Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11738


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLV. NUMERO 6.
Ii.,

.
'
PAHA A CAPITAL E LUGARES ONDE ITAO SE PAGA PORTE.
por tres mezes atliantados.................. CSOOO
Por seis ditos iil.'in.................... 12J500O
Por ura anno idem. .................. 2-5000
Cada numero avulso.................... #320
DIARIO DE
SEGUNDA FEIBA II DE JANEIRO DE 1869.
PARA DElfTRO E FORA DA PROVINCIA.
Pur tivs me/es adiantados.
Por fiis ditos idem. .
Por nove ditos idem .
Por um orino.....
wasD
OOfl
2052.10
27*000
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
HAO \UK\TVM:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para
Guhftaraes Pancada, em
ara: GonealvesA Pinto, no Maranhao; Joaquim Jos de Oliveira, no Cear; Antonio de Leiuns Braga, noAracaty: Joan Mara Julio Chaves, noAssi: Antonio Marques da Silva,
Mamangjape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyha: Antonio Jos Gomes, na ViH| da l'enlia: Belanuino dos Santos Nitleao, em Santo Antn; Domingos Jos da Corta 1
em Nazareth; Francino lavares da Costa, era Alagas; Dr. Jos Martins Alves, na Bahia; c Jos Bibeiro Gasparinho, no Rio de Janeiro.
no Natal; Anteis Joaquim
Braga,
PARTE OFFICIAL.
Ministerio da Currra.
Commiserainlo-nie las (lisios rirruiiislancias em
que se acham differentes pracas dos carpos da guar-
da nacional destarada na provincia de s. Pedro do
RHI Grande do Sul. que tiveram a infclieidadc de
lesertar namesma provincia, ararteiido-sc de mas
bandeiras: hei |>or liein. por eieilos de nimba im-
S< rial clemencia, indultar-Ibes o crinie de primeira
eseroito, apresentando-so, porm, dentro do piase
I" 00 dias. contados da dalajda publicarn do pre-
sente derroto, s autoridades da referida provincia.
O barao de Muritiha. conselheiro de estado, so-
lador do imperio, ministro e secretario de estado
dos negocios da guerra, assiin o teuha entendido e
laca exeeutar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 21 de dezembro de
'1*68, 47" da independencia e do imperio.Coin a
rubrica de s. M. o Imperador.Banwde jfaritiba.
Hel |wr liein a/.er extensivas a todas as provin-
cias do imperio as dispo&fooes do meu decreto de
l do corrento mez, indultando o crinie de primei-
ra deserefu -as piaras dos differoulos carpos da
rda nacional destacada na provincia de S. Pe-
dro do Rio (rande. do Sul, que tiveram a infelici-
(hdo de desertar na incsma provincia.
O bario de Muritiba, conselheiro de estado, si-
tiador do imperio, ministro e secretario do estado
los negocios da guerra, assiin o teulia entendido e
i tea exeeutar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 16de dezembro do
1S68, 47" da independencia c do imperio.-Cotn a
rubrica de S. M. o Imperador.Barao de Muritiba.
Ferreira de Oliveira pela pericia e babilidade com
que dirigiram a torre.
A's 3 lloras da tanle suspend com a divisan, e.se-
giiindo agua abaixo, dei fundo em frente a tambar,
altrndeudo necesciilade mnveniencia de son-
nar-see explorar esse passo, e bem assiin um ca-
nal que tica em fronte abrigado por una ilha : esse
Irabalho foi frito por todos as probeos, sob a di rec-
riio do distinctoiiratico llrrnardino Gustavino. que
merece toda a eonianca pela sua proverbial dedi-
caco.
ohou-se ueste ranal, nos lugares le menos
agua, 12 |tes; sendo, portante, fcil na eiicbente
transpr-sc o Cambar por essc canal, sein pasear
Solo lorie remanso di canal real que nflue eonsi-
eravelinente no governo dos navios, mrmente dos
monitores.
Apueara desta divisio na capital ininiga 6 sem-
pre motivo de terror, confesad e desninralisaro,
como inais una vez acabWBOK :le observar.
Titrumbti. anliga fortaleza que ainda em 2i de
l'evei'i'iro bostilisoii esla divisan, nao aprsenla boje
vestigios de forliliraco alguma.
Assampeio est "desolada e convertida em una
sombra prora de guerra, defendida por urna bate-
ra que nao pode embaracar nossos inovimciitos.
Finalmente. 6 coin prazer que levo ao alto conbe-
cinieiilo de V. Exc. o oiithiisiasinn e deliraran que
semine revelam os rommandantcs, olciaese pa-
cas dos navios nodosempriilm de Beus deveres.
A divisan aelia-se tundeada na sua posieao pri-
mitiva, sem ter solTrid 5 nooiirrenoia alguma desa-
gradavel uesta coinmiss.
Deus guarde a V. Exc.Illni. e Exm. Sr. vice-
almirante visconde di Iuhania. commajidante em
Hiele da esqnadra em operaeoes. -Barao da Pas-
tagtm.
.viini.slcM'io da Marluha.
DECBSTON. 1,903 dbS3dg nr.ZEMIIIlO DR 1868.
fi Itera i'pi'iino iIik uniformes tlus ofjhinn do 'coi'po
d'i armada t das dastpt amnexat.
eJ por bem alterar o plano dos uniformes dos
o Helaos da armada das cjasses annexas pela ma-
n ira segumte:
t Pica suprimido, para os olciaes do corno da
limada e das elasses annexas, o actual segundo
uuifurme, eslabeieeido na forma do plano, manda-
do exeeutar pelo decreto n. 1.8) de 1 de outubro
.Je |S;j6. passando a substitui-lo, com a denomi-
i o ,]e segundo, o tereelro uniforme, a que se re-
fere o mesmo phaio.
i\ O novo uniforme, ser usado nos actos de 3
. la e em todos osoutros actos ofllciacsiedoservr-
c< ci mi a diflerensa que no prhuerro raso os ofli-
gencraos nsarao de chapeo armado sem plu-
mas, e os ni o- de bonet. segundn modelo de que
trsta o decreto n. 3,47Sde5dc novembro de 1863.
'!". Exceptundoos actos de 3* gala e de compa-
leiio.'iii.iuopaco imiierial, a ofiiciacs generaos c
-i perinres da armada puerao usar de collete bran-
cc ou azul com bdtSes de ancora e de sobrecasaca
abotoada.
I. Com as niesinas excepcoos o? oflkiaes de to-
di>s i (Kistos e elassespoderao,com o novo segun-
do uniflirme, usar, na estacan calmosa, bonet co-
l-rio decapa de brim braeo. sendo esta disposi-
cio.extensiva aos inl'eriore- e spracas de pret da
limada e corpn de inarinha.
.'i'.' O distinctivo. designado pelo decreto n. V.lo
de 7 de junlio de |8(>8, para as goUas das fardas
dos efliciaes de blonda, collocar-se-ha igualmente
n,us gilas das sobrecasacas. Beodo as peanas bor-
dadas a lio de prata e a coraa tio deouro.
Este distinctivo ter20 linbas de largura e lude
altura,
t'.'. Ficam revogr.dos os planos que baixaram
em os decretos ns. 1.82le ;t.l7.', de i de outubro
de 1856b 8 de novemwode 1863, na parle em que
oppdem ao presente decreto.
o bario de Cotegtoo, do meu conselho, senador do
imperio, ministro e secretario de estado dos BOgO-
Ci is da inarinha, assitn o tenlia entendido e faca
e .ocular.
Palacio do lo de Janeiro, em 23 de dozembro de
1868, 17a da independencia e do impurio.Com a
rubrica de S. M. o Imperador.Bunio de Coleyipe.
de todas as (breas bnsei-
:t o governo do 'Paraguay.
Coawaude m chefeda forra naval do Brasil em
ro-es conira o goverao do Paraguay. Bordo
J i enoouracado Braaifm trente a Villeta. 1 dode-
/. inl.ro de 1868.
Illni.e Exm. Sr.Tendodetirmina.lo aocbefe de
iiiviso bao daPasaagent,segundo o que comigo
inlnou S. Exc. o Sr. marquez de Calas, que com
o-navios que julgasse uecessaros seguiste alAs-
si mpcao. alim de foier um recoiiliecimento sobre
-ilii.il.-> capital e toda a margem do rio coniprelien-
didl eolieella o este (tonto.nodia 29 de novembro
u: timo para Uli segu-o aquello ebefo, a regrensando
liontern deu-ine conta do resultado de sua conimis-
o, no oflicin que por c|)ia lenlio a lioni i de apre-
h ntar a V. E\c. para que de todo fique arando:
e bem assiin do que me dirigi S. Exc. o Sr. mar-
quez. om
di. o reg
nirar junto a este, tanibem por copia.
Deas guarde a Y. Exc. Illni. e Exm. Sr. conse-
II ico barao de Cotegipe, ministro csecietario de
e-lado dos negocios da marinha.==I7MWtrfc de Ih-
i turna, comuiandantc em chele.
Command.i emcli'f
rosen operaefies conli
Quarlel-general no Grao-Chaco em frente Vu-
lela. 1 de dozembro de 186.
Illni. e Exm. Sr.Com grande sitisfacao aecu-
so o recebimento do oillein, que por V. Exc. me
foi dirigido com data de lionlem 30 de novembro,
acompanhadn da parte, por copia, que pelo chefe
de divisan, liarao da Pussagon, foi a V. Exc. da-
da, acerca da eoinniis-jio de que por ordem mi-
nha tora ltimamente encarregado.
Apreciando duvidaniente o servico prestado pe-
lo barao da Passagem. que mais ua vez provou
sua pericia, zelo e dedicacao. lenho grande prazer
em manifestar-lhe. bem como aos comnianilanles
dos encou cacados Bahia, Tu manda re, e dos nioiii-
iOKS Viii/hC e Biv Granee, meu recotibeeiinen-
to e elogio, que V. Exc. se diguar de Ibes trans-
mittir.
Aceite V. Exc. minbas felicitacoasp- como digno
chele das forcas brasittias em operajdVs no Para-
guay, e os votos* sinceros que taco para que a es-
quadra imperial nesta lut... de liouraemque osla-
mos empennados continu a ter." como ate aqu,
oecosioes de se cobrir de gloria, tornando-se. ere-
dora da gratidau patria e da adiuiraeo do es-
iiaiigeiro.
Doua guarde a V. Ejc.Mrquez dr Carias.
illni. e ICxni. Si. \i. -almirante visconde de In-
hania. coinmandante yin chefe da torea nasal do
Brasil em oporaoes.
Conmindo em chefe da torca naval do Brasil em
o|ieraeoes contra o gioerno ao Paraguay. Buido
do eiicnuraeado Brasil em trente a Ipan, 10 de
dezembro de 1868.lllm. e Exm. Sr.Levo ao ;
conliecimeiito de V. Exc. a parte aqui junta por
copia que me dirigi o Io tenante Jos Gandido ,
tiuillioliel. ollicial immediato do encouracailo Mu* i:
c Bmrrot, narrando ffjwanto hontem occorrera a i
bordo do dito encourai ado. por oeeasiao da pas-
sagem formula que leve de fuer pelas bateras de
Angostura, do que resiiltou a inorte instantnea !
do capitn de fragata Augusto Vil i de Mendnnca.
que lamentamos, e os Icriinentos das pracas cons-:
tantos da retaca^ que acompauba a citada parte, i
Oenrwuracado nariz e Barros soflreu bastante
avadas, e por emanante van ser remediadas da
melhor furnia possivel.
DeU guarde a V. Exclllm. e Exm. Sr. con-
seiciro barao de Cotef ipe, ministro e secretario
de estado dos negoci- da inarinha.Visconde de
Inhaniiia. coinmandante em chele.
Nao posso deixar de recommendar com especia
lidade a V. Exc. o pratico deste navio, 2o lente
de conimisso Angelo NinL que com o inaior san-
gue fri, corageni e dedicacao dirigi este navio,
bem como o imperial marinlieirode primeira clas-
se Antonio Casimiro Silvano e o 2" marnbeiro
Alexandre Jos Polimas ; este, anexar de ferido.
continuou no telegrapho do leme al passarmos
a batera.
Onxe balas feriram este navio na parte encoura-
cada. produzindo inossas de nina e meia, duas e
anas e meia pollegadas, abalando e separando as
chapas aquellas que feriram a torre do coinman-
dante, nove ftirarain o costado nu parte nao on-
couracada. das quaes tres ao ltnne nagua, inntili-
sando as caldeiras da guarnico e fazendo emesti-
Ihacos as anteparas da coberta ; tres arrombaram
o convs. sendo duas avante e una r da casa-
mata.
Tivemos mais as seguintes avarias : urna ia-
inanca de ferro da proa e um turco de escaler
partidos o laucados ao rio, os turcos de ferro de
BB inulilisados, o 4o escaler arrumbado e o 3o
posto a pique.
Deus guarde a Y. S.lllm. e Exm. Sr. conse-
llieiro visconde delnbaiima, vico-almirantee com-
mandante em chefe da esquadra em opereedee
contra o Paraguay.Jos Candido Gnilhobel, l-
ente immedialo.
UEL\C.\0 DOS MOUTOS, FERIDOS E CONTUSOS A BORDO
00 KKCOl 11ACVD0 MVHI1IZ E BARROSSO DIA lJ DE
DEZEMURODE 1868.
Morlo.
O capito de fragata coinmandante Augusto Xet-
to de Mendonca.
Ftido levemente. .
O 1 lente Manoel do NascimentoJ Castro e
Silva.
Os impelaos. Marcelino de Souza Pinheiro, An-
Innii Casimiro Silvano, PednL Chaves, Joao Igna-
cio Pereira de Maria. Antonio Gonealves Dias,
Adrin Rayinundodos Santos e Emygilio Jos da
Silva
2" marinliero Alexandre Jos de Polimas.
Platico Angelo Xini.
Contusos.
O Io tenenle-iuunediato Jos Candido Gui-
ihobel.
Iui|"'iial inariulieiro Antonio Malinas Monteiro.
Bordo do encouracado Matriz e Borros, era BU-
pra, em fronte de Ipan. Dr. Sereriano Braulio
Mottleiro. f ciiuiL'io.
pertencenle ao exereito. e esse servico lem sido
feilo perCaMpnienle. sem que tenbamos a I unentar
o menor desastre, nein- a mais pequea, (icrda.
O vapor Brasil i'ornecr ocarvan. Depois da bata-
lha de 6 transportaran! de Santo Antonio para o
Chaco todos os nossos feridos, e com desvelo se
Itorlarain os respectivos eoinniandantes.
Quasi lodos os ferdos foram pensados bordo
dos navios, noque desenvolveu o nosso carpo me-
dico toda a seiencia e caridade do costume
Para bordo do Bahia foram transporlados. e
pensados de suas honrosas feridas os generaos Ar-
bolo eGurjao. os quaes boje aqui se acham.
Onze inedicos da esqnadra. incluindo o chefe de
sadc estn eoadjuvandn os do exereito uo cuiativo
dos nossos, e dos prisioneiros ferdos. que san
perlo de 900 ; o puz sua disposicao tudu quanto
temos pi-oprio para tal curativo.
0 triuiupbn moral e material das armas do im-
perio uestes ltimos oilo dias teni sido iuitiienso :
o inimigo est quasi completamente aniquilado.
Por tan plausivel motivo permita-me V. Exc. o
prazer de dirigir niinhas cordiaes foliettaoSes ao
gpverno imperial.
Dos guarde V. Exclllm. e Exm. Sr. conse-
liieiro haroib' Cotegipe, ministro e secretario de
estado dos negocios da inarinha Visconde de
Inhonma. comntandanle em chele.
Uepartifo da polica.
" seceao.Secretaria da polica de Pernainbu-
oo, 9 de Janeiro de 1869 N. 32.lllm. e Exm. Sr.
lenho a honra de fazer rhegar ao eannechmafr
Rt de V. Exc. que foram hontem recolhidos a casa
di' iletenco, segundo consta das partici|iaciies re-
rebidas boje nesia reparta_-o. os segrales indi-
viduos :
A' minha ordem, Yalentim Jos- de Sant'Anna.
viudo do termo de Setinbem, como criiuino-n de
furto de cavallos.
A' ordem do subdeJegado de Santo Antonio, Gre-
gorio los Pereira da Silva, por desordetn.
A' ordem do da Capunga. Francisco Hcirique
Cordeiin, por crinie de feruieutos.
Deus guarde V. Exc.Iliin. c Exm. Sr. conde
de liaependy O delegado encarregado do expe-
diente, Joao Hircano Alves Maciel.
imperador, ganhou-rnK o general I.avalleja o com-
bate de Sarandy.
Foi o dia o (pie se assignalou para a passagem
do exereito.
Estando da parte de cima de Angostura toda a
esqnadra de encouraeados. e tambem alguns pe-
queos vapores, uansport.-s e as abatas dos fon-
eedores, foram esses navios e eniharcacoes meno- cito, desde osvivens. at asanibiilancia-*4e reme
res que recehendo a sen liordo os corjos de tro- i dios e apparelhos cirurginis. combate- de 6 nos
pa. Ii'vatain-os a desembarcar duas leguas cima baria dexudo 800 ferdos, me lusa urna terca parte
de Villeta. no ponto chamado Santo Antonio. de inimigos.
ras, arroios e potreiros um ataque gei al. Sua fbr-
ca era mesuio cousidoravel.
(Ainvinha, portante-, fazer pasear rosto das for
cas, de cavallaria em sua mor part, jue tinham
Icado no i Iliaco com o general Osorio. e ainda de-
pois era necessario a Hender pela diflicilima va
daquella margem do rio s neeossidades do exer-
Commando em chefe da torca naval do Brasil
em operaeoes contra o governo do Paraguay. Bor-
do do vapor Princesa, ein Villeta. l.T de dezembro
de 1868.
lllm. e Exm. Sr.A 15 pelas 8 horas do dia do-
ve partir de Palmas coin destino esta corle o
transporte Manilio Dias.
Aiiinveitamln esta onportnnidaili's nas-so a ilac
conta a V. Exc. do (pie fem nccorrido. e anula nao
foi referido a V. Exc.. o do servico que tmdesem-
penhado os navios encouraeados que comigo aqui
se acham.
A 21 do mez passado. pone depois do meio
dia. cliegou ao acampamento do exereito no Chaco
S. Exc. 0 Sr. marquez de Cavias, e desde logo
Iratou da escoma do lugar em que devia ser ene-
toado o desembarque do mesmo exereito na mar-
gem ininiga : e so a 30. depois de una excursn
que liz com S. Exc. e o harn da Passagem at
Lambar, tieou assentado que essa operacao devia
ser efectuada na guarda Santo Antonio, urnas
eguas abaixo de Assumpco, visto como
bi-xexos-ayues, 16 di: dezembro de 1'W.
E' justo o enlbusasmo com que sem du.ida a
nacao brasileita ter recebldo a noticia dos Irium-
phs da Villeta '
A gloria militar jui quadro de ouro que faz des-
tacar a uobreza d#*Bn paiz. levantando-a por so-
olhos das geracjjes fu-
E essa ep^MT^WreTannos que s<- uwciuroir-l
nos bosques e esteiros du selvtico Paraguay me-
reca um fecho grandioso e brilhante como acaba
de l-r.
Sim 6 o fecho da tremenda guerra paraguaya o
que o. triumpnos de 6 e 11 de dezembro signili-
cam, scui ptejuizo de serem considerlo- sobre si
duas grandes victorias em que o historiador admi-
ra igual a pericia dos generaos e a bravura das
tropas.
Mas arrebtanos pelo enlbusasmo' que causam
os re-
pelo (
sempre os hymnos do triumpho, nao devem
legar ao silencio antecedentes de .assignalad,
quatro
em Villeta, algumas perdas le ia de custar-nos, lortancia, at peto realce quedo ao mesmo I
porquanto o inimigo apezar de ser pela esquadra pjm militar que applaudmos
hoslilisado dia e noite, segua constantemente nos Para lugo a justiea exige
trabalhos de defeza. e nenhtim ponto mais perto marquez de Caxias um lugr
olereca inelhores vantagens. os generaos da poca, tanto
Isso decidido, guardou-se todo o sigillo, e tra- Europa.
tou-so de preparar os navios para a'operarn, j Seu plano de operaeoes ao adiarse com n
dando em seguida as disposicoVs constantes da cj(0 laraguayo amparado por esteiros |le
que se assigna
ar muHo distncto
na America coiho na
a on-
iuin-
e ao
entre
Bordo da crvela en.-ouraeada Matiz e Barros,
em Ipau, no rio Paraguay, 10 le dezembro de
1868. "'
Illni. e Exm, Sr. de meu dever levar ao co-
nhecimento de Y. Exc. ludo quanto- oecorreu a
bordo desleenci.macado desde que suspendemos
de Itapir, at a oeeasiao em que nos reunimos
esquadra sob o digno commando de V. Exc.
Hontem s 10 horas da manha, depois de re-
gressarmos de um reeonheciniQnto primeira ba-
tera de Angostura, que pareca estar abandonada
receben o fallecido Sr. capito de fragua Augusto
Netlo de .Mendonca ordem do lllm. Sr. capitn de
resi.osia^oq'ii'ell^V'ndeivceicoiiiiiiuiiicaii- 'ar e SOam Mamede lines da Silva, cominan-
ass i do referido chefe, o quai V. Exc. en- dan''1,1; segunda divido, para de novo subir c
tundear de maneira quij pedosse hostiltsar de fren-
te a batera de cim...
AOm de dar execue. a esla ordem suspende-
mos, e ao approximarino-no.s da primeira balera,
a investimos alim de examina-la-de mais porto.
Tudoahi denotava o abandono, nao se vendo se
apezar de
aban-
ipito de fragata
.lommandante desle navio que as machinas traba-
Ihassem o mais devagar possivel, aflm ae melhor
poder examinar a balera de cima. Insensivel-
mente nos adiantanio-, o as dez e tres quartosia
nos aehavamos entre as duas bateras qnando
ambas romperam sobre este navio os seus fo-
gos convergentes.
Na posieao critica em que estovamos, nao rera
possivel retroceder, e jor isso ordenou o fallecido
Sr. commandante que as machinas trabalhassem
toda forca, aflm de forfarmos a balera. Momen-
tos depois, acertando urna bala na torre desuada
ao coinmandante, e na qual se achavao mesmo
Sr. commandante, e penetrando os estimaros pela
seteira feriram-o no crneo produzindo a morte
instantnea.
C. n n i na nd i da 1' diviso da esquadra. Bordo do
Micouiarado Bahia em Villeta. 30 de novembro de
1W8.
lllm. e Exm. Sr.Teaho a honra de participar a
V. Exc, que neste momento, horas da manhaa,
abo de regressardo reronlieciinento e explora-
ciio que liz com os navios Bahia, Tamandare, Ala-
gos e Bio Grande, at o porto de Assumpco.
Conforme iuiuhas instructor-, suspend hontem
."i e meia horas da manha, e apezar de navegar
a meio vapor para acompaohar os monitores e ob-
x\xc os pontos estratgicos Lambar e Tueumb,
que se acham eompletamente aliawlonados, dei fun-
d om frente aquella capital no mesmo dia s 11
oras da manbaa, e nessa occasio descobnmos o
vapor Piraheb, que segua a toda forca aguas aci-
r ia. Na distancia em que se achara a divisao nao
-odia alcanea-lo, nem mesmo tiostilisa-lo com aar-
lharia de calibre 130 de que dispoe este encoura-
i ido.
Vlmdeum pequeo movimento de tropa que no;
t irnos, os paraguayos guameceram urna batera a
carbla, que defende o porto, e icaram bandeiras
(m todos os edilicios pblicos, inclusive no famoso
eio de seu dictador. A' vista da attitude toma-
( a pelo inimigo, ordenei um bombardeio enrgico e
divo, sobre os edilicios pblicos conhocidos, e es-
oecialment; sobre a batera que apenas deu-nos 5
iros, que nao tocaram nos navios.
A bandeira paraguaya, que esta va basteada no
imponente palacio, e um dos toiTcoes foram poslos
por trra simultneamente, por tiros deste navio, fi-
\indo muilo estragado este edificio notavel.
0 immens arsenal de mariuha e guerra, aaiian-
Jega, o esfceiro onde exi^e um pequeo vapor no-
zo, soffreram vivo logo de bombe, que produzio-Ibes
.tragos vimAeis e ennsideraveis.
niecmos a bombardear, parti a lo-
niiio'tiva da estrada de ferro, segundo me consta, da
ampeo paraLuque, boje capital provisoria.
O bombardeio foi feito com calma, e emprega-
ram-se lodosos cuidados para naooftender as pro-
priedades jiarticulares.
Disnguiram-se pelas excellentes e certeiras pon-
tarias oBchia e Tamandare, tornando-se saliente o
primoiro, ]>ek> qae recommendo a V. Exc. o com-
mandanUf deste navio, capitao-lencnte Francisco
Sspcridio Rodrigues Yaz, e i" lente Antonio
uuu.iui ut.'iiuiu>a o ,ii.iiiuuiiu, nao .-<_ >-in.
quer um Paraguayo, uno peca alguma, apera
conservar a sua bandeira cada. Suppondo-a al
donada maiidou o fallecido Sr. capitao de fra
copia junta para o embarque e desembarque dos
batalhoes, que priiiero tinham de seguir.
A 3 do 'crrente descera m para o ponto do des-
embarque, onde j se acliavam atracados bar-
ranca, os encouraeados Brasil, Bahia. Silrado e
ltnn Barros,'os monitores Pianha. Bio Gratule y
Cear, e o enconracado doral, e licaran conti-
nuando a metromar o inimigo, o '[amanar, o
Barroso, e os monitores Para e Alagos.
' Tudo disposto, an annitecer de 4, desceram os
Tamandttic e Borroso, e atracando aos outros.
leve comeen o embarque s 8 horas e 30 minutos
da noite, com calma, silencio e boa ordem.
A* meia noite achava-si embarcado o segundo
corri de exereito ao m: lulo do general Argolo?
tendo os navios reeelido, entre todos, mais de mi!
pracas alm das tetadas.
As 2 horas e :) minutes da madrugada de .*>
suspendern! os navios e seguiram na ordem mar-
cada para seu destino ; os monitores Par e Ala-
gos, que dexe junto Villeta, continuaran a
bombardea-la, o s 7 hora:} da manha esse corno
de exereito em forrt maior de 8,000 hnmens de
infamara, dez boceas de fogo e o respectivo trem,
se achava desembarcado sem que um s soldado
se tivesse molestado e sem a menor opposicao por
parte do inimigo.
Durante todo o dia o uceuparam-sc os navios
no transporte do resto do exereito, descendo ao
Ghaco e subindo successivamente ; e ao por do
sol estavam em Santo Antonio mais de 17,000 ho-
niens, entre os quaes perto de mil de cavallaria,
competentemente montados.
S. Exc. o Sr. marquez e todo o seu estado-
maior. se passon para o outro lado depois do meio
dia, bordo do Bahia.
A 6 pela manha marchou esta parte do exereito I chos de maligna impaciencia.
ponto
Tinha-se prevenido o caso de que o inimigo ten
tasse impedir o desembarque, a a artilharia dos
encouraeados eslava |rompta a desaloja-lo de \
qualquer posico que elle oceupa-sse ; mas nao foi I
o cessario. Ou Lpez nao suppz que se escolhe- j
ria o passo de Santo Antonio, ou contando multo!
com a victoria, espern nosso exereito mais ierra a ;
dentro para, batendo-o ah nao deixar escapar um
s hoineni.
No dia o liearam uns 8,000 hnmens na margem
esquerdado ro. sob o immedialo coininando do:
marocha! Argollo; por domis observar que
se levaraniao ultimo apuro as providencias para
rechacar o inimigo se elle trouxesse o ataque ao
resto'do da ou da noite.
Sem ir mais longe observani que sao muilo in-
completos os dados que lia sobre o terreno, e abada
sobre a ordem e forma dos suceossos militares oc-
corridos do dia o a 11 do corrente, por isso alguns
uumigos
O lempo era Inmbem desfavoravel, pori|ue a clin
va tornnu-se incessante e eo|osa, a poni que sem
a urgentissiuia necessidade de nao deixar o inimi-
go refazer-se, nem retirar-se, fra imprudencia fa-
z-lo atacar ]Kir soldados que nao tinham um fio
onchuto em cima de si.
Demore-so a atteneo por un momento no qua.-
dro que api eseulavain as duas margeos do rio Pa-
raguay.
Alli. sobre um terreno apesto e convertido cni
largo charco. viain--e einbarcareni no Chaco, para
desembareareni na margem op|iosta, miihares de
hoineits. que nina Copiosa chuva acoutava. For-
mados logo os carpos e brigadas im elles tomar
seu campo, c ah aguardar quasi de arma ao hom-
bro o signal da corneta para marchar contra o ini-
migo.
Mai> tange disenrolava-se o triste painel dos f-
lidos do da 6. transporlados para bordo dos Rufos
exer-
tres
leguas de largura, ros pnvadeaveis "e bate-
ras delinhadas pela natureza *, se possp as-
siin exprimir-me, ha de em lempo achar um Thiers
para esluda-lo scientilicamente, e exalta-lo qianlo
merece. Porquanto tcm elle, afora o universal ap-
plauso, a sanelo etoguente dos resultados. I
Sobre essc plano drei apenas que atalljido o
marquez por obstculos de natureza laoeotasal,
que o significados na sua originaria denomina-
cao, chamando Anmsrura (estreitezai. a passbgem
no rio, e El-Mar a lagoa que forma os esleir s que
acabo de mencionar; atalhado, digo, nur oh: lacil-
los scmelhantes, o general brasileiro nao fez enla-
mes ociosos, e limito menos sacrificou ltomais em
emprezas desvairadas.
Abracou, sim, com firme olhar as posicc es do
inimigo* c sobre urna arca de terreno de virde le-
guas de superficie, incluso caudaloso rio Pariguay
e o immenso brejo do Chaco, detonninou suas ma-
nobras com a mesma preciso que o jogat or de
xadrez as combina sobre o taboleiro que tom de-
baixo dos olhos. A nica dilTerenca eslava em que
as pecas a mover cram corpos de exereito c divi-
sOes de esquadra !
Concebido o plano grande e audaz em sua mes-
ma originaldade, resma apphcar mcios ..pazes
de o levar a effeito, e o principal foi a estrada pe-
lo Chaco.
Obra portentosa de esforcos e tcnacidade,a estra-
da pelo Chaco deixar memoria na !radiee.ao das
guerras americanas.
Dous mezes de trabalhos titnicos exigi, essa
obra ; dous mezes que o marquez de Caxias deve
ter cmitado como dous seclos, pois linhaem fren-
te urn inimigo aprovoca-lo, em roda de si a ma
vontade dos mulos e da patria llie chepsvjim os
Assumi o cemmando e julgando inconveniente
vollar aguas abaixo na posieao em que estavamos,
resolv torear a batera a toda a forca do vapor, e
felizmente consegu fazc-Io, dando fundo pouro
abaixo de Villeta s 11 c tres quartos, afim degnr-
nir os gualdrops do leme da casamata, por go-
vernar'o navio pessi mmente com o leme de
combate e tapar com ijolcbocs os rombos ao lunie
dagua.
As duas e um quar.o de novo suspendemos de-
pois de ter mandado telegraphar para S. Exc. o
Sr. chefe do estado-nuiior o occorrido, e s 3 llo-
ras demos fundo junte a esquadra encouracada.
O comportaniento eos oflkiaes e pracas deste
navio esto cima de lodo o elogio. 0 r tenuite
Manoel do Nascimento Castro e Sdva, commandan-
te da batera,o lante Hermn Luduvic Gar le
e o guarda-marinha Victor Candido Brrelo muilo
me coadjuvaram, traKsmittindo as ordens e fazen-
do-asexeeutar com o maior sangue fri e valor.
Ocommissario extran unerario Francisco Teixeira
Pinto, apesar dedoente, e oescrivio de eommta-
sao Joaquim Henriqut Teixeira cumpriram o seu
dever com toda a oabna nos seus postes de com-
bate.
O 2 cirurgiaoSeveiano Braulio Monteiro tBg-
no dos miores elogio i, pela maneira porque ti a-
toi de todos'os friaoii, Cuja relaeo inclusa remet-
te a V. Exc.
em dirceco a Ipan, e nuco denois de se ter
poste em "marcha encontrou o inimigo do lado op-
posto ponte Itrr, e alli se ferio urna batalha
que cara custou ao inimigo, e foi esplendida para
o Brasil, muito embora nos custasse muito sangue
nobre e precioso.
Deiiois das 8 horas da manhaa desci neste encou-
racado para fundear junto guarda de Ipan, onde
devia acampar o nosso exereito, o qual, por causa
do mo tempo e muila chuva que sobreveio, s alli
chegou a 9 pela manhaa.
Nos das 6,7,8 e 9 estiveram os navios emprega-
dos em passar para Santo Antonio o resto do exerei-
to, ea9, logo que este acampou. o transporte foi
mudado para Ipan.
A U marchou o exereito sobre Villeta, c desci com
os encouraeados Brasil, Bahia, SUvado, Lima Bar-
ros, Barroso o Tamandare, para collocar-me cima
de Angostura, afim de bombardear essas bateras
na forma combinada com S. Exc. o Sr. marquez de
Caxias, o que se fez durante todo o dia, acompa-
nhando-nos a segunda diviso da esquadra que se
ach abaixo de Itapir.
Nesse dia, apezar do glande temporal de chuva
e vento que sobreveio, urna outra victoria foi g-
nha sobre o inimigo, que, comquanto mais vanta-
josa do que a do dia o, nos foi um pouco menos
cara numricamente, mas bem cara pela natureza
das perdas.
A convite de S. Exc. o Sr. marquez, que se
achava acampado em Villeta com todo o exereito,
para aqui sub a 12 com o Tamandare, tendo antes
mandado o Batroso com raunicSesde guerra e bocea
para o exereito, deixando cima de Angostura o
Bahia, SUvado e Lima Barros com o barao da
Passagem, que contina a bombardear essas ba-
teras.
De 9 at boje tem continuado os cinco monitores
qne at aqui tenho em viagens successivas do Cha-
co para aqu, e rice versa, a-transportar abaga-
gem, material, munic-oes, uiunicio e tudo o mais
erros pode haver na narracao qae aqui foco, mas- ou aceiimulados em enfermaras provisorias, de
espero deseulpa em razan da causa apuntada.
Se o exereito inimigo nao foi lomado por sor-
proa, sobre o |>onlo escolliido para o desembar-
que de nossas torcas, o que pode ter supposto
que ellas erain em menor nuni'Mi). Asshn explca-
se o cmbale do dia 6.
O marcena) Argollo avaneou sem adiar resis-
tencia o espaco de duas a tres legoas, na direceo
da Villeta at achar o arroto Toror, estreilo. mas
fundo, no qual havia nina ponte que o inimigo do-
minava com nina batera de oito canhoes e dous
mil BOmeas de infanta ria.
O marechal Argollo, sem hesitar, mandou urna
columna nossa tomar a ponte, o que se conx'guio
depois de viva resistencia dos Paraguayo.
Mas nao foi definitivo esse primeira triumpho :
qtiatorze batalhoes inimigos e oito regimenlos de
cavallaria acudiram a recii|ierar a ponte, e ah tra-
voii-se esse sanguinoleiilo combate, cuja primeira
noticia ja tive occasio de manda rtelo paquele.
Nossos batalhoes resistiam com heroisnio. mas o
imnil'o o muito mais a p va grande superiuridade, o liouvc unimomenlo em
que liveram de ceder. A ponte, to disputada, fi-
cou de novo em poder dus Paraguayos, e alguns
orates de carpos juncaram o lempo sontiguoa
ella. Varios oniciaes superiores e numerosos su-
halleiiios praticaram actos, de inaudita bravura,
mas suecumbiam s decenas ; debaixo de um fogo
hoiTvel d: metralha e fuzilaria, nossos batalhdes
nao recuaraiu. senao qnando a peda de alguns
as manobras quew da sempre em casos anlogos.
Ainda eslava, porm, muito longe o momento
das nossas forcas se consideraren) recbacadas ;
lamento o combate prolongava-se sem vanlagetn
decisiva, e custava-nos ja algumas vidas preciosas.
Por fortuna o marquez de Caxias foi prevenido
do grande numero de forcas que o inimigo aecu-
iiu lava, c S. Exc. em pe'ssoa. e frente de algu-
mas divises acudi ao lugar do combate, e deu-
-llie maior vigor por nosso lado.
A presencu do general em chefe no meio da pe-
leja era talvez quanto basten para assegurar-nos
a victoria, mas es ordens que (leu foram to cner-
gicaa e acertadas, que urna hora depois o ihimigb
se pronuncinii em derrota. A ponte foi por nos re-
conquistada, e a t-inclieira paraguaya assaltada e
tomada coin as seis pecas que nella havia, tendo o
inimigo retirado anteriormente as duas ce menor
calibre.
Os 16 ou 17 batalhoes paraguayos* assiin como
os8 leginientos de cavallaria.-envolvidos j. scin-
daram de fugir perseguidos com tenacidade por
nossas lonas de cavallaria, e nao teriam escapado
a seu completo aiiiquilamonlo se o terreno cober-
to de malo nao os favorecesse tanto. Ainda assim
mais de 1,'iO cadveres deixanm no campo de
batalha ; os lanceras rio-giaudenses lizeram una
terrivel niorlaudaile. vingando des>a terina ns bra-
vos compatriotas .que tinham suecumbido.
Essa victoria, comprada a principio coin muilo
sangue, ternou-se depois to completa e auspiciosa
que exalten de nina maneira exlraordinaria o en-
tbusiasmo do exereito brasileiro.
Se de ante-mo tinha elle eouseiencia de vencer
o inimigo onde quer que so achasse em numero
igual, nesse da acoslutnou-se a alronta-lo anda
em numero duplo.
Domis, um exereito que v seus generaos ali-
rarem-se ao mais ardente da peleja, seus comman-
dantes de corpos, de brigadas e de divisos cahi-
rein ferdos ou morios, e seren substituidos por
outros nao menos intrpidos, e emlim os ofticiaes
do todas as patentes preoederem aos soldados no
assalto s trincheiras iuiniigas c combaterem espa-
da em piinlio. coreados de inimigos ; um exereito
que isto v comprehende o que vale, o que pod ;
mais claro, considera-se invencivol, o nem outro
o segredo dos exercilos incendiis as guerras
tradicionacs do mundo.
Outra alma havia ainda torturada nesse cme-
nos, era a do marechal Argollo. A dirigir erji pes-
soa os trabalhos da abertura da estrada, a exigen-
cia de rapidez no servico Ihe era imposta por or-
dens diarias do commando em chefe, tanto como
pela araeaca da grande enchente do rio Paraguay;
e todava as chuvas, e o consequente desborde dos
arroios destruam-lhe n'uma s noite o trabalho de
urna semana. A desooberta de una difficuldade
imprevista ritma tambem por vezes inutilisar mui-
to servico adiantado.
A estrada achou-se finalmente aberta, c orno a
passagem da Angostura tivesse sido assazpratica-
da por navios encouraeados, e bem estuda las as
posieoes do inimigo na margem esquerda, por mejo
dos econhccimcntos em forca, o marquez r,oz em
execucaoscu plano, causando geral sorpresa por
affostaf-se do que todos haviam supposto.
>o oram algumas dirisesou sequor um corpo
de exereito o que se destinava a flanquear o inimi-
go, tomando a va do Chaco ; eram quasi todas as
forcas brasileas, inclusos 5,000 homens de caval-
laria. c o proprio general em chefe punhi-se
frente das-operaeoes. Na margem esquerd; s ft-
caram o exereito argentino e algumas brigadas
brasileiras, especialmente de (avallara.
Nos ltimos das de novembro o bravo almiran-
te forcou a passagem da Angustura. levando com
toda a galhardia seu pavilho icado no enconraca-
do Brasil, qne como prova da ira do inimigo a es-
se desalio, recebeii mais de cincoenta balas de
grosso calibre cm sen casco. Poucas, mas sensiveis
perdas, custou essa opera^o.
0 dia 2 de dezembro nao foi, ainda que mullos o
diziam, designado para a passagem do exereito, j
alguma vez Bz botar que o marquez tem pir sys-
tema nao eraprehender operarCeS em dias memo-
raveis do paiz, nao s porque, esperando-os o ini-
migo est mais preparado, mas para nao empanar
com um rever possivel a gloria rte nm dia nacio-
nal. Em 12 de outubro,, aaaiversario da p neiro
A imprensa do Ro da Prata tem sido unnime
em render homenagem bravura que na batalha
do dia 6 moslraram as tropas brasileiras o o deno-
do de seus cheles e oflii iaes, mas especializa a que
leve occasio de mostrar o marquez do Caxias, que
tendo seu cavallo niorto por duas balas, e vendo
cahir em roda de si at cheles de reparticoes do
exereito, como o tenenle-coronel Galvo, que cons-
ta estar ferido, mostrou sempre a seremdade de
um velho guerreiro.
Em bem que s. calumnias do despeito poltico
contra o Ilustre general respondam, prmeiro seus
fcitos com 15,000 homens por testemunhas, e de-
pois o juizo da imprensa estrangeira, da imprensa
3ne to mal bavia encarado o commando em chefe
os exercilos alliados na pessoa de um general
brasileiro.
A par do marquez de Caxias o nome do mare-
chal Argollo aqui exaltado como o de um digno
rival de Osorio e Andrade Neves.
Dous que justo, tinha feito que aos goneraes
brasileiros nesta guerra se ligasse o caracterstico
de bravura: o denodo, porm, do marquez de Ca-
xias no dia 6 deu maior sane cao ao facto, realisan-
do este bello dito de um escriptor amigo : E' nm
bravo fenle dos bravos.
Nao concedeu-nos a Providencia que a victoria
de Toror fosse eseomada de lagrimas. A perda
de muitos olciaes distinctos, em que se destaca a
do heroico coronel Fernando Machado, os ferimen-
tes do marechal Argollo e brigadeiro Gurjo, e o
de muitos outros offlciaes que amda estao em risco
de vida, sao goivospenneiados aos louros do trium-
pho, e que do peito da patria na maior expanso
de seu jubilo arrancarao um gemido doloroso
A tal proposito, dizia-o eu hontem : esse o
preco da gloria militar i ; e ainda_ bem qnando
essas nobres victimas tcem por oracao fnebre os
hymnos da victoria I
A do dia6, quebrando mudos los da resisten-
cia do inimigo, abra ao exereito brasileiro a pers-
pectiva de um triumpho decisivo poucas horas
depois, visto que urna legna o separava apenas
de Villeta ; porm a demora tero de ser de alguns
dias.
Para logo tinha-se verificado que o exereito pa-
raguavo nao pensava em fugir; ao contrario, elle
ah aguardava p firme, protegido por triuchei-
barracastle panno.
A passagem do Irem mais pesado de guerra, de
miihares tambem de cavallos, o transporte de me-
rca s costas de homens; tudo isso feilo debaixo
de diuva e de vento, cm lainacaes de um metro de
profundidad.', e as proporces que exiga um
exereito de 25,000 homens prompto a entrar em
un duello de morte com lodo o poder militar do
inimigo. ludo isso formava um quadro lalvez sem
igual na historia de guerras modernas.
O marquez de Ciprias eslava quasi sem cessar a
cavado, o seus ajuanles decampo nao tinham dez
minutos para dar folegu a seus cavados, tal era a.
continua e rpida transinsso de ordens.
No da 11 de manha tudo eslava prompto para
o ataque ao campo fortificado da Villeta, sendo o
ponto objectivo tomar o potreiro Baldovino, que
era a cliav- daquella posieao.
A's 9 horas comecou. ou melhor dito, recomecou
una chuva copiosa, mas o marquez ordenou que e
ataque determinado se verifleasse.
Em ipianto a esquadra rompa um vivissimo fogo
contra as pnsces paraguayas, as torcas de (erra
enipenliarain ataipie do |Kitreiro.
0 passo do arrojo Ivahy foi onde se concentran
a bita ; o iniuiigo reunir ah primitivainunte uns
5,00(1 homens das tres armas ; porin as vigas do
campo argentino viran) sabir da casa de Lpez
cinco batalhoes e um regiment de cavallaria pa-
raguaya 8 irem para esse ponto, de modo que pode
erer-se ter Lpez empenhado no combate suas ui-
Cerca de quatro horas durou a batalha : os Pa-
raguayos. (|ue vtam decidir-se nella toda a campa-
nha. laziain una heroica resistencia em todos os
pontos, porm mais heroica era o accommetter da-
Iropas brasileiras, znmbandn da metralla paradle |
gar s Irinclieias e assalla-las, servindo alosque
cahiam de dcgr;ui aos que avancavain.
Em muitos pontos bayoneta se baleram lg-
grossores e aggredidos, Meando a maior parto de
mis e outros esteudidos sobre a Ierra; vencedores
eram [Milicos. 0
Como alm da artilharia dos dous exercilos, ri
bomba sem interrupeo a da esquadra de encoura-
cado o estrepito da batatta. era pavoroso, ao
passo que sua tensa duracap paia receiar pelo sen
destecho
O exereito argentino, que tinha licado enfrenten
do a lnha paraguaya na margem esquerda do rio.
abaixo de Angostara, dispoz-se a avancar, mas a
chuva tinha tornado intransilavel os esteiros, e si.
algumas brigadas de cavallaria puderam, con.
agua jielos enconlros dos cavallos, chegar vista
do ininiign.
O exereito paraguayo era commandado em chele
pelo general Caballero, o melhor ollicial de Lpez
e na verdade fox elle esforcos sobrehumanos, dis-
putando-nos a villora.
Quanto a Lpez ninguem o vio, nem mi vio, sen-
do opiuio geral que, protegido pela nobre resis-
tencia dos seus, elle se tinha posto em luga preci-
pitada para Serro-Leoii.
J durava o combate havia tres horas, e amea-
eava prolongar-se anda muito, gracas forte po-
sico do inimigo. (piando una operacao hbilmente
determinada pelo general em chefe, e com toda a
bravura executada peto barao do Triumpho, deu-
nos una esplendida victoria.
Este valente general, com forcas de cavallaria j-
intentara, buscn passar o no Ivahy por outro
ponto, e descobrindo um passo que o inimigo tinha
bem defendido, forcou-o e veto atacar o exereito
paraguayo pela retaguarda.
Ento a derrota deste foi completa ; quanto
nbam ellas at ahi resistido com valenta, tanto
pnico se apossou das trapas inimigas.
Foi urna verdadeira debandada, fugndo envol
vidas a iufantaria e a cavallaria, nossas tropas as
perseguiram em todas as dirocefies.
Mais de 3,000 cadveres de inimigos cobnram o
campo da batalha, e mo grado o fanatismo do sol
dado paraguayo, conseguio-se fazer uns 500 pn
sioneiros, facto anda sem exempto nos comoate-
anteriores. .
O general Caballero e mais de 80 offlciaes para-
guayos de todas as patentes morreram no combate
ficando prisioneiros muitos outros, entre os quae'-
o inmediato de Caballero.
Dezoito pecas de artilharia, alguns miihares d.
armas, varias bandeiras, em summa lodo o mate
rial do exereito inimigo ficou cm nosso poder.
Tendo cabido ao corpo do exereito do general
Osorio (o 3o) a parte principal na batalha, ainii<
urna vez este hroe brasileiro siistentou sua im
mensa reputar* nesta guerra. Tocou a elle da
execu^o s ordens do general em chefe, e o fe,
com sua consummada coragem.
Em pessoa aecudio tambem aos pontos onde mai-
renhido era o combate, e receben, um ferimento
que por fortuna leve, sendo alias o primeira ew
tem soflrido nesta guerra.
Se grande fbi a coragem qne o exereito brasiiei
ro mostrou naquelle da, a pericia com qne fo
concebido e determinado o ataque, fara que na
Usarla a Villeta fe^a o AusterUtz do marquea *
Caxias.
Pelo menos esta grande victoria levantou-lbe a
ivputaco militar oestes paizes a um ponto qtv
jamis lbe tinham querido conceder.
De resto, nao favor que concedam genio mib
tar ao general em chefe que em urna s batoHi-i
arrebata ao inimigo magnificas posieftes, anniquila
Ihe o exereito, apossa-se de toda a sua artilharia
c faz que nao siam 500 homens reunidos de un,
exereito que 4 horas antes apresentava mais. dv
8,000.
Cnstou-nos, cerlo, essa victoria mu tos cento--
de vidas, entro ellas a de chefes e offleiaes preaim
mosos, dos quaes deixo as partes ofticiaes preei^P
o numero, e mencionar osrnomes: porm naos<
triumplia a menos preco de um inimigo, qne do
minauo seja pelo terror, seja pelo fanatismo se faz.
matar desde que nio pode vencer. .,
Sendo do mesmo dia da batalha, o eommnroes
das por teleerammas, isto muito resumidarae
todas as noticias que al esto momen 'o **y"
faltam doialhes, que todava se I *^l***1
Ignora-se sobre tudo o qae se segwo i *mP'ei'
victoria do dia l, c somonte por ^rcsumpo9eeou

^n
IIEGVEL


i^HBM
Diario de Pernambuco Segunda feira 11 de Janeiro de 1869.
anus .vjx mu

iuforniacoes mudo vagas direi o que deve ter suc-
uedid.
O exercito brasileo ocqupou o mesmo campo
Hutrnchoirad de l,opeX na Villeta, dirgmdo-se
para Angostura as forras do haro do Trmmpho.
K por sso mais me provavel que no dia i > tas-
to da esquadra, e o immomo material de munooes.
viveros, etc. que eslava a bordo de navios abaixo
.la Angostura, tenhara sabido, cossando iuconliueu-
te as priva?5cs de nossas trapa.*. At novos ineos
de m onilidadc ehegafbra untan, pois consta <|u>
urna grande expcdajio de cavallos se tinto demo-
rado bordo dos navios, p que fura daqui par 01-
dein do marquez para, aborta a passagep da An-
gostura, subir qtiio at a Atanflapcfo
Do exercilo de Upez, o na direecao da sorra
que clizem tor elle tomado, odc uasi garantir-s
que nao nao rima de 1.030 houiuiis de todas a-
afB'l ,. ,
Ks-a torea destrocada, dosmoralisadissima. sem
artillara, sem chefes, co:u eseassas mmicocs, in-
capaz emiii i de resistir a urna s divisao brasile'ua.
i (udo que rest do exercilo paraguayo que come-
cou a guerra com 70,000 saldados, e Coi renovan-
jo-se iueessantemente e em pruporou das perdas
O coronel paraguavo Martnez, prisioneiro na
peiasula de Unmail, dizia ainda liontem que cal-
,-uliva em 130,000 hmeos os que e Paraguay li-
nha perdido desde o principio da 'guerra, sendo
UN tetea parte victima do cliolera-morbus e ria
varila. Ser estranhn que tanto costease ao lira-
si! anniquilar esse Brande poder militar, que pelas
eondieos especian d i terreno em que se defenda
pode considerarse gigantesco?'
Sobre a victoria de Villeta ainda nao se pode
dizer todo, mas de sua inmensa cousoqueneia dao
itestemunhu os factos que ja sin notorios.
Nao existe mais exercilo paraguayo, e os esca-
timaos restos delle fogem sen rumo, e sem pos-
sibilidule de faxer resistencia em ponto algum.
Nao s a capital primitiva da Assumpeo. mas i
previsoria de Loque ja devem a esta hora estar oc-
cu|iad;Ls por breas nossas, caliimlo cm nomo po-
der os elementos bellicos que porventura all fi-
ve-T ainda o inimigo.
Alguina divisan da esquadra lera subido. 011 su-
Jiira logo para Matto-Grosso, corlando assim a reti-
rada a algumas (toreas paraguayas que oceupem
Coimhra e Albuquerque.
Tendo o exercito brasileiro ledos os meios de
niobilidade. breve lera limpade o pata dos grupos.
qje atada obedecnm a Lpez.
Este HMiamo est bem arriscado a ser nosso pri-
- neiro. por se le ter tomado o litioral, e com
elle n caminlio para a Bulivia.
Pinto-so nesta situacao das cousas duvidar que. a
guerra est linda 1 Ku ereio que nao, o chepo
nutrir a esperauoa de que os dias que restam de
dezembro ouviri 08 ltimos tiros da guerra do
Paraguay.
Foi longo e custoso empenho. mas, nobremeatt
sustentado por parle do imperio, leve uu\ desteche
-grande o glorioso, como conviidia a esta guerra
inemoiavil.
Se a gloria delle cabe toda ao marquez de Ci-
\ias. que pinguera mais digne della pelo seu
exemptar paa*kmsm >. e seu mo heroico em bem
da patria, e do nome brasileiro.
Ciirvem-se anle essa gloria tao alia e tao pura
at os odios |ioliticos. em vez de inorilel-a eoui ilu-
so deapeito. Lembrem-se ao menos que o mar-
quez de Castas passara conioiiiembro da frgil hu-
manidade, mas sua gloria ser timbre da naeo
bra-ibira, como 6 a de Turante para a Franca, a
le). Fu- Roupiaho para Portugal, a de Raido ws-
ke para a Austria.
Nem ha semear emohiooes, e ainda menos sepa-
rar o general em chele d seu exercito; elle teem
rntaido juntos a lerriveJ campanha paraguaya,
combatoram juntos, airrontaram os meamos pen-
gas, p boje como que se abracara felicitando-so em
nme da patria longmqua, porque todos ruinpri-
ram o sen dever.
A victoria de Villeta cuna a obra de glora piin-
eipteda em Kiaehuelo ; a I i de junho respondeu a
11 de dez.eiiibro....
D novo endereco mil e mil felieitac.'s a naio
lirasileira pelos iriinplios qai
e ainda mais a Felicito por ver Chegare termo des-
la niii-iosa e saogreiiia guerra. *
Nos, os brasili-iros. que de ktuge acompauhaii os
nosso paiz quando wperrrwi tknetpermio, boje i os
thraeamoa com elle em sua immensu alegra 6
justificarlo orgullio.
Nao me resta lempo para dar outras nolicia-,
nem imiHtrtl'r* *""" ""'*s. Alienas co!isbuai'.;i.
(joifc. a .jo- .l.ii atguuiaa pum+mt-** <\M*t parw tti ji'
para o Paraguay, a conferenciar com o marquez
de Castas, o Br. Mariano vareila, ministro de reto*
eies oitriores da repblica.
E' muito provavel que esta niisso seja em con-
* sequpiicia dos oltiinos soecessos da guerra, que
dando-a p >r linda, lequerem accordo entre os ai-
liados sobre a maneira de reger < paiz dominado,
bofe, por Ipnas militares nossas enquaai toda t ia
extensao.
Em breve alias ho de os jornai-s revelar o ca-
rcter e obejecto desta inesperada oiissao.
vaii.issimos scn-i': emprcg;udo-se at em remo-
ver caixas e fardos, no movimento das bombas, e
na, salvaQao dos livros, papis e mobilia, quaudo o
logo aniarava invadir' o archivo, a thesouraria c
a sala do expediente. Os empregados .da reparti-
r i que i.....ipanrcram tainbem se mosiuu.un w-
licitos no cump\1 ment dos seus deveres,
.Nao temos aiada nenhuma comuiunicaco offl-
cial sobre o lamentavel aconlccimento de que ape-
Do balalhao de engeoMroa, Jos dos Santos
Perreire.
Do i" dito rio Infamara, Victorino Jos de Barros
Do 7 dito dito. Manee! Benedicto de Moura.
Do 8o dito dito. Izidro Jos Percra.
M !(> dito alto, Marcelino Cyriaco Malaquhts.
Do 14" dito dito, Manoel Goncalves deOMveira
Falleceu hontem pela inanhaa o consolbeiro Jos
as damos iigeira"noticia, netn dados por ond de Yasr'oncellos e S'ou/.a, enviado extraordlnario e
ministro plempotonciario de S. M. Fidelbsinia uesia
corle.
Pelo seu carcter elevado e por suas maneiras
affaveis. o eaoselhoiro Jos de Vasconcellos soube
coaqiHStar nesia corte sympa.lbias. Exerreudo
durante tungos anuos o elevad o cargo de rp]iresen-
te d" Portugal, lornou-se seopre digno da confian-
ca doseugove no e do rcspelo dos seus compatrio-
tas ao lirasil.
() cmisrthoiro Jos de Vasconwttog era moco (i-
dalgudacasa.real de Portugal, gra-cruzda odeiii
da llosa, das do CiirUUl e Conce^ieao de Portugal.
da real ordetn Pncsiasa da Agina \i ronHlia. eda
lardem de S. Gregorio Magim de Homa. o cavaMpiro
da real ordem belga de Leopoldoedi ordem saxo-
nia de Ernesto Pi.
Seu funeral deve Irr lugar hoje, s 9 horas da
manlia, dirigindo-se o salimiento da casa da lega
eo p.uiiigiieza, apante do Cllele, ao eemiterio
de S. Joo laptista da l.agi'ia.
A administrarlo da Imperial AssocacSo T\ po-
graphiea Pummeme para o present- armo flcou
organisada do seguiuie mido:
Presidente, darlos I) imhlgos de Souza Caldas,
reeieito.
Viee-presidenle, Joan Jos de CarvaMio, reeieito.
l. secretario) Joae Focio Rivera,reeieito.
2. dito. Thom Juaqum Moreira.
Thesoiireiro. Pedro Xuno Alvares Jardim.
(Jmimisso de henelieeiieia. Candido Jos.'- d'AI-
meida Valle, Joo Jos liaspar \'c||oso. e Jos Mo-
reira de Lemos. reeieito,
Conunissi artstica, Umbelino Ferreira Dias,
Domiciano Anacilo Paran e Manuel Colho de
Souza Lima.
Coinmisso de pensiles. I.uiz Antonio Ferreira de
Meoezos, Jola Jos.; da Carvatho, reeieito, e Joo
Miguel AIvps AITonso de Aguiar.
Commssao perrannante d BMM di coala, Flo-
rentino .los Redro Montenegro, Sabino Aniceto
Roma e l-Vaneisco Caetano da Silveira.
Sem conimisso Joaquim Alexandre de Lima
Gomes.
possamos ivaliai os prejuizos soffridos polo com-
ncroio e pote fisco; devem. purera, ser anillados
atteadeado-se a natureza das mercadorias arreca-
dadas nos urina'.ens incendiados. Nos gneros de
estiva as peed foram diminuas. Logo que a
respectiva porta foi arrumbada, umitas pes^aa do
i iiiHinercio e de outras classes da sociedade iuva-
diram o armasen, o conduziram paia a ra gran-
de quaiiiidade de goaeros. que mais tard* foram
nttvamente rect mides.
Sabemos que houve ferimentoa em tralialhado-
res, bombeiros o pravas de inariuhagem; falla-se
tambera ara alg unas multes, porin nata de posi-
tivo podemos niliciar sobre este ponto.
Comparecern! durante o incendio, alera de li-
tros empregado.-, o Sr. ajudante do inspector da
allandega, os Sis. Dr. chele de polica, delegados,
f/subdclegados e inspectores de diversos qmulei-
roes. o Sr. ajudante general e seus ajudaiites de
ordens e ou'os otlicias do exercito, o Sr. inspec
tor do arsenal a marisma e nuiitos ulliciaes da ar-
mada, olllciaes da guarda nacional, e diversos pi-
quetes que foram collados em torno do edificio
e boceas das mas.
Tambem estiveram presentes, e ordenaran) pro-
videncias que > caso urga os Srs. presidente l
eonselbo. e mii Uro do imperio e da guerra.
Sua M.igestade o Imperad ir. acompanhado dos
seus semaaari is. deseen do paco de S. Ctirysto-
vao c chegou allandega s 11 horas da manlia.
e eoHservou-se all aa as C e ineia baa da tarde.
Segundo u que tema espetemos intuitivo que
os piajizos causados pelo incendio a poiico avul-
Uriam se tivess baviib. lacilidade em levar mi-
uieiliatamente os soecurros ao ponto onde era 00
mocara a lavrai : na i houve essa lacilidade, nao
bonve niesiiii a neeessaria vigilancia da parte dos
guardas e vigia< que licam dentro da alfanilega,
una ou duas bombas que exislem nesta re|iaili-
^o de nada serviram por cmpreslavcis! Duas
bombas movidas a vapor, como a que chegou as
10 hars da manlia. estando conveiiienleuisute
luvpa.iadas em algum dos lateos ou Banaderas
abertos-que a-conuam-t edifleio, seriara sullicien-
tes para extinguir de promplo qualquer incendio
que repentinamente se manilstasse alli. E.-sa a
que nos referimos s eoineeou a funecionar ai
Uieio da. porque o inachinisioo eslava desarranja-
do; nao obstaste ainda presin boDS serviros
Foi tambem de .umita utilidade. una das barcas
u vapor do Sr. l'ox. que. atracada ao caes, na do-
ra, (anecia agua as bombas que funccionavaiii
por aipielle lado.
A polica procede as indagacoes neeessarias pa-
ra o doscobriuieiilo do accidene que dea lugar ao
incendie.
29
Por cartas imponaos de 26 do crlenlo mez fo-
ram naturali-ailos cidados brasileiros os subditos
portugut7.es Antonio da Costa Uorges e Jos' Alves
Espinbeira.
Por decretos da me.-ma data :
Foram non-ados cavulleros da ordem de S.
Bento de Aviz
O cirurgio-uir de divisa i do corpo de sade
do exercito Dr. Justino Jos- Alves Jac.ntinga.
O cinugiao-iiir da brigada do mesmo corpo Dr.
Cyrillo Jos Percira de Albuquerque.
" tencute-coronel de infamara Jos Antonio de
Olivcira Valporo.
O niajor de cavallaria Francisco de Lima c
Silva.
O eapito do SBtodo-mator de artilharia Philadel-
pbo Augusto Ferreira Lima.
Os capile- de inlanlaiia Manoel Rodrigues d"
Hraganca e C>|irano lOB Pires F'rluna.
lave merc do foro de moco lidnlgo oom exer-
ccio ni casa imperial 0 lidalgo cavalleirO Dr.
acaba de alcancr, Claudio Velbo da Multa Maia.
Foi concedipa. licando de|iendente da approva-
cSo do poder legi-lali\o. I pensiio de 42-i mensaes
Jeronyino Hp|ie!to. com sobrevivencia em sua
mullier, Rusa liejiptlo, em attencao aos servicos
que prestou sen llbo pratico Luiz Repetto. mur-
i em combate a bordo do encouracado linhin.
INTERIOR.
Rio de laneiro
27 de dexambro.
Foram agraciados por S. M. o Imperador :
Com a griut-ertu da ordem de Pedro I, o maro-
chai p exercito marquez de Caxias;
Com a gra-cruz do Cruzeiro, o viseoudc do
He! val;
Com o titul i de viscondede Ilaparica, oom gran-
deza, o marechal de campo Argollo :
Com a dignitaria do Cruzeiro, o conselheiro e-
jijie Lopes efeoo;
Com o habito de Aviz .
O cirnrgiao-inr de divisao do corpo de saiidc
lo exercito, J>r. Justino Jos Alves Jacolinga.
O eiriirgiao-nir'de brigada do mesmo corpo, Dr.
Arillo Jos' Pereira de Albuquerque.
O tenente-eoronel de infantaria Jos Antonio de
Olivcira Valporto.
O niajor de cavallaria Francisco de Lima e
Silva.
O capitao do eslado-inaior de artilharia Pliiladel-
,pho Augusto Ferreira Lima.
Os capitaes de infantaria Mauoel Rodrigues Bi a-
anca e Cvpriano Jos Pires Fortuna.
Por decretos de 2o' di corrente, na conformldA;
, oib umwunt x .iv. tmt .- ua ICI ll. Olo
jle 1S de agosto de 18,;i2, coBCeden-se reforma ao
capitao do 14" batalhao de infantaria Cbrystiano
Joaquim de Sa.it'Anua. e foi reformado o capitao
do corpo de esiado-maor d segunda elasse Anto-
nio Augusto d;i Costa, visto soflreram de molestia
incuraveis que os turnara inca[iaes de continuar
no rervico.
30 =.
Por decretos de 23 do corrente:
Passou para a 2" classc o Io tenante Collatino
Marques de Souza, na conformidade do art. 7" da
lei n. 1.204 de 13 de inaio de 1K64.
Foi reformado, com o sold por inteiro, o imperial
marinheiro Hyginn Bernardo do NasciniPiito, na
conformidade do decreto de 11 de dezembro de
181.
Foi mandado addicionar ao lempo de sprvico do
commissario renrmadS (la 2a elasse do corpo de
fa/euda da ajinada Manoel da Silva Pedrosa o em
que servio como voluntario do exercito.
Coneedeu-se a Marcolino Alves de Souza a dc-
misso do luga1- de almoxarife da 2a seccio do al-
moxarifado do arsenal de marinha da Balda, como
pedir.
Por ttulos do 18 do crrante foram noincados:
0 platicante da thesouraria da provincia do Es-
pirito-Santo Oc'orieo Jos Molulo, para o lugar do
amanuense da secretaria da mesnia.thesouraria.
Felisberto d< Silva Dias, para o lugar de agente
da mesa de re idas genes de S. Jorio"da Barra, na
provincia do Rio de Janeiro.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Falleceu aute-hoatera, pelas 5 horas da manlia,
sepnltoa-se nesse mesmo dia no cenuterio de s.
Fiancisco Xavier, o desenibargador da relaco da
efirte Francisco Joaquim Gomes Ribeiro.
Era corameadador da ordem de Cbristo e lidal-
go cavaileiro da casa imperial, e foi deputado
issembla geral pela provincia do Ciar.
Bie exeicicio dasfuncedes de magistrado foi sem-
prc respeitadu pelo seu carcter integro.
28
Un violeuto incendio, de (|uc ainda se ignora a
eju.sa, devorou houtein em pouco lempo dous ar-
uiazeus da alfandega desta corte e a maior parte
las mercadorias que cinti.bani.
O logo manifestou-sp ila <6 para as 7 boraa Ja
uiauba no armazem u. 10 elieio de fazendas fran-
'ozas, e passou deste pai-a o u. 11, arrucadaco de
wraos gneros.
As torres dtram immediatauento signa!, a |>o-
liua^aO das nas couunerciaes agglonierou-sc logo
'ni roda do edificio, as bombas e piquetes foram
hegando. bem romo algims empiegados darep;or-
licau, mas infeliEraenle todos estes soccorros cin-
-ioryarain-sc por muito tempe impotentes antt a
hesitaeao que houve em arrumbar as portas, para
^ue a franca entrada os trname elDcazes. Nin-
,'iie;n quera tomar a respuiisabilidadu do acto;
(jarixe que o porteiro da alfandega e um oulro
*JavenJario morara louge, e entendia-se que sem
o eraprrgo das chaves ao era lcito penetrar no
recinto em que o fugo ia surdainente lavrando, e
.uneacava reduzir a cinzas o grande deposito do
';ummewiu, uo valor de aiguns milhares de ontos
'le ris!
Mas a impaciencia que os mais uteressados <-<>
iimcavain a manifeslai-, as reetamacSes que pr-
itan de todos os lados foram por (lm atlendidns;
irrombou-se um tapuine de madeira do lado da
praia dos Mineiros, e por ahi entrn o Sr. capitao
lo porto com una bomba < a raestranca do arse-
n:U de marinha; a porta frontera ao dccco .los
fdvius foi tambem aberta a machado por ordem
do Sr. Coba; fraaquearam-se do mesmo modo a
jMrta,de sabida esquerda da principal, a da e.li-
^ e todas as internas, porque as chaves s larde
m utuito tarde apparecenm.
l'uuccionaram eutao regularmente as bombas
dos diversos puntos, eflic uiuonte coadjuvadas le-
as das estacos portugutza, iagieza, franceza o al-
leuiaa, cujos offleiaes e nariahnirog se portar un
Atoi a maior galliardia, o conseguio-se dominar o
in&mdio, que nao passou dos dous referidos ar-
uiazens. urna hora da tarde tinto eesaado fctdo
o receio do que o logo se estentendesse a outros
lugares do edificio e s casas contiguas.
Muitos cidados nacionaes e eslrangeiros, espe-
ialmente do corpo do commercio, prcslaram nle-
S. M. o Imperador, acompanhado dos seus sema-
Barios c do Sr. ministro da guerra, assistio hontem
as 8 horas da manlia. no arsenal demarraba, ao
embarque de cerca de 300 [iracas, para bordo do
transporte Is reunir-se ao nosso exercito om operapoes no Para-
guay. "
Sua Magestade. depois de [vrcorrer aqaelle trans-
porte, visitn is oflielnas de machinas do referido
arsenal, retirardo-se as 11 horas.
Por portara de 29 do corrente foi nomeado Ma-
nuel Jos de ni veira Calta Preta para o lugar de fiel
do pagador da pagadoria das Hopas da corte; e por
outra portara de igual data fui exonerado, a seu
pedido, o teen e reforinado do exercito Vicente Fer-
reira Lima do lugar de ajudante de ordens da
presidencia da trovincia das tagdas.
I. de Janeiro de 1869.
S. M. o Imperador, acompanhado de seus seniana-
rio. pmbarcoii hontem. no arsenal ile guerra, na
galeota Impedid a vapore visitou a corveta allemaa
JfecfNZffjOndefni reeebidu comas salva's deestvlo.
Km seguida Sua Magestade foi tamlieio visiUiros
depsitos da m a de Santa Barbara, o voltando des-
cmbarcoii s 2 horas, no arsenal de marinha.
Eulrou hontem o vapor de reboque Gamo, que.
como noticiamos -ha dias. tinba ido com todo o ma-
terial necessario afirade procurar salvar o cseo e
machina do transporte S. Panto, naufragado perto
de Paranagu.
Quando alii cllegou 6 vapor de reboque, j o
transporte eslava completamente perdido, e. o pouco
que as autoridades do lugar poderam salvar j ha-
via sido vendido em arromataco publica;
O ttulo de viRconde de Itaparica foi concedido
ao marechal d; campo Alexandre Gomes d'Argollo
FerrSo eout as honras de grandeza.
Por carta imperial de 30 do mez ultimo fui Bo-
rneado ertmmeudador da ordem da Rosa o Dr. Jos
Rozendo Gutierres, advocado e niembro do een-
gresso constituate da Bolivia.
Por decretos da niesma data:
Foi concedida a medalha hmuanilariaila 2' elasse
ao 2 sargento do batalho naval, peru-nceiiie au
d/'slacamento do eneouracado SiYt-odo,XaBo('l Pxlro
d'Assumpcao. por ter salvado no dia 12 de setetnbro
uJtkiio. com recoda sua propra vida, a do imperial
mariaheiro Ma hus Gomes da Silva Muuia.
Foram concedidas as Bogaiatee neusoa, que .dc-
fiendem de |provac3o do poder legislativo, por
serviros prstalos na guerra actual:
De 363 mmaes ao alferes do 33 corpo de vor
luntarios da patria Belsono Francisco de Ca-
margu.
Do ijfJO rs. d arios ao sargqnto do 3" batalhao
de infantaria Antonio de Souza Tola.
De (100 rs. diarios aos cabos de esquadra: do 4"
regjmenlo de cavallaria ligera Thiago Carnitiro
Lea, e do 3 balalhao de infantaria Jos Luciano
Francisco Con es.
De 400 rs. diarios aos soldados:
RECfFR, 11 DR JANEIRO DIC 1869.
' NOTICIAS DO SIX DO IMPERIO."
Chegou sablwdoo vapor Cruzeiro doSul. trazen-
do dalas da corte at 2, da Babia at (i e de Ala-
goasal8do corrente.
Arad t o vapor Cruseho do Sul foi portador de
noticia importantes da guerra, como verao os lei-
tore? i'o seguinte bolelni do Jvrnai lo Commtnm
da coi te. t do trecho d'uma carta de pcssa alta-
meuli collocada. tudo ultima hora (12 do cor-
rente s 3 horas da tarde).
A' lodo o momento se esperava na curte a cha-
gada lo transporte -S. Jos, portador das particula-
ridad 9 des novo feto d'armas dos exerclos al-
ijados.
Eis o ItoMim do Jornal ih> Coinnurdo :
X > dia 21 os alliados atacaram as posieiles
avanc idas de Angostura. Tomaram-se cerca de
3,000 canecas de gado.
I.opez reeoncentrou-so ; o fogo durou at as f>
horas da tarde, havendo niuila mortandade. Lpez
tiiii milita artilharia.
t Recomecou o fogo de artilharia s 9 da noite.
soguiulo sem parar at o dia 22.
Contina o fugo da esquadra contra Angostu-
ra. ')s Paraguayos apresentam-se em Corumba-
taly.
Os fogos estiveram vivissimos at as II.
Diz-sp ((iie Angostura foi tomada, e que L-
pez escapou durante a noite coinOO horneas.
Julga-se que vai estabeleeer-sc em outros re-
dm'ios imniedatiis.
As forras argentinas estao passando o riacho
Pe 'iirussii, onde est Lo|x-z e rio ataca-lo.
Todos os outros reductos Calorara em ioder
do*alliados. Julga-sp que a i', ludo esjar cou-
0 trecho da carta diz :
Com qoaato fuja o lempo, nao lerminarei sem
di cribe que por um telegramma, trazido hoie
pi lo vapor Bimparchm, soubemos da lomada de
A igostura pelo exercito brasileiro. depois de vi-
v simo fogo. Creio que brevemente daremos gra-
e; s a Deus pela honrosa teraiinacao da guerra. 0
marquez tora prestado vlevantissimos servicos, e
p< r vezes arriscou a vida no campo de batalba.
- As noticias, chegadas anteriormente, sao as
seguintes, que transcrevemos do Jornal do Com-
m n co:
27 de dezembro.
O paquete francez Sacte, entrado do Rio
da Prata, sabio de Montevideo na madrugada
de 21 e at aquella data nao haviam chegado do
the dro da guerra noticias posteriores s que j ti-
nliMims.
A partida do ministro do estrangeiros da Repu-
blic Argentina para o Paraguay era assnmpto de
cora nentarios da imprensa, ignorando-se o fim po-
sitv desta viagem, em ijue se quera ver alguraa
relai o com a guerra. Aiguns asscvera,vain que
enln outras cousas se tralava da destituicao do
genei al Gelly y Obes do cumulando do exercito ar-
gentino por contrariar a poltica interna do novo
presi lente Sarmiento.
31
Pe i vapor nglez Ptolemy entrado hontem do Ro
da Prata recebemos folhas de Buenos-Avies at 22
e Monlevi j23 do corrente.
Ilelaliv ule ao theatro daguena refeiv-se que
no dia I" ;, guias tropas brasileiras-avancaramda
Villeta -o| re Angostura, como para reconhecer o
terreno, nu>s que encontrando toreas inimigas em
numero su.ienor tiverain de retirar com parda
aunas de aiguns homens. Accrescenta-se que no
da 19 ou 20 Angostura seria atacada pelos alija-
dos.
Xas me mas folhas encontramos as segrales
pecas oflle es:
Acauq amento em Villeta, 14 de dezembro de
18(18.I lio., e Exm. Sr. gederal.Palo boletim que
hontem lenelti V. Exc. estar bem informado de
todas os U'ovimeqtos do exercito sob o nieu com-
inaudo, e de que partimos das Palmas.
O-iuin igo jiarece que anda tentar fortuna era
outra bal? da, antes de resolver-se a abandonar a
balera da Angostura.
-Continuamos a recolhcr cresrido numero de
Paraguayos ferdos, que fiearam pelos mallos visi-
nhos do lugar do combate do dia .11, e outros se
teem apresentado voluntariamente; entre estes ai-
guns offleiaes, inclusive um ajudante de Lpez que
no da do combate foi mandado por elle observar
os moviraentos dos exerclos que se baliain.
Se nao tivesse procso deprover o ozereito de
munifdea de guerra e de bocea, teria marchado a
Lomba, onde o hiingo me espera; mas pens poder
faz-lo por estes tres dias, devida a demora ao pessi-
ino estado em que se acha o caminho do Chaco, por
onde tenho de recclier o necessto.
Resolv reunir ao exercito os tres batalhoes que
dexei cobrindn o caminho do Chaco, pelo que orfle-
nei hoje aue dous dos quatro batalhoes que ahi
deixei venhain oceupar no Chaco os lugares que
aquelles deixam; do que previno aV. Exc.
As Coreas de que dispoe Lpez sao j tao dimi-
nutas que nao receio que elle tente qualquer cou-
sapor esse lado. Segundo dizem os prisioneiios
trata elle de reun-las todas na Lomba Veleiitina,
deixando na linlia dePguisiry apenas as guarnieras
das pecas, com 200 homens de infantaria.
Remeti a V. Exc, para seu conhecracnto, a
declaraco do coronel Serrano, corainandante de
infantaria paraguaya, que s baleu nos dias 6 a
11, declaradlo que nao deixa de ser interessante.
_ As feridas dos nossos amigos Herval e Argclo
gao sao de gravidade.
m Rogo a V. Exc. o favor de mostrar ao nosso
amigo Castro esta carta, aflm de que elle liqie
prevenido do que jiretendo relativamente paite
da torca que deixei sob seu commando.
Su com toda a consideraco e estima de T.
Exc., amigo e conuianheiroMrquez de Caxias. =
A S. Exc. o Sr. general D. Juan A. Gelly y Otas,
ciimiuaadaate era chefe do exercito argentino.
Declararon dos pristoneiros paraguayos abaixo
mineados, fritos no dia 11 de dezembro de 1869.
Coronel Germano Serrano. Pergunlado sobre
sua idade, estada, naeionalidade e caigo que exe.'-
eia, ddai'ou o seguinte. 33 annos de Idade, solt i-
ro. nascido na Assumpco, coronel de infantaria, 2
ebefe das forras encarregadas de hostiQsar a mai;-
cha do exercito biasleiro. Pergunlado sobre aor-
qne no combate de 6, na ponte do Itorpr, a 2* bri-
gada foi completamente deslbita, sendo a perda en-
tre morios e flidos de 1,200homens, li rgimen11-
vallaria com 1,000 homens apprqximadamen-
tee 12 pecas guarnecidas por I85bameis.
t Que esta torca sabio do quartel-genernl de L-
pez as Bombas Valentinas no dia 5, s 10 horas,
danoute, com ordem de bater-noe na ponte delto-
rmw, combate que foi dirigido por elh.> declarante,
enliO'tPnonte-coroie deste comate
foi cham.idoao quartel-general o c mimanihmte
Caballero, e no dia segiiinte o corom 1 Rivasolae
no dia iodo corrente Serrano, entao promovido a
coronel.
Que Lopea Ihe declarou que o exercito brasi-
leiro tinba meaos de sete mil homens. e que se ha-
cia appmximado da niargem do rio cora o fim de
ter mais lacilidade para relirar-se, tendo percebi-
do que elle Lpez mandara cortar a retirada |>elo
caminho que seguir o exercito brasil'iro, de San-
to Antonio para Ipan : e queiulgava conveniente
dar um assalio ao patreio Baldovino, omlee-iava
.arampad o exercito no dia H, an que se oppoze-
ram os trps chefes nonteados. convercidos de sit
a loica brasileira superior delles.
Que entao Lpez Ihos ordenen qu; na noite de
11 se relirassem para as Lombas Valentinas, a reu-
n;-sea reato das suas forras, para alliesperarem o
ataque.
Que tem i-e ipercebido do noSsd movimento,
Caballero quiz retu'ar-se, mas Serrano oppoz-se,
roconliecondo que vista da cavallailia que apre-
sentavamus, teiiam de ser de todh o modo comple-
tamente derrotados, como de laclo ofoi'am. Decla-
rou que as ultimas forras que tem I.opez gnardan-
do-lhe o quartel-geiip-ral sao o resto do exerCtn
paraguayo, que se compoe de 10 batalhoes de 200
homens cela um, 8 regiinentos de cavallaria inclu-
sive a escolta de Lope de 300 homens. sendo os
regiinentos de IfiO homens; 12 peras de campa-
nba servida- Bor160 homens. e que toda esta for-
aamata' acampada distancia de 800 varas mais
ou menos da casa de Lpez, em acombes vantajo-
sas, porin accessiveis por diversos pontos, e sera
obstculos naluraes no caminho que lefias conduz.
Que as p isiedes de Pikisiry o Angostura nao
esti fettodin peta retaguarda, s<;ndiji a linha de
Pikisiry de 2 leguas de extensa precisamente, e
guarnecida por 109 pecas, raas ou menee, sendo
alguinasde 32/ Que a batera da Angostura tem 16
pecas de artilharia, inclusive una de 1'iO. fundida
na' Assumpeo.
Que ha'milita cscassez de mnnicoos de guerra
e abundancia de gado. Que de Villeta as Lombas
Valentinas ha 3 leguas e Angostura 2. Que L-
pez suppunha impossivel a nossa marcha pelo Cha-
co vista das dililculdades que apresentava o ter-
reno, e que quando se Ihe communicou que a ba-
vianins reali-ado, sempre esperou o ileseinbarqiio
era Villeta. c nao ran Santo Antonio, motivo pelo
qn.il abanilonou ou de.-iirezou este | onto. Que o
espirito da tropa favoravel a Lpez, pois er que
o lirasil quer e-eravisar os paraguayos e oceupar-
Ihes o territorio. Que ha 6 vaporesl oceultos on
peipienos rios, cima da Assumpeo.
Nada mais Ihe foi perguntad.
Tenente-eoronel Luiz Gonzalos. 37 annos de
idade, natural de Assumpeo, commandante da
2a brigada de infantaria qu fazia parte da forra
derrotada. Declara que as torcas qup estao com
Lpez sao ronimaniiadas por Montidl. Que os ir-
mos de Lpez, Ramos e sua mullier.lo hispo, Rcr-
ges e Alen estao encarecrados junto do quartel-
general.
Nada de importancia informa, parque diz que
ossegredos das operedes, numero de homens, etc.
s dos cheles supremos soconhecidos.
Acampamento de Villeta, 12 de dezembro de
1868.Conforme.O coronel Dias da Molto, se-
cretario geral do exercito.
De Montevideo escrevem que o general Gelly
y Obes pedir domisso do cominando do exercito
argentino no Paraguay, demisso que o governo
Ihe conceden. Horneando o general Emilio Mitre
para substituido.
Cliamauo* a attencao dos leilores para as par-
tes offleiaes o corres|indtnriadp Biienos-Av res. qup
vio publicadas no lugar coiii|ietente.
COYAZ.
= Encerraram-sp os trabalhos da nssembla pro-
vincial, no di*4 de novembro ultimo.
Fallecer na villa da Conceco, a 27 de agos-
to, o Dr. Rufino Theodoro Segurado, juiz dedireito
de Palma.
O Rvd. hispo tcncionava dosccrl ao Para pelo
Aj'aanaiia e Tomntins. para entenderjse com o Rvd.
hispo do rara acerca ae vanos assuinpios concer-
nentes sua diocesc.
Pelos mesnios rios pretenda descerran nego-
ciante de Goyaz. o Sr. Antonio da Cun la llastos. alim
de levar do Para para aquella pro-incia gneros
estrangeiii nere-sarios ao consumo] e bem assim
mecanismo aperfeicoado para a cultura da caima de
assucar.
MINAS-OKIUKS. I .
= Lemos no Notteaor ie Minas de M do pau-
sado :
Hontem. convite do Sr. Dr. Domingos de An-
drade Figueira. reuniram-sc no palacio da presi-
dencia aiguns cidados dos mais grados desta capi-
tal, cora o fim de- promovereni os meios de levantar
com promptidao torcas para preencher os claros do
exercito.
Asspiiloii-sc pin nomear noHJgagru muiiici-
paes de cidados a quera s-ja incumbida a misso
de agenciar voluntarios e angariar jorcas, promo-
vendosubscripciH's para promptilica(-las e fazeras
desfMtzas neeessarias.
A cornrnisso central desta capikal foi encarre-
gada de dirigir-se s influencias locaese s commis-
soes nomeadas. Fieou composta do Si's. senador
Manoel Teixeira de Souza (presidente]), Dr. Jerony-
ino Mximo Xogueira Peiiido, Dr. Renjaniira Rodri-
gues Pereira e capitao Raymundo Nonato da Silva
Athayde.
Entre poneos dos que se acliavain presentes
foram subscriptas as seguintes quantias. pelos Srs.:
Dr. Domingos de Andrade Figueira.... 2:000*001)
Sonador Manoel Teixeira de Souza.. J. 1:000*000
Por acto do 4 do corrente o presidente da pro-
vincia ammllou pivnsui menle as duas elei
Sara ven-adores o jotaes do paz de Nossa Sean ira
los humildes da Feira de Santa Anua, presididas
una pelo segundo juiz de paz Leopoidmo Baptist*
di olivcira. a mira palrnterteire Joo Aepomiice-.
no de Ar.iujo BaoeUar i Castro.
,-=-- l'oi adiada para 7 de abril prximo, a aber-
tura da assemalu provinctat.
= Tende sido exonerado o proinotor publico da
capital. Dr. Manuel Cael.iuo de (Hiveia Passos, foi
nomeado para o substituir o Dr. Pedro da Gesta
Aln eu. delegado da capital, que. .1 seu turno^ foi
subsliluido pelo Dr. Pedro Caetano da Costa.
(t Exm. e liviu. Sr. areebispo publieou urna
pa>ioral dispensando o jireceito da abstinencia da
carne na qaaresma do anno corrente : dando al-
gumas iiistrtterdpsi aos diocesanos sobre os sacra-
mentos da |iemk'ncia e encharistia. e pxcftfmdo
o zelo dos Rvins. paroehos i reepeJto dajiregaco
do Evaugelh e eusino da doiitrina christaa.
A |iresidenca da provincia prorogou, at 15
do corrente o prazo para o recolhimeiito das se-
dulas de panol azul e impresaao encarnada, alim
de esperar deliberarn do governo imperial a res-
ppito de trocos minaos.
Cheg.ii a da corte a corveta de guerra linkia-
na. para substituir na estacan naval a D.Jatnutrki.
Falleceram : o conego da cathedral Innu-
cencio Moreira do Rio : s Dr. Claudio Jos de Sou-
za Vrsconcellos. conereule da allandega ; e o
conunercianle Paulo Roan.
No dia 30 do passado os cofres provinciana
amortlsaram 3O:000do sou dehito para coma So-
ciedade Coininei'cio : fieando o saldo em..............
840:000*.
O Raneo da Rabia deu lira dividendo de 6200
por acata) de 200 S. no anno passado, e a poetada-
de Conimereio 3 % por accao de 100S ; e a Caixa
de economa igual quauli.i.'
O cambio regulara : sodre Londres 18 Vi d,
e sobre Pars 515 rs.
Sabio para Pernambuco, a 2, a barca ingleza
itmfew.
Fcava carga para Pernambuco o hiato
Su,ilu Cruz.
SEnGIPE.
No dia 2i do passado entrn no exercicio de
chefe de polica da provincia, o Dr.. Americo Mili-
to do Freitas Ominar--.
Foi deinittiilo o promotor publico da capital.
Dr. Gonealode Aguiar Tollos do Monozes. e nomea-
do para o suhsiiiuir o Dr. Candido Pinto Lobo.
\i.voo\s.
No da 31 do passado eiicerraram-sp os tra-
balhos da BammMea provincial.
Comeearama do passado as eleic^es para
vereadoresejaizesdepaz dos municipios de Ma-
coi, Jaragu e PMea. slrahalhos correram cal-
mos, venerado o partido conservador.
As ultimas noticias do meatro da guerra fo-
ram eiithusiasiicamente festejadas na capital; lia-
vemlo passeiatas com inusicas. foguetes e poe-
zias.
JosSiaipliciodcSEsteves...... -iwi
Fortunato Ribeiro llastos....... 200*
Com as sommas recele nossa praca.
levou esse vapor para as do nmi ules
quantias :
Parhvba .
Ceart......
Marnho. .
Aleni iles-
62:4Wihk.
37:1218460
10:409*000
i7i'W.40Wn
ova mais. <
PEENAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
ACTOS OFFICI.4ES.-Por aviso de 17 de dezem-
bro ultimo, do ministerio da agricultura, foi re-
eoinioendailo a presidencia da provincia a expedi-
cjio de suas ordens, alim de que sejain exhibidos
I*0:000-i do tbesmiro nacional para diversa* tlie-
- linaria- i\c fmula.
TRIBUNAL DOJ1'RY,-Iloje |DCPdp-se a revi-
sto da lista dos jui/es de lacio, que devem sei .ir
no corrente auno.
DAM'llC -Este vapor, da linha de Southamp-
ton, devia sabir do Rio de Janeiro para a Europa
no dia 8 s 8 horas da manlia.
PROTESTO DE LETRAS 0 escr.o d ., pio-
testos Jos Mariano est de semana, a ra de
Santo Amaro n. 20.
TAXA DE KM.Ii'v VOS.O paga ment sem mu
to desseimposto, perteneenie ao anuo finaurciro
eorrente de 186861). paaJtaa-ae neate t no prxi-
mo mez.
ARSENAL DBGEBBA^-Pui nomeado presi
dente da commissao de Ryndica&cia desse arsenal
0 Exm. brigaileiro fos Joaquim Rodrigues kollv
DECOfA I HliANA. Coioee.i boje e termina
sabbado a racepe^o desse imposto prarincial, per-
tencentp ao prmeiro semestre do auno de 1868---
6'j sem umita.
THEATRO DE SAMA ISABELResohcu S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, igie os bemli
ci., dina avante concedidos esse theatro. a
pessoas esraubas s emprezas. fiqnrm sugeilos ai
onus de 50* por muile. sendo occiipad., niunte
osalo. o de IfXli Mudo toflo o edificio.
Sao tomento sontos dama ftomwbuicao, nij
produto applii ailo aos nielboraoienios e reparo>
doedilieio. osarlislas |k'los beiieljeio.- estipl
nos seus contratos cora as empiezas, que liverOB u
theatro por conirato,e ni nnlanrlnrimontoi pies
provincia"
LOTERA.A que ee a-ha venda a02'. a
beneficio do recolliiraen'o de Iguarassd, que coi i
quinta-feira. 15 do corrente.
PASSAGK1ROS.Do vair Crvseito a Sal, en-
trado dos portos do sul:D. Maria Augusta II. Im
ge, niajor Francisco Raphae! de Mello, su."' senhn-
ra, sou lilho e nina escrava, Ifetainades do Rovo.
Dr. Vicente (Arillo Marinha e um cscravo, Pelix
W'anderley Navarro I,ios. I). Leopoldina ('. Alva-
res de Azevedo, Joaquim Gaedes Ale forado, un-
ios Jos.'. Augusto de Olivoira. lente Francisco Ig-
nacio Manee! de Lima, D. Leocadia Marta da SHva.
Dr. fos Vicente Duarte Bramlo Jos Avelino
Hrito. Manoel Rodrigues Ladea e mu esrravo, Dr
Luiz Jos Correa de S. sua sennora, sote lilhos i
26 escravos, Constantino Jos Ferreira Pinto. Felis-
berto Gomes de Argollo e um egeraro, Antonio N
Ban-os Loureiro, Manoel Luiz Coelbo, Jacinlbo Jo-
s Niiiips Leite. Joaquim marisco da Silva, W.
\V. Robilhar. Cartas Augusto Zanotti, Julio de As-
si- Carvalho, Elidi Pereira llararho. fordO Cu-
ino Pereira Lima. Manoel Jos de Lima. Marcolino
Pontea Marflm, Joaquim Soares Barnoza, Inio Ra-
poso de Souza. Francisco do Vasconcollus Mondn'
ca. Joo Teixeira Machado, Frimdsco G. Dnarte.
Jos Antonio de lliveira. Jos Maria Garca, Jo-e
Francisco Taboca, Joo Alves Rranco. Jos Antonio
d" Souza. Mavin da Cimba Lima Ribeiro e um
criado, Pedro Correa Vioira. Mam.el Jos deOlv"'-
ra. Eduardo G. Gomes de Araujo. Francisco F. da
na reiMirtico eompetente os ttulos dos agrmenso-1 Rocha V. Filho. Antonio Bczerra Montenegro, Cu-
res, de qu trata a relaco que transniittio, visto pollino Guimares Basto, Antonio Gumaies Ba--
nada constar semelhaiite respeito nessa secre- to, Francisco Joaquim Alvos Rodrigues, Francisco
taria. Gomes de Araujo Vasi-ortrellos, Dionisio Rodigues
GYMNASIO PROVINCIA!,.--0 Sr. Dr. regedor de Mello Castro, Rapbael FernandosfdaSilva Porto
desse pslabeleciiiieiito de instrueco secundaria j Antonio da Siha Maia. Luiz Carlos de SoUza Bar-
avisa, ii'um annuncio que vai no lugar competen-; Ih^3, Dr. Floriano Jos de Miranda. Folio/o .' i i -
Antonio
Di
nezes.
Francisco Jos Evaristo. Vicente Alves de Aguiar
avisa, u um annuncio que vai no Jugar competen- noza, ur. rumano jse ue.Miranua. reiicm up i
tp. que do dia 15 a 31 do correle estarn abortas tro Mascareuhas. Jos Antonio T. Pinto. Atttfl
as matrculas, na respectiva secretaria-: e que os Casado Jatoh. Dr. Francisco de Paula Salles,
alumnos internos, que sahiram para amar as le- Joan Jos Pudo Jnior. Adolpho de Souzn Mene:
Mximo Nogueira Po-
Omimendador Francisco de Pau
Santos.....
Dr. Jeronymo
nido.......
Dr. Benjamim Rodrigms Poroira... .
Dr. Dogo Luiz de A. Pereira de Vafe-
concellos ..................... .
Dr. Cantillo da Cimba Figueiredo.....
Capitao Raymundo Nonato da Silva-
Athayde........................
Dr. Francisco Leite da Costa Itelm.....
Dr. Marcal Jos dos Santos.........'.
Capito'Valerauo Manso Ribeiro de
Carvalho.....................[.
Dr. Qnintiliano Jos da Silva................
Commendador Joo Raptista Teixeira
Souza........................J.
10004000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000 000
1*00*980
500*000
500*000
500*000
400*000
200*000
S. PAULO.
= Por portara de 8 do passado riiaudra o pre-
sidente da provincia suspender cinco vereadores da
cmara municipal de Paranagu, por nao haverem
cumprido ordens de S. Exc. acerca d^ expedicao de
diplomas a juizes de paz eleitos na jeleico de se-
tembro.
= L-se no Commercio do Paran :
' O Sr. Dr. M. S. File, um dos mis importamos
colaboradores da empieza Paran Manttfurtnring
Compaiuj, establecida na villa de Mprrctes, retira-
se para os Estados-Fidos no prximo paquete in-
glez.
Segundo o que nos disse o dito Sr., o seu prin-
cipal fim o de ver se consegue introduzr all o
consumo da borra malte, para o que leva diversas
classps como amostras, afim de ver qual deltas sera
mata aceita.
jJSvcmos occaiao de observa-l:.s, e acredita-
mos, vista do fabrico que empregou o itelligente
|ue saiuram para
ras em casa de BOU familias, devero recolher-si
ao estabelecmenlo ate -2 de fi.vereiro prximo.
TELKGRAPiKlS- A potar do proverbial des-
cuido com que o governo geral tem continuamente
tratado dos interesses de Pernambuco, ainda dos
mais vtaos, vamos lembrar ao Sr. Lopes Anjo, ac-
tualmente encarregado de inspeccionar o nosso
correio, para que lembreao governo, duas medidas
me sao de muita vanlaeem tiara o nosso commer-
cio, e que ponom e im era concorrer de alginua
forma para memorar o servieo de despacho das
malas dos vapores estrangeiros. cuja demora neste
porio de t 6 horas apenas.
lodos gatera que entre a ebegada e a partida dos
vapores transatlnticos, quer para u sul do impe-
rio, quer para a Europa, quer ainda pan a Ame-
rica do Norte, medeta tao curto espato de tempo
que o commercio mal pode fechar a sua corres-
pondencia o deposita-la no correio. D'ahi provni-
ibe necesariamente sertas atropellos e nao meno-
res laeunas e quic prejuizos. D'ahi deduz-se
igualmente a necessdade deaugmentar-se a esta-
dia daquelles vapores no porto ou antecipar-se a
noticia da sua a|)proxiinaco da barra.
Em ipianto aquella se nao pode obter. justo,
necessario que se procure dotar o commercio desta
provincia, que tanto recurso foniece ao oreamento
do imperio, com o segundo melhoraniento, que f-
cilmente se pode conseguir, estabolcrendo postos
telegranbicos avancados ao sul e ao norte da cilia-
do do Recito; os qaes, em inmediata correspon-
dencia com o correio, Ihe transmitan! a noticia da
approxrniaeo dos vapores e dos outros navios que
demandaron a nossa barra.
Para isso eremos poder affirmar que nm telegra-
pho, de galhardetes bem combinados, assontado no
lugar do Monte de Olinda, ponto assaz visivel da
nossa torre telegraphica,ser sulllciente para o lado
norte; em quanto que ao sul um apparelho ti'legra-
pbco elctrico, assente na iwnta do cabo de Santo
Agostinbo, e commiraicandn por lio elctrico com a
linha tplegraphira da estrada.de ferro do S. Fran-
cisco e da estaco terminal desta as Cinco-Pontas
com o correio,' dara noticia dos navios que de-
maiidassem a barra por aquello lado.
A pequea distancia (pie flea Olinda do Reeife.
a eminencia do ponto que lembramos, o o son
Francisco de Muraos Sarniento, Francisco L(i radio
Lessa. Joo da Rocha B. Cavaleanti, Dr. Joo Fran-
cisco l'aes Rarroto e um criado. GuiHtermc Rap-
tista dos Santos, Henry C. Adams, Osear Arthu
(wl, Antonio (liberto), Francisco da Costa, urna
ox-praca da armada, l ditas do exercilo. senil..
um sentenciado.
Sequera para o norte : Capitao Jovino de Alen-
car c Sitra, Amonio Jo;nnini do (uirmo N'tseu. Jo-i
Mana Loitaoda (ainha, l'iiibehna do Valle. Manuel
Casianeyn. I). Rosara Maria Brandar e faraili;
Antonio Olimpio Paes e sua fanlia. una escr
a entregar, trinta : seis esnavas.
(BROMCA JUDICIARI\.
ritiiti \%i. do conmute io
AtrTA DA SKSSAO ADMINISTRATIVA DE 7 DK
JANEIRO DE 1869.
pnEsinENCi.v no kxm. su. oeskmhmic.uxiii ansi.i. j><
nunonee mbtti
s dez horas da manlia, reunidos os Sis. depu
lados Rosa, Rasto p Miranda Leal, fallando com
causa o Sr. deputado bario de Cruaugy. e presen-
to o Sr. desembargador fiscal, o Exm Sr presi-
dente ahriu a sessao.
Foi lida e approvada a acta da ultima sessao di
anno prximo pretrito. Prestaram Juramento os
Srs. deputados nlliniamente n-eletos Basto e .Mi-
randa Leal.
expepikxte :
Officio do presidente e secretario da jimia (fc
corretores, lirniadode i do coi rente, anrccntamlo
o bulotini i"ammeial da seinana prxima liud.'
Ao archivo.
Idon idoin. daladu de 't do corrente. commuui-
rnndo flcar em|>ossada a nova junta, e envi.uiii >
copia da respectiva acta, sendo os eleitos Francisco
fos Silveira presidente- -Francisco de Miranda
I. m! Se ve. secretario.Podro Jos Finio, thesou
roiroGoncalo Jos Alfonso e Augusto Pinto de
Lomos, ajudantes ; assim con,o dous mappas d -
procos das transarofx's elTectuadas |ielos eerretii-
res,"durante o anno'prximo passado --- locusc-si
Comparecen Manoel Jos de Souza, como pro-
curador bastante de Jos Joaquim Tavares da Cos-
avanco pelo mar, sao outras tantas condicoes que, t;l corretor geral ltimamente nomeado para a
facilitando a correspondencia dos signaos com o I nrara ,j,. Macei. e prestar o juramento do estvlo.
nosso telegrapho, garantem nao so a eflcacia do | a'os Srs. deputados foram distribuidos os leguin-
raeio proposto, para a consecufo do lira desejalo. tes livrns :Diario o (>ipiador de Bonrgard A Fa-
ganisacSo da dita torca, fim a que se destina va. e
que ordena liana receido de Lpez, declarou que
se componnade quatro brigadas de infantaria ns.
Do l- regiment de cavaflaria .geira, MarcelIIno f, i, fejf, eada tima de ffttro batalhoes de dti-
Rodngues dos Santos. zentot e Untos homens cada balalhao, observando
Sr. Santiago James Rraz, que, por ronco que este
genero possa ser consumido nos Estados-Unidos,
concorrer muito para desenvolver este ramo at
agora limitado ao consumo Jas repblicas do Prata
e Chile.
= Lemos ainda no Diario:
Constando ao Io supnlpnte do delegado da ei-
dade da Constituico, Senastio Jos. Lopes Rodri-
gues, que no harrb de Agua-Branca, distante legua
e meia datroella cidade, exista um quilombo, diri-
gio-se no ma 16 do corrente a referida autoridade ao
lugar indicado, acompanhada de ofll( ial dt juslica
do urna escolta composta de guardas nacionaes e
polieiaes, e prccademfo s neeessarias diligencias,
descobrio um arranchamento compesto de quatro
casinlias do palha, em urna roca con plantaco o
mimo, ceblas, pfp., qnp pram oceupadas por qua-
tro individuos de cor preta, dos qnaeii foram p
tres, conseguindo evaajr-se um.
Dos tres presos um o escravo \entura, crimi-
noso do morte e condomnado a gales perpetuas, que
com outros evadio-se da cadcia de Campia em
outubro do corrente anno, o dous si escravos f-
gidos de D. Rachel 1'mbelina de Carrargo.
Esees calhamboles vviam de ro bos que com-
mpttain as fazendas prximas, send) encontrados
cm seu poder diversos ohjectos, como sejam roupa,
plvora, machado, fouees, etc. etc.
O Dr. chefe de" polica,- a quem loi participado
o resultado dessa imporianto dHigeccia, lonvou o
procediniento daquella enrgica autoi idade.
como tambem a presteza das eommunicacoes.
A' excepcao da primeira, verilicando-se as mais
condicfies era o cabo de Santo Agostinbo, sem
duvida, esse o ponto qtie melhor se presta esse
inster. sobrettido pela lacilidade da coramunicaeao
das noticias, |vor meio da electricidade, aprovei-
tando-se a linha telegraphica da estrada de foro.
Como se pode fcilmente cmprchender e verifi-
car, pequea ser despeza lo estabelccimento
desse duplo posto avaneado do telegrapho e dimi-
nutos os gastos de costlo p conservaco.: ao passo
que d'ahi dovom sem duvida provir inutos benefi-
cios ao commercio, e provavelmente, accrescimo
de renda ao correio.
Estas eoiisideracoes so nos apresentando ao es-
pirito, fazemos un appjllo ao governo por inter-
nipilio do agente da adininistraco central dos cor-
reos da corte, que aqui so acha. cortos de imo
gasas consideraedes cuegarao destino, e ahi, s Mi-
do pesadas devidamente. sero estudadas as vanta-
gens d9 melhoramentn. e adoptada a lembranca.
Em todo caso de rrer que se nao deixar dor-
mir por mais tempo o anjo bom que deve volar
polo sprvipo do nosso correio, que de tantos nie-
Ihoramentos necessita
ORDEM DE PEDRO LS.Exc. o Sr. maiqupz
de Caxias, general em chefe do exercito brasileiro
no Paraguay, o segundo cidado do Imperio que
no actual reinado tem' recebido a dstineco dessa
ordem, sendo oprmeiio o marquez de Barhactna.
segundo nos informara. Ae.eresce, porm. que este
s teve o grao de cavaileiro, no cntauto que
aqucile receben a graa-ci uz. que al agora s foi
dada principes remantes, o que s actualmente
possuda, no Brasil, por S. Exc. o pelos principes
duque de Saxo c conde d'Eu.
GUERRA DO PARAGUAY.Sob o titulo do
Rfsposta ttum artigo da Hevtitn dos Dous Mm dos
sobre aunen-a do Hn,xil ?. do Paraguay .|ubU-
cou no Rto de Janeiro o Exm. Sr. Cruz Lima, ex-
ciicarregadn de negocios do Brasil em lmwtovtoo,
um opsculo em francez, em que dtfende o ejer-
cito brasileiro e seus .eneraes, e assim larnten o
Sno do Rrasil. d;is aecusaertes que o artifmlsta
a Revista aprouve fazer, proposito da guerra do i
Paraguay. Recebemos um tornero e agradecemos
a obsequiosa attencao.
DINHEIROO vapor Cruzeiro do Sul troe|especial do commercio.
liadem idom de Vasconcellos A Mattadem
idflto de Lima Silva A C.
Foram assignailos para sorem expedidos us te-
guintes offlcios:
Pelo Exm. Sr. presidente I ao Exm. Sr. minis-
tro dos negocios da agricultura, commercio i
obras publicas, e pelo Sr. secretario 6. 2 ao secre-
tario do tribunal do commercio de Marnho. l
ao da capital do imperio, I ao da Babia. I ao cou-
selheiro inspector da thesouraria da fazenda p I
ao conservador do commercio da Panbyba
Assignou-se a carta patente do corretor Jst-
Joaquim Gonoalves da Costa.
O livro da corres|">ndencia ufficiai foi \istn e
achou-se repulannentc escriplunuln. tendo a nu-
inei-aco, ipie prinripiou uo corrente auno, attin-
gido at hoje ao n. 6.
0 Sr. Dr. ofllcial-maior enoaminhnu a pn-seMS
do tribunal os seguintes mappas, que haviam sido
entregues na secretaria :Trapiche Angelo, arma-
zem alfandogado do caes do A]tnllo n. 61.dem
da roa do Apollo n. M,Idom da roa da Madrtr-
de Deus n. 4,Trapiche da ra do Brum n. 1 o
caes do Apollo n. 43 pertencentes ao banio do Li-
vramento, todos relativos ao I." semestre de IK6S
a 1869,o armazens da Gompmmta Poiiiamhuca-
na, viudo assignado ]Kir Joo Raptista do :astn.
Silva JniorQue fbssera aquellos a secretaria
para serom conferidos com os anteriores, t e-i.
se devolvesse para vir assignado jwr pessa rom-
ptenle.
O mesmo Sr. Dr. oflUcial-maior aprowtou ao
tribunal, totkto-fls recebido por intormwlio de
pectivo secretario, dous mappas demonstrnliv.i-
dos procos dos gneros exportados e vendltaw pe-
los corretores e das transace^tos eamfetaea, dascon-
tos de letras o acodes de eompanhias nsMsat
durante o anno de 1868; ooHpdos pela junta
corretores desta praca e que sio que foram
meiioionados no offlcio de 4 do correnteAi
ve-se.
O Exm. Sr. presidente fez entrega ao sobri-dito
Sr. I ir oftleial-mainr dos autos di o >l>
seMenca entre partes :Enequentos os herdriro*
de D. Constantina tariutba da Motta e outros, exo-
ontado o coronel Manoel Jos da Costa embargan-
te D. Maria Fenmu do Reg, Wno com -
o aggravo nofles iiiterpoHto peranta o jtafco-
para a nossa praca as seguintes sommas, pan os
Irmaoe............ 78r04
Pinto Barbosa A C......V 9:0)f
Augusto F. de Ol veira A C...... 4:470*
Jos da ConceicoO. Figueiredo. .1J
JoSo dos Santos Vieir........ *HM
Josoph Blum............ *#
Manoel Pinto Moreira c C....... !K04
Carvalho & Nogueira......... 310*
Presentes os livros de regwtredo* psotesio
letras, verilicou de sor de n. tCTt o ultime
testo raTrado peto eeerifiio Atauqooraoe om data
de 3 do corrente, e de n. IdS om a M zt-
rombro prximo fiado 9 que o lora peta oscr
Alves de Brito, que entrara de semana.
Mtsracnos.
Reqnerimonto de Jos Fernandos lima Joaquim
franetaoo da Sih-a Jnior o Martanho iapca
Res, pediado o registro de um contrato social que-
'

ILEGiVEL
\
1=3


L
Diario de Pernambuco Segunda fera Jl de Janeiro de 1069.
3
A
ii suli a ratao de -Lima, Silva & C.
Ma ao Sr. dosomiinrgaoior Uval ,. ^
Dito c Kigueird 4 C, geni de sen caixeiro llngoliio Machado da Cimba.Co-
reqaerciu.
Dito do Antonio llonies da Costa Laite e Joa-
nuim Manoel Lopes da Silva deni diMletrato
al ai' Leite & Silva.Visia ao Sr. desouiburga-
dor ftsoal.
Dito de Antonio Jos da Costa e Silva. I.uiz Jos
da C isla f Silva Antonio Moroira de Mendon-
:n de sea contrato de soeiedade sob a fir-
ma de -Cusa. Iiino A CVista aoSr. deaenv
bargador Iseal.
Dito de (francisco Dominaos RIbeiro, comner-
jtahelefidn a ra do lvramento n. 23,
i ii,. meacio da a rai.\''iro Antonio Kerrei-
. i d. l'iiva. Junte piocuracju o que assignou a
,)plir roiiipetoiitojneiWe reeonliccida a tir-
ina lo (jiic assignou a nomeaeo.
Dito de Jos-1 Mana Seye, pedindo o lugar de
irakador do rouimere >Vista ao Sr. dcscuibar-
. i !.ir (sea!.
Com inl'nrmaoao do Sr. despmbargador fiscal:
De Maia A- 'espirito Santo, carta de registro
o navio l'W'/'''\--Saiisfa(;am o parecer
lio 1'i:wm-o de Olheira Franco e Jos Victori-
no de Souza -, contrato de sociedade.Regs-
'i'e-SO.
De Alvaro Paulo Noblato, pedindo o lugar de
viliad'ir di jniao do comineri-io.(Adiado).'
Dada a lior.i (11 e m do diai. p na bavendo
a despachar, o Exiu. Sr. presidente eneerrou
i sessio.
COMMERCIO.
BANCO MAUA & C.
Ilua do Trapiche n. 34.
Desconta leltras CJimniMciaesa taxa con-
tiioioial. Recebe dinheiro, a premio con-
aciortai, | ir leltras c en eonta corrente.
Confere (rditos saca sobre as priateinaa
i].ic,t> iln impri-io. Rio da Prala e Euro-
6 cmiipra eamhiv< so'hv as BMMHM
nacas.
KinaiiCa-se, por eommisso, da com-
pra e vriula de fondos pblicos eaccoes de
eompanhias, da oobranra de leltras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
ijuer mitra operacito bateara.
O expediente .para o publico comecnr
> 10 horas da manha, e terminar s 4
horas da -tarde de todos os dias uleis.
ENGLISH BANK .
Ol Rio de Janeiro Limited
Descanta lettras da praca taxa a con-
M'iicionar.
Recebe dinheiro em corita corrente e a
jiazo 6X0.
Saca vista ou praso sobre as cidades
priocipaes da Europa, tem agencias na Ba-
ha, Baenos-Ayres, Montevideo. New-York
e New-Orleans, e imitlc carias de crebito,
ra os meamos Ufares.
Largo do IVlourinho n. 7
sob pena sitas ui que Ibes hipie compelindo
allegar coi tra os eieitos desta venda.
Annazeni n. 10.
Um sao, marca T. V. P. C. sem nu-
mero com simente de algodao viudo de New-
York no p; tacho nacional Jaboato, entrado
em 26 de marco de 18G7 consignado a H.
Forster o< C.
Urna cai va marca T. C. sem numero com
graxa, viudas de New-York noliiate ameri-
cano T/V/eitradoem 18 de outubro do dito
anno Tb.'odorio Christianseni.
25 caixas marca.
(8) sem numero com drogas, viudas de
New-York no patacho americano Fridonia,
entrado en; 3 de marco de 18G8 a T. Just.
6 caixas marca J. P. S. nmeros 2a a
28 com vin io viudos de Hamburgo na escu-
na Dmmotqueza I). A. N. entrada em 9
de maio do dito anuo de 68, J. A. Pinto
Serodio.
.." 33 caixas marca.
(X) sem nmero com drogas viudas de
New-York no patacho americano Triol en-
trado em lo do dito mez eanno a A. M.
Lae.
3 voluntes letreiro. J. B. Brouues, sem
numero ah objectos de seuhora viudos
de Liverpool na barca Iugleza Hermiode,
entrado em 3! de agosto do dito anuo
T.'B. Brom es.
Alfaudegt de Pernambuco 8 de Janeiro
de 18G9.Jos Mauricio Ferreira Pereira
de Burros
Gorrera bilnnuieo. ivruambuco. il de
Janeiro dfl iMli.
Py order of H<* Magwtys Post OflleP
agei.
James Nogl-Elleot.
Clerk to I el Office. _
Cuiil Pela mes'n iloconsiilafto jffOM*H'ia! se faz publi-
co que os 30 di as uteis marcados paya a fobranca
a bocea do cofre do imposto da dcima urbana, e
de 5 0/0 sobre a renda dos beqs de rail porten-
eente corporacoes de mito marta, ciirrespoiidenti'
ao Io sctnoslre (lo anuo financeiiM de Jb a 1869.
Ondam-se no' dia 16 do e Wnfc me/., e que licam
sujeitus a mulla de 6 0 o toda- aquelles dbitos
que foreni pagos depois defindos os ditos ;kl das.
Mesa do consulado provincial de Pernambiieo !
de Janeiro de lWid.
Antonio Carneiro mellado Ros
Adniinislrador.
AVISOS MARTIMOS.
Companhia americmia e hrasilei-
ra de paquetes a \apor.
At o dia 15 do correnle esperado de New-
York por S. Thonii/. e Para o vapor americano
MissUsipe, o qnal depois da dein-ira do costnme
seguir para osportos do sul, para frotes <* passa-
gens trata-se coni os agentes llenry Forster & C.,
ra do Trapiche n.8.
"C0MPAM1IA PERAMHL'CANA
ALFAXDEGA.
H-ndimenlo do dia 1 a 8 .
i do dia 9......
200:6840898
fi(>:61842i0
270:2731118
Mi.YiMCVrO DA ALFAXDEGA.
;' liiii!.'- entrados com fafceadas
ld.'in idea com generes
Yolumes sabidos com fazendas
dem idetn com gneros
136
478
------ 614
144
:;jg
480
De i-anegam boje 11 de Janeiro.
Vor ingiez iMiiiwftiw "ineiT mm ln.
'a lo iioite-alleinaoJ((i^^:ideiii.
Bsnna noTtji-allemao=Cwt=idain.
tai a ingle/a -Wof the TrianIerro.
lingleza H'. afilie Wqvecarvao.
l-Uttr inglez Caentq/tfM^vtrioa gneros.
" ho n a:, -alir'inVi lii'ini'intr charque.
Bata inglez*Jfer >bacalhle.
.".ii.'iho ingle -Jtosfswel i Brine ioglex- Eleonor -ntercadorias.
K-eiun .i rlugnezaAgtiHa vaios gneros.
Pataca nacional -Juboalo dem.
RKIXMDORIA l>!. RENDAS INTERNAS GE-
| vi;s DE PERNAMBUCO.
Midimiiibi do dia 1 a 8 71WW05
: l dia 9...... K7:H9
8-.44a.a824
i..tSM-|.ADO PROVINCIAL.
iyientod.dialaS 12:3444294
U dodiaf....... 10:071*623
'
0 Illm. Sr. director da Escola Normal
manda faze publico, que do dia id do bar-
rete em dianle se acliam abertas as ma-
triculas do curso normal; devendo os que
nelle se qui^erein matricular, comparecer na
respectiva secretaria babilidados na forma
da lei.
Secretaria da Escola Nonnal 11 de Ja-
neiro de 1868.
O secretario,
M. Lopes Machado.
DECLARACOES.
di:
Vivegaeii oseira por vapor.
Goianna.
O vapor Mnmnvfi'Mfie, coiinnan-
dante Mello, seguir para O porte ci-
ma no dia 16 do correte as 9 horas
da noite. Rerel t> car^a. passageiros, pnconmien-
dase dinheiro afrete no escriplorio di i Forte do
Mattos n. 12.________; ________________
Ki itirantle do Sul
Para "o referido porto sahir infallivelmente t<-
o dia 27 dororrenle a barca portttgneaa Arwiii ln.
recebe aly.nna carga a Tirte para u que pode tra-
tar-se eoni o sen consignatario David Ferreira
Rallar, ra do Rn.ni n. 92.
ParaXsboa
Ol-igulplilu^Ue Lciu f, capitn Vicha, \ai
saliir com umita breviadr, jwr ter a uiaior parle
da sua carga prompta; para a me anda 1 be falta
o^aangeiros, n-ata-se com (iliveira Films & C.
1 do Corpo-Santo n. 19, ou cut o referido ca-
' pifio, najiraoa do CommeiTfo.
Para Lisboa
Setriie em poneos dias o brigucj portugutrz Com-
tnnle 1, par ter grande parte do sen earrepamento
proumto ; (tara o restante e pasjsageirns, trala-?e
com Oliveira. Fillws & C. largo do Corpo-Santo n.
I!', "u com o capito na praca do Conunercio.
Para o Rio de Janeiro
Sahir com a mxima brevidade possivel o bri-
gne nacional Trwabr, para caiga e escravos
frete. trata-se emn os consignatarios Marques.
Rairos A C., na praca do Corpo-S^nto n. 6, segun-
do andar.
Maran/io e P
Para os indicados portos prole
irevidadeo biate nacional Rosa, p
lnvviiiaiie o hiate nacional Hosa, p
I he (alta tiaUnse com Marques, I
largo do Corpo-Santo n. i. segundo
Para Lisboa
ara
ide seguir eoni
ira a carga que
&C,
lia
ITOS
andar.
Vai salr com brevidade o
Lata III. capitn Gaflo, para car^
rata-se com E. R. Rabello. na di
44, ou coni o niesmo capitn.
igue ^nrtugnez
a e passageiros
Commerrio n.
COMPAMIIA PERNAMIW (\\ \A
BE
Xavcgavo eo.tteira prtr vapor.
Parahyba, Natal, Maco,
Aracaly, Cear e Acataci't.
22:415*917
MOVIMENTO DO PORTO.
JftWtot nitrados no dia 9
.....nirlos nteriii"lins'odias, vapor
na'-iimal (.'/('c-o do Sal, de 1,11 i loneladas.
iiiiiandante J. de I'. G. Alcoforado, equipagem
cri. carga diiTer.nies gneros: a Antonio Lufi de
Olive r.i A/ev.'ilo & R.
i' toneladas, cwm Ve-ki. equipagem 13, caita
differentes genero: a Tissel Frore.
Sakidos no mamo dia.
isdo nortevapor nacional Crnzeiroio Sul.
commandante Alcoforad i, caraa differentes ge-
neros.
PhHadelphia -barca ingleza mprador, ripiti)
Be ald. earga assucar.
Obxenanio.
Suspandeii do lamario para Rabian brigne hes-
a'iol /aria liosa, capilio Bertrn, com a mes-
> i carga que trouxea de Barcelona.
i. _!
LlTAES.
ti inspector d'alfendsga faz publico,' que
i li indo-se a- mercadorias coudas nos vo-
is afiaivo nu'neioiadis. tiocaso.de &-
i-em atreti atailas |a-a coiisumo nos termos
io cap. (i. til. :t. lo ivg. de t) de setem-
brode lWO,oseujdoao.= po coitsifrnatarioE
leve-a:) (l'spac.ha-las ni praso de 30dias,
= Pela recebedoria de rendas internas genes
se faz publico que ueste mez c no de fevereiro
prximo futun. que os contribuinles da laxa dos
escravos do ejercicio corrente de 1868-69, quer
moradores na> freguezias da cidade. quer as de
fra. teem de paga-la. livre da mulla de 6 0/0, 6
com ella de marco em diante.
Recebedoria de Pernambuco 8 de Janeiro de
1869.
0 administrador,
Ma iocI Carneiro de Souza Lcenla.
Mee-consulado do Per.
0 abaixo assignadu viep-eonsnl da repblica do
Per, tendo dt remeller a junta debeneliceneia de
l.iina. o produ lo da subscripco abcrla a bcneli-
ceneiados prejudicados com o's ltimos terremotos
que destrturar i diversas cidades e povoacies da-
ipielle paiz. deixando milhares de pessoas oilrora
abastadas, red i/.ida< ao maior grao de mendicida-
de; avisa a lodos os babilanles desla cidade que
queirain concorrer para um lim tao caridoso, iiue
no vice-consnlado esta aberta a respectiva subs-
cripcio.
Jos Jacome Tasto.
Viec-congul._______
Santa rasa da misericordia do
Rccifv
Pela secrtMai ia da santa casa de misericordia de
Rccife se faz publico, que no dia 18 do corrente
.ne?, pelas 9 Ih ras da manha, no s;ilo da casa
dos expostos, o Illm. Sr. tenente-coronel Justino,
Pereira de Farias, thesoureiro interino da me ina
santa casa, far* o pagamento do quartel vencido
no ultimo de uYzcmbrn prximo lindo s amas en-
carregadas da eriaeao dos expostos, que llies fo-
rana confiadas ; convfndo. p)r nao sot n-alis do o pagamento senao com a apre-
sentacao das crraneas.
Secretaria da sanU casa de misericordia do Re-
cite 7 de jaiiein de 18(59.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Sania Casa da Misericordia do
Rccife
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia de
Recife, sao convidados, de orden da junta admi-
nistrativa da m 'sma Sania Casa, os prenles das '
orpbaas eni sepuida declaradas, para que venham j
reipierer a pre idencia a sua retirada daquelle es-
tabelecimento, visto j terem completado a sua
edneacao.
Emilia Pereira, filha de Mara Hcnriquela de
Castro.
Alexandrina Soarcs, sobrinha de Joaquim Alves
Nunes.
Secretaria da Sania Casa de Misericordia do le-
le. 4 de dexembro de 1868.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Notice i> liereby giren that the Rule
fiying the stoppage at this Port of the Hoyal
m'ail Company Steamers, has been moditied
so tliat the Paeketsare pnb/required to stay
Siy () honre of daylight istead ef tevelve
(42) hotirs, and, should they come te anc-
hor ol the Port as late as 2 1. m they may
procced on their Voyage the same eveniug
provjdod ie nads, passengers ele havlan-
ded and embitrkd.
Brilish Paekot Offiee Pernambuco Janua-
rv II. 18fifi.
' Ry order of 11. Ms. Post Office agent.
James Noel-Elleot
(leik lo the l'aeket Offiee.
Par-I cipo que o regulantenlo da demo-
ra dos vapores da Real Ccmpaiihia de s iu-
thamptou ueste porto, foi modificada de
forma quede agora em dirnte, os \apures
se demoraro 6 horas do dia em lugar de
l botas, e Je por acaso elles fuinleavem
|o Lamaral a- horas da tarde par ruina
inesma tarde, se nao hovw inconveniente
m embarcar o desembarcar as malas, pas-
sageiros, etc.
0 \apor l'iinpama
Torres, seguir para oj-
_ no dia 15 do corrente
tarde. Recebe carga ati-o dia 14
tarde, enconimendaj. pusageires
frete at as 2 limas da larde do di:
escriptori do Forte do Saltos 1-
Mossor.
fommaiHlante
Ortos cima
as 5 toras da
as 3 hora-; di
e diuhnirn a
ila sabida un
Par
Segjie com brevidade o brL'ue-esmina Aurelio II,
eapitauJos Maria Ferreira. tem meia carga enga-
jada, e para o resto trata-; com consignatario
Joan Francisco da Silva Novaea, ra do Vigario
n. 11.
mmm brasileira
DE
Paquetes a vapor.
Dos nprtos do norte esperado;
at odia 11 do correnle o vapor
(uar. commandante Catfos (jo-
mes, o qnal depuis da demora do
rostume seguir para os pollos
do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-so a
carga que o vapor poder condnzir. a qual devora
ser embarcada to dia de sua chegada. Enciinmi.in-
das edinlieiro a frote at odia da sua sabida as 2
horas.
Nao se rerellem como encoinmendas seno ob-
jeclosde peipieno vaior e(pie nao rxcedam a dnas
arrobas di- peso ou 8 palmos cubicos.de medican.
Tudo que.passar destes limites devera ser eniliar-
cadn como carga.
Previne-seaosSrs. passageiros que suas passa-
genss se receliem na agencia rua da Oni n. 87,
e.-iriplorio de Antonio Luiz de Oliveira Aze\edo
A C.
LEiUO
Ue qualro casas terreas.
O agente Puntual vender em leilo por ordem
de nina pessoa que relira-se para o -entro da.pro-
vincia 'qualro casas terreas sitas a r ia da Amizade
ns. II. 13. l' e 17. em solo Ibreiro, tendo de fren-
te o terreno 67 palmos e de fun lo tres-ntos e
Irinta. tendo o terreno as mais apreeiaveis fruclei-
ras. expeliente aguapara beber, murado no fundo
e junto da oslarn dos trillos urbanas (de S. Jos
do Manguinlm.i
Os Sis. preteudenies poderSO oxailinar as casas
e sitio dirigindo-se para sso a casa n. 1-7. que
achantaron] qneitratar, econcorrirem ao leilo.
IIOJE.
No piimelro aixiar do sobrado n. >2, rua da
Cruz, s 11 horas.
Aluga-se
l'ma casa na poyo.icao de Apipuons. mnifo bem
situada : a tratar B ra da Cadeia do Reifff* im-
merof 53.
iii;iiiA<
Prorisa-sc de urna ama para servir do e.isa
o rua : na rua da Roda n. 30.
1)K
.Xaveisaeao
por vapor.
lio de Janeiro
Segu com broviilaile pan o porto cima o bri-
gue nacional Isabel, tetu parle do sen paaragamenr
to engajado, para o resto que Ihe falta trata-se
com os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo &';.'. rua da Cruz n. 57. primeiro andar.
H4M1]
0 ageste Pinto far leilo por coa
Liver|o"T a este porto, as 11 horas
dito no aniiazein roa da Senada V
COMPANHIA PEIIW.MIUCAM
m:
Xavejfaeo coslclra por vapor.
Macei e esialas. Penedoe Aracaj.
O vapor Parahyba, commandante quem pertenec- de Duendas avariaii
Mello, seguir para' os porlos cima no vapor kiglez Sappliiiv na Ma ultii
dia l-"i do correnle as *i horas da tarde.
Hireli.' earga at o dia 14 as 3 horas da tarde.
piicoinnieniL-is.passageiros pdinheiro afrete al as
2 horas da tarde do dia da sabida no escriplorio do
Forte do Mattos n. 1.______________
COMPANHIA PERXAJtUCA
DE
coMtelra
Pernando.
o vapor (Huiii. commandante Aze-
vedo. seguir para o porto cima no
_ dia 14 do crrente ap mrio din. Hc-
ebe carga at as :i horas da tarde do dia 13. en-
roiiimendas, passageiros e dinheiro a frote at as
Id horas do diada sabida no escriplorio do Porte
do Mattos n. 1.
".
Fazendas avariadas.
Ama.
Precisa-so do una ama. para casa de pottea tun-
ha: atraanla rua do flatimado n. (>'>.
A pessoa que annunciou precisar d'uta
socio para um annazem de mulhados en-
trando este com algum capital, dirija-se a
Rua da Roda n. 36Bie achara com queowqneteemde gmro-awo aiirante oamm.
tratar aliancando-s( iet piatkra do nesmo. Wm dir^vse kscato residencia, de
uiatilia al s !)'bofas, e larde a qmh
ot sai.'wt ilo Azovedo, professor de
liiigtm e l/Meratont nacional no Gimnasio
Provincial il*> Recife tem aberb en ana
casa, ma RVIIi, o. :J7.
Um eurso oV-
MNfilA FlANCXtAt
r.F.OC.nAPIIIA E HfSTO-
RIA.
PIULOSOfllI.'.
RETHOr.HU E POfTICA.
Os espdanles que quizereni freqtwrrtar
qnahjuertiestas avilas, tanto os que deten
la/i",- exame eni.ataree prximo, como os
e risco del
a borda do
a viagem de |
o dia cima
Iba n. 98.
.V
e S
raixas eosn phosphoros
do s;az.
'I'ira-fi'iru t de Janeiro.
O agente Pinto far cilio por pon a e risco di
amante DTR
EXEIIL VERSillllLl\li
DES DELTSC1IEN fcTCELFSVEREINS
Montan* den 18 jaoaar. llrra ih Sebo; in
de Lcale der llar ven 11. Leidm halbach l'hr Mnnd>.
Die Mitglieder werden gebeten, puenk-
tlicli ztt ersi-lieiiien.iiind eriuuert, dass An-
Iraege, vdelie auf Abaen statuten hinzielen', nindeslens s Tag w
der general versainmlung schril'tlich be
den l'iiterzeieluieleii eiii/.nievheii sind.
Der Secretaer
Olio IN.
zas de caU-
'quono
xajKir ingl
II horas d"
tOMC
inglez
ro^n
Das
, Issapftts imperiales.
Ah'o da li doeorien'e un/, espera-se da Eu-
ropa o vapor fraucez Natam, o qual depois da
demora do costume seguir para Rabia e Rio de
Janeiro.
Para condiccoes Croles o passagens tratase i\s
agencia rua dii' Crmmercio n. 0._______________
Para o Porto
A liana portugneza Amelia, de primeiramareba,
aena-se prompta para receber carga a frote- e pas-
sageiros, para o que lem exeeUeoles enmandoa :
trata-e com Rallar tHiveira A C., ruado patrio
n. 10.

Para o Porto
Pelo repouso eterno lo
fc barca oorm^-za^oro^^^^ Au^,()NtlU(1 (,,. ,m
predio> cima iiienrionado- o> quaei.se tornam
recommendaveis por seren edifiead* can chaos
os urbanos :
do dia cima
du referido agente a rua da
preprJos, partas da cidade e dos tiill
0 leilo ser eri'ri-Madn as 11 lina-
dito no escriplorio
Cruz n. 38.
iiumi iii-reuci'r de H i-aixa- marca i
11. I S. poniendo iada. urna (KI gn
libas com pbospboros do gH com p
de avaria, vindas de Livc/pool no
Supftkif*, Mlaa ser efloajuado as
dia atima dilp coa da Cadeia u. 17.
LfllftiAO
De ftiai de eaKipj edificadas em
chao piop'Sos,
ASAfflBR
l'ma iiand isa eom ifa da rt a da Vento-
ra porto do La-'i-re na Gapuugaa. t">. com sitio
inorado, eai-imlia e aivni edo-.
l'ma dita n. 37 ao brinetpiodt estrada dos
Aliti"-t!i> junio ao sitio ila xiuva il > llerculaiii'
eom sotao e sitio tamben* murado.
Orna casa assotradadn il ':> ranea (Camin'io Novo) rom quintal murado
cimba BOU agua de beber.
QiifirW-fira l-'J oV jaeiro fl.! Jl horas.
O agente Pinto far leilo por eouti o oi-dnii do
Sr. Luiz Piieeh que rellra-se para Cumpa, dos
Kspe-
e ca-
I WWitMAME
N. I Kl A DIUEI1A N. 3
Continam a achar-se venda as
M pilulaseo xarwpe alcolioliiio e etbe- jj
M uro de veame-, conforme a formula |
do finado pliarmaceuiico Baranhds; p
aa botica de Fi-ancisco AMftnio das Ijl
h Chaga na Oireita .9; medica- p
g lentos estes asss cotectdos, e g
B proficientes a- quem soff" de rlie- H
natismo, escrolills, ervsipla, im- :i
ipier bota.
AtlK'fO
AVISOS D.VERS0S.
Prerisa-se de urna ama piara o servi-
co interno de <-,\^;[ de pouca familia : na ma
dos Acougu'uJios n. 8.
pigens, exostss ou tumores dos
w ossos, amenonhea ou falta de
^ meiistiuaiTai e menstruaco ifli- |f
i% cil- *',,:-
mmm
Arrenda-se a proprtedade dertfiminada
Barra de Senuhem no l'ttloral da freone/ia
domesmo noiae, com muitos foros iece-
b*r e minio-coqueiros a desfructar. lendo-
am. disto, a excellente e rara paf*> de
beira-mar, o beira-rio, mteiramtnte apro-
priada para roanter-se ah tpalquer es
(abelecinienU coinmerLial de eccos, e mo-
Huidos; a tratar rua do Imperathf n. 20,
ou rua%h Florentina n. 28.
SMnir/o, por ter grande parte
prompta
paran resto c passageiros, aos quaeslda o capitn de mar e guerra,
liosa de Almeida. celebrar um
prlll[lia pai.l O ll-MO <: |>u.-.--a6tii uo, a-.- |,....
iift-rece excellente- eoinmoMB, trats-se com Ol
veira. Fimos A C, largo do Corpo-Santo n. 19, ou
cow o capitn na praca do Commcrcio.____ ___
Tara o Porto
capella do arsenal de marmita, i.o dia 17 do
corrente me*, pelas oito horas da rnanha.
capitn rte
onca, m*o-
II. A. Ba|-
t inissa na
Na da S de a< 'nal rhejrn a esta praca uin i tm-
I n\ de II cavaies eom n&ui-sr ngenho Caua
-safy. dosqaaw e vxlravim oofartaram umna
ocf'asio em i|l !....... as.rwrar, na ni: da
Concordia, reWnacan a .. iy;i_'?-- Soo/.-i si n nvlln i'i|I li 'do l ~ .-i.-n.-- 'i'gmnles : :1a
sSo" tres/es cai*-.\do> de Ifaneo.caBda comprd i
frente aborta at -o beico : pnttnra-se bem a qn der dernolicia at i. daCmi n. 37. I" ani Sr
escriplorio de BaniosA remporaf.
= O Sr. Pfyssj CopMos de M 41 Ma una e i
para ser enlregtn 'pessonlim ntfl i :i rua Nova nu-
mero 55.
= Maria da Assumpra > de Lana abneida, pa-
lessora publica da I' roira e.aleira fta hVgncza^'
Santo Antonio dista cidade. taz pnbfieo a toiOBW
pais di- suas aliinn.'i>. e a QBWO BHH9 coilvier, (w
.nudou-se da rua Diieita pan a n do Rangeta.
41, segundo andar.
Aitiu'xa a K.scca !Nornial-
0 abaixo assignad (ai seinite asa pais de fa-
iiiiliaqui- do dia ISdocorreotl '.lidiante m ~ar
se-ha aberta ainaniula d
Se.ndeprniii'iiriu .'eoniis :lguio i com um sim-
iles esdarecimenta d uparte dbsnaaressados a r
ca di dado, naturalidad'- fflbu?o a residencia po-
der' ser matcioadas que veren
de 7 tloannns. Fr.i.-m o i.lijce'.i do onsioo
insn ceu moral e leitaira t r.-.-'iivl.'
gramantica portufiu -gnaimatfcal lo-
gica. .ii-iiluni'iica aii- qneb cimaes pro-
aoryies systeina aMirk*) dfeaimit, historia sagra-
da. nofSes de geamarta. Btogwailai de Maria
nnivsrVal eom esjnerialioadN iu itiasil. Rerifi-
8 de Janeiro de 18C9.
ii prolessor Vtente *R.M"i-i 'icJlo.
Ivo Antonio de Andrade Luna avisa ao pu-
blico e esperiabueMe ao pesaeitavel mrpo do
eoma>ereio. que adttftthi tara sofkt de ana casa
eoiomercial ounfioi:uma a rua do Mein n. 27, a sen
sil.indio Lui/Antonio de-Aartrade Luna, tendo
principio no dia I" do Janeiro (o I8fi!l. na miau so
cial de Ivo Antonio de .'iudrajg Luna & Sohrtnhn.
.1 -na deNiii/asi-ieiililiea iaespei-
tavel publicoecoipncntiiiiieirial t)iie a paianiptai
do Io 08 eorrehio athnil'.ai para BOSJP de MB sata-
lnl.'eiim-nlo e nlieeidn sl> o liliilii---Li\i'ai ia Em
nomka---a sen, aniigoe-txeiio oSr. JiaquinFran
ci.M-u da Med.'in.-. ij\fjuk'o mesmo atabeteei-
menU datpiella dala eas diante sob a ma Noguei
ra & Medeiros. Rectlc-8de Janeiro dMXtt".
o liaelcrel l-'r.-c-. i U Idou vaies l.iaa
Paz um mez que fugio do engenbo Canna-
vieira. fregeada Moriaris Coila, mn asONnto de
I). Tberoaa. Francisca (tos Santos Pinhein. jor
nome Vi.t.nle. crioulo, de idade :) anuos, ponco
iiiaisoii menos, .estalnrLregalar, eer preta. ou fula
poresur am ptico desoradiK muilti ladino, com
mareasiB beajgas no rosto, bastante barbado, e i..,v(in;l partieulanm-uieti ira .ida <
Spguir Pm te** a ttrnvufctrt.-. por i*- ter
Unlooseu carregai'ieiito engajado, a mili veUeiraj
barca Vencedora : para o resto c passageiirs, aos
i il aes offereee excellcntos commodos, trata-s: cen
(jkpha limaos & O., rua da Madre de Deas
n. 34.
pata
assts
a
lio
ella convida aos parales
-.-- A' rua do Momli-eo casa n. 2' precissnWpi
uin liauKiu desempedido para fetor ue sitio, |s-
sim como de una ama para engonuSado : a irn-
iar na mesnia.
nequmas as baritas, isas cosas urna ciralnz le Lateo do Tetcon. 33;eaki.BQ6 sai pivruraihi P'-'"
sipoaitisntiispara ur.v dus ladus, mua pepena ^nalles que qnizerent estudar os mesotos prepa
ferida ta poma, que talvezj esteja. saa, muiio pe-
ralta : quem o anurehender pode dirigir-se ao dilo
engenho, que ser bem retmptensado.
b'raneisco de Alliuquerqup Mello avi-a a i
fim> ilo.oinflVM,-ciu que o Sr. Kr.uicisco AiijiisIo
deM*an em uiairte, pelo que. nu se responsabilisa por
qualquer compra feila em sen. neme. Recife ft de
Janeiro de 1860.
pielles que qpuierenk i
raloriosdas .1 as t horas da larde.
O abaixo assiKBatlo e -pit f-iai*> do sita-
Oihode Vkl.i. n Panianiiiien. pelo .pial aira
vessam ostlhos nroanos, rieclai que nao e pn
ma ordeni que esto spndo colloeadas taboas con
espigos a mar esmoa ilbos, na bombn
pie existe nos Juile- d i sitio ton da jatpieka.
qu
Recife 0 *' jaiirirn
1869.
Anhi
w
esquina
| da rua lwga do
Bosajrio.
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual,^ esquina
e vende por precos que nenhuma outra casa pode vender. da rua larga do
A vi*ta da qualidade e do preco das joias cada un pder-sedia convencer da verae.|
iiraiite-* aer tudo de lei. Comprare ouro, prata e podras finas por procos nuuto ele-, Rosario,
dos. W..11, ... IS
A kja est aberta at s 9 boras da iioute.
1
__
IIEBIHO
mmtmm*


u
Diario de Pernanibuca Si-guiida feha 11 tle Janeiro de 1869.
i
'i
COLLEGIO
DE
SANTA GENOVEVA.
Ra do Hospicio n. 22.
Todas acaulas deste colirio que comprchemleni
o ensino de primeiras 1-ttras; das linguas launa,
franceti e ingleza; de geometra, Keographia e
philosophia, .-staiao inipreterivelmenle abenas na
segunda-feira, 11 do corrate Alm distas disci-
plinas, haverduas vezes por WMM una nula de
ranmutica portuguesa e um curso especial para
a pratica da convei-sacao francs, dirigido por um
profcssor banco.
Antonio Jos Rodrigue* de Souza, na ra do I
Drspo n. 18, OU Mi sen sitio do Monteiro. gratifi-
ca a guem capturar o seu escravo Juaquini,
pardo, de idade 35 annos, natural de Pao d'Alho,
para on neftae dia a conversar com pessoa daquclle logar,
..taima, sirco do corpo e um pouco alto, btgodc
e cabello meio carapinliado o ponteado, c tem um
caroco na mhcra da inao direita, do qual aflre
dores rhcuniaticas, tendo a falla a sertauejo, muito
di'scancada. ^___ ____
Dr. uillienne Anegel, oculista, mudou-sda
ma Nova para o Koi te do Mallos, por cima do tra-
piche Dantas, no Recife, onde pode ser procurado.
As horas das consultas sao das 9 as 11 horas da
manhaa e das 3 as .'i horas da tarde.
BARTHOLOME fr C.
Aula particular de primearas
letras.
Anna Theodora Simos, autorizada pelo Exm.
Sr. presidente daprovincia ao magisterio primario,
se achara aborta a sua aula no dia 7 do corrate,
na ra travessa dos Expostos, casa n. 16, segundo
andar : foem romo ao respeitavel publico, que eou-
tina admitliralumuas exlernas o internas, jh'ii-
-i mistas e meto jtensionislas, esperando satisl'azer
M Srs. pais de familias (pie Ihe conqarem suas
illhas. tantu as ateras (pie eo&stituem a solae-
dita mstruccao c musida vocal, como lamben no
que for concracnte as habilidades de agnllia.
Trocam-se
as notas do banco do Brasil e das cateas filiaes,
com descont muito rawavel : na piara da Inde-
pendencia n. 22._________________________
O abaixo assignado faz ttente ao respeitave
corpo C(numereial desta praca c ao publico en ge-
ral, que do Io de Janeiro corrento tein dado socie-
dade aos MBS antigos caixeiros Joacpiiiu Vieira de
Mello Pinto e Joan Francisco de Moura, cm seu
Alugain-sc o il- e 3o andares do sobrado da
ra de Apollo n. 55, com mudos eommodos para
grande familia, e janelas para todos os lados, e por
isso muito fresca : < uem pretender entenda-seeom
Jos Antones Guimaracs, ou com o Sr. Thoniaz Fer-
nu-
mero 44.
O Sr. sargento brigada do corpo de
polica queira vira esta Typographte a en-
godo. .
---------------::-----, ':------:-----z---------7 ST" vs*j ahuuii .- uwiiuiick>?.u"ui \j t->a -.savias
Aluga-se a loja do-sobrado do pateo do Ter- nandeg ^Qu,,^ naruada Cadcia do Recite
co n. 2, com eommodos para qualquer negoeio a mm)44_
tratar na loja de iinagens (pie lica junto a essa, e
por baixo do mesmo sobrado. ,. ____
Claudio Duieux nitkni o seu escrip-
torio da ra do Imperador para o Caes 22
de Novembro, n. 22, junto ao buhar dos
arcos.
Precisa-se alugar um criado escravo, ]ara l'a-
zer todo servid de urna casa de familia : a tratar
na ra ib Cadeia do Rocifc, n. al, primeiro andar
Aignille pour inachiner a costure de Grover
& Baker, prix de la dmame 2-5000 rs., premier
elage ra da Cadeia do Recife. n. 51.__________
Aula particular de instruccao primaria .
Manuel de Souza Cordeiro Simos avisa aos
senhores pais de seus aliunnos, que no dia 7 do
crrante se achara berta a sua aula eni cuutinua-
cao dos seos exercicios, na mesilla ra, travessa dos
Expostos. rasa 11. Di; o ao respeitavel publico, que
contina admittir alumnos externos e internos, pen-
sionistas o meio pensionistas.
Methodo Castilho
Secnndino Jos do Faria Simoes, professor par
ticular de instriiccao elementar pelo methodo Cas-
tillio, avisa ao respe tavel publico e com especiali-
d;nle aos pais de familia, que no dia 7 de Janeiro
est aberta sua aula na ra da Penba n. 25, Can-
dar, onde recebe pensionistas por preco commodo.
O mesmo profcssor promette muito se esmerar no
adiantamento de seas alumnos. No mesmo dia
pretende o referido professor abrir um curso de
primeiras letlras noto para aquellas pessoas que
nao podereni frequcutar durante o dia. ____
tinas.
Em S. Jos do Maiiguinho, sitio 11.2, precisa-se de
, duas amas.una para cozinhareoutrapara engoui-
estabel.ci111.jito de fazendas ra do Queimado n. ninrealgiim servico domestico, paga-se boin alu-
31, sendo a Urna d'ora em diante Antonio de Mou-
ra Roliui & C. conipetindo somonte ao abaixo as-
signado usar desta at ulterior deliberacao. Hsci-
fe 5 de Janeiro de 1808.
A. de Moura Rolim.
Manoel Alves Ferreira&C, na ra da Moc
da n. 5, segando andar, tem para vender superior
potassa da Russia, em barra e neiosbarris e cai de
Lisboa da mais nova qu.' ha no mercado.
iUTMDTO"
Calcado nacional, na fabrica de Jos! Vicente
Godnno&C., ra do Jardim n. 19, avisain aos
seus fregueses desta capital e de interior, que con-
tinan a fabricar calcado em alta escala, 6 flo-
recen as menores cosoicSes, tanto em preco cono
'ni qualidade. Os proprietarios deste estabeleci-
neato ehanan aatteucaodos senhores consumi-
dores do interior, que "os quizerem honrar com
sua freguezia, especiliean.lo em seus pedidos a
qualidade e numerarn, offoroeendo-se para os en-
tregar bem acondicionados en casa de seus cor-
respondentes nesla praca__________________
"Criado.
Na ra do Imperador n. 73, segundo andar, prc-
eisa-se de um criado fiel e bem procedido.
guel agradando.
n
1
ji
.
O Exm. Sr. conde de Baependy! depois de obter
infonnaees que julgou precisar,dignou-se de acei-
tar o oucrecimento fcito por Jos Antonio Gomes
.tumor, de 150 exempiares da obra publicada pelo
mesmo Jnior---.V>...-,tenia mtrico deci-
mal3* eiliciio. sendo "iO exempiares 1.......: aias
le instruccao primaria, e 100 ronettidos aogover-
no imperial, para uso das alfandegas do inperio,
como se v do seguiute olliiio :
-1 seccao.Palacio do governo de Pernambuco
1\ do dezembro de 1868. Com 0 oflicio de 18 do
corren'.' rec.bi eagradeco os 150 exempiares im-
pressosque Vmc. me remeneo da 3'edicao das 00-
oesdo systema inclrico decimal. Dos guarde a
V'mr.Conde de Baependy.Sr. Jos- Amonio Go-
mes Jnior.
Aluga-se o segando sudar do sobrado 11. 30
-ito a roa da Aurora : as pessoas que o pretende-
rom poden dirigir-se a ra Relia 11. 37, que ah
acharao rom quem tratar.
Akiga-se o Io andar e metade do 2", do so-
brado anarello da ra do Queimado 11. 31, os quaes
-e aehan |)intados de novo, e sao muito proprios
para os senhores advogados : a tratar na loja do
mesmo sobrado.
Manoel Jos da Silva liveira avisa ao publico
o especialmente ao respeitavel corpo do commer-
eio, que aduiittio para socios de sua casa commer-
eia ruado Encantamento n. U, a seus caixeiros
Ricardo Cordeiro de Miranda e Manoel Joaquim
Vieira. tendo principio 110 dia 1 de Janeiro de 1869,
narazao sociaLdc Oliveira, Miranda & C.
Aluga-se a loja do sobrado 11. 32 sita na pra-
ca da Boa-vista, tendo eommodos para qualquer
-labeleciniento : a tratar na ra do Alecrn nu-
mero 30.__________________
Aluga-se
O lerceiro andar do sobrado n. 8, \ ma da
Imperatriz: a tratar com J. S. de M. Reg,
ra do Trapiche n. 34.
Avisa-sc ao Illm. Sr. Manoel do Rogo Rairos,
mano do Cxm. conde da Boa-vista, que sua cscra-
va Helena, que se evadir da casa onde se acbava
.dugada, no dia 28 do inez prximo passado, como
se annuneiou nos Diarios de 29 o 30 do mesmo
mez, acha-se recolhida casa de detencao, de or-
den do lllm. Sr. subdelegado de Santo Antonio,
desde a noitc de 4 do crrante. Por se ignorar a
residencia actual do mesmo senhor, se faz o pre-
sente__________________________________
Antonio Jos Rodrigues de Souza. precisa
alugar um criado para o trrico de casa, de mais
de 15 annos : a tratar com o mesmo na ra do
Crespo n. 15, ou em seu sitio 110 Monteiro.
Alug^a-se um escravo pardo e moco, muito h-
bil e intelligente, |wr 304 niensaes: a trata na roa
las Trinchoiras, n. 50 1- andar.
Photographia
O pliotographo J. Ferreira Villela participa ao
respeitavel publico, que tendo chegado do Rio de
Janeiro no dia 7 do passado, tomou a direceao do
sen estabelecimento de photographia, sito ra do
Cabug n. 18, entrada pelo pateo da matriz, onde
M contina a tirar retratos por todos os systemas
photographicos. No mesmo estabeleciinento ainda
se contina a tirar retratos eni eartao de visita a
0 $000 a duzia. Ha tamben una linda colleceao
de allinetes de ouro de lei com pedias preciosas,
para a c.illoeacao de retratos.
Ama
Precisa-se de una ama recolhida que saiba coser
e 1 -ngommar, e taniLem de urna de ra que saiba
cozinhar e lavar, para casa de pouca familia, que
sejam de meia idade e que d informaedes de sua
conducta : a tratar na ra do Aragao n. 32.
ESTRADA DE FERRO
DO .
Recife ao S. Francisco.
AVISO.
Pelo presente se faz publico que os vo-
luntes de bagagem c carga apresentados
despaches nas estacos, deverao ter um le-
treiio ou marca, ilistinctos. Os que assim
nao estiverem nao serao despachados.
Escriptorio da superintendencia, Villa do
Cabo, 31 de dezembro de 18G8.
G. 0. Mann,
Superintendente.
Banhos salgados
Aluga-se por mdico preco una das melhores
casas da Boa- Viagem, muito" fresca, com 2 salase
6 quartos : na ra \ova n. 2.
P.\1U USO INTERNO
PREPAKAD08 S I M P I. ES
Xanipe de jnnibelia garrafa. 1-vtMH
Vinlio de jurtibcb 1 "arrafa. 1#G00
lilulas de jurubeba vidro. 1-MMX
Tintura de jurulieba vidro. 640
Extracto hydracoolico de jurubeba. I_#9Q0
PREPARADOS C0MP0ST0S.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2-)000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 1>600
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2-)00O
Oleo de jurubeba vidros. 640
Pomada de jurubeba pote 640
Emplastro de jurubeba libra. 2->300
PARA USO EXTERNO
A JURUBEBA.
Esta planta hoje reconbecida como o mais poderoso Inico, como unt excel-
ente desobstruente, e como tal applicada nos engorgilamentos do figado e baco, nas
hepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, nas inflammacoes
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, nas hpdrope-
zias, erysipellas : e associnda as preparacoes ferruginosas, ainda de grande vntagem
nas anemias, cliloroses, faltas de menstruaro, leucoriheias, desarranjos atnicos do
estomago, debidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos allirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, eritre os
quaes podemos citar os Illins. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonscca, Sarment, Seve,
PereiradoCarmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecema excellencia deste
poderoso medicamento sobre os domis at hoje conhecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicaro.
Apresentando aos mdicos e ao publico emgeral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por lim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desappahecer a
repugnancia (pie at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos q'eHe, e
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinbam ainda a desvantagem qie nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improfiuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados SO foram apresentados depois d havermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem-conhecer as pro-
piedades medicamentosas d'este planta em suas raizes, folhas, fructas ou bagas, c a
dose conveniente a applicacao, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior gft de perfeicJo possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignaretn recorrer aos nossos preparados podent ter a
certeza de que elles olferecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
velcura de qualquer dos sorimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vntagem de escolher nas nossas va-
riadas preparacoes, aquella que melhor lhe pdeconvir, j pela fcil applicaro, ejpela
complicaeao das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza (le cada individuo.
As nossas preparacoes ferruginosas sao feitas de forma que se tornam domple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
como taes esto boje reconhecidos.
Para aquellos que mais miinieiosamL'nte qtieiram conhecer as propriedades da
jurubeba. e saberem a applicacao de nossos preparados, destribuimos, gratuitamente
em nosso deposito um folbeto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta| e dos
mesmos preparados.
Deposito geni de todos os preparados
Botica e drogara
3 iRa larga do Rosario34.
Do xarope Vegetal Americano, espeelalidade de Itartholoaieu A C.
34RA LARGADO ROSARIO34
N5o coslumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que sua applicacao e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram accha-
los, Ibes deem crdito evoga: porque sao sempte os attestados considerados gratuitos,
e delles que lauca mo o charlatanismo; mas, nao querendo ofl'ender as pessoas que
espontneamente nos oflereeeram os ipte abaixo vio transcriptos, os fazetnos publicar.
manifestando-Ibes nossa gratdSopela atlenc.5o, esperando que venham elles corroborar
o couceito, c acceilac3o que tem merecido nosso xarope.
Bartholomeu & C.
ATTESTADOS
Illms. Srs. Bartholomeu & C.t com a mais subida salisfaco que declaro
ser o xarope Americano de urna eflicacia extraordinaria, pois que soflrend ha dias de
intensa tosse, poni de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamentos
que tomava, a elle recorr e na terceira colber fui alliviado, e de todo me acho hoje res-
tabelecdo com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois.' esse resultado mani-
fest a Vv. Ss. mcu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado.- Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu & (LPcnhoradissimo com o favor que me fizeram
de aconsclhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composirSo, quando rae acba-
va bastante doente de tima constipado, que me tomou completamente touco e que
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumplir os meus deveres de cantor da
empre/.a lvrica, vou> agradecer-Ibes meu completo restabelecimento, que obtive com um
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tratamentos. Desejarei
que outros romo eu recorram ao seu xarope para se verera alliviadus de to terrivet
incommodo, 15o fatal neste paiz. Com maior consideraro contino a ser de Vv. Ss.
atiento, venerador e obrigado.Luiz Cremona.
Recife, 23 de setembro de 1808.
Illms. Srs. Bartholomeu & C0 xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. taem
exposto venda de luda eflicacia para o curativo dasthma, conforme observei appli-*
cando-o a meu lilho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'esse llagedlo, que ale
enlao por espaeo excedente a dous annos bavia resistido a outros xaropes de grande
nomcada. Ouciram, pois, Vs. Ss. acceitar a expresso altamente sincera de meu reco-
nhecimento ao meritorio servico quelhes prestaiam com o indicado xarope, acredilui-
do-me para setnpre de Vv. Ss. criado, atiento e obligado.Americo Nctto de Mendonc.
Recife, 2 de outubro de 1808.
DE
COLLEGIO DE SANTO MARO
Iecife, ra do Commercio n. 5.
i:*<<" estabeleeimento de cducaeo, acha-se a disposico dos
llnis. ftrs. pais de familias e a quem mais possa convir. O Direc-
tor faz scieute, que desde j acha-se aberta a matricula da asi Ea de
iustrueco primaria, a qual sei' aberta em o dia 11 do audaute :
bem como as secundarias, cujos cursos tireram principio pellas fe-
rias c devem ser encerradas cm marco. As demais funecionaro
do dia 3 de ferereiro cm diante, com a reguiarldade do costume.
lecife, 4 de Janeiro de 8 Mi.
J.
DE
N. 35RA DO IMPERADORX. 88.
Os pianos desta antiga fabrica sito hoje assaz conhecidos para seja aecessai io
insistir sobre ana superioridade, vantagens c garantas que olferecem aos compradores,
qualkiades estas inronleslaveis, que elles tem definitivamente conquistado sobre lodos
os que tem appareeido nesla piara; possuindo um teclado e maiiiinismo que obedecen)
todas as vontades e caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por seren (Aricados
de proposito e ter-se fcito ltimamente melhoramentos importanlissimos para o cima
desle paiz; quanto as vozes sito melodiosas e flautadas e por isso muito agradaveis aos
ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tantonesta fabrica como nado Sr. Bim-
del, de Paris, socio correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre precia-
dos em todas as exposices.
Xo mesmo estabelecimento se achara sempre um esplendido e variado sohi-
inenlo de msicas dos melhores autores da Europa, assim como harmnicos e p'm\)>
harmnicos, sendo tudo vendido por precos eommodos e razoaveis.
Iflf
Precisa-se de duas amas, urna para oiigommar
e ontra para cozinhar : na ra da Cruz n. 66.
Precisa-se de um rapaz de 16 a 18 annos, com
alguma pratica de taberna : no pateo d.> Terco mi-
nero 12.
lducaco primaria e secun-
daria.
Na instituicao de Jeronyp o Pereira Villar, na
ra larga do Kosario n. 22, nao s se ensinaiu as
materias que constituein o curso regular de pri-
meiras letras, como as disciplinas preparatorias
para a faculdade de direilo, cujas aulas estarn
abortas do dia 7 do presente Janeiro por dianle.
Aluga-se a grande casa e sitio da ra deS
Miguel, nos Afogadoi, junto a igreja, com muitas
acronunoda;oes viveiros, banho dentro o muitas
fructeirsfi: na ra do Qu eimado, loja n. 18.
VALOR THERAPEUTICO
Aluga-se #-
Duas casas -com bastantes eommodos na
Cidade Xova de Santo Amaro a tratar com
Antonio Jos Gomes Jnior, em Santo
Amaro.
Frederico Maya
CIrurgio dentista pela eseola
de medicina
do Rio de Janeiro.
Tem a honra de participar ao respeitavel publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem abierto o
-eu gabinete de consultas e-operacocs dentarias a
na Direita n. 12, primeiro andar, onde pode ser
je. wurailo lodos os dias das 8 horas da manhaa as
I da tarde. Elle acha-sc competentemente habili-
tado para com perfeicao collocai* denles artificiaes
|)or qualquer dos systemas, e bem assim desempe-
har qualquer out'ro trabalho wncernente sua
profisso. O mesmo, reeonhecendo que nem sem-
l>re possivel ssenhoras ou enancas sahirem a
procurar o remedio, offerece-se a remover qual-
.puer obstculo, declarando que na cidade se pres-
tar a qualquer chamado sem que isso influa colisa
algum na commodidade dos precos de seus traba-
dios, e quando para fura delta assim mesmo ser
precedido de um afuste rasoavel, garantindo elle a
-cgu ranea e perfeieao de seus ditos traba I los. Em
seu gabinete se encontrar constantemente excel-
lenteps dentifricio, elixir e outro medicamen-
tos odontalgicos : ra Dirciti n. 12. primeiro
: indar.
(AOS MENINOS)
TSncontra-se no armazem do vapor francez, na
' ua Nova n. 7, bellos artigos de phantazia em quin-
luilheria. e finos brinquedos muito interessantes
hegados de novo, proprios de meninas e de meni-
os, a pre^o's variaveis e conmiodos segundo os ob-
(etOB.
Precisa-si de urna ama para casa de pouca fa-
milia: atritar na ra estrella do Rosario n. 25,
:iaindo andar. *
Os Advogados, Dr, Vicente
Pereira do Reg, e o Bac/uircl Ja-
cinto Pereira do Reg, continuam a
ter o seu escritorio commum ra
do Queimado n 46, 1. andar, onde
o 2." pode ser procurado a qual-
quer hora por ter a sua residencia
no mesmo andm\
DO
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
DE GRIMAULT E COMP.
Fh.rmaoeuliroi da 8. A. I. o prncipe Vapolelto, em Parii.
A associacSe do ferro e da quina resol veo um dos mais importantes problemas da pharmacia,
e faz eom que se congratulam os mdicos dos relevantes servidos que lhes presta esta pre-
para cao.
Cora effeito, ninguem ignora que a quina, em matoira medical, o meihor tnico que se
possa empregar, sendo, sobcetudo, unido ao Phosphato de ferro, a mais estimada das pre-
paracoes ferruginosas, pois que cntram na sua composicao o ferro, elemento do sangue, e O
phosphato, principio dos ossos.
Por isso, julgamos que, para os srs mdicos, serao interessantes as observagdes feitas pelos
seus collegas, os mais distinctos de Paris:
Este Xarop produz os mais fezes resultados nos casos de dyspepsia, clilorosis,
f amenorrhea, hemorrhagias, Icucorrheas, febres typhoidas, diabetes, e quando precisa
t restabelecer as torcas dos doentes e restituir ao corpo as forcas alteradas ou perdidas.
All.NAL, medico de S. M. o Imperador.
t orna das raras combinacSes que, ao mesmo tempo, satisfazem o medico e o doente. l!m
quanto a mim, eu a considero como a mais efficaz preparacSo ferruginosa, cujo uso 6 jos
mais agradaveis para os doentes.
CAZENAVE, medico do hospital Saint-Lou, em Pars.
Com esta preparacSo d'uma forma agradare!, e fcil de digerir, administra-se ios
doentes dois medtc.mcnt03 importantes.
CHARUIF.R, chefe de caka da Faculdade de Paris.
* Eu emprego com o maior xito o Xarope de Quina ferruginoso, e o considero como
t urna das mais felizes innovacoes, na matoira medical.
CI1ASSA1NAC, cinirgiaoem chefe do hospital Lariboisire.
Esto medicamento, sempre bem aceito pelos doentes, deo-me constantemente os milis
vantajosos resultados.
11ERVEZ DE CHEG0IN, memhro da Academia de medicina.
A limpidez d'esta preparacSo, o seu gosto agradavel, sent de qualqner sabor de
ferro, fazem d'ella nm medicamento lio efficaz como agradavel.
M0N0D, addido Faculdade de medicina.
Deposito cm Pernambuco, em casa de X_arer O*.
FUNDICAO DO BIWMAN
Ra do Brun n. 52
0 propietario participa aos senhores de engenho, que por falta d'agua ou do
animaes se achem mnatlitados para moer sitas caimas, que est prompto a issenta/
mactiinas de vapor, com moendas ou sem ellas, dentro em oilo dias spois de estarunl
as pecas no engenhoislo sem precisar de obra alguma ou de outra mudaura de moli-
das existentes seno a suhstituicao das rodas da almanjarra.
Precisa-se de urna boa cosinneirs} forra ou
escrava, no sobrado r. 32 da praca da Boa-Vista,
primeiro andar, aonde tambem se compra urna es-
crava boa, e agradando paga-se bem.
Cosiinheira
Precisa-se de urna escrava cosinheira, paga-se
bem: na ra do Pires, sobrado n. 27.
Artenc&o
Antonio Carlos Pe eir de Burgos Ponce de Lon
como solicitador do f iro desta cidade e dos termos
de fra, se encarrega de todas as questoes que fo-
rem suscitadas peranie os tribunaes civis, crimes,
comnierciacs e eccleiiastieos, prometiendo conti-
nuar a exercer o seu emprego com a mesma leal-
dade, actividade e dedicaco. 0 annunciante, pode
ainda receber certo numero de casas commerciaes,
por contracto annual ; bem rasoavel. Deve decla-
rar, que costuina dar as contas de despezas judi-
ciitis, todas datadas, especificadas e com escrupu-
losa exactido, como a llrmam os que teem sido -cu-
constituintes. Quem, i mis, qnizer o honrar com sua
confianza, dignar-se-ha procural-o ra das Trin-
cheiras no primeiro andar do sobrado n. W, jun.
ao cartorio do Sr. escrivo Motta, para onde acaba
de mudar-se.
Criado.
No caes de Apollo r. 69, precisa-se de um criado
de 12 a 14 annos, para compras e servico de mesa.
Precisa-se de una ama para cosinliar para
casa de pouca familia : a tratar na ra do Amorim
-84.
Cojlnkelra '
Na ra dolmperader n. 73, segundo andar, pre-
ci$t-se de urna cozinl.eira.

HA LVRGV DO ROSARIO 137
Este acreditado estabelecimento augmenta
le dia ein dia quanto possivel para che-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e hygiene, temo-la sempre em abun-
dancia para facilitar excellentes banhos.
Ha tambem urna boa bibotheca e peri-
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para
recreio, buhares, etc. etc.
Sendo ociosa qualquer recommendacao
para tao acreditado estabelecimento, omit-
timos mais prembulos, jazendo ver por
fim, que o bom servico, ordem e moralida-
de imperam D'esta casa, como observancia
fiel do regulamento que possue.
Comodonas a la carie.
CIIARLTERIA E PETIT RESTAIRWT
Aunexos ao Hotel Cendal, ra estilita do-
Rosario n. 4 A, andar terreo.
Para dar a conhecer a variedade infinila
de charutos de Havana, Rabia. Rio,etc. que
existem ueste novo estabeleamenlo pres-
cindimos dos annuncios-pompteos que fe-
ralmente se fazem, reduzindo-Uas apenas
tres letras que sao tres bbb bom, bonito e
barato. A' vista do genero anniincVulo po-
dc-se julgar de nossa veracidade. Esu cusa
gosa tambem das eondices de nm ciegan^
e petit restaurant onde se pode ver a es-
pecialidade dos fiambres e salames de Llon
para lanches e al fazer urna boa colacao,
juntamente com os principaes vinbos do
mercado, sobresahindo entre o bom a pura
e fervente champagne, o mui saboroso Rhe-
no, a primorosa ceneja, o licor espirituoso,
o quanto pede urna mesa. Faz-se a noute
sorvete e variedade de refrescos.
MUDANCA
EFFICACIA
DO
XAROPE DE RBANO IODADO
0 Xarope de Rbano iodado de Grimault e C, pharmaceuticos de S. A. I. o principe
peles, em Pars, preparado com o sueco das plantas anti-escorbuticas caja eflicacia
mu popular.
Eneerra o iodo como combinacSo orgnica, e considerado como o melhor snecedaneo
de oleo de figado de bacalhe.
A rara perfeieao d'este producto anima-nos a dar a conhecer aqui a opinilo de alguns
d'entre os principaes mdicos de Paris, que diariamente o prescrevem.
c 0 Xarope de Rbano iodado um medicamento d'um effeito suave e seguro pan a
medicac-o dos meninos, nto somente suppre o oleo de figado de bacalho, mas ainda las
as suas vezes eom vntagem. .-
Dr A. CAZENAVE, medico em chefe do hospital Saint-Lou, em Paris.
0 Xarope de Rbano iodado um medicamento de primeira ordem para o tratamento das
affeccoes ljrmphaiieu e escrofulosas. Muitas vezes, empreguei-o com feliz xito, em certos
casos de taska ao seu principio, como succedaneo do oleo de figado de bacalho. >
Dr A. CHARR1ER, antigo chefe de clmica da Faculdade de Paris.
0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excellentes resultados como regenerador
do sangue, e succedaneo do oleo de figad de bacalho. >
Dr A. FAVR0T, autor do Traite des maladies des femmes.
0 Xarope de Rbano iodado ara dos mais poderosos modificadores das constituic8:s
< lymphaiicas. Tenbo visto ulceras escrofulosas que nada poda curar, cicatrizarem-so,
< gracas a sua acelo, com promptido extraordinaria. Tambem, pelo seu uso desapparecem
as affeccoes tuberculosas dos ossos, nos meninos. >
Dr GUESN AR, antigo externo dos hospilaes de Paris.
0 Xarope de Rebano iodado possuo todas as vantagens do oleo de figado de bacalho,
( sem ter nenhum dos inconvenientes que aprsenla este ultimo medicamento. >
Dr GUIB0UT, medico dos hospitats. Presidente da Sociedad de medicina de Pars.
t Xarope de Rbano iodado de Grimault e C* eneerra l[2 por cento de iodo, na sua
c composicao orgnica anloga que se acha no leo de figado de bacalho.
D* ELETZlNSKi, professor de chymica, louvado dos tribunaes de Vienna.
Deposito em Pernambuco, em casa de O*.
DO
IMPERIAL INSTITUTO
DE
NOSSA SENHORA J) BOM CONSELHI
Da ra da Aurora n. 52
PARA A
RA DO HOSPICIO V 36.
0 director communica aos pais de seus alumnos, tanto internos como externos, que
transfera o seu collegio para a espacosa casa da ra do Hospicio n. 36, a qual offerece
as melhores propor^oes para commodidade e recreio dos collegiaes.
No dia 7 de Janeiro eslarao abortas todas as aulas.
mCA^BRASIL
o
MR. MERCIER, alfaiate francez, previne ao respeitavel publico e a seus numerosos frage-
zes que, tendo transferido sua residencia para a ra do Trapiche n. 7, primeiro andar, ahi enconii
sempre todas as qualidades de fazendas para trajos de homem, e prepara costumes para montara do
senhora. Faz tambem obras para militares e para criados, para as quaes tem grande sortimento do
botoes simples, eom virola e corda de conde, brancos e amarellos. Recebe por todos os vapores os
ltimos ngurinos para homem, senhoras e meninos.
INJECCAO VEGETAL
COM
AT
de GRIMAULT e G- pharmaceuticos em PARS
0 successo d'esta njecofo, preparada com as (binas do Mallo do Per, foi to rapidt, ella se tem tornada popular em todoa.es paites do mundo, para a cura da gouorrhaa e das parga-
edes de toda a natareu. I' o unios prodbet* aest gMtro cuja atraa M Insta teaha stw
authorizada pelo conselbo medico de Sio Potarsbargo..
Deposito Pemamkuco, m casa del
IllGlVH
-


Diario de Pernambuco Segunda feira 11 de Janeiro de 1869.

i
Ii *

TIPOML
Grande liquidacilo de miudezas !
Alfonso Moreira Temporal, qnerendu liquidar as miudezas existentes oa sua
toja ra do Queimado n. 88, resolveu annunoiar as mesmas miudezas para que o pu-
blico se certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a saber:
Massos com grampos 2.' a
Pepe de tranca lisa e caracol a
Sabonetas de todos os precos a
80 160 200 e .
Abotoaduras para rolletes a .
Botes de loua para camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
deira) a.......
Frascos com agua de Colonia a
320 o........
Garrafa de tinta roa a. .
Caixas com 100 onveloppes a.
Mantas de seda para homem a
Fita de sarja para enfeite de
vestidos por......
Frascos com oleo para cabello
a 400 e.......
. Laa para bordar, libra. .
Escovas finas para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e .
Ditas muito finas para fatos
por preco nunca visto 400
500 e. ......
Pecas de babadose entre meios
a 600 800 e .....
Gravatas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Bico e renda das ilhas a todo
preco. S a vista faz i*> .
Pecas de fita de coz com 10 va-
ras a
20 Latas com graxa.duziaa 480
'jO Coques muito bons com rede s
a rede val....... I 300
240 Meias para homens boa fazenda
320 a 30800 e....... 4J000
160 Linfas de marca, eaixa com 16
no\ ellos....... 240
1 :>000 Latas com banlia (lamiliia), duzia 2?200
Frascos com bania a 320400 c 500
400 Botes para punho fazenda boa
800 a 80 e....., 100
500 Volta de Aljol'iv. cousa boa a 160
800 Fitas para debrui.i de vestido a 500
Caixa com agulha franceza a 160
600 Botes de ac para coletednziaa 120
Carto com aillut tes a 100
600 Caixa com perfu narias muito
>800 fina. S a caixi val 10*1000
320 i#)00 .... 15*000
"00 Copo com opiata muito fino a
400 e....... 300
/..y Meias muito finas para senhora
I duzia........
Ama
Prectea-gede'umaarantfa oseniro te uma
casadepooca ftuBfe,j#eferindo-se w mais
que teja trente a na do Vigario n. 8._________________
Aluga-su una, sala proitria para escritorio
de advocado |wr ser na ra das Cni7.es n. 37, 1"
andar, ualuguelc barato : a tratar w t andar do
mismo siiluado.
SEGUROS
MARTIMOS
tOWTRAFOCO.
A Companhia Indemnisadora, estabelerida
nesta praga, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: na
LOJA
abaixo assignado leudo em sen poder como
deposita lio, iterante o juizo muniei|ial da prinieira
vara desta cidade. a preta Mara, de naeao da Cos-
ta, de idade de mais de 50 annos; aconten' que no
da 8 do correute futrir de sua casa, no lugar da
Ba-Viagem. e leu os signaos seguimos: quasi to-, ra do Vigario n. 4, pavimento terreo,
dos os cabellos da cabera sao blancos, costtima
trazer a cabera enrolada com panno como fazem
as pretas de sia naciio, 6 de altura e eorpo regu-
lares, nao tem dentes na frente, soffre de romero
de escrophulas ao lado do pesroco c tem uma per-
na mais grossa qjicoutra jxir causa de er\>i|iella.
Itofra, pois,o abaixo assignado MJHWPBitivaa auto-
ridades ou capilaes de campo que no caso de lhes
ser aprrscntada ou capturada dignem-se manda-la
entregar euisua casa onde satisfar todas as des-
Boas.
Vrenle Antonio do Espirito Santo.
Ouro e prata
em mueda e em obras nutilfoidas. compra-so por
hom preco : n i [iraca ila Independencia n. 21
_ Jaludepeudniki u.;U, lojl deou-
rives, coipra-aeonn), prata e pedas preciosas, c
tainbem se faz qualquer obra de enconunenda, c
todo r <|u:ilqurr ('iieerto.
Una pessoa de longa pratiea no coininercio
uflereje-sc para cscripturar livros por partidas do-
bradas, podendo ser procurado na ra do Crespo
n. 18, primeiro andar.
14000
320
500
5.400o
240
200
Caltas francezas a 200 e .
Ditas portnguezas a 120 o. .
Caixa de. linha do g;tz branca 80
novcllos....... 600
Fiasco com tinta a 100 e 160
Franja de laa para sapato (peca) If9000
500 Papel de peso mu to bom V40G0
Sapatos de tranca e outros muitos artigos, que enfadonho seria menciunar.
RA DO QUE1MADO N. 55
Sou uma trma lmpida e agradavcl, este medica-
mento rene a quina, que o inico por excellencia,
e o ferro, um dos principis elementos do sangue. E'
adoptado pelos mdicos mais distinctos de Paris, para
curar as cores paludas, facilitar o desenvolvimento
das meninas o restituir ao eorpo os seus principios
alterados ou perdidos. Faz rpidamente deaapparecer
as dores d'cstomago intoleraveis suscitadas pela ane-
mia ou pela leueorrhca, .< quaes as senhoras estao
tantas vezes sujeitas, regularisae facilitaa menslruaro,
e receitado com successo s enancas pallidas, lym-
phaticas ou escrofulosas. Emtim, excita O appete,
favorece a digcslSo, e conven a todas as pessoas cajo
sangue esta" empobrecido pelo trabalho, pelas moles-
tias, as convalescencas k ngas ou diiiceis. Os bons
resultados nunca se fazem ssperar.
Deposito em Pernambuco, em casa de Manrer O*.

MPHOSPHATOdeFERRO
^$gg%g&%$g%l
Dcbaixo da formi. d'um liquido sem sabor,
anlogo a uma agua mineral, este medica-
liH^ii'iff^^'iiiiTHiftiiifflll "s::j:; 2arSooBssif
leiro. Comem muito s meninas de temperamento delicado, cujo desenvolvimento lardio,
s senhoras que padecem d'eslas dores d'estomago intoleraveis, causadas pela chlorose,
anemia, menslruacao ou lcucorrhea, s enancas d'uma compleicao pallida c delicada, e a
todas as pessoas que tem o sangue empobrecido pelas doencas. Efficacia, rapidez d'accao,
cura perfeila, sem constiyacao de ventre nem accSo sobre os dentes, taes sao as razSes que
imperio para que os senliores mdicos o pr^screvo aos seus docnteu
Dsposito em Pernambuco, em casa de Kaurer a C*.
CAPSULAS EOETAES
TICO
Estas capsulas, com capa de gluten, coutecm o balsamo de copahiba associado essencia de
Matico (arvore do Per), e conslilucm nm remedio infallivel contr: a gonorrhea. Ellas obrto
sem cansar o estomago c nao provocao nunca os enjos e nauseas que occasionSo as capsulas
ordinarias, tendo a immensa vantagem de nao communicar cheiro s ourinas. E' por estes mo-
tivos que ellas sao superiores s capsulas de copali iba, cu bebas, etc.
Deposito em Pen.ambuco, em casa de Kanrer e O*. *
Gynmsio provincial
De oideui do IUm. Sr. Dr. rededor e de confor-
mJdadc coto o (pie dispeni os arfe. 62 e 63 do re-
giment inU'rno faro saber que desde o dia 13
at o dia 31 do correute nr". estarlo abortas as
matriculas nesta secretaria, desde as 9 horas da
manliaa at I hora da tarde dos dias uteis, deven-
do os pas dos futuros alumnos, ou que os repre-
sentar, de pi.r as uSm do Sr Dr. rededor : i
i-erlidao de idade do matriculando ; 2" ecitidao ou
intestado de ter sido oraofimo matriculando vac-
iuado ; 3 recibo do inl)firtc d > primeiro quaitel
ila pensao, paga na thesoiuaria lo Gymnasio.
O mead o 9r. Dr. regedor manda avisar a' pai,
tutores e eundores dos jMisionistas, que sahirain
lo eslabetecimenlo para paasareo as ferias, de que
ievem estes recollier-se ao GyBinasio at o dia 2
de fevereiro. vesper da abertura do anuo lectivo,
- >b pena d Boina privados de sabir por lenipo
1' dous mezes, como di>poe o art. 161 do regi-
meoto interno.
Secretaria do Cvinuasio Provincial 7 de Janeiro
de 1869.
O sccratario,
Aatonio da Assump.'ao Cabral.
" Jos Policarpo de Fn-itas Jnior, labelliao
publico inti'iino c eserivfc do civel e commeroio
do termo de Oiinda, mudou seu caitorio para a
ra de Mathias Ferreira n. 13. _______________
Offerece-se um caixeiro para taberna;
<[uem pretender dirija-se ma de S. Fran-
cisco u. 6 que achara com quem tratar.
Ama
AV
C'ollosio
Preeisa-se de urna para todo o servico
loemis eBKoDvmr, pnfeas-se captiva:
ra da Madre de Dos n. 'i.
Preeisa-se de ama boa en* ommadeira o
um copeiro : no collegio da Cofcceicao.
Preeisa-se de uma ana que saiba cosinhar
para casa do homem solleiro : na ma do Liga-
mento n. 12.
Precisa-se de una ama para
ra das Gnes n. 21, Io andar.
enzinhar : na
O abaixo asignado faz ver ao publico com
espeeiadade ao eorpo commercial, que de seus
dous eatabeleciinentos do fazealas sitos ra da
Imperatriz ns. 48 a 52, lem vendido nesta dat o
de n. 48 ao seu caixeiro Paulo Fernandes de Mello
Cuhnaraes, com todos os fundos existentes no
inesmo. Retfe, 2 de Janeiro de 1869.
Joo Frnnrimt Paredes Porto.
Precisa-se de uma ama p..ra cozinliar e en-
^ominar pura casa de pequea familia : na ra do
Imperador n. 71.2 andar. _
= Precisa-se de uin caixeiro portuguez que te-
nia pralica de taberna e boa conducta, de 12 a 14
annos : na na Direita n. 99 se dir quem precisa
= Na ra da Concordia u. 3 acha-se uma mu-
Iher habilitada a ser ama de bomem solteiro, para
o servico externo de uma casa.
JL V Ai,
Aibam-se ahertas as aulas deste estabeleeimen-
to, sito ra de S. Francisco n. 72, junto a esta
cao dos trillios urbanos do Recife a Apipucos.
Precisa-se de uri caixeiro com pratiea de
taberna : na ra Imperial n. 213. ______
TrogramIa
DA
festa do glorioso niartyr S.
Sebastiilona villa do Cabo.
Na tarde do dia 14 do frrente urna salva real
aniiuiiciai que as 9 horas da noite ser levada
en procissifl com tod.i a pompa e decencia a ban-
deira do glorioso S. >ebastio. No dia seguinte
princiniaro as novenas, lindas que sejam, ser
i ai luda por alguinas senhoras, e acompanhada
pela orchestra urna bella composico potica. Ao
romper da aurora do dia 24 uma salva real aos
sons da msica despertai a populacao da villa ;
as 11 horas principala a festa, orando ao Evau-
gclho o Exm. monsen oj' Pinto de Campos e no
Te-Deum o reverendo padre Mello ; sendo direc-
tor da orchestra o proiessor Porciuncula ; a tarde
haver procissao, e i ecolhida esta principiar o
Te-Deum, depofe do que queimar-se-lia mn gran-
I de e bello fogo de artificio, preparado por um dos
j me Inores artistas dest.i provincia. Tanto na ves-
| pera como no dia da fasta haver diversos diverti-
inentos para distracao dos eoncont'iiles. O encar-
regado da festit ^nao tem poupado esforcos para
o brilhantismo e pon pa da mesma festa. Para
maior conununidade da iwpulaeao desta cidade
haver no dia da fe:ta diversos trens especiaes,
eoino de costume, os paivcs sero annunciados em
lempo coni|)etentc.
AMA
Quem precisar de urna ama de leite dirija-se a
roa de Santa Rita n. >0.
= Mauoel Ribeiro le Fernandes de presente na
Europa, e representado nesta cidade por seu pro-
curador, abaixo assi:nado, faz publico a quem
convier, e particulari lente ao eorpo do commer-
cio,qii'desde o 1'de Janeiro do crlente deixou
Justino Francisco Hcnriques de ser seu socio in-
teressado no seu estab^lccimenlo de molhados silo
travessa do Qucimado n. 9, pelo que deixa de
gyrar o mesmo esta! elecimento sob a razio de
Mu noel Ribeiro Fernandes A C, e sim gyrar da
referida date em diaiite sob sua tirina individual,
a cargo de quem tica toda a liquidacao=activa e
passiva. Recife 11 d) Janeiro de 1869.
Antonio Alvos Lebre.
Ama
Precisase de uma ama para tratar de raeninos :
a tratar ni teja de livros ao. |x do aren de Santo
Antonio, on na Passagem, sitio de Jos Nogueira.
,io p do vlveiro.__________________________
= Constando ao abaixo assignado, que foram
vistos ena Goyanna e alii appnihendidos, um ca-
vallo castenho auiarello, pequouo, do boas carnes,
velho, cairegador balxo. e un burro. Uunbeui pe-
queo e carregador, nuu cor de i-ato ou
eardao ; furteaos do engenho Sicupira, freguezia
dos Afogados, na noite de 23 para 24 do niez pr-
ximo pateado, previne as autoridades daquee lo-
que ditos animaes Ihe pertencem.
Francisco de Pinho Boraei.
= Preeisa-se alugar uma escrava para cozinliar
e ewjomaiar : na roa do Crespo n. !B.
O advogdo Dr; Antonio de Vas-
concellos Meuezes de Drummond
transferio o seu escriptorio para ra
do Imperador n. 20, onde pode ser
[ procurado tod ds os dias uteis para os
mistures de Ma prolissao, das 11
horas da maulia s 4 da tarde.
festa de Nossa Senhora do
Monte em Oiinda,
D. abbade de S. Bento, de acord
com o Sr. commendador Vir5es, avisa o
respeitaVel publko e devotos da mesma
Senhora, que tem transferido a festa da mes-
ma excelsa Sentara para o dia 17 do cor-
reute.
AVISO
DE
RELOJOEffiO
DE
VCTOR GRANDW
N. 40 Ra da Cadeia do Recife H. 40.
O proprietario deste estabeleei-
mento, premiado com a aii'dalh;i
da exposicao universal de Paris no
* auno de 83;>, tem expostj ven-
da em sua luja, um grande sorti-
mento de relogios para rliibeira,
'como sejam : de ouro e prata, sen-
do dos melhores fabricantes, de patentes ingleaM,
suissos e horisontaes. Tambein tem uma grande
quantidade de relogios para parede c que balein ho-
ras, ditos para embarcaeoes e para cima de mesa,
todos telen relogios sao dos uuis bonitos modelos.
O mesmo roncera relogios de todas as qu.ilidades
existentes, assim como tainbem concerta chrono-
Compram-se moodas de prata o ouro de todos
os valores, ouro e prata em obras v.lhas, e pedias
preciosa';; conipra-se beni na ra da Cadeia n. 2,
(Jebaixo do arco da Conceicao. leja de ourives.
Compram-se escravrw do sexo masculino.
enja idade pgale de M a X anuos a tratar na
escriptorio oje Jos Victorino de Rezende & C.
ra da Cadeia, n. 62, primeiro andar.____________
Compra-so u escaler de 20 a 2.1 palmos de
compriinento o de 7 a S de largura, e inaeiio de
maduras : quem o tiver annuncie ou dirija-se ao
escriptorio de Alfredo 4 Curta, por cima do Tra-
piche Dantas.
Coinpra-se um pian > moderno que tandil
boas vosee : na ra do Alocrinan. 4.
Joao Valentim Ferreira Haslos, professor parti-
cular de instruceao primaria, avisa ao r^eitovel CA13|
pubhco e com espectaiidade aos pats de tanaflia, mm^ de a, ^ ta martimos : recebe sempre
que no da 7 de jane.ro esta aberta i ula na portodo,op *apor(,s lml eonipiolo sur,l[l(l[ltold(.
correntes e trancelins, sendo tudo de ouro de Ici
e de modelo os mais modernos, assim como diver-
sos objectos de bijouteria dos mais bonitos e moder-
nos gostos. -
pie no da 7 de jan
ra de Santa Cecilia n. 37, onde recebo pensionis-
tas por preco eouuiiodo : o mesmo profesor pro-
inette muito se esmerar no adiantamenlo de seus
alumnos. >'o mesmo dia preteade o mesmo pro-
fessor abrir um curso de priuiciras letras a uoite
para aquellas pessoas que nao poderom frequentar
durante o dia.
r,
1
u
A quem souber roga-sc o especial obsequio de
informar se existe anda nesta provincia Mara de
Jess, natural do Porto, viuva de Joao Lourciro,
natural de Vercez. Vieram ambos para aqui em
1847 ou 1818, para casa do uui tilho por nonie
Joao Loureiro, que aoja eslava tambein eslabele-
cido com toja de sapateiro ou tamantpieiro : quem
souber c se dignar fazer este favor, pode diiglr-se
ao escriptorio de David Ferreira Hallar, ra do
Rrum n.92, que muito o obsequiara.
1P
WmWmb
PLLAS, VLNrlO
E
XAROPE DE JRBEBA.
PREPARADOS PELO PIIARMACECTICO
itKiqaiiiH d'Alnielda Pluto.
As preparaces de jurubeba sao
boje vantajozamente conhecidas e
preconisadas pelos mais habis m-
dicos, tanto da Europa como do
paiz, pela sua efficacia nos casos
de anemia, chlorose, hydropesia,
obstruccao de abdomen, e tambem
as demcnsliuaco dillicil, athar-
ro na bexiga, etc.
Vendem-se em poi-rSo e a reta-
mo, na cidade do Recife, phanna-
cia de sen compositor, ra larga
do Rosario n. 10, junto ao quar-
tel de policia.
XAROPE DE FEDGOSO
E' de uma efficacia ventailoi;,i-
mente maravilhosa como calmante
do syslema nervoso e applirado
contra a parlisis, asthma, tosse
convulsa ou coqueluche, tosse re-
cento ou antiga, suffocacoes, ca-
tarrhs broncliii < g .e., e a mi
contra todos os solfrimentos das
vas respiratorias, o na phytisica
pulmonar, sua virtude contra o
totano ou espasmos, c convulso, s
incontestavel, e ninguem ha que
a descontaba.
Anlonio Faustino de Castro
Constructor de utensilios (ypo
graphicos de uiadeira, ferro e
outros uietacs.
LISBOA.
Alm dos utensilios tvyopraphiros em aso, se-
gundo os mais modernos e perfeitos modelos m-
trovados para o servico da imprensa aac onal de
isboa e do grande numero das typograpliias de
Portugal e do Brasil, fabrica pequeos prelos de
ferro, enage se podein todava fazer imaressCes
de formato nao excedente a nveia follia de papel
commum. .Estes prelos, que ja foram iambein
adoptados em muitos dos principaes est ilicleci-
mentos do paiz, servem excellentcnientej nao s
para a tiragem de pravas, mas ainda paila a im-
iressao de qualquer trabalho, por mais Aeliradi >
que seja, por quanto a esse um se llies podein
adaptar rama, tympano, frasqueta e punturas,
tendo, para regular, a eravacao, o compctbnte re-
gistro.
Incluindo os accessorios indicados, opreep de
cada prelo de 4o'000 fortes.
O constructor pode ser procurado na iitiprensa
nacional de Lisboa. Estes prelos sao pbrtateis.
podem-se enllocar sobre urna mesa ou haldao*
VENDAS.
Vende-se una casa terrea, com bastantes
eoinmodos, sita na na da Estacan, na povoario dos
Montes, em Una, junto a esleao da estrada de
ferro : a tratar Beata cidade c m Virgilio de (lastro
(Hiveira, travessa da ra do Vicario.
Claro ou |uiuenilo.
No armazem da roa do Ainoiim n. .'ii ha para
vi nder este genero ein p, doce o picante, excel-
ente para temperos, e muito adoptado na Europa.
ilU ijt' I L
Tendea) Augusto F. de Oiivetra A C. ra do
ommercio. n. 42.
- Machinas de descarorar algodlo
Domingos Alvos Mallieus tem para vender em
seu escriptorio na ra do Y gario n. 21, superio-
res machinas pan descaroeai algodao, de lodosos
ainauhos.
Precisa-se de um criado" para compras e reca-
do : no collegio da Conceifao, ra dos loelhos
n. 28.
. Joaquim Jos Gon
calves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, 1. ANDAR.
XAROPE
DB
SALSA PARRILIIA DO PAR.i
OU
DEPURATIVO DO SANGUE.
Usado as molestias de pille,
impigens, dores rheumaticas, e
ulceras venreas.
0 nico deposito destes medica-
camentos na botica do Pinto, ra
larga do Rosario n. 10 junto ao
HJquartel de policia,
CASA DA F0RTII4
Aos 4:000$
Billietes garantidos.
ra do Crespo n. 3 e casas do costume.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus mui-
to felizes bilhetes garantidos, um quarlo n. 3113
com a sortc de 4:000.5, dous quartos n. 1(131
com a sorte de 7005, um meio n. 2160 com a
sorle de 2025 e Outras umitas sorles de 100*,
405 e 205 da lotera que se acabou do extrahir a
beneficio do patrimonio dos orphaos (91) convida
m possuidores a virem receher seus respeetvos
iremios sem os desean tos das lcis na Casa da
Fortuna ruado Crespn 23.
Acham-se. a venda os ca {!.* parte da lotera em
beneficio do recolbiinento de Iguarass (02.a)
que se cxtraliir sexla-feira lo do corrente mez.
Prteos.
Bilhete.....45000
Meio.....25000
Quarto.....1000
Empnrcao de :i005 para cima.
Bilhete.....35500
Meio......15730
Quarto..... 87o
MiuoelMartins Fiuza.
Sacca por todos os paquetes sobre
co do Milano, em Braga, e sobre os.:
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimar3es.
Coimbra.
Cliaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos d Val de Vez.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalico.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Reja.
Barcellos.
Maria Joaquina da Cruz Celestino professo-
ra particular de primeiras letras participa aos
pais de suas alumnas que abre sua aula no dia
U do correute e convida aos pais de familias que
de novo lhe quzer confiar as suas tilhas o dir-
gir-se a travessa dos Expostos n. 18, primeiro
andar.
Precisa-se alugar um moleque, paga-se 145
rs., que regule 15 annos de idade : na ra do Ca.-
bug,n. 2 B,
Precisa-se alugar um cscravo para casa d
familia Paga-se bem aixadando o servico do dito
escrava: na ra larga do Bosaro n. 38, laja de
miudezas, se dir quem precisa.
Feitor.
Precisase le um feitor, que entenda bem de hpr-
taejardim, nreferindo-s3 solteiro, para um sitio
dentro da cidade : a tratar na ra do Cabug, loja
n. 3.
o Ban-
Aina,
Precisa-se de uma ama forra ou captiva
comprar e cozinhar para uma pequea fam
ra Nova n. 65, loja.
para
lia: na
Aliijasii-se
o 1 e 2o andares da ra Direifa n. 88, ultima-
mente concertado, caiado e pintado, e co n bons
commodos para familia : a tratar na padaiia n. 84
na mesma ra.
= Ausentou-se de bordo do patacho tuibaldi
o prelo Jos, de idade 32 annos, de cor esejara, es-
tatura regular, olhos pardos, rosto comprioo, bar-
bado, natural do Cear, conhecido por Jos Matu-
lo : quem o apprehender queira leva-lo a bordo
do mesmo navio, ou no escriptorio de Amorim Ir-
maos para ser gratificado.
Ama
para comprar e cozinhar : na ra da Cadeia n. 8,
loja, ou na ra da Conquista n. 24.
Copeiro.
Offerece-se um homem com todas as liabilita-
coes para bem desempenhar este lugar : a tratar
na ra da Cadeia n. 9.
= Jos Henrique da Silva precisa de un criado
que saiba bolear : a tratar na ra estreitsj do Ro-
sario n. 2, no Io andar, das 10 horas da majnhaa as
3 da tarde. *
= Na'Passagem, casa n. 40, precisa-
criado que seja bolieiro.
de um
o assignados particpalo aoiespeila-
wnmerclo e ao publico em geral,
que no dia 4 do corrente dissolvpram ar.iigavet-
uente a sociedade que linham na taberna jrua das
Cinco Ponasn. 148. que gyrava sob a firma de
Joao da Silva Santos & C, que de agora em dian-
te passa a Joao d Silva Santos, obrigando-se pelo
activo e passivo da extincia firma. Rec fe 4 de
Janeiro de 1869.
Joo da Silva Santo.!.
Joao do Amoral Raposo.
= No dia Io de Janeiro do corrente auno per-
deu-se desde a ra larga do Rosario at aos Reme-
dios uma bengala de cana da India, conf castao de
inarfim, no alto do qual tem urna chapa de metal
dourado, com a letra G : quem a tiver a -hado,
rogado a entrega-la na mesma ra larga to Rosa-
rio, padaria n. 16, que ser recompensado.______
Precisa-se alugar urna preta para vender n
na : a tratar na ra do Caldeireiro n. 88.
COMPRAS.
Jos Francisco de Abreu & C, seieutifieam
Lao publico, e especialmente ao eorpo do commeicio,
que compraran! a taberna do Oitizeiro no Giqui.
outr'ora de Antonio Joaquim d Mello, ao Sr. An-
tonio Goncalves da Silva, da qual era administra-
dor Joaquim Luiz Viraes e por isso se alguem
iHiuver de por embarace a dila transaco, apre-
sente-se no prazo de 3 lias, a contar de hoje, na
referida taberna ou ma das Cruzes n. 42, a en-
tender-se com Joaquim da Silva Costa.
Recife, 7 de Janeiro de 1869.
Jos Victorino de Bezendc & C. continuam a
vender farinhade mandioca de superior qualidade.
recem-chegada de Port-Alegre: a tratar em s?u
escriptorio, ma da Cadeia, n, 52, priiuiro andar.
Com muito maior vantagem
Compra o Coraco de Ouro, n. 2 D, ra do Cabu-
g, modas de ouro e prata e pedras precie MS,
Compram-se 30 pipas com niel (s o caldo):
a tratar no caes do Ramos n. 24.
OURO E PRATA
Compra-se hoje, moedas de prata, li-
bras esterlinas e ouro de todas as realida-
des por maior preco do que em outi a qual-
Juer parte, na ra da Cadeia do Recife n.
8, loja do azulejo.
Compram-se moedas de ouro nacionaes ou
estrangeiras: na ra da Cadeia n. 4, arnazeuade
Suva Barroca.
= Compra-se um preto que saiba tratar
sitio : na ra di Cadeia o, 31, armazem.
de um
PASTILHAS ASSICARADAS
DO
DR. PATERSON
IBe bisnmth e umaguezia.
Remedio por excencia para combater
a magreza, facilitar a fgestSo, fortificar o
estomago etc.
3 i
DEPOSITO ESPECIAL.
Pharmacia deRarlholoiii.ua- C.
Ra larga do Rosario------34.
Aos Srs. de engenta
Ha para vender uma asedente machina de dis-
tilaco, a qual se aeha em eaaa 'les Srs. Viliac
ra do Bruiii ffuodicao). Para tratar com o sen
dono na ra do Hospicio n. 23, que far negocio a
dinheiro ou a prazo.
Vende-se 4 esclavas, sendo duas de 20, una
de 2o .e outra de 30 anuos, una das de 20 tem
una cria de 6 mezes, todas QQEB habilidades, mais
um inulalinho de 11 anuos, robusto proprio para
pagem : na ra do Fogo n. 9.
Vende-se umaporcao decaixdeS vastos, pro-
prios liara bahuleiros : iia ra da Iioperatriz n. 9,
laja.
Vende-se um sitio na povoaciodo Peres, com
casa de taipa e alguns arvoredos, cajos j dao (ruc-
io, e com ama planta de capn, que se Bstenla todo
anuo : quem pretender pone entender-se com Joa-
quim de Ahneida Queiroz no mesmo lugar.
Vende-se uma escrava criolita, moca, b-iaen-
gommadeira. lavadeira. e conoa o diario de una
easa : a tratar na praca da Boa-vista, sobrado nu-
mero 12.
Vende-se a padaria da ruado Sebo com todas
ns seus perteacas, cuja est bem loealisada, lauto
p.'ia a praca como para ornato: a Ua'ar na mesma
Vende-se lima mulata de idade de 18 a 20
annos, muito boa enponiniadeira e cozinbeiia:
quem ipiizer pode dirigirse a na do Jardini n.
19, que achara com quem tratar.
Para familias
Craiidc Bazar, ra Xova ns. 80 c
99. decmetro 1 launa(fi C .
Acaba de chegar a este eslabeleeimenlo
grande porcao de machinas para costuras do
autor Wheeier Wilson, approvadas na ulti-
ma exposicao de Paris, as quaes cozemeom
dous pospontos toda a costura, e tem a
vantagem de ser tao suave o movimento,
(pie qualquer crianca de oito annos fcil-
mente trabalha, e pode, com este entrete-
nimenlo, levar vantagem ao servico diario
de trinta costureiras. A comprehenso
simples, pois em um quarto de hora se fi-
ca enfaor do movimento da machina, ten-
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abainhar.
franzir, marcar e bordar, como apresentam
os desenhos que acompanhani-nas. Os pro-
prietarios do estabelecimento se encarre-
g^^lc mandar ensinar n'esta cidade, e
gimmtem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de uo trabalhar com
perfeicao a machina vendida, nao tendo,
porm, softrido ella alguma avaria. Ha tam-
bem no mesmo estabelecimento machinas
do autor Grower & Baker, de trabalho sim-
plesmente man, e outras com movimento
dos ps: e mxime todos os pertenece das
mesmas machinas, para vender avulso.
Cemento de Portland.
Vende-se no armazem de Vicente Ferreira da
Costa & Filho, na ra da Madre de Dos n. t, otn
barris grandes.
Em casa de Theod. Oiristianscn. ra do om-
mercio n. 16, encontrani-se effeetivamente todas
as qualidades de vinho Bordeaux, Bourgognee do
Rheno.
. Manuel Alves Ferreira de C, na ruada
Moeda n. 5, segundo andar tem para vender
superior potassa da Russia em barris e meios
barris e cal de Lisboa da mais nova que ha
no mercado.
Escrs
ara.
Vende-se urna preta moca recolhida e sabendo
coser, eogommar, cozinhar e lavar: a tratar na ra
do Aragao n. 3?.
Na offlcina de marcineiro da na da Praia n.
46, vende-se uma porcao de taboado por preeo
commodo, t;.mbem se traspas.-a a chave com a fer.
ramenla.
Pechinclia.
Paraum principiante, na na de Joao Fernandes
Vieira, vende-se a taberna n. >6, com pouros fun-
dos ede muito icgocio, per seu dono aehar-sc
doente : tratas.' ua mesma lab rna.
Veudeni-se
duas parelhas de emlwnos de cedro : a U'atar
ra da Alegra, casa n. 9. na Boa-vista.
na
Vende-se a armaco da taberna da ra do
Nogueira n. 49, em muito bom estado : a tratar
no largo da Penha n. 8.
Vende-se
a taberna da ra da Palma a. 37, denominada Flor
da Palineira, beiii afroguezada para a ierra, livre
o desembaracada #a tratar na mesi
O amigo dos fuiuaates
Vende-se esta bem acreditada fabrica de charu-
tos, por ter o seu dono de retirar-se para (ora por
ejtar doente : a tratar na mrisia, ua travessa de
S. Pedro u. 1.
(inde liquidacAo
0 proprietario (Vaatig e bem c
loja de iniudejus ileuomtacda Befla pk
i rea do (JueiCrtado u. (:t. querendo a ...<
loni o sortiment'i I..- miudezas que e>i
lem deliberado proceder a uma completa ;-
iiuidafao, para o que chama a aUencaode;
Ins.
Os objectos serSo vendidos por metai
sen valor, epaia rrrje opUldid, nao suppo-
nha, que o presente aouuueio uma iUttSS ,.
o[tro|iiieiai'i.Hla litaloja, oliereet' uma po-
auena lista de algumasmidezes, o m mu
diminutos prerns--COHM) ahaixu se vei.,:
nao apresentaiido una lista completa do!---
dos os objectos que estao expostos a venda,
pela razao de so tonar um annumo mui'o
extenso e por consequencia de enfadonhaft -
tura, por isso apenan leinita-se as seguinte-,.
1 Duzia de miadas ile linha pata
fazer croch. Mfj
1 Caixa de linhaoin SO novelloa 50H
1 Dita i SO i H4)>>
1 Dita i 10 800
1 Duzia linha de cairileis de
100 jardas d(H)
1 Dita de
00 jardas. L%rj
Fita de laa par;! djebnun di; tsdtu
as corc>.;i pe<;a. -n.-)
Dita a branca 2(.0
Dita ra
Peca de fitadelinhocom 10 varas,
e qeusene para c<><. 900
Dita cs :'<(:
Peales vnitiados paramemna e se-
nhora; rt Ditos muitos finos. : :
Ditos preto con chapa. 100
Ditos Illancos 3Stl
DOS pelos. 2gft
Ditos brancos finos. I0u
Escovas para dciil-s a 160, 2i o 3C0
Ditas para cabellos. 2K;)
Ditas multo linas. 'i
Ditas para rouna. :._.'
Ditas dita de dita. S
Pautes de coque con fita a i-'| 0,
i >00O e 2^500
Pemespara coques l v'it. 2o00
a^flOQ e hm ';
DefJJ de franja paratoalha a p i
C(m 14 varas.
Knl.cnieios bordados a pecaOOO 7( '
Tinteiros de porcelana l.'itKi -2.> 2a.m i
Halaios para meninas de eseolla
bonito desenlio 800, !?, 1)5500 2K't)
Peca de fila de seda [tara cniei-
les de vestidos. I000
Fita de sarja de todas as cores. I^ICO
Gravatas pretas a 320 e 500
Ditas de cores. .";( I
Sapatos de traaca e tpele. l.-^ci
(arrala de agua Florida veid;;-
drira |,>')
Frasco com extracto em sapali-
nlos. hf .'
Ditos com leos.
Dito agua de Colonia, pipnnos.
Dito, culo de ilito defiever. ]
Ditos com banba.
Ditos com tnico. l&tdO
Ditos com oleo filocome. 5000
Ditos rom extracto o banba. I/VN
Ditos com extra los diversos
Pao de pomada.
Ditos pequeos de pomada. N
Capellas para noivas muito tinas. 3 '<< I
Sahonetes, 10, 320 e '.< .
Ditos transparentes de bolla 800, 1,40(1 >
Redes para cabera 300
Bandeja 900 a l -v
Duzia de botoea de sedapara en-
reites d vestido 240
Porceiade coiilas. 800
21
A
C;
Ra do Queimado = 2!
para presentes
ANova Ksperanea, ra do Queimado
ii. 21 lem mu variado sortnento de objec-
tos de gosto e phantasia proprios para pre-
sentes, sobresanando entre elles ricas caixr
nhas de chano com finas perfumarias, eos.-
tareiros de chagrn, agulheiros de madn<
(erla : assim, pois, quemquizer fazer un
linda offeita. dirigir-se Nova Espera
rita do Queimado n. 21.
Para baptizados
\ Nova esperanca ra do Queimado i
, tem ricos vestuarios proprios para bat-
tisados, sapatinhos, meias de*seda e !:
Escossia para o mesmo fin.
Collares anodinos ellectro-magncti-
cos contra as convulcocs dos
cranlas.
Nao resta a menor duvida, de que rauib g
collares se vendeja por alii intitulados s
verdadeiros de Royer, e eis porqae mui- f
pus de familias nao creem (comprando-i I
noeffeito promettido, 0 que s pdem dai.
os verdadeiros; a Nova. Bsperanca, pori i
i] ii' detesta a falsificacao principalmente no
que respeita ao hem star da humanidad.,
fi z uinaencoinnii'iida directa destes c<>ll;nr
e garante aos pais de familias, que sao i
verdadeiros de Royer, que a tantas creai-
cas tem salvado do tfrivel incommodo i
convulces, assim pois preciso, que n. -
n'liam a Nova Esperanca a na do Queimado
n. 21 comprarem o salva vida, para -
lilbfnbos, antes que estes sejam acommett-
dos do terrivel mal, quando entao ser (i
flicil alcancar-se o efl'eito desojado, embota
sijam empregados os verdadeiros collai
de Royer.
Aos amantes das cacadas
Commodas boleas proprias para os ca
dores, vende-se ra do Queimado n. 21,
leja da Nova Esperanca.
Preparo para flores
A Nova Esperance, ra do Queimado
n. 21, tem um completo sortimentode pa-
paros para flores, como seja papel parafolha-,
dito para petulas, clice, botes, toChas
panno e todos os mais prepares para for-
mar-se um ramo ou grinalda, com gosto o
perfeicao.
Agua divina
A Nova Esperanca a ra do Queimad
21 receben nova remessa de verdadei
a,ma divina.
rm extinguir as sardas -k
panno
Recebeu a Nova Esinraina, ra
(meimado n. 21, leite d1'
para extinguir sardas e paw
Para abejar e c
beua Nova Esperanca, ra do Qu
n. 21, o a e o el
dentfrico o o dentalgi
ma
IBnT^



Diario ilfi lVniambuco Segunda feira 11 tk* Janeiro de 1860.
A ra do Queimado n. 7
DE
i DA SILVA 8- C.
f\C \ITS?T\lf*(~iQ *m todas aa partea do mundo, cmpregam, com o maior xito,
Uo M.'rilJIl^v/'^ o phospaatodc ferro soluvel de Leras, para curar a chlorosis
(cores paludas), as dores do estomago, c a exhaustaro do saogue; com esta prepaiaco, dio
ao corpo o vigor, e fts carnes, a sna firmeza natural; facilitam o desenvolvimento to labo-
da puberdade. Com effeito, tudo, nVste medicamento, e acha reunido para
noso
lbe
Est .i i>\psiran de n-spi'itavel publico oeste importante estabelecimento um lindo
f completo sortinientode faeenaas chegadas pelo ultimo vapor da Europa, o que tomos a
honra de amiunriar aos nais tle familia, assim como ao b.dl sexo, a (piem o Itumpbo
pfle Ma alteiicio: garntanlo sempre cm sua nova loja o gusto de hiendas e novas mo-
ni (dificacSodos procos, para assim adquirir symiathia de quem der a honra de
procurar o Triumitho.
Lindas seilas fe cor novi. gosto para#000e !#800o covado.
Clares de soda e lait. apurado gOStrj para 1 KiOO o covado.
Citaziuhas cout lislra de seda para l&lOOo covado.
Hilas de lindos padr&es para 500 e 800 rs. o covado.
Cambraias brancas para -">. M500, r-S e5800 at 86.
Ditas de cor, todos gratos, para 640 e 700 rs. a vara.
Saias de la bonitas rom barras de 0?> a 105. *
Kaloos de la de nuisselina e arcos por procos reducidos.
Basquinas de groedaftaple? de 22rj a :i-*>-\
Gfosdenaplcs pretos e de cores.
Mussolmas brancas e de cores.
V. outras militas fazendas de apurado gosto, que seria enfadonho mencionar, as-
siiu cobo lambem nina
VECBUMCmL
i\-u- appan ceu ;i luja do Tihimpho. alpacas de ftirta-cores e padreesmodernos judo bara-
to prego da 400 rs. o covado ><> ap Trwaipho .'
" Alm destas la/ondas tem mn completo sortiment) de madapoloos e chitas claras |
i- escuras, que se vendan por omito barato preco ese dio amostras a quem pedir, as-
simeomo qualquer fazeoda se manda aonde for chamado ; estar aborto o osiabcle-
rimerilodas da manbaa s i da imite.
Rovipa feita
Grande sortimento* de pannos, csemiras abrios )ara mandar fazer qualquer obra
a gostodo pretendento, eha tambemsempre prompto bonito sortimento de roupafeto
se vende com grande differenca nos procos do que em ostra qnalquer parto.
BAZAR DAM
DK
JOS DE S0LZ4 soases a- c.
Ra Nova n. 50, esquina da raa de 3. Amaro.
IMRl O NOVO AWII 1)E 1869.
Novo somtenlo de artifes di- moda e luxo. recebidos pelo ultimo vapor nado da Europa
Especial soriiniento de objectos para minios.
PiarBinarias flaas dos prmoipaes autores.
Luvas de pellira frescas, brancas e de cures para bomens e senboras.
Cbapeozinnos le palba de Dalia enfeitados, para senboras
Ricas chapetinas paraeenhons, gorros de palba de Iiali; para senboras e meninas
Especial sortiinentode sintospara senhoras.
Enfeites degoslo pa senboras.
Pitas de grosdonaple superior de todas as crese largona.
Franjas rom vidrilhos, brancas, de coros e pretas.
Guarniees de todas as quaJidadespara vestidos.
Vestnarios completos para baptisados.
assegurar do saogue. 0 seu autor, U. Leras, doutor em sciencias, pharmaceutico, professor de
chymiea, inspector da Academia, foi, recentementc, condecorado da ordem da Legio de
Honra, digna recompensa los seus importantes irabalbos.
As seguales apreciacoes dos mais celebres mdicos ainda vern corroborar e justificar
todos estes ttulos confianca publica :
Precisa classilicar o phosphato de ferro soluvel entre os ferruginosos qtc melhor
t convem aos doentes ciijos orgaos digestivos snpporlam mal as preparares de forro.
SOUBEIRAN, professor na Escola de medicina e de pharmacia,
0 phosphato de ferro soluvel em quanto a mim, a melhor das prcparac5cs ferrugi-
nosas, c o seu emprego d os mais promptos e seguros resultados,
ARAN, medico do hospital Sainte Eugnic.
o A (arma liquida do phosphato de ferro soluvel d-lhc urna mmensa vanlaijcm sobre
as pilulas; eu considero este medicamento como mui superior ;s prcparavdes ojiadas.
ARNAL, medico de S. U. o Imperador, i
Entre todos os ferruginosos, naoconhecemos um s que obre 15o prompta c efficazmcnle
> como o rhosphato de ferro soluvel, c isso, seni cansar o estomago.
BELLOC, BAL'ME, BIOT. FOLLET e PRVOSI', mdicos dos hospiles.
c Os effeitos da preparaco de puosphato de ferro soluvel me parecem ser mui seguros
e promptos. BEOIT, redactor cm chefc do Dulleliu Ikrr.peutique.
Entre todas as preparacocs ferruginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a que sempre
me dco os mclhores c mais satisfactorios resultados. GUIBOIT, medico dos hospitaes.
a 0 phosphato de ferro soluvel tem, sobretudo, a vantagmn de evitar a comiipacSo e
couvir aos temperamentos delicados. br FAVROT.
Deposito em Pertiamhuco, em cas: de Maurer e C
'*
ft
fifc
w
PASTILHAS
DOSES DIGESTIVAS]
deBURINouBUISSON
MedtUhado
f pela
Socdade
Pharmaceutico
laureado ~
pela Academia
de
medicini de Pars
CON LACTATO D SODA E MAGNESIA^
Estas Past.lhas constituem o medicamento o mais novo e o mais racional para combater
todas as aff;cc5es das vas digestivas. Ellas contem, com effeito, o acido lctico, um dos
elementos normes da clgestfio, combinado com a magnesia calcinada, cajos bous effeitos
tem sido apareciados sot- iodos os mdicos, e o bi-carbonato de soda, sal eme taz a base das
| aguas de Vithy e da nraior parte das aguas raineraes alcalinas. Este trplice conjuncto de tres
l)roductos cuja efficacla popular, explica o bom xito qne se dbtem as gattrites, gastralgias,
ahidas de (ioms, inchacoo do estomago, vmitos depois das comidas, indigestes, dores
estomago, etc. Deposito em Pernambuco, em casa de Xiner e o*.
TASSIRMS
Tem-para vender em seus armazens, alm de ni-
tros, os sguint(g arti
Papel para iniprimir
Perlina ar.ul.
Grevo pastado e liso.
Vinlios oin eaixas de doze garrafas
Boorfogne.
H.'iy.
Hadeira.
llennitage.
Chmbln.
Licor de 1-iii'ac.io de Hollanda em eaixas de \ in-
te cquar i botijinbas.
' OESSO
Nosarroazens de Tasso-IraSos.
Grades de ferro
para Jardins, iioriciras etc.
Nos armazena de TassoJrmaos
'AltltlMIOM ii: tlltltl)
Para servicos de prnndes armazens, para renio-
I ver barricas mi caixdes de um para nutro, lado pelo
mdico preroda l000eada um.
Fai'iiilia de trigo de Trieste
Das melhorai mareas Paimuia (winlaiiim) Fmi-
tanae grande sortimenio da- memores marca- de
brindas americanas.
Saceos de fariia de trigo do
Chfle
Toda< novas, ebegadas ailimameate no- arma-
sen! de Tasso [nulos.
Cemento romano
Nos armazens de Easso [ansjos.
Cemento hydraiilico 12<
PARA A FESTA.
e garfi s de balanco de I botio a
470 a ilu/ia. i.hiu idem de -2 botes a80.
idt'm idein para solmj meza
  • 1 boto a
    i&Qb, idoiu iilcni de -i ifi, s a <>>, todas
    emperfeito estelo : asim como bandeijas
    linas e oe diflt'i'iilcs i Iheres de
    metal prinrqfe. rew para cosiulo, ferro
    para frisar m .-iiil"s. bacas co nidal de 20
    a :(i pokgaafi, propias para baidio, es-
    piogardas.d 2 canos linas, assim rumo po-
    za- pelosystema mtrico adoptado okima-
    mentf pela cmara municipal, alm d ou-
    iriis muitos objectos tendentes i rerragem-
    c luiiilezas. que se vendis por barato prc-
    co, na ra Dreita n. <>'.\, loja do Braga.
    A loja (Fagina branca
    { o i'eectf:iciilo iI:ik modas e uo
    vidades.
    A agaia brnea tem-se feito to conherida <
    acreditada, nao pelas novidades, variedades, so
    porioridade e sbnniluria de seu sortimento, essnti
    pela constante i onunodklade de seu- puros, e m
    mo pelo seu asaas e nunca olvidado adiado e siuce
    lidade.
    Essas verdades iiicoiitc-l.iwi- nao mii (IiiviL
    apreciadas pelo bello sexo em particular,c fe*
    respritavel publire em aenil, 6 a lano lew rhepadi-
    ipie eslo ipia-i p.issando como amie\iju ofl po
    verbio, qtiando ge v! mu objerto do elcfaneia
    eoslo, novidade, eie.. etc., diz-.-r logo -aojuelle oh
    ji'do mu divida fui c.nijiiado na loja d'agiii.
    branca.
    Quando no club, nos bailes, ou no MBa 4
    Santa Isabel, moa esceUentissMa m apicsenta
    earbosamenle Irajando, mieendo o moderno dnd<
    de mui larga Uta, li.-a. rhamalotada, mi seosse
    ascuas admiradoras ditem consigo aq&rlla a
    O melhor para nado qne sao obras para agua, eo- '"' rtanpradti na kijad'aguia branca.
    enhoras debm gosto
    Golinbas e pannos enfeitados para senhoras.
    Coques modernos, lisos e enfeitados.
    Bornnns de laa e seda, cures claras, moda elegante para
    Corpinji ti cambraia enfeitados para senhoras.
    Cacue-ncz de la.
    i]haposde sol para bomens e senboras.
    . snrtimento especial.
    'Imiia-elcganles dequalidadu superior.
    Cinl ricos de palba, alta novidaae.
    (rinaldas de llores linas.
    i lamisas superiores para bomens. *
    i'.olarinhos e pannos.
    Grvala: e maulas modernas.
    Bengalas de diversas quabdades.
    i'.aixas grandes comquatro pecas de umsiea.
    Ftres de palba para guarnieres de vestidos, botdes, livela-, lacos paraenfeites.
    Chapeos de pello de seda pretos, forma a Rotschild, razend superior para hom< lis
    1 rrentesde plaqu lino, gestos h mitos para relogies.
    ilacolelas de bom gosto para as mennas.
    i orrenics pretas de borracha diversos modelos para rollas.
    l!.' i ito.
    E muil artigos de novidade queso :i vista podem ser apreciados.
    Existe continuamente um completo sortimento do mindosis, vendo so por groswi
    BAZAR DA MODA.
    AppioracaQ
    da academia
    de medicina
    de Pars.
    I
    tNt
    BIS
    %$g
    Pharmact utka
    laurea lo
    da academia
    dt wuituta.
    As preparacocs ferruginosas liquidas tem desde muitoa annos merecido a
    especial dos mdicos, porque ellas obrSo mais rbido c seguramente do que as
    sao mais faci'mente toleradas |>clo3 doenlrs. Os Pus ferro-mangan icos possuem
    ciavcl vantagem de poder oflereeer n'um instante urna agua ferruginosa gazcosa
    agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e contendo de mais um clcmenlj) precioso,
    o Manganeso, que sempre se acha no sanguc, jnnetamente com o ferro Emprccao-se em
    todas as molestias que lem por causa o cmpobrccimenio do sanguc, assim como pira vigorar
    os temperamentos debis e lymphaticos. A clilorcse, as Perdas brancas ircsd'estomago,
    a irregulandade da menstniacSo c amenorrha ou suppressSo do menstruo, ced mente a sen emprego. Devenios mencionar aqu! um faci nolavul, isto 6 que os do<
    dos pela agua preparada com estes pos esto mullo menos expostos a recaid;
    aquellos que forao tratados pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
    Deposito ?m Pervambueo, cm casa de Maurer e C*.
    approvacao
    pilulas, c
    inappre-
    de gosio
    les cura-
    s do que
    mi-
    nos ar-
    II ivtalhi
    PREGO CBRENTE DOS CHAPEOS GE SOL
    Da fabrica de
    .
    Eua Nova n. 23r-Eua do Cabug n. 8
    Pernambuco
    a i*; >:
    VERDADEIRAS
    PILULAS de BLANCARD
    COM IO0URCTO DO FERRO INALTCRAVEL
    APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
    Possindo as pronriedade.- do iodo et do ferro, convem especialmente as Affeccos
    ESCRonn.osAS, a Tsica no principio,a fraqwzade temperamento e tambem nosj casos de
    Falta de cor, amf.norrhf.a, em qur precisarkaoir sobrf. o sangue seja par restituir
    lhe a sua riqueza o ahundencia normaes, ou para provocar c regular o seu curso peridico.
    N. D. 0 ioilurelo de ferro impuro on alterado nm modiramenlo infiel,
    irritante. Como prora de pureza e de aalhencidade das Tpr de llliinraril, deve-se exi(rr nosso nell 4e |>rata rraclia e/
    nosso Arma, aqu reproduiida, que se acha na parte inferior de um
    rain'o venir. Deve-se desconfiar das falsificaroi.
    Arliam-ar cm todan as pharmreta. Pharmaceutico, ra Bonaparte, 40, Pars
    irritan
    fck lulas
    gfek nossi
    uno assemamento de eapg de esfoto, abjurles, de-
    pnyito, tanques d'agas, etc., etc.: em porcSes de
    rihcoento barricas, se l'ar rdne^o no preco: nos
    i armazens de Tasso lniiao<.
    Cemento Porlland
    ! 0 v.-nladeirocementoI'orllandeme:,-1 de ffcsso
    ' Irniiios.
    Prades de ferro, cercas, por-
    teiras, etc., etc..
    De dTerentcs qualidadw para cercados d
    paes, cliiquciids para gaUuhas on jardins:
    ui;>/.i'ii- deTasso IrmSos.
    Barrie com lireu
    Nos aroiaxcns de Tasso Irmaos.
    CANOS DE BARRO
    Na na Nova de Sania Hila, na antiga fabrica de
    sabao, ba para vender por proco o mais mdico
    possivel. canos francezes para edificaees eesgo-
    ios deluda aqualidftde,superiores a todos os ijue
    aqui tem apparecido pela sua solidez.
    PRKCOS. -
    I soo por cano grande de 3 e meia pollegadas.
    I i()0 por dito de 2 e tres quartos de dita
    I000 por dito de Se um quarto dobla.
    500 ris por pisloleta de 2 pollegadas.
    C.i'lovellos. curvas o canos de maior grossura, a
    vislase faro preco. Compras maiores de 20(l,i
    lem .'i por cento de descont por prompto paga-
    mente. Pode-so ver as amostras nos rmateos
    de Tasso Ionios.
    Tijolos francezes
    Pura bulrhar casas terreas eeniaasoioe precos
    mdicos, milito convenientes e pnqniospara ladri-
    Ihos de co-inlias em sobrados, pelo sen asseio e
    e\iiai apassagem de aguas para o andar mforior
    i'iiie-mo oporigodelogo, aos procos de 30000 a
    Yo i(KHi o uillieiro : na ra Nova de Sania Hila. i,a
    antipa fabrica de sabao. o compras maiores de 200
    so faia "i por cento do descont por prompto paira-
    monto, podr-m-se ver as amostras nos armazens
    do Tasso Irmaos.
    - Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
    lerna- do carros: noarmazem de Tasso Irmaos.
    \ iuho do Porto fino superior: no armaz-m
    de Tasso limaos.
    o mollior cognacGautliierFrores: noarma-
    zem de Tasso limaos.
    Esteiras da India
    Em casa de Ta-so Irmaos vonde-se esleir- da
    mdia de diversos padroes o largnr.is. por preco
    cominillo.

    ceber pelo ultimo \a|mr, cnmpl
    Conservadora de sua iiidiv->! dc <*&&* ^t omMade e p
    LOA m GALLO VlfilLWTE
    Sua do Crespp n. 7
    Mandn vir il" So corita e ueafia (\r re
    lo soiliinon-
    lantasia, os
    do
    tastos, 28 pollegadas a I4jf*
    W; de
    Chapeos i- soda iraocada, Raragon, de 10 hastss, 28 poegada
    d is a I3jj, < poegadaa a IVHmH).
    Ditos de soda G. de N'. Bara. de neo. de l
    llegadas a |3 : e 2i poegadas a 11*000.
    Ditos de soda G. de,i usa, de aro. de l hastes, 28 pollegadas a
    -,; llega 11- a II-.: e 2i paflegadas a I0-M)00.
    Ditos do alpaca, de aro, d>- 12 I asios. a pollegadas a 6# : c 2fi mlloiA;
    S 1500. ^^
    Por duzia fuz-se descont de 15 0^0
    Chapeos I. sol de panno, de balda, de 8 basten, 21 e 2fi pollegadas a 32
    l! 'scoiito do lo 0|0).
    Ditos de panno, do junco 8 bastes, a 185000 i duzia, r%dO.
    dualidade, amiga
    progresso.
    Os labyrinthos da Emeranoa
    de niiid.'zas da ra do QoeRnadoj
    vem apresentar sna escolliida;
    uin artigo qne at boje cusa va I
    e por isso s chegara para ai
    (naos estao iv S loja
    a. 3i A.
    freguozia
    milito caro,
    classe mais abastada da socieda^e.
    Toalhas de lah.vr!lh>>
    Perfeltamente iguaes is que se fabrican)
    uo paiz por nina dechna parte do valor d ,|-
    las viudo a esta loja. apreciar a prrfo:
    reunida economia, (nem sempre pssivel ll|i;iS para "m deficaifo rninio.
    inunianienl" baratos, para assim animar aos
    concurrentes e m mesas lampo dar sabida
    ao grande deposito qne tem: i-io ra do
    Crespo n. 7, loja do Galio VSguante.
    GoJliolias. punlios e camisinhas para se-
    .'iliora. Ii/rudas degoslo e novidade.
    Finos vestuarios para baptisados, assim
    como loii(|iiiiihas. sapatinltos e meiasinlias
    para o mesmo lim.
    Grande sortimento de lucos e rendas de
    croch e de outras militas quiUades.
    SupiM'ioros eaixas com musiea|s e sem el-
    "as, tonilo o ni tos.- ario pan eo.-Uiras. pro-
    Para descarocar algodo
    Exposicao Iniycrsal de 1807. Premio nico.
    i is novas machinas obram sem macimcar a snenle, sem deixar ticar a menor
    II i do tecido, e conservara as Bbrw lodo o seu comprimentoe toda a sua ejs-
    li;n que tanto deejavam os fabricantes.
    itanidiito da a i destruido por urna corenloxa de ai fri<. pr.tduzida
    . macbiiuia r.pri .ui.'.iii a vuulageiii do podorem ser reguladas p, los trabar
    os mais inxporientes. o seu pequeo volume e o seu pouco peso peraiHtem
    com cavaHos, pelos mais pesshnos caminbos, e o seu manejo (ao fa-
    vo honrnns pode", sem s." .anear, descarocar de 38 a 20arrobas,e um meni-
    8 a I .(arrobas jtordia.
    O'ii'iiii'!' o ,''fiantes virarn ftmecionar DStas madiinas em casa do Sr.
    Ge.riB o relojoeiro, sen esposifor, e aprediaram muito o sysiema pela Facilidade e aper-
    abalboi, ponje o< fes no sao cortados, e deixamos carocos bmpos sem he-
    Ipa,; deixaqdo pprtant um bene^cio de 20 a 2." per cont sobro as outras nta-
    -. A vista (isla. vaiita.'ii.-,.j ge ye que estas macbinas sao prefertvets Saqueras
    i'rar, tanto m as queixas. dos fabricantes e dos negociantes de Liverpool,
    'ivi !.. fttPrajnconi que^) ministro da agricultura do Brasil prohibisse
    das michini que muito d^irecia o algodao bfasneiro nos mercados
    a Europa.
    isso).
    As laallias leom um circulo de lindo de-
    senbo e no centro se le em caradores maiits-
    culos a allegorica iuscripeo.A'baplisai.
    A' passeo.Meus cuid'adns.Lembran-
    ca. Visite.
    Ninguem por corto deixar de ir completar
    o'enxoval do lindo filho para fazer economia
    de i-')ou20.-.esses nadas de que se oompoe
    o guarda roupa dos recem-nascido- (|'ua-
    si sempre Sean aos exiremosos soldados
    das mais, a essas a quem e Esperanza se
    dirige, para amostras e certa est que pelo preco nenbu-
    madeixai de comprar. /
    A Esperanca, tambem receben fronhas no
    mesmo gosto das toalbas que vendo pido ba-
    rato prefo de :t-M)(M). o que custava 10^
    apmiaS e se ligardes importancia ao con-
    fortavel da vida, sem duvida comprareis :
    neste bello pair mngueirt se faz pobre dis-
    pensandd i-is ou o-soor), com o acceio c
    belleza de que se deca a babitacao, As
    ve/.os no que monos pensamos, entretanto,
    como diziam nosso maiores. a sepuNlra da
    vida : ainda 6 s senboras a quera a Espe-
    ranca se dirige. Urna senbora cuidadosa
    do nada faz a casa.
    Ba do Queimado n. 3 A,
    35JMM
    Finas eaixas com tontos e sem elles para
    voAarete.
    Agulhas para macbinas decos'ura.
    Ditas para croeb. sendo de a;;o. marlini
    e outras umitas quididades, assim como li-
    ahs para o mesmo mister.
    Finas grinaliias para noivas.
    Meias da borracha para quem sofl're de
    ervsipeila, assim como meias de laa pjtra
    os que sofft'cm de rbouniatisnm.
    Suspensorios para bomem e meninos.
    Finos pentes de tartaruga par coques Ja
    de outras militas quabdades e pira antros
    nristeres.
    Dedaes de madreproja, marfm, osso,
    ac. metal, etc., etc.
    Superior agua cosmeocome para Ungir
    cabello-, dando nos mosnios a sua cor pri-
    mitiva.
    Completo sortiineuto de finas perfumaras
    dos melhores fabricantes, assim tJOmo mui-
    tos uniros nbjeclos que impossivel (\r^-
    crrY.v: sto s na ra do Crespo n. 7, loja
    do (-alio Vigilante.
    GoHares Royer electroosaagnetieos con-
    tra as convulso, s das criancas e para facili-
    tar a denlincao das mesmas. o Gallo Vigi-
    lante auigo reeebedor d'ests prodigio.-.s
    collares o continua a ter sempre grande de-
    posito, ra do Crespo n. 7.
    Tabellas vermicidas
    di:
    Antonio Nuuos de Castro.
    Vermifugo eflicaz e preferivol a todos os
    conliocidosj pela certeza de son resultado.
    i e j pela fcil applicacao s criancas. qii: -i
    (sempre mais atacadas de to terrivel e
    muitas vates fatal soffrimento.
    nico deposito.
    Pharmacia defiartbolomeodC.
    31roa larga do ltosario:ii
    FUDCAO DO BOWMflN
    lina lo ISriim n. 59.
    Macbinas de vapor.
    Bodas d'agoa.
    Moendas de canna.
    Taixos de ferio, batidofe fundido.
    Bodas dentadas, para moer com agoa,
    vapor e ananaes.
    E outros muitos objectos, etc. etc. pro-
    prios para agricultura.
    Quando oiitrn oxcdlenUViaut. nao menos gar-
    bosa, nii-ic;i o rigor fle mu bom n rto d arcrudi
    esrolha dos pufiates de aHanovnad" qne Ma
    mente ornam .-> u resudo, ainda meimo as ries
    d Ma svnipailiia reufossamqnc- aquelli enleitc
    for a ni da Iota (fagina branca.
    Uando nontra exrellenlissima, apezar da sin
    gelleza de reu porte ftgradTel, se re as bonlc-
    luvasde peRiea duqncn u snan bethi ami
    l':i- louram-ibe o gosto e eonfewam queandb-
    Ihv.is brarn da ija ifaguia bntnei
    Quando mesmo iatt oxc.'llonti--ini:is. ntifas
    amigas de rallegio se enconirain na<|iehYs ln;i
    res. itojiois dm riuniirinwnlosdo redproeofi b ambas por forra de sua elevada rteheadeza, ganan i
    nina a ouira a agradareis rbeirm fc qne astiii
    em sena fluos leos, e cada tuna das qnaea orgs
    11 i isas | irlo pjogio iln aceito Oe sna oscolha, o au
    quo i|inrcii(lo por siniesma Justiflcar flixem -nmi
    iiiiOaiiH'iiic verdado qne aaleetieiro Metaaftti
    do na loja d'agnil branca.
    Aluda mais.
    Quando hontom oe pais afflktos senuan o rig i
    da dfntieSo de sen charo fllhinho. o boje aleares
    -aii-lriin- |h?Io felizrastabeleeimrnto recebemt>
    visitas dos seus iu'Uhor amigos, dizoni aqnoHwa v
    eed .-. foi Deue que me iaspironpara que compras
    se. como comprei, nmdeasea rirtuosos coBare.-
    Roycr, qii" se vendem na loja d'agoia branca.
    Alen, lo multo mala que ainda
    falda dixor.
    Quando em um circulo de raontapeetos cara--
    loro- se disentir a reraeidade de laes daerea, appa-
    rocor nm nutro quo qnefra ainda levemente*inle
    romper a disennao, i priim ros por momanli es
    qneeerio a circnms|iecrao e Ibes darlo uta \
    ojoso drbhnie dizcndo-lhes -j.i cabemos iiue
    um daquenes qne inclina o chapeo' de sol on qin-
    mcreeia ser designado pola aguia branca da rn:<
    do Queimado n. n.
    %o iantasi as ransns que poi-
    cfimis rs4':i|tnvn a* outras.
    J ia osquocondo a agaia branca,mas em lernpi
    lembron-se para noticiar, quo mechen una, pe-
    quea quantklade de enfeite para enqoese grati-
    pes para ditos, nal ivio de metal com lindes.
    agradaveis coloridos, ulnas esta- pela nrimeiraiez
    apnarecidas, e poritutointeira novidaas.
    Tambem chegaram novamente delicados enfoo-
    o flores ornadas de aljofares e vidrilhns. tanto d.
    palba para cuque- como para vestidos, o tud>'
    contina a merecer a apreektcfto das exceflentissi
    mas cnnlieeedoras !> bm.
    T,
    \ ende-se.
    Um balean eni bom estado : na ra da Cada i
    ilo Hecile n. 21
    fiAZ f.AZ C4Z
    CUogou ao '.; igodeposii I de Heurj Forster A
    (",.. roa do Imperador, um cari'egainento de caz
    do primeira quatdado; o qual se rende em partidas
    c a retatho por menos prego do que em outraqual-
    qner parte.
    Tintara japoueza
    Inslantanea para tiiipir os cabello- e a
    barba, a MOOU o frasco.
    K" a nica approtada e rerommendada
    por ter sido -econbecida superior a todas
    as tinturad (Teste genero.
    venda em casa de Gustavo Hei velin n.
    51. ra da Cadeian. 51.
    NOVIDADE
    y i h n i a
    BJ
    Ipfrwajao
    da academia
    de ofilriiu
    de Taris
    EliLAS
    Pharmacfu'.icj
    laureada
    da
    academia
    ; 0_lra.anici.to m a:iecyoeaclilcroea.s, lympl.aticas ou escropliulosii leaapre '
    _ Vender ou arrenda-se impenho S.
    flaspar, sito na Ireguezia de ^erinliaem,.co-
    marca do Rio Formoso. prximo do embaf-
    |ue, com grandes partidos de pal, e 3as-
    sap i roda da moenda, matos e man
    para madeira necessarin, bom pasti
    tratar na rus do Imperador n. 20, ou ra
    ila Florentina n. 28.
    Salronetes de alcutrao
    DE
    pXlOPEft^!
    "B3
    1113-

    o ferro. Estas pilulas sunprem. poi*. na aWrapcAcaam lalniTn?i^"e*por esti
    itkiIivo elUs icm mercado s apinwcao da Academia <1<. Mrtrei n r dos orini-macs socie-
    dades medicas. Deposito <-m l'ernumnuro, em casa de Maurer O".
    nnmnxn
    CUBA DOS CALLOS.
    n/.A
    Fouiada galoupeau.
    Deposito especial
    Pbarraacia de Dartliolomco A C.
    .14-------Ra larga do Rosario-------34.
    Mare.
    Na ra do Codoi nic n. 8, Forte do Mattos, ha sem-
    >re nm completo sortimento de doee em latas e cai-
    proprio para nogwio, e por prego inaisra-
    zovael do que emoutra qualquer parte.
    Antonio Nuiws ileCnsIro.
    Rste acreditado prejiarad^. qut to boa
    aeoeilaco tem merecido nesta provincia,
    muito se re;-, turneada para a cura coila
    das hnpion-. sarnas, caspas e todas as
    molestias de pello.
    PeposNo nico,
    Pharmacia de Bartholomen d C.
    'Vira larga do Rosariodi.
    Fariulia de mandioeja.
    Teta para vender Jixiquim Jos (ionca.1-
    t'ltrao. reoentemente cliegada de San-
    la Camarina, a bordo do patacho portugus
    rabe, fundeady defrmite do trapiche do
    F.xm. baro do l ,io o pan tralai
    com o mesmo na na do Trapiche n. 17,
    ou a bordo do referido navio.
    V loja de Coelho A Oliveira i na do
    Oueimado u. 19, recebeu pelo ultimo vapor
    um bello sortimento de balees de diverso
    .-ystemas, os mais aperfeioondos que teem
    viudo ao mercado, sendo :
    Bales de guipur com tiras cliamados
    reguladores, ditos de musselina abarlos por
    ambos os lados, de nimio i|iie sendo todos
    de un taiminho servein para qualipier se-
    niora, de laa de cores, com tiras, e as se-
    guintes laaeodas:
    Saias de la com bonitas barras.
    Chale.- turcos de seda c laa Beatriz, de"
    Tonda-.
    Fitas de guipur pretos a Roeamboh.
    Chapeos de sol para senbora, muito lin-
    dos.
    I.a*lah:ts
    Sultanes,Pol eChevrc, Tricte, dito de
    vadrez e outras muitas, entre ellas urna
    Especialidade
    Laa pura de cores a 360 rs. o covado.
    Basquinas a Maria Ant >niele.L-
    Cambraias fantazia.
    Fiitn5; branca* transparentes e.Vctorlas.
    Colxas adamaoadas.
    uortfis chinezas a 2 is fazendas que tornar-se-hia enfadonho

    ii--------------------------------------------._______________ ___________
    Vonae-se um.t pjrejo de cafxBes vaslos. pro-
    prio para bahnleiro : ra da Imperatriz n. 9.
    A Perfumara Victoria hoje muito proenrada
    pela flor da aristocracia, e das elegantes, por
    cansa da fabricacao superior d03 productos des-
    tinados sos usas do toucador, e entre os quaes
    ella creou urna especialidade em cada ariigo.
    Os seus noTOs perfumes, preparados com a
    Essencia de Ylangylang, que ella obiem mesmo
    as illiasPhippiias, pela disiillacSo do Uona
    odoratissima, nioicmemncnhuma concurrencia,
    no que diz respeiio 1 fineza e mi.i\ idade do clieiro
    pelo cue aronselh.'imos ao publico elegante que
    peca como perfume para o lenco
    0 EXTRACTO DE YLANGYLANG
    0 BOUQIET DE HAMLUA
    Alm d'estes dois cxtracios excepcionaes, m
    sSo propriedado exclusiva de sua casa, os Snrj "
    Rigaud e C; prepaulo igualarme, com particu-
    lar perleifo, todos os extractos adoptados pela
    moda, e entre os quaes citaremo- os segnintes :
    Jockeu-Club. Violeta. l.cseda.
    Ess. Bouquet. Narcchale. Jasmin.
    Feno fresco. Mousseiine. Magnolia.
    Flor dos prados, ondeletia. P.osa musnosa.
    TOlil'TIMA RId.il U
    E' urna Agua admiinvel para o toilette, cocs-
    titue ella o verdadeiro talismn da belleza, e eaa-
    seryaa pello fre-ca, e a tez do rosto branca. E'a
    nltima expressao da scienria. Est por todo
    reconhecida a sua nirjnteslavel snptrieridad*
    sabr as aguas de Colonia, a agu<\ de Florida e m
    viaagrrs aromticos de maiur nomeada.
    LRO K POMADA UIHiADA
    Excellentcs preearaeoes que se podem chamar
    O thesouro do cabello, c quo, com;ioslas de subs-
    tancias tnicas e fortificantes, embellezflo e coa-
    servio o cabello, ao mesmo lempo que lhe com-
    munico um cheiro suavissimo.

    iABO MIRABA
    Quem comparar este sabao com os que a*
    rendem por ah, fcilmente rcconliecera sope-
    riodade do nosso. Esie. torna a culis miiiiissimt.
    macia, faz urna esr.uma abundanie que furira um
    verdadeiro banh de leilc, e nada deixa a desejar
    como delicadeza de perfume.
    DIMORIVt
    AUTA DBITIFRICIA
    A Deniorma um !" Vniifririo dos mas
    suaves ; perfuma e refresca agradatelmenie a
    boca, fortifica as gengivas, e preserva os deates
    da carie.
    Esta paito deniifricia fez ama verdadeira re-
    voluco na Perfumara; ac bou para sempre esm
    M pite 6 opiatas, que sio mais en menos cidos
    ou perigosos. Basta passar urna escova humid
    por cima, para obter ama mucilagrm suave e
    nnctnoM qne torna os dentcs perfeitament*
    branooa.
    POS ROSADOS
    Preservio a pelle do rigor dos ventos e da irte,
    communico lhe ama agradare! fraseara. p*t>
    venem as sarda. Sio superiores aos pos lio arrot
    de amldo. Seu perfume delicioso.
    Deposito em Permmhu, em casa da t
    LTTalftH
    .


    V


    Janeiro
    ^

    '<\
    9
    I
    i

    s


    1869.
    A DINHEIRO NA LOJA E ARMAZEM
    " DO -^
    * 89 asa mpm&m& -fit
    Flix Pereira da Silva, successor de. Gama
    Silva
    O propietario d'este estabelecimento convida ao resptate] publico tiesta ca-
    Sita! a vir surtir-se no grande estabolecimeatoque tena de asentas, lauto da moda como
    e loi, e as pesaoas que negociara era pequea escalfa, lauto da praca como do maito-
    nesto casa poderlo fazer us sens sortimntoa em pequeas e grandes porcdea, venden-
    do-so-lhos pelos precos que se compram rtas casas nglezati assim romo as excellentis,
    simas familias, podrSo mamlar buscar as amostras do todas as la/eudas. ou mandare-
    mos levar em suas casas pelos nossos raixeiros. para o que ac.ha-se este estabelectmen*
    to aberto constantemente desde Loras da mandila as 9 da noute.
    O atoalhado do Pavao. .M VI AI'OLAO \ 3;{50O.
    Vende-se snpenor atoalhado de ak.lao Vendem-se Defaede madapolo lino eom
    ctm S palmos de largura, adamascado a: ljunlas pe...barato pjw> de fcSGO a pera.
    ->i(X) a vara; dito de linlio fazenda nuio ,l""'",."n **Jardas 7#< ? **
    suporior a 3*200 a vara guardanapos de gE? M> mumm deM,x l,'myn ,,n
    linho adamasradns a yM) a dn/ia e milito
    linos a 8)0000, e ditos econmicos a 84300]
    a duz'ia. *
    roches para eadelra* na loja lo'
    Temos uovdade na ierra !
    Porhl ojgueiB se espante .
    \ musa nao de. dar cuidado.
    Faz smpre a sua admiraran,
    .Mas nao olen'de a ninguem,
    Agora nao se lembrem de novo incendio.flb pardieiro,
    N -m que liouve explosio na maxambomha,
    Neni (|iieu pelo Tiloma/ fogioda Detenrao,
    Nem que o vapor chegou embanderado,
    Vm que a FH \(.\TA AMAZONAS viloii o S,
    : Nao se trata disso
    Ser ali/Hii) ju: de paz que (no,- pastar o metra n< sen subs
    BaTJJO
    Qiegaramos mais lindos panos d
    Silva.
    lasiiakas
    A doze viutens.
    A doze vintens.
    A doze Miileiis.
    tituto em conse(|nen.ia de estar abolida a vara ?
    nao si;miorks Tenliam paciencia Esperan
    .Nos vamos dizej- do que se trata- nao eom aquellos modos que taina
    raspo, Sr. Antonio Di'mingues, poandp recoiibece que na melhor boa fe llie edtpumiram:
    iilgum livro sem principio nem fjm xtm sim eom aquellas maneiras assz deli
    sempre se encontram no pertanosg niimo da sjpwathica Aguia-Branca: asiirapois"-
    altcudain :
    Ocordairo previdente! Para anazeiw a'fetalbo.
    Kna do Quefinado n. 1. i "
    linas, e outros objectos. : ''!'......We decimal, pelo qual esto us nr^
    Alem docoinpleln sortiinento de perfu- u's il n',al1" "liiigades a wnder ua* nx
    marias. de que electivainente pstnrovidaa a r""l;'r. "'''' '"""-"'''" l'"n,"t' l1""'- '
    na *. oA*. iv,v,,...... asa ssa^srana as
    reeelier mn outro sortiinento que se torna che ou guarda bantras, propiios fiara ca-
    ieiras lano dencosto, como de balauco e
    Vi'iidem-se laasinlias de cores muid) bo-
    ' ero-1Bas eom desenhos miudiuhos e grandinlios
    eom listinhas e pintas pelo barato prego de
    lOris o covadona loja do Pavao, ra da
    de guaruicio, e outros cmpralos para so- Imperatri/n. 00, de Feliz Pereira da Silva.
    l, assim como ditos redondos para mezas I AS CA.MHUAIAS DO PAYO
    redorlas, ditos pequeos paraabnofadas, e Veudem-se linissiiuas pecas de eambraias
    ditos para cobrir presentes, tendo pequeos I lizas transpare tes Uatoinglezas comosuis-
    at pan cobrir um prao, que se vendemIsas leudo mais de vara de largura, peles
    por preco limito em conta, na loja e arma-jprecos de -^iX at I0->000 a peca, assim
    zea do PavSo na da Impeatriz n. 60, de Cdmo linissimo urgandys branco liso que
    Flix Pereira da Silva. serve para vestidos de bailes. |ior sermuito
    Wwd$* para vestidos braneos !f?PaWlt? 00, a vara, na loja do
    a 040.
    Vendein--r os mais modernos fiistoesbran-
    'os flexiveis con padioesde listas e de
    salpicos proprios para vestidos e reupas di
    Amigos de fartar o estemago agadavetionte veidiam ra da 'Imperatr
    para a rasa que Qca em frente ao magnifico cafoThem..... olliem..... Nao ve
    \gora digara eomigg
    Ko se benzam
    <.)ue peior
    Ftqnem bem quietos
    Que melbor.
    Mulliri-. ilemouio que importo !
    Mflier, demonio liei de amar-te !
    menino a t,_iO rs. o .-ovado, na luja e arma- |n||(0 vm). ,(,
    /em do Pavj) ra da Imperatr.zn. 60, de lirios 1);ll,, yestidos.roupoes,
    tela Pereira da silva. -ice roupa paia meninos.
    Organdvs
    rgandy branco Uso, milito lim. a 801)
    rs. avara: dito eom quadros ou listas, l'a-
    /enda muito snperM a l>: fil de linlio
    branco eom palminlias, l'azeuda iiiuilo lina a
    *>il rs. a vara.
    Cirosdenaples
    Cbegu jiara a hija do Pavao pelo ultimo
    varpor um grande sortiinento dos melboivs
    (Jrosdenaplos pretose de cores, leudo verde
    tamben, que si; vendem mais barato que
    eni outra qualqucr parte.
    Lencos blancos a l$(KK) a duzia
    Vendem-se lencos brancos de cambraia de
    Pavao ra da Inqieratriz n. (K), de Flix Pe-
    reira da Silva.
    FFSTAO BKA.NCO PARA VESTIDOS A 040
    Na loja do Pavao vendem-se os mais mo-
    dernos l'ustoes bracos de lista e cordo
    muito flexivel, pro-
    penteadoivs etc.
    pelo barato pre-
    ce de 'rO ris o.:ovado, na loja e armazem
    de Flix Pereira da Silva.
    SEDAS COM LISTINHAS A 3o00o o
    COVA
    Vendem-se as mais modernas sedas de
    listinhas para vestidos, chegadas felo ultimo
    vapor eom as cores mais modernas que tem
    I viudo a este mercado, pelo barato preco de
    :t;> rs. o covado na ra da Impeatriz n.
    li de Flix Peeira da Silva.
    Alpacas tarradas
    Cbegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
    j dernas alpacas lavradas eom as mais lindas
    : cores, que se vendem a i -5000, o covado,
    ditas lisas leudo tombem cor de canoa a
    Fail
    etilos muito serio
    Comoimde tentar aoshomens a abastecer as suas despensas no MA
    ARMAZEM DE .MOLDADOS esquina da ra da Aurora defronte do sumptuoso
    matriz: o iucansavel proprietario desse importante estobefefinvnto acaba de
    do que ha de mais superior e digno de tuna casa dessa ordem.
    Este inteiessante estabeleciinento -e toma saliente, nao -1 p a su i optin
    dade, como pelo formse e encantador emblema que o assiguala. \ ed< -1 loi iiki
    encantadora maga que se espelha as aguas do nosso ameno Capibaribe. e como < oe desa-
    tando o i so para a allaneira Oliuda que alm .se avisto garbosa e gentil repcela da
    peronea de em breve gosaros mais gratosposseiattes que Ibe serfc levados pela
    (rada de ierro que so ach no naseedouro.
    noiave pela variedad de objectos, supenon-
    dade, quaiklades e commixlidades de pro-
    cos : assim. poSs, o EordeiroPrevideuie pede
    e-espesa funauar a merecer aapreciao
    do re-pei!avel publico em eral e de su;
    Iwa. 'ri'gie/i,i bm particular, nao se afa-
    Ilando efto de SUa bem conhecida mansidao
    e barateza. Em dita loja ncoBtrarfo os
    ajireciad.ires do bom:
    \.uua divina de E. (Joudray,
    Dita verdadeira de Murray A- l.aiiiinan.
    Dita de Cologue ingle, americana. I'ran-
    reza, todas dos melliores e niaisacreditados
    ' fabricantes.
    Dito balsmica denlriicia.
    Dito de flor detorageiraa.
    Dila dos Alpes, e vilele para toilet.
    Elixir oontolgiBO para cooservacae do
    aeseie da bocea.
    Eosmetiques de siqieiior ipialidade echei-
    ros agradaveis.
    Copea e latas, maioivs e iiieiKnvs, eom
    pomada tina para cabello.
    Frascos eom dita japoneza, transparente,
    eoiilias qualidades.
    Fines extractos ingtozes, americanos e
    francezes em irascos simples eenfeitados.
    Essencia imperial de nneeagradavelcbei-
    rede violeto.
    Ouiras concentradas edeclieiros igual-
    mente Saos e agradaveis.
    Oleo philocomo \erdadeiro.
    Extracto d'oleo d superior qutdade,
    eom esiailliidos chei!iis. em frascos de (lif-
    Eerenles tamaitos.
    Sabonetes em barras, maiores e menores
    para maos.
    Ditos Iransparentes, redondos eem figu-
    ras de meninos.
    Ditos muito linos em caixinba para barba.
    Caixinbascem bonitos sabonetes imitando
    tractos.
    Ditas de niadoira inveniisada contendo fi-
    nas perfumaras, muito propras para pre-
    (i sysleo a atioia dito, (egunil i u p .ir. i ....*[.?.-.'.
    lelo goverao iatperial nao aroni
    i mi huo ni uii-a-- n c all tem
    J i ila itn-siua ca|iaciil;i.!.' ili-M-rsilicam 'i'1 loodi Bi
    sindu i.ir,'j-,Tci' lvida- ro saaseompnito**
    coiun ao vrtich'il rw.
    Voade-so um bragu de iaalam^a p\
    ROBI&q, culi cnncli.is. |iesos ;il'cr'l< e HO ;, l
    linces: no trapiche Guerra, largo da albndrsa
    velha n. 6.
    /. -ollieni
    m?
    AO PUBLICO
    Para liquidacilo
    O lU'DOMtoido carvo Porto dai rna Nova jniiUi a nunpa i|ifl vai [wra a caw
    ili'i. nra i. vend': rai'\iut a rclalho em barrir!>
    "'li rs. levando o ronprador cobre on lf
    NIFICO
    i'.nfr lili- \
    prove-to
    gentes.
    I Ditas de papelao igualmente bonitas, tam-
    a Circe,
    Venha toda a popularo do Recifc ver e
    DEMONIO.
    algodo a I >(KM) e %& rs., ditos de linbo a |.8(0 re, ditas mescladas muito linas a I:00,
    :i.j5(X) e 5> rs. a duzia, na loja e armazem
    do Pa\fo na da Impeatriz n.'00, de Flix
    Pereira da Silva.
    CHALES A 2>000.
    Vendem-se chales de merino eom boni-
    tas barras, pelo barAissiino preco de ->lKM)
    e .-.^X) rs., na loja do Pavao rua da liupe-
    ratriz n. 00, de Flix Pereira da Silva.
    PECIirNEHA A :i:,'K)0.
    Cortes de lia 3:300.
    Cortes de laa a .*l:300.
    Cortes de laa a 3:800.
    l-aaziiihas a 80 ris.
    Laazinhas a 280 reis.
    Lazinbas a 280 res.
    S o Pavao.
    S o Pavao.
    S o Pavao.
    Yendom-se bonitos cortes de laazinhas
    para vestidos eom padifies modernos tendo
    ma um
    . T..l?'rt0 H covados Pp, baia'" Pre" sortimento de pannos pretos, e de
    :o de .,:,,00 rs, assim como ditas em pecas: liglpzas de eores e ( Sfi ma
    me se vendem a 280 rs. o covado, sendo qoalquerobra
    grande pediineka na loja e armazem do Pa-
    vao rua da Impcratriz n. "00, de Flix Pe-
    reira da Silva.
    RARADINHOS
    Vendem-se linissimos habadinlios. tiras
    lindadas e entremeios, mais bartaselo que
    em outraqualquer parte, assim como, espar-
    lilhos dos mais modernos, no armazem de
    Flix Pereira da Silva, rua da ImperatOz
    n. 00.
    o covado, e entras mitos fainadas de gesto
    e moda que se vendem mais barato do
    que em outra qualquer parte, no armazem
    do Paveo, rua da Impeatriz n. 00. de Flix
    Pereira da Silva.
    ORGANDVS DE COR
    Vendem-se organdvs de cores eom pa-
    drdes miodinhos em assentos brancos e de
    cores pelo baratissimo preco de 300 rs, o
    (ovado, liiiissimas cassas francezas eom deli-
    cadas cores e bonitas desenlios a 320 rs. o
    covado o ditas a 300 rs, na Hia da Imprra-
    ti z n. 00, armazem de Flix Pereira da
    Silva.
    Hoiipatt para homem
    Vendem-se sujieriores palitts de panno
    sobrecasacos taados de alpaca e de seda,
    camisas inglezas e francezas eom os peitos
    le esguiao, ceroulas francezas de linhoe al-
    godo, metas eraas iiglezas superiores, ca-
    misas de flanella e de meia de laa, assim
    como ueste estabelecimento existe um grande
    casemiras
    que se manda fazer
    a (entonto dos Srs. fregu-
    zes, e promette-se-lbes que serao servidos
    Assim. pois,
    admirai' a bella pbysionomia
    ALUS NOVfiMDES!
    PECHINCHAS
    Novamente chegadas ao armazem
    ALTA

    NOVIDADE
    LOJA DO PAVAO
    Cargarle de seda
    fregaran) pelo ultimo vapor os mais bo-
    nitos ffiirgures de seda, proprios para vps-
    cora a maior promptido e muito mais ba-
    rato do que em outra qualquer parte
    na rua da tapen triz n. G0,de Flix Perei-
    ra da Silva.
    < 'artinados
    Para canias e jnnellas.
    Vende-se um grande sortiinento dos me-
    lliores e maiores cortinados bordados pro-
    prios para camas e para jmilas, que se ven-
    dem a I2.-5000rs. cada par ata 260000 rs,
    islo na rua da Iinperatriz n. 00, de Flix
    Pereira da Silva. v
    Chitas
    Vendem-se as melliores chitas escuras para
    casa sendo de cores ixas, pelos baratos
    DO
    i ^ 1)K
    S PORTO
    looooo
    Fugio ha jiiairo incs. \\>
    t-ngeno Jussra, frepneria d< Iain ato, o a
    L'roano, rrioulo. Mtte de _l iti ann
    geecodo corpo, bem parecido, aere ter li
    barba, nios venuellu s ai i
    que cstivra n Eseada Irabahando na via
    comonome de Joaonim: roga-w sautoridadi
    piliciacs mi aas <\!|iit;u:> iie caufw quouaj
    hendam e noitdiuaiii aquello ongcnliu, ou ;i ru
    hnperaiiiz n. ti. Scuooque esli h." gratiRcar^
    cen ioIj. oqueDes se indenini?ar e, i.-1.,^.
    despezas que fliereincomaappreuenu) do i
    en raro.
    No da .'o do mez de novambra prximo [< -
    sado, i'ii.kii do enfenbo S. jas, do termode-Su
    iilii'in. a ciava de m me Benedicta, oiulaia i< -
    21 annos do klade, cara bexigosa, altura m-
    cabello corlad i e denles podres, loi esrran de I
    de Barros Aranjo, rendeiro il.....ipenho Mariam^
    li'v.iu 11111 roupao de ebita clara j m loo, e un .-.
    no da Costa novo: quem a pegar lev^-a ao
    engenho, ou ao Sr. Mannd AIvcs Perreira & t,
    nota praea, que sa fmnerosameute recomp
    sado. w
    ora cs-
    novaes-
    BO.M

    Tendo-nos chegado ltimamente fazendas inteiramenta novas, <-on\ida-
    mos por este meio ao respeitavel publico a que nos procure comprar azei das de
    bom gosto e por presos que nao adiar em entra qualquer paite.
    Ailmirem!
    bem de perl'umaris linas.
    Bonitos vasos de metal coloridos, e de
    moldes noves e elegantes, eom pode arroz
    e noneca.
    - Especial p de arroz sem composico de *b .vleiio. largo u
    w\\\. e por isso o mais proprio para crian- m'il P,'l"''l"'"|f
    cas.
    i (piala ingleza e francezapara dentes.
    Pos de camphora e entras differentes
    qualidades tambera para dentes.
    Tnico oriental deKemp.
    A inda mais coques.
    L'm outro sortimentos de coques de no-
    vos e bonitos moldes eom ilelsde vidrillios,
    e alguna d'elles ornados de llores e lilas,
    estao todos expostos apreciaco de quem
    os pretenda comprar.
    GOLI.INH VS E PU.NHOS BOHDADOS.
    Obras de muito gosto e perfeicao.
    Fivellas e fitas para cintos.
    Bello e vaciado sortimento de taes objec-
    tos, licando a boa escolha angosto do com-
    prador. -
    FLORES FINAS
    O que de melhor se pode encon trames se
    genero, sobresahindo os delicados ramos
    or\adiados para coques.
    Para \ lafieiu.
    Bolsas de tapeto e cartoiras de couro, por
    precos commodos.
    Chapelinas de palha da Italia mui bem
    enfeitadas, c enfeites de flores obra d bom
    Fiijiu do eiig'-iilin Soledada na con
    eorto-Calvo, provincia das Alagoas. o escravol>
    tape, erara, cabellos carapinipo, de 94 annos
    dade, pouco mala ou uienp, pouca barba "'s'i-i-
    quenos, nariz regular, cilios grandes, den
    poueo limados e eom folla de um na frente, ai
    li:eiii. rujo csciavn lui ('(inipnido ao Exji. barji
    doKazaiotb: pede-sc a autoridades polieiac! i-
    eapitaes de campo a apprehensao do mesmo, e >-
    va-lo ao sen senbor no referido engenho, u nac
    dade do Hecife ,10 Sr. loaqaia Rodrigues Tavarct
    do ii|io-Saiilo 11. 17, 1 uidai. n'iite recompensado.
    Fgto na noute de 24 de prximo passi -
    do, naoccasiao damis.-a. oescravo Manee',
    crioulo, que representa ter 38 annos : aftf.
    bastanto corpulento, suiasado, ten os ten
    Bellos dos ps esaarrados para tara, intit
    la-se de forro: o referido escravo foi prt-
    predade do Sr. Jos Kibppe de Miranda
    morador no Hom Jarilim, rommarca do f^-
    moeiro. donde o escrawi f:.mleiii n b
    ral, foi vendido nesta |iiaca a Frediwi
    Gautier, que o venden em i868ed^poif .
    Hvpolita Gadaat, boje o sen legitimo c-
    nhor Libanio Candido Biueiro no lugai
    Torre fregnexta dos Affogados, cujo eserave
    tem um vtaSo adianto do curato do Botn
    Jardim, no lugar Malta Virgem. quem o 1*
    gar e trouxer a sen legitimo senhnr acuita <
    rua do Imperador n. .")7 no armazem A-
    lianca, ser generosamente gratificado.
    100.S000 de mtiftmfo
    MadapeRies linos a >6, G$, 7$ e 8A rs.,
    s no armazem do Leap.
    Chitas escuras de padrees lindos por pre-
    go de :i20 e 3G0 re. o covado. -
    Cassas de -ores cora palminlias e eom
    listas de diversos padroes a 2) e 320 re. zf.
    Lazinbas einzentas e cor de bonin'a a
    320 o covado.
    Chitas claras niudinbas a 320 e 360.
    Lencos bordados a G;>, (500 e 2.'i00.
    Kicos e tem escolhidos gostos ile bis-
    marks para caifas e paleto! a : 500 o
    corte.
    Tambera tem para acabar nefas
    no de linbo, cora 27 varas, a 474 e
    Toadlas de linho para rosto a 40
    Vos Srs. armadores de entinas.
    Vendem-se pecas de hollanda preta cora
    Alpacas pretase de cores luidas propras W covados a 5> : na rua da Imperito n.
    >.
    'idos, sendo lisos elavradins, eom muito l)rp?os de a0 c :{G0 rs- covado, ditas
    lustro, garantindo-se que a fazenda mais niu'l ffiias francezas sendo claras, eom pa-
    irada e de mais pbantasia que este anno tem dr5ea de cassa a a5 e w>0 r?- '- pecbinclia,
    llegado a este mercado, e vende-se por na roa ,la mperatiizn. 00, armazem d Te-
    la imiwati-ir lix Pewira da Silva.
    prefo muito razoavel, na rua da Imperatriz
    o. 00, de Flix Pereira da Silva.
    Seda* de listas para vestido
    Grosdeiiapjes preto
    Vende-se um grande sortimento dos rae-
    Uiegaiam as mais modernas sedas lista- lliores grosdenaples pretas, tanto lai-
    das para vestidos, eom as cores mais mo- gos como estreitos, sendo de 2000 rs. o
    dernas que tem vindo ao mercado e ven- covado at 4000 rs. garaiitiudo-se que
    dem-se por preco muito em conta por es- if este genero ninguem tem mellior fazenda e
    larraos muitos prximos da festa, isto na que se vende mais barata do que era outra
    taja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de qualquer parte, na rua da Imperaiz n. GO,
    fall Pereira da Silva. 1 de Flix Pereira da Silva.
    BDOCANNABIS INDICAl

    ?~~~~
    (f CIGARROS INDIANOS ^
    9PPBESSI
    .GRINIAULTeC.4?HARMACLDTICOSmPARISJ
    8CPF0GigI
    BOl'Ell
    : I
    Todos os mei at boje preoonisados conira a asthma nio tem sido mais do me pallialivos
    debauo de todas as formas, tndo por base a belladona, o .estramonio ou opio. Recentes expe-
    riencia fcitas em Allemanha, repedas em Franca c na Inglaterra, ten provado que o cnamo
    indio de Bengala possue as mais notaveis propriedades para combatir casa temivel affcccf o.
    assim como a tosse nervosa, a insomnia, a tysiea laryngea, a rouqmdSo, extinecio da voi,
    e as nevral|ias faciaes. E' pois cora aapoio da sciencia queofferecemea eates cigarros, prepara-
    dos cora o extraeto de cnamo das Indias, que nos importamos de Bomtaim.
    Deposito em Pernanibuco, era casa de MUv 9*.
    Tft$SS
    CATARRNOS
    STILHAS PEITORAES
    LOURO GEREJO
    E' eaU o mais noto e delicioso confeito at agora' connecido. Por isto tem adquirido ra-
    pidamcnle a popularidad* d as tossi'j, defuutos, oatarrho-u toutt cmvukat, catarrhn epidmico*, irrituftet de ptitt. Coa
    grando empenho e procurlo ismies de familia, assirn para eUaa eomc para as enancas, pois
    | pnraeiro qve tado inoffeasivo, c aa suas propriedades adocants nio aixao nada a desejar.
    . Depsito em Pernanbufo.'em casa de Itow o.
    para vestidos a 680, 700 e 800 rs.
    Pecas de eamhraia transparentes a
    .'i> e 6. Por este preco admira a lodos
    Cortes de casemiras de quadrinbos e lis-
    tas a 2A800 e 3.^.
    Gorprabos brancos para senhora a %& <
    moo.
    Pechincha!
    Cortes de cassineta de cores para calcase
    paletots a 1 ).'00.
    Gasmeta de cores eom um pequeo lo-
    que de mofo a 400 rs. o covado.
    Kspartilhos muito Anos a i&'iOO. ."$ e
    Aditiira!!
    firavalas de seda a 500 rs.
    (iolinlias bordadas a 800 rs.
    Laazinhas a 2UO rs. !
    I.nazinhas a 200 rs.!!
    Laazinhas a OO rs.!!
    le pan-
    W.
    5 a du-
    oja do
    mazem
    oi.
    rapleto
    18 e 52, junto a padaria france/,i.
    Leao.
    \ltencao roupas feitas !! no ai
    do Leo, rua da Imperatriz ns. 48 t
    Assim como temos um grande, a
    e variado sortiinento de roupas leita|s:" pa-
    letots saceos, sobrecasacos, fraques, ijaque-
    Ifien, calcas, rolletes, camisas, celroulas,
    i chapeos etc., tudo por precos que admira!
    leni tambera um sortimento de roupas
    ordinarias por preco baratissimo.
    Acaba de chegar tambera um completo
    sortimento de damascos de cores, sendo
    azul, amarello e cor de caf etc., <
    \ende por preco commodo.
    Admira!!
    No armazem do Leao f! !
    .No armazem do Leo
    pie se
    gosto.
    E assim mudos outros objectos que se-
    iao presentes a quera se dirigir dila loja
    do Cordeiro Previdente a rua do Queimado
    n. l(i.
    Aeha-se Cogido desde o lia 'i de junto de iWwi
    mu iiiiiiaiiiiiin eaboQoio de nomo Jos, de !'! -. I
    annos de idade, veo do Bonito em Janeiro de IWl
    e foi vendido nesla cidado por Antonio Jos
    Mello, negoeiante doenoHo logar, ao Sr. FemaBdu
    Jos Correa, coin loja na rna Diivita desta cid.di.
    pede-se as autoridades, que daqui, quer de Kki
    que o apielirndan e o eoiregnem a sen senatr,
    na i ua Nova desta eMada no aegtBldo uada da
    casa n. ."iO que ser pratilicado.
    i
    | annazein do Leao 11 i
    ! No armazem do Le5o f 1 f
    No armazem do Leao, rua da Imperatriz ns. 48 e 52, junto a loja de durives
    padaria franceza.
    NOVIDADS
    ; Rua i% OikmiiikIo ii. Jl
    PORTO i i;,
    A este estabelecimento chegaram as mais lindas chapebnas de crep, tule e pa-
    Ihinha da Italia, primorosamente enfeitadas.
    Baloes reguladores para senhoias e meninas, os mais modernos e de varias
    cores.
    feitadas.
    . -t -v '
    Basquinas de seda para senlioras. o quelia de mais gosto, e delicadamente en-
    Ricos vestidos de blonde, eom manta e capella, para noivas.
    Cortinados de cambraia bordados ptira camas e janehas, de diversos gostos e
    qualidades de IM at 80;MXK).
    Tapetes alcatifas era peca, pura torrar salas, gabinetes e corredores.
    Camisas inglezas de linlio para Iminem.
    Ricos vestidos de seda pretos bordados agulha e de cambraia brancos tom-
    bem bordados pelo mesmo svstema.
    Fronhas e toalhas re liulio c de esguio todas bordadas para casamentos.
    Sedas de lindas cores, casimiras de cores as mais modernas, sajas de li eom
    barras dp cor, chapeos de sol de seda ngkv.es, espartilhos para senioras e ira ninas,
    colarinhos de linbo para homem e grande sortimento de fazendas de todas as qualidades
    que se vendem por precos que agradaiu aoa compradores.
    Neste estabilccioiento .continua a receher-se esleirs da India para forrar sal-
    las de diversas largaras e cores, que vendem-se mais baratos do que em outn. qual-
    quer parte, por isso chiunam, a atteocao para, as
    .Esleirs da India part forrar salas.
    LOJA DO PASSO.
    Rliiii do Crespo n. 9 A. esquina
    da do Imperador.
    O dono deste importante estabelecimento,
    tendo recebido de sua conta, pelo vapor
    (ranees Extmmadure, diversos attigos de alta
    no\ idade proprios para a festa, eeonscio de
    que seu estabelecimento se acta bem sorti-
    do, principalmente em artigos de moda, pe-
    de ao respeitavel publico c em particular
    aos geus numerosos freguezes a bondade
    de bonra-lo eom sua conlianca, garantindo-
    II es s.ercm bem sen idos e por precos ni-
    miamente baratas. Venbam, pois, todos
    comprar novas e lindas fazendas boas e de
    alto novidade, eom bem:
    Kiquissimos cortes de blonde.
    Riquissiraos cortes de seda de cores.
    Sedas de lindas cores para covados.
    Moire-antique azul, verde, branco e pre-
    to.
    Grosdenaples azul, verde, branco e pre-
    to.
    Gorguro branco e preto.
    Setim branco macau.
    Cortes de seda cora ditas saina.
    Cortes de 13a escossezu eom duas saias.
    Cortes de 13a e seda, novidades.
    Poil de chevre de lindas cores.
    Alpacas de cordita lindas cores.
    Ditas lisas de todas as cores.
    Cortes de vestidos de cambraia bordados.
    Saias bordadas para senhoras.
    Camisas bordadas .
    Fronhas de linbo eom lindos bordados.
    Lencos de cambraia de linho bordados.
    Chapelinas de palha da Italia.
    Ditas de sedas de cores e pretas.
    Enfeites para cabeca de senhora.
    Coques de tedas as qualidades.
    Basquinas de seda enfeitadas eom primor.
    Leqes de madreperola, marflm, snda-
    lo e osso.
    Camisas bordadas para homens.
    Colchas de algodo e seda para cama.
    Ditas de crochet para cama.
    Pannos de crochet para cadeiras e sof.
    Chapeos de sol de seda para senhoras.
    Espartilhos para senhoras.
    Toalhas de labyrrato.
    Lencos de labynnto.
    Fronhas de labyrinto.
    Bicos, rendas e grades.
    Finissimas eambraias de corea, percales,
    ISas e outros muitos artigos e gomo eno-.
    vidade.
    Loja do Passo rua do Crespo i. 7 A es-
    quina da do Imperador.

    25(1,11110
    A escrava Maradona
    Comprada a Exma. Sra. D. Clara Keiitor. a
    Janeiro de 1867, passada a escriptiira de \h e,
    sanio e al bojaao voliou. Igaorande-ae para or
    de se evadi. E muala clara, feia, idade 36 :. i
    annos, falla B denles no OjaofeU sii|eiinr, u I
    no rosto, cabellos un pouco oenidoa'eobe e..
    corpo. Foi escrava do Sr. Jola Siffldea d'AI;i:
    da rua do Vigario. e anlerionnenlc do tencnte-CL-
    ronel Joao de S do eogeobo Tab, na ParaM ..
    J;i e-leve urna vez em (ioyanna para ?er vendei..
    se algueni a mizer cuniprar vende-se e se pooV
    ser apprelicnuida, ou se indicaren] o lugar em que
    estrer, sendo encontrada se dar a gralieaqS'i
    cima : na rua do Hospicio n. 2.'l.
    Fugio no dia 2 de Janeiro de I8t50, da
    fregueziade S. Jos de Bizerros do togai
    Antas o escravo Martinho, cabra, idade de
    trinta annos, baixo, cheio do corpo, alguna
    cousa expaduado, barba pouca, conserv-'
    toda rapada, olais regalados, rosto regu-
    lar, um pouco calvo, lera o neito muito ca-
    beludo, nariz xato, os ps pequeos, dente-
    todos, foi escravo do Sr. Jos do Espirito
    Sanio de Vasconcellos, e boje pertence ao
    Sr, Guilhermino Tavares de Medeiros, ten-
    do o mesmo escravo dito que fugia jiara o
    Becife a flm de senti' pra^a por forro para
    hir para o Paraguay. Roga-se as autori-
    dades policiaes e capitles de campo aapn
    hensao do mesmo e leva-lo rua do Ou<
    mado n. 2o que ser gratificado.
    Ksta fgido o inolcque crioulo de nonti Ma-
    nuel, cor prota, estatura kiixa, c rfwrcadc.
    idade 17 anuos pouco mais ou menos, l'all,'.-'K
    um dente na frente : quem o pegar pode leva-lc a
    casa de Bou senbor A. ( Torrw no larav do'ftorpo
    Santo n. 17, seguudo andar, que ser reeawper-
    salo.
    ffftbilid
    Vende-se urna mobilia a Iji XV, em astado
    perfeito, eom algura uso, por preca aanito eonuno-
    do. A venda feila por ter anoaaoa de rotirar-a*)
    para lora; a tratar ua rua da frai a. .
    Aclia-se fgido desox'o ha ~& de dtzeuibie
    prximo passado, do engenho Oriental, freg ufia da
    Etrada, o escravo Jos, coni os signaos scguiutn
    preto, alio e corpolenlo. iraiiz chalo, lieieos gT'Wi'
    desdentado na frente, sem balia. coiu cicatrizoB de
    chicote, e urna abaixo de urna ordhu, tein iH uw>
    de idade. e foi du Sr. Luissa, senhor do engfmli*
    Grvala da frogueria de Agn I'reta : i|uen\oaj)-
    ivliender leve-o ao referido engenho, a son inR
    uviniano lrineo Paes Brrelo, qae ser
    oimpensad.
    r-
    -Na tar.de de terea-feira 5 do correte moz di
    neiro, fugio a eacrava erioula de nomo llaru, d*
    idade de 36 annos, mais ou ututos, cor pr-t,
    tai.ur> baixa, sem dentes na, trente, cara chu
    cadeiras bastantes largas, andar meio analM
    yn no |i direito mjia cieatrw junto ao dedo m
    mo, proveaiente de um tataa dudo ha pouros i
    cafeelos grande, goeet da aatlar cuu elles i
    dos e de estrada aborta, levoi un corpo um^veado
    de coila escura de letra* ja u*ado, e levou inar
    comego outros vestidos no'e e usados de clife
    de camkraia, brancos e 4 IfeOiw, e um coates V
    merino branco mesclado eom palmas e tres bstra*
    oajdfae Ungindn barra, uatufal da Gloria do-Gei
    ta, onde Uu otSi e irtiaos. tambem teni conlieai-
    m "ntos em Pao d'Afte e Santo AnlSo. Pedo-sd is
    aetoridades pocfeeao capita* deoaaooai
    hensao da mesma escrava e leva-la a rua M j
    mado n. 6, que ser recompeusaUo.
    ILEIVEl 1




    8
    Diario ce Pornaiuburo Segunda feira 11 de Janeiro de 1869.
    OTTERATURA.

    tP.etroaperto poIKieo de 18
    I
    Krnorx
    Os homens nu diclam os destinos das
    ...icoes, sorvorn a elles: os governos, como
    . mlucoesque ;is vezes sim! 'senoadeam.
    i >i-i i'i'l.rn e deseiivolvem seus planos
    l '.nsvmi ij'.i saben!, mas na:) saben) que
    fuctosdar no futuro a sin semenleira.
    UdzXI e Rehelieu, Mazarino e Luiz XIV,
    i! Trocando e aniquilando o feudalismo, nlo
    i -avam que atrz da nonarAm forte,
    iluta, so preparava o passo para a con-
    quista e o gozo das iustitiiiroes livres, nem
    arepabtca de 1792 caniinhando-nos phre-
    nesij do terror julgava qno suicida ergua
    o throo violento de petelo.
    E' que os destinos das nadies, a marcha
    fl humanidade, obedecen smente le
    misteriosa da providencia, cujos designios
    escapan limitada eompreheusao do homem
    anda o inais sabio.
    Tudo precario, ludo contingente na vi-
    da dessas grandes sociedades polticas que
    . chamam naees; tudo precario e con-
    tingente, p que as ideas, as aspiracoes, as
    recessidades moraes, a caoacidade dos po-
    sea natnroza do govsrno se modificlo.
    .. alterao, exigem innovarnos, conforme o
    l>rogresso e rao de dvlisao) a que cada
    i ado tein atingido, ou conforme a depra-
    alo dos costamos, a decadencia e o re-
    iso cmqoe alguma se baja aviitado.
    Na vida das nadies nao "lia dous perio-
    dos irmos : as naees ou avaneam ou re-
    teocodem: aquella que pira lea atrs das
    que pregridem: assim o qur a le myste-
    iosi da providencia que regula pelos graos
    rivilisao9 08 destinos dospovos.
    Esta contingencia, esta alterarlo continua
    das coadiees do cada naci, determinan!
    lia vida poltica nterin a lula pela modli-
    Cicao das institnicoes, s ve/.es as tempes-
    : k'I.'s revolucionarias que transforman! os
    govenias; na vida das relacoes exlernas
    de unscoiii osoHtros Estados os embates
    dos interesses novos, dos novos principios,
    antagonismos, ainhices, vaidades, e empe-
    os de defesa das conquistas passadas con-
    tra as deas invasoras ou os planos egostas
    que outras conquistas almejam.
    A historia de todas as idades, de todos
    os imperios, d todas as repblicas, em
    urna patevra; a historia do mando, em to-
    dos os lempos, revela sempre esta grande
    verdade. A tota no interior de cada Esta-
    do pela modfiraeodas instituicoes.o antago-
    usmono exterior, entre uns coutrosEstados,
    petos antiges e novos interesses que se con-
    trariara, sao irremissiveis, porque todo 6
    precario e contingente, tudo se vai alteran-
    do na vida das nadies, como tudo pre-
    cario e contingente e tudo se altera na vida
    do bomem.
    lia, porm, para as naees, como ha para
    i hornera, pocas anormaes, extraordinarias,
    pocas de crise, em que se aggravam as
    Iotas de soa vida interna o os antagonismos
    das suas relacoes exteriores.
    Sao as pocas dvisoras da historia em
    serie de idades, sao as pocas da crescente,
    pojante, nova civilisacao chegada matar-
    uidade, sSo as pocas da civilisacao nova
    em perigoso, affiictiv trabalho do parto de
    um mundo novo que suhsUtue o mundo au-
    tigo.
    O parto da molher reahra-se em ara da,
    quasi sempre em Doooas limas: o da dvi-
    plo labor de anuos, s vezes labor
    de um seclo.
    Ein urna dessas pocas offegantes, dolo-
    rosas, critica-, est desde longo teinpo e
    anda hojo a velba Europa.
    E' fari! destruir. 6 dillicilimo reconstruir:
    k,i\\ adestraicSo basta o ardite do incen-
    tiona torrente impetuosa da imiiidaclo:
    reeonstraeefe, alm do genio des
    ircbitectos, faz-se imtispensavel o concurso
    I dicado dos operarios.
    Ira, no v.-llio mondo sao graves as ap-
    nrehensSs porque avnliam os architectos
    Je genio, mas que se contradizem todos,
    -usueila-se da dedicarodos operarios que
    sao fimos de escolas diversase qeremtra-
    halbar por systenas opp tos.
    'das o_ cauteloso receio do futuro apenas
    especa, Vnao pode impedir o desabonen-
    i'mais ou menos prximo do edificio an-
    go.
    No interior de cada nacSo, de cada esta-
    lo, a Europa se pronuncia em ebuliclo de
    ideas, que tendem a malhorar a sociedade,
    aobittando cada vez mais o povo pela ex-
    tensSo e expanso dos direitos civis e po-
    ticos.
    A relutancia obstinada de alguns gover-
    ios, alias bein poucos, que se compromet-
    FOLHETIM
    POR

    tem, tomandi se diques oppostos uvaso
    do espirito do serillo, que irresistivel. os
    i los delirantes de partidos exa'Udissi-
    mos que aparariam a ordem na monarchia,
    a civsaco nas inundacoes de doutrinas
    extravagantes e radicalmente subversivas
    da sosfodjrio. fazendo-se por isso temer, e
    obrigando os cuidados da prudencia, demo-
    ramnpWws o triumpbo pleno da nova civi-
    lis.i.;a.i, que, anda li-in, vai gradualmente
    con |iiistando palm i palmo, reino a reino,
    os Estadas ds Boropa,
    Chustfioda lempo, simples trabalho de
    algo is nonos mais, aliberdadd cort Ja or-
    dem. a monarchia representativa, a nobili-
    ta.'Ti i poBtica dos pves aero a demagogia
    dos loncos, cvlaio agentadas em todos os
    tbrooos eiiro|n'os.
    S- di.lioil. penosoe arriscado esse tra-
    balho de renovar que se apura em cada
    Estado, milito unis se agigaiitam as ililli-
    culdades o N perigos nas relacoes dos g>
    vernos e na batanea onde elles locera pesar
    suas influencias, seos hiteresses e s vezes
    alguns suas pretencos de predominio: por-
    qu-iias suas grandes coinliinaroes interna-
    cioaaes osgov 'inos, dominados sempre pelo
    egosmo, nem sab'in -fazer coucessoess
    novas pocas, nem fundar a ordem que que-
    rem estabeleier ijodireilo enajustica, pre-
    feriido funda 11 na violencia.
    I npostospor venodores a vencidos., sem
    att n'fn aos ..ntiinentis dos p.ivis.coin
    sacriHeio de nacionalidades, obras s da
    prepotencia, l ni sido na Europa lodos Ba-
    sas chamados systemas de epiililtrio, que
    l'oiiui mudan lo aps guerras colossaes a
    lace Mographico-poHtlca daqiiella parte do
    mu ido.
    Ainila o ultimo, o de 1813, que, por ser
    de todos o mais vaidoso, l'oi o que menos
    lempo resistir' forra das ideas e amol-
    elo dos projuios governos que o combina-
    rain, e que, Saturnos, d-voravam o lillio
    qir tanto lia-; cuslara: ararla europea de
    Mi5, riseada emendada, alterada por to-
    das a- potencias, receben oderradeiro gol-
    pena bitallia .le Sadiwa o na paz ajuslidi
    em IVaga do trino de I8!i".
    De Vienna i :n 1813 linha ao mmos sabi-
    do nnt concert oternacioaal europao r.)m
    a sancefo de todas as potencias: viciada
    em sin migem, condemoadaa ser destrui-
    da em breve futuro, era aomenos una com-
    binar-! > geial pie poupava Europa as des-
    conliancas di provisorio, os temores do
    desconhecido, as affliecSes da incerteza de
    um ponirqu na obedece aos clculos o
    menos vontade das mais pujantes poten-
    cias.
    Sabir desta toaco critica, angustiosa, e
    descansar no l.eio pacifico da ordem consc-
    qoente da solarlo das gravissimas questes
    que trazem em aoxiedad os govjrnos e os
    povos. pois. naturalmente a preoecupa-
    c3o do uns e Otilios; mis a propria gravi-
    dade dessas tpiestoes. as torgas exagoradas
    dos interessados i|it' bocontradizem, certas
    aspiracoesd' nacionalidad>s e de rajas qua
    prejiidicam institnicoes o dofflinaces este-
    lielecidas, as duvidas sobre o xito de um i
    guerra geral, o intluxo da civilisaco o os
    protestos do c iramcrcioe da industria, que
    conspiram contra a guerra, nrmtem a Eu-
    ropa oesse estado de paz-tormenta, porque
    paz armada, e porque de co: ancas da paz se mistaran! coro as appre-
    hensoes de guerra.
    Debaixo deste (tonto de vista o annode
    Msi)8 como a iniagem do de 18(57: gran-
    des potencias, que seaprtamas mos ami-
    gas ao mesmo lempo qae cara ornar des-
    confiado se observara immigas, daoemvoz
    alta segorancas de paz o armam-se at aos
    dentes: os mais consideraveis e ameacado-
    res problemas da poltica internacional eu-
    ropea nao sao resolyidos; o, nao removi-
    dos, ntiblam o horizonte como miveiis d i
    tempestade, e os governos em manejos in-
    cessantes de astuta diplomaciapreparam di-
    simuladamente uns aos outros difflculdades
    o iipposidese procurara alliancas que mais
    os robasteram no da di coofligraco.
    N :;-:' ini n i-1 drama qae vai correado
    osquadrossQ saccei)sme>em, cada qosdro
    i se deslacara as figuras que por soa vez mais
    influ'm u >- aci ntecimentos: depois da Rus
    sia na guerra do ente, depiisda italiana
    sua guerra iiilri rompida em Solferino, c na
    soa uniflcaclo queabsorveu Estados e pro-
    vincias, e ainda anhela oraasoprema absorp-
    ra agora a Piussia que desde (luis an-
    uos concentra as attenroes e os cuidados da
    Europa, que treme imaginando as conse-
    qtiencas do ptmeiro embate daquella que
    cabeca e brai;o da Allemaaha do Norte
    Icom asn vizinha do sul,abellicosaFranca.
    A tradicional poltica fraaceza sempre
    hostil ao impotio da Allemauha, tinlia talvez
    ou cortamente razio de ser at ao fim do
    seclo passado: a ltussa muito loage nao
    o po lia ser. a Alienmlit muito perto era a !
    rival prrigosa da ranos no continente : a
    m's:uipolitici hostil ao imperio di Austria
    na Italia ainda plenamente se explica segun-
    do os interesses da Franca.
    Evidentemente o fundamento dessa poli-
    tica era a conveniencia franceza d>' abater
    ou amesqunhar a Influencia e o poder da ri-
    val muito vizinha e muito consideravel: de-
    baixo do ponto de vista francez aorganisa-
    oo d i Confederaclo Germnica em 1815 as-
    H*ava certo q'iebrantamento dt iniluen-
    eia da Allemanha propriamente dita, porque
    aloulos vicios de um mecanismo compli-
    cad > o debilitante os chunos da Austria e
    da IVussia erara funestos confederar i:
    ainda debaixo do ponto de vista franco/., a
    Austria humilhada c distanciada depois da
    batalha de Solferino c da perda da Lombar-
    dia nao era jnais a antiga o temivol rival, e
    desde que, passados os das do resentimen-
    to e vencida a olistinaco caprichosa, cedes-
    se por nogocaco a Venecia Italia, devia
    tomar-s a alliada mais preciosa da Franca,
    a quem, portante, muito convinha a Confe-
    derarlo Germnica de 1815, eaamizade da
    Austria depois da paz de Villa Franca.
    Sem llovida alguma, om nosso entender,
    o imperador Napoleo III errou abandonan-
    do a Dinamarca pelo gosto de abandonar a
    Inglaterra, o errou ainda mais, concorrendo
    para oabatinvuto da Austria, quando>eon-
    veio otitolerou aallianca da Prussiacom a
    Italia na ultima guerra, obligando a operar
    na Venecia numeroso excrcito austraco,
    ipie poderif ter mudado a sorte das armas
    em Sadowa. Em Fraga a Franca j sem ve-
    to possivoijsanccionou o predomio da Frus-
    sia na Allemanha, e apmas llie disptitou
    temporariamente niguas Estados germnicos
    do sul, que pouco e pouco hao de ir para
    onde os chamara a raca, a lingua, os costa-
    mos ea n Un;'eza. Fo a Franca que indi-
    rectamente fez aPrussiadc I8(i7, incorren-j
    do no gravissimo erro do onvir na degra-
    darlo de urna potencia de que a Italia como
    baluarte j a separara geogrficamente, o
    no engrandecimeote extraordinario de oulra
    que tambem sua rival e que sua lniitro-
    pbe.
    Esto verdadeiro desastre da poltica fran-
    ceza voio aintar s que j sobravam mais
    ama apprebenslo de guerra provavel: dous
    tobes se tocam rom as patas, se arranham e
    rogem, jurando amizade, e mostrando os
    denles: em 18ti7 a questodi Luxenburgo
    foi quasi pretexto da guerra do ciume de pre-
    potencia militar c poltica: eml8(>8 a Fran-
    ca e a Prussia, o imparador Luiz Napoleo e
    o re Gulherin.', certificando a pazem dis-
    cursos ofliciaes, pivannunciam a guerra, ou
    confessam confianca da paz, avultando as
    proporo'~ dis suas forras e angariando
    alliados.
    Qua! o motivo jostiflcave!, aceitavel,
    escusavi-1 p;la moral, o pelas noces do di-
    reito e do dever, que pode explicar Ojgnta-
    gonismo profund > da Franra e da Prussia ?...
    Em Roma a Prussia mal se faz sentir; na
    Italia adiantou a obra comecada pela Fran-
    ca: n> Oriente a causa da raca slava neces-
    sariamente a distancia da Russia absorven-
    te e a ha de approximardas potencias occi-
    dentaos: na Allcinanlia ella podoria per-
    goiitar que tem a Franca eom os negocios
    e interesses da familia germnica?
    No finan!) o antagonismo se pronun*
    ca amoacador: a Prussia adianto quanto
    pode a unificaro alloma, consagrada pela
    constituir:) da Allemanha do Norte, leva
    ao seto tiesta o seu carcter e a sua orga-
    nisac i milito/, cabeca que dirige as re-
    a o -s exteriores, e mo que em sen nome
    desembanbar a espada: o seu exordio du-
    plicou em nomero de soldados promplos
    ao primiro rular dos tambores: nos Es-
    tados allomaos do sul a sua influencia s
    itoseuvolve c comeca a absorve-los pelas
    ivlaroes e dependencias de natureza com-
    mercal que precede a unio poltica e a
    unificarlo militar : tem na Allemanha o
    throno e no Oriente firma um p eom a so-
    berana de um principo da sua casa reinan-
    te, que planta a sua influencia nos Princi-
    pados Danubianos: dissimulando ou pondo
    to parte os pontos de opposico na questo
    slava, approxima-se, entende-se eom a
    lluvia, que am vacar ou atacar a Austria
    suspeitsa em qualquer conflicto seu eom
    a Franca : da Austria expellida da Allema-
    nha finge-se amiga, adiando para mais tar-
    de futuro tlisputar-lho seus subditos alle-
    mes, e tentlo em tributo a gratido da
    Italia, a quem dra a Venecia, prope des-
    armar um dos bracos da vanguarda da
    Franra, e concentrando-se, prudente e ar-
    mada, espera a aggressao, que em assomos
    de orgulho talvez deseje.
    Luiz Napoleo, o representante das glo-
    rias e das vanglorias, e o responsavel dos
    desastres da poltica da Franca, mal disfarca
    o desgosto e a impaciencia que llie causa a
    pujante, infliienda da Prussia iio> eooselbos
    da Europa, e o seu jactancioso poder mili-
    tar : responden ao engrandeeimento da
    Prussia, fazendo da Franca um exercito
    tlescommunal eom a guarda nacional movel,
    um exercito de reserva e muito numeroso
    exercito activo: em nome da paz que pro-
    clama, armn a Franca para o alaque, para
    o auxilio do ataque e para a defesa: a sci-
    enria aperFicoou, apurou os instrumentos
    de m Me o de destraillo, a diplomada fa-
    rejoit inimizades e resentimentos para ci-
    mentar alliancas: diz-se que fon a Hollan-
    da e a l>inamarca,|e natural i de l fosse
    procurar pontos de apoto contra a Prussia,
    suspeita aquellas fracaS monaitrl as: na i
    miprovavi'i que na Soeeia atice
    eivos Russia : seguro que
    visitas de imperadores, res e prmctpes, que
    em eonfereniias di' apparente corfezia e
    de verdadeiro uteresso poltico desarmaram
    prevencoes, concertaran! projoctos, plane-
    jaram futuros, forjaram tecos, e marcaram
    talvez inimigos cmnmuns, anno de trabalho
    surdo de inineros polticos, o de 4808 fui

    nome fallara os contradictores de suas
    causas; m.iis ainda assim nos debates di-
    plomaticosse patenteariam francas asobjec-
    nn'>, se descobiviain os clculos de ego-
    smo e da ambicio, e as mais justas eombi-
    nacbef prop iotas crearan, a favor das po-
    tencias que as abracasseo, um partido eu-
    ao menos anno de paz geni na Europa e, IOpo- nas sjmpathias dos povos e no
    i ii ii| . iiiii/\ i .. > I ii lili iv ii i 111 ij I i ____*_ 1 ____" .*__*!*__V
    citnnes iio-
    conflaudo
    pouco na sua vanguarda da Italia, procu- tara a ella ; aintla a Franra
    rasse firmara sua rotaguard.i na Itospanlia.
    Mas a Franca parece ter entrado em pe-
    riodo de crois desllusoes.
    A vanguarda da Italia comprortiettida pola
    gratido Piussia na conquista de Venecia,
    e pela opposico moral o nnteri; I da Fran-
    ca na questao de Roma, arroda-: e de Luiz
    Napoleo, e apenas llie concede indifferente
    ni'iitralidade em urna guerra con a domi-
    nadora da Allemanha do Norte ; c a reta-
    guarda da Hespanha de suliito entrou em
    perodo de incertezas, quando no momento
    de rana entrevista do imperador Luiz Napo-
    leo rom a retoba Isabel rumpeu naquelle
    paiz a revoluco, que fez em pedacos o
    tlirono da ranha. e deixou o imperador na
    espoclativa do systema de gove no, ou da
    nynaslia que substituir a dos Biurbons na
    cora liespanhola.
    A revoluco da Hespanha nao i um sim-
    ples acontecimento nacional sem influencia
    alm dos Pyrinos; 6 um acontecimento eu-
    ropeo que pode muito interessar resolo-
    Co do gravissimas questes: po|" um lado
    era a corte de Madrid a mais dedicada c
    para defensora do poder temporal to Papa
    eml'ora menos ostntosa que a Franca, e
    j no reeonheciinento do reino la Italia, e
    nas su as relacoes eom o governo de Flo-
    renca indica que nao se nteres: ia eom o
    mesnm ardor pela causa do Sanio Padre :
    por antro lado a constiluinte hespanhola,
    que sem duvda j decretou o systema de
    governo do seu paiz, ou preferio, o que
    nao provavel, a repblica, e em tal casse
    augmentarlo as apprehenses o imperio
    de alm dos Pyrinos, ou adop;ou, o que
    parece mais seguro a monarehii, e ainda
    na escoma do novo rci exprimir o seu pen-
    der para umaou outra das grandes potencias
    rivaes.
    A iumiiuencia deiim reencontr da Franca
    e da Prussia assustando a Europa que pu-
    tl o a toda comproinetter-se em guerra des-
    communal talvez coutribuisse parjio tempo-
    rario airefocimento das duas qticstes de
    Roma e do Oriente, que monos imponentes
    portento, abeacoad pela humanidade.
    Entirtanlo a incerteza e a deseonfianca
    do futuro so deniinciavain. como nos pre-
    cedentes anuos, mi labor activo da diploma-
    cia o nas coiiiliiiiaeor> secretas de governos
    que se approximlo e que desfareadamente
    se eotendem; a Franca o a Inglaterra se
    conrhegam sempre no Oriente ; a Prussia
    >'ia.
    guarda-costa Ibrmidavfcl que era tros pontos
    combateria para si, mas em dous aprovei-
    reeorre sua
    victima, a milagrosa Austria, que aps iin-
    DWOSO desastro, sbito se regenera robus-
    tecida, e que eoinpreliende instinclivamentt
    que depois ti a derrotado Sadowa o da paz
    de Praga a sua alliada natural a poteMM
    que a sacrilicou.
    Como os pianolas que tem satelliles, as
    grandes potencias se esforco por attrahir
    as de segunda o (ercoira orden influencia
    do seu movimento e tas suas ideas polti-
    cas,' assim a Russia labora na Grecia o
    conspira nos Principados : a Franca opera
    diplomticamente nas ilhargas das potencias
    emulas, na Escandinavia, na Dinamarca, na
    Itotlandae na
    I
    K
    nha na Italia una interessada amiga, e con- os, oinboia rioso, o estorvando a fontal
    federando nacionalidades quena oppresslo ^^aniidade dojgo das batalhas, est dando
    oram condicoos de franqueza e na nobihta- |u{,,r accao do lempo, que coro a ala-
    cio da libo-dado sao poderosos elementos vanca da c"vHsarlo o mais forte, o mi-
    de torea, fin des conquistas odenlas dedi- lagroso sentenciadorirrevogavel das causas
    caroos val:osis>unas: a Inglaterra concn- Sl)(.iacs 0 l)oli|j,as mais dSI)Utadas.
    Irada em suas tilias, defendida pelas fortale-i ,
    zas das ondas, estada e observa os antago-: ^'m f ne algumas das grandes poten-
    nismosdo eontinnte europeo, zela a soa *. principalmette a Franca e a Prussia.
    pona continental na monarchia portugueza, desaltendendo sainos e.insoll.os.naotenhan.
    namoraa Hespanha sem o sacrificio de Por-1qoendo chegar pelos moios oppost
    luga!, e leudo em suas mos subs a rede
    apoio da opiniao eivilisada.
    Argiimenios. pe corto, de grande peso,
    o que se resumiam todos na demonstraclo
    da inntilidadc do congresso pela impossibi-
    lidade do accordo, lizeram rejeitar apro-
    posta poltica de Luiz Napoleo; mas a
    contisso publica da impossibidade do
    accordo deixou no espirito da Europa as
    sinistras previsbes da guerra geral inevitavel
    e por teso que em rada anno que vai
    passando, ao presentir-so leve desharmonia
    entre dous gabinetes, alguma questo, ainda
    mesmo de ordem secundaria entre duas
    cortes, a interprelaco subtll de algumas
    patevras menos cautelosamente medidas e
    escapadas no discurso oflidal de um sobe-
    rano, os nimos so abaten e os pregos da
    tmprensa suspeitosa aomneian guerra.
    que alias nao so realiza.
    Semellianie situaco forrada e oppres-
    siva, ohriga as potencias mais ameacadas
    a esse flagelto econmico de paz armada,
    que rouba industria e familia centenas
    de mil bracos o centenos de mil prevaliente:-
    recursos, o. todava, ainda assim essa paz
    So onerosa e fatal nao pode Mr absoluta-
    lollandaena Hespanha, e, sabe romo terf nieiite condemooda .porque tero impedido a
    mis. a Italia: a Prussia falla altomaoaos guerra, que mil vezes peior que ella, e
    astados alomaos do Sul. a Austria atlivi- ,)0|.(UK.. v vendo, mantendo-se de expotlien-
    iliplomatica di Europa contemporisa. pro-
    clna ;i paz e tem a certeza de qae na
    hypothese da guerra calier-lhe-lia a vanta-
    gem da,escoma dos alliados.
    Mas ainda uestes condiegos diplomticos,
    nestas alliancas trabalbosas. artiliciaes, ego-
    stas ha pontos de discordia que separan
    as que parerom mata amigas; na sua inti-
    midado a PrasSia o a Russia se contraran)
    nas aspiracoes de dominios de raca: a se-
    gunda dara de boffl grado primeira toda
    a raca germnica; urna vez que a Prussia
    llie deixasso o dircito (Je absolver toda a
    rara slava : mas a potencia ol.efe da Alle-
    i.ianl.ado Norte sent o que perdera n;j^ DeusUzi'ndu-se' uvir'no leiscl.ratli.
    o aessaopiwsKio de interessestem dado (ia|11.;lv (|, ^ qu(. pelas expl.
    cavis suspoicoes de taos orgoes poderan
    conter reservas montaos ; mas a voz official
    unes, que nao sabe en-
    gaar a iglaterra porque sabe que d
    ao
    mesuio lim : o que pode ser resultado da
    exagerarlo de oxl-rctos e ta agglompraclo
    de apparollios bellicosos que Iiorrorisam.
    roMillaria ainda menor do desarmamento
    dos diversos Estados. Evidentemente ha
    quem cont, ganbar eom a guerra, pois que
    ha quem embarace a resoluco c a reali-
    zaco do desarmamento geral.
    Ent retento o auaD do 18(58 acaba eom
    suaves si'gurancas de que nao ha ponto do
    divergencia internacional, que laca recriar a
    perturbad) da pazoa Europa.
    Luiz Napoleo fallando Franca em mo-
    destos discursos, o re Guilherme abrindo
    as cmaras legislativas da Prussia, o bario
    profore miii -se Vuslria contra as ambiries
    do autcrata de S. Petersbtirgo.
    so mostraran no anno de 1808 ;l mas tofo- A Inglaterra, unida a Franca no (Oriento, a j iiV>''abiiifle* ile S. J;
    lizmente a descrenca da probahilidade de I abandona o nao hesitara em coutraria-teno mar a holalerr:
    um accordo pacifico que as resova, ah as Sul. no Occidente, o no centro da Europa,
    deixa romo dous nos gordios espera das I onde a sua influencia se desenvolv' na razo
    espadas dos Alexandre, que os devem indirecta da influencia da Fraseo.
    avffncando
    Jules Sandeau
    O lia de S. hilvano.
    (Continnaclo do n. 5)
    Cora effeto, momentos depois do Introi-
    o, um mancebo alto, delgado, delicado,
    elegante e simplesraente vestido atravessra
    gravemente a nave, indo assentar-se no
    banco senhoral.
    Ei-a Rogerio que nao ficou pouco sur-
    orendido quando, ao virar-se,- attrahjdo
    pelas denotac5as da voz do joven Norel,
    recooieceu o ardiloso compadre que, dias
    ante, o fizera trotar de S. Silvano para a
    aldeia da Hachre.
    Airnla f|ue os circumstantes estavam eom
    piedOsa devodto, n%o podam deixar de
    'lstrahir-se um poseo, nao s em presenca
    lo bispO; cuja soteina rosa e mais para-
    mentos da msaia cor despertavam tanto
    respeto) como cuatosidade. tais tambem
    vi6ta de Rogerio, pessoa descouhecida
    Cathaiana era a nica que o nao tinha
    visto anda, quando a pequea Paquerette.
    puxando-llie braadamente pela saia, Ihe
    disse em voz baixa :
    -- Menina, menina, olhe acola aquello
    -enhor que rae deu outro dia as tres moe-
    dijjhas em prata I
    A pequea virgem (irgueu os olhos, e,
    \ > vet Rogerio, e*-se vermelha coma u.n i
    rosa.
    O; ra )S do sol, reverberando n'aqu?lle
    momant i sobre a cablleira Ioura de Ro-
    gerio. davam-lbe o aspecto de um ar-
    chanjo.
    Catharina conservou-se un instante a
    contemplado, mas logo, conmovida, bai-
    xou os olhos sobre o livro de missa.
    Paludo, mtulo, immovel, cabisbaixojnas
    eom o nariz erguido, por quanto, qual-
    quer que fosse a postura de Claudio, era
    dos destinos daquelle nariz atrombeado
    estar sempre virado para o eco o filho
    do thesoureiro devorava em silencio a sua
    vergonha e humlhaco.
    Como ficou elle, grande Deas, quando
    vio Catharina ergtier-se, eom o saquinho
    do peditorio na rno !
    Aos domingos, sempre que a pe piena
    virgem poda hora da missa, era das at-
    trihuices de Claudio acompanha-la, gri-
    tando a cada pisso:
    Para as obras da igreja I
    E outras vezes :
    Para os pobre? da freguezia, se fa-
    zem a esmola f
    At aquelle dia considerara elle a sua
    misslo agradavel e honrosa, mas agora, em
    presenca de Rogerio, aos olhos de to ele-
    gante mincebo, comprehemleu o pobre ra-
    paz que ia fazer um papel de asno. Toda-
    va era forcoso cumprir-se.
    A um signal de Catharina, Glaudo er-
    gueu-se mais vermelho do que urna peona,
    caminhando adiante da pequea virgem,
    affastando a multido e gritando de longe
    em longe eom voz sumida :
    Esmola para os pobres da freguezia !
    Chegado ao banco de Rogerio, quzera
    poder sumir-se cem ps abaixo da terra.
    A bella pedinte apresentou-lhe risonha o
    siquinbo da. beneficencia, aonde o joven
    tidalgo lan?ou urna moeda de ouro.
    Pronunciado o Ita missa esl, foi o his-
    po conduzido ao presbyterio eom o cere-
    monial obrigatoi io. Entlo que 6 prelado
    nostrou toda a sua benevolencia, alecto e
    attrabente familiaridade.
    Vsitou o prcibyterio, c pareceu mara-
    vilbado pelo as|)ecto de boa ordem e de-
    que os devem
    romper.
    A derrota dos garibaldinos invasores dos
    Estados do Papa em 18(57, a retirada das
    tropas italianas diante das (egibes francez as
    que de novo foram oceupar e defender t i-
    dade eterna e o poder do ehefe do catlioli-
    imiio foram umecho tremendo que ensinoii
    mais prudencia ao gabinete de Florenca e
    que, adiando o seu empento) da absorpelo
    de Roma pata fazer desta a capital daltaia,
    adiou tambem as gravissimas contendas so-
    bre o poder temporal do Papa ; porm,
    corto que ellas se renovarle em preso mais
    ou menos breve: anecessidade do concurso
    da Italia em um conflicto europeo, o lamen-
    tavel mas natural acontecimento da morte
    do veiho Po IX, aFimniediatas e incalcula-
    veis consequencias de outro acontecimento
    semelhante em Franca, hao de favorecer os
    projectos e as aspiracoes dos Italianos, que
    Icni na casa de Sahoiaa tradido tal inestra
    da arte de aproveitar as occasies, e de
    aceitar todas as alliancas que podem servir
    ao augmento do sen poder.
    No Oriente causas idnticas produzem
    iguaes effeitos; a Russia ainda nao curou
    de todo as feridas que receben na Crimea.
    e o seu thesouro gome ainda sob o peso
    das despezas que llie custra a ultima guer-
    ra, o, sem que abandone os planos heredi-
    tarios da conquista da Turqua, por ora se
    limita a sorraleira atit;ar os odios de raca e
    de cligio; espera, pois,no oriente, como
    a llajia no sul, a opportunidade creada e
    eflorecida pelos abalos polticos que podem
    sobrevir.
    Anno de espectativas, do estremecimon-
    tos pelos annuncios de guerra, de acertados
    e felizes empenhos pacficos, de viagens e
    c mete que tudo all respirava, dirigi pa-
    Iavras attenciosas a todos os eclesisticos,
    fallou rauito eom o coadjuctor, felictou
    Claudio pela maneira porque cantava no
    coro, e depois, vendo Catharina, que
    Francisco Paty Ihe apresentou, disse-lhe :
    Ha muito que ouco fallar d'esta araa-
    veJ i? ptodosa m mina, a qual sei que o
    bom anjo d'estes campos. Continu,-^
    accresceoton ello, dando-lhe ao maamo
    lempo sobre a face duas leves palmadas
    eom a sua nivea e rochouchnda mo
    continu a instruir o seu prximo eom to
    paltos exemplos, pois nao ha nada mais
    agradavel a Deus do que a belleza e a
    m > '.dade santificadas pela piedade e a vir-
    tude.
    Podemos ajuzar qual foi a graciosa res-
    posta que ella Ihe dirigi.
    Entretanto o joven visconde, depois de
    dar o seu giro pla '-aldeia, preparava-se a
    montar no seu cavajlo, que prendera a urna
    argola de ferro que havia fio muro junto
    porta da igreja, quando vio Francisco Paty
    correr para elle, o qttal conseguir esca-
    par-se um instante, ouvtodo dizor a Catha-
    rina que o filho do conde de Sougres as-
    sistira ao oflicio divino e deveria ainda es-
    tar na ldeia.
    Meu senhor... disse-lhe o bom
    pastor ; mas, parando de repente, sera
    poder continuar a fallar, encheram-se-lhe
    os olhos de lagrimas ao coatempl i-lo fixa-
    raente Desculpe-me... continuou o
    abbade Vimaqui para Ihe dar os meus
    agradecimentos, e nao posso, ao ve-lo,
    reprimir estas lagrimas t... Pois o se-
    nhor que eu Uve em, pequenino nos bracos ?
    E'.sim, porqus oseo todo a viva imagen
    do sua nobre mli!
    Entlo conhe.!eu minha mli? per-
    guato'j o joven oofU.n )vido.
    Era bella e'boa como o senhor I...
    respondeu Francisco Paty, apertando-lhe
    ambas as mosMas o senhor nao pode
    deixar-nos assim... Venha assentar-se
    uossa mesa, coberta das suas dadivas : a
    sua presenca all ser mais um favor.
    A estas palavras, guiou Rogerio, que nao
    offereceu grande resistencia.
    Catharina, ao ve-te, sentio bater-lbs o
    coraeao violentamente, e Claudio, que se
    lembravado rail feito, fei-se oceultando
    por detraz do pai.
    Rogerio teve o expediente de o compri-
    raenlar, como se o nao conhecesse.
    Entretanto Martha, eom o rosto afoguea-
    do nao s pela alegra da alma como pelo
    calor da cosinha, apresentou-se porta,
    annunciando que a refeico eslava prompta.
    O bispo, guiado por Francisco Paty, sem
    msis'detenca ioasson ao terraco, seguindo-o
    todo o cortejo. Catharina e Rogerio, entre
    tantas sotainas, pareciam dous pombos no
    meio de um rebanho de corvos.
    Os dousjovens collocaram-se iim ao p
    do ouro, eom grande desgosto de Claudio,
    qae se vio affastado na extren.idade di
    mesa entre o coadjuctor e o thesoureiro.
    A refeico estove animada da mais per-
    feita alegra, a que o prelado nao obstou
    pala sua amivel presenca.
    D avernos dizer que era geral sao agrada-
    bilissimas e folgazs.estas reunies de curas
    da aldeia. Os corac5es puros e serenos
    fazem o espirito alegre e jovial. Mutas
    vezes, sob aqualles austeros hbitos, occul-
    ta-se muita graca e aguleza de espirito,
    qsc se nao presume primeira vista e que
    sorprende ao doscobrir-se.
    O bispo comeu eom grande appetite.
    dmdo preferencia honrosa ao vinho do
    castello de Bigny, seu se importir saber
    como era que Francisco Paty, eom os seus
    oitocentos francos de vencimento, poda
    apresantar-lhe to lauto banquata.
    N'esta pirte s5o iguaes todos os supe-
    riores : o grandes nSo avaliam nunca os
    embaracosque causam os pequarosquan-
    do toes fazem a honra de assentar-se sa
    A Franca na frica, a Russia
    pela Asia nao sao inimigas, quasi que se
    liarmonisam, ameacaedo o poder da Ingla-
    terra no mar o nas torras da India: a Russia
    avancando por trra, a Franca animando os
    trabalhos. que se auproximam do seu termo
    e j misturam as aguas do Mediterrneo rom
    as do Mar Vermelho : mas lora d'abi so
    combaten adversarias nos campos vivifi-
    cantes da Europa central e nos remtenos
    da Turqua.
    Amigos aqui. suspehosas all, inimigas
    mais longe. olo |(,i na Europa duas poten-
    cias que se aiheni tialialhem de areordo
    em todas as questes. em todos os pontos
    de discordia que >eparam os governos.
    A razo desta coiitrariedade, dessa oppo-
    sico geral de ideas, deste desconcert de
    tendencias que impedoni o concorto pacifico
    da nova orjranisaco gentirapliyeo-politiea
    contas de si opinilo publicado seu paiz.
    sanecionou aquellas declaiaces, ropetndo-
    as pela boca do Disraeli, que accresconton
    que a intervenclo do govemo da ranha
    prompta se olTereceria onde ponentura vi-
    esse a sentir-sc u porgo, a probabilidado
    da guerra no continente europeo.
    Saiba, pois, o anno de 1809. que boto
    comeca. zelar o santo legado da paz que re-
    cebe "do de 18(58, e caba-lhe a gloria de.
    ainda mais feliz que este limpar o horizonte
    politice da Europa de (inanias nuveiis escu-
    rase carregatla- o toldam, indiciando tor-
    menta possivol.
    Tendo muito riidimentalmente (Mudado
    a vida politico-toternacional do mundo eu-
    ropeo durante o anno de I8G8, considera-
    reos agora a vida intima de cada um dos
    seus Estados, e por isso' que muilas vezes
    esta se reflecte naturalmente naquclla, nlo
    escaparemos sempre necossidaile de r.e-
    produzir algum fado j exposto de passa-
    da Europa, etla sohicao dos seus problemas; gem na aprecaco geral.
    soeiaes e politicos sempre ' partiremos do Oriente.
    nao deixa fallar a justica, sempre o im-
    perio da forca, que nao quer tolerar o im-
    perio do direilu.
    Em um dos seus memores dias, o impe-
    rador- dos Fraucezes, Luiz Napoleo, leve
    um pensainenlo generoso ou astuto, leal ou
    insidioso, a que chinaran utopia, experi-
    encia do iiiipossivel: fui quando propz a
    reuuio do congresso geral das potencias
    europeas para seeiitendorom sobre os moios
    de soluco mais fcil e pacifica dos pro-
    blemas polticos que a todos interessaii!.
    Nao acreditavel que, adoptada esta idea
    pelo menos brilhante, chegassem os go-
    vernos ao desojado accordo, o em todo o
    caso o congresso se resentira da falte de
    representantes de nacionalidades, em cojo
    mesa, nem mesrao presumem que o vinho
    que Ibes tinge os copos e a tira de empalia
    que Ibes cobre os pralos custra meses de
    privaces, da de angustias e at mesmo
    noutes de insomnas!
    Ora, pois, meas senhon-s, tlizia o
    bispo, tirando cuidadosamente as espinhas
    de urna posta de peixe que Francisco Paty
    acabava de me servir -aquellos d'entre vos
    que se lastimara da modicidatle dos seus
    recursos devem notar a maneira pela qual
    o abbade de S. Silvano, eom os seus oito-
    centos francos annuaes, tem meio de soc-
    correr a pobreza e de nos apresentar ainda
    um banquete lautissimo.
    Mea senhor, redarguio o velho sa-
    cerdote que o Deus do nosso culto
    sempre o Deus dos milagrea, o Deus bom e
    omnipotente, que sabe, quando Ihe apraz,
    nadar a agua em vinho, encher de peixes
    as redes dos apostlos e multiplicar os p3es
    para manter a mullidlo no deserto!
    O bispo sorrio-se, esgotou um copo de
    vnho de Bordeus e fez sianal (te concor-
    dar, mas nao penetrou no intimo da al-
    luso.
    Os padres, que tinhara ido a p das suas
    parochias at deS. Silvano, estavam eom
    grande appetite e manejavam os telheres
    porfa.
    O thesoureiro nao coma, devorava. De
    seu lado o coadjuctor'nlo dfeixava de fazer
    a sua obrigaco. S Claudio nao coma.
    Com ornar de tristeza e ciume coiitemplava
    t^tharina e Rogerio, que eonversavant am-
    hos, e soffria tanto por os.-ver-to bellos,
    qoe teve vontade de chorar. O pai, pi-
    zando-lhe um p, drssera-lbd en voz baixa:
    Come, maldito, visto que na
    nossa custa I
    Claudio meneava a cabeca, suspirava e
    nlo poda com;r.
    A refeiclo prolongou-se at ao pritoeiro
    tame de vesperas.
    O prelado eigueu-se da uiea pare se di-
    A Turqua prolonga com admravel cons-
    tancia a sua lula com a morte: a ambiciosa
    s de conquistadora da Russia tenebrosa se
    denuncia no pronunciamento latente do ele-
    mento religioso gragea nas aspiracoes da
    raca: os almas obslinam-se no fanatismo
    nrasnlmano; os hachas na desordem admi-
    nistrativa, que augmenta na razo directa
    da distancia de Constantinoptej a influencia
    protectora das potencias occidontacs defen-
    de, amiiara, anima os christos que ainda
    soffrem, mas que nao sao como d'antes
    proscriptos tora da le o vctimas de horri-
    vel opprasto.
    {CoiiHmi.)
    rigir igreja, onde chrismou toda a gente
    Teiniinadaa ceremonia religiosa, entrou na
    caiTuagem, que se rctirou a passo regular
    dos cavaltos, tendo antecpadamente abra-
    cado Francisco Paty, afagado com a ponte
    dos dedos as faces de Calliarina e abencoa-
    do conectivamente a povoaco da parochia.
    ajoolhada na sua passagem.
    Fina hora depois, tambem Rogerio se
    affastava, ao troto do seu cavado, feliz por
    ter gosado tao helio dia e prometiendo a
    si niesmovoltar ao presbyterio, onde pela
    primeira vez acabava de experimentar os
    gosos do corarlo e de ouvir fallar de sua
    mii.
    Tornar-nos-hcmos a ver brevemente
    dizia-lhe o bom pastor, que o acorapa-
    nhra at extremidad da aldeia. Ver-
    nos-hemos com frequencia. E' este o voto
    do meu coracio accrescentou o abbalo,
    apertando-llie a mo e saiba que essa
    tambem a vontade da sua mu, l no
    co I
    As dez lioras da noute tudo
    em S. Silvano. S Catharina
    velavam. A pequea virgem
    com a face reclinada sobre a mao no pa-
    rapeito da sua janella aberta ; Claudio fea-
    nhavs-qfcravosseiro de lagrimas.
    Ti J meu Deus, que os creaste Gk<
    bellos, porque me flzestc a mim to fe!
    -eactemava elle no seu triste desespero.
    E entretanto Rogerto s*tfuia vagarosa-
    rosamente a e&teada que vai de S. Sirvapo
    ao castello de Bigiy.
    Estava uma-aipzivel noute. Asestl
    las scintUWlam rfliantes no firmament
    la illuuuairWiP"1"1*"' e Rogerio, es
    [UMBU^antar do rouxinol nr>
    arvoi da ao mesmo tempo o cA
    Co a dilatar-se-lhe petos impulsos do amoi
    e da liberdade.
    (Gmtinuar-ae-ha.
    repousava
    o Claudio
    meditava.
    >
    '
    ^
    TiT. DO WARIO-EA M CMIfiftlb
    IIIEIVII



  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID ESRRHYCLB_5DMJXQ INGEST_TIME 2013-09-14T02:37:05Z PACKAGE AA00011611_11738
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES