Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11745


This item is only available as the following downloads:


Full Text

1
ANNO XLV. NUMERO 13.


PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE RAO SE PAGA PORTE.
Por iivs OMMa adiantarios..................
Por i'or um auno idwu............ ...... .
Cada numero avolso ..................
6000
24000
320
m
'i !

TERfA FEIIRA 19 DE JANEIRO DE 1869.
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA.
Por tres mczes adiantados.................. 67.'0
Por seis ditos idem.................... 13$500
Por nove ditos iik'm.................- 20)5250
Por um anuo...................... 27000
Propredade de Manoel Rgueira de Faria & Filhos.
f
t*A akotk*:
Oi srs. Geranio Abluir Alyes & Fillios
Gumiaiaos Paiicadi
no Para; Gwt&llv
i, em Mainanuujijic
?ni
s Pinto,
: Antonio
Nazaietli;
no .Maianito; Joaqnim Jos de Oliveira, no Cear; Antonio de Lento* Bi;<-;i, no Ar.irafy; Jojio Mara Julio Chaves. noAssii: Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joamiim
Vlexaiidnno de Lima, na Paraliylia; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penlia: fklarinino dos Santos Dulci, em Sanio Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
Frontino Tararos da Costa, em Alagas; r. Jos Martins Alves, iiaMahia; e Jos Riheiro Gssparinlio, no Rio de Janeiro.

*






PARTE OFPICIAL.
CiovcruA da provincia.
SIENTE VSSlr.v \i.., .TI.o EVA. sn. CO.VK l>! RAE-
PRNDY,I'KESIBXTI O.lWntl.NTlN KMlDK IANEIIW
de 1860.
Pseccsio.
K. 325.Poriaria, ao Exin. Sr. general coinnian-
thnte das armas. -Amfcwrsto data di iveommon-
r directordo arsenal ib- guerra que
remella a \. Km-., afim de poder cumplir o aviso
circular da reparticio da guerra de -lo d- dezeut-
bro ultimo, una relacao nouiiiia! &>* oflriaos mi-
litares i- rmprcgadns feivls daquella ivparlicn. cun
declararan das datas de Nas norneare" c ronde-
i'oraefies t)U6 tiveivm OfetidD, bem roan urna nu-
tra, trimenaal das aUeneSea que occorrerem acer-
ca dos mesuras oflhuans c empregaduc.
X. 326.- Dita '<> mosm. Conmmnico a A'.
Exc. para scu roeheoimeoto. que. hontem entrn
ui cxi'ivirio do lugar do Director do ai:-cual do
na, para o i|nal lora unmo.-ulo por d'rivlu de
18 de nevembre ultimo, o major do e.ilado4ualor
I primrira CfebSO Francisco Hapilad de .Mello
RegO.
rt. 327.- -Dita ao director do arsenal de guerra.
- Tara |vodor o hrigadoiro eoQimaodante das nr-
mas dar cumplimento, ao que doterminado em
aviso circular do ministerio da guerra do 30 de
deambro ultimo, faz-so neeessario epte V. 8. quan-
to ante- remeta moa relacao nominal dos olllraes
constar que esse titulo se acha na secretaria desta' nheiro EiizcbioSteveauxem conunissao de mediciio
presidencia, onde lhe ser entregue depois de pagos de Ierras na colonia de Pmenteiras desta provn-
os dreitos aovidos. ria, mas nao imdendo ser olla entregue ao inesum
A. 311.Hila ao roiiimanadanle do cor|>o proso- jSleveaux, por se ter elle retirado desde noveinhrn
noe polica, -lulerado de quanto Vine relata em tiltimo para a corte, onde est empregado na re-
Km oleio d
subdelegado dj
seiinllieode8do ronviilesol) n. 901. deterinino-lli
pie mandosubmtter iconsemoaspracasqne dei-
xar;-m de cnnuirir os seus deveree, nao iniedindo
a ii^a dos criminosos Antonio Gmli de Vascon-
cellos, e Antonio Francisco Gomes, que estavam
sob \ sua guarda.
D 3i*;. Dita ao mesino.D Vmc. as conve-
nientes providencias p;ra que ainanhaa nipieleri-
veluiente siga pt/a a villa lio Galm, e alli se apr-
sente ao respectivo delegado de policia, um de.-ta-
rameuto doeorpo do i lo praeas e um inferior, qno alli devora (iuer o
servico da guarnirn da cadeia e polica do lugar,
at nova ordem di'-la n'e-idencia.
X. 316.- -Dita ao mesmo.Mande Vine, dar bai-
xa_ do carpo sob M>n commando ao 2 sargento
Joao Itaptista de Souza Le
pailie.io dos negocios da agricultura, commercio c
obras pulilicas, faco seguir no vapor Gtion. que
parte araanliaa para os portos do sul, a referida
Imssola e p a (lisposiciio tle V. S.
_X :ii!ii.--Hila ans agenles da O'inpanhia Brasi-
leira ile paquetes a vapor.l'd'-m Vmcs. fazer
seguir para os portos do sul o vapor funr, pro-
cedente dos do norte, amanbaa, hora indicada
em seu ofllcio desta data.
N. 3li7.Hita aos mesmos.Os Srs. agentes da
Companhia Hrasileira de paquetes manden) dar
Iraosporf! para a corte, por conta do ministerio
da marinba, no vapor Guiar, ao imperial mari-
nbeiio de terceira elasse Angelo Jos dos Heis,
que se aelia preso bordo do brigue-barca llama-
raen.
Hita aos mesmos.-Os Si
Id c urente coinmunicoil-me o
k do Hiiin-C.msolbo que 10 dia
ido respectiva ctidda o
.ibrii-1 Anonio da Co-I i, ni-
Joao llaptisia de Souza Lemos, de que trata o seu: N. :tia-Hita aos mesmos.--Os Srs. agentes da
ofllcio n. 907de 0 do oriente, visto ter completa- Companbia JJrasileira de paquetes mandem dar
do o lempo de sen engajaniento e mo querer con- transporte para a edrte, por conta do ministerio
tinuar a servir.
3' -eecao.
X. 319.Portarla ao inspector ds tliesouraria
de lzenda.Teiulo nCta data approvado o contra-
to junto por copia que o consellio de compras na-
vaes celebrou coni diversa- pessoas, para provi-
inenlo do almoxarifado do arsenal da niarinlia, as-
sim o couimnnico a V. S. para seu conhecimento.
X. 330. -Hita ao iiHsmo.--Tomaiido em consi-
e.iiJiai..- empregados rivi desae estaboiecimento, i deraijao o que expoz \. S. ora seu ollicio de hon-
vxa deca.'acao das datas de suas nomeacoos u tlim sobn. a. tcnbo a dizer om resposta,que po-
bem romo a
>rridas con os
,..- loe iracocs ijie livereni obtido
i >lacao Irimensal ilas MeraeaVs oci
referidos aflteiaes e empivgados.
N. 3i9.Hita ao coinmandant'' do presidio de
I ruando.Transmiti a V. S. as guias juntas dos
sentenciados constantes da nrlnsa relacio, os
quaes fem de para abi sefnir no rapor 'OiqHUi,
qiks deve partir a \\ do correuir para osse pi'-si-
dio, menas on dos de booms Domingos de Souza
Barros e Fidul Uitonkj Mendos, queja loram en-
viados a esse r miniando.
Relttiifi ili' (/i/c irut" o nfii/'/'y xiipra.
lUttpnio l'Vi reir Mves da Silva.
A.frio Francisco Rodrigues.
Manoel m de Figueiredo.
Wanoel Francisco (Jirra.
icism de Mallo- da Silva.
tuiz Jos de Frinc.i
Domingos de Boma Barros.
Fidelis Antonio SlVndo*.
.i Juliana.
Severino Jos de SaofAana.
Jos Bertoldn de Suiu.
Jos Tboinaz.
loei Joaquim do.- Sanio.-.
K. 339.Ma ao capKod porto.Wde V. s.
' r segnfr para a corte no vapor Ovar os re-
cretas mencionados no son olhVio de bontein data-
do, sob n. 7 e bein a-sini o de noow Paulo Fran-
oiseo de Oliveira, indicado como apio no termo
lorevo ao-en ntiifio tamben de 11 de correte
- ;) n. i.
ti. 334.Dita ao eommajidante do brigue barca
II marac.Firan expedidas as convenientes or-
ntes da .....ipanhia lra-eira
qnetcs, para fazerem transportar pira a cotte no
vapor liirnni o ofllcial de (azenda de ipiarta clas-
- Antonio Kmilio de Faro e bem assim osar-
g.mto doeorpo de im|HTae- marinheiros Joaqnim
(''mingues Mariano, como Vme. solicon uud scu
ofBea de 8 do frrente, sob n. 171.
N- 33i.Bita ao me-m.-Fica expedHs a con-
veniente ordem aos agentan da fonipanbh Hrasi-
I ir i de paquetes, para darem transporte para a
corte ao iinpeiial inarinlieiro de terceira elasse An-
gelo los dos i!,--. que se acha preso a bordo do
de acivilar o nflbrcci
v
Irucc
de 27 de outubro uftim t, de uina casa destinada a
niarda-uioria da all'aui oga desta capital, mediante
ascondTcoes constantes da nota que vcio annexa
ao citado oflkio e a quiutia de Il:28i793.
X. 331.Hila *io mi snio.Estando concluidos
os reparos autori-ados do pbarol da baira desta
capital na importancia de itOj, segundo partid-1
pou-me o eapitio do pc-rto em ollicio n. 1 de 11 do |
coi r.'lite : assim o communico a V. S. para sen
conliccimenlo e fin- convenientes.
X. 331.- -Dita ao u sino.Expeca V.S. suasor-
dens para que. depois le liquidados, cm vista da
l'olha o relacao noioinal juntos em duplicala, os
vencimenlos relativos w inez dede/.embro do an-
uo passado. do offlcial e praeas da guarda nacional
destacada na cidade de i oianna; seja pagaa impor-
lancia de taes M-nciineiitos ao 2" sargento Luiz de
Franca dos Santos Ofiveira, conforme solicitou o
commandanle superior laquelle municipio era olli-
cio do lu do coneiite.
X. 333.-Dtoyio mestiiS.Depois de liquidados,
em vista do pret junto m duplicada, que me re-
inettc'u o commandanle superior dcste municipio
em de 8 do corrente so i n. 3, mande V. S. pgal-
os vencimentos corresp mdenles a Ia quinzena do
inez de dezembronltimo, dos guardas nacionaes do
Io b; talbao de arlilbarii. 2 e 3 de infantera, que
se adiara doenles na ei fermaria militar.
X. 331.Dita ao n sino.Communico a V. S.,
Iara seu cophocimonto. que honiera entran no ex-
ercicDdrr-rargo de difctor do arsenal de guerra
de pa- tiesta provincia, para ( qual fol nomeado por de-
creto de 18 de novemb << do auno prximo lindo, o
major do estadn-makir de t* elasse Francisco Ra-
pbae! de Mello llego.
X. 333.Dila ao ins| ector da tliesouraria pro-
vincial.- Declaro a V. ., para seu conhecimento e
juiz convenientes, me icabo de rerommendar ao
tene-.ite-cnronel cernina idante do corpo provisorio
do iH'licia que maiule dj-.-Iacar do villa do Cabo 15
placas e um interior do carpe sob seu commando
para fazer o servico da guarmcao da cadeia e poli-
ca do lugar at ulterior deliberacao da presiden-
! da niarinba, no vapor Guar, aos rebrotas Lauren-
lino Ferreira da Silva, Manoel Lopes de Monos,
Francisco Xavier das Cliagas Jnior, Antonio Nu-
iles dos Santos, Jos Feliciano de Araujo, Manoel
Jos Sobral e Paulo Francisco de Oliveira.
X. 369.Dita aos mesmos.Os Sis. agentes da
Companhia llrasileira de paquetes, mandem dar
transporte para a corte, por conta do ministerio
da iiiariulia. no vapor Guar, aoollicai de fazenda
da 4' elasse Antonio Emilio de Faro, e bem assim
ao segundo sargento do corpo de imperiaes mari-
ile acceitar o nffereclni nlo que fez o bario do Li- nbeiros Joaqnim Doraingues Mariano.
rramenlo para executar, por empreada, a cons- x. 371.Hita ao gerente da Comps
Irurco autorisada pel oracn do tbesoum n. 183 narabucana.O Sr. gerente da Conipa
n vio sob sen enramado, como solicitou .era seu ria, tirando dispensado por emqua'ntn o destacar
Otficio de II de correnle. sob n. 172.
- N. 333.Hila ao conseibo de compra.- navaos.
Ficaui apprevados os contratos que oeonselho
de compras navaes celebrou cora diversas pessoas.
segundo o t 'mo p ollicio datados de 3 e 8 do cor-
r-nte, para tornechnento do almoxaiilado do .use-
od de inarinba ; o que declaro ao mesmo 00080-
Ibo para geu conhecimento.
>'. 334.Deliberacao. -O presidente da provin-
ela, attendendoaoque reqnereu bycurgo de Al-
buquerqne Naseimonto. resotve eboosoer-lbe li-
i pan remetter para o presidio de Fernando |
oo vapor Gpii da companhia Peroambucana, a
serena alli entregues ao rapitio Tibbrcio Hilario
di Silva Tavares, os gneros constantes da rela-
{o junta resignada pelo secreUirio do aoverno.
K. 335.--Hila.- Dpresidente da provincia, at-
leiidendoiio cpie re(|ueiv.u Auguste Rodrigue.- da
Silveira.rosoK'O conceder-Iho Heenca para ir ao pro-
-iiio de Fernando na vapor Giqn da conipanbia
Pernambucana. levando eomsigoos ^eneros eons-
lantea da relacao junta, assignada. pelo .secretario
'-> governo. nao pdendo, porm, eflertoar o des-
barque dos referidos gneros, em que ior par-
le do eoiiriiiidante do mesmo preaidU se prosada
a exarae, aliiu d" veriticar-se se lia agurdente ou
ouira analquer bebida espirituosa.
2'1 seerai i.
K. 338.Portal 'a ao Dr. ebefe do polica. Com-
munico a V. S.. |ara o fazor ooBOtar ao delega-
do da villa do Cabo, que exped ordem ao tenente-
* ronel commandaote do c-vpo provisorio de |>oli-
. i para que nuujde destacar uaquella villa quiu-
xe iracas c Um inferior, aiim -I" fazer o servico
da guarnicao da cadeia. e a polieia do lugar, at
ultima deliberacao desta proideneia, cando dis-
penaado por emquato o destacamento da guarda
oacJonal (pie se bavia mandado postar no mesmo
lugar.
N. 339.Hita ao commandante snperior do Ca-
bo.Tendo ne-ta dala mandado destacar na villa
do Cabo quinte pj-aca? o un inferior do corpo
provisorio de polieia, aira d-' lazereju o servido da
guanueao da cadeia e polica do lugar ; cumpre
que V. s. uMOJfle desde j rerirar o destacamento
de guardas naeionaes autorisado pela portara de
S de novembro do anuo passado ; e Ibe reeominen-
menio de guarda- naci maes alli existenti
N. 33(i.Hila ao in.'.mo.Coinniunico a V. S:,
para o fazer constar ac delegado da villa do Cabo.
que i xpedi ordem ru. coronel commandante do cor-
po provisorio do polica para que mande destacar
uaquella villa 13 | racas e um inferior, aliin de
fazer o servico ib ;;n;ir licao da cadeia e a policia
do ligar al ultima deliberacao desta pajesdencia,
lieando dispensado poi emqanto o destacamento
da guarda nacional qip se bavia mandado postar
no mesmo lugar.
X. 337.Hila ao nvsnio.Autorso V. S., nos
termos de sita inlorm.icao de 8 do corrente Sob
n. n, a mandar restituir" aos empregados do con-
sulado provincial o que de menos reeeberain, pro-
veniente da arrecadacio lala no inez de setembro
do trimestre addicionid do exercico de 1866 a
1867
X. 338.Hila ao me ao.Tendo nesta data au-
orisado o chefe da repartieao das obras jiublicas
a mandar fazer por adininislracfu, conforme indi-
cou em ollicio de ;1 de dezembro ultimosob n. 461,
M reparos argentes, de que necessita a casa da
guardada ribein de S lose, os ipiaes, segundo o
orcameulo junto por copia, importam em 233i,
assim o declaro V. S. para seu conhecimento e
Hus convenientes.
N. 359.--Hita ao menin.Reeouimendo V. S.
que, em vista das duas inclusas contas documen-
tadas, que me remeiieu o delegado encarregado
do expediente da reparu^ao da policia com ollicio
de bontein, sib n. iC1. mande liquidar e pagar a
Joaqim Jos Ferreira la Rocha Jnior a imnor-
tanei.i das des(iezas eias cora a alimentario e
dieta- forni'cida- ;,o- v esos pobres da casa de de-
tener o. durante o mez de dezembro ultimo.
X. 360.Hila ao mismo.Constando de ollicio
do cuete da repartieao das obras publicas datado
de h inii-ui. e sob n. 11. nao ter querido o arrema-
tante da ponte de Seriihaem incumbi-.-e da cons-
trnecao do atierro da varzea do Rosario, junto i
mesma ponte, pela qiantia de 5505 em que foi
oreado o mprao atlcrrj, cxincedi a aulorsacao so-
licib.da nesse (>llicio, pira ser contratado esse tra-
balli. media nle a paja de 800 : o que declaro
V. S. para seu conheeunento e ns convenientes.
N. 361.Dita ao chfe da repartieao das obras
de que envi quaano antes a informacao que publicas.(Concedo a autorisacao que Vmc. pedio
l i i -I 1 ,,.,...* .. i.a'.n n iln raa .^ **. ntiljill .> Ilxl.v ili. *tl .Ir. __ 1 ->U:_____ ___1. I I
exig em 2 do correte acerca do que repre-entnti
i. delegado de polica cora rolara) ao sargento do
ni: destacamento Darn RriKhro do Senna.
\. 310 -Hila ao commandante superior de Ta-
cirat.In.rme V. S. sobre o que expoe. no ofl
o junto por copia, de 9 do mez lindo, o juiz d>'
lo inteiina dessa comarca, relativamente ao
I r icedmenlo do commandante do destacamento
i ese Roque da Silva liar;
N. 341.Hila ao delegado encarregado do ex-
II liento da repartii Ikia.Informe Vine..
indo previamente o Jc'l gado do termo de Ta-
-iran, sobre o que relata o juiz de direito interi-
11 comarca do mesmo nome no offlcio junto
ipa.
N. 312. -Dita ao mesmo.Com o parecer junto
l">r copia do Inspector da thosoarana provincial,
<:om o qual me confoi'mo, respondo ao offlcio d
Vme. de 15 de dezembro ultima sob n. 9893, quan-
1) ao sustento dos presos pobres da cadeia de Bar-
N. 343.Dito ao jofe municipal do termo de
O'.in la, -Tendo o Sr. ministro dajustica, por avi-
! 8 do mez prximo ndo, approvado a del:
ao jso tomi do conceder oito mezesdel-
ic ao tatellio eescrivao dessa cidade, Felippe
; ,i XascimetUO Faria, declarando, porm, que pa-r
>a os ein'' aos tres obtidos des-
11 presidencia devia o referido tabeUiio mandar
car tliulo passado pelo governo imperial ;
i o coaanuujco a Ydm. para que iue faca
em (Hiri de 31 de di zembro ultimo, sob n. 461,
para mandar fazer pjr adrainistraeo os reparos
urgentes de que precna a casa da guarda da r-
beira de S. Jos, dsspt ndendo para esse ftm at a
quaiitia de 153i. era que imixirtam os mesmos re-
pares, segundo o or;:, ment que veio annexo ao
seu citado ollicio, o qual tica assim respondido.
X 362.Dita ao mi smo.Interado de quanto
Vnn. expoz em seu off co de hontem, sob n. 10,
tenln a dizer em resposta que intime ao gerente
da empresa dos trilbos urbanos do Recil'o a A)ii-
puecs, que faca retirar os pregos que mandou col-
locar as iongrnas e donuentes do pontelhao da
Jaqnera, e desenbarice a ponte ao transito |>u-
blico.
N. 36.1.Dita ao uh smo.Em resposta ao oOl-
iiu que Vmc. n B dirigi bontein, sob n. 11, tenho
a dieer que concedo a antorisacao n'elle solicitada,
par? contraen- cem o irrematante da ponte de Se-
rinliaem, por 800, n construei-ao do atierro que
se faz preciso na_varzea do Rosario, junto mes-
ma unte, visto nao ter o mencionado arrematante
qoei ido encarregar-se lesse trabalho pela paga de
SSO; em que foi crea lo, segundo consta do seu
citad i ofllcio. *
fc seceo.
X 361 bis.=Portari i a .itonio Mara de Olivei-
ra rolhoes, i -rector geral das obras publicas no
Rio de Janeiro.Rece! i com o respectivo p que
V. S. me remetteu cora o scu offlcio de 29 de de-
zembro proxiiu fiado para ser estregu ao enge-
mpanbia Per-
irapanliia Per-
nambucana mande dar transporte at a Parahyba.
no vapor que tem de segui.' para o norte a lodo
corrente, ao Dr. Jos Nicolao Tolentino de Cam-
ino, secretario da repartilo da polica daquella
provincia, como passageiro de estado a re.
KXI'KIUKXTE ASS10XAD0 PELO SU. DR. JOAQVIM CORREA
DE ARAl-JO. SEatETARIO DO SOTERR EM 12 DE JA-
NEIRO DH 1869.
2" seccao.
X. 372.Oilicio ao desembargado!- Joao Antonio
de Araujo Freitas Henriquc.O Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda declarar V. S., que
nesta dala foi Iransmillda ao Exm. Sr. ministro
da justica a cerlidaode que. trata o ofllcio de V. S.
de 8 do corrente.
X. 373.Hito ao commandante superior de
C-oiaiina.S. Exc. o Sr. pri^sidenlo da provincia,
manda declarar X. S. em resposta ao sen ofllcio
do Io do corrente. que a thesouraria P fazenda
tem ordem (rara pagar ao sargento Luirte Franca
dos Santos Oliveira os ve lamentos constantes de
seu citado offi-io.
X 374.Dito ao delegado encarregado do ex-
igiente da repartieao da polica.De ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia traiuraitto V.
S. a relacao junta por copia dos sentenciados de
justica, que a 14 Ueste mez teem de seguir no vapor
Giaiihi, para o presidio de Fernando de Xoronlia.
.N375.Dito ao mesmo.O Exm. Sr. presidente
da provincia manda declarar V. S. que fljea. bi-
teiradi), por seu ofllcio n. 44 de II do corrente,
ter a 31 de dezembro ultimo reassumido o exerci-
co do cargo de delegado de Santo Antao o cida-
dao Manoel Cavaleanti do Albuquerque S.
X. 376.Hito ao niesino. S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda declarar V. a., em
resposta ao seu ofllcio de hontem, sob n. 40, que
nesta data aulorisou-se a thesouraria provincial a
pagar a Joaqnim Jos Ferreira da Rocha Jnior a
quantia de 2:743509 rs., constante de seu citado
ofllcio.
E. 377.Dito ao promotor publico de Caruar.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda acen-
sar o recebimento do omcio de V. S. de 6 do cor-
rente, em que coniinnnica ter nessa data reassu-
mido o exercico do seu ciirgo.
N. 378.Hito ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda acensar o recebimento do mappa
do armamento e equpameuto do corpo sob seu
commando, de que trata o seu ofllcio de 9 do cor-
rente, n. 906.
4 a seccao.
Ofllcio directora do thealro de Santa Isabel-
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia
rogo a V. S. qne se digne remetter esta reparta
cao al o dia 20 do corrente, urna informacao cr-
cuinstanciada acerca do estado actual do thcatro
de Santa Isabel, e do que houver occorrdo duran
te o anno prximo lindo, com relacao ao cumpli-
mento das empresas lyrica e dramtica, assim co-
mo o que mais convier a bem do mesmo thcatro.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 15 DE JANEIRO
DE 1869.
Hacharel Antonio Fernaudes Trigo de Loureiro.
Como requer.
Angelina Francisca de Lima.Declare a suppli-
cante o nome de seu marido.
Bento Joaqum Gomes.A' vista da informacao
do engenheiro chefo da repartieao das olas pu-
blicas.
Barao do Livraraento.A' thesouraria provin-
cial para satisfazer ao supplieante o que se lhe de-
ver do exercico correnle, nos termos de sua in-
formacao de 21 de dezembro prximo lindo, sob
n.808.
Candida Rosalina de Almeida Cona.Sim, pas-
sando recibo.
Bacharel Francelno Bernardo Quintero.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Alteres Geminiano Caetano Fernandos da Silva.
Informe o Sr. desembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia.
Jos de Amorim Lima.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Joaquina Maria da Conceeao.A reclamacaoda
supplieante suhraettida decisito do governo im-
perial pelo ministerio da marinha.
Joao Monteiro de Carvalho.Satisfar o despa-
cho do 12 do corrente para poder ser attendido.
Jos Pereira Borges.Informe o Sr. Dr. juiz de
direito.
Leonor Maria da Conceicao.Certifique.
Leonardo Francisco de Almeida.Informe o Sr.
Dr. juiz de orphaos do termo da capital.
Manoel Pessoa de Siqueira Campos.Informe o
Sr. Dr. regedor do Gvmnasio por intermedio do
Sr. Dr. director geral da instrueeao publica.
Bacharel Paulo Martins de' Almeida.Certi-
fique.
Repartieao da polica.
2a seccaoSecretaria da polica de Pernambu-
co, 18 de Janeiro de 1869..Y 92.Mu. e Exm. Sr
Tenho a honra de levar ao conhecimento de V.
Exc. que, segundo consta das participacoes recebi-
das boje nesta repartieao, no dia 16 do correnle
nao foi reeolhido individuo algum casa de de-
tencao, e que no dia 17 foram recolhidos os seguin-
tcs individuos #
A' ordem do subdelegado do Rccfe, Galdino Ma-
noel da Costa, por briga; Benedicto, escravo de
Antonio Francisco Collares, por ser encontrado
tarde da noite sera bilhete de seu senhor; os sub-
ditos inglezes llenry Greet. Gustavo Wilson e John
Xelson, requsica do respectivo cnsul.
A' ordem do de Santo Antonio, Andr Avelino
da Silva, por crmo de offensas physicas.
A' ordem do da Capunga, disposicao do Dr.
delegado da capital, Caetano Jos Rodrigues de
Ranos e Francisco de Paula Bosvenlura. por (ri-
me de ferimentos.
2 rara alli presa
individuo i|c
ininoso das Afagoas. '
Por ollicio dimasnii data, partieipou-me o sub-
di'legado do distrieto -I- Pedias de Fogoiueno
iba 3 capturara oJhcnlhra a respectiva c dea a
Jos Leo- criminoVo de murte na villa da Assem-
bla da provincia das Alagas.
Em ofticio de 9 do correnle coniniunicou p de-
legado do I Tmodolloiii-Conselbo que no dial: fez
capturar e recoftier a cada daquella villa Yau-
cisco Antonio de Oliveira, conhecido por Chico Se-
c indo, como indiciado em erime de airarlo.
Por ollicio de 27 do dezembro ultimo parteipou
o delegado do termo do Bonito que no dia 23 um
individuo conhecido por Manoel Bala dirig i-se
casa de Flix Jos dos Santos Racurao. mirador
no distrcto de Htenos daquellc termo, cora in-
tencao de assassna-lo e nao o encontrando em
casa deixou dito familia que o esperasso, pois
brevemente o ira mata-lo.
Bacur.io apenas soube do ocorrdo tratoulitnme-
diatameute de BOdar-se, o que elTectuou no nies-
nio da, equando nodiaseguinledirigia-se sopara
o lugar de sua nova residencia, sentio qne un ca-
\alleiro era marcha fbreada procurava akanra-lo,
e possaid de tOdo. lOgUndo sepn-sume. juliimdo
ser Manoel Hala, vollou-se rpidamente e disharou
una espingarda que levava comsigo sobre of mes-
rao cavalleiro, que gravemente ferido. deslichou
or sua vez um Uro de pistola que Irazia, ni; s fe-
mando este, o mesmo cavalleiro que era A ilonio
Francisco, amigo de Bacuro, e niio Manoel Bala,
apressou os paseos e segaren ao seu olfenso, que,
oonbeeendo eno o scu iatal engao, pedio ogo c
instantemente perdo ao onendno. O delim nente
foi preso e reeolhido respectiva cada, e ronlra
elle eslava instaurando o compleme proceso.
Deus guarde a V. Exc-lllni. e Exm. Sr. tonda
de l!ae|wndy. U chele de policia. Fraiici oo de
l'nri'i Cemot.
EXTERIOR.
Correspondencia do Diario de
Pernambneo.
LISBOA, 28 DS DRZKWMtO DE 1868.
A' 15 pedio e oble ve de el-re a sua deihissao
instando absolulamente por ella o Sr. Carlos Bento
da Silva, ministro dos negocios da fazenda e inte-
rino dos uegoejos estrangeiros, lugares em que
depois do regresso de sua infructuosa e mal agra-
da viagem fmanecira Pars, linha novanient; en-
trado de pos-e.
O Sr. Carlos Bento. cora a sua eonbecida leilda-
de. tendo. como tem una cadeira na cmara, dar
de cerio expHcaccs sobre a sua demissao, as
quaes nao detatrao dexar em duvida o palriollisnio
c itignidade que presidaram aquella sua inabalavel
resonicao, bin porm evidentes as causas da sua
sabida do gabinete. l;"oi em virtud-' de desaejeordo
entre os niiiisuvs, pul- causa daoperacao ajustada
em Paj-is pdn Sr. C. Bento. Ficou inlermalnenle
com a pasta da fazenda o Sr. Calheiros (ministro
das obras publicas) e nao ser senao repetirlo que
al os seus inas ntimos apregoam : que ejte ca-
valheiro completaoienle liospede cm assulmptos
de fazenda. Por isso, todo o alan do ministerio
procurar um ministro da fazenda e recompor a si-
tuacao.
Uina das vendes miiisleraes que bintem
corriam, era passaroSr. LatinoCOeihO nninis roda
narinlia e ceiaadaa) para os negocios estiangf iros;
o Sr. Calbeiro- imiiii;lio das obras publicas e in-
terino da fazenda) para a marinha. e entra! em o
Dr. Tboinaz de Carvalho para a fazenda e o Sr.
Rebello da Silva para as obras publicas.
Parece que a pasta da fazenda tem sido c Acre-
cida aos Si s. Jos Mara Eugenio de Almeida con-
de de Samidaes, Palmero Pinto e Franciscc Cha-
mico. Meaban destes cavalheiros a tem ai echa-
do. Fallou-=e tambera no Sr. Lobo u"Avila.
Outra versao dava o Sr. duque de Loul com a
presidencia e eslranseii'os: Jos Paulino le S
Carneiro, guerra: Antonio Rodrigues Sanipaio.
reino ; Guilhermiiio de Ranos, justica: Santos
Silva, fe&mda ; Manuel Vaz Preto. marinha el obras
publicas; litando o Sr. duque de Loul coni urna
destas pastas.
Outra versao : o Sr. conde d'Avila presidencia,
estrangc'u-os e fazenda : S Carneiro, guerra : San-
tos Silva, reino; arjona de Freilas, justica ; Loira
d'Avila, obrus publicas.
iz-se que a abertura das artes ser adiada. Nao
lendo o ministerio obtido por era quanto quejm de-
seje associar-sc responsabilidade dos seus actos,
nao lhe ser nossivcl apresentar s cmaras no
prazo legal os orcaiiieulos, e que por issp sei
adiada a tessao.
J vern que tudo sao versoes desencontrdas, e
que de posWVO sd se sabe que grandes teem sido
os apuros do gabinete para fazer face nao b aos
encargos da divida externa, mas tambera s des-
pezas eorrentes. A palavru banca-rota passou de
alguns peridicos pouco escrupulosos em soltar o
tauve qm pri't, para todas as conversacoOe. Ji' um
grito atlerrador e imprudentissmo qu Se Wm le-
vantado, seni grande razio de ser, masprinjcipal-
inenle desde que o ministerio decidi nao concor-
dar nos ajustes feilos em Pars pelo Sr. C, Bento
para a realisacao de um emprestimo, cuja bases
seria o atiender-se a reclamacoes e mesmo exigen-
cias, isto as que fossem justas e razoaves, dos
portadores de obrgaeoes dos caminhos de ferro do
sul c norte:
O (jue ninguein sabe, porm, como haja (le ex-
plicar Mi revelar, a npenuidadu e precipitaeo
com que o Sr. bispo de Vizeu se decidi a tele-
graphsr para os govemadores civis de tollos os
dislriclos do reino, participando-lhes que o empres-
timo eslava feilo em boas condiews, quanuo nao
snao eslava feilo, neni o ajusfe entabolado era
era condedes aceitaveis, como se deduz da sahida
do Sr. Carlos Bento.
Diversos boatos se espalharain procurando ex-
plicar os fundamentos do desaccordo. O prnieiro
vera a ser de que & desintelligencia entre os mi-
nistros nao proveio da queslao dos caminhos de
ferro, a qual nao chegou mesmo a disentir-se ;
mas (le que no projecto de contrato a Sochfi Gen-
rale (porque para o mais lhe nao deu cenca o go-
verno imperiaf) apenas se prestava a servir de
corrector emitlndo as obrgaeoes sem se nspon-
sabilisar pelo bom xito. Os que susteutavam
esta versao diziam que o governo eslava resolvdo
a transigir cora as compaiihas e qne chamara
Lisboa agentes dellas, e uoracara urna conunissao
para fazer ura accordo.
Accescentavam mais que o governo inglez se
entender com o francs, e os dous juntos trabara
fera saber ao uosso que resolvesse at 21 do cor-
renle mez fazer eoncessoes as duas companhias de
caminhos de ferie, sob pena dos dous governos
obstarem, nos limites das suas facilidades, nao so
ao actual emprestimo, mas tambera a quaosquer
suppruiontoi do fundos, feilos por qujalquer
modo.
A outra versao, c qne o Sr. bispo do Vizeu, Pe-
quito, Latino Coelho e Sebastiao Calheiros se opno-
zeram coneessoes s companhias dos caminhos
de ferro, e que o governo nao so tem outro em-
prestimo consolidado erh projecto, mas t; inbeo
conU com os supprmentos necessarios psra oc-
correr aos encargos do thesour
l'mjoraai da jituacao discoirendo nc:tcas-
snnipto, d como ponto aaeatmt que lord Stan-
i /''i/e o.SV.isra.l. qttando 'rain minitrm da
<( raiitn Victoria, ordtnvam a lord Lyom. em-
' baixadw bi tanateo em Pars, que oblicesx do
pceme ite Frawea a nus. qtpotiefio uo empresti-
dio lortiiijnez nu caso de agote fazerem coners-
' ses d ctmpanhia de sueste.
> O giiccrno /'ranee: (contina o alludido jornal)
mlherio a este pedida, c imw deu Societ Gen'-
<( rale cenca pon fazer o empreslimu de outro
modo. A companbia do norte aproveitou o eo-
" seto para fazer valer as suas prutencoes.
DaMao lanibeiiique altendidas estas exigencias.
o Sr. (',. lenlo obtvra do governo fraueez que o
emprestimo portuauez fosse colado na bolsa de
Pan. .
Arho a propo-ito ueste lugar transcrever de
una folha da capital algnmas informacoes acera
das obrigacoes dos caminhos de Ierro, sobre qne
tem versado as exigencias que dilticultaram e im-
jiedirain por lim o projeetado emprestimo. Ei-las:
Nao sabemos onde encontrar iiiformacoes exac-
tas acerca do numero de obrgaeoes einiltidas pela
companhia dos caminhos de ferro do norte e leste.
A eoinpaithia foi autorisada a einiltr 330,000 e
eei'lainente 270,000 foram laucadas no mercado.
Suppondo (|ue toasen so 270,000, como erara de
90-3000 cada urna, o seu valor nominal sera ao
todo de 2i,3O0:OO.v. Ao juro de 3 / represen-
tam un encargo anuiial de 729:0OO sen conlar
amorlizaco. Parece, porm, que a companbia
tendo-as vendido por procos baixos nao obteve por
ellas mais de 11,000:000 y
As obrigaixies do caminho de ferro de sul e
sueste iiiiportain em l,933:000, o que tambem ao
juro de 3 da o encargo animal de 58:000. As-
sim s cm juro o encargo das obrigacoes das duas
companhias, se o governo o tomasse sobre s, im-
portara em 787:000a. Suppondo s 1 'A por %
para a araoi tizaco leramos 0 onus total de......
I,l80:000i por uino. A exploraco das linhas de
SOOSte pequeo dficit deixaria. las o das linhas
de norte e leste seria enorme, o nao se pode ties-
tas hypotlicscs calcular os encargos todos do the-
souro por esle lado era menos de 800:OUtM. Jun-
tando-os aos 1.980:000/1 de encargo do thesouro
pelo grande emprestimo, como eslava ajustado, te-
riamos o sacrificio animal de 2,780:000./ durante
30 anuos pelo menos.
0 einpresiinio fallira assim a 12,35% j, cora
probabilidades de alguina diminuirao futura.
A urgencia de assegurar no da 4 de Janeiro
prximo o pagamento em Londres dos Juros' da di-
vida exlerna na importancia de 1:800 conlos de
ris e a inipossiblidade era que o thesouro se acha-
va de satisiazor a este Indecllnavei encargo, visto
que se nao realisou a operacao que o Sr. C. Beu'o
fra negociar praca de Pars, fez espaldar as vo-
zes atlerradoras a que mais cima rae refer.
ebegando a dizei-se que, estando primeif doijue
qnalquer oulro onus o pagamento aos eslrangeros,
nao havera j em Janeiro com que fazer face ao
pagamento de ordenados, prets, salarios etc. ele o
que laucara um verdadeiro pnico em todo3 que
vivera do orcaniento.se o governo se nao apressasse
a tomar um expediente para sar destes apuros nr-
gentissinios, sab ando os bros do nome porluguez,
os qnaes nunca urna o vez, com razao c fnnda-
ineiilo, se poder dizer,que fossem menoscabados
por falta de cumprmento s estipulacoes contrahi-
das, inorniente as praeas estrangeiras. Pelo
exaetissuno cumprimento'de seus contratos, c por
ter sido a boa fe e lealdade nacional explorada
mais de tima vez pela vida expeculaco de extra-
aos, oque as nossas liuanca.- ten chegado ao
ponto era que actualmente se "enronlram.
Vamos ao expediente. E expediente lhe cha-
mam todos, pois o que |hes VOU contar nao um
salvatorio, ncrapde servir de norma para futuras
complicacoes financiaos.
no dia flconvocou o governo para urna das salas
do ministerio da fazenda urna reuniao de capitalis-
ta- O, governo falln com toda a franqueza c foi
apoiado como era de esperar. Pela 1 hora da tar-
de reuuirau-se mais de trinta dos princpaes capi-
talistas e banqueiros de Lisboa. (Xo estove pre-
sente o Sr. lose Maria Eugenio d Almeida.)Estan-
do presentes todos os ministros, o Sr. inarquez deS
(presidente do conseno) oxpoz em breves palavras
a assenibla que o governo encentrara o thesouro
em apuradas circumstaocias, e que nao quizera
obler dinhero, e assegurar porventura a sua con-
servaran -nliscrevendo s condedes injustas e iles-
airosas, impostas por capitalistas estrangeiros;que
resolver por isso convocar os capitalistas nacio-
naes para consulta-Ios sobre o auxilio que pode-
riani-dar ao thesouro.
Seguio-se o Sr. Calheiros (ministro interino da
fazenda, e ministr das obras publicas) e mostrou
que a principal necessidade era dspor dos fundos
necessarios para no da 4 pagar era Londres 1:800
contos de ris, de juros da divida externa, porque
para os deinais encargos do thesouro contava o
governo obter sem difllculdade os recursos preci-
sos. Disse mais que o governo nao querendo acei-
tar as condcoes das companhias dos caminhos de
ferro, consuftava os capitalistas portuguezes para
reconhecer que auxilio podiam elles dar ao the-
souro.
Falln depois o Sr. bispo de Vizeu (ministro do
reino) e disse que o estado llnanceiro do paz che-
gava condcoes difleeis por causa de muitos erros
que era escusado enumerar; que o governo afim
de ter a folga neeessaria para reorgamsar a admi-
nistiacaoea fazenda, resolver entrar em negocia-
coes pan contrahir um grande emprestimo, mas
que se tinhain levantado as dimculdades que todos
sabera.
Nestas crcumstancias o gabinete nao querendo
sujeitar-se s condcoes onerosas e pouco airosas
para o paiz exigidas pelas companhias decaminltos
de" ferro, desejava saber se esta sua poltica mereca
o a|Kio dos capitalistas nacionaes, assim como a
de realisar as mximas reformas e economas. Me-
rerendo-o, o governo solieitava o seu auxilio nos i
termos exposlos pelo Sr. Calheiros; pelo contrario
se nao o tivesse, o governo apresentaria franca o
claramente s cmaras a situacao do thesouro, e
depois, nao pudendo fazer as eoncessoes necessarias
liara abrir os mercados estrangeiros, e nao tendo o
auxilio dos nacionaes, iria ao paco entregar as
pastas as mos de el-re, que lhe scolheria suc-1
cessores mai> habis ou mais felizo.
A' estas palavras toda a asscmbla se levantou
unnimemente, declarando que apoiava a poltica
de niio ceder pressao das compauliias de cami-
nhos de ferro, e de reformas e de economas,
assim como que eslava no pensamento de auxiliar
r thesouro.
Ilavendu alguma hesitacao em quein primeiro
lomara a palavra. o Sr. F. Chamico, governador
do banco Ultramarino levantou-se' e disse que a
ninguom melhor ertencia a primasia oeste nego-
cio do que ao Sr. Jos Lourenco da Luz, director
principal do banco de Portugal; que em todo o
caso elle, por parle do banco Ultramarino ollerecia
desde ja Bu oaotos.
Disse oSr. Jos- Lourenco da Luz, que nao linha
poderes Buftirientes para responder em nome do
banco de Portugal; e cuno lhe
estavam os seus coilegas na direccao, cnnsuftoU'
e declanra que tambem aquello banco au
liara ogo\e;'no. Disse porm que estranhava o
procedimento do Sr. bispo de Vizeu era expedir um
telegramma dando por feito o empreslmo em
l'aiis.
Beplicou o ministro do reino que o governo
i a ao Sr. Carlos Bento antes delle sai r de
Lisboa, qi:- inanhoa de
form, e :, primitivas condic'es aos
da Societ Gr-ini'c. Tviido o Sr. Carlos buiy
mar dando dizer de Pwii que surgiam graves difli-
cuhades, o governo reeiteiou-lbo as aiesnias ins-
trneces.
Por lira quando no Porto e era Braga se mani-
fesliva certa agtacao por musa do euipreslimo, n
governo recebeii dous teUgraimnas do Sr. Caatos
lien o dzendo que trazia o contrato asignado se-
gundo as idat ti gorerno.'
Gmtiaiiilo o ministro do reino uestes tetegraBi-
mas, expedio o sen aos govemadores civis. Per-
gnniou ao Sr. Lourenco da Luz. se nao procedera
do mesmo modo f
O presidente da direccao ilo banco de Portugal
respondn alllrnialivamete.
^ Terminado esle incidenle fallarara os Sr. Carlot
Sanios e Pinto Leite, approvaiido as ideas eniiiii-
das. e reootveo-se annear una irmnoitiain de iras
mea bros, a qual tea de escolber outra commis-
so i omposta dos diieetores dos bancos ede algun-
capialslas para estabelecerem as condieoes do
einpivslimo e abrirem a subscrpi-o. Hecdio-S!'
lanibeni ipieo emprestimo nao teria 0 carcter de
nac mal, mas de emprestimo das praeas de Lisboa
e Porto.
A conimissao escolhda cominiz-se dos Sn Josi>
Lourenco da Luz. Francisco Chamico, e Joaqnim
Pires, directores do banco l'KraaMfaao, de Portu-
gal e Lusitano.
(I governo mandn ordem telegrfica ao gover-
nador civil do Porto para convocar alli reuniao
anloga.
A sabscripcao em Lisboa subi anda assim a
8:17 conlos e quindenios mil ris; no Porto o seu
resultado foi pequenisshno porquedM afienas 2i
conlos. 0> capilalistas parliciil.ires do Porto re-
solvern! nao coucorrer, allegando que esperara o
emprestimo nacional.
A conunissao em Lisboa re.-olveu nao encerrar o
emp estimo e anda esperava conseguir 250 mil
libres, o que ser suflicienle paia as necessidades
actnaes do thesouro.
O emprestimo 7 e meio por ceuto sobre letras
3 mezes cora |ienbor de in-cripcoes a 30 por
cont, ou sobre letras saceadaspelo Ibemooa contra
agei eia Qnancial de Londres 90 das como cam-
bio que se ajuslar. Tamben oeste caso ha openhor
de iusrripcoos (divida interna liindada a 30 por
ceuto depositadas no banco de Portugal.
banco de Portugal subscreveu com 37.000
libras :=banco L'ltraraarino com20,000;Lusitano
com 20,000, Warburgo & Dotli 10,000. Pinto Leite
10.000. As nutras verbas sao inferiores. Ha mili-
tas de I e 2 mil libras.
Agora, meas amigos, os comnientarios que
este espediente suscitou.
A operacao, d/.-se e com todo o fundamen-
to era indspe-avel. para que Portugal nao gu-
rass na lisia dos banca-roleiros. desde que se dei-
xariiin chegar as cousas ultima hora sem haver
os Relos necessarios para o pagamento do juro. E
com i a banca-rota seja opaz dos males, o governo
optou pelo menor, lez o que nao poda dexar de
fazer; mas nao o fez como devia.
Nao se devia convocar a reuniao dos capitalistas
sem primeiro e por accordo com cada um delles.
eslareni uvadas as condcoes do emprestimo ea
SUbscripcao de cada nm" Talvez assim sahis-e
mais barato e com certeza o effeilo moral seria
mallo diverso, se porventura logo na reuniao. sem
detongas nem hesnaobes Deasse subscripto o capital
necesgarto. _
Assimjcoino/e fe/, panoe Iriem sido os capita-
lista:; que diclaram ao pobre do thesouro as con-
dieoes com que consentirn em emprestar-llies al-
guiins libras. Imagnese depois (acrescenta um
lierindico de I,i-boa) que cffeito pernicioso far o
saber-se nos grandes mercados linanceiros da Eu-
ropa, que a praca de Lisboa estove discutindo lar-
gamente e meditando dous das para reunir 850
conlos. e a do Porto para dar uns 250.
Fraanceiramente diz o mesmo jornal, e todos con-
cordaran! en que diz bem, a oiieracao foi detesta-
m I. V-se que para pagar o juro d divida, temos
que levantar einprestimos. isto que fazemos su-
bir 08 008808 encargos na razan de juro COnpOStO e
|Mir laxa elevada. I-'.' sabido cono os capitaes se
avoliiniain vilozmente pela conqnisicrio di juro, e
|Hir Uuito,torna-se claro que. se nao soubemosaffa-s-
tar-iiMA rpidamente do caminho deploravel segui-
do desde 1852, ein poneos anuos s os encargos dos
juros da divida exeederan os recursos do paiz
Cono ha vemos de contar com o prejuizo no cam-
bio, multo natural que o dinhero posto em Lon-
drespan pagar o juro que devenios aos credores
estrangeiros, nao nos saia a menos de onze por
rento.
Nao lomando os capitalistas nacionaes inscrip-
ces como penhor a mais de trinta porcenlo. vamos
de certo influir desfavoravelnn-nte no precodos fun-
do- pblicos, aagmentar o juro que nos ha de cus-
tai' qnalquer supprmento fra do paiz, e ao mesmo
tem accrescentar as dimculdades d divida floc-
ulante interna, pelo curto prazo de tres mezes a
que sao as letras, peto alto preco do juro, e pela ab-
sorpeao de capitaes em paiz oiide tan poucos actu
alente ha. Esta absorprao nao s ha de influii
na divida fluctuante interna, augmentando o mime
io de letras nao reformadas, e a taxa do juro, como
tambem ter efleitos perniciosos pelo lado econmico.
A grande difllcencia de capitaes disponives que
desde bastante tempo se nota em Portugal, e sobre
tudo em Lisboa, attribue-se em grande parte fal-
ta d remessas de fundos do Brasil, exportacao
de noeda para pagar o anno passado avultadas ini-
portardes' de cereaes e a outras causas sabidas ge-
rahienU'.
P>r todas estas causas,os bancos tem dilBcultado
o di sconto, de modo que a miudo sao regeiladas le
tras que n'mitras oceasides encontrariam favoravel
un le acolliinienu.. .Nestas eoiidieees, podem fa-
zer dea da in inipressao que deve produzir a ab-
sorprao pelo governo, afim de'pagar aos portadores
i>iiaiigeiros de bojuls, domis de rail contos de ris
que os bancos podiam deslinar aos descontos.
O jiequeno cuuunercio c a (Miquena industria bao
de solTrer muito com isto, do que resultar prejuizo
consderavel para o movimento econmico do paiz
e tambem pan o proprio thesouro, pela nevitavel
diin.nuico dos rendimeiilos pblicos.
Estas e anlogas rellexoes econmicas e fraancei-
ras lera apparecido na hnprensa, depois da triste
opeacao a que o governo leve de recorrer para ai
redar "do paz a vergonh do nao cumprmento dos
IHilitica que, ou tros peridicos lhe tem feito. E' no-
tavel a asparesa, em grande parle merecida, com
no censuraran) o lacio de ico mtisterio aconsc-
iar-80 c pedir o apoio dos seus projectos goverua-
tivos aos capitalistas, ojendose a tempo soubess-
prevenir-se de lmannos apuros e urgencias, pode-
ria ter convocado urna reuniao extraordinaria das
coii,s. Fia alli quesera mais airoso tomar con
seibo, e nao com os capillisiaes a quein p6z nos
leos de lie dictarem as condieoes que enten-
dei nu.
rexemos feste assumpto, que de sobcio darell.
'jaigeni no Baramento a nutra ordein de rommen
is mais serios,
lina das crasas mais engracada, o segrate ar-
lubo que um jornal antes ue hontem in-erio. R
colisas mais edifleativas que ie ten owrtoio:
_ Diz-se que pelo emprestimo feito ao governo
van ser concedidas as
\ rs. Pinto Leite e Francisco Clia-
mifo.
Baro des S
irmSo dos Sn.. b
i! titulo ao Sr. Jos Ribeiro da Canil
vario- is do rorto, e ao Sr. Thoraaz I
ebeco.
Zf


n Cartas dceonselho aos Srs. Manoel A atonto de
Seixas, Ulrieh, bidn Yianua. Pinto da Fonsoea e
IHarques L>mI. '>. a Commendsdarcsns Srs. Jiiaqtiim Pires Jnior,
Abreu, e .Nelto, directores do banco Lusitaifo.
Por ''-tas moas entrarlo nothesuuro 'Cica
-do 18:0M00O. pouco ni lis mi monos.
O nltiino periodo tem infinita plhcria. Discu-
prlnoiiiips i jomes, soeiaes p poltico*, "qae foraro
para Mo Paptista de S toda urna relgUO. Do-
onsor.ardjBTte do. altar e do .throuo,. foi ao niesmo
lempo Joao Baptista de S amante de todas as ins-
ttfiiccs de niieratieas. Api xonado na defeza dos
sens'|irineiiiios cin que. uo admittiapossivei tran-
saecao, Me muita vez at. a intolerancia, Joao
Baptista de S pAz servieo de sua causa todas as
brio-se, pois^ ipii-a manoira d-atenuar o opisro- eneigasdeuin espirito talhado para as lutas e
aullante das ms condicoes d*mpretno. mu- aduuraMiente servido pelo raro ostjfc defina
' crtcajttiui!o em voga no ton po.
. Caaeac o de u lidar incestante de annos,
J.ao Itaptfaia de Sloeolheu-se vida particular
de onde aOimpanhpva com vivo inieresse o mov-
mentofe frena polilica. Continuou ler me-
ditar ; em lloras de ocio fazia versos que, priman
do pela murifleaco, enun aiuda estimareis pela
faci-ci.veleganlo e purea de dlcoo. Outr'ora. pu-
!ilicva-os; eram armas favoritas dapalitk-a do
tomp* Dewis, deixam-os ler prentes e ra-
ros amigo ; e destua-os sem outra preteoeao
que a de delcitar-sc em innocentes e inoflensivos
enlretenimtintos luteranos.
J. B. d< S foi sempre respeitado etn sna fa-
.orcoin eanimenda*, cartas de oousellM e titulas os
prestamistas, atim de entrar por un lado eui eirei-
los de merco e sello, o que polo outro sao do flie-
sonro em juros! t
Qoanto as ideas do enprcstiaw nacional, arena;
se vecm depois das uffcrta* ilos eoinineroiantes tu
Braga, e dos lentes da Universidad*, algunas cor-
respondencias do individuos innito patriotas que se
promptilioam a por a dsposic.lo do tllesouro sig-
ficanles quantias.
O e.oprestiino nacional tambem mu deploiavcl,
remedio considerado debaixn do ponto de vista eco-
nmico.
Parece que a casa Slern niandou dizer jiara Lis
fiivcrno cmquanto nao esiiverem autorisados petas
cortes, para cbcfiar a un accordo na questat das
obrigaeoes dos iininhos de ferro.
Para juntar s rendes polticas de que, no
principio desta carta, dej noticia juntarei (|ue lia
poueos dias (a 23). houve reunan polilica em casa
do Sr. duque de Loule. H-liveraiu os Srs. Braan-
eamp, Mendos Leal e outros. Consta fue o obre
tinque e o seu rdpn se derlararam em aborta op-
|Ksiilo :u> governo, o iratam de orgauisar-se para
licrdar o jKider.
Mi-se que as deas desle nape sao a dissolucao
Im'ii que o Sr. Braaneamp c eotaa se op|ioe a dis-
-solurao por quereres! gaveta**" constitucional.
Tanabem se alllnna que o Sr. Jos Luciano de Cas-
tra foi convidado para aceeitar a pasta da fazeiida,
mas que reeusou.eiuliora o Sr. Braaneamp e 01 tros
se piv.-tassem a apoiar o actual gabinete, no "aso
do Sr. Jos Lucianoentrar.
Ilie uin Ihoouro de sentiinento.
Servio por annos com a severa probiilvto, que
parece ser patrimonio de sua excellente familia, o
offleio de tabelliao nesta eidade. Tinha-o deixado
nos ltimos me/es em vista do son estado de
saude.
. Falln-" ant'-liontem pelas 9 horas da raanna
em sua modesta habitaeai de Afosados. Tinlia vol-
tadodamisa piando"sentio apnminar-se-lhe a
hora tremenda; reelinon-3e um sof e, alii. pros-
lado pela d'r, e suslendo as mos rotas! Befadas
urna imagem na Virfrem, deu a alma a Deus couio
excellente el i i.-tao ipjfl t >i sempre.
t J. B. de Sii tinlia completado 71 annos. Ii sen
priineiro corsorcin, deixa duas filhas e um nobre
snecessor na pessoa do Dr. Francisco Teixcira de
S, espirito de primeira plana o distincto |wr emi-
nentes qualidade.
Pai exemplarlssiiiio. o illustre fin idn efliiSl-
crava ao sen l-Yancisco a mai* enlernecida alelco; j
interior ..... 5:379010
Santa Casa 8il;0
O Kxiil presidente do Rio Grande do Norte
tinba sabido para o centro da provincia, atim de
couliecer dos nielhoianientos que preeizain algu>
mas locaiid.i
FESTA BO MONTE.Realif.ou-se, no domingo,
em Oliuda a festa de Nossa Sonhoua do Monte, sen-
da diminuta a caueurreur.ia de
sem duvida as I mita*las i'i'oparcoijFipi ca*i
se a damlo c.ssa festividade.
Visitando a ermida, lainentaiuot'do intimo d'al-
ma que vcnlia ella a cahir totalmente, sem ao
menos so emprepir algum uieio de eonserva-la,
sobi eludo pertaeendo a umacurporaeio to abas-
tada, e que aufiire botantes liicrds.
Porque razao sera que, haveado coiTido uin
parte da lotera concedida pela assemlila provin-
cial, e i-xistindo un cont e taftos mil reis om
cotre, se nao comeea a obra i __
Chamamos para isso a atteneo de quein compe-
te, principalmente para o Si: juiz de cape Has da
comarca de (Miada.
NOVENAS.Remetteni-nos o seguinte eseripto,
o m cuja publicanio acquiescemos :
Como annunciamos, teve lugar na ipiinla-feira
(14 do crreme) o levaiitamento da buideira da
Senhora da Com-eico da capella de Jo,io de Bar-
ros ; a qual Coi conditzida da casa da jui/.a em mu
elegante andor, entre duas extensas alas de senho-
ras, no numero para mais de com, todos frajadas
de branoo, o ao soni do bcllissiinos versos tirados
e cantados lambem por tres seiihoras.
Chegado que foi o prestito aeapella, surgi
de una assucena nina formosa menina, que com e
maiw desembaraco o elegancia, reeiton imu poe-
sa iiiteiramente anloga ao acto ; depis do que
foi icado o sacro estandarte da excelsa padioeiia
do imperio.
As novenas tecm sido extraordinariamente
concurridas ; sendo de uolar-se a barnijiiia dos
versos, cantados em duelo; o a boa ordom e res-
peito .ao culto divino que ueHas tem reinado.
O Ilustrado Sr. Di. Pelinea, secretario de S.
Ese. Rvma. pedido dos nembros da ennimisso
euca-regada da festa, tem oflieiado em ditas no-'
venas, e no domingo, subindo ao pulpito, en um
cloquete e primoroso discurso, quas que impro
Phii.-idJlpbo A. Sicupira. Antonio Luiz Silva Vian-
na,l>. Isab>l Viaiuia de Parias Limos, 2 lilhos e 1
criado, Francisc P. Son Leo, 1 eseravo do Es-
mael Gande nc i o ., Miguel Perei-a ilo Valle. Jos
Hayiiimvlo Borges Costa, (iosme Trovas Tixeira,
-AtMAVo Prazeres Brayner c i eTavns, Bevenuto
A. S. Barbalho, Francisco iLi Silva Branda >. Anto-
nio Francisco Gomo, Cosme da R.wha Bczorra, pa-
Hd* to Joaquini Ribeuo DanLas^B'auliuuJ'. Costa Re-
aiiao JuiftJonriip's l'essia, ManoiJ Joaqum Bar-
paarwpi. larlos A C dtr Vaso jAeollos. Jos1 da
Silva C. de Vaseoncellos. Jbsij CirroaR. Bmros,
Joao de Araujo Costa, E Roysion, AmaroB.de
AlhiKKMrqut) Maraubo o i lilh/> menor, Julio C.
Pas Baneto,_Jd4) Jos da Silva, 1 eseravo de Ma-
nuel A. Boneao,Luiz Manoel de Morao<, Lottrenca
Mara da Conejai, Gabriel A. Lyra Pessoa, Praii-
celina (escrara), vigario Jos Alejandre Gomes do
Mello o I esiTaw, vigario Targinc Paulino de Car-
vallo. Manoel L.'do Nasrimcnt, Andr Goiifs da
Silva, Francisca Jos da Silva Sampaio, Jos Lucas
da Cm|ta, HaitinlonieuP.>'. Moraps.
nal do acooiilo com S.,condurio-o fel mo em seus primeir ^en-a.os, ^^ m>.Um q ^^ ^-^ ^^ ^
M. d-rei,proceder hrevemenle a diversas reformas
como fin de diminuir as despozas.
luteranos, nspirnu-llio o amor da poesa, e
deu-lbe nahua a paixo de todas as virtudes
le
"J/-/o"iiiiiicou lia poneos dias o dec: oto envolta com a paixo Ias ledras. Esta prcdileeoo
approvandoas moditicac.'ies l'eitas na conveiico te- que j'slav.i longc de ser desfavor de
leraphica de Vienna d Austria.
Podo-se dizer completo o enntingeiilo pata a
Z.imbosia. Faltavam antos-le-li.nteni apenas i n/.e
prapu 'I'' pl'et.
m piincipio lo auno eaewQa-M a orgainsue
armar a nlantafia o arlilliaria. que depois vo l'a-
/"! exereiiio oas Vendas Novas. A expodicao liz-
se que partir em lovereiro.
Tem-so eseripto militas vezes em Portugal que o
nosso exercito una das gran.les voragens que
abservemos croilitos pblicos; qoe a sombra do
. \ercito so dispewloin rios le oiro. se desperdieam
i lodosas sommas.
Km noiui' de itiou I8mil soldados mal armad'-o
.IM|.lina!os. xii-'e-se do paiz um encargo do qua-
tromil contos annuaes. e osses solixdos vivew_em
circumslancias to piecarias. eHM afe tawez la-
4lencontrar nos 'xercitos nnis dosprolegidos das
oais pobres potencias da Europa.
O exercito porluguez, '-creveii a poneos dias uin
dH priui.'ios jomaos lo paiz, tal come est, de
nada serve o para nada .
em publicada a n-
teos Bino, deixou-a o tinado gravada em sen t?s-
taniento as seguintes paUvras que o 0890 amigo
r. Toixeira de S devora repetir umitas vezes a
ra Saotissima, as gracas que nella so enoontram, e
a u'liiladi- que ha em procurarnos imitar o mais
que nos lrpos.-ivel as virtudes da sublime Mai de
Diiis.
" Honra ao Sr. Dr. Pelinea que com a curta
elade de 27 anuos, ja dispoe de inuilos eonheci-
O illustre finado, desambicioso de honras a
que podoria t.T aspirado o que llio teriatn vindo
como justa omnnensaejto aos sena servieoe pela I'
nianuteoeo da lirdoiu o das insti'uic.Tes, foi agra-
ciado com o nao de eavalhoro da nnlem da Rosa.
O tuniulC' que se eneorrou hontem. receben
os restos de urna organmcao saperier. I. B. de
S era uin di s p nii'os dessa goraci; forte que vio
nascer a imnivasaem nossa provincia. Elle a ser-
vio na medid;, do suas I-iras. Cultiveu-a c amou-a.
Isto um titulo de benemerencia.
INiA/.i:ilt.i De tuna caria de 18 lessalocaMado
transcrewino- o seguinte, olativanV'iito ao clda-
So Ulm-io de lo do eorrente v
va lei de pmimwVSes e eaoreito, (urna .las premet- ,,., (; ,n.:il tM. (|,, Xascimonto Leite, al a
tillas reforma-1 o cuja opportunidade na j po.ico 5naii ;l j'o do coi rento :
.on'estavo!. Se a nova l'i tivesse ex-elleii-ias o
perietcSes de superior qnilate, P (dor-se-Hi|ia dos-
culpar 3 falta de oppoi tunilade. Mas nao I ni
Clieia le leteiios, ti'in lado tli.'ina para i-oiiscien-
ciosas analvses. Pin los maiores deleita, tornar
milla i arcan do< eomaadaniet das eorpoa p>>is
quess pracas de pret grailnaila*. nao padetaowr
tos
MISS10NAUI0 CAPPCII1NH0.Sobre o Rvm.
de Catana encontramos o seguinte
na Voz d'i Reliijiio. no Cariri:
No la lo imite chegou nota eidade, de
volla de soa ni-so no Granito, o Rvd. Irei Sera-
pliim de Calauia. prefeito da Ponha.
< O oncontro fot aununciado para as l lenas la
tardo : o pavo que euniu-so. era atsa ninn-roso.
mas nao se ton 11 verificado o antumeiailo, a mul-
liilfio dsporsou as G c inoia da noilo, j cansada
de esperar.
Com ludo o Rvd. capuchinlio tove um ai'oni-
[.''.j's'_,paiiliaiiieiito numeroso o receben as pmvas do
apreoo que llio eou-lia son ninislero.
aflm do que nelie os operarios possam trabalhar
na actual estacan calmosa, at que se coneluaiu os
A transicab do primeim ao segundo pe-
trabalhos da obra deseu sobrado n. 1 da na do riodo desta molestia em alguns vagarosa
Vigario, tem a dizer que o telhejro que o suppli- e ajMiiias visivel, em t^utivjis rpida e evi-
cante pretende fazer nao empata o transito publico,
porm, conio que pretende um Tavor especial da
ranfara: ella que resolta o-que melhor eirtender.--
Conced!u-se.
uiro do mesam, mforiiuudo sobre o que pede
na replica junta o baeharel Naber Bi.'zerra C.arnei-
_ rapid.i
dente. Nn segatto iierodo a losse aug-
pmuta-se .na.f^uajcia e na violencia, ea
expectorarao mais ahundanto e militas ve-
zes Nftm ixujutwas nudetni- 4 sangue.
io, a feliie, insomniii, snor de nonti', sao
a febre iiecticn mostra-se
g |
i
p

i 53 i
-1 *a
--: li ce t
_ Masculinos.
Femininos.'
>
i
>
Masculinos
::
Femininos.
Masculinos.
Femininos.
Masculinos.
Femininos.
S >-
Masculinos.
9
3
|
i
it
r.
ce
?*. s
te

<^* c ^4
Femiuinos.
*
TOTAL.

-
>
re Cavalcante, pa abrir duas ianeas e_ duas ag notavei%
portas no mtao da siucocliia na dlreccao ib ra | *
rermosa, em frente dos armazens do trunos nrba- t'tarameiiu.
nos, e reforear os alicerces, dobrar o altear as pa-1 O semblante pallido de manlia, e de-
redes, de accordn o conforme Ihe fr exigiilo, con- '. t;irde lonia-Sti 'orado.
vertendo o dito altad em frente do casa, com as di-1 /% hrooirn tur<..t^ .-. ;. .i___*
mensoes mareadas as postara; u.npre-lhe di-1 Tceil) periodo c MiiiplesmeiiiV o se-
zer que nada se Ihe ofcreco a oppor, tuna voz que [ gumlo grauaBnante augiuuntado.
oxente elle todas as obras de confonnidadecom j A severidad, a rapidez do* symptoma-
as posturas, devendo ser-Ihc dada cordeaco. -!,. 0 prugresso da molestia diiTerem muiti-
roSEJSS9 informando sobre eieqneri-f1**"^ '-^'s c depende da consli-
mento junto, de Manoel Riboiro Bastos, proprieta- 10CIO pessoa e do clima, tempo, etc.
rio do urna vasa em caxo, e terrenos dos lados e | Um alguns a marcha gradual, sem dr e
com potica losse, acomjianiadu de diarrlta.
sttor, etc., e o duente anda nos ulimn.-.
dias mostra-se cheio de coragem e espe-
ranza. Km muros, e pela maior parte, a
matvlia desta terrivel molestia rpida o
dolorosa e a lula mortal entre a esperanca
e o desespero mostra a severidade da doen-
fa c o solrimento do doeote.
Em lodos ?> Des {H-riodos, ih* coulie-
cemos i'iiicdo riefior do t|ue o Peitora'
de. mrjadi) Dr. Ayer, se lr tomado a tem
po, a cura [ti;isi i^ita, e uesino guando
a niorte proxiau elle utiga a dr e alli-
via o solrimento du dnate.
Urna tosse por mus leve ipte seja peri-
gosa edeve ser tratada onmdialamenle
antes que tome assente sobre os ptilmoes:
tetilla sempre em casa um pouco deste
Piiiiirnl da ccri'u e siga as dnccSes (|ue
acompanltam cada fras.o.
Se a molestia est j muito adiantada
procure tomar o Moral debatxo da di-
AnVEHTENCIA.
Na totalidade dos doaatea oxslem 226, sendo
131 boinens e l inullieres.
Poram visitailas :.senfnaras cstesilias
As 9, 9, 9. <, 9 i/,, H, p.lo r. S illas-Boas, no
Impedimento de r. Ramos.
As 9 % 10, 11 Vi, 9 /* 11',. 1 pelo r. Sar-
niento.
Falh'coram :
Caspar Foitosa. cancro.
.Mara Josepha de Souza, tubrculos pulmonares.
Joaqum, febre maligna.
Anlono da Cimba .Maclunlo. gaugrena.
Felicit Caslolana. nietritea;
confessar que muitos assuiuptos ticarain inai> bem
reamados pola nova le.
llalli, pon'in. a nina reforma profunda' de am-
pio alcance, como baria diioilo a esperar la eape-
ieneia o iniciativa do nobre maraa <\c- Si da
Bandeira. grand" a hstancia. E domis quau lo
um gabinete so inculca reformador jwr excelleu-
oa, antes nao tUU ivlonoas. loque reformar me
quiihament".
{Contina)
Mais um laiuentavol acot,,;iuiento para ser ,.,ialll;iv,l:il os ^ns da'sua pi:l:uura no
registrad no numero dos que forman, a pagina fn h p ,
negra u oliromca desle infeliz termo, Ovtuwmn.* ni j
Vou lar-lik a triste nova da um fasto horroroso, ENCONTR. -O_ Lrgae npracgnetiBe Manda,
pie tem consternado toda a poptilacao desto tor-' procedente le i ardid o entrado himtem. enrontrou
mo, e caberlo de luto nao simplesmettlo nina fa-' f '"t- ^ >>' e 9 de l.nigilmle. o brigne ila-
milia. mas todo um partido pie acaba de perder "'>> &&* cotndeslmo a Montevideo.
INSTRICCAO PRIMARIA___O Sr. faandelino Ro-
cha, competatemonte habilitado, araba de abrir
nina escola para meninos, ra de Santo Amaro
n. 13, para li'ccioiiar as materias que compoe a
educa;;u) primaria.
IUA DO HOSPICIO.Chamamos a alten.o lo
Sr. subdelegado do districto da Boa-Visla, a que
.ula.
No lia 17. alarde, soguio para Pernambuco, Luiza Saluslianna de Albuquenpie, luherculos pul-
monares.
Manoel Gregorio 1 Nascini.'iito. atnzarca.
i'.Miittidas s"in um eoiisollio de guerra. ->mo *ue- i ||lu t(l. y.,IIS nKl5 nperiattles nembros vicliina de
odia s) com os otUeiaes. Entretanto ion-oso sera | uni;( ,.uii.| atroemade.
Pelas 9 !ior.-us da asile do da 12 di eorrente foi
brbaramente assassina li por um de seas .roprios
escravos, o iiihso distincto amigo o alliado Gon-
oalo Jote do Na sii nento Leite, unidos mais im-
portantes cidat aos, los mais abastados fazendoiros
e dos mais Immailos e dignos habitantes do termo, ^eatx e.~.-a iaia. bem como a do n-spoctivo is-
Kao se pode explicar a consternaos que ess; j pccl01. |Kll.( (mia SU(.ia d(J vadogj ^ti ebrios e
orbaro acoutoclmento fem cansado entre os, nao \camMias, PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
VCTOS OFFICIAES.S. f.'xc o Sr. presidente
di provincia resolveu, por acto de iu' do frren-
le, declarar \ago, di conforuiidaile com os avisos
nuini'Pis 2o2 de 2 de julbo de l-'i.". e 28d de 3
de (man de MM, o lugar de 2." sanpleale do
juiz municipal e de orphos do termo le S. Beata,
que era oeeupado pelo Sr. Francisco Alvos Maciol,
visto ter elle aceeitado e exeieido, posleriorineule
a sua posso d'aquelte cargo, o posto de couiuiaii-
dante do osquadro do cas aliara n. o da guarda
nacional.
Sol proposta do Dr. eliefe do polica, foi uo-
meado subdelegado de Panellas. o Sr. -fose Cordei-
ro Om >ant .s ; sondo extni'rado. *seu pedido,
desse cargo o Sr. Joao Gomos Poreira de Lmena.
CAPTURAS.- Pelo subdelegado lo Boa Conc-
ilio foi preso, a 2 do rente, o criminoso de
morte no termo de IVabipi'. na provinina de Ala-
giias. Gabriel Antonio da Costa : e pelo subdele-
gado de Podras le Fugo, a .1 o riininoso le iikh-
ie na villa da A-embla, da mesnia prmineia.
Jn- Leo.
FATAL ENT.ANO. -Por ollhio de 27 dopas-a.lo
ominunieou o del>gado do lerniii do Bonito, que
a 2,'i Manoel Rala lora cas;: d
tos Raruro com a intcnco I
mi o eucuutiaudo. ibixa dito familia que bre-
vemente v'nia isso realisar. Bacuro, apenas son-
be d oceorf Ido, transferio sna residencia para
outro lugar; e quamlo so para all se diriga nodfti
segainlc, sentio ipie un cavalleiro, trote largo,
pricurava alan'a-lo ; o. psuido do terror, sim-
pando ser Bala, lisparou sobre o cavalleiro urna
espingarda que traza, a qual, sentind i-se ferido
gravemente, a sen Huno, desfcchon-luc um tirado
pistola; mas. falhando este, o mesmo cayalteirb,
que era Antonio Francisco, amigo deBacuroe nao
Manoel Bala,apreiSOU os pas-os do cavalfo ; o se-
guroo ao seiujIVeusoi-.ipte.conliei'eiHlo enlao o fatal
familia la illustre victima, eohio aos seos mi-, .,.. a!ri ,.x,r>lt.l,.s. pnoima ao murtal do llospi-
sosi amigos, o ajpda a^ populando ternw, rio; os quaestodas incommodama visinhaiK-a la-
to-
so a familia da illusti
mero:
onde liana sinceras affelcCes e sympaihlas e:n
das as classes de cidadaos,
Irroparavol perda. de que por limito tempo se
1
pe
pobre if
niovain i
POaj l'R\it.;VI)AS l'KI.0 Wt. SAUM^NTO Ill.lt \0S
cltimos ;;; im\s as aasonma tmt$fia >o ma-
CUAL PBOM II.
OpancSea Resamadea.
Amputai'i^s lo eiaco no ter-
ceiro superior. .-........ I convalescente.
Ampulaijo da glndula mama-
ria..........-...... 1 convalescente.
Extirpac lo ollio........ 1 -uradii.
Extracoo de indeemasa..........
fundos, no boceo do Falco, comprados estes a
Illni.0 cmara, o qual, para evitar dcapMM cmi
n'iiioco do despejo ajoe se faz naquelle lugar, pe-
de lcenca para murar os ditos terrenos; cumpre-
Ihe dizer que o supplicante hoje dono do terreno
que foi vendido pela cmara em 1KGI a D. Josepha
Ouilhermina de Mosquita Leite, pela quantia d'
504000. enjo terreno era um pequeo boceo de-
nominai lo do Falco, o pesio que pretende tapar
rom muro as entradas. E verdade que pela plan-
ta da edade, o terreno est mareado para edifica-
coes, e o naqurente tem lreito no que pedo, mas
cumpre ponderar que no niosmo beeco existem
quatro ou cinco portocs dos pilntaes das casas da
travessa do Poeiuho, assim como as janellas e por-
tas das duas casas da esquina da ra dp CaMeinn-
ro, e alm disto urna casa com o n. 10. que paga
dcimas, e que tapando-so tem de prejudiear aos
Monos Sertas propnedades por isso parcco-lh'e con-
veniente a uouieaco de urna commssao para exa-
minar e dar sen parecer. Posto em discusso, rc-
solveu-sc que fosse nomeada lita commssao. e o
Sr. presidente nomcou os Srs. r. Pitanga c Silva
do Brasil.
Outro do fiscal da ficguezia de S. los. Infor-
mando sobre o ri'querimento de Antonio do Miran-
da Caslello-Branco que pede lcenca para fazer no
quintal da casa n. 207 da rua Imperial um lomo -
para fabricar saho om iioonena escalla, tem a di-1 recrao de um medico entendido. Oser-
zer que dirigindo em lf> de outubro ao lugar foi! valido ao mesmo lempo toda a cautela pos*
informado pelo morador da casa n. 209 que no U^i quanto ;i dieta e ao tempo,
quintal do supplicante se nana levantado um te- '
Iludi, no qual foi feito um forno e octava ndlo fa-,
hricando-se sabiM'drigindo-se ao iiiesino stqipli- A qv|-|q Ag\ U11rtVl f\d nP
cante po.lio-lhe a licenea, o permissao para exami-! *--g 1*0 UC A IUI lutt U.C
nar os eommodos que tlnha oquinlal da casa, foi- ytir ____ v ^_
Ihe rran.pieada a entrada, liavendo o mosiuo jUlWYYSY 6 liiEIllIlclllt
Ihe declarado que a lcenca eslava l>ra, lo- o
po a apresentaria, pelo que mrcou-lhc 2i horas, I Os gostos s.io to variaves ivlalivamen-
as qnaes tendo-se lindado e nao havenlo apresen-' te a perfumes como os vinlios. COffl ludo
lado a dita lcenca. mpo/,lhe a multa de lOiOW e tot|0;, m n,(rmt* admrala c apreciam a
declaiou-llie que nao eontuiuasso om quanto nao ,.i,..,, ,\' i /,,. ,.....,i, .n^ .1,,
obtivosso a uceara, emnora seja a casa nioradia da' Ii.iii[>anha le (.lt.|oot; e as senhoias de
familia o tenlia um grande quintaj Com commodi- oom goslo e relitiailas peivopeoes, ar.mit-
| dados para o forno. Posto emdneossao,resolveu- tem que a fragrancia da Ai/un di Fluid*
, se,pie ivcollnila a mu!:;., seria deferido. de yinrni. e L(IIWI(III excede a toda Q
Outro do iues.no .informando a policio de Jos i ..,, ,,.,,. ,,.,:,.,,
NicolaoFerreira, qc pedo para modar arelmaclo qua.'iuer outra essencia lloral E o nico
da casa n. MI da rua Imperial parade n. 31 da peilume usad.) na America do S>ul, e
inesn.a i na. declara que temi ido examinar esta liem que poilCO ha que ella foi ltrodltzida
ultima casa, olworvou que tinha ella as commodi-; nest(, mcrcado. com tudo encentra igual fa-
dades precisa, devendo elevar a chamme a attnra ; ^h^, .. milii. ... n^,JZ i^u,..
snperioraos temados das casas visinhas.Aeom- v<" c.au'^V'" l>01 m(l
misso de sai'nle. i patricias, hila
Outro lo riscal dafregueza da Boa-vista, pediu-] lliidas em toda
.loque se mandare pagar ao inspector &JIT Lfaft qUe a VCffetaCaO aeomatica llaFlorida
. qnartenao la inesnia freguezia, Antonio Ouitino /_. __. i., v.t,n-, ,
Calhardo a quantia de tK):. itnp.rlau.-ia que :c ",ai> iuofera .loque a do htliop,., ,
extrahida de llores CO-
a 1 curado.
ia de resiutir este tormo, sobre ipiem desde muito
icsa a mo de l'eus! Nao bastava achar-sc] lio
wbre de fHhoi importantes e dedicados, que pro-
novain O zelcill seus iutere-.-es. pelo snecessivo
di'sappaiecinn ilo da scona do mando dos Prados.
Bapupas, Nogueiras o l'ouVIluos, que to sensi-
vois faltas llio ho feito, foi preciso, para rodanr
quellas iuinielia(,'o"s. quor cornos actos epaavras
obscenas que pratieam e proforom, quor eom a gri-
tara o batuque tuie fazem. Essas tnrbi.l nas .
CAMAR l MUNICIPAL.
i. SESSO ORDINAKIA EM 1 DE DEZEMBRO
DE 1868.
,PRKSmE>"etA DO SU. GUSTAVO DO RECO.
Presemos os Srs. Dr. Miranda. Dr. Pitanga. Dr. -
Villas-Boas, Santos e Silva do Brasfl] faltando com i mente 2), Ibaqan
despenden ctii.. onterrainento de um cavaUo que| Agua Florida ida Mt commercial cima
appareceumorio naquelle qiiarteirao.-(le se [.as- mencionada), possc por sem diivda. um
sasse mandado. aroma mais rico e doliendo do que qual-
Tendo Thomaz Othon de souza Santiago re.pie- ,.,.......iwrm .,,.,,':..,
ri.l). propondo se a arrondar a casa n. 3i da ri- ('Iu,n. U"M "u,,Ia 1U0S1.I0 tliopci.
iK'ira de S. Jos, eom o abattmeala da 8* parlo do ***? l *** nas phan.iacias do A. Cania, 1.
actual arroudauento, isto por espaco de cinco an- ,,;l (>weeicao Bravo & C.. M. A. Barbosa. P. Mau-
llos, obrgando-se a fazer a sua costa todo o ladri- r,!1 c "ai tliolomeu & L.
llio, reboco, caiaco, pintura, cornija com o compe-
tente parapeilo. cano de esgulo, etc., rosolveti-se
levar ao eoatiecimento la presidencia, o pedir au-
torisaijo para fazer somonte contra.
' espaidiaram-se as peticSes de Antonio CBmaco
Moreira Temporal. Antonio de Miranda Castello-
Branc, Francisco Slvero e Parias Jnior, Fi-
dencia Maria da Cosa Santos. [gnaci^Barrosodc
.Mello, Joaquini
de
GOMMERCIO.
PRACA O RECIPE 48 DE JANEIRO
DE 18.
AS .1 I,HORAS DA TARDE.
VKtovesCle- Al*i0tliw da 1'-"':*1i>i i- sorto JWOO por arroba
olisconas sociedades so reunem luasi diariaueme ('aU8* os imi< s' nhores, ahre-se a sessadj e lid
eom manlesta ollei-. a moral pa'bli*a, o nao me-,' approvada a acta da antecedente.
anda mais seus eseassos recursos, o tornar cada
vez mais crtica sua j penosa stuacao. pie o bra-
ca assassino vesse anancar-llio um dos seus mais
fortes estelos, e eom elle a esperanca de uin lison-
geiro futuro.
Aconteciiuontos desta orileni abalara profunda-
mente as localidades, onde, sendo raros os h unen-
de mrito superior, quas sempre Impossivel
preeneher o va '(I me deixa a perda de urna exis-
tencia preciosa, como a do nosso amigo.
Ainda ano (loncalo Jos do Nasclmento Leite.
nao losse homo li d li'ttras, nao di'ixava coni ludo
do ter o desenvjlvimonto necessario para bem dos-
empeabar os cargos pblicos que oceupava. Era
intelligonte, de majtO bom sonso c prudencia, de
trato ameno e grailavi-l, edo urna vida exeniplar :
se Ihe talln educajo (tteraria que Ihe aperfei-
ooasse a iiilelligonca, receben a educaco moral e
es c dedicados, que pr i- ,. prrjuizo para ;. iraiiquillidad das familias por "5-se o segumle
eresses, pelo snecessivo a,| nawadbras. Cumpre a essas aularMades le ESPEDIENTE.
que fallamos prorideociar como bes incumbo o art. I m 0"','", do Exin. presideato da
111 do regulndolo policial, n. ldo 31 de Janeiro i ?8,"n notembro ultimo, dcclarand
de 18i. I mfoniiacoes la amara do 18 c*
provincia, de
i ni nsta das
> do dita inez,
o requerir
Francisco (ie Paula r^evos ^ ,(0I.(1(( .^ d .^ s 0/0 ^ |ihra
sa Lopes Fer.uindo>, Joao | C;i'm|ji(> s(||)iv |jl>liui.es 1J0 ,Vv j9^ ^
11000.
Cambio sabr Pars -- .0 d/v 487 rs. |wr franco.
uarto Pmontel, Jos! Ricardo da Silva, Joo Joa-
quim do Rogo Barros. Jos.'' oaqflini Gon^aives de
llarros. Manoel Duart" Rodrigues Pinto, NboqrGar-
noiro Bezerra Carakante, e levanlou-se a ses-
so.
Kti Francisco Canuto daBoa-viag!m,secretarioo
subsi-rovi.Verdea .S/iM'/e<.pro-|iresiiloiile.Ma-
tos. -Dr. Villas-Bou,Dr. Ptfauga.Sika do
Bra$iV.Df. Miranda.'
nao Ihe sondo licito considerados arr-inalados eom
ease axnwiento, Mmente porque as ps oas que es-
tn anda de pusso delles se suioitain a tal acci-es-
i iino. A concurrencia redundara em vautagem
F. J. Silveira
Presidiente.
Leal Seve
Secretario.
Solcitos como costumam Bit TBatS. n [lug-
nar (telo inleresse poltico, pedimovihes J ohscipiio
de publicar esta nossa reclaniaco. atim dovi'-r se
corla->e csse abuso le que ainda nao houve exem-
plo em iieiihiini dos outros, nossos arrabald.-s.
Desde j nos conlosramos agradecidos e pnimette- i
;:;;:: SniES*"........:,is *"** rr,- *, %sg -^
HILAO.Confonne so acha annum-iado deve Outro do mesmo. de 90 de noven bro prximo
- .odslngiiiam. e-tava lestinailo a representar en- '".'je ter Ingar, no irin.azoni n. G da alfainloga, o' (indo, declarando a cmara, em respofita ao eu o-
Flix Jos dos San- tro nos um dos mais Importantes papis na vida j 'nao de 53 caixas com vidros, Ikio de i do mesmo mez. sob n. tl7, tiue as cusas
assassina-k), e que. polilica, onde lia poneos annos se havia iniciado, | PROCLAMAS.- -Foram lidos na matriz daiegue-
lgiosa neciss iras para formar-lite o corac).
Xa idade tb 13 anuos, com a fortuna que poB-
sua e saba manejar, e com os dotes moraes que {
arrabaMen s ivn(1as municlPa'('(1 ,,sw '"'H W pM-
denna tem em vista, nian.lando-a abrir para todas
propondo
em inaca
obre que ha reelaniaoiV
nao por ambiija do mando e da influencia, que
reputava urna viklad". m..s em ulilidade de seus
amigos e ceneidolis, pie delle cxgam osle sa-
crlcio, o nelle Bposllavaai a mais plena con-
liamja.
Opazperdeu nelle um eidado prstame,o par-
tido ei'iiseivadi)- um alliado sincero o pivstuinso.
os amigos um modelo do amisade, a espogae|
lilhos um esposo fiel c um pac cariiihoso. Einlini'
foi sempre bom fill.o, bom pae, bom esposo, boui
ciiladu e bom amigo.
Deixon una numerosa familia compnsta do sua
nmllier c dez lilhos, loado ha pouco dado sepul-
zia de Santo Antonio no dia 17 docorreale mez os
seguintes proclamas:
t," dennneiaco.
Thoiaaz Antonio Combra, cum Cetj'udes Leopol-
dina Moreira da Cotia
Domingos Jos le Souza Braga, com Auna Cuta-
linaMonteiroda Franca.
Francisco Muniz de Amorini, com J.>aima Leo-
eiigano em que e-tava, pedio perdo, narrando o. tura seus virtucsos paos de ipiem liouvra tima
o eoriido. A policio prendeu a Bacurao c instan- ( boa fortuna. Ocmipava o lugar de I- siipplente do
rava-lhe proceaso.
FAI.LEC1MENT0.Ante-honlem pelas 9 horas
do dia falleci'u. depois de alguns meces de solfri-
mento, o Sr. lelo Baptista de S, autigo oscriptor
redactor de pequeos jomaos luteranos e polti-
cos, o ltimamente tabelliao do notas. Era um
carcter sizinlo a boineni tioaralo. son lilho, o
r. Praaeisee Vmmm de :n, damos nossos siuciv
res (lezames.
A proposito romidlem-nos as gegnintes liabas que
n.-s apresam91 em [lubiicar :
l'oi dado hontem sepultura-o despojo mor-
tal lo Sr. Joao Bautista de S, um dos bous carac-
ri'S daveha socieuade que preceden ageraco ac-
tual.
" Carcter de tempera robusta, Joao Baptista de
S. ora onnherido o estimado na provincia pelos
deles singulares '1 >('n espirito e pefat preMade
austera que recoHfea immaculada ao son tmulo
libo de Manoel Gomos de S o D. Theodora
Francisca do Ksiiiiiio Santo, icvelon Joo Baptita
le S desde o seus prmeros aneo; raras faeul-
dailes o iuti uso desojo de sabor. Recebando a ius-
Irucco das primoiras lettras de urna sua ta, pri-
ma legitima do tinado vigario F. Ferreira Brrelo
que deixou o sen nonio honrosamente assoeado
ao crepsculo Iliterario da provincia. Joo Baptista
de Sa baria sido destinado fazer a sua educaco
em Cotmbra; mas os escrpulos de que uin defei-1
to orgnico, que rae olicnltava o uso da patarra,
a trazer-me dosgortes nas provas oraos da
vida acadmica, foram part' para que o seu talento!
osse desafndado do nstrneran regular. Somante
priHiarado pela lifSes que recebera em famili-i, o
raven S oroenroa por si mesmo cultivar-so, iso-
hndo-se e reconcentrando-se em taeifHroo amor
p'Js livros.
- A -un toi que, sem haver freqnentalo nenhu-
raa escola, wao Baptista de S acudi s lutas po-
jniz municipal do forma, e era presidente da c-
mara municipal ultlniamenl' eleita.
A trra Ihe st ja leve
EFLORAMENTO E ASSASSINATO.Um du-
plo criuie, revestido das mais negras crea,- acaba
le ser presenciado pela villa do Cabo. Diversos
individuos, entre os qnaes empreados da va for-
rea do Recite ao S. Francisco, dos quaes um de
nome Pitt, forcaiam una iufeliz moca, o, depois de
(eran satisi'eit seus cupidos e abominaveis aten-
tos, onforcaram-na na inargem do rio, onde appa-
recea, segundo nos informam, o seu cadver. Ain-
da nao oslamos completamente pm'das circums-
tancias do criuv; por isso reawvaino-nos paia
lar molhoies eseiarecimeitfos amanli;.. A polica
lu'osegui' ein diligencia para a eaptuia dos mise-
ra veis criminosos um dos i pues dizeni-nus queja
e-la [iroso. A sociedade tica sempre sati.sfcUa
piando a lei pes. com todo o seu rigor sobre mons-
trosdaordiwi dos qae pratieam (rimes cen este.
INHEIRO.O vapor fpojuca tmuxe as si'guin-
tes quantia, para os Srs :
Lovo Sol. io & C. :i:5OO-50O0
Prente Vlnna & C. 2:370#OO)
Vianna AGuiniaraes. 2:0O3000
Christian Irno.....- 2:0703000
Antonio A. de Souza Aguiar. 2:0O0O0O
Manoel Jos de S Araujo. l::tU000
llenrique A \zevedo. MlltOOOO
Viviano da Silva Caldas i:203O00
Cimba IrmaosiV C. 1^08*000
Fernandos Irmao. 7.S0H0
Joo Bornar) ib Bogo W-iOOO
Jos I^pes Eavin .... :W3M)00
Jos Luiz Ferreira da Costa. 3805000
Iioltro, Olivoira & C. WaOOO
Jos Joaqnim Dias Femandes 220S000
Ovidio Ferreira da Silva 2155000
IPOJl'CA.Este vapor da Companbia Pemam-
que tem direito o escrivo nos procfssos em in
decano ajustica publica, s podcni er liquidada
tas,
s em que
__^as
em face das cuntas, e nao sendo objeeto de contra-
to o pagamento dolas, qne podciu importar em
mais ou menos do que a quantia pedida pelo escri-
vao Guilliermo Augusto da Athay^de. nao pode ser
approvado o contrato queproiwe anwsmacmara.
Inleiraua.
l'ma petco. \ inda da presidencia para infor*
poldiua Montoiro. ',,.,." mar, na qual .lose Igiuieio dA\iiLi, eoerendo. Antonio Jos.' li.dvi, com Tl.eod'.iu Maiia dcs[iacbo que Ihe fra dado jwlacanda, negando-
Amelia. !be, ea oiitins, o eonsenco de poderfin cmsliuii
2.;' lenunciaco. l>as*s de 22 palmos no lugar do gazonielro, na fre-
0 baeharel Ifonrique Perera .de Lacena, com JgneziaoeS. Joe, visto que a isto se |oppOe o ta-t.
Zilia Sopbia Catueiro i^uiipello. i |S da postura le 2 de inatu deste aiijno, pede S.
O baeli;iu!l Jos .Mara de AJbuquerque, Carnero Kxe que e digne ampliar fpte artigo, fiuendo os-
Lacerda, com Cathsiriiia Candida Carmiro Can- 'ens\a sua dispasicao aquelle lugar iudicaito
pello. Q'Jt se inforuiasse a s. l-.xc. com o ijue dispon o
Joaquim Pedro da Rocha Poreira. com Joaquina .artigocitado.
Silva, com Feriiandina Pa-,
daimprensa, em que figurou,com um espi-1 hu'cna, chegado lontcm do Acaracii o iwrtos in
rito forinado.pela re urna penna exercida.
Asociado :.o fundailor do Diario de ttTnam-
buco, de qtiem se mantove inalteravel c dedicado
e.uii; iptista de s.i redlgo mais tarde, e
cultos periodos, o Ecko da llel'ujio e do Imperio,
o .\rlilheiro e varios outros jumaos de menos
-
O Echo da Rcligiao e do Imperio, o mais no-
meado dentre elles n;. memoria dos conteinpora-
bcos, traduzia em seu titulo severo a rigidez dos
termedios, foi Dorador de noticias do Cearat
10, do Ro Grande at 14 e da Paraiiyba at 16
do eorrente.
Na capital do Cear tomou posse a nova c-
mara municipal a 7 do eorrente.
A alfainloga ren Jen no mez de dezembro. .
132.02U13, sendo;
mporlacao 54:8175900
Despach naritiino 317j:10
Exportaba) 70:720*022
Cordciro de Jess.
.b'ionuuo Jos dos Sautos, com Maria Gom-alvos
do Patriicnio.
Joaquim Francisco Delgado e Mello, com Antonia
Marques Poreira da Silva,
Manoel Josino do Carmo, coin Paula Mara da
Annunciacao.
Joaquim de Souza. Montoiro, com Zulmira ^orge
Bastos.
Joaqum Gerardo de Bastos, com Rila Maria de
Jess Barrciros.
3." lenuncia;ao.
Manoel Vctor de Jess da Motta, com Maria
Alexandrina da Cono.'ico.
Paulino Jnvencio da Sil'
latina de lema,
Daniel Jozeph Kuv. coa Qelena Mai y PurelL
Rernarilino Ausli cliano Perera de Brito, com
Emilia Urbana de Vaseoncellos.
Joo Pedro Gabriel da Costa, africano liberto,
com Jacintlia Maria da Umeecao.
Fulgencio Riboiro da Silva, com Candida Mara
dos Prazeres.
LOTERA.A que se acha venda a 93* a
benelieio da igreja ilo Nossa Senhora do Terco
Insta eidade, que corre tona-feira, 20 do cor-
n-iite.
PASSAftEIROS Yieram dofovanna no vapor
MamangHape Fre Eurico de Sant'Anna Rique e 1
criado. Soraphim Potelra da Silva Montoiro, r.
.lose \ cente (\c Moira Vase.mcellos. Francisco Ta-
varos Psete de Aran, o Jnior. 1 tilho o 1 osera\u
los Maria Freir Maracaj, sua senhora e es-
cravos.
PASSAGEIROS 5o vapor nacional Ipomea'
viudos do Acaracti:
Jos Caetano Fiuza Lima Jnior, M&rcono Fran-
cisco do Nascmento n I fllho menor, Vicente An--
gu to de Magalhes, Jos Runo do Souza Rangel.
Joo Rodolpho Gomes, sua senhora, 2 cnn'iada
fillios I criado e S criadas, Amaro de Batros Cor-
rea, Anlono Francisco Monteiro Silva, Francisco
de Alnieida Braga, Manoel Jos Medeiros Correa,
Manoel Mana de Moraes, Zeferino Jos di Barros
Moreira, Adriano Lowe, Antonio Alfredo la Gama
Mello, Theodosio Jos da Fonseca, (Liberato -Jos
Emilio, Vicente, Domingos, Ohvmpto B. Gavalcanlo,'
Outro do administrador do eem
trazendo ao conhecimento da cmara.
rio publico,
jue o guar-
da daquelle ostabefoeimento Jos' Frainjisco la Cos
ta Loo, Ihe comniiuiii-ra deixar de continua.- a
exerocr o cargo que occu|tava no dito estatuir i-
meiito e que, em vista do reg llmenlo, propon ba
para preeneher a vaga deixada por aquello, Al-
varo Perera de S.Iimrada quanto i a priineira
parte, e quanto a segunda, approvou-s a proposta
e uuitdou-se fazi'r as communicacoes.l
Outro do procurador, remetiendo o (alncele la
receita o despeza niunicqial em o mez de outubro
ultimo.A commssao de polica.
Outro do solicitador Jos Coelbo da Silva Araujo
remeUendo a eonta das ih-spi-zas judiciaos, totas
di'sde 0 (le outubro a 25 do novembro ltimos, na
importancia de 2O5780, austmdn uin saldu a seu
favor de i 800, pelo para occorrer as despezas,
que forem nessarias, a quantia de200|.Maudou-
se entregar.
Outro do ongenheiro coedeador, remoltendo em
vrtude da ordem quo Ihe foi transm ttda. cJpia
de tuna, parle da oanla da Capunga, om a alte-
raca.0 resolvida pela cunara, na parte onde tem de
pasear a travessa da rua das Peruambucanas, para
o poto do Lassene, a qual tem de pasiar pelo si-
tio do r. Jacobina, para maior clareza marcou
eom tinta azul a alleraco resolvida.Quo se ie-
nii'tta a presidencia, pedindo approvago.
Outro do mesmo, informando contra pretonco
de Jos Ricardo ta Silva, do enllocar por cima da
coberta de zinco quo tem otelheiro n. iil que delta
para a rua dos Burgos, telhas de barro Itulefe-
rio-sc.
Outro do raesmof*ii!onnai)do sobre o que pede
no requerimonto junto, Manoel da Silva Sanios.
proprietario da casa n. 33 da rua da fraa Nova
de Santa Rita, para fazer alguns ennCCTtos na dita
casa, cmo sojam mudar duas Pebocar de
novo at as sacadas e rclelhar a mesura casa, !iz
que o pavimento terreo tem 20 palmos de altura.
nada tem a oppor a pretencao, urna vez pie o su| -
pncaote colloque as Bmeiras no mesmo nivel das
outras.(>)ucedeu-se.
Outro do mesmo, informando o reque 'ment di
llenrique Bernardo de OIK'eira, em que pede II-
cenca para fazer um tlhciro feobado na travesea
da casa queimada que da para a rua do Vigario,,
PUBLICACOES A PEDIDO.
Poesa recitada no palaeio da
presidencia no dia i O do cor-
rente.
Ao triumpho das amias brasileras nos (lias
2(5 o 27 de dezembro de ]S<8.
e galas orna a nacao
Nossa victoria brllantc !
Foi \m\ feito le giganlo,
l'ma inia le Sauso !
Neiu Falio, liem Nelson. nao.
Tantas glorias assim colieraui:
Nossos bravos nao nioireaiu
Iguaes a Marte lulavam
Sob ckuvas ipie luoimavaiii
.Mli chegaraiu e venceram !...
Eran tenas que braraiam
Por i'iitiv as alas erueis...
E a gente barbara aos ps .
Do nossos bravos rahiaiu;
Coin bravura defendan!
O aiiri-verde iiavilho.
EOzoroqual sauso
Por enln as alas do fogo
Ri a;o a bracor-em tero jog >,
>.'iiubi as tetas no chao 1
\ll tambem baialbavam
rriuinpho o Arplogigantes:
I] mil glorias olTuscaites
Anciosos iirocuravain,
Com denodo pi'Iejavam,
Sem r cuar um momento,
Ocbaxo le um Rrmamento
Qmi S'i i!i'S|iola balas,
.utam vencem entre as uiotralhas:
Sao da patria o sah amonto !
ijuem tantas glorias eolhcn
Para o imperio da ernz?. .
Que astro chi o de luz
Em nossa patria na-coii ?. .
Qociii a causr dofendeu
Do Brasil eom tanto amor?. .
esprendam-se com lodo o ardor
As mais lindaspoesas
Para dizer: foiCaxias
O bravo hroe vencedor!. .
Rei-.ife, Janeiro do 1800.
Sebastiao AecioH Santiago Hamos.
BANCO MAU & C.
Hna do Trapiche n. 34.
Desmata lettras comnieiiiaes a tasa con-
v.'iicional. Recebe dinheiro, a premio con-
veneional, por1 lettras e em eonta eorrente.
Confere crditos, saca sobre as primeiras
pracas do imperio, llio da l'rata Euro-
pa, e compra cambiaos sobre as mesmas
pracas.
Enarrega-se, por commisso, da com-
pra o venda de, fundos pnblicns e act;oi:s de
CompanMis, da oobraaeo de lettras e di-
videndos ou de sen pagamento, c de qual
(juer outra operaco bancaria.
0 expediente para o publico cumec.ir;
s 10 horas da manhaa, e terminara s 4
horas da tarde de todos os dtaa uteis.
ENGLISH BANK;
Of Rio de Janeiro Limited
Desconta cticas da peina laxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em eonta eorrente e a
prazo lixo.
Saca vista ou i praso sobre as ilades
principaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, .Montevideo, New-York
e Nt'w-Orl.'aiis, e itnilU; cartas de ci-ebito,
jiara os niesmos lugaivs.
Largo-do Pelotirinho n. 7
A caixa filial do banco do Brasil em
I'ernambuco ein liquidaro paga o '.O divi-
dendo das ai.Tit's do Banco do Brasfl ins-
criptas nesta caixa; a razJo de >r5000 pot
aefo.
liedle, iti de Janeiro de 18C9.
ALFAiNDEUA.
Rondimento do dala 10 460:020428;:
Memdodl.MH....... 48:328,1775
Tubrculos pulmonares
ii
Os principaes sj-raptomas da formaco de
tubrculos nos plmoes, sao:
L'ina tosse seca qtiando se levanta de
manlia; rispiraco curta, dilicultosa e
rpida qinndo se faz exeteicio.
Pallidez extiamdinaria, molleza nos mus-
culos, emagrecimento em totlo o corpo^
dilliculdade em fazer esforco, quer pkysico
que* mental.
Estas symptouias podem continuar por
muilo tempo sem augmentar-se o mal;
porm celo ou tardo apfiareccifio signaos
3o sen [trogresso: o pulso se tornar mais
rpido, sentir-se-ha fri pelo espinhaco de
manlia Dalii em diante o doente passa a notite in-
iftticto, tosse secca e irritante toddft as
vezes que se vira na cama.
N !sle iirimeiro periodo de tisica tuber-
culosa, os palmees contem j;\ mais ou me-
nos dos depsitos tuberculosos.
.'8:rio6:lO.>
MOVIMENTO DA AI.KANOF.GA.
Volumes entrados eom faxendas
dem dem com gneros
Volumes sahidos com farendas
dem dem com gneros
20.1
884
lo.l
.'77
-------7.10
1147
Deeearregan hoje 19 de Janeiro.
Vaper nglia Iwinatiaii -im-rcadoriae.
Bai iugleaSippfco=idein.
Barca lranceia=AKHiaw4i A'anfesvinhos.
Barca ingleza14--'. of Ihe Wmvcarrao.
Importa^o.
Vapor hrasiloiro Ipojucu. viudo do Aeaiae e
luirlos intermedios, manifestou:
182 meios de sola. 8 niolhos courinbos; a I'er-
reira Pinto & C
160 sacras algodai', a Vianna A Guimai-aos.
106 Jitas dito, 223-meios de sola; a S* leilao
& Irmao.
It ditos de dita, 220 molbos courinos; Jos
Loam avin.
200 meios dV sola; a Joao Busson.
."tOO ditos te lila. 3 saigas algodao; a Prente
Vianna St C. .
2 lita* dito a F. Joao do Barros Junna.
13 ditas dito. 12 saceos cera de carnauba; a Al-
bino da Silva i.i'ai.
2 pacotcs panno de algodao; a L. A. blqueii a.
13 caixas velas do carnauba. I molbos jetlas,
i pacote cera de abelha; a Joao Jos da Cnaha La
it molos de sola: a Cosme da Rocha Beleira.
li di tus de dita; a Joaquim Luiz Vieira.
%


J
I

.

i




i.

J
\





BB1
^HHHI
Diario* de PeniamU^co ~ T^yi feira 19 de Jmmto de 1069.
'
7G0 ditos de dita; a Joao Jos do Garramo Koracs
.v Irnio. rmt_ .'
REEBEDORIA DE REUS INTERNAS GE
RAES DE PEftXAMBUCO.
Hend monto dada 1 a'Iti !K:9i
dem do diaflS ...*... 4:H866
20:857*011
CNSUL \UO PROVINCIAL.
Kendimento do da l i Ui
dem do da 18
82:803*607
9:193*171
91:997*779
d.-st.i thesourara cada un a quantia de dn-! Belfort, D. Maria Augusta II. Jorso, Dr. Mareauo
iwiW.. e vinle cgomil njis proveniente di iuul-, Ooncalves da Rock M.wiorUVulil!-''-
tas que Ihcsnav ia impostas pelo Dr. jutz de die Moura, Urbano Nunes Machad Anttnes,. Ito#nfui
reilo presiente lo tribonal do jan.' do* mesmo ter-1 do Agostinlio Yieira.
mo por falta de rmiiparccnento a segunda ses-
aao do dito tribi nal. lindo o prazo sera a robran-
le de couformidade eoiu o arl. 3 do regulamentu
3'e balxoa com o decreto n. 4,181 de'Cae maio
o auno prximo findo.
Secretaria da thesanraria de Pernambuco, 12 de
Janeiro Je 1809.
O offlei al-maior,
Manoel Mamede da Silva Costa.
MOVIMIENTO DO PORTO.
Nario sahido no da 17.
Kio da Prata.hiate portuguez Novo Prolyido, ca~
pitan loaqbD Francisco, carga assucar c aguar -
nenie.
Navios tatrados no dia 18.
Ri i de Janeiro17 das, barca austraca Altila, de
33D toneladas, capitao G. Sondrinell, euuipa-
gem 13, em lastro.; a Manios Ranos & L. Re-
cebcu onlens e seguo para a Parahvha.
Bahaf
OECLARACOES.
Inspepco do arsenal de
narlnha.
Faz-se pblico quo a comutissao de peritos exa-
minando, na forma determinada no regirlamento
annexo ao decre o n. 132i de 5 de fevereiro de
18,"i. os cascos, machinas, caldciras, apparelhos.
inastreacn. veame, amarras e ancoras dos vapores
Giqui a Jaguaribe da companhia Pernambu-
cana de navegaco costeira, aeliou todos esses ob-
ufc-Vdto hwS rroTdeVtone- **" cm estado M>*l<^m os vapores navegar.
tffSSf^S^PA ffi^d$ *****J" 1,e,'"aiubu-
iro ; a D. C. A- C, C. Siiuusoa i C. Recebeu or- f0 15 ejane.ro le t869. ^ f
AVISOS
IMOI
lWm\ DRASILEIRA
dens e seguio para Macei.
Goanna0 dias. vapor nacional Momanguape, de
3 li toneladis, eourunanita Mello, equipagem
13, carga assucar: a conip.iiihia Pcrnamhucana.
Acarar c partos intermedios 8 dias, vapor nacio-
nal tpojttca, de M91 otadas, commandante Mar-
tin*, equipagem 31), carpa algodo e oulros g-
neros ; a companhia Peniainlmcana.
Navios subidos no mesmo dia.
N'ew-York Escuna inglez a Edith Morgan, ca-
pitao Murray, carpa assucar.
BabiaEscuna nurte-allema Coinel, capitao H.
Ulpts, cargapaste da que trouxe de New-York.
Observanio.
Suspenderam do Jamaro para Macau a barca
ingina Meijija, capitao Kerby, com o mesmo lastro
que tronxeda Rabia,
dem para West lude.Barca ingloza Isabel, ca-
tutuo I\.!,,a'" com o mesmo lastro que trouxe. de
Cape Towii (no cali daBoa-Esperaaca).
dem para o Rio de Janeiro.Brigue norueguon-
se Pohjtiiu, capitao SConing, com a inesma carga
que trouxe de CarditT.
inspecto
H. A Barbosa de Almeida
ECITAES.
Do ordem de S. Exc. o Sr. presidente
da provincia se faz publico, para conlieci-
mnto das pessoas, quem oouvier, que,
tratando-se do fornecimento (Tagua potavel
AVISO AOS NAVEGANTES.
Em virtude de ordem do Exm. Sr. presidente da
profincia manda o Illm. Sr. capitao de mar e guer-
esta capital por meio de encananicnto o raecapit* do porto publicar o editalabaixo trans-
Pela recebe loria de rendas internas gerae
se fazjpublico qu: 6 neste mez e no de fevereiro
prximo futuro, c uo os contribnintes da laxa dos
esc ra vos do exenicio corren te de 1808-69, quer
moradores as kimnri&M da cidade, quer as de
fra, tocm do pagii-la, livre da multa de 6 0/0, e
com olla de maro) em diante.
Rccebedoria de Pernambuco 8 de Janeiro de
1809.
O administrador,
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIPE.
Pela secretaria da santa casa da misericordia do
Reeife de ordem dilllma. junta administrativa se
faz sciente aos prenles das educandas Emilia Pe-
reira, filha de Mara Ronriqueta de Castro e Ale-
xandrina Soivres, obrinha de Joaquim Alvos Nu-
nes, que se as niio viereni tirar do collego irao
ellas para o hospital Pedro II. alim de serem cm-
pregadas como serventes, visto que j tendo com-
pletado a sua educacao no mesmo coliego, uao
>odem all continuar.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
eife 12 de Janeiro de 1869.
O cscrivao,
Pedro fodrouesde Souza.
..
ripio, conforme KilicitOQ S. Exc. o Sr. ptesideiite
da provincia do Para:
Edital.De ordem do Exm. Sr. conselheiro pre-
sidente da proviu:ia se faz publico que no dia 24
de novembro ultimo foi collocada, as proximida
chafarizes, recebem-se uesta secretaria'pro-
postas para a constrnrco das obras res-
pectivas at o-dia 28 de fevereiro prximo
vindouro, prcvenindo-se de quo licar de-
pendente do assentimento da assembla pro- "les do cotoveUo co bateo de Braganca ao S. S. E.
vioial o contracto, que para esse fim for d
celebrado.
8'cretatia do govorno da Parahvba, em
9 de Janeiro de 1809.
Thomaz de Afguino Mindello.
J ASBBkVW
o do EUt Sr. presidente da provincia se
mblict o edital abaixo transcripto relativo ao
O Bspeotor dauliandega taz publico que do
dia 20 Socrrente, depois do meio dia, e a porta
da mesma reparlicao, serio levadas em hasta pu-
blica, livre de direlos para o arrematante, 2o bar-
ricas enin inannore em p con a marca letreiro,
viudas de .Ni'w-York no Date Jonh P,ose, entrado
em 4 ile novembro do anno prximo passado, pe-
sando liipiiil.) 8.910 libras, no valor olliclal de
l:970000, aeqttaee Carura abandonadas aos direi-
tospor II. do La Granfe.
Alfandta de Pemnobaco 16 de Janeiro de 1809.
Jos Mauricio Fetnaades Pereira de Barros.
Do ordem do lllm. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda desta provincia se faz publico para
'onheiiineuto de qoem interessar, que lica de ora
em diante establecido como regia que os paga-
mentos das ponsoes do monte pi geral dos servi-
dores do estado lerio lugar nos dias 12 dos mezes
dej.oieiro. abril, juiho e outulnv dedada auno c
iu todo forem sa-iiitivulos no dia segirTro.
Secretara da thesouraria de lazeada de Per-
nambuco, ib de Janeiro de 1869.
O offleial inaior
Manoel Mamed* da Silva Costa.
Iusiccco do arseiial eo
tiiiriaha.
De
faz publ
pharol n baixos de BrasaDca.
Inspeccau d > arsenal d manaba de Pernambu-
co 10 ib'Janeiro de 18G9.
O inspector,
II. A. Barbosa de Almeida.
EDPTAL
De ordem do Exm. Sr. c niselheiro presidente da
provincia se faz publico que no dia 24 de novembro
ultimo foi collocada as proximidades do cotovello
dohaixode Branncaao 8. S. E. da ponta da Una
de Tijoca. e ao S. E. i E. da ponta do Curuca em
latt. S.0-20' 9"c 1o:i. O do Grew. 47"-3i'
3.", em fundo de 16 bracas arca lina, a barca
Pharol, que para semelhahte fim destinou o go-
verno imperial, as condiccoes seguintes : E' toda
-construida de ferro, te n lA) pos de comnrimeato,
20 de bocea, 10 de pontal, calaudo 7. Eleva-se
do seu centro mu tnastro, no qual i^ada a lan-
terna, que eotm utn apparelho luminoso do sys-
tema oatoptrico, eomposto d nove lampadas de
bala i i eom ontros tantos refloe! tres prateados e
dispos'tos em (trapos de tres. Este apparelho
giratorio, conc(aindo em 5* urna revolucao com-
pleta eom eclipse de 5." cada uin. O phiolutni-
n >so eleva-se 30p'is cima da linba de Ouetaa^ao,
a luz clara e pode, regularmente, ser avistada
na distancia de orto mimas. O navio (pie buscar
a enrada deste porto logo que livor reeonhecido a
barca Ph troli devora conservar par B. B. e nave-
g ir ao S, 0. i O., delta ds'ante meia milha, e logo
i| i .i tivvr pela po;>a a ii^ual distancia, navegar
).. I ado naife a'lco-.io amar com que
entrar, porque avadante eico"a para cima d>
ba so e a ench snta o afasta. Os rumas de que
aciinse trata sa > magnetic >s.
S cretaria I > e ivern i da provincia do Para em
2 d 'jao iro de 1869.O secretario interino, Joan.
B--.i d> dos Sm'os.Confere, Antn o Ann's Ja-
Pin->.:. mi ere, Satmar.Conforme O se-
cretario da ogpeceaj.
Atocinare Rolnyues So? Anjo*.
ponta da illia daTijca
do Curuc emi-UI. S. O26'9", c long.O. de
Grew 47 54'3", tm fundo de 16 bracas ara
lina, a barca Pharol, que para scmelhant flm des-
tinou o governo imperial, as condiccoes seguin-
tes:
E' toda construida de ferro, tem 80 ps de com-
primento, 20 de bocea, 10 de pontal, calando
7.
Elcva-se do ceniro um mastro no qual cada a
lanterna que conim um apparelho luminoso do
systhema catoptrico. composlo de nove lampadas
de balanca com ontros tantos reflectores prateados
e.dispostos cm grupos de lies.
Este apparelho giratorio, concluindo em
urna revolucao completa com eclipse de o" cada
urna.
O phoeo luminco elevarte 30])s cima dalinha
de uctuacao, a luz clara e pode regularmente
ser avistada na dislancia de oito mimas.
O navio que buscar a entrada deste porto logo
que tiver reconhe?ido & B iren-Pharol a dever
conservar por B. R. e navegar ao S. O. 4. O.; della
distante meia milha. e logo que a livor pela popa a
igual distancia, navegara ao S. O., tendo milita
ittencao a maro com que entrar, porque em va-
fante encosla para cima do baixo e a enehente o
afasia.
Os rumos de q.te cima se trata sao magne?
ticos.
Secretaria do governo da provincia do Para, 2
Je Janeiro de 1869.O secretario interino Joao Rri-
'ido dos Santos.
Confere.Antonio Annes Jacome Pires.
Confer.Salazar.
Capilania do porto de Pernaubuco, 16 de Janeiro
Je 1869.
O secretario.
Dedo d'Aquino Fonseca
Vice-coitisulado do Peri.
O abaixo assignado vce-consul da repblica do
Peni, tendo de remetter a Junta debeneticencia de
'.ima, o producto da subsc ipca-v aberta a benefi-
cenca dos prejudiados cornos ltimos terremotos
|ue destruiram d versas cidades e poroaees da-
.pielle paiz, deixando milhares de pessoas outr'ora
abastadas, reduzidis ao inaior grao de mendicida-
de ; avisa a todos os habitantes desta cidade que
quebrara concorre paja um flu tao caridoso, que
io vire-consulado est aberta a respectiva subs-
cripeo. Jote Jar.ome Tasto,
Yiee-cimsnl.
DE
Paquetes a vapor.
Doaportosdo sul esperado
at o da 21 do corrento o vapor
Tocantins, o qual depois da de-
mora do costme seguir para
os do norte.
- ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor jtodttc conduzir, a qual devera
ser embarcada no da de sua cuegada. Encommen-
as e dinheiro a frete a!<; o dia da sua stihlda as 2
horas.
Nao se recebem como enoommendas senao ob-
jectosde pequeo valor equenoexcedam a duas
arrobas de |ieso ou 8 palmos cbicos de medican.
Tudo que passar desles limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-sc aos Srs. passageiros (pie sitas passa-
genss se recebem na agencia na da Cruz n. 37,
escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
A C.______________________________
Para o Porto
Segu com atnaior brevidade possvcl a barca
Amelia de pi imeira mardia, por ter a maior parte
de sua carga engajada; para o pouco que Ihe falta
e passageiros, aos quaes offere excellentes commo*
dos, trata-se coui Bailar, Oliveira & C, na do Viga-
rio n. 10._______________________________
Rio Grande do Sul
Para o referido porto sahir infallivelmente at
o da 27 do correte a barca porlugneza Arminda,
recebe algiuna carga a frete para o que pode Ua-
tar-se com o seu consignatario David Fcrreirc
Baltar, ra do Britm n. 92.
De tyiM uobilia de naognn a Luiz XV, 2 guar-
da vesti.sile amarello com |iOBi uso, 1 toilet
de tnof no oom poda, t lavator os de mogno com
podra e spellio. 1 commoda de amarello, 1 ca-
nia ftainczk de Jacaranda, 1 mesa elstica, i so
t Jacahiifl, i paros de eattoiras de bal anco. 18
cadeiras de amarello com pouco usd, i sof de
amarello, I jardincira, diversas marquszas, conso-
los, cadelras de abrir, mesas redond.'s, marque*
ziles, bancas, mesas para engommado ditas para
escrever. Mmadmu para lavar roupu, 1 canc-il;i
de amareilq, 2 espelhos dourados, 1 Iianca para
ourives. 1 alcatia em bom uso propria para sda,
diversos candieiros a gaz emuitos outos objeotos.
(Jtiarta-feira 20
O agente Martins autorisado por |uma pessoa
oue se retira para fora da provincia,! far leilo
dos objectos cima, no annazem da rula do Impe-
rador n. 16, as U horas em ponto.
LEILAO
Da armado, gaz, gneros e poruees da
talierna n. ^^ do paleo do Terco deno-
minada Nova Reforma.
O agente Martins far leilo em um so lote da
annacn, gaz, gneros e pertences da taberna aci-
ma, limito Ik-iii localsada e afreguezada, os prt-
tendentes podem examinar o bataneo em mao do
dito agente-
Quinta-fera 21 do corrente.j
As i i horas do dia.
Jlio de Janeiro
Segu coro brevidade para o porto cima o bri
gue nacional Isabel, tem part' dosw ciirieganien-
to engajado, para o resto que ihe falta trata-se
com es consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo A C, ra da Cruz n. 57, primeiro andar.
LEILAO
te.
De 3 easa terreas e uiu
eni OHnda.
(Juiita-feia l do corre
O agente Pestaa far leilo. por contal de quem
em chaos
quintaes
menos um
e ma i
ulti na. Pana
na il> n. 5 o
eaixo
Para o Porto

Segu sem demora a barca pertuguoza Ato'0
Silencio, por ter grtinde parte da sua carga
prompla ; para o resto e passageiros, aos quaes
offereco excellentes rommodos, trata-se com Oli-
veira, Filhos & C. largo do Corpo-Santo u. 19, ou
como capitao na praea do Commercio.
Para Lisboa
O brigue porluguez La a I, capitao Veira, vai
sabir com miiila ioevidade, por ter a maior parte
da sua carga prompla ; para a que anda Ihe falta
e passageiros, trata-se com Oliveira Futios 4 C,
largo do Corpo-Santo n. 19, ou com o referido ca-
pitao, na praca do Comnieroo.
pertenec- de 2 casas terreas n. 4 e o
proprios, de podra e cal. com grande
cercados, 1 dita tambem de pedia e cal
"ila-) na iua da Rica nos Qoalro Cant<
urna casa em caixa > junto a esta
examinar a de n. 4 veja-se a chave
as outras aos atondares : o leilo tora lugar no
dia qumta-feira 21 as 12 horas em ponto no lar-
go do Corpo Santo junto aocaf r.ainmi'ical.
AVISOS DIVERSO!
IXSTITLTO ARCHEOLIMO E 6E0GHA11C0
FERW^Ilil.WO.
Tendo o Instituto Arciieologico ( Geogra-
pliico Pernambucano de celebrar
o stimo
aiiuiversario da sua fundacao no dia 27 do
e, no sa-
sao con-
issmbla
corrente Janeiro, pela I hora da tan
12o da Bibliotheca Publica r-nmnria
vento de Nossa Senliora do Carino,
vidados para semelbante elfeito cm
geral todos os socios que se aclibrem do
Reeife,electivos, honorarios e correspon-
dentes
Nao conhccetido o Instituto a sdb das dif-
ferentes asssoeiacoes litteraras, se entiticas,
artsticas o de beneficencia que ex tem 066-
ta cidade, tem a honra de convitar pelo
presente edital a cada una de taes associa-
p6es assistr solemuidade do di i 27, ou
a fazer-se ah representar.
E para conhecimento das oerppr K
tOMPAMIIV BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portas do norte esperado
al o da 26 do corrente o vapor
Cruzeiro do Sal, commandante
Alcol'orado, o qual depois da de-
mora do costume seguir para os
lo Mil.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder codaiir, a qual dever pessoas que ttverem de ornar a ses>ao com
ser embarcada no dia desuaehegada. Ene iinmen-
das u diuheiro a frete at as duas horas do dia da
sua saluda.
Nao se recebem como enconimendas senao ob-
ji-ctos de petjueno valor e (pie nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medro.
Tudo que passar desles limites dever ser embarca-
do como carga.
Previne-se aosSr*. iiasageiros que snas passa-
gens s se recebom na agencia ra da Cruz n. 57,
Io andaar. escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.
Tupio a K> ik< tomtttt mez d- JueflO, o at-
ravn KHipiM1. e.'djrattni pouro alto, idade San-
nos, priicipi ueloa hurtar no queixn cabellospre-
Ui.-. acabocolado. ollios ajxTtados e quando ulha
fecha as sobraneelhas. tem urna marca de c.iiis-
co do laijo djn-ito sobre o figadq, bjvou no corpo
calca d madapolSo, chafieo do Ba redondo om pouco uza-
do. Este esclavo costuma a conduzir genero dr
urna venda da ra Direita para a estacao das Cin-
co l'ontas, o mesmo anda com um biUiete procu-
rando senhor, sem o eonsenmento do mesmo se-
nhor, Pede-sc as autoridades (lliciaes e algiuna
pawoa que o vir. de o |>egar e levar ao seu so-
nhor, no sobrado grande de Santo Amaro do Sr.
Manoel Custodio n. ti que se gratificar generosa-
mente.
Hcnt>'. 18 de janoro de 1809.
Os abaixo asignados declaram ao corpo
eommerrial e a quem interessar. que compraram
alaberna da tia\ss da Senzalla Velha n. 4,
pois quem se julgar eom direito a dita taberna,
qncira apreslar-se coui seus ttulos no prazo de
tres das, pqis est comprada, livre e di-seuihara-
f-ada, licando a mesma gyrando coma firma de
almeida & Silva.
Hecife, 18 de jun.-iro de 1869.
Joaquim Prudencio de Almeida.
'______________A. .1. dii SHca Jnior.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da
ra do Queiinado n. 33 projirio para escriptorio :
a tratar na luja. _
Tachygraplio
O taehygraphoCarlos Falco, em cumplimento
de urna das condicoes de seu contrato, abre um
curso de sua arte, onde aceitar os senhores que
para isso olniveiem despacho da Exma. commis-
sao de polica da assembla provincia!.
Mudancn de escriptorio
Joaquim Gerardo de Bastos, (ransferio seu es-
criptorio para a ra do Vigario n. 16, primeiro
andar.
de tuna rozinlieirn : n:
na ra do faapes
Precisa-si' de una escrava de ra para alu-
gar-se : a tra'ar na ra da Cadeia Nova n. 34.
Luiz Em\gdio Rodrigues Yianua, advoga na
ra do Queiinado n. 24, primeiro andar, mide po-
de ser procurado para os mysteres do sua prulis-
so das 10 horas da manha 4 da larde nos dias
litis.
Precisa-se d um cozinheiro no hotel Lisbo-
nense : na ra estrella do Rosario n. H.
Coziiiheiro
Precisa-se e un bom cozinheiro em Santo Ama-
ro, casa de Manoel Custodio n. 22.
Protectora das familias
Ein cumplimento do prevenido uo artigo 29 do
regiilamriito, se convida_ a todos os senlmres eon-
tribuintes desta xssocacao, que ainda nao livercm
apresenlado as certides de idade dos segurados,
para que faeam entrega dcllas na ra do Livra-
mento n. 19, 1 andar, alim de Bar expedidas n
oais breve possivel para a inspecloria geral do
Rio de Janeiro. As cerlidoes devem ser selladas e
no con- reconhecidas por tabelliao. Reeife i-i do jaiu-iin
de 1869.O representante.
N. F. de Vidal.
Para Lisboa
Segu em poueos dias o brigue portuguoz Cons-
tante I, por ter, grande parte do seu earregamento
promplo ; para o restante e passageiros, trata-se
com Oliveira, Filhos & C, largo do Corpo-Santo n.
19, ou com o capitao na praea do Commercio.
""COMPAHA PERNAMBUCA.N V
DE
V.-tvcafSo costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Mriinanguape, comman-
dante Mello, seguir para o porto ci-
ma no da 20 do corrente a meia
noile. Recebe carga, passageiros, encommrn-
dasc dinheiro afrete no escriptorio do i orto do
Mattos n. 12.
a sua palavra aufhorisada, aqui se ranscre-
w a ultima parte doart. 2H do r-^imento
do Instituto :
Se na sala existem socios od pessoas
outras que desejam ler algttinas momnas
interessautes, participam-no ao secretario
pta-(wUt>,-4iai*-ttii.--4**venir o piesintnte.
o qual d a palavra aos autores dais memo-
rias ; a leitura de cada urna das q^taes nao
pode estender-se alm de meia Iiorai. Porm
nenliuma memoria ou Irabamo p-ode ser
presenado Hdo em 9ess5o publica, sem
que antes seja subnmttido a urna Cmmissao
de exame para isso nomeada, a i]ual tem
voto decisivo sobre a conveniencii ou in-
ri mveniencia da leitura.
Secrttaria do Instituto, 18 de y metro de
1809.
J. Soares de Azevedo,
secretario perpetuo.
= Precisa-se d<- um caixeiro (pie tenha platica
de taberna e d fiador a sua conducta : na ra
das Cruzes n. 24.
Gabinete Porluguez de Leitura
Pela secretara do Gabinete Porluguez de Leitu-
ra se faz publiei que as se&gdes ordinarias da di-
rectora tero lugar as. segundas-feiras as 7 ho-
ras da larde, no respectivo edificio.
Secretaria da directora 16 de Janeiro de 1869.
O 1- secretario.
Joaquim Xavier Yieira Ligo.
Precisase de urna ama para comprar e co-
sinhar : ra das Trincheiras n. 9.
= Compr.un-se caitas para ddpusito de assucar
refinado : na roa da Sentala N iva n. 2.
l'redsa-se de una a.na para enguinmar e
c isinliar : anta das Cruzes n. 19.
Preeisa-M
radr n. 73 2 an
l*i(H-isa-se o> un caixeiro me fcnl|a piara
de taberna e d iadr de sua coniuffa : a* ra
das ".ni'. > n. 2. T: I
Precisa-o ahigar mu oosinheire bom: na
ra da Imperatriz n. 6, 1" andar.
C!XIclila^ao^
Por ordem do Sr. presideBte convido a todos o-
Srs. socios para assistirem a uiua missa que a
nossa soeiedade manda celebrar no dia 22 do cor-
rate |K-.las 8 horas da manha na igteja do Es-
pirito Santo, pela alma do nem consocio Joainni
Jos Comes do Souza, fallecido em Portugal no
dia it de outubro de 1868 para o que igualmente-
se convida aos amigos e prente; do mesmo fi-
nado.
Reeife 19 de Janeiro de 1^69.
O secretario,
Andrale.
JaTmin^jonT!sMl^n^^>cl(^rwe7ilO eoavida
seus amigos para assistirem as mssas qo manda
celebrar na igreia do Espirito Santo pelas 6 ho-
ras da inanlia do dia 20 do corrente, trigsimo
do passamento de sua sempre lerabrada comadr
Guilhermina das Dores Mello /ibefro, pelo que
desde j confessa sua eterna nrntido.
Josu^TLiteaTMl^zveif^mU^
Generosa de Azevedo, Maria Dativa de Acved0
Arauio, Antonio Aladim de Araujo (auseates) e
Isabel Maria de Hungra Oas, Albos, gonro e ir-
maa, agradecein cordiahuente a tolas as pessoas
que se dignaram acompanhar a ultima morada os
rest smortaes do seu sempre lemlradopai,sogro>
e innao Jos Antonio de Azevedo Santos, o de no-
vo Ibes rogain o cartdoso obsequio de assistirem a
missa e owcio que se celebrara no seluio (lia pe-
I j repoaso de sua alma an matriz da Boa-vista as
8 horas da maoluoi de terea-feira 19 do corrente.

uTzdcoTr
auianlit do co.rente, seguad i anuiversar/o
do fallecimento do conselheiro de estado c sonador
do imperio Angelo Muniz da Silva Ferraz, sua ii-
Iha e genro mandaai sulfragar sua alma naigreja
dos religiosos franciscanos, as 9 !i iras da nianuaa,
e convidan! aos seus amigos e aos 'aquello ti-
nado a assistirem a e te acto de religio.______
m
Mauricio Jos dos Santos Ribeini. prounda-
menle magoado pela sentidissima nmrte de sua
nunca asan chorada esposa I). GolihaniM das
Dores Mello Ribeiro, siiccedida em Lisboa, uo dia
20 do mez pasando, pede seus amigos o caridoso
obsequio de assistirem a uiissa que |iela alma da
moma finada manda celebrar na ieu-ja de Nossa
Senhora da Soledwle. terea-feira 19 do corrate.
as 6 horas da manha. peio que ser eterno sen
reconhecimento. ___________________*
szscMBSsaBXSKZSBmKBmMssmwmpmw
Jos Materno de Azevedo Santos, Senhcnima
Generosa de Azevedo, Maria Dativa de Azevedo
.vraujo, Antonio Aladim de Araujo, ameaetes, e
Isabel Mara de Hungra Dias, tilbos. genro c ir-
ina, agradecein cordialmnile a (odas a^ paveas
que se dignaram acompanhar ultima morada os
restos mortaes do seu seui|ire leinbrado pai, segro
e innao Jos Antonio de Azevedo Santos, de novo
Ibes rogam o candoso obsequio de assistirem mis-
sa e ofllcio que se celebran no stimo dia pelo re-
pens de sua afana, na matriz da lio;.-Vista, terca-
feira 19 do correte, s 8 horas da manha.
-atmmmmMMmmmaMSKBmwtammam
Kiisiiio de arithmctica. aSgebra e
geometra.
O bacharcl em direito Caseiniro Borges Godiiiho
de Assis, ensina estas materias no pnaeiio andar
ila Casa n. 17. sita na raa >"ova, das 7 1/2 as 8/2
horas da manha aos senhores csludantes que de-
sejam fazer exame no collego das arles, e das 7
1, i as 9 da uoite aos seabocea empregados no cont-
mercio.
Porto
A barca portugueza Amelia.de pi imeira mareba-
acha-so prompla para receber carga frete e pas-
sageiros, para o que tem excellentes commodos;
trata-se com Raltar, Oliveira & C. ra do Viga-
rio n. 10.
Para
0 brigue escuna nacional Amelii II, segu no
lim do corrate mez de Janeiro, ainda rebebe al-
giuna carga miula : trata-se c mi o consignatario
J.io Francisco da Silva Novaos, ra do Vigario
n. 11.
IiikIIuo Arciieologico c eogra
phico PcniamiHicani.
llavera >essao ordinaria quinta-feira 21
de Janeiro corj-eiite, pelas H horas da ma-
nha.
ORPEM DO DIA
Providencias a tomar para a pro; ama fosta
do auniversario;
Pareceres e raais trahalhos de commis-
ses;
Secretaria do Instituto, 18 de
i869.
J. Soares de Azevedo,
aneiro de
1
secretario perp
LEILOES.
De ordem do Illin. Sr. inspector da iesou-
raria de fazenda desta provincia, sao pelo presen-
te convidados os Srs. Manoel Joaquim do Reg
Barros, Clementmo Jos de Alexandria, nellarnii-
no Jos Nunes, Jos da Silva Bandeira, Elias Bap-
tista de Oliveira, Jos Pedro de Alexandria e Jos
Caetan > Madeiro, moradores no termo de Ingazei-
ra para denlro do prazo de noventa dia? que Ibes
fica m irado a contar desta data, recolherem ao
I.
itUO.
Termos deum subde-
legado da roda.
Pela adminlstficio do eorreio desta cidade, se
faz publico a que; i inleressar possa, qne nao se
ilemoraid os vap iros da eoqipanhia Me-sageri,s
Imperiales ueste p ni i em seu regresso do Rio de
Janeiro, o temp i precito para so fzer a expedci
das malas com dir;ccat a Eiropa, tem resolvid)
que as malas se l'echem s 6 horas da tarde do dia
anterior a o da cliegada d >s miamos vapores.
Cjrreio de Pernamb ico. 18 de Janeiro de 18.59.
O administrador,
Dom'agoi dos Pastos Miranda.
lIMrMliMAL
BlacSo das caf;as registra las existentes na
ailiniiistrafao do eorreio desta cidade
para os senhores abaixo declarados :
Dr. Antonio Teixeira Mendes, Antonio Jos
Dnarte C 'imbra, padre Antonio de Mello Albu-
juerqne, Antonio le Souza e S, Braga & Villara.
Dr. Cassemro Bordes Godinbo de Assis (2), Dr. Car-
los Justiniano Rodrigues, C. Adelinb, Erasmo Jos
de Mello, D. Feliciana Maria do Reg, Francisco
Antonio da Rosa. Francisco Borges Marques. Fran-
cisco da Silva Var, Francisco aos Santos Lomba.
D. Gnilhermina Franca de Oliveira, Dr. Gabriel S.
Raposo da Caman (2), D.Joaquina Maria do S*- 392, com vidrus sonidos doscurregadis do avicr
ramento, J. C. Bravo C, Joao Gabriel Baptista, I franca AnVe, o lso ser effeetuado ao mel dia Lecciona-se primeiras letras, francftze rhetori-
Jos Hermino de S e Soma, Jos Marees Nunes do da cima dito na alfandega armazcm n. 6. ca: nos Coelhos, ra dos Prazeresn. 42.
De 53
vid ros sor-
eaixas eom
ti dos.
HOJE.
Terra-feira 14 tic Janeiro ao meio dia.
A'i alfandega annazem n. 6,
O agente Pinto far leilo por cunta e risco de
quem perieneer dis 5:) caixaS marca A C n. 339 a
Oh l! senhor venha c, sabe-, que nao
quero que tome banho como mulher, se
tem dinheiro ande com seroula (termo
que elle usa com as lavadeiras e cjanoeiros)e
advirto-lhe, que eu sou subdelegado da cara
virada, por isso moro perto d'Olinda, e
aproveitei o primeiro annunei de virar
casaca.
O pao da bandeira.
Instruepo primaria e
secundaria..
:i
5HHE5ESE5a5a5a5TH5B5aSH.5HSH.5ap



|DO
c
..11
ORO
&SKW>!i9irjiii i iwiBia'i.-^v^wafl |
RUA
F.O



"**

______ DE JMi%S
esquina | Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre um sortimento sem igual,
' le vende por pregos me nenhuma utra casa pode vender,
jaa ra arga aoi ^jta da q^jO^ e do pre(?0 das joias cada um pder-se-ha convencer daverdade.
Bosario. 6arante-s(i ser tudo Efe le. Compra-se ouro, prata e pednis finas por pregos muito ele-
vados. K
xl loja est aberta at s 9 hwas da.noure.
esquina
da ra largado
Rosario.
-------------_ -, Lul-
*-



iiiario de Pernaiiibuoo Terqa fera 19 de Janeiro de 1869.
(
l_
COLLEGIO
DE
SANTA GENOVEVA.
Ra do Hospicio n. 22.
Todas as aulas deste collegio que comprclieml 'in
mino o> primeiras cticas; das lingnas lat ia,
franceza e ir>sler.a; do geometra, geograpla e
philosophia, estarao imprctciiveliiicnte aborta na
Photographia
O photograj ho J. Forre ira VilleJa
respeitavel pn ilieo, quo leudo
participa W
rhegad do llio de
Janeiro no dia 7 do pausado, toinou a dirceco do
sou ostabelocii nento de pliotographia, sito ra do
ogunda-feira, 11 do crreme. Alen daiasttd- *""rft wStf0 E? dfcM*B<^ ge continua a tirar retratos por todos os avlenlas
ptiotograpliiem. No mesmo estabelecimento ainda
se contina a irar retratos em cartao do visita a
9-^(100 a duzia. Ha tambera una linda eolleerao
de allini'ies de ouro do 1ei coin podras preciosas,
para a enllocaban de retratos.
pliuas, haver dtias vezes por mu tuna aula de
graminatica pnrtugneza e um curso especial para
apnitica da convcrsaeo franceza, dirigido por un
profcssor Irancea.______________________
O Sr. sargento brigada do corpo de
polica queira vir a esta Typographi* a en-
godo.________*___________________
.Trociose
as notas do banco do Brasil e das caixas ffliies,
om descont muito razoavel : na piaca da Indc-
pondoncia n. ti. |______
BAKATSSIMO
Calcado nacional, na fabrica do Jos Vicente
Godinho & C, ra do Jardiui n. 19, avisam aos
sens tregeles desta capital e do interior, que con-
tinuam a fabricar calcado em alta escala, c olfe-
recem as molliores eondicoes, tanto em proco como
em qualidade. Os proprictarios deste estabelcci-
inento rliamam a attencao dos senhores consumi-
dores do interior, ipte os quizerem liourar rom
sua freguezia, especificando em sous pedidos a
qualidade e numeraran, otTerecendo-se para os en-
tregar bem acondicionados em casa de seus cor-
respo ndontes nesla praca.__________________
Criado.
Na rua do Imperador n. 73, segundo andar, pre-
cia-st de um criado fiel o bem procedido.
Antonio Jos Rodrigues de Souza, precisa
alugar um criado para o servico de casa, de mais
de 15 annos : a tratar coin o mesmo na rua do
Crespo n. lo, ou cm seu sitio no Monteiro._____
Frederico Maya
Ciriirglao deutfstfa pela escola
de medicina
do Rio de Janeiro.
Tem a boma de participar ao respeitavel publi-
co desta capital eseus suburbios, que tem aborto o
seu gabinete de consultas c operacoes dentarias a
rua Direita n. 12, primeiro andar, onde pode ser
procurado todos os dias (bis 8 horas da manta as
:i (ltanlo. Kllc acha-se competentemente halI li-
tado para coin perfeicao enllocar denles arliei.ics
porquali|uerdos sistemas, e bem assim desemoc-
nhar qualquor outro trabalho concernente sua
proisso. O mesmo, reconhecendo que neius ui-
pre piissivelssenhoras ou criancas sabireni a
procui.ir o remedio, oirerece-se a remover qi.al-
quer obstculo, declarando quo na ciil.idese pi es-
tar a qualqtier chamado sem que issoinllua cousa
alguma na coinniodidado dos procos do seus traba;
Ihos, o quando para fra dola assim mesmo S'-r
precedido de um ajuste rasoavel, garantindo ello a
segurancae perfeicao de seus ditos trabalhos. Jim
seu gabinete se encontrar constantemente exccl-
lente ps dentifricin, elixir o outros niedieameii-
tos odontalgicos: rua Direita n. 12, primeiro
andar.
lid
Precisa-se ce duas amas, urna para engommar
o outra para eozinbar : na ruada Cruzn. GC.
Arrenda-sc a propriedade denominada
Baria de Serinhaem no littoral da freguezia
do mesmo nomc, com muitos foros rece-
ber c milito scoqueiros a desfractar, tendo-
alm disto, a excelleiite e rara posifao de
beira-mar, n beira-rio, inteiramente apro-
priada pai manter-se ahi qual(|ucr es
tabelecimen; o commercial de seceos, e mo-
lliados; a tratar rua do Imperador n. 20,
ou rua da Florentina o. 28.
Coxlnheira
Na rua do Imperador n. 73, segundo andar, pre-
cisa-so de una cozinheira.
Ama de leile.
Precisa-se de umaama de leito preferindo-so es-
clava, para ai abar de criar una menina de 8 me-
zes do idade: na rua daConceicao, na Boa-Vista,
n.14._________________________________
Desappareecu da rua dos Cocidos n, 20, o
cabrinba eseravo de nome Milburges, iilade 10 an-
nos, o qual ti iba vindo do engonho Salgado, c.%-
rar-so de moriledella do cachorro damnado. Roga-
se as autoridades pociaes o a qualquor pessoa
que del le souber, se sirva dar parte na dita rua
dos Cecilios, (ti na rua do Apollo n. 8.
Attcnco
Antonio de Aiidraolvde Luna avisa ao pu-
blica e especialmente ao respeitavel corpo do
eommercio, que admittio para socio de sua casa
commercial em Goiannaa rua dojicio n. 27, a seu
sobrinho Luiz Antonio de Andrade Luna, tendo
principio no dia ln de Janeiro de 1869, na razo so-
cial de Ivo Antonio de Andrade Luna & Sobrinho.
Joaquim Jos Gon-
calves Beltro
RUA DO TRAPICHE N. 17, l. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Btmba, em Braga, c sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porlo.
Valonea.
(uimaraes.
(loimbra.-
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalieo.
Lamego.
Lagos.
Covillnta.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
Antonio Jos Rodrigues de Souza, na rua do
Crespo n. lo, ou em seu sitio do Monteiro, gratili -
ia a nuera capturar o seu eseravo Joaquim.
pardo, de idade 35 annos, natural de Pao dAlho,
para onde se suppoe ter fgido por ter sido viste
nesse dia a conversar com pessua daquclle lugar,
catatara, secco do corno e um pouco alto, bigode
e cabello meio carapinbado e |icnteado, e tem nm
caroeo na munheca da mao direita, do qual soffre
dores rbeumaticas, tendo a falla a sertanejo, muito
descaneada.
Antonio Ca los Pereira de Burgos Poncc de Len,
como slicitai or do foro desta cidade o dos termos
de lora, se cncarrega de todas as qucsties que fo
rem suscitadas perante os tribunacs erras, cri-
mes, commeiciacs c ecelesiaslicas, prometiendo
continuar a exorcer o seu emprego, com a mesma
lealdade, actividade e dedicaran. O annunciante,
pode ainda re -eber certo numero de casas com-
merciaos, por contrato annual e bem razoavel. L)e-
ve declarar, que costuma dar as contas de despe-
zar judiciaes, todas datadas, especificadas e com
escrupulosa e sido seus constituimos. Quem pois quizer o lion-
rar com sua canfauca, dignar-se-ha procura-lo
rua das Trine eiras no primeiro andar do sobrado
n. 48, junto ao cartorio do Sr. escrivao Motta, para
onde acaba d 5 mudar-so.
Gymiiasio provincial
De ordem d) Illm. Sr. r. rogodor e de confur-
midade com o que dispoem os arls. 62 e 03 do re-
giment inter 10 ifitca saber que desde o dia 15
ale o dia 31 do correntc mez estaro abortas as
matriculas nosta secretaria, desde -as 9 borae da
manhaa at 1 tora da larde dos dias uleis, deven-
do os pais dos futuros alumnos, ou quem os repre-
sentar, de por as niaos do Sr. Dr. regedor : 1
certidao de idade do matriculando ; 2o cerlidao ou
atteslado de ter sido o mesmo matriculando vac-
unado ', 3o recibo do importe do primeiro quarlel
da ponsao, paja na thesou.iaria do Gyninasio.
U mesmo Sr. Dr. regedor manda avisar aos pais,
tutores o curadores dos pensionistas, que sahiram
do estabelecim ;nlo para passarem as ferias, de que
devem estes reeolher-se ao Gymnasio at o dia 2
de feveroiro, vspera da abertura do anno lectivo,
sob pena de flearem privados de sabir por lempo
de dous meses, como dispoc o art. 161 do regi-
ment interno.
Secretaria do Gvmnasio Provincial 7 de Janeiro
de 1869.
O secretario,
__________ Antonio da Assumpcao Cabral.
I'recisa-s) de um menino de 12 a 14 anuos de
idade, que lenlia ortica de venda: na rua do Ran-
go! n. 73. onde dar liador sua conducta.
BAKTHOLOMEl 8- C.
qiiaos podemos citar os lllms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca,
Pereira do Carrito, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a
PAR.V. USO INTERNO
PkKI'AkADOS sjmples
Xaropo, de jnrubt'ba garrfiTa. I-M)00
Vinlio de urubclia garrafa. 15G00
Pihua* de jiirubeba vidro. I jlflOO
Tintina de jurubeba vidro. 640
Exilado hvdracoolico de jurubeba. I2f>500
PHKPAB\DOS COMPOSTOS.
Vinho de jiiinlieba ferruginoso garrafa. 2^000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. I600
Pulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2$000
Ole de jurubeba vidros. 640
I Poada de jurubeba pote 6i0
Kiuplastro de jurubeba libra. 2,<>500
PARA USO EXTERNO
A JlItlKIKi.
Esta planta lnje reconbecida como o mais poderoso tnico, conko um excel-
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do ligado b baco, as
hepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas com aaazarclias, as iiflammacoes
stibsequcntes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do ulero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as hodrope-
zias, erjsipellas; e assooiada as preparaces ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, cbloroses, fallas de menstruafo, leucoiTheias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
0 que dizeniiis aflinnam os mais distinctos mdicos desta cidadb, entre os
Sarncnto, Seve,
excellencia deste
poderoso medicamento sobre os domis at hoje conhecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'ello. applcacao.
Apresentando aos mdicos e ao publico emgeral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo de;apparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empii icos d'elle, e
mais das vezes repugnantes a Iragarem-se, e que tinham ainda a desvantaf em de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes ira proficuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de havermoslconveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
piedades medicamentosas d'esla planta em suas raizes, folhas, fructas ou bagas, ea
dose conveniente a applcacao, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeicao possivel, para o que nao poupamos esforcos, uo nosim-
poitando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de (pie se pode encontrar, a pron pta e infalli-
velcura de qualquor dos sollriinentos.que deixamos innumerados, se foreni em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem deescolher nasnossas va-
riadas preparaeijes, aquella que mellior llie pode convir, j pela fcil applicac ao, e j pela
complicaco das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individe
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se tor nam comple^
lamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos oscompstos' d) ferro que
como taes eslao hoje recouhecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente qtteram conhecer as probriedades da
jurubeba, e saberem a appcaco de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
era nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta c dos
mesmos preparados.
Doposilo oral de todos os proparados
Bol lea e drogara
3 \ Rua larga do Rosario3 .
COLLEMO DE SANTO AMA1
0
Recife, rua do Cominercio u. 5.
liste eslabelerlmcuio de ediieaco, aeha-se a dlspo^leo dos
lHaas. Srs. pas de familias e a quena mais possa com ir. I O Direc-
tor faz seicute, que desde j acha-se alerta a matricula la aula de
Instrucco primaria, a qual ser aberta em o dia 11 do andante :
bem como as secundarias, cujos cursos tircram principio pelas fe-
rias e devem ser encerradas em marco. As dentis fuucclonaro
do dia 3 de fevereir em diante, com a regularldade do costume.
Heclfe, 4 de Janeiro de 1K69.
Na rua da Imperatriz n. 18 preparam-se
bandejas com bolos enlejiadas, pronriiS
para casanientos, bailes etc.; podins e to-
da e qnalqner qualidade de bolo, garantin-
do-se o acceio, promptidao e preeo mdico.
m
Precisa-se de una
Copiares (pateo do Terco)
ama: na rua dos
n. I, i, sobrado
Mana Auna Cavaleanti Brrelo de Souza LcSo
convida aos amigos de seu fallecido marido Fran-
cisco Cavaleanti de Souza Leao para assistirem a
uiissa do 7o dia que pelo repouso de sua alma tem
de ser celebrada na igreja da Santa Cruz, as 8
horas da maubaa do dia I!) do corrento.
&k DA FOKTOA
Aos 4:000,$
Bilhetes garantidos.
A roa do Crespo n. 23 e casas do costume.
Aebain-se a vsnda os felizes bilbeles garantidos
da 1" parte da lotera em beneficio da igreja de
N'ossa Sentara do Terco do Recife (9:1.*) que se
extrahir ter^a- reira 2 do crrente mez.
Procos.
Billete. ". 45000
Meij.....25000
Quilo.....H000
Emporcao de 100.* para cima.
Billete.....3 300
Meio......1730
Qmirto..... 875
Manoel Martina Fiuza.
Joaquim S mao dos^antiw e Antonio Ferreira
Alberto fazem seienteao respeitavel publico e prin-
cipalmente ao corno do eommercio, que desde o Io
de ianeiro estabeleceraui nina casa de seceos c
motilados no lai go da Penba n. 8, gyrandjO o mes-
mo estabelecimento daquelia data em diante sob a
linua Santos cl'erreira. Recife lo da Janeiro de
18(51).
Francisco Pereira de Meirelles e sua niulher D.
\laria da Silva Pereira de Meirelles, tendo rece-
ido a infausta noticia do pa&samento de seu pai e
-ogro Manoel Pereira de Meirelles, em Portugal,
rogara as pessoas de sua amisade o caridoso ob-
sequio de assistirem a missa que pelo eterno des-
caneo de sua alma mandam celebrar na igreja do
S. Jos de Riba-mar, terca-feira 19 do eorrenteas
7 horas da manhaa
laa Joaquim Soares, Mara da Silva Pereira de
Meirelles, Zcpherina da Silva Pavao, Maria Fer-
reira Soares, Benedicta Ferreira Soares, Anna
Ferre-a Soares, Francisco Pereira de Meirelles,
.(oaquim Ferreira Soares, Augusto Ferreira de
Lorena, Alcxandrina de Hol lauda Chacn de Lo-
rena e Vieentc Ferreira de Lorena (ausente) ma-
rido, lilhos. genro e irniaoR cordialmente grade-
eni a todas as possoas que se dignaram acompa-
ohar a ultima morada o restos mortaes da sua
sempre lembrada esposa, raai, sogra emana D.
Marcolina Ferreira de Lorena Soares e de novo
Ihes rogara o caridoso obsequio do assistirem a
irassa do 7- dia que pelo repongo de sua alnia se
celebrar na igreja de S. Jos de Riba-mar, terca-
feti 19 do corrente as 6 tioras da iiianhaa.
= Precisa-se de urna ama para eoziniar e fa-
zer o mais servico de urna casa : na rua estrena
Ama
Precisa-se de urna ama para cosiuliar e ungam-
inar jiara una casa de puca faiailia. na rua de
Ibrtasn. i04,Ioja.
Gymnasio provincial.
O Dr. regedor lo gvmnasio manda fazer publico
liara conlieeimeiito dos senliores [tais de familias o
segrate :
1 Que no gymnasio provincial de Pernambuco
seensina: primoirasjetras, lingoa nacional, atim,
francez, inglez, .llemao, grego, arithmclica, alge-
bra, geometria e ttigonouietria, geographia e his-
toria, pliilosopli a, rhetorica c poraea, sciencias
naturaes, msica e desenlio, para cujo eusino ha 17
professores calh dralicos, 1 substituto e 3 repeti-
dores,
2 Que o eslalieleciinenlo adinitte alumnos de
tres ciasses ; pensionistas, que inorara effecliva-
mente na casa ; meio tcnsionistas, quo entrara as
8 horas damaniaa e retirain-se as 6 huras da
larde ; c externos que s vio ao estabelecimento
s horas daa aul s.
3o Que os peniionistas pagam 30 por mez era
trimestres amainados, e com este prgamento po-
dem freguentai txlas as aulas (excepto a de m-
sica), eteem cas.', espaeosa e arejada, comida boa
e abundante, roupa lavada e engommada, papel,
pennas e tinta, n edieo e botica.
4 Que os meo-pe>isionistas pagara 15*000 por
mez, tambem em trimestres adiantados, e cora este
pagamento podem frequeutar todas as aulas (ex-
cepto a de msica), jantara uo estabelecimento e
tecni papel, pencas e tinta.
5o Que os externos pagara "> por mez, do nies-
mo modo, e com este podem frecuentar todas as
aulas (excepto a de msica).
6o Que os alunnos que quizerem frequentar a
aula de msica pagarao, na mesma conformidade.
4 i por mez.
7o Que os alumnos que forera julgados habilita-
dos para exame, as diversas aulas corresponden-
tes s do collegio das artes, querendo fazer neste
os seus exames, erao preferencia para serem cha-
mados logo dajiois dos alumnos habilitados do
mesmo collegio.
LOJA
DE
EEL0J0EIR0
DE -
VCTOR GR\NDIN
O Rua da Cadeia do Recife N. 40.
O propietario desle estabeleci-
mento, premiado cora a medalha
daexposiciio universal de Pars no
anno de 1855, tem exposio ven-
da em sua loia. um grande sorti-
niento de relogiospara algibera,
como sejam : de ouro e prata, sen-
do dos melhores fabricantes, de patentes ingczes,
suissos o liorisontacs. Tambera tem una grande
(|uantidade de relogios para parede e (pie hatera ho-
ras, ditos para embareacoes e para cima de mesa,
lodos estes relogios sao dos mais bonitos modelos.
0 mesmo concerta relogios de todas as qualidades
existentes, assim como tambera concerta chrono-
inelros de algibera e martimos : recebe sempre
por lodos os vapores, um completo sortiinenlo de
(orientes e tranivl ns, sendo ludo de ouro de le
o de modelos os mais modernos, assim comodver-
si > ohjcctos de bijor.teria dos mais bonitos e moder-
nos goslos.
Urna pessoa de longa pralica no eommercio
"f.'rece-se para eseriptorar Irvros por partidas do-
Inmlas, pudendo s.-r procurado na rua do Crespo
n 18, primeiro andar. I
Joaquim (ioneaves Fenvia. lando de refi-
rar-se para os aabnrbios desta cidade a tratar de
sin sade, v-se ni|iosshiliiado de coiilinuar com
o seu estabelecimento de refinaco sito na rua das
Cinco Ponas ii. 61, Vendo i mesma, lia falla ar-
renda-se, contendo a mesott Mdoa os requisitos
necessarios, como bem, caixoes para deposito de
qnalro rail arrobas, fp^o a moderna de carvao,
ileposito d'agna e tanque para hanho. coraraodos
pan r.ixciin. sejiarade dos trabalandM'es, dcjiosito
de carviio e grande quintal com saluda para o For-
te, casa muito Iresea, muito boa loenlidade para a
venda de retallw.i, e com espeetaUdadejtara com-
prar assucar, quem a pretender para compra ou
arreudamento, olfereeendo a cas;i ser propria, po-
dendo-se assim garantir qnalqner negocio de maior
estabilidade, procure na rua da Anrm casa ter
rea n. 74.
Precisa-sc de una ama de lcite para acabar
de criar urna crianca de 9 mezes, purui sem cri-
anza : quem quizer dirija-so rua do Bruin nu-
mero 69.
}l
PJLULAS, \1NH0!
E
XAROPE DE JRBE JA.
PREPABADOS PELO PIIAIIMACEL TICO
Joaquim d'Alineida Piuio.
As preparaces de jurubeba sao
hoje vantajozamente conhecidas e
preconisadas pelos mais halis m-
dicos, tanto da Europa como do
paiz, pela sua eflicacia nos casos
de anemia, chlorose, hyd
obslrucco de abdomen, e
as de menstruaco difficil,
ro na bexiga, etc.
Vendem-se em porco e
llio, na cidade do Recife, iharma-
cia de seu compositor, rt a larga
do Rosario n. 10, junio
tel de polica.
opesia,
ambern
cathar-
a rcla-
o quar-
Ilo xarope Vegetal linrrlcano. especlalidade de Ilartholoiiicu k C.
3iRUA LARGADO HOSAHIO34
Nao costuinamos procurar alte; lados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que sua appcaco e os resaltados obtidos pelas pessoas (jue se dignaram acceita-
los, lliesdeem crdito evuga; porque so senipie os sttestodoi muiderados gratuitos,
e dellcs que lancamo u chaiiatanisjuo; mas. nao querendo ofender as pessoas que
espontneanjente us ujerec^yain oi que abaixo yo icanscriutoSf os fazemos publicaP,
manifestando-lliC8bo.sI jfraliilo pela attniai, wpi'Miiuto que \enluuu elles conoborar
o eonceito, e acceilaco que leni merecii ono>f<> Nan>|'.
;,i Bartholomeu < C.
in \r ESTADOS
lllms. Srs. Barlholomeu & C.-- com a mais subida satisfaco que declaro
ser o xarope Americano* de urna eflicacia extraordinaria, pois que soltrendo lia dias de
intensa tosse, ponto de nao poder dorr,iir a noite a despeito mesmo de medicamento*
(pie tomava, a elle recorr e na tercena colher fui alliviado, e de todo me acbo hoje re -
tabelecido com o uso someute de quasimeio frasco: grato, pois,r esse resultado mani-
fest a Vv. Ss. meu reconhecimento.De Yv. Ss. amigo, venerador e obligado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 0 de abril de 18G8.
lllms. Srs. Barlholomeu A- C.Penhoiadissimo com o favor que me izeram
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, quando me acha-
va bastante doenle de unta constipacao, que me tornou completamente ronco e que
trouxe urna forte tosse, e me impossibil tou de cumprir os meus deveres de cantor da
empreza lyrica, vou agradecer-Ibes meu completo restabelecimento, que obtive com um
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a imiilou Ii itnt iilnil Desejarei
que outros como eu recorram ao seu xarope para se verem alliviados de tfio terrivel
incommodo, tao fatal neste paiz. Com maior con.-id.'iaiTio contino a ser de Vv. Ss.
atiento, venerador e obligado.Luiz Cremona.
Recife, 2-j de setembro de I8G8.
lllms. Sis. Barlholomeu & C 0 xarope Vegetal Americano que V\. Ss. tecn
exposto venda de loda eflicacia para o curativo d'asllima, conforme observei appli-
cando-o a meu Hlho Joaquim, menor de qualro annos; viclima d'esse flagello, que at
ento por espaco excedente a dous umoi havia resistido a outtos xaropes de grande
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. accei ;ir a expresso altamente sincera de meu reco-
nhecimento ao meritorio servico que Hit prestaram com o indicado xarope. aereditan-
do-rae para sempre deVv. Ss. criado, aliento e obligado.-Amcrico Netto de Mendon^a.
Recife, 2 de outubro de 1808.
. ^ ?^3^i^
DE
DE
.1. VIGNES
N. 5--BA DO IMPERADOR- N. .i.J.
Os pianos desta amiga fabrica rio hoje assz conhecidos para soja necessario
insistir sobre sua soperioridade, vantagens e garantas me offerecem aos compradores,
qiuidades estas incoutestaveis, que elles tem deflmtivamente conquistado sobre todos
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um tecladoemachinismo que obedecem
todas as vontades e caprichos das pianistas, sem nunca falhar. por serem fabricados
de proposito e tef-se feito ltimamente melboramenios imporiantissimos para o clima
deste paiz;-quanto s vox.es sao melodiosas e flautadas e por i-so muito agradaveis aos
ouvidos dos ajirciadores.
Fazem-se conforme as encommendas,lanom.-la fabrica como nado Sr. Blin-
de!, de Paris, socio correspondente de J Vignes, cm cuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sorti-
inenlo de msicas dos melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pia. s
haiTnonicos, sendo tudo vendido por precos commodos e razoaveis.
Rl'A LARCA DO ROSARIO 137
OIARITERII E PETIT RESTAIRWT
Annexos ao Hotel Central, rua estreita do
Rosario n. i A, andar terre.
Para dar a conhecer a variedade infinita
de charutos de Havaoa, Babia, Rio, etc. que
existem neste novo estabelecimento pres-
cindimos dos annuncios pomposos que ge-
ralmente se fazem, reduzindo-nos apenas
tres letras que sao tres bbb bom, bonito e
barato. A' vista do genero aimunciado po-
Este acreditado estabelecimento augmenta
le dia em dia quanto possivel para che-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de hospedagem, lano para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, mdispensavel elemento para a
vida e hygiene, temo-la sempre em abun-
dancia para facilitar excelentes banhos. de-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
Ha tambem una boa bibliolheca e perio- gosa tambem das condiroes de um elegante
dicos nacionaes e estrangeiros, piano p:ra e petit reskutrant onde se pode ver a es-
recreio, buhares, etc. ele. pecialidade dos fiambres c salames de Lion
Sendo ociosa quahpier recommendaio para lanches c al fazer urna boa colarn,
para tao acreditado estabelceimento, orrit- juntamente com os prmeipaes vinhos do
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bom a mira
fim, que o bom servico, ordem e moralida- e fervente champagne, o mu saboroso Rhe-
de imperam n'esta casa, como observancia no, a primorosa cerveja, o licor espirtaoso,
fiel do regulamento que possue. o quanto pede urna mesa. Fa/.-se noute
Comedorias a la carte. sorvete e variedade de refrescos.
MUDANCA
9IH
DO
XAROPE DE FEDEGOSO
E' de urna eflicacia ven.adeira-
mente maravilhosa como calmante
do systema nervoso e ar
contra a paralisia, asthma
plicado
, tosse
Ama
Precisa-se de urna ana para comprar e coz-
nliar : na rua da Senzala,volha n. 112. Io andar
J'ede-se informaees se existe nesta capital
o Sr. Luiz Lete Guimares, filho de Manoel Leite
Guimaraes, no remo de Portugal; no escriptoro
de Jos Victorino de Rexende & C, na rua da Ca-
deia n. 52,1* andar.
iUuga-se
O I, o 2o c o > andares do sobrado da rua di-
reita n. 88, ltimamente concertado e com bons
commodos para fimilia ; a tratar na padaria n. 84,
a mesma rua.
recM^j|gar ujh escravo para casa de
familia ; ( ,.x P (Ujzer alugar Bode r na
do Midiera d,4 >m na ua larga do jtosant. n.
38, lqa,que se aira quem preci*a.
= Beato de Barros Feij e Tranquelino Candi-
do da Silva Brasil fazem sciente ao respeitavel pu-
blico e especialmente a> i corpo io eommercio, que
julgam nada dever a esta praca do sen estabeleci-
mento que gyrou sob a firma' de Feij k Silva,
cuja sociedade acha-se de Minranm acedrdo dis-
solvida, desde 31 de dezembru prximo passado,
ficando o dito estaheteeiineiito bem como i. acflvo
Iiertencendo ao sucio Sih, Recife 2 de Janeiro de
18W. J
= Perdeu-se mi dia 14 do corren te una carteini
fta de papel de Hollanda, conlendo pm sedlas
sessenia e tantos mil res, urna letra j vencida do
80800 e varios conlieciraentos de riecjma de pre-
dios urbanos, pagos nos dias 12 e Vi tambera >
crreme : quem a tiver achado e quizer restituir,
lee-a ao segundo andar do sobrado d rua do Sol,
esquina *i na das Flore?, que sri recompen-
sado.
Preeisa-s deuma ama a> lehe qn nao tenha
ftiho : a tratar na ruada Praia n. 59, 2andar.
jVecisa-je de urna ama para tratar de umf.
crianca de urna XamOia etrangir.i: tiara tratar
na rua d Cajueiro n. 4. '
convulsa ou coqueluche, idsse r-
cenle ou antiga, sulfocacpes, ca-
tarrhs bronchicos etc., em geral
contra todos os solTrimenios das
vias respiratorias, o na p'iytisca
pulmonar, sua virtude coilra o
ttano ou espasmos, e con ulses
incoutestavel, e ningucm lia que
a desconheca.
XABtOI'i:
DE
SALSA PARRILHA DO PARA
ou
DEPURATIVO DO SANfJUE.
Usado as molestias de pelle,
impigens, dores rheumaticas, c
ulceras venreas.
O nico deposito destes flnedica-
camentos na botica do Pin|to, rua
Barga do Rosario n. 10 juijito ao
lartel de polica,
IMPERIAL INSTITUTO
DE
iNOSSA SENHffiA DO BOM CONSELHOl
Da rua da Aurora n. 52
PARA A
RUA 1IO HOSPICIO V 36.
O director commuuica aos pais de seus alumnos, tanlo internos como externos, que
transferio o seu collegio para a espacosa casa da rua do Hospicio n. 36, a pial offerece
as melhores propoi+oes para counnodidade e recrco dos collegiaes.
Todas as aulas aehain-se abortas desde o dia 7 de Janeiro.
Antonio Faustino de Castro
Constructor de utensilios typo-
graphleos de naadelra. ferro e
outros metates.
LISROA.
Alm dos utensilios typographicos em uso, se-
gundo os mais modernos e perfeitos modelos ap-
urovados jiara o servico da imprensa nacional de
Lisboa e de mande numero das typograpuias de
Portugal e do Brasil, fabrica pequeos prelos de
ferro, em que se podem todava fazei imprssoe8
de formato nao excedente a meia folha de papel
conmiura. Estes prelos, que j foram tambera
adoptados em mnitos dos principis estabeleci;
nvntos do paiz, serven! excellenten ente, nao s
para aliragem de provas, mas anda para a ira-
pressao de qualquor trabalho, por mais delicado
que seja, por quanto a esse nm st Ibes podem
adaptar rama, tympano, frasqueU e ponturas,
tendo, ira regular a cravaao, o competente re-
lstro,
Incluindo os accessorios indicados, o preep de
cada preh) de 45i8t0 fortes. ~..-..
'onstruefor pode sar procurado la imprensa
nacional de Lisboa. EM prelos sio portateis,
pdense collocar sobre unta mesa ou balco-
FRANCA-BRASIL
MR. MERG1ER, alfaiate francez, previne ao respeitavel publico e a seos nomerosos fregne
zes que, tendo transferido sua residencia para a raa do Trapiche n. 7, primeiro andar, ahi f ucontrar. t>
sempre todas as qualidades de uendas paratrajosde homem, e prepara, coslumes para montara de
senhora. Faz tambera obras pura militares epara criados, para as quaes lem grande sortimmto oe
bornes simples, com virola e corda de conde, brancos e aniarellos. Recebe por lodos es vapores i -
ultimo figurinos para homem, senhoras e meninos.
EPIDEMIAS
O LICOR DE LAtARRAOUE um preservativo seguro em lempos de
epidemias cholera. Mire amarella, peste, typho, etc. Devem evitar-se as fal-
siOcacOes as quaes sao a maior parte das veces mal preparadas, sendo por issn
mais nocivas do que uteis. Deposito em Parii, L. HIERE, 19, ru Jamb.
Km mu-lmlro. DuponchelU; B. Tetdorpf. Km hnotau. Mmtrtr.
rao


lapnfls
da acaMi
k mtkau
O Pan
PTLULAS
.BURINduRUISSOj
0 tratamento das afecoesoWoroticas, lyinpbaticas ou escropknlosu sempre leous*
timo, e murUu veies essas molestias resittein as preparacKes frrnginosas ordinarias. Aa
indagaedes feitas pelos professoro lanaon il* tWveUas, Geosonl e Petreqoia de Lya> f i
lenelins e Tronssean de Paris, tm provado qu a cansa d'assa persistencia era a completa
antencia do Mangaiwsc, elemento que sempre deve-se achar no sango* joacumeaia n^H
ferro. Estas pilulas supprem, pois, na ueraptilica nma lata imporuote, e por es f
motivo ellas tem merecido a approaclo da icadeama de Medecinjedas prmeipaes socio-
ades ni di ese. Deposito ai kimmmt^t, em caes de :

J
A




Diario de Pefnambtwo TH'<;a feira 19 de Jaifeiro de 1069.
0
}
-r
[I
\wm
Grande li(iiiida<;rio demiu-Iezas
!
Affonso Moreira Temporal, querido liquidar as mhnhttas exigentes ni sua
luja a ra do Queimado n. 5o, rosutoeu ani,uneiar as mesillas miudezas para que o pu-
blico se certifique do diminuto prefo porque as est \endeudo, a
Massos com grampos 23 a
Pecas do tranca lisa e caracol a
Sabonetes de todos os probos a
81) 100 200 e.....
Abotoaduras para Golletes a* .
Botes de louca para camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
deira) a.......
Frascos com agua de Colonia a
320 e. .......
Garrafa de tinta roxa a. .
Caixas com 100 onveloppes a.
Mantas de seda para hornera a
Fita de sarja para enfeite do
vestidos por......
Frascos cora oleo para cabello
a 400 e.......
La para bordar, libra. ,. .
Escovas finas para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e .
Ditas muito finas para falos
por preco nunca visto 400
500 e........
Pecas de babadose entre raeios
a 600 800 e _. .
Grvalas de seda de cor'a .
Ditas pretas a 400 e .
Bico e renda das ilhas a todo
pre<;o. S a vista faz f .
Pecas de fita de coz com 10 va-
ras a
1>000
20.Latas com gr?xa,duziaa i80
14). Coquea muito bons comiede s
a rede val....... I r>500
210! Meias para homes boa fmula
UtO i WBOOe...... l-JOOO
160 Linha de mam, caixa com 16
nove I los ..... ,24|
Latas com-baulia (fainiliiaj, duzia 2/>20d
Frascos S m I auha a 320 OO e 500
4001 Botos pJrapunho fazenda boa
800 a 80 o....., 100
500 Volta de Aljofre cousa boa a, 160
800 Filas para deb.-tunde vestido a 500
Caixa com agillia francoza a 160
600 Botos de ac (na coleto dnzia a 120
Callao com allinetes a 100
Caixa com perfumaras muito
fina. S a ciixa val 10*000
12*000 ....... 15^000
Copo com opi; ta muito fino a
400 e....... BOA
Metas muito liras para senhora
duzia........ *Wj
Cartas francezas a 200 e 240
Ditas portuguezas a 120 e 200
Caixa do linha do gaz branca 50
novellos....... 600
Frasco com Unta a 100 e 106
I 001
VjOOO
Atten$o.
HoiitPi pelas 11 horas do da mandou-ee o mu- uma egcrava m(_ e ^ _rataj fjue ^a .g,.
laliuho J.is.41,1 ra das Cruzes buscar nm UHl'^ \f nipemmar btnn, ika4e vantajsauonlc : na
nao v.iliou at o presente, consta que domina ni i -
rua il aootoi wh nauteai meteque* am:
fdalfc.jntu foi visto. Representa ter 9 aanus dq
i i.' e.\r alai-aojada, ollio grandeseoauft, capel-
los Mi-animni. falla irmssa, levou caira e jamela
de algodao tari, in ruta, e remendado no jdcIJw
<-h,iposiuiio de carnauba, ja velho ; quem oew
der noticia, eu o pegar leve-o atraz da matriz di
Boa-visia n 26, que sera lieni recompensado-
600
6*800
320
500
000
1*000
320
500
Franja de la parasapato (peca)
500 Papel do peso muito bom .
Sapatos de trancacoutros muitos artigos, que enl'adonho seria mencionar
RA DO QUEIMADO N.
>5
Ao publico
6 abaixo assignado faz ver ao publico, e com
ispeeialidade ao corpo do commercio, que se roti-
ta para Araeaj a negocio a_bem da sociedado.
fjfte gira nesta prora sob a razab de Guiniaraes &
^ilva, e que lira entregue de todo O negocio,
socio Jos Pereira Mendos Guimanies.
Recifc, l\ de Janeiro de 1869.
Antonio Humas da Silva Jnior.
sen
Compra-se o Diario de
Pemamhuco ns. 1 e 2 rento? armo; nesta typographia.
MPSI AlTl XSflTTO 1)E N. sWlJOMCONSE-
LHO, HUA 1)0 HOSPICIO N. 36.
Ncstc estanelecimento precisa-se de urna pessoa
ttbt carpo de censor. ________
Criado.
l'ni-isa-so anidado roas nm eriazo
'Imperador-n. 73, 2" andar.
na na do
Ilelhodo < n*i Mio.
Secumlino Jos de Paria Siume<. profeeaor par-
Instruccao primaria.
A abaixo assignada eonipetentomente habilitada
recebe, i roa do Aiago n. 5, meninas para o en-
sillo de primeiras letras e de costuras : assegura o
melhor iratamento, dedieacio e intoresse pelas
alunmas. Recebe lambeni pensionistas e ineias-
pensionistas, Unta dacidade nonio do exterior.
Josepa Analista de Castro Fonseca.
Ontiua fufiida a cscrava Domingas, de cor
cabra, idade ;t0 a 18 asnos, com nina cicatriz de
fogo em iodo o peito do p esqnerdo, eabecn rapa-
da de pouCO, natural do Rio do Peixo. consta
estar amasiada na ra Imperial, oque se protesta
com lodo o rigo da lc contra a pessoa que a 10411
oceulta por todos os prejuizos c damnos que pos-
san acontecer dita esclava : quera dellasouher
e dar parte na roa do Rangel n. i>, sera graliticado
e se the guardar segredu.____________________
- Desde o lia 2 dselembro do auno prxima
pasado que fugio da casa de sen senhor a eserava
Bdnvttfes, calM-a. de idadeiie 2o anuos, poueo niais
011 nonos, ahum regalar, magra, pus pequeos,
peitos sumidos, picada de bexigas, cabello quasi
pixajm, na 1 liizia jso de separa-lo, a cor um
poueo macilenta, sera falta de tientes na frente,
mu cada um dos totovellos tem um carocobastan-
Aluga-se uma casa torrea, nova, com mudos
commodos, com quintal murado c fruleirav 111
Capunga, ra das Crioulas ao p do sitio 11. M ; a
tratar ha ra do Vigario trav.-sa n-j:t-_......
"^TAiigai-se escravos de ambos os sexos: na
ra do Pires n. 35, sobrado que faz quina para a
ra "da Gonccicjw.________________________.
O baciiarel Francisco Odilon Tavares Lima
leceiona parlicularmente o francez e geographia no
pateo do terco n. 33, c alii pode ser procurado por
aquclles que quizerein estudar os mesmos prejia-
ratorios das S a9 6 horas da tarde._______ ._
~Coilego da ConceicSo.
Acham-se aliertas as antas desle estabelecimen-
to, sito rita de S. Franciseo n. 72, junto a esta
Cao dos trunes urbanos do Recite a Apipueoa.
0 advocado De. Antonio de \ as-
concellos Menezes de Drummond
transferio o seu escriplorio para roa
do Imperador n. 20, onde pode ser
procurado todos os dias uteis paraos
misteres de sua profisso, das 11
horas da mauliiia as da tarde
Compra-se
mota decir profa, que
van tajos
na do ViL-arin n. 10, escritorio de Estibar, oii-
TPira ft i'..
Ouro c pro(a
em moeda c em obras inutilizadas, conpra-e por
boiu preco : na piara da Independencja n. it.
_ Na piara da Iudependeueia n. 33, loja deou-
rives, compra-se 011ro. prata, e pedeas precimas,c
lanibeni se faz qualquer obra de cncomnienda, e
totlo e qualquer concert.
C3R0
irto.__________J____
Compram-se moedas de prata e ouijo de todos
os valores, ouro e prata em obras velllas, e podras
preciosas; conipra-se bem na na da Gatleia n. 2,
dchaixo do arco ta Com licao, loja de ourives.
Gompram-se apolices da divida mblica: ua
ra do LivTamento n. 2.
(kimpram-se escravos eorpulen os e sadios
at a idade deM) annos, e urna mulaintia bonita
ligura de 11 a 16 anuos : na ra da Cruz n. 57,
primeiro andar.
Compra-se uma burra (cofre) qu; sejasegu-
ra ; a pessoa que a tiver para vender tode vir Ira-
tar no pateo do Terco u. 03.
Cempra-se um pianno inglez qie seja 1110
derno ; a pessoa que tiver para vend t pode vir
tratar no pateo do Terco n. t.'!.
, Compra-se um relogio de ouro isado, pre-
fere-se descoberto : ua ra da Cadeia do Recifc n.
44, loja de ferrageus. ____
Os abaixo asignados par-
ticipan! ao publico eao rom 111er-
cio que a antiga casa commercial
de seu finado pai, o senhor Jos'
dos Santos Nevcs, iica gyrando
sob a firma de /os dos (S'antos
Neves & Irmao, desde o 1 de Ja-
neiro do corrente auno.
Recife 15 de Janeiro de 1869.
Jos dos Sanios Ncues.
Joaquim dos Santos Neves,
Lagdo para calcadas
A tratar na ra do Apollo n. 4. Bsariptorio.
Compra-se urna eserava de 12 a 16 "annos
de idade. preta 011 de cor : no largo do Corpo
Sanio n. 19, telteiro andar.
Com muito maior vantagem
Compra o Coracao de Ouro, n. 2 D, ra do Cabu-
g, moedas de ouro e prata e pedras preciosas.
Compram-se 80 pipas com mcl (s o caldo):
a tratar no caes do Ramos n. 24.
Compra-se escravos.
Lino de Faria & C, na ra do Vigarin n. 24, es*
ciiptorio, 1" andar, comprara escravos de ambos os
sexos, sendo que, moloques de 14 a 20 annos-e I >-
nilas liguras, serao pagos por muito iu|iis dinlieiro
do que em outra qualquer parte. _________
= Compra-se nma armacao envidraeada : a
tratar na ra Dircita n. 33.
Para familias
fraude llazar. na \o\u u. 'O 0
*t. Jet nrnrlr ViauuaA C.
Acaba de cliegar a'sl*' fataljoleoinifiito
grandeporcao do machintis parar.isturas do
autor Wheeier WHo, approvadas na ulti-
ma exposicode Pars, as qiiaes cozomcom
dous pospontos toda a costura, c tora a
vantagem de sor lo suave o nioviniojito,
que qualquer crianca de oito anuos fcil-
mente tralialha, e pode, com este enlrete-
niniento, levar vantagem ao servico diario
de trinta eosturoiras. A comprebeosia
simples, pois em um quarlo de hort so -
ca senlior do movimento da machina, ten-
do a mesina a propriedade de fazer as se-
guiutes costuras: BOSpontar, ahainliar,
l'ranzir, marcar e bordar, como apreseiltaffl
os desenhos que aconqianliam-nas. Os jiro-
prietarios do estaltelecimonto so encarre-
gam do mandar cnsinar n'esta cidade, e
A NOVA ESPERANQA
I =- tirn (Tb Queunado 1
para presente
1 lioy F^foranca, ra do Qu. < .(.0
11. 21 toiu un variado sortiniento de obje-
tos de losIo o jifiantasia propiios [tara pu-
itiivsaliinik) cutre ellos ricas ,--
. nlias de ebauf com linas perfumajias, r< -
' tureiros do'liagron, agollioiros de u
iioii.la : assim.jiois, qmmenizer Fazer imi
linda bfferla, i' diri-ir-so ;i .Nova I'..-i <5t
ra do Quoimado u. l.
l*ira baptisados
A Nova csjioianca ;' nia 00 Qucimado n
2|, tom lieos i-estuarios proprios para I
lisados. sapatinhos, meias do seda c .'. 1 a
Kscossia para o tnesmo Dm.
Collares anodinos dhctro-tnagncti-
cos contra as conculc'cs das
ereancas.
Nao resta a menor duvida, de (pit mi
collares se vendem por alii intitulados 1 s
verdadeiros de Rdyar, e eis porqae moiti
garantem entregar o importe disnendido aujpais di familias nao ererao (compran*
comprador, no caso do nao trabalhar com iioeffeito.prmnettido.o qoe so podem dar,
perfeico a machina vendida, nao leudo, tos verdadeiros; a Nova Esperanca p<
porm, soffridoolla algmnaavaria. Matara- que detesta a falstBeacio prncipalmente 10
bem no mesmo estabelecimento machinas que respeta ao bem oslar da buroanida
do autor Growor & Baker, de trabalbo sim-, fea uma encoranenda directa dest< s 1 ill
plosmonte mao, o ootraa com nioviniontoo garante aospais de fam
dos ps; e mxime todos os pertenees das
Eserava
tienlar de instruccao elementar peto aethodo (.as- te aaliento, rosla te apoardente, fuma cachimbo, e
ultra, avisa ao respeitave! publii.....com .sp.viali- muito falladetra, lia noticia que subi para o een-
dade aos pais de familia, que est aberla a sua tro, indo pela cstr.ida de Sanio Antao : ropa-sji a
anta desd o tlia 7 de Janeiro, na ra da l'enlia a.
o, { andar, aonde recebe pensionistas por preco
ifinniodo. O metme professor proinette nmiio te
'r-intrar no adiantaniento de seos alumnos, t
mesmo professor alario desde o mesura dia nw
curso de primeiras le ras ;i uoile para aquellas pea-
MU que nao poderem frei|iientar turante o dia.
Estrada de ferro do Recife a M.
Francisco.
AVISO.
Sftoeonvidadee os in, accionistas deata c.mi-
panhia a virem mi mandaren por aeos tesnecti-
vos procuradores a estacao'Be Cinco Postas
l>er o 10 dividendo de mas acedes.
Villa do Cabe 4s dnjanaira de lHi.
.-O. Mann,
Superintendente.
Preeisa-seide uma ama para servico "desasa
depouca faniHia: na ra do Imperador n. It.
todas as autoridades, capitaos de campo, 011 a quera.
a pegar leva-la i asa de seu senhor, ra da Ca-
deia dolecife n. 8, rmateos, ende ser gratifica*
to generosamente.___________________________
I'reeisa-se do um eaixeiro para taberna f
armaiem de sal: na toa das Cinco Ponas 11. l-'6
PREPARAROS DE VI
N. 3 RA r-IRElTAN. :<
Dmtinuam a acbar-se venda as
pilnlas e o xarope alcohlico e ethe-
reode veame, conforme a formula
do linado pliarraaceutico Paranbos,
na botica do Francisco Antonio das
Chagas ra Direita n. 3; medica-
montos estes asss conhecidos, e
proficientes a quemsofire deihe-
matismo, escrfulas, erysipla, im-
pigens, exostses ou tumores nos
ossos, amenorrba ou falta de
menstruacao e racnstruaco dilfi-
cil, ote.
Pceetsa-se comprar uma eserava que saiba en-
gommar e cozinhar e de boa conduela, qneni ti-
ver anauncie ou dirija-se a ra do Qucimado
nJHK_____________________________________
Fcitos velhos.
Compra-se toda e qualquer poreao, tanto batido
como fundido: no caes Vale e Dous de Novembro
n. 24 (armazem).
VENDAS.
Cemento de Portland.
mosmas machinas, para vender avulso.
Por 7004000 vende-so ama cr tula de lo
annos
n.
vender-so, estas com habilidades.
Rap Gasse e Paulo
Cordeiro
No armazem de Jos Joaquim Lima Bairao, a
roa da Cruz n. 18. tem constantemente suprimen-
o de rap Gasse grsso e fino, c Paul Lordeiro
commun a viajado; nao precisa tanr aitologia de
sua excellente qualiilade. |iis ella i ja de mais
conliecida, assiin como o lugar proprio de >ua
yenda.___________________
PVSTiLllAS ASSKARVDAS
DO
DR. PATERSON
De bisiuiifli e ina^aezia.
Remedio por excelloiuia para combater
a magreza, facilitar a dgesGk>, fortificar o
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia deBartholomeud <-.
:i Ra larga do Rosario --3i.
Vcnde-se nma casa lenca, com bastantes
commodos, sita na ra da Estacio, na povoacao dos
Vende-sc no armazem de \cenle Icrreira ta \iIlt,.s m iu:L Jnilh, a estacao da estrada de
CosU & Fillio, na ra da Madre de eos n. 22, em j(in,0 a |ra|iir n(,>|u (ljja(lp pom- virgi|j0 e c^tm
s3o < s
verdadeiros d Hoyor, po a tantas en -
ras tem sal\ad'> do tcinvel uiconimodo de
convulcoes, assim poia preciso, ro /uo.-juuv vcuuo-bu urna cnoum <><- *" i .. ,. i ,,,. ,;,
ios boa figura, baiaiis-ima na ra do Fogolohem a Nova Lsperanca a ra 00 gu
'.). Na iiiesma casi ba ouir.ts eseravas pan d. 21 comprarem o salva vida, para
lilhiiilios, aiit(.- que estes sejam w 1
dos do loniwl mal. rpjdo ento ser t.-
IHcilakancar-seo effeto desejado, embt a
sejam empregados os verdadeiros collai(s
de llover.
Aos amautos das oacadas
Cemmodas boleas prosras parai s
dores, vcode-e i ra do Queimado n. 21,
loja da Nova Esperan^.
barris grandes.
Olivcira. travessa da ra do Vigario.
Vendem Augusto
Connereiojt 42.
Caixeiro
da prata, que seja frabalhador e capaz; paga-se a
1 tratar na rua Imperial, em casa j sece, aando-se casa propria e boa para prar:
' quem convier dirija-se rua Nova 11.19 primeiro
andar.
Precisa-. de um caixeiro-brasileiro de I
annos de idade:
de Valdevino ta plvora.
Rrecisa-se d-? mn preto para andar rom ta-
boteiro de faienda nos arrabaldes da cidade :
ipirtii o tiv.-r dirija-se a-rna-do Crespo n. 2(1. ___
*= Joaquim Narciso da Suva acientiftea ao cor-
no commireial. qm desde o Io do corrate mez
tem concedido a seu caixeiro Joao Jos Oliva um
raternsse en seu estabeleeiBMnto rua do Quei-
Precisase de um feilor para sitio pequeo perto
Manool .Vives Forroira & ('... na ruada
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
superior polassa da Russiaem barris o meios
barris e cal de Lisboa da mais nova que ba
no mercado.
Memorias do clero per-
nambucano
Quem tiver a obraMemorias do clero f!mm-
hucano. que qniWT vender ou trocar por una
mitraMemoria* histricas fia provincia de Per-
nambuco: di ija-se a tanle ao escriplorio do
primeiro andar desto typographia.
Precisa-se de uma ama que saiba ewsinhar e
engommai"mamada Cadeian. 10._____________
Aluga-se^72 andar c sotao do sobrado da
ruado Aragiio 11. 1,cora expelientes commodos
para familia : a tratar no-Io andar do sehradoa
.'0 da rua larga da Rosario.________________
mado n.42, gyrando as transaccoes do mesmo es-
labeteetHKKttD daqnetta tkita por ante, sob a ra-
130 de Joaquim Narciso ta >ilva & C. Hecife 18
I de, Janeiro de 186C___________________________
: Aluga-se urna eserava que faz lodo sei
I de cas* de familia, tanto externo como ir.ierno :
atraz da matriz da Boa-vista n. 26._____________
Precisa-se alugar um moleque, paga-se 145
rs-., que regule 1 > anuos de idade : na rua doCa-
bug, n. 2 ,____________________________
' O padre Manoel Barroso Pereira ai a Eu-
ropa.________________________________
oTabaixo assignado faz publico a quem con-
vier. e particularmente ao eorpo commercial, que
nesta dala venden aos Srs. Jo Rodritmes Ferraz e
Justino Francisco Henriqucs, membros da Cuina.
Ferraz & Henriqucs, o seu eslabeleciraenlo-de 1110-
.lhados, sUo rua larga do'Rosario n. 2:, Bw e
Manoel Vicha Bernardos, negociante matri- ,|(^,.l|l|i:,r ' bido.
Recife, 18-de Janeiro de 18W.
Joaquim Pues Pereira da Silra.
-O abaixo assignado tendoeui seu |ioder como
depositario, permite o juizo municipal da iiiineira
vara desta cidade, ;i nieta Maria. d< nacu da Cos-
ta, de idade de inaisde 50 anuos ; acontece ijueno
dia 8 do crreme fngtra lie sua casa, no lupar da
Hoa-Viai/eni, e teni os signaes segiiintes : tpiasi to-
dos os cabellos da caliera sao brancos, co>tuma
trazer a cabeeaenroiada com panno como faeem
as pretas de sita naci, de allnra c corpo regu-
lares, nao tem denles na frente, soffre de eomeco
de esr-roplmlasao-ladodo pescoco e lea nina par-
na mais gros8a que outra por causa de crysipella.
Raga, pois, o abaixo assignado as respectivas auto-
ridades ou catSes de campo qHc no caso de Ibes
ser apresentada oueaptiuada digneni-se manda-la
eraregar emsua casa onde saiisiani lodac as dea-
pezas.
Vicente Antonio do Espirito Santo.
GRANDE HOTEL -
Na ma de Hurtas casa 11. i.empra-se jernaes
ou outro qualquer papel que esteja limpo, a '11 a
anoba._______________
~ Vende-se uma preta moca, com habilidades.
a tratar na rua do Aragao n. :i. ____
Vinho verde
Vendem S. T. Basto & Inuos, rua da Cadeia
11. 17, barris com superior vinho de Basto.
Attenco
lta noyidade
A
Loja (lo Pjiyuo.
GURGROES PARA VESTIDOS A 1(5000,
COVAIX).
Cpegaram os mais modernos gorgures
para voslidos, sondo do todas as cotes,como
sejam verde, azul, rosa, bisraark, perola,
roso A- d- tendo quasi qnatro paimoS de lar-
gura o vende-se polo baratissiino preco
to |..>(KK), cada covado uni.'aiiK'nb' no ar-
do l-'olix Pereira da Silva, na rua da
Preparo para flores
A "viva Esperanca, rua do Qm
n. 91, lora um completo sortimentode 1
parospaialoivs,romo soja papel parafoihas,
dito liara ptalas, calic, botes, follia
panno e lodos mais prearos para fc-
niar-so um rimo OU yrinabla, com gOM e
derfeicio.
Agua divina
A Nova Esperanca a rua do Qucimado
21 receben nova remessa de verdad
agua divina.
Para extinguir as sardas o
panno
Receben a Nma Esperanca, ru
Queimado n. -I. leite de rosas, es.
tiara extinguir sardas c pannos.
Para atvejar o <.....servar os denlos, 11 -
beua Nova Esperanca, rua do Queimw'd
n. i, o verdadeh" poz de n sas o 1
lentnrico e o denlalinoo.
eulado, estabeleculoeom padaria na rua do iteio
ns. 21 e 2.1 da cidade de fiopanna, pelo presente
jeJentifiea a corpo commercia, tpic cedeuo mos-
1110 seu esUbelei'imento aos MUS lillios Manuel
Vieira Bernardos Junio* e Rezende Vieira temar-
des, livre e desembaiseado, iieautlo o mesmo esta-
. eleriuientojmaiiduii rano social de Vieira J-
niora Irmio, acontar da prsenle data^m diante.
Recife 13 de Janeiro de 1869.__________________
Precisa-se de nina ama para eosinhar para
rapazes soBeiros : na rua do Queimado n. 23.
Fugio do sobrade n. 38 da tua da Cruz *>
dia lado corren*;, a tarde, um papagaio Hilado]
levando preso nt p eo*jucrdo urna corrente : pe-
Fabrica de carros Sto-
res Gelozias.
nn
F. Poirier-
9-Rua do Imperador"!).
,\r ie-se a quem oapanhou o favor de o levar ao [.grande sorttraentci deGelotb(Steneslanas) dan mais
mesmo sobrado twc ser generosamente recom- modernas e d pensado.
Albino Jos da Cruz, subdito perluguez,
a* Europa. _____ ____________
vai
.Precisa-se de um hornera para, como feiter,
pomar eontideum sitio perto desta cidade : na na
te Hortas, bierna n. 43.
Alu^'am-se o 2 e 3o andares do sobrad da
rua de Apello n. oii, exoellcnte easa com bastantes
contnodps 0 bmiia visa para todos os lados:
quem a proi-Uder eiiteda-se cara Jos.': Antunea
i;iiimwe;-.oi Sr. Thomaz Fernandos da Conha,
na 1 u,da Cadeia do Reeife n. .
MUROS
MARTIMOS
cwrentes galvani: adas e tainbem de fita de linho;
ssenta-se com brevidade as que uicm para dar
djianejSes das blufeadas, e concerla-co as nesmas
pw preco rasoavel.
J^eola publica nocturna la fre-
jiK-zia do Sauto Antonio do
flcife.
O,abaiso assignado, piwfessor publico cncarre-
tiWio (la escola si ora, faz cieute me dta asela se
iejta* liinceioiiau lo desde o dja7 de Janeiro cor-
reut e ua niesnu rasa da rua da Detoncao n. M,
mf (lode ser |iroeurado |ir tndo atpielle indivi-
duo aprender a ter, escrever, contar, aril1111 ctica,
granmialiea ele. 011 aporfeieoar-se ena alguina dessns
materias, liui p*a que forain creadas tats ose-
las. O mesm abaixo assignado comiua a leccio-
nav as suas horas vagas tanto em seu domicilio,
como por BU08 laitirulares, al da- materias
que piofessa, o laiuu e o francez, para o que tem
titulo legal.
Joao Jos Rodrigues.
Inaugarou-se este commodo e eleganie
estabelt'cimento d'nde os seos frequonla-
dores nodeTSo apreciar a especialidade na
confeceo dos generas alimenticios.
As bebidas sao as mais primorosas e re-
commendadas.
A decencia o bom ervico primain n'esta
t'asa no bello gosto oriental.
Mandam-se domicilio comedorias, tanto
avulso, como por assignatura mens&i. lis
; precos sao mdicos e convencionaos.
la urna espacosa e bonita sala para o
elegante jogo de liilhar.
fa tamliem aposentos eommmodos e bem
mobilitados para hospedagem.
Sua larga do Rosario
n. 44.
Vende-se o engenlio Mussayba, sito em Sai to
Amaro de Jaboato, o tpial eontdi bstanles mal- nittzeiu ut 1 1 iu 1 ticn,
tas virgens, e proporrao para o refazimento de ga-; Iiupcratriz n. 00.
do em grande escala, eujOB terrenos de plantaefio j Bhins PAHA CALCA na
se achaiuinleiranieule descaneados por nao sen 111
Irahalliados lia mais de 0 annos : quemo preten-
der dirija-se a rua do Imperador 11. 24. a tratar
com 0 l)r. Affonso de Albuquerque Mello.
I.oja DO PAVAO.
Vende-se os mais modernos e inelhores
brins deliahode indas as cores, outros com
listas to lado, garantindo-se seren de toho
- Vendem-sedoui silyndros por mdico ,u.-cr puro e vende-se por pioc.is muito em am-
era perfeito estado, proprios para padaria ; a trata
no pateo do terco n. 63.
Em casa de Theod. Cbristiansen, rua do Com-
mercio n. 16, encontram-sc effeetivamente todas
as qualidades de vinho Bordeaux, Botirgogne e lo
Rheno.
ta no armasen) de Fex *ereira da Silva,
rua da Imporalriz n. 60.
I'l.iilllM HA KM AI.OODAOSIMIO A $fjS0G
A reC NA'LOJA DO l'AYxn.
Vende-se superiores pejas da algodolt-
nho com O jardas a S5800 a poca, ptB-
u. 60
= Vende-se 1 eserava, bonita crioula. insigm
engommadeira e cozinlieira. com nm lindo MU- de peCDJDCa, narua da InipotaMi/
nho, 6 ditas para'todo senico randa mesmo o de I armazem de Flix Pereira da Silva,
engeiiho, 1 escravo moco por 700.$, 1 negra boa _\S DI'.Z .MIL VAHAS DKCVMBUAI VSl AN-
fogo Cachorro perdido.
A cSpSi Indemnisadora estalieiecKia J^lu^to^^T^ iS
nesta praa, toma segwos martimos sobre t.|,0IT0 pit,to, pequeonemuihigoi-do,com os quan-o
navios B *lis carregamentos e contra fogo ps calcados de branco, de*ipparecen as proxi-
medifieios, mercadorias e mobilias: na mM* Ujranne ***}%$*>, aa o tiver ou
r do'Vigario n. 4, pavimento terreo.
AtteuCU)
Antonio < -irlos Pereira de Burgos Ponce de Len
romo soli^iWdor do foro desta cidade e dos termos
de fra. se.Warrega de todas as questoes que fo-
n m snscitwai perante os trlbunaes civis, ciimes,
cominereia^ c ecclesiasticos, prometiendo conti-
nuar a exereer o seu emnrego com a mesma leal-
dade, actividade e dedicacao. O annunciante, pode
anda recelier corto numero de casas commerciaes,
por contracto annual e bem rasoavel. Deve decla-
rar, que costuma dar as sontas de despezas judi-
emos, todaj datadas, eterificadas e com escrupu-
loaa exactido. como affirraam os que teem sido seus
constituintes, Quem,pois, quizer o hoqrarcomsua
confianea. dignar-se-ha procural-o rua das Tnn-
tieiris 110 primeiro andar do sobrado n, 48, junto
erb- Motea, rara onde acaba
ietnwar-!?.
deUe der noticia se gratificara eom gencrosidade,
na rua do Sebo n Si.
Fogio o preto crioulo de nome Ro-
dolpho, de idade de 24 annos poueo mais
ou menos, no dia 9 do corrente, vesgo de
ambos os olhos quando affirma para al-
guom, andar gingando, usacavagnae, fevou
vestido calca parda ,e camisa de chita en-
carnada, andou embarcado em vapores da
corapanhia Pernambucana, quem o pegar
leve-o ao Conedor do JJispo n, 35 casa
de Luiz d'Oiiveii-a Lima.
Pedido,
0 Sr, queb^a idias'tomou na loja d'^uia
Branca as amostras de biccos de guipure,
e enfeites de se ja, faca o favor d'as restituir
porque de cer^ ba mais quem pr<'iso
defias.
quitandeirae que faz todo o senico por TSDf : na
travessa do Carran.!.
Vcnde-se a taberna sita na rua da Concordia
n. 93, com arniat;ao de amarcllo envernisada e en-
\iilrai-aila. com sorlimento e bem aireguezatla:
quema pretender entenda-se ha mesma taberna ou
na rua da Cruz n. 36, com Braga Gomes A C.
Vende-sc uma earroca e um cano de altan-
dega, ludo em bom estado, um cavallo arreada
muito forte c bom pegador em carioca. Indo se
vende barato: a tratar na rua doCabug loja n. l.
Jas !l lunas as 12 do dia.
Grande lipida$o
0 proprietario d'antiga o bom conbec'a
loja de mhidezas denominada Beija Fli >
a rua do Queimado a. 63, querendo acal .;
com o soi-timeuto de miudezas qu 1
ton deliberado proceder a uma completa 1-
rjuidacio, para o que rbamaa attenrode t- -
dos.
Osobjectos sei-So vendidos por metadi de
son valor, apara que o publico, nao supp-
nlia, que o presente amiuneio un.a ilusa .
o proprietario da lita loja, offerece uma pe-
quea lista de algumasmiudezes, com os
diminutos precos -como abaixo se reta:
nao aproscutaii.il urna lista completa det-
dos os objectos que esto expostos a veinj;.
pela razando se tornar um annunci muii 1
exir11-.11 e poi 1 nsequem ia de enfadonha i---
lora, por isso apenas lemita-se as segninti :
1 Duzia de miadas de linha ,
Cavallo de sella
Vende-se nm cavallo de sella comandares muito
iioiis. novo, gordo c bonito, tendo vindo do Cear:
para ver na corheira do Bento llespanliol, e para
tratar na rua larga do Rosario 11. 21. Io andar.
Vendem-se oito moradas de casas de podra e
cal. na rua imperial : a tratar ua mesma rua nu-
mero 247. ____________
pomos fundos*' dao um vestido para qualquer Si 1.
da Imperalriz n. 60 d
Vende-se urna talierna com r
bem afregnezada, tanto para o mato como para a', loja do Pavo rua
CKZASSONA LOJA DO PAVAO ASGO
RS. 0 METRO.
Vende-se linissimas cambraias fianrozas
com os mais delicados padrees, tanto tni-
doscomo groados, o com as coros mais no-
vas (iie tem vindo np morcado pelo bara-
lissimopieco deoGOts. o metro; garobtndo
que 7 metros do um vestido para qual-
quer senbora, e tjue em outra qualquer ioja
nao so encontrar a mesma fazenda por
igual proco, e sim s na loja o armazem do
Pavo, rua da Iniperalriz n. (10 do Flix
Pereira da si\a.
CiKsas lulezjw a 440 -s o me tro
Vende-sc urna grande porco de bonitas
cassas inglezas tanto graudascomo miudi-
nbas e de coros lixaspelo barato piv.odo
i'iO rs. ometro.garenlindo-so que mrtros,
s na
linha com 58 novellos
I a A)
<( 11)
1 di caititeis de
do
E' preciso resposta.
Em vista do anmncio do Sr. Jus Maria
Bodf da Motta, publicado no Diario de bon-
tenr, no tjual declara rnie nada deve nesta
praca, nem mesmo banca por escripfe u
verbal, k, pois, convonionte que declare se
ou n3o fiador da casa rua Direita n. 15
que por considerado o seu proprietario
deixou de acceita-la por escripte.
= Pretrisa-se sabir se exwlenestaprovtncSo
Sr. Auguslo Jos de Souza, natural da provincia de
Kio Grande do. SuJ, e que lioi furriel do batalbo de
caradores n. 10 ou 11, e depois fez parlo do e.or\\o
policial desta provimrfa : no escriplorio de Jos
Victorino de Rezende & C na na da Cadeia n.
32,1" andar, recebe-se as informacoes a respeiio
Ierra, o aluguel commodo e tem commodos para
pequea familia, a razio da venda se dir aos piv-
tendentes : a tratar na rua Direita n.
Attenco
Rara se evitar letgios, previnc-se que ninguem
contrate negocio algum com os escravos de Jos
Lint de Sigueira Cavalcante Jnior, boje morador
no engenho Manboso do Porto Calvo is Alagoas,
por quanto se acham hypothecados e segundo as
condiCvdes da hvpotheea se presume vendidos. Os
escravos sao : Honorato, cabra, Maria dos Campes,
crioula, Amador, crioulo. Romao, cabra, Benedic-
to, Angola, Cincinato, cabra, Severino. .\ngola e
Olympia, crioula,
"Recife, lo dejaneiio de 1869.
Oferece-se
uma ama de leite de primeiro fructo, a qual pn>-
fere casa estrangeira e sendo forada cidade me-
lhor, eno caso que seja casa brasileira qne saiba
dift*ereue.ar uma aira, de seus proprios cscraw:
quem precisar dirija-se ao pateo do Para loja
n. 1.1.
COMPRAS.

Compra-se um preto due saiba imtaf de om
sitio ; na rua da Cadeia n. 31, armazem.
de cera, de massa, de rame e de
baratissimas, em porees e a retalho
zem do vapor francez,* rua Nova n. 7.
Vende-se um preto de ti anuos, eoflnheiro,
lwnita figura, um nioleque de 11 annos, linda fi-
gura : na ruado Mogo n. 9.
Vende-se urna canoa nova que pega 1,500
lijlos : na rua Imperial 11.247.
pronos
anua-
-\a rua de Hurtas n. 1, deposito le cbarulos
e cigarros tem__para vender pliosphoros de segu-
ranza invencao moderna a z.j800 o cento.
Flix Pereira da Silva.
RKTAUIOS PARA LUTO NA LOJA DO
PAVAO.
Vende-se uma grande quantidado de re- >000 e
fazer erodio.
I Caixa de
I Dita
1 Dita
1 Duzia
100 jardas
1 Dila
200 jardas.
Fita de la para dobrum do todas
as cores, a poco.
Dita nanea
Dita
Peca de fita delinhocom 10 vara ,
e mu serte para (Jis.
Dita cus
Peutes voitiados i-.tra menina e s-, -
nbora.
, Ditos muilos finos.
Ditos protocola etapa:.
Ditos brancos
Ditos pro tos.
Ditos blancos funis.
Escovas para dentesii 100, 40 .
Ditas para cabellos.
Ditas muito tinas.
Ditas para rouj'a.
Ditas dita de dita.
Pentes de coque com fita a l-?."iO0,
ItiP
:a
:; 1
:;.
:e-)
lo
KKl
SCJ
50 1
400
320
23 1
400
360
9fi0
900
320
tainos de cbita e cassas pelas por .
muito barato, e quanto maior lora poi-Co
que o fregu comprar,, mais barato so he
vender ua ruada imperad i/. 11. 00 de F-
lix Pereira da Silva.
PoiMechevre a i*OOOo.ovado
Vende-so poil de Chvre muito larga com
as molborcs e mais modernas cores r:lo
barato proco de I000 o covadt, na loja
armazem do Pavao, rua da lmj)ei'ati'i u. 00
de Flix Pereira da Silva.
LEITE VIRGINAL
Este leite branquia a pelle a mais es-
cura e a preserva da seceura, verrnelhido e
borbulhas; exhala os perfumes os mais li-
nos, e emprega-se, quer puro, quer mistu-
rado com agua, em todas as circumstancias
do toilette; nao ha nada melhor para os
banhos, uma garrafa \ft, e duzia 10#.
tnico deposito, pharmacia lo Pinto.
Rua larga do Rosario junto ao quartel de
polica n. 10
Libras esterlinas.
Vendem-se mais barato do que, em outia
qualquer paite: na rua da Cruz n. 20.
Iffucamba
lladiiiias de descansar aigodUo
Domingos Alves Maieus tem para vembir em
seu escriptorio na rua do Vigario n. 21. suporio-
r.s machinas para desearoear algodao, d lodos os
ainanhos.
Aos Srs. de engenho
Ha para vender uma excellente machina de dis-
tilacao, a qual se acba em casa dos Srs. Villaoa;
a ra do Brum fundieao). Para tratar eom 3 seu
dono na rua do Hospicio n. 23, que far iwtjecio a
dinlieiro ou a prazo.
Veude-se
Duas pias de marinore muito linas, com Ooroes
em relevo, que podem servjr para igreja, ou para
casas particulares, vende-sepor preeo muito com-
modo : rua Nova, escriplorio de Quintciro A
Agr, n. 63.________________________________
Vende-se uma eserava rriouia de ij^Je 30
annos, sabendo cozinhar. lavar, e tamben vende
na rua ; roa do Pilar n, 61.
Vende-se uma bonita mulata de ii annos de
idade, vinda ltimamente do Cear p-opra pa*
mucumba, para ver o tratar a roa da Imperan iz
n. % segundo andar.
MoWlia
Vende-se uma mobilia a Luiz XV, em (lado
perfeito, com algum uso,por pceeouuito raimo-1*
tO__A venda u pur tor _MnM^Mtf|Mr* **** *** **>**>
pan fora: a tracfr na rua daTTat n. id. Porcea de t
Pentes para coques 0Q, i#!Q0
Peca de franja p.uatoalha a peca
com 14 varas.
Entremeios bordados a peca 600
lintoiros do porcelana 11500 1&
Balaios para meninas de escolla
bonito desenho 800. 1.), I6&00
Peca de lita di' seda para enfei-
P?sde \estidos.
Fita de sarja de todas as cores.
. Grvalas preta- a $20 o
Ditas de cor-.
Sapatos de tranca e ta^te.
Garrafa de agua Florida venia-
ira
de Frasco com extracto em sapali-
os.
nhDHos com leos.
Dito agua de Colonia, pdenos.
Dito, dito de dito de liever.
Ditos com banha.
Ditos cora tnico.
Ditos com oleofiiocoi.ie.
Ditoi com extracto o banha.
Ditos com extractos diversos
Pao de pomada.
Ditos pequeos de pomada.
Capellas paranoia muito fifi
Sabonetes, 120, %t0 e
Ditos transparentes de bolla 500,
Redes para cabera
Bandeja 900 a
Duzia de boles de sadapara ao-
S06OO
JOO
B^OO
MIOO
800
500
too
400
1*0f'0
ItfOKI
lt*k>
im1
i 06,
.300
V





wmm

i

Diario de Pernambwqo Ton;a feira 1$) de Janeiro tic 1869.
AO BAZAR DA MODA
DE
JOS DE SUIZA SOARES & &
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
PARA O HOVO AMMO DE 1809.
Novo MrtiaantodeMtiffosde moda cIuxd, r^eebidos pdo ultimo vapor vindo da Europa
lC.-pl",ial:-i)r[iiii(,ii(:Mj"(i|iji'Ctos para mimos.
Perfnmwias linas dos prinripaes autores.
Lavas de ptica tresne, brancas p c cores para, homens c sflnhoras.
Cliaiieozinhos de pallia de. Italia enlejiados,para senhoras.
Rifas chnpelinn pan senhoras. gorrosde pallia de Dalia para senhorae meninas.
iKspeoial sortimento de atos para senhoras.
ErtMtss degotte para senhoras.
Fitas de grosdenanle superior de todas as tres e largura5.
Franjas rom vidrillios. brancas, de eoreseprelas.
GuarnlfBes deludas as finalidades para vestidos.
Vistiiarius eoniplelos para baptsaW
(iliidias e pannos enlejiados para senhoras.
. Gonces modernos, lisos e enfeitados.
i :ius de La e seda, corea elaras, moda Mesante para senhoras de bom BtttO.
<; .rpinhos deeanibraia cnfeitadosparasculioras.
Gachenm de la.
Chapeos de saj para horneas e senhoras.
Floros finas, snrliniento r-spcrial.
Plomas e|,>L'anii's de qualidado superior.
Chitos ricos depallia, alia novidade.
Griiialdas de Dores linas.
C iwas superiores para homens.
Cotariimose pufinos.
Grvalas e mantas modernas.
Bengalas de diversas cualidades.
Cantan Brandes eom quatro peras de msica.
- lpala* para narnioiVs de vestidos, botScs, fivelas. heos para eufeites.
fe pello de seda metes, forma a Hotsrliild, fa/.enda superior para hoinen?.
rentos de nlaqu.- lino, rostns bonitos para relogios.
> lelas il- boas postopafa ai naamas.
C rentes preta de borracha diversos modeles para voltas.
flbj tetes para lulo.
I mitos oatros artigos denovidade que su vistapodem ser apreciados.
tiste continuamente nnKOmploto sortimento de miudezas, vende-sepor gWSSO e'a r.-talho
BAZAR DA MODA.
9f> AC 1HT?l"\TPACl en todas as.partes do mando, empregam, eom o autor xito, *V[
f Uu JEiL/II-V/O o puosphaiode ferro soluvel de Lras, para carar a cblorotis J'J
(cores paludas}, as dores do estomago, e a exhaostaolo do sangue; eom esta preparacio, dio
ao corpe o vigor, e s carnes, a sua Grm:za natural; facilitam o descnvo'.vimento ti) labo-
rioso da pubtnlade. Com efTeiio, todo, n'este medicamento, se echa reunido pira lhe
assegurar o maior rdito, pois que entram, na sua eotaposioSo, os elementos dos ossoa e
do sangue. O seu autor, 11. Leras, doutor em scicncias, pharmaceutico, profesior de
chymica, inspector da Academia, foi, rocentemenle, condecorado da ordem da Legiao de
Honra, digna neompensa dos scus importante trabalhos.
As segnintes apreciacocs dos mais celebres mdicos anda vem corroborar e justificar
todos estes ttulos i cenfianca publica :
e Precisa cltssiflcar o phosphato de ferro toluvcl entre os ferruginosos ene inelhor
t convem aos doentes cojos orgSos digertivos supportam mal as preparacocs do ferre.
OL'BEIRAN, profese ir na "seo/a de medicina e de pharmacia.
*OphoaUalo-d*forroolnel 4, m qnanto a mira, a mclhor das preprateos ferrugi-
nasas, co sci. cmprego J os mais promptos e seguros resultados.
ARAN, medico do hespial Saiutc Eugnie.
A firma liquida do phosphato do Serr soluvel d-lhe nma immensa vantagsir sobre
< as pilulas; eu considero este medicamento orno mui superior i-; preparacocs iouadaa.
ARNAL, medico de S. M. o Imperador.
Entre todcs os ferruginosos, naoconnecomos om sd que obre to prompta c cfficazmente
como o phosphato de ferro soluve!, e isso, sem cansar o estomago.
BELLOC, BAUME, BIGOT, EOLLET e PKVOST, mdicos dos liospitaes
c Os effeitos da preparac&o de phosphato de ferro soluvel me purecem ser mui seguros
e promptos. BhBOtT, redactor em che fe do Bullelin tlirapeutiquc.
Entre todas as preparaoBes ferruginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a que sempre
me deo os melbores e mais satisfactorias resultados. GUIBOl, medico dos hostpaes.
a O phOBphaiu de ferro soluvel tem, sobretodo, a vantagem de evitar a constipjicao c
convir aos temperamentos delicados, t D' FAVROT.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maurer e C.
{> Pharmaceutie*',.
laureado V:
pela Acaimia ':.-

PASTILHAS
POSES tDIGESTIVASi
oeBURINduBUISSON
dt Paris '
CONLACTATO DE^SOOA E
Medalhado
fOaf
fomento.

Estas PaatbM conititeeta o medicamento*'o mais nova e o mais radoallaf
Ellas conten-
>moiaado eom a u
preciados per todos os mdicos, e o bHSariwnato de soda, sa'l "qu"fazTbase"d"as
todas as affecc.Jes das vas digestvas. Ellas contem, eom effeito, o acido lctico, nm dos
elementos nornaes da dtgestlo, combinado cora a magnesia calcinada, eujos bons effeitos
' appreuados por todos os mdicos, e o bi-carbonato de soda, sal que faz a ba.se das
Vichy ;da maior parte das ages mineraes alcalinas. Este trplice conjuncto de tres
tora sido
aguas de
Puteo CORRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
km&zi
Approta(lt
da cadcmit
ie aedeein
di Part.
Eua Nova n. 239Ba do Cabug n. 8
Pernambuco
Chapos de seda trancada, Paragon, de 16 bastes, 28 pollcgadas a !6 ; 20
poegadas a v>\ e 2i pellegadas a M^ooo.
Ditos de seda G. do N. Bara, de aro, de 16 bastes, 28 palizadas
de politizadas 1 I3 ; o 21 pollcgadas a 12.5000.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 hastes, 28 pollogadas a I2f?;
G pollegadaa a ll;>; e 2 poilegadas a 10;5000.
Ditos ile alpaca, de ac, de 12 hastes, 28 pollcgidas a 6^ : o 96 pollecadt
a 30500.
Por duzia faz-se descont do 15 OO
Chapeos de sol de panno, debtela, de 8 hastes, 2i e 2 ponaas a HA
a duzia. (DescOBto de 10 0|0).
Ditos de panno, de junco, 8 hastes, a 185000 a duzia, liquido.
a 145; I
de
LIQIDACVII
DE *
as militan^.
Completo sortimento
NO
BAZAR DA MODA
Pharmactufat
laureado
da academia
ie txedecina.
As preparacoes ferruginosas liquidas tem desde rauitos annos merecido a approvacao
especial dos mdicos, porque ellas obrao mais rpido e seguramente doqne as pilulas, e
so mais lacilmcntc toleradas pelos doentes. Os Pos ferro-nianganicos possncm a inuppre-
ciavcl vantagem de poder oTereccr nnin instante urna agua ferruginosa gaseosa, de gosio
agradvel, mais activa do qne as aguas mineraes, e contendo de mais um elemento precioso,
o Manganeso, que sempre se aclia 110 sangue, junctamente com o ferro. Empregao-ie cm
todas as molest as que tem por causa o empobrecimento do sangue, assim romo para v corar
os temperamentos debis e lymphalicos. A chlorose, as Perdas brancas, dores d'esto\nago,
a irregularidade da menstrwtcie e amenorrha ou supprestSo do menstruo, cedem rpida-
mente a seu emprego. Devemos mencionar aqu um facto notavel, islo que os doentes* cura-
dos pela agua preparada com estes pos cstao muito menos expostos a recadas rio que
aquelles que forio tratados pelas prcpraces ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maurer e C*.
rt
VERDADEIRAS
PILULAS de BLANCAR
COM IOOURETO DO FERRO INALTRAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Poastiindo ss propiedades do lodo et do farro, convem especialmente as APFEttcos
EscnoFTi.osAS, a Tsica no principio, a (raqueta de temperamento e tambera nos casos de
Falta de cor, AMENORRHGA.em que precisareagir sobre o sangue seja para restituir
-lhe a sua riqueza e abundencia normaes, ou para provocare regular o seu curso peridico.
N. B. O inlurelo de ferro impuro oh alterado ora Biedicamento infiel, ypS ^4
irriliinie. Come prora de paren e de aaiheneidada das ver*aOeiraa P(
de BlaBeapa, deve-se exigir nos-:o aelta 4e rata rraellra
noui reproduzida, que ss arba na pane interior de ni
rutiio venir. Deve-se desconfiar dat falsficaci*ep.
Aeliara-e ara aaaa aa paarireUr__PAarmacireco, ra Sonapart, 40, Partat
irrilan
k. lula
BX no s
Tem para vender em scus aruiaien afenj W ca-
iros, os seguintes arigos
Papel para impriuiir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Vinlios cm eaxtis de doze garrafas
Bourgognc.
Herv.
Madeira.
Hermilafre. ^#
Chainklis.
Licor de curaco de Hollanda em caitas de vm-
te e quatro botijinhas. *
GES8
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Grades de ferro
liara jardins, porleiras etc.
Nos armazons de Tsso Irmaos
< \ MIUMIOS DU llilllO
Para semejos de grandes armazens, para remo-
ver barricas ou caixoes de um para outro, lado pelo
mdico preco de 12OOl)eada um.
Farinha de tiTgo de Trieste
Das melhoras marcas Panonia (verdadeira) Fon-
lana e prande sortimento das melbores marcas de
farinhis americanas.
Haceos de arinlia de trigo do
Chile
Toda; novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso limaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hytlraulico 12,3
mclhor para tudo que sito obras para agua, co-
, moassenfaraento de canos & esgoto. algerozes.de-
1 psito, tanques d'agtia, etc., etc.: em perenes de
| eincoento barricas se far reduceao no preco : nos
i armazens de Tasso Irmaos.
Cemento Portland
0 verdadeiro cemento Portland em casa de Ta?so
Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, ete., etc.
De dinVrentes qnaJiades para cercados de ani-
maes, chiqneiros para galinlias ou jardins : nos ar-
mazens de Tasso Irmaos.
Barris com breu
Nos armMens de Tasso Irmaos.
CANOS DE BARBO
Na ra Nova de Santa Rita, na antiga fabrica de
sabfm, lia para vender por preeo o nais BDOdie
iwssivel, canos francezes para cdilicacot-s eesgo-
tos de toda a qualidade, superiores a todos os que
aqui leiu apparecido pela sua -olidez.
PRECOS
I5O0 por cano grande*de :t o mcia nollegada.
1 iOO por dito de 2 e tres qnartos de dita.
i Oi.M) per ilit.) de 2 e um quarto de dita.
SO ron por pistoleta de 2 poilegadas.
Cotovolli.s,curvase canos de maior grossura. a
\ isla se far o preco. Compras maiores de 2006
i tem o por rento de descont por prompto papa-
, inento. Pde-se ver as amostras nos ann
de Tasso Irmios.
lijlos francezes
Para ladrhar casas terreas Amaaaefoe procos
mdicos, muito convenientes e pronrios para ladri-
llios de cosinhas om sobrados, pelo son asseio e
vitar apassageni de aguas para o andar inferior
!'ii>e i'iOOO o milheiro : na ra Nova de Santa Hita, na
antiga fabrica de sabio, e compras maiores de 200 i
so far 5 poraanto de descont por prompto paga-
uento. Podem-sc ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Velas de osparmaeete verdadeiras para lan-
rnas de aarros: noarniazeni de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto lino superior: no armazcm
le Tasso Irmaos.
mellior cognac GautliierFrewe-f ifo tm*-
zem de Tasso Irmaos.
Esteiras da India
Em casa de Tasso Irmaos vende-se esteiras da
India de diversos padres c larguras, por preco
commudo.
PARA A FESTA.
ratas e garlos delialaflro de I boto a
4700 a duzia. idom itlem de i botoes a W,
dem idem para sl.i.- ateza deibotSoa
WfiUO, idem id.m de btrtcs a '<>$, todas
em pereilo estado ; assim romo bandeijas
linas c de diferentes iT.ioanllPs. colhcres de
melal principe, irem para ei.MnIta, ferro
para frisar vestida, liaras de metal de 20
a 36 polegadasj proprias iwra bando, es-
pingardas de 2 canos linas, assim como pc-
zos pelo sysleuia mtrico adoptado ultima-
mente pela cmara municipal, alm de ou-
tros muilos" objectos tendentes a ferragens
e miudezas, que se vendem por barato pre-
co, na ra Direila n. o.'l. loja do Braga.
A loja dagniji branca
o receptflciile das Modas e no-
TiiindfM.
A aguia branca teese fcito tao ronliecida e
acreditada, nao ao pelas novidades, variedades, su-
perioridade e abundancia de seu sortimeato, a me
pela constante commodidade de seus procos, e> mo-
mo pelo sen assaz e nunca olvidado agrado e sinee-
ridade.
Essas verdades .incontestaveis sao sem duviils.
apreciadas peto bello sexo em particular, e pelo
respeitavel jmblico em p* ral, e a tanto tem chegado
ane estao ajoast jiassando cerno annexhn ou pro-
verbio, qnando se ve mn olijerto do elepanei.1,
Rosto, novidade, etc., etc., diz-se logo aquelle ob-
teelo sem duvida foi comprado na loja d'aguia
branca.
^ Qnando no-clun. nos bailes; ou no falao d<>
Santa Isabel, una excellentissima se aprsenla
garbosamente (rajando. Irazendo o moderno cinto
de mui larga lita, lisa, enamakjlada, ou escosca,
as suas admiradoras diz. in cemsgo aquella fita
foi comprada na Urja d'aguia branca.
Qnando oMra exceNentisaicoa, nao menos gar-
bosa, mostea o rigor di seu bom goslo-na acertada
eseoma dos eufeites de alta novMade que bella-
mente i man seu vestido, anda mesmo as rivaes
de sua sympathia ronfessnmqne-^-aqnetes rnfeites
foraiii da loja dTagBia branca.
(uando n'oulra excell. ii'issima, apezar da sin-
geueza de sen porte agradavel, se vem as bonitas
luvas do pellica anqueza as suas bellas ami-
gas louvau-IDe o gusto e ci iifessan queaquellas
luvas l'orain da loja d'aguia hranra.
Quando mesmo duas excellentissimas, antigs
amigas de eBegio, se aaoaucam aatonu s loga-
vea, dejiois dos cumprimentos de recprocos beijos,
ambas por torea de sua elevada delicadeza, galiam
una a outra os agradaveis cheros de que nsam
em seus linos lencos, e cada urna das quaes orgu-
Ihosas pelo elogio do arerto de sua esoaua, e como
que querendo por si mesma justicar dizem simul-
laneamenle venladc (pie esteclieiro foi compra-
do na loja d'aguia branca.
Anda mais.
Quando hontem os pais afflirtos sentiam oricror
da dentieao de seu charo lilliinlio, e boje alegres e
-atisfdtos pelo feliz restabetecauento recebera as
visitas dos seus mellhir amigos, dizem aqnelles a
estes, foi Deus (pie me inspiroupara que compras-
s, como comprei, umdesses \iituo-os cellares
Rover, que se venden na loja d'aguia branca.
Afean do milito mais que anda
falla dizer.
Quando em um circulo de circumspectos carac-
RA NOVAN. 50.
Esquina ta rua.de Sanio Amaro
O a 30 por eoitlo mrno qoe em outra qualquer parte vendem
t JOS J)E SOUZA SOARES
qj mais acreditado autor Gontrot Ainea Paria.
c.
EQUINA DA RA E SAITO AMARO.
4TTE1C40
Est a .'xposi'.'io di) respeitavel p-,ib!; i
bndo e completo sortimento de fazenda< clu'gaJts pelo ulmi.
temos a honra de aiimiciar aos pais de iie.: i. assim como
nuitplic pede sua aeneao; garanfi;nl. se rr,)re' em sua nova
itostfi importante ''stabelecimento um
vapor da Europa, o que
ao bello sexo.a quem o
^^n^iS^^^^^~^ aa^7^7thiVquemdetaho4
Lindas sedas de cores novo Glacez de seda e la apurado trosto para 15500 o covado
Uaualias com lislras de seda para 1A200. 1*MK) o covado
Ditas d i lindos padroes para ot)0. 700,800 e 900 rs. o covado
Cambraias brancas de W000 at 8--KKX) a pega.
Dit,!^ de cor nevos padr5cs de 640 e 800 rs. a vara
Was'de lia con bonitas barras.
Uales de la e murcelina e de arcos.
"iiinas de gros-de-naple de 22,-5000 a 40M00
Gro-de-naplegpretos de 2.^000 a 4^500 o covado.
Ditos de lodas as cores.
Organdiz branca
I>ii llantinas brancas e de coros.
arlHhos e e:itre-meios bordados.
jtiua para seubora e para homem.
' :s escuras e claras, i
e outras militas fazendas
~~ poder desengaar que s no
iniLnpli-i p'id.'i a comprar bom, e corr economa.
PARA IIOMGNS.
to sortimento de^attrvim, Ufins brancos_e de- cores, camisas de Iinho e algo-
Conservadora de sua indivi-
dualidade, amiga do *
progTesso.
Os lahyrinlluts da Esperanca
AjnjH de Drindezas da na do Qoelmado
n. 80 A, vem apresentar sua escomida
freguezia um artigo que at boje oustava
muito caro, e por isso s ebegava para a
classe mais abastada da sociedade.
Tonlhas de lai>yriathos
Perfeilamente gimes s que se fabricam
no paiz por unta dcima parte do valor d'el-
las vindo a esta loa, apreciar a perleicao
LOJA fl ALLO VIGILASTE
Ra do Crespo n. 7
Mandn vir de sua conta e acaba de re-
ceber pelo ultimo vapor, completo sortimen-
ot de objectos de novidade e pbanlasia, os
quaes estao resolvidos a vender por presos
nimiamente btalos, para assim .tnimar aos
concurrentes e ao mesmo lempo ditr sabida
ao grande deposito que tem: sto ra do
Crespo n. 7, loja do Gallo Vigilante.
Gollinbas, punlios e camisinlias para se-
nbora, fazendas de gusto e novidade.
Finos vestuarios para baptizados, assim
como toinjuinbas, sajiatiiibos e moiasiuhas
para o mesmo lim.
Grande sortimento de bicos e rendas de
crocit e de ostras umitas qualidac es.
Sujwriores caixas com msicas e sem el-
las, tendo o aecessario para costuns, pro-
Tal>eliis vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vennifugo efficaz e preferivel todos os
conbecidos j pela certeza de seu resultado,
e j pela fcil applicaco s enancas, quasi
sempre mais atacadas de tao terrivel e
mudas vezes fatal soib-imento.
nico deposito,
Pbarmacia deBartbolomeoC.
.34ra larga do Rosario34
eioso debiqnc dizendo-lhesj sanemos que V.
um daquelles que inclina o eliapeo de sol ou que
mereeia ser desi-mado pela aguia branca da ra
do Queiinado n. 8.
H tantas as censas qne por
ninas escapan as out-as.
J ia esqueeendo a apuia hranm. aaaj em tempe
Icinhniu-.-e para noticiar, que loconati urna pe-
quena quafitidadc de eufeili-s para coques e pram-
P"s para ditos, tudo feito de metal com lindos <
apradare coloridos, edras estas pela primeira voz
app.-irecidas, e portante inieira novidade,
Tambem eheparam novamente di lirados eufeites
e llores ornadas de aljofares e vidrilhas, unto do
naw (irn coques cerno para vestidas, tudo
contina a merecer a apreciaeao das excellentissi-
mas conhecederas do I ni.
Vende-se.
Um balean em bom estado : na ra da Cadeia
do Hecife n. 22.
reunida economa, (nem sempre possivel' prias para um delicado mimo,
isso).
As toalbas teem um circulo de lindo de-
senlio e no centro se le em caracteres miis-
culos a alleg.nea insrripco.-A' baplisar.
A* passeio.Meus cuidados.Leml tan-
ca.Visita.
Ninguem porcerto deixar deircomp.t,,
o enxoval do lindo ibo para fazer economa
le i ;iou 20^,esses nadas de q\w se compoe
o guarda roupa dos recem-nascidos qua-
si sempre mam aos extremosos cuidados
das mais, a essas a qnem e Esperanca se
dirige, para quem desde j dispoe-se a dar
amo-tras e certa Cst que pelo preco nenhu-
ma deixar de comprar.
Fronhas
A Esperanca, tainlem receben fronbasno
mesmo gosto das toadlas que vende pelo ba-
rato proco de 3,5000, o que custava 105 I
apreciaiese ligardes importancia ao con-
de outras militas quadades e para1
misleres.
Finas caixas com lentos e sem e es para
vol trele.
Aoalbas para m icbiuas de costuija.
Ditas para croeb, sendo de aro, marfim
e outras muitas ipialidades, assim muio li-
nhas para o mesmo inister.
Finas "linaldas para noivas.
Meias de borradla paca twwa s >re de
ervsipella, assim como meias de a para
os que sodivui de rlieumatismo.
Suspensorios pira hornem e met i os.
FUN01CA0 DOBOWMAN
Una d Siciiiii n. 59.
Macbinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moudas d canna.
Taixos de ferro, batido".' fuinlido. ,
Rodas dentada!
vapore animaes.
E outrns muilos objectos, etc.
prios para atjricultnra.
para moer com agoa.
etc., pro- ,0
LOJA DO PASSO.
Una do Crespo a. .%. esquina
da do Imperador.
0 dono desieimporiante estabelecimcnto,
tendo tvibido de sua conta, pela vapor
francez ExUumatn^^drttMvgof^iftaAin
novidade proprioB para a l.sla. ecouscio de
que seo cstabeleeimento se acha bem soni-
do, picipalmente em artigos de moda, pe-
de ao respeitavel publico e M| particular
aos seus numerosos freguezes abondade
de bonra-lo com sua confianea, garantindo-
Ihes seren bem servidos e por precos ni-
miamenle baratos. Venliam, [mis, todos
comprar novas e lindas fazendas boas e de
alia novidade, com bem:
Riqnissimos cortes de blondc
Hiipiissiinos cortes de seda decores.
Sedas de lindas cores para covado,>.
Moire-antique azul, verde, branco e pre-
m m w
fihegou ao aaUgodcpoailo de Benpy Forster &
C, ra do Imperador, um carreganiento de gar
de primeira mialidade; o qual se vende em partidas
e a retalho por renos preco do que em outra qual-
quer parte.
Instantnea para liugir
Finos pentes de tartaruga para coques Ja barba, a lOOOo liasen.
Tintura japoneza
os cabellos e a
outros i E' a nica approvada c recommendada
I por ter sido reconhecida superior a todas
; de madreperola, marfim, osso, J as tinturas d'este genero.
venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. ra da Cadeia n. 51.
ac, metal, etc., etc.
Superior agua cosmoocome para tingir
cabellos, dando aes mesmos a sua cor pri-
mitiva.
Completo sortiniento de tinas perfiimanas
POENCAS has CRIWCAS
XAROPE DE RBANO 10DADO
H"'a em Pans e no-mundo imeiro de
HMiilini para owhaier s Hr*.-!,- mu^xlz ~ .-afiilttdo pelo medie.
^pnaVO tu HprM; cBil
Pei-via da.ej.e.
ni as de
a forlavel da vida, sem duvida comprareis .-dos mdbores fabricantes, assim cont i
ueste bello piiz ninguem se faz pobre dis- tos outros objectos que inpossMlel des-
pensando 15^ ou 20,4000, com acceio e
belleza de que se decora a habitacao, s
vezas no que menos penamos, entretanto,
como diara nossos maiores, a gepnitma *
vida : ainda s senhoras a quem a Espe-
ranca se dirige. Urna senhora cuidadosa
do nada faz a casa.
Ra do Queimado n. 38
Vtnde-Sti ou arrendarse o engento S.
Gaspar, sito na freguezia de Serinhaem, co-
marca do RioFormoso, prxima do embar-
que, com grandes partidos de pal, e mas-
sap roda da moenda, matos e mangue^
para madeira necessaria, bom pasto.etc:
tratar na ra do Imporador n. 20, ou i na
da Florentina n. 28.
cura dos callos;
t pria
Pomada r.ilnnpea.
Den<)sitii especial
Warmac-a de Bartholomeo d C.
-Una larga to Rosario------3*.
twa macluoa de rojura do firovor- & Baker i
rSaS"-8* "* ***** to(-&- *
crever: isto s na roa do Crespo n.j", loja
do Gallo Vigilante.
Collares i tra as convulsas das criancas e para facili-
tar a dentinco das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos
collares e contina a ter sempre grande de-
posito, ra do Crespo a. 7.
Sabonetas de alcatrao
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to boa
acceitaco tem merecido n'esta provincia,
muito se recomraenda para a cura owta
das impigens, sarnas, caspas e-todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pbarawcia de. Hurlboloaifu A C,
34ra larg.-qfl^lpo34.
NOVIDADE
Farhilia de inandioca,
Tem para vender Joaqaim'JOs Ginfal-
ves BettrSo. recetomentf tregada dti dam
\m flaHwiinu.-a^awlBulu untaUu puitafutz|
Aribe, mrMfcIfMMjM$n tramCie do
Kxm. baro'mttXhJltfMo efa tratar
com o mesmo na ra dn Trapicite r. 17,
on aboptk>>re*eii*>avHJ.
A loja do Coelho & Oliveira roa do
Queimado n. 19, recebeu pelo ultimo vapor
um bello sortimento de baldes de diversos
systemas, os mais aperfeicoados qiio teem
vindo ao mercado, sendo :
Oaloes de guipur com tiras chamados
reguladores, ditos de musseliua abertos por
ambos os lados, de modo que sendo todos
de um tamaito servem para qualquer se-
nhora, de la de cores, com tiras, e as se-
guintes fazendas :
Saias de 13a com bonitas barras.
Ctales turcos de seda e 15a Beatriz de
Tendas.
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapos do sol para senhora, muito lin-
dos.
Lasiahan
Sultanes, Poil deChevre, Tricte, dito de
xadrez e outras muitas, entre ellas urna
Especialidade
L3a pura de cores a 3CO re. o covado.
Basquinas a Mara Antoniete.
Cambraias fantasa.
Ditas brancas ,ttfJ9Matrntes e Victorias,
Colxas adamascadas.
obertas chineaas a^SOOrs. e entras
nimias fazwidas'xitte tonurMe-lia etifadontm
awmciar.
atento
Grosdenaplcs azul, verde, branco e pre-
to.
Goigurao branco e preto.
Setiin branco macan.
Cortes de seda com duas saias.
Cortes de laa escosseza com duas saias.
Cortes de la e seda, novidades.
Poil de cbevre de lindas cores.
Alpacas de cordo lindas cores.
. Ditas lisas de todas as coras.
Corles de vestidos de cambraia bordados.
S lias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de Iinho com lindos bordados.
Lencos de carabraia de Iinho bordados.
Cbapelinas de pallia da Italia.
Ditas de serias de sores e nretas,
Bnfeites para cabeca de senhora.
Coques de fodas as qariidadoB.
Casquinas de seda enfeiladas com primor,
tt'fuos de madrnroh, martim, snda-
lo e o;!).
Camilas bordadas para homens.
Colcli.rs d algpdo e seda para cama.
Ditas de cimbel, para cama.
Pannos de crochet para carieiras e sof.
Chapeos de sol de seda para senhorag.
Espnrtilhos para senhoras.
Toalbas de labyrinto.
Leucos delabvrinl.i.
Fronbas de lab\rinto.
Bicos, rendas e grades.
FjaisAiaas cambraias de cores, peales,
lias e outros mudos artigos de gosto e no-
vidade.
Loja do Passo ra do Crespn. 7 A es-
quina da do hnporador.
Para armazens a reSTio."
O Caineos da na do Imperador n. 28. tem para
vetdc| lado de medidas (!
i raa do Hospicio n. 38. ^ *"^aPP
paral, cipara
tenia metiico dcrnal. pelo qual e
tes a rctall,
a contar do i' de marco do
DUBCiante avisa
nerjsslun, qiie
qo mo sao ff a>
o > ystema acucia dito, e aaroi
pet foiwr
Jr^dem
vtolo offercecr diivda Dad
como ao veudedot s.
v'oriao-






K ft



11
.1

wth L
A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
1)0 -^
1)K
Flix Pereira da Silva, succ&ssor de Gama
& Silva
O proprietaiio d'estc estabelecimento convida,ao respeitavel publico delta ea-
pital a vir surlir-se no grande estabelecimento que tem de fazendas, tanto da moda como
de le, o as pessoas que ncgocam em pequea escalla, tanto da prisa como do matlo-
nesta casa pdero fazer os seus soriunenlos em pequeas, e grandes porcoes, venden-
do-se-Ibes -elos precos que se compram as casas inglezas assim como as excellciids,
simas familias, poderlo mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandil e-
mos levar em suas casas pelos nossos eaixeiros, para o que acha-sc este estabelecimen-
to aberto i'onsiiuitemenle desde as bocas da manhaa s 1 da nonte.
O atoalbado do Pavo.
Vende-se superior atoalhado de algodo
com 8 palmos de largura, adamascado a
i-OO a vaca: dito de linlio tanda muito
superior a 3 $00 a vara ; guardanapos de
Imlio adamascados a-iyoO a duzia e miiit*
linos a 8.WO0, o ditos econmicos a 3-vO
n duzia.
Croch para cadrlras na foja do
Pavo
Chegaram os mais lindos nanos de cro-
ch ou guarda bantras, proprios paca ca-
denas lauto d'cncosU
M Vl'APOLAO A 3:300.
Vendem-se pecas de madapolo fino com
12 jardas pelo barato preco de 3:500 a pata,
dito com lj, rdas a70G, na na da Im-
peratriz ii.OO, armazem de Flix Pereira da
Silva.
I.ft:isiuhas
A doze vintens.
A doze vintens.
A doze vintens.
Vendem-se lasinhas de cores muito bo-
nitas com descnhosiniudinbose grandinhos
com listinbas i pintas pelo barato proco de
Temos novidade na trra I
Porm ninguem se espante
A coosi nao 'de dar cuidado,
Faz semprc a sus admiraro,
Mas nao offende a iiin,'uem,
Agora nao se lembreni de novo incendio no pardieiro,
Nem que bouve exploso na maxambomba,
.Nem que o preto Tbomaz fugio da Detenco,
Nem qbe o vapor dieron enibainleii udo,
Nem que a FRAGATA AMAZONAS virou o S.
Nao se trata disso
Ser algum jai: re paz que qtur passar o metro w
tituto em conscqueiicia de estar abolida a vara ?
NAO SLWHORES -Tenliam paciencja-ppperem
Nos vamos dizet do que so trata-iiao ciun aquellos modos que toma
0 cordeiro previdente
IIua do |.: uiado i, i;.
Novo ti variado sortimonto de perfumaras
tinas, e oiros objetos.
Alm do completo sorliinento de perfu-
Diarias, de que uectivamealc est provida i
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba d;
receber un nutro soitimento que se torna
VetidtHge
Um cofre de fer. prande o bem n jnido
ua ra da "* U, i- amlr.
a lrar
55=S"
ESGRAVOS "FGiOOS.
de graticafe.
200$
Graliea-
russo, Sr. Antonio Domingties, (piando reronhecc que na inelhor boa f Ibe empurraran!
algum" livro sem principio nem fim -mas sim com aquellas mam-iras assaz deli
seu subs
o eidad'
adas que
e espera continuar a merecer a aprecvicao
do re>H.'itavel pnblico em geni e de sua
boa lieuezia em particulac, nao se alis-
tando elle de sua bem conhecida mansido
e barateza. Fm dita loja encontraro o<
apreciadores do bom:
AL'iia divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Lamman.
Dila de Cologne ingleza, americana, fran-
ce/.a, todas dos melbores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiraa.
como de bataneo e 2'iris o cov.ido na loja do Favo, ra da
do guanco, e outros compridos para "so- Imperatrizn. 00, do Feliz Pereira da Silva.
la, assim c.mo ditos redondos para mezas AS CA.,tlU{AL\S DO PAVAO
redondas, ditos pequeos paraalmofadas, e
ditos para cobrir presentes, leudo pequeos
at para cobrir mu prato, que se venden)
por prero muito em conta, na loja o arma-
zea do PavSb roa da Imperalriz n. 80, de
Flix Pereira da Silva.
I "I! Si OS
para xesi ido
a JO.
branco
Vendem-se (inissimas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de o.SOOO at 105000 a peca, assim
como linissimo? organdys branco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 1-5000, a vara, na loja do
Pavo ra da Imperalriz n. GO, de Flix Pe-
ivir da Silva.
Vcndem-seosmaismodernosfuslesbi-an- nsio BRANG-PARA VESTIDOS AGO
ros BewvcjS ruin padioes de listas c del Na ioja do pavr,0 rnnillIMni mais mo-
salpKOS proprios para vestidos e roupas de demos fustoes brancos de lista e cordo
menino a G40 rs. o covadp, na loja c arma-;milito encornado mas muito tlexivel, pro-;
zem do Paylo ra da Imperatrizn. 00, de | ,1|.ios pa,.a Ve.stiMos,i-oupoL's, penteadores etc.
Feux Pereira da Silva. ete.,e roupa pora meninos, pelo barato pre-
Orgainlys l!' de 910 ris o ovado, na loja e armazem
Or^dj branco Uso, mnJ> floo a ^'''S^M^bSvS A 3 o
rs. a vara: dito com quadros ou listas, la- cov'VDO
zend muito superior a U i l de tobo Vt!n(lom.se as Inais IUIM](,nia seilas (1(1
.raneo com palmmbas, fazenda muito Ima a |istuhas J^ ^^ dn^^ ^ u((imo
rs. a \aia. v;i|ior com as enes mais modernas que tem
Gro.sdcuapies viudo a est-mercado, |xdo barato preco de
Cbegou para a Lijado Pavo pelo ultimo 3 $ rs. o covadt na na da Imperatriz .
varporum grande soitimento dos memore GO de Flix Pe eir da Silva.
grosdenaples pretos e de cures, PmuIo verde Alpacas lu radas
tamben, que se vende mais barato que Cbegaram pelo ultimo va)X)r as mais mo-
em entra quaUjiier paite. denme alpacas lavradas com as mais lindas
Lencos blancos a 1^600 a duzia con* cp se'endema t-MXX), o covado,
Vendem-se lencos brancos de cambraia de ditas lisas tendo tamben cor de caima a
algodae a F-MJOO e 2j rs., ditos de linbo a j 800 re, ditas mescladas muito linas a t800,
3-SO0 e 45 s. a duzia, na loja e armazem; o covado, e os ras mudas fazendas degosto
do Pavo ra di Imperatriz n. GO, de Flixe moda que se vendi'm mais barato do
Pereira da Silva. 'Ilie em outra qualquer parte, no armazem
OALES \ 2)000. *'" P^o. fOl (i a Imperatrizn. 60. de Flix
VMidm-se diales de merino com boni- 'IUI a ^".vnvc m? nno
tas barras, pelo baratissimo preco de .-SOOO i
Agora digam comigo
Falln ios mu i lo serio
ICJTTis. Z
lomeas a abastecers suas despensas
sempre se enconlram no perfumoso ninbo da sympatbica Aguia-Branca : as:.iin pois Dita dos Mus e vilete naratoilet
altendam: .^ bb.:. ,......."i1:. .
C IUI JU. % AIS
Amigos de farlar o estomago agradavelmcnle venbam ra da ImperatrizohVm
para a Casa que Oca em frente ao magnifico caf- olbein..... omem..... au vi m ?
0 BOM DEMONIO
Nao se benzam
Que peior
riquem bem quietos
i Que niellKU'.
Mulbor, demonio que importa !
Muller, demonio bel de amar-te !
SanlAi.ua, pivtode idade de i jmih>s, bvtiL Pita-
lina mmlar, [cir.-m tu., jh.hc. es|wtauilo higa,
(illms |.e(|iifii.is. vitos p um \xmii lranr?. n-A$i
|HMlcti..s. |m i; limad'.<. raliera ptifiiena, p ;j
uii.s rcjiilaivi,ds|Nisf(; ..s|mi:io |iara qHakuer
servio, rallavagaiwa gro^N ou duna, andar iTv
rKJiim rangueiiTt. deve u-r marca Das perna. en-
costada anipes de ferros que l* ao Sr. harao de Nazaiei e estecompn u-o m r.
Jo* Miguel i Alleiiiii) quti o liouxe du Hi-Graao
d<> Nortee ah o i-ompri;.u Se. eaj itin Friennj,
moiador na villa do Pait de ferro, c o sen paifo
i-apilad remandes eimipivni-o ao Sr. Manoel Tho-
inaz da Sil.xa murador na villa de Porta Alej-'O!,
Mhdii o referid e.-ci-avo natural dalHff dapji viu-
da da !'aiali\lia, perlenceii e viajou prinripaluieuto-
os siiies du Ingazeira um Pajed (nmfc loa d< u
sei 11 oros moros por nome Marcelino eCiwHl'l
Llixir odontalgico paia conservacao d. senaTalhada.ridado doBouza. 8ern oMw&
bocea. i (. etc.. aatbm laiabeo urowio^-*e a qoin apren
Ao publico
Frascos com dita jajioneza, transparente, sett-wfeildo sonlior.
icoutrasqualidadcs.
Finos extractos inglezes, americanos t
rain e/cs em foscos simples e 'afeitados. Fugio do aliafeo asonado, uior;:ur
Essencia imperial do lino e agradavel eliei-1 lainoeim. na da 11 do coiTeuie, mu en cserarintiD.
ro de violeta. mulato, dnome Jos, cun idade de tt amos,
Oulris concenln.lii eittdiAms nal ''"ais ou menos, miriz adiado, c;.lu-ll..s f:!xrados,
umras eonceotradas c doobeiros igual- loUnrianiMd a wm deetaa iM-rf.ii.w, P rota
mente finos e agradaveis. fa||a dewancada, levwi vdalo camisa de algii
Oleo pliiloi'ome verdadeiio. daocioiio e curoula doiue Extracto d'oleo de superior uualidade. P3"18 r,lsa upr^suutiegiifopaiaoRcfft:
rom escolbidos ebeiros, em frascos de dif- IST^^1?*" i"ild,M'sei'i5l'"fr:'
ferentes lamanbos.
Sabonetes em barras, maioies e menores
para mos.
Ditos transparentes, redondos com figu-
ras de meninos. -
sanenle rcciMnpen.-ado.
-Manoel dos Anjt Silva.
Allcneo!
Futri linji pela manhaa a wcrava de nome Ce-
nen.sa. iierieneenle aolii Flias Fivd.-i i-o de. At-
03
Ditos muito finos em caixmba para barba. ,nCMa e Alhnquer.pm, da Parahxba, a qnal tcm ua
Calimbas com bonitos sabonetes imitando sipuacs se^uinies enr pna, cabeca pequea, *
Onn o fim de tehr aos bomens a abastecer as suas despensas no M VONIPICO; ^i'f- r JSSSSiA'm^^
MBttaai I>E MOLHABOS i equina da rtn da Aurorl delrome 'do smnptuoso Caf fm-1. *** '"' '" T?1-''"" "' W ^vh tJSu*ffnf
peralnz: o ncans.ivel pn.prietario desse importante cstabefecinrento :i.-;i..i ,], pnrte-to ;isjll'lllll"aiias' Im"10 P'opnas paia pie-, 17 aI1,)S.,-. llUitl) |;i,i,u^ la\.- ii.-m. cozinlaeeo
i do que lia de mais superior e diimo de orna casa dessa nrUeitt.
Este interessante estabelecimento se torna saliente, nao sii pri.i 11 optfina locali-.
dade. como pelo fonnoso e encantador emblema que o assignal. -\ ede-o l'ormosa Circe,
encantadora maga que se espelha as aguas do nosso ameno Capibaribe, e como que desa-
tando o riso para a altaneira Olinda que alm se avista garbosa e gentil reptectn d
peraitra de t-m btWU gosar os mais gratos paliantes que llie sero levados peli nova es- i
Irada de ferro que se acba no nascedouro.
e 2S00 rs., na loja do Pavo ra da mpe-
atriz n. 60, de Flix Pereira da Silva.
PFCIHNCIIA A 3:500.
Cortes de la 3t500.
Cortes do Ra a 8:500,
Cortes de la a 8:900.
I.rI /.inbasa 280 ris.
Lazinbas a 2S0 rcis.
Lazinlias a 289 rete.
So 0 PaVh.
So o Pavo.
S 0 Ptr>S0.
Vendem-se rrgandys de cores com pa-
dres miudinbos em assentos brancos e de
cores pelo baratissimo preco de 3GO rs, o
covado, (inissimas cassasfrancezascom deli-
cadas cores e bonitos desenbos a 320 rs. o
covado e ditas \ 300 rs, na ra da Impera-
; triz n. 60, armazem de Flix Pereira da
; Silva.
Roupas para homo 111
Veinlemse superiores palitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca c de seda,
! camisas inglczas e franeezas com os peitos
ile esguio, ceroulas francezas de linbo e al-
godo, meias croas inglezas superiores, ca-
Veulia toda a populadlo do Recife ver
Pl-MOMO.
Assim. pois,
admirar a bella pbysionomia
LTIS N0VID1DES!
PECHINCHAS
Novamente chegadas ao armazem
DO
M^'K,m.B
DE
do BOM
muito
sentes.
Oilas de papelo igualmente bonitas, lam-
bem de periumaris finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, c de
molde iio\os e elegantes, com pode arroz
e noneca.
Especial p de arroz sem composico de
clhiro, c por issoo maispropria para crian-
tas.
Opiata ingleza e francezaparadentes.
Pos de cainphora c outras differentejs
qualidades lambem para denles.
Tnico oriental de Kcmp.
.iluda uiais coques.
Um outro soitimentos de coques de no-
vse bonitos moldes com filets de vidrilbos,
gorana, sabio aom vestido
Vendom-sa benitos cortes de lazinbas
pira vestidos com pedreas modernos leudo
cada um orle 11 eovuios pelo barato prc- soitimento de pannos pretos, e de cas
ro de 3:500 rs, assim como ditas empecasinglezas de cn.s, e que se manda
que, se vender a SO rs.. o covado, sendo
grande peebiacba na loja o armasen do Pa-
vo ra da Imperatriz u. 60, de Flix Pe-
rnea da silva.
IUBADINIIOS
Vendem-se Qnissimos babadinbes, liras
bordadas c iiitremeios, mais baratos do que
em oiitraijualqucT parte, assim como aspar-
limos dos mais moderno.;, no aruiazeni de i
misas de flanclli e de meia de la, assim
j como neste estabelecimento existe um grande
emiras
que se manda fazer
[iialquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promet2-se-lbes que sero servidos
com a maior promptido e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix Perei-
ra da Siha.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimenlo dos mc-
Iel,x pereira da Mlva, ra da Imperatriz, |horos rmaiolvsb corfina(|(
Tendo-nos ebegado ltimamente fazendas inteiramcnti novas, convida-
mos por este meio ao respeitavel publico a que nos procure comprar ha ndas de
bom gosfo e por precos que nao adiar em outra miabmer parte:
Altni'ein
Madapoloes finos a 55, 6->, 75 c 8-^ rs.,
so no armazem lo Leo.
Chitas escuras de padroes lindos por pre-
co de 320 e 360 rs. o covado.
Cassas de cores com palminlias
lisias de diversos padrees a 240 e
Lazinhas cinzentas c cor de boniua a
320 o covado.
Chitas claras miudinbas a 320 e 360.
Lencos bordados a fi,-j, G.-SOO
Ricos c bem escolhidos gostos
marks para caigas c paletots a
corte.
por pro- Taiubcm tem para acabar ieca; de pan- n ,. ,'.'"" '.\ *****-*"
no de linho.com 27 varas, a 17> e IM. ^^''ro Previdente a ra
e cm.\ Toalhas de li.d.o para rosto a 10,* a du- ,!'' J; J ',"aba do ^ um
320 rs.! yin ment de trancas de pama para
ALTA NOVIDADE
LOJA DO
PAVAO
seda
Chegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos gurguroes de seda, proprios para ves-
Gurgurao de
los bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 12->000rs. cada par at 25-5000 rs.
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
I'ereira da Silva.
Chitas
Vendem-se as melbores chitas escuras para
casa sendo de lores lixas, pelos baratos
A os Srs. armadores de ei
Ve,ndem-se pecas de bullanda ]
Alpacas prctascde cores lindas propnas; ',( covados a U : na ra para vestidos a 680, 700 e 800 rs. i f Q ;;. juut0 a padaria france/.a,
Pi cas de cambraia transparentes a i;\ Leo.
.'i.-i. e <>. Por este prego admira a todos!, ''uonejo roupas feilas I! no
Cortes de casemiras de quadiiubos e Us- j,3 L(!0) rua tia Imperatriz ns.
tas a 2 ?S00 e 3. Aam como temos um grande,
Coipiulios brancos para seidiora a 3->
3 iQO.
Pe le chita rxa e tbaje
azul : quero apreqtkrpdt .ntiojia-laao Dr. Kr-
ncsio de Aquino Fonfflra. na rua Xova n. 7, 3C
andar. 011 aoSr. Manoel faldas Brrelo, em teb
riiii'. que ser naeompenNida devidmieitie.
= t-'tipio no da do iri irento a c-.:. va Candi-
da, rrionla, le MMa 24 wm s c.iin os : i^naes fk
pinles : hem pFula,oaixa, quando f lia aporta ci
ollios |Knque sftpei pqrncz. e myopp, letdti
vestido encarnado ja desbotatlo p i-finl' ;.;,,..rilo :.
quero a pegar leve a rea Imperial u. i'-i'X snlulelc-aiio de S. .lu'. ipu mi.i ircouqx ri'-.'.do.
'upio o pelo < rii.nl 1 dfl nofltfi Kodolpbti de
M anuos di- idade. pooro un- m menos, no ffh
9 do enrrcule, vesgo de ambos osoflios quando af-
firma para atooeni,andar (HngaiidA.n$a revagMe
e levou vestido ralea pauta e cauHWldn chitii "r*-
raruada; anduti einl>airado imi tapor da Ci.n:c2
nhiaPeinandiueana. (Jian: o |"gar l.-ve-o .10 kU r
lUOfjQO
e alguns d'elles ornarlos de llores- e litas, mtor do Bisp-n. :i:. rjwa d- i.uiz de ORvtfia
estao todos expostos apreciaco dequem I
os pretenda comprar.
C.OLLINH.VS E PNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeigo.
Fivellas e fitas para filos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, fleando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINA^ -
O que demelhor se pode encontrarnos se
genero, sobresahindo os delicados ramos
orralhados para coques.
Para vagcni.
Fupio lia ifoatro annos, (Hinco mai- m mem.. o
engeMhu Juskca, freauena de Jal* alao, o.e*
ti liano. crioulo, idade do ;1 22 anuos, baa v
Mfcodeerpe, bem parceido, dew icr hoje altems
barba, ollios veniM'llio :irnia<*:uli s, o qnal ronsta
que eslivra na Rscada tnNUbwld '>'' forrea
coro o nome do Joaquim : ropa*M > autoridades
[oliciaes ou aos cafitaet do ranipo que o appre-
lieiidam c eondnzam quelle engenbo, ou rua u>
Imperalriz n. ti. Sero^qnc ertw hi gntil (
rom toes, o quolles m inii uiniei ie ti da? a?
doepeaaa que izeremoui a apprefaensao de rrxtiub
esriaVO.
Rols-is de tete e carteiras de rjiiirn or I ~ -No ,li;i ;lu ll" UiC Ac W>vini prximo paa
DOisas ue rapeie c i ai uiras ut como, poi sadlI> njpi.i do mi^soIm S. Jos, do lornwdeSrri-
precos commodos. nhem. a eserava de mue enedieta. mulata, tea
Chapelinas de palha da Italia mu bao 22 aunes de idade. cara bndgoa, altura regular,
eiifeitadas, c enfeites detlores obra de bom eabello curiado e denles podres, foiasemadeio
^1)l(1 t de llanos Araujo. rendeiro do ongeiibo M.inai na.
-',,'. ., .. levou uni roupao de chita i-lara ja vellio. europaB-
E assim nimios outros objectos que se- no da (Josta novo : quero a pegM Une-a ao dito
rao presentes a quem si dirigir'4dita loja eogenhe, oo ao Sr, Manoel uves PerreiraC.,
'.Z^Z' *> Cordeiro Providente a rua do Queunado "esta \>vat;\, que sera generosamealo recompen-
uc o^-. ... .-rulo.
. ;oW u | EjaygjjEg I)E palha p\RA VESTIDOS, I ^'r'" ',0 '"r"'1.'1"1
CHAPEOS E COQUES.
12;>300.
Icitof
8.
reta com
pratriz n.
loja do
& icdade. na comarca de
I Pinto-Calvo.provincia das AJagas. oeserawFe-
lip|ie, cabra, cabelios carnpiulios. do :."! roir-os de-
do Queillia- idade, ponen mais ou menos, punca bar a. n; .e
bello SOlli- ([uenos. nariz regular, olims /raulcs, denles uro
enfeites de lll,,|('o limados e &m WU deumtafrentn, a
vestidos, outras para "chapeos, coques ele. ZS^?^ZS&%1
ludo isto est sendo vendido com a sua bem eaprn de campo a appMhewao do mereio, e le-
COnlKCida conunodidade de preCOS. va-lo ao seu senhor no referido en^enlio. ou nasi
\l l'M D'-VOCEI 1 I'S dade dn Iteeiie ao Sr. Joaquim Rodrigues lavare*
Recebeu outros lindos enfeites de seda ,,e M"u"' lare J.C:u''"!^iUlU5^1^ P"*r.V"
tidos, sendo lisos c lavradinbos, com muito i PrcCos de 3 ,; :j(50 rs. o covado, ditas
Cortes de cassineta de cores para calcase
paletots a IAoOO.
Cassineta do cmes com um pequeo to-
que de mofo a 400 rs. o covadM
histro, ,aranlindo-se que a l'.i/,uda mais m#> ^ f'aucezas sendo claras, com pa- '; "; d -'.'' ', -,,
linda o de mais phantnsia que este auno tem (ll'"t's de cassa a 360 c 400 rs mUI
ebegade a este mercado,'e vende-se por'l,a ma (la 'itipeintriz n. 60, armazem de Fe-
da Imperatriz l,x Perea (la s lv;l-
pe. o onito raaoaavi, na rua da Imp
n. 60, de Flix Pereira da Silva. 4roleaa|2es prt
Hedwt de listas para vestidos Vende-se um grande sortimento dos me-
Cbegarain as mais modernas sedas lista- Inoras grosdenaples pretos, tanto lar-
das para vestidos, com as cores mais mo- i .tos como estratos, sendo de 2V5000 rs. o
ternas que tem viudo ao mercado e ven- -.vado at 4t00-rs. garantindose que
dem-se por proco muito em conta por es-1 reste genero ninguera tem metbor fatenda e
tamos muitos prximos da festa, isto na pie se, vende m.ia barato do que ein outra
loja do Pavjo, rua da Imperatriz n. 60, del qualquer parte. i;i rua da Imperatrizn. GO,
Flix I'ereira da Silva. de Flix Pereira da Silva.
pcchinriia. jjfjojj
Admira!!
Gravatas de seda a 500 rs.
(iolinhas bordadas a 500 rs.
Lazinhas a 200 rs. f
Lazinbas a 200 rs.! !
jrmazem
e 52.
completo
itas: pa-
s, jaque-
ceroulas,
admira!
core
etc.,
completo
, sendo
que se
e variado sorliinento de roupas fi
tette saceos, sobrecasacos, fraquij
loes, calcas, colletes, camisas,
chapeos etc., tudo por precos qu .
Tem tambem um soitimento i.e ieupas *
onUnarias por preco baratissimo.
Acaba de chegar tambem um
soitimento de damascos de
azul, araareHo e cor de cafe
vende por preco coinmodo.
Admira!!
No armazem do Leo !
No armazem; do Leo!!!
No aimazem do Leao!!!
No armazem do Leo
?
j^m^^k'^
TCSSES
CtTAIRHOS
PASTILHAS PEITORAES
deSUCCOdeALFACE^
E LOURO CE REJO
IRRITCOES
00 PEITO
E" este o mais noto e u.-ocioso .ouleitu uwwn cooliado. Por islo lem adquirido ra-
pidameate a popularidadc de que goia. Os medico os mais disuncu o aconsellio contra
as Uuset, defluxot catarrlios. iones convulsas, ccitarrkot epidmicos imlapes deipeil. Cora
grande empenhoo procurao as mies de familia, assim para eltas como liara as criaDas. pois
primeiro (roe tudo A inoffensivo, c as suas propriedades adocantes nio deuao nana a aesejar
Deposito em Pernambueo? em casa de Inre o.
tttttttttttt
mili
OPFBES&ll
if CIGARROS NDIANOS
D0CANNAB1S INDICA
^GRIMAULl'- PHAnM/fcEiJTICOS em PARS/
surMcifft
BOQIDlO
?
Todos os moios at hoje preconisados contra a astlima au tem silo mais de me palliativos
debauo de todas as formas, tendo por base a bellidona, o rslfamoiio o opio. Recente e(>e-
ricncia feilas em All manha. repetidas.em Frauc e na lnglaierrs, icm provado que o cnamo
indio do Bengala possue as mais nolayeis propricddes para coinbi.l*r esaa temivel affeccSo,
aaia romo a toe nervosa, a iosomnia. a tysici laryngoa a roiii|Uidao, extinevao da voz,
e as nevralgias facaos. E' iiois com o apoio da sfencw qneofferecenos estes cigarros, prepara-
dos coro o extracto de cnamo das Indias, que dos importamos de Berihaim.
Deposito ra Peramhufo. em casa de ttmmrtw C*.
Laazinltas a 200 rs.!!
No armazem do Leau, rua da Ljiperafriz ns. 48 o 52, unto a loja di
e padaria franceza.
NOVIMDES
lina de OueDiado n. II
iitii & i;,
para vestidos
timento declines
assim como um variado sor-
ile la,- babadinhos de
cambraia cmn bordados de cores, cuja va-
riedade de gostos os tomam recommeuda-
dos o apieciados ; comparecao pois os pte-
tendentes que sero servidos a contento.
TAO BEM RECEUE.
ser generosamente recompensaili.
Novo provimenlo de bicos e rendas de
LUYAS DE PELLICA.
De todas as cores tanto para hornees
como para senboras, constantemente acbam-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
rua do Queimado n. 4<5.
lOOSOOO de n'rtiilCcK/iu
Acha-se Rtgid desde o dia 4 de jimlin de lffl
um niiiatiiiliM eatioeiilo de imuie t, de 13 a ti
anuos do idade, ojo do Bonito eos Janeiro de 1868
c fui vendido ni'sia idade por Antonio Jos" 4c
MeDo; negociante. daqueHe lnirar, ao Sr. Femando
Jos Orn'a. rom leja na na Direita dcsta cidade,
l)ede-90 an autoridades, (|uer daqui, pjiar de lora
(jne o aiirebondaiu e o entreguen] a sen sconor,
na rua Nova desta cidade no segundo andar na
casa n. & que ser gratificadB.
omives
,,. A este estabelecimento chegaram as mais lindas chapelinas de crep, tule c pa-
Ihmha da Italia, primorosamente enfeibtdas.
Bales reguladores para seutiuras c meninas, os mais modernos e de varias
cores.
Basquinas de seda para senlioras, o que ha de auu> gosto, c delicadamente on-
feitadas.
Ricos vestidos de blondo, com manta c capella* para noivas.
Cortinados do cambraia bordados para camas e janellas, de diversos gostos o
qualidades do 155 at 80i$000.
Tapetes alcati&s em pqca. para forrar salas, gabinetes e corredores.
Camisas iiigleza de linbo para homem.
Ricos vestidos de seda pretos bordados agulba e do cambraia broncos tam-
bem bordados pele mesmo systema.
Frouhas e toalhas de linho e dfTcsguiao todas bordadas para casamentos.
Sedas de lidas cores, casimiras de coros as,mais modernas, saias de 15a com
barras de cor, chapeos de sol de seda inglezes, espartillws para senhoras e meninas,
eularinhos de linbo para homem e graade soitimento do fazendas de todas as qualidades
que so vondem por precos que agradam aos compradores.
Neste estabelecimento contina a receber-se csteiras da India para forjar sal-
las de diversas Larguras e cores, que, vendem-se mais baratas do que em outra qual-
quer paite, por isso chamam a attencSo para as
EsUiras da India para forrar salas.
^m^mimmmwsm
NA
I
V
liuiu;ni
A ba pitada de rap na Aurora
A BOA PITABA RE RAP VA AURORA
A loja da Aurora
rua larga do Rosario n. 38,
Pertencente a Manoel Lopes et Irmo, re-
ceben as seguintes qualidades de rap mui-
to fresco:
Rajw gasse grosso, dito gaaae tino, diU
Paulo Cordeiro, princeza rocha, dito de dila
viajado; todas estas qualidades cima, e
vindo do Rio de Janeiro, rap princeza tino
da Babia, dito princeza meio grosso tambem
da Babia, dito francs muito fresco, dito
Meuron ; todas estas qualidades se venden
tanto em libras como .1 rteme; assim co-
mo tambem tem bom sortimento de miu-
dezas de qualquer qualidade que se pre-
cisar: quem duvidar v loja da Aurora na
rua larga do Rosario papa verificar a verda-
dc, onde sempre encontrarao o desemba-
race e bom agrado prempto a despachar
qualquer freguez que queira honrar este
estabelecimento.

290008
.
A enerara Ha-cu/ana .
Comprada a.-Mia. Sia.- IV Claca Fenton. fft
Janeiro de I867,pssala a estTipHira de venda,
sanio e al hojo nao voltnu. Ignorando-se para n
de se evadi. muala clara, feia, idade 36 .'
annos. ,July* no quciio superior, su \\>
no rosto, rakB( mu puoco _c*nii.)s e eMa de
eorpo. Foi escrava do sr. Joao Sinioes d'AlmeidS
da rua do Vigario, e auterh'rniente do tenent -co-
ronel Joo de do ennf>o fitUi, lia Parah>ha.
J esleve una vez em Gjjyajina para ser vendida
si- alguem a qnizer comprar vende-se e se pode?
ser aiipreliendida,** se indicare* lugar em <\\t-
estiver, sendo eneonti a cima: na na de Hospicio n. 13.
fupio no da 10 do cornnte mez, do engk-
nho Quiliba, freguey.ia de Swinhwnn, o escra*es
Benedicto, crioulo, idade 30 e tantos anm s liaixj,
fojees miudas. pera c liigotle, denle queuradf r.
tiviae, bem fallante e ladino, montado un ni
valla com cangalha, com os idgnars sesTiinles:
alasao, liern feito, est eordo. nao tem estrella tt
testa, nem calcado. Foi comprado ha pouco>
meMs ao Kmb. Sr. na rao du Xaaaroth.
Qnnni o apitrabender c entregar nesla iaca ai
Dr. Joao da Silva Runos, ou a Gabriel Antonio dfe
Castro Quintae*, na iravos-a do Queunado n. 3,
e no referido enponlio Uuil seu senlmr ni
Joj> Euget da Silva Hamos, ser gonerosamenlR
recompensado:
Eap Paulo Cordeiro.
Vende-se rap Paulo Cordeiro fino, via-
jado, em lata, meio grosso e vinagrinbo.
no deposito cargo de Joo Francisco da
Silva Novaes. na do Vigario n. 11. Faz-se
vantagens a quem comprar porcao, e troca-
se o rap que nao sahir ao agrado dos con-
sumidores.
Exisie fgido, desda o dia 1 deste uez, es-
crava do nome oinittgas, cor cabra, com nma ci
ratrii no peto do p es inefdo, proveniente dfo-
Si), representa ter de idade :)0 a 35 annos, l'ill
r sertao Rio do Peixe, levou no carpo um ve-tioi
ciiE de-rosa e chaile roxo : quein a pesar levo-a
rua do Ftangcl n. 9, qu Faz um-moz vieira, frepuezia da Gloria do Goit, tim escravo fc
D Thereza Francisca dos Santrs PinMr-, o
nome Vicente, crine lo. do idade! aWKB, pone
mais ou menos, estatura regular, cor i'iv'a. ou fe^
por estar una puco deecorado, muito ladim < \P
marcas de bexigas no reato, bastante barbad- .
pequeas as barbas, me
sipoadas mais para um dos lados. ;"-sfc
ferida na perna, que taire* j e-
ralta: quem o appr
engenjio, que sei
*l


.
-
I III II

~
m
k
T*


s
Diario de Pernaubuco Tw;a feira 19 de Janeiro de ltt)9.
11
UTTERATRA.

Areebispado da Bnhla
r -'.TV PASTORAL W) BXM. V. REVM. AlHiEBISPO
a\DE DK S. SALV VDOB
Vawoe/ Joaquim da SUceira. por mtrc
de fieus, t da Santa S ipititolka, Air-
.b'ispo da ilahia. Metropolitano e Primaz
9o Hrasi. Conde de Seo Saltador, do
titmseUa de Sua Mammtade Imperad,-.
'fkmtmHiador dfl Urdem Clnisto, k.
A' gre da Babia grafca e paz da parte
lie9 Padre c da de Nosse. Seubor Jess
: ito.
i
(Cuiitajuarao)
O ii'jum da quaresma '' 1""'liiu PrePa;
t rmos Dar a elebraco da pasehoa. o
isto que os apostlos, animados do es-
pirito do Deas, estabetcernni na igreja um
t 'rapo de penitencia para dspr os Chris-
t.os celebrar rom alegra a resurreico
Jess Christo, porque para resuscitar
i mi Jess Clnisto, necessario estar uni-
: a sua rruz.e nao ha esperanca de pac-
i -Ipar da gloria de Jess Clnisto seuao
i, nulo se fem participado de suas dores.
Este jejum 13o aatigo comoo Christia-
i aio, e cutre as leis eclesisticas por cer-
que BB nao coiihece nenhuma neui mais
. o.ta, nem mais respeitavel tanto pela sua
iguidade, e aaiversahdade, como fifelo
seupreco, e valor, e polas bas espirituaes
ouc ella nos haz. Forara a irrtemperaiica,
0 orgulho, e a desobediencia, que precpi-
'im nossos primeiros pas e toda sua
Bridado a abysmo du peccado, causa
i -tal do sem numero de males, sob os
es gememos. Jess Clnisto, verdadei-
Deus, o verdadero Hornera, por seus
. ritos, e soffiSmeios satisfez superabun-
(..mtemenle seu eterno pai por todos nos,
.'verdade, mas tamben nocessario, para
- i applicado o fructo de suas sa-
' !..;Vs ciii repararlo do nossos crimes.
<,ue faeaiBOS penitencia por elles, e que tor-
i a do-nos copias vivas do seu procedimen-
., eondemnoraos os nossos coi pos algo
i mortificaco em pena de nossos delic-
. s, e porque o peccado.no sentir de santo
Agostinho, ou ha de ser punido neste mun-
:, ou no outro, indispensavel, que pro-
curamos satisfazer a Justina divina fazendo
nos fraclos de penitencia e mortificando
. nossa carne, e a peniti'iicia sem o jejum
fructuosa, diz O grande Sao Basilio.
sim, que a abstinencia urna guerra fei-
i i a todos os vicios, ella tempera I sede da
reza, sustm os mpetus da ambico, e
prime os nutrimentos da concupiscencia;
para que o jejum seja perfeito, e pro-
a OS 3803 cffeilus nao basta, que nos abs-
' hamos do uso de alguns aumentos, pre-
50 abafar todos os desejos carnaes.de ou-
ico modo de que serve soffrer os incommo
da fome, se nao se renuncia s afeices
negradas: moi lilicar-se recusando-se o
ssario, se se contina abandonar-se
i peccado; nao poupar o corpo, se se per-
era nos hbitos, que se lornam mais cri-
' uosos que os proprios excessos da molle-
V' Jejum carnal, mas nao jejum espiri-
: itual. Que proveito vea alma, se ella
conserva o seu imperio sobre o corpo, e o
: ule sobre si mesma, seuhora no exterior
e escrava no interior ?
A ol rigacSo do jejum. e da penitencia
imposta todos, porque todos somos mais
> u menos peccadores, e ninguem ha, que
seja absolutamente innocente. 15 pois que
vamos comecar esta quarentena mysteriosa
consagrada saudaveis jejuns, sejamos
sollicitos, (ilhos dilectos, em obedecer ao
1 iceito do apostlo purificando nossas almas
ossos i ulpo.- de loda a iniquidade, e je-
::ando tacamos os rnaiores esforfos para
que os nossos costumes correspondan!
meza, que exige urna perfeita continencia.
rtos de que o merecimeuto do jejum nao
'.insiste s na abstinencia dos alimentos,
e em vio se recusar ao corpo urna parte
de sua uitricao, senao se purificar o corceo
je toda a iniquidade, c justamente seremos
argidos, e nos servir de condemnaco,
e entretanto que jejuamos, nossos costu-
nao correspondem pureza, que exige
na perfeita abstinencia.
Nos primeiros seculos do christianismo,
indo os liis eram mais fervorosos, o
: jurn da quaresma se observara com o
aior rigor; os christos se abstinham de
carnes, de leite, de ovos, e de vinho, e nao
imavam no lia seaao una refeii;o ao pin-
d sol; e na igreja do Oriente era ainda
ior o rigor; durante a quaresma nao se
Toaiava outro alimento, que nao fosse pao,
iroctas seccas, (! legumes, e nao se bebia
senao agua: c nao ficava na observancia do
; jum, e na abstinencia das carnes, o cum-
plimento dos preceitos quaresmaes, ia-se
lais longe; o povo se abstinha dos jogos e
dos divertimentos, parava mesmo o estre-
pito de foro, e at estavam suspensos os
< asamentos.
Mas i\ igreja como urna mi desvelada, e
FOLHETIM
liTHlKni
pon
Jule.s Sandeau
VIH
Das fellzes.
(Continaaco don." 12)
So o k'itnr me perguntar como que
icofllecen amarem-se estes dous jovens,
-efguutarei eu como seria possivel succe-
j;,,r o contrario.
Na situaco em que Rogerio se achava,
solitario, meditabundo, aborrecido, ator-
nentado pela forca da vida, nao sabendo
que fazer da actividade da alma e na li-
M'idade que a ausencia de seu pai Ihe dei-
>ra, este mancebo devia necesariamente
. dotada de mediocre perfeicSo, que o acaso
iie deparasse.
Dv'.sde a sua chegada nao vira mais do
qua pastoras de gado, beldades campestres
que a mugiaacSo do here da Mancha seria
nsufiicieiite para transformar em Dulcineas;
foi n'esta conjunctura que selhedeparou a
peqaeaa fada.
Era mis do que o preciso para preoc-
cpar este espirito que buscava urna distrac-
po e par inflammar este corceo que n5o
dmbiciuriava mais do que urna cenlelha.
Qn.'.fiio ao amor da nossa pequea fada
expli naturalmente, que nos dispen-
sa d.; o demonstrar, sobre tudo conside-
Claadio era tudo quanto at alli
jiaruia tiolia visto de mais seductor.
mi ili'ixado aps bjsposo poderlSenlior as manchas de nossa alma nos Lhe
nfpr por causa* gi olTerecemos a oblacat do coracao contrieto
1 e humilhado, e celebramos em sua liorna o
sacrificio do louvor.
Sem a confissao, diz S. Bernario, o mes-
mo justo se ftz culpado de Ih^aHdao, a
leccador se condemna morte: a conlisso
piif ->..-, por sso algumas vzes dis-
pensa n bbpo toda a sua diocese fgnma
pan. |wla falta, e escassez
das comidas na .'ras. do que temos exem-
olo ffh a nn gun< pifiados recommendaveis pelo seu
lodw* em beir lirio das tohspiewlas de
.ru- iKorrsaaos, e para prevenir a trans-
|{rtSsSo da lei. Da mesma mimeif nds
lendo em 'i i xi'ii')a;'o ts licis d-sta loct'Se em
obtet- dimeiitos magro! p'rh dodroiftcom-
|Mr1r o prcelto, da abstinencia das carnes
no tduir. i'a (piaresina pela notoria es-
rass'. que ba do peixo, pelo qoe se bao
de \er natitos abrigados transgredir o
preceitu reconendo comida da cirne.
ipie rand larnbeni. que O prereito do jejnin se
pode cumplir com a alimentaco da carne.
quando para isto lia causas justas e razoa-
veis: attemlendo; que o poder nos foi dado
nao para destruir, mas para edificar, c que
devenios tora maior sollkitude em [revenir
18 Pillas, e peer idos, c osando das facilida-
des, que nos foram concedidas pello SS.
Padre Pi 1\. e que arompanharam as
bailas de nossa pomirraarn, dispensamos
benigiiamente em o Senhor aos liis de um
e outro sexo des! i uoss i dioecs > o prereito h i
abstineiiiia das -arns na quaresma (leste
anuo, com as declaracoes, e modifkas,
pie sesegueni:
I. une a dispensa de comer carne s
para > cincoqirimciros dia< de cada se-
mana, e que com a comida de carne nao se
poder misturar peixe de qualidade algu-
ma.
. IL.Oue ios dons ltimos dias de cada
semana. >to as sextas-feiras e nos sab-
bado>. se devela guardar a abstinencia da
carne: e o mesm i se obsen'arA nos primei-
ros qnatro das da quaresma. e em todos os
setedias da semana santa.
III. Oue por esta dispensa se nao deve
entender, aue fique tirana a obrigacao do
jejum, com poi varias ve/.es o tem decidi-
do a santa igreja.
IV. Que esta dispensa concedida em
favor dos moradores desta cidade. e de todo
o arcabtspado, mas somente para a ipiares-
ma do pi sent anuo : e jamis se dever
entender prorogada para os anuos futuros
sem que esipressament a concedamos.
II
l'"i por nossoamor que o Filbo de Deus
deseen tena para nos mostrar o caminho
da s.ilvacao, foi por Dosso amor, que Elle
tomn urna carne smemarite nossa. para
que d'KWe nos approximassemos sem temor,
Bjpor nos se fez homem para bus curar
das retidas que nos causavam a morte.
Elle nos convida emenda da nossa vida por
estes tenaos consoladores, que respiram a
maior binnra e am ir, -osunos nao tihn
neeessidade de medico, mas sim os enf/r-
W'K...........en nao vim chamar os jus-
tos, mas os pcccadorijp. (1) Convicto da
Bossa fraque/a, e das nossas miserias den
sua igreja o poder de perdoar os peccados:
| fallando -S. l'edro me nBu te dari a
Choce do reino dos c'vs. K tudo o que li-
gares sb'ri terret, erd Vnado tambem
itoscos; e tudo o que desatares sobre a
ierro, ser desatado tambetn nos c?'o,<. ()
B depois repele todos os apostlos a mes-
ma cousa.Km xtdade vos digo, que tudo
o me l-'/ardes sobre a Ierra, ser Ufado
tambem no ceo; e tudo o que ros desaturdes
-'./.' a trra, ser desalado tambem no
ceo. (3,1 E antes de se elevar aos eos de-
ipos d sua gloriosa resurreicao, appare-
cendo aos discpulos Ibes diz.Becebei o
Espirito Santo: aos ant perdoardis os jac-
tados si-r-llies-hao perdoados: e aos que r>s
retiverdes, ser-lltes-lulo retido. (4)
A misericordia Divina para comnosco nao
se podia manifestar de urna maneira mais
locante e mais consoladora, mas preciso
que aquelles que recebe rain de Deus o po-
der de perdoar os peccados, conhecam as
chagas do percador para Ibes saber applicar
os remedios apropriados, verificar as pravas
do airependimento, e a disposieo de satis-
fazer a Deus pelas culpas commiMtidas : e
Como aa conhecerao, se nao forem coalas-
sadaa?
Talvee vos pareca, amados fimos, que
confessar as nossas faltas um acto penoso
e talvjz um supplicio, entretanto a conlissao
di^ uostaS geecados um meio saudavel de
que Deus se serve para nos humilhar, e pelo
(pial o homem apeada humilhar-se e
tornar-se um objecto de piedade, que desar-
ma a justiea de Lieus e excita a sua miseri-
cordia. A conlissao rende Deus a home-
aageca do temor que lhe imprime a sua jus-
tica, lava as nossas faltas, purifica o pecca-
dor o aperfeicoa o justo.: confessando ao
peca
faz cutan a vida da alma criminosa e a gloria
da alma justa. Deve sabir do coracao, e nao
da boca somente, de outro modo a aecu-
sacfio de nossos peccados nulla, c niS
seguida de converslo.
No interesse de nossa salvacao a santa
ja nos tem imposto o preceito ik nos
essarmos ao menos urna vea cada anuo :
e nos, levados pelo me-mo unitivo, julg-nnos
conveniente lembrar-vos, amados filhos, a
necessidade de cumplir 0*t. -31utar pre-
ceito.
A conlissao das obras mis j um prin-
cipio de boas, e se queris arrancar de
vossos coracoes a raz dos peccados, sede
sollicitos emconfessal-os; um meio pode-
roso para nos corrigir.considerar todos os
peccados da nossa vida, repassal-os frequeu-
temente pela memoria, e os confessar.
Chegai-vos pois ao Senhor, amado* lilhos,
sem temor, com conlianca as suas miseri-
cordias, depoade a vergonha, e a tibieza, o
rinde ao tribunal da penitencia com ilor de
ter ollendido Deus, nada mais consolante
|),ua o percador, tocado de suas faltas, do
que o remedio da confisso, e purificai por
meio dell?l vossas almas das niaiichos do
peccado; somos tao alliviados do peso de
nossos peccados, confessando-os com sim-
p'icidade, com docilidade, e bia dlspos'co
de satisfazer Deus por elles, quanto os
aggravamos recusando reconhecel-os,e con-
lssal-os.
Qnando se reconhecem os peccados, ese
os confessa, d-se testemunho do que se
taier satisfazer Deus, e dissimulando-os,
me Bolles se persevera; eno somos obli-
gados a confessar os nossos peccados, por-
que Deus os ignore, mas para que nos dis-
ponamos satisfazer Deus pela confisso
que tazamos, produzir a penitencia e pela
penitencia aplacar a colera do Senhor, abran-
dar a sua justica, e obler o perdo pela
absolvicio sacramental: tanto os poccadf-
res sao rigorosos censores de seus vicios,
tanto Deus relaxa em sen favor a severi-
dade de seus julgamentos. 15. Nosso Se-
nhor Jess Clnisto mesmo. que declarou,
(jue hovera maior jubilo no eco sobre ion
iicaulor, que fizer penitencia, do que so*
bre wcenta e uore. justos, que nao tirerem
preeisaq de penitencia. (5)
III
O Verbo Divino querendo fazer-nos par-
ticipantes de sua divindade.assumioanossa
natureza, o para nossa reconciliacao olere-
ceu-se na ara da cruz como hostia seu eter-
no pai: derramen o seu sangue em preco
e lavacro, para que remidos da miseravel
servido fossemos purificados de todos os
peccados : e para que ficasse urna memo-
ria perpetua em nos de to grande benefi-
cio, deixou aos fiis o seu corpo como co-
mida, c o seu sangue como bebida parare-
cebercm debaixo das especies de pao e de
vinho.
Depois do grande milagro da multiplica-
co dos cinco paos de cevada, o dous pei-
xes, com que se refizeram perto em nume-
ro de cinco mil pessoas, (0) os que o ti-
nhara presenciado dizio, que Jess Clnisto
era o verdadero propheta, qu devia vir ao
inundo. (7) 15 viudo depois ter com Jess, o
Senhor Ibes annuncia o grande mysterio da
Eucharistia dizendo : Em rerdaile, em rer-
dade rus digo, que vos me buscis, nao poi-
que vistes os milnrjrrs, mas porque contestes
ilos pues; e ficastes furtos. Trabalhai no
pela rom ida, que perece, mas pela que du-
ra at a rida eterna, a qual o filho do ho-
mem vos dar....... En son o pao da vida:
o que wiN ni'm no ter jamis fome,....
Eu son o pao da vida. Vossos pais coiw-
ram o man no deserto, emorrenvu. Aqu
est o pao, que deseen do Co, para que lo do
o que dellr comer nao morra. Eu son o
po'tito, quedescido co. Se qualqucr ot-
merdesle pao. vivir eternamente, e o pao,
que eu darei, a minha carne, para ser a
riila dii manilo. (8)
Ouvindo isto os Judeos disputavam entre
si dizendo :\como pode, este dar-nos comer a
sua carne ? E Jess lhe disse: Em verdad'-
em verdade wsdigo:senao comerdes a car-
ne do filho do homem, e bebentes o seu suu-
(jue, nao tereis a vida em vos.O que come
a minha carne, e bebe- o mea sangue, tem a
vida eterna; e eu o ressuscitarei no ultimo dia.
"Porque a minha carne verdaderamente,
comida, e o mea sangue rerdadeiramente
bebido : o que come a minha carne, e. bebe o
men sangue, esse fica em mim, e eu nelb'.
Aqu est o pao, que dtsceu do co. Nao como
(1) S. Math. 9, 12, 13.
(i) S. Math. .Di, 19.
(3) S. Math. 18, 18.
(4) S. Joo, 20, 22, 23.
tost* mis, que comern o man, e mor-
reram. Oque come date pao ti'ir eterna-
mente.
Estas comas- disse Jess, em Ca-
niau tasiiava na Synago^ra, e m itos dos
cus foptio discpulos ouvfldo-as, disse-
ram : diyo este discurso, e quem o pode
ouvir: mas Nosso Senhor Jess Christo nao
contraria o que disse, antes deixa fjlcar tan-
to os Judeos, como os.seus discpulos, na
persuaso de que a carne o pangue) de que
lallava. era a sua verdadera carne, o sen
verdadero sangue. E nao se dcVe tomar
isto como um discurso figurado, e parabo-
lico ; porquo o Senhor pretenda abrigar os
bollicia,i conjerrealmente a sirnoirne, e
beber o seu sangue, por Ibes ser necessario
para a vida santaVdP suas almas, e para a
iTssurreico gloriosa de seus'corpas, como
diz S. Joo Chrysostomo. E todo > Gbris-1
tao, se quizei' viver a vid i dos I los de
Deus, .leve participar do Sacramiulo da
Eucharistia, porque sendo a carne de Jess
Christo verdadera comida, e o seu saugue
verdadeira bebida, no se podem n ante/ as
nossas almas sem este divino alin ento, e
bebida.
Para coiiliiimr a fe dos discpulos, que
havio ditoduro este discurso. quem o
poder ouvir--e mostrar-Ibes a si a omni-
potencia, pela qual podia fazer t( grande
milagre, os provoca Jems Christo para a sua
ascensSo ao co ;Pois que ser si vos vir-
de* subir o fko iU> homr-m, onde elbi primei-
ra estaca i (10; e ibes declara, que nao Ibes
ha de prpor para comer urna carne mora
e dilacerada, mas urna carne viva unida com
o espirito, e que por isso vivifica tambem
aos outros : e confirmando por ultimo o dis-
curso, que tinba pronunciedo, coi cine :
As palacras, que eu vos disse, sao espirito.
6 rhla. (II) '
Apezar disto mu ilos recusaram as sentir as
palavras de Jess Christo, e escan lalisados
com o sen discurso, resolvern! nao ser mais
(seus discpulos, cj noandavam cpm elle:
'mas Jess Christo posto que visst. que o
jfazio por causa do sermao, que tiiha pro-
1 (crido, e do sentido, que tinba dado as suas
'palavras, nem por isso disse.. que s pala-
vras. que tinha proferido sobre a comida
de sua carne, c bebida de seu sangue, se
deviSo entender figurada, ou metaplioriea-
mente, ou mera e espirituahnente da f em
Christo, mas exigindo nina humilde e firme
fe s palavras, que baria proferido,! diz aos
iloze discpulos.Tambem vos qu iris re-
lirur-vos ? Erespondeu-lhe Simio ledro,
Senhor; para quem haremos mis de ir ? Tu
has palacras da vola eterna: e wi temos
crido, e conhecido, que tu s o Cli 'isto Ei-
Iho de Deus. (12)
O que Jasus Clnisto promelteu, )cla sua
infinita caridade para com os homns. liel-
; mente cumprio, e na ultima cea, qucmdo ce-
[ lebrada a paschoa com seus discpulos tinba
! de partir (leste mundo para o eterno pai
instituio o Sicram.'nto di Eucharistia, como
jum memorial perenne da sua paixio, imple-
! livo das velhas figuras, o maior de tpdos os
milagros, e o deixou como urna singular
eniisolacao aos filhos, e penhor da futura
glBria.
Eis aqui como S. Malheos narra esta ins-
tituicao.Estando elles porem ceando, toe
mou Jess o pao, e o benzen, e parti, -
den ses discpulos, e disse : tomni, e co-
mei: este o meu corpo. E lomando o ralis
I den grucas, e lites elen dizendo: bfiei dellr
todos. Porque este o meujangue de Soco
Testamento, que ser derramado por mui-
\tos para remisso dos peccados. (l'i)
yuasi por iguaes palavras refere S. Mar-
cos a mesma instituirn. (14) S. Lucas po-
mo mencionou com a instiluicao da Kueha-
risliao preceito de Christo de ser celebrada
i perpetuamente.E depois de tomar o pao,
leu gravas, e parti, e Ibes dea dizendo:
| Este o meu corpo que d por vos; fa:ei
listo em memoria ile mi ni. Tomiu tambem
da mesma sorte o calis, depois de lear.di-
ZOido: Este calis o oco Testamento em
mea sangue, que ser derrumudo por
ros. l)
Semelhanlemenle Sao Paulo narra a ins-
lituicaoda Eucharistia, a qual soube por
divina relacao, dizendo : Porque cu recebi
| do Senhor, o que tambem ensiiwi ros, que
\ o Senhor Jess na noile. em que foi entregue,
i tomn o pao, e dando graca.s o parti, e
: disse : recebei, e comei. ste c o m-'ii eor-
po, quesera entregue por amor de vos: fu-
i zei isto em memoria de mim. Por seme-
ntante modo depois de hacer ceado, tomn
i tambem o calis, dizendo : Este ralis o No-
tw Testamento no meu saugue; fazei isto
> em memoria de mim, todas as vezes que o
Menles. Porque todas as vezes que comer-
des este pao, e beberdes ate ralis: annuncia-
Amanun-se. pois, sem o saberem, nem
comprehenderem. A' maneira de dous re-
gatos igualmente lmpidos e diaphanos, que
misturara as suas correales e mostrara o
mesmo leito de ciystal em que o co se
mira, estas duas creancas identificaram
pouco a pouco as suas ideas e senlimentos,
e logo as suas almas se uniram em urna
o tao pura e transparente, que no fundo se
poderia ver o amor, bello como urna pe-
rola.
Diz,ti-se-hia que Deus os creara um para
o outro e de tal modo, que ao fim de um
mezjulgavainter sido creados juntos, brin-
cando era roda do mesmo berco, sem nun-
ca se averem separado.
Sem duvida lucia alguma distancia entre
a simplicidade aldeS da pequea virgem e
a notvel elegancia do joven visconde, po-
rm Calkaiina reuna a um vivo instncto
da poesa urna natural distineco, que pro-
ceda do coracao, e era exactamente o per-
fume agreste que ella exhalava que fazia
arrebatar llogerio, ao mesmo lempo que a
joven, singla e amavel, se captivaya dos
atractivos distinctos do mancebo aristocr-
tico.
Era assim que se dava entre elles, era
grao pouco mais ou menos perfeito, o con-
traste c pontos de contacto que nulrcm a
sjmpalhiae cimentara mutua ternura: com-
pletavam-se um relo outro.
llavera nada uais sympathico c atlra-,
henle do que acs'.reia da paixao entre dous
ecracocs jovens, que estremecem ao pri-
meiro sopro do amor, como duas llores
apenas desabrochadas que. se abrem mes-
ma brisa e se deseavolvem ao mesmo raio
do sol?
i.M S. Lucas, 15, 7,
(G) S. Matth. 14, 19.20. Marc. 6. 41,42.
S. Le. 9. 16, 17. S. Joo, 0. 9, 10, II,
12. 13.
(7) S. Joo. 6. 44.
(8) S. Joo, G, 20, 27, 35, 48, 49. W.
Primeiros commocoes de almas virgi-
naes inebriamento mysterioso de ignotos
sentidos doces encantos dos primeiros
olhares prmeiras expresses da felicidade!
Nao ha sob a atmosphara suffocante das
cidades retiro to triste e sombro que nao
possa contemplar o reflexo d'estes doces
gOSOS, mas s Ibes conhecem a embriaguez
aquelles que os experimentam sob um co
vasto e puro, misturados com o sublime da
natureza e impregnados do aroma dos las-
ques. Felizes os que teem abrigado o
poema de seus amores no recinto dos val-
les Que importa que envelhecam ? Em
volta da sua fronte Inclinada divagar sem-
pre urna cohorte de doces sonhos e ainda
no declinar da vida lhe chegaro aos (-lvi-
dos as harmonas da creaco, como um
echo longiquo dos hymnos da mocidade !
Que dias to felizes!
A estaco era bella.
Ao aaiear do sol parta Rogerio a c & val-
lo e em pomas horas transpunha a distan-
cia de Bigny a S. Silvano; em quanto que
Catharina, iambem acordada desde o rom-
per da aurora, andava de continuo 4| ja-
nelladoseu quarto para a porta do pres-
byterio e por vezes chegava a r at a boira
do caminho, d*onde podia divisar Rogerio
surgindo como urna estrella ao voltar de
urna sebe. Este ia sempre acompanhado
dos seus caes, que, habituados j as caricias
de Catharina. nao deixavam nunca, ao ap-
proximarom-sc da povoacao, de tom-r a
dianteira e correr para Catharina para pu-
lare'm em roda d'ella, c lamberem-lhe os
ps e mos.
Nao saberei dizer como estes dias les
(9) S. Joo, 6, 53, 55, 55, .50, 57, 59.
(10) S. Joo 6, 03.
(11) S. Joo, 6, O.
(12) S. Joo. 6, 08, G9, 70.
(13) S. Matth. 26, 26, 27, 28.
(14) S. Marc. 14,22, 23,24,25.
(15) S. Loe. M, 19,20.
reis a morte do S>'nhar, at que elle
nha. (16) l i 'a ,
A vista de pro1 de iipianan
modo se podo dnvidar, fie a fiu^iariitia foi
instituida por Nosso Senhor Jess Christo, e
precaituada para se celffrrar at cjasataa*
iao dos seculos.
0< Apostlos exacto?nnnpiidoivs do pre-
ceito de Jess Christo celebravam a Eucha-
ristia, e a distribuida, Nos actos dos Vpos-
tolos se diz do-, primeiros liis: /' ell-s
prese veravam m dnitrina dos auostohs. e
nacommnnica&o ddfrarcao J p% & uot
ornen,:, i;, sj i Paulo d mu claro |StB-
miiiiho da eel^bco, e reoebiiHeut' di
Kuclnristia ffizendo : Por ventura n ralis ,1-
heiiei,,. que nos benzemjs, nao a romhui-
nho do Sangue de Christo r1 e o p'i-> que
partimos, nao ia puiticip^f* do corpodo
Senhor:' ilK K esta mesma coniiniinhao. e
parlicipac.o ello aprsenla como um gran-
de motivo da caridade fraterna, nesles ter-
mos : porque mis todas somos um pao. e
um MPpo, nos todos, que partieiinm ,s de
um mesmo pao, (1!))
Admoestando os liis, que eximin-m a
sua consciencia, e procurem purilir uein-se
dos peccados, para qtw possam receber a
Eucharistia dignamenie, assim diz: Por
tanto, todo aquelle ipie coiifr este pao. ou
beber o rnli.v do Senhor indigna ovale : ser
reo do corpo, i to sangue. do Senhor. E.ni-
mine-se pois a si mesmo o homem: e assim
comadesie,a:)t i> beba desle caiix. Poique
todo uqnelln, que o rom", e bebe indigno te, com, e bebe para si a condennaeao, udo
discernindo o corpo do Senbor. (Q)
E isto prova, que os apostlos e\ccuta-
rain. o que Jess Christo Ibes ordenou,
qnando na ultima cea instiluindo a Einiia-
ristia Ibes disse, fazei isto em memoria d
mim : cousagraran a Euchaiista sobas es-
pecies de pi o de vinho, ea distribuirn! aos
liis :e considerada, e acreditada oomp u.n
Sacramento da nova lei os bispos, e os sa-
cerdotes a tem continuado consagrar e des-
tribuir ebedaoeadoao preceito de temtt
Christo.
Mas como pode o, que pao ser corpo
de Chrislo ? Pela consagraco. De quem
sao as palavras da consagraco".' De Nosso
Senhor Jess Christo : a paiavra de Clnis-
to faz este sacramento, essa mesma paia-
vra, pela qual todas as cousas foram feitas.
E pois que Nosso Senhor Jess Christo pro
nuneiou, e disse sobre o paoEste i o mea
corpa, quem se atrever duvidar mais
E havendo asseverado e dito sobre o vinho,
Este o meu sangue, alguem jamis se
animar dizer, que nao o sangue de
Christo ? O Senhor disse. Este ( o mea
crpoEsteo meu sangue, acreditamos ;
e vejamos a Jess Christo na Eucharistia
con os ornas do eaJeadimente : preste a
f supplemento ao deleito dos sentidos.
Tendes visto, amados filhos, que Jess
Christo disse, que se nao comessemos a sua
carne, e bebessemos o seu sangue, nao te-
riamos a vida em nos : nada deve o ebria-
to temer mais do que separar-se do cor-
po de Christo, se se separa nao membro
do mesmo, se nao alumbro do mesmo,
nao tem o seu espirito e quem nao tem o
espirito de Christo, noperlenco a Senhor,
diz o apostlo. Por esta razao a santa
igreja, solicita pela nossa salvacao. desejan-
do, que nao nos separemos jamis do cor-
po de Christo, e tenhamos sempre o seu es-
pirito, e perniauecamos no Senhor, nos
tem imposto o preceito de recebar o corpo
de Nosso Senhor Jess Christo pela pas-
choa da ressurreico. ao menos.
('.lleguemos pois com fervor mesa celes-
te abrazados no amor de Deus, e com urna
consciencia pura, aliiudeque nos nao taca-
mos reos do corpo e sangue de Christo, re-
cebendo-o com a alma manchada : cogitemos
de que honra estamos realcados, de que
mesa gozamos. Os anjos nao se, atreven
encarar to grande Sacramento, e nos 0
recebemos em nossos paitos, nos unimos
Jess Christo, e com elle lazamos um so
corpo, e una carne.
E o que que pode haver de mais pre-
cioso e admiravel, do que este salutfero
banquete, em o qual se nos offerece para
receber Jess Christo Deus verdadeiro .' O
que ha de mais maravilhoso do que BSte
Santissimo Sacrameuto da Eucharislia, em o
qual est verdadeira, real e substancialmen-
te o Corpo e o Sangue, juntamente, com a
Alma e Divindade de Nosso Seuhor Jess
Christo, e se faz conversan de toda a subs-
tancia do pao no seu Corpo, e loda a subs-
tancia do vinho no seu precioso Sangue ?
Nenbum mais saudavel do que Elle, pelo
qual se purgam os peccados, augmeutam-se
as virtudes, e a alma saciada da abundan-
cia de todas as gracas espirituaes.
Ninguem pode exprimir a suavidade deste
pareciam curtos ; dire como se passaram
alguns e outros ainda mais velozes.
Pouco tempo depois da festa de S. Sil-
vano, Rogerio nao apparecera seno duas
vezes ainda no presbyterio.
N'ura domingo, ao sabir da mis-sa, no
momento em que Claudio, todo orgulhoso
com osea feto novo, arrancado avareza
do pai Noirel, se approximava de Cathari-
na para a acompanhar ao presbyterio, o
joven visconde, que tambem acabava de as-
sstir ao officio divino, apressou-se em of-
ferecer o braco pequea virgem, que o
aeccitou, fazendo-se corada.
Ao atravessarem o adro, juntaram-se a
um grupo de raparigas e rapazes reunidos
em volta de um bufarinheiro, que insdlra
ao ar livre o seu fardo de livros, rosarios e
estampas coloridas.
Rogerio, depois de haver comprado e
distribuido graciosamente pelos circumstan-
tes, maravilhadosda sua liberalidad;, bom
numero de rosarios e estampas, poz-se a
folhear cora Catharina os thesouros disper-
sos da bibliotheca ambulante. Entre outras
obras primorosas via-se all: Vctor ou o
menino da selva, Aleixo ou o casal das flo-
restas. Cartuche e Mandrino, Rinaldo Rinal-
dini. Os amores de lord Byron e Aventuras
galantes da familia Bonaparte. Almj d'isso
pacidas flores desbotadas polos smnos:
Estrella c Nemorino, a Pastora dos Alpes,
Os Incas e Goncalo de Cordova.
Devo confessar que os nossos hroe e
herona eram completamente estranhos a
toda a especie de litteratura. A iiistruc-
co de Rogerio fra descurada: as hituras
de Catharina tinham, at ento, consistido
em livros religiosos. Comtudo, para as
(16) 1.- aos Corinthios, 21, 23,24, 23,
26.
(17) Act. 2, 42.
(18) 1.- aos Corinthios, 10, 16.
(19) 1. aos Corinthios, 10. 17.
(20) i. aos Corinthios, 11,27, 28, 29.
Sacramento, pelo qual em sua fonte se pro-
va a docon isainial e se lecbfa a me-
moria dainiflb ardente caridade, iue na sua
Paiio mostrou jpjtis Christo pora comnosco
biiinilbando-sc a si mesmo, feito obediente
al i morte, e -morte de oraz, para aos re-
iair e salvar.
rv
Em a nossa pasto*! de 1 de julho de 1862
nos excitamos o /"Ind'isreverendissimos pa-
racbos^BOssos coopecaltepes, sobre a prega-
clo d i evangellio e o ensino da doutriua
liirieiSa : a obrigicao, e a f se espaihou na (errapela
(iregariO, e pela pregaco quer Ieus. que
nollo se conserve : e se por falta do cura-
prini' nto deste dever se perde algum pecca-
dor, que alias se nao perdera, se a paiavra
de Dens Ibes fosse annunciada, o Senhor
tomar confas de sua alma ao pastor, que
Iba podia ter annunciado, e desviado do
caminho da perdico: e as circumstancia-
nos obrigam continuar excitar o seu zeln
neste inqiortantissimo ponto.
A igreja tem sempre insistido sobre a ins-
truccao religiosa, e preciso, que os reve-
rendissimos parochos a nao abandonem, e
que sejam solicitos em fazer o cathecismo
aos meninos, e ensinar a doutrina christaa
s pessoas rudes e ignorante^, (|ue necessi-
tareni de a saber, como determina o santo
concilio tridendino ; (21) constituindo os
meemos urna parte consideravel do rebanho,
e sendo por sua natureza a mais innocente,
e mais dcil, deve por isso mesrao merecer
do pastor urna mais disvellada solicilude, e
nos nao podemos deixar de renovar aos re-
verendissimos parochos as exhortacoes que
Ibes temos feito de ser diligentes era cum-
plir este importante dever de fazer o cathe-
cismo em suas parolinas todos os domingos
e dias^antos. e tambem em alguns dias de
snico no tempo da quaresma, e de ensi-
nar a doutrina christaa s pessoas radas c ig-
norante-;, bein como de pregir a paiavra de
Deus, mesmo por bem de sua propria sal-
vacao, alm da de todo o rebanho, (pie de-
vein |irocurar com o maior empenho, atten-
dendo, que foi pan este fim, que foram im-
tituidos e propostos em suas igrejas paro-
cbiaes.
A[enas chegou ao nosso conhecimento,
que Basta cidade se andavam vendendo Ri-
blias falsas, e livriuhos contra a religio, e
ainda antes de publicar a nossa pastoral
de 29 de setembro de 18G2 premunindo
os nossos diocesanos contra as mutilacoes,
e adultcracoes da Biblia tradnzida em por-
luiiiez pelo padre Joo Ferreira A. d'AI-
meida, e impressa era Nova-York, contra
os folhetos, e lvrinbos contrarios reli-
gio catholica, e contra alguns erros, que
se tem publicado no paiz, nos dirigimos
aos Rms. parochos recommeudando-lhes.
que estaco da raissa conventual aconse-
lliassem aos fiis, que cstivessem de so-
breaviso contra os erros, que contm as
Biblias mutiladas, e adulteradas, e mais li-
vros, que os inimigos da religio catholica
nao cessam de espalhar com o fim de n-
duzir os incautos seguir as suas falsas
doutrinas, ou de pelo menos instillar-lhes
no animo a duvida. que em materias de
f se approxima da heresia, o que para os
inimigos do catholicismo j_ urna grande
vantagem, e se abstivessem por bem da sua
salvacao de possuir e de ler essas Biblias,
e csses livros, em que os erros se eusinuaro
de um modo sublil de mistura com a pro-
pria verdade.
Por materia de razan boje que aoves li-
vros, e folhetos contra a religio se publi-
can!, jalgamos do nosso rigoroso dever.
ainados cooperadores, excitar o vosso zelo
e ecoinmendar-vos, (pie nao deixeis de
prevenir os vossos parochianos. contra esses
livros, e folhetos contrarios nossa Beata
religio.
Em Pernambuco foi publicada emoanno
passado una brochura com o seguinic ti-
tulo.- -As Biblias falsificadas, ou duas res-
postas ao Sr. conego Joaquira Pinto de
Campos pelo Cbristo Velho; e posterior-
mente um folhetn sob o ttuloo Deus
dos Judeos, e o Deus dos Christos, peto
mesmo denominado Cbristo Velho, e quer
a brochura, quer o folbeto esto meadas
de erros contra a f catholica j condem-
nados pela santa igreja : os fiis devem ter
disto conliecimento, amados cooperadores,
e vos os deveis instruir rospeito, para"
(pie se abstenhan de po-air. e de ler essas
obras impias, e herticas.
O Rvd. monsenhor Joaquira Pinto de
Campos acaba de dar urna completa res-
posta esse folbeto em um livro impresso
em Pernambuco com o tituloPolmica
Religiosa, refutaeo ao impo opsculo, que
tem por tituloo Deus dos Judeus, e o
Deus dos Christos, sobre o pseudnimo
de Cbristo Velhofazendo assim um gran-
de servico religio e nos recommenda-
mos aos nossos diocesanos a leitura deste
livro.
(Coulinar-se-ha.)
(21) Sess. 24 de Reform. Cap. 4.
natureza s afiladas e linas, posto que pouco
versadas as letras, os livros teem um attra-
tivoque prende ao folhear de qualquer pa-
gina. Assim, a sobriaba de Francisco Paty
acabara de folhear successivaintiite urna
duziadelles, qnando de repente fieou como
suspensa ao ler alguns periodos de um
livro que lhe veio s mos.
0 que est lendo, que tanto a preoeca
pa ?perguntou Rogerio.
O livro que a pequea virgem buha na
mo, impresso em papel de embrulho e com
algumas gravuras pouco ntidas, mas que
tinham a vantagem, com relae3o a certas edi-
fea Ilustradas, do exprimirem um sent*
ment singelo e franco; o livro, repito, que
assimabsorviao espirito da linda joven de-
nqminava-se simplesmente Paulo e Virginia.
Adoravel poema! encanto de todas as
idades* I
Catharina deparou, ao abrir o livros com
um ponto em quo os dous bellos jovens vao
pedir perdo para o pobre esenavo que se
evadir de casa do seu senhor, e desde as
prmeiras linhas dessa commovente passa-
gem.-que ella lia sob o sol ardente de junho.
sentia-se, como por encanto, a arripiar-se
do fri.
-*- Oh !exclampu por fimquem m:
dera possuir este livro f
-T- Est dito Ireplicn Rogerio Vou
(ompra-Io e le-lo-hemos juntos.
Depois, tend, visto na collecco de es-
tampas urna imigem de S. Claudio, fez
presente d'ella ao joven Noirel, que se con-
iiervava de p5, exttico, junto de Catha-
rina.
OiTercco-lhe istodisse elle com a
mesma intenso obsequiosa com quo um
dia me ensinou o caminho de S. Silvano t
Era a primeira vez que llogerio fazia al-
luso quelle pequeo episodio.
Claudio fez-se vermelho e ficou de que-
j xo cabido com os olhos pregados na ima-
gem que machinalniente recebera da mo
de Rogerio
E' celebre t disse Catharina Pa-
rece-se comtigo t
Dizento isto, ella c Rogerio deram urna
gargaihada, e dirigiram-se ambos ao pres-
bvieiio, a pequea fada pelo braco do joven
visconde de Sougcres com o seu Kvro no
bolso do avental, em quanto o desgracio
Claudio os seguia, levando na mo, com ar
embacado, o santo do seu nomo.
Como se dissera, o temo livro foi lido
em commura, isto pelo visconde, ao pas-
so (pie Catharina bordava e Martha fia va ne
roca. Quanto ao bom parocho, oadaveraa
do seu ministerio nao ihe davam tamae
para se entreter com infortunios impro\.
sados.
Estas leiluras ora se faziara na sala do
presbyterio, ora sombrados caslaimeiios
do terrass. Lancemos a vista para aquel-
lo quadro intimo : Rogerio lendo, Catharina
a coser, Martha fazendo girar o seu fu
os caes de caca deitados, com a cabera ew
tre as mos, aos ps da pequea fada, que
de longo em longe suspende otrabalho paro
os acariciar; Claudio, finalmente, que con-
seguir Iludir a vigilancia de seu pai e
capar-se da aula, entrando em bieos dos
ps e indo assentar-se atraz da linda coa*
tureira.
(Continursela.)
T1T. l>0 DIAJUO-Ma DAS CRVXfii *. U
II
Ljyrarj


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHJ1SKCGY_HNRW6I INGEST_TIME 2013-09-14T04:04:50Z PACKAGE AA00011611_11745
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES