Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11736


This item is only available as the following downloads:


Full Text



dta*.
ANNO XLV. NUMERO 4.



)
PARA A CAPITAL E LUGARES OiTDE NAO SE PAGA PORTE.
Por tres mezes (limitados.
Por sois ditos jdnm, .
Por tira anno klem. .
Cada numero av ilso .
64000
i*ooo
244000
#
SEXTA FEIRA 8 DE JANEIRO DE 1869.
PARA DEITRO E FORA DA PROVINCIA.
Por ta's mozos adiantados.
Por seis ditos dem. .
Por nove ditos idem .
Por um anno.....
6*730
134000
2042W
274000
DIARIO DE PERM
Fropredade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
NAO \*i.mi:s
O* Sis. Gt'iardo|.\iitonio Alvos A- Filhos, no Para : Gcucalves- Pido, no Marauho; Joaquim Jos de Oliveira, no Cear; Aiponio de Lenios Brafra, no Aracaiy: Joao Mara Julio Chaves, no Assi; Antonio Marques da Silva, no Natal: Antonio Joaquim
Gtihnaiaes Pancada, ein Maman!, nape; Antonio Alexaudrino de Lima, na Paraliyfoa; Antonio Jos'- (i ornes, na Villa da IVnlia; Belarmino dos Santos BufcSp, em Saido Anlao: Domingos Jos da Costa Braga.
v em Nazaretli; Francino da Costa Tavares da Costa, em AJagas; Lr. Jo| Maitins Al ves. na Balda: e Jos Ribeiro Casparinlio. no Bio de Janeiro.
===------ =------------------- '" 1 I- _^r=
JARTE OFTICIAL. _
Ministerio do Imperio.
AVISOS.
I'tio le Janeiro, 10 de dezenibro de 1868.- Ilhn.
e Exm. Sr.Era oflicio de i" de novcnibro do an-
uo paseado sujeitou o antecessor de V. Exc. ap-
provac do governo imperial a soluro que dora
a seguiite duvida propoeta pola cmara municipal
te Santos:
Se Francisco Antonio Fenvira, tabclliao do pu-
blico, judicial e atas, e escrivao do trime e civel
daqueila ridade, sendo ehsto veroaflore leudo pre-
Itenas continuar na serveutia da sen oflirio. poda
a-sumir o cargo de vereaddr em .razan de ter del-
xado o primeiro empregoque exerria.
Ouvida a seccao los negocios do imperio do ean-
seM le estado, S. M. O Imperador, conformndo-
se por sua immodiata remuelo de s le outubro
ultimo, com o parecer exaraiin em consulta de lo
do mez anterior, lia por bem mandar declarar a Y.
ExC. que merece sua imperial approvaeo a deoi-
aao proferida pelo antecessor de X. Exc. pelas se-
grales razos em que fundn:
Segundo a doutriia dos as sos n. 803 de 23 de
n ovoinbro le 18:t" e n. trt de 7 de fevereiro de
1861, sao nronipativcis os referidos lugares. Oe-
cupando o cidadao de quetn s' trata o lagar dota-
bdlio do pnUBco judicial o notas por titulo vitali-
cio, piando foi cleilo voleador no anno de 186i, e
leudo enlao deixado de tomar posse leste cargo, e
I ai tieipado cmara municipal ipieassim proceda
por conservar o sen ofllci. licou entendido que iin-
plicitawnte o baria optado e renunciado o cargo
(le eleieao popular.
O argumente de que se nao pede admittir a re-
nuncia tacita de direitos nao procedente ncsie
caso, porqne a permanencia no exercieio de um de
dous earg a ii.....mpanveis revela a intonoo de nao
aceitar o mitro e pivduz os meamos efleuoe da re-
nuncia expressa.
A circunistaiicia de nao estar, qnando foi eleito
vareador, no efteetivo exercieio le sen oflicio por
enfermidade ou nutro motivo, nao modifica o esta-
do da quesfio, eerto como que voltea posterior-
mente a exerce-lo at o anno de 18(lj.
O facto de haver o inesmo cidadao deixado de-
pois o referido otheo. permutando-o com autorisa-
can do governo pelo de escrivao do jury, llie niio
pode aproveitar para assuiniro carpo de veroador :
i', poruea reuuncia do cargo devoreador emane
importen a eonsersaeo do olllcio de juslica surti
logo seus effeitos e nao revogavel a arbitrio do
interoaoado, nao sendo applicavel ao caso a duutri-
na do aviso n. 207 de G le mareo de 18i0, que se
refere nicamente ao de simples impedimento; 2,
porque, anda quandu nao prevalecesse a primeira
razao. o novo oflirio, pie passon a servir o dito
cidadao. d; escrivao do jury, perpetuava a incom-
ratibilidade, visto que 08 vereadores sao substitu-
ios legaes (ios jatees municipaes, como dispoe o art.
10 da lei de .1 de dezeinbro de 1841, e tei declara-
do pelos avisos n. 67 de SO de setembro de 1843,
n. 36 le 8 de marco de 1847, n. 129 de 12 de abril
de 18.8 e outros.
Deus puarde a V. Ese.Paulino Jos Soaret de
Sansa.Sr. presidente da provincia de S. Paulo.
Rio de Janeiro, em 19 de dezembro de 1868.
Hlni. e Exc. Sr.- -Acenso o recebimeuto do offlcio
de 12 lo curente mez, em que V. Exc. submette
iionsideraeo do governo imperial o acto pelo qual
(luelarou cmara municipal de Nitherohy que nao
ha incompatibilidadi' entre o cargo de remador c
as funreoes de agente de leiloes, pelos seguintes
fundamentos:
1. .Nao seren os agentn de que se trata empre-
liados pblicos, porra simpli-s auxiliares do com-
nercio. como se v do cdigo commercial, nao se
i lies podendo applicar as disposicoes sobre incom-
patibiliilades dos funccionai ios pblicos'
2. Nfio haver impossibilidade, ltenla asnana-
Itneza. de gercm as funecoesdos referidos agentes
(ereiaas eonjunctamente cora as de rereador.
Em resposta, declaro a V. Exc, (iue. vista des-
l< fundamentos, o governo imperial approva o acto
ele V. Kxc.
Deas guardo a V. Exc.Paulino Jos Soan's
Souza.Sr. presidenta da provincia do Rio de la-
i eiro.
Niiillerio da Jiistiea.
Rio de Janeiro, 21 de dezeinbro de 1868.Ilhn.
Exm. Sr.Foi presente a S. M. o Imperador o
oflicio de 26 de outubro de 18(>o, no qual o anle-
(--sor de V. Exc. propoz o cidadao Tiburcio Jos
do.- Santos Ribeiro para lenentc-coronel cominan-
do ba'alhao n. 34 da guarda nacional dessa
provincia, em suhstituicao do tenente-coronel Jos
Kaxoso Lamomuet Gotlfredo. que fura dispensado
do exercieio nos termos do art. 61 da le n. 602 de
13 de setembro de 1830.
Por sua immediata reeolucSo de 12 do correte,
Diada sobre parecer de 11 de Janeiro de 1866 da
.rao de jusca do conselho de estado, o inesmo
augusto sensor houve por bem decidir que a dis-
1 --usa auiorisada no artigo citado simplesmente
i na medida administrativa enao urna pena: eqne,
cao sendo o oflicial privado do posto, mas s. do
exercieio. a que pode ser em pouco restituido, nao
t -ni a lei era vista adiuittir ouira substituicao alm
da interina, de ipie trata o arl. 68 : assim coraiiiu-
oico a V. Exc. para seu conhecimento.
Deus puarde a V. Exc Jos Martiniaiino de
Alinear.Sr. presidente da provincia de Minas-
t raes.
Rio de Janeiro.22de dezeinbro de 1868 Ilhn.e
Exm. SrFoi presente a S. M. o Imperador o ofli-
cio dessa presidencia, sob n. 347 e data de 10 de
covembro ultimo, eommunicando que Antonio Ger-
i tao Alvos de Souza representara sobre a impos-
s/ibilidade de servirera eonjunctamente um juiz de
ireito substituto c um juiz municqwl supplente
i maos; assim como um tabclliao e escrivao do ci-
el, prente de ambos em 2 grao.
Deu lugar representarlo o facto de achar-se
no exercieio da vara de ireito da comarca do Rio
l'ormoso o substituto harharel Jos Julia Rigueira
l'into de Souza; no exercieio da vara de iuiz mu-
nicipal supplente de Serinhem o bactiarcl Manoel
Nicolao Rigueira Finto de Souza, e ser tabellio
nesse mesmo termo Joao Affonso Rigueira.
Decidi V. Exc. que podiaro servir na mesma
i^marca o juiz de direito e o escrivao, porque, sen-
do este do civel e tabclliao de notas, nao funecio-
uava perante aquelle; porm nao podiam servir
O'injunctamente, no mesmo juio, o supplente do
uiz municipal e o dito escrivao, devendo por isso
o bacharel Manoel Nicolao Rigueira Pinto de Souza
,tbster-se de assuraira iurisdiC(j,io em quanto o sen
.vrente oceupasse o offlcio de escrivao, anda quan-
lo por qualquer circumstancia este nao estivesse
em exercieio.
E o mesmo augusto senlior liouve por bem ap-
ar a docisao de V. Exc., a mal se conformou
com o8 3o do aviso'n. 363 de 30 de setembro de
18aft
Deus guarde a V. ExcJote Murtinianno de
ir. presidente da provincia de Pernaot-
Antonil Estanislao de Can-alho. Dirija-se a
thesouraria provincial.
Engenbeiro Antonio Vicente do Nascimento Fei-
tosa.Ao Sr. inspector da thesouraria de fazenda,
para salisfazer.
Antonio Francisco de Moura.Como requer.
Bernardino da Silva Costa Campos.Passe por
tarja
dios, os feitos heroicos, que assignalaram o ultimo
anno as duas margena do Prata. Seria deslem-
hrar que a gratido do j aiz guarda como um glo-
rioso patrimonio nacional a memoria desses inex-
cediveis rasgos de herosmo que elevam o soldado
brasileim altura dos priineiros soldados do mun-
do. Seria antecipar a historia que vira fazer a mais
navepacao. s relacoes de todo o genero: visi-
nhaudo em desambiciosa harmonia com ^s povos
iv ele-
Francisca Rosa do- Santos Barros. O gerente
da ('.oinpanliia Peni; mbucana teni ordem para fa-
zer transportar a s qtplicante e seus cinco Huios
menores. Quanto aos gneros, pie pretende le-
var, cumpre pie apiesentelrelac/io debes para b-
ter 0 respectivo tito] >.
Jeronymo Theotonio da Silva Loureiro. Passe
titulo eoncedendo a liccnca pedida com ordenado
soi oeste.
Joao Raptista do Ainaral. Informe o Sr. Dr.
juiz de direito ouvindo o juiz municipal.
Manoel de Ranos Barrito. A vista das infor-
macoos conceda-se a prorbgac requerida.
nepartico da polieia.
2" seccao.Secretaria da polieia de Pernambu-
co. 7 de Janeiro de 1868.N. 19.Illm. e Exm. Sr.
Tenho a honra de fazer chepar ao eonbecimen-
phiia e acabada jttstiea as armas do imperio. <*-
nte zendo vindouros que a honra do Brasil, tiio de
sobejo Tingada, Res passa ininiaculada como o
mais precioso legado.
Lembremos smente em testemunho de justa ad-
miracao das verdadeiramente gloriosos. Lembre-
mos 9 dkfkvkhkiiio em que una divisao avanzada
Iranspoz altiva as correntes de linmayt, alfrontan-
do impvida as dezenas de canhoes que lhe raan-
davam a morte e a destruicao era premio de sua
audacia : essa noite niemoravel em que o pequeo
monitor Alagos, desviado (telo elTeito de um pro-
jectil do costado de um encouracado que o prote-
ga, investiu 80, resoluto, heroico, o terrivel passo.
Va ; Manrity, um joven oflicial, que colunianuava o
Alagos!
I.eilibremos o alvorecer desse dia em que o bra-
vo martpiez de Caxias. carrepado ao jmjzo de tanta
gloria aceuinulada em urna lonpa vida militar, ar-
rojou-se intrpido ao reducto E^labelerimento, to-
mando- de assalto depois de porliada resis-
tencia. Associemos ao genio univalente: o ha rao
to de V. Exc que forain recoliiidos a casa de (!e-
lencao nos dias o c 6 do corrente. sepundo consta i j0 j^m
das participaroos recebidas boje nesta reparticao San(ll.I1|0S eill ozorio.'O visconde do Herval, urna
os seguintes individuos
No da .">. a ordem do subdelegado do Recife,
Joio Duarte d'Uliveira, para ser conservado em
custodia.
ordem do de Santo- Antonio. Helena, escrava
de Manoel do Reg Barros, a requerimento d'esle
Rusa, escrava
Moateiro, a remiedmente do respectivo deposita-
rio e Manoel Vegas, por desobediencia.
ordem do da Muribeca, Joaquim Severino,
por ferimento.
No dia 6, a ordem do subdelegado de Santo An-
tonio, Agostinho Manoel du Nascimento, por ter
forrado a urna raulher para lim libidinoso; e Ja-
cob Luiz da Costa, ir offensas a mural publica c
disturbios.
ordem do do S. Jos, Manoel. cscravo de
Francisco de Mello Cavalcanle de lbuquerque,
por fgido.
Deus guarde V. Exc.Illm. e Exm. Sr. conde
de BaependyO delegado encarregado do expe-
diente, Joao Hircano Alves Mnciel.
loria nacional. Foi elle o general quera eoube
a arriscada opcraeao do reconhecimento operado
par dous ngulos do quadi latero de Huniayt.
Nesse tao celebre feito, zorio excedeu-se s mes-
mo ; de p sobre o reducto iniugo, coroado por
to Barros, a rw|ucriiiK-iiiouie, 111 abuj,0(1l (le pC,igos, nuda o contemplasse
d(?.* 1,0.rile"",os _de. 1^!'.nard,1!!'5 J'.'^'; nena nobre atlitude vera nelle mais ^do me um
bravo: vera a mais alta personilicacao do he-
roismo.
Saudemos como um grande dia para os destinos
do Prata o ein que os exercitos da IMianca Bode-
rain ver liumilhada a sobi^rba fortaleza que, tanto
lempo, semanteve como uiuaameaca inminente ao
equilibrio dos estados platinos, paz do continente
e livre navepacao de um de seas mais importan-
tes rios. Era Humayt um protesto armado contra cada.
que tacara a son* limites; pode o Parapu
vai -se ao nivel da- naeoes eivilisadas e '
sado para o s'ii futuro.
stes e nao outros devem de ser os flus da al-
So di i em que ella hoiiver assegunulo a
rao das vistas que a Inspiraram, o .inundo
inti'iro lar a dcridajustica a poltica generosa e
dosintoressada do grande' imperio da America e
das repblicas me se alliaram aos seus designios.
Sii esse tanibein o dia. e nao est longo, em
que o Brasil, orgulliado do Iriuinpho le suas ar-
mas e mais oigulhado anda de ter siil-p o primeiro
e mais poueroso eonpi'radoi- em nina venladeira
cruzada do direito da civilisacan, podeni voltar-se
liara todos os cuidados ue reclamara exigente-
mente us seus mais cams interesses. ahrindo s
energas nacionaes nina larga esphera de desen-
voJVHnenH e applicindo-so sombra de nina paz
diiradonra gloriflear. honrar e nobilitar o tr-
bame como o primeiro operario de sua prosperi-
dad.
Assim que o ultimo anno, deSpontando som-
nrio para o imperio, encerra-se rom a esperanca
de que os inestimaveis beuelicios da paz. tiio ins-
tantemente reclamados pelo paiz. vir.v eoni pouco
reparar as verdadeiras ruinas i*q>alhada.i pela
guerra.
Estes tem sido e sao i.> ne'is votos. |Mirqie sao
os votos do paiz.
Em sen perpassar rapidn, o anno de 1868 foi
anda testemunha de un laclo que eleva mxima
altura o patriotismo e o boiu senso do povo brasi-
ro. Continuando iodos os concursos reclamados
pelas exigencias da guerra, o paiz receben com a
resignada convlccao de sua oppovtunidado O noTOS
imnostos com que foi tributado.
U coinmercio, nao obstante o estado desfevon-
vel em que se manteve o cambio sobre as (iracas
com que est ein n-laco, continunn com lirraeza
o jopo de suas operaces. retrahindo-se eo 0 cau-
telosa prudencia, mas sustentando os seus rditos
e dando mostras de plena conliain-a" na ac(;a<> da
governo.
A poltica interna foi profundamente modifi-
rrecusavel verdaile que as energas nacionaes nao
precisara senao ser DObremente solicitadas.
Elle coopera tamben para robustecer a renga
liear-sc | de que 0 gabinete tem por serio e resucito em)ie-
nlio nao pedir iimissoes successlvas di
papel o expediente fcil, mas funesto, de tirar-se
dos emliaracos de nina dillicil sitnacAo econoiniea.
Prdceden-sc no imperio a eleieao de juizes rt1
paz e vereadores das cmaras municipaes cora ple-
no triiiinpho do partido constitu-: nial. Eleieao vio-
lentamente disputada em numerosos disirictos, el-
la pode ser apuntada como nina das mais livres
que se tenliam feito no Brasil.
Deixamos escrlpto que o patriotismo lo povo
brasilciro nao descontinnou o sea concurso s
exigencias da guerra. Primeiro cidadao. o Impe-
rador do Brasil qiiiz graciosamente tomar parte
nessa loipienteinaiiifi'sl.ico patritica que se tem
tradnzido era espontneos ofli'recimentos e genero-
sas dnacoes. Desde maivo do ultimo anuo. S. M
fez rccolhor ao musouro nacional a (piarla parte
di- sua dotacao em desempenlio da alta promessa
contrahida ni 1867. que se inspiran como um no-
breexeoipto toda a familia imperial.
As relaccs exteriores do imperio nio soffreran
niodiiicacTi durante o anno.
Foi promulgado pelo d"cre|i) B. 4,180, de 28 de
noveuidro. o tiala.loiile aiiiiznle. limites, navega-
cao, comuiereio e exlradicc > eel ebrado ein 27 de
marco de 1867 entre o imperio o a repblica da Bo-
liviana cidade de I .a l'az. haveiido sido trucadas
as raeUfteac6es na mesma ridade em 22 de setem-
bro do mesan anno. Este solemne tratado coueor-
correr para linnar e eslreitai' as relacoes que -
gain os dous paizes.
Assim que o Brasil, cultivando a amizade de
lodos os povos por urna poltica d>snteressada e
Cioverno da proTincia.
KSP.VCHOS DA I'REsIDENCU DO DIA 7 DE JANEIRO
DE 1869.
vlexandrina Mara do Espirito Santo Sevc Leal.
Como requer, pagos os direitos devidos.
DIARIO DE PERNAMBUCO
HK< It'K, 1 DE JANEIRO DK 1869.
RETROSPECTO POLTICO DO ANNO DE 1868.
(Original do Diario de Pernambuco.)
III
America.
II
BlUSa. B REi'CBLICAS DO PRATA.
Justos impulsos patriticos reservara um lugar
de honra em nossa revista annua ao gigantesco im-
perio que, pela sua posicio geographiea, pela sua
inmensa superficie qu oceupa '/5 da do novo
mundo, pela extensao de suas costas que secontam
jtor centenas de leguas, pela prodigiosa feeunddade
de seu solo entrecortado por innmeros rios, pela
raridade e multiplicdade de seus productos, pela
homogeneidade de origem, de costumes. de lingua
e de relipiio, pela excellencia de suas institiiicoes
cuja sombra florescenciam todas as liberdades, pela
vtalidade do genio nacional capaz de todos os
avancos as artes, na industria, no comniercio e
navegaeao, as lettras e sciencias, se afllgura pro-
videncilinente talhado para ser o emporio des! a
joven civilisaeao sul-ainericana que tem por inlati-
gaveis operarios rios occeanicos, florestas virgens,
um solo opulentado di riquezas, toda una natureza
esplendente de promessas e complico de todas as
audacias do trabalho.
Si o anno que passon nao foi para o vasto im-
perio um. periodo de risonha prosperidade ; si nao
fui assignalado era sua desfonda carreira por al-
pum desses largos comniettimentos que rasgara
BOTOS hor'isontes actividade humana ; si as indus-
trias e o comniercio experimentaram ainda os tris-
tes effeitos de causas, que o tenipo accuinulot e
que s o tempo permittir anihilar; si o verda-
deiro pezadelo da gueira externa earregou sobre o
|K-ito dorido da nacao. entorpeetmdo todas s fon-
tes da produccao e embargando o passo todas a-
energias; si lm enorme aepe.it, garganta insacia-
vel, veio em legado ao novo anno com todo o seu
cortejo de ruinas econmicas ; sobrara tercas ao
paiz. sobram-lhe recursos que asseguram ao futuro
todos os elementos de urna viepsa prosperidade.
Um anno um dia apenas para a vida dos ik>-
vos. 0 que acaba de cahir na urna do passado,
nao foi abundante; na < foi geueroso; nao foi fecun-
do para o Brasil ; nao o poda ser na pre>cnra do
urna guerra prolongada e exigente : mas nao foi
tamberaestril e inteiiament desprovetoso.
E' felicissraaraente ratre os huimos de assigna-
lados triumphos que o ultimo'amio sedebruca
para a historia. Duas esplendidas victorias das
armas da allianca Contra o exercito do cruel dic-
tadlo- do Paraguay prenunciara com a mais plena
seguranca o xito honroso dessa ionga canipanha
que, em'quatro annos, congregou as duas mar-
gens do Prata os mais iinnidaveis meios de guerra
que o continente-sul tem visto apparelhados.
Vieram eslas duas grandes opera^des mitilares
encerrar gloriosamente o anno mais notare! desta
longinqua guerra, que tantos inestimaveis sacrifi-
cios tem imposto ao imperio.
O sol de 1 de Janeiro de 1868 encontrara os
exercitos da trplice allianca as posicoes estrat-
gicas de Tuiuty, Tay e Tuyu-Cu, defrontando com
o immigo que concentrara as suas forra da pri-m
meira para a segunda linha de defeza do uoflO
quadrilatero de. Humavt. A esquadra brasileira.
composta de encouracados e monitores, fazia frente
una das faces da lOberba fortificai'ao, empre-
gando-se actiramente em ncessante boinbaraea-
mento.
Protegido pela complcidade da natureza, o in-
migo nao eslava anda estrellado e tolhido de re-
cursos. Pelo Chaco, que se estende raargem
ron teirade Humayt, era-lhe livre o accessoao
interior da repblica.
Era, em comeco de 1868, tuna campanha mteira
por fazer. Abria-se para a guerra urna phase in-
teinmente nova que devia por dura prora o ge-
nio e o valor do Ilustre general que estar frente
dos exercitos da allianca, a dedieaco e a bravura
dos generaes de mar e torra, o herosmo nunca
excedido dos nossos soldados.
Nao se illudirain as mais fuudauas previsoe;. 0
legondario mari|uez de Casias, o prestigioso sol-
dado do imperio, inh i communicado a sua grande
alma, o seu nobre arlimento patritico aos exer-
citos que commandava, e que viam nelle o vulto
mais veneravel dos fatos mnitares do Brasil. Elle
os linha conduzido d' victoria em victoria at s
suas novas posicoes; deria ser si ib sua rigorosa
impulsa que. humilhada a Sebastopol da America
penetral iani os exercitosaltiados no coracaoda iu-
fort uada repblica, a monteando em sua passagem
os destrozos de una intil mas desesperada resis-
tencia.
ISstao os aconteciinuntos tao vivos ua memoria,
qn: nao pertinente acordar os numerosos episo-
a civilisaeao; mais que isto. era urna affronta per-
manente povos i muios (picein seu reciproco en-
grandecimento, nao podem ver sinao una inevita-
rel condicao de sua prosperidade e una garanta
de paz. Em quanto 200 canhoes coroassem as mu-
ralbas de Humayt, nao podiara o Bratil e o Prata
depr as armas.' Data desse nii'inoravel dia toda
urna revohi^o as relaces continentaes.
Resultado feliz de um plano saliianienle desenlia-
do, a rendicao de Huniait foi tambera o annuncio
de una serie de importantes operacocs militares,
que consepuiram desalojar snccessivainente o ini-
migo de Timb, de Tebiquary e ltimamente de
Vieta.
Vuxeta! Quanto heroico esforco em torno
deVilleta! Quanto Ilustre sacrificio "dado pela pa-
tria, e pela mais nobre das causas, nos memora-
veis dias 6 e 11 de dezeinbro! Como sao car.
victorias!
No momento em que escrevemos, ainda circulara
as ultimas noticias do theatro da guerra. E' no
racio das mais patriticas iuanifestacoes. de um
verdadero delirio de cnlhusiasmo, que o paiz aco-
lhe a narrara desses brlbantes feitos cora que as
armas do imperio devem ter escrlpto com um san-
gue precioso a ultima pagina dolornsa da Ionga
campanha.
Nessas duas grandes jornadas, o exercito brasi-
h'iro ganhou ora noine immorredoiiroenovos ttu-
los ao reconhecimento nacional. Militas glorias
disHibuio a victoria. Foi ah que o marque/, de
Caxias, o primeiro soldado do imperio, o ebefe de
um exercito numeroso, bateu-se de espada em pu-
nho; estando onde era maior o perigo; passando
e rcpassando una cslrcita ponle sob um churciro
de balas; animando todos com osen nobre
exemplo; guindo elle proprio ao ataque invenci-
vi'is colnmnas; realisando prodigios de um valor
raas vezes igualado, nunca excedido; e escreven-
do assim a mais heroica pagina de sua lonpa vida
militar. Foi ahi que Ozorio e Argollo, generaes
por lautos ttulos Ilustres, recel'eram impvidos
gloriosos feriinentos cora eloquente atjestado da
intrepidez com que alTronlaran o |ieripo. Foi ahi
que 0 bravo brigadeiro Gurjao (pieria mostrar
como morre um general, laucndose com heroico
Impelo trente de sua divisao e sendo ferido com
ledo o seu estado-maior. Foi ahi que o bario do
l'riiuiiplio. frente de sua divisao de cavallaria,
jiistflcou mais una vez quo significativo o seu
titulo. Foi ahi que Fernando Machado, coronel de
infantaria, Niedrauner. coronel de cavallaria. Lima
e Silva. Azevedo, Guedes, e tantos, pagaran) com a
vida a sua destemida bravura. Foi ahi que um
exercito inteiro comquistoit a mais ensanguentada
victoria da actual campanha?
Tao proco de sangue, est Villela em nosso
poder! Mais um truinpho!
Sera Villeta. ser ainda \ngoslura me se acre-
dita nao podi' resistir um impelo dicisivo dos
exercitos da allianca, a nica resistencia do dicta-
dor ? No Interior do paiz, ein suas longas e impe-
netraveis cordlhciras, em um terreno favorecido
pela natureza pan todos os meios de defeza. nao
surgirao novos balluartes desse poder dictatorial
que opprime o Paraguay.
Podeni surgir; devm surgir. Mas, deve ter
um termo a Ionga campanha; e lempo de dar
porfiada a niissao das ai mas. Perseguir dicta-
dor alravez de longas eaikias de montanhas; pro-
vocar pela jM'rseguicao ledobradas resistencias;
prolongar ainda mais a c unpanha : seria deseo-
onecer que os fins da guerra estao honrosamente
preonchidos e que o paiz nao a pode uianler por
muito tempo.
E' assim que se pode.assegnrar que,, depois de
qiiatni longos annos de una formidavel campanha,
una paz honrosa vira dentro em pouco corar os
nobres sacrificios derramlos as margens do Pra-
ta. A oceuparao d'Assumpeao, derendo seguir-se
immediatamente s ultimas operaces, ter plena-
mente satsfeito os elevados e desnteressados intui-
tos da allianca que ter assim e ao mesmo tempo
vinpado as offensas brutees do cruel dspota, asse-
gurado ao Prata um imperturbarel equilibrio, ao
heroico povo paraguayo um governo de sua livre
esculla e ao mundo a liberdade da navegacao do
Mediterrneo Argentino.
Dospretipiado, vencido, bumuhado; desbaratados
os seus meios de guerra; dominadas as posicoes
estratgicas que lhe permittiam mantci; anda era
p de guerra um exercito ja consideravelmente
dizimado; Lpez rera elevar-se sobre as ruinas.
que accumulou o despotismo de meio-seculo, esse
mesmo povo que vio passar o triste cortejo de
Francia, Carlos Lpez c Solano Lpez como os re-
presentantes de um absolutismo mdefinivel. De-
balde o dtetedor se abrigara no interior oom es
destrocos ro seu exercito; o seu paiz far-lhe-ha
justc, tanto como elle a iouver merecido. nico
juiz d-is suas liberdades, o povo paraguayo nao
hesitar cortamente em quebrar o jugo iniquo que
tem pesado sobre os seus destinos, para elevar so-
bre os destrocos de um rgimen fautor de, todas as
oppressoes um governo constitucional, capaz de
reparar os longos erros de urna prolongada tv ran-
ina.
Datan desse dia urna nava poeha para a infeliz
repblica: um verdadero resurgimento. Toman-
do lugar na eomniunhao dos poros livres: edu-
cndose em urna organisacao regular pela pratica
de todas as liberdades; despedacando a immobili-
dade que tanto tempo a teve segregado do mun-
do; abrindo os bracos a traigra^ao, ao comniercio,
Ao gabinete de 3 de agosto, presidido pelo Sr.
consellmiro Zacharias de Gos e Vasconcelli s, BUC-
cedeu em 16 de uIIh o ininisierio organisado pelo
Sr. visconde de Itaborahy.
Por menos que tenbamos a intencao de ex-
plorar o assumpto iwlitico. pede a Justina que con-
signemos os faci.-.
Representante de um partido, que nascera de
una l'uz.ao entre conservadores e iberaes, b pabi-
iiele Zacharias tinha visto romper-se essa ; llianr.i
desde principio mal definida e mal segura. Fu-
gmto aos perigos de um prograniina : renovando
sonorosas prommnin de liberdade cuja sinecridade
os actos do governo (lesineulian plenameiite ; o
gabinete vina de meros expedientes, paiecendo
somonte applicad as exigencias da guerri. Li-
beraos o conservadores, pronunciavam-se com te-
LisWis energas contra a situaco, verdadeiiMiueute
anwrtala no rgimen constitucional. A opin iao pu-
blica mostrara por vivos signaos de inquoiaoo o
profundo descoatentainento que lhe inspirar a a di-
reccao dos nsfoctes pblicos. A imprensa tber-
mnmetro invariavel da opniao. clamara pelo res-
tabelecimento de una situaeao sincoramente cons-
titucional, em que vaga tluclinco das deas e
das vistas de governo pndesse succeder uih sys-
tema trabalhado pelo espirite publico e que se iin-
pozesse consciencia nacional como a bandiira o
um verdadero jiarldo de opniao.
A esta afervorada aspiracao, tao eloqueuh mente
manifestada as duas casas do parlamento, cor-
respondeu a crise que o paiz eontiece e (pie moti-
vou, como causa immediala. a destituicio do ga-
binete [pie, ole\and-se contra a pratica vana-
velmonle consagrada da plena libnrdade lo chefe
do estado no exercieio dos actos do poder modera-
dor, que lhe privatlvauenle Confiado pela Cons-
tituiciu) poltica do imperio, julgara ver um des-
snelo BSnticO na esculla de um cimseliieiro de es-
tado para membro da cmara vitalicia. Patriti-
camente desvolado pela serte do* paiz. o tahez por
que desejasse evitar nina randilicaean pollti vi na
presonca de una guerra externa, que fura idecla-
idas
ao coli-
ndo o
: a in-
liouve
generosa que lhe conquisla as swnpathias domtin- rlmlcra e por una terrivel rr
ralysouo son couunercin; obr
do. repousa em sua vida interior sombraJlienelica
das nstituieoes livres que orogem, encontrando
na forma liberal de seu governo um penhoi de
sopuranca e de ostabilidade ipio lhe permitiera em-
prenender todos os avances na larga estrada do
progresso material, morare inteilecUiai.
Rico de enerpias c de aspirasSes, elle nao espe-
ra nenio a hora em pie. terminada honrosamente
a guerra em pie est ompenhado. possa voltar-se
rosohite c enrgico para a campanha purifica do
Unbalbo em (odas as espheras de actividade hu-
mana, roiiarando polo esforco do poni nacional, e
soba impulsa de um governo fervorosamente pa-
tritico, as ruinas acciunuladas pelo mais terrivel
ininigoda prosperidade e da civilisaeao. I,i vio do
preoecupacoes no exterior ; desainbicioso de con-
quistas territeriaes e de arrogante mfloeneia so-
bre a politica do continente : o Brasil ir glorio-
saiiiente seu destino, nao desnprovoitando ne-
nliiini dos raros elementos que eonstitiu'ni a sua
(Orea e a sua grandeza.
O espectculo que olfi'ieceu no ultimo anno a
regio do Prata, tao generosamente dotada pela
natureza e tao caprichosamente desviada de seus
destinos, foi contristador para todos os sinceros
amigos da liumanidade edajovem civilisaeao sul-
0 governo. eflieazniente ajudado por alguns es
piritos nobres. nacionaes e estrangotrabj arsjsns
c un energa lima desesperada defeza pie Conse-
guiu disp'i>ai os grufOR arinailo e\|M'llil-o-
roo*1*- Jas posicoes que se baviain abrigado. *
Nao estavam. purera, ti-rminala- as lamenta veo
si'enas q.....leMaram a ridade. Toma.fci de um.i
pista iiidigiiaco contra os autores de to tfnut'
ata ntados. a popularlo desbonroa u sen iriuinph
pelo assassinato de I). Bernardo (t'rro. de Unsdos
assassinos do ex-presidcnte e de varios iiiHiii in-
dividuos. Injuriado, eebofeteado, alaialoiiado a
todas as ms paixoos de nina populaeo desenfroa
da. 1). Bernarao Herr fez-si4 um mari\i depois de
ter sido um piande criminoso. I na bala que Ib-
alra\essou o ooraco, poz lim ao sen doloroso sup-
plicio! Ira de seus tubos, que se enroirnra n
IllOrimentO. tinha cabido ao seu lado !
Numerosas victimas expiaran neto RizUamcns
os seus criines.
Foi ainda sob a impressaii de.-^ di^racadoe
aconteoiiiieiitos (pie o presidente do uado passo
a adininisiraco suprema da repblica I). Lou-
reneo Batle.
Fina penso de 1:000 pe/os lUCUSaes i viuvad
illuslro general Floros; a approvaoo de todas H
actos da dictadura e i destitiiieao de linios os ofli
ciaes siispeilado- de terem p'irlicipailo da n-vnlu
i o de 19 de fevereiro. lor.no actos MKCMSlSW
das rantarag ni inilnnii.
A adininistraivio do I). I.mu neo Bailo nao tem
sido mais feliz que a dos seus antecessores.
Urna insurroioo. eunmandada fH>r I. Maxim<>
Porez. osla perlurbamlo a traiiipiilidade publica e
inbarai.'ando n marcha do povern i
Em hita com tantos elementos de dalorganH
cao. foi ainda allligida a ropubliea |ie|o tlapell d"
liiiaiiivira OJW M
00 vario-. estalM'le
rada e dirigida era uiais de tres annos sob as
victoriosas ora 1863, S. M. deu tempo
seibo dos ministros para que, reconsider
seu voto, se niantivesse no poder. Perante
sislencia do ministerio, o chefe do estado
por bem conceder-lbe demisso.
Era um noine indicado pe paiz cont o tradi-
cional representante de una escote politica que.
distingiiindo-se pelo culto das ideas constikucio-
naos. so mostrara Biselada em una otgwnjlc,in
robustecida jiela mais lirino solidariedade de vis-
tas politieas. Finalicen' eminente, o honrado Sr.
vi si joule de Itaborahy era o estadista proclamado
pelo espirito pulifio) para succeder um gabinete
que aniontoara ruinas linanceiras em sua passagem.
Foi e deria ser o organisador. 0 novo gabinete
teve a rara felicidade de ver associados seus des-
tinos-^no conselheiro Jos Mara da Silva Para-
nlios o syrapathico diplmate que firmara o hon-
roso convenio de 20 de fevereiro ; no Sr. Paulino
Jos Soares de Souza, una vardadeira gloria par-
lamentar :no barao de Cotigipe, um orador pro-
fundo u vasto espirito :e em todos os seus 'mem-
ores nemes prestigiosos o reeoniraeudavcis por
longos servieos causa publica.
Entretanto, por menos que a crise deresse rece-
ber constitucionalraeiite da con'.a una soluijao di-
\ ertt, mal o gabinete formulara perante o parla-
mento o sen consceneoso e severo programnia, era
recobido por urna manifeslaQao de deseoufianca na
t>Mr> temporaria.
Era supremo o momento. O desaceordo dos
dous importantes orgaos da sotieranla nacional dc-
via encontrar c encontruu no recui'so constitucio-
nal da dissolu^ao do ramo temporario do poder le-
gislatiro a solucao natural d'esse grave phenorae-
no do rgimen parlamentar. Foi assim decretado
o soberano" appello a vontade da nacao.
Composto de eminentes caracteres em quera o
paiz v outros tantos penhores de sincera dedica-
S"io pratica livre e esclarecida de todas as liber-
ides que pude aspirar urna sociedade bem or-
ganisada, o novo gabinete tem justificado por urna
aduiinstracao fecunda c laboriosa as justas espe-
rances que" o acclamaram e que se eongregam em
volta do programina de suas ideas.
Importantes actos assignalam desde j o curto
periodo da vida ministerial.
Os erapenhos do thesouro nacional erara taes
que nao permittiam no momento nenhuma tenta-
tiva financeii a. Escasseados os recursos e exigen-
tes os compromissos, o crdito publico nao podia
pedir senao ao alargamento daenssaoo meiode
atravessar sera quebra de sua sokabilidade a crise
que o ameacava.
N'esta verdadeira extremidade, o ministerio to-
iii ni sobre si a responsabilidade de urna emissao
de &0,000:000000 era raoe.la papel, firmando em
urna deuda exposicao nveanibular do decreto que
sugeitou a corda a pvomessa de fazer seguir
emissao ojieracoes de outra natureza.
Foi urna d'estas o erapresiirao interno, genero-
sissimamente acolhido o coberto por urna s* prac^a
do rommercio. Sendo de trinta mil contoso quantum
da operacao, foi em dias offerecida por 4,146 subs-
criptores aquanta de 10,833:000*000, superior ao
triplo do valor total.
Este s facto, dizendo muito eloquent 'mente
quanta a oonuanca que inspira merecidaraeute o
actual gabinete, consagra ao mesmo tempq como
jov
aniericaua.
Eraquanto o Brasil applca-se_ i consolidar a
obra grandiosa da sua constituieo fundanioiital
pela pratica livre e esclarecida das suas institu-
ees. em que encoiitra todos os remedios para re-
parar 0 desequilibrio dos poderes politices : 08
infolizi-s oslados platinos dobatem-se desde a sua
rganisacao na anarcha e na indisciplina, cs-
vairados por ambicoes de mando, rovolios pelo
ineonciliavol antagonismo dos seus partidos, e
vendo succeder revolta a resulta, faceo 4 BC-
co, vencedores vencidos.
* A repblica do Uruguay foi em 1868 theatro
onsanpueiilado do crinic o da revolla cora todo o
seu cortejo de borrares.
F.xorcendo cora eerta moderacao a dictadura
que recebora de nina iiisurroico triuinphante. o
general D. Venancio Flores tentara debalde nter-
por-seconi es|)irito conciliador na lula exagerada
das laci'oes e assegurar ao paiz condicos (le nina
paz dorarel que llie permittlsse reentrar ein pleno
iiiovhnenlo da vida consllucional.
Dominada a insurreico militar que surgir na
capitel da repblica 601 um dos priineiros dias do
auno, dirigida e fomentada por 1). Fortunato o D.
Eduardo Flores, tubos de Venancio Flores,
que havian sido rucados do quadro do exercito o
expolsos do territorio da repblica ; entendon o
cimentes do crdito, o entre eltesoreaneitavri ban-
co Man & '!.,anua liquidaco fiiirada : pros-orou
corridas da populaeo sobro os bancos, e n;l pon-
de ser dominada sinao pela su-peiis da lei qu-
os ohrigava ;i eonserter as suas notas em ouro
datar de 1 de junho.
Tal 0 estado da infeliz repblica do l'nipnay
Fina revolla que suecede outra : o paiz dividid"
em farcoos irroconciliaveis. que nao diividam asso
ciar aos seus proprauraas todas as lorm.is di sio-
leiui a : um a 'normo divida ; o cominercio e a in-
dustria em desl'allociiiiento: e pairanilo sobi
tas causas profundas de decadencia, nun : traco que, para raanter-se. sonto a niro-sidade ir
apoiar-se era um partide dbrar-?e todas ai al
gencias do espirito reaccionarlo.
De son lado, a Contad ansie Argentina alrave-
son durante o anno om tabortaso pnrtodo.
Visitada em 1867 pelo cholera que lhe liavia ar
robatado no ultimo mez 2.000 victimas, novo an-
uo a encontrn terrorifieada |>ela presen \i do ter
rvel flagello que. pouco e penen diininuinilo r
intensidade ua capital,. estenleu-se ao interior i>
paiz.
A morte do vico-presidente da repblica. Dr. D
Mareos Paz. cbamoii em Janeiro ao nuraato da-
SOBS funecoes o general D. Bai tholomeu Mitre sjnr
commandava os exercitos alUndos em operaron
contra a repblica do Paraguas
Una revolucao ein Santa-F o outra em Canten
tes absorveram a attenc do chefe do estado du-
rante os ltimos mozos do sua administra o
No (lia 12 de outubro, o general Mitre panana
na forma da constituieo as redeas do governo a
1). Domingos Faustino Sarmiento, acclaraado pelo
conpresso presidente da Canfedcrae3fl em vista do
resultado do sulfrag il eorpo eteiteraL O Dr
Adolpli Alsina fui proclamad vee-pw. Primeira vez depois de '>H airaos de independen-
cia, a suprema aatoridade transmiiiia-se eonstitu
cionalinoiite e de um modo pacifico, sem pie mu-
tullo popular ou a revolucao fosseni as e-cadas d.-
poder. E' honroso para Mitre que. dirijOndo PM
st-is annos os destinos da confiMlerarao. dsw ron)
0 sen ultimo acto mu nobre exemplo a son pai/
de sincero apego s formula- oon-tMiicOmies K
mais honroso ainda que. descerni do poder BSafe
pobre do que suba, timba ora seis anuos de tebo-
riosa adiniustraco dado niostiB ds una eserunn
losa bonostidade e de verdadeira abnepaiao.
Ao deixar o podar, recclH-n o general Mitro ua
estrepitosa osaeo popular que (levo ter solo, p.u.i
mu cidadao americano, o mais eslimailo premio de
general chegado tarapo de depor a dictadura .(..sjuieresse o discrico com que se BOOrd M BM
que oxercia ha tres anuos, lazendo circular entre
exereia ha tres anuos,
os seus amigos polticos o peiisamenlo de recollier-
>e a vida (irisada e nao permittr que se apre-1
sentasso o seu nome ao sulTrag popular.
No da 13 de fevereiro. resignara o Ilustre pa-
triota parante ai cmaras o poder de que nunca
abusn, sendo substituido pelo presidente do se-
nado D.Pedro Varella.
Dando ao seu paiz esla prova inequvoca de es-
clarecido patriotismo, mal pensara o Ilustre gene-
ral que so concoitasa as trovas de uina horrivel
conspiraba o mais infame o audacios attentado,
que j se'havia comraettdo no territorio da rep-
blica.
Continuando foca do poder a dedicacao pela or-
dem que rovelou como chefe do estado, o Ilustre
general tinha aununciado urna oxeursao ao interior
para promover por seu prestigio e justa influencia
a dispersara dos bandos revoltosos que percorriam
os campos em varias direccoes, trazendo as pripu-
la^oes em continuo sobresalto. A mesmo tempo,
elle deixava por este modo correr em sua ausencia
a eleieao da capital, para que eslava designado o
dia Io'demarco. Era urna dupla domonstracaodo
seu desinteressad amor pelo paiz.
Em quanto o general acariciara a esperanca de
ver restaliolecido a rgimen constitucional, enten-
deram os blanco* prosiR-ra a ocrasiao para por em
campo a mais alfoz couspiracao. .
No dia t de fevereiro. recebiam o ex-presulcnte
e seus ministros urna carta apocry|ha que, em no-
me e com a falsa asignatura do Sr. Varella, os
cons idava a comparecer casa du governo. Sabian
os conspiradores que, intimamente devotados a
causa constitucional, nao se recasariam D. Venan-
cio Flores e seus ministros acudir um convite
que deria ser motivado por interesses do estado.
Em caininho, foi assaltado o carro que conduzia
o honrad patriota por quatro assassinos que na- %i
terampnnluladas o ex-presidiente da repblica, I ^ qUP videra o seu paiz, dotar as
e ferram D. Alberto Flangini e D. Antonio M.r-! Qa oonfederaco com urna organisacao
ques, ex-ministros de estrangeiros e da fazenda,
em quanta bandos numerosos se lancavam na ci-
dade em todas as direccoes. O bravo general D.
Venancio Flores, erguida a cabeca c a unpassibi-
lidade pairando-lhe no semblante, tinha pela ulti-
ma vez atirantado o perigo com urna calraa imper-
turbada.
0 destemido soldado, que em dez batalhas e em
mais de cera reconteos, tinha sido respeitado pela
morte, cahiu s 2 horas da tarde em urna na de
Montevideo, quatro dias depois de haver resignado
o mando supremo do estado, ferido por duas balas
e cinco punhaladas I Lincoln tinha sido a victima
de um fantico; mais infeliz me Lincoln, Flores
era a victima de matfeitores __ desalmados que ne-
nhuma sincera paixao clectiTsava. provavelmente
mercenarios infames quefaziaui o seu offlcio I
0 assassinato do general devia ser o pendao
sangrento da revolta. Bandos amotinados despe
jaram-se por todos os ngulos da cidade, tentando
apossar-so dos estebelecinientos publica, do* quar-
teis e depsitos. Um delles, guiado por D. Ber-
nardo Berro que se proclamou dictador, invadiu a
casando governo depois de assassnar urna senti-
nea'e o oflicial que commandava a guarda. Ber-
nardo Berro era o presidente da repblica quando
Flores proclamou a revolucao.
cirio de suas altas fnccoos.
Tem apenas Mitro i5 annos de idade. Receben
um paiz emhrijonario ; e deixou-0 consliiuido. El-
le distinguiu-se, sobretudo. pela sinecridade tte su^
politica com o Brasil. Infeliz as nperacos milite
res que dirigiu. nao foi menos um alliad sincere
e dedicado do imperio.
0 cidadao que o sulTragio chamou -ubslitui-lo
D. Faustino Sarmiento, inspira igualmente ao im-
perio a mais plena confianca. Na primeira orea
siao em que se manifestou peanle o coir.TCSBoar-
gentno, fez o novo BreaUenta axpresaaa as soas
vistes sobre a allianra que reconheceu como b-gi
tima, nocessaria o honio>a
D. Faustino Sarmiento, coiih.cido no mundo da-
lettras por alguns estimaseis trabalhos solwe a ins
trueca publica, est seguramente na altura tt<
missao que lhe foi confiada. A eonfederago argn
tina tiiii direito a esperar delle que, realisando na
adininistracao as idea- de que se mostrou dedi
cado |>ropugnador. imprima ao genio nacional ama
mpulsao enrgica c esclarecida.
Si bem que o autor da C.iriliza/ion i Barbarie
do grave livro sobre as Escolas consideradas cot-
base da prosperidade da repblica dos Estados-1 ni
dos seja tambera o autor pn>tenroso da Campa'
del teniente eolonel Sarmiento en el ejercito granee
ha raro de crer que D. Sarmiento tenlia encerraoV
na guerra de Rosas as suas aspiraees mitarf'
Elle ser, nos o eremos, amigo da paz e d.i prospr
ridade do son paiz: nesta pacifica guerra que <
Ilustre presidente argentino deve gastar as soa-
energiasje aproveitar as observacoes pratieas qur
deve ter colhidocni seuspasseios scientifi'"os En
ropa e aos Estados-t'nidos.
Cenado como est de homens ilustrados qu.
chamou para o seu ministerio, pode D. Samuel*'
em seis annos de esforcos bem conduzidos ena
triotca dedieaco vencer os antagonismos profan
- provincia-
regular. *
assentando sobre a base de urna tetina sobdarie
dade o edificio nacional p-lo a caminno de loda-
as prosperidades.
Percorremos em rpida revista a Europa r *
America. Estes hgeiros traeos sobre o Brasil c
Prata encerram-a nossa despretenciosa exposirt
3ue s tem incontestadaraente um mrito : e
o haver sabido guardar urna severa iraparriab
dade na apreciara dos fastos.
PERNAMBUCO.
KEVISTA DIA3UA.
ACTOS OFFIl'.IAES.-Por aviso de 14 te dezeiu
bro ultimo, foi declarad.! a presidencia da prona
ca, que as juntas rerisoras de (pjaliflraiaodos
tantos, devem reanir-se no terceirn dommgo U
mor. de Janeiro de 1870.
__ Por porlarias da presidencia di' 2 i 7 do CT
rente:
i nomeado para exercer o corno de Mrector 1-.
arsenal A guerra, o Sr. coronel rofcnna'Jo Joana'.




9
.6881 3Q DRI3NAI 3Q 8 48131 JfcMo de Pomambuce Sextveira 8 de Janeiro de 1869.
bbbbbobbV
.* OfBWIUn V.JX OHM
OlUlOdol'DM) deilie/.
.1. /. Gomes do Cundo.
O retate,
THu'iz Ignacio P. dos Stmfos.
PASSAGEfflCS.I)o Pinedo c escala virram no-
vapor Gtswa : "' Ftnncisco Rodrigues fassoa de
Mello, Miiin.'l i Ir Mello Pinto.
Sahfraui para o Rio Grande do Sul na barca
Therrztt: Framisco Perez\ insto c Uoroardn Pe-
rezy Corales.
ftedrigaes CelheKeUy,emoMantunaoche|rarttSr.|!i)>r-. capclllo l.3inoiicd .rsfceme 4, di* bar
major Francisco Ranhael de Mello Reg, que o de- j beiro 1. cosinheiro 1. serventes %.
ve exercer nenie.
Foi removida o nrfessor publico Antonio Fran-
cisco de Moitra. da eadeira de S. Jos da Coroa
Brande para a de tejucupapo, vaga pelo falleci-
mento do respectivo piole:sor. '
DISHEIRCOs vapores Giqni c Pirapama, da
comianliia Pernaiid>ucana.trt%min as seguinte
.-'mimas para os Sis.: /
Francisco (bmcalvAtorref. o.370000
l.ulz Antonio SitpJHl.. .*.. K:00OO0O
AntonioAlberto de S. Acuitar. 4:2i4O00
Gomes de Mallos|t'*niao... :i:S86AO0O
Tasso Irniao.... .%....... S::i8i>dO0
Ferreira Pinto &G.........* 2:BoOiOW
ioao Jos da Cunfta I*>os.. i :l>loii09
Odas \ Senna............ '^J i.*0
Goneal ves. Par & C........ ^ 171 l
CunhalrniaostC......... ,:0t0*S5
Jos Rodrigues dfl & nza.... 8M<*W
Joaquim Lepes Mari ado 314-OOO
Ik'ltrfu. Oliveira A C....... 300*000
INSTITTTO AIICHEOLOGICO EGEOGBAPHIC'.l
PER NA Mili i: ANO.Reunio-se iiotitein esta soeie-
dade sob a presidencia do Exm. eoosenteiro mon-
-cnbni- Miim) 'lavares, e con assistencia dos Srs.
Drs JoamnaD I'ortella, Aprigio Guineraes, Soares
de AzevedO, lavares llellon e os Srs.coronel Leal,
inajor Salvador e Forreira de Alenla.
K lilla > approvada a acta da antecedente.
. O Sr. secretario perpetuo menciona o seguate
expediente:. _
Umollicio do Sr. Joaqun PranciSCO de Souza
Navarra compaahado de un usibalho sen ein o
pial aMoseota urna deinoiistiarao da razao do da-
metro* circunferencia e quadratura do circulo;
trabftHM que o inesmo Sr. olila ai Instituto, pe-
lindo-ilie (JueneBaeie luuaeajaunissao para dar pa-
recer, sendo ludo publiclo na Revista do lustilu-
lo.-J$ae se respoodesM kgndeeendo a offcr'ta, e qn'
era lempo oppurtun seria satisfeito.
inesmo Si. -ecrelario perpetuo iU conta das
-segnintes olleras :
. Varios nmeros doDiariode Permmlmco, pelo
consocio Dr. Figueiroa; uin numero da piniit An-
rr,ml e 1 da Itpinido Liberal, pelas respectivas re-
accoes; tres noedasde anta porMoesaa, adia-
das no forte demanmado FMtai esa .\nzareiii,.peio
vm. Juvencio Virssimo dos Alibis; um ipiadro,
con o sen competente caxilho.emo qoal ven nina
estampa representando o descubr ment ta amen-
a por Clirstovao Qolombo, pelo Sr. Manuel MM-
renco de MallosTodas estas offerta-s sao recela-
das Vi un aerado e nandaiu-se archivar.
Vein ansa, e remeltida i eemmfeso de ad-
mi-sao le socios, una prop'tsla pan socio corres-
pondente. OSr. presidente declara (pie, aproxinian-
tuto. ficava o Sr. tbesoneiro autorisado a |trovj-
denciar acerca da decoracaoda sala, para e>se acto;
fazendn as dc-pezas do disfume.
O mesino Sr. |iresidente naanal |ra a coiinn--
sao que lein de convidar aos BXBBB. Srs^picsideute
la provincia, bispo diocesano armas, os Si-s. Drs. Aprigie Gnimaiaes; Joaqunn
I'ortella e inajor Salvador Renriipie. e para a de
recepeao os 8rs. Dr. Beifart, coronel la al e inajor
Salvador.
PIRAPAMA.Dos porte* do norte de sua escala
ciieiiou anle-lionlem esn por, Inm ndo jornaes
at 31 do paseada
Ko Cea nada acerare*, que niereca mencao.
Por portCr]a da presidencia do Rio Orando do
Norte, foi aposentado, e*m o ordeoSdo correspon-
deate ao lempo de servifo, o offieial-maior da se-
cretaria do governo Carfes Joaqctaj Pinheiro de
Vasi'oncellos: sendo kumeado para 0 substituir o
Sr. Piabeirq Cmara. Ibo do.con>nel Bonifacio.
GAMARA MI'NIOIPAL DO REGIFE.Realisou-
se liontem. seguado detcniina i lei, 0 juramento e
passe dos vereadores e jaizes de paz do municipio
do Recite, que deven servir no quadriennio de
1869 a 1871
Antes do juramento, o Sr. cwimiendador Luiz
.tos.'- Peraira Simse, presidente da cmara que
.-icalioii. apre-enlou ao Exin. Sr. baiao de Murilie
\ latvio.
ficedia^lS ^^Kis de
. pura tra- c.
------- ----------
* IWARAJHIMCIPVL.
SESSAOEXTHAORD1NAR1A EM II DE NOYEat-
RRO DE 1SU8.
PBBSDENCIA DO S. BARROS RECO.
Presentes os Srs. Gustavo do Reg, Silva do Brasil,
Santos, Dr.VIUis-Boasu Dr. Pitauga, faltando cura
caasa osmais enhores, abrio-se asesso.e lidae
ajmrovada a ai la da-antecedente.
L-se o segu.nte
EXPEDIENTE.
Um aviso expelido pelo ministerio do imperio
cm 24 de outubro uitiino' declarando que manda
S. M- o iniperadii- cominuiiicar a cmara munici-
pal da capital < a provincia de IVrnainbuco. para
os luis convenientes, (pie. por decreto da mesma
data, liouve |*i bem exonerar o bario de Palma-
res, do cargo'de vice-presidenie da mesma provin-
cia, e, por oarta imperial de igual dala, Bornear
pai'a 0 referida Cargo Tristao de Alecar Ar.n pe.
para servil ein l>- logar na lalla ou impedimento
do respectivo r. residente.Inteirado.
Un ollicio^lo Exui. presidente da piovincia de
i do crvente, declarando a cmara, cm n -posta
so sen ofllcio de -J: de junlio ultimo, sob n. 32,que
na mesan d;ita, e nos tormos do aviso do ministe-
rio da fazenda do 13 de outul-io prximo lindo,
autorisou o inspector da thesouraiia de fazenda a
rnaadar por cm basta publica, mediante as forma-
lidades do estvlo e previa avaliaeio o proptiO na-
cional n. 3, silo no Forte do Maltes da Iregueda do
Reciie. preterin lo-se a cmara, e atendendo-se en-
tretanto para os dircitos que possam ter o arren-
lataro Ji.io ll.ptista de Medeiros, pelo arrenda-
mento que se I lelez.InU'iiudo.
Outro do iiM'.ino. dadaraado a cmara cm res-
posta ao bou oficio de 3 >b- outubro jiroximo lindo
sob n. foflde que precisa a ]ioufesinlia denominada do
Madi'iro, visto ser a sua despeza menor de 1003
rs.Que se fa;a o termo de contracto.
Outro do m'sino, de ) do correte, respondendo
aos otlieios da saman datados de 23 do outubro
prximo lindo sob 08. 30 e 61, tein a di/.er-lbe que
nao podendo a mesma amara por si deliberar so-
bre as obras munieipaes novas, sein preceder ap-
piovacao do oreamento pela presid-ncia, e aulo-
risaejo para ( x'ecutal-ns, nos termos do 4o do
art. !) da lei i. a'3de .' de junlio do correte an-
uo; cuinpre ejue a mesma cmara inforine qual a
razVo que lev. para procede; a arr-matacao das
obras de que I atam os seus citados oficios, sen
estar preeoobMU aquella obrigatjao imposta pela
mesma lei.P isto ein diseussao. iesolveu-se pedir
a S. Exc. peiiiiitsao para ponderar-lbe ipie o art.
29 d;i lei n. B3 de. ;> de junbo do correte anuo,
nenliuina retyao tem com o objecto submettido a
sna consiib-rarao. o que a niesina caniaia. lirinan-
do-se no g 4"" do art. 2" da lei citada, submetteu a
sua approvacao os contractos feifos para aquellas
obras, hamod i eomo loe cumpria, fedo proceder
aos ('ivaiuentoN das in.-siiixs. pelo ipie de novo Ibe
solicita", se disjiw approval-as. attendendo a urgen-
cia de sua eoiistruccao.
Outro do nn ao otlicio que Ibe dirigi a cmara ein fi de se-
tembro ultimo, s.ib n. 8. di/, que com escepcao-
dos famosas. e lo canto do ojuaileiraodo lad^i
do norte da freguezia de S. lose, dos de OS. 3,
(i e 7 do lado do sol, e dos de 9, IC e 19 do lado do
norte da niesmn lYeguezia, bem como dos de ns. 12
21 da Ireiniezia da foa-Vista, pelos quaes lia
queiu oliereea mais a ."Ia parte, alen do proco por
pie focam arromatados, como se v dos requri-
eipe. qual ameacava ruina por estar desaprutiU-
da,Inteirada, arcbi\
(intro do liscal da freguezia do Poco, dcclarajnaV
9ue se acba doente. e lendo de tomar algn
ios. pede a cantan que se digne ronce
c&m ordenado, urna lice-nca de um met
tar-se.Posto eni liscnssao, o secretario declarou
que nao constava liaver o fiscal ainda entrado
iciOj rcsolveji-se por isso
respacliarani-sc as pctw dea BOm
de Memlonca, Antm
Ferreira Jd'niorf*) AntoiJpCIiiiioollifiraTem-
poral, Adolpho Mon-I. AnlWlo JpsR"'biiTits de
Kmpreitei- M
Hm
-1860
raes.
1160 ditos de dita
a J. J. de Carvalho Moraes
tjtl' JIM
exereii
Si1
de sola ; a Ant.oiiio Alves de Mo^tfternatal ^s *ias (faltas; BtB comparecen-
acompannados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do R c
cife, 7 de Janeiro de 1869.
O escrivao,
Pedro fobigues de Souza.-
iii iii ii
dita ; a Luiz Goncalvcs da Silva
Di ditos de dita ; a Fernandes & Irma >.
273 ditos de dita ; a Antonio Cttristiano A C.
is A Irmaos,
iia Antonia
Joaqun Rodri-
'arvalbo, Joaqnim
Ferreira Cosa. JoW
Baidista Fernandes'
Souza, Callos Brtsfps, C,
ros dos trilitos urbano-;, l
Iiuioe.-ncio Garca Cliuv
Carn-iro da Cimba
gues Dantas, Jos i'.aela
l.niz Vieira. Jos Cnncarfes
Felicio Bnrges l'choa. lolo
Jowiuiq Jos Leitao. Jos Rodrigues do Nascimen-
to, Manoel Ferreira Tinto. Manoel Jos Dantas,
Manoel Paulo de Albuipienpie. Manoel Antonio
Santiago Lima, Marcelino Jos Goncalves da Fon-
te, Maool Fii;ueiroa de Paria & Finios, Manoel Jo-
s Soares, Pedro Rattes de Rorges, Tiloma/ de
Carvalho Soares Rrandao Sobriuho, Yoneravcl Ot-1
dem Terceira do S. F'ranciseo deta cidade, e le-
vautoit-se a sessa-i.
Bn Francisco Gnsoto da BoaviageniJ secretario
a subscrevi Barros Reg, pro-presidente.Dr.
T. Villas-Boas.Dr.Pitanga.Reg.Dr. Miranda.
PUBLICACOES A PEDIDO.
a Joq
a Ma
ta. 16
al
"K.....
eis; a"ioaquim dos lantos Hevea,
de carnaitba ; a fciao PereiiH.
o ; a Gomes de> llattos & Irmaa.
Via una & GuatUMlies.
j: a ordom. .
abelba, 4 mol los courinhos, 211
Chalara & RabeIN.
12 sacra:
I 111 ditas tH.
' 1 caixao penna
1 sacro cera de
trelos do sftla : a
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
RAES DE PERNAMJllTO.
AVISOS MARTIMOS.
COMPAMUA IfiASILEIRA
BE
Paquetes a vapor.
& do hice* 11 o 2 iniciada- de |iawal. tara car
1 12,000 arrobas de carne seca, dciiKiodatod*
apenas !) palmos d'aua.
AMAMIAA
O do corrate as II hora*
Nq lavgo.do.Corpo Simto o frwile a ca>a
em que fiuuTionou a Amneatffo (>>ro-
f U*i-K al, i- ni
o agente Reinardiii" Ouii- arirp..r autKiri
llln.. Sr. Dr.juiz dasla rajilal Ic-
nxn-ainenlo a leil.'io a im>hcbbmkI.ban ."-aini^
pod ser examioada no estaleirod* Sr. RoIrtfBn
ra do Briini.
GE-
Rendinienro-dodia laS
Mein do dia 7
. .
4:2*7*573
1:6135192
o:80076.j
rfONSULADO PROV
Rendiiieiitodortia 1 a o .
dem do dia 7 ....
INCIAL.
7013002
i:209l3.')
10:914*23:
MOVIMENTO DO PORTO.
Ao publico
O abaixo assignado, respeitando em sen sogro,
o Sr. Joo Flix Nepoinuceno, um carcter verda-
deirainente Integro, e por ahi altamente incapaz de
quab|iier inacbinaeao que tonda prejudiear di-
rcitos dos seus legtimos berdeiros, juliia em bem
dos seus interesses, e |iara salvaguardar duvdas
futuras, entregar r.o dominio publico que o sen re-
ferido sogro, bondoso como tem feto seus li-
lbos doacoes mais nu menos avultadas em datnno
dos dircitos do abaixo assignadoque, sen o desojo
de offender nenb nn de seus parentes, faz por
este meio un protesto contra sementantes liberali-
dades em que nao pode convir.
Evitando descer narracao e apreciacS de fac-
tos, passados na iniiuiidade de sua faniifi. o abai-
xo assignado, no tundo senao a intencao de |or
coberto os seus interesses, espera que os seus
prenles; e priiueiro que todos o seu respeta-
vel sogro, se coi veucam de (uc as prereren-
ias ininieritas sao sempre no seo das familias a
origen das pertur >aroes que quebranta.n os lacos
mus apellados.
Recife, 7 de Janeiro de 1869.
Jote Tkeooro da Fonseca Pitia.
Trataiiieuto cathartico mo-
derno.
As pitlas catliarlicas do Dr. Ayer forman urna
grande oxcepco asonlas apurativas que pdralii
sao vendidas, pois o elfelo tpio )irodnzeni per-
inanenle para a prisao do venfre, dores de cabera.
nervosas, de ordens biliosas, calamos e febres, in-
eoinmodos de estomago, debilidade geral, clicas,
irregularidades do svsteina femenino, ellas eousti-
tuein una cura es|ieeilca. Ellas esto meUidas
dentro de frasquinlios de vidro, e por isso a sua
boa eonservaeao duradoura vm lodos os climas.
En todos os casos aggravades ou provenientes de
um estado iniptiro de sangue. a salsa paiTlba do
Dr. Aver deve ser lomada conjunctainente.
Contipttaaw das entradas do dia 6
Trieste76 (lias, jbrigue norle-allenio Diana, de
200 toneladas, capitn H. Jacobseii, equipagom
9 .caiga 1,897 barricas com farinia de trigo: a
Keller & C.
Palmas de Gran-Cjnarias16 das, tacho inglez
Watf.c 181 toneladas, eapitao Harris. equipa-
irem 7, em lastro ; a ordeni.
IHa 7
l'enedo e pqrlos intrmedios2 dias, vapor nacio-
nal Jequi, de 223 toneladas, coiniuandante Aze-
vodo. eipiipagen 23, en lastro: a companhia
pernauburaiia.
New-York32 dias, escuna norte-alleina Jacob, de
126 toneladas, eapitao 11. F. de llana, equipa-
gom 6. carga 30.' barricas eom farinha de trigo
c ouln.s eneros; a Jobnslon l'ater A C.
Barceona por Malaga53 das, sendo do ultimo
porto 38 dias, brpue bespanbol Mara llosa, de
220 toneladas, eapitao Caelano Reriiaii, cqui-
Slgem 13, carga viulio e uniros gneros; a
lanix Roiiiagueira Hijo & C
New-York oo dias, escuna norte-alleina Cowut,
de l9 toneladas, eapitao H. lipis,: cquipagcio 6,
carga 4 barricas com farinha de" trigo e oulros
gen(-ros; a Jolinston l'ater &. C.
Dtisercaido
FumWiii no lamaro a bara\ odeza Anua, a
qual nao teve coniiuuuicncao coni a Ierra.
Nao houve sabidas.
DECLARACOES.
a. presidiante da cmara nova, o relalorio do auno -i .....- ~-:-.........-, .
qtud, deiois de lido, foi mandado ai- JMOtOS dejoa. Mauricio de Senna e Joaol-ranrisi-o ?.. ;!>mco_
de Souza Lima, hcan approvadas as arr.....ataeocs
correnh
chivar.
Prestaran juraoteade e temaram assento como
vereadores os Srs.: Drs. IgBBtio Joaqun de Sou-
za l.eao. Di. Mano.-l de I la rrosi Brrelo, Dr. Rento
Jos.- da Cosa, Jos*'- Mara Freir Gameiro, Dr. Joao
Mara Seve, Dr. Joaqun, de Aquino FonSoea,Dr.
I'edro de Ath.-iyde Lobo Moseoso e tenente-roronel
Manuel Joaijuiin do Reg Aibtiquerquo.
Tainbem presiaraui juramento os Jotaes de paz
las seguintes Ireguezuis:
S. Frei Pedro GoncalvesDo 1" o 2" anuos.
Sanio Antonio.Dos qualroannos.
S. Jos.Dos quatro aimos.
Boa-vista.Todos os quatro do i- distiicfn ; o Io
do 2 distrcto; o Io e o 2" do 3" dslriclo.
Poro da Panfila.Os f* 4 do 2" distrieto.
Afigados.Toifcjs do 1" dslriclo : 1, 2 e 3o do
2"; e o 3" do 3 distrieto.
Jaboalao. -Os 1". fe '
Muribcca.O Io do 1" districlo. os 1. 2- e 3 do
2" distrietii.
Vanea.O mais votado dos quatro.
INTERNATO DtE S. LKRNAliDO.Conieeain a
Innccionar no dia 14 do corrente as aulas Basle
ollegio.
INSTRUCCO PUBLICAAcha-se aborta a ma-
tricula da aula do sexo feminino do povoado de
Sant'Anna.
POTEMGL Este vapor da eompanla Pernam-
bucana segu aiiianbaa para a provincia da Babia,
iHoeetamente Fecha a mala no correio is.9 horas
da manira
dos domis labios, pelas plantas constantes das
relaeoes. tpie aeoiiipaiiliaraui o seu citado MHciO,
cunipi'indo quanto aquellos que augmentandose
mais ion lerco do proco por que baviaiu sido lau-
cados, os jioilia a nsina cmara novaniente ein
hasta publica, tara seren dados a qnen naiores
Amiciihuita peitoral.
Est fasMdO pasmar todos os oosos mdicos
pi.'la grande rapidez con que cura a tosse ein todos
A academia medica de Berlini
o sueco desta bal-
smica arvore, cono un especilieo absoluto para
as initaioes,- iollaniniacik'sda garganta, ou vasos
broiicbios. Neiiluun caso de miiqidao, asthma,
catarrho, rtor da garganta ota bronchites, pode re-
sistir As suas prop edades contra-irritantes. Res-
tilne e reslabeleee a voz. (piando por afToccoos da
vaataoeos lizr aos cofres munieipaes. nos termos Irachoa ou larynx se ehega a perder ou (lebilitjir :
do art. 28 das InstriieiTies geraes de 31 de Janeiro
de 1851, ein vi Indo das paos, guando anda nao
est coiisunudo o acto da art enlataran com assig-
oatoca do respjctivo contracto, pode-sc novamente
por en praea as rendas, una vez, que baja quem
olTenva a 3" pa le mais do pirco da mesma arivnia-
taeao..Que se potaba em iraca para 0 dia 18 do
correte.
faz parar a experwracao sangunea, < impede a
aggloineraco de iiuicosidades n.s tibos da rew-
raco. que conduzem aos pulmoes. InteiraiilenU!
mui dilferente esses peitoraes compostos priawtr
palmriite da fructa- acres e adslriiigeuics, etc.. fi-
indnKnle na sua delicada e elaborada eomposicao
nao POfra iienhmn acido prussico, nem tao pouco
ingrediente algn de especie ou carcter vene-
ruta peticiio rom despacho da presidencia maiH noa
FESTA.Domingo 10 do corrente celebra-sc na
igreja de Nossa Seiibni-a do Rosario, do bairro deS.
Antonio, a festa do glorio-oJom Jess da Redeni]-
eao, orando ao evaogelho o Rvd. padre Vianna, e
no Te-Deum o RviL padre Mello. Durante o dia 0
glorioso Ron Jess estar i ricamente ornado ex-
posicao dos fiis.
LOTERA--A que se acha venda a 92a,
benelicio do rerolhimeiito d-'Tguarass, que corre
quinta-feira, 15 do corrente.
PROCLAMASForam lidos-na matriz da fregue-
zia de Santo Antonio no dia ti do corrente mez os
sopuntes prodamas :
1.* dennnnciacao.
Manoel Vctor de Jess da Motta, com Mara
Alexandrina da Conceicfio.
Paulino Juveneio da'Silva, com Fernandina Pa-
latina de Jess.
Daniel Jozeph Kiny. rom llele a Man Purell.
Bernardina Anstncliano Pereira de Brito, com
Emilia Urbana de Vas'oncellos.
Joao Pedro Gabriel da Gesta, africano liberto,
com Jacntha Mara ds Oneeicao
Fulgencio Ribeiro da Silva,' cona Candida Maria
dos Prazeres.
2.' dennt neiacao.
Vicenie Ferreira dos Santos, com Alexandrina
Josa de Jesus.
Gandido Jos Jos Praseres, .comCandida Maria
de Sant'Anna.
Conrado Jozino Alves de Souza, fom Joanna
Mari-i. da Conceirio.
'3." denneaciacao.
Mifuel Fontoura,com Caroliia Rompcke.
Jos Antonio. Pinto, e/M: (Senienlina Silva.
Jos Aflonso Baudoux, com Maria Anna Geno-
veva Doubourci(.
Gabriel Arclianio de .4zevedo, com Floriana
Brandetna da Cunda Motta.
Joao Ferreira de Almeida Guimaraes, eom Emi-
lia Baptieta da Rocha Paranhos.
Fcaaeiaeo Jos Gomes, con Maria Joaquina
Ferreira.
Jos Jik quim Gonealves BaMos, com CUcrja
Ucrnardinade Mendon^a l'choa.
Luiz de Eranca Beln, eom Carolina Elizia Las-
jigue.
ESTABELBCIMEN'TOS DE (JtBffiADE. -Movi-
tienlo do hospieio de alienados na Misericordia
de. Giinda, do ao oltimo de dezembro prximo
liBdo.
xistiam 22 hosnens e i3 niuHieres. ^itrarain 2
lioinens, saho 1 oinlher, -xistem 24 homens, e 42
mulberes.Total 66.
Hospicio de alienados na Misericordia de Olnd i.
31 do dezembro de 1888.
O rnordotuo de mez,
A. J. Goma do Correio.
O regente,
l.u iz do mgo tarro.
-Moviment do hospital de Nossa Senho:-a
da Cooccicao dos Lazaros, do 1* a 31 de dezembro
de 1868.
Existiam 12 homens e 9 mulheres, entrn 1
imher, existeni 12 homens e 10 mulheres.To-
Jkii.
Adven enca.
oi visitado o estabeleimeuto pelo respectiva
medico o Sr. Dr. Ignacio Firmo Xavier, nos dias
motes: 4. 11, i;, 18, i, 28e31.
dando mlornai, na qual o amanuense da cmara
Candida de Soi za Miranda Couto. pode a S. Ese.
se digne aposenla-lo, visto contar mais de t htta
anuos de snico.Posta em discussao, resolvou-
se ilforuiar a h. Exc. que nada mais se llie ofMre-
ce a anrescenlir alm do que ja disse no allestado
qre pelo mesn amanuense Ibe lora pedido, e se
acha junto a sua poticao.
Outro do Dr. chele de polica, de 7 do corrente.
respondendo ao que a cmara lhe dirigi em 28 do
il.z .prximo lindo, declara que naquella mesma
data faavia recoinmendad.i as autoridades policiaes
dos diversos districtos desta capital, que presten!
os precisos auxilios aos llscaes no ctinipriniento de
seos deveres, se bem que lhe nao conste que ellas
se toaban! a isso recusado ele.Inteirada.
(tetro do subdelegado 3 sapotete da freguezia
do Recife. Jos da Silva Loyo Jnior, partletpaodo
baver em '> de Mrente entrado no exen-ieio do di-
to eargu -4oteirada.
Outro do ad ninistrador do eemiterio publico.
Iiarlicipando que no dia 7 do corrente pelas o ho-
ras da mrde fa locera o porteiro do inesmo estabe-
leeinnatoBern ardo Jos da Costa, e. em vi-tude da
auturiaacao qne lhe confine o art. 5 do regulamen-
to respectivo, i ropoe a Francisco Antonio de Me-
nezes .ara prwnelh-r a* vaga deisada pelo dito
porteiro.Foi approvada a proposta, e mandou-se
la/.i-r as coniniiiiiicacoes.
Outro do mesmo. eoiiiiuiiiiicando a cmara que
o pedreito Jos Antonio Pereira, que de ha muitos
annos precta-se ao servieo de abrir e fechar cata-
cumbas.nu eemiterio publico, eom assiduidade no
enmprimentO de seus deveres, se dirigi na segun-
da-feira 9 do corrente a elle administrador, decla-
rando que prmirassc quem osubstituisse, nor-
qnantn tinlta achado maior vantagem de salario,
pois que varios mestres pedreiros lhe baviam ofle-
recido (jualro mil rota diarios.
Procurou ijiiiiu o substtusse, e apezar dos es-
forcos qne jara isso empregou, nao pode aehar ou-
Ntro ; nao so por que actualmente sao poneos os ar-
tistas, e os que (xistein estao oceupados era obras
dos particulares, como nao sequeromstijeitar a re-
sidir dentro do < emiterio das 6 horas da maaba as
6 da tarde, abril ido e fechando catacumbas; o que
traz ao conhechicnto da cmara, rogando qne nao
eonsJBta na -reliada do mesmo jiedreiro, mandan-
lhedar o jorna'que lhe olTereeido.Posto ein
discussao, resol- en-so mandar pagar ao pedrero o
vencieaento diario de 4 i. e ordenar ao procurador,
a reaaerimento do Sr. Dr. Pitanga que na confee-
Qao do rovo on amento Ibsse considerada esta des-
peza, pois que nao deve continuar a ser paga pela
verba de -Eventuaes.
Outro do eOdenbeiro cordeador, informando o
requeriiaento de Gomes de Mattos Irmaos, pronrie-
tarios da casa n 4 da ra do Cabug, para faze-
rem cormja c ptirapeito, eollocando^como interna-
do ni. parede, ciuupre-llie dizer que o pavimento
terreo tem 18 pr Irnos de altura, e nareee-Ilie nao
liaver ineonveriente aa concessao pedida.(^on-
cedeu-se a lie enea,
Outro do mes no, informando o reqnerimento de
Joo Jacintho d j Medeiros, que pode licenea para
concerfar'o'mterior de sua casa n. 5 da ra dos
Pescad: ..ese concluir a obra da sotes que d para
a ra de S. Jos ; cumpre-lbe dizer que nada tem
a oppra preteueao do supplicantc.Concedeu-se
Outro do mesoo, informando sobre o requeri-
mento de Joaqnim Jos Leitao, proprietario da ca-
sa n. 32 da ru;. dos Martyrios com fundos para a
do Caldereiro, pira concertar o muro na coracacao
da mesma ra, Mevaudo-o a altura de frente de
easa com cormja, e porto, fazendo nmajanella
fingida, como pi rmittem as pisturas, declara nada
te,- que oppr, dando-se-llie a competente cordea-
cao Mandoo-se cordear.
Outro do mes no, informando o requerimento de
Joaqujm Barbosa de Oliveira, proprietario de um
terreno sito em Santo Amaro, para continuar com
a edni iluas casas de 22 palmos cada una,
visto haveMa P^gu para isso todos os impostos, co-
mo conia'dos d icunieiitos juntos, diz que nada se
lhe offereee oppr a pretencao do supplicantc, em
quanto \ corthaco ella a mesma que ja fra
marcada.~CoDc ;deu-se.
Ontro co fiscal da freguezia da Boa-vista, remet-
iendo um termo de Testorfa que proceder na ca-
Acba-se venda as phaniiacias de A. Gaors, J.
da Concecao Bravo & C. M. A. Bajbosa, P. Mau-
rer & (1 e Rartbolomeu & C.
COMMERCIO.
BANCO MAUA & C.
Ra lo Trapiche n. 34.
Desconta lettras commerciaes a laxa con-
viiitional. Bect'be dinheiro, a premio con-
vencional, por lettras e em conta corrente.
Ceofero credilos, saca sobre as primeiras
pracas do imperio, Rio da Prata e Euro-
pa, e compra camJ)iaes so!re as mesmas
prafas.
Encarrega-se, por comnsso, da com-
pra e venda de fundos pblicos eaccoes de
coinpaniias, da cobranza de lettras e di-
videndos ou de seu pagamento, e de qual
quer outra operaco bancaria.
O expediente para o publico comecar
s 10 horas da rnaiiha, e terminar s 4
horas da tarde do todos os dias uteis.
Yice-consulado do Vm.
O abaixo assignado vice-consul da repblica do
Peni, lendo de remetter a junta debeneiioeoria de
Lima, o producto da subseripeao aberla a benel-
cenciados prejudieados com os ltimos ten emoles
qne destruiraiu diversas cdades e lovoaces da-
ipielle paiz, deixando mimares de pessoas utr'ora
aba-tadas, reduzitlas ao maior grao (le mendicida-
ile ; avisa a todos os habitantes desia cidade que
queiram coneorrer para um Um lo taridoso, que
no vice-consulado esta aborta a res ectva subs-
crpeo.
Jos Jurme Vasso,
Vice-consul.
Sania cana da misericordia do
Recife
Pela secretaria da santa easa de misericordia do
Becife se faz publico, que no dia 18 do corrente
nez. pelas 9 horas da manbaa, no salao da casa
dos expustos, o lllm. Sr. tenenle-coroncl. Juslino
Pereira de Parias, tiiesoureiro inlerino da mesma
sania casa, faca o |agaiiicnto do qiurtel vencido
no ultimo de dezembro prximo lind s anus en-
ritarepadas da criacao dos expostosj que Ihes fo-
rain confiadas ; co'nvindo, porm, advertir, que
nao ser realisado o pagamento sead com a apre-
sentacao das orianeas.
Secretaria da santa casa de niiser rordia do Be-
cife 7 de Janeiro de 1869.
0 escrivao,
Pedio Rodrigues de Souza.
Sania Casa da Misericordia fio
Recife
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, sao convidados, de ordem da junta admi-
nistrativa da mesma Sania Casa, os parentes da*
orphaas em seguida declaradas, para que venbain
requere* presidencia a sua retirad^ daquelle es-
tabeleciinento, visto j terem completado a sua
edneacao.
Emilia Pereira, filha de Maria Henriquela de
Castro.
Alexandrina Soai"es, sobrinha de Jifaquim Alves
Nones.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
fe, 4 de dezembro de 1868.
O escriva,
Pedro' Rodrigues de Souza.
Dosporlos do norte esperad"
atodij 11 do corrente o vapor
eommandante Caiioa Go-
mes, o i pial depois da demora do
costume seguir para os portos
i sin.
Desde j recebem-se passaceiros e engaja-se a
carga que o vapor poder eonduzir, a qual devora
ser embarcada no dia de sua cliegada. Lncoinni.m-
das e dinheiro a frete ate o dia da sua sabida as 2
horas.
Nao se recebem como encommendas senao oli-
do su
jeetosde pequeo valor eque nao excedam a dus do Manguinho.)
arrobas de peso lu 8 palmos cbicos de medican.
Tudo que passar destes limites dever ser ambar-
eado como earua.
Previne-seaosSrs.passageiros que suas passa-
gnwso se recebeiii na agencia ruada Cruz n. S7,
cscriptorio de Antonio Luiz de Oliveira. Azcvedo
& C.____________________________________
COMPANHIA PERNAMIUCVNA
K
\:ivcs:ifito eostlcira por vapor.
Macde escalas, Penedoe Aracaja.
O vapor Po.Vna/'.'cominandante P -
reir, sofuir para os portos cima no
dia lo do corrente as 5 lunas da larde.
Recebe carga ale o dia 14 as 1 horas da tari e.
encommendas,pa 2 horas da tardo do dia da sabida no escriptorio do
Porte do Mattos o. I.
LEILAO
De quatro casas ternas.
O agente Puntual vender em leilo por erd-io
de nina pesaos que retirase para a (Man da pro-
vincia quatro casas lerrea> -ila- a ra da AmizaoV
ns. il. 1.1. t.'i e 17. em Bre-
le o terreno 67 palmos e de fundo MMaU
trinta, leudo o terreno as mais Bprcriamti frnrlei-
ras, excelleiite agua para i eher, murado o > fi
e junto da estacao dos trilitos nrtanos i -
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DR
Vivegafo costeira por vapor.
Fernando.
0tapor (iaiti. cominandaiile Aze-
vedo, seguir para o porto cima no
dia 14 do corrente ao meio da. Re-
cebe carga al as .i horas da tarde do dia ll, en-
commendas, passagoh'os e dinheiro a frete at as
10horas domada saluda no escriptorio do Forte
do Mattos n. 1.
Os Srs. pre'endenle- podorl i AaflBBBBT a casa*
e sitio dirigmdo-se para anua roso n. 17. sjiae
arliaro eom quem tratar. ( ronrol r.r.-io ao Uwto.
Segunda-feira 11 do e irTenle.
Xo prinii'lro andar d'i>.'biado n. M, ruada
Cruz, s II lonas.
Fazendas avariadas.
Si'i/uiiilii-frini II de jtiintr.
Oagentj' Pinto lara lei To por ronla e i mo quem perienen de huendas arronla* i l*>rId..
vapor inglez Snppkire na sna dHbm viafrm dr
Liverpool a este p-.rto. a- II |,,,ra- do dia arinw
dito noarmazeiii ra da Senzala Veilia n. W.
COMPAMUA I'CRNAMBCANA
DB
Xavcgaro costeira por vapoi*.
Porto (le (iallinltas, Rio Formosn e
Taniaiular.
0 vapor Mumanguape. coinnia |
dante Mello, segui'paraos portos ai i-
ma no da lu do corrente a me la
noite. Recebe carga, passageiros, eiicoinmeii-
das e dinheiro a frete no escriptorio do Forte do
Mallos n. 12.
Para o Porto
Segu sem demora a barca portugtieza .Voro
Silencio, por ter grande parte da sua carga
prompta ; para o resto e passageiros. aos quaes
offereee escolenlos conminlos, trata-sc cen Oli-
veira, Filhos & C, largo do Coi-|io-Saito n. 19, ( u
como eapitao na piara .do Coiiimercio.
Para Lisboa
iii:iiiAo
De casas de campo edificada!* cm
chi> pi-oprio*.
A SAliCR :
Fina grande casa coin sotan da u.i d.. V. o
ra porto do Lasserre na Capuoga n. l.'i. rom ti
murado, cacimba a am rodos
lina dila n. .'(7 no principio da -^Iraib 4w
Afilelos junto ao sitio da viuva do Ib'rrulaie-.
com soto e siliolaiolh'in murado.
Fina easa aasoferadada o. 43 da ra iLi F|--
raoca (Camiuho .Novo) com qninial niuraib e n-
ciinba coin agua de Mata*.
(Jiiarta-feini 18 de Janeiro M ti turna.
O agen!.' Piulo far leilo por confa e orlen feo
Sr. Luiz Puech que icnVa'M para Kunqia.
predios cima mendonadoa os ooam se i> reeotmneodareis por seren ediSradna sbh bbn
proprios. pertis da cidade e d i> trilhos nrbaiKK :
O leilo ser eir-ctnado as M j cas d i dia arinta
dito Boescriptrio do referido afeis a na da
Cruz n. .'18.
AVISOS DIVERSOS.
C'ozlmheira
Na ra do Imperador n. T.l. segundo andar, pir-
cisa-se de una coznheia.
Criado.
Na na do Imperador n. 71. segundo andar, pre-
cisa-se de n ni criado liel e lin pnM-edidu.
I'rocisa-se de nina aun para > sel rien de urna
O brigue porluguez Liria I. eapitfw Vieira. valpessna; na roadaoAiroae-IWBVs, n. M.
sabir com nmita brevidade, por fer a maior parte ---------*-
da sua carga prompta ; para a que anda Ibe falta
e pas.-aji.co, ata-su coin Oliveira Filhos A C,
lai'go do Corpo-Santo n 11), ou com o referido ca-
pital, na praca do Comnwraio. .

COHPMHIA
n.vs
hgstfWil imperiales.
Ab' o dia 14 do corrente mez espera-so da E i-
ropa o vapor fraueez Nacarre, o mu depois da
demora do costume seguir para Babia e Rio de
Janeiro.
Para condiccoes frotes e passagens trata-se
agencia ra do Coininereio n. 9.
na
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limited
Descorita lettras da praca taxa a con-
vencionar.
Recebe dinlieirtt em conta corrente e a
prazo xo.
Saca vista oj praso sobre ae cidades
priiicipaes da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, p iroilte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinlto n. 7
Rendimento
Mem do dia
ALFANBEGA.
do dia i a 5 .
7.......
l*G:*t0*a06
42:162323
168:428^631
MOVIMENTO DA AI.FANDEGA.
Volumes eotrados eom fazendas
dem idem rom gneros
empregados nesie esfabelecimento 8, a J sa de Manoel AitomoTeixeira, sita a ra do Prin-
Volumes sabidos com fazendas
dem dem com gneros
.108
1*4-
241
568
3(53
Descarregam hoje 8 de Janeiro.
lirgue ingb-zEleonormercadorias.
Patacho nacionalJifion7oo=idem.
Patacho dinamarquezCesarfarinha de trigo.
Barca ingle/.aJMica-^tarinha de trigo.
Patacho dinamarquezAnuo .tfri'=ideni.
Barca inglezawof the Teignerro ocarvao.
Barca ingleza3fe*or=bacalhao.
Barca malezaFleeleri>tg=uliem.
Patacho inglezflojt>/=idom.
Barca inglezaiy. of the Wavecarvao e ferro.
Briguc inglezHelenaCanos do ferro.
Imporluco.
Vapor brasllo: ro Pirapama, vindo do Acara-
c e portos intermelios, manlfestou :
704 meios de sola, 33 saccas algodao ; a Jos
Lopes Davin.
% ditas dito ; a S-aimders Brothers & C
42 ditas dito a "aroeiro Vianna & C.
16 ditas dito ; a Claudio Dnbenx.
3 ditos dito ; a Albmo, Amorim A C.
6 ditas dito ; a Martins A Irnio.
5 ditas dito, 11 eaixas velas de carnauba, 32
meios de sola ; a L no dn Faria & C.
2016 ditos de dlfci, S couros salgados, 13 saceos
cera de-carnauba, 13 ditos gomma, 5 minoscou-
rinhos, 111 saceas ;Ugodao ; a Sa Leitao & Irmo.
Pelo correio desta cidade se faz publico que
no dia 9 do crrente s 4 horas da larda, techar-
se-ha a mala que o vapor costero da Companhia
l'eriiambiieana Potengi, lian de eonduzir para a
Babia directamente.
Correio de Pernanibtico, 7 de Janeiro de, 1869.
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
Inspecco do arsenal-de
marlnha.
Faz-se publico que a commissao do peritos exa-
minando, na Forma delerminada no|regulamenUi
annexo ao decreto n. 1324 de 5 defevereiro de
1834. o casco, machina, caldeiras, apparclho, mas-
treaeao, veame, amarras e ancoras qo vapor Jfa-
manguape da companhia Pemambucana de nave-
gacao costeira, achou todos esses objpctos em es-
tado de poder o vapor navegar.
Inspecco do arsenal de marinha d Pernatnbu-
co 7 de Janeiro de 1869.
O inspector^
H. A. Barbosa de Almeida,
ttanta Casa da Misericordia do
Reciie.
A lllma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife manda fazer publico que na
sala de suas sessdes. no da 14 do corrente, pelas
quatro horas da tarde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens olferecer, pelo tempo de um
tres annos, as rendas dos predios eot seguida de-
clarados :
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Cinco-Pontas.
Casa terrea*. 70, poranno.............
dem n. 112, idem...................
Rna de Horfis.
Loja do sobrado n. 41, por anuo .. .. .1 ..
Ra da Moeda.
Primeiro andar da casa n. 37, por aneo..
Segundo andar, idem............... ..
f,oja do mesmo, idem.................
Areal do Forte.
Casa terrea n. 1, poranno...... _......
Ra ilo Padre Floriano.
Casa terrea n. 43, por anuo...... .. ..
Casa terrea n. 43, idem................
Beeo das Camillas.
Casa terrean. 5, por anno.............. 15l000
Roa da Imperatriz.
Casa terrea n. 68. por anno......... .. 3O3jiTO0
Ra da Conceicao.
Casa terrea n. 8, por anno..........#,.. J49JO00
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 25, por anno............ 144*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Beeco das Boias. -
Casa de dous andares n. 18, por anno. .. 593J000
Ra do Pilar.
Casa terrea o. 100, por anno.......... SOliOOO
dem n. 102, idem....................201*000
Ra do Rangei.
Casa terrea n. 96, por anno............302*000
Ra da Madre de Deus.
Casa terrea n. 14, poranno...........764*000
dem n. 6, idem.....................400*000
Ra do Amorim.
Casa terrea n. 26, por anno .. .........*81*000
Stibo. doForno da Gal, idem ........ 150*000
Os pretndeme deverao apresentar ao acto da
Para Lisboa
Segu em poucos dias o brigue portuguez Com-
ante I, por ter grande parte do seu carregaracnto
prompto ; para o restante e passageiros, trata- ~e
com Oliveira, Filhos & C, largo do Corpo-Santo n.
19, ou com o eapitao na prac,a do Coinmercio
Para o Rio de Janeiro
Saldr com a mxima brevidade possivel o bri-
gue nacional Trocador, para carga e escravos
frete. trata-se coni os consignatarios Marques.
Barros & C, na praca do Corpo-Santo n. 6, segun-
do andar.
Maranhao c Para
Para os indicados portos pretende seguir coin
brevidade o hiate nacional Rosa, para a carga qne
lhe falta trata-se com Marques, Barros A C., ro
largo do Corpo-Santo n. 6. segundo andar.
Para o Porto
Seguir con toda a brevidade, por j ler quasi
todo o seu rarregamento engajado, a nini velleia
barra Vencedora : para o resto e passageiros, aos
quaes offereee excedientes commodos, trata-se coin
Cunha limaos A C, ra da Madre de Deis
n. 34.
Nutrimento
HEDIGIVA!
Para Lisboa.
Vai sahir com brevidade o brigue portuguez
Lata III. eapitao Calvan, para carga e passageiros
rata-se com E. R. Rabello. ra do Coinmercio n.
44, ou com o mesmo capitn.
COMPAiNHIA, PKRNAMBUCANA
N
^avegacao eostelra por vapor.
Parahyba, Nalal, Maco, Mossoro,
Aracaty, Cear e Acarac.
">*T\ 0 vapor Pirapama, commandanU
A j4 o Torres, seguir para os portos aciu.
dSBHK no dia 15 do corrente as >' horas da
tarde. Recete carga ate o dia 14 as 3 horas di
tarde, encommendas, passageiros o dinheiro i
frete at as 2 horas da larde do dia da sahida no
esrriptorio do Forte do Mallos u. 1.
219*000
300*000
120*000
76*000
!>6*(J00
120*000
100*00
170*000
137*000
Kio de Janeiro
Segu con brevidade para o porto cima o bri-
gue nacional Isabel, tem parte no seu earregamer -
lo engajado, para o resto qae lhe falta trata-se
com ostonsignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo A C, ra da Cpos n. 57, primeiro andar.
Vai sabir com brevidade .o brigue portuguez So-
berano, eapitao Bugiganga, para carga e passagei-
ros trata-se eom E. R. Rabello, ra do Coouiiorei >
n. 44, ou com o mesmo eapitao.
rnonnane ron
l.ai>iii"i> A- kemp
Nati
Tsica e Inda a
quaUdafei
neis bbjjt S"ja
na e/arj,'anta, pci-
lo OU bofes.
Express a-
liietilc i'snilhid l
dos niclliorcs li-
gailus ilo> i|ii.ii-
e ex Ir a lie o
(lien, un liaiicu
ila Tena Ni na
parificado rhi-
niicalmente, e
suas valiiav.i
propriedaib >
co n se iva das
ciiiii todo o cui-
dado, em todo o
frasro. MfB/tQ-
(e perfeilamcii-
te raro.
bate oleo b'iu
sidu subnictlido
a om ente
iniiilo severo, pelo rjimco de mais laleu-
to. do gdvenio lies|ianliol em Cuba, e foi
por elle a contri'.
JMAIOK PORCA DTOIUNA
do que oulro qualipier oleo, que elle leni
examinado
IODINO E LM PODER SALVADOR
Em todo o oleo de flpado de bacatbo,
c naquelle do qual eontm a maior porco
d"esta invaluavel propriedade o miico
meio para curar todas as doencas de
(i.\li(A.MA,l'i;iTO,B01'ES, FIGADO.
Tsica, bronchites, asma, catarrbo, toss**,
resfriamentos, etc.
Tus poucos frascos i\;\ carnes ao muito
uiapro que seja, clarea a vista, e d vigor a
todo o oorpo. Xt'iiliuiu outro artigo co-
nbecido na medicina ou sciencia. d tuito
nutrimento ao svsbina e eiicotmnodando
quasi nada o estomago.
As pessoas cuja organisaco lem (ido
destruida pelas aftecres das
ESCRFULAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas cuja digesto se achacom-
pleUuuonte dasarsaniada, devera tornar
O OLEO DE FIGADO DE BACXLIIAO
DE
l.:uiin:ui A krmp
Se que desejam ver-se livres eisentas
de enfennkiades.
Acba-se venda nos esi ilielecimentos
I de A. Caors, J. da Conceicao Bravo A- C.
M. A. Barbosa, P. Maurer cV C. e Bartholo-
meu C.
E em todas as principaes lojas de peiu-
marias e botiias.
Para Lisboa.
Vai sabir com brevidade o patacbo portuguez
llianoa, eapitao Silva, para carga e passageiros
trata-se com E. K. Rabello, ra do Coinmercio i,.
44, ou com o mesmo eapitao.
Pe
T
Segu com brevidade o brigue-esenna Aurelio II,
eapitao Jos Maria Ferreira, tem meia carga enga-
jada, e pal irala-se coni o consignatario
Joao Francisco da Silva Novaos, ra do Vigaro
n. 11.
LEILOES.
De uma barcia
em1/! de eonstruccao, com 140 palmos de quilbii, j iralar.
lo repouso eterno do capitai de fragata An
gusto Setto de Meudoiifa. manda i capitn de mar
e guerra H. A. Barbosa d'Almeida, a-lebiar i
na capella do arsenar de mariuha no da 11 do
correte mez, pelas 8 boras da nianliia e para as-
sistr ella convida aos prenles e amigos do II-
Bado.
ATTENCAO
Francisco Antonio Coellio .luni ir, filho do ex-
propretario do hotel Francisco, deulai-a ao ras;
tavel publico, que o eocarroia de trabalhos de
cozinba ; a ', prepara cha para casan
tos e partidas populare*, ou t|uali|uer si.-edade
ipie d suas partidas mensaes,porque se acha c
habilitacfles neeessarias para este flm.
prepara mesas para grandes jamares; tolo-rom
aceio e promptidao, e rornece men doriaa para casas particulres, a fallar na ra Bel-
la n. 2, me encontrar a mean i9sfla pnroeon-
i

i
M
{
i
i

111 '



Diario Jos
lingua o
Proviso*
rasa, ra _
ID ciirsf M I
*=- "uT.or.n \phia
BU.
PlltLOSOPtUA.
RfcTHOlUCA ii POTICA.
Os c eme quizorom frrjaentar
HualqueT (Testas adras, tanto os que devem
fm < ora marco prximo, como os
qji> teeni d seguir o .-tirso durante o aupo,
podcra dirigir-so a ii dicada residencia, de
irunlian at ;is Q horas, e do tardo a qual-
quer hora._______ ______________
Aula partir i:3;!.r de primearas
letras.
ma Theodora Simos, aoturisala pelo Exin.
.Sr. presidente provincia ao magisterio primario,
aeientiuVa aos seiihnres pas de suas abmmas, que
har aborta a u :-u!a no lia I do mn-enic,
11.i rita travessa dos Expostoa, casa n. IC. segundo
andar ; bem como at> respeilavel publico, me eori*
tiaa udmittir almonas externas e Internas, pea-
sionistas e Mi bomobshb, esperando satsoKer
aos Sis. |iais de familias que llie cmniarem suas
tilhas. lano as materias que eouslituem a sobre-
dita mslruccao c msica vocal, coniu tamben) no
q w for opncernentc as habilidades de agulna.
Troeani-se
as notas do banco do Brasil e das raneas libaos.
coro descosto muito razoavel : na praca da Inde-
pendencia n. 22.
O abaixo assignado faz sciente ao respeitav
aor|)0 commercial desta naca e ao publico em pe-
ral, que do 1 d.; Janeiro frrente tein dado socie-
(tede aos seus amigos eaheiros Joaquim Vieira de
Mi'll,. Pinto e loan Kranri.-ro de Moura. em sen
estbeiecimeato de l'azond.is na do Queimado n.
- doa firma dora em diauto Antonio de Mou-
ra Rnlim & C., eompetindo somonte ao abaixo as-
signado usar des'.a aVotnrior deliberaran. Reci-
fi 5 de Janeiro fe 48M
Moura Rolim.
Aluga-sc o I* andar c inetade do 2", do so-
brado amacollo da ra do Queimado n. 31, os quaes
se acham pintados de novo, e sao muito proprios
para os senhoms advogadas : a tratar na luja do
mesmo sobrado.____________.______
i Ifferece-fie enoarregur da lavagem e engom-1
mado de algam eellegio de meninos, en de algu-
ma casa de commercio e-trangeira, nina familia
inia com esmero e pmtualidade so occuua desse
i;ii : garante-sea exaotulao, perfekjao e promp-
': ;i jii'ssoa que quizer anarmcle.
Faz un niez que tupio da eugenho Caima-
vieira. fregueziada Gloria Jo oit, uiu eseravo de
I). Thereza Francisca dos Santos Pinheiro, por
orne Vicente, criblo, de idade 110 annos. pouc j
na bhb i-, estatura resalar, cor preta, ou fula
I otar una pouco deseorido, muito ladino, com
as de bexigas no rosto, bastante barbado, e
pequeas as barbas, as 'oslas una cicatriz de
las mats para bra dos lados, atoa pequea
ferida na pona, que talvez ja esteja sai. muito pe-
ralta : qiioin o appivhender pode dirigr-se ao dito
nho. que sera bem recompensado.
Aupa-s-: a casan. 18 da ra dos Coelhos,
coni 3 onartos grandes ecceinha: a tratar na ra
d II dogo, "Liria n. 1J.
s de diter
se de acei-
tillo ( unes
cada pelo
_.io**#a^i5es Vi VilHIa Vtrieo deci-
mal 3" edijjao, sena i *>0 exeinplares para as aulas
de instruirn primaria, o"100 renicttidos a (rever*
no imperial. ],ara uso das atfandegas do imparto,
como se vedo seguate oflicio :
V M'crfu,. palacio di. governo de Pernamliiioo
21 de dezembio de IRfiW. Cora o oliciu de 18do
crreme recelo aflradeco os (SO exemplarel im-
pressnsque Vmc. Ae remetteo da 3*edeo das no-
eoes do systema nitrico decimal. lieos puanle a
Vioc-<'.ode de Baependy. -Sr. Jos*:
mes Jnior.
untura?) le \\m
.nCR BE SHINK, 51 *n
rrmomis letras.
eiibo-
1 A T JLk
Na larde de terca-feir.i ."> do correle mez de a--|
neiro. tupio a esmVa cfioola de nome Mara, de
idade de *5 amos, niais ou menos, eor preta, es-
tatura baxt, seni denles na frente, cara chupalla.
a*ras bastantes largas, andar mejo apathetado. i..
tom no lireito moa eicatrr/ [unto ao diHio om-t Jjg?H? ''''' s!'-'sdi,npul.is. q eslao ba
nio. proveniente de un lallio dado lia poneos di, '^'i;1,' ,l'r'"'" '"''' ,";l",;"' rVm '"a,t r>Puln
WllllIlCfl!."
i alumnos e m* mmus
!* quizerem cnnflflfseus i wnmo<. sseeniraudo-
Ihes que fai. como eostm .fi.rro para
qoe ciics oliienham o desi 'liento em
pouco lempo. As lices dr leitura e escripUner-
lencein exelush-aawain ao aunun -iante e a peatnac
[ion
cabellos gr ndes, e posta de andar com elles rula-
d 'S o de errada aborta, levou no corpo um vest lo
de eliiu esi ura de lisuras ja usado. levcoi mais
roiniugQ ouiros vestidos no vos e usados de rliita o
de cambrah, braucos e de listras, e um diales de
merino brainj mesrlado com palmas e lie- lis-.-is
escuras fluf indo barra, natural da Gloria de Gci-
Anioiiio o-J la, onde tem mai c niios. tambem Um conheri-
inentos em Pao d'Alho e San!o Anlao. Pede-se is
autoridades policiaes e capifaes de campo a appr>-
beiisao da niesma escrava e leya-!a ,i ra do Qud-
niado n. 69. que sera i >c impensado.
I- ?,'
n i .
JTT1 U lio
e/Mn i, i T'-nl.-.- : :
: u v:.m r*ii ni mu.
X. O.S0l.fi .1 .0:,'i!. ci. !;'-.|.', o .;
' r1"::- I I** 'i-'ii Crr
f-'ltto
mat,
I?" 1.
l'nvisi-se de um criado para compras erec-
do : no rollepio da Conceicao. a ra dos Coelhos
n. 28.
I
' I
; r fl lfaM 4A /7
9n ,'r '.s betRi, /"> p i-------1-~
im iMa'.o tmifUktk -(-^ / / rp-*****""**
i ic ki -rfryn >
I'nrtc I. mir, il n:i ?!or
itaECb fraucu icu!4aA-
bre l'!r"L:.iilres, ni !ho
ti in>or dvcnraln ...:.!.
r ao publico com
rial. que de seus
Alu.ua- a casa nova n. 53. com commodos,
na roa Augusta; tend Irnttespara duas ras : a
tratar na ra di HandefB, dara n. 13.
Ama.
Preeisa-se de tima ama para casa de pouca fa-
i o: i: a tratar na ra es roila do Rosario n. 25.
odo andar.
laga-sea bija do sobrado n. 32 sita na pra-
ei da Itoa-visla. leudo coi.imodos para qualijucr
e-.li lecimenlo : adatar na ra do Atecrim nu-
o 30.
.-aviso cm tempo
punda-feira, 4 do presinte mez, fupio o escra-
vocrioulode nome Cm.iim. de idade de 45 annos,
on menos, corpreta, estatura regular, b andar
e um pouco inclinado! para a frente, tem um ou
dous dedos da mao direita aleijados, signal este
So torna muito eonhecid i, levnu diversas pegas
e ronpa que elle tinha, mas o chapeo foi um do
chylc bastante velho : qoei i epepar leve-o a ra
la Cnun. 18, on iravessa da Concordia n. 16. que
aera recompensado.
Jos Victorino de lzende & C. continuam a
i Farinba de ntoca de superior qualidade. j
n-chegaQa de Porto-Alegra: a tratar emseul
Mcriptorki, roa daC.aJeia o. 52, primiro andar.
Tritiandade de K S. da Gon-
ceicao dos Militares.
Pelo presente sao convidados a coniparecerem
ii ate ni >.. pelas 'i horas da larde, os membros*
tasto da actual mesa repedora, como da que tem
>!e fnneelonar no correte auno, aflu de ser esta
', lamente inipossada.
Rectfe, 5 de aneiro de 18(19.
O secretario.
Jooqupn Leocadio liegas.
Associatfao cearense.
De ordem do Illm. Sr. presidente provisorio,
icio t'nl is os ci rense! residentes nest'i pro-
vincia, a coniparecerem domingo. 10 do corrente,
s 10 b iras da manila, no palacete do pateo de S.
ledro, ali feila a elrico da directoria ef-
foctiva da mesma sociedade.
O presente convite feito aos que j se inscre-
veram como socios, bem como aos que o quizerem
ser.
P.ecife, 5 de Janeiro de 1869.
Io Secretario interino.
Alfm'o Henrique Garda.
Jos Francisco de AbTU & C, scientilicam
ao publico, e especialmente ao corpodo commercio,
que compraran! a taberna do Oitizciro no Giqui,
ra de Antonio Joaquim de Mello, ao Sr. An-
- Gonealves da Silva, da qual era administra-
dor Joaquim Luiz Vires, o |>or isso se alguem
h mver de por embarazo a dita transacao, apre-
seute-se no prazo de 3 dia-. a contar de hoje, na
referida taberna ou ra i as C.nizes n. 42, a en-
teoder-se com Joaquim da Silva Costa.
Recie, 7 de Janeiro de 1869.
Est fgido o inoleque crioulo de nome Ma-
nuel, cor preta, estatura b; xa, eorpo reforcado,
lade 17 anuos poico mais ou menos, falt-lbe
nm dente na frente : quem o popar pode leva-Io a
casa de sen senhor A. G. Torres no largo do Corj
Santo n. 17, segundo andar, que ser .recompen-
Mdo.
-^ O abaixn assignado faz ver
especialidado ao corpo commercial, que
dous rntihrli rjmrnUl de fazeudas s:U>s ra da
Imperalriz ns. 48 e 52, tem vendido tiesta data o
le n. '|M a., seu caixeiro Paulo Fernaodcs de Mello
Guimaraes. eoBi todos es fundos existentes no
mesmo. Recife. 2 de Janeiro de 1869,
^^^^^^ Joo Francisco Paredes Porto.
IIHA 6Bil\TDE ESdOBEHT
MEDALHA
DE
HONRA
Ai iiropiedados niedictes do oleo de figado de bacalao foro unurdme-
ments 'econhecidas. Mas seo cheiro o seo sabor Uto desagradaveis tornSo o
uso d'e.to muitas vezes impessiTel, mesmo aos estmagos os mais robustos
c aos m ais condescenles.
Por isso a descoberta do Snr. Chevrier que lhe permettio de desinfecta^
inteiranente o oleo de figado de bacalhao sera alterar suas propriedades leu
sido un dos mais felizes problemas resolvidos pela therapeutica moderna.
O olao da fifado de bacalhao desinfectado de Chevrler, com um
cheiro tgradavel e um sabor assucarado, o nico tpie nao tem nem gosto
nem ch;iro de ici.ic.
Olyeoto de numerosos relatnos scentificos elle gota em Franca de urna
fama bem merecida, e roceitado por todos os mdicos em lugar do oleo de
figado lo bacalhao ordinario. Tendo as mesmas propriedades do oleo de
ligado e bacalhau ordinario, usa se d'elle nos mesmos casos isto na;:
Moleailan eaeraluloaaa.
nnrlH :lmo.
or>* iiin-Hu das ftandea.
lalea pulmonar,
Malea laa da pelle
Canatltnira lymphatiea,
nem a, dekllidade, fraqoeza,
Matrcia,
Pobreza da aaniene,
Bafniramento por exeevtia da
Iraltalha on de prar.creo.
Malcatlaa i'o bronebloa recen-
tea ou ebro^caa,
tohboh pcrtlnaxea,
easlrlten, Raalralglaa,
Doren de eataanago.
Elle '-onvem a todas as compleicOes e a todas as idades, e tomada facil-
mento pelas pessoas as mais delicadas. Elle i um poderoso socorro para a
liment jcao das enancas fracas e doontes.
Avisa-W ao Illm. Sr /Manuel do Reg llanos,
mano do K\m. ronde d;:, lioa-vista, (pie sua escra-
va Helena, que se evadir da casa onde se aclia\a
alupada, no dia dome/, prximo pagado, como
se animacin nos Diariot do 2!) e 30 di mesmo
mez, acha-se recomida a etsa de deleneao, de oi-
dem do Illm. Sr. subdelegado de Santo Amonio,
desde a noite de i do corrente. Por se ignorar i
residencia actual do mesmo senhor, se faz o pre-
sente.
Antonio Jos Rodrigues de Souza. prerisi
atusar um criado para o servico de casa, de mais
de i; anuos: a tratar cun o mesmo na ra d i
Crespo n. 13, ou em seu sitio no Monteiro.
Os filhos, "ctiros, c mais prenles do
finado Joaquim Jos de Amonio, eordesH-
monte agradecer a todas as pessoas quu
liveram a liondadc assistir s exequias e
acompanliamento ao Cimiterio, do cadave '
de sen presado pai, sogro, e amigo, e nova-
mente pedon o caridoso obsequio de sua
assistencia ;i missa do stimo dia, que man-
dilo celebrar na Matriz do Corpo Sanio, s
7 lloras da manliaa de sabbado 9 do cor-
rente.
De f rdem do Sr. presidente da socie-
dade Lihcral Unio Uctir/icrntr. rom da-sea
todos os socios, para no dia 10 do cornate
as 10 boras da nianhaa, se reuniem em
assembla peral. M
Salla das sesses da sociedade Liberal
Uniao henifcente, 7 de Janeiro de I8G!>.
(M.n secretario,
Joaquim Xavier Coellio Uittencurt.
-r- Manuel Jos da Silva Oliveira avisa ao publico
e especialmente ao respeilavel cnr|io do commer-
cio, que aduiiltio para socios de sua casa commer-
cial ra do Encantamento n. 11, a seas caixeiroH
Ricardo Cnrdeiro de Miranda e Manoel Joaquim
Vieira, tendo priucipio no dia 1" de Janeiro de 1869.
na raxao social de Oliveira. Miranda & C.
0 oleo dt flgado de bacaJtau desafectado feitugineso de
Chevrier constilue o melhor meio de administrar o ferio. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau, aug-
menta a aeco to efficaz d'este ultimo, se diesolve mais fcil-
mente nos lquidos das vias digestivos, so assimila muito!mais
bem do que quando 6 tomado sob a forma de pilulas, jaro-
pes, etc., enlim perde suas propriedades irritantes e ndo'pro-
voca a constipaedo.
i
As pessoas as mais delicadas que nao podem supportar as
preparaces ferruginosas ordinarias, as quaes, principalmenle
nos paizes quentes, tem muitas vezes grandes inconvenielntes.
podero com a nova descoberta do Sor. CrtBTBm, usar do Ierro,
um dos mais poderosos ageutes tlierapeuticos, lomando-o
unido ao oleo de figado de bacalhau.
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chevrier, se emprega cm lodos os casos que o ferro acon-
selhado; julgamos intil de os enumerar.
I m folleto accompanha cada ildro c ronleru n oItMrv< ir-, iik-iImmm*.
Deposito em Paris, na pharmacia de Cheyrieri e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangafco.
Aluga-S8
VEBDADEIHAS
'---------------
i-*3fc*
DE
COM IQOURETO OO FEKRO 'NalTEAAVCL
APP-iOVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Possibarto as propriedades do lodo I do ferro, r.novem especialmente as AFFECOofts
SW.R'ifci.iisas Tsica no principio.a flaqueza de temjieramenn. e tamliemnos casos da
FaXT* he i.Sk. AMr^iOiiiiiEA. em qu precisa HEA0IK sohhk u sanc.ie seja para resliluir
il-e u sua riqueza e aeondeuMa nnrmaea, oo para provocara regular o son curso peridico.
iV. a. kmIuicU) A* Iito ivijitiru uu altera A um nipdiramcntb inifll,
lrritmie C.t..... [ ova de pun-za e ile auiheiiridaHa das *ertaI*ira l'l-
luis dr ni mrar.l. Jcvf.s" xi(rir io*so rila |n ala rmrlia e,^r(&?7
iio^ti llriju. iqui ihjiii).!::/.ii]a, qur m arha na paitfl inferior rotulo *i"rd#. Iipvc-

'h"'->* in-i a fhairiiiif la Pharmoceiitico, rto Knna/niTit, 40, Paria.
Acha-se (agido desde o da 2.' de dezembro
prximo passado, do engento Oriental, freguezia di
Escada, o cscravo Jos, com os signaes seguintea
preto. alio e corpulento, nariz chato, beicos gn
de-denlado na frente, sem barba, com cicaizetde
chicote, e urna abaixn de una orellia. lem 8 annos
de idade. ,. i,,i do Sr. Lessa, senhor lo engenlK
Gravat da Iregoeaia de Agoa Preta: quero o ap-
prehender leve-o ao referido egeoho, a seu seiilmi
Juviniano Ir m o l'aes lianeio, que ser bem re-
compensado.
Preeisa-se de um rapaz de lo a 18 annos, con
alguma pratica de taberna : no pateo do Terco nu-
mero 1.
t'maeas.1 na povoaeao de Apipucos nuiilo bem
-loada : a tratar na ra da Cadoia de Koicfc nu-
mero S'X.
aaaaaal
IJECTION
ll)f(ler lea luiallltel e Pi-carnauta, absoluUnientu a uiera qi.e cuta &cm ueunuui aduano. V. uui4
do princ paes boticas do mundo. ( Exigir a Inslrucfao do uso). (90 annos de nxislancia.; Paris, em ca
do iaveni ir 1BOC. boalnard Hatela, 112.

DEPURATIF
Precisa-so de nina ama para sornieo de casa
e ra : na ra da Ro la n. 30.
Paris, 36(RuaVivienne, D'
CHABLE MDECIN
ASENFERMIUADAS HKSSEXi AKS, A S AFt'EC-
"'ES CUTNEAS. K Al.TElAgOESDO8ANGUE.
0 000 curasdas iinpingtns
intitulas, herpes, sarna
|comxoes. acrimonia, e aU
'.ercocs, viciosas do sem-
ipi ; cini. e aiteracoet
do snny ,e. (Xarope vegetal sem mcrcuria). Bea>a-
rativaH vageiaea IIArYllOM "innuii
tomao-se dous por semana, seguindo o iractamenlo
fm 'irniinn ; em' rPEadtJaas mesmas molestias.
Este Xarope Cilracte da
ferro de CHABI.E. cara
immediatamenlequalquer
puruac,ao, relaxacao,
debilidade, e igual-
nenie os fluxos e flores brancas das mulheres.
Esta injeccao benigna emprega-se com o Xarope da
Cflrnclo de Perro.
Hemorroidaa. Pomada que as cura m tras diaa.
POMADA AliTIHERPETICA
Contra: as afsccoes cutneas e comixois-
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
ao cbabir, cada Irasco vai aoeoaip ihado *j
folheto.
PLUS DE
COPAHU
Amo.
Preeisa-se de una ama para casa de pouca fami-
lia : a tratar na ra do Queimado n. 61).
Na ra da Gloria n. 108 tem para aHtgar*se
nina negrinha para ama de cozinhar e comprar.
Aluga-seiinieseravo pardo einoco, muito h-
bil e inleliijiente. por ;M) mensaes : a tratar na ra
das Tiicbeiras, Io andar.
AJuga-ae a grande casa e silio da ra de S
Miguel, nos Afogados, junto a igreja. com mudas
aceominodacoes. viveiros. banho dentro e muitas
fructeiras na roa do Queimado, bija n. 18.
suizo dos feitos ;i taasenda de
Pernambiieo.
Faz-se publico aepiem cenvier e interessar pos-
sa. que lindo o praso de tres meaos a contar de 1\
de dezembro ultimo, se lian de vender em hasta
publica, celebrada na eidade deGoyanna e na villa
dellanib. peranteo sobredito juizu, as trras pe
teucenics ao extincto encapellado de Itamb. cons-
tantes do edital de praca. publicado no Diario d,'.
Peinambuco do citado dia. Os que pretenderem
laucar a praso. conforme o art. i da le de C de
M'ieuibrode 1830, devero apresentar-re com seus
liadoies habilitados, sendo as bancas prestadas ad-
ministrativamente e com toilas s fornialid.ule
das liancas lisraes nos termos das instruc^oes de
:(0 de dezembro de 1866.
O escrivao,
Lniz Francisco II. de Almeida.
Prmeiras letras.
Mara Bartholeza da Conreieao partectpa aos
Srs. pas de suas alumnas, e os mais senbores
que lhe quizerem dar a honra de lhe confiar sua
meninas para lle-s ensinar o quanto relativo a
prmeiras letras o costuras ele. assegurando-es
que far todo o esloreo para que ellas em ponen
tempo obtenham o desojado aperfeicoameoto
Tanibem ensina a ler, cscrever e fallar a lingu;
francesa. Pode admittir meninas internas. AITiao
ra-mea a boa tetra. Abre sua aula 7 de Janeiro
ra da Matriz da Boa-Vista n. 16.
.tludiinca.
Gomes de Mattos Irmaos, estando em mudanc:
de sua loja de joias para a ra do Cabug n. 'i. es-
lao provisoriamente por cima deseo antigo estabe
lecimenlo no primeii-o andar da ra larga do Rosa-
rio n. "2.
Aureliano de Pnbo Ilorges. professoT jubilado (
licenciado de tastruecao primaria, contina a Ice-
ronar ein cass particulares ou eollegio, iior precc
cazoavel : as pessoas que se dignarem procralo
podem dirgir-se ao convento de S. Francisco, ccll;
n. iB.______________________________"
Monteiro, Correa & C, julgam nada deve i
Iiessoa alguma,mas se alguem se julgar sen credor
qaeira presentar seus ttulos dentro de tres das
para ser pago.
Alnga-se o escriptorio da ra do imperador
u. 8.1. que serve para advogaca e para cartorio o
mesmo para outro qoalquer negocio : a tratar no
mesmo.
Pelo presente s3o chamados todos os credores
do fallecido Joao Simos de Almeida para apresen-
tarem.as suas contas correntcs no estabclccimento
do mesmo finado, ra do Vigario n. 11, isto no
praso de 8 dias, a contar desde boje. Recife 2 de
Janeiro de 1869.
Precisa-se de um caixeiro com pratica de ta-
berna : na ra larga do Rosario n. 31 se dir quem
precisa.
alquer
nor.
nto da
pe* val mais una lico dada peo annmicinte e
pela*ditas suas diacmnlas do que dez porderu-
Vflianca a boa leltia. Sua laraaber-
la a 7 dej.-uu'ini, a ra da Matriz da. Boa-vista
n. Ib. \l
-\zevudp & Mello fit^u publico conmfpecia-
lidade ao roi-po do comnn icio rpie tem justo e
contratado ccui o Sr. Antonk) k Rodrigues
Braga a sua taberna sita a rna i a Guia n. 36, li-
-ie e descinbaraejida: quena -e jnlvar credor
aprsente seos documentos no prazo de 3 dias, e
depois deste prfczo perder todo r. Recife 4
de Janeiro de 1801.
I^eclsa-se de moa ama pira eosinhar para.
rapases solteiros : a ra do Queimado n. i3.
Precisa-se de orna ama. para comprar e co-
zinhar : a ra das Trinebeiras n. 9.
Troca-se o Jornal do Commercio do Rio de
Janeiro pido Diario de Pe no mbnco, a/contal" de
1869 em diante, a quem comler dirija-se pelo cor-
iein a l'loiiono Alvos da Costa ra do Rio Coin-
prido n. 7 A. Rio de Janeiro, indicando a quem so
ilcve remerterodilo/orim/ m Con>mercio.
O abaixo assignado avisa ao respeilavel pu-
blico, especialmente ao corpo do commercio, que
tem justo o contratado comprar ao Sr. Joaipiioi
Ribeiro da Cruz o sen arinazem de mclbadcsao
largo do Terco n. Kti, lino e desembarazado ; pt.r
tanto pede a quem se julgar com qoalquer direitu
ao mesmo se aprsenle no pra/.o de tres dia*.
Tliomaz Jos de Hceira.
Precisa-se de urna ama' que saiba perfeila-
menle cnzinhar: na ra do Qucunado n. 42,
luja.
Manoel Harlins Soarcs avisa ao respeitave
publico que duixou de ser caixeii o dia 2G
do corrente. do Sr. -. Prazcres. e
agradece ao mesmo senhor e a toda sua Exma. fa-
milia o bom Iratamimto que lhe den durante o tem-
po que foi seu caiceiro.
Kot-irdttdt'.
Da-se a urna pessoa qnn tnbn alguiii capital, em
um arrBazem de moliuidos que tem iransacce*
para o mato : a quem convier anmincie para'ser
procurado.
Precisa-se de una boa coznbeira para urna
casa de familia, dirijain-se ainada Roda n. 15.
O abaixo assignado fas sciente ao respeilavel
publico, e com especia I idade ao corpo docaamer-
cio, que a contar da dala de boje em diantejoSr.
Francisca Jos da Silva Santos, adminiilridor de
sua taberna, sita no travessa da S-mzatta Tema n.
o, nao pode comprar objecto algum para o respec-
tivo e--labelleciiiiento. sem que si ja a dinlieiro a
vista e pago no acto da compra, nao se resp msabi-
lisando 0 mesmo abaixo assignado por qi
transacao em contrario do prearnte annuncis.
Recite, 31 de dezembro de 188.
Francisco Airea Monteiro Jin
O actor Macedo eonvida ao pagaffltl
importancia de."(i bilhetes de plala. jiesssa He
em nome de oulras nuiilo re-pei!a\eis Ihes requLi-
tnu para o espectculo do seu beneficio, evitando
assiin que seja exigida a dita importancia
lucios (ue a le concede, evitando mais a |ii
dade de lacios que talvez devem vexar a din
soa.
Da-se 300 mensaes pefcj servim
preto e-.-ravo : na ra do (tangcl n. 9.
Compra-se nina bomba para cacimba, mices-
teja em bom estado ; a roa da Cruz n.18.
Machinas 4e costura.
Em casa de Tlieo: Just, no caes da alfandera vc-
lba. rcndeni-se snperiores machinas de rostir da
acreditada fabrica dos Srs. Planer Bramisdoif AC..
de New-York.
Yende-se a armacao da taberna da ra di.
Nogneira n. 49, em muito bom estado : a Ira ar na,
mesma.
uperior farinba de mandioca de Pnrto-Alegre, re-
cem-chegada na escuna hollandesa Jeannette:
tratar no escriptorio de Jos Victorino de Roseada
& C., roa da Cada n. B2.
Vende-se um bom ca\allo. anda baxo e mei^
para ver na coxeira Bravean doOuvidni-.
Sal do Assi
Vende-se a bordo do patacho portugnez as, <:
para tratar com Joaquim Jos Gonealves Deliran,
ra do Trapiche n. 17.
1001000
No dia 8 do mez de dezembro fugio do ongenbn
Sant'Auna, comarca de Porto-Calvo, provine a das
Alagoas. o eseravo pardo de nome l'elippe. bom
oflirial de marceneiro e sollrivel de l'oguctciro. re-
presenta ler 30 annos de idade. e com os segninles
signaes : barbado (mas conserva-a rapada), esta-
tura baixa. lem lodos os denles da frente, cabr-llos
pouco carapinhos : quem o apprehender e lvalo
ao referido engenho ou ao Sr. Joaquim Rodrigues
Tavaies de Melle, bogo do Curpo-Santo n. 17, pri-
meiro andar, ser gratificado com lOftOOO.
Eseravo fgido
Em a noile de 21 do passado. ir occasio da
missa, fugio o crioulo Manoel. de 3o anuos de ida-
de. baraado, alto e corpulento, ps grandes o es-
barrados nos tnrnnzellns, e, supiKie-se quo (lenlia
seguido para o Curato do Bom-Jardim, d'olnde
natural. 0 referido eseravo pertenceu aosl Srs.
Gautier dentista e Hyppolito Gadault, e prejente-
menle de |iio|iriedade de l.ibanin tendido Ripeiro-,
morador na Torre, onde pode ser entregue, pu na
na do Imperador n. o7. armasen] Allianca, que se
gratificar geiieio>aineiile.
Constando ao abaixo assignado que alguns
dos herdeiros do finado Francisco Santiago llamos,
teem vendido alguns escravosque com o engenta
Tibiry acbam-se Inpothecados e pcnhordOB por
exeecao de Manoel Alves Ferreira,e julga de
protestar contra taes vendas, em quanto o nao faz
judicialmente, ficando rertos< que compraiiem de
pelos
;1868
i.
rvico
pelos
blici-
pes-
ie um
que taes vendas seroannnladas em i-
ineios complenles. Recifi 31 de dezembrod
Manoel Femii-a Harlhol
Precisa-se a luga r dous moloques para stvicj
de hotel: na ra das Larangeiras n. 14. hotel.
COlll-
n ipie
Aluga-se urna preta que rozinh,e lavae
pre : na ra Dimita n. 20, -'"andar.'
O abaixo assignado pelo presente decbu;
nestadata venden seuestabelcvinicntode me badas
sito ruade Santo Artaro n.28 ao Sr. Jos Penara
dos Santos, livre e de.-embaracado de qti lquer
onus tendente ao mesmo estabelee'imento. Ib rife
29 de dezembro de 1868.
LuzCaliraldeMedciros
Sendo necessario resgatar os bilhetes de nissa-
Sens datados e emittidos at 31 de dezembr i fin-
o, pede-se as pessoas que os tiverem a- blindada
de os apresentar o mais breve pussivel na cstacao
da praca do Capim. para seren pagos ou Bubsti-
tuinos "por outros.
1." de Janeiro de 1869.
fl'wi. Raivlinson.
-H
CABGA
esquina
da ra larga do
Eosario.fH
WJB&A. WME ,_____.___
" Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sortimento sem igual*
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender.
HUA vinta da qualidade e do prepo das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade
Garante-s\ ser tudo de le. Compra-se ouro, prata e pedras finas por precos muito ele-
vados.
A loja est aberta at t 9 horas da noute.
RIA
esquina
da ra largado
Rosario.
I-I
IBlKE i



.

Baasasmi


.
Diario de Feruanibuoo Sexta feira 8 4e Janeiro de 1869.

Arrenda-se um sitio na freguezia dos Afoga-
dos, lugar denominado Ypiraiifta, eom grande casa
de vivenda, grande numero de ues de cnqoeiroa e
outra.- muilas Iructeiras. assim como lem propor-
roes para crear vaccas de lcite : a tratar na mes-
nu freguezia ra Dircita as casas ns. 5 e 7. ou
nesta typographia.
Aluga-
i-se
Duas casas com bastantes commodos na
Cidade Nova de Santo Amaro a tratar com
Antonio Jos Gomes Jnior, em Santo
Amaro.
Os Advogados, Drf Vicente
Pereira do Reg, c o Bacharel Ja-
cinto Pereira do Reg, continuam a
teroseu escritorio commum ra
do Queimado n 46,1." andar, onde
o 2. pode ser procurado a qual-
quer hora por ter a sua residencia
no mesmo andar.
No diaprimeiro do corrente mez
na occasido da missa cantad na I-
grcja da ordem terceira de S.Fran-
cisco perdeu-se um lequc novo de
sndalo; quem pois o achou e que-
rendo rcstitui-lo o, pode mandar en-
tregar na ra de Sdo Francisco,
antigamente mundo novo, casa ter-
ina do lado esquerdo n. 11, que
ser recompensado.
Jos Luiz N'etto de Mendonca convida aos seus
amigos e aos do sen presado lrmao o capitao de
fragata Augusto Netto de Mendonca fallecido em
nm dos ltimos i econhecimentos da marinlia bra-
silea na campanha do Paraguay, para assistirom
a urna mibsa que |r alma do mesmo seu innao
se celebrar no dia 9 do corrente as 8 horas da
jnanha na igreja matriz de Santo Antonio._____
Os Dr?. Rufino Augusto de Almcida e Buarque
de Macedo convidam aos seus amigos o aos do
rapitao de fragata Augusto Netto de Mendonca.
tallecido na campanil do Paraguay, para as>isti-
reni a urna missa e memento que por alma de
mesmo capitn de fragata niandam celebrar no
dia 8 do corrente s 8 horas da manhaa na igreja
matriz de Santo Antonio.
Dr. (iuillierme Angel, oculista, mudou-se da
ra Jfsya para o Forte do Mattos, por cima do tra-
piche Trantas, no Hevife, onde pode ser procurado.
As horas das consultas sao das 9 as 11 horas da
manhaa e das 3 as 5 horas da tarde.
Alugam se o f e 3* andares do sobrado da
ra de Apollo n. 35, com muitos commodos para
grande familia, rjanelas para todos os lados, e por
isso muito IV.'sra : queui pretender entenda-sc eoni
Jos Antunes (luimaries, ou com o Sr. Thomai Fer-
nandos da Cuu ha, naruadaCadeia do Keclfe nu-
mero 44.
Precisas.; alugar um criado escravo, para fa-
zer todo servico de urna casa de familia : a tratar
na ra da Cao'ia do Rccife. n. 51, primeiro andar.
Aignille pour machiner a costure de Grover
4 Baker, prix de la douzaine iOOO rs. premier
lage ra da Cadeia do Recife, n- 51.
* Precisa-:* de um anussador : napadariaal-
lema em Santo Amaro.___________________
Aula particular de instrucco primaria
Manoel d Souza Cordeiro SimSes avisa aos
senhores pais de seus alumnos, que no dia 7 do
corrente se achara aberta a sua aula em continua-
m>dos seoseien-icios, la mesma ra, travessados
:xpostos, casa n. 16; "e ao respeitavel publico, que
contina admiitir alumnos externos e internos, pen-
sionistas e meio pensionistas.
Methodo Castilho
Secujidino is de Faria Simoes, professor par-
ticular de instrucco elementar pelo methodo (Cas-
tilho, avisa ao respeitavel publico e com especiali-
dade aos pais de familia, que no dia 7 de Janeiro
est aborta sua aula na ra da Penha n. 25,1 an-
dar, onde receto pensionistas por preoo commodo.
O iiu'snio professor promette muito se esmerar no
adianlanii'iito de seus alumnos. No mesmo dia
pretende o reformo professor abrir um curso de
primeiras lettr.w noite para aquellas pessoas que
nao poderem frequentar durante o dia. ______
AMMk
Em S. Jos)'; do Manguinho. sitio n. 2, precisa-se de
duas amas, unta para cozinhar e outra para engom-
mar e algum servico domestico, paga-se bom alu-
gnel agradando. ^
Photographia
O photograplio J. Ferreira Villela participa ao
res|M!lavel publico, que tendo rhegado do Rio de
Janeiro no dia 7 do passado, tomou a direceo do
seu estabelecimento de photographia, sito ra do
('.aboga n. 18, entrada pelo pateo da matriz, onde
se contina a tirar retratos por todos os systemas
photographieos. No mesmo estabelecimento ainda
se contina a tiai retratos em cartao de visita a
'JOOO a duzia. Ha tambem urna linda colleccao
de alfmetes de curo de lei com podras preciosas,
para a eoiloracao de retratos.
Ama
Comp
Preelsa-se de urna ama recomida que saiba coser
e engommar, e tambem de urna de ra que saiba
cozinhar e lavar, para casa de pouca familia, que
sojain de neia ame e que d informacoes de sua
conducta : a tratar na ra do Arago n" 32.
janllia peruainbucana
vapor.
O cscriptorio da companbia acha-se mudado
para um dos predios de sua propriedado ediflea-
dos no caes do Forte do Matos e funecionar desde
hoje no de n. 12, sendo a entrada polo lado do
caes.
AMA
Precisa-so de amaama que saiba eosmhar com
Bertoieao para casa de honiem solteiro : na ra do
Livramenlo n. 6, loja.______________________
Alupa-se a casa nova da na do- i'ra/.civs n.
Vi, com grandesoemmodos para familia.
. No dia I.'idodozembroprximo paseado,por
occasio de embarcar n'um bote na Lingoeta. um
ptssaffeiro para bordo do urna barcaca que sabia
para Maraagnspe, esquoceu-seeste de una maca
no boto, que coiitinlia um uniforme de cachemira,
ma calca de brim cor de caima, nina camisa de
madapolao, algumas carta* e papis de facturas de
orapras feitas nesta praca. e recibos de dinheiro,
assiaMomo 3 letras saleadas por Jos Jacintho de
GarvaHio, acreas nina por Manoel Rodrigues de
AranjO, de 773O."K) rs.. outra por Joo Alfonso do
AOraqoerque, de 9j80O rs, c outra ainda por Fer-
nando Soares Bezerra, de iOOOOO rs. Pede-se ao
atraeiro cima dito, que (merend entregar esta
maca com os objectos cuntidos so poder fazer na
na da Cadeia loja dos Sis. V. h Guimaraes ou ao
p da fundirn de. Santo Amaro, taberna do Jos
Jacintho de Carvalho, que se gratificar.________
Antonio Lopes Braga e Francisco Jos Gomes1
socios da firma que at 31 de dozembro prximo
paggariq, yrou nesta praca na razo de Antonio Lo-
pes Braga & C dorlaraii ao publico e ao respeita-
\A corpo do conunercio, que admitliram para so-
cio do sua casa o seu caixeiro loio liaptista Go-
mes, girando a firma desta data em diante na razo
social 'de Braga. Gomes & (i, a cargo de quem lica
toda a liquidaran di firma extincta.
Recife, 2 ib-Janeiro de II69.
Antonio Lopes Braga.
Francisco Jos Gomes.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife ao S. Francisco.
AVISO.
Pelo prseme se faz publico que os vo-
lumes de -liagagcm e carga apresentados
despachos as estaroes, devero ter um le-
livini ou marca, distinctos. Os que assim
nao t'stiverem nao serio despachados.
Escriptorio da superintendencia, Villa do
Cubo, 31 de dezembro de 1868.
G. O. Mann,
, Superintendente.
Banhos salgados
Aluga-se por mdico preco urna das nielbores
casas da Boa-Viagem, muito fresca, com 2 salas e
6 quartos : na ra Nova n. 2.
Roga-se. ao Sr. Dr. Francisco Conidio da
Fonseca Lima o favor de chegar ra de Hurtas
n. '.Mi, ondo se llie desoja fallar, antes de relirar-sc
Agua Prela.
Umasenborade vinte e tantos anuos, branca,
honesto e solteira, desoja ompregar-se em urna
casa de familia como costureira : a familia que
precisar de nina possoa nossas condicoos, poder
se dirigir ra do Queimado n. 10, "loja. que se
dir ondo se trata. D.n-se fianca da conducta.
1 Y..1L1
Precisa-so de duas amas, una para engommar
e outra para coz nhar : na ra da Cruz n. t6.
Precisa-se de urna boa cusinheira, forra ou
esenva, no sobrado n. ;t2 da praca da Roa-Vista,
primeiro andar, aonde tambem se compra urna es-
rrava boa, egi adando paga-se bem.
lina possoa competentemente habilitada so
ull'.'ioce a leccionar, tanto em sua casa, como em
rasas particulares, as seguimos materias : lingua
portugueza. latim. franeez, ingloz. geographia e ro-
thorica, tudo por preco rasoavel: a tratar na ra
Augusta, n. 67, primeiro andar.
Precisase de um caixeiro de LJ a 18 annos
de idade. que tenlfe pirtica de taberna, e d fiador
de sua conducta : no pateo do Terco, n. :)2.
Cosiiihoira
Precisa-se de una esenva ooshiheira, paga-se
bem: na ra do Pires, sobrado n. 27..
Criado.
No caes de Apollo n. 69, precisa-se de um criado
de 12 a 11 anuos, para compras o servico de mesa.
luga-se o sobrado da ra Velha n. 15, com
bastantes commodos : a tratar na ra da Impera-
\ra n. 54.
Hduca^o primarla c secun-
daria.
Na InstttnjcSo de Jeronyp o Pereira Villar, na
ra larga do Rosario n. 22, nao s se ensinam as
materias que constitueni o curso regular de pri-
meiras letras, como as disciplinas preparatorias
para a faeuldade de direito, cujas aulas estarlo
bertas do dia 7 lo presente Janeiro por diante.
AtteiiQo
Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponee de Li'ou
como solicitador do foro desla cidade e dos termos
de fra, se cncan ega de todas as questoes quefo-
rem suscitadas Dorante os tribuuaes civis, crmes,
ronunerciaes e ecclesiasticos, promettendo conti-
nuar a exercer o seu emprogo coma niesrna leal-
dade, actividadeo dedicaco. O annuncianle. pode
ainda receber corto numero de casas coniniorciaos,
por conlraclo anr.ual e bem rasoavel. Deve decla-
rar, que costuma dar as contas de despezas judi-
ciaes, todas data* as. especificadas e com escrupu-
losa exactido, co no afllrmam os que teem sido seus
constituimos. Qu 'm, pois, quizer o honrar com sua
conlianca. dignai- sc-ha procural-o ra das Trin-
cheiras no primeiro andar do sobrado n. 48, junto
ao cartorio do Si.cscrivao Motta, para onde acaba
de mudar-se.
Precisa-se de urna ama para cosinhar para
casa de pouca familia : a tratar na ra do Amorirn
= 54.
Manoel Alvos Ferreira &C, na ra da Moc
da n. >, segundo andar, tem para vender superior
potassa da Russia, em barris e meiosbarris e cai de
Lisboa da mais nova que ha no mercado..
C0LLEGI0
DE
SANTA GENOVEVA.
Ra do Hospicio n. 22.
Todas as aulas deste collegio que comprehendem
o ensino de primeiras lettras; das linguas latina,
franceza e ingleza; de geometra, geographia e
philosophia, estai o impreterivelmentc abertas na
segunda-feira, 11 do corrente. Alera destas disci-
plinas, haver duas vezes pV semana urna aula de
grammalica portugueza e um curso especial para
a pratica da conversacao franceza. dirigido por um
professor franeez.________
O Sr. sargwto brigada do corpo de
polica queit-a vir a esta Typographia a en-
gocio.
Aluga-se a loja do sobrado do pateo do Ter-
50 n. 2, com commodos para qualquer negocio : a
tratar na loja de imagens que fica junto a essa, e
por baixo do mesmo sobrado.
Manoel Jos de lbuquerque Mello, professor
parcular, provisionado pela directora da instruc-
co publica, scientiflea aos pus da seus alumnos e
aos dentis que o procurar iiossam, que no dia 11
do corrente abre a sua aula no mesmo sobrado do
pateo do Terco n. 141, onde |>odero os pretenden-
es eafcndwem-se.
Ama,
Precisa-se de urna ama fona ou captiva para
comprar e cozinhar para urna pequea familia: na
ra Nova n. 65, lija_______________________
ilugam-se
o Io e 2o andares da ra Direita n. 88, ultima-
mente concertado caiado e pintado, e com bons
commodos para familia : a tratar na padarian. 84
na mesma ra.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de rapaz sol-
teiro : na ra do Queimado n. i?.
BARAUSSIMO
Calcado nacional, na fabrica de Jos Vicente
Godinho & C, na do Jardim n. 19, avisam aos
seus freguezes desta capital e do interior, que con-
tinuam a fabrica calcado em alta escala, e offo-
recemas melhore}conddes, tanto em preco como
em qualidade. O; propietarios deste estabeleci-
mento chamara a attencao dos senhores consumi-
dores do interior, que os quizerera honrar com
sua freguezia, especificando em seus pedidos a
qualidade e numeragao, offcrecendo-se para os en-
tregar bem acondicionados em casa de seus cor-
respondentes nesfc.praca
Arrenda-se a propriedade denominada
Barra de Serinhiiem no littoral da freguezia
do mesmo nome, com muitos foros rece-
ber e muitos capieiros a desfructar, tendo-
alm disto, a encllente e rara posicSo de
beira-mar, e be ira-rio, inteirameote apro-
priada para iaanter-se ahi qualquer es
tabelecimento commercial de seceos, e mo-
Ihados; a tratai ra do Imperador n. 20,
ou ra da Florentina n. 28.
:
BARTHOLOMEU ft C.
PARA USO INTERNO
PHKP.UAOS SIMPLES
Xarope de jurulieba gan-afa. I^iOOO
Vinho de jurubeba garrafa. 1-Xioo
Pilul ? de jorubeba vidro. i JtO(M>
Tintura de jurubeba vidro. 640
Extracto hydraeoolico de jurubeba. 12$500
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2&000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa. 1.-M5O0
Pilulas de jurubeba ferruginosa vidro. -sooo
Oleo de jurubeba vidros. 640
a Pomada de jurubeba pote 610
Emplastro de jurubeba libra. 2#KK)
PARA USO EXTERNO
A Jl Itl BEBA.
Esta planta hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excel-
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do ligado ej baco, as
he patitos propiamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as it flammacors
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos intenios, nos tumores es-
pecialmente do otero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, n s hodrope-
zias, erysipellas : e associada as preparaces ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, choroaes, faltas de menstruaco, leucorrlieias, desarranjos atnicos do
estomago, debtlidade orgnica e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos allirmam os mais distinctos medjeos desta cidade, entre os
quaes podemos citar os Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve,
Pereira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhecem a excellencia d'este
poderoso medicamento sobre os demais at hoje conhecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os dias fazem d'elle applicac3o.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doenfes de usar dos preparados empricos d'elle, e
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a des vantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna multas vezes improficuo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados, s foram apresentados depois de havermos conveniente-
mente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
piedades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas, fructas ou bagas, e a
dose conveniente a applieaoao, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados
ao maior grao de perfeico possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos im-
portando o pouco lucro que possamos tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode enconU-ar; a prompta e infalli-
vel cura de qualquer dos soflrimerrtos, que deixamos innumerados, se forem em tempo
applicados, tendo alin ilsso, medico eu doente a vantagem de escolher as nossas va-
riadas preparaces, aquella quemelhor lhe podeconvir, j pela fcil applicafo, ejpela
complicaco das molestias, idade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se tornam comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que
como taes esto hoje reconhecidos.
Para aquelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jurubeba, e sberem a applicaco de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em domo deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos
mesmos preparados.
Deposito geral de todos os preparados
Botica e drogara
.31Ra larga do Rosario34.
. COLLEGW DE SANTO AMARO
Recife, ra do Conunercio n. 5.
Este <- abelei'lmeiito le edneaeao, acha-se a dlsposl -fio dos
Junios. Ha. Paes de familias e a quem mais possa convlr. O Direc-
tor faz sciente, que desde j acha-se aberta a matricula da aula de
lustsiicco primaria, a qual. ser aberta em o da 11 do andante:
bem como as secundaras, cujos cursos tivero principio pelas fe-
rias e devein ser ineerradas em mareo. As demais funcrionaro
do da a de feverelso m dlante. eom a regularidade do costume.
Kccifc. 1 de Janeiro de IStt.
Do xarope Vegetal Americano, eapeelalldadede Bartholomcu m\ C.
34RA LARGADO ROSARIO-34
Nao costumamos procurar attestados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos que sua applicai'ao e os resultados obtidos pelas pessoas que se dignaram acceita-
los, Ihes deem crdito c voga; porque sSo serapre os attestados considerados gratuitos,
e delles que lancamao o charlatanismo; mas, n5o qiterendo offender as pessoas que
espontneamente nos ollereceraiu os que abaixo vao franscriptos, os' faremos publicar,
manifestando-lhes nossa gratidio jiela attencao, esperando que venliam elles corroborar
o conceito, e acceilafao que tem merecido nosso xarojie.
BarlhoUmeu & C.
ATTESTADOS
Illms. Srs. Rartholomeu & C. com a mais subida satisfar) que declaro
ser o xarope Americano de urna eflicacia extraordinaria, pois que soffrendo ha dias de
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamentos
que tomava, a elle recorr e na terceira colher fui alliviado, e de todo me acho hoje res-
tablecido com o uso somente de quasimeio frasco: grato, pois.' csse resultado mani-
fest a Vv. Ss. meu reconhecimeuto.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado.Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Rartholomeu & CPenhoradissimo com o favor que me fceram
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composic5o, quando me acha-
va bastante doente de urna constipacao, que me tornou completamente rouco e que
trouxe urna forte tosse, e me impossibilitou de cumprir os rneus deveres de cantor da
empreza lyrica, vou agradecer-lhes meu completo restabelecimento, que obtive com uro
s vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a muitos tratamentos. Desejarei
que outros como eu recorram ao seu xarope para se verem alliviados de to teniv.l
incommodo, t5o fatal neste paiz. Com maior considerarlo contino a ser de Vv. Ss.
atiento, venerador e obrigado.Luiz Cremona.
Recife, 23 de setembro de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu & C.0 xarope Vegetal Americano que Vv. Ss. teem
exposto venda' de toda eflicacia para o curativo dasthma, conforme observei appli-
cando-o a meu filho Joaquim, menor de quatro annos; victima d'esse flagello, que at
ento por espaco excedente a dous annos havia resistido a outros xaropes de grande
nomeada. Queiram, pois, Vs. Ss. acceitar a expressSo altamente sincera de meu reco-
nhecmento ao meritorio servico que lhes prestaram com o indicado xarope, acreditan-
do-me para sempre de Vv. Ss. criado, attento e obrigado.Americo Netto de Mendonca.
Recife, 2 de oulubro de 4868.
DE
J.
DE
n
i
N. 35RA DO IMPERADORN. 33.
Os pianos desta antiga fabrica sao hoje assz conhecidos para seja necessaxo
insistir sobre sua superioi idade, vantagens e garantas inte offerecem aos compradores,
qualidades estas neootestaveis, que elles tem delinitivamente conquistado sobre todos
conqui
os que tem apparecido nesta praca; possuindo um tecladoemachinismo que obedecem
todas as vontades e caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por serem faw icados
de proposito e ter-se feito ltimamente melhoramentos imporlantissitnos para o clima
deste paiz; quanto s vozes sao melodiosas e flautadas e por isso muito agradaveis aos
ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blott-
del, de Paris, socio correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposices.
No mesmo estabelecimento se achara sempre un explendido e variado sorti-
mento de msicas dos jnelhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por precos commodos e razoaveis.
VALOR THERAPEUTICO
DO
r
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
DE GRIMIULT E COMP.
rbarmaseulico* de S. ?. I. o principe Hapoleao, em Vari*.
A assoeia$3o do ferro e da quina resolveo um dos mais importantes problemas da pharmacia,
e faz eom que se congratulam os mdicos dos relevantes servicos que Ules presta esta pre-
parado.
Com effeito, tinguem ignora que a quina, em mateira medical, o meihor tnico jue se
possa empregar, sendo, sobreludo, unido ao Phosphato de ferro, a mais estimada das pre-
paraces ferruginosas, pois que cntram na sua composicao o ferro, elemento do sangiic, e o
phosphaw, principio dos ossos.
Por is, julgamos qup, para os srs mdicos, scrSo interessantes as observacoes feitas pelos
seus collegas, os mais dislinclos de Paris:
-Este Xarope produz os mah felizes resultados nos casos de dyspepsia, chlorosis,
t amenorrhea, hemorrhagias, leucorrheas, febres lyphoidas, diabetes, e quando precisa
t restabeleccr as torcas dos doentes e restituir ao corpo as foreas alteradas ou perdidas.
ARN'AL, medico de S. M. o Imperador.
E urna das raras combinacBe* que, ao mesmo lempo, satisfazcm o medico c o doenie. Em
quanto a mim, cu a considero como a mais clicaz preparado ferruginosa, cujo uso dos
mais agradaveis para os docnlfs.
CAZENAVE, medico do hospital Saint-Louis,em Parit.
Com esta preparado d'uma fdrma agradavcl, c fcil de digerir, administra-s(5 a
doenles dois mcdicamimios importantes. >
CIIARR1E11, chefe de clnica da Faeuldade de Paris.
FUNDICO UO BIIWMAN
Ra do Brun n. 52
O proprietarto participa aos senhores de engenho," que por falta dagua ou de
animaes se achem inhabilitados para moer suas caimas, que es prompto a assentar
machinas de vapor, com moendas ou eoKellas, dentro em oito dias depois de estarem
as peras no engenhoislo sem precisar de obra alguma ou de outra mudanca de moen-
das existentes snio a subslituicao das rodas da almanjaria. '-
como
man
Eu empreo rom o maior rxito o Xarope de Quina ferruginoso, e o considero
urna das mtis felize innovaos, Ha mateira medical.
CIIASSAIGNAC, cirurgioem cltefedo hospital Lariboisiire.
Este medicamento, sempre bc.n aceito pelos doentes, deo-me constantemente os
vantajosos resultados.
HERVEZ DE CHEGOIN, membro da Academia de medicina.
* A limpidez d'esta preparacao, o seu goslo agradavcl, isenlo de qualquer sabor de
ferro, fazem d'ella um medicamento to efficaz como agradavel.
MONOD, addido faeuldade de medicina.
Deposito em Pernambuco, em casa de Maarer e O*.
RIV LARGA DO ROSARIO 137
Este acreditado eslabekvimento augmenta
de da em dia quanto possrrl para che-
gar ao cume do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confeccio-
nados com o meihor asseio, tem bellos apo-
sentos de hospedagem, tanto para urna s
pessoa, como para numerosa familia.
A agua, indispensavel elemento para a
vida e hygiene, temo-la sempre em abun-
dancia para facilita1 excellentes banhos.
Ha tambem una boa bibliotheca e perib-
dicos nacionaes c estrangeiros, piano para
recreio, buhares, etc. etc.
Sendo ociosa qualquer iveonunendaco
para tao acreditado estabelecimento, omit-
limos mais prembulos, fazendo ver por
fim, que o bom servico, ordem e moralida-
de imperam n'esta casa, como observancia
fiel do regulamento que possuc.
Comedorias a la carie.
CIIARITERIA E PETIT EEST.U RA\T
Annexos ao Hotel Central, ra estreila do
Rosario n. i A, andar terrao>
Para dar a conhecer a variedade fnfmila
de charutos de llavana, Babia. Rio, etc. que
existem neste novo estabeleriniento prs-
citiditnos dos annuncios pomposos que ge-
ralmente se lazrin, redttando^nos apenas
tres letras que sao tres bbb bom. bonito
barato. A" vista do genero annuiiciado po-
di-se julgar de nossa veracidade. Esta casa
gosa tambem das rondn >is de um elegante
e pptit restauran! onde se pode ver a es-
pecialidade dos fiambres e salames de Lion
para lanches e at fazer urna boa eolacao,
juntamente com os principaes vinhos du
mercado, sobresahindo entre o bom a pura
e fervente champagne, o mu saboroso Rhe-
no, a primorosa cerveja. o Bcor espirituoso,
o quanto pede urna mesa. Fax-se noute
sorveii' evariedade de refrescos.

MTJDANCA
.
DO
IMPERIAL INSTITUTO
EFFICACIA
DO
XAROPE DE RBANO I0DAD0
0 Xarope de Rbano iodado de Grimault C*, pharmaceuticos de S. A. I. o pr ncipe
NapeleS, em Pars, preparado com o sueco das plantas anti-escorbucas caja efn.ca
nai popular.
Eneerra o iodo como combinacSo orgnica, e considerado como o meihor suece Janeo
de oleo de figado de bacalho.
^ A rara perfeicio d'este producto anima-nos a dar a conhecer aqui a opiniio de alguna
d'entre os principaes mdicos de Paris, que diariamente o prescrevem.
0 Xarope de Rbano iodado nm medicamento d'um effeito suave e seguro pira a
c medicaco dos meninos, nSo smente suppre o oleo de figado de bacalho, mas ainda faz
as suas vezes eom vantagem.
Dr A. CAZENAVE, medico em chefe do hospital Saint-Louis, em Paris.
0 Xarope de Rbano iodado um medicamento de prmeira ordem para o tratamento das
t affccdes lymphaticas e escrofulosas. Unitas vezes, empreguei-o com feliz xito, em certos
c caso* de tsica ao sen principio, como succedaneo do oteo de figado de bacalho.
Dr A. CHARR1ER, aiUiyo chefe de clnica da Faeuldade de Paris.
0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo excellentes resultados como regenerador
do sangue, e succedaneo do oleo de figada de bacalho.
Dr A. FAVROT, autor do Traite des maladies des femmes.
0 Xarope de Rbano iodado nm dos mais poderosos modificadores das constitiicoes
lymphaticas. Tenbo visto ulceras escrofulosas que nada poda curar, eicatrizaren-se,
gracas a sua acc&o, com uromptidao extraordinaria. Tambem, pelo sen uso desapparecem
c a* affeccoes tuberculosas dos ossos, nos meninos.
D' GL'ESNARD, antigo externo dos hospilaes de Parit.
0 Xarope do Rbano iodado peesne todas as vantagens do oleo de figado de bacaho,
sem ler nenbum dos inconvenientes que aprsenla este ultimo medicamento.
D' GUIBOUT, medico dos hospitaes, Presidente da Sociedad de medicina de Parit,
0 Xarope de Rbano iodado de Grimault e C eneerra 4t3 por cento de iodo, na su
< composicao orgnica anloga i que se acba no oleo de figado de bacalho.
D^KLETZJNSKl, profeuor de ckymica, louvado dos tribuna/* it Yienna.
Deposito em Ptrnambuco, em casa de Mmw O*.
DE
NOSSA SENHORA DO BOM GONSELWH
Da ra da Aurora n. 52
PAR.V A
RA UO HOSPICIO M. 36.
O director communica aos pais de seus alumnos, tanto internos como externos, que
transferio o seu collegio para a espacosa casa da ra do Hospicio n. 36, a qual or
as uielhores proporcoes para eomniuUidade e recreio dos collegiaes.
o dia 7 de Janeiro estaro alienas todas as aulas.
FRANCA-BRASIL
MR. MERCIER, alfaiate franeez, provine ao respeitavel publico e a seus numerosos fi
es que, tendo transferido sua residencia para a ra dto Trapiche n. 7, primeiro' andar, ahi encontrarlo
sempre todas as qualidades de fazendas para trajos de homem, e prepara costumes para montara de
senhora. Faz tambem obras, para militares e paca criados, para as quaes tem grande .sortimento de
botoes simples, com virola e cora de conde, brincos e amarellos. Recebe por lodos os vapores os
ltimos figurinos para hornera, senhoras e meninos
INJECCAO VEGETAL
com MATICO
de GRIMAULT e G!^ ^akmaceutigos em PARS
0 snocesao d'etta injeccSo, preparada eom as (mas do Matice do Poro, mi tito rapMa, que
ella se tem tornada popular em lodosos peiies d mmndo, pora a ova a gf orrhia o das puja-
ote de toda namrea. I' a anieo prodowo msu geaero caja oauada M Russia tenso swo
aalhorizadi pelo consellio ssedico de SCo Paterst-urgo.
Deposito em Ptmamhtct, m eses do Mmtm 0*.

Lb.
M-



y

-\
Diario d O
*
A
*

Jf
^
:'!
Grande liquidatfto do niiudezas !
Affonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua
toja ra do Queimado n. 55, resolveu annunciar as me;mas miudezas para que o pu-
blico se certifique do diminuto preco porque as est vendendo, a saber:
Massos com grampos 25 a .
Pecas de tranca lisa e caracol a
Sabonetes de todos m precos a
80 Ido 200 e.....
Abotoaduras para colletes a .
Botoes de louca para camisas, a
Garrafas d'agua Florida (verda-
deira) a.......
Frascos com agua de Colonia a
320 e........
Garrafa de tinta roxa a. .
Caixas com 100 enveloppes a.
Mantas de seda para homem a
Fita de sarja para enfeite de
vestidos por......
Frascos com ole para cabello
a 400 e .
Laa para bordar, libra. .
Escovas finas para chapeo a .
Dita, para cabello a 320 e .
Ditas muito finas para fatos
por preco nunca visto 400
500 e........
Pe?asde babadosc entre meios
a 600 800 e .....
Gravatas de seda de cor a .
Ditas pretas a 400 e .
Bico c renda das ilhas a todo
preco. So a vista faz f .
Pecas de fita de coz com 10 va-
1 o u *..
2iO
320
160
1,5000
400
800
500
800
600
600
0:>800
320
500
600
1*000
320
500
500
20 Latas com graxa, duzia a .
40 Coques muitc bons com rede so
a rede val......
Meias para homens boa fazenda
a 3(I00 e ......
Linha fie marca, caixa com 16
novellos.......
Latas com banlia (familiia),duzia
Frascos com banhaa 320400e
Botoes para punho fazenda boa
a 80 e.......
Volta de Aljofre cousa boa a
Fitas para debrum de vestido a
Caixa com agulha franceza a
Botoes de ac para colete dnzia a
Cartao com alfinetes a .
Caixa com pjrfumarias muito
fina. So a caixa val 10*000
12*000 .......
Copo com opata muito fino a
iOO e.......
Meias muito finas para senhora
duzia. .. .
Cartas francezas a 200 e .
Ditas portuguesas a 120 e .
Caixa de linha do gaz branca 50
novellos.'. ". ,\
Frasco com unta a 100 e .
Franja de 15a para sapato (peca)
Papel de peso muito bom
pes
480
1*500
'4000
2iO
2*200
500
100
160
500
160
120
100
15*000
500
5*000
240
200
600
160
1*000
4*000
Claudio Dubeux tnudou o seu escrip-:
lorio da ra do Imperador para o Caes 22
de Novembro, n. 22, junto ao bilhar dos?
arcos.
Dous cutsIIos de Mella.
Furtaram na madrugada do da 20 do coi rente
no sitioBroto d'Arado engenho BeUo-Monte,
(freguezia da Esrada) dous cavallos com os signaos
seguintetj : um alaso com os quatru ps brancos,
mais ou monos andador de baixo a meio, castrado,
e com um inchaco na rolo direita, c marca de
achaque na esqnerda, nao grande e est gordo e
tem marca de bexiga no espinhaco ; o outru rus-
to um jii.ii"-,. sujo, grande, com corcunila e signal
de pisadura no espinhaco, andador de baixo-a es-
(|ui|iar. tambem castrado, c reprsenla ter de 10 a
12 annos. Quem doller der noticia ou apprehender
leve-os ao mesmo sitio ao major Pedro Ernesto Ro-
drigues da Silva, ou nesta piara no largo lo arse-
nal de guerra n, 3, que ser bem recompen-
sado.
O abaixo assignado tendoem seu poder como
depositario, perante o juio municipal da primeira
vara desta eidade, a preta Mara, de na cao da Cos-
ta, de dado de mais de 50 annos; acontece que no
dia 8 do corronte fugira de sua casa, no lugar da
Ba-Viagom. e tem os signaes seguintes : quasi to-
dos os cabellos da caneca sao brancos, eostuma
trazer a rabera enrolada com panno como fazem
as pretas de sa nacao, c de altura e corpo regu-
lares, nao tem denles na frente, soffre de comeco
de escrophulasao lado do peseoco e tem urna per-
na mais grossa queoutra por causa de ervsipijlla.
Hoga, pois,o abaixo assignado as respectivas auto-
ridades on capitacs de campo que no cas* de Ihes
ser apresentada ou capturada dignem-se manda-la
entregar em sua casa onde satisfar todas as des-
peras.
Vicente Antonio do Espirito Sntto.
Unta pessoa de longa pratica no comtnercio
oftVrece-se para escripturar livros por partidas do-
bradas, podendo sor procurado na ra do Crespo
n. 18, primeiro andar.
AVISO
Sapatos de tranca eoutros muitos artigos, que enfadonho seria mencionar.
RA DO QUEIMADO N. 55
DOENCAS das CRIANCAS
XAROPE de RBANO 10 DADO
DE GRIMAULT E G* PHARMACEUTICS EM PARIS
Este medicamento goza em Paris e no mundo imeiro de nma fama justamente merecida, por
achar-se intimamente combinado nelte o iodo com o sueco das plantas aaoscorbuticas, caja el'fieacii
bem mhecida e as quaes j naturalmente existe o iodo. E' ce m esta motivo que ella suppre
com vantagena o Oleo de upados d Bacalho, que deve, secundo hotnens setentincos, a sua
efiictcia i presenca do iodo. E' preciosa no tra lamento das criancas para comba ter o I ympliatismo,
as bstruccoes das glndulas do peseoco, e as diversas rrupcoes do rosto, tao frequentea as
enancas de poaca idade. Tnico e depurativo ao mesmo lempo, (lio excita O appetite, facilita a
digestio, o restftue aos tecidos a sua firmeza e vigor naturaes. E' e;ia dia recettdo pelos mdicos
especialistas para combater as diversas affeccSes da pelle.
Deposito em Ptrnambuco, em casa de
ir* O*.
XAROPE D'HYPOPHOSPHiTO oe CAL
A efileacia d'esta preparacao estestabelecida desde 1887, pelos masoelebres mdicos. Desde
entao muiUs raitacdcs tem sido fctas.mas nenhumapoude sustentar a comparacSo com o
producto apresentado pela nossa caza. Ter isso excitamos o publico para que exiga sempre
esie xarepc com urna beUa cor de rosa, nunca branca, eom a nossa assignatura roda do
Sob a sua influencia, a losse acalma-sc,ossuores nocturnos cecsSo e o doente volve rpida-
mente sade. 0 seu emprego d lambem os mais brilhantes resultados nos defhxos, catar-
rhos, bronchites, irritaeoes do palto, etc.
Deposito em Ptrnambuco, em casa de Maurer e *.
CAPSULAS VEGTTAES
Estas capsulas, com capa de gluten,
atico (arvore do Per), e constimem
sem cansar-o estomago c
ordinarias, leudo a immensa
tivos que ellas sao superiores s capsulas de copahiha, cubabas, etc.
contem o balsamo de copahiba associado i esseocia de
um remedio infallivel contra a gonorrha. Ellas obrSo
nao provoco nunca os enjos e nauseas que oecasionao as capsulas
isa vaniagem de nio communicar cheiro (s ourinas. E' por estes mo-
Deposito em Peftambuco, em casa de Manrer e O*.
PHOSPHATOdeFERRO
[de LEBAS dotjtor EM SCffiNCIAS.
m
v;mm-
Debaixo da forma d'um liquido sem sabor,
anlogo a urna agua mineral, este medica-
mento rune os elementos que constituem
os ossos co sangue. E' o mais racional dos
ferruginosos; tor esta razao o adoptrSo
os mais eminentes mdicos do mundo in-
tardo,
cblorose,
teiro. Convem muito > meninas de temperamento delicado, cujo dcsenvolvimcnlo
s senhoras que padtcem d'estas dores d'eslomago ntoleraveis, causadas pela l_.
anemia, menstruacao ou leucorrba, s criancas d'uma compUico paluda e delicada, e a
todas as pessoas que tem o sangue enipobrecido pelas doencas. Efficacia, rapidez d'aceao,
oura pcrfeia, sem constipaco de veaire nem acc2o sobre os der tes, tacs sao as razdes que
imperio para que os senhores mdicos opresci'evao aos seus doentes.
Deposito era Ptrnambuco, em casa de maurer e CJ.
vf
. Puitnnacealiccs i
gati-MaTrnra
Sob urna idrma lmpida e agradavel, este mediea-
niento rune a quina, que o tnico por exccencia..
e o ferro, umos princ paes elemenios do sangue. E'
adoptado pelos mdicos mais distinctos de Paris, para
curar as cores paludas, facilitar o desenvorvimento
das meninas o resumir ao corpo os seus principios
alterados ou perdidos. raz rpidamente decapparecer
as dores d'estomago inloleraveis suscitadas pela ane-
mia ou pela lencorrha, s qaaes as senhoras eslo
tantas veses sujeitas, rcgularisae faeilitaa menstruacao,
e receilado com suecesso s criancas paildas, lym-
pbaticas ou escrofulosas. Emfim, excita o appetite,
favores a digeslao, cBWivem a todas as pessoas cujo
sangue est empobrece o pelo trabalho, pelas moles-
tias, as convsdcscencas loogas ou difficeis. Xls bons
resultados nunca se fazem esperar.
Deposito em Pernambueo, em casa de Maorer c\
JjEIVAe de FERRO
SOFFFIM ENTOS D'ESTOMAGO, CONSTIPACO.
Cura em poneos das pelo Caftvio OC KLLOC em p ou en pastabas.
ENXAQUECAS; NEVRALGIAS. Esmafreccacsstedv
sipadas rpidamente pelas "ERLAS DCTHER kI'CLUT1.
ANEMIA, A PALLIOEZ e os sofHmentos que lecessitam da
etoprego dos frruginocw sio sempre combatidos com o mal lor resaltada
pelas pillas OC vallct. Cada Pirula tem incravado o none (AUR.
P DE ROG. Basta (Hsselver um Irasco d'st> p ai saolo
garrafa d'agua para st obter ama limonada agradavel que f urga sem 6-
zeri
VtNHO OE QUINIUM t UUrrap*. bte vinho, xm dos
poucos cuja Moiposito garantida constante, e urna das nielbores pre-
paracees de qoinuo, sem accio notavel sobre os convaleso utos, dando-
Ibes forcas e apressande i volta a saudt. Cura as labres antigs que re-
sisti ao sulfato de ynino.
MOLESTIAS DA BEXIGA. A maior parte d'estas moles-
tias, carao as sciatcas, lombagos, catarrea, e todas as dores aervosu ara
geni ato caradas petas pirlas oe essehcia m theriuntina da
Dr. ClerUn. O protassor Troussean em sea Tratada it lhtra\tuca acn*
seiba as para aerara tomadas na oecasio do jantar, na dso da 4 i 18.
OLEO DE FIGADO DE BACALHO DE BE.RTH.
Sarantido poro e da priaaera quadada, ura ooe patacos aprendas pala
Academia da medicina.
iflSft. Todo* estes medicamentos foram aprovufo peU
imperial ie medicina de Paris. v
ttmhM
ttmmm,.
w Vario,
si
Ka
lAMOtC.
DEPOSITO
*, I, raa Jaeak
Ptnumtm.. Imijb t O.
Cttn.. .-MMiaaetO
Joao Valentim Ferreira Bastos, professor parti-
cular de instraecao primaria, avisa ao respeitavel
publico e com especialidade aos pas de familia,
que no dia 7 de jatwiro est aberta sna aula na
ra de Santa Cecilia n. 37, onde recebe pensionis-
tas por prefo conunlido : o mesmo piofessor pro-
mette muito se esmerar no adiantamento de seus
alumnos. No mesmo dia pretende o mesmo pro-
fessor abrir um cur*} de pritneiras letras a noite
Sara aquellas pessoas que nao poderem frequentar
urante o dia.
SEGUROS
MARTIMOS
(0%TKil'OGO
A Companhia Indemiiisadora, estab?leci(la
nesta praa, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercaduras e mobilias: na
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
LOJA "~~
DE
RELOJOEIEO
DE
VCTOR GRANDIN
N. 40 Ra da Cadeia do Reclfe N. 40.
0 proprietaro desb5 estabeleei-
mento, premiado com a medallia
da exposicao universal de Paris no
anno de 183o, tem exposto ven-
da em sua loia, um grande sorti-
ulento de relogiospara alpibeira,
tomo sejam : de ouro e prata, sen-
do dos melhores fabricantes, de patentes ingieres,
suissos e horisontaes. Tambem tem urna grande
quantidade de relooios para parede e que btetn ho-
ras, ditos para embaicacoes e para cima de mesa,
todos estes reJogios sao dos piis bonitos modelos!
O mesmo concert relogios ae todas ai qualidades
existentes, assim como tambem concerta chrono-
metros de algibeira e niaritimos : recebe sempre
por todos os vapores, um completo sortimento de
conentes e trancelins, sendo tudo de ouro de lei
ede modelos os mais modernos, assim-como diver-
sos objectos de bijouteria dos mais bonitos e moder-
nos gostos.
COMPRAS.
('(un muito maior vantagem
Compra o Cnnftio de Ouro, n. D, rea do Cabu-
g, moeda- ii-- ouro e prata e i^-dras preciosas.
Comprt-se non casa terrea com slito, ou
mesmo de iun andar : a tratar ra da Cadea, so-
brado n. 3. prhneiro andar.
Compra-w tuna aegra ou negro que cozinhe
bem, e um preto que tuba tratar de um sitio : i
ra da Cada n. 31, prinaro andar.
Coinpnini-se 3Qpipas com niel (s o caldo) :
a tratar no caes do Hamos n. 24.
Ouro e prata
em moeda e em obras inutilisadas. compra-se por
bom preco : na piaca da Independencia n. t*.
-Na prara da Independencia n. 33, loja deon-
rives. compra-se ouro. pi at. e petjm preciosas, e
tmbem se faz qualquer obra de eneommenda, e
todo e qualquer concert.
PRATi
Compra-se lioje, moedas de prata, li-
bras esterlinas e ouro de todas as qualida-
des por maior preco do que em outra qual-
88, loja do azulejo.
Compram-se moedas de ouro-nacionaes ou
estrangeiras : na ra da Cadeia n. 4, armazemd.1
Silva Barroca.
A quem souber roga-se o especial obsequio de
informar se existe anda nesta provincia Maria de
Jess, natural do Porto, viuva de Joao Loureiro,
natural de Vercez. Vieram ambos para aqui em
1847 ou 1848, para rasa de um fllho por nome
Joao Loureiro, que aqu eslava tmbem estbele-
cdo coro loja de sapateiro ou tamanqueiro : quem
souber e se dignar fazer este favor, pode dirigir-se
ao escriptorio de Darid Ferreira Bailar, ra do
Britin n. 92, que muito o obsequiar."
PJLIUS, VMIO
E
XAROPE DE.JURBEBA.
PREPARADOS PELO PHARMACELTIOO
loaqiiim d lmenla Pial*
^s preparares de juruheba sao
boje vantajozameiite conhecidas e
| jireconisadas pelos.mais habis me-
diros, tauto tLt Europa como do
[ paiz, pela sua eflicacia nos casos
de anemia, chlorose, liydropesia,
obslrucco de abdomen, e Uuubem
as de menstruacao diflicil, catliar-
ro na bexiga, (He.
Vetuk'tn-se em porcao e a rela-
llto, naridade do Recile, phanna-
cia de seu compositor, ra larga
ilo Rosario' n. 10, junio ao qn.tr-
tel de polica.
XAROPE DE FEDEGOSO
E' de urna eflicacia verdadeira-
mente maravilhosa como calmante
do systema nervoso e applicado
contra a paralisia, astluna, tosse
convuba ou coqueluche, tosse re-
cente ou antiga, suffocacoes, ca-
larrhs broncneos etc., e em geral
contra todos os soffrmentos das
vias respiratorias, o na plivtisica \
pulmonar, sua virtude contra o
ttano ou espasmos, e convulsoes
mcontestavel, c ninguem ha que
a desconheca.
Antonio Faustino de Castro
t onstriutor de uleu>lllos typo-
graphlc* de madrira. ferro e
tre metars.
LISROA.
Alm dos utensilios typographicos 6m uso, se-
gundo os mais modernos e perfeitos modelos ap-
nrovados para o servico da imprensa nacional de
Lisboa e de grande numero das typographias de
Portugal e do Brasil, fabrica pequeos prelos de
ferro, em que se podem todava fazer impresses
de formato n5o excedente a meia folha de papel
commum. Estes prelos, que j foram tambem
adoptados em muitos dos pnneipaes cstabeleci-
mentos do paiz, servem excelentemente, nao so
para a liragem de provas, mas ainda para a im-
pressao de qualquer trabalho, por mais delicado
que seja, por quanto a esse fim se Ihes podem
adaptar rama, tympano, frasqueta poMuras,
tendo, para regular a cravacao, o competente re-
gistro.
Inctuindo os accessorios indicados, o pre^o de
cada prelo de 45JO00 fortes.
0_ constructor pode ser procurado na imprenta
nacional de Lisba. Estes prelos sao portaleis.
podem-se collocar sobre urna mesa ou balero-
CF.CSFRT
Compram-se moedas de prata e ouro de todos
os valores, ouro e prata em obras velhas, e pedras
Srecosas; compra-se bem na ra da Cadeia n. 2.
enaixo do arco da Conceeiio, loja de ourives.
(:oniprain-se escravos do sexo masculino,
enja idade regule de 20 a 3a annos: a tratar na
escriptorio de Jos Victorino *de Bezende 4 C.
ra Ja Cadeia, n. 52. priineiro andar.
Aluga-se
0 terceiro andar dfFsobrado n. 8^ ra da
Imperatriz: a tratar com J. S. de M. Reg,
ra do Trapiche n. 34.
&wmo>
A directora do eollegio de Santa rsula, abaixo
assignada, avisa aos pas de suas aluinnas que no
dia 11 do corrente principian! os trabalhos de sen
eollegio, podendo ainda receber algumas internas
e externas.
rsula Alexandrina de Barros.
XAROPE
M
AI.SA PAUULIIA DO PARA
OU
DEPURATIVO DO SANGUE.
Usado as molestias de pelle,
impigens, dores rheuffialicas, e
ulceras venreas.
0 nico deposito destes medfca-
a camentos na botica do Pinto, ra
larga do Rosario n. 40 junio ao
jquarlel de polic a,
casa u mim
Aos 4:000^
Bilhetes garantidos.
ra dorespo n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus mul-
to felizes bufetes garantidos, um cpiarto n. 3113
com a sorte de-4:O0O, dous quaru- n. I*i3l
com a solt de 7O0, uin meio n. 2160 com a
sorte de 2024 o outas umitas sortea do 100*.
40i e 20 j da lotera que se acabonde extrahlr a
beneficio do patrimonio dos orphaos (91) convida
aos possuidores a virem receber seus respectivos
premios sem os deseamos das leis na Casa -da
Fortuna ra do Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 3.* parte da lotera em
beneficio do recoiltiinento de Iguarass (92.*)
qu se exlrahir quaru-feira 13 do (-oriente mez.
Precos.
Bilhete.....4*000
Meio.....JJO00
Quarto.....1*000
Em porcao de 1005 para cima.
Bufete.....3*900
Meio......U750
Quwto..... 873
. Manoel Martins Fitua.
Joaquim Jos Gon-
palves Beltro
RA DO TRAPICHE N. 17, i. JANDAJt.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
co do Minho, em Braga, easobre ob seguin-
tes logares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
' Guimares.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Caslello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalieao.
Lamego.
Lagos.
Covilha.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
Machinas de costuras.
Compra-se urna machina de costura, que eslea
em bom estado : na rita estreita do Rosario, n. 24
250,000
A escrava Herculana
Coni|irada a Exma. Sra. D. Clara Fenlon, em
Janeiro de 1867, passada a escriplura de venda,
sanio e at hoje.nao voltou. ignorando-se para on-
de se evadi. E muala clara, feia, dade 36 a 38
anuos, falta de denles no quexo superior, sanl.
no rosto, cabellos um poueo corridos e ebeia do
corpo. Foi eserava ilo Sr. Joao Simos d'Almeiila
da ra do Vigario. e anteriormente do tneute-co-
niiiel Joio de S do engcnlio Tab, na Parah\ba.
J estero una vez em Goyanna para ser vendida,
se alguem a quizer comprar vende-se e se poder
ser appreliendida, on se indcarem o lugar em que
esliver, sendo encontrada se dar a gratifleaeio
i cima: na rita do Hospicio n. 23.
_ Antonio Jos-1 Rodrigues de Soma, na ra do
Crespo n. 15, ou em seu sitio do Montero, gralili-
ca a utieiii capturar o seu escravo Joaquim,
pardo, de idade 33 annos, natural de Pao d'Alho,
liara onde se suppoe lar fgido jior ter sido visto
nesse da a conversar c>hii pessa daquclle lugar,
estatura, serr do carpo e un poueo ajto, bigode
e cabello meio carapinbado c ponteado, e tem un
rarooo na muaheca da mao direita, do qual soffre
dores i lieuiiiaticas, tendo a falla a sertanejo, muito
tleseaneada.
Ama
Precisase de nina ama para o servico de una
casa de poura familia, preferndo-se escrava mais
que seja de boa rondara : a tratar na taberna em
frente a ra do Vigario n. 2.
VENDAS.

Vende-se una casa*terrea, com bastantes
eommodos, sita na ra da Bstacao, na povoafao dos
Montes, em Una, junio a eslaeo da estrada de
Ierro : a tratar neaia eidade eon Virgilio de Castro
oiiveir.i. iravossa da na do Vigario,
(
ni .o o;i pimcnlo.
No ai-iiiazein da roa do Auiorim n. o ha para
vender este genero em p, doce e pirante, exeel-
lenle para temperos, c muito adoptado na Europa.
Grande liq^iidico
0 projinotttio d'antig e I i>* dNibenda
loja "le iniiid.va-' (J.jiijoiada Deija Hi
ra ilo yueimao u. r>:i, querendo aca>-r
com o Mii-liini-iitu de iiiiuilczas qti. i
tem lU'liiM'railn preceder.*urna onanteta
(|iii(laco, pm o que chama a atlencJoOi
dos.
Os obj.'ctos sqt3q vendidos por.metai de
seu valor, e-para que o publico, ild svpfwv
nlia, que o presente aniiimcio urna illu^i,,
o proprietaro la dita loja, offereee urna jo-
quena lisia de afumasmiudezes. eon os s-:^
diminutos precoscomo abaixo se JW;
nao apresentando urna lista completa de te-
dos os objectoa que estao exposVis a wnd^.
pela razo de se tornar um aiinunclo muito
extensoepor eonsequencia de enfadonhaI..-
tura, por isso apenas leniita-se as seguinte*;:
1 Duzia de miadas de linha para
fazer croch.
i Caixa de liaba com r0 novellos
I Dita a :n) a
1 Dita a .<. 10
l Duzia linha de carriteis de
100 jardas
1 Dita de
200 jardas.
Fita de la pata debrum de todas
as cores, a peca.
Dita bian.a
Dita
Peca de fita de, litiho com 10 vara,
eqeu sene para COS.
Dita c8
Pentes voltiados para menina e se-
nhora.
Ditos muitos linos.
Ditos preto com chapa.
Hilos lirancos
Ditos prctos.
Ditos brancos finos.
Escovas pata dantos a 1(50, 240 a
Ditas para cabellos.
Ditas muito finas.
Ditas para rotosa.
Ditas gita de dita.
Pentes de ansa rom li'a a I.>00,
2$000 e
Pentes para coques MiSO, i506
bHKX) e
Peca de franja paraloalha a pe$a
com I i varas".
Entremeios bordados a peca 600
Tinteirosde porcelana l->;i0 2,5
Balaios para meninas de escolla
bonito desenlio 800, l-, |,V>00
Peca de fita de seda para enfei-
tes de vestidos.
Fita de sarja de todas as cores.
Grvalas pretas a 320 e
Ditas de cores.
Sapatos de tranca e tapete.
Garrafa de agua Florida verda-
deira
Frasco com exlcacto em sapati-
nhos.
Ditos com leos.
Dito agua de Colonia, piquen.*.
Dito, dito de dito de tiever.
Ditos com bamba.
Ditos com tnico.
Ditos com oleo (iiocome.
Ditos com extracto e hanha.
Ditos com extractos diversos
Pao de pomada.
Ditos pequeos de poaaada.
Capellas para imivas limito linas.
Sabonetes, 120", :12o e
ICO
500
m)
500
MQ
560
20
800
500
300
S0-)
400
320
2SD
*"t)
MO
200
900

2 m*
2#0f>0
24500
iiooo
I-4-.:
1(>0
500
500
5600
aato
Ditos transparentes de bolla 500, j) jOCtl
\
'
Vendeni Auguslo
Commeivio, n. \.
I", de Oliveira &
ni
c. roa do
Hcilrs para eabefa
Bandeja 900 a
Duzia d botoes de seda para en-
feites de vestido
Poreeira de contas.
400
4QD
;>(ti
m
500
MI)-'
|0P>
:;i
5tU
5Q0
3P0
S(r 1
2:.
80
A
Frederico Maya
CirnrgISo dentista pela escola
de medicina
do Rio de alandro.
X Tem a honra de participar .10 respeitavel publi-
co desta capital e seus suburbios, que tem aberto o
seu gabinete de consultas c operacoes dentarias a
ra Direita n. 12, primeiro andar, ondt} pode ser
Srocurado todos os dias das 8 horas da inanhaa as
da tarde. Elle aeha-se competentemonte habili-
tado para com perfeicao collocar dentes artificiaes
por qualquer dos systemas, e bem assim desempe-
nhar qualquer outro trabalho concerneute sua
profissao. 0 mesmo, reconhecendo que. nem sem-
pre possivel s senhoras ou criancas sahirem a
procurar o remedio, offerece-se a remover qual-
quer obstculo, declarando que na cdad se pres-
tar a qualquer chamado sem que isso inftua cousa
alguma na commodidade dos precos de seus traba-
lhos, e quando para fra della assim mesmo ser
precedido de um ajuste rasoavel, garantmdo elle a
seguranza e perfeicao de seus ditos trabalhos. Em.
seu gabinete se encontrar constantemente excel-
lenle pos dentifricio, elixir e outros medicamen-
tos odontalgicos : ra Direita n. li, primeiro
andar. t^^m*^^^&
Methodo Castflho
NOVA ESPERAN^
21= Ra do Queimado = 2 i
para presentes
V jbva L'sjicr.inci. roa do Queimai i
WiMliiiias Ip (lescarofar algodo ^^Z";!^^::^:
Domingo- AJves \i,.iiieus tem para vender em: sentes, sobresahindo entre elles ricas caix1-
i do Vigario n. superio- nlias de bano com linas perfumaras, co>-
tureiios de chagrn, agosteos de madii -
perola : assim, pois, quem quizer faieruma
hada offsrta, diriyir-se Nova Esgemcz,
ra do Queimado n. 21.
Para baptizados
A Nova esperanca ra do Oueiuiado k
res machinas para deseai-oear al&odo, de lodosos
amannos.
Vende-se una batanea decimal de
forca de mil e duzentas libras: na ra do
Queimado n. 30.
Veudcin-se dous bouilos hus mansos, possau-
tes e experinieiita.los no trabalho ; assim como un
dSon aa"a"d''a nyvo: atralaruarua(loMn- 21, tem ricos vestuarios proprts para bap-
tisados, sapatinhos, meias de seda e fio di
Vende-se
)rdo, de bonila
roa da Paz, n. 13, cocheira do Belinador.
um ptimo cavado de cabriole!, ircenssiT mn n nuomn fin
gordo, de bonila figuraebora para sella : a ver ua 5S*TM P J.
Mana Joaquina 4a Cruz Celestino professo-
ra parlicular de primeras letras partieipa aos
pas de suas alumnas nue abre sua aula no dia
11 do crreme e convida aos pas de familias que
de novo lhe quizer confiar as suas fllhas o diri-
gir-se a liavessa dos Exposlos n. 18, primeiro
andar.
Do trem do laminho de leo, cahio
na estrada, do lado esquerdo, para quem
desee, um chrpo do Chile fino, entre a es-
tacao da escada e a do Timb-Ass: quem
o achou querendo restitui-lo, mande-o le-
var ou leve-o rua do Queimado n. 8, I.-
andar, que se dar ao portador wma grati-
ficatjo importante.
Carta.
A Exma. Sra. D. Ma fia Albertina Guerra de Fa-
ria tem orna caria na ma da Cruz n. i3, primeiro
andar.*

0 abaixo assignado, professor particular
de instruccSo elementar pelo methodo Cas-
tilho, aviza ao respeitavel publico, e prin-
cipalmente aos pais de seus alumnos, que,
mudou a sua aula da ra da Prai, para a
ra dePenhan. 19 I. andar, cuja aula ter
principio no dia quinta-feira, 7 do corrente.
Em dita aula recebe-se meninos internos
por preco muito commodo. 0 abaixo as-J
signado bem conhecido do respeitavel pu-
blico, o qual o nico que pode mui bem
ajuizar sua capacidade profesional.
jtfanoel Jos de Faria Simoes.
(AOS MENINOS)
Encontra-se no armazn do vapor fiancez, na
ra Nova n. 7, bellos artigos de phantazia em qun-
(milheria, e finos brnquedos muito int?ressantes
chegados de novo, proprios de meninas e de meni-
nos, a precos variaveis e conmiodos segundo os ob-
jectos.
Precisa-se alugar um escravo para casa u
familia. Paga-se bem agradando o scrviijo do dito
escravo: na ra largado Rosario n. 3, loja de
miudezas, se dir quem precisa.
Veude-se duas crnicas e dous bois : a tra^
tar na Moa-Vista, ra do Rosario' n. 2, e precisa-se
d'um menino para caixeiro na mesma.
Vende-se uina escrava croula, figura lioni -
ta, idade 22 annos, insigne engommadeu e nies-
tra cosinheira. eom un Hado lilhinho; 6 ditas mui-
to mocas e eom habilidades para todo servico ;
um escravo por 700 : na iravessa do Carnio n. 1
PASTILHAS ASSIjCARADAS
DO
DR. PATERSON
De M.mull e magnezla.
Remedio por excellencia para combater
a magreza, facilitar a digesto, fortificar o
estomago etc.
DKPOSITO ESPECIAL.
Pliarmacia de Bartholomeu A C.
34Ra larga do Rosario------34.
Vende-se urna pequea taberna bom afregue
zada, na rita do Forte, n. 2, freguezia de S. Jos : a dos do terrivol mal, iiuando euto ser
lralarnaruadoJardiln,n.l4.______________ flicil alcauCar-se o efleito desojado, em
Aos Srs. de engenho
Ha para vender urna excedente machina de dis-
tilacao, a qual se acha em casa dos Srs. Villaca;
a ra do Brum (fundieo). Para tratar com o seu
dono na ra do Hospicio n. 23, que far negocio a
dinheiro ou a prazo.
Vende-se 4 escravas, sendo duas de 20, urna
de 2o e outra de .10 annos, urna das de 20 tem
urna cna de 6 metes, todas com habilidades, mais
um mulatmho de ii annos, robusto proprio para
pageni: na roa do Fogo n. 9.
Vende-se umapore.ao deraixoes vasios, pro-
prios para bahuleros: na ra da Imperatriz n. 9,
Vende-se um sitio na povoacao do Peres, com
casa de taipa e alguns arvoredos, cujos jdo frur-
to, e com urna planta de capim, que se su? tenia lodo
anno : quem pietender pode entender-se com Joa-
quim de Alenla Queiroz no mesmo lugar.
Feitor.
Precisa-se de um feitor, que emenda bem de hor-
ta e jardim, nreferindo-se solleiro, para um sitio
dentro da eidade : a tratar na ra do Cabug, loja
n. 3. -
8:
".peren t5 anuos de idade: na ra doCa- rija-se a to. da Imperar 37, p,K
uu$a, z o I dar.
Aluga-se orna sala propria |ra escriptorio
de advogado por ser na ra das Grw n w h
?.Lr, u aiague! barato : a
mesmo sobrado.

tratar no 2 andar do
Vende-se urna escrava crioula, moca, boa en-
gommadeira, lavadeira, e eozinha o diario de urna
casa : a tratar na praca da Boa-vista, sobrado nu-
mero 12.
Vende-se a podara da ra do Sebo eom todos
os seus pertences, cuja est bem localizada, lano
para a praca como para o mato: a iralar na mesma
Vende-se urna mulata de idade de 18 a 20
annos, muito boa engommadeira e cozinhetra:
quem quizer pijfdirigir-se a ra do Livramenion.
19, que achara (% quem tratar.
Collares anodinos diedro-magnti-
cos contra as eonni/rtics das
creaneas.
Nao resta a menor duvkla. de que mallos
i collares se vendem por ahi intitulados i
verdadeiros de Royer, e eis porqae muil
pais de familias nao creem (comprando-. > )
; no efleito promettido, o que s pdem dar,
os verdadeiros ; a Nova Esperanca, pon:
que detesta a faliHcao principalmente no
que respeita ao bem estar da human idade,
fez urna eneommenda directa destes cojan .
e garante aos pais de familias, que sao os
verdadeiros de Royer, que a tantas crean-
cas tem salvado do toirivel incommodo d
convulces, assim pois preciso, que ve
nliam a Nova Esperanca a ra do Queimad i
n. 2i comprarem o salva vida, para sei-
iillnhos, antes que estes sejam acommel!
d-
embon
sejam empregados os veid*d"eiros eoMares
de Royer.
Aos amantes das cacadas
Commodas boleas proprias paraos cae
dores, vende-se ra do Queimado n. 21,
loja da Nova Esperanca.
Preparo para flores .
A Nova Esperanca, ma do Queimado
n. 21, tem um completo* sortimento de po-
paros para flores, romo seja papel para folha ,
dito para petulas, calic, botes, folhas panno c todos os mais prearos para ter
inar-se um ramo ou grinaln, com posto o
perfeicio. .
Agua divina
iA2Sl* EsPeran,-"a a ,1!'"- J Queimad.
* iCT-cueu nova remessa ae *n2.'}<
agua divina.
Para extinguir as sardas
panno
Recebeu a Nova Esperanca,
Queimado n. 21, leite de rosas,
para extinguir sardas e pana
Para alvejar e conservar os duites. reo
beua Nova Esperanca, ra do Queimad
n. 21, o verdadeiro poz de ross c o eli.vi
tlentifrico e o dentalgia.
ra
eapcriei


I
fe.
()
.,NJfturm ,!,- IVnau.buro ~ S,xU. IVira W69.
.. <
AO TRIMPHO
A ra do Queimado n. 7
DE
M-OREHU DA SILVA ft C.
i i
Est exfoaicie tupktto surlimnitii (Id la/nulas dudadas pelo ultimo vapor da Europa, o que, temos a
iiniiia (k'aaiuuniai'UM-. pais de lamilia, assini romo ao bello sexn, a quera o Triumpbo
iK-il wa Hlteiirau : garanta*! senipre ein sua bova luja o f.osto de fezendas e novas mo-
dasi'. modtficacjto dos piveos. para assim ad(|uirir a s\mjiatiiia de qDMM er a honra de
procuraro Triumplu.
Liadas sedas de cores novo gaste para 2^000 e 2#800 o covado.
Glasea da sedae laa. apurado gOStopara t $500 o covado.
Lazinbas cun listra de smla para l:]OOo covado.
Ditas de lindos padioes para 506 e 800 re. 0 covado.
Cambraias brancas para i>, iatiti, .*s e 5/^00 at .8?>.
Ditas de cor. lindos gustos, para 640 e 70t rs. a vara.
Saias de laa bonitas cora barras de G,-> a 10$.
BalSes de laa da inusselina 6 ai eos por precos reduzidos.
lia-apiinas de urosdenaplesde 2:2:) a S8pi
Grosdenapes pretos ede tana.
M'iSN'lias brancas e de cores.
E ontras militas fazendas e apurado gusto, que ser a enfadonlio mencionar, as-
sim romo tambem nina
que appareceu i toja do Triumpho, aloacas de furta-cores o padruesmodernos peto bara-
t pirro de 400 rs. o eovado s no Triumpbo ?"i -* m W ^
' Alm dstas fazemlas tem um completo sorlimento de madapoloes e chitas claras
e escaras, que se vender por mnito barato proco esedio amostras a quera pedir, as-
sim como qualquer lawiula se manda aonde fof rliamadr.'; estar aberto o-estabole-
ciui'iito das da man 5a s da imite.
Roupa feil.i
.(,cande soitinii uto de pannos, casemiras e brins paia"mandar fazer qualquer obra
,i gosto do pretendente, e Ita lambc-m sempre prompto bonito sorlimento de roupa leita
ojie se vende cora grande dilrrenra nos piveos do que ern mitra -qualquer paite.
(core pallklM; *s r
ao eorpo o vigof, e *s
rioso da pubtrdade.
assegarar o Wlior ere
do sangue. 0 seu autor.
ps pafts do mundo, empregam, com o maior esito,
U'J Mr.I 'ILU^N pialo de ferro soluvel de Leras, para carar a chlorosis
"amMm exhaustayao do sangue; com esta preparafao, d8o
^ tua firmeza natural; facilitam o deseavolvimonto tac labo-
:ffeto, ludo, n'este medicamento, se aeh reunido paira lhe
iois que cntram, na sua eomposicao, os elementos dos ossos e
_. Leras, doutor ein sciencias, pharmaeeutico, proiesor de
cbymica, jnspeclor da Acadomia, foi, recentemente, condecorado da ordem da Lcgtao da
HonraTmgna Tittompensa dos eus importantes Iraballios.
As seguinies apreciaefie dos mais celebres mdicos ainda tem corroborar e justmear
todo estes tiu los cenfianca publica :
Precisa clnssificar o puospbalo de ferro aolovel entre os ferruginosos que melhor
convem aos doentcs cojos orgios digestivos supportam mal as preparaedes de ferro.
SOI'BEIRAN, professor na Escola de medicina e de pharmacia.
0 phosphaio de ferro soluvel era quauto* niim, a melhor das preparacocs ferrugi-
< nosas, c o ieuiciipieiO d os mais promplos e seguros rcsu'taJos.
ARAN, medico do hospital SainU Eugnu.
. A frma liqsida do phosphato de ferro o4ui1 d-lhe urna immensa vantagem sobre
a as pilulas: eu considero este medicamento como ftiui su|ieriora"s preparacocs iodad^a.
AKNAL, medico de S. M. o Imperador.
Entre todos os ferruginojos n5o conhecemes um s que obre ifio prompta e effica^mente
como>o phMpimlo de ferr solnyel, n isso, sem cansar o estomago.
lELLOC, BACME, lllOT, POLLET e PRVOSI', mdicos dos kospitae*--
Os effeitos da preparacao de pliosphato de ferro soluvel me parceem ser mui seguros
e promptos. > fiEBOLT, redactor em chefe do Bullelin tkrapeittique.
Entre todas as preparavocs erruginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a que jempre
me dco os melhores e mais satisfactorios resultados. GUlBOl'T, medico dos hoipitaes.
9
. 0 phosphato de ferro solavel tem, sobretudo,
couvir aos temperamentos delicados.
vanlacem de evitar a conslip
D' FAVROT.
k;5o e
Deposito em Pernamhueo, ,em casa de ataurer e O*.
Pharmaceuico
laureado
'" pela Acamia
de
medicina de Parit
PASTILHAS
deBURINouBUISSON
<*
AO BAZAR DA MODA

.
DE
JOS J)E SOIIZA S0A11ES i\ C.
Ra Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
P1HA S) 1OV4I AM^fO DE I8.
.\iv.n siti'tiifiito Je rticos de moda eluxi, rci-cbidos pelo ultimo vapor viudo da BurofiB-
i ecial sortimontu de nlijecius para mimos.
Peifiiniariaslinns dos principis autores.
Lavas de pellica frescas, brancas o de r.irespara humens e s Minoras.
C.hiMHnziiiliosilepallia de Italia enfeiados.para seidiurai.
Ricas citapelinas para seabora, gortosd pallia de Italia para senhoras e meiiinas.
Especial sortlmeoto de siotQS para senhoras.
Enlejes degos(o pana senhoras.
Fitas e grosdenal snpiTior de tudas as oerese larguras.
Franja- cun viilrilhos. brancas, de cores e pretas.
Guarnieses de todas asqnalMadwt para vestidos.
Vestuarios completos para baptisaaos.
Golinhas e pannos enfeitadospara senhoras.
i iics modernos, lisos e enfeitados.
Bornoos de lia e seda, chis claras, moda elegante para senhoras debom gesto.
Corpiohoa de cambraia enfeitadospara senhoras.
Cacne-nez de la.
Chapeos de sol para hnniens c senhoras.
Flores linas, sorlimento especial.
Ptuinas etegantes de quahdade superior.
s lieos de palha. alia novidade.
Grmaldas de Qores linas.
Camisas superions para homens.
Colarinhos e punhos.
Grvalas e mantas modernas.
Bengalas de diversas pialidades.
Caixas grandes com qaatro pecas de msica.
Flores i'e pama para "iiarnicoes de vestidos, bulos, ftvelas. lac"s para enfeite.s.
Chapeos de pello de seda pretos, forma a Itolschild. fazenda supci ior para hiuneiis.
Correntesde plaqu lino. goMMbenitos para relogios.
I tetas ile 1> mi rosto para as inesmas.
CoiTenJes protas.de borracha diversos modelos para Tobas,
bjecl para luto.
K muitos eutros artigas de novidade que s vista podan ser apreciados.
econtinuamente um completo sorlimento demiudezas, vende-sopor gTOSSO e a relalh"
A romnoiios PKE^ei^
BAZAR DA MODA.
Medalhado
jp fel
BDOSES:.DIGESTIVASlH- Sociedade
3BE fomento. 'j
CON LACTATO D SODA E MAGNESfA^'-i-?^'"
Esta* Pattilhn constituem o medicamento o mais novo o mais racional para conbaler
todas as affecccs da* vas digestivas. Ellas contcm, com cffeito, o acido lctico, um dos
elementos nornaea da digestao, combinado com a magnesia calcinada, cujos bons elTeitos
tem sido tppreciados por todos os mdicos, e o bicarbonato de soda, sal que faz a base das
aguas de Vichy e da maior parte dai mw mincraes alcalinas. Este trplice conjuncto de tres
productos cuja (-.eficacia popular, explica o bom xito que se btem as gastritis, gastralgias,
sahidas degaus, inchaedo do estomago, vmitos depois das comidas, indigesloes, dores
estomago, etc. Deposito em Pernambuco, em casa de Kaorer e c*.
Z' rf^.'^.^.'^'OVV'/yi'^
Approta{ie
da acadmii
ie me/i f cia
de Parit.
Phaimaceuti-
laurtaio
da,acaJmnii
ie medicina
As prenarafocs ferruginosas liquidas tem desde ramios annos merecido a approvaco
especial dos m;dkos, porque ellas ohrao mais rpido c seguramente do que as pilulas, e
sao mais fcilmente toleradas pelos doentcs. Os Pos ferro-manganicos possucm a inippie-
ciavcl vantagem de poder offcrcccr- n'uro inslante urna agua ferruginosa gazcosa. de gosio
agradavel, mais. activa do que as aguas mincraes, e contendo de m o Manganese, que sempre su acha no sangue, junclamcnlc com o ferro. Emprego-se em
todas as molcslias que lem por causa o empobrccimenlo do sangue, assim como para vigorar
os temperamentos debis e lvmphalicos. A chtorose, as Pcrdus brancas doresd'estcmago,
a irregularidad,; da mcnstruaco e amsnoirha ou suppres*ao do menstruo, cedem ripida-
mente a seu emprego. Bevemos mencionar aqu um facto nolavel, isto 6 que os (lenles cura-
dos pela agua preparada com estes pos eslo muito menos rxpostos a recadas do que
aquelles que forao tratados pelas preparacocs ferruginosas ordinarias.
Deposito em Pernambuco, em casa do Blaurer e C*.
^
;'Sst
mf^ftmz^
VERDADEIRAS
PILUUSdeBLANCARD
COM IODURETO DO PERRO INALTCRAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Possuindo as propiedades do iodo el do forro, convem especialmente as AFrKrofts
escrofulosas, a Ti.iic.a no principio,3 fraque%n de temperamento e tambemnos casos de
Falta pe cor, AMF.NonwiF.A.em qiie.-procisanEAontsoBRP. o sangue seja para restituir
lhe a sua riqueza e abondtncta normaes, ou para provocar e regular o seu curso peridico.
A'. l>. O iodarelo de ferro impuro ou altrrado nm mcdicamenlo infiel, jfS f%
irritante. Conio prova (le. pureza e de aulltenridade das veridrir Pi- jf./-^ *fr
lula* dn iilimpanl, dero-se exipir nosso t?l! *r pmta rmciii t^^C^T/^^J/f
nosso flrma, aniii reproduzida, epue se arli.i na parte inferior de um f 'g^^^-^s
rncu'o Tcnlo. Deve-sc desconfiar dns falsifiracoei.
.Acliam-neom (odas as phannretaa.____Pharmueeutico, ra Bonapartt, Vi, Paritl
TASSIHKMAflSyu
Tem para vender ein seusarmazens,|ipni de 011-
tros, os segojtea artigos ;
Papel para inipriinjr. f
Perlina azul,
(rev paulado e liso.
Vinhos em caixas de doze garrafas
Bourgogne.
Ilery.
i .Madeira.
Ilennilage.
C.liaiiililis.
Licor de euraco de Holktnda em caixas de vin-
te e qualro botijintias.
(tE8S0
Nos armazens di Tasso Irmaos.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc
Nos armazens do Tasso Irmaos
%S!l\HS DE 1 i:ilKO
Para serviros de glandes armazens. para remo-
1 Ver barricas ou eantos de nm para nutro, lado pelo
! mdico preepdolitXJOcada lim.
Farinlia de trigo de Trieste
Das inelhoras marcas Panonia fverdadeira) Fon-
lana e grande sortimento das melhores marcas de
farinlias americanas.
Saceos de farinha de triro do
Chile
Todas novas, chegadas ltimamente nos arma-
zens de Tasso Irmaos.
Cemento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cemento hidrulico 12S
U melhor para ludo que sau obras para agua, co-
mo assenlamento de caitos de esgoto. algerozes, dfl-
posito. tanques d'agua, etc.. etc" : m porcoes de
cincoentobarricas,se fai reduccaono preco : nos
armazens de Tasso Iruiaos.
Cenieuto Porllami
0 venladeiro cenientoi'ortland Irmaos.
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc oto.
De differentes (|ualidades para cercados de ani-
maes. chiqueirospara galinhasnujardins: nosar-
[ntazens de Tasso Irmaos.
Mariis com bren
Nos armazens de Tasso Irmaos.
CANOS DE BARRO
Na na Nova do Santa Rita, na autiga fabrica do
sabio, ha para vender por preco o mais mdico
possjvel, canos franeczes para dilicacoes c cigo-
tos detnda a (pialidade, superiores a todos os que
ip lem ap|iaiecido pela sua solidez.
PRECOS.
1 (400 por cano pranile.de e mei.i pollegadas.
I i-ilH) por dito de e tres quartos de dila.
14000 |>or dito de 2 e nm quarto de dita.
500 ris por pistoleta de 2 pollegadas.
(novillos, curvase canos de maior grossura, a
vislase rara o preco. Compras maiores do 2005
tem 3 por rento de descomo por promptn paga-
nento. l'ode-se ver as amoslras nos-armazens
I de Tasso Irmaos.
lijlos fraucezes
Para ladrilhar casas terreas comasseioe precos
mdicos, inuilo convenientes e proprios para ladri-
lhos de cosinhas em sobrados, pelo scu assoio e
evitar a passagojn de aguas para o andar inferior
.emi.'sino o pengo de logo, aos precos de 30-iOtina
436000 o inilheii'o : na ra Novado Santa Hila, na
anliga fabrica de sabo, e compras maiores de M0|
; se rara o por ccnlo de descont por proinpto paga-
meio. l'odem-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Irmaos.
Velas de esparmaecte verdadeiras para lan-
ternas do carro*: uoarmazem de Tasso Irmaos.
Vinho do Porto lino superior: no armazem
de Tasso Irmaos.
O melhor cognac Gauthier Freres: no arma-
zem de Tasso Irmaos.
Esteiras da India
Em casa de Tasso Irmaos vende-sc esteiras da
India de diversos padroes e larguras, por preco
comiiiodo.
riTpRA fl FESTA.
InKa c garfi.'.s w |a!;inn> ilt; I botao a
4^700 !i ilu/.ia. irln (li'iii (If 2 lintoes a 8^i,
iili'm idyu para solare mi'Z'J ili* t It5o a
i-joUU, Wiii ii loes a o->, tudas
em peineito i po bandejas
fifias c de metal prii';; ticrYl ;na 11 inlja, ferro
para frril rd-fidos, btu-ig (Ti1 nidal de 20
a 3 polegadaf,! piuprias ruira lianlo, es-
pingardas de caaos linas, assim como pe-
sos pelo SYsteina ultrico adoptado ltima-
mente pela.camara nunjcipal, alm de oh-
trus nuiitiis o'.ijeclos lemleiites a ferragens
emiuilez.s. que se vendem per barato pre-
go, na ra Uircit.i u. .'til, luja do Jlraga.
A liya
e pe"
efrado
i pn -
PREQO CORRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabrica de
1>
Ra Nova n. 23, Ra do Cabug n. 8
Pernambuco
a \H
IJHilillJi
Conservadora de sua indivi-
dualidade, amiga do
progresso.
Os labyrintkos da Esperance
A loja de miudezas da ra do QMeiindo
n. 35 A, vem apresentar ;i sua eseolliida
um artigo que at boje tastva
e por isso s chegava para a
LOJA DO GALLO VlfilLAME
Ra do Crespo n. 7
Chapeos de seda trancada, Paragon, de 16 bastes, 28 pollegadas
pollegadas a 150, e 2i pollegadas a 144000.
Ditos de seda G. do N. Bara, de aro, de 16 bastes, 28 pollegada
de -20 pollegadas a I3fl ; e 2i pollegadas a 12.6000.
Ditos de seda G. de N. lisa, de ac, de 12 bastes, 28 polletradas a 12-5
26 pollega las a 11-5: 6 2i pollegadas a I0.-y.)00.
ilos de alpaca, de aro, de 12 bastes, 28 pollegadas a 6-?; e 26 pollegadas
a ."> vjii.
26
1 i ', :
de
a diizia.
Por duzia faz-se descont de 15 OjO
Chapos de sol de panno, de baleia, de 8 bastes, 24 e 26 pollegadas
(Descont de 10 OjO).
Ditos de panno, de junco, 8 bastes, a 18*000 a duzia, liquido.
a 32>

. ui MIMO (],,
Para descarocar algodo
Expsito Universal de 1807. Premio nnico.
novas machinas obrara sem machucar a sement, sem dei.xar (car a menor
parceHa 4e tcido, e oonsernm s fibras todo o seu comprimentoe toda a sua ejos-
ticidade, lim que tanto desejavft os fabricantes.
0 a "ilamento do algodao dpstmido por urna correnteza de ar friu, produzida
peto v 11 lur.
raachmas opresentara a vantagem de poderem ser 'reguladas pelos traba-
Ihad r is ni lis inexpeiiftiiles. O sed pequeo volme eo seu pouco peso permiiioin
la-las com cavallos, pelos nmis pessimos caminhos, e o seu manejo t3o fa-
im a ^ pwtej Bfpq s cain;ar, descarocar de 18 a 20 arrobas, e um meni-
ii. de 8 a 10arrotas perda.
agri iltores e oegpciantes \iram l'nnccionar estas machinas em casa do Sr.
>j iero,su expostear, e apivciaram muito o systemapela faeilidade e aper-
I otrabalho, porque os dos nSos5ocbrtBi,e deixamos carocos limpos sem ne-
. deixaado p .ranlo ii-ii beneficio de 20 a 23 por cento sobre as outras ma-
.
de
lavrc, ii i'.iiiiiirgo ote, nzeram com que o ministro ua ag
n uso :l.,i; inirliinas de seriar, que muito deprecia o algodo brasileiro
da Europa.
nos
pi
mercado!
freguezia
muito caro,
elasse mais abastada da sociedad.
Toaihas <1c Ial>j rluihos
Perfcitainente igdaes s me se faftricam
no paiz por urna dcima parte do valor d'el-
las vindo a esta luja, apivriar a perfeic5o
reunida economa, (nem sempre possivel
isso).
As toalbas teem um circulo de lindo de-
senlio e no centro se le em caracteres maius-
culos a allegorica inscripeao. A' lwptisar.
A' passeio. Meus uidados.Lembran-
ca.Visita.
Ninguem porcerto deixar de ir completar
o enxoval do lindo iillio para fazer economia
de lo ou dd&esses nadas de que se compoe
o guarda roupa dos iccein-nascitlos qua-
si sempre ficam aos extremosos cuidados
das mais, a essas a quero e Esperanca se
dirige, para quem desde j dispe-se a dar
amostras e certa est que pelo preco nenhu-
ma deixar de comprar.
' Prouhas
A Esperanca,'tamb'iii recebeu fronhas no
mesmo gosto das toalbas que vende pelo bar
ralo preco d 3-SOiM). o que costara 104! t
apreciai se ligardes importancia ao con-
forta-e! da vida, sem duvida comprareis :
ueste bello pal/, ningiiem se faz poofe dis-
pensando -I3s ou Aoo!i, com o celo e
belleza de que se decora" a hbitacSo, s
vezes no que menos pensamos, catretanto.
como diziam nossos maiores. a s>-piiltura da
vida : ainda s senhoras a quem a Espe-
ranca se dirige. Urna senhora cuidadosa
do nada faz a casa.
Roa do Queimado n. 3o A,
da iamiZ'
k BcJecii
de Pars
jyfcaawaj '
SS0N
Vendc-se ou arrenda-so o-engenho S.
Gaspar, sito na frognezia de SiTinhcm, co-
marca do Hio-Formoso, prximo do embar-
que, com grandes partidos de pal, e mas-
sap roda da moenda, matos e mangues
para madeira necessaria. bom pasto.etc.:
tratar na ra do Imperador n. 20, ou ra
da Florentina n. 28.
Mandn vir de sua conta e acaba de re-
ceber pelo ultimo vapor, completo soimen-
ot de objeCtOS de novidade e plianlasia, os
quaes eslo rcsolvdos a vender por piceos
nimiamente baratos, para assim animar aos
concurrentes e ao mesmo tempo dar sabida
ao grande deposito que tem: isto a ra do
Crespo D. 7, loja do Gallo Vigilante.
Gollinbas, nimbos c camisinbas para se-
nhora, fazendas de gosto e novidade.
Finos vestuarios para baptisados, assim
como touquinlias, sapatinhos e meiasinbas
para o mesmo tim.
Grande sorlimento de bicos e re idas de
croch e de outras nanitas qualidades.
Superiores caixas com msicas e sem el-
las, leudo o necessario para costuras, pro-
prias para um delicado mimo.
Finas caixa.Sj.com tentos e sem elles para
voltarete.
Agullias para machinas do costura.
Ditas para croch, sendo de ac, marfim
e outras muitas qualidades, assim como li-
nhas para o mesmo mister.
Finas grinaklas para noivas.
Metas de borrnclia para quem soffre de
erysipella. assim como meias de laa para
os que sofl'rera de rheumalismo.
Suspensorios para homem e meninos.
Finos pentes de tartaruga pai*a coques }o
de outras muitas qualidades e para outros
misteres.
Dedaes de madrepcrola, marfim, osso,
ac, metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome para tingir
eahellos, dando aos niesmos a sua cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de linas perfumaras
dos melhores fabricantes, assim com mui-
tos outros objectQS que impossfvel df>-
crevvr: isto so na ra do Crespo n. 7, toja
do Gallo Vigilante.
Collares Royer elctricos magnticos con-
tra as convulsoes das-enancas e para facili-
tar a deiitiiii,ao das mesfna's, o Gallo Vigi-
lante antigo recek'dor desles prodigiosos
collares e contina a ter sempre grande de-
posito, ra do Crespo n. 7.
Tabellas vermicidas
DE
Antonio Nunes de Castro.
Vermiigo flicaz o preferivel todos os
contiecidos j pela certeza (kt seu resultado,
e j pela l'acil applicaco s enancas, quasi
sempre mais atacadas da tao tenivel e
muitas vezes fatal soffrimento.
Inico deposito,
Pharmacia de BSiholomeo&C.
34-r-roa larga do Rosario-34
d'aguia branca
o receptculo das modas e no-
vidade.
A aguia branca tem-w fel 13 i nniiBiiliil e
acreditada, iiau t pelas uuvidade. variedades, 9u-
perimiihule e abundancia de seu ortimento, c pela constante reiiimodidade de sen- precos, e nies-
nu) pelo sen aMM e nunca olvidado agrado e siuce-
l'iilaiie.
Ess;is verdades inconMstave sao sem duvida
apreciadas pelo bello sexo em particular,
H'-peitavel piihlico en peral, e a tanto lem fl
OJM e.stao ipiasi passando como aiuiexiiu i
verliin, qnando se ve um ohjeclo de eledancia
BOStO, novidade, ele., etc., diz-se lopo- aipielle oli-
jeelo m ni il'ivida loi ccniprado na loja laguia
Inania.
Quando no cliih, nos bailes, ou no ?a(So do
Sania IsmIhL nina excellenlisima c aprJ'enia
Sirljosini'iile Irajando, Irazendo o inodenml cinio
i mui larga lita, lisa, cliainalutada, ou BSCOBsexa,
as siias admiradoras dizem consigo rquelja lita
foi comprada na luja d'apuia branca.
Uando mitra excellenlhsiiua, nao mein s
bosa. mostra o rigoc de Beu bejacosle /tt *
eseollia dos enli-ites de aira novidade ijue
mente i mam Mu .vestido, ainda mermo as i vais
de sua swnpatbia confeasam queaquelles en'cites
foram da loja d*aguia branca.
Uiiando n'oulra scetlmiliseima, apezar dal
gelleza de. sen porte agradavel, se vem a* bolitas
luvasde pellica duqtieza i- -n;i- bellas i m i -
gas louvani-lhe o gosto e confessam mea>
luvas foram da loja d'aguiu lirailra.
Quandn we*\in duas exeellejilissimas. ;
amigas de collegio. se enroutrain naipiell.-
res. di|iuis dos euiiipriiBentos de reciprocns
ambas por forra de sua elevada delicadeza,
una a nutra os agrada\eis cheiros de qui
em sen.-, linos lencas, e cada urna dai quaes ej
Ihosaspeto elogio do acorto de sua escoma, e "
que querendo por si nie-ma justificar dizem si
laneamente4 verdaile ipie este clieiro foicnnip
do na loja d'aguia branca.
Aluda mais.
Uuando hontera os pais afllicios sentan o nVor
da ilenlicao de sen charo lilliinbo. O boje alegjv e
satisfeit.is pelo feliz restaltelecimcuto receben a-
visilas dos, seus melbor amiiios, dizem aqucIlM a
estes, lODeuS que me inspiroiipara que ci>ni|ira;-
se, cuino comprei. umdesses virtuosos eillafc>
Royer, que se vendem na loja (Vagma branca.
Aem do msiito mnis que ain la
falta dlzer.
Uando ein nm eireulo de eirnini-nectos eoiic-
leres se disi iitir a veacidadis do tae atorres, ap ia-
recer um outro que queira ainda Icvcnento int i
romper a diguussao, us piiineitis por momento|es-
qiiecerae a ciraimspoccio e Un s c.nao um gra-
cioso debique dizondn-lhesj sabemos que V. e
mu daquelles que ineliua o cbapo de sol OU que
moreoia ser designado pola aguia branca da i u.i
do Queimado n. 8.
fto tantas as colisas que por
urnas escapam as outras.
J ia esquecendo a aguia branca,mas em teirpe
lembioii-se para miliciar, (pie reciben umaiie-
quena ipiantidade de enfeiles pan coques e graili-
nos para dilos, ludo feito do melaJ com lindoh e
agradaseis coloridos, obras estas pan primeira ez
apparecidas. e perianto inleira novidade.
Tambcm ebegaram novamente delicados enfei
e flores ornadas de aljofares e vidrillios, tanto lie
palha para coques como- para vestidos. tu lo
contina a merecer a apreciacao das excellenlH li-
mas conhecednras do heni.
Vende-se.
Un balean em bom estado : na ra da Cadi
do ttecife n. 2.
.>
13.
9.
FUND1CA0
Itua do KSrum
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixos de ferro, batidPe fundido.
para muer aom agoa
etc.. pro-
Rodas dentadas,
vapor e-aniniaes.
E outros muitos objectos, etc.
prios para agnctdtara.
GAfGAZlAZ
Cliegou ao antigo deposilo de tturj Forslor &
Gq ra do imperad.ir. um cari oawneato de gaz
de primeira (pialidade: o qual se vende em partidas
e a retalho por menos prego do que em mitra qual-
quer parle.
Tintura japoneza
Instantnea para tingir 09& cabellos e a
barba, a 10000 o frasco.
E' a nica approvada e reeoinmendada
por ter sido reconbecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
A venda em casa de Gustavo Hervelin n.
31. ra da Cadeia n. 51.
NOVIDADE
academia
7
Petreq
LySo

Din merecido a approvnoao da Academia de Medecina e das principan socie-
- uwposito em Pernumimco, em casa de Maarar e c
. 1 I I I I I I J VU i J I I M I
CURA DOS CALLOS.
PPL A
Pomada gai onpeau.
Depasito especial
Pharmacia de Bartholomeo & C.
34------Roa larga do Rosario------34.
Jabonetes de alcotrfio
DE
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, qoa to boa
acceitacSo tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das iinpi^'iis, sarnas, caspas c tods as
molestias de pelle.
Deposito nnico,
Pharnmoia de Bartholomeu A- C,
34ra larga do Rosario34.

Ire.
iSi ra do 1; .d rnu. 8,FurtedoM ?em-H
pre umcompeiiisortiiiient.) de
Mies, proprio para negocio., e. por pr.^o mais ra-i
jovael do que em outra qualquer parte. '
Farinha de mandioca,
Tem & Vender Joaiptirn Jos Concal-
ves BeltrSo, refeateiwnte theada de San-
ia Camarina, a boriflb do patacho portuguez
rabe, fimdeado defronte do trapicle do
Exm. b.irao do Livranienlo o. .nara ,ra,ai
m 1 na do Trapietu6 n
011 a bordo do referido navio.
17,
A lojl de Coelho OllWira ra 10
Queimajo n. 19, recebeu pelo ultimo vapor
11111 boll sortiniento de baiocs de diversus
systcml, os mais apeifeicoados ,<# teem
vindo ao mercado, sendo :
balol de guipur com tiras chamados
reguladp-es. ditos deniussclina abertos por
ambos os lados, de modo que sendo lodos
de um tamanbo servem para qualcpner so-
nbora, de laa de cores, com tiras, e as s1-
guintesjjbzenda:
Saiaside laa com bonitas barras.
Chalo? turcos de seda e laa Beatriz de
Tendas<;
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, muito lin-
dos.
Lasiabas
Sultaies.Poil deChevre, Tricte, dito de
xadrez e outras muitas, cutre ellas utna
Especialidade
Laa p^ira de cores a 3GO rs. o covado.
Basquinas a Mara Aiitutc-.
Cambraias fantazia. ,
Ditas raneas transparentes eYictorias.
CoIxaR adamascadas.
cbinezas a 2^300 rs. e outras
muitas fttendas que tomar-st-hia enfadonho
annuoei
prios
vaslosjpro-
A Perfumara Victoria hoje muito procurad
pela flor da aristocracia, e das elegantes, po-
causa da fabricaco superior dos producios des-
tinados aos usos do lourador, e ntreos quaei
ella creou urna especialidade em cada artigo.
Os seos novos perfumes, preparados com
Essencia de Ylangylang, que ella oblcm mesmo
as iHiasPhiippinas, pela distillacao do Unenn
odoratissima, notememnrnhuma concurrencia
no que diz respeilo fineza c snaviriade do cheirc-
pelo cue aconselhmos ao publico elegante qu^
peca como perfume para o lenco
0 EXTRACTO DE YLANGYLANG
0 BOUQL'ET F. MANILH.V
Alm d'esles dois extractos exeepc onaes, qpi
sfiopropriedade cxclusi\a dp sua casa, os Snrt
Rigaud e C*, preparo igualmente, com parlico-
lar perfcico, todos os extractos adoptados pela
moda, e entre os -quaes citaremos os seguintes :
Jockey-Club. Violeta. Reseda.
Ess. Bouquet. Mnchale. Jasmm.
Feno fresco. Nousscline. Magnolia.
Flor dos prados. Rondeletia. Roso musgosa.
TOitTivt nn;ttD
E' urna Agua admiravel para o toilette; ces-
titueella overdadeiro talismn da belleza, e en-
Mi va a. pelle fresca, o a le o rosio branca. E' *
ultima rxpressao da seieneia. Est por lodos
rpconhecida a sffa inconteslavel superieridade
sabr as aguas de Colonia, a agua de Florida e os
vinagres aromticos de maior nomcada.
OLIO E l'Olii IIIIIt\OA
B*eHentes pre|iarac6es que se podem chai
othesouro do cabe'lo, e qw, conij'ostas de su
taneias tonteas e fortiticantes, enibellezo e
servao o cabello, ao meMno lempo que lhe
munido um cheiro suavksim.
8ABAO HiniNDA
Quem comparar elc sabo com os que
rendem por ahi, fcilmente reconhecera sup,
rodade do nosso. Este torna a culis muhissii
macia, faz cma escuma abundante que forma
terdadeiro banho de leite, e nada deixa a desej
como delicadeza de perfume.
DtllOHIW
PASTA BWTlVltlCIA
A Deniorma um elixir dentfncio dos ma
suave : perfuma refresca agradivelmente a
boca, fortifica as gengivas, e preserva os dente
da carie.
Esta pasta ientifricia fe* urna verdad eir re-
volucfto na Perfumara; acabou para sempre co
os pos e opiatas, que sio mais eu menos acida
ou perigosos. Basta passar urna escova hnmidfc
por cima, para obier ma mucilagem suave
actuosa qua torna os dentes perfeilameoH
kraneoa.
POS ROSADOS
tmcrvlo a pelle do rigor dos vento* e do frlak
cpmcoaueo-lbe urna agradavel fraecura, e pi#
Teoemas sardas. Sao superiores aos pos de arn|
de amldo. Sm periupe deliciase.
Deposito em Pernambuco, em cani 4a 9
<%
'
*>m*



tf&l
-,
-
. >

mrio 'de PcinaiiiLuco So\1;i fcira tt de Jniu-iro do 1869.
x

A DINHEIRO NA LOJA E AfiMAZEM
1)0 -^
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O propietario (Teste estabelecimento convida ao respeitavel publico tiesta ca-
pital a vii- suir-sc no grande estabelecimento que tem de fa/endas, lano da moda corno
de le, e as pessoas que negociam era pequea cscalla, tanto da praca como do matlo-
MGsta casa poderao fazer os seus sortimentos era pequeas e grandes porcoes, venden-
do-se-llies pelos oreaos que se comprara as casas inglezas ; assimeomo as excellentis,
.-mas familias, poderao mandar buscar as amostras de todas as fazendas, ou mandare-
mos levar eui suas casa- pelos nssos caixeiros, para o que aclia-se este cstaliclecinirn-
ti) aherto constantemente desde s O horas da mauliaa s 9 da noute.
O aloalhado do Pavao. MADAPOLO A 3:500.
Vcnde-se superior ataafeao de al^odr.o Jf^f ffgf ,ie "alp,laoJii.o cora
' ', ,,, .}...., ,. i ., i '2 jardas pe o barato proco de .J:.j(X) a peca,
com 8 palmos de largo, adamascadoa ^ ^ ^ ^ m ^ *
"de largan, adamascado a
26200 a vara; dilo de buho fazenda limito
superior a 30200 a vara ; guardanapos de
linlio adamascados a &300 a duzia e milito
linos a 8A000, e ditos econmicos a 3i|S0O|
a duzia.
C'roflic para cadeiras na loja do
Pavo
Cbegaram os mais lindos panos de cro-
ch ou guarda bantras, proprios para ca-
deiras tanto d'encosto, como de bataneo e
de guarnir fio, e outros cmpralos para so-
la, assim .como dits redondos para mezas
redondas, ditos pequeos paraalmofadas, e
ditos para cubrir presentes, tendo pequeos
ato para cobrir mu pialo, que se veudem
por prego omito em conta, na loja e arma-
/.i'in do l'avao ra da Imperalriz n. 00, de
Flix Pereira QaSilva.
iFaisoes para vestidos brancos
a40.
Vendem-se osniaismotnios-fustesbrao-
i os flexivcis rom' padroes de listas e de
-lpicos proprios para vestidos e roupas de
menino a 640 rs. o covado. na loja e arma-
zn) do Pavo ra da Imperatri/.u. 00,de
l'elix Pereira da Silva.
Organdys
Organdy brauco liso, milito lino a 800
i s. a vara : dito com tpiadros ou lisias, fa-
zenda rauito superior a 1$ ; lili de linbo
peratriz n.OO, annazeni de Flix Pereira da
Silva.
I.asiuhas
A doze violen?..
A di ze vintens.
A doze vintens.
Vendem-se feasohas de cores milito bo-
nitas com desenl os miudiulios e grandinbos
com listinhas e pintas pelo barato prego de
2i0ris o covado na loja do Pavo, ra da
Imperaiiizn. 00. de Feliz Pereira da Silva.
AS CAMBRAIAS DO PAVO
Vendem-se. linh;simas pecas de cambraias
lizas transparentes tanto inglezas como suis-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de u,->000 at 10;>000 a peca,-assim
como linissimos organdys brauco liso que
serve para vestidos de bailes, por sermuito
transparente a 1^000, a vara, na loja do
l'avao na da Emperatrizd. 00, de Flix Pe-
reira da Silva.
FL'STAO URANO) PARA VESTIDOS A 640
Na loja do Pavo vendem-se os mais mo-
di rnos l'ustoes brancos de lista e cordao
milito encornado mas mu lo flexivel, pro-
prios para vestidos,roupa-s, penteadores etc.
etc.,o roupa para meninos, pelo barato pre-
eo de 010 ris o covado, na loja e armazera
de Flix Pereira da Silva.
SEDAS COM LISTINHAS A H00() o
COVADO
Vei'dem-se as mais modernas sedas de
femps novidade na trra !
Porm maguera1 se espante
A eousa nao de .lar cuidado,
Faz tflpre a soa drairae*),
Mas nao offende a nmgiiem,
Agora nSo se lembrem de novo incendio no pardieiro,
Nein que houve cxploso na maxaniboinlia.
Nem ipie o [neto Thoraaz ftgio da DetercSo,
Nem que o vapor chegou embandelrdo,
Nem que a FRAGATA AMAZONAS virn o S.
Nao se trata disso
Sera algum jtti: de paz que qner passar o metro no seu sub
Ututo em consecuencia de estar abolida a vara ?
NAO SENHORES -Tenbam paciencia--KspTrem
Nos vamos dizer do que se trata nao com aquellos modos que toma ocidadao
rusSO, Sr. Antonio Domin-ue.-. (piando reo.ibece que na m. Ihor boa f llie empurraran)
atgum livro sem prii.oipio nem finmas sito com aquellas manciras assz delicadas que
sem'pre se encontrara no peiiinuoso ninbo da Sympatllica Aguia-Uraiica : assim pois
aftendam: _

>4
para a
Amigos de [arlar o estomago agrdaveblWBte veiihim ra da Imperatrizolliem
casa que flea eni frente ao magnifico cafolliem..... olliem..... Nao veem ?'
Agora digam contigo :
Nao se benzan
Oue peior
" Kiljliem bem quietos
Que mellior.
Mulher. demonio que importa !
Mullier, demonio hei de amar-te
Fall
enios inuito serio
Com o lim
lecali-
branco con, palmmbas, iazenda rauito fma a j^^^ ^.^ ^^ J* -^
ii rs. a vara. vapor cwn as cores mais modernas quetem
Cirosdeuaples
Cliegou paia a loja do Pavao pelo ultimo
varpoff um grande sortimento dos memores
grosdenaples pretos e de cores, .teado verde
tambem, que se vendem mais barato que
riii outra qualquer parte.
Lencos brancos a 16000 a duzia
Vendem-se leos brancos de cambraia de
aporcom as cores raaismoii.'rnas que
viudo a este mercado, pelo barato prec de
:{> rs. o covado na na da Imperatriz n.
00 de Flix Pereira da Silva.
Alpacas lavradas
Cliegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavadas com. as mais lindas
cores, que se vendem a 16000, o covado,
ditas lisas tendo tambera cor de canna a
iTTSLTC.C
9
tentar aos bemens a abastecer as suas despensas no MAGNIFICO
ARMA/lvM DK MOLH \I)()S a esquina da ra ila Aumra defronte do sumptuoso fi\f fin-
peralriz: o iucansavel proi)rieUirio desse importante estabelerimeiilo aclbl de p
00 que lia de mais superior e digno de nina casa flffcsa i4r*m.
Este iiiteressante estabelecimento se torna saliente, na i s.'. p: i i sa ptima
daile. coiiiii pido forraos.) e encantador e/nblenia ijue o as>igiial.i. -Vfsli -> loiinosa Circe,
encantailoca maga qw se es|K-|lia as agua- do 00980 amci i Capibaribe, e como qu desa-
tando o riso para a altaneira Olinda que alera se avista garbosa e gentil repcela da //< M te-
prranca de era breve gosar os mais gratos passmntes que Ihe serao levados pela nova es-
trada de ferro que se acha no nascedouro.
Assim, pois,
Venha toda a populacao do Recife ver c admirar a bella pbvsionomia do BOM
DEMONTO. *
algodao a 16000 e 2.-> rs., ditos de linbo a j 800 rs, ditas mescladas rauito finas a 1:200,
:I560 e i 6 rs. a duzia, na loja e arraazemjo covado, e outras muitas fazendas de gosto
e inodaj:|ue se vendem mais barato do
que em'outra qualquer parte, no armazcm
do Pavao ma da Imperatriz n. 60, de Flix
l'ereira da Silva.
CHALES A 26000.
Vendem-se cbafcS de merino com boni-
tas barras, pelo bantissimo preco de 26000
e 2>.'00 rs., na loja do Pavo ra da Impe-
lairiz n. de Flix Pereira da Silva.
PECU1NCHA A :i:5O0.
Cortes de 13a 3:500.
Cortes de 13a a "3:500.
Cortes de 13a a 3:500.
iazrahas a 280 ris.
Laazinlias a 280 reis.
LSazinhas a 280 reis.
S o Pavo.
S o Pavo.
S o Pavo.
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60. de Flix
Pereira da Silva.
ORGANDYS DE COR
Vendem-se, organdys de cores com pa-
droes miudinbos era assentos brancos e de
cores polo baratissirao preco de 360 rs, o
covado, imssiraas cassas francezascom deli-
cadas cores e bonitos desenbos a 320 rs. o
covado e ditas a 300 rs, na ra da Impera-
triz n. GO, armazem de Flix Pereira da
Silva.
Roupas para hoiuem
Vendem-se superiores patts de panno
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda,
| camisas inglezas e francezas com os peitos
i de esguio, ceroulas francr-zas de linbo eal-
godo, meias croas inglezas superiores, ca-
\endem-se bonitos cortes de lazmbas misas de flanella e de meia de laa, assim
para vestidos cora padroes modernos tendo como neste estabelecimento existe um grande
que se vendem a 280 rs. o covado, sendo
grande pecbincba na loja e armazera do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 00, de Flix Pe-
reira da Silva.
baiiadiNhos
Vendem-se linissimos babadinlios, tiras
bordadas e entreraeios, mais baratos do que
em outra qualquer parte, assim como espar-
tilbos dos mais modernos, no armazem de
Flix Pereira da Silva, ra da Imperatriz
ii. 00.
LTJS NOVIDADES!
PECHINCHAS
f
Novamente chegadas ao armazem
DO
l^El%fc
Ocordeiro previdente
Hua do (-JUMO variado s,uliii*enk (fe perfumaria>
tinas, r tetros objeelos.
Alm do coiupieio sorlimeiilo de perfu-
maj-ias. d..- que emcivauente esta provktaa
lo| i djCuleiVo l'revidente, ella acaba de
iei< 11, c mu oulro sortimento que se torna
nota\el pota variedade de objectos. superiori-
dade, quadad,'s e commodidades de pre-
co- : a>siui. pois, oCordeirol'revidente pede
e espera continuar a merecer a apreciaran
do iN'speitavel publico era'geral e de sjtff
boa livuiiczia era particular, nao se Ate-
tando elle dfi sua bera conliecida mansido
liirile/.a. Era dita loja encontrarao os
apreci;klores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Miirray iV Laminan.
Dita de Cologne ingleza, aiuecicana. I'ran-
ceza, todas dos melbores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica dentrilicia.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilele para toilet.
Elixir odontalgico para conservaco do
asseio da hocca.
Cosmetiques de superior qualidade e chei-
ros agradaveis.
Copos elatas, maioies e menores, com
pomada fina paca cabello.
Frascos com dita japoneza, transparente,
contras qualidades.
Finos exilados inglezes, americanos e
franceses en fiascos simples eentenados.
Essencia imperial do lino e agradavel cliei-
ro de violeta.
Outras concentradas e de elieiros igual-
mente finos e agradaveis.
Oleo pliilocome verdadeiro.
Extracte doleo de superior qualidade,
com escomidos dieiros, em frascos de dif-
l'ereiiles lainaulios.
Sabonetes em barras, raaiores e menores
liara maos.
Ditos transparentes,
ras de meninos.
Ditos muito linos emcaixinba para barba.
Caixiuliascom boratos sabonetes imitando
frtelas.
Ditas de madeira invernisada contendo i-
: lias |ierfuinarias, rauito proprias para pre-
sentes.
Diias de papelo igualmente bonitas, tam-
bera de perfuinaris finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e de
moldes novos e elegantes, cora p de arroz
e noneca.
Especial p de arroz sem composico de
ebeiro, e por isso o mais proprio para crian-
cas.
Opiata ingleza e francezapara dentes.
Pos de canipliora e outras dillerentes
qualidades tambem para denles.
Tnico oriental deKemp.
Ainda mais coques.
Era outro sortimentos de coques de no-
vos e bonitos moldes com lets de vidrilbos,
e alguns d:elles ornados de flores e fitas,
esto todos expostos apreciaco de quera
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUXHOS UORDADUS.
Obras de rauito gosto e perfeico.
Flvellas e lilas para cintos.
Bello e variado sortimento de taes objec-
tos, ficando a boa escolba ao gosto do com-
prador.
FLORES FINAS
Para familias
Grande Bazar, rna *"va us. SO( c
.dc< ainciroviannatl C.
Acaba de cliegar a este estalttletthaento
grande porcao de inacliinas para o-|;iims do
autor WiMeier Wdson. aporovadas na alb-
ina e\|iosico de Pars, as qnes tOKeSkCflUL
ilous posjHMios toda a costara, e lepa a
suave i i lovimenl .
vanlagein de ser 180
que qualquer enanca
de oito anuos fa<
i-
Q

l-
menle tiabalba, e |)de, com cy i entre) -
iiiinento, levar vanlagein ao ser'ico dial
de trinta cosiiuviras. A flomprobenso
simples, pois em um (piarlo de hora se
ca senlior do mavimehto da nia.liina. le
do a mesma a proprii dada de l'azi r as
giiinl's costuras: pusiK)iitar, absinliai.
!ia!i/ic. marcar e bordar, como ,!pesenl:.i
os desenbos que acompaham-uas. Os pn
[irietarios do estabelecimento se encaiTi
gam de mHdar encinar n'esta cidade,
i ;iit--fn entregar > importe dis|>endi compilador, no caso-de uto trabajhar con
perfeico amachina vendida, nao lendu
porm, solrido ella algim'a avaria. lia tara-
lieiu no uesino BStabel^CnentO machina
do autor Crown' & Baker, de trabaiho sira-
plesniente man, e unirs cun movimetd
dos pea; e mxime todos os perlenri s d
niesnias inacliinas. para venderavolso.
'.,::
redondos eem figo-
De
PAREDES PORTO.
rendo-nos chegatlo ltimamente fazendas inteiraraente novas, convida-
mos por este meio ao respeitavel publico a que nos procure comprar fazendas de
bom gosto e por precos que nao achara em outra qualquer parte.
Admirem!
Madapoloes finos a 5$, 6#, 7*5 e 8 rs.,
s no armazem do Leo.
Chitas escuras de padroes lindos por pre-
cada um corte li covados pelo barato pie- s,(,timento de pannos pretos, de casemiras ^TSS^ I?!SSi?
Me :j:o00rs. assim como ditas em pecas ng|,.Zas de cores, e que se manda fazer r^\l !vJ^ T
ALTA
A
NOVIDADE
LOJA DO PAVO
Gurguro de seda
Cliegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos !.'iirgures de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos e lavradinhos, com muito
lustro, garantindo-se que a fazenda mais
linda e de maispliantasia que este anno tem
'i legado a este mercado, e veude-se por
preco muito razoavel, na ra da Imperatriz
n. 00, de Flix Pereira da Silva.*
Wedas de listas para vestidos
Chegaiam mais modernas sedas lista-
das para vestidos, com as cores mais mo-
dernas que tem vindo ao mercado e ven-
dem-se por pref o muito era conta por es-
iarmos muitos prximos da festa, isto na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
l'elix Pereira da Silva.
que
qualquer obra a contento dos Srs. -fregue-
zes, e proinette-ss-lhes que sero servidos
com a raaior promptrdo e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte
na ra da Imperatriz n. G0,de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos rae-
Ihores e raaiores. cortinados bordados pro-
prios para camas e para janellas, que se ven-
dem a 12;>000 rs. cada par at 2o000 rs,
isto na ra da Imperatriz n. 00, de Flix
l'ereira da Silva.
Chitas
Vendem-se as mt lhores chitas escuras para
casa sendo de cores fixas, pelos baratos
precos de 30 e 300 rs. o covado, ditas
muito finas francezas sendo claras, coin pa-
drees de cassa a 3C0 e 400 rs, pecbincba,
na ra da Imperatriz n. 60, armazem de F-
lix Pereira da Silva.
Grosdenaples preto
Vende-se um grande sortimento dos me-
lbores grosdenaples pretos, tanto lar-
gos como estreitos. sendo de 2000 rs. o
covado at 40000 rs. garantindo-se que
n'este genero ninguem tem mellior fazenda e
que se vende mais barato do que em outra
qualquer parte, na ra da Imperatriz n. 60,
de Flix Pereira da Silva.
Cassas de cores cora palrainhas e tom
listas de diversos padroes a 240 e 320 rs.
Lazinhas cinzeutas e cor de bonina a
320 o covado.
Chitas claras iniudinhas a 320 e 360.
Leos bordados a U, 6^500 e 12r>300.
Ricos e l>em escolldos gostos d bis-
marks para calcas e paletots a 2p00 o
corte.
Tambem tem para acabar pecas de pan-
no de linho, com 27 varas, a 17i$ e 18!.
Toalhas de linho para rosto a 10$ ia du-
zia.
Aos Srs. armadores de enterros.
Vendem-se pecas de hollanda preta com
Alpacas protase de -cores lindas proprias 40 covados a 56 : na ra da Imperalriz n.
para vestidos a 080, /OO e 800 rs. 48 9 52, jUt0 a padaria franceza, loja do
Pecas de cambraia transparentes a 4;>, i,eo.
i) e U. Por este preco admira a todos Attenco i roupas feitas 11 no armazem
t- ?nn casSm,ras de m,adlinl,os e lis" do Leo, ra da Imperatriz ns. 48 e 62.
tas a 2->800 e M- Assim como temos uin grande, completo
Corpmhos brancos para senhora a 3-> e e varado SOrtimento de roupas feitas: pa-
3 >-2()0.
0 que de mellior se pode encontrarnos se
genero, sobresahindo os delicados ramos
orvalhados para coques.
Para lagem.
Bolsas de tapete e ca teiras de couro, por
precos comandos.
Chapelinas de palha da Italia raui bem
enfeitadas, e enfeites de flores obra de bom
gosto.
E assim muitos outros objectos que se-
ro presentes a quem se dirigir .-i dita loja
do Cordeiro Previdente a ra do Queimado
n. t6.
Para arnuizeiis a retaliio.
O Campos da rna do Iuipcr vender grande qnantidnde de OMaldaa de estanho
para Ikpiidos, e de nuidflira para sec n, |n i
tema netreo dtrimal, pelo ipial estio onnegoeiaB-
lej a retallia obrigadot a vtaiet i las msttt ri.-:.-.
a contar do I" de marcu do f ireotc aun l 0
nunciante avisa p prantc aoe que de tai medid *
neceseftam, qHe ma esbu ai mar- oxartan, p
ipiant'i san i.'ia- em Pars, de roofonnidade com
o tystpjua arini.i dito, u segmid) o luidrTw adoptadu
pelo povra imperial ; itao aci ferendo, di i
ii Diesmo coni nutras qne ah e vendem, que seft-
do da mesma capacidad! dVersidcam de modelli:
viudo oflereaer tendal nio a a compradores
como aos rmid.'d iros.
Vnde-ae uta bntru de bataola grande d
Hoiiian. com ronrhas, pesos aferiiius o mais pei-
tenecs : no trapiche Guerra, largo da alfanje^'.".
Tema n. 6.
Cemento do Porthiiul.
Vciidi'-sc no annazi'm de Vrente Ferreira da
Costa & Filho, na ra da Madre de Dos n. ti. em
barris grandes.
Em rasa de Tlieod. Clin ra duCom-
merrio n. 1G, aeonlram-se eflectivamente todas
as qualidades de vinho Bordeaux, Bour^ognee do
llllrllo.
Manoel Alves Perreira A- C, na ruada
Moeda n. .'i. segando andar tem para vendei
superior potassa da Russiaein barris e m ios
barris e cal de Lisboa da mais nova que lia
no mercado. .
Eserava.
Vnado aa mna preta moca reeolbida e sabenoo
coser, ciioiiiinar. cozinhar e lavar: a tratar na rna
do Arajao n. 3?.
*?+++++++++++++*

mu
CPPRESSi
'CGAMOSTBANOS'S
Itocannabis indica!
^RIMUU'lC- PhAMACEUTICOS emPARIS^
^??????r
SLFFOCACA
lOGQl'IDlO
sr
Todos es meios at hoje preoonisados conira a asthma nao tem sido mais do que palliativos
debaixo de todas as formas, teado por base a belladona, o estramonio riencias, lertas em Allemanha, repelidas em Franca e na Inglaterra, tem provado que o cnamo
dos com o cxiraclo de cnamo das India1, que nos importamos de Bombs im.
Deposito em Pernambuco, cm casa de Kaurer e >l%ll*llll9.lli.lXll11lll4JL^UlVU.^l*m i
TCSSES
CATMIHOS
PASTILHAS PEITORAES
de sueco deALFACE
E LOURO GE REJO
IRRITAQOES
00 PEITO
E'este o mais novo e delicioso confeito at agora coniiecido. Por isto tem adquirido ra-.
pidamento a popularidade de que goza. Os mdicos os mais disncio:. o aconsellio eontra
as tssit, ieftuxet, eatarrkot, losset convuluu, catarrkotepidemia, rilafltet de peite. Cosa,
graade empenboo procurSo as mies de familia, assim para ellas como para as mancas, pois
primen* qae todo inoffensivo, e as suas propriedades adocantes nao leixio nada a desejar.
i em Pernambuco' em casa de Marer e o*.
Pechincha!
Cortes de cassineta de cores para calcase
paletots a I500.
Cassineta de cores com um pequeo to-
que de mofo a 400 rs. o covado.
Espartilhos muito linos a 4500, H
fruon.
Adnrira!!
Gravatas de seda a 500 rs.
Golinbas bordadas a 300 rs.
Lazinhas a 200 rs. f!
Lazinhas a 200 rs.! I
Lazinhas a 200 rs.! I
letots saceos, sobrecasacos, fraques, jaque-
toes, calcas, colletes, camisas, ceroulas,
chapeos etc., tudo por precos que admira!
Tem tambem um sortimento de roupas
ordinarias por preco baratissirao.
Acaba de cliegar tambera um completo
sortimento de damascos de cores, sendo
azul, amarello e cor de caf etc.. que se
vende por preco commodo.
Admira!!
No armazem do Leo 1! I
No armazera do Leo !
No armazem do Leo!! 1
No armazem do Leo 11
No armazera do Leo, ra da Imperatriz ns. h e 52, imito a lqiaje ourives
in Trancte
e padaria franceza.
NOVIDADES
lina do Ijiieiinado n.,1
A este estabelecimento chegaram as mais Jindas chapelinas de crep, tule e pa-
Uiinba da Italia, primorosamente enfeitadas.
Baloes reguladores para senhoras e meninas, os mais modernos e de varias
cores.
fornidas.
Basquinas de seda para senhoras, o qu ha de mais gosto, e delicadamente en-
Ricos vestidos de blonde, com manta e capella, para noivas.
Cortinados de cambraia bordados para camas e janellas. da diversos costos e
qualidades de 15 at 800000.
Tapetes alcatifas em peca para forrar salas, gabinetes e corredores.
Camisas: inglezas de linho para homem.
Ricos vestidos de seda pretos bordados agulha e de cambraia brancos tam-
bem bordados pelo mesmo systema.
Fronhas e toalhas de linho e de esguio todas-bordadas para casamentes.
Sedas de lindas cores, casimiras de cores as mais modernas, saias de 13a; com
barras de cor, chapeos de sol de seda inglezes, espartilhos para senhoras e meninas,
colarinhos de linho para homem e grande sortimento de fazendas de todas as qualidades
que se vendem por precos que agradar aos compradores.
Neste estabelecimento contina a receber-se epeiras da India para forrar sal-
las de diversas larguras eTores, que Vendem-se mais baratas do que em outra qual-
quer parte, por isso rhamam a attenfSo para as
- Esleirs da India para forrar salas.
LOJA DO PASSO.
Ra do Crespo n. 7 A. esquina
da do Imperador.
O dono deste importante estabelecimento,
tendo recebido de sua conta, pelo vapor
francez Extuemadure, diversos artigos de alta
novidade proprios para a festa, e conscio de
que seu estabelecimento se acha bem sorti-
do, principalmente em artigos de moda, pe-
de ao respeitavel publico e em particular
aos seus numerosos freguezes a bondade
de honra-lo com sua conlianca, garantindo-
lhes serem bem servidos e por precos ni-
miamente baratos. Venhara, pois, todos
comprar novas c lindas fazendas boas e de
alta novidade, com bem:
Riquissiraos cortes de blonde.
Riquissimos cortes de seda de cores.
Sedas de lindas cores para covados.
Moire-antique azul, verde, bronco e pre-
to.
Grosdenaples azul, verde, branco e pre-
to.
Gorguro branco e preto.
Setim branco macau.
Cortes de seda com duas saias.
Cortes de la escosseza com duas saias.
Cortes de la e seda, novidades.
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de cordo lindas cores.
Ditas lisas de todas as cores.
Cortes de vestidos de cambraia bordados.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas .
Fronhas de linho com lindos bordados.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Chapelinas de palha da ItaLa.
Ditas de sedas de cores e pretas.
Enfeites para cabeca de senhora.
Coques de todas as qualidades.
Basquinas de seda enfeitadas com primor.
Leques de madreperola, marfim, snda-
lo e osso.
Camisas bordadas para bomens.
Colchas de algodo e seda para cama.
Ditas de crochet para cama.
Pannos te crochet para cadeiras e sof.
. Chapeos de sol de seda para senhoras.
Espartilhos para senhoras.
Toalhas de labyrinto.
Lencos de labyrinto.
Fronhas de labyrinto.
Ricos, rendas e grades.
Fmissimas cambraias de cores, percales,
13as e outros muitos artigos de gosto e no-
vidade.
Loja do Passo ra do Crespo n. 7 A es-
quina da do Imperador.
Fugio do bordo da barca nacional Adelaitk,
un mulato di1 iiunir Joaqiiini, eom IK autos de
idadi'. toMssn do curpii. eetatnra negular. cabellos
pretos e can mna leve nratriz nobeico superior,
levando vestido ralea e rain&a de lnin parda ii"-
diiado Mateatroj maajulga-se Ut modado a ruu-
pa : ipiiMiiii Manar e levar a ruadoTrapieben.*,
sera iii'in gratificado.
100|000
Fugiu lia qiialm anims. punen mais ou mellos, ii>>
engomd Jnsrera, Iregueaia de Jaboatao, o ewMvo
liiaiio. eri'inlu, idade de l ;i aniMt, baixo o
seeeii do enipo, bem paineido, deve 1er buje aigunia
barba, ollios vermelbos afumcados, o t]ual consta
que estivra na Bscada trabafliando na via frrea
OBI o nenie de Joamioi : roga-se s auluridadi -
policiaes un aos ca(iila.s de campo que o apprf-
liendaiu 8 ciiiuluzain aquello engeDO, ou ra da
Ini|ii'iatii7. n. 14. Sendoqpe este* se gratificar
COin lOi, e quelies te iiideiniii-ar U I das as
despezas ipue lizereinemii a appielieu.-au do mesmo
eseravu.
lokilia
Vende-e unta mobilia a Luiz XV, em estado
perfeito, com algum uso, por proco muito commo-
uo. A venda felea ii"r l''r a pessoa dje retirar ji-
para fora: a tratar ua ra da Praia n. 20.
100#000 de grtfica^to
Do sitio do abaixn a--ignado, em Beberibe, au-
sentou-se desde o dia 1 du passado, o sen escravo
Roberto, de 22 ajines de idade, punco mais uu me-
nos, e com os signaesseguimos: cabra, de estatura
regular, eom onut grande marca sobre os peitos,
que parece ter sido proveniente de queimadura,
tem o dedo index da man esquerda turado de pouco
lempo, o-quando anda melle os jxs para dentro.
Este escravo o abaixo assignado bouve-o por eom-
pra que fez ao Sr. Jos Martina de Mederos, da
villa de Aeary, lugar l'edregiilbo, da provincia da
Parabyba do Norte. quom porteo.n. representa-
do ncsla cidade pelos Srs. Kocba, Lima & Guiua-
ries : pede-so a quom o appreliendor leva-lo ra
da Cadea dq Becife n. 19, armazeni, que recebera
1005 de gratificacao.
Antonio Benmrdo Voz de Carralho.
No dia M do mez de novembro pruximojias-
sado, fugio do engenho S. Jos, do termo de Seri-
nhaem. a oscrava de neme Benedicta, mulata, lea
22 annos de idade, cara bexigosa, altura regular.
cabelle eertado e deates pdros, foi eserava de Juan
de Barros Ai aujo. rendetro do cnponho Marianna,
levou um roupo de rbila^clara j velbo, e um pan
no da Costa novo : quem" a pegar leve-a ao dite-
eugenho, ou 80 Sr. Manoel Arfes Ferreira & C,
nesla pra^a, que ser generosamente recompen-
sado.
Fugio do engeubo Soledade, na comarca de
Porto-Calvo, provincia das Alagoas, o escravo F*-
linpe, cabra, cabellos enrapinhos, de 21 annos de
(fado, pouco mais ou menos, pouca barba, pos pe-
queos, nariz regular, olnos grandes, dontes um
pouco tamadoe e com taita de um na frente, andar
lii/eiro, cujo escravo foi oumprailo ao Exm. barao
de Nawreth : pede-se ;'os autoridades policiaes e
capitaes de campo a apprehensao do mesmo, e le-
va-lo ao seu sennor no referido engenlm, ou na j
dad.' do Recite ao Sr. Juaquiu Rodrigues lavares
do Mello, largo do Carpo-Santo n. 17,1 andar, que
ser generosamente recompensado.
Fugio na noute de 24 do prximo passa-
do, naoccasiao damissa, o escravo Manoel.
crioulo, que representa ter 35 annos: alto,
bastante corpulento, suissado, tem os tonio-
zellos dos ps esbarrados para fura, iutitu-
la-se de forro : o referido escravo foi pro-
priodade do Sr. Jos Fippe de Miranda
morador no Rom Jardim, commarca do Li-
mooiro, d'onda o escravo tambem natu-
ral, foi vendido nesta praca a Frederice
Gautier, que o vendeu em 18G8 e depnis a
Hypolito Gadaut, hoje o seu legitimo se-
nlior Libauio Candido Ribeiro no lugar
Torre freguezia dos Affogados, cujo escravo
tem um irnio adiante do curato;do Rora
Jar la, no lugar Matta Virgem, quem o pe-
gar e trouxer a seu legitimo senlior cima ou
raa do Imperador n. 57 no armazem Al-
liatica, ,ser generosamente gratificado.
lOOpSPtegTiitifioafo
Acha-se fgido desde o dia 4 de junta de 18tW
um mulatinbo cabocoto de nomo los', de 13 a 14
anuos de Idade, veto do Bonito em Janeiro de 1866
efti .veudo nesta cidade por Antonio Jos di
Mello, negociante daquelie lupc. ao Sr. Fernande
Jos i Correa, om loia na rna Direita desta cidad,
pot o-se as autoridades, quer daqui. quo.r de 6ra
mn o apreheadtfm e o eitreguem a seu teatar,
airda ova deetaeidflde iw segundo andar
casa n, SO que ser gratificado.


/




8
.fKario. Ptriiambuco Sexta feira 8 de Janeiro de 1869.

UrTERATRA.
Molhr da praia do oalaelros
lRETK NOTICIA WC Sl\ CONSUnCC-O. PELO
K.NGKNHKIHO AOR BF.IMHCAS.
(Concluso.)
Quamln ;i sWftoo aspecto geral dos caes
i' norte edo sul, que sao abobadSdos; e o
viaductos dos caminaos de ferro.
19 caes do sur- sustentado por quatro
18 plenos de fea ,00 de dimetro que
r noasam sobre fres pilares e dourenceu-
Pfo encentro de trra ba (mi graciosa
escada curva, destinada ao servios especial
' pavilho da guardamoria da all'andega,
caos aiieerees presentemente se construem:
0 encontr martimo ten disposicoes espe-
ciaos na raeeber o peso da ponte corre-
diza de ierro que se dever mover sobre
moa plataforma de cantara que rema em
r. ia a extensu do caes do sul e so prolon-
gj at :w metros e 5 centmetros pelo in-
terior da trra.
(i caes de leste nao ten abobadas; o do
i uta ten seis arcos plenos e urna dupla
i cada no centro destinada scrvido publi-
Todns os degros deeta escuda sao de
pedias nteiripas, algumas dasquaes cuban
4,239metros cbicos e pesam O.OS kilo-
grammas.
O caes do norte separado do daos do
sul e da ponte, que perteoeem ao servieq
especial da alfandega por om muro de pe-
Hi a de cantara tosca.
O nolhe da praia dos Wnefros ten M
metros de permetro decaes.
"a soa fundaco. que assenta sobre un
terreno da vasa indefinida, empregaram-se
364 estacas de nadeira de lotde M>a6B
is ou I2m,00a 19m,5dde conprinento
. 33 centmetros ou 13 poHegadas de es-
qnadria. Foran cavadas a vapor, com
uii peso batente do (0 kilogrammas, ca-
1 indo de ln,80 at 3,m6 de altura. Em
imitas estacas obteve-se sega absoluta; nos
pontos de peior fundo a nga nao exceden
Ele (i niiliinieti'iis.
SobW as estacas de fuudaro ha um for-
te gradeanento tambero ds madeira de lei
no pial, depois de respaldado com con-
cert de (ni,Mito de Portland, assentam as
primeiras fiadas da grande aiveaaria dos ali-
Nas alvenarias do molhe da praia dos Mi-
. -iros forainempregados 2,014.103 metros
cbicos de pedra de militas especies de can-
tina, no valor total de 73:860jM8I.
A parle inmersa di obra acha-se cons-
liiiida com cantara lusca; a parle superior
con cantar lavrada senethante das ou-
tras partea da dca.
Toda a obra nova Coi feita com argamas-
si de cimento de Portland natural de Bolog-
ne-sar-Ufer as proporres de tres partes de
rea para duas de cimento.
Foram empregadas 1,691 barricas deste
cimento com o peso medio de OO kilo-
gramnas cada una ou en todo 339,200
ivilogrammas no .valor de 19:431 $085 ao
preeo do 112 francos por 1,00 kilogram-
mas, regulando a 51 rs. o valor medio do
franco.
A despeza com o pessoal at 30 de no-
vombro elevava-se a 297:903.^012 para to-
da a obra.
(t dillicil e perigoso trabalbo das funda-
poesfoi incessantemcnefeito noute e dia.
Empregaram-se continuamente durante a
minha administraco de 150 a 220 opera-
rios na execuco dessa obra. Funcciona-
-.ain ah duas machinas a vapor, quatro
macacos debater, trescarros guindastes e um
grande numero de apparelhos c de macbi-
nismos de toda a especie.
A construcpo da mor parte da ensecca-
dcira da molhe da praia dos Mineiros e a
i xe.iro de toda a obra de carpintera foi
dirigida por Mr. Jan Caxaux e pelo mestre
carpiuleiro Joo Correa de Araujo; as obras
de advenar por Mr. Adolpho Binand e o
mestre pedreiro Francisco Rapuzo Martins;
o as; it un 'ido das machina- c lodo o tea-
halii'i d' lean por Mf. NiiiHundyM Tapp.
Me:uiona:ido-os, coin prazer que apro-
veito esta opportunidade de dar testemunho
do a-i:iic.o en (fue tenlio to bons compa-
nheiros do trahalho, e que to notavelmente
conc iner.iui com todo o mais pessoal das
obras liydraul cas da abandera para o bom
desempao* d.i consIruciTiH do molhe da
praia dos Mtnairos.
fe Beelscs do governo.
/i1 imi iji -|u.t circuMistancla a defeza
das opiaies (I > benon p lili' i interessa
ao pniz : ipiai do essas Op'miS's westem
carcter oficial e iniluein directenente
m ad'niuisliMcao, a piella detesa loroa-se
enn ioessidad i publica.
A discussio a vida para o systema
repr.'M'iitativo. Sein ella o sysloui'i re-
presi'iitativo seria como ja disse Benjamn
Gonstant, o peior dos. governos. Seria
un governo norto, pois lallava-lhe o esti-
mulo da inicia iva superior qut di>lintue a
monirchia pura ; e a salu'ar provocaci) ca:
da opiniao, (iie a alma dos panfes consti- 'mi
tueionaes.
A opposiefio si/uda. iMiibora enrgica,
adiar pronipia semprea lefesa dis opi-
nir -s com > dos actos do governo. Os ci-
liada os a quein fui couliadu uexercicio do-
pod ir execulivo nao desejaui (pie suas
idis prevaiecan pela razio da autoridade,
mas pela auto.idade di razo : u ni ratiotte
imprrii setl itipeno raiiwii*.
Algunas derisoesdo niiiii^ferio da jus-
tica. dep *is i!e 1(5 de jolho ten sido im-
pugiadis por pessoas versadas em taes
Os argumentos produzid >s tal-
FOLHETIM
Queremos, n i obstante; elucidar com-
pletamente as n^l'eridas questoes, para que
possa o publii-o orinar nina opiniao segura
sobre o assumpto, aquilatando ao mesmo
lempo da nature:'.a das argnicoes.
Do estado a que vamos proceder sobre
cada urna das decisoes, resultar que tange
de attentar contra a constituicao e as leis,
como a esmo insinuam os adversarios, o
Sr. ministro da justica eiiuucioii o verda-
deiro peiisamento do legislador e os prin-
cipios mais saos da jurisprudencia.
/. quesmo
Atlribuico do governo floral de instruir
os presidentes no excreten do direilo de,
Nimvao a respeit) das leis pruvinciaes.
0 systema da adninistraf5o provincial do
brasil esl beuv definido na constituicao e
acto addicional.
Compoe-se elle de douselementos; o in-
teresse puramente local representado pela
assembla provincial: o nteresse geial, em
hita frequente com aquelle, e representado'
[ielo presidenta, delegado do Imperador.
Estadistas eminentes, e entre elles o Sr.
visconde do' rruguay, j demonstraran a
ttecessidade de fortalecer mais em certas
casos o elemento geral; centralisando no
monai-cha o direito de saneco, como o fez
o acto addicional da Blgica.
l'rescindindo agora dos principios que
mais conviria adoptar en futuras reformas.
nos cingiremos ao direito eseripto.
O Imperador no Brasil saneciona as leis
provinciaes,nao directamente, mas por in-
termedio de delegados, que elle nomea e
demitte livremente. Sao Os presidentes em
verdadb empregjidos de inteira confianza
poltica incumbidos de realisar a respeito
de cada provincia, o Densamente do gover-
no geral.
Nao poderiamos dar idea mais completa e
sses 1'iin'Toiiaiios do que reproda-
Ao presidente calie sem duvida a respon-
sabilidade legal de seus actos, como execu-
tor, mas essa respoiisabilidade eslende-se
principalmente ao governo, que lutorisa ou
tolera os abasos de seus delegados. A op-
posK'o em todos os temos nao cessa de
invocar essa responsabilidade do poder
central como urna garanta contra, os preten-
didos excessos da administraco provincial.
Nao se nduza dessa necessaria dependen-
cia dos presidentes a respeito do Imperador,
que elles eslo adstrictos em tudo vonta-
de superior e so obran em virh de de or-
dem ou instrueco. Por frnila alguna.
nao se
materias.
vez calen no- espirites aHeios qajstta exacta I
e sus-.eptiveis de secern inllu d >> \> >v qual- '/.indo as palavras do Sr. visconde de'S. Vi-
qu t opinin i : as de corto restevan sen cente:
detxar a minina impres-ao pelo animo da- j Esses agentes da administraco central
quolles que ten a respeito do assnpto sao es motores, as sentinellas avanzadas
coaviee -s lirmidas e s ilid ts c i:ihe i- da accio executiva, os encarregados de es-
meatos.
Aos cid i Irr s re laad -s p i incessante
manejo dos regocios puSMicos, na i sobra
lempo para estudoj d mtrnarios. Como
p iivm suas opinioes na lites perteacein
individiialnienle. para que elles tenham o
clarecer o governo geral. de guardar a or-
denr. a paz publica, de promover os interes-
ses, oprogresso, o bem ser das provincias,
de coadjuva-lo einlim em suas importantes
e variadas funecoes. Sao os represftitan-
tes, o complemento da administraco, ema-
evidenle.
outra
ogaco da
tana em-
direitod; al) ndona-las iwclia de qual-! naces ou canaes de sua luz e movimeiilo.
guer preconceito ; ben servim >s o paizile- \ autoridad i e a forra publica nSo de-
ven, portante, ser posta
Ibndendo en odas as sna< ni milestacDes,
o pensanente que actualmente dirige cada
um dos ramos da adminislraca0.
As decisoes do ministerio da justica at
agora contestadas e can estnrilw vehemen-
cia sao as segantes:
1.* A atlribuico do governo de instruir
os presidentes no exertci i do direito de
saneco a resoe.jto das leis provnia9S. Ac.
de 21 (/" iil/i'i.
2l A incapacidade poKtka di fallid>, no-
mo co:tse pieii;ia n icessaria de sua incapa-
cidade civil, t>. d S (/ a-joslo.
3.a A extincr da pena de suspendo
do empregopslo lacto de denisslo do em-
pregado. .1'. de 30 dr jtdko.
Podiam esjas decisoes dispensar miior
demonstraban porque, excepcSo da ter-
em suas maos.
nein conservadas nellas seno inda conlian-
ca do governo geral. Sen asta attrilm-irao,
sem a livre faculdade de tal nomeaeo e
demisso, o poderexecutivonao termeios
nem obrgacao de responder pelos actos
dos presidentes.
Tal com eleito o carcter que a cons-
tiluieao brasileira imprimi e:n nossa ad-
ministraco provincial, dispondo no art.
103 que : hoaveSM em cada provincia mu
presidente non Jado pelo Imperador, o (fual
o poder remover, quando" entender que
assinconven ao servico do estado.
0 acto addicional, bem tange de alterar
nessa parte o systema, o confirmou, omit-
tindo qualquer disposigo tendente a subtra-
hir os presidentes da immediata influencia
cerra, nenhuma das nutras foi J discutida do poder executivo. Esses delegados do
por ageites que as inpugnam. Algumas governo geral permanecero as mesmas
co.isidtu'aces. em geral travadas do espi-
rito bem pronunciado de opposico pol-
tica ; a tanto se rediU at agora a con-
testaciio.
Fcil intrepar de injuridica e incons-
titucional qualquer doctrina, quando nao
entraa apreoiacSo ootru criterio, seno o
desejo de censurar. Para a intelligencia
prevenida, enbora Ilustrada, a lei mais
clara muda de aspecto conforme a disposi-
qq do memeato,
Se a doutrna, nao dessa-
comezinhas, [assaran a axiomas; suaines-
nia novidade constilue para queltes esni-
rtos preocupados do doejo de opposico,
o mais forte argumento. Ja dizia Seera
dobomem, q.re elle viva mais pelo exm-
plo do que pea razio. Non aa ratomm
sed a condceoes legacs em que se achavam an-
teriormente.
Teve este systema urna ultima saneco
com a resolucao n. 207 de 48 de setemhro
de 1841, querevogouos arts. 0.*, 7/ e 8/
da lei de 3 de outubro de 1834; reverten-
do assim ao Imperador a attribuico de no-
mear os vice-presidentes, e restabelecendo
nessa parte o laco da unio poltica, to
neeessario integridade nacional.
Se jiois o presidente da provincia sirn-
verdades pies agente do governo central, e nao ten
outra condiro de permanencia, alqi da
confranca aelle depositada,claro estaque elle
nao pode exercersuas attribuiQes seno em
perfeita harmona com o pensanento do
poder executivo. Do contrario em vez de
um auxiliar, sera um obstculo adminis-
traran.
ATHA11IMA
Julos Saiuleau
IV
\ovo* embarazos.
(Continuaco do n. 3)
No dia immediato, vespera de S. Silva-
no, era domingo. Ora, todos os domingos,
depois de vesperas, costumava Francisco
'aty subir tribuna e fazer a sua praticr,
que nao consista em discurso longo, nem
pomposas phrases. O bom do parodio nao
tinha pretences a etoonente ; nao se jul-
gava um Bossuet, nem Massillon. Os seus
discursos, propriamente fallando, eram al-
locuces tocantes, conselhos familiares, ex-
hortaces piadosas. Collocava-se- natural-
mente ao alcance da comprehenso do seu
auditorio ; fallava-lhes de Deus com sim-
plicidade, bondosamente dos seus trabalhos
< miserias, nao se retirando nunca sem os
dcixar salisfeitos pela resignaQo. D'esta
vez eis a sua linguagem :
Meus amados lilhos, manhaa dia
de esta para nos todos, visto que a do
santo nosso patrono. Nenhum de vos
ignora por certo o esplendor que a este
licita dia vemdar a visita pastoral dobispo
d'esta diocese. Sim, meus filhos, o pre-
lado faz a gra?a de estar entre nos ma-
nhSa durante algumas horas. N5o devo dei-
xar de vos dizer que ides ter aqui n'este
humilde templo a imagem visivel do Deus
bom, o qual faz amadurecer todos os an-
uos as vossas sementeiras. Preparmos-
nos, pois, para o receber, como ao proprio
Dees que aqui descesse. Sois pobres, mas
possuis na vossa pobreza os nicos dotes
que o Eterno acceita com benevolencia ;
coracSo honesto e piedoso, alma religiosa e
pura. 0 prelado nao exigir mais; com-
an lo, meus filhos, devo confessar que me
aeio em grandes embaraces. Bem sabis
que os meus rendimentos nao excedem
oitocentos francos ; d'aqui provm, meus
bous amigos, o pouco bem que-fa^o sobre
a trra. N'este momento estou mais necessi-
tado do que qualquer de vos: a doen^a de
Lucas arruinou-me. Comprehendeis tam-
bem a necessidade de eu oferecer ao pre-
lado urna pequea refeico, qual devem
asiiistir todos os coadjuctores das parochias
eircumvisinhas. Veris, pois, manha
cbagarem dos quatro pontos do horisonte
mais de vinte sacerdotes, que depois do
ollicio divino, no'se designarlo de asseu-
tar-se minha mesa, com tanto que esteja
prvida do indispensavel. Pois bem, meus
illios, eu nada tenho : o.presbvtero a esta
hora a casa mus pobre da aldeia, e, se
vos nao vinde.s em auxilio do vosso pastor,
provavel que o prelado e loda a mais co-
mitiva hajam de rctirar-se quasi em jejum.
0 respeito devido a este sanio recinto nao
me permitte que entre em mais ampios
promenores, ?, por tanto, deixo ao vosso
cuidado o conipreheudcrdes e verdes o que
n'estas circunstancias podis fazer, tanto
em respeito j vossa propria gloria como
para com a dgnidade do vosso velho am-
A estas palavras succedeu na assembla
um lisongeiro murmurio, que assegurou
Francisco Paiy da influencia do seu dis-
curso.
Com effeilo, horas depois, chegava ao
presbyterio una consideravel quantidade de
queijos, tiras de touciulio, manteiga fresca
e nata ; mas debatdtj Martha, entre todo
isto, tentou encontrar o bico de urna
gallinha ou a cauda de um pato. Urna
epizootia, que acaba va de grassar implaca-
vel sobre as aves domesticas, devastara to-
das as capoei ras d'aquelles sitios, e o to
Rodigois, que se empenhi a sobre todos na
sua olferenda, declarou que as tres leguas
circumvisinh; s nao encontrara um ganso,
pato ou galii ilia.
A' noute o thesoureiro voltou tambem de
orelha cahid;, sem ter podido obter urna
gota de vinho. Depois chegou Claudio,
que deu entrada na sala do presbyterio mo-
teado at aos ossos e com a rede s cos-
tas.
Louvado seja Deus! exclamou Mar-
tha-Ao meros teremos um bom prato de
peixe frito I
Ora aqui estdisse Claudio com ar
triste, tirando da sacca um mujera e dous
cadozos.
Houve coasternacSo geral, como pode
ajuizar-e.
Francisco Paty, com toda a sua impre-
videncia, conecou a coinpenetrar-se d a gra-
vidade da siiuaQo.
Mestre No re resentia-se visivelmente no
seu amor praprio de thesoureiro e cantor
do coro: travra-se urna grande hita en-
tre o seu or,julho c a sua avareza.
Martha eslava abstraa.
Caiharina, chorando ao canto, nao se
atreva a dizc r palavra, confusa por haver
prdigamente esgotado os seus recursos.
Claudio tonara ama postura melodram-
tica que parteipava de idiota e de tyranno.
Dentro da confianza plena, de que elles sao
ou devem seros depositarios. 03 presiden-
tes funcefonamlivremente : respeitando ape-
nas aquella norma geral qivil o proprio
governo se submette, porque constilue a
sua poltica.
Se a conscienca do presiden!
accornnioda dentro do circulo da rontanca,
limitado pelo pensamento poltico do gabi-
nete, o meta legtimo de evitar essa colisao
nao por certo exorbitar do mandato que
recebeu, porm sim renunciar a elle. Pude
um arle do delegado do governo ser prati-
cado de confonndade com a lei, e no en-
tente constituir- um crime pela sua desleal-
dade.
Bem escusadas eram estas consideracoes
para demonstrar o que de si est
tur empregado de conQanca nw
cousa seno una especie de proi
vontade superior portante fom
vii-tiide do mesmo principio diredtor.
.V doutrna j foiappcada espsrlmente
questo rontroversa.
O venerando visconde do Uijuguay -en
sua obra do direito administrativo, %' 330,
menciona o precedente estabelecdo a res-
peito do direito que tern o governo geral
de dar instnrccors aos presidentes para
nao sanccionareiii esta oo aquella lei, (JM
leis era tal ou tal sentido. Nao oppondoo
Ilustre escrptoraense preceden sen voto.
orno fez todas as vezes que refiri deci-
soes contrarias opiniao por ei adoptada;
claro que o sauccioiwu' rom a autoridade
de seu nene.
Entretanto esse mesmo nome- Ilustre
que se imam para con* elle ertm&iter-se
por attentatririo das franquezas prwinnaes
o aviso de l de julho expedido peA> Sr.
ministro da justica.
O precedente apontado & O' di um* re-
coniuiendacao ao presidente < e Snvipe
para nao sanenonar urna lei, dbjutrina- 'fue
foi generalisada em urna consulta da sfic-
pao do im{ierio o conselho 23 de julho de I8i8, relator o Sr. M(i b-
Alegre, votos os rs. Olinda e lata.
Alm destas opes versando iuslameni>
som* o ponto da questo, ha v rias dfec>
sFm's do governo, inspiradas lo mesUM>
pedsanento da suprema inspecnio- que ae>
pouVr executivo compete exercer sobre esta*
como sobre qualquer outra das altribuii oes
do presidente.
iK'lefminou a cireular de 5 de
de 1842 aos presidentes que, r
novembro
midiendo
as leis provinciaes, expuzessem es moti-
vos porque houvessem>sancciona(teou dei-
xadb- de sanecionar ida urna dejlfo*, a im
de que sepudesse esolver com pleno co-
ihecimento de causa A circular de 16 de
dezembro de 1845 reproduzio a mesma i"e-
commendaco, sobre- a qual insist o go-
verno ainda em circular n. 515 leT'deno-
vembrO'de-1861.
Porque motivo exige ogoverro taes in-
formaces e a respeito de todas as feis sem
exeepro,ano ser f ara julgar co procedi-
mento dos presidentes acerca dp uso que
porventura. fapao do direilo de saneflo ?
Um estadista, seiapri? respeiladWyela in-
telligencia robusta, como pela Consumada
prudencia, o consethetro Eusebio di 1}uei-
roz i-econheceu no poder a necesslade de
transmittir aos [residentes o wnsainento
do governo geral em relaco a >s- actos le-
gislativos das as.sernWis provin
Acii-sular de linde novembro! -fe 1849
um documento importante para
da questo, que nos oecupa.
Francisco Paty, segundo o costume, foi
o prineire ([ue se retirou, e d'esta vez
rom ar triste e preoecupado, o que, notado-
por Martha e Catharina, se pozeram cho-
rando paria, pois nao podiam ver aquel-
le excellente homem maguado.
Depois que elle desappareceu, Martha
exclamou :
Entei-neca-se, Sr. Noirel!
Meu bom Sr. Noirel, accrescentou
a pequea fada meiganaente. afagando-lhe
com a mo a barba tenha compaixo de
nos I
O pai tem dinheiro, temdiz Clau-
dio.
Pois olheajuntou Martha que nao
torna a ter melhor occasio de fazer oso
delle,
Como bello este Sr. Noirel !di-
zia Catharina, alTagando-n.
Despeja a enxerga, pai, despeje a
sua enxerga repeta Claudio.
Ora, diga-rae,acudi Martha es-
pera que o dinheiro all aninhado faca crea-
cao ?
Vejam como elle bonito conti-
nuou Catharina, ponde-lhe a mo as faces.
Eu bem sabia exclamou Martha
que. este e.tfcellente Sr.'Noirel acabara por
se enternecer I
Elle 4 to bom tdizia Catharina.
To generoso !accrescentou Martha.
E' to amigo de meu tio !
E' to affeipoado ao Sr. abbade !
E' a perola dos thesoureiros I
E' a flor dos cantores de coro !
Andem, andem !exclamou Claudio
Repito-lhes que o pai tem tanto dinheiro,
que chegaria para catear as ras de S. Sil-
vano !
Ah velhaco, onde tenho eu o dinhei-
ro ?bradpu o nestre escola, contorcendo
os bracos desesperadamente Minha boa
Martha, minha querida Catharina^pecam-
me a vida, disponham da minha canepa, fa-
cam de mim o que quizerem; guisem-me,
assem-me no espeto, comam-me em salada
com azeite e vinagre ; porm exigirem de
mim dinheiro ;omo se procurassem dia-
mantes nos bolsos d'ese raiseravel Claudio!
Com tudo Martha e Catharina no cessa-
vam de o' aflfagar e acariciar : urna batia-
llie brandamente com a raao as costas,
outra acaricia va-lhe as faces. Nta se ouvia
seno : Este Sr. bom Noirel por aqui,
este excellente Sr. Noirel por acola em
quanto que Claudio girava em vqlta do gru-
po, cntaro lando.
Causticado e perseguido por todos os
K'jes.
o-estulto'
dinheiro, quando-de repente se navio parar
um cavallo porta da casa.
enharina corren a nma janella aberto,
e, estendendo a bella cabeca para fora, vio
um aldeo de p junto de um cavallo carre-
gadd de san Jas. De m pulo se transpor-
ten ella da sala_ porta do presbyterio
E' a senhoraperguntow- r cainponez
^que se chama a menina Catharina, sobri-
nha do abbade de S. Silvano-?
Sim, meu amigorespondeu a joven,
corando decommoco e alegra. Emque
lhe podemos ser uteis ?
Ejs-aqui o que me encarregaraift de
lhe entregarrespondeu elle, descarregan-
do os enormes saceos que pendm dos
flancos do cavallo.
Depois, tirando do bolso urna i carta, que
Catharina receben toti trmula, accres-
centou :
Vem da parte lio Sr. Rog^io. -
E, sem mais esperas, esc Miar chou-se na
bestinba, que parti a trole, ajiles que Ca-
tharina tivesse tempo de lhe dirigir alguna
pergmita ou agradecimentos.
Era a primeira carta que Catharina rece-
bia dh-igida em seu nome. Volteou-a al-
gum tempo entre as mos, a examinar o
sello com brazbes, e a contemplar com ar
curioso e enlevado o sobrescripto em carac-
teres elegantes sobre panal assetinado. De-
cidise a final a romper o sello, ao que
succedeu exhalapo de um aron to agra-
davel, que a surprendeu. Desdcibrou, pois,
o papel e leu o seguinte :
Menina. Depois que tive a honra de
a encontrar na tapada do castelta de Bigny,
chegarara ao meu conheciinento to boas e
dignas oformapoes a seu respeiti. e de seu
tio, que fiquei confuso e envergonzado da
insignificancia da offerta que se iignou ac-
ceitar-me. Lembrando-me da sotaina do
Sr. seu tio, da sobrepeliz do coadjuctor e
da receppo do prelado, perguntei a mim
mesmo como seria possivel com to diminu-
ta quantia poder occorrer a tntis despezas
e livrar-sc de tantos embarapos. Permita-
me, pois, que eu panha sua disposipo
alguns objectos, que nao sero totalmente
imitis para a solemnidade que se prepara.
Acechando a minha offerta, assoeiar-me-ha
por assim dizer, s suas boas obras e sou
eu que lhe flearci ainda agradecido. Ro-
gerio.
De pe no patamar da porta, Catharina
preparava-se para 1er pela quai la vez esta
carta, quando exclamapSes de estrepitosa
alegra a vieran arrancar a tal ohlevo. Vol-
tou-se, e vio Sfcrtha, Claudio e o pai d'este
lados, o thesoureiro achava-se prestes a occujados na sala a despejaros saceos que,
render-se e ta/vez disposto a largar algn|o campomez deixra porta.
Apenas encarregado da pasta da justica.
o ilustre magistrado sentio o mal grav'
que para inleiiendeneia. do poder judicial io
resultava dos frequentes abusos das assera-
blas provinciaes, nacreapo de comarca*
e freguezias. Esse augmento arbitrario d1'
cargos, que por sua natureza devem de te
a maior estabilidade, tornando precaria i
soite da magistratuj'a, onerava o thesoui'o
e causava nma grave perturbapo na admi-
nistraco da justica.
Jnlgou, portanto, de seu rigoroso dever,
como ministro da corda, oppor a essa ten-
dencia prejudicial das assemblas, o correc-
tivo que a legislacao autorisava, e nesse
designio ex pedio a referida circular de lo
de novembro.
A recommendaco feita aos presidentes
suggeria-lhes dous meios. Primeiro, de
usar daquella influencia moral que revesto
a autoridade, influindo na opiniao dos lio-
mens importantes da provincia a alfa con-
veniencia de nao se crearem novas comar-
cas, sem absoluta necessidade. Segundo
de usar da faculdade concedida pelo acto
addicional, negando a saneco a quaesquer
leis de creapo de comarcas, quando nao s<
desee a cirrumstancia apontada da neces-
sidade absoluta.
No caso de concederem os presidentes ;i
saneco. ordenava-lhe o imperador, que lo-
go informassem ao governo imperial con'
as razoes de conveniencia, que antorisavam
senielhantes decretaces de novas comal-
ias.
Posteriormente em nova circular de 10
de agosto de 1830, o conselheiro Eusebio
reiterava aquella primeira recommenda?o.
exigindo inteira c fiel execuco do pensa-
mento do governo.
Dere causar vendera satisfaco ao
actual ministro dajustifa, que elle sem a h-
tenci, alias muito nobW, de copiar aquelle
modelf admirado, iniciarse sua administra-j
cao por uro acto idntico1 ai> iriso expedido
pelo coiisemeiro Eusebio de Qneiroz. nos
primeiros nas de seu menora\'-l e nico
ministerio.
Os fundamentos das duas medidas sao
OS niesmos.
8iz a cardar de 1848:
Itesultarifiv graves mconmiinls do
facto de decreiarem as assembn legisla-
tivas provindats1 a creaco de fiUguetias e
coman-as, sem absoluta e reoonfattidh ne-
cessidarJe, onerandh-se nao poi?o- os ro-
fres gi-raes com as^despezas que dtes pn>-
vm etr.
A ciieulai- de 1888 foi assim nw.tlvada:
Exknndb as atttbaes circumstaneias do
paiz a narior ecoiwmia no dispendio iis di-
nheiros pblicos, ueconmendo a V Kxe.
qin nao succione fcl al'gwna da asseflMfei
provincia^ creando novas comarcas, qne o
governo nto'poderia- prover de juizes. efr.>!
Nota-se apenas entre'uina e outra meill-j
da nina pequea diflerenpa. O Sr. conse-
lheiro Ensebio d Qneiroa, cstabelece ex-
prvssamento- a-excepfSe- dia absoluta e to-
wnhecida necessidade: que est implicitMio
aviso do asual ministro.- Quando a crea^ta
de urna comarca fr t%r> urgimte, que se
Breieve as razoes em centran*, o presiden-
te respectivo-ser solicftoem manifestar essu
oircumstancia ao governo; e- este .saberi
uumprir seieidever.
Em 184*- se cogitw d rorrigir anv
ubaso entO'ftrequeute, adiptando urna mr-
Jftla permanente: por isso- dbtenniiioi-s3
logo a excepe*>. Em 1868v nao se tero
en mente eorrigir o a4H90, mos- acauteter
a.Teproduccao durante- um- periodo, em
'(oe sua concurrencia com- ee-encargos d*
resour-n ja existentes. aggrTaria amdi
ais o estado des erodPHMi
Em vista do numero-- comarcas c te
ios, (pie jii- Cjnta o Iniperio, ryirnero sen
itivkla sutlteienle, se a excessivo, en-
teileti conuacerto e Sr. ministeo da jusUm
que proxiBiamente nao se daria a emergen-
cia dessa rtecessidade Hideclinawl com fu
ca bastante'para postei-gara sitaoeao Qnanceh-
ndolinpefiio,assumpto-osto derteresse \itnl
nao s [>ara a napo, eonio pora as piov.in-
cias. membros della.
A pl\jsionomia de MailIa esteva radian-
te de alegra, a do thesoureiro resplanden-
cente : Claudio dansas'a em roda de dbUt
saceos,comb um canbal en* volta das vic-
timas prestos a servirem-lke de presa,
t ni. dous, tras gansos exclamava
Marti, til-ando, conu offeito, do sarco onde
introducir.o brap at ao cotovelU bellos patos, brancas, como cysnes.
=-= Dous senicos de finho adamascado!
gritava o thesoureiro, preparando-se pai
esvaoar oulro sacco,
Bondade (te Deus! Um quarro du
cabrito !dizia Martha, louca de alegra.
- Providencia Divina gritava:mestre
NoirelDous faqpeiros de prata !
Vinho engarrafado f accrescentou
Martha, depondo urna a una sobre o para-
peito da janella vinte garrafas com. o gargalo
lacrado.
Um empado gritn o- mestre es-
cola, extasiarlo ante urna cidadella.de mis-
ta lustrosa, que exhalara um cheiro ine-
briante dle reeheio de lebre e perdiz.
Caf,dizia martha assucar, lico-
res !
Duas carpas f griten o Sr. Noirel,
desembrulhando de um involucro de juno
dous enormes peixes oo rio, que intencc-
uaImente mostrou a Claudio, como que a
fazer-lhe negapas.
Eh f minha fcndinha, dizia Martha
a Catharinaquero saber agora se fto ce y
ou nao que veem todas estas riquezas I
E' oSr. Rogerio que no-las enva
acudi a pequea virgem, mostrando a cai-
ta, que conservava na mo. Eu bem
Ihes disse que aquillo era algam fllho do
rei !
Deus o abencoe !exclamou Martha
na maior effuso de alegra.
Sun, sim, Deus o atenoe, repeli
o thesoureiroporque, grapas ao seu pro-
cermente,accrescentou elle l de si par a
siainda d'esta vez escapou o meu pobre
dinheiro I
Como de ajuizar, no resto da noute rilo
se fallou se nao 'de Rogerio. Claudio foi o
nico que nao acompanhou os louvores em
honra d'aquelle. Empallidecera ao ouv r-
Ihe o nome, e o nariz, em forma de trom-
beta, assumira urna especie do curvatura
tortuosa. Ao principio esteva silencio
taciturno, mas depois, vendo que Cathari-
na, absorta na imagem do ausente, n
oceupava d'elle, levantou-se com ar liaste
e retirou-sQ, metiendo na algbeira onm-
jem eos outros peixitos que pescara.
A pequea virgem fez largo ser?
com Martha, nao se cansando de fallar le
Rogerio, em quanto que esta ja depenuan-
Causa reparo o desdem com que da par-
te de eidados adeptos s deas liberaes, se
olhapara a face econmica dessa questo da
criapo pelas assemblas provinciaes de era-
pregos pagos petas cofres geraes.
Cumpre nao esquecer que o orpamento
una das mais importantes e mais demo-
crticas attribuicoes do poder legislativo;
aquella que fundou outr'ora o systema par-
lamentar por meta dos subsidios ; aquella
cuja iniciativa nossa constituicao, a exem-
plo das melhores, conliou ao ramo tempo-
rario da legislapio, como o mais prximo
representante do povo.
Nesln IVirma de governo, a receita publi-
ca nao o rendinrenlo de um rico patri-
inoiiio, porm o sacrificio que faz o povo
de suas economas para occorrer quelles
senicos que elle julga necessarios. Cal-
cula-se a desiieza; c conforme ella distribue-
se a contribuico.
Quando, pois, una assembla- provincial
cria novas comarcas-nao pre. stas no orpa-
mento, a questo que suscita-se nao de
algarismo, mas de principio. Nao se trata
de mais alguns coritos de ris na despeza:
Irata-se de um deposito qrre se sublrahio,
de inri onos imposto i naco contra seu
voto.
Se essa pequea detpftm, nao decretada
pelo poder compete, fosse tegitima, ou pelo
menos justificada, lamben o seria governar
sem orpamento,
0 Ilustre visconde do Urugaay, tratando
na obra cti;uhiE$tudos praticos 16S.
dos meios empreados para contrastar o
abuso arbitrario das assemblas j/vovinciaes
na criaco de comarcas, refere-se a demora-
do provimento, e idea de tornar ease pro-
vimento dependente da consignaco de ver-
ba pela assembla gerak
A esses expedientes, com franqueza' de
escriptor, efaama o Ilustre estadistaterci-
collos, meios improprios de um governo
regular : i deiiominaco esia ltimamente
iv|)roduzda- na imprensa diaria, pelo Sr.
consellieiii> Zacharias, alias nefla tambero'
conpreheiidld como havemos de mostrai
hi-evemerite.
(jMem l con reflexo esse tnecf da obra
recofthece que aoctor nao teve o designio
de censurar os esforros empregados por
seus amigos e eoegas ; quaiule no gover-
no, com-o im ih obviar- a um ahmo que
elle proprio tante,cenurou.
Quanao o conwlheiro Eaaebo< de Quei-
roz, ex]do a segunda circular d l* de
agosto ite 1830, j'o-Sr. conselbeipo Soares
de Souz.->depois visconde do l'raguay c-
cupava a pasta de estrangrros em'subeti-
tupodo 4r..niarqm'de Ouda n*ssc ga-
teilete de 29 de setembro. modificado' e
8 de outuEsa de ISfcdt
0 pensanento do escriptor qua'il'fcand;
wpiella fima a ineflwicia de taes meios..
era demons#ara necessidade de uiaa-< me-
-ilda compl<4a, que pciessetermo ao-abuso-
e arautelass^ conflictos entre o podr cen-
tral e as assemblas provinrtaes.
Em caso ;>.lgmn podai referir-se ie uso
Ar Hreito de recusar a sainvao. aos secoan-
mcfulados presidentes pata governo; pois
.-He proprio ;!. sua ot*a jtcitada, Esiudos
pvaikos tit. '.l, classiua uta dos metas de preservarn com -que <
attoaddicion.it armou cpoder geral euro
viociapara so defender, .reprimir, nomamar
i* eseessos cabusos da-assemblas pro-
vincia*-s. contwdo-as i un rbita oonsn-
!$cei>nal.
Nessa parte-de sua t tr ila a opiro de outro eminente eeta-
i&laa respeho- da saMfjat R. P. de Vascon-
c-fltos-, dandovoto sepaiado- i consulta.d 6
(k novembro $* 1843, da sep5o do impe-
i*>, tftzia: Nao eaot rigor nma rega-
la o direito de sanecionar: una arma
dW'ersiva, urnaegde com.qae- o pod1* exe-
culivo defende suas prrerogativas coatraos
excessos do aegislativo; e a nao ser ella efli-
sxs em breve se confwidro ambos os po-
deves.

' UontiuMar-se-itu.j
do os patos e tratando: dos mais ppai-ati:
vos para o-dia immodiato.
Hur volta-. da meia. noute Martha exigi-
que a joven se fosse dear, obsiervando-
llie (pie, lindo de se ergtfer ao rhmper dt
da, punco .lempo lbt Umaaa piraiepoit-
sar.
Catharina ol)edteeett, porm nao pede
dormir, e a -aurora/, veta encontsa-la ergui-
da, animada e alegre.
Raiou emfim este grande dia* causa, inno-
cente, $omo j dissemos. de tanto dasaso-
cego e perturbada.
A's ipiatro horas e lanos minutos da ma-
drugada, o disco scintillante do luminoso
astro suba lentamente na abobada celeste,
e o nico sino, dio campanario da aldoia soa-
va alogremeate e coin teda; a forpaem hon-
ra do festejado santo.
Francisco. Paty, que, ignorando o que se
passra nai vespera neute, nao podera
doimirmeltior do que sua sobrinha, posto
(Hie por motivo diverso, fez a sua orapo,
matinal, vestio-se rpidamente e, segunde
o costume, sahio do presbyterio para ir le
o breviario, passeando atra-ve dos campos.
pois era dos que peusava -que o corapao do
homem se eleva mais fcilmente para Ucus
no meio dos esplendores e maravilhas da
creapo.
O ar freseo da manhaa fez^lie bem: o
espectculo, sempre novo e variado, das
eternas perfeipes da natureza fez-lhe es-
quecer por momentos os cuidados que o
torturavan. Camnihava ao toago das ca-
sas, ora lendo, ora fechando o livro, e pa-
rando a meditar sobre esse entro grande
breviario eseripto por Deus com tudo o qae
floresce e verdeja, com tudo o que canta e
respira. la contemplando com enthusias-
tico reconhecimento aquellas arwres, aquel-
los prados, os valles", e encosias, e dando
grapas a Deus, que anda urna vez lhe per-
raittia o admira-lo e bemdize-lo na sua
grande obra.
Este momento de religiosa embriaguez
foi curto: os aldeos que das circumvisi-
nhantas se dirigiam aldeia chamaram des-
de logo o pastor ao senti mente da realida-
de. Ao vo-los, uns jovens, outros velhos.
rapazes e rapaiigas, com os seus fatos do-
mingueiros, Francisco Paty nao pode deixai
de pensar cm uedii.ibundo..
tembrando-se C*' {^ prelado
olhando entristecido ])ara os seus gros
sapatos, meias de algodao preto esbranqui-
padas pelos anuos emiseravel sotaina re-
mendada.
(Cimtiiuwr-se-ha.)
TU, W> UURW-RU fiA8 *USM K, 44
l
^
l

'
"
,

v.

IBWB1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZK439D3D_X7Q3A8 INGEST_TIME 2013-09-14T01:24:39Z PACKAGE AA00011611_11736
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES