Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11727


This item is only available as the following downloads:


Full Text

___^
VHBHM
ANNO XLIV. NUMERO 294.
Ji
VAt Wl O
PARA A CAPITAL LltlAHF.a ONDE NA* PAA MWt,
Pjr (rea ae.ei a/aala-fa*. ,...,,......, j k g
for ae/a /'tea -V-a l.. u> :- f. ..
*or uu ana iieru *>......i..- ... #. ....
tola amera amia .....

0
6*000
1110000
240000
320
QARTA FEIRA 23 DE DEZEMBEO DE 1868.
rAMA OONTBO | VOBA BA PBOTINCIA.
Nrtm MNitiMii >.. -< r. C61 ..- .. c, r.. 1*3 u~
Pr mu niM idta *........ ,, ,. ,, ,. ,. .. ... .. .. ., M1
" UWi !MB .. (< ,. .. ,. ,. ., ## 94 ., .. .. .. #. ,.(
*"* **" BCffl %t ... i ,.,. s# #> .. 9m ## ## #- t# ## ## ## ^^
64750
13*100
200280
271000
r'
N
AS!3BM1 IB 31B4SBVt* Do 18llIIPVttG lABIU tlWBt&tA 11 iAltA & tt<t. UTO PlWltfVlLlltt.


*



ai
>

I-
R
*.
I
ENCARRE0A1X DA SBSCRIPgAO.
) f ir sbybi, o Sr. Antonio Alexandrtno de Lima;
fara o Sr. Antorlo Marques da Silva; Arac.ty,
tr. /.de Lomos Braga; Caar, o Sr.Joan.uim
oJh de Olveira; Para, os Srs. Gerardo Antonio
*tT & Fllboa; Amazonas, o Sr. Jeroojrmo da
Cost\ Alagoas, o Sr. Praoclno Tarares da Costa;
abu.'oSr. Jos Martinr flus; Rio de Janeiro,
Sr. -os Ribeiro Gaapariolx
PARTIDA'DOS ESTAPETAS.
Oiinda, Cabo, Eseada e ettacdes da via frrea al
Agna Preta, todos os das.
Igoaras e Goianna as segundas i sextas felrs.*.
Sanio Anta, Grvala', Beterros, Bonito, Caroarn',
Altinbo, Garanbons, Boiqne, S. Bente, Bom Con-
selbo. Aguas Bellas a Taearatu', ns tercas feras
Fio d'Alho, Nsiareih, Limoeiro, Brejo, Pesqneira,
logatelra, Plores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricory, Saleoeiro e Ex, oas qoartas (eir.
obSero, Rio Pormoso, Tamandar, Una, Brrel-
os, Agoa Preta e Pimentairas.
AUDIENCIAS DOS TRiBNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommerefo: segundas quintas.
Retaceo: tercas e sabbadoa as 10 horas.
Pazenda: quintas is 10 boras.
Joizo do commereio: segundas is i I (boras. j
Dito de orphaos: tercas e sextas is 10 boras. '
PriOMira rara do ciraf: (arca* a sextas ao telo
dia.
Sigonda vara do cirel : qnartas esabbados a
I ora da tarda.
EPBEMERIDES DO HEZ DI DEZEMBRO
6 Qnarto ming. m 8 b., 41 m. e 16 a. da L
1.1 Loa nova aa 9 b., 40 m. e fi s. da t.
21 Quarto erase, as 1 b., 45 m. e 38 s. da m.
29 Loa ebeia as 10 b.,S5 m. e 16 s. da m.
DAS DA SEMANA.
31 Seg. S. Trinm ap.
M Tf re. 8s. Honorato, Flaviano e Ploro rom.
23 Quirt. S. Servlo.
24 Quint. (Jrjom) S. Gregorio m.
25 SexL S. Eugenia v. ro.
26 Sabe. Ss. Uariobo e Arebelio rrm.
27 D )m. S. Joo ap
PREAafAR DE HOJE
Priaaira as 0 noraa a 30 m. da manbia.
Sagnodi aa 0 boras a 3t mfnotoi da tsrde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIRO.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30 para o Borte
at a Granja' a 15 a 30 Ae cada mes; pan Par*
nando nos dias 14 dos metes Janeiro, mareo, san
julho, setembro e novembro.
tjLBTE OFFICIAL
c;ovxi >% PROV1XCI.4.
EX>ED!K>" ASSGNADO PLO EXM. SB. CO.MOV, DS
CONDE *<-- B EPEN-.V PHBSIIlENTE DA fBOViaCIA
KM 29 DE CWTBBHO UE 186.
1. seccio.
N. 1171.Ocioao Exm. general cummaodiole
das armas.Prtir.tpando-me o Etro. presidente
da provincia dt Parabyba em ofOclo de 28 do cor-
rale sob n. 4'30, ler sido eoodemoaio por senton-
ca do cunselho supremo militar de justica em 12
de julho de 186*, a pena da carriobo perpetuo,
segundo coosiou de ordem. do dia da repartilo do
ajudaule-geoefal n. 4707, o preso Mantel Rudrl*
gues da Silva, um dos que ltimamente foram a'ali
remullidos para esta provincia con destino ao pre-
sidio de Peinando de Nonnba ; assim o commnni
co a V. Exc. jara seu eonOecimento.
N. 1172Dito ao mesmo.Pode V. Etc (azer
seguir ainanba para a corte no vapor'Parand os
recralas constantes da relacao que v.-iu aooexa ao
seuo(Q:io desta data sob 0.991, meaos os de uornes
Jos Vieira da Suva e Marcolino Demetrio Vianna.
N. 1173.Uno ao mesmo.Tendo o recruta
Mercolino Demetrio Vianna, Isencao logal em seo
favor, mande V. Ezc. dar-lbe baiza e apresenta-lo
ao inspector do arseual de marinha, sQm de pres-
tar all os servicos a que est obngado.
N. 1174Dito ao mesmo.Permitliodo por des*
pierio desta data laucado em requerltuento do
recruta Jo: Luiz Vieira da Silva, que soja este de
momio at a partida do vapor que seguir para o
sul depois do Paran, afl-o de poder ajasiar snas
coolas com o seu ex-patro : assim o commonico
a V. Ex-, para os Qns convenientes.
N. 1176.ilj ao Inspeetor do arsenal de ma-
rnba.Em vista do que me soliciten o adminis-
trador do crrelo desta capital, em cilicio de 28 do
correte, mande V. S. fornecer para o servigj do
telegrapho da torre do collegio os objectos coas
Untes do pedido junto por copia.
. N. 1177.Dito ao mesmo.Provando ore
cruta Marcollno Demetrio Vianna, sobre o qoe
versa a soa infurmagio o. 1,621 de 26 desle mez,
ter isencao legal un sea favor, mandei dar-lbe
baisa, a aprtsmu-lo a V. S. atiin de prestar
ossse arsenal os servaos a qoe esta' obngado.
N. 1178.Dito ao director da colonia militar
de Piinenteira. Recommt-odo a Vmc. que me
remeta at o dia 1* de Janeiro prximo viudonro
inf rmacas minuciosas acerca do astido dessa co-
lonia, aBm de confeccionarse o relatorio que esta
presidencia tem de apresentar a asamblea legisla
Uva pri.viociai, na soa prxima reuoio.
N. 1179.Dito ao 1* lente de engeobeiro en-
carregado das obras militares.Recommendo a
Vmc. que at o dia 15 de jaoeiro p-ozmi viadou-
r e para a conleccao do'relatorio que esta presi-
dencia tem de apresentar a' assembla legislativa
proviocial, d* sua prxima reuaip, me envi in-
formaces mianciosas acerca do estado das obras a
seu cargo.
2* sccqSo.
N. 1183. Offlclo aojmz mooicipal da Ia vara
desia cidade. Pariicloaodo o Rxm. Sr. presiden-
te da Parabyba, em officio de 28 do correte, sot
d. 613, qne tendo sido condemoado por senlenca do
conselho sopremo militar de jusiira em 12 de julho
de 1865, a pena de carriobo perpetuo, segundo cons-
ten de ordem do da da reparlicao do ajudanle ge-
neral, n. 470, o preso Manoel Rodrigos da Silva,
nm dos que ltimamente foram a'alli rtmettldos
para esta provincia com deslino ao presidio de Fer-
nando de Njron a ; assim o eommumeo a Vmc.
para seu conbecimento e Qos convenientes.
N. 1184. Dlt)-ao delegado do termo de Agua-
Preta.Acenso a recepcao do ofllcio de 21 do cor-
rete, com que Vmc. me remetteu oorcameatodos
reparos de que precisa a cada dessa villa, e em
resposta teobo a ai'.er qoe, em vista da iaformacao
do chele da reparticao das obras publicas, datada
de 7 deste mez, sob n. 378, convenho em que taes
reparos sejam executados pelo pedreiro Praneisco
de Assis Mello, para isso indicado em sea citado
cffieio, despendendo-se at a quantia de 2375, em
qne importa o mencionado orcamento.
N. 1185.Portara.O presidente da provin.
eia, de couf jrmi lade com a proposia dtJDr. ebefe
de p.'licia, em cfflcio a. 8,093, do 28 do correte,
resolve oomear par os cargos de 3, 4% 5 e 6
sappl-'ntes do delegado do termo dt Goyanna, os
eilaios seguintes, na ordem de sua collocacao :
De. Bellarmiao Correa de Olivelra Andrade, major
Jos Krancisc > de Paula Cavaleanti de Albuquer-
que, capito Valentisiano da Cooba Reg Birros,
Antonio Ribeiro de Mendonca e major Jos Cesar
da Alboquerque
JN. 1186.Dita. presidente da provincia,de
conformidade com a proposta do Dr. ebefe de poli-
ca, em ofJScio o. 7,965, ae 24 do torrente, resolve
no mear para os cargos de 2*, 3*, 4', 5* e 6* sop-
penles do subdelegado do 2* districto do termo da
Eseada, os cidados segamtes, na ordem de sua
collocacao : capilo Hircionilo da Silveira Los,
Jos Hurmillo Cavalcantl Llns, Antonio Alexandn-
ao Cavalcaoti, Antonio Jur dos Saotos e Jos Ro-
drigues da Silva.
N. 1187.Dita.O presidente da proviocla, de
ecnformldade cam a proposta do Dr. ebefe de po-
lica, em offlcjj o. 7,959, de 2i do correte, resolve
comear para os cargos de 2% 3*, 4% 5a e 6* sup-
plentes do subdelegado do 1* districtt do termo da
EscaJa, os cidados segoote-, em ordem de su-i
collocacao : Zeferioo Aoreliano de Pigueiredo
Helio, Joaqun) Cavalcaoti Ribeiro de Lacerda, Ha-
noel da Cosa Prazeres, Mmoel Joaqoim de Torres
Gallindo e Seraflm Jos de Aranjo.
N. 1188Dita.O presidente da provincia, de
conformldade com a proposta do Dr. ebefe de po
licia, em offlcio o. 8^)25, de 27 do correte, resol-,
ve exonerar o cidadio Joao Manoel Pontual, do
cirgo de 1* supplente do subdelegado do distnclo
de liba de Plores, do termo do Bonito.
N. 1189.Dita.O presidente da provincia,
da conformidade com a pnposla do Dr. ebefe de
polica, em offlcio a. 8,025, da 27 do correte, re*
solve nomear para o cargo de i* supplente do sub-
delegado do dtstrlclo de liba de Flores do termo do
Bonito, o cidadio Antonio Pariso da Caoba Pe-
(Irosa.
N. 1190Dita.O presidenta da provlocia, de
conformidade com a pmposta do Dr. ebefe de po-
licia, em offlcio n. 8,026, de 27 do correte, resol-
ve exonerar dos cargos de 3* e 4* sopplentes do
subdelegado do 1* dlslrcto da freguezia do Bonito,
os eidanos seguintes: Francisco Benicio Hachado
e Jos Ribeiro Ribas.
W. 1191.Dita.O presidente da provincia, de
conformidade com a proposta do Dr. ebefe de po-
lica, m offlcio o- 8026 de 27 do correte, resolve
oomear para os cargos de 3* e 4* snpplentes do
sobdelegado do i* dlstricto da freguezia do Bonito,
os cidados seguales na ordem de sua designa-
(So : Virgolino de Barros e Silva e Firmioo Casa-
do da Fooseea Lima.
N. 1192.DitaO presidente da provincia, de
conformidade com a proposta do Dr. ebefe de poli-
ca, em offlcio n. 8027 de 27 do eorreote, resolve
exooerar do eargo de 2* e 3* sopplentes do dele-
gado do termo do Bonito, os oldadios seguintes :
tenente*oorooel Matlas Ferrera Helio e lente
Galdioo Alves Barbosa.
N. U93.-Dita.O presidente da provincia, de
conformidade com a proposta do Dr. ebefe da Do-
lida, em offlcio o. 8(27 de 27 do eorrente, resolve
nomear para os cargos de* a 3 snpplentes do
delegado do termo de Bonito, os cidados ssgaiotes
Antonio Jos vos eleitos para os cargos de vereadores e jnizes
de paz dos distrietos do sea municipio.Conde it
Baep'.niy.
DA PRESIDENCIA DO OA
URO DI 1868.
3 i DK DBXBI-
oa ordem em qoe vio designados
de Mello e Jos Antonio da Molla.
N. 1194.Din.O presideote da provincia, de
conformidade com a proposta do Dr. ebefe de po-
lica, em offlcio n. 7959 de 24 do eorrente, re exooerar dos cargos de 2, 3, 4, 5* e 6* sopplen-
tes do subdelegado do 1* districto do termo da despachos
Eseada, os cidados seguintes: Jos Alves de Uli*
veira, Joaquim Tnaod >ro do Reg Barros, Nicolao
Toliotioo Soares de Freita, Joo Romarico de Aze-
vedo Campos e Joao Ltandro de Barros.
N. 1193Dita.O presidente da provincia, de
conformidade com a proposta do Dr.coefa de poli-
ca, em offlcio o. 7965 de 24 do correte, resolve
exonerar dos cargps de 2*. 3, 4, 5 e 6* sopplen- ; Sr BSpecior da tbesourarla
tes do subdelegado do 2* disincto do termo da ... ,. T ,
scarta, os seguintes cidados: caplio Caelano I Cm"'4* Brgida dos bantos.-Indeferido, avista
Antonio Jos dos Santos 8ervlna.A'vista das
informacSes do inspector da ailandega nao pode
ser deferida a pretencio do sappllcaole, subsista
pois o despacho de 10 do eorreote.
Adriano Augusto de Almeida Jordio Informe
fazenda.
ff s? o M
-1 cr
0 3 3 3 I a -i 3 en 5 3
. s
1



' "


o
o
^^
>
i-e
o
seguintes
Correa ds Qaeiroz Moateiro, Tneodoro Jos da Sil-
va Los, Luiz de Franca Vera-Cruz, Manoel BiDia-1
no de Almeida e alferes Clementno Marques Fon-
seca.
N. 1196.Dita.O presideote da provincia, at-.
tendeado ao que requereram Firmino Correa Pes- I
fa de Helio e Aotonio Luiz Jacinibo Janior, resol-
ve prnrogar por lempo de mez e meio o prazo do I
art. 77 do decreto o. 722 de 25 de outubro de 1830,
a contar de 15 de junbo ultimo, em qoe teve lu i
gar a nomeaco deQn.tiva dos referidos cidados,'
aquella para capito da 3* compaobia, e este para
alferes da 1* compaobia do batalb&o n. 11 da
guarda nacional do municipio do Limoeiro, e or-
dena que pela secretaria ae Ibes passe as respec
Uvas patentes.
4" seccao.Palacio do governo de Pernamboco,
28 de novembro de 1868.Acenso recepeo do
cfflcio da cmara municipal da via da Eseada,
datado de 10 do corrate mez, acompanbado da
cpia aothentica da ac da apurarlo geral dos vo
tos .para vereadores na eleico, a que se proce-
den a 7 de setembro do presenta anno na nica
paroebia, que forma o seu municipio, cajas actas
ja baviam sido enviadas, por copia, pela mesma
cmara em 28 do mez prximo passado.
Das actas parechiaes e mals documentos, que
me foram presentes, consta qne no dia 7 de setem-
bro, reuoidos no lagar desigaado e k hora a, ran-
da o jaiz de paz mais votado do distrlcte da ma-
triz, Jos Candido Das, 39 elellores e 22 sopplen.
tes, depois de fei: i a leilura ordenada na lei e ins-
trocedes eleiioraes, apresentou-se nm requerimen-
lo assignado por 19 oledores e 15 sopplentes, no
qual, allegando-se que a autoridade policial arre-
dara de eoocorrer para a eleico da mesa paro-
chial tres eleilores, fazendo os nomear para servi-
Co de destacndolo na qoalidade de offlciaes da
gaarda nacional; que bouvera ostentarlo de forca
por toda a parle, cerco da casa, em que se ia fa.
aer a eleico, amsjQas i todos que se suppnnba
votarem em sentido opposto as autoridades, pique-
es colloeados as entradas da villa, e analmente
racroiamento posto em pratica para iotimldar o
povo, accresceodo a doetsio da presidencia da pro-
vincia, que annullava, sob frivolas allegacSes, a
reviso da lista dos votantes felta em Janeiro des
te anno, declaravam esses eleilores e sopplentes
qne por tudo isso se abstmbam de concorrer para
a eleico, do que se iratava, e protestavam contra
tal eleico que consideravam nulia, pedindo, por
tanto, ao presidente que Ozesse inserir o seu pro-
testo na acia da origanissclo da mesa parochial.
O presidente, acceiando semelbaote protesto, a
que adberio, julgou-se autorisado a suspender os
trabaihos al que en resolvesse a este respeto, ao
que nao annuiram viole eleiloes e doze supplen-
les n'u contra protesto, qne o presideote d* mesa
nao quiz receber, abandonando logo o seu logar,
tinto estes eleilores es uppleotes, com o povo all
reunido, convidaran) o terceiro jaiz de paz de mes-
mo districto, por se ter mudado da freguezia o se
Rundo, para assomir a presidencia, e recusndo-
se elle, e nao estando jnramentados o qaarto e to-
dos os do segondo distriet, reeorreram ao 2 jaiz
de paz do 3* districto, Henriqas Gomes de Barros
e Silva, por acbanse ausente o primeiro, e esse
aceitando a preside ocla, prosigui nos trabaihos
da org.iuisaco da mesa, mandando Inserir oa acta
respectiva o coolra-protesto dos aleitores e sop-
plentes presentes, no qual se aliegoo qus a nica
lorga existente na povoaco consistia no destaca-
mento autorisado competentemente para mannten-
co da ordem e tranqailidade publica, mas que
uenhoma praca se apresenlra ao edificio, em que
se ia fazer a eleico, nem as snas proximidades', e
quesomente na vespera se postaran) al?urnas pra
gas e diversos cidados as immediaces do dito
ediQcio, Qm de obstar que oelle se organisasse
clauJestinamente alguma mesa oarocbial, antes do
dia e bora marcada na lei, como se dizla preten-
der fazer a opposico, e que essas mesmas pracas
se retirarara. logo que amanhecen o dia ; qo nen-
bum proposito bouve em arredar da eleico da me-
sa os tres offlciaes .da guarda nacional, a que se
allude no protesto, por quaoto, apenas foram elles
mandados no dia 6 a diligencias policiaes, em dis-
tancia de meia al dnas leguas, o qoe nao poda
embaraca-los de compareeer no dia seguinte para
o acto da organisaco da mesa ;. que eram falsas
as allegarles de se ter postado piquetes as entra-
das da villa com o fim de impedir o concorso dos
votanies, de se haver fet* ameacas recrotamecto,
sendo a prova disso nao mencionarse no protesto
faci algum destes ; efloalmeote que a circums
taocia de baver silo annollada a reviso da lisia
dos volantes feita no eorrente anno, servir de pre-
texto opposico para a sua ret rada do pleito
eleitorai, cujo resultado esperava Ibe seria desbvo-
ravel, por quaoto, sendo cooseqnencia dessa me-
dida fazer-se a eleico pela qaaliflcaco anterior,
que estivesse legalmente concluida, qualquer que
ella fosse, posterior ao anno de 1864, nao podala
opposico considerar isso como um meio de pre-
ludica-la, por que as qualiBcacoss, desde esse an-
no at o presente, se fizeram sob sua influencia,
oecopando ella entao as posicSes offlciaes, nio po-
dando mesmo julgar frivolas as aiiegacSas contra
a legalidade da reviso do anno corren.!*, qoe fo-
ram aiiendldas pela autoridade competente. Cons-
ta mals das ditas actas qne na orgaaisacio da me-
sa e no processo eleltoral, feito sob a presidencia
do 2* jais de paz do 3* districto, observaram-se os
preceitos das leis a insiruccas respectivas.
A' vista do exposto, reeonbeceodo : que fura
moito Irregular e contrario ao .disposto no art. 27
das insirucedes de 28 de juubo de I8i9, o proce-
dimento do julz de paz mais votado do 1* distric-
to, Jos Candido Dfas, suspendendo os trabalbos
eleiioraes a pretexto de consultar me sobre o pro-
testo qoe receben antes de orgaoisada a mesa,
qoando devja proseguir nos ditos trabalbos, limi-
tando se a faze-lo inserir na anta respectiva, bem
como o contra-protesto qne nio qnls admilur, pa-
ra ser tudo submeino em devido temra ao go-
verno, aBm de que este decidase a tal respeto,
como fosse de direilo, o que ibe flz constar em
portara datada do mesmo dia 7 da setembro, tea-
do ja entio conbecimenlo oficial da continuarlo
dos trabalbos eleiioraes sob a presidencia de cutro
jaiz de paz; qoe a retirada daquelle julz, a reca-
sa e falta de ontros, que o devlam substituir em
primeiro lugar, tornara legitima a presidencia do
segnodo julz de paz do terceiro districio, Heorique
Gomes de Barros e Silva; e, flualmente,qae os (an-
damentos do protesto dos eleilores e suppieotes,
que se abstiveram de tomar parte na eleico, qoe
Ibes cumpria fazer, cram destruidos no contra-
protesto dos que continuaran) a eoocorrer para o
acto, para qoe foram convocados : resolv nio at-
teoder taes reclamares, e portaoto recommendo a"
cmara da villa da Eseada qne d juramento e pos-
te no dia 7 de Janeiro prximo vindooro aos Bo-
da inforraaco.
Pranelseo Geraldo Morelra Temporal.Recorra
ao administrador da reeebedoria de rendas ge rae?,
qoem compete tomar conbecimento da reclama-
gao do sopplfcante.
Francisco Pciflco do Amaral,Diriji-se a tbe-
sonraria provincial.
Bacbarel Pelippe de Figneira Paria.Passe ti-
tulo eoncedendo a licenga pedida com o respectivo
ordenado.
Francisco Sergio de Mallos.Como reqner, avis-
ta da informaco, pagando os direitos oarionaes.
Padre Jilo Vicente Gaedes Pacheco.A'vista da
ioformagio do general eommaodaote das armas,
passe.se titnlo por qoinze das, na forma da Ul e
reguiaroentos do governo.
Jos Francisco Pires.O sopplicaote ser alten*
dido logo qne a presidencia da provincia das Aia-
ga, de quera se reelamoa ordem para o paga-
mento, d solugo ao offlcio que oeste sentido se
Ibe dirigi.
Jos Thomaz de Aqoioo Pereira.Informe o Sr*
commandants superior.
Hanoel Harques de Olveira.Informe o Sr. en-
geobeiro Luiz Jos da Silva.
Manoel Camillo Liberato.Informe o Sr. gene-
ral eommaodaote das armas.
Manoel Aotonio da Fonseea e Mello.Certifl-
qne.
Reparti$3o da polica.
2. seeco.Secretaria da polica de Peroam-
buco 22 de dezembro de 1868.N. 10,048.Illm. e
Exm. SrTeobo a honra de levar ao eonbeeime-
lo de V. Exc.que foram recolbidos a casado le-
teDco, segnodo consta das participaras recebi-
das boje nesta reparlico, os seguintes indivi-
dua :
A' ordem do subdelegado da fregnetia do Reci-
fe, Manoel Tbeodoro da Rocha ; por briga, Umbe-
lino Olegario do Espirito Saolo, por offencas a mo-
ral poblica ; Francisco oa Hanoel Francisco de
Olveira, por oso de armas prohibida ; Jos da
Silva Pereira, por asnltos ; Potes Zeatyer e Wil-
liam Machett, por desordeno.; Joaquim Caelano,
escravos de Jet Victorino de Rezende, a requerl-
mento deste.
A' ordem do da Boa-Vista, Jos Lslle de' Olvei-
ra Rendo, por insultos.
Deus guarde a V. Exe.Illm. e Exm. Sr. conde
de Baependy, presidente d| provincia.-O ebefe de
polica Francisco de Farias temos.
L J. O Masculino. 1 s* I > 1 n
c* III 1 1 Feminino. co | c~- 1 1 1 s
CT l 1 Ja Masculino. 1 a l
e* 1. .L Feminino. I 1 ?
aj . . i i 1 Masculino. 1 a i
. 1 1 Feminins. 1 -I o\ l
-i it m to Masculino: I 5
-j .i. a Fi'mijiino. w 2 >
i i -i J ! Masculino.
ae 1 9 1 1 s i Feminino. 1 1 JO 1 i p
IS
s
TOTAL.
o qoe diro agora a vista deste documento cffl
eial?
Nao dlrio por eerto qoe Aprppa tloha raao,
qu?ndi diste na Opmao Nacional, que o Sr. Vtl-
la Bella, general em ck efe das (oreas progretsistas,
formara urna poltica de mesquinkos tnleresses,
cuidara em arranjar sua familia, conseguinio que
se volassem quotas para largas despexas publicas
com que se ahmenlaram os fi'hos do orcamento
que formavam urna grande familia.
Chumar nos-bao calumniadores ao pasto que ri-
sonhos apertaram cordialmenie a mo i Agrtppa I I
Anda nao tica ah o escndalo.
O leitor val ler nm ootro d cumento ufflcial, as-
signado pelo ex-engeobelro Brnesto, e cem o qoal
-o j se prova orna vergonbosa patela feita pelo fio do
=
5
|
3
sobrinho.
Fallara' por cs o digno
das obras pnblicas:
engeobeiro, director
c.A razio, pois, porque se possoo do systema
das pequeas empreitadas verbaes, para as gran-
des empreitadas por contratos escriptos, nnnea fol
a lllegalidade daqnelles, nem a soa deivanlagem ;
isto orna hypocrisia ; a verdadeira ratio foi o
ter-se reconkecido que as grandes empreiUuY, exi-
giedo orna flaoca, que esta' ao alcance de poneos
redoziria o numero dos concurrentes a semelban,
les trabaihos, e qoe sendo menor o numero de #osse que boje se despreza, pode converter se o'u
ADVERTENCIA.
Na lotalldade dos deentes existen) 199, sendo 115
homense 84 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes das :
As 6 Ii2, 6 l|2, 6, 6, 6 ij2, pelo Dr. Ramos.
As II 1|2,-11 1|2, 11, 11,11 1,2, 12 1|2, 9 1|2,
pelo Dr. Sarment.
Falleceram :
Rosa Mara do Bom Suecesso, tubrculos pulmona-
res.
Goilhermina Hara da Conceigo, tubrculos mes-
entricos.
U Angelo Marcelino, tubrculos pulmonares.
Mara Anna da Couceigo, tubrculos pulmonares.
Poltica interna.
^RNIMBUCO
REVISTA DIARIA
A eompanbia da estrada de ferro do S. Fran-
cisco acaba de diminuir 50 */ o prego das assg
naturas de passagens do Cabo ao Recite, a comegar
do da 21 do correle em diaote.
A eommisao eocarregada do eslabeleclmeo-
I) d'oma linba telegraphica entre as provincias de
Pernamboco e AlagOis, apresentoo aote-hootem
ao Ezm. Sr. presidente da provincia urna repre
semago para ser encaminbada ao governo impe
rial. sobre esse assumpto.
Segando nos escrevem da capital da Paraby-
ba, fol all arremaiado por 13:200^090, pelo Sr.
Primo Pacheco Borgas, o casco e masireaeao da
barca americana Pursuit, qae naufragara .nos bal-
sos do Lacena.
Remenearnos o segainte :
< Domingo 20 do correte, acbando-se reunidos
m assembla geral todos os socios da sociedade
Liberal Uniao Btneficenle, o Sr. vice presidente,
Augusto Ciraco Villas Boas, deelarou abena a
sesso; e, depois de ter apresaotado nm relatorio
do estado da sociedade, convidoa ao novo presi
deole eleilo, o Sr. Bernardo Ferreira Lonreiro,
para tomar asseoto ; e este, depois de baver feito
nm bem elaborado discurso, convidoa aos noros
canselbeiros eleitos, para tomirem asseoto, e ele
gerem d'entre si, o vicepresidente, 1 e 2. sjere-
(arios, e nm procurador; resaltando da apnrago
dos votos Mear assim composta a mesa : vice-pre
sideole o Sr. Carlos Eduardo Mullerl, i. secreta
rio o Sr. Joaqoim Xavier C Buiencurl, 2 secre-
tado o Sr. Aotonio Manoel do Sacramento, procu-
rador o Sr. Manoel Tbeodoro do Nascimenlo.
Hoje Madama Helaoie Schlosser faz sua se
gnnda exhibigao dos espectros impalpavais e qua-
aros vivos, que tanto agradaram da primeira vez
que se mostraram no Santa Izabel.
Recommendamos ao poblico esse espectculo
novo para sna maior parte, e cujos attraclivos tan-
tos applaosos lem obtido em todas as parles onde
tem sido exhibidos.
Hoje deve ebegar dos portos do sal o vapor
nacional da eompanbia brasllelra. Se vierem bas
noticias do Iheatro da guerra, daremos supp'e-
melo.
Consta nos qoe o Sr. padre Angosto Frao-
klin Horeira da Silva tendo sido nomeado vigario
eoeommendado da nova freguezia de Gimeileira,
pedir a soa exoneracao de censor do Gvmoazie,
lugar que exereea sempre com seto e dlstiacgo.
Damos os emboras a S. S. pela prova de coDfJanga
qne acaba de mtrecer do oosso virtooso prelado,
e felicitamos tambamos babitanles da fregu>zia de
Gamelleira pela inaagorago da sua freguezia, e
pela escoiba do sea primeiro pastor.
Hoje trigsimo dia do passameoto do Dr.
Ondido Hamos de Almeida, teo Jugar algnmas
missas por sna alma no cemiterio publico, as 6
horas da maoba, as 7 na matriz da Boa-Vista e
as 8 no convenio de S. Fraoelsco.
Lotera.A qae se acha a venda
a 90* a beneficio da igreja da Casa Forte
do Poco da Panella, qce corre qainta-fei-
ra4.
Passagelros do vapor Jaguartbe, vindo da Pa-
rabyba ;
Dr Ferreira de Novaes, James Carricb, Hiooel
Antonio Marques, Vctor Grandin, Eugenio Blem,
Antonio Joaqoim de Vasconcellos, Chnstiaoo Jos
Tavares, Pablo Jos Gomes M. Barroso de Helio,
Salviaono Ramos, Hanoel Hesqaita Bastos, Frao
cisco Soares da Silva Rltnmba e soa familia, Dr.
Manoel Vicente de Hagalbies e Hanoel J. Pereira
Mariano.
Partido conaervador.
Os bossos'escriptos sobre negocios da repart*
gSo das obras pablicas, a particularmente sobre
facturas e reparos de estradas oo quinto districto,
arrematados pelo Sr. Antonio Francisco Paes de
Mello Barretto, trouxeram a arena joroalistica o
ex eogenbelro, reoslo de Carvalbo, que julgau-
do o Dr. Pedro Uchda oosso cumplice, sobre elle
se atiron desapiedadameote.
Coadjavado por seo pai, segundo dizem, (a no
que nada ha mais uatarai) julgou-se seobor da vic-
toria oo campo escolbido.
Estlida pretengo I
Articulando facios contra o actual director das
obras publicas, (qoando eogenbeiro do qoiato dis-
tricto) fazendo-o nico responsavei por actos, que
mereceram approvago do ebefa da repirtigo das
obras publicas e da presidencia da proviucia ; di-
zendo se e desduendo-se ao mesmo lempo; tiran-
do coociosSjs, qoe se nao continbam em snas pre-
melas, fez o ex-eogenbeiro Ernesto, ama moziri-
fada infernal, com grande estrepito de palavras ;
e nada mais.
O sen adversario, o Dr. Pedro Ucboa, mogo de
lllustrago e talentoso, coja probidade nio pode ser
contestada, deisou-o esbravejar a voolade : desa-
fogado dos pezares que p>r algaus das o acabru-
nnaram, e do trabainos urgentes, que oltimamen
te eorreram pela repartigo, veic por sua vez a
Imprensa, e no Jornal do Rectfe de 17 do eorrente,
e cunseguio, a nos:o ver, esmaga-lo completa-
mente.
. Nao nosso flm analysar oste bem elaborado ar-
tigo ; apenas vamos delie extractar algnns perio-
dos, qoe servem de prova, aoqoe ja dissemos com
religan as obras do quinto districto, e especial-
mente as qos foram arrerjatadas pelo Sr. Hallo
Barretto, to do ex-eogenbairo Ernesto, oa por al-
gum preposto seo.
Oceupaudo se de no.-sos- artigos tem % Liberal
nos briodado com os epitbetos de mentirosos t ca-
lumniadores.
Disseram qne era mentira allegarse, t>;ro ra-
lia, que o ex-eogeoheiro Ernesto offleloa em ne-
gocios de sea lio, dando intorinagoes a sen favor,
para qae podesse receber inievidamenle presta-
gSes, oblar prorogigoss, etc., te.
A correspondencia do director das obras publi-
cas no citado Jornal do Recife velo (oroecer-nos
preva legal em documento cflicial, assignado pelo
ex-engenbero Ernesto.
Preste o leitor attencao ao seguinte trecho do ar-
tigo do Dr. Pedro Ucba :
< Pode se, poi>, acreditar qoe existissem pedras
em lio grande qaautidade que ebegassem, nao s
para o trabalbo de nm mez, que levei ainda a mi-
nba coosa ; mas tambera para ainda tres mezes,
nos quaes se dispendeu mais do que nos oifo an-
teriores ?
t Quer-me parecer que aqui aoda oo pedra, oo
equidade de mais. Verdade que o Sr. Eroesto
conbece nma nova eqnidade fachada talvez la na
Blgica), e que trata de mtrodnzl-la aqol: essa
'equidade coosisle em concederse aquello que ai-
guem pretende, anda mesmo qoando nao tenba
razio. Nao ba exagerago no que digo, por mais
extravagante que parega a lda ; abi es.a' a
prova :
t illm. Sr.No reqoerlmenlo incluso qoe V.
S. me ordeuon que ioformasse, os empreileiros dos
laogos 9*. 10', 11* e 12 da estrada da Eseada,
Antonio Francisco Paes de Mello Barrello e Anto-
nio Pereira da Cmara Lima, pedem seis mezes de
prorogaco do prazo, dentro do qual se obriga-
ram, pela terceira coodicgo do seu contrato, i con-
cluir metade das obras empreitadas. Em apoio de
soa pretengo, allegara, entre ouiras razoes, a fal-
ta de trabajadores, por effsito da recrutamento e
desigoago da gaarda nacional para a guerra. Na
con|anctara actual, notoria a escassez de opera-
rlos em todas as Inda-trias, e portanto me pare-
cen) procedentes e altendlveis os motivos allega*
dos. Mas, anda quanio assim nao fosse, por equi-
dade Ikes deveria a supplica ser deferida, em vista
da pratica, talvtz abusiva, constantemente seguida,
da qual seriara os sopplicaotes ama excepgo, se
porveotara o favor impetrado ibes fosse denegado.
Entretanto, i V. S. deixo a resolugao do negocio,
como mais ju-lo e acertado entender.
t Deus guarde a V. S.Jaboato 21 de julbo
de 1867.Illm. Sr. Manoel de Mallos, director in-
terino das obras publicas.. de C. Paes de An-
drade. CoaLrme. O secretarlo, F. Rodrigues da
Silva.
O Sr. Antonio Francisco Paes de Mello Barret-
to tio do ex engeobeiro Eroesto ; e porqae dise-
mos, qae os sobrinbos eram juizes dos tos, alca*
nbarim-not de meotiroios e calumniadores I 1 E
concurrentes, nao s se podarlam fazer os ser vicos
por menor prego como amia mats depressa.
Parecer' absurda semeihaole as-erg >, mas abi
esto os factos para demonstrar o eootrario. OSr.
Erneso ja disse, qoe as novas grandes empreita-
das f jram feitas por muio menos comparativa-
maravilboso remedio. Porm o bom senso do povo
qaasi sempre repugna semelhante chtrlalaaismo.
Todo mundo aabe que os lempos dos milagrea ja
li se foram ba muilos seculos, a boje nio se cora
molestia alguma seno Iratando-a segando os prin-
cipios da scieocia.
c Nao se despreza lio fcilmente a experiencia
de 2,000 aoous.i assim diz o Dr. Ayer, e qoando
conleccionou seu grande remedio para molestias
do peito e garganta, o peitoral de are ja, lo.noo por
base de seos etaudos a experiencia dos sabloe da
sciencla, que leern existido desde o leirpo de Uyp-
poerstes al boje. E o remedio que elle cooseguio
predu'ir, tendo por logredienla principal o extrac-
to da casca interior da cerejeira brava, nm mo-
numento do irlompbo da sciencia sobre o charlata-
nismo.
A aegio deste remedio sobre qualquer toase,
bronchite, isOammago Ja garganta ou pulmSes
rpida e tffleaz.
Oleo poro medicinal de ligado
de bacalh&o, de Lean n t
Kemp.
as molestias que condozem i phtysica nio ba
tempo i perder se com experimeoiagdes Innleis.
Ellas s i rpidas e as mais das ven-s faiaes. A
rea semana depois em nma pneumona, bronebiles
ou pbty>ca. S existe um remedio para os casos
agud.,s da molestia pulmonar, quer ella saja ebro-
nica oo rcenle- Tal e assim o proclama toda
a facoldadn medicao oleo extrabiao do Ogado de
bacalbio. Porm mistar qae o doeole esteja per-
cente is peqnenas ; e en voo mostrar que foram feliameote seguro e cerlo qae possue o remedio
exeeuladas com orna rapidez espantosa, miracu-' verdadeiro. Se o mesmo (Ar o oleo poro medicinal
losa. [ de ligado de bacalbo de Lanman & K-mp n d jen-
< Os reparos de empedramenlos em toda a ex- le oesse caso tara a melhor preparago possivel do
tensa j da estrada f jnro divididos em cinco (ancos, polmouko o mals seguro e efflcaz que se coobeee.
on termos : um dos empreileiros cootratoa tres Laoman & Eemp empregam agentes peritos qoe
'ancos, e tal actividade desenvoiven que fez pro- residem as pescaras, os qnats os colbem para es*
digios.
No d>a 2 de agosto commnnicava o director
ao eogenbeiro do 6* districto que linba sido feito
esse contrato, e no da seguinte parlicipava esle a
aqoelle, qae o empreiteiro bavia ja concluido 496
metros de reparos de emped'amentos (mais de me-
talada exteosao total do 3 laogo, qoe era 991
metros), e liaba por isso direilo a receber a ana
importancia I I
- Nao crea alguera que ba exagerago, on en-
gao da ra nba pane : abi voas prova*.
< Illm. Sr.Tendo sido contratado, em 26 de ja*
Ibo prximo passado pelo lenente-corooei Antonio
Francisco Paes de Mellj Barrito, os reparos do
empedrrseme do 1*, 3* e 5* termos da*estrada da
Victoria; assim o commooico a V. S. para sua
iotelligeocia e das convenientes.
< Deus guarde a1 V. S. Repartigo das obras
publicas, 2 de agosto de 1847.Illm. Sr. Ernesto
de Carvalbo Paes de Aodfade, engeobeiro do quin-
to districto O eogenbeiro ajodaote, Manoel ou -
renco de Mallos.Conforme O secretario, FeU
ciano Rodrigues da Silva.
t Kim.. sr.T9aho a honra de levar ao conbe-
cimento de V. S. que o empreiteiro dos reparos
do empedramento do 3* termo, tem feilo, de con-
formidade cora o respectivo crgamenlo, 496 metros
dos referidos reparos, pelo qoe tem dlreito, ao
recebimeoto do que marca o seu contrato.
t Deas gaarde a V. S.Jaboato, 3 de agoste de
1867.Illm. Sr. Dr. Bernardo Jos da Cmara, dig-
nissimo engenhelro em ebefe das bras pobtlas
Ernesto de Carvalko Paes de Andrade.Conforme.
O secretario, Feliciano Rodrigua da Silva.
< Com quegyrla isto se fez, so Sr. Eroesto nos
poder dizer, e naturalmente com dnas peonadas
hade por todo em pratos limpos. Com a sua tbeo-
ria das kerancas Jorcadas e legados, adobada com
a equidade belga, nada mais fcil do qae demons-
trar que ludo correa as mil miravilbas, que o se-
obor s li fio Mello Barreto, ainda poderla fazer
mais, e se o nao fez, porqae nio qplz. >
Qae escandalosa patota I
Nao ba explicagio possivel para evitarse a ver-
dadeira qaaliScago qae mereca este acto, pelo
qual se assalton os cofres pblicos;
Occorreo oos orna Idea.
Que papel represeoiaram nessa pateta o director
das obras publica--, o presidente da proviocla de
eoio e oiaspector da tbesourarla proviocial T
Neohom delles teve olhos para ver, qae nao era
humanamente possivel que o Mara borralkeira do
Sr. Mariaoo, arrematando oo dia 26 de julbo os re-
paros do erooedraroeoto dos 1*. 3* e {* termos da
estrada da Victoria em meos de 5 das tivesse fei-
to 496 metros de obras ?
S Agrippa aebarla termos para responder, e
qaalibear devidameote lo boa gente.
Qne dir a todo isto o Sr. Villa Bella ?
- Pretendamos Qcar aqu : mas nao poderiamos
lazar sem remoraos, nao transcrevendo nm tre-
cho da correspondencia do Dr. Pedro Ucboa, com
o qoal se paieota at onde ebegou o desfacamen
lo da cerne qae oos gevernna dorante o progresso.
Preste o benvolo leitor attengao a mais este pe
daclnho de ooro;
Mas para que estarmos a perder tempo com
toda esta discos.-o sobre as empreitidas verbaes,
qoando a historia se pode contar em poocas pala-
vras 7 O conductor Lieulier procaroume para en-
tregar o seu offlcio, publicado no mea primeiro
commonicado, e dando-me algamas satisfagSes
nesa occasio, di.-sa me, enlre ouiras cousas, tque
o mappa que apresentoo o Sr. Ernesto nio era cffl-
cial, e ji que abusando de sua cooflaoga quera
comprometa lo, elle vla-se na necessldade de de-
clararme qae ounca bonve intengo alguma de
acabar com as empreitadas verbaes, que o que se
quiz rnente foi arranjar algnma coosa para jos-
tiflcar a demlsso do Sr. Campello, algoma arma
de qne se podesse servir eontra elle no caso de
necessldade, e de que nao soube porqae depois
deixaram de asar. > (Qaanta vileza nao Val em
tudo isso !!)
f J sabe agora o Sr Eroesto por qae fatahdade
o aviso do coadactor Feliciano nao teve a virtude
de esbarraros empreileiros, e aotes estes redohra-
ramde actlvidade? JI sabe porque fatahdade a
otordem terminante dada ao coodactor Lieoiisr
da lermtnou, e apenas prodazio aquella obra
prima, aqoelle impagavel mappa, que faz as deli-
cias de S S.
O qoe Ibe nao paderei explicar a fatalidad},
porqae durante o sea tempo, anda por iras mezes,
nio esbarraram os empreileiros, e talvez nem mes-
mo o Sr. Eroesto o salba, visto como soa assigna
tura s figurava nos documentos como S. S. mes-
mo coofessa, para legahsa-los. O sea trabalbo era
sassignaro qae nao lio poaco. |
Qae gente Santo Dens 1
E' at onde se pode levar a vileza I
E sao os bomens qae tentaram eontra a honra
iovoloeravel do Dr. Gervasio qoe andam boje fa>
zendo-lhe foscas I
Mirem se os liberaes sinceros neste espelbo, e
vejam que qualidade de genti os qor dirigir.
Fublicac&es a pedido.
Doenea* do pello.
Hoje a moda descubrir pltntas novas de nomes
desconbecidos, natnraes sempre de algum paiz dis-
tante e inenllo. Tem virtudes maravllbosas II >
dizem os seas descobridores, e sbraca toda a qoa
lidade de mal qoe aflige o geoero bamaoo de ama
maneira tao suave e doce qoe, at os qae nao esli
doenies, quema, o ser para aerea carados por (io
le ra, os ligados saos do peixe mals fino que se co-
Ibe oos bancos da Terra Nova. Delles se exlrabe o
oleo em quanto eslo anda perfeiamenie frescos,
e depois de concuida a operaeio, loroa-se tu >
transparente cerno mbar ou cry-ul. e melbof
especifico moderno no sea estado mais efflcaz, a
nao tem igua! nos casos de tosse, resfriameotos,
astbma, angiaas, loQammagdes d> s pnlmes e bron
cblos, dcblinate, emmagrecimento, todas as
mais eulermidades que termioam em pbtysica on
na aff-cgo tuberculosa confirmada do bofe.
Acba-se a venda dos estabelecimentos de
A. Gaors, deJ. da G. Bravo 6 C, F. Man-
rcr & C, M. A. Barbosa, Barlholomea &
C. e em todas as principaes lojas de perfu-
marlas e boticas.
Imprensa nacion.il de Lis-
boa
Fondieao de typoa.
Proseguiudo no empenbo de elevar a fon-
digao de lypos altara dos progressos da
arte, habilitando-a a supprir perfeiamenie
a todas as necessidades da typographia, nao
tem a admini-tragao geral da imprensa na-
cional descansado em a dotar de novas ma-
chinas e utensilios, e em augmeotar a ins-
tru&j3o dos respectivos operarios.
Para se avallaren, approximadamente os
progressos realisado nos ltimos annos bas-
tar comparar os primitivos cadernos e fo-
lbas avulsas de provas com os specimens
recentemente publicados e tao lisongeira-
mente apreciados pela imprensa peridica
de ambos os bemispberios.
Considerando imparcial e desprevenida-
mente o que ba succedido entre nos com
reapeito material typograpbico, reconbe-
cer-se-ba que a impreosa nacional, de refor-
ma em reforma, lem approximado os pro-
ductos di sua fundigao, ho,e, sem hyper-
bole, urna das mais vastas e ricas da Euro-
pa, des mais perfeitos provindos de manu-
factura estrangeira.
' esta urna verdade conbecida, nem foi
sem delido e severo exame que os jurys das
exposices internacionaes de Londres, Porto
e Pars coocederam imprensa nacional os
mais elevados premios.
Fado tambem incontestavel que os ly-
pos provenientes da fuodico da imprensa
nacional se distinguem nao s pela sua aca-
rada fuodico e justificaejio, como pela ex-
cellencia do metal c^m que s5o manipn'a-
dos; e emquaDto aos prec/is e mais condi-
coes de venda em parte alguma s5o mais
razoaveis e moderadas.
Cunta a administracao geral da impreosa
nacional poder em breve publicar algnmas
folbas de provas de grande numero de ca-
racteres de pbantasia e vinbetas recentissi-
mamente adquiridos nos melbores estabele-
cimentos de Franca e AUemanha, bm como
de mmtos outroa gravados na propria efBci-
ua da imprensa nacional.
Recebe-se, e serao satisfeitas com a maior
celeridade, quaesquer encommendas, por
mais consideraveis qae sejam, seguindo as
iodioacoes contedas na competente tabella.
as vendas a praso seguir-se-ho as praticas
usuaes do commereio.
O typo inuliiisado acceita-se como dinhei-
ro na m2o de 180 rs. cada kilogramma,
posto nos armazens da imprensa.
Os correspondentes do estabelecimeoto
as principaes cidades do brasil, e como
taes eocarregados de receber e transmittir
quaesauer requisices das typograpias da-
quelle vastissimo imperio, sJo os respeita*
veis e cenbecidos cemmerciantes abaixo enu-
merados, ; saber:
Rio de jaaeiro-Joaqaim Francisco Tor-
res ; BabiaAotonio Pereira Espinbeira &
C.; PernambocoAmorim & Innios: Para
Martins & IrmJo.
protectora das Familias,
Esta associago caminha as vias de pros-
pendade, n3o sem os entraves inherentes
a emprezas grandiosas.
Em 30 de junbo de 1867, achavam-se ins-
criptos nos registros da associacSo 1744
contratos, cujo capital subscripto era de
2,316:0860000 por conia do qual se ba-
viam realisado 551:2890050.
Em 39 de junbo de J868, eram 3936 os

v
i MUTILADO
r..; BM
.L=


n

D*
Url* m pmttkiM -* Qri letra M t Dezembro e 186*.
.
subscripto era
capital realisado
de
de
c intrads e capital
S,868:673970, 0 0
4,328:5e3$082.
Em vista desles algarismos, todo pal pr-
ndente n3o deve olhar com tndeferenca.
oein com desconoanga para ettt associacio
que representa urna verdadeira mai de fa
milia, amparando debaiio de sua i>roteccao
todos seus segurados.
Asvantageas sao incontestave .reotiu
cros sao tao certos como certa a m essuq-
iofallivel; pon nesta. iofalibiltuade que
esta associacSo basea os lucros.
Para convencer-se da seguranca que oiie-
rocem os espitaos oella deportados. Dasia a
leera do cap. VI. arts. 31,32 e 33 do n-
fiutamento, donde se v que todos os fondos
convenem-se (dentro de qainze da) em
apolices da divida publica nacional de 5 por
cento, e que igual conversao se faz todos os
semestres dos juros que as mesmas pro-
"com efeito. convert do o producto das
subscripto* era apolices da divida publica
nacional de G por cento, d5o pode ser me-
iboraseg ranga dada ao fundo social e a>
visival,' constante dos capilaes das subscrip-
coes progressivamente augmentados pelos
apolices que se vao multiplicando e pro-
duzinJo juros das berancas mutuas de ca-
pitaes e augmentos gestes por morte.de
segurados das acquisit s por commisso
e eventuaesje Qoalmente das multas.
Ora, as apoces sao seropre o emprego
mais seguro, e por isso esta associaco lea
ante si um futuro certo e nao eventual de
outra's associagoes commerciaes, bancarias e
ndustriaes que n5o escapam a superveniencia
das crises commerciaes, que tanto tem aba-
lado oestes ltimos lempos, fazendo sentir
a destruicc5o em todos os seos eTeit- s, des-
sapparecendo lucros e capitaes. Em taes
emt rgencias as apolices sao os nicos mulos
que se sublevam-se, taes qaaes sao, quer no
valor principal que representara, quer nos
juros que produzm. .
A segoranc que apreseota esta assocucao
radicalmente completa, e sena por um lado
intertssa ao crdito pubiico esta garanta,
por outro faz um se vico ao mesmo crdito
por abrir vasto campo as transaccoes do
compra e venda de apolices da divida publica
uacional.o j,ue prodoz urna coodtcao fav,-
ravel para o crdito do imperio.
Em resumo etta associaro nao pode
quebrar porque es fondos esto entregados
. m apolices da divida publica nacional, por-
que estas apoli.es esto garaatidas pela
uacSo, e finalmente porque esta naci tem
sobrada garanta para sua deuda putl.ca
nacional, ura paiz de immensos recursos,
anda novo para explorar e que piomette
iim grande futuro.
Havia ma s resoloeSo que idea, ms ener-
ga real que cnihusiasmo especulativo.
' Agencia de Peraambuco, ra do Liga-
mento n. 10. .. .
F. deN. Vtdal.
WOYIMIBTO BDjgtL
Navio* entrado* no_* St.
flivre-34 diaa. barca fraoceta Raoul, de368 to-
neladas, eapito Parque eqcipagem16. carga
ruenn e ootros georros ; a TsM h reres.
Babl9 ola, patacho dtoamarqaex Aura, Je ui
tonelada?, opina a. CarlsoD eqalpageu o, car-
ea diffrenle geoeros; a H-ury Forsler Si C.
Parabyos1S hora, vapor brasilelro Jaguartbe,
di49> toneladas comraandiot Moora, eqaipa-
gtm30,em lastro; a comp.obia Pernambo-
cana. __ ..
Navio sahido no mismo ata.
NtwYo'k-Huie americano John Rote, capilao
II. Wil, carga assocar.
E01TAES.
O Dr. Ablllo Jos Tavare da Silva ofQcial da Impe-
rial ordem da Risa, joii dos faltos da faieoda
nacional desia provincia de Pernambuco, por
Saa Mageslade Imperial e Cooslituctonil, qae
Deas gnarde etc.
Fac> saber aos qoe o prsenle ediui viren, que
em cumprimento da Grdeai do thesooro da JO de
dexembro de 1865, e em obs*rvaocla das lostrac-
c5es, que com a raesma baixaraui na mesma dan,
que Bodo o praso de tres metes a contar da data
da pobllcacio deste sero arrem>lados, e vendidos
era basta publica celebrada na seda da comarca ds
Comprehjtici
t-nsio de urna
meia de largura.
G3V5na, e na de Iumbe, a qo-m maior preco cBe-
recer, a vi-ta,ou a praso, al dez annos quaudo
muito accnmulando-se ao prego di .arremaUgao q,
iuro de 6 por cenlo pelo lampo da mora, os D-us
do incapellado de tlamb, sendo najuella os que
at firem situado* e nesta os que na oma se
acbarem comprehenidos, com xcepao dos enga-
os novos doG.yann e Paing'ua e da cora-
prebeuQo do Conbr, eti* avaliago-s dependem
alada da approvago do gaverno, a saber:
ao .innominada Folgusdo, com a ex-
e rosia le'aa do cimprimenli e
tudo pouco mus ou menos, sendo
seu terreno "na maior parte de ma qaal Hade, Jkndo
lgum sotfrlvol. que se presia a cu tura decao na
deas?ucar, manduca, tuilbo e outros Ugume,
avallada em 8.01*0*. .
Dita denominada Teriri, com meia legua de i a-
tenso e meia ,de largura pouco mais ou menos
sendo sea terreno arenoso, e na maior parte mau,
iodo, purmalguus Mfem que se presiim a cal-
lora de mandioca; e as pequeas caooeira poaein
dar alguroa lenb;' avaliaJa em t :000, estas du*s
ua com.rca de lioyanna. ,.,,, h*
mu droomioaua Caplbaiibe.com um qumo de
legua de eiieoejo e meia de largura, seo.c.seo
torreoo de maiu tO qualid.de, e na ******
4* excellentes vaneas, que so preftara a COMO.
ra de canna de assucar, aigodao mandioca, fumu
0 mais lavouras avllala em 6:0^0*.
Dita denwmioada C.iic, com meia legua de ex-
lensaoemwa de largara pouco mais ou meaos,
sendo seu terreuo da mullo boa qualidade, e na
ua maior paite deexctl eutes vaneas que se | res-
lam a cultura da canoa de assncar, algi-dao, roan-
iocae outrasJavonrfS. avallada em :uw#
Dita denominada Mcrps, com om quaito de
legua de exteoco. e de largura a ter;a parte da
exteoci, pouco mais ou menos, seudo seu urreuu
de inulto boa qualidada e na maior paite oe eicel-
lentes vaneas, que se presta a cultura de caoM
de asioear. algodSo, mandioca, tumo o mais lavou-
ras usadas nwte pan, avahada em loVUUt.'.
D.ta denominada Buraco, com ama legua de
extenso c meia de largura, pouco mais ou meaos,
sendo seu terreno na maior parte vtz*ooso ue ex-
cellenle quaiidade e prodncSao e que se presta a
cuitara de canoa de a>sucar, eigodeo. maodioca e
uaesquercniraslavooraj, avallada em IB.ouup.
denou ioada Teixeira, com a extensao de
OACA DO RSC1FE 52 DE DEZEMBRO
DE 186.
As 3 % boras da tard.
A'goda de Pornarabuco
.por zrroba.
! sorte-13*900 e i4
Stepple
Presidente.
Mamede
Secretario.
de am quarto de legua, sendo sea terreno
84NS0 4U\' 13.
na do Traplehe n. 3 4.
OescoDta lettras commerciaes a tasa con-
vencional. Recebe dibheiro, agremio con-
vencional, por ettras e em conta crrente,
Confere crditos, saca sobre as pnmeiras
fragas do imperio, Rio ta Prata e Europa,
e compra cambiaos sobre as mesmas pracas.
Encarrega-se, por commiss5o, da compra
o venda de fundos pblicos e aeces de coro-
ijanhias, fa cobraoca de letlras e dlvidendot
ou de seu pagamento, o de qualquer ootra
operacSo bancaria.
O expediente para o publico comecars
40 horas da manb, e terminar s 4 horas
ENGLISH BANK
Of Rio de Janeiro Limitea
Descoma letra da praja a taxa a con-
vencionar.
Recebe dinheiro em conta correte e
praso fixo.
Saca k vista ou praso sobre as CHladea
principaes de Europa, tem agencias na Ba-
aia, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crdito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7,
Novo Banco de Pernambuco
em liquidado
3 de agosto de 4868.
O scnbores accionistas podem receber o
quinto dividend de qaatro e meia por cen-
ta-do capital, s quartas feiras e sabbados;
entregando o rosto das aegoes.
parle
e o
mais de
de meia le-
ALFANDEGA. -.,..
fteallMatoe Ala l a 21............7S:??SJ?
tda Uodll 2!...^............. 20:1014123
Dita
n nior"pirteVampestre "e pdregulhoso comal,
guns losares qoe te pretlam a cultura de canoa
de assucar, mandioca e ontras lavouras, avalUda
eDaa denominada AgnvFerie de Baixo, com nm
quarto de legua de extensao pouco mais ou menos,
sendo seu terreno da Ida qualidade, que se piesu
a cultura ds canna de assucar, algodao, ca/e ei le
gnmes, lando porm, alguns lugares de infer.or
qualidade, avallada em 3:000*. .,-,
Dita denomlcada-Jjo Cundcom a eitencao
de meia legua, pouco mais on meos, sendo >eu
terreno propria para laveora da canna de MfOcW"
algodao, caf e legumes, lendo porm alguna peda
tos de terrenos de inferior qualidade, que p^deir.
entrenlo serem ulillsados c-m a creaciode gado,
avahada, em 2:800*. ....
Dita deoomioada Barra da Iiaib, cata tres
par* de legua de eilensao, e ^ia legua de
largura, e o seu terreoa se presta a cultura de
cano, de assucar, cat, algodao, fumo e qua que
legume, e o terreno de pei.r qualidade e ple ser
ut.hsado com a creado de gado, pira o que tem
as necessarias vaniagcs, avallada em b.auu.
Dita denomioada Capibaribe da Lapa, com a ex-
tensao de ligua e meia, pouco mais cu meo,s
sendo sea terreno proprio para cultora de eanua
de assucar, algodao, caf, fumo, mandioca, e qaa
quer legume, tendo entretanto grande parte de ma
Jual.dade po'raerpedresulhoso, fJflrtB
oceupada pelo eogeobo Panorama em 3.C0
engenaa Gracioso em 5:000*.
Djta denjminadaGulia do Solcoo
urna Ifgu de comprimtnto e largura
gua em alguus lugares, e em outre de menos, em
raio do curso do.rioUpibariba Meirim, quelbe
serve de extrema, lendo oBriveis mS """
maior parte do terreno de boa qualidadeje que se
presta a ecltura de canoa de asacar, do a'godao,
cafA, fumo, mandioca e qoalquer ligo". "
porm alguns lugares de luferior Qoaudade, qoe
entretanto podem ser appllcados a creagao de ga-
do, avallada em 12:000*000 rs.
Dita denominada-Timbauba-com mais de ama
lezna de coraprimentoemela de largura pouco mais
ou menos, sendo a maior parte de suas trras de
ptima qualidade, que se presiam ai eatar de
canna de assucar, mandioca, c^f e qualquer la-
Vura e lgame, podando entretanto os lugares de
inferior qualidada ferem aproveiladas com a crea
cao de gado, avallada tm 16:OCK*UOO rs.
dita denominadSalgadocom urna legua de
comprimenio e meia de largura pouco ma s ou
meos, sendo as suas Ierras na maior partea
frtil prodoccao, tanto para catyia do as.u>.ar,
como outras lavouras, podeodo a parte lolarlor ser
utillsada cem a creado de gado, o que ja se pra-
lica, avallada aai I0:000j000 rs.
Dita denominadaCotia do Acade-com com
ama legua da comprmanlo e mei* de largara, al-
terando se em alguns lagares, sendo a maior pane
de soas trras proprias para a creacao de gado, e
em algoos lugares serem aproveiladas com a coi
tora do algodao, caf, famo e qualquer lgame, nao
obstante a falta do ros correales, que suppnmida
por acodes, avallada em 6:00* o'' rs.
Dita denominada-Tiuma-com a extensao de
mais de o-na legua e meia, e menos de duzentas
I i>r:cas de largnra, alterando se em alguns lugares,
ando qnasi lodo terreno montanboso, que nao ob-
stante podem ser utilisados com a cultura do ai-
caf, fumo, mandioca, milbo e outros lega-
723:327*772
Movimsntoda alfandega.
Volnatiectradoscomfazenda.......
' > cotngeneroi......
493
364
-----857
Voanles sabidos cam fazendas......... 37
> > com gneros......... 1^8
145
mes, avallada em 8:000*000 rs
Dercarregam boj* 23 de daiembro.
Vapor iogleStjpphtr*marcadorla*.
Barca lagleza WtteK of tki Ttijn ilem.
Crl^ae Ingle:ffWeoadem.
t,agir inglM-CuzffW-ldem.
1'tUMbo hoilandez (Sto Anntll*--farlnha de trigo.
Brigae inglezCourttnay fanob de trigo.
Barca soeca- Osca:- dem.
Saffliee bespanoolaMmelavinnu.
Uarca inglexa-floitnu-carvJo.
Bruto* initexSara*-irilba e dormcnles.
llS portQgueu-.Voro S,/cio-nr.os |.enero..
B,rea poriaguexa Flor de S- Smfo tartos ge
rea prtaguaia-Constante f'{,iD0*
Brigue porluguexLata ///inem-
\tt nackioal-flosaWem. INTRRNAa
rtEEBSUOltlA DE BENDA8 INTEBN
GETtABS ..t.t
.alimente '.o dia 1 a 21........... iiJBS
Um i3 di **................'_ ;,,_!
"52:379*590
CONSULADO PROV IKOAt
-.ndimento do da i a 51......... "KSfiS
140.541*098
godSo,
Dtraeommad-C.nna F.slla-com a exlen-
o de mais de urna legua de fon lo e mais de um
quarto de largura pouco mais oa meacs sendo
sea terreno boa, e pode ser aproveitado com a
nuci de cano de" assucar e cairas lavouras,
avahada em 6:000*006 rs.
"Dita denomloada-Espinbo Preto-eompoaa de
quatro sillos, o prlmeiro connecido pelo ooma d
Lmeiro leado de extensao no"Primeno orna
legaa e sitecentas e clncoeuu bracas de l-rgura,
pouVo maie ou menos, fet llsalm*, por !"
prestara cultora de algodao, canoa de assocar,
caf, famo, ttiion e qoaesquer outros legomwi ^
"gondo eoBtieeldo por S. Jas, a saa extensao de
mais de qoinbentas bracas de B|P"n1|B,0helld1?:
ntJS e c.ncoenta d.U. de largara, e nao.ote unte
ser todo montanboso, todava de eicelleota lerr.
que se presta a" cuitara das mesmas lavouras ci-
ma ditas : o tereelro conbecido por Olho o Agua
Novo, a saa extoeeio de trezenias bragas no
comprlmenio e drenlas e cincoeotft ditas oa lar-
gnra, lodo poaco mais oa menos, sendo umbem
mootnbosoo sen terreno, e de felil prodnecn,
podendo ser olillsados com as mesaraa lavouras
do prlmerra; o qoarto flaalmente coohecido pelo
mesmo neme da comprebeosie (E^plubo Preu), a
oa extensao 6 de mil bracas no compriroeoto, e
qoalroc'Dtas na largura piuco mais oa menos; as
soas ierra prestaste a coKura das latearas ci-
ma referidas, sendo especialmente proprias, para a
creacao de gado: avallados o prlmeiro Limoelns
em 6:5CO*000rs.; o segando S. Jas em 2:090*
rs.; o terceiro 01
rs.; o qoarto Espinbo Preto em 4:000*000 rs. pro-
fazando todo a qnantia de 15:000*000 rs.
Dita denominadaMlognarocom a extensao de
mil bragas no comprlmento pouco mais on menos,
e na largura de mais de quntenlas, podendo aa
suas ierras aereo aproveiladas eoo pjanueic.
de Mtndioea-e oulrcs legnmss, e 'J^m\ms*m
eom a cieacio da gado, avallada em 3:000*000 re.
DUa deoojninadaCtmniaagacom a exwotao
de ttais de urna legna no comprimeola, e de mil
braca? poaco mais oa menos na largura, sendo as
soas ierras na maior parla de baa qualidade 6f
montanbosas, sem embargo, porm, se presiam a
cnitnra de canna de assuwr, algodao, fumo, man-
dioca, mllho e qnaesqoer ootros legamos, exislindo
ilgoas, que pela soa ma' qardade tmente pode
rio ser ulilisado, com a creacao de gados, iratan-
do-se que o logar denominado-Sete Gabecas-es
U' em peiores circumstanoias pela falta d agoa
Dolare!, entretanto qoe essa falla nioiropossibilit
da prodoiir as lavonras acioa diUs, avallada em
10:000*000 re. L ___
Dita denomlnada-Olho d'Agoa da Tapoia-com
a exteoso de mais Cj ama legoa de comprlmento,
e na largora de meia ponen roaia on menos, alte-
rando se em alguna lugares, o seo terreno, oa
maior parte camposto de montanba?, tendo gran^
de parte de terreno, qae pela sua ma qoalidadn
aomanle se presia a creac.au do gf^1*"^
poro, algamas varseas boas, que podem ser ou-
li,adis com a cultora da caona de assocar, alg.-
do, fumo, milbo e qnaesqoer ootros 'gu'es' *
espar.ialmeote cm a pnmelra enllora, avallada em
12:000*000 rs. .
Dita denominadaVandinnacon a exiensae
de urna legua em qadro poaco mais ou menos,
IMde se acbam editcados tres eogenbos de faaer
assocar, moeote e correte, seodo soa lerreno
monlannoso e varg.oo o, mw iodo elle de boa qua-
lila le, e que se presta a cultora de canna de as
sucar, ca.alsodo, fumo, mandioca, milbo e quaes-
nuer outros legme, existindo anda espago para
se edirkar um engenbo. sendo atada admissive
qae o tirreno ebeio de 'erientes, e coberw de
ffnveie mallas, avahada em o.000*00U rs.
Dita denominada-Agua Tiria-de Cima-com a
exiensae de urna legaa de comprimeoio, e de qua-
troceuias bragas de largura, luda pooeo mais oa
meuo-, sendo qae qua*! tola o terreno de qualt-
dide inferjr, podendo todava ser aproveiiado
eom a creacao de gado a parte ordinaria, e |ura
ueqaano espaco que tem da meibor terreno, pres-
U-se acollara de algodao, matUioca. nilho e
quaesjuaroutros legames, avallada em 2.00W#"W
"bltt deoominada-Perory--.om a eatensii de
t.eiquartos do lesoas no comprlmenttve de mu
Dragas na largura, tuda pouco mais ou menos, sea
da a maior parle do terreno pedregalboso, pre,
tanda-se p.rm a parte meibor que; pequea a
cultura da canoa do assocar, algodaa, mandioca,
milbo e ootros legumes; a parlo ordioana jmenle
podara' ser oliliada com a creagao do gado, ere-
cinlinJo-so da falta d'agua, avallada em b:0OU#
"bita deuominad3_3)a-Vlsti-com a extensao
de una legua de largura a daas de comprmalo,
tuda poaco maisou me no, stnlo a maior parta de
seu terreno de rnoito boa qualidade ; dividido em
vaneas e moniaabas, tapdo porm urna peqaeaa
parle de m\* qualidade, podendo a parte me.bor
ser aproveiiada com a callara da canna d asso-
car, algodao, cafe, famo, milbo, mandioca eqiaes-
quer uulros legames; e a ma' com a creagaa de
gala, activando se ja' o terreno oceupado por daos
angaohos, e teodo espaga anda para outro. ro
ava lada a parla cecupada pelo engenbo GWria em
8:000*000 rs. e o reslo do terreno em 22:000* WO
r*. prolaaendo a qnanlia de 30:000*000 r?.
Dita denomiuada--Sdrrioha ou Jarema(sta
Ki.mprebenso composta das sitios conbeeidos
por Jurema s Serrote), com a extensao cada uaa de
m-;ia legoa em qaadro, no prlmeiro existe urna
mina de pedra calcara, que lbda' grande val ir,
e o seu terreno se presta a cultora da ciona ao
assucar, algido, mandioca, fumo e qaae^quer on-
tras legumes, e o terreno do segundo presta se a
cultura das mesmas lavouras, excepto a canna de
assucar, avallados em 6:000*OJO rs.
Dita deoomioada-Pao Amarellacom a exlen
sao de menos de nm qaarto de legu no comprl-
mento e qaatrsceotas bragas na largara, paaco
mais ou menos, sendo sea terreno em parte bom,
u em parte mao, podando prestar se a cultura da
cauca do assucar, mandioca, m loo e outros lega-
mes, avallada em 4:000*000 rs.
Dita deoomioadaTiiuco-com a extensa a a*
qainbentas braga de comprmanla e de treientas
ua largura, tudo paoco mais *o menos, sendo seu
terreno soffrivel, podendo prestar-se a cultura da
caona da assnaar, mandioea, milho e outf03 legu-
mes. avaiiada em 2:0004000 rs. .
Dita denomioadaCamar/ern* eittnsaa ae
tres qaartos de leguas da eomprlmento t da meia
legua oa largura, acabando- era um qoarto de le-
gua, sendo o sen terreno na rrralor parte de m.
qualidade, uni porio urna peqoeoa parta me-
ibor, podando esta ser applicad a cultora di can-
oa da assucaj, algodaa, maodioca. milbo e ootros
igomes, e aquella nada produt, avallada em...-
3:300*030 rs. .-
Dita deoominada Canna Brava com a extensao
de tres quartos de legaa ne comprimento e meia
legua na largura, todo poaco mais oa menos, sen-
do indo composio de partes toas e partes mas, po-
dendo a meibor ser utlisadi eom a culturada
canna de assucar e outras lavouras e a parte peior
poda sar aprevsitada com a creaeio de gado, ava
liada em 9:000*.
l):la denominada-Jardimcom a exteos&ode
meia legoa na largara qoe aliera-se em diversos
legares e de ires qaartos no comprlmento penco
mais oa menos, senda sea terreno oomposta de
patas de boa e ma qualidade, podeodo aquella
serem applicadas a cultora da caooa de assucar,
algodao, caf, famo, maodioca, milbo o ootros le-
gumes ; o estas com a creagao da gado, existindo
oo terreno diversos olee* d'agoa, avaliada em....
12:000*. .
Dita denominadaMongecom a exteoso de
meia lega na largnra, e tres quartos no campri-
mento, todo pooeo mais oo meos, seodo seo ter
reno na maior parte de Loa qualidade, principal
meute a parle qua se acba oecopada pelo eogeobo
Monge, nao se dando outro tanto com o lerreno
que oceupa o eogeobo Hart, qoe na maior parte
mo, pieslando-se todava a cultora de canna de
assocar, algodao. caf, famo, mandioca, milbo e
quaesquer outros legumffl sobre talo no prtmeiro
onde a produeco mallo abundante, avallado o
lerreBO oceupado pelo eogeobo Horia em 5:000*,
"e do engenta Monge em 7:0(0* prefaxendo ludo
12:000*.
Dita denominada-Lagescoa meia legaa de
extensao na largura e tres quartos no comprimen
io pouca mais oa menos, seodo sea terreno de ti
e m* qualidade, podendo entretanto prestar-se a
cultura da caona de assocar, mandioca, milbo e
ootros legme?, e tenoo pequeas mattas, avaliada
em 10:000*.
Dita denomioadaSsrlpcom a extensao de
meia lejua na largara e de tres qoartos no com-
prlmento poaco ma s oo menos, salido sea terreno
de boa e ma qaslidade, e presta-se a cultora da
caooa de assocar, mandioca, milbo e ootros leg-
me, teodo pequeas maltas, avahada em 10:000*
e estas da comarca de Itamb.
Devendo a.arreroaiafo ter principio oa eidade
de Goyanna, depoU de otTrontado pelos preg >s das
avaliacSes es respectivos posseirosna forma?oo de-
creto n. 776 de 6 Ce setembro ds 1834 e obser-
vando-so no processo as citadas iostrncgdes qoe
para maior esdarecimento dos interessados sio
auano transcriptos.
E para qoe enegae a noticia ao eonbeelmeoio de
loaos mande! pastar o presente edita!, qoe sera'
afiliado nesta capital, nos lagares do costme, e
as pcvoag5as de Gayaona e (tamb e pablcado
urna ves cada semana dorante os referidas tras
mezes em todas as folba da provincia, e as de
maior circalagio da edrte.
Dado e passado nesta eidade do Recite, capital
da provincia de Pernambuco, acs 19 de dexembro
de 1868. ,
Ea Loix Francisco Brrelo de Atmeida, escrtvao
o sobterevl.
Abilio Jos Tavares da Sil *a.
tres meses, e ao menos nma vex em cada semana,
tnnonotos ea todas as foibas da proviocia de
Peroambuco, e as de maior circulaco da coj te.
O piaso de tres mexes de qua trata este peragra-
DICLIBiCOES
O administrador
da reeebedoria de rendas
neste crrante
oirsstos segolntes :
Imposto de 20 0|0 sobre loja, casas de dei
pho comegari a correr da data do prlmeiro edital |nlernis geraes fax poblf.o que
da prag qae fdr publicado na folba cfflcial da ca- mei qoe os ^evedores dos copes
piui de Pernambuco. Imposto de 20 OO sobre loja, casi
| 3.* No editaes e aonoocioa serio annunciadoe e,c djl3 e8peclJ| ,je po* sobre casas de mover?,
mu espeelflcadamente os bens, qoe bouverem de ro etc (jbritjjgs em pn eslrangeiro, e decl-
ser arrematados declarando se snas denomlnagves, m tiaitoaii de g^ wmtt teem de pagar, sem
logares em qne forem sitoados. a extensao de malta 0 prjroeiro semestre do exercleid eorrento
terreno que cootiver cada propriedade on faxeoda, fle 186a.69 Bodo o qoal rre, sera pago o rete-
se as trras sao de lavonra on de creaco, o nome- rido semeslre eom ma|la de 6 0|0 ; ootro sim
ro de escravos, de cabega de gado, edifcloa o oais n3 SQpra(j,0 neI eQda -se 'o praxo do paga-
obra, movis etc, com o prego especial de cada ,, Je ,}, 0, impostog langados relativos ao
ama dessas classes de bens. exerccio em liqaicag'ao de 1867-68, os qoaes sao.
4. As diversas propriedade e comprehensoes 4(nj dos Jcj(DJl ntodonados a renda dos proprios
avinadas, que conslitniam o extioclo eoeapellado naejonaeg^oj foros de terrenos e de marlnbas, a
poderao ser arrematadas conjuoctameote, isio ,
formando rada orna om so lote com toda as snas
perteogas como edificios, escravo, mactloas ele,
oa na falla de qoem assim as arremate, pedero
ser dividida* em diversos e menores lotes, como
mais conveniente lr ao ioteresseda (atena, preca-
dendj aolorisagio do presidente da provioria, po-
dendo os baos movis e semoventes de ooJa erara
distribuidos pelas ouiras, e tambera dividirem-se
ai trras de ama eomprbeosau pelas outras, e se
isto convier aos arremtame e puder facilitar a ar-
reinalage.
A ierra, qne, por soa extensao nao acharem
promplameule lecitaoles, o poderao dlvidir-s* pre-
laxados eseravos, e o imposto pessoal, segura-
da se depots a eobranga execotiva.
Recebedoria de Psrnamboco l Je dexembro de
t868- n a
Manoel Caroeiro de Sooia Laeerda
Consulado provincial
Pela mesa do consolado provincial se fax publico
aos contribointes dos impostes da decima urbana,
e de 5 0/0 sobre a renda dos heos de m*o morta,
qoe no da de dexembro vlndooro se principiara
a coolir os 30 dias otis marcados para c baeca do cofre do i* semestre do anno flnancei-
ro vigente 1868 a 1869 dos ditos imposto, fieaodo
Segundo.
PASSO DA SICILIENNE
por Mme. C. Thierry e Mtle. V. Pooeo.
Terceiro e oliimo.
ESPECTROS I PALPA VEIS*
invocaco de
. NchlMtcr
Mme. Scblosser tem a boora de participar ao
illusirado publico des'a capital qae para a non
exeeogio dos espectros preciso balsar om pooeo
a los do tbeatro. VenJe-sa desde i' os bilhetes
de camarotes e cadeira notte! do universo, Re-
eife, ena da do espectculo no eseiiplorlo do
'bealro. nMt. m
PrSflipiara* aa 8 oras.
rrrfM
Camarotes 1* ordem 6 entradas 12*109
Bitos de 2* ordem....... *5*?J5
Ditos de 3" ordem....... 9*000
Silos de 4* ordem....... {<^SSi
Caoeiras primelras....... MO0
Ditas seganda*........ **<**
Eotradas solta. ..-.. 1*000
:
i
/
-MP--
<
AVISOS M4B1TIH0S
cedeodo igual aulorisago, em sismaras, e estas era SQ8u05 a malta de 6 0/0 todos aquellos dbitos qoe
pe.uenes loies, quer essas ierrasefam da callara, forem pat!08 depots de Bodos o referidos 30 das.
quer sejam de creagao. | Mesa do consolado provincial 25 do novembro
5.* Reservar r,e-booaspovoag5S efreguexlasae jgsg.
os tarreos oecessarios par* logradoros pblicos
abertura de estradas e destes de oa extensao, sl-
tuagao etc., dar' o jult mtaotiasa c. ola ao prn-
denle da provincia para qoe (eoba logar a sua en-
corporago aos proprios proviociaes.
6. S seria aceito leos daquelles licitantf
a' vista ou a praso, qoe dapositarem previamente e
a titulo de sigoal em poder do collector oo oa ite-
sourarta em diobelro bilhtes dos banco, oa apo-
lices da divida publica ora valor igual a qaarta
parte do prego dos beos qoa preleoderem. Desta
clausula tk rao dispeosados os licitaotes a praso
qae se apreseolarem- com seos fiadores compeleo-
tamente babiliudos nos termas das presentes ins-
tronAec
| 7.* Os valoras depositados na formada para-
grapbo antecedente, serio restitudos quaodo fdr
eotregoe a ibesooraria de faxenda em diobelro ou
em leiras o prega da afrematago, correodo por
coota dos arramataotei 03 prejo'xos, pardas e dam-
nos causados p-U demora oo recusa oo receblmeo-
lo dos beos arrauatados.
& O langador a praso, alm de prestar fiaoga
idjoea, aceitara* pelo prego da arrematagio letras
passadas e garantidas na forma da le de 13 de
novembro de 18*7, aecomolaodo se ao prego da
arrematago os joros de 6 por ceoto pela lempo da
demora.
As Uangas sero prestadas adrotnislrativameoie
e com tadas as formalidades das Qaogas Qicaes, e
as letras serio passadas;peraow o thesouro oaciooal
como ii e convier aos loteressados, a vista das
respectivas cartas de arrematagao, qae sero de-
volvidas ao joixo dos fetos, com as convenientes
verba, logo que esteja recolhida ao cafre a impor-
tancia da arrematago, quer seja em dmbalro, qoer
em letras.
9.' Aos arrematantes vista sera psrmeiudo
reamar o pagamente da arrematago era apolices
da divida publica geral de 6 por coto pelo valor,
qae segando a cotagio da praca do Rio de Jaoe:-
ro, tiveram no d.a em qoe enlregarem no thesooro
nacional onde neste caso se far efljtlivo o paga-
mento.
I 10. O juit dos fulos da fazenda o competen-
ta, por si, ou pelo intermedio do jun territorial,
mediante requiiga sua para f.aier a entrega dos
bsns arrematados. A elle se dirigirao as repre
sentagdes -dos arrematantes oa de terceiro, as
qoaes enviara' ao presideDte di provincia comi sua
Antonio Carniiro Machado Ros,
Administrador.
?IGE CONSULADO
DO
peru
O abaixo assignado, vice-eoosnl da repblica do
Per teodo a reoMler a' jonta de beneficencia de
Um, o producto da subscripgBo abena a beoe
Ucencia dos prejodieados eom os oltimos terra-
motos qoe distrulram divsrsas eidade daqoelle
paiz, deixando mllbares de pessoas oolr ora abas-
tada, redolidas ac mator grao de mendicidad
avi rara coocorrer para om fia, tio candoso, que no
consolado est-.'aberta a respectiva subserlpcao, qo
devera' ser faenada no dia 28 do correte, etti de
se remelter pelo vapor arasneano por va da una
de S. Tnomax.
Pernambuco, 7 de dexembro de loo.
Jos Jacome Tasso
Vice-consul-
Santa casa da misericordia
do Reclfe.
Pela secretarla da santa casa de misericordia do
Recite sao convidados, de ordem da juota adminis-
trativa da mesma santa cas, e prente das or-
plias em segnlda declarada, para qoe renham re-
querer a presldeoeia a sua retirada daquelle e?ta-
beleeimeoto, vista ja terem completado a soa eda-
de Hara Henrlqoeta de
COMPANHIA BRASILEIRJi
DE
Paquetes a vapor. '<
Dos portos do eorte espirado.
at* o dia 27 do correcle o vapor
Paran, commaodaole
Silva M-raes, o qaal depvis da
demora do costura seguir-,' pa-
ra os pgrtos do sul. .1.
Desde ja* receberase passageirose ">*>
carga qoe s vapor poder coodoiir, a qn&* de*ef-
ser embarcada oo da da sua thegada.enemeo
das e dinheiros a frete al as deas hora do da da
saa sabida. -- ..
Nao se receba como encomaendas sa aao obtse-
tos de pequeo valor e qoe nao Wf d a cito pal-
mos cbicos de medlfo oo dnas arrotas de {eso.
Todo qoe passar destes lim tes devera* ser embar-
cado como earga.
Previne se aos senbores passageirtf qae soas
pawgeos ib se recebero na agencia ra da Crnx b-
57, prlmeiro andar, escrlptc.no de Antonio '
Qllveira.Atevedo & C. ________
COMPANHIA PEKNAM5UCANA
ni
co8teira
G iaooa.
O vapor MamajiaiKipr, com-
mandante Mello, seguir para o
porto cima no dia 26 do corren-
te as 9 hars da noite. Recebe ear-
ga, encommendas, passageiros
dinheiro a frete, oo escriptorlo do Porte
tos o. 1.
Lch do
flayegaco
por >por

do Mat-
obnnba de Joaqoira Alves
eagao.
milla Pereira, filb
Castro.
Alexandrlna Soare,
Secretarla da santa casa de misericordia do Re-
cite 4 de dexembro de 1868.
O eserivao
Pedro Rodrigues de Soum.
"Cooseluo de compras do arsennl de
guerra
O craselho de compras da arsenal de goerra pre-
oforraaco, e com os esclarecimeotos, qae houver C|S1 comprar o egoiole :
eolbiJo sobre o objecto. O prudente resolver
as dovidas qoa se suscltarem e forem de fcil soiu
e sojeltan' as mais importaotas a deei
cao, w
miisterio da faienda, a qoem dar' todas e as
mais minuciosa iuformagdes, qoe sirvam a escla.
racer a qoesiao. __
S 11. O mesoo joii nao eflecloara a arremata-
gao sem levar ao coohecimeoto do presidente da
provincia todo quanto tiver oecorrido, que possa
inDalr na deliberacao do governo imperial, u
presidente remetiera' a secretariados negocias da
faienda lodos os rapis relativos a arremauco ac
companbados da Infarmago e de qaaesqoer escla-
rec meatos qae possa mioislrar para orientar o
governo Imperial em soa decisio aotes da quai se
nao podera' dar por cencloida a arrematago.
J 12. O aoto de arrematago, que se deve lavrar
eusrgaidan* prag, valm'MatolJ
pra para o totonj^*;^^
para lavatorio.
sequencias legaes da laoga aceito,
de Bear a mesma
arrematago depeodaote de ap-
provago do governo imperial, para sorlir odos os
seos effeitos era relago a' faienda nacloaa .
8 3- Ubbda a approvago do gotera. lera la
car a eotrega das bens arrematada, d-odo-ae aos
l rematante* orno de esiylo, mu os de p e e
deminto, que sero registrados oa MMIWtoJJ
faienda e nos qoaes sera' inserta como' osota
o caso de arreraatagio a praio que o beos fleam
bypoihecxdos a' faienda nxciooal, para pagamento
do debito eootrahldo pelo arrematante.
Art. *. No termes da resologao n. "*'*"
setembro de 1854 o jal. dos feitos, .otesi*, .bnr
a prsg e l.citagia obre os bens e trras de qua
se trata, m.adar.' affrootar pelo preg da respee
t.va avaliaclo a' pessoa oo 9~m*JZ*Z
qoer litla se aeharem oa posse dalles oo liverem
bemfeitorias as torra?.
cadernos de papel de Hallaoda pautado eom 16
polegadas de comprmanlo.
0 ditos de dito dito cora 12 ditas.
5 ditos dito liso com 12 ditas.
5 ditos dilo mata borra".
24 limas chalas de 6 polegadas.
24 di as melas canas da 6 ditas.
3 J arrobas chombo em barra.
2 foles grandes.
24 barretes.
10 ceroolas de flanell.
20 pares de melas de lia.
1 baca e jarro de frro esmalltdo
2 capa-.003.
1 par de laoteroas de vdrj.
26 pares de Polios.
26 ditos lavas da algolo._
2 clarios de metal.
52 varas de bnm braoco.
16 caadas axelte de coco. __..
4 l.vros de papel de Hallaoda paotado com 20
2 ditos dito dilo eom 24 Mhas.
2 dlios dito dito com 30 folba.
2 ditos dilo dito coro 40 fainas.
1 dito dito dilo com 50 foibas.
1 dito dito dito com 80 folba.
400 mappas para o movimeoto diario.
As pessoa que qauerera venaer
apreseotem soas propostas em carta
as competeotes amostra, oa sala d<
ii hf ras do da 29 do crrenle.
"cSfl. de compras do arsenal de goerra de
Peroamoaco ^^iog Mel.o,
Corooel presidente.
Jos Baplista de Castro Silva,
Secretario.______.
WAMU nuAiicm
DS
NavegBCo costeira por fiftr
* Mamanguape.
O vapor Curwripf, comman-
daote PeDO, seguir par o
porto cima no dia 23 do cor-
rete, as 6 h ras da matba.
Rec.be earga gl as 10 hora
do di, f ncommenda, passagei-
ros e d.nbeiro a (rete at as 3 horas da larde do
dia da sabida no escritorio do Forte do ato
"fiMPNHIA PEBHftKIBCS
ti
Navegaco costeira per Yapar.
Parahyba, Natal, Macao, Mossor, Araeat?,
Ceat e Acarac.
O vapor pojuca, eommandan-
te Marlins, segoe par os portel
cima no da 30 do correle pe-
las 5 horas da tarde. Beeebe
carga at o dia 29; encommen-
das, dinheiro a frete e passageiros at as 3 horas
da tarde do dia da sabida : escriptorlo do Forl
do Matos n. I.
.!
ditos artigos
COMPANHIA PERilAMBUCANI.
DB
Navegado costeira por vapor.
Macelo, escala e Penedo.
O vapor Potenp, com-
mandante Pereira, seso-
ra' para 03 porto cima-
no dia 30 do correnta as
5 horas da tarde. Reeeb
carga al o dia 2 a 3
boras da larde, eneom-
m'eodas, passageiros e dinheiro a frete s
horas da urde do dia da sabida,
jorte do Matos n. 1.
no escriptorio do
Porto
(echada com|
conseibo, as
Se os detentores aceitarem,
matados, pandando todava,
flcarloos heos arre-
approvago do governo, nos termos dos H
do artigo aotecadeote, proeedendo se altorlormeote
oa coofarmidade destas lnstrocg5es mt
plcav.l. Se oao aceitarem, .disso mesmo se la
rara' terma e os beos serao posto em leilio
Lardadas toda dlsposig5es leoe1^,e'i;n ,=,
l Art. 3. O acto d teoda em praca, logo qae eja
.pprovado pelo governo Imperial rowm
faYeoda nacional de toda e qoalqoer respe nsabiti-
dade era relago aos bens WWM
Se porm, no acto d entrega jodleial IM
.(A1 se'veri8cara falla de algara dM .JJJ
descrlptos oo ioventano, ar-se-ha^oa ""
de faienda mediante reqo.s.gao do jo i, "P
tente abatlmento no prego da ",{0'."
restituir' ao arrematante o valor do objecto en
contrado, caso ja* o tenha pago.
Nos casos de acereecerem. on ^^S
aetoda entrega objecto nao descripto, o jolx tara
"mar nota delle, proceder; a saa awhaelo e o
Para o porto cima laucado pretende segnr eom
brevldade que Ihe fur possivel, por ja 1er parte
do seu carregaroento engajado, a mni teleira barca
portuguexa Vencedora : para o resto da carga
passageiros, aos quaes odarece neos e exeelleoie
commodos, trata se com Cunba Irmaos 4 C, a id
da Madre de Dos o. 34.
CORREIO GERiU.
Rolaeao das cartas remiradas existentes
na administraQSo do correio desta ciaae
para os seohores abaixo docUradoa:
Dr. Ayre de Alboqoerqae Gama, \)r. Alexa^
drt Barroso de Sooia. Antonio d Lanha^Pereira
Brandan, Antonio Jos de Sania, Antn0 da Silva
Pinto Guimares, Carlos Jusliniano Rodrigues, Los-
Se jaldos Sanios Callado Dr. Oo.su.Um
da Silva Braga, Erasmo Jos de Mello, francisco
Antonio da Rosa, coronel Joao Baplista Pereira
Lobo, Joa Martios de Andrade. Joao Qoerlno
Lopejoo Teixeira da R^>. Jo?lsAnLa" d
Arevedo, Jos Crrela de Alraeld, Ja? Lop oe
Samoaio J-s Marcos Nones elford, Luii rran
P de Medo Cavaleanl-, Marcelino Gancalte
Dr. Maximiano Lopes Machado. .
V

dias i
cisco
Rosa,
Ministerio dos negocios da faienda.ftlo de Ja-
neiro, 30 de deiembro de 1865.
Ja.- Pedro Dias de Carvalho, presidente uo trl-
bonal do thesooro nacional, ordena qae Psr*f
execoeso da le o. 586 de 6 de setembro de 1<
se ub^ervem as segolntes instrucgSes
Art. Todos os baos de raix, movis e semo-
vente qoe pertaoclim a' propriedade doexnc
eoeapellado de Itamb, cojas avaliagrjss se acha-
rara approvadas pelo govarnc, serio arremaUdos
e vendidos a qoem maior preo eflrecer, a vista
oa a praso, conforme o art. 4 oa le o. 586 de o de
setembro de 1850
g {.* a anda sera' falta em basta poblica, cele-
brada no logar da sttoagio dos beos, e presidida
pelo un dos faitos da faxeoda, oa pelo jaix territo-
rial por deprecada daqoelle, e, ctodo o ca,
com assisteoci dd procurador Bseal oo sea deie-
5 'Ti. A' .rremacio preederto edita, o
praso do tres mete, os qoaes mandara' o jolx affl-
xar na capital da provlocia em todas as potoa-
da sltaagao dos bens, deteoao
detxara' depositados em mao *_***** +
propriedade da fawoda. ou Pr"he.osf *
ta.s objeetos perteocarem oa y D
praga qoaodo o dito arrematante nao,oi '
pelo prega da arrematago, oa asslm o entenoa
conveniente o mesmo joir. ,.m.i,dM nnr
Art 4. Os bens qne nio forem '';m,**'<5?.r
faifa de licitantes, podero ser *tix*
do-se como mais conveniente fr, as faienfla en
asmarlas a esl-is em lotes. O governo, porm,
Xa'"bir arrematar era *%"
bens arrendados, dando preferencia, unto por un
lo aos arrendatarios.
Art 5* Os pleitos, qae nascerem da arremata-
ci dos beos do eneapellado, ass.m eomo aqoelie
nna sa mover ro a respailo do activo e passlvo
tm eSrio^considerado, da fawnd. nac.on.le
MStT TZTA da. ,rremaug5es de qoe
s.trau fira" conforme as diiposigS'js em vigor,
paga or mettd. pelo arrematante oa compra-
flArL 7 Pela ibesonraria de Peroamboeo se adl
aniara' ao procorador fiscal reepecttvo as qoaotlas
nrecifas para pagamento da diana para camiobo
a esaa,P mal despeas com o processo da arre-
a e*iu, .,..,'. A. ... .hr.ntrta aoa more-
s
TBEATRO
DB
para o indicado porto sabe *"
patacho Protector, pregado e eneav.lbado de obr^
e acabado de fabricar, por ter a maior parte o>
carregamento prompto : para o *JjWia
trau-se com o consignatario Joaquim Jos* boneal
aes Delirio, ma do Trapiche n. 17.
O brlgoe brasilelro Hennque capiUe A. .U o-
relro, segu com moita brev.dade para o, porw.in-
dicado, recebe carga a frete para o qoe irau-v
no escriptorio de Amorim lrmao, roa da un
u. 3.
es do loiao territorial, quaedo nao tejaessa dili-
genciapraiicada pelo juix e BMta faocconar.os do
Enrlvativo da faienda, flcando para isso abertu
crdito de seis contos de
matago, qoe litfrem de ser abonada aos empre
gados da |ui.<
gencla praiici
Joixo privativo
a* mesma tbesouraria o ----
ris por conta da rubrica, eventuae deste minis-
terio no correte exercloio.
Alt 8 Fleam revogedas qoaasqoer dwposigoe*
em contrario.-Jas Pedro Das de Carvalbo.
A' presidencia da dita provincia iransmlttm
do coia das lostroccoe adma transcriptas para
ordenar a soa encelo, tendo era vista a drsposi-
elo do l'S* art. que tero por Ijase a do 8 J'do
irL i oa le o. 586 de 6 de sstembre de 1850, e
Neom-mr-Bdanoo-se a eipedlclo das mal. terral-
ointes ordens nio s par* qce sejam com a maior
orate designados es terrenos que devana reser-
varse o*ra logradooros poblicos e abertura de
estradas, mas igoalmente para que nessa designa-
gao se io excedam os limites de orna justa e
Quarta feira 23 de dezembro.
Segunda reprsenUrio dea
ESPECTROS IMPALPAVEIS
Qnadros .allegrteos e paaitascos.
M,0- Melanie Schlosser
e eraodes passos pelo distingaidos bailarinos
Mme. C THERBY
Hile. V. FUOCO.
. PROGRAMMA NOVO ^a
O espaetaculo divide se da forma segoiote :
Ou ver tara pela orchestra.
Prlmeir*.
A CHUVA DB O URO
rioadro pha.Usuco arreglado por Mme. Schlosser.
Sf gando.
GRAN PASSO DAS ALMEAS
por Mmes.Tblerry e Fooco.
Terceiro.
PARA O
pretende s.hir o. brevi^e ^JZgl
brign. portngnei IQ^^ coosjRBattrfc
roa de Apollo n. H
carregar pode entends
Carvalho & Nogoera. na
Para o Porto
patacho pei*ege
Marcial, por ter i
M^cal^^XrU dVcarg. \*Z
para o Sao Q!ifM^.?,^eSSrS
consignatario David Perreira Bailar, roa
0.92.
prT
Porto
Sahira' eom a maxim brevdad.i possivel a^bar-
ca portogoera Humildade. para cargai e pasaag
ros, qoe eeoSdnniraro excelientes commo, nr.U-
se rom os coosignstarios M.rqoe.Barroi*> U
praca do Corpo Santo o. i* ***%**
plto Carlos Ferreira Soares, oo p*tHMa'eiw
ou a bordo.
I
V
gas do municipio da sltoago dos Den, y8""-! r. Ii*ndi ecessidade.
S2b da, serem pobUcaeo. anal* oa nfortfoe bea Bteodiia aeceaaidae.
Passo esaanol La
por Mlle. V. Foceov
NOVOS
Hmla
O arto.
ESPKCROS IMPALPAVEiS
iovocagio de
lur. Sehlfttier.
PHANTASMAS
Episodias.io Encontr.
2o Ptiaotasma.
3o Remorso.
latervallo de 15 iautaa-
SEGUNDA PARTE.
Primelro.
RAM PAO DA VOSA
por Mme. Thleiry.
PARAO
JIODEJ^EIBO
goa nacional Tr0*^r'^aukiiul ihrqow, Bv-
Vit
Para Lisbo
sabir eom moU* ^.T'TTir qae alada Iba falta
d. .o. carga prompu p p.]hM k ^
piUo na r*at0 UIMimWw
>
y
rjiElm
J


-r
_tfM
torio 4m PimiMM Hurta feira i 3 Ac Dezcmbr* i* 186S.
;
tfto de Janeiro
8**a* coa brevldada pin o porta icio o p
lacho poriogaei Aova Spr/e, wm a maior paite 4o
sa earrefameoto engajado, o pira o resto qae Ibe
Calta traa se com os aroMgnaUrtos Aotonio Loli
da Oliveira Atevedo & C, rea da Ci: a. 57,1*
andar. ___________________________
Para Lisboa
Sito* em poneos das o btigue porlagaet Coiu-
fe-fu / por ter pande parte do sea earregamento
proaipto, para o restante e passageiros, traia-ee
cmb Ueira Neos & C, largo do Corpo Saaio o.
19 oo com o capitao na praca do Commerco.
Pira o porta
Seca sea Attoora a barca portogortia Nevo Si-
Unc, por ter graode par da ua earga promp-
ta, para o relo paasageiros, aos quies carece
excedentes commodos, trata *e com Ollveira Fi
laos 4 C largo do Corpo Sao lo n. 19, ou com o
capitao oa praca do- Commerco. ______
Rio de Jpero
Sffoa eom brevidade para o porto lelma, o pa-
tete aciooil Tupa, qae tem parle de s*a carre
aaeoto engajado, para o resto qae Ibe falta, tra-
es se eom os consignatarios Antonio l.niz de Oli-
era Aievedo & C, roa da Croi n. 67, primeiro
dar.
LEU OES..
L12ILAO
DK
On carro de 4 rodas coberlo, fechado e envl
4ractdo, (orts e raoito eommodo, com arreioi pa-
ra doas eavalloie fullenles molas.
Arrei' s qotos para doas civllos.
Uoi carrioho rom assent is para doas enancas e
o oa jmenlo domesticado e proprio para o mesmo
camafeo.
Usa earroca peqntua.
Usa avallo de seH rnm andares-
Qaarta-feira 23 de dezembro as 11 boras
era ponto.
Por ntervencSo do ageute Pinto, na praca do
Oorpo Santo.
DE
um escraw de 24 annos.
O agente Pootail vender' em leilo, por manda-
do do (lio. Sr. Ue. juiz municipal da primeira Ta-
ta, a' reqoerimenlo de D. Jiaquina M. das Dores,
otn ereravo pega, de Dame Marcelino, Idade de 24
amaos.
1IO JE
Na prneiro andar do sobrado n. 62, a' roa da Crnr,
-s H horas.
3_*3H-&B'
fie ama caia com 60 dazias de mar-
roqnin avarialo,
BOJE
(.sarta feira 23 de deteinbro a" ID beras em
ponto.
O agente Pialo -r*' leilo a requerimenlo de
Vat & Leal, por auToristco do eonsol de Franca
em presaos* do uti seu dejegado, de ama caixa
airea VAL a 2987, com 60 dazias de marroqaim
avariados d'apua salgada a bordo do navio fran-
cas Ato Grande: o leilao sera* effsetoado ai 10
lloras do da cima dito no armatem da roa da
Cadeia a. 19.
No larg> do-CcrpoS.ntorm 'rente a casa onda
(oneciono a Aisoctacio Comn-ercial.___________
LElLiO
De una (abena tita a roa do Seto
numero 27.
- O agente Pontoal Tendera* em leilo por man-
dado do Illa. Sr. Dr. jalx de direito especial do
eommtrclo a reaaerlmeoto do carador fiscal da
massa fallida de SeraQm Tavares Dlar, a tabirna
cima n'am a lote oo em eiversos a Tontada del
licitantes.
Qoiota-feira 24 So correte.
Na mesma taberna deven" ter legar o leilo as
11 horas.
movis.
O agente Pootaal vender' em leilo os movis
segaiotes : om piano, ama mobllia de amarello,
detrs de gnarnicc, camas de casal (aoarello),
dms de ferro, 1 marqaeto de amarello, 2 mar-
qaeas de dito, 1 cotnmoda de amarello, lavatorio
eam espeloo, mesada amarello, 1 par de lanter
as, 1 par de veoeilanas, 1 hacia para banbo, 1
paooo para mesa, qaadros coro moldara donrada.
HUME
No Ia aodir do sobrado n. 62, a roa da Cruz,
aa 11 horas._______________________
Leilao
De om guarda roopa de amarello, ama mesa
elstica, urna mibilia de pao d'olo com consolos
de pedra, 2 aparadores, urna eommoda de ama-
rello mano bem feita. 2 cabidos de ferro, 2 espe-
laos, 1 par de linternas, 1 apparelbo de porcelana
para almoco, om dito para jantar, 2 randieiros a
gaz, marquetoes, marqaezas, nm par de escarra-
detras a maitos outros objactos qae sero vendi-
dos pelo autor preco para fechar eonta.
HOdE.
O ageole Martins tara' leilao dos movis cima
ao armatem da roa {do Imperador a. 16, as 11
toras.
Grande leilo
De faienda?, roopa fcita de tolai as qaalidades a
realho para fechar contas no dia qointafeira
leudo priocipio logo as 10 horas da manbaa.
O agente Martins fara' leilao de erando qoan-
tida Je de roopa ftita, cortes de casemiras para
calcase raletol, cambraias, mangoltos a ootras
analtas farendas qoe se vendero sem reserva *e
preco para fechar contas.
No esubelecimento da rna da Imperatrli b. 72,
principiando logo as 10 h iras do dia 24 do sor
rente at 4 horas da tarde.
LEILAO
DE LMa
era daos l?reos de conslracco eom 140 palmos
de quima tlmp>, 28 de bocea e 11 e 2 pollegadas
de postal, pregada a cobre do lose d'agua a qol-
Iba, I otada para 12,000 arrobas de carne seca,
danandando 9 palmes d'aoa, podendo ser eia-
anida uo estaleiro do respectivo constrpetor o
Sr. A. J Rodrigues, a' roa de Brnro.
O agente Baruardino Gotmaraes aotorlsado pe-
lo Illm. Sr. Dr. juiz de orpbos desia cidide, veo
aera' essi bareaca pertencente aos bens do casal
4 toado Jos Luia de Are vedo Mata. .
QaiuU feira 2 do correte as 11 horas.
AVISOS OVEBSOS.
O advogado Dr. Aotonio de Vascoo-
cellos Menezes de Drummond, transferio o
sea escriptorio para a casa o. 20 roa do
Imperador, onde pode ser procralo todos
osdias otis das 11 horas do dia s 4 da
tarde para os misteres de sua profjssSo.
pedido
Ao commerco.
Soccfdendo ser o dia do fiaUI orna
sexta-feira, t ficando por isso o dia
de sabbado iatermediado eolre 2 dias
saalificados, roganos aos nossos pa-
tres qoeiram dar-nos esse feriado,
deiaado de abrir os estabelecinentos
oesse dia.
________Maitos caiieiros.
O ebanceller do consolado portngnex previne
a pessoa a qaem o eonvidoa por om aonaoclo oo
Diario de bootem a comparecer rna do Crespo
o. 8, qae elle das 9 horas da mnala as 3 da tarde
esta' sempre no mesmo contalado, ando qae ao*
tes das 9 a depois das 3 esta' en saa casa de resi-
dencia na Capuoga'. poieodo o autor do mesmo
annnneio dirigir-se a-qoalqaer desses logares,
onde sera' oavido, qar^p negocio seja tentende ao
consolado qur a negocios particolares do respon-
deate, que nio tem lempo de ir aonde o chama o
annanciante, tanto mals qaanto ignora qual o ne-
gocio sobre qae Ibe pretende fallar.
^a?^>
Hoje pelas 7aboras do dia re?ar-se ha na ma-
triz da Boa-Vista ama missa por alma do Dr. Can-
dido Martins de Almaida.
As pessoas qoe sooberam apreciar a nobreza
dos aentimentos e a eld-ago do carcter de to
infortunado moco, sao convidadas para assiltir a
aqoelle aeto _____
Alaga ae urna casa oo lugar da Torre com
6 quartoi, 2 salas, cosinha fon, cocheira, quintal
grande e cacimba : a tratar na padaria da ponte
de Uoboa.
Silvestre Pereira da Cuob* tem justo e con-
tratado a sna laja de miadeas siu a rna da Ca-
deia do Recita n. 5, conroea a todos seas credo-
res para comparecerem hoja em dita loja ao meio
dia em ponto, aum de se realisar a venda da mes-
ma. Recite 2) de dezembro de 18t>8.
Cozinheira
Preeisa-se de nma boa eozinbeira, preferindo-se
escrava, para servlco de casa estraogeira com
ponca familia ; agradando paga-se bem : na rna
da Cruz n. G8.
Aloga-se o
da roa Imperial:
primeiro indar do sobrado n. 1
a tratar no andar terreo.
Aloga se o 1* andar de sobrado da rna as-
treita do Rosario o. 34, apropriado para qoem tiver
de tomar familia por acbar-se aeeiado : na raa
larga do Rosario n. 20. ________________^
Perrelra & Loarelro, administradores da
massa fallida de Joaqoim Antonio Lopes Gomes,
convidara aos adores da aesma, para qae no
pra-o de oilo das apresentem soas contas e ttulos
aflm de aereen elassifleados, na travesa da Madre
ae Dos n. 10, e lindo este praso deisaro de ser
dltendldos.___________________^_______.
Precisa-se para casa de bomem solteiro de
ama ama para o servico interno : na roa Imperial
n. 91, pavimento terreo. _____
Precisase de noia ama para comprar e cozJ-
nbar para om bomem solteiro : na ra Imperial
o. 91, pavimento terreo. _________________
A luga-se
o 3a andar do sobrado n. 8 a' roa da Imperatriz :
a tratar com J. I. de M. Reg a' ra do Trapiche
n. 34.
1E III DO
Pedimos a' companbia dos trilbos urbanos de
botar mais nm carro aborto no trem das 8 hars
de Apipos, visto oestes ltimos dias com a chava
nio ter lido bastante lugar, e grande nnmero dos
assignanles terem sido inteiramente molbados.
Aiguos assignanles de Casa Forte.
' f&&>

Mara do Carmo Oliveira e sens filbo3 agrade*
cera cordealmente a (odas as pessoas qoe se digoa-
ram assislir os ltimos snffrsgios de leu prezadis
simo-esposo e pai, Beroardino de Sena Hanriqoes
de Oliveira; e de novo convidara as cesmas pss-
soas para assislirem as missas que se bao de cele-
brar por soa alma, no dia 23 de corrate, pelas 6
tioras da manbaa, oo convento de S. Francisco, de
cujo acto de carridade se confessam eternamente
gratos.
Urna pessoa qoe d fiador a contento se
offerece para cobrar diadas nesta cidade oo
em seos arrabaldes, amigavelmente oo judi-
cial,' as pessoas que pretenderen), poder So
annunciar ou- dirigir-se a roa larga do Ro-
sario d. 40
' ra lar*-, di IWiFro a. $G.
Chegam todos os irirneslres (o anuo, no-
tos sortimeatos de balaio* feitos de pala e
devim1, pira todos os misteres de casas
particulares. D'estes sobresaem aoa crescido
numero de cestinbas Moas paa ptimos
presentes, aisim como assafates de ttfdos os
tamanbos para n'ellos enviar-se os mimos
volumosos que agota pela festa os atibados
mandam aoaaititiabos.
Precisa-soda ama escrava para enii nar
i a tratar na roa da Cadtwa do Reclfe n. 1 armatem
Aloga-se ama preta de meia dada para ven
der na roa e qoe teja fiel: na roa de Santa Rila
o. 17. Na mesma aloga-se om totao para ama pe-
quena familia._______________
Ama de leite
Precisase da nma ama de leite, qae teja,?idii
e iU boa conducta, paga-se bem : ra da Prala
n. 55,primeiro andar. ____________
o publico
Jos ftaymnndoBares da Costa, Rajuaaod" Bor-
ges da Cosa e Jos laaqoim Borges da Coat, tro
radores na cidade do Ir, e Sitios do negociante
Antonio Borges da Costa, previoem ae respetlavel
corpo eommercial e a todos em geral, qne fieram
ama soeiedade commercil entre si cao o lai dt
cotoprarem e venderem fazeadas a ootros genero?,
a qnal soeiedade continuara' com as traoac(,5es
da cas* commercil do mesmo sea pi, e nyrir'
com a Irma social de J ,s FUymundo Borgas da
Costa & Irmaos. Esta soeiedade oosneeara' saa
ezisteneia do i* de Janeiro de 1869 em dianle.
Cidide do Ico 3 da etembro de 1868._______
Antonio Borges da Costa, negociante desla
cidade, declara ao resoti'ivel publico a ao eorpo
commercil em particular, que relira sa do com-
merclo, deixando a gerencia de saa casa oommet-
tida i seas fybos J .s Raymaodo Borges da Costa,
Raymaodo Borges da Costi e Jos Joaqoim Borges
da Costa, socios e eneVregados de lodos es nego-
cio, por coota dos qoaep, do dia 1* de jaaalro pr-
ximo correr' todo activo e passivo da asa com-
mercil qoe tem nesta cidade.
Cidade do leo de aevembro de 1868.______
Precisase de om eiizeiro para taberoa qoe
d fiador de sna conducta, oo da se ioleresse en-
traodo com algom capital: para informacSes na
rna Direita o. 99,____________________
__Jos Antonio da Rosa faz sciente ao respe)
tavel corpo do commerco que desta data em dlan
te deixon de sor eaixairo da casa commercil dos
Srs. Roza & Irmao. Recita 19 de dezembro de
1868._____________________
de Amaro
rogis
Ama
SSE-C.IA CONCEH.TRAIIA
Pffei a ae da oina ama qae ra-ba eozichir, e^
lambem para lavar alloma r^upa : a tratar oa ra'
da Cadeia no S* adir do sobrado n. 31.
DE
rreciaMe slugar doas amas, orna qne sa iba |
cozinbar co perWca e faz^r as comprai, ontra
para o servico de ama casa, e qne tamban sala a '
roa, seoo ambas de raela Idade e de boa cenduc-
la : dirija sa a ra Formosa n. 33.
Irlneo- Jos Machado comproa para o Sr.
Herculanu J. A de Mallo o l:lie ieteiro n. 1200 '
da lotera concedida algrrja da Casa Porte do Poco
da Panella.____________ .____________.
Preeisa-se de nma ama de leite qoe nao tra-
ga 5lho, a lenba Lora leite : aa roa do Qaeimado
o. 3, i* andar, oa pnc da Independencia as. 13 a
16; paga-se bem.
CAROBA
Preparada a'fri por Augusto Gaors,
fBlRIACEDTICO-PELA ESCOLA DK PARS E SCSSE880R KBSTA C1DADI
DT
Ama ou cozinheiro
Precisa-se de nma ama oa cozinheiro, qoe saibs
coiinbar con perfeica, para casa da b.mera sol*
teiro : na rna do Livramento o. 6.
Precisase alagar uroiTpreta escrava para
vender: qaem a n/er dirija-e a roa do Torres
n. 38, sobrado, qne acharo' com qaem tratar.
Cosinheira
Em S. Jos do Maogaiobo, sitio o. 2, precisa se
lugar orna -scrara qoe seja boa. cozinheira, para
ser emprrgada Mlcameote na cozlnbs, para pe
\rl6 11. 22 Ra da Cruz $.
ouna
21.
Fuera saber os anulas que festejara a Sn-
tissima Virgem SenhoradaConceicao do Cabo, que
flea iraoaferida a testa para o dia 10 de Janeiro vin-
donro.
O administrador da massa f.llida
Goncaives dos Santos, abaixo asslgoado,
autoridades policiaes e caphsrs de campo qoeiram
apprehender nm escravo crioulo de nome Antonio, D0 ef 21 de dezembro de 1868.
Estrada de ferro do Recife
aoS. F ancisco.
AVISO.
Pelo presente si faz publico que as passsgeos
de ass'goatura meosal do Cibo a' Cinco-Pootas e
viceversa, excluidos os domingos, terao de bcie
em diante provisoriamente om abatimenli de 50
por eenlo, fieaado redundas aos segointes preces,
a saber :
1' classe.....421900
2* classe.....3?J500
3a classe.....2J*1C0
Eseriptorio da superiniendencia, da villa do Ca-
idade 22 annos, preto, alto, magro, olbos grandes
e apit;mbados, andar inclinado para a frente, tem
os tornozetos des ps iocbados, vestido de cale* de
algodao atol a camina da riseado ; o qual fogio no
dia 20 do eorrenle, is 5 horas da manbaa, da essa
n. 68 a'rna do Raogel, onde se dignarao lvalo,
oa recolbe-lo a' casa de detanco, vino qae periea
ce a' mesma massa. Recife 21 de dezembro de
1868.Maooel Joiqoim Baptisla.
G. O. Mano,
Soperlntendente.
Precisa-se de um
Tnpicbe n. 18.
Preeisa se
va
CojsiDheiro.
b:m cozinheiro : na raa do
de nma c zioheira nvre oo sera-
no sobrado da ra do Jardim n. 19.
rilOTOGIMPHIl
O photographo J. Ferreira Villela participa ao
respeitivel pnblico, qne tendo ebegado do Rio da
Janeiro no dia 7 do correte, temou a direcelo do
sea estabelecimeoto de pbotographia sito a' ra, do
Cabnga' n. 18, entrada pelo piteo da mclriz, aonde
se contina a tirar retratos por todos os systemas
pbotograpbicos.
No mesmo estabe:ecimeBto anda se contina a
tirar retratos em carto de visita a 99000 a dozia.
Ha Tambem urna linda colleccio da alceles de
ouro de let com pedras preciosas para a collocaco
da retratos.
Joaquim Jos Goncaives
BelMo
RA DO TRAPICHE N." 17, l. ANDAR.
Sacca por todos os paquetes sobre o Ban-
jo do Minbo, em Braga, e sobre os segoin-
tes lagares em Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimar.es.
Coimbra.
. Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Viaona doCasteo.
Ponte do Lime.
Villa Real.
Villa-Nova de Famaiico.
Lamego.
Lagos.
Cevilba'a.
Vassal (Valpassos).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
PAR a festa
Facas e garios de bataneo, de 1 bot3o, a
45700 a duzia, idem ilem de 2 botoes a
74, idem idem para sobre meza de 1 botao
a 4S00, idem idem de 2 botoes, a 55, to-
das em perfeito estado, assim como bandei-
jas lias e de differentes tamanbos, culbe-
res de metal principe, trem para cosinha,
ferro para frisar vestidos, bacias de metal
de 20 a 36 polegadas, proprias para baobo,
espingardas de 2 canos finas, assim como
pezos pelo systema mtrico adoptado lti-
mamente pela cmara municipal, almde
outros muitos objectos tendentes a ferragem
e miudezas, que se vendem por barato pre-
co, na roa Direita n. 53, foja do Braga.
AS NOUTfiS
DA
por Victoriano Palbares
Vende-se por 2<3 cada volume na roa do
Crespo a. 9
LIVRARIA FRANCEZA."
Grande aimazem de tin-!
tas medicamentos etc.
Ra do Imperador n, 22-.
Productos cbimicos e pbarma-
couticos os mais eEpregados em
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tura e para tintnraria.
Productos JDdusriaes o tintas
para flores, como botoes de Aeres
e modelos em gesso para imitar
fructs e passaros com c compe-
tente desenbo.
Productos chimicos e industriaos
para pbotographia, tinlurafia, pin-
tura, pjTOtecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offereeer productos de plena
confianca e satisfazar qnalqoer en-
commenda a grosso trato e a reta-
lho e por preco eommodo.
M4CBIN4SDKC0STUB*
Em casa de Titeo. Just, roa do Commercio n. 32
2. andar, vendem-se superiores machinas de cos-
an da acreditada fabrica dos Srs. Planer Uranos-
dorf de New-York, por procos razoaveis.
Tra amento puramente vegetal sem mercurio, iodo, ouro, nem oatro quaiquer
ineral.
Verdadeiro purificador do sangoe sem azougne.
Especial-para a cara de todas as molestias que tem sua origem na impureza do
sangne, como sejam as molestias boabaticas, syphiliticas, escropofosas, darthrosas, qus
venham ellas por boreditariedade, qaer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas tafees
donadas dos diversos viro qoe contaminan) o sangue e os humores.
A earoba um remedio prodigioso, usado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e passaodo sen oso de geracao em geraco, hoje, cm dos remedios, mai-
conhecidos como prprio para combater as molestias mais hediondas, entrando nesse nu-
oaero a morpba ou elephantiases, para cujo curativo os nossos sertanejos consideran, a
saroba como remedio especifico.
Ha moito tempo entrou a earoba nos formularios como preparacSo magistra
tob a forma de eleictuario, anda boje lembrado as pbaraucopas com o noce de seu
celebre autor Joo Alves Caroeiro: nio ella portanto, remedio novo nem desconhecido.
O ungento ae earoba da mesma sorte preconrsado desde tempes imnemo-
riaes como o mais apropriado para o cura de.e uso oubas e ulceras syphiliticas srdidas.
3 empregedo eom proveito ivo dasbeoficua de rimppplicacSo de muitos ooiros afele*
therapeuticos enrgicos e dpois qnolidiaoo.t
Muitos dos nossos medicas de consideracao e entre ellos o muito distinelo pra-
co e observador o Sr. Dr. Pedro de Atbayde Lobo Moscoso, tem eonfjrmado por moto
le experiencias repetidas, o que diz a fama das benficas propiedades da earoba no
Uatamenlo das boubas, das diversas formas sob que a ayphilis se apresenta o muito es-
pecialmente as que tm sua sede na pelie, e pederamos relatar alguns casos de data moito
moderna observados pelo mesmo Sr. Dr. Moscoso em qoe a earoba produzio admiraveis
iffeitos, depois de inuleis e prolongadas applicaces de salsaparrilba, mercurio, iodo,
3uro e seus preparados, etc., etc.
Nao era possivel qoe orna planta t3o notavel por soas inapreciaveis vrrtode*
jscapasse a perspicacia e investigares dos mais abalisados praticos europeos, qoe se ap-
plicam com especialidade ao estado e tratamento das molestias syphiliticas e herpeticas, e
para prova abi esiao os Srs. Drs. Casanava, Schurfer, Ricord e outros dando as mais li-
longeiras informacoes sobre as proprieda Jes curativas da carcha e preconsnndo-a como
emedio poderosissimo para o tratamento das empees cutneas, seccas ou supporati7as.
iartbros de toda a qaalidade, ecze-cas, ulceras de diversas natorezas, tumores ossops, e
mtras muitas molestias de natoreza syphilitica ou boobaiica.
Per ter-se generalisado moito o uso da I-Meacia da earoba. que en pre-
paro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar em soas observa$oei, de-
5berei-me a ter prompta nma quantidade da mesma essencia, obtida sem a actSo do fego,
para nao prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em dianle encontrar-se-b
aa minba pbamacia sempre e em porclo sufficiente para todos os pedidos a essencia con-
jentrada de carona, e o ungento da mesma planta, para que nunca faltem aos seuhoret
uedicos que qnizerem experimentar tSo precioso agente medicinal.
Recife de Pernambuco, 17 de outubro de 1866.
Adgcste Caors.
ftoa da Crnz n. 22.
IHtfrtaVNla
DK.
DE
J. VIGNES
N. 55 RA DO IMPERADOR N.55.
Os ptanoos desta antiga fabrica sao hoje asss conhecidos para qoe seja neces-
sario insi-tir sobre sua supericridade, vatagens e garantas que ofierecem aos compra-
lores, qualidades estas ncontestaveis, que elles tem defioititamente corquistado s>bre
todos os que tem apparocdo nes'a praca; possoindo um teclado e machinismo que obe-
decen) todas as vantades e caprichos das pianistas, sem nuuca falhar, por serem fa-
bricados de proposito e ter se fejto ltimamente meliioramento3 importaotissimos para
o clima deste paiz; qaanto as vozes sao melodiosas e flautadas e por isso muito agr-
lavis aos t uvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas. tanto nesta fabrica como na do Sr. Blon-
lel, de Paris, socio correspondente de ). Vignes, em cuja capital foram Ermpre pre-
miados em todas as exposices.
No mesmo estabelecmento se achara sempre um esplendido e variado sortimen-
to de msicas dos melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harm-
nicos, sendo tudo vendop porprocos commodos e razoaveis.
^i>rjf=N i Mil H 'Mu IWT* JjM_
/-vo Tli"i7T\Triir\C em l0<^as as Partcs t mundo, empregam, com
yJO Jllt.l/l\-Uo9 o phosphato de ferro soluvel de Lebas, para cu
o maior xito,
curar a cl.lorosis
(cores paludas), asdftres do estomago, e acxhaustacSo do sangue; corri esta preparacilo, do
ao corpo o vigor, e as carnes, a sua firmeza natural; facilitam o dcsenvolvimenio t_o labo-
rioso da jiuberdade. Com efleito, tudo, n'esle medicamento, se acha reunido para lhe
assegurar o maior erediio, pois que eutram, na sua composicoo, os elementos dos ossos e
do sangue. 0 seu autor, M. LERAS, doutor em scicnclas, pharmaceutico, professor de
chymica, iospector da Academia, fot, rccenlemente, condecorado da ordem da Legio de
Honra, digna recompensa dos seus importantes trabalhos. ...
As seguales apreciac5es dos mais celebres mdicos ainda vem corroborar e justificar
lodos estes litlos canfianca publica :
Precisa classificar o phosphato de ferro soluvel entre os ferruginosos que melhor
t convem aos doentcs cujos orgos digestivos snpporlam mal as prepracoes de ferro.
S0UBE1RAN, professor na Escola de medicina e de pliarmacia.
t 0 phosphato de ferro soluvel em qaanto a mim, a melhor das preparacSes ferrugi-
t nosas, e o sea emprego d os mais promptos e seguros resultados, a
ARAN, medico do hospital Sainte Euginie.
A frma liquida do phosphato de ferro soluvel d-lhe nma immensa vantarem sobre
as pillas; eu considero eslemedicamento como mui superior s preparacSes iodadas.
ARNAL, medico de S. M.o Imperador.
Entr" lodos os ferruginosos, nio conhecemos um s que obre l_o prompta e efficazmente
como o phosphato de ferro soluvel, e isso, sem cansar o estomago.
BELL0C, BAUME, BIGOT, F0LLET e PRVOST, mdicos dos hospitaes.
Os effeilos da preparaco de phosphato de ferro soluvel me parecem ser mui seguros
t e promptos. BBOL'T, redactor em chefe do Bulletin thrapeutique.
Entro todas as preparacSes ferruginosas, o phosphato de ferro soluvel foi a que sempre
me deo os melhores c mais satisfactorios resultados. GUIBOIT, medico dos hospitaes.
t O phosphato de ferro soluvel tem, sobretudo, a vantagem de evitar a constipaco e
convir aos temperamentos delicados. O' FAVROT.
Deposito em Pernambuco, em casa de Biaurer a C.
Na pbarmacia do paleo de Nossa Senbo-
ra do Terco n. 135, de Ignacio pessoa da
Silva, est exposta a vtsnda o importante
tarop de vellame, (ilutas e lintora alcoo
lica ; medicamentos e.-tes tem coobecides
"do resppitsvel pnblico.
Jprnaes para 1869
Assignatnras para todos os jornaes da Europa,
egondo o caihalrpo que se di'trihoe na
LIVRAftlA FRANCEZA.
INJECCAO VEGETAL
com MATICO
1 de GRIMAULT e Ct pharmaceuticos em PARS
O snecesso d'esta injeccSo, preparada eom as folhas do Matlco do Per, foi lio rpida, qae
ella ae tem tornada popular em todos os paizes do mundo, para a cara da gonorrhea e das purga-
edes de toda a natarexa. E' o unioo prodacio nesta genero cuja entrada na Russia Unha sido
authorizada pelo conselho medico de Sao Petersbargo.
Deposito em Pernamhte, em casa de Ma-m e O*.

I
AO
DE
a^MMSSB
_____> ____c
_____r__t(22s
aS& '_4_
"**** Mam
-_o__J
oaAS_,__co-
O mm de,., loj rii^l
as senhoras de boui posto a t
rem visitar o riquissimo ^ov
ment de obras do ultuio _;os1o
viudas de Paris ueste vapor.
A loja est aborta at as 9 toras da neute.
! -EBtim I
i
...____----.


tari c rermaMfeac* Quarta lelfra ISic pezeavfcr 1568

1
NOVIBMS
11Roa do Queimado11
AUGUSTO PORTO 4C.
Ihinba
:6res.
A este estabelecimento cbegaram as mais lindas cbipeloas de crep, fuli 6 pa-
d'Ilalia primorosamente enfeitadas.
taloes regaladores para senhoras e meoioas os mais modernos e de varias
na larone Vesetal Americano especialidade de Bartholomeu C.
P 34 RA LARGA DO ROSARIO 34
Nao coslumamos procorar atlestados para acreditar nossos preparados, e dei-
xamos abe sua applicagao o os resultados obtidos pelas pessoas qae se dignaran accei-
la.|0S ih Hoom rrciin vosa : Doraue sao sempre os atlestados considerados gi ut-
lbes deem crdito e voga ; porque sao sempre os a
c delles que Janea man o charlatanismo ; ma* ni
qu espontneamente nos offereceram, os que abaixo vao transcriptos, os foranos publicar
manifestando-Ibes nossa graiidao pela attencao, esperando que venham elles corroborar
o conceito, e acceitaglo que tem merecido nosso xarope.
Bartholomeu & L.
atte-tados
Illms. Srs. Bartbolomea C. com a mais sobida satisfagao qae declaro ser
o zampe Americano de orna efflcacia extraordinaria, pois que soffrendo ba das de in-
tensa tosse, ponto de n5o poder dormir a noite a despeilo mesmo de medicamentos
que tomava, a elle recorr e na lerceira colber fui allmado, e de todo me acho boje res-
tablecido com o uso somente de qaasi meio frasco: grato pois se resultado
venerador e obngado.
manifest a Vv. Ss. meu reconbecimento.De Vv. Ss. amigo,
Manoel Adwdo Viegas Jnior.
Sua casa 20 de abril de 1868.
Illms. Srs. Bartholomeu & CPenhoradissimo com o favor qae me nzeTam
de aconselhar o uso do xarope Vegetal Americano, de sua composicao, quando me acba-
va bastante doeote de orna constipagSo, que me tornoa completamente ronco e qae trouxe
ama forte tosse, e me impossibiliiou de cumprir os meus deveres de cantor da empreza ly-
rica,vou agradecer-Ibes m o completo restabelecimento, que obtive com um so vidro do
mesmo xarope, depois de baver recorrido a mallos tralamentos. Desejare qae outros
como eu recorram ao seu xarope para se verem aliviados de tao terrivel incommodo, tao
fatal neste paiz. Com maior consideracSd contino a ser de Vv. Ss. atiento, venera-
dor e obrigado.Luiz Cremona.
Recife 25 de setembro de 4868.
Illms. Srs. Bartholomeu & CO xarope Vegetal Americano que Vv. fes. tem
expoato venda de loda eficacia para o curativo d'astbma, conforme observci appli-
cando-o a meo filbo Joaquim. menor de qoatro annos; victima d'esse flagello. que ale
entio por espado excedente a doas annos havia resistido a outros xaropos de grande
nomeada. Queiram pois Vs. Ss. acceilar a expressao alUmente sincera de mea reco-
nbecimento ao meritorio servico que lbe prestaram com o indicado xarope, acreditndo-
me para sempre de Vv. Ss. criado, atiento e obrigado.Americo Netto de Mendonga.
Recife 2 de outubro de 1868.
Instrumentos para msicas militare
BAZAR M MODA
DI
Jos de Souza Soares &kC.
RA NOVA N. 50, ESQUINA DA DE SANTO AMARO.
Os proprietarios d'este estabelecimento participara aos senhores mestres de mo-
sto, desta cidade e fra d'ella, que tendo feito negocio com um sortimeonto d'este artigo
em pereito estado e novos, do primeiro author Gaulrot ym, de Paris, e j tendo rece-
bido do mesmo fabricante urna porfo para completar o sortimento dos mesmos; para
o5o contooarem com este ramo de negocio, resolve-se a liqoida-los com ama grande
differenca de outro qualquer, garantindo a qualidade dos ditos instrumentos.
Ha tambera para vender barato msicas para pianos, artes e melbodos para
instrumentos bocaes.
Basquines de seda, para senboras o qae ba de maii gosto e delicadamente
afeitadas.
Ricos vestidos de bloed com manta e capella para ooivas.
Cortinados de cambraia bordados para camas e janellas de diversos goslos e
calidades de 15 at 80^000.
Tapetes alcatifas em peca para forrar sal, gabinetes e corredores.
Camisas inglesas de linho para homem.
Ricos vestidos de seda pretos bordados i agolba t de cambraia brancos borda
los pek mesmo systema.
Fronbas e toalbas de linho de esgofflo todas bordadas para casamento!.
Sedas de lindas cOres, casimiras de cores as mais modernas, saias de lia com
barras de cor, chapeos de sol de seda inglezes, espartilbos para senhoras e meninas,
colerinbos de linbo para bomem e grande sortimento de fazendas de todas as qualidades
qoe todas se vendem por precos que agradam aos compradores.
Neste estabelecimento contina a receber-se esteiris da India para forrar sallas,
de diversas largaras e cores, qae vendem-se mais baratas qae em oatra qualquer parte,
por isso chamam a atencSo para as
Esteiras da ludia para forrar salas,
mmm wm mtL
charutera e PETIT RESTAURAN!",
ANNEXO AO HOTEL CENTRAL.
ra estreiU do Rosaric i. 4 A andar terreo.
Este acreditado estabelecimento augmenta Para dar a conbecer a variedade infinita
de dia em dia qnanto possivel para ebegar de cbarntos de Habana, Babia, Rio etc.
ao come do bem viver. Alm dos saboro- que exislem n'este novo estabeleciment
sos manjares confeccionados com o melbor prescindimos dos annuiicios pomposos que
asseio, tem bellos aposentos de bospedagem, geralmente se fazem. reduzindo-nos apenas
tanto para urna so pessoa, como para nume- a tres letras que sao tres B bom, bonito e ba-
rosa familia. A* agua, iodispensavel ele-, rato. A' vista do genero annoociado pde-se
ment para a vida e begiene, lemo-la sem- jalgar de nossa veracidade. Esta casa goza
pre em abundancia para facilitar excellentes, tambam ds coodigbes de um elegante e
banhos. Ha tambera ama boa bibliotbeca petit restaurctit, ende se pode ver a es-
e peridicos nac'onaes e estrangeiros, piano I pecialidade dos fiambres e salames de Lion
para recreio e buhares etc, etc. Sendo oci- para lanches e at fazer nma boa colado,
osa qualquer recomendagao para lao acre-! juntamente com os priocipaes vinhos do
dilado estabelecimen o, omitimos mais pre-' mercado sobresabindo entre o bom a pora e
ambolos, fazendo ver por fim, que o bom ferveote cbampanha, o mui saboroso Rbeno,
servico, ordem emoralidade imperara n'esta a primorosa cerveja, o licor espirituoso o
casa, como observancia fiel do regolamento quanto pede orna mesa. Faz-se noule
qoe possue. Comedorias a lacarte. I sorveto e variedade de refrescos.
RA LARGA DO ROSARIO N. 37.
BOTICA E CASA DE DROGAS,
99 Elli DA EMPERATRIZ
Catao & c. .
99
I
GRAKDE LIQUIDADO DE H1UDEZ&S!
Affonso Moreira Temporal, querendo liquidar as miudezas existentes em sua loja
roa do Queimado o. 55, resolvea aononciar as mesmas miudezts para qae o publico se
certifique do diminuto prego porque as est vendendo, a saber:
Massos de grampos com 25 a
Pegas de tranca de caracol i
Pegas de traegas lisa de todas as
cores a
Caizinbas com phospboros de cera
dozia a
Gravatmhas de sede para homem a
Saboaetes finos a 240 e
boloadoras para colletes de todas
as qualidades a
Galn de linho para enfeite de vesti-
dos por
Bot5es de madriperola para cami-
sas, groza
Ditos de louga
Lindas garrafas com agua de Colo-
nia a
Frascos com sabao liquido para
20 Garrafas d'agua Florida (verda-
40 deira) a
Frascos com agua de Colonia a
40 Garrafas de tinta roxa a
Missangas de cores, masso a
200 Caixa com 100 avelopes a
320 Estampas de santos a
320 Manas de seda para bomem a
Ditas de 13 a
320 Fita de sarja para enfeite de vesti-
dos por
800 Latas com graxe duzia a
Meias cruas para menino a
500 Ditas pretas para senhora a
160 Frascos de estrado para lengo a
! Dilo de oleo para cabello a
15500 Dito dito de Lobin a 600 e
,L3a para bordar, libra
320 Escovas finas para chapeo a
barba a
Sapatos de tranga e outros muitos artigos que enfadonho seria mencionar.
RA DO QUEIMADO N. 55
TEMPORAL
10000
320
800
100
500
10O
800
320
600
4M)
240
400
360
360
80o
6080o
320
COSTUREIRAS
Ra da Imperatriz.
a
Tem a honra, de participar ao respeitavel publico e principal--
mete a seos unmerosos freguezes, qoe acaba de montar no seo esta-
belecimeoto de perfumaras, orna officina de modas e costuras, na
qual com a maior brevidade e com todo o esmero, bom gosto e per-
feigo se apromplam enxovaes para casamento, vestidos para soirs.
Para poder bem servir e agradar as pessoas qoe a honrarem
com sua reguezia, a viuva Lecomte nao se poupa sacrificios; e
sibendo o pooco que urna costoreira pie aprovoitar do que vem
nosformaes da moda, sem deixar de recbelos regolarmeote, ella
se tem posto em relag3o com duas das mais aflamadas casas de Pa-
risOpigez Gagelice e mmame Caroline, as qoaes todos Os mezes
lbe man lam umi instrucg3o sobre as modas e t mbtm os moldes dos
vestidos e palelos que tem mais aceiucao no mondo elegante.
RA DA IMPERATRIZ
A VIUVA LECOMTE
H
c/3
MOIll^TAS
ORAI. ROSA
00
e
(a
O)
CORAQlO DE CURO
Roa do Cabuga n. 2 D.
Chegou am grande sortimento de coral em aderegos inteiros,
meios, brincos avulsos e voltas do mais lindo gosto possivel, tudo
filo cm coral rosa e grandes lmannos (boje ultima moda) e barato
prego. Ha tambem am magnifico sortimento de aderegos de lavas
de Visavio, (camapheos verdadeiros).
4J
E' peckincha.
03 propnetarios desta importante estabelecimento, nova mente mentado e oreado cm
as melbbores coodicS-s qne sao possireis, para bem desempear os pedidos e receltas qae
Ibes forem conOadas por seos IreRoetes; visto qoe nao leem poapado despeas, nem esfor-
eos para qae salisfacam com promptidao, pericia e cuidado as exigencias e reeeilaarios qoe
Ibes forem remedidos; acham.se constantemente promptos para aviar receitas qoalqoer
bora da noite, para o qoe tem pessoas qoe dorroem no proprlo estabelecimento, para acud.-
rem s necessidades qoe apparecem nestas horas iaconveoiectes, o qae moiio deve saiisfaier ao res-
peitavel poblieo desta cidade. ,_________________________________________
PBECO CBRENTE DOS CHAPEOS DE SOL
Da fabria de
IttAMOEIi i C.
Roa Nova n. 23.PERNAMBUCO=Raa do Cabag n. St
Chapeos de sol de seda* trangada, Paragon, de 16 bastes, 28 pollegadas a IH;
6 pollegadas a iU, e 24 pollegadas a 14,J000.
Ditos de seda G. de N. Bara, de ac, de 16 bastes, 28 pollegadas a 14(5; de 26
pollegadas a 13,J; e 24 pollegadas a 12^000.
Ditos de se pollegadas a 110 ; e 24 pollegadas a 10,5000.
Ditos de alpaca, de ago, de 12 hastes, 28 pollegadas a 60; e 26 pollegadas a
50500 rs.
Por duzia faz-se descont de 15 0[0.
Chapeos de sol de panno, de baleia, de 8 bastes de 24 e de 26 pollegadas a 320
i dozia. (Descont 10 o|o).
Ditos de panno, de janeo, de 8 bastes, a 180000 a dnzia, liquido.
Fundicao do Bowman
RA 00 BRUN N. 52.
O propietario participa aos senbores de eogenho, qae por Taita a agua ou
animaos se achem inhabilitados para moer suas" canoas, qae esta prompto a assentar
macbibas de vapor, com moendas ou sem ellas, dentro, em 8 das depois de estarem as
pegas no eogenhoisto sem precisar de obra alguma ou de outra mudanga de moendas
existentes seno a substitaig3o das rodas da aimaojar'ra.
CASA DA FORTUNA
Aos 4,0000
BILHE1ES GARANTIDOS.
A'ROA DO CBE8P0 N. 23 E CASAS DO COSTMI.
O abaixo assisoado (eodo vendido nos seos mol-
i feiizes bilbeles garantidos um inteiro n. 2283
com a sorte de 4:0000, om mel n. 3243 c a a
serto de 7000, e nutras moilas serles de 100,
400 e 2(0 da lofna qoe se acboo de extrabir
em beneficio da Santa Casa de Misericordia, con-
vida aos pos?nidores a virem receber seas respec-
tivos premios sem os descontos das lels na Casa
da fortuna roa do Crespo n. 23.
Acnam-se a venda os da i' parta da lotera
a beneficio da greja da Casa Forte do Pop da
Panella (96a) qoe se extrabira quiota-teira 24 do
correte.
Freg.
Billhete .... 40000
' Meio......20000
Quarto.....10000
Em porgao de 1000 para cima.
Bllhete. 30800
Meio. ..... 107?
Qoarto..... 875
Manoel Martina Finia.
Alagase o 3- andar da"casa sita a' rna da
Imperatrix n. 47 : a tratar na roa da Cadea do
Recife n.27, oo roa Nova com^Sr^Dr^Aqoioo.
Moleque
Precisa se de om moleqoe de 12 a 16 annos pa-
ra vender joias em orna taboleta : na roa do Ca-
bugi o. 7 A. ______
Attengo
Continua-se a fe rneeer almoco e |antar, em orna
casa particular de familia : na roa Estrella do Ro
sario o. 35, sobrado.
ALUGA-SE _
a excellenle e grande casa oa Capuoga a' roa da
Ventara (porto do Lassere) n. 21, a qual tem com
modos para g-aoie familia e acba-se pinada e
esleirada de oovo, teodo o sitio om rico Jardim
bem plaotado, e orna graode balxa de caplm que
flea contigoa a casa: para iratar na botica da roa
larga do Rosario n. 34.
Casa para
na roa do Hospicio o. 21 :
ooto. ______.
alugar
a tratar no sobrado
Antonio da Silva Braga, secretario das na
edes africanas, modoo soa residencia para a
d d O inda or detrs da Igreia
dn S. Sebasto.
Precisa-se de om eriado para fazer todo ser*
vico de orna casa de familia : na roa da Cadela
n. 51, primeiro andar._____________________
Alagase o i* andar da casa da ra da au
rora qne fui do fallecido deseabargador Roeba
Basto, bastante acetada, tendo deoiro agea encana-
da, cano de e.-golo para o rio, e bastantes comme-
dos; podendo entender-se com a viuva do mesmo
desemoargador, oa ra dos Pires, oo cem o Sr.
Mooel Loir. Vira?.
0) J UAiifAJ !DA3 tfMmM&3
Publicado oiensalmente oo Rio de Jaoero.
Assigoatora para 1869
KA
LIVRARIA FRANCEZA.
Casa
A'oga h om sobrado de om andar e loja sito
roa da Peoba o. 27 : a tratar na roa do Vigario
B. 31.
Alagam-se duas casas na roa dot Pogos o.
22 24 em Afogados, preco de 60000 por mez,
lem doos qoartos, doas salas, cozinba e qnintal em
abarlo: a tratar na roa das Trincneiras n. 60, i*
andar.
HOCE IMB OIABA
Pino eaixdM de 4 libras a 20, chapeos de sol
braoeoa de il asteas a 40, bilbeles da lotera ga-
rantidos, camisas Ingratas finas a 30 : na toja pe
ouii roa da Cadela d Racife
9.
No dia 30 do met prximo passado fogio do
engenho S. Jos, termo de Senohiem, a escrava
de nome Benedicta, mnlata, lem 22 annos de Ida-
de, cara bexlgosa, altura regular, cabello corlado
e denles podres; fol de Joao de Barros Araojo,
rendeiro do eogenho Marianna ; levoo om roopao
de rhita clara ja velbo e om panno da Costa novo:
qoem a pegar leve-a ao dito eogenbo.oo ao Sr. Ha
noel Alves Ferreira & C nesta praca, qoe sera
geoerosameole recompensado.
Rosa & lrmao fiiem scienle ao respeitavt)
oorpo do commercio que Jos Antonio da Rosa del-
xon de ser tea calieiro desde 19 do eorrente. Rt-
cito 19 de dexambro de im.__________________
Precisa-se de am eaixeiro para taberna : Da
roa do Hospicio n. 30,
RA 0 QUEIMADO W. t
15
co
i
**

.3
o
PAES DE MELLO & C.
moi cordialmente sadam ao respeitavel poblieo e o avisa qne acabam de ^^.m_ ^i^^S
crande estabelecimento de fazendas inglezas, francezas e soissas rna do Queimado n. 13, 0BdeJm """
chSrfc fregueses ainceridade noa tratos e deminulgio de 20 por cento no. precos, pelo que pedem lbe
seja prestada a devida altengao 111________________________________________
Cambraias finas, de cores e
brancas.
|L5asinhas de gosto.
Basquinas da ultima moda.
iPoil de Cbevre de lindos pa-
drees.
[Riscadiohos, mimos das
gracas.
Toalbas de crochet para ca-
deiras e sofis.
jColxas de fosi5o.
Toalhas alcochoadas para
rosto.
Aloalbado adamascado de li-
nbo.
Barege de seda, fazenda in-
teiramnnte nova e bonita.
Goardanapos de linbo'.
Golleiriohos modernos.
Camisas finas de linbo e al-
godSo.
Ceroulas finas de linbo e al-
godio.
Cbapos de sol de seda in
giezes.
GravaUs preUs e de cores
Leogos de seda, linbo e al-
godo.
Peilos de linbo e algodSo
para camisa.
Chales de merino lisos, ada-
mascados e estampados
finos.
Balos de arcos.
Coilas finas e bonitas.
Percalas de ultimo gosto.
Brins de linbo e de algodio
de diversas qualidades.
Panno preto fino.
Casemiras de ultimo gosto
em cortes e em pegas.
Grosdenaples pretos de di-
versas qualidades.
Cambraias de forro.
Madapoloes finos.
Bramante de Itabo com 10
palmos de largura.
Bretanba e osguiio e oatros
muitos artigos que enfa-
donho seria mencionar.
D3o se amostras e manda-se a qoalqner parte onde for chamado
RA DO QUEMADO N. 13
CO
03
=3
Dr. Guilherme Naeglll, ocolista modoa-se da
ra Nova para o Forte do Hatto, por cima do tra-
piche Paotas no Recife, onde i ole ser procurado,
as horas das consultas sao das 9 as 11 da manbaa
e das 3 as S da tarde.
-^~Na ra do Apollo n. 7 tem om exe. lente co-
sloneiroe prepara loda a qualidade de comida,
tanto jantares como ceia para o lempo de ftsla, o
prejo commodo. __________
"Frederico Maya
Cirorgiao dentista pela escola de medicina do Rio
de Janeiro, lem a honra de participar ao respeita-
vel publico desta capital e sens soborbios que tem
aberto o seo gabioete de consultas e operacoes
dentarias a' rna direila o. II, 1* andar, onde pode
?er prcearado todos os das das 8 horas da maobaa
as 3 da urde. Elle acha.se competentemente ha-
bilitado para com perelcio collocar dentes artefi-
ciaes por qualqner dos systemas e bem assim des-
empenbar qualquer ouiro trabalbo concernente a
sna proflssio. O mesmo reconbecendo qoe nem
sempre possivel as senhoras oo criaocas sabirem
a procorar o remedio, oflerece se a remover qoal-
qoer obstacolo declaraodo que na cidade se pres-
tar a qualquer chamado sem qoe isffoa coosa al-
goma na commodidade dos precos de seos traba-
mos e quando para fora delia, assim mesmo sera'
precidido de om ajaste razoavel garantindo elle a
segoraoga e perfeicao de seas ditos trabalbos. Em
sen gabinete se encontrara' constantemente excel-
lentes pox denliriclos, elixir e outros medicamentos
dontalgicos : na roa Direita o. 12, 1* andar.
Precisa-se de nma ama para todo o sertieo
de casa de peqoeoa familia : Da ra dat Croles
n 41 A.
- na praca ua Independencia n. 33, loja Ct
m rites, compra-se ooro, prata epedras preciosax,
i tambem te fax qoalqner obra de aucommands
ido e qalqemerconcerio.________________
Na loja o. 12 do Passeio Publico, precisa se
de ama ama para todo servlco "de orna casa de fa-
milia, constando somente de doas pessoas.
AluKp.-se
ama excellinle casa de campo oo porto do Lassere
(Capnoga) com bom sitio, mollas alvores fructfe-
ras, duas cacimbas, teodo nma excellenle agaa
para beber; a casa tem dnas s las, qoatro qnartos
e terraco fra : a tratar oa roa da Praia o. 26.
Alagase o 1* andar do sobrado o. 18 da roa
da Cadela, proprlo para escrlptorto : a Iratar a
roa da Inperatrl: o. 12-
AVISO
Foglo oo dia 9 do correte met de detembro o
preto Joao, creonlo, de tdade de 45 annos pooco
mais on menos, da estatura alta, cor bem prea,
cara bexlgosa; lem marcas de eopigem pelo ros.
to alada bem vlsiveis e tem marcas de caustico
abaixo do peito, mJos calosas por ser do servlco
de refloaco. Este preto bem connecldo pelas
difiranles (agaa qoe leo feito : qoem o pegar le-
veo a roa da Concordia d. 8, qoe ser bem grati-
ficado._____________
' Foglo oo dia 14 do correte do logar deno-
minado Chia de Ooca, nma legua acama da villa
de Pao d'Alho, o eseravo Cyprlaoo, da Idade M a
25 aunes, cor filia, beicos desbotadot, eaiatora re-
gular, corpo reforgado, pooca barba e enMrT*
Sm llgeiro bigode. ot deoles da Tente lodos per-
feltos.cara redonda, pernas grossas a P* "f01*;
re. e'sadlos, corp3 lito eeoigo a qjlobas
de bet.gas porm pooco "" '*> por
tanto a' todas as aolondades nollciae e e.pitaes
de campo, a captura do dito esci. o o ao
mesmo ftiar a seo enhor Joaqoiui Jos i San.
Anoi oo nesla praca ca roa Jo Rourie da Boa-
Visuo 56, qoe ser eoerosamenW rseompeB-
tado. ^________ ---------
Armazem
A'uia-se o grande artsatem da roa o Impera-
dor o. 43 : a tratar na Imperial fabriea tt ehapeoa
da roa do Crespo o. 8.

/
IUGWEI 1
.....M1 III i H I I ^^
4
a.



i
\

%FPf:{*"l"lm.,
r

Diarlo le rerasaaMbaeta^f- qaarla letra ISe Dczeaabro 4c 1868.
ATTENDITE ET VIDETE!
Tctos nevidade na trra t
Porm ningoem se espante
A cousa nlo de dar cuidado, .
Fax sempre a sua almirarSo,
Mas Dio olfcode a nioguem,
Agora nao se lembrem de doto incendio do pardieiro,
Neo que boove eiploslo na maxambomba,
Neo que o preto Thomaz fagio da tetencSo,
' Nem que o vapor ebegou embandeirado,
Nem que a Fragata Amasonat vircu 0 S.
Nao se trata disso
snbs*
Ser algum jitiz de paz que quer pastar o metro do seo
t Moto em consequencia de estar abolida a vara T
NAO SENHORES-Teobam paciencia-Esperem- ___
Nos vamos dizer do qoe se trata-nao com aquellos modos que toma o cidadao
russo, Sr. AdIodo Domingues quaodo reconhece que na melhor boa f Ibe emporrara*
algum livro tem principio nem fion-mas sim com amellas maneiras asss delicadas que
sempre se eocootram do perfumoso'niobo da simpathua Aguia-braoca : assim pus
attendam:
Cidadaos
' Amigos defarUr o estomago agradavelmente-venham roa da Imperatriz-olhem
para a casa qoe Oca em frente ao magnifico cafolhem.... olhem.... Nao veem r
0 BOH DEHOMO
O Sr. sargento brigada do corpo de
polica qoeira tir eiU lypograpbia aoe-
gocio.
-O abaiio aaslgoado. teodo em seo poder, como
depositarlo, peranie o Juno municipal da I vara
desta eldade, pwu Harta, de nacao da Costa, de
Idade de mal de 80 atoo; acontece qoe do dia a
do correte, fugira de oa casa, no logar da Boa
Viagem; e tem os sigoaes segolotes : quasi toaos
os cabellos da eabeca sao brancoa; estonia iraier
a eabeca enrolada com panno, como fazem as pre-
tas de soa naci; de ahora e corpo regular, nao
lero denles na frente-, soffre comeco de escromu
ao lado do pescoco; e tem orna perna mais grossa
que entra, por causa de erisipela.
Roga, pols, o abaixo asMgoado, a respectivas au-
torldales, oo eaplles de campo; que, no raso de
Ibe ser apresenlada, ou capturada; dlgnem-se
manala entregar em sua casa; onde salisrar
y'leente Antonio do Espirito-Santo.
Urna familia alterna* que mora em nm do9
arrabaldes de Pars encarrega-se de tomar em soa
coropanbia doos rpate?, ou nm rapa e urna me-
nina para frequentarem um dos melbores-collegios
qce all eiiste. Nssla lypograpbia se dir quem
d as toformacOe. __
Canoa
Alaga-se nma de 500 ijoiios: quem pretender
. dando garanta, dlrija-se a ra do Honego elana
n. 13. _____
c Nao se benzam
c Que peior
e Fiquem bem quietos
c Que melber. >
Agora digam comigo: ...
Mulber, demonio que importa !
Mulher, demonio hei de amarte !
UASTA !
Fallemos iuito serio
MU 1TA ATTEHCaO
Com o fia de tentar aos homens a-abastecer as suas dispensas do MAGNIFICO AR-
MAZEM DE MOLHAOS esquina da ra da Aurora de.'roote do snmptuoso Caf Im-
peratriz, o incansavel proprieiario desse importante estabelecimento acaba de prove-lo
do aue ba de mais superior e digno de urna casa desse ordem.
Este interessante estabelecimento se loma bem saliente, nao s pela sift ptima lo-
calidade. como pelo formoso eocantador emb:ema que o assigoala-Vede-o formosa
circe, encantadora maga queso espelba as aguas do nosso ameno Capibaribe, e amo
aae desatando o riao para a altaneira Olioda que alm se avista garbosa e gentil repleta
da nova esperanca de em breve gosar os mais gratos passtantes que Ibe seram levados
pela aova estrada -de Ierro que se acba no nascedouro.
Assim pois
Venha toda a popado do Recie ver e admirar a bella pbysionomia do BOU
DEDONIO,
N.ft .Ra d^Unelmadif. *.
Marques Silva C.
Osnovos pilotos da fragata amazonas avizam o publico, e ParUc",aSfhn!en8'raf,
guezes, que ellacootina a acbar-se constantemente supr.da do que hade:melhor, cmna
moderno em fazend,s de todas as qnaltdades, para c>qne envidara todos os mei.s ja
comprando do que vem de melhor a este mercado, j mandando vir, deconiapropr a,
da Europa por todos os vapores algum* especialidades de fazeodaigateg**
Em sea variado e esplendido sortimento, encontra-se sempre, alm |de monos outros
arlTn4TejSvi sempre frescas, brancasXde core?, para senhoras e ParahomeM-
Fazendas proprias para pasamentos, taes como: ricos vestidos de blonde, moireamique
brance de superior qualidade; setim, e gros denaples, brancos; magnificas colxasoe
damasco de seda de diversas cores; cortinados para camas de 25$ rs. a 8U0 "
lindos e magnficos cortes de vestidos de seda de cores delicadas e modernsimos gosios.
Variado*ertimento de sedas lisas, de listsa e de quadros.-Saias brancas bordadas
e ditascom 6 ordena de pafos, fazenda de multo gosto; assim como as bonitas saiar
da 15a com barras de cores.Ricos cortes vestidos de cambraia branca .bordados, o ha de mais fino e melhor gosto nesse genero.L5as listradas de seda, e pon de cnevre
de divergas e booitas cres.-Alpakas lisas de diversas cres.-Supeneres casaoninhos
oo basquinas, de soda prta enfeitados, e do ultimo gosto.-Fgaros oo laquetmhas, de
seda com enfeites prtos e e cores.Corpinhos de cambraia bordados i Mane adioi-
netteCarnizas bordadas para senbora.Ricos lencos grandes e pequeos de camoria
de linho bordados.Um sorUmento variado de bales reguladores, e de outras qoaiida-
des; af baloes de arcos muilos bons a U r.-Vestuarios ricos, e enxoval completo para
baptisadosEnfeites de eabeca, e chp-.us de diversas qualidades para senhoras.feor-
timento completo de carnizas para senhoras e para homens,Boaitos tapetes de todos O
iamanbos.Um variado sortimento de ronpa feita, malas e .bolsas para viagem.Finis-
eimas chius da Persia.Grande variedade de cambraias e canas brancas e de cores.
Pannos finos casemiras, e moitos outros artigos.
ALTAS NOVIDADESI
Ao Triumpho!!
A' rita do aaielmado n. V.
DE
9IORE.IRA DA SlffiVA A V.
Est exposi^So do respcitavel publico oeste importante estabelecimento um
ndo e completo sortimento de fazenlas ebegadas pelo ultimo vapor da Europa, o que
temos a honra de annunciar aos pas de familia, assim como ao bello sexo, a quem o
Triumpho pede soa altecJo; garaotmdo s-mpre em sua nova loja o gosto de fazendas
e novas modas e modifleaco dos precos, para assim adquirir a sympathia de quem
der a honra de procurar o Triompho. ,o/^ j
Lindas sedas de cores novo goito para 25600 e 280O o covado.
Glacs de seda e 15a apurado gosto para l5oo o covado.
Lazinha com listra de seda para 103oo o covado.
Ditas de lindos padrSes para 5oo e 8oo o covado.
Cambraias brancas para 40, 45oo, 50 e 505oo ale Sfi.
Ditas de cor lindos gostos para 64o e 7oo rs. a vara.
' Satas de 15a bonitas com barras de 60 a lo#.
Baloes de 15a de murcelina e arcos por precos reduxidos.
iiasquines de groslen?p!es de 220 a 350,
a Grosdenaples pretos e de cores.
Marcelinas brancas e da cores.
E ootras muitas fazendas de aparado gosto que seria enfadonho mencionar,
assim como tambem urna
PECIIIXCII.% .
qoe appareceo loja do Triumpho, alpacas de follicores e padroes modernos peio
barato preco de 4oo rs. o covado s no Triumphel
Alm d'esias fazendas tem um completo sortimento de madapolbes e chitas
claras e escoras que se vendem por moito barato preco e se d5o amostras a quem
pedir, anim como de qualquer fazenda se manda aonde for chamado; estara aborto o
estabelecimento das 6 da manbaa s 9 da non te.
Renta feita.
Grande sortimento de pannos, casimiras e brins para mandar faxer qnalquer
obra a gosto do pretndeme, e ba tambem sempre prompto bonito sortimento de roa-
pa feita qoe ie veode com graode differenca dos precos do qae em outra qaalqaer
parte.
Attenco
Preelsa-se alogar duas casas terreas soffrlveis e
contigoas, qoe eslea em bom estado, e flqoem a
roa do Rosario da Boa Vista do lado do poente, oo
numeraao par: a tratar na loja n. i na roa do
Cnboga'.__________________
Claudio Dubeux mudou o seo escripto-
rio da roa do Imperador para o Caes 22.de
Bovembro. n. 32 junto ao bilbar dos arcos.
" Trocam-se
u aoui do banco do Brasil e das caixai flliaes-
dom descont moito rasoavel na Draga da lnds
Oipdencia n. II.
O Sr. vigario Flix Jos Marques Ba
calbo queira vir a esta typographia a nes
goci________________________
Alnga se ama raa na liba de Bemfica com
baubo na porta, por commodo preco: a tratar
com o Sr. Manoel Perreira Bsrtbolo, oa roa da
Moda d. 8, 1 aadsr._____________________
__Precisase alogar nm escraTo para casa de
familia. Paga se bem agradando o servico do dito
escravo : na rus larga do Rosarlo n 38, loja de
mlodesas, se dir qoem precita.
Saques
Joso do Pego Lima, sacea sobre a praca de Lis-
boa : roa do Apollo n. 4.
Francisco Amaro Ribeiro Goimares declara,
qoe desta data em diante se asonara' Fradcisco
Ribeiro Gulroaries.______ ______
Convida-se aos chefes de familias aos que
vestem eennomicamente de boje chegarem as
11 horas damanbSa na loja da Arara sita a
ra da Imperatriz n. 72, para se proverem
com pouco dinheiro dos diversos artigos j
annunciados, que passam a ser vendidos em
leil5o e a vontadedos compradores^______
GOSINHEItiO
Na cidade nova em Santo Amaro casa ter-
rea com sotSo n. 12, com a frente para o
caes, precisa-se alogar nm cosioheiro es-
trangeiro, nacional ou preto escravo, que
seja bom em soa profissao.
Na mesma casa precisa-se de nma mu-
lber recolbida e de bja conducta ou escra-
va, para lavar e andar com orna enanca:
paga-se benh_________________^^_.
Precisa-se de um balcu da amarellu : quem
tiver e qoixer dispor, cde entenderse na loja do.
Sr. Mala, na ra do respo:__________________
jiiiiimm awaamrmiTnrnriirTTiTaaarirrn
Aniouia Deifica dos Aojos e reo QIDos, agrade-
cem a todas as pessoas qoe se digoaram acompa-
nhar al o cemilerio publico es restos roortas de
sua chara filba e irma Leonor Nina de Olioda
Times de novo convidam para assistir a missa
do sirtimo dia, qoe maodam resar no da J3 do cor-
rete mer, pelas 7 horas da roanba, no convento
de S. Francisco, pelo repouso eterno de soa
alm. ________________
PrOo se u or. J.aijuiuj IrfirdtfW ue Aitueaa
que venha retirar a carta de flaoca que existe em
podar de abatxe assignado, propnetario do sobiado
da ra das guis-Verdes n. 86, onde morou aSra.
Mana Carolina de Castro e Silva, de quem o mes-
mo seDbor era fiador, visto que a mesma senbora
Qcou deveodo alugueis.
Jos da Cosa Dourado.
"Um criadoei um escravo.
Precisa-se, deste para o servido interno e exter-
no, e daquelle somente para o interno, de urna
casa de bomem aolteiro : oa ra da Cadeia do Re-
cite o. 20._______________ t'
Tintura japdneza
Instantnea para tingir os sbellos e i
barba, a 10000 o frasco.
E a nica approvada e recommendada por
ter sido reconhecida suqerior a todas as tin
turas d'este genero.
A' venda em casa de Gustavo Hervelin n.
51. ra da Cadea o. 51._______
Irmandade do 8enhor Bom
Jess das Portas na igreja
di Madre Deus.
Pelo presente sao convidados es irmSos desta ir-
mandade a' comparecer no da 25 e segoiotes para
assistir ao setenario, assim como no da de anno
bom para asshtira testa e Te Deum do nosso pa-
rir oe ir o.
Recite, 2i de dezembro de 1K68.
O escrivio,
Manoel Moreira Campos.
Aluga-se o 2 andar do sobrado da roa larga
do Rosario o. 33 : trata-se no mesrao.
100,51000
IIdia 8 do vigente fugfo do c-ogenbo Sanl'Aona,
comarca do Porto Calvo, provincia das Alagca?, o
escravo pardo de nome Felippe, bnm otDcial de
roircineiro e soffrivel de fcg'ietetro, representa ter
30 annos de idade, e com os seguloles sigoaes :
barbado (m:-s conserva rapada), estatora baixa,
tem todos os denles da frente, cabellos pouco cara-
plnboi: quem o apprebeoder e leva lo ao referido
eog nho.-on ao Sr. Jjaqolm Rodrigues Taveres de
Mello, largo do Corpo Santo o. 17 primetro andar,
sara' gratificado cem tOOJ. '
Fugio do engento Soledad, na comarca de
Porto Calvo, provincia das Alagoas, o escravo Fe-
lippe, cabra, cabellos carapiobos, idade de ti an-
nos, pouco mais oo menos, ponea barba, t* pe*
qoenos, naris regular, olbos grandes, deotes um
pouco limados e com falla de um na freats andar
ligeiro, cojo escravo fol comprado ao Exro, bario
de Natarelb. Pede-se as aul rldades pol.iaes e
capillas de campo a apprehenso do mesmo,ic-le-
va lo ao seu senhor no refndo englobo oo na ei
dade do Recite o Sr. Joaquina Rodrigues Tavares
de Mello, largo do Corpo-3>nto n. 17, primeiro an-
dar, que sera* generosamente recompensado.
Exame de preparatorios para
marco prximo.
Jos Soares de Azevedo, professor de lin-
gua e litteratora nacional no gymnasio pro*
vincial do Recife, tem aberto em soa casa,
ra Bella o. 37,
Um curso de LINGUA FrUNCEZA.
PHILOSOPHIA.
GEOGFUr"HlAE HIS-
TORIA.
RHETORICA E PO-
TICA.
Os estudantes que desejarem preparar-se
em qualquer destas materias, podem d ri-
gir se indicada residencia de manhaa at
s 10 boras, e de tarde a qualquer hora.
agua mmk
Conservadora de 3ua ndividoalidade,
amiga do progreso.
O labjriQth s da Esperance
A loja de miudezas da ra do Qoeimadc
n. 35 A, vem ap-esenhr sua escolbida
fre^uezia um artigo que al hnje custava
muilo caro, e por isso s ebegava para t
classe mais abasuda da se ci hele.
Toalhaa de lauj rlcthca
Perfeitmeute itiuaes as que se fabricam no nesse tempo quando a Agoia
paiz, por urna decima parte do valor d'ellas prrcwa de icienticar a sua
vinde a esta bja apreciar a per'ecao reun- das Deidades que consecnliv;
Ra de Qucimado n. 8
Em todos os tempos a loja o'Agnia Bratt-
ca acha-se corop'eatneote son ida dos me-
ihores e mais modreos objectos, ct m esL'-
cialiJade as approximacbt-s das f. st^sqoao-
do ella faz sempre reJobrar pu sorlimente:,
e augaentar a variedade dos objectos cotser-
vando apenas intacto o seu ioseparavel a
bem CLiihecdoagrado e sinceridde E'
a llranca mais
boa freguezta
mmente vai re-
da a economa, (oem sempre poasive! cebendo, e e jusiameMe nese Umpoquaude
i^jQ \ v r a influencia dos apreciado! es mtm.s a dent
As toalhas tero nm circo de 1 ndo de-! rigorosamente cmprir esse dever, ha porem
senho e oo centrse l em caracteres, nona crcumftancia a favor da Aguw.f t que
ma.osculosa allegorica inscripcao.-A'bap- qo*m percisa prover-sede finas per ornaras
tisar.-A' passelo.-Meoa cuidadOS.-Lem-,irijase logo a loja d.Agota Branca ende
brancaVisita. cooheca ser o dopotilo dlas, e quem
N.oguem por 'certo deissr deircompleUr mais precisar de enfeites pata vc;l;d,^-;
o enxoval do lindo filho para fazer econo-', res, lova de pe lie -, fita de ti da e qua qu
miade 15 ou 20,}t O, e:se oadas de qoe se qoalidade e infinidades de cu iros arijos.
compeo guarda roupa dos rtcem-nascidosicomprebeodeperfeitamente que para cea.
quasi sempre Ecamaos estremosos cuidados bem servido wdwpensavel 5lr,8,r*sVllu'^
das mis, a essas a quem a Esperan^ se d'Aguia Branca. Ella tambem ncftefA
dirige, para qiem desdeja dispoe-se a dar que dizer lodos os das aqmllo mesmeqoe
amostras e certa est que relo preco nento-; sua be a fregoezia sabe, e certamen.e masur-
LOJA
RlSIiOifilRO
DI
Vctor Grandin
Roa da Cadeia do Recife N. 40
O proprieiario deste estabeleci-
mento, premiado com a medalba
da expnsicio universal de Part
no anno de 1855, tem exposto la
venda em soa loja, um grandi
sortimento de reiogtos para aigi-
beira como sejam : de ooro
prata, sendo dos melbores fabricantes, de pateo
tes ingleies, suissos e orisootaes. Tambem tea
coa grande quantidade de relogios para pareda,
e que batem boras, ditos para embarcares e para
cima de mesa, todos estes relogios sao dos man
bonitos modelos. O mesmo concerta relogios ft
todas as qnalidades existentes, assim come tam
bem concerta ebronometros de algibeira e mariti
mos : recebe sempre por todos os vapores, un
completo sortimento de correles e trancelins
sendo ludo de ooro de le e de modelos os mait
modernos, assim como diversos objtctos de bijoo
teria dos mais bonitos e modernos gostos.
"^Francisco Amaro Ribeiro Goimares decla-
ra qoe desta dati em diante se as-Ignara' Fran-
cisco Ribeiro Goimares. Recife 19 de dezembro
de 1868.______________________________-
Precisa-se de cm ctsinheiro llvre en escra-
vo : na roa do Jardim o. 19
foliado de paz.
O cidadao Severlano Jos de Maura ac'oal jaiz
de paz da fregueila de Santo Antonio do Recife,
passou hontem o exer'cicio a seu substituto.
PreclTa-se de urna escrava : na roa Bella
53.
Na roa do Hospicio o.56, precisa-se de nm
criado_________
Jeronymo ,/jaquimda Silva mudou a soa offl-
cia de ferreiro da roa da Pula o. 58 para o caes
do Ramos o. 36.
ma deixar de comprar.
Fronhas
A Esperacc^, tamsem receben fronhas co
mesmo gosto das toalbas que vtn ;e pelo ba-
rato pre?o de 350('O, o que custava 10(5 !
appreciai ese ligardesa importancia ao cid-
fortavel da vida, sem duvida comprareis oes-
te bello paiz nioguem se faz pobre dispen-
sando 15 ou 20MKU, com o fcce'O e belleza
| de que se decora a babitacSo, as vezesno
que menos pencamos, entretanto, como di-
ziam cossos maiores a sepultura da vida :
ainda as senhoras a quem a Esperanca se
dirige. Urna Senhora cuidadosa do Dada
fas a casa.
Ra do Quinado n. 35 A.
Esperan ca___________
AMA
Precisa-se alogar urna negrinba de 10 a H n
nos, oa moleqae, t tambem uma'aroa que coziobe
e f.'ca as compras para pequea familia : oa ra
da Concordia n. 6i, sobrado.
SOCIEDADE
Um moco portogoei com algnma pratica com-
mercial, da abonada conducta, com o eaoltal de
3 000*000 se crTrece a fater parte em qualquer
negoeto que prometa vantagem : quem precisar,
deixe nesta lypograpbia, por escripto seo oome e
morada para ser procurado.
Precisa-se de urna ama para cotiubar e fazer
o servico de orna casa : na roa estrena do Rosa-
rlo o. 33, 2* andar.
Com moito maior vanU'pem
Compra o Corceo de Ouro n. 2 D roa do
Cabog, moedas de ooro [e prata e pedras
preciosas
Compram>se moedas de ooro e prata, assim
como libras sterlinas, por maior preco qoe em ou-
tra parte : na roa do Crespo n. 16, 1* andar._
Xomprara-se escravos
Compram-so, vendem-se e trocam-se escravos
Je ambos os sexos e de todas as. idades : a roa
do Imperador n. 77, Io andar. ________
Compram-se escratos mocos de ambos os
sexos : na roa de Apollo n. 4.____________
Ouro e prata
Compra se boje, mredas de prata-
libras esterliDas e ouro de todas as qualida-
des por maior prego do que em outra qual
quer parte, na ra da Cadeia do Recife n.
58, loja do azulejo^ ^
Ouro prata
Compram-se moedas de prata e ouro de todos os
valores, ooro e prata *m obras velbas e pedras
preciosas: na rna da Cadeia, no arco de N. S. da
C ncelcao, loja de oorlves.
Ouro e prata
Em moeda e em obras iuutilisadas, compra-se
por bomprecK na praca da Independencia nu-
mero SI.
Compra se
Em segunda ao nm lustre proprlo para gaz
com qoatro nicos: oa roa da Imperatriz o. 60,
loja do Pavao.______________________
Armario.
Compra-se orna armacao de amarello que seja
envidracada : a' ra da Imperatriz n. 12.
No caes de Apollo n, 69 compra-se nm escra
yo de meia Ida1e, pro&rio para um pequeo sitio.
Co,mpra se urna negra ou negro que coziobe
bem, e um preto qoe salba tratar de um sitio : a
.ratar a' ra da Cideia o. 34, aodar._________
Compra-se urna casa terrea com soto, ou
meimo de um andar : a tratar a' roa da Cadeia,
sobrado n. 34, primeiro andar.
mm

VENDAS
PASTILIllS AMEllfANVS
DO
DR. PATERSON.
de l'ismntlio e iimjsneiia.
Remedio por excellencia para combalcr a
magreza, facilitar a digestSo, fortificar o es-
tomago etc.
Oeposoespe:iaI.
Pharmacia de Bartholomeu d- C.
34 roa larga do Ros rio 34
SYSTEIIA.
4 me rica no
Duarte, Pereira & C, rna do Crespo n. 16, e
Aotonio Pedro de S nza Soarts, ra Nova l. 28,
acabam de receber da America bocies e chamlos
e um sy.-tema amia aqu nao vistr, tornndose
recommeodavris is chamices pela sua duracao, e
ficilidade de acender ainda mesmo qne- te ; e os
bocaes por sereno simplesnvnle cravados, bem
tos e elegantes ao mesmo terrpn.___________
OS BOUS CH&EUTOS
O Campos da ra do imperador n. S8 avisa e
recommeoda aos seus collegas e especialmente aos
senbores que tem loja de cbamtcs e amaotes da
boa fumaca, que acaba de rec.ber una prsede re-
mesa desse artigo", do afamado biicai.te Costa,
de S. Feliz.
MARCAS.
ExposiQJ.
Imperiaef.
Havaneircs.
Hictcipes.
Primores.
Garibaides.
Vrelas.
yoein fumar sabera' e centra-marca dos que nao
sobem.
O Campos aflanca que estes charutos sio os qoe
tem merecido mais aceilaco dos respeitaveis con-
somtdores desbe genero, e alera duso sao prtftn-
veis por se venderem em sen eslabtlccimenio pelos
precos do fabricanle, accrescendo somente as de.--
peas para aqol chegarem, e avisa umhtm que c
s lele quem recebe charutos nesse fabricante.
Sabonetes de Alcatrto.
DE
jtittouio Nones de Castro.
Este acreditado preparado, que to boa
aceeitacao tem merecido n'esta provincia,
muito se recommenda para cora certa das
impgens, sama?, caspase todas as moles-
lias de pelle.
Deposito nico
Pharmacia de Barlboloaeo& C,
:H ra larga do Rosario 34
Rap de Lisboa
Cbegoo ao aoligo deposito da roa da Cadeia pe
Recife n. 51, superior rap fino de Llsbo:. ___
Em cata de Theod. Cbtistlf>n;.dD, ra de
Commercio o. 32, encontra-se tflectlv&meote to-
das a qnalidades de vlnbo Bordeaos, Dourgogn*
/to Rhonf.
Xarope de fedegoso
E' de nma etilcacla Terdadeiramnte maraviloosa
como calmanie do syslema nervoso e applicado
contra a paralisia, asibma, tosse convulsa ou ro-
qnelocbe, losse recentes ou a..i gas, surTocacSes,
catarrhos bronchlcos tcl e em (eral contra todos
os s(ffriment>s das vias respiratorias, e na pbtysica
pulmonar, sua virtude contra o ttano en espas-
mos, e convuides Incontestavel, e nioguem ba
que o descenheca.
nico deposito botica do Pinto, junto ao parte
de polica o. 10. ^________
Vendem-se
libra* sterlinas : na ra do Crespo n. 16, primeiro
andar. _____ ._ *
Xarope de Salsaparrillia do Para.
on
DEPURATIVO DO SANGE.
U.ado as melestias da pelle, impigens e
para todas as molcs'ias venreas.
Unicu deposito
Botica do Pinto, junto ao quartel de polica,
roa do rosario Larga n. 10.____
TRILHOS URBANOS
Do Recite a Apipueos
Para maior commodidade dos passageiros, no da
24, vespera da festa do Nascimeoto, havero trens
extraordinarios do Recife a' Apipueos ao meto dia,
a 1 hora da tarde, a 1, 2, 3 e 4 horas da madruga-
da ; e no da 25 haverao das 6 horas da manhaa i
meia noite, de hora em hora ; sendo a tolla de
Apipueos para o Recife a I e 2 boras da tarde, as
Vendem-s cinco moradas de casas de lijlo
com grande* qoiniaes e boas cacimbas, e mu bem
repartidas, na villa do Cabo, ra das Qfflclnas : a
tratar na mesma roa com seos donos^_______
Natal, armo bom eris.
Figuras a'legoricas, para bandeijas de bol-
linos, bollos epSo de l, na confeilaria
dos ananazes, ma da Croz n. ib._______
Etremies de noel.
Grande expositlon de-Jonets de toots genrespoor
enfants qutnqoallerie, anieles de luxe, de (anu-
ste de grand cbolx.
Ra Nova numero 7.
_______LOJA DO VAPOR FRANHEZ.-
"~Christmas boxes
An nnrivalled assortment o( every descrlpilon
for sale at n. 7, roa Nova, loja do vapor fraami.
ParTpre"8eoies(lefesUs aes meoiies.
Acba se em expos.cio a 9W *>*****
mais bellos e fios brioqoedos tanto para a
Ihe a intelligencia, e por isso agora -dir
resnmi damente o que nao tem atwiunciaao
outra vez, que de mais novo receLeu o
seguinte:
Umg rande e variado ortiitcnto de entet-
tes para vestidos quer sejam pretos ou oe
ostras cores, quer tejam de vidrilbos oa
sem elles emm, o pretndante achara mut-
to e bom para escolber.
Outro dito de bicos de blond, braccw
pretos e com vidiilbos e sem elles, nere-
ceodo paitcolar estima os bicos pelos com
flores malisadas por ser o que de ma
mimoso se pode dar em tal genero.
Ass'm romo
O verdadeiro guipure branco e preto com
flores, para corpinhos .on casaouinhos d
senbora.
Chapeosiobos de flna palbs.
o rosamerjtejeuftilados para se
Dinas.
Bonitos e modernt s enfeites para sem oras.
Novos ramos de flotes ti ralbados para
coques.
Leque? de- diversas qualdades e posto!.
DELICADOS ENtElTES PARA VLSTL-OS
Re ilig3o d'aqn lies lindos e e;timadcs
en'eiios de alta novidado para \eati'0s \i&-
do elles agora accerta ios para guainK&e
ct m as agradaveis cures que mais se u>am.
o que os tornara Moda mais arreriavtis.
Outros enf tes de ralha > Italia
Trancas, ramos e bouqoels feitis c tr.
apurada perfeico egoJo, e propris [a
enfeites de vestidos, chapeos coques, ele etc.
A propfsi'f.s de ccqius
Chegarem a^ora de moldes to Jamitie
e tamanbo 15o apn priado que eslao g* ra-
mente raerecendo as sympaibias das E&ms.
apreciadoras do Iw-ro.
Ayui fleiida de jHis'ain
Remedio incontestavel para conservar a
cor prela dos cabellos.
O uso des=a privtle^iada e especial agua
florida pres-na rs cabello* de Acaren bran-
cos, conservando-Ibes o bii'ho e a piircitiva
cor prtta, e impedmdo a queda dos mesaos.
Essa proveiloa agua fliorila mui'o co-
nhetida e apreciada no Rio ce Jan i o,
de a.ota por dianie sei tambem estimada
por quem delli precisar, e oaaaprtr r. Ioj
d'Aguia-Branra.cada frasco custa 70CO.
CHEGO TAMBEM
No
nhecido contra a calvice, e continua se a ven-
der a &HjQ o fiasco..
Frascos ora ciee de sabo rara ama-
ciar e alvejar as maos e rost, oatla frasco
moo.
Viera ni mesrxa occso :
Caixinhas com lentos para volt&rele, e o-
tras mui bonitas cm msica e sem ella pa a
costura, e outras igualmente lidas cem tinas
perfumaras.
Filets delrancinhabrancaa 500 ris cada
um.e.'ses filetsde tranci'ba braoca assim como
nSo b3o inteiramente indi-pensaei?, lamlem
o3o deixam de ser necessanos e proveHoios
para as senboras consenarem petfeiiarner.te
lodos os seus cabtlics asccas'es que lo-
mam banLo, e tatito mais qnanlo o gasto
diminuto, ror 1 fi'et branco no caso.
PARA RECEMNASCIDOS
Tooquinhas de fina cambraia.chapeos'nhos
e lapafanbot de fuslSo branco, isso a m dos
de setim. Chegararo larotem ntrras cam'
s.nhas para bapli-ad s.
Gollires, e annel e'elrkos
A Aguia-Bran'.a continua a rece'cr met>
salmente a contrtala qaantidede dos vlrtot-
soi co lores e!etricos magneti os, e agora i -
ceben especialmente aunis eleirkos. Esses
collares qoe tantos prodigios tem mstrado
tornam-se indispensaveis as ciimcas ees se~
nheres pais de familia cohvem tomar isso eia
considerado, e n3o se descuida d'os com-
prar na loja d'Agu r-Branc?.
Para cintos
Fitas muito larg3S,acb3ma!oladase de gos
escocez com bonitos desechos.
Novida !e prtipriameate dita
Manoel Alves Kerreira & C, na roa da Moe-
da o. 5, 2,-andar, tem para ender suoerior po-
tasa da Russla em barris e meios ba/ris e cal de
Lissboa da mais nova qne ba ni mercado.
mnm
A 1*200
Vende se mante'g insiera flor a if 00 a libra :
no pri'gresse do pateo do Carmo o. 9.
roa da Gloria n. 38,
i da nole de 24. as 13. 8 da madrugada, e mais bellos e Dnaqu j-- v;-
das 7 da maobia de 28 al l hora da madrugada nos como oara meninas,^e "' Pn","
d26 de hora em hora. laxo propnoe par presentes de testas. no ai
de 26, de nora em Rwl|w<)0| ^^ | MB ^ ftf0t fraDees roa Nova ar 7.
Vendem-se dous vehculos de qoatro rodas com
pooeu aso, oo permota-se por doas earn
qoem preieoder dirij-se a
das 6 as 9 bbras do dia.
ClcadoTjarato para acabar
Veode.se mais barato que em ontra qualquer
parle : oa loja n. 45 da esquina da roa da Ma-
| dre de Dos.
Vende-se
tavallo bonito, ordo e malto novo, proprio
sel, ebegado hoja do mato : a 'ratar do pa-
Paraixo a. 4.
Toalbas e froobas de labjriuibo, manufactura e>
traogeirs
Se de presente liouvese-algunia eipc.'i-
fao n5o seria certamente aAguia-Brarca qi:e
ezpozesse algumas dessas toalhas ou froob; para com ellas receoer a medalba de benra,
nSo.porqaede cerloa idea nSo foi sua.a glo-
ria nSo Ibe pertence, e a cora de louro oa
amarelia deve pesar sobre cabefa mais valu-
mosa que a da Agoia-Branca.Ka verdade a idea
foi bem inspirada,porqne assim Qcou removi-
do o obstculo de quem o5o podia di-por de
8O0O0 ou 1000000 para comprar urna das
ontras toalbas, agora porm com a quarta
ou quiola parte de qualquer dessas qoantias
pode possuir urna loalha sempre precisa, e
ainda lhe sobrar dinheiro.
E panno de forte tecido, abertas e cercadas iJe
bonitas ramagenselabjiiotbo, croadas anda
com largos bicos de igoaes desenhos.tendo na
cnit o adecuadas inscripces para baplisado,
passeio, visita, etc. etc.
As fronhas ptrm sao de ignal gosto e per-
feicao, e qaaesquer desses objectos est?o a
disposico de quem os queira comprar na
loja d'Agoia-Branca.
CURA DOS CAtOS."
pela
roada Tsloaeaa
Depisiio especial
Pharmacia de Bartholomeo & C.
34 rna larga do Rosario 34.


Uri Muita atten$o!l
*>m %% %WfcVlft&
0 proprietario di nova toja do Garibaldi ru da Impe
ratrizn 56,
LORENQO PEREIRA MENDES GUIMARES
Tendo recebido muitas fazendas por diversos vapores e navios, e n3o tendo po-
114c dar extracto pela grande qaantidade de eDCommendas que tem cbpgado, resolveu
a^r urna feira semanal, qoe vende muito barato, apenas sojeitando-se ao descont que
C', por sso qoe algumas de suas mercadorias vo abaixo denominadas com seos res-
pectivos presos, do contrario seria onfadonho para 1er.
alpacas de cores moderis a 640 rs

!
Ti
0 0
B 3 es
4 es
Mi 19
* * -
l
5
*s
o cavado.
Vende-se alpacas de cores lizas muito fi-
ios a 640 rs. o covado. Ditos de listas mui-
) brgas a 800 rs. Ditos malisados a 10 o
tovado.
Barejes de listras a 240 rs. o
eovado.
Vende-se bareje de listras para vestidos
uladas a 240 rs. o covado, Uasiohas a 240,
!80 e 32G rs. o covado.
Chitas francesas a 260 rs.
Na feira semanal vende-se chitas francezas
toas a 280,320 e 360 o covado.
Lasiubasdo Garibaldi a 240 rs.
Vende se ISasinhas a 240, 280 e.320 rs.
i covado.
Meias cruas para homem.
Veade-se meias cruas para homem a 44
H e ">, s para meninos de todos os tama-
ib es a 1(5 e 35300 a duzia.
Percatas para vestidos de se-
taboras a 500 rs.
Vendo se percalas muito finas e de cores
pira vertido de senhora a 500 rs. o co-
rado.
loopa feita nacional.
Vende-se pantos de panno preto a 50,60,
80 e 405, calcas pretas de casemira a 55,
55 e 85, caigas de casemira de cores a
55 e 65, coetes de casemira de cores a 3-5
4 35500, caigas de brim pardo a 45600, 25
2050J; caigas para trabalho a 15, 15400
5C0O.
Laas finas de listras a 800 rs.
Na feira semanal vende-se lasintas finas
de listras a 8oo rs. o covado.
BRILHANTINAS BRANCAS E DE CORES A
800 rs.
Vende-se brilhantinas de cores para ves-
tidos de senhoras e meninas a 500 rs.
CASSEM1RAS DE CORES A 25,
Vende-se cortes de casemiras de cores
para caiga a 25, 255oo, 355co e 45.
Lencos de seda a 800 rs.
Vende-se lencos de seda de cores a 800
15000 rs, cada um.
Brim pardo a 56o rs. a vara.
Barato brim pardo lizo a 56o e trancado
i 8oo, 9oo e!0 a vara.
Chitos do Garibaldi pan eoberlas a 320 rs.
O baratei'o vende chitas para cobertas. a
1-20 r?. e adamascadas pelo mesmo prego.
Carteiras para viagem a 105oo.
Vende-se carteiras para viagem a 105oo e
t5ooo.
Lasinhas prusianas a 500 r.
Vende-se lasinhas prussrinas para vesti-
dos de senbora e meninos a 500 rs. o co-
vado.
Chitas miudinhas a 36o.
Vende-se chitas miudinhas muito finas
Alm do grande sortimewo d>s melbores machinas americanas para descarogar
algodSo, de 12, 14, 10, 18, 20, 22, e 25, neste eslabelecimento s$ ncontra maii o
seguinte :
Azeite de espremacete proprio para machi- Peneiras de rame para padaria e refieagoes
as de todas as qoali lades: Correntes para almanjams.
Vapores de torea de 3 a 4 cavalios. .-Machados e faces americanos.
Serras avulsas para machinas. Caixas com xm de lodo8 os umanhos.
Mances e todos os mais perteoces para as
mesmas.
Carros de mao para aterro.
Cylindros para padarias.
Debulbadores para mitoo.
Arados americanos.
Escadas de madeir.is americanas.
para vestidos de senhora a 36o rs. o cova-jCarrinbos proprios para armazens.
do. Ditas matisadas a 36o. Ditas escaras Moinhos para refioacSes.
a 360 rs. o covado.
HadapelSes do Garibaldi a
55500.
Na feira semanal vende-se madapolo de
24 jardas a 555oo, 64, 75,85 95, e ltf0.
Baldes de arcos a 1$500.
Vende se balos de arcos a 15500, 25 e
25500.
Algadio do Baribldi a 4$,
Vende-se pecas de algodSo barato a 45,
455: o, 50ooo, 75 e 85.
Cortinados para cama e Ja-
aellas.
Vende-se cortinados para camas francezas
de muito bonitos desenlies a 145, e 165,
fazenda que val 205 e 255. .
LSasinhas italianas a 5oo rs.
Vende-se ISasinhas com o come de ita-
lianas por serem todas de cores diferentes
para vestidos de senhora a 500 rs, o ce-
vado.
Brim liso oq Hamburgo a 85.
Vende-se brim liso ou Hamburgo para
lengoes e tealbas por ser todo de linbo com
20 varas a pega a 85,95 e 105.
LENCOS BRANCOS A 20O0 A DUZIA
Vende-se lencos brancos a 15 a duzia.
Gangas para calen a 360 rs. o
eovado.
Vende-se gangas para c lga a 380 rs. o
covado.
CHAPEOS DE SOL DE ALPACA A
35500.
Vende-se chapeos de sol de alpaca preta a
35500 cada um. Ditos de seda a 65ooo e
125ooo.
- O Garibaldi vende cambraias de cores fi-
nas a 55, 65 e 75 a pega.
Cambraias lisas a 55ooo rs. a
pega.
Cortes de cambraia de cores finas a 25 e
35. E ouiras muitas fazendas que se ven-
dem muito barato, o que deixa de' ser mi-
nuciosamente descripto por falta de lempo.
Dao-se amostras ou mandam-se levar em
casa das excellenlissimas familias.
Este eslabelecimento acba-se aberto todos
os dias desde as 6 horas da manb5a s 9
da noite.
dem para milbo.
Machinas para corlar capim.
Bombas para regar jardins.
Vaquetas para cobertas de carros.
Camas de ferro sortidas.
Bombas de Japy.
dem americauas.
Ferros a vapor para engommar.
Vassooras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Bdlaios e cestas de vergoinbas.
Guarda comidas.
Qmidos de chumbo de todas as grossuras.
Folha de cobre idem idem.
dem de latao idem idem.
Folha de Flandres.
Ferro de tedas as qualidades.
Arcos de ferro.
Latas com gaz.
Trens de porcelana para costea,
dem staubados para dita.
Bandeijas finas.
Balangas americanas.
J dem rovervaes.
Taixas de cobre.
Estanbo em verguinhas.
Folhas de ferro de todas as grussura*.
Correntes de ferro sortidas.
Espingardas de todas s qualidodes.
Rewolveis de todos os modellos.
Ferramenta para ourives.
dem para tauoeiros.
dem para ferreiros.
tIOUlDAQAO
a loja e aruiazem da Arara, roa da Imperatriz n. 72
O proprietario da loja da Arara tendo muila fazenda em ser resolveu fazer
ama grande liquidacaa para diminuir a grande porgao que tem, a saber:
16.-Rua da Cruz-16;
Ha diariamente neste eslabelecimento om sortimento de doces para cha. Paos-
de-l, bolos inglezes, podios, pastis de difireme* qualidades, araendoas confeitadas etc.
Viobos finos, licores, conservas de differentes qualidades.
Recebe-se encommendas para bailes casamentos e bapsados, para jantares pre-
para se pudn?, cremes e differentes qualidades de d' ees de ovos, pegas montadas para
centro de me*a como sejam de Nougat, Cararaello e d- ovos, bandejas com armacSes de
assucar decoradas, sendo enebimento das mesmas, de boliobos finos e doce de ovos.
Paes-de-l,. bolos, kkes decorados com disticos e sem elles, pde-se preparar
muitos objectos para fra garantiodo-se a boa conservago, presuntos de fiambre, doces
seceos e cry^talisados, ditos em cbarope de differentes qualidades.
Novidade. i MOVIDA DES
aAJ? de.e,0 Oliveira ruado cehgadas pelo vjmr cBordeanii
Qoeimado n. 19, recebeu pelo ultimo vapor
um bello sortimento de 6al5es
de
I.Sssnhas da Arara a 240. rs.
Ven Je-se lasinhas de cores a 240, 2o0 e
120, rs. o covado.
Chitas francezas a 280 rs.
Veode-se chitas francezas finas a 280
120 e 360 rs. o covado.
IladapelScs barato a 55500.
Vende-se pegas de madapoiao a 55500,
5C0,75C00, 85000 e 105000, sna Arara
Ckilas matizadas a 400. rs.
Vende-; chitas matizadas finas a 400, rs.
i cGvado, ditas de cores a 320 e 360, rs.
Algodwinhe a 45000 rs.
Veode-se pegas de algod5ozinho a 45000,
I560O, COOO, 750O e 850C0,apeca,s
aa liquidjgo da Arara.
Liiiiiba matizadas a 320 n.
Poil d Chevre a 800 rs.
Vende-se poil de Chevre para vestidos de
senhora a 800 rs, o covado, lasinhas de
cores a 320, 280 e 240 rs..o covado, ra
da Imperatriz n. 72.
Orgaadis a 240 rs.
Vende-se organdis de cores para vestidos
de senhoras a 240,280 e 320 rs. o cotado.
Brilhantioas de cores a 500 rs.
Vende-se brilhantinas de cores para ves-
tidos de senhora a 500 rs. o covado, ditas
brancas a 500 rs. o covado.
Grande porgao de retalhos de fazendas de
todas as qualidades, a saber: chitas, cassas,
bfins e castores por barato preco.
Bareje de listras a 240 rs.
Vende-se bareje de istras para vestidos
Ven le-se lasinhas matizadas a 320 e 400, de 86nhora a 240 e 280 rs. o covado.
i. o covado.
Balees a loflO
Vende-se baldes de arcos a 15500, 15600
25000 cada um.
Luiros brincos a 25000
Vende se lencos brancos a 25000, 35000
e 355C0 a duzia, ditos com listras a 45000 e
65000 a dozia.
Alpacas de cores a 800 rs.
Veode-se alpacas de cores para vestidos
te senhoras a 800 r.-., ditas de filistras a
15000, ditas matizadas a 15200 o covado.
Lasinhas miadas a 500 rs.
Vende-te lasinhas de padrees muito boni-
tos e l'tn as cores para vestidos a 500 rs.
t covado.
Percalas a 400 rs.
Vende-se percalas pan vestidos de senhora
40O rf. o covado, ditas finas a 320, 360 e
400 rs. o covado, na loja da Arara.
Chapeos de sol de alpaca a 3o00
Vende-se chapeos de sol de alpaca a 35500,
ditos de seda fina a650O0, 85000 e 125000
peea um. ra d> .Imperatriz na oja tda
tquidagSo da Arara n. 72.
Rcupas feilas uacioual.
Vende-ae palitots de panno preto a 550O0,
65 85 e 105 caigas de casemira preta a
55000, 65000 e 85000, dita de ditas
de cores a 55600, 65000,75000 e 85000,
colletes de casemira de cores a 35000 e
35500, ditos de brim a 15600 e 25000, pali-
tots de brim a 25000,25500 e 35000, ditos
de alpaca de cores a 3500 e 45000, ditos de
ditos pretos a 35000 e 35500, mantas para
grvala a 140 rs, gravitas unas a 500 e
800 rs. cada urna.
Helas croas para senhora
a 45000, 55000 e 65500
Vende-se meias cruas para senhoras a
45000, 550C0 e 65500 a duzia, ditas para
meninas a 35500, ditas para homem a
450OO, 55000 e 65000.
Brim de llano pardo a 600 rs.
Vende-se brim pardo de liaba a 600, 300
e 15000, dito braoco finu a 15280, 15U0,
15600 e 25000 a vara.
Cassas francezas a 640 rs.
Vende-se cassas francezas fiuas a 640 vs.
a vara, organdis de cores a 720 e 800 rs. a
vara ra da Imperatriz n. 72..
de diversos
systemas os mais aperfeicoados que tem:
vindo ao mercado, sendo:
Baloes de goipur com tiras chamados
reguladores, ditos de mosselina abertos por
ambos os lados, de modo que sendo lodos
de um tamanbo servem rara qualquer
enhora, de la de cores, com tiras, e as
segnintes fazendas:
Saias de 13a com bonitas barras.
Cbales turcos de seda e 13a Beatriz de
Tendas.
Fitas de guipur pretos a Rocamboly.
Chapeos de sol para senbora, muito
lindos.
LSasinhas.
$Sultanes, Poil do Chevre, Tricte dito
de xadrez e outras muitas, entre ellas
ESPECIALIDADE.
L3a para de cores a 360 rs. o covado.
Basquinas a Mara Anloniete.
Cambraias fantazia.
D tas brancas transparentes e Victorias.
Colxas adamascadas,
Cobertas cbinezas a 25500 rs. e oulras
muas fazendas que lornar-se-bia enfadonho
annunciar.
PARA O BAZAR
DA
Jos& de Souza Sores # C-
Ra Nova u. 4o.
Rico sortimento de objectos para mimos:
coques enfeita los e lizos ultima moda, en-
talles de tora gosto para cabega, cbaposi-
nhos e farros de palha de Italia, Borndz de
lia e seda cores claras, moda elegante,
para senhoras de bom gosto, especial sorti-
uma ment de flores e plaas, novidade em lu-
vas de pelica para senhora, leques de snda-
lo, e de osso rendados, corerntes de plaqu,
firmas para relojios, especial sortimento de
miudezas finas, e artigos de moda e laxo,
continuadamente recebidos por todos os va-
pores viodos da Eur >pa.
ACABA DE SAIIIR A LUZ
I ACHASE
rMTt
&
P&
&%
XAR0PE*MASS
Os
da SEIVA
iPINHEIRQ MARTIMO
labJErj
J"!^'1"0* '}*l-'*raict>s e resinla -lo ,>inh mra.T'
nX^J^0 eptdtmico e tos* ,mmUa ji poilU |
m tamben, com o n.ais jnmle succes.o nas totuJUai
BTeio Huad(t alcairfio e i esencia de lereix-n
n outro lempo preconiuvo os mediooi.
lerebeolbine,
Deposito em Pernambuco, em casa de
atanrar O*.
AOS 500
a 180 e 200
s Na loja do Pav5o de Flix Perei-
ra da Silva.
Vende-se urna porgio de pali-
tots francezes sobrecasacos, de
^s fioissimo8 pannos, forrados de
seda pelo baratissimo preco de
205000.
Dilos da mesma fazenda for-
ga rados de finissimas alpacas pelo
yj@ barato prego de 185000 cada
Garante-se esta fazenda, que
pc-r este prego muito mais ba-
rata do qoe em outra qualquer
*$ parte e que se liquidan assim
4gg a dinheiro per se ter comprado
S* orna grande porg5o em liquida-
gao.
Isto s na ra da Imperatriz
s5 n. 60. loja do Pavao, de Flix
SS Pereira da Silva'.
Tabellas vermicidas.
DE
Antonio Kunesde CjisIpo.
Vermfugo efficaz, e preferivel a todas as
conhecidas ja pela certeza de seu resultado, e
j pelo fcil apphcagSo ascriangas, quasi sem-
pie mais atacadas de 15o terrivel e muitas
vezes fatal soffrimeoto.
nico deposito,
Pharmacia de Barlbolomeo & C.
84 ~ ra larga do Rosario 34
Frinha de mandioca,
Tem para veDder Joaqnim Jos Gonpalves
BeltrS, recentemente ebegada de Santa Ca-
iharina, a bordo do patacho portognz
RABE, fundeado defronte do trapiche dr
Lxm. barao do Livramento e para tratar
com o mesmo ra do Trapiche n. 17 ou a
bordo dt referido navin.
A VBNDA NA L1VR.MUA FRANCtZA A
RA DO CRESPO N. 9.
larkiaas tie tlestrucar algodo
Dottiogo Atves MathBos tem para vender en
seu escnpiorio oa roa do Vicario o. 31, saper.lo
rea mifhoas para descaroear algodo, de todos os
tmaoho9. __________
t Vende-se algan.i livroi demedloii homeopT J E OUtroi muito objectOl,
O TERCEIflO ASNO
JEHOBMl rEiSlMi:C450
OU MEMENTO DIARIO PAIlA 18G9
CONTENDO
MEIA FOLHA EM BRAKCO PARA CADA DA DO A^H '.
0 calendario do presente anno.Signass
do lelegrapho do Recife.A augusiissima
casa imperial.Corpo consular cstrangeiro.
Assoctefao Commercial Beneficente.
Tribunal do commercio de Pernambuco.-
Juizo especial do commercio.Junta de
correlores.Bancos.Servigo do eorreio.
Estrada de ferro do Recife ao S5o Fran-
cisco. Trilhos urbanos do Recife Apipn-
cos.Linras regulares de navegagSo a va-
por. Linhas regulares de navegago por
navios de vela do Havre Pernambuco.
Vapor de reboque.Sello proporcional.
Tabella dos emolauentos dos tribunaes do
commercio.Regulamento sobre i cendios.
Systema mtrico decimal.Tab.a de
cambo entre a Inglaterra e o Brasil.Qua-
dro dos divisores.Quadro do anno civil
Redug3> de pesos e med das brasileiras
com as d diversos paixes. Tabella do va-
lor d s moeJas de o uro recetidas na alfan-
dega.
Um bonito v.lume encadernado pelo m-
dico prego de 20000.
Vnrte-se ama ptima machina americana
para cevr massa de pao. Roa do Traplcbe D. 16
primeiro andar escrlptorio. ____'
Vende-te tres ca^as terreas e tres mia
aguas na ra do Principe: trau-s? na ro es-
trellido osario n. 17, pnmsiro and ar, das 10 as
S da tarde.
Vende se trelo moli fluo e o melhor possi-
vel, ebegado no ultimo navio da America, saceos
fraudes de 120 libras : a tratar oa travessa da
Madre de Dees n. 14.
ClacoCodcl'ortiaad "
Vende-se no armazem de Vicente Ferreira da
Cosa & Filho, a'.rta da Madre de Dos n. 21,
em nsrri gran.lM.
FUNUJQAO DO BOWMAN
0 cordeiro previdente
A ra do OacImaHlo a. 16.
Nevo o variado tortipwlo de perfuma-
ri$ fots, e olros objecl.
Alm do completo sortimento de perfu-
maras de qoe efectivamente esta provida a
loja do Cordeiro Presidente ella acaba de
receber um outro sortimento qoe se torna
notavel pela variedade de objectos, superio-
dade e qoalidades e commodidades de pre-
gos; assim pois o Cordeiro Previdente.pede
e espera continuar a merecer a appreciagSo
do respeitavel publico em geral e de sna
boa fregoezia em particular, n3o se affas-
lando elle de sua bem conbecida mansidSo e
baratesa. Em dita loja encontrarlo os apre-
ciadores do bom.
Agua divina da E. Coudray.
Dita verdadeirade Muiray e Lauman.
Dita de Cologna iogleza, americana, frn-
cela, todas dos melbores e mais acreditados
fabricantes.
Dita balsmica edentilrica.
Dita de flor de laranja.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir adcnlalgico para concervago do as-
seio da bocea.
Cosmptiques de superior qualidad? e chei-
| ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores com po-
mada fina para cabellos.
Frascos com dita Japonesa, transparente
e outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos e fran-
cezes em frascos simales e enfeitados.
Esencia imperial do fino e agradavel
cheiro'de vitlele.
Outras concentradas e de eheiros igual-
mente fios e agradaveis.
Oleo pbilacome verdadeiro.
Extracto d'cleo de superior qualidade com
escollados eheiros em frascos de differentes
tamanhos.
Sabooeies em barras, maiores e menores
para m3os.
Ditos transparentes, redondos e em figo-
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixiohas para barba.
Caixiuh3s com bonitos sobonetes emitan-
do fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo fi-
nas perfumaras, mui proprias para presentes
Ditas de papelo igualmente bonitas tam-
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos.e de mol-
des novos e elegantes com p de arroz
noneca.
Especial p de arroz sem composigao de
cheiro e por isso o mais proprio para criaoga.
Opiata iogleza e franceza para deutes.
Poz de champhora e culras differentes
qualidades ti iibem para denles.
Tnico oriental de Kemp.
AinJa mais coques
U a outro sortimento de coques de novos
e boni'O) moldes com filets de vidrilbos, e
aigum dees orna ios de flores e fitas, esto
todos expostos a apreciag3o de qoem os pre-
tenda comprar.
Gollinaas e puchos bordados
Obras de muito gosto e perfeigSo.
Flveilas v. t is para cintos
Bello e variado sortimento de taes objectos
ficando o boa escolba ao gosto do comprador.
Flores fias
O que de melhor se pode encontrar nesse
geaero, sobresabido os delicados ramos or-
va'hados para coques.
?ara viagem
Bo'sas de tapete e carteiras de conro por
precos commodcs.
Cbapelinas de palha da Italia mui bem
enfeitadas e enfeiles de flores obra de bom
gosto.
E assim mnit-js oatr>s objectos que serlo
presentes a quem se dirigir a dita loj i do
Cordeiro Providente a ra do Queimado n.
10. _______
Grande iqudacSo"
O proprietario da amiga e bem conbeci-
da loja de miudezas, denominada Beija
Flor, a ra do Queimado n. 63, qoerendo
acabar com o sortimento de miudezas que
existe, tem deliberado proceder a urna com-
pleta liquidagao. para o que chama a atten-
go de todos.
Sapatos de tranca e tapete 10500
Garrafa de agua florida verdadeira 1300
Frasco com extracto em sapatiobos 400
Ditos com.oleo 400
Ditos de agua de cologna pequeos 5G0
PARJl FAMILIA*
Graade Itaiar, na Nava i. SO 11.
de Garoeiro Vianna C.
Acaba de ebegar a este esubelecimeni'
grande porgio de machinas pira costurii
do aulor Wheeier Wilsoo, approvada* D>
ultima exposigSo de Paris, as qua cese
com doos pospontos toda a coalora, e tem
vantagem de ser to suave o movinento.
que qualquer crianga de oito anuos fecil-
mente trabalba, e pode, com este entretem-
ment, levar vantagem ao servigo diario d
trinta ees oreiras. A compreheoso sin>
pies, pois em um quarto de hora se fica se
nhor do movimento da machina, toado >
mesma a propriedade de fazer as seguinte
costuras: pospontar, embiinhar, framir,
marear e bordar, como apresentam os deta-
nhos que acompanham as. Os proprieta-
rios do eslabelecimento se encarregam d
mandar ensinar n'esta cidade, e garante
entregar o importe dispendido ao compra
dor, no caso de n3o trabalhar com perfeicit
a machina vendida, nao tendo, porm, sol
frido ella algoma avaria. Ha tambem n
me.mo eslabelecimento machinas do ante
Grower 4 Baker, de trabalho simplesmeuti
m3o. e outras com movimento dos pe;
e mxime todos os pertences das mesma
machinas, para vender avulso.
Ditos de ditos de Piver
Dito com banha
Ditos com tnico
Ditos com oleo de philoceme
Ditos com extracto e banha
Bandejas de 900 a
1 Jogo de esporas
1 libra de la para bordar,
surtida a
Duias de colxetes francezes
sorteados
Ditas de colberes de metal fi-
para sopa
Ditas de dita metal fino para cha
nol conxa de metal para tirar assucar
T4SS0 1KMA0S
Tem para tender cm saos rmateos, alea *
outros, os seguimos artigos :
Papel para imprimir.
Perlina ainl.
Grave pautado a lixo.
linbos em caixps de doie garrafal
Borgogoa.
Hery.
Maddra.
Hermltooge.
Chamblis.
Licor de Coracao de Hollanda em calsaa da *i
te quatro botigiobas.
mm
Notarmazen de Tasso rmjos.
GRABES DE FERBO
para jardias, porteira. etc.
Nos armazens de Tasso L*'
m&os.
CARRITOS DE FERRO
Para servicos de graades araaiens para reno-
var barricas ou caixdes de um para outro lado pali
mdico pre^o de lif cada um.
Farinha de trigo de Triestre
Das melbores marcas Panonis (verdadeira) Fot-
Una egraniinrtiroentodas melbores marca i
farinhas am r'ranas.
Saceos dA farinha de trigo do
Cbyle
Todas novas, ebegadas ltimamente dos araui
tens de Tasso Irmos.
Cimento romano
Nos armazens de Tasso Irmaos.
Cimento hydraulico 2^
O melhor para lado que sao obras aira agua co-
mo asseniTQeBto de canos de agoto, algero;a,
depoit" e'nones d'agna, eic.eic. : em porc5e?
de cinr'- barricas se fara* rednegao no preco :
nes arans de Tasfo Irmos.
Cemento Portland
O verdadeiro cemento Porlland em casa da Tas-
so Irmos.
Grades de ferro, cercas, porleiras,
etc., etc.
De differeDies qualidades para cercados da ail
maes, chiqueiros para paliaba oo jardias: dos ari
mateas de Tasso Irn is.
Barris com bren
Nos armazens de Tasso Irmos.
CANOS DE RARRO
Na roa nova de Santa Rita, na antiga
IfSOOO
jjqO de sabao ba para vender por preco o mafs
i KnQA'possivel, canos francezes para edlflcac5es e eigoioi
fabrlw
moJici
52.
Rna do Broa
Blachkias de vapor.
Rodas d'agoa.
Moendas de caima.
Taixas de arro, batido e fondto.
Rodas dentadas, para moer com
ftpor e animaes.
tic. etc., pw-
agoa,
D bom estado: na roa da P^oba o. 30 2* andar, prios para agricuKura,
Duzias de coleres para sopa
Ditas de dilas paracb
Duzias de cartas francezas
Ditas de ditas portuguezas
1 totuadura para colleto
Pares de brincos finos
Di'os de ditos ordinarios
1 capelia fina para Boiva
Pares de luvas fio da Escocia
branca e de cores para bomem
Dita de ditos fio da Escocia branca
e de cores para senbora
1 fita para simo de menina e se-
nbora
1 caixa com bnnquedo a
crianzas a 800,10000 e s par
Espelbos de Jacaranda de diver-
sos tamai-hos a 20500, 40000 e
Pares de sapatiobos de casemira
e duraqoe para meninos a
Pecas de cascarrilha de sedada
diversas larguras a 900,10000 e
> Ditas de dita de la
1 caixa de obreias de cola
1 enfiador de eordSo e fita
1 talber de cabo de balando lizos
para menino a 220 e *
Pecas de gales para enfeites de
vestidos a
1 escova fina para limpar unhas
1 dita para unhas
1 pente preto para barba
1 caia com apparelhos de chumbo
a t*0, 10200 e
I boneca de cera a 10000,10200,
10000
10000
10800
800
70000
9C0
40800
20iCO
600
20000
10OtO
203oO
10700
360
400
200
30200
600
600
900
20640
40500
10200
10300
600
80
60!
320
20500
800
300
300
10500
de toda a qualidade, superiores a todos otquaaqi'
tem apparecido pela sua solides.
PRECOS.
IfiOO por cano grande de 3 e meia pollegada,
1^200 por dte de S e tres quartos de dita.
10000 por dito de 2 e um qoario da dita.
500 ris por pistoleta de 2 pollegadas.
Coto vellos, curvas e canos da malor grossura
avista se fara' o preco. Compras maioree d<
2000000 tem 5 por cento de descont por prompte
pagamento. Pode se ver as amostras dos arma-
zens de Tasso Irmos.
lijlos francezes
Para ladrllhar casas terreas com assaio a preet
mdico,muioconvenientes e proprios para ladri
Ibosdecozmhasem sobrados, pelo seu assaio*
evitar a pasiagtoi de aguas para o andar Inferi!
e mesmo o perigo de fogo, aos precos de 303 >
45* o milheiro: na ra nova de Santa' Rita, na an-
tiga fabrica di sabSo, t compras maiores de 200J
se fara' 8 por cento de descont por prompto pa-
gamento. Pi.dem se ver as amostras bos armaxaa
de Tasso Irmos.
Velas da eapermacete verdadeiras para lanter*
aas da carros: oo armazem da Tasso Irroao.
Vinbo do Porto fino, superior: no armazem da
Tasso Irmo.
O melbor ecgnae Gacthier Preres: no armtl
tem de Tasso Irmo,
Esteiras da India
Em casa de Tasso Irmcs vende -so esteiras da
lodia de diversos padroes e larguras, per prtco
com modo.
Baratissimo.
30200, 40*300 e
1 apparlbo e porcelana para al-
owco e jaataM^
50000
20000
Calcado nacional, na fabrica de Jos Vicente Go-
diobo & C, a'ruado J.rdim n. 19, avlsam aoi
seos fregones desta capital e do interior, qne con-
tlnoam a fabricar calcado em alta escalla, e offera-
cem as melbores condi^es, tanto em preco come
em qoali-Jadj. O-, proprietarios deete esubfleci
meoto chasiam a atteoco dos Sra. coosomidorea
do iotirt.T que os qolzerem honrar com ?na fre-
gueii3. especificando em seos pedidos aqdaliJade
e nomeragao, i'tbrecendo*se para oa eniregar bem
acondicionados era eaea de seas correspondeoie
neita pracs.
~~ CABRIQLET
Vendis* um cibnolet da duas rodas em
astado : a tratar na.roa do Vigario n. 31.
bom
GAZ GAZ GAZ
rjliaron so sntigo deposito da Renrr Porsttr d
O, rna do Imperador, aa carregamento da gu dt
primeira qualldada.o quai sa Tanda em parttdaa
i retalbo por manos pra^o do qu su ouir, ^uai
uar parta.


i>
*!9
s
V
lai JPcrmuIBe Quarta felra t3 c Dezentbro i 1M8.

I
V
i


*J -*
.

f>
0
!. 3 Rna da Iinperafr!z IV. 3.
Fabrica de ornamentos de igreja.
Artigos de religie e de piedade.
fia sempre grande e variado sortimento de damascos, sedas etc., de (odas ai cores
asadas pela igreja; franjas e galoes de otiro fioo, entrefino e falsos, e de retroz para
Grande liquidaeo
Tender a retalbo.
Loja do .Gallo Vigilante
RA DO CRESPO N. 7. .
Mandou vir .de sna coma e acaba de
rececer pelo ultimo < vapor, completo sorti-
mento de objectos de covidade e fantasa,
osquaes eMio resolvidos a vender por pre-
cos nimiamente baratos, para assim animar
aos concurrentes e ao me.'mo tempo dar sa-
hia ao grande deposito qno tem, Uto roa
do Crespo n. 7, e-ja do G*llo Vigilante
Gollirrfws, puntaos e csmifinbas para sa-
nlrra fazendas de posto e novidade.
Fins vestuarios p*ra baptisados, assim
como tooquinhas, sapatirlbos e raeiasinbas
paraome-mofim.
Grande sortimento de bicos e rendas de
croch e de outras muitas qualidades.
Superiores caixas com msicas e sem
fl!a, tendo o neceas? rio para costura pro-
prtas para um delicado mimo.
Finas caizas coar testos, e sem elles para
voKarcte.
Agolhas para machina Je costora.-
Uitas p?ra crocit sendo de ac, marfins
e entras muitas qualidades, aspira como fri-
onas para o mesmo mister.
Fxnas grinal ias para noivas.
Meiasde borracha para qaem sofltfde
Sryrlsipella, assim como "meias de 13a para
<",s que soffVem do reumatismo.
Suspensorios para hornera e meninos.
Finos pentes de tartaruga para coques e
-de outras muias qualidades e para ocitros
inisteres.
Dedafs de raadrepfrola, marfim/osso, ac
?" metal ele, etc.
Soperior agua Cosroeocome para lingir
cabellos, dando aos mesmos a 9ua cor pri-
mitiva.
Completo sortimento de finas perfumaras
e dos meibores fabriontes, assim corxomui-
tos outros objectos que t impossivel des-
cever, sto so na roa do Crespo d. 7, loja
do Gallo Vigilante.
Collares Royer eletricos magnticos con-
tra as conveKoes das enancas para facili-
tar a deoticrao &< mesmss, o Gallo moito
amigo re&bedor destes prodigiosos collares
continua a ter sempre grande deposito
ra do Crespo n. 7.
cir-ncia medica
PREPARADO PP1
Lanman & Ketnp,
para phtbisica
0 toda a qualida-
de de doencas
quer seja na gar-
ganta, peito oo
bofes.
Express a-
mente escoltado
dos meibores fi-
1 gados dos quaes
jse extrahe o oleo
no Raneo da Ter-
ra Nova purifica-
do chimicalmen-
ip, e suas vaina-
veis proprieda-
des- conservadas
com todo o cui-
dado, em todo
o frasco se ga-
rante perfeita-
meete poro.
Este oleo tem
sido submettido
a um exame
muito severo, pelo chimico de mais talento,
do governo bespanhol em Cuba foi pro-
nur nciadod oteoelle a cor
maior porcSo de iodina
do que outro qualquer oleo, que elle tem
examinado.
lodine um peder salvador
era todo o ol o de b'gado de bacatso, e na-
quelle do qual contera a maior porcSo d'es-
ta invluvel propriedade o nico meio
para curar todas as doencas de
garganta, peilo, bofes, figado,
tbislca, bronebitea, astbma
catba rro, tosse, res-
fr'amentos, etc.
Uns poneos frascos d carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista, e d vigor a
lodo o corpo. Nenhom outro artigo conhe-
cido na medicina ou sciencia, di tanto nu-
trimento ao systema e encommodando quasi
nada o estomago.
As pessoas cuja organisacao tem sido des-
truida pelas affecces das
ESCOFULAS OU REUMATISMO
e todas aquellas cuja digesto se acba com-
pletamente desarranjada, devem tomar
O oleo da figado de baealbie
DE
LANMAN KEMP-
Se que desejam ver-se livres e isemptas
d enfermidades.
A qual preparada smente pelos nicos
proprietarios
LANMAN &EMPK
NOVAMENTE CHEGADAS
do
AO ARMAZEM
a dinheiro
NA LOJA B ARMAZEM
DO
Tondo-nos ebegado ltimamente fazendas iLteirameote novas, por sso convi-
damos por esta meio ao respeitavel publico, a que nos procure a comprar fazendas de
bom gosto e por precos qne nao acbar em opm qualquer parte
Admirem I
Madapoles finos a 5, 6, 70 e 85000 rs.
s no armazem do Leao.
Chitas escuras de padroes lindos por pre-
oo de 320 e 30 rs. o covado.
Cassasas de cor com palroinhas e com lis-
tas de diversos padroes a 240 o 320 rs.
Lanzinhas cimentas e cor da boninas a
320 o covado.
Chitas claras mtadinbas a 320 e 360.
Alpacas pretas e de cores lindas propriai
para vestidos a 680, 700 o 800 rs.
Pecas de cambra ia transparentes a 4oVW
o 6. Por este preco admira a todos!
Cortes de casimiras de quadrinu.es e listas
a 25800 e 3O)0. Corpiubos brancos para
sentara a 3* e 30200.
peeainena I!
Cortes de csssineta de cores para oleas e
palctots a i5000.
Cassineta de cores com nm pequero to-
qoe de moto a 400 rs. o covado.
Espartilbos muilos tinos a 45500, 50000
e 5^500.
Admira 1!!
Gravatas de seda a 500 rs.........
Lftcos bordados* 65,655000 e 125^00.
Ricos e bem esco'hidos gestos de bismaks
aira calcas e paitftjtsa 2550C> o corte.
Tarabea tem para acabar pecas de panno
do linbo, com 27 varss, a 175 e i 85.
Tcalhas de lintio para rosto a 105 a dn/ia.
AOS SRS. ARMADORES DE EiNTERROSj
Vpbl'o-S8 pec*s a oOOO : ja ra da Imper*trit n. 48 e Si.joDto a
podara frarceza, !< a do Li o.
Attencao roupas feitas 1! no armazem
do LeSo, roa da fmperatriz ns. 48 e 52.
Assim como temos um grande, completo
o variado sortimento de ronpas feitas: pa-
litots sacos, sobrecasacos, fraques, jaqnetow.
PAVAO
REA D 51IPERTfif2 >0
D*
Flix Pereir'a da Silva, successor de Gama & Silva.
O propietario d'este estabelecimento convida ao resteitavel poblico desla ca-
pital a vir snrtir-se no grande estabelecimento que tem de fazendas. Unto da moda como
ae re, e as pessoas que negociara em pequea escalla, tanto da praca como do matto
nesta casa poderto fazer os seus eortimentos em pequeas e grandes porc5es vendendo-
se-ibes pelos presos que se comprara cas casas inglezas; assim como as excllentssimas
laminas, poderlo mandar buscar as amostras de todas as faiendas, ou mandaremos levar
m suas casas pelos nossos caixeiros, para o que acha-se este estabelecimento abeito cons-
tantemente desde s 6 horas da manba s 9 da ooit.
O atoalhado do PavSo.
Vende-se superior atoalhado de algod3o
com 8.palmo8 delargra, adamascado ?
25200 a vara; dito de linbo fazenda muito
superior a 34200 a vara; guardanspos de
linho adamascados a 45500 a duzia e muito
60.0B a 85000, e ditos ecouomicos a 35500
a dozia.
Crochs para e(lc'*ra8 na loja lo
Pavta
Chegaram as mais lindos panos de chro-
cb ou guarda bantras, proprios para ca-
deiras tanto d'encosto, como de balanco e
de goarnieSo, e ontros compridos para so-
t, assim como ditos redondos rara mezas
redondas, ditos peque.no para almofadas, e
ditos para cobrir presentes tendo peiiuenos
?t para cobrir um prato, que se veodem
por preco incito em fionta, na loja e arma-
zem do Pavao roa da Imperatriz n. 60 de
Flix Pereira da Silva.
Golinbas bordadas a 500 rs.......... f No armazem do LeSo 11
LaazlDhas 200 rs. I
La azi i; has .5r0 rs. I I
Laaziobas a 200 rs. I I
No armazem do Leo,
rives e padarit francesa.
ANOVA ESPERANZA
21Rua do Queimado- 21
E* para prcsesles,
A Nova Esperanca, a' ra do Queimado n. 21
tem um variado sortlmeoto de objectos de porto e
pbantasla proprios para presentes, sotresabmdo
entre elle- ricas calxiobas de bano com fioas per-
fumaras, coslureiros de fhagren, agolbeiros de
madreperola : zs^im, pois, qoem quizer fazer orna
linda offeita, dirigirse a' Nova Esperanza, raa
do Qoeisiado o. 21.
Para baplisa(R>s.
A Nova Esperanca a ra do Queimado o. 21,
tem ricos vestuarios proprios para bapsados, a-
patiobos, meias de seda e So da E;cossi para o
memo Bo.
Collares anooinos elleetto magnticos
contra as convulcoes das creaireas.
Nao resta a menor dovida, de que muiios"coila-
res se veodem por abi intitulados os verdaderos
de Royer, e eis porque amitos pats de tamias
eio creem (comprndoos) no effeito promedido, o
que s pdem dar, os verdadeires; a Nova Espe-
raDca, porm que detesta a falsiflcacao principal-
mete no que respeita ao bem estar da huaacida-
da, fez Bma ncommenda dircri.. destes collares,
e garante aos pas de familias, que sao os verda<
deiros de Royer, que a tantas creaocas tem salva-
do do icrrivel ineommodo de cogvalQoes, assim
pois preciso, que venbam a Nova Esperanca a
ra do Queimado n. 21 compr^rem o salva vida,
para seus Qlbinbos, antes que estes sejam acoro-
meittdos do lerrlvel mal, qnando entao ser difli-
cit alcaocar-se o effeito desojado, embra sejam
empregados os verdadeiros collares de Royer.
Aos amantes das cacadas
Comroodae boleas propriaa para* os cacadores,
veode-se a* jua do Queiaiado o. 21, leja da Nova
Esperanza.
Preparo, para flores
A Nova Esperanca, a' rna do Queimado n. 21,
tem um completo >rr'tluieuto de prepares para flo-
res, como seja papel para folbas, dito para petulas,
catisi, botte, (ulnas de panno e todos os mais pre-
pares para formar-sa nm ramo ou gnoalda, com
goslo e perfeicdo.
Agua divina.
A Nova Esperanca a raa do Qaeimado n. 21
receben oeva remeisa de verdadeira agua di-
vina.
para eitingnir as sardas e pannos
Receben a i\\va Esperanca, a' raa do Qaeimado
o. 21, leite de rosas, upecial para extinguir sardas
e pannos.
Para alvejar e conservar os denles, receben a
Nova Esperanca, a' raa do Queimado n. 21, o ver-
dadeiro poz de rosas e o elixir denlifrico e o don-
talgico.
calcas, coletes, camisas, seroula?, chapeos, "rr5,r?.(..
te udo por precos que admira !!! i ?0*Jf>nf*AnA VES1 lOS BRfcos V ".
'*/. f v v m | Vendem-se os mais modernos fstoes
w. .-.K. .m^mm An ,n,o Drancfs flexiveis com padroes de listras e
Tem tambera nm sortimento do roupas desalpicos iog f, Ai
de menino abW o covado, fia loja
armazem dr> Pavio rna da lmpertri2 n. 60.
De Felii Poreir.i da S!v.
Sr BKrJ3.
Organd* bmifr, 'i o, tuuiio fino a 800
rs a vara cao com quadros ou listas, fa-
zenda muito superior a IS ; fil de linbo
hranco com pahiubas, fazenda muito fina a
640 rs. a vara.
CJrosdeDapIeo.
Cbegou para a loja do Pavao pelo ultimo
vapor um grande sortimento dos meibores
j grosdenaples pretos e de cores, tendo verde
tambera, que se vendem mais barato que
ordinarias por preco baratissimo.
Acaba de ebegar tambera um completo
sortimento de damascos de cores, sendo
azcl, amarelle e c-r de caf, etc. que se
vende por preco commodo.
iEBSra!
No armazem do Leao I! I
No armazem do[Leo i I
No armazem do Leao!! I
i roa da Imperatriz es. 48 e 52, junto
loja de n-
MADAPOLO A 3:500.
Vendem-se pecas de madapoUo fino com
12 jardas-pelo barato preco de 3:500 a peca,
dito com 24 jardas a 7000, na ra da Iin-
perairiz n. 60, armazem de Flix Psroira
da Silva.
Liasinhas
A dose vintens.
a Joze viutens.
A doze vintens.
Vendem-se ISasinhas de cores mnito bo-
nitas com desenbos miudinhos e grandintos
com listinbas e pintas pelo barato preco de
240 rs' o covado na loja do Pav5o ra da
Imperatiiz n. 60.de Flix Pereira da Silva.
As eambraias do Parte
Vendein-se finissimas pecas de eambraias
lizas tranparentes tanto inglezas como sois-
sas tendo mais de vara de largura, pelos
precos de 5i>000 at 10,5000 a peca, assim
como finissimos organdys branco liso qne
serve para vestidos de bailes, por ser muito
transparente a 1,5000. a vara, na loja do
Pavao roa da Imperatriz n. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Fnsto branco para vestidos a 640,
Na loja do PavSo vendem-se os mais
modernos fuvtoes brancos de listas e cordSo
i muito encorpado mas moito Dexivel, pro-
prio para vestidos, roupoes, perneadores etc.
etc, e roopa para meninos, pelo barato pre-
BAZAR
c*W
J;ha anecdtica
PARA 1868.
adaptada ao rispadode Perninbnco.
320 rs.
Galhofeiros fregoezes que as reoniSes
fimitiares gostais de f-.zer rir com as asneiras
A js outros vinle comprar esta fulbinba qo
a!em do Kilemiario, vos offerece urna esco-
ihida colle?3o de anecd'Has.
Vindo alegres convivas, que por diminuto
preco, comprareis alguns instantes de inno-
cente entretemento.
Linaria Franceza.
'
BWrai rtoPottt
De tidisascore: vente se nt escriptorio
I. A. Morelra Dtas, rna da Crox n. 50.
de
Grande hotel deBo/deaux
Ba larga do Rosario a 44
A' VENDER.
Este estabeleeimeoto comprebende ara primeire
e terceiro andares: o prlmelro se coauoe de orna
toa salla de frente, com om bllbar dillnminacio
a pat, om dos meibores buhares de ternambuco,
tem coobecido por todos os Jogadores, a salla con-
tera alada mesas de mar more e de madeira, ca
deiras e tamboretes, de orna sala de jamar com
mebilia ccmpleta, urna benita armaco, de c.-iinba
e dispensa coro todos os seas utencilics. O terceiro
andar comprtbende oiio quartos mobiliados, sepa-
rados e bem fetxados. Ha tambera nm cuota!
destinado ao deposito, de viobc para o servtgo do
hotel, mais orna bella iliumioaeso na frente do so*
brado: guara pretender podo dirigir-se ao referido
botcl. ___________________________
~Altas novidades'
A loja do Paaso roa do Crespo o. 7 A acaba de
receber para a festa :
Sedas furia cores ultima moda,
Riqusimos chales da looqaim da liadas cores.
Ricas manas pretae de blond.
Basquina de guiparas ultima med.
Cbapelinas de palba da Italia e seda ricimente
ecfeltadis.
Gorros te palha eafeilados de velludo, fatenda
de foeto e ultima meda.
Riqaissimos chapeos e enfdiles de diversas qua-
lidades e gosto?.
Lindes corplnbos da cambraia eafiladcs com
primor.
Rodea franjadas pa-a coque, ultima moda, isto s
a' loja dt Patio, roa do Crespo o. 7 A, esquina da
do Impertlcr.
Jos de Souza Soares C.
Raa Nova n. SG.
Esquina da ra de Santa Amaro.
Chapis de si para atneas
De seda trancada, armacio logleta, cabos da
moda, vendem-se pelo baratissimo prego de 16* ;
ditos fraocezes de boa armago e seda a 64500,
8 e IOa ; ditos para senhnras a 545C0, no bazar
da moda, na rna Nova n. 50.
Parasenhoras
Camizlnbas de cambraia bordado, de muito bom
gosto, golinbas e ponhos, multo finos cintos de laco
e ponas bordadas preos e de cores, fazenda su-
perior, ditos sem laco e ontras qualidades, ricos
veos pretos da moda para cabera e para chapeos,
endites de flores Boas pira caneca, coques da ulti-
ma moda e muito* outros artigos de moda e de lo*
lo, que continuadamente eneontraro oc bazar da
moda na roa Nova n. 50.
Flores e plomas.
Recebemos om especial sortimento de ricas flo-
res e plumas para enfeilen de caneca e chapeos que
{lela sna qaalidade o perfei mendaveis, vendem-se por commodos precos; no
bazar da moda na ra Nova n. 60.
Varilladas.
Candieiros a gaz, jarros para flores, bellas de co-
res para jardins, figuras de porcelana para cima de
mesa, brinqnedos para enancas, perfumaras dos
mais acreditados autores, espartilbos para senbo-
ras, escovss para denles, onbas, chapeos, (acto e
cabello, pentes de todas as qualidades, raelas, n-
eos, seroulas, camisas, colarinboa, gravatas, eofei-
tes de todas as qualidades e onlros maMos artigos
que s com a vista podem ser apreciados no bazar
da moda na roa Nova n. 50, onde todo se vende
por re;umidis-imos precos.
Chpeos para homens
E' ebegado om bello sortimento dos da olUma
moda de Paris, sendo de seda, de castor branco
e preos, a* Johnson e a' moda imperial, fazenda
moito superior e formas de muito bom gosto, sao
vendidos por mdicos precos no bazar da moda na
roa Nova o. 50.
Bonete para meninos
Um bem escolbido sortimento dos qne se pode
desejar pelo bom gosto e qualidades superiores,
veolem-se por preg, s resumidsimos no bazar da
moda, na ra Nova n. SO.
Chapeos para senhoras
Chegaram de palba de arroz e da Italia, fazenda
superior e de gosto mu delicados de Parts, para o
bazar da mola, na ra Nova n. SO.
Oliapelinas para senhoras
O mais delicado e mi Idea das ultimas modas da
Paris, cnegarato o que pode baver de melhores
gosios, e que pela elegancia de seas enfeites tor-
nan)-se rerommendaveis, oo bazar da moda,-na roa
'em outra qualquer parte.
Lencos brancos a 15600 a dozia..
Vendem-se lencos brancos de cambraia de
algodo a 10600 e20 rs., ditos de linbo a
3d500 e 4($ rs. a dozia, na loja e armazem
do Pavo "roa da Imperatriz n. 60,|de F-
lix Pereira da Silva.
CHALES A 20000.
Atiendo
Vendase orna tatema no logar Boiia-VeraV, na
Capunga n. it, com poucos fupdos e bemafregue
tadaipj(| noloffVtd eitsie elta, Vende-so por-
que o dono tem de retirar-se, e es apurados mos-
trar ao comprador.
Boa venda
Vende-se urna taberna na fregnezia de Sinto
Antonio, em urna das principe ra, com paocos
faades a afregnecada para a ierra e'para o mato;
a casa propria para um armazem e tem commo-
dos para familia. O motiv da vHHa te dfra* ao
comprador : qaem pretender informe-seno paree
do Cirmo n. 9.
Nova n. 50.
Luvas de Jouvin
Recommendamos as verdadeira deste autor, ca-
jas sao brancas e de cores decadistimas, para ho-
mens e senhoras, encontram se> mnilo frescas cha-
padas pelo ultimo vapor, no bazar da moda, na ra
Nova n. CO.
{stampas fioas clerida e a faino.
Retractos de santos, vistas das principaes cida-
des da Europa e America, vende se a 14000; oo
bazar da moda na ra Nova a. 50.
HEURON l G.
Na ra da Cruz n. 19.
Vdmle-se rap grosso a imitacao do rolSo
f>aneez.
Rap meio gresso prioneza Babia.
Rap fino pnnceza da Babia.
Cigarroi de superior qualidade.
Vendem-se chales de merino com boni-
tas barras, pelo baratissimo preco de 2(5000
e 2A560 rs., na loja do Pavao ra da Impe-
ratriz n. 60. de Flix Pereira da Silva.
PECHINCHA A 3:500.
Cortes de 19a a 3:500.
Cortes de 13a a 3:500.
Cortes de la a 3:500.
Laazinhas a 280 res.
Laazinhas a 280 res.
LSazinbas a 280 reis.
So o PavSo.
S o Patao.'
SO o PavJo.
Vendem-se benitos cortes de ISazinbas
para vestidos com padroes moderos tendo
cada um corte 14 covados pelo barato proco
de 3:500 rs, assim como ditas em pecas
que se vendem a 280 rs. o corado, sendo
grande pechincha na loja e armazem do Pa-
vo roa da Imperatriz 'ja. 60, de Flix Pe-
reira da Silva.
Bakadiaboa
Vendem-se finissimos babadinbos, tiras
bordadas eentfemeios, mais baratos do [que
em outra qualquer parte, assim como espar-
tilbos dos mais modernos, no armazem de
Flix Pereira da Silva roa da Imperatriz
n. 60.
ALTA NOVIDADE
loja do Pavo
GURGURO DE SEDA
Chegaram pelo ultimo vapor os mais bo-
nitos gurgur5es de seda, proprios para ves-
tidos, sendo lisos e lavradinbos, com muito
lustro, garantiodo se qne a fazenda mais
linda e de mais pbantasia que este anno tem
chegado a este mercado, e vende-se por pre-
co muito razoavel.. na ra da imperatriz n.
60 de Flix Pereira da Silva.
SEDAS DE LISTAS
PARA
VESTIDOS
Chegaram as mais modernas sedas listadas
para vestidos, sendo comas cores mais moder-
nas* que tem viudo ao mercado e vendem-
se por preco muito em coota por estarmos
muito prximos da festa, uto na loja doPa-
v3o, ra da Imperatriz n.* 60, de Flix
Pereira da Silva.
?o de 640 rs. o covado, na loja e armazem l0 J? ?
de Flix Pereira da Silva.
Sedas com listinbas i 35 rs o corado
Vendem-se as mais modernas sedas de
listinbas para vestidos, chegadas pelo ultimo
vapor com as cores mais modernas qne tem
vindo a este mercado, pelo barato preco de
32 rs. o covado, na ra da Imperatriz n.
60 de Flix Pereira da Silva.
Alpacas Imadas
Chegaram pelo ultimo vapor as mais mo-
dernas alpacas lavradas com as mais lindas
c. res, que. se vendem a 10000, o covado,
ditas lisas tendo tambem cor de canm a
800 rs. ditas mescladas muito finas a 1:200,
LOJA 1)0 PASSO
Rna do Crespo n. 9 A, cquina
da do Imperador,
O dono defte inr prtame estabelecimentc
tendo recebido de sua conta, pelo vapor
francez Guientie. divews ?riipos dealu
novidade prorrios para a festa, o codscio (t
que seo esiabelecirrento e rcha bmf'i'
lido, irircipalmente em artipos r?e rrr-da.
pede ao respeitavel publico e rm partin-l r
aos secs numeraos frfgrczes a bt Ddsde de
o homar com sua eot6aa{a, garsiirdc-lLts
serem b mente hartos. Venbam pois tcrJos cera-
frar novas e lnd?sfazendas teas edeslta
novidade, como bem;
Riqusimos cortes de blond.
Riqnissiraos cortes de seda de cores.
Sedas de lindas cores para covados.
Moireatique, szu!, verde, branco e pret.
Gnsdn'ples azul verde, brinco c |
GorgurSo branco e [reto.
Setim branco mrcau.
Cortes de seda c< m dtias satas.
Cortes de la escesse/a cem duas caas
Cortes de 15a e seda, novidades.
Poil de Chevre de lindas cores.
Alpacas de cord3o, lindas coros.
Ditas lisas de todas as cores.
Cortes de vestidos de cambraia bordadoi
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas
Fronhas de linho e- m lindos bordados.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Chapellinas de palha da halla.
Ditas de seda de cores e pretas.
Enfeites para caberla de senhora.
Coques de todas as qualidades.
Basquines de seda enfetadas cm primor
Leques de madreperola, maifim, saada-
Camisas bordadas para tomens.
Colchas de algod3o e seda para cama.
Ditas de crochs psra cama.
Pannos de aeches para cadeiras e soff
Chapees de sol de seda para Eeobtraa.
Espartilbos para senhoras.
Tuaihas delabyrintcs.
Lencos de labyrinlo.
Fronhas de labyrinto.
Biccs, rendas e grades.
Finissimas eambraias de core?, perea'es,
l3as e outros muitos artigos de gosto e no-
vidade.
L'ja da Passo ra do Crespo n. 7 A es-
fe covado, e outras muitas fazendas de gosto qnina da do Imperador.
e moda que se vendem mais barato do
que em outra qnalqoer parte, no armazem
do PavSo, ra da Imperatriz n, 60, de Flix
Pereira da Silva.
Organdjg de cor
Vendem-se organdys de cores com pa-
droes miudinhos em assentos brancos e de
(ores pelo baratissimo preco de 360 rs, o
covado, finissimas cassas francezas com deli-
cadas cores e bonitos desenbos a 320 rs. o
covado e ditas a 300 rs, na ra da Impera-
triz n. 60, armazem de Flix Pereira da
Silva.
Ronpas para homens
Vcndem-se superiores palitts de pao
sobrecasacos forrados de alpaca e de seda
camisas inglesas e francesas com os peitos
de esguiS), ceronlas francesas de linho e al-
godao, meias croas inglesas superiores, ca-
misas de flanella e de meia de 13a, assim
como neste estabeleeimeoto tem om grande
sortimento de panos pretos, e de casemiras
inglesas de cores, e que se manda fazer
qualquer obra a contento dos Srs. fregue-
zes, e promette-se-lbes que serSo servidos
com a maior promptidao e muito mais ba-
rato do que em outra qualquer parte, na
ra da Imperatriz .n. 60 de Flix Pereira
da Silva.
Cortinados
Para camas, ejanellas
* Vende-se m grande sortimento dos me-
lhores e maiores cortinados bordados pro-
priospara camas e para janellas, que se ven-
dem a l;5000 rs. cada par alh 25i$O0O
rs. isto na ra da Imperatriz n. 60 de F-
lix Pereira da Silva.
Chitas
Vendem-se as melhores chitas escuras para
casa sendo de cores flxas, pelos baratos
precos de 320 e 360 rs. o covado, ditas mui-
to finas francezas sendoclaras, com padroes
de cassa a 360 e 400 rs. pechincha, na
roa da Imperatriz o. 60, armazem de Flix
Pereira da Silva.
Doce
Na roa do Codorniz n. 8. (Forte do aUttw) Ha
sempre om completo soriim<>Dio do di ca m latas
e candes, proprio para negocio, e por pr(0 iik
I razoavel do que em cuta qualquer parle.
BBaea
Egcravog fgidos
100$ de gratifcale,
Acha se fgido desde o dia 4 de jocho de lPf>
ns molailnbo cabocolo de nome Ju, de 13 a i',
asnos de Idade, veio do Bonito em Janeiro e 18o,
e foi vendido nesta cidade por Autor,!.; Joae dt
Helio, negociante daquelle logar, ao Sr. Perossdi
Jos Correia, com loja na roa Direita detta cld:ds
pede-se as autoridades, quer a'aqoi, quer de fora,
qne o apprehendam e o enlreguem a seu secbot
na ra Nova desla cidade oo segundo andar ti
cafa n. 0 coe ?era, gratificado
Grosdenaples pretos
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores grosdenaples pretos, tanto largos
como estreitos, sendo de 20000 rs. o cova-
do at 4)^000 rs. garantindo-se que n'este
genero ninguem tem melhor fazenda e que
6e vende mais barato do que em outra qual-
quer parte, na roa da Imperatriz o. 60 de
Flix Pereira da Silva.
caico
NOVIDADES
-se
superior farioha de mandioca de Porm-Alegrp, ra
cem-cbefatl ra escuna hollanofEO Jomn$tttr. i
tratar n eserlptorio de Jo^e Victorino da ftataod
b ., i rna 4a Odita v, Hit__________________
Sal do Asst*
Vende se a bordo do panefeo portogoex t Js,
para tratar com Joaeoim Jos Ganoalvea Battrioi
raa do Troptcbe n. 17.
Chegadas pelo ultimo vapor.
Mocambique de orna s cer para vestidos, das mais modernas cores, a
590 rs. o covado.
Bareges transparentes com listas de seda a 5oo rs. o covado
Ditas muito mais finas a 720.
Cortes de la de listras modernos a 6ooo.
Saias de 13a bordadas a 7Sooo.
Ditas muito bem eofeitadas a 8ooo.
Ditas muito finas a loooo.
Organdy moderno de cor a 8oo avara.
Alpacas lavradas de cores modernas a l^ooo o[codO.
Ditas liaas amarellas a 8oo rs.
Fmissimopoildechvre a 1^5oo.
Laatiobas modernas de differeates qualidades e cores;
Balees dos mais novos que teem vindo ao mercado.^J
Grosdenaples lizos de todas as coro* a 2ooo o covado.
Isto na loja-e armazem do Eavio roa da Imperatriz n. OO'.deJFex Pe-
ra da Silva, onde dio-se amostras deiaado Donher.
I ) ti
No da i de novembro pruinno oa-t^di ;u-
sentoo-se do eogenho Aranba de bauo o esrrav;
Miguel, cabra, que representa ter il aJiwrs
de idad", alto e aecco do corpo, roato comprido,
manso da falla, todos os deoles da (rente haados,
sem barba, sabo lr e escrever : leven comslgo
algum dinbeiro e boa ronpa : presume-e qoo
tivesse comprado algoii cavailo para mal i.cH-
mente se transportar para Hamaogoape, cu pira o
Rio Grande do Norte. E' natural de M^margcpp?,
provincia da Parabyba, tendo perleccldo ao Sr.
Manoel Peroandes de Ollveira, morador no Icgir
Tat agella mesma cidade. O referido eicravo
foi aqu vendido pelo mesmo O'iveira em das de
ootobro prximo passado. Pede se a qualquer ao-
tondade en capitaes de campo, a sua captura, e
prometiese gratificar generosamente a qaem o pre-
sentar ao sen senbor o capitSo Jeao Luir Gancai-
ves Perrelra, no dito eogenbo, en ao Sr. Bercardi-
no Pontoal, a' rna da Seoiala Nuva n. 38, grafl-
cando se tambem a quem der noticia certa do lugar
em qne estiver o mesmo escravo.
1oo$ooo
Fogio ba quatro anno, poueo mais co mecos de
engenbo Jussara, fregoeiia de Jaboato, o escrave
Urbano, crioulo, idade 21 a 22 annos, balxo e sec-
co do corpo, bem parecido, deve ter beje alguma
barba, olbos vermelbos afomacados, o qual eosata
qne estlvera na Escada trabalbando na va frrea
com o nome de Joaqolm : roga.se as autoridades
policiaes.co aes capitaes de campo, qne o anpr*.
bsndam e condoxam aquelle eogenho .on a ra da
Imperatriz o. 14, tendo que a estes se gratificara
com a quaotia de tOOJOO, e aqoelles se indemm-
sara' de todas as do>peias que fiterem, e cem a
apprebenio do mesmo es:ravo.
Poglo bontem 9 de dezembro o preto Joao.
crioulo, de idade 49 annos, estatnra alta, cara best-
gosa e com malbas de empfgens aima> frescas,
cor bem preta, com marcas de caustico tbaixo do
peito, maos calosas por ser do servico da refioaco.
Este preto bem conbecido pelas diversas fugas
qae lem feito : qaem o pegar leve>o a' roa da Con-
cordia n. 8, que sera' bem gratificado.
100$ de gratificagao,
Do sitio do abalzo asslgnado, m Beberlbe, aa-
seotoo'te desde o dia 1* do correte o sea escravo
Roberto, de idade de 22 annos penco mais eu
menos e com os signaes segoinles: cabra da
estatura regular, com urna grande marea sor.re os
pellos que parece ter sido proverfoote de quema-
dura, tem o dedo Indei da mo esquerda (orado da
pouco tempo e quando anda me (te es ps para
dentro.
Este escravo o abalxo assignado bcove-o por
compra qne fes ao Sr. Jos Martina de Medeims, da
villa de Acry, lagar Pedrtgulbo, da pioviucia da
Partoyba do Norte, a qoem perienceu, representa-
do nesta cida> pelos Srs. Focha Lima & Goima*
ras : pede-se a qoem o apprebender, de leva to
roa da Cideia do Recite n. 19, armazem, qne rece-
bera' lOO* da gralificacio.
________Antonio Bernardo Va de Car val bQ.
Ptgio do engenbo Mina>.- a~t{( diasoes-
craro Victoriaoo, conbscido por Bii e cem os
signaes segoinles: pardoalvacento, cara Big^sa,
cabellos rnlvos, baixo do corpo, e ec rana da
om denle no qoeixo soperfor.
Anda nesta eldade dliendo-se forro e com isla
artificio conaegolo ser sollo undo sido pr^so pe
^Qum o apprehendr leva lo-ba nesta eldade a
escripierie des 8rs. Leal 4 Irroios on ao engento
cima aenuooado.
1 LffBtTH 1

ks


T

Unarta lelra Hit Deztmhro i a 186.
LITTERTORA.


1 Inglaterra e a vida logleza,
A MARIMfX BTUTANNICA.
6 negociantes di iiy. o Sailor's bouse e
as encolas tuctuanles.
(Condoso).
Instrumentos de latfio soavam conti-
Brame >te, dando os emboras ao recem-nas-
t do da marinha britaoic. 0 navia aura
tigoal dado comegou a mover-so, escurregi u
arrestad > pelo pmprio pes\ e correu a lan-
fir.se no Ta iiissa. Durante a su i queda
linba recebido o baptismo sob a lrma de
ama garrtfa de vinbo, qi e foi desped'.car-se
conua a proa. F.ra o momento solemne:
a agua, rfdcada c m violencia, agitou-se
com) para imitar o mar, e no meio de gri-
tos de enthusiasm), os marinheiros desfral-
.'.ar.im o pavilbo da Gr-Bretanba, c jas
pregas comegaram aflutuar magest^samen-
18. Aos gritos da raultido seguirse pou-
co depois um silencio religioso. A com-
rioo que nasce nlre es espectadores, no
tnorntiito de cair na a ra, devida sem (huida ao presentimenlo
dos perigos qoe elle vai encontrar, e quo
lilvez to<;a correr aos outros. A que acasos
es'ar elle destinado? Tomar parte em al-
guma batalba naval, e coi tra q em ? Ser
a vlc oria u a derr ta qie leva uo sen se o ?
Uu ter a fortuna ib^cura da tantos navius
de liona, os quaes constru do> com grande
cu-to Desies ultimis lamco?, nunca virara o
*>o, e apenarse tem desligado pela sup-r-
licie domar ? Entretanto o navio, que lant-i
estrondo fizara ao cair n-s ?guis espuman
tes, dapressa ic >o pirado como nma rassa
inerte. Nao tinta austros, nem vtlas, nem
m carne ; e segundo a expressa de um ma-
rinhero, este grande bal y da na* toba in-
glesa i a i Sbia aiada strvir-se dos seus
membros
F mi s, porlaolo obrigados a sabir dalle
enqoa to ilniuava impotente no meio dorio;
foffios para trra em botes.
A ceremonia alada quasi a mesan dc-
p'iis da otrudacclo dos navios conragados;
mas a maior parte dos raonstros pertencen-
les ao novo systema. ta.'S como o Warrior
3 o Minotauro, nao nasceram nos estaeiros
do estado. O governo julgou de maii an-
ligera contratar con urna das grandes tlici-
nas de ferro qui exist m as margens do
Tamisa, Tnam i ironcompany. a qual cons-
Irue navios de f rro pora a marinba mer-
cante, principal Lente para a Oriental and
peninsular compnny (companbis oriental e
ppnisular), a maior empieza de.-te genero
qo) existe n> muera.
O navio, ou seja de madeira ou seja de
uro, logo t| ie cae u'agoa e mastreido,
-e naturalmente de h mees para s ma-
nobra. Era qui ciaste de povo fe recreta
a-mar.nba inlez3? Antes de responler a
ota pergenia, conven indicar a grande dif-
h .":ca que e da entre a marinha e o exei-
cto." No exercito compram-se patenas;
oio succede porm o rxesmo na marraba,
aonde as prornonjes sao de-idas instruc-
, ao mrito e antigui tade. A lima
isi imaperave1, que separa em trra o
otBciaes inferiores dos ofciaes de patente,
lesapparecea inteiraraenle na hierarchia ma-
ritima. Algnns dos lmiraates inglezps sa-
tiam d.s teliches dos grumetes. Ha,
verd hs seus exames na escob naval ie Poits-
mouth, mas, apessr de gozarem de c.rtos
privilegios, n3o formam nra cori o exclusivo.
E' certo que se enconlram g-ai.des no-
taos na chamada navy Ust (lista dos offlciaes
e martoha); us tambera por ella se v,
qse a cksse mlii que principalmente
irneee os alumnos das escolas de navega-
.11; e a cla3se inferior quo alimenta os
alfctamontos vclnntrlo.'.
Se succede a.ssim na marinha do estado,
cora maior rawo se acha as mermas coo-
igoes na marinha mercante.
Mi interossar sabar os moivos que le--
vam os inglezes a fizerem-se roarinheiros ?
Mii.os alistam-?e em uro navio, devedi-
ser-sev pwqoe nao tem outro offi 10, nem d-
recurso. Mas nem todos es^o oeste caso;
existem realm-n'e vocacoes martimas. En
tre os mee. >s nascidos as cortes da Gra-
Bretanba, ha mnitos sobre qu9m o mar ex-
eice verdadeira fjscin^.o. As velas pas-
jando por oaixo do um co azul, o aspecto
rhrs regioes iongiq./8, qua elles anlevcn
stravi das narrarles dos marinbeiros, as
KfjSBtMa ,he'lezas d0 horisonte e o continuo
movimnto das aguas, todas estas imagens
os perturbam, at mesrao emquar-to dor-
mem. O ocano chama-os, dizera os habi-
tantes do litoral, assim como o refluxo das
oguas attrahe as a es aquaticas. Muitas ve-
zos as familias debalde lu3o contra esta in-
clinacSo natural. Conheci no coudalo de
Norfolk um rapaz de doze annos enfeiticado
assim pelo mar; fogio daas vezes da casa
pateros, e foi apaibado amias as vezes no
rnomento em que se eslava en sajando com
uta capito do navios; mas a terceira vez
o pai chgou muito tarde: o navio acabava
de partir. Outros sio seduzidos pela leitu-
ra dos romances oaoticos; este 15o ri:o ra-
mo de litteratura ingleza espalba-se al pelas
aldeas, e como as eges operara com mais
torga do que os proprios fados no cerebro
dos adolescentes, n3o raro ver at mesmo
no interior das trras alguns raptes ator-
mentados pela febre nutica, Todavia devo
ajuntar que olo destes enthusiastas que
sempre se fazem os melhores marinheiros.
A vi di do mar montona e prosaica,
b3o obstante ser o marraheiro levado pelo
movinwnto do oavio presenc dos roais^
sublimes espectculos da oatureza. Mas tem
elle le.Tjpo para os contemplar ? Daveres
peniveis e o trabalho manual absorvera-lbe
toda a attengio. A voz do Ocano fallava-
me em liberdade, e o que acha elle a bor-
bo do navio ? A ervido mais completa.
Nem se quer pode saborear o onico bem
do escravo, o somno. pois a cada hora elle
interrompido, dedia e de noute, pela voz
docapitao. Obrigado a levantar-sa, todas
as vezes que as eventualidades do mar exi-
gem manobras novas, o marinheiro est
constantemente merc do sen com
mandante e dos elementos. Ajunte-se a
islo as vigilias regulares de um co glacial,
es servicos repugnantes, as ordens Imperio
sas ; e nao causar espanto qoe a poesa dos
sonos desappareca na preserva da reali-
dad. O romance desfaxse folha por fo-
Iba sobre a agua, e o pobre infeliz, oa in-
geouidade do sea coraco, diz ao mar : En-
gaoasie-mo. Mas est sobre elle e mister
que fique. Eolio o amor proprio, a ne-
ceshidade, que o fazem seguir urna profis-
sao q ae desejava cam tanto ardor. Por
eaust alguma no mondo elle a desmentira
onfessaodo aos amigos e familia, que ti-
nha feito urna escolha mi: ma3 o descan-
to envolve a sua vida como orna nuvea
sombra. R. o que ha de neste caso esperar
de um corago ebeio de decep95es, que de
dia a dia destrem no individuo a energa
natural ? Ha mancebos porm que as pro-
prias familias mandara para o mar, para os
corri6'ir de certos hbitos viciosos, fctes
ralividuos mos quasi sionpre, vem a 1er
ptimos marinheiros. Como nlo lera illa
loes a perder, atiram-si cora valeotii aos
cabos e pr. curara l'rar vaotagens positivas
da vida laboriosa, a que foram condem-
nados.
Fui sera duvida e;ta circunstancia qoe
deu origem a umi teataiva generosa. Ten-
do ouvido dizer que um navio (training ship)
destimd) a recolher os rapazes rabes das
roas (-treet arabs), e a educa-lr.s para a ma-
rinha, eslava aacorado bavia algumis se-
manas em Greeohithe, dirigi-mi a esta pe-
quena aldeia sitiada as margens do Ta
misa. Ghegado praia (pier) descobri com
effeito urna fragata q ie estava para langar
ferro a pequea disiaocia de trra ; era a
escala fluctuante que eu procurava. Metti-
me n'um bote e depois da cert viagem,
durante a qual encoatrei urna igreja sobre a
agua (Tbames ebureb) antgr embarcagSo
adaptada s necessidades do culto e consa-
grada aos mariuheiroj que querera freqoen-
lar os(iii:ios re'i^iosos Sara deixaremo
mar, ciie^uei ao primeiro degrodeuma
e-cada de madeira, pela qual se suba para
o uavio que eu me pro;>unha vijitsr. Pora
do navio alguns rapazes de rostos inters-
sanies trajando caiga azul, camis de 15a da
roesraa cor e bonet, no qual se lia era le-
tr s doura 3S Gbics^or (era o nome da fra
ga-a) eslavam fae^ido diversas manobras,
feriara aquelles marinheiros os me.-mos
gaiatos perdidos das ras de Londres, que
os inglezes designara peo nome da rabes,
por causa de certos hbitos ferozes e vaga-
bundos ? A bordo fui recebida pelo com-
raandante A. A. II. A!stoo otlicial da mari-
nha de guerra, anda mogo, mas mudo in-
iBlligente. Tevea bondade dme mostrar
o interior do n vio e as disposigoes que to-
mara para o converter em escola naval. O
Chicesber n5o nasceu bentem, cunta ja os
seus viole e seis annos; mas, como succe-
Jj a outroi tantos narios de guerra cons
truidos por ordena do almirantado, nunca
serv--.
Era de certo o son destino apodrecer
sombra de qualquer dackyard, quando o
governo raglez-teve o bom senso de o em-
prestar ( ua liDgu?gem offlcial synonymo
de da.-) para a expenen.ia moral a quo ac-
tualmente se est procedealo no Tamisa.
Na occasio de ser entregue aos directores
daso:iedale (I) o navio nlo era mais do
qoe orna carcasa ; verdade qoe os esta-
leiros do estado fo'uecerara os meios de o
raastrear e apparelhar, mas com a condig5o
de que os gastos do armameoto, se exce-
desse a 2C00 libras esterlinas, seriara pagos
por urna SLbscripg3o.
Os tres mastros e o magarae do Ciiceraer
formam agora um campo de manobras m-
dispensavel para o ensino dos grumetes. A
piimi-ia co.ierta (rauinleck) tamben fui
arranjada para as oeoesidades do servigo ;
dividida era urna classe (siool room) um
refoitorio (raess room) e urna cozinha aoode
dous rapazes, com o uniformo dos mari-
nheiros, cuidara das hrnalbas com c*rtoar
de importancia. r'anla o regulamento
que lodos os trabalhos domsticos sejam
feitos pela m3o dos educandos. Na segunda
coterta esto as macas, o dormitorio.
Todos estas arranjos, aiada incompletos
j importaram em 3)'0 libras esterlinas, e
a taiga parl desta quantia anda nao est
o-berta pelas subscripgcs. Todavia com-
pleta a confiaoga dos direotores ; acaso j
na Inglaterra faltn e dioueiro para qual-
quer obra til ? Ser a idea boa e pra-
tica ? Disto depende o resulto.
Para se forimr idea des'a nova institui-
c5o naval, preciso attender s circums-
tanc;,is em "que ella foi fundada. Hiver
coosa de um anco que um escriptor inglez,
o Sr James Greenwo >d, chama a atteogSo
dos ss cOnddadSos para o casual ward
sala dos wirihouses, aonde p^so a noite
todos aqiellcS q e, vivtnio era Londres ao
ac^o, nao lm cama quednrrere, nem tecto
aonde abriguem a cabega (i). Gracas ao Sr.
Greenwood, soube-se que era taes casas
criangas viviSo misturadas com alguns ho-
mens conhecidos pela sna immorahdade.
Esta noticia mpressionou as alm-s caridosas,
e algumas pessoas decam-sea procorar to-
dos os pequeos vagabundos, que costoma-
vam dormir nos casual toar de Londresl
ou em ou'ros covi3 nao. menos tenebrosos.
A 14 de juicio de 1860 foram convdalos
para um jantar, quo se Ibes servio no asyl
estabeledo em Queen-Streel (boys's refuge)
Uos 200 concorreram ao convite, e o meeting
teve om carcter tao commoveoto que,
vista de tantas enancas sem casa e sem pao,
muitas ladies a custo contiveram as lagri-
mas. O presidente fez algumas pergootas
aos pequeos valios, para saber a causa da
sua miseria e os remedios que conviriaappli
caribe. En re ontras dirigio-lhe asegrate:
c Se houvesse no Tamis i um navio desti-
nado a servir de escola de navegaga-, qae-
reriao alguns de voci entrar para elle ?
Todos levantaram a m5o. Logo que Chi-
chester foi posto disposigSro da commiss3o,
celebreu-se era Biackvrall urna ceremonia
para inaugurar a nova misjo do navio ; de-
pois foi levado a altura de Greeohithe, onde
ticou ; j temja seu bordo SO vadios, que
se considerara felizes por se verem estab-
lecidos sobre as aguas; s3o esperados mais
25, e ha esperangas de que no fim do anno
se possa dar asylo no navio a 200 vagabun-
dos. (3) Alguns dos novos hospedes da
(1) Desde 1852 existe em Londres, no
Great-Queen-Street, um refugio para os ra;
pazes sem recursos e sem asylo (refuge for
honel and destitute boys) sustentado por
meios de donativos voludiarios, e adminis-
trado por urna comraisso, de que presi-
dente obispo deRipon. Foram alguns dele-
gados desla commissao que se eocarr
egaram de negociar, a respeito de Chiches-
ter, com os lords do almirantado.
(2) Em lugar de se fiar em inqoeritos va-
gos, o Sr. James Greenwood, resolveu visi-
tar pessoajmente todos estes lugares de mi-
seria, isrargou-se com algom facto enfar-
rapado, e tomando um nome supposto, teve
o animo de passar a noite entre os frecuen-
tadores do ward; a narragao do que all
vio e ouvio deu muito que faltar em toda
Gr-Bretanba.
(3) A commissao tenciona dividir os seus
asylados em tres classes: 100 ficaro no
asylo, 200 sero mandados para bordo do
Training-Ship, para se instruireme familia-
mareen com a vida do mar; finalmente
Chichester tinham passado dous oa tres
annos as ras de Londres, sera urna, so ves
dorrairera dehaxo de tlha, nem mesmo no
casual wvd.
Prefernlo a sua liberdade a este triste
refugio da caridade publica, dormilo entre
a* ruina* das casas que todos os das se es-
to denoliado era Londres, atrs dos pila-
res, dehaxo dos arcos das pontes. Ni ca-
pital de Inglaterra ha milhares de rapazes,
dos quaes uns deixaramo tecto, muitas ve-
zes pou:o paternal, debaixodo qual traban
nascido ; outros foram abandonados pela
familia, e muitos ficaram ao abandono pela
arte de urna mi. A ra toma-os, adop-
ta-os e cria os. Londres para elles uto
deserto, onde perd dos Das aris movedicas
da multido, nunca deixam de atinar com o
caminho. A maior parte dalles affeicoa-sea
este genero de vida, selvagem e amarga, j
Apraz-lbe viverem ao ar livre, e de noite so-
monte reci as vistas da polica ; o seu es-
pirito novo, frtil em recursos, glorifica-se
oa independencia e na lata; mas, se nio
sao sustidos a tempo neste fatal declive,
graviao ioevitavelmente para a priso e para
o tread maill. E porleria succeder de ou-
tra maneira ? Mas de quem a culpa?
Foi para desembaragir de um remarse a
consciencia da sociedade fjue os moralistas
inglezes tora dirigido oestes ltimos lempos
a sm attengSo sobre os melhores meios de
aviliar os pipenos arabts. Para que ser-
vio estes rapazes? Julgou-se com razo
que para o que mais cocvinbam, era para a
marinha.
Aventurosos, endurecidos por privages
de toda a especie, habituados desde t nra
idade a contarem so comsigo, #ia i sera o a
pedra em q e se tal be o marraheiro inglez?
Tei da as veas sangue de vagabundos, n3o
sero elles aptos para correrem o grande
deserto das aguas ? Os que n aquiln
sidoadiiittidos a bordo di Chichester justi-
ficara completamente estas esperangas. O
capito Alslon louva a inlelligencia, a activa-
dada e at a subrnissSd delles disciplina.
Eu vi-os fizerem com ordem e energa cer-
ta manobras debaixo das visias de iros bra-
vos marinheiros, que osiostruem e dirigem
Se esta experiencia, como tu lo faz ver, der
bjns resultados, nio ser ura s navio, mais
quinze ou vinte que, aocorados no Tamisa
ou a tntrada dos outros rios de Inglaterra
recolherara a seu bordo joven popula-,
gi valia das cidades. Em um tempo em
qae de dia para dia vo escasseando os ho
mens na marinha mercante.a Gr-Bretanba faz
urna excellente descoberta para aogmen'ar e
robustecer as suas torgas navaes. A idea de
um navio-escola (training-sip ) nao
nova.
llavera cousa de qrinze annos que. o ca-
pito Harria, arvoraodo o seu pavilbo na
Iilustrions (um navio de "guerra), alli for-
raou era noma do almirantado ora corso de
instracg3o, que tem continuado com o maior
succes-o, e debaixo do mesrao ch'efe Ilus-
trado, a bordo de outro navio real, o Bri-
lannia. Seria muito longo entrar era todos
os pormenores desta educag3o tecbnica; nao
bast r dizer qoe em taes escolas fluctnan-
tes o tempo dos jovens marinheiros di-
vidido entre o estudo e os exercicras prali-
cos ? floje querem applicar minnha mer-
cante o mesrao systema approximadaraeote.
O Chichester ou training ship dos mogos
rabes tem de (azer de certo alguma modi-
ficago no seu curso de ensino.
Estas filhos das ras nao precisam saber o
exercicio de artilharia, o manejo de sabr e
outras muitas manobras de guerra em que
tanto tempo se emprega nos navios de guer-
ra.' Nao ha a pretengSo d3 fzer delles uns
sabios; saben !o elles lr. esefever e contar,
e estando habituados vid do mar, nao es-
tar a aptos para irem para o bordo de um
navio mercante onde grahem sobre as aguas
o seo sustento? A intengao dos directores
dar-lhes instru gao a bordo do Chichesler
por espago de ura anno. Passado este tempo
os alumnos da instituigo nao nao de ser
eslranhos manobra da um navio. Para o
oovigo que acaba de embarcar ludo novi-
dado, at meraio o nome dos instrumentos,
que ser vem para a navegago. O que ha
mais notavel neste vo'abolario martimo a
forga das primeiras recordages. Jack, ape-
zar de se gabar de ter mtttido a pique a
trra nao pode desembaragar-se inteiraraente
das idisque a ella ando annexas. Qaerem
urna pruva? Baplisa a maior parte dos
objectos inanimados cora que continuamente
est em cantado no navio, om os nomos
dos animaos dotnestic >s e outros objcclas
que coneceu em ierra. Esta casa de ma-
deira. Quemando sobre o abysmo, lambjm
urna arca de Nu, em que o marinheiro leva
comsigo toda a familia (i).
O joven marinheiro tambera deve adquirir
a bardo outros conhecimentos! Logo que
no mar se encontrara dous navios faltam
um ao outro; mas ser com a voz ? No
meio de um temporal e a certa distancia,
evidentemente seria impossivel ouvirem-se;
foi portanlo necessario recorrer a nra sys-
tema de conversado por meio de signaes.
Esta linguagera estava anda muito confusa e-
iraperfeita, quando a alguns annos se for-
raou na Gr-Rretanba nma academia para a
melnorar. Urna coramiss3o composta de
certo numero de membros nomeados pelo
conselho de commercio (board of trade),
pelo almirantado, Trinity house Lloyd's, e
outras grandes iostituigoes martimas, metteu
mos obra, e. comegou por examinar todos
os signaes martimos de diversos systemas.
0 mais seguido em Inglaterra era o de
Maryat, em Franga o de Beynold, emquanto
que na America domina* O de Rogers. A
commissSo reuni todos os systemas, for-
mando com elles um cdigo de signaes, o
qual, nao sendo obrigatorio, passa todavia
por ser nacional na Gr-Bretaoha. A in-
lelligencia destes emblemas constitue natu-
ralmente um dos ramos da arte de nave-
gag3o. Logo qoe am navio inglez quer tra-
var convertago com outro, ica a certa
altura pavilh5es (lags), cujo numero, forma
e posigo varia conforme a mensagem, qae
pretende traosmitr. Para evitar confuses
deci mais de quatro bandeiras; ibas como estes
quatro signaes nao podm exprimir todas as
ideas, sao substituidos por outros, que
esto de reserva ao p de mastro. Ha para
este effeito dezoito flags, que represeotam
as dezoitos consoantesdo alpiiabeto, pois qne
urna casa de campo (cowntrg house) com
200 acres de terreno, servir de granja mo-
delo onde se ensinem aos rapazes os traba-
lhos agrcolas.
(4) O cavallo, por exemplo, acba-se a
boroo como lembranga no hlorse blocks, o
1 cao no dog-vanes, o gato no cat-htads, e o
I mesmo succede com outros muitos instru-
mentos nuticos.
as vogaw foram sapprimMas nesa lingaa-
gem enigmilica. Gracas a este pequeo'
numero de letras ou emblemas agru lados
por meio de conbimgSs engmosas, acbou-!
sa o modo de assignir os ames da 50,000
navios (5) e peno de 20:000 pa'avras ou
termos oaoticos. Deas navios inglezes qoe
se encoBtram as extremidades do mondo
podem por esta forma entender-se, e como
o cdigo de signaes britannicos de certo ha
de ser adoptada com o tempo pelas outras
nagSss, a lingna universal, esta utopia, ba
de existir ao menos nos mares.
Um symptcma muito triste para o futu-
ro da marinha britannca a repugnancia
com que os marinheiros actualmente se
alistam na marinha de gnerra. Em bonra
di natureza humana, devemos dizer que nio
s i os perigos, nem as privacOes que inspi-
ra n este horror pela vida do mar. Nunca
faltaram bracos em um tempo em que o lar
era mal alimentado, mal vest lo e era tra-
tado com dureza Mas naquelle tempo bri-
Ihava sobre os mares om rasgo de gloria;
hoje as soldadas sao melhores, os castigos
nao sao tao rigorosos; cerlos Cuidados by
gienicos tom melhorado coosderavelmente
as condigoes sanitarias dos navios de guerra
e, apezar. disto, o estado com difficuldade
arranja marinheiros. .Qual sera a causa des-
ta anomala ? Nao se pode negar que se
tem feito progres sos no rgimen nutico,
mas estes progressos nao corresponden) an-
da s aspiragbes da opin ao publica, nem
aos costnmes e exigeocias da classe opera-
da da nossa poca. E o marinheiro dos
navios mercantes, esse julg-se feliz ? Tam-
bera nao: e a prova est em que grande
numero de estrangeiros servem a b irdo dos
navios de commercio inglez, e de oa para
dia se vai tornando mais difflcil arranjar
bomens capazes para os trabalhos de nave-
gago. Nos tempes passados pareca que
a descoberta dos beos de fortuna arada era
mais grata aos aventuremos do que a mes-
roa possa delles; nao sao porr estas as
tendencias do seculo ?ctual, e acham-se pou-
cosa nimos dispostos a deixarem a presa
pela sombra.
Os inglezes nao somente mostrara em (fe-
ral muito menos inclinago do que outr'ora
para se adstarem no servigo da marinha ;
mas muitos, depois de taren assignado os
contratos e de terem passado algum tempo
a bordo, desertara do pavilbo inglez; e n3o
do mar que elles fogem. porque quasi
sempre v3u offere er os seos servigos aos
estrangeiros. Por exemplo, grande nume-
ro de marinheiros dos Estados-Unidos sao
subditos britannicos que va pn curar do ou-
tro lado do Atlntico melhor tratameoto e
um refugio contra certos castigos degradan-
tes. O que suxedera portanto no caso de
urna guerra entre a Inglaterra e os Estados-
Unidos ? Os marinheiros iuglezes, que ser
vem debaixo do pavilbo americano, acaso
voltmam as suas armas contra a ra3 patria?
E se assim succedesse ser-lhes-bia applicado
o rigoroso cdigo de guerra, o qual manda
que sejam enfor ados os desertores apanha-
dos servindo debaixo da bandeira ioimiga ?
Em ambos os casos seria om grande emba-
razo para a Inglaterra e ultraje a hotnaoi-
dade. Que seja bastante esta considerag o
para afastar para sempre urna lula fratrici-
da entre duas nacas unidas urna outra
pelos lagos do sangue e por tantos intereses
sagrados.
Para a profisso martima ter perdido na
Gr-Bretanba o prestigio que oo seclo
passado exercia sobre a imagmago das mas-
sas, mister qne sejam pagos com peque-
as vaotagens os duros sacrificios a que se
sujeitam os marinheiros. Jak bravo e
dedicado, mas quer que se atienda aos pe-
rigos a qae constantemente anda exposto,
vida martima a quo se coaderana, e liber-
dade que abdica. Mas qual o futuro de
um grumete que voluntariamente seota pra-
ga em um navio do estado ? Er verdade
qae as promog5es nao le s3o interdictas
como no exercito ; mas quantos marinhei-
ros chegam som favor nem protecgo a urna
posigio honrosa ? O marinheiro mais ve-
Iho da marinha ingleza visitava ha pouco o
porto de Cork a bordo do IVarriot. Joba
Midgley ( o nome deste bravo veterano)
ba ciucoenta annos que serve sobre os ma
res, tem sido ferido em muitas batalhas na-
vios, e todavia nao mais do que um sim-
ples offlcial ioferior. Oatro, John Ban^er,
que tem 86 annos, e que servio com Nelson
abordo do Trafalgar, est hoje defiohando-
se, pobre e desconhecido, no vourk-housa
de Gulldorf. J se v que taes exemp'os
nSo sao muito aptos para animar os alista-
meatos voltarios. Mas a marinha mer-
cante recompensa meihor os servigos dos
seus marinheiros? Muito peior; mal pa-
gos, pessimamente alojados em beliches f-
tidos e escaros, gastam as torgas para faze-
rem \ fortuna de um armador. E' verdade
que os especoladores martimos s3o quasi
sempre as primeiras victimas da sua avare-
za e da soa indiflerenga pelos marinheiros.
Os naufragios todos os annos augmentara,
e hi toda razo para crer que taes catas
tropnes sao devidas falta de experiencia
dos homeos, entre as m3os dos quies,
falta de pilotos melhores, s3o obrigados a
cooBar a fortuna de navios carregados de
mercidorias. Quem acreditar que quasi
todos os marinheiros ioglezes nao sabem
nadar ? A nago da Europa que est mais
cercada pelo mar, que nelle faz o maior
commercio, aquella que, por urna incon-
sequencia inexplicavel, despreza mais a arte
de se salvar em caso de incidente. E toda-
via Jack presa a soa profUso; emquanto
mogo, forte na presenga dos perigos e
desafia todas as provaces. A vida do mar
robastece-lbe o sentimento da naciooalida-
de ; ufana-se por passeiar o pavilbo inglez
sobre as vagas longiqoas, e com o cora-
gao cheio de orgolbo que elle leva a palpa
na proa do navio. Chegam porm os dias
mos da idade madura e da velhice. Em-
quanto temsaode, nao tem outra perspec-
tiva seno a miseria ; doente, espera-o o
hospital.
O mais curioso dos estabelecimentos deste
genero consagrados ao marinheiro sem
(5) Este numero de certo dove causar
espanto e carece de orna explieago. Se-
gundo um recenseamento feito em 1855 o
numero dos navios inglezes espalhados por
todos os mares elevava-se a 35,000. Por
outro lado, como uns annos por outros I,5u0
navios sahem dos estaleiros da Gr-Bretanha
e vo jantar-se s esqnadras do estado ou
marinha mercante, julgou-se preciso achar
50,000 emblemas diBerentes para designar
os navios de loda especie ento existentes e
os que deviam nascer dentro de ceno prazo
de lempo. Segunde este calculo no fim do
anno de 1869 devero navegar com payi-
lbo britannico 53,000 navios.
contradigo, o que enconlram defronte de
Greenvrich todos os navios que entrara no
Tamisa, o Dread~nonyhl. Como j me
succedeu, quando vis tai a escola naval trat-
ning ship, foi um bote que, corlando a cor-
rente a forga de remos, me levoa a visitar
este hospial sobre a agua. Foi fundado no
invern de 1817 a 1818, n'uma occasio era
3ue grande numero de marinheiro*, ataca-
os de doeocas mais ou menos graves, er-
ravam sem soccorros pelas ras de Lon-
dres.
O primeiro navio convertido em hospital
para os homens da marraba mercante foi o
Grampus, qe largoo ferro no Tamisa, na
altura de Greenwich. Em 1830 este navio
na era suficiente para o grande numero
de doentes; alm disto es recursos* desla
obra de caridade, como sempre, alimentada
por meio de donativos voluntarios, tintiam
augmentado muito l A commissao obleve
ento do governo outro navio da lirha, o
Dread-nonght, o qual foi substituido pelo
Caledoma em 1857. Como porm a repu-
tado do Dread-nonght estava muito bem
estabelecida, o seu successor consentio em
deixar o nome que tir.ha-, tomando o o'ella.
E' portanto ,o interior do novo Dread-
nonght que eu vou visitar.
E' interessante ver o partido que soube-
ram tirar deste anligo vaso de guerra. Co-
mo se poder crer que baja alli lugar para
os alojaraentos dos mdicos (surgnons), ama
linda capella, om museo de anatoma, nma
rouparia e muitas nutras casas necessarias
para o servigo de um hospital? A prirai-ira
sala da enfermara, a que oceupa o andar
superior conheeda pelo nome deaccident
ward. E' com efifito alli que sao rebebidos
os marinheiros feridos ou mutilados por
qualquer dos accidentes communs nos na-
vios. Se nao exis'.isse e te estabeleciraento,
lalvez que muitos fossera obrigados a ir at
Londres, e pode ser que decorressem mui-
tos dias antes de serena admiltidos era um
hospital. O Dread-nonght acba-se no cami-
nho, e all nao se pergunta aos doentes de
que paiz sao, mas somente o que s< Ifrem.
Os marinheiros de todos os paizes sao alii
admiltidos immediatamenle sarn preisarem
de carta de recommendago. Com effeito vi
all muitos homens de cor (VI i.
O comprmanlo desa grande sala, os le-
tos que se succedem aos leitos, onde estro
estendidas pernas humanas, as janelUs bal-
sas abenas nos lados do navio, a luz que,
por assim dizer, reflecte da agua do rio,
tudo produz urna impress3o profonda e ma-
lancolica. Duas outras cobertis ((/ccAs,* s3o
consagradas ao tratameoto de diversas d .-en-
eas. Os hospitaes inglezes nao tra irmSas
de caridade; as enfermeiras (morses), vis-
lidas de preto, mas como as outras mulhe-
re--, alli tratara dos marinheiros, segundo a
expresso de ura a'elles, com toda a ternura
e dedicado. Urna das vantageos que offe-
rece o estabelecimento que nao s trata
os doentes emquanto durara os syinptomas
da molestia, mas timbera cura dedos doran
te a eouvalescenca. E c>m razo porque
aonde irla recobrar as torgas o pobre mari-
nheiro, que em trra nao tem casa nem te-
liiado aonde se abrigue ? Sahi do Dread-
nonght seotindo-me penetrado de admira-
gao pela caridade ingleza, mas ao mesmo
tempo dominado por um* impresso triste
e peoivei *. nao acabava de aotever um dos
lados mais sombros da vida do marinhei-
ro ?
Nao se devera tirar conclusoes muito se-
veras do ffiimeoto e mo estado em que
se acha em logltrra um. dos ramos vitaes
da fortuna pub'ica. A marinha ingleza
acba-se u'um periodo de transic;: vai-r>e
renovando. E pbde deixar de sucjreder as-
sim ? O- proprio material de construcg3u
est modado; o vapor substituio a vela, e
hoje d azas ao navio de ferro. O- homem
faz machinas, mas ellas tambera modificara a
natpreaa e o carcter dos que a dirigem.
Estes navios de metal, fortes pilas gran-
des descobertas da sciencia, lm capites e
os outras olflciaes formados sua imagem,
correctos, methodicos e fros. A iastruc-
gao j penetroa nos navios, e dentro em
pouco brlhar nos mares, onde d'aotes se
confuadiam a ignorancia e o herosmo. Nao
blasphemando e desprezando os homens
de trra qoe o marraheiro ba de mostrar
que superior aos seus concidados. E
elevando-se assim a moral das tripulag'S,
oo- ser necessario alterar o codiao marti-
mo e respeitar no marinheiro-a dgnidade
humana ? Conservero ds Inglezes no doc
kyard de Poitsmouth, c-.-mo em urna espa-
cie de musen, as reliquias das suas victo-
rias ; moslrem com orgulho aos estraagei-
ros velbos navios de guerra, cujas comes
rexiidam aeces celebres; islo natural,
mas estes antigos vasos de guerra njo sao
mais do que sombras, e um povo realmen-
te orgulhoso nao vive de necordages. Pelo
contrario, rompendo em certos pontos
cm as suas tradieges martimas, asegura-
da com valor a corrente do progresso, qne
a Inglaterra lembrar ao mundo os seus an-
Itigos ttulos de gloria.
Por ouro lado n3o tem a Gr-Bretanha
1 que desonpenbar urna alia mise i social ?
Os seus navios, que vo dar a todas as. ex-
tremidades do mundo irazera mullas vez<-s
| para o pono de Londres lascar* (marinbei-
ros da raga india), chinezes, malaios e afi-
cams. Succede repelidas vezes que um
capit o que loca era ilhas ou em continentes
! longiquos coavida os naturaes da osla para
preeocherem nos navios as baixas que alli
! fizeram a desergo oa a moite dos marinhei-
ros inglezes.
. Tudo vai bem durante a viagem, e em-
quanto as necessidades do servigo exigem o
emprego destas torgas auxiliares, nao im-
porta qual seja a cor ds mos que igo o
pavilbo britannico ; mas loga que chegam
ao purto de Londres ou de Liverpool, como
sao tratados estes naturaes de paizes estran-
geiros ? Aoandonados as ruis da grande
cidade por estes mesmo3 navios que os leva-
ram, e a bordo dos quaes servir -, arras-
tam urna existencia muito prxima da men-
dicidade. as dcas, estes grandes merca-
dos de trabalho ma'itimo, sao preferidos
naturalmente os marinheiros ioglezes. e por
isso muito dos esrangei es perdem do lodo
a e*peranga de tornarem a ver a patria.
Extragoem-se ento era qualquer ra escu-
ra de Wappiag ou nos hospitaes recordan-
do-so saudosos do so1 de sea paiz, e lasti-
mando-se da m estrella qoe os levoa ais
ncvoeiros do Tamisa. E sucede assim quinde
m --itos espilles da marinha mercan o afir-
mara qae os servicos de-tes bomens nao sao
para desprezar. Sobrios, habituados ao
mar, sena precito somente urna poaca de
paciencia para Ibes ensinara disciplina e as
habis manobras da marinha me* cante. E
de xar escapar a Inglaterra Uo be'la occa-
sio para reformar as suas torgas navaes ?
Para e la es'. aborto n mundo at no extre-
mo Oriente, assaz esi demonstrado pela
experiencia, milhares de bracos se lbe rifo-
recem para as piciflcas conquistas do mar.
E nao ser tambera om excelente rxeiode
derramar as luzes da c'vil sacio sobre os
reo' escotantes mais ousados e mais inte ri-
gentes dos differentes grupos, qne povoam
a s perficie do globo terrestre ? E n.lo
somonte a honra do progresso .que acooselbs
Gr-Bretanra esta poltica; tambera Ib'o
acooseloam os bens entendidos iolerfases da
navegago e do commercio, pi rque o Ocano,
este ondeo das racw e das distancias, mos-
tra ser ao mesmo tempo o deposito de tra-
balho, onde se podem aproveitar melhor os
divers s elementos da facilia humana.
Ai-iv.iso Esgumos.
!
(VI) Desde a fondago do estabelecimento
nelle tm acbado hospitalidade 91.879 ma-
rinheiros, e d'elles 2.418 sao Hindi us, 5i
Africanas, 53 Chinezes, sem contar es na-
turaes da Nova-Zelandia e da Nova Galles.
Os Fraocezes figuram nesta lista com o nu-
mero de 499. Os rendimentos do estabe-
lecimento andam por 16.000 libras esterli-
nas.
El POUCO DE TODO.
O CALOI CETTIUL DA TERRA. PdZ-Se
contra a bypothesa da fluidez interior do
globo terrestre urna objecfo qoe parecea
to grave a sabios celebres, como Ampore.
Poissoo e ootros, que elles encararan esla
fluidez como impossivel; dss.--.-e: sea
trra nao se eolidifioou seno em sua su-
perficie ; se como assegurara os gelogos,
toda a massa de noseo globo fluid* na
profundidade de um pequeo numere de
leguas em razo do excessi vo calor qaa ah
reina, e que deve maiter em fusao com-
pleta todos os elementos, por mas refrac-
tarios que sejam, de qoe eesa massa com-
posta, as aegoes reunidas da la e do sol,
.ua prodmem as mares do Oceao >, devem
tambara exerreer urna isllueocia igual sobre
este oceaao interno de materia flui-ia, e en-
to a crosta )lida da trra' dever se elevar
diariamente duas vezes pela reaegao pode-
rosa da vasta mar subterrnea Porm
como esta crosta, coja eSaressora, seguodo
a estimago coramum, de 11500 do di-
metro da trra, podena resistir a eiforg s
to violentos e o repetido? ?' Nio de varia
ser continuamente quebrada, e seus des-
trocos podero se ligar cora bastante soli-
dez para que n sejamns teste.menas das
perpetuas e borriveil destruices' Logo a
ierra necessariamente solida' en loda a *
sua massa, e o accrccimo de temperatura
que so observa proporgi qae se penetra
em seu seio deve parar em um ceno limite
e nao ir at a incandescencia como se sup-
poz ; logo as acg5es volcnicas sao ptieno-
meoos puramente tocaeo- devidos reaeges
cbimicas de om grande poder, e o mesmo
se dever concluir acerca' dos terremotos.
Parece-me, diz M. Baiilard, priaerramen-
te que se esagerou denasiadamewe .os ef-
feito que produziriam sobre a rosta do
nosso globo-as mares do vasto occeaoo sub-
terrneo supposto incandescente. Adm t-
trado mesmo que estas msrs elevem real-
mente a croste terreslre pela pressSe po-
der(sa que eserceriam sobre sua superficie
interna, resultara uecessanamente qae esta
crosta experimeottsse as violentas destoca-
gesde que- se fila ? Pono era du-vida.
Cora ole!to,.a moior altura a que estas ma-
res elevassem a superficie da tena aSe at-
tiogiria canamente em media a 6 metros ;
ora o dimetro medio da trra seuJo de
mais de 12 milhes de metros, naa seria
alongado da millonsima pane do sea va-
lor pelo otfeito das mares sabterraooas, e
como este alongaraeuto se faria gradual-
mente e sem saltos, nem abales violeotos,
segiie-se que nos seria irapercepjivel. Don-
te pedera, com effeito, ptovir estas aba-
fos ? O alongaraeuto do dimetro da trra
seria eiidentemonte muito frico para que
podesseem qualquer parte Joccasioear rp-
tura na superficie sobdificar do globo, pois
oo se conliece- substancia de tal sorte pri-
vada do elascidade que nao possa experi-
mentar sem se romper urna- flexo propor-
cionalraeoie to- traca. Imaginemos nm
annel de 100 metros de dimetro, e de 2
decmetros de espessura ; de qualquer ma-
teria conb.ee da. de que sesuppooaa com-
po;tcs evidente qus este- a-inel nao sa
quebrara sob.om esforg que se-limitasse-
a abogar, ou aeocnriir seu dimetro de
um dcimo da miliimetro ; ora a ftex3o que
exprmentaria a crosla terrestre sob e es-
forc das mares subterrneas sendo pro-
porciona! raen te ma:s fraco, pede-se, por
unto, admiiUr a possibili lade de urna tal
ftex3o,e salvar assim a bypotbe-e da fluidez
perfeita da massa interior do nossolob9'
'Esta hjrpolhese tem a vanlagem de facili-
tar a explicado de mnitos factos, taes como
o achatameoto da trra, as fontes ibermaes,
as. erupgoes volcnicas,.etc. Tal ve mes-
mo que a* mares subterrneas infloim so-
bre o. magnetismo terrestre, pois tem-se
observado urna correspondencia entre as
variagoes que elle scOre e as posiges
relativas da la, do sol e di trra Estas
presses exercidas duas vaes por dia con -
ira a superficie interna da crosta, terrestre,
estas ondulagoes, estas flexSes a que est
sujeita nao podem desenvolver electricida*
de?
M. Baiilard entra depois esa alguns dla-
Ibes sobre a causa a que se deve attribuir
as eropgSes vokinicas e os terremotos, e
d c mo causa o estado de dUsooiacSo em,
que sa acbariam todos os elemeutos com i ios,
no interior do globo em urna temperatura
que avalia em 5UO0 graos : am resfriamen-
lo qualquer suflkiente para permitir a. es-
tes elementos de se constituir, originar
reaeges mecnicas tanto mais violentas
quanto a qaaniidade de materia parean-
te fosse mais consideran l ; fioaimente, se-
gundo o autor, om tal resfriamenio seria o
resultado natural da eommunicaco estabe-
ecida pela chamio des volcoes entre o
interior e o exterior da crosla terreslre.
M. Elie le Beamont lembra qae o effei-
to da acgo attrativa da la e do sol sobre a
massa fluida ioterior da trra ni parece
ser to insencivel para os habitantes da su*
perfice como M. Baiilard supi-Oe, citando a
tal respeito os irabalhus de M. Ales Per-
rey e piincipalmente a memoria sobre as
relages que podem existir entre a frequen-
cia dos terremotos e a idade da la; nesta
memoria o sanio professor de Dijon esta-
belece que desde meio seculo os terremotos
sao mais frequentes as syzygias do que
pas quadraturas,

-
1
<
i
I
il
i
l I.
ii
.
i
p.Y 00 UW- RA PAS OWm M. 44
2
ItBfifft-!


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E221W39Z2_E9RDXI INGEST_TIME 2013-09-05T01:40:18Z PACKAGE AA00011611_11727
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES