Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11735


This item is only available as the following downloads:


Full Text
_
*

m
ANNO XLV. NUMERO 3.

----------------f----------------------------------------------------------------------------------------F---------------
PARA A CAPITAL E LUGARES 0MD1! HAO SE PAGA PORTE.
INjr tr*s mezes iiliimliiil'. ........ .%.....-. (i#Mo
J'or seis ditos iili'in................... l2rMX0
Por um atino idem. ...................... 214000
Cada numero avtiko........* >........ #320
,
QUINTA FEIRA 7 DE JANEIRO DE 1869.
PARA DEITRO E PORA DA PROVINCIA
Por ir.-.-, mezes tdiantados.
Pnr aeis ditos idem. .
l'or nove ditos idem .
Pob umanno.
IW750
13*000
OAuO
7MI0O

>
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.




Os Srs. Geranio Antonio Alves d Filhos, no Para
GniniaiaVs Pancada, em !
MAO ackvti:*:

ara; Goncalves e Pinto, no Maiunlilo; Joaqnim Jos de Oliveira, no Cear; Antonio de Lentos Brapa, noAraraty: Joto Maria Julio Chaves. tioAss: Antonio Marques di Silva, no Natal: Antonio Joaqokn
Mamanguape; Antonio Alexaudrii* de Lima, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Perda: Helarmino dos Santos Bulco. em Santo Antao: Domingos Jos daTfibsta Braga,
em Nazareth; Franenio ta Costa Tavares da Costa, em Alagas; Dr. Jos Martins Alves. na Bahia: e Jos Kibeiro Gasparinlio, na Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Dous guarde V. EvcIllm. o Exm. Sr. conde
de Itaependy.O deleguto encarnando do expe-
diente, Jodo Hireauo A'ees Maciet.
Ministerio da Jiisli< :.
.. ri>-\. ,30 DK 23 l'K DEZKMBBO DE 18ti8.
tpula a posse dos empregadosdo ministerio da jas-
j;. n e da nutras procidencias a respeito da trpe-
(icUO lIl'S HllllllS-
Eiii vrtode do que roprosentoo neu ministro e
secretario do estado dos negocios lajnstiea.e usan-
do da aitriduieo que me eonfere o art. lu s \i
| lil-liUlico.
Hoi por bem decretar :
Art. !' A posse dos empreadossnjeilos a<> mi-
nisterio da juatira, rom neaprin da guarda na-
cional, Ser dada de conformidad.- com a disposi-
<'.:- darte decreto.
' Art. i Aojutemnnicipal epmpete ueterir o jo-
r.nefcto e poseo a todos os ompregados que teem
jurisdiecao dentro do municipio c sitas frogueuas.
\l.pi do 1" dnontHbro de 1828 art .)
\rt. 3." A cmara juuuicipal compele^ igual at-
tribuirao a respeito dojuiz municipal, nao estando
presento no termo o jtuz de direito. (Le do 1" de
outubrdde 1828. eit. I-ci de I de dezembro de
1830, art. 2.") .
\; I l. Ao jniz de direito compete deferir jura-
mento ao miz municipal do temo en que residir. | s
e rom autorisaro do presidente a qualquer em- ((1> (,
pregado que tnha jurisdceo e.n un- de un ,,,. ,
tormo. ..,,.
Ari ->." o presidente d* provincia uewnra oju-
nmento e posse aos -heles de prfu>ia, jmzes de di-
i filo e municipal-s don junsdi.*ao un mais de
dio termo. (Lei de a de outubrde 183*, art. o"
| II.)
Art. >.' Na corto os jatees municipal ejuizes
d 'dir-ito prestarlo jaramente usa inaos do pre-
sidente do iespee!i\o triliunal de secunda instan-
e ..Lei de i de ikembre de I8t0.Cdigo do pro-
e -o. art. 'M.l
\ri 7." Ao presidentedofl Mknnnea e em falta
.1 qie a qneni o sobstHuir Incumbe deferir o tara-
nte. e posse aos iwpeclivoa momtepa. (Ord. Itv,
1 'i-, .; s 3'. Le de 18 de getenlwo da 1828. art.
:; e resulanien de :t de janeiro de 18JCI art. 89.i
Art. 8. o presidente do supremo tribunal de
instica prestara Juramento na forma do art. 3* da
i ie 18 de s.-teml.io de 1828. da relaean e tn-
b mal do commercio da eflrte as mam do nunis-
EXTERIOR.
C'orreNpondenfia lo ]>iii*lo de
Fernamhueo.
I.ISIIO.V 12 DK DEZEMBRO DE I8t}8.
CStegna ha tres das da sua \iasem a Parjsp Sr.
Calina liento da Silva, ministro dos negocios da l'a-
zenda 8 eslrangeiros. Ploran publicados a 10. no
Diario de Lisboa, os respectivo-, decretos pelos
piar- cosa a interini.lade do ministro dos neg- dar as referidas omprezas, a contenlar-se com un
pos ostrangearos q......corete presidente do con- i lucro modesto e equitativo, repartindoc.....o_ pan,
seibo, marunez de S i a Bandeira na ausenria do! toda a ganancia que exeedesse os limites de urna
seucollesa. bem com aintcrinidadc da pasta da rasoavel pardmonia, pote, do corto, So quereriam
hienda qaeeatavapm' igual motivo a cargo ^\VI'^^V!!^^^yff^.S?'^^^.JSzI
Sr. Cajlieiros. niinislro das ahras publica:
ta-los. nem podemos reeeiar que o bom senso do
i publico ou do parlamento ah acliassem materia
t para condemnar.
Alarguei-mc no exlrato para que os nossos leito-
res possam julgar por si meamos. Em primeiro
lustr. este artigo de una folha (eujo primeiro re-
dactor poltico era um dos actuaes ministro- anda
na vespera de sor chamado aos conselhos da corra),
muito significativo, e parece mais urna furuiida-
vel reelnme para dispr a opiniao publica, a ap-
ilaudir s oneraoSes linanecras, que o Sr. C. Bento
louver tratado e disposto em Pars.
A dnitrina ptima.
Se as empresas dos caminhos de ferro do norle e
sueste, em vez de se arruinaren lucrasscni exclusi-
vamente, nenluim direito se invocara, nenhum
sentimenUilismo se allegara de corto, para ronvi-
Fez-se o enipreslmo f Fui com a casa Stern de
Londres, on cmn a Socit Genrale de Pars ? Em
que condices ? Foram attendidos os interessailus
lias onpreas dos cami dios de Ierro do norte e de
leste, e hem asafan os d > eaminbo de ferro de sues-
te l' Eis o tbema gei al (fr todas as eimversaefies.
No da 9 noule. depois da ebegada iti Sr. '.ar-
eutii liouve consol m do iiinislros. e atlirniam
um dos ministros (a croa dtesera a um inti-
mo, que todas as eondi;oes do cuntalo doempres-
tinio tiiibaiii sido approvadas mas que au accres-
centra nem mais nina natavr. Sgillo desusado se
tem obsorrado acerca fi tao importante assumpto.
dnate,que lanas necesidades tema satisfazer,
etc., etc.
Ora se tal apello generosidad!' dos capitaes, se-
ra visvel e inslito como ser justo, euitativo e
recto, sujetar-se o paiz a indemnisar as perdas e
ruina de emprezas. que por in administrado, por
mal planeadas, ou por outras miaesquer cireums-
tancias, nao potleram auferir lucros, antes perde-
ram o perdern) muito compromettendo-se ?
Ha, tem navido aqu emprezas de navegacao e
outras, contra as quaes todo o rigor das les se tem
observado. E nao se poderia allegar a favor detlas
omesmoquo se allega, em favor das dos caminhos
de ferro? Ento o rigor so para os emprehendi-
nenhiuna que me consta, foi nslallada nss i
moravel da.
Os est.-uutos de algumas esto em processV de
approvada E\igem-se imolmucutos e alca valla.'
avahadas en vei de-e facilitar este innvinento
da inieiaiiva popular. D'oodi' parece euilior-se
n o awwurta recomideroa, por ipianto ao prin-
cipio parira querer activar > iiiesino intron eller
se na vulgarsaean dessas sociedades. ApesP ds
so o Porto, ciddc, bereo de todas as nci ilivas
fecundas, promove n oetabelecimento de unu es-
cola d'anni- em que K ensine o tiro sein ha a das
armas mais aperleicoadas. o tiro ;i pistola, i es-
grima de llrete, espada e bayoneta em lcois aos
domingos. I.i.go que baja ;(0i) subsrrploro pro-
ceder-se-lia a cumpla
lieeessarios.
A din'ccao financeia mmp5o-sc dos Srt
no Ferreira Pinto Bastos. Joaq\iim Mibeiru il
ra (iiiiiirnaes. lose l'ereira de Lmireiro, Ai
0 Sr. Carlos Bento tem-se conservado em casa por montes em pequea escala, c oda a sorte de blan-
dicias, de benevolencias, de equidades sao o apana-
glo das emprezas col lossaes?
sobre as eondieoes do c-mtrMo do empie>timo.
Ate se atliiiiiou que os ministros pensaran em
desfazer-se do seu collea da fannda substitiiin-
do-o pelo Sr. Belchor Jos (arcez i.'i cuja pericia
ilnanceira lio enignalica e desconheeida que nin-
giiem a serio pode ouvir tal versau. lusisliaiii un-
iros em que os Sis. tlheiros e hispo de Vizeu
tru da justicr. : OS uniros as maus do presdeme (mmiglro do reino) sahMU do gabinete por nao con-
esiiectiVa provincia. (Hegulamento n. i.18 de eunlaieiii com as condi'oes doeonlralu.
doente. eao que parec.i devido a rapidez da va-
geni. Imaginan! uniros que a doenca sunpoata, e
o que elle est amuaioou despertado pela forma
como us siiis collegas i eceberan os seas trabalhos.
diligencias e esforcos i o estrangcii'u. Os boatos de
desntelligenca teni toi lado etapa muilo mais aiu- -
da com u laclo de nao ter ido a sua repartico o no, teniendo o fiasco e as difllruldades teemeiiOa!
Sr. C. Benlo e com o segredo que -e tem guardado
Diz o vulgo que aqullo que se nao pode haver.
se d ao diabo pelo amor de Deus,' e ninguem ja
agora pode tirar da cabera a quem tem estas pan-
nodias das folha? ministeriaes, se nao que o gover-
annas. e mais an anjos
lusl
Ka
Ionio
Hotttmbode Soma c Jos l'ereira Cardoso Ju or :
a dreccao technica dos Sin. Joan Podro Se iwal
back. Fraiici~ci) Maria .Nunlaiiu. Antonio Li iz dr
Itrito Pendra Coulinb, Antonio Augusto di Car
Yalho Salazar e Fernando Alexandre d V; scon-
cellos e S.
Quanto snbscripeo nacional para a com-
pra do armas, pinico mais -e tem tallado por ora :
verdadeque os Jornaes proataraui revi inte
agradecida boinenagem. ao patriotismo e gero
aidade dos nossos iruiaos residente.- nosse bu >eiio.
cuja primeira reniessa fui ja recebla pelo guverno.
Esqnifia-nie dizer-lhe que ha das ap tarc-
COU nos jurnaes un ohVrecimento de varios icgii-
cianles e propiieiariu- de Braga olerecendo-s e pa-
ra contribureiu para um empreslimo naciond.no
caso de se nao ter podido realisar o emp esti-
mo no estrangelro ; com tanto que se nao team
concesadej s emprezas dos caminhos do fciro do
norte e de sueste.
V-so, pois. iiiie o patriutismoni arrefece nem
arrefecera, ainda meMiHi que lenha <\- i>or a bolsa
ao serveo do mais nobre sentimento.
No dia 10 ertfcbrou-se na igreja parorb al da
funebr snf-
nao realisar o emprestmio, se sujeitou a passar Enearnacao. em Lisboa, mu oliicio ii
pelas forras candnas que lhe mpozeram os porta- (fKaail(i0 S porignezes lallecidna no
dores de obrigacoes, dos caminhos de ferro do or- i Zambezia. No mesino da se celebrara
Sil exeicirio e in.u u mum <<-
. u- : dous para a provincia do Bio de
n airo para a de S. Paul., o Espirito Sai
q- airo |
di respectiva prov
2.i de novembro de 18.'0. art. 30..
Art. 9. 0 juramento pode ser prestado por pro-
ciu-ador; mas o acto da posee lmente se consi-
.! -a completo pan OS elVeitos legaes. denote 00
' 'iCCO. .
Art. i. Itenlro de oito das da dala de sua
entrada em exerccio, deve a empregado remet-
iera respectiva eertidao na corte a secretaria da
nstica, e as provincias ao presidente, o qual a
tnri-'iiiitlira ao govorno imiiifdiaiainenle.
Art. 11. O einoregado nonieado nao pode entrar
en xeicicio seni tirar o titulo, salvo quando o
o publico a-sini O exija, devendo essa clau-
Bula ser consignada no acto de sua iiomeacao.
Art. 12. No caso do artigo anterior, se exped-
i directamente ao empregado nm copia do acto
nomeacao, Deando ane comtudo obrigado i t-
r titulo no prazo legal. ....
\rl. 13. Incorrer no art. 128 do cdigo crimi-
nal n jute on cmara municipal que a vista do ti-
tulo ou da copia, no caso do art. 12, deixar sein
impeiliiiienlo legitimo de deferir o juramento no
prazo de tres das.
Art. 14. Em caso extraordinario, o governo e
os presidentes, a respeito dos eropregadoa de sua
o. uieaeo. podcro por acta espoial dispensara
p sse c'have-la como dada pela simples tradiccao
de lindo.
Art. l-'i. O prazo legal para o empregado entrar
em exerccio e tirar o titulo de un mez para a
Janeiro ;
mo : eme i
i todas aa outras, com excepto de Matto Groa;
so, poyaz, Piauhj e Amazonas, para as quaes sera
lemezes.
vil. lli. O empregado que nao entrar noexei-
cieio d < emprego para que fr nomeado, e nao -
r n respectivo titulo nos prazus marcados no arl.
l*i perder o direito nomeacSjo.
Art. 17. Verificado na secretaria da justca o
111 .so do lempo, sera por despacho do ministro jul-
. 11 sen effeito a respectiva nonieacSo e declara-
vacancia do lugar.
Art. 18. Provando a parte bn|iedimento teaiti-
i., antes de expirar O prazo. serlbe-ba concedida
u ia prerogacao por metade do i. mpo.
All. 19. OS* presidentes de pri vilica. e quai'S-
aatoridades peante quemprestam juramenlo
ipregadoa do ministerio da justca. devem
<-. i.o.iniear o lapso do lempo logo que se verli-
i ; ordenando os* presidentes a inmediata SUS-
I osa > daojoclles que estiverem excrceudo os car-
. sen titulo.
Art. 20. Servir de titulo de noinear.Vi o pro-
prio decreto. Dez das depois da pnblca^ap, nao
- I > solicitado, i secretara o remetiera sein uni-
r a presidencia da respectiva provincia, para
ntregue parle logo que eUa aatisbea os di-
i i s.
\rl. 21. O registro dos decreto.- do nomeacao.
i i iis de pagos os direilos e emolumentes, se tara
o secretara da re-pectiva provineJa, devendo essa
i meiier iiuiieiliataincnte secretaria da jusiica a
(Mipelente una.
..i.-.'- Marlniano de Aleacar, do meu conseibo
ministro e secretario de estado dos negocios da
i -'iea. assim o tenlia entendido c faca executar.
'alacio do Bio de Janeiro, em 23 de incmbro
r I80S. 'i 7" da nde|M)iideu'ca e (lo imperaCom
irica de s. M. o tmperadpr.m Marfimano
Repartico da polica.
i' seceo.Secretaria da 0 'Heia de I'einaiobn-
c ; i(e janeiro de 18obV-S. 9.Illm. c Exm. Sr.
Tenlio a honra de fazer chegaj- ao conhori-
ni > de V. Exc.que foram hontem recolhidos
c a de deten cao. os seguintes individuos;
A'mliilia ordciii.. Jos Caliste Soares. iPadro,
ravo de. (.incalo de tal. rrffninosos do morie em
eir; Manuel do Our... los do Onro e Jos*'-
i risco, criminoso^ para ticarern di-posieu do
uiz municipal da 1" vara, os quaes vieram do
tnntu do Bnjo desta provincia.
V oi'tlem do siibd.degado do d strieto do ltecile.
. Ulemo Andr Ziegles. por crime i'.e furto : l.ui-
7.:- Antonia e lana da Bocha, por insultos: Mareuli-
r.o Ferreira Lima, porameacas; < Vicente. Bsccavo
i.. Jos Vicente, por andar rugido.
V ordem do subdelegado do' Jistrcto dp Santo
A'tenio. o Noruoguense Peter Flores ebAHenio
I l.crti'.ellv. por embriaguez. J
V orden, da subdelegado do disten lo da Boa-
m u, Manoel da Silva, para lear .;in custodia.
Por afficios de 7 e 9 do mez do dezembro ultimo,
icipou o delegado do termo do Cabrob aae na
cuite de -XA de u.vembro, no lugar denominado
Alegre daqnelle termo, um indivulm. de uome Ma-
. li.onealv.-s lories dra urna faeadaemCy-
p:ano (inralves dos Santos e se evadi mniedia-
iite, tendo o respectivo subdelegado instaurado
i BoapetoBte proeeaae ; e que no dia fi do mez
pajsado capturara JoJjde tal, conheeido poi-Joao
t-rreira, como criminoso de duas tentativas de
1 .rano. para onde o fez seguir
Uvdia 7 do utesiuw inci.
Olllcialmente. apenas se sabe ipie o Sr. Alves
Martins i hispo de Vizeu) conununicia (iclotele-
graplio a lodos os goveruadores civis dos dislriclos
que i o emprestimo ak feilo em coadfVs vanta-
josas.
Isto parece verdadero, porque nao de presu-
mir que um ministro de estado, um btepo, um ho-
inem. einlun, que tem ubrigacao de .ser respeilayel
se nao lenibrariade prigar lamaiilia peta ao paiz,
se tal enprestirao se pi houvesse realteado.
Parece tamban cene une antes de honiem fo-
ram approvadas em cor selho 4e ministros as con-
dicocs do eniprestmo.
O Jornal do Commercio. (pie propende mais tia-
ra ministerial que para o|iposicuiiista. DO SCU ar-
tigo principal de antes no bonteiu. limita-se a dizer
quee justoattender as reclmalo;- dos portado-
te e sueste de Portugal.
Que s- nao publicaran essas eondieoes, se nao
aberto o parlamento ; que se a maioria hesitar as
ieunies preparatorias e intimas, appellar-se-ha
para a dissolucao. Que d'aqui at l, a nimia das
tullas afectas ao gabinete, irem preparando o ter-
reno da opiniao e advogando as exigencias das em-
prezas arruinadas, em quanto em voz baixa se diz
que se nao eedermos teremos a bancarrota.
Nao feriamos tal bancarrota. Um emprestmo
nacional salvara ento o paiz de semelhante dea-
doro.
Nao d'uvido que o governo obtvesse o empresli-
mo, por que poneos paizes llavera mais pojituaes c
probos do que Portugal. E' por termos semprc
cumprido com lualdade os nossos contratos,adaos
mais onerosos, que as nossas naneas estaoemtao
pouco satisfactorias eondieoes. Nao s tem cum-
prido a.pullo quenas praeas eslrangeirasnos temos
obrgados; mas" temos umitas vezes ido alen e ties-
ta vez, salvando emprezas arruinadas, quando a le-
na expressa dos contratos nos evitara esse 0008,
daremos mai> um exomplo nao s da lealdade e
honradaz com que procedemos, mas da longanmi-
fiam no bom
de Nossa Senlu.ra dos Marlv re-
na
templo qu.
sa, u gento dos dominios que usurparaui e que
siiceessivaineiile tem invadid...
Porque se nao dureteu logo ludo de una vez. ?
E na acensu em que se supprnue. |.r intil, o
cuiiselbu ullramariiio que u governo devia lenebrar |
no aceito o rapitoaUa;- medilas a adoptar em to ;
apenadas circiimstancias.
Diz-se gerabnente que os barbaros nao podem!
oflerecer resistencia seria a tropas diseiplinailas.
bein aliadas e bem providas de niiiiiicoes. Mas u
caso que j tem passado marto lempo desde que
os nossos all foram victimad.is; o gento tom-se
arrojado a matorn depredaWios, e cada .lia que se I
JEMA DE COBBFCTOHKS. A n .va junta de
iiossii praea Beou assim organisada : Francisco
los Siheua. |>iexilenle ; Francisco de Miranda
Leal Heve, secreta rio ; Pe.hu lose Piulo, thesoorci-
ro ; Angosto Pinto de Leona o Goncalo Joe
Aflonso, adjdntos.
CONVEBSAO Dt'M CALCETA. Sb ana tituh.
acaba o Sr. Dr. Duarie Jos de Mello Pitada de pu-
blicar, no Bio de Janeiro, tin drama, exlialiidodr.
romance de Vctor Hugo Os Miserareis.
Damos oa parabens ao autor pela sua feliz es-
tiva, porunanto eorrerco o pureza do estjdlo.
Iliwj.liio .1 IM.O"M-> ilflll 1-ll.ll-Ot-?.. |- l-.IU.I r,i., m|i- TC I II ,r ,' .-. .....
porde ao grandes interesses coioniaes que se es- r,,"1el,e "'^ar-se da doutrina da escola que
laV) sacrificando. ; pretomie a renalulilacao do lioineni pi-lo mesmo
Dte-se que em Janeiro partir para Mocambiqil' !"cl"ll1'i,"1,,.',|H"'ineio* ""'1;'....."''' honanoa.
o loniman.lante da expedicao da India Zainl.ezia. '"V l,,;,,t;i- mfornando-ae com o ensinoe
e servir interinamente o governaor. Quanto S"??. '.'''"""o'';'- '\"a a rehabihiacao do calceta
anies all ebegoem as fon-a- expedicionarias, por- J'';'" Va,jeau pela graca, e i sua reeoneiliacio pe..
qu uitu Lourenco MaronesInlianilian
j
Mil
1
ment
dos nossos us sorteos .le HocambHi
Tem chovdo loiiencialmeiilf boje em lodo o
da. As chinas este mez tem sido copiosas. E de
erer que ainanlia se saiba de alguna desastres
causados pelas cliei; s. Os pesca.tures da rosta da
Traan e Capaiica. e os da cosa de Aveiru por
faba de Irabailio. eslo a viver de esiimlas. Abri-
raiu-se subscripeocs para acudir aquellos hjfe-
lizes.
Sofala s;"'i;il",,niu. Cmn isto, por corto, o aatnmpto dra
inatico em nada de
no anioio de todos.
Nu diremos que o drama do Sr. Dr. Pitada soja
de primeira ordem ; mas revela no autor bstanle
intelligencia e inclmacao para esse genero de ltte-
raluri.
THEATRO DA GUERRA. Segundo carta de
\ lleta, de 13 ,lo paseado,d'oiu oiiicial de Penan-
buco, niurreram nos combales de 3 e 10 desee um-/
desasir di
greja
ica a
Contina em Lisboa, a loueura, o delirio en-! o cor mol Fernando Machado de Souza; lenles-
thusiastico da capital pelo ador italiano Rossi. coronis Rosado do 10*do eavaUaria, S Briio do
Parece que elle dar mais dez recitas depuis das I* do caradores cavaUo. Tambora do 48". Aze-
vnte de asignatura. Os bOhetes alcan^am-se vedo do r, Gnedos do w (Pternamboro), Lima e
(quando se aleancaini pelo quintuplo c niais do Silva do '>; capitn fiscal do 33" Biqihael; Bllinrri
sen preru ordinario. Assmnpco do 31". Eduardo Fonscca do 10 e Fer-
Deckuo-ee em segundo escrutinio aelcico reir Lima do 42" (Peniambuco).
supplementar pelo circulo 111" (um dos da capital) I Foram feridos : generaos Osario, Argollo e Gur-
sabio eleito deputado un facultativo Pinhooo. da-1 Jao; orunes Caldas, Pedra, Nederauer. Bueno
quelle bairro, quando todos osperavain que trium- j (de c; vallara), e Ernies; hem como cerca de 1,400
phasse a candidatura do Sr. Jo> Elias (arria, an- praeas. que lieavaiu nos hospi.-.e..
ligo joi'ii.ilisla e lente da escola do exercilo. O I An:da essa carta diz o seguate sobre O exercte
Sr. Pinheiro nao conheeido. Teve me 19 votos! paraguayo :
as reciamaeo- i
res das obrgaciVs dos i aminhos de ferro. Militas o '. dade com que adeudemos os que se
repetidas vezes essa follia tem suslenlado esta opi-1 nome de que nos presamos,
nio.
O Diario Popular do bote (folha ministerial da
geinnia) diz que nada sr sabe de positMo acerca do de se resolver, que fosse pessoahneiile o ministro
Eran, por tanto, mjosflseinas as insinuacoes que
algumas l'ulhas de Franca nos fizeram, por oceasio
de se resolver, que fosse pessoalmente o mufl*-
mprestim, senao queliontem d larde honvo con- da fazeuda tratar desee importante negocio.
seibo de ministro em casa do Sr. C. lenlo aliin de Mas que nao poude realisar sem curvar a. cab
resolvrosla mporlanle queslo. Kepois ios mi- as exigencias, tambem parece indubitavcl.
cea
nistros tomarem'conhec ment do aeeoi-do a#que o E estarlo todos os ministros de aceordo as con-
Sr. C. Bento cliegou em Pars, nada ficou anda dieesdu contrato? Duvda-see muilo. D'aln, os
decidido, conveneiunan o-se em que os conselhei- boatos de crise iiiiiiisteral_. D'ahi os que se espalha-
ros da cora l'ariam novo e mais iiiiniicii.su exanie rain hontem. de que seria o duque de Loul cliania-
o projecte de contrate, e se reonriaiu de novo I do a i.rgani>ar nova administraeo. D'ahi asindt-
assim que estivessem habilitados para ultimar es- gHajoes quejase faziani. do Sr. Antonio de Serpa
le ni".ocio. j,. (por exeni|ilo) para a pasta da fazeuda. do Sr. San-
t Qual seja a substancia do contrato (diz aquel- tos Silva para a das obras publicas, etc.
i la f ilha) segredo que os ministros leeiu cuida- Tudo sto parece um pouco antecipado. Toda
dos ente mantelo. por lauto nao tem funda- a gente quepensa nestas vieissUndes da nossa po-
ment neiiluuu us l.o itos que >e leni espalhado.' liliea interna, est de aceordo em esperar que o du-
i Agualdaremos, pois. o resultado parajolga-lo. que entra para o governo mais tarde on mais c-
Parece dosmentir-se n boate-do que as cmaras do. e que a primeira situaeao que bordar as diffl-
legislalivas se rcunran a lo do crrenle. (A 2 de cnfflades e einbaracos desta, se compora de eleraen-
janeiru que deve ser a abertura da sessao ordi-
naria, como de costme.)Aa InecripfdOa de 3 p.
c. (divida internal tem ovillado, ilonleiu esliveain
a 41 V eom o juro .lo semestre corronte. A incer-
teza acerca do emprestiino afugenta os comprado-
res do mercado dos fuios pblicos. Venderam-se
obrigacoes prediaes de (i p. e. a premio de 2
3'i P- '
O Jornal do Conuturcio de boje tambem diz do
sen artigo principal ipu a respeito das eondieoes
do emprestmo te, ainda nao sao conliecidav. NDgaem duvida.
porm, diz a citada folla, que as mais importantes
tiestas rondieoes sao as que dizem respeito s eni-
prezas das Indias terrea < do norte e sueste.
E' evidente que no in eresse destas companhias,
boje arruinadas, continua o Jornal do Commovio,
podem propol'-se. e ttUS de ll.na vez lenl sido SOg-
geridas eondieoes pesailissima-. iuiquas. em que
tera ouerusissiiiio e ludibrioso ponsentir, nuu
ci'rtn lam'iem que.ha terw* iv;onrris eequitali-
eos a que podemos tem tergonha eubtcrew.
Segundo as elansplas 4tteracs dos respectivos
contratos, essas eumpaiviias nada b em que recla-
mar ; a estricta severidade de direito exarada nes-
?e> c matos, nao Ibes permite' ipie exijan do es-
tado mu auxilio, nem iiideiiuiis.e.io.
P4HuiB.idiz^porm, o Jvi iiiit
punto Lneoptroverso. que neaocio
?{iV.ft4*iv,
nao d.a-cn neai podem sem uii-i*ivementerrpnlai- S(1 ||lininarun em Lteboa.
sepel.sregrassever.-f5 }n jiiri-pindencia invoca- ()e artistas c operario! tocava
Oa e seguida seuipre em assuomtos de menos pon- /( (/,, HmmMdmtin
los mixtos, por iss mesmo que em cada parciali-
dad e nao existein os que sao precisos para gover-
nar as circuiiisUmcias em que o paiz se cncon-
tra.
Celebrou-se no I" dedezeuil.ro a c iinmenioracao
patritica da nossa independencia, com pampa, bas-
tante enlhusiasnio popular, e abstencao completa
do governo < do tliefe do estado uestes actos, mino
era de esperar; e a boa poltica Ibes aconselhava,
apesar de alguna raparos e murmuraedes do po-
vinho.
Nao entenda este que o procedimento contrario
parecera provocacao ao paiz visinho.
No paiz. pelas provincias lizeram-se em santa paz
mais ou menos ruidoeoa fe.-tejus. Os de Ltaboa
vein com loda a minticiosidinlo nos jornaes do da.
ese os adiar interessantes, d'alli os mandar;i ex-
tractar. Posso Ihes dizer que no Te-Deum da S
paliiaivhal e.~leve a comniissaoprimeiro de de-
zembroquasi rompida, o retornara com os sup-
plentes que sao tainbem quarenla. Mutos dos nos-
nos fidiilgnsda mais antiga linhagem e descenden-
tes dos conspiradores de ltttO; a imprensa, as as-
sociaeflea, bonend de lettras. militares dos mais
graduados, deputaces operaras e ariisticas. crian-
cas de eollegios e as>los. ludo em liui que palpita
sob a influencia dos sentimentos pateiotioos que se
voeaiain. BVteto aquelle aclo relitiioso, ein jne
offlciou o prelado.
ueraco. muito menos coni|ilicados. e onde nao ve-
mos envolvidos os mate inten .-.-is econmicos
aqu |.ostos em aco e iuh dlsenwo. Allega para
isto q exemplo da Franca, da llali.i t da Uespanba,
antes e depois da mona Tina. Comliie. pois. que
BBtiM emprezas devem un amparadii{ n"> seua de-
sastre:., salvando-seda ruin., iioiniueiile.
Depois. nem a allcgaco do meritorio arrojo que
tverem os eapitaes que se empregaram nos cami-
nhos de ferro do Bnrtuf al.
Que esse arrojo nao eleve sor confundido com o
de outra qualquer especulado, por que do empre-
liendnctilu dos caminhos de IVri... m tem resulta-
do mutos melliorameiitos o beneficies pblicos.
Di-pois apella para a scnsibidado do paiz; mostran-
do que nao devenios ticte indiftVrentes ruina dos
que a sua custa promoveram esees melhorameiitos
nacioiiaes.
Depois qualfica de ospobacoes o cunvinmento
rigoroso do contrate, se ac-o o fiaesse; e que. o paiz
o povo porluguez. regeitaria sem hesitar, a raspan-
sabili..:ule desu J/>o/ifl{ao..por quanlo os singlos
principios de moral, reprovam e condenmam irre-
vogavelmente a lei e os termofi desee contrato.
Pede, portante, na perorarlo do suu artigo de fun-
doa equitativa restibrao a essas emprezas do
qae tiverew perdido em notso provcito,t} nunca
quaes.mer exigencias exorbitantes ou exaggeradas,
que ellas liajam indiscretamente ntanifestaao. Que
nao devemos Iocnpletar-nos com iruiua delta, mas
nem por taso vamos indemnisa-!;is dos seos mere-
cidos desastres', ou das perdas originadas na sua
knpre.idenci e m adn.inistracao.
Se as eondieoes d) projectulu emprestismo
iiuvrraii; raaoavelroeiile uestes ter-
utos, nao suppomos qu o govctao bata de tegei-
a lO paseos do primeiro. solemnes exeguias pelo
eterno descanso de Bossiu. Qualquer destes uous
actos relgfosos fui imponente e |mihiik>so.
Foram antes de hontem assignalura regia
as reformas do Diario de Lisboa que pasear a de-
nominar-se outra vez Diario do Uoverno. e a do
eonselho de saude. E' natural que os decretos
saiain no dia 14. Por estes dous ou tres .lias deve
ser publicada a le de piuuiocoes no exeiVilolia ja
lempo assignada. equeleui'por fundamento os
principios apreseutados pela commisso que ibjeram
parte os Srs. Latino Coelho. (aunara Leme, etc.
O vapor que no dia 6 devia seguir para os
portes da frica occidental, o Tejo, largou sem le-
var as malas do governo, |>ozar dos avisos tele-
giaphico> que seinaiidaraui barra para (nao
deivar sabir. ^o ** rtlrflniio a descuido di nii-
nistro da inarinba .. terem Picado em trra a; ma-
las, o cedo que para reparar a falta, que i izem
ter sido do ciHiiinandaiile do paquete, vai saliir a
Corveta Sagret pan Angola amanha (13) e I cara
all de estacan. Apezanhis defezas officiosasd Sr.'
Latino Coeliio. nuiilos insistem em que foi de eixo
do lluslie ministro, delexo tanto mais para tna-
ravilhar quanto crtoser urgente o loman m-ee
promptas providencias em Angola para se orirani-
sar nina loica expedicionaria indgena que vi pa-
ra Mozambique anm de entrar em opera^oos com
as tropas que devem partir de Portugal.
.Tem-se apresenlado mais praeas para servirein
na expedirn Zambezia. e natural que n seu
numero augmente rom as dtepoeicSes do de "reto
inte foi assignado por el-rei no da" e devia ahr
hoje no Diaria.
Estabelece-se nesie decreto que sao e.xtcn-i\a-
;'is praeas de mai'inhcirus as disposcocs do diere-
te de 9 de novembro ; as praeas deste corpe que
forein promovidas ao poeto de alferee ficarao* per-
teneendo ao quadro de Mocambique. Quando ne-
nliiiin primeiro lente de rtlliaria habilitado com
o curso da sua arma se oVreca para no posto de
espitan ircommandar a liateria expedicionaria, po-
llera esta ser commandada por um major, sendo
promovido a este posto para tal fin um capitn de
artilharia comas hahilitaeoes legaes : a este mi-
nio sern concedidas todas as vantagensja estabe-
lecidas. Faltando ofllciaes de engenharia, poderlo
servir como engejlieiros na provincia de Mocam-
bique offfciaes do corpo de estado-maior, ou
ibi arma de artilharia e na falta destes poderlo ter
exerccio de engenlieiros naqnella provincia- ofll-
ciaes da cavallaria OU infantaria que j.ossuan car-
ta de algun curso militar, preferindo os que te-
hham maioies e melliores haliililaeoes. on qufc lia-
jam servido com boas informacoes em teal.alhos de
engenharia civil. Estes oflieies sern ahorados
dosseus venciinentos, como se perteneesseni ao
corpo de eugenheiros. e com todas as oiras van-
tagens, e terminada a eonunisso. serio collocjados
no quadro das armas a que pertcnciain.
Far parte da expedirn um tenente-coronel ou
major para servir comochefe da repartico militar
na secretaria do governo de Mocambique durante
o serviro da forca expedicionaria.
Este ollieial gozara de tedas as vanlagens jj in-
dicadas, l- facullalivos civis. que, na falla de mi-
litares, se offerecam para ir ha expcdieo, serio
promovidos a cirurgioes ajudantcs oto exordio de
Portugal, e no fun ilos liesannos de seryieo em
Mocambique. serao promovidos a rirurgiesi-mo-
res com prejuizo da anlignidade dos potros cirur-
giN's ajudantcs. Os facultativos da forca expedicio-
naria Usiik aterii dos venciinentos ja estipulados
urna gi'ntlflracSn peoporrtonail! s graduaeiVs. As
praeas de pret que se olferecerem para servir como'
olliciaes inferiores, quando cheguem a sargentos
ajudantcs, preferiro na promcao alfana os.
segundos Molientes das provincias ultrainarinau
Aos expedicionarios que se impossibilitarom e
s familias dos que falleccrem |>or effeito de feri-
mento em cmbale, desastre oumoleslia epidmica
serao app'ieadas as dispusicoes da lei de Janeiro de
18i7 acerca de pensoes.
Alm da forca que parle de Lisboa, ir um cor-
So auxiliar e^colludo entre as tropas da provincia
e Angola ( como disse ) que ser composto pelo
menos de OO piaras e nao mais de 300, dividido
em duas conipaulnas, cada uma.com tres offidaes
inferiores europeos ou indgenas, como fez exequi-
vcl; as pravas que se offerecotn terao um poste d
accesso.
Serio escolhidas as praeas dos cornos d pri-
meira linha e dos individuos que tverem b tixa.
estando capazos de servieo; acabada a expedicio,
os que nao <|uizerem continuara servir terao bai-
xa ; os que quizerem, linda expedico voltar a
Angola, serio mmediaamente transportados por
cont do estado. Serviro provisorimiente no ba-
ile maioria sobre o sea contendor. Dizem que o
ministro do reino, por tras da carlina, favorecer
a eloajio. a que o Sr. Latino Coelho se einpeiiha-
va pela do Sr. Elias Garra.
Fui |nr aquelle mesuio circulo eleitoral que lo
das antes fui es.lilli.ido o Sr. Latino Coelho, diz-se
laipheni que pnr desaccordo do Sr. hispo de Vi-
zeu. Ests iiilrigutas nao valem dous caroces.
mas do uiargein ao lallatorio dos nossos pol-
ticos. qu< n'esles fados veem mais nin funilainen-
to para motivaren a deeintelHgcncia na gre- mi-
nisterial, por isso Ibas transmiti. Ao lavar dos
cestos d orna sesso legislativa, pouco importa,
quem hade ser deputado, ii'inna vagatura qual-
quer ; entretanto feo que os ministros tenham
alilhados candidatos, e multo mais l'.-io que se
gladiem uns aos outros.
Diz-se que vao muilo adianlados os tnibalhos
da retorna goral das alfandegas do continente P
ilhas adjacentes. E' de crer que antes do lim do
anuo appareca uflicialmenle o resultado destes tra-
balhos.
Tem-se publicado tres nmeros de nina folha
ou folheio meneal com o mesmo titulo do pamphleto
de Pars, que tanta celebridad.' tem dado a Boche-
l.ut. E" a Lantema d>- Lna um acervo de ensi-
nuacSes envenenadas, que me nio laco carga de
Ibes resumir, por ano ha eousaa que se nao dizem
sem us documentos na ano. Ignora-se se o incog
nito paiiiphletarin us pOSBUe. Entretaiiloa /inler-
iiii vende-sede imite, de .lia pelas mas e nos 1-
vreiros como se fosse o Carlos Maijno. o Thesonro
de Meninos, mi o Mannal Devoto.
' Nao digo bem :vende-se nielhor |K.r que es-1
cndalo matar e cono os tiros sao altos, de crT I
que a grande maioria dns que eslo em baixo. te-
lilla curtosidade de ver cuino os aggredidoese de-
fendein.
At agora, nao COOSta que o ministerio publico
Foram flidos 800, prtetoneiros 1,440. inclusive
cerca de 300niulhcres.
Eos 6,'iOO que conihaleram no dia 10. escapa-
ram duzenlos e tantos.
Cakulam-se as pedas en mais de 7,.">00 bo-
mena. alm dos prsioneros.
Bsce oficial calcula nossas perdas em cercado
4,000 hoinens, inclusive 400 olliciaes. enlre nortoe
eferido-.
K'nna das occasiDoe mais renbidas do com-
bate, diz a carta, quaiido o general marquez de
Caxai ia stmdo envolvido petos Paraguayos, com
todo o seu estado-maior, o 51 de voluntarios (de
Pornambuco), do commando do tenente-coronel
Frias Villar, foniinu quadrado com muilo casto, e
salvoii todos ellos, valendo-lhe isso vivas coloro-
sos dados pelo Si', marquez esse batalliao.
BENEFICIOTem efectivamente lugar, saina-
do 9 do corrente. no Iheatro de Santa Isabel, o be-
neficio concedido ao Sr. Pedro Baptista de Santa
ltosa, rujo prograiuma j se acha no dominio pu-
blico.
GAMELLEIRA. Nos .lias 30 de dezembro pr-
ximo lindo e Io de janeiro do auno novo, no no-
voado de Caindleira. liouve grandes nianifesiacoes
de alegra e patriotismo, naquelle dia pela dieg'ada
do novo vigario. e nesle pelos festejos motivados
'" i'la f'liz noticia vinda do iheatro da guerra.
O povo agglomerado. e tendo sua frente os Srs
Dr. Antonio Venancio e capitn Francisco ManoeL
possoas gradas da loealidade, percorreu as ras do
povoado, que >e adiavain ento illuniinadas. dando
vivas entliusi.'islicos ao exordio, armada eao
bravo marquez de Casias.
Em fronte casa onde se achava o vigario. o
acadmico Sebasto Cintra redtoo una breve e
eloquente allocuco. anloga ao assumpto, alm de
outros discursos > poesias, que se reataram.
Por loda a parle ainda o sentimento de patrotis-
lenha querellado .1,, in.pivssor. nico nome que ap- brasileim exhibe provas do sua exis-
parece nos toes (orhetos incondianos, anula qne (mi.v
nolles se declare que a habilitoejndelies,^omo po-
A noite grande numero de ca-
As philaniionicas
um pelas ras c pra-
lu/mno di independencia nacional.
No theatrq de D. Maria II representou-se a D.
PhUppa de Yilliena de Garret, na sala da aseada-
eo^-prmeiro do dezembro, (no proprio palacio
dos emules de .Minada, onde se fuera a conspira-
cao!, liouve discursos sobre pontos histricos com
relcao aquelle successo. Leu-se um do Sr. Be-
bell da Silva (que por onconimodado nao com-
parecen.) 0 leilor foi o Sr. Eugenio de Caetilho,
que tambem recftou nina poesia sua anloga ao
assumpto, e que muito agradou. 0 Sr. Pinheiro
Chagas. o Sr. Tulio c o Sr. Mendes Leal, tambem
oraram nossa sesso solemne. 0 gremio progres-
sisto. estabelecldo na casa em que morava D. Phi-
lippa de Vilheua, e que fica prxima da dos con-
des de Almada, a S. l>omingoa, lambeni reuni so-
cios c cstranhos para celebrar o antiversark.
lu templo maeonico pertencente confedera-
^ao portugueza tambem nessa noite eclebrou a
commemorafo patritica. No thcatro da ra dos
Condes liouve un drama de espectculo, em que
se conclue pela gloriosa acclamaco do duque de .
Braganca. as provincias, cada trra, segundo, talhio de Angola os offleiaes que o jovernadoge-
n--eus recursos, celebrou o' annversario ; uns
ilicaeu poltica, est teda rom as devidas formali-
dades.
App'areceii um folheio Ibrico do Sr. Anillen.
do Quintal, aquelle inesnio joven eseripter que ha 3
anuos, to violentamente aggridlo o.Sr. A. F. de
Castilho n'uina questao Iliteraria, questao de que
resuliou um exanie de folhetos. qoestio em que
quasi lodos us e\-nes do Tejo. Douro e Sado mo-
lliaram o loco. Pois nSi\ Anlhero advogoii agora
franca e lealmente. a repblica federativa como
nica soluco da questao peninsular. O acolhinien-
to deste opsculo nao foi desabrid., pnr parle da
imprensa. Os livreiros que no fin de algun lem-
po devoran saber quantosexemplaros se venderam,
e lenho razos para duvidar que sejam tantos como
os que se tem consuiiiniido, dos patriticos folhetos
do Sr. Barros e Cunha. noque demnadanienle de-
leude a integridade e autonoma de Portugal. Nao
foi desabrido o acoHmento, por que todas as opi-
niies sao livros n'ui paiz do inslitiiieoes librri-
mas, c sobre tudo. a onde oseas 0|.inioe> sao expos-
las e proclamadas com franqueza.
Discutir nao criine.
Insultar as escumlidas sob capa do auonymo,
que nao desculpavel. 0 Sr. Anllelo qmiudo es-
creve, assigna e toma a respmisahilidade do que
diz. ainda que o que diz. as vezes. nem muiloso as-
signariani.
Foi publicada nu Diario a reforma do quadro
dosjuizes das rdaeoesde Lisboa e Pollo. A eco-
noma devar-se-ha de futuro a lea conloa de rote
annuaes. /
Foi assignado antes de hontem. pele soberano
um decreto sup|.iiiiiin.lo tudas as pagadorias mili-
tares, menos a da primeira divisao.
A" esta da Senhora da Conceii-io no da nas
patriarchal. assistioS. M. o Sr. D. Luiz, coniogro-
meslre da orden de Nossa Senhora do Coiiccico
de Villa Vieusa.
No da i do corrente. anntarsario natalicio
deS. M. o Imperador do Brasil, liouve janlai de
ccrinionia no pago do Belni. tendo lugar mesa a
r.lireiia d'el-rel, o minislro brasileiro nesta corle
Toda a legaco brasilera foi convidada, bom como
0 ministerio o alguns diplmalas.
Acha-se no Tejo urna esquadra ingleza, pro-
cedente de Plymoutli, com 14 das de viagem.
Falla-se em ee ser supiuimida a relacao
conmiercial, passando os proceasoe a seu cargo
para una seceo da relago de Lisboa. Tambem
se diz que o dislricto de Combra passar para a al-
eada da relacao de Lisboa, por que a do Porto est
muito sol.recarregada.
Foi reduzido o quadro dos cirurgioes mili-
tares.
Est anuunciada para l.'i a chegadado vapor
Alhambra, de Liverpool, que depois de tocar ueste
porto ir para-Pernainbueo.
ral designar na razio do nm capitn e um sitbal-
com allocucoes, outros com recitas e luminarias s terno por companhia. Serio depois de orgtmlsa-
outros com" Te-Deum,' foguetes, vivas e boda ao- do o corpo, instruido oo exerccio^ das^mefhores
pobres. Estes com a insturacio de escolas pos
putares, aquellos com distribuicoes de esmolas ao- enviaram as amias para servir era Mozambique e
Lj___*..- i?> Jn A*n A nnnn <-... nr..a n i..j,..- na rtrtinnc n uniformo
indigentes. E' de notar, e notar com ufana, po-
rm, que nem um nico insulto se fez a uin cida,
dio hespanhol, de tantos que habitara entre nos
sobre tudo em Lisboa e as. fronteiras. Isto con-
firma a idea que gcralmentc se tem da cordura,
civilisacao e bom senso do novo portuguez.
Outra cnsa se noten. E que de tantas asso-
ctscocs. de Uro nacional que cstavam em prejoclo
anuas que houver na provincia. Di metropole se
PERNAMBUCO.
todos os artigos de uniforme.
Ao governador de Angola enviada tima porta-
ra conlendo todas estas dteposieSes, e lornardo-o
responsavel pela prompta execuco delta.
Parece pois que ampliado assim o quadro
das vantagens offereeidas -aos expedicionarii
completar com a desejavel brevidade a organicio
dos corpo que teta e ir a Mocambique #s: pos-
REVISTA DIARIA.
TABELUONATO0 tabelio Joio Baptista de
S est impedido por doente. A sua substituido
porserventuaiio interino foi deliberada pela presi-
dencia; de conformidade com o decreto de 16' de
dezembro le I833. sol) proposta do juiz municipal
da primeira vara.
MISSAS FNEBRES.Por alma do capitn de
fragata Augusto Netto de Mendonca, morte em uin
.los nltiuios ecoiilieciinenlos no Paraguay, man-
damos Srs. Bts. Duarque e Roano deAInieida ce-
lebrar atuanha, pelas H horas do dia. nina missa
com memento na matriz de Santo Antonio. Igual-
mente manda celebrar una missa na mesma igreja.
e s mesnias horas do da 9, o irmo do mesmo fi-
nado, o Sr. Jos Luiz Neilo de Mendonca.
CMARA Ml'MCU'AL.E' bOJ> que deve ter
lugar a poseo dos novos vereadores. assim como da
entrada em exorcic dos novos jntees de pax, para
o qiialrienufo de 1SI9 1871
DILHFTES Ol-'FERECIDOS.Num.-rac.ao dos bi-
llieles da lotera 92' eflorecidos pelo thesoureirc
das loteras para auxilio das despozas da guerra
Buhles ns. tii I.
FEB1MENTO.-Na noite de 29 de novembro ul-
timo, no lugar Alegre, do termo de Cabrobd, Ma-
nuel (oncalv,-s Torres den una facada em Cypria-
no Goncalves dos Sanios, e logrn evadir-so.
LOTERAA que se acha venda a a, a
beneficio docecollnmento de Iguarass, que corre
quinto-tova, l.'i do corrente.
PASSAGEIBOS. Chegaram dos portes do norte
n i vapor 'ini/inina : theodoro da Silva Jathv
James Wreghl. Manoel de S Barrete de S.impao
.Ins.- I'ranriscii Ferreira de Miranda e um eseravn
Fianci-in l'ereira Portella. Joaqnim (te S Leito e
um criado, Antonio Ferreira d Mesquita, Antonio
Bbeiro fjampoe, Jesuino Xavier Siiassuna, Manoel
Antonio da Silva. Dr. Henrique J. B. Tineo, David
Moreira de Barros, Angelo Rodrigues da Bocha
Jns Joaqnim de Oliveira c sua familia, Manuel
Francisco Correa, Francisco Tavares Pessoa di-
Mello e um filho. J. U. (liaf, Manoel Jos Ferreira
Joio los dos Santos Cima, Francisco Luiz Martn^
Pe eir. I.uiz Carneirn. Manoel Jos dos Santos
Pec, Jos Gomes de Arante Quintella, L. P. de
Az.-ved... 13 eseravn- entregar.
CEMITERIO PUBLICO.Obituario do dia i d.-
corrente :
Manoel. Pernanihuco, f mezes, S. Jos.'-: con-
vulsocs.
Maria, Pernambuco, 2 das, Boa-visU; es
pasmo.
Prudencio. Pernambuco, 35 annos, Boa-vista
pneumona.
Antonio do I.ivramento. Pntfcabuco, 40 annos
solteiro. Boa-vista ; l.-bre typhoide.
Magdalena. Pernambuco, 14 annos, Boa-vista
tubrculos pulmonares.
Maximino de Figueiredo, Pernambuco, 3tl annos
solteiro, Hua-visia : tubrculos pulmonares.
Maria, Pernambuco, 7 mezes, Santo Antonio
dontieio.
Lidia. Pcrnambnco, o mezes, Santo Antonio; co-
queluche.
Manoel, Pernambuco, 8 annos. S. Jos; va
rilas, .
Antonio, frica, 50 annos, Boa-vista; ana-
zarca.
Jos da Motta Monteiro, Pernambuco, 40anno.
Boa-visla; afogado.
Paula, frica, 60 annos, Boa-visto; te
clnonico.
Adao. Pernambuco. i mezes, S. Jos; (abro
gastria.
Manoel, Pernambuco, 36 horas, Santo Antonio ;
ttano.
Joaqnim Jos Soam Carao-viva, Pernuabucr
1 fKT^




- '




2
.8381 30 0fH3Wl 30 4 km
AHW de Pernambuoo Quinta feira 7 de Janeiro
de 1869. i 0R3KUR .VJX mh
74 annos. casad >. S
intestino.
de Olinda ; inflammaro no
CASWARA MUNICIPAL.
SESSOEXTIt A< IfflMS AH A KM t DENOVEMBRO
DE 1868......
PRESIDENCIA DI) SR. BARROS REG.
Presentes osSra.Gustavodofiego,Silva do Brasil,
Santos, Dr. Villas-linas !)r. Pitanga. faltando com
rausa osinais sonhoros, abrio-so asesso.e e lidac
approvada a acia da antecedente.
L-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Un ofllfio do subdelegado supplente da fregnc-
zia do Recie, Manuel Fraueisc i Marques, romrau-
nieaiido haver em 31 de outul#9 prximo mido
entrado nncxcrcicie dn mesmu cargoInteirada.
Outros (2) do procurador, remettendo os contae-
oimcntos dos dcscontos frito nos vonomieutoe d.js
emprcgados un os mozos de agosto < sotembro l-
timos, que recolheu a thesourana na importancia
de ilti719 Ao.arcliivo
Outro do iiicsmo. re.....Itendo o balancete da rc-
crita c deapeza municipal em o mez de setembro
prximo passado.A ronimissao de polica.
Outm do contador, informando sobre a peticao
dos escrivaes Ciiiillieniie Augusto de Atliayde C
Joao Saraiva d'Araujo Calvan: cunipre-llie dizer
pie calculando as cuntas por riles reprimas nos
iiltinos unos de 1864 a 186." o d'alli por liante.
regula o termo medio por anno ao oscrivanAthay-
de 2He ao escrutan Saraiva Il3 POStO Pin
discussao, resolveu-se ipianto ao primeire pedir
autorisaoo ao presidente para Ester o contrato, e
quanto V> segundo me se cmisullasse ao inesmo
se fazia algunia niodilicaoo.
Outro do ongenlieiro eordeador, informando so-
bre o que pede Carlos Ernesto de Mosquita Falcan
para concertar a casa da ra Imperial n. 12'i. co-
jos concertoa eonsisteni em Ompar i frente t
l-\autar a Huiro do quinal. cumpre-llie dizer_qoe
nada ten a oppfir a semcllianti: pretencao.Con-
cedeu-se.
Outro do mesiu o, informando o reqnerunento
junto, em que Ifanoel Amonio Tcixeira pede para
levantar mu terraco na casa n. :2 da ra do Prm-
ripc, tendo o mearon terraco janellas para ooilio
que lica ao lado da mesnia ra, 0 sendo as janel-
las da nioMua altura e largura das existentes,
cuinpre-llie declarar que nada se llic offeroce
oppdr-se.Concedeu-sp.
Outro do iiiesino. informando sobre a pretencao
de Mederic Arnuiith para enllocar una empanada
de i neo e ferro, lixa na parede. da casa n. 2 da
ra do Trapiche denominada Hotel de l'Unveisal:
dedara que a empanada que o siipplicanto quer
enflacar e sem duvida de boni gusto e elegante,
nao prejudica o transito publico, porcino art. 8
das posturas municipaes s adinitto empanadasyo-
laules quando liouvcr sol ou ehuva. Iudele-
rio-se.
Outro do uiesnio. inforinando sobre o que pede
no roquerimento junto Joaquim Rodrigues Duarte
proirietario do caixo da casa da praca do Chafa-
riz, para rebocar, cubrir e abrir anas portas na
frente da praca para tirar em simitria, diz que
luida b-iii que ppr a dita pretencio, una vez que
rile oxente as obras de conforinidade com as pos-
turas.Concedeu-se.
Outro do meso, informando sobro o que pede
o Dr. Joaqun) Antonio Carneiro da Cunha Miran-
da para continuar a edificaran de chas casas tor-
reas na ra do Principo, para o que j teve a
competente cordeacao, cnmnre-lhc duer que aua
toni que oppAr, ponrnanto a cordeacao a mesma
que j leve em 12 do junho do 1863.Conce-
deu-se.
Outro do inosino. informando o reqHoriinonto em
que Manoel Ferroira Pinto do Araujo podo para
edificar urna casa de podra e cal denos do son
terreno entrada i\r Joao de Barras, tem a dizei
que nada se Un- olforoco a oppor a pretencao
do supjpcante, dando-se-me a respectiva cordea-
cao.Mandou-so conloar.
Outro do iiiesino. informando sobro o que pode
Manoel Jos Dantas eiu sua peticao. para substituir
por entras as madetras da cbala do sua casa
n. 39 do Manguind, fazor de una das portas ja-
aella, rebocar a fronte o fazor cornija, declara nao
havor inconveniente em oonceder-se a pretencao
do snppeante.Coucedeu-se.
Outro do mesmo, infonoando o roquerimento om
que Joaquim LuizVioira pode para lunpar a (rente
de mu sobrado de dous andaros n. 110 da ra da
Senzalla Velha; declara que o iiaviinento terreo
do son sobrado tem 18 palmos de altura, pare-
cc-llie que so iide conceder o que pede o suppli-
oanto.Cmioedon-se.
Outro do fiscal da froguezia do Santo Antonio,
remetiendo dous torillos 3a mulla por iiifraeen as
posturas, commettida por Joao Jos do Carvalbo
Aloraos, e Manoel Flix da Costa Montoiro.Que
se remenease ao procurador.
Outro do inesmo, remetiendo tamliein dous ter-
mos de inl'raceao comiuettida por Casimiro dos
Reis Gomes, o Pedro Ralis do Burgos O inesmo
destino.
Outro do fiscal da froguezia do S. Jos, infor-
mando 0 requerlineiitn do Antonio Roberto, que
pedo para fazor iiuisiunidoiiro na travesea doPouci-
nho, qup consiinia as aguas pluviaos dos quintana
dr.s casas da ra da Palmas daquella freguo/.ia.
pela raaao de ser a ra mais alta que os meamos
quintaes, nao dando |ior isso evacuaeao, euni-
-pre-lhe declarar que tendo examinado os quintaes,
ohservou que sao pequeos e ladrilhados, o tem
por baixo do ladrilbo un pequeo oneanamento
spui sabida para a ra, pelo que parece-lhe justa
a pretencao do supplicante, nina vez que o siuni-
douro soja feito com toda a seguranea e largura
-que comporto as aguas,(kmccdeu-se.
Outro do fiscal da freguesa da Ba-Vista, infor-
mando o roipioi iniento de Jos Francisco de Fi-
guciredo que pode licenca para continuar na
padaria n. 3 ra da Santa Cruz, a qual compra-
ra a Joao Francisco Martins, diz que nada se lhe
ollerecc a oppor.Coneedeu-sp.
Outro do mesmo. informando orequerimento em
que, Antonio da Silva Ferreira Jnior pede licenca
para abrir um cano de esgoto d;s aguas pluviaes
do quintal de sua casa da na da Matriz, que va
4Hicontrar no eano gpral alli existente; tem a dizer
que nada ha oppor a semelliante pretencao, sen-
do o mesmo cano tmale para psgoto das aguas
pluviaesConcedeu-se.
A comuiissao de polica apresentou o seguinto
parecer que foi approvado :
A pomniissao de polica aqueta Ibram enviados
os papis tendentes a queslo que se acha estabe-
lecida de liaver o coronel Justino Pereira de Farias.
fechado a passagem que da va camin m para a Cam-
boa de Sant'Anna, depois de ter entregue ao publi-
co a que pela ponte sobre a mesma camba estabele-
-ceu e de haver feito una pequea casa para resi-
dencia do cobrador do itedagio daquella ponte; sem
preceder licenca desla cmara, estudou a questao e
p de parecer que o mesmo coronel so em vista da
autorisacao da presidencia de 22 de abril exarada
sobre infonnacao do engenbeiro director das obras
publicas, e da approvacao da planta da mesma pon-
te, foohou com muro de encostos, o local que dava
passagem em ouUro lempo para a camba em ques-
tao, sendo que em vista disto proceden regu-
h rien te sem que osse inlencionaJmpnte ferido o
direito que assistia a cmara de fazer inanter aaervi-
dio publica; poi sem din ida sendo sen desvio a
nao precedencia da audiencia da cmara por parte
da presidencia da provincia, quando teve de auto-
risar o mesmo encerrainen'u do caminho em ques-
tao. entretanto porm nao aeonteceu com a ediii-
caoao da casa, que nao poda dispensar a licenca da
cmara, porque sendo edilicacao embora especial
para residenea do empegado da barreira, todava
era do podra o cal, e nao podia ser foita sem licenca
pelo que julgamos que deve estar sugeito ao paga-
mento do imposto visto que sem intencao deixou de
solicita-la.Paco da cmara municipal, 4 de no-
vembro de 1868.Dr. Prxedes Gomes de Souza
Pitanga.Feliciano Joaquim dos Santos.
Foi tambein approvado o parecer da cununissao
de peticoes o (|ual o seguinte:
-* A commissao de petoes a uucm foi presente
o lequerimento dos herdeiros de Jos Francisco do
Rpgo e sua mulher, nos documentos, informacoes
tendentes ao terreno que dizem os mesmos perten-
cer aos mesmos por heranca, o qual situado no
Jugar denominadoAlagado do Manguinlto;
de parecer que aos mesmos berdeiros pertoncem
qaiuze bracas de terreno de frente, em seguida ao
sitio de Luiz Jos da Costa Amorn, em forma
triangular como fundo de oento e vinte cinco bra-
cas, es ten cao primitiva quepossuia o mesmo terre-
no, na deficiencia de provas da escriptura, que
-declara a estenejio pequea do terreno que (ora
por seus possuidores vendido por 55j aos ante-
p.ssore dos peticionarios reconhecida a legitmi-
dade da compra provada por escriptura publica <
ausencia, do ttulo de vend da parte pertencenU
aos herdei'os do desembargador Tliomaz Antonio
Macie- Monniro, a commissao soccorreu-se do pro-
co poique (tira feita a venda dspequea poreode
rreDo.e estabeleceudo a proporco no valor total
do terreno primitivo, conclue que cada braga va-
lendo 3:583,020, nao pode aos peticionarios tocar
maior estenfio do que a designada neste parecer,
Testando o direito salvo, de perante os Iribunaes
dopaiz Klrarent entre o- berdninis. do itesmihar-
gadol- Maclol M inteiro o os policio,narios a verda-
ik dos faCtos. Pac<) da cmara municipal, 3 do
libro de 1^68.Dr.J'raxi'iles Gomes de Souza
37:797800(1
166660
liis. .
Caixa Polos segundes valu
Em ouro amoedado. 3:273^890
Cui notas do tbesouro
o da Caixa Filial do
Pitanga.Dr. S Iviif Tarqumo VlBas-HAw.' Canon do Brasil1. .
Constando acamara nao ter obarao de Unal Enrprata o cubre. .
ileiiiollidi anda como, se coniproinotteu,. as. duas .
casinbas W Jie foram, desapropriadas no becco
da La^^^Burio do Recite, mandn expedir;
ordeni 'aefbcurador para me entendomlo-se com ffj.M/ro.
o me.MiiDbaran lhe ipiiibrasec aobrigaeao a que se Capital..... .B
tinlia suieitadu. Emissao...........
Tendo o Oacai da froguezia do Poco que se acha- Contas oorrontes eom ftiros. .
vaMis|KHtso |n r ter sido proniiBciado, requerido Costas com-ntes simples. .
que so Ule mamiassp |gar os vencmontos que Fundo de resera.......
tinlia doixado de recober, provaudo com dociimon- Ttulos em onueo.......
tos passadoaiKtlo escrivo do tribunal do jury ha- Massas taludas a cargo do Banco
ver sido abselvilo pelo mesmo tribunal, cuja sen- Dividendos..........
tenca passou cu j tugado; a cmara mandn pagar Lucros oponas. .. .- K.._, .
os ditos venciinentos.
0 Sr. Dr. Pitanga votou contra semelhante doli-
beracao.
I)espacliarain-se as peticoes de Albino do Jess
Bandoira. Jos Alvos de Mello Barbosa. Antonio
Jos Rodrigue;, de Snuza. Ernesto Jos Folippe
Santiago o Leipoldo Jos Folippe Santiago, Fran-
cisco Jos dos iutos, Gomos de MattOB A Irinao.
Jos; Francisco de Figueirdo, Joanna Maria da |
Trindado. los Eustaquio Fernandos (ama. Jos:
Jomimno Bastos. Jost'^ Ignacio A villa. Joanna .Maria
do Rogo Hevea o outros abaixo Biwignnitpfl. .lose
Antonio da Costa Valiente, Joaquim de Souza Pe-'
reir e outros. Medina Arnoutb, Manoel Luiz Pa-!
cbeeo&C, Miguel Ferroira Pinto d'Aranio. Manoel
Martins de Carvalbo, Tliomaz de Cramo Soares
Brandan Sobrinbo, Valtendos & Borburema. e le-
vantou-sc a sesso.
Ku Francisco Canuto da Bonviagein socrelai-io a
da estrada
* 1:237
291:6871836
aos
I:#7000
41:SO*0(H> tiVc'dizor.
7:9351631
:i:l)lH8i
H:7i3|JM
36:337J678
3:8664677
m*m
23IM620
11- n
::
33 ditas
27 ditas
Ris. .
OKMOlSTBAC.ODA HMI3SAO
as do valor do 20040)X)
de
de
1003000
30000
Ris. .
S. E. e (K
O guarda livros
Francisco Joaum Pereira Pinto.
peni virlude do autorisacao da repar-
as publicas dora comecoi aos repiuos
a Vicloria antes da arr;mataj?o : o
diz. na mesma occasiao queo.s reparos
neiade da obra* tinham sido feltos polos
Diniz Ferreira la Cruz. Domingos Fer-
reira Oe. Souza o Joaquim Silvano ItraiuIo
quaes indemnisot pelo trahalho feito.
De que lado cstarji a verdade? I
"^la, j*lareBB|," o oxp im^iW'qlB|Tioau|**s
faeiosLp|e og||nheii'u Irnesi i. e \rt i aojando
Temos calummadanat censlas
s administiacBRransaeta. '
Nao seria m*|tprudeiito ter guardado silencio,
do que toni'ir a ewmln prior tne o soneto f
Cniira os ladea, que liaveinos tr.izid.) ao doiui-
nk) do publico ha de ser in.potente o engenbeiro
Ernesto, o qijaquer p\rien que i> ipieria ajudar :
perqu os nao podi>rao contestar vfe]nriosaniente.
corno o leilor ha visto.
Na verdade, que resposla seria se |todjjr dar.
verbi yratia.un tacto da prislacao mafidada pauaj'
an arrematante dos rejoros ita iiojile de JaK)itin,
quando eto ermfessa m nni roimerimeirK) a p-e-
sidencia. que nunca tocn na ponte para a eoncert
tar,enocoiitra'.iseestipuloua clausula, de s str
paga n primeira prstamo tiuando cokclHia meiO'
I l:iW0Mm4d*d* cbrntt V
Por tanto melhor avisado andara o engenheico
Ernesto, letivesse bcrecomido ao silencio, proto-
i indo alienas un penilel m; e nao vir a iinnroiisa
agerava a Ma po.-icao ante a opin publica. <
coinproinetter o son futuro.
Temos concluido.
294:687 856
nlfiCH/flrWm
3:3)X)000
1:330*000
l-:u$;lKh Rauk of llio de Janeiro.
subscrevi.Barros Rogo pro-presidente. Dr. Pitan- nlnilal iln
ga, Di%T. Villa--It-ias. Santos. Bogo, o Silva do -'I1'1'"
Brasfl. J^ies il
l.OXDON & BBASILIAX BANK. LIMITED.
Capital do Banco 13.000 aees
a 100.................. 13.3.l3:33333()
AeTios einillidas 13,000...... 11,855:855*890
Capital pago ai 18por acones. 3.2OO:0O0000
ll.M.AX(;o DA CALVA Fll.lAL KM PKBSAHBUeO EM 31 DE
OEZEMHUO DE 1868.
Artiro.
Letras descontadas..........
Crditos sobro diversee outros
bancos o caixas BliSCS.....
Caixa om inooda coiTente____
Banco
le 20
Capital reasadn .
Fiiiiilo de reserva
iJmlted.
50.000
1.000.000
.,(10.000
09.903
Jlalanni da -aixa filial em PeraanAwe, era
31 de (lezemhro de IcKiH.
.Miro.
Bs
Patth >.
Capital foinecido
matriz.......
Depsitos:
Emconfa corren te
simples.-..
A prasolixo.
Letras descontadas. .
Garantas e valores de-
i positadoSi.......
923:7793UO Mohili etc., do Banco..
Empreslimos e cotilas
caueiouadas.....
Letras recabar. .
.OUO:279a3.")0 Diversas cuntas.....
---------------Caixa..........
LV2.V787.3i70
e08:7i580
pola caixa
832:3413710
748:9803260
Crditos, diversos outros ban-
cos o caixa-; libaos........
\i<............
88:888 vS'.M i
1.381:322}! 1711
V89:867-S320
2.960:2795380
l.*W:8<):v<00
<;:0:irH00
8:'<:>:uo
I28:700W0G
l:l8(S8:;i)
iK9:IC8:>2l)0
MXLIOI.VTIO
.OK:4(il>IOO
Piiuko.
Cuidas correales sim-
1 pies (>33:73i>700
Depsitos praso lixo,
iniit aviso e por le-
tras I .fi9:8lMW70
S. E. e()
IVrnanibiico. 3 do jain-iro d(
1869.
Clare > Snpetf Art..
Accoiinlant.
Ttulos em caurao o <1.>-
posilo........-
Letras pagar.....
Diversas contas.....
2.o:i.>400
o9::UUAiS0
57:387X250
.NOVO BANCO DE l'EBNAMBl'CO
ii \i \ m:ktk do novo bakuo dk nWHUm km i.iqlt-
PACAO. K'.t 31 DE DEZEMItno DE 1868.
rli'n.
Letras luotoslailas........217:llliii8
Titules depositados........ 36:337*678
S. K. 0. .0'>',(il.>100
Pernambuco de Janeiro de 18(59. .
Jusi'plt S. Laiubley, AccotuiUitit.
F. B. Blo.rham. Miuager.
TABELLA DO HENDIMENTO DA Al.FANDEOA DE PKMNAWtrco IX) HEZ DE DEZEMHhO IM)
COHtEXTE ANNO FINANCEIBO, COMPABADO COM O DE IGt'AES MEZES IM)S DOW
ANNOS l'LTLMOS.
JmpoeAmlo
Diroitos de consuno......................
Ditos addiciona. s de 3 %.................
Ditos addicionaes de 2 ",.................
Ditos de baldea< ao o roexpnrtacao.........
Ditos de ditos do reexporlaco "para a Cesta
d'Africa..............................
Expediente dos /eneros estrangeiros navega-
dos por raboL'.gem......'...............
Ditos de 'A % dos gneros do paiz.........
Ditos de 3 % dos gneros livres...........
Armazenagem.'.........................
Premios dos assiiuiados...................
Despacho martimo
Ancoragem.............................
Exportarao
Diroitos de 13 % do pao brasil.............
Ditos de 7 % de exportacao (9 % no exerc-
di* 18681860.......7T....I..........
Dilos de 2 >/ dem.......................
Ditos de i % do ouro em barra...........
Ditos de [i % dos diamantes..............
Expediente das capalazas................
Interior
Sello do papel fi:;o.......................
Dito do papel projiorcional.-...............
Emolumentos...........................
Imposto dos despachantes.................
Dito de 3 e 13 % de transmisso de proprie-
dade.................................
Extraordinaria
Becoita eventual o multas.................
Dizimos da provincia das Alagdas..........
Ditos da provincia da Parahyba............
Ditos da provincia do Rio Grande do Norte.
Contrbuieao de caridade..................
18tS 1*69
876:1833242
Alfandega de Pernambuco, i de Janeiro 1869
V93:1963677
69:li8712
2233939
2193712
\
1:9) 13 766
4:60136.33
1:3993662
264771
1:4643200
281:39)SI!I9
7873400
7363100
2:103790
323600
623300
257330O|
1:3283379
JS07 1&8
839:2743739
10:0503714
6:5073123
203189
3323453
790:8473090
103:4933348
2263406
2263638
1:162>80i
3:3103905
3:6383115
2:6253621
3:4043300
213:0183812
7843380
5593600
3023670
403000
1373500
4043750
1:3843950
i
PEDIDO.
da ciipi-
Se o |mro qxigisse a iHiblicario das formulas de
todos os remedios que so vendo, baveria muiU) me-
nos charlatanismo, e o.nico monopolio que se
podia estabclcccr ento seria aquello da superioti-
dado.
Olcfr luto metIclaaal Ir Ogado do
bacalhao de I^auman *i Kemp.
' fendes alguina crianra, ctija resjiiracodifflell e
afi]tiejante tosse san provas da piosenca "u da
aprdxiinac'o da pbtssica? Se assim lancai nio
1 logo da melhor preparaeao do nico antidote
condecido, para a molestia quo recriis. Dsai pola
do oleo puro de ligado de bacallao do Lanman 4
Kemp. Entre o branca o o negro ixiste mu pouca
differenca. e ambos sao os melhores remedios de
sua classe que se podi-m preparar com os ligados
frescos ]Mir nieiii do mais approvado proeesso. A
Sra. Lena del Valle, de Bogla, escreve que a sua
filha do 19 anuos do Idade, so achava reduzida, 80-
jtundo sua prupria plnasoologia, apelles e ossos,
em razaud'unia tnsse obstinada o continua, suores
nocturnos e eirpoctoracao assustadora, iiorni quo
havia sido milagrosamente carada, no espaco de
doz semanas com este remedio. E o inesmo attes-
tado relativamente militas mocas o vysinhas,
que a primeira vista se achavara ja mati defuntas,
foi recebido pelos Sis. Lanman & Kemp, da Sra.
Joanna Vives, de Caracas, da Sra. tertrudes Pe-
ralta, do Buenne-Ayres, o de outras militas. Nao
resta pois duvida alginna deque o oleo de ligado
de bacalh.'io diftanman & Kemp, o pulinonico o
mais poderoso e offMt*
Ai ha-so venda as phannacias de A. Caors, J.
da Coucoicao Bravo A- C. M. A. Barbosa. P. Man-
rer & C. e Baillinlonieu & C.
A nova municipalidadc
pltal do llecife.
Quarenta anuos sao nassa los depois da existen-
cia das cmaras municipacs em virtuds da eonsli-
luica i. E a dcima primeira muiiicip ilidade elei-
la para esta capital, a que vai entrar *in exerciciu
no dia 7 do crrante.
o que alii lica pois. que atieste a es stencia des-
sa instituicao por espaco do 10 anuos Nada mais
do que as lulas eloitoraes. sob cujas cabalas tem
sido emitas : um s vestigio perianto i o so apun-
ta na Dossa capital que indique a exi.- lencia (lessa
corpnracan. priiueiro elemento da gov macan poli-
tica, social, e econmica do municipio de um paiz
livre. E vira a nova niunicipalidade sobro memo-
res auspicios, e surgir para o municipio os me-
Ihoramentos de qu precisa O lempo se encarre-
gar oe o dizer.
Em verdade parece incrvel que a [ir de lanos
inolhorainontosinatoriaos que se nota n na capital
do Bei-ile. mu sii durante tio longo le ipo da e\is-
lencia de sua niunicipalidade. dola na3 partisse !!
E como, j>e non) ao menos fez cousliuir at boje
um edificio em que funecione tirando-o da condi-
cao coiiiinuin de iiupiilino em predio alngado !! O
que resta por tanto das atlnbuicoes que llio foram
conferidas, a dos lucios pecuniarios, que consu-
mera seu orcaniento ? Nada mais (for-oso diz-
lo) do que esse grande volunte de posturas, sem
grandioso
sacoM con algodao e oulros-gneros ; a c impa-
nina Peniainbucana.
Ro de Janeiro12 dias. barca franceza Angustia.
de 534 toneladas, capilo Perrandv. cqtppagein
,12, em lastro; a E. A. Burle 4 C. .
Natos saludos no mcsnui da,
ll.ivre*Ltigar fr.tiicez Kd^Grunde, oapito Lemie-
ro. carga algodao e conree.
liba do-eml Barca ppnuguoza* Gomtan'n III. ca-
pio Patisiino Antonm dos Reis. em lasir.
Liverjiool por MaeeioV-Brigoe ingtell Jura, capilao-
Scarto, em lastro de a-suear.
Rio-Grande do SulBarca brasileira Tli reza, ca-
pilao Marques, carga vinhoe laiinha de trigo.
(biertfirao.
Fondearam no laraarn>em hrigiieorle-uHeinao-
o um patacho inglea, maa nao tiveram coiumuni-
cacao com a lena al meio-dia.
DECLARACOES.

r
exociicao em sua maioria : um pessosl
e tent expediente sem resultado.
Lina aualyse que se lizesse da antigla niunicipa-
lidade eom a de boje, bastara para pin em relevo a"
vida ingloria dossa nova iuslituico. Outr'ora, em
poca de mingnados reoursos, sob o rgimen ab-
soluto deixou a antiga niunicipalidade vestigios de
sua existencia. assim que nosta caplal se apon-
tam as duas casas de ribuira das fl'oguczias de
Santo Antonio o Boa-Visla e a praca da Iudeppii-
dencia, que so nao leem a importaofila do dia de f\t'
boje, o foram sem duvida nos dias de sua eroaeo.
E isto que fizeram o aatigos vereaderes nao po-
deriain ter feito os quo lhe succederam? E que
cuta o. senao havia mais patriotismo, havia sem
duvida o estimulo do dever, e a respmsabflidade
moral do cargo, caracterstico dos tiiuipos nidos.
I- que cutan baslava um honra Jo Alio ilacel. func-
ciouario daquelle lempo encarregado da polica
PRACA DO RECITO 8 DE JANEIRO
DE 1869.
as 3 l/2uon.\s .v t.miih:.
Assucar bruto canal liom2-3670por arroba.
Cambio sobro Londres90 d/9 18 3/4 d. e do ban-
co 18 5 8il. por 13.
F. J. Silveira
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
BANCO MAUA & C.
Ra do Trapiche n. 34.
Descorita letlras co nmerciaes a taxa con-
vencional. Recebe din'heiro, a premio con-
vencional, por lettras c em conta correte.
Confiere crditos, saca sobre as primeiras
pracas do imperio, Mi. da Prata e Euro-
pa, e compra cambiaes sobre as mesmas
pravas.
Kiicaire,'a-se, por commissao, da com-
pra e venda de fundos publieos e aeces de
companln'as, da cobranca de lettras e di-
e de qual
videndos ou de seu pagamento)
quer outra operaco bancaria.
O expediente para o publico comecar
s 10 fioras da manba, e terminar s i
horas da larde de lodos os dias atis.
11G ttjfl
1,127:7704109
8:566280
2:3894836
4034835
1:2354269
1,140:3634359
9284640
5164060
2644280
334200
156*380
114800
9954038
899:2704567
2:6754944
9:9154935
2304230
6414403
912:7344101
Anselmo Jos Pinto de Souza
Sen indo de chefe de 2* sec^ao.*
rOLTflCA INTERNA
Partido conservador.
( COMMNrCADO. )
A leitura dos ;,rtgos dos eugenheiros, Ernesto
de Carvalho e Dr. Pedro Ucha, publicados nos
jomaos dosta cidide, nos forneceu prova cabal pa-
ra a sustentaw do que havemos dito na imprensa
com reiacao ao modo, por que no dominio da liga
so goriram os negocios pblicos nesta provincia,
creando-se, come bem disse a Opinio Nacional,
urna legio de pensionistas dos cofres pblicos.
A discussao tn.vada a proposito das obras do 3." da legislarlo em vifor ?
districto palemexi os seguintes lacios, que nao Arredilamos que em boa f, e em perfeito un
podem mais ser contestados pela opposicao. ninguem responder sim.
Primo.Qne Dr. Pedro Uchoa, quando enge- Que este facto se deu, nao o nega o engeuheiro
nheiro do 5. districto fez contratos verbaes em Ernesto, pois nao contestou a authenticidade dos
grande numero p .r quantias pequcnias, que, addi- documentos publicados, e antes com cerlo desem-
cuMiauas, hoje prt (axem a?aluda somina. barago, degMiierando em cvnismo, a couessou.
becundn.Que o engeobeiro Ernesto de Carva- Lopco por taato concluir, que o engeuheiro
Entendemos qne neste negocio nao se pode, sem
offender aos principios da lgica, negar a solida-
riedade do Ilustrado, e probo Dr. Gervasio Cam-
pello, chefe entao da reparticao das obias |>ub-
cas.
Insistir no contiark querer zorobar das leis do
bom senso.
Pelo que diz respeito a segunda proposicao, Lsto
, de ter sido o eugenheiro Ernesto juiz em causa
de seu tio, pois em tanto importam as informacoes
por elle dadas, sem as quaes nao teria aquello di-
reito a receber o valor das obras arrematadas, per-
gunlaremos.
Pode un sobrinbo ser juiz de seu tio em face
lho, sendo notneado para substituir aquello dontor,
foi o inspector das obras arrematadas por seu tio,
o tenente-eoronel Antonio Francisco Paes de Mello
Brrelo, em rujo favor sempre se pronunciou, apc-
zar do grao de prentosco que, por forca de le, o
suspeitava para juiz em causas taes.
Teriio.Que as arremataoes das obras do 5.
districto, e em tolas em que nterveio o mencio-
nado teente-eon >nel por si ou por supp.ista pes-
soa, as disposic/Ji* das leis flseacs garantidoras dos
diroitos e intere; ses da fazenda publica foram es-
quecidas. favorecendo o engeuheiro Ernesto actos
que sao reprovadais, e qualiOcados de patotas.
Analisaremos cada umadestas tres projiosioes.
Quanto a primeira o proprio Dr. Pedro Ucha
jiieni a nao a contesta, limitando-se ajumas a re-
uta-la quanto ao numero dos contratos.
Poda o Dr. Pedro Ucha, exercendo as funecoes
de eugenheiro de districto fazer Contratos de obras
cujo valor nao exeedesse de 2004000. submetten-
do-os a .approvaiao do chefe da reparcao, e este
a do presidente tea provincia ?
Sim, por que aisiiu dispoe o regulameuto da re-
partican das obra i publicas.
0 numero destos contratos foi limitado pelo ci-
tado rogulaaasnk. ? Nao.
l'odiain estes c nitratos produzir effeilo, perce-
indo os contratantes as quantias, que tinham
direito, sem appnvaeao do engeuheiro chefe da
reparcao, e scieicia da presidencia que ordena va
os respectivos pagamentos ? Nao.
E como se qur fazer o Dr. Pedro Ucha res-
pousavel nico de actos, que foram ajiprovados
pela jiriaeira auloridade da provincia, e que, ema-
nados de disposl^io legal, nao tem em si o cunho
da iuunoialidade, que se nota nos de sea conten-
dor 1
Ernesto im-orrou em grave censura ante o "tribu-
nal da ni o alidado publica e mesmo na sanecao da
le penal, pelos actos praticados com reiacao a seu
to.
Menosprezar a censura que em nonie da moral
se-fez na imnrcnsa, insultar quem a escreveu, at-
iesta perversao.de espitito.
Resta a terceira proposicao, relativa as infrac-
coes das leis e regulamentos fiscaes em favor de
escandalosas patotas.
Um dos faetos que constituiram prova inconcus-
sa-desta proposicao foi o dos offtcios de communi-
cacio da airomaiacao dos reparos da estrada da
Victoria em 2 de agosto, e a participacao em 3, de
j ter o .arrematante feito mais de metade da obra.
Este facto, que por si s baslava para bitolar io-
dos os outros, foi considerado pelo engenheiro Er-
nesto, como cousa mu vulgar e comesinha.
Perguntaremos nos.
Se o arrematante j tinia a obra feita antes do
dia annunciado para a arrematacao, do que servia
esta ?
So a obra esta va feita o que teria de fazer o in-
dividuo que a arremataase, e que nao fosse o te-
nente-eoronel Paes de Mello Barrete ?
Annunciavam-se a factura le coucertos que de
minio tempo estavam concluidos II
Nao sena tado isto urna ridicula farca ?
Nao ser tamben) prova irrecusavel de que as
cousas estavam n'aquelle tempo preparadas, que
s certos e determinados individuos eram os tnicos
arrematantes de obras publicas, tanto que se aai-
mavam a construi-las antea dos prazos das aire-
mataces ?
Nao ser a isto, que o publico qualiflca de tra-
tantice, patota etc., etc., etc. ?
0 engenheiro Ernesto explicando o facto, diz qne
econmica e sanitaria da cidade, para lle s man-
tel- a polica e aeeio desses i'stijolecii lontns o dv
toda a cidade. sem (, ap|taralo o despendi do bo-
je. E que assim ebegavam n'aquella poca as ren-
das do muuici|iio para muito mais di que o seu
f.:421fl;i "w expediente. _
82:9874915 "' ,l's,:l cmiiparacao jiassar-mos a urna anaryse
5734237 ^ uso e ajtplicacao provoitosa que tem feito a uo-
1.124933 v;i "iunei|alidadc desses edillcios, na proporeoes
por ellos olTerecidas. durante sua existencia de 40
anuos, o que que so observa? Nada mais do que
a eprectacao do lint para que foram creadas es-
1:0114622 sas casas l,e'a antiga nitinicipalidado. tondo-se tor-
2:4284647 "'".'" como correr dos lempos em casas de venia-
10164433 doira tralicancia, ao passo que se tiVessem sido
2 0934240 aPmvetadas e melhoradas para casas de mercado
provisorio, mediante bom regulamento e polica
severa, ter-se-hia assim pnparado os oostumes da
3137S.'iOO PPn'acao jiara o tempo em que se possa cons-
truir ama asa de mercado oas condices deseja-
veis. Assim que, nao ha um s melboraniento na
nossa capital que inereeesse os cuidados da tantas
180:2625149 municipalidades durante to louga existencia !!
O que lica dito com reiacao a nenhuin jnelhora-
meulo material, se observa do mesmo modo pelo
que toca a medidas sanitarias, e de ordem econ-
mica do municipio : anda neste ponto tem sido
ingloria a vida da nossa municipalidade. Seja o
Iinniciro facto de que nos oceupemos o iniadro
icdiondo e repugnante que aprsenla o modo por-
que sao tratados e expostos a venda os gneros de
primeira neeessfdade, sobre tudo aque les que sao
de mais fcil eorrujicao!!
Ao passo que todos presenciam os vehculos que
tiansitain pelas ras da nossa cidade, pertenecntes
a estabelecimentos particulares,, conve Hentemente
preparados, conduzindo glo, cervej e outras
mercaduras de menos importancia, que contraste
uo aprsenla este facto com o modo porque tra-
tada e conduzida a carne verde pelas ras" da ca-
pital, em carrocas inmundas expostas; ao lempo,
levando para os'ses alvergues nojentos! diamados
.assougues, o genero mais delicado da alimenlacao
do homem.M E pois nem ao menos para provi-
denciar neste sentido, poderao jamis ebegar os
recursos e attribuices da nossa municipalidade ?
Era bastante o ter querido espancar to latima-
vel (juadro, para que lhe tivessem sobeijadu os
meios.
E nem se diga que assim procedendp a munici-
palidade, isto obligando os matador $ e vende-
dores de carne que se dedcam a essa industria s
poder exerc-Ia mediante todas as medidas hygie-
nicas e de completo aeeio, teria isso por fim ar-
redar os corrontes no interesse dapopulacao
nao, esse facto nao seria novo na cidade do Reci-
te, anudo se observa abrirem-sc constantemente
inuitos estabelecimentos as mellmre> condices
ile aeeio, al para serem expostos a venda, louca,
vidros, charutos, cigarros, ele. etc.. gneros estes
que alias nao requerem o asocio que demanda a
carne verde, e que se assim procedem livreniente
todas aquellas industrias, para a venda da carne
verde ha a indeclinavel necessidade de medidas
severas para que s mediante todas as condices
hygienicas e aparado aeeio, possa ser exercida
essa industria.
Osriainenle, quem noder encarar o quadro re-
pugnante que aprsenla os assougues disparaos
nesta cidade e enllocados em pequeos espacos
sem o menor aeeio, olTereeendo ao comprador um
balco nojento, um servico de balanca a fwramen-
ta na. e um cortador de carnes em trajes immun-
dos ?I Isto que se d com a exposicao e venda da
carne verde, o que igualmente se observa com a
yenda do peixe, sendo de notar que para este ar-
tigo nao tivesse destinado a municipalidade at
boje um local a abrigo do tempo, em um dos seus
edificios!!
Aqu ficamos j>or ora. Em oulro artigo nos oc-
cuparemos de meUioramentos de oulr& ordem, de
que lano precisa a capital do Recife em seu as-
pecto de cidade notavel e civilsada, e que inde-
pendente mesmo do orcamento municipal se te-
riam feito, se a respectiva municipalidade bem se
houvesse compenetrado da sua raissao.
ENGLISH BANK .
Rio tic Janeiro Limited
Desconta letlras da praca taxa a con-
vencional'.
Recebe dinlieiro em eonta concille e a
prazo ixo.
Saca vista ou praso sobre as ciliados
principis da Europa, tem agencias na Ba-
bia, Hlenos-Avies, Montevideo, New-York
e Ni-w-Oiieans, e iinitte cartas de crebito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7
Rendimento
dem do da
AliFANDBGA.
do da 1 a 4
3 ...... .
74:3704338
31:6894768
126:2604306
MOVIMEXTO DA ALFANDEGA.
Volunies entrados
Man dem
com fazendas
com gneros
Yol tunes saludos com frondas
dem dem com gneros
8t
397
218
232
430
681
Desearregam hoje 7 de Janeiro.
I!ntiuc inglezEleonormercadorias.
RarcaingiezaWo( lhe Teigndem.
Patacho nacionalJnioa/iio=idem.
Patacho dinamarquezCesarfarinha de trigo.
Hatea inglezaJessiVafarinha de trigo.
Patacho dinamarquezAnua Mana- dem.
Rarea inglezaCodstancebacalho.
Barca inglezalfctoor= idem.
Barca inglezaW. of lhe Yasecarvao e ferro.
Rrigue inglezHelenaCana de ferro.
Barca inglezaThetrnmebacalho.
Importado
Patacho brasileiro Jaboatao, viudo de
Kew- York, consignado a H. Forstcr A C, ma-
nifestou :
.>00 banicas farinha de trigo; a Joo
Qniino de Agilitar de C.
1000 ditas bacalho, 100 barris breu,
1000 resina^ paj)el de embrulho, 13 caixas.
ostras, 13 ditas lagostas, 800ditas kerosene.
2 ditas fumo, 1 dita candieiros, ditas ma-
chinas de costura, 2 machinas para fazer
leite, 250 saceos arros, aos consignatarios.
15 caixas arados, 20 ditas machinas para
descarocar algodo, 2 voluntes bombas ; a
Shaw, Hawkes C.
06 caixas agua-florida e drogas; a A.
Caors.
RECEREDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBICO.
Bendimento dodia la4 2:442*0*1
dem do dia 3...... 1:803*309
Yice-consnlado do Per.
O abaixo assignndo vice-cnn>ul da repnblica do
Per, tendo de reuiotlor a junta de beneficencia de
Lima, n nrodneto da subscripeo aborta a benel -
concia dos prejudicadns rom os ltimos terremotos
que destruiraui diversas ciliados c (HivoaWes da-
quelle nat, deixandn milharea de |tessoas ontr/ora
abastadas, roiluzidas ao iliainr grao r iiienilicida-
de: avisa a todos os habitante! fiesta cidade que
qiieiram concorrer para um lini Ido eafMoso, nm*
nu vico-cnisuladn e>tii aborta a respectiva suh>-
cripeo.
Jos Jacomt. T'
Vce-consul. _
Sania casa da misericordia da
Rcrife
Pela secretaria da santa casa do misericordia do
Recife so faz publico, quo nu dia 18 do corrale
.nex, |iolas !l horas da inanbaa. lio salao da i
dos expostos, o llbn. Sr. lenenlc-croaet Imtin i
Pereira de Parias, thesoureiro interino da nio ma
sania casa, fara o pagamento do *| iar o' reneido
no ultimo de dezentro prximo lio lo as amas en-
carrogadas da criaco dos expestoe, que Ibes fo-
ram confiadas : ronvindo, porin. advert r, que
na i sera reali-ado o pagamento s nao com a apre-
sentaeao das crianc;:s.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
rife 7 de Janeiro do 1869.
O eserivao,
Podro Rodr.gui-s de Soiza.
Sania Casa da Misericordia do
Recife
Pela secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife. san convidados, de urdein da junta admi-
nistrativa da mesma Santa (Jasa, oa amates'das
orpbaas em seguida declaradas, para qne venham
requerer preeideneia a sua retirada daqueilo es-
tabelecimento, visto j Icrem completado a sua
odneacn.
Einiiia Pereira, lilha de Maria Honriquota de
Castro.
Aloxandrina Soares, sobrinha de Joaquim Alws
Ni-uios.
Secretaria da Sania Casa do Miscricnnlia do Re-
fe, i do dezerabro de 1808.
O escrivan.
Pedio Borgtut de Senra.
AVISOS MARTIMOS.
coMPAMHA msm\
Paquetes a vapor.
Owportoa do norte esperado
at o dia II do crrente o vapor
Guar, commandante Carlos Go-
mes,oqual depois da denlora tbi
coatume seguir para oa portos
do sil.
Desde j rocebem-so passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual Vri r
ser embarcada no diado suachogada. Encomm das o dinheiro a frote at o dia da sua sabida as 2
horas.
Nnsorecebonicomo encommendas senao oh-
joctos de pequeo valor o que nao exeedam a duas
arrobas d peso ou 8 palmos cbicos de medicao.
Tudo quo pasear destes limites devora ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa-
genss so recebemna agencia ra da Cruz n. 37.
oscriptnrio de Antonio Luiz de Oliveira Azovedo
& C.
4:247*573
CONSULADO
Rendimento do dia 1 a 4
dem do dia 3 .
PROVINCIAL.
4:839*416
4:843*186
0:704*602
MOVIMENTO DO PORTO.
Medicina domestica.
A medicina nao deve ter segredo. As facilida-
des de medicina publicam immediatamenle todas
as suas descobertas que podem ser uleis ao homem,
e a verdade que quasi tudo que se tem desco-
berto de real vaor para a cura das et fennidades
humanas pertence directamente aos facultativos.
O Dr. Ayer seguio o exemplo honrado dos seus
Ilustres predecessores, e patenteou ao publico a
sua grande descoberta para a cura di molestias
do peito e da garganta, o hoje bem conlieeido PE-
TORAL DE CEREJA.
Logo que teve a certeza da effleacia do remedio,
e quando vio desapparecer diante delle como por
encanto, as toases, bronehites, iuflamma;o de gar-
ganta, roqiiido, tosse ferina ou .omprica, angina e
todas as molestias que atacam os orgacs da respi-
rae.o, bem como casos obstinados de tubrculos e
phtysica pulmonar, entendeu que o segredo per*
tencia por direito ao povo,
A'rti'WM entrados no di* &.
Habor Grace24 dias, barca ingleza Fleetwin, de
249 toneladas, capilao Henry Bailey, equipagem
12, carga 3,390 barricas com bacalho; a Saun-
ders Brothers & C.
Terra Nova25 dias, patacho inglez Rosebud, de
171 toneladas, capito Mev, equipagem 8,carga
2,718 barricas com bacalho; a D. C. 4t C. C.
Simpson & C.
Londres47 dias, lugar inglez Cm-ringten. de
248 toneladas, capito G. G. Slrickland, ot|uipa-
gem 10, carga dormenlos para a estrada de ferro
e outros gneros ; a Tasso Irmo.
Montevideo1? dias, patacho norte-allemao Dia-
mant, de 160 toneladas, capito Meyer. equi-
pagem 8, carga 2,000 quintaes hospanhnes de
carne : a Bailar & Oliveira.
Navios sonidos no mesmo dia.
LiverpoolBarca brasileira Adelaide, capito Ma-
noel Jaeintho de Teive, carga algodo e outros
gneros.
LiverpoolBarca ingleza Margare!h Welkei, ca-
pillo Alexander, carga assucar e algodo.
Obserraco.
Suspendeu do lamaro para a Baha o brigue
inglez Chantkleer, capito W. C. Hannoford, com
a moma carga que trouxe de Habor Bretou.
dem para o Rio-Grande do Snl, o patacho inglez
PHoebe, capito i. A. Wiite, com a mesma carga
que trouxe de Haroburgo.
dem para a Parahyba galera ingleza Cely of
Glasgow, capito Kyle, eom o mesmo lastro que
trouxe do Rio de Janeiro.
Afano* entrados no dia 6.
Acarsc e portos intermedios9 dias, vapor bra-
sHeiro Pi-apamn, de 34t toneladas, comman-
dante A. Q. lorres, equipagem 30, carga 470
BRASILEIRA
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o dia 7 do corrente o vanor
Cruzeiro do Sul, cominandanto
Alcoforado, o qual depois da de-
mora do costume seguir par;, oa
do norte.
Desde j reeobom-so passageiros o engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir. a qual devora
sei embarcada no dia de suachogada. Eiicninmen-
das e dinheiro a frote al as duas horas do dia da
sua sabida.
Nao se recoboni como encommendas senao ah-
jectos de pequeo valor o que nao exeedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medie;;"
Tudo ipie passar destes limites devora ser embarca-
da como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas paatt*
gens si'i se recebem na agencia ra da Cruz n. 37.
escriptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azcvede
& C._________________________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Xavrgafo eoatelra por vapor.
Maceie escalas, Penedo.e Araraj.
O vapor Potengi, commandante Pe-
reira, seguir para osjM)ros cima no
dia 13 do corrente as o horas da tarde.
Recebe carga at o da 14 as 3 horas da tarde,
encommendas,passageiros edinheiro afrete ate as
2 horas da tarde do dia da sahida no escriptorio do
Forte do Mallos n. I.
_L
COMPANHIA PERNAMBL CANA
DK
Xavcgafo eosteira por vapor.
Fernando.
O vapor Giqui, rommaiulante Azo-
vedo, seguir para o porto cima no
dia 14 do corrente ao meio dia. Re-
cebe carga at as 3 horas da tarde do dia 13, en-
commendas, passageiros c dinheiro a fretc at as
10 horas do dia da sabida no escriptorio do Forte
do Mallos il 1.
___
COMPAIVH/A PERNAMBUCANA
DK
IVarvegafo esteira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Foruioso e
Tamandar.
O vapor Mamanguape, comman-
dante Mello, seguir para os portos aci -
nu un dia 10 do corrente a meta
noite. Recebe carga, passageiros, encommen-
das e dinheiro afrete no escriptorio do Forte do
Mattos n. 12.__________________
Para o Porto
Seguir com a mxima brevidade possivel a
barca portugueza llumildade; para carga e passa-
geiros, que encontraro cxcellentes commodos.
trata-se com os consignatarios Marques, Barros &
C, na praca do Coipo-Santo n. 6, 2 andar, ou cout
o capito Carlos Ferreira Soares, no pavimento
terreo ou a bordo.
Para o Porto
Segu sem demora a barca portagneta Non
Sencio, por ter grande parte da sua carga
prompta ; para o resto e passageiros, aos quaes
ouerece cxcellentes commodos, irala-so com Oli-
veira, Filhos & C, largo do Corno-Santo o. 19, ou
com o capito na praca do Conimercio.
Para Lisboa
O brigue portuguez Lata I, capito Vieira, vai
sabir com muita brevidade, por ter a maiM* pane
da sua carga prompta; para a que anda lhe mita
e passageiros, trata-sa com Oliveira Fimos A C.v
largo do Corpo-Santo n. 19, ou com o referido ca-
pilao, na pra^a do Commercio.
;






i

MWM
i"



*s**M
Diario rio l'eriiambtN* Qinhi fcira 7 re J*rf8 1869
Para Lisboa
_ Segu ciii poucos di is o brignc portuguez ins-
tante I. pur li i parte do seu eai'regai ionio
prompto ; jara o resiiotc e passageiros. i:
rom Ohvert), Fimos & ('... largo do Carpo-Santa n.
i''. "' >-m ii capitao na praca do Comuiercio.
Para o Rio de Janeiro
Sabir (rom a mxima Lrovidade possivel o bri-
nackmal Trovador, para carga e escravos a
(rete, trata-se rom 09 consignatarios Man pies,
Barros 4 ('.., na praca do ('.orpo-Santo u. 6, segun-
do andar.
Maranhdo e Para
JPara os indicados portos pretende seguir rom
brevidade o Mate nac nal Rosa, para a carga que
llie falla trata-se com Marques, Barros & C., no
jargo do Corito-Santo n. 6, segundo andar.
Para o Porto
Seguir com Ic4a a bretidafle, por j terquasi
in'ii rarregamento engajado, a mui vclleira
barra Vencedora : para o resto e passageiros. aos
<|iiai's olTrroee excedientes cnniinodo.s. Irata-se rom
Cunha limaos & ('.., ra da Madre de Dous
.
Para Lisboa.
Tai sahir rom brevidade o brigae portuguez
J.iin III. capitn (ialva i, para carga 0 passageiros
rata-~croinK.lt. Habrllo. rua do Gommercio n.
Vi, oh com o mesnio capitao.
Jiisi' Suaies ilc Azovi'do, pro'essor tic
luigna e littcratuia naciunal uo Gynuiasiu
Provincial drj Recife,'.tem aborto era sua
c*sa,roa Helia, n. 37,
l ni curio de
II Mil A i-RAXOEKA.
. GEOGRAPHIA E HI8T0-
ni.\.
PHII.OSOPHIA.
RETHORICA E POTICA.
Os estillantes que quizerem frequentar
quah|uer d "estas aulas-, tanto os que deven)
fazer axanie era margo prximo, cunto os
que teem de seguir o curso durante o anno,
podem dirigir-se indicada residencia, de
manha at as 9 horas, e de tarde a qttal-
quer hora.



C( IMI'ANIIIA PERNAMBUCANA
DK
Mavesa^o eostelra por vapor.
l'aialivha. Natal, Maco, Mossor,.
\i,ii ity. Ceari e Acarac.
it*&\\/ O vapor Pira pama, commaudante
Torres, seguir para os portos cima
no dia ti do corrente. as 3 horas da
tarde. "Itrrchr parpa at o dia 14 as 3 horas da
tarde, rnconiiueiuias. passageiros e diuheiro a
fr at as 2 horas da tarde do dia da saluda no
csrriptorio do Porte do Mattos h. 1.
Rio de Janeiro
Segu com brerldadc para o porto cima o bri-
;>ie nacional frote/, tem parir do seu carregamen-
|0 engajado, para o resto (pie Ihr falta trata-se
rom os consignatarios Antonio Lniz de Ollveira
Azevedo&fi,rua da Croa n. ;i~, priineiro andar.
Aula | articular de primeiras
letras.
Anna Theodora Simos, autorisnda pelo Exm.
Sr. presidenta da provincia ao magislerio primario,
scientillca ais senhores pais de suas al raimas, que
se achara ab( ra a sua aula no dia 7 do corrento,
na rua traveisa dosExpostos, casa n. 16, segundo
andar ; bemromo ao resi>eitavel publico, que con-
tina aduiittir aluinnas externas e internas, pen-
sionistas e meio pensionistas, esperando satisfacer
aos Sis. pai* de familias que llie conqarem suas
lilhas, tanto nas materas que constiluem a sobre -
dita instrucc.ao e msica voeal, como tambein no
que for concernente as habilidades de aguiha.
COLIiEOlD
SANTA (JlhlVEVV.
Kaa do Hospicio n. 22.
Todas as aula; desfc'eollagio que coijrthendem
o ensino de primeiras lrtlras ; das linguas latina.
franeeu e ingleza; de geometra, pcographia e
philosopliia. estaro iiuproterivclniente abeftas na
segunda-feira, .11 do concillo. Alm destas disci-
plinas, llavera duas MK por semana urna aula de
grammalica porlugueza e un rurso especial para
a pratica da ronversarao franceza, dirigido por um
professor (rancez. ___________
PrimeraM Iclms.
W.iria' htHUnmix lia Conrdro parloeip Srs. jiai* de suas aluinnas, e :k> mais senhores
que lite miizeeroi dar a honra do uV rwil ,ir suas
meninas para Hi> ensinar o quanlo relativo i
lirinieias letras c costura* etc.. assegiirando-B*?*
qao laia iodo o esforro para que illas em pouco
lampo ohtonuam o dtesejad aperfeicouneiiTo.
lamiiem ensina a ler, escrever e fallar a tingua
franre/a. Pode admiltir meninas iilernas. Altlan-
ca-lhes a boa letra. Abre sua aul. 7 de Janeiro
a rua da Matriz da Boa-Vista n. 1 i.
O Sr. sargento brigada do corno de
policia queira vir a esta Typographi? a en-
gocio.
Aluga-se a loja do sobrado do pateo do Ter-
^o.n.i,cojii commodos para qualquer negocio: a
tratar na loja de images que (lea junio a essa, e
por baixo do inesiuo sobrado.______________
~ rarta.^
A Exma. Sra. 1). Mara Albertina Guerra de Pa-
ria tem una caria na rua da rn n. 23, pi-feieiro
andar.
__--------,----------ja
Trocam-se
Lisboa.
Vai sahir com breviflade o brigue portuguez So-
berano, capitao Bugigan.Ew, para carga e passagei-
ros iralarse coni l. II. Rabelo, rua do Conimercio
i!, ti, ou com o mesnio capitao.
Para Lisboa.
V.o sabir com brevidade o patacho portuguez
Afianra, capitao Silva, para carga e passageiros
trata-sc com E. R. Kabello, rua do Gommercio n.
14, ou (-din O mesnio capitao.
Para.
Segu rom brevidade o brigue-esruna Aurelio II,
eapHao Jos/- Hara Kerraira, tem meia carga enga-
jada, a para o resto trata-se com o consignatario
Joao Francisco da Silva Novaos, rua do Vigario
n. ir
as notas do banco do Brasil e das caixas filiaos,
com descont inuito razoavel : na praca da Inde-
pondoucia n. ti. _______________^^^^^^
O abaix i assignado faz scienle ao respeiUivel
corno comine eial desla praca e ao publico em ge-
ral, que do l' de Janeiro comente lein dado socie-
daie aos seos antigs caixoiros Ioaquim Vieira de
Mello Pinto c Joao Francisco de Monta, v;n 880
c>talHecniento de fazendas i rua d> Queiniado n.
31, sendo a lima dora em diante Antonio de Mou-
ra ltoliiu & (',., competindj smente ao abaixo as-
signado usar ileslaat ulterior deliberacfw. lteci-
fe .'i de Janeiro de 1863.
Maura Rolim.
, Alhga-so o i- andar e metade do 2", do so-
brado amarellida rua doQueimado n. 31. os quaes
se aeham pintados de novo, e sao muito proprios
para os senhores advogadis : a tratar na loja do
mesnio sobrado.
LEILOES.
LEILAO
DE
I ua CS5a terrea n. 48 na rua da Gloria.
finia dila dita n. 2! na rua das Trinrheiras.
Hua dita dita n. 273 na rua Imperial.
Unta dita dila n. 56 iw Berco do Quiabo fre-
guC7a dos AITogtulos.
1I0JE.
Com aiiii'i'isaiTin de diversas pessoas
fu i agente IfartiOS leilao das casas cima
mencionadas todas edificadas em chaos pro-
prios : no arinazem da rua do Imperador a.
Id, as M horas" em ponto.
Be eticas de eaipu etliSeailas em
ehiioK proprlo.s.
A SABER :
l Un grande rasa rain sotao da rua da Venta-
ra ; rto d' Lasserre na Gapnnga n. l.'i. rom sitio
murado, cacimba e arvoredos.
[(.nadita n. 37 ni principio da estrada dos
Affiirios janto ao sitio da vitiva do Herculano,
com sita o e sitio tambem murado.
aa casa assobradada n. 45 da rua da Espe-
ran ;a (CaminhO Novo) com quinlal murado e ca-
cimba r mi agua de beber.
Qaarta-feira /'/ O agente Piulo far leilao por canta e ordein do
Sr. I.ui/. Paeen que ivilra-se para Europa, dos
prodios cima mencionad os qoaes se tornam
recommejidaveis por sernm edificados em chaos
proprios, p >rl )> da cldad i e dos trilhos urbanos :
o leil i ser efecta I > a- II horas do dia cima
te noescriptorio do referido agente a rua da
Grua. 38.
t)lforece-se enrarregar da lavagem e engom-
mado de algun collegio de meninos, ou de agu-
ma casa de c immercio estrangeira, ama familia
qoecora esmero e pontoalidade se oceupa desse
servir : garat te-se a exactid% jicrfeicao e promp-
tidao : a pessoa que quizer annuncie.
Faz um mez q*ie fugio do engenho Canna-
vieira, freguozia da Gloria do Goil, um escravo de
l). Tliereza Fancisca dos Santos Pinheiro, por
nome Vicente, crioulo, de, idado 30 anuos, pouco
mais ou menos, estatura regular, cor preta, ou fula
por estar um poueo descorado, muito ladino, com
marcas de becigas no rosto, bstanle barbado, e
pequeas as barbas, nas costas urna cicatriz de
sipoadas mais para um dos lados, urna pequea
ferida na perna. que talvcz j esteja sa. muito pe-
ralta : queni o apprehender pode dirigir-se ao dito
engenho, que ser licm recompensado.
Aluga-se a casa n. 18 da rua dos Goelhos,
com 3 (piarlos grandes e cozinha : a tratar na rua
do Mondego, olaria n. 13.
Aluga-se a casa nova n. 53, com cominodos,
na rua Augusta, tendo frentes para duas ras :
tratar na rua (lo Mondego. olaria n. 13.
Ama.
Precisa-se alugar um muloqtir, paga-se l'i |
rs., Juaregale 15 annos de dado : na rua ao'Ca-
mig. n. 2 B._____________
CASTDA FOttTLW
Aos 4:000^
Bilhetes garantidos.
rua do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos scus mili-
to felizes biluetes garantid is. um (|uarto n. 3118
com a sorte de 4:O00; dous quartos n. 1631
Can a sorte de 709&. um meio n. 2160 com a
sorte de 1024 e ontras maitas Bortes de lOO,
iti e 20> da lotera qde se acaboude exlrahir a
beneliciodopalrinijnio dos wpliaos (91) convida
aos possuidores a virem receber seus respectivos
premios sem -os desrontos' das Ieis na Casa da
Fortuna rua do Crespo n. 23.
Aeliain-si! a venda os da 5." parle da lotera em
beneficio do recolfalmento de. Ignaras> (M.*)
que se extrahir quarta-feira 13 do correte mez.
Precos.
Bilhete.....4S00!)
Meio.....24000
Quarlo.- 14000
Emporrao de 100 para cima.
Bilhete.....34500
Meio......14750
Quarto..... 875
Manuel Martim 1-iuz.i.
proes>o-
aos
Claudio Dubeux inudou o sea escrp-
torio da rua do Imperador [tara oCirs
de Novembro, n. junio ao hilhar dos
aiviis.
O Sr. vigario Flix Jos Marques Ba-
calho queira vir esta tvpofrraphia a ne-
gocio.
Gome> ile Mallos limaos, estando em nuidanca
de sua loja de joias para a rua do [ibug n. 4. es-
filo provisoriamente porcuna de si ti antigo estabe-
lecimeiito no priineiro andar da rii larga do Rosa-
no_n.2k.__
Stenlo
SEGUROS
MARTIMOS
(0\TRAFO(;0
A Ciflipanliia Indemnisadora, cslalicl'cida
ola praca, toma seguros marilimos obre
navios e seus carregamentos e contra logo
em i'dilicios. niercadorias e mobilias na
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
LOJA
Anreliano ile Pinho Borges. projessor jubilado e
licenciado de instruerao yimaria, continua alec-
rionar em casas particulares ou collegio. por prego
CazoayeJ : as pessoas que: se dignaren) proeora-lo,
podem dirigir-se ao convenio de S. Francisco, celia
n. 25.
Monleiro. Correa &. G., julga n nada dever
pessoa algnma,inas se algueni se julgar sen credor
queira apresontar seus ttulos den ro de tres dias,
para ser pago.
Aluga-se o etcriptorio da r la do Imperador
n 83, que serve para advogaria e tara Sactdro ou
niesuio para oulro qualquer neg io : a tratar no
mesnio.
Douk earaos desella.
do di;
20 do crrente
Ftirtaran na madrugada
no sitioBrejo d'Ariado engen io Bello-Monl
(freguezia da Banda) dous cavallo; cornos signae-
segniules : iim alasao com os qua ro ps blancos.
mais ou menos andador de baixo a niei.i. castrado,
e com um inebaen na mo dirr ta, e marca de
achaque na esnoerda, nao 6 grnd e esta g ndo e
tem marra de bexiga no i-spinhaca ; o nutro rus-
so imi|Muco sujo, graude. com rorriinda e signal
de pisadura no espinhaco, andador de baixo a es
quipar.tambem castrado, e reprsenla ler de 10 a
12 anuos. Ouem deller der noticia iu apprehender
leve-os ao niesino sitio ao niajor Pedro Krnesm Ko-
d/igues da Silva, ou nesla praca n i largo do arse-
nal de guerra n, 3, que sera lein recompen-
sado.
- O abaixo assignado
iiloem
Mara Joaquina da Cruz Celestino
ra particular de primeiras letras participa ..
pais de suas alumnas que abre sua aula no dia Q^WWariO. perante o juizo muiiici
11 do correte e convida aos pais de familias que
de novo llie quizer confiar as saas lilhas o diri-
gir-se a travessa dos Expostos n. 18, primeiro
andar.
Do treno do cammho de ierro, cahio
na estrada, do lado es(|iterdo, para queni
desee, um chrpo do Chile fino, entre a es-
taro da escada ca do Timh-Asst'i: ijuem
o achou queremlo reslilui-lo, mande-o le-
var ou leve-o rua do Queimado n. H, 1.-
andar, que se dar ao portador unta grati-
liraco imporlanle.
Precisa-se do
mila: a tratar
segundo andar
urna ama para casa de ponca fa-
na rua eslreita do Rosario n. 25.
Aluga-se a loja do sobrado n. 32 sita na |>ru-
ca da Boa-visi;, tendo comniodos para.qualquer
estabelecimento : a tralar na rua do Alerrim nu-
mero 30.
A'viso em tempo
Segunda-feira.4 do presente mez, fugio o e-ria-
vo crioulo de u une Cyriaco, de idade de 45, annos,
maisou menos, cor pela, estatura regular, o andar
um pouco inclinadoj para a frente, tem un ou
dous dedos da mao liivia aluijadup. icnal esie
3uo o torna muito conheeido, levou diversas pegas I
e roupa que elle tinha, mas o chapeo foi unido!
chylc bastante velho : qnem o pegar leve-o a rua
da Cruz n. 18, ou travessa da Concordia n. it, que
ser recompensado.
Manoel Jos de Albuquerquo Mello, professor
particular, pronsidnado pela direcloria da inslruc-
eao publica, scientifica ae.s pais da seus alumnos e
os domis qtn o procurar possam, que no dia i 1
do correnle ab-e a sua aula no mesmo sobrado do
pateo do Terco n. 141, onde poderlo os pretenden-
tes entendTeni-se.
Jos Victirino de Kezendec C. continan) a
vender farinha de mandioca de superior quadade.
recem-chegada de Porto-Alegre: a tralar em seu
escriptorio, rua da Cadeia, u. 52, primiro andar.
AVISOS
IVriTLTIl ABCHEOLfiKO E GEOGRAPHIt
!,ER\AILCW0,
llavera sessSo ordinaria quinta-feira 7
de Janeiro corrente, pelas H horas da nia-
haa.
ORDKM PO DI\
Providencias a tomar para a festa do an-
niversario :
Pareceres e mar? trahalhos de commis-
ioes:
Secretaria do Instituto, 4 de Janeiro de
1869.
J. Soai-es de Azevedo,
secreuno perpetuo.
C'ozluheira
Na rua do Imperador n. 73, segundo andar, pre-
-e d( una cozmheia.________________
Criado.
Na rua do Imperador n. 73, segundo andar, pre-
tisa-se de um criado fiel e bem procedido.___
Irmandade de N. S. da Con-
ceicfio dos Militares.
Pelo presente sao convidados a comparecerenj
no consistorio d'aquella igreja, no dia 11 do cor-
rente mez. pe as 4 horas da tarde, os inembros
tanto da actual mesa Bogadora, como da que lem
de funecionar io corrente anuo, alim de ser esta
devidamente impostada.
Boefc. o de Janeiro de 1869.
O secretario.
Joaquim Leocadio \'ie\/as.
' ssocia$to cearense.
Ce ordem do Ilhn. Sr. presidente provisorio,
convido todoj os cf arenses residentes nesta pro-
vincia, a comparecerem domingo, 10 do corrente,
as 10 oras d manha, no palacete do pateo de S.
Pedro, afim de ser feila a eleicao da directora ef-
fectiva da mesna sociedade.
O prsenle convite feito aos que j se inscre-
veram como socios, bem cmodos que o quizerem
ser.
Recife, 5 de Janeiro de 1869.
1" Secretario interino,
Alfredo enligue Garda.
~100|000 do gratificado
Acha-se fugiio desde o dia 4 de junho de 1868
um mulatinho cabocolo de nome Jos, de 13 a 14
annos de idade, vcio do Bonito em Janeiro de 1866
e foi vendido nesta cidade por Antonio Jos de
Mello, negociante daquclle lugar, ao Sr. Fernanda
Jos Cortea, cem loja na rua Direita-dosta cidade.
pede-se as autoridades, quer daqui, quer de fra
(pie o aprehen lana e o fntregnrm a seu senhor.
pp risa-se de umTirnTpara o ervico de urna na roa/Nota cesft cidwlv. no
il'MLS, YIM10
XAROPEDE.JRBEBA.
PREPARADOS' PELO l'HAnMACKLTICO
foaquim l'Almeida Pinto.
As preuararoes de juruheha sao
hoje vmitajozamente conhecidas e
precouisadas pelos mais habis me-
diros, tanto da Europa tomo do
paiz, pela sua eOicacia nos casos
de anemia, calorse, hydropesia,
obstrueco de abdomen, e tambem
nd* e uieiisirtiacrio dillicil, cathar-
ro na bexiga, etc.
Vendem-se era'porejoe a reta-
lhcL. na cidade do Recife, phanna-
cia de seu compositor, rua larga
do Rosario n. 10, junto ao miar-
le! de polica.
XAROPE DE FEUEUOSO
E' de una elicacia verdadeira-
mehte maravilhosa como calmante
do syslema nervoso e applicado
contra a paralisia. aslhma, tosse
convulsa ou coqueluche, tosse re-
cente ou antiga, siiffocaces, ca-
larrhos bronchicos etc., e em gera!
contra todos os silrimenlos das
vias respiratorias, o na iihylisica
pulmonar, sua virtutle contra o
tolano ou espasmos, e convulsies
incontestavel, e ninguein ha gmj
a desconheca.
\akop;
DK
sasa p.vnnii.u.v no parA
ou
DEPURATIVO DO SANGCE.
Usado nas mol'stras de pe I le.
impigens, dores rheumaticas. e
ulceras venreas.
O nico deposito destes medica-
I camentos na botica do Pinto, rua
llarga do Rosario n. 10 junto ao
qiuiilel de policia,
vara desla cidade, a preta Maria. di
la. de idade de mais de ."io annos;
dia 8 do crtenle lugira de sua c;t_H
Boa-Viageiu, e lem os signaos segu ites : quasi to
dos os cbenos da cabeca sao Era icos, costuma
Irazer a cabeca enrolada com pan io como fazejn
as preta* de sua afio, de altura e eorpo recu-
lares, iiu lein dentes na frente, so Tic de cunero
de escrophuiasao lado do pesroro <, lem uni pei-
na mais prossa queontra por cansa de erysqiella.
Boga, pois.o abaixo assignado as respectivas auto-
rjdndes ou capitaes de canipo que uo caso de Ibes
ser apre^eniaila ou capturada digneiu-se manda-la
entregar enisiia casa on le salisfai/i todas a- des-
paaaa.
Vicente Antonia Ao h'siiito Smiln.
40.
1)K
BEL0J0EIK0
DE
VCTOR GRANDIN
40 Rua da Cadeia do Recife P.
O proprietario deste estabeleci-
mento. premiado com a medalha
da exposicao universal de Pars no
anno de 8oo. tem exposto ven-
da em sua loja, inn grande sorti-
mento de relogiospara alglieira,
como sejam : de orno e prata. sen-
do dos melhores fabricantes, de patentes ingiezes,
suissos r liorisonlaes. Tambein tem urna grande
quantidade de relogios para parede e que baten i ho-
ra-;, ditos )iara enibarcaroes e para cima de i ie-a
todos estes relogios sanaos mais bonitos modelos.
O mesmo concerta relogios de todas as qualidades
existentes, assim como tambem concerta chiono-
melros de algibeira e martimos : recebe sempre
|K>r todos os vaporea, um completo sorthnento de
corremos e iranrelins. sendo tudo de miro de lei
e de modelos os mais modernos, assim como diver-
sos objeclos de bijouleria dos mais bonitos e moder-
nos goslos.
Joaquim Jos Gon-
palves Beltrao
RUA DO TRAPICHE N. 17. I. ANDAR.
Sacra par (edoa m paquetes sobre o Ban-
co do Minho. em Braga, e sobre os segan-
tes lugares em Portigal:
Lisboa.
Porln.
Valonea.
(iiiimaiai's. O .
Coimbra.
Chavis.
Viseo.
Villa do Conde.
Anos de Val de Vez.
Viaiitia do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famalico.
Lamego.
Lagos.
Covilhaa.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
BarceDos.


.

ou poder como
ial da primeira
iiu/jao da Cos-
contece que no
a, no lagar da
Amonio Faustino k Castro
Constructor graphleos de madeira. ferro c
nmlros metaes.
LISBOA.
Alm dos utensilios ty|Higraphicos em uso, se-
gundo os mais modernos e perfeitos modelos ap-
provados para o servico da iinpicnsa nacional de
Lisboa e do grande numero das t\|iographias de
Portugal e do Brasil, fabrica pequeos pelo' de
Ierro, em que se poden) todava fazer mpressdes
de formato nao excedente a meia lolha de papel
ronuniiiii. Batea prelos, que j foram tambem
adoptados em manos dos priucipaos eetabeleci-
mentos do paiz. servem excellenlenienle. nao s
para a tiragem de provas, mas ainda para a ini-
pressio de qualquer trabalbo, por mais delicado
que seja, por qflanlo a esse um se Ibes podem
adaptar rama, tympano, frasqueta e ponturas.
leudo, para regular a cravaejio, o competente re-
gistro.
Indurado os accessorios indicados, o preco de
cada prolo de i.'iOOO fortes.
O constructor pode ser procurado na imprensa
nacional de Lisboa. Estes pelos sao portaieis.
|Hdem-se enllocar sobr urna mesa ou baldo
l'ma pessoa de lonja platica no comuiercio
j! oflerece-se para escriptarar livros por partidas do-
t bradas. pudendo ser nrocurado-na ua do Crespo
; ii. 1H. priineiro ailar.
JoseAofmead^oiizaesua uiull erHei
sua uiull
Villar Xogueira de Souza, ftedem a
[ais pessoas que se dignaram honraj-los com sua
I i auiizade. o raridoso obsequio de quinta-feira 7 do
' (Hlenle, pelas 7 l/lhora-, assislre
| ipie inandaiii csar na igreja do
[ Santo, pela alma de sua prezadissinJa'
l>. Albina Rosa de Souza, fallecida e
7 de noveinbro passado.
Briqueta
sjens prenles e
i a nina un>sa
Divino Espirito
i na i e sogra
nl'oriiig; l i'iu
AVISO'
Joao Valenliui Forren a Bastos,
rular de inslrurya primaria, avisa
publico e com especialidade aos
ipie no dia 7 de Janeiro est aberti
| rua de Sania Cecilia n. .'(7. onde ret
tas por preco conmiodo : o mesmo
rofessor parti-
ao respeitavel
pfiis de familia,
sua aula na
ebe ptasiimis-
profestov pro
metle inuilii se esmerar no ailianlamento de seus
alumnos. Nojnesmo dia pretende
fessor abrir um rurso de jirimeira:
para aquellas pessoas que nao pode
diiniiiie 0 dia.
o mesmo pro-
letras a noite
em frequentar
A qnem souber roga-se o especial obsequio de
: informar se existe ainda nesla prov -
Jesni"natiual do Porto, viuva de
i natura) de Vena'/.. Vier.un ambos
18i7 ou 1818. para casa de um fi
Joao Lotireiro, que aqu eslava tan bem estabele-
cido com loja do sapateiro o(f lainaiiipieirni: qnetn
spober e sedignar fazer este favor.
se escriptorio do David Ferretea Ibltar. rua
Hrun n. W, que muito o obsequiar.
Vil
Aluga-se
0 Icrceiro andar do sobrado n. 8,rua da
[mperatrz: a tratar com J. S. de M. Reg,
rua do Trapiche 1. .1.
Pl"ecisa-se de una ama para cosinhar para
rapases SOHeiros : rua do Queiniado n. 23.
kmm
A directora do collegio de Sania T rsala, abaixo
assignada. avisa aos pais de suas ahunnas que no
dia 11 do correnle principian! os trabalhos de eu
collegio. pudendo ainda receber algunas inler las
e externas.
rsula Alexandrina do Barros.
Frederico Maya
iirurgio dentista pela cmoIi
de medicina
do llio de Janeiro.
Tem a honra de participar ao rcepeitavel publi-
co desla capital eseus suburbios, que lera abertoi
sen gabinete de consultas e operarles deutaras a
rua Direila n. l. priineiro uuhr', onde pode ser
procurado todos os dias das 8 horas da manha as
3 (ltanle. Elle acha-se compeleiileraente habili-
tado para com |iei;licao Collocar (lentes atliliciacs
por qualquer dos systmas. p bem assim desempe-
nhar qualquer oulro trabalho 'oncernentc sua
proflssao. O mesmo, fecnnhecendo (|ue nemseui-
pre po-sivel;'.ssenhoras ou criancas sahirem a
procurar o remedio. ojfercCiO-se a ivinover qual-
quer obstculo, declarando (|ue ua cidade se pres-
tar a (pialipierchamado semipi issoiullua cousa
alguma na coiumodidaile dos pa cus de seus traba-
dio-, i' miando para fra della assim mesmo ser
precedido de mu ajuste rasoavel garantindo elle a
segiirancae perfeioao de seos ditos trabalhos. Em
seu gabinete se encontrar eonstantemente exeet-
leuleps dentfrica, elixir e tmtros inedicanien-
los oaontalgicos : rua Direita n. l, jnimeiro
andar.
Methodo Oastilho.
O abaixo assignado, professor particular
de instrocclo elementar pelo methodo Las-
timo, aviza ao respeilavol publico, e prin-
cipalmente aos pais de setb alumnos, qne,
mudona sua aula da ruada Praia, para a
rua de Penha n. l) 1. andar, cuja aula ter
principio no dia rpiinla-leira. 7 do corrente.
Km dila aula recebe-se meninos internos
por preco muito cominodc O abaixo as-
signado bem conheeido do respeilavcl pu-
blico, o qual o nico que-pode mui bem
ajuizar sua capacidade professooal.
Manuel Jos de Faria Simoes.
Precisa-se di
zinhar : a rua das
urna ama. para comprar e co-
Trncheiras n. 9.
(AOS MENINOS)
Enconira-se no armazem do vapor francez, na
rua Nova n. 7, bellos arligos de phanlazia em quiu-
quilberia, e linos brinquedos muito inloreasaates
chegadosde novo, proprios de meninas e de meni-
nos, a preros variareis e commodos segundo os ob-
jeclos.
@@!^^|!2?'pj!|^i;pip| j@|j@l i^ji': ^!^Pflr5!i;5^@lMjiM
ncia Maria di
.nao Loareiro,
para aqui em
lio por nome
ptsi a: na rua das Aguas-Verdes, n. 86.
i\.o,t senhores de engenho
Um moco habilitado era primeiras lellras. oflere-
ce-se para ensinar em algun engenho, mediante
mdicas condiefies : a pessoa qne de seu prestimo
se quizer utilisar deixe caria fechada com as ni-
ciaes A. B., na rua das Trincbeiras n. 48. loja, in-
dicando a pees ou lugar onde.se deve tratar.
PrmeiraK lettras.
Jos Bitlencourl Amarante participa aos senho-
res pais de seus alumnos e mais aos senhores que
be quizerem conliar seus meninos, assegnrando-
Ihes que f.Ti'. romo cosluina. lodo o esforeo para
qne lles obtenham o desojado aperfcoanienio em
ponen lempo. As lenos de leitora n escriata per-
tenceni e\rlu>ivamnte ao annunria lie e a pessoas
de sua casa, suasdiscipulas, qne par i isso esli ha-
bilitada-, por isso pode ensinar com mais rapidez.
pois val mais una lico dada pelo annuncianle e
pela- ditas suas disejpnlas do que dez jior decu-
r5es. Allianra :t boa fettra. Sua escola estar alier-
ta a 7 de Janeiro, rua da Matriz da Boa-vista
n. 10. ____________________I____________
Azevedo & Mello fazem publico com especia-
lidade ao corno" do comuiercio (pie lem jtato e
contratado cora o Sr. Antonio Jps Rotmaes
Braga a sua taberna sita-a rua da (Juia n. 36, li-
viv e desembarazada: quem se
spreeente seus documentos no praz
julcar credor
i de 3 dias, e
. I depois deste prazo perder todo diri'ito. Rec.ife 4
de Janeiro de 1869.______________l____________
Feitor.
casa n, 50 que ser gratificado.
f mdico, rom tanto que d garanta a contento, m*
rija-se a rua da tmpratriz n. 37, priineiro an-
Quem precisar da quantia cima a jura imilla Piaeisa-se de um feitor, que entenda bem de bor-
dar.
ta r jnrdim. iM-i-ieciiido-se solteiro. para uip .-itio
dentro da cidade : a tratar na rua do Cabiig, loja
RUA
CABGA
esquina
da rua larga do
Rosario.
Este importante estabelecimento no seu genero, tem sempre um sorthnento sem igual,
e vende por prepos que nenhuma outra casa pode vender. k
tsta da qualidade e do pre^o das joias cada um pder-se-ha convencer da verdade.
Garante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedras finas por prepos muito ele-
vados.
A loja esta aberta at s 9 horas da noute.
esquina
da rua larga do I
Rosario.
:i
_- ,_^. |. .-.---"V I



Diario de Pvnupnluteo Quiula feira "? de Janeao de 1869.
Arrenda-se um sitio na freguezia dos Afoga-
dos.lygar denominado Ypiranga, cun grande cusa
de vwcnda, grande numero de pos de coqueiros e
oulras militas- fruncirs, assim comu leo propor-
coes para crear vareas de leitc ; a tratar aa nwa-
ma freguezia rna Direa as casas ns. 5 e 7, ou
n^ata typngraplua.
Aluga-se
Duas casas com bastantes commodos na
Cidade Nova le Sanio Amaro a tratar com
Antonio Jos Gomes Jnior, em Santo
Amaro._____________________________
Os dvogados, Dr, Fcente
Dr. Guilherme Angel, oculista, mudou-aeda
ra Nova par; i o Forte do Mallos, por cima do tra-
piche Dantas. 110 Recife, onde pide ser procurado.
As horas das consultas sao dfs 9 as 11 horas da
manilla o das :i as ." horas da tarje.
cietlde.
Da-sea urna pessoaque leona algiiin capital, em
um armazrm de motilados que tein transronos
para o mato : a quein convier annuncie para ser
procurado.

ITlENOlO
Precisa-se ile urna ama para casa de duas pes-
soas : na ra Formosa n. ti.
- Alugani-se o 2" e3 andares do sobrado da
para
por
isso milito fusca: quein pretender entenda-secom
Jos Antunes fiuiniaraes, ou com o Sr. Tliomar. Fer-
nandes da Cunha, na ra da (ladeia do Recife nu-
mero 41.
Precisa-se alugar um criado escravo, para fa-
zertodo servico de una casa de familia : a tratar
na ra da Cadeia do Roerte, n. 51, primeiro andar.
Aignille pour machiner a costure de rover
& Raker, prix de la douzaine SIMO rs. premier
elage ra da Cadeia do Recite, n. al.
Pereira do Reqo, c o Bac/uirclJa- i-uaavvpoik -.* >''""' muiu commodos
J ianile launlia. ejanelaspara todos oslados, e
tinto Pereira do Reg, conttnuam a '
ter o seu escritorio commum ra
doQacimadoH 46, 1. andar, onde
o 2. pode ser procurado a qual-
quer hora por ter a sua residencia
no mesmo andar.
iVo dia primeiro do cor rente mez
na occasido da missa cantada na I-
greja da ordem terceira de S.Fran-
cisco' perdeu-se um leque novo de
sndalo quein poiso achou cque-
rendo restdui-lo o, pode mandar en-
tregar na ra de Sito Francisco,
un!'iaamente mundo novo, casa ter- do Mecido Joao SimoeadeAlmejda para asreaen-
" tarem as suas cuntas eorrentes no estabeleciineutu
Precisa--i'de um amassadnr
lamia em Sai lo Amaro.
na padariaal-
Aula particular de instruccao primaria
Manoel da Souza Cordeiro Simfies avisa aos
senhores pais de seus alumnos, que no dia 7 do
frrente se adiara aberta a sua aula em conlimia-
caodos seus e cercieios, naniosma ra, tra\essados
xpnstos. casa n. Ifl; e ao respcitavel publico, que
contina admiltir alumnos externos e internos, pen-
sionistas e meio pensionistas.
Pelo presente sao cliainados todos os credores
BARTHOLOMEU ft C.
rta lo fado esquerdo
xer recompensado.
ii.
11, que
domesino linalo. ra do A'igario n. li, isto no
nraso de 8 dias, a contar desde boje. Recite 2 de
Janeiro de 189
Precisa-se deuin caixeiro com pratica de ta-
berna : na ra larga do Rosario n. 31 se dir quem
precisa.
Jos Lata V'tto de Mendonca convida aos seus
amigos e aos do sen presado Irmao o rapitao de
trgala Abgasto Netto de Mendonca tallecido em
um dos ltimos rcconheciineiitos da marinlia bra-
silcira iiacampanba do Paraguay, para .issistirem
a una missa que por alma do mesmo seu irmao
se. celebrar no dia 9 do crlente as 8 horas da
nianliaa na reja matriz de Santo Antonio. ____
N'i)
Precisa-se de una boa cozinheira para una
casa de familia, dirijalW'Se a ra da Roda n. la.
Methodo Castilho
Seenndino Jos de Faria Simos, professor par-
ticular de instruccao elementar pelo methodo Cas*
tillio, avisa ao respeitavel publico e com espeeiali-
dade aos pais de familia, que no dia 7 de Janeiro
est aberta sua aula na rna da Penba n: 25, 1" an-
dar, onde recebo pensionistas por preeo conimodo.
O mesmo professor prometi limito s esmerar no
adiaiitamento de seus alumnos. No mesmo dia
pretend' o referido professor abrir um curso de
primeiras ledras ;i noite para aquellas peanas que
nao poderem freqnentar durante o dia.
Constando ao abaixo asignado que algosa
dos berdeiros do finado Francisco Santiago Ramos.
teem vendido alguns esclavos que com o engento
dia 8 do correiite s 8 horas da nianhaa na greja
matriz de Santo Antonio.
Mara Uernardina Mouleiro. seos unaos, linios
e genros muito agradecem a todas as pessoas que
sedignaram ussistir as exequias e acompaa*-
r.im ao ceniiterio o cadver de seu presadsimo
lilho. sobrinho. irmao e eonhado, o de novo Ibes
rogam o earidose obsequia deassistrem as missas
que por tencao de sua alma mandara rosar na
Igreja matrta da Boa-Vista, sexta-feira 8 do cor-
lante pelas t limas da nianlia.
Companhiii pernamlnu-ana
de navegue costeira por
vapor.
o eseriutorio da eompanbia acha-se miniado
S_ra um dos |>i cilios (le sua propriedade edifica*
i'.- no caes dliJTorte d i Mal r funeeionar desde
r..;.- ni iien. 12. moa a eiiuana poro rauo oo
caes.
AMA
Precisa-se de urna ama que saina cosinhar com
perfieao pua casa de homemsolteiro : na ra do
Li-ramate n. ti. loj.a.
Aluga-se a casa nova da rna dos Prazeresn.
41, com grandesc immoilug para familia.
No dia la de dexemuro prximo passado, |r
occasio de embarcar n'um bote na Lingoeta, um
passageiro para burdo de nina barcaca que sabia
liara Mainanguape. esqueceu-se este de urna maca
no bote, que continlia um uniforme de cacbeinira.
urna calca de brim cor da caima, nina camisa de
madapoln, algiunas cartas e (tapis do factura- de
compras feitas tiesta praca, e recibos de dinbeiro.
asaba como :i letras saccaaas por Jos'' Jacintbo de
Carvalho, aeeeitae una por Manoel Rodrigues de
\iaujii, de 7734080 rs., mitra por Joao Affonso de
AJbnquerque, de 9aU0 rs.. e outra aindanor Fer-
nando Soares Rezerra, de 1005000 rs. Ped --se ao
catreiro cima dito, que qumelo entregar esta
maca com os objeclos coudos so poder iaxer na
rita da Cadeia loja dos Sis. \T. & (luimaraes ou ao
IM1 da fuinlicao de Sanio Amaro, taberna de Jos
-lacintbode rvalho. que se gratilicar.
- Antonio Lopes Rraga e Francisco Jos, Gonics.
socios da tirina que at 31 de dezeinbro prximo
passado. girn Delta praca na razao de Antonio Lo-
n Braga c c. deWaram ao publico e ao respeita-
\el corpo do coiuiiiereio, que adinilliram para so-
cio de sua ca-a o sen caixeiro Joao Baplista io-
iDfts, girando a firma desta data em diante na razao
social de Rraga, Gomes & ('... a eargo de quein llca
toda a lii|uidacao da tirina exmela.
Jlecile, i de Janeiro de IM9.
Antonio Lopes Rraga.
Francisco Jos Comes.
Precisa-se de una boa cosinbeira, forra ou
.scrava, no sobrado n. 32 da praca da Roa-Vista,
primeiro andar, anude tambem se compra urna es-
rrava boa, e agradando paga-se bem.
l'ma pessoa competentemente habilitada se
offerece a leccionar. tanto em sua casa, como em
rasas particulares, as seguintes materiu : iingua
portugueza, latim, ftamez. inglez, geographia e re-
thoiica, ludo por preco rasoavel: a tratar na ra
Augusta, n. 67, pjptieiro andar.
Ptvcisa-sede um caixeiro de 13 a 18 anuos
deidade.qiie tenha pratica de taberna, ed fiador
de ^ua conducta: no pateo do Terco, n. 32.
Cosinheira
Precisa-se de urna escrava cosinheira, paga-se
>>em: na ra do Pires, sobrado n. 27.
Criado. ~
No cae de Apollo ni. 69, precisa-se de um criado
de 12 a llannos, para compras e servico de mesa.
rae
meros competentes. Recite 31 de dezembro de 1868
____ ____ ~M.iiioel Peni ir i Rartliolo.
Precisa-se alugar dous moleques para servico
de hotel: na rna das l.arangeiras n. li, hotel.
Aluga-se moa preta queco_nb,c lavae
pie; na-ruaDireila n. 20. 2andar.
eom
O abaixo assignado pelo presente declara que
nestadata renden seuestabelcdnMntode molliados
sito ra de Santo Amaro n.28 ao Sr. Jos Pereira
dos Santos, livre e desembaraeado de qualquer
onus ledente a mesmo edtabrfecimento. Recite
29 de dezojubro de 1868. '
...... l.uiz Cabra! de Medeiros.
Ama.
Km S. Jos do .Manguinho, sitio-n. 2. precisa-se de
duas amas,una laiacoziiiliareonlfa paca engora-
mar ealgmn servico domestico, pafa-se bom alu-
guel agradando.
PARA USO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES
Jarope de jurul*eba garrafa. lo^OOO
Vinlio de jurubeha garrafa. 1:^000
l'ilulas de juruteba vidro. i,^G00
Tintar* de jorobeta vidro. (HO
Extracto bydracoolico dejurulieba. 1.^300
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinho de jurubeba ferruginoso garrafa. 2,5000
Xarope de jurubeba ferruginoso garrafa, i 600
l'dulas de jurutaba ferruginosa vidro. 2000
('leo de jurubeba vidros. CiO
Pomada de jurubeba pote (HO
Emplastro de jurulieba libra. 2:>500
PARA USO EXTERNO
A Jl IIIJBEB 1.
Esla planta boje reconh.'cida cono o tnais poderoso tnico, conio um excel-
lente desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do figado baco, as
bepatites propriamente ditas, ou anda complicadas com anazarchas, as iliflammatoes
subsecuentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as bodrope-
/.as. erjipellas: c associada as preparaces ferruginosas, ainda de grandb vantagem
as anemias, cbloroies, faltas de inenstruacao, leucorrbeias, desarranjos atnicos do
estomago, debilidade orgnica e.pobreza de sangue, etc.
O que dizemos alTirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os
quaes podemos citar ns Illms. Srs. Dr. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarniento, Seve,
Pereira do Carino, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconbecem a excellpncia deste
poderoso meilicamento sobre osdemais at boje conbecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os dias fazem delle applicaco.
Apresentando aos mdicos e ao publico emgeral diversos preparados -la juru-
beba, (vemos por lim generalisar mais o uso deste vegetah fazendo desipparecer a
repugnancia que at boje s^ntiam os doentes de usar dos preparados empiriios d'elle, e
mais das vezes repugnanles a tragarem-se, e que tinliam ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes H_fPofieao um
medicamento, que poderia produzir ptimos resultados.
Os nossos preparados s foram apresentados depois de bavermos clonveniente-
niente estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as pro-
pi edades medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas, fructas ou bagas, e a
dose conveniente a pplieac3o, tendoalm disto procurado levados nossos preparados
ao maior grao de perfieao possiveU para o que nao poupamos esforcos, nao uosim-
portando 0 pouco lucro que possamos tirar.
1 Por tanto os que se dignarein -econ-er aos nossos preparados pqdem ter n
certeza de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar, a prompta e infalli-
vil cura de qualquer dos solrimentos, que deixamos innumerados, se forem em lempo
applicados, tendo alm d'sso, medico eu doente a vantagem de escolhcr as nossas va-
riadas preparaces, aquella que inethor lite pode convir, j pela fcil appcaco, ejpela
complicacao das molestias, iilade, sexo, ou ainda natureza de cada individuo. I
Asnossas preparaces ferruginosas sao feitas de forma que se torn m comple-
tamente soluveis nos suecos gstricos, poique procuramos oscompostos de ferro que
como taes estro boje reconlieeidos.
Para melles que mais minuciosamente queiram conbecer as propiedades da
jurubeba, e sabeiem a applicacao de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em possodeposito um Cometo, onde trataZios mais extensamente d'esta punta e dos
mesmos pr{)arados. ^
Deposito genrlde lodosos preparados
Botica e drogara
31Ra larga do Rosario34.
Do xarope Vegetal Americano, especlalldade de Bartholooieu i C
34RA fcARUADO ROSARIO34
Nao costumamos procurar Restados para acreditar nossos pt i parados, e dei-
xamos que los, Ibes il.oin credilu evoga; porque sao sempre os attestados considerados gratuitos,
e delles que lancamao o charlatanismo; mas. nao quenado offender ss pessoas que
esjwntaneamente nos olereceram os que abaixo van transcriptos, os fazemos publicar,
manifestando-Ibes nos^a gratidfepela attencSo, esperando que venbam elles corroborar
o conceito, e acceitaco que tem merecido nosso xarope.
Barthulomeu & C.
ATTESTAROS
Hlins. Srs. Bartholomeu A C com a mais subida satisfacto que declaro
ser o iaiiope Americano de unta eficacia extraordinaria, pois que soffrendo lia dias de
intensa tosse, ponto de nao poder dormir a noite a despeito mesmo de medicamentos
que lomava, a elle recorr e na terceira colher fui alliviado, ede todo me acbo boje res*
tabel.vi.lo com o uso somente de quasimeio (Irasco: grato, pois,r esse i estillado mani-
fest a Vv. Ss. meu reconbecimento.De Vv. Ss. amigo, venerador e obrigado. Ma-
noel Antonio Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartbolomeu A CPenboradissimo com o favor que me keram
de aconselbar-o oso do xarope Vegetal Americano, de sua composico, quando me cha-
va bastante dnenl de urna constipacao, que me tornou completamente rauco e que
trouxe una lorie tosse, e me impossibilitou de cumprir os meus derere de cantor da
empri'/a I vi na, vou agradecer-lhes meu completo restaliel.-ciinenlo, que obtive eom um
so vidro do mesmo xarope, depois de haver recorrido a niuilos tratamenlos. I)es"jarei
que Otttros como eu recorram ao seu xarope para se verem alliviados de to terrivel
incommodo, tao fatal ueste paiz. Com maior considerado contino a ser de Vv. Ss.
atiento, venerador e obligado.Luiz Cremona.
Recife, 25 de setembro de 1808.
' Illms. Srs. Bartholomeu C0 xarope Veoelal Americano qu. Vv. Ss. teem
exposto a venda e de toda eficacia para o curativo d asthma, conforme observei appli-
cando-o a meu filho Joaquim, menor de qtiatro annos; victima desse flagello, que al
enlo por espaeo excedente a dous annos baria resistido a Otilios sarapes de grande
nomeada. O'ieiram, pois, Vs. Ss. acceitar a expres'sao altamente sincera de meu neo-
nliecimento ao meritorio servico que Ibes prestaran rom o indicado xarope, acreditan-
do-me para sempre deVv. Ss. criado, atiento e obrigado. Americo Netto de Mendonca.
Recife, 2 de outubro de 1868.
Photographia
o pliotographo J. Ferreira Villela participa ao
res|ieiavel pjblie i, que tendo rbegado do Rio de
Janeiro no da 7 ilo passado, toniou a iliiverao do
sen esiabeleciinento rio pliolo-rapbia, sito na do
C.alni.' n. 18, entrada pelo pato da'uiatriz, onde
se contina a tirar retratos por todos os s\-temas
photograplcos. Ntuaesa.....stabelecimento ainda
so contina a tirar retratos em cartao de visita a
9000 a dii/.ia. Ha tambem nina linda mlleccfio
de allineles de ouro de le coui pedras preciosas,
para a coliocacao de retratos.
COLL&IO DE SANTO AMARO
Recite, ra do Coinmercio u. 5.
I^te e^tabeleciineuto de cducaeo, acha-se a dlsiosleo do
Ulmo. Ka. Paes de familiar e a quem mais possa convir. O Direc-
tor fai seleiite, qiie desde j acha-se aberta a matricula da aula de
instsueco primaria, a qual. ser aberta cm o dia 11 do andante :
bem como as secundariaK. cujos cursos tlrero principio pelas fe-
ria e devem ser incerradas em marco, .ts demals fiinecionaro
do dsa 3 de fevereiso em diaute, eom a regularldade do costume.
ncvSftr. 4 ilr Jumlro lo I *ttA.

DE
UMOS
DE
.1.
N. 55RL'A DO IMPERADOR- N. ..i.
0- pianos desla antiga fabrica sao boje assa. conliecidos para seja necessr.no
asistir sobre sua superioridade, vantaaens e garantas que oflereeem aos compradores,
qualidailis catas incontesiaveis, que elles lem definitivamente conquistado sobre todos
os eme l-iit apparecido nesta praca; possnindo um tecladoemaclnnismo que obedecem
a todita as voniades e caprichos das pianistas, sem nunca falhar, por seren fabricados
de proposito e ter-s feito ltimamente mcliioramentos impoi^ntiasimos para clima
deste paiz; quante s vozes sao melodiosas e Asaltadas e por isso minio Mndawis aos
OtlvidoS los apreciadores.
Kazem-se conforme'as eni^mmendas, tanto nesta fabrica como nado Sr. Blon-
del. de Pars, socio correspondente de J. Vigiles, entruja capital foram sempre premia-
dos em todas as exposicoes.
No mesmo esiabeleciinento se achara sempre um esplendido e variado sorti-
m.-nio de mnsicas dos memores autores da Europa, assim como hannonicos e pianos
harmnicos, sendo tudo vendido por preeos comniodose razoaveis.
RMIICAO IMIIIIIWMAN
Eua do Brun n. 52
0 proprietario participa aos senbores de engeoho, que por talla d'agua ou de
annaes se achem inhabililados para moer suas cannas, que est promplo a assentar
machinas de vapor, com moendas ou seut ellas, dentro em oito dias depois de estarem
as pecas mi engentoisto sem precisar de obra alguma 011 de outra mudatica de i
das existentes senao a substituirn das rodas da aluianjarra.
Ama
Precisa-se de una ama reColhida que saiba coser
e eiigomniar. e tambem de nina de rna que saiba
co7.inh.ir e lavar, para casa* de poiica familia, que
sejam de meia idade eque de informal i"ies de sua
conducta : a tratar na ra o AragSb u" 3S.
;
ESTRADA DE FERRO
no
Recife ao S. Francisco.
AVISO.
Pelo presente se faz publico que os yo-
lames de bagagem e carga apresentados
despachos as estacues, deverao ter um le-
treiro ou marca, distinctos. Os que assim
nao estiverein nao ser3o despachados.
Escriptorio da superintendencia, Villa do
Cabo, ;il de dezembro de IHH.
G. O. Mann,
____ Superintendente.
Precisa-se de una ama que saiba perfeita-
mente cozinbar: na ra do Uueimado n. 42,
loja.
AVISO.
Cbristovao Ferreira Campos participa ao publi-
co, e especialmente ao respeitavel corpo do com-
niercio, rjne tem admittido para socios da sua casa
coinniercial ra da. Cadeia n. 32, a seus caixeiros
Joao Mendes de Araujo e Manoel da Cunha Lobo,
cuja sociedade tem principio no dia Io de Janeiro
'le 1869, na raiao social de Mendes. Lobo & C., fi-
eandoo socio Campos coniinanditario.
Troca-se o Jornal do Commercio do Rio de
aneiro pelo Diario de HrnamtmL a contar de
1KW em diante, a quem convier dirija-se pelo cor-
rcio a l-'loriano Al ves da Cosa ra do Rio Com-
prido n. 7 A. Kio de Janeiro, indicando a quem se
deve remetter o dito Jornal do Cammercio.
Aluga-se o sobrado da i ua Velba n. 15, com
bastantes commodos: a tratar na ra da Impera-
trii n. 54.
O abaixo assignado avisa ao respeitavel pu-
blco. especialmenle ao corpo do commercio, que
tira justo e contratado comprar ao Sr. Joaquim
Hibeiio ila Cruz o seu arinazem de molhados ao
larRO do Terco n 8ti, liv^e e de-embarazado ; |M>r
lauto pede a quero se-jalgar eom qualquer direito
ao mesmo ule no prazo de tres dias.
_________________Ifioiiuxz Jos de OU veira.
de urna ama para cosinhar^ara
casa de pouca familia : a tratar na ra do Amorim
a. JA.
Manoel Maitins Soares avisa ao respeitavel
publico que deixou de ser caixeiro.. desde o dia 26
do corrente, do Sr. Amaro Jos dos Prazeres, e
agradece ao mepmo senhor e a toda sua I-Ama. fa-
milia o bom tramiento que Ibe deu durante o lem-
po que foi seu caixeiro.
TRUJIOS LRUAiNOS
DO
Eecife a Apipucos.
Sendo necessario resgalar os bilhetes de passa-
gens datados e emittidos at 31 de dezembro fin-
do, pede-se as pessoas que os tiverenv a bondade
de os apresentar o mais breve possivel na estacao
da pra^a do Capn, para seren pagos ou substi-
tuidos por outros.
1. de Janeiro de 18S9.
Wm. Raulinson.
VALOR THERAPEUTICO
DO
XAROPE DE QUINA FERRUGINOSO
DE GRIMAULT E COWP.
Pharmaceutcot de I. A. I. o principe Wapoleao, em Paria.
A associacae do ferro e da quina resolvee um dos mais importantes problemas da pharnWia,
e faz com que se congratulam os mdicos dos relevantes servicos que lhcs presta cstd nre-
paraco. r
Com effeito, ninguem ignora que a quina, cm maleira medical, 6 o meilior tnico que se
possa empregar. sendo, sobreludo, unido ao Phosphato de ferro, a mais estimada das pre-
paraces ferruginosas, pois que entram na sua composicio o ferro, elemento do sangue, e o
. phosphato, principio dos ossos.
Por isso, julgmos que, para os srs mdicos, serio iutcrcssanles as observacoes feitas pelos
seus collcgaj, os mais distinctos de Paris : [
Este. Xarope produz os mais felizes resultados nos casos de dyspcpsia, cblorpsis,
a amenorrhea, hcmorrliagias, leucorrbas, febrestyphoidas, diabetes," e quando precisa
t restabelecer as torcas dos doentes e restituir ao corpo as foreas alteradas ou perdidas
AKNAL, medico de S. M. o Imperador.
a nma das raras combinarles que, ao mesmo tempo, satisfazem o medico e 0 doente Em
a quanto a mim, cu a considero como a mais eiicaz preparafao ferruginosa, cuio uso dos
a mais agradaveis para os docnies.
CAZF.NAVE, medico do hospital Saint-Louis, em Pars.
a Com esta preparaeSo d'uma forma agradavcl, e fcil de digerir, adininislra-se a
doentes dois niedicamcnios WiplHiitt.il.
CHAKRIER, chefi tte clinka da Famldade de Parts.
Eu emprego rom o maior CMto o Xarope de Quiia ferruginoso, c o considero Como
t urna das mais felizes nnovacoes, na maleira medical.
CHASSAKAC, cirurgio em chefedo hospital Lariboisiere.
a Este medicamento, sempre bem aceito pelos doentes, deo-mc constantemente os mais
a vantajosos resultados.
HEllVEZ DE CHEGOIN, membro da Academia de medicina.
A limpidez d'esta preparaco, o seu gosto agradavel, isenlo de qualcuer sabor de
ferro., fazem d ella um medicamento lao efficaz como agradavel.
MONOD, addido d Fculdade de medicina.
Deposito em Pernambuco, em casa de Bfaurer e C".
Kl A LARGA 1)1) ROSARIO l ,17
Este acreditado estabeledmento augmenta
de dia em dia quanto possivel para che-
gar ao ruine do bem viver.
Alm dos saborosos manjares confecciu-
naili.s cun o meilior mwo, tem ludios apo-
(IIARITEIA E l'ETIT RESTAMAXT
Annexos ao Botel Central, rita esin-y .,
Rosario n. i A, andar temo.
Para dar a conbecer a variedade infinita
de charatas de Batana, Babia, Etie-.etc.
existem iwste novo estabeleciinento i
-

senlos de hospedagem, lano para ama s'cindimos dos aununcios pomposos que
pessoa, conio para nmnerosa familia. | ramente se fam, rediiandc-uos aj..... i
\ agua, inili'peiisawl elemento para a iivs lebas que sao tres bbb Inun. kmnib e
vida e livoieiie, leino-la sempre em alnin- barato. A' vista do genero aniitinciailo >-
ilainia para focifitac excllenies bauhos. il'-se jul-rar de nossa veracidade. Esta casa
Ha lamliem unta boa bibliotbeca e perio- posa lamlieni das COOdicJJes de um elej
dicos nacioiiaes e estraneios. piano para opet restaurad onde se pode ver a.es-
recreio, bbares, etc. ate. pedalidade dos fiambres e salames de Lion
Sendo ociosa qualquer rivommendarao pata laudics e at l'a/er una boa cola, t,
para tao acreditado esiabelceimento, omil- jiinlainente com os principaes vinhos o
limos mais prembulos, fazendo ve por mercado, sobresabindo entre o bom a D ira
lint, .yie o bom servico, ordem e morlida- e ferveute champagne, o mmsaborosa Rite-
de imperam n'esta ca.a. como observancia no, a primorosa cerveja. o Doof espiriim,- t,
Sel do regnlamento que possoe. o quanto pede urna mesa. Pax-se ,i n
Comedonas a la carte. sorvete e variedade de refrescos.
j_i j {i] .ifl j {*aj| fei] ja| IjjjjBKj
Attencao.
0 abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
publico, e com espeeialidade ao corpo do commer-
cio, que a contar da data de hoje em diante o Sr.
Francisco Jos da Silva Santos, administrador de
sua taberna, sita no bravean da Senzalla Velha n
9, nao pode comprar objcrlo algtun para o respec-
tivo eslabcllecimento, sem que seja a dinbeiro a
vista e pago no acto da compra, nao so responsabi-
usando o mesmo abaixo assignado por qualquer
transacjto em contrario do presenil' annuncio.
Recife, 31 de dezembro de 1868.
Francisco Al ves Monteara Jnior.
0 actor Macelo convida ao pagamento da
importancia de .')0 bilhetes de platea, pessoa frue
em nome de oulras i uilo respeilaveis Ibes roquisi-
lou para o espectculo do seu benelicio, evitaud
assim que seja exigida a dita importancia pelo?
meios que a lei concede, evitando mais a publiri-
dadedefactos que talve'zdeviin vexar a dita pea*
soa.
a-se 25*000 menaes pelo -ervico de um
pelo escravo : na ra do Raqgel u. i.
5^ifi^ss;s==^a__=TO
EFFICACIA
DO
XAROPE DE RBANO IODADO
0 Xarope de Rbano iodado de Grimault e C*, "pharmaeeuiicos de S. A. I. o principe
NapoleSe, em Paris, preparado com o sueco das plantas anti-escorbulicas cuja cicacia
mui popular.
Encerra o iodo como combinado orgnica, e considerado como o melhor succedaneo
do oleo de figado de bacalho.
A rara perfeicSo d'este producto anima-nos a dar a conhecer aqui a opiniio de alguns
d entre os principaes mdicos de Paris, que diariamente o prescrevem.
a 0 Xarope de Rbano iodado um medicamento d'um effeito suave c sguro pan a
medicacSo dos meninos, nio sdmente snppre e oleo de figado de bacalho, mas ainda faz
as Suas vezes com vantagem.
Dr A. CAZENAVE, medico em chefe do hospital Saint-Louis, em Paris.
0 Xarope de Rbano iodado um medicamento de primeira ordem para o tratamento las
t affecedes lymphaiicas e escrofulosas. Muitas vezes, empreguei-o com feliz xito, em ceitos
casos de tsica ao seu principio, como succedaneo do oleo desligado de bacalho. *
D' A. CHARRIER, antige chefe de clnica da Fculdade de Paris.
0 Xarope de Rbano iodado sempre nos deo cellentes resultados como regenerador
do sangue, e succedaneo do oleo de figad* de bacalho.
D' A. FAVROT, autor do Trail desmaladies des femites.
0 Xarope de Rbano iodado um dos mais poderosos modificadores das conscuicoes
lymphaticas. Tenho visto ulceras escrofulosas qne nada podia curar, cicatrizarem-!ie,
grecas a sua accSo, com promptidao extraordinana. Tambem, pelo seu uso dcsappareoim
u affecedes tuberculosas dos ossos, nos meninos.
D' GUESNARO, anligo externo dos hospilaes de Pa'is.
t 0 Xarope de Rbano iodado possue todas as vantagens do oleo do figado le bacalluio,
sem ter nenhum dos inconvenientes que aprsenla este ultimo medicamento.
Dr GU1B0UT, medico dos hospilaes, PresidenU da Sociedad* de medicina de Paris.
f Xarope de Rbano iodado de Grimanlt e C* encerra 4i2 por cento de iodo, na soa
composicio orgnica anloga que se acha no oleo de figado de bacalho.
D KLETZlNSl, professor de chymica, louvado dos tribunatt de Vienna.
Deposito em Pernambuco, em asa de Ntarer e 0-.
MUDANCA
1M)
IMPERIAL INSTITUTO
DE
NOSSA MORADO BOM CONSEUM
Da ra da Aurora u. 52
PARA A
RA IMI HOSPICIO M. 31.
O director coinmunica aos pa'is de seus alumnos, tanto internos como externos, d
Iran-l.Tio o sen collegio para a espacosa casa da 'ua do Hospicio n. 36, a qual oller-
as melhores proporcoes para commodidade c reereio dos collegiaes.
s proporcoes para commodidade c reereio dos collcgi;
No dia 7 de janeiro estarao abenas todas as aulas.
ollerece
FRANCA-BRASIL
.MR. MERCJKR, alfaiate francez, previne ao respeitavel publico a a seus numero
INJECCAO VEGETAL
COM
HIATIC
GRIMAULT e C* pharmaceuticos em PARS
0 successo d esta injecco, preparada com as folhas do Matice do Per, foi do rapid, qne
ella se lem tornada popular em todos os paizes do mundo, para a cura da gonorrha e daa puria-
f9es de toda a natureza. E o nico prodocio nesu genero cuja entrada na Rassia tenba sido
authonzada pelo conselho medico de So Petersburgo.
Deposito em Pernambuce, em casa de atura* O*.
ai



BMHBBmflMPI
Diario do Pernaiubuco Quinta feira 7 de Janeiro de 1869.
^1
I
)
Banlios salgados
Aluea-sc pormodico proc/i utia das melliorea
ila Boa-mgnn, omito frasca, cun salas e
ti natos : na ra Now n. i.
Roga-se ao Sr. Dr. Ranrisoo lioraelbo di
Fonsera lama o favor de elie.-ar na de Hurtas
n. 96,ondcselliedesi>ja fallar, antes de retirarle
Agua Preta. ____
x Una senhora de vinle v tantos anuos, branca,
honesta e soltrira, toe}* i mpregar-M em urna
casa de familia como costircira : a familia que
precisar de nina pessoa nes-as condicoes, pudra
se dirigir ra do Qnciniado n. 10. luja, que se
dir onde se trata. Da-se Banca da conducta.
VMA
i
Precisa-se de duas amas, una para engommar
e on-a para cotinhar : na ruada Cruz n. 66.
KdMeafo primarla e secun-
daria
Na instituicao de Jeronyn o Pernira Villar, na
ra larga do Rosario n. 22, nao so se ensinam as
materias que conslituem o curso regular de pr-
meiras letras, como aa aciplinas preparatorias
para a faculdade de direibs cujas aulas esiarao
abertas ilo dia. 7 du presente Janeiro pr diante.
Attentfto
Antonio Carta Petara de Burgos Putee de Len
romo soliritador du foro destacidade .-dos termos
de fra. se encarre?* de todas as questr.es que t'o-
rem suscitadas pecante os tribunaes rivis. crimes,
commerctoes e eclesisticos, prometteiMo conti-
nuar a extTeer o sen emprego coma mesina leal-
dade, artividaoV e dedicacao. O annimctome, pode
ainda rweber rerto-numero de casas coniniereiaes,
por contracto annual e be rasoavel. tteve derl.-
rar,tac costuma dar as cintas de flesnezas jud-
ela, todas datailas, "speeifcVadas e com escrupu-
losa exactrtao, como aftirntam os qneleem sido seus
BMMfttnles. Qnem, pois, qnizer o "homar eom soa
conaniA, dignar-se-ha f>rocural-o ra das Trin-
theirasno primeiro antlar do sobrado n. 48, junto
ao caftorio do Sr. esrrfcao Motta, para onde acaba
*<1p mwlar-se.
Ama,
Precisa-se de urna ama forja ou captiva para
comprar e coznhar >para una pequea familia : i
?una Nora n. 6X,1ojk.___________________________
tlugain-M*
>ol0c2* andares da roa Direita n. 88, ultima-
mente concertado, calado e.'pintado, c com Ikibs
commodos para familia : a tratar na podaran. 8i
na mesma ra.
GRANDE LIQUIDACAO
A DINHEIRO NA LOJAE ARMAZEM
DE
Flix Pereira da Silva, successor de Gama
& Silva
O monrietario d'este Wtabeleintento convida ao respeitavel publico desta ca-
pital a vir surtit-se no gratule estabelecimento que tem de fazendas, tanto da moda como
S tiy e as posmas que negociara em pequea escalla, tanto-da praca como doum tto-
Hest rasa podero fffler os seus sortimentos em pequeas e grandes porcoen, venden-
do-se-lhes pelos precos que se compra* as casas inglezas ; assim como as excedente,
SSSSS, piderto n.a.t.la. buscar as amostras de todas as J^^JJ^
mos levar em suas casas pelos nossos cataros, para o que acha-se este ettabel
to aberto constantemente desde as 6 horas da manhansV dj;imute.
MADAFOLAO A J.ouu.
O aloxlhade do Pavo.
Vende-se soportar aloalliado de atgodao
eom 8 palmos de largura, adamascado a
Yemlem-se pecas de madapolo lino com
12 jardas pelo barato preco de 3:500 a peca,
.lito com i jardas a 7 000, na ra da Im-
20400 a vara; dito de buho fazenda mu o t|.z m armazem de Flix Pereira da
superior a 3>200 a vara ; guardanapos de gj^
Laiiahas
A dote vintens.
linlin adamascados a W800 a duzia o multo
Bnos a t^OOO, a duzra.
Croi-h* para cad<*lras na loja do
Pavo
r.fe'garam os oais lindos panos de cro-
ch tm guarda hanlras, proprios para ca-
deiras tanto d'encosto, como de bal;
de k'uarnicao, e 0
A doze vintens.
A doze vintens.
Vendem-se lasinhas de cores muito bo-
nilas com desenhos mludSahos e gfandhihos
com listinlias e pintas pelo barato preco de
2i0 ris o covado na loja do Pavao, rita da
tros comprios~para"so-]lraperatrizn. 00, de Feliz Pereirai da Silva.
Ama
Prectsa-ie e una ama pr.ra rasa de rapK. sol-
teiro : narua<:o Oueinmtdv n.2? ____
TLIRATISSIMO
Cateado 'nacional, na 1''urica de Jos Vioente
r,odifio '&('... ra doJaidimn. 19, avisan aos
-US fcregnaesdesta casMIodo interior,qrecon-
tnram-a faricar eatr^dtwm alta escala, e ofle-
recem .vs mlhores eomHcfes, tanto em prro orno
i-in meeto elwi#m a aUJMMJJada senhores eonsunii-
dores do iulerinr. qie i>s quizercm honrar rom
Hia frcgnciia. egpceifioaado em seus juvlidos a
qiuidaile < umerarjH,4iPBreenda-Be paja osea
trejar beu acondieieariiss em casa de seus cap-
n (londotes tiesta pcaa.____________________
Arrenda-se a propriedade deafluinada
Oira Be Berinhaem na littoral da Irejaezia
dimeiaio nome, com muitos foros a tvee-
[ber e mnkoseoqueiroi a deafroctar, tendo-
tim disto, a eueilMIe e rara po#$o de
teirarBar, e heira-rio, iulcira-Jieiite api-o-
prima para manteMe ah qualqter es
lbi'lechni-iito commercial de soceos, e nto-
Ibados; a tratar raa ddlmperador u. 20,
mi tita ila Florentina n. 28.
Maiiocl Ahcs Fi-ri'i'i'u M:.. na ra >Lt .H''
i n. .'i. secundo andar, tem para vender superior
potassada Rns8ia,emnarric meiosbairis e caide
isboada maia novaaue lia no mercado.
f, assim como ditos redondos para mezas
redondas, ditos pequeos para almofadas, e
(titos para oobrk presentes, toado pequeos
at para cobrir mil prato, >p se vendom
por preco muito em cauta, na loja e anna-
zem do l'avao roa da Impoiatriz n. 60, de
Flix Pereira 4a Silva
Fuslor.* para vestidos forneos
Vendem-se os maismodorHosfusles hran-
cos lliwiveis com padrot-sde listas e de
salpicos pnfrios para vestidos e ronpas de
menitu adW rs. 0 covado. na loja e anntf-
zem do PavJio ra da Imaeratran. W, dfl
Flix Porira da Silva.
Oro-aiulv-
Organiv forneo liso, muito lino a 800
rs. a vana:; dito com quaflros op listas, fa-
zi 'tula muito superior a 14 ; iil' de linbo
brancocaBa pabamhas, fazouda muito fina a
tio rs. e "rara.
CiroMleaaVles
ChanmiaMra i loja do Pavo pelo ritimo
varpor uu grande sormento dos memores
erosdeaapl.s pretos e de-cores, tondo verde
tamban, qtie se vendemmais barato que
em ootra ipialquer parte.
Loncos brancos a 11800 a duzia
Vi-n.ii'i.i-.'l.iMusl.i-ancosde caubraia d
algodl a 1-jO e 2^ rs., ditos de linlm a
3(9506 c 'i- i's. a duzia, na loja e armazem
do Pavao ra da [mperateiz n. 00. de Fels
Pereira tia Siha.
. t.H.M.KS A SUUOO.
Veudem-Ai1 ctales de merm com houi-
tas bairas, pelo baratsimo preco de >(MH)
Com muito mat'or vantaycm
Compra o Conuao 4eOwo n. i l). ru do Caba-
na, mondas 6V miro e pfata i pedras preciosas.
Comura-se una casa K'irea com sutao. ou
inesmo >l<- an andar : a naiv ra da Cada. so-
bradan. :.i. primeiro andar.
Compra-se urna negn no aegrq que coziihe
lii-m. e un preto que saiba tratar de un sitio
ra da Cadea n. :iV primeiro anear.
CompraN- UO pipas com Sel (S o caldo);
a tratar no ra i!" Ramos n. .
Ouro r prtita
ni mota p iifc fibras nafiusadas. eompra-se por
biim preeo : na praea da Independencia n. ii.
- Na i'i.na i'i. Indi'pi'iideneia n. 3. loja deou-
ii\cs. eompn snro.frata, e pedim precioas,e
lamben se Eaz qualipicr ulna de eneoBuncnda, e
todo e qualqiier concert.
Compra-se nia bomba para cacimba, que es-
neja em bom estado : a ra da Cruz 11.318.
AS CAMBRAIAS DO PAVAO
Vendem-se finissimas pecas de cambraias
lizas transpaientes tanto inglezas como suis-
sas tendo mis de vara de largura, pelos
precos-de 5^000 at 10^000 a peca, assim
como linissimos orgaudys blanco liso que
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 1#000, a vara, na loja do
Pavo roa da Imperatriz n. 00, de Flix Pe-
reira da Silva.
FSTAO BRANCO PARA VESTIDOS A GiO
Na loja do Pavo vendem-se os mais mo-
dernos nstoifs brancos de lista e cordo
muito encorpado mas muito flexivel, pro-,
prios para vestidc*,roo"prjcs, penteadoros etc.
etc.,e roupa para meninos, pelo barato pro-
co de 640 ris o covado, na loja e armazem
de Flix Pereira da Silva.
SEDAS COM LISTrNHAS A 3>OOo o
COVADO
Wiiilem-se as mais modernas sedas de
listadas para vestidos, chegadas pelo ultimo
vapor com as cores mais modernas que tem
viudo a este mercado, pelo barato preco de
35 rs. o cocada na ra da Imperatriz n.
00 de Flix Pereira da Silva.
Aipaeaslavradas
Chegarain pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
cores, que 6e vendema IrSOOO, o covado,
ditas lisas tendo tambein dtr de canoa a
800 rs, ditas mescladas muito linas a l:()0.
o covado, e unirs muitas fazendas de gostu
e moda que se \eiiilem mais barato do
ipie em otitia ijiialquer parte, no armazem
do Pavao, raa da Imperad iz 11. 00. de Flix
Pereira da Silva.
ORGANDYS DE COR*
Vendein-.-e orcandys de cores com pa-
..... '....."..,.................-.--_, vL'nuem-.e ortjaniivs ue cores com p-
e 2ASUO is., m k>ja do Pavao na da fmpO- dr5eg .^j,,!^,.,,, assentos bran(,lS 0 de
i-atrtz n. t), Ce Feft l'erenn da Silva. (..|V |)(1,0 baratissmo pmo (lc m) rs, 0
jq:ciiiNciiA a %-jm.
Cortes de la :i:-"i00.
Gorte de lia a :t:.*(KJ.
Curies de la a 3:500.
Liaziuhas a 240 ris.
l.aa/jidias a 280 rete,
liaziuhas a 280 y\>.
S o Pavao.
S ij Pavo.
S 0 Pavo.
Vendem-se bonitos corles de Utemlias
para vestidafl eom padrocs modernos tendo
cada um corto i aovados pelo barato pre-
fo de :::>(K) fi, assim como (lilas empeeas
^ue se vendm a 80 rs. o covado. sendo
grande pecbincba na luja e armazem do Pa-
vin rna da imparatr2 n. 00, de Flix Pe-
reira da silva.
BABADmHOS
Vendem-se fiissimoa balwdiohos, tiras
bordadas a ntremelos, mais barates do que
loje, moedas de prata, Ii- em mitra qualqiier parte, assim como espar-
e ooro de lodas as qualida- timos dos mais modernos, no armazem de
Compra-se
bras esterlinas
(k< por inaior preco do que em oulta qttal-, Flix Pereira da Silva, ra da imperatriz
quer parte, na roa da Cadeia lo Recite n.]n. 00.
.'i8, loja do azulejo.
Compram-s moedas de euro naeionaes ou
estrangeinH : o roa da Cadeta n. 4, armazem de
Silva Barroca.
CTJF.C
,?S.A.TA
1 ;ouipram-se moedas de piala e ouro de todos
08 vaiuiis. miro e Mata em obras vellias, epedias
ALTA

NOVIDADE
COJA DO PAVAO
Gi'fguro de seda
Chegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos gurguroe de seda, proprios para ves-
tidos, sejido lisos e lavradinhos, com muito
- linda e de i.iais pliantasia que esleanuo tem
chegado a este mercadoJPe vende-si
ili.'iiijii'. ui-.-f- fscMvos do sexo mascaimo,
raja dade regule de 0 a ;i.*i anaoa: a tratar na
eaeriptorio d>- Jo* Victorino de Hezcndi; & C.
ruada Cadeia n. 8, prmeiru andar.
Machinas do oogtium
i'.iin.nM--'' 11 o machina d r-osUira, que
:a b <. 11 i-- .11 >: na raa cstroii i do ti i.acio,
por
preco nmito ra2oavel, na rna ila hnperatrif
11. 00. de l'eliv Pereira da silva.
Medas de lisias para vestidos
Chegaram as mais modernas sedas lisia-
das nara vestidos, com as cores mais mo-
dernas que tea. viudo ao mercado e ven*
s^5"^"^5^^ dem-se por preco muito em conta por esi
larmos muitos prximos da festa, isto na
loja do Pavao, rna da Imperatriz n. 00, de
eslea
n. 24
- Vende-se una casa terrea, eom bastantes p^|\ Pereira d 1 Silva.
comnuRlo. sita na ra da Eftago, lia poroatjao dos
Montes, eui Una, junto a estar') da estrada do
Ierro : a tratar nenia >idade com Virtrilio de (la-tro
nlivi-ia. Iraveasa da ra di Vigario.
Para armazens a retalho.
O Campos da rna do Imperador n. 20. tem para
vender grande quantidade de medidas de estaoho
para liqual)?. e de madeira para seceos, pelo sys-
tema mtrico decimal, pelo qual esto os negocian-
tea a retalho obligados a vender suas inercadorias,
a contar do Io do mareo do eorrente anno. O an-
nuneiante avisa e garante ac* que de taes medidas
-sitam. q'ie sao estas as mais exactas, por
quinto sao teitts em Parta, de eonformidade eom
o systt'ina cima dito, e sew ndo o padro adoptado
pelo governo iinper iaf ; na acontecendo, prm,
i niesiii) c ii 11 outraa que ah se veudem, que sen-
di da m03iai eapnchde, deversitieam de modello.
viiub aferBeef dividas na s aos compradores
i--mo aos vended *e*.
Vndese nin W'ijo de balancea, graude^d-:
Roma, com conchas, pesos ateridos e mais per-
enees: n) trapiche Gaetra, largo da alfandug
villia n. 0. ;______________________
Ciar oh pimentio.
.\o ar.iiaz'ntdarua do Amorim n.-fi lia pan
vi nd' "i. doce e picante, cxctl-
lente paratiinjicio^a muiUi adoptado na Europa.
limas mam
Comiaerc
ID
to Y aeOliywra & C a ruad)
covado, iii.>.-iinas rassaslraucezascom deli-
cadas ores e bonitos dosenbos a 30 rs. o
covado ditas a 300rs, na rna da Impera-
triz. n. 00, armazem de Flix Pereira da
Silva.
Upupas para homem
Vendem-se superiores palitots de panno
soluvtasacos forrados de alpaca e de* seda,
camisas inlezas e francesas com os peitos
I de caguiao, c.eroulas francezas de linhoeal-
i godOi nieias croas inglesas superiores, ca-
misas de flanella e de meia de laa, assim
como ueste estabelecimento existe um grandi
sortim.'iiio de pannos pretos, e de casemiras
inglezas de cores, e que se manda fazer
ipialipier obra a contento dos Srs. freue-
zes. e pronielte-se-lhes que sero servidos
com a maior promptido e muito mais ba-
rato do que em nutra qualquer parte
na rna da Imperatriz n. 00.de Flix Perei-
ra da Silva.
Cortinados
Para camas e janellas.
Vende-se um grande sortimento dos m-
lhores e materos cortinados bordados pro-
prios para camas r para janellas, que se ven-
dem a 141000 ts. cada par at 281080 rs,
i-to na ra da Imperatriz n. 60, de Flix
Pereira da Silva.
Chitas
Vendem-se as mlhores chitas escuras para
casa sendo de cores fixas, pelos baratos
precos de 320 e 300 rs. o covado, ditas
muito tinas francaeas sendo claras, com pa-
droes de cassa a 300 e 400 rs, pechincha,
na ra da Imperatriz n. 00, armazem de F-
lix Pereira da Silva.
Cirosdeuaples preto
Vende-se um grande sortimento dos m-
lhores grosdenayles pretos, tanto lar-
gos como estreitos, sendo do &$000 rs. o
covado at 4#000 rs. -garautindo-sc que
n'esU genero ninguem tem melhor raze
que se vende mais barato do que em outra
qualquer parte, na rita da Imperalriz n. 60,
de Flix Pereira da Silva.
X
? 1$TMU UlMiU^MIICI'IMllll^l SCFFOCIClO
OPPRESSO
DOCANNABIS INDICA
sGBIMAULTcC'-* PHARMACETICOS em PA RIS^
ROEQCIDAO
Todos os meios al_boje preoonisados contra a astlima nfio tem sido mais do que palliativos
Rcenles expe-
provado que o cnamo
Benfala possue as mais nota veis propiedades para combaler rssa temivcl aft'ccco,
assim como a tosse nervosa, a insomnia, a. tvsica laryngra, a rouquidSo, extinecio da voz,
| e as ncvralgias faciaes. E' pois com o apoie da sciencia que offerecemos estes cigarros, prepara-
dos com o extracto de cnamo das Indias, que nos importamos de Bombaim.
.nn ww ...^.vu .w ..v J debaixo de todas as formas, tendo por base a belladona, o estramonio ou opio,
riendas feitas em Allemanha, repelidas em Franca e na Inglaterra, icm provado
indio de Bencala possue as mais notaveis propriedades para combaler cssa tei
I
\
\
f
Deposito em Pernambuco, em casa de Maarer e C.

/4.11111.U4-i4.4.4-4-4-4.4.4-4.4.14.4-4.4-i4-4-4.4W4-4.4.4.4.4.4.4.X(
TCSSES
GaTARRHOS
PASTILHAS PEITORAES
E LOURO CEREJO
IRRITACOES
00 PEITQ
E' este o mais noto e delicioso confeuo at agora coniiceido. Por isto tem adquirido r-
pidamente a popularidade de que goza. Os mdicos os mais distinen o aconsethSo contra
aa Untes, def'ujcot, catarrhos, tosset convulsas, catarrhes epidmicos, rrilaeSes dt yeito. Com
gratdeempeiheoprocurSo as mes de familia, assim para ellas como uara as enancas, jwis
primeiro que ludo inoffensivo, e as suas propriedades adocanies nc deixio nada a desejar.
, Deposito en Pernamimco*em casa de BUarer o*.
> n ''-. -
Temos novidade na Ierra !
Porm ninguem se espante
A cousa nao de dar cuidado,
*Faz sempre a sua admiracao,
Mas nao offende a ninguem,
Agora n5o se lembrem de novo incendio no pardieiro,
Nem que liouve explosao na maxanibomba,
Nem que o preto Tliomaz fugio da Detenco,
Nem que o vapor chegou einliandeirailo,
Nein que a FRAGATA AMAZONAS \iiou o S.
Nao se trata disso
II Milis"
Ser ('/'/'" j'ii- ilt pez que i/uer paitar <> mtr l0 S8I
Ututo ei consequencia de estar abolida a vara ?
NAO SENHORESTenhami paciencia- Esperen
Nos vamos dizer do que se tratanao com aijuelles modos que toma ocidadio
russo, Sr. Antonio Domingues, quando j-cconhece que na mellior boa fe llie empui laiam
algum livro sem principio nem fimmas sim com aquellas mam-iras assz delgadas qoe
sempre se encontrara no permnio^o ninho da syinpathica Agtiia-Oranca : assim pois
atteiidam: -^
Amigos de fartar o estomago agradavelmente venham ra da Ini|>eraiii/.--ullupi
.asa que ica em frente ao magnifico cafolhem..... olhem..... Nao veem ?
para a casa que i
0 BOM DEMONIO
Agora digam contigo:
N3o se benzam
i Que pcior
Fiquem hem quietos
Que melhor.
Mulher. demonio que importa !
Mulher, demonio hei de amar-te !


Fall
enios mu Io serio
tonj, /."31T5.C

Com o fim de tentar aos bomens a abastecers suas despensas no MV.MrH.o
ARMAZEM DE MOLIIADOS esqu na da rna da Aurora d.vfronte do sumpliioso Cafr Iw-
peratriz; oincansavel propietario Jessc importante esialielecinictibi acaba de provcln
do que ha de mais superior e digno de urna casa dessa ordem.
Este interessante estabelecimento se torna saliente, nao s pela sua oplima I-hoIi-
dade, como pelo formosoeencautador emblema qui- o assignala. -Vede-o fin.....sa Ciree,
encantadora maga que se espellta as aguas do nosso ameno Capibaribe, e como que de-a-
lando o riso para a altaneira Olinda une alm se avista garbosa e gentil repcela da noca < -
peronea de em breve gosar os mais grnios pasmantes que Ihe serao levados pula nova es-
trada de ferro que se acha no nasceouro.
t
Assim. pois,
Venha toda a populaco do
DEMONIO.
Recife ver e admirar a bella physionomia do Hi)M
ALTAS NOVIDADES! .......
PECtnNCHAS
Novamente cjie^adas ao armazem
Para imiiiliii.s
C-rande Bazar. i*ua \o* a dn. *t> c
*S. ei arnefro \ launa ti C
Aeaha de i hegar a wte estaltecimenUi
grandeprciidemac'inas para instorat do
autor Whee'wr Wilson. approvailas i.a ulf-
ma ex|Misic;'io de Paris, as quaes cozemwm
don pospntos toda a costura, e (MR a
vantagem de ser tSe ave o movimeitl
(pa qualquer enanca de oilo annos fai *-
mente Iraballia. e pd, Mm^Ste entrt t"-
niinento. levar vantagem ao servico di
de Irinta ri'Stttreiras. A romprelitie^
simples, pois ''in un quaito de hora se !*-
Di mnbor do movmento da machina, u-\-
d a mesma a pmpiiedadl de fazer as s*-
guiutes costuras: poOpeatar, ahaitii. ,
liauzir. marcar e bordar,eotno api w
os desenhos (lite aconipaiiliaiii-nts. Os |o-
priidarios do ntibrlrramln se eneurro-
'aui de niand.ir r-usinnr n'esta cidadi i
gamntenr entregar importe disnendfc
comprador, no caso de nao tiaiai ir Mira
peifricao a uia.liina v.-ndiib. afb lt'
|)orm. soll'iido i-lla alguma avaria. Ha:
hem no noesmo e*al>etedmento mx'
do autor Grower A- Baker, de trabafto sii i-.
plsmente mSo, e oiifras com novia rato'
dos ps; mxime lodos os perteneei 'v
mesmas machinas, para vender avnfro.
lacteti ilc (li'M'iirorar fpfo
DominpovAU,- Matliciis lempara vewk-! < i
sen eserwtorio na rna do Vigario n. 81, sa|
rea maenmas para desearocar algodao, <\x- toa!
amanhoB. _
Mn-iiiiia.^ I*1 eostuiu
Km easadeThee: Jnst, no ''.es da alfana ?-
lia. M-iui'Tii-s. |uiri'iii- maclnnas de rwt'ir. iu
i'ii'dit.ida ftibr! tilMA l'l.'"i"i' lli';'iin- :''"
de Sow-Yofk.
Ceineuto de Portland.
. Vende-se no irntaat-ni i-, fironn? Fenv;' <
>.n~n A Filho, amada Madre de D.ij? i^
. barril grandes
K'nca^a di-Tlivml. i'!in>tiaii-i n ruaduT n>
Lmenin n. Ift. occinu*aiii-i eflectiv amonte ..s
as i|iialidad''s di \iulm Itirdeaux. Bourpocnc
Rhcno.
\i'iidi'--( .. .inM.i'-M' da labci la ilui
N'oguena a. W, i ra ni iit i bom etado : a tra'.v i
iiM'-ina.
Manoel Uves Ketreira A C, na ni
Mocda n. >. segundo andar tem para .
: ^'jov'ior pola??? da Ros fia em bai ris i
barrs o cal de Lisboa da mais nova qu i
no mercado.
\<-fnl- iini.i b.iiaiifa decimal '
forca, de mil e dyzentas libres: na ra '
Quehnado n. 30.
scrava.
: V'-iuli'--! mu i :i!-i:i iihny reeolhida e sil
I ciiser, engommar, eontiar lavar: atratai
MIE-SE
. no
M-JEL%.B
DE
Tendo-nos chegado ulljimamenli.
mos por este meio ao respeitavel
bom gosto e por precos que uSo ai
Admirem!
| ubi
ico a
tara em
Madapoles finos a ."i,), ->. 7J i
s no armazem do Leo.
Chitas escuras de padres lindo;
co de 120 e 360 rs. o covado.
Cassas de cores com palminhas!
listas de diversos padroes a 24 e
Laazinhas cinzentas e cor de
Sao o ovado.
Chitas claras mindmhas a 320 e
Alpacas pretas e de cores lindas
para vestidos a 680, 700 e 800 rs.
Pecas de cambraia transpaie
5$ e 63. Por este preco admira
Cortes de casemiras de quadri
tas a -$800 e 3fl.
Corpinhos brancos para senhori
3.-200.
Pechincha!
nteis
84 rs.,
por pre-
e com
390 rs.
boniia a
360.
proprias
a W,
i todos!
e lis-
Ul IOS
a 3 e
i calcas e
o-i e
Cortes de cassineta de cores par
paletots a 1A300.
Cassineta de cores com um pequeo to-
que de mofo a 400 rs. o covado.
Esparlilhos muito finos a 4>Ot),
5jKS0O.
Admira!!
Grvalas de seda a 500 rs.
Golinhas bordadas a 500 rs.
Laazinhas a 200 rs. I I
Laazinhas a 200 rs.!!
Laazinhas a 200 rs.! I
No armazem do Leo, rita d.i Im
e padaria franceza.
; fazendas inleiramente nova*.- convkla-
que nos procure comprar fazendas de
nutra qualquer parte.
Lencos bordados a 6->, (v'itM) e 12*300.
Ricos e bem escolhidos gostos de bis-
tuarks para calcas e paletots a i'<> HI 11
corte.
Tambem-tem para acabar pecas i pan-
no de linho, com 27 varas, a I7 e-|Si.
Toallias de linho pata rosto a 104 a du-
zia.
Aos Srs. armadores de nterrs.
Vendem-se juras de hollanda preta eom
10 eovados W : na ma da taperabla n.
48 e 53, junio a padaria franceza, loja do
Leo.
Aii'Micao roupas feitas!! no armazem
do Leo, ra da Imperalriz ns. 48 e 53.
Assim como temos um grande, completo
e variado sortimento de roupas feitas: pa-
letots saceos, sobrcasacos, fraques, jaque-
toes, calcas, colletes, camisas, cernidas,
chapeos etc., tudo por precos que admita!
Tem tambera um sortimento de roupas
ordinarias por preco baratissimo.
Acaba de chegar tambein um completo
sortimento de damascos de cores, senil'.'
azul, amacollo e cor de caf ele., que se
vende por preco commodo.
Admira!!
No armazem do Le5o !
No armazem do Le5o !!
No armazem do Lelo I I
jo armazem do Leo! 11
liz ns. 48 e 32, junto a loja nV ourvcs
U
NOVIDADES
Ra do Qiieiiuado n. II
PORTO & fi.
A este estabelecimento^llegaram as mais lindas chapelinas de crep, lule e pa-
lliiuha da Italia, primorosamente ertfeitadas.
Balees reguladores para senhoras e meninas, os mais modernos o de varias
cores.
feitadas.
Basquinas de seda para senhoras, o qu-' ha de mais gosto, e delicadamente en-
Ricos vestidos de blondo, com manta e capella, para noivas.
Cortinados de cambraia bordados para camas*e janellas. de diversos gostos n
qualidades de W at SOSOOO. L
Taaetes alcatas em peca para forrar salas, gabinetes e corredores.
Camisas inglezas de linio ffcra homem. m
Ricos vestidos de seda pretos bordados agullia c de cambraia brancos tam-
ben) bordados pelo mesnio systema.
Fronhas etoalhas de lirho e de esgoiSo todas bordadas para casarootitos.
Sedas de lindas cores, casimiras de cores as mais modernas, saias de la
barras de cor, chapeos de sol de seda ingkues, espartilhoa pata senhoras e menina
colarinhos de buho para homem i grande sortimento de (azoadas de todas as qualidades
que se vendem por precos que agradam aos compradores
Neste estabelecimento contina a reeeoer-se esleirs da India para forra
las de diversas larguras .e cores, que vendem-se mais baratas do que era mitra qual-
quer parte, por isso chamara a attencao pan as
Esteirus d$ India paro forrar salas.
-.ijh>rii-r lariiiln ile niaiidior.i de Porto-AlCjiK
enn-ebegada ii Psrnna holiandeza Jeantn
ir.ii.o' iiiri-.-n i|(ii i(i di- I' Vil-Inri le }1
'a ('..: rna da i iika it. ''-.
,4Jert!
Vende-se tini......i eavllo, anda uaixo n uwi<:
para ver na roxeira ti.-n.---;.i doOuvidor.
V'eude-se um ptimo cavalln (! i
- ildo. de b mita Hgurai bom para pella : ;i >>
i l'a/. n. i-. cofn ira do Hriin;i! r.
Vcinii'-sc duasearroraa e d .- l
ir na Pea-Vista, pa doRosarioJn. >. e pi
d um menino paro ciixeir na inania.
- Ve ide-M nina c-wava cri mlaj giir
la. idado i-2 anos. insii/iic ongomim deira -
' Ira oosinlnira, i- ni mn iindn lilhi-i'i i litas ,-
to mofas Ofiom li,iiiiii!i.d.> para todo s iv
um egoravo por roo.-, m ira cssa do Carino i
- \ nd"iii-<.'.|i.!.-lii.i:il.ps Im is .h.iiimis. pu-
l1- i cxp. rmenlas no li-abalho; assim i m
rano da altaiul i wi .; a tratar na ra do '
dego n. 2.
LOJDOPASS.
Hua do Crepito n. % \. es^wl ta
la di lud^eradou*.
t) dono deste importante estabelechn ii .
leudo recebido de sua conta, pelo \.
francez Ka,/a,w,rfMrc,divei'sosartigosd'
novidade proprios para a fest, econ
que sen estabelecimento s ada bem soi
do, prmctpabnante em artigosde moda, .
de ao irspeitavel publico e em partictttai
aos seus namarosos Ireguezes a bond
de honra-lo com sua ronlianra, garanli'.'
lhes seren bem servidos e por precos 1 .-
miamente baratos. Venham, pois. !' >
comprar novas e lindas fazendas boa- r
alta novidade. com bem:
Riquissimos cortes de blonde.
Riquissimos corles de seda de cota-.
Bodas de badas COreS para eovados.
Moii'e-anlique azul, verde, blanco e (
lo.
Grosdenapl j azul, verde, braneo c pi-
to.
Gorgurio braneo e preto.
Setim braneo macau.
Cortes de seda com duas saias.
Cortes de la escosseaa com duas -.1 .
tlortes de la e seda, novidades.
Poil de chevre de lindas cores.
Alpacas de cordo lindas core*.
Ditas lisas de todas as cores.
Cortes de vestidos de cambraia bordad"*.
Saias bordadas pata senhoras.
Camisas bordadas 1 .
Fronhas de linho com lindos bordados.
Lencos de cambraia de linho bordado*.
Chapelinas de palha da Italia.
Ditas de sedas de cores e metas.
Knfeites para etbeca de sehora.
Coques de todas as qualidades.
Basquinas de seda enfeitadas com prii
Lei|ues de madn "tela, marlim, >.. 1
lo e osso.
Camisas bordadas .ara home -
Colchas de sjgodSo e .-eda paca cama.
Ditas de crochet para cama.
Pannos di crochel para cadeiras e -
Chapeos de -o! !. seda para sen^o
Espartilhos para
Toalhas de labvriiito.
Lerjcos de labyrii
Ffotiha- de labyrinto.
BiCOS, rend.'
Finissimas carul.i Rorea, p r
e oii^nr- ti t
vidade.
Loja do PasoO n.a to C: 7 A
quina da do mpe-
tu
Veiid.--s- ama
1 o>- i.'
un n. V)
f Mlllffl




)
% -
iMMkWDBHMMMH
Diario ile JYmainbuco Quinta letra 7 de Janeiro tic ?1869.
TRIMPHO!!
A ra do Queimado n. 7
DE
i m silva a- c.
Est c\|isiiTio do respeitavel publico ueste importante estahelmenlo um lindo
ii onapteto sortimento de tamaa llegadas pelo ultimn vapor da Europa, o <|iii* tennis b
Iixua di' annunciar aiis pais de familia, assim como ao bello sexo, a qitem o Trinmplio
PMM sua attencfto : ^aranliiido sempre em sua nova loj o gosto de fazendas e novas inn-
ata* ni Mlilicaciit! dos piceos, para assim adquirir a sympatbia de qtiem flor a honra de
procurar, o Triumpbo.
Lindas serhis de cores novo gosto para 2$600 e 2&800 o covad>.
Glacs de s 'da o lita, apurado gusto para 1 #300 o covado.
Lanziiilias loiu listra de seda para IfWOOo covado.
Ditas de lindos padroes para 500 e'800 rs. octvado.
Cambraias brancas para 10, MKiOO, 5e5S0G at 86.
Ditas de cor, lindos gustos, para 640 e 700 rs. a vara.
Saias di' laa bonitas com barras le %$ a 106.
Hales de la de mussi'lina e arcos per pircos ivduzidos.
Basquinas de grosdenaples de22$ a 35$.
Grosdenaples pretos e de cores.
Musselinas brancas e de cores.
B outras umitas fazendas de apurado gosto, que seria enfadomV> mencionar, as-
sim como tanibem una
PECHIUClfA
que apparecen .i toja do rriumpho, alpacas de furta-corese padroes modernos pelo bara-
11 preco de 400 rs. o covado s no Iriiimplio !
Alin deslas fazendas leni um completo sortimetdo de mada|K>!oes e editas claras
e escuras, que se vendem por inuilo barato preco e se dio amostras a qtiem pfoiry as-
simeomo (|uali|iier fazenda se manda anude for chaado ; estar aberto o estabele-
< monto das 6 da nianhaa s !) da noite.
Roupa feita
Grande sorttmento de pannos, casemiras e brins para mandar fazer qualquer obra
a gosto do preteine.'ile. e lia tambein sunpre prompto bonito sorlimento de roupa feita
que se- vende com grande differenca nos precosdo que em outra qualquer parte.
AO BAZAR DAMODT
Alfonso Moieira Temporal, queivndo liquidar as luiudezas existentes
l df> Queimado n. 55, resolveu aiinunciar as mesmas miudezM para qu
em sua
loja ra do Queimado n. 55. resolveu annuRriar as jnesmasiniudezns para que o pu-
blico se certifique do diminuto pirco porque as est Temiendo, a sabor:
Massos de grnanos com 25 a
Peras de 1 ranea de caracol a
Pecas de lian ;as fisa de todas
as cores a......
Cexinlias com pliospboros de
cera duzia a. \
(ravatiiilias de seda para lio-
meii) a.......
Sabonctes linos a 240 e .
Aboloaduias para colk'te de
todas as i'jBalidades a. .
Clao de finttti para enfeile de
vestidos por.....
Bolesde niaiiirpeinla para ca-
misas, gfoza.....
Ditos delouca......
Lindas garrafas com agua de
Colonia a......
Frascos c< un sabio liquido para
barba a.......
F
rula ive
o>
40
200
i.
-JO Carrafas.
40 deiaj a...... !.
Frascos com agua d Gtlonia a
Garrafa de tinta -roxa a. .
Missangastle cores, niasso a
CaixasU^m 100 enveloppe
Estampas de santos a. .
:iO Manta? de seda para iioiuem
120: Mitas-de Ra a.....
Fita de sarja para enferte i
520: vestidos por.....
Latas coiy rai\a.duzia a .
HOO Meias crii,is para menino a
Ditas pirtas para senhora a
."iOO Frasco de exlrarta para lenil
160 a........
i Dito de oleo para cabello a
165081 !>o dito d," Lobina (oo e.
I Laa para bordar, libra.
o
..... 320 Eseovas finas para chapeo a
Sapatos de tranca e outros muilos artigos. que cnfadonbn seria
Rl V DO Ql'FIMADO Y" 55
Temporal
16000
320
HO
100
KQO
100
800
320
000
480
240
400

860
350
HOO
06800
320
inrionar.
Pharmactutico
laureado
pela AcUiemia
de
I -; medicina de Pars
i
PASTILHS
Medalhndo
[s POSES iDIGESTIVASl
deBURINduBUISSON
' felt %'.
Sociedtde
^f^ fornen
CON LACTATO DE SODA E MAGNESwT
Estas Pastilhas consttnem o medicamento o mais novo e o mais racional para eombater
todas as affeccoes das vas digestivas. Ellas contem, com effeito, o acido lacticjo, nm dos
elementos normes da digestfio, combinado com a magnesia calcinada, rajos bns effeiios
tem sido appreciados por lodos os mdicos, e o bi-carbonato de soda, sal que faz a base das
aguas de Vichy e da maior parle das aguas mineraes alcalinas. Ele trplice conjuncto de tres
DE
i n
M SOIZA SOARES iV C.
Eua Nova n. 50, esquina da ra de S. Amaro.
PARA O AOVO AMO E 18G.
Novo sortimentodeartigoade moda eloxo, recebidoa pelo ltimo vapor rindo da Europa.
Especial sortimento de onjeetos para mimos.
Pl rfumarias linas dos principaes autores.
Luvas de pellica frescas, brancas e de cures para bomeoe e senhoras.
Chapeodnhos de palba de lialia eafeitados,para senhoras.
Ricas chapelmas para senhoras, gorros de pallia de Italia para scnliora- <* meninas.
Especial sortimento di' sintusparasfi huras.
Enfciies do gosto para senhoras.
Filas de grosdanaple superior d todas as cores c larguras.
Franjas com vidrilhos, brancas, de cores e pidas.
Guarnieses de todas as nulidades para vestidos.
Vestoarios completos para baptisados.
Gofinhas e dudos enfeitadospara senhoras.
Coques modernos, lisos e enjutados.
Bornous de la e seda, cores claras, moda elegante para senhoras debom gosto.
Corpinhos de cambraia enfeitadospara senhoras.
Cache-nez de la.
Qiaposde sol para hoinens e senhoras.
Floros linas, sortimento especial.
Plumas elegantes de qnalidade superior.
Cintos ricos de palha. alta novidade.
Griualdas de lloros tinas.
Camisas superiores para honiens.
Coariahos e panbos.
Ciavatas e inanias modernas.
Bengalas do diversas quididades.
Cautas grandes com qnatro pocas do msica.
Flores de palha para guarninos do vestidos, botoes, tirelas, lacns para enfeites.
Chapos de pe lo de soda pretos, forma a Kotsohild, fazenda superior para honiens.
Correntesde pkuni lino, gostos bonitos para relogios.
Cacoletas de I om gusto para as mesmas.
o Correntes pretas de borracha diversos modelos para rollas.
Objectos para luto.
ApproMtao
da academia
de medecina
de ParU.
S. MANSAS
Phamateutko
luureidti
da academia
de med cia.
As preparacfos ferruginosas liquidas tem desde rauitoi annos merecido a
especial dos mdicos, porque ellas ohrao mais rpido c seguramente do que a< milas c
sSo mais facilmenie toleradas pelos doeutes. Os Pos ferro-mangan icos possuem a inapnre- K
clavel vantagem de poder offerecer n'um instante urna agua ferruginosa gazco^a, do gosio I
agradavel, mais activa do que as aguas mineraes, e conlendo de mais um elemcnO precioso, Jv
o Manganese, qne sempre se acha no sangoe, junctamento com o ferro Empret;ao-se em *
todas as molestias que tem por cansa o empobrecimenio do sanguc, assim como pira vorar
os lemperamentos debis e lymphaticos. A ehlorose, as i'erdas brancas dores a estomago,
a irregularidade da menslruaco e amenorrha ou ppwiiio mente a seu emprego. Dcvcmos mencionar aqu um fado nolave.1, islo que os (lenles cura- "^
dos pela agua preparada com estes pos csto muilo menos expostos a rccaidis do que &
aquellcs que fonio tratados pelas preparaedet ferruginosas ordinarias. Yj\
Deposito em 'ernambtuo, em casa de Maurer e C". ^w
m&Fm
rr-i
E mnitos ontros artigos de novidade queso vista podoni ser apreciados.
Existe Continuamente u incompleto sortimento de uiiudoias, vende-se por
A l]fIMO0^ l5i:tOH
BAZAR DA MODA.
por grosso e a ivtalho
VERDADEIRAS
Pl LU LAS DE BLANCARD
ni
COM IODURETO DO FERRO INALTRAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETt.
Possuindo as propriedades do- iodo et do ferro, convem especialmente as aJffeccos
escrofulosas, a Tsica no principio,a frae/ttetade temperamenfoetambemno casos de
Falta de cor, AMENORRnEA.em que precisareagir sobre o sangue seja paia restituir
lhe a sua riqueza e ahundencia normaesou para provocare regular o seu curso peridico.
K. Ii. 0 iodureto de ferro impuro ou aturado nm medicamento infiel,
irritante. Cojmt) prora de pureza e de. autheteidade das rerdadriras ri-
de Rlanrard, deve-se exigir nosso ello ale prata reactiva e
so lirnia, aqui reproduziila, que ae aelia na parte inferior de um
roiuloircrilr. Deve-se desconfiar das faLsifica(Os.
Aeham-ne em toda a i, ti
irritan
W lula*
^bv no~
PREGO CORRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
m Da fabrica dv
MANOEL & C.
Sua Nova n. 23,-Sua do Cabug n. 8
TASSOltt HAOS
Tem pi'ra vender eul seus tfinazons. alm de ou-
u'us,os segulntes .iiIl
Papel para imprimir.
Perlina azul.
Greve pautado e lito.
Vinlios pni eaixas de doze garrafas
Hourgoi-'ii".
Hery.
MaVira.
Hermitage.
Chamfelis.
Licor de curaen de Holland emeaixas de yin-
te e (nutro botijinhas.
GBSiSU
Kos arnauens de tasto Innios.
Grades de ferro
para jardins, porteiras etc.
Nos anpazens de Tasso Irraos
c iiiisimos di: ii.iiiio
Para serviros de grandes armazn*, para remo-
ver f.arneas ou eaixSes de um para outro, lado pelo
modieo preco de 124000 eada nm.
Fariiilia de trigo de Trieste
.Das memoras marcasPanonia (verdadeira) Pon-
tana e grande sortimento das melliores marcas de
larinlias americanas.
Saceos de fariiiha de trigo do
CHUe
Todas novas, ehegadas nUinamente nos ai ma-
zeos de Tasso Irinaos.
Cemento romano
Nos ariiiazens do Tasso Innaos.
Cemento liydraulico 12S
0 mellior para ludo que sao obras para agua, co-
mo assentamento de canos de esgoto. algi'rozes de-
posito, tanques d'agua, etc.. etc.: em poroBoi de
cincoentn barricas so far leduecao no preco : nos
armazens de Tasso Innaos.
Cemento Portland
O verdadeiro eemento Portland em casa de Tasso
Innaos. ">
Grades de ferro, cercas, por-
teiras, etc., etc.
De dilfeicntes ipialidades jiara rercadosde ani-
maes. chiquiro%para galinbason jardins: no.- ar-
mazoni de Tasso Innaos.
Barris com breu
Nos armazens-de Tasso Imifios
CANOS DE BARBO
Na ra Nova de Santa Rila, na aatiga fabrica de
sabao, ha para vender |>or preeo o mais mdico
possivel. canos franrezes para edifieaeoes e esgo-
tos de toda a (pialidade, superiores a todos os que
aqui tem apparecido pela sua solidez.
PUKl'.OS.
lMM)|Krcano grande de 3 e meia poUegalas.
UgOOpor diti.de e (res .|uartos de dita.
lOOO por dito de 2 e um (|uarto de dita.
.VIH) ris por pistoleta de 2 pollegadas.
Cotovellos. curvas e canos de maior grossura. a
vista se fara o prefo. Compras maiores de 21 IOS
tem ;i por cent* de descont por prompto paga-
mento. Pde-se ver as amostras nos armazens
de Tasso Innaos.
lijlos francezes
Para ladnlliar casas terreas eomasseioe procos
mdicos, milito convenientes e proprios para lairi-
Ibos de cosinbas em sobrados, pelo seu asseio e
evitar a passagem de aguas para o andar inferior
einesmo o perigo de logo, os procos de 30^000 a
4SOOO o milbeiro : na ra Nova de Santa Rita na
amiga fabrica de sabao. e compras maiores de 200
se far o por rento de descont por prompto paga-
mento. Podem-se ver as amostras nos armazi>ns
de Tasso Irmaos.
Velas de esparmacete verdadeiras para lan-
lernas de carros: noannazem de Tasso Innaos.
Vinho do Porto fino superior: no armazein
de Tasso Irmaos.
O melhor cogiiac fiaulbier Freres : no arma-
zn) de Tasso luimos.
Esteiras da India
Em casa de- Tasso Irmaos vende-se esteiras da
India de diversos padroes e larguras, por preco
commodo,
PARA A rESTA.
li\r,t< c garfj s di \<:\\.rn de 1 bolo a
4^)700 a duzia,. kk'ra itlttti tft' Imles a 8fJ,
idem idem para sol>r< n v/. de 1 boto a
->.*K)0. iifoiu idem de a >, todas
emperfeito esiado : a liamleija>
finas e de dii nie i res'de
metal rn<-i|f, ln m {.m ha, ferro
pttra frisar \\"\h\< de metal de u
a 36 polegadas, pn(pilas para banlio, es-
pingardas de 2 canos linas, assim romo pe-
zqs pelo systema mtrico adoptado ltima-
mente pela cmara municipal, alm de ou-
tros mnitos objectos tendentes a ferragens
e miuilezas, que se vemloi i pnr barato pre-
co, na ra Direia ti. %'.\, loja do Braga.
Chapeos de seda (raneada, Pararon, de 16 liases, 28 pollegadas a 16<5
pollogadas a i.'\ e -1\ pollegadas a 14*000.
Ditos de seda G. de N. Bara, de ac, de l bastes. 28 pollegadas a lW:
de 26 pollegadas a 13-5 ; e 24 pollegadas a 12*000.
Ditos de seda G. de N. lisa, de aro, de 12 basles, 28 pollegadas a 12* : de
ao pollegadas a 11>; e 24 pollegadas a I0.*000.
Kjumn Dt08de all,:,ca' de a^0' de i2 hasl(,*> -8 polbgadas a 6*; e 26 pollegadas
Por duzia faz-se descont de 15 OtO
Chupos de sol de panno, de baleia, de 8 basles, 24 e 20 pollegadas a 32-S
o duzia. (Descont de 10 0|0). ir.,.
Ditos de panno, de junco, 8 bastes, a 18*000 a duzia, liquido.
LOJA DO GALLO VIGIl.WTE
Ra do Crespo n. 7
Miuidou vir de sua conta e acaba de re-
ceber pelo ultimo vapor, compl -to sorlimen-
pliantasia, os
por precos
animar aos
)l'0TeSSO coiicnrreiiies -e ao mesmo ternpi dar sabida
,> n^ ? r\ ao 8WO* deposito po tem: lito ra do
US tabynmtfios da speranca Crespo n. 7, loja do Gallo Vig
A lpja de miudezas da ra do Quojuiado Oollinlias, ponhos e camisinl
n. 3o A, vem apreentar a sua esmlbida nhora, fazendas do 68*0 e nov
Conservadora de sua indi vi-ol de ol)Jedo; de novidade < .
j l'li i quaes eslao resohidos a vend
dUalldade, e aUllga dO nimiamente baratos, para assin
concurrentes -e ao mesmo temp
ante.
as para se-
dade.
dos, issini
ineiasinlias
a miiuor
U l/U lLtlIJ/UV liVlll NUtl.
Para descaropar algodSo
Expsito Iniversal de 1807. Premio nnico.
Estas novas machinas obram sem machucar a sement, sem deixar ficar
parcella do teeido, e conservam s libras todo o seu comprimentoe toda a sua
tu-idade, im (pie tanto desejavam os fabricanles.
O aqnontamMla do algodo destruido por urna coirentezade ar fri, produzida
lachinas apresentam a vantagem de poderem ser reguladas pelos traba-
lliadores os mais mexperientes. O seu pequeo volunte e o seu pouco peso permitiem
t-laa com cavallos, p-dos mais pessimos caminhos, e o seu manejo tan f-
cil (|ii; nm !omems |ode, sem se cancar, descarocar de 18 a 20arrobas,e um nieni-
de 8 a 1U arrobas por da.
Muilos agiieultores e negociantes viram funecionar estas machinas em casa do Sr..
turas, pro-
tura.
co, marlim
Finos vestuarios par baplis;
ionio touquinhas. sapatinhos c
para o mesmo fim.
Grande sortimento de bicos rendas de
croch c de outras mudas i]tiali lades.
Superiores eaixas com msica < e sem el-
las, tendo o necessario para co
prias para um delicado mimo.
Finas eaixas com lentos e senji olios para
voltarete.
Agulbas para machinas de co?
Ditas para croch, sendo de i
e outras umitas qtialidades. assim como li-
nhas para o mesmo mister.
Finas griualdas para noivas.
Meias do borracha para queni solfee de
erysipella, assim como meias ae laa para
os que sollrem de rheumatismo. I
Suspensorios para homem e meninos.
Finos pentes de tartaruga para coques Jo
de outras umitas qualidades e pira outros
misleros.
Dedaes. de madreproa, maifim. osso.
ai;o. metal, etc., etc.
Superior agua cosmeocome >ara tingir
cabellos, daijdo aos mesmos asa cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas.pi
Tabellas vermicidas
DE
A loja dagiiia branca
o receptculo da moda e no-
vidades.
A agtia lininc.i tem-se feilo tilo conliccid.i e
acreditada, nao -j> pelas novidailes. variedade, su-
lieiioridade e abundancia de seu sortimento, coniu
|.ela OOntaala eonillludidade de seos prOQM) e mes-
mo pelo sen a.-.saz e nunca olvidado adrado e sinci-
lidaile.
Essis verdades incontestaveis sao sem duvida
apreciadas pelo bello sexo em particular, e pelo
respeitavel publico em (eral, e a tanto tem clirgadu
qne estao qoasl passando como annexim ou pro-
verbio, miando se v nm objecto de eleancia
gosto, novidade, etc., etc., dz-se logo-^aqmme ob-
ji branca.
Quando o club, nos bailes, un nosalaodo
Santa Isabel, una exieljentissima se apresen!:,
garbosamente [rajando, trazendo o moderno cinto
de mu larga lita, lisa, cbamaloiada, ou esc.-sseza
as snas admiradoras dizem coinsigo a'piella lita
foi comprada na loja d'aguia branca.
Quando outra exccllenssima. nao menos gar-
bosa, mostra o rigor de seu bom gosto na acertada
esculla dos enfeites de alta novidade que bella
mente ornam seu vestido, anda mesmo as rivae-
de sua sympafhla conlessamqoeaquellos eafeites
loraiu da loja d'aguia branca.
Quando n'oiilra excellenlissiina. apezar da sin-
gelleza de seu juirte agradavel. se vm as bonita-
luvas de pellica dui|ueza as suas bellas ami-
gas loiivani-llio o gosto e conl'essaiii queaquella-
luvas l.iiain da loja d'aguia branca.
Quando mesmo duas excellenti>siiuas. antiga-
amigas de colle^io, se encontraiu naquelles loga-
res, ilepois dos imprmenlos de recprocos beijos
ambas por forea de sua elevada delicadeza, gabam
una a outra os agradaveis ebeiros de que nsan
en seus linos lencos, e eada urna dat. quaes orgu-
Ihosas pelo elogio do acert de sua esculla, e como
que querendo [Kir simesma justilicar dizem simiil
taiieainenle verdade que este ebeiro foi comiira
do na loja d'aguia branca.
.iluda niafc.
Quando Iiontem os pais afilelos sentan) o rgoi
da dentieSo de seu charo fllhinho, e boje alewi's '
satisfeitos pelo feliz restabelecinicnlo reeebe.ni as
risitas dos seos melhor amigos, dizem aquellos ;.
estes, foi Dena que me nspiroupara que eonyras-
c como comprei, un desses virluosos c.dlare-
Ryer, que se vendem na loja d'aguia branca.
Alm do mullo mais que aluda
falla dlzer.
Quando em um circulo de eireumspeetos carac-
teres se discutir a veraeidade de taes dizeres, appa
recer nm outro qne queira ainda levemente bter-
romper a disenssao, os prtmetn s por momento es-
i|ueceiao "a eircunispeccao e lliosdarao um gia
cioso debique dizendo-lbesj sabemos que Y..
nm daqnefles que inclina o chapeo de sol on .:'i
mereca ser designado pela aguia branca da na
do Queimado n. 8.
Mo tantas as colisas que por
uinas est-apam as outras.
J ia esquerondo a agua branca, mas em tempit
lembroii-se para noticiar, que receben urna pe
quena quantidade de enfeites para coques e gran
pos |iara ditos, ludo feto de metal com lindos e
agradaveis coloridos, obras estas pela primeira vez
appareeidas. c portante inteira novidade.
Tambein cliegaram novamento delirado- enfeite-
e lloros ornadas de aljofares e vidrilhos, tanto de
palha para coques como para vestidos, e ludo
contina a merecer a apreciacau das cxccllenti>-
mas conbocedoras do bom.
l'm balcao em bom estado
do Keeife n. ti.
Vende-so.
na ra da Cadete
freguezia um artigo que at boje custava
muilo caro, e por isso s chegava para a
classe mais abastada da sociedade.
Toalhas de labyrlnthos
20 Perfeitamente iguaes s que se fabricnm
no paiz por una decima parte do valor las viudo a esta loja, apreciar a porfeicao
reunida economa, (nein sempre possivel
jsso).
As toadlas teem um c-culo de lindo de-
senlio e no centro se le em caracteres rs-
calos a allegorica inscripc,3o.A^ baptisar.
A' passeio.Meus cuidados.Lembran-
ca.Visita.
Ninguem porcerto deixai de ir completar
ojenxoval do lindo filbo para fazer economa
de 15 ou 20>,esses nadas de que se compoe
o guarda roupa dos recem-nascidos qua-
si sempre ficaTn aos extremosos cuidados
das mais, a esss a qtiem e Esperanza se
dirige, para tpiem desde j dispe-se a dar
amostras e certa est que pelo preco nenhu-
ma deixar de comprar.
Frouhas
A Esperanca, wmbejn recebeu fronbas no
mesmo goslo das toalbas que vende pelo ba-
rato preco de 3*000, o que custava IOj*J
apreciai e se ligardes importancia ao con-
fortavel da vida, sem duvida comprareis :o"os melliores fabricantes, assim*como mui-
iMste bullo paiz ninguem safaz pobre.dis-*os outros objectos que impossivel des-
pe;!3aiiil) \9,S ou 20-5000, com o acceio 8 crever: isto s na ra do Crespo'n. 7, loja
do Gallo Vigilante. ^
Antonio Nunes de Castro.
Veiniifugo efflcaz e preferivel todos os
condecidos j pela certeza de seu resultado,
e j pela fcil applicaco s criancas, qoasi
sempre mais atacadas de to terrivel e
muilas ve/.es fatal sofirimento.
nico deposito,
Pbarmacia de BartliolomeoAC.
34ra larga do Rosario34
FUNDICAO DOBOWMAN
Una do Sli'iim u. 59.
Machinas de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de caima.
Taixos de ferro, batidle (andido.
Rodas dentadas, para moer com agoa,
vapor e manaes.
E outros mnitos objectos. etc. etc.. pro-
prios para agricultura.
CAZlHAZ
Chegou ao antigo deposito de Ilcnry Forster &
C., ra do Imperador, um carregainento de gaz
de primeira qnalidade: oquaUse vendo em partidas
o a rctalho por menos preco do que eni outra qual-
quer |>arte. .
rfumarias
Tinturajaponeza
Instantnea para tingir os cabellos e a
barba, a l000i frasco.
E' a nica appmvada e recommentlada
por ter sido reconbecida superior a todas
as tinturas d'este genero.
venda em casa de Gustavo llervelin n.
Si. ra da Caricia n. 51.
A Perfumara Victoria hoje muito procurada
pela flor da aristocracia, c das elegantes, por
cansa da fabricaro superior dos productos des-
tinados aos usos do toucador, c entre os quaes
ella creou nma especialidade em cada artigo.
Os seus novos perfumes, preparadas com a
Essencia de Ylangylang, que ella obtem mesmo
as linas Philippmas, pela distillacao do Uona
odoratissima, n8o temem nenhuma concurrencia,
no que diz respeilo nueza e suavidade do cheiro-
pelo eue aconselhmos ao publico elegante que
pefa como perfume para o lenco
0 EXTRACTO
DE

lenco
YLANGYLANG
NOVIDADE
(ninas. vista desias vantagens,j se v que estas machinas sao preferiveis aquellas
de serrar, I a ilo-mais que as queuas dos fabricanles e dos negociantes de Liverpool
llavre, Hamburgo etc., izeram com que o ministro da agricultura do Brasil probibjsse
o uso das ni lobinas de serrar, que muito deprecia o algodo brasileiro dos mercados
Ij Europa.
belleza de que. se decora a babitacao, s
vezes no que menos pensamos, entretanto,
como diziam nossos maiores, a sepultura d;
vida : ainda s senboras a quem a Espe-i
ranea se dirige. Urna sendora cuidadosa
do nada faz a casa.
Ra do Queimado n. 3o A,

S" iW I I I I I
laprofajo
da academia
(tt BcdeciBi
d Par

0 tratamento das affccvSes chlorotica
simo, e muilas vezes essas molestias n
Pliaroiacculico
lauralo
*a
academia
vmpliaucas ou escropliulosas sempre Icntis-
Vende-se ou arrenda-se o engerido S^
Gaspar, sito na freguezia de Serindem, co-
marca do Rio Formoso, prximo do embar-
que, com grandes partidos de pal, e mas-
*ap roda da moenda, matos e mangues
para madeira necessarra, bom pasto.etc.:
tratar na ra do Imperador n. 20, ou ra
da Florentina n. 28.
ign
Collares llover elctricos magnticos con-
tra as convulsoes das criancas e para facili-
ta! a dentincao das mesmas, o Gallo Vigi-
lante antigo recebedor d'estes prodigiosos]
(ollares e contina a ter sempre grande de-
posito, ra do Crespo n. 7.
Jabonetes de alcanzo
Wim
s7KoSSn,m0Dok nTr dT*seac,>arnoslinue i^cumente-com
iic-Denos o cmlWnaWurV,." 'Z^mltl"*." o- PnDClpaeS ^
c9Sa dos callos:
PFLA
Pomada galoupeau.
Deposito especial
Pliarmacia de Rartdolomeo C.
34-------Ra larga do Rosario-------34.
Doce.
Na na do Codorniz n. 8, Forte do Mattos, ha sem-
pre um completo sortimento de doce em latas ecai-
xoes, proprio para negocio, e por preco mais ra-
zovacl do que em outra qualquer parte.
ni:
Antonio Nunes de Castro.
Este acreditado preparado, que to boa
acceitacao tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para a cura certa
das impiiyns, sarnas, aspas e todas as
molestias de pelle.
Deposito nico,
Pbarmacia de Bartdolomeu & C,
31ra larga do Rosario3i.
~*Farinha de niandiociiT
Tem para vender Joaquim Jos Goncal-
ves Beltio, recentemente edegada de San-
ta Catliarina, a bordo do patacbo portuguez
rabe, fundeado defronte do trapiede do
Exra. barSo do Livmaento e par tratar
com o mesmo na ra do Trapiche n. 17,
ou a bordo do referido navio.
A loja de Coelho d- OHveira ra do
Queimado n. 19, recebeu pelo ultimo vapor
um bello sortimento de baloes de diversos
systemas, os mais aperfeiroados que Teem
viudo ao mercado, sendo :
Bajes de guipure com tiras chamados
reguladores, ditos de musselina .iberios por
ambos os IimIos", de modo que sendo todos
de um tatuando servem para qualquer se-
nbora, de la 3e cores, com tiras, e as se-
goaotes fazendas: .
Saias de la com bonitas barras.
Chales turcos de seda c la Beatriz de
Temas.
Fitas de guipur pretos Rocamboly.
Chapeos de sol para senhora, muito hn-
dos. ...
Lasinhas
Sultanes, Poil de Clievre, Tricte, dilo de
xadrez e outras muitas, entre ellas urna
Especialidade
La pura de cores a 360 rs. o covado.
Basquinas a Hara Antoniete.
Cambraias fantazia.
Ditas brancas transparentes o Victorias.
Colxas adamascadas.
Cobertas chinezas a 2,)500 rs. e outras
muitas fazendas que tornar-se-hia enfadonho
ariniinci.it'.
- Vende-so urna jwmw do c
| pnos para bahu*iro : a ra da Imperatriw. 9.
0 BOUQl'ET HR HAMLHA
Alm d'estes dois extractos excepcionaes, que
So propriedade exclusiva de sua casa, os Siirt
Bigaud e (,', preparao igualmente, com particu-
lar perfeico, lodos os extractos adoptados pela
moda, e entre os qijaes citaremos os seguintes :
Jockey-Club. Vilela. leseda.
Ess. Bouquet. Narechale. Jasmin.
Feno fresco. Mousscline.- Magnolia.
Flor dos prados. Rondeleiia. (osa musgosa.
TOI.ni>! ii 11. 11 o
E' urna Agua adminvel para o toilette, cons-
litue ella o verdadeiro talismn da belleza, c con-
serva a pclle fresca, e a le do rsio branca! g' a
Ultima exprcsso da sciencia. "Esl por lodos
reconhecida a sua incoiiiestav.l superiorda e
bre as aguas de Colonia, a agua de Florida e o
vinagres aromticos de maior nomeada.
',;o E POMADA Hint\Dl
Excellcnles pre,.arac5cs que se podem chamar
o thesouro do cabello, e que, comoslas de sus-
tancias lomeas e fortificantes, embellczao e con-
servSo o cabello, ao mesmo terapo que lhe com-
mumclo um ebeiro suavissimo.
. 8ABO MIRANDA
Quem comparar este sabio com os que se
vendem por ah, fcilmente reconhecera soe-
nodade do nosso. Este torna a culis mnitainu,
macia, taz urna escuma abundante que forma um
verdadeiro banho de leite, e nada deixa a desei.r
como delicadez de perfume. J
Di:-\ I OK1W
PASTA DB1VTIFR1CIA
A Dentonna um elxir dentifric dos mas
suaves : perfuma e refresca agradavelmente a
noca, rortifica as geagivas, e preserva os denles
oa cane.
iE! ^""2 itmti(ria tez omi verdadeira re-
voiucao na Perfumara; acabeu para sempre com
os pos e opiatas, que sao mais eu menos cidos
ou perigosos. Basta passaj nma estova hmida
por cima, para obier ama mucilagem suave a
unciuosa qne torna os denles perfeitamente
braneoe. _
POS ROSADOS
Prsenlo a pelle do rigor dos venfc e do fro,
eommnnicio-lhe urna agradavel frescura, e pr+-
Tenem as sardas. Sao superiores aos p5s de arrat
de mido. Sen perfume delicioso.
Deposito em Permmhico, em .'

'
r>
-

tfmmmmmmmmmtmt


-
Mi
<*fc>
Diario de Pernambuco Quinta feira 7 de Janeiro de 18G9.
-A
*
Ocordeiro previdente
Una do Qiscliuado 11. I.
Novo e variado sortimantq de pernimarias
linas, c oTJtrs objectos.
Allll lll) COUlpleto SI itilIK'lllll (le IH'lfll-
marias, fie que enectiva tente est prvida i
luja doCoraejW Previdente, eua'acbade
receber un nulro sorlinteuto que se torna
uotavel pela tariodadc de objectos, superiori-
dade, qualidade e cdhunodidades de pre-
gos: assim, ps, o CordeiroPrevidrnte pede
> espera contimis- a merecer a apreciaban
do lysneittl publico- em geral e.de sua
boa freguem eiu particular, nao se aras-
lando euo le sua bem conliecda mansid8o
i! bartela, Em dita foja encontraran os
apreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudrav.
Dita verdadeira de Murray A Laminan.
Dita de CdTghe iugleza, americana, fran-
cs, (odas dos melltores e mate acreditados
ahriraiiles.
Dita balsmica ilcnlriliria.
Dita de flor de larangeiraa.
Hita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odorttaljtfro para conservaclto do
5!>seio da boira.
(osii-liipies de snpi'ri'ir qnalidade e chei-
ros agradareis.
(lupus e latas, majares e menores, contJ
pomada fina pan cabello.
raseos com dita japoneza, transparente,
n-nutras qoalidades.
Finos extractos rngtezes, americanos
franceses na fraseos shnptes eenfeitados.
Essencia imperial do lino e agrada vd chei-
rodfl violeta,
Oniias concentradas edecbcims guai-
inenite finos eagradaveis.
Oleo pliiloe.iuie verdadero.
Extracte doleo de superior qmlidade,
eom escnlbidos chciros, ein lraseos.de dif-
erentes tamanlios.
Sabonetas < tu barras, malotes e menores
para niaos.
Hilos teansparentcs, redolidos em figu-
ras de meninos.
Hilos nimio Anos em caixinha para barba.
Oaixiuhascom bonitos sabonetes imitando
fructas.
Hitas demadeira invernisadacontando li-|
as peitfamarlas, muito propria
sentes. \
Ditas de papHao igualmente iuiiilas. tam-
brta de perHimaris linas.
Bonitos vasos de metal coloridos, del
uoUes iHHus \< elegantes, cort pode arroz]
baneca. '
Eapecial no de arroz sen composieo de i
oeiro, i-prr isso o mais proprio para crian-
a<.
Opiata i'-'iiv.a e (rancezapan lentes.
Pos tle eampbora e outrae dill'erenles
psalidadet- taniliem para denles.
romee oriental deKemp.
VSlIliil lll;l!S (l'|!4>K.
Ua nutro sorlimentos de crupis de 90-
'<>s e boiiiios moldes com filete de vidrilbos.
i! alguns (i'elles ornados (U1 llores e lilas,
> .-tao tollos expostefl apreciacao dequem
iv pretenda comprar.
QfllJUNHAS E Pl'NHOS BWmADOS.
i'l.ras ieniuilo gusto e porfainlo.
i *llaa < Otas para cintos.
Helio e variado soriimento de taes objec-
!-?<, tirando a boa escolha ao gasto do com-
[mdor.
FLORES FINAS
O que deeiellior se pode enoontrarnes se
genere, Bobnsabndo os delicados ramos
orvalnados para coques.
Para viagemi.
Bolsas de tpele e carteiras. de CODEO, por
p ecos comnurios.
Capelinas 6<- palba da Italia mui bem
'licitadas, e eneites de flores obra de bom
gOSt.
E assim muitos oulros objectos que se-
i iio presentes a quem se dirigir dita loja
do (kirdeiro Presidente a ra do Queimado
n. 16.
Grande liquidado
0 proprietario d'antiga e bem conbecida
loja de miudey.as denominada Beija Flri
;l ruado Qucimadn n. 83, querend) acba
rom o soriimento de miudezas (pie existe,
tem deliberado proceder a una completa li-
epedacao, para o que chalina attencao de lo-
dos.
Os objectos sero vendidos por metadede
sen valor, e para que o publico, nao suppo-
nlia, que o presente annuncio urna illusio,
o proprietario da dita loja, otTerece una pe-
aoena lista de alyuniasmiiidezes. com os seus
diminutos procoscomo abalxo Be ver;
nao apreseiitando una lista completa de to-
dos os objectos (pie estao expostos a venda,
pela razfiode, se tornar um annuncio muito
extenso pr consequhta de enfadonha le
tura, por isso apenas lemita-se as egulrttes:
1 Duzia de miadas de linha para
Roer croch. ICO
I Glka de linlyi com 50 novellos ,v>00
1 Hila 50 SOO
I Dita < 10 i .'ido
I Duzia linha de carrltis de
100 jardas :M()
i Dila de
200 jardas. I #200
Fu de laa para dbi-um de todas"
as cores, a peca.
Dita branca
Dita -<
l''ca de lita de lamo com 10 varas,
e qeu serve para <-s.
Hita eos
Pentes vulliado's para menina e se-
nhora.
Ditos multes linos.
Ditos nrctocom chapa.
Ditos mancos
Hilos pretos.
Hitos brancos linos.
Escovas para denles a 1(>0, 250 e
Hitas para cabellos.-
Ditas amito linas.
Ditas pan roupa.
Hitas tliJa de dita.
Ditas pan chapeo muito ib.
Ditas para dito de M'ludo.
Pentes le toque com fita a I 5500,
23008 e
Pentes para coques l->50. 2^500
":i-S000e
Peca de franja \ ara toalha a pepa
con i l'i varas.
ntremelos bordados a peca 000
Tmteirosde porcelana ls500 2?S
Balaios pan meninas de escolla
bonito desenlio 800, l>, 14500
Peca de fita de seda para enei-
tes de vestidos.
Fita de sarja di- todas as cores.
Gnvatas pretas a :i() e
Hitas de cores.
Sapatosde Iranca e tapete.
Oarrafa de agua florida verda-
dfira
l'rasco com extracto em sapati-
iJjos. ',00
Hitos con leos. oo
Dito aguade Col m\a, pifenos. 500
Hito, dito-de dito de Bever. I ->000
1 titos com.banba. -500
Ditos com tnico. D5O00
Ditos com oteo Alocme. 13000
Ditos com extracto e barfia. D5000
Ditos com extractos diverg is : Pao de pomada. 500
Ditos pequeos de pomad. 80
Capeilas para noivas muito finas. 3.-U00
Sabonetes, 120, 320 e 500
Ditos transparentes de bolta 500, |t>000
560
2(50
120
900
500
300
500
loo
320
220
loo
360
280
000
320
300
000
300
25600
7001
2-jBOO S
250001
1<$000
14100
500
5001
15560
14300
Bedes para cabera 300
Bandeja 900 a 14800
Puzia de botes de seda para en-
feites de vestido 240
Porcein de coi as. 800
Sirf ilo Ass
V-od?-se a bordo para Halar eom JoatjwJm Jos Got^tsea Itellro,
! na tu Trapicha* D. 17.
DtJENCS das GRI
XAROPE de RBANO IQDADO
Este mcdiumenlo goza cm Pars e no mundo inteiro de una fama jnstamenie merecida, por
achar-sc intimameDje combinado nelle o iodo com o sueco das plaas antiscorbutic.rs, cuja elfieacia
bem conheeida e fias quaes ja naturalmente existe o iodo. E' com este motivo que elle suppre
com vantagem o Oleo de figados de Dacalho, que deve, secundo os homens scicnlificos,, a sua
elcacia presenca do iodo. E' preciosa no tratamente das crancas para combater o lympha'tismo,
as bsiruccoes das glndulas do pescoco, e as diversas erupedes do rosto, tao freqaenics as
enancas de pouca idade. Tnico e depurativo ao mesmo tempo, elle excita o appelitc, facilita a
digesiSo, e restitue aos tecidos a sua firmeza e vigor naturaes. E' cada dia raceilado pelos meitieos
especialistas para contliater as diversas affcccSes la pclle.
Doposito rni l'ernamhuco, cm cava de K&urer e B*.
^^^s^'^^i^S^^^f^m^h,
E
XAROPE d'HYPOPHOSPHITO DE CAL
T
A cfdcacia d'esiaprcparacSocsiiicsubelecidadesJe4S57, pelos mais celebres mdicos. De?dc
' cnlo mnitas imitacOos tem sido fcitas, mas nenliuma ponde sustentar a compnraco cpnl o
producto aprcsciilads peta nossa caza. Por isso excitamos o publico para que exiga semj re
este xarope com urna belia cor de rosa, nunca branca, c com a nossa assignatnra roda jlo
frasco.
Sob a sua influencia, a tosse acalma-sc,oysuorcs nocturnos ccssSo c o lenle volve rpida-
mente sade. 0 SCO cniprcirod lambem os mais bflluantes resultados nos dcfluxos, cat r-
rhos, browhites, irritacoes do peito. etc.
Deposito em Pernambuco, em casa de Manrer e C*
r^^W?^^^^(^
Estas capsulas, com capa ilc gimen, eonlom o balsamo de copahiba assoeiado ,1 essencia d
Mauco (an-orc do Per), e eonstiiueni um remedio inallivel contra a gonnrrbea. tas
sem cansar o MI
ordinarias, lendo
tivos que ellas
Deposito *m Peri.atnbto, em casu de Mum c c.
lo l'eiu), e coiisliiuein um remedio imallivel contra a gonurrl^a. tas )bra"o5
csiomago e uio |>rovoi'3o nunca os enjos c nauseas que occasiono as capsulas
ido a imiuenaa vaniagiin de naV cunnunicar clieiro .1s ourinas. E' por estes mo- i
s sao superiores s capsulas de copaliiba, enhebas, etc.
A NOVA ESPERANQA
2l-=Ria E para presentes
A Nova Kspi-r.iiH i, ;i ra do (Jueimado
n. I lein mu \ni;iilo soiliinento (te objec-
tos de gosto e pliantasia proprios para pro
gentes, sobresdiiiiido entre elfes ricas caixi-
iili.is lie ebatio rom linas perfumaras, cos-
tureiros de chagrn, agnlheiroe de madre-
neroia : assim, pois, qnemquhsor. fazeruma
lida uflerta, 'liri<^ii--s*5 Nova Ksperanra,!
roa do QneiMado n. 21.
Para baptisados
A Nova esperanca ;i roa lo Qoeimado n.
24, tem ricos vestuarios p^onrios para bap-
sadoii, sapatiabos, metas de seda e lio da
Escossia jiara o mesmo lim.
Collares anodinos(llcclro-mayiuh-
cos conlra as convulcovs das
cranlas.
Nao resta a menor duvida, de que muitos
collares se veudem por abi intitulados os
verdadeiros de Royer, c eis porqae muitos
pais de familias nao creem (comprando-os)
neffeite piomettido.u i|ue s podem dar.
os verdadeiros ; a Nova Esperanca, porm
qu detesta a Inlsilicarao principalmente no
qne respeita ao bem estar da humanidade,
fez una encomnlenda directa destes rollares,
e garante aos pais de familias, que sao os
verdadeiros de llover, que a tantas cran-
las tem salvado do tenivel inrommodo de
conviiliTies, assim pnis preciso, que ve-
obam a Nova Esperanza a ra do Quenado
n. 21 comprareni o salva vida, para seiis
lilliinlios, antes que e-tes sejain acommetti-
dos do terrivel mal. quando entSo ser di-
llicil alcancar-se o elfeilo desejado, embora
sejam empreados os verdadeiros collares
de llover.
levando jeslido ealat c .nii-a de I riin par*
iloado de alcalraii: itin< jtilgfs-se ler mudado a n m-
pa : i|iiciiu) abanar \vy_ax i ni.i 1.'Iraiir:lie*. v
ser liem (jTafincailo.
oorooo
rugi ha ijiialro anii'K. poneo mais cu inenM<. ik
i'ngi'iiliii Jnssara, frogaezia tle Jabuai..!, o mu- a
C'rbaso, niouln, idade de 1 ii asnos, tajxi *
serco do corpo, bem parecido, deve ter hnjp ahjfmna
barba, nmos wnnelhos afameados, o ipial o i
que eslivcra naEscada irabalbando na via frrea
com o un......le Jiiaipiim : roga-se as autoiid; dea
poticiaes oit aos rapiles de campo (;uc o apun.-
lieaihini e ronduxan qoeHe engeobo, ou rw Ua
inipor.ilriz.il. I i. Scrnlo <|iie;i. e-tes >egrMtl rom KMIij, e aqnelles se iiuleiiiiiisar de U das. *
despezas que lizeiviiiciiiu a apprebensodo WM I
escravo.
looooo
No din S iln mez de ilezenilil'o (tigiO do eneMtio
Sani'Aniia, comarca de l'uito-Oalvn, provincia la?
Alacias, o escravo pardo de noire PeHjppa, i<.
iilicial de luarreneiro e ;:ii. el de f |iu UBfro, n -
presenta ler 30 anuos de idade, e coni os segnintes
lignaes: barbado (mas eonserta-a rapada), ci -
tara balsa, ten ii dos os denlos da tro te, ndJeNta
pinico rarapinins : quem o a|i|>relienilcr o leWio
an referido enneiibn mi aoSr. Joatmim Rodrtgu< TavareS de Mello, largo do Ci rpo-Santo n. 17. i -.-
maim andar, ser (tratif!cadn rom I000O0.
[DE LERAS D01T0R EM SCIENCL4S-,
ebaixo da forma l'um liquido sem sabiir.
anlogo a urna agua mineral, csic medica-
ment rene os elementos que constiiu ?mi
os ossos c o sangue. E' o mais racional dos
ferruginosos; por esta raro o adopiaiSu
os mais oniiiienii s ni. i;, v .,, niiiiid n-
ty>o. Convcm muito s meninas de tcmperamenio delicado, enj desiii\iil i ,itein,
>s senhoras que padece* d'estas dores d'estomago inlolciav i>, ,.,n .- i,!.-. ci.Ioro c,
anemia, menstruaco ou leucorrhCa, s crancas d'uma MMiifieic** pa lida e delicada, todas as nessoas que temo sangue empobrecido pelas denoos. bflicacia, rapidez d'accio,
cura perfeita. sem constipacSo de ventre nem accSo sobre os denles, lacs sao as razOes que
imperao para que os senhores mdicos o prcscreA'o aos seus docnles.
Deposito em Pernatntuao, em. casa de Maurer e O*.
7M^^^^^^^^^S^^M^m4^
Y\0 Tll'17T\Tr,~VC em todas as partes do mundo, empregam, com 0 maior xito,
\)d \\iFjUIxAJ&i o phosphato de ferro soluvel de Leras, para curar a cblorosis
(cores paludas), as dores do estomago, c a exhaustacSo do sangue; com esta prcparac3o, do
ao corpo O vigor, e s carnes, a sua firmeza natural; facilitan! o desenvolvimento tao labo-
rioso da puberdade. Com effeito, indo, n'cste medicamento, se aeha reunido para Ihe
assegurar o maior crdito, pois que entram, na sua composieo, os elementos dos ossos e
do sangue. 0 seu autor, ai. Leras, doutor em sciencias, phannaceutico, professor ce
cbymira, inspector da Academia, foi, recentemente, condecorado da ordem da LegiSo ce
Honra, digna recompensa dos seus importantes trabalhos.
As seguintes apreciar-oes dos mais celebres mdicos anda vem corroborar e justificar
todos estes ttulos centianca publica :
Precisa classificar o phosphato de ferro soluvel entre os ferruginosos que melhcr
convcm aos doentes cujos orgos digestivos sopportam mal as preparaedes de ferro.
OMIRAN, professor wo Escola de medicina e de pharmacia.
< 0 phosphato de ferro soluvel em quartto a mim, a melhor das preparaedes ferrugi-
- nosM, e o seu emprego di os mais promptos e seguros resultados.
ARAN, mdico do hospital Sainte Eugnie.
A forma liquida do .phosphato de ferro soluvel d-lhe urna mmensa vantagem sob
c as pilulas; eu considero este medicamento como mui superior s preparares iodadas.
ARNAL, medico de S. M. o Imperador.
Entre todos os ferruginosos, nao conhecemossai sii que obre tao prompta c efficazmentp
como o phosphato de ferro soluvel, e sao, sem cansar o estomago.
BELLOC, BAUME, BIGOT, FOLLET e PRVOST, mdicos dos hospitaes.
Os effeilos da preparajo de phosphato de ferro soluvel rae parecem ser mui seguris
promptos. BEBOT, redactor em chefe do Bulletin lkrapeutiqut\.
Entre todas as prepara^ses ferruginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a que sempile
rae deo os melheres e mais satisfactorios resultados. GUIBOUT, medico ios hospitaes.
OOSOUO de MTMtificii'iiti
Do sino do aba iso assignado, em Dbcrine :i:-
si-nion-e desdo o dia 1- do passado, o .'en oseravo
bberto, de ii anuos do idade. punco nafs un tnt-
nns.-o cun os sin;ies se^iintos: cabra, do es f.a tu a
regular, com urna jrraiide nlsrca sobra oep
que parece ler sido piovenieiiio de quoiiii.adef;,.
lein o dedo ndex da DO esipierda turad) de ponte
lempo, e quando anda mette os ps [ara dentro.
Este escravo o abaixo assignadn honve-o por entR-
pra qne fez ao Sr. los Slartins de Medeiraf da
villa de Aeary, Injrar PedragnllM, da ptvvirwiada
Par|hyba do Norte, a nnem pertenreu, reprneenu.-
do nosia ciliado pelos Srs. Rocha, Lima A nim-
raes: pede-sc a quem o approhender leva-ki ra
da Cadr-a do itecifo n. ii, armazem, que reeebWa
100J de irralilicai-ao.
Antonio Ri-i i> No dia .'!() do mez de novcibro pr iximo pa*-
sadu, fiijiio do eiij.'1-nlio S. Jim'-, do lermodeSt -
'\n5 'ITil'iiifiw ilic P'iP'il'ita nhaem,aescravadenomeBonedieta, muala, ti-.u
AOS llltlUTI.s (iaS Ctll.'tlUtlS flannosdeidade, cara bexigosa, altura ragt
Gommod boleas proprias para os caca-1 cnDeHo cortado e denles podres, foi escrava fe >vki
dores, veud-Sfl roa tto Oueimado n. 21. dnBarros Aranjo,rendwro di enoraho Marianna,
levou 11 ni roupao do chita clara ja vollio, e una pan-
no da Costa novo : quem a pegar leve-a ao bu
engonho, ou ao Sr. Manee) Airee Ferreira&l'.,
iiosia praea, que sua generosamente recompen-
sado,
loja da Nova Ksperania.
Preparo para flores
A Nova Esperanca, .'i ra do Qaenado
ii. il, te-n um complete sortimentode pre-1-ZTpo-iodo engonho Soledade,
paros para llores, como SOja papel parafolbas,! Purlo-Calvo. provincia das Alagas, o e.scravo IV
dito para petlas, clice, botes, folbas de|Itppf,cabra,cabellos earapinlios, do 21 am[osde
panno e todos os mais preparos para for-
iiiar-se um ramo ou grinalda, com gesto e
lioifeicao.
Agua divijia
A Nova Esperanca a ra do Oueimadon.
121 recebeu nova remessa de verdadeira 'Jado lo Ronfe ao Sr. Jonquim Rodrigues Tajara
do Moli, largo do (.arpo-Santo n. 1/. I" anda, que
idade. pomo mais ou menos, punca barba, pts pe-
queos, nariz regular, olbos grandes, denli mm
ponco limados e cun falta de am na frente, anda
lgoirii. enjo escravo foi eomprado ao Exm. bai.'n
do Nazaretli : podo-so as autoridades polieiac!
oapitaos de camin a approliensao do n esmo, e le-
va-lo ao seu senlmr no referido engonlio, on naei
O phosphato de ferro soluvel tem, sobretudo, a vantagem de evitar a oonslipacao
eouvir aos temperamentos delicados. Dr FAVROT.
temperamentos
D>08ito .m Pernambuco, em casa de
Iurer B*.
tefil'
rara extinguir as sardas e
panno
Recebeu a Nova Esperanca, ra do
Quemado n. l, leite de rosas, especial
para extinguir sardas e pannos.
Para abejar e conservar os denles, rece-
ben a Nova Esperanca, ra do Queimado
n. l, o verdaileiro poz de rosas e o elixir
dentifrico e o deatalgico.
HSTLHAS ASSICARADAS
no
DR. PATERSON
De hisiiuiiEi c maguezia.
Remedio por excelleneia para combater
a magreza, facilitar a digestao, fortificar o
estomago etc.
DEPOSITO ESPECIAL.
Pbarmaria de Bartholomeu A C.
Ii------Ra larga do Rosario------3i.
Vcnde-se unia,|M>quona taberna bom atrege-
zada, na rna do Forte, n. i, fivguezia do S. Jos : a
tratar na i ua do Jardim,. 14.
ESCRAVOS FGIDOS.
Fugio de bordo da barca nacional Adela ide,
um mulato do nome Joaqun, eom 18 annos de
idade, grosso do corpo, estatura regular, cabellos
pretos o cun tuna leve cicatriz no beic,o superior, lianga, ser generosamente gratificado.
ser generosamente recompensado.
Escravo fgido
Em a noite de 24 do passado, per occasib ta
inissa. fugio ocrioiilo Manoel, de .'13 annos de W
do, barbado, alto e corpulento, pi'-s grandes i i s-
barrados nos lonmzellos, o, gnppDe-se que ii alia
seguido para o Curato do uni-Jardim, d'onM i
natural. O referido escravo pertencea aos pis.
liautor dentista o Hvppulito Cadault. o piesoiiM-
mente do prosreadJe de Lhanio Candido Mifioiro.
morador na Torre, ondo |iodo ser entregue, tm r,a
ra do Imperador n. "7. armazem Allianca, qu t
gratificar gonorosaiiionlo.
Fugio nanoute de i do prximo paisa-
do, naoccasio damissa, o escravo Manoel,
crioulo. tpie representa ter .'15 anuos: alio,
bastante corpulento, suissado, tem os toni-
zellos dos p's esbarrados para fra, intHu-
la-se de forro : o referido escravo foi pro--
priedade do Sr. Jos Filippe de Miratua.
morador no Rom Jardim, commarra a Li-
moeiro, donde o escravo tamben i natu-
ral, foi vendido nesta praea a Freden*o
Gautier, (pie o vendeu, em I8C$ edepoja a
Hypolito (adaut, hoje o seu legitimo st-
nhor Libanio Candido Ribeiro no lugar
Torre freguezia dos Aogados, cujo escrava
tem um irmao adiante do curato do Ro
Jardim, no lugar Matta Virgem, quem o i-e-
gar e Irouxer a seu legitimo senhor cima oa
ra do Imperador n. 57 no armazem 7.
LISTA GERAL
91

s
DOS PREMIOS DA I PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCLVL N. 715, ABEXEFICR) DO PATRIMONIO D0S| ORPHOS, EXTRAHIDA EM 5 DE JANEIRO DE 1869.
I
i

i. I'REMS. m. PRKMS. NS. PREMS. NS. I'REMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.INS. PREMS.NS. PREMS.NS. 1 'REMS.jNS. PREMS. NS. PREMS. i NSL 1 PREMS. NS. PREMS.'NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. 1 PREMS. NS. PREMS-
.1 44 2.30 4* S28 4* 820 l 1084 44 1304 14 l?i8 441793 4411018 44.2209 44 2*45 .44 2701 44 2894 44 301 44 3289 43 3532 i4 3791 44 4033 44 4260 44 4300 44
4 - 31 34 21 1102 13 69 Il802 19 20 48 2 96 . a 91 33 95 ________i 43 62 6
7 - 35 ., 39 27 o - 16 70 18 24 26 51 6 99 1 i 97 35 96 84 53 __ 63 ... 8 84
10 ^ 36 U 28 10 24 73 19 25 31 84 53 12 2901 311 i 3326 37 97 44 62 79 , 14 45
t;i 45 52 30 16 30 74 22 40 32 44 5* 16 3 i 36 __ 38 3803 _ 64 __ 83 _ 29 __
59 56 31 23 .12 76 24 42 37 204 64 m aimr 22 9 7 37 49 8 _ 65 84 89 _ 31 __
6 78 72 38 31 42 82 26 84 43 49 44 78 1004 23 10 1 0 38 405 54 16 67 44 92 .^ 47 .
7 301 77 53 33 50 85 32 44 44 51 79 44 25 12 i 1 4:0004 45 84 55 - 17 68 4300 51
M 7 81 59 35 56 87 35 53 58 82 34 15 1 7 44 48 44 59 19 73 __ 4 56
! 18 83 64 43 84 60 -89 45 56 78 84 37 16 S I 54 63 23 76 4 61
:t6 23 - 85 65 49 14 62 . 99 50 59 80 86 U 20 i 5 55 64 29 82 5 65
48 25 - 97 68 51 63 1604 51 61 20$ 83 93 46 22 i 1 62 70 34 __ 86 7 73
r,i, _ 29 601 78 62 79 10 52 72 44 87 2503 48 25 72 77 38 i 87 8 74 _
M - 42 3 84 69 84 12 63 76 8 89 8 49 29 4 S 87 83 44 84 um 10 80 _
60 47 8 88 70 86 13 64 77 44 94 11 _ 50 40 4 i 89 85 45 45 4 9 17 83 w^m
63 - ! E 20 903 71 98 19 65 84 98 15 __ 54 42 5 " 99 92 49 19 _ 84
70 32 38 8 9 _- 74 79 z 1402 14 20 28 __ 66 70 91 92 84 2307 20 n ti i * 56 64 61 71 84 T 3409 4 96 3601 6 10 30 85 45 38 47 88 89
71 _
79 - 68 - 40 13 80 u 23 31 700* 71 94 44 12 m 67 63 204 71 12 __ 5 57 __ 34 58 _ 97 _
86 71 47 15 84 83 44 24 33 M 72 2101 __ 15 44 68 73 44 78 15 __ 9 59 _ 33 59 __ 4600
88 - 79 55 16 44 84 28 36 73 2 __ 19 46 H 74 80 mm 11 i 64 404 36 63 __ 2
W - 80 -- 56 21 87 36 37 * 76 5 84 30 51 82 83 82 __ 36 12 __ 76 44 41 68 4
93 - 87 61 81 31 84 89 54 38 81 12 44 31 54 85 85 83 __ 39 _ 43 .^ 3900 1 i 45 78 MB 8 _
90 - 90 - 65 44 32 44 93 55 . 43 95 16 35 55 86 90 89 __ 44 __ 47 M 50 86 _ 7
97 - 93 73 36 96 84 59 50 1900 __ 17 __ 42. 56 90 96 96 46 53 53 - 92 8
98 - 94 - 79 38 1208 44 62 i 57 10 __ 26 48 87 92 98 98 48 62 --- 15 54 __ 96 _ 9 ,
100 95 81 62 9 65 58 14 __ 30 ^ 50 63 95 99 9* 56 _ 68 _i 16 21 61 98 15 ^,
5 97 - 97 204 68 12 66 69 82 84 ~~ 28 31 55 77 97 3002 1200 _ 57 69 --- 68 84 4404 16 _
28 - 407 - 715 44 71 ' 13 80 ~~~~ 31 44 69 78 2800 6 3 61 70 --- 23 29 36 70 44 8 m^ 20 _
32 - 8 21 79 14 82 ~* 33 __ 51 _ 70 95 1 10 A 62 72 --- 74 14 _ 28 _
48 14 23 84 15 85 92 43 54 71 26Q0 9 13 8 63 89 --- 77 _ 11V __ 31
49 - 21 26 91 18 88 > 1701 44 56 84 72 4 15 15 11 _ 64 3700 40 51 80 _ 21 __ 36 _*-
M 27 - 36 96 27 93 2 47 ., 58 44 73. 5 18 18 13 _ 76 9 __ 84 m^i 23 __ 37 -_
5* - 29 - 39 4 99 84 33 94 l 54 60 2024 75 7 20 24 15 _ 82 13 __ 52 87 28 39 .
60 - 43 4U 44 1002 44 37 1504 A 58 62 44 77 U 21 ' 32 18 _ 85 18 _ 56 89 31 84 40
68 - 43 3 48 11 19 59 65 78 22 " 22 37- 20 __ 89 19 _ 89 _ 95 __ 36 44 44 -
68 60 47 8 84 50 84 18 20 . 66 66 82 27 23 40 2.1 _ 91 26 _ 60 98 204 41 47
74 - 74 57 9 44 54 44 22 27 72 71 90 31 35 42 .2.5 * 3504 39. 40* 62 _ 99 44 {2 __ 49
80 - 80 75 20 64 27 43 76 72 97 44 38 b4 36 _ 5 40 44 67 ___ 4212 45 ^_ 54
81 91 78 24 68 28 44^ 82 78 99 46 39 57 38 --- 7 41 71 __ 16 ^ 50 63
83 - 97 92 32 69 4 32 -- 45 84 204 80 2400 53 47 61 3K 8 54 - 76 17 11 64 64 294
P4 - 502 96 33 71 44 35 48 89 44 90 2 63 49 65 _ 51 14 59 T- 78 23 85 66 70 *
9i 8 9 35 76 41 64 m 93 92 6 64 51 66 54 15 64 82 32 45 68 - 71 77
95 10 97 39 83 43 404 66 97 93 7 69 54 73 58 84 17 70 _ 97 33 78 _^ ^_
3QB 15 - 802 42 84 44 44 60 98 95 21 71 58 . 80 68 44 18 84 74 --- 4003 n #- _ 81 __ 78 ,
14 17 - 8 84 47 84 89 47 74 99 98 s* i 72 60 81 711 22 44 . 77 ~- Bi _ 82 __ 80 i
20 20 9 44 48 44 93 57 79 2002 2202 23- 84 i 61 87 7! 84 23 80 18 --- 48 __ 85 __ 85
23 22 10 59 97 65 84 12 5 26 . 92 79 ' 88 80 44 24 83 --- 51 __ 94 _~ 94 M
23 - 26 13 71 1303 . 67' 91 15 84 8 34 96 82 90 8 i i 30 85 -rj . 3i 58 w *7 96



-
_~i._
V
s
IJTTERATURA.
eiolhe da praia do* Ulnelros.
I NOTICIA DE SI \ CONSTI.i \>, PELO
MU-NHEIIIO \MIKK REBOTCAS.
No local em que se acha construido o
r toe da praia dos Minejiw birria um caes
ia escudara para embarque e drsembar-
, ni estado Re mina. Kra fundado
. nwopedras olla-, d :i .-iII.-.i
h b'aixa-mai : sobre ellas assentava um
sioo de alvenaria di podras leseas e
massa, ora de gala-gala l e azeite
iic pee),larade cal rommum e barro, rc-
V; itida de podras de cantara.
, Informaram-me que esta rbra tora fela
d3 1832a -18:10 sob a decrto lo vereador
t ilmio Alvos de Magafties.
O prooasso, que seguto neste eonstruc-
Cto, ora realmente o empregado por quasi
todos os engenheiros desse tempe ; o nem
era hdo.com os ooubecimentos de euio,
Diario de PiTiuimlmco Qtiiula folia 7 de Janeiro, di* 1869
-----:---------*r-
lll .'
ca < lual.
.nvhv-lo pato ene* novo constru-j Foram chantados com urgencia osci-
i..n ,,s nr-ifeiroamento-; dasrien- rurgioesda esquadra que estavam nos na-
(Coniinuar-sp-ha.i
POUCO DE TUDO.
tuca o \)\
. escripia da
i,.:,uu(i".u .^,"<">"- ~. ;|SSI|| ,... n, fingimos, memos gra
.... a remonto (te Portlund para as alvenar.as ^ ^ (>|mv ^ Qm |mu,,., t1ospi,
inmersas, sem creosoto para conservar a> |rMa, l|(. officiaes distinctos nurk <
. idearas, o sobre ludo sem os poderosos }erWl|.
.-,-hinismf- de quo actealmento dispoem ( 1 ioJ mil.,viv_. co:it:l!lls
CUERRA A segninte
guardia de Palmas a l
do |i'->;nin,d uais pormenores sobros
cundate* ultimo;:
(Conrlu.-o. i
\ i) i--..it- p r este po ito o us-; fiirp i fui-llm oil'e vi-ido u:n dos iulis fortes
combt'es qua teitls tido na presenta guer-
ra: nossos baleram-se denodadimsnte,
tendo >id i por militas venes repelHdw; a!i-
nai atcancmas a victoria, que tantas ve*
nos disputaran, tomamos por differentes
venes a artilliaria o posieo inimiga, e s li-
cm '- senaeres do campo, armamento e
luimic.o e O pecas de arUIharia no oitavo
assalo que Ihe dirigimos. Tivemos gran-
'0-
ou
ispoera
Oo ergenheiros hyurauUeos fundar econs-
t. dr nina obra as coodicoes do moHe
nal da praia dos Mineiros.
O primeiro problema que se leve a re-
<*.,3ver antes de encelar a obra nova, foi o
i!;.procewo as'guir na demoltyio essj
v..Jho caes.
Julgou-se. rom ra/o, me nada
Jnlgou-se, con. ra/ao, que nada xna leN 1(llis IV l!li(l), p;..>.lU/.indo a sua che
. o, econmico do que demou-lo depota ga(|,un e:iMini!asn3 tal nos nisso* sida
I: construir em turinlell.' mm ensecca- im.ii. M r,,inir.im Ie5as. e. com o:
(,* Jr.i com proporeops sonTci-ntes paraeon;
i a projectada obra.
Coostroida e esgotada a cnseceadeira, a
domolicSo seria feita com maior ecoaoma
d lempo e de dnbeiro do que por qual
nuer ouiro preeesso.
\ iS de abril de 183i 1'^ ram principio
m primeiros tiabalUo preparatorios sob a
'.iecco do engenheiru CUattes Neate
idjuvado !'!......genheiro Vr---lii!>;ll Uul-
in.
No 1. de oalultro desse auno cravava-se
3*'irim..-ira estaca da parede do suldaen-
soccadeira ; a IS de dtaembrt bata-se as
ivrimeirada parede de leste ; a 7 de.jiinlio
d" 18155 a primeira de oeste, ei 13 tto|
sie m a primeira do norte.
No dia i:t de agosto do 1866 priocipiou-
- ri esa itar a enseccadeira, a coBocar
propor-
cifltas {lomjHertm> e* escoraja a propoi-1gi|ein#s fj,|h.(|n nnV,h u,.u.
CO qoe a agua descia, s'rvindo o vetno
caes para dar potitos de apoto a escoras, L^
qjeserviam a conlrabalan.-ar a pivssaodo!,
lar sobres enseceade'a.
Foi smenle a t de outubro
.] i-
tura, e
I Cl>,'!lll'l-
consaguiopor nidiamente aenxuto!1
de 1866
ssarjo ('oeio; que o pitlo i
Mvapre*'); que Lop-z soub'ra pilas
18 horas da minii de S d desombarqoe
enseccadeira do molte da praia dos Mi- (|i) ||ii_n (,xi,.vj Q omSsraB Aiiumio, e pe-
naros, que licoucom 12b metros pm-.^ S(h |10||til |iWr>1 (.., m ,..,.,
matro, o com una profundulado a coater|marf(m5 r ^ vei. S(1 (..,11S.gu:1 al-
dj .reamar media de 6 a 3 metros, ou de ^^ [iedma ail,h qa8 0 ca-
m a 23 p< s, chegando a ser de .13 pe,no iuj||||(i |(i||. ^ i|iUa ||1>,.1,h n3o h;(viil
poco das bombas. fortifleac3o nenboma: que em Angostura tt-
Reconheceu-se ao ^raimar o esgoto ua
vios d- nnd"i., em Palmis, pira Ciidhlva-
rem os seus collegas no tratamento dos fe-
ridos.
Alm dos offidiaes cojos aomes licaram
menclonados.'falleceu man o tenente-corond
de infantaria Lima e Silva.
. J se havia dado sepultura a 1,400
c irpos paraguejrj!!
Das navios de maduira segiiira'ii os
Drs. Mesquita, Antean e-Marani, alim de
coadjuvar os curalivos de tensos l'eridos e
il 8!;) paraguayos.
a Os mdicos d' marinb' tem prestado
muito bom servii;o, pois ao exercito ludo
l'alta-llie e o p ssoal desi's e pequeo.
HESPANA.Le-se na Correspondencia
ile tktpanm :
As noticias que cireularain b ttem a
noute (7),em Madrid, relativamente aos
successos de Cadix, vemo-las boje ooniran-
das pelo telegramma e pelas noticias que,
ultima hora.publicou a Revolucin Espa-
ola de hontem, nico peridico de Sevillia
que hoje recebemos. J esto informados
os nossos leitores que a resistencia conti-
huou em seguida, comquanto se julgue que
cossoa a noute passada; poi'm,_ do nos-
su devor transcreverm )s oque diz o citado
peridico sevilhano.
Puerto, as cinco e cincuenta minu-
tos.
O general secundo convnandanU' ao
capitao general da Andaluzia :
Gheguei sem novidade: segundo se
Reprehende de um telegramma, expedido
pelo capitn general d'este' districto, remle-
rain-se os insurgentes de Cadix.
Tend esta noticia em considerara m>
oque m; dizemo senhor alcaide e o eom-
m indante de Arno. deixo aipii o sen balalliao
e prosigo a niiiha marcha p.'lo Trocadero
para Cadix.
A origem da sublevacao de Cadix foi
devida a qu; uma parte da populadlo quix.
oppor-se saida de algtrn forga da guar-
uico, que era dirigida ao Puerto de Santa
Mara, para restabelecer all a ordem.
Nao tendo consegiiido o seo lim.os
matinados apoderaram se das casas consis-
toriaes, do hospital de S. Joo de Deus as-
sim como das casas que dominam as ras
adjacentos. hostilisando das janellas as (ro-
pas, q:i: tralavam do os fazer entrar lia obe-
diencia.
A lucia foi encarnieada, tornando-se
preciso, em vista da sua tenaz resistencia,
fazer uso da artilliaria, a qual, assesladana
muralliado porto do mu-, bataos edificios
;pe.,va que durasse milito pon--, o Wupldoa pelos insurgentes, ao passo que
Al'OllO'l (...,,,,. N'Hiom'ro dos mii'tvres contamos o
nii"iicl t'er.nad's Ma-liad) % oitros.
I) is c i .mu idintsde. deviso sua C ir-
ios poucos siliicni iuolum.s d'Sil bata-
lla.
O marquez l)Caxia*teve*un c.tvatto
innrto poninas ulas, c ac'iou-s.1 no maio
do .'oiiibale, e no momento em qil ello
d<. ipi ell "s se torniram leles, e, coa os
vas ao Brasil e ao lma;ra;lor, lev iran
de vencida os Paraguayos orna niesma la-
rilidade com que as mancas d'sl'aV.em as li-
inas do frage quabraJica barro.
o inimigo i' 'rd'u nuis d niitila d '
suaforca,6 pecas d* artilharia. manifoes
e poucos prsioneiros: nos tivomM l,2t)l)
feridits 300 m rios, Inclui ido o nossos
dlstittctos o'liciaes.
1 io dos prisineiims qu3 tivean- cha-
ma-sf Pabla Car iM. Adan l >-s ferid >a
bwdod i eneouracado Bru, fez as deca-
rafees seguales: Lopv. nraindou matar
sen- ruilos, neai o bi>pa, nem B.^rgeS,
acbavam-se este; presos com elle. Crvala
a ferros na Angostura, e todos laurado.>ao
leaipoe assim sajeitos s iai salaries; na
eperava que ellas rdsistissjm par inuitos
"das. Disseni'is une os prisioaeros,bra-
inciii^iwo
commandante Sonto, do &trqitz de Olio-
lias s esperas de sua partida de Angos
soldadas coln Inixa pertencentes mirinha
'?,i dissolvida gaardi rural.
1 O general C dullero de Ro.l is marchou
sobre Cadix com numerosas tropas, servin-
do-se das vas frreas c de transportes ma-
ritimos.
Annnha. apenas expirado o p-aso do
armisticio, Cadix ser atacada simultnea-
mente por todas as forras, protegidas pelos
navios d.' guerra que s> pavavn^ em Ca-
dix 9. petas da esquadra do Mediterrneo
que rec:'li'iain ordem da dirigir-se aquellas
aguas. !
O xito d'esta operai;5 i lornedavl e
uecessaria pd'-se c i isidjrac c mi i r to.
PROVINCIA Dt) MARA.NII.U I. O 8r. Dr.
Cezar Augusto Marques publicou os seguin-
tes dados sobre as freguezias de sua pro-
vincia" natal:
Arui/osfis (freguezia de N. S. da Con-
ceii;5t-d)Est situada, pertoda margem
esquerda do rio Parnahyba, em :i.'lO' de
lat. merid. e 41* 6'delong. occ, 15 leguas
cima da sua barra, na povoanto de Endi-
tado.
Foi devido o principio d'esta povoa-
eo a uma aldeia d'indios krmjims', O go-
vernador Joaquim de Mello e Povoas quan-
do a visitou em 17ff7, dando cunta a sua
magestade emittio a rspeito dola este
juizo. |
O lugar de N. S. da Conceico dos in-
dios Arayoses est muito bem situado, porcm
no verao muito fallo d'agua. As tenas
nao sao as melliores, mas produzem bem o
algodo, e vendo que n'este lugar nao ha-
via tambem commercio algum, e que os
pannos d'aquelle genero tem no serto a me-
Ihorsahida.dispuzali uma fabrica de pannos,
trazendo para esta cidade alguns lapages
para apreiiderem a tecelles, e pondo-lhe
novo director Ihe recoramendei a planlaco
do algodo e factura de teares, segurando-
Ih que logo que estivessein feitos e bou-
vessem o algodo prompto, iriam os rapa-
zes, que j ho de levar milita luz Taquelle
oflicio, e um mestre para entrarem a tra-
balliar na dita fabrica, que estoo curto seV-
serto.
i
es uma
N. S.
)minava,
enseccadeira que as paredes do norle.de
t ste e a pequea parede de oeste, construi-
das com estacas de pinbo creosotado, for-
nando parede simples, no systema Charles
Neate, estavam perl'eiias : nao assim, infe-
nliaom.-sin) larn'ro debocas efogo, e
que o Pequicir muito protege a esta posi-
co.
Depois de um porfiado combate, como
este, no qual tivemos grandes pedas no
", pessoal mandan e. tornou-se necessario una
'/.mente, a parede do sal construida no ai-1 1|lsa ,..., mm,M. navos 0|,iriaes
I p systema com parede doblada e argila ^ S(||(stjt||,;.|,in.|r,s q||(l (.slavam fra das
iio interior. flleiras, e por sso levamos alguns das, e
\( de, outubro prmcipiou-se ^^r.a tambem porque esperava-se que acavattaria
iMreimdade martima da parede do suidaL^ mando do I aro do Triumpho terminas-
se a nassagem, o que reauzou nooii
iseccadeira, cujas estacas eram por domis
cartas para resistir grande presso que o
mar exercia ueste ponto, ornis dillicile
trigosode luda a olny.
A 8 de outubro de I8(i0 foi eucarregadoo
CilgeoheiO Andr]R''l)oucas|de inventariar o
material das obras hydraulicas daalfandoga.
A 25 desle niesnio mili lomava a direceo
v.Liva destes trabadlos, cenia coadjova-
os ongenheiros Antonio Manoel de Mel-
lo e Jos Ewabank da Cmara. *
\ 7 de iiovembro do mesmo anuo leve co-
i o a demolico do velbocesda praia dos
Miiwiros. .... .
\ 28 desle mez encetava-se no littorai
ia officinas das obras hydraulicas do largo
Paco um caes promisorio de madeica, des-
udo a receber o material resultante da
demolico, que nao poda ser aproveitadc
, i obra nova cas lenas que senham de
i xavarparaaconstrueco dos alicerces do
molhe da praia dos Mineiros.
\ i de maiode 1867 ci-avava-se a pri-
meira estaca para as fundaeSes do caes do
sol do novo molhe; :i 29 de julho Collo-
va-se a primeira podra desea obra, tm
est hoje prompta depois de pene de 17
. /.es de incessanle trabalho.
O systema de construccio do mollie da
praia dos Mineiros Itao snieiitenovones-
le paiz: das obras, cuiis'uidas na Europa,
as que mais se approximam desse systema,
sao os caes abobadados de Crimsby e de
rdeaux.
o pensarneuto que'predoniinou no projec-
to tiesta obra foi ulilisir o velbo caes com o
A II niaivliamos sobre Villeta. ne-
uliuuia resistencia encontramos no inimigo;
aguardava-nos noarroio Ivabv, entre Villeta
e Angostura. Em uma rea de duas leguas
tinlia elli' enllocado a sua gente .oiiwuien-
temeuteem nimero de (5,71)0 pra.jas |as
tres armas, con 18 bocas di-logo.
i Debaixo de urna clmva torrencial, leve
Onosso exercil ide aeeitar segundee renlii-
do combate; masde.ia vez tomos logo abra-
cados pela victoria, de maneira tal que. co-
necando a pal 'ja pelas 11 horas da ma-
nliaa. 1 da tar.e eslava completamente der-
rotado o inimigo.
Cuitamos a doria pelo aprisiona-
mento de mil o tantos Paraguayes, inclusive
o coronel Serrano, 700 feridos, inclusive o
coronel Goncalves, levemente, 200 mulhe-
res, muito an lamento e 17 pecas de arti-
lharia.
l'vemos nortos o commandfBte da 'i.-
regiment de cavallaria. Si Rrilo, e o Can-
dido R'.'?ado. Feridos. coronel Podra, Bue-
no, Caldas e tenento-coronel Niedrauer.
' c Um sacerdote nosso envo de cu ifis-
sao em artigo de morte ao coronel i;d>allc-
ro, ornis audaz dos officiaes de Cap'/- 6
o mais sangul ario de todos clles.
Vamos de victoria em victoria, ase
oontinuarmos aeste caminho em pot isdias
estaremos asparlas de Assumpc.).
lii/.em alguns prsioneiros qua I- pez se
retirara na tai;de de 11 para as eordillienas
de Cerro Len.
a fragata fhitin, ancorada na baha, bom-
bardeava as posicesde quesebaviam apo-
dralo.' Esa luda prolongou-se al s
daas horas do dia 7,emqueo brigad.iro
Pazos penetren na mencionada praca fren-
te da brigada, que tinha saido d'esta cidade
para remirar aquella guarnigao. Pouco
dejiois quasi todos os sublevados depuuham
as armas, entregando-se a discrico, menos
alguns que fugiram pelo caminho daillia.
Iiastilisados na sua fuga pelos fogos das lan-
chas da fragata Tetuan.
Hontem ae anoitecer, o general Caser-
na, segundo romnundante d'esta capitana
geral, chegou a Cadix frente de novas (Br-
eas.
i Al aqu o resumo das noticias officiaes.
Lana vez mais a victoria favoreceu os
defensores da ordem, porflk, uma vez mais
tambem temos a lamentar scenas dolnro-
sas.
o Profundamente consternados, abslemo-
no6 boje de commentar estes tristes aconte-
ciiiientos.
" Recommendaremos te smenle e mil
vezas aoshomens verdadeiramente liberaos,
que pezem as lamentaveis consequeucias
quetraz camsigo a demasiada credulidade
de alguns dos nossos irmaos que, deixando-
se engallar indos agentes da perlida reacrao,
nao redectem que obrando assim, forjamos
primeiros aunis das novas cadeias que em
breve ho deopprimir asnossas liberdades,
seem vez de apoiarem o govenm. Iratam.
[eloconlrajao.de Ihe crear cada da nevos
i'inbararos, impedindo que leve a calki a .
gloriosa taref di nossa regeueracao pnlili- -
ca e social.
O governo recebeu boje (8) noticias
exactas aerea dos acontecimentosde Cadix.
Por mais tristes que ellas sejam, do nos-
so dever publica-las sem demora para que
a naca apassa app.'ecia-las.
"Os cnsules eslrangeiros propozeram
s tropas e aos revoltosos um armisticio de
iniarentae oito horas, que tem porobjecto
dar lugar a enterrarem-se os morios duran-
te os deus dias de lucia dentro da- cidade, e
proporcionar os meiospara sairem da cida-
de as creaiicas e as mulheres;
c Este armisticio comeeou hontem (!.) s
cinco horas da manha e acaba, portanto,
amanh i aaesm i hora.
Os revoltosos sao cercado tres mii.in-
oluiado os presos, que armaram. e alguns
vira de grande utilidaile quelle
t Ah foi feita pelos partcula
pequea capella com a invocace d
da Gonceicjk) d'Arayoses.
O fervor catholice, queento d
levou os indios, chefes de aldeins, Joo
Mag de Deus e Silvestre de tal. a i loarem
N. Senhora as torras, que possiiam em
S'inta Rosa e no Pard-mirim paila nellas
se situarem fazendas, onde fesse creado o
gado vaceum, que j possuia por insola, e
outros anmaes, que para o futuro II e fossem
doados.
jamis pedera ser considerad! vaga, e como
tal eacorpofadi aos bous nacionaes.
Contra esta decisae encontramos a ss-
guinte exposicSo, que em sua integra pu-
blicamos para que digam os entendidos, se
a Nossa. Senhora da Conceico foi ou nao
expelliada des seus bens, seinjire mal ad-
ministrados, e nao pencas vezes rou-
bades.
Parece, que antes do Mv. de di' -',-
lembro de 17ll, nao havia dis|i,..sico le-
gislativa que prohibiste a creacSoue capel-
las ; alias desle niesnio modo AIv. se in-
fere, que ra, se nao permcllida. tolerada
a rreacao de ermidasou ca[>eHas para niis-
sas particulares, para o encargo dasqaaes,
bneravam-se alguns predios rom ipie eram
dotadas para a conservante e decencia dos
seus ornatos, aos quaes se chaniava. im-
preperiamente bens de capella.-
Por semelhante raze, O cit. AIv. n > I
18 tratando das capellas rregiilarnieute ins-
tituidas de pretrito, deterniinoii, que as
que estivessem vacantes, 01*1 devolutas por
torem cabido em comisso, eu por se ter ex-
tinguido com os ltimos administradores a
descendencia do instituidor, que* ficassem
sontas do todo o encargo, a que tinham sido
onera Considerndose o palriinoiiio de N.
S. da Conceico de Arayoses roniprehendi-
do em alguna filas especies cima, Iste ,
ou como capella, eu como dote : atada
assim, nao pode elle passar, pelo que me
parece, aos descendentes do instituidor ou
dotante: o patrimonio, ou dote, foi (Vito a
N. S., e esta eterna, nunca se extingue :
e esses bens tem sempre sido administrar
dos por pessoa nao prohibida como sao as
corporacoes de mo niorta. Se l'oi irregu-
lar a dotaco desse patrimonio, ouinstui-
rode capella. ella liceu nao obstante, -anc-
ciouada pelo que se dispoz no cit. Ab.de
17(59 | 18, lei subsequentemente promul-
gada ao acto da doace que leve lugar em
Janeiro de 1750 : e por conseguidle 'obvio
que no tempo em que se fez a doacSo nao
poda ser ella regulada pelas disposieaes de
uma lei que s existi ll anuos depois. Ao
tempo da doare, qualquer pessoa que po-
desse disper de seus bens, |edia instituir
capellas em certa quantia de dlnlieiro, pa-
ra que pelos rendiinontos delle se cempris-
se annualmente algumas obras pias : o cit.
AIv. de 1769 foi que veio restia g-esta l-
berdade, exigindo para a institu^ao de ca-
preserevendp as regias
Desappareceu este patrimonio
guinte maneira.
Mandn o governo da provincia em 9
de setembro e 18 do iiovenibro de 1844,
que fossem inventariados es bous d'esta
capella-alim de serem encorporados aos
proprioa nacionaes, viste estarem nos ter-
mos do Alvar de 14 de'Janeiro de 1807.
Ao juiz municipal da Tutoia nquereu o
cidado Clarindo Teixeira de Carvalho vista
para embargo de terceiro senhor e possui-
dor prejdicado, sendo suspensa todo e
qualquer procedimento sobre ari-emataco
dos mesmos l)ens at deciso dos mesmos
embargos.
t Fundavaiu-se os referidos embargos
em serem os bens, ora existentes, doados
N. S. da Conceico de Arayoses para seu pa-
trimonio pelos fallecidos mestre ct mpo Joo
cantas daquellc lati'flonio, o Wlafire ojul-
giram (U- N. S., i- muito adendivel, C io
crivel que juizes esclarecidos e juris-con-
snltos, como por ex. o indicado, deiussoia
de entrar no exame da certido ou doaco
desse patrimonio ; e todos elles mecessiva-
niente consideraram por ser tumo aqoelle
patrimonio; de legitima propriedade de N.
S. Esta circumstancia, e aposso Immcmo-
rial, do um direito inauferivel a N. S. so-
bre a propriedade do dito patrmonio. (N
embargantes nao provaram a nullidade da
doaco por nenluiiii modo; qiie nem
havia cabido em commisso ,) e menos que
fossiau files descendentes' dos doadores;
mas admitlindo-se como prova a simples
a legaco, anda assim, s o eram do doa-
dor Mag, e nao do Silvestre, e enlo como
liquidaram elles a porcjio do Ierras que foi
for este e. por aquello doada ? Outro sim:
seria o gado tambem doado peles mesmos
rleaderes? Cuneta jisse de tal traslado?
Como ento, que se a|)0ssaram de
todos os bens daquelle patrimonio repar-
tindo-os entre si ? Seria por elTeito ife sen-
lenca 1 Foi ella dada a execuco? Appel-
lou o juiz cx-oflicio como Ihe cumpria, nos
utos, flessa sentenca ? Responda ojuc
isbulhadores dos bens de N. S. Entendo
Iois que a sentenca. ipio dada contr
direito, nulla, c nunca passa em julga-
do.
Infelizmente N. S, j nao possue esses
bens, e nao poderlo ser revindicados ?
Existe boje uma igreja, que serve do
matriz edificada pelos liis e sem dis|>endio
Jes cofres pblicos.
o Os limites desta freguezia principiam
da fazenda Sao Pedro inclusive, margem
esquerda do rio Parnahiba, seguindo em
liona reate ao lugar Capim, desle ao de Sao
Romo, margem direila do rio Jfagft, atra-
vessanikf ^?ste para o lugar Riarho, mar-
gem esquerda do mesmo Mag. o por da
abaixo at o lugar passagem de Mapu, se-
guindo d'ahi em linlia recta a sabir no mar.
no lugar denominado barra do Carrapato-
comprt'hcndendo as ilhas, que ficamem'fren-
te da difa barra, at a das Canarias do rie
Parnalilia-, e per este cima, coniprehenden-
de todas as ilhas adjacentes al a mencio-
nada fazendti Sao Pedro.
A l'n'guezia terd dez legoas de norte
sul. e viole de leste a oeste: bastante-ex-
tensa e pouco habitada.
Marianna
Silva e
i.
de Deus Mag e sua mulber D.
POrnandes Chaves, e Silvestre di
sua esposa Domingas da Conceic
Constavam esses bens em gado vaceum
e cavaBar c trras no Pard-mri c Sania
Rosa, como se mostrava pela seriptura
passada tm 5 de Janeiro de 1880
Allegaran, que esta doaco
Otoal para es descendentes d"aqui'lles dea-
dores poderein tambem criar sju
vaceum q cavallar, sem que de fi
ma fessem esbulhados, nem uu
quer autoridade judicial podesse
cunta sob a llmala de icar se
pellas, hcenca regia, prescrevenup as regras
e solemnidades porque s podan* iTalli em E come segundo d.slr.cto-.da.
diante serem instituidas essas capellas. o. P"! <' niunipio da comarca, do-
Em Aravozes, existia urna niisso ou rei* ... .
aldeia de indios (lo mesmo nome. O Iras- '' sillo Carmwheiras urna peque-
a capella, edificada pelo capitao rwppe
Jos das Noves, o por ello dedicada ao-cuj-
te de S.Jos.
Na Ma do Caj: existe sal marinlio.
Finalmente a parada da quinta e-sox-
lado to traslado cvtrahido de urna certido
pela se-; nao conferida, que d noticia da escriptura
inesina doaco, sendo esta instituirlo nulla
desde o seu principie, per nao ter sido feita
comas formalidades exigidas pelo 15 e se-
gundes da lei de 9 de setembrol de 17(19,
por nao haver sido insinuada, e esn poder
rma alg-
MM '/"ni-
tainar-t/tcs
rii/itf a
de doac3o que izeram os doadores Mag
o Silvestre, das Ierras do Par-uiiiim e de
S. Rosa N. S.. cujo traslade constitue o
1 documento dos embargos, inostra que
os doadores foram queui a expensan suas
edilicaram naqnella niisse amia, capella
particular para nella se dizer assi, e
como natural doaram-lhe aqurHe patrimo-
nio alim de que tivesse com quo occorrer
ao preciso para a conservarlo, e decencia
dos rnalos da niesma capella. visto que
tend N.. S. algum gado vaceum e cavallar.
preveniente de oll'erendas das fiis, nao ti-
nli;v Ierras proprias onde creasse e conser-
tasse esse gado. Esta doai;o de trras, feitas
como fica dito cm 1750, nao pedia, e nem
era possivel, ser regulada pelas disposicties
de uma lei (pie ainda nao existia.
Per este modo ficaram pertencondo a
N. S. aquetlafi trras, as quaes se csta-
beleceu com O gado que tinha uma fazen-
da, que augmentando progresivamente
chegou a ser uma boa fazenda de gado da-
quella Ribeira. Se esta doaco nao foi in-
sinuada como allegaran! nos embargos,
queni quo pude dizer easseverar que o nao
foi e at mesmo sanecionada cem a approva-
Cao Regia.e a capella instituida com o roncen-
Bp prelaticio como permitte a oro1, liv. I..- tit.
62 39 e seguinte? Provaram OS em-sivo dapobresa.
bargantes essa falla ? (> traslado que '
trasladado em 18:t( de nutro traslado ox-
trahido em 1808 de uma certido lirada &i
liy, de notas eml799 (49 anuos depois Ja
doaco). nao pode provar que a doaeao u,l
foi insinuada, e nem a capella apprevada
com licenca Regia ou de prelado, porqpai -
la conipanhias do bataHie n. )i da guarda
nacional do municipio da Tutoia.
Tem duas eaderae de primeiras letras,
uma para-o sexo masculino e oulra |xiiao
femenino, creadas pala lei provincial n-,378
de 50 de junho de 1868.
Gneros da locaKMt.Foaco se satre-
gam es habitantes- d'esta freguezia lavou-
ra, com (|uanto goseiu da felicidade de
possiiirein trras muito proprias, sendo
as margons dosrios iunundadas pela lhixo
e reflno de mar. ou indas enclienles do
Pamabiba, (pie caminbant espacos superio-
res I duas leguas.
Plantam arroz, canna, fumo, melancias,
ananaes, meles, paeovas ou bananas, e
mandioca, a qual dentro do seis me/es est
madura e em estado de ser empregada no
(ahrico da farinlia, porem s em quantidaile
suficiente para o consumo da locatidade.
Este pouco amor agricultura, fonte
netgotavel de riqueza, devido grande
iMiaiitidade do caca e de potan do mar.
dos ros e lagoas, e a facilidade que ha di
ser adquerida, peto que o susbinto exclu-
an II.I I 1MICI iiiiiiwiii"ou, >"- I ...... ------ ---- ." 1 1
vigorar como testamento por ialti de for- lo mu tal processo devia seguir notraelad
r~... ni,O,,ii,l,.,. .l.i ii.,.i,,l III-1 lili iln-ir-in O I n
nulidades legaes.
Em 14 de Janeiro de 1844 pelo juiz
Manoel Rabello Borges foram jntidos por
sentenca bisnetos do referido Mag o cida-
do Clarindo Teixeira de Carvalho e sua e
posa D. Marianna Fernandos Chases.
Em 23 de junho de 1846 na Tuloia
por este mesmo juiz foram julgailas os^ di-
tos embargos como provados, e
pfeil a instituiedoe doaco,
mesma capella nao foi erecta cefia netessa
ria conirmaclo do governo, como era mis-
ter, para se poderem taes bens i
priamente encapejados na conft

FOLHETIM
CATHARIMA
POB
presenca de uuv principe da igreja fa/.ia-
lhe perder a. caneca e era em vito quo
Francisco Paty se esforcava por o con-
solar.
Vamos, vamos, meu bpm amigo
dizia o velho parodio, aperlado-Ih alfec-
tuosamente s inos. De ve pensar que
Jiossos deveres. Da mesma fi'ma que o
estandarte roto pda ni-trallm faz a gloria
de um exordio, assim tambem sao a glo-
' ria de uma igreja a sobrepez e sotaina do
S'u parocho chelas de remendos e pontea-
dos.
Assim fallara Francisco Paty com a mais
Jules Sandeau
IV-
%ovo* emlmraoos.
(Continuaclo do n. 2)
Approxiraava-se, todava, a festa de S.
Silvana, e Francisco. Paty, muito longe de
Mispeitar a surpresa que oesperava, no
poda deixar de sentir algum cuidado com
a approximaco d'aquelle. solemne da. NSo
porque tile se preoecupasse muito com a
sua alva de andrajos, nem com a soitana
chote de ponteados, nem to pouco com a
maneira porque faria a recepcao ao bispo.
N'esta parte revelava elle, como em to-
das as colisas, uma philosophia adoravol-
raente ebrista, pensando que aos olhos de
um bispo, como ao? de Dens, vale miis
um coracSo puro e ledicado do que urna
alva e sotaina novas.
O que, porm, o preoecupava e tortura-
va m.'smo inexplicavelmente era a deses-
perar) do^e coadjuctor, que, mais novo
o menos1 resignado,, nao se calava com a
sobrepeliz de que piecisava.
A dizermos a verdade, o p*jbre rapaz,
i esde que" se annuncira a visita do prela-
n.t i dormir mais, e todos os dias ba-
nhava d3 affictivas lagrimas a sobrepoliz
ida que possuia.
A idea de ter de apparecer mu na
15 e seguintes da lei de de s
17G9 e 23 de mato de 1775
hamar pro-
rmidade do
tembro d
e portanto
barios das
lli apresen-
Ivanol
lUOalIJCIIlC O lilil/.-'. ---- l/l"K pvurai ,|v.v ......- ..........--------------- .
cada remend da sua sobrepeliz, e cada profunda convierto ; vendo, porem, que o
ponteado da minha alva e da sotaina ^reV coadjuclor nao se resignava einpre.>enw
prescntammuitamiseriajjonsolada, alguma '
moedadecoare na algibjira dos infeliaes e
souberamque todos os serveni
parochias linaitrophes vinliam ;
tar-se ao prelado no dia do S. S
Na aute-vespera d'aquelle dia solemne e
ai) mesmo tempo recejado, o parodio, o
Seu coadjuctor, Martha, Catharina e os dons
ISoirel achavam-se reunidos aa sala do
esbyterio, a calcularem com espanto que
i'utlienlico da escriptura de doaeo; e por
conseguinte nao pedia constar esse proces-
so do liv. de n<>las em que l"i laviada se-
melhante escriptura de doacSo. E' bem
sabido, que traslado de traslado nao han
nenhuma autoridade jurdica por si s, e
que as publicas formas para terem valor
juridico, indis[iense.\el, que Sfljam, ou tth
trabillas com amliencia das liarles inteiv-
sadas ou authenlicadas com a conferencia e
concert de mais um tabelliao alm d'a-
quelle que os reduz a forma publica. Alm
do esposto, segue-se; que a autoridade
dos juizes ou pcavedores (entre riles o
Dr. juiz de fora Luiz de Oliveira Figuere o
e Almeida), que tecm examinado e tomado
entras tantee fatias de pao na sacla dos
pebres mendicantes, e que, perianto, os
nossos andrajos devera agradar a Dus.
Permitta-me que Ihe a[resente uma cora-
paracao. Orando. os soldados voltam da
bataa, glorioso apresentarcm-se ao ge-
neral com as fardas rasgadas, toradas das
balas, ennegrecidas e chamuscadas da pol-
vera. Imagine como poderia ser bem re-
cebido pelo seu chefe aquello que, saldado
do combate/se lhc apresentasse em lrda-
mento de parada, de panto cm branca, c -
mo se viesse de toucador 1 O chefe mei-
da-lo-hia prender, e com razo,. em quanlo
que, vice-vtrsa, elogiara os que so Ihe
apresentassem com as fardas dilacera-
das, porque naturalmente concluira que
estes tinham valorosamente cuniprido o seu
dever no m.is ardente da lula. Pois bem:
tambem nos somos soldados, mas saldados
da fe, combitendo'semcessar todos os dias
a toda a hora, sem nunca largar a brecha.
Tenhamos, oois, coragem no momento de
apparecermas perantc o nosso chefe : em
vez de nos envergonharmos da nossa po-
breza, mostiyemos com piedoso orgulho
as nossas so tainas e sobrepelizes, que attes-
tam que tanibea ns temos cumplido os
dos seus argumentos, experimentara ver
d-ideira mgoa por Ihe nao poder dar uma
sobrepeliz nova.
De seu lado Martha e Catharina acha-
vam-se a bracos com dilhculdades, das
quaes pareca deverem estar livres pela ge-;
ncrosidade de Rogerio. ,
. Eis-aqui o que succedeu :
No da posterior visita do caslello. a
pequea viegem tora em companhia de
Claudio cidade prxima fazer suas com-
pras.
Imaginando que as cinco moedas de ouro
eram um thesouro inextinguivel, encom-
ie adou de prompto e sera calcular uma
alva e sotaina para seu tio,, uma sobrepe-
liz magnifica para o coadjuctor e fato para
os cinco filhos da viuva Lucas ; um fato de
in i lino de curo para o pequeo Jo3o e um
vestido complet) para a sua protegida Pa-
querette. Tamiem comprou uma cruzinba
de ouro para Martha e um bello alete de
peito, que por sua mo pregou no peitilho
de Claudio.
Regrcssaram ambos satisfeitos aldeia ;
mis, feitas as cuntas, reconheceu Catharina
que, tendo dispendido es seuscem francos,
apenas Ihe restavara dez para as despezas
do jantar do bispo.
Grande fbi, pois, a sua afiiccto quando
se tratava nada menos do que d
apresentar
urna mesa de trinta talheres, sem contar o
e mais estad
s do pre-
cocheiro, o lacaio
lado.
Est dito tudo exctynou Martha
Temos a copeira varia e igualmente a
dispensa !
Nem ao menos uma taca de prata
para apresentar ao prelado I dizia fran-
cisco PatyVend este invern a ultima que
me restava para pagar as contribuices do
tio Rodigois, ameacado de priso pela jus-
tica t .
Tudo sso sena nada, se ao menos eu
tivesse uma sobrepeliz apreseutavel I
Ora vamos, Srr Noirel-r-dizia Martha,
dirigindo-se resoluta ao mestre-escola.
Vmc. to iteressado como ipialquer de
nos em que a dignidad da parochia nao fi-
que compromettlda ; Vmc. thesooreiro,
cantor do coro, e inquestionavclmente n'es-
tes vinte annos que frequent esta casa
tem-se aproveitado mais das nssas sopas
do que nos das suas. Ainda stamos para
saber com que lenha se aqueje e (tomo
servida a sua mesa. Mostre-rtos uma vez
que menos avaro do que por ahi se diz.
Vmc. tem bom dinheiro ; preciso que o
vejamos 1
Eu, dinheiro ?exclamou o Sr. Noi-
E* netavcl, como j dissemos, entre
todas as lagoas, a de Jooo Ww, que em
suas quatro legoas de extense conten abun-
dancia de |H'ixes de varias*cualidades.
E'\oz geral, que as, 9bas d'esti lag
engordara deepropositadamente todos es ani-
maos desde o bol ate a gafinha.
i Pode dizer-se. que nVsta Ireguecia pre-
domina sobre todos os litros gneros* de
industria, a nvacao do gado vaceum O ca-
vallar.
Consisten os gneros de exportaco no
gado vaCCOm e cavallar, romos salgados e
curtidos, cocos da praia (difdohemium af-
lralo. L) e tatajuba amareba para tintas.
Existem alginnas engeij|0cas de agur-
dente, e poucos estabelecimontos de nego-
cios, darles e de oftieios.
Eslatislica. Cal. ida-se em ..aO pes-
soas a sua popularn, sendo 1.200 do sexo
masculino e 1.300 do femenino, 2.230 li-
vres e 50 escravos.
re, arripiando-se dos ps cabera- Oh !
minha amiga, onde o tenho cu ?
-=> Na enxerga interrempeu Claudio
impassivelmenle.
Nao estars calado, miseravol ?- -da-
se o iesoureiro, despedindo um pontap
s pernas da sua indiscreta proleEu ter
dinheiro Apenas Ihe cunbero 0 som, a
forma e a cor !...- Sou um pobre mestre-
escola ; as despezas da educaejo de meu
ilho arruinaram-me. Se elle cahir or?,
crutamenlo para o anno, nao terei meios
para o fazer substituir, e, se cu morrer de
um instante para o outro, tera o meu bom
amigo o Sr. Paty de me enterrar pelo amol-
de Deus !
Tem dinheiro, tetn,repetio Claudia,
collocanoo as pernas fra do alcance (los
tamancos paternaes e levanfa-se todas as
noutes para e contar I
Vamos, Sr. Noirol, resolva-se! --
accrescentou Mu-tha Despeje a enxerga,
que nao I ie dar ella menos commodidade
por Meo !
. Meus charos amigos, exclamava o
thesoureironao creiam no (pie diz este
miseravel : nao tenho dinheiro, sou pobre
como Job I Dou licenca que revolvam o
meu quarto ; eu me nto salve, se ahi en-
contrarem mais do que palha e algum rato !
Martha ia a replicar-toe, (piando Frrn-
ciscoPatj, em tom severo, interrompeu o
dialogo.
fiaste, Martha disse eBb.Gonvi n-
co-me do que, se o nosso bom amigo o
Sr. oirel podesse, nos tirara da afuaccao.
Vejo que so Deus poder amercear-se de
nos. Recorramos a elle para que se digne,
renovar para comnosco o milagre do divi-
no banquete, e. esperando confiemos na
ajud do co. Claudio ir deitar a sua
rede no Creusa e...
De corto nao pescar all sobrepe-
lizes !resmungou triatementc o coadjuc-
lor.
E um rapaz decidido, que em algu-
mas horas nos tiara um bom piafo de ten-
cas e salmees. Catharina far uns sonhos
e Martha alguns bolos de farinha de trigo ;
o amigo Noirel tratar de descubrir alguma
garrafa de vinho velho, e eu amanba, de-
pois da pratica conventual, farei pola pri-
meira vez um appelle caridade dos meus
parochianos. Sao tudo boas almas, e se-
remos muito infelizes, se noute Martha
nao tiver que rCcolher nuaitia'ga fresca,
ovos, nata, c algum par" de patos e galli-
nhas.
E a minha sobrepeliz, Sr. abbade?
perguntou o coadjuctoi', suspirando.
Ab meu bom amigo, responden o
parodiope?a a Deus fervo esamente : tai-
vez elle, por um dos seus anjos, Ihe man-
de collocar cabeceira & sobrepeliz nova I
Entretanto mostr a vclha a Catharina e
vejam se a agulha da pequea fada tem al-
gum poder sobre os seus esi ragos.
Ah senhor, disse o coadjuctora
menina Catharina, que a vio j de alto a
baixo, declara ser mais fcil dar pontea-
dos n'uma teia de aranba do que n'ella!
Pois bem,replicn Francisco Paty
com evanglico sorriso est as mesmas
circumstancias da minha alv e setiipa t
(Contimnr-se-ha).

f\.
f
I
1
T1P. DO 01AIIO RlA DAS CRVIB8 R. 44
- I

mimmm*mm*a*>:


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWYD0AZXF_OGOUSA INGEST_TIME 2013-09-14T00:19:31Z PACKAGE AA00011611_11735
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES