Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11503


This item is only available as the following downloads:


Full Text
tf*<
**
b^hbhhhbmbbkib^b
r*Wrry\-\-
WtmMsWM

. *

.:

.
ANNO XL1V. NUMERO 45.
O-l SI 5/5 i J>
B.iHA X CAPITAL B U WBEI !! SB 1* PACA Fl.
52 l* wm ttgHiffl ..,................B ocoo
Por seis dUwilaiu ... ^ ....... .. ,. 12000
Por nm ami i.(,-m ...........:....... 24GO0
Cada numere arulse .-............... 320
*ma*T&i
SEGUNDA FEIR 24 M FEVEREIRO DE 186&.
F1BA DBNTBO E fOH.i HA PROVINCIA.
Fer Ir neies aiitttaiM']. ... r* .. .; rv <. .. t'
Per seis ditos dem ., ,. ., tt ,, ,, ,, ,, ,. ,. ,. .. .. ,, -, ,
Per tere ditos ideai.....,......,. ,. ,..................
!* .i m .. <
Per aune idea
.... .
..
.. ,.
W7M
l*50a
S94230
niooa
)
^
8an<&D*8ii am iPifisanriBia) tro aanan^a di maUfcHi tnnimiat& mu ?huta toieqs cis ip&qipibiwvaiiiiqq.


=
ENCARREGAD03 DA SUBSCRirgAO.
Parabyba, o Sr. Antonio Alexaodnno de Liona;
Natal, o Sr. Antonio Marque* da Silva; Aracaly,
o Sr. A. de Limos Braga ; Ciara, o Sr. Joaqoim
Jos de Ollveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alies & Filhos; Amazonas, o Sr. Jerooymo da
Costa; Alagoas, o Sr. Francisco Tavares da Costa ;
Baha, o Sr. Josa Martin' Aives ; Rio de Janeiro,
Sr. Jos Ribeiro Gas >sriobc
Partida dos estafetas.
Chinda, Cabo. Esceda eestacoes da Ta frrea at
Agua Pela, todos os das.
[u'uarass s Goyanna as segundas e sextas feiras
Santo Anio, Grvala Bezerros, Bonilo, Carnar,
Altlnbo, Garaobon?, Bqne, S. Bento, Bom Coa-
seibo, Agnas Bellas Tacaran), oas tercas fefrra?,
Pao d'Albo, Nazareib. Limoelro, Brejo, Fenqueira,
Iogazeira, Flores, Villa Bella, Cabrot, Boa-Vis
ta, Murlcur y, Salguelro e Ex, as guaras /eiras
Serlobem, Rio Formoso, Tamaodar, Uoa Barrei-
rc s, Agua Preta e Pimenteiras, as quintas feiras.
AUDIENCIAS DOS TRiBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eororoercio: segundas e quintas.
Relaco: tercas e sabhados as 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Jtiizo do commercio : segundas is II horas.
Dito de orpbos: tercas e sextas s 10 horas.
Primefra roa do eve/: tercas e sextas so meto
da.
SeKondsro do cl?al : qnarUS eiabbadei a
i ora da tarde.
- EPHEMERIBES DO MEZ DE FEVEREIRO
I Quarto rese, as 3 n.. 23 m. e 26 s. da t.
8 Laajcbeis as 6 h., 42 m. a 36 s. da m.
15 Quarto arfng. as 6 h., 24 m. e 13 s. da nj.
23 La nova as 11 b., 23 m. e 1 s. da m.
DAS DA EMANA.
24 Se*. S. Malhias, ap S. Sergio m.
25 Tere. Ss. Clandino e D/oseoro, mm.
26. Qnart. de Cinta.) S. Toropito are., S. Nstor.
27 Qmnt. S. Leandro, are. de Sevlha.
28 Sext S. Romn ab.. S. Agwffnho.
29 Sab. S. RnmSo ab S. Th> raat de Cora.
1 Dom. S. Adrio m., S. Roteo* m., S. Albao.
PREArfAR DE HOJB.
Prlmeira as 2 oras e 54 os. daftarde.
Segunda as 3 Horas 18 raraitos da naanbJj.
PARTIDA DOS VAPORES CObTBROS.
Para o sal at Alagoaa a 14 e 30; par o aorta
at a Granja a 15 e 30 de cada mx; pan Fer-
naa*4o dos das 14 dos mezas Janeiro, marco, i
jolho, setembro novembro.
PARTE OFFIOIAL
a aaloridade legal da naci, salvando os principios
por que leobo combatido toda mloha vida,
t Voseo compatriota e amigoVenancio Flores
O baulbio Lberdade (ol dissolvido, e maodou-
se organizar ouiro com o nome de Constltacional-.
O coroao e mais offlciaes pmeram-se ao abri
superior da guarda nacin- go da baodeira hespaobola, e o governo retoo o
vapor Charra para transporta los a Buenos-Ayres
COMMAMDO 91IPER10R DE SERINHEfi
QiiM'til de romni-iiilo
ual de Smiibnii, tni 17 Je fevrrrire de 1868.
Fago saber aos aiferes Manoel da R .cha Caval-
ante Lins, do bat>lhao n. 42, Jos Irioej da Sil-
va Santos b Pedro Velloso de Albonoe-que, do ba-
talho D. 43 da guarda nacional deste mnnicipio,
as-im como a' todos aqneiles qne podrem e qui-
zerem fazsr chegar ao conhecimento dos referidos
offlciaes, qne sao chamados a* comparecer oeste
qaartel dentro do prazo de 30 das, contados da
data do presente edital; e sena-i o fuerero sera'
nomeado o conselho da InvestigaQao para, nos ter-
mos do decreto n. 3535 de 25 de noveabro de
1865, verificar a ausencia n r riles eommettida,
conforme as participarles rffleiaes dos respeclivos
commaodantes, e era observancia / ordem de S.
Exc. o Sr. presidente da pr vinria.
(Assignado) Cortolano Velloso da Stlveira.
"DIARIO DE'PERIAIKIBCO
ou Entre Rios. Restabeleceuse ateiramente a or
dem publica.
ote.
Havendo sido exeoerado, sea pedido, de
jaiz municipal da 2' vara do termo da capital de
Pernambnco, o Dr. Jacinlbo Pereira do Reg, fot
domeado para o snbstitair o Dr. Armlnio Coriola-
no lavares dos Santos.
Foi Domeado jaiz municipal e de orpbaos do
termo de Olinda, o Dr. Ruino Coelho da Silva.
O cambio" regulava sobre L>ndres 14 d. a
90 d. de v.
Os soberanos vendiam-se entre 17^*00 a
17o50cada uro.
O vapor Paran devla partir, para os portos
do or le, no dia 18 do cortete.
Dp Rio de Jaoelo s Babia obegou bontem s 7
lioras da nonte o vapor, franeez Bouraognt,
trazends jornaes da corte al 16 e da Baha at 21
do correte.
A' bora adlantada em qae se destribaio a mala,
e aansencia de nosssos compositoras, por eaosa do
carnaval, abrigara nos a s daroos as seguales
noticias:
me DA fTATA.
As noticia-, ebegadas a corte, a olnma dala,
sao astas :
Entrou bontem Jo Rio da Prata o transporte
Caigo, com folbas de Boenos-Ayres al 8 a Monte-
video 9 do crreme.
Do tbeatro da guerra nopnblieam as folhas no
ticla ilgoma alm das do dia 1, que ja' foram por
is reproducidas. Recebemos,porm,directamente
de Tuyuly ama i* na daiada de 2,qne em outro la
gar pohlieamos, e era que se noticia o regresso do
Sr. marqn-z de Caxlaj da visita que Biera a' es-
qoadra, ende conferenciou com o viee almirante.
que ne.-ia ccn'erencia ficou asseniado era anda
segredo para todos, pelo que o nosso corresponden
te, como se v, liuita-se a conjeeturas.
Urna falbo do Rio da Prata calcla que al ao
da 6 Horaana' sera atacado.
O Sr. visconde de Porto-Alegre tinha ch?gadc a
Montevideo a bordo do Alice, e d'alli seguir para
o Rio Grande do Sol.
Na provincia argedtina de Santa F contina-
vara as negociares entre o commissario nacional
Costa e os revoltosos, que se oppunham ao resta-
belecimento da aoloridade do governador Oronbo.
O general C ne.-a sahira do Rosarlo para dar caga
a's eaerrllhas, mas a respeito do resultado cortiam
Tandas eneootradas.
Em Buenos-Ayres nao occorrera faci notavel
sendo a prxima eleico presidencial alvo de todas
as preoccapaedes. Ero Montevideo, porm, reben-
too no dia 6 ama fedico militar capitaneada pelo
coronel Fortunato Flores roctra seu pai o general
Flores, dizem qne por Dio querer este annuir a
cootlnnar no governo.
O coronel a' frente do batalhao Liberdade, do
sea commando, e nica forca de linha que bavia
na eidade, declarou-se em rebellio aberta, e guar-
neceo com alguroas pecas de campanha as bocas
da roa quevo dar ao quartel. Mals tarde foi tomar
posico na casa do cabido, barricoodo tambera as
avenidas para a praca da Independencia, onda boa-
ve nma breve lula com a forca da polica.
O general Flores retiroo-se para a villa da Uoiao,
onde principlou a reunir gente, chamando logo as
milicias dos departamentos, e pablicou a seguinte
proclamacao:
t Compatriotas e amigos I
< O coronel Fibres, atraicoaoda a conflanea do
governo provisorio, acaba de levantar o estandarte
da rebellio para ensaDgoentar a patria e trazer a
ruina e a destruico aos habitantes paciUcos da
repblica, naeionaes e estrangeiros.
t O governo provisorio tem o penoso dever de
ser Inexoravel e castigar este crime de la-a p&tria:
e para faze-lo espera, com f e confianca, que os
boas cidadrs, cumprindo o seu dever, raunara-se
em temo da aaloridade para sustentar a digoidade
da patria.
t Quartel general na Unio, em 6 de fevereiro
de 1868.Venancio Flores.
Entretanto dos navios de guerra surto no porto
desembarcaran) torcas iogiezas, francetas, bespa-
iholas, italianas e americanas, e por ultimo brasi-
leras, em numero de cerca de 1,000 horneas ao
todo, para guardar a alfandeg*, as propriedades
eslrangeiras e as casas das legaces e consulados.
Os respectivas almirante f rain a' trra conferen-
ciar com os agentes diplomticos, e reuniramse no
consolado da Franca.
Os revoltosos evaenaram a casa do cabido e re
colberam'se ao forte de S. Jos, d'oode entraran)
cm negociares, acabando por depor as armas
com a onica coodico de serem respeitadas as vi-
das dos ebefes.
o da 8 o general Flores volton a Montevideo, e
restabcleetndo o governo legal, promolgoa am
decreto, mandando riscar da lisia do exercilo seas
lbus. o coronel Fortunato Flores, e o sargeolo-
mr Eduardo Flores, e lodos os chefes e offlciaes
qae linham tomado parte na sedico, e marcan-
do-Ibes o prazo de doze horas para deixar o terri-
torio da repblica; a nunca mais voltar a elle
sem licenca expressa do corpo legislativo.
O decreto precedido deslas considerarles:
< Tendo se sublevado o batalhao Liberdade e
declarado em rebellio aberta contra o governo da
repblica, a cajas ordena desobedecen o seo che-
le, e apeiar de baver-se sabmetildo, o qae nao al-
iena o crime commettido, submattimeoto qae o
governo acnoa por intermedio de altas persona-
dos, sem renunciar por isso o legitimo dlreilo que
tem de fazer respettar nao s a antorldade, mas
tambera a moralidade e disciplina do exercilo da
-repblica, o governo resol ve e decreta, ele.
Publicon anda o general Piares esta proclama-
cao:
t Povo oriental.
> O lojastiQeavel atteatado commettido pelo es-
coronel D. Fortnalo Flores, que se deelaron em
rebellio contra o governo do paiz, (altando com
este erime a' conflaoaa nelle depositada, acaba de
terminar por sobmeiterem se completamente a'
antorldade aqoelles qae n'am momento de clpa-
vel allueinaco qoizeram despedazar a bandeira
querida e tradicional da patria oriental.
a clreamitaoeia de ser o batalbo Liberdade
a nica forca com qoe o governo conlava na capi-
tal, foi a so razio de lio escandaloso mona ne
ser immedistamente reprimido.
< Hoie, porm, e no momento em qae dirijo a
palavra aos mea? compatriotas, a popularlo dos
departamentos, sabeodo do atteuiado commettido,
e posta de p como nm s bomem, acuda entu-
sistica a rodear-me mals nma vez, encontrando
en nessos nobres orientaos os mesmos qne em ou-
Iros momentos da provacio me acompanharam a
combater pela liberdade, derramando o sea gene
roso ssngae as aras da fttlicidade da patria.
t Admiiindo o sabmetlimento, como fit, por in-
tervenco de altas personagens, desejei tambera
qae nern ama s gota de saDgne cahisse no cami-
nbo, a ca|o lermo ebego em lio breves dias; mas
nesta clreamstancla comprazo-me em assegarar
ana meas eoneidados qae saberei fazer respeiiar
PEHNAIVIBUCO
REVISTA DIARIA
hiformam-oas, que nos oliimos dias da semaoa
Anda, deram-se nos ferimeolos para ladas do
Chora Menino, pratlcados por um escravo em ou-
tro, periencentes ambos a' pessoas residentes para
aquella paragen?, sendo de notar qaa alli nao ap-
pareeesse ento algam agente policial, qae eonli-
vesse a sasba do furioso aggressor, a qae s pola
em parta escapar o aggredido por baver-se langa-
do aa rio.
Chamamos, pcis, a aiiengo do Sr. subdelegado
para aquella ponto.
Ja' foram lae 'dos os Ifcerees do Asylo das
Convertidas, qae a snas expensas vai construir o
Exm. moosenbor Munlz Tavares.
Fica em Santo Amaro, a' roa da LembranQa do
Gomes.
E" urna instituico qae honra aos seolimentos da
S. Exc, ao passo qae da' guarid segura aqaellas
desgarradas,qoe era lempo consideran) e vollam as
cestas ao vicio, qoe as fascinara.
Os Exms. diocesanos sero os administradores
natos do eslabelecimento, para o qaal constitue pa-
trimonio sofflcienie o seu instituidor, sendo dirigi-
da o mesmo estabelecimeot] por irmas de Sania
Derolhea, qoe elle mandara' vlr era lempo preciso.
Homero, como predtssera o observatorio as-
tronmico da corte, verlflcou se em todas as saas
parles o eclipse annular do sol, que foi presenciado
por toda esta cidade. O eclipse nao pode todava
ser bem observado por que, desde pela manhaa, a
athmosphera esleve baru earregada di pesadas
nuvens escaras, que eneobram continuadamente
o disco do sol, de son que a maior phase do eclip
se p>r essa causa qaasi quo se furtou a' vista.
Ante-bontem e bonlem tiveram lugar, no sa-
llo do Santa Isabel, os primeiro e segondo bailes
carnavalescos, sendo ste bastante coacerrido, o
qae eqalliibroa com vaatagm a deficiencia de
mascaras do primeiro. O salo esu' ricamente
adornado e illaminado a' giorno.
Hoje tem logar o terceiro, e amanba o quarto e
ultimo baile.
O instituto Filial da Ordem dos Advogados,
reune-se na sala do jory, boje a' 1 bora da tarde.
Sao convidados seus membros a' comparecerem.
Lista dos estadaotcs ebamados a exame de
lalim no da 18 do correte : .
Plenamente..... 7
Reprovados ..... 4
11
Lista dos estudanles chamados a exame de fran-
eez no da 19 :
Plenamente..... 1
Simplesmente.... 5
Reprovado.....6

12
O escrlvio dos protestos Jos Marianno, esta'
de semana, a' roa de Santo Amaro n. 20.
O antographo dos trabalbos da sessio Indi-
ciara do tribunal do commercio, de 20 do corren-
te mez, por engao nao declaroo qae o Eim. Sr.
presidenta jaron saspeieio nos auDs de aggravo
entre partes, aggravaote Antonio Valenlim da Sil-
va Barroca, aggravado o administrador da massa
fallida de Sebasliao Jos da Silva ; e qae ditos aa-
tos foram apresentados ao Sr. desembargador Reis
e Silva, por qae o Sr. desembargador Silva Gai-
maraes, quem competia a deciso, est actual-
mente exercendo as funecss do cargo de fiscal do
mesmo tribunal.
Lotera.A que se acha a venda
a 55.* a beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia, que corre sexta-feira 28.
Casa db dbtkncao. Movimenlo do dia 21
de fevereiro de 1868.
Exlsiiam 347, entrar a m 4, sahira m 3, existen)
348.
A saber :
Naeionaes 243, ronlberes 4, estrangeiros43, mu-
Iber i, osera vos 56, escravas 2, total 348.
Alimentados a casta dos caires provinciaes 250
Rbparticao da polica.Extracto das partes
do da 22 de fevereiro de 1868.
Foram recolbidos a' casa de detencao no dia 21
do correte:
A ordem do Dr. delegado da capital, Eslevao, es-
cravo do Dr. Christovao Xavier Lopes, por fgido.
A ordem do subdelegado do Recife, Francisco de
Paula Mallos, par briga ; e Camillo, escravo de
Manoel Ignacio de Oliven a, a reqoerlmento de 01 i-
velra Filba t C A ordem do de Santo Antonio,
Igoacia, escrava da Nicolao da Costa, para cor-
reccio.
O ehefe da 2* seecao
J. G. de ilesquita.
Communicados
Polmica religiosa.
XXVII.
Mas escreve o Chrtslo Velho i pag. 33 :
c Para provar-vos, Sr. padre Campos, qae a
i misso de Jess Cbristo nao era s remir do pee-
< cado o genero humano ; mas sobretodo annoo-
i eiar o verdadeiro Dos, qae os Jadeos nao eo-
c nbeciam, eomo diz S. Joao, substitu ndo o Velbo
c pelo Novo Testamento, basta o segrale fado :
A lei amiga maodava apedrejar as molberes
adulteras. Os Fariseos, para tenlarem a Jess
Cbristo, troaxerara ama mnlher, e Ibe disseram
qae tinha sido apanbada em flagrante adulterio;
ento disse lesas Cbristo: O qae de vos oatrps
i esta' sem peceado atire a prlmeira pedra. > A
< vista do qae se retiraran) os Fariseos, e deixa-
c rara s a mnlher, qae se conservoa em p i
f vista de Jess. Entretanto Jesos, qae se tinha
c aballado e escrevia na Ierra, ergueu-se e disse
c para a molher : onde estio os qae te acensa-
vam T ningaem te coademaoa 7 Responden ella :
i ningaem, Senbor I Eetio disse Jasas : Nem ea
lio poaco le condtmnarei: vai e nao peques
< mais (Joio, C. 8, vv- 3 a 11.) Abi lentes, i.
< padre, urna prova evidente de que Jess Cbristo
< derogoa a le aoiiga. Como bomem violou a
< le, porque nao a poda derogar, mas como Dos
derogoa a, perdoandoa culpada. Eis abi porque
muias vezas, qaaodo se iralava da lei songa.
elle dizia : misericordia quero e nao sacrificio,
t Si todo o EvangrlbJ nao fosse um monumento
i perenne qne atiesta a divindade de Jess Lhris-
c to, bastara esta passagem para firma-la de ama
< maneira incontestavel.
Esu objeccio lera sido mil vezes apresentada
pelos bereges de todos os lempos, e dez rail redu-
nda a p pelos Santos Padres e Doctores da Igre-
ji, qne com os a ais fortes e valentes argumentos
demonstraran), em edro unnime, que oo celebre
casi aa minh-r adultera, de que nos falla o Evan-
gelbo de S. Joo, eortou Jesos Cbrislo a qnesio do
um modo todo proprto do Soberano Jniz ; nao de
rogando, era Infrmgindo, n'ura s pice, a lei pe-
nal sobro o adulterio, nem lao poueo desmeotindo
o carcter de mansido, e de brandura, com que
se bavia anuanciado desde a principie de saa mis-
sao divioa I
Muito de pensado deixei para o la a resposli a
esta objeceo do Christo Velho, o qaal, to infe-
liz nesta, -orno em todas as oatras, vera' anda
nma vez desfeito em cfnzas este novo easlello de
saa imagioaco I
De todos os passos do Evangelbo, o da malher
adultera, um, dos qoe atis davidas, e eootrover-
sias snsciuram entre os bereges, e os expositores
das Sagradas Escrlpturas :os prlmeiros proco-
rando descubrir na deciso de Jess Cbristo ama
iofraecao da le judaica,os segundos dedozindo
precisamente dessa deeiso a sabedona infinita
com qne o Mejlre Divino eoociltoa a sus indefecti-
vel jostlea com a saa inexhanrivel misericordia ;
confundindo com a jnstica a bypocrisia dos Fa-
riseos, e com a misericordia alentando a fraqneza
da infeliz peccadora ; de modo qae do tribunal de
Cbristo sabio innocente a culpada, e conderanados
o juizes I E-i a acto da divina eqaldade o mais
fecundo era ensinos, ni > s pelo qae respeila ae
immenso amor de Jesos Cbristo para com os des-
granados humanos, como em relagao i avidez cora
qoe todos ca' nesta mando accasamos, e crimina
idos os cairos, multas vezes por aquillo mesmo em
que somos mais reos I
Consegal reunir todas as interpretares e sen-
tencas dos Padres a Daatores da Igreja sobre esta
importantsima passagem do Evaogelbo ; forman-
do de tedas ama tbe.-e, cuja demonstrado logic,
e jurdica sera' a mals peremptoria coodemna;ao
do erro erasso, em qae se acba o Christdo Velho,
qoe hoje deve de estar arrependido de baver ten-
tado separar o que Dos unto, Isto a lei nova da
lei abliga I
Els, per Inleiro, a passagem do Evangelho :
Ad-lurunt aulem scrtba et Phartssn mulierem in
adulterio deprehensam : et slatuerunt eam in me-
dio El dtxervnt et : Maqister. hac muHer modo
deprehensa est in adulterio. In lege autem Moyses
mandavit hujusmodi lapidare. Tu ergo quid dicis?
c Ento Ibe irouxerara os Escribas e os Fariseos
ama molher, qoe fura apanbada em adulterio : e
a pozeram no mel a Iba disseram : Mestre, esta
mulber foi agora mesmo apanbada em adulterio.
Moyss na lei mandoo-nos apedrejar a estas taes.
Que dizes la logo T >
!
Esta historia da malher adultera, diz Cornelio
Lapide, nao se encooira em &. Cyrillo, s. Chryso.
tomo, e n'ooiros Interpretes gregos, nem do Syro-
Trszem-na, entretanto, todos os Latinos, o Araba
a a Vulgata qae o Coocilio Trideotlno, sesso 4*,
approvou ; d'oode evidente ser ella cannica e
legitima parle da Escriplara Sagrada. Vamos por
part--s :
Lapidare < apedrejar. A lei de Moyss maodava
to somente que se matassem as adulterase essa le
era assim concebida : Se algum abusar da mulher
de outro, e commttter adulterio com a mulher do seu
prximo, morram de morte, assim o adultero, co-
mo a adultera. Os principes, porm, seguindo a
iradiCQo, a explicacao dos Eseribas e Rabbinos,
mandaran) que ellas fossem apedrejadas. Pjrqjau-
to a lei, em tal caso, maodava apedrejar a moca
qne, prometiida era casamento, adulterasse : Deu-
teromio cap. XX vv. 23 e 24 que diz assim :
Se um homem se tivtr desposado com urna moca
virgem, e ochando a algum na ciiade a deflorar,
trars um e outro porta daquella, cidade, e serao
apedreados : a moga, porque estando na cidade,
nao gritn : e o homem, porque abusou da notva
de seu prximo : e tu tirars o mal do meio de ti.
D'onde os Escribas com moito mals fundamento
estenderam esta pena de apedrejamento mulher
casada adultera.
Assim pensam indisiinctamenie os interpretes.
Ora, no Levitico cap. XX v. 10, se da' a conhecer
qae a pena de morte, imposta aos adlteros, era o
apedrejamento, do qaal faz meoQo no principio
do cap. v. 2. ; pelo qae se deve ampliar aos ca-
sos segointes, e conseqaentemeote aos adlteros,
assim como aos mais casos do capitulo. O mesmo
se v de Ezequiel. cap. XVI v. 38, eombloado com
o versculo 40, os quaes dizem assim : E te julga-
rei segundo as sentencas das adulteras, e das que
derramam sangue : e fare derramar o teu singue
em furor ectume.e oters. 40. F. conduztrao con-
tra ti urna multidao de gente, e com pedras te ape-
irejarRo, e te matarte a golpes das suas espadas.
Por igual qoizeram apedrejar a Suzaoa, como adul-
tera, porm, coDbecIda sua innocencia, os velbos,
seos arcusadores, convencidos por Daniel de falsa
aecusaco,foram ondemnados pena de Taliao, a
consequentemente apedrejados : Daniel, cap. XXII,
vv. 61 e 62, que diz assim : Selles se levanta-
ram contra os dous velhos (porque Daniel os ti-
nha convencido por sua propria bocea de terem
dado um testemunho falso) e Ihes fizeram soffrer $
mesmo mal que os dous ttnham querido fazer u
seu prximo, para cumprirem com a lei de Moy-
ses : assim elles o mataram, e o sangue innocente
fot salvo nequelle dia.
Tambero os Romanos. Saxonios, Persas, Egyp-
cos, rabes, Parthos, Tarcos e oatras na;5es pa-
niram de morte o adulterio.
! *
L' posten! acensare eum t Para poderem ac-
cosar a Jesos Cbristo; como contrario a Moyses
e lei, se dissesse qaa a adaltera nao devla ser
apedrejada, e caso snsteotasse qae o devla ser, le-
varem-no a' presenca do povo, como rgido e des-
bumaoo, elle qae de corsco quena ser tide por
clemente e pledoso. Cortamente jolgavam que elle
dina aotes que nlo se devla apedreja-la, aim de
conservar a saa mansido, e nSo perder a benevo-
lencia do povo, diz Rapett), eomo tambera Bada,
Eotbymlo e Santo Agastinbo, qae assim se expri-
me : i Vendo os Escribas que Jess Chuto era
demasiadamente manto, disseram, pois, entre si:
se elle julgar que devenios manda-la embora, na*
dedil: reus es nortis, eum illa et tu lapidandus.
53*
Jess autem inclinan* se deorsum dgito scitbe-
bot in ierra, t Porera Jesos, abaixando-se, poz-se a
escrever com o dedo na trra. Primo; para qae
voltasse o rosto, e desse as costas, nao tanto a' in-
feliz adultera, como querem alguos, quanto aos
mesmoi Escribas, qoe accisavamna. Porque
accasaes urna adultera peranle mim, que no son
juiz etvtt, nem condemnador dos peccadores ; po-
rm medico e salvador. Asim eolendem Sanio
Pelas frascas janellas se diAindem
Na al rorreada no te os soas ijue alegrara
Os goibicos salOes
Orea de ltenla femininos restos brlhavam na-
quelle espaco Qualquer que fosse a neilew ima-
gloada oo sonhada alli encootrava a saa realisa-
cao. Era om palacio de fadas.
Dessa iegiio destacava-se, todava, tres superlo
res arenamos qne pa-eciam angolphar e sumir a
face dos outros no brllbo da saa lu\ Adnlrava in
Agostiobo, Jansem, Euihymio,Kranc,Lncas. Aignus de eito urna linda irgem vestida de braaco, len-
codices gregos dizem : nao er amando a si, nao! do por enfeite no v-sudo folbas arilficiaesde seda,
usurpando, oo alten lando os, antes dando Ihes as | irazeodo a cabeca simplesmenle adornada, pc-
eoslas a elles e s suas aeensacSe-; nan sibi attra- Usada com folhas de rosa. um desses encantos
hens, non usurpans, non advertens, im avertens se', de quem se pule dizer :
ab eis et eorum aecusationi; < anda qoe Toledo e i
outros verlam : < nao flogmio, nao simulando qoe
escrevia, Dorem eMeetivaraeole escreveodo no
chao, nan flngrns, non simulans se senbere, sed re-
ver scribens in trra, una e outra coosa signi-
fica a palavra grega, a nma e outra cousa ver-
dadera e conveniente a tfU lugar.
Secundo, e melher alinde Cbristo a aquella passa-
gem de Jeremas, (cap. XVII v. 1). Peccatum luda
scriptum est stylo ferr in hhoim adnmantmo; t o
p -coado de Jada est escriplo com ura uoot-lro de
NJo vejasse a vires...ea sel porque digo
Tu atorres de amor.
Moca etberea que tem a oonvicco da omnipo-
tencia de sea* olbas ka no sea riso o qoe quer
que seja tmido e reservado. E' o recelo qae ella
tem de matar.
A par desta, contemplava-se ama outra, igual-
mente vestida de branco e de enfeites zoes. Gra-
cioso lypo de innocencia que desperta n'alma ara
Da mesiua forma qoe o prc:ex}ente sendo
de 5D0#0G per auno 6o5 O,
Eslas tras quailias de despeznt de gettio estio
de eoaformidade om o artigo 62 do regolaroento.
Querendoo-eoDrbuieie pagar a mais das despezas
de gesto, a prlmeira emnualidade poder flectoar-
Ihe conforme o artigo 13 do regulamento.
Agenciada Pernamuco n. 19 roa di Livra-
mento. -
iV. P. de VutU
Srs redactores =Era resposta a pablicacao, Qne,
a pedido do Sr. Horisonte Brasilelro, foi Inserida
era seo Diart* de boje, rae compre scieotiBcar a
Yates, e ao respeitavel pubeo qiie foi exaetMsimo
Indo qnaBto Vmc9. noliciaram na saa coacetittada
Revista de 2-1' o> correte mez, cain relacao ao tac-
to ioqaaliflcavel. qae teve lagar s 4 e meia horas
da tarde do foi tambera do correte na povoa-
5o do Mooteiro, por oeca*io de achar se abi pa-
rado um trero di eompaohia dos trilhos urbaao,
para o qoal quer la. o Sr. Manoel Lujz Gomes Per-
reir entrar. endo Ibe islo vedado do modo, por
que Vraes. Helraeate j nolleiaram. Fundameo
esta mioba resp Srs. Francisco da Paula Queiroz Fonceca e saa aa-
*-*""** ** o^an o^t,i iuiu ovil una wvwsvmv *j i --* -j k" .wwww*"^ ^**w v<^^^. x > ------------------------. ------------------------ _
ferron'omaaaha dediamaote. e, como dlzemSact suave estreraecimeoto de leroara;-bella morena eelleolissima familia, LaoreotiBO Antonio eixeira
Agostiobo, S. Jeronymo e outros, allude Cbristo
mais parlirularmele ao verso 13, que dii: Omnes
qui U de rehnquunt confunlentur: recalentes lt
tn trra scribrn'ur, quontam derelinquerunt ve-
mim aquarum viventium Dommum : < todos os
qae te deixaro, sero confundidos: os qae se a-
parlara de ti, serao escriptos sobre a trra: per-
qu deixarara o Senbor, qoe a fonie das aguas
vivas. Como se Jess Cbristo dissera : Aqoi,
Kscrlbis, Jeremas vos pinta bem ao vivo. Vos ac-
casaes urna adultera.; entretanto teodes commetti-
do roaiores crimes do qne ella ; portanto, mais do
que ella merecis ser apedread o-, e cortamen-
te devels ser conderaoados s penas do inferno;
porque vosso peceado de rebellio, IdQ leldade,
obstinacao e perseguico contr< mim indelevel, a
quasi esoripto com ura pont-lro de ferro n'ama
ooha de diamante :. por isso que abaudonastas o
Senhor, e Ihe voltastes as costas, elle por saa vez
vos abaodonou, e vos deu as costas, como eu brje
vol-as doa, e elle vos confundir*, segaod) aquella
passagem de Jeremas, (cap. XVIII, v. 17) Sicnt
ventus urins dispergam eos (de trra) cornm ini-
mico; dorsum, el non faciem, ostendam eis in die
verditit-nes eorum; Eu os espalharai dianie do
sea inim'go, como am vento abrasador: mostrar-
Ibes-bei as costas, e nao a face no dia do sea es
trago. Despresados os baos celestes, procarastes
os lerreoc s, Isto os fragata, vo o de pouca du-
raeo; por isto passarcis brevemente cora elles,
como depressa se apaga o que se escreve no chao,
oa pelo sopro do vento, ou pelo calcar dos ps.
aparlate-vos de Dos; por isto nao seris escrip-
losnoco; porm na trra, islo nainferoo;
seris folhas, e alimento ds fogo Infernal. (Vede
as palavras da Jeremas v. 17). Asslm Santo Agos
tiobo (liv.4de Censensu)Evang. (cap. X Santo Am-
brosio (Ep. 74 ad sludium): Escrevia diz elle, oa
trra com o do, com que e3crevera a le: os pec-
eadores sao escripto3 u trra, os jotos oo co;
Serioeoa, aif, in Ierra dgito, quo senpserat legem
peccatorts jn farro scribuntur, justt incalo.
Saoto Agostinho symbolicamente accrescenta no
logar citada ootras duas causas. A primeira, era
j ara mbstiar qoe Jeos laiia milagros oa trra ;
porque, sendo Deo"*, se hnmilhoo, a flm da fazer-
se hornera : porqoaoto os miUgres sosignaes que
se fazem na trra. A secunda, para significar qoe
era ebegado o tempo, era que a le serla escripia
oa t-rra que dira frucio, e nao em urna pedra
estril, como aollgamente. Aiui o iractado 33
aprsenla urna terceira causa, Isto para siga!
flearser Jesns O mesmo qae escrevera com o dedo
a lei velha das laboas do pedra ; porera que a lei
nova oio devia ser escripia do mesmo modo, e
sim em trra fructfera.
t Perguntarso qae escrevia Chr'.sto na tr-
ra TRespondo : Cbristo fez isso, a escreveu no
atrio do Templo, que era coberto de pedras: pelo
que nao podia escrever nellas os caracteres das
lettras; mas lio somente delinea-las com o dedo.
Parece, cortodo, ter elle delioeado algoraa cousa,
qae confunda aos Escribas, ou qoe Ibes laocava
em rosto os seos peccados; porquaoto, explicaodo
loge o que bavia escipto, accrescentoa por bal
xo : Qui sme peccato est vestrum, primus tn illam
lapiden mil tal: t O qae devs outros esla sem pec-
eado, seja o primeiro que a apedreje. t Oa an-
tes, diz S. Jerooymo, (ao lv. 2* contra Pelagiu)
Jess escrevera oa trra nlo s os peccados dos
aecusadores, (dos Escribas) corno tambera os pec-
cados mortaes de todos os bomens Santo Am
brosio, porm, na Epstola 56, diz que ontra
rasa escrevia elle, seoao o que foi prophetisado por
Jeremas no cap XXII v. 19, onde diz t Terram
scrtbe hos-vires abdcalos f O qae W lateral-
mente escripto a respeito de Jeconias.
Na mesma Epstola julga elle, qae Jesas, entre
otras cousas, escrevera: t Festucam, qurn in oculo
fratrts tui est, vides, trabem ver qua in oculo tuo
est, non vides ; Vs a palhinha no olbo do leo
visiobo, e nao vs a travo no teu. Outros jolgam
ter elle escripto : Afan tekelphares, cojas pala-
vras foram a coodemnaQo de Halihasar ; porque
a ellas parece allbdir Daniel no cap. V, v. 25. Mas
nao se pode ao certo definir o que particularmente
Cbristo escrevera.
(Continuar-se-ha.)
FublicaoOes a pedido
a tambera da eiaellenlisslraa familia do Sr. Anto-
nio Jos Vieira. de Sooza a da do Sr. Agostiobo
Farrelra Jnior, por q*era lomos en e os Srs. Mt-
guef de Miranda Molla a Secandinn Prediliano Gi-
mes de iiver? informados acerca de semelhaota
eeeorrencia.
Peco a Vmcs. se dieoem mandar inserir estas II-
Tsales es graces font, com rae am faiseeau que J Boas io sea- eoneeiaada harto.
qaa revela nos olbos toda a hondada da sea cora
;o. Completara a laminosa inadade orna outra
lindeza, qae se disliogoia no toilette apenas pelos
eofeites cor de rosa. E todas erara lio igualmen-
te meigas, lao Igualmente amavels, que havla ra-
a o para er las irmes.
tremble.
Na sala meda esteve tambera dorante o baile,
ama estraaba e peregrina belleza, cojas faces co-
radas Bgoravam o abrir de orvalhadas rosas. Dir-
se-hia que a romper da manba qaa alla bem
loage vinba, eomeeava a dar signal oo rosto da-
quea deldade. Importa aqu fazer orna nota.
No meio de todo aquella esplendor observava-se
de looge em ionga am assombramento que devia
ser prodozida pela IotarposiQo de algara grande
eorpo. Procaroase e acbou-se acama:erara
eclypses motivados pela passag'm de ara estrao
geiro nariz, massa opaca e disforme, semelhaote
ao de que falla Gregorio de Mattos:
Qoe eolra na aseada
Duas boras primeiro qae sea dono.
Continaoa o baile al as 3 boras:em que eo-
mecou a retirada. Era seguida, oa noite immedia-
la, deu-se principio a novena. Nao cabe aqol des-
crever nolia por noite, novidade por oovidade, ca-
pricho por capricho, todo o loxo, toda a p rapa qoe
alli se fez notar. Cbegou o da da festa;que na
vespera tinha sido annunclado e saadado sumpiuo-
sa e brlbaotemenie. Qaem alli Ao esteva, casta
a fazer ama Idea do qoe se vio. Era ama multi-
dao Iramens* que se acotovelava;era urna cou-
sa impossivelera o Recife no Mooteiro.
E' intil repetir qae de apparato&o teve a festa;
o. pequeo templa admira va se tal vez de se ver lie
frecuentado; to cheio de ricos adornos Debalde
o sol que pareca presidir aquelle eoarme conenrso,
esealdava milhares de cabecas ; nioguem sen-
ta.
As S horas da larde, mals ou menos, subi ao
ar ara gigantesco e bonito balSo. Outro mals sr
seguirn). E nessi occasiao era doce contemplar-
se um sera numero de rostos formosos.de (albas es-
beltos, de cabecas d'anjos em corpos de virgens.
E tivomos ainda o prazer de admirar a belleza da-
quella qae em a no te do baile parecra-nos mais
deslumbrante. Trajava de branco e tioba enfeites
cor de bonina. A sea lado devisava-se tambera
um novo lypo de esplendente formasora, de igual
traje com enfeites cor de rosa. Nem sabemos qaal
dellas deixava maior impresso.
Caegoa a noiteboave o Te Deum. Agglome-
roa-se o povo era toroo da bandeira qae la descer.
Alas de mocas, coa o na primeira uoile, seguiram
ent jando cnticos a Santa Virgem, aorapaohados
de boa msica. Era ura be.liissmo quadro. Assim
foram a easa da excellenlisslma juiza. Constou-
nos que anda depois disto dansou-se em casa de
Illm. Sr. Rodrigues; a qaem cabera por certo
muilos elogios, por sua iofatigabilldade e inleress
no engraodecimento da festa.
De proposito esquecerao nos do fogo. Ah ficam
os tragos geraes do qae podemos presenciar.
observar a ju'stica que a lipresereve: era elle
certanunte para nao despir o carcter de mansi-
do. pelo qual jase tem tomado amavel ao po90,
diri que devenios deixa-la ir embora; e assim
achuremos occasiao de accusa-lo : porm o Senhor
guardou toda a justtea na sua resposta, e nao des-
mentio a sua mansido. *
Jalgavam, pols, aecasa-lo, porque, absolvende
ama adaltera, violava a lei, e nallificavt os joizos
dos tribanaej, e deste modo abra a porta ao adul-
terio dizeodo ( ainda Santo Agostiobo qaem fal-
la) E's Inimigo da lei, jalgas centra Moyss, e
portaoto contra Aquella, qae dea a lei por infer-
nedlo de Moyss; s rea de morte, e jumamente
jom esta mulber adaltera, deves ser apedrejado.
Dtntes. (ait S- Aag.) hoslu est legis, contra Moyt-m
sn Kijuitcat, um centra eum, fui per Mogn*. lege
impressea da festa dM*Rteiro,
Ha terapos,diz a voz da admracSo pobiica-
oo se fizera ama festa religiosa que se elevasse a
lamaoha pompa e brilbanllsmo. Solemnidades de
tal oatareza deixam lembraucas loapagaveis. Os
babilantes daquelle bello arrabalde leriam razao
para o orgulbo qoe da' o triumpbo, se as latas de
competicao fossem admissiveis em materias pas e
religiosas. O nobre capricho dos encarregados da
fesla recebe ama eomo sanlifleaco do venerando
objeeto em cajo loavor tanto se empenbavam. Na
fcil a imagioaco comprehender em ara j qua-
dro o que all bouve de ootavei, o que alli bouve
de gracioso e bello. Seja-ms permittido alargar o
plano de descripgo qae temos em vista. Na pri-
meira noite em que se levaotoa a bandeira, ca-
mera eoocarreBCa, profaodo regosijo assigoalaram
os ricos preliminares da festividade.
As 9 boras, om alagante grapo de virgens aeom-
paoboo a bandeira qae se condazio da Casa qae
fra preparada para ara baile, at o lugar onde
devia ser basteada. Nesse trajelo teve-se de apre-
ciar es liodos versos qae meninasanjos oa anjos
-meninas recitaran) da tres moDliculos artstica-
mente levaolados e cobertos de folbas. Traziam a
lembranca os velhos sitare* poticos. Todas ex-
oriroiram-se bem ;-mas noten-se alguma consa
de mais vivo e animado n'aquella que, ao entregar
a baodeira, por sua vez tambera recltoa de sobre
o carro triompal era qae vioha.
Eram 11 horas mais ea meaos, qaando assim
terminado aquelle movimenlo, restava o baile. E
Lava eom efleito a casa deslioada.-cora saas
tros grandes salas, magnficamente adornadas, que
Preciara o sea vasto seio a tdos os tumultos de
mi Motradanca, a todas as toncaras e devaoelos
Se Sope, ele" Na entrad vase ora folhado
wamanebio. O grande edilcio enebia-se Toca-
va a bora de conejar 5 e ao dizer do poeta:
Srs. redattores.'Ss abaixo assignados mora-
dores na Capuoga, viraos boje protestar contra am
artigo calumnioso qoe sahlo a luz; e por isso pe-
dimos a Vmcs. a impresso dessas liobas.
Na ooite do da 13 dirigia-se para sea mucambo
o Sr. Francisco Antonio Tavares, quando ao passar
pela casa do Sr. Lourenco iNuaes Campello, sahlo
Ibe ao encontr o Sr. Joaquira Alves da Fonceca, e
comecoo a iosolta-lo e provoca-lo cora appellldos e
piiberias, ao qae o Sr. Tavares, qae infelizmente se
da ao uso de bebidas, e oesta occasiao se acba va
fora do seo estado natural, respondes Ibe comas
mesmas armas.
Foi assim qae se dea o faeti; mas o autor do
arligo conta-o de ouira forma, encaixando ah um
tiro, que maguera onvio, e nem podia oovr, por
isso qoe elle nanea foi dado.
Nos, porera. qoe nao podemos e nem devemos
ver impassiveis, passar a lomar corpo urna calum-
nia como esta, qoe nao podemos ver preso e per-
seguido Injustamente ara desgranado carregado de
familia, vimos dar ara testemunho da verdade, des-
irnindo ima calumnia, qnanto mais que sabemos
qoe o autor verdadeiro de toda essa perseguico e
enredada, e levado por seotimeotos que tem serapre
sido conderanados pela si moral.
Recife 10 de fevereiro de 1868.Joaquira IHen
riqnes da Silva.Simao Jos de Azevedo Santos.
Francisco Antonio da Silva Cavalcanti.Joo Gon-
calves T-rres.Fortunato Jos Blas Sampayo.
Jos Firmioo Alves de Sampayo.Vicente Thomaz
Pires de Figneiredo Camargo.Joaqutm Jos da
Fonceca.Antonio Jos Pereira Bastos.Antonio
Alves Pacbeeo.Luiz Gomes de Figneiredo.Jus-
tino Miguel da Costa.Joao Santa Anna Sllveira.
Joaqoim de Seaza Pereira Brito.Joaqoim L. A.
Viaooa.Jos Francisco Mannbo.Jos Francisco
da Silva Ferreira.
Recife 22 de fevereiro da 1868.
Manoel Jos da Costa Peieira.
A chinlea da medicina.
Urna das descobertas mpoi tantes, qui
sci enca medico-chimica tem feito ultima*
mente e que as propriedades curativas de
qualquer substancia existe somente em ama
oo mais das partes de que ella se compe.
Assim os effeitos medicioaes do opio sao
nicamente deridos morpbina que elle
contera, a qual constitue urna 18a parle do
seu peso, sendo as ouiras 17 partes, gommas
e materiaes inertes ou otfeosivos.
Fui o grande cliimico e mlico americano
Dr. Ayer que trouxe esta descoberla ao pu-
blico as suas preparaces caseiras. Eo
grande poder que tem o extracto composto
de sal-aparrilha do Dr. Ayer, para renovar
o sangue e purificar o systema, llovido ao
seu systema especial de empregar somente
as virtudes curativas das plantas, que entram
na sua composico.
A diITerenca entre a vida e a morte.
Esta a distmeco entre a Salsaparrilha
de Bristol e todos os medicamentos mercu-
riaes ; estes enrenenam o saugue, aquelle o
purifica e vigorisa. Quand) as .ementes da
morte se tem inlroduzido as veas com o
uso das beberagens mineraes, nada pdede-
ter a mareba da victima at quasi s bordas
da sepultura, a nao ser este antidoto contra
esses venenos. O mesmo acontece quando o
virus d'uma molestia natural, trabalhando
no systema venenoso, se desenvolve debaixo
da forma de ulceras escrofulosas, cancros,
tumores, carbnculos, infiammacoes bran-
cas, abscessos, erupcoes, e todas as demais
terriveis enfermidades externas; pois este
grande remedio opera chimicamente sobre o
sangue viciado e sobre os mais fluidos ani-
maes, transformando-os quasi milagrosa-
mente em correles puras e nutritivas, le-
vando a saude e o vigor a todos os orgaos
por onde circulam.
i4cba-se venda em todas as partes do
inundo, em todas as principaes boticas e lo-
as de drogas.
COMMERCIO.
ENGLISH BANK.
Of Rio de Janeiro Limited
Descoma letras da praca taxa a con-
yencionar.
Recebe dinheiro em conta corrente e a
praso fixo.
Saca vista ou praso sobre as cWades
principaes de Europa, tem agencias na Ba-
ha, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte cartas de crdito,
para os mesmos lugares.
Largo do Pelourinho n. 7.
ALFANDEGA.
aendimanto do dia 1 a 21........ 34o:749J9U
hiendo aun.........,..... 8^704#9M
3*:4341906
Movlmento da alfandega-
Volantes entrados om faiendata..
> 1 cora gneros
Vola raes sabidos com faxeodaa...
1 > com gneros------
li-
li
IB
371
------416
Protectora das familias
Os senkores de engenhos oa de mala peseoas resi-
deoies fora da capital que qaiierem fazer algum se-
guro n'esia associacao, poderlo escrever ama carta
especial 4 sea correspoodeote o'esta eidade, aoio-
risaado a elle a effecluar o seguro oa segaros, de-
clarando Da aotorsacao o nome da p<*soa oa pea-
soas qae qaiierem segurar, data t lugar do nasa-
ment de cada om dos segurados, e a quantta ao-
nnal qneqnizerem despender por eada seguro.
As de mais formalidades qae devero seguirse
sero esplicadas verbalmente aos respectivos senho
res correspondentes, entregando a elles o regala-
ment da asseciacSo.
Um senuro de capital : 2000000 por au-
no, por 25 annos, com facnldade de poder
liquidar por qoioquepnios, importarlo as
despezas di gista, por cada seguro, e que se
pagam a vista 2555O0O.
Da me?m forma que o precedente sendo
de lOOOQO por auno 1290000.
Descarregam boje 24 de fevereiro
Vapor loglexGhrysoletemereadorias.
Folaca bespaobolaPresidentevloho?.
Polaca bespaobola- Yenturetavinhos.
Brigoe Inglez Tilomabacalbao.
Brigoe soecoKiefortacarvao.
"
eADTA DOS PREQOS DOS GNEROS 8JBIT0S A BIWIITI
DK SXP0RTAQA0. SEMANA DB 24 A 29 DO IB
DE FEVEREIRO DE 1868.
Mercadorias. unidades. Valores.
Abanos. .......eBt0
Aleool ou espirito de agnaar-
dente......
dem caxaca.......
Agurdente de cana
dem geaebra
dem restiiadaon do reino .
Algodao em caroco '
dem em rama ou em laa .
Angicos (loros).......
Arroz com casca ......
dem descascado ou puado .
dem branco %
Assucar mascavado ....
dem reflnado.....
Azeite de amendoim ou mendo-
bim.........
i$vm
caada 900
> 400
900
880
> 800
arroba 2*615
i uasoo
dazia 60OCO
arroba IJO0O
* 24600
44300
. wm
> 64600
catada 2530*1

un
***;'







' '-' '-''' '
}
itrio de
^ <* uada le** S4 de fevereir* de 1868.
i-----------------

L
~l
dem de coco......
dem de mamona ....
3atatasallnntticiaj ,..,,,
Baouilha........
Bolacha ar dlaaria, propria pan
embanrae .*\ .
dem fina........
Cafbom........
dem escolba on restolfe .
dem torrado......
Caibros. .*.....
CI..........
dem branca......
Carne secca (xarque) .
Caraeiros.........
Carvo vegetal .
Cavernas de sicupira ...
Cera amareila ......
den de carnauba em bruto
tdem idem em velas .
Sades (porcoj. ....
r.........
Charutos.......
Cocos seceos......
Colla........
Coaros dafcei, salgados .
dem seec&s espichados .
dem Tardes......
I*om dretbra corttdos .
dem de onca .......
Doces seceos.......libra
dem em gelea oa massa.
dem em calda.......
Enlames .........
Kspaoadores grandes ....
dem pequeos......
Esteras para forro de estivas
de navio........
dem de carnauba.....
Estopa nacional.....
Farrnha de mandioca. .
dem de araruta .....
Feijao de qualquer^jualidade .
Frechaes.......um
t
i
arroba
libra
*
libra
um
arroba

i
um
arroba
urna
arroba
libra

um
libra
eento
libra

un
um
c
(
cont
raa
arroba
1*800
14*00
1*500
2$ioe
5*000
74000
74000
e*wo
440
360
100
580
34800
4000
44*00
34500
t>*30tl
o
500
20*000
94000
:)4uOJ
Mego
660
3 360
110
380
10*000
14000
360
510
13500
|4UM
240O*)
.l7^!iw, ?*** *!*> Thomi. de
Asjls, aqmpagf ra b, varga algedio cairos gen*.
ro a Parete Vianoa & G.
Cear pelo Asi-14 das do l>, 5 do f, otate bra-
*lMra Oroemo, de 85 toneladas, bapliSo Manoel
a Bajlholoraeu Liurengo.
d*Etut, S0,"5 *" ?r,gae brllero
aula Casa da ttaerlfr Iteelfe.
Pela secretaria da Santa Casa da ttttttiea>rdia
do Kcifa se cjnvlda aos propric'.anoj. fie pradios
e sino (orelros ao palnaooio des orphaos a* car-
go desta Santa Casa, par qu* t; alera de^pagar os
foros que se acroma dev.r, cujos conbecimen-
f*. do 214 toneladas, caplto K. dos Saotos Lom-1,os e5,? 9" p"der 4o Procr'or H-reulano Ole-
a, eqoipagem II, carga SJOO arrobas de can,e: *,no. H'be,ro c.MlnV ^B se Poderio dirigir na
' i roa da Conceltao o. 3.
Secretario da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife lo dd fuvereiro de 1868.
O eserivao,
Bailar & Oliveira.
w, N*vt sak idos no mesmo da,
wverpool-barca iogleza Corea, eapitao Slackland,
carga algodio e assocar.
Rio de Janeiroescuna prassiaoa Nicrliu, capillo
Gaolbler, carga assocar.
Aracaju-barca braslleira Prrola, eapitao Francis-
co Soares Marbado, em lastro.
Liverpool por MacelopatacDo nula Pe ta, capl-
to S. J. Thompson, carga ladro de assocar.
Navios entrados to dia 23.
Pedro Rodrigue de Sooia.
fc"'**. fgnaela de Vaseoncellos......
lerdeirot do briyadeiro Gaspar da
Mermes V.de Drammood........
574600
124000
Amonio Germano
Sonta..........
Letras
Rigueira Pinto do
Newiaaiie69 da, lugre ingle* oc, de 247! canatnento, i,5o podem transitar Tehiculcs
Ion. I 1 A a n rll*/ WT Ti *__ afc _______. 1 A 1 __
Companhia do Beberibe
A directora da compatihia do Beberibe
previne a quem oteressar possa, qae em fl
coasequencta das obns da nova liuha de en- Mara oiymph Raptisu..........
^'itlimanln l H.\ nnrlnr ^-------- a. lacuiriA Pnrutir..,, D^.<_;__ .
5094095
Alugutit ie caiat ptrieneentei aot ettabtlecimnlos
de ca idade.
Mara Enilaquia do Llvramento 011-
,efr*............................
Eduardo Claudio Corro Cabral.....
Tbereu Abadeea de lesas..........
Athaoaaia Rufina do Livram<>.'au....
Flix Jos Fnrreira.................
Vi esta Jos Perreira...............
Hemeterio Js ds S.aotos..........
Anna Joaquioa La^ra..............,
Fumo em rolha, bom.
dem ordinario oa restoiho.
dem em rolo bo. .
dem ordinario oa resiolho .
Gallinhas.......
Gomma........
Ipecacuanha (r,iz). .
Jacaranda (cos-oetra). .
Lenha em asnas.....
de n.aof u em toros .
Lmhas e estetes.....
Mel oa melajo.....
Milho ........
Os-os ..'.,....
Palha decsrnaba. .
Papagaios
Pao Brasil........quintal

dem de jangada
Pecbury ....... ,
Pedras-de amolar ......
dem do flltrar......
dem e rebolo......
Penas de ema......
Piassava........
Pont?s, on chifres de vaecss-ou
novilhos.......cento
Pracchoes de amareo de ~fa%
costados,.......um
124600
Mk)
24000
alqueiro 2*500
arroba W*(MK)
4*000
ipaM
154000
85000
10*000
8*()"ll
am
3*200
25*000
t).)*000
3*000
12AO0O
0*000
300
1*000
24tt
U000
oAfOO
6*1100
0*000
12*000
MI
800
1*000
24000
160
arroba
urna
arrob

dozia
cents
v
en
c.csda
arroba

mulbo
um
tonrUdas, caplto \V. Beg, eqalpageui 9, carga
carvao; ao mesmo capuo.. Veto refrescar.
Rio Formoso 7 horas, vapor 6r>Heiro MamangHt*
pe, de 243 toneladas, cmaaaodante Cptta, ejui-
pagem 20; a companhia pernambocam.
Navios SHkidos 110 mfS'Ht da
Rio Grande do Sul- nrigue brasUeiro Arroio talo,
caplto V. J. da Molla, carga as-unar.
Llverpodbarca norwgoease Nordcap, capUao
Albretbsou, carga atgodo.
Rio de Janeirobrtgae hsspaohol Mana flota, ea-
pitao C. Berlrao, carga viob 1.
Rio de Janeirobarca portragoea Btdmar, eapitao
Antonio de S. n Goyanoavapor brasijire PmahLb*. commandan-
te Mello.
Observafao.
Saspendeo do Urna o para Hdtart To\va (oa
Australia;, a barca luglea Balmccar, com a mea-
na carga que trouva 4o Londres.
edTtTeT
uro
arroba
urna

*
libra
mollio
3*800
MfOOO
1-0*000
1*000
. -160
alqaeire 400
arroba 30*000

libra
dem de louro
Rar........
Sabio .......
Sal......
Salsa parrilha ....
Saiiatos de cooro braveo. p%r
Sebo em rama .... arroba
dem em velas ....... .
Sola em vaqueta nma
Tabeas de amareo ... duxia
diversas ......
Tapiocas........ arroba
Taujuba ... .. quintal
T/aves......... uma
Unhas de boi...... cento
Vassouras de piassava. >
Ditas de timb.......
Ditas de carnauba..... >
Vinagre......... caada
Aifiudega de PeroetEimeo, 22 de levereiro a?
Asslgaado. O & conrerente, Manoel Ptre-
jrtno da Stlva.
O 2. contereale, Joaqun Ignacio e C. Ven-
doea.
Approvo-Alfcmiega 22 ds levereiro de t. fA.
A. Eulalto
Conlorma. G S.^eicripturyio, Eutyclio Uon-
dm Pestaa.
RtCEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAE8
fUodimeotoo da 1-*21.......... 33:31 ;*639
Mam do da 22................. 1:513*375
800
S50O0
7*000
2*5(X>
hmmo
S7*00fi
3*000
2*000
800
|MB0n
i4*otJO
6*000
6400J
800
A cmara Bonicipal *?st> cldade maoda po
Mtcar para c^nhrcimento dos toteressados a oorta-
ria qoe se -ego*. do Dr. etefe de polica de 5 do
correrte, qne the fora remettida com oficio do
mesmo de Iguel data, e pela qual resolver, atten-
dendo ao qne Teqnereranc os commerclaotes da ra
Direita desia-cai.ital, a a proprlenos de vehicn-
los de condaccao, que, sos ditos vehculos, qae par-
tissem do tergo das Ctaco-Pontas e suag immedia-
fois, fosse vedado o transito pea referida raa Di-
reita.
Paco do cmara raDicipal do Re.tfe, era se??3o
de 12 de fevereiro e 1868.-Loia Jos Pereira Si-
m5es, pTpresIdetRe.-Ftanctsco Canuto da Boa-
viag-em, secretario.
1 scelo.Secretarla da polica de Pernambu-
co, o de feveretra de 1868.
Fiea vedado o transito pela referida roa Dircrta,
ae todos e quae;oer vehculos de condoegio, qne
parttrem do aepo das Ctnco-Pontas suas imme-
diaco-s, os quaes deverao segar pela travessa de
S loao a sabir oa roa Augusta, e desta pelas roas
dos^Martyrios-e Hortas a sabir 00 pateo do Carmo
e d ah pelas roas da Gamboa do Carmo e Nova.
Pedro Franeelino Goiraares.
Gonforme.O offleial servlndo de secretario, Jos
Xaler Faustino Ramos.
De ordem do
de do Prala.
Escritorio da companhia, 22 de feverei-
ro de lt)8.
O secretario,
Dr. Prxedes Gomes de S. Pianga.
31:857*034
Q0NSLA9O PROVINCIAL
Recdimeniodo dial t 21.......
Mn dodia 22................
!2?:83246-'
K:4!d4527
<33:26l*313
m\m mmi
t de fevereiro de I SOS
A3 3 HOBAS DA TARDE
REIilA HKt tKAL.
Cambios.Saccoo-sec hre Londres 0- 15 7/8 d.
a 16 3/8 M/B e subre Lisboa a 17 1/1 pagavel em nb-ra-
Dus. valor dos saques para a Eor.ipa S 4,00O.
AlcooaoVen'teo-se o de Pernambaco tsc-dhido
rotular de 404800 a UaWOft; o de Macet,
posto a bordo, de 114500 a t2300 eo da Para-
yb*, tambem <>osio a bordo, a 124006 por a-roh.
AssccABVenden se o hranco de 4*000 a 4*706
,a arroba, o someons de 3f80 a 3*900, o masca-
vado purgado de 3*60.) a 3370J, e o bruto do
Caoal. amare |0 de 3* a SjfiOO o t arroba.
Agaboents.Venden-so a 75* a pipa.
Cormos. Os saceos e salgados veoderamse a
JOO ris por libra.
AMOZ.-0 pilada da India vendeu-56 a 4*200
por arrba.
Azbite noca.Veadea-se o de Ltsb3a:a 44800
4 galo.
Bacalho.**t*H>on-se de 16* a 214, e eo
alaead.. 304000 por barrica.
Bolachinhas.Vendeu-s^ a.4Jn0a barriquinba.
Batatas.-Vendern)-se a 24500a arroi.
Caf.dem de S4100 a 7*0 Oogigo.
Cha.dem de 2*00 a 24h a libra,
Cbbvbu-Veodea a ae ASSoOa 4*800 pordoifa
^e b Ha*.
Parwha de trigo.Relalhou-se de 34S a 365 a
e Ji w Y.*k, a 3Ptf a por barrica da de Trieste, a 15* o sacco da do
*"' a lo o da Califeroia : n<:aado em deposi
lo6>Ob a l^rceira, D.000 saceos da quara e 3,000 a
quinta
Logca.-A ingiera ordiearia vend3-se como
premii. di 37o 0r eento de premio.
Mahwiga. Venden* a wgleu d 1418O a
143"0 a libra, e a franceza de 760 a 80V rs. a dita.
- Illm. Sr. Dr. ch-.- ,1 i polica
taco publico, para conhecimeoto de qafm imert-s
sar possa, trictoda freguezia da Baa-Vista, foram capturados,
como fgidos e recolhidos a asa de detencao, o
escravos de nomes Tbeodoro, BiB-dii;to e Margan-
da. pertenceates o priaaeiro a Elisiario Jos dK
Aguiar, o segundo a Francisco G.mes Tabisa, rei
dente na Gloria do Goit do termo de Pao d'Albo,
e o terceiro a Manoel Barroz.
Quem, pois, se julgar com direito aos mesmos
escravos dever reclmalos n'esta repartieo, mu
nido de documentos comprobatorios do seu do
minio.
Secretaria de polica de Pernambaco, 21 de fe-
vereiro de 1858.-0 secretario, Eduardo de Barros
1-aleao de Lacerda.
Por ordem do Uro. Sr. Dr. elitfe de polica,
fago pobl co que acha-se depositada o-sta repart
gao urna qoantia de dimeiro, a qgal fui encoitra-
da em nm dos wag.jo* da estrada da ferro, e sera'
aotregoe a peoa que rmstrar ser ssa verdadelro
duno.
Seerttaria da picia de PernambuJo, 19 de fe-
vereiro de 1868.
O ecretario,
___ Eduardo de Barros Falcode Lacerda,
G deserobargador Anselmo Francisco Peretli, com-
roendador da inperial ordem da Rosa e da de
Chrlto, presidente do tribunal do rommercio da
provincia de Peroan-boro, per S. M. o Impera-
dor, a quem D^ns gnarde, etc.
Fago saber aos que o presente edftal vlrero, qn
om virtodsdo dispos no decreto n. 3 811 de 13
de margo do anno prximo passado aotorisaodo a
compapbia N rthero As.nrance & C, a estend'-r
oas operai,5es sobre seguros de toda a son de
oropriedade contra perda ou damoo, cansado por
locendio, nesia provioet, segood as regras no
iesmo decreto est-beieeidas, e de rtarem-j-e re-
gistrados os respectivos estatutos, dos qoaes se v*
ser o seu eapltal de doos railhSes de libra* esterli-
nas, dividido em cera mil acg5s de viate'llbras ca-
da nma, ffa pelo Eim. Sr. presidente da provin-
cia declarada constituida cesta cidade, em 13 d
correte, a referida cnropanhia, como mecommu-
oicon e-o offlcio de 17 do 0H0 mr.
E para constar e em eomorimento do qne dis-
M5e o art. 15 do decreto n. 2,711 dei9 de dezem-
bro de 186-.', maadel pagsar o presente, o qnal de-
pols de sellado com o sello do tribunal, vai por mlm
sslgnado.
Dado e passado na secretarla do tribunal do
comraercio d; Peroambuco, aos 21 de fevereiro de
?8C8.
Eu Jos Marceloo da Rosa, secrolario o sub
acra*!,
(Eslava o sello).
Anselmo Ffaneisco Peretti.
Jeyino Consuate Rodrlgne...!..
Vrenle Wanea Serra................
Herdeires de Anna Joaquina Caval-
cantide Albuqnerqua.............
Joao da Crnz Mendonga...........
Joio Francisco Tavares............."
Venceslao Ignacio da Conceicao.....
Claudio Jos Theodoro............
Francisca Uan Carolina............
Feliciano Primo de J-sus............
Mara Benvioa Cavalcanti...'.'.'.'.'..'.
llantina Lbercma dos Res.........
tir. Joao de Barros Falcao de Albu-
querone Maranbio...............
D'ora em diante podem ser enviados pelos pa- Anoa Marta da Cooceigao ....!!.'!
quetes a vapor da Real Companhia Br-aumca, para, Miqalltaa Seba ttana de Albaquerqae
quasi todas as partes do mando; cartas, lornaes '
Uvros, amostras de mercaderas, etc., pagando -s1,, Alugtu de casas de Ohuda.
previamente neste copulado o respectivo frete em Sevenna alaria de Jess.............
dtnbeiroou por meio de sellos do correio hritanni- Arcbanjela Marla.doa Aojos....'."".'."
co. Para o reino de Portagal sdowrte podem se i Mawoel Jjs do Nascimeoio...-.....
pagos de ante-mSo, as caitas sodo o porte quatro H*1-1* J"aioina Cef ar de Mello....
pennies por cada qoartode ooga(r*aas oitavas) emlAn,0D0 dinheiro esteriino on sea valer.
Tambera se concedem ordens para dinheiro nao
exeedeudo de 10 libras esterlinas cada ama, so-
bre qualquer dos principaes eorreios da Gra
Bretauba e Irlanda mediante iraia commlssao con-
forme a tabella segntnte. Estas ordens podem ser
pagas em soberanos ou o sea valor em moeda
434500
1204O00
17*000
!*400
3lfi*-,82
60*0i0
200*000
4S*.I00
1P4=H0
T^vegacao costeira por ??r.
Rio Formoso.-
O vapor Mamanguape,
eoromandanta Costa, se-
gira' para o porto ci-
ma no da 26 do errente
as II horas da manbaa.
Recebe carga, passagei-
^ ros, encommendas e di-
noeiro a frete no ecriptorio do Forte do Matos
n i.
_, PARA 0 PORTO
vai sahir oa presente semana o brigue Boa F,
para a resto da carga tratase com Cartalbo& No-
19i*0O0.8Qeira- na roa o Opolo n. 20
32,5833
S584720
1524290
2H410
714130
924 <30
74330
230*H*K)
39*600
48*000'
183*333
334000
53*332
COlil'AMI BUlSILliA
Paquetes a vapor
crrente deste imperio.
ORDENS PARA DINHEIRO.
Para as qoaotias nao excedendo
de*'2at
2...
5...
de 3 at 7...
de 7 al-fi 10...
Sen.
0
1
5
3
Pen.
9
6
3
0
de
Consulado britaonlco em Pdruambuco 12
dezembro de 1867.
Beuttnek W. Doi/li,
Consol de S. M. B. e ageute docorreio bnlannico.
Notice,
Let'ers, oe'wn'apers, Bjok-parcfls, Samples -f
Mercbandize, Patt-rns, etc., mty now be s^nt by
Ihe Bntish Matl Packets to roeariy all pars of the
World, and can be prepaid at this Office ither o
money or by means of f Britlsh Postage Stamps.
Letlers onln can be prepaid for the Kmgdom
of Portugal. The Brlllsh sea-rttea on letlers ftr
I'ortogal, is four Pcoce far eacb qoarter of and
oounce (twe oilava:).
Money Orders.
Are a'so issaed at this coosulate on any of the
principal Post Offices in Great Briuin and Ire-
land at th- f-How ne rate of cnmmissjoo.
1240)0
68*11110
77*000
8000
90*100
63*666
6l*8tri
68*0.10
11150 10
44*618
8*0 34*1100
24*^66
43*?00
9*000
NfiQ
151*733
35*H6t
548H
160*000
oO*h3
n
a
Ji
O
la.
a
TS
tu
o*
aq
> d
0. 9.
O
<
s d
I. 6.
o a,
a a
r. p
11*
<
a a
2
tik
s d
3. 0.
No Single
a i- ?
a
'a-e
.1*1
Paymoots for Mooey Os aay be made ei-
tbpr 10 S.ivereigns or their eqotvalenl In the Pa.
i-er Mooey of ihe Empire, at tbe current rate of
Excbange.
Brlt'b Cansulate.
Peroambuco 12 de dezemher de 1867.
Beotlnrt'k. W. Doyle.
H. B. M*. Cnsul A British Packet agente.
Santa Gasa da Misericordia
da Recife.
Jos Mana Marques..............
Justino Luiz Jos de Franca......
Jos Pereira da Silva.............
Antonio Franclco Guimares.iil
Francisco Pedro Celestino.......\\
Coostanga Maria do Naseinunto"..
Antonia Feleciana...... ........
Zacaras Goedes..........'."..!"..!"
Fl -renrio Jos da Conceig''..'.'..',
Jos Urbano Pacheco de M-llo....".'
Manoel Vicente de Moraes Jon|. r...
Genoveva Justina da Ooncrigao....
Joaqoim Francisco de Paola.......
Aot'oio da Conha Leal...........\
RuBm da Silva Ramos..........,,
Francisco Lniz Viraes.........".'.'.'
Patrimonio dos orphaos.
Alugot-I de casas.
Mara Antonia da Aononciacao___
Josopha Mana Theot >nia..........
FrancelraoEleoleno Ferreira Chaves
Manoel Cyriaco do Nascimeoto.....
Jos Goiicaives dos Santos.....
Manoel Mana Caldas Brandao.".'.'.'.
Joe Bernardo do R-go ValHDoa___
Manoel Paulino Cesar Looreiro.....
Mematidade de educandos no Coltegto dos OrWMM.
Florencio Jos Mana da Suva..... 159*006
R, a 'COKIlEltt CElItL
Kelag3o das cartas registradas -xistentes na adml-
ntstragao do crrelo desta cidade, para os senho-
res abaixo declarados :
r. Ahillo Jos Tavares da Silva, D. Feliciana
Mana da Conceigao ('05 > da Paoella;, Francisco
De.fluo da Silva, Joao Manoel Poniual, Dr. P^dro
Affono de M^llo, Dr. Pedro Francolina Guitnares.
balusuano Libanlo Tenorio.
80*000
2l083
166*6>>4
75*0(10
I:i7o*5 ti
E' espendo dos portos do norte
at odia 28 de fevereiro o vapor
Guar,comiuandtnte o priroeiro
teneme Pedro Hyppollta Doarle,
,. o qnal depuis da demora do cos-
ame s--uiia' para os portos do sol.
Recebem-se desde ja passageirus e engaja se a
carga joe o vapor ooder coodazrr a qnal devera'
ser embarr.aoa no da de sua ebegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o da da sabida as 2
horas. Previoe-se aos Srs. passageiros qne suas
jassagens s se reeebem nesta agencia rna da
Crnz n. 57, esrriptorio de Antonio Luit de Olivei-
ra Azeve H. & C.
COMPANHIA^PERNftl BUCARA
M
Navegaqo costeira por vapor.
Portas do sol at Penpdo.
Ovaier Pofenoi, com man-
dante Pereira, segu para os
portos do sul de soa escala
at Penedo no dia 29 do cor-
rente pelas 5 horas da iaMe.
Recebe carga at o dia 28 ;
passaaeiros, encommendas e dinheiro a frete al
as 2 hars da tarde do da da sabida : escritlorio
^Forte do Matos 0. 1.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
S'avegaco costeira por vapor.
Parahjba, alal, Maco, Aracaty, Cear e
Acarac.
O vapor Pirapama, c romn
dante Torres, seguir' para os
portos cima no da 29 do cor-
rente as 5 horas da tarde. Recebe
w carga at r> dia S8 encommendas,
VZZZZiS Passageiros e dinheiro a frete at o da da sahida
iSoan-n-?* nr da tarde, 00 escriptono do Forte do
*9
s
THEATRO
DE
MCL1R1CIS.
MassabVendram-se a 8*300 a caiaa.
Olbo tm unhaca.Vendeu-se a 24800 o galo.
PA6SA8.-ldBm a 40*000 a ciiia.
PnasuiiTos.Venderam-se a 16* a (f.
Q*mj06. Os llamengos venderam-se a 3*600
cada um.
SABXo.V9odea-se o inglez a 140 rs. a libra, e
3 220 rs. o du M-diterraoeo.
ToDciNiio. Vendeu-se o do Lisboa a 14*500 a
arroba.
Vinagre.Veniea-se o de Portugal a J 304000 a
pipa.
Vinho6.-Os de Lisboa veaderam^e ai40400f
for pup e es de onlros palzestfe 2254 a S354.
Vblas.As" de eompusicao venderam-se
res o pacota de 6 velas.
ESOoitTO.O rebate de letras regaln de 8 a lo
JjW eento ao anno.
RustaDj a'godao para Liverpool earmeaad,,
Sfat .ie 3/4 d. A vapor e 1/2 a 5/8 S /, a
vela, du a>saer i-m lastro a 23 e 3 /, e para o Ca-
sal, d- 42/6 e 5 / a 3/4 / oomiual;do a^ucr
carreg-udo em Oorap^s (Km brande do Nurie/
aVa Liverpool de 26/ e 3 /. a 3/4 5 /. do asun-
tar pela Farahyba para o id"soo porto a 7/81.
t*r libra e* /, a vapor o 3/4 por libra 8 /
^ ; do assacar de Macelo para o Canal a 42/6
(XHPANHA PERNAMBUCANA
Eo da 4 de margo em d ante, paea-se no es
crrptono da companhia aos Srs. accionistas 0 3
dividendo a raxio de 104 por aego.
-O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o segninte :
60 ap?relhes de limpeza.
60 boleas de sola para os ditos.
As psssoas qoe qutierem vender ditos artigos
apreseotero suas propostas oa sala do conseibo as
11 horas do da 22 00 orrenta.
Coosaloo de compras do arsenal de gnerra, 20
de feveFim re 1868.
Jos Maria Ildefonso Jacome da Veiget Passoa e Mello
Coronel presidente.
Por ordem da Illma. junta administrativa da
Santa Cas da Misericordia do Recife convido a
todos es st-nhores em seguida declorados para qne
venham pagar as quantias que se aebam a dever,
sib pena de se proceder judlcialrofnte.
Secretaria da Saota C
cife, 8 de fevereire de 1868. .
0 escrivSo,
Pedro Rodrinnes de Scnza.
Foros do engenho Bimfica.
ios, Flix da Cmara Pimentel..... 3:O03*C0O
Foros de terrenos e sitios ns OI inda.
Herdeirus de Antonio Jos Teixeira
de Castro......................
Os me>inos......................
O* mesmos......................
Demetrio de Azevedo Amorirn.....
O roesrno.........................
Herdein s de Manoel Antonio Caraei-
ro de Onvelra..................
Herdeiros de Manoel Pinto.......
Viua de Anselmo Jas Ferreira...
Jos da Rosna Puta...............
Joajuim Pereira lia mis...........
O mesmo........................
Pehppe Duarie P. reir..........\
Herdeirus de Antonio Jos Lopes de
AKiuqueruue....................
Manoel R-dngues Lima............
Viuva de Ricardo Lbrysoitamo dos
Res...........................
Theodoro Jos da Silva Lacerda....
Ur Vicente Gyrillo Marinho.......
J s Juaqjm de Lima.............
Manuel Joao de Lima..............
Francisco da Chagas Salgneirp....
Xiaquint Pereira Ramos...........
Vinva de Antonio da Costa Reg
Mnotwro........................
A mssma..........................
Herdeiros de Jo Vital Nuoes......
Joaqaim Antonio Rodrigae........
Juros decapitis.
Amonio Jos Victoriano Burgos da
26.'?4O00
59*889
63*3t3
888*106
130*333
413*500
1204*57
l*200
32*161
594257
59a67
28*157
12*792
724795
1362883
1163811
lr-4241
334730
444435
33459o
594253
36*203
214-172
9fi*502
3*599
tmprezn d an, lici.
Grande baile mtscarado
Parisiense
Nos dia, Segunta e Terca
0 Io baile ter lugar
Sableo 22 de fevrreir d 18(18.
O grande salo de-Djnsa-qoa comprehende
toda a sala o caita do Iheatro, acha-se slidamen-
te construido, aillaogando a mas completa seau-
raoga. *
Sera' Iluminado a torno o mals esplndida-
mente qoe for posslvel.
O salao a base ricamente ornado com qoadros,
espelhos, vasos eom flores, ne., etc. sem qae para
este flm se ten ha ponpado depeza alguroa.
A banda de moslca do batalho de guarda
nacional deste monlcipis, sob a dlrecgo de seo
dlstincto mestre que tem de fonecionar nos ex
pl ndidosbailes cima meneio-adns, a qnal tocar
como introduego do baile um pega de harmoma
que dar' e. mego ao muvimentj, segoiudo se a !
quadrllba deuuminaia
A SRPREZA.
A? pegas qne tem de ser tocadas dorante as 4
no'tes dos bailes, sao novas e escolbidas.
Para dar floiao baile a banda de msica locar
o grande
GALLOPE INFERNAL.
Com toques de campas, sinos, extrepido3 e re-
bombos de trovo.
No salo haver nma pessoa perfeitamente ha
bilitada para formar os turf* e dirigir as quadri
Mt, atim de evitar confu5es.
A entrada e sabida para es mascaras e espec
tdores pela pnria da f'ente d tbeatro.
Oescriptorio para venda dos bilbeles a direi
ta do edifli-ioonde estar' illumiuado.
as pessoas qne se qo zerem prevenir de cama
rotes podem mandar soa* encommendas no escrip.
torio do tbeatro.
PREQOS.
Lama rotes de 2" ordem. cjro 5 entradas
Ditas de 3* dita, com i ditas. .
Entraaas. .........
Senhorae mascaradas gratis.
Para e Porto.
Segu empoucos das a barca portogueza Novo
Silencio por ter a maior parte de sua carga prorop-
ta, p.-.ra o restante e passageiros, para o que ol-
rece ezcellentes eommodos, trata-sn com Olivrlra'
Filhos & C, no largo do Carpo Santo n. 19, ou
cora o eapitao na Praga do Commercio.
Paraiilha de S.Miguel
segne com rnuita brevidade a escuna portugueza
Ottveira, para o resto da carta e passageiros, para
o que ti-m exceliente eommodos, trata-se com Can-
dido Affunso_Mure4ra, ra do Apollo n. 22
Para Lisboa
Vai sahir em pooers dis a barca portogneza
Nova Mananna, por ter grande parte da sna car-
ga prompta, para o restante e passageiros trata-se
com Oliver* Fhos & c, largo do Corpo Santo n.
19 oa com o eapitao na praga do commercio.
Porlo
Para o referido porto pretende sahir com a pos
slvel brevidade o patacho purtugu>-z Garibaldi re
cebe carga a freie : a tratar com David Ferreira
Balt3r, raa do Bram o. 66, on a bordo com o ea-
pitao.
Os callos dosps.
llavera' no mondo eoosa mals desagradare! do
que este borrivel soffrimeolo a qoe esta" sujeito o
boraem qoe deixa crawier sos dedo* dos (,s essas
florescencias de carne, que em vez de chamar se
callos deverla cbamarteo algozes dos ps T
Aqnelle que snppma este dTnmtoto, cansado por
Ul moles'ia, neoboma Micidade pode acbar oa
Ierra; aem mesmo o topremo gozo oa liberdade I
Condemnado a nao sahir, solfre a prlvago dos pas-
selos oa cidade. no campo ; de ludo, e anda mes-
mo de uta rendeztous de amor, onde elle nao pode
Ir I Deixa obngavd8 tuas. das qoaes o resultado
seria a satisf.gno de snas amblcoes, ou o soccorro
a s suas prectsOes I Perde a Iranquiliidade de es-
pirito; pois qoe debaixo seropre da uflueocia fatal
desse mal, nao soaha, nao pensa mai* d0 qoe oes-
embaragjr se dessa d^r 1 -
Nao tem mals nm.- amigo neste mondo, poraoe
essa iBuencia cootiuna di dor aircx dos eai tem
nma Influencia directa sobre o carcter do homem
e faz do mais dcil, do mais amavel e paciente'
oro tyranoo cruel, um ero, um fcomem insoppor-
lavelpara todos qoe o rodeaml'^oaotos vinca-
los e mage de amisade nao devrm sua quebra a
este mal, que se nao pret se nao depois que se
sent sna cruel mflu>n la I Sera' orecUo qne eu
d provas do que acabo de avancar f Havera" al-
goero, qoe ao roeoo< ama vtz em sua vida nao te-
nba recebido a o olldeacia de urna ojuilier t
Pis tem; letiibra me b mm ter conhecido orna
creaiura, a' qual Deus Ihe u:.ba piodmalisado todo
para ser feliz oeste monlo : belleza, espirito, ri-
queza ; nada fatava a iste aojo de Deas ; entretan-
to, um da eo acbet-a banhaoa ero lagrimas; ped-
Ihe cotn in-'tmria nara duerme" a cansa da sna
tristeza e de seus sudrinielo: meU mando, dis-e-
roe eila, nio me ama m?H,eo bem o sel....Sem-
pre de nao humor ao p de tmm, elle me tyram-
nlsa, ralba njr, e ptla mais pequea censa cncole-
nsz-.-e tanto qoe me faz si tfrer manynos. Elle
detesta me, b.-m o v.jo ; p< lm tudo isu Bada se-
ria se smenie sobre ir un so pe.-asse sua culera e
seus caprichos.....porm nos;o lilh'nbo.....que
taiLbem toppofta os iffeiios de lea rncur e oe sea
deso denado e.-pirol Oaoles elle, que netn se atre-
va a fallar-ihe, b'.je zanga- e a ponto de loe ba-
lar I Ol 1 antes a morle qoe semeibaote existen-
cia I
E a pobre senhora acompaobou com sentidas la-
grimas seus tristes lamentos.
Intentei saber a cau.-a desta roudanga de caracler
de seu mando, que eu coohtcia lo allavel e bon-
dosa, provoqoei-ihe uxa explicago, censnrei-o
baMante. eis aqu o que elle at respoodeu :
Tendes raio, nao tnho o direiio ne fazr sup-
portar aqueOes que n erudeiaro os elTeitos de meus
oias hutrores e irxpertiutncias, que algum lempo
me d,minara, eu s. Uro, amigo, um mal borrivel
que exagera eom raides a todos drsc^nhecidas e
para mim espantosas.
( Se entro em mmba casa, minha mulher-langase
a ttim, e abragame: esta emogo cuir'ora agra-
dave, o seu i, tu dellc.idu quo toca no meo, invo-
luntariamente-----que augmento de aflicgao nao
para mim....>e ea pide-me paia acompaoha-ia a
um passeio, ao thesuo, saonovos motivos de ores
e de llluffj-g: pob que iu pao possul... Se mn
nlhinho, em Om, ch-ga se para mia>, aborrece me
vens gestos e su8 canelas I
E querti- sb r a causa de lanas miserias, de
tantos desgosto?, de tantos .ollriinentos; em tira,
de ludo este desespero?___Sao os callos 11.....
Dos o deferida, ava amigo, de semeibante mar-
tyno ; antes a peste que nos rouba logo, que a
"ida com tal t.rmento.
M.
.-i'ngase a casa n. 71 da ra Velha
a ira-

LEILGESV
Blarmim Alves de Areha e seus flihns agra-
decen! cordialm^nto a tolas aquellas familias do
Porto da Madeira em Beberibe e aais pe.-soasque
prestaram os ltimos siccorros a soa esposa e
roai, p< r occasiode soa morte, e com especiali-
dade a Exm.1 familia do Sr. Antonio Alves de Mi-
randa Guio ares, qoe preston-e e m tola gena-
rosidade, caridndee religii, seotimenios qoe ca-
raierisam as almas hern formadas e piedosas.
O mesmo agradeclmenio dirigimos a tudas as
mals pessoas que se dignaram assislir aos seos
nlumis sufTragios.
De orna poreao de c?rae do Ceara* e lliverM mo-
vis pertenceute ao espolio do finado subdito
portugoez Joaqorn 'rancisco da Silva Coeloo.
Quaria-feira 26 do eorreote.
O agaote Mirtins fara' leilo por autonsacao do
Illa. Sr. consol de Portugal, dos objectos cima
mencionados na travesea do arsenal de guerra
n... as 11 horas da manha.
LEILAO
o dous liiolcques le |1 a 13 anaos
O agente Martms bn' leilo por despacno da
uiro. ?>r. Ur. joiz esp-ci^l do commercio de doos
rooleques sendo om de 13 anuos e o oulro de 11
os qoaes sera > vendidos pelo maior pree>.
.. Qu/la feira 26 do correte.
O leilao lera' logar oa traversa do arsenal de
guerra o... as II horas da manbaa.
AVISOS DIVERSOST
1P4000
2*^09
Fueca ........................ 4:82S*445
Obras publicas.
Pela reoartieao das obras pobAcas se declara
qoe tendo e fazer se o cafcameoio do pateo da
*nta Cruz Jlca vedado o transito de vehieolos
* antmaes p*!a raa do S.*a e parle da do Rosa-
rio.
Beoartlcao its obras paWcas, 20 de fevereiro
BV
O secretario,
Feliciano Rodrigue da gilva.
_^____
Cwreio ge/^le
I Pela admioistragao do crralo esta cidade, te
faz publica qae em wtade da e wngao postal
f-lebrada petos aovaran brasileiro e fraoeet, r.
rao expedidas malas para a Europa n >
  • oras da tarde pelo vapor francez Gumene. Ah
    carta sero raeebldas al as t hura aaies da que
    for anarraia para a da sabida do vapor, eos ior-
    nae al 3 hora ante.
    revira' "St?0"* Pemamboeo, Si de
    O administra.! ir
    DoaatafM dos Pasa Miranda.
    Antonio de Jesns e Sonta..........
    Anna M*rla do O* e Mello.........
    Manoel" Pereira Guimaraes.....
    ."8
    38*:3
    l:i9S*96i>
    Q
    MOflM/BStO lid P8IT0
    f*lB7.fl0.',,,Vn'".'r''ro S-in/a Crux.ic
    iSaioioJm e<""ao Jos* Vietonno d.a Jf^m,
    Tira ^ Mt* a g.oao ; C. C da C Mo-
    touif-iO das, b\i\sbm\lWo Mora AmtlU,,
    Cmara municipal
    Pela coetadona maoicipal de-ta cidade se faz
    iaclleoquew,re* abKjra do cofre, em mo
    eale mes e ae o tm de aaarco priximo. o mrH*e
    roaoicipal sobr casas a* negocio, e aqjelles que
    nio pagaren lod rrem oas pRas e dlspnsitdes do
    rr. 3 rio reglamento n. m e is de Janbo de
    1*44.
    CuMMdorn monieipal da Recife 10 de fevereJro
    de 1868.
    O ectador,
    Caeuno Slveno da Silva.
    Beroardioo Je Serpa.............
    Fereira &Goedes.................
    Corooel J.i.- Bernardo Salgoei'o....
    Manoel Joaquiro Oa Fooaeca Galvao.
    O mesmo.........................
    Francisco Camello Valcaeer.......
    Felia Jos da C sta................
    Joao Nepomoceon Pae de Mendooca
    lnaHo Gongalves da Lm.........
    Jo- Jiaquun de Aimelda Gu-des...
    Jo- Pacheco Vieira..............
    Jovm Goegalves B 'drigoes Franga..
    D. LoizadeSoa.................
    Miguel Alves Lima...............
    O mmo........................
    Manoel Caetanoaia.............
    Berdeires le Manoel Tbomat Rodri-
    goes Camoell.................
    Herdeiros in lgaaefo Paulino da
    Cooba.......................
    Manoel Awes Cavaieanti...........
    Mara do O'....................
    Boa Marii da Concegao Osla.....
    Viuva de Manoel L-onardo Sodr...
    Padre J >aiim Cvaleinti de Aibo-
    querqu.......................
    viijvo de Pedro lvo Bedlvivo.......
    3:42fi4.303
    87i;*iiri6
    034A722
    368*322
    l.5*l:i8
    70**7i
    1'. 1*372
    17449^8
    2 94866
    316* 6h
    C4*9 6
    62*44
    I7M4HM
    7014-iifj
    I936lt
    48 470
    760*107
    SabbafJ 29 de fevftreir de 1868
    2' recita de assigoatura.
    Prlmeira reuresentagaodfcmgDifleo drama em
    oaetos e 7qudrn da An>eet B'orgois e Demery
    O LOUCO POR AMOR.
    O programma sera* annuaciado com anteceden
    ca.
    As pessoas qoe qoizerem camarotes e eadeiras
    podem desde ja' mandar suas encommeadas ao
    eseriptuno do tbeatro.
    CURSO JNOTURNO *
    DE
    L1NGA FRANCEZA
    para as pesaros do commercio, que dse-
    jam fallar e escrevpr esta lingua:
    fbito roa
    Jos Soares ae Azvedo
    das 8 fe 9 hars da noite
    Dirigir-se ra Bella d. 37.
    AflaSOS MAfilTlMOS
    2:77'*6S
    7(4072
    3KV"00
    4rt*8
    SOCIET GENRALE
    DB
    Trmtnmrnto de particulares nr huptM Pe* fl.
    Mhuo-I Loix Carvalno........
    Ao-dinari i....,..................
    L>yma rapn i dos Davina Solfrrmo
    e Uruguay... ...............
    J*o 0 Barios ACfi'ly Wanderl#i.
    Herdeiros de Bernardo Joi> Arantes.
    F-lishertii Joio Fehx......^.......
    Dribelioa B ii.-* Diriiz...........
    Wnhiilrt Ba-z-joxl.................
    Mna Fraori-ra Marino de Amorim.
    M*0uel liinaci...................
    Tnomaz Ferr ir* da Cunta......'.
    Remo rte Araujo Pinheiro.......
    {'*" Valen-.no c-t.a de AnmrinVi!.'
    Heverfno Jo- Flgoeira............
    Manoel ferreira da Palxa....^ ""
    Manuel de Souia Ta vares..........,
    Tramportsmaritimes a vapeur
    PAQUEBOTS FBANCAIS
    d'a ** "1'' corrmie esp-ra se do sol>o va-
    182*088 ^"r r*ari'z Buurgogne, c^mmandaots Booage, o
    ouai desos da riumora do costme seguir' para
    U-nova lr S. Vjcente, Santa Crnz de Tenerife,
    Gihraliar e .Marwiha.
    *ra condiga^ freies b passageos trata-se na
    g fu da Cruz n. 5*.
    J. Ferrfira Villela, pbotonraphoda casa Impe-
    rial e premiado as doas ultimas exposiedes d
    1866, co'>linda a tirar refalas por todos o* sys-
    temas photographicos na soa antiga IB -ioa a' roa
    do Cabuga o 18, -nirada pelo paleo da mairiz
    CART0S9 DE U.S1TA
    sem o menor retoqoe de lapis oa de naukio a 9*
    a duzia.
    Grande sortimento de eaixiobas, qoadros, cas-
    soleta e alneles de ooro para retratos.
    Chama se a altengaodo publico para os retratos
    eipostes no salo de cortar cabellos do Sr Jo
    Bicardo Coelho e na livrarla do Sr. Nogaelra ae
    Saata.
    30";48'8
    30 4338
    1A2.MI
    3*MS
    10J4W0
    2.4936
    1IW10
    B*37d
    S8*i 6. i
    37*80.1
    ageacia ru
    *
    Roga-se arolgavelmt-nte a' pessos, que digne-
    *" entregar os tivros senointe seo dooo na rna
    estrena do osario o. 35 egundo andar : o 6 to-
    mo do diccionario da setnela phllosopbicas, as
    Lonfllencias por Lamartine, em francez, e o reso
    mo da toxica d- Sr. Barbe, em uoriogaez, compfn-
    dlo de philosophla pelo Sr. Bard, e o corso de
    P.'jrchologia por Garnler, o-t qoaes livms foram
    levados pla mosma pe-soa da roa do Viga-
    no o 16 segundo aodar, no dia 19 do cor-
    rente, as 3 horas da tarde, sem qa- eanvesse em
    casa a pessoa a ijcem pTtencem taes livrn; se
    nao f<>r asslro, declararse-ha o nome por extenso
    da esplrltoosa pessoa.
    Consta que afuera espera no prximo vpor
    do sol a approvagao de nn a proposta para reali-
    sar-se a permuta da casa sita na roa do Queimado
    o. 52, esquina do paleo do Llvramento, peiteocen-
    te a ordem de S. Beuto ; roas cerlos do zelo e dedi-
    esgo do Exm. Sr. D. ahbade ses'tntsresses e en-
    grandeciment) da mi-smaordtm, conflamos nc
    concluir* sunelhanle transacc.o, visto comoexis-
    tem em sen poder outras de muito maior vanta-
    gem para a ordem e para o estado, entre as quaes
    urna de 4( :000*000.-ra plices do governo. outra
    de doo sobra ios que reodem 3:01104000 aunuae?,
    e qoalqoer das dercais de soperior valor a de quo
    solicitou-se a approva(3o do ministro que tudo
    ignora.
    ________________ ^d3 1e sabe.
    A quem precisar
    . OfTreee.se orji ?e;so habilitada para leccionar
    drntro i u fra ovsta cidade piimeira* Ifttras, lio-
    J gua nacional, arnhmeiica ai proporg6>s. francez e
    mniea com apolicagao a vanos maromelos :
    qoem preciar pode dinear-se a' roa da Cadeia do
    Ikcif- n.^9. qoe achara' cora qoem tratar.
    Uibain ii'Angles, subdito fraucez, re-
    tira-sp para a Europa.
    Preci>a-se de nina criada para colobar, en-
    gonimar e l^var, para C3a estraogeira : na ruado
    Trapiche o. 8, segundo audar.
    Alaga se um molato copeiro e cozinbeiro :
    oa rna do Imperador n.SO.
    Os abano assi|;nado< eapiiao e consignatario
    da barca portogneta Parara, incendiada reste por-
    to no da 20 do correte, vr-m pelo precede te.-te-
    monhar a soa gratidac- aos films. Sn>. abano de-
    clarado, pelas soccorros e mais servigo prestados
    a hem da extinrgodo incendio da referid, b-rca,
    e de qoe premettem reeordarem-se gralo. Iilms.
    Srs. capito ro porto, c> mrrandanie do bneoa-
    bitts tnmarac e so fflcialldade, goaroa-mr
    da alfandega, praiico-n commandante da baiea A'ofa Mnrinnna, J de
    Abren e sua i fflrialidade, pi'Oto Alex*ndre P reir
    de Fieoeiredo Tndella, rapttf.i na barca rV"t>o ft.
    Ineio, c>pH3o do b'l;ne Anreliana. pra'tc- Ma-
    noei Kianisiao rl C'isia, Mauo-i Frmisco eos
    Bel, Herrnlaoo Jos B"dri(!oes Piiheiro, Mn6el
    Ji- B.pnstJ, aogu-io Phroandes da Sila M.nta
    Ad-dpbo Prrnaod*" na Silva Man c >n oas barcia rte reaisiro n. I e 4, Joquiro Anh-r- de
    Carvalho. Manoel Bspiudula de M ndooga, J.,,'
    Antonio Moreira, pilotos da eseno Olivara, All^^-
    nio da Cosa B-.rges, ifDcialidade oo hiat- Pin-
    tnmpn, pstrSo-nr e sen aindante, uti gao. a de diversas repartir,es, coiornomes iroo-
    raroos.
    Angosto Borges Cabral.
    Joit do Bego Lima.
    smk

    0
    oegoe ero poneos da e paihabele toen Arlhur,
    J aD,M todo o rarregamento eoitajado, para o
    real qne Ib falta traa-se eom o consignatarios
    > Lo de oiiveira Azevedo & C: roa da
    J>6-'0 ". 7 pnmeiro andar.
    Rio de Janeiro

    88 *0
    284 Mi*
    v^im ^t ?.W l,e Sim'n pretende sabir coro a ma-
    HmZ }JTJZyi'li', P0e"'el a barca naciopat Joven
    Eoi -~ **~~T*~e!,m I'! se com os cooaignat.
    OMouro de Veneza
    Pr#cisa-se de om caiieivo mm pratica.
    Precisa-se arrendar om to Com prnpnrgSe
    para grandes *lanla5e, e agradar ao preienden-
    te nao se doiia >T alyom dinhoiro a vista : a
    tratar ca roa d S. G -r-eaio 3*.
    1

    4. ten cao
    Preeisa-ie de orna caa na Capooga. ana taha
    1 Wall Ka n JK J
    184360 Santo d. 0,3* aodar.
    JVelban. 15.
    Preeisa-se de nma de boa conrtoeta, par o ser-
    vtgo de dna pessoas: na rna d'Aeoas Verdes o.
    70, andar.
    Pnalo no dia 18 do orrente, o pnto erioole
    Aletaortre.fom c smoaes se^ orates : cor fola. Ma-
    rte Si aooot, estafara baixa, tem ama oelirta em
    oro olho e qnanrto falta mais aprevado -gagn*aa,
    levon vesiidomlg d- brlm pardo e omisa le na.
    rtapoio, wm tiao vism as Iminedlacde da Capua-
    8*, Pi ole o'Uchoa e P*agem da MagrtaMoa : ro-
    na-se a qoem 0 pegar de o levar 4 roa da Aporto
    o. w qnesegraitfteiri.___
    Franehco Garrido, soodito hespanborrelifa*
    se para Montevideo.
    fscmvo
    Na nadarla da ra mreit n. 84. nr*el so aiq.
    gar om er,o q.1, qna fn ,,, jn ,^,,-0
    Frii r-m-. ni nenio coiu aro
    na direecio do fl >r.if- ao Mmieiro : qt|
    arhado qoerendo pode-us entregar oa
    Queimartn n. |.
    0 ur.,
    a* ver
    ra do
    - Roga-se ao Sr. Joaqolm Bibe'rode Agolar
    ntorrolns, o i bseqno ne apparerer na rna dos
    res o. 1.1, a nr-eocio d-hyp,!i!jetrafeit na cata
    da raa de Santa Rita o. 88.

    *'

    i
    ILEGiVEL
    .....
    jm
    -R-





    r
    tari* 4 #*iafcBr- ******* ft 14 4 Verereir* i<
    Salstparrilha de Ayer.
    Chamamos de Aovo a attenoao do publi-
    co sensato tiara este remedio ioeviiavel, co-
    nhecido por toda parte pelo nome de ex-
    tracto composto da salsaoarrtlha do 'Dr.
    Ayer; este Dome fj lbe dado, nao por ser
    a salsa teu ingrediente principal, mas or-
    que este nome geralmente condecido e d
    urna idea clara do medicamento e os seus
    usos.
    A raz da salsaparrilha dos tpicos co-
    nhecida como utn dos melhores alterantes
    que possoimos, porem os mdicos tod'-s sa-
    bem que ba oniros tSo bons como ella, e
    que em combinarlo com a salsa sao rruito
    mais eficazes do q'm qunlquer droga pode
    ser por si s ; portanto, este eomposlo de
    salsa, labaca, st lliagia, madragra, etc.,
    possu muito roais poder sobre as enfermi-
    dades do que qualquer de E' preciz) notar que nao urna prepa-
    rarla secreta, pois a formula de sua prepa-
    rac3o tem sido publicada mnias wzes e
    submettida s juntas de bygiene publica,
    mostrando exactamente as drogas que en
    tram na soa coronosicao e o sea modia /*-
    ciendi. A grande vantagem de remedios
    desta qualidde fcilmente percebida; o
    medico sabe exactamente o qoe est reca-
    tando e os resultados que so devem espe-
    rar, e o doente saoe o que est lomando, o
    qoe nao acontece com a maior parte dos es-
    pecficos que por ahi se apregoam; no em-
    prego de preparares mediemaes como as
    que o Motor confecciona, evila-se am sem
    numero de males qaa re?ultam do uso de
    remedios secretos que tem qoasi sempre
    por base alguma drojra perigosa, ctmo sejf
    mercurio, arsnico, etc.
    O extracto comporto de salsaparrilba do
    Dr. Ayer especialmente effieaz na cura das
    molestias que tem sua origem na escrfula,
    na iofeoc syphiliiica em todas as suas for-
    mas, ulceras, chagis, mal do fijado, dar-
    thros, empingens, sarna, comiclibes, tamo-
    res, rheumatisreo, pstulas, e toda qaa i-
    dade de eruprSes, ele., e em qualquer im-
    pureza do sangoe, pois opera directamente
    sobre o sargue e as sacreces, purificndo-
    os e expulsando o veneno, e lhrando-os da
    accSo viciada inspira-Ibes novo vigor e no-
    vas furcas.
    SALSAPARRILHA D3 AYER
    o, sem dilvida, o mais pmleroso renovador
    do sanguc, conhecida a medicina, pois o
    nico remedio de que se tem tirado vanta-
    gens permanentes uj tratamento da syphilis
    e escrfula.
    De todas as molestias que affligem o ho- \
    mem, talvez nao baja urna que infunda tan-
    to terror, nem orna que seja 13o inexoravel
    e horrorosa nos seus estragos como a sy-
    philis, mal sypbiliico ou mal venreo.
    E' piovj^elque'esta molestia tenha exis-
    tido desde os tempos mais remotos da his-
    toria, entre os judeu, (,'regos e romanos,
    porem alguns autores pensarn qoe foi in-
    troduzida na Europa da America depois de'
    Colomho; porem ha provas positivas do;
    contrario.
    Segundo Valenus, a calvicie e as ulceras
    na cara de Tiberius, de que falla Tcito, fo-
    ram causadas pela sypbilis. Ha prova po-1
    sitiva pue existi 33annos pelo menos an-
    tes de Colombo. I
    G. de Salicito diz que existi em Millo
    cm 1209.
    Petrus. do Argelato falia della na Rolonha
    em 70, e Hypocrates e Cleso poem fra
    de dovida sua antiguidade ; porem certo
    que hoje existe em todo o mundo, e que
    mais de um terco do genero humano soffre
    della.
    E' imp'^ssivel adiar ootra molestia que
    de tal maneira affecte toda a economa ej
    que ?p,'arcca s b taitas formas, e ataque
    o hornera de tantas maneiras diversas.
    A syphis primaria rxuito conhecida,
    porem a secundaria ou constitucional toma
    formas diferentes que o primeiro sympto-
    ma e>e despertar em todos serios cuida-
    dos.
    Os syajptornas premonitorios mais cont-
    inuos sao: languidez, abatimpnto moral e
    physico, falta de appetite, insomnia, olhos
    pesados, dores rheumaticas, particularmen-
    te de noute, pallidez, tonteiras de caneca,
    magreza, dores nocturnas e s vezes peque-
    as erupges com febre ; depois vera os
    verdadeiros, irritago na garganta acompa-
    nhada de leve fabre, dores as jantas,
    queda d^s cabellos erupces, darthros, tu-
    mores nos ossos, ulceras, manchas na pelle,
    dons de cabera (as dores syphiliticas sSo
    menos fortes durante o dia, geralmente co-
    mee-ara a angmentar ao por do sol), surdez,
    tum res malignos, zuido uos ouvidos.
    As eruices syphiliticas sao de muitas
    especies, como erupces escamosas, erup-
    ces ulcerosas, erupgoes pustulosas e emp-
    elo na pelie da cabega fazeado cahir os
    cabellos.
    Qaando a syphilis ataca a membrana mu-
    cosa do nariz e da garganta requer attencSo
    inmediata, pois os" estragos sao rpidos e
    irreparaveis ; comeca inchando e inflamman-
    do as partes, seguindo-se a ulceraco que
    s veze< es.ttnde-se at OS ossos do nariz e
    laryuge; ento se pe.dea voz;.causa tos-
    se, causa a formago de tubrculos e fez
    estragos illimitarveis em todas as partes do
    eorpo. Se todos comprehendessem bem o
    alcance de3te terrivel llagetlo, ninguem te-
    na um momelo de secego emquanlo o
    mal nao tosse estirpado do systema.
    Off-ireceraos hoje um abrigo seguro e
    ama cara eme z de toda a qualidde de mo-
    lestia syphiliiica na
    Salsaparrilaa do Dr. Ayer.
    Para assegurar urna cura permanente es-
    te remedio dove ser tomado com regnlari-
    Trocam se
    as notas do banco do Brasil e das calx filia*
    dom descont muito rasoavel na praca da toda,
    ooodencia n. ti.
    Precisase deTjn criado bono copetro e bo-
    lieiro, preferiedo-se qne aeja e.-trangeiro, a tratar
    na rn> dos Torres n. 12, i andar.
    A
    SABSA PAHRILHA de Ayer n5o
    remedio secreto, por isso pode ser e re-
    ceitada por mdicos conscienciosos, que nao
    pdem recebar remedios, cuja composigo
    desconbecida.
    dade e constancia, observando escrupulosa-
    mente as direegoes qoe acompanham cada
    frasco em portuguez, e ao mesmo lempo
    deve-se evitar excessos de todas as quali-
    dades.
    Carece tambera especial attencio o
    Peioral de cereja
    Do Dr.Ayer
    para cura radical e certa de todas as mo-
    lestias do -peilo e garganta, tosse, consti
    pacas, bronebites, astbaia, defluxos, roa
    quido, coqeuluc ie angina e dipberia.
    A grande fama que tem graDgeado este
    remedio devida is aiimiraveis caras da t-
    sica pulmonar, molesta esta tSo penosa e
    fatal em soas co-ts^quencias, que aquelles
    que s5o atacados dos primeiros sympiomas
    devem ser tratados o mais cedo possive,
    e o primeiro remedio que se applica deve
    ser efficaz, pois n3o ha tempo de fazer ex-
    periencia. As pessoas atacadas da tsica,
    geralmente fazim pouco caso de sea mal,
    at que seja larde para cural-o ; nesta,
    mais do que em qoal-ner outra ootra
    c usa, tem sua origem o predominio exten-
    so e fatal de urna molestia que mostra os
    seus estragos com innmeros e assombrosos
    casos na estalistica da mortaodade. Por-
    tanto o dever de todos procurar o alivio
    mais certo e mais prompto que poden en-
    contrar para a cura de qualquer symploma
    ou principio desta terrivel molestia; bem
    como todos os males que podem conduzir
    a ella, como tosses, resfriados, defluxos,
    dor de garganta e de bronebites; qualquer
    rouquido deve ser tratada immediaiameate.
    A experiencia mostra que o peiloral de
    cereja do Dr. Ayer cura todos estes padeci-
    mentos qaasi sem excepgo, e raro o lu-
    gar, nos paizes onde conbecido, q*e no
    tenha numerosos exemplos de curas feitas
    por elle.
    As preparages do Dr. Ayer sao prepara-
    das com especial attengo ao clima dos tro-
    picos, e tem modificages importantes sobre cxtracto a.coo,ico, enplas-
    as que s5o feitas para outros paizes.
    Portanto deve se no!ar com muito cuida-
    dos, para que u > baja engao, que os re-
    medios do Dr. Ayer, preparados para
    o Brasil, trazem rotulo e direcg3o mi-

    Fedegoso de J^ernambuco
    A planta, conhecida entre nos sob a de-
    oominagSo de ftdegoso. .e no Rio de Janeiro
    " pro incias do sul deste imperio pela de
    arista de gallo, o tiatidium utilissimut
    ou tiartdium elonaatum de Sehora, e o ke-
    liotropiun curaisadivm de Mart., pertence
    familia das boragineas.
    O fedegoso considerado, na therapeoti-
    ca pernambucana, como orna das plantas
    mais recommendaveis por suas virtudes cu-
    rativas, e applicado interDa e externamen-
    te, como calmante do systema nervoso, na
    paralysia, asihma, tosse convulsa ou ceque-
    loche, tosses recente? e antigs, suffocages,
    catarrhos pulmonares, etc., e em geral con-
    tra todos os soffrimeolos das vias respirato-
    rias ; sendo um excellente unitivo para
    aquel'es que padecem de phtisica pulmonar.
    Sua efficacia contra o ttano oo espasmo
    incontestavel, e ninguem ba que a desco-
    nozca.
    N5o ignorando nos o que acabamos de di-1
    zer, e esforgando-nos por ser til humanida-
    desoffredora, preparamos que abaixo indi-
    camos, pondo a disposigao dos distinctos m-
    dicos, e dos doenles desta e das outras pro-
    vincias deste imperio nossas preparages,
    que sao:
    A JlTRJBS.H. HOTEL CENTRAL
    RESTAURANT A LA CARTE
    Estrada geral roa larga do Rosario d. 37 e para familias roa
    cstreita da Rosario n. 4 A.
    Frandseo Garrido ft Hermano, propietarios deste trande estabeleeimento, tem felto lode o
    possive para satisfaier a sua lllolre eoncarreoeia. Os hospedes acbaro toda commodidade de gran-
    des salas e asseiados qnartos por precos rasoaTete.
    Ha sala para leitara de joroae nacic-^sse esirangeiros; na mesma sala ba um magnifico piano
    para recreio.
    Cmese a mesa redonda a la earte e manda-se i domicilios.
    Os viohos mais Bnos do mercado acham se no estabeJeeimento.
    A nolte ba sorvete e refrescos, caf, cba* e chocolate a toda a hora e magniOcos bilbares a>
    angno para divertlmenio.----------'
    I Os melhores mdicos do
    vaxz receitam a salsa parrt-
    Iha do Dr. Ayer para toda a
    qualidde de molestia qut
    veem de impurezas no san-
    Que,
    Ama de lette
    fig Precisa je de urna ama de lee t a ira
    jbb lar nocorafio de ooro n. X D, rna do
    * Cboga\
    nuciosr na lingua portugueza. Portanto
    coovem notar com muito cuidado que o ro-
    tulo ou envoltorio de cada frasco traz na
    frente o nome do remedio e descripgo do
    seu uso na lingua portugueza.
    Deve-se recusar todo e qualquer frasco
    tro, oleo, tintara, pilulas, xa-
    rope e vicho.
    A JRU3EBA urna das substancias me-
    dicamentosas que pertencem ao reino vegetal
    e entrare na classe dos tnicos e desobstrn-
    entes, sendo empregada com vantauem con-
    tra asfebres intermitentes acorapanhadas de
    engorgitamento de ligado e bago.
    Ella tem sido aplicada com incontestavel
    proveito contra a anemia ou chlorose, hy-
    dropesia catarrho da bexiga, e mesmo para
    que for offerecido com rotulo em loglez e ar a menslruar> dlfficil, resultante da
    que nao tebha impresso em um dos lado mesma anemia on ch!ose#
    o rotulo o nome do agente geral para o
    imperio do Brasil.
    oico deposito 1 ua Direita n, 15.
    Vende-se na botica franceza de P. .Vlaurer
    & C ra Nova n. 2o.
    PARA
    O rbeumatismo
    TOME A
    aea/iae(Ma
    yer
    Gasa mobiiiadi
    O ARROBE VEGETAL
    E5 mui'.o superior aos xaropes de CUISI-
    NiER, edeLARROY. De faciidgestiio, a-'
    Igradavel ao paladar e ao olphato, elle cura!
    . radicalmente, sem mercurio, todas as afec-
    goes da pelle, impigens, alpccas tomores,'
    j ulceras, sarnas degeneradas, escrfulas, es-!
    , corbuto. E' sobre tudo poderoso as moles-,
    , tas rebeldes ao mercurio e ao iodurcto df"
    . potassia
    Na ra do Imperador n. 15,
    defronte de S. Francisco, vende-se o seguin-
    te: folhinhas de porta e de algibeira, carli-
    Ihas, cartas de a b c, taboadas, cathecisraos,
    biblias da infancia, manuscriptos, Simao de
    Nantca, paulas, procuragoes bastantes, r-
    tulos e etiquetis para botica, bilhetes para
    caixas de cha, de charutos, licores, vinhos
    e etc., todo prego mdico.
    Precisase
    de ara trabalbador forro on escravo para nm sino
    pertj desta praga : a tratar na ra da Sania Craz
    n. 9._______________________
    O Dr. Joiqaim Aoto da Sena (medico) re-
    sidearoa Velha o. i7,onde pode ser procurado.
    CASA DA FORTUNA
    Aos 4,000$
    BILHE1ES GARANTIDOS.
    A'ra do Crespo n, 23 e casas do costme.
    O abaixo ssignado veodeu ns seos muito (li-
    tes tylbeles jfaraotldos da lotera qr-e se acaboo de
    extrahir a benebeio das familias dos voluntarlos
    da patria os -guiles premios :
    N. 569 dous quintos com a sorte de 4:0004.
    N. 2448 um meio com a sorte de 7004.
    E outra* rruia* sones de 100J, 40^ e 204.
    Os possoidores podem vir receber seos respecti
    vos premios sem os descontos 'las leis na casa da
    Fortuo: na do Crespo d. 23..
    Acbam-se a venda os da 15' parte da loleri
    da Sania Gsa da Misericordia, que se extrahlra'
    exlz-feira 28 do corrente.
    freg.
    Bilhete..... 64006
    Meto...... 34000
    Quinto..... 14200
    Em porgao de 100$ para cima.
    Billn-te. .... 5J500
    Meio......24750
    Quinto.....14100
    Mannel Martins Fiuza.
    para""
    Empigens e dar iros
    TOME A
    J/a/jcrAaiteY4a ae Svyei.
    Precisase de urna ama quo cosinhe perfeita-
    mente, para pencas pcsoa?, e que e:gomme tara-
    bem algnroa cm
    cia do arnmero do %t. Barroca.
    Aloea-se n'uroa d>s principaes ras desta cidade POS TCrtllffllgOS para loifilll'lgaf.
    por 3 a 12 roe*es, nm oo dous andares, muito | preparacao a mais segura para a expulso com-
    aceiado, com boa mobilia de Jacaranda e 1 piano,
    e mobilia cmplela de sala de jaotar e quartu-: na
    roa da Cadeia-Veiha n. 30 on na estrena do Rosa-
    rio n. 11 se ter informado.
    Eite novo penoineo de Liso >a, orgau ante os
    poderes pblicos de Portugal dos tnleresses portu-
    guezes no Brasil, Uo no dia 30 de Janeiro, e
    esperado aqai lodos os dias pelo vapor da carreira
    de Liverpool, qoe devia seguir de Lisboa no da
    31 do mesmo roez.
    Sao seus redactores principaes os tres mioistros
    de estado honorarios, os seohores :
    M^udes Leal.
    Antonio de Serpa.
    Jos Silvestre Ribeiro.
    Contamais a redaeco os senhores ;
    D. G. N.giieira Soares, alu funccionarlo do mi-
    nisterio dos negocios estraogeiros de P> nogal.
    J. J. Rjdrigues de FrelUs, lente de escola poly-
    fclnna do Porto, e redactor em ebefe do Commcr-
    co do Porto.
    J se v a importancia que o novo jornal ba de
    vir a ter.
    Convidamos & colonia portogaeza a enneorrer
    cora as suas assigoatoras para um peridico que
    ha de bonrar o nome portuguez.
    Gusta 14 fortes por anno. Os partas sao por
    conta da emprea.
    Assigaa se na agencia da Amanea ra do Cres-
    po n. 2, livraria do Sr. JosNogoeira de Sonra.
    SBguro contra tbgo
    Antonio Lula de Oliveira Aievedo & C, agentes
    Ja coujpanhia Fidelidade, estabeiecida no Rio de
    Janeiro, tomam seguros contra fogo em predios e
    mercadorias, em seu escriplorio ra 4a Cruz nu-
    mero 57.
    Precisa-se de urna pessda que tenha habilita-
    g5es para receba dividas fra da praga, e que se-
    ja entendida no foro, quereodo lomar conta de a!-
    gons ttulos de dividas para cobrar ao sul de.-t>
    provincia e Macei: diri|a-se a tratar cora Tassn
    trmos a roa do Amoriro n. 35, advertmdo que
    nao se entrara' era ajuste sem qoe tenba flanga
    idnea.
    Msnoei Al ves Ferreira & C, na ra da Moe-
    da n. 5 segundo andar, lera para vender mu'lo su
    perior violu verde de Ra-to em barris de quiato,
    caixas com um i duza de garrafas de vinbo do
    Porto superior e barrisiohos com 500 sardinbas de
    espinha muito superior.
    Attencao.
    Precisa-se alugar
    der : a roa Velha n.
    escravas,
    93.
    propnas para ven-
    - Ue-appareceu a 1S do corrente vindo da]ci
    dade de Olinda para a escola no bairro do Reeife
    o meniuo de 9 a 10 aunes de ida de, de cor branca
    cabellos louros, com sardas no resto e orna marca
    de fogo na barriga, chama-se Francisco Rr^dero-
    des de Andrade e bem ennbeoido por SinhA, la
    vestido decaiga branca, jaqu-'ta de ca-emlra pnla,
    b uei preto e enfeilado e cbano de sol rexo com
    barra aiul: qoem delle soober leve o a ra de
    Rrum em easa do Sr. Jos Pereira da Costa.
    pleta das Umbrigas e outros vermes, sem acarre-
    lar os ilc uveow.'iites que se tem dado com ouiras
    preparages Sao de grande accac vermiciva,
    agr.idiVdis ao paladar e compaliveis com tod s as
    idades e compleigSes, variando smente na quan-
    tidade.
    XAROPE UE SALSA PARRILHA DO PARA,
    ov,
    DEPURATIVO DO SASGIE
    USADOS AS MOLESTIAS DE PEtLE, IMPIGENS,
    DOKES UHEMATICAS EULCERAS VENREAS
    PSLILAS AXTI PEJIIODICAS
    Contra asfebres intermitentes, on sezoes
    O MULUNU' tem aegao directa sobre os
    centros nervosos, e por isto faz dormir sem
    determinar affluencia de sangue no cerebro
    como o opio e substancias simples qoe delle
    se extrahem, pelo que o somno tranquillo
    e reparador, calma a tosse as bronchites,
    e modera os accessos de asthma e de tosse
    convulsa.
    TODOS ESTES MEDICAMENTOS SAO PREPARADOS
    POR
    Jiaquim d'hneida Pinto.
    PHARMACEUTI O EM PERNaMHUCO.
    Roa lanja do Rosara N. 10
    Jiile ae qnartelde f licia.
    oxaexts m .guija.
    Boa oceanlo.
    Joseph A. A. Van Htile, fabrictnle bordador de
    S. M. o Imperador do Bia>il, da cap-lia Imperial
    do Rio de J metro, fabricante de ornamentos da
    jgreja do Capitulo patriarcal de Lisboa, etc., etc.
    Chegando do Rio da Pi ata e do Rio de Janeiro,
    e tendo de seguir brevemente para Peroambuco,
    Pa a'e New-Yofk, tem a honra de tiff-reeer a's
    igrejas e a's ordena religiosas e cifrarlas desia
    graodw capital, um magnifico sortimento de orna-
    mentos sarro*, bordados a ouro e trala tina, im-
    portantes bandeiras da Smtlsslma Virg>-m do Bil-
    iario e da Immaculada Conceicao, ioteirameBte
    bordadas a ouro e prsta fina sobre vellado e da-
    masco azul, bem como nitros moitos ornamentos
    completos, os mais bellos qoe tem appareeido na
    America, e qoe obtlveram o primeiros premios
    oas grandes expesicSes de Londres, Pars e Bl-
    gica.
    Offerece c ni condi^oes raai vantajosas, e grande
    fscllidade n* pagamento.
    RA DA CADEIA N. 52, SOBRADO.
    PARA
    Molestias syiphiluicas
    TOE a
    Na rna do L'vraroento n. 4, precisi-se de orna
    ama (jara eosiobar e comprar.
    Ama
    Precisa-se alu/ar orea ama. forra cu captiva,
    que compre, cozmhe e eogomme para cafa de orna
    s pesioa: na roa da Cruz a. 13, primeiro
    andar.
    Dr. A. S, Pereira do Carmo (medico)
    3 est morando no tobradoo. 12 da roa da c%
    J Imperatrix. 3R
    Antonio da Silva Mello, dorante poa aosen-
    na deixa plenos poderes a sea irmS) Daarte Bor-
    ges da Silva, para tratar de todos'osseus negocios,
    e na Mu aval *os Srs. Manoel Jos Ohveira Mello
    e Jo? Doarte da Silva.
    Reeife, 13 de fevereiro de 18*8.
    ,|
    C0S1WHHH0
    Na botica da rna larga do Bosario precisa se de
    um coslnbeiro forro ou captivo. _
    Offerece e orna molher para ser ama para
    cosinbar em cas de familia, e responsabilisa-ae
    pela cendneta : a tratar na roa da Matriz da Boa
    Vista d. 17.
    Ama
    Precisa-se alngar nma ama forra on escrava
    qoa compre cosiobe e engomme para casa de pon
    ca familia ; a' rna de S. Francisco a. 54.

    LOJA
    M
    BEIiOJOGIRO
    Victor Grandin
    N. 40 Roa da tadeia do Kccife N. 40
    O proprietarlo deste estabeleei-
    mento, premiada com a roedalha
    da expnMco universal rie Paris
    na anno de 1855, tem exporto a
    venda em sua toja, um grande
    soitimento de r iogios para algi-
    beira como si-j -ni : de ouro e
    oraia, sendo dos melhores fabricantes, de paten-
    tes icglezes, sols'sos e orisontaes. Tambem tem
    urna grande quantidade de relogios para parede,
    e qoe batem horas, ditos para embarca^oes e para
    cima de roes?, todos estes relogios s3o dos mais
    oonilos mude! r. O'mesmo concerta relngios de
    todas as qualidades exisicntes, assim como tam-
    b-m concerta chronometros de algibeira e marti-
    mos : recebe sempre por tolos os vapores, um
    completo sortimento de correntes e trancellns,
    sendo tudo de ouro de le e de modelos os mais
    modernos, assim como diversos objedos de bijou-
    teria dos mais bonitos a mjdernoa gustos.______
    Precisa-se de urna tina que lave e engiime
    hem, e qne sa ba servir n esa, preferindo se por-
    lugueza : quem estiver oestes casos dirlja-se a
    ra estreita do Rosario n. 11, hotel.
    Na ra no B'tho!omeu n. 51, alugam-se
    vestoanos para o carnaval p,r barato prego.
    luga-se um sitio perto desta praga assim
    como um hemem se tfferece para feitor qoe tem
    pratica de pisnla;des : a tratar na ra das Cinco
    Ponas n 71.
    a



    !*
    ir > sr o cr
    B*Z
    M ?<*>a I
    isaS-s
    M *-o
    iS I
    a S B
    a o. 5 sr
    Mil
    s
    O
    " 9 ea.o
    3 B s ~ B
    I.
    Q.J
    i

    ^
    2
    n o
    sr
    a
    a>
    c?
    a
    cu
    SUS-
    S- 8
    ~ ai
    - .
    _ tu
    -0 o
    BSo.
    _ B3 O
    ill
    Cu M
    -
    B 2*
    ? s S
    2- ; ? t
    i ^
    3 5"
    IffS-fi
    Aloga-sa a ioja do n. 27 a' roa Velha do so-
    brado. ^^ _________
    EDgemmadcIra
    Na roa do Imperador n. 73, 2* andar, precisa-
    M de urna criada para engommarem ca a da poo
    ca familia.
    Prerisa-se arrendar nm sitio as segeiot-^s en-
    tradas : Joo de Farros, Joo Fernaades Vieira,
    ManguiDhri, Soleda'ie, Caminh<> Novo e Estancia ;
    a tratar na ra do Trapiche o. 1K.
    Da-se a premio l:0(-05 com hypotbeca em
    bem de raiz ni-su cidade; na ra Nuva, luja de
    ferragens n. 31.__
    Aluea se una f-mosa escrava para servio
    interno de casa da familia : na r ta do Imperador
    n. 50.
    150$000
    Medalha de OURO, premio de 16,600 fr.
    au I NA
    Pelos domescravos fugMn.
    Fugio do engeuho Sete Rain bv8, no oa 1(5 de fe-
    vereiro deste anno, o cabra Loiz Igoario, aliura
    regular, cheio do corpo, (-xmaliimd ', olbr peque-
    no', nariz ahilado, cara ht-xisosi1, reinas grnssa,
    tiem feito de ps, anda meia corr.uuda, eaflios de
    negro mas mel solio1, anda com os ts um Unto
    para deblro, falla gross.^ ; tem uro vaiomhu na pa'
    e.-quorda, neutes limado?, < ch ioa se Luiz mas o
    tratam por Ixnacio, que pude n.udar de nome ; le-
    Tno loriadas 3 caigas de brlm parto, t paletos e 3
    camisas, roupa esta do senbof e qoe pode troca-la
    por lbe Qcar grandd. Rogase, i -is, a todos os ca-
    pitaes de campo ou quaiqoer pejsoa qoe b possa
    aprehender, Ipvar no dito engeno Seie Ranchos,
    qoe recebera' 7o' (JO.
    O cabra deste eogeoho sabio com om eavallo la-
    zao com caogalha ; o dito escravo fol comprado
    nesta praga an Sr. Ant-nio Jos Vielra de Sooza.
    Aiuu de leite.
    Precisa se de urna ama deia do R -cif- n. 4, 2* andar, por cima do arma-
    aem do Sr. Barroca.

    KI.IVIK FEBRFUGO E FORT1FICANTB
    SLI'ERiOR AOS VISBOS I IARSPE5 DE Q0I1U
    Experimentada com pleno successo nos hespitaes,
    a quina Larocbe (ou extracta completo de
    quina) urna preparadlo excepcional, por ser
    privada do amargo da quina. Agrada por conseguinte
    as pessoas as mais intolerantes e aos paladares os
    mais delicados, pois nem muito doce nem muito
    viscosa, sendo de urna limpidez constante. Emprega-
    se com mullo proveito nos casos de gastralgia,
    tljvp.-pcin, netralgla, anemia, r.istlo em
    -iiiisii apparente, canvaleaeeneas demorn-
    das e chlorose. E o especifico das molestias febris.
    QUINA LAROCHE FERRUGINOSA
    P.eunindo todas as propriedades do ferro c da quina.
    EM PARIZ,
    15, rti Drouot.
    ftl6u MS S-:;. m&biUS.
    (Grande amazem de tin-1
    S tas medicamentos etc.
    Cua (lo Imperador n. 22.
    j&j Productos cbimicos e pharma-
    ^ ceuticos os mais empregados em
    5 medicina.
    Tintas para todo o genero de pin-
    g tora o para tintnraria.
    jgg Productos iodustriaes e tintas
    ti& para flores, como botes de Aeres
    55 e modelos em gesso para imitar
    SS fructas e passaros com o compe-
    p| tente desenho.
    Ufe Productos chimicos e industriaos
    j^ para pbotograpbia, tinturada, pin-
    a tura, pyrotecnia etc.
    ^ Moni'ado em grande escala e sup-
    I pride directamente de Paris, Lon-
    * dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
    pode offerecer productos de plena
    contianca e satisfazjr qualquer en-
    commeeda a grosso trato e a reta-
    lbo e por preco commodo.
    i
    m
    -i
    C,4B^;IVAL
    acjanartc/ta
    e/e Stfyet.
    Advocada,
    O bacharel Ernesto Adolpho de Vaseonelk
    Chaves tem escriptorio na casa de soa residencia
    a' ra do Imperad ir n. 50, andar.
    NI roa de Santa Isabel n. 7, alogam se roopas
    para mascaras, dnmtns, etc., etc., tanto para bal
    le como para passeio
    e por lodo o prefo.
    _ Precisase de urna ama p'ra coziohar, eem-
    prar e lavar para pequea familia : na ra da
    Cadel n. 13, se*udo andar.
    ;.i*TfS4W.
    j
    ina itiMM r<-tni. a deslr -.aro)
    Dr. laL.tsis em Paria, r
    VN RUlllAUAS HE* Sj
    ITAJTf E A .TERJ

    O ur. G. A. K^puso Ua Cau-gra (wedi-
    sR co) tenj alerto o stu escripiorlona roa da
    SK Cadeia n. 35-1* andar, onde pode ser
    nrnrnrado das 9 horas da manhaa a's 3
    procurado das
    da lardp.
    -ZGtmr RtiHIM Ml\l-
    ot srrr.no. .-guinio o traciai
    -i. Das memas tnolesli
    1/-1M iuinera. Esta
    c_ .' tota a Xirupn da i.id'C
    Mnanarroldata. Pt>m*da qua
    POMADA ANTIHI
    i -"n : bis effaccOM ett
    jLAS VEGETAES i
    #'*Oct>: cada fr*to tal
    .. u. 'i ;: rUvfCe
    voiai iiii ot bro-
    m e Wrfoi a i'ctrtfft
    peiio he /j a lioen
    : Viti-kas, g*~

    i *,S, .-.S
    AJiGWfc
    l
    . .--.. .V;-.s,
    - j. r. n ttti -. !" i -..-
    i ..- : -ti.-'
    . I -. .- . ato D4tn>r*tiw> .
    ii nri .
    -M. cu
    i laiquerpn .
    >ii, t i!..'i'i.i.i*,
    l- 05 /
    . ij,;s< w
    :. e.-a ta :-!i*
    IPTICA
    , :Y
    A venda na pnarmacia de P. Manrer *
    e C, em Pernambuco.
    PASTA e XAROPEdt NAF de ARABU
    DE DELVW.ItENIEB
    SSo os iiniCOT peitoras approvados polos prorei-
    sores da Facultad de Medicina de Franca, c por
    50 Mdicos dos Ho pitaes de Parir, os qnaes certi-
    BcarSo tanto a sua superioridade sobre todos os
    ouiros pcitorae-i como sua poderosa eflkacia contra
    os lcOiiso, Grlppa, Irrliacoea e as AITel-
    Vi'.ca do pelto o da garganta.
    RACA90UT DES RABES
    i: DEI.AKCiREMEB
    nico alimento approvado pela Academia de Me-
    dicina de Pariz. Elle rcstabelece as pessoas qne
    offi-em de Estomago e dos Intestlnoui forta-
    lece as enancas e as pessoas debilitadas, alem
    :iUsi em virluile de sua pi-opiedade analptica
    io o nv-ior presen-ativo das Eebres umarollo
    e typhodc. ..... -
    Cala frasco e cada eaixmha dostns preparages
    levan temare o sello e a firma Delunjrenhr, ra
    niraclita, 20, em Pariz (Cuidado com as falsiti -aces).
    Bepositariosem todas as pharmacias do Branl.
    Azevedo Iraio
    ua do Queimadon.%%
    VEfDEM
    Teihados de ferro galvausados.
    Cannos de chumbo de todas as gros-nras. .
    Badas esianhadas de lodos os tamanhos.
    Tr.esouras para encrespar bibados da todas as
    grossuras.
    Salitre refinado de Londres.
    Breu e enxofre.
    Zmco em folba.
    Moinhos pira reOnagao da to3os os lmannos.
    Santa (Jasa da Miserieordia
    do Reeife.
    Pela secreta'ria da Santa Casa da Misericordia
    do Reeife se convida de ordt-m da llima. junta ad-
    minir-tratlva a todos os proprtetarios de predios a.
    ra da Rodi, edificados em terreoo foreiro oa-
    ti'ora a* Francisco L-ns Paes Brrelo e boje a
    mesma Santa Casa p>r doacao que lbe fitera, para
    qoe no prazo de 30 das venbam Bagar os foros-
    que se acham a dever de. ditos terrenos, sob pena
    de se proceder a tal cobranza judicial sent.
    Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
    eife. li de fevereiro de 1868.
    O Mtrivao,
    Pedro Rodrigues de Soas?.
    O SR- SCHLOSSER
    CHEROPEDISTA
    BA CAS* IaValUL DO BBAIIL,
    pode ser consultado por pouco tempo em
    Pernambuco, no botel
    do
    UNIVERSO
    Trapiche. Reeife
    SALAO NUMERO i.

    0 QUE E' UM CALLO!!
    um callo urna especie de excrescencia tnberculosa, semelhante a urna verruga, que se desenvolve dos de jos dos ps. tendo o seuberco do dermo de feas tegamentos; qoando
    nasce entre os dedos, cbama-se olhos de perdiz, e quando ao nivel das artcalac5es do dedo grande sao joanetes.
    SSo produzidos por varias causas:
    , rf 3 Quaailo as meias n3o se .justara bem e formara rugas e desigualdades produzem-se callos, especialmente quaudo camraba-se sobre calamentos pon e-agudos, des-
    iguaes e quebrados? o contTnuo ahreto dAota ou sapalo na. articulares, occ'asiona onipooto de irritac5 de que resu ara grandes e dolorojos callos, joeaetes e othos de perdiz.
    8 Algumas pessoas que solTrecn recorrem uma nava^ha de barba ou tbesonra cortara superficialmente o callo, ou empregam a.idos
    POREM QAES OS RESULTADOS i
    Pelo simples ficto de cortar-se a excrescencia toma maires proporec-es, torna i crescer e brota raizes em mais abundancias, no mesmo lugar formam-se callos depois
    do que em v5o serao cortados ou emplastados. Os cidos, por ootra parte produzem urna inflammaco que augmento o volme dos pea, e acaba por causar febre .algunas
    vezeqs os c^los de xam de doer por moito tempo ; este fado, porem, eio aotoriu a idea de que ellos ebegarao a tornar-se .cortes qe permanecerao ass.m R^e.^ffi"
    cedo com Brande desaosto das pessoas aue as supportam, apparecerlo com seo verdadeiro carcter, multas dores, eatumecimento, inflammaco e outras calamulades dedifficii
    descripcao podero sobrevir, e mais difcil ser evita-la se no tem grande cuidado destaca-los as circutastancias ordinarias
    Para curar radicalmente um callo necessaho extrahir-lhe a raz. .
    O Sr. Sctalosser com um processo de soa inveocao, s por elle, conhecldo, approvado pelos primeiros mdicos de ambos, qs continentes, pode extraar a raz ao cano,
    qoalqner qoe seja soa tutoren qaer daraite, quer depois da extrajo, sem a eoor do, nem incoateaite algara.

    0 SR. SCHLOSSER
    AUTOR ,
    DI VARIA* OBBAS S6M AS lOTKnMIOADCS DCS KS,
    pode ser coBsnlla.do em Peroambuco no betel
    do
    UNIVERSO
    Trapicie, Recite
    SALO NUMERO i.
    -O-
    l HJElWEL l


    !art e vwmmkhmtm etMlt felra Fvreiro de MM
    A GAZ
    11
    i.i.C
    Por causa de engrndeeimento

    A empreza do gas desta cidade desejando facilitar geralmente o aso do gaz na
    Casas e estabelecimeutos particulares, oferece desde j as seguintes vantageos:
    i. Urna redacto consideravel nos presos dos canos, apparelhos e tolos os mate-
    riaes precisos para a installaco desta luz,
    2. O gaz oroecido hoje de extrema pureza e nao offender a prata, o bronze
    onoatro metal differente, assim como oenbum damno poier causar as pinturas, quadros.
    ornamentos, papel de forro mais delicado qoe seja, tornaado-se ao mesmo tempo tao san-
    iavel e mais econmico ootra qualquer luz, j conhecida, afinal, evitar tambern a obs-
    iroccSo dos caaos e tobos dos apparelhos.
    3. Os apparelhos existentes, como lustres, arandelas, bracos de vidro, de bron-
    ze, etc. etc., sSo proprios para os senhores que preferem luxo e elegancia, como para
    os que neoessitam simplicidade e economa.
    i.* As pessoas que qoizerem cullocar o gaz em snas casas podem dirigir-se a em-
    presa, a qoal se eocarrega da collocacSo de todos os apparelhos, canos, etc., tomando toda
    a respensabilidade pelo perfcilo cumprimento do masmo, ou por outra, podem empregar
    qualquer maquinista reconbecido pela empreza, sendo o mesmo maquinista responsavel
    peto sea trabalho.
    5.* A empreza obriga-se anda a reparar grataitamente qnalqaer falta de loz,
    obsroc2o de canos, etc., devendo o consumidor pagar somonte as pecas novas que forem
    precisas para o mesmo concert; qualquer reclamacSo qoe possa baver, ser dirigida- ao
    ecnptorio da empreza ra do Imperador n. 31, am do ser logo providenciada.
    % J. BLOf
    Fabricante de ornamentos de Igrejas
    Previne ao respeiuvel pohiico que inudou o seo estabelecimento, ootr'ora ra do Imperador 0.
    23 para a roa da Imner-trii d. 3.
    Precisando de algara tempo para os Brandes Irabalhos qoe ala' fazendo e logo qoe o sea doto
    eslabeleeimento esieja conveDieniemenie adornado anmmeiara' por turto da imprensa os larllgos de
    sua fabrica nesta provincia, assim como os receDidos da saa fabrica em Pari?.
    -
    "------------
    M: S A -Ra do CabngX. S Jk .
    Os propretarios deste estabelecmento offerecem ao respeitavel publico
    um esplendido e variado sortimento de joias de onro ebegadas recentemente
    da Eoropa, cojos modelos sao novos e de bom gosto como sejam: pulseiras
    com perolas, rubios, esmeraldas e brilbantes, brincos da mesma forma, anneis
    de phaniasia, proches para retrato, etc, etc., botes de coral rosa para peito
    de camisa e cacoletas com retractos.
    Compra-se e recebe-se em troca ouro, prata e brilbantes pelo seu en-
    trinceco valor, assim como moedas nacionaes e estrangeiras. Tambem se en-
    cumbem de fazer concertos
    AgostMo Jos dos Santos $ &
    COLLEGIO DE SANTO AMAR)
    I, Recife, roa dt Trapiche N. o,
    Fundado em o auno de 1865;
    Director, o professor Jos Francisco Ribeiro de
    Souza.
    GK1IDE COSIflOItAJtIJL
    AIDR TERREO
    17 i?ita da Imperatriz 17
    PRIMEIRO SSPECTACrJLO DE SUA CLA8SE
    Todos os das das 6 oras da tarde em diante.
    Com as principaes vistas das cidadesde todas as partes do mondo, batalhas m-o
    numentos celebres e tudo o que ba de mais nieressaote neste genero.
    Convencido de qae o respeitavel publico concorret a apreciar todas as collec-
    ces de vistas estas serao variadas todas as segundasfeiras.
    o AOS SRS. CHEFES DE FAMILIA
    Poderao sem escrpulo algum concorrerem ou visitar esta grande calera or
    se achar com todo aceio. digndade e moralidade. '
    Cada bilbete de entrada d direito urna bella prenda, havendo entre ellas muitas
    de subido valor e as menores de quas igual preco do bilhete de admissao.
    Entrada de cada pessoa 500 rs.
    . ^CHARUTOS DE HA VANA
    Se ha recebido por amostra tres marcas de superior qualidade da acreditada fa-
    brica de Manoel de Csala.
    17 ra da Imperatriz 17.
    ARMAZEM
    SALSA PARRILHA
    E
    BRISTOIi
    Legilina e origual ca frisci grandes.
    GRANDE LIQOIDAQAO
    EAZ
    15 ra da Imperatriz 15.
    O director do collegio de Santo Amaro, no intuito de montar sen estabelecimento
    convenientemente, acaba de fazer ar-quislco do excellente edificio em qoe achava-se lo-
    calisada aSociedade Club do Recife,sita a' roa do Trapiche n o, para oode mndoa
    seu collegio. A educando e instruccao baseada no novo systema especial de premios
    e pnicos, sendo totalmente abolido o castigo manual.
    aqu, alumnos pendonistas, relos pendonistas e externas ; acbando-se o estabelecimen-
    to preparado com todo o asseio e commodo?, e prvido de um escolbido pessoal de pro-
    essores, que leccionarao as sezointes disciplinas :
    InMrocco elementar Reihonca e potica. Escripturacao mercantil
    LingQa latina Geographia e historia Msica vocal e instrumental
    Franceza Geomelriaa Dezenbo
    iDgleza Philcsophi Dansa
    A abertura da aula elementar lera' lucrar no dia 7 de Janeiro e as demais do da
    3 de fevereiro em diante. A iospergo dos compartimentos do colleglo e os estatutos
    d > mesmo, estao a disposieo dos interessados. Ootro sim, o director tem creado urna
    cadeira de dezenbo annexa a aula elementar, sem que por este importante e til melno-
    rsmento exija matar indemnisacao.
    O director empregara' tr do o afBnco e cuidado nao s, na parte relativa ar bom
    Ira lamento e adlanbmento de seos alumnos, como tambem, na boa ordem e regulariza-
    da seo eslabelerimento.
    At'.endendo s urgentissimas mcessidades em que se acha o imperio da Santa
    Cruz, de mandar torgas para o sul, o Mouro d* Veneza, patriota como acaba e offe-
    recer-se como voluntario da patria, aQm de nao passar pelo dissabor de ser arbitraria-
    C&pj.; mente disignado para o servico da guerra, como esses guardas nacionaes rebeldes e por
    1P! 's.soiendo elle de se8Qir brevemente para o Paraguay, approveita o ensejo de se despe-
    )*0'dir dos seas numerosos amigos e freguezes, e ao mesmo tempo para Ibes lembrar qoe
    )gM esta a cccasiSo mais favoravel de todas as pessoas iurtirem suas dispensas pois a mo-
    'dicidade dos precos dos gneros existentes no armazem do Moro "de*" Veneza convid
    todos azerem o mais briihante e ptimo sortimento dos gneros abaixo mencionados.
    Continua a receber como at &M! Admirem todos os prejos seguiotes, ebeguem, vejao e comprem, e depois cn-
    ^; fessem que s urna rpida retirada, poderia sera causa dos seguintes gneros sertm
    vendidos por estes precos, a saber:
    *J .ou r,->irtur|T4iuirUlU.
    ''-Vi-? ^^*^^ .ffv^;*f2\*l^t*~\'^* tft\'{~*\ ^-V^\ 0lMilB|
    ^r'^r-i-fe/j-sW'.uiu t-'i'jA SjffXl

    -i
    o
    o.
    <
    O.
    O
    oa
    5*
    *2.
    5'

    fe
    cd
    >
    ^
    o. o a
    o a 2 o*
    &> ca
    -*
    5 o o a g u a, B o
    o. CB
    O o a 4 ca
    a> O. XS
    a O
    13 U
    a a ca
    ca a a,
    Os
    "1 2. o" ai j I
    53 O
    o CA C- "a
    O --
    ca
    a. 5 a>
    0 c
    1 c ca
    0 a CD
    o. CB B 65
    03 c
    5 o o ca
    <* ca
    ca fi> a
    0 a
    a O
    n. m% o
    a ce ca V
    *o a
    & 5
    O
    a. {/3 a
    B ca S
    B9 ca a
    1 9 O
    O o.
    O 65 8
    1 - m
    T 9 r-
    B> wa B
    O. 05 s a

    =

    ca
    CB
    i' i
    s
    o o.
    s
    Azeilonas d'Elvas em latas de 2 garrafas a 8C0 rs.

    Chocolate de differentes marcas, e qualidades a 600, 800 e 15"00 rs. a lata.
    JP
    Frutas Portuguezas em latas de 1 libra a 500 rs.
    Figos verdes lata a 500 rs.
    Farinha de milho.
    gj
    Latas com pera, e peecgos.de 2 libras a 700 rs.
    Latas com pao de 16, a i 600 rs.
    M
    Manteiga Iogleza a 500, 800 e 10000, dita de tempero, a 320 rs. a libra.
    Senouras lata por 500 rs.
    Sal refinado pote 200 rs.
    $
    T
    DO
    VAPOR FRANCEZ.
    ^RUA NOVA W. 7.
    Continua a ebegar de Pars i este estabelecimen-
    to bom sortimento de calcado eseolhido dos melbo-
    res fabricantes daqoella grande prsea, assim co-
    mo grande variedade de quioqulih.ria e de no-
    vos biinqiedos para criar-cas, cujos arligos ae
    acbam exposlos a escolba e voolade dos compra-
    dores, como sejam os que passamos a mendonar
    e oatros mullos. j
    Uoliaas para senoras
    ie setim branco, doraque dito, pretas e de outras
    iiffarentes cores eofeiUdas a rigorosa moda.
    Botinas para menina
    le moitas qualidades bem sortldas.
    Brlocos de onro
    le le a ultima moda dos Campos Elizios boule-
    ards de Pars, para seoboras e meninas.
    I.uvas de pellica
    do verdadeiro labrieaole Jouvin, brancas, pretas e
    le outras differenles cores.
    I.cques
    gm escolbido sortimento de leqnes de diversos
    tostos e qualidades.
    Ultimo gosto
    Ricos chapeoMohos de gosto para seoboras fei-
    ios ao capricho de urna grande modista de Pars.
    Perfumarla
    Saos extractos, banbas, olos, pos de arror, agua
    le cologne, agua fl( "ida e sabonetes.
    Espelbos
    le differentes lmannos e gostos para salas, gabi-
    netes e pequeos toucadores.
    Mascaras
    ebegadas em grande qaantidade de mascaras de
    rame, de cera, de seda, dminos, narii com ocu-
    los e barbas.
    Calillabas de costara
    le noves modelos ricamente guarnecidas e com
    lindas pecas de msica.
    Delicado presente
    bolcinhas e cestlBbas de seda e de velludo mnito
    importantes para braco de meninas passeio.
    Chapeos de sol de seda
    de cres e multo bellos para senboras e meninas.
    Bonqnets da expostcSo
    delicados booquets de flores de porcelana com lin-
    dos jarros para mesas de salas e santuarios.!
    Lonetas
    le ac, tartaruga e ibufalo.
    Oculos
    le ac, bfalo e de prata doorada.
    Ricas bengalas
    de canna verdadeira com ca^o primorosamente
    trabalbados em marflm, compradas na exposicac
    Chicotes para passeio,
    amito finos de baleta e cabo de marflm.
    Oleado para mt &a
    le multo boa qualidade, novos e bellos padroes: e
    muito barato de nma peca para cima.
    Para tollet
    jbjectr-s de pbantasia muito bellos para toileL
    C sbegados de novo a oilima moda.
    Ricos albuns
    le velludo e de marroquim para retratos.
    Esterescopos
    com lindas pbotographias transparentes.
    Estampas
    le figuras, pafsagens, cldades e de santos.
    Molduras douradas
    le diversas larguras para quadros.
    Abat-jour
    para candielros e lanternas de piano.
    Cvsmoramas
    0 ijrar de yurilicador de salgue!
    Esla excellente admiravel medicina, pre-
    parada de orna maneira a mais scientifica
    por Chimcos e droguistas raoi dontos e de
    urna instruccao profunda, tendo tido moitos
    annos de experiencia ao par de orna longa e
    laboriosa pratica.
    A sua coraposii'ao nao consiste de um
    simples extracto de um s artigo; mas sim,
    composta de extractos de um numero de
    raizes, bervas, cascas e folbas, possuindo to-
    das alias sua viriude especial ou poder em
    corar as molestias, as qoaes teem sede ou
    essento, no sangne ou nos humores; e estes
    differentes extractos vegelaes, acbam-se por
    urna tal forma combinados, ponto de con*
    servartin em toda a sua torca o curativo es-
    pecial de virtude, qne cada cm de per si
    pos^ue. A raiz da planta de sal&aparrha,
    produzida as Honduras, a que nos usa-
    mes nesta preparaejo, sendo a qualidade
    que todos os mdicos mais pres^m e esti-
    mara.
    Na cnmposfo da salsa parrllha
    de Rristol entra mais de 50 por cento
    deste concentrado extractu. Ella nao en-
    j cerra em si cousa alguma, que possa por le-
    I ve ser perigo^a ou injuriosa sade; e tan-
    I to n'este, como em quasi todos i s mais ies-
    peitos, ella inleir.mente diversa de todas
    essas mais preparacoes, as quaes debaixo
    do nome de salsaparriiba. sao acondiciona-
    das ou postas em garrafas pequeas, stndo
    recitada em doses mu diminuas de orna
    colher de cb por cada vez. Nos pelo con-
    trario engarrafamos a
    Salsa parrilha de Bristol
    em frascos grandes, e assim por este modo,
    flividimos com os consumidores, o grande
    proveilo e vantagem alcancados por aquellos
    que acondicionara sua preparago em garra-
    fas pequeas. Cada um dos fra-cos da nossa
    fltalsaparrilha de Bristol contem
    a mesma quantidade igual porco rnnlida
    naquellas garrafas pequeas, e aom d'i-so,
    possue ainda muito mais forga e viriude
    medicinal do que aquella, que por ventura
    se possa acbar contida dentro de seis garra-
    fas de pequeo tamaito. Portanlo mu
    natural, que aquellas que acbam ocenpados
    em preparar e vender as snas producoes em
    garrafas pequeas, murmurem c gritam
    contra os nossos frascos grandes; procla-
    mado, que a nossa Salsaparrllha de
    Cristo! nao possue a menor virtude ; po-
    rm quao effeciivamenie so elles postos em
    silencio, guando* indicamos, ou simplemen-
    te Tfferimi-nos para enm essas centenares
    de cenidoes e tesiemunhos authenticos, por
    nos reci bidos de to dade, nos quaes plenamente atteslam o po-
    grandes e pequeos com SO ou mais vistas esco- der curativo e virtudes mai avilbosas da
    luidas -'

    Tijolopara limpar facas a loo rs. cada om,
    Toucinho inglez a 400 rs. a libra.
    V
    Vinagre branco 300 a garrafa e a 510 rs. o litro, e muitos outros gneros, que
    deixa o Mouro de Veneza de especificar por se tornar enfadonho, tendo o devido sor-
    timento para salisfazer a seus freguezes; e asseverar que
    Quer o pobre, quer o rico
    Que em seu armazem entrar,
    Nao deixar vez alguma
    De comestiveis comprar!
    JOIAS
    CONFUTA BlA DOS ANAWS.
    16,Ra da Cmz16.
    Ha diariamente neste estabelecimento um sortimento de doces para cb.
    de-lo, bolos inglezes, podios, pastis de differentes qualidades, fiambre etc.
    Novas conservas e licores, aga de rosas e de flor
    de Jaran ja em garrafas
    TRABALHOS DE ASSUCAR.
    P5es
    r Assoear candi.
    ; Fructas seccas e crystalisadas.
    Ditas em calda.
    Pastilbas de assucar de differentes quali-
    dades.
    Aaendoas confeitadas.
    Papis finos com estalo para sortes.
    Bombons.
    Xaropes de diversas qualidades.
    Candilados.
    Pastilbas de caf com leite.
    Bombom fundant.
    Pastilbas de rosa e lmSo.
    Ditas do Kortelaa pimenta.
    Recehem-se encommendas de trabalbos proprios de pastelaria para graades
    jantares, bailes, baptisados e casamentos, bavenda para isso enfeies anlogos, bandejas
    com bolinbes tanto da armago como sem ellas, pes-de-I e outros bollos differentes en-
    feilasos sendo o de cor feta com assucar.
    O dono deste estabelecimento tem resolvido substituir cas bandejas as armacies
    de papelSo e folb?J por armaeSes de assnca.r competentemente decoradas. Tanto para a
    provincia como para fura, sero as encommendas bem acondicionadas.
    Neste estabelecimento compra-se pevide de metaoeia (milo).
    ^^ N. 2 D W N. 2 D
    ||^~ COKACAO IE OlIKO. ^fe@
    ERNESTO < LEOPOLDO
    a a A ,0^a n* ? D inlit0,*,1* Goracio de Onr na roa do Caduga, acha-se oTora em dame offerecen-
    ia o?*?* PuDIico, com especialldade as pescoas qae honram a moda, oe objectos do ultimo gos-
    ItdM totebrta ma0S ** ">m **qM em 00lr* 1Qal ca J 2SS Pablic. avallando o dese]o qoe deve ter oa proprietarios de nm novo esUbelecimen-
    .nBi w'm^faT?E-f* sea ae^ocio' eve chegar immediaUmeDte ao coraco de ouro a comprar
    EnTn?tft ^in.1 Kan,es "walflaa, rubing e perolas, verdadeira* em agarras moderna, pele
    mu?rfmPP^J *' nncos Pernos de ouro e coral para menina pelo preco de 3#, maracas de
    B Z>Ia ae marBm e madreperola, obra fle moderno gosto (o que eucouirarao do ooraao d
    ZlnmtrLZ^r^ C0in^Dl6 ricamente enfeitada pelo pequeo preco de iJJ, brm-
    S2in ??!?tJSl?1^ na? modicc PrC>.cassoletas,traneeiins, pulceiras alUnetes para re-
    Sent' No I?u ?,,0,d0 d6r,to g-ost2' anes PrPrios P" bour cabello e Arma, dito para casa-
    ?a' h,* t0 ro8eiti teD Coraio nn> completo e bem variado sortimento de diverso*
    f$]SE?ZLTi Pi,DbtC0? damante. rublos e esmeraldas, obras asas Importantes a' pelo seu va-
    Jaft g L **fb0'britum de forn,a i "cada mslnha de moca com pingente contendo
    esmeraldas, robins, brilbantes, perolas, o gosto sublime, alnete para eravata no mesmo gosto, reo-
    slos para seobora eravados de pedras preciosas, ditos para homem, diversas obras de brilbantes d
    unito gosto, crusinlias de rubins, esmeraldas, perolas e brilbantes, anneis com letras, escoletas de
    ?rystal e ouro descoberu para retrato (a isgleza) brincos de irania, olios a imperatrii toda e qoal-
    uer joia, para se crt iocar retratos e obras de cabello, e outros muits sbieclos que os prelendentes en-
    centrarao no Coracao de Obro que se conserva com toda a amabilidade aos eoncorrentes donndo-
    se de aqu mencin r precos de certos objecios porque (desculpem a maneira de fallar) aiiendo-se os
    preces talve algueni faca mo juno da obra, por ser lio diminua quantia a vista do sea valor.
    r>-a mesma loja compra-se, e troca-se onro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe-se conce:-
    ios, per menos do que em outra qualquer parte, e dao-se obras a amostra com penbor, conservando-se
    o Coraco de Onro aiierto at as 8 Horas da noile.
    Qoalquer pessoa qne se dirigir ao Coraco de Coro nao se'peder'engaar com a casa, poil
    nota se ua sua frente um coraclo pendurado [iudo deamarello, alem de ootro qoe se nota en ud
    ' otu.o (isto se adven* em cons equencra de ter tro ja' algumas pessoai engaado com ootra casa; |
    vontad*1, muito pittorescas.
    Realijos
    pequeos, de quatro e seis pecas de musie;.
    Aeeordluns
    i concertinas, o que ha de melhor neste genero
    Sallas de rame
    ie varios preces e trjennos para passarinho.
    Bolinas para homem
    grande SGrtin ento bem escolbido em Paris.
    Botlaas para meninos
    de moitos modelas bem sonidos.
    Sapatos de tapete
    de cbarlote, de tapete avelludados e ra tranca de
    Lisboa para homens, senboras e meninos.
    Botas russianas
    Pernefras e roeias perneiras.
    Mantas de feltro iionitos padroes.
    ubicles fortes compridos.
    Lavas de flj da Escossia.
    Cartelrinbas para dinbeiro.
    Saceos de tapete para viagem.
    lalas e boleas surtidas.'
    Ponteiras para charutos e cigarro?.
    Cbaroteiras e cigarrelras de paia.
    Caximb js de bonitos modelos.
    Sravatas pretas e de cores.
    Gordas para violo.
    Bengalas para homens e meninos.
    Escovas para cabello.
    Escovas para deotes.
    Pentes de marSm para tirar caspas.
    Pentes de tartaruga de desembarazar.
    Abridores de lo vas.
    Tesonrinbas delicadas para costara.
    Caivetes finos com tesonrinba.
    Meias de fio da Excossia para bomem.
    Venezlanas transpareBies para janellas.
    Quadros pequeos para retratos.
    Pares de lindas figuras pequeas de porcelana.
    Jarros mui pequeos de porcelana.
    Objectos de porcelana para botar banha.
    Iaiberes finos para meninos.
    Objectos de mgica para divertir familias.
    Pbotcgrapbias ma&ijcas.
    Slobos de papel para illomioaco no campo.
    Castinbas de vlmes para meninas de escola,
    uoixinbas de msica e reajeijos para meninos.
    Velas a gaz para candielros e candelabros.
    Carrinhos de quatro rodas para conduzir criaoca
    Bonecas de massa, de cera e de porcelana.
    Bercos e camas com cortinados para bonecas.
    Cabriolis e cavalliobos de madeira coro machi
    nismo para meninos de 3 a 8 annos montaren)
    Para retratos
    ealxilhoa para colar-se retratos, os quaes sao mui-
    to baratos de orna dozt'a para cima.
    Altenco.
    Nao sendo possivel menclonar-se aqai todas as
    inalidades de calcado, nem lodos os arligos de
    luinqulbarlas, e mullo menos da grande vari-
    lade de novos brioqoedos; pede-se ao publico om
    passeio a este estabelecimento. ceno de qoe en-
    cootrarao bastante paciencia para bem escolborem
    d que desejarem comprar, e precos baratissimos
    m virtade de baver em todos es'.es arligos grande
    qaantidade, e terem sido comprados mesmo na
    Europa pelo doao do alto estabelecimento, arma-
    cem do vi por, roa Nova n. 7.
    $m* saa mm&mm
    Msica
    Leceiona-se por sotfejo e a tocar varios |
    instromeatos, daudo-se as licoes das o Sgt
    boras da tarde as 9 da noite : a tratar na g
    ras Angosta o. 30. ]
    nossa
    SLSAPARRILHA DE BRISTOL
    A vantagem de termos os nossos proprios
    agentes naquelles lugares acude as difieren-
    tes raizes, drogas, bervas e plantas de se comuoem as nossas medicinas, s5o pro-
    duzidas, 6 que nos habilita exercer aquello
    consianie cuidado e desvello na minuciosa
    escolba; e o que assegura e garante uni-
    formidade de excedencia.
    Em quanto que por nutro lado, nos nao
    nos poupamos nem dinbeiro, nem dili-
    gencias ; afim de alcancarmos o melbore
    nicamente o melborde c da um artigo
    ou ingrediente que eolra na sua composi-
    c3o; pois levados e compenetrados da
    mais Arme e persuasiva con&anca; que po-
    demos afoulamente dizer aos doenies de to-
    das as naces, e de todos os paze, que na
    Salsaparrilha de Britl possuem
    um remedio mais eflicaz e seguro ; do aue
    neobom outro^ que vos tenba sido offerecido
    at htije, e o qual por ccrlo nao lia de mal-
    lograr vossas expectativas, na prompia e
    effectiva cura das seguintes enfermidades :
    Escrfulas,
    Cbagas antigs,
    Ulceras,
    Feridas ulcerosas.
    Tumores,
    Abscessos apostemas,
    Erupces,
    Herpes,
    Febre e stzoes,
    Salsugem,
    Impogens,
    Lepra,
    Hydropesia,
    Tinba,
    Syphilis oo mal ve-
    nreo,
    Irregularidades do
    sexo femiuino,
    Nervosidade,
    Debilidade geral,
    Febres malignas o
    biliosas,
    Febres intermitien-
    tes e remiten-
    tes.
    Ictericia, etc., etc.
    tfoYoegrande depositle superior carvao de Gardiffna
    Babia.
    Antonio Gomes des Santos 4 O, roa Santa Barbara o. 1, estao habilitados a lopprir da
    rtlofe'D eoBdlooes mahs avoraveis qoe em eoft j qoalquer deposito, a todo* os lavtos a vapor qw
    DMoeUe mto. A contratar Beata eon Doalafoa Arres Matheus,
    ATTE\CA0
    Carnaval
    Na roa estrella do Rosario, sobrado de om andar
    n. 35, aloga-se ricos vestuarios bordados a ouro e
    a laa, tudo muito em conta ; vatoarios de principe
    e dminos bordados a vellodlobo, todo por muito
    barato preco r tnm grande sortimento de domioos
    de cansa de todas as cores para alagar a 2y0uO, e
    faz se tambem qualquer vestoarios qoe se quelra
    mandar fazer por qoalqoer figurina que Iragam,
    todo por preco moito commodo.
    ~ CrladaT"
    Precisase de oea criada para engommar a co-
    alabar pan do* pesseas : a tratar na ra das
    Crozes n. SI, r> andar.
    Outro sim, acbar-se-ba, que para o bom
    resultado e perfeito curativo de todas aquel-
    las eafe^midades cima apontadas o aban-
    tamente da cura, grandemente promovido
    e apressurado; usando-se ao mesmo tempo
    das nossas me i valiosas pllnlas v ge-
    taes as*acaradas de Bristol, to-
    madas em doses modsradas em conneccSo
    ou conjunclamente com a salsaparrilha; ellas
    fazem remover e expeilir grandes quantida-
    des de materias morbficas e bunsores vicia-
    dos que se desprendem e livrementtf circu-
    lan) espalhados pelo systema, isto cau.-ado
    pelo uso da salsaparrilba; e ptr consequenl
    cia facilita a voita e o exercicio norma-
    das operaces funecionaes.
    ~ COSIMHEIKO
    Precisase de um coMDht-iro par orna easa de
    pequea familia : a tratar na roa da Aurora n
    24, 2- andar. _________^_________ _
    Altenco.
    25-Rua do Livramento-25
    Deposito d tamaDeos e calcados nacionaes da
    fabrica da roa do Jardim n. 19 de Jos Vicente
    Gudinbo, tanto no deposito como na fabrica se
    apromptam todas as porces de calgados mais ba-
    rato po'sivel; esta fabrica tem todas as machinas
    proprias para os calcados ja bem acreditados pelo
    grande numero de regoeies que daqoi se torne-
    cem _^^_________________^^
    Ayer's sarsaparha cures
    all kinds of cruphons, pim-
    pla, blotches, bous, tumors,
    ulerrs, sores, etc
    Uzinaeiie #
    No caes de Santo Amaro o. 18, casa terrea com
    solio, precisa se de om coxiotoeiro bomem oa mn-
    iber para pooca familia.
    I
    i



    '
    I'
    PUrl. de *rM.ift*. ~ <^-
    At<1S
    PARA 1868
    conteudo o kaleudario do aimo, meia folha eni brauco para cada dia,
    hotos signaes do telegTapho, etc. Obra indispeiisavel aos adYoga-
    dos, negociantes, etc., etc. mT
    28000
    UWmW UMMh





    -
    PROTECTORA
    DAS
    ASSOCIAClO BRASIIiEIRA
    DE
    SEGURO MUTUO SOBRE A VIDA
    Na ra Direita u. 63, officioa de ou-
    rives, compra-se oaro e prata e reiogios
    velhos de todas as qualidades.__________
    O abixo SMfMdo faz sciente ao poblico e
    com especialidade ao corpa do commercio que del-
    xoa de ser caiteiro do Sr. Llvlo de Souza e Silva,
    o qaal agradece ao mesmo senhor' o bom trata-
    ment que teve e de sua Bxma. familia dorante o
    teropo que esteve em sua casa. Recite 16 de feve~
    reiro de 1868.
    Antonio Ferreva da Siten.
    Alberto H-rascbel, subdito alleuio, vai a Eu
    ropa a negocio seo. _____.



    APPROVADA
    roR
    Decreto do Cioverno Imperial de
    E GEB1DA PELO
    13 de 9anho de 4864
    BANCO RURAL E HYPOTHECARIO
    DO
    RIO DE JANEIRO.
    Commissao Fiscal
    Commendador,
    que.
    Cora aeodador, Guilherme
    I bles.
    Boaventqra Goncalves Ro-
    P.iit j de Maga-
    Veador, Jos Joaqaim de Lima e Silva So-
    brinbo.
    Commendador, JeroDytno Jos de Mes-
    quita.
    o ri>co de morte ser calculado pela tabella de Motferraod fart. 39 do regulamento):
    TABELLA
    de mortalidade de Moiitferraad, calculada para
    n>iscimentos.
    1,000
    SOBREVIVEN SOBPEVI S0BREVI
    S08REV.VEKTES SOBREVIVEN ES SOBREYIYENTBS TES VKMTES VENTES
    re * m s 1 i V a A "S a i 5 s S 9 i =3 X % i 1 k s 5 a. -i i V Sj -a:
    0 1000 100(1 B 634 66130 549 56' o i 418 437 72 198 200 N 8 8
    1 1 843 847 ID C,9 65'.. 37 524 554 55 410 427 73 181 183 9i 6 6
    7 770 79a SU 624 65i 38 519 ftW 56 4)1 4-8 T 161 IM M 4 4
    ' 741 76 i\ 6IH 646 38 514 542 :.7 394 08 73 147 148 'H 3 3
    \ 72; 746 44 608 640 Hi - 509 537 58 383 398 7t> 1311 131 94 2 Y
    h 707 73 13 601 838 H 514 549 59 374 MI 77 11.1 116 08 1 1
    6 696 724 14 59. 62^ 41 499 543 .i. 34 376 78 101 101 M 0 O
    68/ 7.1 : 5K 623 i' 494 517 61 353 364 7 88 89
    H 679 7.5 >>' B9u 617 u 48- 5t(i 2 3.G 351 80 76 77
    9 673 699 -7 574 612 t 482 5i 13 a 327 j 337 81 65 66
    l|l> 667 691 18 569 6 6 46 475 417 N 314 ; 32 84 4 55
    II 662 689 JO. 50 i 601 i" 4 9 4!-6 3 30 308 8 44 4.1
    \i 658 68. 30 559 39 4s 461 483 <>6 26 393 84 33 3fl
    13 6,- 681 u m 590 19 436 476 i7 272 378 8-1 28 27
    14 651 678 3i 630 583 se 449 469 68 258 m 8 22 2.3
    18 647 674 l.l 54o 57" 31 442 461 9 243 248 87 17 18
    l 643 670 3 54(1 57; 54 433 434 70 229 234 88 73 14
    17 639 66. 3o 53.1 Sr6|53 446 44- 71 214 216 89 10 10
    Attenco.
    b
    O abaixoassignado socio tIT-iclivo do Monte Po
    Portaguez de-la cidade, vem publica e espontnea-
    mente maoitestar a sua graiidao a directora do
    mesmo Monte Pi, p-lo proptos soccorros que
    sempre Ihe prestou durante a sua molestia, assim
    como, com partuolaridade os mesmi-t aeraaecl-
    raentos aos Srs. Jos Alves Lina e Jalo Fernn-
    des da Silva Oiiveira; o primeiro digoo ibe-ou-
    reira e o 2* como procurador pela prest-za com
    qoe sempre fui attendldo, do que seret eternamente
    agradecido.
    ___ _______Joaqoim Carvalho de Motira.
    Na praca da Independencia n. 33, toja de
    rariTes, compra-se oaro, prata e pedras preciosas,
    9 tambera se faz qualquer obra de eacommenda
    cdo e qaalqner concert.
    Peitorl de cereja do Dr.
    Ayer.
    PARA molestia do peito.
    PARA iriflamma^o da garganta.
    PARA tosse e defluxo.
    PARA anpioa, croup, coqueluche.
    PAR\ aslhtna e bronchite.
    PARA d'r de gargantt.
    PARA tsica pulmonar.
    Precisa-se de urna ama para casa de poaea fa-
    milia : na ra da Cadeta p. il.
    Grammaliea portugoeza
    decima primeira edicf 5o
    a venda na
    Ltvrariafranceza.
    _ Ra do Crespo n. 9.____________________
    Superior viudo do Porto.
    Vende-se no escriptorio de Antonio Lulz'de Oli
    veira Azevedo & C, roa da'Crnz n. 57. ,-em"cdisas
    de 12 garrafas.
    Fariiiha de mandioca
    Conforme a qoalidade, vende-se por diferentes
    precos, mas razoaveis, para acabar : procurar no
    trapicbe do Cunba, ao Forte do Mallos.
    Almanack de GotliT
    para 1868,
    a venda na
    Lwraria franceza
    Ra do Crespo n. 9.
    Vapores.
    Yonde-seem casa do Saucdars | Brothers di C
    o largo do Gorpo Santo n. 11, vaporas paiecte>
    om todos os pertences prprios para fazer move
    es ou quairo macinas para descarocar algd.
    Fraacisco Jos Germann
    |RUA NOVA N. 21,
    acaba de reeeber om lindo e mr.gaifico w
    timento de ocnlos, lunetos, binculo, de >
    timo e mais apurado gosto da Europa e ce
    los de alcance para cbserraces e par .
    maritimos.
    COMPRAS
    Ese la reamen los.
    O seguro de sobrevivencia, que e-ti a-soeia(;aj ostabeleceu sob a idea fecnnda de muluah-
    'lac, Dm contrato peto qoat a assucia^o se obriza, medame ama quaotia que ella recebe por ama
    s vez, oo era pre^a^oes aneuaes, a entregar ao c$irtnbuinte dessa somraa, tu a qnem elle designar
    coma btKcRciaio um capil, oa urna renda, ao fu* du prazo do contrato, sa o segurado, de livre esco-
    Iba o-cintnbuinlc, vi ver u ento.
    O obj-Mto, pois, da associaco e a creagao de cap'faes, e a de rencas; por meio de con'.ri-
    bices feilas de urna vez, ou em presuedes annuaes (art. 2" do reguUtnint).)
    O capital da assuciacao illimuadoe forma se das caatriliuicfles, oe que o Banco apenas
    depcMario at que dentro de qoinze das mprortgaveis as conv*na nicamente oa apolices da Divida
    Pabiiea Nacional de 6 por cerno f..rts. 6a e 31.)
    As opera^o-is, composia actualmente dos coninr.jlnies cima nomeados. (Ar*. Io 2o e aits. 57 e 70)
    Os eootratos oe seguro faz?m-se por om a trote e ciaco auuos, e podem rescindir-se em lo-
    dos oa em alguro, ou atunes dos quingueamos iMermedios ao prazo final. (Arls 18 e 19.)
    Antes, purera, de findo o primeiro quinifaennio t se fu ao por cinco annos ou pelos que fal-
    tarem para concluir este quinquenoio. {Art. 17.)
    Os contratos indem elfectuar-se debaixo das seguintes condlcSes :
    1.* C m risco-dd capital e lucros.
    2* C m risco de capital >.
    3.* Com risco de lucros so.
    As differeues coodigdes sobre que assealam os contratos indicara e distinguen) as differen-
    tee sociedades a que os contribuimos penencem.
    Formadas assim as sociedades, cajo numero de contrtainles Ilimitado, sao postos em com-
    (Mm os capltaes, para serem di-triDuios, no fia do prazo dos rostecilvos coutratos, pelos benencia-
    do cojos segoros viverem at ento ; sendo a divito dos qnihods lena ein proporcao do valor de
    uAda cooiraio, de sua duraco, e do meo de morte do respectivo stguro.
    Os lucros 6o contrato erescem com o risco sobre que asseniam ; assm :
    Os da primeira condigo, -alm do augmento do capital, pela coraposigo do joro, tem direi-
    tc a qjota da partiiua do capital e lucros dos contratos, cajos seguros fallecer antes da pocajdas
    Hqtida;des escolbidas.
    Os d^ st-gueda coodicao, alm da quella mesma verba da capuallsacao da entradas e dos
    seos jares, tem direto a qaola da pwiba dos capitaes (dos lucros nao) dos contratos cojos segurados
    faltecerem.
    E os da lerceira condicSo, alm daquella verba, a todas as condicSes eommum, tem direito
    qaola dos lucros (4os capilaes uao) dos contratos cajos spgurados failecerem.
    A appiicafao do capital o lacro resultante pertencera' a pessua, ou pessoas, qae o conlribaia,
    te etarminar; podendo elle, em i..da a dara;ao do contrato sustituir o beneficiado, ou beoeQciados
    por bkIo de urna declaracao, qae a associaco a verba ra' na apjice, ou mesmo sem tssa formalidades
    por mio da escripiura puoiica, oa disftosicao tesumeolaria,
    Tambem liwe ao contribuitrie dispor de ttodo, ou s de parte do beneficio ; assio como Ibe
    e peraKtUdo coucede-le plenamente, oa si por uso tracto.
    Se o valor da coatrinuico se ever realisar pur oreslace- annaaes, e o contribuale por
    norte, a por oatra causa, as nao pader verificar ou completar, licito ao propri<> beneficiado, ou a
    qoalqoer ootra pessoa, elTeciuaias ou pertazelas, mas sempre em proveilo do primitivo beoeQciado.
    Os coniraios de segaros da especie Indicada coavm especialmente :
    A quera qoer dotar urna filoa ou fundar um patrimonio, oa um principio de esUbelecimento
    a ai fimo, afithado, ou cotro individuo q^alquer, a quem se queira beneficiar;
    A quem quizar livrar derecrulamento um Ribo, na idade em que o pal oa a mi, delle pre-
    cise mais 4
    A quem quer efetr para o fotnro nm capital oa urna renda, temen lo que a de qao goza,
    qoaiia vigoroso, dSu ch-gue qaaado viltiece, ou a enfermidad nao Ihe permitr adquir la.
    Q jalquer dos tos acontados pode ser eoo>egoido, anda pelas pessoas menos protegidas da
    fortuna; parque basta para isso consignar anna>lmente ama juaotia em rela^ao aos raeos peeuou-
    rioa de .que uicjiem.
    AvaiiHfo pois os chefes de familias numerosa, q eq|anps aproreita applicar saas econo-
    jDias a sociedades fundadas sob semelhantes bases, quando a experiencia tem demonstrado era com-
    p^nhia analiga' qoemtia irpp.islcan ,-,nnni d- 10i> nri>"n> :
    Idadrs.
    fia cabeca de 1 crian-a de I oa a l modo
    de i de 1 a 2 anou.-
    de i de 2 a 3
    de 1 de 3 a 4
    de 1 de 4 ili
    de ama petsoa de 13 a 28
    de > de 20 a 30
    de de 30 a 40
    d t de 40 a 50
    Etn aunes
    I:lu0ii0<>
    900*000
    86i 000
    8614000
    8r;n0J0
    860*0. 0
    8611*0.10
    8i*0ii0
    9iM)*000
    tai lo a .nos
    4oOdu O
    3:0O0AO 2 :t-00*0011
    2.8 *0H0
    2.70('*(.00
    2:70O*On>
    i: 700*.. 00
    2:7ir(*(X 0
    3:000*000
    tm 15 ao
    9:iiC0*
    7:dUO*
    7:400*
    7:li:0*
    7;1>.0A
    7 001.*
    7; 100*
    7:400*
    7:300*
    v 20 an Em 2o ao
    20:000* 47:000*
    17:000* 37:000*
    16:0u0* 33:000*
    i3:StlO* 34 000*
    1:S00* 33:301'*
    13:400*
    13:600*
    16.0UO*
    8:000*
    33:300*
    3i.(oo;
    37.000*:
    KO-.tOll*:
    Compra-se
    por mais prego que em outra qualqner parle moe-
    das de onro e prata daeiooMs e estrangtiras : na
    ra do Trapiche o. lti, armazem de Adriano, Cas-
    tro A C, e ra do Crespo n. 20 loja de Alvaro
    Augusto de Almeida.
    Corupra-se por maior preco
    qae em outra quaiquer parte moedas de 011ro e
    prata nacionaes e strangeiras : a' ra do Trapi-
    che n. 16, araiaz.jm de Adriano, Catiro & C, e
    ra do Crespo n. 20 13 loja de Alvaro Aagusto de
    Almeida.
    Cornpra-se urna casinoa: tratar
    ta typograpbia.
    nes
    Compra-se
    Sempre por mais do quo em outra parle, prata
    e guio de tudas s qualidades em moeaa : na ra
    da Cadeia loja de azul^jj n .08.
    Prata e
    bem
    Era moeda naga-se
    pendencia n. 22.
    ouro
    : na praca
    da Iode-
    Compra-se ouro e praia em obras velbas
    aa oraca da Independescia D. 22._______
    Muio motor vantagem
    Compra o CORAfAO DE OURO n. 2, ra do Ca-
    baga', moedas de ouro e prata.
    Ouro
    Compra-se moedas brasileiras e libras estarlinas
    com bom premio : na ra .Nova loja franceza du-
    mero n. II. ____________^___^_
    Moedas de ouro e prata
    Pagase por mais do que emouira quaiquer par-
    te : na loja de ourives arco da Conceicao e compra
    uro e prala velht e podras preciosas.
    Gumpra-se
    por mais prego qae em ontra quaiquer parte moe.
    das de ouro e prala nacionaes e estrangeiras : Da
    ra da Cadeia n. 13, loja de Jos Lulz CtojalW
    Ferreira A C.
    Compra m-se escravus
    Compram-se, vendem-se e trocam-se escravos
    de ambos os sexos e de todas as idades: a ra
    do Imperador n. 77, ndr.
    de onro e prata, compram-se por maior preco que
    em ouira parte ; na na rioCn'srmn. li -1- andar.
    Cumprf-se dous tscrave%que eniendam al-
    goma coosa do servido de caooeiro, ou que t"nba g
    aodado eroiiarcaga, e larobem. compra-se am dito
    que sej regalar cosinheiro ; a traiar na ra do
    Broro D. 74 1* andar.
    Va^souras do Porto a 3$000
    a duzia.
    Vende-se a' ra do Imperador armazem de FraD-
    cisco Jos Lelte.
    A AGUA BRANCA
    4 roa do Quciniado n. 8.
    Por suas ioressaotes encommenlas tem ltima-
    mente recebido variado sbrtimenio de ditferentes
    otj-'ctos, seraje de gosto e alilmas modas.
    Ella porm usando da franqueza com que sem-
    pre se tero distinguido, confesra que, os precos ac-
    toaes nao podem ser tao commodos como a' lem-
    pos eram, vtrdade essa que todos reronbecem e
    experimentara em qoalqoer genero que desejam
    corrprar; ainla asslro, ella levarla por seus prin-
    cipios de barateiro, contina a s-lo em rela{o as
    actoaes circunstancias. Ao menos em compensa-
    eao das pequeas alteracdes que ba em alguos
    prego?, supre a bell-za e boa qoalidade des (.oje-
    los segointes :
    Bonitas guarnicoes prelas para b?quin3s e ves-
    tidos.
    Grande e variado s-,rltneoto d- traiic.-ii pretas
    de vidrilhos com piogenle? e sem elle?.
    Ooiro dito de litas brancas conforme as preU?.
    Oatro dito de ditas de pres laoobem com vidri-
    lhos, sendo com pingentes e sem elles.
    Oulro beilo soriimeoto de galos-s e enfulles de
    sia, direitoa e recortados, coro vidnlbos e sera el-
    les, e lodoi de novos e linoos dt'senbos.
    Oulro sortiraento de bcioes prelcs e de cores,
    lodos enfeitados era vidrilhos, e alguos com pm-
    genle?, notndose entre elles o bom gosto dos mol-
    des ioleiramecte novos e aqu nunca vistes.
    Bonitos e raodernss penies douralos.
    Bonitos peotes de tartaruga obras, modernas e
    de apurado goMo.
    Ouiros Atol igualmente bem fdtc?, para deserc-
    baracar.
    Oros tambem de lartarnga para tirar bien s.
    E bema-sim m'jitos outros objectos quo sero
    presentes ao comprador.
    AlllUKS.
    A Aguia Branca a ra do Qaeimado n. 8"acaba
    de reeeber urna nova colleccao de alboos para 24
    a 200 retalos. Nisse sortimeoto vn-ram alguus
    que pormas perfeicfas, riquezas e boro gosto se
    tornaro notaveis e merecedores de serem possuidos
    por quem possa, e saiba apreciar to bellas obras.
    A proposite deAlbuos
    A Aguia Branca tambera recebeu urna pequea
    qoantidade de retratos notaveis, cajo- caracteres
    sao os segui-ites :
    Familia imperial Panceta.
    K-i e mola de Portugal.
    Imperador e imperatriz da Ch-m.
    Lamar'Ine e Alejandre Dumas.
    Vctor Hago, e Tines.
    Washington, J hnson e Lincoln.
    Tambem recebeu
    Grande e variado sortimento de vistas para ste
    reoscoposl as quaes por suas oovidades se ao apre
    ciadas pelos apaixonados de to bello entretimenlo
    Coroparegaro, pois, os preteodeoles que senio
    bem servidos, na ra do Qaetmado loja da Aguio
    Brarica n. 8.
    Copos e lata* com snpitrior banlia
    A Aguia Branca a ra do Queiraado n. 8 rece-
    beu de novo om completo sortiraento de perfuma-
    rlas Boas, vindo em dito sorlioeoto os copos, latas
    e vasos de-porcelana dourada coma bem conbeci-
    da e apreciada banba fina.
    Extractos fiaos de agradareis ebeiros
    pan iencp
    V.>sos eom p de arroz e pincel.
    D.to cem dito' sem pincel.
    Piuceis solios para ditos.
    Booitas caixiobas lovernisadas, eontendo finas
    perfumarlas para presentes.
    (luiros de papello, porm mai bem arraojadas
    para o mesmo fim.
    Oatras de vidro, igualmente bonitas.
    Extracto de quinquina para a boca, e denles.
    Elixir odontaigico para o me?me.
    Anua denlirice.
    Baoha Japoneza e transparente.
    E assim as demais perfumaras de primeira
    qnalidade semprx encontradas 'em dita loja da
    Aguia Branca a ra do Qcraado 8.
    Vende-se piche do gaz proprio para
    asphalto, e.ilfetas de candas,
    asboalhadog, assim como para rebocar
    cisternas, cnuduetnres tl'agu,
    etc., etc., em gresso : ns fabrica do gaz, e
    a retalho, no armazem da Bolla amarella,
    travessa do Imperador.
    Bot-sru-sianas, perneiras o meias perairas no-
    vamenle enejadas, da melhor qualidaie que lemo.-
    vito, do armarem 9 vapor ra Nova o. 7.
    Novo sortimento de lavas de pellica de Joavin,
    blancas, pretis e de outras bonitas cores para ho-
    mens e sLhoras; no armazem do vapor ra Nova
    n. 7.
    Taberna
    Ven Je so urna armagao em bom local na fregu-
    zla de Santo Antonio : a iraUr na ra ircita
    n. 72.
    Vende-se
    um brac de balaaga gran ie. oui? conchas e qua-
    iro cisar dirlja-se a roa do Uarigd n. |.
    Veude-;se
    urna armario muio em coala, pr->pria para qual-
    querneg^ee : qu.m pretsaler drija-se arui Di-
    reita o. 37.
    rVloleque venda
    Na rna do L-vrameoto- n. I-i venie se por 900J
    um fxcelreole moleqninho Oe 12 annos.
    Para o carnaval
    Vendem-se d-^us riqussimos vestuarios por pre-
    cos commodos : em cas co aifauteCamillo, a ra
    da Cror.________________________.___________
    Pagem
    Vende-se nm bonito mulalmao do serio cora
    15 ou 16 annos de idade; e com elegante ligara
    muio proprio para pagem ou copeiro ou para un
    tro quaiquer servigo: qu^ro o pretender comprar
    dirja-se a loja do Pavj ra da mperatrix n. 69,
    de F. Pereira da Silva. _______________
    "Tendease.
    Em casa de F. Pereira da Silva ra da Im-
    peralriz n. 00.
    Superior cera ae carnauba.
    Saceos c-.m gemma do mandioca.
    Bocho de pascada para cola.
    MTIOS
    por pequeuus que
    degraos na escada
    Kw lla iiuS ir-DIUdoe ijiim acatl.m luenciouar, nao na nlOKUom,
    Mjam seas recarso*, qae nao possa aspicar a om futuro melhor e subir alguos
    sochl.
    A eeooOMa nao a moeda recelosamente escondida pelo avaro, qae permanece Inalteravel
    se Dio se ibe junta outra moeda ; debaixo da forma do seguro sobre a vida, a eeoooffia o grao de
    trigo qae depositato en boa tsrra nasce, cretce e proluz oa espiga orna loSoidade de graos que a
    sm h se esteode e maHiixica at o infinito.
    gesela de pernamfrue n. i rna do Llrrameato
    . F. DE VIDAL
    Compram-83 dous e era vos de meia
    idade prprios para o servjco de roa; quem
    os tivfr dirija-se ra do Caldeireiro b.
    g, que se dir qoem compra.
    Coropra-se ou arrenda-se terreno proprio pa
    ra eriagso de gado, nao sendo distante da praga
    mais do que tres a quairo leonas: na Pra^a do
    Commercio n. 10 i ao Jar.
    VENDAS
    Veode-se om carneiro muito maoso e
    gordo, habituado a carregar criancas. bas-
    tante grande; oa ra dasGrozes d. 20, se-
    gundo andar.
    Rarrie vazios, pipas r tooeis para de-
    posito de mel ele.
    Vende-se porgo de cascos vasios" no armszem
    do Caes do Cspibaribe, )unto a casa do Sr. Ramr-k
    prxima a roa da Pooie Velba. Para ver, das 10
    as 11 boras da maorjaa oo referido armazem.
    Attenefto
    Vende-se ama eicellente vacca de leile
    Ponte de UebOa, sitio da viuva Carrol!.
    na
    globos de vidro muitu bonitos de diversos tama-
    Dhos, tarto para cindieing de gaz carblico como
    de gaz liquido, e cbamios para candieiros de gai
    liquido, ocr ortcoa mal. barat. do qae m ootra
    quaiqoer parle : na roa da lmperalriz o. 6, Iota de
    tonga. ____________
    Milno novo'ero suecas grandes a 35(10 nos
    armaren de Tasso Irmao?, caes da alfaodega e
    roa do Amorim d. 3?.
    Venle-se ou permuta $J a possa e bemfeitorias
    de tres sutes oo Arraial na visiubanga do cemite
    rio do Pi.go com casas de Hipa e baslanits arvo-
    redos de boa qualidade como larangeiras, jaquel-
    rss, mao(!iieiras, caju^ros e muitas outras frac-
    leiras, o alora disso com bs;ante terreno desocu-
    pado e apropria lo para plantagSes de ortalice e
    capira por ter ara riacho perraaaeote de mato
    boaagoa debeb-r e capa^idida a: para sosteo-
    tar-se aigumas vaccas de leite : a tratar no corre-
    dor do Bispo o. 9.
    Chocolate vermicida
    M
    Antonio lines de Castro,
    Desde 1857 qae sao as tabellas vomicidas
    applicadas em Portugal, como o remedio
    prompto e cfficaz para a expulsao das lom-
    brigas, que lo graves padecimeotos causam,
    e que quasi eempre se suppe ellas a ori-
    gem.
    Este virmifugo preferivel a quaiquer
    outro peto seu agradavel paladar e fcil ap-
    plicacSo s enancas, as quaes geralmente
    s5o mais atacadas de semelharjte mal.
    DO GALLO VIGI-
    LANTE RA DO CRES-
    PO N. 7.
    Os proprietarios deate bem conhecido es-
    tabelecixenio tem a satij-fafo de levar ao
    conhfcimeiito do respeilavel publico que aca-
    bara de reeeber pelo uitimn vapor da Enro-
    lla um completo sorUmento de i-bjecio'sde
    apurado gosto e de ioteira noviuade; [es
    'quaes esio revolvidos a vender por pre-
    cos mu razoaveis, como sejam :
    Lidos cintos com ponas, bordados ve-
    drill)os, fazenda qae d5o hver quemcoL-
    leste ser a meluor que lia reste artigo, islo
    so-na lo,a do Gallo Vigilante, ra do Crespo
    n. 7.
    Leques de madrepei'Qla, sndalo, marfin?,
    madeira e osso, etc., com lindos -desenhos.
    ff-uns'uices de palb.--s.
    Riqusimas guarnicoes e trancas de finas
    palhas de Italia, cera vedrilho, pingentes o
    sem elles e outras com botoes da inesrra
    pallia muilo proprias para guarnecer vesti-
    dos, chapelnas, etc.
    Lindas bolsinbas ou calaes para as me-
    ninas traaercm nos bracos^cada qual n.sis
    bonila.
    Tes oicras.
    Fioissimas lesouras para unas, costuras,
    caballeiieiros e a'faiales, as quaes g ranii-
    mos ao comprador a sua boa qualidade.
    Vsvulhas.
    Supeiiores navalbas com cabo de tertaru-
    ga e mafim as quaes os fajoruanles garan-
    tem.
    B. uvas.i
    Lnvas de Jotivin, camu ca e de seda brin-
    cas, pretas e de lindas cores.
    Pestes.
    Grande variedade tanto para erques cono
    para alisar cabellos e a barba, ditos para
    arregafar cabellos, sendo de tartaruga e bu-
    falo com pedrinbas e sem ellas, etc.
    Port Ronquis.
    Muito lindos port bouquets com cabo de
    mairepcrola, prprios para ca.-ataeatos, bai-
    les etc. etc.
    Escotas
    Finas cscovas pararoupa, cabello, chapees,
    uohas, denles e para impar peutes.
    AbotnudnrS
    Lindas aboluaduras para colleles, punhos
    e collarinhos.
    PerCuiuarias
    Finas e de todas as qualidades e dosme-
    Ihores perfumistas al o presente conbe-
    cidos.
    Collares e Rover
    Eletncos magnticos, contra as codviiI-
    so.s das creancas e facilitar a denlicao das
    mesmas. Ja tao couliocido ?< s prodigios
    destes collares anodinos que nao ha quem
    duvide de seus efficases el'citos, e o Vigilan-
    te, sendo recebedor destes collares, tea
    sempre grande quantidade em deposito, isto
    s na loja do Gallo Vigilante, rna do Crespo
    VENDE-SE
    Saceos cora farioha fle mandioca muio supe-
    rior, chegadas oo da 9 do correctj pelo v^por
    "apor uar, do Rio de Janeiro, assim como sac-
    eos com fejo brancti do Port aioda era muito
    bom estado pelo birato prego de -'J o sacco : no
    trapicbe do barao do Livramcoto, Forte do Mattuj
    D. 15.
    Vende-se
    orna balaoca iojtleza moli pesante propria para
    arm^era ds assocar ou oniro qual.juer esUbeteci-
    vT^n^m,,"bnmeMa'10' "acorn sacco,
    varios prprios para ensacar cer* ou oatro qual-
    gaer cbjecw : na tua do V^srn n. 26. -
    Colla superior
    Vende se no ecriptorio de Antooio Loii de Oli-
    veiraAifvedo f C. roa da- Crnz n. K7.
    Bi>rtg.ilos iraoceies de c*uro de lustre a
    6 : na ra do Imperador d. 3i.
    Vende-se um alloibique com tolos seus per-
    ieBce, cora mono bouco oso d-se emconla : Ba
    raa da Cruz escritorio n. 51.
    ----------------------------------------**..... .....
    Vende-se urna casa com 6 janellas de /ren-
    to, 3 salas e 7 qnarto. colaba e diversos ps de>
    frorteiras, na Pedra M>lle, em trras do eogenb)
    Dons traaos : a tratar na pra(a da Boa vista Da-
    mero f _________^^ .
    liba de 8. Miguel"
    Latas com sariissas e carne d oorco excellnte
    jfpetisco por comu.odo prego de 2S80 e 32CO
    O mours de Veneza
    Roa da Imperairiz n. 05.
    Na ra larca do Rosarlo o. 33, primeiro an-'ar
    defronte do bote I Trovador, tem para alujar do
    mln< de v||ndo e de seda de cores e brancas
    e gosto Chinas, tambem se venden os mesaos
    .Vflnde-se orna coreecSo d. Oiar de Per
    nambueo. enealernada, 18C3, l86i e 1865: na
    roa Jo Cabng*', 18.
    Cbegon das Ilhag
    Morcilbas. linguicas e torresmos.
    H.^nd,?'SM rolrt0 V,e"">J- i e na roa da
    Kf ,"* D> 36' '"** eicellenie qua-
    'Idade e por p^c-i corr.mo.-lo.
    Venda se ooj excedente oro de ferro ame-
    riesno e om pooco uso : raa do Caboga, 18.
    jsj


    I
    4
    9
    lajrto 4c Pernanripe* egnnda lelra 14 de Fcvcrelro de 4868.
    Grande liquidaco
    KA
    R AR i.
    Lourengo Per ira Meiides Guimares, tendo dado balan-
    do em sua loja de fazendas ra da lmperatriz n.
    72 e 56, fez um grande abat ment de suas fazen-
    d s pira poder liquidar com mais breyidade.
    Vende-se c.issas r.mcezis a 2iQ, 230 e
    J20 rs. o covado.
    Ditas francesas largas a 210, 280, 320
    400 rs. o covado.
    Ditas figles a 160 e 200 rs. o covado.
    Laiiaha* para vestidos a 240 rs o
    corado.
    Vetjde-se luisinbas para vestidos a 240,
    580, 32.) e 400 rs. o covado.
    Alpacas de cores com flores para vestidos
    de sonhora a uOa, 560, 70 e 800 rs. o
    covado.
    R.-upa feita nac na'.
    Vende-se pditots de aluaca pretos e de
    sores a 30500 e 4000.
    Ditos pretos de panno a 5/J. Gfl e 83, di-
    tos de -.;U casemira a 35300 e 43, calcas
    de casemira a 5$ s i;5, coleles de case mira
    a 33 e 33500.
    Madapoln a A ftOrt
    Vende-se pifas de madapolo (no a 43,
    53, 65, 73, 83, e 103.
    Pecas de algodosiiiho a 43000, 53, 63 e
    73000.
    Brillaminas de cores a 500-
    Vende-se brilhaotioas de cores para ves-
    tidos de senhoras e roupintias para meninos
    a 500 o covado, ditas brancas a 500/
    Oiganlis branco a 1,000.
    Vende-se organdiz branco muito fino para
    vestidos de senhoras a^a vara.
    Alpacas adamascadas a 720.
    Vende-se alpacas adamascadas para vesti-
    dos de senhoras e meninas a 720 e 800.
    t*rl>a de ganga a 140.0.
    Lijuida-se cortes de ganga para calcas
    de bomem a 13400 c 13600 o corte.
    Bro li e pa a calsas a 1400.
    Vende-se brim muito tino de cores para
    calcas de homem.roopa de meninos a 13*00
    e 13600 a vara, dita branca de linbo para
    13280, 13400 e 13600 a vara.
    Fid' li.holizoa 720.
    Vende-se fil de linbo liso a 720 a vara,
    dito de palmtnfa s a 900 e 800 a vara.
    Gastares para calsas a 2()0-
    Vende-se castores para caigas de bomem
    e de meninos a 2oo e 24o o covado, brim
    co-
    FeeMncha a 83500.
    Vendem-S'? pecas de algdSo de marca F de cores para calcas a 32o e 4oo rs. c
    era 24 jardas, que sao -A) varas, a 83509.' vado, ganga de cores a 38o e 4oo rs.
    Dito muito encapado para toalhas de pada-
    ria por sor rnoilo !<*c?e a 93000 a poca.
    "Dito ma^s estreito a 63 e 73 a peca.
    Cmbralas lisas a 43.
    Vndese cambraias lisas peca a 43, 53, 63
    3 73030.
    Brim p rdo a 5'";0.
    Venie-se bri-n pardo com toquo de mofo
    i 500, 600 e 700-
    Brim branco de linho a 132*0. .
    Ven le-se brim da linho para caicas a
    '.-5280. H60()e23.
    Chales de l de linho 43500.
    Vende se chales le fi de linho a 43500
    * 5jjO0O, bretanha de linho 53 e 63,
    Mogarnhiqjio rom patines de seda a 400.
    Vende->e musamhique com pilmas de
    oda para vestidos de sendera a 40o o co-
    vado, pbantasia rom lista* de seda a 13 e
    800 o cercado, s ni liji da Arara, mu*su-
    Unas de cores para vestidos de senhora,
    roapa de meninos a 500 o covado, braman-
    te de linh", bre anba do linbo, brim de co-
    res para calcas e outras'muitas fazendas
    Koil de chevre a 800
    Liquidarse esta nova fazenda para vesti-
    dos de senhoras e meninas por nonae poil
    de cbevre a 8oo 9oo e 13 o covado.
    Bereja de listas a 240-
    Vende-se bereja de listas para vestidos
    de senhoras a 2io o covado, e ontros mui-
    tos arligos que se deixa de mencionar por
    falla de lempo, o que b e veno ente se annun-
    ciar para melhorar e preco tas fazendas.
    Chitas escoras a 320
    Vende-se cbitas franeezas finas escuras a
    3-2o 360 e 4oo rs.
    Alsdde lisia e 200 o covado*
    Vende-se algodao de lista proprio para
    roupa de escravos a 2oo reis o cov.-do.
    l.a preta a 500
    Vende-se lasinha preta para luto a 460
    e 5oo o covado, alpaca preta a 5oo, 64o,
    8oo e 13 o co>ado, mora: tique a 13? dito
    a 23.
    Cuberta* de chita a 2$000.
    Vende-se c.'bertas de chita a 23 e 235oo,
    i) lazemos por falta de tempo.
    Cor'.es de brim para calca a 13.
    Vende-se cries de brim de cores para
    sala a l& 134i0 e 23.
    4viso eartarrle
    O propietaria das tojas do \rara da rna
    da Im;emu n. 50 e li declara ao respei
    tavel publico e seu.- freguezes qae encom-
    1:113 r 1 annouciaremos que boje n5o ditas de damasco a 4oo-> rs. _
    igodo enfertado a 10OOO.
    Ven le-se algodoes entestado para leoces
    e toalhas a 13 a vara, dito pintado a ifJ2ao
    a vara.
    Alpacas de cores a 64o.
    Vende-se alpvas de.cores para vestido*
    de senhoras a 64o e 72o rs. o covado.
    Cortes de gazineta a iJuoo.
    mendn ttm g**de sirtmeirto de dminos! ,/^nde-se corles de gazineta para calca a
    de tadas as qoadades e vestuarios a carac-1 l5 lZo e **00: .,
    ter Para ns pessos que gasten de divertir-i Ca-cas de mcia casemira a 33ooo.
    se pelo carnaval, poisnJos estes arligos Vcnde-se cairas de me.a casemira de co-
    devsm estar promptos do fim de-te mez em' para boraens a 33, palitots de panno
    diante e qne espera due o^ scus freguezes Prcto a o3 e6.J, caigas de cazemira boa a
    hoorera com as saas frequencias afim de |5^ e 6l.
    Ibes comprar bemfetos vestuarios ou alnga-; M)vi_Anb. _
    rem, pois o qne se afianca grande qunnti- Vcr,de-se ama armegao propna para qoal-
    ii\e que existe para se escolber, ludo (le1uer negC10'
    bom goslo e precn mais harato possivej:
    ra da tmoeratriz ns. 56 e 72.
    Chitas para cobertas a 230.
    Vende-sc chitas para roberas a 280, 320
    8 360 o co.a'o.
    Laeiintos s 280.
    Vende-se l&nzmbas estampadas para ves-
    tidos de s mhora a 28) e 3O o covado.
    Chitas adamasca las a 440.
    Vende se chitas adamascadas para vestidos
    a 40u e 440 o cov:do.
    Metas para bomem a 43000.
    Vende se meias para bomem a 43, 53, e
    para senhora a 65. 5,3 e 33000 a dazia.
    Oigan y de cores a 43000.
    Vende-se organdy de cores para vestidos
    de seniora e ceninos a 400 e 500 rs. o
    covado.
    PARA O CARNAVAL.
    Ao respetavel pdblico me cabe a bonra
    de off-.-r. cer um graad. sortimento de domi
    nos e vestoarios carcter de diversas qua-
    lidades pra os amad res deste importante
    divert ment, pois o propietario ti'este es-
    tabeluciaiento prome'le veoder os seus du-
    mins e vestuarios ma s barato do que em
    ouira qadquor p.rte, isto para que todos
    possam divertisse us das 23, 24 e 25 do
    corren'.e, beodo com pouco (Hobeiro.
    EsparttlKis a SjOOO.
    Vende-se ricos espartilios parasanhorasa
    53 e 63010.
    CON VE M LER.
    Vcnde-se dminos de alpacas de .cores
    43. I) i/s de la de cores a 43. Ditos de
    cambraia de rores a 33 Diiode madapolo parwS2?l,
    a 33 e 43. Ditos de lia de lis as de seda a"
    63 o 83. Ditos de pul de 6hevr muito ri-
    cos 8A e 103. Ditas de alpaca adamascadas
    a 63 o 83. Ditos de cambiis branca muito
    fina a 43, 53 e 6J. Ditos de verbotinas
    de cores a 65, 83 e 103000. Ditos de cam-
    braia bordada a 83, 93 e 103000. Ditos
    de gansja de cores a 33 e 430OO, e outros
    de muitas quadades que nao se pode men-
    cionar.
    Vpstaa ios a carcter 4^000.
    Vende-se vestuar a carcter de diversas
    qualidaJes a 4, 53, 83, 93 103, 203, 253 e
    3O3O0O.
    PARA ALGAR.
    Alnga.se dminos das qti lidades cima
    menciona las pelo preco de 23,43, 530OOjj
    63000, sendo qoe quem comprar grande
    porcao lera abatimento.
    . Vestuarios carador.
    Aloga.se vjstuarios carcter de muitas
    qualtdsdes pelo preco se^umie23, 43 53
    e 63000: a quem comprar porcSc- faz se'
    abatimento nepreco, ra dalraperatriz n '
    56 e li, loja e armazem da rirara. l
    Las escossesas a 2?o
    Vende-se las escossesas de quadros para
    vestidos de senhoras e de meninas a 28o e
    32o o covado.
    Lencos de seda a 7oo.
    Vende-se lencos de seda de flores a 800
    caoa um para acabar urna grande porc3o
    que tcm na tua da lmpera:riz n. 56 e 72.
    La sin has rom listas dd seda
    Vende-se lasinhas muito largas com lis-
    tas de seda a 13 e 800 rs. o covado, ditas
    finas a 5b0 o covado.
    Cortes de casemira a 2$.
    Vende-se cortrs de casemira de cores a
    23, 33 e 43, ditos de casemira preta para
    calcas e 33, 43, 53, 63 e 83.
    f-i ;:;: 9 .
    Vende-se sedas de cores fixas a 10400,
    13<"'00 e 23 o covado, grosdenaple preto a
    13600, 23 23300, ditos de tedas as cores
    a 23 o covado,
    Basquins pretos a 143-
    Vende-se basquinas pretas de grosdena-
    ple a 143, 163 e 203.
    Bramante do algodao e linho, brim de
    linho pardo e branco, e outras mnitas fa-
    zendas que se trna enfadunho mencionar-
    Ihe e muitas qn lidades que avista do com-
    prador vera' como a Arara vendo barato.
    Casemiras a 23000,
    Vende-se cortes de casemira para calca a
    23e30i<0,
    Cortes de casemira preta para cahja a 33,
    33500 e 43.
    Uqn!da?o le copecs de cam-
    braia a 23000.
    Liquidaco de cortes de cambraia com
    barras de cores a 2 Graula sortimento de gro;denaples preto
    moreanfque preto, casen.ira e panos preos
    Crosilen:s3cs preto a 13000
    o covado.
    Vende-se grosdenapies preto a 10200,
    10400, 13600, 138 0, 25000, 23500. 35
    35500 o covado. Moreantique preto a 20500
    30 e 33500 o covado. Pao preio para cal-
    cas e palitots a 10600,23, 20300, 30, 40
    e 50. Casemira preta a 1 6 jO, 23, 20500
    e 33OOO o covado. Cortes de casemira preta
    enfestada a 33, 30500, 40, 60000 e 80UO
    o corle de calca.
    O qne novo a 50000.
    Vende-se pecas de madapoiao fino de 24
    jardas a 50, 60, 70. 80, 90 e 100000, roa
    da Imperatriz ns. 56 e 72.
    Arara est liquidando
    chitas miudas a 160 e 200 rs. o covado,
    cassas miudas a 240 o covado.
    6 ai.de pethicha.
    Saias bordadas para sbuLora a 30500, 40.
    060000.
    Lans brancas finas a 5C0 rg.
    Vende-se lanzinhas brancas com palmas
    de cores para vestidos de senhorts a 500
    $60, 720 e 800 o covado.
    A>fcOlOM


    .
    PARA UZO INTERNO
    PREPARADOS SIMPLES,
    Xarope de jurabeba garrafa......... !0ooo
    Vinhode 106oo .
    Plalas de vdro......... !06oo
    Tintura de 64o
    Extracto hydralcoolico de jambaba 1205oo
    PREPARADOS CeMPOSTOS.
    Vinbo de jnrubeba ferruginoso garrafa. 23ooo
    Xarope 108oo
    Plalas Tidro... 20ooo
    Oleo de jurabeba vidros.... 64o
    Pomada de > pote...... 64o
    Emplastro libra..... 205oo
    PARA UZO EXTERNO
    A IlTRUBEBAo
    Esta plantaje hoje reconhecida como o mais poderoso tnico, como um excoi
    lente desobstruente, e como tal applicadj nos engo-gitamentos do figado e baco, na-
    hepatites propiamente dilas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflaramacSes
    subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
    pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos. na anazareba, as hydrope-
    iias, erystpellas; e associada as preparares ferruginosas, ainda de grande vantagem
    aas anemias, chloroses, faltas de meostruacSo, leucorrheias, desarranjos atnicos do esto-
    mago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue, etc.
    O que dizemos affirmam os mais dMinctos mdicos desta cidade, entre os qnae
    podemos citar os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment, Seve, Pe-
    reira doCaxmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos ellas reconh-cera aescellencia d'este po-
    deroso medicamento sobre os demais at hon 'onhecidos para todos os casos citados,
    tanto que todos os dias fazem d'elle applicaca/.
    Apresentando aos mdicos e ao publico, em geral diversos preparados da juru-
    oeba, ttvemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazeudo desapparecer a
    repugnancia que at hoje sentiam os doentes do usar dos preparados empricos d'elle, o
    mais das vezes ropugnantes a tragarem-se, e que tinham ainda a desvantagem de nao
    ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo nm
    medicamento, que podena produzir ptimos resultados.
    Os nossos prepados s foram apresentados depois de haverraos convenientemente
    estndado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as propriedades
    medicamentosas d'esta planta era suas raizes, folhas fructas ou bagas, e a dose convenien
    ea appcacSo, tendoalm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior grao de
    tperfeico possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos importando o pouco la-
    cro qne possames tirar.
    Por tanto os que se dgnarem recorrer aos nossos preparados podera ter a cortezj
    le qne elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infalhvel cura
    ie qualque dos soffnmentos, que deixamos innumerados, se forera, em tempo applicados
    tendo alm d'isso, medico ou doente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa-
    races, aquella que melhor lhe pode convir, j pela fcil applicaco, e ja pela complicaco
    las molestias, idide, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
    As nossas preparares ferruginosas s3o feitas de forma que se tornam completa-
    mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostos de ferro que come
    taes esto hoje reconbecidos.
    Para aquelles que mais minuciosamente queirara conhecer as propriedades da
    jurubeba, e saberem a applicaco de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
    em nosse deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos w.-1-
    aaos preparados,
    Deposite geral de todos es preparados
    l&otica c drogara
    34Ra larga do Rozario34
    NOVA FABRIC4 DE
    0 cordeiro providente
    Na antiga loja de miudezas a ra do Quei-
    mado n. 16.
    Taado tempra em wst Dio ronbar o leepo aos
    seat freguezes, coa extensos aooaocios ; roas
    tamben oio querendo que os mesmos fregueies
    tgoorem o que de aovo lem elle receido, por isso
    resamidamente e dir': ebegaodo assim ao co-
    oheeimenio de todos que a dita loja do Cerdelro
    Prevideote, roa do Queimado n. 16, receben o se-
    guate :
    Bonitas e doradoras ligas de pellica para meta',
    tanto para senboras como para meninas.
    Laques de diversos e modernos gostos.
    Peotes com enteites dourados e nao doarados,
    para meainas.
    Coques simples eentenados,moldes inteiramen-
    te DOTOS.
    Bom papel em ealxinhas liso, pantado donra
    do e timbrado, e ontros amitos objecios, qne men-
    cionlos seria bastante enladontoo, e qne se ven-
    de em dita loja de miadezas do Curdetro Previ-
    dente, ra do Queimado n. 16.
    Xo faltan Aerea,
    O Gordeiro Prevideote a roa do Queimado n. 16
    tem consianlemente um lindo sortimento de Q
    as e bonitas flores, por Isso quando alpum ba.
    bidosa joten qaizer preparar qaalqaer enfeite de
    bllo Rosto deve logo lembrar se que ba dita loja
    do Cordeiro Providente,a roa do Queimado n. 16,
    nao faltam flores.
    Para aEveJar os dente.
    O cordeiro providente a roa do Queimado n. 16
    receben do bem coohecido fabricaote Jooh Gos-
    i nell & C. orna ptima qnalidade de pos para den-
    'tesaromalisados com cantora qne realmente tem
    merecido todo conceito perqne nao s alveja per-
    itamente os denles como tambem conserva-os
    sempre no melbor estado de perfeicao, assim pois
    qoeiram vir comprar ditos pos na mesraa loja
    do Cordeiro "Prevideote, roa do Qoeimado n. 16
    Ch.ipellnas de seda
    Modernas e bonitas cbapeliuas de seda para se-
    nhora receben o Cordeiro Prevideote ra do Quei-
    mado o. 16 e por ser pequea a quantidade re-
    cebida, quem pretender urna moderna e bonita
    ebapelina deve aprecar se em mandar compra-la
    em dita loja do Cordeiro Providente a ra do
    Queimado o .16.
    PONTEIRAS E CHARUTOS.
    O Cordeiro Prevideote, rna do Queimado n. 16,
    tem om bom sortimento de Anas ponteiras para
    charutos, sendo lisas e com flgoras em alto rele-
    vo ; e para qoe os seos fregaezes nao se Incom-
    modem em comprar charutos em algumas das to-
    jas de charuteiros, receben tambem om bom forti-
    tneoto de linos charutos do afamado fabricante
    Fuado de Simas ; assim, pois, encontrarlo os
    apreciadores um bom sortimento Da dita loja do
    Cordeiro Prevideote, ra de Qoeimado n. 16.
    A loja do cordeiro previ dente
    Ra do Queimado o. 46.
    Nfila acharao os pretendentes um grande e va-
    riado sortimento de perfumaras finas, tanto ingle-
    zas como franeezas, sendo :
    Finos extractos para lencos.
    Baohas e pomadas para cabellos.
    Oleo pbilocome e baboza para dito.
    Pos bygienicos para dentes.
    Ditos campboradospara ditos.
    Opiata ingleza e fraocsza para ditos.
    Pacotes com pos de arrox.
    vasos de porceloDa para ditos.
    Sabooetes para mo e barba.
    E muitos outros objectos que sero presentes
    ao comprador que se dirigir a roa do Queimado
    n. 16, loja do cordeiro providente.
    Bao/ieijas pequeas.
    Vendem-se na roa.do.Queimado n. 16. [loja do
    cordeirojprevidente.
    Charutos
    da acreditada fabrica de .Jos Furtado de
    Simas.
    Vendem-e na loja,docordeiro prevideote a roa
    do Queimado n. 16
    Boa tinta para escrever-se.
    O Cordeiro Previdente, rea do Queimado n. 16,
    acaba de r-cct>er nao pequea qoantidade de boa
    Unta (Bine blark), que sendo lo conbecida como
    nao necessano explicacoes a tal respelto, mas
    lembrero-$e todos que a melbor (iota que existe no
    mercado vende-se na loja do Cordeiro Prevideote,
    rna do Queimado n. 16.
    Port relogios
    Um lindo sortimento de port rcloRios ataba de
    ebegar ao Cordeiro Prevideote, ra do Queimado
    n. 16.
    Trancas de ouro com pingentes.
    O Cordeiro Previdinte, ra do Qoeimado n. 16,
    receben nm liado $ortim?nto de trancas de ouro
    com vidrhos e sem elles, para enfeiles de vesti-
    dos e se esta' vendeodo, por precos bastante m-
    dicos.
    DE
    DE
    Manoel Horeira de Souza
    RA NOVA X. 4.
    Nesia novo eslableciuento ha nm completo sortimento de cbi?os para boroen, senhoras e
    meninos e vende-so por meaos prego do qoe em ontra qualquer parte.
    GAZ GAZ GAZ
    Chegou ao antigo deposito de Henry Forster &
    C, ra do Imperador, um carregamento de gaz di
    primeira qualidade,o qnal se vende em partidas
    t retalbo por menos prego do que em orkr* qnal
    qner parte.
    GUINDE BAZAR
    RA NOVA N. -0 E 22
    vCMlflTADl'TIW
    Superior paono de algodao da Baha
    Vendn se no escrlptorio de Anton '.Luiz de Oli-
    velra Azevedo & C, ruadaCroz n. 87.
    Mascaras"
    Novo scrlimento de mascaras de massa, de ra-
    me, de cera e de seda, dminos, nariz com oenlos
    e barbas, indo bem sonido e novamento ebega-
    das ao armazem do vapor roa N>va n. 7, e ven-
    dem-se muito em conta de urna duzia para cima.
    de che^ar os sabonetes de
    alcatrSo
    O oso destes sabonetes tem apresentado os mai<
    benficos efifeltos contra as iroplgens, pannos, sar-
    nas, tinba, caspa, comicbSes, e todas as demais
    molestias de pell?.
    Vende-se
    PA BOTICA E DROGIBM
    DE
    Baiholomen dr c
    34oa larga do Rosario34
    Nova inven$to de bombas,
    na ra Nova n. 30.
    s^- Chegou um sortimento de bombas,
    as melhores que aqu tem viudo, por tirar
    agua sem ningoem tocar.
    Encanamento para agua, na
    ra Nova n. 30.
    ur Fazem-se econcerta-se melhor e mais
    barato do que out;o qualquer por ter objec-
    tos vindos da Europa de conta propria.
    ^Chegou afinal
    A pomada galopean
    para cora rpida e computa dos calloa daros.
    IV5D1SB NA
    Batica e drogara
    DI
    Rartholomen A C
    84-~Rna larga do RsuriaU
    Fio de algodfio' da Babia
    Vende-se no escriptorio de Antonio Lniz de Ojl-
    veira Azevedo & C, roa da Cruz n. 57.
    No armazem de fazendas dt
    Santos Coelho, ra do Quei-
    mado n 19.
    Bonn e barato
    Cortes de organdy branca muito fina com 10 jar-
    das a 91.
    Carnhraia hrann muito fioa, pena com 10 jardas
    J. 6, 75,85, 9.
    oilnni1 r; UC l'pada> PeCas Je ,2 )arJas a 6*> 8^
    c 'J?"-'''0.
    Dita snissa fina com 8 varas, a pega por 85.
    Dita adamascada para cortinado, peca com 20
    varas a \i>.
    Dita pra forro, pega rom 10 Jardas a 3$.
    Dita de core* Boas a 0O1) rs. o covado.
    Dita de cores mono fioas, a 700 r?. a vara.
    Hita de linhi moiio fina a 9 a vara.
    BalBes de 2o e 30 arcos a ti e 253(10.
    Ditis de 40 e 5J di(03, nesgados a 45.
    Ditos de musselida a 45-100.
    Difos de dita, esqnios a 55. .
    Ditos de crochet a 45o(J0.
    Ditos de rcu-seiin 1, u.ra meoioaj a 35-
    Saias birlad*s a 4J5C0.
    Fil de licho com saiincos a 900 rs. a vara.
    Dito de li no liso a 720 rs. a vara.
    Grosdeuaple preto, bom, a 15800, U e 25800 o
    covado.
    Moriantiqne superior a 2J800 o covado.
    Tarlatana de todas as rres a 800 rs. a vara.
    Flanella de cores a 800 rs. o covado.
    Bramante de linho com 6 palmos de largura a
    1>200 a vara.
    Maadapoldes Gnos a 6$, 70, 85, 95,105 e 125 a
    peca.
    Platilba de alodio, soperior fazenda para saias,
    pega com 10 tiras a 3JJJ00.
    Atoalhado adamascado de linho com 7 ^ palmos
    de largura a 35 a vara.
    Dito dito de algodao a 25000 a vara.
    AlRodoenfestado com a mesau largara a l100
    a vara.
    Cibertas de chita de ramagem a 25600.
    Colzas de fosto a B5500.
    LeocSes de hamborgo dn linbo a 25400.
    Ditos de braraaote a 35500.
    EspartilhosfloosaS*.
    Panos de la adamascados para eobrlr mezas a
    45500.
    Guardanapos de linho adamascados a 4{ a dozia.
    Toalhas de liabo, lisas e alcocboadas a H50O0 a
    dozia.
    Das de alzojo felpudas a 125000 a dozia.
    Lencos de cambraia finos de 15800, 25, 15500,
    35200 e 35600 a dazia.
    Assim enmo ontras mnitas fazendas que se Ten-
    de por meaos qae em ontra qaalqaer parte, e da-
    te amostras de todo.
    'Fabrica e fundado de bronz
    e outros metaes, caldeireiro,
    laoeiro, e funileiro, situada
    na Soedade, iua do Prin-
    cipe n. 3, c com deposito na
    ra Nova n 38, da cidaie
    do Recife,
    DE
    BRAGA &SANIPAI0
    Fabricam-se-ceste importante estabeleci-
    maoto todas as obras concernientes as artes
    respectivas como sejam:
    Alambiques de todos os tamaubos em
    feitios, os mui acreditados aparelbos de
    Derosne com as dimeegoes delicadas dos
    fabricados em Franca.
    Fabricam-se avulsas quaesqner pecas des-
    apareaos, como sejam o dilatador, ratifica-
    dor. e condensador, ou esqueata garapas,
    resfriador, serpentinas interiores.
    Fabricaro-se bombas de todas as dimen-
    C6es e qoartdades, pelo systema francex on
    americano, simples, de pressSo, repoxo, e
    com especiaiidade a estancaras 1 assim -ap
    nominadas pelo enorme volme de agua
    que absorvem calculada em 100 pipas por
    hora, e das quaes algumas esl5o promptas a
    serem experimentadas.
    Existem bombas por este systema, me-
    nores, para regar sitios, garantindo-se nao
    s sua duracao como a grande quantidade
    de agua que fornerem pelo oue s3o conside-
    radas hoje as primeiras bombas conbecidas.
    Todas asmis obras se fabricara vorta-
    de dos freguezes e a seo capricho.
    Existem sempre promptos no deposito in-
    dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
    timento de obras solidas, bem construidas e
    a presos rasoaveis, como sao alambiques,
    serpentinas, laxos, passadeiras, repartidei-
    ras, escumadeiras, cocos, candeias, e muitos
    outros utenc'lios preprios para engenhos,
    como sejam mancaes de bronze, parafbzos
    para rodas de agua e outres.
    Cavilhas, machos para lemes, pregos de
    todos os tamanbos e para o forro de cobre
    de navios.
    Aprompta-se tudo qoaDto diz respeito as
    obras de lato torneadas e polidas com toda
    a perfeicao.
    Vlvulas para tanques de banbo, torneiras
    de todos os tamanhos e qualidades, assim
    como todos os ornamentos para militares,
    botoes para farda, aparelhos para barretina,
    nmeros, espheras, espada?, cornetas, alam-
    padas turbulos, caldeirinhas, gavetas, almo-
    farizes, perfumadores.
    Obras de folhas de Dandres de todas as
    qualidades, bahs, bacas, bules e outros
    utencilios domsticos.
    Lampies para gaz para engenhos, folha
    de flandres em caixas, folhas de cobre e la-
    to, tubos de chumbo para encanamentos de
    todas as dimenc5es, folhas de zinco, estanho
    em barras e verguinha, lancees e barras de
    chumbo, vidros Qnos p?ra espclhos, de co-
    res, bordados, e opacos, e outros para vi-
    dracas, diamantes para cortar vidros, cadi-
    nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
    dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-
    cas e jarros, trra podre e outros ioumeros
    ol'jectos proprio de taes eslabelecimentos.
    Sendo todas as obras inspeccionadas e
    feitas sob a direccSo do socio administrador,
    Jos Daptista Braga o qual so acha de novo
    especialmente incumbido da gerencia de to
    importante estabelecimente, isso ama ga-
    ranta pela sua longa pratica, que tem os se-
    nhores freguezes de que serio servaos a
    contento, cora promptid3oe preco commo-
    do, pelo que os propiieiarios lhe sero agra-
    decidos.
    VIN bt QUINQUINA
    FERRUGiNEUXcleMfilTIER
    Com Malaga e Pyroj.liosphato de ferro.
    Este vinho foi preconizado por toda a emprens
    medical como sendo o mais poderoso tnico
    empregado para curar a Chlouosis, Anemia
    Exhanstacao do sangue. Deposito geral em
    Pars, em casa de Lahencxl, pnarmaceutieo-
    drnpiii.ta. roa dos Lombards, 44.
    Machinas para descarocar algodao, do mt
    Ihor autor que tem apparecido na Americ?
    E' tal a execucao do machinismo, que o al-
    godao sabe quasi to perfeito como o de bo
    landeira. Recommenda-se a attencao doi
    Srs. agricultores, estas machinas.
    MOLESTIAS DO PE1T0
    AtIio Importaste.
    Os nicos verdadelros zaropes de bypopbospbl
    tos de soda, de cal e de ferro do Dr. Cborcblll tra
    tem a firma qnatro vezes repetida deste sabio me
    dico sobre o sobscrlpto e a marca de fabrica da
    Pharmacia Swann, 12, rna Castiglione, Pars
    Acba-se a venda em frascos qnadrados com o ne-
    me do Dr. Cbnrcbill no vidro. Preoo 4 francos eOi
    Paria : Com instrucc&o
    TERDADEIRO LE RO
    < HGlieaET, DoiUur-Miltn
    Bu o d Soln, 61, A. PARS.
    Em cida garrafa, ai, rolrt a rolha t o paal axai
    que lera o meu ilncte, um rotulo Impretto em ini-
    ralw com Sin Iarmu M Cotbm rf H. B.Bmtt-
    MCTtUR-NDECIN
    PHARMACIEN
    tenao-teumaltUrt
    ir toa franroa -
    krPsrii,aeeltaTl
    60 >t 4< Tiitaj, I
    a* Mximo ,goza-a I
    io abatimnb> t Ao I
    CMltr ttoaato* I
    Deostto ua pnarmacta de P. Manrer d
    C. em Pernamboco.______,
    Joaquim Jos Goncalces Bellrao tem para
    vender no sea escriptorio na rna do Trapicbe
    n. 17:
    Brim de alpodSo da Babia, muito proprio par
    ronpa de escravo.
    Fio de alpodao da Baha.
    Panno de algodao da fabrica do Illm. Sr. oom-
    mendador Pedroso.
    Vinho do Porto, em caixas de nma dazia.
    Dito do dito em barris de dcimo.
    Machina para dp$caro$ar aleodo.
    Toros de Jacaranda'.
    Livraria encyelopedica
    Cbecaram a* livraria eoflyclopedica de Jos
    Barbosa de Mello, roa la Cmz o SJ. as scointe
    obras do Dr. ChernoWz: Formulario oa uta me.
    itca, qoe cootm a descrpcao de todos os medi-
    camentos. Seltma edtfo. I volme de 838 pag-
    na com 194 Ocoras no texto, encadernado. Pre-
    co 6 Diccionario ie medicina popular em qae
    se descrevem os symptomas, as cansas e o trata
    meoto da? molestias n'ama lingoacem accommo-
    dada a' intelli*encia das pessoas estranbas a telen-
    eia medica. Terceira edtcao, 3 volnmes com 231
    naoras do teito eBcadernado. Preco 10^. ^^^
    Para o carnaval
    Mascaras "e vestuarios.
    Sortimento de mancaras de diversas qnalidades
    e vestoarios de diversos feitios.; armaaem n. 60,
    roa da Cadeia do Recie.
    .,-..*._


    \

    \\


    9b ltll^T'4 -ib A-t fin
    larl* de Feraambae. Aegnoda felra 4 de FcTcreIr e {86b.

    aU
    Collares Royer
    o Inoli'ios elctricos magnticos
    Deposito acreditado
    taja da aguia branca roa do Queimado n 6
    Apregoar aiqda os prodigios,* (Jeitos dos.
    filares Royer; l nao e eusinar ou querer
    eficacia tem-se tanto estendijo, e os seus
    feto resultados a aiiura elevado, qa^
    S?inria/anf, n 9&m que ?Jr Placa
    propria ou por intermedio de seus amigos
    e prenles, ignore ou descnnliA a 2...

    i!l
    c
    ignore ou desconbe;a as virtu-
    des desses sempre apreciareis collares
    l: v
    A aguia branca porem sa gloria de concor-
    rer para um to justo 8m, se nao por ou-
    ro modo ao menos por ter sempre, e coos-
    amemente um compldio lonimeuto desses!
    coliares magnticos, que bem se podem cba-
    marsalva vidas das criaocas.
    Rest anda que os seohores pas de fa- eocontrario na toja do Passo.
    aDJ!LdS?*y ^raa pn assim estar ,Ricos ******. primorosamente bordados, e olll-
    ella preservada das convulcoes e se contar' mi mo* em Parix-
    vre des rigores da denticao. i R'quissiroas cbapeiioas de seda, palha a iroitaco
    A aguia branca ra do Queimado n 8' n e en,elti"la8 com mu'"> gesto.
    contina a receber oor todos n< va-r, C^TD para nhoras, sendo estes de Quima moda
    1E: ftj
    f
    Para
    principiar o anuo de 1868
    KA
    LOJA E ARMA2BM
    DO
    Na do Creapo n. A, esquina da ra do imperado*
    t,nn p"rf.STr.e?.P..n,!??f?8 ?oe foram ? mBUlufes. .. "is oslos e nmades que" "coUrario
    Parii lo, i... ,, : 1. r ^ -o,"" uiaio Buius o nofioaaes que encontraran) em
    o? eoconrar n naTn?2X **"* 0 l^^e **. <* ^guiates a.6es que
    Roa da Imperalrix o. 60
    sa
    nm mmm m mm
    SGCESOR DE W *11'


    cortes de seda de cores, com lindos
    matizes completamente novidade.
    SSJ^S^ eilienpre prvida dos ver-, U^. e vol.as de v, irilho e seda, nlnmaj Rlquisslmos cortes de fantasa para-vestidos de se
    Riqosslmos vestimentas de cambraias primorosa-
    mete bordados, com lodos os pertences para
    mancas se ba plisar.-
    Ricos vestuarios de cores, todos completos para
    meninos de 2 a 4 aunes.
    Mantas de bloode para noivas.
    Moiriantqae, grosdeoaple sedas preta, branca
    e de cores.
    Riquissiroos cintos, anima moda.
    Ricos eofeites para senhoras e meninas.
    Llodissimas cbapelioas de suda e de palha. pare
    meoloas.
    oaaeiros collares Royer eletricos ma Uw_ J ooiuwjs magne- Collarinhos. niinh ar
    ticos.
    Novas caapeliaas
    de liu palha ta 11 a I a.
    A Aguia Branca, a' ra do Qaeimadu n. 8, rere-
    beu om novo sortimeaio de booiia cnapelioas de
    Boa pama da Iialia, oradas com delicadas Dores, e
    Rap Viajado e Panlo Cordelro
    A loiajlo c,.rdeiro prevldente a' ruado Qoelina.
    denp.reC eUnVar,iUie5Sa de3sas 1^dades
    nliors.
    ^J'?nvidadebS graTatDlias de CbuDy* ccm- fc^Tf"*!* '" P"a yestido, nov,dade.
    RlqoIssimos leqoes de marBm todos abertos e de
    oltimi gosto em Parli; assim como de sndalo
    madreperola.
    Chapeos de castor a Canotier, ulii'ma moda para a
    rapasiada em Parir.
    Grande deposito de lavas de Jonvin recebe-se por
    todos os vapores grande sortimento.
    Casemiras, cambraias, I5a?, mossenas, precalias, chitas e unja Induidade de obieetos
    aeuamos de mencionar por se tornar magante. '
    Isto s na loja do Passo ra do Crespo n. 7 esquina da do Imperador.
    qoe

    Presos vantajo^os
    n^s mindezas do graode eslabeleci-
    meoto de Suza Soares &. |rm.
    Rna Xara a. 28.
    Vendeai coa grohso e a retal ha.
    . XH? "VSh' mltu supriores, libras sorudas
    a 2*200 e 2500.
    Dita em nvelos, mais inferior a ioOO e 1J800
    ea Olla
    Di(a branca em caixa de 30 nvelos a 6i0 ris
    Dita para marcar, coiaN da ili Jilos a 20 rs.
    Dita branca em ditas de 10 ditos grandes a 563
    Dita em carros de 100 ardas a 360 rs. a duna-
    Dita em carros de 200 jardas a 1*200 a duzia.
    Dita em candes, brama e preta, a 160 r. a dita
    Rozetas de cores em cana de duzia, a 1S00 a'
    Olida
    Grampas com caheca de vidro a 160 rs a dita
    Agnlheiros piota-los a 20 rs. a duzia
    Botes de moedloiias donradas e prateadas, para
    pnnbos, a 1900 a duzia da pares.
    Ditos de madreperola, para camisa, a 500 rs. a
    jroza.
    Ditos de osso, para calca, a 240 rs. a dita.
    Camodas com soldados de chumbo a 120 rs
    Espelbos de moldura dourada a iOO a duzia.
    Pentes de lago doaraJo, para coco, a 64 rs a
    dona. r "
    Ditos de lacos lisos, para coco, a 55300 a duzia.
    Ditos dourados, com floras, 25100 a duzia
    Ditos de blalo, multo bous para alisar, a 25300
    e 25400 a dita.
    Dedaes amarlos e prateados, finos, a 240 rs. a
    dita.
    Clcheles em caixinhas a 640 rs. a dita
    Ditos em candes a 600, e 900 rs. a dita."
    Pecas do fita para coz, larga, ccm 10 varas, a
    800 r?. a peca. '
    Fitas de seda n. 1 rs. a dita.
    Cadago braoco para ceroulas
    de pegas.
    Las de todas as cores, para bordar, a 65500 a
    libra.
    Phospnoros de cera, em caixiohas, a 360 rs. a
    duna.
    Dilos de pin encerado, sem cbelro, a 360 rs. a
    dazia de cainnbas. .
    Ditos de cera, em caixas graedes de folba, a
    15400 a duzia.
    Cartilbas da Dnntrina Chrisia a 3?0 rs.
    brelas de colla, em caixinhas, a 320 e (00 rs.
    Sabonetes unos a 800 e 15 a duzia.
    mHP e*3Tf>t,0S cabo de osso, farenda boa, a
    zaaOO a duzta.
    Abutuadoras Anas para coletes, cintos com flve-
    las de crystal, e moas ootras qualidades, pulcei-
    ras de coBtas.rjeoiescompedra. para coques, eu-
    eites para cabega, nm completo sortimento de per-
    fumarlas de todas as qoaltfades, colarinbos cao-
    deeiros a gaz, ferragens de todas as qualidades etc.
    etc.; a rna N.iva n. 28.



    .
    i, pegas com 8 varas, a 260
    a 563 rs. a duzia
    AUGUSTO PORTO & C.
    11Ra do Queimado11
    Receberam em seu esiabelecimento um esplendido sortimento de toneles alear
    tifas largas e este.ra*para forrar salas, tudo da melhor qualidade e das mais ffiscore^
    o que podem, w.flcerjinda ver as pessoas que quizer alcalif-r ou estelar seus oes.
    Vestidos de blond com manta, ramo e capeila para Loiva.
    Idm de gorguro bordad.* pretos para a quaresma.
    dem de cambraia branca bordados superiores.
    Basquines de seda para sennora gosto moderno de 18^ a O/J.
    Colxas de seda, ditas de 13a e seda para camas de noivas.
    dem de crox e loalbiufaas de croch para eadeuas.
    dem de fosftgu brancas e de cores de o Cortinados bordados e adamascados para cama de 20$ a 700.
    Id-m bordados e adamascados para jaoella de 9 a 20.
    Tapetes randes e pequeos para sof e portas.
    ik.. n,r Pan"s decasemira para cobrir mesas, guardanapos grandes e pequeos, toa-
    I7,i IIm3 de lloho e al0(lao'atalhad0 ,raDC0 W pannos Jos pretos e
    azues, casem-ras creas e de cores, tudo por mdicos precos.
    Ghap&inas modernas para senhora de palha e de crep.
    Camisas de lioho e de algodo inglezas e francezss para homem
    arfo nrPta TO!2 pre' ^''S pretas superiores para vestidos para a qnaresma.
    fas quaSades ^^ ^"^ Cambr3ia8 braaCaS e de Ctres e l5a^ de mui"
    Saias, toalhas e lengol de lioho ricamente bordados
    ar< XTSm !'agenS EraDlles e Pe(l,aeD3S' cbaP^ rtigos todos vendidos por baratos^ precos, pois s se deseja agradar e aparar dinberro.
    AMA t SILVA,
    0Sr. AntonorSi. rStW dissf^ ^igavelmente a sociedade que tinha com
    snas fJ3 er?,ra da Gsta Gama Da 'ja e a mazem do Pavao tem resolvido vender
    So^lardafmrrn;,barataS Cm flm apurar d,nheir0' e ^minui grande de
    aef,^ urna grande porcao
    toa seus uh^Xn^S^t\0? ma,ida as lcvar em casa das Exmas familias pe-
    da noue,^ ,,esJt as bras daniaDbaa as8
    i ^^^J^^^T^SffT T,a- 22 neste Sf'fi*
    ^Mod5c^ "* #"* g3Dhando.se
    Viiraa bordadas e Babadlnhos
    hrr^ qwT fazer boaCf"npra de tiras
    Bordadas 00 babadjnhos, achara um grande
    sortimento para escclber e por reg muito
    mais parato do que m outra qualquer parte
    StrSV 6om"eBl d PavSo'raa da ImPe-
    Fazeodas para luto na loja do
    ParSo
    vende-se setim da Cbioa com 6 palmos de
    argura proprio para vestidos a 2 o covado,
    laaziDbas pretas lisas, alpacas com lislra bran-
    ca a i $ o covado, cassas brancas com listras
    pretas a 5oo rs. a vara, diUs pretas lisas e
    com salpicos vara a 5Go rs. ditas francezas
    com listras e ramagens vara a 800 rs., me-
    rmo preto, alpacas e princezas, mais barato
    do queem outra qualquer parte, na loja do
    Pavao, roa da Imperatriz n. 60, de F. P.
    daSilva.
    Vinhe tnico nutritivo
    DE
    QUINA E CACAO
    BGEAUD
    Eia nova coa.bii>a(au le ue en. uma batida
    assis agradavel e Ci nvtDii-ole a udo- os (rgacis-
    mos, a qijioa qoe c om medirameniri lopi?o por
    eiceileBela. e o cari.; que cuoim iiintipios nu-
    irilivos astas rece nhfcldos.
    Elle se emprega c< ra o uior socrrsso na cora
    das plidas cores, offiimri.ios d.. rtiomago, perda
    deappeiite, dlgesioes Cifflcuu.si, mensirutScS
    u.fflci-is, eic. etc.
    Deptsito especial na pharmscia e drogara de
    Uariholhooifo & C, ni isra d. I, s ro n. 34.
    Vende-.e urna uvroa Uro kfremezada, tacto
    ara .1 prca, cerno para o nal... eCtm inr
    P-r. npriCT, ceno par. o uaio, efimp.oeu8
    lunrtos e Udos >9
    o..i ..: ',",
    o rene,


    Camtsiobas a 3g.
    ><"ndpm-S9 as mais iwjjeroas caroisinhas com
    manpoitns lanto bordados como de pregoinbas com
    elegantes purthos e bonitas abrasadoras pelo bara-
    to prego de 35 00 ;. na loja e armaxem do Pavao,
    ra da Imperatrii n. 60,
    Pt.chincha em casimira a l^GOO s6 o
    Pavao.
    Vende-se nma gradde porcao de casimiras snpe
    4#00
    Em cortes de la
    Vondem-se sperto-es cortes de I3a
    com 15 crvados, pelo barato prego de 4_
    isto na loja e arroazem do pavo, ra da Impera-
    triz n. 60,
    Cambraias largas a .000 e 1#80
    a vara.
    Vende-se cambraia transparente com oito
    palmas de largura, que facilita fazer-se um
    vestido com quatro varas, a 13 e 13280 a
    vara: na loja e armazem do I'avo, ra da
    Imperatriz n (o,
    EspartHhog.
    Vende-Fe nm grande sortimento de espar-
    tilhrs dos mais modernos : ua loja e arma-
    zem do Pavao, ra da Imperatriz d. 60,
    CorfluadoK para cassiiiicn os.
    Vende se nm grande sortimp.nto dos me-
    lbores cortinados bordados, proprios para
    camas e janellas, pelos b rat. s precos de
    90, m. m, 205 e 25OOO o par; da-
    du neiltuln; quem priinder dirija se a" rna
    A ecnm o. 2, que aibara' ci ra qiitm traiar.
    Vrode^e. aprenda se ou permuiia se em
    srande suio junto ao puv.jadu de A;pues, ci m
    molo b r itnitf'f, e u.uu.is arvores fruiti/tras,
    c mo Sfjam. tarngnra, jaao'-!r.-.>, lirtelras e:c.
    qo'-n: o ptet>-ndHr dirijute a' ra Di:>i-a u 29 ?
    andir, da dt-z hora.' ao n;eio da.
    B Vende-se B nos do que ero f.nir.? (julqn-r i >ri**. ma- i%
    ftm tfrial de ciarla f'iii. tom barro iii.ee, cal ^
    jjH branca ej>ri-ta, arfi., ce fr.gr, eiauaxi, g
    jgt, barro, mos trsvpjf,-,, etutrneis, rarnroi ^
    ^ e ripas: na roa da Cunct-rdia aro-anro H
    Cg do sol 0. 26.
    cu
    Cemento bydranlico da rCelher qnsdade para
    editiraeoes r)'aeoa,iat,quet, ai'gprotcs, as;emameo-
    tos de cano?, etc., 'tm ^arricas gr nt.^a 125,
    Dito cornil um cu Mm^m a 105.
    hm porgan snp'-ror a 5 banica< se faz uma
    d (Terenga no prego copf.nne a qir.Midaae :
    Nos armazens de T^sa Ir-
    mitos.
    GFSSO
    Nos arroazens de Tas.'0 Irmaos.
    GBAD S Dli FERPO
    para jardios, porteiras, ele.
    masco de 15a imitag5o de seJa, com 8 pal
    mos de largura, j,43 00 ; colchas de ero-" Kosaiin^cns'dft'^sso IraAflg
    <*" ditas de fust5o brancas e de cor; ero- -
    che
    ores enfestadas, sendo escuras e alegres preprias ct)es proprios para cadeiras, sofs, Cadeiras '
    para caigas, pdetots, coletes e roopas para menl- de balanco, para cnbrir nreentes. etC etc '
    SSK?ffi3?JSf rjSSSS 2: saf r d pV rUa' da fc
    Grande pechiucha de gros-
    loja e armazern dn Pavao : ra da Imperatriz n. 60,

    liaa do Queimadoli
    i GAKLOS
    XII
    Eei da Suecia
    FOR VOLTAIRE.
    Vende-se esu excellente ubr* por
    broebura, na lvraria Ecaomica raa
    o. 2.
    Namasa rvrariatomam-se asslgnaturas para
    a-y.da de Horacio Nelson-o celebra almirante
    agle a U cada ejemplar. uiirau.
    U200 em
    do Crespo
    PUNHOS COM COLUNIAS,
    a liOOO reis.
    Vende-se nma grande porgao de punhos com
    golinbas de esgulSo de llnho, com os mais lindos
    bordados pelo barato prego de IJOOO o temo, di-
    tos bordados de cor a CiO res, sendo grande pe
    chincba pelo prego, na ra da luoperatri* n. 60.
    Baloes espio8.
    _ a 2*300.
    Ltifgaram os mais moderos baloes esgnios sen-
    do verdadeiramente americanos e vendem-se pelo
    barato prego de 2^600, na lija do Pavo roa das
    Imperatriz n. 60
    Cassa a 4o rs. s o pavao.
    Vendem-se bonitas cassas Dgjezas de co-
    res (xas pelo barato preco de 24U rs, o co-
    vado, ditas francezas fazenda moito fina com
    I padres listrados e de flores, assim como com
    palminas miooas proprias para meninos a
    3oo rs, o covado ou a 5oo rs. a vara : pe-
    Cabriul t.
    Vende-se om de quatro rodas p>r prego c^m-
    modi>. Para ver no armajem do caes o Capaba-
    nbe junto a casa do Sr. Itami k, das 10 as 11 fce-
    r da mentira.
    denaples pretos
    na loja do PatSo.
    Grosdenaples l280
    Grosdenaples a 13800
    Grosdenaples a 23000
    Grosdenaples a 23200
    Grosdenaples a 23S00
    Grosdenaples a 23800
    Grosdenaples a 33000
    Grosdenaples a 33200
    Grosdenaples a 33300
    Neste grande estabekcimento encontra o
    respeitavei publico um avultado sortimento
    dos melbotes grosdenaples prcios tanto
    largos comii estreitos, que se vendem milito
    mais barato do que em outra qualquer parle
    Aos agricultores.
    Sanoders Bratbers & C. acaoam de recebet
    de Liverpool vapores de forga de 3 a 4 cavallos
    com todos os pertences, e mui proprios para faie-
    tem movr machinas de deseartgr alteflio, po
    dendo cada vapor trabalhar at com 140 sertas,
    lambem serven, para enfardar algodao, ou para
    outro qoalqner servigo em qoe ii^am ne trablbar
    com aoimaes. Os me? mos tamhem io- a' venda
    machinas americanas di- 3o a 40 s. t ras.
    Os prtteDdentes dirijam-se ao largo do Corpo-
    Santo o. II,
    chincha na leja e armazem do Pav5o roa da em rasa" de se ter ^'t0 uma grande com
    MAMEIGi
    a Son rs,
    Vende-se maoteira ingiera flor a 8(0 rs.a libra :
    no Progresa do pateo do Carme c. 9
    Vende-se o engeeho Carnciro, sito na fregu-
    ia de STinhaero, ranele o correrle, ci m safra oa


    N. 64-----Ra da ImperatrizN. 64.
    Rova loja de mindezas e artigos de modas

    m

    DE
    SILVA &NE VES.


    -=

    Os proprietanos deste novo estabelecimenlo offerecem ao respeitavei
    i pob'IM desta bella cidade, e do interior um lindo e escolhido sortimento de
    Mezas je artigos de modas, concorrendo para isto o terem na Europa, pes-
    i :h,l^.. n ",..,.,1,.______________ --. *?_
    m>
    Lealdade
    Raa da Imperatrii 70.
    O proprletario deste esub-lecimnoto tem a hon-
    ra de levar ao connecimeou dj respeitavei publico
    que cana de re eber pelo ultimo vapor um gran-
    de- e variad j onimento de artigos de gosto e fan-
    tasas, como sejam :
    Gntos
    Reqoissimos einios com pooUs o sem ellas, en-
    eiudos com vidrilbos, tamo pretos como de eo-
    res.
    Ponbos
    Uedlsslmos panbos coro gjllinbas bordadas em
    wk^'";?0' aSWD ct,n,u ttn'*">! ntremeles e
    oabadinOos.
    Tbesouras
    As perfeitas tbesouras de puro agopara uobas e
    instaras, tero como caivetes de cabo e marflm
    madreperola, g-aranie-se a qualidade.
    Feotes
    Um (rae )e e variado .orumeoto de penlea para
    cor e tambem para alisar, sendo de borracha.
    marBm e btalo.
    Escovas
    Pinas eseovas para f4Cio, onhas. dentes e cbel-
    es de t .dos os tamiabas e d vanos pretos.
    Lavas
    A- wrdadeira* tovas o. /oavia e fio de ocia,
    tranca, de cores e reas.
    Perlumaria8
    Dos me dores perfuuiiM* que tem appareciSo
    orno sejm : SiciHade Hv^eoica, Piver, Labim o
    Coadrai. comesuque raod-s e peqneoos.
    Eqwlhos
    Com os roeihores vuros que pos.sise, de qaa-
    ito, cala e tocadores de tu tos os tamaotios.
    Coques
    Lisos eeofeitados ero muito goslo.
    Lecres
    l^eree de sndalo de rouiio boro gosto, os me-
    l>ea qoe tem vindo nesie genero
    Eofeitf g pra vestido
    u.rande vanado .surmor-oto de Oa de isr-
    f *" 'sa e lavradas. tronga de soda, l 0
    le tod s as larguras c outros mmtos arli-
    w qoe rttoroera* enfadonlw iwociooh los, mas
    Th!.,- ,0 > bello sexo.
    sw soas nabilitadas a execotarem suas encommesdas no que boa ver de mais nb-
    gju viaade e gosto, e garantera vender pelos precos mais rasoayeis do que em
    gg outra qualquer parte apar de maneiras delicadas e sinceras.
    Acabara de receber pelo vapor francez Guienne, os segointes bellos
    artigos de moda e fantasa.
    Luvas de Jouvin para senhoras e homens, de todas as cores,
    Livrc* para missa com capas de madreperola etc.
    Indispensaveis e boleas de tO'Jas as qualidade.
    Coques os mais modernos.
    Espartilbos collares, e cintos de seda e vidrilho.
    Rendas de Gaipore, de seda, (blonds) e de algodSo, de todas as
    qualidades.
    Completo sortimento de trancas, Gtas, botes e guarnieres de seda
    com vidrilho e sem elle, gravatinbas de seda, e maaguiios de lastro bordados
    tudo do ultimo gosto de Paris. tx3J
    Leqaes de sndalo aberto do mais apurado traba'.ho
    Agua Florida e tnico orieofal de Laman & Kemps.
    Ricos enfeites e euarnicSes de flores para vestido e cabeca.
    Calcado para senhoras e meninas.
    Perfamarias as melhores e mais escolhidas de Lubm, Piver, e Goo-
    dray, em ricos e elegantes vasos de porcellana, crystal e prata ingleza.
    .____ms de algoso, as mais unas e melhores que teem at hoje vindo
    ao mercado, para senhoras e homens.
    Chapeos de palha da Italia, e a mitacao para meninas.
    E um sem numero de artigo, de gosto e fantazia qoe so a vista
    podem ser apreciado.
    pra antes que augmentassem os direitos na frm e"8' ba-s demarcado, do que tem tiioios,
    alfandega, assim a-mo um bonito sortimento JTJP2 SK Ia Sldad.- u- l^ ma ctcbeir
    de moireantiques pretos, sedas lavradas e nV^VblrLT T C CM a ,ra"
    de todas as fazendas proprias para a qua-l gagra -.-""^.-'-------^
    Mhe .uto dando-sePdePtodas; %** 1mC^*?A3ZS SiS^qS
    e mandaai-se levar em casa das excellentis- se acb; quemo preiend r emenda se.-. m o sea
    simas familia?, pelos caixeiro?, na luja e ar- ProP*"'""i<1, roa de S. Francisco desta cidade
    mazem do Pavao, ra da Imperatriz B 60- ~
    GKANS FEGHINCHA
    em lanslobas aa loja do Pavo.
    Vendem se as roai mudernas e mmto bonitas lan-
    sinbas de orna t rr.t'ndo entre ellas core* muo
    delicadas pelo baiai> piego de covado. 360
    Ditas de cores dilfereutes com palminb*& e
    listas, covado.......
    Ditas maiisada* multo liodas, covado. .
    Ditas listadas dem, covado.....
    Ditas transparente com listas de seda, eo-
    vado...........
    e outras mullas qoal.dades de laos chas de gosto,
    qne se esio rea-beodo por tod s os vapores, na
    loja e armaiem do Pavo, ruada Imperatriz n. 60,
    Imperatriz n. 6o
    alas a seejpatacas.
    Veoq>m-se bonitas saias econmicas de
    cr,.pelo barato preco de 23240 rs. poden-
    do estas saias servir at para vestidos, fa-
    zendo-se Ibe corpo de outra qualquer fazen-
    da difireme; pechiBcba, ua loja e arma-
    zem da Pavao, ra da Imperatriz n. 60.
    Baldes a 23, 335oo e 33
    Vendem-se um grande sortimento de cri-
    nolinas ou baloes de arcos para sen hora pelos
    baratos precos de U, 23ooo e 33 por haver
    grande porcao, oa loja e armazem do Pa-
    vlo, roa da Imperatriz n. 6o,
    L3nzinbas de cor a 240 e 300 rs.
    Vendem-se lanzinbas masadas, padres
    modernos e muito bonitas pelo barato oreco
    de 240 e 300 rs.
    paratas a 400 rs.
    Vendem-se gravatinbas pretas estreitas
    da moda pelo haratissimo preco de 400 rs. de Fell> P-^eira'da gnta
    cada uma, assim como um grande sortimen-! Bonitas alpacas na loja do Pavo.
    tO ddCreS lisas e bordadas nnr harntn' Vende-se um elegante sorlimeuto das mais lio-
    o uiuauas, por Darato d8 alMCas de Cires iavradas para Vostldog I principio deste aono foi preso por fopid,,, e de nove
    400
    320
    500
    360
    Ponimos
    Vende se e alngam-se bonitos dminos re diffe-
    reotes qoaidades: na leja e armuem do l'ava- a
    , ra da Imperatriz n. 60, de Flix Pereira a
    Silva.
    Escravos futidos
    HS
    GRaTIFA-SE
    a quem capturar e conduzir a' fabrica de sabaono
    Af. gado, ou a ra do Amorim n. 41, no Oecife,
    escravo Lolz, pardo, idade 35 anous, o qoal ja' eo
    preco.
    _ o covado, dilas mais a. .
    cuales de renda. I mus de aormbas a 500 r*. e. .
    Vendem-se saperiores chales pretos de D',as ,isa!'riH 'niS a8 00,e8 a 640 e
    renda, pelo barato preci de 3500 rs. cada ?,*. |0|8 arm,em d91p',5' rtt da Imperatriz n.
    assim como ditos de guipure fazen- ^ 0e ,x Pere,ra da S,lva
    142N0
    560
    800
    nm.
    INJECTION
    WJrtMlpMi bMMM boM* ( Bunr i
    - 1.B.1 *UM ...
    > ?i. <> tm*. aaM,
    BLANCAB9

    7end
    A.O
    ! S,Sil2dI r" ao 'W"1* "> >* rroe
    Approvadas pela Acadsnua de Medecina da Pant
    unitiw nu nmua aw..i n uo-wiu>u.
    >* Bo> aMrlT** M *mif, u iirs.uica, o* ir lab, o* tflltH, HcJ
    n>Mnria *m &xpttif(M l"ni--r,<&> t Si^.Yark. 1858, < 4m PaHj, 4SM.
    na*^0lM iTnraa r. u usmu raiiau-tMiMBioa ar. oon naaMtd* etone. tm.
    viBUfcw t erra lu!tu,i^ m **, c*am pniumo loluoe. 4* oa* imium _
    > lf r am Wmmm, tlt, ni ..-..
    IMMeaM u* inervo &,,,,, MterafutMm, WMrrtH, <. o.; eefia.. kwflTecen w pnbom ana tacta iu !.
    Cta un modificar a> conitia^io ttt*tu*U __* *l <" anun-M itwMt a am IT||
    >* lasal. IfXwaii .ama aran dt ntatoia da aolkaarjdjde aa
    ""<**" PO,lto *'". i".-.i* ...,
    imta reacOra a ooca* rna, jw repraiiia,aaaaaeaaaa aana
    ""' twaa **--------' i aln n -
    Voade-sa na pnannacia^d*) P. Maorer dt c., roa ova.
    ;da moito soperior a 103 e 123000, e om
    bonito sortimento de capas e retondas.
    Os casaquinhng do Pavo a 16.000
    Cfiegou om elegante s irtimento dos mais mo-
    dernos e mais bem entenados cataqomhos de
    grnsdenapls preto sendo com siotora e sem ella, e
    outrtw a imltago de jaqnetinbas e veoduu-se pe-
    los baratos prego* de 163, j, 55* e 30 : na
    lo| e armazem do Pavo roa da Imperatriz n, 60.
    de P. Pereira da Silva.
    Vendem-se bonitas sedas de cores para
    vestidos, tendo largura de chita franceza qoe
    facilita fazer-se um bom vestido com 10 ou
    li covados, tendo entre ellas algumas pro-
    prias para lato, pelo barato prego de 23 o
    covado, assim o.- mo sedas lizas de todas as
    cores per precos mais commodos que em
    outra qnalqutr parte.
    Panno preto a 136"0 e 23ooo.
    Vende-se panno preto superior ^oraseis
    palmos de largara proprio para paletots e
    calcas pelos baratisMmos precos de 13600 e
    23000 o covado, grande pechincba.
    Meias baratas, duzia 23oob rs.
    Vtendem-se dozias de meias de cor escura
    sendn meias de moito mis dinbeiro porm
    hqaiflatB-se a 23, por ter alpon toque de
    roefi; ditas inglezas croas muito eocorpa-
    das a &3 a duzia.
    VESTIDOS A 430C0.
    Veodem-sa bonitos oories de vestidos de
    cambraia rnca com lindas barras bordadas
    a 430O0, dit.s mais fiaos com as brras bor-
    dadas a cor a 5/5, 63 e x|un(L ditos de fan-
    tazia rom lindas barra eenfuites de seda a
    83 e H'iJOOO.
    Sis mait< liadas as na* as pou pe ir. as
    qne chejar-m pama lujado Pa-
    vao a 500 i>. o covado.
    VemoVDVse as mala lindas poupelinas cnegadas
    pelo uliiii." vapor, seo tu transpareoiea* enfriudas
    com quadnnhos mrodroh e eo* as cores mais
    modernas eouio sejaro : maganta, sotftriBo, verde,
    lyrin, rx., ato', ceua e n sa etc. ele., aranund >
    se qu^ oeste genero o que tem vindo de mais
    moderno ao mercado, para vestidos roopa rt#
    rrwngas e-vtndero-sepelo baratitrn pifgo d- 500
    ris o cr.vadj, nniearoiule oa 1.1 e armazem dt>
    Pavo, roa ida Imperatriz o. "eo^de F. Pereira da
    SUva.
    Poil de Chevre na loja do Pavo.
    Vende se o mais moderno pon deChcvie largo, de
    nma s cor, sendo mais lustroso que a mesma s-
    da, pelo prego de.......2000
    Duo mais ahaixo, porem com as cores
    moito lindas, covado. Ii00
    Dito coro lista* de seda 2 00 rs.e. 1000
    na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de F-
    lix Pereira da Silva.
    Alpaca monstro, covado a 280 rs.
    Venden, se alpacas m^n-iro escuras p.ra vestido",
    tendo 8 palmos de largura, que facilita fazer-se
    om vestid), coro 8 r >var;s, a 28 rs. oo a 23210 o
    corte, na loja do P*vo, roa aa Imperairiz n. bO,
    de F^lix Pert-ira da Silva.
    Gangas para calcas a 400 rs. o covado.
    Vendem-se superiores gangas francezas muito
    ene rpartas para clras o paliiols, pelo barato pre-
    go de 400 rs. o covado, superiores brins de Iron
    pardos, uangadi s e lisos, assla romo di ti > de co-
    res, fazenda mo'lo superior, na luja e armazem
    do Pavao, roa da Imperatriz n. 60, a< Feliv Perei
    ra da Silva.
    Chitas pretas a 160 rs. o covado.
    Vende-se chita preta insKza lisa a 160 rs. o co-
    vado oo a pessa por 63, com 38 covados, ditas com
    palinn lias, n.plh.tr fazeoda, a 20o rs. o covado ou
    a pega por 7300, dita fraoeeza, largas, a 360 rs.
    o cavado. niuseiina pretas a 400 rs. o covado, na
    lija e simiern 4o Pavao, roa da Imperatriz n. 60,
    de Franci.-co Hereira da Silva.
    Fazendas para luto na loja do Pav3o.
    Veode sni.rrior sem da Chioa leodo. uma
    fazeoda toda d la e m luslro, coro O pelaos de
    largura, que facilita fazer-se um vestido apenas
    cd> 6covaios a'-OQrs. .....S35U0
    kni'erinr bomoasma coro 4 palmos a
    l#600e..........lifOO
    Superior cantan s-m Instrn, covado 13C0
    Lausiobaa lisas, c jvadi. 400 e 500.
    Cassas preae lisas euro sa'nieus e com
    listas, vara a 500, 56o e 640 e .' 800
    llusselinas prria, covado..... 4ti0
    nutras muit.- lateada proprias para luto, na loja e
    armazem do Pavo, ua ra da Imperatriz o. 60, de
    Fclu Pereira da Silva.
    evadise da mesma fabrica, oodo trsbalftava, ni
    madrugada de Domingo ultimo, 2i de m.vembro;
    cojo escravo rogie vestindo a roops do oso, deal
    godo de listras, cosiuma embresgar-fe, negar
    proprio nome, e bem como o do seobor, e traz!
    por castigo uma correte fechada ca cintura e nc
    lornorelio, do que devera' conservar ao menos 3
    manchas.
    Novidade em chafas a 63000.
    Vendem se os mais modernos e mais bonitos
    chales lzbel, sendo de nma s cor, coro liodas
    rendas da mesma farenda, guarnecidas com bonl
    las coolas de aij..(res, sendo oeste art'go o mais
    wiodern. o" tem vindo e vende-se pela barat prec. de 63000, unieamente na leja da PavSo, roa
    da Imper-ti i, o 60, de Pe'i* Perei da Silva.
    Chales de marin a 230*0. _
    Venie-se hnn.t.is chales de merm al 2O00,
    2*3110, 43 00,53000 a 6*000, na hija e arm:-r-ro
    Pereira da Silva.
    Escravo fngido
    Acba se fogido desde o da 19 do mez proxime
    passado o escravo do abaixo asignado de nome
    Joaiinim, tendo os signaos segHtntes : |d?de 26 au-
    nes poDco !!? oo menos, cor VdrnHjiha, b.c"a
    grande, olhos grandes e amoriecidi s, Uio, ca-
    bega pequea, cabellos rarapiobos, d' rmiobuco,
    estatura regular, secco do corpo oo ant-s magro,
    btm eosinheire, cose de adtate, tero lounzero
    de om dos pes bastante grosso de rbenmatismo,
    ps grandes e largo, basldole l.-diuo e a-luc oso e
    se intiiuU forro. Ha toda certeza de qoe esteja
    oo RfCire, onde ja esleve fojMo o anco passado :
    recommen-la-se pols as animidades poiiciaes e ra-
    pitaes de campo a captara e entrega a s>u seobor
    omesno abaixo assignaoo n villa d lguaras:
    oo aos Illm?. Srs. Dr. Jos B loardo Gaho aI-
    coforsdo, no Ca'deirelro, p o r&piio Flix Fran-
    cisco dp Soora Magnihes no larg.> do Parano o.
    26. Igoaras.- 7 d feeieiro de 186a
    J .-e Teir da Mona Cavalcantl.
    .150^000
    Fogio no da 25 do rorrete mer de ontnbro, do
    ei.gt-nbe L'mneiro, fregoezia da Escada o estravo
    Francisco, coro os seguintes slgnaes : canra, pon-
    co alio, oto boro corpo, bonita fleura, rara bexi-
    g. sa, barba p'Oto serrada, cxioma raspar o bi-
    foiie e a peira, cabellos nm Unto caiapiobados,
    om pooco gago, c.m Mgnroas slcatrlzes velhas de
    chici te as costas, n'oma pa e n'um braga, le-voo
    r.-misa de algodo da mata,raiga e paletot de brim
    pardo, cbapo de baeta prete, leva va.adecar-
    reiro, que ,e .-a^onho ter ido tular praga ciroo
    voluotano ; foi encontrad no hrejo de Fugonde.<:,
    Segoindo por Canri. Recommen-ia se as peMoaa
    encarregadas dv reerotamestO, e as animidades
    nolteiaes, o especialidade as do Rio Forrooso,
    lloa, Agoa Prela, .. Bunio e P< rio C.lve, e a ca-
    ira qoalqoer pessoa a apprebengn do dito esrra-
    vt, ir envega-n on referido tngniho, qne gratifi-
    ca se oro Il 3000
    Escravo futido.
    D-sappareceo no da 6 do cirrente, da sitio da
    M ingoinhn, n pretn de otime Joaqi.inn, escravo de
    Antonio de Sonza Oliveira Mil i, tendo < s sgoans
    egnrnies-: alio,>e<-P" dn corpo, gago,reido de
    um veriih, inade dp 30 annos p om mais oo me-
    nos, f-i c mofado a Manoel G mes Leal, qrjp mora
    oa (Ja-a F-.rt-, para onde se deso ti. que dito es-
    crjv leuha ioo : a pessoa qoe o pegar e o tr< o-
    z^r ao senfMjhir, sra' b<-m repempensado, as-ira
    enro tamnem protesta se de cobrar-se os das de
    servigo a quem o acuitar.
    sai
    BjBJBBJaaSBBaaal


    '..'
    i^^^^B^M]
    ai-%*
    I"
    I
    Diarlo ie Terunmhnto ftegnada felra 14 de Fererclro de 1868.
    ___
    ___
    LUTERaTOBA.
    0 conde de Oamors
    POR
    Octavio Fenillet
    Tra-lurfio
    DE
    Pm/ieiro Chagas
    volumk 2.
    (Conlinu3cio)
    XI
    Poucos dia- depcis, a marqueza de Carao
    ment transtornio. mud use a ponto de
    nao parecer o mesmo. ero se quer Ine
    continuoo a mostrar a fria polidei que en-
    t dispensar
    ocolos para a
    que t
    Podem-se
    ver.
    Ir orna mulher |ue sabe o
    urna casa.
    provas d'uma extraordinaria'antipathia, fu-i Decerto.- ?inva-..
    giad'ella. Reparn Carlota que evitavaa-] Vinva f... tarfft isso qoe te im-
    pertar-lhe a mo. Comecaram a encontrar- pede...
    se raras vezes, porgue asaude de Camors' de forma alguma.
    j Ibe nao permiuia *lmocar ejanlar as ho-| Bem ; entao concordas .
    ras certas Mea irma0 : pela ullltBa vez ea d3
    Estas duas oxi^tencias desoladas offere-|qnero admitir," nem principalmente coacor-1
    ciam no meh do apparato quasi regio que dar com cousa alguma.
    as cerova um espectacu'o digno de compai- E eu a cancar-me
    xo. N'essa quinta magnili a, por entre os faz"o que quizeres
    O qoe v? traan, derer fttzer-lhe todos os sacrifl-
    Vejo-n oseDhor. dos.
    A eaim. sim, deve ser sso, mas reo Eu revirara os clbos de ora modoaler-
    nbece-me# rador.
    Hec nbeco ?... Ernio, roinba seDbora, tornonoSr.
    Nao V. Exc. nio me rtconbece, Y. Glarinetti, est ajustado ;ieV. Exc.d licen-
    Exc. nao deve, nio pode recoohecer-me. ca, voo mandar publicar o primeiro banho.
    Mas porque ?... Encarrego-o de ludo.
    Porque?... olhe V. Exc. oulra vez O Sr. Claiinetii desjiedio-se da Sra. Ca-
    bero para mim. miniebe, fazendo-lhe ima graciossima re-
    tenlo, e abi esl o que eu distingu rip-
    :o no soalbo do quarto:
    M

    contigo 1 Olba,
    vallon. ent-ando uma manha na o vallan- opuientos canteiro--, eos grandes vasos de
    .a, viu Medj, a egua favorita de Catnors, marmore, debaixo das loogas arcanas de
    branca de espuma c Tegante, e meia esfal- verdo-a povoadas de estatuas brancas, va-
    fadi. O alatreneiro explicou todo en- gueavaoa ambos separadamente, como daas
    leiado o estado d'efee mima!, d'zeado que sombras lgubres, eoconlrao-lo-se as vezei,
    o conde dera um i as-eio de madrugada. n3o se fallando nunca.
    Carleta recorreu a Daniel, qne estava sen- Um dia pelos fins desetembro, Lamors
    de para ella um confidente. Insist u muito nao sabio do quarto.
    oom elle, e aflnal o cria lo cen-s ou-lhe qoeza que
    qneseu amo havia aUum lempo que s.hia deixarentrar pessoa alguma
    toda as toiles a caval'o os voltava de ma
    Daniel disse mar-
    ine traba dailo ordem para n3o
    ,ar pessoa alguma.
    Nem mesmo eu ? perga.tou e.Ia.
    uhl. Daniel e lava desesperado com estas
    correras nocturnas, que, diia tile, fatiga-
    va muito C marqueza le esssas exoursoes eram na di-
    recejo de ReuiHy.
    A condessa da Catnors. cedendo a con;;-
    deraro-s, em cojos pormenores alo entra-,
    mos, porque nao teem loseresse pan o le-,crudo lhe dava todos os das.
    tor, ntauara a residir .em Renilij depois sedera acama; passav a suavilanum
    de seu ma-idb a abandonar. Reuillv Bem sismar sombro, daitado no seu divn. Le-
    -! urnas dez leguas de Campvallon ; mas'vantava-se de quindo em q.iando, escrevia
    poda-se encunar algum co.sa o caminho. a'gomas linhas e tornava-se a deitar. A sua
    timando por alalhos. Camors nao hesilava fraqueza pareca grande, anda que se nao
    em devorar duas vezes pornoute essa dis queiiava de padecimento algum.
    O criado meoeou a cabeca dolorosamente.
    A marqueza insisti
    __Miaba senb ra, disse o criado, o Sr.
    conde ponba-me na ra.
    Com) Camors teimava n'essa mana de
    reduso absoluia, ficau a marqueza desde
    esse momento reduzida s noticias que o
    Camors nao
    tanch, para ter a commoc'm dt.ee e amarga
    e respirar durante alguns minutos o mesmo
    mo arque sua muiber e seu respiravam.1
    Daniel acom^anbra-o uma on duas vezes ;
    mas o conda quasi senapre ia s. Deixava
    o cavallo no bsque, aproximava-se da casa
    quanto poda sena se arriscar a ser descc-
    btriOj e, esconden ose como um malfeitor
    :i sombra das arvores, espreitava as janellas.
    as luzes, escutava es rumores vagos, cs-
    Diava emfim os mais leves indicios das es-
    tremecidas existencias de que um abysmo
    eterno o separou.
    A marqueza, meio irritada, meio assusta-
    da corn urna excentridlade que Ibe pare-
    cen qua.-i dme cia, fingi, ignoral-a; mas
    esses espiritas estavam to habituados a pe-
    netrarem-se dia a dia que nada podiam oc-
    coltar um ao outro, Camors per^ebeu que
    ella sabia da sua f^a roeza, e nunca mais se
    imporlou em a envolver nos vus do mys-
    terio.
    N'uma tarde do mez de julho, sahiu a
    cavallo e nao voliou hora dejantar. Che-
    gou aos bosques de Renilly ao cahir da
    nrute, como preme litara. Entrou no jar-
    dim com as suas costumadas preejuces, e,
    gragas ao coahecimento que tinha dos usos
    da casa, pde-se aoroximar, sem ser visto,
    do pavilljo ond ficiva o quarto d\ condes-
    sa, qae era ao mesmo terapo o quarto de
    seu filho. Esse quarto, pela disposic3o par-
    ticular da casa, levantavase do lado do pa-
    teo altura d'uma sobreloja, mas ficava
    repte do jardim. Uma das janellas estava
    aberta por caus do calor da noule Ca-
    mors, escondcmlo-se detraz d'um dos pos-
    tigos qu e>tava meio c.-rrado, mergulh u
    as suas vistas Du interior do quarto. Uavia
    mais d'um anno que nao va uem sua mu-
    iber, nem seu filbo, r>em a viscondessa de
    Tecle ; alli os tornou a ver a todos tres.
    Elisa de Tecle trabalhava ao p do fogo ;
    o seu rosto nao cundir, e conservava an-
    da o mesmo ar de mociiaJe, mas os seus
    cabellos estavam todos mais brancos do que
    a nev. A condessa de Camors, sentada
    n'uma preguiceira defronte da janella, des-
    pia seu fiiho, trocando alegremente com
    elle perguntas, respostase beijos.
    A reanca a um signal ajoelbou aos ps
    de sua me, restida .-.orn o seu ligeiro tra-
    jo dotdormir, emquanto Maria lhe prenda
    as suas mos as maosinhas postas para re-
    zar, priucipiou em voz alta a sua oraco de
    todas as noites. A me de quando em quan-
    jo lemb-ava-lhe algmas palavra que lhees-
    queciam. Essa oraca >, composta de um
    pequeo numer de pbrases ao alcance d'es-
    se juvenil espirito, findava com estas pa-
    lavras: Meu Deusl Sede bom e miseri-
    cordioso para mioha m3e. pira miaba av,
    para todos os meus, e sobre tudo Senhor I
    para met desgranado pae. Pronunciara
    estas palavras com algoma precipitado in-
    fanil; ura olhar serio de sua me fel-o lo-
    go repetir com commovida insistencia,
    como crianza que repele uma inflexJo de
    voz que lhe ensinarain :"E sobretudo, Se-
    nhor para meu desgranado pae I
    Camors desvioa-.-e de sbito, afaston-se
    sem bulha, e sahiu do jardim pela sabida
    mais prxima. Passou a noile no bosque.
    Perseguia-o uma idea flxa: quera ver seu
    filho, fallarlho, beijal o, apertal-oao coraco.
    Depois pouco Ibe importava. ^ Lembrra-se
    que tinham costume oulr'ora de levar a en-
    anca ao casal mais prximo, para beber uma
    chavana da leite. Esperava qne houvessem
    conservado esse costme.
    Rompeu a alvorada, e pouco depois veiu
    a hora que elle esperava. Emboscara-se na
    vareda que ia ter ao casal. Ouviu um ru-
    mor de pa.-sos, de risos, e de gritos alegres,
    e seu filbo appareceu de repente correndo
    adiante da pessoa que o acompaohava. Era
    entao um elegante rapazinbo de cinco para
    seis annos, de pbysionomia graciosa e altiva.
    Qundo viu Camors no meio da vereda, pa-
    roa ; hesitara em presenca d'este rosto des-
    conheciJo ou meio olridado; maso sorriso
    terno, quasi supplicante de Camors, tran-
    qoilisou-oSenhor disse elle com incerteza
    Camors abrin os bracos, e inclinando-se
    como se fosse paraajoelharVenha-me dar
    um bejo, peco-lbe. A crianca dirigia-se
    j para elle sorriodo-se, quando a mulher
    que e acompanpava, e que era a sua antiga
    ama, appareceu de sbito, e fez um gesto
    de susto. -*
    Seu pae, disse a ella com voz abfada.
    A esta palavra, a criaoca soltou um gri-
    to de terror, refugiu com violencia, e foi-
    se conebegar junto d'essa mulher, eravando
    em seu pae os olhos aterrados. A ama
    pegoc-lhe pelo braco, e levou-o comsigo
    pressa. m
    Camors n5o cborou. Urna contraccao hor-
    rivel franziu-lbe os cantos da boca, e poz-
    lhe em relevo a magreza das faces. Teve
    dout ou trez estremeces semelbaotes a ca-
    lafrios de febre. Passou teotamente a mao
    pela testa, soltoa um longo suspiro, e par-
    ti.
    . A marqueza de Campvallon nao soube
    d'essa trisiissima scena, mas conbecea-lbe
    as conseqaencias, e sentiu -lh'as amargamen-
    te. O carcter de Camors, *j profanda-
    Passadas
    duas ou tres sem as, a marqueza, lendo na
    physinomia de Daniel uma inquietaco mais
    pr.'.funda do que de costume, supplicou-lhe
    que levasse ao quarto deseo amo o mlico
    da trra, qne mwdou ciamar. O criado
    resolveu-se a faz-lo. A infeliz senhora,
    quando o mdico entrou no aposento do con-
    de, encostou-se porta e poz--e angustiosa-
    mente escuta. Pareceu-lhe ouvir a vu
    de Camors erg .eodb-se com violencia, de-
    pois o barulbo socegou O medico, ao sabir,
    diss.-lhe simplesmente:
    Mioha senhora, o estado do Sr. conde
    parece-me grave, mas n3o creio que se de-
    va m perder as esperancas ... Eu boje d3o o
    quiz apoquentar muito, mas elle consentio
    que eu amanha voltasse.
    N'essa mesmi noite. alli pelas duas horas,
    a marqueza de Campvallon ouvio alguem
    chama-la e reconheceu a voz de Daniel. Le-
    vaotou-se logo, cobrio-se com um chale e
    abrio-lhe a porta.
    Miaba senhora, disse elle, o Sr, conde
    manda-a cham.r.
    E debulbou se em lagrimas.
    Oh! meu Dejs. o que ha de novo ?
    Venha, miuha senhora, nao se de-
    more.
    Carlota acompanhou-o immediatamente.
    Assim que entrou no quarto, logo perdeu
    toda a illusia. Seutio o sopro gelado da
    morte. Exhausta pela dr. es-a existencia
    to ebeia, l.i orgulhosa, to potente, estava
    prxima a fiodar. A cabeca de Camors,
    reclinada nos trav^seiros, pareca ter j
    uma immobilidade fuuebre. A's suas bel-
    las feices, dava Ibes o sofJrmento o relevo
    rgido da esculptura. S os olhos viviam
    ainda, e cravavam-se perlina mente na mar-
    queza. Esta apreximou se pressa. e quiz
    pegar na mao que fluctuara sobre o lencol.
    O conde retrahio-a logo. Carlota soltou um
    gemido de desespero. Camors con:inuava a
    encara-la fixameDte, Carila julgou ver que
    ello teotava fallar e que nao poda ; mas, os
    seus olhos fallavam. Dirigia-lhe alguma re-
    commen Jacio a um lempo imperiosa e sap-
    plicante qne ella percebeu sem duvida, por-
    que disse em voz alta n'um tom cheio de dr
    e de ternura :
    Prometo-lb'o.
    Cimors pareceu fazer um doloroso esfor-
    co, e o seu olbar designou umi carta volu-
    mosa e lacrada que estava em cima da ca-
    ma ; Carlota pegou-lhe e leu no sobrescrip-
    :o t Para meu filho.
    Prometto-lh'o, repetiu ella, caindo de
    joelbos, e inundando de lagrimas^ o lencol.
    Eolo Camors esteodeu-lhe amo.
    Obrigado, disse-lbe ella, e, toda lava-
    da em lagrimas poisou os labios n'essa m3o
    j fria. Quando levantou a cabeca, vio n'um
    mesmo instante os olhos de Camors bume-
    decerem-se levemente, girarem as orb tas
    como desvairados, e fugir-lhes a luz depois.
    Soltou um grito, atirou-se para cima da ca-
    ma, e beijou loucamente esses olhos ainda
    abertos, mas que a nao viam j.
    Assim morreu esse homem, que foi sem
    duvida um graode cu/pado, mas foi homem
    comtudo.
    FIM.
    exactamente a minha lenc5o.
    Entao a toa decsao final ...?
    Fazer o qne qoizer, acabo de o di-
    zer.
    Tu n3o reflectiste.
    Reflecii.
    N3o reflectiste.
    Palavra, que reflecii.
    Nao reflectiste, digo-t'o eu. A Sra.
    Caminiche estima-te, e, se me nao engao,
    s deseja que tu lhe estendas a la mo,
    para le eslender ambas as suas.
    Nunca mais a torno a cumprimentar.
    Has de cumprimenta-la, irmao. Peosa
    bem nos esforros que Clarinetli tem feito,
    para casar com ella.
    Pois bem, que case.
    Olha! a ooute boa conselheira, e
    quando tu tiverdes dormid) sobre o caso,
    has de fallar de outra forma.
    Parece-te isto ? .. pois bem, para te
    provar o contrario, vou dormir aqui mes-
    mo.
    Dorme, dorme, vers Yon ceiar
    com ella. Roa noite.
    Roa noite.
    E em seguida meu irmao poz o chapeo,
    e sahio. fechando a porta sobre si!
    Domingos! deita lenha no fogo. Rem
    Agora, se quizeres, podes ficar tambera ah
    a aquecer-te.
    Instalei-me o mais commodamente que
    pode, na poltrona, em breve veio o som-
    no lancar-rae por cima dos olhos, algumas
    gotas do cosimeoto de papoilas, qae sempre
    tem preparado para uso dos mortaes.
    II
    Mas dentro em pooco... cousa borrivel,
    medonba, crivel,*mysteriosa, espantosa,
    inconcebivel!... foi-se desenliando na som-
    bra, nma mo enorme. disforme !... Ao
    ver aquillo, gelou-se-me o sangue as veias,
    o coraco tiritou-me no peto, os cabellos
    herisaram-se-me, e, o meu nariz, como se
    fra cmplice na infernal visSo, allonga-se...
    allonga-se... allonga-se por forma tal, qoe
    os meus olhos sahindo das respectivas r-
    bitas, tomam-lhe a extremidade por poni
    de mira, e fixam diaote na sua frente a
    mo... a horrivel m5o, aberta!...
    NSo, nonca na trra fe vio cousa assim.
    fS5o coosas q e s a mim acontecem.)
    Aquella mo estava em cima de uns hom-
    bros, com cabe^i de hornera, e os hombros
    em cima de um corpo humano que tinha
    duas pernas, e... (Faltam-me as forcas
    para pintar bem a minha situacao, neste
    momento.) O certo, qoe sobre o mea
    nariz, principiou a actuar irresislivel forca
    de attracc3o. A m3o foi-se fechando para
    lhe agarrar a pona. Eoto, nao me aban-
    donou o instincto da conservado ; fiz um
    esforco supremo para Ihefugir... Hor-
    ror!... a m3ofecbou-se ; e, entre o polle-
    gar e o index, o meo nariz...
    Meu Deas para que inventaste o nariz,
    e sobre tudo, para que o foste collocar no
    meio da cara ?...
    Meio morto senti-me arrastado pelos
    campos, pelo espaco de um quarto de hora.
    9ea|^o
    A NOITE t BOA CONSELHEIRA
    PRXiWSXRA PARTE
    O Sr. Clarinti
    I
    E' na verdade cousa singular, excla-
    mei eu aproximando cora impaciencia a pol-
    trona do lume, E' at possivel que con-
    tra minha vontade, esteja antes de um mez
    casado e, o que mais salisfeito !... Mas,
    nao me dou por vencido, ainda assim, e,
    por mais qae digas e fagas, eslou e tenciono
    ficar sempre solteiro...
    Meu irmo, com sentimento o digo,
    tu nao tens senso cemmum !...
    E' possivel, ; e por isso mesmo,
    nao admiro que tu o tenbas de sobra. Tens
    mais uns seis oo sete annos do que eu, e
    como portanlo nasceste primeiro, nosso pai
    e nossa mi deram-te todo o que tinham,
    deforma qoe, quando selemoraram de mim,
    s ento notaram que se haviam desprovido
    completamente em favor do primognito.
    A seriedade com que tu dizes essas
    tolices 1 respondeu meu irmao, puchando
    com mo modo a sua poltrona, como en 11-
    zera j. Quando eu pens no bello partido
    que te offeTeo... quando...
    Peosas, disse eu nterrompendo-o,
    cousas sem ps nem cabega !
    Meu irmo, admitamos...
    Nao quero admittir nada.
    A Sra. Camini he nao te convm ?
    Convui; mas nao bastante para que
    faca della micha mulher.
    Nao e rica ?
    =s Raslante, para nao precisar da miuha
    fortuna.
    Nao nova ?
    Rastante, para nao precisar do meo
    apoio.
    No bella anda ?
    Todo o soffrimento tem um fim... O
    meu nariz est li Te... mas ai 1 o meus
    trabalhos estavam apenas tm principio.
    Aquella a3o, sempre ella!... agarrou-
    me pelo meio do corpo, levanta-me, e ati-
    ra-me para o espaco...
    Escapoo-se-me do peito um grande grito
    que foi acordar os chos dos arredoi es.
    Depois principio a cahir, dando gracas ao
    destino por me abreviar os males, tirndo-
    me a vida,
    Estava em meio do caminho que devia
    percorrer para chegar terr, quando de
    repente em lugar de descer, me sioto subir
    outra vez, levantado por cousa desconhecida;
    como achei ponto de apoio, tomei posico
    estavel. Puz-me a escutar. Impossivel.
    A rapidez com que en levado irapedia-me
    a respiraco, e prodozia-me nos ouv dos um
    zumbido insoportavel. Olhei; (n3o poda
    fazer mais nada) olhei, e vi orna cabeca de
    cavallo, om coroo de cavallo, nma garupa
    de cavallo; tudo junto, e eu em cima. Re-
    conbeci Pegaso.
    Rondade divioa, o que ser de mim ?...
    Oh Pegaso meu salvador 1 g' agas te
    sejam dadas pelo servico que...
    Ai! maldito animal!... Pegaso com
    nma opa, tinba-me atirado a Ierra.
    " Ai lenho os rins moidos, as costel-
    las mettidas dentro, as pernas quebradas...
    Sou um homem... nao, nao son j3
    um homem. Fui um homem, e daqoi a
    vmte e quatro horas, o meo corpo desfigu-
    rado, descaogar n'um caixSo. Ab que
    ao menos sobre o meu tomlo gravem este
    epitapbio :
    Quem est ah a fallar de morte, de
    tomlo, de epitapbio, proferio uma voz. ..
    to suave, to barmoniosa que nao podia
    ser seoo a da Sra. Caminiche.
    Se lhe parece, miaba senhora, nao v
    o triste estado em que estou... ai! ai! as
    costellas, os rins, as... ai! eu desmaio...
    sinto-me desmaiar, minha senhora, eu mor-
    ro, estou morto... ai!...
    III
    Quando vollei a mim,
    n'um leito magnifico.
    totalmente desconhecido.
    lo em torno de mim, e j mentalmente ha-
    via feito o inventario dos movis... quan-
    do... ser engao dos sentidos?.!. Nao
    durmo?... Aquello retrato que vejo a
    um canto... ... n3o quero crer... Mas
    como seria isto ?... o mea... o meu...
    sim reconheco-me ; aquella a mioha boc-
    ea, o meu nariz, o meu nariz !... ah l...
    torvam-se-me as ideas... desvairo... en-
    doudeco, eston doud I... soccorro I...
    acudam !... acudam !#..
    O qae tem, senhor gritou a seohora
    Caminiche entrando precipitadamente no
    qoarto. Em nome do co, que mais tem ?..
    O quelheaconteceu?... assusta-me...
    Oque teoho, minha senhora?...
    Minha senhora, qoeira puxar uma cadeira,
    e sentar-se aqui, ao p de mim... O que
    me acontecea?... Pergunta o que me
    acontecen ? Ooca... nSo ooca... olbe
    bem para mim... Entao ?...
    Ento o que ? disse ella.
    Estou elbando.
    O que v ?
    Vejo-o ao senhor!... qae teima!
    =. A mim... a mim... mas ntreos
    olhos, por cima da bocea, por baixo da tes-
    ta, o que v ?...
    -=. O seo nariz.
    O meo nariz pois bem, sim, o meu
    nariz... nSo Ibe acha nada de extraordina-
    rio, seja franca minba senhora, seja franca !
    __Com franqueza, nada Ibe ado de ex-
    traordinario.
    Nada e V. Exc. que me diz isso,
    V. Exc com quem meu irmo me quer
    casar.*.
    Eoto muito !... pois conheci-o de-
    licado!...
    E aioda o so, minba seohora, e e
    por isso que lhe digo Sra. Caminiche, que
    se nao mente assim na cara, as ventas da
    gente. Affianco-lhe Sra. Caminiche que ha
    om que de extraordinario no ra9u nariz.
    Affianco-lhe que nao.
    Nao... Ento responda-me com fran-
    queza V. Exc. rica, linda, nova, boa posi
    Cao oa sociedade... Eo, roo solteiro, rico
    tambem, t3o boa posico como V. Exc. (lem-
    bre-se que exijo uma resposta franca e
    clara). Consentira, digo eu, em casar
    comigo, com este nariz ?...
    Antes de responder, de-me licenca que
    lhe pergunte se falla sio.
    Nao dovide, minha senhora, n3o du-
    vide
    Mais uma pergunta : Se eu dissesse
    que sim, o senhor cooseotiria tambem ?...
    Palavra de bonri.
    Ent3o, aproveito-me da soa palavra.
    E, com toda a fraqueza. com toda, a sinceri-
    dade .. eu...
    Recusa...
    Aceito.
    Ah! .. oh!...
    Sim, aceito.
    Nao possivel! Pois n3o lhe met-
    le medo o meu nariz ?
    NSo. O seu nariz um nariz regu-
    lar. Ora veja.
    A senhora Carainicbe trouxe um espelho.
    Lancei-lhe os olhos.
    Oof !... exclamei eu n'om enorme
    suspiro. Escapei de boa.
    Ha de casar comigo... prometteu.
    De certo, dei a minha palavra...
    Oh meu irmo tu que tens a eulpa de
    tudo islo...
    Como colpa ? n3o me d a sua m3o
    de livre vontaoe !... Julguei que o ser-
    vico que lhe prestei de o fazer voltar a si...
    Senhora Caminiche ; da melhor von-
    tade lhe offerecera a miuha mSo se...
    Est bem, senhor, sei o valor que se
    deve dar sua palavra.
    Minba senhora...
    Rasta, basta, quiz mangar comigo.
    Fez mal, muito mal... adeus. Duas horas
    depois, a senhora Caminiche veio dar-me
    parle, do bello casamento que ia fazer. Em
    fim annunciou me que em breves dias,
    seria a Sra. Clarinetli.
    Esta nova foi raio para mim.
    NSo respond nada.
    E' assim a esquisilisse dos homens. Quan-
    do sentem por uma mulher uma certa affei-
    co, e quando depois se pem a rtflectir
    verencia.
    Apenas a Sra. Caminiche fecbou a porta,
    dissipou-se a nuvem, e fogio o morcego. En-
    tSo, aproximando-se-me do leito, com um
    sorriso... amavel:
    Vai melhor, meu querido senhor !...
    disse ella.
    NSo, minha senhora, nao vou,respond
    eo com desabrimento.
    Precisa de a'guma coasa?...
    Sim. minha seohora.
    O que deseja, ei-tSo?..
    Que V. Exc. me aprsente ao Sr. Cla-
    rinetli.
    Acaba de sair; mas em breve voltar.
    Logo que chegoe...
    Agradeco a V. Exc.
    Com effeito ; de ahi a pouco entrou o Sr.
    Clarinetli; a Sra. Caminiche, troaxe-mo' jun-
    io do leito.
    Vai melhor ? perguotoo elle futura
    esposa, mas com certa frieza.
    Elle mesmo Ib'o dir; deixo-os um
    com o outro.
    E sabio.
    O Sr. Clarinetli puchoo uma cadeira.
    Olbamos-nos durante alguns minutos como
    dous cSes de barro.
    BotSo, meu pobrel amigo, o que lhe
    succedeu ?..
    O que me devia succeder, respond eu
    arcuado.
    O Sr. fatalista !
    E' possivel.
    E' propriedade de commum a moita
    gente. Os grandes homens quasi todos teem
    sido fatalistas. Posso lhe citar...
    Nao cite ninguem, meu caro senhor.
    pouco m'interessa saber quaes foram ou sao
    os homens, que pensaram on peosam como
    eu.
    O senhor n3o curioso !
    Ha muita gente que o .
    E' verdade.
    Estimo bastante qoi concorde comigo.
    E porque nao havia de concordar?
    Porque nem todos goslan de convir
    nos defeitos.., proprios !...
    O Sr. Clarinetli mordeo os beicos.
    Julga-me curioso, replicou elle; nem
    tenho a pretenco de o negar, nem a tolice
    de o esconder. E' verdade, sci curioso Foi
    a coriosidade dis ontros quem fez a min'ia
    fortuna, e por gr^tdSo tornei-me pela mi-
    nba vez curioso.
    Perdi, accrcscentou elle mudando de tom
    peroSo, mas pelo modo com qae olha para
    mim, creio que percebo o.que lhe passa pela
    imaginacio a raru respeito.
    Devras?... eni3o a mim qoe com-
    pete pedir perdo, porque o que eu pens,
    nao lhe de lodo favoravel.. Espero que
    me desctilpe, em vista da franqueo...
    Nao me. formaliso. Alm disso estou
    habituado a Msejttiio do mundo. Todos me
    julgam a-sim. E por isso, para mim, a pbi-
    losopbia uma esponja embebida em agua,
    que eu passo por cima das avaliacoes dos
    meus juizes. Nao trabalhei dez annos no
    silencio do gabinete, crea, para nio apren-
    der a julgar as consas como ellas sao. Meu
    caro senhor, eu tomei o costume de consi-
    derar o desdem dos mais, como urnas andas
    que as injurias fazem cn'scer. A satyra, a
    abraca da bra
    abraeadabr
    abracadab
    abraeada
    abracad
    abraca
    abrac
    abra
    abr
    ab
    Deu silenciosamente orna volta roda da
    figora mgica, pronunciando palavras inar-
    ticuladas, e agitando muito o chicote.
    E agora, disse elle, parando dtfronte
    de mim, s mudado em sapo...
    Disse, e todos os meus ossos estalaram a
    um tempo, coroprimio-se-me o crneo, es
    olhos inje tavam-se-me de sangue, e arre-
    dondoram-se ..
    Nos labios do Sr. Clarioelti, fislumbrou
    um sorriso de satisfago.
    E conlinuou :
    Para que tu comprehendas bem o qoe
    a loa posicio tem de medonho, tiro-te a pa-
    lavra, mas deixo-te a razio. Vamos!... fra
    da cama, e a meus ps!...
    Eu obedec 1...
    Estava methamorphoseado em sapo!...
    ABRACADABRA! articulon o Sr. Cla-
    rioelti. E desappareceu pelotelo...
    (Contina),
    nessa affetcSo, acontece entio que a nao calumnia, amootoadas uma a uma, vo ele-
    achei-me deitado
    O qoarto era-me
    Olhei com espan-
    amam bastante p*ra a fazerem sua esposa, i
    mas n5o querem que ouiro case com ella.
    Expliquem isto as senhoras, a verdade e
    esta.
    Estava eu neste ponto das minhas refle-
    xes, quando...
    IV
    Chevoi(I)! grita uma voz formida-
    vel.
    Correu-me os membros um grande ar-
    repio, e senti o corpo todo inundar-se-me
    n'um suor fri. Quero fallar... chamar...
    vaos esforcos! Chega-me aos ouvidos um
    ruido estrauho. mas fraco. E' um morcego
    que anda voando por cima da cabeca, baten-
    ao o ar com as azas negras.
    Que mais me acontecer?...
    Tent de novo chamar.. O morcego des-
    ce-me cara... berrou !... Paralysa-me for-
    ca desconhecida.
    Neste momento o tecto do quarto desap-
    parece, uma nuvem muito densa desee sobre
    mim, envolve o leito. esconde-o inteiraraente
    as suas dobras, deixando-me apenas um
    intervallo transparente altura dos olhos. O
    morcego est imraovel, e tapa^ me a bocea
    com ama das azas. Eolio qae eu julguei
    endoudecer de todo.
    Os olhos tornaram-se-me de nma fixidez
    horrivel, e afinou-se-me por tal forma o oo-
    vido, que apezar da graode expessora da nu-
    vem podia ouvir pe feilamente a conversa-
    Co do Sr. Clarinetli e da Sra. Caminiche.
    cujos rost is distingua atravez do intervallo
    transparenie.
    O Sr. Clarinetli era alto, bem feito, ele-
    gante, emfim bonito homem; elegantemente
    vestido. Pareca ser muito delicado. Pelo
    acceoto pareca italiano.
    Leitor, se a Sra. Caminiche n3o lhe de
    todo indiferente, deve comprehender bem o
    odio qoe eu votei quulle individuo. Cada
    uma das suas palavras me punha fra de
    mim. Em tal estado de excitacio meotal,
    corri om ootro pengo, maior talvez do que
    os precedentes. Estive para abafar de co-
    lera- A
    Elle sorria prasenteiramente, affagando a
    vando as andas, de forma, qne em vez de
    me chegarem, eu tico sempre por cima...
    Muito bem. Mas n3o receia que sa
    andas crescam a tal ponto, que subndo a ca-
    beca a grande altura, quando olbar para bai-
    xo tenha uma vertignn, e...
    Nao receio, porque tenho a precauc5o
    de me muir de um pau, que em tal caso
    me servira de ponto de apoio.
    E' excelleate a prevenc3o.
    Dizem que a mi da seguranfa.
    E militas ve es a companheira de uma
    alma ulcerada. Sem indiscripeo, meu caro
    senhor, qoe oflicio tem ? ..
    Sou italiano.
    O senhor n3o me comprehende ?
    Compreliendo. O senhor que nao
    percebe ; a minba profisso, ser italiano.
    Eoccupa-se ?...
    Em magia branca e magnetismo.
    E' ento nisso que se resume a pro-
    fisso de italiano ?...
    Sim, senhor.
    A profisso nao liberal.
    Perdo, fe/.-me ganhar tres milhoes.
    Ha de dar-me lcenca para nao lhe dar
    os parabeos.
    Ob! meu querido senhor, eu posso
    passar sem a sua approvaco.
    Porque comprehende bem, tomei cu,
    que ganhar tres milhes com ligeiresa de
    mios. d indicio de mais destresa, que mo-
    ralidade.
    Assim como essa observaco d indi-
    cio de mais m creaco do que delicadeza.
    CauteHa, eeohor, esqueceo-se agora
    de subir s suas andas, disse eu a rir-me.
    Pelo contrario, nao desci dellas com
    a pressa que devia.
    Nao comprehend).
    E' pena. Custa-me a por os pontos
    nos iii. Qaeria eu dizer, que quando se me-
    de todo o mundo pela propria bitolla, ne-
    cessario aotes de entrar na lca, a quebrar
    uma laoca com o primeiro qoe se aprsen-
    la, ou que esse primeiro se faca grande para
    luctar comnosco, oo que nos nos facamos pe-
    queos para descer sua altura... porqoe
    l M POUCO DI TL'DO
    Rosa dk orno. Como se sabe, sua santi-
    dade o papa Pi IX costuma benzer, na mis-
    e do dia de Res, nma rosa de ouro, qoe
    depois offerece a qualquer soberana. A que
    elle benzea este anno, segundo annunciam
    jornaes de Madrid enviou S. M. C. a rai-
    nha D. Isabel U.
    Imperador Maximiliano, do mxico.Pa-
    ra assistirem solemnidade da inhumacio
    do cadver do imperador Maximiliano, eram
    esperadas em ViennaSS. AA.RR. eSS. AA.
    os archiduques Ca los Luiz, Luiz Vctor,
    Ernesto e Eeopoldo.
    J alli tinham ebegado com o mesmo fim
    o conde Mocenigo, de Veneza, balo da or-
    dem suprema dos Jobanntas,, como repre-
    sentante da mesma ordem, o conde Fran-
    cisco Ziczy, o contra-almir e o conde Manua, de Bergamo.
    Para representar o hoverno italiano na ce-
    remonia fnebre foi nomrado o tenente-ge-
    neral Carlos Mezzacapo, commandante da
    cidade e da praca de Veneza.
    Da Russia tambem foi uma deputacao as-
    sutir officalmente s exequias de Maximi-
    liano Esta deput-<;o compunba-se de om
    coronel, de um major, de doas capites, de
    seis tenentes e alferes, de officiaes inferiores.
    cabos e soldados, ao todo trinta e seis pes-
    soas.
    Duas annexacoes.As ultimas noticias
    da Oceania nos informam das annexaces aos
    Estados-Unidos da ilha de Rrook, ba pouco
    descoberta no mar Pacifico. Foi o capitio
    Reynalds, do barco do vapor americano La-
    kawanna, que arvorou n'aquella ilba a ban-
    deira estrellada da repblica federal.
    A ilha de Rrook esl situada no centro da
    derrota que seguem os navios americanos
    que faiem a travessia da California para a
    China. Como sabido, foi ha seis mezes or-
    ganisada uma carreira de barcos de vapor
    entre S. Francisco, o Japio, Shang-bai e
    Hong-Kong. A travessia longa, eos bar-
    cos de vapor navegam a pequea velocida-
    de para economisarem o combustivel, de
    que nao poderiam prover-se em porto al-
    gum intermediario.
    D'ora em vant3 a ilha Brook servir de
    escala e de porto de abastecimento para os
    vapores da nova lioha da California para a
    Cbraa.
    Resultar aos Estados Unidos outra van-
    tagem d'esta annexcc3o, e vem a ser qae
    tero um porto seu, no Pacifico, que pode-
    r servir de ponto de reunio sua marinha
    de guerra e sobretudo sua frota de na-
    vios baleeiros.
    Etes ltimos, qne sao assaz numerosos
    no Occeano do norte, viam-se at aqui obri-
    gados a apenaren) parar a Honolul, alim
    de toderem emprehender trez campanhas
    succesfivas na pesca da baleia, e os capi-
    tes americanos queixavsm-se sem cessar
    das prepotencias das authoridades de Ho-
    nolul.
    Finalmente, todas as vezes que careciam
    de protecc3o, como ltimamente succeden,
    contra as exigencias da marinha russa, a
    qual se arroga o dominio d'aquelles mares,
    nao sabiara onde encontrar os vasos de guer-
    ra dos Estados-Unidos incumbidos de pro-
    teger os baleeiros.
    A posse da ilha de Brook vea a proposi-
    to para remediar estes diversos inconve
    niente3.
    A ilba nio tem importancia alguma agr-
    cola ou fabril; apenas posicio poltica
    Compe-se de dous ilheos, cuje solo es-
    tril e povoado por algomas arvores rachi-
    ticas. A agua s potavel depois de ser
    filtrada, e posto que as aves aqualicas ha-
    bitara de preferencia Brook's Island, os jor-
    naes de S. Francisco asseveram que alli se
    tem acbado pouco guano.
    Porm o que mais importa aos america-
    nos a situacio geograpbica da ilha eafaci-
    lidade com que a ella podem aportar os na-
    vios.
    pira (lioha pera) com a mi, e dando com nio bello nem generoso, conservar vaota
    um chicote que trazia, sem ceremonia pe- gens sobre o adversario-
    Mas o que prova todo esse palavriado ?
    nhuma, ligeiras pancadinhas na peroa direita
    A Sra. Caminiche estava sentada n'om so-
    pb e, para fazer alguma cousa, abaixava de
    vez em quando os olhos para um lvro que
    linba na mi.
    Minha senhora, dizia o Sr. Clarinetli,
    dou gracas ao co por ter deparado com V.
    Exc. V. Exc. rica, sei; mas quod abun-
    datnon nocet; e eu possuo tres milboes.
    Prova qoe a minha bitolla grande para
    a sua pessoa.
    A sua bitolla ?.. v! mas a sua cara ?...
    Explique-se.
    Eocarrego disso a minha mo.
    E atirei-a com toda a forca para cima do
    rosto do Sr. Clarioelti!...
    Che vuoil berrou o italiano. Ergueu
    que deponho respetosamente aos ps de V. |se e affastou rpidamente a cadeira do leito
    Ex;, com o meu amor.
    Creia, meu caro senhor, responden a
    Sra. Caminiche, deitando-me o olho de sos-
    laio, que ser para mim de mas valor a sua
    affeicio do que a sua fortona.
    Comove-me o interesse de V. Eic.
    Sei fazer distincc3o das cousas, e son-
    be ba apenas tres oras, disse ella acentuan-
    do estas palavras, qu to raro encontrar
    um homem delicad; aue quando se encon-
    (I) Palavra cabalstica.
    Aquello grito, articulado pela segunda
    vez, soou-me aos ouvidos, como o barolho
    de uma grande matraca. .
    Collocou-se no meio do q tarto, depois. I d esu i
    dante
    Dentro em]pooco, os Yankees hio de cons-
    truir all piers ou molbes, armazens para
    carvio de pedras; e essa ilba, boje deserta,
    oculta e selvagem, vira a ser um dos pontos
    mais importantes do Pacifico, commercial e
    politicamente hilando. .
    Se dermos crdito ao New-ZealaniUTi-
    mes, emquanto os Estados-Unidos estavam
    tomando posse da ilba de Brook, a Franca
    annexava a si a ilba Opara, sitoada a peque-
    a distancia das ujs possessoes das Mar-
    I
    Um vaso de guerra francs, o Latouche-
    Treville, entrou no porto de Opara e o rei
    Iba vendeu o seu reino ao comman-
    d'aquella corveta mediante alguns
    tracou com a extremidade de chicote, um "-- d""gurdente e alguns caixotes de
    Bm seguida ""i ue bandeira
    circulo, de que era o centro, uro seguioa ""'' l" ,I0" "A bandeira tricolor e a bandeira
    encreveu om certo numero de palavras, no ""nada'tinham do cadas, quasi ao mes-
    interior do circulo, disoostas em forma de ^mpoem Opara eem Brock's-Island.
    triangulo.- As leltras brhavam como car-,"" *
    VAAft flP*ftSO*l ^^^^^~t ____ i
    Eu, seguia-lhe os movimentos com toda a 'm. doimarw-ruauas crzbs a u

    ~-'-^mmimm^m


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID E4XJY0J6D_0S37TC INGEST_TIME 2013-09-05T02:38:18Z PACKAGE AA00011611_11503
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES