantes de
S. Silvano. O caminho que levavam nao
era exactamente o do castello de Bigny,
porm Rogerio nao pensava em tal. Ca-
tharina mesmo pareca nao ter notado isso;
alm de que, era natural que ella, joven e
por caminhos desertos, preferisse ir acom-
panhada. O sassurro do dia fra-se ex-
tinguindo pouco a pouco ; a facha luminosa
do poento, diminuindo de fulgor, termi-
nara por apagar-se; a la surga cheia e
ridente em toda a plenitude, o dentro em
pouco j se nao ouviara mais do que as
golada chuva cahindo aqui o alli de algu-
raa folha das arvoros, e o manso chilrar de
algumas averiabas que so acariciavam no
iinlio.
Iam ambos silenciosos. O ambiente es-
tava saturado d'aquelles aromas inebriantes
que, anos tempestade, exhalam bosques
e prados. Em alguns pontos o caminho
estreitava por tal forma, que Rogelio aspi-
rava o hanlo de Calhanna, mais balsmico
e aromtico do que a madre-silva dos valla-
dos, e as faces da joven eram tocadas pelos
cabellos do mancebo, raais finos do que
(ros do seda.
Camiuhavam assim havia mais de uma
hora> quando as sumarias, como por com-
mum accordo. parram ao mosteo tempo
!utas no meio de una encruilbada.
Foi entao que Catharina e Rogerio, olhan-
mpre
mente a belladona e o arsnico para pro-
duzir symptomas contradictorios e confun-
dir os iiomens da sciencia. Nos ultimo:
lempos parece que nao foi empregado n
arsnico, ponjue na autopsia nao se encon-
traram vestigios d'este toiieo n cadver.
Segundo as declaraces de Mme. Ville.
esta don :t:000 a i:000 francos (iM)->OU..
720^000 res) a Fannv Lamberl. qw pro-
vavelmente dividi esta somm i com Fran-
cisco Joye.
Envenenamento de Joo Salvago.
Mara Rosa Atavena, chamada Rosina, na-
lural de Italia, fa/.ia fletes na coinpanhia
ti's Messagerie imprtate: ti'iha :H)ann>-
e era casada com Joo Salvago. martimo,
homem preguicoso, brutal e dado i em-
briaguez. O marido adoeceu, e como :-
mulher nio Ihe tivosse amor, porque ell-
a espancava, nem paciencia pin O tratar,
ajustn com Fanny Lamben ahn:viar-lhe a
Vida, e em 20 das, por meio de uns p>
blancos, a troco de 10 francos 11 >H(N> rs.
consoguio ficar viuva.
Envenenamento de Luiz Jos (obriel.
Josephina Gabriel, tem apenas 20 annos.
Engaitada por sua me, Mara Magdalena
Olive Dve, foi creada pelos conjuges Simn,
honestos operarios. Josephina ganhou >>
premio da virtude do3:M0 francos < (>'I05,
logado aos hospicios de Mirselha, ecasou
com Luiz Jos Gabriel, machinista abasta-
do. Discordias domesticas lizeram sair os
noivos de casa de Simn, onde tinham vivi-
do em commum. Gabriel estabetocwaa
loja do bebidas a sua mulher. Este eom-
mercio, o tracto com gente de raaus eos-
tumos, e as frelaciM's com sua me e com
urna prima chimada Palmira Flayol, am-
bas desmoralisadas, perderaa Joscpiuna
que comeeou a ser infiel a seu marido, e
se apaixonou por um contri uitis do Al-
cazar.
i Continua)
do-se fixamente, disseram pela primeira ve/
um ao outro que se amaxain.
Foi apenas urna palavra trocada no silen-
cio da noute : s uma palavra, mas to do-
ce, to agradevei, que s ooovMi e pro-
nuncia-la faria a delicia de uma fexistencia.
Amo-a, Catharina ?disse RofBrio.
Aino-o. Sr. Rogerio!disse Catha-
rina.
E, pronunciadas estas xuiie* palavras^
ogo se sepaniram. dpota de haverem as-
sim experimentado a primeirs felicidade >
oo, e nao tendo notado a cabeca de Clau-
dio, que por detraz de um vallado os eswvi-
tava.
N'essa mesma noute. Rogerio. entrando
no seu qaarto. daaron sobre a mesa com
una (arta que tinlia a marea do correio f
laris. Rompeu o sinete com as brazoes
de sua familia e leu as segumos Nhhas
Meu filho.h-epara-le para dentro es*
poneos dias recelares minha ratita sua
lilha, qne nos dio o prazer de irem passar
algiyis mezes comnosco no castello de Bi-
gny. Recetara mindrar-te lembraodo-tt-
aqui os seniimeiitos de que devespofuir-t*
com ndaco s tuas ta e prima, e por taso
i'liten do dovor-te abandonar s uspirac8e<-
do leu proprio crtelo. Teu paiComi-
do Onuyres.
At alli Rogerio havia, quando muam
(Hivnlo fallar da existencia,jto^tta a Sr
Rarnojon e de sua prima Malvina. Gd
leitura d'este carta sentio inna especie de
catefrto no coraro : mas, sem se
imito na (fe
egi-esso do i .u senhoras.
ahio logo submerso no seotiraeBto da soa
ntima ventura.
____________CCnntinuar-se-ha.)
T1P. IiO DURIO-KUBJ^uTlT.
Xt



-'
\


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFRMU9W62_FBA0D8 INGEST_TIME 2013-09-14T01:58:58Z PACKAGE AA00011611_11748
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES