Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11744


This item is only available as the following downloads:


Full Text

-*!
ema
' NlllfH
ANNO XLV. NUMERO 12. .casi

A'
P4B4 A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA POHTE.

Por tivs raeajs amaniati
Por seis tutos dem.
Por un auno dem.
Cada numero avulso
u-;.
0AO0O
120000
245000
DE
'< SEGUNDA FEIRA 18 DE JANEIRO DE 1869.
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados.
Por seis ditos idgio-
Por novo ditos mm .
Por um a: ino.....
<;S750
istfuo
20*250
27j00
RMMBUCO.
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Pilhos.
*
---------------
i.
A AcnBOTBft:
Os Sis. Gr-ranl Antonio Alvos & Filhos. no Para; lonralves Pinto, no Manon!
Guimaiao.- Pancada, cm Mamanpnapo; Antonio Alejandrino
eni Nazareth; Francino Ti
i.: Joaqaim Jos de Oliveira, no Oar ; Antonio debemos Braga, no Arwaf.v: Joiio Mara Julio Chaves, no Assfi: Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joa*juiin
de Lima, na Parahyba: Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha: IMinnino dos Santos Buli'i, em Santo Ant3o; Domingos Jos da Costa Braga,
avaies da Costa, em Aapas; Dr. Jos Mailins Af, na Baliia; e Jos Bibero Gasparinho, no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Governo da provincia.
K\r-ui>ir\Ti; a-sii.nao pelo e\m. sn. conde de bak-
|>EN0Y, l'HKSIDESTE D\ l'ROVINCJA, UM II DE J.OCKi-
a de IWi'J.
3.* seccSo.
N. 297.aMtaria ao Inspector da thesouraria do
fazcnda.Anuuindo aoque soKritoii o engenheiro
ncaregado das obras militaras, cm ouVio de 8 do
corrate, recomiuendo a V. S., que cm visia da
conta junta cm duplcala, inandc auar a .Manoel
Antonio Teixeira, aquantia do 2:0813000 :i que tom
dircito. por haver exceutado as obras do aeeraeiino.
coberta. travojanienlo c soalho do primeiro arma-
zem do almoxarifado do arsenal de guerra, pois
que essa despea acha-se anterisada pelo aviso de
ministerio da guerra, de lode outubro ultiiuo.
N. 2V&-Dila ao mesmo.Tendo nesta data au-
torhadu oeonselho de compras do arsenal de guer-
ra, a promover a compra dos olijoetos matantes
dos pedidos sob ns. 1 c 2. juntos por copia, assiin o
eouttnunieo a V. S. para sen conhocimeido.
pj. 399.Dila ao mesmo.Doelaraudo o presi-
dente da provincia das Alagos, em data de 2 do
cmate, bnvar expelido ordem para que pelas
rendas d.iipiella provincia, recolhidas a cssa me-
sonraria, toja paga a Jos Francisco Pires, a qnan-
tia de 200*000. preco porque venden urna baudei-
ra de seda estampada, ao eiinsolho do compras do
arsenal de guerra, para o eorpo da polieia d all: e
que quanlo as de lilelli', tambera requisiladas por
seu antecessor, pnrhao haver oredilo neui autori-
sacao para o sen pagamento, olliciara ao ministerio
da'gucira. para as mandar dar em car^' ao mes-
me arsenal, ou resolver como julgar mais conve-
niente: assiin 0 commnnico a V. S. para sen co-
horimciit e lins convenientes.
N. :W0- -Dita ao mesino.l)e coufornudade com
o aviso da repartirn da agricultura, commcrcio c
...i.aspaliiieas. de 31 de outubro uhimo. inciuso
por copia, faca V. S. aununciar a venda dos lotes
de tenas devolutas situadas em Atia-l'iela. qne
prelendein por compra Miguel Archaiijo da Costa,
Joo Jos dos Santos, Joaquim Ribeteo dos Santos
e Joao Pereira Adriiio: mencionados na infcnjeasao
do engenbeiro Luiz Jos da Silva, de 30 de desem-
bro prximo lindo, tambora junto por copia.
N. 301. Dita ao mesmo.Nos termos de ana in-
l'orinaeao n. (i de 5 do correntc. e de conformidade
com o desposto noart. 13 do regiilamento de II de
fevereiro ile 1803, promova V. s. ;i compra dos mil
alqueires deferala de mandioca emoOO saceos, e
dos mais objoetos solicitados polo eonselho eeono-
mico do mesmo presidio, nos inclusos pedidos por
copia, aflmde screm para alli remettidos. corlo de
3uc nesta data recominendo ao respectivo oomman-
ante, que dora em diante, e em casos idnticos,
sejam toes requsicoes acoinpanhadas de um mappa
dos objoetos da mesma natureza. ultimamonte for-
necidos com doclaracio da poca do l'onicciment' i.
quantidade eonMiinid'a. 8 n nuinoro o estado dos |
que anda existirein.
5,', :to.Dita ao inspector dathesoorara provin-
cial. Inleirado de quauto V. S. expoz cm sea offi-
cio de 28 do dezembro ultimo, n. 8J3, lenho dlier
em respecta, que, em vista do novo certifleado, que
incluso remeti passado pela reparti^m das obras
publicas, em substitnicao ao que veio annexo ao
raquerimenlo.qae aeompanhqa ao sen citado officio
e do que a este rospeito informou o chele daquolla
reparticao, no officio junto por copla, datado de 9 do
expediente assionauo pelo sr. db. JOAQUM OSOTS*
DE AKAllo, SKCHETAHIU DO OVEHXO, EM ti DK JA-
MEIItO DE t8tiV. ,
i' seccao.
X. 311. Oflieiu ao engenMiro enearregado das
ol)ras militares.S. Exe. p Sr. presidente da pro-
vincia, respondendo ao ollicio de '". S. de 8 do
correnle, manda declarar que a lliesoiiraria de
fazcnd.i iein ordeni para |>ugar a Manoel Antonio
IVixeira a quau.lia de ?:08i. conslaiile de mu
citauo otlicio.
2" seccao.
N. 312. Ulleio ao delegado encarregado do m-
ediente da reparticao da polica.- De ordeiu do
Exin. Sr. presidente, da provincia transmiti a V.
S. os tilulos juntos de no|neaeao do 2o. 3". i, o" e
^
ras da niute os sens cornnxxlos para so embarcar nestas fi
em um dos vapores que a cotnpanbia IWnambn- aliam
cana poz a sua dWosjeao, D scguindO logo depois
emdireccao ao S. Francisco, para dalli subir at
Piranhas*tocando cm todos os pontos notareis da
provincia.
Acompanliaram S. Exc. os Sis. engenheiro C.
Moruay, o aldanle de ordens de S. Exc, o com-
mada'nio fin cmiio provisorio, o promotor do l'o-
nodo. do Pao de Assucar, ambos deputadOS nro-
vinei:ies. o eomnieiidador Sobral. O Dr Magalliae-
Bastos e muitos outros cavaHielros distinetos.
O mar eslava chao i) sondo a mar tardo. M a
navegacao dirigida de modo a estar sobre a Barra
a boras do entrar.
Ao amanhecer do dia 3 avis!ou-se um outro va-
simas margen" .ornas quao.-em ludo! correndo a groja, o visitando ludo o qj. ta do
s falta gente,
nao haveiuos nos estender mo ami-
gas a Bperubuudaueia de Alk'iuacs, lu^kes,
l'ranci:e^JtaliaiKis *tc. etc. qui- lano desijariam
aelir ei^jqiK' trabalb:u'. o que voitaedo embora
(tara a patria na-1 o fan;.ni sem doixar entre nos a
srioncjMpartcs, a industria, do que- lauto carece
ti" suppleules'do subdeleglo da freguezia do Pero por |M*la popa.
da Panella. de confonnidade com a proposta de V. Breve so verilleon ser o Giqkid da mesma com-
S. em ollicio n. ig.022, de t do mez lindo. panliia em que era esperado o son gerenio. e que
X. 313. -Dito ao eoimnandante superior interino viudo reunir-so a S. Exc. pretenda fazer voltat
da comarca lo Lmiwiro.S, Exc. o Sr. presidente ; um a conijilelar a viagem do contrato, deixa
da provincia, manda declarar a V. S. em resposla 0 outro as ordens do S.Exc.
o son ollicio do ."j do correnle, q;e a lliesouraria
provincial tem ordem p; ra pnr ao negociante
Jos Fcrroia da Cunlia os vonciiiientos constantes
do prct, X. 314.Dito ao momo Exm. Sr. presidente
da provincia manda acensar o recebimento do offi-
cio de V. S. de 21 de de?embro ultimo, em qne
communica ter nessa data passadp o coininando
superior da guarda naeknal desse inunicipio ao
respectivo chele de estado-maior.
X. 313.Dito ao teuente-coronel ebefe de esta-
do-maior do Dommando superior do Llinoeiro. n
Exm. Sr. presidenli.- da provincia manda acensar
o recebimento do officio le Y. S. de 24 de dezem-
bro ultimo, cm que comnuinica ter assumido o
ivinmando superior da guarda nacional desse mu-
nicipio no impedimento do elTectivo coiiimandantc,
que se aclia docnle.
3.a seccao.
X. 31'!.Oflicio'ao inspector da thesourcria de
fazemla. Exm. Sr. presidente da piiiviucia man-
da declarar a V. S., que a t do crtenle, reassu-
mio oi'xercicio de seu cargo o promotor publico da
comarca de Caruar o bacharel Manoel Jos l-'er-
reira Estoves Jnior.
X. 317. Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda transmittir a V. S. as
cinco inclusas ordana, sendo tres do tbesonre na-
cional sob ns. 238. 239 e 240 8 duas cm duplcala
expedidas pea reparticao do ajudanle-general sob
ns. to.'! e 6W, bem como um ollicio da directoria
de rendas publicas datado de 30 de dozembre
ultimo.
ia sicao.
X. 318-Ollicio ao desembargador pwvedor da
Sania Casa da Misericordia.O Exm. Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. Exc. que
idos Por.ftio nao haveuio; nos de ajndar aipiet-
lesd'entrenosque seavantajarem em eonhoci-
mentos, em energa o aetividade. premiando-os
|or um lado, e eslimulaiido os que n*i'> forem do-
tados de igual qnaiidadc 1
Porque nao Imvcmos m* dexar os ontras fate-
ri'in aquillo que n> iko podemos fazer. ou porque
nao sabemos, ou porque nao
fazer?
Para qae bavemos nos de deprimir tinlo-o qne
os outros faacni se por ventura nos nao podemos
era imita los ?
Por tal sirte tanto tem a poltica abastardado lu-
do, qne nada do pie os nossos adversario fazem
presta, ao passo que tildo que os nossos amitos
praticam boni, sublime !
Deixamos l>iassubuss que o primoiro jiwAa-
do a esquerda. para rontinuar navegando rio ci-
ma at que tendo passado por alguns eiigenltos
choginos ao escalvado serrote do Aneare a s-
querdad'onde se avista a direita una :i cidaito [do
Pendo licando-Hi.- a quem do outro lado Vil>;i-
Xova, c em seguida o Carrapieho
notavci.
urna aldeta riebre pela indusiria da lonra
ile barril, e algimnas fabrica" do nabo.
Aso o :i suspendemos, as 5 e32 pa^savamos
por Tobins. e s B o 3 l'undeavnimn em S. lira/..
qui S. Exc. dosvmbarrandi> logo, pude ver as
duas grojas que Jia-, estando com o Uvd. padre
.luso Hapliael eominumi se demorn. |ssando de-
pois bordo, onde foi agradavelmoiito nurprcn lido
|M>r imi baile, que de inqimvi"n se arrarnou. ere-
mos ipie devido ao prwtfgio do que gos o rom-
iii'-eilaaor Sobral, natura do Penedo, que. como ja
dlssomos, acomp,iiiha\- S. Exc.
Parecer iucrvel que aii se rcunissom 6. se-
tenios forra para o I nlwir.is.
Xo da seguinte ("ii s & horas da manhaa. eata<
vaiiK>s de viagem, s (5 o
pola l,ai;oa-coiiiprida. as
guarda nacional. Pedro*i>riindino Barbwa da Sil-
va, que transfera sua morada para v muniripo la
Escada.
THEPE DK POLICADp voHa da coman *
Xazarolb. roasstmito o exerrMo deaw carfo.
da 15, o Sr. Dr. Krancisco de ?aria l..-i*~
PERIMEXTO E .MOHTBSegundo coramunic*
co do delegado do polica do termo de Ingazeira.
as 9 horas da noito d<- 12 do passado, fbi grase-
mente ferido con tun tiro, dentro de na propina
Ca o Sr. Goncalo Jos do Nascinvnto I^-ilo, pre-
sidente da cmara municipal, viudo a fallera- na
manlw do 13. Foi autor desse crime o pardo l>dn>.
M raro do mesmo. eeumplicc J*; Calisto, ciriha-
do do dito escravo.
Os assassinos foram piosos. o na fonnaeo di
30 iiiiniiios pasaatamosl culpa eonfessaram o crans.
3 2.-) pelos Tres Irniaos, | EXVEXEXAMEXTO No dia 14 do cm reule leu
."8el."> amarravamos em fronte ao Traipu. ou- ton suicidnr-sc, tomando pnrcao de um venemi. <
VeSrse alein. pordctr;iz do Penedo, o engeribo alli inuilo estimado o Dr. jniz municipal Pessoa,
Hoa-sici, na entrada do riacho desto noine. iiin le sen escrivao. Largando s 0 horas e 45 minutos,
As 9 horas da manhaa entrarain a barra os
dous vapores, galhardainente einbandoirado, o Ju-
guartbe em que vinha o Exm. presidente acompa-
nhado dodislinctnSr.de Moiniy. cigenheiro da
provincia, seu ajndaiilo de ordens. olticial de ga
Bnete Dr. MagaihSes Bastos, o Dr. Sobnl. o ma-
jar Mondonoa o sua Exma. senhora. n pbotogra-
pho Sr. Omtinho, Dr. Carvallo, promotor do Ta-
earatu, Dr. Olympin promotor do Penedo, Dr. Dor-
nellas. Dr. I'.i'liry. nrwbtor de P;io de Assucar o
dtimais comitiva entre os qnans so aebava esto
seu criado ; e o Giquni em ipio vinlia o repre-
sentante da companhia Pernambucana que nao
leudo encontrado o Jttgnarilie em Macei. tinha
seguido na sua esleir podendn alcanca-lo na bar-
ra do grande rio, que como dissemos. transpoze-
rain com pequea differonoa s 9 horas da nia-
nha ponen mais ou menos.'
As agitas brrenlas que se avistaran! a grande
distancia da costa, annuneir rain a nchente do
rio. que acerca de um mez principiou a tomar
agua, e que tem crescido de volunie a ponto de
dar Qpje fcil navegacao (at Piranhas) barcos
do grandes lotes.
As margens do grande rio siio i*na maravilha
lia natureza. Eoniecando por ser baixas de nm
v outrq lado veom-so dentro elevafSes que eres- ,gUcira, num muni pcw tH^,^ v..... ..
cem proporrao que se avanca elle por si tamben lugar qne os aguardavain nif trapiche, o qual so I IH
se estreita o s torna iguahnenie mais profundo.
Xa uai-gem esquerda no lugar denouiinadit
Puntal--a pequea distancia da residencia dos
praticos. v-* erguer urna aroiadilha, que se
chama Atalaia onde o patrd mor, ou o sen
sota fazem signa) aos navios que demandara a bar-
ra, quer na entrada, quer na sahida.moveudo
de S. Exc. desentonando se dirigi logo a ina-
tr, acompanliado do respectivo vigario, o re>i>ei-
lavelSr. padre Metra, e d tudas a.- pesflNl gradas
do lugar, testa das quaes sw acbava 0 Sr. teuen-
te-coronel Xetlo. passando depoil casa da cma-
ra onde se acbava preparado um If'lo lumh,
eonlaudo que S. Exc. apoiiaria alli mais tarde.
Sr.Luiz Pires C.alvo. mocador roa doArags
em cou>equeiicia dedesgoslos paiticulaic. Soccor-
riiloa tempo, acha-se livre i'c |N>rigo.
ASSASS1.NATOAs 4 horas da tonda >> H d"
enrenlo, mi lugar Jcaro, da freguezia do Ptfo da
Panella, Tillino Jos dos Santos e Valeriano da
Costa, penetraran! nimia cata em qne estes ha
porquanto os vapores da eniTeira chegain aquello jaS Antonio Joaqumi de Anuda, c abi nsnnhs-
Itonto por volta das 10 horas, om conseqiioucia
de pernaitarem antas no Pntpri. lato tres le-
guas abolso do S. Hraz, onda nos dormimos. L
dos iiielhoro- estahelecimentos dos arredores, pe
que proprietario o mu sympatliico cavalhciro o
tonoptc-coronol Bilieiicourt. (\w. acabando de sof-
Iror a (torda de um cunhado e giuiro tiuha aiiwla
sua es|iosa enferma As duas horas da tarde tie-
rnos fundo finalmente em frente ao trapiebo Ida
companhia Pernambucana, o atracando, desembir-
cou S. Exc. o presidente e demais passaneiros. de-
pois de terem sido visitados pelo inspector da w-
fandega e seus einpregado*.
O chele; homem intelligeute. ede maneiras al fe-
veis acha-se doenb' soffrendode grande iiillaniina-
cao de ligado, complicado com ictiricia.
Ao desembarcar S. Exc. o as pegases qne o acom-
panhavanisubiraui ao ar innmeras guarnilas
linguetes, sendo acolhidos |telas peawaa grada"
passamos polo Curral das Podras, om Sergipe.
Aos 30 minutos depois do meio dia ostavamos
confronto ilha dos Prazeres. d'oiide se descorti-
na o mais bello panorama, apresentando i embo-
caduiado rio Ipancina. um des mais inquiranles
confluentes do S. Francisco.
Depois passavainos suceessivamente |>ela liba
doOuro (Sergipe), l.aga-funda. Limoeiro e S. Pe-
dro, dando fundo em Pao de Assucar as 3 horas o
l'i minutos.
Aqui extraordinaria foi a rcccpco leita i 3.
Exc. Acamara municipal do capa c volta, a oB-
cialidado da guarda nacional om grande iiniloruie.
grande numero de pessoas gradas, os indefectiveis
foguees em ipianlidade. ludo abrilbanlou o des-
do embarque da prhneira autoridade da provincia.
achava elegantemente ornado e tapetado de folhas
odori leras.
Formava direita como que diizentas praca> da
guarda nacional, suppomos que do batalhao 10. e
sua oflicialidiule fardada se acbava reunida no lu-
gar do desembarque.
os do "jantar S. Exc. dirigio-se matriz.
qne se asna en misoravel catsa, nenhnma rata-
aso londo a capella mor com o projectado corim
da Igreja.
Atada aqui se fazem os oiitorramentos. ansiar
ilas doaeoes que para o cemilorio bao sido dadas,
incluidas aquellas do imperador, aun, segundo in-
diroit.i ou a esquerda um balo (tor nieio do qual ment para a casa do tencnto-coronel Medeins.
indieain o caminho que devi-in seguir on eonser- qaa se !,iva preparado para sua residencia du-
ana estada no Penedo.
correnle" e sob n.!. mande pagar ao arrematante thesourana provincial '
do 3" bOCQ da estrada de Muribeca. a rpianla de.. ; Joao Donnelly.Ao Sr. Or. chefe
1-3435930, proveniente da prestaeao definitiva do que providencie convenuMitemente
~ *_____*... ^______-..,!.. I rumiar rt Cl1l,i,lli>antn
seu contrato; devendoesse pagamento correr pela
verba do i 17 do arl. 13 da le do orcainento vi-
gente.
e em vi>la do incluso pret, os venciinentos rolahvos
aomez de dezembro ultimo, dos guardas naconaes
destacados na villa do Linioeii. e |iagar a sua im-
portancia ao negociante Jos Maria Ferreira da Cu-
nha,conformo solicitou o respectivo commaiidanlo
superior interino, em officio de o do correnle.
N. 304.Dita ao*mesmo.Transmiti a Y. S. a
inclusa deJuonMracao, alim de que mande liquidar
a despeza feila. durante o trimestre de outubro a
dezembro do auno prximo passado, com a ali-
inentaco, \isiuario o tratameuto dos menores de
ambos" os .'xos, recolhdos aos collegios de orpliaos
em virtude do ari 14 da le n. Gil, de 2 de makt|
de 18tio. e pagar sua importancia, visto assiin o
haver solicitado o provedor da Santa Casa da Mise-
ricordia, em ollicio de 7docorrente. sob n. 1702.
N. 30o.Dita ao inspector da alfandega.Decla-
roa V. S.. para sen conhecinieuto e lins conveni-
entes, que o emprexario do asseio e Umpeza desta
cidade. nao mais Carlos Luiz Cambrone. e sim
Antonio Gomes Xetto, pr eoncesslo que do res-
pectivo contrato I he frz aquello, e por isso o mes-
mo Netto o competente para requerer nessa rapar-
tieo, o que fr a bem da mencionada empresa.
4.* seccao.
N. 306.Officio ao Exm. e Bvm. Sr. hispo dioce-
sano.Remeti a V. Exc. Rvma. o incluso abaxo
assiguado e mais papis que o acompauharaui em
que diversos moradords do Campo-Grande pedein
que sejam tijolados os dous \> ma alli existentes.
alim d que V Exc. Rvma. se dig'nc de intorpjr o
sea parecer sobre a peticao dos supplieantes visto
que, segundo-informa o engenheiro chefe das obras
publicas no officio junto de 8 do con ente, as obras
reclamadas sao cm propriedade particular.
N. 307.Portara ao desembargador provedor
da Santa Casa da Misericordia.Pode V. Efe. man-
dar adii'tir ns respectivo collegio dos orphaos
Lauriann de que trata o re jueriineuto, que devolvo
da Antonio da Silva Ferreira Jnior, tuna vez que
o psticionaro se sujeite as condicoos mencionadas
na segunda parte do seu ofllcio do 8 do correntc
s-ib n. 1.707. que tica assim respondido.
N. 398. Dila ao vereador da cmara municipal
da eidade do Rio Formoso, Manoel Teixeira da Mol-
a.- Vccusando o recebimento do seu officio de 5
do correnle, tenho a dzer-lhe que j em 6 de de-
xembro proxhno lindo, dei soluci a um outro que
V me dirigi em 23, como ver da portara jun-
ta por copia, a qual foi enviada polo portador do
mesmo officio.
Y 309.-Dita a cmara municipal da eidade. de
Olinda. Pelo officio de 7 do correnle da cmara
municipal da eidade de Olinda, eleita para o qna-
driennio de 1869 a 1872, llquei inleirado do haver
ella tomado nesse da posse da administrac-ao mu-
nicipal, depois de terem os respectivos venadores
prestado o competente juramento; e espero que a
nosnia cmara empregue todo o seu zelo nos me-
lh iramentos desse municipio.
N. 310.Circular a todas as cmaras munici-
paes.Para cumprimento de aviso expedido peto
ministerio da agricultura, commercio e obras pu-
blicas em 30 de deaembro do anno prximo lindo,
informe a cmara municipal de.......at o dia
15 de fevereiro vindouro impreterivelmoBte qual o
estado aejual da lavoura e da indusria de creacao
ne"se municipio, qual a producao de gneros de-
noinnados coloniaes e gneros de consumo, seu
valor nos mercados desta provincia, que numero
de bracos livre- e escravos sao empregados na
mesma lavoura, quaes as causas de sua decaden-
cia, e medidas adoptadas para o seu desenvoly-
mento, craaes os ramos de cultura que ah convem
introduzr, e as providencias a tomar para essa
iutroluc'ao.
ti-ausmiitio a thesouraria provincial, para os lins; vando-o a meio quando elles vao iK-m navegados.
convenientes, a "deiopslracao que veio annexa ao e devem continuar na direecao que tratera.
son citado ollicio Foi isso qne nos acontecen, o felizmente acha-
ino-nos do lado de dentro no lagamai. depois de
haver passado |ior finios vagaloos, o tendo soffr-
do violentos impulsos do mar, que se me afigurou
modonho, apezar de se me dizor que so achava
entao manso. Ah levo o (guia de recebar pra-
tico do ro, o que nos deixamos de fazer |tor ser
o que nos (raziamos da costa igualmente do rio.
Tive occasio do sabor que a tal armadilha ou
atalaia servia tambera para a noute icjir um mao
candieiro que dando mm pequea lut,assiiii mes-
mo servia, para com ella pairaron! os navios, que
londo uece-sidado de entrar cedo por causa da
mar, si1, viam na precisan de demandar a barra
antes Je ainanhecer.
Pois bem a ntinha indignacao subi de ponto,
quando rao disserain que essa luz que ja por si
um atlestado do nossa miseria, da nossa falta de
civilisacao hava sido mandada apagar, ou por
ontra. tfnha havido ordem para doixar de aecen-
dor-se islo na foz de um rio, que acaba de ser
aberto livre navegacao de todas as bauderas I !
Occorreu-uie logo a idoa das economas, taes
quaes as sabemos fazer. e mi lombrei da figura
ipie tenho ouvido que engolimos um lioi e nos
eng:isgainos com um mosipiito.
Felizmente poneos das durou o cumplimento
desta ordem'. e o tal candieiro, <|ne me garantem.
foi prsenle do commercio, continua a accender-se.
e a preslar navegacao o pequeo auxilio de que
pode disprnao aei, nem bidaguei donde parti
DESPACHOS D.V 0! KSIhENUA DO OA 15 DE JANEIRO
DB iMi\>.
Irniandade de. S. Sebastiao da villa ^do Boni-
to. Expeca-s ordem ;.o conunandante superior
respectivo para mandar prestar a guarda, se_ bou-
ver procissao. em que s;.ia o Sautssmo Sacra-
mento.
Ignacio Teixeira de Mello.Expeca-se ordem,
como requer, antecipando a nrestayao da guarda
liara acompaiihar a procissao sement, se a bou-
ver.
los Augusto de Araujo.O snppiicanto ja foi
deferido m portara de 9 do crrente expedida a
de polica para
mente sobre o que
requer o supplicante.
Jos Suspiro de HollandaComo requer.
Joaquim Francisco de Barros Brrelo.Informo
x"3.-Dla ao mesmo.-Mande V. S. liquidar "Sr. engenheiro chefe da reparticao das obras pu-
' micas.
Dr. Loureneo Francisco de Alineida Cata-
ndo.Concedo a lcenca por tempo do mez e ineio
com vencinionlos na frn a da le. visto o BUppli-
cauto j lorobtido igual lempo de lieenea dentro
de um anuo. J
Manoel Jos de Figuein-do.D-so.
Tononle Pedro Secundino BarlMisa da Sil-
va.Expeca-se ordem para que ao sunpKeante se
D'aiii seguio S. Exc. com luzdo acompanha- formara, aiiida existoin om mao de algumas iu-
mm a i,.ii,.ntl--iMi'liiii>i Medeiras. rtnencias do lugar.
Do que exisle'quasi tildo tem si'to feito expen-
pi>
ranli
tu.-----jj*.i'V*-^v d a guia, do que trata o ut. 43 do decreto n. 1130 ordem para acontinuacao, pseo para quem a dan
de 12 de mareo de 1883.
i topar i i fi ti da polica.
2* seccao.Secretaria la polica de Pernaoibu-
co, 10 de'Janeiro de 1869. X. 73.Illm. e Exm. Sr.
Tenho a honra do levar ao conhocmento de V.
Exc. que foram honteni recolhidos casa de de-
toneo, segundo consla das partici|>acocs recebdas
hoje nesta reparticao, os seguintes individuos :
ordem do subdelegado do Becfe, Antonio Au-
gusto da Costa Guimariies, por oflensas a moral
publica ; Jos, eseravo te Jos Leopoldo Burgard,
a roqueriinento desto.
K ordem do de Santo Antonio, lzidora, escraya
de Sebastiao Marques do Xascimento, a requer-
meiito desle; Joao los d'Araujo c Constantino,
escravo de Joao Luiz Marques, por disturbios
ordem do de S. Jos, Jos Francisco Pereira,
at, segunda ordem.
ordem do da Boa-Vista, Benjaniim, escravo
de Angelo Sette, por disturbios.
ordem do da Capunga, Silvestre, escravo de
Rozendo tasdido Bezerr;., a requerimento desle.
Por officio de 18 de dezembro prximo passado,
commumcou-me o delegado de polica do termo
Je Ingazein, que pi-las !i hora" da noile Jo dia 12
do mesmo mez, (ora g aveniente ferido com un
tiro em sua propina casn o cidadao Goncalo Jos
do Xascimento Leite, presidente da cmara muni-
cipal, vindo a fa'leccr ni manhaa do dia seguinte,
sendo autor desse crime um escravo do offeu lido
de nomo Pedro e cumplce um cunhado do dito
eseravo de nome Jos Gilisto, os quaes foram cap-
turados, e bem como que foi j instaurado o com-
pleme processo, tend arabos confessado seren
os nicos culpados em semelhante crime.
Deus guarde V. Exc.Illm. e Exm. Sr. conde
do Baependy.O chefe de polica, Francisco de
Furia Lemas.
INTERIOR.
Alagoas.
Desde que o Exm. Sr. Dr. Jos Bento da Cu-
nha Figueiredo Jnior assuinio a adininistracao da
provincia das Alagas, que desde logo mostrou
dselo do'visitar a provincia, que o governo de
S. M. conliou a seus cuidados, principiando pelos
lugares, que sabia mais careciam de dcsenvolv-
mento.
Suas vistas se vollaram para as comarcas qne
comprehendendo a mirgera de S. Francisco se
Ihe aflguravam precisar de mais promptas pro\i-
dencas em ordem a dar expensan agricultura
e commercio, base da riqueza dos povos, e que
entre nos tanto necessta do mao protectora.
Todos sabem quanto para isso concorrom as
visitas do9 adminislr; dores amostrados, que sa-
bendo quanto so cnntrr riam as mais das vezes as
informaCes de que carecen), desejam por s ines-
mos formar juizo seguro para bascar suas deci-
soos.
oque acaba do pc*r em ortica o Exm pre-
sidente da provincia, djixanoo no dia i as luj-
as lincaos do ceu.
Coiifisso itorin que anda nao estou em mim.
sem duvida pirque |H>ucos das havia que tinha
lido um opsculo que acerca de phares pubhc >u
em Inglaterra o nosso engenheiro Barroso, e que
s entao me fez recordar que at capitacs de pro-
vincias ha, onde nao se v pharol. Como sotan) o
K>piiiio Santo, Parahyba e Paniahba, sem fallar
em outros onde nao prestara os que existein, e di-
versas embocaduras de rios, obras e portos, ilhai
o baxios, etc., que igualmente os nao tem.
Entre os priineiros contam-se o da Pona do
Moenrqie no Cear, o da Mola em Santos, o de S.
Marcos no Maranhao, Res Magos no Rio Grande
do Xorte. o de Purnambuco, que conta haver hoje
em distancia de 10 inilhas, e finalmente entre os
segundos a Ilha, e Boceas de Fernando, as Car-
cas e todo o Recife, ano forma o canal de S. Ro-
que, alm de todos os rios alguns dos quaes ha
mais de dez anuos sao ja navegado.- por vapor,
como sejam Amargoso, em o qual esto situado Ma-
cau. vulgarmente chamado Assii, o Mossor. o
Araeah. o Aearac, o Camocim, etc., etc. Me pa-
rece que o governo devia nao s fazer todos os
phares que se precisara cono por boias e bausas
om todos os nossos portos que lano as precisara,
facilitando o qusnto em t>i couber o Jesenvolvai
ment da navegacao, impondo sobre ella una tax-
que por pequea que soja brevemente compensa-
r todas as despesas que agora faca.
Nao tcnha'receio de fazer banca-rota com essa
deepexa que lio grande se I lie affigura.
Nao faltar quem se encarreguc da eolloe.-e.-ao
de uns e outros e se pioponlia receber sua impor-
tancia em apolices se nao liouver dinheiro.
Occorre-nos mesmo que as companbias do va-
pores cosleiros, m dnvidaro talvez encarregar-
se disso, visto como sao ellas iinminenteraente iu-
teressadas na brevidade e seguranca de suas
vagens.
Deixemos, porm. esie assumpto, que sempre nos
afflige, por veimos que Anosavantajamos nama-
neira de fazer elcieoes, delxando aira/, o verdadei-
ro progresso, aquello q-fe hos hade levantai do
oslado a que nos tem levado a desastrosa guerra
em que n s aeliam s om;lonliad',>.
Acabo de sor despertado ilasTonsideiaQes que
oceupavam a mnha imaginarn por chamarem
minha attenco para um povodo da margem es-
querda, e que peJ-tence a provincia chamado Pias-
sabuss.
Occupam-se cm nlantacao e pesca : mais cima
v-se a ilha dos Bois, e quasi atracado Ierra um
patacho nacional Callado recebendo carga de as-
sucar e algodo.
As margens por extremo' feriis apresentain o
aspecto mais pittbreseo que se pode dar. Os diffe-
rentes verdes, qite se misturam, formara o atis
bello matiz que pode dar-se, semeado aqu e alli
das diversas fabricas que constltum o nosso ne-
Ihor panorama. Apenas algumas casas (ou mu
pomas), davam a conhecer que havia alguma gen-
te e essa to pouco conheceddra dos conmiodos
da vida, que apezar de todas as dlstraccoes que se
proporcionaran! desde que entrei a foz do grande
rio, nunca se me varou da Imagioaco as necessi-
dades de despejar wdoii os ahas tata mil abitas
E' um magnifico o vasto .obrado de dous anda-
res, no ultimo dos quaes estav am preparados os
quarlos de dormir, no pi imeiro sala de rceepeao,
e de jantar. alojando-se no pavimento terreo as or-
denancas.
S, Exc foi corapr'mentado por todas as pessoas
gradas da eidade, entre elles on vimos fazer men-
co dos segnintes nomes : coronel Thcotonio. |ta-
eti'es-coroneis Bittencourt o, Jos Vicente de Me-
deiros, majores Patury o Aureliano, Drs. Marjins
Costa, juiz de direito/e Corle Real juiz municipal.
Dr. serapo etc. I
Depois de informado da diflicuidade que se Ika-
via encontrado para obler pralico do ro hablia-
do para subir cora qualquer dos dous vapores a
Piranhas, tendo o gerente da companhia Pernam-
bucana querido frotar um dos dous vapores da
Bahiana que fazem armella navegacao, qSr. Cam-
pos poz disposico de S. Exc. e sua comitiva o
vapor Ponto Alfonso, no qual S. Exc. resolveu se-
guir no dia seguinte ao meio dia.
A's 4 horas servio--c um profuso e delicado jin-
lar em que abundaran! os brindes a S. Exc. pips-
peridade do rio S. Francisco, civilisacao levada
s suas margens pelo poderoso elemento, o vapor.
S. Exc. mostrou-so reconbecido s pravas i de
alleco que se lhe prodigalisavam, ouvindo c|al-
londndo a todos cora a affabilidade que o cara te-
risa.
Em seguida S. Exc. visiten a matriz, casa da
cmara, collegio, e os demais eslabelecimentos
que pido. percorrendo parlo da eidade no curto
aspase de lempo que lhe motan. I
Beeolhido a casa S. Exc. e seus conipanheiros
gosarain at larde da companhia de pessoas esti-
maveis que enlretiveram couversaco at a lina
do dcscanco. m
A msica do batalhao TO locou ao rccolher es-
colhidas pecas de msica.
Xo dia seguinte S. Exc. visitan o resto da eida-
de, nao escapando o c'ciniterio que lica ao NO da
eidade em distancia de cerca de tres mllias.
Em todos estes passeios S. Exc. foi sempre
acompanhado do engenheiro da provincia, o p
distincto cavalheiro Carlos de Mornay, morando
provincia ha 40 annos, c della conhecedor, solicito
se mostrou em ouvir todas as infoniiacoes que de-
sejava acerca das necessidades da eidade e dessas
as mais urgentes, tomando todos os apontameutos
que foram julgados precisos.
Tomos l robusta que a visita de S. Exc. traa s
localidades que visitar todos os beneficios qne fo-
rem pos8veis.
S. Exc. depois de haver sido um assiduo secre-
tario dessa provincia, notavel pelo seu amor c de-
dicacao aotrabalho, presidente de provincia pela
torceira vez, o que lhe d grande somma de co-
nhecimentos administrativos. S. Exc. ainda ilho
do bem conhecido conselheiro Jos Bento, cujo no-
mo nimca podota seresquecido por essa provincia,
por esta, pola "de Minas, o llnstmenlo pela do Para,
onde ainda hoje se aeha cm*enormo sacrificio de
sua saude e iiiteresscs. I
S. Exc, como seu pai sao creadores, pois d ah
que temos bem fundadas esperanzas que a nossa
provincia nao so conservar estacionaria, c ao con-
trario, vera desenvolver todas as Mas fontes de ri-
queza.
Ae -
fluencias do lugar.
existe quai..
sas d is liis, leudo a maior parte sido empregada
em compra de aliaiaspara o servico divino.
A matriz acha-se rouinem situada no centro de
um ilos lados da mais espacosa ra que temos
visto na neHior das nansas cidades. com algumas
arvuras plantadas de um e outro lado. Fez-nos
reaoritar um dos exceHeutes boulevards que bor-
dara a magestnsa l'ais.
Vio-se a cadeia d'omlese llzoram ouvir algumas
quoixas. d'emre ellas lerabra-se a de um pebre
uHIcirI do justica, victima, segundo disseram. do
vigario de- Sat'Anna. isto daquclle mesmo que
se devia distinguir pela caridade.
Nao menos interessante a vista que segosa do
lugar onde fundeou vapor que nos conduzia
dentando pela p<"pa a direita villa de Pao de
Assucar. avista-se pela aiivarrade esli-bordo o pe*
toresco morro do forma cnica, donde deriva
elle o nome, mais adianto pela proa as duvidosas
abenas do ro, cora as serras no fundo de um on-
dulado mag sloso.
Polo lado direito dominandi) a villa, v-se um
conjunclo de pedias grupado, o mais interessante
que pode dar-se.
Pao d'Assucar tem na liaba la fronte 135 ca-
sas, i clebre pela |ioeira que invade ludo.
A noile um bonito fogo de artificio reinatou a
demonslraorM) de alegra que os habitantes de Pao
d'Assucar exhibiam |>or ver entre si. como sou pre-
sidente, o liiho daquelle quem a provincia ja lau-
tos beneficios devo, quando oceupou a mesma ca-
deira.
s 6 horas e 20 minutos da manhaa, estovamos
de viagem ,
As 7 e 18 passavamos a Ilha do Ferro, arada
do mais rico proprietario das duas provincias, ber-
gi|>e e Alagi'ias, Luiz Gomes.
Defronte foi onde leve nascinenlo a mai do nos-
so eonipanheiro Dr. Sobral, em cujas faces vimos
rolar urna lagrima, sem duvida pela- gratas recor-
dacoes dos seus melliores lempos.
As 8 horas passavamos o Curraliubo, as 8 e ib
miniilos o Bonito, fundoando em Entre-Montes as
8e. .
S. Exc. assgnalou sua chegada aqu, mandando
mu
na por em liberando dous designados, um dos quaes
por deleito physico no dedo indicador da mao di-
reita, e oulro por ser animo de urna pobre mai,
que j havia concorrido cora dous outros tilhos
para a canipanha.
Depois do que e visitado o povoado seguimos no
achna, fundeando em Piranhas 1 hora e 4o mi-
nutos da taide.
Era dia de feira : o porto e oxeellente por ser
[undo at a margem, mas dspoe-se aqu de mudo
pequeua planicie, jxtr estar situado o lugar em
curia fruida de alcantiladas serranas.'
A feira consiste principalmente de couros seceos.
mol, arroz de casca, algodo, tartana, nulho, ma-
mona, caima, rapaduras, cera amarella. barngu-
da. e obras de couro do serlao, como ebapeos, en-
dito anjneipses negociantes e influencias tocaos
os Sis. Francisco Manoel da Costa Xunes, Jos
Vieira de Mello o Manoel Joaquim Martina, que
limito obsequiarain os viajantes. Ha una itequena
igreja. e una escola publica do sexo masculino.
Em Traip distinguio-se igualmente alem de
outros, o Sr. Mariano Cavalcanli de Albuqucrque
Exc. achava-so con, os se,, ^^Crato,y a,li rcsid" ha "* n"
WO, conmiandanle o tao hbil uePareecndo;uie poder dar-lhe agora conta da
o perito marmheiro, como affavel c dolicad i Sr.
Joao de Souza Reg.
Aos 20 minutos depois do meio da eslava de
viagem navegando igualmente a pequea dislaucia
o Jiqttitaia, que fazia a viagem do contrato.
Ao passar |tolo engenho Boassica do tenente-co-
ronel Biltencourl, foi S. Exc. saudado por urna
estrondosa salva, o um sem numerare gyrandotas
lenderam os ares. %
A msica marcial do batalhao Wf havia i jnial-
mente embarcado no vajior em que 8. Exc. ia, e a
mudo nos dava occasides de apreciar sua macs-
tria- ,',
Cumpre aqui notar que no Penedo tudo e m-
sico.
Fique, pois, consignado aqu desde ja que em
todos os povoados onde anortimoa a naquelles
niesmos onde deixamos de faze-lo, se fazia buvir
msica
As 3 horas e 30 minutos paramos sobre rodas
em frente Propri, valiosa eidade situada na
margem direita, pertencente Sergipe, e dtsem-
barcaram aqui tres passageiros. nao tendo feito o
mesmo S. Exc, eremos que por ser provincia es-
tranha.
Apezar disso a passagem do vapor em que ia
S. Exc, foi saudada com grande quantidade de
logeles.
As 4 horas e 5 minutos fundewos em Porto
Real do Collegio, onde B, Exc desenibarou P-
volta, reservo-mc para a segrale.
Boin ser que fique aqui consignado, que coino
e deprehende desta narraco, a viagem do Sr.
Dr. Jos Bento Jnior nao foi de mero pensar. S.
Exc. tomn inmensos apontanienios, e o incansa-J
vel Sr. de Mornay, que sempre se achava a seu
lad i, nao ceasou de tomar notas, medir c observar,
levantar plantes, etc. _
Largas mas uta de S. Exc. Praza a Deus
que elle so demore tre nos lempo bastante para
itoder realia-las. _
o que igualmonle lhe desejo om relaeao ao
Sr. de Baependv, que me di/eui tanibem ser ncan-
sa\ el a|K-zar de'siia avanfadavidade. _
Dizom que quando a nossa digre-.. tinha
gar ao sol, igual excursao faz ao norte;
dessa provincia .^^
At a seguinte. '
fCarf* por/irwanan. i
PERNAMBUCO.
REVISTA D1AEIA.
ACTO OFF'ICIAL-Por portar da piosideucia
de 16 io correntaTW"tn*ndadp>r guia de ^
geni ao teuenta do^ lirtaluao ue ajiiniarij
euenw
ia rain a este no bsiXO veulre. as cusas e n'mtta
coxa, poudo-se em seguida em fuga, montailos m
cavados cm que tinhaiu viudo, zombando assim
dos esforcos enwregados para a sua captura.
Allribue-so o crime ao rapio de una mo;a. cha-
mada Mara do Carino de Barros, cpie com'elle vi-
va, o que declarou sor moradora em U.Tras d
engenho Santa Luzia, da freguezia de S. louren-
eo da Malla.
' CAPTIHA DE HUMOSOS O snbd.degado en
Sal^ueiro. Jos Bufino de Araujo. em |torsegiiifa
de um griqio de criminosos, que aoalBnaa aannnr-
rer aquello termo e o de Floresta, consigui cap-
turar dous delles no lugar deiioniiiiaiio SoTa da.
Wman: um processado peta inva-iio da cadovdV
villa de Floresta s assassnato do infeliz Mondo
que ali so achava reeolhdo ; o mitro crimiiktxo de
i "iilm na villa do Jardim, no Geera.
Aquello subdeli'gado qiH'ixa-se ia que auula ali
nao chogou a forra, ipie o governo da pjantanta.
de-ti non para a soga ranea da cadeia. o prisa i
grande numero de malfeitores que infesta aqurtL-
paragens, nem para isso tem armas nem iooiii-jo
MISSAAinanh o Exm. annanmlnv luto di-
Campos celebra, pelas 7 horas da manhaa. ua ma-
triz da Boa-Vista, una missa palo descanco eterno
do finado Francisco Cava lea uto de Souza Lco.
ASSOCIAyyM).Inslallou-so lionlein. como s--
achava annunnado. a Associaco Coarens.', com 7i
socios presentes, orando em s-guiila os Srs. mm
missionados Francisco de Paula Hamos, por parti-
da soeiedade inaranhense Viule o Orto oV Julho .
Ptancisco Pereira (amello, pola Jnvonlude; Gni
llierme Setta, pelo Gabinete Portugnex; Cartas Mu-
Ihert.pola l'uio Liberal Benolicenlc: segnind>M>-
ilepois os parttcnlaaes Daniel Hamo-. Duaiv e Sa-
ci amento.
Sendo que nao fra empossada a nova directora,
por nao ter comparecido o Sr. Dr. Aleolorado. pre-
sidente provisorio, e o seu substituto nao querer
sem o-constipar, empossar a nova din-oi-o. e ejir-
breve se far. previamente anunciando.
Pela nossa parle fazemos votos que essa nova li-
llia do progresso tenha longo- o duradouro* dia-
do exisiencia. para que com o sou exentpl venb
um dia provar-se aos incrdulos a noiiNidad.
qne se frue dos consoladores filelos da fraternisa-
co.
' CAPELLA DE X. S. DA PIEDADE -\o da 2
do passado deu-se coraeco na ra do Lima, em S.
Amaro.;', i.....-truccao de urna capella sob a nvi>-
caco de N. S. da Piedado, debaixo da imniediat.i
direccFio do Sr. Jos Goricahcs Ferreira Baiei
proprietario no lugar; e, a pesar do pouco temp>
decorrido de entao para c, j aprsenla aeH obra
Iia-i.iiilo adiantamento.
E' sera duvida este um grande niolnoramcntn
para aquello lugai-, cuja popularn btanlo cre-
cida ressentia-se. de longa data, da falla de n"i
templo condigno em que \m lesse exercer seus ot-
ficios religiosos.
Ao Exm. o Bvm. Sr. hispo diocesano, e aos mo-
radores d*alli cumpre apressarom-se em coadju-
var com o seu maior bolo, alim do quanlo auto-
concluir-se to importante mellioranwiiio.
Os nomes do referido Sr. Ferreira Gesto, do Si.
bario da Soledadc e do Sr. Jos Mondes do Krertav
sob cujos auspicios teeni de continuar aquella ed-
ficaco, sao indubilavelmenic garanta iiulteienn-
para ternu'nar-se a obra em questao; se fcrest
como provavel, secundados nesie iih-i itorio cea-
penho.
Consta-nos que, o assentaraenlo da podra cobj-
nicmoraliva tem lugar com as formalidades do e-
tylo. quando so tiver de abrir os alicorees da ca-
pella mor, onde lom de ser collocadn.
As pessoas cima mencionadas felicitamos poto
bom servico une esli prestando religio, e jan-
lamente quelles que em primeiro limar dcrain
andamento aos papis tendentes aquella edifica-
o.
LOTEBIA. A que se acha venda e a93\.
beneficio da igreja de Nossa Senhora do t
desla eidade. que corre terca-feira, 16 do nt-
rente.
PASSAGEIBOS.Do vapor NanjBBBn, sahidn->
para o norte :
Dr. Jos Nicolao TolentinodV CarallK). Dr. Hen
rique L. Soares de Camino, Antonio CH.-inie, *>;*
Joaipiim da Cosa Leite. coronel Antonio Luis A.
Pequeno Jnior, Manoel Thomai B. Freir e t cria-
do, Dr. Elias Frederieo do A Impida Albuqucrque c
sua -onhora, I lillio menor, t ama e l escravo
prela liberla Germana, Dr. Affonso Lins Pereii.i
da Silva, Joo Chrysostomo Pires. Anna Parifii t
Macedo Torios, engenheiro Mam. Jos Flix do
Bego Barras, Joao Jos de Miranda e mais 4 dr-.
proa, Jos Suspiro de Hollanda, Pedro Antonio Or
ganier da Silva.
Sabidos para Fernando de Noronba n-> vapu
nacional Jiqni :
Manoel de Souza Nunes. Franciiea Bosa di-
santos Barros. 5 (ilhos e 1 e-crava, Joaqumi B. M
de Oliveira, Augusto Bodrigues da Siven.
Sabidos para o sul no vapor Jagum-tbe :
Carolodg Julio, HenriqueU Ada Chavalior, lh;
guel Vctor, Antonio Thomai da Silva JnnioiyJew'
Joaquim do Oliveira. Antonio Neuo de B Ijum-
ro, Manoel Mariins Feniandos FTanc.-co> annuii
A Bodrigues, Joao Teixeira Jtacliadu. hranrisco
Claudint Duarlo, Vicente Alvos de Ama/, Fran
cisco d* Salles Costa, Alberto B. Ghony, Pedr-
Correa Visnna, Francisco Alves da Silveira Brta
fiarlos Augusto da Molta, Cupeniio Guimaric-
Basto?, Antonio Guimares Bastos, Aiitmitode Son
za Menezos, Antonio Casado Lima Jalona, Pintan-
Leandro de Lime, coronel Joo da Bocha Beaerr*
Csvalcanli.
CEM1TEKIO HIBIJCO -Obluario do dia 15 d
! con ente:
Cosme, Pernambuco, 6 mezes, Boa-VisU.
pasmo.
Marcoliea r'erreira Laurina Soares, Parnsmnncri,
3S annos, casada, S. Jos, hemorhagia uterina.
Joseplia, Pernambuco. 1 mez, Becife. anaarr-t
Maria. Pernambuco, a' meses, Boa-Vista, convul
Joaquim, Pernambuco, 20 annos, Boa-\ista, U
bre maligna.
Am iiambuco, mez e meio. Boa->na,
cojito aguda.

Z^

.
mmi
IHVHBiH



698 3fl I mi
Dijaio de Pernambuoo Segunda feira 18 de Janeiro de 1869.
i*

Antonia, Pernamburo, 3 annos, Boa-Visto, w-
flaininarao no ligado.
Jos Antonio de Azevedo Santos, Pernambuco,
79 anuos, viuvo, amotcclmehto cerebral.
41
Manoel, Pernambuco, 2 mezes, BoaVista, be-.
Joaquim. frica, 80 annos, Boa-Visto, darrna!
Amaro Concalves dos Santos, Pernambuco
annos, viuvo, S. Antojo, eongesuVi cerebral. ""
Jos Ezequiel dos#essos, Periiatnbucortji annos.
solteiro, S, Jos, toaierculos pulmonares.
Joaquina do Eaorlto Saoto, PernaiiJaeo, 60 an-
uos, viuva, Boa-Vtele, contestan cerebral. _
Capitao Francisco Caloteante de Souza Lcao,
Pernambuco, 51 amos, asado, Boa-Vista, tiu-
phatte.
Antonio da Cunha, Peroainbueo, '.Hanaos, (sol-
teiro, Boa-Vista, grangccna. V
loanna. PwnamhiH, i mezea, S. Je*, convnl-
-soes.
----------------------,-------------------------------------------------------^f-,
mais seauoies, abriowe JteSjao,,('*J- Mae appro-
vada a acta da antecdwntc.
L-se o seguiute
.....EXPEDIENTE.
Um ofnci>doadministrador do cemiterio pelli-
co, commu ando que. a irmandade doSehhor
Bom Jess das Dores da jgreja de S. Gonzalo ja,
lum catacumbas para mliumaeao de seus irmaos
que fallece! eos, e por sso pode u procurador for-
noccr guias cnanto -thc ttem exigidas; e quaa
cuadraia de Nossaenhora do tivraraento nao tem
< HROVK V JIDICIAIM,
THIBINAL IO 4 ofini IC< 1J
M'JTA DA SKSS.it) ADMINISTRATIVA DE 14 DE
JANEIRO DE 1889.
I-RESIDENCIA DO EXM. SI. DESEMBAR6AD0R ANSELMO
FRAKCJ8C0 PCTRTtl
As dez horas da manhita. reunidos os Srs. depu-
rados Rosa, BjkIo, Mil-anda Leal e bario de Cruan-
:gy, S. Exe. o *Sr. presidente ahriu a sessao.
"Lida, foi approvada a acta da sessao de 7.
expediente :
OITicio do Exin. Sr. presidente da provincia,
-cen data de 7 do crrante, para ser informado
qnal o estado actual do commereio e de sua* mais
urgentes necessidades, Hcm como do numero de
companluas anonvraas. agencias e caixas liliacs
existentes, seu capital noiniual e realisado, seu
fund de reserva c de amorlisacio, valor do cada
.ccao no mercado, assim como o seu ultimo divi-
dendo.(Deram-se as providencias necessarias
afini de satsfazer-se a exigencia de S. Exc. em
:teiapo importuno.)
Offirio do Dr. Francisco de Assis Oliveira Ma-
cid juiz especial do commereio substituto, remet-
iendo a relac.io das lallencias que foram ateras
no respectivo juizo no decurso do auno prximo
passado. a (jual se llw havia pedido por ofRcio de
8 de dezerabro prximo lindo.Accuse-se a re-
repcao.
O'flhMo do Dr. Tristao de Alcucar Arartpe, data-
do de 7 do crlente, comnumicando hawr nesse
dia assumido o exercieio do cargo de juiz especial
do commereio desta capital, da qnal estivera au-
sente rom licenca do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia. Accusi'-se tambera a recepcao..
Ollrio do presidente e serrelario da junta dos
correlores. firmado de II do crrente, apresen-
taudo o boletim eommcrcial da somaua prxima-
mente linda.Que se devolvesse, afim de decla-
raran os das em jue foram feitas as cotacoes, e
se no decurso desees dias nao liouveram iransac-
eoes de arcoes. descont* e fretes, cujas casas es-
rador.
Outro 4 > eagenheiro eordeador, informando so-
bre o que iede Jos Maa Pestaa, para collocar
non tesoina na coterta de sna casa sita praca
d* Carpo-Santo ; declara nada ter qee oppor.
Cemedeu-se.
ntro do raesme- informande sobre o requeri-
nierto tic J lio Capntrano senta nao ler elle engenheiro querido dar cordea-
eao para a construccao de un nequeua casa ter-
undo por um muro execntado pela cempannia da
estrada de ferro, assim como a raa situada no ror-
iw do dito muro so tan JO palmos e em qnanto a
larpnra marcada para a travessa eoBi 38 palmos,
foi por assim o determinar a ^anta.

ciasse ao procurador para seentcndecomCaa*o
e saber o menor proco que quer el| palmos altni de ser desapropriado.
Outro 4o llscal da freguezia do Recife, infor-
mando contra a pretendi de Joo Irdos Santos,
de levantar una foniha para > Tim de reli-
por ora ubi 8. Que se esse sciemia ao piocu- nar asnn-ar na casa a. 30 da na di> Cordonix.
rea no terreno que possc no lugar (tos {tfeBitf nlieiro pura informar.
comiolssao debatido.
Outro do fiscal da freguezia da Roa-Vista, ic-
uicttendo um lerwo de visloria qu.- procedeu no
sobradan. 20 da na Velha.Aoariivo.
Outro do fiscal da fregimtia do j'oen. codanu-i
aleando qe Audse de Abreu-Pono esta rontVruin- !
>o no lugar do '".ahleireiro urna ponte, e nos lados
das subidas ila mesma aluio gran quaes findan /unto a estrada, santa por tanto de
algiima foi na prejnilieiaes ao publicaAo enge-
qneni provaVelmente foi jwr aquello senhoi* eoin- f dem terrado
inunicada e consi lerada como mais ellleaz. Caibi
Nao sendo mais advogado da 8r. Jos Antupes I Cal prea
Guliuaraes desde o dia U do crrante, em que es- ] Cal nraoen.
lesMihor dirigio-se ao meu escripiorio e iiedio-me| Carne secca < xarque
rodos os papis que tinha em uiou poder, nao me
apressei em vir imprensa, esterando que o quo
o Sr. (uimaraes houvesse de dizer sobre aquelle
cominuiiicado me disjicnsaria di faz-lo : o silen-
ciey porto, que elle ajaxrdou a raspeito ("aijoaii.'
periodo no eoiiiuiuuicado quo fe; pube: i no Dia-
rio de boje obriga-me a dizer o iguinte :
Como adrogado do Sr. Guimaies red^'i a noto
de nina eonvenrfio que, ndu sendo aasinnada pelo>
emprciteisB dos trilbos urbanos |M)r diversas ra-
zoes e especialmente' peto faele de nao intervii
nella um ex-proprietaiio do sitio residente em Por- Couros de boi. salgad
tugal. lieau sein elTeita Nessa uta, que est era j dem ideatarecos espicludos.
iros
'Casvio vegetal. .
Cavernas de sicupira
Cera amareUa. .
dem de anrfiaiio.ein
dem idomeiu veilas
Ovado ( parco ). .
Cha......
Charutos ....
Cocos seceos .
Colla.
bruto.
EOtTAES.
11
lio em branco.
Foram presentes os mappasdeminstraiivos do
movimento liavido nos segantes trapiches o arma-
zeas aMandeajades durante o ultimo semestre :
Roa do Brnm nmeros 92 o 94.Caes do Apollo
nunieos 7:1 e 7.1Ra do Apollo n. 20.Largo
da Assembla nmeros U e 17.Ra do Cominor-
eio nmeros :t. 5 e 7.Companliia Pernambiica-
na.Kdilicio Alfandcga Vellia nmeros II e i, e
uaueros 9. lie 17.Trapiche Companbianolar-
Xo do Corpo Santo n. 19.Bario do Livrantento.
Oyo.Avila no largo da Assembla 11. 26.
Largo da Al.undega Wilia u. 6.Barboza Tasso.
Machado.A' seerelaiia para conferir com os
antecdeme-.
Aos Srs. deputados foram distribuidos os segu'm-
tos livros : Diario de Antonio Fernaudes de1 F-
gueirdo l'aiva.dem de Mauo.-l Ferreira Pinto.
dem de Francisco Alves Monleiro JniorCo-
piador de Manoel Moreira de Souza Diario e Co-
piador de Oliveira Miranda & Cdem dem de
Joa* Gomos da Cruz.dem dem de Beulo, Reis
AC.
O Exm. Sr. presidente assignou 3 oflicios que
vio ser enviados. 1 ao Exm. Sr. minislro da agri-
euitura commereio e obras publicas, I ao Dr.
juiz de direito especial do coiumercfb e 1 ao bario
da Soledadc.
O Sr. secretario expedio com sua assignatura
qualio oflicios. 1 ao inspector da lliesouraria ge-
ral da provincia das Alagoas, I ao conservador
do cinmercio da mesma provincia. 1 a actual
unto dos correlores desto prafa e I a autiga Jim-
ia em que se aecusa o recebimento de seu olikio
de 4 do frrente.
Foram vistos os livros do registro dos instru-
mentos de protestos de letras : o ultimo auto de
protesto registrado pelo escrivao Albiiqueiqne.
que se acha de semana. fora_ o sob b. 1691 em 13
do correle, e pelo escrivao Al ves de Brito,.eB
12 do mesiiio mez, lendo a numeracao de 1636.
DESPACIOS. ,
RequeriinenU) de Rento de Barros Eeij e Tian-
quilino Candido da Silva Brasil, registro do dis-
trato da sociedade stib a lirma de Feij & Silva-
Vista ao Sr. desembargador liscal.
Dito de Jeronyuo Emiliano de Miranda Castro,
para se lhe renovar o titulo de nomeacao do lugar
que oceupa de avaliador do juizo especial do com-
mereio.Como requer.
Dito de Antonio da Cunta Soares Guimaraes,
para igual flu.Como requer.
Dito de Joio da Bocha e Silva, eslabelccido a
ra da Cadeia n. 38. para se annotar no compe-
te.ile registro ler deixado de ser sen caixeiro
Eduardo Baptsta Fragozo, desde o 1." do crtente,
mez.Como requer.
Dito de lleineterio Maciel da Silva, estabelecido
a ma Nova n. 37, para tambera se annotar no
respectivo registro a saluda de seu caixeiro l.uiz
Iterara dos Santos Lima, registrando-so a do que
o substituir.Faca-se a illiininaeao pedida, e iv-
eistre-.-e a nomeacao do caixeiro Fiancisco Bot-
llio Mello.
Dito de Silva & Joaquim FeUppe, para tambera
se annotar no registro a retirada de seu caixeiro
Bcrnardino Osear Freir.Cuino reipjerem.
Dito de Joaquim de Almeida Pinto, pliarmaeeu-
fio ra do Rosario n. 10, para registrar-So-
tbe a nomeacao de seus caixeiros Anienco Fortn-
nato da Gama e Jos Marques Ferreira.Reco-
nheckfa a liiuia da nomeacao, reisliv-se.
Dito de Joio Francisco da Silva Novaes, para
igual lini ipianto a de seu caixeiro Antonio da
-Gista Moreira.Reeonlwida a finna da uoinea-
qu, regislre-se.
Dito de David Ferreira Bailar, ideni idem de
aen caixeiro Jos Joaquim l'eixoto.Reconhecida
a firma da nomeacao. regislre-se.
Dilo de Jeronyuo Joaquim Fiuza de Oliveira,
reguero da escriptura de dotacio celebrada >or
Joaquim Jos de Oliveira e sna imilher, em favor
de sna conhada e innia Francisca Joaquina de Oli-
etra, bem como da rarta de confirmacao dessa
doaeao e do coiiliecimenlo do ultimo pagamento da
dcima urbana do predio doado. Itegistre->e.
Dito de H. De. La Giange. jiaia se mandar atpin-
ta dos eerveetorM certificar-llie, iualo preco dos
aasaHiaras'ntaseavadaa brutos, na semana decorrida
de li a 19 de dezembro do anuo prximo passa-
do. tiertilique- se.
ADblADO DA Afe JOOKIMA PASSADA.
Dito (te Alvaro Paute Nobbato. para ser nomoa-
do avaliadoi- do juizo especial Jo o.nuneroio.'-.
linua addiadi).
COM IllKollMACvO DS -R. DFZKMBAIIADOR I'ISCAI..
Dito (le Jos Feuiandes Lima, Joaquim Francisco
dos Santiw e 'silva e Marlinho Lopes dos Reis. con-
trato SOCial.Regislie-.e.
INI ue Antonio Jos da Costa e Silva. Luiz Jos
da Costa e Silva e Antonio Moreira de Mendonca,
idem.Begistre-st, 1
Dilo de Amonio Gomes da Costa Lee, e Joaquim
social.^Begistn'-se.
Dito de Jos Maria Seve. para ser nomemlo ava-
iWor de juizo especial do commereio. (Addiado,
e, o Exm. Sr presidente nomeou os Srs. deputados
lento de Cratnrv e Bastos, para infonnarem ao
tribunal m 6 eevenistite augmentar-se aamero
dos avaliadores.)
Autos de rehabitttoeio commercial de Joo Jos
Lekfl Ouunaraes. Addiado.
MS0U3CAO
Oue se ofllciasse ao .-oii.-ei vador do commereio
as. para de conformidad^ com a attriliuhi
llie confere o art. H, n. 4 do decrete
1597 do lu de mai > de )8.:).:i. se di
em frente do hospital Pedio II, |ior*er esto $>*ray
marcada na planta da ciadc para praca, c pede
que a cmara faca eflectiva o despacho j dado,
visto como a nova' planta nao foi approvada ; cuoi-
pre-lhe dizer que certe fcaver recnsado dar cor-
dea?io para o supplicaate construir a pequea
nasa de qu: trato, porque o hsar est destinado
pela plaa para urna praca publica, etc. Nao
tem lugar, porque o terreno est destinado para
l'azer parte de urna praca.
Ontro do mesuio, informando sobre o que pede
no requerimento jnato Andr Garsino d'Assump-
co. 1 qnal diz ter obtido licenca para edilicar
duas casas terreas na travessa do Lima, como pro-
va pelo doeiimeiilo junto, c teudo por eireuiii-tau-
cias deixado de continuar com a obra depois cU:
promptos os alioerces, peda licenca para acabar
na forma que se acia descripta ha cordeaco j
dada; cnnipro-tne declarar que certooqueo
supplicaute allega, e nada ba que oppor sua prc-
tencao.--C mcedeu-se.
Outro do ine.smo. Informando soase o requeri-
mento de ustodio Jos Alves Guimaraes, em qu(5
declara ter obtido cordeaco paia murar o seu ter-
reno com fcenle para a ma da Saudade e ra dos
Ferreiros, (|U(-r edittear casa terrea abanacada com
44 palmos de frente, racuada *tl palmos do alinlia-
mento da na dos Ferreiros : cuinpre-lhe dizer que
nada tem cue oppor.Cimcedeu-se.
Outro di mesiuo, inforrnando sobre o requeri-
mento de Xw Jacomc Tasso, que diz ter obtido li-
cenca para edilicacao de seus ariuazens a ra do
caes de Apollo, tazando esquina com a travessa que
corre em liuha paralicta com o arma/em do bario
do LivTameuto, suecede que mareando os seus t-
tulos ser essa travessa de. 40 palmos, em virtude
da nova all-iacio da (llanta lhe foi marcada a cor-
deaco coas oO, rindo a perder 10 palmos em toda
a exteaeao della de terreno beneliciado. urna braca
de caes ; cclue |iedindo que se proceda a ava-
haio de lulo afim de ser indemnisado eunipi-e-
Ihe dizer qie corto o allegado pelo supplicaute.
a antiga pL'inia marcava 40|Kilmos para a mencio-
nada travesea, o foi por esta mesma planta (|ue ge
servio para dividir e marcar a parte do caes cor-
respondente aos terrinos de ntarinha, que os pro-
pr!tario< foram obrigados de execnlar; pela nova
planta leou asta travessa com .'0 palmos de largu-
ra, e tem de lomar 10 palmos de terreno j bene-
ficiado com caes c aterro, parecendo-lbe que o
uiesmo (em direito a aiguuia inderanisacio.Mau-
dou-se ilai euidea;o, guardando 40 palmos de
largura, visto aao ser travessa aova a abrir-se, e
sim prolongamento da mesma.
Outro do llscal da I'regnezia de Santo Antouio,
informandu a petieao de Joo Uuarte l'iinenlel, em
me pede para abrir na casa 11. 11 da praca da
Concordia 1 ma pliautasmagoria, eaomoaaina ornis
outios dive timentos ; declara nao tiaver incouve-
nienle preteiico do supplicaitte.- -Concedeu-se.
Outro do iscal da lieguezia da Boa-visla. infor-
inando sobre o que pede Joaquim Barbosa de Oli-
veira, no requerimento junto: d-claia nada ter
que Cppar proteuro do mesuio, de plantar al-
guns ai voredos em fenlo as suas pro|iricdades si-
tas estrada de Luiz do Reg. Coiiccdcu.se: de-
vendo o supplicante exigir do engeuheii o a respec-
tiva cordeaco.
Constando cmara quo um sobrado silo no
becco do Veras, e que esUi en concert, aneara
ruina, mambu rccomniendar ao eiigi idieiro que
fosse examina-lo, e com urgencia di-sse o seu pa-
recer.
Des|wcJiaiain-se as peticoes de Adolplio Rovel,
Amonio Cetario .Moreira Dias, Antonio Jos Rodri-
gues de Soma, Joio BarUmloineu (.oncalvcs da
Silva, Joio Capistrano do Almeida, Jos'Alves da
Silva Guinia-ites, Jos Jaeome Tasso, Dr. Jos Ber-
nardo Galvito Alcoforado, Joaquim Jos Leitio,
Maria l'iancisca do Jess, Manoel D.iarte Rodri-
gues Pinto ; e levantou-se a sessao.
Eu l'i'inr mu Ountto dn loa-cujem. secivitario
a subscrovi.- Pereira Stuwet, pr-pi-esideute.I)r.
T. Villas-bocs Barros Heno. Dr. Pitonga.Dr.
Miranda.
tepacharam-se m peticoes de Antonio da Sika
Ferreira Jnior, Custodio Jos Alves Guimaraes.
Domingos Jos da Cimba Lages, Francisco Martins
Raposo, Francisco Libanio de Farias Jnior, Felip-
pe Manoel da Coneeicio, Henriquo SQcnardo de
Olveira, Joaquim Gomes de Lima, Jjo Pedro da
Rocaa IVreira, Jes Leio de Mello, Jo*'- Rodrigues
do Nascimento, Joaquim Francisco de Papla Este-
ves Clemente, Leopoldo Ferreira Martins Riboiro,
Manoel Antonio de Santiago Lessa. Manoel Alves
da Silva Wanderley e levautou-se a sessao.
Va\ Francisco Cauto da Boaviagcia, secrctarioo
subscrevi.H>uje. pro-presidente.Aira do Brmil.
Santot.Dr. Villas-Boas.Dr. Pilwtoa.Ur .Mi-
randa.
""ler do Sr. Guimaraes, nao foi consignada a idea
de pregos. Gomo nieio de evitar o transito, e sim
uro, portaoe viga. Na oceasiao em que a miiii
e ao Sr. Cuimaris foi dilo que os empreiteiros
nao assinaram o (pe do convenci tillou-se em
pregos-Hlao como projxista que dev!** apreciar
e milito menos levar ao conhecinpento do Sr. Gtii-
raaries, que estova na occasioi presente, e te
certamente nio precisava de opino minha sobre
eousa que nio ini|iortova, desde que. pela recusa
da assignatura liavia cessado a possibilidade de
acord amigavel.
Recife, 16 de Janeiro de 1869.
Dr. Manoel do Xasrhnento Machado Porlellu.
POLTICA I?, TERNA
Partido conservador.
ligne consultar
Horno iiiqierial. o nuuiero de eorretores que .|
naver na praca de Mai-ei, enviando 1 ssa consu
tribunal para que a encaminhe com o sel
parecer.
Nada mais houve e encerrou-se a sessao a 1 i ora
e tres qnartos da tarde.
CMARA MUNICIPAL.
BESSAO ORDINARIA EM 26 DE NOVEM'IBO
DE 1868.
PRESIDENCIA DO Sil. PRRfilRA SImSkS.
Pi' Srs. Dr. Bitanga, Santos, Dr. Mi
anda c Dr. Villas-Boas, faltando com causa os
B. 9BSSA0 ORDINARIA AOS 27 DE NOVEM-
BRO DE 1868.
l'RRSIKEJiCU DO sil. PEREIRA SIMOES.
Presentes os Srs. Barios Rege, Dr. Pitanga, Dr.
Miranda e Dr. Villas-Boas, fallando com causa os
mais senhores, abre-se a sessao. e lida e appro-
vada a achula amondente.
L-seo seuiinle
EXPEDIENTE.
I m oAcie do Exm. |>residente da provincia, de
23 do cor re le, declarando a cmara, em resposla
ao seu ofllciode 18 do mesmo, sob n. 70, que ap-
prova a arreinatacao dos rasparos de que necessi-
lain os pandees, que suslenlam a ponte da estra-
da do cemiterio pnblico. e que se refere o orca-
menlo e condiC(>s que acoinpaiiharain o seu cita-
do ofltcio.Jnteirada, nao prosegnindo a arrema-
tac,!o em coi seqtencia de se ter pedido nova au-
lorisacao.
Outro do mesmo, de igual dala, respondendo ao
da cantara de 18 ducorrente. sob n. 71, tem a di-
zer que app ova as anvmataeoes das obras do
passadico da Baixa-Verde, e do'arco da estrada do
Hosarinbo, de que tratara os oreainentos, que fo-
ram ;tiyexos 30 citado ofllcio, "deveiuto a mesma
cmara, sempro que tiver de piocidir a algunia
das obras, que esiejam eommvhniubsnn no .do
artigo 2. da le n. *>:t, de 8 de junhodeste anno.
pedir aapprjvaco previa do respectivo ofeamen-
11. enviando a presidencia pira ser examinado, e
depois da an emataco, copia do termo della. onde
Ibssem cont nplados os mimes dos concurren le-
que se apresontaram, e as quantias que ollerecc-
nm, para que. assim habilitada, posea a presiden-
cia resolver iiobre a approvaci da referida arre-
inatacio.Que se facain os termos de (intrato, e
se cuinpra a ultima recoiiiraendaeo.
Outro doaliniiistrador do cemiterio publico,
pedindo a cariara a expedicao de suas ordens para
a conclusao da ponte sobre a estrada do cemiterio,
visto que a anUga estrada com as endientes das
mares liea iniransavl, sem que baja passagein
para o estabe cciment.Inteirada.
Outro do ongenlieiro nardoadar, infonnando o
requerimento do Joanna Mana da Trindade, em
que pede licenca para concertar a cubera de seu
sobrado n. 20 da ra Velha, Iregnezia da lioa-\'is-
ta, declara que o sobrado tem 15 pilmes de al-
tura no andar terreo, e nada ha a oppor.Conce-
deu-se.
Omro do mesmo. informando sobre o requeri-
mento du Joa mini Gomes de Lima, proprietario de
um terreno ni campia de Santo Amaro, no qual
pede para edificar nesse terreno urna meia-agua
ooui 2i palmos de fronte, (cando arrodada da es-
trada 33 palmos, diz que nada tem a opiwr, dan-
do-so previai ente a cordeacio.Mndense cor-
dea r.
BMro do ni 'srao, informando sobre o que pede
no njnerim*ito junto Pedro Bats tterges,- ira
era coiitijnMMf fo da obra que esto fazendo no so-
brado 11. 2 da ra das Cruzos, abrir mais duas ja-
nellas no oiti, de confonnidade com as posturas
cumpre-lhe declarar que nada tem a niiper.Con-
cedeu-se.
Outro do mesmo, iiifornoanao safe o une nedM
110 ivqiKTimeiito junto Francisco atartiiis K.qioso,
para continu ir .1 coustr dBM casas tor-
neas que edili ou na ra dos Prar-r e quer edi-
licar junto destas outra com :t0 palmos de frente e
aaajtol 1. ilii quenada tem a oppor, di
dar-se-llie cord- ladsu-ae
eordear.
^I^^^HBbo, informando sobre o requer-
Tm que Claudio Dubeux. proprietario de um
" sito ra Imperial, junto a fabrica de vi-
e teudo -eyuerido e obti-lq corjdaaco para
constrnecito de. alguraas
cordeaejf^ de xaado um espa para
a travessa aJI projectoda, representa contra esta
largura, porn le, diz elle, este Decc< aluda,
-irada di ferro construio un muro ao fundo
c as ras laturaes so tem 20 palmos; cowlue pe-
dmdo que se mrque em vez de 50 palme-, H) pa-
ra a largura da referida travessa, cumpre-lhe di-
dade o que allega o supplicante, a
essa proje tada que passa pelooitao do sobra-
do onde existe a fcbrica de vinagrefoi fecliada no
WIAS PAUWRAS AO ARTICILISTA DO JOR.XAL DO
usaPE.
Em principios de dezembropassado escrevia um
Ilustre adversario do invicto marques do Caxias
as coluiimas do Jornal do Recife :
No correr dos seis primeiros mezes do com-
mando do marquez de Caxias tudo erara espe-
laucas, tudo era conlianca no vemo general :
ansiosos, admirados, caneados de es|terar, mis
1 riamos por teda a parte desculpas, c justilica-
cao para a demora as operacoes. Mas a justa
anciodade, a dor, tal ves a raueaao vierain aos
dizer que nada mais podemos esperar do nobrr
<( marquez de Caxias.
Vellio, caucado, sentindo os elfeitosda proloii-
1 g;u;o da guerra, como se v hoje de lodos os
ses actos, o nobre marquez j dea ao paiz ludo
c qnanto lhe pMliadar. .... A guerra ped: um
general mais moco, mas audaz, mais amostrado
na tctica e estrategia modernas : finalmente,
1 um general que possa levar ao exercito mais vi-
t da, mais cntliusiasmo, o attrahir novos, e vigo-
t rosos contingentes.
Si lalhar a o|K)racao sobre Angostura, como
< estiracadamente tudo faz prever que sim. 011 se
t anda escaparse o ininiigo prosegnindo a guer-
ni, o nobre marquez de Caxias, nao pode, nio
deve ser mais o general em chele das forras do
imperio na Paraguay.
Em eonliapisieao a setas palavras em il de de-
zeinbro (uote-se bem esta dato) escrevia-sc era um
coiiimunicado assiguadoAppitis, publicado neste
Diario, asseguintes piopheicas propos ces ;
t Demos, iKarin, a palavra ana aoousebnentoc
que se pivci|iilam. Elles virio aind.i una vez
responiler as mais severas exigencias dos inimi-
gos do Musir marquee.
Aguardc-os em silencio respeitoso !
Era quanto nos ocios e commoilos da paz se
procura ex por 'ceiisuras o uoinc do venerando
marquez de Caxias, o invicto general eseivve
com a sua gloriosa espada a historia da luto mais
formidavol. em que jamias se cnipeirtiarain as
armas do iiiqierio.
Confiemos no lilho querido da victoria Aos
tantos lloroes de gloria, que eiigrinaldaio a l'ron-
<( te do Ilustre general, o sen raro genio juntar
esta honrosa divisa :vk.nc.eu o caragcat.
E quando aqu se proc4irava otfuscar o brilbo
da estrella de gloria do marquez de Caxias. elle
responda a seus detractores, e invejosos com os
heroicos feitos de Itoror, Avahv. Villeia, Augos-
tura e Lomba-Valentina !!
E coincidencia notovel se deu : oafes tivineiulos
combates se ilerain quasi (|ue nos niesmos dias.
em ipie se puhlicarain'os artigos do Jornal do Re-
cife. negando-se bravura, audacia, tctica, e estra-
Bgia ao mtrepMs general !
O (pie nos dir agora o ilustre articulista du
Jornal do Hn-Jfe.
Houve. ou nao. juizo- temerarios de sua parte,
e notovel parcialidade as apreemofiea (|ue fez so-
bre a direceo dada a guerra indo immortal raar-
queide (xtasi
ReeoHbecer boje ante a rresistivel lgica dos
recentes acnnteeimentos (|ne. se Humayta nao se
tomou a viva forca. foi islo devido lio" somonte a
circuinstoncto* alheias a falla de coragera. audacia,
e intrepidez de Rostas generaos f
O general que planeja e leva a eleito es aanal-
tos de Villeia, Angostura, e Lomba Valentina, pelo
modo porque unnimemente desereveni todos que
os te e nimbaran!, nao tena feto o mesmo 0111
Huma t se os insultados previ-to< podessein le-
var-nos a ignaes ennsequeiicias ?
Diga-nos o Ilustre articulista co:n iuiparcialida-
de o seu juizo a respeito dos ltimos acontecimen-
tos : faca a justica promettida ao valeroso, e intr-
pido marquez de Caxias.
Do contrario diremos, que os seus espirito mi-
raran) lins puramente polticos ; nao foram inipar-
ciaes, como poltico, e nao o soldado, que ivinxfcto ao peso dos
annos, saiindo - tigilo, s o patriotismo 'o arrebatan ate o lony'-
quo ranimi mide se debate a honra da nn> o.
O silencio, que a respeito dos estrondsos feitos
de nossas armas lem ale hoje guardado a impren-
sa da opposieo. nao abona milito o* sentimentos
patriticos de sem redactores.
A desaojadla da honra aaetosad ultrajada nada
tem que ver como hita d-is partidos.
Nos campos do-Paraguay htem-se Brasi|eiro|
que com s mi sanuue lavam a mancha toncada no
pavilhi) ami verde, e curvara a sens pes o des-
lila audaz que. nos insultou.
Alfi nao ha liberaes. conservadoitsj| o fusiorastes.
ha simiente lillms do imperio da Santo Cruz.
0 sangue
Todos sabem que una das necessilades mais
imperiosas da vida eonservar o sangue Iuum e
puro. E' tambera geralmentc admittido (|ne gran-
de somina dos males que atocaju o hornera pro-
vm do estado doentlo do sangue: ou este gran-
de pbulo da vida liumana esto fraco e recusa
preencher as suas fuuecoes niituraes, ou esto
eheio de corrupiio e sobrecarregado de humores
c vicios, que inilas vezes rebentam na pello em
forma de daitros, impigens. burbulbas, nasci-
das; nio obstante todos reconhecercm estes tac-
tos, poucos ha que sabem com que facilidade se
pi'xle conservar o sangue sempre puro e liinpo. E'
facilimo e est ao alcance de todos. E' simples-
mente iireciso tflmar o extracto qomposto de salsa
parrilha do Dr. Ayer. Este grande remedio ame-
ricano, couiposto pelo prueiro chiraieo do seeulo,
c um tnico incomparavel, fortoleccndo lodos os
oreaos e expulsando do sistema! toda e qiialquer
coiTupcao.
As sezdes desafiadas
As iwssoas armadas com a salsa parrilha de
Brisfol, e (ue resideiu nos disirietos em ime rei-
nara ;is febres inteiraiUentes e sesoe*, podem.real-
mente zombar dessa eufermidad ani(|uiladora.
Era fi-asco deste poderoso tnico vegetal ai'ugeiila
os calofros, e iierseverando-se no sim uso. as for-
ras se reslabeleceni coiniiletomime, oo s>stcma
se fortalece contra a miasma generadora da mo-
lestia. Ella tem sido umversalmente experimen-
tada pelo espaeo de -Ti anuos as localidades in-
le-ladas polas sezoes e febres iitermitteutes. I'o-
rui os botiiguos elfeitos deste grande especifico
conservador da vida, nao se limitara a nina s
classe. de enfermidades; a sua a|ceo raeilicnal
tao extensa, como a das proprias molestias. Ai
escrfulas de t\po mais horrivel, o cancro des-
truidor, as couliiiccoes das juntos, leiuloes o mus-
Bolas, o cntoriiecimento c congesto do ligado, o
estado mrbido do estomago e do ventre. a aslh-
ina,.a tosse convulsa, as erupcoes, o rlieunialis-
nio, a debilidade .geral, sio subjugadas com uraa
rapidez e seguranca tal. que assorabra os mdicos
os mais experimentados; gracas as suas qualida-
des suavizadoras, curativas fortificantes.
A(lia->e venda as pharmacias de A. Caors, J.
da Coneeicio Bravo 4 C. M. A. Barbosa, P. Mau-
rer A C. e Barlholoiiieu A C.
COMMERCKI.
dem idem rertles.....
Idem de cabras corlidos .
Idem de onca.......
Doces seceos ,......
Meai eiu gela ou inassa. .
Idem em calda......
Enxams........
Espanadores grades.....
dem pequeos......
Esleirs para forro, 011 estiva de
navio.........
Idem de carnauba.....
Estopa nacional......
Farinha de mandioca ....
dem de araruta......
Feijao de qualquer qualidade .
Prechaes........
Fumo em tulla !om.....
dem an folha. ordinario on res-
tolho ........
dem em rolo, hom. ..."
Fumo em rolo, ordinario ou res-
tolho.........
Calindas........
Goaatna de mandioca.....
Ipecacuanha ( raz ).....
Jacaranda ( coucoeias) .
Lcnhaem achas*......
dem de mangue em toros. .
Linhas e estelos......
Mel ou nietaco......
Milho..........
Ossos....., .
Palba de carnauba.....
Papagakw ........
Pao Brasil.........
dem de jangada......
Pechury.........
Pedias de anudar. .
dem de filtrar.......
Idem de rebollo......
Pennas de Ma. ...'..
I'ia-sava.......' .
Ponas ou chilres de vareas e
novilhos........
Prauehoes de amarello de dous
costados........
dem de I miro.......
Rap.........
Sabio..........
Sal...........
Salsaparrilha.......
Sapalos de eeoro branco .
Sebo em rama......
Idem em veilas. ......
Sola em vaqueta.....
lanoso de amarello ....
Idem diversas.......
Tapiocas........ .
Talajuba........
Travs.....
Cubas de Imi .
Y'assouias de pia-^ava
Idem de timbo .
dem de carnauba .
Vinagre.
. libra UO
. um M
. arroba 400
.-80
3800
. um 45000
.. arroba d*600
. urna .'IJOO
. arroba tifiSOO
. Ubn 2S0
:oo
. un 204IKK1
. libra 25000
. emito 3000
44000
. libia iiki
. i i 170
:t80
10*000
11080
.160
no
I ioOO
IJOO
ooo
liiOOO
iO
ilKX)
Htm
104000
(4000
3*000
1.1*000
85000
104000
8*000
1*000
.1*200
$3*000
954000
9|000
IMOOO
t 000
Afl
1 iin r* (l'' f;,7('ll(la d<^,a provincia, sao pHn trrrti-
*r.~ te convidados os Srs. Manoel Joaquim A ter
Barro-;. Cleimntino Jos de AtexaiMria. Reflarsai
no Jos \11nes. J.s da Silva Rarab'ira. RRasBap-
tista de Oliveira, Jos Pedn. de Alejandra eA'-
I aetano Madeiro. moradores no lermo la lagain
ia para dentro do prazo de iiomiU.i di.- qneaV-
lica marcado a contor desto dala. recoHirreaa a
cofre desta lliesouraria cada nm a qnantia a> dti-
zentos e vinte e cinco mil reto proveniente d omi-
tas que Ibes foram impostas pefo Dr. juiz de d>
reito presidente do tribunal do jnry do mesmo ter
rao por falta de eompartriniento a -ejninda >**.
* iflon i *** ''" ''''" ,l''')"n',' Findo o pran aera o laiaa
-' j ca das referidas multas eoVtuiadas ^erntivanirt-
mummi 1 "! '^ r",lr",^m',l'"i, '"ora o art. 1 do ngnlawraan'
me baixou com o decreto n. i.181 .te ( .te ma-
llo anuo prximo findo.
Secretaria da Ibesonraria de Pemandm.-o. It ile
nra
libra
u ni
rento
urna
arrolla
alqiicin
arroba

um
arroba
urna
arroba
duzia
cento

nm
caada
arroba
s
molho
nm
.puntal
um
arroba
urna
De ordrm de S. Esc. o Sr. im-Jateao*
da pren-inria se far puidieo, para cubect-
iiicntoda iK-swas, h tft*m mmer, qmr.
tratau4o-se do forne<-iiiM*olo d'apni potavel
ht ttrpM -por ci de eticanamenl*
cliafari/.es,recc!.em-sc anca serretoia pn>-
postas para a coostruccio das idras res-
pectivas at n lia 18 de feweiru prnihao
vindoitfo. preMwindo-se de pie lii-ar de-
pendente do assentiiiwtito da asseiuNra pvtv
viucial (i cprilraclo, rjn |ra &?*< lim for
celehratlo.
Secretaria 4o govNW da Parahvlia, rn
9 de Janeiro de 1869.
Tlioiiiaz de Aquino Mimlfllo.
O inspector daalfandcga faz publico aja* a
dia 0 do correnle. de|iois do Bro da. ; a pirl 1
da mcsina reparticio, -ei.10 levadas em hasta po-
blica. livre de direitos para o i.Tematante > bar
ricas com marmore em ao com a marca tetrrrn
viudas de New-York no hiate Jimk Rose, entrad
em i de uoveuibro do anuo innnm pa.'.ad>. p-
sando liquido 8.910 Obras, no valor oaVtol d-
:970(XW. as quaes foram abandonadas aos avi-
tospor II. de La Crange.
Alfandega de Fernambuco 16 oV iaarr do IMov.
Jos Mauricio Ferreira Prreira rt> Barroa.
De ordem ilo Ihu. Sr. insperk>r da fw-mara-
na Je faamto Asta prvrincm f faz pnbl." pan
coiihecinento de quera interessar. que tica >te ur<
era diaiite e.-labe|ecido como resira que os paga-
mentos da penses do monte pofrral d< 1 servi-
dores-do estado tero lugar nos dias 12 dos mez -
de Janeiro, abril, jniho e ontubro de rada ansio
.piando lirem santificados no dia egutnte
Secretaria da lliesouraria de fuzenda de IVr-
nambuco, 15 de Janeiro de 1869.
o oilicial-maior
________V*oef_ Mamede m aWra Cotia
- De ordem rto lllm. Sr inspcctiiir da~Nwsou-
libra
molho
cento
mu
libra
i
alqouire
arroba
par
arroba
mu
duzia
arroba
quintal
urna
cento
HO
I .! MI
:ooo
o.jOOO
3*000
124000
900
800
14000
2(0001
I t!)!
10*000
14000
160
caada
HO
:10400o
800
34000
741HKI
V3S00
IWS0O0
87*000!
:I5000 :
240001
6 MEO I
neo
losooo
8J000
0*100
800
Janeiro de 186.
O oAteial-mafor.
Manoel Wmt da Siltm C-Mdn.
ole
PBACA DO BECIFE 1G DE JA.NEIRO
DE 1869.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Algodio de Periiambueo 1* sorte12*300 por ar-
roba tliontcral.
Cambio sobre Londres 90 d/v 19 ;(. i d. pot
1*000.
Cambio sobre Pars 90 d/v 483 e 4x8 rs. jkii
fraHco.
CaiAWO sobre Portugal90 d/v 170 o/ de premio.
F. J. Sjreira
Presidente.
Leal Se.e
Secretario.
Alfandega de Peniambneo Id de jsete de IKt.
O 2 conferente. Antonio Carlos de Pinlut
Borges.
O ajudanle do siereometra. Manoel Antonio
Vieqas Jioiioc.
ApprovoAlfandega de Pernalnbtico Bid Ja-
neiro de 1869. Pereira de Barros.
O informo Joaquim Tertuliano de Medeiros.
RECEBEDOiUA DE RENDAS INTERNAS C.E-
BAES DE PERNAMBUOO.
Rendimento dodia I a 15 H:07 dem do dia 16 ... ,
luizo on ciUs la fazeada
Perataaabueo.
Faz-se puldicji aqupin convHr n'eressar po--
sa. ipie lindo o ptaso de trei mezes a contar ite ii
d dezemhi o ultime, se bao de vemter em has<
publica, celebrada na cidade |.- i..>\aana c na vili
de Itanih. terante o sobrediln juizo as len'asp^r-
laareatOO ao extinelo eucapcllado de ItamU- ron-
lantes do edital de praca. publiado n<> bnirm dr
Periiambur" do citado dia. Os que preteiuter-1 .
laucar a prasn. poafbnao o art 4" da tei te 6 ite
sHembroile tH.*iO. develan apresentar-re rom uru-
tladores habilitados, sendo a- lanos prsudas*I
ministrativamente e rom todas ais f.>riiiaWa4r-
das lianeas lisca's nos termos das ni^trucci'ire d*
90 de dc/embro de 186o.
O escrivao,
/.//; Francisco B. dr Almeim.
DECLARACOES.

I8:945>14JJ
BANCO MAU i C.
Ra do Trapiche u. 34.
Descorita Ictlras commerciaes a taxa <^o-
venrional. Recebo riinhoiro, a premio ci in-
tencional, pur Ictlras e em conla correnle.
Confere crditos, saca sobre as primeiras
pravas do imperio, Kio da I'rata e Eutu-
pa, e compra cambiaes so'ire as mesmas
prac.as.
Encarrega-se, por comntisso, da com-
pra e venda de fundos pblicos o aecoVs de
companliias, da oobranca de -leUras e di-
videndos ou de sen pagamento, c de qual
quer outra opeaco bancaria.
O expediente para o publico comcii
as 10 horas da nanhaa, e terminar as l
horas da tarde de todos os dias uteis.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendinsputododiaia lo .- 7:1:406*186
litera dodia l....... 9:399I
Pela 1 'ecebedoria de rendas iutenus gcia-
1:868(652 se i'azjpublico que ueste mea ene de fererer.
prximo futuro, que os conlribinutes da laxa oV
in 1 aves do exercieio correnle de 1868-69. qu..
moradores uas Irepiezu? da cidade, quer as de
fora, toen de paga-la, livre da multa de 6 o t), 1
cxiiii ella de marco ein di.inti'.
Rerebedoria de l'eniainliuco 8 de jan-in te
1869.
o adasinistradar,
Manuel Carneiro de Souza l.acerdi
88:8051607
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Desconta letlra^ da praca taxa a con-
veacionar.
Recebe ditibeiro em couta correte e a!
prazo Iro.
Saca vista ou praso sobre as cidaili
principaes da Em-opa, tem agencias na lia- *i ultima.
PIUCA IM) RECIFE
'M 16 DE JA.NF.ino DE 1869, AS .'I HORAS DA T.UIDK.
RElIKT.t **i;H%\AL.
C.imbws.Os saques eireatuados durante a se-
mana regulou de 19" d, |toc 1*, sondo que para
a Europa importarais em 25.000.
Alqooao.^-0 de Pernaiiiburn escolhido e regular
vendeu-se de l.'i(KI a 12.4800, o-de Maceiii. posto
a bordo, a 12o()0 por arrobac oda Parahyba na >
obteve vonda.
AssccariVepdcu-so o raascavado purgado de
34050 a.'iKlOe em bruto de 2550 a ijWOQ por
arroba.
Ar.r.vRDEOTE.idem de 801 a 82 par pip i.
Ciukos.blem de 50 a 260 rs. por libra
Ahu iz 0 pilado da India vendeu-se a .lAoOO
por arroba...
AzEitR-noCBr- O de Lisboa obteve .1.^430 eo do
l'Mreito 3| por alao.
Bycai.ho.-Yendeii-s.;. ni aUuailo a I7.81>0. e
a retolhode L8..-5 a 19 a barrica.
ti ktata.Llera do 16 a 1*200 o gigo.
Boi.AiaiiNiivs. Idem a 'r porbairiquinha.
Cafk.dem de 50 a i por arroba.
lu.-^Mcw do 2jilJa 2700 u.r l^bra.
blem du.2 l -ervkjaRcgnlou de'i 3"00 a > '20O e da supe-
rior a 8*108 por duzia de Farinha de tiuio--Betaiboit-se a (te New-York
SAMA CASA DA ISERICOBDU i 0
RECIFE.
Pela secretaria da santa casa da misericordia d
fiee.ifo de ordem da Illma. jimia admiu>tiatva s-
faz sciente aosparentes das edoeandas Emilia r
reir, lillia de Mara Benriqueta de 1 lastro e Al
xandrina Soares, vibrinha de Joaquim Alves Nn-
nos, que se as nao vierem tirar do collegio ic<>
ellas para o hospital Pedro II, alira de seren em-
prefiadas como srvenles, visto que j leudo cor'.
Vico-consulado do IVs
O ahaixo assipnado vice-consul da repblica (!
Per, temi de renietter a junta debenelirenria it<
.ma. o producto da snhscripcao aberta a bencti-
renciados prejudicados com (s ltimos terrnnni> ^
que de>nniram diversas cidades c povoacM-s d.
quelle fiaiz, deixando araares de penmns ontror
abastadas, reducidas ao maior (rran de m.Tidi, id
de ; avisa a todos os habitantes itesla cidade )
qiieirain concorrer para um fim too carid
no Tico-consnlado esta aberta a respectiva ub--
cn'pcao. Jos Jaeome Tassn.
_______ Vico-consol.
i VIS AOS N WKGANTES"
Era yirtude de ordem do Exm. Sr. presidenl
provincia manda o lllm. Sr. capitao de mar e pier-
de 28 a :il i a barrica, a franeeza a 901, a de ra ecapitao do porto publicar oedilal alaixo tran-
Ricbuiond de 30| a :tfi, a deTrieste de XU a.'to. cripto. conforme soncitoB S. C\c. o Sr. presidcni.
(A PrID0.)
Ad perpetmta rei mcutoiiam.
Na Opiuido Nacional n. 32 se l :
Dizem que a montanba russa do J;u-dim de pa-
lacio um simples nwio que o fim 6 fazer urna
a grata, urna especie de foino pa refresco.
Ser assim, a beira d'agua, uraa especie de
gruta de Calipso, liara ser planteada a partida
a dealgura Diysses progressista.
Em oiiteo numero se l sb o tituloo doge :
a Estamos era Veneza, temos o Dase, e as gon-
dulas, nymphas. saindo do seto da espuiua, e
(i iiua.lro pittorescoa que encantan) a vi>ia.
O Doca passeia nos saloes, preside aos conse-
.. lhos dos dez, e falla do futuro de sua repu=-
tilica.
Se o virem por abi, olkar de Ledo, andar de
boi (!!) gesto de macaco, e suspirando por urna
cmeira de quarenta annos, (senado), nao se ad-
mirem. que o Doge-tem tino, e tem faro. Creiain
Bobouicm em |Hicao sudicieiite paia&zer con-
quistos (nao aijtoii.sa) addicio,aovernodospo-
<( vos. lanean.l > a luneta paraos Imnsontes do futu-
ro e revendo-e naaguas do Capibaribe aosom
h atnusica em urna gndola imperial. (Allu*ao a
un pauslos que deu o Sr. Villa-IMta com a fami-
lia, |ielo rio Capibaribe ncorapanhado de urna m-
sica.) r
Aindana mesma Opudo Nacional se disse :
A inotaank rnssa que se est eonstniiudo no
jardira- ^ptlario dizem que para aprender-
seanuMo)ai.> (O gripho nao noeso.) De-
pl. leni.K omo empreg dos dinheiros pblicos,
n'nm epochapinque a arte de escorregar est
' tao vulgarisada.il
Em um artigo awignado pelo Sr. Dr. Aprig'o
Guimaraes, publicado na Opimo Nacional n. 78
de 14 .to corrente se le :
Piwtesto que a Opnio Nacional nunca tm n-
t( U nrao de offmder o Sr. bardo de Villa-Bella em
sua vida particular.
E o caso de dicr-se:
Ambo flventes etatibus c.
fiia, Iluenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartafl de ereliito,
1 para os mesmos lugares.
I^argo do Pelourinlioji. 7
DEC.
ALFAND1
Bendinienlo do dia 1 a 15
dem dodia 16 ....
A.
431:912 MU
28:11,:W!
400:029 2*1
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volumes enados
dem idem
com fazeudas
cora gneros
Volumes sabidos cora, fazendas
dem idem cora gneros
303
418
126
429
,------555
a do Chile de 125 a l-'U a sacra com 100 libras c
a da California a CIjoOO a sacra: Meando em de-
..... 5.!00 barricas da primoira. 1.000 da segun-
da, 300 datereeira, 6,000 da (piara, e B,800
a 42r>n0 le pre-
781
PUBLICACOES A PEDIEO.
Era raa commiinicado publicado no Diario de
hvintem l-se o eguinte periodo :
Aid*a de s; eallocarem pregos foi pniposia
ao Sr. Dr. Poriella, advo^-ado do 6r. Antunes, a
Descarregam boje 18dejr..neiro.
Vapor inglet=4/Afrra=-mercadorias.
Barca mgleaaIF. of lhe Wavecarvio.
Lugar inglez=CflT/n/f(Mi'=dormeilte9.
Barca fraiiceza-^MoHied ATante==vnbos.
Barca iiiglcza^S/tpp/mplvora.
Brigue inglezEleonoralcatro.
T.\BEL1.A dos preqos dos OEKEnos sujeitos a di-
REITOS DE EXPORTAQAO.SEMANA E 18 DE JAMU-
RO A 23 DO MESMO MEZ DE 1869.
Mercadorias: Unidades. Valores.
21900
900
42(1
11000
880
800
297o
123000
eoSooo
1*000
2^600
45700
6B0
'06400
nm
U800
isoo
lia
idiD
3(000
73000
7*000
6o00
Loi i;a.A ingleza vendeu-se
mo.
M\nteiu.\.Vendeu-se a mgleca dB ISUM) a
I stH) e a franeeza de 980 a l por libia.
MvssasIdem a 10a a caixa.
Oi.eo de i.imiACA.dem a 2^.100 por galio.
Passas.Idem a 8 a caixa.
PiiE Odeuos.Os llamensws venMirnf <\ ti a 2 i 100
cada um.
Sarao.Vendeu-se o inglez a i 70 rs. por 1 br.i.
ToniMio.IflenindeLisbdaa IH jiorarroba.
Vixagrk.O de Portugal vendeu-se de 1104 a
128-5, por pipa.
Vineos Vendeii-so o de Lisrxm a 220 do
estrangeiro tinto a 215.1 < branco a 245 i por
pina.
Velas.As de com]x>sic3o regolaram a 700 rs. o
pacote.
Descontos.O rebate de letras regulou de 8 a 'I
pnr cento ao anno.
Fbetes.Doalgodao para Liverpool, carregundo
aqni, 5,^8 em primagem vela, e 5% vapoi, do
assucar em lastro, para o mesmo porto, a l"/6 a
20%, e para o Canal d'aqui e de outras pr. vm-
cias,a40/a37/6e5/.
Abanos.....'*, . cento
Aleool ou espirito da.guarden-

Idem de canna......
dem genebra....... B
dem restilada ou do reino . l
Algodio em caroco arroba
Ideui era rama ou em laa. . *
Aagico (toros)...... duzia arroba
Arroz com casca......
dem descascado ou puado . V
car branco ...... >
1
Jache de amendoim ou amen- i


! >
Ideo de mamona..... k
Ba'atas alimenticias. .... a-roba
Baunilha....... li.ra
Bolacha ordinaria, propria para
arroba
a
i
idem eacolba ou restolbo .
MOVIMENTO DO PORTO.
N'irio entrado nb da 1G.
Liverpool45 das, barca ingleza Sappho. de 299
toneladas, capitao t). Opzoomer, cquipagem 13.
carga 400 barris com plvora e outros gennos :
a Jobnston Pater & C.
Navios sahulos no mesmo din.
CanalBarca ingleza Meteor, capitn llraig, carga
assucar.
(-malBrigue norueguense Activo, capltiio II. Ha-
lonsen, carga assuear.
Live to aiBarca ingleza Izabell Relley, caf ito'
Williaui Snop, carga algodio.
Aracaty Hiate brasileiro Grac' noel Cae tao da Cus*., nrga diflereiites gne-
ros.
iVatiios entrados no dia 17.
CardlfT50 dias, brigue norueguense Puu'.
de 200 toneladas, capitao Schaming, eqni a.'e n
II, carga carvo ; consignado ao mesmo capi-
tao.
Barcelona64 dias, patacho hespanhol AkU.
de 116 toneladas, caj itao Pedro Mariatano, equi-
pagem 12, carga viimo ; consignado a Burle
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio de Janeiro Brigue nacional Trotador, capitao
Antonio pias Lima, carga varios gneros.
iplo. conleme solicilou S. Exc. o *r. |ir>.-.
da provincia do Para :
Edita].P", qrdeni do Exm. Sr. conselbeiro pre-
sidente da provincia se faz publico que no di..
de novembro ultimo foi enllocada, uas proximida-
des do cutoveuo do bata) d.; Bragaica ao S. S. E.
da ponto da illia daTijca, e ao S. E. 4". F. dapoafa
do Cruci em latt. S. O- 2l' 9 e loer < ia
Grew 47o' 54'X', em fundo de M braca- arca
lina, a barca Purol, que para scraelbante lira de--
tinao o governo uiperiaA as condc^Oes seguin
les:
F toda construida Sa ferro, |em 80 pg de con -
priinciito, 20 de bocea, JO de puntal, caland
Eleva-so do centro um raastro no qual irada a
lauterna que contera ura apparelhti lumjwo du
systhema catoptrico, compo>to de n .ve tompadL-
de balanca com outros botos reflectores prateadr-
e dispostos em grupos de tres.
Este apparelbo giratorio, cnicloiiido em.".
urna wolucae (mpleto com eclipse de 5" cada
una.
O pinico luminoso eleva-se 30ps cima dalinba
de fluctuaran, a luz 6 clara e pode regularmente
ser avistada na distancia de oito milhas.
0 navio que buscar a entrada deste porto lof o
que tiver reeonh.rido a Uiica-Pharol a devera
conservar por B. B. e navegar ao S. O. i. O.; duila
distanta meia uiilha, e logo que a tiver pela *ipa
igual distancia, navegara ao S. O., tend iu;
attencao a otar com que entrar, porque em Ta-
sante encost para cima do baixo e a eiicheu1
afasia.
Os rumos de que cima se trata sao mafn--
ticos.
Secretara do governo da provincia do Para, -
de Janeiro de 1809O secretario Interino JoaoBri
gioo dos Santas.
Confere.Antonio Aunes Jacunie l'ires.
Confer. Salazar.
Capitana do porto dePernambuco. 16de ianeir^
de 1809. J
O secretario,
Be..
comli Mal
Helaran das. utas repislrad
dministraco do corre desta cidade
para os senhores abaixo declarados :
Dr. Antn*) Teixeira Mendos, Anli nio Jc*e
Duart Vntonio de Mello Al!-
tatooto de Souza e S. Braga 4 V.i;.
Dr. Cawemtro Borges Godinho d-
h's Justiniano Bodrigues, C. Adelino.
de Mello, D. Feliciana Mara d
Antonio da Rosa, Francisco Bor;
cisco da Silva Vaz, Francisco d .* Sa)-
D. Guilhennina Franca de Oliv.
Baposo da Cmara (2), D. Joaquina Maria do Sa-



j i
i



ni
Diario de Perfl{iiafou<*>; Seguwi fera 18 Ue Jauejro de 1869.

Tfc'v, ...-<^.
omento, J. C. Bravo *C,Jo3o Gabriel Bautista,
Jos Hermino de S o Soma, ios Mareos Minies
Belfort, Mara Auimsta t. torpe, Dr. Marciano
Goncalvi-s da Roela, Manoel Rodrigues dos Santos
Jfoua. Urbano N'unes Machado Auiuues, Ravmun-
do Agostinho Vieira.
MISOS HTJBfBKT
mmmmm
DE
Paquetes a vapor.
Dos partos do sul esperado
al o dia 21 do corrente o vapor
Tocantins. o qual depois da de-
mora do estume seguir para
os do norte,
j rerebem-se passajroiros e enjraja-so a
carpa quoo vapor poder eoiiduzir. a qual devora
ser embarcada no dia de suaeltogada. Eneonroien-
das e inheiro a frete al o dia da sua saluda as 2
Horas.
Nao si roeefcfm romo Mieommendas sean ob-
jm^os do poqaeno valor e que nao exeedam a duas
arrobas de peso oa 8 palmos cbicos de medique.
Tud-i qne pastar desle limites dever ser embar-
rad cuino carpa.
Previne-so ans Srs. passageiivis que snas passa-
3ns so se recebem na agencia ra da Cruz n. 57,
scriplorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
5_______________
- Para o Porto
Segu con amaior brevidade possivel a barca
Amena de prmera marcha, por ter a maior parte
r pasSBfSiros, aos quaes offere excedentes commo-
dos, trata-se eom Dallar, Oliveira & C, ra do Viga-
rio n. 10._____________________
Rio Grande Snl
Tara o referid > porto salar infallivelroonte at
o dia 7 do Berrate a barca porlugueza Armindn.
recebe aljamia carpa a frete para o que' pode tra-
ttr-se com o son consignatario David Ferreirc
Bailar, ra do Brum n. !>.
*rgnn vi if hora
tlA MBNCIQNADA LOJA
O aponte: DVrfi ai dio Guanara por mandado
do Qrii. Sr. D. juiz de direito interino do eom-
merrw vender es jes objectos cuja relacSo a ava-
liaco podein ser examinadas no armazein dos
Srs. Lopes & Oliveira; depositarios da referida
niassa.
De 53 caltas coin vldros sor-
tidos.
Terca-feira li de Janeiro ao meio dia.
Na alfandrga armazein ff.
O agente Pinto far leilo por conta e risco de
ciiiempertencer de 53 cacas mana A C n. 339 a
2, com vidros sonidos desrarregados do navio
francez Adele, o le o ser eleeluado ao nteio dia
do dia cima dito la alfandega armazem n. 6.
AVISOS DIVERSOS,
Protectora das familias
Em cumprimentt do prevenido no artigo 29 do
regJameuio, se coi vida a todos os senliores con-
Iribuintes desla assiciaelu, que anda nao tiverem
apresentado aseertdoes de idade dos segurado.-,
para que faram entrega dellas na ra do Livra-
mento n. 19, Io a/dar, alim de ser expedidas o
mais breve possivel para a inspectoi ia geral do
Rio de Janeiro. As certidoes devein ser selladas e
reconhecidas por talielio. Recife 15 de Janeiro
de 189.O representante,
N. P. de Vidal.
Gymnasi;provinpial.
O Dr. regedor do gyinnaSo1 mafc*1 ^J^
para rodiceimento d> seoliores pais u 1*1*
scpiiinte*:
Ao publico
< abaixo asignado faz ver ao publico, e com
especiidad-' ao ct'rpo do coiamercfe tiHR reti-
i para Araraj $ nefooio a bein da sociedade
fvmaaaio pnr taefal de PernambaP 'l'i'i'
neirajlrtr*, ftago.i4lcional
Rio de Janeiro
S.'uue com brevidade para o porto cima o bri-
gue nacional IsaM. leni liarle 00sea carregamen-
\a engajado, |iara o resto que ihe falla Irata-se
rom os consignatario* Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo A C, ra da Ouz n. 57, primeiro andar.
Para o Porto
Segu sem demora a barca portuguea -Voro
SUeaem, por ter grande parte da sna carga
prompta : para o resto e passageiros, aos quaes
oflarece excellentes commodos, trata-se com OH-
^eira, Filhos & (".., largo do Corpo-Sanlo n. 19, ou
o o capitao na praca do Commercio.
Para Lisboa
O brijiue portuguez Lniu I, capitao Vieira, vai
sabir com inuita brevidade, por ter a maior parte
da sea carga prompta : para a que ainda Ihe falta
e passageiros, trata-se com Oliveira Filhos c C.
largo do Oirpo-Santo n. 19, ou com o referido ca-
pit>. na piara do Commercio.
mim mmm
DK
Paquetes a vapor.
Dos portos donoile espigado
al odia ti do correnli- 0 IWpW
naetro e Sm, eommandante
Aleoli >rado, o qual depois da de-
plorado cosuine seguir para os
Desde jt recAen^e passageiros e engaja-se a
i qu o vapor poder conduzir, a iiual dever
ser embarcada no dia de sua efiegada. Kiicniiiinen-
das e dinbeiro a froto at as duas horas do dia da
.
Nao se receben] coi.....sneonnsendas genio el>-
jectos4epmnieB0 valor c que nao excedam a duas
.irrobasde p so ou S palmos cbicos ilainedico.
ruda ;me passar desles liiniles dever sor embarra-
do como carga.
IV aosSw. passageiros que suas passa-
-iii- g se recebem na agencia rua da Cruz n. 57,
Io andaar, escriptorio-dl Antonio Luiz de Oliveira
do vV C.
Para oTorto
Seguir con leda a brevidade. por j terqnasi
iodo o sen earregamento engajado, a mui velloira
barca Vcncdnrn : para o resto e passageiros, aos
quaes offerce excelentes commodos, trata-se com
CutAa Irmos & C, rua da Madre de Dous
_____________________________
Para Lisboa
Segu em jioucos das o brigue portuguez Cons-
tante I. por ter grande parte do seu earregamento
prompl i : para q restante e passageiros. trata-se
om Oliveira. Pilnos k C, largo do Corpo-Sanlo n.
19, ou com o capitao na praca do Commercio.
A cai.xa filial do banco do Brasil em
Pernambuco em liquidarlo paga o 30 divi-
dendo das accoes do Banco do Brasil ins-
criptas nesla caixa; a razo de 9^000 por
aeco.
Becife, 16 de Janeiro de 1869.
j .illtO.ITO
HoM da barra
0 proprietario des te estabelecimento scientifica
ao respeltavel publico que o seu hotel est conve-
nientemente preparado para recebar e bem servir
aquellas pessoas que quizereui passar dias no apra-
sivel Jaboatan. Con o se aproxima a festa do glo-
rioso Santo Amaro, o proprietario deste estabele-
cimento espera que as pessoas que fazem a festa, e
miequciram apreciaros cxcellentes banhos, se di-
rijam a este hotel, vnto que all encontrarao todas
;is couunodidades precisas.
= Precisa-ss de u ni caixeiro (pie tenha pratica
de taberna o d fiador a sua conduela : na rua
das Cruzes n. 2i.
Preci-a-se alujar um escravo paia casa de
familia ; qnem o v>r e quner alugar pode ir na
do Hospicio n. W ou na rua larga do Rosario u.
38. loja, que se dir qnem precisa.
se ensiift: Mhieiras lr, ns^o.-nacionai, latiin,
francez, ingles, alleani), grefo, arfllauelica, alge-
bra, getaeim fcifolouKtn, goegrephia e his-
toria, pbilosopbia, rhetorica e potica, sciencias
naturaes, msica e desenho, para cujo ensino ha 17
'professores catliedraticos, 1 substituto e 3 repeti-
dores,
2* Que o eslabeleciniento admiti alumnos de
Ires classes ; pensionistas, que moram effecliva-
iiionte na casa ; meio jiennionislu^. que entran as
8 horas da majiha e retiram-se as G horas da
tarde ; e externos que s vo ao estabelecimento
s horas das aulas.
3 Que os pensionista* pagam 304 por mex em
trimestres amantados, e co osle prgamenlo po-
dein fregucnlar todas as aulas (excepto a de m-
sica), e teem casa espaoosa e arejaira, comida boa
e abundante, roupa lavada e engommada, papel,
pennas e tinta, medico e botica.
4 Que os meio-pensionistat pagam 15*000 por
mes, tambem em trimestres amantados, e com este,
pagamento podem frequentar todas as aulas (ex-
cepto a de msica), jaulam no ctfafcclieiuNnto e
teem papel, pennas e tinta.
5* Que os externos pagam 5 por mez, do mes-
mo modo, e com este podem frequentar todas as
aulas (excepto a de msica).
6* Que os alumnos que quizerem frequentar a
aula de iniisiea pagaro, uamesma conlbriHidado.
i s por mez.
7' Que os alumnos que forem jn I gados habilita-
dos para exame, as diversas aulas coiresponden-
tes s do collegio das artes, querendo fazer ueste
os seus exames, terb preferencia para seren cha-
mados logo depois dos alumnos habilitados do
mesmo collegio.
Criado.
Precisa-se ainda de mais um criado : na rua do
Imperador n. 73, 2o andar.
!*. t que flia"entregue u 'Jo *> *>gao, seu
,eio >se Pereira Mondes Gt*,*#
RcciRv .'* de Janeiro de iW.
__________Amonio Thomuz da Mira .'"njvr.___
Vimde-se urna escrava crioun '.'ladc 30
annos, sabendo cozinliar. lavar, o mna jende
lia rua ; nu do Pilar n, 62.
iTfc, sii
= Aeiule-se i escrava. bonita criouto, isitnie
engommadeira o corinhejra. com um li ii*v ttlhi-
nho, 0 ditas para todo servico ainda m#smo' o de
engenbo, 1 escravo moco por 700. 1 negra Boa
qiulandeirae que faz todo o servico por lS5f' *
travessa do Carino n. 1.
Precisa-se de urna ama para comprar!
nUar: na rua da Seniala-velha n. 112. 1
o eozi-
andar
Pede-so. informacoes se existe nesta capital
o S. Luiz Leite Guimaraes, ttlho de Marioel Leite
Guiqiai-es. no reino de Portugal; no ijseriptorio
de Jos Victorino de Rezende & C, na ria daCa-
(la n, "A. I" andar. i
-- Futfi< no dia 9 do corrente a escrava Candi-
ila, crioula,de idade 24 annos, com os signaos se-
guintes : bem preta, bai\a. quando falla opera os
olhosporque sollreda gaguez, o inyobe, levou
vestido encarnado ja desbotado e chale ilmarello :
quem^ pegar leve rua Imperial n. .'IJ. OH ao
subdsssgado de S. Jos, que ser recompensado.
= Pordcn-se ha 15 dias, da Passagamida Mag-
dalena-pela Estancia e sitio do Sr. Dubourcq un
sobretodo do borracha branca com forro! de qua-
drinhos : agradeee-se e gratiOca-se bemj a quem
o achon e quera levar a rua da Cruz n. "
Ilelhodo Castilho.
Socundino Jos de Faria Simoes, professor par-
ticular de inslruc^o elementar pelo .netbodo 6'as-
tilho, avisa ao rospeilavel publico e com especiali-
dade aos pais de familia, que est aberta a sua
aula desde o dia 7 de Janeiro, na rua da Penha n.
25,1" andar, aonde recebe pensionistas por proco
commodo. O mesmo professor prometi muito-e
esmerar no adiamntenlo de seus alumnos. O
mesmo professor abri desde o mesmo dia um
curso de primeiras letras anoite para aquellas pe*
soas que nao poderem frequentar durante o dia.
= Bento de Barros Forj e Tranqueh'njo Candi
do da Silrn Brasil fazem scionte ao respei avel pu-
blico o especia luiente ao corpa do commercio, que
jnlgam nada dever a esta praca do seu es tabeleci-
meiito que gyrou sob a firma de Feij & Silva,
cuja sociedade acha-sc de coinmmn accordo dis-
solvida, desde 31 de dezembro prximo passado,
ficando o dito estabelecimento bem como o activo
pertencendo ao socio Silva.
1869.
Recife 2 dejneiro do
Perdeu-se no dia li do corrente uuia
canev
lis! rada de ferro do Hecife a *.
Francisco.
AVISO.
Sao convidados os Srs, accionistas desla com-
pauhia a virom ou maudarem por seus respecti-
vos procuradores a estaclo do Cinco Ponas rece-
ber o 10 dividendo do suas aeros.
Villa do Cabo 18 de Janeiro de 1869.
G. O. Mann.
Superintendente.
Gabinete Portuguez de Leitura
Pela secretaria do Gabinete Portuguez de Leitu-
ra se faz publici que as sessoes ordinarias da di-
rectora torio lugar as segundas-feiras as 7 ho-
ras da larde, no respectivo edificio.
Secretaria da dire loria 16 de Janeiro de 1869.
O P secretario.
Joaquim Xavier Vieira Ligo.
Para o Rio de Janeiro
ira com a mxima brevidade possivel o bri-
pue nacional Tiwudor, para carga e escravos
irete, trata-se com os consignatarios Marques,
Barros & C, na praca do Corpo-Sauto n. 6, segan-
do andar
CMl'ANHJA PErNAMBUCXNA
DI
:!\':tve.2ae3rt eostclra por vapor.
Porto ae GaHtobas, Bio Fonnoso o
Tam;iudar.
^^mi/ O vapor M-tmitiKjuitpe, coniman-
danle Mello, seguir para o porto ci-
ma no dia 20 do corrente a meia
carga, ptssageiros, enoommen-
dasedinheiro afrete no cscriptori do Forte do
Mallos n. 12.
LELOES.
Da
armac, utenci-
lios e faeendas
oxi-ttiies na loja de middeas ir. 5 rua da 6a-
tituindo a mas.-a fallida de Silvestre Pe-
reirs da Cimba.
IIOJE.
Mauricio Jos dos Santos Ribeiro. profunda-
monte maguado pela sentidsima morle de sua
nunca assas chorada esposa D. Guilhermina das
Dores Mello Rilieiro, snecodida em Lisboa, no dia
20 do mez passado, pele a seus amigos o caridoso
obsequio de assistiretu a missa que pela alma da
iiiesina (nada manda celebrar na igreja de Vossa
Sen hora da Soledade, terca-feira 19' do corrente,
as 6 horas da manb;, pelo que ser eterno sen
reconhecioente.
0 hachare I Antonio Bangel de Turtos
Bandeira possuido to mais profunifo senli-
mento, convida a todos os seus amigos e
parentes para assistirem a urna missa que
por alma de seu sempre lembrndo pac, man-
da rezar hoje pelas 8 horas da manhta, na
matriz de Santo Antonio._______________
Precisa-se de un i bomeni para, como l'eitor,
tomar conta de um sitio porto desta cidade : na rua
de Horras, taberna n. 43.
Instrucco primaria e
secundaria.
Leci'iona-se primeiras letras, francez e rhetori-
ca: nos Coditos, tua dos Prazeres n. 42.
Fugio o pelo ciioulo de neme Rodolpbo, de
24 annos de idade, punco mais ou menos, no dia
9 do corrente, vesgo de ambos os olbos quando af-
firma para alguem, andar gingando. usa cavaguac.
o levou vestido calca parda o camisa de chita en-
carnada; andou embarcado em vapor da compa-
nbia Periiamlnicana. Quem o pegar leve-o ao Cor-
redor do Rispo n. 33, casa de Luiz de Oliveira
Una.
Convida-se aos prente-, o tudas as pessoa>
amigas do fallecido alteres Amaro Goncawos dbs
Santos, para que so digneni comparecer na ma-
triz do Santo Antonio do Recife, no da terca-feira
19 do corrente. s 7 horas da tnanha, aiint de
assistirem as missas do stimo dia de seu l'alleci-
menlo, que tcm de seren ditas polo eterno repon-
so de sna alma; com o que aletn de praficarem
um acto de verdadoiros chrislaos, darao moa ple-
na demonstraco do quanto prezam a memoria de
um infeliz amigo.
Jos Materno de Azevedo Santos. Sonboriiiha
(enerosa de Azevedo, Mara Dativa de Azevedo
Arauio, Antonio Aladim de Aromo, ausenetes. e
Isabel Maria de Hungra Dias. lilbos. gonro e ir-
maa, agradecein cordialmoule a todas as pessoas
que se dignaran! aeompanhar ultima morada os
restos inortaes do seu sempre lemlirado pai, sogro
e irmo loto Antonio de Azevedo Santos, e de novo
Ihes rogam o caridoso obsequio de assistirem mis-
sa e ollicio que so celbrala no stimo dia pelo re-
pouso de sua alma, na matriz da Boa-Vista, terca-
feira 19 do corrente, s 8 horas da nianba.
------T "i lifrtffT .>.T
i:asii!o de arilhiuetira. algebra e
-geometra.
O barbare! em direito Casemiro Borges Godinbo
de Assis, ensina eslas materias no primeiro andar
da casa n. 17, sita na rua Nova, das 7 1/2 as 8/2
horas da manha aos senhores osludantos que (to-
sejan) lser exame nc collegio das artes, e das 7
!2 as'. da noiteaos senhores empregados no com-
mercio.
Alugaio-se o 2" o 3" andares do sobrado ca
rua de Apollo n. 55, oxcelleiile casa com bastantes
commodos e bonita vista para lodos os lados :
quem a pretender entenda-se com Jos Antunee
Gmmaraes, ou Sr. Ti amaz Fernandos da Cunba,
na rua da Cadeia do Recife n. i.
Fugio do sobrado n. 38 da rua da Cruz no
dia 15di corrente, a arde, um papagaio Tallador,
levando preso no p t querdo unta sotante : pe-
de-so a quem o apanl.ou o favor de o levar ao
mesmo sobrado que ser generosamente recom-
pensado.
Manoel Vieira Bi rnardes, negociante matri-
culado, cstabeleridocom nadara na ruado Mein
00. lie 23 da cidade do Goyanna, pelo prsenlo
scientifica ao corpo cmtmercial, que cedeuo mes-
mo seu eslabelecime ito aos seus filhos Manoel
Vieira Bernardos Juni dos, livro o dosembara ado, ficando o mesmo esla-
belecinientogxrandou razio social de Vieira J-
nior c Irmo, a contar da prsenle data em diante.
Rooifo 15 de Janeiro d 1869.
Cozinlaeira.
Precisa-se de urna cozinbeira: na rua do Impe-
rador n. 73, 2 andar.
O Sr. Francisc Xavier Pereira de Brito
peira apparecer no C jraco de Ouro a negocio de
seu int
Precisarse de un caixeiro que lenba pratira
de taberna e d fiader de sna conducta : na rua
das Cruzes n. 24.
Precisa-se alug.-x um cosinheiro bom
rua da Imperalriz n. (i, Io andar.
na
Precisa-se de urna ama de leite para acabar
de criar una enanca de 9 mezes, porin sem
crianca : quem quizer dinja-se a rua do Brum
n. 69."
Precisa-se de una ama para servico de casa
de pituca familia: na rua do Imperador n. 14.
l'recisa-se alagar um escravo para lodo ser-
vico : na rua do Trapicho n. 18.
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar e cosi-
nhar para casa do tapa/, solleiro : rua do Quei-
mado n. 12, loja.
Memorias do clero per-
Quem tiver a obraMemorias do clero pernam-
bucano, que quizer vender ou trocar por una
miraMemorias histricas da provincia de Per-
nambuco : dirija-so a larde ao cscriploriq, do
primeiro andar desla typographia.
Attencao
feita do papel do Hollanda, contendo emi sedulas
uta o tantos mi! ris, unta letra j vencida de
80|800 e varios conliecinionlos de deciOM de pre-
dios urbanos, pagos nos dias 12 c 13 tambem do
corrente : qnem a tiver aebado e quizer "eslituir,
leve-a ao segundo andar do sobrado da ruii do Sol,
esquina da rua das Flores, que ser recompon
sado.
Ama.
Precisa-se de urna ama de leite que nilo tenha
lillto : a tratar na ruada Praia n. 59, 2o indar.
Allcnfo!
f
Fugio hoje pela manha a escrava de n me Ge
neiusa, pertencente ao Dr. Elias Frederico de Al-!
meida e Albuquerqno, da Parabyba, a qnaltcm os
signaos seguimos : cor preta. rabero pequona, ca-
bellos carapinhos, olhos grandes, estatura
egular,
dorpo bastante secco, ps mn pouco apal iclados,
esticula muito quando falla, cun idade de
Vi
goiiona. sabio eom vestiiio de chita n'ixa
16 para
a e en-
e chale
azul : quem a prender pode entrega-la ao )r. Er-
nesto de Aquino Fouseca, na rua Nova
andar, oti ao Sr. Manuel Caldas Barreto, en|
ribe, que ser recompensado devidamente.
urna ama para tratar
l'reoisa-se de
crianca de nina familia estrangeira :
na ruii do Gajuesn n. 4.
7, 2
Bebe-
!e urna
par i tratar
Ao publico
Fugio do abaixo assignado, morador na (villa de
Limoeiio. no dia 11 do corrente, utiiseu oscravinho
mualo, de nomo Jos, com nade de 11 annos,
mais ou monos, nariz afilado, cabellos caixeados,
olbar imitando a vesgo. denles poiloitos. e cuja
falla desoanoada, levou vestido camisa cealgo-
doziiiho e cer'oula do mesmo panno, o chapeo de
pallia grossa : suppoe-so que se^uiopara o Recife:
quem o encontrar o levar a seo dono, ser genero-
sai liento recompensado.
Manuel dos Anjos Silva.
Pedido.
O Sr. que ha i dias tomn ta loja d'Aguia
Branca as amostras de biecs de gulipure
eeufeiteg do seda, laca o favor das re
porque de certo ha m;tis qnem [
dellas.
lininooi que tem pratica de
stttuir
recis'e
esen-
pturarn por Partida Dobladas, que es-
creve e traduz as liuguas, firanceza e itlgleza,
oll'orece-se para guarda-livins de qtniquer
casa commercial, e da pessoas iilniteis por
garanta de sua reputarSo: i|uem precisar
quera annnnciar, ou ilcixar sua notada
nesta typograhla, coja as inidaes A.R. H.
Compra-se o Diario de
Pernmbitcn ns. ] e 2 do fr-
rente anuo; nesta typograf&ta.
M:'ERIAL LNSTITUT DE N. S 1)0 BmT:u.\S1;-
I.ili), RUA IK) HOSPICIO N. 36.
Neste estabelecimento preeisa-se de urna
que tenha as htbilit;icoos
uliar o cargo de censor.
precisas para di sempe-
pessaa
Procisa-se do urna ama para cosinhar e engom-
mar para urna casa de pouca familia: na rua de
loitas n. 10. loja.
Para se evitar lotigios, previne-se i]ue ninguetn
contrate negocio algiini com os escravos de los
Lins de Sigueira Cavalcanle Jnior, hoje morador
no engenho Manhoso do Porto Calvo toe Ala.
por quanto se acliam hypotlieeados e segundo as
eondicoes da hypomea se presume vendidos. Os
escravos sao: Honowto, cabra, Maria dos Campos.
orioula, Amador, criulo, Ronto, cabra, Benoilic-
o. Angola, Cinciiato, cabra, Severino, Angola e
CUympa, orioula,
Recife, 15 de Janeiro de 1809.
= Precisa-se saber se existo nosta provincia o
Sr. Augusto Jos de Souza. natural da provincia do
Rio Grande do Sul, e que foi furriel do balalho de
cacadon-s n. 10 ou 11, e depois tez parle do c
n ilii-ial desta proviheia : no eaMpbtto de
Victorino de H.'/.ende cV (',,, na rua da Cadeia n.
Si, Io andar, recebe-se as informacoes a respeiio.
Offerece-se
urna ama de leile de primeiro fruclo. a qu; 1 pre-
fero casa estrangeira e sendo torada cidade me-
lhor, eno caso que soja casa brasileira que saiba
diflerengar urna ama de seus proprfes es^ra
utan precisar dirija-se ao pateo do Paraizo loja
n. 13.
Aluga-se
O Io, o 2o e o 3o andares do sobrado ta rua d-
reita n. 88, ltimamente concertado e com bous
cornuiodos para familia ; a tratar na padarin n. 8-i,
niosma.,rit;!. _______ ____r_____
Aluga-se
RUA
'
|D0
CABUGA
esquina
da rua larga do
Eosario.

-c alugar duas Matas es ca-, u- ou dous
molftfuw que urvam para veader na na 1'rutit.i e
nutras cousas: a tratar na ruado Queimad i n. 57,
loja.
VALOR TIIURAPSUTICO
1)0
XAROPE DE QUIMA FERRUGINOSO
VtWfMMmrtUM 4* A. I. prixHM pola, A sssociacie do ferro e da quina resol veo um dos mais importantes problemas da pharmsda,
e MI eom que se COneralulam OS medien* Aru: rclp.vanlps lervicns nnp Ikp. nrp&la aci9 nn.
paracSo.
que se congralulam os mdicos don relevantes servidos que Ibes presta mu pre-
Com effeilo, mngvem ignora que a qnin, en mateira medical, o mclhor tnico que se
posta em pregar, sendo, sobretodo, unido ao Phosphato de ferro, a mais estimada das pre-
paracoes ferruginosas, pois que entram na sna eomimsicio o ferro, elemento o sanene, e o
phosphato, principio dos ossos.
Por isso, julgmos qne, para os sflrs mdicos, serSo inleressantes asobservacoes feitas pelor
seus collegas, os mais distinclos de Pars:
Este Xaropa prodnz os mals feftzes resallados nos cases do dyspepsia, cltlorosis,
amenorrhea, hemoiThagias, lencorrheas, febreslypboidas, diabetes, e quaodo precisa
restabeleeer as forcas dos doentes e restituir ao corpo as forcas alteradas on perdidas.
ARNAL, medico de S. M. o Imperador.
t nma das raras combinaedes que, ao mesmo lempo, sasfazem o medico t o deento. Em
t qnanto a mim, en a considero como a mais ?fcaz preparavio ferruginosa, cojo uso dos
i mais agradaveis para os doentes.
.. | CAZENAVE, medie o hospital Samt-Lou, em Phn.
c Com esta preparac3o d'uma forma agradare!, e fcil de digerir, *dmnh*ra-te aos
doentes dois medicamentos importantes.
CHARRIER, chefe dt etmie da Faewidadei Parts.
* En ernprego eem o maior xito o Xarope de Qeiaa ferruginoso, c o considera como
ama das mais felizes innovaedes, na nateira medical.
CllASSAIGIAC, cirurgi&o m chefe do hospital Laboisirt.
Este medicamento, sempre bem aceito pelos doentes, dco-nie constantemente os mais
vantajosos resaltados.
HERTEZ DE CHEGOIN, membro da Academia de medicim.
A limpidez d'esta preparacaO, o sea gosto agradavel, iscnto de qualquer sabor de
< ferro, fazem d'ella um medicamealo lo effii:az come agradavel. *
MONOD, addido i Faculdade de medicina.
Deposito em Pernambuco, em casa de
r.


LOJA DE
Este importante estabelecimento no seu ge:nero, tem sempre m sortin^to sem igoA
e vende por prepos que nenhuma outra easa pode vender.
vista da qualidade e do prepo dasjoiasoada um pdtiMie-ka convencer daver&cle.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele-
vados.
A loja est aberta ate s 9 horas da noute.
esquina
da rua larga do
Rosario.


r

4
Diario de IPttWamtmo Segunda eir* 18 d Janeiro de 1-869.
COLLEGIO
HE
Preaisa sede. uua#c que se** Nabar
para casa de h na nta do'l.ivia-
nicoto n. 1% -r_____
"TI-----'----------'
7,1.11 Aii \jiJLWJ T 1J T ir.
Ra do Hospicio n. 22. |
Todas islillas deste cnliegio qtio compreliendem
o ensino do pi menas lettras; das nguas.lajina,
franccza e ingleza; do geometra, geograplria e
philosophki, eslarao iipl*t*rivelmiHo slljertas na
segunda-feira, 11 do corrate. Alni destas disci-
plinas, havei- duas vezes pS semana nina aula de
grammutica iMirtugueza e un curso especial para
a pratica da cunversacao franceza, dirigido por un
profosor franco t. _________
.3 vJ
0 Sr. sargento bridada do corpo de
poti-ia quefra vir a esta Typographu a en-
gocio._____________________________
.Irocuni-se
aa otas do banco do Brasil e das caixas filiaos,
com descont rtuito razoavel : na praca da Inde-
pendencia n. 22. I
RABATIS8IM0
Calcado nacional, jia fabrica do loso Vicente
Godinno & C, roa do Jardim n. 19, avisam aos
seus fregueses desta capital o do interior, que con-
larcam a fabricar calcado em alia escala, e ollc-
recomas melhores condioSes, tanto em preco como
em qualidado. Os propietarios deste estabeleci-
meito ctiamam a attencao dos senhores consumi-
dores do interior, que "os qiaerem honrar com
m freguezia, especificando em seus pedidos a
qualidade e numeraran, offerecendo-se para os en-
tregar bem acondicionados em casa de .cus cor-
raailondentes nema praca.____________
~CrladoT"
Na ra do Imperador n. 73, segundo andar, pre-
cisa-so de uin criado fiel e bem procedido.
Aluga-se o Io andar e nn-tadc do 1, do so-
forado amarello da na do Queimado n. 'M, o* quaes
se acham pintados de novo, e siio muito proprios
para os senhores advogados : a tratar na luja do
inesrao sobrado. _______________^_^
Antonio Jos Rodrigues de Souza, precisa
alugar um criado para o servico de casa, de mais
de lo annos : a tratar com o mesmo na ra do
Cres|K> n. 15, mi em seu sitio no Mnnteiro._____
Frederico Maya
Clrurglo dentista pela escola
de medicina
do Kfo de Janeiro.
Tema honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capilal e scus suburbios, que tein aborto o
sea gabinete de consullas e operacoes dentarias a
ra Dircita n. 12, primeiro andar, onde pode ser
inoculado todos os das das 8 horas da mantea as
i da tarde. Elle acha-se competentemente babili-
tado para com perfeicao collocar denles artfSeiaes
porquali|ucrdos systinias, e bem assim desempe-
nliar qualquer oul'ro trabalbo concemente sua
profissao. mesmo, reconhecendo que nem sem-
pre possivel ssenhoras ou enancas sahirem a
procu U o remedio, offerecc-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que lia cidade se pres-
tar a qualquer chamado semque issoinllua eoosa
alguma na rnmmodidade dos precos de seus traba-
Ihos, e quando para fra dola assim mesmo ser
precedido de un ajuste rasoavol, garantindo elle a
aegnraiMae perfoifjio de scus ditos trabalhos. Em
seu gabinete se encontrar constantemente excel-
lenteps dentifricio, elixir e outros niedicaincn-
tos odontalgicos : ; ra Direita n. 12, primeiro
andar.
Antonio de Andraolv de Luna avisa ao pu-
blico e especialmente ao respeitavel corpo do
i'oimnercio, que admittio para socio de sua casa
comercial em Goiannaa na do Meio n. 27.a sen
sobriiiho Luiz Antonio de Andrade Luna, tonda
principio no dia Io de Janeiro de 1869, na razao so-
cial de Ivo Antonio de Andrade Luna & Sobrinho.
Joaquim Jos Gon-
calves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, I. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minlio, em Braga, e sobre os ,segua-
les logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
(sumaries.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Aivos de Vil de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalico.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
DflAX
Photographia
\-*-
BARTHOLOMEU a* C.
Ofrfidlographo J. rVrrWf Villela participa ao
respeitavel piiblieo, quu.tendo chegado do 11 o-de
Janeiro no di i 7 do passado, toniou a jrcu-ao qVi
sen estabeleciment de photographia, sito a ra do
Calinga n. 18 entrada pelo pateo da matriz, onde
se contina a tirar retratos por todos os sistemas
photographieos. Xo mesmo estabelecimento anda
se contina a tirar retratos em cartao de visita a
9 000 a duzia. Ha tamban urna linda cotleccao
de alflnetes de ouro de le com pedias preciosas,
para a collocaclo de retratos.
__----------
AMA
Precisa-se de duas amas, una para engqmmar
outra para cozinliar : na ra da Cruz n. 66.
Aliiga-se
Duas casas com bastantes commodos' na
Cidade Nov;t de Santo Amaro a tratar rom
Antonio Joso Comes Jnior, em
Aman i.
PARA USO INTERNO
PREPARA nOS SIMPLES
Naropc de jurubeba garrafa. 10OO
\ iubo ile jurubeba garrafa. I ,$600
Pitlas de jurnboba vidro. 1 > Tintura de jurubeba vidro. 640
Extracto liydracoolicu de jurubeba. li&OO
PREPARADOS CO.VIPOSTOS.
Vinho de Jurubeba ferruginoso garrafa. 2ri000
Xxirope de jurubeba ferruginoso garrafa, i .-$600
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2->000
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurubeba pote 640
Emplastro de juruheba libra. 2*500
PARA USO EXTERNO
., A .ii nibjEBA.
Esta planta e noje reconbecida como o mais poderoso Inico, como um encl-
lente desobstrueute, e como tal appcada nos engorgitamentos do figado e ba^o, as
hepatites propriameute ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflammacoes
Arreuda-se a propriedade denominada
Barra de Serinhaom no littoral da fieguezia
do mesmo nome, com nuiitos foros rece-
ber e mudos coqueiros a desfructar, tendo-
Santo subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecianent': do ulero o abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as hodrope-
zias, erysipeHas ; e associada as preparaees ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, ctiloroses. faltas ilo mAnstrunein Iou,-i,itI,.i-,.- ,i<..-.,,...,,;.... .f^:.A ,in
C'oziuhcira
Na ra do Imperador n. 73, segundo andar, pre
cisa-se de um i cozinheira.
Ama de leile.
as anemias, cbloroses, faltas de meustruacao, lucorrbeias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobres de sangue, etc.
0 que dizemos affirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
alm disto, a expeliente e rara posico de q,iae.s podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino FOnseca, Sarment, Seve,
beira-mar, a beira-rio, inteiramente apro- PereiradoCarmo, Firmo Xavier,Silva etc. Todos elles reconliecema excedencia deste
priada para manter-se ah qualquer es Pecoso medicamento sobre os demais at boje conbecidos para todos os casos citados,
tabelecimenlo commercial de seceos, e mo- tauto.que todos os das fazem d"elle applicaco.
litados; a tratar ra do Imperador n. 20, Aposentando aos mdicos e ao publico em gcral diversos preparados dajuru-
ou ra da Florentina n. 28. beDa> tivemos \m fim generalisar mais o uso deste vegetal,- fazendo desapparecer a
repugnancia que at boje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, e
mais das vezes repugnantes a tragarern-se, e que tinbam ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna multas vezes improficuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de bavermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conheccr as pro-
piedades medicamentosas d'esta planta em suasraizes, folhas, fructas ou bagas, e a
dose conveniente a applicaco, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeicio possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos im-
portando rpouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos .preparados podem ter a
certeza de eme elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
velcura de qualquer dos solTrmentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolher as nossas va-
riadas prepararnos, aquella que melbor lhe pode convir, ja pela fcil applicaco, ejpela
eomplicaejo das molestias, idade, sexo, ou aiuda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma tnie se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
como taes estilo hoje recouhecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propiedades da
jurubeba, e sabeiem a applicaco de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposio um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
Botica e drogara
34Ra larga do Rosario34.
Do xarope Vegetal Americano, cspcclalldadr dr llartholomcu t C
3V- RA LARCA 1)0 ROSARIO- 34
Nao costijma^ios. procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei-
Precisa-se d1 urna ama de leitc preforindo-se es-
clava, para acabar de criar urna menina de 8 me-
zes de idade: na ra da Conceicao, na Boa-Vista,
n. 14.
Desappaiocoii da ra dos Coelhos n, 20, o
cabrinlia escravo de nome Milburges, idae 0 an-
nos, o qual tinha viudo do engenho Salgado, cu-
rar-se de mordedella de cachorro damnado. Roga-
se as autoridades policiaes e a qualquer pessoa
que delle souber, so sin-a dar parte na dita ra
dos Coelhos, ot. na na do Apollo n. 8.
Atteii<$o
Precisa-sede 2:0000 a juros pagando-se o pre-
I mo que se convencional- e dando-se boa garanta:
a pessoa que quizer fazer este negocio deixe caria
na ra das Crines n. 13, com as iniciaos I. F. M
Attencao
Antonio Carlos Pereira de BurgosPonce de Len,
como solicitador do foro desta cidade e dos termos
de fra, se encarrega de todas as questoes que fo-
rem suscitadas pecante os tribuuaes civeis, Cri-
mea, conmicrciaes e ecclesiasticas, prometiendo
continuar a exercer o seu emprego, com a mesma
lealdade. actividide e dedicacao. O annunciante,
pode ainda receber certo numero de casas com-
merciaea, por contrato animal e bem razoavel. De-
ve declarar, que costuma dar as contas de despe-
gas judiciaes, tedas datadas, especificadas e com
escrupulosa exaclidao, como affirmam os que tem
sido seus constituimos. Qucm pois quizer o hon-
rar ci'in sifaconlianca, dignar-se-ha procura-loa
ra das Trincheiras no primeiro andar do sobrado
n. 18, junto ao rartorio do Sr.escrivao Motta, para
onde acaba de mudar-se.
abaixo assignado taz sciente ao corpo do
commerrio desta praca e a quem mais interessar,
que do primeiro do orrente tem dado sociedade
em seu estabelec imento de fazendas a ra do Quei-
mado n. 18, a en caixeiro interessado Joao Bap-
tista dos Guimaraes Peixoto, sendo a firma de ora
em diante Ca valho & Peixoto competiudo a
ambos o uso da lirma social.
Recife, II de Janeiro de 1809.
____ Manoe! Hibeiro de Cnrvalho.
... pessoas que
espontneamente nos ofleroceram os que abaixo \ao transcriptos, <>s fazemos publicar,
manifestando-Ibes no&i gratidaopela attencao, esperando que vonliam elles corroborar
o conceito, e aeceitarao que tem merecido noss xatupe.
Bartfiolomeu ATTKSTADOS
Illms. Sis. Oarlholomeu & C cun a mais subida satisfacao que declaro
ser o xarope Americano de unta efficacia extraordinaria, pois que soffrendo ha das de
intensa tosse, ponto d nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamentos
que b4navaf a elle recorr e na tereeira cother fui alliviado, e de todo me acbo hoje res-
tabelecido omiouso smente de quasimeio frasco: grato, pois,r esse resultado mani-
fest a Vv. Ss. me reconhecimento. De Vv. Ss. amigo, venerador e obligado.Ma-
noel Antonio Vtegas Jnior.
Stta casa 20 de abril de 18G8.
Illms. Srs. Rartholomeu A CPenhoradissimo com o favor que me lizeram
no aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composn-io, quando me acha-
va Bastante doente de urna constqiaclo, que me tornnu completameide ronco e que
trouxe urna forte tosse, e me impossibitou de cumplir os meus deveres de cantor da
empreza lynca, vou agradccer-llies met completo restabeteciinento, que so Mdro do mesmo xarope, depois de baver recorrido a muitostiatamentos. Desejarei
que outros como cu recorram ao s<;u xarope jiara se verem alliviados de t3o terrivel
incommodo, to fatal neste paiz. (kim maior consideraro contino a ser de Vv. Ss.
attente, venerador e obligado.Luiz Cremoua.
Recife, 2.'i de seterabro de ISG8.
Illms. Srs. Rartholomeu A CO xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. teem
exposto a venda e de toda efficacia para o curativo dastlnna, conforme ob.-ervei appli-
caii(io-o a meu.ilbo Joaquim, menor de quatro anuos; victima d'esse flagello, que at
entao por espaco excedente a dous anuos liavia resistido a outros xaropes de grande
nomeada. Queiram, pois, Vv. Ss. acceitar a expivssHo altamente sincera de meu reco-
nhecimento ao meritorio servico qie lhe prestaran com e indicado xarope, acreditan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obligado.Americo Netto de Mendonca.
Recife, de oulubro de 1808.
DE
J.
DE
il
I
25^000.
Paga-se 2."i000 rnensaes de aluguel por urna es-
cravo que cosinhebem e tenha bom comporta-
mento : na ra dos Pires sobrado n. 27.
COLLEGIO DE SANTO AMRO
Recife, ra do Coniniercio n. o. .
tiste estabelecimento de educaeo, acha-se a dlsposl^So dos
Illms. rs. pas de familias e a qneni mais possa convir. O Direc-
tor faz sciente, que desde j acha-se aberta a matricula da aula de
instruceo primaria, a qual ser aberta em o dia 11 do andante :
bem como as secundarlas, cujos cursos tiveram principio pelas fe-
rias c devem ser encerradas em marco. As demais funccionaro
do dia 3 de feverclro em diante. com a regular idade do costume.
Ilecife. 4 de Janeiro de lSttO.
Antonio Jos.; liodrigues de Souza, na ra do
Crespo n. lo, ou em seu sitio do Monteiro, gratifi-
ca a qucm capturar o seu escravo Joaquim,
pardo, de idade ;t5 annos, natural de Pao d'Alho,
para onde se suppoc ter fgido por ter sido visto
nesse dia a conversar com pessoa daquelle lugar,
estatura, secco do corpo e um pouco alto, bigode
e cabello meio carapmhado e ponteado, e tem um
caroco na munheca da mau direita, do qnal solTre
dores rheumaticas, leudo a falla a sertanejo, muito
descansada.
Precisa-se de urna ama: na ra dos
Copiares (pateo do Terco) n. 1, I, sobrado.

Vaiia Anna Cavalcanti Brrelo de Souza Lelo
convida aos amigos de seu fallecido marido Fran-
cisco Cavalcanti de Souza Leao para assistirem a
nssa do 7o dia que pelo repouso de sua alma tem
de ser celebrada na igreja da Santa Cruz, as 8
horas d,i in.inhaa do dia 19 do corrente.
Francisco Pereira de Meirellcs e soa mulher D.
Mara da Silva Pereira de Meirelies, leudo rece-
ido a infausta noticia do passameuto de seu pai e
sogro Manoel Pereira de Meirelies, em Portugal,
rogam as pessoas de sua amisade o caridoso ob-
seqnio de assistirem a missa que pelo eterno des-
canco de sua alma mandam celebrar na igreja de
S. Jos de Kiba-mar, terca-feira 19 do corrente as
7 horas da manhaa
Gyinnasio provincial
De ordeni do Illm. Sr. Dr. regedor c de confor-
nudade com o quj dispOem os arts. 62 e 63 do re-
giment interno -faco- saber que desde odalo
al o dia 31 do corrente inez eslarao abertas as
matriculas nesta secretaria, desde as 9 horas da
manhaa at 1 hora da tarde dos dias uteis, deven-
do os pais dos futiros alumnos, ou qucm os repre-
sentar, de por nis maos do Sr. Dr. regedor : Io
certidao de idade do matriculando ; 2o certidao ou
attestado de ter s do o mesmo matriculando vac-
cinado ^ 3o recibe do importe do prime-o quartcl
da iiensao, paga na thesoujaria do Gymnasio.
mesmo Sr. Dr. regedor manda avisar aos pais,
tutores e curadores dos pensionistas, que sahiram
do estabelecimento para passarem as ferias, de que
deven estes recollier-se ao Gyinnasio at o dia 2
de fevereiro, vespera da abertura do anno lectivo,
sob pena de ficarem privados de sabir por tempo
de dous mezes, como dispoe o art. 161 do regi-
ment interno.
Secretaria do Gyninasio Provincial 7 de Janeiro
de 1869.
O secretario.
______________Antonio da Assumpcao Cabral.
Precisa-sede um menino de 12 a 14 annos de
idade, que tenha pratica de venda : na ra do Ran-
gel a 73. onde dai fiador sua .'onducla.
isa ra da Imperaiz n. 18 preparam-se
bandejas com bofos enfeitadas, proprias
para casamenios, bailes etc.; podins e to-
da e qualquer qualidade de bolo, garantn-
do-se o acceio. promptido e preco mdico.
VTTENCAO
Quem perdeu bontem um massinbo de
sedulas, dando os signaes certos procure
n'esta typographia.
Precisa-se alugiu* um moieque, ]iaga-sc lia
rs., que regule lo mnos de idade : na ra do Ca-
bug, n. iB,
LOJA
DE
RELOJOEIRO
DE
VCTOR GRANDIN
40 Ra da Cadeia do Recife N. 40.
O proprictario deste estabeleci-
mento, premiado com a medalha
da exjiosicao universal de Paris no
anno de 8o.">, tem exposto ven-
da em sua loia, um grande sorti-
mcnio de relogios para algibeira,
'como sejam : de ouro e prata, sen-
do dos memores fabricantes, de patentes inglezes,
suissos e horisontaes. Tambem tem una grande
quandade de relogios para parede e que batem ho-
ras, ditos para embarcacoes e para cima de mesa,
todos estes relogios sao dos mais bonitos modelos.
O mesmo concerta relogios de todas as qualidades
existentes, assim como tambem concerta chrono-
metros de algibeira o martimos : recebe sempre
por todos os vapores, um completo sortimento de
correntes e trancrlins, sendo ludo de ouro de le
ede modelos os na i s modernos, assim como diver-
sos objectos de bijouteria dos mais bonitos c niode
nos gustos.
IPLULAS, VINHO
E
XAROPE DE JRBEB A.
PREPARAOOS PELO PHAnM.VCEtTICO
Joaquim I Mlmcida Pinto.
As preparaces de jurubeba sao
hoje yantajozamente conhecidas e
preconisadas pelos mais habis m-
dicos, tanto da Europa como do
paiz, pela sua efficacia nos casos
de anemia, colorse, hydropesia,
obstruco de abdomen, e tambem
as de menstruaco diflicil, cathar-
ro na bexiga, etc.
Vendem>se em porcao c a reta-
llio, na cidade do Recife, pharma-
cia de seu compositor, ra | larga
10, junto aoquar-
N. 83Rl'A DO IMPERADORN. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao boje assz conbecidos para seja necessario
insistir sobre sua soperioridade, vantageus e garantas que uflerecem aos compradores
cualidades estas incontestaveis, que elles tem definitivamente conquistado sobre todos
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um tecladoemachinismo que olicdecem
a todas as vontades e caprichos das pianistas, sem nunca falliar, por seren fabricados-
de proposito e ter-se felo ltimamente melhorameutos ijnpoitanti>.-itn>.s para o clima
deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas e por isso muito agradaveis aos
ouvidosdos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blon-
del, de Pars, socio correspondente de J. Vignes, ein cuja capilal foram sempre premia-
dos em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sorti-
mento de msicas dos melbores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commodos e razoaveis.
110 BOWMAN
Ra do Eran n. 52
0 propietario participa aos senhores de engenho, que por falta d*agua ou de
animaos se achem inhabilitados para moer suas caimas, que esl proapto a assentar
machinas de vapor, com moendas ou sem ellas, dentro em oilo dias depois de estarem
as pecas no engenhoisto sem precisar de obra alguma ou de outra mudanca de moen-
das existentes senao a substituic3o das rudas da almanjarra.
RLA L4RCA DO ROSARIO V. 37
Este acreditado estabelecimento augmenta
de dia em dia quanto possivel paraTcbe-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o mclhor asseio, tem'bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e hygiene, temo-la sempre em abun-
dancia para facilitar excellentes banhos.
CHARITERIA E PETIT RESTAIRA.W
Annexos ao Hotel Central, ra estreita do
Rostuio n. i A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infinita
de charutos de Havana, Bahia, Rio, etc. que
existem neste novo estabelecimento pres-
cindimos dos annuncios pomposos que gc-
ralmente se fazem, reduzindo-nos apenas
tres letras que sao tres bbb bom, bonito e
barato. A' vista do genero annunciado po-
de-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
do Rosario n.
tel de polica.
Urna pessoa de lonjra pratica no eommercio
oHercce-seuaraeseripturar Bvros por partidas do-
brai as, podendo ser procurado na ra do Crespo
n 18, primeiro andar.
= AIua-sc um lereeiro andar de um sobrado
na na da Praia e um segundo no caes do Ramos :
a traiar na ra larga do Rosario n. 18, segundo
andar. c
Juaimun Gonealvcs Ferreira, tendo de reti-
rar-se para os suburbios desta cidade a tratar de
su i sade, v-se impo sibilltado de continuar coa
o sen estabelecimento de, relinacao silo na ra das
Cinco l'ontas n. 61, vende a mesma, na falta ar-
reiida-se, contendo .1 mesma lodos os requisitos
Ama
Precisa-se
menino
mercial.
de
urna ama para andar com nm
na ra da i Larangeras n. 29, hotel com-
S2
^h
Jos Joaquun Soares, Maria da Silva Pereira de
Meirelies, Zepherina da Silva Pavao, Maria Fer-
reira Soares, Beuedicta Ferreira Soares, Anna
* errara Soares, Francisco Pereira de Meirelies.
Joaquim Ferreira Soares, Augusto Ferreira de
Lorena, Al.xandrina de Hollanda Chacn de Lo-
rena e Vicente Ferreira de Lorena (ausente) ma-
ndo, fllhos, genro e irmaos cordialmente agrade-
ve a todas as pessoas que se dignaram acomna-
nhar a ultima morada os restos mortaes da sua
sempre lembrada esposa, mai, sogra e mana D
Marcolina Ferreira de Lorena Soares e de novo
Ihes rogam o caridoso obsequio de assistirem a
nussa do 7- dia que pelo repouso de sua alma se
-.bibrar na igreja de S. Jos de Riba-mar, terca-
icira <9 do corrente as 6 horas da manhaa.
= Precisa-se de urna ama para cotinhar o a-
zer o mais servico de urna casa : na ra estreita
do Rosario n. di, i' andar.
CASA DA FORTUNA
Aos 4:000$
Bhetcs garantidos.
A ra do Ctespo n. 23 e casas do costume.
Aeham-se a venda os fezes bilbetes garantidos
da 1" parte da lotera em beneficio da igreja de
Recife (93.*) que
para caxeiro, separado dos trabajadores, deposito
do carvo e grande quintal com sabida para o For-
te, casa muito fresca, muito boa localklado para a
venda de retalho, e com especialidade para com-
prar assucar, quem a pretender para compra ou
anendamento, offereeendo a casa ser propria, po-
dendo-so assim garaulir qualquer negocio v. maior
eMabindade, procure na na da Aiu-ora casa ter-
rea n. 74.
Precisa-se de urna ama de leite para acabar
de cnar urna enanca de 9 mezes, porm sem en-
anca : quem quizer dirija-se ra do Brum nu-
mero 69.
Nossa Senhora do Terco do
tlrahir tera-feira 20 do correte mez.
Precos.
Bilhete.....4*000
^ Meio.....JJOOO
Quai-to. .... 14000
Em poreao de 100 para cima.
Bilhete.....34300
Meio......14730
Cuarto..... 873
Manoel Martins Fiuza.
se
m
Precsale de l ma ama que saiba bem cozi-
nhar : no pateo da Hibeira n. 13.
Joaquim Simao dos Santos e Antonio Ferreira
Alberto fazem sciente ao respeitavel publico e prin-
cipalmente ao corno io eommercio, que desde o Io
de Janeiro estabefecoram urna cas de seceos c
molhados no largo da Penha n. 8, gyrando o mes-
mo estabelecimento aquella data em diauie sob a
25f m Frreira. Recife i da Janeiro de
Pars, 36, Ra Vivienne, D*
CHABLEmedecin
ASKNrnuHDAnAs dessexuaes, as Atrio*
CUTNEAS. E ALTERACOESnOSANOUE.
~~t 10 OOOcorudMtmuivMM
Intitula*. kene$, tama
konuKHt.aerimoniasMl
Ver oes, viciotat do mn-
------"; vinu, 1 alUrctM
a $..tye. (Xarope regetal sem mercoro|."5.
**** BAlfltO* HHEH1M
*ao-se dous por gemiaa. Mgaindo o tractanea
^J'j^^^m^eijado nai meimii moleata.
Este Xarope CitractP da
ferr de ClUBLai, ira
immediatameDieqnaWier
pur?WJ- ,"'ao,
debthdadt, e igual-
MM otfiuxot eortt brinca* daa m-Jtaa.-.
XAROPE DE FEDEGOSC'
E' de urna eiTicacia verdadeira-
mente maravilhosa como calmante
do systcma nervoso e applicado
contra a paralisia, astlima, tosse
convulsa ou coqueluche, tosse re-
cente ou -uitiga, sufjfocacoes, ca-
tarrhos lironchicos etc.. e em geral
contra todos os solfrimentos das
vias respiratorias, o na phytisica
pulmonar, sua virtude contra o
ttano ou espasmos, e.convulsoes
6 incontestavel, e ninguem lia que
a desconheca.
XAROPE
DE
SALSA PARRILIIA DO PAH
OU
DEPURATIVO DO SANGUE.
Usado as molestias de pelle,
impigens, dores rheumaticas, e
ulceras venreas.
O nico deposito destes medica-
camentos na botica do Pinto, ra
larga do Rosario n. 10 juuto ao
uartel de polica,
lia tambem urna boa bibliotheca e perio- gosa tambem das condices de um elegante
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para e petit rtstourtuU onde se pode ver a es-
recreio, buhares, etc. etc. pecialidade dos fiambres e salames de Lion
Sendo ociosa qualquer recommendaco para lanches e at fazer urna boa colacao,
para to acreditado estabelceimento, omit- juntamente com os principaes vinhos do
timos mais prembulos, fazendo ver por mercado, sobresahindo entre o bom a pura
fim, que o bom servico, ordem e moralida- e fervente champagne, o mu saboroso Rue-
de imperain n'esta casa, como observancia no, a primorosa ceneja, o licor espirituoso,
fiel do regulaiuento que possue. o quanto pede urna mesa. Faz-se noute
Comedorias a la carte. soneto e variedade de refrescos.
^jE^liilli^!^
M&ii3l^li:-'i&J?i!l|'il
MUDANCA
o
DO
IMPERIAL INSTITUTO
DE
NOSSA SENHORA DO BOM CONSELHO
Da ra da Aurora n. 52
PARA A
DEPUPmTIF
-n SANG
PLUS DE
COPA H l
Antonio Faustino de Castro
Constructor de utensilio* .vpo-
graphicos de madeira. ferro e
outros Metaes.
LISBOA.
Alm dos utensilios typographicos em uso, se-
gundo os mais modernos e perfeitos modelos ap-
provados para o servico da mprensa nacional de
RA DO HOSPICIO 31. 30.
O director communica aos pais de seus alumnos, tanto internos como externos, que
transferk) o seu collegio para a esparosa casa da ra do Hospicio a. 36, a qual offerece
;is melhores propor^yes para cemmodidade e recreio dos collegiaes.
Todas as aulas a<*ham-se abertas desde o dia 7 de Janeiro.
FRANCA-BRASIL
MR. MERCIER, alfaiate francez, previne ao respeitavel pnblio o a seus numerosos
i\ tendo transferido sua residencia para a ra do Trapiche n. 7, primeiro andar, ahi ence
Pesada qoe u cura ira i\m.
POMADA ANTIHERPETICA
Coaira i au affeccou ftnn>ni
commrmi.
PILULAS VEGETIS DEPURATIVAS
fr^a?U*-
zesque, tendo transferido sua residencia para a ra do Trapiche 7, primeiro andar, ahi encontrarao
sempro todas as qualidades de fazendas para trajos de homem, e prepara costumes para montara do
senhora. Faz tambem obras para militares e para criados, para as quaes tem grande sortimento de
Lisboa o de grande numero das typographia de botes simples, com virola c corda de conde, brancos e aniarellos. Recebe por todos o vapores os
Portugal c do Brasil, fabrica pequeos prdos de ltimos figurinos para homem, senhoras e meninos.
ferro, em qne se podem todava fazer iinpressdes
de formato nao excedente a meia folha de papel
coramum. Estes prelos, que j foram tambem
adoftedoe em muitos dos principaes e tabeleci-
mentos do paiz, servem excellentemente, nao s
para a tiragem de provas, mas ainda p:- ra a im-
pressao de qualquer trabalho, por mais delicado
que seja, por quanto a esse nm se Un s podem
adaptar rama, tympano, frasqueta e ponturas,
tendo, para regular a cravacao, o competente re-
gistro.
Incluindo os accessorios indicados, o preco de
cada prelo de 45*000 fortes.
O constructor poda ser procurado na imprensa
nacional de Lisboa. Estes prelos sao (irtatt'*-
poden-se collocar sobre tuna mesa ou bal^o-
INJECCAO VEGETAL
com MATHfiO
de GRIMAULT e C -ha DOs em PAR
0 snecesso d'ern injeccSo, preparada coan as llhas da ladea d Par, fai to rpida, qw
ella se tem tornada popular em todos os pairea do mundo, para a cora da goaorrfiaa a dan Barga- I
edes de toda a aatareu. B' o anta prodacio nesta ffansro coja aaaraa M lUusia tanba al
anthorixada pelo oonaelbo medico de Ho rtterabnrgo.
Depoaa tm hrnmthu, asa eaaa etUmm a O.
\i



L"
MMMMMMM^M
Diario de Peniambuco Segawla feira 18 de Janeiro de 1669.
ft
Grande liquidado de miudezas !
Alfonso Btbretra Temporal, querendo liquidar as nitidezas existentes em suajidm cor alan
do Queimado n. 55, resolved annunciar asmesmas miuddias para que o PH fSElS
loja ra
buco se certifique do diminuto preco porque as esta vende!ido, a saber:
Massos com grampos 25 a .
Pecas de traiga lisa e caracol a
Sabonetes de todos os precos a
80 160 200 .
Abotoaduras para colletes a .
Botoes de loucapara camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
deira) a. ..... .
Frascos com agua de Colonia a
320 e........
Garrafa de tinta roxa a. .
Caixas com 100 enveloppes a.
Mantas de seda para homem a
Fita de sarja para enfeite de
vestidos por......
Frascos com oleo para cabello
a 400 e.......
La para bordar, libra. .
Escovas finas para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e .
Ditas muito finas para fatos
por preco nunca visto 400
500 e........
Pecas de babadose entre meios
a 600 800 e .....
Gravatas de seda de cor a .
Ditas pelas a 400 e .
Bico c renda das ilhas a todo
prego. S a vista faz f .
Pecas de fita de coz com 10 va-
20 Latas com grata, duzia a
40 Coques muito bons com rede so
a rede val......
240 Meias para honieus boa fazenda
320 a 3000 e......
160 Linha de mar, caixa com 16
novellos ,..>...
1 000 Latas com bauhi (famiHja), duzia
Frascos com bmha a 320400 e
400 Botoes para punho fazenda boa
800| a80e.......
."iOO^olta de Aljofre colisa boa a
800 Fitas para deb mu de vestido a
Caixa com agnlha franceza a
600 Botos de a\-o para colete dnzia a
Carlao com alinetes a .
Caixa com perfumarias muito
fina. S a caixa val 10*000
12*000 .......
Copo com opiata muito lino a
400 e.......
'Meias muito finas para senbora
duzia........
1 -)000 Cartas franceza:* a 200 e .
320 Pi'as portuguozas a 120 e .
500, Caixa de linha do gaz branca 90
novellos.......
Frasco com tinta a 100 e .
Franja de la para'sapato (peca)
Attencao.
Honteui pelas 11 huras do dia mandou-se o mu-
1 lalinlm Jos na ra va poies Huear um Dutno,
iiae voliou at o pieseHte, ron>w que dormir na
ruzes aeoluiadocomoulft Molequis,ara-
Idqflftjo.alii fui vi-io. H>|uescuta tur an^H
r alaranjada, uilios grandes n azues, capel-
,fall.. I.'v.iu caira e jaimeta
| de laodao azul, a iota, e remendado joelhu
claposinlio de carnauba, ja vellw ; quem delle
480 dar noticia, ou o pegas leve-o atraz da matriz da
Boa-vista n 26, que ser bem recompensado.
I *500
4*000
Aluga-se una casa terrea, nova, com nitritos
eoumiodos, com quintal murado c frntfirns na
Capunga, ra das (Irioulas ao p do sitio n. 53 ; a
tratar na ra do Vinario traversa n. 33._________
240
i-. Alugam-se esclavos de ambos os sexos: na
ra do Pires n. 33, sobrado que faz quina para a
2-)200 ; ra da Oinccicao. ______ ______
500 _. Tiacbarel Francisco Odilon Tavares Lima
lecciona particularmente o francez c geograpbia no
pateo do Terco n. 33, c alii pode ser procurado por
aquellos que quizerem estudar os mesinos prepa-
ralorios das 5 as 6 horas da tarde.
600
6800
:i20
rioo
ooo,
ras a......... 500 Papel de peso muito bom
100
160
500
160
120
100
I5>000
500
5*000
240
200
600
106
lr>000
4>>000
Colleglo da Coneel^ao.
Acbam-se abertas as aulas deste estabetecimen-
to, sito ra de S. Francisco n. 72, junto a esla
cfio dos trullos urbanos do Hecife a Apipucos.
mm mmmmm mmm m i
. O advogado Dr. Antonio de \ as-
concellos Menezes O Drummoud
irausferio o seu escriptorio para ra
do Imperador n. 20, onde pode ser
procurado todos os diasuUiisparaos
misteros de sua prolisso, das 11
hars damanha s da tarde.
Sapatos de tranca e outros muilos artigos, que enfadonho seria mencionar.
RA DO QUEMADO N. 55
Sob urna forma lmpida c agradavel, esle medica-
mcnlo rcunc a quina, qnc 6 o tnico por cxcellencia.
e o ferro, um dos princ pies elementos do sangue. E'
adoptado pelos mdicos inais dislinctos de Pars, para
curar as cores p.".Midas, facilitar o dcsenvolvimenlo
das meninas c restituir ao corpo os seus principios
alterados ou perdidos. Faz rpidamente desappareccr
as dores d'eslomago intolcraveis suscitadas pela ane-
mia ou peta leiicoirliea, s quaes as scuhoras cstio
tantas vezes sujeitas, rcgularisae facilitaa menstroacaO,
e recortado com successo s criancas paludas, lym-
p!.alias ou escrofulosas. Emfim, exeila o appeiite,
favorece a digestao, e conven a todas as pessoas cojo
sangue esU empobrecido pelo traballio, pelas moles-
tias, as convalcscencas longas ou difceis. Os bons
resultados nunca se fazrm esperar.
Deposito em Pernambuce, em casa de Mtnrur O*.
i 111111 a 11 n i 11111i
Ipfror^at
da actdeoia
de cdtem
de Pars
flLLAS
deBURINduBIIISSO
PliiruMK'fulico
laurala
da
acailena
0 tratamento das afleecocs cliloroticas, lympbaticas ou escropbulosas sempre lenus-
simo, e muitas vqzcs essas molestias resistem s preparacocs ferruginosas ordinarias. As
indagacoes feitas pelos professores Ilannon de BruxeUas, Gensoul o Petreqnin de LySo e
Berzelius e Trousscau de Paris, tem provado que a causa d'essa persistencia era a completa
ausencia do Manganese, elemento que sempre deve-se acbar no sangue junclamente om
o ferro. Estas pilulas supprem, pois, na tberapelica urna falta importante, e por esle
motivo ellas tem merecido a approvacSo da Academia de Mcdceina e das principaes socie-
dades medicas. Deposito em Pernambuco, em casa de Maurer e O'.
iiiiniiinr
*
znzi
mmm%m&&%m
DOENCASDOPEIT
XAROPE d'HYPOPHOSPHITOi
CAL
GRIMAULTeC1* PHARMACkuTCO EM PARU
A cfkacia d'esta prepatacao est establecida desde 4S57,. pelos inais celebres mdicos. Desde
ento muitas iniita?6es tem sido feitas, mas ncnbuma poude sustentar a comparacao com o
producto aprsenmelo pela nossa caza. Por isso excitamos o publico para que exiga sempre
este xarepe com urna bella cor de rtsa, nunca branca, e com a nossa assignatura roda do
frasco.
Sob sua influencia, alosse aca!ma-c,ossuores nocturnos ees sao e o doente volve rapiza-
mente sade. 0 seu emprego d tambem os mais briluanies resultados nos defluxos, citar-
rhos, bi'oiuiitcs, irrka.cdes do peito. etc.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maurer e C*.
^m^^^^^^^^^m^^fm^c^i^c^^^^^^^^^
?H0SPHAT0eFEHR0
[DE LERAS DOUTOTt EM SGIENCIAS.t
INSPECTOR DA ACADEMIA DEPARIZ Etc.-!
Dcbaixo daferma d'um liquido sem saJir.
anlogo a urna agua minera!, csie medica-
mento rune o; elementos que constituem
os ossos e o s; juc. E' o mais racional das
"crrogiiiosos; por esta nz3o o adoptrao
os mais eminentes mdicos do mundo in-
Uiro. Convem muito s meninas de temperamento delicado, cuj desenvolvimeato tanlio,
s scnboras que padecem d'cslas dores S'estomago intolcraveis, causadas pela elilorose,
aii-mia, inensirnavao ou kucorrbfia, s crianzas d'uma comp'ei^o pacida c delicada, c a
toits as pessoas que tem o sangue empobrecido pelas docacas. Efficacia, rapidez d'aceao,
cura perfeila. sem constipa^o de veutre nem acciio sobre os di-ntes, taes sfio as razos que
iniperao para que os senhores mdicos o prescrevo aos seus dosntes.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maurer e C*.
CAPSULAS VEOETAE
dE-GRIMAULT'E'f>KARii^CEtiiws-tM PARS
Estas cabalas, com capa de gluten, contem o balsamo de copahiba associado essencia de]
Malieo (arvore do Per), c -consiiiucm wn rntelo infalvcl contra a gonorrli^a. Ellas obrto
sem cansar o cMomagu e Rao provocao nunca os epjjUM c nauseas que occasionflo as (apsulas
ordinarias, u rvio a iinmeusa vantagein de nao communicar cheiro s ourinas. E' por estes mo-
livo9 que ellas sao suneriorce s capsulas de copabiba, cnhe.bas, el:.
Deposito em /'ri.omfcuco.em casa de Maurer e C\
H=
EFFICACIA
DO
XAROPE DE RBANO IODADO
0 Xarope de Rabino iodado de Grimanlt e O, pnarmacec ticos de S. A. I. o principe
Napoleo, em Pars, preparado com o sueco das plantas antiescorbticas cuja emeacia
nmi popular. ...
Encerra o iodo como combinacJo orgnica, e considerado como o nielhor succedaneo
dv oleo de figado de bacalho.
A rara perfeico d'este producto anima-nos a dar a conhec ;r aqu a opiniao de alguns
d'ensre os priBcipaes mdicos de Paris, qne diariamente o pres< revera.
< 0 Xarope de Rbano iodado um medicamento d'um effiito suave e seguro para a
medieaeao dos meninos, nao smente snppre o oleo de Ggado de bacalho, mas anda faz
t as suas vezes com vantagem. >
Dr A. CAZENAVR, medico em chafe do hotpal Sain^Louis, em Paris.
c 0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento de primeira ordem para o tratamento das
affecebe lympbaticas e escrofulosas. Mmias vezes, empreguei o com feliz xito, em eertos
e casos 6 tsica ao sea principio, como succedaneo do oleo de gado de bacalbo.
D' A. CHARRIER, artigo chefe de clmica di facuidad de Paris.
c 0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo exccllentes resaltados como regenerador
a do sangue, e succedaneo do oleo de figad de bacalho.
IK A. FAVR0T, autor do Traite des tnaiadies des femtnes.
c 0 Xarope de Rbano iodado uta dos mais poderosos modificadores das constitniebes
lyraphatieas. Teobo visto alearas escrofulosas que cada poi'is' curar, cicatrizarem-se,
gracas a sua acffto, com prompiidio extraordinaria. Tambem, pelo sen uso desopparecem
as alTeceOea inbe/ralosas dos ossos, nos meninos. *
D CLESN ARD, anillo externo dos luspiUus de Paris.
0 Xarope i Rbano iodado postae todas as vanUgens do oleo de figado de bacalho,
s sera ter nenbnm dos ineonTeiieaVa trae a]>resenu este nllimo medicamento. >
IV GU1BOUT, medica des hospiloe*, P-tsiienu da Sociedude de medicina de Paris.
a Xarope de Rbano iodade de GrimauK e C encerra 4iS por cento de iodo, na sua
compasillo orgnica anloga que se acbs ao oleo de figado de bacalho.
VIUTZINSKI, profssser 4 akymica, louvado dis tribunats de Yienna.
Deposito en Pernambuce, em casa de Maar ir V.
Precisa-se de urna ama para gerrjjjo de casa de
poaea familia : na ra do Imperador n. li.____
Osabaixo assignaclo par-
ticipan ao publico e ao comiuer-
cio (fue a atiti^a rasa rommercial
de seu finado pa, o senhor Jos
dos Santos Neves, fica gyraiido
sob a firma de Jos dos Santos
Neves Si. Irniao, desde o Io de Ja-
neiro tlocorrente auno.
Recife 15 de Janeiro de 1869.
Jos dos Santos Ncvct.
Joauuim dos Santos Neves,
Compra-se
urna escrava inora dorr wfr'M* sadia, coier
e encimar b9tn;'fikga-se -BsaPsimeni'
ra do Vigario n. W, escriptorio de Baltbar,
y eir & C.
Ouro c mata
em moeda e em obras ini'tifisadas, compra-se por
bom preeo ; na praea da Independencia n. 22.
na
Oli-
-
Para famib'as
-i ande mazar, ra \ova ns. SO e
21. de C.>rue.ro ViHiua V.
Araba n negar a este estaU;leHwiiti
- -Na praea da Independencia a. tt, luja de ua-
S!Si?W^pu.ro i,ral?'e f^"-*8 l11 gramle norrio uV machinas para-costuras do
L^u3iSSKS: b'a de enctmme,,a' e aHtor Wheeier Wson, anprovadas na ulti-
todo e qualquer concert.
Compram-se moedas de prala e onro de todos
os valores, ouro e prata era obras velhas, o podras
Ijrecwsas; compra-se bera na ra da Gadeia n. 2,
di'baixo do arco da onceicao, loja de-ourives.
= Compram-se apolices da divida publica : na
ra do Liyramento n. 20._______ '
Comnram-sc escravos corpulenUis e sadis
att a idade de 30 annos, o urna mulatinha bonita'
ligura de 14 a 16 annos : na ra da Cruz n. 37,
pnnMaM andar.
Compra-se urna burra (cofre) ra ; a pessoa que a tiver para vender
tar no pateo do Terco u. 63.
seja segu-!
le vr tra-
Compra-se um pianno inglez que
derno ; a pessoa que tiver para vender
tratar no pateo do Terco h. 6:t.
soja1 mo-
l>ode \1r
Compra-se um relogio de ouro nsado, pro-
fere-se descoberto : na ra da fiadeia O Recife n.1
44, loja de erragens.
jr Compra-se um escrava de 12 a! 16 annoa
de idade. preta ou de cor: no largo do Corpo
Santo n. 19, terceiro andar.
Com muito mat'or vantarjem
Compra o Corarao de Ouro, n. 2), ra do Cabu-
Lg, moedas de ouro e prata e pedras preciosas.
VENDAS.
Lagdo para calcadas
tratar na ra do Apollo n. 4, escriptorio.
PlfiPARAieS DE VHiASE
N. 3 RA DIREITA N. 3
GMitimiam a ichar-se i. venda as
piluJas eo xarope alcohlico e ellic-
rcotle veame, conforme a formula
do finado pharmacetitico Prannos,
na botica de Francisco Antonio das
Cbagas ra Direita n. 3; medica-
nentos estes asss conliecidos, e
proficientes a quem soffre de rlie-
matismo, escrfulas, erysipla, im-
piyens, exostoses ou tumores nos
osos, amenorrha ou falta de
menstmaco e measlruaco difli-
cil, etc.
Fi:iT()R.
precisa-se de un feitor para sitio pequeo perto
da praea, que seja trabalhador e capaz; paga-se
secco. d.ando-se casa propri e Ija para moiar:
quem convier dirija-sc na Xova n. 19 priineiro
andar.
Triado
Preeia-se de un criado ; na rita das Laiange-
ras n. 29; hotel commerclat.
I) abaixoassiguado leudo em sea \hh\> y eonm
depositario, peraute o juizo niunieipal da primeira
vara destacidade, a prata Hara, de naci da Ces-
ta, de idade de maisd-1 50 anuos: acontece que no
dia S do crrante futrir de sua casa, no lugar da
Ita-Vi.'igein, e tem os signaos seguintes : ipiasi to-
dos os eabeHos da cabera sao trancos, costuma
traaer a cabeca enrolada com panno como fazem
as pelas de sua na^ao, de altura e corpo regu-
laras, nao tem denles na frente, soffre do coineco
do escrophulasao lado do pescoco etem una per-
na inais grossa queoolia por causa de i'r;si]iella.
Roga, pois,o baixo assignado asreapectiys auto-
ridades ou capitaes de campo que no caso de Ibes
ser apresentada ou capturada dtgnem-se manda-la
entrepremsna casa onde satisfar todas as des*
pezas.
Vrente Antonio do Espirito Stinto.
Cemento de Portland.
Vende-se no armazem de Vicente b'erreira da
Costa & Filho, na ruada Madre de Dos n. 22, eru
barris grandes.
Vcndem Augusto F. de Oliveira A C
CiOinmercio, n. 42.
ra do
- Manoel AJves Ferreira A- C.,|na ruada
Moeda n. 5, segundo andar tem paria vender
superior potassa da Russia emJ*arri(S e meios
barris e cal de Lisboa da mais noya que lia
no mercado.
Xa ra de Hortas*casa n. 1, compra -se jornaes
ou outro qualquer papel que esteja liiipo, a 4a a
arroba.
Vende-se una preta'moca, eom htbilid i:!> <
a tratar na ra do Ara gao n. ''M.
Attenpo
Vende-se o engenho Mussa\ba, sit(i ein Santo
Amaro de Jaboatao, o qual contm bastuites mal-
tas virgens, e propoi\-ao para o refazintento de ga-
do em grande escala, cujos terrenos de planta(.ao
se achain inteiramente descaneados por nao seren
iralialliados lia inais de G aum>s : quem o preten-
der diriia-se a na do Imperador n. 2i, a tratar
com o Dr. Affonso de Albuquerque Mello.
ALTA NOVmADK
A
Loja do Pavao.
GLRGUROKS PARA VESTIDOS A f#XX).
O COVADO.
Clii'aram os mais modernos turgures
para vestidos, sendo de todas as cores, cmo
sejam verde, azul, rosa, bismark, perola,
i oxo & A- tendo quasi (juatro palmos de lar-
gura e vende-se pelo Laratissino preco
de idOOO,. cada covado unicainente no ar-
mazem de Flix Pereira da Silva, na na da
Imperatriz n. GO.
RkI.NS PARA CALCA NA I.OJA DO l'AYAO.
Vende-se os mais modernos e melbores
brins de ltnho.de todas as cores, outros con i
listas do lado, garantindo-se serem de linho
puro e vende-se por precos muito em con-
ta no armazem de Flix Pereira da Silva, i
ra da Imperatriz n. 00.
PlCHI.VCIIA EM ALC.ODOSINIIO A
A PK(;.\ RA LOJA DO'PAV.O.
Vende-se superiores pecas de algodosi-
nho com 0 jardas a o->50 a peca, gran-
de pechincha, na rita da Imperatriz n. 60
armazem de Flix Pereira da Silva.
AS DEZ MIL VAHAS DE CAMBHAIASFRAX-
CEZ.\SSNA LOJA DO PAVAO A 560
RS. 0 METRO.
Vende-se finissimas cambraia* francezas
com os mais delicados padroes.Ttnto mui-
dos como grados, e com as cores! mais no-
vas que tem vindo no mercado pelo bara-
tsimo preco delBOrs. o metro; garantindo
que 7 metros do um vestido para qual-
quer senhora, e que em ouira quilquer loja
nao se encontrar a mesma fa/.enda por
igual preco, e sini so na loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60 de Flix
Pereira da Silva.
Cassas iaglezas a 4 4o rs o aaetro
Vende-se urna grande porcao d3 bonitas
cassas inglezas tanto graudas-como miudi-
nhas e de cores Ikas pelo barato preco de
440 rs. ometro,gan?ntinilo-se que 7 metros,
dao um vestido para qualquer Sra. s na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de
Flix Peieira da Silva.
RETAAHOS PAR.V luto na loja do
PAVO.
Vende-se urna grande quautidade de re-
As bebidas sao as mais primorosa* e i -lf^e C,liiUs e ^fas PT81 ')r pref
,miaH,c auttu barato, e quanlo niaior lora iioirao
(de o fregu comprar, mais barato se llie
vender na ruada imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
I'oil tle chorre a 1 #O0>Oo covado
Vende-se poii de Chvre muito largo com
as melhores e mais modernas cores pelo
barato pre?o de l/JOOO o covado. na loja e
armazem do Pavo, ra da ImperaUiz n. 61)
de Flix Pereira da Silva.
ENFRIES DE PALIIA PARA VESTIDOS,
CHAPEOS E COQUES.
0 Cordeiro Prevnlente ra do Qucima-
do n. 16 acaba de receber um bello sorti-
mento de trancas de palha para enfeites de
vestidos, outras para chapeos, coques etc.
tudo isto est sendo vendido com a sua bem
conhecida comnfodidade de precos.
ALEM D AQUELLES.
Recebeu outros lindos enfeite.1 de seda
para vestidos ; assira como um variado sor-
timento de gallos de la, babadinhos de
cambraia cora bordados de c6re.>, cuja va-
riedade de gostos os tornara recommenda-
dos e apreciados ; compareci poisos pre-
tendentes que sero servidos a contento.
TO BEM RECEBEU.
Novo provimento de bicos e rendas de
guepure.
LUVAS DE PEIJLICLV.
De todas as coros tanto para homens
como para senhoras, constanteraer te acbam-
se a venda na loja do Cordeiro Previdente :
ra do Qucimado a. 16.
ERS.ttilIU \!
DES DEUTSCHEN HUELFSVERFJNS
Montarj, den 18 jainiar, Rita do Subo; in
don Lcale der Herrn 1. LeidmS C.
Imlb acht l'hr Abenas.
Die Mifglieder werden gebeten, puenk-
tlich zu erscheinen.und erinnert, dass An-
traege, welcfie auf Abaenderungen in den
Statuten hinzielen, mindestens 8 Tagc voz
der general versammlung schriftlich bei
dem Unterzeicbneten einznreiclren sind.
Der Secretaer
'__________________Olio Bol) res._______
GRANDE HOTEL"
DE ORIENTE.
Iuaugurou-se este commodo e elegante
estabelecime>ito donde os seus frequenta-
dores poderlo apreciar a especialidade na
conl'eccao dos gneros alimenlirios.
As bebidas
commendadas.
A decencia e bom servico primam n'esta
casa no bello goslo oriental.
Mandam-se domicilio comedorias, tanto
avulso, como por assignatura mensa!. Os
precos sao mdicos e convencionaes.
Ha urna espacosa e bonita sala para o
elegante jogo de buhar.
Ha tambem aposentos coinmmodos e bem
mobilliados para bospedagera.
Ra larga do Rosario
ii.44.
E' preciso resposta.
Em vista do annuncio do Sr. Jos Maria
Sodr da Motta, publicado no Diario de hon-
tem, no qual declara que nada deve nesta
praga, nem mesmo flanea por escripto ou
verbal, pois, conveniente que declare so
ou nao fiador da casa ra Direita n. 15
que por considerarlo o seu prcrarietario
deixou de acceita-ia por escripto.
COMPRAS.
= Compra-se nm preto que saiba tratar de um
sitio : na ra da Cadeia n 31, armazem.
Ferros velhos,
Compra-se toda e qualquer porao, tamo batido
como fundido: no caos Vmle 3 Dous de hvejnbro
n, ft ^armazem).
jpprov;
ma exposico de Paris, as quaes cozemeom
dous pospontos toda a c()stura, e tem a
vantagem de ser fo suave o movhento,
que i|ualquer crianca de.oito armos fcil-
mente Irabalha, e pode, com este entrete-
nimento, levar vantagem ao servico diario
de trinta costureiras. A comprelienso
simples, pois em um quarto de hora se fi-
ca senhor do movimento da machina, ten-
do a mesma a propriedade de I'azer as se-
guinles costuras: pospontar, abainhar,
franzir, marcar e bordar, como apresejitam
os desenhos que acompanham-nas. Os pro-
prietarios do estabelee ment se encarre-
gam de mandar ensinar n'esta cidade, e
garantem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfeico amachina vendida, nao tendo,
porni, soQrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabetecimento machinas
do autor Grower d- Baker, de trabailio sim-
plesmente mo, e outras rom niovinienio
dos ps; e mxime todos os pertences das
mesmas machinas, para vender avulso.
Por 700OOU \vmle-se urna erionla do 40
anos ba figura, liaratissiina : na na do Pogo
n. 9. Na mesma can ha ultras eseravaa pan
render-se, estas com babDidades.
Rap Gasse e Paulo
Cordeiro
No armazem ile Jos Joaf|iim Lima Bairao, a
ma da Cruz n. 18, tem ciislauteinenle sii|uiiuen-
o de rap Gasse graso e fino, c Paulo Cordeiro
>*< 111111111111 a viajado: nao precisa fater apologa de
sua excelfdrile qnalidade, pois ella j de mais
conhecida, assini como o lugar pruprio de sua
venda.
Xa travessa da madre de D e
ns ii. 14.
Armazem de Candido A. Sodr da Motta.
Tem para vender o seguate :
Cimento de Hambnrgo o meHior que g
possivel para edilicaeoes.
Farelio da America saceos de 120 luirs.
Lina armario de louro eamarello completa
para venda, com pesos e medidas.
rASTILIUS ASSCCAIADAS
DO
DR. PATERSON
De blinBi(h e iHa$uezSa.
Remedio por excellencia para rombater
a magreza, facilitar a digeslo, fortificar o
esloniagoetc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia de liarlliolomeu 4 C.
34-------Ra larga do Rosario o.
Ven4e-se urna casa tenva, rom bastanto
eommodos, sita na rea da Estarao, na povoarao dos
Montes, em Una, junio a cslcao da estrada de
ierro : a tratar nesta cidade coni Virgilio de Castro
Oliveira. Irawssa da ra do Vigario.
A inlio verde
Veiid-'in S. T. fiaslo jt Iriuaos. ;i i ua da Cadeia
b. 1". barris rom superior vinho de Basto.
Rap Paulo Cordeiro.
Vende-se rap Paulo Cordeiro lino, via-
jado, em latas, meo no deposito cargo de Joo francisco da
Silva Novaos, na do Vigari" n. II. Faz-se
vantagens a quem comprar porco. e linea-
sen rap qne nao sabir ao agrado dos con-
sumidores.
Vende-se
a tratar
mu cofre de tarro, grande e bem fornido
na na da Cruz n. 83, 1" andar.
AUl lili
A boa pitada de raji a Aurora
A BOA PITADA DE RAP \A AIRORM
A loja da Aurora
na larga do Rosario n. 3$
Pertencente a Manoel Lopes & Irmao, re-
cebeu as seguintes quididades de rap mui-
to fresco:
Rap gasse grosso, dito passe fino, dito
Paulo Cordeiro, princeza rocha, dito de dita
viajado; (odas estas cpaBdades cima, c
vindo do Rio de Janeiro, rap princeza fine
da Baha, dito priiu".'/.;. meio grosso tamben
da Babia, dito francez muito fresco, dib
Meuron; totjas estas pialidades se vendem
tanto em libras como retalbo ; assim co-
mo tambem tem bom sortimenfo de miu-
dezas de qualquer qualidade que se pre-
cisar: quem duvidar v loja da Aurora na
ra larga do Rosario para verificar a verda-
de, onde sempre encontrarlo o desemba-
raco e bom agrado prompto a despachar
qualquer fieguez qm; queira homar est<
estabelecimento.
Para armazens a retalho,
O Campos da ra du hoperador n. 28. rem para
vender granda quanlidade de medidas de c>tanlio
para li<|iiidos, e demadeira para seceos, pelo sys-
tema Tiielrieo decimal, pelo qual csto os negocian-
tes a retalho obrigados a vender suas racrcadorbs,
a contar do 1" de marco do corronte anuo. 0 an-
nuuciante avisa e garante aos que de taes medidas
necessitam, que sao estas as mais exactas, por
quanto sao feitas em Paris, de conformidade com
o systcma cima dito, e secundo o padiao adoptado
pelo governo imperial ; rao acontecendo, porcm.
o mesmo com outras que ihi se vendem, que sen-
do da nii'sina capacidade, deversificam d'' modello,
vindo olorecer davidas uao s aos compradores
como, aos vendedores.
Machinas de descansar algodo
Domingos Al ves Mailieu- tem para vender em
seu escriptorio na ra do Vigario n. SI, superio-
res machinas para dcscarorr algodo, de lodoso?
anuuihos.
Aos Srs. de engenho
Ha para vender urna excellente machina de di'
tila?o, a qual se aeha em casa dos Sis. Villaca ;
ra do Brum (fundicao). Paira trata i
dono na ra do Hospicio n. 23, que Cara negoH
dinhevo ou a prazo.
Vende-se nm boi in;inso
ria da Capunga
a tratar na
Vende-fie
Duas pas de marmoro muito finas, com lories
em relevo, que pdem servir para igre,a, ou pan.
casas particulares, vende-so por prego muito com
modo: roa Nova, escriptorio de Quinteiro. .
Agr, n. 63. ____
Em casa de Thood. Chnstiansen ra doCorn-
mercio n. 16, encontram-se effectivamente toda<
as qualidades de vinho Bordeaux, Bouigognee do
Rheno.
A HQU ESPERAKCfl
21 Jtua do Queimao==2l
para presentes
\ \0\;i Ksp'-raiM-a. i ma ilo (lueimaiio
in. I tem um variado soriwiiiKo le obje-
lUfii ue goloe pbantasia propjiTs .ara r,\~
seuies. sobi^sahindo entre elle- ri-as rm'**
nlus de eba,l t0lil Mus perfumaras, ros-
Ini'cii'os (fe chagrn, agulhfrw 'te rifadle
perola : assim.pois, (uea quixr Roer urna
luida ofi'eita, diiigii-se Sova Esperanru,
ra do Queimado n. ti.
Para baptisados
A Nova espe''inci na do Queimado n
l, tem ricos vestuarios propiios para bap-
lisados. sapatiuhos, meias de jeda lio da
Bscossia para o mesmo fim.
Collares anodinos elledro-matpxcU-
cos contra as convulccs das
creancas.
Nao renta a menor duvida, de que muito
collares se vendem por ahi Blifuados os
verdadeiros de Rover, e eis pmqae muitos
pais de familias nao creem (eonpi-ando-i s)
noell'eitopromeUido.o <|uu s pdem dar,
os verdadeiros; a Nova Esperanza, porem
que detesta a falsificado principalmente no
que respeita ao bem estar da humanidad,,,
fez urna eneommenda directa desfs coP.i.:
e "arante aos pais de familias, qu sao i;s
verdadeiros de Royer, que a tantas crea?>-
fas tem salvado do terrivel incommodo de
convulcoes, asshn pois preciso, que ve-
aban a Nova Espenn^aa ra do Qucim
n. 21 comprarem o salva vida, para si ib
lilhinhos, antes que estes s<-ja.m acommi '
dos do terrivel mal, (piando entSo ser d-
fficil alconcar-se o effeito desejado, emt ra
sejam empregados os verdadeiros collares
de Royer.
Aos amantes das cacadas
Commodas boleas propinas-para os cara-
dores, vende-se i ra do Queimadc n. 21,
loja da Nova E.-peranca.
Preparo para flores
A Nova Esperanca, ra do Qu<
ii. il, tem um completo sorlimenlo de pre-
ptrospu*a flores, como seja pape! para? illi -
dito para petulas, clice, botoes, folhas re
panno e iodos os mais prepares para for-
mar-se um ramo ou grinakla, com gosto e
dei fe i cao.
Agua divina
A Nova Esperanca a ra do Queima! :.
21 receben nova remessa de verdad r;
agua divina.
Tara extinguir as sarda e
panno
Recebeu a Nova Esperanca, ;' ru ti
Queimado n. 21, teito de rosas, e?]
para extinguir sardas e pannos.
Para alvejar e conservar os denb s, rece
bena Nova Esperanca, ;i ra d .
n. 21, o verdadeiro poz de rosas e o eli: i
lenlifrico e o dentalgico.
Grande liquidadlo
0 proprietario d'antiga e bem i
loja de miudezas di nominada Bei; \:\:<:
a ra do Queimado n. 63, querend
Com o sorlimenlo de miudezas qui <
tara deliberado proceder una completa lt-
(liudaco, para o que clianiaa attencaodc I
dos.
Os objectos sero vendidos por me?
sen valor, epara que o publico, ni
oha, que o presente annuncio urna tllusao,
oproprietarioda dita loja, offerece urna pe-
quea lista de algumasmiudezes, com *sei'.i
diminuios pii'coscomo abaixo' se vera;
nao apreaehtando urna lisia completa de I
dos os objectos que estao exposts a vt ud .
pela razao de se tonar um annuncio muit<
extenso e por consequencia de enfadonha k -
lura, por isso apenas lemita-se as si
1 Duzia de miadas de linha para
fazer croch.
1 Caixa de linha com SO novellos
1 Dita 50
i Dita t 10 .
I Duzia linda de carriteis de
100 jardas
1 Dita de
200 jardas.
Fita de laa para deb um de todas
as cores, a peya.
Dita- branca
Dita <
Pera de lita de linho com 10 varas,
e qeusene para eos.
Dita cs
Feotes voltiados p ira menina e se-
nhora.
Ditos muilos finos.
Ditos preto com chapa.
Hilos brancos
Ditos pelos.
Ditos trancos finos.
Escovas para dentes a IDO, 250 e
Ditas para cabellos.
Dilas muito finas.
Ditas para roupa.
Ditas dita de dita.
Pentes de coque coro fita a l500,
2;>000 e
Pentes para coques ioQ, 000
[hKm e
Teca de franja paraloalha a pera
com 14 var
Entremeios lmrdados a jH'ca 000
Tinteirosdd porcelana t->:>()0 2
alaios pal-a meninas de escolla
bonito desenlio 800. |, 1500
Peca de fita de seda para enfei-
jesde vestidos.
Fita de sarja de todas as cores.
Grvalas pretas a 320 e
Ditas de cores.
Sapatos de tranca e tapete.
Garrafa de agua Florida verda-
ira
de Frasco com extracto em sapati-
os.
nliDitos com leos.
Dito agua de Colonia, piqueros.
Dito, dito de dito de fievor.
Ditos com banha.
Ditos com tnico.
Ditos cora oleo filocome.
Ditos com extracto e banha.
Ditos com extractos diversos
Pao de pomada.
Ditos pequeos de pomada.
Capellas para noi vas muito finas.
Sabonetes, 120, 320 e
Ditos transparentes de bolla 500,
Redes para cabeca
Bandeja 900 a
Duzia de botoes de seda para en-
feites de vestido
Porceira de contas.
i 00
I i
::.
:i;
860
260
i 20
30P
600
.00
sao
2.tt:
400
280
000
sao
800
jtfSOO
4000
21000
700
2a;oi
25000
15000
11100
800
800
t#6Q0
1,5300
400
-i
."(KJ
!50
l
30
ItfCO
300
180Q
210
oo




ti
AO BAZAR DA MODA
wmmm

DE

JOS DE SOUZA SOARES (V C.
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
PARA O ROVO AMlO HE I8aO.
Novo sortimento de rticos de moda o luxo, receidos pelo ultimo vapor viudo da Europa.
Especial sortinionto de ohji'ctn- para mimos.
Perfumaras linas dos principaes autores.
Lavas de pellica frescas, brancas o de cores para uomens e. senlii ras.
Cliapeozinlios de pallia de lt.i!iaenfeitados,parasenhoras.
Ricas chapclinas para s.-nliora-, gorros de pallia de Italia para S'.'nhoraa e meninas.
Especial sortnento de ahitos para senhoras.
Enfeites de grato para senhoras.
Fitas de grosdenaple superior de todas as corete larguras.
Franjas com vidrimo", brancas, de eores e pivlas.
Guarnir/es de todas as qunliilaVs para vestidos.
Vestuarios completos para baptizados.
Golinbas e pnnlios enn-itados para senltoras.
loques modernos. Imis e enditados.
Bornous de laa e seda, cores claras, nioda elefante para senhora d bom gusto,
r.orpinhos de cambraia cnl'eitados para senhoras.
(larhe-nez de l.
Chapeos de sol para homen* e senluiras.
Flores finas, sortimento mwiriil
Plumaselegantes de quaiidade superior.
Cintos ricos de palba, alta novidade.
Grinaldas de flores lina-
Camisas superiores pnhomeoE.
CoiaTiaim e punlio-.
Grvalas e mantas modernas.
Bengalas de diversas qualidades.
Caixas grandes coraflnatro pecas de msica.
Flores de palha pwr%Marnirr>.s de vestidos, liotiVs. Ihclas.lacos pata enfeites.
Chapeos de pello de seda pretos, forma a Rotscbild, fazenda superior para borne.
Correases de plaqu lino, gostos bonitos para relogios.
Cazoletas de bom mo para as inesmas.
Correntes prctas de borracha diversos modelos para vollas.
0bjocto9 para hit".
E iuuitosotiirii>artigos de novidade que s vista podem ser apreciados.
Existe coutiiiuaineiite mu complete, sortimento de miudezas. venle-sepor graso e a retan
a cojmonos prjbcos
NO '
BAZAR DA MODA.
AC HH?T\TtP AQ tm l0<'a8 M I*1* do mundo, empregam, eom o maior xito,
U5 JllILL/IUwOa o phosphato lia ferro soluvel de Leras, para curar a chlorosis
(edrea paludas}, as dores d estomago, e a exhaustacAo do sangue; eom esta preparacao, dita
ao corpe o vigor, e s carnes, a sua firmeza natural; facilitam o desenvolvimento tao lb->-
rioso da puberdade. Com effeito, tudo, n'este medicamento, se aehB reonido para lhe
assegurar o maior crdito, pois que entram, na sua eomposioio, os elementos dos ossos e
do sangue. 0 sea autor, M. Leras, doutor em seieocias, pharmacentieo, professor ie
chymica, inspector da Academia, foi, recentemente, condecorado da ordem da Legiio de
Honra, digna recompensa dos seus importantes trabalhos.
As segninics apreeioedes dos mais celebres mdicos aiada vem corroborar e justificar
todos estes titulos ;i eenfianca publica :
Precisa eJassificar o phosphato de ierro soluvel entre os ferruginosos que melbor
t convem aos doentes cujos oreaos digestivos supportam mal as preparacoes de ferro.
S0LBE1DAN, profanar na Escola de medicina e de pliarmacia.
t 0 pkeepaato do ferro ^olaael ,.tm.imanto a mim, a melbor das preparacSes fcrru|i-
t nasas, eo scu cmprego d os mais priuptos e seguros resultados, a
ARAS, medico do haofilal Sainte Eugnie.
A drma liquida do pliosphato de ferro soluvel d-lhc urna immcnsa vantagem sobre
as pilulas; eu considero esle medicamento como mu superior as preparacoes iodadas.
/RNAL, medico e S. X. o Imperador.
o Entre todos os ferruginosos, nao conhecemos um sd que obre tao prompta e efficazmei te
* como o phosphato de ferro soluvel, e sso, sem cansar o estomago.
BELLOC, BAME, D1G0T, FOLLET e PRYOST, mdicos dos hospitaes.
t Os effeitas da preparacao de phosphato de ferro soluvel me parecen ser mu seguros
c e promptos. BEBOUT, redactor cm chefe do DuiUlin thrapeutiqie.
Entre todas as preparacoes ferruginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a que sempre
me deo os melhc res e mais satisfactorios resultados. GL'IROLT, medico dos hospilaes.
c 0 phosphato de ferro soluvel tem, sobretudo, a vantagem da evitar a eonstipacSO e
t couvir aos temperamentos delicados. Dr FAVROT.
Deposito em Pernambueo, em casa de Maurer e C*.
v.
Pharmaceutico
laureado M
pela Academia,
de
medicina de Parit
v
PASTILHAS
[i POSES ^DIGESTIVAS]
geBURINduBUISSON
Medalhai
de
fomento.

PRECO CORRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
MANOEL&C.
Ra Nova n. 23,=Ra do Cabug n. 8
Pernambueo
Chapeos de seda trancada, Paragon, de 16 hastes, 28 pollegadas a 115> 3
p.-llegadas a I3A. c 2 pollegadas a !4?>O00.
Ditos de seda G. de N. Bara, de ac, de 16 bastes, 28 pullegadas a I if)
d? 26 pollegadas a Uh> : e 2 pullegadas a 123000.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac. de 12 Iiastes, 28 pollegadas a 12->; c
20 pollegadas a 11$ : e 2i pullegadas a 10#000.
Ditos de alpaca, de a;o, de 12 bastes, 28 pollegadas a 6 ; e 26 pollcgada.-
Por duzia i\tz-se descont de 15 0{0
Cltapos ile su! de panno, de baleia, de 8 bastes, V, e 26 pollegadas a '.1-2*
a duzia. (Descaste de 10 0|0).
Ditos de panno, de junco, 8 hastes, a I8-S000 a du/.ia, liquido.
^rfON UCTATO DE-SODA E,M^GN^H
Estas Pastilhat eoMtoem o medicamento o mais nova e o mais racional para edmbaier
todas as afieecea daa yias digestiva^. Ella contem, eom effeito, o acido laceo, um dos
elementos nornaes da digestlo, combinado com a magnesia calcinada, cojos bons effeitos
tem sido appieciados pe todos os mdicos, e o bi-carbonato de soda, sal que faz a base das
aguas de Vichy e da maior parte das aguas mineraes alcalinas. Este trplice conjuncto de lies
productos cuja efficacla popular, aplica o bom xito que se obtem as gastritis, gastralgias,
sahidas de y m, inehaco do estomago, vmitos depois das comidas* indigetides. aoves
.estomago, etc. Deposito em Pernambueo, em casa de Haorer C*.
di
Approtacao
da tcademis
it aedeeiua
d* Parit.
Pharmaceutico
laureado
da academia
i* nedecina.
approvaiuo
As prepararles ferruginosas liquidas tem desde maitoa annos merecido a
especial dos mdicos, porque ellas obro mais rpido e seguramente do qac as pilulas
sSo mais fcilmente toleradas pelos doentes. Os Ps ferro-manganicos possuem a inapp .
ciavel vantagem de poder olerecer n'um instante nma agua ferruginosa gazcosa, de goflio
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contcdo de inam um elemento precio ~,
o Mangauese, qiie sempre se acha no sangoe, junctamente com o ferro. EmprcgSo-se em
todas as molestias que tem por causa o emiiolrecimenio do sangue, assim romo para vigorar
os temperamentos debis e lympbalicos. A chlorose, as Pcrdas brancas, dores d'estomago,
a irregularidade da menstruacao e amenorrlia ou suppresso do menstruo, cedem rapic a-
mente a seu emprego. Dcvemos mencionar aqu um faci nolavel, isto que os doentes cura-
dos pela agua preparada com estes pos esio muio meuos expostos a recadas do
aqueles que foro tratados pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
DepOsito cm Pernambueo, em casa de Maurer e c".
o.
que
GRANDE LIQMCO
DE
OS
Vi
VERDADEIRAS
Para msicas mil
Completo sortimento
SAR DA J
PILULAS de BLANCARD
COM IODURETO DO FERRO INALTRAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE BIEDiaNA DE PARS, ETC.
Possuindo as propriedades do lodo et do ferro, convem especialmente as Affeccos
escrofulosas, a Tsica no principio,a fraqutzade temperamento e tambemnos casos de
Falta de cor, amexorrhf.a, em que preeisa reagir sobre o sancce seja para restituir
lhe a sua riqueza e abundencia normaes, ou para provocar e regular o seu curso peridico.
N. B. 0 iodureto de ferro impuro on alterado nm medicamento infiel, y?S' ^>
irritante. Como prova de pureza e de aolheccidade das rerdadriraa r-
ilf lilanrard, deve-se exigir no.-.-o ella de prata reactiva e
o-io Orina, aqni reprodozida, que su acha na parte inferior de um
rotula verde. Deve-se desconfiar das bUificaeos.
aehau-aeem tadaa aa aharatrelaa. Pbmrmaetutito, ra Bonoparte, 40, Part
irritan
k lulM

RLA NOVA N. 50,
Esquina da ra de Sanio Amaro
20 a 20 por centu menos que em outra qualquar parle vaadem
JOS DE SOUZA SOUIES
do mais awedita G trot Aiuea Parte.
n
a- c.
:so^
\ ar. 5<
U DA RUfl DE SANTO MARO.
TRIMPHO
Conservadora de sua indivi-
dualidade, amiga do
progresso.
Os labyrinthos da Espcranca
A loj.i de miudezas da raa do Quema I
n. 3a A, vem apreseotar sita escoMa
fregatoia um artigo (ue at hoje custava
muito caro, e por Uso s eliegava paia a
classe mais abastada da sociedade.
Toallia de lalyias.hoi
PerfeRamme iguaes s que se fabrkam
no paiz por urna dcima parte do valor d'el-
aexposic do respeRavel publico ueste iinportanta esfabetecimem.
tiiii
roslo
quetu di'- a iionra
Est
de
t mos
Trium
i i as m idase modifieacSodosprcs, para adquirir a svnitiathu'"d
i procurar o Triumpho.
Uwh- sedas de .ores novo gosto a irjGOO c 2-^80110 o corado.
Glacez de seda e aa apurado gosto para l^uOOo covado.
Llazinhas com listras de seda para i:>00, l-WOO o corado.
Ditas de lindos padres para 300, 700,800 e 900 r>. o i >v;do.
Cambraia< l.-ra-icas de i;HMX) al 8:)000 a peca.
i)iias de cor novos pul oes de 040 e 800 rs. a vaca.
Saias de laa cun bonitas barras.
Bafesde la c mureelina'e de arcos.
Basquinas de gros-de-oape de ,->000a 40,->uoo.
Gro-de-iaplespretos d ->000a 4:)3O0 o corado.
Ditos de todas as cutes.
Orgatidiz branco.. ,
U:uM'.asodo Cjjes.
itrenaeios bordad
i i- ii_ias j.-ara senhora e paia homem.
istas fazendas tem.um completo sortimetilo de chitas escuras e claras, ma-
iloes, bramantes, atoalhados, toalbas de lmho e dealgodao, e nutras multas fazendas
Q ''j :I1 li' precos .ues a vista o comprador se poder desengaar que s no
Triuaipho poder comprar bom, e com economa.
i'AHA HO.MENS.
LOJA DO GALLO VIGILWTE
Ra do Crespo n. 7
Mandoii vii' de sua conta c acaba de re-
caber peio ultimo vapor, completo soriimen-
ol de objectos de Dovidade e pbantasia, os
'quaes esto resolvidos a vender por precos
liiiiuiaiaente baratos, para assim anim; r aos
concurrentes c ao mesmo lempo dar sabida
ao grande deposito que tem: isto a r
Crespo n. 7, luja do Gallo Vigilante.
GoJlinhas, punos c camisinbas pai
fthora, fazendas de gosto e novidade.
Finos vestuarios para baptisados, assim
como louijuiihas, sapatinhos e meiasinhas
para o mesmo um.
Grande sortimento de bicos c rendas de
croch c de OUtras militas quaiidades.
Superiores caixas commusica e sein ci-
ta do
a so-
las rindo a esta toja, apreciar a perfeica) la, leudo o n .-''ssario para costuras,
reunida economa, (oem sempre possivel pris para um delicado mimo.
: te a vista se poderao agradar, e manda-se taaer qualauor obra
de lilaiaie o tra o <|ue tem urn hbil mestre, p preco emtudo. s encontramno Triumph i!
na do Qeimado n. 7.
OONCS da GP! ANCAS
XAROPE de RABAl
^[MAlJl.TtG:PHARMA
*AR!S
isso).
As toalbas teem um circulo de lindo de-
senlio e no centro se le em caracteres maius-
culos a allogorica inscripcao.A' baptisar.
A' passeio. .Meus cuidados.Lembran-
ca.Visita.
Ninguem por corto doixar deircomplet.tr
o cnxoval do lindo fimo para fazer ecoijomia
de 13 ou 205,esses nadas de que se compite
o guarda roupa dos recem-nascidos qna-
si sempre ficam aos extremosos cuidados
das mais, a essas a quem e Esperanza se
dirige, pata quem desde j dispe-se a d r
amostras e certa ost que pelo preco nenlm-
ma deixar de comprar.
Fronliag
A Esperanfa, tambem receben frofibas no
mesmo gosto das toalbas que vende pelo ba-
rato preco de 31000, o que nistava 10.> I
apreciai e se ligardes importancia aocoii-
fortavel da vida, sem duvida comprareis :
bello paiz ninguem se faz pobre dis-
ando ti; :,0()0, com o
belleza de que se decora a habitacao, s
veaes no que menos pensamos, entretanto,
como dieam nossos maiores. a sepultura da
vida : anda is senhoras a quem a Espc-
ranca se dirige. Urna senhora cuidadosa
do nada faz a casa.
, Ra do Qeimado n. 33 A,
TASS01RMA0S
Tem para vender em seus armazens, alti fle ou-
trus, us segulntes artigos :
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e liso.
Yinhos em caixas k doze garrafas
Bourgogne.
Herv.
Madeira.
lli rmitage.
r.hambs.
Licor de cura^io de Hoilanda em eaixas de vin-
le e quatro botijinlias.
GES80
No6 armazens de Tasso ganaos.
Grades de ferro
para jardins, purteirasete.
Nos armazens de- Tasso Irinaos
AHItIMIOS |ki: FERRO
Para servico de grandes armazi;ns, para remo-
ver barricas ou caixes de un para outro, lado pelo
; mdico preco de l^OUO cada um.
Farinlia de trigo do Trieste
Das melhoras mareas Panonia(vei-dadeirn) Fon-
tana e grande sortimento das melhores manas de
I larinlias aiiiericanas.
i Saceos de farinlia de trigo do
CMe
Todas novas, chegadas ull.'inanionte nos arma-
zens ie Tasso Irnifiys. .
Cenieuto romano
Nosarinazens.de Tasso brrnaos.
Cemento hydraulico 12S
0 meltior nar<>tudo qae sao obras pan agua, co-
: inoassentatiieiit dcaaodesgolo, algeroots.de-
I psito, lamines d'agua, etc., ote : em porcoes de
icincoento barricas se far reduecao ao prejo: nos
armazens de Tas*o kmos.
Cemento Portland
0 verdadeiro cemento Portland em casa d.' Tasso
Irinos.
Grades de ferro, cercas, por-
taras, etc., etc.
TV dTerenles qualidades para cercados de ani-
i luaos, chii|ueiros jiara galinuas ou jardins : nos r-
manos de Tasso Irinaos.
] larris com bren
Nos armazens de Tasso Irmaos.
CA10S DE BARRO
Na ra Nova de Santa Rita, na antiga fabrica de
sabio, lia para vender por preco o mais mdico
possivel. canos fiancezes para edifleacoes eesgo-
tos de toda a qualidade, superiores a todos os que
aqni tem apparecido pela sna solidez.
PRETOS:
Ij'tOO porcino grande'de:i e meia pollrtadas.
U20 pac dito de 2 e tres qtiartos de dita.
f 3000 por dito de 2 e um quarto de dita.
fiOO ris por pistoleta de 2 pollegadas.
(j)tovi'llos, curvas e canos de maior grossnra. a
vstase faro preco. Compras maiores de 2003
1 tem 5 por cento de descont por prompto paga-
! innito. Pde-se ver as amostras nos armazens
1 lago Irmaos.
lijlos franceses
Para ladriUuu*eaMurterreas comasseioe precos
inodicHs, muito con venientes e proprios para ladri-
ilios de cosinlias em sobrados, pelo s. u asseio e
evitar em de aguas para o andar infeiii i
eniPSaV) o perigo de fogo, aos precos de 30()00a
"iiOtta o millieiro : ua ra Nova de Santa Rita, na
antiga fabrica de sabao, e compras maiores de 200
-c faraii por cento de descont por prompto paga-
mento. Podem-se ver as aioostras no* armazens
de Tasso Irmaos.
Velas de esparmaeete verdadeiras para lan-
ternas de carros: noannazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Portoliuo superior: no armaziiii
! Tusso Irmaos.
O mcllior cognac Gautliier Freres: no arma-
zem de Tasso Irmaos.
Esteiras da India
Km casa de Tasso Irmaos vende-se esteiras da
India de diversos padroes e larguras, por preco
eoiiimodo.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nones de Castro.
Vermfugo efTicnz c preferivel todos os
conheeidos j pela certeza de scu resultado,
e j pela fcil applicaijo s enancas, quasi
sempre mais atacadas do tao terrivel e
muilas vezes fatal soffrimento.
nico deposito,
Pliarmacia de Bartholoraeo A C.
34ra larga do Rosario34
PARft A FESTA.
Facas garlos de Iwlanro de i botSo a
4|wtt duzia, idem dem de i botoes a 8#,
idem dem para -sobre meza de 1 botSo a
4#>00, dem idem de i Uoles a 5^, todas
em perfeito estado ; asm come bandeijas
linas e de dileivntes tanianlms. odberes de
ni -tal principe, tivm para cosinba, ferro
p i a frisar vestidos* barias du metal de 20
a 30 polegadas, propt ias para banho, es-
pingardas de 2 canos linas, assim como pe-
zos pelo systema netrico adpptado ltima-
mente pela cmara municipal, alm de ou-
lr is muitos objectos tendentes a ferrageas
e miudezas, que se rendem por barato pre-
A loja dagiiia branca
o receptculo da niedti e -
vldadcs.
A aguia branca tem-se teito tao conhecida e
acreditada, nao s jielas novidades, variedades, so-
perioridade e abundancia de seu sortimento, como
pela constante cnnimodidade de^eus precos, e mes-
m pelo seu assaz e nunca olvidado agrado e since-
ridaiie.
Rssaa verdades iticontestavels so sem duvida
ajreciadas pelo bello sexo em particular, e peti-
respoitavcl pnblii'o em geni, e a tanto tem clicgad
que cstao quasi passando cerno annexim ou pra-.i
verbio, ijuando se v um objecto de elegancia,
gi sto, novidade. etc., etc., di/.-se logoaquelle ob-
jecto sem duvida foi comprado na loja d aguia
branca.
Quando no club, nos bailes, ou no saio di.
Santa babel, uma exeellentissinia se aprsenla
garbosaiiienle trajando, tiazcndo o moderno cinto
de nuii larga fita, lisa, chamalutada, ou escoseza.
as snas admiradoras dizein comsigo aquella tita
fu. comprada na lojad'aguia branca.
Quando outra exnHentis.-iiia, nao menos gar-
bosa, moetra o rigor de sen bomgotto na acertada
e> i1ha dos enfeites de alta novidade que bella-
mente ornan seu vestido, anda mesmo as rivaes
de sna sunpatbia euiless;:niqueaquclks enfeites
fo.'am da loja d'aguia branca.
Quando nVutra exccUenlissima, anenr da sin-
gcllcza de scu porte agradavel, se vni as bonitas
luvas de pellica dnqoea as snas bellas ami-
gas loiivam-lbe o gosto e cculessam queaquellas
uvas foram da loja d'aguia branca
Quaiulo iiii-nm duas cxccllentissmas, antigs
amigas de ciHegin: se encontram naquelles loga-
re-. <|c|kis dos cumprimentos de recprocos beijos,
ambas por forra de sua elevada delicadeza, gabam
uma a outra s agradaveis cheiros de que usan.
em seus linos lencos, e cada uma das quaes orgn-
Ihosas pelo elogio do acert de sna esculla, e como
que querendo por simesnia justificar dizeni simnl-
taneaniente verdade que este cheiro fticimpra-
do na loja d'aguia branca.
Alada mais.
Quando hontem os jias'afm'ctos sentiam o rigor
da denticao de seu cliaro lillunlio, e hoje alegres e
-atisfeitcs pelo feliz ri-Malirlecinicnto rerebem as
visitas dos seus melhor amigos, dizem aqnclles
estes, foi Ueiis que me iaspiroupara que compras-
sc, como comprei, um desees virtuosos coliares
nyer, ip:e se vendem na loja d'aguia branca.
Ylt'ut do tuuito uiais que anda
falta dizer.
Quando em nm circulo de rircumspectos carac-
teres se discutir a veracidade de taos dizeres. appa-
reeei na muro me queira anda levemente inter-
reinper a disctenos os primeiros por niomente em
qnecerao a circumspi ceao e lhes daro um gra-
ck'SO debique dizendo-lliesja sabemos que V.
um daquelles ipie inclina o chapeo de sol on qpa
inri ecia ser designado pela aguia branca da rna
do Qiieimado n. 8.
S* (tantas as romas qne noa*
ninas escapara as cairas.
J a esquecendo a aguia branca, mas em teeip*
leniliiiiu-se para noticiar, que recebeu uma pe-
quea quantidade de enfeites para coqoase gram-
pos para ditos, ttido feito de metal cun lindos e
ai r.nlaviis coloridos, obras estas pela primeira vez
apparecidas. e pnrtauto inteira novidade.
Tambem chegaram novamente delicados enfeites
e flores ornadas de aljofares e vidrilbos, tanto de
palh.i para coques como para vestidos, e tnd>.
eontiiuia a merecer a apreciaco das excellentissi-
Bms Bonlieeedwai do bom.
Yen l'm balco em bom estado : na ra da Cidria
do Recito n. ti.
pt'O-
1^"\a S?MKemaP?ri,e B0 JnBnd0 ,m"iro de m* fe*a uunente merecida, por
i t^t^a,ti. it; "flle.010d comsucc" d3S la,as *ncJrbulic-t. cujaeflicada
^'" niaaT ? To'm??e Misle iod0- E' com este notivo qne elle supp
Sfll^WrS n2^^W^^,b0'que nCTe'*iido os homms scinficos, a u.
eficacia presenpa do iodo. preciosa no tratamem dascrUocaa nara Ainhaur a Ivmnhaiivma
aeehaifiK-c&eadas glafdulas de pesco^. e as diversa, *K2^ freo-PenteZ.a
criancasde ponca i3.de. Tnico depurativo ao mesmo lamfavlu e*3'oXtSuSiZ
difceaiio. restne aos iceidoe a sna firmeza ev.gor ualuraes. E1 cada da rsceitad^s mediH
eseeciahstas para combaler as divereas afeces da pefte. receitaao petos medios |
Heposito em Pernamburo, em casa de Maarar a O*.
Vende-se ou arrenda-se o engenbo S.
Gaspar, sito na freguezia de Serinhaem. cr>
tnarca do Rio Formoso, prjimo do embar-
'|tie, com grandes partidos de^aul, e mas-
sape roda da moenda, malos e mangues
para madeira necessaria, bom pasto.etc
tratar na ra do Imperador n. 20, ou ra
da Florentina n. 28.
CTXRA DOS CA1L0S.
PFU
Poniadagalfiupeau.
l)ej al
Pharn. ,10o q
Ra larga do Rosario------34.
w
para mejcA'nas Crover a riiker
vendem-sena raa da-Gadeia do-Reciten- 51, a i
linas caixas com tentos e sem elles para
voltarete.
Agulbas pata machinas de costura.
Ditas para croch', sendo de ac, mdiim
c outras muitas qualid.ides, assim conlo li-
ndas para o mesmo misier.
Finas grinaldas para noivas.
Meias de botricna para rpiem soffr) de
(rvsipella. assim como meias de laa para
os que sofirem do rlieumalismo.
Suspensorios para borne e raenind
Finos penies .le tartanga para coquea^
de outras muitas qualidades c para o tros
mistares.
Dedaes de niadreperala, marfim, clsso,
ac, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeoccOBe para Ungir
cale lios, dando aos mesinos a sua cor. pri-
mitiva.
Completo soiiimento de linas perfum. rias
dos melhores fabri.-antes, assim como mui-
outros ol -nie impossivel des-
crever: isto s ua ra do Crasno n. 7, loja
do Gallo Vigilante.
Collares Ibiver elctricos magnticos con-
tra as convulsocs das criancaa e para facili-
tar a dentinco das mesinas. o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor destes prodig*
collares e contina a ter sempre grande de-
posito, 4 ra do Crespo n. 7.
_______________J___|____________________
Sbemete de alcatrao
M
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que tao boa
acceitac5o tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impigens.-santas, caspas e todas as
molestiasie pene.
eposito nico,
Pliarmacia de Martholomeu & C,
31ra larga do Rosario34.
FUNDiCAO D0B01MAN
Bina do CSr.ii n. 53.
Machinas de vapor.
Rodas d?agoa.
Moendas de cann.i.
Taixos de fetro, baUdofe ftuiddo.
Rodas dentadas, para moer com agoa,
vapor e ananaes.
E outros moitos objectos, etc. etc., pro-
prios para ;i agricultura.______
CAZ GtllAZ
r.hcroii ao antigo deposito de Renrj Forster &
C, ra do Imperador, um earremniento de paz
de primeira qualidade; "'i^al e vende em partidas
B a rclalho por meuos preco do que em outra qual-
quer parte.
Fariiiha de mandioca.
Tem para vender Joaquim Jos Goncal-
ves Beltrao, recentemente chogada de San-
ta Catharina, a bordo do patacho portuguez
rabe, fundeado defronte do trapiche do
Exm. baro d Livramento e para tratar
com o mesmo ua ra do Trapicho o. 17, = veode-s
loo a, bordo do referido navio. |
Tintura japoneza
Inslanlatiea para Ungir os cabellos e a
barba, a 1,4000 o frasco.
E' a nica approvada o, recommendada
por tor sido reconhecida superior a todas
as unturas d'cste genero."
venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. ra da Cadeian. 84.
"NOVIDADE
A loja de Coeei & Oveira ;i ra da
Qeimado n. 19. recebeu pelo Ultimo\
um bello sortimetilo de baloes 6* diversos
systemas, 03 mais aperfeiooados ,que teem
viudo ao mercado, sendo :
Baloes de guipur com tiras chamado -
reguladores, ditos de musselina abertos por
ambos os lados, de modo que sendo todo
de um tamaito servem para qualquer se-
nhora, de laa de cores, com tiras, e as se-
guntes fazendas :
S.ias de laa com bonilas barras.
Chales turcos de seda e laa Beatriz de
Temas.
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, mttito lin-
dos.
Lasinhas
Sultanes, Poil deChevre, Tricte, dito de
xadrez e outras muitas, entre ellas urna
E^pecialidade
La pura de cores a 360 rs. o covado.
Basquinas a Mara Autoniete.
Cambraias fantazia.
Ditas, brancas transparentes e Victorias.
Cotias adamascadas.
Cobartas chinezas a 2^1500 rs. c outras
muitasflazendai que tornar-se-hia enfadonho
awntmyay.
A Perfumara Victoria hoje mnito procurada
pela flor da aristocracia, o das elegantes, por
cansa da abricaco superior dos productos des-
tinados aos usos do loucador, c entre os quaes
ella creou uma espetialidade em cada artigo.
Os seus novos perfumes, preparados com a
Essencia de Ylangylang, que ella obtem mesmo
as illias Phi'ippinas, pela distillacao do Uona
odoratissima, nao temem nenhuma concurrencia,
no que diz respeito fineza c suavidade do cheiro-
pelo cue aconselbamos ao publico elegante que
peca como perfume para o Icrco.
0 EXTRACTO DE YLANGYLANG
0 BOQUET DE MANILHA
Alm d'estes dois extractos excepcionaes, qne
sSo propriedade exclusiva de sua casa, os Snrj
Rigaud e C', prcparo igualmente, com particu-
lar perfeico, todos os extractos adoptados pela
moda, e entre os quaes citaremos os seguinles :
Jockey-Club. Vilela. Reseda.
Ess. Bouquet. Narechalc. Jasmin.
Feno freico. ttousscline. Magnolia.
Flor dos prados, ondclelia. Rosa musgosa.
TOLIITINA RIG11D
E' nm Agua admirave! para o toilette, eons-
titue ella o verdadeiro talismn da belleza, e cao.
seryaa palle fresca, e a tez do rosto branca. B'a
ultima expressao da sciemia. Kst por lodo*
reconlieoida a sua iiicomesiavcl superiridade
abre as aguas de Colonia, a agua de Florida e oa
vinagres aromticos de uiur uomcaa>
OLKO E POMADA niHAVDl
Exccllcntcs preparacoes que se pndem cbamar
o Ihcsouro do cabello, c que, comiiostas de su ba-
tnelas inicas e fortificantes, cmbellezao e coa-
servio o cabello, ao mesmo lempo que lhe com-
mnnicio um cheiro suavissimo.

8ABO HinODi
Quem comparar este sabao com os que se
Tendem por ahi, fcilmente reconhecera supe-
nodade do nosso. Este loma a cutis muitissim
macji, ftz uma escuma abundante qne forma un
verdadeiro banho de leiie, e nada deixa a deseiai
come delicadeza de perfume.
DENT9RI* A
**TA BtVliliiKn
A Dentorina um elixir dent^fricio dos mas
suave : perluma e refresca agradavelmente a
boca, fortifica as geBgivas, e preserva os dente
da cae. "
Esta paito mtfrieia fes 'wna verathira aa-
volucio na Perfumaria; acaben para sempreeasn
s pos e opiatas, que sao mai on menos aeiaes
es perigeeas. Basta passar orna escova humida
por cima, aara ebter uma macaagera saave
wwoi aja*- torua es denlas ereitaiaestsa
braeeos. ^^__
Pf> K OSABS
Itesmlo s pefie *>rijpr des eetee e de Me,
eeenoiMieto ibe km agradad* ftwcura, e eso
ten em as sarda*. Su $u|ierores aos pos S de anddo. Seu perfume delicioso.

raa (Jofleepicfo n. 3ft f **"'"
'
*

si





f*.. ,,!

Di
aro de
Periianibuco
j<
v >
" -
Segunda feira 18 ele Janeiro (Je 1869.
A DINHERO NA LOJA E ARMAZEM
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
0 proprietario d'este estabelecimento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a vii' surtir-se no grande estabelecimento que tom d; fazendas, tanlo da moda como
de lei, e as pessoas que negociara em pequea escalla, tinto da praca coiap do matto-
nesta casa podero fazer os seus sortimentos ca pequeas e grandes porcoes, vendon-
do-se-lhcs pelos procos que se compram as casas inglezas ; assimeomo aa excellentis.
simas familias, podero mandar buscar as amostras de todas as fazendas, u mandare-
mos levar em suas casas pelos nossos caixeiros, para o uue acha-se este cslabelecimrn-
o aberto constantcmenle desde s G horas da mauba s 9 da nonle.
O atoalbado do Pavao. M.'DAPOLO A 3:500.
Vende-se superior atoalbado de algodiio Jr**** f^sde madP?'lJD0 com
cun H palmos de largura, adamascado a fardas r)elo barato preCo de 3:500 a peca.
adamascado a
'200 a vara; dito de linbo fazenda nuiito
superior a 30200 a vara ; gnardanapos de
buho adamascados a 10500 a duzia e muito
tinos a 8-5000, e ditos econmicos a 3:>-*00
a duzia.
Crochs para cadeiras na loja lo
Pavao
Cbegaram os mais lindos panos de cro-
ch ou guarda bantras, proprios para ca-
deiras tanto d'encost, como de balance e
de guarnido, e outros compridos para so-
f, assim romo ditos redondos para mezas
redondas, ditos peipienos para almofadas, e
ditos para cubrir presentes, tendo pequeos
at para cubrir un prato, que se vendem
por preco milito em conta, na loja e arma-
zem du Pavao na da Imperatriz h. 00, de
Flix Pereira da Silva.
Fustcs para vestidas fcran?os
*G4.
Vendem-se os inais mudemos fustoes bran-
ees flexiveis com padresde listas e de
salpieos pruprius para vestidos e roupas de
menino a 6i0 rs. o cuvado. na luja e arma-
zem do Pavao rua da Imperatrizn. 00, de!
Flix Pei-eira da Silva.
Orgpndys
Organdy betico liso, imito lino a 8(K)
rs. a vara ; dito com quadros ou lillas, fa-
zenda muito superior a l-j: lilo de linbo
bramo com palminlias, fazenda muito lina a
tiiO rs. a vara.
<;rosdrnaples
Chegou para a luja do Pavao pelo ultimo
varpor um grande sorlimento dos melbores
grosdenaples pretos e do cores, tendo verde
taitibcm, que se vendem mais barato que
em outra qualqmr parte.
Loncos braneos a 1-jiGOO a duzia
Yendcni-seloiiijosbrancosde cambraia de
algodo a I9600 e 23 rs., ditos de linbo a'
3|5O0 'i'->ts,. a duzia, na luja e armazem
d Pavao ra da Imperatriz n. GO, de Flix
Pereira da silva.
CHALES A 2->000.
Vendeni-se eludes de merino cun boni-
tas barras, pelo baratsimo preco de (WOOO
e 25500 rs., na loja du Pavao ra da Impe-
ratriz n. GO, de Flix Pereira da Silva.
. PECIUNCHA A 3:300.
dito com 24 jardas a 7000, na ra da Im-
peratriz n.60, armazem d? Flix Pereira da
Silva.
laslnhas
A doze virtens.
A duze vintn s.
A doze vintens.
Vendem-se ISasinhas de cores muito bo-
nitas com desenlies miudinhos e grandinho>
com listinhas e pintas pelo barato preco fl
240 res o corado na loja do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, de Feliz Pereira .la Silva.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendi*m-se linissimas pecas de eambraia-
lizas trasparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo ma s de vara de largura, pelos
precos de >300 at lOrjOOO a peca, assim
como finissimos organdys branco liso que
sene para vertidos de bailes, por ser muito
transparente a 1,5000, a vara, na loja do
Pa\ ao ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Fl'STAO Bit ANCO PARA VESTIDOS A 640
Temos novidad na trra t
Porm niriguem se espante
\ cuusa nSo de dar cuidado,
Faz sempre a sua admiraco,
Mas nao olTende a ninguem,
Agora no se lembrem de novo incendio no pardieiro,
Nem que bouve e\plosao na maxambomha,
Nem que 0 prelo Tbomaz fugioda Delenrao,
Nem que o vapor chegou embanderado,
Nem que a FRAGATA AMAZONAS >nni 0 S
Nao se trata disso
Ser altj/iiii juiz de paz que quer jmsar o metro 10 seu subs
titulo ein consequenria de oslar abolida a raa ?
NAO SENHORESTenliam pacienciaEsperem
Nos \ amos dizer do que se trata -nao com aquellos modos que toma o oi.ladfto
russo, Sr. Antonio Domingues, piando racanbece que na melbor boa f Ibe empurraran
algum livro sem principio nem fin--- mas sim com aquellas maneiras assz delicadas que
sempre se encontrara no perfunioso niulio da sympalhica Agr-Branca: assim pois
attendam: .^
i adavelmeute veniain ra da Imperatrizolbem
Amigos de fartar o estomago
para a casa que fiea em frente ao magnifico caf -olbem..... ulbem..... Nao \e<
0 BOM DEMONIO
Agora digam comigo :
No s<' benzam
Que e peiur
Fiqueni bem quietos
(jue melbor.

<'r, demonio que importa !
Mullier, demonio bei de amar-te !
A

Fallemos muito serio
iorr. i.'rrsnci.o
C un., Cunde tentar aos hotnn; a abastecers
O cordeiro previdente
Hita do Quelmado n. le.
Novo i-variado sortiinento de perfnmarias
linas, e uniros objecto>.'
Mi'in do ( oinpleto sortimiHto de perfu-
marias, de que eirectivamente est pro\idaa
loja du Cordeiro lYfxid.nte, ella acaba de
receber um ooM sortinlento que se toma
notavel pela variedade deobjectus, superiori-
dades (|ii.ilidades e commodidades de pre-
eo>: axim, |>uis, o Cordeiro Previdente pede
I e espera continuar a mei-ecer a apreciaro
do ii'speitavel publico em geral e de sna
boa Fregoste em parcidar, nao se afas-
tamto elle de sua bem condecida mansidao
c barateza. Em dita loja encontrarlo os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray A Laminan.
Dita de Cologne ingleza, americaii, fran-
ceza, lodas dos melboes e inaisacreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrificia.
Dita de flor de larangeiaa.
Dita dos Alpes, e vilele para toilet.
Elixir odnntalgica' para conservai.a
asseio da bocea.
CuMiiotiques de superior qualidade e ebei-
ros agradareis.
Copos e latas, maiores e menores, coui
pomada lina para cabello.
Frascos com dita japone/a, transparente,
eoulrasqualidades.
Finos extractos in^lezes, ameiicanos e
franceses em frascos simples eenfeitados.
Essencia imperial do linoeagiadavel chei-
ro de violeta.
Outras concentradas e decheiros igual-
mente Bnos c agradaveis.
(Meo pbilocmne verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidade.
il'W.s ljt-'lrot /ior modieo pi< ,r
e ni perfoitn muo, propri^ jra parlara, a ira'
no piteo*de leffo u. lia
ESORAVOS
rao do
Moleque ftigido.
Fiijo no ili;i ai (ir ili'zitnhni prximo paadc,
da vida da Kscada, mi opcnslu Ha feira, o moleqiie
Ni. natural do Louki-i-., d.> t3annos ticitfartc,
cor fula, di-nUs paitito*, pi apellidados c umt--
go pando, pelo que so torna eofiheride. Anda
vestido de raiiiisade diit.i i'-vura asada, ral(a de
l>riiii pardo a ribazo dopalha d^ lisi;: preta c,b u
da mesma cor, hh Coittuia iiodar o nooi* paia,
MaiKiel a lirur aa fui ro quando fuao. Paga-i>e bm>
quem o levar ao Dr. law Anlonio Correa da^ilti
na estacilo da Escada, M ao Sr. riuio Alvaro Bar-
dosa da Silva, ra da Cruz do Berilo o. (S.
Fu'riioianoitodn (Ha 10 nara II do eorrwifc,
do pngenho Itatetcira, frepurcia da Escaria, o ro-
vo prelo crioiilo, du i4 anuos de idaile, chamado
Marcelino, cojo escravo estere no deposito jiral r
o dia 2.'! dopioxiiun paanto, e t*-m oe ^in&es -
uiiites: alto, reo. rusto pkodn de li-xipas, faifa
rio (lelil-- na l'renle.eor prela e saiiio (! rhapo rio
Chile, palito* '-alea decagtor^awisade inailapol*..
Quemo appreliender Icve-Q ao dito Cngcnbo oi
ra da Senzalla Nova n. te.escrlpUio doSr. Bii
nardo Pontual, <|iie ser ^'n.-rosamonte tttam-
pensado.
AttenQo.
Fupio no dia II aeormla o niulei[ic de iia>
Vii-ciiic.de bonita figura, i"iii|'ieiii'(|u-rcprcw.a
16 amic^. nariz chato,ps grandes,eaLrJles cortados
c li-vou ralea o camisa de algndao listras e rbapo
de bata vlho: ipu-m a apprebender leTe-oi ra
da Cruz n. 34. em casa de aen aeaor, que sera i"-
compensado doseulraliallio.
2IMIS i m$ di raifadA.
Gratifica-se, secundo a disianeia. a qunn pegar
o levara seu Honhor g Dr. Virgilio Carne re da
Cunlia p AllmqiK.'i'quc, morader no eii-infid (>;
cordia, da fregneria da l.uz, o ejerav Joaquim i.-
SanfAnna, pretoVMade dei anuos, lineal, e?U-
trna regular, iMirm um paue eapadauo e larw:,
com esculhidos cheiros, em Irascos de dil- olbos
retentes lamanboa.
Sabonetes em barras, maiores e menores
pafl inaus.
Ditos Iransparentes.
ras de meninos.
redondos e em ligu-
muito encorpa lo mas muito flexivel,
Ditos muito linos em caixinba para barba. osMignel I
Caixinbascom bonitos sabonetes mil indo i'
Iructas.
pei|ueiios, vivos o mu poiico liranns. rienl"*
perfeitos, alvos o litados. rabera peqw 'i, p'
niaos regularos, Qisposto e esperto para qualquer
servieo. falla vagawn # grasm oa ebeia, andar um
I.....oi> i-aiiueiro. devo ierinarca as poiBaa cn-
I costada aospa oe forro- que levos; Ifui roniprado
| ao Sr. barao de NazarMe sto rompron-o ao sr
s despensas no MAGNIFICO
du sumpluoso Caf n>-
]ralnz;o mcansaxel proprietario <]<.> iniportante estaln-leeme-Mo :..-aba de iro\.--|.i
*. domie ha de mais superior e digno de urna casa dessa urde
VBSSSS^&^^ ESt -teiv>s31,ees,a.,.|e,iien,u se torna salien,,-. n ,-, ,>,,., su ptima lomli- l)hr ''" I>elao igualmente bonitas, tam-
e Z^r .' X nato Zm ""S' Wm0 P* **"** e 'l"';,l,,;",f"' ""blema que 0 Nss-iguala. Ved urn.osa Circe,:,M ,!,' l"''"ans lina?
le FHk Penir .^^ e corno que desa-! ,|,,ll,os vas0S n!|,,al ,'"l"n,los' e ''"
1 moldes novos e elegantes, com po de arroz
e bonei a.
Ulemn) pie < (rooxe do Rio-4inmd<
ii o compr* ao Sr. ispft&j Fredrifi.,
iiKiiailnr na villa do l'aii >ie wrni. o o sen pan u
(apilan Fernandos eau^taa-g ao Sr. Mauoel Th-
Ditas ile madeira invernisada eonleiido 0- inazda Silxa morador na villa de Porta Alepu,,
nas perliiniarias, muito pruprias para pre- sendo o referiuneseraTonatunl dolng daprori-
jagt^e I fia da Parahyba, pertenceu e viajon prnripalmei '>
' os serios de Ingazeira em Paje (ende tem din-
a nova es-
Cortes de la :i:i00.
Cortea e la a 3:.*>U0.
Cortes de la a &99Q.
l.av.iulias a 80 ris,
Laazinbas a 80 reis.
Lazinlias a 80 reis.
So o Pavao.
So o Pavao.
So o Pava o.
VendPiuVSe bonitos cortes de laazibas
para vestidos com padres modernos tendo
cada mu corte l covado pelo barato pre-
co de ::.'ifiO rs, assim como ditas em pecas
que se vendem a SO es. o covado, sendo
grande pechincba na luja e armazem do Pa-
vao roa di raperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
BABADrtfHOS
Vendem-se Qnissinlos babadinbos, tiras
boedadas e eiiti. ni- ios, mais baratos do que
em outra qualquer parte, assim como espar-
tilhos dos mais moiloruos, no armazem de
Flix Pereira da .Silva, ra da Imperatriz
n. 60.
ALTA NOVIDADE
A LQIA DO PAVO
Gurgmo de seda
Cbefaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos gargortea de seda, proprios jiara ves- jGas* sendo de eoree fixas,
lidos, sendo lisos elavradmbos, com muito i l,reC8 ,H' ^0 e :t(0 rs. o
COVADO
Vendem-se as mais modernas sedas de.
listinhas para vestidos, ebegadas pelo ultimo
vapor com as ores mais modernas que ten i
viudo a este mercado, pelo barato preco de
:is rs. o cenado na ra da Imperatriz n.
GO de Flix Pereira da Silva.
Alpacaslavradas
Cbegaram pe lo ultimo vapor as mat mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que >e vendem a i.5000, o covado.
ditas lisas tendo tambero-cor de caima a
800 rs. dilas mescladas muito finas a 1:200.
o covado, e outras militas fazendas de gosto
e- moda que se vendem mais barato do
que em outra qualquer parte, no armazem
do Pavao, ra da Imperatriz n. 00. de Flix
Pereira da Silva.
ORGANDYS DE COR
Vendem-se organdys de cores com pa-
dioes miudinhos em assentos brancos ede
cores pelo baralissimo preco de 360 rs, o
covado, linissimas cassas francesas com deli-
cadas cores e bonitos desenbos a 320 rs. o
covado e ditas i 300 rs, na rila da lmpera-
Iriz n. 60, armazem de Flix Pereira da
Silva.
Itotspas para honieni
Vendem-se superiores pajitts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas inglezas francezas com os peitos
de psguio, coroulas francezas de linbo e al-
igodo, meias c-uas inglezas superiores, ca-
misas de llano! a e de meia de la, assim
como neste eslabelecimento existe um grande
sortimento de Quinos pretos, e de casemiras
inglezas de cor. s. e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Sis. freguc-
zes, e promette-se-lhes que sero serMdos
cota) a mior p'omptidoe muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. 60,de Flix P 'rei-
r da Silva.
Cortinados
Para camas e jancllas.
Vende-se um grande sortimento dos me-
Ihores e maiores cortinados bordados pro-
| lirios para camas e para janellas, que se ven-
d ni a 123000 rs. cada par at ."5000 rs,
isto na rua da Imperatriz n. 00, de Flix
Pereira da Silva.
Chkas
Vendem-se as melliores chitas escuras para
pelos baratos
covado, ditas
5 pf la nova es- '
de Flix Pen-ira ,V?S L; ^cantadora maga ** se espell.a nas ajoas a nosso ameno Capibaribe. e con.
SFDVS CO\ I ISTlXl's \ 'I.sOOa n ,""ln n ''ls" l''"'a ;| irfta,Mf,^;, 0l,n,,a 9 ',,,'m s*' "&* garbea e genfl! replecta
Vovvnn Il*rn,)*:n Di br<;ve gosaros mais rato*passdanm pie Ihe sero levados p
rada de ferro que se a-ha no nascedouro.
Assim, pois,
e admirar a bella*-plo>ionomia do BOM
ALTAS NOVIDADES!

Vehlia toda a popularo do Rece \r
|)i:mom<).
i
ni
seiilieres mocos itor nosM ilaiveliiw c Camill; i
Seria Talluda, cidade duSouza. Sena ddarlinV
etc. etc.. a>sini lamliooi prorine-soa quem apren-
liender o referido eferavO"que sendo no re tro ''..
provincia da Parahyba o entregue ao Ur.' i I';

PECHINCHAS
Novamente chegadas ao armazem

DO
mp

PAREDES PORTO.
Tendo-nos chegado ultiinamene fazendas inleirameiite novas, eonvida-
raos por este meio ao respeftavH publico a que nos1 procure a comprar bandas de
bom gosto e por procos que nao achara em outra qualquer parte.
Xdniirt'in!
.mi de Figneiredn na ridadi de Soaza, .iu ao ea-
Bspecial p de arroz sem cumposieao de pitao Joaqnia Saldaulia, na f.i, nda .Muli.c na
eheiro, e por isso o mais prnprio para crian- rlacho^de 'oreos, no t&stt de uo querer Irazer no
cas.
I Ipiata ingleza e francezapara denles.
Pos de camphora e nutras dill'ereiile-
quaiidades lambem para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Aimla mais roques.
Um outro sortimentos de coques de no-
vos e bunitus nwtldes com fdetsde vidrilbos,
e algims d'elles ornados de flores elila-,
esto todos expostos aprecia<.o de quem
os pretenda comprar.
GOLU.MIAS.E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeieo.
Fivellas e Olas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, cando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
O que demelhor se pode encontrarnos se
genero, sobresabindo os delicados ramos
orvalbados para coqnes.
Mi viasrm.
Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
precos commodos.
sen referido senhor.
Pogio no dia 8 de dAenibfi prximo pass
do um oseravo do nonio Januario, preto, de ew
lula, ja tem cabellos braTic i >.: rabcea, lev'iu
vestido calca e camisa azul t> algndio ja nradt.,
eostmna andar eoM paitonil d-' eonro e apracataa
nos ps, fui morador eni Mantanguape, para en*;
se iulga ler ido, per bw all liih <,: roca-se as au
j loridades policiae? oa as pe&oaa pe delle tiven >n
oonheciineiilo. o prendan ^ o I-vein rua da I,*-
| }oeia n. 10. que Rarin rmotapaandos, ou ana easa
de Manuel da Silva Mondn*-.! \i.iiina.
Fugio ha (fualro annos, pouco mais en menos,*
ensenho Jussra, freauezia do Rjbi ata o eseravo
l'rbano. erioulo. idade de t a 22 auno. l;auo-
secn d(i eorpo, heni parecido) devo ler hoje alfuma
barba, olhos vemelboe afaiudldoa, o yual eenata
que espvra na Kse.id.i IrabaTliando na via frrea
como nonio de Joaquim : roga-?e s autoridatfea
indiciaos ou aos taprnUa da campo que o appre-
liendan o rnddmam aquella .-n^eidio. u na da
Imperairizji. li. Sondo que a esles serrtil
citm I00, e i(|uelles so inueninisar de ti das .-
despezas que lizeromcom a aaprenensSo du mestao
esclavo.
Lencos bordados a 0>, ti.-^OO c
Bicoa.e bem escolbidos gosto:
Madapoloeslinosao.G^.^e S;3 rs.. marks para calcas c palelols a
SO no armazem do l.eao. i arta
Chitas escuras de padroes liados por pro-: tiibm Wm para acabar pecas de nan-
eo de 320 e .100 rs. o covado. ,,, nh0] ,,)IU 27 va|us a }7,-
Cassas de cores com palnunli,- e cbm
listas de diversos padiws a iO e SM rs.
Lazinhas cimientas e cor de bonina a
320 o covado.
lliilas claras niiudiiibas a 30 e 3liO.
Toalbas de linbo para rusto a
zta.
Aos Srs. armadores de et
Vendem-se
de, bis-
j-\:oo o
e 18o.
0$ a i tu-
le rros.
pecas de boHanda rjreta com
Alpavas pretosede^sjmdas acafmas w cavados a U : na rua da Impjiralriz n.
para vestidos a80, /OOe 800 rs. w P 52, mU a padaria franceza.
Pecas de cambraia transparente* a i \ j ,.,-,
4 e U. Por este preco admira a todos! Aitein-o i roupas feilas t!
lnja do
armazem
No dia 10 do nier. de noveiiibro picxiino pas-
sado, (ugio do eagaako s. Jos, do asma de Bar-
melinas de r i mu om nliaom. a i-eravado noinelionediela. nii!:.!a, lein
uiaptiinas ae pama na Italia mu nem anuos de idade, cara beSgosa. altura regolar.
e enieites de llores obra de bom cabello cortado o denles podres, Ro escrava de Joio
de Barros Araujo, rerldefro do nigenno Mi ranna,
E assim militOS Outros Objectos que ge- ,eTOn "'" ei'l'"'!'-chita el/n-a ja vello, o um pan-
rao present, a quem se di.igir dita lojo ffS^ ^mf^Ut
do (.ordeiro Previdente a rua do Quelmado|nesta praea, que >er;i ^nerosameate
enfeitadas
gosto.
n. 16.
LOJA DO PASSO.
Rita do Crespo n. J t, esquina
da do Imperador.
"O dono1 desteimportante estabelecimento.
tendo recebido de sua conta, pelo vapor
francez E.rtoeiiwdare, diversos artigos de alia
sado.
nrinipn-
Fujo do enpcnlio Soiedde, na P-marcade
Porto-Calvo, provincia tai Altfaa, o escravo Fe-
lippe. cabra, cabellos e.-'r.ipiuhos, d ti im
idade, pouco mais ou uwuim, pouca barba, pa pe-
queos, nariz regular, olhos prendes, denles um
pouco limados oiin hila de wm na trente, andar
Ijgeiro, cujo escravo i'oi comprado ao Bxn. barito
de Nazareib : podc-se as ,ui(iirldades pi llciaes
capitaes de campo a apprebn^ao do nicso'o, e U~
i va-lo ao sen senuor no referido eiigenho, i ti nasi
novadade propnos para a festa. econscio ueidadodo R.-ede aSr. Joaqulta Rodrigues-Tavai's
que Seu CStabeleciinenlo ?e aclia bem SOili- de Mello,tergq do t'Jirpo-Saiito n. 17, Io andar, (po-
do, nrincinalmente em ariiona Hp mn.la no. *'i generosamente rocomponsado.
principalmente em artigos de moda, pe- ya generosamente r.
Pechincha!
lustro, garanlindo-se que 6 a fazenda mais
liada e ile maispbantasia que este anno tem
chegado a este mercado, e vende-se por
preco miiilo razoavel, na rua da Imperatriz
n. 60, de Flix Pereira da Silva.
Medas de Usas para vestidos
Chegaram as mais modernas sedas lista*
das para vestidos, com as cores mais mo-
dernas que lera vindo ao mercado e ven-
dem-se por preco muito em conta por es-
taos amitos prximos da festa, isto na
loja do Pavao, rua da Imperalriz n. 00, de
Flix Pereira da Silva.
nuiito linas franceza? sendo claras, com pa-
oVes de cassa a 300 e -i00 rs, pechincba,
oa rua da Imperatrizn. 00, armazem de F-
lix Pereira da Silva.
Grosdenaples prelo
Vende-se um grande sortimento dos me-
lliores gfosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de 25000 rs. o
ovado al COO rs. garantindo-se que
n'este genero ninguem tem melhor fazenda e
que se vende mr is barato do que em outra
qualquer parte, na rua da Imperatrizn. 00,
de Flix Pereira da Silva.
PASTILHAS PEITORAES
de SUCCO deALFACE
E LOURO GE REJO
IRRITACOES
DO PEITO
E' este o mais novo e delicioso coufeiw ate agora coniiecido. P>)r islo tem adquirido r-
pidamente a popularidade de que goza. Os mdicos os mais disiiniuos o aconscllio contra
a;> totuet, defluxos. catarrhot. tosses convulsas, catarrhes epidmicos, irrUacSes do peiLo. Com
grande empenho o procuro as mftes de familia, assim para ellas como para as enancas, pois
pnmeiro que indo inofensivo, c a* suas propriedades adovantcs nio wixio nada a desejar
, Ile|H)Mio em Pernamburo'em casa de Maurer e O*.
4
1STBI1
PPIEISl
CIGARROS INDIANOS
NCANWABIS INDICA
JGR'M-,C>?HARACETICaS emPARIS^
ittttttttttttx
SUFFOCHI
BOQDIDll
Todos 08 meos ata liojc pn-conisados contra a astlima nao Un silo mais do qne palliatrvoa
debaixo de todas as formas, tendo por base a belladona, o estramonio ou ojiio. Recentes expe-
riencias feiusem Alh-manlia, repelidas em*Fia< e na Ingraierra, um provado que o cnamo
indio Be Bengala possue as mais notaveis propriedades para combau-r essa lemivel afTecco,
aim eomo a lft*e nervosa, a insomnia. a lysici laryngea. a roncniWo, exiinevlo da voz,
e as nermlgias raciaes. E' pois com o apoio da scierM-iN que oferecemos- eMes cigarros, prepara-
dos com o extracto de cnamo das Indias, que nos importamos de fnnilniw.
Deposito em Herntmburo. em casa de Haarcr O*.
*llUlllllllllllllUrlllllllllU.lU.Xli.U>llU. i
t
\
r
r
r
f
f
r
?
r
letots saceos, sobrecasacos. fraques, jaque
loes, calcas, rolletes, camisas, reroulas.
chapeos ele, tiulo por piceos que admira!
Cortes de cassineta de cores pata calcase Tem tambem tan sortimento de roupas
paletots a 1,->oOO. ordinarias por preco baratissimo.
Cassineta de cores com um pequeo to- Acaba de eliegar tambem um completo
qne de mofo a 400 rs. o covado. sortimento de damascos ,de cores, sendo
Espartilhos muito finos a 'nVm, .'S e azul, upare lio e cor de caf ele.
W9w. vende \m proco comnaxlo.
Admira!! Admira!!
que se
Gravatas de seda a 500 rs.
Galianas bordadas a 500 rs.
Lazinhas a 200 rs. I !
I.a/.inlias a 200 rs.!!
biiazinbas i 200 rs
s.
No armazem .do Le5o !!
No armazem do Leo.'!!
No armazem do Le3o ? I
No anaaaem do Leo 111
No armazem do Leo, ma da Imjieratriz us. 48 o "2, junto a loja de ourtres
e padaria franceza.
NOVIDADES
Rna do Qiioimado .II
u
A este estabelecimento cbegaram as mais lindas chapeaas de crep, tole e pa-
Ihinha da Italia, primorosamite enfeitadas. m
Balos reguladores para senlioras o meninas, os mais modernos e'
;r
varias
cores.
feitadas.
Basquinas de seda para senbora, o que lia de mais goslo.e delicadamente n-
Bicos vestidos de blondo, com manta e capella, para.noiHL
.., Cortinados de cambraia bordados para camas e janellas, de diversos restos e
quaiidades de 15,5 at SOiJOOO.
Tapetes alcatifas em peca pagjWrar salas, gabinetes e corredores.
Camisas iiiglezas de Ijnno para bomem.
Bicos vestidos de seda .ai-etos bordados i agulua e de cambraia braiaios tam-
bem bordados pelo mesrao .systeina.
Fronhas c toalbas da linho e de -sguin todas bordadas para casamentos.
bedas de lindas coros, casimiras de cores as mais njodernas, saias de 13a com
barras de cor chapeos de sol de seda inglezes, espartilbospara senhoras e meninas,
cotarmnos de hubo par bomem o grande sortimento de fazendas de lodas as qualidade-.
(fue se vendem por pi-ecos que agradam aos compradores.
Neste estabelecimento contma a receber-se esteira >a para forrar sal-
las de diversas larguras e cores, que vendem-se mais baratas do" que em outra oual-
quer parte, pon- isso cbamam a attenco para as *
Esleirs da India para forrar salas.
de ao respeitavj publico e em particular
aos seus numerosos frejnezes a bondade
dehOpftl-lO coin sua conlianfa. garantindo- uin'mulaaita'ciiowiW de^'eaw'joceTdc :i a U
lhes seren bem sCividos e pdr precos ni- anuos de idade, veto o BanlW) rtajaawro de I8G6
miamente baratos. Venbam, pois, todos e_f_i vendido neete, rulada por
1001000 de gmtSeacfto
Acha-se fugidn desde o dia l do junbo de 186P
Aii'inii Jos de
ar, ao Sr. Fernando
Jos Correa, rom foja na rua Dirette desla eidado,,
pede-se as aiitiiridades. quer daqni, quer de fra
que o apreliejidajii.....ntrejruem a sen senhor.
na rua Xova-.dta eiAide lio segundo andar da
casa n, .fi(> <\n ser trfatilieada.
e foi vendido net4a ffdadfl
omprar novas efltldas' rarwidas boas e de >f'Kfiantedaquoiie
alta novidade; com bem:
Biquissiraos cortes de blonde.
Bhpiissimos cortes de seda de cores.
Sedas de lindas cores para cavados.
Moire-antique azul, verde, branco e pre-
to.
Grosdenaples azul, verde, branco e pre-
to.
Gorgurao branco e preto.
Setim brauco macau.
Cortes de seda com ditas saias.
Cortes de 13a c seda, novidades.
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de cprdSo lindas cores..
Ditas lisas de todas as cores.
Cortes de vestidos de cambraia bordados.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linbo com lindos bordados.
Lencos de cambraia de lmho bordados.
Chapelinas de palha da Italia.
Ditas de sedas de cores e pretas.
Enfeites para caneca de senhora.
Coqnes de todas as quaiidades.
Basquinas de seda enfeitadas com primor.
Lequcs de madroperola, marfim, snda-
lo e osso.
Camisas bordadas para homens.
Colchas de algodao e seda para cama.
Ditas de crochet para cama.
Pannos di.crochet para cadeiras e sof.
Chapeo de sol de seda para senhoras.
Esparfhos para senhoras.
Toalhas de labyrint.
Lencos de lalivrinto.
Fronhas de'lahyrinto.
Bicos, rendas e grades.
Finissimas cambiaias de cores, parrales.
15as e outros muitos artigos de gosto e no-
vidade.
Loja do Passo rua do Crespo n. 7 A es-
quina da do Imperador.
2511,11(10
/ cscrava Ilaculnna
Comprada a F.Tma. SrS. n. Clara Fenton, ew
Janeiro de 1867, passada a escriptara de verd...
sahio e at lioie nao volloii, morndo-e para en-
corios de laa escosseza com las saias. de w evailtn. jk mniaav rira, Ma, idade
Vende-se ama iiwliilia a Luiz XV, em estado
Serfelto, rom alsum uso,por preeo muflo coinmo-
f>. A vendj ffjia por lar a pessoa de retirar .se-
para fra: a tratar na rua da Praia n. 20.
;inii'is. falta de denos i qpiv> soperior. aria*
no rosto, i-abellos um punco eorrdus o olioia dt>'
: eorpo. Foi efer.-rra do Sr. Jn/m Sifties d'.AImefif
da rua do Vipaiio, e anh i wriiH'nte do li m nle-ee-
ronpl Joio de S do enpenba Tab, na l'.uahiba.
J aleve una vez em lioyailna para i er vemftda.
se alp'iem a qujMr comprar vende-se o se peilur
sor $| .'proliendMa,oii ?e iiidiearem o lugar emane
esiiver, semlo eneonlrart se dar a prati/jcafo
acuna: na rua do Hospicio n. :J.
--- f uro no dia 10 du rorrenle mea, do enn*-
nho (ioilii)a, fregnejia do $eriahaei o esrav
Benedicto, erionlq, Hudt :o e tantos auno, barve.
e- miudas, neYaebistode, d.vn''> quebrad aa
frente, bem fallante ladino, montado ao umjra-
vaMo voui rangalha, eoui os ajfaaaa ?c#uip|:
alapao, bem feilo, os-ia ponl<, nao tem estrella na
testa, nem calcado. Foi comprado ba poner*
meies ao F.-xm. Sr. barrio de nazaretfi.
Qneni o apprehender e entrepir in-ia praea .<*
Dr. Joao da Silva Ramos, oa a Gabriel Anlouip de
Casv Quinlaes, na Uwessa do Queimado n, 'i,
e no referido cnireibo yuiliba u fenhnrDr.
Josd Enmenia da Silva Ramos. ?er generosame'nie
revomp!iado.
4- .Exi-k"fii'r'idii, desdo o .lia 1 deste mex, a -
erata de ttome ISiminpas. eOr cabra, rom nina *-
ratrh: n peito do p eht|uerds proveniente de h-
jiii Representa ler de idade 1)0 a .'!"> anuos Dlb
do.ertao RKi do Pf-fxe, levot no empo trm venido
eftT de rosa e enaito nixo : qein a ociar levca a
rua dh Bajipol n. 9, aue era pratilie -do._______
Paz trm moztpie niaio'-do eipenfeo t'awta-
Ticua, frepneriada Gloria Oo Goit. DM mrtm de
I). Thereza Franeiw-a dos S.nit. > Pinheiro, por
uome Vicente, rriolo, de idade .'!0 anm*, pour
mais ou menos, estatwra regular, cor protn. on ful
por-ealar um pouco descorado, muito ladino, ro
marra* (le limo o rort*, batanle barbado,^
pequeas as barbas, nas costas xa a *
sipoadas mais pafa um ds lados, urna qen
feriamperna,qnetavezjesfeja saa. ''' ff
ratu de dirinr-so m engonbo, que ser* bem recompensado.
J


Jk.
iimili Mi i

JUm

8
...Piai-io de Pernaitubuco
Segunda feira 18, de Janeiro de
U>
69.
UTTERATRA.
'
O lleraardluo da* Velha*
0 Bernardino das Yelhas
Era um grande magano,
Em vendo velhota rica.
Eis logo o nosso rato
Namorado, derretido,
!>e he ico todo raido.
A fazer-se toleiro.
A respeitq de ilinlieiro
Mal d'elle'lhe dava Q chebo.
Sempra andava a petHr e/hia,
Tanto assim qu Rile drxia
Que por feliz se dar
So apanhasse urna viuva
De millopario volhote
Que dotasse rom bom dol-.
De feito. casta com urna
Que nanioron no theatro,
Nao sei se foram seis nontes.
Si1 foram cinco, oh se quatro.
Mas, Jess! que dous acortes
Que asvclhas todas merecem,
Quando enviuvam e casara
E nao pensame s'esquecem
Que os maganocs que as conquistara
Do que vio sement ao cheiru
Nao de amcr e belleza,
.Mas de apaiihar-ihe o dinheiro.
Eu tenho muito respeitu
Pelas seohoras d'iaade.
J'orm isso nao me inliilie
De faltar-Ibes a verdade.
Logo que o met Beniardiito
Se vio com algum tostfio...
Rtfe que foi o lino !
Que grande parlapato!
0 que imaginou primeiro
Foi fazer-se etnumeiro,
Logo em seguida baro ;
Mas para que o lcilor pense
Como elle era charlatao,
Contentou-se com a posta
o lugar de amanuense
Em certa roparliro.
E la todo incliicharrado
Se reputava feliz,
Escrevendo muito ochado
Expressament [sera X1
E o nome todo do chefe.
Joo Piissiildiiio (le tal...
GOffl 1 O DO, C, codilha.
isto em letra garrafal.
Retrato Bernardino
Velho que quer ser menino,
Mas que nao passa de velho,
K velho de enibii cacao.
Que est horas ao espelbo
P'ra ir p'r" i repartico.
A ara negra, e tem sitios
De um castanlio-tartaruga:
De cada lado da testa.
Tem urna grande verruga.
Com certa droga franceza
Tingia o cabello e o cairo,
Ficando depois da esfrega
Meio branco e meioloiro :
Porque a raiz do* cabello
Onde nao (lava a mistella,
Branca licava, e as puntas,
Bssas de cor de cauella!
P'ra encrtannos cazos,
dsto aqui fique entre nos)
0 Hernardino era um voltio
Que at punlia p d'arroz
Nos solir'ollios. e suissas!
E as barrigas de peinas. -
Punha barrigas posticas...
A velhota sua espoza
Era urna grande carcatsa,
Fez a segrate promessa
AoSenlior Jess da Orara:
Ir todas as sexta-feiras
Dar-lbe um menino de cera.
P'ra que tal voto itera .'
Oueam; tenham paciencia t...
Para nao ter. descendencia!
Ao saber do disparate
O Hernardino se esquenta,
E com razo, porque a noiva
J passava dos setental!!
Mas o nosso Bernardino
Era um grande magano,
Em vendo senbora moca,
Eit-o de chapeo na mo;
Muita festa para a festa,
O dentmho arreganliado,
E zas! bamba! a queima roupa,
Logo ali declaracao,
Da paixo que lb'es calda \ a
As fibras do coraco |
A una gentil menina.
Mais linda do que urna flor,
Fez elle um da na quinta
Esta confisso de amor:
FOLHETIM
CATIIVRIVV
POR
Julos Sandeau
VI
innocentes conversas amor e
vlnganea-
(Continuaco do n. II)
A proporcao que fallava o santo sacer-
dote, ia-se coando a tranquillidade n'aquel-
le peito ainda pouco agitado e tempestuoso,
e os olhos, arrazados de lgrimas, j nao
tinham um brilho to ardente.
Para determinar urna crise de quietacao,
lembrou-se Francisco Paty de mandar bus-
car o pequeo Bogerio. Com effeito, a
condessa, vendo sen fllho, cobrio-o de bei-
jos, e, bandada em lagrimas, alliviou o pei-
to em solucos que a suffocavam. Tiveram
de rar-Ihe o filho, que, surprendido no
somno e posto nao comprehendesse aquella
situai.ao, tambem chorava, por ver chorar
sua mai.
Mcu padre, continuou ella com voz
que coirrtjcava a sumir-secu sou culpada
da minha morte. Deveria vi ver para meu
filiio. Assim o desejava, mas nao pude.
Mirrei-ine na impaciencia : os soffrimentos
despedacaram-me a alma ; o espirito suc-
cumbio O que ser d'esta pobre e inno-
cente creanca ? Estremeco por lhe haver
dudo o ser e com elle transmittir-lhe o meu
coraco, e lastimo que o jugo de ferro que
me dacerou venha mais tarde a cahiresta
esta inoconte cabeca !..; Meu amigo, vele
por elle tanto quanto lhe fr possivel: faca
que elle ignore tudo o que soffri para que
O meu tuoiulo se nao erga entre elle e seu
pai como urna barreira Falle-lhe, todava,
de mim ; e.isine-lhe a tornar cara a minha
memoria ; que elle saiba que o aiei e que
"' Eu casri ruin a velhota
f^njotiu todo mira
' E nao me queiras matar!
N'jsto a dama com justlca
A petirao llie despacha :
v zti fes I prga-lho em oheio.
lina varante Macha!!! '
Ora ha vcIIioj, realmente;
Que muito il puos sao.
De apanharcin das senhorns.
Surroada e htfetn,
Po (lia em qio o Hccnrdinu
Loin a velha se casWf,
Nenhiim gaialo do sitio
Medido em rasa licou.
Tudo foi para a igivja
Y. as enOrVoe* pwiptls,
Foram tantas aiM-asal.
Que intervvio o regedor,
E a guarda municipal!
l'm dos padrinhos, frescata,
Querendo l no casamento.
Que se fez com espavento.
Mostrar seus bizarros feitos.
Compra um kilo de confeitos
P'ra dar i rapaziaila:
Mas o moro que os mercon,
Que tinha o juizo vario,
Em vez de i' ao confeiteiro,
Comprou-os no boticario!
Hesiiltando d'este engao
(Tal verdade o leitor... peze-a.)
Comeremos rapazitos.
Confeitos de niagne:ia!!!
Ha nina cousa com chiste,
Que ao Iternirdino se fez,
Era digna at'- de pr-se...
No theatro em entreniez !
Foi elle dar a um sucio,
Certa soinma de dinheiro,
Para faze-lo fidalr/o
Mas fuhdijo-caieiro.
V. 0 agente encarregado,
Espertalhao, e bregeiro,
Inijiingio-lhe em vez do titulo,
f.'i aUplotna ile archeiro!
A velha ao rar Bernardino.
De farda o (alcaoe ineia,
Den parabens ao molino,
De contentamento chela,
E como certas palavras.
Por falta de illustraco
As prohnnclava erradas
Dizendo: Procer, eraeo,
Inranipe wsposifo,
Vendo o marido de farda,
Dizia que a 'amar da
Assislir ao b'ij.'mao.
Q'ria dizer: d'abarda,
Muito direil; na mao.
Aquella cabera oca
Querendo m islrar as visinhas,
Que nao era cousapouca,
Momem de (roca beldroca,
Fazia mil fig riuhas !
Vinha, depoU de jantar
P'r' a janella posto em p,
Com a chavana na mo,
P'ra dizc: : <; Tomo caf,
Pois nao sou nenhum poltrao!
De tripera o tirap:
Que grande larlapatao!
Ha rates assim ridiculos:
Se nao offeii le algum velho,
Dir-lhes-hci mesera bom
Mirarem-se n'este espclho.
Lai: de Aran jo.
Iteirospectn poltico de i&GM
III
(Di- Jornal do Omimercio d<> Rio)
Reji/iblirfis Platinan.
Foi no dia 7 tic feveroiro que Montevi-
deo presenciou este arrogante escndalo, e
ssistio perpetracao do crime do coronel
Fortunato Flores, como cidadao, como mi-
litar e como filho.
Nao s o governo, mas tambem os habi-
tantes daquela capital, foram sorprendidos
pela louca tentativa deste joven, em cuja
guarda todos haviam confiado. No pri-
meiro momento ROM ello senhor da situa-
co, o espalhou o terror e a consternaco
no meio daipiclh sociedade, que se via
inerce de urna soldadesca indisciplinada,
dirigida por um moco libertino.
0 general Flores, o ministerio c os ci-
dad.os mais nota veis virara-sc obligados a
abandonar aquella praca, refugiaudo-se na
\ illa da Uniao, oide comecarara a organi-
sar os elementos da resistencia.
Aomesmo tempo os almirantes comman-
uantos das forras navaes estacionadas no
porto desembarcaram um contingento res-
peitavel, que garanta os interesses estra-
nhos a esta estianha luta civil.


ma-
fap.er
que
roubar repblica tantas existencias pre-
iosa Quanto cga o espirito do par-
tido |
Foi necessario ao primeiro magistrado da
republiai comprimir em seu co:
goado todos os all'i'.i'tos de pui
somonte uso. dos raaos (je fjveri
a ivbelliaodo liHio reclaraava. Ai
ta occalio o general Flores r#elou a tarta com a asignatura falsa do presidente
grandeza da sua alma, e fez suamatria o; do senado, na qual llies pedia este q,uecom-
No dia 10 pela manha receheram o go-
a nes- neialFlorase os ministros rdiignata-ios una
sacrificio que ella exiga.
O corpo diplomtico estrangeii servio
de medianeiro na questo.e resolve-a sen
elVusao de sangue, convencendo o coronel
Llores que devia expatriar-se com todos os
seus companheiros, a quem o general con-
i edia a liberdade o a vida.
Um decreto do governo dando baxa ijue-
le coronel, ao seu irmao Eduardo e a t dos os ofliciaes seu-; cmplices, e dester-
rando-os do paiz, nao tardou a sar publi-
cado.
Venceu-se assim esta difficuldade: mas
o acto do coronel Flores devia ter, para seu
pai e para sua patria, mais funestas conse-
quencia.
No dia 15 de fevereiro, marcado pela
constituico, entregou o general Flores o
poder supremo ao presidente do senado,
D. Pedro Varolla, e roalizou assim o seu
intento, tantas vezes annunciado. Por esta
forma deixava bem patente aosoibos do
mundo que nao lora por urna aifei^So vul-
gar que assumira a grande responsabilida-
de de collocar-sc' a testa da revolu?5o, mas
sim para arrancar o poder das mos de um
partido infenso s liberdades publicas, que
s sabia govi-rnar dividindo os" Orientaos
entre vencedores t ceneidos. e espalhando
o terror por todo o solo da repblica.
A satisfacao que sentio o grande cidad3o
neste instante sublime da sua vida, transluz
as seguintes palavras do seu discurso ao
passar ao seu successor constitiicianal as
redeas da administrarn:
Nao me manchei com urna s gotta de
sangue, nao fiz derramar urna s lagrima,
a ninguem pe.rsegu4.ne1n estabeleci a pre-
potencia de uns com prejuizo e abatimento
de outros.
Estas nobres expressoes anda nao tinham
acabado de echoar no paiz, e j o Ilustre
general recebia a palma do martyrio, sendo
victima da mais horrivel ingratidao que a
hwtoria registra.
O atteutado do coronel Flores tinha reve-
lado a fraquoza do governo e mostrado (pie
parecessem naquelle mesmodia na^casa do
governo. Quando elles para all se dirgiamfo
o carro assaltado por quatro assassinos, que
mtaram o cocheiro c o general a punha-
ladas, e ferran um dos ex-ministnis.
Este nefando crime, realizado em pleno
dia o no meio de una cidada piqmlosa,
provocouuma indgnaco geral no pwo,qtM
jurou vmgar o martyr.
Einqrtnto I). Venancio Flores o deba-
ta com o^ sinrios, c lhes disputav a vida,
o anciao que cima Hornearnos caj itaneau-
do uin grupo de blancos furibundos; ssaltava
de improviso a casa do governo, ao.- brados
ile morras aos colorados, aos Brasi eiros e
allianca, e de ricas ao Paraguay, ej conse-
guia momentneamente doiuinar-he illi, de-
posde urna luta breve, em que succu nbiram
ocommandante da guardac alguns sedados
e foram feridos outros.
Passada, porm, a primeira niprifessao, e
roconhecido em toda a sua gravidad,! o cri-
me commettido, os colorados princiiiiaram
a reunir os seus elementos de accao, e den-
tro em pouco, assegurados de quej a forca
publica permanecia fiel, assumiram una po-
siro que impoz logo respeito aos autores
do attentado, >lemoristrando-lhes que, se
bem combinado lora o golpe, muiontrario
ao que previam eram os resultados q e delle
tirariam.
A exaltacodo povo pedindo vingncaem
altos gritos, tinha algumacousa de imponen-
te, que impossivel descrever.
Dous dos assassinos foram imijudiata-
mente presos, inquiridos e espingai deados,
sem nonhuma formalidade. Os c
dores que se apoderaram da casa dd
no, all mesmo cercados, foram qu;
agarrados e tirados para a ra.
nardo Berro, pagou tambem com a
sua louca tentativa, com que mane!
existencia inteira de honra e de
ao paiz.
Muitas outras victimas foram ent
icadas, e a carnificina se tornaria
se a nova admnistracao nao se m
era possivel a um grupo audaz assenhorear- j de urna energa que lhe mereceu
se da capital, e dictar a lei ao paiz. ^os em circumstancias to extraordin
0 partido blanco, embora tratado com in-
dulgencia inesperada, pelo geueral, nao po-
da esquecer-sc de (pie tinha sido este a
cabera que o havia coiidemnado e o braco
que executra a inexoravel sentenca.
No seu orgulho iminenso desprezava a
generosidade do inimigo vencedor, que tra-
duzia por fraqueza, e todo o seu afn era
livrar-se deste homem, que tinha sido a
barreira insii|)eravcl opposta pela Provi-
dencia aos seus desatinos.
Poneos mezes haviam decorrido depois
do descobrimento de um crime infame, que
anchen de indgnaco todo o Bio da Prata,
e llorante a execuco do qual nao haviam
recuado os descontentes da situaco. Re-
ferhno-nos s minas que ameacaram sepul-
tar dobaixo dos destrocos que produzisse
a sua exploso todo um quarteiro da cilia-
do, s pela possibilidade de ficar o general
tambem envolto nelles.
Um odio que assim se havia manifestado
nao podia hesitar na perpetrarn de um no-
vo e mais hediondo crime. Foi o que suc-
mspira-
gi 1 ver-
si todos
i. Her-
vida a
ou urna
;er vicos
o sacri-
horrivel
istrasse
applau-
|irias.
Medidas promptas e vigorosas foram in-
mediatamente adoptadas, comapoio do cor-
po diplomtico estrangeiro, e, graca: a ellas,
aordeinse restabeleceu sem demira, nao
soITrendo a campauha o menor abalo.
A noticia da morte do general Flores cau-
sou no Brasil profunda consternaco. Ami-
go leal e sincero, elle, mais de una vez,
havia feito justica s nossas rectas iiiten-
ces, e, convencido de que o imperio o
melhor penhor da independencia da sua
patria, sempre procurou manter comnosco
as mais estreitas relafes.
No campo da honra em que nos reuni
a guerra do Paraguay, sempre o vimos com-
partir as glorias e perigos dos nossos bra-
vos, cujo denodo sabia apreciar.
Acalmada a agitaco produzida por este
infaustosuecesso, Unios os espiritosa se vol-
taram para a eleieo que devia ter lugar
no da l de marco.
O risco porque acabavam de passar abri
colorados, que reconheceram
;rro da sua diviso. No tmulo recem
cedeu paia eterna ignominia dos seus auto- c 1 "d s.u" u,,',,uf- .11_^y
roso o pucos, alg^ns.dos quaes foram ^ ** j^p*^
inmolados no sangue anula quente di vic- nr
lima illiislre. p \:\ estilo nreslainto cuntas a I 1
elle a saudade que levo d'este mundo !..
Ah meu padre,accrescentou ella, Csten-
dendo-lhe a mo desseccada e febricitante
tambem o choro c lastimo, pois sempre
o encontrei bom para com esta desditosa, e
s suas palavrss que eu devo o morrer
tranquilla, resignada equasi satisfeita.'
Minha tilha, disse Francisco Paty
resta-lho ainda perdoar aquellos que lhe
lizeram mal.
Perdoar, meu padre, perdoar I ex-
clamou a condes:>a com nova exploso de
desespero 01 nao sabe quanto tenho
soffrido': nao sa')e que, ha seis annos que
transpuz o limiai d'esta casa maldita, nunca
estes labios tivciam um sorriso ; que estes
olhos ainda n3c deixaram de arder em
pranto, que nc decorreu urna hora em
que este coraco nao soffresse um marty-
rio 1 Nao sabe, nao v que tudo isso me
deu a morte com que estou hitando ?
Ento, minha filha, essa a alma so-
cegada e tranquilla que val depr as mos
do Eterno ? Ciiristo, na cruz, orou pelos
seus algozes. O perdo, minha filha,
divino: o bahamo que lava e purifica as
nossas feridas ; o. pelo perdo que os nossos
malos sao bem acceitos por Dous! Alm
je que, minha filha, nao ha creatura assaz
perfeita uue tenha deixado, no decurso da
sua vida,'de'carecer de indulgencia. Per-
doemos na tem para que nos seja per-
doado no cO !
A condessa licou silenciosa e podia ver-
se-lhc no rosto sombro a luta que lhe ia
na alma.
Passad's monolitos, as feices pronun-
rinram-so-lhe o 1 fronte pareceu irradiar-se
da brilhnnte ameola dos justos.
Perdoai-m. meu Deus, e perdoai-lhe
a elle, assim como eu lhe perdoo excla-
mou ella com religiosa devoco, crgundo
as mos ao co.
Depois de ministrados os ltimos sacra-
mentos em presenca de alguns criados que
cercavam o loitc mortuarjp, o pastor cou
sangue anula quente
tima Ilustre, e j estao prestando conta
Deus.
Prejiarava-se ogeneral para sabir dopaiza
Quera deixar aos seus conridados toda
liberdade, recolhendo-se durante o pleito
eleitoi al ao Estado Entre-Rios. O governa-
dor interino da repblica, attendendo a que
no dia \ de marco prximo o congrosso na-
cional devia eseolher o presidente, limitara-
se a constituir a administraco do Estado
com os oliciaes maiores das secretarias. Era
uina organisaco provisoria, como exiga a
occasio, por isso mesmo fraca n'uma situa-
co critica que apparecesse.
Animados por estas circunstancias favo-
ravois, alguns exaltados do partido blanco,
sem rombinaco previa, nom assentimonto
da inaioria do partido, entenderam chegada
a occasio do se livrarem do adversario ge-
neroso que at hora de sucumbir havia
sido a garanta dolles proprios.
D. Bernardo Berro, velho respeitavel pela
sua probidade poltica, pela boa adminis-
traco que tinha feito, pelos mais honrosos
precedentes, emtim, foi quem concebeu o
poz em oxecoco o plano funesto que devia
s com a moribunda, q\ie ia visivelmente
extinguindo-se.
Retomara o seu lugar cabeeeira e con-
tinuar a dirigir-lbe piedosas palavras. Quan-
do so intenompia para orar mentalmente,
a joven seuhora dtef-lhe com voz sumida :
Falle, me padre. As suas palavras
fazem-me bera I
Ento Francisco Paty, retomando o fio
ao seu discurso, mostrava-Ihe o co, que
se abra para a receber; A condessa j es-
tava tranquilla e por vezes um doce sorriso
lhe divagava nos labios descorados, como
quem entrevia a aurora da vida eterna.
De manha, quando a luz da lampada
empallidecia aos rellexos da do dia, a se-
nbora de Sougres, que por muito tempo
estivera sem dizer urna palavra ou fazer um
movimento, fez de repente um esforco como
para se erguer, estendeu os bracos, e cora
o rosto radiante voz forte exclamou :
Meu padre, eis all os anjos que rae
dissesteis me ho de acompanhar I
A estas palavras cabio prostrada na an-
terior posico como a acucena que-
bradOipelo vento, e Francisco Paty, iucli-
nando-se para ella e recolhendo-lhe o ul-
timo suspiro, certificou-sc de que j all nao
Havia mais do que um cadver.
Quasi ao mesmo tempo ouviam-se no
corredor passos precipitados e a porta do
quarto abria-se violentamente, dando entra-
da ao conde de Sougres, vestido de ca-
Cador, de botas, esporas, com o chapeo na
cabeca e na mo o chicote.
De joelhos, senhor, de joelhos 1
exclamou o pastor com voz fulminante =
De joelhos diante de Deus, diante d'este
corpo inanimado que encerrou a alma de
urna santa e martyr De joelhos perante
os despojos mortaes do anjo que, antes de
expirar, lhe perdoou I
O conde, pallido e trmulo de raiva, pa-
rara no meio do quarto ; mas, dominado
por aquella voz e tomo que esmagado sob
urnas.
Havia alguns pretendentes com propabi-
lidades de triumpho, mas cederam em tem-
po, a urna candidatura, nascida na ultima
hora, o que prevaleceu, reunindo unani-
midado de votos do congresso, eiu um se-
gundo escrutinio a que si' tove de proceder.
O general D, Lourenco Battlo, eleito en-
tp presidente, tinha servido como minis-
tro da guerra com o gene 1 al Flcjres, e a
sua ascenco ao poder 'foi recebida com sa-
tisfacao e saudada com conftanca, porque
era conhecido seu carcter moderaco e ho-
nesto.
Tomando conta da administraco
o novo presidente organisou o seu
rio com horneas que tambem meiociam o
conceito publico
Pareca, portauto, que, depois de tuntas ca-
lamidades, urna era feliz e socegada ia come-
car para a sempre convulsa repblica Orien-
tal, durante a qual lhe fosse possivel recupe-
raras forcas perdidas. Va esperanca Ain-
da bem ella nao tinha tornado a s do vio-
lento abalo poltico por que passar, quan-
do urna crise financeira sem exemplo no
do paiz,
niniste-
0 gesto imperativo do sacerdote, descubri-
se machinalmente, poz Hm joelho qm trra
e curvou a fronte, ao mesmo tempo que
Francisco Paty se foi retirando a passos
lentos,triste profundamente commovido.
Lembrar-nos-hemos de que o sejnhor de
Sougres se retirou do castello nO dia s-
quiote ao das exequias. Nada o detinha
n'aquelles lugares, para elle de funestas re-
cordaces, e onde, de mais a mais, se yia
odiado, e aos quaes nunca mais (voltaria,
se, vinte annos depois, nao se deliberasse a
tomar um expediente, o qual devia desem-
baraca-lo ao mesmo tempo de seu filho,
que o incommodava, e de um processo de
familia, que envolva em questo o dominio
do castello e mais propriedades de Bigny.
Eu deveria fallar desenvolvidamente aqui
d'este negocio, mostrando a sua origem, fa-
zendo abstraeco dos filhos e, a proposito,
colorir a minha narraco com algumas flo-
res sobre o procedimento d'elles.
Desgracadamente, tendo vivido na igno-
rancia e no horror pelas cousas da chican,
nao podena entrar de sbito na sciencia de
um advogadp, nem as tricas de um mei-
rinho, que, no fim de contas, nao dariam
mais exactas informacSes do que eu.
Limitar-me-hei, portanto, a dizer que
aquello processo era intentado pela propria
irma do conde de Sougres, que fizera um
casamento desigual, desposando um Sr.
Branajon, homem endinheirado e que poucos
annos depois morreu no campo da honra,
istt, na Bolsa, com um ataque deapople-
xia, resultante darfbticia inesperada de urna
baixa de fundos.
Parece que o conde, grande dissipador
na mocidade, recorrer mais de urna-vez
ao dinheiro de Barnajon, mas por tal for-
ma, que a viuva, posto o servisse com ou-
tras vistas, nao pode um dia deixar de pro-
mover o seu embolso.
Seguio-se naturalmente o rompimento de
intimidades c comecaram os actos liostis.
Declarada a guerra, a Sra. Barnajon por-
I Bio da Prata veio p-la novamenfo em s-
i rio porigo. -_ *
Od(bt|jlar era um b >iu iailitar, exfol-
enle carcter, eminente cilailao, mas falta-
vam-lhe cellos requisitos para administra-
dor, mnnente em urna sociedade uascen-
te e einbuida de faLas ideas de progresso.
Por mo mesmo qne tinha nis sitas mos
um poder ahsoluto, eutondeu-Tjue devia se-
guir os principjp mais liheraes. quer em
i'elacao a iioliiioa, quer einrelaeo ao sys-
tcma bancario o linanceiro do paiz, para
mostrar orticamente que nao Ua>da anti-
nomia entre a dictadura e a liberdade.
Soh este regimiijgaajeram varios bancos
de emisso, qu, nao correspondendo a
urna nocessidade reH do paiz, l'orcosninen-
te vinliam alterar a sua situaco econmi-
ca, e crear urna concorrencia fatal a ees
mesmos e aos outros bancos j existentes
na poca'.^a sua ereaco.
Succedeu o que era de prever, o que
tem numerosos exemplos nos Estados-Uni-
dos e na Europa. Este.-, banco* abusaran)
da faculdde de emitlir de que gosavam, e
inundaram a praca com un papel incon-
verlivel, que reduzia o estado ao rgimen
do papel-inoeda sem nenhuma vantagem
para elle.
O prazo marcado pelo decreto que tinha
establecido o curso forrado das notas dos
bancos devia ndar-se no Io de junho ;
mas nem todos ellos se tinham preparado
para a converso, nem o governo mostrara
a menor dsposico de ampliar este prazo,
Entretanto a imprensa discuta a questo
com calor, e sabia-se que o ministro da fa-
zenda, D. Pedro Bustanante, estava no fir-
me proposito de nao conceder prorogaco
do prazo. Tanto tinha sido imprudente c
inmoderada a liberdade concedida, como
era importuna e perigosa a severiilade o
represso repentina do que se quera usar.
Nao havia barreiras que tivessem o poder
de embargar de frente a aeco destruidora
da torrente. O remedio era peior qu
mal, o toda a sociedade vio-se um momen-
to perdida, porque dcscontianra queja
a afilgia succedeu o pnico. Sob esta
prssao desagradavel o commerco ficou
completamente iiaralysado, c ninguem con-
tava com certeza com os recursos que pos-
sua, representados ou por 11ra papel de-
preciado, ou por ttulos de bancos insol-
ventes.
Sobretodo a casa bancaria do Mau A- C,
que tinha prestado extraordinarios 'serviros
repblica, foi o alvo da mais poi fiada per-
seguirlo.
Quando o chefe deste grande estabeleci-
ment de crdito recoiiheceu que nao po-
dia vencer a tenacidade do ministerio da fa-
zenda, preferio lechar as portas e entrar
digiiaini'iite em liquidaco, a comecar urna
converso que nao poderia concluir, o que
lhe absolvera toda a reserva metallica,
prejudicap.de a inaioria dos portadores de
billietes e ttulos.
No Io de junho principiou o troco, o para
manter a ordem ainda des'.a vez desembar-
caram forcas eslrangeiras. Dentro em pou-
cos das o governo reconhecia a pruden-
cia com que proceder o banqueiro brasi-
leo e o presidente Battle v'O-se obrigado
a sacrificar o seu ministro para adoptar
medidas mais suaves.
inmediatamente acalmou-se a crise, res-
tabeleceu-se a conlianca, renasceu o com-
mercio, e a converso se va i operando len-
tamente, mas sem abalo, prometiendo res-
tituir ao paiz em pouco tempo a sua con-
dico financeira normal.
Com esta questo dos bancos coincidi
urna pequea sublevado promovida por
Mximo Prez, em Mercedes, que nao leve
importancia.
Depois disto a repblica Oriental, tem
permanecido calma e sua prosperidade
visvel. As empiezas uteis encontrara apoio
no paiz. e com enfhusiasmo se cuida do
estrada de ferro e do outros melhoramentos
que devem concorrer para augmentar a sua
riqueza.
A imigraco condensa todos os annos sua
popularn, e gerafao que tem desapare-
cido navoragem da luta civil succede nutra
intelligente, robusta, croada e educada em
condicoes melhores.
Naquelle paraizo do inundo nao ha pro-
Memas dilliceis que resolver, nem ainbicoes
audazes que servir. Ha, sim, um vasto
campo de fortuna que lavrar, para o que s
preciso juizo.
Saibam os Orientaos govornar-se, desen-
volvendo suas instituirles e respeitando-as,
que sero felizes o coustituiro una naco
digna do re-peito o estima geral, nao pelo
seu poder e extenso, mas nela sua rique-
za e civilisaeo. O nico jwrigo que pode
anieirar a sua oxi>lencia aanarc/iia, que
tem domoifdo os seus ais jircciosos re-
cur-, e que ainda a espada de Damo-
des suspensa sobre sua cabera.
Quanto ao Brasil, que a constituio, que a
todo o transe a quer independente, todos
ceios sao infundados. Dahis lhe pro-
vir bem. Para franquilidade do imperio
e para que elle se elevo aos seus altos des-
tinos, mister que viva a repblica Orien-
tal. So olla nao eaistisse fura preciso crea-
la, como foi necessario Europa inventar
a Blgica.
Lio ivlaeao guerra com o Paraguay a
repblica lein.respeitado o seu rompromis-
so, fazenao-se representar no campo deha-
tatoa por um puuhado de bravos. Nao sao
sensiveis os seus sacrificios, nem emho-
mons, nem em dinheiro. om these e pode
allirniar que esta situaro anormal, om lu-
gar de Ule ter sido um onus, como ao Brasil,
lhe tem sido proveitosa; porque o seu com-
merco prosperou extraordinariamente neste
periodo. Entretanto a destruico do poder
do dictador mais uin penhor para a inde-
pendencia daquello paiz, e menos um moti-
vo permanente de conflicto para o Rio da
Prata. Encerrou-se, pois, oanno para este
pequeo o llorescentc estado em oondicSes
prosperas eesperancosas, que devora con-
lorrer jiara o feliz porvir que lhe deseja-
inos.
Aroebispado da Babia
CAKIV PASTORAL DO KXM. E *EVM. ARGKISPO
CONDK DE S. SALVADOR
Dom Manoel Joaquim da Silrviiv, por merce
de Deus, e da Santa S Apostlica, Arce-
bispo da Baha, Metropolitano e Prima:
(b Brazil, Cunde de Sao Salvador, do
Conseth de Sua Mai/estade o Imperador.
Oimiucndador da Ordem de Cliristo, ele.
A' gruja da Baha graca e paz da parti-
do Deus Padre o da do Nosso Senhor Jesu>
Lhristo.

I
lou-se com encarnicamento igual ao de seu
irmao. No intento de apanhar o dinheiro
do marido, raofava ella do todas as mais
consideraces. porque, sobre todos, o sou
empenbo era entrar de posse do solar de
seus avs. Por outra : era levada a isso
pela menina Malvina, sua filha, pessoa im-
portante, que aos dozoito annos morria de
desejos de possuir um castello sonhorial e
de accrescentar um titulo ao seu nome, es-
perando ainda poder tiwa-lo pelo de um
marido fidalgo.
Um titulo e brazoes tal era o sonho
dourado da menina Malvina Barnajon.
Aquella questo, em que os dous irraos
iaiii consmnindo bom dinheiro, durou alguns
annos, com summo prazer do fisco e da jus-
tica.
Nao era s esta preoecupaco de espirito
que aflligia o conde de Sougres no sou re-
tiro da Allemanha.
Ha muito que seu filho chegra raaio-
ridade. Rogero podia de um instante para
outro pedir contas da legitima materna ;
era mesmo preciso que este mancebo ou
fosse muito ignorante ou ento totalmente
desapegado dos iuteresses da vida positiva
para nao ter pensado era tal. Mas o conde
s assim se poderia ver livre da presenca do
filho e libertar-se da responsabilidade para
com elle da sua administraco.
Corriam as cousas assim quando lhe veio
cabeca a idea de que o casamento entre
seu filho e sua sobrinha aplanara todas as
difliculdades e tira-lo-hia de semelhantes
embaracos.
Era seguramente um boa idea casar Ro-
gerio com Malvina, dar-lhes em dote, o do-
minio em litigio e extinguir assim ao mes-
mo tempo duas dividas ; restava po-la em
pratica.
Foi para isso que n'uma bella manha o
senhor de Sougres parti para Franca, di-
rigndo-se a Paris, depois de se ter demo-
rado apenas dous dias no castello do Bigny.
O tempo da quarsma, filhos muito ama-
dos, destinado um solemne jejum de
quaronta dias, que so observa era toda a
igreja de Jess Christo autes da festa da
paschoa, exemplo do que praticou o nosso
Divino Mostr, que antes de completar o
grande sacrificio da nossa redempeo jejuou
quarenta dias, o quarenta noites ; estes dias
sao de verdadeira penitencia, porque du-
rante olles mortificamos o nosso corpo. 8
domamos a rebelda da nossa carne, fim
ilo que por meio do urna sincera confisso
de nossos peccados possamos alcancar do
Deus o perdo d'elles; o do misericordia.
porque tambem neste tempo a santa igreja
como mi pa, e depositara dos poderes,
que receben do Jess Christo, abre os seus
thesouros, e dispensa as suas gracas com
aquellos de seus filhos, que se doein de
suas culpas,que as confossam com um cora-
co contricto o humlhado, o procuram sa-
tisfazer Deus, cumprindo as saudaveis
penitencias, que lhes sao imposta por seus
ministros.
Eis pois que se approxima esse tempo
favoravel. eis que esto prximos os dias
de salvaco, E ainda que nao baja algum
tempo, ora que Deus nos nao cumule de
beneficios, e era que por sua graca nao
poseamos ter accesso junto do throno do
sua misericordia, conven entretanto, diz S.
Leo Magno, que nos excitemos fzer maio-
res progrossos na piedad?, e nos animemos
de urna conlianca mais viva, esforcando-nos
na volta (aniversaria do grande da, em que
se operou a nossa reilerapco, multipli-
car nossas boas obras, fim de nos dispor-
mos celebrar o augusto e sublime myste-
rio da Paixo do nosso Salvador com urna
sanlidade, que se derrame igualmente em
nosso corpo, e om nossa alma, purificando-
nos das manchas, que contrahimos por nos-
sa fragilidado, e sollicitudos da vida, na
poeira do mundo, era que somos forgados
peregrinar, o assim preparados possamos
dignamente receber era nossos peitos a
Jess Christo, que se iinmolou por nos, e
qiD? a nossa paschoa, como nos ensina S.
Paulo. E' portanto por um effeito salte
da providencia, que a santa igreja tem or-
denado, que para separar tudo quanto te-
nha podido alterar a pureza do nossas al-
mas, passemos quarenta dias era exercicios
de piedade, fim de expiar por um jejum
santo as faltas, que tivormos commettido
era o curso do anno, e de as reparar por
nossas boas obras.
(Cfutina)
A empreza tinha perigos, mas o conde
nao desesperava de a vencer perante o es-
pirito fraco que conhecia ent sua irma.
Quanto vontade de sou lilho. nao lhe da\a
o menor cuidado, affoito como estava a do-
bra-lo como uin vime.
Voltando ao parocho de S. Silvano, ex-
plica-se agora o prazer que ello experimen-
tara sabendo do rogresso de Rogerio e o
alvoroco que sentir ao ver transformada
om temoso mancebo a rreaucinha que ti-
vera nos bracos urna noite. Quantas vezes
pensara nelle depois d'ossa nonte de lgu-
bre recordaco, perguntando a si mesmo
para onde teria o destino arrojado o frgil
ramo desprendido to prematuramente da.
haste t Muitas vezes chamara elle as hen-
eaos do co sobro aquella mimosa cabeca*
que bem se lembrava de haver aperlado
contra o peito, toda humedecida e a es-
caldar com as lagrimas e beijos da infeliz
mi!
Comprehende-sc agora fcilmente a dedi-
caco com que o bom pastor se empenhava
em o attrahir sua sociedade, e a solicitudo
com que intentava estudar aquella ahna e
intelligencia, cuja direceo e vigilia lhe fo-
ram to solemnemente confiadas, e tambera
com que enthusiasmo chegou conhecer no
mancebo as virtudes da ademe! creatura
de quem outr'ora recolhera os ltimos sus-
piros ; nao passando pela, idea do bom do
homem a menor possihihdado de urna pai-
xo entre sua sobrinha e o filho do conde
de Sougres. A pequea virgem nao era
para seu tio mais do que urna creanca, e de-
pois devenios dizer a verdade, que sob as
cas do velho pastor havia tanta candura e
innocencia como sob as radiantes madeixas
$t Camarina e Rogerio.
(Continursela.)
____________________________
TVP. DO DIARIORl A DAS IRfZES R, 44
1
(


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHW2RXP4K_TXULZ0 INGEST_TIME 2013-09-13T22:19:32Z PACKAGE AA00011611_11744
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES