Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11746


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*!
iHBHBHM

e
II i!'' INI

-i
AJINO XLV. NUMERO 14.

PABA A CAPITAL
Por tr?s mezcs nliant:idos. .
J\>r seis ditos idera. .
l'or un auno idein.....
ada numero avulso .
E LUGARES ONDJ: 9A0 SE PAGA PORTE.
0*000
li000
vwoo
W20


QUARTA FEIRA 20 DE JANEIRO DE 1869.
PABA DENTRO E TOBA DA PROVINCIA.
Por tres mezcs ndiantados.
Por seis ditos dem. .
Por no\Je ditos dera .
Por um latino.
DIARIO
66750
13*500
20fM50
27*000
Propriedade de Manoel Figuoira de Faria & Filhos.
SAO ACiKTEM
Os Srs. Gerardo Antonio Alvos A Fillios, no Para; GonctilvesA- Pinto, no Maranliao: Joaquim Jos de Oliveira, no Cear; Antonio de Lemos Braga, noAracaty; Joi
GuinaiTios Pancada, em Maman-guape; Antonio Alcxand/ino de Lima, na Pamhyba; Antonio JasGomes, na Vilto da Penlia; Belarmino'dos
5o Mara Julio Chaves, noAss; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joaquim
iUKM ufeao, em Santo Anto; Domircos Jos da Cott Iirai
em Nazareth; Francmo Tavares da Costa, em Alugas; Dr. Jos Martins AIvm, na Baha; e Jos Ribeiro G; isparinlio, no Rio de Janeiro. '
__PARTE 0FnCIAL._
Cioverno 1 provincia.
EVPKDIKNT:: ASSIft.VAD') PEI.O KVNI. SU. CONDK M IUK-
PKSDY. TOKSIDKNT.: DV MOVtNCfl, BU 13 D8 A-
KKOW M 1869.
1' seccao.
N. 38.Portara ao Evi. Sr. general rommaa-
dauledas armas.Fram expedidas a* convenien-
tes ordens. uin s ao gerenta da eompanhia l'er-
nambticana para dar transporte para o presidie
Fernanda aos sentenciados militares e mais pi
que para all so deslinain, ernn t twiiiiiil an com-
mandante superior da guarda nacional leste mu-
nicipio para prestar a escolta de 22 piaras e su-
balterno que os aove eonduzir. conforme' V. Exc.
solciiou era oficios de 11 do eorrente, sob ns.
21 e M.
N. 903. -Dita ao mesmo.Wdo V. Ese. consen-
tir que os soldadas invlidos voluntarios da patria
Manuel Amonio da Silva, las urbano de Figuei-
redo e Mximo de Alcntara Bispo, vao riiipanr
fra da capital pela decisao do governo sobre suas
baixas ou reformas, sujetando-se elle* s condi-
ooes propostas por V. Ese. em sea otlicio de 12 do
corrate, sob n. 26.
.V. 3S6.Dita ao inspector do arsenal de mari-
nha.Mande V. S. postar no caos do Forte do
Mallos, ainanha, urna lancha com a rapaeidade pre-
cisa para transportar para bordo do vapor Giqui
inclusas copias, sendo urna da acta, duas dos ba-
tneos de dezcinbro e lo semestre de julho a de-
! zembro lindo, e una da demonstraran dos juros
que vencen o capital garant lo para as obras da
estrada de ferro do Recito a S. Francisco em dito
semestre.
P. l.Dito ao presidente da Parahyba.Sa-
lisfazcndo o qne V. Exc. soliciten em sen oflicio
de 21 de dexembro prximo lindo, sob n. 6'.I68.
transmiti a V. Exc. as inclusas copias dos con-
tratos para exeeuco da conclusao da estrada do
norte entre a eha:t Ja Mangabeira ao engenho Hu-
() jje ijary primeiro lauco da estrada de Qovanna a Pa-
rara* '''';is ^ Pf> assm como de quatro laucos da es-
trada da Escada. que sao os nicos pie se acham
em a idainento para o norte e sul da provincia.
4". seeeao.
X. 18 -Oflicio ao gerente da eompanhia Per-
nainbucana. De ordem de S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, remeti a V. S. alim de seren en-
viados polo comiii.mdaiite lo vapor tiifmi, o di-
ploma e medallia de prata pie pelo jury da Expo-
sico Universal de Paris foram conferidos ao eoin-
niando do presidio de Fernando de Noronha.
te sobre a eslrada do cr mi torio publico desta dda-
de, e auloriso a niesma cmara a levar a praca se-
inelhanle obra.
X. 403. Dita a cmara municipal da villa do
Cabo. vista do que a cmara municipal da vil-
la do Cabo, declara em sen oflicio de 7 do corren-
te, euinpre que exija do presidente da mesa paro-
chial da freguezia" dessa villa, as eleiees para
venadoras e juizes de raz, a que se proceden, em
7 de setembro do auno passado. interinadles sobre
a omisso, que se nota na respecliva acta dos no-
sentaaciados de justica, que n'elle seb'uein para jmes de outros cidados, que, alm dos quatro vo-
o presidio de Fernando le .Noronha. I tados para juizes de \ az do segundo districto da
V. ."187.Dita ao rotnmatldante do presidio de ; "'-sma freguezia, sem duvida obtiveram votos px-
ksi'aciios da ranmanu i< w* 18de janeiro
oe 18G9.
Andr Avelino de Mello Gal vio.A' vista da in-
formacao, como requer.
Gervasio Pires Ferreira.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Joao Pinto de Leinos Jnior.Informe o Sr. ins-
N. 402.Portara a cmara municipal do Reci-! pector da thesouraria de faienda.
fe. Declaro a cmara municipal do Itecife em j Jos Alexandre Hibeiro.Informe o Sr. desem-
resposta ao sen oflicio de 2o de novenibro ultimo, bargador provedor da Sania Ca^a de Misericordia,
sol) n. 7o, que approvo o orcamento na Importan- Paulino Felippe Xepomoceno.Junto ao outro
Ca de 8:140S0U0para aconstruccao da nova pon-
ulor.
requerimento do mesnio supplicante, ja informado
pelo cptalo do jwrto. informe o Sr. commandante
superior da guarda nacional de Olinda.
Pedio Ferreira dos Santos.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Paulino Felippe Xepomoceno. -Ao Sr. comman-
dante superior de Olinda para informar.
Fernando.Para esse presidio tem de seguir no
vapor Cif/d Hara Magdalena, que ra ah residir
en eompanhia do sen marido Jos Banana de
Barros, que est cumpriudo sentenca, o que Ihc
communico para ua intelligencia.
X. 388.Deliberacao. 0 pmsente da provin-
cia, ailendendo ao qiie reqoeno fi ei David da Xa-
tividade de Xossa Senboni, capelln lenle refor-
mado d > exercito, em servici no presidio de Fer-
nando, resolve coaceder-lhe W) dias de licenca com
os vencimi'ntos na forma da lei, e com a clusula
de deixar em sen lugar nutro sacerdote approvado
pelo eommai'dante das armas, quem ser esta
apresentada.
2* scelo.
X. 389.Portara ao eominandaiite superior in-
teiiuodo Recil'e.Ex|)".ca V. S. suas ordens aflm
de que seja apreseulada ao brigad.-r<) connnan-
dantc das armas, no da i i do cor(oule s 10 horas
da manha, nina escolla de 22 araras commanda-
das por un subalterno, para presidio de Fernando os sentenciados militaros quo
teem de ser remettidos para all no vapor OiquiA,
da eompanhia Pernanibucana.
3'secca.
N. 3!W.Portara ao inspector da thesouraria
de fazenda Expeca V. S. suas ordens, para que
em vista da cinta junta em dupticata. que me re-
mellen o cngenliejm cncarregado das obras mili-
tai es com ollieio de hontem, seja paga a Bento
Mi nteiro e Silva a quantia de 90, a que tem di-
reito por haver feito o concert de que precisan o
eneanamento do quartel de deporto esnecial de ins-
Iriiccao.
X.'.llDila an mesmo-Pa'nle V. S., de cou-
fonnidaile com a sua inlormaco de hontem sob
n. 16, mandar adi.mtar ao director da colonia mi-
litar de Pimenleiras, a quantia de 900, pan 00-
correr s despeca:- a seu cargo durante o trimestre
de Janeiro a marco deste anno.
X. 392.Dita ao mesmo.Em vista da conta
junta em duplicata. que me remetteu o inspector
do arsenal de marinha com oflicio de 11 do eor-
rente. sob n. 1670, mande V. S. pagar a Francisco
Mariano Hibeiro Sette a quantia de 12$. prove-
niente do desembarque que fez em dezembro ulti-
mo naquelle arsenal de 10 toneladas de carvao de
pedia.
N. 393.Dita ao mesmo.Em rasposta ao ofli-
cio qne V. S. me dirigi em 9 do eorrente. sob n.
10, tenho a dzer que tiansaiilla i: thesouraria
provincia! os pros provenientes dos vencimentos
que foram pagos pela collectora de Pao d'Alho,
relativos aos metes de novembro e dezembro do
auno prximo pausado, e perteneentes aos guardas
narionaes destaeades naquella villa, alim de ser o
cofre dessa repartcao indemnisado da importancia
de taes vencimentos. cojo pagamento corre por
conta da supradita thesouraria."
S. 394.Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Espera V. S. suas ordens para que. em
vista dos prets que Ihe lorem enviados pela the-
souraria de fazenda, seja o cofre daquella reparti-
can indemnisado da importancia dos vencimentos
que pagon a collecU>ria de rendas traes da villa
do Rao d'Alho, relativos aos meses ge novembro c
dezembro d> anno prximo passado e perteneentes
a guardas narionaes all destacados, visto correr
o pagamento de taes vencimentos por essa thesou-
raria em vista da tabella de 3 do citado mez de
mvembro, e que se refere a portara que Ihe di-
rig na mesma data.
X. 39o.Dita ao mesmo Auloriso V. S. a pro-1
ceder, de conormidade com a sua inlormaco de
H do eorrente sob n. 20, acerca da requerimento '
qre mciuso devolvo, no qual Joao Baptisla do A-
maral pede, que seja paga a seu procurador o que
se esliver a dever das con-ignaces que de suas
graiilicacoes nos termos da lei n. 611, deixaram
aesta provincia o seu lilho Joao Baptista do orna-
ra I Jnior e sen anteado Modesto Luiz do Amaral
e Mello que tcn.lo marchado para o sul como pra-
vas do corno effectivo de poheta desta in-ovincia,
acham-se servindo no exercito em operacoes con-
tra o g"verno da repblica do Paraguay.
X. 396Dita ao mesmo.Declaro a V. S. para
eu conheciinenlo c llns convenientes, que o chee
di repartirn das obras publicas particinou-me em
ofHcin de hontem sob n. 16, haver mandado lavrar
o termo de recebimento provisorio das obras j
exeeatadat, perteneentes ao contrato, que foi res-
cendido do primeiro lanco da eslrada Je Goyanna
a Pedras de Fogo, visto charem-se ellas aperfei-
coadas, e no caso de screm recebidas provisoria-
mente.
N. 397.Dita ao mesmo. Inteirado de quanto
V. S. expoz em seu oflicio de hontem sob n. 21, a
que veio annexo o certificado, que incluso devol-
vo, tenho a dizer em resnosta, que mande pagar
pea sobra da consignacao do g 19 do art. 15 da
lei do orcamento vigente, conforme indica no (inal
n esse cargo, enviando copia do cdital, que na
forma do art. 55 da lei n. 387 de i9 de asusto de
1846, devia ter pub'icaiio. conlemlo o resultado da
apuraeao de todas as cdulas recebidas para a
niesma eleico.
X. 404.Dita aos agentes da eompanhia brasi-
lera de paquetes a vapor. Os Srs. agentes da
eompanhia braaUeim de paquetes a vapor, man-
dem dar transporte para a corle por conta do mi-
nisterio da guerra no vapor Guar, ao recruta Ma-
nuel Jos do Xascimento.
N. 405. Dita ao gerente da eompanhia Per-
nambucana. O Sr. gerente da eompanhia Per-
iiambucina, mande da r transporte por conta do
ministerio da guerra, para o presidio de Fernando
no vapor Giqui, aos sentenciados militares de no-
nii-s, Anacleto los da Conceiyp, Cesarlo Gomes
da Silva, Epiphanio Joaipiim da l'aixao. Jos Theo-
bab'o, Mauoel Felisbertu Martins, Roberto Juveni;
de Monea, c bem assiin o guarda nacional do nri-
nii'iro batalhao de arlilhiria Victoriano Gontalves
de lama.
X. 406.Dita ai. me>ino.O Sr. gerente da
eompanhia Purnambucana, mande dar transpone
para u presidio de Fuma ido de Xoronha. no vapor
llepari lefio da polica.
2' seccao.Secretaria da polica de Pernambu-
co, 19 de Janeiro de 1869.X. 95.Hm. e Exm. Sr.
Tenho a honra de levar ao conheciinenlo de V.
Exc. que, segundo consta das participacoes recebi-
das h.TJe nesta repartidlo, no da 18 do eorrente
foram recolhidos a casa de detengo os seguintes
individuos :
A' minha ordem, Vicente, escravo, de D. Theo-
dora de Araujo Pinheiro. como criminoso de morte
no lermo de Pao d'Alho.
A' ordem do subdelegado de S. Jos Benedicta
Mara dos Prazercs, por embriaguez ; e Antonio
Jos Tavares de Almeda. at segunda ordem.
Por oflicio de 16 deste mez. communicou-me o
subdelegado do districio de Calende, que fra alli
capturado e recolhido a res|>ecliva prisao o crimi-
noso de furlo de c.ivallos Francisco de Albuquer-
que Lins, contra quem eslava instaurando o com-
petente processo.
Em data de 5 do eorrente parlicipou-me o dele-
gado do termo de Cimbres, que as 8 horas da ma-
nha do dia anterior, na lugar Tambor, do distric
lo d' Alagoinlia daquelle lermo. Manoel Flix fc-
frio com uin tiro a Antonio Ferreira. A niesma
autoridad!.1 deligencia a captura do criminoso, con-
tra quem ia proceder na forma da lei.
Por oflicio de 4 de eorrente, participou-mc o sub-
delegado do districto de Cimbres que no dia 27 do
mez prximo linJo, no lugar Pao de Assucar
BOMBO districto, tei
nspeelor de quarte:
dili-
n lo
seu
P. S.Ha ministro da fazenda. E' o conde de
Samodes. Estar este moco altura das cin DON
tandas i Ser homem para metter hombro*
luacao difflcil que Ihe conliada ? Eis o que
iwrgunlam, e o de que lodo* duvidnm. exc?pcao
dos Srs. ministros que o rogaran, e do Sr. i onde
ipie accoitou.
O conde de Samodacs todos concordan), \h
em afllrmar que um cavalheiro honesto e irtell-
gente. Foi deputado, e depois foi elevado ao paralo
por morte de seu pai antigo general do imper
Tem escripto. dizein. alguns arligos do /ora
Porto, e romo governailor civil do Porto tem
genciado o liem dos seus adminisirados. o qui
p nicas sympalhias Ihe grancrcou no districto ;
cargo.
Nunca foi ministro.
Xo sendo a situaco para estra*. ser (pena
que o conde de Samodes, destinado alias a repre-
sentar inais larde um papel importante na alta ad-
ministrara) do paiz, tenha nesta conjunctura di-
servir de editor respaasavel alheins alvitresj
Entretanto o inais sensato, porm, aguaicar
idos seas actos. E' ]K)is de pura expectativa a po-
sii*ao da iniprensa; mas de grandes hesitarnos, a
da opiniao publica.
F'aco esla^distinccao, porque disa-se a venlade.
em Portugal actualiiienle ancla invertida a siunco
destos dous elementos. A iniprensa nem sem| re
o echo da opiniao. A opiniao (como naode'eria
acontecer) que as mais das vezes se faz org i da
iniprensa.
Gamcileira Joao de Barros Silva, Joao Paes Bar-
reto, Martinho Rodrigues da Silva, Joaquim da
Silva Pinto, Antonio Mara de Araujo c Jos Car-
los da Cunha.
Suplientes do subdelegado do !. distneto de
Serlnaiom -Hoarique Lias de Barros Wanderlcv ;
Antonio Francisco de Albuquerque Cmara, Roti-
bo Tolentuo de Figuert- de Meaeaes, Jlo Damasceno Barros, e Patricio
da Osla Lima.
2. a 6. supplcntcs do subdelegado do 2." dis-
A subscrlpcao para o empreslimo tem log-1 Rocha.
mido trido de Serinliaem Francisco de Piula Cava I-
cante Wanderley; Francisco Pedro Cavaleante
I'elia. Joo Manoel de Mesquila Barra Wander-
ley ; Smelo de Carvalho e Albuquerque, c Flix
Jos de Mello Cavaleante.
Subdelegado de PanellasJos Cordeiro dos
Santos.
Subdelegado do 1." districto de Gamelleira
Fraricisco Manod Wanderley Lint.
6." supplente do sulMlelegado de Belmonte, do
tormo de Villa-BellaSaturnino Poreira da Silva.
2., 3., 5." e 6. supplentes do subdelegado do
l. districto de Itamb (matriz)Manoel Correa
Gondin, Adelino Celestino de Mendonca. Antonio
Correa de Oliveira Audrade. e Manoel Correa de
Aranio Lima.
Subdelegado e supplentes do 2." districto de
Itamb (Cane)Antonio Guedes Correa Gondin,
Luiz Gueies Correa Gondin, Cosme Francisco de
Anulo, Lourenco Fernandos do Amaral, Thom
Rodrigues Chaves, e Francisco Antonio da Silva
do
mesmo districto, tendo sido preso pelo respectivo
teiro Herculano Jos de Carva-
qoe res|K)
X. 407.Dita ao mesnio.0 Sr. gerente da
eompanhia Pernambucana, mande dar passagem,
por conta do ministerio da justica, no vapor Giqui
que tem de amanilla seguir para o presidio de Fer-
nando de Xoronha Mara Magdalena, mulhcr do
sentenciado Jos Baraia de Barros, que alli se
aclia comprimi senlenra.
X. 408.Dita ao mesmo.O Sr. gerente da
companbia Pernambuc.-ma, d transporto para o
presidio de Fernando de Xoronha, no vapor Giqui
que tem de para alli seguir a i i do eorrente, a 13
sentenciados de justica ( a 1 inferior e a 15 pracas
da guarda nacional que os vao escoltando.
N. 409.Dita ao mesmo.0 Sr. gerente da
eompanhia Pernambucana, mande dar transporte
para o presidio de Fernando no vapor Giqui |r
conta do minsierio d.\ guerra, a 22 pracas da
guanta nacional, que vao escoltando os sentencia-
dos militares e a uin offleial qnevai commandando
aquellas pracas.
Y 410.--D'ila ao commandante do brigue-barea
tumiinu.Tendo de s>r transportados amanilla
pan 0 presidio de Fernando de Xoronha. alguns
presos militares e civs que vio all cumprir sen-
lenca e sendo preciso una escolta para guarda-Ios
durante a viageiu, haja Vine, de informar, se do
navio do seu comutando pode ser lornecido um
destacamento d'- 20 pracasque faca:>quelle scrvico,a
bordo do vapor Giqui da eompanhia Pernambu-
cana, que para all pa -te amanha ao meo dia,
liando desde logo no ca>oaflirmalivo, as providen-
cias iiecessarias para que a dita escolia se aprsente
a bordo hora competente : entregues os referidos
presos no presidio, as pracas regressaro no mesmo
vapor.
X. 411.Dita a Joao Vieira de Mello e Silva,
presidente da cmara- m anieipal de Caruar.Pe-
lo seu otlicio de 7 do eorrente, Dquei inteirado de
haver Vmr. nessa data, tomado jwsse dos cargos
de presidente da cmara municipal de Caniani e
de juiz de paz mais votado da freguezia desse ne-
me, bem como de terem sido tambem juramenta-
dos os vercadores e 17 juizes de paz dos differen-
tes districlos de que se rompbe esse municipio.
EXI'KDIKNTi: ASSIOXADO PILO SR. Dn. JOAQUIM COBBEA
DE AliAl Jo. SECRETARIO DO GOVERNO EM 13 DE JA-
NEIIW DE 1869.
Ia scelo.
V 412. -)flicio ao inspector do arsenal de ma-
rinha.S. Exc. o Sr. pn-slente da provincia man-
da declarar a V. S., en. resposta ao seu officio de
11 do correute, sob n. 1.670, que a thesouraria d
ramada tem ordem para pagar a Francisco Maria-
no Ribeiro Sette, a quantia de 1-' i constante de seu
citado officio.
N. 413.Dito ao commandante do presidio de
Fernando.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente
da provincia, transmiti a V. S. o diploma e meda-
Iha de piala, conferida ao commando desse presi-
diOypelo jury da Exposicao Universal de Paris, que
deixaram de aeompanhitr o officio do mesmo Exm.
Sr. presidente da provincia, de 14 de novembro
ul'iio!. servindo-sc v. S deaecusar o seu recebi-
mento.
X. 414.Dito ao mesmo.Declaro a V. S., de
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
3ue lendo Francisca Roa dos Santos Barro, pedi-
o lieenca para levar en sua rompan!.ia para este
presidio,;. escrava de nome Isabel, muala, de 35
co-
do citado orne a quantia que se esliver a dever anuos de idade, obteve o seguinte despacho :
ao arrematante do ultimo lanco da estrada do Pao
d Amo a Xazareth, proveniente de accrescimo de
obras que executou.
N. 398 Dita ao mesmo.Mande V. S. liquidar
e pagar em vista do incluso pret, queme remet-
teu o commandante superior desle municipio com
officio de 11 do corrate sob n. 5, os vencimentos
relaiivos ao mez de deaembro ultimo, dos guardas
nacionaes do 6* batalhao de infantaria destacados
no districto da Magdalena.
X. 399.Dita a chee da repartidlo das obras
publicas.Fico inteirado pejo seu uflkio de hon-
tem datado sob n. 16, de haver Vmc. mandado la-
vrar o termo de recebimento provisorio das obras
ja executadas perteneentes ao contrato, qne foi
rescendido do primeiro janeo da estrada de Goyan-
ra a Pedras de Fogo, visto aeharem-se ellas aper-
Mcoadas, segundo constafde seu citado offlcio, o
<|ual fica assm respondido.
4* seccao.
X. 400.Officio ao conselhoiro Jos Carlos de
Almeda Aras, enviado extraordinario e ministro
lempotenciario do Brasil na corte de S. James.
enho a honra de tr; D'mittir a V. Exc, s cinco
mo requer, paga a passagem a sua cusa.Pala-
cio do governo de Pernambuco, 11 de Janeiro de
1869.Conde de Boepenij.
N. 415.=Dito ao engenheiro encarregado das
obras militares S. Ex. o Sr. presidente da pro-
vincia, respondendo o olflcio de V. E.\c, datado de
hontem, manda declarar que a thesouraria de fa-
zenda tem ordem para pagar a Bento Monteiro e
Silva os 94000 de que trata o se citado officio.
2* seccao.
N. 416.Oflicio ao Di. chee de polica.O Exm.
Sr. presidente da provincia manda declarar a V.
S., que o inspector do arsenal de marinha tem or-
dem para postar amntala no caes do Forte do Mat-
to, urna lancha para transporte dos senlenciados,de
que trata o seu offieic de 12 do eorrente. sob
n. 4ti.
N- *17.Dito ao commandante superior de Ga-
ranhuns.O Exm. Sr. presidente da provincia
!Taiaa!iac!usar recel'imento do officio de V. S.
de li de dezembro ultimo, a que acompanharam
os orticios juntos em original que devolvo, do juiz
de direito dessa comarca, de cujo conledo Oca o
mesnio Exm. Sr. inteirado.
individuos se dirigir priao e soltara o preso,
maltratando nessa occasio o referido inspector
com pancadas e sceos.
Que chegando ao seu conhecmento semelhante
fado, reunir una brea de cincoenla pracas, e no
dia seguinte seguir em perseguidlo dos crimino-
sos, conseguindo capturar a Jos Martins da Costa.
Joao Francisco Varejo, Felippe Ferreira Callado
e_o escravo Valerio, os quaes passou logo a dispo-
do do respectivo juiz municipal, aflu de serem
processados ; sendo que deligeneiava a captura
dos demais.
Por officios datados de 18 deste mez, parlicipou-
me o delegado do termo do Cabo, que as 10 ho-
ras da manilla do dia 16, 16, em um lugar rmo,
distante da villa 50 bracas mais ou meuos. fra
encontrado o cadver de urna mulhcr que se roco-
nlieccu ser de Antonia Alvos de Miranda Varejo.
lilha de Ainarnha Perera Caldas, moradoras no
sitio Arcado, daquelle termo, e que em vista d^uralmente nao passa de boato,
auto do corpo de delicio e mais diligencias, que
se proceden, verificou-se ter sido ella assassinada
por eslraugulameuto ; sendo autores desse brba-
ro atlentado o subdito liamburguez Henrique Fich,
um irmao deste por nome Joao, Jos de tal, co-
nliecido por Jos Menino e Joaquim Pachoal Cor-
Di, os quaes j se acham capturados e sendo pro-
cessados.
Acerca de semillante faci consla mais que na
madrugada do da anterior havia sido raptada pe-
lo mesmo H. Fich a infeliz Antonia, que, seduzida
pelas promessas de casamento que lia annos lhc
lazia o seductor, prestou-sc a aconipanha-lo ; bem
orno que em podei de Ilenrique Fich e de Jos
de tal foram encontrados varios objectos da infeliz
Antonia ; faltando oulros. como ioias e dinheiro,
que ella levava em urna caixinha de pinho, que foi
encontrada aberta vasia junto ao cadver.
Deus guarde V. ExcIllm. e Exm. Sr. conde
de Baejiendy.O chefe de polica, Francisco de
Furia Lentos.
EXTERIOR.
Correspondencia do Diarlo de
Pernaaabnco.
LISBOA, 28 DE DEZEMBRO DE 1868.
(Conclusao)
Consta que a eompanhia do crdito pre-
dial fezaogoverno um novo supprimento de. .
40.0004000 rs. por mez e com juro a razio' de
7 112 i,
Para a semana vai a assignatura regia o de-
creto regulamentar da engenharia. O regiilamento
do tribunal de contas deve apparecer por estes dias
tambem.
Sao incalculaveis os estragos que as cheias
das ribeiras e dos rios teem causado este invern
em Portugal. Madeiras, arvores, muros, pontos e
casas, e ein muitos sitios as pronrias sementeiras
se teem perdido. Em compensaeao, porm, porque
Deus pai providente, os trigos e centeios de ou-
tras trras estao lindissimos e promettedores.
Subscriptoes valiosas se teem feito para aecudir
a miseria dos pescadores da costa de Aveiro, da
Trafana e Caparica. E notevel a imprevidencia
desta classe de operarios. Se muito teem. muito
gaslam; nada forram, nada guardam, nada eono-
misam. Em chegando a inverneira, pedem esmola
porque teem fome. Se passada a hora da penuria
alguem Ihes vai fallar n'irtna caixa econmica, n'um
monte-pio, riem-se com modos al vares. Seus pais
assim viveram, assim morreram. Quando a safra
abundante baptisam os filhos, gaslam rios de di-
nheiro em comesaiua, e o que se foi nos descantes,
e nos brodios falla depois. E' claro que as almas
compassivas nao os manda.m laucar no invern
como fez a formiga cigarra. Mas o que os poderes
pblicos tinham direito para fazer, era obrigar
aquella gente a prevenir-se, como obrigou os func-
cionarios a distribuir por um monte-pio.
Deixados assim merc da imprevidencia tor-
nam-se pezados sodedade.
Publicou-se um pamphleto contra o governo
sob o titulo Hecarta ao re de Portugal, por um
cidadao portuguez. Dizem-me que osla bem escrip-
to. Nao o li. O Jornal do Commercio parece insi-
nuar quem seja o autor. Apenas s colhe do que
diz, que um aspirante a mmistro. Como sao tan-
tos os que sejolgamno.casodeoser, nao se pode
soporessas injormaes concluir quem o para-
pufetario. ^
mentado. Pouco falta para a quantia de 35(1 mil
libras pedidas pelo governo.
A crise actual s pode ser remediada com a ex-
tinecao do dficit. Mas como far o novo ministro
un orcamento em dficit, nem acabar de desdrga-
nisar os serviros ? Como ha-de extinguir aHUvida
Humillante semobter quanto antes um eiupresjtiino
valioso nos mercados estrangeiros ?
Dentro em poucos dias estar aberto o p; rla-
niento, e ah, mdhor que as reunios de arge Ha-
rtos, poder o governo tomar -onselho. e expi r os
seus planos finauceros, visto que o rgimen rc-
preseulativo e constitucional, e nao se estabelcceu
ainda a plutocracia como norma de governo de
um novo livre.
Urna folha simi-offical d boje a entender nos
termos mais explcitos que o go^ erao nao tenc ona
dissolver nem adiar as cmaras.
Contina a aftirinar-se que a casa Startt Bro-
thers de Londres, se offerece para proporcional' ao
governo portuguez o empreslimo consolidado de
3:509 contos qne o governo autorisou.
Diz-se que esla semana dao levadas assi| ma-
lura regia as reformas das secretarias.
Desmente una folha ministerial a noticia que
se espalhou de serem agraciad* muitos dos cava-
!lenos qm mais contribuuam para o eiuprestimo
levaiftado em Lisboa.
E' urna nmende honorable, por isso que o cor-
recrivo se l no mesmo jornal que espalhra tao
inslito disparato. Xo digo isto porque os cava-
Iheiros a que se alludia nao sejam dignos de mer-
cs c honraras; mas por oulros ttulos. O terem
collocado o seu dinheiro as condices que en en-
deram a convite do governo, tuna trausaecao
coininercial como outra qualquer.
Chamo a sua alinelo para una caria do di qne
de Monlpensier dirigida Poltica, folha de Ma-
drid, a proposito dos commenlarios que suseit >u a
sua ida de Lisboa (onde anda est residndo com
a infame sua esposa) a Hespanha depois dos lti
mos tumultos de Cadix.
Xeste documento declara cathegoricamente o
duque de Montpensier que nuda ambiciona, e
que nicamente tem empeuho decidido em cantil uctr
a pertencer nova Hespanha, Hespanha tic e.
A carta datada de L. de 19 do eorrente. 0 du-
que assigna-se-Antonio itOrleans. (1)
Corre que se revoltn o regiment de eiyal-
laria n. 7 que esl em Braganra, e foi extinelo, e
que o movimento fra secundado pelo povo. Xa-
Antes assiin.
No arsenal de Gd eslavain se fazendo g an-
des parativos de muuices para a expedici*)de
Mocambique.
Diz-se que o governo desisti (por ora i de
laucar decimas sobre os ordenados dos empr ga-
do? pblicos, por estar prxima a abertura
das
dos ordena-
at 600000
l:300ri.; e
de
corles, qual sar proposlo o que parecer conve-
niente.
A idea parece que era deduzir 5 |
dos inferiores a 400000 r*.; 10 |
rs.;15[at 1:0001 rs.; 20 "| at
25 |o d'ahi para cima-
Xas gratilicaeoes s eram exceptuadas a
commando de eompanhia.
Boa trovoada ameaca esla classe!
Falleccu hontem o vsconde de S. Bart$ulo-
meu, Jos Joaquim Lobo, presidente do tribuu
conlas, suecumbindo a um antraz complicado
outras enfermidades. Era geralinente respei
o oceupava com dignidade e honradez o alto
que exercia.
A 5 de Janeiro toca em Lisboa o vapor A^na
ion, de Liverpool que vai para Pernambuco,
Foram declaradas sem effeilo as nomeaces
de Jos Teixeira de Borha. Fraiu'klin Celestino de
Mend'-nca, e Antonio Galdino de Paiva. para 3.,
o. e 6. supplentes do subdelegado do 1." districto
de Itamb. '
Foi creado mais um districto de subdelega-
cia. na freguezia de Itamb, sob a numerario de
2. c denominarlo de Caric, abrangendo o"terri-
torio do districto de paz desse nome ; e determina-
do que os outra passem a chamar-se o 1." da
Matriz, e o 3. de Timbaba. comprehendendo ca-
da um delles o mesmo territorio dos districlos de
paz assim chamados.
DKFLORAMEXTO E ASSASSIXATOCom este
titulo noticiamos ligeiramenle um grave e horrivel
atlentado, pralicado no Cabo, na pessoa de una
moca de nome Antonia Alves de Miranda Varejo,
moradora no sitio Areado, e fllha de Amarinha
l'eeeira Caldas.
Rectificando a noticia no que diz respeta) ao
primeiro crime, o delloramento, que foi pralicado,
ha j tempo, indo principal autor do segundo cri-
me, Ilenrique Fich, temosa acerescentar-que o
atlentado foi pralicado em lugar enno, por aquello
Fich e mais um seu irmao de nome Joao, um Jos
Menino e Joaquim Paschoa I Corbi; os quaes se
acham todos presos, sendo-o Henrique aqui no
Recito e os oulros no Cabo; como ludo se de-
prehende do oflicio abaixo.
Convm que accrescentemos no entretanto que
lien mu dos indigitados crmnosos empregado
da via frrea do S. Francisco; e outrosm que de-
claremos que, de inforinacoes que nos chega ao
escriplorio, consta terem sido sollos todos os indi-
viduos cima, excepcio de Jos Menino, que se
eoiite-isoii mandatario, declarando ser mandante do
assasranto o pai da infeliz Antonia.
Ee o officio :
Delegara do Cabo, 18 de Janeiro de 1869.
Illm. Sr.Accuso a recepcao do officio de V. S.de
hoje datado acompanhado do preso Ilenrique Fich,
que veio escoltado por duas pracas, as quaes vol-
tam conduzindo o presente.
Depois que boje ofiiciei a V. S. constou-me
que um irmao do mesmo Henrique, de nome Joao,
foi um dos autores do assassinato brbaramente
feito na infeliz Antonia Alves de Miranda Varejo,
exped s 7 e meta um lelegramma requisitando
tambem sua prisao ; vejo, porm. que V. S. nao
acensa a recepto do dito lelegramma e soniento
do otlicio, o que prova a remessa ofllcal, a que
respondo. Essa falta ticou sanada, poique o refe-
rido Joao, acompanhando to seu irmao Henrique,
aqui fui por mm capturado e se acha recolhido
prisao.
Jos de tal, conhcido por Jos Menino, e Joa-1
quim Pasehoal Corbi, que hoje pela manha foram
recolhidos cada participam tambem da autora
de semelhante tacto criminoso. O crime horrivel,
que a V. S. tlz sabedor, foi commettido na noiie de
16 para 17 do eorrente, 500 bracas de distancia
desta villa, em um lugar completamente ermo c
margem do rio Pirapama, dentro de uns canaviacs
e rocas, por meio de estrangulaco, sendo instru-
I de
com
ado.
rgo
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
ACTOS OFFICIAESPor actos de 16 c <8 do
corrento, sob proposta do Dr. diefe de polica
Foraw exonerados:
A' seu pedido Francisco Manoel de Souza Oli-
veira, de 1.* supplente do subdelegado do l.*1 dis-
tricto de Serinhem ; Dr. Francisco Alves dal Sil-
va, de subdelegado do 1. districto de Gamelleira ;
e Joao Gomes Pereira de Lucena, de subdelegado
de Panellas.
A' bem do servico publico : Jos Wenceslao Af-
fonso Rigueira Pereira de Bastos, Jos Pedro Vel-
loso da Siiveira Jnior, Amrica Xavier Pereira
de Drilo, de 2., 5. e 6. suppleutes do delegado
de Seriuhaem; Paulino Velloso Freir e M;.no.-l
do Reg Cavaleante de Albuquerque, de 2.* u 4."
supplentes do delegado de Itamb ; Antonio Alves
Cavaleante, de subdelegado de Taquaretinga; An-
tonio Luiz Bearnez, de 1." supplente do subdelega-
do do Malhadinha; Joao Pereira Chaves, Francis-
co de Paula Cavaleante Lins, e Francisco Antonio
Dandeira de Mello Jnior; de 3., 4. e 5.' sup-
plentes do subdelegado do 1. districto de Gamel-
leira ; Felippe Paos de Oliveira, Manoel Gomes de
Rarros e Silva, Jos Paes Barreto, Theinislocles
Paes de Oliveira, Joaquim Francisco Borges Ucba,
e Flix Velloso da Siiveira, de supplentes do sub-
delegado a2. districto de Gamelleira.
Foram nomeados:
2." a 4." supplentes do delegado de ItambUr-
sulino Cavaleante do Reg Vasconcellos, e Chris-
tovo Vieira Leito de Mello.
t. a 6.' supplentes do delegado de Serinliaam
Manoel de Mesquila Rarros Wanderley ; Antonio
de Carvalho Albuquerque, Manoel de Barres Ac-
doli Lins, Joao'Horentino Cavaleante de lbu-
quei'que, e Goncalo Cavaleante de Albuquerque
cha.
2. a 5.* supplentes do subdelegado do 1.' dis-
tricto de G&roerteiraCarlos Lenidas do Reg
Barros. Antonio da Silva Ribeiro, Frandsco Lins
Goncalves Chaves, e Manoel de S Cavalcajue do
Xascimento.
Supplentes do subdelegado do 2." districto de
1 se elle desta villa para o Recife, prometiendo seiu-
pre reahsar o casamento cun ella. Kirem, adan-
(to-o toda vez quo se Ihe exiga o eumpriment..
Oeste dever, sob pretexto de falta de meaos para
fazer. "^
E' publico e notorio ueste lugar o boni conipor
lamente e recato eom que viva essa infeliz crian
ea em casa de sua ma, antes e depois que veio a
eonhecer Henrique, esse muestro da nalnreza.que
para se livrar de um .-nrargu que havia tivretneii-
le contrahido para com ella, esse anjo de bondad.-
que assim era lida por todos que a conheceram.
segundo estou muito bem informado, nao iiepidon
em tao lenra idade, platicar o acto mais abjecb.
revestido das mais horroro-as eircumstaocias, elle
e seus companheros, portanto sao credores da mai-
se ver, i pu nielo.
Deus guardo a V. S. muitos annos.Illm. Sr.
Dr. Francisco de Farias Lomos, 1). chefe de polica
da pi-uvincia.O delegado de polica, Antonio Pi-
di Ferreira Lima, o
ASSASS1.N0.A" requisico do delegado de P,.
' i Vt"licoll-st' l" o pivto Vicente, escrav..
de D. Thercza de Araujo Pinheiro, proprietaria *?
eogenho Canavidra daquelle termo, o .mal piel..
se achava recolhido detonco por fgido, era >
assassino de Cosme Caisto; pelo que trala-se de
|)iocessa-lo.
CAPTtiRASPelo delegailo do tormo deSal-
gueiio foi captando o criminoso de morte, uo ter-
mo de Calimb, Joa- Damo Barbosa, que. havia
algum tonino, resida nos suburbios daquelle ter-
mo. Pelo subdelegado do Cillende. no termo do
Bonito, foi igualmente capturado Frandsco d'Albu-
qnerque Lins, que. ennduzia um eavallo l'urtado
n'uin rancho jioucas horas antes.
TeRIMEXTONo da 4 do eorrente, no lugar
Tambor, do districto de Alagoinlia, oV) tormo de
Cimbres, Manoel Flix ferio com um tiro Antonio
Ferreira. A polica deligeneiava capturar o cri-
minoso, contra quem procedia-se na forma da
lei.
SOLTURA DE PRESO.-Xo lugar de Pao dAs-
sucar, do districto de Cimbres, tendo sido preso
27 do mez prximo passado pelo respectivo inspec-
tor, o individuo de nome Marcelliuo de Mello, por
desobediencia e crime de injurias verbaes; o ma-
E" ir Joao Rodrigues de Freitas, acompanhado de
elppe Ferreira Callado, Jos Martins, Frandsco
Varejo. um seu escravo de nome Valerio, e mais
seis individuos, dirigi-j-sc prisao, soltou o prai i
e maitratou o referido inspector com pancadas e
sceos.
Saliendo disto, o subdelegado de Cimbres reuni
una forea de 50 soldados no dia seguinte. e puz-se
no encalco dos criminosos, que K tinham evadido,
conseguindo apprehender Jos Martins da Coda.
Joao Francisco Varejo, Felip|ie Ferreira Callado e
o escravo Valerio, contra os quaes trata-se de ins-
taurar processo.
TRILHOS URBAJOS. Hontem s 4 boras da
tarde o omnibos de Olinda ia sendo esmagado pelo
trem da I i nha fern a de Apipucos, no cruzamentn
da ra do Hospicio, devido isso a nao ter o res-
pectivo inachinisia do trem dado o signal indispen-
savel. Nao haver meio de obrigar esses entre-
gados a darem signal quando se approximam de
cruzainentos ?
Chamamos .ara isso a attencao do Sr. Dr. chele
de polica.
INSTITUTO ARCHEOLOGICO. Amauhaa ha
sesslo ordinaria s huras do costume.
CAIXA FILIAL.Paga o trigsimo dividendo
das aeces do Banco do Brasil inscriptas nella, a ^
razio de 9000 por aeclo.
MONTE PI GERALPela thesouraria de fa-
zenda est assentado, que o pagamento das pen-
scs lera lugar d'agora em diante nos dias 12 dos
inezes de Janeiro, abril, julho e outubro de onda
anno, sendo-o no segninte quando esse da fr
santificado.
LOTERA.A que se acha venda a 93* a
beneficio da igreja de Xossa Senhora do Tero,
desta cidade, que corre terea-feira, 26 do cr-
renle
CEMITERIO PUBLICO-Obluario do dia 15 do
eorrente :
Joao Antonio Goncalves Serrano. Pernambuco,
52 .".unos, casado. Recife. aneurisma.
Felicit Castelliana, Italia, 30 annos, casada.
Coa-Vista, metrite aguda.
Luiza Salustiana de Albuquerque. Pernambuco.
29 anuos. Boa-Vista, phlysica pulmonar.
Maria Francisca da Concecao, Pernambuco, 40
ment com que se praticou elle urna toalha nova annos, viuva, Boa-Vista, interite chronica,
(1) Jornal do Commercio fe 27 de dezembro, k
pagina, i* columna.
de madapolo lecda em forma de corda, lancada
:u) torno do pescoco; cncontrando-sc do lado di-
reito do mesmo duas incises um pouco curvas,
que denotavam ter sido felas com a unha do dedo
pollegar.
A infeliz foi encontrada com seus vestidos e
cabellos em completa desordem. Em um espaco
de duas bracas onde foi encontrado o cadver todo
o mato se achava machucado e quebrados alguns
ps de canna e roca, rastos de pessoas que para
ahi tinham vindo e voltado calcadas de botins, o
que ludo denotava ter havdo hita e emprego de
torca contra taes objectos, notando-se tambem que
um pequeo cogulo de torra se acliava todo esca-
vacado por saltos de botins. Ao p do cadver en-
controu-se alguma roupa de seu uso e urna pe-
!|uenacaixadepiBho contendo alguns objectos que
Dram recoiihecidos p?la mi da infeliz, Amarinha
Pereira de Caldas, serem proprios de sua filha,
faltando, porm. urna medalha com quatro voius
de cordao, dous allinetos de pcito, dous pares de
rosetas, um aimello, tudo de our, urna sedula de
I0 e outra de l nina moeda de prata de cinco
tustdes e outra de 200 rs., e um lenco de cassa
lisa com labyrinlho e rendado, tendo no ecntro as
iatataei do rime da assassinada feilas com la, cu-
jos objectos foram rouhados pelos referidos assas-
sinos; sendo que em casa de Jos Menino foi en-
contrado o lenco cima referido em umabuseaque
se procedeu em sua casa no sitio Arado, urna le-
gua (lisiante desta villa; boje pela manha, em
cujo acto, interrogado geiranicnto, como a occa-
sio permitta, o mesmo reo declarou. que elle
junto com os cima referidos foram casa de Ama-
rinha, que sua vizinha muito prxima, pela ma-
drugada do dia 16 do eorrente mez, raptaram a
infeliz Antonia Alves de Miranda Varejo, condu-
zindo-a casa de Jos Vicente, ahi a guardaran!
durante o dialt, e alta noito conduziram-a da-
quella habitacao at a ponte do engenho Novo,
onde elle interrogado diz ter deixado seus compa-
nheros, os quaes seguiram com a iBfeuz em di-
reccao ao lugar em que se deu o delicio. Scmto
interrogado a quem pertencia o tonco encontrado
em sua casa, disse ser da infeliz, e que o houvera
por dadiva de Henrique na occasio em que o in-
terrogado deixou a sua companbia na ponte do en-
gento Novo, sendo, que tambem Ihe prometiera o
mesmo Henrique 10 por paga de seu trabalbo.
> Quanto aos mais objectos de ouro declarou
to-los visto em poder de Henrique, em vista do
que acho conveniente que V. S. ahi provideucie no
sentido de ver se por meio. de buscas os descobre
em sua casa.
E' o quo at aqui posso informar a V. S., fican-
do certo que o que eu for colhendo de semeJhanle
tacto levarei ao conhecmento de V. S., empregan-
do todos os es/orcos que me forera possiveis para
deicobrimento da verdade. ^T
gtfonsta-me tambem que essa infeliz moca dei-
XOPM raptar levada por promessas de casamento
que ha muitos annos Ihe fazia Henrique, at quo
afinal conseguio deflora-la, depois do que mudou-
Antonio Jos Fernandos. Pernambuco, 50 anno
casado, Recife. hvpetrephia.
16
Ernesto de Albuqnerque Lins. Pernambuco, 20
annos, soltoro, Boa-Vista, febre tiplioyde.
Antonio, Pernambuco, 11 annos, Boa-Vista, le
tao espontaneo.
Olympio. Pernambuco, 11 mezcs, Boa-Vista, den
lelo.
Jos, Pernambuco 15 das, Boa Visla. espasmo.
s

CMARA MUNICIPAL.
o. SESSO ORDINARIA EM 7 DE DEZEMBKU
DE 1868.
PRESIDENCIA DO SI!. PKRKIRA sl.MoEs.
Presentes os Srs. Dr. Miranda, Dr. Pitonga, Dr
Villas-Boa*. Santos e SHva do Brasil, fa|tando mi
causa os mais senhores, abre-se a sessao, e lida
e approvada a acta da antecedente.
Le-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Um officio do juiz de paz do uuarto anno do se-
gundo dislricto da freguezia dos Afogados, Joa-
quim iTheodoro da Silva Caneca, coiiimnnicanV
que, tendo cessado o sen impedimento, assmnira o
exerrk'io de seu cargo em 3 do eorrente,Inlei-
rada.
Outro do juiz do paz segund supplente do mes-
mo districto da dita freguezia, Joo Cyriaco da Ro-
cha Lobo, coiumuaicanao haver deixado o exerci-
cio em o dia 3 do eorrente, por Ihe ter oficiada o
respectivo proprietario que assumira naquella dala
oexeicicio, visto que cessarao motivo de seu im
pedimento.Inteirada.
Outro do procurador, rewettendo o baUnceto da.
n-ceita e despeza municipal em o niez cto novem-
bro ultimo.A eommissao de polica.
Outro do engenheiro conleador. inlormando *
requerimento de Nicomedes Maria Freir, em que-
pede licenca para concertar a frente de sua casa, *
ra do Caldvreiro n. 68, senOo este concert, coito-
car duas bombreiras e urna soleira om urna porta,
fazer da outra porta janefla c abrir ama jancHa no .
claro existeme na parede da frente, tem a dizer
(pie nada ha a oppr a pretenca do suppcanto
una vea que execute as obras de conformidade
com as iiosturas, e oolloque a soleira no mesmo m-
vel da vellia Concedeu-sc de conormidade coiu
a infonna^o.
Outro do mesmo, informando de novo sobro o
que pede Antonio Jos Rodrigues de Souza, pro-
prietario da casa terrea n. 28 sito na do Montei-
ro na freguezia do Poco da Panella. ,o qual para
evitar alguma cataslrophe por occasio da passa-
gem dos trens dos trilhos urbanos pela frente >
passeio de sua dito casa, pede para construir ura
pequeo paredo em frente da calcad* paralela
aos ditos trilhos c endireitar o terreno de maaetra
a facilitar o transito publico sem nrejudicar aos
mesmos trilhos, cumpre-lhe dizer nao haver incon-
veniente na coneesso pedida.Cojicedeu-se.
Oulro do mesmo, informando sobre oque pean

/
laaan^nVifvi
-J_J
m





638 30 OflUMAl 30 OS BI3T UftW e Pernambueo Qaatfa feta iO de Janeiro de 1869. h\ 0S3KIUX VJX 8HW
:--------------------------------------------------------- .'-- ------------------------- _______________-. '# -' -* .
o rcqHeruacnto jtiBW- Luiz lose da Costa Amu-
rin^para rcliocar -a frente e fazer cornija na ras
. 68 da roa da etedado ; cumpre-lhe dizer que
a casa tem quiaxe palmos de altura na'frente, pa-
reccHe que pe* conceder o trae pode- o stip-
pilcante. coleeasde canos internados para esgoto.
das aguas Concedeu--e. ...
Outro Jo mesmo. informando sobre o que pene
tsraseu requerimento Bernardino lose I.i-itao, pro-
nrictarm das casas terreas da ra I aire Mo-
riano a. 61 e da travs da Bomba n. para con-
certar as cobertas das mesmas, declara que aiaj
4a na do Padre Fhffteo lera dczojtu palmos <
altara na frente e a da travs da Bomba e mo-
deran c teni vinte c dous pintos de altura, oau.t.
toai a oppor.C Outro do mesmo. mforminao sobre o que pede
junto Thrnnai de lm. aTeinatante do
da deteuco cotn prri,u7,o da con-
p"'f K1 BPr"*"1'
c- cuifflH tp b*to traer arrem^tacao.
h Nao sabemos que conveniencia, achou o Sr.
^l'm dos iucoa enientes que mais azo tem dadi!"
para chegar o funceioriahsmo a esta lameitwWl I Rcaditneuo do da I a IR .
CONSULADO PROVINCIAL.
o rcqueriiuenUj
oa-
uto jun
SojgtJi
a importancia de sen emirato, wsto haver c
do os mesmos rcpar^Mamtou-so pagar.
continuar a
eraros ila
i wreber
ha ver conelui-
Mifl
'BaOpetidv einjrorogar aqoelle fo'iieeiinento fcMi
-ira os Stores t do ttsw, pela e xrlusao dos coo-
.eorrentes. Parece que S. E\e. foi victima de
mais una [talla dos patote.i'.os da detenco.
Nao se dea se nelUante f?.eto: todo elle pura
invenco, com o lim ciara tic ferir-sc a .um ?.dvcr-
sarin poica
( lorMriimint presos pobres da drvncao foi arrematado em basta
publica peante, ithosouraria provincial, proceden-
do a nuncios..* jefa forma prcscripla nastots lis-
caes.
X se fez ntralo clandestino, como se preten-
den fazer na, aaministraeao transada, jara a fac-
tura dos paros da assembla provincial e cmara
municipal, e'para o graieamiuto *> lacgo de pida-
^SSdol Ire'lqn'alpede par>ceber ci, desmaachm.do-so"ana ettiaieira'ipatolaM
- causa de ua re .pierimewto de tercero, aueoffore-
cia abates de oC por rento, se os nao falla a me
moria. .
At dezembn. de 1807 as aineinatai*'* doTamn-
Outni do mesmo. informando sobre o que
no requer ment jiatto cmenlad*r Joao
Muim da lAmha Bego Barros, para
SmVacodc snatnmnotegar dos Remedioaifuc
acha'tw alicorees, ciinifre-lbe ttzer que "Bada
lem a oppr. seguindo o s^plicaBle o alinhawn-
lo MMH do nkio e exivutando as obras decon-
(ormidade cmn as posluwis.Conaeceu-sc.
Oulro do mesmo, informando *.olnv o que pede
na replica junta. Ignacio Bamao de Melb liara
ferJiar ciii uw muro provisom o ipimtaMe sua
a sita a ra do caes .lo Capibi ibe, licanm o es-
paco necessario para .o transito a travesa f ni con-
tinacio a dos Ferrwros, lavr*udo-se tormo em
como'o teny-noqueca Mirora dando e referido
transito propriedafe do supplicante. lesa a dizei
.nieparire^e.Uieseiide necedero que deite o
Aipplirjiite. deinoliwlo elle triata palmos pelo me-
nos de muro que eoKstruio e tpie enconttaa esqui-
na da metal do d/-s.Mibargador AlexMdre Bcr-
uanliuo (tus Keis e Silva, alim de dar *ur ah o
transito provisorio at seefieetuar as 4es,ippro-
wiares'iw referida travs**, conforma ja foi re-
solvido. Cmicede.B-se de roafomiidade com a n-
fi ti" I li 'if* 'i 11
A oHunissao ntmeada para dar o se parecer
sobreaw-etencao de Jbuwel Rboiro:Bartos, de edi-
ficar o sai terreo do beceo.do Falca., apresi-ntou
o seguiPte pareear que foi approvado. andaniio-
so fazer as necessarias roninnnicacoes.
A .miuissan nomeada para examitar o neceo
do Falcan,'cujo terreno fui vendido peii cmara
municiu-jj en. 20 de agosto t 186V pela quantia de
230| a h.osepka GniJhenna de Mea^iita l.eite,
nape pertw.ee boje a Maioel KibmroBastos, o
qual pedia liceora para f.vba-lo com muro.
Pr>redeiHlt> os neoessaotw exames e indaga-
eoes recwilwceo que com -eilo a nova planta |-
provada matea referido fcecco para Mifleann
particular: porm acontece q Hinca casas da
travessa do P.H-inho tem pottCw qi"* deitam
para o menciunado boceo e que no mesme tem nina
casa construida que paga decima, assiin como as
las casas la j na do Calderero tem nos loes
portas e janellas pie dao para o dito liecoo.
.. Os propnetl'lios .lestes predios, tei ao de sotir-r
i-oni a supprcssav do releridu heeeo e sen dnvida
noaliuina pMraMtftfM seos direitos. e esta cma-
ra tora de sustentar pleitos hsniwassem nenhnm
prove) para o publico e numiripalidade.
A vista do exposloa comims'sao e de parecer
,iu.': l." Esta eaiaara'torne a nuuprar o tern-no
-lo dito lucco. i." ue s.' niiHlique a [ilanla da ci-
4-o. :i." Une se cousinta e obrlgue o prqpnelarm
Vlano-l Ribeiru Bastos a murar o terreno eui aber-
to. tauto no tundo como o lado da sua casa m
'aixao que existe no niesiuo becco, paiu iireveiu
tiuc se faca deposito de lixo no dito terreno.
Recife. S de dezembro de 1868.Or. Prjnte-
Jet Gome* de Sonsa Pilangu. -Antonio Jos Sffrrt
iio BrasilJoan Luis ficlor Isntirr.
Constando a cmara qne o liaran de Lna,iiao
baria atada demolido as daas coziuiias qne Ine kh
ram desappropriadas no boceo da Lama no loi -ro
.lo Hecife.conforioe se obrigou pela eseiiptnra.onle-
noii-sc ao procurador que mandas quanto ante-
.Ifeetuar a demolicao a costa do mesmo barao. __
l'restoii juramento o coarta nomeado na sessSo
ultima paran cemit'Mio publico Alvaro Pereira
le S. .. '
Despacharam-se as petic."ies de Antonio Jos Ho-
Irigues de Souza, Francisca Carolina das Chapas,
Fidearia Maria da Costa Santos, Gaspar Antonio
Vieira Giiiinaraes. Guilherme Augusto de Atusyde,
Jos Carlos Manco da Costa Reis. Joanna Mana da
Trindaile. Jos.'- da Silva I-ovo. Jos Jeronvmo Kis-
tos, Jos Rraaeisco da Costa Lobo, l)r. I.uiz Knng-
dio Rinliigues Vianna. Moreira & Braga. Manoel
Hibeiro Bastos, Tliomaz Jos das Neves, e levanton-
-e a sessao.
li Francisco Quinto daBoa-viagein..-ecietanoo
-ubscrevi.- I'nrira >/'(ic.<.pro-iiresidente.Stta-
tm.Silva do Brasil.Di: lillas-linas Heijo
Dr. Pitonga.Di. Miranda.
cimento dos gneros em questao tinhain lugar tres wh fevs n eas. O Sr. fcarao de Villa-Beila.
porin, rdenou f*a jancir do anno passado, por
motivos |jae ignoramos, que se lizesswn por espaco
dDKJingrtin; aasimtaaaestaboleeido daqwlla
dala en. liante; de sorte (fa-* em 07 t;ies arrciaata-
(9*8 loraiu feitis n jamuro e em jnllio; downdo
puir-'S* i mesina jiraxe mu curronte anno.
Se proing; cao do pr**o da duirceTio dos con-
tratos de :t par; 'G iaezeschama a redacciio tu Li-
berttlr*''1'- '< So pe ajuste u siys eoBM romo
Sr- Ikuo de Villa DM
tanoeimejito doa vveres para a deteacao e
frito auto a tb-'souraiia |in>vmohtl, corno j sse-
imos: a insiieccao da tatidade dos mesmos eda
saa destribuics corre a|ifl>illamn por enla do
bsiijcto medico aaatMiattfaaofooaaawA pam ''i-
ton<;ao do idiainMtrfrfrr eama determina HM
le i provincial.
situa^ao, ptt*de de nao seren devidamentft-sBt'
tas poto governo as irtforniacoes dos coitos das
-eparticiVs. f: cerlo, porm, que da parle &
sopodcmdaralgnns afcuso*; mas o gnvemn, em
todo o aso ouvindo-os. procedera com mais justi-
ca. e s empregos seriam melhormcnlc exer-
cidos.
K'. Bomnto, fra le toda a duvida ^ue s infor-
Marees dos ciiefes'das repartieres, devein ser a-
atoras reroiumend.uoes, acerca dos cmpregiulos.
em que o gceme tenha mira aas occasloes das
promocoes:i aqueltes c laais competentes
para cnheccrea das habilitaijes prolissionaes de
tus subordinados, de suas tendencias e da ndole
de cada um.
Seja rewavifi e>*e fatal svsMa do patronato,
que tanto lew predMiiinado *uti-ns ; procure-fe
desenvolver a ela!edo8fii]Mali^ rse etUima-
0 tao necesssrio s rejiarticis para o satisfactorio
dcscmpeiiuo lirop ios ciRprogaik; foremas ebegado ao tiru
MliautaMnRia tao ahnejado por todos.
alias csse flfStema fenecern as mais justas e. legiti-
mas aspiracOes, c consegiatomente promover no
empregade' cerlo arrefeciaento para 0 estudo dos
pblicos .negocios.Sobre este assuinpto (waos
exeinplos bem dolorosos, e sao a prova de iki>su
assercos alfandegas em feral.
Coyioha, pos, que S. Exc. para a boa marcha
do servico de taes repartioes, attetid-se s nossas
c(insideracr's quai do hover do designar os em-
pregados que tem de pivemdier o respectivo qna-
dro cffoctivo: consultando qual a ndole e aptidao
de cadaum deiles, e wiaeado-os para os em|oe-
kk que iiiclhnr ]ioderem servir.
dem do dia 19

91:997*779
4:574!G0
96:5715939
M0VIIIINTfB0 PORTO.
Navio nttrai vo iia 19.
NKw-York30 das, lugar inglez Navigator, de
207 toaoladas, capitn Lefourer, cquigagein 30,
carga 39 barricas de fcirinha d trigo e outros
geiiros; aTasso Irao. 4
Nato saliido uo mesmo iia.
LverpKil-fVapor inglez Sappirtj eat.ilo I. W-
liam, carga algodao.
Msindividuo; que lew siito aneiuatanles M boje
sao bem condecidos: aioesto *as condicc/u do
Usas de Ierro.
Pw este lad > nada conseguir a redan ao do Li-
fera? contra o seu adversario piditico.
f..i!ra os botes da calumnia leu elle o-escudo da
ruesrieucia do fiel euniprimeitt de seu* deveres.
Beseagan-SO agente do Libertl que as patotas
h -eHtraram no programuu do partido -conser-
vador.
Sao invejaii os as gl<.is;'que nosle iorroao con-
fuistoii o |iarlido pr.igressista.
Podemos alliancar a PodaBCio do IJieral que na
aiJimaistracao do'Kxm. ule de Baepeudv,-sc n;m
decam et tactos ewaadatosos, que se derwa na do
Sr. barao de A'illa-Beila. es|Kvialnuate os que di-
tBH ivsfieito a obras pnblicas, diariamente denun-
ciados na impiensa.
SLExe. tem ja forne-ido na sua aiiminisacao
preval mais qile sutlicientes. do culto i|ue \tU a
lustica a a moralidad.': os seos actos nao teu*ii a
bu da discussiu), e neui pederau ser iiiterproLjdos
romo liliios di escandaloso patronato aos zaigoes
dos rafres publicos.
.Nao se dir da administraco do Ilustre conde
dcBaepeiulv o que disse lia pone .tempo, a OpiuUw
Sari-mil da di) Sr. Yilla-ISolla. islo. que Re voto-
ramquotas para largis drspezas [lablicas. com que
se aliiiH'ot.iram o fihm do orrainytlo que forma-
va m nina grande familia: que se augmeiitarsm as
mesadas dos p< nshmstns do: cofres provineiaes.
Nao se esert ver liiialmeiite.coinoeserevHii Agri-
pa sobre a adininistraco do Sr. Villa-Bella. ?c a
adiiiiiusiraraa dr S. oc. h tere nm acto i/ne o
possn linar da xwaldiaopahlica.
Nem que S. Kxc. firmn lima pntira de mrsqui-
nhos interesses. (sao ainibt palavias de Vgri|i|ia com
referencia ao Sr. Villa-Bella), caidmi em arraujar
a sua familia, nfferecendiro nrramento eraigas pu-
blicos nos paresitas pidilieps.
POLTICA interna
Partido conservador.
E" do dominio do publico um facto succedido
tiesta capital com urna escrava do Sr. Jos Dnarte
das Neves, e que passou a ser da aleada criminal
pelas ciri-umstancias que, dizem. o cerearam. 6008-
(ituindo-o unidelicto pela immoderaco, do castigo
que as leis permittem ao nabar ap[ilicar ao es-
eravo.
Nao nossa intencSo occn|).ir-nos tesis WfeeS-
--o com relacao aos elementos, que podem dar-llie
a ralhegori de delicio ; compete isto aos fta*
hunaes do pz a que est affecto.
Apenas diremos, com referencia a este ponto, que
nos parece ter havido exageraen, e demasiado ri-
i,-or da parlo da imprensa que o denunciou ao pu-
blico.
Be um justo e regular castigo ixide resultar, por
oamstancias indep^ndentes da vontade de ipi.'in
com intenco ordinaria legalmenlo o praticou, le-
*es que lbe dem o carcter de immoderado ; e
issim venha a sugeitar a aeco da justica qu'.'m
nem ligeramente pansou [iraticar nina aceo puui-
de pela lei.
O facto em ques'o inuito melindroso, e exige
inoderai o, imparcialidade e dispreveuco da par-
ie de .jiiem o tiver de apiticiar.
Nosso tim. porm, escrevendo estas lionas a con-
testar o |uizo temerario. 4 infundado do Lilieral. de
li do correte, miando duvida que o actual dele-
gado de polica compra o seu dever como juiz.
A prova mais solemne que poderia elle dar, j
adeu.
O Sr. Jos Duartcfdas N.-ves, e sua senbora, em-
nara facun parte de urna familia respeitavel, e Im-
portante desta provincia, foram recomidos a priso
desde o dia 16 do torrante, e contra elles se ins-
tauren o eompetento summario.
E assitn procetleu o delegado quando. sem temer
asta censura, poda prescindir da priso preven-
tiva s a realisando dejiois da pronuncia, como Ihe
perntitte a le.
E urna autoridado que ttssini procede, collucaii-
do-se cima de conaideraees polticas e sociaes,
laereee ser tratada, como ni, o Dr. Joao Hireruio
lelo Liberal t
Que nos respondamnshomens sensatos de todos
s partidos.
O Liberal hade se convencer pela lgica dos fac-
ti que felizmente voitatnos ao dominio do direito.
e da lei, e que esta ser BeintTe igual para todos.
O exernplo que nos acaba de dar o delegado
por demais eloquente, e convencedor.
A crriimstaneia, com que especulou o Ubtr li,
de ter o delegado ouvido a promotoria publica an-
tes de instaurar o processo ex-offlcio, longo de
provar contra elle, mostra lino, moderaeao e re-
ilexo da parte la autoridade. que se nao deixa
tova- pelas sugestoes do momento.
Continu o Sr. Dr. Joao Hireano a proc oo tem pi-ocedido, e dlxe qne o tribunal da op-
niao puWiea o julgoe. t
A gente, que siisteritvm o aeto do chefe, do poli-
ca, que na i mandou reeomer a priso reos pre-
sos peto povo em flagrante delicio por erime de of-
fensas physicis fitas na ra mais publica dota
cidade, raw linha o dlreito de censurar o delegado
desta capital, se, osamlo do arbitrio que Ihe di a
lei, nao mandasse recolher o Sr. Jos Dnai t
. anies de culpa formada.
PUBLK ACES A PEDIDO.
Escada.
Srs. redada .Deparando casualmente com o
n. .'ti do peridicoLiberulde J9 de dezembro
prximo jiassado, tivemos occasiao de tf urna pu-
Idicaeoinserila nos fados diversos relativamente
a negocios desta villa, a qual desde a primoira at
a ultima linha um completo acervo de mentiras e
calumnias.
A mais revoltaiite e injusta de todas ellas di-
zer-se pe os actuaos sapptontes de subdelegado
sao de tal nuaea ignoianUs que nem saliem
redigtf nm oflivio, vejiladrosanmalejo|
O publico sinsaloe imparcial nao ignora que no
iiiterior da pruviucia a inslrueeao sonque mais
atracada e por conseguiuto sem o apcrfeitjoaiuciiio
desejavel, nao sendo portanto para estriuihar que
se encontr en os oitograpliicos ein oflicios ou car-
tas que posaamos redigir.
Coabecemos pessoatmonic alguna dos snppientes
ailadidos e sabemos que nao sao eiles lao ignoran-
tes como assevera o maldizeute informante, que
segundo nos d tem um cerlo individuo gcraluien-
k' ci.in.hecido D( sta villa pelo pseudonymo detorco
espinho.
Desejamos que ello nos responda quaes foram
aqu os snppkntes e atos proprios subdelegados
do tempo ao pivgrano quesabiam ridigir oflicios
ou mesinoipialquerparticipacoofliciall! Seria por
ser extremamente sabio que um subdelegado desse
tempo deu n andado de despejo a una uiulher,
nbrigando-a : sahir inimediatamente da casa em
que mora va ?.......
Om subdelegado assignar mandado de despeja,e
caso virgem n )s aiuiaes ila policia !
Quanto ao f; oto de obrigar-se nm preto traba-
Ihar na faxina. o Sr. informante nao leve ignorar
que por aqir de coslume desde nmilo lempo,
quando uo li;. na cada sentenciados que a facaiu
obrigar-so .tic im cscravo a f.iz-la. cmn o paga-
mento de 320 ris, o que nao jioder de inaneira
ahuma admillir censura.
Admira que o maldizeute informante assiin tao
descaradamente se ooeupe em escreviabar para o
Liberal as sars mentiras e calumnias, quando por
aqui vive si lente a. procurar padriuho entre os
conservadore, para nao ser demitlido do lugar que
atada infelizmente i)ecii|ia.
Esperamos, porm, que em breve lbe sera feila
a devala ustia.
Villa da Esiada, i de Janeiro de 1809.
.Vi/ans ttseadenses.
(Do Correio Permunlmno.)
dulzo dos fritos da fazeuda de
Pernambueo.
Faz-se publico aquem eunvier e interessar pos-
sa, que lindo o (raso de tres niezes acontar de 24
de dezembro nftimn, se bao de vender em hasta
publica, celebrada na cidade deGoyanna e na villa
de Mua, |eranle o sobredilo juiz, las trras per-
teacentes ao exlinclo enra|iellado de Itaud<;, cons-
tantes do edital depraca, publicado no Diario de
Pernamlnrco do citado dia. Os quet prctenderem
laacar a praso, conforme o art. 4 la lei de 6 de
ibrode 185(1, devero aiiresentai -re com seus
Medicina domestica.
A medicina alo deve ter segredo. As faculda-
des de jne.licina publican inimedatainente todas
as suas descobertas (piepdem sit uteis 10 Ikiiiii'iii,
6 a vuuiade fue quasi ludo que se tem desco-
berto de real valor para a cura das enfermidades
huinaaas |iertence directamente aos facultativos.
O Dr. Ayer seguio o exernplo honrado dos seus
Ilustres prcdecossores.e patenteou ao publico a sua
grande descoberla para a cura das molestias .lo
peito e da garganta, e boje bem ronhecido peitoral
de enreja.
Logo que latacnteza da offieaeia do remedio, e
quando vio desappaiecer .liante delle, como por en-
canto, as tosses, lnoncliites, iiillaimiiaeo de gar-
ganu, rouquido. tosse fuina ou conipfida, angina
e todas as molestias que alaeam os orgos da res-
piraco, bem coiik cara obstinados de tulierculos
e phiy-Jca piiliiioMar. entendoe que o segredo pmto
tencia por dreito ao povo.
Se o povo exigase a publicaeo das formulas de
tana os reBMdiM que se verde, baveria milito me-
nos charlatanismo, e o nico monopolio que se po-
da eslabeleeer enliio seria aquello da supcrioii-
lade.
A BKIlACtjAO DO MBl-nAI, \\o PRKZA A VBRDtDR.
A redaeeao do Liberal continua na carreira en-
celada.
Calumniar, injuriar, n docstaros seus adverfA-
lios qiKBi que tem sido a sua rtnica missao na i n-
j-rensa.
Na falta de factosdue se prestem assuasae^s
.ensuras nventam-os.
No Liberal n. -'16 de id do crreme, se eneon ra
.-n varios pontos a prova do qne di*
Sol) ( titulofornecimentoly-se nos fados c i-
>Wsos daquella folha o seguinte:
Foi prorogado o fornecnento do vveres aos
A reforma das alfaudesjas.
I
E* este um dos assumptos que mais seriamente
arenaem a attenco do sabio estadista, chefe actual
das repartie<>s" de fazeuda; cuja execuco mui
partir ufa rniej le entende com a grave sitnscao ti-
nanceini do ptiz, e o futnro d-' centenares de-indi-
duos empregados no futiccimialismo.
Assiin, no hilitite de satisfazer esta necessidade
publica tao albamente reclamada pelos poderes do
estado, e en cesele do art. 36 da lei n. 1807 de
li de setembro de 1867, que autorisou a mema
reforma; trati S. Exc.deste magno negocio, cujo
p sulrdo, segThlo nos consta, ser em-breve pu-
lilicsdO.
Ania por sem duVida a tarefade cujodesem-
l>nho encarr-gon-se S. Exe.; pois que, versando
os s.mis cifritiw sobre apreciaeoes de Moneidade
ilos empregadts. trar.i eenaJpnte S. Kxc. serios
embalsaros, rs .fuaes nao podero ser superados.
se. S. Kxc. n i applieacw) da lei, n&o se hottver
com o criterio e independencia que revelam todos
os sens actos.
A these da reforma assenta essencialmetile nes-
tes principios: reduecode d*tas e diminuieao
de iiessiml. pe (leitados os direitos adqueridos dos
empregados. Justa e salutar certamente esta
di les ilireitos se procetto conforme com os" principios
estatuidos na r.iesma lei.
Nao pretendemos insinuar-nos no animo de S.
Exe., te cuja illnstraro jamis oosafthfos flnri-
dar; mas crf mos todava que pederamos auxi-
lia-lo no tocarte i escoma de oessodl effedivo; se
porventtira n eWeerem o acolhimoirto de S. Exe.
como espranos, as humildes eonsiitoraces'de um
obscuro empr frado de Dttenda.
Assalta-nos proposito do que vamos expender.
.' que nos parece de alto interesse do servico pu-
blico, o modo rre-nilar porque em geral elfe feito
as alfandegas; motivado pela distrintiicao incon-
veniente do nispectivo pessoal, que na mxima
parte ignora o que Ihe peculiar.
Em apoto i'o que vimos dizer, seja-^no* licito
fazer algumas eonsideraeSes acerca das conneasoes
de enmregos, as quaes nio se tem coasnltadb,
comof.Vra conveniente, nem s'aptddes dos indivi-
duos -que os pretendem, nemes suas vocaefies; de
sorte que as n ais das vezes, 3 nomeados para os
empivgos de cin fe rentes, sao hospedes das n-'cena-
ras habilitaco's para bem o desempenharem; en-
tretanto qu ]iodeiiam, pelas suas tendencias e
voeneoi's, ser excellentes escriplurarios; o assim
vice-versa.
Oleo puro medicinal de figado
Kemp.
Quando as doeucas dos puhndes ou garganta se
chg*m a desenvi Iver em forma de phtysica, a
crencageral que j nao ha esperanea para o
misero mente. Isto e um cito perigoso. Milhar^
d" pessoas que se achavaninesserasoeuiaram-so
com o Oleo puro Medicinal de Fi^ai'.o de llacalhiio.
de Lanmaii & Kenp. l'or-'in ha casos em qne o
Oleo de Figado de Bacalho. nao produz bem nen-
hmn. E salieis pjrque? E" [urque o artigo era
urna preparacaowspurea. adulterada coinazeite de
baleia. tominio e oatros ingredientes uo men s
despreciaveis, destituidos de toda a virtude medi-
cinal. Por ventuia, tendes algmna vez ouvido di-
zer que o Oleo de Figado do Bacalho de l.anman
c Kenip. tora administrado sem prodnzir os mais
felizes effeitos. nos casos de phtysica, brnchites,
isthirta, affiveo do ligado ou scrofulas ? Nunca!
Com trido anida iiiio se ha notado um > caso (tu
uc tenha falhado. Em tedas as parles do mun-
porquconserva-se peitoitamente ein hxJos os
climaseste grande remidi, tem triumphado uina
e oulrt vez. onde iodos os mais toiwn iiinteis. A
sua superior frese ara e pureza saoproveririaes. om
todos osnespitaes dos Estados-Vnidos. Hiuidado
com as imitacoes! I
Acha-se venda as pnarmarfs de ACbofs J.
da Conceicao Hravo & C, M. A. Barbosa,* P. Mau-
rer & C. e Bartholameu C.
do.

COMMERCIO.
lores habilitados, sendo as (ancas prestadas ad-
niinistrativaniente e com tmlas s formalidades
das laucas liscaes nos termos das i;istruccoes de
W de dezembro de 1863.
0 escrivo,
__________Luiz Francisco li. de Almeida.
De ordem rtc S. Exe. o Sil. presidente
Consclho de compras iafnes
0 coaselho no dia 23 do crtente mez promove
a compra, sob as condicoes do cstyto e visla de
pr#post;is rerebidas ate as ti lloras da manluia,
dos segunk'S objectos do material da armada: 6
Cfas de arribcni, :| ancorles de i quintos, 1}
mdeiras nacionaes de 4 |ianos, 200 alqueires de
cal preta, 8 nejas de cabo de linho de 1 [Kilegada,
8 pecas de cabo do linho de I 1 i polegada, ?K)
ranetas. .",000 estopares, (0 arrohaa de grasado
ilio Grande, 20t) bcos de seda preta, -l" pecas de
lona largada Ruia'. 20 resinas do lixa de esmeril
em panno, 6 arrobas de malhar. 10 libras le
obreas francezas. 30 folhas de papel para mappas.
2 resmas de papel hoilaada, 2 pecas de tapete, *ti
lira-linlias, W Irados de ferro de V/8, 60 grosade
torcidas parapliarol, e 2 vidros grandes de patente
di' S 1/2 palmos de cemprimenlo o 4 1/2 de larco.
Sala das sessoes do coaeelho de compras naves
18 de Janeiro de 1889.
0 secretario
__ AlexanAre Rodrigues don Anjos.
SANTA CASA DA MISBICOBlA DO
RECII'K.
Pela secretaria da santa casa da mtseriexirdia do
Recife de ordem da Mua, jimia administrativa e
faz scienle aos prenles das educandas Emilia Pe-
reira, tilha de Maria Renriqueta de Castro e Ale-
xandrina Soares, sobruha de Joaquim Alves Nil-
nes, pese as nao viorem tirar do collegio iriio
ellas para o hospital Podro II, alim de seren ei.i-
pregadas como serventes, visto que j tendo corn-
pletado a sua educacao no mesmo coliegio, niio
podem alli continuar.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife 12 de Janeiro de 1800.
O escrivo.
Pedro Rodrigues de Souza.
da provincia se faz publico, p
ira conlteci-
meuto das pessoas, qncm coiivier, que,
tratando-se do fornecimento d';gua potavel
osla capital por meio de encinamento e
cliafarizes, recebcin-se nesta secretaria po-
postas para a construcoo da:; obras res-
pectivas at o dia 28 de fevereiro" prximo
viifdouro, prevenindo-se de rple ficar de-
pendente do assotitiinr-nto da assembla pro-
vincial o contracto, que para (sse fim for
celebrado.
Secretaria do govenio da Parahyba, em
9 de Janeiro de 1869.
Tliomaz de Aqiiino Mindello.
O inspector daalfandega faz p iblico que no
dia 20 do corrente, dojieis do meioiia, e aporta
da mesina reparticao, sero levadas em hasta pu-
blica,Iivre de diretos |iara o arremaaute, 23 bar-
ricas com inartiiore em p coin a iijarca letreiro,
vindas de New-York no-hale Jonlt Rose, enlradn
em 4 de uovembro do auno prximo paseado, pe-
sando liquito 8,910 libras, no valor ofliclal de
2:9705000, as quaes foram abandoii: das ios direi-
tos puf II. de l.a (irange.
Alfandega de Pernambueo 10 de Janeiro de 1869.
Jos jlauricio Fernandez Perein de Barros.
\.\li BItASILEUA
DE
Paquetes a vapor.
Itosportos do norte esperado
al o dia 26 do corrente o vapor
mzeiro Alcoiurailo o qual depois da de-
nioiado costumeseguir para os
Desile j reeebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera
ser embarcada no da de sua ciiegada. Eneommen-
das e dinbeiro a frite at as duas horas do dia da
sua sabida.
Mo se recelen como encommendas senn ob-
jecais de |teqneno valor e que nao excedam a duas
arrobas de H'so ou 8 palmos cbicos de medico.
Tudoque passar destes limites dever ser embarca-
do como carga.
Previne-so aos Srs. passageiros que suas passa-
gens so se recebem na agencia ra da Cruz n. 37.
! andaar. esc ijitorio de Antonio Luiz de Ovaira
Azevedo tt C.
Para o Porto
Segu com amaine brevidade possivel a barca
Amelia de priineira marcha, por ler a maior pule
de siia carga engajada; para o |iouco que Ihe falta
e passageiros. aos quaes offere excellentes comino-
dos, tratase com Bailar, Oliveira & C, ra do \
rio n. 10.
^= O iilm. Sr. Dr. infcetter do
viucial manda fazer publico, de ordem do Ex ni.
Sr. presidente da provincia, em ollnio dehontem
datado, que. tem do contratar-se a illumnacai. pu-
blica pal meio de gaz rente e o ibastecimento
do agoa potavel desta capital sob as eguintes con-
dicedes.
i" A illtuumacao ser eorrespoi dente a 400
combuslores, cada mu dos quaes dar urna luz
equivalente eiitintensidade a i velas de espemia-
cete, das que eonsomem 120 graos |or hora, e es-
tar acceso 9 horas por imito.
3 O abasteeuentn d'agoa sera feito por moto
de canalsaco e chatiriz. mediante al vantagem da
venda d'agoa para o eouliatanto ou ompanhia que
se organisar.
3* Os contratos Orarn depend mies da ap-
provacao da assembla provincial.
Sao, portento, nonvidados os que pretenderem
contratar as mencionadas oliras a apresenlarem
su,is [impostas no praso de (Odias, a contar da
data do presente, perante esta reparlico. aflu di
seren tomadas devidamente. em con ideraeia.
Xo impedimento do yflici.il da secretaria,
Argemiro Leiio Gomes Pessoa.
Ie ordem do Hhn. Sr. blpeCtO
na de fazeuda desta provincia se la
PRACA DO RECIFE 19 DE JANEIRO
DE 1869.
AS 3 1/2'HOn.tS DA TARDE.
Assucar maseavado canalI2i530 por arroba.
Assucar mascavado regular da Parahjba 2830
por arroba posto a bordo.
Algodao de Pernambueo sem iuspeeeao 124000
por arroba.
Cambio sobre Londres 90 d/v 19 :J/i d. por
1MW0.
F. J. Sihreira
Presidenle.
Leal 9eve
Secretario.
BANCO AUA & C.
Riia do Trapiche o. :i4
Desconta Icttras commerciaes a taxa con-
vencional. Recebe dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrate.
' Confere crditos, saca sobre !s primeiras
pravas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaos sobre as mesmas
pracas.
Encarrega-se, por commissSo, da com-
pra e venda de fundos publicos e acefies de
companliias, da oobranca de loltras e ili-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
qur otftra operacao baticaria.
O expediente, para o publico comecar
s 10 horas da raanba, e terminar s 4
horas da tarde de todos os dias uteis.
ENGLISH BANK .
Of Rio fie Janeiro Limited
Desconta lettras da praca t&a a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
prazo fixo.
Saca vista ou praso sobre a^cidaties
principaes da Europa, tem agencias na lla-
liia, Buenos-Ayi'es, Montevideo, New-York
e Now-Orleaiis, e imitte cartas do crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
Caixa Filial do Banco lo Brasil
A caixa filial do banco do Brasil em
Pernambueo em liquidacao paga o 30 divi-
dendo das arcos do Banco do Brasil ins-
criptas nesta caixa; arazaode 9->000por
acc2o.
Recife, 16 de Janeiro de 1860.
ALFANDEGA.
Kemlimento do dia 1 a 18 o08:3o6038
dem do da 19....... 53.7014379
o62;0374i37
MOVIMENTO DA ALFXDE
Volum-' entrados com fazendas
dem dem com gneros
Volumcs sahidos.com fazendas
dem dem com genero
se-
2t
471
36"
737
m rt
73o
Descarraiam hoje 80 de Janeiro.
Vapor inglei=^i Barca ingeza=SflppAo=*idem.
Barea inglesa W. of Ihe Wavocar vio.
Lugar inglez=CamH3to=dormente8.
Barea franceza=c.Vow< de Jai/=viuho
RECEfiEDORIA t)E BESDAS LVTERNAS GE-'
BAES VE PEBNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a118 20:8ii7VOU
dem do dia 19 ..... 1:391 414-
22:H8M35
oonliecimiHito de qitem interessar. qw tica de ora
em diante estabelecido como regr; que os paga-
mentos das pensoes do monte pi goral dos servi-
dores do estado terio lugar nos dias 12 dos niezes
de Janeiro, abril, uUk) e aufobro da cada anno e
(piando forem santificados no dia ejjutnte.
Secretaria da tliesouraria de fa
nambuco, lo de Janeiro de 1869.
O offlcial-inr
Manoel Mumede da
thcsoiiro pro'
da ihesonra
publico para
AVISO AOS NAVEGANTES.
Em virtude de ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia manda o llbn. Sr. capitao de mar o guer-
ra ecapitfio do porto publicar o edital abaixo trans-
cripto, conforme solicitou S. Exe. o Sr. presidenle
da provincia do Para:
Edital.lie ordem do Exm. Sr. consellieiro pre-
sidente da provincia so faz publico que no dia i'\
de novembro ultimo foi collocada, as proximida-
des do coto vello do baixo de Braganca ao S. S. E.
da ponto da ilba daTij-a, e ao S. E. E. da ponto
do Curuc em latt. S. O26'9", e long. O. de
Grew 47" Si'3", em fundo de 16 bracas arca
fina, a barca Plwrol, que para seiuelhante limdes-
liiniii o govemo iuiperial, as condic^oes segu u-
tes:
E' loda construida de ferro, tem 80 ps de coin-
prmento, 20 de bocea, 10 de- pontal/ calando
Eleva-se do centro um austro no qual cad;> a
lanterna que conten um apparelbo luminoso do
syslbe.nia eampCreo, comporto de BOTO lampadas
de balanea com ouiios tantos reflectores prateados i
c ilispostos em grupos de (res.
Este apparclho giratorio, eonelinndo em 5
urna revolucao completo com eclipse de o" cada
una.
O pboco luminoso eleva-se 30ps cima da linha
de fluctuacjo. a luz clara epodo regularmente
ser avistada na distancia de Dito millias.
O navio (pie buscar a entrada deste porto kgo
que tiver i ecoaherido a Uaira-PItarol a devi r.i
conservar |)or I!. B. e navegara ao S. O. i. U.; della
distante ineia mllia, e logo que a tiver pela pop;, a
goal distancia, navegar ao S. O., tendo nsita
atteuco a ni.ir coni que entrar, porque em va-
sante" encosta para cima do baixo e a endiente o
afasta.
Os rumos de (pie cima ge trata sao mapic-
ticos.
Secretarla do govemo da provincia do Para, 2
de Janeiro de 1869.O secretario interino Joao Un-
gido dos Santos.
Confere.Antonio Anuos Jacnme Pires.
Confer.Salazar.
Capitana do porto de Pernambueo, 16 de jane ro
de 1869.
O secretario,
Deci'i d'Ainino Fonsem
Yice-consulado do Per.
0 abaixo assignado vice-consul da repblica do
Peni, tendo de remetter a junta de beneficencia de
Lima, o producto da subse ipcao aborta a benefi-
cencia dos prejudicados com o's ltimos tommotos
que destraman diversas eMadea e poToceOee da-
i|iielle paiz, deixando milhares de pessoas oulr'ora
abastadas, rednziilas ao maior (iro de nendicida-
de; avisa a todos os habitantes dota cidade qne
queiram concorrer para um IIm tao caridoso, qne
no neo-Consulado est aberta a respectiva sulis-
cripcao. Jote Jurme Tasso,
Vice-consul.
Kio tolde do Snl
Para o referido porto saldr nfallvetmente ai-
o dia27 doconente a bares |Hirtiigneza Arminda.
recebe algmna carga a frete para o que pode u..
tar-se cun o seu consignatario David Fen
Bailar, ra do Brum n. 92._________________
Para o Porto
Segu sem demora a barca portugueza .Y/t
SiMria. |ior ler grande parte da :,ua rarfa
proTnpta ; para o ttmm e (iassageiros, aos ajoaes
offerece excellentes commodos, trata-so com Oli-
veira, Filhos 6l (',., largo do Corpo-Santo n. 19 ou
com o capitao na uraea do Commcreio.
COMPANHrfPErWAMBUCANA
DF.
X.ncgavo costeira por vapor.
Parabyba, Natal, Macao, Mossor,
A ra aly, Oar e Acarar.
O vapor lH>juca, rnmmandanto
Marlins. seguir para osportos cima
no dia 30 do corrente as horas da
tarde. Recebe carga ate o dia 29 as 3 horas da
tarde, encommendas, passageiros e dinheiro a
frete ato as 2 horas da tarde do dia da sabida n i
esrriptorio do Forte do Mattos n. 12.
enda de Per-
lor
Silva Costa.
luspecro lo arseujal eo
inarlnha.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia se
faz publico o edital abaixo transcripto relativo ao
pharol nos baixos de Braganca.
Inspoecao do arsenal d liiarflBha de Pernambu-
eo 16 de Janeiro de 1869.
O nspecUr,
II. A. Barbosa di Almeida.
EDITAL.
De ordem do Exm. Sr. eeosemefra presidente da
provincia so faz publico que no dia 24 de novembro
ultimo foi collocada as proximidades do cotovello
do baixo de Braganca ao S. S.-E. da ponto da Iba
Pela adiainislracao do correio desta cidade se
faz publico a quem inli'ies-ar oossa, que nai se
demorando os vannos da companhia Messagerics
Imperiales neste porto em seu regresso do no de
Janeiro, o lempo preciso para se ftzer a exped ;o
das malas com direc^o a Europa, tem resolvidu
que as malas se feeheni s 6 horas da larde do da
anterior ao da chogada dos mesmos vapores.
Correio de Pernambueo, 18 de Janeiro de 181)9.
O administrador,
Domingos dos Paitos Miranda.
de Tijoca, e ao S. E. 4 E. da ponta c o Curuca em ,ie j
latt. S.O;" 26' 9"e long. OdeGiew. 47" 54', An
3.", em fundo de 16 bracas ara Ina, a barca e^
Pharol, (pie para semelhate fim ( estinou o go-
vemo imperial, as eondiecoes segu ites : E' toda
construida do ferro, tem HO ps de comprimento,
20 de bocea, 10 de pontal, calando 7. Eleva-se
do seu centro nm mastro, no qual ( cada a lan-
terna, que conten nm apparclho luminoso do sys-
tema catoptrico, composto de nove lampadas de
balaneo com outros tantos reflectores prateados e
dispostos em grupos de tres. Este apparelho
giratorio, conclnmdo em o una njvolnco etnn-
pltacom eclipse de 3." cada um. \) phoco (omi-
noso eleva-se 30 ps cima da linha i de fluctuaeo.
a Luz ciau o pude, imihiIiIIibimiIi' b' avistada
na distancia de ita mimas. Onavjj) que buscar
a entrada deste pono ligo que tiver irtconhecido a
barca Pharol a deVer conservar par B. B.'e nave-
fgaraoS, 0.4 0., deRa distante moa milha, e logo
que tirer pela pona a igual -distaiiieia. navegara
ao S. 0., tendo muiU aUeuoao a ajar com que
entrar, porque a vasante encosta para cima do
baixo e a endiente o afasia. Os rumos de que
cima se trato sao magnticos.
Secretaria do govemo da provincia do Para em
2 de Janeiro de 1869.-^0 secretario interino, iodo
Brgido ilos Santos.Confere, Antonio Aunes Ja-
eome Pires.Confere, Salamt:ConformeO se-
cretario da iiispcccao.
Alexundre Rodrigues dos Anjos.
- De ordem do Illm. Sr. inspecior da thosou-
rovincia, sab l
raria de fazeuda desta provincia, san pelo presen-
te convidados os Srs. Manoel Joaquim do Reg
Barros, Ctomentino Jos t Alexandrla, Beilarmi-
no Jos Nnnes, Jos da Silva Baudeira, Elias Bap-
tista de Oliveira, Jos Pedro de Alexandria e Jos
f Caetano Madeiro, moradores no temi de Ingazei-
ra para dentro- do prazo de noventa dias que Ibes
fk-a marcado a contar desta data, rccolherem ao
cofre desta thesmiraria cada nm a -piantia do du-
zentos e vinte e rindo mil ris proveniente da mul-
tas que lhesmram impostas pelo Dr. juiz de die
reitopresidente do tribunal do jnry do mesmo ter-
mo por falto de comparecimorno a segunda ses-
f^aodo dito tribunal, l'indo o prazo ser a cobran-
za das referidas multas efrf'tuadas exceutivamen-
le de coaformidade com o art. 3 do regiilanientn
3ue baixou com o decreto n. 4,481 de 6 de nudo
o anno prximo flndo.
Secretarla da Ihesonraria de Pernunbuco, 13 de
Janeiro de 1809.
O ofllcial-mator,
Mmoel Mmale da Silva Costa.
DECLARACOES.
^ Pela recebedoria de rendas internas gerae?
se fazjpdblico qne neste mez e no de feverairo
prximo futuro, que os contribnintes da taxa dos
escravos do exerclcio crreme de 1808-69, quer
moradores as freguezas da cidade, quer as de
/ora, teem de paga-la, vre da nralt;. do 6 OfB, e
com ella de marco em diante.
Recebedoria de Pernambueo 8 de Janeiro de
1869.
O administrador,
Manoel Carneire de Son. Lacerda.
(MREIO (JERVL
Relaco das cartas registradas existentes na
adniinistivico do correio desta cidde
para os senhores abaixo declarados :
Dr. Antonio Teixeira Mendes. Antonio Jos
Dnarte Coimbra. padre Antonio de Mello Al m-
!|iierque, Antonio de Souza e S. Braga & Villaca.
r. Casscmiro Borges Godinhn de Aflfe (2), Dr. (bir-
los Justiniano Roilrigues. C. Adi'lino. Erasmo Jos
Mello, D. Feliciana Maria do Mego, Francisco
Antonio da Rosa, Francisco Borges Marques, Fran
cisco da Silva Vaz, Francisco dos Santos Lomba.
D. Guilhermina Franca de oliveira. Dr. Gabriel S.
Baposo da Cmara J (2), D. Joaquina Maria do Sa-
cramento, J. C. Bravo <6 C. Joao Cabriel Baptista.
Jos Hennino de S e Souza. lo- Marcos Nunes
Belfort. I). Marra Augusta H. Jorge. Dr. Marciano
fJoncaives da Bocha. Manoel Rodrigues dos Santos
Moui-a, l'rbano Nime- Machado Antones, Raimun-
do Agostinho Vieira.
AVISOS MARTIMOS.
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do si ti esperado
at o dia 21 do corrente o vapor
Toeantins. o qual depois da de-
mora do costome seimir para
os do norte.
Desde j recebem-se passag^ivi* e engaja-se a
carga tpie o vapor poder conduzir. a qual javera
ser embarcada no da de saaejegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at o da da sua sabida as 2
horas. '
Naoser-^cebemcomo emy>mn*ndas senao ob-
jeclos de pequeo vtor eqno nao excedam a duas
arrobas'de peso ou 8 palmos cbicos de medica*.
Tudo qne passar destes KmBes dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros qce suas pasa-
gens s se receaem na agencia raa da Crnz n. .17,
esrriptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
4 C.
Para Lisboa
Segu em pouoos dias o brigue portuguez Cons-
tante por ter grande parte do sea carreg;imento
prompto ; para o restante e passageiros, traU-sc
com Oliveira, Filhos 4 C, largo do Corpo-Santo n.
19, ou com o capitao na pra^a do (mmercio.
DE
^.ivesaro osclra por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Furmoso e
Tamandarc.
an*nv O \-apor tonmttnwipc, comman-
J/Ak danto lwo,ig8irlpara o porto ati-
Wattsmi ma no dia 20 do corrente a mcia
noite. Recebo carga, passageirus, encomni'n-
dasedinheiro afrete no esoripterlo do Ft*rte do
Mattos n. 11
Para Lisboa
. 0 brigue portuguez Ijtia J, capitao Vieira, vai
sahir com muito brevidade, por ter a maior parte
da sua carga prompto; para a que anda Ihe falto
e passageiros, trata-se com Oliveira Filhos 4 C,
largo do Corpo-Santo n. 19, ou com o referido sa-
pkao, na praca do Commercio.
Porto
A barca portugueza Ametia.de primein archa-
aclia-se prompta para recebercaega afrete o pas-
sageiros, para o que tem excellentes commodos;
trata-so com Bailar. Oliveira 4 C. a ra do Vica-
rio n. 10.
0 bfigne .-cuna nacional Amelia II, segu no
lim do corrente mee de Janeiro, anda recebe al-
giima carga iiimla : tiata-se com o Mmdgnalari i
Joao Francisco da Silva Novaes, ra do Vigario
n. 11.
Para o Porto
A barca portugueza Amelia, de priineira marcha,
acha-se prompta para recebar caiga a frete e pas-
sageiros, tara o que tem excellentes commodos
tratase com Bailar Oliveira 4 C. ra do Vigario
n. 10.
LEILOES.
De una mobfib demogno a Luiz XV, 2 guar-
da vestidos de amarello com pouco uso, 1 loilel
de magno oom pedia. 2 lavalor os de mogno eom
pedra e espemo, 1 commoda de amarello, 1 ca-
ma lance/.a de Jacaranda. I mesa clasica. 1 sola
de Jacaranda, 2 pares de cadeiras de balaneo, is
cadeiras deainaielto cmn punco uso, I sola de
amarello, I jardiueira, diversas niarquezas. consn-
lns. cadeiras de abrir, mama redondas, maraue-
iSes, bancas, mesas para engommado, ditas para
escrever, I machina para lavar ronpa, I aueella
de amarello, 2 espelhos dimrados, 1 banca para
ourives, 1 alcatifa em bom uso propria para sala
diversos caiulieiros a gaz emuitos outros objectu-
IIOJE.
O agente Martins autoi isado por una pac
que se retira para tora da provincia, faja lettao
dos objectos cima, no armazem da ra do Impe-
rador n. 16, as 11 horas em ponto.
LEIUO
DE PREDIOS.
HOJE.
Urna casa terrea n. 18 aa ra da Glora.
lina dita n. 20 na ra das Trncheira.
Urna dita n. *>6 no boceo do Qnialio fregu: .
dos Afogados.
Pelo agente Marlins no armazem da ra d)
Imperador n. 16, ao meio da em ponto.
LEIO
|>e 3 casas terreas e nm eaixo
em oiiiil;i.
Quita-ffira I do convide.
0 agente Pestaa far leilo por conta de qnern
pertencer de 2 casas ternas n. i e 3 ra do Bom
Successo. em chaos proprios. de pedia e cal. com
grandes quintaes cercados. 1 dita tamhem de pedra
e cal menos um oito na ra da Rica nos Quatro
Cantos c mais una casa em caix.o jrfflto a esta
ultima. Para examinar a di? n. 4 veja-se a cbav.-
na de n. 5 e as -miras aos moradores : o leftao
ter lugar no dia quinla-feira 21 as 12 horas em
ponto no laTgo do Corpo Santo jrmto aocaf com-
mereial.
LEILO
Be eaixas con nagnlOeo <-!
llysson.
Odeiro Simw
por conta e risco doquam porteaeer far toilio de
20 eaUM oom ca fino Hvsson desembarcado ul-
linianiente em um eu mais totes a vontade d>
concurrentes, isto
Sexla-eira 22 do corrento
s I i lioras, no armaaem do Aanes largo da al-
fandega.
LEILAO
De um carro americano do 4 rodas eoberto, eom
arreios para um cavallo, todo em estado per-
feito.
Um cav alto grande proprto para carro n bom n-
sela.
Sexta-feira 22 de Janeiro as 10 12 horas
em ponto.
0 apeste Pinto far hila i por conta c ordem d >.
um cstrangeiro que rotira-se para Europa, do
carro e cavallo cima deseriptos as 10 tf2 horas
do dia cima dito na prafi do Corpo Santo ladi
da sombra.
1,1:11,10
De 3 casas terreas.
0 agento Puntual vender em loi -"I .casas ter-
reas sendo a priineira sita a ra das Pires o. 30,
solo miwrio, a segunda e terceira sitia a ra do
Mondego ns. 3 e 3, solo foreiro, as quaes sao
vendidas por autorisacao do mna pessoa que
acha-se peesentemente na Europa.
Os Srs. licitantes poderao examinar as ditas ca-
sas e concorrerem ao leilo.
vta-feiraH do corrente.
No primeiro andar do sobrado n. 62, ra da
Cruz, as i i horas

11

I



Diario ele Pfttimbafco Qnftrt feira 20 de JafheirO <*e 1869.
AVISOS DIVERSOS,
I\ST1TUT0 AKHEOLOGIGO1 GBOGUPIKd
Teno o Instituto Afcheologiro e Geogra-
phico Pernambucano de celebrar o stimo
tuWersftrio da sua fundaco no dia 27 do
orrente Janeiro, pela i hora da tarde, no sa-
l*) da Bibliotieca Publica Provincial, no con-
vento de Nossa Senhora do Carmo. sao con-
vidados para seraeHiante effeito em assmbla
geral todos os sollos que se acharen) no
Recifel-effecUvos, honorarios e correspon-
dentes.
Nao conhecendo o Instituto a sede das dif-
ferentes asssociacoes litterarias, scientificas,
-artsticas e de beneficencia que existem nes-
ta cidade, tem a honra de convidar pelo
presente edital a cada urna de taes associa-
<; a fazer-s? ahi representar.
E para conhecimento das corporaces ou
pessoas que tiverem de ornar a sessao com
a sua palavra autborisada, aqui se transcre-
ve a ultima parte do art. 28 do regiment
do Instituto:
* Se na sala existem socios oo pessoas
entras que desejam 1er algumas memorias
interessantes, participam-no ao secretario
perpetuo, para este prevenir o presidente,
o qual d a palavra aos autores das memo-
rias ; a leiton de cada unta das quaes nao
pode estender-se alm de meia hora. Porm
nenliuma memoria ou trabalho pode ser
npresentado e lido em sessao publica, sem
que antes seja submettido a urna comnu^so
de i'xame para isso nomeada, a qual tem
voto decisivo sobre a conveniencia ou irt-
cebvenfena da leitura.
Secretoria du Instilutf, 18 de Janeiro de
1809.
J. Soares de Azevedo,
secretario perpetuo.
PROGRAMMA
da osla de 5L S. da ande, no
Poro da Panel I a.
Tendo de solemnisar condignamente a
testa da excelsa Senhora da Sade, faz-se
publico que, mediante previa licenca da au-
toridaile competente, deixaro de ter logar
ua matriz da referida freguezia, ese farao
na capella da povoacao do Monteiro, as elei-
(9es populares a que se ha de proceder neste
mez ile Janeiro.
Sabbadu tt do crrente, pelas 7 horas da
-noite, tarar -o levantameiito da bandeira,
saliiudoda residencia da Exm. juiza, a Casa
Forte, comluzida por meninas e acompanha-
da por gratule numero de mocas, todas
.uniformemente vestidas de branco, soltan-
do-se nessa occasiao varias gyrandolas de
foguetes subindo aoarum niagnilico ba-
la i e hu mosleiro. O aeompanhamentoir
at perto da estacan do Caldereiro, e seguin-
ilo para o Pop) entrar na ru;: da.Manguci-
ra, Quiabo e rus do Rio, e ebegando ao
atrio da nialiiz, pascar sob uin vistoso e
li.'in iiiininado arco no rimo do qoal $e
abrir ama linda assueeaa de fogo, appare-
cendo brilhaute de luz a augusta effigie da
excelsa Padreeira : [tara maior brilhantis-
)n i desteaeto. pede-% aos moradores das
cuas por ondetem de passar a bandeira,
que sesirvain lliuiiuar as frentes de suas
casas.
No dia seguate pome$ar a novena, lia-
vendo todas as noites muska militar de pan-
>! lua, e outra de oretoetra regida pelo
distinti mostr Colas, sendo os versos
cantados pela mesma Exm. Sr.a que a isse
se prestouno auno passado,ecom a maior
graciosidadr se presta anda esta vez a fazer
o ni:'iiio obsequio em honra da milagrosa
Senhora da Saude.
^odia2 de i'evi'i.'iro ter lugar a festa
Com i ida a pompa e esplendor dividos a
magestade divina, orando ao Evangelbo o
filia. Hvni. Si. padre l)r. Luiz Ferreira
Nobre Pelinca, c a noite ao Te-Duem o Illm.
Uvm. 8r. padre Augusto Mara Ferreira
I! 'le.o.
Findo o Te-Denm queimar-se-ba mu re-
qnissimo e variado fogo de vista, feito por
uin hbil artista pyrotechinico, e composto
de diversas figuras allegoricas, tornando-si'
notavel o ataque de nm cucouracado a for-
midavel fortaleza de Angostura, cabendo afi-
na! a victoria ao estrellado pendao aure-ver-
d,', que tremolar galhardamente na forta-
leza paraguaya, apparecendo nessa occasiio
circumdadade myriadasde luzes a sagrada
effigie da Pa Iroeira.
0< encarregados da Cesta ten emidado
todos os esforcos para que tamanba solemni-
dad:1 se faca como possivel brilhantismo, e
esperam a efficazcoadjuvaco e concurrencia
de lodos os devotos da mesma Senhora, que
saben remunerar com larga mSo a piedade
e dedicaclo de que derem provas.
O jutz,
Custodio Josb Aire Guimarats.
Deposito de mol liados
Joo Boii'lho Jnnior, nao podendo continuar com
sen negocio por enrommode de cande, vend o sen
dopositD de mediados sito ra da Imperatriz n.
68, bsai afreguezado, e para pagamento de credores: a tratar no nesmo.
Inslilulo Arxlicol^ito o Geo^r>
lilik'o Pcriiainliiicino.
llavera sessao ordinaria quinta-feira 21
de Janeiro coi rente, pelas 11 horas da ma-
mm
ORDEM DO DIA
Providencia; a tomar para a prxima festa
do artniversano;
Pareceres e mais trabalhos de commis-
soes ;
Secretaria do Instituto, 18 de Janeiro de
1869.
J. Soares de Azevedo,
secretario perpetuo.
)'tr^gfinw n\&zemsm&**wfr
Cozinheiro.
Precisa-se de mu bom rozinheiro: em Santo Ama-
ro, casa do Sr. Manoel Custodio, n. 2f.
Aluga
rse
urna ama para ca*a de familia para o servito inter-
no e externo, monos cozinhn ; a tratar na ra lar-
ga de Rosario n. 3V, botica.
Aluga-se
a loja do sobrado d. 9! sita na ma Imperial, com
liaslantcs commodos pan familia : a tratar na ra
da Cadi-ia do Hocife n. 62, 1" andar.
Precisa-se de una ama forra ou captiva, que
saiba eozmhar e i-ngommar : na ra da Cruz n;
40, armazem. ___________________________
Na ra do Hospicio, sobrado n. 23. junto aos
trunos urbanos, lia urna eserava para .litigar, que
efizinha, engootma c laya._____________________
Aluga-se a casa terrea n* 19 da ra do Tam-
bi, naloa-vista : a tratar no Mondego cun o des-
pachanfe Joo Barttmlomeo Gonralves da Silva.
Alngain-sc o i e 2" andares do sobrado da
ra da Penba n. fl, preco commodo : a fallar na
ra Direita n, 93. 2o andar.
Precisa-se le urna ama que saiba eozinhar
para casa de bomem solteiro : na ra das Laran-
geiras n. 12, relinacao.________________________
= Preeisa-sc d? urna ama de leite sem filhos :
na ra do Vigario n. o, 8" andar.
Algodao da Babia da fabrica do Pedroso,
vende-se mais barato me em outra qualqucr par-
te : na ra da-Ctdeian. 1, Io andar.
Alug'a-se
A excellente cusa e grande sitio, de Cuilherme
Sen.', nos Alagados, ra de S. Miguel junto igre-
ja. tein viveiros com peixes. grande baixa de ca-
(iii. muitos coqueiros e grande qtianlidade de
l'ractciras, cacimbas com bombas e tanques para
banhos. etc.: a tratar na ra do Quemado n. 18,
oja. ______
Aluga-se
Escriptorio de advoeacia
26RA LARGA DO ROSARIO26
ti a.hogado bacharel Ayre* de Albuquerque
(.ama tornou aliriroseu scriptorio na ra lar-
ga do Rosario n. ft. onde pi')de ser procurado,
qu.ilquer bora, para todos os misteres da sua pro-
Bssao,
A casa terrea com sotao na ma do Fogo n. 32,
para qualqBer estabelecimento ou moradia : a tra-
a r rom o solicitadiir Manoel Lui/. da Veiga.
- O solicitador Manoel Luiz da Veiga contina
a morar na ra di Gloria n. 9'i ; acivila casas de
partido com modi o ooenirio, e se encarrega de
alugneis de casas nesta |H'aca. concentos, etc. com
una porcentagem rateswl.
o^ar algo
| JjJlx|)osi^io fliiveisif (te W(>7. Premio iniico.
Estas novas machinas obram sem iQatucnr a sement, sem deixar licar menor
parcella do tecido, e conservam s fibras todo o seu comprimento e toda s sua elas-
ticidade, lim que tanto desejavam os fabricantes,
O aquentameto do algodao destruido por nma correnteza de ar frio^ produzida
pelo ventilador.
Estas machinas apresentam a vanlagem de poderem ser reguladas pejlos Iraba-
Ibadres os mais inexperientes. O seu pequeo votante e o seu pouco peso permiltem
transporta-las com cavallos, pelos mais pessnos caminhos, o seu maneje to f-
cil que um homems pode, sem se cancar, descarocar de 18 a 20 arrobas, e um meni-
no de 8 a 10 arrobas por da,
Muitos agricultores e negociantes viram funecionar estas macbinas em casa do Sr.
Germano relojoeiro, seu expositor, e apreciaram inuilo o systema pela facilidae e aper-
feicoadodotraballio, porque os lios ri5osaocoi,tados,e deixamos carolos limpos sem ne-
nliuma felpa, deixando portanto um beneficio de 20 a 25 por cento sobre as Jiutras ma-
cbinas. A vista destas vautagens, ja se v que estas machinas sao preferiveis] aquellas
de serrar, tanto mais que as qiieuas das fabricantes e dos negociantes de Liverpool,
Havre, Hamburgo etc., lizeram com que o rm'riisrro da agricultura do Brasil prohibisse
o uso das machinas de serrar, que muito deprecia o algodao brasilelro nos mercados
da Europa.
SOFFRIMENTOSD'ESTOMAGO, CONSTIPADO.
Cura em poucos dias pelo carvAo de belloc om p ou em paslhas.
ENXAQECAS; NEVRALGIAS. Essas .ffecc-ies s*> dis-
sipadas rpidamente pelas MIMLAS d-ether l t' CLEKTl.
ANEMIA, A PALLIDEZ e as sofrrimentos que necessitam do
emprego dos ferruginosos s3o sempre combatidos cora o melhor resultado
pelas PILULAS OE vallet. Cada Pilula tem ineravado o norae TitXIT.
PO DE ROG. Basta dissolver um frasco d'est p em meto
arrala d'agua para se obtr urna limonada agradavcl que purga sem fa-
icr clicas.
VINHO DE QUIflUM de Vtbarraque. Este yinlio, um dos
poucos cuja compositao garantida constante, urna das melhores pre-
paracoea de quinino, sem accio notatel sobre os convalescentes, dande-
Ibcs forcas e apresando i ro'.ta a saude. Cura aa lebres antigs qut re-
sislao ao sulfato de quinino.
MOLESTIAS DA SEXIGA. k maior parte d'estai moles-
lias, cerno as sciaticas, kmibag os, catarros, e todas as dores nervosas em
geral sao curadas pelas PEROLAS OE ESSENCIA de THCRCBENTINA do
Or. Ciertan. 0 prolissor Trousk-au em seu Troludo de therapeu.ica acoa-
scluu as para serem tomadas na occasiao do jantar, na dose de 4 i 13.
OLEO DE FIGADO DE BACALHAO DE BERTH.-
Qatantklo puro c le primeira qualidade, um dos poucos aprovados pela
Academia de medicina.
AVISO. Todos ale* medicamentos feram aprnteles yela Academia
imperial de medicina de Pars.
EFFICACIA
DO
XAROPE BE RBANO IODADO
0 Xtrrope de Itibano odado de Grmanlt e C*, pharmaeenlicos de S. A. I. o principe
RapaleSc, em Paris,-^ preparado con o sueco das plantas anti-escorbnticas cuja eficacia
nm popular. \
Encerra e iodo como conrbinacSo orgnica, e considerado como o melbor succedaneo
do oleo de ligado de bacaiho.
A rara perfeicSo d'este producto anima-nos a dar a conhecer aqai a opinifo de algtins
d entre os prinerpaes mdicos de Paria, que diariamente o prescrevem.
a 0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento d'nm effeito sttave e seguro para a
medicacao des wenioos, nao smente snppre o oteode figado de bacaiho, mas anda fu
< as suas vezes com vantagem.
D^Ai CAIENAVE, medico em ehefe do hospital Saint-Louis, em taris.
* 0 Xarope d Rbano iodado nm medicamento de primeira ordem para o tralamentc des
'affeccSes lymphatcas e escrofulosas. Muitas vezes, empregoei-e com feliz xito, em certas
t casos de tsica ao sen principio, como succedaneo do oleo de figado de bacaiho. i
Dr A. CHARRIER, anligo che fe de clnica dm Faculdade de Pars.
0 Xarope de Rbano iodado sernpre nos deo excellentes resillados como regenerador
do sanguo, e succedaneo do oleo de figade de bacaiho. a
Dr A. PAVROT, autor do Traite des malaies des femmcs.
0 Xarope de Rbano iodado um dos mais poderosos modificadores das constttuiooes
lymphatcas. Tenho visto ulceras escrofulosas que nada poda ewar, cicatrizarem-se
gracas a sua aceto, com promptido extraordinaria-. Tamben, pelo sea uso desopperecem
aa affeccoes tuberculosas dos ossos, nos meninos.
IV GGBSNARD, anligo tiitrno dos hospitae* de Pars.
O Xarope de Rbano iodado possue todas as vantagens do oteo de figado de baca'.bo,
sem ter aenhum dos inconvenientes que apresenta este ultimo medicamento.
D/ GUIBOUT, medico dos hospilaet, Presidente da Sociedade de medicina de Parir.
t 0 Xarope de Rbano iodado de Grimault e C" encerra 412 por cento de iodo, na rat
composicSo orgnica anloga que se aeha no oleo de figado de bacalb.
& KLETZINSKI, professor de chymica, louvado dos trUnmae* de Vienna.
Deposito em Pernambueo, em casa de MMrer e c.
5^^S^^SlS^^ririJ^^rin3EJlS^^fl^=
Ko-lne'.ro.
Ilj':it>..
DEPOSITO.
era Varia, I FnERE, tt, rn. Jacob
DuroxcnEiLt; Hkaiiss i Pernambueo. Nareb et Cu.
i Ceara.....Midmb et O.
TuDoitpa.
Hase et C:
INJECTION BRQd*
llSSlrnlra lulallltel e Prewrtallta, bsluianitmi. a ui.icj i,.cair kiu i.nnii.n, .,u.....>u. o,
nal prlocipaes bolicas do mundo. (EiiRir a Instrucfao 4a aso). (SO aooot de eiisancia.) l'arii ca u
da iavealor IIOB. boulerird Mrenla. II*.
mDOENCAS DO PEITO
XAROPE D'HYPOPHOSPHITO DE CAL
A efflcacia d'csta presaracBoiest estabelecida desde 1857, pelos mais celebres mecReo. Desde
cnlSo muitas imitaedes tem sido fcilas, mas nenhuma poude sustentar a compara?3o com o
producto apresentado pela nossa caza. Por isso excitamos o publico para que exiga sempre
este xarope com urna belia cor de rosa, nunca branca, e com a n03sa signatura roda do
frasco.
Sob a sua influencia, a losse acalma-se, os suores nocturnos ccssSo c o doente rol va rpida-
mente sade. 0 sen emprego d lambem os mais brrlhantes resultados nos defluxos> catar- j
-los, bronchites, irritaeScs do peito, etc.
Deposito em Pernambueo, em casa de Maarer e O*.
WO&A
S.l
Dc?eja-sp um be tn cosinheiro : ra larga du Ro-
sario n. 4i.
Precisa-se i rendar um sitio grande, at a
distasen de :t lego. tiesta cidade: a tratar na ra
ilalmperatrizn. 2ti, loja.
Ra do Rosario n. 79,
sobrado
Agencia de negocios da corte pa-
ra as provincias e deslas para
a corte.
Sob a direceao do advogado Francisco Carlos
Braadio, aeha-se estabelecida na cidade do Rio de
Janeiro, roa do Rosario n. 79, sobrado, una agen-
cia de negocios da corle para as provincias, e des-
las para a corte, a qaal, pelo pessoal habilitado, e
Meaos de ijuedispoe encarrega-se de todos e (u ies-
quer negocios judiciaes em i" e 2' instancia, como
accoes civeis, crimes e coinnierciaes, recursos, ap-
pcfla?oes, aggravos, revistas, defezas perante o
jury, reclamacoes de anligtiidades de niagisira-
dos, etc., etc.
Incunibe-se outro sim de quidacoes commer-
i iai's. de verilicacoes, e ajustes de contas. de eo-
brancas de divida's. de arrecadaeoes de heraucas,
de matricula de juizes, e cominerciantes, e em ge-
ral de todo e qolqoer trabalho forense, ou que te-
nha de ser feito perante as repartices administra-
tifas da corte.
Mi'liaiiteascondicese garantas que com as par-
tes estipular, adianta dinlieiros sebre as arrecada-
(3es c direilos que llie parecercm seguros, e li-
quidos.
Presta-se a fornecer aos seus committentes as
mformaccs que ex giren, e que puder obter, so-
bre assutnptos o interesses que Ibes digam res-
lieito.
Seus honorarios e commissoes scrao razoaveis e
moderados, regulardo-se pela importancia e dilli-
culdades que offeiecerem os negocios commet-
tidos.
As pessoas que dos seus serviros se qttizerem
ulilisar, podero dirigir-se paesoalnente, ou por
carta ao escriplorii i cima indicado, devendo na
segunda hypothese remetter os documentos que
tiverem ou copia fi'l delles, e urna mformacao cir-
cunstanciada, escr pta, e assignada sobre o nego-
cio ou negocios que tiverem de ser tratados. Alm
desta remessa os senhores que tnorarem fora do
municipio neutro, e em qualquer das provincias
deverao competente rotule auiuiisar bessoa id-
nea, residente na ce rte, com quem a agencia possa
entender-se e validente contratar.
O fiel desempenho dos se.us deveres para com
todos, e especialmente para com aquelles, que neJ-
la conflarem. consiilue o fundo capital, com dne
a agencia prineipalinente conta, e por isso tein o
mais vivo interessw em mante-lo, e ha de zela-io
rom a mais vigUan'e solicitude. _____
Precisa-e de nm frilor, nrefere-se casado,
para trotar de um pequeo sitio: a tratar na ra
Iiireitan. 10.
E LERAS D0UT0H EM sciencias.
INSPECTORA ACADEMIA DE PARIE E .o. |
Dcbaixo da forma d'nm liquido sem salir.
anlogo a una agua mineral, esle medica-
mento retine os elementos q'ic constiuucm
os ossos c o sangue. E' o mais racional dos
"srruginosos; por esla razio o adoplliro
s mais eminentes medreos do inundo in-
teiro. ConAcm muito s meninas de temperamento delicado, cujo descnvolvimenio 6 tatldio,
s senhoras que padecem d'cstas dores d'eslomago intoleravcis, causadas pela chlorpse, K
anemia, menstruacao ou leocorrhR, s criancas d'uma eompleico paMida c delicada, e a ||
todas as pessoas que lom o sangue empobrecido pelas doeii?as. EfQcacia, rapidez d'accio, E
cura pcrfeita, sem consiip.ir.ao de ventre nem accio sobre os denles, taes sao as razocs qi
imperio para que os senhores mdicos o prescre\4o aos seus doenles.
Deposito em Pernambueo, em casa de Marer e C.
SoD urna forma lmpida e agradavel, este medica-
mcnio rene a quina, qne o tnico por eaeellencia.
e o ferro, um dos principacs elementos do sangue. E*
adoptado pelos mdicos mais distinctos de Pars, para
curar as cores paludas, facilitar o dercnvolvimento
das meninas e restituir ao carpo os seos principios
alterados o perdidos. Faz rpidamente dnapparecer
as clores d'eslomago i [tolerareis suscitadas pola ane-
mia ou pela leucorrha, s quaes as senhoras esli
tantas vcies-sujeiths, rcgularisae faeililaa monstruaco,
c 6 receitado com successo s criancas paludas, lym-
phalicas ou escrofulosas. Emlim, excita o appeiite,
favorece a digestao, c convem a todas as pessoas cujo
sangue est empobrecido pelo trallbo, peni moles-
tias, as convalescencas loteas ou difficeis. Os bons
resultados nunca se lazcm esperar.
Deposito em Pernambueo, em casa de Maarer e *.
INJEGGAO VEGETAL
COM
MATICO
DE GRIMAULT" C^PHARMACEUTICOS EM PARS
0 successo d'esta injecefio, preparada com as folhas do Mallco do Per, foi to rpido, que
ella se tem tornada popular em lodosos paizes do mundo, para a cura da gonorrhfia e das purga-
edes de toda a natureza. E' o nico producto neste genero cuja entrada na Russia tenhi sido
authorizada pelo conselho medico de Sio Petersburgo.
Deposito em Pernambueo. em casa de Maarer a O*.
VALOR THERAPEUTICO
DO
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
DE GRIMAULT E COMP.
I'harmaceuticoi de 8. A. I. o principe NapoleSo, em Paria.
A associac5o do ferro c da quina resolveo um dos mais importantes problemas da phannacia,
e faz eom que se coogratulam os mdicos dos relevantes servicos que llies presta esta pre-
paraco.
Com effeito, ninguem ignora que a quina, em maleira medical, o mcihor tnico que se
possa empregar, sendo, sobreludo, unido ao Phosphato de ferro, a mais eslimada das pre*
paracScs ferruginosas, pois que entram na sui composicio o ferro, elemento do sangue, e o
phosphato, principio dos ossos.
Por isso, julgmos que, para os srs mdicos, serio interessantes as observacSes feitas pelos
seus collcgas, os mais distinctos de Pars:
Este Xarope produz os mais felizes resultados nos casos de djspepsia, chlorosis,
a amenorrhea, hemorrhagias, leucorrheas, lebres typhoidas, diabetes, c quando precisa
c restabelecer as forcas dos doentes e restituir ao corpo as forcas alteradas ou perdidas.
AUN AL, medico de S. M. o Imperador.
urna das raras combinacSes que, ao mesmo tempo, satisfazem o medico c o doente. Em
< quanlo a mim, eu a considero como a mais cfficaz pieparacao ferruginosa, cujo uso dos
t mais agradaveis para os doentes.
CAZENAVE, medico do hospital Saint-Louis, em Paris.
a Com esta preparacio d'uma frm agradavel, e fcil de digerir, administra-se aos
doentes dois medicamentos imporiantes.
CHARRIER, chefe de clnica da Faculdade de Paris.
t Eu emprego com o maior xito o Xarope de Quina ferruginoso, c o considero
t nma das mais felizes innovacoes, na matoira medical.
CHASSA1GNAC, cirurgiao em chefe. do hospital larihoisiere.
t Este medicamento, sempre bem aceito pelos doentes, deo-mc constantemente os raais
vanlaiosos resultados. ...
UERVEZ DE CHEG01N, mimbro da Academia de medicina.
a A limpidez d'esta preparacio, o seu jomo agradavel, isento de qualquer sabor de
ferro, Cazoaa il'ella um medicamento to cfffcaz como agradavel.
MONOD, addido Faculdade de medicina.
Deposito cm Pernambueo, em casa de lUam e O*.
RA
IDO
C.VB1JG
esquina
|da ra larga do
Rosario.
AO
DE PO]U%S
DE OURO
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,
e vende por presos q*e nenhuma outra casa >de vender.
A vista da qualiiade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.
Garante-se ser tudo de le. Compra-se ouro, prata e pedras; finas por presos muito ele-
Fados.
A loja est, aberta at s 9 liora^ da noute.
esquina
da ra larga do
Rosario.
^^^m^^m


Diario de Peruaubueo QuarU eira
Janeiro de 1869.
COLLEGIO
DE
SANTA GENOVEVA.
Ra do Hospicio n. 22.
Todas as aulas deste cuilcgio que cemprohcndeni
o ensiuo de primeiras lettras; das linguas latina,
franceza e inglcza; de geometra, geographia e
pbilosophia, estarao inipi eterrveliuente abertas na
segunda-fcira, 11 do coi rente. Atpi destas disci-
plinas, liavcr duas vezes por semana urna aula de
grammatica portuguesa e uin curso especial para
a |iratica da conversar;; fraseen, dirigido por un
jirofessor francs.___________________
0 Sr. sargento brigada do corpo de
polica queira vir a esta Typograpbia a en-
godo._____________________________
Trocim-se
as notas do banco do Brasil
eom descont milito razoavel
pendencia n. ti.
MRATISSIMO"
Calcado nacional, na fabrica de Jos Vicente
Godinno & C, ra d Jardim n. 19, avisain aos
seos freguezes desta capital e do interior, que con-
tinala a fabricar raleado em alta escala, e offc-
rocemas melhores condicdei, tanto empreco romo
em qualidade. Os propietarios deste estabeleci-
meato chainam a attcncaodos senhores consum
dores do interior, que os quizerem honrar com
sua fre.guezia, especificando em seus podidos a
qualidade e nunieracao, offerecendo-se para os en-
tregar bem acondicionados em casa de seus cor-
respondentes nesta praca. '______
das caixas fliaes,
na praca da Inde-
Photographia
0 fl BP -Ferreir ViHela participa ao
respeit Bblico, ue tendo chegado do Itio de
Janeiro W) (fa 7 do passado, tomou a direccao do
seu estabelecinionto do photograpla, sito rW do
Cabugan. 18, eitradapelo pateo da matriz, onde
se contina a ti -ar retratos por todos os systemas
photographieos. No mesmo estabeleeimento ainda
se contina a tirar retratos em cartao de visita a
U-iOOO a duzia. Ha tambeni urna linda colleccao
de alflnctes de ouro de lei com pedras preciosas,
para a colloracio de retratos.
VMA
1
Precisa-se de duas amas, urna para engommar
c outra para cuantiar : na ra da Cruz n. W.
Criad*.
Na ra do Imperador n. 73,segundo andar, pie-
cisa-sc de um criado fiel e bem procedido.
Antonio Jos Rodrigues de Souza, precisa
alu,uar um criado para o servico de casa, de mais
de 45 annos : a tratar com o mesmo na ra do
Crespo n. lo, ou em seu sitio no Monteiro.
Frederico
Maya
pela escola
Clrnrglo dentista
de medicina
do Rio de Janeiro.
Tem a honra de participar ao res|>eitave! publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o
seu gabinete de consultas e ojieracoes dentarias a
ras Direita n. li, primeiro andar, onde podo ser
procurado todos os dias das 8 horas da mauta as
.'1 da tarde. Elle acha-se competentemente habili-
tado para com perfeicao collocar dentes artillciaes
por qualquer dos systemas, e bem assim desempe-
nuar qualquer mitro trabalho concernente sua
profissao. 0 mesmo, reconhecendo que nem sem-
pre possivel s senhoras ou enancas sahirein a
prorc: .ir o remedio, offerecc-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tar a qualquer chamado sem que isso influa cousa
alguma na commodidade dos precos de seus traba-
Ihos, e quando para fra della assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavel, garantindo elle a
seguraneae perfeicao de seus ditos trabalhos. Em
Arrenda-se a propriedade denominada
Barra de Sei'inhBem no littoral da freguezia
do mesmo nome, com maitos foros rece-
ber e muitos eoqueiros a desfructar, tendo-
alm disto, a excellente e rara posico de
beira-mar, e beira-rio, inteiramente apro-
priada para manter-se ahi qualtpier es
tabelecimento commercial de seceos, e mo-
tilados ; a tratar ra do Imperador n. 20,
ou ra da Florentina n. 28.
Cozlnhelra
Na ra do Imperador n. 73, segundo andar, pre-
cisa-se de urna cozinheira.
Ama de leitc.
Precisa-se de urna ama de lcite preferindo-se es-
crava, para acabar de criar urna menina de 8 me-
zes de idade: na na da Concedi, na Boa-Vista,
n- **
Attencilo
BAflTHOLOMEU & C.
Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponce de Len,
como solicitador do foro desta cidade o dos termos
de fra, se encarrega de todas as questocs que fo-
rem suscitadas aerante os tribunaes civeis, cri-
mes, cotnmerciaes e ecclcsiasticas, promettendo
continuar a excrcer o seu emprego, com a mesma
lealdade, activid; de c dedicagao. O annunciante,
pode ainda receler certo numero de casas com-
merciaes, por coitrato annual e bem razoavel. Do-
ve declarar, que costuma dar as eontas de despe-
zas judiciaes, tolas datadas, especificadas e com
escrupulosa txat lido, como afflrmam os que tem
sido seus constituintes. Quem pois quizer o hon-
rar com sua conlianca, dignar-sc-ha procura-lo
ra das Trincheiras no primeiro andar do sobrado
n. 48, junto ao cartorio do Sr. escrivo Motta, para
onde acaba de mudar-so.
Gymiiasio provincial
De oidem do li lm. Sr. r. regedor e de confor-
midade com o que dispoem os arts. 62 e 63 do re-
.igimento interno -faco saber que desde o dia lo
en gabinete se encontrar constantemente cxecl-Tal o dia 31 do (torrente mez estai o abertas as
lente pos dentifricio, elixir c outros medicamen-1 matriculas nesta secretaria, desde as 9 horas da
tos odontalgicos : ra Direita n. 12, primeiro i rnanha al 1 hora da tarde dos dias uleis, deven-
gar;__________________________________ do os pas dos fuluros alumnos, ou quem os repre-
Antonio de Andraolvde Luna avisa ao pu- *"J5 d,e .r!or.Iias mos do Sr. Dr. regedor : 1
buco e especialmente ao rcspeitavel corpo do ecrtidao de idade do matriculando ; 2 certidao ou
commercio, que admittio para socio de sua casa
coriuncrcial em Goianna a na do Meio n. 27, a seu
-sobrinho Luiz Antonio de Andradc I.una. tendo
principio no dia Io de Janeiro de 1869, na razao so-
cial de Ivo Antonio de Andrade, Luna & Sobrinho.
Joaquim Jos Gon-
palves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, I. ANDAR.
Sacca por lodos os paquetes sobre o Ban-
co do Minlio, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Guimaraes.
Coimbra.
(Ihaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
\ianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalico.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
Antonio Jos Rodrigues de Souza, na rua do
Crespo n. 15, ou em seu sitio do Monteiro, gratifi-
ca a quem capturar o seu escravo Joaquim,
pardo, de idade 33 annos, natural de Pao d'Alho,
para onde se suppOe ter fgido por ter sido visto
nesse dia a conversar com pessoa daquclle lugar,
estatura, secco do corpo e um pouco alto, bigode
e cabello meio carapinhado c penteado, e tem um
caroco na munheca da mo direita, do qual soffre
dores rhenmaticas, tendo a falla a sertanejo, muito
descancada.
attestado de ter sido o mesmo matriculando vac-
cinado ; 3o recibo do importe do primeiro quartel
da peusao, paga i a thesouiaria do Gyninasio.
O mesmo Sr. Dr. regedor manda avisar aos pas,
tutores e curador dos pensionistas, que sahirain
do estabeleciment) para passarem as ferias, de que
deven) estes recoltier-se ao Gymnasio at o dia 2
de fevereiro, vesrera da abertura do anuo lectivo,
sob pena de lieanm privados de sahir por tempo
de dous mezes, como dispoe o art. 161 do regi-
ment interno.
Secretaria do Gymnasio Provincial- 7 de ianeiro
de 1869.
secretario,
______________Antonio da Assumpeo Cabral.
Precisa-se di; um menino de 12 a 11 annos de
idade, que lenha iralica de venda: na rua do Han-
ge! n. 73, onde dar fiador sua .-ondueta.
PARA USO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES
Xarope de jurubeba garrafa. 1000
Vinho de jurubeba garrafa. L>600
Pillas de jurubeba vidro. IrJOOO
Tintura de jurubeba vidro. 610
Exlracto bydracoolico de jurubeba. 12^500
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2i*000
Xarope de jurulieba ferruginoso garrafa. I<600
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2|5000
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurubeba pote 6i0
Emplastro de jurubeba libra. 2^500
PARA USO EXTERNO
A JURUBEBA.
Esta planta boje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excel-
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do figado e bao, as
hepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflammacoes
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as hodrope-
zias, erysipellas ; e associada as preparaces ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, chloroses, faltas de menstruacao, leucorrheias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
0 que dizemos affirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os lllms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarme|nto, Seve,
Pereira doCarmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecema excellencia deste
poderoso medicamento sobre os demais at hqje conhecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicaco.
Apresentando aos mdicos e ao publico emgeral diversos preparadas la juru-
beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desaparecer a
repugnancia que at luye sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, e
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a desvantagem de nio
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes impnficuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados so foram apresentados depois de havermos cojiveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
priedades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas, fructas ou tagas, ea
dose conveniente a applicaco, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeicao possivel, para o que nao poupamos esforcos, al) nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados pojlem ter a
certeza de que elles olTerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
vel cura de qualquer dos soffrimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolher as nossas va-
riadas preparaces, aquella que melhor lhe pode convir, j pela fcil applicaco, e j pela
complicaco das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de erro que
como taes esto boje reconhecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propribdades da
jurubeba, e saberem a applicaco de nossos preparados, destribumos graluitamente
em nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geralde todos os preparados
Botica e drogara
31Rua larga do Rosario34.
Do xarope Vegetal Americano, especlalldade de Bartholomeu A <
34RUA LARGADO ROSARIO34
Nao costumamos procurar allestados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que sua applicaco e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceita-
los, Ibes deem crdito e voga; porque sao sempre os attestados considerados gratuitos,
e driles que lancamo o charlatanismo; mas, nao querendo ofl'eoder as pessoas que
espontneamente nos ofiereoeram os que abaixo vo trans pos, os fazemos publicar,
manifestando-Ibes nossa gratdo pela attenco, esperando que venham elles corroborar
o conceito, e acceitaco que (em merecido nosso xarope.
Bartholomeu & C.
ATTESTADOS
Rlms. Sis. Bartholomeu 1- C. com a mais subida satisfaco que declajo
ser o xarope Americano de urna ellicacia extraordinaria, pois que soffrendo ha dias de
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noitcya despeito mesmo de medicamentos
que tomava, a elle recorr e na terceira cnlher fui alliviado, e de todo me acho hoje res-
tabelecido cora o uso somente de quasimeio fiasco: grato, pois/ esse resultado mani-
fest a W. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de i 868.
Illms. Srs. Bartholomeu & CPenhoradissmo com o favor que me fizeram
de aconselhar o uso do xarepe Vegetal Americano, de sua composico, quando me acha-
va bastante doente de urna constipaco, que me tomou completamente rouco e que
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumplir os meus deveres de cantor da
empieza lyrica, vou agradecer-lhes meu completo restabelecimento, que obtive com um
s vidro do mesmo xarope, depois de baver recorrido a muitos tralamcntos. Desejarei
que outros como eu recorram ao seu xarope para se verem alliviados de to terrivel
incommodo, to fatal neste paiz. Com maior consideraco contino a ser de Vv. Ss.
atiento, venerador e obligado.Luiz Cremona.
Recife, 23 de setembro de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu & CO xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. teem
exposto venda de toda efficacia para o curativo d'asthma, conforme observei appli-
cando-o a meu iilho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'esse flagello, que at
entao por espaco'excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de grande
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expresso altamente sincera de meu reco-
nhecimento ao meritorio servico que lhe prestaram com e indicado xarotie, acreditm-
do-me para sempre deVv. Ss. criado, altento e obrigado. .\nwico Netto de Mendonca.
Recife, 2 deoutubro de 1808.
DE
DE
J. VIGNES
Os
para seja necessari*
= Precisa-se de irnia ama para coznhar e fa-
ler o mais servico de una casa : na rua estreita
do Rosario n. 32, 2o andar.
Ama
Precisa-se de una ama para cosinhar e engom-
mar para urna casa de pouca familia: na rua de
artas n. 104, loja.
Cozlnhelra.
Precisa-se de urna cozinheira: na rua do Impe-
rador n. 73, 2- andar.________
Precisa-se alugar um cosinheiro bom: na
rua da Imperatriz n. 6, 1" andar.
^^^^c'oaclllaeao^^^^"
Por ordem do Sr. presidente convido a todos os
Srs. socios para assistirem a una missa que a
nossa sociedade manda celebrar no dia 22 do cor-
rente pelas 8 horas da manhaa na igreja do Es-
pirito Santo, pela alma do nosso consocio Joaquim
fos (tomes de Souza, fallecido em Portugal no
da 22 de outubro de 18*8 para o que igualmente
se convida aos amigos c prente do mesmo fi-
nado.
Recife 19 de Janeiro de 1869.
O secretario,
__________________Andrade.
Mino de arlthmetlca, algebra e
geometra.
O bacharel em direito Casemiro Borges Godinno
de Assis, ensiua estas materias no primeiro andar
da casa n. 17, sita na rua Nova, das 7 1/2 as 8/2
lloras da rnanha aos senhores estudantes que de-
sejam fazer exame no collegie das artes, e das 7
1/2 as 9 da noite aos senhores empregados no com-
mercio.
Os abaixo assignados declaram ao corpo
i-ommercial e a quem interessar, que compraram
a taberna da travessa da Senzalla Velha n. 4,
pois quem se julgar com direilo a dita taberna,
.jueira apresentar-se com seus ttulos no prazo de
tres das, pois esta comprada, livre e desembara-
zada, licando a mesma gyrando com a firma de
Vlmeiila & Silva.
Recife, 18 de Janeiro de 1869.
Joaqun Prudencio de Almeida.
A. A. da Silva Jnior.
Na rua da i mperatriz n. 18 preparam-se
bandejas coir bolos enfeiladas, proprias
para csamenos, bailes .'te.: podins e to-
da e qualquer qualidade de bolo, garantin-
do-se o acceio, proinptido e preco mdico.
MI MMImIsI^
DA FORTOA
Aos 4:000S
Bilhetes garantidos.
rua do Crespc. n. 23 e casas do costume.
Acliam-seavenc'a os Mizes bilhetes garamidos
dal* parle da loUria em beneficio da igreja de
Nossa Senhora do Terco do Recife (93.a) que se
i'xlialiii (erca-feira 26 do corrente mez.
Precos.
Bilhete.....4J000
Meio.....2000
Quartc.....1000
Em poroso de 1003 para cima.
Bilhete.....3500
Meio......I7o0
Quarto..... 875
.________,________Manoel Martins Fiuza.
Gy mnasiio provincial.
O Dr. regedor do gymnasio manda fazer publico
para conheeimento dos senhores pais de familias o
seguinte :
Io Que no gymnasio provincial de Pernambuco
aeentina: primeins letras, lingoa nacional, latim.
raneez, inglez, allemao, grego. arithmetica, alge-
bra, geometra e trigonometra, geographia e his-
toria, philosophia, rhetorica e potica, scicncias
naluraes, msica e desenlio, para cujo ensino ha 17
professores calhedraticos, 1 substituto e 3 repeti-
dores,
2 Que oeslabeljcimcnto admitte alumnos de
tres classes ; pensionistas, que moram elTectiva-
mente na casa; tmiopensionistas, que entram as
8 horas da manhaa e relirani-se as 6 horas da
tarde ; e externos que s vo ao esUbelecimento
as horas das aidas.
3o Que os pensio listas pagam .103 por mez em
trimestres amantad >s, e com este prgamento po-
dem freguentar todas as aulas (excepto a de m-
sica), e teem casa e;pacosa e arejada, comida boa
e abundante, roupa lavada e engommada, papel,
peonas e tinta, med eo e botica.
4o Que os meio-p'iisionistas pagam l'OOOpor
mez, tambem em trimestres adiantados, e com este
pagamento podem f equentar todas as aulas (ex-
cepto a de msica), janlam no cstabelecimento c
teem papel, pennas e tinta.
5 Que os externes pagam 5por mez, do mes-
mo modo, e com eite podem frequentar todas as
aulas (excepto a de msica).
6 Que os alumnes que quizerem frequentar a
aula de msica paga rao, na mesma conformidade
4 7 Que os alumn(>s que forem migados habilita-
dos para exame, naii diversas aulas corresponden-
tes as do collegio da? artes, querendo fazer neste
os seus exames, toriio preferencia para serem cha-
mados logo depois dos alumnos habilitados do
mesmo collegio.
COLLEGIO DE SANTO AMAR
Recite, rua do Commercio u. 5.
Este estabeleeimento de edueaeo, aeha-sc a dlsposleo dos
Illms. Srs. pas de familias e a quem mais possa eonvlr. O Direc-
tor fu scientc, que desde j acha-se aberta a matricula da aula de
Snstrucco primaria, a qual ser aberta em o da 11 do andante :
bem como as secundarlas, cujos cursos tlveram principio pelas fe-
rias c devem ser encerradas em marco. As demais tiiinccl onaro
do da 3 de fevereiro em diante, com a regularidade do eostume.
Recife, 1 de Janeiro de 1SII9.
N. 53RUA DO IMPERADORN. 55.
pianos desta antiga fabrica sao hoje assz conhecidos ,
insistir sobre sua superioridade, vantagens e garantas ne offerecem aos compradores,
qualidades (;stas incontestaveis, (me elles tem definitivamente conquistado sobre todos
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um tecladocmachinismo que obedecen
todas as vontades c caprichos das pianistas, sem nunca faltar, por serem fabricados
de proposito e ter-se feito ltimamente melhoramentos impoi-tantissimos para o clima
deste paiz; quanto s vuzes sao melodiosas e flautadas e por ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blon-
del, de Pars, socio correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposices.
No mesmo cstabelecimento se achara sempre um esplendido e variado sorti-
mento de msicas dos melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido ]>or precos commodos e razoaveis.

ra larga do rosario i 37
LOJA
DE
KELOJOEffiO
DE
VCTOR GRANDIN
O Rua da Cadeia do Recife N. 40.
O proprielario deste cstabeleci-
mento, premiado com a medalha
dacxposicao universal de Paris no
anno de 1855, tem exposto ven-
da ein sua loia, um grande sorti-
mento de relogiospara algibeira,
'como sejam : de ouro e prata, sen-
do dos melhores fabricantes, de patentes ingleses,
suissos e horisontaes. Tambem tem urna grande
quantidade de relogios para parede e que batem ho-
ras, ditos para embarcacoes c [iara cima de mesa,
todos estes relogios sao dos mais bonitos modelos.
0 mesmo concerta relogios de lodas as qualidades
existentes, assim como tambem concerta chrono-
metros de algibeira e martimos : recebe sempre
por lodos os vapores, um completo sortimento de
corrontes e trancelins, sendo tudo de ouro de lei
ede modelos os mais modernos, assim como diver-
sos objectos de bijouteria dos mai* bonitos e moder-
nos gostos.
Urna pessoa de longa pratica no commercio
fferece-sc para eseripturar vtos por partidas do-
Inadas, podeada ser procurado na rua do Crespo
n 18, primeiro andar.
Joaquim Goncalves Ferreira, tendo de reli-
rar-se para os suburbios desla cidade a tratar de
su i saile, v-se imposibilitado de continuar com
o seu eslabelecimento de relinaciio sito na rua das
Cinco Pontas n. 61, vende a mesma, na falla ar-
renda-se, contendo a mesma todos os requisitos
necessarios, eomo bem, caixoes |iara deposito de
quatro mil arrobas, fogo a moderna de earvao,
deposito d'agua c tani|ue para banho, commodos
para caxeiro, separado dos trabajadores, doposito
de earvao e grande quintal com sabida para o For-
te, casa muito fresca, muito boa localidade para a
venda de retalho, e com especialidade para com-
prar assucar, quem a pretender para compra ou
arrendamento, offerecendo a casa ser propria, po-
dendo-se assim garantir qualquer negocio de maior
eslabilidade, procure na rua da Aurora casa ter-
rea n. 74.
PILULAS, VNOO
XAROPE DE JURUBEBA.
PnEPARAUOS PELO PHf RMVCELTIC0
oaquim d'Almeida Pinto.
As preparages de jurubeba sao
hoje vantajozamente conhecidas e
preconisadas pelos mais habeisj m-
dicos, tanto da Europa como do
paiz, pela sua ellicacia nos casos
de anemia, chlorose, hydropesia,
obstmeco de abdomen, e tambem
as de menstruacao diflicil, calhar-
ro na bexiga, etc.
Vendem-se em porco e a reta-
lho, na cidade do Recife, pharma-
Este acreditado eslabelecimento augmenta
de dia em (lia quanto possivel para che-
gar a.o cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para una s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e hygiene, temo-la sempre em abun-
dancia para facilitar excellentes banhos.
Ha tambem urna boa bibliotheca e perio-' gosa tambem das condices de um elegante
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para e petit rcstatirant onde' se pode ver a es-
recreio, buhares, etc. etc. pecialidade dos fiambres e salames de Lion
Sendo ociosa qualquer recommendaeao para lanches e at fazer urna boa colaco,
para to acreditado estabelceimento, omit- juntamente com os principaes vinhos do
I timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bom a pura
j fim, que o bom servico, ordem e moralida- e fervente champagne, o mui saboroso Rhe-
de imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa ceneja, o licor espirituoso,
fiel do regulamento que possue. o quanto pede urna mesa. Faz-se noute
Comedonas a la carte. sorvete e variedade de refrescos.
CIARITERIA E PETIT RESTAIRWT
Annexos ao Hotel Central, rua estrella do
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infinita
de (baratos de Havana, Rahia, Rio, etc. que
existem neste "novo cstabelecimento pres-
cindimos dos annuncios pomposos que ge-
ramente se fazein, reduzindo-nos apenas
tres letras que sao tres bbb bom, bonito e
barato. A' vista do genero annunciado po-
de-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
cia de seu
do Rosario n.
tel de polica.
compositor, rua
10, junto ao(uar- |
arga
MDANCA
. Precisa-se de urna ama de leitc para acabar
de criar urna enanca de 9 mezes, porm sem en-
anca : quem quizer diriia-se rua do Bram nu-
mero 69.
Pede-se informact-es se existe nesta capital
o Sr. Luiz Lei le Guimaraes, fdho de Manoel Leite
Guimaraes, no reino de Portugal; no escriptorio
de Jos Victorino de Hezende & C, na rua da Ca-
deia n. 52, andar.
Alug-a-se
0 l; o e o 3o andares do sobrado da rua di-
reita n. 88, ltimamente concertado e com bons
commodos para fam lia ; a tratar na padaria n. 84,
a mesma rua.
Precisa-e alujar um escravo"
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
i ua do Queimado n. 33 proprio para escriptorio
i tratar na loja.
Tadiygraplio
O lch\grapho Carlos Falcao, em cumplimento
te una das condados de seu contrato, abre nm
irso de sua arte, onde aceitar os senhores que
liara isso obtiverem despacho da Exma. eommis-
sao d policia da assembia provincial.
Criado.
Precisa-se ainda de mais um criado
Imperador u. 73,, 2 andar.
. para casa de
familia ; quem o tivsr c quizer alugar pode ir na
do Hospicio n. 49 oc na rua larga do Rosario n.
'M, loja, que se dir quem precisa.
Mudando de escriptorio
Joaquim Gerardo .le Bastos, traiuferio seu es-
cnpioriopara a rua do Vigario n. 10, primeiro
= Perdeu-se no dia 14 do corrente urna carteira
feta de papel de Hollanda, contendo em sedulas
sessenta e tantos mil ris, urna letra j vencida de
80J800 e varios conhecimentos de decima de pre-
dios urbanos, pagos nos dias 12 e 13 tambem do
corrente : quem a tiver adiado e quizer restituir,
leve-a ao segundo andar do sobrado da rua do Sol,
esquina da rua das Flores, que ser recoinpen-
XAROPE DE FEDEGOSO
E' de urna efficacia verdadera-
mente inaravilhosa como calmeante
do systema nervoso e applioado
contra a paralisia, asthma, tasse
convulsa ou coqueluche, tosse re-
cente ou antiga, sufTocaces: ca-
tarrhs broncneos etc., e em {eral
contra todos os soffrimentos das
vias respiratorias, o na phyl sica
pulmonar, sua virtude contr^ o
ttano ou espasmos, e convulses
incontestavel, e ninguem ha que
a desconheca.
XAROPE
DE
SALSA PAIIHII.IIA DO PARA
OU
DEPURATIVO DO SANGUE.
Usado as molestias de pelle,
impigens, dores rheumaticas, e
ulceras venreas.
O nico deposito destes medica-
camentos na botica do Pinto, rua
larga do Rosario n. 10 junto ao
artel de polica,
DO
IMPERIAL INSTITUTO
DE
NOSSA SENHORA DO BOM CONSELHOl
Da rua da Aurora n. 52
PARA A
RIJA DO HOSPICIO 5. 30.
O director comraunica aos pais de seus alumnos, tanto internos como externos, que
transferio o seu collegio para a espacosacasa da ruado Hospicio n. 36, a qual oflerece
as melhores proporcoes para commodidade e recreio dos collegiaes.
Todas as aulas acham-se alertas desde o dia 7 de Janeiro.
Precisa-se de urna escrava de rua para alu-
gar-se : a tratar na rua da Cadeia Nova n. 34.
luiz Emygdio F odrigues Vianna, advaga na ritaz-i
rua do Queimado n. 14, primeiro andar, onde p-
i ^r P.rcura Termos deum subde-
legado da ropa.
Oh l senhor venha c, sabe, que nao
quero que tome banlio como mulhei, m
tem dinheiro ande com seroula (terfli
(pie elle usa com as lavadeiras e canoeiios)e
advirto-lhe, que eu sou subdelegado da cara
virada, por isso moro perto d'Olinda, e
aproveftei o primeiro annuncio de virar
i ser procurado para os mvsteres de sua prolis-
sao das 10 horas da manhaa s 4 da tarde nos dias
uleis.
i^^!^0deunhomem para, eomo fetor,
M rua do i rssfas tjt ***cidade: M rua
O pao da bandeira.
Pirpcisa-se de um nozinheiro no hotel Lisbo-
nense : na rua estrei do Rosario n. 11.
Precis'a-se de um caixeiro que tenha pratica
de taberna e ."le" fiador a sua eondwta : na rua
das Cxuzcs a. ti.
Antonio Faustino de Castro
C'onatriiclor de utensilios ypo-
grapUcos de madelra. forro e
outros Metaes.
LISROA.
Alm dos utensilios typographicos em uso, se-
gundo os mais modernos e perfeitos moJelos ap-
provados para o servico da mpreua nacional de
Lisboa e de grande numero das typographias de
Portugal c do Brasil, fabrica pequeos relos de
ferro, em que se podem todava fazer ininressoes
de formato nao excedente a meia folha de papel
eommum. Estes prelos, que j foram tambem
adoptados em muitos dos priueipaes estabeleci-
mentos do paiz, servem excellentement>>, nao s
para a tiragem de pro vas, mas ainda para a im-
pressao do qualquer trabalho, por mais delicado
que seja, por quanto a esse nm se lhrs podem
adaptar rama, tympano, frasqueta e [onturas,
tendo, para regular a cravacao, o competente re-
gistro.
Incluindo os accessorios indicados, o proco de
cada prelo de 46|000 fortes.
O constructor pode ser procurado na imnrensa
nacional de Lisboa. Estes prelos sao 'wrjatejs,
podera-se coltocar sobre urna mes ou b., .
FRANCA-BRASIL
o
MR. MERCIER, alfaiate franeoz, previne ao respeitavel publico e a seus numerosos fregue-
zes que, tendo transferido sua residencia para a rua do Trapiche n. 7, primeiro andar, ahi encontrarao
sempre todas as qualidades de fazendas para trajos de homem, e prepara costunies para montara de
senhora. Faz tambem obras para militares e para criados, para as quaes tem grande sortimento
botSes simples, com virola e corda de conde, trancos e amarellos. Recebe por todos os vapores os
ltimos ligurinos para homem, senhoras e meninos.
EPIDEMIAS
O LICOR DE L ABARRAQUE um preservativo seguro era lempos de
epidemias: cholera, febre aroarella, peste, typho, etc. Devem evitar-M u fal-
illcacoes as quaes sao a maior parte das vezes mal preparadas, sendo por isso
mais nocivas do que otis. Depotito m Parts, L. FRERB, 18, rtu Jmob.
DupencMle; H. Taiorpf. Km ~ n riiitim. Mmrer.
(P
T

Isprntlt
tc*itm
M BM6QH
orm
PILULAS
BfcBUHlNDBlIlSSOK
0 traUmento das affcccoescbloroticas, lymphalieu ou escropholous sempre lens-
simo, e murtas vezes essas molestias resi6ten> as preparaedes fernwinosa ordiaarias. As
indagicdes feitas pelos professores Hannon de BruxeUas, Gensool PetreqoB de Lylo e
Berzelins Trousseau de Pars, tem provado que a cansa d'essa persistencia era a completa
ansencia do Man|anese, elemento qne sempre deve-se abar no sangue junciamente eom
o ferro. Estas pilulas supprem, pois, na therapctiea urna falta importante, e por este
motivo ellas tem merecido a approvacio da Academia de Medecina e da* principaes socie-
dades medicas. Deposito em Pern&mtwco, em casa de Mnra O*.


. t:
I
'I
nxx

____


r'
I
[/
Y
t^bh
Diario de Pernambueo Quarta feira 20 de Janeiro de
1869.
TEMPORAL
Grande liquidacao de miudezas !
Affonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
loja ra do Queimado n. 53, resolvt;u annunciar as mesm; s miudeas para que o pu-
blico se certifique do diminuto preco porque as est veudendo, a saber:
Massos com grampos 23 a .
Pecas de tranca lisa c caracol a
Sabonetes de todos os precos a
80 ICO 200 e '.
Abotoaduras para colletes a .
Botes de louca para camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
deira) a.......
Frascos com agua de Colonia a
320 e........
Garrafa de tinta roxa a. .
Caixas com 100 enveloppes a.
Mantas de seda para lromem a
Fita de sarja para enfeite de
vestidos por......
Frascos com oleo para cabello
a 400 e.......
Laa para bordar, libra. ." .
Escovas finas para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e. .
Ditas muito linas para fatos
por preco nunca visto 400
500 e........
Pecas de babadose entre meios
a 600 800 .e.....
Grvalas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Bico c renda das ilhas a todo
preco. S a vista faz fe .
Pecas de fita de coz com 10 va-
ras a
210
320
160
15000
20 Latas com graxi, duziaa
40 Coques muito bous com rede s
a rede val......
Meias para homcns boa fazenda
a 35600 e ......
Linha de marca, caixa com 16
novel los ,......
Latas com banha (familiia), duzia
Frascos com banha a 320400e
400 Botos para puutio fazenda boa
800 a80 e.......
500 Volta de Aljofro cousa boa a
800 Fitas paia dehrum de vestido a
Caixa com agu ha franceza a
600 Botes de ac pai a colete dnzia a
Garfio com aduletes a .
600 Caixa com perfumaras muito
65800, fma. S a caita val 10*000
3201 12,51000.......
'^ Copo com opiaUi muito fino a
400 e.......
Meias muito fina upara senhora
duzia........
Cartas francezas a 200 e .
Ditas portuguesas a 120 e .
ttencM
lluulem pelas 11 taras do (lia iiiandou-su* wu-
lalinlio Jos na rua das Craatt rascar un' mano,
nao vullou al o presente, consta que dontira na
rua das Chizes acoloiado com outros moloques, an-
da luye, ahi foi visto. .HepreenU ter 9 annos de
idad, cor alaianjada, oIliosrrandes c azucs, cabel-
lo! earapiooc, falla wossa, >ve.u calca e jaqueta
de algodao azul, ja rota, c remendado no joclho
chaiitVisinho de caramba, ja reino ; quem delle
480 der noticia, ou o j>egai." leve-o atrax da matriz da
Boa-vista 11 36, que gara bem recompensado.
1 5300 Obaclian'Iftanisisco'diim Tavares" Lima
IccciAia particularmente o francez e gcographia no
pateo do Terco n. 33, a alti pode .ser procurado por
aquelles que quizerem estudar os mesmos prepa-
Compra-se
una cscrava moca de cor preta, que saiba cozer
e engoniniar bm, paga-so vantjosai.-erte : na
rua do Vigario n. 10, oscriptorio de BaMbar, Oli-
veira A C.
4*000
600,
1-5000
320
500
240
25200
500
100
160
500
160
120
100
15*000
500
35000
240
. 200
ratorios das 5 as 6 horas da tarde.
O advogado Dr. Antonio de Vas-
concellos Menczes de Drummond
transferioo seu escriptorio para rua
do Imperador n. 20, onde pode ser
procurado todos os'dias uteis para os
misteres de sua profissao, das H
horas da manhaa s 4 da tarde.
Caixa de linha do gaz branca 50
novellos....... 600
Frasco com tinla a 100 e 106
Franja de 15a para sapato (peca) 15000
500 Papel de peso muito bom 45000
Sapatos de tranca e outros muitos artigos, que enfadonho seria mencionar.
RUA DO QUEIMADO N.
55
Compra-se o Diario de
Pernambuco ns. 1 e 2 do cor-
rente armo; nesta typographia.
Hethodo Castllho.
Secundino Jos de Faria Sirnoes, professor par-
ticular de instruccao elementar peio .netliodo Cas-
tillio, avisa ao reseitavel publico e com especiali-
dade aos pais de familia, que est aberta a sua
aula desde o dia 7 de Janeiro, na rua da Pcnha n.
2o, andar, aonde recebe pensionistas por preco
commodo. O mesmo professor promette muito se
esmerar no adiantamento de seus alumnos, O
mesmo professor abri desde o mesmo da um
curso de primeiras letras anoite para aquellas pes-
soas que nao podercm frequentar durante o dia.
Instrualo primaria.
A abaixo assigna la competentemente habilitada
recebe, rua do Ar igao n. 5, meninas para o en-
Mno de primeiras letras e de costuras : assegura o
niellmr tratamento dedicacan e interesse pelas
alumnas. Recebe tanibem pensionistas e meias-
pensionistas, tauto la cidade eomo do exterior.
Joseplui Augusta de Castro Fonseca.
Precisa-se de um caixeiro para taberna ou
armazem de sal: ni rua das Cinco Pontas n. 156
Caixeiro
BM rada de ferro do Hecife a M.
Francisco.
AVISO.
Sao convidados os Srs, accionistas desta eom-
panUia a virem ou mandarem |>or seus respecti-
vos procuradores a eslaeo de Cinco Ponas rece-
ber o 10" dividendo de s'uas acroes.
Villa do Cabo 18 de Janeiro de 1869.
G. O. Mann,
____________Superintendente.__________
Memorias do clero per-
nambucanp
Quem tiver a obraMemorias do clero pernain-
tnirano, -- que quizer vender ou trocar por ama
oat! aMemorias histricas da provincia de Per-
nambuco : dfrija-se a tarde ao escriptorio do
primeiro andar dcsta typographia.______
Precisa-se de urna ama que saiba cosinbar e
engammar :na rua da Cadcian. 10.
Aluga-sc o i andar e solio do sobrado da
ruado Arago n. 1,0MB excedentes commodos
para familia : alratar no 1" andar do sobrado n.
50 da rua larga do Rosario.
Manoel Vieira Bernardes. negociante matri-
culado, estabelecido com padarra na rua do Mcio
ns. 21 e %\ da cidade de. Hosanna, pelo presente
scientifica ao corpo cominercial, que ceden o mes-
mo seu estabeleciinento aos seus lilhos Manoel
Vieira Bernardos Jniore Rczende Vieira Bernar-
des, livre e (lesenibaraeado, ticando o mesmo esta-
beiriinento g) ramio na m social de Vieira J-
nior & Irmio, a contar da presente data em diante.
Recite lo de Janeiro de 1869.
Precisa-se de uuvi ama para c isiuhar para
rapaze.s solteiros: na rua do Queimado n. 13.
Fugio do sobrado n. J8 da rua da Cruz no
dia 13 do corrate, a tarde, um papag&io rallador,
levando preso no p es(|uerdo urna correte : pe-
de-se a quem oapanbou o favor de o levar ao
mesmo sobrado que ser generosamente recom-
pensado.
Precisa-se de um caixeiro brasileiro de 14 a lo
.(nos de idade : a ralar na la Imperial, emeasa
de Valdevino da po vina.______________
Precisa-se do um preto para andar com la-
boleiro de fazenda nos arrabaldes da cidade :
quem o tiver dirija-so a rua do Crespo n. 20.
Joaquin Narciso da Silva scientilica ao cor-
no commercial, que desde o 1 do corrente mez
lem concedido a seu caixeiro Juao Jos Oliva um
interesse em seu e.tabelecimento rua do Quei-
inado n. 42, (yrandii as transaccocs do mesmo cs-
tabcleciinento daqiiilla data por diante, sob a ra-
zao de Joa<|uim Narciso da Silva & C. Recife 18
de Janeiro de 1869._______________________
Aluga-se na escrava que faz lodo servico
de casa de familia, tanto externo como interno :
; ira/, da matriz da Itoa-vista n. 26.
Os abaixo assignados par-
ticipan! ao publico e ao commer-
cio que a antiga casa commercial
de seu finado pai, o senhor Jos
dos Santos Neves, fica gyrando
sob a firma de /os dos Santos
Neves & Irmao, desde o Ia de Ja-
neiro do corrente anuo.
Recife 15 de Janeiro de 1869.
Jos dos Santos Neves.
Joaqut'm dos Santos Neves,
Ouro c prata
em moeda e em obras inutilisadas, com ira-se por
bom preco : na praca da Independencia n. 22.
.Na pra\a da Independencia n. 33] loja de ou-
rives, compra-seouro,prata, e pedras preciosas,e
tambem se faz qualquer obra de enconunenda, e
todo e qualquer concert.
OTJREFRT.
Compram-.e moedas de prata e ouro de todos
09 valores, ouro e prata em obras velhas. c pedras
preciosas; compra-se bein na rua da Cadeia n. 2,
debaixo do arco da Couccicao, loja de ourives.
= Compram-se apolices da divida publica: na
rua do Livramcnto n. 20.
Comitram-se escravos corpulentos e sadios
ate a idade de 30 annos, e urna mulato ha bonita
llgura de ii a 16 annos: na rua da Coiz n. 57,
primeiro andar.
Compra-se urna burra (cofre) que seja segu-
ra ; a pessoa que a tiver para vender pode vir Ira-
lar no pateodoTerco n. 63.
Compra-se escravos.
lino de Faria & C., na rua do Vigario n. 24, es-
criptorio, Io andar, corapram estraves de ambos os
sexos, sendo que, moleques de 14 a 20 annos e bo-
nitas tiguras, serao pagos por muito iuais dinheiro
doqueem outra qualquer parte.
Com muito maior vantagem
Compra o Coracao de Ouro, n. 2 D, rua do Cabu-
ga, moedas de ouro e prata e pedras preciosas.
Lagdo para calcadas
A tratar na rua do Apollo n. 4, escriptorio.
1 mENLlM DE VEL \E
N. 3 RUA DIREITA N. 3
Continam a achar-se venda as
pilulas eo xarope alcohlico e ethe-
reode veame, conforme a formula
do finado pharmaceutico Paranhos,
n;i botica de Francisco Antonio das
Ghagas rua Direita n.3; medica-
mentos estes asss conhecidos, e
proficientes a quem soffre de rlie-
matismo, escrfulas, ensipla, im-
pigens, exostses u tumores nos
ossos, amenorrha ou falta de
menstruacSo e menstruaco difii-
cil, etc.
!S;|iffltJ5l
VENDAS.
Cemento de Portla?id.
Vende-se no armazem de Vicente Ferreira da
Costa & Filuo, na rua da Madre de Dos n. 22, em
barris grandes._____ |
FlllIfS
Vendara Augusto F. de Oliveira & C. rua do
Commerei,, n. 42.
Manoel Alves Ferreira & C, na rua da
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
superior potassa da Russia em barris e meios
barris e cal de Lisboa da mais nova que ha
no mercado.
Na rua de Hortas casa n. l,e.Miipra-se jornaes
ou outro qualquer papel que esteja limp
arroba.
k a 44 a
Vende-se urna preta moca, com hal
a tratar na rua do Aragao n. 31
ilidades
Attenco
Vende-se o engenho Mussajba, sito
Amaro de Jaboatao, o qual contem basta
m Santo
ites mat-
9l{ )^liSll@lteatiSl}[ | tas virgens, c proporco para o refazimento de ga-
Precisa-se lugar um moleque, paga-se 14i
rs., que regule 15 annos de idade : na rua do Ca-
Lug, n. 2 R,
O.padre Mam el Barroso Peretra vai a Eu-
ropa.
O abaixo assignado Fu publico a quem con-
\ier. e parlicularmenie ao cor|K) commercial, que
nesta data venden aos Srs. Jos* Rodrigues Feria/ e
Justino Francisco Ilenriques, membros da Irma,
I'erraz A- Benriques, o seu estabeleciinento de nio-
Inados, sito m larga do Rosario n. 23, livre e
(eseuibaraeado de (|(ialipjer debito at hoje conira-
liido.
P.ecife, 18 de jan/Oro de 18t9.
Joaquin Pues Pereirn da S/Ira.
Albino Jos da Cruz, subdito portuguez, vai
a Europa. ______
Alugam-se o 2" e 3 andares do sobrado da
rua de Apollo n. 55, excellentc casa com bastantes
conimodos c bonita vista para todos os lados :
quem a pretender entenda-se com Jos Antunes
Guimaraes. ou Sr. Tliomaz Fernandes da Cuuha,
na rua da Cadeia do Recife n. 44.
Precisa-se de una criada
casa: a tratar na praca da Boa-V
tara servico de
sta n. 24.'
Augusto Octaviano de Sena & C, rua do
Qoeimada n. 2, precisan de um caixeiro de 14 a
16 annos._______________________ __
Quem precisar de um homem solteiro que
sabe 1er, escrever e contar para caixeiro de enge-
nho, annuncie.___________________________
Precisa-se de um caixeiro de 12 a Ib" annos,
e que tenha alguma praticade taberna: alratar
na rua Direita dos Afogados n. 38.
O Sr. Raymundo Remigio de Mello Jnior,
tem urna carta com encommenda vinda do Cear,
pode-a procurar rua de Hortas n. 96, das 6 s 9
horas da manha, ou das 3 as ti horas da tarde; faco
reste aunando, por ignorar-se MU residencia aqu.
Fabrica de carros Sto-
res Gelozias.
DE
F. Poirier.
0-Rna do Imperador--!).
Neste estabeleciinento sempre se encontrar um
raude siirliinento delleloziasiSlen-sjanas) das mais
modernas e de todos os taannos e larguras, com
correales galvaateodas e tambem de fita de linbo;
assenta-se oom brevidade as que forem para dar
ilimeneoes das fabricadas, e concerta-se as mesmas
iwr prco rasoavel.
Atten^ao
Antonio Carlos Pereira de Burgos Poncc de Len
cerno solicitador do foro desta cidade e dos termos
de fra, se encarrega de todas as questoes que fo-
rem suscitadas peante os tribunaes civia, crimes,
eonuncrciaeg e ('eclesisticos, promettendo conti-
nuar a exereer o seu emprego com a mesma leal-
dade, aetividade e dedicacao. 0 anniinciante, pode
aiuda reeeber certo numero de casas conuiierciaes,
por eontracto annual e bem rasoavel. Deve deca
rar, que eostuma dar as contas de despezas judi
eiaes, todas datadas, especificadas e com escrupu-
losa exaetidao. mmn nilrnut os que toem sido seus
constituales. (Juem,pnis, quizer o honrar com na
conflanca. dignar-se-ha procural-o rua das Trin-
eheiras'no pciineiro andar do sobrado n. 48, junto
ao cartorio do Sr. escrivo Motta, para onde acaba
de uuidar-se. ______
GRANDE HOTEL
BE ORIENTE.
Jnaugurou-se este commodo e elegante
sUlwl^intento donde os seus frequenta-
dows poderlo apreciar a especiaiidade na
^orj/ecco dos genero alimenciot;.
As bebidas s3o as mais primorosas e re-
.o/mueiiiladas.
A dweucia o bom servico primara n'esta
casa no bello gosto oriental.
.Maudam-so domicilio comedorias, tanto
.valso, como por assignatura mensa!. Os
presos sao mdicos e convencionaes.
Ha urna espacosa e bonita sala para o
alegante jogo de buhar.
Ha tambem aposentos commmodos e bem
i'rtobiMiados para liospedagem.
Rua larga do Rosario
n.44.
Escola publica nocturna da fre-
o;uozia do Santo Antonio do
Roeife.
O abaixo assignado, professor publico encarre-
gado da escola supa, faz scienle que dita escola se
acha fiiiK'cionaiidu desde o dia 7 de Janeiro cor-
rente e na mesma easa da rua da Detencao n. 41,
onde pode ser procurado por todo aqulle indivi-
duo que, oceupado durante o dia, quizer anoute
aprender a 1er, escrever, contar, arillunetica,
grammatica etc. ou aperfeicoar-se em alguma dessas
materias, lint para que fram creadas taes esco-
las. O mesmo abaixo assignado contina a leceio-
nar as suas borai vagas tanto em seu domicilio,
eomo |wr casas p irticulaivs, alm das materias
que professa, olatim e o francez, para o que tem
litlo legal.
______________Juo Jos Rodrigues.
Cachorro perdido.
Perdeu-sc sabb;ido 16 do corrente as 4 horas
da tarde, quando acompanhava o dono, um ca-
chorro preto, pequeone muito gordo, com os quatro
\ts calcados de br.inco, desapparoeeu as proxi-
midades da iwnte Provisoria; quem o tiver ou
delle der noticia se gratifcala com generosidade,
na rua do Sebn. .4.
Pedido.
O Sr. que ha i dias tomou na loja d'Aguia
Branca as amostras de biccos de guipure,
e enfeites de seda, faga o favor d'as restituir
eve deca- porque de certo lia mais quem precise
lellas.
Precisase de nina ana para comprar e co-
sinbar : rua das Trincheiras a. 9.
= Coinpram-sc oaixas para deposito do assucar
refinado : na rua (la Senzala Nova n. .
Precisa-se de urna ama para engommar c
cosinbar : a rua di s Cruzes n. 19.
Instruccao primaria e
secundara.
Lecciona-se prii eiras letras, francez e rhetori-
ca. nos Coelhos, rua dos Prazeresn. 42.
= Tendoo coroiel Jos Mara Ildefonso trasido
da provincia do Amazonas um casal de iiiutuns,
passaro preto, com a cabeca encarnada; hontem,
segunda-feira 17, is 10 horas do dia, desapafeceu
a lemea. que sahiido do ninlio onde havia posto
dous ovos; e como por mansa estivesse acostumada
a passear pelos quintaes visinhos, na rua do Hospi-
cio, hontem utesmi foi vista pelo camarada do mee-
no Coronel, no mino do quintal do meu amigo o Sr.
Tliomaz de Aquinu, de onde se passou para muro
da casa da.Machaibomba, de onde j mais foi vis-
ta a mutum: o mesmo coronel pede a quem a pe-
gou, que tr tima gratificacao se Ih'a entregar, s
para njo perder o casal, visto que o mutum ma-
cho est muito inq neto pela falta da outra.
Nos, abaixo signados, temos justo e con-
tractado com o Sr Tliomaz Antonio Coimb a, a
compra de urna de suas tabernas, sita na rua Im-
perial n. 195', livre de qualquer debito que o mes-
mo Sr. assim possa ter.
Recife, 19 de jai eiro de 1869. ^
Jos^ires Chaves.
jJM Francisco (fe Sonsa Lima,
O abaixo assignado tendo em seu poder como
depositario, perante o juizo municipal da primeira
vara desta cidade, a preta Mara, de nacao da Cos-
ta, de idade de mais de 50 annos; acontece que no
dia 8 do corrente fugira de sua casa, no lugar da
Boa-Viagcm. e tem os Hgnaes seguintes: quasi to-
dos os cabellos da cabeca sao brancos, eostuma
trazer a cabera enrolada com panno como fazem
as pretas de sua naijo, de altura e corpo regu-
lares, nao tem denles na frente, soffre de comeco
de escrophulas ao lado do pescoco e tem urna per-
ita mais grossa que outra por causa de erysipella.
Roga, pois.o abaixo assignado as respectivas auto-
ridades ou capitaes de campo que no caso de lhes
ser apresentada ou capturada dignem-se manda-la
entregar em sua casa onde satisfar todas as des-
pezas.
Vicente Antonio do Espirito Santo.
E' preciso resposta.
Em vista do annuncio do Sr. Jos Mara
Sodr da Molta, publicado no Diario de lion-
tein, no qual declara que nada deve nesta
praca, nem mesmo fian?a por escripto ou
verbal, pois, conveniente irue declare se
ou nao fiador da casa rua Direila n. 15
que por consideraco o seu proprietario
deixoii de acceta-la por escripto.
= Precisa-se saber se existe nesta provincia o
Sr. Augusto J* de Souza, natural da provincia do
Rio Grande do Sul, e (pie foi furriel do batalhao de
caeadores n. 10 ou II, e depois fez parle do corpo
polieial desta provincia : no escriptorio de Jos
Victorino de Rczende & C, na rua da Cadeia n.
ai, 1" andar, recebe-se as informacoes a respeito
do em grande escala, cujos terrenos de
Attenco
Para se evitar letigios, previne-se que ninguem
contrate negocio algum com os escravos de Jos
Lraade Sigueira Cavalcantc Jnior, hoje morador
no engenho Manhoso do Porto (]alvo das Alagpas,
por quauto se achoui hypothecados e segundo as
condices da hvpotheca se presume vendidos. Os
escravos sio : Honorato, cabra, Mara dos Campos,
crioula, Amador, crioulo. Roino, cabra, Benedic-
to. Angola, Cincinato, cabra, Severino, Angola e
Olympia, crioula,
Hecife, 15 de Janeiro de 18fi9.
Offerece-se
una ama de leite de primeiro fructo, a qual pre-
fere casa estrangeira e sendo tora da cidade me-
lhor, e no caso que seja casa brasileira que saiba
diSerencar urna anu de seus proprios escravos:
quem precisar dirija-se ao pateo do Paraizo loja
n. 13.
AVISO.
0 abaixo assignado, cnsul dos Estados-Unidos
da America, deseja fallar com as seguintes pes-
3oas : Trajano Augusto de Carvalho, Goncalo Joao
da Silva Fontes, Miguel dos Santos Costa," Felippe
Francisco Gomes, Theophilo Jacintho de Souza
Mello, Luciano Alves Gonceicao, (iuilherme Vieira
da Rocha e Manoel Jos Pereira Marinho : qual-
quer pessoa"que podo dar alguma noticia sobre os
mesmos, o abaixo asstgnado tomar como um es-
pecial favor.
Tliomaz Adamson,
Cnsul dos Estados Unidos.
COMPRAS.
= Compra-se um preto que saiba tratar de um
sitio : na rua da Cadeia n. 3!, annazem.
Compram-se 30 pipas com niel (s o caldo):
a tratar no caes do Raines n. 24.
que seja regu-
i5 a 30 anuos,
= Compra-se mu escravo preto
lar coziidieiro, cuja idade regule do
cuja compra realisada para a provincia do Rio
Grande do Sul: a tratar no escriptorio de Jos
Victorino de Retende & C, na rua da Cadeia n.
52, Ia andar.______________
Compra-se
tratar na rua
*
una arinacao ,envdraeada :
~to n. 35.
scrava
Precisa-se comprar una escrava que saiba en-
gommar e coziomr e de boa conducta, quem ti-
ver annuncie ou dirija-se a rua do Queimado
n, 69.
Ferros velhos.
Compra-se toda e qualquer porcao, tanto batido
como fundido: no cae Vmte e Dous de Novemliro
n. 24 (armazem).
Compra-se um pianno ingles que sejanio-
derno ; a pessoa que tiver para vender pode r
tratar no pateo do Terco n. 63.
Compra-se um relogio de auro
fere-sc descoberto : na rua da Cadeia
44, loja de ferragens.
usado, pV
do Recite
Compra-se urna escrava de
de idade, prct. ou do cor : M
Santo n. 19, terceiro andar.
12 a 16 annos
largo do Goro
ilautacao
se acham inteiramente descansados por r ao seren
trabalhados ha mais de 6 annos: quem o preten-
der dirija-se a rua do Imperador n. 24, a tratar
com o Dr. Alfonso de Albuquerque Mello
Em casa de Theod. Christiansen, ru: -do Com-
merrio n. 16, encontram-se effectivame ate todas
as qualidades de vinho Bordeaux, Bourg igue e do
Rheno.
= Vende-se 1 escrava, bonita criould, insigne
engommadeirae cozinheira, com um ludo tillu-
nho, 6 ditas para todo servico amda mtsmo o dt
engenho, 1 escravo moco por 700. 1 i egra boa
quitandeira e que faz todo o servico por ', 30 : na
travessa do Carmo n. 1.
Vende-se a taberna sita na rua da Concordia
n. 95, com anuacao de ainarello enveris ida e en
vidrafada, com soilimento e bem afn guezada:
(pierna pretender entenda-se na mesma t ibMna ou
na rua da Cruz n. .'16, com Braga Gomes 11 C.
Vende-se urna carraca e um carrol
(lepa. tnd.. em bom estado, um cava I lo
muito forlo c bom pegador em enroca,
vende barato: a tratar naruadoCabug loja n. 11
das 9 horas as 12 do dia.
de alfan-
arreado
todo se
Cavallo de sella
Vende-se um cavallo de sella com ando res muito
bons, novo, gordo c bonito, tendo vindo do Cear:
para ver na cocheira do Bento Hespanhol, c para
tratar na rua larga do Rosario n. 24. 1 andar.
Vcndem-se oito moradas de casas de pedia e
cal, na rua Imperial : a tratar lia mesma! rua nu
mero 247.
Vende-se una taberna com pitucos! fundos e
bem afreguezada, tanto para o mato como para a
trra, o aluguel commodo e-tem conimpdos para
pequea familia, a razio da vendase dir) aos pre-
tendentes : a tratar na rua Direita n.
de cera, de maesa, de rame e de seda, *
baratissimos, em porcoes c a retalho : n
zem do vapor francez, rua Nova n. 7.
a precos
i0 arina-
Vende-se um preto de 22 annos, eozinheiro,
bonita figura, um moleque de 11 anuos linda fi-
gura : na rua do Fogo n. 9.
Na rua de Hortas n. I, deposito de charutos
e cigarros tem para vender phosphoros ido segu-
ranca invencao moderna a 2800 o centp.
LEITE VIRGINAL
Este leite branqua a pe le a mais es-
cura e a preserva da seceura, vermelhdao e
borbulhas; exhala os perfumes os mais fi-
nos, eemprega-sp, quer puro, quer mistu-
rado com agua, em todas as circumstancias
do toilette; nao ha nada raelhoii para os
banhos, urna garrafa l->. c duzia 10-v
nico deposito, pharmacia do Pinto.
Rua larga do Rosario junto ao quattel de
polica n. 10
Libras esterlinas.
Vendem-se mais barato do que em outra
qualquer parte: na rua da Cruz n. 20.
Mucamba
Vende-se urna bonita mulata de 16 annos de
idade, vinda ltimamente do Cear prepra para
mucumba, para ver e tratar a rua da Iinpcratriz
n. 2, segundo andar.
Vcndem-se caixas com velas de carnauba
muito claras, do Aracaty, e esleirs grandes e pe-
quenas, de bonita pintura, tudo por preqo comino-
do : na rua do Vigario n. 33.
Macarthy
Machinas de descarocar algodo.
Hoje que est reconhecido que as machinas de
serrote prejudicam e quebram a fibra de algodao,
preciso recorrer a niachinismo menos spero,
que produzindo o mesmo servio que aquellas, e
facihdade no trabalho, nao quebrom a fibra da la,
para que essa possa obter-nos mercados europeos,
a differenca que ha entre o algodao descansado
por aquellas mencionadas machinas, que estao fl-
caado em desuzo, pelo prejuizo que tem causado,
o o da antigua bolandeira, que nao pode competir
pela morosidade de seu trabalho. E' ;sim que
instas machinas se tornam as mais propr as para o
nosso algodao, porque ao par da fa?ilidade e
proinptidao conserva a fibra da la, quo limpa por
ella, qualiflcada na Europa a par da n elhor bo-
landeira, valendo assim entre 10 arrobas 20 0/0
mais do que a la limpa pela machina de serrle.
Estas machinas nao sao novas, pois que ha muito
estao adoptadas no Egyplo, aonde as Ce serrote
foram inteiramente abandonadas, c porlsso o algo-
dio daquella pro edencia, sendo da qu:Jidade do
da nossa provincia, obtem hoje de 10 arrobas 20
0/0 mais do que o nosso : vendem-se a lOjOOO
nos armazeus de Tasso Irtuaos.
Para familias
CiraKde Bazar, na \o a m.tOc
19. do Caruelro Vlanuale C.
Acaba de chegar a este eslabelecimento
grande porco de machinas para costuras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposico de Pars, as quaes cozem com
dous pospontos toda a costura, e tem a
vantagem de ser to suave o movimento,
que qualquer crianca de oito annos fcil-
mente traballia, e pode, com este, entrete-
nimento, levar vantagem ao servico diario
de trinta costureiras. A compix'henso
simples, pois em um quarlo de hora se fi-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes' costuras: posponiar, abaiuhar,
franzir, marcar e bordar, como apresentam
os desenhos que acompanham-nas. Os pro-
pietarios do estabeleciment se encarre-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e
garantem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao traballiar c.jn
perfeco a machina vendida, nao tendo.
porm, soffrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabeleciinento machinas
do autor Growcr A- Baker, de trabalho sim-
plesmente mo, e outras com movimento
dos ps; e mxime todos os pertences das
mesmas machinas, para vender avulso.
Rap Gasse e Paulo
Cordeiro
No armazem de Jos Joaquin Lima Ftairao, a
rua da Cruz n. 18, tem constantemente suprimen-
o de rap Ga^se grosso e fino, e Paulo Cordeiro
commnni c viajado; nao precisa fazer apologa de
sua excedente qualidade, pois ella j de mais
eonhecida, assim como o lugar proprio de sua
venda.
rASmiAS ASSUCJUalS
DO
DR. PATERSON
De liisiiiutli e ma^Ko/ia.
Remedio por excellencia para combater
a magreza, facilitar a digesto, furlilicar o
estomago etc.
DKPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de Bartholomeu & C.
3 i-----Rua larga do Rosario34.
Vende-se urna casa terrea, com ba
commodos, sita na rua da Kslaco, na povoaco do?
Montes, em Una, junto a estco da estrada de
ferro : a tratar nesta cidade com Virgilio de Castro
Uliveira. travessa da rua do Vigarif.
i
Vinho verde
Cadci
la
Vendein S. T. Basto 4 Innaos, rua da
n. 17. barris com superior vinho de Basto.
ALTA NMADE"
A
Loja do Pavlo.
GURliLROES PARA VESTIDOS A I >000.
0 COVADO.
Qtegaram os mata modernos gnrguries
para vestidos, sendo de todas as cdres,COtno
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
rxo c tendo quasi quatro palmos de lar-
gura e vende-se pelo baratissimo proco
de l-)().'J0, cadacovado nicamente no ar-
inazetn de Flix Pereira da Siha, na rua da
Imperalrz n. GO.
Rni.VS l'ABA CALCA NA LOJA H0 PAVO.
Vende-se os mais modernos e memores
brins de linhode todas as cores, outros com
lisias do lado, garanlindo-se serem de linho
poro c vende-se por precos muito em cori-
ta no annazem de Flix Pereira da Silva,
rua da Imperatriz n. CO.
Pechincha em Ai.ronosi>;iio v 3^500
A PECA \A LOJA DO PAVO.
Vende-se superiores pecas i ie algodSosi-
niio com 0 jardas a 5-?5wa pe?a, gran-
de pechincha, na rua da Impcialriz n. 00
armazem de Flix Pereira da Silva.
AS DEZ MIL VARAS DE CAMBRAIASFRAN-
CEZAS SO NA LOJA DO PAVOA800
RS. 0 METRO.
Vende-se lnissimas cambraias francezas
com os mais delicados padrees, tanto mia-
dos como grados, e com as cores mais no-
vas que tem vindo no mercado pelo bara-
tissinwpreco deaGOrs. o metro; garantindo
pie 7 metros do um vestido para qual-
quer senhora, e que em outra qualquer loja
nao se encontrar a mesma fazenda por
igual preco, e sim s na loja c armazem do
Pavfto, rua da Imperatriz n. GO de Flix
Pereira da Silva.
Cassas luglezas a I lO rs o mef ro
Vende-se urna grande poiru de bonitas
cassas inglezas tanto graodascomo niud-
nhas e de cores fixaspelo barato preco de
O rs. ometro,garentindo-sc que 7 metras,
dao um vestido para qualquer Sra. > na
loja do Pavo rua da Imperatriz n. 00 de
Flix Pereira da Silva.
RETALHOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVO.
Vende-se urna grande quantidade de re-
talhos de chitas e cassas pretas por preco
muito barato, e quanlo maior for a porco
que o fregu comprar, mais barato se he
vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
Poli de ehvre a lOOOoeovado
Vende-se pol de Chvre muito largo com
as melhores e mais modernas cores pelo
barato preco de l;jO00 o covado, na loja e
armazem do Pavo, rua da Imperatriz n. CO
de Flix Pereira da Silva.
Machinas de descapotar algodao
Domingos Alves Hatheus tem para vender em
seu escriptorio na rua do Vigario n. 21, superio-
res machinas para descarocar algodao, de todos os
amanhos.
Aos Srs. de engenho
Ha para vender urna exceilente machina de dis-
tilacao, a qual se acha em casa dos Srs. Villaca;
rua do Brum (fuudicito). Para tratar com o seu
dono na rua do Hospicio n. 23, que far negocio a
dinheiro ou a prazo.
Vende-se
Duas pias de marmore muito finas, com fiordes
em relevo, que pdem servir para igreja, ou para
casas particulares, vende-se por preco muito com-
modo : rua Nova, escriptorio de Quinteiro A
Agr, n. 63.
Vende-se
um cofre de ferro, grande e bem fornido
na rua da Cruz u. 23,1* andar. _
a tratar
Venderse
A takeraa sita no becco dos Carvalfaos n. 1, afre-
guetada tanto na praca como fra dola; por seu
dono ter a familia docnte foro da cidade e querer
redrar-se, vende-a; boa para qualquer princi-
piante, e^em commodos para familia : a trata na
mesma.________
Vende-se urna canoa nova
lotir: wmw Imperial n. H7.

A NOVA ESPERANZA
21= Rua do Queiinado "l
L pra presentes
A Nova Esperanca, rua do Queimado
n. 21 tem um vaiiadr) soilimento de obje-
tos de gosto e phantasia proprios para pl-
senles, sobresaltindo entre ellos ricas efcu-
nhas de bano com linas perluinarias, cos-
tureiros de chagrn, agulheiros de madre
l>erola : assim, jiois, quem quizer faz.-t -urna
linda offerta, drigir-se Nova Esperanca,
rua do Queimado n. 21.
Para baptisados
A Nova esperanca rua do Queimado n
21, tem ricos vestuarios proprios para lip-
tisados, sapatinhos, meias de seda e lio da
Fscossia para o mesmo lim.
Hollares anodinos ettectro-magneti-
cos contra as convuledes das
creangas.
Nao resta a menor duvida, de que muito
(ollares se vendem por ah intitulados os
verdadeiros de Royer, e eis porqae muitos
pas de familias nao creem (OBprando-os)
uoefleito promettdo, o |ue s pdoin dar.
os verdadeiros; a Nova Esperanca, porfm
(|ue detesta a falsilicaco principaln- ute no
que respetta ao bem estar da humanidai.;,
lez urna encommenda directa destes collares.
( garante aos pais de familias, que sao os
verdadeiros de Royer, que a tantas cran-
las tem salvado do termal incommodo de
(onvulces, assim pois preciso, que ve-
tiham a Nova Esperanca a tua do Queimado
n. 2! conqtrarem o salva vida, para seus
lilhinhos, antes que estes sejam aconimed-
dos do terrivel mal, quando entao ser d>-
IGcil alcanfar-se o efleito desejado, enAora
sejam empregados os verdadeiros co|)ares
de Royer.
Aos amantes das cacadas
Commodas boleas proprias para os caca-
dores, vende-se rua do Queimado n. 21,
loja da Nova Esperanca.
Preparo para flores
A Nova Esperanca, a rua do Queimado
ii. 21, tem um completa sartbpentode pie-
paros para flores, como seja papel para folhas,
dito para petlas, clice, botes, folhas 'lo
panno o. todos os mais preparos para f< r-
niar-se um ramo ou grnalda, com gosto o
derfeico.
Auna divina
A Nova Esperanca a roa do Queimado n.
21 receben nova remessa de verdadeira
igua divina.
rara extinguir as sardas e
panno
Receben a Nova Esperanca, rua do
Queimado n. 21, leite de rosas, especial
para extinguir sardas e pannos.
Pan alvejar e conservar os denles, re &
hetia Nova Esperanca, ;i rua do Q una lo
n. 21, o verdadeiro poz de rosas c o elixir
lentfiic e o dentalgico.
Grande Hquidacao
0 proprietario d'antiga e liein conliecida
loja de miudezas denominada Hcija F16r
a rua do Queimado n. 63, querendo acabar
com o sortimento de miudezas que existe,
teui deliberado proceder I unta completa li-
quidacao, para o que chaina a attenco de to-
jos.
Os ohjectos serio vendidos pof nielad, de
seu valor, epara que o publico, nao suppo-
ilia, que O presente mntincio una illu
i proprietario da dita, laja, ofleieyc urna pc-
tuena lista de algumaamiudezes, com os seus
'iiminutos precos-como abaixo se ver;
.lito apresentando urna listo completa de to-
dos os ohjectos que estn expostos a venda,
pela razio de se torear uin annuncio muito
extenso < por consequencia de enfadonha Ii -
tui,])or isso apenas lemita-se as seginti -:
1 Duzia de tinadas de linha para
160
:>c;.
80(1
800
:'(i
1.^(0
MO
260
120
000
500
800
400
320
220
400
3G0
280
900
320
300
2300
4000
20600
700
M800
25000
15000
15100
500
tno
15300
15300
400
too
500
: .oo
50Q
I 0
14000
soo
80
;i54O0
500
15000
:100
t 800
240
800
de
fazer croch.
1 Caixa de linha com 30 novellos
I Dita i 30 t
I Dita 10
1 Duzia linha de i ai rilis de
100 jardas
1 bita
00 jardas.
Fita de la para dehrum de-todas
as cores, a peca.
Dita branca
Dita
Peca de fita de linho com 10 varas,
e qeu serve para COS.
Dita i eos
Pentes volitados para menina e se-
nhora.
Ditos muitos linos.
Ditos preto com chapa.
Ditos brancos
Ditos orates.
Ditos brancos finos.
Escovas para denles a 160, 240 e
Ditas para cabellos.
Ditas muito linas.
Ditas para roupa.
Ditas dita de dita.
Pentes de coque com fita a 1500,
r>OOOe
Pentes para coques 1530, 25500
)5000
Peca de franja paratoalha a peca
com 14 varas.
Entremeios bordados a peca 600
Tinteiros de porcelana 15500 25
Oalaios para meninas de escolla
bonito desenlio 800, 15, 15300
Peca de fita de seda para enfei-
jes de vestidos.
Fita de sarja de todas as cores.
Grvalas pretas a 320 e'
Ditas de cores.
Sapatos de tranca tapete.
Garrafa de agua Florida verda-
ira ,
de Frasco com extracto em sapati-
os.
nhDitos com leos.
Dito agua de Colonia, piquenos
Dito, dito de dito de fiever.
Ditos com banha.
Ditos com tnico.
Ditos com oleo lilocome.
Ditos com extracto e banha.
Ditos com extractos diver
Pao de pomada.
Ditos pequeos de pomad
Capellas para noivas muito Ii:' .
Sabonetes, 120, 320 e
Ditos transparentes de bolla 500,
Redes para cabeca
Bandeja 900 a
Duzia de botes de* seda para en-
t'eites de W|jtiftLjI^l
Porceira de contas.


. _..


I
Mm
IPWMII
<)
Uirio de Pe illa] tico Qtuutu feira 20 de Janoifo de 1869.
A0 BAZAR DA MODA
DE
JOS DE SUZA SOARES i\ C.
Rua Nava n. 50, esquina da na de S. Amaro.
PARA O HOVO ARMO BE 189.
Novo BorUmoto dn artirot de moda o luso, receidos pelo ultimo vapor vindo da Europa.
Especial sortimento de oi.jectos para huidos.
Perfumaras tinas dos prineipaesautora.
Luvasdc pellica fresca.*, brancasede cores para homens c senhoras.
Ciiapeoiiuios de palha do Dalia enfeilados, para senhoras.
Ricas enapetina*para senhoras, gorrosdo palha de Dalia para senhoras e meninas.
Especial sortimento de sintos para senhoras.
EulViies d gosto para senhoras.
Fitas de grosdenaple superior de todas as cores e larguras.
Franjas com vidrilltos. bramas, de, cores e pretas.
ciiiai'iiirOes de todas as qualidadespara vestidos.
Vestuarios completos para baptizados.
Golinlias e nimbos enlejiados para senhoras.
Coques modernos, lisos e euteitadss.
BornOUs de laae seda, cores <-lai as, moda elegante para seihoras debont gosto.
Corpinlms de cambraia enfullados para senhoras.
Ochc-nez de la.
Chpeos de sol para honiens e senhoras.
Flores linas, sortimento especial.
Plnm.is elefantes dequalidade superior.
Cintos ricos de palha, alta novidade.
Crinadlas de llores linas.
Camisas superiores para homeus.
Colarinhos o pontos.
tlravatas e maulas modernas.
Henalas da diversas qualidades.
t lateas mudes cora u*tro nefas Je msica.
Fl ires de palha para guarniooci d vestidos, botos. fivelas.Iacos paraenfuttes.
Chapeos do pello dse* pretos, romea lloischild, fazenda superior para homens.
Correntesde plaqu lino, postas b mitos para relogios.
Garoletas do boto gostetpart as raesnas.
('.orientes pretas de borracha diversos modelos pan volta*.
Objectoa para luto. /l
E nrnitos ontros artigas de novidade que s a vista pndem it apreciado*.
Existe continuamente mu rompido sortimento do miudeza:, vende-so por
\C \tVT\lPi\Q. em todas a partes do mondo, empregam, eom 6 maior xito,
Uo JllEil/ILUoj o phosphato de ferro soluvel de Leras, para curar a cilorosis
(edres pallidas-', dores do estomago, e o exhaustacJo do sasgue; com esta preparacSo, dio
ao corpe o vigor, e is carnes, a sua firmea natural; facilitam o desenvolvimcnto to labo-
rioso da puperdade. Com efTeito, ludo, n'cste medicamento, se aeha reunido para lhe
assegurar o maior crdito, pois que entram, na sua composc*o, o elementos dos ossos e
do saneue. O sen autor, M. Leiuts, doulor em scieneias, pharmaceutico, professor de
cbymiea, inspector da Academia, foi, recentcmente, condecorado da ordem da LegiSO de
Honra, digna recompensa dos sejis importantes traballiQS.
As seguintcs aprceiacoes dos mais celebres mdicos ainda vem corroborar e j stificar
todos estes ttulos cenanca publica :
o Precisa ctassificar o phosphato de ferro soluvel entre os ferruginosos que melhor
convem aos doentcs cojos orgSos digestivos supporlam mal as preparacoes de TcrrO.
80\jUUMm,foft*s>r na Escola de medicina e de pharmacia.
t Ophosphiito de ferro *ohi*el em quanto a mim, a melhor. das preparacoes lerrugi-
f nasas, e o scu emprego d os mais prompios e seguros resultados. >
AHAN, medico do hospital Saiuto Eagnie.
t A forma liquida do phosphato do ferro soluvel d-lhe urna mmensa-Tantagem sobre
f as pilulas; eu considero este medicamento como mui superior as preparacoes iodadas.
AUN AL, medico de S. >i. o Imperador.
t Entre todos os ferruginosos, no conheoeraos um s que obre iSo^rompta o efficazraente
como o phosphato de ferro soluvel, e isso, sem cansar o estomago.
BLLOC, BAUME, B1G0T, FOLLET e PREY0ST, mdicos dos hospilaes.
Os effeitos da preparaco de phosphato de ferro soluvel-me parecem ser mui seguros
e promptos. DEIIOLT, redactor eni chefe do Bulletin thirapmtique.
t Entre todas as preparacoes ferruginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a que sempre
me deo os melhores e mais satisfactorios resultados. GUIB0UT, medico dos haspitaet.
O phespbato de ferro soluvel ten, sobretodo, a vantagem de evitar a eonsiipacSo e
f oonTir aos temperamentos delicados. Dr FAVROT.
Deposito em Pernambuco, em casa de Btaorer e O*.
grossi.
e a
relalho
a eOiioffonom presos
BAZAR DA MODA.
Phartmcwtico
laureado MH
. > :-, ; '
PSTLHAS
[DOSESSDIGESTIVAS]
deBURINduBWSSON
fie
inte.
14 *
ft' fel Academia nj
^F ntiicim di taris
*%gy **m&C0H LACTATO DE SODA.E^MAGNElJS]^
Esta* Paitilhas constituem o medicamento o mais aova e o mais raciona] para imbater
todas as affeccoes das vas digestivas. Ellas contem, com effeito, o~acido lctico, am dos
elementos noraaes da digestio, combinado com a magnesia calcinada, enjos bons effeitos
tem sido appreciados por todos os mdicos, a o bi-carbonato de soda, sal que faz a base" das
aguas de Vichy e da maior parte das aguas mineraes alcalinas. Este trplice conjunetc de tres
productos cuja eficacia popular, explica o bom xito que se obtem as gastrites, gastralgias,
sahidat de gazes, tnckaco de estomago, vmitos depois das comidas, indigestes, dores
\d"estomago, etc. Deposito em Pernambuco, em casa de Manrer e c*
PREQO CORRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
Sua Nova n. 23,=Rua do Cabug n. 8
Pernambuco
Cliajins do seda trancada, Pararon, de 1G hastes, 28 pollogadas a 16,-? ; 26
pwllegadas a 15r5, c 24 pUegadas a 14&000.
Ditos do seda
i!o t pollegadas ;i i:i-s
App
G. de N. Bara, de ac, de iOMiases, 28 pollegadas a i'i-5:
e 2 i pollegadas a 2.-K)00.
Hilos de* seda G. de N. usa, de ac, de 12 hasles, 28 pollegadas a I2 ; de
<; pollegadas a II): e 24 pollegadas a 100000.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 bastes, 28 pollegadas a 6,4 : e 20 pollegadas!
a oSOO.
Por duzia faz-se descont de 15 OyO
Chapeos de sol de panno, de baleia, de 8 bastes, 24 e 2G pollegadas a 320
a d izia. (Descont de lu OjO .
Ditos de panno, de junco, 8 bastes, a 185000 a duzia, liquido.
Pharmaceutico
laureado
da acailem a
de medecint.
As preparacoes ferruginosas liquidas tem desde muilos annos merecido a
rova(aj)
academia
medecine
t Pars.
apprevacao
especial dos mdicos, porque ellas ohrJo mais rpido e seguramente do que as pilulas, e
s5o mais fcilmente toleradas pelos doentcs. Os Pos ferro-manganicos possuem a Inappre-
ciavel vantagem de poder offerecer n'um instante urna agua ferruginosa gaieosa, de gosto
agradavcl, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de mais um elemento precioso,
o Manganese, que sempre se acha no sangoe, junctamenie com o ferro. EmpregSo-se em
todas as molestias que tem por causa o empobrecimento do sangue, assim como para vigorar
os temperamentos debis e lymphaticos. A chlorose, as Peritas brancas, dores d'e.lomago,
a irregularidade da menstruacao c amenorrlita ou suppresro do menstruo, ceden-
mente a seu emprego. Dcvcmos mencionar aqu um faci nolavel, islo que os doen
dos pela agua preparada com estes pos csiao muilo menos expostos a recadas
aquelles que fordo tratados pelas preparares ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, em casa de Mtaorer e C*.
^^msm^^^f^smi^m^^M^^f^^mm
rapida-
es cura-
do que
ata mnsic&s mOiiares.
Completo sortimento
RUA NOVA N. 50, af
Esquina da rua de Santo Amaro
30 i t ceojo menos que em outra qualquer parte vendi-m
do mais acreditado autor Gontrot Aiuea Paria.
JIM MOTA ]. 50
ESQUINA Dfi RUA DE SANTO AMARO.
JOS DE SOl'ZA SOARES G.
VERDADEIRAS
PILULAS DE BLANCAR
COn IODURETO DO FERRO INALTERAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.|
Possundo as propriedades do lodo et do ferro, convem especialmente as Afi'Eccos
escrofulosas, a Tsica no piincipio,] fraquezade temperamento e lambemnos casos de
Falta de coa, amkmikhiifa, em que precisa ragir sobre o sangue seja para [restituir
lhe a sua riqueza e ahundencia normaes, ou para provocar e regular o seu curso peridico.
K. B. 0 iodurelo de ferro impuro ou alteraJo nm medicamento infiel,
irritante. Como prora de pareja e de aothenridade das verdadeiraa Pi- jt
tea de Maneard, deve-se exigir noso aclla de prata reactiva ty/
no;=n flrma, anni reprodnziila, que ee a-na na parte inferior de nm
roturo verde. Deve-se desconfiar das falsificacos.
Aeliam-ae em todaa ai pliarmreia.____Pharmaceutico, roa Bonaparte, 40, Poril
TASSOIMAS
Tem ]>ara vender cm seus annazens, aldni de on-
tros, os aegnkitea artigos :
Papel para imprimir. r
Pcrlina azul.
Greve pautado e liso.
Viiilios em eaixas de doze garrafas
Bourgogne.
Hery.
Madeira.
lli'iinitagc.
Chamblis. .
Licor de curarn de Hoilwda em eaixas de vin-
te e quatro botijinhas.
GE8S0
Nosarmazeos de Taoolnnaos
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Irmaos
% It III\IIOS DE FERRO
Para sen-icos de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou caxoe.) de um para outro, lado pelo
mdico preco de 12|000 cada um.
Fariiilia e trigo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
lana e grando sortimento das inelliores mareas de
l'arinhas americanas.
Saceos de fariiili de trigo do
Chile
Todas novas, chegadas ullimammtc nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
j Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento liydraulico \'2b
0 melhor para ludo- que sao obras para agua, co-
mo assentamepto de 'canos de eeajato, algerozes, de-
posito, tanques d'agua, etc.. etc.: em porcSes de
rincoento barrica-: se far reduccao no preco : nos
armazens de Tasso Innos.
Cemento Porlland
0 verdadeiro cemento Portland em casa de Tasso
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
Be diferentes qualidades para cercados de ani-
|maes. ebiqneJrospan galiiiliasoujaiilins: nos ;n-
maxens de Tasso IrmaM,
Barris com breu
Nos armazens de Tasso Irmaos.
CANOS DE BARRO
ama Nova de Santa Rita, naantipa fabrica de
sabio, ha para vender por prego o mais mdico
poasivel, canos francezes para edificacoes eesgo-
Ins de toda a qualidwle, superiores a todos os que
aqu tem apparecido pela sua solidez.
PRECS.
1/400 por cano grande de 3 e meia pollegadas.
15200 por dilo de i e tres quartos de dita.
1 iiHKI por dito de 2 e nm quarlo de dita.
300 rcis por pistoleta de 2 pollegadas.
Cotovellns,corvase canos de maior grosstira.a
vstase far o preco. Compras maiores de I00J
tem .' por cento de desconlo por prompto paga-
mento. Pde-se ver as amostras nos armazens
| de Tasso Irmaos.
lijlos francezes
Para ladrilhar casas terreas com asseio c preces
mdicos, milito convenientes c proprios paraladri-
Ihos de cosinhai e.n sebrados, peh o fflswo e
evitar apassagem de aguas para o andar inferior
Bmesmo operigodefgo, aos procos de 30S(M.R)a
15000 o mhoiro : na rua Nova de Santa Hila, na
antiga fabrica de saba, e compras maiores de 1004
-clara.") porcent-i de descont por prompto paga-
Diento. Podam-se ver a> amostras nos armazens
de Tasso limaos.
Velas de rsparmacele Terdadeh*as para lin-
ternas decanos: imarmazcm de Tasso Irmaos.
Yiiilio do Porto lino superior: no armazeni
ie Tasso firmaos.
PARA A FESTA.
Facas e garios de lj;ilanro de 1 botao a
4Sr700 a duzia, iilnu ideo de -2 botoes a 8)J,
idem idem pai:a soln'e meza de 1 bolo a
4^S00, idem idem de botoes a 50, todas
em perfeito estado ; assim como bandeijas
finas e de diflerentes tamaitos, collieres de
metal principe, trern para cosinba, ferro
para frisar vestidos, bacas de metal de 20
a 36 polegadas, proprias para banho, es-
pingardas de 2 canos finas, assim como pe-
zos pelo systema mtrico adoptado ultima-
mente peb cmara municipal, alm de ou-
tros mtiilos objectos tendentes a ferragens
e miudezas, que se vendem por barat pre-
co, na rua Direita n. 33, loja d.Braga.
kranca
i
AO TRIMPHO
um
o que
Est a exposifao do respeitavel publico neste importante estabelecimenlo
lindo e eompleto sortimento de fazendas chegadas pelo ultimo vapor da Europa, i_ ,
a honra de annunciar aos pais de familia, assim como ao bello sexo, a quem o
Triumphopcde suaattenciio: garantindo sempre em sua nova loja o gosto de fazendas c
novas modas e modificaco dos pre?os, para adquirir asvm])athia de quem dera honra
ti.- procurar o Triumpbo.
Lindas sedas de cores novo gosto a 2*fJ00 e 2$8000 o covado.
Glacet de seda e 15a apurarlo gosto para 1^500 o covado.
I.aa/.iolias com listras de seda para H200, 1^000 o colado.
Ditas de lindos padroes para 500, 700,800 e 900 rs. o -covado.
CambraJas brancas de 4^000 at 8-$000 a peca.
Ditas de cor novos padroes de 6*0 e 800 rs. a vara.
Saias de la com bonitas barras,
lialoes de la c murcelina c de arcos.
Rasquias de gros-de-naple de 22?5OO0 a 4044)00.
I Iros-de-naples pretos de 2(J000 a 4,5500 o covado.
Ditos de todas as cores.
Or^audiz branco.
Brilhandnu brancas e de cores.
I.sparllios e eutre-meios bordados.
Meias linas para senliora e para homem.
Aliin destas fazendas tem um completo sortitn nto de chitas escuras h cknfl
dapoloes, biamantes, atoalbados, toalhas delinho e dealgodao, e outra's muitas fazendas
qdese vendem por precos queso a vista o comprador se poder desengaar queso no
Triumpbo poder comprar bom, e com economa.
PARA HOMENS.
Bonito sortimento decasemiras, brins blancos e de cores, camisas de linbo e algo-
du, ciroulas, mantas e gravatas do que ha mais moderno, chapeos de sol' de seda e alpaca
f outras muitas faeondas que vista se podero agradar; e manda-se fazer qualquer obra
de alfaiate para o que fcm um hbil mestre, p preco em tudo, s encontram no Tiitimpho ,
ua do Queimado n. 7. '
Conservadora de sua inilivi-
dualidade, auriga do
progresso.
Os labyrinilios da Es per anca
A loja de miudezas da rna do Queimado
n. lili A, vem apresentar sua escomida
freguezia tun artigo que at lioje custava
muito caro, e por isso s cbegsva para a
classe mais abastada da sotiedade.
Toa3lis de !a;>yi'uhos
Perfeitamenle guaes ia que se fabricam
no paiz por urna xbaa parte do valor d"el-
las viudo a esla loja, ajuveiar a pereeo
reunida a economa, (nem sempre possivel
isso).
As toalhas teem um circulo de lindo de-
senlio e no centro se le em caracteres matas*
culos a allegorica nscripco. A' baptisar.
A' passeio.Meas cuidaik*.Lembran-
ca.Visita.
Ningoem porcerto deixar deircomplet;;r
o enxoval do lindo ilho para fazer economa
de 15ou20,esses nadas de que se compe
o guarda roupa dos recem-nascidos ipta-
si sempre licam aos extremosos cuidados
das mis, a essas a quem e Esperanca se
dirige, para quem desde j dspoe-se a dar
amostras e certa est que pelo preco nenhu-
ma deixar de comprar.
Fronhas
A Esperanca, tambem receben fronhas ni)
mesmo gosto das toalhas que HOm pete ba-
rato preco de 300, o que custava 10?* I I
aprecia e se ligardes imuoi taneia ao cou-
fortavel da vida,, sem dtivida comprareis
LOJA DO GALLO VIGILASTE
Rua do Crespo n. 7
Mandan vir de sua corda e acaba de ir-
ceber pelo ultimo vapor. compleBo sortimen-
ot de objectos de novidade e phmtasia, os
qttaes eslao resolvidos a vender por precos
nimiamente baratos, para assim iinimar aos
concurrentes e ao mesmo lempo dar sabida
ao grande deposito ne tem: islo ruado
Crespo n. 7, loja do Dallo Vigilante.
Collalbas, punhos e camisinhak para se-
nliora, fazendas de goslo e novidade.
Finos vestuarios para baptisados. assim
como touquinhas, sapatinhos e meiasinhas
para o mesmo fim.
Grande sortimento de bicos e rendas de
croch e d outras muitas qualii Mies.
Superiores eaixas com msicas e sem el-
las, tendo o rjeceisariq para costuras, pro-
prias para um delicado mimo.
Finas eaixas com lentos e sem ellos para
voltarete.
Agulhas para machinas de costara.
Ditas para croch, sendo de ato, marfim
e outras muitas qualidades, assim como li-
lil i> para o mesmo msler.
Finas grinaldas para noivas.
Meias de borracha para quem soffre de
erysipella, assim como mtias de la para
os que soffrem de rbenmatismo.
Suspensorios para homem e meninos.
Finos penles de tartaruga para coques J.j
de outras muitas qualidades e para entras
misteres.
Dedaes.de madreperola, marfim, osso,
ac, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome para ungir
O melhor cnpnac Gauthier Freres: noarnia-
om de TaS Iriiiauf.
Esteiras da India
Em caca de Tasso Irmaos vendft-ae asttna da
India de diversos padrOes e larguras, por pn(0
coniruodo.
Tabellas vermicidas
cabellos, dando aos mesmos a sua cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas perfumaras
ilns memores fabricantes, assim cerno mui-
----- -.-...,. t -. .,, ..... o, vuuiiii ui vu -------------------------------' ---------~~ rjw y ----- -_-
neste bello paiz iiinguem se faz pobre dis- los outros olijeCtos que impossivel des--
DOENCAS das CRINCAS
XAROPE de RBANO 10 DADO
DE GRIMAULT E.OHABMACEUTICOrEM PARS

digeio. rtauuie os teeido* a tn. irme* e rigor Mtorw/? di SreoStStMto. rnadte!
epeculutt para combater u diversa alTei^es da pei1. nmrnao petos meaja
Deposito em Pernamhuro, em com de |
pensando 15,-? ou 20000, com 6 acceio o
belleza de que se decora a habitado, as
vezes no que menos pensamos, entretanto,
como diziam nossos maiores, a sepultura da
vida : ainda as senhoras a quem a Espe-
ranca se dirige, lima senhora cuidadosa
do nada faz a casa. _
Rua do Queimado n. 35 A,
a3s>aaa5-@a
crever: isto s na rua do Crespo n. 7, loja
do Gallo Vigilante.
Collares Rover elctricos magnticos con-
tra as convulses das criancas e para facili-
tar a dentinco das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo reeebedor d'ostes prodigiosos
collares e contina a ter sempre grande de-
posit, rua do Crespo n. 7.
DE
Antonio Nunes do Castro.
Vermfugo efficaz e prefer ve! todos os
conliecidos j pela certeza de seu resultado,
e j pela fcil applicaco s criancas, qtiasi
sempre mais atacadas de lao terrivel e
muitas vezes fatal soffrimento.
nico deposito,
Pharmacia de Barthr.lomeo C.
3 irua larga do Rosario34
FUNDIC DO BOWMM
Rua Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Mocndas de canna.
Taixos de ferro, Ijatklife fundido.
Rodas dentadas, para moer com agoa.
vapor e animaes.
E outros muitos objectos, etc. etc., pro-
prios para agricultura.
GAZC4UAZ
Chegon ao antigo deposito de Ilenry Forster &
C, rua do Imperador, um Uarrcgamento de paz
de prinieiraqualid:nlf;oi|iial se vende em partidas
e a retalho por menos preco do que em outra qual-
quer parle.
Tintura japoneza
Instantnea para lingir os cabellos e a
barba, a 13000 o frasco.
E' a nica approvada e reeommcmlada
por ter sido reconhecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
venda em casa de Gustavo Hervelin n.
Si. rua da Cadeian. 51.
A loja d'aguia
o receptculo das modas e ne-
vidades.
A apiiia branca tem-se feito t5o conhecida <
arredilada, nao t pelas unidades, variedades, 80-
[ierioriiladi> e abundancia de seu sortimento, comci
pela constante conimodidade de seus jirecos, e mes-
mo pelo seu asaai e nunca olvidado agrado e siuee-
ridade.
Essas verdades ineontestaveis sao sem dnvida
apreciadas polo'Mo sexo rni particular, e pe
respeitavel publico em gerul, e a tanto tem cliegadi'
que estao quasi passanio como annexim ou pre-
verbio, (piando se vi'- um objcito de elegancia,
gosto, novidade, ele, etc., dir.-se logoaquelte ob-
j'-do sem duvida foi comprado na loja d'aguia
bi'anca.
Quaudo no club, nos bailes, ou no salao *
Sania Isabel, una exrellenlissima se aprsenla
rnrlHis iiiM-nti-trajando, trazendo o moderno rinlo
de mui larga fila. lisa, cbainalotada, ou escossea.
as suas admiradoras dizem comsigo aquella lita
foi comprada na loja d'aguia branca.
Quando outra excelliniissiina, nao menos gar-
bosa, mostea o rigor de sen bom gosto na acertada
escolba dos eafeM de alia novidade que bella-
menle ornam sea vestido, ainda mesmo as rivaes
de sua svmpatbia coiife-samqueaquelles licites
foram da loja d'aguia branca.
Quando n'oulra exccllcnssima, apezar da sin-
geflen de sen parte agradavcl, se vem as bonitas
uvas de pellica duqueza as suas bellas ami-
gas lonvam-llie o gusto e (OnfMMfl qacaimclla"
luvas foram ila loja d'aguia branca.
Quando mewno duns excillentissimas, antigs
amigas de collegio, se encntralo p&quelles loga-
re*, (epois dos cimi|irini-i!(o> de recprocos beijos.
ambas por forca de miu elevada delicadeza, gabam
una a outra os agradan is chelros de que usam
em sens finos lencos, e cada urna das quaes orgu-
lliosaspelo elogio do aceito de sua escolba, e com.
que querendo por i niesma justificar dizem simul-
tneamente verdade. que estecbeiro foi compra-
do na loja d'aguia branca.
Ainda mais.
Quando hontem os pais afllicios sentiam o rigor
da denlicao de scu charo lilbinbo, e boje alegres <-
salisfi itis pelo feliz reslabelecimcnlo recebem a>
visitas dos seus melhor amigos, dizem aquelles a
estes, foi Deus que me inspiranpafa que con'pra-
se, como comprei, umdi'sses virtuosos r liare-
llover, que se vendem na loja d'aguia branca.
Alm do multo mais que ainda
falta dlzer.
Quando cm um circulo de circemspectos carac-
teres SC discutir a veracidade de taesdoeres, appa-
recer mu outro qje trocir ainda levemente inier-
roraper a dlscussao, os prtmeiros per memento es-
quecerao a circumspecrao e Ibes ilarao um gra-
cioso debique dizcndo-lhesJ sabemos que V.
nm daqueUes que inclina o chapeo de sel on qac
mereca ser designado jirla aguia branca da rna
do Queimado p. H.
Sao tantas as censas que por
limas cscapam as outras.
J la esanecendo a aguia branca,mas em lempo
lembron-se para noticiar, que recebcu urna pe-
quea quantidade de enfeitcs para coquea e grani-
tos para ditos, ludo feito de metal com lindos i
agradareis coloridos, i bras estas pela primeirt v./.
anparecidas, o portantoimeira novidade.
Tambem cliegaram novamente delicados enMcs
e flores ornadas de aljofares c vidrilbos, tente de
pallia para eoipies como para vestidos, p indo
conlimia a merecer a apreciacao das excellenti-si
mas eonhecedoras do bom.
Vende-se.
Um baleao em bom estado : na rua da Cadeia
do Becife n. 22.
Vende-se' ou arrenda-se o engenho S.
Gaspar, sito na freguezia de Serinhaem* co-
marca do RioFormoso, prximo do enibar-
qne, com grandes partidos de pal, e ms-
sap roda da moenda, matos e mangues
para madeira necessarivoompasto,etc::
tratar na rua do Imperador n. 80, ou rua
da Florentina n. 28.
CURA DOS CALLOS. Pharmacia de Barmolom'eu
PELA
Pomada gaionpean.
Deposito especia!
Miarmacia fle Brtholomeo d c.
34------Rua larga do tomo------34.
Sabonetes de alcati'o
ME
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que lo boa
acceitaco tem merecido tiesta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens, sarnas, caspar e ludas as
iliolestias de pelle.
AGULHAS
para machinas de costura de firover & akor:
34rua larga do Rosario31.
i-
Fai'klia de maudioci.
lampara vender Joaquim Jos Goncal-
ves Beltrio, recentemente chegada ie San-
atharina. a bordo do patacho portuguez
0mt, Tundeado defronte do trapiche do
fim. bar^o do Livramento e para tratar
com o mesmo na rua do Trapicbe n. 17,
0% a bordo do referidoUWto.
NOVIDADE
A loja de Coelho d- Oliveira na do
Queimado n. 19, recebeu pelo ultimo vapor
um bello sortimento de baloes de diversos
srstemas, os mais aperfeicoados que teem
vindo ao mercado, sendo :
Baloes de guipur com tiras chamados
reguladores, "ditos de musselina abertos por
arribos os lados, de modo que sendo lodos
de um tamanho servem para qualquer se-
nhora, de la de cores, com tiras, e as se-
guintes fazendas:
Saias de 15a com bonitas barras.
Chales turcos de seda e 15a Beatriz de
Tendas.
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, muito In-
dos.
Lasiuhas
Sultanes, Poil deChevre, Tricte, dito de
xadrez e outras muitas, entre ellas urna
Especialidade
Lia pura de cores 3<5d rs. o covado.
Basquinas a Mara Antoniete.
Cambraias fantazia.
Ditas brancas transparentes e Victorias.
Colxas adamascadas.
Cobertas chinezas a SMfOO rs. e eutras
muitas fazendas que trnar-se-hia enfadonbo
annunciar.
LOJA DO PASSO.
Raa do Crespff k. y a. esquina
la So Ini|HM-aIoia.
0 dono desteimportante estabelecime&to.
tendo iciebido de sua conta, polo vapor
franeex. Extaemedure-,diversosartgosdealta
novidade proprios para a festa, eeonMW nV
que sen estabeteenenw se acha bem soru-
llo, principalmente cm artigos de moda, pe-
de ao respeitavel publico e em particular
aos seus numerosos freguezes a Unidad.-
de honra-lo com sua conlianca. garantindo-
lhes seivm bem servidos e por precos ni-
miamente baratos. Venliam, pota, todos
comprar novas e lindas fazendas lioas e de
alta novidade, com bem:
lliipiissinios cortes de Monde.
Hiquissimos cortes de setl.i ile cures.
Sedas de lindas cores para covados.
Moire-antique azul, verde, branco e ate-
to.
Grosdwaples azul, verde, branco e pre-
to.
Gorguro branco e preto.
Setim branco macau.
Cortea de seda com duas saias.
Cortes de la escosseza com duas saias.
Cortes de la e seda, novidades.
Poil de chevre de Kndas cores.
Alpacas de cordo lindas cores.
Ditas lisas de todas as cores.
Cortes de vestidos de cambraia bordado-.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linbo com lindos bordados.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Chapelinas de palha da Italia.
Ditas de sedas de cores e prelas.
Knfeites para cabera de senhora.
Coques de todas as qualidades.
Basquinas'de seda enfeitadas com priinor.
Logues de madreperola, marfim, snda-
lo e osso.
Camisas bordadas para homens.
Colchas de algodo e seda para cama.
Ditas de crochet para cama.
Pannos de crochet para cadeiras e sof.
Chpese de sol d seda para senhoras.
Esprtbos para senhoras.
Toalhns de labyrinto.
Lencos de labyrinto.
Fronhas de labyrinto.
litros, rondas e grades
Finissimas cartnVaias de cores, percales,
las e outros muitos arligos de gosto e no-
vidade.
Loja do Passo rua do Crespo n. 7 A es-
quina da do. Imperador.
= Xeg'k-*6 WB *lnar ton seusperteuces : na
Para armazens a retalho.
1 Campos da ru do Imperador ji. 28, ten para
de medidas de estanho
para li|uidos, e de madeira para seceos, pelo sjs-
tema mtrico decimal, pelo qual esto os ne;oran
retalho obrijadps a, vender sua ri>.
a contar do Io de marco do coiTente anuo. 0 an
nnnciajite avisa e garante aos'tjne fle taes meflflhs
neeesltam, que osa estas as mais exactas, p
quanU sao feitas em Pars, de conornndaite s
o mesmo com outras que que sen-
do da mesma capacidaife, deversifteam de modellu.
vindo offerecer duvida no inos compradorc
con tos vendedores.
"^mmmmrmn




.......I*
"Diario Je Pcrnambuco Quarta feira 20
!
i -i

rt
' ..

--------------'~
GRANDE LIQUIDACAO
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
(i
Nr-HMst m isagBiMrcaiia-a. m
Flix Pereira da Silva, succesaor de Gama
& Silva
0 proprielario d"estc estabelccimento convida ao respeitavel publico desta ca-
ncsta casa poder
W
ro aberto constantemente desde s G horas da manlia s 9 d i noute.
O atoalhado do Pavo.
Vende-se superior atoalhado de algodo
coa 8 palmos de largura, adamascado a
,$90 a vara; dito de liuho fmula muito
sporior a 3,$i00 a vara ; guardanaposde
tinlte damascados a 4$yOO a duzia e mito
tinos a 8,?000, e ditos econmicos a 34900
.i duda.
frorhs para cadelras na loja do
Chegaram os mais lindas panos ->U cro-
rM ou guarda liantras, proprios para ca-
leiras tanto d'cncosto, como de halanco e
de guarniro, c. ontros eompridos para so-
la, assim com* ditos redondos jara mezas
redondas, .titos pcqnetios para ahm dadas, e
M.VDAPOLO A 3:300.
Vendem-se pecas de madapolao fino wm
12 jardas pelo barato preco de 3:500 a peca,
dito com H jardas a 7 #000, na ra da Im-
peratriz ruCO, ar.uazem de Flix Pereira da
Silva.
i .asfnhas
A doce vintens.
A doze vintens.
A doze \intens.
Vdem-se la iotas de cores muito bo-
nitas com desenhos miudinhos e grandinhos
cour listinhas e pintas pelo barato preco de
2i#ris o covado na loja do Pavo, ra da
Iiwppratriz n. 00, de feliz Pereira da Silva.
AS CAMBRA1AS DO PAVO
Vendem-se fin simas poras de carnbiates
Idos para col*rir presentes,-teiio pequeos Jfaas transparertrs tanto inglezas como njn-
;rt para cohir nm prato, que se vendem as tendo mais ce vara de largura, pelos
nor preco mrito ere conta, na loja e arma-grecos de 3O0O ale 10OOO a peca, ass:m
em do Parts ruadla Imperdfciz n. 80, de i como tinissimos organdys branco liso que
Flix, Pereira da Suva. sene para vestidos de bailes, por ser muito
! transparente a 1*000, a vara, na loja do
Postos para vestidos leanc#s
att-tO.
Vendea-se ts mais modernos fustoes bmn-
os llexiveis un padies de listas e de
lpicos proprios para vestidos e roupas de
inenino a /em do ftevle. rua da Imperatrizn. 0>, di
Flix Pereira da Silva.
Organttys
Organd-y-branco liso, muito fino e 800
rs. a vara': dito com quadros ou listas, fa-
/enda multo superior a 1?5 : fil te linlio
branca gi m palminlias, fazenda muito lina a
O rs. a vara.
Cirosdenanles
Chegcu para a loja do l'avao pele ultimo
\arprum grande sortimento dos melliores
rosdenaples prtos e de cores, tendo verde
amfecm, que se vendem mais barato que
-m entra qualquer parte.
lencos blancos a l600 a dazia
Vendem-se lencos brancos de caabraia de
ddio a 1.^000 e 2 rs., ditosfle linbo a
:ijG0 e 'i> rs. a dada, na loja e armazem
do Pavo ra dahnperatriz n. 00, de Flix
l'ereira da Silva.
CHALES A 2->000.
Tendem-se chales de merino -com boni-
las barras, pelo batftissjmo precede 2 $000
2*00 rs., na loja do Pavo ru da Impe-
ratriz n. 00, de Flix Pereira da-Silva.
PF.CIIINCHA A 3:500.
Cortes de la 3:500.
Cortes de la a 3:300.
Cortes de la & 3:500.
Lazinhas a 280 ris.
Laziuliss a 280 FOtS.
LSanaas a 280 sis.
004 Pavo.
S e Pavo.
So o Pavo.
I'avo ra da Inq ratriz n. 00, de Flix Pe-
reira da Silva.
FUSTO BttA!\CO PAIU VESTIDOS A 640
Na lojf. do Pavo vei;dem-se os mais mo-
dernos l'ustes Brincos de lista e cerdao
muito eiicorpado mas muito flexrwfl, pro-
1! prios p*ra vestidos,roupes, penteaderes etc.
iic.e roupaparaaicuinos, pelo baratopre-
! co de OiO ris o covado, na loja e armazem
ile Futix Pereira a Silva.
SEDAS COM LISTINHAS A 3*00q o
COVADO
Temos novidade na Ierra !
porm ninguem se espante
.A cousa nao de dar cuidado,
Faz sempre a sua admiraco,
Mas nao oll'ende a ninguem,
Agora nao se lembrem de novo incendio no pjtt'diejro,
Nem que houve explosao na matarabomba,
Nem que 0 preto Tbomaz fagio da Dotenco,
No que o vapor chegou embantleirado,
Nem que a FRAGATA \M\ZON\S vi
irou o S.
Nao se trata disso
* Ser ulijHMJius de paz que <\mr pmsar o mdr o sjeu subs
titulo cm consequencia de estar altolida a, vara ?
NAO SEMIORESTenham paciencia -Espeiem
Nos vamos dizer do que se tratanao com aquriles modos que feuna o)
russo, Sr. Antonio omingues, quando reconhece que jm algmn livro sem principio nem timmas siiii com aquell*> maueiras ass7. delicadas que
sempre se encontram no perfum<>so ninho da sympathica Aguia-Brawca : assir
attendam: -^
J.
Amigos de fallar o estomago agradavchuciAe wnha ra da Imperatrizolhrim
para asa que tica em tnttt m magnifico catolhem..... othcM Nao veem ?
1 \MI1S-
0 BOM DEMONIO
Agora iigam^miigo:
i "im se beiiz.iio
x HJoe peior
< Fipieni li.'in qwHos
Que niellior.
Mulhor, temouw |ue i4a^orta !
Mitihor, tmonio liei te amar-te
BASTA
Fallemos niuito &eO
AT.UIKEK1 DE MOCHADOS esquina da ra da Aur-era defrontc to sumptueso i }if Im-
pera&niz; oimansavcl proprit'turio desse importante estabeleciment aoba^fe
f'.o qoe iia demaais superiore digno-de urna casa de^t oVdepi.
EstC'itleressaiUe ostabeletiimeJito se torna saJ*'ute, ii3o-.MftSfl wa otliiui
ilaiic,comoipelo foiT.msoeencantaikM" emblema que < assiguala -Tede-oTormos
^naiKtadora-Haaga que se espellKi as aguas donosseamemi Ciplfearibe, ecomo qje desa-
tanflo o riso para a altanetra Oliuda qwe alm se mitfa garbosa e f-entil repleta da
pe6>(uu;a'iii5m breve gosaros mais gratos jmsi>kife.< que Ihe -sei-ao levailot pela
se ha no nasrfdouro.
Assim. pois.
ALTRS NOTTDrDES!
PECHINCHAS
Ifovaiftente ehegadas ao armazem
. trafia de fera que s
\enem-se as mais modernas-seftas dej
listinhas para-vestidos, chegadas pelo ultimo
vapor com as cor3S mais modernas que tem
S?5 ^SSTS Hn^S,0 f Veifea toda a p^laco do Recile mt -o admirar a bella phvsionomia
3> rs. o covado na ra da Imperatriz n-i-n_ti/YMin
60 de'Felix Pereira da Silva.
Alpaeaslavradas
diegaram pelo ultimo vapor asmis mo-
dernas alpacas labradas com as m;ris lindas
cures, (pie se vendem a 4 #000, o covado,
ditas lisas tendo tambera cor de caima a
800 rs, ditasesdadas muito finas a 1:200,
o covado, e outras militas fazendas de gosto
e moda que se vcndem mais barato do
Que em olra qur Iquer parte, ro armazem
do Pavo, na da Imperatriz n. 00. de Flix
EPePMm da -SiKa.
QRGAiN'DYS DE COR
Vendem-se organdys de cores com pa-
firoes miudinbos em assentos brancos e de
oores pelo ;baratissimo preco tie 300 rs, o
covado, finissimas cassasfrancezascom deli-
cadas cores e bonitos desenbos a 320 rs. o
covado e ditas a 300 rs, na ra da Impera-
triz n. 00, armazem de Flix Pereira da
Silva-.
Roupa i para honteni
Vendem-se sur.eriores palitts de panno
sobrecasacos fon ados de alpaca e de seda,
amisas inglezas e francezas com os peitos
DO
DE
de esguiao, oeroulas francezas fie linhoe al-
godo, meias cruas inglezas superiores, ci-
Vesdem-se bonitos cortes de lazinhas insas j0 flanella e de meia de fiia, assim
travestidos compadros inodemos tendou-omonesteestibelecimentoexisteuingrande
ada nm corte I i (ovados pelo barato pre-- sortimento depar nos pretos, e Se casemiras
o de 3:500 rs, aosim como ditas em peoasjinglejas de cores, e que se maada fazer
que se vendem a 280 rs. o covado, sendo: ^ualquer obra a contento dos fir*. fregue-
jrai.'de pechincba ni loja e armazem do Pa- |,t.s, e promeTu!- se-lhes que serea servidos
\o ra da Imperatriz n. 00, de Flix Pe-ieom a maior promptid5o e muito mais ba-
i-eii-a da Silva. eatO do que em outra qualqner parte
RABiDINHOS lita ra da Imperatriz n. 00.de Flix Perei-
Vcndem-se linissimos babadinltofi, tiras | r& da Silva,
iordadas e ntremelos, mais baratosdo que | i titlnadoM
m outra qualqner ptrte, assim c.omo espar-
iilhos dos mais modernos, no armasem de
Felk -Pereira da Silva, ra da Imperatriz
o. O.
PAREDES PORTO.
Tendo-nos begado uHimamente foiendas inteiramentc novas, bonvida-
s->s por este meioaorespeitavel.publico a que nos procure comprar fazendas de
hmt gosto por precos que nao afear em outrequalquer parte.
-faenaos bordados a 6$,'G300 e
Ricos e bem escolbidos gestos
AdmkwB!
JJLTA

NOVIDADE
Para camas ejanellas.
Vende-se um frande sortimento-los me-
Ihores e maktre cortinatlos bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
Un a 12:5000 n^ cada par at 25*00 rs,
i^to na ra da Imperatriz n. 60, .de Flix
Per-pira da Silva.
rliitaa
Vtndem-se as mejliores chitas escuras para
casa fiend de ceros tixas, polos baratos
LOJA BO PAVO
Gurguro.de seda
Cliegaram pelo ultime vapor os maie bo-;
nios gwrguroes de seda, proprios para-ves-;
.idos, Se lisos elavJinlios, com -^ 1*2" J*t J! e 3W aw\ i tftJSl
austro, .arantindo-se que a fazenda mais "* a ***** ndo claras,jm pa-
,nda e de mais phantaaia^ie este anno lea i **l cassa a 00 o 400 rs e P'^Mja,
hegado a este mercado, e vende-se par 2 mp^trizc. 00, armazem de re-
u.vo muito razoavel, na rea da Imperatriz:lx F',mia ,la >,ll%a-
n. 60, de Flix Pereira da Silva. irosdeuaples preto
Seda de listas para vestidos Vende-se um jrrande sortimento dos me-
Chegaram as mais modernas sedas" lista- Hkmvs grosdonsples pretos, lauto tai-
las [tara vestidos, com as cores mais mo-' os corno estratos, seado de 2^000 rs. o
-lernas que tem vindo ao aereado e ven-jf0<)0-rs. garantindo-se que
dem-se >or preco muito era conta por es- j n'este genero ninguem tem melbor fazeiula e
tarmos muitos prximos da testa, isto na! que se vende mais barato do que em outra
toja do Pavao, ra da Imperatriz n. 00, delquaiquer parte, na ra da Imperatriz n. 00,
Flix Pereira da Silva. I de Flix Pereira da Silva.
CmiRHOS
PASTLHAS PETORAES
SUCCO deALFACE,
E LOURO CEREJO
irritic5es
DO PEITO
MadapoleF. finos a JM!, 0?, 7?5 e 8;? rs.,
6 o amiazem do Leo.
"vChitas escaras de padres lindos;par pre-
co de 320 e 380 rs. o covado.
?Cassas de res com :f alminhas e com
ligias de diversos padroos a 240 e 330 rs. *.
Lazinhas tientas e .cor de boeina a
marks para ealeiis e paletots a
^orte.
Tumbem tem ipara acabar pecas
no de linbo. com 27 varas, a 7<5 el
lo&lbas de liib-3 para rosto a 10$ a du-
Adwf Srs. armadores de enterras.
Vendem-se pecas de hollanda pi'eta com
40 covsdos a 5,-5 : na ra da Impei-atriz n.
loja do
32 o covado.
Cinitas claras uiiudinhas a 320 e 300.
Alpacas pretas-e de cores lindas proprts
para-vestidos a 080, 700 e KK) rs. 4 e j jm,to a padria franceza",
Peeas de camhraia transpirentes a 4->, Leo.
H e'Gfi. Por este preco admira a totee I AttoncSo roupas feitas!! no ajn
Cortes de easenlras dequfdrinhos efe- 0 Leao; rua da Imperatriz ns. 48
tas a 24800 e :(a.
CorpisJios brancos para senbora a 'i$ m
3^200.
Ocordeiro previdente
lina do Qt;elaiado I.
N->V> vh.-mIo sortimento (Wpwftmaria*
tinas, e ontros objectos.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras, de que eieetrnimente est provida a
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba de
reci'ii-T um outro sortimento que se torna
notare! pela variedad* de objectos, superiori-
dade, qualidades e commodidades de pre-
cos; assim, pois, o tkirdeiro Previdente pede
e espera continuar a merecer a apreciacio
do res]>eilave| publico em goral e de sua
boa fregueKia ein particular, nao se alis-
tando elle de sua bem conliecida mansido
e barateza. Km dita loja encontrarao os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita veiilail.ii a de Murray & Laminan.
Oita de Cologne ingleza, americana, fran-
ceza, todas dos melliores e mais acreditados
cidadao fabricantes.
Oita balsmica dentrificia.
tula de lor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para loilet.
Clixir odontalgico para conservarn do
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e rliei-
rosagradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, com
pomada lina para cabello.
Fraseos com dita japoneza, transparente,
e outras qualidades.
Finos extractos hi-dezes, americanos e
rmenos em frascos simples eoaMtados.
KsseiM-ia imperial do linoeagradavelcliei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de ebeiros igual-
mente linos e agradaveis.
Oleo pliilocome verdadeiro.
Bxmdo d'oieo de superior qualidade.
com escolhidos ebeiros, em frascos de dif-
lerentes tamanbos.
Sabmetes em barras, maiores e menores
pava uios.
Ditos transparentes, redondos eem figu-
ras de meninos.
Hitos mito finos emcaixinha para barba.
CaixmUaseom bonitos sabonetes imitando
fnietas.
Ditas de madeira invemisada eontendo fi-
nas perfumarias, muito proprias para pre-
sentes.
Ditas de pa.elo igualmente bonitas, tam-
bera de perfumaris finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes.com pdeanoz
e nonecas
Especial p de arroz sem coinposod^
clieiro, .'por isso o mais proprio para arias*
Cas.
Opiata ingleza e francezapara denles.
Pos de camphora e outras dilTerentes
qualiiladis tainliem para denles.
Tnico oriental deKemp.
Aluda mais coques.
Um outro sortimentos de coques de no-
vos e bonitos moldes com Mete de vidrilbos,
e alguns d'elles ornatlos de flores e titas.
csto todos expostos apreciaco de quem
os pretenda comprar.
GIJJ.MIAS E PUimOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Fivellas e lilas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, licando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
0 que de melhor se pode enconlrarnes se
genero, sobresaliindo os delicados ramos
orvalhodos para coques.
Para Tlagem.
Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
precos commodos.
Cliapelinas de palba da Italia mui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
ro presentes a quem se dirigir (lita loja
do Cordeiro Providente a rua do Qucimado
n. 10.
ENFEITES DE PALHA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
O Cordeiro Previdente rua do Qucima-
do n. 10 acaba de' receber um bello sorti-
mento de trancas de palba para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida commodidade de precos.
ALEM D'AQUELLES.
Recebeu outros lindos enfeites de seda
para vestidos ; assim como um variado sor-
timento de galles de la, babadinbos de
cambraia com bordados de cores, cuja va-
AQiPT


ESCRAVOS FGIDOS.
' n
ro\e-|n
locali-
a Circe,
tova es-
lo va es-
lo BOM
I2o00.
de bis-
tOOo
de pan-
iW.
Peolacha
Cortes de cassineta de cores pasa cateas e
paletots a I 500.
Cassineta de cores com um pequeo to-
que de mofo a 400 rs. o covado.
Espaiiilbos muito finos a 4"500, 30 e
o)300.
Admira!!
Grvalas de seda a 500 rs.
Golinhas bordadas a oOO rs.
LazinJias a 200 rs.! !
LSazinlias a 200 rs.!!
Lazinhas a 200 rs.!!
200S < M)$ te mMcMM.
Gralilira-.. inwdo ;i diMMWfa, R qunn \[:;.t
c kvara sen mmiIidi' -> Dr. Vilfht Orafirv i.
Cunta e AllHU[iH-n|U.'. nioraAk 11 npriilni O.i-
porda. ila fri'?neira la Lm, fl wravo josm|iib w
SsafABni, pralodeUsda eJl uwm, bacal, 1
trua rc[.'iihir. p< iV-ni uhi poore MqMdaudo e wpv
di! uquenw), vives b ubi ponen braams, km-
perfeitos, alvos e Ifonados, .'atiera pe<|ncDa, p
minsregulares,dhTOtto .'spni.. para qiwHpur
servir, Talla vagaruia e pitsa i.u rliea, aiulai mu
1 ranuneim, flrre l. r Hiarra na* (Hrna en-
cofitaa a<|)rs tletarrosqoelevou. F01 cw*
aa Sr. harn de JWtaret e te tomproa-o *M
Jos.' Miguel (Alleiiuio) qne o Imnxe do "
do Ni rtc e ahi n coamiw ao Sr. eapilao Prederieo,
moiador m villa lo Pai| de hon, e s huibiii
npilao Pernaades comprna-o ;> Sr. VaBoel T.k-
maz da Silxmorador na villa d. Porta M*
sendo o referidoeseravonatural aolnpa da provin-
cia da l'arahyha, pertenreu < viajen |irnci|
m srrioes de tafnira em l'.ijf ta4e leja 1
senliorrs nioeo or 1101110 JUareolino e Gamillo
SerraTalliada.eiaadc di-Sonta, Serra d" Martin*
pie. ote., assim tainliem inovinc-so a tftHB apron-
lionil.'r o rofondo eseravu qac Rendo n ctutt
liiovincia da Paratijlia aamaue ao Dr.JM I
iim de Figueirodiina cidudo do Sonza, ou ao ea-
pito Joaquini Saldanlia. na Hunda Mulofil na
liaeho de Poicos. DO raso de nao. qneror trazer ou
son rol'ci iiln si-nhor.
Allendo!
1
Pngki boje pola manbaa a eatraya de nome
nerosa, pertonetnte ao Dr. EM Fwderien di
inoida e Albui|iieiipie. da Parabvba, a qnal tem <*
signaes soguintei : cor pnta, caneca pequea, ca-
bellos earapihos, ollms grande*, osiatura regalar,
dnrpo bastanteseveo, pea nm |'iieo aaaitwtados,
itestieula limito qiianil-i falla. 00111 ida.lo de 16 |>ara
17 anuos, iniiilo ladina, lava bem. ro/inlia t eo-
gomma, sanio rom vestido de cana rdxa echat*
azul : quena a prender pode entrega-la ao Br. Er-
nesto de Ai|iiino Fnnsera. na rua Nova 11. 7, r
.indar, mi M Sr. Manuel aMas llairolo, oro Ri M
rilie, .\o ilia :in do me/ do ii, ranibro prexinio pa*-
sado. fugio do eiii-Tidn S. Jos, do termo do Sor-
nliaoni. a o-orava llenme Benedicta, mulata, tem
22 annosdeidade. cara bexigOM, altura regular,
cabello emuad e aenm pdreg) M esenm d Joat>
de- Barii>s \raujo. rendeiro do engenlio Mariaiina,
levan um roo pao de chita clara j veflio, e am p n-
ne da Costa novo: quem a pecar leve-a ao Sito
engenbo, ou ao Sr. Manee) Alvos PerreiraftC,
no-ia piara, ipie Hrl g< uon'saiiiente recansea-
sado. ^^^^_____
Fnjtio do er,ieidio Stiedade, na enmarca de
Pnrto-Calvo. provincia das Alagtis, oeacravnFt-
linp, cabra, caballos carapmbas, de 24 annosdb
dado, pouco mais nn menos, pouca barba, pfti pa-
ipionos. nariz resillar, olliis grandes, tientes un
ponce limados i com fstha de um na frente, andi r
iipoiru, rujo eseravu l'oi riiiiipiadii ao Exm. barae
de Xazarem : pede-se as autoridades pi liriacs "
capltaes de campo a apprebensao do mesnv 1
va-lo 00 son senlior no referido Ingenlio, mi nati
dade do Horii'o ao Sr. .Iii.npiiin Rodrigues Tv
\f Mello, larga do Carpo-Sauta n, 17,1" auda .....
ser generosamente recomper^ado.
100|0Wr de^atflci^r
Aolia-se Rgido drsdo o dia \ de JBnliq de 1K#
11111 inulatinlio cabneolo de 10-me Jos, d V-\ a '.S
anuos de dade, vein do Bonito bu Janeiro de 186$
e fui vendido nosla eidade por Antonio ios oe
Moli, uegocante daquelle lugar, ao Sr. Fernai d
Jiis ti rn'a. omn loja na rua Direita dcstti ridaiU
pedo-se as anu ridndos. oner thMJai. qner/dc fura
ipic o apreheiidaui e o eritagnem a san senlw r,
na na Nova desta ridade no segando and;
rasa n, -O que sera gratificado.
25(1,1100
A eseravu Hcreulunu
Comprada a Exma. Sra. D. ciara Fentoi
janoirn de INt>7, pass.ula a escriptura de 1
saino o at baje nao volton, igm rando-se ara c
de se ovadio. mulata dar, feia, dade 36 1 '>
aimos. falta do denles no queixo Boperior, sarda;
no rosto, cabellos um pinico corridos o tima lo
corpa. Fui oscrava do Sr. Joan Simoes d'Aliueida
da rua do Vigario, e anteriormente do tenente-eo-
ronel Joan de S do ensenho Tatni. na Parabvba.
J estove urna vez em Gnvanna para ser vend li.
so algnem a quizar comprar vrade-se o >. pedir
sor approhonilida, 011 se indicarom o lagar era que
estiver, sendo encontrada se dar a gratiflear&o
cima : na rua do Hospicio n. 2:i.
Pngjonodia lo .tu cenanti.....-z, d.....igt-
nho Quib'ba, freguezia de Sernbaem, o eacravo
Benedicto, ertonio, dade :W e tantos annos, baino.
fricos niiinlas. pera o bigode, dente quebrado na
fronte, bem fallante o ladino, montado em um ra-
vallu com rangallia, rom os dignaos segnintfis:
alasao, bem feilo. est gordo, nao tem estrella na
testa, nem raleado. Fui comprado lia pouew
meses ao Exra. Sr. barao d Nacaretb.
Quem o appreliender o enVegar no-la pracs ao
Dr. Joao da Silva Hamos, 011 a Gabriel Anloi ii 1
Castro Quintaos, na tavessa do Queimado n, 3,
e no referido engenbo Qniliba seu senhorDr.
Jos Eugenio da Silva Hamo?, ser geneYosanientt
recmiipensado.
. li5u rua .la lintwratriz n AH e 1 tauuidiu cun uuriutuus uc cures, cuja va-
variado s.,.1imento de roupas feras !^pa- .J ??fd? .LLOmPa.r^ao P.IS.?S P1"0"
e vana*) suinmento oe roupa
letots sacos, sobrecasacos, fraques, jaque
toes, caleas, eolletes, eamisas, ceroulas,
chapeos eti*., tudo por precos que admira!
Tem tambem um sortimento de roupas
ordinarias por preco baratissimo.
Aeaba de chegar tambem um dompleto
sortimento de damascos de corest sendo
azul, amarello e cor de caf etc., que se
vendo por pneo eommodo.
Admira!!
No armazem do Leo 11!
No armazem do Le5o!! I
No armazem do Lao! 11
No armazem do LeSo I!
. ; <*vj ^ umiv>iioio .'iiuimi i i^uv l'Uin *'U i11 '
* tendentes que serio servidos a contento.
TO BEM RECEBEU.
Nevo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUYAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para homens
como para senhoras, constantemente acliain-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
i rua do Queimado n. 16.
No armazem do Leo, rua da Imperatriz ns. i8 e 52, junto a loja de ourives
e padaria franeeza.
VOVIDADES
Rua de Oaeitiiado n. II
MI PARTO 11
E' este o mais ova e deudoso coofen. at agora conbec.do. Por isU. m ^"'"^ a
pidtmcnu a poplaridade de qm goia. 0 mdicos os mais disunc.tos o "0 n se Mi o contra
as touet, definios, caurrhot, totsu convulsas, cntarrhos epidmicos, Trila^f^ ^u
grande empenho o procuran as mies de familia, asm para ellas cono para as ^tnyax,jpou
primeiro qne todo inoffensivo. e as sitas propriedadesadocantesnlodeixao naaaa oeaqar.
Deposito em Pernaintmcoftm asa de Haurer e o.
Ht,ttttttttttt,^
JSIBIi
CIGARROS INDIANOS
Idogannabis indica!
^RIMAULTiC PhAivMACEUTICPS Ey PARS,
su;pociglt
BOIBlt
Todos os meins at hoje prpeonisados conira a asthma no tem sido mais do debaixo de todas as formas, tendo por base a belladona, o estramonio onnpio. Recentes expe-
riencias feitas em Allcmanha, repetidas em Franfa-e na Inglaterra, icm provado qne o tomo
indio de Bengala possue as mais ootayeis propriedades para combe ler essn tenwel affeccloi
assint como a tosse nervosa, a insomnia, a tysiea laryngea, a rou([uido, extinecio da voz,
e as nevralgias faciaes. E' pois com o apoio da sciencia queofferecernos esles cigarros, prepara-
dos com o extracto de cnamo (las Indias, que nos importamos de Boinbaim.
Deposito em Perntmbuco, cm casa de SCanre e O*.
A este eslabeleciraento chegaram as mais lindas chapelinas de crep, tule e pa-
lhinha da Italia, primorosamente enfeitadas.
Balos reguladores para s'enhoras c meninas, os mais modernos e de varias
cores.
Basquinas de seda para senhoras, o que ha de mais gosto, e delicadamente en-
Ricos vestidos de Monde, com manta ecapella, n
jattell
noivas.
lias, de diversos gostos
Cortinados de cambraia bordados para camas e j
qualidades de \H at 8O5000.
Tapetes alcatifes em poca para forrar salas, gabinetes-e corredores
Cilfeas iiglezas de firmo para bomem.
Reos vestrJos fe seda prelos bordados agullia e de cambraia brancos tam-
bem bordados peb wesmo systema.
Pronhas < toamas (fe lj)o e de esguiSo todas bordadas para casamentes.
Sedas ile rindas coffs, casimiras ije cores asmis modernas, salas de ISa com
barras de cor, chapeos de sol de seda iagt4*s, esrjartilhospara senhoras e meninas,
eolarinhos de Ihiho para hornera e grsmdu sorthnento de randas de todas as qualidades
que se vendem por precns rjrjB'j|ra.- compradores.
Neste estaheleciBD^B receber-se esteiras da India para ferrar sal-
fas de diversas larguras e coft vsndnfrae mais baratas do que em outra qual-
quer parte, por isso clramam ^^H ipaa
Es(eirAmjn\1ia para forrar salas.
NA
T
Fax un mez ipie fupio do engenho (imr.v
vieini, freftneziada Gloria do (oila, mu eccravo u?
D. Thereza Francisca dos Santt.s l'inliciro, por
imiiie Vicente, crioulo, de idade 30 aunes, ponfo
dais mi menos, estatura regular, cor preta, ou fula
por estar nm pouco decorado, niuito ladino, rom
mareas de tioxigas no rosto, bastante barbado, e
pequeas a* barbas, as costas urna cicatriz 'de
sipoadas mais [tara un) dos lados, una peinicna
ferida na |Mirna, que talVez j eatsJa sa, muito pe-
ralta : quem o apprehender pode dirijrir-se ao (lito
engenho, que ser bem recompensado.
i
A boa pitada de rap na .turora
A BOA PITADA DE RAP N AURORA
A loja da Aurora
roa larga do Rosario n. 38,
Pertencente a Manoel Lopes t InriSo, re-
cebeu as seguintes qualidades de rap mui-
to fresco:
Rap gasse grosso, dito gasse fino, dito
Paulo Cordeiro, princeza rocha, dito de dita
viajado,; todas estas qualidades cima, c
vindo do Rio de Janeiro, rap princeza fino
da Baha, dito princeza meio grosso tambem
da Babia, dito francez muito fresco, dito
Meuron ; todas estas qualidades se vendem
tanto em libras como retalho ; assim co-
mo tdmbem tem bom sortimento de miu-
dezas de qualqner qualidade que se pre-
cisar : quem duvidar va loja da Aurora na
rua larga do Rosario para verificar a verda-
de, onde sempre encontrarlo o desemba-
razo e bom agrado prompto a despachar
qualquer fregnez que qrteira honrar este
estabelecjmento.
Fugio a ia do enrrente mez de Janeiro, o C5-
ravo Felippe, cabra uj pouco alio, idade ."i an-
nos, principiando a barbar do iiueixo. cabellos pre-
tos, aeaboeolado, oRios -apenados e quando olia
fecha as solirancelhas. tem urna marca de eanati-
co do lado direilo sobre o fijado, levou no corpa
calca de brn de qnadrinnos pretos. camisa <'e
niadapoUo, enano Se lia redondo nm pouco i
do. Este eseravo eostiuua a conduzir genero de
urna.venda da rua Direita para a estarao das Cin-
co Ponas, o nietsinb anda com inn lilhcte pro' ;:-
raudo senhor, sem o eonsenliiiienfo do niesmo se-
nlior. Pede-se as autoridades poiiciaes e algnn-a
pessea que o vir. de o p<'gar e levar ao sen se-
nhor, no sobrado grtale Manoel Cnsrodio n. 2f que se'gralificar geucr-* -
mente.
Recife, 18 de janero de t9.
Eap Paulo Cordeiro.
Veade-8e rap Paulo Cordeiro fino, via-
jado, em latas, moio grosso evmagi'inlio.
no deposito carg de Joao Francisco da
Silva Novaes, rua do Vigario n. i I. Far.-se
Contina fgida a eserava Dominga- di >
cabra, idade 30 a 3t anims. com una cicatriz de
fogo em todo o peito do p vsquerdo, rabeca rapa
da de.pouco, natural do Rio do Peixe, conste
estar amasiada na na Imperial, oque se proteste
com todo o rigor da lei contra a panana que a tem
occ ulta por todos og prujuizos e damnus que pos
sam acontecer dita escrava : quem della souiu
e der parlo na rua doRangel n. 9, ser gratulcaoa
e se lle guardara sogredo.
Desde o dia de setenibro do anno proxinw
passado que fugio da casa de sen senhar a escrara
Eduviges, cabra, de dade de 25 annos, pouco mais
ou menos, altura regular, mapa, pos pequeoos,
peitos snmidos, picada de bexrgas, cabello qum
pixaira, nao faala so de^epara-lo, a cor nm
pouco macilenta^sem falta de denles ua frente,
em cada um dos eotovellos tem un carneo bastan-
te saliente, gosta de agnardente, fuma cachimO,
milito falladeira, ha noticia qne subi para o -
tro, mde pela estrada de Santo Antao ; roga-sg
todas as autoridades, capitaos de campo^n a quem
a paitar leva-1* casa de sxu teanor, rua da, Ca-
deiad Rccfe n, 8, armim, onde ser grafUfa-
do genero9me**e.
Fugio o preto emulo de nome Ro-
dolphe, de idade do 24 annos pepeo mate
o meaos, no dia 9 do crreme, vesgo de
ambos os olhos quando aflirnia para al-
guem, aotar gingando, usa eava-nac, tevOn
ve>Udo ealc-a ptrda e camisa de cWta en-
camada, andou embarcado em vaporo? W
eompanhia l'ernainliucaaa, quem o pega*
vantagens a quem comprar poi cao, e troca- v-.-,------
se o rap que nao sahjr ao agradt dos con- leve-o ao Gorredor do spo n. J
sumidores. | de Lua d'Ovr-

Lima.
Ua

l WfTl
i i.....i


Diario de Pernaiiibuco Quarta fera 20 de Janeiro de 1069.
, Areeblspado da Baha
CARTA PASTORAL DO EXM. F. BEVM. AnGEBISPO
CONDE DE S. SALVADO*
Ven Manocl Joatpiim da Silceira, por merc
de Deus, e da Sania S Apostlica, Arce-
bpo da Haliia, Metropolitano e Primaz
do Brazil, Conde de San Sallador, do
Conselho de San Maa stade o Imperador,
nendador da Ordetn de Christo, ele.
A" igreja da Baha graca o paz da parte
de Deus Pudre c tfa d Nosso Sonlior Jess
Christo.
IV.
(Concluso).
No mnito depois de termos publicado a
nossa pastoral de 16 do junho de 1867
preuiuuindo os nossos diocesanos contra
os erros perniciosos do spiritismo, nos
dirigi o cliefe da seita spirita nestagjidade
urna carta, que teve urna segunda edico
augmentada de um prefacio.
Esta carta 6 a sustentarn dos erros do
spiritismo, superstioo pessima, que se
tem posto em pratica para ruina, e perdi-
Cjto das almas, a qual como hertica, e
nnpia. se oppe aos dogmas da fcatholica;
negando coca especialidade as penas eternas
(fio claramente provadas as escrpturas :
iso um dogma de f, que neulium chris-
m >rrer. fpn hesitamos cim relaclo ios
seros qiheni'ios; admittinns sem diflieul-
dade que urna flor, um insecto, nascem
para ser logo destruidos. Em relaclo a
nos. cuja vida alias 15o curta, contorna-
mos o problema, e, alm da nossa esperan-
ca obstinada n i prolongaco da vida phy-
sica, no me.) dos signaes mais evidentes de
urna dissolueo inminente,persuadimo-nos,
nao sem grando.s proveitos para aordem
social,que ess; dssolu;o s'i ds attnge o
corpo e deixa intacto o direto de nossa
pessoa moral i iuimorlalidade.
Onanlo a 'sses grandes corpns taes
como os planetas eos sj>s que nos levam
pelos espacos i guisa da animada poeira
diseminada m.siii sup tco, ou que nos
innundamcom urna onda sempre, igual de
calor eluz, a i ossa imaginie) quasi que
nao admte para elies a idea" da morte, e
imitamos a sen respeito o raciocinio que
Foutenelle attrilnie as rosas: Para as ro-
sas, diz elle, os jardineiros sao immortaes,
por que nao consta em memoria de rosa
que haja morrillo umjardineiro.
Que muito que as nares, seres anima-
dos a sen modo, cuja existencia poltica po-
de consumar-se em milhares de anuos, tan-
tas vezas nos parocam, a despeito da cxjie-
rienda, cima Jos insultos da morte ?
No entanto, nao parque muitos cadve-
res de nares i o tenham j tincado oslo
fondado .as palavras de Jess Christo : SSSS'ifeE T%Z
assognra, que os maos .rao para o supphuo ^ e ^^
eterno, e os justos para a vida eterna, (ti). a^,..,.,.^ JL
Os Rvms. parochos devem prevenir os
fiis eommettidos sua cura deste grav-
simo erro da carta referida.
tambem com
tintos povos, foi devorado
palas ra.jas barbaras, e hoje sentimos todos
os dias que alguma poreao daquelle saugue
passou s nossas veas; delle existe pois
. ,__. ji n iwuu ihjssjs veas: ucue e.\ sie [ios
As sagradas esc.aptu as declaram que J^ ^ personaldade. a
mi se le urna prohibido formal: ^S^^SSmTkSS
ntnt, oa obserce sotikos e agouros, nem
quem seja feiticeiro, ou encantador, nem
quem consulte aos pijthoes, oh adeinhos,
t>em qui'in indague dos morios a verdade.
Porque todas estas cousas abomina o Se-
nhor. (23) E no livro i. dos Paralipome-
nos se diz, que Sal morreu por causa de
suas iniquidades... mas at tambem con-
sultara ama Pi/tlioni^sa. (24)
qu.- a terra j
mente d.'
m ireeeu na
morte como qialquer ente humano? E
aquella outra iiersonalidade, incomparavel
na graca e no eugenho, sisuda algumas ve-
zes, muito mais, heroica, sempre namorada
do bello, poeta, philosopha, artista, guer-
rera. msela aiioravel das feicoes de Mi-
nerva oom as de Venus e Apolo, a gliriosa
e seductora Atlionas, que feito della ? Ab-
sorvida pela M;icedonia, conlribuio debaixo
permitte, que indiscriminadamente se des-
cQbram, tendo aos seus santos poucas
causas revelado!
A consulta dos espiritos portantu sedeve
reprovar corno impia, chela de superstcio,
c iilolatria, e opposta aos mandados de
Deas, e religiao por elle revelada.
Concluindo o, que nesta occasiiio julga-
H108 conveniente dizer-vos, dilectos coope-
radores, e amados filhos, vos rogamos em
o Senhor, que andis como convm a vo-
cacto, com que haris sido chamados, corn
toda a liumildade, e mansidao, com paci-
encia soffrendo-vos uns aos outros em cari-
dade. trahalhando-se *cuidadosamente por
conservar a unidade de espirito pelo vin-
culo da paz. (25)
A jiaca de Nosso Senhor Jess Christo
assista em o vosso espirito.
Os itvms. Parochos publicarao esta nossa
Cinta Pastoral aos seus parochianos es-
lacao da missa conventual. Dada nesta ci-
dade de S. Salvador da Bahia sob nosso
signal, e sello de nossas armas, aos 2 de
Janeiro de 1861).
>j. Arcebispo, Conde Logar }. do Sello.
Franea
DOS SKNAE8 MAIS APPARE.NTES DA DECADEN-
CIA DE l'M POVO
Recordar que todo o que existe deve mor-
rer, parece que enunciar urna verdade to
comesinha que a ninguem suggere a idea
de contesta-la. No entanto, nao basta que
nao soja contestada para que seja bem com-
preheodida, e a idea da morte repugna tan-
to a natureza animada, que o nosso espiri-
diflicilmente se
to, accetando a palavra,
atem ;i cousa, e nella s por metade acre-
dita. Basta o menor pretexto para que o approxima pela tristeza cresecnte dos bous
lona? Os dias da Turquia nao parecem
contados ? E, si for por diante a unidade
allema, a valenle Hollanda, apezar de sua
proverbial sisudeze tintas gloriosas recor-
darles, nao est; inevitavehnente destinada
a tornar-si provincia martima daqulele novo
e foniidavel imperio? Se tantos exemplos
anda nao basta, a para convencer os povos
de que elies sao perecedouros, e que nao
Ihe basta ter vivido muito tempo para vi-
ve.em sem|>ie, que a idea de morte re-
pugna tanto s nacoes como a tudo o que
existe, e que cada urna dellas, separando a
sua soltada soite commuin, est disposta
adzer, semelianca de nao sei que per-
sonagem de theatro : Mas comigo a cousa
outra.
Nao todava, raro que urna nacocomo"
qualquer ente vivo^seja advertida do seu
lini prximo por mio de signaes ])recur-
sores, priocipalmente se nao suecumbir s-
bitamente s mi os do estrangeiro e se urna
decadencia interna, precedendo o ultimo
golpe, lhe der tempo para conhecer o seu
estado. O olhar penetrante de Annibal nao
teve difficuldade em entrever, depois da
propria derrota, o aniquillamento definitivo
de Carthago. Em Roma, em Athenas, na
Polonia, aperdy mais oa menos prxima do
estado foi vista e intilmente annunciada
por muitos espiritos justos. Quantas des-
sas lamentacoes eloquentes se nao colhcm
na historia, semImantes aos cautos lgubres
do propheta cliorando sobre Jerusalem.
Taes advertencias foram sempre notis.
Nao 6 porque c proprio povo, em um es-
tado que vacilla, nao seja agitado tambem
pelo presentimei.to confuso do perigo que
aineaca a existencia nacional; como a iu-
quiela equipagefQ que 1C urna parte da ver-
dade na fronte de seus cuetes, o povo de
ordinario lem noticia da tempestade que se
espirito humano arrede de si a idea da mor-
te ; e nos confundimos de boamente as lon-
gas existencias com a impossibilidade de
(22) S. Matth. 25, 40.
(23l Deut. 18. 10, 11, 12.
(24) Paral, 10, 13.
(25) Aos Ephes, 4, 1, 2, 3.
FOLHETIM
ATIIAKni
POR
Jales Sandeau
VUI
Dias fellzes.
(Continuaco don. 13)
Nao poderei affirmar se Rogerio lia bem
ou mal, mas o que verdade c que a lei-
tura iinpressionava deveras a pequea fada.
Para Catharina e Rogerio aquelle livro
foi como um vaso mgico onde os seus la-
bios se encontravam como n'um manancial
de agua pura. Na sua imaginado substi-
tuiain-se ambos aos dous hroes do gra-
cioso poema, e, se bem que ha pouco tem-
po se conheciam, compraziam-se, cada um
por seu lado, em estabelecer relaco entre
o seu destino e o dos dous jovens, cuja
historia ouviam, e Martha, pela singelesa e
precisan das suas observares e reflexoes,
contribua para Ihes augmentar a illusao.
Ah minha marotinha, dizia Mar-
tha de vez em guando, interrompendo a
leituraparece que a vejo com o Sr. Ro-
gerio passeiando juntos pelos bosques I
E omigo porque nao ? perguntou
Claudio, o qual, tendo vivido desde peque-
no com Catharina, como Paulo vivera com
Virginia, se indignava de ver o seu lugar
assim usu.pado por um estranho.
6ra, valha-me Deus! redarguio a
velha amaE' que o Sr. 'Paulo nao tinha
a honra de ser cantor de coro, nem de en-
sinar a ler a mocidade da sua aldeia.
Isso nao raz3o! replicou Claudio,
mais vermelho do que a crista de um gallo, i
Ora entao, meu amigo,accrescentou j
Marthavisto n5o desejtr tirar-lbe o seu
cidados; mas esses tardos recelos apenas
podem produzii um niovimento desordena-
do e algumas convulsoes violentas no meio
das quacs vo-se consumando os destinos.
Examinemos pois rpidamente se pos-
sivel indicar alguns dos signaes que podem
annunciar aos povos a sua propria decaden-
cia e evitemos urna confuso a que se ex-
merecimento, presumo que seria porque o
Sr. Paulo nao tinha o nariz torcido como
o seu !
Tambem nao motivo isso repe-
tio Claudio com os punhos fechados.
Vamos, vimos fdisse Catharina, fa-
zendo-c vermeiha Bem veem que nao
estamos na ilha de Franca, mas sim a
pouca distancia do Creusa. Deizemos-nos
d'essas creancices e vamos historia.
Este pequeo romance urna potica
imagem da vida como a primavera da exis-
tencia ; as primeiras paginas sao repletas
de dofura e alegras, as ultimas cobertas
de fnebre crep 3.
A' medida qiie se approximava a catas-
trojihe, a voz .le Rogerio enfr^quecia e o
peito de Catharina arfava; Martha pedia a
Deus que aplacasse as ondas do mar en-
furecidas c Claudio como que devora va Ca-
tharina com ol ar ardente, prestes a lan-
car-se ao mar para a arrancar do furor das
vagas.
Quando se vio (espectculo digno de .eter-
na compaixao I) urna joven apparecer
popa do navio, Martha e Catharina deixa-
rarn cahir, urna o fuso e a outra a agulha ;
e quando, finalmente, de bracos cruzados
e os olhos ergu dos ao co como um anjo
prximo sua isceuso, Virginia foi arre-
batada n'uma tnboa, as duas mulheres des-
ataram em solutos e o proprio Rogerio
nao pode conter as lagrimas. Quanto a
Claudio n'este momento supremo, foi direito
pequea virgem, e, apertando-a nos bra-
cos, exclamou :
Oh! minia Catharina, se fosse eu,
salvar-te-hia I
Sim, meu amigo, acredito redar-
guio ternamen e a joven, impressionada
profundamente pela expressSo sincera de
Claudio.
. A estas leituias, que absorveram dous
ou tres dias, sejuiram-se outros passatem-
pos, aos qnaee francisco Paty ia reunir as
pe quem entra ueste genero de estudo.
Consiste a confuso em considerar ortos
fados, taes como i d -sordem (^ d-spotismo
no poder, a anarchia na populaco, e uilto
geral da forca e o desprezo do direito e
outros fados analcos, como signaes orlos
de dissoluco, *em attender para o mo-
mento em que ta*s factos se produem.
Ora, a poca enl que se dio os phenomenos
nao menos importante quando se quor
saber da vida c da saude das Daces, do
(pie quando se trata da vid e da saude de
um si ente organisado. Por exemplo, se
nos disserem que uin ente humano cam-
baleia quando anda, hesita quando Talla,
perturba-se men >r cominorao, abala-so
com o menor choque, -nos fcil suppor
que nos estao pintando uin dos nossos se-
meltiantes chegado ao termo da sua exis-
tencia. No entretanto, nao ha que mudar
nesta pintura para que ella convenha a urna
enanca anda sujeta s fraquezas da pri-
meira idade.
Dizer que urna naco nao tem forca nem
crdito no exterior, est entregue anar
cha interna ou ao despotismo, afleita vio-
lencia, desdenhosa pelo direito, esbocar
feicoes que podem convir igualmente in-
fancia e decrepitude. Mas, se eu acres-
centar que a ursina naco j conlieceu a
ordem, gosou da liberdade, respeitoua jus-
tC-a, saboreou os nobres regalos do pode-
ro e da glora, poseo conjecturar ento em
que sentido ella se inclina e de que fatal
queda est ameacada.
E entretanto, a existencia agitada das na-
ees pode ser sujeta a doencas moment-
neas que as fazeni decahir do seu interior
estado, sem que a decadencia seja irremis-
sivel; por outros termos, ellas podem ter,
como o corpo humano, graves molestias
que nao sejain mortaes e desappareco vol-
tando a sadc*. A duraco mab ou menos
tonga do mal de grande importancia para
o juizo que tem de fazer-se. Snpponha-sc,
por exemplo, que urna naco que gosou
durante certo tempo, de urna liberdade re-
gular, seja ntreme sbitamente dicta-
dura ; a decadencia relativa evidente, mas
nao definitiva, se a dictadura for tempo-
raria, se a naco contra a vontade a suppor-
ta, e principalmente essa dictadura subsiste
menos tempo do que o que a liberdade du-
rou. Ter, por exemplo, atravessado a dic-
tadura ao sabir da nossa grande rc-voluco
pode ser considerado como um accidente
ila nossa existencia nacional; mas recahir
nella e principalmente acharmos-lhes- gosto,
um svmptoma muito mais grave, sem
que, felizmente, tenha isto urna signifiraco
decisiva. Em Roma, a dominaco tempo-
raria de Mario foi o primeiro e curto aces-
so do despotismo demaggico; o mal sus-
penso reappareceu pouco depois e foi re-
primido com Catilina; voltou mais forte com
Cesar, desappareceu um s instante com a
morte daquelle grande, homem. e trium-
phou definitivamente, com Augusto, do so-
lido temperamento da antiga repblica. A
lenta agona daquelle grande povo chegou
a ter curtos lampejos de esparancas, taes
como o niovimento que se segnio morte
de Caligula e os esforcos imiiotentes do se-
nado, para interromper de tempos a lem-
pos a dictadura imperial. Essas crises- suc-
cessivas que annuneiam a iierda dos esta-
dos, parecem, pois, por sua intermittencia
e gravidade sempre crescente, seguir a
mesma lei das molestias intermitientes que
atacam to profundamente o corpo humano.
Em ambos os casos, sao ao principio, leves
accessos, que se vo multiplicando e aggra-
vando at que o mal seja continuo e- nada
mais possa dete-lo. Tambem em ambos
os casos, pode-se al tribuir a intermittencia
do mal ao esfoifo constante, mais d-
bil, (pie faz o> organismo attacado por
voltar saude e expellir o veneno que o
devora. Nada, entretanto, irapede que esse
esforco, morncente no cometo do mal, pos-
sa ter bom resultado; e por consequencia,
ainda no meio de crises taes, lica aberla a
porta esperanca.
To longe a vida das na?oes e to
curta a nossa propria existencia, que anda
quando o mal, prolongando-se alm dos
limites da nossa fraca vista, nos parece sem
remedio, devemos evitar um joizo por do-
mis absoluto acerca do desenlace defini-
tivo dessas formidaveis crises. Ainda
quando tudo parece estar perdido, o patrio-
tismo, como a affeico ao pe do leito dos
enfermos que nos sao caros, deve 4ter-.se a
o incerteza usual das cousas humanas,
alera de nao perder a esperanca, Que ha
ah mais tocante que ver a Polonia destrui-
da viver ainda hoje no amor obstinado de
seus filhos, como tuna dessas creaturas
adoradas que nao nos resignamos a ver
escaparem-se aos nossos 'bracos, e que,
c.nbora j mortas, parece-nos sempre que
volto ao movimento' e a palavra ? O que
ser ento quando se tratar de um grande
povo ainda de p e oppondo o vigor de
um temperamento j provado e um longo
habito de viver docnca interna que o con-
som ? Quantas provas acolmilladas de
urna destruico prxima deviam impor-sc
ao espirito daquelles que o amam, antes de
renunciaren! a sua pia esperanca I
Quando se falla hoje da grandeza e de-
cadencia dos povos, esquece-se sempre que
as causas desses grandes acontWimentos
sao puramente inoraos, e que necessario
explica-es por um certo estado idas almas
cujas modificafoes materaes, 0111 que mais
tardo repara a Imaginarn do vulgo, ns sao
mais que a consecuencia visivel e inovita-
vel. Persuadmonos primeiramnte desta
verdade : urna n..co nao capaz de
man ter a ordem em seu seio, cjiegar a li-
berdade, defender a*sua grandeza senio
com o auxilio de um sacrificio jienietuoe
voluntario do interesse particulai! ao inte-
resse geral.
No fundo e aos olhos do philosopbo, esta
subordinarlo voluntara do interesse part- rept.s e das aves noc
cular ao interesse geral, nao merece o no- notavel da sua physiot
me de sacrificio, porque a propr a razo a
aconselha, e o interesse geral dospresado
arrasta infallivelmente cni sua ruir a os inte-
resses particulares. Mas aos olhos da in-
mensa maioria dos homens que s racio-
cinan] para si e nao abracao con a vista
tao vasto horisonte, sacrificio -que Ihes
mpoem os interesses particulares iessa con-
tinuada sulwrdinafo ao interesse geral.
Ora, preciso que esse sacrifiew apparente
seja feito voluntariamente peb [inmensa
mai#ria dos cidados, porque se fosse pre-
ciso para ob!e-lo recorrer uniformemente
ao constragimento, este constrangimento
perpetuo da minora sobre a maioria seria
impossivef : qui custodet ipsos castodes.
E' preciso, pelo contrario, que seja
o numero de recakilantes contido
ca com o coneurso e assentinento *fo gran-
de maioria. De que maneira ess( sncrii-
cio voluntario do interesse
POUCO DE TTOO.
TRIBUNAL CRIMINAL E GE.NEBKV,
NA SITSSA. JlUiAMENTO D l.MA EN-
VENENADORA:Foi julgada no da 23
denovembro Mara Jeauneret, enfermeira,
aecusada de 17 envenenamentos.
A aecusada declarou chamar-se Mara Je-
auneret, ser natural de Lele canto de-I
Nauehatel, ter 32 annos de idade c exercer
a profisso do enfermeira.
A aecusada apreapntou-se vestida de preto,
nina miiiticr d pequea estatura, magra,
parecondo ter i anuos, pelo monos. E'
paluda, e (era a apparencia de doenle : as
km^ miodas, 'o perfil un pouco agudo,
e a testa acaudada, formani-llie uina cara
de fuinha. No tribunal nao trazia os celebres
oculos azues, que lizeram nina parte to
importante na sua tragedia. Os cabellos o
as sobraueelhas sao castanhos; os olhos
pretos, revellam a irapresso que sent um
orgo, por muito tempo cosiimados trovas
e que de repente se expe luz. As pal-
bebras tem alguma cousa seinehante s dos
das aves nocturnas, a cousa mais
ionomia.
O publico dizia, que a aua magresa e
palldez de agora eram resultado da priso
preventiva qik> soflieu, porque d'aotes
tinha melhor parecer.
Bouviei', oestes niorreram compoucos dias
de intervallo.
Pelas iuvestigaces a que se procedeu, e
pelos examos de peritos que se lizeram.
descobrio-se que Jeauneret em 18 mezes fez
preparar 38 vezes o mesmo collvrio de atro-
pina para obter 5 grananas e 13 centigram-
nus, di'isc sufflcienle para envenenar mais
de 40 pessoas.
Jeauneret fleon orpffiia do pocos annos,
e na sua infancia teve una fcbre nervosa.
que levou minio (eaipo a corar. At aos 18
annos osh'w em casa de um tio, que a tra-
tou paternalmente, ^teus pas do.wam-lhe
una fortuna para viver Htodestattenta.
Teve sempre um genio extravagante,'.* non
ea esttya satisfeita. Eni inconstante nos
seus gostos, dwarrasoada, procurando sem-
pre commiMes fortes, e imslrando gran-
de propenso para a mentira e para a in-
triga.
Em certa poca da sua vid comerou a
manifestar sotTiimentos reaes o imagina-
rios.
Consultoii mnilos mdicos e lorrwu mui-
tos remedios, adquirindo assim conluTimen-
tos de medicina. qu<; ostonlava para poder
tratar os doentes.
O Dr. Dor sempre suspeitou ser fingida
a docnca de olhos, r supjie que em Vever
Jeauneret lhe subtrahk um frasco com alrrji-
pina.
A aecusada comervou-se cianjrfetaminjie
immovel.
A accusacocxfie os factos extensamente, j A aecusada parece ter envenenado (7
podendo oessencial reduzir-se aoseguinte :pessoas. Foi julgada emGenebra s por
No fin de abril de t808. Mme. Boutcarl 'ove envenenamentos. porque 4 foram no-
Dolfus, senhora idosa, solTrendo luwia muito cantSo de Vaml, e dos outroy 4. haven-
tempo urna doenca nervosa, e que resida 'lo bastantes indicios, nao se pode veri-
no campo, perto de Genebra, entsaw lilha. 0car a existenciad'elles pea impossibilidade
e genm, tomou, por inculca do Dr, Binet,
oiiui enfenapia chamada Jeauneret.
Tres dias depois da entnila da enfemni-ira
de bzer os neccessarios exames, tendo de-
corrido muito tempo.
V aecusada nosintenogatorios confessou
fv,'il|eno traorilinaiio*r como vomito1 acompanldos
*,or" de wna crise cerebral.
Sua- lilha MMistou-se muifo e julgou ser
^i^ooccasiona^por confuso ou desleo
interesse geral ubi ido pela nacaol* parte I "a ?Pl),lc:,r*> Jw aedios rcceitados prio
dna ,-i.iruirwx ,nu> ^..Im 9 ua- .i.. i medteo. Des*;- eiitao nao consentio une
a doente sealio de repente symplom ex- i ter dado aos doentes que tratava, nwrjihi-
dos cidados queacowpoem ? PaVoutros
termos, quaes sao os motivos qu lewm os
cidados a abster-se do mal que doderiam
fazer impunemente ea preshir causa pu-
blica, por meio de sua riqueza, de seu
tempo, e s vezes de suu vida, um oncurso
que, em summa, jxideriam recusjar-lhe ?
Se quizenwis conhecer exactamente esses
motivos, examinados deporto enj sua.di-
versidade apparente e leva-Ios ocigem,
chegaremoe infallivelmente a urna destas
tres grandes fontes de toda a monldade e
de todo o bom proceder humano: ai reli-
giao, o dever, a honra,
A religiao a um lempo o mais! simples
desses motivos e o mais ellicaz, e quando
a sua aeco nao es*i enfraquei idb pela
critica, nao ha instrumento mais poderoso
para obter dos hornea* em sociedade todos
os gneros de sacrificios, que o utenesse
publico reclama. Visto a, grande, dos
resultados s comparavel simplicdade
dos meios. Para acontielhar, na verdade, a
um homenii que.prefira outro a si ,mesmo,
que soffra com paciencia os males da vida,
para ordenar-lhe que nao invada o direitos
de ninguem e case at as gracas generosas
da caridade estricta, observancia dji justica,
a religiao nao precisa perder-se en 1 racioci-
nios subtis> nao ew^e nenhum es|6rco da
intelligencia, nenhum heroismo de coraro,
impe simplesmente-todas estas coasas com
este argumento onieo, mas peremptorio :
Deus assiniiO disse. Proceder lem porque
Deus o (Bsse, os o fundo da Befigio, e
quando ella levou a este ponto mm grande
numero de almas nada ha que iguale o
servico que prestou s sociedades liumanas.
A inrreduJidade crescente as olas es ins-
truidas nao impede que a religiao icontiniie
a sua oqra por muito tempo ainda najs classs
populares, especialmente as aldeas; e
cm nosso proprio paiz, dilacerado como se
acha pelo funesto antagonismo da igreja
catholica e da revoluco fraaceza, quantos
fructos excellcntes nao proiluz a religiao, e
como nao simplifica ella, com a sua aceito
constante, a obra toespinaosa do govenid
dos homens? Quantos mos instinctos re-
primidos, ms aeces prevenidas, desordens
impedidas, sugeicoes olvidas, em Ipruveitu
das leis e da ordem geraA por meio da reli-
giao ? E esse beneficio de todos
opera-se sem grande rumor, sem
nossa attenco, embotada pelo hab
suas benvolas palavras. O velho parodio
nao se fartava de ver no presbyterio o jo-
ven Rogerio, que ao principio estimava
como em memoria de sua nobre mi. Fol-
gava de comprehender sua sobrinha e a elle
ein um mesmo olhar.
Ao cahir da tarde iam todos tres pas-
sear pelos valles ou pela margem do Creu-
sa. parodio ia entre os dous, sendo
rnuito para ver ajuella branca cabeca no
meio das. duas frontes jovens e apaixona-
das. Elle fallava-lnes de Deus, da natu-
reza e dos deveres da creatura na terra.
A's vezes fazia-os assentar sobre alguma
relva e lia-lhes passagens da Biblia. Por
esse tempo o horisonte tornava-se purpureo
palas irradiacas do sol cadente, as brizas
da noute vinham approximando-ss, e ao
longe ouvia-se o canto melanclico do pas-
tor e o berrar dos bois, que voltavam len-
tamente para o curral. Fallava-lhes tanl-
bem de suas mes, ambas falleddas ; con-
tava-lhes os seus atlracvos, a sa bon-
dade e piedade, e que gratos vestigios ha-
viam deixado sobre a terra. Depois exiga
que Rogerio fallasse, e esle contava como
fora educado na sua solada infancia e soli-
taria mocidade. Narrava o que vira e ob-
servara as suas viagens, as velhas catbe-
draes da Allemanha e os wlostos castellos
das margens do Rheno. Catharina rego-
zjava-se com aquellas descripp5es e Fran-
cisco Paty recebia com intimo goso as re-
velaces d'aquelle sincero corado.
Por mudas vezes l se demoravam a con-
solar alguma dftr, a mitigar algum infortu-
nio, limas vezes era algum mendicante
assentado borda da estrada, outras algu-
ma creanca, como Paquerette, que encon-
travam de ps descalzos e cabellos sollos
ao vento.
Associando-se caridade exercida peto
to e sobrinha, Rogerio fazia abencoar u'a-
quelles sitios o norae que seu pai por tanto
tempo fizera detestar: era o fijho a sai dar
que as sociedades acabamporrfveitarse
desse milagre continuo da civilisac. io como
deum phenomena regular da natureza.
(CoiUiwOar-se- }ia.)
as dividas do pai ; e o odio que, como a
ferrugem, ia coitsumindo a memoria exe-
crada d'aquelle homem ha mais de vinte
annos, coraecava a desapparecer ob a in-
fluencia das boas aceoes do filho.
Emfim, quando as estrellas brill avam no
os das
ti ral. ir a
to, por-
co e as ras se ouviam cantar nos
l se drigiam ao presbyterio, ond
charsos,
Martha
qne
Jeauneret tralasse mais de sua mi. des-
p'dioa passudos- 4 ou 5 dias.
Pouco tempo'depois Mr. Bomcarl, genro
da doente, encontroueni Genebra o Dr. Dor,
seu amigo, e contoudhe o que sehavia pas-
sado; o Dr. Dor ipie conheceu Jeauneret
em Vevey, dissedhe: Nao queiram nada
rom ella, urna doida hystoiica, Um
mez depois, o mesmo Mr." Bouca t soube
pelo Dr. Rapin, qpe finha acontecido um
caso extraordinario em um eollegio de Pla-
inpalas.
L'ina menina allem que gosava saude, foi repentinamente atacada de delirio
de-vmitos, e de umacrise geral acompanha-
da.de urna dilatarn extraordinaria da |i|)illa
sjmptomas uotaveis por seren os inesinos
do- envenenamento por meio da belladona.
Jeauneret estava ento n'este collegio por
nao ter emprvgo, c por sua mo submins-
Irou bebidas e alimeulo doentes Mr.
Boui-cart, notando esta coincidencia, parti<-
euou quanto> sabia jusi.ii_a. que mandn
logo prender Jeauneiut, e apprehendeu ludas
a* drogas que lhe lbsseua encontradas.
A priso offectuou-se- em 28 de juila s
1. horas da manlia no collegio de Plainpa-
lais, eao m'ismo tempo. foram apprehundi-
dis no quarto da indiciada muitos frascos,
'^ue foram lacrados.
Jeauneret veto residir em Genebra no
fim do auno anterior. Contava 32 annos e
pertencia a, urna familia respeitavel de Neu-
f.hatel. Dizia ter siift alumna ila escola
das enfermeiras de Lausanne, e n'esta
iidade enUouem umacasade saude
na, atropina e belladona, mas semintenco
de Ihes f;>zer mal. ames pelo ontrare com
o fim de 08 alliviar dos seus softimentos.
0 apagado de Jeisuneret pretendeu pro-
var que- a sua cliente tinha a monomana
homicidav e que o hyatrico, que soffria, a
privava t%\ precisa intelligencia para< a tor-
nar responsavel pelos seus actos.
O jury depois de a lioras de ddberaci
deu por prvidos todo* os crimes dbenve-
nonamentir. excepto o d menina>Julia Js-
vet, admitdndo circumstancias aUcnunn-
fes.
OtribmiacondemootJeauneret em>20
unos de tr.ibalhos tofOjfts e em 10:0*0
ftancos (l:8W))0fi rs.) dfe perdas r dan-
DOS para Mr. Jliret.
NALKRAGMj 33 VICTWAS, 60 W2S-
S0R8 DESAPPARECIDAS. A violentatem
pestade dos das a G de desembro juncon
de despojos as costas da Inglaterra. Ehtre
essis contam-se os do vapor Hibernia, saido
de Nova York para Glasgow a ti de novem-
br, com 88 passageiros i 0 tripulantes.
A 25 de novembro o va|>or foi combatido
por violenta teaipest.nle, e ahriuagua. Tres
da**- successivos as bombas ftinccionaram, e
no seguinle da o capitn observou que o
navio tinha j 17 ps de agna, e que pen-
cas horas resavaiii para os passagevos-e
tn'iiolco se saharem. Estevam a 53;.30
lat. N, e 29 loug. O. O vapor tinha tres
barcos salvavidas, e duas lanchas. Foram
estes laucados, ao mar, e passageiros etri-
Iolaco entraraniiielles, levndoos pessi-
veis alimentos Eram ltoras d manha.
O capito foi o ultimo a sanar. Dois iai-
nulos depois o vapor emergio-se as vagas
at ao ultimo-tope do ultimo mastro. E os
cinco barcos courocaram a hitar com aiteai-
inpala.s. Tinha boas- maneras, e pareca pestade. Poqco depois imn oestes barco-
muilo cafinhosa com os doentes, que, se-
gundo ella aflirmav, tratava por gosto-e
dedicaeav, contentandosc com um mdico
salario.
sta qua-
e deia-
com 33 pessoas deunun: rochedo, e fez-
seempoilaeos, sem que tona possivelsalvar
ym s dos [assageiros Os. outros quatro
tarcos foram a. pouco e pouco separados
,elas vagas. A dois encontrou-os o. navio
ffrlretta iTBtperanca, mas dos outros dois
nao se howe mais noticia. Lev;*am 6o-
pessoas. Seriara tamben-victimas?. Rer-
guntae-o ao> tempo ou ao.oceano ?
Paira.infundir mar interesse queixa\a-se
de soflrer tambem dolorosos padec montos,
e particularmente e urna grande doenca de
olhos, que a obrigava a usar sempn de
oculos azues, que lhe escondian o odiar.
Quando se espajhou a noticia da sua pri-
so.por suspeita de envenenamento, todas as
pessoas que a conheciam se recordaramque
no pouco lempo que estove em Planpalais LtGVW) SiXGlLAt O marquez d<-
tratoude muitos doentes. a maior parte dos urehes deixou um legado de 2(*000 fran-
quaes niorreram, quasi de relente- e decos a (i,nm descobrir meio fcil de conhe-
doenca desconltecida.
tinha preparado urna sobria refeico, eall
em roda da mesa frugal, onde se viam a
nata, os morangos e as cerejas, ainda se
passava urna hora de boa e intima conver-
sa ; depois Rogerio mantava a i avallo e
regressava a Bigny, sentinde-se cada vez
mais feliz e alegre.
Assim volviam os das, e e:n.juai lo Clau-
dio se consuma de aborrecimento le triste-
za os dous jovens abandonavam-se ao at-
tractivo que os dominava, quando urna
tarde algumas palavras de Francisco Paty
encherain de perturbaco a pequeni virgem
c comefaram a esclarece-la sobre verda-
dero estado do seu coraco, pois ique at
all a innocente rapariga nao calculara o
que se passava em si.
Urna tarde, em que todos tres passeia-
vam bordado rio, no sei comb I Rogerio
se lembrou de fallar a respeito da ausencia
prolongada de seu pai e do regresso, que
suppunha prximo.
Deve notar-se que at all nunca elies t-
nham fallado do conde de Sougres. O
velho pastor, por seu lado, obra vi assim
discretamente, como fcil de comprehen-
der, e Rogerio, que nao pensava em seu
pai senSo com um vago sentmentc de re-
ceto, e que, alm d'isso, o suppunha pou-
co querido n"aquelles sitios, abstinjha-se de
misturar essa sombra ao quadro das suas
venturas presentes. Quanto a Catharina,
no casto inebriamento dos seus arrebatados
sentidos, nao se lhe importava saber se no
mundo existia alguma outra pessoa alm
de Rogerio e seu tio.
Para que destinos estara este naocebo
De outubro de 18G7 ao fim de janeiru de
1868, Mine, llalin, inadamniselle Jonod,ma-
damoiselle Gay. Mme Juvet e sua tilba, e
Mme. Lenoir niorreram tratadas por Jeaune-
ret. No mez de maio Jeaunei-e4 hospe-
dou-se ero casa de Mr. Oros e da viuva
reservado ? Que causa o Iraria, depois de
vinte annos de ausencia, ao castello do Bi-
gny ? Continuara elle a permanecer all
ou voltaria breve Allemanha ? Estara
livre e senhor das suas aceoes ?
Eram estas questes de urna ordem tal,
que nem pela idea passavam a Catharina.
Para ella a vida era o presente e a bem di-
zer as horas em que Rogerio all estava :
elle tambem se embalava em igual em-
briaguez, e o bom do parocho, qae,_ fra
do tocante ao seu ministerio, tinha toda a
negligencia e paz de alma de uina creanca,
era menos competente para chamar a atten-
co dos dous jovens ao camnho da reali-
dade. N'aquella occasio, porm, o joven
visconde, fallando de seu pai, levou forzo-
samente o pastor realidade da situacao.
Francisco Paty, com um sentimento de
tristeza, disso-lhe :
Meu bom amigo, devo prevenido de
que o regresso de seu pai vira por termo
necesariamente s nossas intimas relaces.
Teremos que deixar de ver-nos ou pelo
menos encurtar muito as nossas relaces.
Ao ouvir isto, ficaram ambos estupefa-
ctos a olharem para o velho.
Mas porque, meu tio ?perguntou a
pequea virgem.
E' verdade : porque julga o Sr. ab-
bade que a viuda de meu pi altera as nos-
sas relacSes de amisade ?perguntou tam-
bem Rogerio.
= Nao nsistara na pergunta respon-
deu elle, tomando-Ihes as maos Saiba,
porm, o meu amigo que, regressando seu
pai, nao poder, sem o contrariar ou tai-
vez mesmo irritar, continuar as suas visitas
ao presbyterio, e eu mesmo me arrepen-
deria da aqu o desojar, se nao cumprisse
as ultimas ventados de sua mai.
Mas, Sr. cura, disse o mancebo
cora ar de impacienciaque importa a meu
pai queeu venha urna vez ou outra assen-,
cer a morte real, e de evitar que a humani-
dade se enterre viva.,
Ffcreee que o marquez de Ourches fra
em petnieno entenado vivo, pelo teremjul-
gado. inorto. Foi este facto da sua vida
que oinspirou instituioo d'mi seiaelhante
legado.
tar-me sua mesa e descansar sob o seu
tecto ? Alm de que, eu sou senhor das
minhas aeros I accrescentou em tom re-
soluto.
Meu amigo,replicou o parocho
sentirei deveras nao o continuar a ver aqui.
ms longe de mim querer ser objecto de
discordia para com seu pai. Restar-me-ha.
a consol aco de ter curaprido o legado me
sua mi me deixou ao expirar. Tenho-Ute
fallado della e em breve provavelmente.
lhe irei fallar de si.
Pois bom, Sr. Francisco Paty, ac-
crescentou Rogerio com voz firme o reso-
luta foi sob o seu tecto que eu pela pri-
meira vez ouvi fallar da adorada creatura
que me deu a vida ; foi o senhor quem
primevo me ensinou a conhece-la e adra-
la! E? ao senhor que devo todo este bom
acolhimenlo, e a occasiSo de ter experi-
mentado a felicidade de ser recebido e
tratado n'esta doce e inefiavel amisade ;
portanto devo certificar-lhe que nao ha na-
da no mando que possa im|ied;r-me 4e
transpor o limiar da sua porta, a menos
que nao seja a sua prohibcao !
Mas, meu tio, parece-me... balbu>
ciou catharina com voz quasi extincta.
Vamos, vamos finterrompeu o bom
do velho com um sorriso melancoUcoNio
interrompamos intempestivamente estes
agradaveis momentos ; nao sejamos ingra-
tos para com Deus, que no-tos proporcio-
na. Para que ha vemos de inquietar-nos
pelo futuro ? O homem, i seroelhanca da
agua que corre n'aquella ribeira, passa hoto
aqui, sem saber onde ir ter amanha. O
essencial bem merecer do Eterno para
que elle rena no co as almas que se ama-
rara na terra I
(Continuarse-ka.)
TIF. DO DIARIO-Il A DAS CIVIU R 41

:
-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6DYO6Y3C_3XVGRT INGEST_TIME 2013-09-14T03:45:55Z PACKAGE AA00011611_11746
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES