Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11737


This item is only available as the following downloads:


Full Text


fc
,f *4
i
t '
I-

ANNO XLV. NUMERO 5.
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE.
Por Irt's iiii'zrs aitfflrtaitOS. '.............. G^OOO
Por seis ditos idem.................... 12^000
Por um anno idem........ *. ........ 2i#000
Cada numero avulso......... .......... 320
DIARIO DE
SABBADO 9 DE JANEIRO DE 1869.
PARA DENTRO E TORA DA PROVINCIA.
Por Iros mezo* ailiantados.
Por seis ditos idem. .
Por ove ditos idem .
Por mn anno.....
0A75O
llJOOO
20iJiO
870000
Propredade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
M.iO .%Cil-:vri* :
i k sr>. Ge
tardo Antonio Alves Filhos, no Para: (ionralv^sA- Pinto, no Maranho; Joaqiiim Jos de Oliveira. no Cear; Antonio e Lemos Braga, no Ararat*; i
Uuinares Pancada, em Mamangdape; Antonio Alexandrino de Lima, na Paraliyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmtao dos
eni Nazareth; Fiancino da Costa Tavares da Costa, em Alagas; r. Jos Martns Aires, na Babia; e Jos
PARTE OFFICIAL.^
(.KH'ino da provincia.
i.-.ru>IKNTK.VSSIi;,VVI>o PBXO I.XM. .01. r.i.NUF. 1>K VE-
F.M.Y. WUMIDKNTB iu PBOVBOA, M t* IAMH-
RO DE I8M.
I" sCCCIO.
r; 2 Portara ao Exm. general eommandantc
das armas. -Adiaado-se ausente desta provincia o
i; ,jir ilu corpa de estedp-maior de I* tawrran-
fnucedes do lugar V escrivao de orphaos. emquan-
10 estiver iiiqnilid i serventuaro effectivo.
X. 19.Dila ai) di legado encarregado do expe-
diente da polica.Declare Vine ae dolegado de 8*
distrieto deeld capital, que importunamente leriat-
ti'iidida a sua roquisico mu olllrio de -ti dedezom-
bro lindo, valo pres lilemente nao ser possivel ha-
veinesse disUicto mu destacamento penuauente,
iciiiTo todava ordenado ao ronimandanle do corno
provisorio de polica, que preste no dia da fesla do
Orado a forra que pede o referido delegado.
N. SO.Dila ao mesmo.Inleirado de qanto
Vine, mi' informa em srnofliciode i) do mez lindo.
abanto antes, altan de receber as ordens qi
ueci --arias para entrar no cxereieio dessa eom-
N. 3.Dita ao mesmo. < cmunuaico a \ Exc.
para sen ronbanmento e fin convenientes, que
por despachos de 31 de dezembro ultimo, conced
.",..--i mita- Aiidrelino de Ura Carlos Magno e
i. io Manoel de Souza. a este 1 as de pn/.o para
I i.var iseneao legal, e qnclle TO das para o mes-
too Um. ., _
N i Dila ao mesmo.Mande \, Btt. por era
: | ..i,ii-. visto Iit sido jnlgad incapaz do servico
do excreto, como se v do termo de.nwpoeefto, que
> annexo ao seo oflicio de 17 dedezemb.ro. sol
n. 1,119, o guarda nacional designado do batalhao
.. 2 i i
Moura.
infantaria. Jos Francisco Ignacio de
Rodrigues
Ext. laca
dacommi.-so nomoada por
en QaV de abril de 1868, para
, tirar na forma das "tdriis constantes d aviso
do ministerio da guerra de 21 de fovereiro domes-
N. S.-rDita ao brigadeiro Joaquim
Kelly.- Tendo aciberado que V.
parte, como presidente
-!., presidencia
a
Jos Duarle das Noves, pelas sevicias por clie fri-
tos na pela esclava toa, de que trata o sen dito
bollicio.
X. ti.Dita videncias dadas por Vine. qoantO ao fado crimi-
nosn de que Irata o 'II ollicio n. IO77 de 31 do
mez ultimo, e rccommeiulo-lhe qae me communi-
que o (pie for oreo rendo aesse reapeito.
>". 23.-- Dila ao'coininandanlo do coipo pj'oviso-
rio de polria.-Expela Vin,-. assuas ordenspara
que por oecasiao da fsta de Drago de Santo Ama-
ro de Jaboalo sejam uostos a disposico das, auto-
ridades polieiaes daipclla localidade. um inferior
eseis proeas doeorpo snh osen coinmaudo.
>. .DelilK'racao.- O presidente da provincia
em vista da proposta do Dr. cliefe de polica, em
ollicio n. I03ide21 de dezemliro lindo, resolve
nomear para os cargos de segundo, teceiro e sex-
to suppli'iiies do delegado do lennode Limoeiro ot,
cidadiios seynintes. na ordem de sua collocayap.
(lapilao Joao Pelippe ile Mello.
Majar Jos Caetuo Pereira ilc*QueiiH>z.
ior fiscal da tliesooraiia de rateada Wenceslao
Garca Chaves, trate quanto antes S$ dar anda-
a u. aos trabalhos reapeelivos, com telo c inte-
,.>. que loma p-'lo (fe do servico publico,
ipresentanVme o resolta*) do que a eonmussao
'.ilu r scniellianle reepeo, para ser levado ao
,'Cnbecipieiilo dogoverno imiierial.
N. 7. Dila ao Voirnel direclor do arsenal
;, uiterra. Havendo V. S. sido exonerado.
decreto de 18 de noveaabro do auno pro-
simo lindo, do lugar de direclor do arsenal de
ei ra tiesta provincia, e leudo en nomeado para
xerea-Jo interinamente o brigadoiro reformado
.l.iquim Rodrigues CoelUo Kelly, cunipre que V
S inca .-nli-fi;- a esle fllcial-iieiieral da dirci^o
do mesmo arsenal, apresentando-se V. S. ao gene-
ral commandanle das arma, afim de ir tomar
nta do eliminando da fortaleza do Brom, para o
ijual loi nomeado por pollada do luiuisteiio da
joei ra, de 19 de detembra ultimo.
S h. Dita ao inspector do arsenal de marinua.
-I.oiiiiiiiuiico a V. S. pava sua inteliigencia e go-
.. ino. que o Exm. Sr. ministio da justica appro-
vou por aviso de 17 do mi |uoxiino lindo, a aeli-
beraeo ime lomei em 17 de nawemtaro anteceden-
te, de mandar proceder por esta aspeeeao aosenn-
supplenles do siiUdelegailo do pn
trido da freguezia do Limoeiro os cidadiios seguin-
tes. na ordem de sua collocacao.
Alferes Victorino Arcliins d Hego Faria. t
Conrado Erueslino Xavier Hamos. ,
Jos Barbosa da Silva.
Panlaleaode Araujo Pereira Cosa.
N. 2fi Dita.O presidente da provincia atlen-
dendo ao que expandoa o jniz muiiicipal e de or-
pli.is do termo de Carnar, em officio de 23 de
noveinbro do anno liado, sobre a impossibilidade,
emque se aelia o esfrivao deorpliao e ausentes du
mesmo termo, Gregorio Francisco de. Turres cVas-
coneellos. de deseiupenluir as lunecoes do cargo
em consequencia de um ataque de ophtaluiia, que
sofTre; asslm como que b escrivao" compnheiro
naopiKle accuniular o earlorio, seni grave incon-
veniente para o servico plbnco : resolve nos ter-
mos do artigo I."do decreto n. 1291 de 16 de de-
zembro de tS."3. nomear como elfeeiivaniente no-
meia oescrivo do jury e execiieoes, Luit Antonio
Cordeiro, para servir interinamente o dito cargo de
esc ivao de orphaos. durante o impedimento do ser-
ventnario eflecUvo.
X. 27 Dila.--{> presidente da provincia de con-
ormidade rom a proposta do juiz municipal da pri-
meira vara .em oilicio de 30 de dezembro ultimo.
Comarca de Cantar.
O juiz municipal dos termos reunidos de Carna-
r e s. Beato.
Xa sua falta, em primeiro lugar os gnpptentea
do termo de Cmara e em segundo lugar os sup-
plenles do termo de S. Bento.
Comarca de (taranlnnis.
1Q juiz municipal do termo de Buique.
2.nO juiz municipal dos termos reunidos de
liaranlnms eBom Conselbo.
Xa falta de ambos, em primeiro lugar os snp-
penles do temi de Buique, em segundo lugai os
sopplentes do termo de Uaranhuns, e em terceiro
lugar, os supplentes do termo de Bom Conselbo.
Comarca do 11 rejo.
i.'O juiz municipal do termo de Cimbres.
2.O juiz municipal do termo de Brejo.
Xa falla de ambos, os respectivos suplentes na
ordem cima indicada.
Comarca it Flores.
1."O juiz municipal do termo de Villa-Bella.
2."0 juiz municipal do termo de Flores.
3.O juiz municipal do termo de Ingazeira.
Xa falta dos tres, em primeiro lugar os supplen-
tes do termo de Villa-Bella, em segundo lugar os
supplentes do termo de Ingazeira. e em terceiro
lugar os supplentes do termo de Flores.
Comarca de Tacaratn.
O juiz municipal dos lemos reunidos de Taca-
ratii e Floresta.
Xa sua falta, em primeiro lugar os supplentes
do termo de Floresta, o em segundo lugar os sup-
plentes do termo de Tacarat.
3." secciio.
X. 31.Portaria ao inspector da thesouraria de
rateada.Em remosta aeoftcki que V. 8. dirigi-
me em data de 31 do mez prximo lindo soo n.
1051, tonlio de declarar-llie que as quarenta pra-
vas, a que se referem as lomas de prel que reen-
vi, chamadas a servico do destamento no termo
de Biiuic, durante o mez de iovembro aaleoe-
denle, nao podiam ser reduzidas ao humero men-'
cionado na tabella, que acompanliou a portaria de
o do mesmo mez de uovembro, antes que aquella
villa cbegasseni as niinli.as ordens. O destacamen-
to de que se traa, foi por mim autorisado, em !
consequencia das ciroumstaiicias especiaes em que
se aclia a sobredita villa, para manuteocao da
tranquillidade publica, prisoes de reclutas, ueser-
oo Maria Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Antonio Joaqnint
Santos Bulcao, em Santo Anlu: Domingos Jos da Costa Braga,
i-o (iaspariiiliu, no Rio de Janeiro.
Itil l'il
gar Jos Rufino de Araujo : assim o communico
a V. S. para sen conlieciinento
X. M-Dita ao mesmo.Em vista ili> olllrio junto
por copia dojuiz municipal dos termos di, Gara-
nliuns e Bom Conselho de 20 do mez passido. de-
termine V. S. que deixe de ser frito o descont de
3 por rento sobro os vencinienlos daquell' juiz, a
liem ts desjK'zas da guerra, em vista do pie por
elle i- ponderado em ditoofficio.
X. M. Dita ;io mesmo. -Expeca V*. S. suas or-
deiis para que em vista da fua e prel ju dos em
duplcala que me remeden o roinmaudanti supe-
rior desle municipio com ollicio de boje, sub n. 1.
Hitan liquidados e pagos os vencinientos los ofi-
ciaos e placas do 1" batalbao de infantaria aquar-
telado nesta caiiilal e dos contingentes a -lie ad-
didos. sendo os dos ofllciaes relativos ao mez de
de/embro ultimo, c os das praeas a segundl quin-
zeua do mesmo mez.
X. 43.Dila ao mesmo. Transmiti a V. S. a
folba e prel junto ein duplcala, a que se -efere o
oflicio do brigadeiro commandanle das armas da- '
lado de Imje e sob n. 2. allm de que. depois de li- <
. quidados os vencimentos do official empre:ailo no !
deposttn dos ptidoBeiros de suena paragiayos, e
de laes prisioueiros. mande pagar a im| rlMicia i
desses venciiiientos sendo os doollieial ivlalivos >,
mez de dezembro ultimo r os dos prisioi eiros a
segunda quinzena do nie.-iiio mez.
Pi. 44. Dila ao mesiao. Rccommendo i V. S.. j
qne em vista da forna e pret, junto em duplicata.
ipie me remellen o coniniandnle das anuas com
ollicio de boje, sob n. I. mande liquidar el pagar
os vi'ncinienlos dos olllciais. piaras e calecas em-
|iregados no deposito de le-rulas. >end i os los of-
iiciaes e eaba'tas relativos ao mez de ilezeiiBiro ul-
timo eos das [iracas a segunda quinzena no mes-
mo .....I
X. 4.*. -Dita ao mesuio.*Estando o contador da
directora geral dos conejos Joaquim Francisco
Lopes Aojo, incumbido pelo respectivo direclor,
oni virtude de ordem do ministerio dos iegocios
da agricultura, commercio e obras puburas de
mspeocionar a administraran do coitco desla pro-
vincia, enmpre que V. S. na forma da recdmmen-
dacao do mesmo ministerio faca prestar ao referi-
do contadaT um emprendo dessa tesounuia, que
por alguns dias o coadjuve naqnclle servicf
X. 46.pita ao inspector da thesouraria provine
do mordomo do referido bospital a respectiva ad-
inis-ao salvo em caaos urgentes em que a rcmes-
sa di-ve ser feila iminediatainenle.
X. *)'). -Dita a cmara municipal do Recifc.
Transmiti a cantara municipal do Kecife. para
sen conlieeimento o acto desla data pelo qual re-
solv approvar prov isoruuuente.no.- irruios do art. 2"
do decreto de 2'i de ouTnwo de 18.11. a postura
adtlicional a que se refere o oflicio da inesma c-
mara de de dezembro prximo lindo sob n. 80.
X. BU. Circular a todas as cmaras niunici-
paes. Tendo o Exm. ministro do imperio, por
aviso circular datado de l do mez prximo lindo,
boje iTcebibo. declarado que as juntas revislas
de qualilicaeoes dos votantes s devem reunir-se
na lerceira dominga de Janeiro do futuro anno de
1870. assim o communico a cmara municipal
de.....para sua InteHigenria, e para que o faca
constar aos juizes de paz inais votados dos distric-
tos das inatrizes de Stlferentos parochias do sen
municipio.
X. 57.Portara ao Dr. comroisgario vacrina-
dor provincial. Itemetla-nie Vine, com urgencia
aljamias laminas o tubos com puz vaccinieo de
br qnalidade, allm de seren enviados a cmara
municipal da villa de Pao d'Abo.
X. 58. Dita ao engenbeiro encarregado das
obras geraes na provincia. Remetto a Vmr. dnas
represen I ai-oes datada-; de 2li e 31 do mez prxi-
mo lindo, em que os juizes de direito da pnuieira
e segunda varas crime represenlain sobre o esta-
llo punco acolado du edificio do tribunal da rafal-
cao na parle do pavimento terreo, onde sao dadas
as audiencias dos juizes desta capital, afim de que lulamente de bomogeneidade, que nao a exnres-
Vmc. examinando quaes sao os reparos,' de que \ silo de un partido, e anda menos de una dotitri-
DIARIO DE PERNAMBUCO
Bom,!) de uunnn m I8ti).
XOTiCIAS DA El HOPA.
l'Jiegoii liontein de Liverpool e Lslnia o vapfir
iiiL'lez Alhambrii. Irazendo-nos jornaes de Lslioade
16 a 19 do pasar-do. Da Naci, nico jornal qu*
recebemos, eviraetainos as si-guintes nojjcias:
1.NGI..VTF.IIBA.
O gabinete de S. James teOQ deflinilivaniente
eompnto dos Srs.:
Primero lord da iliesouraria. M. tlhlVllT
Cbanceller do Eelitvpiier. M. Lowe.
Lord alto riumceflar, Sir \v. l'age Waod.
Lord presidente do conselbo, eonde Grey.
Lord do sello privado. Lord kimberlev.
Primeiro lord do almiranlado. M. Illiilier-.
Secretario de estado dos negocies estrangeins.
lord Qarendoo.
Di interior. M. Ilruc'.
Da guerra. M. CarweM.
Das Goloaias, lord (ranville.
Da India, o duque d'Argyll.
Presidente do tribunal do eominercio, Mr. Brighl.
Para a le dos pubna, Gaseben.
Mostr geral das Postas, o marquez d'llarlinglnn.
Secretario para a Irlanda, M. Miohester Fortes-
cue.
Segundo os jornaes inglezes esse gabinete s
de wili mi de liberal temo lime, que careee abso-
tores e criminosos que a infestan!, nao se devendo ^ial Jtespondend ao offlcio de V. S. datado de
|KM- isso considera-lo como fazendo especialmente 13 de outubro do annfi prximo lindo, sob u. 1563.
o scn'ico da polica pela razao de ler sido retiuisi- declaro-lbe que nao designando o contrato de 11
. ,. pintura do respectivo pbarol da barra, or- "' "" [" "''.o ue .vw oeze.ni ro uum.o,
na1 J amia de '.7'. iMtf, tendo providenciado ^"^ '"' "' <> ^^ *2**" 1\\'U^\ "'
2 var'se ta. i,poria,,cia a verli -obras -do ^r^t^'^^^^JS^
annicipiu da edite, poftnaoaBto ao presente excr-
io. %
N. 8 bis. Dila ao bacbard Wenceslao Garca
Chavos. Communico a V. S., para ana iateUigen-
. que nesta data designe! o brigadeiro Joaquim
Ptodrigues Coelhe Kelly para fosar parte, na quali-
iade de presidente., da commisso coinpo^ta de V.
S. e do Dr. Joaquim de AqiiinFonseca. incumbida
syndicar dos abusos e insularidades. que se
"no arsenal de atierra dest I pTwm*A, convindo
V. S. seentendacom o mesmo brigadeiro para
ii re andamento aos respectivos trabamos.
Igual iHttttf mattiini- m Dr. Joaanhude Aqu-
i Fon
2* seccao. <
N. 14.Portaria ao Dr. ehofe de polica.Em
vi la do que pandaron o desembargador ptovedor.
da Santa Casa de Miseriadrdia, em officio de 29 de
nbro prximo lindo, sol) n. 169H. rreominenil i
;, V. S. que. quando tivvr de mandar recolber a i
spital de Pedro II qualquer infrrmo. requisitc
iiiiienie do mordomo do referido hospital ares-
activa adni>sao, salvo em casos urgentes em que
. remessa deve ser feiuiiwiniedialamenle.
X. lo.Dita ao mesmo.Faca V. S. constar ao
legado de polica do termo do Cabo, qne n'esta
mando ouvir ao eommandaate superior res-
;vo -ubre os fado- allegados em sua represen-
i de boje, acerca do sargento Davino Ribehra
deSenna, a nuera o mesmo rommandanle suspen-
i do cxereieio do posto, o mandou Submetfer a
'Um, e que aportunamente oprovidenelaFei i
tal respeilo como Ior de juatica.
N. 16. Dita ao mesmo.Conimiuico a V. S.
ira eii conherimento e fim conveniente, que foi
nlgado incapaz do servico da guerra o guarda
nal designado do batalliao n. 2' de infantaria
Francisco Ignaeo de Moura. que \. 8. me fez
presentar con o sen officio de 14 de dezembro ul-
O, sob n. 98tii.
N. 17.Dila ao eommandaate superior do Rio
Formo.Quando estive nessAcidade, no dia Sde
1*7.embro prximo fmdo. V. S. disse-meverbalmen-
i na oeeasSo em que o enterroguci sobre os mo-
|hii que bavia deixado de rubricar os prets
da (brea da guarda nacional ah destacada, que
ipcnas'cu chegasse a Villa de Harreiros, encontra-
ra ollicio rx|M'iidendo as razoes que obstaram de
prestar sua rubrica as folbas dos ditos prets. Xo
lando al agora recebido tal officio, nein V. S. ex-
olicadn quaes foram essas razoes, entretanto que o
('.legado de polica e o oflicial commandanie do
esmo destacamento, representbi sobre a falla e
translorno que causa as praeas, a prisao de seus
vencimentos, havendo V. 8. rubricado apenas os
ts de uovembro. mas sem faze-los acompanhar
de officio, com que podessem chegar a esta presi-
dencia, deixando de o fazer quanto aos de outubro,
s-;m declarar os motivos que para isso leve; orde-
no-lhe que inmediatamente informe acerca desses
motivos, para se tomar a conveniente resoluro,
nindo-o de que nao lhe licito proceder de
femelliante forma.
Se V. S. oceorriam duvidas a respeito do modo
pornuc estavamarganisadas as folhas, deveria te-
las devolvido a qnem lh'as enviou, declarando es-
sas duvidas, para que as referidas folhas Ibssem re-
formadas; mas nunca retardar a sua expedicao,
.-.alisando assim embarace ao servico determinado
por esta presidencia, e procrastinando o pagamento
do que devalo as praeas que fazeni aquelle ser-
vico.
N. 18.Dita ao juiz municipal de Caruar.Com-
mmico a Vmc, em respoata ao seu oflicio de 23 de
uovembro do anno prximo Ando, que. attendendo
a impossibilidade emque, por nferrnidade grave,
cha o escrivao de orphaos dessa villa, Gregorio
Francisco de Torres Vasconcellos, de exercer o seu
9, e a informacio por Vmc. prestada acerca
cjs inconvenientes que resultara ao servico publi-
co, de ser esse officio desempenhado interinamente
pelo escrivao compnheiro, tenho nesta data no-
i.ieado o escrivao do jury e execocoes, Luit Anto-
c_o Cordeirojpara desempeaoar interinamente as
capital, em quanto se achar impedido o respectivo
serventuarin Joo Baptista de Sa.
X. 88.Dila.0presidente da provincia em vis-
ta do imu propie o Dr. ehefo de polica, em ollicio
n. 100:flde 21 doiaez lindo, resolve declarar sem
effeito a nomeacao do capito Paulo Cavacanti de
Albuqiierque Wander'ev. para o lugar de segundo
snpplente do defegado d polica do municipio do
Limoeiro jior naofiaver sidoaceeila a dila nomea-
eiO.
X. 39.Dita.0 presidente da provincia em
vista do quepropoe o Dr. ebefe de polica,em ofli-
cio u. 10012 de 21 do mez lindo, resolve declarar
sem effeito as nomeacoqs do capkao Paulo Cava-
canti de Albuqiierque Wanderlej, major Henrique
Luit da Costa Comes, eapftio Joaquim da Molla
Silveira e alferes Jos Loiirenco da Silva, para os
lugares de primeiro, segundo, terceiro e sexto sup-
plentes do "Subdelegado do primeiro districto da
rreguezia do Limoeiro. por nao haverem sido aecei-
las as ditas nomeacoes.
.N. 30.Dita, (i presidente da provincia, em
eumpriiuento do disosto DO 5- 10 do artigo 211 do
regnlanieiiton. 120 de 31 de Janeiro de 1842, de-
termina que os juizes de dimito das comarcas se-
jain em suas faltas Ol impedimentos substituidos
no eorrente anno petos respectivos juizes munici-
paos e seus snpplenle na ordem segrale :
Comarca io frcife.
polica pola ratao de t.-r siuo requisi
lado pelo delegado respectiva. Ao Sr. ministro da
guerra pedi autorisacao para empregar forca da
guarda nacional nos municipios do setao da pro-
vincia, sendo os vencimentos pagos por emita do
seu ministerio ; e essa autorisacao rae foi dada,
segundo communiquei a V. S. por aviso de 12 de
outubro. Assim pois, nao sao procedentes, para o
cuniprimento de minha ordem de 23 de dezembro,
as duvidas oppostas por V. S. no ollicio a que res-
pondo, nein mesmo ha de ser o recibo passado ao
lliesoureiro dessa repaiticao e nao ao pagador
della Mmervino do Sonta Leao. por isso que V. S.
pode puf seu despacho, ordenar que a peseta que
se apresentar para obten o pagamento da impor-
tancia dos prets. pasas oulro recibo ao dito paga-
dor, rom o que se evitar o transloruo que ha de
Causar forra destacada da guarda nacional a de-
mora ein receber seus vencimentos, se dcvesseui
ser dissolvidas as folhas para se reformaren! por
aquelle nico motivo. i
X. 32.Dila ao mesmo, Transmiti a V. S.,
afim de ter o conveniente deslino as inclusas cun-
tas documentadas da receila e dspota da enfer-
mada militar desta cidade. sob administrac/io do
ronseiho econmico do deposito dos recrutas. re-
lativas ao mez de uovembro ultimo, e coin ellas o
parecer por duplcala da junta de sade, que as
exanoou e acnon-as conformes e reculares.
I X. 33.Dita ao mesmo. Inleirado de quanto
V. S. expoz ein sua inferaai-o de 29 de dezem-
pie nao aestgn
de outtbro dr 1866 novado pelo' termo de 14 de
novembro de 1867. qne os pagamentos da quanua
de tres Cpntos e quiibentos mil_ris nnuaefe pelas
bnpressOes dos Irabalhos dessa "thesouraria e ou-
luven-
itos no
)s dessa thesouraria
tras repartieses provinciaes ajustados cora
co Aureliano da Taraba Osar, sjam fi
principio, no meio. ou no lim do anno. antes dmhi-
zindo-se do mudo como est redigida a condieao
12' que riles podera elfeciuar-se no conieco do ra-
no, ama vez (uie o contratante preste flanea id-
nea a qiianti que receber ; ruinnre qu V. 8.
mande salistazer ao referido Jnvfflcn Aureliano
da Cuuha Cesar a mencionada quaulia de :":.)00.
"hendo elle a clausula da citadacondiiio 12'
do coiitram.
X. 47. -Dita ao mesmo Depois de pnx essalto
em \isla (16 pret junto em duplicata, que no re-
metteu o."commandan(e suoerior da comarca de
Olinda con i oflicio de 23- de dezembro ultimo man-
de V. S. pagar os vencimentos relativo- a M india
quinzena do mez de novembro prximo findo, dos
guardas liaVonans destacados naquella cidate.
X. 48.-Dita ao mismo. Accusando a reepe.o
de ollicio de 31 de dezembro nllimo. sob n. 832
ein que V. S. paiticipou haver Joao Carlos Men-
dos, dando por fiador Jos Ignacio Avila, a 'rema-
tado o servico da illuiiiinaivio publica da cidide de
Co\ amia por umaniio. a cuitar do 1 de .aneiro
eorrente e pelo preeo de 2^7 ris diarios pi r cada
fruncir vara.
{.O juiz municipal da primeira vara.
2."O juiz municipal da segunda vara.'
Xa falla de ambos, os respectivos supplentes, na
ordem cima indicada
0 juiz municipal ou snpplente nao poderaceu-;
mular duas varas, e a ultima, emque se der a fal-
ta, ou impedimento de proprielario, tocar ao in-
mediato substituto.
Comarca do Pao d'Alho.
O juiz municipal do termo do Pao d'Alho.
Na sua falta os respectivos snpplente?.
Coma ca de Olinda.
i.'^O juir. municipal do termo de Ifmarass.
2."^=0 juiz municipal do termo de Olinda.
Xa falta de ambos, os respeclivos supplentes, na
ordem cima indicada.
Comarca de foianna.
O juiz municipal do termo de Goianna.
Na sua falla os respectivos supplentes.
Comai ca de tambe.
O juiz municipal do termo de Itamb.
Na sua falta, os respectivos supplentes.
Coman a do Limoeiro.
0 juiz municipal do termo do Limoeiro.
Na sua falla, os respectivos supplentes.
Comarca de Nazareth.
O juiz municipal do termo de Nazareth.
Na sua falla, os respectivos supplentes.
Comtrca do Cabo.
I.=0 juiz municipal do termo de Ipnjuca.
2.=0 juiz municipal do termo do Cabo.
Na falta de ambos, em primeiro lugar os sup-
plentes do termo do Cabo, e em segundo lugar os
supplentes do termo de Ipojuca.
Comarca de Santo Antao.
l.=0 iuit municipal do termo de Santo Antao.
.=0 juiz municipal do termo da Escada.
Na falta de ambos, os respectivos supplentes na
ordem cima indicada.
Cotnarcc do Rio Formozo.
I.0 iuiz municijial do termo do Rio Formoso.
.o=0 juiz municipal do termo de Serinbaem.
Na falta de ambos, em primeiro lugar os sup-
plentes do termo de Serinhaera, e em segundo lu-
gar os supplentes do termo do Rio Formozo.
Comarca de Palmares.
l.=0 juiz municipal do termo de Agua-Preta.
2.=0 juiz munici Jal do termo de Barreiros.
Na falta de ambos os respectivos supplentes, na
ordem cima indicada.
Comcrca do Bonito.
O juiz municipal co termo do Bonito.
Na sua taita o retpectivos suppleates.
auipio. leona a dizer em respostaao citado ollicio;
hro ultimo sob u. 1047, tenho a dizer que promo- qe apniovo essa anvmataeo.
va a liqudaeo e tomada de ronlas dos dinheiros ST. 49.Dita ao mesmo.Pode V. S. de lonfor- i
qne receben dessa thesouraria o juiz de direito da
comarca da Boa-Vista, Dr Luiz de Albuqiierque
Martina Pereira. para pagamento das drspetas,
que esliveraui a seu cargo, inclusive a quantia de
i:600.0U0 que conduzio para ser entregue ao juiz
municipal de Cabroh. appioulanilo-se para esse
lim a astada nesta"capital do mencionado doulor,
o qual j doria ter entrada para o cofre dessa
reparticiio cotajp saldo existente eiii seu poder.
K. -'i. Dita ao misino. Transmiti a V. 6.
para os flus convenientes as iuclusas cuntas docu-
mentadas da receila e despeza da enfermara mi-
litar do presidio de Fernando, relativas ao mez de
novembro ultimo, e com ellas o parecer por du-
plcala da junta de sade, que as exaumou e jul-
gou conformes e regula) a&
X. 35.Dito ao mesmo. Commiaico a V. S.
para siui intelligenca e giverno, que o Sr. minis-
tro da marraba apurovou, por aviso de 17 do mez
prximo lindo, a doUberacao que lomei era 17 de
novembro antecedente de'mandar proceder, pola
inspeceo do arsenal do marraba desta provincia,
aos concertos e pintura do respectivo pbarol da
barra, oreados na quantia de 47 iOy. tendo pro-
videnciado para evar-se tal importancia a verba
obras do municipio da corte, perlericeute ao pre-
sente exercico.
N. 36.Dita ao mesmo.Ein additamento a mi-
nha portaria de 21 de dezembro ultimo, transmit-
i a V. S. para os flus convenientes, o pret junto
em duplcala, que rae reiiieileu o commandanle
superior da comarca de Olinda, cora ollicio de 23
do citado mez de dezembro, tirando os vencimen-
tos relativos a primeira quinzena de novembro
prximo luido, para os guardas nacionaes desta-
cados as fortalezas do llrum e Buraco.
midade com o final de seu ollicio de 29 de i laxen)
hro ultimo, sol n. 826. mandar pagar pela (onsig-
naetdoS 11 do art. lo da lei do orcamei lo vi-
u.'iile. que a competente, a quantia quesigundo
O cerllicado. annexo ao reqneinento que icluso
devolvii. se est a dover ao arrematante da o ira di
1,062 metros correuies de empodra'nento da es-
trada de Olinda, proveniente da prestacSo d uniti-
va do seu conlralo. Dista inaneia tica respmdido
o seu citado officio.
X. 50.Dita ao......-me.Iuieirado pela Jdecla-
racao, que por copia, veio aiiuexa ao offioio que
V. S. rae dirigi ein 16 do dezembro ultimo, sob
n. 800, de que j se esla procodend a cobra ica da
divida de Pedro Cavalcanle do llego Albuqi erque,
tenho a dizer em respusta que a recoiinne idaco
feila por esta presidencia na portaria de 28 le no-
vembro prximo lido, leve por objecto ac; tutelar
os interesses da fazenda provincial, por se I e nao
ter dado seiencia de (pie j eslava sendo exigido
executvamenle a divida a que se refera a nesma
portaria.
X. 51.Dita ao mesmoEm respoata aoj oflicio
de V. S. datado de 29 de dezemliro ultimo, sob n.
825, a que veio annexo o requeriinento e Jos
Augusto de Araujo. que devolvo, tenho a diker-lue
que deve mandar pagar da prestaeo definitiva das
obras primitiva e sujiplementar do raio do liste da
casa de detencao, a quantia que legalmente se de-
ver, segundo a verilicacao da contadoria dessa the-
souraria, levando-se a niesraa d.speza a verba do
19 do art. 15 da lei do orcamenlo vigente, como
V. S. indica no final de seu "citado oflicio.
N. 52.Dita ao mesmo.Tomando em conside-
raeao o que em oflicio de 12 de nowatnbrn ultimo,
me* representou a diroctoria do theatre de 5. Isa-
precisa esse pavimento, preste infonnacoes a se-
mediante respeito, enviando o orcamenlo da dcs-
pe/a. em que iroportaro os meamos reparos.
N. 90.Dita a directora do tbeatro de Santa
Isabel. Tomando em consideraco o que oju offi-
cio de 12 de novembro do anno provino lindo me
representou a directora do tbeatro de Santa Isa-
bel acercada conveniencia dearbitrar-se um quan-
liUitivo, que, a titulo de aluguel, paguem as pes-
soas ou corporacocs qne requererem e obtiverem
permissao para" darein espectculos no mismo
tbeatro. alim de ser esse producto applieado aos
inelliorainentos (^ reparos de que precisa esse pro-
prio nacional; e conformando-me com os parece-
res do inspector e do procurador fiscal da thesou-
raria provipcial datados de 3 e 3l de dezembro ul-
timo, autoriso a medida propoeta para beneficios
que ejam concedidos pela presidencia a artistas
ou couipaiihias. sendo de 50 por.noite, se for ni-
camente oceupado o salan, e de 100a, se o fr todo
o tbeatro ; excepluando-se. porm deste ontis os
beneficios estipulados nos contratos dos artistas
dits eaiprezas, s quaes tiver sido o Iheatro cedi-
do em virtude de contrato, e os que se conce-
deren a estabelecnienlos pos da provincia. 0 que
communico referida directora, para sua intelli-
genca. pivvimndo-a de que o pagamento desses
alugueis seta previamente feilo ao administrador
do tbeatro, e sen producto, inmediatamente escrip-
turado em livro especial aborto, numerado e ru-
bricado pela incsina directora, applieado por indi-
cacao della, e com autorisacao desta presidencia,
aos melhoraraentos de que necessitar o edificio;
recuftendo-se, nu litn do concille cxereieio, o sal-
do que houver a favor do esiuboleehnento. a the-
souraria provincial, onde o mencionado adminis-
trador llover prestar cuntas. Declaro que csjo
iscnlos de pagar aluguel as pessoas a quera foram
concedidos beneficios St 31 de dezemliro prximo
]i lasado.
W. 60.- Dito ao administrador do crrelo.
Constando de ollicio do director geral dos eocreios
de 19 de dezembro prximo lindo sob n. 1935 le'
sido exonerado Jos Comes de Sonta Ferraz do lu-
gar de asente do corraio de Salguciro e npiead i
lose lluliuo de Araujo para exercer aquelle lugar;
assim o communico a Vmc para seu cenheci-
mento.
X. 61. Deliberaco.-0 presidente da provincia,
tendo em vista o que ponderen a cmara munici-
pal do Recifc em officio de 9 de dezembro prxi-
mo lindo sob o. 80, resolve approvar provisoria-
mente nos termos do art 2 do decreto de 83 de
outubro de 1831 o artigo de postura addicoaal
abaixo transcripto.
Artigo nico.A disposierm do arl. 18 da pns-
na. que nao e se nao o produelo da colligaco que
fez retirar Mr. Disraeh. e iiioIiimii receiar que
mesmo no seio do gabinete, se levanlem granoV-
i.-mpistades |H,is q2 Mr. Gladstonediverge de Mr.
Hright, e do seu grato de pretendidos demcrata*
acerca de umitas das questoes mais graves, e as-
sim julgaiu que este gidiineie nao aprsenla aa-
dieses ib; larga vida, e que mais cedo do que sr
pensa se pronunciar una nova orine ministerial
IIKSPAMIA.
Ternnnou felizmente a nsurreicao em Cadx.
de|K)iido os insurjcntis as armas, e fazendo o ge-
neral Caballero de Hudas, coiuuiaulante la- torca-
do governo provisorio, a sua entrada na eidade ir-
conipanbado das tropas que connnandava
Aos insurgentis foi garantida a vida, nma vez
que se subordinasseiii.
Alguns jornaes elexam a 1.000 o numero oV
morios durante as hitas.
A Esperanza de Madrid descreve assim os lti-
mos movimentos:
A discussao nao possivel no pre-ente mo-
mento. Hoje nao piulemos pensar, nao saltemos
se nao sentir. O espectculo que temos visla
nao pode ser mais triste.
t Que situaeao adeCadix! A engrania aja
nba sido grande na guart'i-feira. tomn hontem
iimneiisas proporades. Prtala todo o da cente-
nares de rail pessoas tm corrido ao caes quasi em
tropel buscando embarcaees que possam transa
da-las para qualquer dos pontos prximos.
Temos visto velbas octagoaartai, que .u-bando-
se completamenle entrevadas e nao jiodendo ir ein
carruagens pORNM as barric.nlas iiii|Hilein o tran-
sito, eram levadas era .cadeiras que sr lev ain i
mar.
Trinos visto senhoras doenles que aptrnas -
podiam Ior em p>ue caininhavam a costo rodea-
(U's de pessoas da. sua familia, aluuio.i- das quaes
derramavam amargas lagrimas.
Estes e outros aaadroi de que leaMM -id., t.--
temuntaas despedacavam i ahnaadavan uuiatri-*
idea do pnico horroroso qne M tem apo populacao
Oiiantas pedas! quanfas ruinas! que paiali
sarao completa nos negocios! que vai s.-r dos ipir
vivem da sua industria e do sen trabadlo '
i Como a va frrea est inteirompida > H car
magras, conforme temos dito, nopndcm transitar
a nica via disponivel o mar que cada dia se
torna mais custosa para os que ipieivm utilisa-h
Sabemos de lamilias que tem lido que pagar
saramas relativamente fabulosas para poder raat
ladar-se no ierto de Sania .Mua na Pa frts Raal
A siluaco de Muitos (pie Idn emijirado. para es-
tes on outros povos, tambern mu afflleuva, por
tura approvada pela el provmcial n. 797 de 2 de V 96 l.-m encontrado sem alberg.....-em recur
raaio do auno passado, tica extensiva ao lugar do! to, e com os arWgos de primeira tec isa! aaH a
- s.
N. 37.Dita ao mesmo. Autoriso V S. nos btl,.-afieria da conveniencia du arbitrar-ie um
termos de sua informacio de 31 de dezembro ulti- quantit.ntivo. que. a titulo de aluguel, paguem as
mo sol n. 1050, cora referencia a da contadoria i jHssoasou corporari>s.ipie requererem e obtiverem
dessa thesouraria, acerca do requerimento docu- permissao para dar espectculo no mesmo iheatro,
mentado, que incluso devolvo, a mandar pagar ao' anm de ser esse produelo applieado aos melhora-
Srente da Companhia Pernambucana a quantia \ mentes e reparos de que precisar esse proprio
e 1:831 S381 rs. proveniente de transportes dados provincial, e conformando-me com os pareceres de
desta capital para o presidio de F'ernando, e vice-' y. S. edo procurador fiscal dessa thesouraria, da-
versa a bordo do vapor Giqui. durante os metes tados de 3 e 31 de dezembro prximo findo, auto-
de novembro e dezembro do anno prximo passa-
do, por conla do ministerio da guerra.
N. 38.Dita ao mesmo.Devolvcndo a V. S. o
ri-ei a medida proposta para beneficios que sejam
concedidos pela presidencia artistas ou compa-
nhias, sendo de SOiOOOrs. por noite se fjr uni-
pret que em dupiieata veio annexo ao seu oflicio camentc oceupadoj) salao, e de 1004000 rs. se o
de 22 de dezembro' ultimo, sob n. 1017, tirando
vencimentos, na importancia de 38743 e corres-
pondentes ao exercicio de 1867 a 1868, para a pra-
ca do 51 corpo de voluntarios da patria Jerony-
mo Marinho do Carino, afim de que em vista da
informaco junta por copia, do brigadeiro com-
mandante das armas n. 1157 e datado de 28 do ci-
tado mez de dezembro, mande processar essa divi-
da para ser paga quando o governo imperial vo-
tar o necessario crdito, visto pertencer ella a
exercicio ja encerrado.
N. 39.Dita ao mesmo.Mande V. S. liquidar
e pagar em visla das duas cuntas juntas em dupli-
cata, que me reinetteu o director do arsenal de
guerra com ofilcio de 31 de dezembro ultimo, sob
n. 410, o que justamente se estiver a dever a Joa-
quim Jos da Costa Faiosa Jnior e a Jos Ferrei-
ra do Xascimento, sendo ao 1 proveniente de ob-
jectos que forneceu para o expediente da secreta-
ria daquelle arsenal e ao 2 por. haver conduzido
para bordo do vapor ipojuca setc caixoes, conten-
do o armamento com destino ao Rio Grande do
Norte.
N. 40.Dita ao mesmo. Constando de offlcio
do director geral dos correios de 19 de dezembr i
prximo findo, sob n. 1935, tef sido exonerado Jo-
s Gomes de Souta Ferraz do lugar de agente do
> correio de Salguciro e uomeado para o mesmo lu-
for todo o Iheatro; exceptuando-se porm desi e onus
os beneficios estipulados nos contractos dos artistas
das emprezas, aos quaes tiver sido o Iheatro cedido
em virtude de contracto, o os que se considercm
estabelecimentos pios da provincia.
0 que communico a V. S. para seu conhoriracuto
prevenindo-o de que o pagamento desses alugueis
ser previamente feilo ao administrador do theatro
e o seu producto, immediatamente eseripturado
em livro especial aberto, numerado c rubricado
pela misma directora, e applieado por indicacao
della, e com autorisacao dosta presidencia, aos me-
Ihoranientos de que necessitar o edificio ; reco-
iendo-se nolbn do exercicio o saldo que houver
a favor do estabelecimento a essa thesouraria, onde
o mencionado administrador dever prestar contas,
(cando isento de pagar aluguel as pessoas a quera
foram concedidos beneficios at 31 de dezembro pr-
ximo findo.
4* seccao.
N. 54.Portaria ao desembargador prov
Santa Casa de Misericordia.Respondendo ao offi-
cio do V. Exc. de 29 de dezembro prximo findo,
sob n. 1,698. tenho a diter que attendendo as pon-
deracoes nelle feitas, expeco nesta data as conve-
nientes ordens ao Dr. chefe de polica, afim de que
quando tiver de mandar rocolher ao hospital de
redro II qualquer enfermo, requisite previamente
Gasmetro da freguezia de S. Jos.
X. 64.Dila.0 presidente da provincia, alleu-
d.'iido ao que requeren a professora publicada Ia
cadeiraua cidade de Goianna Mara Cavacanti de
Albuquerque Mello, e em vista da raformaco do
director geral da iuslruccao publica de 211 de de-
zembro prximo lido son n 447, resolve eottee-
d'i-lbe 20dias de. lieeucacom ordenado somonte
para tratar de sua saude fra daqnella eidade.
EXrKIHENTE ASSIUXAO PE1.0 Sil. DI!. JOAOLIM COUllEA
0K ARAUJO, SBCRETAM0 Do QOVUKO KM 2 DB JA-
.\ElllO DE 1869.
{' seero.
' N. 63Oflicio ao director do arsenal de guerra.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, manda de-
clarar a V. S., em nsposta ao seu officio de 31 de
dezembro ultimo sob n. 410, que transmuto a the-
souraria de fazenda para os l'ras convenientes, as
contas que ein duplicata vieran) annexas ao citado
ofilcio.
2'seccao.
N. 64.Ofilcio ao comiuaudanto superior 'de
Oliiida.O Exm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S. em resposla ao seu oflicio de
26 de dezembro ultimo, que transmillio as Ibasou-
rarias geral e provincial para os lins convenientes,
os prets que em duplcala vieram anuexos ao seu
cila.lo oflicio.
N. 65.Dito ao juiz municipal da Ia vara desta
cidade.O F^xm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S., em resposla ao seu offlcio de
30 do mez findo, que por deliberaco desta data foi
nomeado o bacharel Francisco Baptista de S por
V. S. proposto para exercer o officio de tabellio
publico desta capital, em quanto estiver impedido
o respectivo servenluario Joao Baptista de S, -
cando exonerado o cdadao Jos Carlos de S que
o exercia.
N. 66.Dito ao commandante do corpo proviso-
rio de polica.--O Exm. Sr. presidente da provin-
cia, manda declarar a V. S., era resposta ao seu of-
ficio n. 864 de 14 do mez findo, que nesta data se
expedio ordem ao arsenal de guerra para ser sa-
tisfeito o pedido dr V. S. de tres mil cartuxos de
que trata o seu dito oflicio.
Repartido da polica.
3dor da
geradamente caros.
O dgnissiuio bis[Ki da diocese, cumprndo um
dos mais santos devens do sen sagrado ministarfn
esleve hontem na attaadega e visitn o g.eral gn-
vernador da praca com qaaai tem nina larga con
fe] enca, offerecendo-lhe a sua mais decid da Baant-
rai'o para tildo aaapsssa contribuir parto nsta
belecimenlo da pac. supplcando-lbe ao meso*'
lempo que interponha com o mesmo lim a nftoen
ca do cargo militar que deseanmaba.
Ao passar |ielas barricadas o nosso re^peitavpi
e querido prelado, dirigi aos voluntarios palavra-
de paz e de maiisido. exhortndoos teniamente
cumprir os devores da earidade thrirlii em teda-
as clreumsiancias que possam surgir desta crise.
Os voluntarios acolheram respaU.sanenle m
improvisaihis pralicas do Sr. Mapa a quem beij.i
van o anel pastoral, depois de lhe finar as honrx-
correspondentes.
Domingo 6 ao meio diaO fogo tem continua
do toda a noitr, protongando-se ata ao ouim extre
mo da ddade -1MT parte do parque de artilharia
As tropas nao tm tentado penetrar na povoacao
Occupain, segundo parece, urna extensa lnha qnj
fonnain as muralhas. a Alameda e o Campo o>i
Peregil at aos eaatotM. Xa Alameda, nao <**
tente, nao ha torca al^uma. O edificio iiaalfaaar-
ga vem a ser a base de operaees.
A cidade est completamente abandonada pe-
las autoridades; nao se v no interior della um mu
nlcipal, nem um guarda rivel. nem um agente V
poliria. Os serenos tambera nao tm feilo o sen
sei-vico nocturno. Os voluntarios vio e vem livre
mente com as suas anuas sem que ningiiemse lh*s
op|ionha. Em quasi todas os ras ha barricada-
c coiitiuuam-se anda levantando algumas maB.
Aperar da feslividade do dia as igreias oMi
fechadas. Transita muito pouca gente pelas ras
Xo se tem aberto outros estabelecimentos se ni"
os que surtem visiuhanca os artigos do mais in
dispensavel consumo.
Ao aiuaiihecer ouve-se locar a t*o. Dia-*-
que eslava ardendo urna casa em coosequaaeM *
um tiro de metraiha.
Entre as 8e 9 horas da mandila preorremo-
uma parte da povoacio para nos interarmos poi
nos niesnio do estado das cousas, mas deprastt t
vemos de nos reinar, porque j faltava a seguran
ca as ras por onde noite podia transaar-se.
Era mui arriscado, para nao dizer impossivrl, pe
iicirar as que vio a alfandega, do mesmo aaid
as do Veador e Jardinillo que diseuibocaas O
praca de Mndez Xunes c parque da artillara.
Diz-se que noute sahiram dous vapores para
trazer tropas para Cdiz, As torcas populare s
2J seccao.Secretaria da polica de Pernambu-
co, 8 de Janeiro de 1868.N. 88.Illm. e Exm. Sr.
Tenho a honra de fazer chegar ao conhecimen- .
lo de V. Exc. que foram hontem rerolhidos casa manifestara sem embargo nuilo aniiuulas e o sen
de deten *
, segundo consta das parlicipacoes re-
cebidas Hoje nesta reparticao, os scguinies indi-
viduos :
A' ordem do subdelegado do Beeife, Manoel Joa-
ijuim do Xascimento e Manoel Joaquim de Santa
Amia, at segunda ordem ; Antonio Augusto Gui-
maraes, por offensas moral pnblica; e Alberto,
escravo ae Francisco Rbeiro Pinto Guimaraes, a
requerimento deste.
Deus guarde V. ExcHlm. e Exm. Sr. conde
de Baependy.O delegado encarregado do expe-
dieule, Joao ihrcano Atoes Maciel.
espirito nao decahio'de hontem para hoje. O frit"
que mais gerahnente se ouve o de, t iva a rtfn
Mica I Falla-se em que ha escassm de muaicas.
Sentimos dizer que dutante o dia de boje leer
occorrido novas d. sgracas, tanto na tro|a ama
forca popular, c anda entre as peanas aaettats a
quera teem alcancado algumas balas petos sittos
m s compiometii.los. Parece que ha' ja mno
feridos nos hosplaes.
as esquinas teem-se fixado um impnsta cha
mando o novo s armas, lia tamltiu cartaaes at
dizem: Pena de norte ao larao.



^H
POTmnl
nta
Jb

l
2
.6381 30 OflliHi 30 6 OAStA? Diario *> Pema^biio Sabbado 9 de Janeiro l.de 1869.
-*
i ofl?muM .uif ojha
t As 10 da ndnjft.O logo tan contin
N'in nten uplo at as 8 da nouio, e v
pumas occasji-fs.
l'm.'i putte da Jorra de artilharia e rtirdu ab
parque c i'dincins coiflguos de eujos
pontos do contra as-barricadas rstobeleci-
das uas mal que rao dar apeara Mndez Nunez e
ilc Bnriqte de las Marinas. As balas chegavam
al piara de San An .iuatarios respoudiam sea cessar das barritadas ae1*
fogo dos arfneiros.
Por parte da ranfaa que da para a praca J(
S. Juan de Dios hav forra de earaJiiiioiros e di\,
guarda civil fti.- so tirotear rom a milicia poetada i
nos paros do conreino e Mas mmeilacoc4 "
o iogo era laitmem constante mi toda*'*
qui vao alfaiide.pi ou miiralha.
Diz-se que o.-- voluntarios Se ,qodoraram de
duas peras de artilharia. de ui carro comiiim'i-
coes r de alguna vveres destinados a tropa. Tam-
bera se apoderaram dr nimios militares que na
riasM de preuaneiros se encontrara na rasa ra-
pilnlar.
Faz-so subir a quarenta o nunxvro das babas
que irreran os volmilarios.
As Irmas taran) muradas rom o batalho de
catadores do Madrid, que voio de Puerto de Santa
Mana por mar, e diasej ibarcou uo eaes da Porta
de Sovilia.
t Al liora ein que esereveinos as tropas jCr
nipaiu as nesmas posices sem ter emprphendido
iieni regiment de (erona. Diz-se que se arlia rin ai-
mas pela parte iuinic lila a Porta do Terra, a qual
est lechada nao se peniiittmdn que por alli entre
pusua alguiua na cidade.
i O nsjmcto da jiovoario esta nonio inipoiien-
te. As fojas Refiadas. \s mas desems. ^a* -r
bou ve senao o Berta e c Qnem tice! das sentinel-
ls que ha em qu.isi tod; s as barricadas.
A erise terrivol e prolonga-:*-, milito mais do
que poda esperar-sc.
Seuuiida-feira ".Ao moiotdia.---A situacao
aggrava-si. As .'i lunas la inanhaa conthiuiiu rom
grande violencia o logo de. eanlio-r de lii7.il. Na
alfaodeua. liandeira nrgn. o mesnio ein varios edi-
ficios que ocriipam os voluntarios. Algum navio
le {.'iierra dispara tambora sobre aridade.
As 8 horas.Diz-se que linha eoinooado o
inoviiiiento offoiisivo dtfl tropas. (I que lioitve (ni
que da all'andega vieram alguns soldados OU ara-
hirti-ims |iela ra de l'edro Conde, rom o tim sein
duvida de lazer rceniiheeiiiiento. Chogaram. se-
cundo padece, al ra Ida Carne e sustentaran!
um forte tiroteio coui os voluntarios, de rujo re-
sid ido liwran haixas e m reitraram.
Mais lardo hotive. outm cmbale! na tamela
rom caradores de Madrid. Os voluntarios dzeni!
que nelle os seus contr; ros perderam 7 borneas
(."> morios e 2 flidos), e ellos liveram 1 lerido.
Na praca de Monde? Nunez os artilbeires se
oreuparaiii de levantar nina barricada. As forca-
popidares irataran de impedir, e por isso boote
da atete a puta m ttfp vivo, tendo oeeorrido
iamiie.il algumas desfrraea.1
Varia.- balas e granadas eabiran na povoa-
rao. Urna deHas pwwtrw per cima do estawleei-
aeata de tabaeos da praca de San Antonio esquina
da ra. Ancha.
As balas de fuzil assoliiavam a cada instan-
te : umitas cahiram peste do sitio em que eserevo-
iiios. e apanhnAs algumas que conservamos esnio
triste reeordaeaa destes l:i menta veis sunassos.
Na praea do S. Juan Dios os populares recha-
caon um vigoroso ataque da*-opa que intentnu
apoderar-ss da rasa capitular. Aquelles lizerau
USO de m ou flollS caillloesconvenientemente |n)<-
tados. e coiu cojos tiros parece que causaran
ronsidrravrl munero tl>;; liaj\as aos seus contra-
rios.
Que situacao!
Ha mas mde os moradiros nao podam sabir
ueo ainda para se prover do mais necussario para
a sua subsistencia. Os cadveres das pessoas que
faiereram d teorte natural aatao insepultos as
casas pela iuipossiliilidade de os enterrar. Nos si-
tios anude mais vivo o logo ha tanibem cadve-
res que Dio poden retirar-so pelo impedir as balas i
que se criizain sem cessar.
Faitam completamente algnns artigos de con-
suin) como carne, peixe e borlalica.
< As Iti horas da imite 0 fopo de artilliaiia
cesaou as horas da tarde e o de l'tizil diminuio
limito, leudo cessado quasi de lodo por parte da
praea Mndez Ndnes.
IVonde s<: leu ouvido c se ouveni tiros coiu
Ma Ireipi.'iieia para a alfandega e praea de S.
Juan de Dios. I>iz-se qu o regiment de Gerona
faz fogo do sen quartel.
Terca-leira 8 as 8 horas da manliaa.---Hoje di;,
da liniiiacalada Ojneeieiio. da da padroeira de
lles|i;inha. com ramos a abrigara grata oapentnea
de que tenham pnxma fitn os gnivissinios confn -
tos que de Ofogoivssou coinplilaijienti! ein toda a linha
ocenpada 'las tropas.
Diz-si' que os cnsules se achara reunidos, e
que lia conferencias jia alnunlega para chegar a
um aecordo.
A's !l horas.Pin repique geral dos sinos rea-
nima a populacao e leva a esperanca a todos os
Otf-aeoe.-.
_ Parece que M paciiioii una suspensaojle bos-
tilidailes, o que era de absoluta nocessidade anda
que. nao livesse oulro liui seno o eiiterrar os ca-
dveres.
Quarta-feira 9.Hoje se assignou ura aecordo
cujas couilicoes ignoramos; mas parece que as
priuripaes (billas sao dexar as cousas como esta-
vaai anles de publicai-se o bando do governador
militar Peralta, c manter a actual organsai^ao da
milicia nacional cidadaa.
' Accnsceiit-su que a guai'nicao de Cdiz sera
reunida, aiuda que isto se nao teiiha itactiiado no
l'rec net leera prec'^no os |irinepaes |i ittos tpic cousti-
tuem as bases de um tratado de allianca. e os pre-
liminares de n na poltica commum ; sem embargo
a coHelusao deOamVa de wa tratado naoseelTec-
iHar seniio no oaso cm que graves couiplicae*
|ior parle daPrussia o toiiuissein necessario.
ROMA.
Lomos n:. Gazelle ' tt|f> tim de porpei.iiar a memoria do concibo
criniteaieo quu se abrir no anno prximo, resol-
veu-se levantar era Roma um niouomento que a
V
povoacao de Venda Grande, o Sr. ManoeL Ajilonio | ram arrematados por versos os de ns. 9, Ifi e
de Albuquerque Machado, ia sendo victima de um do lado do norte aaribeira da fregutzia de S. Ios-
tiro, que foi toilo erapregado era um sen iruiio,i us. 187 do lado do sul da uiesuu ribeira < ns.
qio' feliimente na < inorreu, apesar do se Hit em- li. 13,15e 10da Ribeira da Hoa-Vjsta. Mandn
prepar a carga na testar n'um braco. .. leinr a presidencia pitlindoapjirovacao
l'IMA V.V AtlNDAA festividade de N. 3rV/in f Monte, que at venera na sua igreja em Olind.i. foj
transferida para domingo 17 do correte.
ras de suas casas, para evitaran o fui; de seus
oavallos que se teiu tornado tito frequenle oeste
povoado. (piando eiirontrara*u,tro8ladides; e. pro-
rnrando prndela-, i 'les resstirameiieri!raiii
sahindo ferido rom um tiro Trajano Ago-'inho de
llanos, que fazia parte do trnipo, dizeado-se ter
sido dado por mu Pranrisco Cavalcanfe.
DIARIO 1)F. PERNAM6UC0.- -Se. o vapor que se
' ir-
eiense, l>are que a Providencia inesmo suggo-
rio a idea fazelido saliir do solo (simultneamente
rom o convite do soberano poutilicc aos scisinati-
aos protestantes), esta admiravel columna na-
gaa vinda de frica para glorificar sera duvida os
11 m miphos de um Cesar, e que Deus lera feito dter
duranl>lo ou 17serlos a entrada do liorna, vir-
geiu de urna ronsagrarao qne a teria mancipado,
reservando a Ba frente intacta para a memoria do
grande pensar ionio de Po'IX. Esta columna via-
jante da aulig idade-desembarcada as migeos T1''-1 d Slj' 'lo laujime. caiaiar h ye distn
doTiber. quas no principio da nossa era. fto fc-m *'> -'"nanliaa nosso ndnem de eguoil*reti
sabido iiiteirai lente anda da sua quareutena sw>- VAPORES AI.HAMtltA E LA PLACE.A
terranea ; nao est desenterrada mais do que nie
tade. Tem si'ie palmos romanos de dimetro, e a'
sua parte vis\ el mede 27 de longitude. Tein-se
escomido, segundo parece, para a eregir a plata-
forma de S. Podro iuMontoro na colima do Jani-
culo.
roRTUGAL.
Tornava < fallar-se em modificara i ministe-
rial.
Nos ultii ios das boiiveran climas lorren-
i iae- e lempories cuntinuados.
PEfiNAMBGO.
Apanha-
ram lempo pessimo estes dous vapores no Canal.
.pelo que gastn o prmeiro 11" das para t*'de
odverpool Lisboa, e o segundo foi ioiv;*b>j*airi-:
bar de novo Liverpool.
) BENEFICIO.Tem lugar, boje, no tljeao de
Sania babd o beneflcio concedido ao aristavSanta
Rosa, que devora ser bcni concorrido, pola me
romo sempre multo se esmerara para bem agradar
ao publico, que o Icnhfl de honrar.
LOTERA.A que se ada a vnda a 92",
beneficio do rocoluiraonto de Iguarassi. que corre
quinta-feira. lo do roante.
RUVISTA DIARIA.
ACTOS OFFCIAESPor acto de 7 do correle,
0 Em. Sr. presidente da provincia, roosiderando
que se acha esgotada a listii dos supplehtes do juiz
municipal e de orpbaus do termo de Ignara m
por ter fallecd i o priiueiro, no terem prestado
juramento o 3o. 3 e C". e havercui perdido os lu-
gares o 2* e o '". por lijverem acceitado e excr-
eido posteriora ente a sua DJUBeacao a(]uelle o
(ominando suierior da guarda nacional, e osle o
cominando do iiatalhao de infinitarla d. 9, resol-
veu. de ronforiaidade coiu q s -" do art. 7 do de-
creto n. 2.DI2 ile 1 de novembro do 1837, nomoar
para esses lugares os edades SCguintes, na orde.n
de sua collocaclo:
l. barao do Rio Bmnoso.
2." Dr. Antoi io Trslao de Serpa Rrandao.
3." Joao Prai risco do Amaral.
1." Francisco Cavaieaiile Ja\ioe (iidvao.
o. Francisco Raposo ta Cunlia Reg.
6." Joo Domado da Cimba Azevodo.
Por conveniencia do snico publico, foi re-
movido o profesor publico Carlos Jos Dias da
Silva, da cadena do N. S. do O' de tpojuca, para
a de S. Jos da Cora Grande.
A' sen pedido foi exonerado de director ge-
ral interino dos indios desta provincia, oSr. Anto-
nio Marques d; Hollanda Cavalcante; sendo no-
meado para sulstituil-o o Sr. Francisco Alvos Ca-
valcante Caiuboim.
Por portara de 7, foram manilados-sobr'estar
os elTeitos da sitspensao do professor de primeras
lettras do arsenal de guerra. ,Jos Xavier Faustino
Ramos Jnior, ) entrar no excreicio do cargo.
s duas U> ras da madrugada de 3 da crrente
largou deste pori para o deGojanna, o vapbrlw-
Miiiigiiniii: da i uiiipauliia l'einaiubueana levando a
sen bordo p ICxni. conde de llaepondy. acoinjia-
nhado do airee or das obras puhbcas 0 do alguns
de seus amigos As 10 horas da maiilliut desem-
barcou S. Exc. no polio do Japoinim, depois de
una profusa refeicao que a bordo Ihe onerocou o
eoiiiinaiidaaite i o vapor.
CAVARA MUNICIPAL.
SESS.vIt EXTRAORDINARIA EM 18 DE Mi\i:\l
BRO DE 1868.
PBBS1DGNCIA no rll. IIAIUIOS IUX.O.
Presentes os Srs. Gustavo do Reg, Dr Villas'
Roas, Dr. Pitonga e Dr. Miranda, que tendo
-olo i, sen impedimento, entrn emexercicio, fal-
tando com causa os mais seuhores, aliro--e a ses-
ga, lidao approvada a acta da antecedente.
Le-se o seanmle
EXPEDIENTE.
l'm oflleio do Exm. presidente d:i provincia do
ldocfflrente, n*sponaendo ao da cmara def3
de outubro prximo lindo, sob n. 60, em que a
l niesma cmara pede a approvacao da an'i'niatacuo
que fe/, dos reparos de que neccssitan os pendiles
qOO sustentara a ponte da estrada que c.ndo/ ao
reuiiteno publico. T -ni a dizor que nSopOflend re-
solver sobre este a-sumpto sem ter presenw o or-
rainento dos ditos reparos, eumure que a cmara
o envi com urgencia, inforraaao ao mesmo tem-
pojl.c coodicOes da arrematacao, e do valor da
lirca que tem de prestar o arrematante. Que s
compra.
Outro do mesmo.'je I i do corrente, em respos-
laao da cmara datado de II doconente sob 0.68,
tem de derlai ai -Ihe que confonue j eoiiununiruil
ein portara de 9, nao podem ser approvadas as ar-
r.'inaiaeoe:-. que a inesnia cmara fez em 23 de
outubro de algumas obras novas para o sen mu-
nicipio, en) quanlo nao forera prestadas as infor-
marnos que exigi soluv os motivos que h uiveram
para dexar de observar-se o precedo A > % do
art. 2 da le n. 853 de 5 de jiuilio deste anuo, que
manda preceder a taes arroinalacoes a appiovacao
por parte da presidencia dos orcantjOios das refe-
ridas obras. -I'.iinuire por tanto que enve com
brevidade essas iiuoriiiaroe.s. bem romo os orca-
mentos. qne seniram-4.'" base as sobreditas arre-
niataeoes, mencionando os nomos dos concurren-
tes ellas, as quantias que oITcreeeram, e scon-
dicoes respectivas. Que se cumprisse.
Outro do mesmo, de if'> do corrente. declarando
a cmara em rospot ao sen officio de 30 de ou-
tubro ultimo, gob n. to, que apptova a arremata-
NSo foram a praca os de ns.
-21 da rilieira da Boa-Vista, porqu iHiospeto del-LmWawnhnsnadoV'
les, pende deetsaoda presideocia.
Despaeliaraiii-se as petieoes de A exaudrim
tea. como a bocea de acete, os oMr.'dore
e n vestbulo.
i 3." A contrariar bons actores mandando bus-
car novas a Europa, ou qualquer outra part', se
osactdaes .nao satiskazkm lll)aespectativa pu-
blica, e assim Ihe fr iiresciT^to pela diivrtoria tiU
rana
s Policio
de Amorinl
Paulo Moni
. Jos Pe eir de Mi-
Jn-e Antonio de AimeklaGunha, Jo-
l'rha. Jos Framisco Marques
jp de Modeiros Pifo, liacharel Joo
iro de Andrade, Dr. loso Bernardo
Calvan Alcofurado, Jos Rodrigues io N'asebjiento,
Justino Mitneel Hamos. Jiw da Silva Barros; Joan
Raplisia da Silva Duela. Justino da Silva Moa-Vis-
Libanio Candido llibpiro.,
rHirjpHM y'aim, tUfiUOl'
Peres Braceo. Manivl Fjancisco le Smiza. V:
Joaquin Raplista, Mai ;"l/.idoria do Espirito San-
to. Moreira A Braga, Manuel Duarte Rodrigues
Pinto, viuva de Manoel Antonio Gonealves. Vicente
o.
n a ubscrevi.
rcou o dia 2o
lili MI "U> Hl i'll Mi IMI'1<1. .1 i
la, Jos FejreiiaXunes.Li
bacaarel |uk Erarfif n
por Intermedio do respectivo
eioi i.ij a lhii de serem aonro-
s ou opero l\ticas, iln.v
ena, e oito dia- pelos nieiios, .Jes dos
supprinindo a<|uelles qu forera regei-
gra os
que 11, r
qu* Una vez te-
isso facam part
COMMERCiO.
jM deMvnra. e levantou-se i
Eu Francisco Canuto da Boaviage
Bcla ca lenipo-que a cmara m:
dio ornte pan ter principio* ultii ia sessao or-
dinaria deste anuo. Roaviagein o d clarei. Sor-
ro ego pro-presidente. /)r. Pita ign. -- Dr. T.
VUlat-Boas.Silm i$ BmU.Su itot.Dr. Mi-
randa.

ioliti(;a mterna
PariSdo conservador.
(.V PEDIDO.)
l'm amigo curioso nos ohrOceu una copia au-
tlieiiiica no rogiilamenlo para o Un airo de Santa
Uabel. feito ]hHo Sr. Villa-Rolla, iqm na i borda-
Imtjn ux'ui H.iulphaMo). eui virtuile i e autorisaro
da ci pio'.incial n. 72.
Sabio obra t > priniurosa, lao eiuqjonte, escrip-
ia ein linguagem de pursimo catstinge. que nos
apie-sain.is o;ii p 'dir a sua publicacio. sopprindo
ainy falla que houve era nao ser i'lle pul!celo
nos joftac.s mais |.|os. como de le.
tara csse pil-
arn de Villa
us profundos
Chamamos a attenco dos leilores
dro de gloria luterana do Ilustre I
lliila, e no qual se manifestara os *
coiiheeiiuontos era negocio* lliealraes.
Bis o regulainejilo:
0 piesidente da provincia em mu pimiento do
art I" da lei provincial n. 7!)2 de 2 (ie maio de
ISliS entesa que se observe o seguiiit(c:
RFCI'.AMEM'n IXi iDTilKATRO
o\pni i.o i.
5 i." A remoller
io- ailjiiiiistrador
;B, iados indos ^
^pts a
Onsaio
tidos.
lixeeiuatB-ge desta r>
nhain sido appro\.id<
do roportorio da cnipreza.
5 .'i.u A rojnpdr a ercluista oiu>rxAni\ de Huta
msicos pelo menos.
S '> A ter Ulll liiodico DI SEL' l'ARTIDO. ll2) Bll-
meando nos termos do ai t. .V?7. ao qual inenmln'
inspeccionaroaetor ou actriz, que der parte dedoen-
te no raouwnlo de eomecar o espectculo oo anda
v/.-m: k o^frao horas antes e emittir o sen juizo.
| solijiiramenio. a respeito do estado physicodo que
se disser enfeloio.
Art. H." O emprezario taiiibem responsavel pelo '
extravio dos obj.cios. queUie forera confiados para '
SKitvntRM tas representacoei de sua enmreca.
Ar. h." o emprezario 'obrigado a lazer contrac-
tos por esnipto rom OS aelnios que lizeiCUI parte
da compaiikfia ilramalii-a ou lyrica.
CAPITILO IV.
tln jiolirin do thentro.
Ar1. 10. \";is noes de espcciac-ulo havera dua-
sentinellas \o ixtebiob do vestbulo, asqoaes
ramhra cada nina dos lados ato /wi-ment temo,
ll.'t) e rapedlrfin a subida das poseas, tpn nao
podem 'er iogre-so na* tres ordena dos raiiiarolos.
e que vao designadas im art 12.
Art. II. l'm guarda il......ateniente trujado m
colloi'ara no salj >. e ser incumbido de manter a
oiilem o decencia, que convi'in. ahi reiiiein. pvI-
lando rom palidez e effleacia toda especie de rixa
o,/ dessenrjt entro os CiRCUMSTATGs.
Art. 12. Km todas as ordens d" camarotes, de
ambos os Indos do thnttro. havera suoieionto nu-
raero de seiivkntes, que nao consentirn a agglo-
ni 'raco. as portas dos camarotes, de individuos
cstraiihos as familia, que os thMKK.m tomado, mi
venham do vesrSka algum driles, conipellindo a
sabir eschavos Dostioos. (H ou (/-cc^/'i/'r ov-
tros ndrrent'mrritr mtidos. (irra! A ben) o padre briga !)
Art. 13. E' absolttlamenln prohibido fumar den-
to do edilicio. cm qnalqtier lugar que sfja a e
Ci'iirao d i arrio.
Art. li. Do mvsmo Midi prohibido toda a o<-
lieculaco de bilhetes de platea, cadenas, gallo-
BANCO MAA i C.
lena do Trapiche n. 34.'
'oiita.le.ttia n, urjicrciae* i,.
wnCKmal. Rece!,- (nli. irr
vi'BCiotial. 11 ir lettras e enj roiil;i n i
Confer rreditns, 8:i;
prafas do iinpert.., r ,|a pral<1,. y,.,:t_
|i;i, c compra cribiae
pYafas.
EnraiTcg'a-si'. |.r cutiimiss.., ,.
pra e venda de fundos jmWi
compaiilias, da obran^a ilc Irttr* .h-
videndiis mi do sen |)a<*;)mriitn, i
quer outra operado Nocaria.
0 expediente para o paMn en
s lo horas da maullan, e Icrmiiwn
iras da lano do todos os dias u
ENGLISH BANK
Of Rio rfe Janeiro Linil-l
Desconta lettrae da praca lau i
veocionar.
IIi'coIh- (litilu'iio ettMimia i# m-O*
piazo li\ :.
Saca ;i vista u piisd >.>hiv^- i
piin;t da Kunqia. it-in
hia, liiieiio.-.Hros. Muntevido, Srw-'
e New-Orieaaa, < ottc eartaa de f -
para us mesan g lugan -.
Largo do relonrinho n. 7
ReudinnoJo do
dem dmliaS
AI.i\MiK...\.
dia a 7 .
DW .
PIW.IO..
MOVIMEXTO DA AI.KAM.i;., \.
Voluntes mirados r n hzeaaks
dem dem com pwros
Voiuiues sabido* rom hnaiaa
wem idem com emoroa

i ias. ou camarotes p ir inaor preco do que o tixa-
do pelo e-!abe!eciineiito. Descare 'gaiu hoje 9 de
Art. 15. 9b raso de iufraccan de a^umadasfBroemgleMeoiw inercadorias
disposin.es coudas neste caoi'iulo. dese O art. > 'alacho nacional- Jaboattw id.'iu.
, IS, o administrador di) theatro, o empresario, l'atacho iore-allemi Jml: idom.
^''Z'^y^^^ ordem na casa Escuna norte-allSi Comet ideui
i
t .
I-
K'1.1,', V"'" j i ; parliciparao iinmediatainente o que occonvr a au-
8 i.- I^MKAR. se admuiis i-ador ni.....re rom ,,,,,,,,,. ,i(.i;i, M (,vr .1(.li;ii,si, pa,.a ,.
telo o exaclidao nulo quanlo Ihe presen-v.....ira- videnciar como fAr de direito.
sent regularaenlo. ccmmmmom, le da provincia toda e qualTOOr fall de exaeno UMW sen papel no drama, ou opera der parte de
no ciimprinieuto do seus dewres ,!,,,, m .., fc ,.,,,,.. ,.sp I 2.' Nmoiwr as d^mhhd^ cu a. w appaivc- vini p liaII.() lv..ls .,,,., ,. |Vll, j,,,,,.,,,,, ,, j^.
rom ,-ni questi.es que se siiscitarei.i entre o adiui-i,(,. ,., lll(Hlil.0 RBWErtm .,., -onstrangido a
lustrador, onipiezaiio. eempregados: levando /o r,.|,.i!,.n,ar. Sob pona de Ihe ser.....applira.las as
do presidente te provincia, que .lisposicoes do art. 111 do reuulanienio n. 120 de
Lugar inglez Carrniatim Mem.
I'atarho dinatnarqiioz Ahhh Mari
Higo.
Barca inglea- Vrteor- barahia
Patacho ingdez Bo*bH idom.
Barca inpieza -ii, ieiin dem.
RECEBEDOHIA DE HEXDAS IVTKHW-
BAES DE PERNAMB1 '.<>


Acompanhadii d'all por mais de cem ravaei- cao que fez do imposto de com ris por carga de
ros, ontrn S. 1X& ua rdade de Goianna. o as 10 taiinba o outros ieguines vendidos nos mercados
mea nina guarda de honra, da guarda nacional,
fez as continencias do estj lo.
Hospedado n\ casa do-dislincto coronel Jeito
Joaqun) da Cuuba llego Barros, ahi foi S. Exc.
coiiipriinoutado pelas autoridades, e por um gran-
de numero de pessoas das mais gradas da co-
marca.
Agradecido por taes pravas de adhesao, S. Exc.
delicado no sen trato o ameno as suas uianoiras,
corresponden ionio pe feito ravalhcho. que as
attenres que ivrehia. deixando peuhorados todos
quaufos se Ihe iipproxintavaiii.
0 digno coronel .lorio Joaquim e
Joao Alfredo uio pouparain esforeos liara ohs
ojalar o imistre hospede.
As mais delicadas e abundantes iguarias foram
servidas em dois aliuocos e dous jantares que o
Sr. conde aceitn do referido coronel.
Nesses dous.antares li/.erain-se entbusiaslicos
brindes a S. Exc., une em ambos pjopaz o ultimo
a Sua Magestado o Imperador.
pblicos das fregiie/.ias de S. Jos o Boa-vHM pe-
la quanlia de 2:2'-0, e por tempe de um aimo.
Que se faram os termos.
Urna peticao de Lihauio Candido Rroeiro & C",
rom despacito da predoneia, mandando informar.
os quaes declarara ter visto novainenle em prara
publica para seroin arrematados com o angnieuto
da Ierra parle, no proco da primitiva arreniatacao.
ja pelos meamos felta em 2'> de setembro ultimo,
os talhosns. II, 17. 18. l) i l da Kilieii.i dafle--
' cuezia da Boa-vista, se -ujeitam a esse accresciuio,
e p^l.'in a S. Exc. Ibes mande entregar os raen-
0 distincto Dr. J cionados talhos. sem que vao mais a praca, alie-
no c.mhi'Ciiiieiilo
As quesies |HiiV'lll. que ciipii-zario e actores no que relalivi ai cuiupri-
iiiento dos seus contractos, srrao resolvidas na
loiiiormidadi' do art. 111 do rogulanimto u. 120
de :\l de janei-o de 1*12.
3 ;." Oirresininder-sedirertaueiito com o rnr.si-
NRfB ih i-iinviNiaA. solicitando pn-videncias. e
res|ioinleudo as consultas, que pelo (ovkrmKi Ihe
ftni'ni foilas. i
S 4." Dar ou negar a sua approva au
o ir a seeua.
i remetiidiis
dramticas ou l\ ricas, que tenham
quando. para esse KrruiTo Ihe foro;
pelo administrador.
S "i." Assislir a todas as raprcsentae&es dramati-
cas ou lyricas. todas as vezes o ;: o r.ir.iK. (.'| a\i-
sando ao emprezario vinte e quatio horas.
gando em sob favor nao s a lei irue concedo a
cu!roga pela terca paite, como terem cumplido
os seus iia'.o- rom puiiinalidadc.Posto en*dscus-
sa i nsolveii-se iiiloiniar a S. Exc. sorverdadeo
i allegado peto supplicantes. paivcendo-lhe justa a
I sua prelj'iicao.
Ontro do di'.-einbargador ebefe de polica. Fnui-
! cs^*o Domiiiguos da Silva, communicando ter sido
Xas pencas horas que podo o Sr. cundo rouhar designado pelo Exm. presidente da provincia para
s visitas e obsequios, perenrreu a cavado toda a exerrer interinamente o cargo, ha*ffA era 9 do cor-
rente assumido o referido cargo.Inteirada.
Outro do juiz de paz 2 votado do 1" distrieto da
freguezia do Poco da Panolla, Joao Baptista Pereira
horas, e interrogou cada preso alli reeollhdo don- Lobo, cominunirando ter recebido o oflleio da c-
mara de .Kl de outubro do corrente anno,
cidade, e, a p, visitou os edificios pblicos e igre-
jas.
Xa visita ealeia deniorou-se S. Exc. por duas
lie trinta que hurta, inclusive diversos da comar-
ca de Itambc, onde a cadeia nao tem a precisa
soguranca. Verificando S. Exc. que alguns dos
presos tiuhan seus processos atrazados, e outros
ha anuos espera vara dcisao de recursos internos-
tos paia a Rea cao, tomn nota (lestes, e recom-
mendou (piante "aos outros a prompta conclusao
dos Brceme. Tambera mandou S. Exc. qne o
director das obras |>ublicas piiipuzesse 09 melho-
ramentos de que a cadeia precisa.
No dia i. as j horas da nianhaa,
aceerda Este Im submellido a approvacao do go- N' dia 4, as d horas da nianha. soguio para
vefno. Pedras de Fogo. onde cheiiou as 10.
graves cm alguns
em (pie
lie declrala, que. em vista do disposto nos avisos
de 29 de agosto de IfW3 e de 2 de malo de iaio,
prximo nao pode tomar conliecimento da eleieao
do juiz de paz Joao Francisco do Reg Maia. sem
exorbitar de suas attrilinieoes; diz que o oflicio
pedia urna alterarlo na lista dos juizes de paz do
Io distrieto. e nao a nullidade de toda a eieico,
paiecia-lhe que a cmara o |>odia fazer. cono o
tem platicado outras era circuinslaneias idnticas
e semelhantes, e ainda mesnio que a cmara nao
Falla va-se era desrdeos ,
districlos da Calalunlia, onde os carlistas juntos aos
republicanos formara bandos que as tropas debalde
porseguera.
A Gaoitta publieou urna circular, assignada
peto ministro Sagasla, dirigida aus governadores
das provincias, para que, salvando a apparencia de
oppressao, vigein e dirijan i a elecao.
_ A suhseripoao para o emprestimo marchava
lio vagarosamente, que se suppunha apeuas cobri-
r o quarto da sorama pedida icio goveruo.
FRA.\C.A.
Os joinaes dizeiu que se esperava todo o
moninio urna mudenca ministerial, antes da aber-
tura das ourtes, a qual* deve ter lugai- no dia 11 do
corrente; e que, no conselho deuirastros, celebra-
do ultiiiiamenio cm Compicgue, Mr. Monslier com-
munirra que as inforraacoes dadas pelos erabaixa-
dores francezes era Ijondres, Yienna e Berlim pa-
tenteara que o gabinete d'Austria esUi de aocordo
com a poltica franeeza, que Mr. Benedetli uvera
urna conferencia eom Mr. de Bismark, que rauito
aplanara a siluaeo, e que Mr. de la Totir d'Au-
vergue li/.era largas confidencias acerca da poln-
ca do gabinete Gladstone.
PROSSiA.
As noticias de Yienna dizeiu que o impera-
dor Francisco Jos acaba de publicar urna ordem
do dia dirigola a todo o cxeicito austiv-hungaro
em que insiste na nocessidade de mauter a paz.
. Mr. do Bismark rontinuava, eom insistencia e
resultado na cmara, a irabalhar para ultimar a
espoJiarao dos bous projirios do Eleitor de Hesse e
do re i do Hanovre.
AUSTRIA.
A corte de Vienna contina a opiwr-se
fundarao e lojas maeoucas as provincias cislei-
thanas.
Em Pesth esperava-se todo o momento a
publicar' do F.ivro rermelho ; no qual, dizem os
jomaos,"se iiisislini enrgicamente na necessidado
de manter a paz, e demonstrar que o rgimen
constitucional urna gara ntia mais em favor da
uiomurhia austro-hngara.
Dizia-se que Kossuth estove recentcmente em
Pesth. e uvera tuna conferencia secreta com Deak,
procurando este persuadir ao patriota hngaro
que regressasse a patria.
Le-se n'um jornal :
Pessoas que estao perfeilamente ao corrente
da sitnaclo interna e extema da Prussia aflirmam
que deven rebentar mu brave urna tempestado
politica. As ivlacoes dos homens de estado da-
qnelb paiz nao sao das mais cordiaes, e o mesmo
succede coin a diplomacia estrangeira. Por mais
que as espheras ofliciaes e politicas de Berlim se
mostr urna apparente satifaco e grande confian-
ca no futuro, nao meiiof. cjto que reina a in-
quietarlo em todas as classes* da sociedade : um
jornal "pinta graphicamente a situacao, dixendo :
A nalavradoEvangelhn tem-securaprido; tem-
seiviuhlo das jiotestades do inferno.
As fraccoes liberaes estao de aecordo para re-
jeitar os oreamentos dos ministerios do interior o
de in? trueeao publica, por nao ter o governo cuin-
prido a obrigacao que contrahk de apresentar os
projectos de le acerca da organisacao administra-
tira e ensino primario. Espera-se um serio con-
fieto entre a cmara e o governo, a nao ser que!
ate aprsente os referidos projectos qne est pro
metiendo ha, dous anuos.
igo. oin.e eliegmi as
Xessa villa teve tambora hrilhante reeepeio.
Hospedou-se em casa do delegado de |>lica, o
tenente-eoronel Mariano Ramos de Mendonca.
Alli foi tambera visitado pelas autoridades da
comarca, e por inultos cidadaos ni|Krtantes.
0 tenente-eoronel Mariano obsequiou o Sr. con-
de mili cavalheirosamente.
S. Exc. percerreu a villa, visitn a cadeia, casa
da cmara, collectoria, (piarte" e igrejas.
No dia K, s o horas da a'manli, voltou para
Goianna, tendo feito do passagem. urna visito ao
distincto coronel Antonio Alvos Yianna. que, por
doente, nao poraie ir cumprimcntal-o cdile.
Aiuelle cororel ficou nao s penhoradissimo,
como ate muito eommovido por esse perca de dis-
tinecao que Ihe i oh o nobre conde de Baepcndy.
De Goianna sahio S. Exc. eom um grande aeoiii-
panhamento, na madragada de (i, chegando a Igua-
rassi s U horas da manha, depois de ter em ca-
min Jeito urna visita respeitave! Sra. D. Luiza,
menos, autos do espectculo, para que i ponha a sua
disposii o tres lugares reservados, osquaos pode-
rao wr en tira samaron* da Ia oa 2" urdem.
5 6. Penetrar cada um de seus membros. ou
I.mIos coiijuiictaiiiente. no interior do diealro a ho-
ras que Ibes convier. ilurante as ninvsilaeoes
anles ou dispois dolas; assiiu como|assi-tir aos
ensaios se o quiscrein.
OAl-iTlMI II.
Do adn)a 'tirador do thcnlro aawaa mrfU^in.
Art. 2." O adniiiiisirador do thoatro de Santa
Izabel c o fiscal iunnedialodosua ecofOKU i: inti:-
RESSKS MATKRIAKS. (6) .
Portonce-lhe por tanto:
% 1." Fazer que o emprezario dramilieo ou lvri-
Co compra fiel o poiituahuenU o eontiactn oc con-
tractos, que tiver celolnado com n governo da
provincia.
2." <'.uniprir e tAtmx 0) rniii as disjtosicois
geste rogulainenlo. qne ihe sao ornee mmk, en-
tonilondo-so eom a ilireetoria acerca de qualquer
conflicto levantado entre O emprezario B os actores.
o reeorrondo a autoridade policial, ent arregada da
iaspeceio SO thoatro para |irovidcn 'iar no que
peUenco as suas attriliuiroe-
% 3. Exigir do emprezario que es eja ceinpre
abastecido o guarda rompa do vesluai io. indispen-
savel aos dramas, que tiverem de ser rcproscnta-
dos; e o theatro das necesarias decoiraeoos sce-
nicas.
JJ ** Ganserrar e zki.ar todo omaclinismo. mo-
bilia, lusires, e todos os outros objectoS. pertencen*
les ao thoatro, que Ihe foram entregiujs por invon-
31 de Janeiro de 1812.
Art. 17. A nema pena solfier o actor o ac-
triz, qnem tendo O administrador designado o
papel que dovo representar, de acrordocom o se i
mrito, so rerensar a uVsempenha-tn, Bscotnntmo
nivrusos. (! !)
Art. 18. Os artigos 14 e 15 (leiam-se estes arti-
gos) do presente regulameiito sero inmresaos en
grandes caracteres, en numero smnciente de
exemplares, e lixado no atrio, km WD as das co-
s i rv\AS no i'avivknto TKiuiMi (l.*>| que suslentani
a tribuna da presidencia, (que est na 2.a ordem)
o en todos os corredores dos pavimentos superio-
res, para que tenham a tnaior publieidade.
Art. 19. O actor ou actriz, que sentirse un-
*V" TIMAMENTJS inipeilido de tralialhar en siena, e nao
M'lo ^sar ao adininistiador a
llllll-' _^t.| OOIII Il.'ll (> ItL'l/VIIIIKI tUUl Um lllll^n. _**- !> (- 111 -. 1 1 i 1 1 1 i 1 I 1 I > p P I | -III I 1
viuva do sempre lembrado commandante superior ment do D. Ignacio Joaquina Lopes da Silva, pa
tenha"cmpitencia"para decidir "hypolhese. c to- to ",0J1CJV de suajiosse. ou ti\vrera| sido_adqui:
davia iior sen iitennedo que devetn chegar todos
os esclarecimentos sobre a eieico de juizes de paz.
at o governo. que as deve julgar definitivamente.
E' o (pie roga a cmara que se digne fazer. isto
, levar ao conhecimento- do Exm. Sr. presidente
da provincia a materia do oflicio de 14 de setem-
bro passado.Intimad a jior ter a cmara j deci-
dido.
Outro do subdelegado 2 supplente da freguezia
de S. Fre Pedro (encalves Antonio Goncalves Fer-
reira, communicando" haver assumido no dia 12 do
corrente o excreicio do mesmo eargo.Inteirada.
Outro do (mgenheiro cordeador. informando so-
bre o que pede Jos Jernnymo Bastos, para conti-
nuar a obra de sua rasa ja principiada na travessa
do Caldereiro eom fronte para a casa de deteneao,
cumpre-lhe dizer que nada tem que oppr, exeeu-
tando o sappficante a obra de conformidado cora
as posturas.Concedeu-se.
Outro do mesmo, informando sobre o requeri-
Paula de Itapiren, sendo ahi S. Exc. obsequiado
coin umitas pravas de consideraco e estima.
Muitas pessoa> a carro e a cavado, entre as quaes
nota va-se o re;petavel barao do Ro Foriuoso,
foram ao encont-o de S. Exc. e o acompanharam
de Pasmado at guarassii. Ahi foi hospedado na
casa da cmara pido delegado Dr. Serpa Brandan.
Como nos outios lugares, foi S. Exc. visitado pe-
las autoridades, n muilos outros cidadaos minu-
tantes.
S. Exc. perco reu a vHIa. cum|irimentou a S.
Exc. o Sr. hispo no convento de S. Francisco, e vi-
sitn as igrejas eadei, recolhtmeoto 4o Cora-
gao de Jess e omiterio publico.
As 6 horas da tarde seguio panten cidade, onde
cliegou s 9 horas da noiie.
Era todos os lugares, em que S. Exc. se demo-
rou, nao 1 lie fa I tarara manilestacoes de estima e
consideraco.
Km releo ao< inleresses pnblicos nao foi sem
resultado a viagon de S. Exc. (|ue tomou na maior
atteneao as noce salados mais urgentes daquellas
ra concertar o tediado que se acha arruinado, da
sua casa n. 14 da ra do Golovello, declara qne a
altura da frente de dezoifo palmos, parece-lhe
que se pode conceder o que pede.Concedeu-se.
Outro do mesmo. informando sobre o (pie pede
Antonio Chinaco Moreira Temporal no requerinien-
lo junto, para desmanchar o assoalho do terraco
que tem anmgto que teein annexo ao sen sobrado
n. 41 da travessa da ra da Palma, e cobri-lo do
novo, fazendn duas janellas na frente, cumpre-lhe
dizer que, o que pretende o suppncante cons-
truir um primeii o andar sobre o terraco. e o pavi-
mento tem M palmos de altura, nada tora que op-
pr.Coneedeu-e.
Ontro d fiscal de Samo Antonio, remetiendo,
em cumplimento ao determinado do art. 3 do're-
giilaraento de 26 de agosto-de 1851 autorisado pela
lei provincial ti. 284 de 9 de maio do mesmo anno.
a colecta os estabeleeimentos sujeitos ao paga-
mento do imposto municipal no futuro exercicio
Que se ronirttosso ao contador.
Outro do mesmo. participando nao poder eum
localidades, e mi ito principalmente a emitmuaro Prir cimi restriccio o determinado no cdital do
da estrada de Guarna a Pedras ds Fogo. cuja im-
portancia S. Exc avaliou por si.
Para o administrador bem intencionado, como
incontestavftmeBle o Sr. conde do Baependy.
que desenvolve sempre o maior culo e soMcitud
pela prosperida( e da provincia, nao sao essas
vistas, passeios de dislracaito, c sini u erapenho de
bem servir aos ir.teresses da provincia que Ihe est
confiada. .
Continu, portante. S. Exc. no sen systema de
ver e examinar por si as neoessidadea de cada lo-
calidade, que a na administraco deixat a esta
provincia a mais grata recordacao-
NAVIOS ENaiNTRADOSA barca ingiera Ne-
reid, ebegada de Liverpool, fallou : na lat. N. I
28' o long. 0. de Greenwich 27" 20' com a barca
ingleza Cornwel,, qne ia de Swansea para Valpa-
raizo, com 42 di's de viagom; e na lat. 9. 2v e
long. O. de Greeii. 28 34' com o lugre inglez Prin-
& of Males, inde de Londres para Bein river, eom
34 lias. Tudo ii. bem bordo.
BEUIHAO DUS CEARE.NSESAmanha deve
reunirse, em assembla geral, para so proceder:
eleieao da dir loria effeetiva, a associacio cea-
rense, no palacet; do largo de S. Pedro.
Dr. chefe do polica, de 12 de fevereiro deste anno,
e que Ihe foi mandado executar por deliberaran to-
mada em 24 de marco do mesmo anno. nao con-
sentindo que pela rita Direita transitassem os ve-
hculos de conducao. que partindo do largo das
Cinco Pontos e suas inimediacoes, seguissem para
o Recife pela travessa de S. Joao, ras Augusta.
Martyrios, HortasL pateo do Canno, CarabSa e ra
Nova ; porque nao ha na freguezia de S. Jos
qnem obrigue aos conductores de taes vehculos
qifr lomera aquella direccau, pelo qne todas que-
rem fazer o seu tramito pelas ras Direita, Livra-
mento, Quenado e do Imperador, inlnnando os
conductores que o citado edita! Ja fora derrogado,
de providencias, alhn de que na fregueria de S.
S se faca observar o mesmo cdital.Que se re-
commende ao fiscal t ompetente.
Outro do fiscal da freguezia do Poco, communi-
cando achar-se era exercicio do niesio cargo des-
de 18 d'o corrento.Inteirada, se conirauuique-ao
contador.
Prestou juramento o porteirodocemiterio publi-
co, francisco Antonio de Menezes, que Wra no-
meado em sessao de 11 do corrate.
Estiveram em pra$a com o augmento da terca
parto nos presos da arreniatacao felta en 26 de
- TENTAliyAEEAisMaWNATO-|Hforinam.nos setembro ultioio, os talhos dos acougUM tsri-
I que, no da 7 do corrente, o professor publico da' beiras das reguedai de S. Jos e Boa-Vista, o-
ridos durante sua administraco ue qtie se lavrara
termo |>or eHe assignado.
).' Providenciar de modo que o edilicio tenha
o maior asseio, vicianuo. que se nao arruine do
qualquer raanejra, e fazendo um rotatorio, que en-
viar ao presidente da provincia no principio de
cada auno, sobre o estado material do thoatro. e
no qual dover indicar os concertos ou reformas.
de que renka a precisar. (7)
6. Rubricar e assignar todos ds contractos
celebrados pelo emprezario cora os actores.
7." Propor ao presidente da provincia o medi-
co, que deve sor Horneado, noinear o demiltir os
porteiros. camaroteiros e servente do theatro, im-
|Mndo_ a mulla de dez a craeoonta mil iris pela
omissao de seus deveros, quando a gravidade da
falla, em que incorrerem, nao exigir prompta de-
missao.
Art. 3." As ordens dadas peto administrador ao
emprezario e onsaiador do theatro no que diz res-
peito a economa artstica da sc.ena (8) serlo
desde Iwjo cumplidas, sob pena de Ihes ser imposta
pelo mesnio administrador, a imilla de eincoenla a
cem mil ris.
Art. 4." O administrador obligado a ministrar
a crea do theatro as informacoes, esclarecinien-
los, e. conlas. que em qualquer occasio Ihe forera
exigidas elo presidente da proviucia.
Art. fi." 0 administrador responsavel pelo des-
caminho dos objeclos e uteneilios do theatro, que
Ihe tiverem sido entregues |xr inventario no acto
de sua pusse, e pelas que d all em diante foi rec-
benlo dos quaes dar conta a presidencia cada vez
que isso fr covidado.
capiti.o ni.
Do emprezario esuas obrigaries.
Art. 6 O emprezario dramalico ou lyrico ni-
gorosamf.vtr obrigado a cumprir com lf.au>ai>i:
(9)o contracto quecelebrar rom o gov nio da pro-
vincia soir a immediata inspeccao no seu administra-
dor. (10)
Art. 7. Elle iguabn.-nte obrigado:
% i. A foniecer-o theatro de todo o vesliluaiio
reclamado pelos diversos dramas, que se forera
representando, as decoracoes scenicas correspon-
dentes a pochas de cada accao liistorica, licando
estas sendo proftriedade do mesmo theatro.
% 2.* A' ter o interior do edificio devidamente
Iluminado as noiles de espectculo, tanto a pia-
lo Em vez de para o theatro.
(2 Segundo o pensar do Ilustre autor na infor-
maeao nao se comprehende a communicaeao da
faltando cuinprimento dos deveres. Alera da* infor-
maco, havera conummicacao. Que talento! *
(3J Remover as dlff'-uldades, levando ludo ao
presidente, que as decidir. Que bello e eloquento
phrascado!
(4) A directora se corresponder cora o presi-
dente da provincia, e responder as consultas do
governo. Bello pensaraento!
(5) Smente consultando a somnmbula se pode-
r saber, quem exigir a assislencia da directora
aos espectculos.
(6) De qnem serio os, inleresses, o as econo-
mas t Nao sabamos que o theatro de Santa Iza-
bel era pessoa e nao cousa.
(71 Quem? 0 administrador?
(8) Como saiu bem estas nalavraseconoma
artstica da scena t Como bello!
9) Se o empretario nao fr leal est perdido.
(10) Administrador de quem? Do (roverno da
provincia? Vade retrot
lempo de ser mudado o
espectculo, sidrera una mulla de vinte a cem
mil rcis.
Art. 20. 0 espectculo una vez aniiimciado so
lindera ser (andado., obtendo-se previamente ap-
provacao do chefe de polica, ou da autoridade
oncaregada da iispeceao do theatro.

CAPITULO. V.
IH-posires geraes.
Art. 21. 0 medico do theatro lera |>or coma do
seu trabalho unta cadeira para lodos os espectcu-
los, o obligado a estar presante lodos ellos, o i
a mandar outro por si.
Art. 22. O medico do thoatro, os serventes, o
guarda do saino, o bel do guarda roupa, e mais
enipregados subalternos, que na casa sojain m -
cessarios, sero todos pagos pelo respectivo en -
presario.
Art. 23. Os empresarios dramticos ou lyricns
nao |iodero alagar ou ceder o edificio do thealio.
para empresa, ou especula;o alheia da si,
sem expressa aulorisaarj do presidente da provin-
cia, ouvido o administrador. ,
Art. 24. Sob pretexto algum podem er em-
prestados, alugados, ou de qualquer modo sabir
do theatro. os vestuarios, de que so compuzoro
seu guarda roupa. os movis, (pie serven a sce-
na. ou ornara o saino e camarotes, salvo por oc-
casio de venda, autorisada pelo presidente di
provincia.
Art. 2o. 0 empresario lyrico mi dramatice,
quaesquer que sejaui as condicors do sen contrac-
to nao lindera conceder a si a empresa mais d
seis beneficios em cada mca aamal.
Art. 26. Sempre (|ue o governTi da provinei i
tenha de fazer novo coutiaclo. para entregar i
uso do edificio a qualquer empieza, ((insultar )
administrador sobro semelliantc asstimjito. com-
iiiuiiicando-se-llie a base das condicocs proposta>
ou a propor.
Art. 27. No iiiipedimt-nto do adniiiiislrador o
|iresidente da provincia noniear pasaba idnea.
que o siibsiitua ein quanlo durar o seu iiiqied-
raento.
Ileiidimoillo iluda
idean do dia S
1 ;, 7
l:7W
7:Sm
CONSULADO
leiidillloulo do da I .. 7
bl'Mii do dia8 .
l'HdVINi SAL
Iti'-i
1:43
MOVIMENTO DO PORTO.
NmM ufanan na da .
Liverp(H'l.'i9 dias liana ingleza SereH. ito 3M
toneladas, rapie ikncrt nnnMaan, nnrip-
gera 13. caiga ranio; a llunuaz J--f.-r>.--
Cardilf.">8 dias, han-a ingbia Hnnt Hume, f
413 toneladas, rapilao lieckinson .tjit-ftuar'.u
12. carga ca vao ; a Jobn-hoi l'ntor .V i /
Yokehana (u Hiinai- I4.t. barra tupi. ,. <, H,
do 2l toneladas, rapilao P. tll. tnripi pn i.
carga dilforontes genoros : a (NitKtor- trmmmr
& C. Veio i. lie-car.
Ivorpool |tor LisU'ia.30 ibas soi.li d.i olio
porto 10. vapor inglez Mhambro. de 722 me-
ladas, ronin, unanle James Tlioinaz. "|oi|avr- io
27. carga azendas c outros gneros : a tnn-
deis Hrothors & C.
Lisboa 29 dias. wcmu MtAnwn \ ti Heladas, capitn Podro Augusto da r'ini-c..
carga vinho e outros genen -
MeMi sonidos no mesmo da
Cruzar -Vapor brasileo de guerra He..fe..
mandante capitn lenle Jaeintho lnnan.1-
I'inhoiro.
Porto MftM pertugnw Un\ ra|>ii*. Mta I
rento de Caivallm. carpa a-.siirar e alpm"
Mar.-eille Hrgue franoz A re ni. rapilao \ ineen-
doau, carga assncar.
Olisenarm.
rundeoii no lamaro nina'lrca franeeza nk.
nao teve .oininunicaco coin a Ierra.
DECLARACOES.
Art. 28. 0 presidente da provincia peder con-
ceder o theatro para das at o< .vnto rei'reskn-
TACOks a alguma companbia lyrica ou dramtica,
nacional ou estrangeira, que se adiar de passa-
gem nesta capital, nao obstante quaesquer clausu-
las de contracto feito com o empresario, preceden-
do nforinaco do RjuKCUtu administrador.
Art. 29. b presente regulamento se oxecutara
de conformidado com o que est disposto no citado
regulamento geni n. 120 de 31 de Janeiro de
1842, capitulo 5.", serrad 6.*,, que so inscreve.
Da iispeccao dos llieatros e espectculo* pblicos
Art. 30" Fieam revogadas as dis|iosees ein
contrario.
Palacio do governo de Periiainbuco, era 20 do
judio de 1868.(Assignado)-Barao de Villa-Bella.
Conforme.Antonio Aunes Jacome Pires.
--- Pela recebedi.iia do leuda- interna* perar*
se faz publico que lie>|e Hiez o no de |
prximo fiiluro. que os ronlritmintos da laxa rt\>s.
esclavos do exercicio .(urente do DMiK-G'.l i
moradores n.is fn'guezias da cidade. qnor n.i-
fra. toem de paga-la. livre da mulla de i', n
com ella de marco ein dianle.
Hecebedoria de lYnianiburo 8 ib- janein- i-
1869.
O administrador,
Manuel Carnciro de So iza lcenla
Vire-consulado do Peni.
0 abanto assignado \ice-ronsn| da rr|Miblir.i .'..
Pero, leudo de remoller a junta debi-nelii-eocia !
Unta, o producto da subscripeo aborta a benefi-
cencia dos prejudirados coin os ultimo lerntmilar-
que destruirn! diversas cidades e pt>vuaei-> .1
quede pai/. deixando milhares de pama "otrora
abastadas, roduzidas ao na* i n*M de nf-nMia-
de ; avisa a todos oa babilaiiti-s dojla cidade ipv
queirain concorrer para un lira lio raaridwM. qn.
no viee-CMiisiilado est dn-rta a respecina -ub--
eripeJM).
Jos Jacome T"<- \'ec-c(iu.>ul.
PUBLICACOES A PEDIDO.
Senso commum
Emquanto o mercado est innundadn de prepa
raeoes ehaniadas Salsaparrilha,que nao tendo
ein si as qualidades quedevem sempre recoinmen
dar um remedio, sao apregoadas ora a titulo di
rseos grandes, ora pela virtude da antiguidade (
ora por serem novas, nos aprosentaraos ao publicr
um remedio em frascos de tamanho regular, qui
lera gen favor somonte a virtude de curar toda
a qual idade de molestias que vem da impureza de
sangue. E este remedio rliaina-seSalsanarrilhr
do Ayer.
(U) Bonito! Bello! Assll que saber
gramtica
(12) Ahi que est o buzilis.O medico que
nao fr do credo poltico do emprezario, ou polo
menos do administrador, nao servir.
(13) At sen/inellas do interior do vestbulo ron-
dorio o pavimento terreo para evitar o iugrewi
de pessoas incompetenl9t as tres ordens de cama-
tes. Como podero as s^ntinellas do interior do
vestbulo no andar terreo destinguir as que vio
para a platea rujo vestffmto no prmeiro andar,
s a soninambrda poder dizer.
(14) E os que forera bravios podero ter i
gresso?
(15) 0 camarote do presidente est na J* oNeni.
e nao tem columnas que o sustentem, emeno
coraecando no andar terreo, para nellas s prega-
ren) os taes arts. 14* e 15, que tratoiii, de esue-
culacao de venda de bilhetes, peto mesmo modo
porque se fuma, e da communicaeao atrtoridaA
policial das iafracedes do regulamento.
Santa rasa da misericordia tiu
Recifi
Pida secretaria da santa casa de misericordia d*
Hecife se faz publico, que no dia 18 do rumiik*
.nez, polas 9 horas da manha. no salao da rasa
Jos ,\|Mistiis. o lllni. Sr. tenente-eoronel Juliit>>
Pereira de Parias, thesoureiro interino da mrsaa
santa casa, fara o pagamento do quartel veaono
! no ultimo de dezembro prximo lindo as amas en-
carroadas da rriaco dos exposnis, que Ihe b-
ram coiiliadas ; convindo. porom. advertir, te
nao ser realisado o |aganiento senao ron a aprr-
sentaco das crianzas.
Secretaria da santa casa de misericordia Re-
cife 7 de Janeiro de 1869.
O escrivao,
Podro Rodrigues de Souct.
Santa Casa da Misericordia do
Recife
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia d*
Recife, sao convidados, de ordem da junta admi-
nistrativa da mesma Santa (asa, os prenles d-
orphas era seguida declaradas, fara que vtnhain
requerer presidencia a sua retirada daquelle es-
tabelodmentoT visto j terem completado a sua
educado).
Emilia Pereira, lha de M.ua Henriuueta de
Castro.
Alexandrina Soares, sobrinha de Joaquim Alvet
Nones.
Secretaria da Santo Casa de Misericordia doan*.
fe, 4 de dezembro de 1868.
O cscrivo.
_ Pedro Rodrigues de Souzu.
Pelo correio desta cidade se lat publico qne
no dia 9 do corrente s 4 horas da tarde, fechar-
se-ha a mala que o vapor costeiro da Companhi
Peniambueana Potengi, tem de conduzir para a.
Babia directamente.
Correio de Pernambueo, 7 de Janeiro de 188.
- O admmsr,Kk>r,
Dominos ios Pmn Miranda.




*
_
.'}
i arlada.
' pidilic/dw yownifefclAifM
indo, na t#m 1 tibi
aniH'Xn i iIoMa k. R
lftoA.OCasro. I i mAmlli) i, ;i<-
tr#a(;i>. vtate, uiansmte-tniu Hfc vapor ta-
nanguape da companliia PernambiuNinado nave-.
sieira, achou lod objeclos eni es-
ladn de poder o vapor navegar.
Immucna do arsenal de marinha de Pernambu-
y. 7 de Janeiro lHti'.i.
0 inspector,
-----------_________| A ?S! ^dfiAlipeida, ,.
O Illni. Sr. di ertor da Escola Normal
manda fazer pultlico. que do lia 15docor-
'ule 'i dianti.' se acham abortas as ma-
triculas do curso normal; devendo os que
'"'lie se qiiizercniniMneniar, comparecer na
ppctiva secretaria habilidados na forma
da lc.
. Secretaria da Escolfi
i'o de 1808.
0 secretario,
M. Lupes Machado
l/lita-
, -nliar -Sir
na la CafMi n. 9.
nata bem desempenhar este lugar : a tratar
Para o Porto
A harca jiortugueza Axufa, do jriiu.ri nuircli i.
aeba-ao pronipta para receber carga a frete e nas-
Ragen'osTpario qne te exccTfcnfes eornmoaos :
trata-se com Bailar Oliveira (til., na do Vigario
n. 10.
Normal U de ja-
THEATR
ISABEL.
MIME
ttabbario de Janeiro de I O.
Recita extraordinaria cofieedid pelo Exm. Sr.
fre.-idoiileTta provincia em heneado do actor
I. de Santa Rosa, coadjuvado pelos seus ami-
p llegas lo Gymhasio Campestre, com a au-
forfsarao graciosa da dlreecSo dn mesmo tlieatro.
s guir-se-tn a remedia efa actos
.1 .MMD.t BU 111,19
emquetomam patli (pe gmade obsequio ao he-
nefkiado) |g actores Maeedo, P. Augusto, Gil-
Braz, ii beneficiado, e as actrizes I). Antonia, D.
Tuina, I). Bernardina Puntes e D. Julia.
Km seguida, o disparan'.e-comico-dramatico. or-
nado de musir, couplets e lansa
Morrer para ter diulieiro
descmpcnliado pelos artistas Maeedo, P. Augusto.
Pudro Mnntani. Irtrimare!'. Emiliano. Silva, o be-"
neficiado, D. Julia.~eonvidalos e nmsieos.
Fmda a comedia, haver mu intervaNo de l,"i
mininos i terminar o espectculo colu a aria-
eom> A negra Afrifena quitandeira
da Bahia
tantado pelo beneficiado e settpre bem aceito pido
-n'ilavel publico, (odas as vezes que va a scena.
i beneliciailo agralcre a todos os conipanheiros
mi eral, assini como ao Sr. Francisco Libanio
Golas regente da orchestra, pela soa coadjuvacao
graciosa | irqe se prestaram neste beneficio.
) resto dns bUheics aehsm-sea venda no eserip-
"orio lo theniro.
Principiar as8 horas.
THEATRO
Grymnasio campestre
ASSOCIACO ARTTICA
loiiuo IO de Janeiro.
llavera un fiado e variado espectculo.
scarfce** irograminas o amumeiarao cir-
iimslanciailarni'nti'.
Os Ulhetes achtn-se no lugar do costuiiie.
O especiando eomeear as 8 horas em ponto.
COMI'ANWA PERNAMBCANA -
DE
Xavegacio raatelra por vapor.
foto de Gallinhas, Rio Fonnoso. e
Tamandar.
O vapor Mamanguape, cominan-
canle Mello, seguir para os portus ci-
ma no dia 10 do correnle a irieia
noiie. Rece ,c carga, passageiros, enriimmen-
dnsedinnoiro afrete no escriptorio do Forte do
Mattos n. 11. _______________
Para o Porto
Segu sem demora a barca portuguera Nkt
Silencio, por ter grande paite da sua carpa
proiapta ; para o resto e passageiros. aos piaes
offereci' exel entes coinmodos, trata-se com Oli-
veira. Filhos i-. ('... largo do Corpo-Santo n. 19, ou
eim^^apitao najn*a Para Lisboa
O brigue poi lugnez Lnia I. capitSo Vieira, vai
sabir com muia brevidade. por ter a maior parte
da sua carga prosulta ; para a que anda Ihe Talla
c passageiros, trata-so com OliveTra Filhos & C.
largo do Corpo Santo n. 19. ou com o referido ca-
pitn, na praca do Commercio.
ras, exceUeule aguapara beber, murado m fundo
e junto da eslaco dos trilhos urbanos (de 8. Jos
do Maiiguinho.)
Os Srs. prelendenles poderlo examinar as rasas
e sitio dirigindo se para isso a casa n. 17. que
acliaro com queni tratar, econeorrerem ao leilo.
Segunda/eir 11 fio eorrcht1.
. No primelro andar do sobrado n. (52.';' ra da
Crui, as 11 horas.
Jos Ihmriquc la Sil\ mi criaAi
quesaSba bnloar : a imfar na rita estrela do Ro- .
^la'tan::""4"' *****"'
, Xl >.pre$srd mu
erado que soja blieiuo.
lilliliO
mi
Fazendas avariadas.
Segund t-fi'ira II le uncirn.
O agente Pinto l'ar leilao por cfiula iw'" du
queiii pertenec" de fazemlas a**n*dftB aliordo do
vapor ingles Sa-pphitv na sua ultima viagem de
Liverpool a .'ste jiorto. as 11 horas do du cima
ililo mi armazem ra da Sezala Velha n. 98.
-------_i_.----------------,., ...i.,i--------1-------------------------_
s "IHi
De **
LEILAO
raixtM eon phosphoros
do gaz.
Tcrrer-feira 12 de jOncfro,
O agente Pinto lar leilao por eonta e risco *dc
lui'io imrlenrer de 8 caixas marca KWmnte OTH
n. I a 8, teniendo cada una 300 grozas de raixi-
nhas com piinsphoros lo gaz com pequeo lome
de avaria. viudas Je Liverpool no vapor iugliv.
Sapphirp, o leilao sera ehVnunilo as lf horas do
dia .cima dito na da Cadi.-ia n. 17.
re r =Z
"S S <>
f: re
3 5
o
re Q.3! B
k' z- t, -
3
0]!HPAIirHIA
DAS
Hessiigeries imperiales.
Ata o dia 14 ilo correnle mez esnera-se da Eu-
ropa o vapor francez Navmre, o qual depois da
demora do costu ne seguir para Bahia e Bio de
Janeiro.
Para condiecd's fretes e passagens trata-so
agencia ra do Oimnercio n. 9.
na
Para Lisboa
Segu em poucos dias o brigue portuguez Cons-
tante I. por ter zrande parte do seu carregamento
prompto ; para o restante e passageiros, frata-se
com Oliveira, Filhos & C., largo do llorpo-Santo n.
1^4jii rom o ca,)itao na praca do Commercio.
Para o Rio de Janeiro
Saldr rom a mxima brevidade possivel o bri-
gue nacional Trovador, para carga e eseravos
frele. trata-sc cim os consignatarios Marques,
Barros & C, na praca do Corpo-Santo n. 6, segun-
do andar.
MaranMo e Para
Para os indicados portos pretende seguir com
brevidade o hiate nacional liosa, para a carga que
Ihe falta trata-se com Marques, Barros & C, no
largo do Corpo-S.nton. 6, segundo andar.
ISIIIO
De fnsH de campo edifleada.*t em
liaos proprlos.
A SABEK :
Tina grande casa com sotan la nm da Yenlu-
ra porto do Lasserre na Capunga nflK. com sitio
niiirado. cjicimlia e arvornlos. "
Urna dita n. 17 no principio da estrada dos
Afilelos junto ao sitio Ja viuva do Hercukno.
com soto e siliotainb.'in murado.
l'nia casa assobradada n. 43 da ra da Espe-
ranza (Caininlio N'ovoj com quintal murado e ca-
cimba com agua de beber.
Qiiartu-fpm ]:) tic jtmoiro a* 11 horax.
O agento Pinto fara leilao por conta e orden do
Sr. I.uiz Pueril qu retlra-se para Europa, dos
predios cima mencionados os rrdaes se tornam
recommendaveis por Befm editicados em chaos
proprios. pertos da idade o dos trilhos urbanos :
o leilao sercoVctualo as 11 horas do dia cima
dito noeseriptorio lo referido agente a ra la
Cruz n. 38.
AVISOS DIVERSOS.
Precisa-se de urna ama para o serr-
COinterno de casa de poitea familia : narua
dos Acnimiiiihos n. 8.
Para o Porto
AVIS&S MARTIMOS.
Paq
COMPAMIIA BRASILERA
uetes a vapor.
Seguir com toda a brevidade, por j ter quasi
i todo o seu carreg mento engajado, a nuii veueiri
barca Vencedora para o resto e passageiros, aos
auaes oiTei ee' exeellentes conunodos, trata-se com
unha Innaos & C, ra da Madre de Deus
n. 3i.
Di portos do norte esperado
at o dia 11 do correnle o vapor
Guar, commandante Carlos Go-
ui's. o qual depois da demora do
eostume seguir para os portos
do sol
Desde j reeebem-se passageiros e engaja-se a
o vapor paier eondnrfr, a pial dever
- i enmarcada no dn de su,-! chegada. Encomman-
ia~<'diuh'iro a l'n-te al o dia da sua sabida as 2
lloras.
Nao se receben) eomo encnmmendas senio ob-
,1'i-tnMl- pequeo valor e que mo exeedam a duas
arrobas d paso >n 8 palmos cbicos de medieo.
Tmlo que passar desio- limites dever ser embar-
cado c 'no carga.
Previne-so aos Srs. passageiros que suas passa-
- i ve reei bem na agencia ruada Cruz n. 57,
'-cripforio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
._____________________________________
COMI'AMIIA PKUNAMBCANA
DE
A.ivesaeo eostelra por vapor.
Macei e escalas, Penedo e Aracaj.
U vapor Parvhyba, commandante
Mello, seguir para os portos cima no
dia 15 do correnle as 5 horas da tarde.
Recebe ran a nt o dia 14 as .'t horas da tarde,
meommeadas, passageiros ediuheiro afrete at as
! hi ras da tarde de da da sabida no escriptorio do
-"orle lo Mallos/. I.
ira
i
Vai sabir com brevidade o brigue portuguez
Laia III, capito (alvfio, para carga e passageiros
rata-se com E. R. Rabello, ra do Commercio n.
44? ou com o mesmo capito.
COMPANIIA PEKNAMBUCANA
DE
Xavegaeo eosteira por Tapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor,
Aracal;.', Cear e Acarac.
O vapor Pirapama, commandante
Torres, seguir para os portos cima
no dia 15 do correnle as 3 horas da
larde. Recebe carga at o dia 4 as 9 horas da
tarde, enconimenias, passageiros e dinbeiro a
frete at as 2 horan da tarde do dia da sabida no
i'scriptorio do Fone do Mattos n. 1.
Psra Lisboa.
Vai sabir com brevidade o patacho portuguez
Mlianra, capito Silva, para carga e passageiros
rata-se com E. R. Rabello, ra do Commercio n.
44, ou com o mesmo capito.
Para.
ipa:
(((MPAMIIA PEHNA.VBUGAKA
DE
%avegaeo eosteira por vapor.
Femando.
O vapor Giqui. eommandante Aze-
vedo. seguir para o porto cima no
dia 14 do correnle ao meto dia. Re-
ebe carga at as 3 horas da tarde do dia 13. en-
eemmeodas, passageirosedinheiro a frete ateas
O horas do dia da sahida no escriptorio do Forle
i Mallos n. i.
Kio de Janeiro
ic i- mi brevidade para o porto ai-ima o bri-
gue nacional mhe!. tem parle do sen carregamen-
Igajad i. para o resto que Ihe falla trata-se
oom os consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & i',., ra da Cruz n. 57. primeiro andar.
Segu com brevi lade o brigue-escuna Aurelio II,
capito Jos Maria Ferreira, tem meia carga enga-
jada, c para o resto trata-sc com o consignatario
Joo Francisco da Silva Novaes, ra de Vigario
n. 11.
LEILOES.
Para. Listona.
Vai sabir com bre.viilade o brigue portuguez So-
n. capitn I!:igiga1ga, para carga o passagei-
ros trata-se eom E. M. Rabello. ra lo ('.amnierrio
i. 44, ou oom o tncsmo capito.
De uiaa barcaea
cm y3 de coiistrucco eom 140pas d, quilha,
28 de. bocea, 11 e i pollegadas de pontal, para ear-
regar 12,000 arrollas de carne seca, demandando
apenas 9 palmos d'agua.
HOJE.
9 do eorr;n(e as 11 horas
No largo do Corpo Santo em frente a casa
em que funecionou a Associacao Com-
mercial, e alii
0 agente lernard no Guimares i^or antodsacao
do Illm. Sr. Dr. juiz do orplwos desta capital le-
Vara uoti^meue a leilao a oJeftcionadabarcaea rae
oile ser examinada no estaMro do Sr. Rodrigues
ra do Brum.
Jos Soares de Azevedo, pro:essor de
gua e lilleratiua nacinnal no Gymnasio
Provincial do Recif, tem aberto em sua
casa, na Bella, u. 37,
Urn curso de
-- GEOBR-VeHIA E HISTO-
RIA.
PIIII.0S0P1IIA.
IU:iiH)lllCV l. POTICA.
Os estUdantes jue qnzerem frecuentar
(pialqner d'estas aulas, tanto os que devem
fazer exame em marro prximo, como os
que teem de seguir o curso durante o anuo,
podem dirigir-se indicada residencia, de
manhaa al is 9 horas, e de tarde a qul-
(pier hora.
Precisa-se de un criado para compras e reca-
do: nocollegiodaConcefeo, a ra dos Coefltei
n.28._____________________________________
Avisa-se ao lllm. Sr. M.moet do Hego Barros,
mano do Exm. conde da Boa-vista, que sua escra-
va Helena, qtie se evadir da casa onde se achava
alagada, DO dia 28 do mez prximo jiassado. como
se anniuieipu nos Diarios de 29 c 30 do mesmo
mez. ai-ba-se recolliid; a casa de delenco, de or-
den do Illm. Sr. subdelegado de Sanio Antonio,
desde a noile de 4 do correnle. Por se ignorar a
residencia actual do mesmo senltor, se fazo pre-
sente.
Anlonio Jos Rodrigues de Souza, precisa
alagar um criado para o serVico de casa, de nais
de l-'i anuos : a tratar eom o mesmo na ru. de
Crespo n. l."i. ou em seu sitio no Monteiro.
Os.abaixo sstoHdus pulMb et corpo do commercio e ao pitMico e:n eral
qii.' no da 4 do crreme dissiverai amigavel-
meiiie a siM'iedade quetinhain na labernaa roa 1-
tmeo Pontasn. 14% qu gyra\a sol. a nm di-
Joao di Silva Sanios A- C., eqiedc agora iu^an
te passa a Joao da Silva Sarita., lirkeoidi-e |H .i
activo e passivo da extincia llrma. RecTTe fd.-
janein. Je 1809.
Joao da Si7c-i Sonto.
Joo do imnral Ilapo*o.
iio do correnle anuo per-
arpa do Rosario afeaos Heiuc-
= No dia 1" i
deu-se desde atii
lios una bengala de cana la India, ennicasto de
marfim, no all> lo |ual i.'in lian chapa le metal
Inorado, com a lelra ( : iuem a liver aehado,
rogado a cntreg-fa na mesina iua larga do Rosa-
no, padarja n. ro,qae ser recompensado.
Precisa-se alugaruma ireta para vender n
ma : a tratar na ra lo Cal eireiro o. 88.
Jos Poliearpo de i'reas Jnior. laMIio
publico interino e eseriran do rivel e pomnercio
ao termo le Olmda, modou sei cartoro para a
ruade.Maibia< Ferreira n. 13.
I'recisa-se alugar urna esTnwi para cozinliar
e eiigoiiiniajy na m in Cresp/ n. -J.i.
Precisa-se de nina ama para cozinbar : na
roa das Gnes n. 21. 1 andar.
(iiibaiv.1. asKgnado faz ter ao jmbtica rom
e-|eialiilade ao corpa ominereial. pie de seos
dous sfabelecimentds do. fazendas sitos ra da
Imperalriz ns. 48 e 52. tem vendido MUa lata o
de n. U ao se caixeiro Paulo Fernaii'les de Mello
GomarSes, etn lodos s ftmdos existentes no
meara, Retoe, i de Janeiro de mu
Joao Frmteo l'medes 'orto.
PERFUME IM'ATINCllYFX.
Paiia o Lenco. Ton:\noti. v. Bvmio.
rJHlf
Aluga-se
Una casa na povoaco de Apipueos
situada : a tratar na ria da Cadeia do)
mero 59.
limito bem
Beicfe nu-
Precisa-se de una ama para srico iV casa
e na : na na da Roda n. 30. _!_________
Ama.
Precisa-se urna ama para casado xmea fami-
lia : atiaiai na ra doQueimailo n. 69
A pessoa que atmunciou precisar d'um
socio para ihu armazem de mulliados en-
Iramlo ste com algom capital,
Ra da Boda n. 3 que achata
tratar aliaiicaiido-se 1er ortica dul
inja-se a
com quem
mesiiKi.
P\RA A BOA CONSEnVACO
V0SSO CABELLO
usal do
GE.VEIAL VERSWMLIU
DES DEtSCHBN IHKLFSVEREINS
MYiitiKj. den W jantiar, futt dn\ Sebo; in
dem Lcale der Herrn H. Leuden & C.
h/tlbficht ilir Ahciuls.
Dio Milgliedei" werden gebelen, puenk-
tlicli zu eisclii'iiieo.unil erinnerl, dass An-
traege, welclie auf Abaenderunge
Statuton liinzielen, mindestens 8
der general versaumlung scliri
dei L'uterxeicluieten einziiivichen)
Di'f Secreta sr
: Olio liultm
.m den
Tage voz
tlich bei
sind.
Aluga-se U'iiesciavo pardo emOCO, inuitrth-
bil intelhgente, por 30 mensaes : a tratar db ra
das Trincheiras, n. 50 1 andar.
Precisa-se de um rapaz de lo' a 18 annos, com
alguma pratica de taln'in : no pateo do Terco nu-
mero 12.
\TTI
Cozinh>ira
Na ra do Imperado)' n. 73, segundo andar, pre-
cisa-se de una eozintHra.
Criado. ~
Na ra do Imperado:" n. 73, segundo andar, pre-
cisa-se de um criado fiel e bem procedido.
5
O Exm. Sr. conde de Baependv* depois de ojiter
informacoes que julgon precisar, dignou-se de acei-
tar o offerecimento feito por Jos Antonio Gomes
Jnior, de ISO exenmUrea la obra publicada pelo
mesmo JniorNocoes do sysiema mtrico deci-
mal3* edico, sendo SO exenplares para as aulas
de Instruccao primaria, e 100 remetlidos ao gover-
no imperial, para uso das alfandcgas do imperio,
como se v do seguinte offieio :
4" seccao.Palacio d gorerno de Pernamhtico
2ide dezembro de 1868. Com o otlicio de 18do
crreme recebi eagradero os 150 exemplares im-
pressosquo Vmc. me ren'etteo da 3* edico das m-
epes do systema petricp decimal. Deas guarde a
VmcConde de Baeperaly.Sr. Jos Antonio Go-
mes Jnior.
--- Aluga-se o segundo,andar do aott
sWo a na da Aurora : napessoas que o
rom podem dirigir-se a ra Bella n. 37,
acnarao com quoin tral; r.
Fugio no dia 2 de Janeiro de 18(iS), da
freguezia de S. Jos de Bizarros lo lugar
Antas o escravo Marlinlio, cabra, dade de
trifila anuos, baixo, clieiodo corpe, alguma
cousa expaduado, barba pouca, conserva
toda rapada, olhos regalados, rosto regu-
lar, mu ponto calvo, tem opeito inuito ca-
beludo, nariz sato, osps pequenc s, dentes
iodos, foi escravo do Sr. Jos do Espirito
Santo de Vasconcellos. e hoje pertence ao
Sr, Ciiienniio Tasares de Mede ros, ten-
do o mesmo esi'ravo di lo que fugi para o
Recife a flm de sentar praca por forro para
hir para o Paraguay. Boga-se a> autoii-
dades poiiiiai's e capitaos de campo aapre-
lii'nso do mesmo e leya-lo ra lo Ouei-
mado d. o que ser gratificado.
iiijir
PREPARADOS E W
\. 3RLADJREITA N, ;i
' Continan! a adiar-se venda as
pillas eo xarope alcolnilieo c elh"-
ere de veame, conforme a formula
do finado pharmac*utic Prannos;
na botica d' Francisco Antonio das
Chagns na Diivila n. 3: mifdica
meatos estes asss cnhe idos, c
proficientes a quemsoffie derjlie-
matisnit, escroalas, erysipla, im-
pigens, exosli'isf's on tumores nos
8 ossos, amenorrha ou falla de
nicnstruaco e mensiruaco difli-
S cil, etc.
Francisco Antonio das Otayas.
8%i ) MM WMMM lila
- A' ra do Mondego casa n. 2 prccisa-so.de
um nomem desempedido para feUor de sitio, as-
simeomode urna ama para engommado : a tra-
tar na mesma.
Elle um preventivo- seguro cerlo contra
a calvice,
Elle da e restaura forca e sanidade a pelle
da cabera,
Elle de prompto fazcessara queda prema-
tura dos cabellos.
Elle d grande riqueza de lustro aos ca-
bellos,
Elle, doma e faz preservar os cabellos em
qualquer forma e posicao que se deseje
n'nm estado fonnoso, liso e macio,
Elle faz crescer os cabellos bastos e com-
pridos,
Elle conserva a peHe o o casco da cabei-a
limpo e livre de toda a especie de caspa,
Elle previne os cabellos de se tornaren)
blancos,
Elle conserva a caneca n'um estado de fres-
cura refrigerante e agradavel,
Elle nao demasiadamente oleoso, gordu-
renlo ou pegadiro,
Elle nao deixa o menvir cheiro desagra-
lavel,
Elle o melhor artigo jiara os cabellos das
criancas,
Elle o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa eonsi'nacfio e ananjn dos ca-
bellos das senhoras,
Elle o nico artigo proprio para o pe-
eado dos cabellos e barbas dos senho-
res,
.Nenlium toucador de senhora se pode con-
siderar como completo sem o
Tonteo Oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e aformosea
O CABELLO.
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caois, I. da C. Bravo A- C. P. Maurer
- C, M. Barbosa, Bartholomeii 4 C, e em
todas as principaes lojas de perl'umarias
e boticas, .
Attencao
No dia o do actual cliegou a esta praca um com-
bo\ de 11 cavados com assucar do engeiiho Canias-
sary, dos quaes se extraviou ou furtaram um na
occasao cm que se pesava o assucar, na ra da
-Concordia, relinaco do Sr. Livio de Souza e Silva,
o eavallo aleijado, tem o? signaos seguintes : ala-
sao, tres ps calcados de branco, cauda comprida e
frente aln-rlaato bejeo : gratilica-se bem a quem
deile der noticia na ra da Cruz n. 37, 1" andar,
escriptorio de Bamos & Temporal.
= O Sr. Ulysses Cuches de Mello tem urna carta
para ser entregue pessoalmente : na ra Nova nu-
mero 33.
rala i iU Afijprecisar da iuanl aeim:
i "pTOWTir; mifllt* ". que i!ii triia-se a ra da ImperOTr n. :i7
rija-
dar.
3:OOO^pOtM
cima a j iro mnlfto
a oortauo- ''
upenant n. 37, priineTro an-
= Maria da Assampeao de Lima Almeida, pro-
ra publica da tercena eadeira da fretruezia de
Santo Antonio desta 'idade, faz publico a todos m
itis dn saas atmnnas. p a piem mais eonvier. que
mudou-se da ra Direa para a ra do Bangel n.
M, segundo andar.
A MCI AFAMADA
AGUA DE FLOFUDA.
DE
in nit.tY tsixnw.
He o mais delicado e mimoso e ao mes-
mo temrK) o mais eslavel de todos os per-
fumas, e encerra em si, no sen maior atore
de exii'lli'iiiia, o proprio ania das v rda-
deiras llores, quando ainda na sua flores-
'ii.ia-e fragancia natural, tomo um meto
si'_'iii'o e raindo al livio conlra as dores de
cabeca. uervosidade, dbimfcde, desmaios,
flatos, assim como contra oAh as formas
ordinarias de aiviileutes livstericos; de
summa- eflicacia e n3o feui oulro que o
iguale. Igualmente, quando dest.-mperada
com agua; toma-se n dentrkki > mais
agradavel eexcellente-. dando aos denles,
aquella aUvirae apenrtaa apsarenea Rb
altamente apreciada h- desejacn peas Se-
nhoras.
Como um remedio contra o mau balito
da boca, depois de diluida en agua,
summamente excedente, faz romovere neu-
tralizar tedas as materias impuras que se
criam nula dos denes e das senaras,
tornando-as duras, radies e d'uma linda efir
encarnadav. Quanio a delicadeza, riqueza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo n*i tem igual : e a sia sope-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meto mu excellente, para fazer
remover de sobre a pelle do rodo, toda a
qualidade de brotoejas, ebnlices, sanJjts,
pannos, manchas, impigens d eepinfeaB.
(Juando se queira servir della como remi-
di para fazer desaparecer qiialqnef um
destes disliguiamentos, e que tanto desii-
am as lindas leicoes do bello sexo; levera-
se usal-a n*um estado de drniclo, distem-
perando-a nimia penca d'agua ; gorm no
Iralamento de ipialquer espiaba, usar-;e-ha
della pura em toda a sua torea. Final-
mente como nm admiravel meio le com-
municar as- feicSes thgneirajj e paludas,
una pelle macia e d una transparente al-
vina, dando-lhe urna linda cor de rosa :
para um tal lim, ella leva a palma a todos
os peiiimiis que se teem inventado at ho-
je, e exisle em plena soberana sem rival.
Bem entendido ludo isto se refere nica-
mente a Ar.iw r>K Fr.onitu nr Hlhhw &
I.WMAl.
As imilacoes que se lem teilo na franca.
Allemanba, assim cene em ou'ras parles :
sao- iivleiramente innlcis e inviosas ; per-
ianto recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenltaui teda a precancio
e cuidado, de iptando coiiipiareip. estojan
certas que compran.
A (KM W V
AGUA DE FLDBIOA
DE
Ml'BIUY c LAN.MA.V
A (jual preparada anente* pelo.- anees
Pwprietarios,
I.ANMAN A KEMP. f)E NOVA YORK.
Acha-se a venda nos estabelecimentos di
A. Caors, J. da C. Bravo, & C: P. Mau-
rer C. A. A. Barboza Baitholomeu, Se C.
E em todas as principaes lojas de per-
fumarias e boticas.
esquina
|da ra larga da
Rosario.
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre tim sortimento sem igual,
e vende par precos que nenhuma outra casa jde vender.
A vkfai da qualidade e do prepo das jdas cada um pder-seha convencer daverdade.
Garaatwre ser tudo de lei. Compra-se ouo, prata e pedras finas por precos muito ele-
vados.
A loja erf abf^ta at 8 horm & nute.
esquina
da ra larga do
Rosario.


\
Diario de PernuDibuoo Sabbado 9 du Janeiro de 1869.
. Aluga-se
Duas casas con bastantes commudos na
Cklade Nova de Sank Amaro a tratar com
Antonio Jos Gomos Jnior, em Santo
Amaro._______________
Os Advogados, Dr, fcente
Perera do Rego,e o Bacharel Ja-
cinto Perera do Reg, continuara a
teroseu escritorio commum ra
do Quemado n 46, 1." andar, onde
o 2." pode ser procurado a qual-
quer hora por terasua residencia
no mesmo andar.
Precsa-sc de una boa cosinheira, turra ou
escrava, no sotado n. M da prora da Boa-Vista,
primeiro andar, anude tambera se compra uina cs-
rrava boa, e agradando paga-se hcm.___________
Cosinlieira
Precisa-se de urna eserava cosinheira, paga-se
bem: na ra do Pires, sobrado n. 27.
Dr. Guilhei-me Anegeli, oculista, mudou-seda
ra Nova para < Forte do Mattos, por cima do tra-
piche Dantas, in Recife, onde pode ser procurada
As lmias das consultas sao das 9 as 11 horas da
inanliaa C das 3 as S horas da tarde.
Jugara-ai o 2o e 3o andares do sobrado da
ra de Apollo n. 58) con muitos commodos para
grande familia, tjanelas para todos os lados, e por
isso muito Bresca; quera pretender entenda-seeom
JosAntnnes Giiiinaraes,oucom oSr.Thomaz Fer-
nniules daCunlia, na rira da Cadeia do Recife nu-
mero 44. ____________________
Precisa-se alugar uin criado escravo, para fa-
ICT todo servico de urna casa tic familia : a tratar
na ra da Cadeia do Recite, n. 51, priraeiro andar.
BARTHOLOMEU ft C.
Ai guille pour machiner a costure de Grover
& Baker, prix de la douxaino 25000 rs. premier
lage ra da Cadeia do Recife, n. 51.__________
~~Aula particular de instrueco primaria
Manocl de Souza Cordeiro Simoes avisa aos
senhores pas de seus alumnos, que no dia 7 do
corrente se achara aborta a ana aula era continua-
cao dos seus exercicios, na mesma ra, travessa do
Expostos, rasa n. It; eao respeitavel publico, que
contina admita* alumnos externos e internos, pen-
sionistas e meio pensionistas. _________
Criado.
No caes de Apollo n. 69, precisa-se de um criado
de 12 a 14 annos, para compras c servico de mesa.
Precisa-se de una ama para cosinhar para
casa de pouca familia : a tratar na ra do Amoriin
o8t.________________________
Manoel Alves Feneira&C, na ra da Moe
potassa da Kussia, em barrise meiosbarris e cai de
lisboa da mais nova que ha no mercado.________
"CLLEGIO
DE
SANTA GENOVEVA.
Ra do Hospicio n. 22.
Todas as aulas deste collegio que comprehendem
o ensino de primeiras lettras; das linguas latina,
franceza e ingleza; de geometra, geographia c
phosophia, estarao impreterivelmente abertas na
segunda-feira, 11 do corrente. Alera destas disci-
plinas, haver duas vezas BOJ semana una aula de
gratnmatiea pnrtugueza e um curso especial para
pratiea da conversaeao franceza, dirigido por um
professor francas._________________________
0 Sr. sargento brinda do corpo de
pohria queira vir a esta Typographiz a en-
gocio._______________ _______
Aluga-se a luja do sobrado do pateo do Ter-
co n. 2, con commodos para qualquer negocio: a
tratar na luja de imagens (pie tica juuto a essa, e
por baixo do mesmo sobrado. _____ ____
Claudio Dubeux mudou o seu escrp-
torio da ra do .Imperador para o Caes t
de Novembro, n. ti, junto ao buhar dos
arcos.______________________________
Aula particular de primeiras
letras.
Anna Theodora Simoes. autorisada pelo Exm.
Sr. presidente da provincia ao magisterio primario,
scientilica aos senhores pais de suas alumnas, que
se achara aberta a sua aula no dia 7 do corrente,
na ra travessa dos Expostos, casa n. l. segundo
andar ; bem como ao respettavel publico, que con-
liua admiltir alumnas externas e internas, pen-
sionistas e meio pensionistas, esperando usfer
aos Sis. pais de familias que Ihe conqarein mas
lilhas, tanto nas materias pie constituen) a sohre-
dita instrueco e msica vocal, como tambem no
que for eoncernente as habilidades de agnlha.
Trocam-se
Methodo Castilho
Secundino Jos de Faria Simoes, professor par-
ticular de instrueco eteiuentar pelo niethodo Cas-
tilho, avisa ao respeitavel publico e, com especiah-
dade aos pais de familia, que no dia 7 de Janeiro
est alerta sua aula na ra da Penha n. 25,1 an-
dar, onde recebe jiensionistas i*ir preco coramodo.
O mesmo professor proraette muito se esmerar no
adiantameuto de seus alumnos. No mesmo dia
pretende e referido professor abrir um curso de
primeiras leOrt* a noite para aquellas pessoas que
nao poderein frequentar durante o dia._______
Amas.
Era S. Jbs do Manguinho, sitio n. 2, precisa-se de
duas amas, una para cozinhar e outra para engom-
marealguin servico domestico, paga-se bora alu-
guelagradando. /. __________.
Photographia
O photographo J. Ferreira Villela participa ao
rcspeitavel publico, que tendo chegado do Rio de
Janeiro no dia 7 do paseado, tomou a direccan do
si'ii stabeleeimento de pholographia, sito ra do
Cabug n. 18, entrada pelo pateo da matriz, onde
se contina a tirar retratos por todos os systemas
photographicos. No mesmo stabeleeimento ainda
se contina a tirar retratos em cartao de visita a
OOOO a duzia. Ha tambem una linda eollercao
de alllnetcs de ouro de lei com pedras preciosas,
para a colloeacSo de retratos._______________
Ama
Precisa-se de una ama recolhida que saiba coser
c engoumiar, e tambera de urna de ra que saiba
cozinhar e lavar, para casa de pouca familia, que
sejain de incia idade e que de inforinaeoes de sua
conducta : a tratar na ra do Arago n. :t2.
ESTRADA DE FERRO
no
as notas do banco do Brasil
com descont muito razoavel
pendencia n. 22. ______
e ilis caixas filiaos,
na piara da Inde-
() abaixo assignado faz srieute ao respeitave
corpo coininercial desta praea o ao publico em ge-
ral, que do 1" de Janeiro corrente tem dado socie-
dad^ aos sene antigos eaixeiros Joaquim Vieira de
.Vfell Pinto e Joo Francisco de Honra, era seu
Qstabolecimento de Cazendas ra do Quehuado n.
Ji, sendo a firma (Tora ora diante Antonio de Hon-
ra Rolim A; C. eompetindo somente ao abaixo as-
signado osar desta at ulterior deliberacXo. Reci-
fe 5 de Janeiro de Itt(j8.
A. de Honra Rolim.
Aluga-se o 1" andar e metade do 2", do so-
brado amarcllo da ra doQ leimado n. 31, os qoaes
se acham pintado&de novo, e sao muito proprios
para os senhores advogados : a tratar na loja do
mesmo sobrado. _____:______-
Faznm mezque tugio do engenho^Canna-
viera. fregnezia da Gloria do Goit, um escravo de
D. Theivza Francisca dos Santos Pinhcira, por
nome Vicente, crioulo, de idade :tO annos, pouco
mais ou menos, estatura regular, cor preta, ou fula
por estar um pouco descorado, muito ladino, com
marcas de bexigae no rosto, bstanle barbado, e
pequeas as barbas, uas costas ana cicatriz de
ripiadas mais para BOJ dos lados, urna pequea
renda na perna, que talvez j esteja sa, muito pe-
ralta : quera o apprehender pode dirigir-se ao dito
engenho, que ser bem recompensado.
Ama.
'Precisa-se de una ama para rasa de pouca fa-
milia : a tratar na ra estrella do Rosario n. io.
segundo andar.
Aluga-se a loja do sobrado n. 32 sita na pra-
ea da Roa-vista, b-ndo commodos para qualquer
stabeleeimento : a tratar na ra do Alecrim na-
mero 30._______________________________
Aviso em tempo
Segunda-feira. 4 do presente raez, fugio o escra-
vo erioulo de nome Cyriaco. de.idade de 45 anuos,
nai ou menos, eorpreta, estatnra regular, o andar
um pouco inclinado] para a frente, tem um ou
dous dedos da man direita aleijados. signa! este
|ua o torna muito conhecido, levou diversas peras
>te roupa que elle tinha, mas o chapeo fui um do
ehyle bastante velho : quemo pegar leve-o a ra
da Cruz n. 18, ou travessa da Concordia a. 16, que
ser recompensado.
Recife ao S. Francisco.
AVISO.
Pelo presente se faz publico que os vo-
luntes de bagagem e carga apresentados
despachos nas estacoes, devero ter um le-
treiro ou marra, distinctos. Os que assitn
nao estiverem nao serS despachados.
- Escritorio da superintendencia, Villa do
Calw, 34 de dezemhro de 1868.
(1. O. Mann,
Superintendente.
PARA USO INTERNO
PREPARADOS S I M P L K. S
Xarope de jurubeba garrafa. lflOOO
Vinlio de jurubelia garrafa. I ^GOO
Pilulas de jurubeba vidru. 1-sOO
Tintura de jurubeba viilro. OiO
Extracto hydracoolico de jurubeba. 12300
PREPARADOS CMPOSTOS.
Vitilto de jurubeba ferruginoso garrafa. 2^000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 1000
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. 2:5000
Oleo de jurubeba vidros. 040
Pomada de jurubeba pote 640
Emplastro de jurubeba libra.
PARA USO EXTERNO
A JURUBEBA*
Esta planta boje reconhecida como o mais poderoso tnico, como; um excel-
lente^esobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do figado e baco, nas
hepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, nas inllammaces
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos lumores es-
pecialmente do ulero c abdomen, nos tumores glandulosos, na anazareba, nas bodrope-
zias,eiysii'Ilas ; e associada as preparaces ferruginosas,, ainda de grandej vantagem
nas anemias, cbloroses, faltas .de menstruacao, leucorrheias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e pobreza de sangue, etc. (
O que dizemosaflirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os lllms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconbecem a excede icia d'este
poderoso medicamento sobre os demais at boje conhecidos para todos os casps citados,
tanto que todos os lias fazem d'elle applicaco.
Apresentando aos mdicos e ao publico emgcral diversos preparad js da juru-
beba, tivems por flm .gencralisar mais o uso deste vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que athoje sentiam os doentes do rjfar dos preparados empricos d'elle, e
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a desvantagem de xo
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o qae torna muitas vezes improficuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresehtados^depois de bavermos canveniente-
menle estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhencr as pro-
fructas ou bagas, e a
os nossos preparados
rao portando o pouco lucro que possamos tirar. i
Por tanto os que se dignaren! recorrer aos nossos preparados ponem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
vel cura de qualquer dos soffrimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alm dsso, medico eu doente a vantagem de escolher nas nossas va-
riadas preparaces, aquella que melhor Ihe.pode convir, j pela fcil applicacaO, ejpela
complicaro das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.;
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se tomam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
como taes estao boje reconhecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jurqbeba, e sabetem a applicaco de nossos preparados, destribuiraos gratuitamente
em nosso deposito um folbeto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
Botica e drogara
3 iRa larga do Rosario3 .
Do xarope Vegetal Americaao. rspeclalldade de llail holomeii ti C.
31RA LARGADO ROSARIO- 31
Nao costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que sua applicaco e os resultados obtidos psjtt pscsoas que se dignaram acceita-
los, lhesdeem crdito evoga; porque sao sempre os attestados considerados gratuitos,
e delles que lancamo o charlatanismo; mas, nao querendo oflender as pessoas que
espontneamente tos offereceram os que abaixo vao transcriptos, os fazemos publicar,
manifestando-lliesflossa gratidopela attencc. espenmdo que venham elles corroborar
o concedo, e acccitacao que tem merecido nosso xarope.
Rartholomm & C.
ATTESTADOS
lllms. Srs. Rarlholomeu & C com a mais subida salisfaco que declaro
ser o xarope Americano de tima chicada extraordinaria, pois que soffrendo ha dias de
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamentos
que tomava, a elle recorr e na terceira colher fui alliviado, e de todo me acho hoje res-
tabelecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois/ esse resultado mani-
fest a Vv. Ss. meu reconhecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obligado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
lllms. Srs. Rarlholomeu 4 CPenhoradissimo rom o favor que me fizeram
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, (piando me acha-
va bastante doente de urna constipaco, que me tornou completamente ronco e que
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus deveres de cantor da
empreza lyrica, vou agradecer-Ibes meu completo restabeledmento, que obtive com um
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos iratamentos. Desejarei
que outros como eu recorram ao seu xarope para se verem alliviados de !o terriwl
incommodo, to falal ueste paiz. Com maior considerarlo contino a ser de Vv. Ss.
atiento, venorador e obligado.Luiz Cremona.
Recife, 25 de setembro de 1868.
lllms. Srs. Bartholomeu & .0 xarope Vestal Americano que Vv. Ss. teent
exposto venda de toda ehlcacia'para o curativo dasthma, conforme observei appli-
cando-o a meu filho Joaquira, menor de quatro annos; victima d'esse llagello. que at
ento por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de grande
nomeada. Queiram, pois, Va, S*s. acceitar a expressiq altamente sincera de meu reco-
nhecimento ao meritorio servico que Ibes prestaram com o indicado xarope, acreditan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attentu e obligado.Arnerico Netto de Mendonca.
Recife, 2 de outubro de 1868.
DE
COLLEGIO DE SANTO AMAR
O.
BaiOios salgados
Mufra-M' piiriiiniliri preco nina das melhores
oasasda Boa- Viem, muito fresca, com salas
(i (piarlos : na r la -Nova n. 2. ___"
Precisa-se do duas amas, urna para ongommar
o outra para cor.nhar : na ruada Cruza. 66.__
' liducaeo primarla e seena-
daria.
Na InafiraM de Jcronyn o Pereira Villar, na
ra larga oBosario n. nao so se en>in:iin as
materias que constitoem o curso regular de pri-
meiras letras, como as disciplinas preparatorias
para a faculdade de direito, cujas aulas estarao
abortas do dia 7 do presente Janeiro por (liante.
Attencao
Antonio Cario i Pereira de Burgos Ponce de Len
como solicitador do foro desta cidade cdos termos
de lora, se encarroa de lodas as questdes que o-
ivni suscitadas perante os tribunaes civis, erimes,
comniorciaes e ecclesiasticos, prometiendo conti-
nuar a exercer > seu omprego com a mesma leal-
dade, actividade ) dedjca$o. 0 annuBciante, pode
ainda receber coito numero de casas coromerciaes,
por contracto animal e bem rasoavel. Heve decla-
rar, que oostuma dar as contas de dospozas judi-
ciacs, todas datadas, especilicadas e com escrupu-
losa exactidao, como affirman os que teem sido seus
constituintos. Quem,pois, quizer o honrar com sua
conlian^a.dignarse-lia procural-o ra das Tria-
choiras no primeiro andar do sobrado n. 48. junto
ao cartorio do S-.escrivao Motta, para ondi acaba
do mudar-so.
Jos Victorino de Rezendec C. contimiaiu a
vender (aliaba de mandioca de soperior qualidade.
recem-ohegada de Porto-.Alogre: a tratar em seu
^cripturio. ra da Cadeia, n. o2, primiro andar.
rmandade de N. S. da Con-
cei^ao dos Militares.
Pelo presente sao convidados a comparecerem
no consistorio d'aquella igrtya, no dia 11 do cor-
tente moz, pelas 4 horas da tarde, os mcnibros
taato da actual mesa regedora, como da que tem
te funecionar no corrente auno, aflm de ser esta
devidamente impossada.
Recife, 5 de Janeiro de 1869.
O secretario,
Joaquim Leocadio Viegas.
Associa#io cearense.
De ordem do Illtn. Sr. presidente provisorio,
convido todos os cfarens" residentes nesta pro-
vincia, a compareawem domingo, 10 do corrente,
ja M horas da manh, no palacete do pateo de S.
Pedro, aliui de ser feita a eleicao da directora ef-
ectiva da mesma sociedade.
O presente convite feito aos que j se inscre-
verain como socios, bem como aos que o quizerem
ser.
Recife, o de Janeiro de 1869.
! Secretario interino,
Alfredo Henrique Garca.
Jos Francisco de Abren & C, scientifleam
M publico, e especialmente ao corpo do commercio,
i|ue coinpraram a taberna do Oitizeiro no Giqui,
ontr'ora de Antonio Joaquim de Mello, ao Sr. An-
tonio Goncalves da Silva, da qual era administra-
lor Joaquim Luiz Viraes, e por isso se alguem
bou ver de por embaraco a dita transacao, apre-
soite-.se no prazo de 3 dia.;, a contar de hoje, na
referida taberna ou ra das Cruzes n. 42, a en-
tender-so com Joaquim da Silva Costa.
Recife, 7 de Janeiro de 1869.
Manoel Jos da Silva Oliveira avisa ao publico
e especialmente ao respeitavel corpo do commer-
io. quo admittio para socios de sua casa commer-
ciaruado Encantamento n, 11, a seus eaixeiros
Ricardo Cordeiro de Mira ida e Manoel Joaquim
Vieara,.lendo principio no da Io de Janeiro de 1869.
na razo social de Oliveira. Miranda & C.________
"^Trecisa-sc de ama'ama para o servico de una
ftttoi : na ra das Aguas-Verdes, n. 86.
Ama,
Precisa-se de nina ama forra ou captiva para
comprar eoozinl ar para urna pequea familia: na
ra Nova n. 6o, oja. ____________________
Alagam-e
o Io e 2 andares da ra Direita n. 88, ultima-
mente concertado, caiado e pintado, e com bons
conmiodos para f.unilia : a tratar na padaria n. 84
na mesma ra.
BAM'flSSIMO
Calcado nacional, na fabrica de Jos \ cente
Godinho & C, ra do Jardim n. 19, avisam aos
seus freguezes desta capital e do interior, que con-
tinala a fabricar calcado em alta escala, e offe-
recem as melhor* s condicoes, tanto em proco como
em qualidade. Os proprietarios deste stabeleei-
mento chamam t attencao dos senhores consumi-
dores do interior, que os quizerem honrar com
sua freguezia, especificando em seus pedidos a
qualidade e numoracao, offerecendo-se para os en-
tregar bem acondicionados em casa de seus cor-
respondentes nes a praca.
Arrenda-:*e a propriedade denominada
Barra de Serinbem no littoral da freguezia
do mesmo nome, com muitos foros rece-
ber e muitos coqueiros a desfructar, tendo-
alm disto, a excedente e rara poslo de
beira-mar, e beira-rio, inteiramente apro-
priada para manter-se ahi qualquer es
tabelecimento commercial de seceos, e mo-
Ihados; a tratar ra do Imperador n. 20,
ou ra da Florentina n. 28.
Os ilhos, genros, e mais prenles de
finado Joaquina Jos de Amorira, cordeal-
mente agradecem a todas as pessoas qui
tiveram a bondade assistir s exequias e
acompanhamento ao cemiterio, do cadver
de seu presado pai, sogro, e amigo, e nova-
mente pedem o caridoso obsequio de sua
assistencia missa do stimo dia, que man-
dam celebrar na matriz do Corpo Santo, s
7 horas damaihSa de sabbado 9 do cor-
rente.
Aluga-se a grande casa e sitio da ra de S'
Miguel, nos Atojados, junto a igreja, com muitas
accommodacoes, viveiros, banho dentro e muitas
fructeirsu: na ra do Qu eimado, loja n. 18.
lleeife, ra do Commercio n.
Ust stabeleeimento le edueaeo. aeha-se a dlsposieo dos
lllms. ttrs. pas de familias e a queni mais possa eonvlr. O Dlree-
tor faz seieute, que desde j acha-se aberta a matricula da aula de
instrueco primaria, a qual ser aberta em o dia 11 do andante :
bem como as secundarias, cujos cursos tiveram principio pelas fe-
rias e derem ser encerradas em mareo. As demais fuueclouaro
do dia 3 de ferereiro em diaute, com a regularidade do costume.
lleeife. 4 de Janeiro de lSttf.
VALOR THERAPEUTICO
DO
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
DE GRIMULT E COMP.
Vharmaoeutieo de 8. A. I. o principe Vapoleao, em Varii.
A associace do ferro e da quina resolvee nm dos mais importantes problemas da phai]macia,
e faz com que se congratulan! os mdicos dos relevantes servicos que lhcs presta esta pre-
paraco.
Com effeito, ninguem ignora que a quina, em maleira medical, 6 o mcihor tnico que se
possa empregar, sendo, sobreludo, unido ao Phosphato de ferro, a mais estimada das pre-
paraedes ferruginosas, pois que entrain na sua composico o ferro, elemento do sangue, e o
phosphato, principio dos ossos.
Por isso, julgmos que, para os srs mdicos, scrao intcrcssanles as observacoes feitas pelos
seus collegas, os mais distinctos de Paris:
t Este Xarope produz os mais felizes resultados nos casos de dyspepsia, chlorosis,
amenorrhea, hemorrhagias, leucorrheas, febres typhoidas, diabetes, e quando precisa
c restabelecer as torcas dos doentes e restituir ao corpo as fercas alteradas ou perdidas.
ARNAL, medico de S. M. o Imperador.
urna das raras combinacoes que, ao mesmo tempo, salisfazcm o medico e o doente. Em
quanto a mirn, eu a considero como a mais cffcaz preparacao ferruginosa, cujo uso dos
e mais agradaveis para os doen les.
CAZENAVE, medico do hospital Saint-Louis, em Paris.
c Com esta preparacao d'uma forma agradavel, e fcil de digerir, administra-se aos
doentes dois mcdicamen'.os importantes.
CIIAHUIER, chefe de clinira da Faculdade de Paris.
Eu empreo rom o malar xito o Xarope de Quina ferruginoso, e o considero como
t nma das mas felizes innovacoes, na matuira medical.
CHASSA1GNAC, cirurgio em chefe do hospital Lariboisire.
e Este medicamento, sempre bem aceito pelos doentes, deo-me constantemente os mais
vanlajosos resultados.
HERYEZ DE CIIEG0IN, niembro da Academia de medicina.
* A limpidez d'esta preparacao, o seu gosto agradavel, isento de qualquer sabor de
ferro, fazem d'ella um medicamento tSo cffcaz como agradavel. ,
M0N0D, addido Faculdade de medicina.
Deposito em Pernambuco, em casa de Kanrer e O".
isfi^^ui^^eiraBia^^sa^^Bif^
EFFICACIA
DO
mz
XAROPE DE RBANO IODADO
0 Xarope de Rbano iodado de Grimault e O, pharmaceuticos de S. A. I. o principe
Napeleo, em Paria, preparado com o sueco das plantas anti-escorbuticas coja emeicia d
mi popular.
Encerra o iodo como combinacSo orgnica, e considerado come o melhor succedaneo
de oleo de figado de bacalho.
A rara perfeico d'este producto anima-nos a dar a conhecer aqu a opiniio de alguns
d'entre os principaes medico de Paria, que diariamente o prescrevem.
c 0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento d'um effeito snave e seguro jvara a
medicacao dos meninos, nSo somente snppre o oleo de figado de bacalho, mas ainda fax
as suas vezes eom vantagem. .
D' A. CAZENAVE, medico em chefe do hospital Satnt-Louu, em Parts.
0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento de primeira ordem para o tratamento das
affecoes lymphalicas e escrofulosas. Muitas vezes, empreguei-o com feliz xito, em certos
caaos de tsica ao sen principio, como succedaneo do oleo de figado de bacalho.
C A. CUARRIER, antigo chefe de clinica da Faculdade de Paris.
0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excellentes resultados como regenerador
a do sangue, e succedaneo do oleo de figad de bacalho.
& A. FAVROT, autor do Traite des maladus des femmes.
0 Xarope de Rbano iodado nm dos mais poderosos modificadores das constiluicoes
lyraphatica. Tenho visto ulceras escrofulosas que nada podia curar, cicalrizarera-se,
a g-acas a sai acco, com promptidao extraordinaria. Tambem, pelo seu uso dcsappsrecem
as affeccdes inberculosas dos ossos, nos meninos.
D' GUESNARD, antigo externo dos hospitaet de Parts.
c 0 Xarope de Rbano iodado possne todas as vautagens do oleo de figado de bacalho,
t tem ter nenhum dos inconveniente qne aprsenla eie ultimo medicamento. *
Dr GU1B0UT, medico dos hospitaet. Presidente da Sociedade de medicina de Paru.
t Xarope Je Rbano iodado de Grimault e C encerra Ii2 por cento de iodo, na sua
composico orgnica anloga que se acha no eleo de figado de bacalho. >
D KLETZINSKI, professor de chymica, lomado dos trilmnaet de Viennu.
Deposito em Pernambuco, em cata de Msmnv e C.

.!.
DE


;?.).
,i\ES
N. 5oRA DO I.MPER.VDOR-N.
Os pianos desla mitiga fabrica sao hoje assz conheeiilos para soja necesario
insistir sobre sua supenoridatle, vantagens e garantas que ofirecem aos compradores,
qualidades estas tuoootestaveis, que elles tem delinitivaint'iilc (nqnislado sobre lodos
os que tem apparerido tiesta praca; yiossuindo um tecladoe maciiinismo que nbfdecern
a todas as vootades e caprieoos das pianistas, sem nunca falhar. por serem faliricados
de proposito e ter-so feito ltimamente niellioramentos mportanssintos para o clima
dcsle paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas e por isso muito agradaveis aos
ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta falui.a como nado Sri Blon-
del, de Paris, socio correspondente de i. Vignes, em cuja capital foram sempiv premia-
dos em todas as exposicoes.
No mesmo esabelecimento se adiar sempre um'explendido c variado Mrtt-
mento de msicas dos melhnres autores da Europa, assitn como harmnicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commodos e razoauis. ^^^
FUNDICAD 1)1) BbWHAN
Ra do Brun n. 52
0 propietario participa aos senhores de engenho, que por falta d"agua ou de
animaes se achem inhabilitados para moer suas cannas, que est prompto a assentar
machinas de vapor, com moendas ou sem (illas, dentro em oilo dias d'-pois de estarem
as pecas no engenhoisto sem precisar de obra alguna ou ilo outra mudanra de moi n-
das existentes senao-a substituico das rodas da almanjarra.
m LARGA DO ROSARIO l V
Este acreditado esabelecimento augmenta
de dia em dia quanto possive para clie-
gar ao cutne do bem vi\cr.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o melhor asseio, tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e hygiene. temo-la sempre em abun-
dancia para facilitar excellentes hanhos.
Ha tambem urna boa bibliotheca e peri-
dicos nacionaes e estrangeiros, piano para
recreio, buhares, etc. etc.
Sendo ociosa qualquer recommendaco
para to acreditado stabeleeimento, omit-
timos mais prembulos, fazendo ver por
fin, que o bom servico, ordem e noralida-
de imperam n'esta casa, como observancia
fiel do regulamenlo que possue.
Comedorias a la carte.
CIIARLTERIA E PETIT RESTVIUWT
Annexos ao Hotel Central, roa i'slnila lo
Rosario n. i A, andar tenvo.
Para dar a conliiver a variedade infinita
de charutos de llavana, Babia, Rio, etc. que
existen! neste novo stabeleeimento pres-
cindimos dos aniiuiicios pomposos que ge-
ralmeule se fazeln. reduzindo-nos aj.i'iias i
tres lelras que sao tres bbb bom, bonito o
barato. A" vista do genero annuiniado po-
Ide-sejutgar de nossa veneMadei. Esta casa
gosa tamben das condires de um elegante
e potit rextaitrant onde se pode ver a es-
pecialidado dos fiambres e salames de Lion
para lanches e at fazer urna boa rolaco,
juntamente com os principaes vinhos do
mercado, sobresabindo entre o bom a pura
e fervenle champagne, o mu saboroso Ihe-
no, a primorosa ceneja, o licor espirituoso,
o quanto pede nina mesa. Faz-se noute
sorvete e variedade de refrescos".
MUDANCA
IX)
IMPERIAL INSTITUTO
DE
nossa senhorado bom conselhi
Da ra da Aurora n. 52
PARA A
RIJA DO HOSPICIO V 30.
O director comnionica aos pais de setts alumnos, tanto internos como externos, quo
transferio o seu collegio para a espacosa easa da ra do Hospicio n. 30, a qual offerece
as melhores propor^oes para commmlidade e recreio dos cojlegiaes.
No dia 7 de Janeiro estarao abertas todas as aulas.
FRANCA-BRASIL
O
MR. MERCIER, alfaiate francez, previne ao respeitavel publico e a srns numerosos frcgM-
zes qne, tendo transferido sua residencia para a ra do Trapiche n. 7, primeiro andar, ahi encontrarlo
sempre todas as qualidades de fazendas para trajos de homem, e prepara costamos para montara de
senhora. Faz tambem obras para militares epara criados, para as quaes tem grande sortimtfct de
botoes simples, com virola e cora de conde, brancos e amarellos. Recebe por todos os vapores os
ltimos figurines para homem, senhoras c menino >.
INJECCAO1 VEGETAL
com M AT ICO
de GRIMAULT e C'^ pharmaceuticos em PARS
0 successf d'esia injecoto, preparada eom lis fblhas do Maco do Per, fti lio rpido, qie
ella se tem tornada popular en todoa es paizes do mundo, para a cura da goMrrha e das pnrja-
ooes de toda a natnrexi. I' o nnico prodocto ueste genero caja tilrada na Rotte tente oteo
anthorizada polo eonteiho sdico de Sio Potar iburgo.
Deposito en Pernamoui, tm casa do>
O".

/'


Diario de Pernambuco Sabbado 9 de Janeiro Je 1869.
O


'

'
Grande quidatfto de mradeaas!
Alonso Morena Temporal, qnerenrio liquidar as miuriezas existentes .Ota sua
loja ra do Queimado n. fio, resolveu annunciar as mesums miudezas |>ara que o pu-
blicose certifique do diminuto preco porque as est vende; ido, a saber:
Massos cora grampos 25 a .
Pecas de tranca lisa e i aracol a
Sabonetes de todos os )>recos a
80 ICO 200 e.....
Abotoaduras para cohetes a .
Botoes de loucapara camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verria-
deira) a.......
Frascos com agua de Colonia a
320 e.,.......
Garrafa de tinta roxa a. .
Caixas com 100 enveloppes a.
Mantas de seda para bomem a
Fita de sarja para enfeite de
vestidos por......
Frascos cora oleo para cabello
a 400 e.......
Laa para bordar, libra. .
Cscovas linas para chapeo a .
Ditas para cabello a 320 e .
Ditas muilo luas para fatos
por preco nunca visto 400
500 e........
Pecas de babadose entre meios
a 600 800e.....
(iravatas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Bico e renda das ilhas a todo
preco. S a vista faz f .
Pecas de fita de coz cora 10 va-
ras a........
20
40
240
320
160
13000
400
800
500
800
600
600
6*800
320
500
600
1/5000
320
500
Latas com graxa.duziaa 480
Coques muito l ons com rede s
a rede val...... i 500
Meias para honens boa fazenda
a 3,5600 e....... 44000
Linlia de marca, caixa com 16
novellos ,...... 240
Latas cora banda (familiia),duzia 24200
Frascos com banda a 320 400 e 500
Botoes para puuho fazenda boa
a 80 e....., 100
Volta de Aljofre cosa boa a 160
Fitas paYa debrum de vestido a 500
Caixa com agulda frauceza a 160
Botoes de acopara coletednziaa 120
Cartau cora alfiletes a 100
Caixa com pe fumarias muito
fina. S a caixa val 104000
124000 ....... 15000
Copo com opiata muito Uno a
400 e....... 500
Meias muito finas para senhora
duzia........ 5*000
Caitas franceza:, a 200 e 240
Ditas portugiuzas a 120 e 200
Caixa de linda dogaz branca 50
Ama
Preeisn-se de nina nina MU n-eivieo do urna I
li' pouca liimllii,|iroiiTiniki-st' eacrwa sais]
me seja de boa comiueta : a tratar na taberna om |
que 8ej;
fente a
ra do Vigario n. i.
Aluga-se urna sala propria para escrutarlo
de advocado por ser na ra das Cruzes n. 37, 1
andar, oalugucle barato: a tratar no 2o andar do
mestno sobrado.
novellos. ...... 600
Frasco com tinta, a 100 e 160
Franja de la para sapato (peca) l->000
500 Papel de peso muito bom.. 4#000
Sapatos de tranca eontros muitos artigos, que enhdonho seria mencionar.
RA DO QUEIMADO N. 55
DOENCAS das CRI ANCAS
XAROPE oe RBANO 10 DADO
de GRIMAULT e C1 pharmaceuticos,em PARS
Este medicamento goza em Paris e no mundo inteiro de nma fuma justamente merecida, por
achar-se intimamente combinado nelle o iodo com o sueco das plas; antiscorbuticas, caja etfieacia
bem contiecida e as quaes j naturalmente existe o iodo. E' con este motivo que elle suppce
eom vantagem o Oleo de ligados de Bacalho, que deve, secundo es homens scienlieos, a sua
efficacia presenca do iodo. E' preciosa no tratamenio das enancas [ ara combater o lymphatismo,
as obstruccoes das glndulas do poscoco, e as diversas erupedes do rosto, lao frequentca as
criancas de pouca idade. Tnico e depurativo ao mesmo lempo, ella excita o appelite, facilita a
dgesiao, < restitue aos ucidos a sua firmeza e vigor naturaes. E' caca dia receitado petos mdicos
especialistas para combater as diversas aiTcccoes da pelle.
Deposito em Ptmambuco, em casa de Manrar O*.
DOENCAS DO PEITO I
XAROPE d'HYPOPHOSPHITCI de CAL
A efficacia d'esta prcparacSo est estabelecida desde 1857, pelos inais celebres mdicos. Desde
enlo muitas imtacScs tem sido feitas, mas nenhumapoude sustentar a compareci com o
producto presentado pela nossa caza. Por isso excitamos o publico para que exiga sempre
este xarope com urna beUa cor de rosa, nunca branca, e com a nossa assignaiura roda do
frasco.
Sob a sua influencia, a losse acalma-se, os suores nocturnos cesio e o doente volve rpida-
mente i sade. 0 seu emprego da tambem os mais brilhanles resultados nos defluxos, catar-
rhos, bronchites, irritacocs do peito, etc.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maurer e o*.
CAPSULAS VEGETAES
COM
DE GRIMAULT C* PHARMGETiGSs M PARS!
Estas capsulas, com capa de gluten, conteem o balsamo de copahiba associado i essencia de
Hatico (arvore do Per), e censtitucm uin remedio infallivel contra a gonorrha. Ellas obro
sem cansar O estomago e nao provocao nunca os enjos e nauseis que orcasionao as capsulas
ordinarias, temi a immensa vautagem de nao commnnicar cheiro il ourinas. E' por estes mo-
tivos que ellas sesuperiores .1s capsulas de copahiba, cubebas, etc.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maurer C\
PHOSPHATOfaFERRO
[DE LERAS DOUTOR EM SCIENCIAS.,
INSPECTOR DA ACADEMIA DE PRIZ Etc.
Debaixo da fo -ma dura liquido sem sabor,
anlogo a urna agua mineral, este medica-
mento rene os elementos que constituem
os ossos c o sangue. E' o mais racional dos
"erruginosos; ]>or esta razao O adoptro
os mais eminentes mdicos do mundo in-
teiro. Conven muito s meninas de temperamento delicado, cujo desenvolvimcnlo 6 tardio,
s senhoras que padecem d'eslas dores d'estomago intoleraveis, causadas pela chlorose,
anemia, menslruacao ou leucorrhea, s criancas u'uma compl :icao paluda e delicada, e a
todas as pessoas que tem o sangue empobrecido pelas doencas. Efficacia, rapidez d'accao,
cura perfeita. sem constipac3o de ventre nem acrao sobre os deites, taes sao as razos que
imperio para que os senhores mdicos o prescrevo aos seus doentes.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maurer e c*.
Sob urna lorma lmpida e agradavcl, este medica-
mento rune a quina, <|nc 6 o tnico por excellcncia.
e o erro, um dos princ.ipacs elementos do sangue. E'
adoptado pelos medico:; mais dislinctos de Pars, para
curar as cores pallidaii, facilitar o desenvolvimento
das meninas e restituir ao corpo os seus principios
alterados ou perdidos. Faz rpidamente desapparecer
as dores d'cstomago intoleraveis suscitadas pela ane-
mia ou pela leucorrhea, s quaes as senhoras esli
e receitado con suceesso s criancas paludas, lym-
pbaiicas ou escrofulosas. Emfm, excita o appetke,
favorece a digeslo,'e onvem a todas as pessoas cujo
sangue est empobrecido pelo trabalho, pelas moles-
tias, as conva!escenca:i longas ou difficeis. Os bons
resultados nunca se fazem esperar.
Deposito em Pernembuce, em casa de Minr O*.
SOFFRIMENTOS D'ESTOMAGO. CONSTIPAS AO.
Cura em poicos dias pelo CARVlO DE SCLLOC em p ou (m pistiltns.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Essatecen ods-
sipadas rpidamente petas PEBOLAS r/ETHCn i I' ttUTil.
ANEMIA, A PALLIDEZ e os soflnmcntoscru necessitunda
niprego dos ferruginosos eSo sempre combatidos com o melhor resultado
pelas pilulU OC vallet. Cada PiluU tem incravida o n jiae UlUT.
PO DE ROG. Basta dissolver um frasco de te p em malo
garrafa d'agua para se abter urna limonada agradavel que purga sem l-
ser clicas. A
VINHO DE QUINIUM U UHrruiue. Beto rinho, um des
poucos cuja composifio 6 garantida constante, i urna das melhorea pre-
parac&es de quinino, sem acelo uotavel sobre os con vales centes, dande-
Ibes torcas e apressanda i taita a saude. Cura as febres intigas que re-
sisti ao sulfato de quinino.
MOLESTIAS DA BEX1GA. A maior parte d'estas moles-
tias, cerno iis sciaticas, lombagos, catarros, e tedas as doni nervosas em
ral BiO curadas pelas KROLM OC ESSENCIA DE THEIlEiEWTINA de
Dr. ClerUn. 0 professor Trousseau em sea Tntadt i thtr.rpeutict scon-
(jelha as para serem temadas na occasiio do jantar, na dota de4 i II.
OLEO OE FIGADO DE BACALHO DE E ERTH.-
Carantido |ro e de primeira qualidada, um des poucos iprovades pela
AtT>mia de medicina.
47IS0. Todoi estet medkatnetjfos feram apronte6$ pela Academia
imperial ie medicina de Paris.

a arla,
DtToacaaxU j
Tantean.
HissietO.
DEPOSITO
rstEKse, 10, *mm Jacta
Isajunt T Penumtnot. lossnatO.
Ccav*.....lints* et O.

O abaixo asignado tendaem seu poder eoino
dopositario, prante o juizo municipal da primeira
vara dstactude, a pnta Maiia, de narao da Cos-
ta, de idade de mais de 50 annns; acontece que no
dia 8 do cmate fupira de sua casa, no lugar da
lloa-Via^' ni. e tem oh signaos seguintes : quasi to-
dos os cabellos da rabera sao brancos, costtima
tnuer a rabeen enrolada rom panno romo fazem
as pretas de sna narao, de aliara e rorpo regu-
lares, nao toin Oestes na fronte, soffre de romero
de escroplmlasao lado do pesror/) etem urna per-
na mais grossa qneotitra jKir rausa de rrysipen'a.
Roga, pois.o abaixo issignado as respectivas auto-
ridades ou rapitaes de ranino que no caso de Ihes
ser apresentaaa ou rs plorada dignem-se manda-la
atatrogar einsua casa onde satisfar todas asdes-
pezas.
Vicente Antonio do Espirito Santo.
l'mapessoa de longa pratira no ronimerrio
offerece-se para pseripturar livros por partidas do-
bladas, podendo sor procurado na ra do Crespo
n. 18, pi'imeiro andar.
1VIS0
Joao Valentim Fcrreira Bastos, professor parti-
cular de instrucr^ao inimaiia, avisa ao respeitavel
publico e rom especiaJaaade aos pas de familia,
que no dia 7 de Janeiro est aborta sua. aula na
ra de Santa Cecilia n. 37, onde recebe petufonia-
tas por proco eommodo : o mesmo professor pro-
mette muito se esmerar no adiantamento de seus
alumnos. No mesmo dia pretende o mesmo pro-
fessor abrir uin curso de prnneiras letras a noite
Sara aquellas pessoas que nao poderraBJrcquentai
urante o dia.
ATTENCAO
A qnem souber rofa-se o especial obsequio de
Informar se existe anda nesta provincia Mara de
leaos, natural do Porto, vluva de Joao Loureiro,
natural de Verrez. Vteram ambos para aqu em
1847 ou 1848, para c;isa de um filfio por nome
Joao Loureiro, que aqui eslava tamben estabele-
rido rom loja de sapateiro ou tamanqueiro : quem
souber e se dignar fazor este favor, pode dirigir-se
ao esrriptorio de David Ferreira Bailar, ra do
Brum n. que muilo o obsequiar.
SEGUROS
MARTIMOS
< ovnt t I M.
A Conipanliia Indemnisadora, e>tabeleci nesta pra?a, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: na
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
LOJA
DE
REL0J0EIE0
DE
VCTOR GRANDIN
40 Ra da Cadeia do Recife N. 40.
O proprietario deste estabeleri-
mento, premiado eom a medallia
daexposiro universal de Paris no
anno de 855, tem exposto ven-
da em sua loja; um grande sorti-
mento de reldgios para algibeira,
'como sejam : de ouro e prata, sen-
do dos nielhores fabricantes, de patentes ingieres,
suissos e horisontaes. Tambem tem una granuV'
quantdade de relogios para parede e que batem ho-
ras, ditos para embarcaroos e para rima do mesa,
todos estos relogios sTio dos mais bonitrn modelos.
O mesmo roneerta relogios de todas as qualidades
existentes, assin romo iaml>em roncera rhron-
metros de algibeira e martimos : recebe sempre
por todos os vapores, um completo sortinionto do
correntes e tranceiins, sendo tudo de ouro de lei
ede modelos os mais modernos, assim como diver-
sos objectos de bijouteria dos mais bonitos e moder-
nos gostos.
Ouro e pro l a
em fooeda o em obras intiisadas, rompra-se pm
boiiiprero : na placa da [WlependeHeia n. 2.
-- -Na iliaca da Independencia n.',i:\, loja deou-
rives. roipra-seonro,prala, e pedras preriosas,i
tambem se faz qualquer obra de etiooiiiitienda, i
t(Mlnei|iialquor concert.
Compram-se moedas d> prata e ouro do bulos
os valores, ouro c prata em doras velhas, e pedras
preoiosas; eompra-se batn na nu da Cadeia n. 2.
jebaixo do arco da Conceiqao, luja de ourves.
Compram-se osciav^ do sfflto inasculino,
rnja idade regule de 20 a 33 anuos: a tratar na
eseriptorio de Jos Victorino de Bezeude & C.
ra da Cadeia, n. .'>2, primeiro andar.
Mirtinas de costuras.
Compra-se urna machina de coatura, que eslea
em bom estado : na ra estreita do Rosario, n. 24
N.
HMcifSii
[PILULAS, VINHO
XAROPEDE.JRBEBA.
PHKPARADOS PF.I.O PHARMACEITICO
loaquim d'Almeida Pinto.
As preparar oes de jurubeba sao
hoje vantajozamentc conbecidas e
proconisadas pelos mais habis m-
dicos, tanto da Europa como rio
paiz, pela sua eUicacia nos casos
de anemia, chlorose, hydropesia,
obstrueco de abdomen, e tanibein
as de menstruaco difiicil, cathar-
ro na bexjtjs, etc.
Vendet-se ciu poi-coc a reta-
lho, na cidade do Recife, pharma-
cia de seu compositor, ra larga
do Rosario n. 10, junto aoquar-
tel de poliei.i.
XAROPE DE EEDEGOSO
E' de urna efficacia UTdadeira-
mente maravilhosa como calmante
do systema nervoso e applicado
contra a paralisia, asllima, tosso
convulsa nu coqueluche, tosse r-
cente mi mili:.';. enQi)Aac&afi o:i-
iniii.- hrcmchicos .'(c. e em genn
contra torios os sqftpimentos das
vas respiratorias, o na phytisica
pnlinonar, sna virtnrie contra o
ttano ou espasmos, e crjovrjtaoes
incoiilestavel. e niiignem ha que
a riesionheca.
XAROPE
os
SALSA lUlinil.u.V no PAR
ou
lUilTIUTIYO DO SANGUE.
Usado as nioleslias de pelle,
iinpifjvns. dores rlienmaticas, e
ulceras venreas.
O bdco deposito (lestes medica-
camentos na botica do Pinto, ra
Slarga do Rosario n. 10 junto ao
Uquaili'l de policia,
fJ*SSfflftfffil{^Sil .
CASA DA F0RTli\A
Aos 4:000|
Bilhotcs i>arantidos.
ra do Crespo n. 23 c casas do costume.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus mui-
to felizes bilhetes garantidos, um quarto n. 3113
com a soitc de 4:000a, dous quartos n. 1631
cen a sor le do 700 5, um meio n. 2160 com a
sorte de 202 e outras muitas sortes de 100,
40A e 204 da lotera que se araboude extrahir a
beneficio do patrimonio dos oiplios (91) convida
aos possuidores a vrem receber seus respectivos
premios sem os descontos das leis na Casa da
Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 3." parle da lotera em
beneficio do rerolhimento de Iguarass (92.')
que se exliafii soxta-feira 15 do corrente mez.
Fieros.
Bilhetc. *. 43000
Meio.....2*000
Quarto.....lOOO
Em poreao de 100.S para cima.
Buhte.....3JS0O
Meio......13750
Quarto..... 875
Manoel Martns Fiuza.
Antonio Faustino de Castro
Constructor de utensilios typo-
graphleos de madeira. ferro e
Mil ros metaes.
LISBOA.
Altn dos utensilios t\'|Kigraphiros en uso, se-
gundo os mais modernos e poretos modelos ap-
provados para o servido da miprensa i acional de
Lisboa e de grande numero das typographias de
Portugal e do Brasil, fabrica pequeos pelos de
ferro, em que se podem todava fazor mpressoes
de formato nao excedente a mea folha de papel
eommum. Estes prelos, que j foram tambem
adoptados em muitos dos prnripaes cstabeleri-
mentos do paiz, servem exrellentemente, nao s
para a tiragem de provas, mas anda para a im-
pressiio de qualquer Irabalho, por mais delirado
que seja, por quanto a esse bm se Ihes podem
adaptar rama, tympano, frasqueta o (unturas,
tendo. para regular a cravarao, o competente re-
gistro.
Inrluindo os acressorios indirados, o prero de
rada prelo de 453000 fortes.
O constructor pode ser procurado m. imprensa
nacional de Lisboa. Estes prelos sao portateis,
podem-sc collorar sobre urna mesa ou barao
Aluga-se
0 terceiro andar do sobrado n. 8, ra da
Imperatriz: a tratar com J. S. de M. Reg,
i ra do Trapiche n. 34.
Joaquim Jos Gon-
calves Beltrao
RA DO TRAPICHE N. 17, Io ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sofcre o Ban-
co do Minho, em Braga, e sobre os seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
"Valenca.
Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
i Jiitdo Conrie. ,.
J-n.. i. r.i j.. \-.,.,
Vianna do Caslello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalico.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Bvja.
Barcellos.
VENDAS.
Vendc-sc una cas* terrea, com basta utos
rommodos, sita na ra da Estarao, na povoaro dos
Montes, em Una, junto a estarlo da estrada de
ferro : a tratar nosia cidade eom Virgilio de Castro
Oliveira, travessa da ra do Vigario.
Claro ou piuiento.
No armazem da ra do Aniorim n. *ii ha para
vender este genero eni'p, dore e picante, excel-
lente parateinperus.e muito adoptado na Europa.
Mara Joaquina da Cruz Celestino professo-
ra particular do primeiras letras participa aos
Sais de suas alumnas que abre sua aula no dia
1 do corrente e coi vida aos pas de familias que
de novo Ihe quizer confiar as suas filhas o dri-
gir-fi a travessa dos E.\|ostos n. 18, primeiro
andar.
Do trem do caminho de ferro, cahio
na estrada, do lado esquerdo, para quem
desee, um chrpo do Chile fino, entre a es-
tai.o da escada e a do Timb-Ass: quem
o achou querendo restituido, mande-o le-
var ou leve-o rua do Queimado n. 8, 4.-
nadar, que se dar ao portador urna grati-
ficaco importante.
Carta.
A Exina. Sra. D. Mara Albertina Guerra de Fa-
ra tem urna carta ni. ra da Cruz n. 23, primeiro
andar.
Prerisa-se alagar um moleque, paga-se 14*
rs., que regule 15 aunos de idade : na ra do Ca
bug, n. 2 B,
Prerisa-se aluitar um eecravo jiara casa d
familia. Paga-se bem agradando o servijo do dito
escravo : na ra lai ga do Rosario n. 38, loja de
miudezas. se dir quem precisa.
Feitor.
Precisa-se de um feilor, que entenda bem de hor-
ti e jardim, preferindo-se solteiro, para um sirio
dentro da cidade : a tratar na ra do Cabug, foja
c. 3.
Frederico Maya
Clrurgto dentista pelsr escola
de medicina
do llio de Janeiro.
r Tenia honra de participar ao respeilavel publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem aherto o
seu gabinete de consultas e operaoes dentarias a
ra Direita n. 12, primeiro andar'ond podo ser
procurado todos os dias das 8 horas da manhaa as
3 da tarde. Elle arha-se rompeteutenii-nte habili-
tado para com perfeirao collorar dentes- artificiaos
por qualquer dos systomas, e bem assim desempe-
nhar qualquer outro Irabalho concern^ntc sua
protissio. O mesmo, reconherendo que nem sem-
pre possvel s senhoras ou cranr.as| sahirem a
proeurar o remedio, olTorece-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cdajle se pres-
tar a qualquer rhamado-Seni que issoinllua cousa
alguma nacommodidade dos preces de seus traba-
lhos, e quando para fra della assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavel, garantindo elle a
seguranca e perfeirao de seus ditos trabalhos. Em
seu gabinete se enrontrar ronstanteniente encl-
lente pos dentifricio. elixir e outros medicamen-
tos odoutalgicos : ra Direita n. 12, primeiro
andar.
Metkodo Castillio.
0 abaixo assignado, professor particular
de instrueco elementar pelo methodo Cas-
tilho, aviza ao respeitavel publico, e prin-
cipalmente aos pais de seus alumnos, que,
mudoua sua aula da ruada Praia, para a
ra de Penha n. llji. andar, cuja aula ter
frtnfipio no dia rro*Ata-f'i'ira, 7 rio corrente.
Em dita aula reeeffe-se meninos' internos
por precio muito eommodo. O abaixo as-
signado bem conhecido do respeitavel pu-
blico, o qual o nico que pode mui bem
ajuizar sua capacidade profesional.
Manoel Jos de Faria Simoes.
(AOS MENINOS)
Encontra-se no armazem do vapor francez, na
ra Nova n. 7, bellos artigos de phantazia ein quin-
quilheria, e finos brinquedos muito iiiteressanles
ehegados de novo, propros de meninas e de meni-
nos, a precos variaveis e conmiodos segundo os ob-
jex'tos.
COMPRAS.
Com muito maior vantagem
Compra o Coracao de Ouro, n. 2 D, ra do Cabu-
g, inoe Compram-sc 30 pipas com mcl (s o caldo| :
a tratar no caes do Ramos n. 24.
OURO E PRATA
Compra-se hoje, moedas de prata, li-
bras esterlioatke juro de todas as qualida-
des por maior pteco do que em outra qual-
quer parte, na na da Cadeia- do Recife n.
58, loja do azulejo.
Conipram-se moedas de ouro n.icionaes ou
estrangeiras4 na ra da Cadeia n. 4, armazem de
Silva Barroca.
Compra-se um preto que saiba ir dar de uio
sitio : na ra daCadetn. 31, armazom.
Vendeni Angosto F. de Oliveira & C ra do
Commercio, n. 42.
Machinas de descarofar algodlo
Domingos Alvos Matheus tem para vender em
seu eseriptorio na ra do Vigario n. 21, superio-
res machinas para desraiooar alaodo, de lodosos
amanhos.
do
Vende-se urna lialama
forca de mil e duzentas BbraS:
Queimado n. 30.
Vende-se um ptimo ravaHo de
gordo, de bonita Bgura e bom para sella
ra da Paz, n. 13, corhera do Refinador.
decimal
na ra
eabriolet,
a ver na
PASTILHAS ASSICARADAS
lua^uexla.
DO
DR. PATERSON
l>e hismuth e
Remedio por excellencia para combatei
a magreza, facilitar a digestao, fortificar o
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Phannacia de Bartbolonieu d C.
3iRa larga do Rosario------34.
Aos Srs. de engenho
Ha para vender una excellenti' machina de dis-
tlacao, a qual so acha em rasa dos Sis. Villara;
ra do BraCD (fuinlioo). Para tratar com o seu
dono na ra do Hospicio u. 23. anofar negocio i
dinlieiro ou a praxo.
Vende-se 4 esrravas, sendo duas de 20, nina
de IS e outra de 30 anuos, una das de 20 tem
tuna cria de 0 mozos, todas com habilidades, inais
001 iiiiilalinho do 14 anuos, robusto proprio para DuOS.
Grande liiniidacao
0 proprietario d antifa < bem
luja ile injudeza! d< iioiniuada -\\ ija PMi
;i ra do (jaeitnadi) n. C.'l. quCi-endo acal i
com o soitime'tihi de iniuriivas que tem deliberado proceder imia completa
qniriacao, para 0 'i......Iiaiiiaa allenr^xti
dos.
Osobji'iins serao vendidos por metaeiie
sen valor, i'(tara que 0 publico, nao yup(-
nba, que o present annundoj una IIk...,
o proprietario da riitaloja, dUfrece tuna )
quena lisia rie albiniasiniuriezes. oom os se *
diminutos precoscorno abaixo se vot;
nao apresrntando una lista eoBsftota deu-
dos os objectos pie cstao expostos a vem! .
pela razo de se tornar un anuuncio mnit)
exlcnso por conse(|(iencia de enfadonlia lf i-
tura.jior isso apias limita< as s-'^uitc :
i Duzia de miadas de linha para
fazer croch. |f,I)
i Caixa de linha com 50 novellos W
1 Dita 50 8{)
1 Dita lo i w.'
i Duzia linha de carriteis de
100 jardas 3(0
I Dita de
00 jardas. Mfaoo
Fita de la para deb um rie lodas
as cores, a peca. ;M
Dita branca 20'i
Dita ISp'J
Peca de lita de linho com 10 varas,
eqeu serve para cs. %
Dita i cs ;,<
Rentes voltiados para menina e le-
nhora. 3(g)
Ditos muitos finos. ;, .
Ditos preto rom chapa. IQO
Ditos brancos 3S
Ditos [irefos. 220
Ditos brancos finos. 4C.
Kscovas para dentes a 100, 240 e 3f->
Ditas para cabellos. l~' I
Ditas muilo finas.
Ditas para roana.
Ditas dita de dita. W0
l'enles rio coque COflO lila :: 1(500,
-MHH) e 2;.(
Pentespan coques I >."io. 2^SdO
3>lKX)e I !#U .
Peca rie franja paialoalha a peca
com [i \aias. 2,>C.<.)
Kntremeios borriados a peca 1500 7 "
Tinteiros de poiveiana 1500 2-5 i >' I
Halaios para meninas rie escolla
bonito desenlio 800, M, IviOO 24000
Peca rie lile rie seria para enfei-
tes de vestidos. I )(.r I
Fita de sarja de lorias as cores. 1^100
Grvalas pretas a 320 e SC i
Ditas de cores. .',. i
Sapatos rie li;,ncae lapele. 1 S."* !
Garrafa de auna Florida verria-
riiira 1
Frasco com extracto em pati-
pagem : na ra do Fugo n. 9.
Vende-se urna|niicao decaixoes \asios, pro-
pros para bahuloiios: a ra da [mperatrii n. 9,
loja.
Vende-so mu sitio na |Mivoacodo Peres, com
rasa do taipa o aiguns arvoredos, cojos j dan l'ruc-
to, e eom tima planta de caphn, que ge sustenta todo
atino: quem pretender pode entender-se com Joa-
quim de Almeida Queiroznomesnu logar. .
Vende-so una o>crava crioulaj moca, boaen-
gonunadeira, lavadeira, o rozmna o diario de una
casa : a tratar na praca da Boa-vista, -ubrado nu-
mero ii.
Vende-se a podara da roa do Sebo com iodos
os seus pertences, cuja esta bem toealisada, tanto
para a naca como para ornato : a tratar na mi
- Vende-se una mulata de idade de IH a SO
k
qnem iraizer pode dirigirle a ra do Uivramenton.
f). que achara eom qnem tratar.
Ditos com (leos.
Dito agua de Colonia, piquenos.
Dito, dito rie dito de tiever.
Ditos com banha.
Ditos com fnico.
Ditos com oleo iilocome.
Ditos coa extracto e banha.
Ditos eom extractos diversos
Pande pomada.
Ditos pequeos de pomada.
Capeiia- paranoivas muito flnas.
Sabonetes, 190, 320 e
Ditos transparentes de bolla 500,
Herios para caln
Bandeja 900.a
.iu,a; ds boSfiS-de \eriapara en-
( tes de vest
Porceia de muas.
t I
wo
50)
!...,!,,
IdOOt
looo
'IJ000'
;:c i
!
8
34 .
soo
.'!. I
I
800
Para fimiilias
4-t :>m< SSuzar. reta \ov a u*. 80 e
'i'i. dcCarueiro % lamia A V.
III
A N1
21== Ra to Queimado =^ 2 i
para preseates
A No\a Esperanza, roa do Queimail >
ii. -21 (em um variado sorUmento de objec-
tos rie gostoe pbantasia proprios para prt-
Acalia rie chegar a este eslalielecinienlo scnles. sobresahindo enlre elles ricas caixi-
gi'anrie|ioivo(le machinas para costuras rio nhas de bano conwfinas perfumaras, coa-
autor Wneeier Wilson. approvadas na ulti- lureiios rie chagrn, agumeiros de udre
ma exposicao rie Paris, as tpiaes co/em com pecla : assim, pois, quemquizer lazerunn
dous pospontos toda a costura, e tem a linda ollera, dirigir-se Nova Esperanca,
vantagem de ser to suave o moviniento, ma do Queimado n. 21.
Tara baptizados
A Nova esperanca a ra do Queimado n
bap-
io <:.i
.simaras. A comprehensio J1 teamosi vestuarios proprios para
s em um (piarlo de hora se fi- toados, sapalmhos, meias rie soda e li
. ...oumenlo ri.i machina, ten- EsCOSSia para 0 mesmo fon.
|ue qualquer. enanca de oito anuos fcil-
mente trabalha, e pode, com este nlrete-
nimenlo, levar vantagem ao servco diario
de trinta ci
simples, pois
ca senhor do movimento da machina, ten
do a mesma a propriedade de fazer as se-
guintes costuras: pospontar, abombar,
franzir, marcar e bordar, como apresentam
os desenhos que aconipanhani-nas. Os pro-
prielarios do estabeleciniento se encarre-
gam rie mandar ensinar nesta cidade, e
garantem entregar o importe dispendido ao
comprador, no caso de nao trabalhar com
perfei(;ao a machina vendida, nao tendo,
Collares amamos ellcctru-magnct-
cos contra as conntlccs das
creangas.
Nao resta a menor dirvida, de que muki -
collares se'\enriem por ahi intitulados os
verdadeiros de Royer, e eis porqae muit<;
pais rie familias nao creein icomprando-osj
no effeito promettido, o que s priem dar,
porni, soffridoella algumaavaria. Hatam- us verdadeiros; a Nova Esperanca, porn
bem no mesmo estabelecimento machinas
do autor Grower Baker, de trabalho sim-
ple stnente mo, e outras com movimento
dos ps; e mxime todos os pertences das
mesmas machinas, para vender avulso.
Cemento de Portlaoid.
Vende-se no armazem de Vicente Ferreira da
Costa Filho, na ra da Madre de Dos n. 2S, em
barrs grandes. '_____________
Em casa de Tlieod. Cliristiansen, ra do Com-
nonio n. 16, cneontram-se efTeetivamente toda
as qualidades de vinho Bordeaux, Bourgogue e c
Rheno.
Manoel Alves Ferreira i C, na ruadi
Moeda n. o, segundo andar tem para vender
superior potassa da Russia em barris e meiot
liareis e col de Lisboa da mais nova que ha
no mercado.
Escrava.
Vende-se una preta moca recomida e sabendo
r, engomuiar, cozinhar e lavar: a tratar na ra
do Arago n. .1?.
a offleina de marcineiro da ra da Praia n
46, vende-se una poreao de taboado por preco
eommodo, tiimbem se to-aspasa a chavo com a fe:..
ramenta.
Pecliincha.
Paraumprinripiante,na ra de Joao Fernando;
Vieira, vndese a taberna n. 86, eom poneos tnn-
B de mu lo negocio, por seu dono achar-so
doente : tratase na mesma tabrna.
Ycademi-se
duas parelhas de embonos de cedro : a tratar
ra da Alegra, casa n. 9, na Boa
na
AO PUBLICO
Para liquidadlo
O deposito de carvao do Porto ds Canoas ds
ra Nova junto a rampa que vai [.ara a eaw
detencao, vendo caivao a relalliu em batric
,560 rs. levando o comprador cobre ou troco fejto.
que detesta a lalsilicacao principalmente no
que respeita ao bem estar ria hnmanidade,
fez nma encommenda dirocta destes collares
e garante aos pais de fanulias, que sao
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
cas tem salvado do terrivel mcommodo i
convulyes, assim pois preciso, que ve-
nham a Nova Esperaina a na do Queimado
n. ii coniprarem o salva vida, para si
filbinhos, antes que estes sejam aconuuettr-
dos do terrivel mal, quando ento ser fficilalcaiifar-seo effeito desejado, embota
sejam empregados os veidadeiros collares
de Royer.
Aos amantes das canudas
Commodas boleasproprias para os cao-
dores, vende-se ra do Queimado n. 2t,
loja da Nova Esperanca.
Preparo para flores
A Nova Estanca, A ra rie Queimacio
n. 21, tem um completo sortimentode prt-
paros para flores, como seja papel parafollias,
dito para petulas, clice, botoes, folbas de
panno e todos os mais prepares para for-
mar-se um ramo ou grinalda, com gusto e
perfeiejo.
Agua divina
A Nova Esperanca a ra do Queimad
l recebeu nova remessa de verdad*
ajma divina.
rara extinguir as sardas o
panno
Recelieu a Nova E
Queimado n. 21, leite
para'extinguir sardas e pann
Para alvejar e conservar >
beua Nova Esperanca, n
n. 21. o venladeiro j"
dentifrico e o dentalgico.
HEfil.fl
X


i


aVaVJaTaaaf
i;
Diario t!r i)i'i-|\aml)U<<> Sabkuio U (Ir .Jciifriro de 1009.
TRIMPHO!!

A ra do Quemado n. 7
DE ^
A D\ S1LTA a-C.
i. ,; i'\'.> [> de respeitovel publico ueste importante estabelecimento urn lindo
uto de tazrudas r!h-/.i.las \\ ilo ultimo vapor da Europa* o que temos a
. tl^|i|l'l*)l-illU'l
(i,i,r.i ii'MC.iiuiiciai' aos pas de familia, assim como ao bello sexo, a quena o Triumi>li"
.{nhI.; su i alii'iu Mu : uarautiiido aampM aja sua aova loja o (oslo de fazertdas e aovas mo-
daS'': modika';;io dos pivros. para, assim adquirir a swnpatiiia de quem de" i honra P
pe curar o irimupho.
Lindas sedas (!. cores novo rosto para A608 o 2.-W0 o covado.
Clares (le seda 8 Lia. apurado #osto para 13300 o ce vado.
La/.i^ltas nimlislia di MriaTpara 15300o covado
Ditas de lindos padrors para .ri(M) e 800 rs. o rotar1 o.
Cambraia^ bramis para , $o00. :>'. c ."iS.'iOO at 8.
Dtae de coi, tintos geste, para 640 e 700 rs. a vara.
Saiaa de lila bonitas com boiras de 64 a t0#.
Batbes de laa de iaraselinae arcos por presos reducidos.
Basquinas de f-rosdenaples de 22:> a ;io->.
Grosdenaples [>retos e ile coros.
\iusscliiias brancas e de cores.
K oulras militas lazendas de apUMio gosto, que seria enfadonho mencionar, as-
s ib cuinu taraban urna
p.ECimrciLi.
(u. appareceu toja do Triuinpho; alpacas de furia-cores e padroesuu -darnos pebj pai -
I- proco de (N rs. o covado s no'Triuniphu !
Alm destaa Raneadas fera um completo sorUmento de maapoloe o chitas claras
escuras, que se vendem por muflo barata preco esc dar amostras a quem pedir, as-
sim rom; qualquer fazenda se manda aonde for chamado; estar abeito o estabete-1
. imento das li da nauha as!) da uoite.
Roupa foita
Grande soimeate de pannos, dasenras ebrios paa mandar fazer qualquer obra
a gosto di pretendere, e lia tambero sempre prompto bonito sortinii'iito de roupa feita
qge se vende com grande dilTcienca nos precos do que eni outra qualquer parte.
~0 BAZAR DAMODA
DE
JOS [JE SOZl SOARES ft C.
Sua Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
PAltA O AOAO AJOTO DE 1869.
r\o AJffffWPfliL e,n lda* as partes do mundo, empregam, com o maior xito, ^j
\J?) .tIL.I/11^"' o !>hosfaM>dc ferro solnvel de Lbra3, para corar a clilorosis Jl
(odres paludas ti doras do PstonrtJ-fc exbausiacSo do sangue; com esla preparacito, dio
ao eoTpo otlcpr, e s carnes, s saaTIrmea natural; facilitam o desenvolvimente lo labo-
rioso da pu&^rdadc. Coih'effeito, tudo, n'cstc medicamento, se acha reunido para Ihe
assegara O iiior oretrke^ toois qne cntram, na sua composiefio, os elementos dos ossos e
do sangue. 0 sen autor, M. Leras, doutor e*m sciencias, pharmaceutico, prfessor de
cijinjc, iospeclor da Acdmia, foi, recentemente, condecorado da ordem da LejjiSo de
Honra, digna recompensa Jos seusimporlanlcs trabalhos.
As seguintes aprcciacOes dos mais celebre mdicos ainda vem corroborar e justificar
todos estes titulo conlianca publica : i
Precisa ciassiGcar o phospliato de ferro soluvcl entre os ferruginosos que melbor
conveni aos doenles cojos orgoa digestivo supportam mal as preparacocs de ferro.
SOUBEirtAN, professor n Escola de medicina e de pharmacia.
0 phosplmto de ferro soluvel em quanto a mim, a mdrlor das preparar-oes ferrugi-
nosas, e 0Ku*ripfefD d os mais prompios ir seguros resultados.
ARAN, medico do hospital Saintc Eugnie.
A forma liquida do pliosphato de ferro sokivcl d-lhe urna immensa vautagem sobre
as pitillas; considero eslemedicamento como mu superior ;s preparacocs iodadas.
ARNAL, medico de S. U..o Imperador.
Eulre lod'JS os ferruginosos, nflo conhecemos um s que obre lo prompia c efficazmente
aomoo phasnhato de ferro solnfel, e isso, sem cansar o estomago.
BELLOC, BAIME, lilGOT, FftLLET e PRVOST, mdicos dos honpitaes.
> Os ffeilos da prcparai.ao de njiosphato ferro soluvel rae pareccm ser mui seguros
i spromptos. KEliuTT, redactor cm chefe do Bullelin thrapeutique.
t Entre todas as preparscScs ferru|faiosas, o pliosphato de ferro soluvel fot a quesempre
t me dco os melhores c mais salislaetorios esultados. GL'IBOl'T, medico dos hspitacs.
0 phosphato de ferro soluvel tcm, sobreludo, a vautagem do evitar a constipVao e
couvir aos liimperarneutos delicados. Dr FAVROT.
Deposito em Pemambuco', em casa de ttaurer eO".
TASS1RMS
Pharmaceutico
laureado
pela Academia
d
medicina de Paris
PASTILHAS
[b doses DIGESTIVAS]
DEBURINauBUISSON

Medalhadj
f* pela.'*';'.?.
Scciedade i
lf.de M'
M _-."-
I. fomento.
CON LACTATO DE SODA E MAGNESA%?fg||f
Est* Pastilh.it constituem o medicamento o mais novo e o mais racional para combater
todas as affecedes das yias digestivas. Ellas contem, cora effeito, o acido lctico, nm dos
elementos nornaes da digestao, :omblnado com a magnesia calcinada, cojo* bons ilcitos
tem sido appreciados por todos os medios, e o bi-carbontto de soda, sal que faz a base das
aguas de Vichy e da maior parte das gos mineraes alcsnas. Este trplice conjuncto de tres
productos cuja efficacla popular, explica o bom xito que se btem as gastritet, gastralgias,
sahidat de gtast, inchacio do estomago, vmitos depois das comidas, indigestes, dores
estomago, etc. Deposito em Pemambuco, em casa de ataarer e O*.
Approvii(ao
da academia
de merfreino
de Pars.
Vivo siiilinii'iiioileailiiiiisilc moda eluxo,iveebidos pelo .ltimovapor vimlu d> Finima
Iv-pci-i^l s.,iIioii-.lu de ubjeclos para mimos.
Perfumaras linas dos prlncipaes autores.
Luvas de pellica ffeaeas, brancas e de cores para homens c enhoras.
ChapeQsmhoB de palha de Italia enfeitadoa, para senhoras.
Rica> chaiwliiias para si'iilinras, gorros de pallia de Italia p;ra sAoradeineaiffss.
Especial sortiine ifode siotos para senhoras.
Kfrrs de gosto para sennoras.
de Rroedemle superior de (odas as cores e larguras.
Franjas com vidrillins. tu tacas, de cores e prptas.
Guarnieses de todas asqualidades para vestidos.
\. tuarios completos para baptsados.
Golinhas e puntaos cnfeitadus para senhoras.
Coques mi aeraos, lisos e enlutados.
Bornous do laa e si-da. cotes claras, anda elegante para senboras de Loto gosto.
Corpinhas de cambraia enfeitadospua senhoras..
CarWnei de la.
Chapeos de sol para borneas e senboras.
Flores linas, sortiineato especial.
Plumas elegantes deimalidade superior.
Cintos ricos de pallia, alia novidade.
Gri laidas de flores linas. !
Camisas guperores para homens.
Colarinhos e pannos.
Grvalas c inanias modernas.
Bengalas de diversas qualMades.
Ca cas grandes com quatro pecas de msica.
es de palha para guarnieses de vestidos, botoes, Ovelas, lacas para enfeitcs.
Chapeos depehodeseaaproto8,formaaRotschild, fazenda superior para homens
Correles de pa pi Bao, gostoe bonitos para relogios.
Caeol tas de \> C rrentes pretas de borracha diversos modelos para voltas.
Objectos para loto.
inkosoatros artigas de noridade queso vista poden ser apreciados.
eontinuamonte um completo soriinienio de miudezas, 'ende-sepor grosso e a reflBhS
Deposito em Pemambuco, em casa de Manre* e c".
F
A C'OWWMMPWs*
BAZAR DA MODA.
W lula
D
;0 CBRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
Ra Nova n. 23,Ba. do Cabug n. 8
Pemambuco
chapeos de se Ja trancada, Patagn, do 10 hastes, 28 poeMdas a IAI 26
[llegadas a f5/>, e 24 pollegadas a li.-iOO.
Ditos de se.la G. de N. Bara, de aro. de 16 hastes, 28 i)ole?adas a IU
las a 194 ; e 2V pollegadas a 12^iKK).
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 hastes, 28 Megadas a I2>: le
26 pofiegadaa a M ; e 24 pollegadas a I0>i)00.
Ditos de alpaca, de ac, de 12 hastes, 28 pollegadas.a 6,?: e 20 pollegadas
Por duzia fiiz-se descont de 15 0i;0
Chapda de sol de panno, de baleia, de 8 hastes, 24 e 20 pollegadas a 3U
(Deseooto de 10 0|0).
Ditos de panno, de junco, 8 hastes, a 18-5000 a duzia, Ikpiido. *
KdSOO.
duzia.
Ls3JllllllLlJllllllll
Para descarocar algo'dao
ExH)si?o Universal de 1867. Premio nico.
i! iv.i.s inaeliinas obrara sem machucar a sement, sem deixar Qcr a raeiier
i-ella I' i.'.-kJii, e conservara s libras todo o seu comprimenloe toda a sua eJas-
iiodade. lim ipie tanto d .-sejavam os fabricantes. '
Conservadora de sna indivi-
dualidade, amiga do
progresso.
Os lobyrinllios da Espcranca
A loja de miudezas da ra do Qpimadq
n. 35 A, vem apresentaT sua escolhida
fregaezia um artigo que at boje cristava
muito caro, e por isso s chema pata a
classe mais abastada da sociedade.
Toalhas ele labyrinthos
Perfeilamente iguaes s que se fabricara
no paiz por urna decima parte do valor d'el-
las yindo a esta toja, apreciar a perfeicio
reunida economa, fuem sempre possiwl
isso).
As toalhas teem um circulo de lindo de-
senlio e.no centro se le em caracteres niaius-
culos a allegorica inscripgao.A' baptisar.
A' passeio.Meus cuidados.Lembran-
ca.Visita.
Ninguem pqrcertp deixar de ir completar
o .-nxoval do lindo filho para fazer economa
de 15 ou 20->,esses nadas de que se rompo?
o guarda roupa dos recem-nascidos qua-
si sempie icam aos extremosos cuidados
das mais, a essas a quem e EJspwanca se
dirige, pira tpjem desdej dispe-se, a" dar
amastras e certa est que pelo jireco nenhu-
ma deixar de compraT.
Fronhas
A Esperanca, tambera receben fronhas no
niesrao gosto das toalhas que vende pelo ba-
rato preco do 3-60O, o que costara 105! I
apreciai e se ligardes importancia ao con-
Tcm para vender em si us armazenf Jajbinp''
| tros, os seguintes artigos :
Papel para imprinlir.
Perlina azul.
Greve paulado e liso.
Yfflhos (mii caivas de doze aiTaa;;
Bourgogne.
ll.iy. '
Madeira.
Hernlftaga
Chamlilis.
Licor de ehraco de Hullanda cmcaixas de \ in-
te e quatro botijraftts.
GSSSO
Nos armazens de Tasso Inuaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos armazens de Tasso Jrinos
C AIIKIMIOH !: I I I'.ISO
Para servaos de grama araaaaens, para renuv
ver barricas oa caixoes de um para outro, laclo pelo
mdico [il-eeo de 12(KH) ca.l.'l un.
jEarinlia de trigo de Trieste
Das melhoras mareas Panonia verdadeira) Fwi-
: tanae grande sortimento das melnores marcas Be
Itarinhas .un Tiranas.
Saceos defarinha de trigo do
Chile
Todas novas, ahogadas ltimamente nos arma-
zens de T.isHi frotaos.
Cemento romano
NosarnauAn de tasso roslos.
Cemento hydraulico 12 S
O melhor para tudo que sao obras .ara agua, co-
mo asseniainenio de caaos d esgoto, algerozes, de
pasito, fanones oTagaa, ese etc.: em porcoes d<
eavofinto barricas se lar redae^ao fio picoa: nos-
arata'.ensde Tasso Inaios.
Cemento Poiiland
0 venladfirn cemento Purtland em casa de Tasso
taaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De diferentes qHsfMadcs para cercados de :mi-
: maes, cliiquelnisfira palinliason jardins : no- n -
Bazens de Tasso lrniTios.
Earris com breu .
N'd' armazens de Tasso [roaos.
CANOS DE BARRO
Xa ra Nova de Santa Hita, na antiga fabrica de
sabao.. hapnra vender por preco o mais mdico
pissivrl. canos franeezes para edificacoes e esgo-
. to> deluda a qualidade. sii|H'iinres a ludes os que
i aqui tem apparecido pela sua solidez.
PREQOS.
I.SiOO por cano grande"de 3 u meia poUafadas,
l20 pur dito de 2 e tres quartos de dita.
1 ^000 por dito do 2 e um qunrto de dita.
iO reis por pistoleta de i pollegadas.
Cotovellos, curvas e caaos de maior grossura. a
rate se farao preco. Compras uiaiores de 200
! tem i por cento de descont por prompto paga-
: ment. Pde-se vtt as amostras nos arlnseas
de Ta>-o Irmis.
lijlos franeezes
Para ladrilhar casas terreas comasseioo precos
mdicos, nmitn convenientes e proprios para ladVi-
' Ihos de cosintias em sobrados, pelo sao asseio e
evitar apassagem de aguas para o andar inferior
e mcsinu o perigo de fogo, aos precos de .tOoOO a
l.'iootl o milheiro : na ra Nova de Santa Hita na
tatiga fabrica de sabio, e compras maiores de 2U0
se far i par cento de descont por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras nos armazens
de Tasso [roaos.
Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
ternas de carros: noarniazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto lino superior: no armazem
de Tasso Irmaos.
O melhor cognac Gauthier Freres: no arma-
zem de Tasso Irmaos.
Esteiras da India
Km casa do Tasso Irmaos vende-se esteiras da
Tndii de itiNn-ius padroes e larguras, por preco
eommodo. *
Tal)eflas vermicidas
DK
Antonio IVunes de Castro.
Vermirago elicaz e prcferivel todos os
conltecdos j pela certeza de sen resultado.
a vender por precos jii pela faeil BWr*f f criancas. .p,asi
sempre mais atacadas de tao terrivel e
tnuitas vezes fatal solTriraento.
l'kamaceut^Q
laureado I
da academii
de nedecina.
i
As preparacocs ferruginosas liquidas tem desde msitos annos merecido a approvacao
especial dos mdicos, porque ellas obrJo mais rpido e seguramente do que as plalas, e
sao mais fcilmente toleradas pelos doontr-s. Os lMs ferro-rrranganieos possnem a inappre-
ciavel vantagem de poder offerecer n'um instante urna agua ferruginosa gazcosa, da gosto
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, c contendo de mate um elemento precioso,
o Manganese, que sempre su acha no sangoe, junctamente com o ferro Empregaofse em
todas as molestias que tem por causa o empobreeimento do sangue, assim como para vigorar
os temperamentos debis e lymphaticos. A chlorose, as Peritas branca* dores a"estomago,
a irregularidade da menstruacao e amenorriia ou suppresao do menstruo, cedem rpida-
mente a seu emprego. Devemos mencionar aqu um facto nolavcl, isto 6 que os doentcs cura-
dos pela agua preparada com estes pds eslao muilo menos expostos a recadas do que
aquellesque forao tratados pelas preparacoes ferruginosas ordinarias.
-
%%lg%&fi?Zr$m
VERDADEIRAS
r^
PILUUSdeBUNCARD
COH IODURETO DO FERRO INALTERAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Possuindo as propiedades do iodo et do farro, convem especialmente as Affkcco.s
escrofulosas, a TrsicA no principio,a fraquea de temperamento e tambemnos casos de
Falta pe cor, AMENnnnHF.A,em que precisareaoir sobre o sangue seja para restituir
llio a sua riqueza e ahundeocia aormaes. ou para provocar e regular o seu curso peridico.
y. B. O iodnrelo le ferro impuro ou alterado nm medicamento infiel, s?/
irritante. Como rrova de pureza de aulhenciiade das Trdadeira W- jfJfa/y,
laa i>nrurd, deve-se eiL'ir no>so acR de prata rraetira %y^Cl77.
noso firma, a-^ui reprodnzida, que ss aeha na parte inferior de um
rotura Tente. Deve-se desconfiar das fals-ficacos.
innrniiTaiii loja do callo
Ra do Crespo n. 7
Mandn vir de sua corita c acaba de re-
cefter pelo ultimo vapor, completo sorlimen-
ot de objectos de novidade e phaqttasia, os
PARA A FESTA.
e gari de I boto a
llfWo^t duzia, idfm itietti ae 2 Imloes a 8(5.
idrtn i'li'in [ de I botSo a
W5TO, iffeni H, todas
(.ni pertuito i ,iiu bandeijas
linas e de di vs da
ateta! pi inba, ferro
para frisar vi ile metal de 10
a 36 pofegadafc, proprWs para lianho, s-
pingardaS de canos linas, assim romo pe-
zos pelo syfctrtna aietrico adoptado trHtma-
raente pela cmara municipal, aWW de ou-
tros rniiilos objeftftfl tendettlrs a ferrageps
e miudezas, <\\v Se vendetn pnr haratopre-
ct), na ra Dirrifa n. .':. loja ilo litiga.
loja d'agnia \n\\n
o receptculo da modas' e uo-
rldadcM.
A aguia branca Wn-se fcilo lao conBeifida
acreditada, nao s pelas iiovid;:dos. varfedade", bu-
periordadeo aluindancia desea torHucate, (
paja constante commodidade de seus procos, e mes
nm pelo seu assaf e tuna olvidado agrado c since-
ridade.
Essas verdades btcoateslaveis o seM diivid.'
apreciadas pelo bello sexo era particular, c pd
respeitav I publico em ceral, e a tanto lem cliegad
nne cstao ipiasi passanflo cenjo aonesim ou pro-
verbio, ipiando -c \<- nm enjerto c lfRrtlHa
gosto, novidade, etc., etc., diz-se logoaquelle ol
jrcin mu divida foi comprado na laja (fagofa
branca.
Quando nii club, n< s bailes, bu no saln 'I"
Sania Isabelj una excellefitBsfnia se irpreseWa
garbosa ment; Irajando, IraaendB o moderno riaU<
de mui larga fila. lisa, chamajotada, ou eseosseJB
as snas adntiradi ras di ni o re igo aquella fila
Ibi comprada na lojad'agufa branca.
Quando outra cxcdli'iiii--na. nao rtieaos gav-
bosa; moetra o rigof de lea bon ai sto na aaaatada
escolha dos uafoiles de alia novidade sjoe bella
mente ornam Ben vestido, ainda mesmo as rivaes
de sua sympalbia eontessanfqoaaoeA efil i'* -
foraui da loja d'aguia branca.
Qdndon'ontra cxcelh misslma, apezar da sin-
gefteaa de se porte agradavel, se vem as bonita*
luvas de pellica duqueza r as suas bullas auii
gas loavam-Uie o gosto e ci ntessam queaqucHa-
nrvas toraw da loja d'aguia brama
(nando memo dues exeeSeiitl sima?, antigs
amigfwde ceMegio, sr (mconfraw naqucll^ lega
res. depoii*dos citnq'rimeii|o< de recprocos beija?.
ambas por luir de sua elevada delicadeza, garatn
nina a onlra s agradavois caelros da que usain
em seos Unos lene..*, e c.i.la nina das quaes orgtl-
mosaspeJo elogio do aceito de sua ecelba. e cuBi"
que rpierendo por m mcroa justificar dizum simljl-
laneaiiieiiie(' verdade que estecbeiro foicenjpT
do na loja d'aguia branca.
lida mais. *
Quando aentem os pais aillicios sentiam o riavr
de dontioie de seu charo lbinbo, > boje alegroa*>
-ali.-feitos pelo feliz rcstabelccimciilo reeebem a-
\sitas-dos sciis mclboiiamigos, dizcm aqueHcs a
i -i -. foi Beus que me inspironpan que compra-
se, como comprei, nm des-es virtuosos collart1-
Hnyer, qup se vendem na loja d'i!nrin-tranca.
alcm do ibiiio mais que ainda
falta dizer.
Quando em um rimiln de en-u'n-|'ecio< carac-
teres se disentir veractdado de taesdizeies. appa
recer um outro que uncir ainda loveiiienie nter-
romper a/soussao. os primerros pw monieirto es
ijueceao a cirennisperco e lncs'darlo nm gfa-
cioso debiir.e djfendo-lhesji sabemos iiue \'.
um daquellcs 006 inclina o chapeo de BOJ O me
nierecia si r designado pela aguia branca da gua
do Qurimadn n. 8.
Ko taatas as eousas que por
una eseapam as outras.
J ia psquecendo a aguia branca, mas em tttDp
leiiibiim-i' para nociar, que mceben urna pe-
quena qnantidade de enhiles jiara coques e gratn
pos pata ditos, ludo feito de metal com lindos.
agradaveis coloridos, obras estas aria prhneira vez
apparecidas, e portento nteira novidade.
Tambera ebegarira novamente deMeadoa enfciti -
flores ornadas do aljofares c vidrunos, tanto de
palha para crupis como para vestidos, a luda
contina a mereoar a apreciaeio das excefleutissi-
mas conbecedora8 do bom.
------- -
Yende-se.
na ra da Cadete
UBI
l'm baleao em bom estado
do ltecifc n. 2.
niniiaini'iite haratif?. para assim animar aos
ronairrc'iii's e ao mesmo lempo dar saluda
ao grande deposito que tem: isto ra do
Crespo n. 7, loja do Gallo Vigilante.
Golliuhas, puniros e caiuisinlias para se-
nhora, fazendas i\r o i isto e novida e.
Finos vestuarios para baptisadod, assim
como tuuquinli.is, sapanhos e m'iasinhas
para o mesmo fim.
Grande sorlimenlo de bicos e rendas de
crocit e de ontras umitas qnaMades.
Superiores caixas com msicos e sem el-
las, tendo o necessario para costuras, pro-
prias para inri doHead mimo. I
Finas caixas com lentos e sem e^les para
voltarete.-
Agullias para machinas" de costun.
Ditas para croch, sendo de ac, marfra
e outras muitas quaUdades, assim como li-
nlias tara o inosmo mister.
Finas grinaldas para.noivas.
Meias de borracha pata quem s^ffre de
er}'si[)elia, assitu eomo meias d
os que solfrem de rheiimatismo.
Suspensorios para hornera e merj
nico deposito,
Pharmacia de BartholomeoA-C.
34roa larga do Rosario3i
FUNDICAO DOBOWMAN
Kua do KSrum n. .19.
Machinas i!c vapor.
Rodas (fagot.
Moendas de canna.
Taixos de fero. batidofe fundido.
Rodas dentadas, para moer com agoa,
vapor e aniaes.
E outros Santos objtetOB, etc. etc.. pro-
prios para agricultura.
tmetite rio algodSo -lesimulo por urna correnteza de ar fri, produeida fortavcl da vida.' sera dovida' comprareis
apresentam a vantagem de poderem se- regulada* pelos traba-
<><{ res ijs mais mexperieot. O seu pequeo volunte e o seu pouco peso permiitern
- cun cavados, pelos mais pessimos caniiiihos, e o sen manejo tio la-
cd que uro hini-ms pod?, sen se cancar, descarocar de 18 a Warrobas.e um meni-
io de 8 a 10 arrobas pordia-.
i es e negociantes virara funecionar estas machinas ent casa do Sr.
. rraano relojoeiro, seu expositor, e apreciaran! omito o systema pela tecilidade e ap'er-
iado do trablh i, p irque os fios nao sao cortados, e deixamos carocos limpos sem ne-
ihiiiua felpa, .deixando porttnto um beneficio de 20 a 25 por wnto sobre as outras m,i-
i Junas. A vista destas vantage;is,j se v que estn machinas san preeViveis aquellas
rrar, tanto mais que as qneixai dos fahricanles e dos negociantes de Live
Havre, Hamburgo etc., lizeram com que o ministro da agricullura do Brasil prohibisse
o uso das machinas de serrar, que muito d.'precia o algodao brasilaro nos mercados
t i Europa.
Completo sorraent de linas perfumaras
dos melhores fabricantes, assim como mui-
neste lwllo paiz langiiem se far pobre riis-' tos outos objocl ; qno impossivel des-
oos.
Finos j>entes de tartaruga para erques ]
de oulras muitas qtialidadcs e para outros
misteres.
IK'daes de madreperola, marfim,
a?o, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome para Ungir
cabellos, dando aos mesmos asna cor pri-
mitivo.
aa para
GAZ 6AZ GiZ
Chegou ao aatigodepeeito de Henw) Forstar &
C, na do Imperador, um carregamento de bb
de prmeiia(|uabdadi'; o (pial se veiiili-em partidas
e a retalho por menos preco do iue en aalraqaal*
quer parte.
Tintura japoneza
e a
Instantnea para ungir os cabello:
barita, a 10800 o frasco.
E' a nica approvada e recommemlada
por tur sido reconhecida superior a todas
as tinturas d'estc genero.
A venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. ra da Cadeian. 51.
penando i-' ou o-mkm, com o
belleza de que se decora a habitaiao, s
Wezes no que menos jrnlUtlrm. entretanto,
c/nno diziam nossos maiores, a sepultura da
vida.: ainda s senhoras a quem a Esp,'-
i-anca se dirige, ma senhora cuidadosa
do nada faz a t
Ra do Qnenado n. 35 A,
si ha ra do Crespo n. 7, loja
do Gallo Vigilante.
Collares Royer elctricos magnetices con-
tra as convulsoes das crianzas e para facili-
tar a dentineto das mtttnaa, o Gallo Vigi-
lante antigo reerbedor d'estes prodigiosos
collares e contina a ter sempre grande de-
posito, ra do Crespo n. 7.
m u wmm iiiiiiiii
ILLAS
lpsrvi{lo
vUmt
it -ilfciiia
0 tratanieuto d^^^H
nkio.iFf.i!i!0'.if.\\(;;
iBraiWjcBTJssb
Pbrmaefuc
lauread
i
tnba
.....^H'Hos Mu pAto iff.ros fnmZdo tJf,1 ^ 6,,rru?",0M ordinarias. As
Ber.|ta. ,. TronJf. L P.~ L- '^.J. P Br,"'eUaS, (.ensoul e Petreuu
Vemte-se on arrenda-se o engenh S.
Gaspar, sito na freguezia de Serlnhaem, co-
marca do Rio Frtntiosn, prximo to embar-
que, com grandes parlidos de pal, e mas-
sap roda da raoenda, -matos e mangues
para ntatleira neoessaria, Iwim pasto,etc.:
tratar na ra do Imperador n. 20, ou ra
da Florentina n. 28.
Siibonetes do fileatrao
DB

CUBA SOS CALLOS.
prt.A
Pausada gailoupeaa.
Deposito especial
Pharmacia de Rartliolomeo 4 C.
34-Ra larga do Rosario-----34.
Dore.
.Vanado^:,,] miz u. 8. F..rtedoMatt'sha aem-
iii completo sortimento de doce em"Wrtas e cai-
Antonio Nunes de Castro.
Esle acreditado preparado, que tao boa
aoceilaco tem merecido r,"esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das mpig. ns, sarnas, caspas e tocias as
molestias de pnlle.
Deposito nico,
Pharmacia de Barmolomeu & C,
Ulra larga do Rosario34.
NOVIDADE
A loj* de Coellio A Olivpira ra do
Queimao n. 19. recebeu pelo ullimo vapor
um bello sortimento de baloes de diversos
systema, os mais aperieicoados que tei ni
viudo ao mercado, sendo :
Raloei de guipur com tiras chamados
reguladores, ditos de musselina abortos por
ainbus os lados, de modo que sendo todos
manho servem para quah]uer se-
i laa de cores, com tiras, e as se-
zendas :
e la com bonitas barras.
turcos de seda e la Beatriz de
prqprio para negocio, e por proco mais ra- ''om mt,smo na ruado Ti
zoval do que em outra qualquer parte. ou a bordo do referido navio.
Fariulii de mandioca.
Tem para vender Joaquim Jos Goitcal-
ves Bell rao, recentemente chegada de San-
ta Catharina, a bordo do patacho portuguez
Aftabe, fondeado defronte do trapiche-do
Kxin. baia do Uvramento e para tratar
rom o mesmo na ra do Trapiche n. 17,
de um I
nhora. i
guintes
Saias
Chale
Tendas.
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapis de sol para senhora, muito lin-
dos.
Laslaias
Sultanes, Poil dcChevre, Tricte, dito de
xadrez e outras muitas, entre ellas urna
E- LSa pdra de cores a 360 rs. o covado.
Basquinas a Mara Anlonfete.
Cambrajas fantazia.
Ditas brancas transparentes e Victorias.
Colxasadamascadas.
Coberti chinezas a 2,5500 rs. outras
tuiitas faltadas que tornaf-se-hla enljdonin
annunciar.
T- VOJL
Ipriospara
A Perfumara Victoria hoje muito procurada
pela flor da aristocracia, e das elegantes, por
causa da fabncaco superior dos productos des-
tinados aos usos do toucador, e entre os quacs
ella creou urna eapecuUidade em cada anigo.
Os seus novos perfumes, preparados com a
Essencia de Ylangylang, que olla obicm mesmo
as tilias Phi ippinas, pela distillncdo do Uona
odoratissima, nao tcmem ncnltuma concurrencia,
no que diz rcspeiio fineza e suavirlade do eheiro-
pelo oue aronselhflmos ao publico elegante que
peca como perfume para o lenco.
0 EXTRACTO DE YLANGYLASC
0 BOUQUET DE MANILIIA
Alm d'csics dois extractos excepcionaes, que
So propriedade exclusiva de sua casa, es Snri
Rigaude C; prepeiSo igualmente, eom parlico-
lar perfeicSo, todos os extractos adoptados |la
moda, e entre os qnaes citaremos os seguintes :
Jockev-Club. Violeta. Reseda.
Es*. Bouquet. Narechale. Jasmin.
reno fresco. Nousscline.. Magnolia.
Flor dos prados. Rondeletia. Rosa musgosa.
TOUTIW !lli:tlo
E' urna Agua admiravel para o toilette, eeas-
titueella o vcnkideiro lalisnian da belleza, ectk-
seivaa pulle Ircsca, e a tez do ro-io branca. E'a
ultima cxprcss8o da scienria, Est por todas
reconhecida a sua mi con tes I ave i superioridaea
tabre as aguas de Colonia, n ngim de Florida c m
vinagres aromrteos de maior nomcada.
OLKO li lOMAA Ulltt\Ut
ExcellenlM preeara. 6c.s qie ge podem chamar
Olnesoiiro do cabe lo, e que. com;-ostas de sub*
Uncas lomease fonifTcairtes, embelle-.a;) e cc.i-
senrao o cabello, ao mc-mo leoipo que Ihe cou
manicio um ebeiro siLivissimo.
SARAO ItltttVO t
Quem comparar esle sabio com os que
vendem por hIi, fcilmente reconheccra sup
rodade do no*M>. Este torna a cuiis muiistii
macia, faz urna eseinim abiiodanic[queforma usa
verdideiro i>anli0 .le Icile, e nada deixa a desea
como decadeza de perfume.
DKNTOR1K4
f*"A "R^TirRIH
A Dentorii-a um elixir dentifneio doB maa
saaves : perttBiHi e refresca agrad.v.lmenie a
noca, fortifica as eeagivas, e presema os dentea
da carie.
Est pama denttfrina fez um vc-dadeira re
volueio na Pefumuri; icalHiu Wa sempre cora
os pds e opinas, que sio mais aa idcuos cidos
00 perigosos. BaMa passar urna ehw linmid
por cima, para ohier ama. niucilsgem suave a
nctaosa ae tona os denles perf< lamenta
braneoe, m
POS ROSADOS
Tresenlo pelle da r.gor dos venios a do fi
COBimoafeao-lhe urna ajjnid-! freswirt, e
venenas sardas. So Vdperwrcs aos pos de
a de mido. Seu pecliuata delicioso.
Dpu*tto^em Ptrntminuo, em cana if |*
3
lUGlVEL
"^
\


ii



,~n


m

ano
le IVrnanibuco
slfcl
>ad<> 9 de Janeiro <1
c
!(><).
1
'

i
NA LOJA E ARMAZEM
DO -^,
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
0 proprielario d.'esto etafl^leriftienU) quuvjda ao respejtavel publico dflrta pa
pal a vir surtir-so lio grdnfl f-stl$ecnrichtQ que lem defazemlas, tanto da moda como
ile li. e as esSoas )ue neg'ciam em pequea csciulf, tanto da piara como do matlo-
nesta casa pqderifo foter os sets sortlmento em pequeas e grandes porches, venden*
ilo-se-Ities peros precos que Se contiprhn as casas inglezas assim como as excellentis,
mas familias. podero mandar buscar as amostras de todas as hiendas, oh mandare-
mos levar em
1i ai km j. > rons
O aiualliado do Pavao.
i suas casas polos nossos caixeiros,, paca o que arlia-se oste cslabi'lociiiu'i,-
istantemente desde s ( horas da manlia s 0 da [jome!
MADAPOLAO
Vciid.'-:' JUptrior alnaliailu de acodan
cun S pal.....s Je lctica, adamascado a
StfOO a vara: dito de linho fazenda mnito
superior n l200 a ara ; gaardanapos de
linho adamascados a i;i(K) a dn/.ia e milito
linos a s-uim. e ditos econmicos a 3&SO0
a du/.ia.
< 'roch* pura caMleSra* a Soja lo
lavo
Ghegaram os iiiais lindos panos de ffr
di oii guardp bantcas, proprios para ca-
deiras tanto d*ccosto, como de bajando c
de gnarnico, e oatros compridos para SO-
l. assim como ditos redondos paca ni'-zas
i"-!ondas. ditos pequeos paraalmoadas, e
ditos para cubrir presentes,tendopequeos
j para cubrir mu pealo, que se vendem
por preco muito em conta. na toja e ;u/na-
y.'in do i'.,vao na da Imperatriz n. 60, de
l-elix Pereira da Suva.
Pwrtea para vcsildos hrauco
a 4.
Vendem-soos mais modernos isfies, bran-
cos flexiveis com padroesde listas e de
salpicos proprios paca vestidos e roupas de
menino a OSO rs. o covado, na loja e arma- lm,t0 eworpado mas
/ n do Pavao ra da Imperan i/.n. 60, de'
le|i\ Pereira da Silva.
Orgaiiiiys
Organdj branco liso, muito lino a 800
rs. a vara : dito com quadros ou lisias, fa-
zenda muito superior a \S: lil de linlio
b anco com palminlias. fazenda muito Hna a
GiO rs. a vaca.
Cirosdeuaples
ChegOU para a loja do Pavao pelo ultimo
\ irpor un "cande sortimento dos
A 3:300.
Vendehl-s peca-, de madapoln lino c un
l jaldas pelo barato prero de :!:.*i(X) a peca.
dito com ijardas a7>c0), na ra di Im-
peratriz n.00. annazem de Flix Pereira da
Silva.
E.tisinha
A do/e vihtens.
A doze vintens. -
A doze vintens.
Vendem-se lasinlias de eflres mnito bo-
nitas com desenlios miudinhus e "randinhos
com lislinlias e piulas pelo barato preco de
ilOris o covado na loja o Pavo, rila da
ImpTaliizn. 80, de Feliz Pereira da Silva.
AS C.UimUIAS DO PAVO
Veiidom-se linissi uas pecas de cambraias
lizas transparentes lauto inglezas comosuis-
sas leudo mais de .ac de largura, pelos
pircos de 'AOliO at 10.->(HK) a peca, assim
como linissimos oi^andys branco liso que
serve para vestidos J baflesi por ser muito
transparente a IaIMO. a vaca, na loja do
Pavo ra da Imperatriz n. GO, d Fex Pe-
reira da Silva.
1TSTO BftACO PARA VESTIDOS A OSO
Na loja do Pavo vendem-se os mais mo-
dernos tafites blancos de lisia e conlo
muilo llexivel, pro-
pi'ios paca vestidos.!' >uoo,'s, penteailoces etc.
e'r..e coupa paca meninos, pelo baratopre-
co de 610 mis ocovado, na loja e armazem
de Feliv Pereira da Silva.
Temos* novidade na trra !
Pin ui hiiigaem se espante
\ consa ii3o de dar cuidado,
Faz sempre a sua admiracilo, .
Ma- nao oienile aniriguem,
i nao se lembeem de BOV nceiidio no paedieiro,
Neni trae bouve exjilosonn maxaBibomba,
Iwra que o pivlo Tlminaz fugio da DeteftfJto,
Nemqnep vapoi chgOu embandeirado,
Nert qte a AtAjGATA AMAZON \s viro'ii u s.
Nao se trata disso
-rrt-------------------'I----------------------'--------------"
0 cordeiro previdente IV
Raa do 5 .efuaado a. te.
.\o\o e variaii > > ciimeio de |i--i Cuniarias
linas, t luiros objeclos.
Aieiil do .oiiipleio soi'liinento de p.'ifii-
inacias. -i,' que eH'ectivnuteiilc esl pulida a
loja do Cordeiro l'ceviderite, ella acaba de
c'ivb : i ,i i ini:i soclin ii!o ijiii' se tucna
[n itavel pe|i\ iciedadedeobjeclo;. dide, i|ii;i|iii.iiies e coniiiioilidades ile pre-
sos: :i- o Cordeiro Previdente pede
e ('..),,,,i continuar a merecer aaprecmfSo
do cesnetavel publico em ge/al e de sua
boa freguena em parlicular, nao se alas-
: lando elle de sua lieiu conliecida mansidao
u baratoza. Em dila loja ciwflotwafo w
apreciadores do bom:
A^tia divina de B. Coudray.
Dila M'cdadeia de Muir) d Lamaon.
a r
rd tihjum juiz de paz que guer pastar 6 metro no sen
i titulo em COnSC"JUenCa le estar abolida vara .'
STeiibam paciem l- Cspeiviu
ubs
attemlam
Amigo.", de un lar o esjoiago agraftav Imentc venliam ra da mneratriz
para a casa que lira toa (rente ao magnifico caf -oiem..... ollieiu..... NTu xw-m ?
0
I rliw.n;! COmigO
:z:rn
d rJOC peior
Fiqnein bem quietos
Que mellior.
Mullir, demonio que importa !
Muliier. demonio bei df amar-te !
Fall
einos limito serio
isaa
a ibastecer as nas despensa^
!^^
J^a/
SFDAS COA! IJST1MIAS A 3fj00o o
COVADO
Veudeni-se'as mais modernas sedas de
lislinbas para vestidos, dictadas pelo ultimo
vapor Com as cores mais modernas que tero
viudo a este mercado, pelo barato preco de
3;5 rs. ocovado na ra da Imperatriz n.
milbores 60 de Flix Pereira da Siha.
Comolimd.'leuiir aos Iioh'us a ibasteceraa suas despensa- no vjACNI'ICO
AUAIAZFM HC MOLHADOS esquhia rU na da taifora itefroitte do sumplii
ii-niiii:: o inransavel proprielario do que lia de mais superior e digno de una casa drssn ordnm.
Este interessante estabelecidiHtoM torna salienie. nao s p i -o < ptima i
dade. c encantadora maga qee se espeUu as aguas do nosso amewj CapibaciiM'. < romo que
o Campos U,i rut di^ntunul *
vi-iiile' i/raiide ilc bIhiiIoi
para lifuii .<, pr,i<,
tea a rea lito ol
a catatar ha 1" 6
"ai.'i' um ip i|/> i*' rnedid-*
ll''1'''- -ni 1,-f.i- ;,- iiii- exMflhM, pul
. ti r.'iii finidade una
mlopfadu
p"l i Rotpttw imperial ; n,",i teimu ran-t, pJAu
e iii.'.-in.i --sin nutras t|ie alii >^ viiHlein, qtief*H-
do da nii'Si.-i capwWadp, j w .h- umiidm,
viudo owre er duvdaa u.lu waia.....undoi^
como aos rend I
Ten i mu I ,-i;,!,'.
Romlo, com runcha1 ifrridos'e mal pu-
teases : n> trapiriM fiHirra, targn da alfarn!-/;
vcllu II. 0.

iiial-
? iisdenaples prelos e de rres, tendo verde
tambem, que se vendem mais barato que
em nutra qualqner parte. '
Lencos blancos a 1/1600 a du/.ia
Vendem-se lencos brancos de cambraia de
algedlO a HOOO e i-s., ditos de linlio a
:'.'viOI)e i;> rs. a du/.ia. na loja e armazem
do Pavo na da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da silva.
CHALES A 2(>000.
Vendem-se diales de merino ronf boni-
tas barras, pelo banitisslmo preco de ->(KMl
e 5506 i's., na loja do'avao ra da Iinpe-
r; diz n. 60, de Flix Pereira da Silva.
PECHINCHA A 3:500.
Corles de loa 3:500.
Cortes de Rft4 3:oU0.
Cortes de laa a 3:500.
Lazinltas a UO iis.
Lazinlias a 280 res.
Lriazinbas a :180 reis.
So o Pavio.
S o Pavo.
S o Pavao.
Vendem-se bonitos cortes de ISazinbas
Alpaea.n tarradas
Cbegaram pelo ullimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavraiias com as mais lindas
cifS, que se vendem a lr><)00, o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de canna a
8K) rs, ditas nu-scladas muito finas a 1:200,
o covado, e outras muitas fazendas de gosto
e moda que se veiidem mais barato do
que em outra qualqner parte, no armazem
do Pavao, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
ORGANDS DE COR
Vendem-se organdys de cores com pa-
drees iniudinbos em assentos brancos e de
cores pelo baratlssno prego de 3G0 rs, o
covado, inissimas cassasfrancezascom deli-
cadas cores e bonito*, desanos a 320 rs. o
i-osado e ditas a 300 rs, na ra da Impera-
triz n. 60, armazem de Flix Pereira da
Silva.
Itoupas (ara hoiuem
Vendem-se superbres palitts de panno
sibcecasacos forrados de alpaca e de seda,
camisas inglezas e xancezas com os peitos
1 dWsguio, cernidas francezas de linho o al-
godSo, meias cruas inglezas superiores, ca-
misas de flanella e de meia de la, assim
para vestidos com padroes modernos tendo i ,-omo ueste estabelecimento existe um grande
cida mu corle 14 eovados pelo barato pre-Isortimento de panno* pretos, e de casemiras
3 de 3:500 rs. assim como ditas em pecas! fogiozag de cores, r que se manda fazer
que se vendem a 280 rs. o covado, sendo
qrande pechinclia na loja e annazem do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60. de Flix Pe-
reira da Silva.
RABAD1MI0S
Vendem-se linissimos babadinbos. tiras
bordadas e entremeios, mais baratos do que
cm outra qualqner parte, assim como espar-
I Ihos dos mais modernos, no armazem de
Flix Pereira da Silva, ra da Imperatriz
n. 60.
ALTA

NOVIDADE
LOJA DO PAVAO
Giirguro de seda
Cbegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos gorgorees de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos e lavradinhos, com muito
lustro, gaiantindo-se que a fazenda mais
nda e de mais phantasia que, este anuo lem
que
qualquec obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-selbes que sero servidos
com a maior promptido e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatr z n. 60,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um graide sortimento dos me-
lhores c maiores cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 129000 rs. cada par at 25#000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
Chitas
Vendem-se as melliores chitas escuras para
casa sendo de cores fixas, pelos baratos
precos de 320 e 360 rs. o covado, ditas
muito finas francezas sendo claras, com pa-
droes de cassa a 360 e 400 rs, pecbincha,
iiegado a este mercado, e vende-se por
I reco muito razoavel, na ra da Imperatriz
. 60, de Flix Pereira da Silva.
Sedas de listas para vestidos
Cbegaram as mais modernas sedas lista-
das para vestidos, com as cores mais mo-
dernas que tem *jndo ao mercado e ven-
c em-se por preco muito em conta por es-
t timos muitos prximos da festa, isto na
na ra da Imperatrn n. 60, armazem de F-
lix Pereira da Silva.
Orosdeu aples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
lliores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo de 2*000 ra, o
covado at 4($OD0 rs. garantindo-se que
ir este genero ningutnt tena mclhor fazenda e
que s vende mais L arato do que e outra
loja do Pavo, na da Imperatriz n. 60. de' qualquer parte, na ra da Imperatriz n. 60,
Flix Pereira da Silva. I de Flix Pereira da Silva.
I
I
I
I
?
?
?
"---~<~r
illFFOCiil
KOLQLIDA
Todos os mrios at boje preconisados contra a asthma nao tem sido mais do que palliatiTOs
feaiio de todas as formas, tendo or base a belladona, o estramonio <>o opio. Ri
deba
ecentes expe-
tysi
e as nevralgiaa faciaes. E' pois com o poio 4a scieneia que ofereeeios estes cigarros, prepara-
dos com o extracto de cnamo das Indi*, que nos importamos de Bomba m.
Deposito em Pernambuco, ero izs* de IU C*.
Dila de oiogne ingli-za, americana, frau-
VV)sKMIiHt-lenliampac.enua ..,vre, reza,todasdoTmelK lm^reStedos
Nos vamos dizer do que se trat^ nao com aqneii.s modos me loma oculadao i'.. .I.,.IM|..;
russo. Sr. Antonio De-nin^ues. rpiacdo i que na mcllioi boa l llie einpui'iaiam |)ta balsam'ca dentrificia
algimi livro sem principio nem (im mas siiti rom tmoHa* mtmiras assz delicadas que [)u, ,;,', (j ,.' ,'|', iarwreka
sempre se eiuontrnm no perium.-o niiiho da sym[ial!iica Aguia-Bianca : assBarps pita ,o.' VIp s, e violctt'para loilel.
Clixir odiiiitilgico para coiisei\aciio do
o da bo< i.
Coso- tiques de supooter qaalidade e i iei-
in> ai.cadaveis.
Copos e latas, maiores e menores, COU
pomada lina pira cabello.
Fiase,-; ciin dita japoueza, lcans|arenle.
eoutraMpiali'lades.
Finos exilados inglezes, americanos e
francezes em Irascos simples e enditados.
Csseiii ia imperial do linoeagradavelobci-
ro de vilete.
Dulcs conculcadas edecbeicos
monto linos eagradaveis.
Oleo pliiloiome veedadeiro.
l'Atra.to d'oleo de superior qualidade. i
Com escolliii' .- clieiros, em fraseos de dif-:
(it!< s lmannos.
Saboneies em barras, maiores e menores
ara mSos.
Ditos transparentes, redondos eemfigur
cas de meninos.
Ditos muito linos em caixinba paca barba.
Camliascom bonitos sabonetes imilando
Iructas.
Ditas de madeira inveruisada contendo fi-
nas perfumaras, muito proprias para pre-
>"liles.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tam-
bem de perlumaris linas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, com p de arroz
e "
f>a.> ha (fiin'i'i unc. |ii.iice mais m Al
ilto JiisMii.i. freyotaa dejabatao, mrrmt<
l'ibanp, < i iin.1 n! f 4e -t ti anm I I
st'cc4i <" ci ipii, jeui parecdn, deve ti i una
|i.'irii;i. "iii^- \, i ro.oi" mBljlMwfo?, f (|i ;il nal i
que estivra na E.cada iraNmnrai aa ila Carv
cuino n<.iiii' Be J'.i:n)iiiiii : HJga-88 ;..-;i!ior.
indiciaos mi ao ca|iites i eaji|(i*-
hendam o condnzan aquello Migenho, un ;'. ni a i
ilH|M'l.'lll7. II. !'l '......|Ol I ..' ''l i
cnin loo.y aqoettM se ii!i!oiniii |m i qn< flriTQWfini n iipnmhaniiwi ti'imi
escravo.
Iire.
lesa-
-^ando o riso para a aliaicica Olinda ipie alm se avista garbosa e gentil repcela da mirn.rs-
pemuen de en bi-eve gearos mais gratas passcfmte (jue Ibe serao levadas peta im v
Irada de ferro que se nena noiiascedouro.
Assim, pois,
Venda toda a popularn do Recife ver e admirar a bella ptiysionoiriia do
DEMONIO.
a es-
ALTAS N0VI0A0ES!
PECHINCHAS
Novamente chegadas ao armazem
DO
DE
PAREDES PORTO
mos por este meto ao respeitaVel publico a que nos procure comprar fazenda*
bom gosto e por precos que nao achara em outra qualquer parte.
It00.
Admiiviii!
Madapoles finos a oh, 6#, 7fll e 8."> rs.,
s no armazem do Leao.
Chitas escuras de padres lindos por pre-
co de 320 e 300 rs. o covado.
Cassas de cores com palminhas e com
listas de diversos padres a 240 e 320 rs.
Laziuhas cinzentas e cor de bonina a
320 o covailo.
Chitas claras miudinhas a 320 e 300.
Alpacas prelas e de cores Jindas proprias 40 eovados a 5$
para vestidos a 680, 700 e 800 i*. 143 e S2, junto a padaria franceza,
Pefas de cambraia transparentes a i?, Leo.
S* e Od. Por este prego admira a todos! Attenco roupas feitas!! no an
Cortes de casemiras de quadnnhos e s- d0 Leo, ra da Impentw ns. 18 e
o\!
iiineca.
Especial p de arroz sem eomposicodc
cheiro, e por isso o mais proprio para crian-
cas.
Opiata ingleza e franceza para denles.
P de camphora e nutras dilerentes
qnalidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Aluda mais coques.
Um entro sortimentos de coques de
vos e bonitos moldes com filets de vidrilbos,
e alguns d'elles ornados de flores e fitas,
estajo lodos expostos apreciaco dequem
os pretenda comprar.
GOLLnfHAS E Pl'.XHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfricito.
Flvellas e filas para cintos.
Bello e variado sortimento de laes objec-
tos, ficando a boa escolha ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
que (le mellior se pode encontrantes se
,i.ium',i ii.iuvoliiiuln ns delicados ramos
orvalhados para coques.
Para viagem.
Bolsas de tapete e carteiras de couro, por
precos coinmoilos.
Cbapelinas de palha da Italia mu i bem
Tendo-nos chegado ltimamente fazendas inteiramente novas, conkla- enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
lOOpW de ^tific#)
l)i> sin,, (|(i abajxo a.-si^nale. an Bcberlbe, ai-
sonten-ae de-lie n da Ia do 1 rod 1, o m
Itelicrt. de an s do ihiIo. (wnco mais ou iim-
D08, 8 C'lll os M0UVB1 ^^" iltOl '. cj>la. lili W-Utltl
regitlar, cojo nma grande uiarca sobi-c nejmttm,
qneparore ter (ido inveniente de qjteimadtiru.
lem n dudo luden da mam mptotris uvnno t peM
teiii[Ki. c quaiMki anda iiit'U" ns pl psn doiii;
lsli i'M-|;i\o 0 Shaixa ;iss,^;.;,l ImUVC-O DM '
pra que {m .. '.* < .< 1
villr. de Aonry. tapar rVtfrenillw, da provine!
Patnhyfoa do Norte, h nuom pcrlwen, reprennita-
d 1 '.'sla ciiiaili' ftk s Sis. Heclm. I.iiiui t (lilil-
ruis : |'ile-s.' a qnein < apnreheder levarlo ra
di. '.aili;a do Recife n. 19, arniaaem, que rccelcii
nOdP^ratili.'.-.vie.
Anloma V.'i iMrrfe I tts GtmMa
.No dia o dn oiez de ai vcutbrq ;>' aiiBO Bte>-
safio. i'n:o da ungeniM B. Jos, da termo de Sti.
niai'in. a e-crava de iiuinc Hencdicla. iinilata, Inn
Baimosde idade. raa bexigosa^ altura Fagular,
rabeflo cortado e aentw pAdres, Bll e rava da o? de Barros Aranjo. ivudeiro dn Cftt/Wino Mariano:'.,
lovmi um naqno di chita clara ja vrlhu. o mu pn-
1111 (la Cesta nono: quein > sacar leve-a ao (('!'
engenbo, ou ao Sr. Mainel Alros Perreintft C,
uesta prara. (];e ,-ri dinerosamente reeoiBpett-
sado.
Fntrio di) engenlio Soledade, na ooinartaile
Porto (alvo, provincia das AfagCa<>, o escravo Pt-
lijipe, cabra, caliollos rarapinli'^. d 2 anftM iIp
idade. poueo mais OU menos, jionea barba, fk ft -
(penos, nariz regalar, bUm graide, dmletnin
[lonco limados e com falta de mn na frente, stda
geiro, rujo escravo M comprado ao Exm. barm
de Xazareth : pe4e-e s autoridades |nliciae? p
i',i|iii es de enniDO a apprelicnsao do mesnio, <; N>-
va-lo ao seu M'iihor 110 referido eHgenlio, ou nai
dado do Recife ao Sr. Joaquim RoVignes Tav.e
no- do Mello, largo do Carpo-Sanio n: 17, I" andar, que
sera irenerosamenle neoMpoMlii).
de! bis-
Lencos bordatbjs a 0$, (i-vO e
Ricos e bem escolhidos gestos
marks para calcas e paletols a
corle.
Tambem tem para acabar pecas de pan-
no de linho, com 27 varas, a 17r> e 18 J.
Toalhas de linho para rosto a 10f) a
zia.
Aos Srs. armadores do enter
Vendem-se pecas de hollanda preta
de gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
nt presentes a quem se dirigir (lita loja
do Cordeiro Previdente a ra do Qneimado
n. It.
du-
os.
tas a 2^800 e U-
Corpinhos brancos para senhora a
31100.
Pechinchu!
U e
Cortes de cassineta de cores para calcas e
paletots a l^oOO.
Cassineta de cores com um pequeo to-
que de mofo a 400 rs. o covado.
Kspartilhos muito finos a 4)5500, 5# e
550.
Admira!!
Cravatas de seda a 500 rs.
olinhas bordadas a 500 rs.
Laziuhas a 200 rs. I I
Laazinhas a 200 rs.!!
Laziuhas a 200 rs.!!
na ra da Imperatr / n.
loja do
i7.em
2.
Pngfo nanotrte de 24dwpYt)vhim'pKis^
do, naoccaslo oamissa, firescravo Manbe!,
crioulo, que represema ter :tr> annes: alt<,.
bastante eorpelento, suissadd. tem OS torno-
zellos dos [es esbtados para fura, intitu-
la-se de forro : o referido eseravo fni pp-
priedade do Sr. Jos Filippo de Miranda
morador no Bom Jardiui, conunana do !>-
moeiro. d'onde o eseravp tambem natu-
ral, foi vendido fiesta praca a Frede^c
(iautier, que o venden em 1868~e(tapona
llypolito Cadaut, boje o seu legitimo Sfc-
a>...;,, .'jindirin DJlieiro no lugar
com
Assim como temos um grande, completo
e variado sortimento de roupas feitas pa-
letots saceos, sobrecasacos, fraques, jique-
toes, calcas, rolletes, camisas, crcalas,
cliapos etc., tudo por procos que adrfira!
Tem tambem um sortimento de rolupas
ordinarias por precio baratissimo.
Acaba de chegar tambem um completo
sortimento de damascos de cores, sendo
azul, amarello e cor de caf etc.. qw5 se
\ende por preco commodo.
Admira!!
No armazem do Leo !! f
No armazem do Leo I!!
No armazem do Leao!!!
No armazem do LeSo f 1 ?
No'armazem do Leo, ra da Imperatriz ns. 48 e 52, junto a loja de ouriyes
e padaria franceza.
____

MMDADES
tina Mi mn 1.
A. este estabelecimento chegaram as mais lindas ehapelinas de crep, tule e pa-
Ihinba da Italia, primorosamente enfeitadas.
Bal5es reguladores para senhoras e meninas, os mais modernos" e de 'arias
cores.
feitadas.
Basquinas de seda para senhoras, o que ha de mais gost~,e delicadamente en-
TCSSES
6ATAIRHBS
PASTILHAS PE TORAES
DEsueco DEALFACE,
E LOURQ GEREJO
IRRITACOES
DO PEITO
E' este o mais boto e delicioso confeilo at agora condecido, tve jU> lemadqmrid ra-
pidamente a popularidade de que goza. Os medios os man dittimctw ucmutiMo Mira
as tusos, efluxos, OUtrrkot, touet cvumUu, catarrh* jkm*woj, iiritatSu d ptii. Con
grande <
prUnein
. Deposito na Ptmamkuet' em eaa de Mrsr e .
e empenheeprocarao as mies de asaua, assim para ellas como para as cmnfas,jJs.
iro que lado inoftensivo, c as suas propriedades adorantes nlo feixo nada a esejar.
;, '.,
I
Ricos vestidos de blonde, com manta e capella, para noivas.
Cortinados de cambraia bordados para camas e janellas, de diversos gostos e
qualidades de 15(J at 806000.
Tapetes alcatifas em peca para forrar salas, gabinetes e corredores.
Camisas inglezas de Irnlio para hornero. .
Ricos vestidos de seda pretos bordados agulha e de cambraia brancos tam-
bem bordados pelo mesmo systema.
Fronhas e toalhas de lmho e de esguiSo todas bordadas para casamentes
Sedfe de lindas cores, casimiras de cores as mais modernas, saias de ifia eom
barras de cor, chapeos de sol de seda inglezes, espartilhos para senhoras e meninas,
colarinhos de linho parahomem e grand? sortimento deftzendas de todas as quaHades
que se vendem por precos que agradara a< Compradores.
Neste estabelecimento contman a recber-se esteiras da India para forrar sal-
las de diversas larguras c cores, que \endem-se mais baratas do que em outra qual-
quer parte, por isso chaman a attencSo Wra as
Esteiras da India para'forrar ttdtts, s
LOJA DO FASSO.
lina do Crespo n. 7 A. esquina
da do Imperador.
0 dono (leste importante estabelecimento,
tendo recebido de sua conta, pelo vapor
francez Ertaeinadure, diversos aitigos de alta
novidade proprios para a festa, econscio de
que seu estabelecimento se acha bem sorti-
do, principalmente em artigos de moda, pe-
de ao respeitavel publico e em particular
aos seus numerosos freguezes a bondade
de honra-lo com sua confianca, garantindo-
Ihes serem bem servidos e por precos ni-
miamente baratos. Venham, pois, todos
comprar novas e lindas fazendas boas e de
alta novidade, com bem:
Riquissimos cortes de blonde.
Riquissimos cortes de seda de cores.
Sedas de lindas cores para eovados.
Moirelntique azul, verde, branco e pre-
to.
Grosdenaples azul, verde, branco e pre-
to.
Gorguro branco e preto.
Setim branco macau.
Cortes de seda com duas saias.
Cortes de la escossza com duas saias.
Cortes de la e seda, novidades.
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de cordo lindas cores.
Ditas lisas de todas as cores.
"Cortes de vestidos de cambraia bordados.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho com lindos bordados.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Chapelinas de palha da Italia.
Ditas de sedas de cores c pretas.
Enfeites para cabeca de senhora.
Coques de todas as qualidades.
Basquinas de seda enfeitadas com primor.
Leques de madreperola, marfim, snda-
lo e osso.
Camisas bordadas para homens.
Colchas de aigodo e seda para cama.
Ditas de crochet para cama.
Pannos de crochet para cadeiras e sof.
Chapeos de sol de seda para senhoras.
Espartilhos para senhoras.
Toalhas de labyrinto.
Lencos de labyrinto.
Fronhas de l Bicos, rendas e grades.
Finissimas cambraias de cores, percales,
lias e outros muitos artigos de gosto e no-
vidade.
Loja do Passo ra do Graspo a. 7 A es-
quina da do Imperador.
Torre freguezia dos Allomados, cujo *-,
lem um irnio adianto do curato do Bom
Jardim, no lugar Malla Virgen, quem o pe-
gar e trouxer a seu legitimo senhor cima 011
ra do Imperador n. 57 no armazem A1-
lianca, ser generosamente gratificado.
TjpHH) de gi'iitiiicaiS)
Acba-se fgido desde o da 4 de junho de I8.c4
nao imatiDbo eaboeolo de nome Jos, de la a H
annos de idade, veio dn liunito em janeini de W>
e foi vendido nesta cidad por Antonio Jos de
Mello, negociante d.i.|nelle lugar, ao Sr. Pernal rio
Jos Coma, rom leja na rita Direita dcsi.i eidadfc
pode-se as autoriduiles, quer daqui, qoer d; Mn
que" o apichendaiu a o eiitregueiu a sen senlttr,
na ra Nova desta cidade 110 sejjiiiidii andar i'a
eaa n. 30 que ser gratificado.________
"250,111X1
A escrava Ilerculana
Coni|)rada a Exma. Sra.. D. talara Fenton, cei
janriro de 1867, past-arta a cscriptura de vendu,
gsjbio e ate boje nao velln, gnorando-se para ou-
de se evadi. mulata clara, feia, idade 36 a 38
anuos, falta de deates no queixo superior, sarda.*
no rosto, rauellos iun,pouc corridos e cbeU io
corpo. Foi escrava de Sr. Jblo ShnBas (i'Alin
da ra do Vigario, e anteriormente do Wnente-ec-
ronel J0S0 de S do engenho Tab, na Parabyba.
J esteve urna vez em Goyanoa para ser vendid.%
se alguem a ciuizer comprar vende-se e se poder
ser apprehenuida, ou se indiearem o lugar om me
ttiver, sendo enrnntrada se dar a gratificarlo
cima: na ma do Hospicio n. S3.
Antonio Jos Rodrigues de Boma, na ra t
Crespo n. 15, ou em seu sitio do Mouteiro, gratifi-
ca a MR capturar o seu escravo Joaiiuim,
l>ardo, de idade 35 annos. natural de Fjo d'A|li liara onde se suppoe ter fgido por ter sido visle
nesse dia a conversar com nessoa daquclle lugar
estatura, secco do corpo a um jimico alto, bigede
e cabello meio carapinbadu e pinteado, e leu un
carocu na iniinheca da niao direita, do qual ftV
dores rhetimattcas, tendo a (alia a sertanejo, iIhs
desean cada. ____________
-- iestligido o mofeqiie crioulo de nomo Ib-
noel, cfir |>reta, estatura baixa, corpo refor^ade.
idade 17 annos pouco mais ou menos, falta-ll*
11111 dente na frente : quemo pegar pode lvalo a
easa de seu senhor A. G. Torrt* no largo do Cerj e
I Santo n. 17, segudo andar,' que ser recomprti-
sado.
Mobilia
Vende-se ama mobilia a Luiz XV, en sudo
pereo, eom ainua uso, por jirec/i muito eoom-
do. A venda feiuper ter a pessoa de retirar-i"
para /ora: a tratar na ra da Praia u. tO.
Acha-se fgido desde o da 25 de dezembie
proxiiiK) passado, do engenho Oriental, freguezia da
Escada. o escravo Jos, com os sjgnaes seguintas:
preto, alto e corpolenlo, nariz chato, lricos grnsSs,
desdentado na frente, sem barba, com ricalrizee V
chicote, e urna abaixo de urna orelha, tem 28 anitofl
de idade, e foi do Sr. Lessa, senhor do eugenb
Gravat da freguezia de Agoa Preta: quem o ap-
frehender leve-o ao referido engenho, a seu senhff
uvniano trineo Paes Batreto, que sen bemtr-
compenlsado.
AVISO
Natarde de teroa-feira 8 do crreme Wez de \t-
nei -o, lugio a escrava crioula de nome Mara, d
ida le de 36 annos, mais ou menos, cor preta, es-
latura baixa, sem deutes na trente, cara rbiipada,
cadeiras bastantes largas, andar meio apalhettdt,
teln no p direito ama cicatriz junto ao dedo mni-
mo, proveniente de um taltio dado ha poneos dias,
cabellos grandes, e gosta de andar com elles rrm-
dos e de estrada aberta, levou no corpo um ***
de chita escara de listos j usado, e '^ail
otcnigo outros vestidos novos e usados de chin11
de cambraia. blancos e de ILstras. um chale d
merino branco mselado com palmas e tres IiMR
es oras fingiado barra, natural da Gloria de -
ta, onde tem mi e InnSos, taaibesn teai enaMf-
WoswnPaod'AUWe^ltoAnteo. Pedaneat
auoridadespoliciaese capital de campo a antt-
hensao da mesma escrava e leva-la a ra Ba \lm-
niade n. 9, qne ser reeteipensad.
xJ^f^Jr* cU ^lA^dtryx^
H4



'*



8
Diario de I\'niiiiilni<'o Suhbatlo 9 de Janeiro
UTTERATRA.
POUCO DE TUDO.
FUNERAL DK MR. HERRYER.A l'rti-
..ii assim esse acto:
< A pedra do tmulo est sellada! Ber-
i m descansa debaixo do teeto de colmo
robre o rarneiro aonde dorm junto
a seas. Elle est all esperando ahora
'. inmortal despertar: Especio doee va?
immulatvi meal coma diz na sua elo-
itesimpUcidade a inscrpc.i sepoJehral.
i Mats de 3:000 pessoas o coduriram
,ta ultima morada. Na gare de paria a
ldao era enorme : foi preciso mais dous
tespefie3,mdepeoaBlement dostrens
ordinarios e dos da vspero, pan satsfazer
iipcnho de tantos amibos que fiieriain
i-nstar-lhe08 deveies supremos.
O caminlio parecen longo apezar da ra-
pidez ta corrida. Era por loda a parte no
. ufe ilos signaos de una afliicro sincera,
de uarracoes reciprocas sobre as qualida-
. sobre e talento, sobre a bondade, so-
i reo desinteresse. sobre a f do grande
i.-omem que oecupava todos os pensamentos
todas as cunversas.
i Atrevoine adize-lo, que dos elogios
lonebres que oesperavam, este, o dascon-
deacias intimas, o das expanses discretas
i amizade, nao era o menos elo(|uente. E
en todas as boceas como em todos os co-
afinas, o louvor soberano ora aquelle da
jtaneiae danaidadeda sua vida: gran-
e magnifica licao que honra un secuto
lis capaz portento de admirar esta alta
virtudc ilo que de a platicar!
apame-nos na estacan de La Brosse,
distante lima meia hora d'Augerville. Alli
meca quasi inmediatamente o agreste
ale no raudo do qual se levanta o caslello.
A' medida que se appioximava e que atra-
ez das arvores despidas se desenhavam os
temados e as torres do antigo aleacar, se
dira (pie estes formosos sitios se resentiam
da dar coninium: o sol se esconda, e as
Cflres severas e melanclicas de urna manba
de outomno lancavam um crep de luto
pelas cercanas.
De todos os lados, nos caminbos adja-
. entes apinhavam-se os habitantes das al-
deas, dos castellos e d; S ciriades visinhas.
As populacoes oreaneza tinham vndo jan-
iar-se aos representantes das ontras pro-
.i!''as. aos que rhegavam da capital. Nada
di- mais tocante do que a attitude devota e
respeitosa d'estes camponezes habituados a
oenidizer o u-lie de. Berrver e que pare-
can satisfeitos das bomenageps desacos-
i tunadas de que viain cerrar o sen amoe a
eu amigo.
Ao longo docaminbo principal se agru-
oavavn os homens de todas as cathegorias
pie tiuha eonduzido o caminbo de Ierro:
idalgosde antiga linhagem.cojM ttuloslem-
hravam a honra de nossos annaes e de glo-
. ias companheiras das da realesa; velhos
encanecidos uas ludas e as dignidades da
ida publica; jovens cheios de seiva viudo
temperar o seu ardor po grande espect-
culo de urna dr nacional justamente mere-
cida, operarios e agricultores, unndo os tra-
badnos da industria aos trabalhos dos cam-
pos; todas as nmdires estavam confundi-
das. Era,a imagem das forcas vivas da
Franca. .
Tentaremos ajiontar nome? Iinpossi-
el: o espaco nos falta, e nos arriscaramos
FOLHETIM
>1!AV1KAMUA
Pon
Sai idea u
Jules
O din de ft.
(Tkmnuaco
sil'.ano.
do n. 4)
ao
a coninvtler involuntarias e iWorosas omis
soes.
Que nos baste marcar asgrandesdl-
VSi-S.
A ai-adeini i lianceza representada'pela
sua meza Mr. de Sacy, Mr. .hiles Favre.
Mr. o principe Alberto de Brolle e Mr. Pre-
vos! l'aradol, acompanhados de muitos
memoras do Instituto. O enviar urna de
patacas fura di Paria era ama exo-peoaos
uso- da Uatee aompanhia; mas quena a
jusi*'-i\.i inelliur da que lerrver'
- Depot* iis cornos da advocada la
Franca e do 'strangrho: a advocara de
Par-, rom lo.lii o seu aonseiho, oa corpas
de advocada dos grandes tribunaes, a advo-
cacia iiirle/.a. a advocada belga : nao era
por assim diz.-r a segunda familia de Ber-
ryer ?
.. Osdepiilailos, os antigos representan-
tes, que se cncontram e se reconhecem
como as hora das suas memoraveis ba-
t albas:
Os artista; que Berryer ainava e ani-
ma va :
A imprenta da dreita, esta cliente que
Berryer honra- a com a sua estima, que elle
del'isiileu rom o mais nobre desinteresse
(luante 15 am os de sua carreira, pela qual
elle orea no seu primeiro e seu ultimo
processo poltico, e que tentara tesleinu-
nliar-llie a sua i.-ratido por urna to since-
ra admirarlo: a imprensa opposta.. ella
tamben, aquella ao menos que sabe inrii-
nar-se pelo resjieito de si propria e dos seos
advi'1'saiHS. iliinte do ascendente do genio
e da times* dr carcter.
Oatros clientes igualmente cujaiem-
branca recordiva a geuerosidade d'alma
d'este patrono de todos ais infortunios; um
fiUlu do man--bal Ney, um representante
de Francisco li. um Moiitniorencv, o genro
de Mr. de M. Montalemberl. o grande his-
po que ia pronunciar com elle as ultimas
oraces.
Os pobres, emlim. seos privilegiados,
de qiiem era o, conselho < arbitro, quando
nto era o sen sustentculo e a sua provi-
dencia.
i Tal era a mulfido silenciosa, sentida,
curvada pela resignadlo e o penar; quevi-
nha lentamente laucar agua benta sobre o
caixo enlloca lo entrada do Testibulo,"
guardado peiis piedosas irmaas do Bou
Secours de troves, rodeiado di- virosas
llores e curuado. por toda a insignm, da
toga de laa. do capuz d'armnmo e do>mo-
desto barrete i o advogado.
A! de certo sera necessario nSo* ler
neni o si'iilimento da vi'iieraco, nem o en-
thusiasmo do bello e do grande, nem a
Mr.
(rvy em nome da adv.naca de Par:
Marie em nome da cidade de Marselha,Ido de Puipeauv.
Mr. o duque de Noilles, Mr. Falloiix. Mr. 0 Sr. bispo
Bocher, delegado das advocadas de pro-
vincia lhes succederam.
Um membro da magistratura de Lon-
dres exprime-se em ingle/. ; os delegados
da corporaejio dos carpinleiros e da asso-
ciaco dos impressores pronunciam palavras
simples e veidadeiras.
Durante e-tes discursos de que damos
e daremos o texto, a moltidSo ltenla e
silenciosa se associa s npressOe genero-
sas de cada um dos oradores.
Finalmente, a voz comnnvid e enr-
gica de Mr. o marque/ de La Frl Meun
se levanta :
A Franca, diz elle, lao homjuiz em
fado de honra, admirara que a jleiubran-
fa do senhor conde de CbambOTd. nao es-
tivesse presente junio do tumuluj de Mr.
Berryer.
Luz XVI. Mulos tem esta InscrpjSo:
Dado pelo rei.
Mata longe, eis aqni o primor olerec-
do pelos companheiros cariiinteiros; urna
maravilha de construceo architedonca:
ou ento o primor offerecido pelos typogra-
phoSj um exemplar das orafde fnebres e
Dossmt, nico no mundo.
a Tudo respira dedicaiao realesa de-
haixo d'estes tedos. ( castalio foi le-
vantado pela familia de Jaques Coeur o
thesoureiro de Carlos MI. eujos thesou-
ros serviram para reconquistar Norman-
da. Fm urna parede figura, copkido do
bello qnadro de Gerard, L'Huillier, senhor
d'Angerville,- o prevoste dos mercadres
que abra a Kenjique IV as portas de Pa-
rs ; ueste auarto doriniuo Grande Conde,
aqui o rei Luiz XIV passou um da.
Mas o que resplandece n centro da
morada, o que a Ilumina de um magestoso
brilbo, o busto do Exilado. Aquelle ao
qual a mo desfallecida de Berryer dirigi
o supremo adeus, que collocado debaixo
da salvaguarda da morte, pertence dora
avante historia.
Oh meurei, dizem-me estou prxi-
mo ininha ultima hora. Eu morro com
a drdeno ter visto o triuinpho de vossos
dii-eilos hereditarios consagrando o esta-
heleciuento e o desenvolvimenlo das liber-
dades de que a nossa patria tem necessi-
dade. Eu faro votos ao co poryossama-
gestade, por sua magestade a rainba, pela
nossa querida Franca.
Para que elles sejam menos indignos
de serem escutados por Deas, eu deixo a
vida armado de tonos us joccorros da nossa
santa religio.
Adeus, sire, que Deus vos proteja e
salve a Franca.
i Vosso dedicado e fiel subdito Berryer.
Berryer preciso votar a elle, por-
que o signa! est dado, as caberas se in-
cliiunn as. alas se h.innam, o caixo le-
vantado !
As ponas do panno funerario foram cha-
mados o director da academia franCeza. o
chefe da ordem dos aihogattos de Pars, mr. voz seno adaoncSo se poda
Tlers, o duque de Noilles-, o conde de Fal- tir.
loux, mr. de Massy. delegado da advocada
de Franca, o delega dos eomponheiros
carpinteiros, e mr, Raraguet iletegSdB da
socieifade dos typogiaphos.
O hito coiiduzslo por ows. Arfhur
Berryw e Ilenrique Bemer. osWbose ne-
tos do grande orador, e jor mr. < marqwe
de La Parte .Meun represtnttmdo o Si. eor
de de(l*imboiil.
Depsisda familia nngalim na os con-
selhos e os- delegados das advocadas- de
Pars e da SMnen, um representarte da
umita perfeicao as cre.incas de um peusjon- Stissa celel.i.un (stfn -i
sem que
me foi ron-
conde
conscieneia 4a honra e daf, para Bear in>
seusivel ante tanta grandeza manifestada magistrtuive da advocaci;1 d. Inglaterra,
idade Tamhem todos os 08 advogados-do tribunal de* Cassaco con-
poi* tanta simpl i
corarles sec infnmgiam e todos os olhos se
molhavam dehigriraas.
A grande casto chegava-st' depois aos
salees abertos, aonde, aps de tristes ho-
menagens pres adas a urna familia desolada
e a amigos em prantos, a vista se fixava
com eiiternecimento sobre as lembrancas
preciosas que contam, por assim dizer,
anuo por auno, toda a existencia de Ber-
ryer.
t Aqui asan os retratos d'esses piinci-
pes que tizer.ai i a Franca tao poderosa; e
he deram a paz, a prosperidade e a liber-
dade. Aqu llenrque IV. Luiz XIII, o ca-
valhereM'o Ortos X, a augusta lilha de
continuoii elle, mpsjtranilo r>< i,\x-tn w.
leiiiiiiiii.v sulire o leilo ollie oque acabo
de encontrar, entrando n"estf (juarlo... As-
seguro-lhe, mi u charo amigo, que nao mt*
deve gradecinientos alguns e (|ne nao es-
tamos mais admirados um do que o outro da.
tSo extiaordiuaria aventura.
po iteOrlean< den a absolvi-
eao, e o corpo foi depositado no humilde
cameiro junto igreja. Este ultimo mo-
mento solemne : quando a suprema oracao
entrecortada de solutos foi recitada, liouve
por todos um estremecimento indesvel de
dor. Cada qual sentio mais vivamenles o
vacuo iminenso que se fez entre as nimias
da Franca.
conferencias para
miagar os meios de prever de conunum
accordo, s necessidades espirituaes dos
ratholicos. N'este aniin a sua reunan teve
lugar nos fine d'ahril na cidade de Sion de
Valais, onde o clero, a municipalidade, o
governo e o povo os acolheram com muitas
honras e testemunhos de venerad. Acha-
vam-se presentes os Srs. Marilley bispo de
Lausauna e Genebra, Creith bispo de S.
dallo, Lacha! hispo de Basilea.
. Mermillod
boh a impreca.....sta profunda fihc- bispo de Hebrea e Auxiliar de Genebra, e
rao a niulddao se alastmi. dando ella pro- \|1|.)., (:,IUI,^I eChanceller dnr. hispo de
pna e-levando um exem|lo da honra que e (oilv v. ,,,,,(.liri;is terminaram pelo
devida ao genio, a tidelnlade e f. canw (1 re-Denm e pela henco do San-
tamo a nos. anda palpitante das tissimo Sacramento na cathedral que cstava
iuzidos por mr: Boavid. presidente da- or-
dbm, um representante da advocacia lxflga,
o* deputados os antigos represeutaiiies,
mais de tresenfu-advogados, f#-maires eos
coacemos mam^nes das commnnas v*i-
nhae, as deputarjoes de Penthviers e d
Foniamebteau, linalinwite os inwimeraveis
amigos do grande orador.
No me do pateo de honra< o cortejp^
liara, e ant(5 o cawcSo (|oe rodeinaa os la-
bres can tochas, e os- operario*-earpinti i-
ros com romprfrs fanos nos- chapeos?,
comern os discisrses.
Mr. de Sacy tomou primeino a pala-
vra eni-ttomi' da :. ademia fraBceaa :.Mr.
Este tmulo nao se fechar
eu tenha cumplido a niissao que
liada.
Eu estou encarregado pelo Sk".
de Chambn! de fazer ouvir as expressoes
da sua alliiccao e -do seu reconliecimento
para com aquelle que tem dadado tantas
pravas da fidelidade ao seu principio e de de-
dicad sua pessoa.
Este solemne testeuiunhose dirige an-
da ao christw, ao coraro ipie le n amado
tanto a Franca, aquelle que nao tem nunca
separado a causa das ss aH'eiwies da das
liberdades e dos grandes interesse: do paiz.
E' do exilio que vira o ultimo adeus,
como o que pelo exilado que sub rain para
o co a sua ultima orarlo e o ul imo grito
do seu noncSo !
Estas bellas palavras de urna simplici-
dade to grave e de una nobresa to ele-
vada, produziram um inmenso elTeito. 0
geiro do Ilustre conde de Mole, e fiel ser-
vidor da casa de Bourbon, era Idiguo da
misso que ser a honra da sua via, elle a
cuinprio com a grandeza que ella pedia.
De[is deste adeus do exilio nenbnma
tenr ou-
0 cortejo se poz tibra vea eih marcha,
e caixo d'aquelle <|w foi Berryer levan-
tado1 pelo? bracos lOtmaCUU dos opralos
de qi era o protector e o defensor aMn-
rereidomin;rli> a mullidfio'e deslacando-se
sobr e-co.
A alguns ois-os d alli, enronlrou elle o
bispo d* Orleans com o se clero, chegai-
ido para o receber e conduz ltreja.
JunU* de moDserihor Dni-anl-mp esta-
un tres dbs seus garios genes- Mrs. Des-
bvosaes, Lagrange r BougaiuL. e-cura de
rlrtviers, cura (IrAugervihV e muitos
(^visiastico?*-. Oiltotre hispo esfanra pro-
fuRdamente ommovidb: e a sua w teste-
imohava a profunda oV que sen I* A sua
grane alma eslava ligsria de I* IJW por
tanto lacost
1 igreja (fi> AugerviBe. que
d'Ve ludo
a Berryer, bao pode conSer sena > ana Ira-
ca parte da muftidio t]e ronco itt' ce-
remowac Urna anissa drinstruiiieiitf co-
ceAfmda
gwal de
mecaifei perto da duas horas foij
pel .ibbade Dr.brosses, vigario
Orleans-: no convassistianvo cura fe-Saint
mnferas
O raestre
Vervoittc,
aranxoa
Roen", o rara da Fdnit, e moitos
do clero-de Pars da pro lacia.
de cpete- de Saint Hdv> Mr.
ve dirigir os cndeos qiie-exeru
rnmlo onruraln ii\. invotto t.PniOO Olie UD3
cheiro appetitoso, aUi desusadrv- sahindo
da eosinha de Mailha^ se casava agradax ci-
mente com, os aronaaticuo perfume da mais-j
bella inanlia de i*inivera.
Depois-de alguns minutos da silencio, o
abbade e ocoadjudoi-v par um movimenUj
Como Pots nao o senhor que... i siinnllaneov cahiramwnoe bracos uu do o*
Nao, mea amigo, alliimo-llic que nao [tro.
sou eu o author d'sto, e apreditaria n"wn
De volta ao presbylerio, dirigio-se
luarto, mas apenas tinha alli entrado, quan-
lo d repente lirou exttico, ao ver esten-
dido sobre a camaum par de meias de seda
sapatos com fivellas de prata, urna alva bel-
lissima e finalmente urna fina sotaina. O
bom do abbade pergunfaVa a si mesmose
tndoaquiUo seria um sonho. Depois de
se assegurar de que eslava acordado, apal-
pOU todos aquellos objectos um aps outro
para chegar convieco de que nao era
Iludido por algum phenomeno de miragem.
Com a alva as maos, nao cessava de admi-
rar os ricos bordados, quando de repente
a porta se abri para dar passagem ao coad-
juctor, que. precipitando-se no quarto
inuneira de urna tromba no mar, se atirou
sobre Francisco Paty, apertando-o entre os
-us bracos de ferro.
Que sso, amigo, que isso ?per-
u-.intiiva o abbade atrapalhado, esforcando-
se por se desenvencilhar dos bracos do
coadjudor^Nao me aperte d'essa maneira;
orne que me afoga !
Ah I senhor, que surpreza excla-
mon o vigario, apertando-o cada vez mais
Oue reconliecimento Ihe devo !.. Salvou-
me mais do que a vida : salvou-me a
honra I
Meu amigo, disse plcidamente o
parocholargue-me, se.nao quer que eu
morra 1
E, consegnindo finalmente arrancar-se
aos amplexos resultantes do mais desen-
freado reconliecimento, continuou:
Ora vejamos : o que est o senhor a
dizer-me de surpreza e reconliecimento que
seja superior ao que eu n'este momento
experimento ?
Ah t Sr. abbade, a sua bondade en-
che-rae de beneficios t exclamou o bom
do rapaz, diligenciando beijar as mos de
Francisco Paty, o qual lh'as retirou.
De que beneficios me falla ?.. Expli-
que-se claramente, porque eu ainda o nao
entend.
Pois o negocio bem clarorespon-
deu o coadjuctor, oitaando-se dos ps ca-
bera e virando-se coia a innocente vaidade
de urna rapariga que prova diante de ua
ini o primeiro vestido de baile.
Grande Deus exclamou de um
grito Francisco Paty, cuja attenco, at alli
distrahida, se fixra agora sobre o habito
do coadjuctorQue vejo eu ? Urna sobre-
-peHz nova Tu quoque, mi fili 1
>' Bin ve que md adornei com as suas
dadivas para lh'as vir agradecer.
Com effeito, urna sobrepeliz nova !
ilizia o abbade, andando de roda do
coadjuctorOra esta Hoje parece que
chovem sobrepelizes, alvas e sotainas Isto
como o man no deserto !.-. Olhe,
duplo mlagre, se q senhor nao fusse Oto
joven e euti indigno para supitormosque
Deus se. digna.-se de operar milagros para
comnosco, a menos que o bom S. Sikane-,
condoido da nossa mistara, ni, bouvesse^
intercedido fci vorosamente por nos ac-
crescentou elle maneando a caneca,
Ko sera isto obra da boa Marina e
da menina Ca harina ?
Pois eaquece, meu amigo, que. as duas
pobres creatuias nem ao menos teemioom
que preparar urna modesta refeico para o
Sr. bispo e mais convivas, que aqui devem
chegar brevemente ?... Confesso-lhe que,
nao obstante a minha sotaina nova e a sua
magnifica sobrepeliz, me vejo em grave eni-
baraco. i'all; ndo a verdade, nao se como
sahremos d"e:,e negocio. Urna rofego
para trinta pessoas, tpiaudo nao temos um
prato, nem urna toallia! Centava aiuda
honlem com i pesca de Claudio, que, in-
felizmente-, foi neuhuma O luxo da sua
[Sobrepeliz e da minha sotaina nao servirlo
seno para tornar mais saliente a indigencia
da nossa mesa Bem sabe o proverbio,
meu amigo : Calci.es de velludo, barriga
a dar horas. Recet tem que o prelado
hoje se lembre do adagio !
Fallando assim, o bom padre passeiava
pelo quarto, parando de vez em quando
(liante de atgumas imageus sagradas que
adornavam a> paredes, apenas branquia-
das de cal. Eslava ello havia alguns mo-
mentos contemplando urna Santa Catliarina,
que pareca sorrr-llie, quando o coadjuctor
lanonu do vo de urna janella um grande
grito.
Que uso ?perguntou o abbade.
E, voltando-se, vio o coadjuctor de p,
immovel, mos postas, n'uma postura ex-
ttica e completamente absorto no espec-
tculo (pie se Ihe deparava l fra. Ap-
proximando-S'} da janella, que dava sobre
o terrasso, e, inclinando-se para descobnr
a causa do espanto do coadjuctor, Francisco
Paty, por sua vez, soltou um grito, ficando
em seguida n'um mudo xtasis perante o
que se Ihe oll'orecia aos olhos.
E' que, cota effeito, dava-se o aconteci-
mento mais maravilhoso ([ue elle podena
contemplar. Se visse o propno S. Silvano
apparecer no presbyterio, nao ficaria mais
espantado, nem em maior alvoroco.
Imagine-se, debaixo da copa dos frondo-
sos castanheiros que povoavam o terrasso,
collocada urna grande mesa, que, no fim de
contas, era firmada por taboas assentes
sobre barrais, mas disfarcada o melhor
possivel e coberta por urna bella toaiua
adamascada, cujas pontas pendiam atjio
chao. Ao centro via-se um bello empad),
escudado por dous formosos peixes, cujas
No mesjuo instante, Gil lia ria, toda ata-
viada e risoitha, entrn;-no quarto-to lio.
\.m, querida- tima, vem aos meu
bracos,exclamou Francisco Baty. aper-
tando-a dneemeute contra o coraroiW
que a fr sem diiMda, e s ;> ti, que do-
vemos est;i sorprena a encantoP
Ento a pequen*, virgem. chorando de
alegra ao contemptar o jubHotdotto, poz-
se a contar- minuciosamente a. manen-a por
iv 6 an-
amnikia
que se dirigir ao rastillo d-Bigny e en-
vergir como- a
delicado pescoco paiecia
baste soiwe.ni, j.-^ia ftMUa
idmiraviihiKnte f(.uiii.i.
A' porta la igreiim iicontt<43mdio.
a esperava junto ;im guariicvenio.
Como vens bonita disse o pobre
rapaz, contemplanth>-;( conaa ai* impiic-to e
eioso.
Isso-e da la* bondadb respondan
c-lla, SOITtdo-se.
Adas ?redargid rKe.
Dec-cerbx Tiunbeni t ici estsAal
assimreplicn a^joven, r-bixj ndo-Ih*' o
eollariidio engomwade, que tenbva cobrr-
Ihe as orelhas. Simiente .o qne devtHuis
se umaj-
os qej
emoroes deste da, deixlmos este grande
tmulo com um zelo renovado pelo servi-
i;o do'dreilo e da justica, e com as mais
invencveis esperaoras por tudo o pie tem
a igreja Berryer: a nu.iiarrhia, a Franca e
amado |i
/
ai
0 IBMAO DO BASTABDO. Tal o ti
tulo de um romance que ha mezes piib-
cou o Sr. Carlos Mark Pinto de Almeida.
Tratando, do romance, diz a Napo :
Trata o autor no seu livro de urna
epocha assas interessante na nossa historia,
a epocha em quo o povo portuguez salvou
a sua independencia usando dos direitos
que a sua constituico Ihe garanta, epoclia
em que laucando a mo espada bradou:
Nao queremos rei BStrangeirol
Feliz epocha em que as amarguras do
sofTrimento nao quebrarain aos portoguezea
os brios, nao Ihe arrefereraiu o sangue.
Ento a suprema affronla a Portugal
era o sentar no threno d'esta farra nm|taniaa pessoas.
ra cstrangero, e esta suprema affroota
nenhuin portuguez a soffiia.
Eram tempOS de ento.... ehoje?
i As nossas antigs glorias Ievanlai-se
majestosas a lanc* ho rosto deste povo o
castigo das suas memorias; I), .loo f, o
Conteslavel. Joo das Hegras, sao os graav
des vultos do passado a exprobar a cobar-
da do presente.
Mas CO90 trata o autor sta epocha .
gigante, que gigante je levanta entre toda
as epochas ?
O autor a krata com os renirsos do
prsbite, e a epwrha moito- grawh para
nao parecer peqpen, ponqne pequeos
swno todos ante tamaulias gpdMaa
quanr as [)iocui7Hno>. sujetir ;k idt'-as do
prsenle.
Na** obstante in umitas paSSOpB d
obra o aitor se identifica con os gnnda*
sentimentos de Portugal, e ento a snti
penna amv fcil e llegante Miando como
portngnetaF coracQas portugueces.
t No romance reuna o autoe asas sna-
gjnaco, e bastante ndado eras se apfco-
xiiunr aos usos e lingnngt'iu das temfDO
que descree.
Nos lonvamos o autor peta sen em--
cheia de povo. Monsenlior Mermillod pro-
nunciou una allocucao milito eloquente
para mostrara igreja victoriosa, do homem
do tempo e espaco, e para recordar aos
Valesianos com os seus proprios deveres,
as grandes iiNiluin.es de S. Mauricio eS.
Bernardo.
t QUE PBACA. -lu jtrrnal inglez d no-
ticia que ha em Madrid 21:000 macn?,
distribuidos porSVlojas.
TEMPORAL.Nos principio da semana
passada lebenton furiosa tenfpestade as
costas da Blgica c de Inglalen-a, cansando
numerosos siistros. Na Inglaterra1 um- ba-
le! que cuuduzi 51 pessoas foi, en??ulia\r
pelo mar, bem enmo i-fems barcos cor 30 c
A torre da catheVaf de Fritzlar desabou
e matn 2G pessoas qae assistam primd
ra inissn. Em outro ponto, a chamln te
urna tabrien, t- que medir P.'(> [s. derrmou-
se do priuw-iro at o ultimo tijoto.
INtd.A'mtlA.-- Unur carta de Lon-
dies. dirigida ao (tdvereo) falla da roa-
rrucco da nova1 igreja cathdica ricpeque-
iw povo de Wesf-Dragtun. Este povo ti-
iii.ii ante.- do |*oies(anusmo nm convenio
d'.-%ostiiihos; l^uve nelle abbadfes e con-
gost ludo o que (fstruiu o foror protes-
tantb,
3f. Laci.rdair?; autor da caate* a qur*
nos nos referimas, diz
contrra o mancebo qia-. por sua
bondade, devia Mr lili rio sei.
F.u bem sabia que tinbas ido pedir
ao castello de Bijrnv > porm ignorava iipe l
estivesse o coido. O conde- de Sougeres
accresceutou- ello pensativo.o como que fal-
lando eomsigo mu uno taz vinte annos
agora... Triste- annivei"Suio, fatal vocor-
ilaco !
Conhece o. conde de Sougeres, meu
lid ?
Mal, ininha lilha. Chegr en havia
punco lempo-a estes sitios quando elle se
retirava. Todava, minha Catliarina, esse
bommoctsquejulgas ilhn di rei, talvez
seja o liN do coude.
Elle chama-se Rogerio.
E' elle, nao ha duvidatdisse o vellia,
cahindo em meditacio.
Conhece-o i
Vi-o apenas urna voz : era elle crcan-
cjeba... Ento foi ello que nos auxiion?.
ji'in me disse sua bella c nobre mi que
morrendo, Ihe legava o coraro, a alma e
a vida inteira !
Ento meu to couhcceu-lhe a mi ?
Sim, Catharinarespandeu Francisco
Paty, arrazando se-lhe os olhos de lagri-
mas.Foi urna martyr na trra e haCvinte
annos que um anjo no co t
E' verdade o que so diz, que o conde
matara sua mulher ou a fuera morrer de
magoa ?
Ah minha filha,redarguio o pas-
torquantas dores e miserias se soffrem
c em baixo I Nao sem motivo que o
mundo se-chama um valle de lagrimas!
Eslava a conversa n'este ponto, e a pe-
quena virgem, cuja curiosidade se desper-
tara vivamente, esforcava-se por a conti-
nuar, quando no pateo se apeou urna nuvem
de hbitos negros.
Eram os serventuarios das parochhs vi-
sinhas, que, tendo partido juntos de um
ponto de ronio, chegavam ao inesmo tem-
po a S. Silvano.
Francisco Paty apressou-se a ir recebe-los
e offerecer-lhes urn copo de cidra, em
quanto Catharins. voltou igreja para aca-
bar de adornar o altar. Atravessando o
adro, foi ad.nirada por todos os-paroohia-
nos, que nunca a tinham visto to alegre e
dizer a teupai qnv te compra
queta, parque esta lia dous an
est corta.
E' verdade disse Clandi
em vaoestender as mangas da
olhando atrapalhado para as
avermelliadas rwlds, e ossudos
As calcas tambem ja te es
accrescentou Camarina.
E' verdade disse o
tentando
jaqueta, e
graiHfes e
purriCxs.
o aortas
po re rapaz,
olif/eanos
a peque-
7uraw"7 vw "'," f 3^- .' do prximo. ajiKland>se uns aos outros.
)lls-sou fe, mas sou teu almigo dedi- ^.^j, rjeus na simplicidad- do seuco-
ado!... re..!,, rand,-s pi-s e pimas com- -() e ^ t'(H,a a vit!a lv>| i3;|
Undas, mas servem-mc para te seguir aira- recordJi0 em hoiirosa ^ta. Para o
escamas brilliavam como urna couraca lu- elegante.
zente : ao laCo dtf fiada prato scintllava o E de tacto, cm o seu vestida de cam-
talher denrita; auui e alli, no rae da< braia, cinto azul a fluctuar, seus olhoi ne-
flores que adornavam a mesa, elevavam-se. gros a scinllarim sob espessas sobrance-
como pequeas pyramides, garrafas de|Ibas, suas tramas, debaixo de cujoposo Q
olhando tristemente para os psc
e descoinmunaes toraozettos* qu
nez das calcas deixava a descobejrto*Sim,
accrescentou elle com as lagrimas nos
olhos:
cario
pridas, mas servem-mc para te seguir aira-
ve/, das sebes, quando t andas s sobre
Annette ; tenho amas m >s immensas, mas
j me serviram para te defender f
Muito bemdisse a pequea virgem
em tomde terna censura.E ento eu nao
serei tambem tu amiga ? tta certo tem-
po que te acho exquisito... V.'imos laju-
da-me a desfolbar algumas rosas as de-
gros do altar e espero que te distingas
com a tua voz no coro.
E, dizendo isto, entraram ambos devota-
mente no templo, onde o sol j penetra va
com todo o esplendor dos seus raios.
Entretanto dava-se o primeiro toque para
a missa, o o povo, que desde manba esta-
cionava no adro, oomecra lentamente a
entrar na igreja.
0 Sr. Noirel accendia as velas.
0 coadjuctor ia e vinha, nao se fartando
de chamar a alten?o para a sobrepeliz
nova, que effectivamente dava nos olhos
dos circunstantes.
O pequeo Joo estalava de alegra com
o seu solideo vermelho e falo novo de mi-
nino de coro, que Catharina Ihe comprara.
Claudio estava no coro ensaiaado o me-
taf de voz.
A pequea virgem, de joelhos e orando
no centro dos pobres da aldeia. ia ao mes-
mo tempo notando se faltava alguma cousa
para a boa ordem da festa.
0 bispo de Limoges flzera saber pelo
seu secretario que ira assistir ao officio di-
vino, apeando-se porta da igreja. Por-
tanto s dez horas, dado o ultimo toque
para a missa, todos os circunstantes esta-
vam a postos. 0 recinto sagrado trasbor-
dava dj liis. As naasoas consi leraveis do
sitio oceupavam o banco da fabrica. S un
banco se adiava vazio, com i se conservara
havia vate annos: era o d)s CJalgos. O
coro e o altar ainda estavam desertos. Fran-
dsco Paty, o seu coadjuctor, os.nais p.idres
o o Joosito, com o thuribulo na mo, em
|>eul, lou^am-lu pefts ideas patriotic*
que na sua obra exne&de, e Ihe dzeriK*-
com a nossa fraca voz
* Fllae cerno portugui'z das fihrias de
Portugal a portuguezes- que seris asen-
tad *.
SfISSA. bdos 06-annos os nsitos A*
roda de um paMio, feperatam porta
diogaa do pelado.
Es*wa um dnmjuelle9 ds de pi-av.aver.k
.que toto odnSwrem, \mj sen brillury pan'
darem. poesa s solenMiidhiee religiosas.
O musgo reverdeca sobre os toctos d col-
mo, as madre-silvas exbalavaai os ms SUJr
ves ierlumes,.osol reverbrava as-vidra-
cas. a co sowia-se pa*aa trra e tsaudu-
rnhatalegres- dijscrevic.ui largos irruios-
u \i4la do r-tmpanark>/
l>e- repente bmive ntaumieido em tc^
da a. asseiiiUli'*: lodon osithiares -envei-
girasi para a porta, t4>tos k> coracots pal-
l'ii o am a un^tenq.
.\cabava de parar junto- ta porta unta cat-
rnaflMB pus.ada por ous ravallos.
0bispo apeou-se sttguako de duat afean
dignidades.
ITraiiciscrP-.itv den alguna passo>afrente,
e, opUcandbtse eitn o navio o o prc-ki-
dc tomou a palavrai nos seguintes .<0tvm :
. Sua frvelleii.i;:revr.'iidissima, ig-
nando-se sitaresta parochia, besk prova
ser sobre t trra o representante do Deus
adoravel, qbeteve porberco um.presepe.
Aq entrar n'este tiiiip, ver votsa excel-
Inicia ajoelliada na. passagem gente valoro-
sa, laboriosa, paciente, resignada, amante
ajudando-se uns ao^
Sve n honra dV fallar com Sr, Ar-
cebispe-de \Vestiiiii*>^r, Mons, auning.
quenrfidtoi especfibnMe dos serpre-
bendentos progressoe Ab ratholicism em
Inglaternk Dentro i'puoco, irae-disse-,
a UUOfili da naco teja v (le seus-pne.*
rafao e que' guardar
recordad desjla honrosa visita, para o
futuro o da de S. Silvano ser para esta al-
deia urna dupla festa, porquanlo desde hoje
a imagem de vossa excellencia oceupar em.
nossas almas um lugar junto, do santo qi
veueramoSv
Tal foi o discurso de Francisco Paty, que,
se nao primou no estylo^teve pelo meaos
o mrito do laconismo.
Sr. abbade,respondou o bispo com
amabUidade dever meu visitar as paro-
chias da diocese, o qual cumpro sempre
com desvelo e bom grado, porque me li-
songeia o coraco; comtudo devo- dizei-
lhe que esta minha visita aqui Ihe i> consa-
grada, competindo-lh! por isso qualquer
honra que d'ella possa provir. Ha muito
queeuseidos seus mcrecimentos. e, visto
ter recusado todas as elevadas collocacoe
que Ihe hei offerecido, quiz, vndo ved no
recndito d'estes bosques, dar-lho um so-
lemne testemunho da estima em que teaho
as suas virtudes e obras.
Senhor,disse, lavado em lagrimas,
o bom pastorconsidero^ne recompensado
cima dos meus fracos merecimentos. Pa-
recer que acabo de ouvir a voz de Dus
a dizer-me que est satsfeito comigo I
- Sim, Francisco Paty, meu digno ami-
go, pode estar certo da benevolencia de
Deus I acrescentou o bispo, dando-lhe o
anneU baijar. TTf % 7
Depois d'esta curta scena, que singular-
mente coffimoveu os assistentes, passou o
bispo para debaixo do pallio, caminhando
processonalmente entre duas alas de m3 is
postas e frontes inclinadas, precedido do
coadiuctor com a cruz, do to Radigoiscom a
bandeira de S. Silvano e do pequeo Jo.i,
que asmazuras ia incensand) o prestito.
En lugar da detestavel rezina, que,sob o
mine da incens, costnmam qnakftir as
igrejas, lembrra-se Catharina d metter id
thunbulo algumas flores, de forma qu; a
cada incensadella que o pequeo Joo tafia
Escrovciui de Roma que a Santa-S-se
oeoupa-agora de restabdcertambeniage-
rarehia aatheiea na Escocia. 0 Arcebfepo
de Glasgow sera o seu dict, assim como
o de Wcjtminster se achaca frente do eftis-
oopado cathofico inglez.
ral lian i aos ps do bispo' UBt goivo, una
papoulai c raminhos de -amedriose vero-
nica-.
Chegndo o Mriejo ao oorn, foi o bispo
assent.-v-sr iran; carleinv cifii docel, -es-
querda do altar, cotpeeandb logo pcrriop
divino.
Junto do alte forcoso ao ranijiioista
parar, -nitaiub. assim a profaiaco des-sa-
grados misterios f Todav;ai, na quairddt-
de historiador lit.-l. nao podemos omiair.uiti
iucidei te que este ve para perturbar aele-
hraci>.da misan.
Tudo corren o melhor possivel. As-ve-
las ardiain bna, a campoinha nao iecav;
rouquunha, o>JbSosjto desenvolva-;-! ivji
venienlementc. sem se atrapaihar mullo oom
a aiii)lidrio das vestes su>vas. Cnianto
Claudio. Cfbdi-se de gloria ; diziarse at-
no aaditorio qae jamis elle cantuta l*>
profi ssunaliiente. Ao Erjfrieeleison teve
meii-nli- exoMer toda a espectativa*. Po-
der-se-ia dizer ajan, em vez de dous-eanio-
res de cm-o, havia alli urna.latera de pe-
cas de artillera! Tanto a. sua voz- ora se
maaife-tava plena e majestosa como um
tiiM-rn. sob as abobadas, ora terrlvel e ca-
vada como- a torrente a precipitar-se no
abfrsmo, rjuj anda estridente como-uma bom-
ba que a-meaeava romper o tedo.
Ciiegou mn momento, em que aquella voz
adquiri tal desenvolviuento, que todas as
vistas coirvergiraui s(ire o joven Noirel e
pozeram-se a conleinpla-lo com< admiraco
migtarajdji do reonn que cxpernntariam
ao veroinum equilibrista dansjulo na corda
com um trocipicio ddiaixo do ps; porne.
o valorasoe digno Claudio, sem so arre-
cejar dtis iparos da assembln, ciost da ap-
provacao de Cathariim, reoV>rava'de for*;i
e enei'gia. A sua vozia sempre snbiprio e
o bom rapaz attingia o mai completo U'i-
unmhoaque poderia aspirar um cantn de
igreja aldea, quaado de repente... oh'
amarga decepeo da sorte ol! calamida-
riodos cantores!, oh I tatalidade semexem-
plo!.. eis (juc lltesopa um falsete, mas.
nao foi um d'esses falsetes dissiotulaveis,.
porm, um guincl monstruoso, capaz di
arruinar toda a reputa^ao de um cantor t
Vio-se Claudio empalldver.ate*la cobrio-
se-lhe de gotas de suor fri 'e lev o pai de
concluir o hymnoque o tilho comecia.
Qual fra "a razan d'isto ? O que se pas-
sava ? Algum espirito diablico dt garras
de ac ira tracoeiramento comprimir as
guelas do intrpido cantor, nunca at alli
supplantado? Ter-se-ia introtruzdo n'aquel-
la gaiganta alguma mosca que determinasse
to funesta engasgadella ? Deus, que tudo
Unida, dira voz de Claudio, como s on-
das do mar: Daqui nao passars ? Ou
antes Claudio, em jejum de vespera, teria
suecurabido a um d'esses sbitos deliquios
frequentes mesrao as pessoas mais robus-
tas, quando esto em jejum?
NSo foi nenhuma d'essas cousas.
Claudio, que suppunha R igerio bem lon-
ge d'alli, deparara com o rosto d'esse man-
cebo, quj eslava assentada no banco per-
tencente sua familia, e o desgranado Aca-
ra fascinad i, como o rouxinol com o olhar
do brasilisco. Tal foi, pois, a origem da
eagasgaddlla. de quo >w large tempj se
fallou na aldeia e arredoma.
______________ (Contmuar-se-ha.)
iu. im) tiAJtio~-4aTujt cB8i; h
-v<
'
l "BllO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1R6QNK7G_5WVGRB INGEST_TIME 2013-09-14T03:09:41Z PACKAGE AA00011611_11737
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES