Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11475


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XL1V. NUMERO 17.
3J 91/ Ha. W

FAB.l A CAPITAL B LIC1BEN ONDE AJE NA* PAA rOBlt,
i aliuba'es...................S 6tf000
' L.: i. :. f. .. 12G00
.".> <** *' **>_ 24AXOO
:. 320
Pw eis tM iJem
Por na na, Mera
Caa lanera araba
i
*-w* MEARA FE1RA 22 PE JANEIRO DE 1868.
PASA
o
Par tra* ann attaatadoa
Par m ditei idea ..
Par MTa tos I4b ..
Par aa ana Maa ai
o m roa fta riOviNcu,
'' .'. r. t .. < r. .'. ... ..' .. T! M7M
.9> m .. *. .* *. .. 1 S506
* .. M .. ..
.. .. .. .. .. .. .. .,
ivasa^c-an si JpaaniimiBiw* o aMninpvo&ao di ihb-dm t&ftra&iaot oi jm Miaros, sito ipuipira^M3.
ENCARREGAD03 DA SUBSCRIPgAO.
Parahyba, o Sr. Antonio Alexandrrao de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
o Sr. A. de Lemos Braga ; Coar, o Sr. Joaquina
Jos de Qlfveira; Para, o Srs. Gerardo Antoolo
Aires A Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronyroo da
Costa; Alagoas, o Sr. Franqueo lavares da Costa ;
Baha, oSr. Jos Martin- A:- ; Rio de Janeiro,
e Sr. Jos Ribeiro Gas.-srr-h-
partida dos estafets.
Oiioda, Cabo. Escada eestacoes da via frrea al
Agua Preta, lodos os das.
Igaarass s Goyanaa oas segundas e sextas feiras
Santo Anto, Grvala Bezerros, Bonito, Caruar,
Altlnbo, Garanbons, Biqoe, S. Bento, Bom Coa-
sel ao, Agnas Bellas Tacaraiii, Das lerdas felrra?,
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, fetqoeira,
Iogjzeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis
ta, Murlcury, Salgaer- e Ei, oas qoanas feiras
Serlobaem, Rio Formoso, Tamaodar, Una Barrei-
re s, Agua Preta e Pimeotelras, as quintas feiras.
AUDIENCIAS DOS TRiBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quistas.
Relago: tercas e sabbados as 10 horas.
Pateada : quintas s 10 boras.
Juio do commercio : segunda* is II boras.
Dito de orpbos: lerdas e sextas s 10 horas.
Primeira Tara do eiraJ: cercas a sextas ao meio
dia.
Segunda tara do el ral : quartai eaabbadea a
1 ora da Urda.
EPHBMERIDES DO MEZ DE JANEIRO.
3 Quart erase, a 1 b.. 19 m. e 29 s. da m.
9 La chela as 8 b., e 19 s. da I.
16 Quarto ming. as 2 h., 11 m. e 15 s. da t.
24 La nova as 4 b., 25 m. e 50 s. da t.
MA 5 DA 8ZK NA.
20 Seg. S. Sebastiao n?., S. FabiSo p. m.
21 Tere. S. ignei v. m., S. Eplpbaaio.
22 Quart. Ss. V'cente e Anasuem no.
23 Qoint S. Ilderooso are, S. Ravrcnndo.
24 Sex. S. Tlmotbeo b. m., S. Brarcolino,
2o Sab. S. Ananias, S. Joventino ao.
2$ Domingo. S. Polycarpo b. m., S. Pau'a viuva
PRBArfAR BE HOJE.
Prlmeira as 1 ooras e 6 m. da tarda.
Segoad as 2- horas 30 minutos a manhia,
PARTIDA DOS VAPORES COsTEIROS.
Par o snl at Alagoas a 14 30; para o non*
at a Granja a 15 30 de cada mex; pan "
nando nos das 14 dos meses Janeiro, marco, i
julbo, setembro a novembro.
PARTE OFFIIAL
(iOVURXO DO BISPABO.
SEDE VACANTE.
Eipedieale do dia 11 de Janeiro de 1868.
Offlcio ao Exm. presidente das Alagoas.Toho
a boora de acensar receido com o offlcio de V.
Esc. de 20 do prximo passado, um exeroplar do
relatorio com o que o primetro vice-presidente, Dr.
Gaidino Augusto da Nanvidade e Silva, entregou
no dia 30 de julbo do anno prximo passado a ad-
ro mL-traro dessa provincia ai ex presdeme o
Exm. Sr. commendador Jos Jhrtins Pea-ira de
Aleocaslre.
Dito ao mesrao.Tenbo a bonra de acensar re-
eebido, com o cilicio de V. Exc. de 23 do prximo
passado, um exemplar do relaiono com qae o Sr.
Dr. Tnoraaz do Boralim E cmara municipal dessa capital, entregou no dia 6
de agosto oo anno prximo passado a administra-
do dessa provincia ao Exm. Sr Dr. Jlo Francis-
co Duafie, priraeiro vicepresidente da mesma.
13
Offlcio ao Exm. presidente desta provincia.-Em
resposta ao offlelo de V. Etc. de 7 do corrent', em
que mu pede qoe Indique um sacerdote para servir
de capelln no presidio de Fernando, visto haver o
RvJ. jesuta Cario* Candianl solicitado a sua exo-
nerjgao do referido logar, teubo a declarar que
procrarei obter um sacerdote as condlco>s exi-
gidas, o que nao me sera' faclfj alienta a defficien-
ca de sacerdotes para as necessidades da re-
liglao.
Sendo a oceapagio dos padres da companhii de
Jess mlssionar aes povos e douirina-ios, lora para
desejar que o Rvd. Caodiaoi contiouasse a prestar
ao presidio de Fernando os relevantes servidos e
trabalbos que all encetou.
Dito ao vigario de Agaas-Bellas.Havendo o
coadjuelor pro-parecho de Agaas-Bellas solicitado
com lustancia a sua sx:>nerago do mesmo logar
pelas circumslancias gravissimas que expSe no
offlcio que remeti em original e que V. S. se
apres.-ara' em devolver-me, haja de propor-me
qoanto antes sacerdote idoueo qoe va' tomar conta
da sua freguezia.
Dito ao vigario dos Afogados.Ple V. Rvma.
proceder ao casamento dos escravos Jos e Barba-
ra, aos quaes dispenso de apreseotarem as certi-
des de Daplismo, atientas as ratos* por V. Rvrra.
ei pendidas em cilicio de 4 do corrale, que Uea
assim respondido.
14-
Offlcio ao conego Antonio Jos de Souza Gomes,
cura da cathedral de i linda.Tenbo presente o
offlcio de 13 do correte, em que V. S. de novo
solicita a sua exoaeragao de cura dessa ca-
tedral.
Agradecendo a V. S. os relevantes servidos qne
preslou i igreja do de*sempenho das suas fonc^oes
paroebiaes, concedo Ibe a exenera^o soliclluda, e
nesta dala oomeio para o mssmo lugar o Rvm. co-
nego Ignacio Aotonio Lobo, .instando para qae elle
sem demora tome coota do curato, atim de poder
V. S. tratar quaoto antes da sua sade.
Dito ao conego Ignacio Anvooio L*fco.Teado o
Rvm. conejo Antonio Jos de Souia Gomes me pe-
dido a oxoneracao do lugar de cura da calhsdral,
nomeio a y. S. para o mesmo lugar, e espero qoe
qoanto antes procurara' haver da cmara ecclesias-
tica a competente proviso, aflm de, com brevidade
entrar no exerciciodas funcedes parcebiaes.
Dito ao conego Firmino ae Mello Azedo.Ten-
do eu approvado as comas qoe V. S. preslou como
fabnqueiro da calhedral, agora ib'as envo, e apro-
Teiio a occasio para agradecer Ibe os relevantes
servicos que na qoalidade da fabnqueiro tira pres-
tado a' cathedral, e espero que roolinaara' a pres-
tar, para a boa ordena e regulandade dos offlcios
divinos nesse templo.
Dilo ao vigario da fregoezia de Nossa Senbora
da Concei$o da Pedra.Para que eu po3sa conce-
derlhe a exooeraco de vigario encorameodado
dessa fregnezia, qoe V. Rvma. pede em offlcio de
8 do eorrente, a qoe respondo, lorna-se necessarlo
qne proponha sacerdote idneo, que se encarregue
da regencia da roesma. visto nao poder essa fre-
cuezia flear desprovida de pastor.
15 -
Offlcio ao vigario da freguezia do Pilar da Para-
byba.Em resposta ao seu offlcio de 10 de dezum-
bro, tenho a dizer-lhe qoe se, como V. Rvma. abi
declara.os estoleres nao exigem dos parochianos
1& por cada baptisado ou casamento, nao se pode
entender com elle o offlcio que dirig a V. Rvm.
em 14 de novembro ultimo.
lineado porm V. Rvma. que marcando os | 15
e 16 da tabella os direitos qoe os parocbos deven:
pereeber, jamis podem elles ser obrlgadcs a re-
partir com os estoleres taes direitos, qne exclusiva-
mente Ibes pertencem, enmpre dar-lhe a necessa-
ria explicacao, a qual todava se acha comida no
meo citado offlcio de 14 de novembro. Os estole-
res sao estabelecidos pelos parocbos para os ajoda-
rem na administrado dos sacramentos; e o que
elles (azem com a respectiva aotorisacao previa do
parocbo, se considera feito pelo proprio parncbo, e
portant) nao pode o povo ser sobrecarregado com
ootro ooas alera do que tem de satisfazer ao paro-
cbo, e esta' expressamente determinado por lei.
Os estoleres as fregoezias do campo sao nma es-
poeie de cooperadores ou administradores, que
costuma baver as {reguezias das cidades, os
quaes ajodando os parocbos as suas furjecoes,
destes e nao do povo qoe percebem a sua gratiQ
cacao. O parocho do campo nao pasta liceocas id
dividuaes para o estoler baptisar esta ou aquella
crianca : o estoier tem para isto licenga geral dada
pelo parocho, e portanto administra es sacramen-
tes em nome do parocho.
E' esta a reeposta qua tenho de dar s pondera-
les por V. Rvma. feitas do seu eitado offlcio.
Dito ao vigario da fregoezia de Campia-Grande.
Respondeodo ao seu offlcio de 12 do prximo
passado, dir-lbe bei que o sacerdote a quem sao
apresentadas as enancas para baptisar esta' a o to-
mado pelo parocho para baptisar naqueila fregoe-
zia, visto que deve pereeber to somente 1000
por cada um ; se nio estiver aolorlsado pelo- paro-
cbo neobuma qnesiao pode haver, porque eolio s
administrara' o sacramento precedendo a licenca
do parocbo, e os mil res que oeste caso pereeber
Ibe pertencem exclnstoamante.
Dito ao vigario da fregoezia de S. Caetano de
ipojoea.Devolvo Ibe os documentos qoe acompa-
nharam o sea offlcio de 9 do prximo passado, cojo
contedo, em lempo sera' tomado na devida eonsi-
deracao.
EXTERIOR.
Correspondencia da esquadra.
Curuz, 30 de dezembro de 1867.
Nos dex das decorridos depois da ultima corres-
pondencia que escrevi nenbnm facto notavel se
dea na esquadra, que se conserva oas mesmas po*
Sic5es em frente ao inimigo.
Aproveitara' ella a enchente para a passagem do
Humalta? Veremos.
A epidemia da cholera, qoe parela qaerer des-
envolverse nos navios, deciioou consideravelmen-
te, e na qoiozena Qnda apenas fex vinte e seis vic-
timas, em mais de 4,0^0 pessoas que nelles ba-
bitam. *
Tem prrjdudo muio bom effeito, principalmen-
te qaaodo applfcado do principio da molestia, o
licor hygenico, anle-cholertco de aspail, ao qual
os manoheiros ja' appeludaram o mala-cholera.
Os trabalbos da estrada de ferro pararam por
causa das chuvas, mas ella ja' esta' perto do acam-
pamento do bitalho 44* de voluntarlos (polica).
Cootiooam a apreseniar-se qoasi todos os dias
passadus do inimigo. N .s uHimcs qoioze dias a
esquadra encouracada receben 9. e em Tuyoly, s
bontem, apresentaram-se 5. Eslas desertes tao
frequentes sao a prova mais positiva que temos da
d-buidade de um inimigo que zomba de nos por-
que recaiaiaerfoieoiar ama accao geral e simulta-
nea pelo rio e por ierra, que seria o seu golpe de
graca.
Sei bem que arriscar o /oo pelo todo, e qne
do resollado desta aeco dependera o resultado da
guerra. Mas tambero observo qoe oio possivel
que nos conservemos em inaejao, a' espera de suc-
cessos lentos e Imprevistos, a* merc ioleiramente
do acaso, ou de combinaedes estratgicas que nao
attingem o Um propo.sto.
Cada dia qoe assim passamos nos costa, pelo
menos, 60:0003, e no estado actual de nossas fl-
nanea?, tamo nos prejudicar' um re vez, ao menos
glorioso, por ser um appello a's armas, como a Ira-
possibllidade de continuar a guerra por falta de
diobeiro.
Valha nos, pois, o arrojo militar, qoe justifica-
do, porque os generaes brasileiros sabem perfeiia-
meme qoe podem conOar no valor dos soldados e
marioheiros que commandao.
E* preferivel morrer de encon'ro aos baluartes
inimigos, ou voliarem a' patria com urna perna de
menos, ou um braco do que cahir aos golpes iral-
coeiros da cholera e de outras temiveis enfermida-
des, ou regressar ao paiz envenenado pelos mias-
mas paludosos qoe aqu se respirara, e que produ-
zem no 6ra de certo lempo urna morte tormentosa,
depois de abater as torgas, como o celebre veneno
dos Borgias.
Failou-se ba dias que o velbo Osorio ia mar-
char sobre Assuropgao com seis mil bomeos. Mojo
ja' nao se trata dd seroelbante coosa. Consta que
o Tebiquary esta' fortificado convenientemente; o
qoe nao de admirar; porque, como temos feito
sempre, ja' advertimos ao inimigo qoe libamos
voaiade de passar ptr all.
No dia 21 aqol chegou o monitor Para, o qual
foi experimentado no da 23, apresentaodo urna
marcha regular : a' foi enllocado oa vanguarda
dos navios de madeira, e honrou as bateras de Cu-
rupaily com suas bombas de 70. Fot uomeado
para commanda-lo o 1 tenente Castodio Jos de
Mello, offlcial iotelligente e bom arlilhe.tro, o qual
escapou do naufragio do encoaragado Rio de Janei-
ro, qoando este afuudou se em frente a Curm,
sendo seu 2* eoramandante.
No dia 22 descorara a Parnahyba e a Bebenbe
para Corrientes, com o ebefe Delflm, aun de pres-
taren) auxilio a's autoridades locaes, no caso de
realizarem-se o boatos de revologo que se tem
espalbado.
Quatro dias depofs.o ebefe Elfsiario foi tambem
aquella cidade, onde confereociou com o governa-
dor da provincia.
Tu io se acbava em paz, e Caceres eslava tran-
quillo na capital, ttabaihando a eu gite para
Vaaoar na eleifio de deput idos qae deve elTscluar-
se do Io de Janeiro prximo, e na qnal elle apoia
os candidatos d* Urquiza. Parece que uossos na-
vios se demoraro at que se termine este ne-
gocio.
Agarramos nma Branda cina paraguaya, em
perfelto estado, a qoal jnlgo que servia de deposito
de torpedos, por ter aiuda urna porgo de rame a
bordo.
Do corpo do exercito tivamos urna noticia das-
agradavel, cojos detalhes aioda nao sabemos, mas
o que ja* se coohece de urna manelra positiva,
que no dia 25, a's 2 horas da madrugada, o inlrai
go eonsegnio fazer-lhe ama sorpresa, matando as
seu ti aellas qoe eslavam de observagao no mangru
Iho, e algumas outras pragas, e carregando para
cima de 30 soldados prisiooeiros. Consta tambem
que cortarara o nosso lelegrapbo, e que o Sr. mar-
quez de Caxias perdeu um cavalio, e tevede andar
nos pantanos para nao ser envolvido pelo audaz
Inimigo.
Presmese que este ataque nao foi mais do qae
um reconhecimento, e cr-se que elle seja o prelu-
dio de algom acommeuimeato mais firmal.
O rio tem fanebido extraordinariamente, e amea-
ga inundar ludo. E' impossivel que nesta siluago
Lpez possa tirar grandes recorsos do camiobe qae
abri no Chaco.
Entreunto, em um jornal caricato qne apanha-
mos em urna garrafa, impresso em Passo-l'acu',
em bom papel branco, se v desenliado aquelle
terreno, com mallos Paraguayos a carregarem g-
neros, no qne se oceupam tambem as mulberes e
alguns carros. Era baxo desta sceoa animada se
l o seguinte dstico: Quando urna porta se fe-
cha, abem-se cem: Lpez nao perder'.
Na mesma garrafa acbamos duas traducgSss da
correspondencia particular do Sr. marquez de Ca
xias com S. M. o imperador. Evidentemente esa
correspondencia apocrypba, mas dizendo ibe en
quo aqni mesmo entre nos ba simplorios qoe que-
brara a cabega investigando c mo Lpez pode obter
copia dalla, digo-lhe qoanto basta para mostrar o
grao de credolidade qoe deve ter oblido entre os
Paraguayos esla pnblicjgao, na qual se fazo mar-
quez de Caxias eonfessarao imperador que o Para-
guay invensivel.
Tudo isto serve para revelar a astada, babilida-
de e energa com qoe o inimigo se defende, e que
contrasta sensivelmente com a simplicidaje, boa
f e lealdade com que Ibe temos feito a guerra.
Um dos pastados ltimamente conUrma que fu-
ram fuzllados seis ou sito Paraguayos por descoo-
llanca de que entretinham comaunicigoes c-.m os
qae se acbam em nossos navios por semelbante
correio.
O brigadelro Broce, ao pisar no Passe da Patria,
receben um lelegramma duSr. marqoez de Caxias
dispensando seos servigos. Esla noticia me foi
dada por pessoa fidedigna, qne vio a aflligo em
qoe collocoa aquelle despacho ao pobre militar,
que volta ao Rio de Janeiro oo transporte Apa.
O 1' lente Siepple tambem segae doenle no
Apa, tendo sido elogiado em ordem do dia pelos
bons servicos qae desempeohoa na esquadra.
INTERIOR
RIO DE JANEIRO
9 de Janeiro e 1868.
Entrn bontem do Rio da Prata com folbas at
3 do correte, o paquete francez Savoie da linba de
Marselha.
Relativamente a' noticia do tbeatro da guerra
apenas um telegrama de Buenos-Ayres para Mon-
tevideo aonuncia vagamente mais um combate cer-
ca Tuyn-Cu, que se diz ter sido-ama sorpreza
qae dos fez o inimigo, accresceaiando se que em
Itapir houve urna Inundagao que cansn seasiveis
perdas de ca val los, p#fto, etc.
Parece qoe em Corrientes bonve om metim
promptamenja suffocado por duas canboneiras bra-
slleiras que chegaram a tempo.
Um telebramma para o Siglo falla da morte de
um general nosso, em Corneales. Agoardavamos
alteriores Informagoes, fazendo votos para qae se
nao tenba dado o lacio.
Taes sao as ultimas noticias, tratando nnica-
rceDie de successos anteriores, e ja' coobeeldas al-
jamas correspondencias qae encontramos publica-
das oas folbas do Ro da Prata. Dit se abi que os
Paraguayos qae dos vieraro nltimameoie arrebatar
algumaa canecas de gadouassaram e repassaram de
noiieasavangadas sem serem presentidos. Suppde-se
que Lope?, f rt fiondo-se no Cbaei defroote de Ha-
maiu', tem p >r flra occapar ambas as margeos do
rio, para se nao denar eercar por tod s os lados,
e que ao mesmo lempo estt' formando nra grande
acampamento enlrincheirado a' fui de Tebiquary,
para oade leva grossas pegas tiradas da Assump
gao, allm de oppdr all oova resistencia e lo te-
naz como a de Humalta', no caso dos nossos en-
couragados fon; Tem este passo.
Accresceota-'se qae alguns trnsfugas para a
divtsu Portinbo revelaram a existencia de come
rosa cavalhada em Itapa, que pode servir para
remonta de forgas paragaa sobre o.Tebiquary ou mesmo a'qaem daqaelle rio;
Ceotioa a asseverar-se que Lpez, afim de po
der passar forgas para o Chaco, reconcentrava as
suas llohas da margem esqoerda, abandonando os
pontos avaocados, onde apenas deixava gurrdas
de observagao. Nao se diz, porm, que estes pon
tos tenbaro sido oceupados pelos adiados, o que
Ihes permiitiria encurtir a liaba do cerco, e trna-
la mais efflcaz portanto.
Refere-se como curiosidade que as noites de
luar os Paraguayos, occoltando-so cora as arvo-
res, veem aurar cora flechas s nossat seotinelfs
avangadas.
Como qoer que seja os exereitos ainados e'ta-
vam animados do melbor espirito, e os reforgos
que amiudadamente chegavam enviados d'aqui,
permltliriam tahez em breve eroprehender opera-
c5js mais decisivas. A projectada grande exped-
cao ao Chaco ou a' Assomogo parece ter sido
adiada, se que realmente se projeclava.
De Buenos Ayrea chega nos urna triste noticia
qae pode trazer porveulura algumas diffi.-.uldades.
O Dr. D. Marcos Paz, vicepresidente da Repblica
Argentina, talleceu do cholera-morbos do dia 2 do
correle. Immediaiameme se fez sabir om vapor
com aviso ao geoeral Mitre, coja volta a Buenos
Ayres a este successo bem poda tornar necessaria
Pelo raenos tal era a oploio de alguns.
A revolugode Saola F terminou, submett9ndo-
se o goveruador Orooo aos revolucionarios e re
onociando o cargo em D. Jos Mara Cuilen. Orooo
offlciou logo para Buen >s-A y res, dizendo que se
tornava desnecessaria a intervengao do governo
nacional, e os revoltosos oo contando com a eoo-
peragao de Urquiza, mostravam-se disposlos a ac-
coramodar se.
Api-zar disto nao se tinbam mandado dissolver
as milicias reunidas emS. Nicolao, as tropas do ge-
neral Paunero vmham em marcha para o Rosario,
e o governo central pareca insistir em >iuo o com-
missario nacional por ellenameado ioquerisse dos
successos occorridos naqueila provincia.
Em Buenos-Ayres turna recrudeseido a epidemia,
e o terror era intenso. Q.fhge.lo ja' invadir a pro-
vlocia de Eolre-Rios.
Em Monievtdo tomavam-se todas as medidas
possiveis para evitar a imroducgo do mal, qne
elfectvarneuie ainda nao penetrara no Estado-
Oriental. Um decreto do governo ordenou demous-
trages publicas d seotimemo pela morle do vice-
presidente- da ltopublici Araentiaa.
Noitclat do PaeiHeo rurarora qae a ravoiUflo
eooliouava a sustentar se no Per.
Na Colombia o general Mosquera foi sentencia-
do a' suspenso dos seos direitos civls e politicos e
a baniroento por quairo annos. Dizta-se que ira
para o Peni.
Pelo vapor Gerente, entrado bontem dos portos
do sul, recebemos datas de Porto-Alegre at 30 do
passado, Rio Grande 1 e Sama Catbarioa 5 do cor
rente.
O presidente da provincia de S. Pedro do Sul
mandara devolver ao commandante sui> or da
guarda nacional de Plratiny as cartas de iiberdado
ue diversos, substitutos da mesma guarda por nao
eslarem selladas nem recoobecidas as asignaturas,
quer oos paseadores das mesmas caitas, quer das
lestemunhas.
O capilao dd estado maior de segunda classe
Joaquim Antonio Xavier do Vallo lora nomeado
commandante da gnarnigao de Jaguarac, em sub-
liluigo do major Francisco Raphael de Mello Re-
g, que bassou a commandar a de Pelotas.
F.-a coodemnado a tres mezes de priso e multa
correspondente a' melada do tempo, o vigario da
villa de Taquary, por erlme de injuria contra o Dr.
Amonio Jos Pinto Jnior.
Trabara fallecido : na capital da provincia, o
capitn Francisco Candido de Campos, e no Jagua-
rao a agente do consulado francez Joo Bapusta
Menditeqoet.
O lornal do Commercio da' as seguintes no-
ticies :
c No dia 10 do eorrente parlio e S. Leopoldo a
expedico de mineiros de qoe ebefe o Sr. Felip-
pe Helm, e qoe se aest na a explorar a serra das
Lages, afim de descobrir minas de prata.
c A expedigo consta de vinte e tantas pessoas,
todas bem equipadas, armadas e munidas de lodos
os instrumentos necessanos, as;lm como de orna
portarla da presidencia da provincia, mandando
prestar-ibes aoxilie pelas autoridades.
i A bagagem foi conduzda por vigorosas muas,
e quando parti de S. Leopoldo, formava a exped-
gao urna verdadeira caravana.
i Os mineiros trajam uniforme verde com gola
de velludo preto, com a insignia de sen offlcio em
prata no fiambro.
Cs cheles e offlciaes trajam uniforme igui e
s teem pequeos distiactivos.
t A partida desles destemidos exploradores do
serio disperten geral entbusiasmo em S. Leopoldo,
e nma grande comitiva os acompanbou ate o seu
pnmeiro acampamento na Lomba Grande.
t Deus proteja a valente caravana, e possam os
toas irabalhos serem coroados de bom xito.
c No dia 14 do eorrente, nao se acbando em
casa o colono Lamberto Versteo, morador na colo-
nia de Santa Maria da Soledade, ouviram os vizi-
nhos gritos e choros na casa do mesmo coloco,
mas nao fiteram caso julgando que a mulber esli-
vesse castigando seus fibos.
c No da seguale, porm, acharara a easa de-
serta, imeiramente saqueada e o cbao eoberlo de
manchas de saogoe.
c Toda a familia que bavia em casa, constando
da mniber, de um filbo e de ama tilba, havia des-
apparecido.
c Achoa-se rasto de sangoe para o mato, e per-
segutndo-o, conheceram os vlzlooos que as infell-
zes victimas forara sorprendidas, e depois de ama
luta, levadas para o malo, por ama partida de bu-
gres selvagens.
c Conhecen-se perfeitamente o raslo dos bugres,
acbarara-se os lugares onde (Iterara fogo e assa-
rara jacutingas, de sorte que nenbuma duvida res-
ta acerca da antora do crime por parte dos sel-
vagens.
t Nem isto poaco provavel, porque ha seis
mezes qoe as immediagdes da coloola Nova Pe-
tropolis, Linba Feliz e danta Maria da Soledade,
vagam bngres qna apparecem de lempos em lem-
pos as partes habitadas.
( Sao os ltimos restos da tribu de Coroados,
de qae era ebefe o finado Cacique Braga, e qae
tem o sea domicilio habitual oas vizinbaogas do
arroio Torvo, e no chamado mato castelhano, e os
citados ndeos eolooiaes nio Acarara Hvres da
constante pongo de aggresso por parte dos selva-
gens, sem qne esteja aborta a estrada entre a Fe-
liz e a Serra, a qual acaba de ser decretada pela
assembla provincial.
c No correr deste anno ja' soQrea ara assalto a
casa do teoleiro Miguel K^rber, em Nova Petropo-
lls, e qoeira Dos qae mais desgragas nao tenba-
mos a lamentar a tes que a dita estrada que aira-
vessa os matos qae servem da asylo aos bugres es-
teja prpmpli.
Alguns rripohntes da eanhoneira ingiera Lin-
el fjradx sexta frira ultima (20) para a Pont?
Rasa, di-taoie desta capital onafo leguas, a caga.
Noaabbado, porem, andando elles oceupados
no seu divoriimeoto, arrombaram om careado de
urna pobre familia dall. A dona da casa salva
coro om fllho peqoeoo ao eolio, qoaodo urna bala
entrn no peilo, sabindo pelas costas da desdilosa
cranga.
Os fnglezes nao se perturbaran), e quaodo o
affl>cto pai Ibes fatia notar a soa obra, limttaram-
se a dizer que tinham atirado aos passaros, deso-
jando saberse elle tinha ovos a' venda. >
Chimada a onlca aolondade do lugar, o ins-
pector de quarteirao, dise qua nada p)dia fazer,
porque oa causadores do sioislro erm e3tran-
geiros.
Os Ingletes regressaram domingo muite a
gesto paradla cidade, e ni dia segrale la*se fo-
rara caminho do Rio Granda, sem que ao menos se
comrounlcasse o facto as auioridades superiores.
De S. Borja escreverara em 2 de dezembro a'
supravjtlada (olha :
Hontem das 9 3810 hjras da manha transpoz
O Uurguay um continget.ia de 100 pragas de in-
famara montada, par se ir unir a' orga do briga-
dero Portioho em Aquapehy.
Passaram muiiissimos satisfeitos, dando vivas
e Uros do meio do rio; a gente boa, bonita, bem
lardada e melbor armada, conduzado tambem urna
excedente cavalhada.
Apezar, porem, do eothusiasmo na primera
noite desertarara do outro lado qoatorn soldados.
Todos os do quartel geoeral incluso o Sr. ge-
neral esto bons.
O major Salgado tem se tornado objeeto de
nossas sympathias.
Creio tjoe oo da 4 ou 5 devera' seguir em-
barcado al Uraguayaoa o Sr. general, donde, ^e-
gundo oovimos dizer, comiouara' sua viagem pa-
ra as frooleiras de Sant'Anna, Bag e Jagua-
ro, ff..
O toDOQte Neito dave seguir por tirra com o
piquete e a cavalhada.
E nos ja' estamos de escaler promplo para ir-
raosat*' Cachoelra do Butuby, oole encontrare-
mos o vapor.
L-S4 no Diario do Rio-Grande:
Chegou no Apa, com destioo a' corte, o Sr. Dr.
Joo Jos do M)utu Jnior, secretaiio da provioci,
consta ler pedido sua demissao, em cooseqaeocia
de divergencias qne leve com o Exm. Sr. Dr. Ho-
rnera 'O Mello.
No da 1 do correle chegou o vapor Presidente
conduzindo a reboque e trouitor RioGranle, e
voilou no dia 2 para Santa Caitoarina, onde ja' se
achava na ultima data, aOm deconduzir para o
Rio da Prata o monitor Alagoas.
O RtoQrande devia largar para o mesmo destino
rebocado pelo Jagaara).
Em Santa Caioarioa nada occorrea digno de
mengao. ,
Por de'eretos tfoR do correle :
Foram refrmalos, na conformldade das dispoai-
gdea do % i* do art. 9> da le n. 613 de 18 de agos-
to de 183, o tenente coronel B-oto Jos Gongalves
e o capuo Antonio Marques de Souza, 6sle do 15'
e aqoelle coraroandaole do 8" batalhSo de infama-
rla, visto soflVerem molestias incuraveis, que os
tornara incapazes do servigr.
Concedeo-se ao 2" cirurttio do corpo de saude
do exercito, Dr. Seraphim Luiz de Abren, a darais-
sio que pedio do servigo do mesmo exercito.
Por aviso datado de 31 de dezembro do anno
prximo passado, declarou se que as pragas de
qoaiqoer corpo ou goaroigao da armada, nao po-
dem fazer peligSes conectivas.
coosequ-ncia de molestias adquirida* em campa-
nba, &5 raeosaes.
No dia 5 do crreme, s 7 horas da lar Je, foi
recebido em audiencia publica de apreseotigao. por
S. M. o Iraserador, o Sr. Ceorge Bockley Matbew,
qne.no acto de entregar ao mssmo augusto seohor
as suas credanciaes da enviado extraordinario e
ministro plenipotenciario de S. M. Brilannica, pro-
ferto a seguinte allocugo :
Senhor. Tenho a honra de depositar oas
mos de V. M. Imperial urna carta da raioha mi-
nba mu graciosa soberana, acreditando-me como
enviado extraordinario e ministro plenipotenciario
na corle de V. M. Imperial.
A rainba e o governo de Sua Magestade mutio
desojara manter e promover as mais cordiaes re-
lajo ?s entre o Imperio do rasll e a Gr-Bretaoha;
e posso asseverar a V. M. Iraperial que sera' meu
constante empenho cumprlr as inslruceoes de Sua
Magestade a este respeito.
c A constitnigio liberal deste grande e crescen-
le Imperio estabeleca urna afflnidade natural eom
a Gr-Bretanha, onde existe urna base semelhante
de liberdade coasiiiocfonal, e as mostradas medi-
das adoptadas pelo governo de V. M. Imperial pro
movem e augmeotam os seolimentos de respeito e
affeeto de meas coocldados residentes no Brasil
para com esse palz.
Esiabeleceodo a minba residencia nesta bella
e bem regulada capital, que tanto deve a' cuidado-
sa Iniciativa de Vossa Magestade, confio qae ser-
me bi licito expressar o mea profundo reeonbeci
ment) pelos favores e protecgo qae tra reeebido
os subditos de Sai Magestade, o mais espacial-
mente allud'r a' brilhante recepgao e cordial aga-
zalho dado a S. A. R- odnque de Edimburgo na sua
recente visita ao R i Os subditos de Sua Magestade nos paizes ad-
jacentes, bem como oeste Imperio, devem natural
mente ter visto eom orgnlbo e prazer esta prova da
estima qae sai venerada soberana recebeu de Vos-
sa Magestade, e considerme feliz por assim poder
expressar os seus sentimenlos para com V. M. Im-
perial.
Sua Magostada o Imperador responden nos ter-
mos seguintes:
c E' eom o mais vivo prazer qne recebo esta
iova prava da ami ade de micha multo querida
rma a rainba de Inglaterra, e a expresso, do quo
e la vos encarregou, de seus sentimentos para
commigo.
Espero, Sr. ministro, qoe contribuiris para
estrenar cada vez mais os lagos to atis o tao es
treitos qoe ligam os nossos dous paizes.
- 10
S. M. o Imperador, acompaohado dos seas se-
manarios, visitou Dootem as offlcioas de machinas
do arsenal de marinba, e as libas das Cuchadas e
dos Ratqs.
Por decretos de 8 do eorrente foram concedidas
as seguintes pensoas por servicos prestados na
guerra actual com o Paraguay.
A O. Mariana da Resurreigo Vieira, vluva do
alferes da companbia fixa de Sergipe e tenenie de
commisso, Francisco Severiano Benlcio de Car-
valbo, fallecido em conseqneocla de ferimeotos re-
cibidos em combate, 24( raeosaes, sem prejuiso
do meio sido qae Ibe competir.
A D. Joaquina Rodrigues Mala Flalho, viuva do
alferes do 45* corpo de voluntarios da patria Fran
eisco da Silva Fialuo, fallecido em coosjsqaeocia
de molestias adquirida em carapacha, 36 mea-
saes.
A. D. Ernestina Henrfqaeta M miz Bahlense, via-
va do alferes do 54 corpo de voluntarlos da patria
Jos Daocleciaao. Martins Bahiense, fallecido em
Por decretos de 4 do crreme :
Fw privado do respectivo posto:
O major ajodaote d'ordens dr> enramando supe-
rior da guarda nacional do municipio das Barras,
da proviocia do Pauby, Candido-Jos de Oliveira,
por se nao ter apresentado fardado e prompto
para o servigo no praso legal.
Foi reformado :
. Adiodio RiymuodoSaraiva, capilo do 5* bata-
U>3o de infamara da guarda nacional da provin-
cia do Piaoby, oo posto da major.
Coocedeu se a Caodido Jos ll'rrasto Moasinho,
capiuo reformado da guarda oaciooai da provin-
cia do Puuby, melhoramenloda reforma no posto
de major.
Teve merc da serveotia vitalicia :
Antonio Borges da Silveira Lobo, do offlcio de
tabelliao da notas do termo-da capital da provin
eia de Pernambuco.
Por decreto da 7 do crrante, foi concedida a
Gamillo Primo das Chagas, exoneragao do lugar
de ajudaot dos escrives do almoxanfada de ma-
rinba da corle, como pedir.
Por decretos daudo-s de 8 do corrent, foi exo
nerado Jo- Joaquiradi Fouseca e Cuoha, d) lu-
gar de pagador da pagadoria da marraba, e no-
meado para subslitui-lo Joo Ribeiro dos Guima-
raes Pe x oto.
Succnrabio ante-hontera, as 10 boras da noute,
a um ataque de eougesto cerebral, D. Jos Cuyas,
desventurado obefe da familia Cuyas.
O inste veloo, maior de 69 annos, nao pode, em
tao avangada idade, resistir a tao duros golpes da
sorte.
Tendo sabido tranqaillo de sua casa na tarde
do da 5, oo foi sem o mais violento embale que
ao regressar DOite, eootftrou sua roulher e 0
Ibas feridas por um malvado, a quem por muito
lempo abrigara, proteger e al livrara da aegao
dajusliga, por occaslao de um crime de falsifica-
gao por elle comroetiido.
Os Srs. Drs. Moraes, Al ves e Vilbeoa procura-
rara com os mais promplos e desvenados cuidados
salvar o pobre velbo, q-ie, apenas soube da des-
graga qua Ibe sobreviera, comegou a sentir inten-
sa Tabre, mas ludo foi em vio : a provago era
dura da tois.
Duis, pois, das victimas do assassino Monetta
j suceurnbiram e o aut >r de tanta cruetdade, sen-
timos diz lo, ainda nao foi capturado, apezer dos
esorgos empregados em persegui-lo.
-II-
Do Rio da Prata entrn bontem o transporte S.
Jos com folbas at 5 do crreme.
Tioba chegado de Curuz o tran^oorte Apa com
datas do iheatro da guerra at 30 de dezembro,
mas as olbas nao Dio noticias algumas trazidas
por elle, cootentaolo-se com dizer que nao bavia
novidade.
As ulnjas correspondencias publicadas chegam
a 27, e em seguidi transcrevemos duas que refe-
rem alguns pormenores lotsressaates. Se, como
o'oraa deltas se diz, fosse possivel achar passagem
para alguns monitores pelo rio do Oaro para o
Vermeiho, compreheude-se a grande influencia
que isto jeria para mais prompta conclaso da
gaerra.
Qoasi desden comego desta se aventn a idea
de abrir por all um canal que desse passagem a
toda a nossa esquadra at cima de Humait ; a
esperanga, porem, de a lodo o momento esraagar-
mos o p.Jer do despota paraguayo nuoca perrait-
lio qae se empreheodessem obras, cuja execogo
padesse consumir alguns mezes.
t Corrientes, 27 de dezembro de 1867.Se se
pode dar crdito as loformagoas que teoho a mi-
aba dlsposigo e s cartas que hontem recebi, pa-
rece que a columna expedicionaria quo marebou
debaixo das ordeos do general Menna Brrelo ao
interior do Paragaay nao ple at agora passar o
Rnbicon (rio Tebiquary).
c Este rio, ara dos principies da repblica do
Paraguay, parece estar destioado a jogar ura pi-
pel mais imprtame do que se jolgava ba um
mez. Parece qua as ribairas do Tabicuary sao
pantanofas em quasi toda sua extensao, e s- men-
te de distancia em distancia possivel a passagem
de nm corpo de exercito ; porem parece tambem
que os lugares por onda se pode penetrar esto
defendidos cora reductos qas-dificultara a passa-
gem.
< U 'aas sera o as forgas de qae Lpez pode di s-
pr Oo outro lado do rio ?
< Tal o problema para rrsdver.
Uos algara que Lpez nao pode ter alli mais
de 2,000 homeos; outros que no meu coaceito
exageran), elevara este uamero a mais de 6,000.
Quem ter razo 7 Nao sei, porem o que creto
qoe os nossos gaoeraes se vero obrlgados a for-
gar a passagem do Tebicaary e internarse no Pa
ragoay para impedir Lpez de abastecer Humait
porque duvido que seja verdade a impossiblidada
em qne esla' este dereceber vveres pelo Chaco.
Se os nao recebe, sera' obrigado a marchar
para o interior e cmegar ama gaerra de recursos
at qae Humait" se reade pela fome.
< Nesles oltimos dias dous destacamentos com-
mandados om pelo coronel Corre e outro pelo
major coronado voliaram da soa expedigo, tra-
zando cerca de mil cabegas de gado vaceura e
trezentas eguas.
i O movimeoto da esquadra que annunciei oa
mioba ultima correspondencia nao se fez; parece
que o almirante esta' convencido da impossibili-
dade de operar.
t Dizem, mas nao o afflango, qae doas moni-
tires vo sabir o Riacho do Ouro, qae se assega-
ra commanica com o Rio Vermelho. Se esta ex-
pedigo praticavel, sera' de immensa importan-
cia, pelo facto s de Lpez oo poder contar mais
com as forgas qae lem do outro lado do Tebi-
caary, e a comoauicago com o Chaco ficar para
elle completamente intil.
Em doas dias o rio sabio mais de doa9 me-
tros e promette om crescimento extraordinario ;
isto favorecer quiga' os projectos do almirante,
fazendo mais navegavel o Riacho do Oro para os
navios encouraga dos.
c O estado sanitario da esqoadra e do corpo
expedicionario do Chaco excellente. Nem um
s caso de cholera I Succede o mesmo nesta ci-
dade e ne exercito.
t Propalaram-se boatos de revolagio nesta ci-
dade, e o marquez de Caxias envin em seguida
tres canboneiras com tropa de desembarque, para
proteger aqu os numerosos estabeleclmentos bra-
sileiros.
t Tuluty. 27 de dezembro de 1867.As exped-
gdas ao ceBtro da repblica tem dado bons resal-
tados. Regressou Coronado trazendo de 800 a
900 cabegas. Estamos de bola. Corooado fez
ama exc.urg.io sem encontrar no sea trajecto tor-
ga alguraa lolmlga. Se este ebefe tivesse levado
1(0 boraens mafs, de certo leris realisado sna
idea : trazer alguns milhares de animaes de to-
das as classes. Percorrea nm dos departamentos
mais ricos em fazeodas; porm, como deixo di-
to, levava pooca genta o o deparlamento de Ta-
qaaras moito exteoso.
s O coronel Correa tambem regresson, e ja se
deve sappr que dSo voliou com as mos vazias.
Este valtnte chefe nao.se demorn na sua marcha.
Che.goa ao Tebicuary e apezar de alguma resis-
tencia qae Ihe fizeram as partidas observadoras
qae f ercorrem aquella margem do rio, abri nm
tntalo e laogon se ao ootro lado, pondo em ver-
gonbosa fog os Paragoayoa. Trai moito gado.
O monitor ja a faz sentir sobre Humait -
cortoo orna cade que tiobam eollecado eolre Cu-
rupaiiy e Humalta' mais prxima desta fortaleza
e man distante a Corupaity. B*ta a nova que
nos acaba da chegar da cima. Que fazem ca cin-
co monitorez qoe nos annuactarara deviam che-
gar P Venhara pow de urna vez abram o passo a
cooclna se a guerra e esla aborrecida campeona.
Nada importa que o Tebiqoary estsja foruflea-
do. Corre sabe por onde se pode passar. Pique M-
vre o rio Paragaay, feche se a desembocadura d
Vermelho, e ajustaremos coalas exactas.
Chegaram os transpones Anuo e Go/po com
1,300 horneas. A 25 desembarcaran, bem vtatioos
e muoicados; trazem soa linda banda de msica,
e booiem desembarcavam os pelrechos de todas as
classes para a gaerra.
O marqoez de Caxias est om tanto desgosto-
so, e com sobrada razio. Urna guarda avaocada
de Brasileiros deixoa se sorprender por estes dia-
bos de Paragaay js, qae Bao comem nem beber,
i mas estao sempre lesios e em continua aegio. Ver-
dade seja que qaaodo do tambem apanham, po-
rm para isto de sorprezas sao aodazes, casi o
qae costar.
Estado sanitarioassim, assim; nada mais.
A cholera nao quer deixar-oos de todo, ba aioda
alguns casos. Alguot de typhos e tambem alg-oma
coasa das pragis deste eadiabrado paiz que sao
mais que as do Bgypto.
t O rio cresce extraordinariamente, e tanto qne
j repreza e forma barra ao rio Paragaay, oas Tres
Boceas.
Cartas particulares da esquadra al 20. nio hi-
lara deste feito aqu attriboido ao monitor. Dio-o
apenas ebegado a Curnz, onde seguramente
aguardara os outros que se ibe deviam seguir, pa-
ra juntos forgarem o passo de Curopaity.
Referem as mesmas cartas qoe o geoeral Menna
Brrelo nao temara at(avessar o rio Tebicoary por
haver encontrado a passagem defendida por uns
2,010 Paraguayos com algumas pegas de arlilharia,
econfirmamofiiclo.de haver sido sorprendido
baialho nosso cerca de Tuy Co no dia 26, mas
sem soffrer perdas de Importancia.
Cralirma-se infelizmente a noticia da morte do
marechal Lopo de Alraeida Henrique Botelbo da
Mallo (jul accresce aioda a do teen: coronel
Carvalho, do corpo de eDgenheiros.
Relativamente a' provincia argentina de Santa
F diz-se que tendo do o commissario nacional
Pico urna conferencia com o novo goveruador Cul-
leo, declarou qoe relirava a sua Inttrvenclo. As-
sim ficon all ludo em paz, e o amigo governador
Orono ja se acbava no Rosario.
Em Buenos-Ayres principiava ootra vex a dimi-
nuir a cbolera-n erbus, que recrudescia porm nos
campos, e fazia grandes estragos em Cordova.
O enterro do vise-presidente Dr. D. Marcos Pax
foi feit i com grande pompa, concorrendo todos os
ministros, funecionarios publiaos, tropa e omita
gente de todas as classes. Estiveram fechadas as
repartigdes publicas e casas de negocio.
De Montevideo oe ba noticia de importancia.
Por aviso de 8 do correte declarou se que os
commissanos e escrfvSes do enrpo de fazenda da
armada, qninda promovidos a' gradaagao do posto
de capiao-tanente, leeo direito ao respectivo sold.
Aote-hontem s 2 horas da tarde, foi encontrado
com um profundo golpe no pescogo, na casa da roa
da Uruguayaoa n 18, o cnonlo da noma Castodia
Jos dos S.itit s, natural da freguezia de Iraja*.
Tendo comparecido imraediaiameota o subdele-
gado do Io districto da fregoezia do Sacramento e
o respectivo medico v rifieador, proeedeu-sea cor-
pode delicio no tendo, que foi logo remettido para
a Misericordia.
loformara oos qne Custodio entretinha" relagSes
com a parda livre Carolina Rila Rodrigues, mora-
dora naqueila casa, e que tendo ido procura la, en-
trara paraum quarto, ondea esperava, qoaodo foi
de rpente aggredido por um cabra-escuro, que
armado de orna navalha o ferio oo pescoco e fugio.
A polica prendeu para averignages a parda Ca-
rolina Rita Rodrigues, livre, e Josepha, escrava da
Juvencia Maria da Cuoceigo, o crlou'o Antonio,
escravo de Caetaoo Jos de Miranda, e Maooel
Francisco Vianna, sendo este ultimo posto em II-
berdade logo depois.
O preto Antonio achava-se oceulto em urna espe-
cie de forro da casa quando se deu o crime, e re-
celando, secundo declarou no interrogatorio, ser
preso, alli deixoo-se flear, apezar de ter a autorida-
d-i mandado fechar a casa, cujas chaves guardn :
mas vendo qne maguera alli voitra at a' noite,
entrn a bater oa parede, o que semindo os visi-
nhos, foram dar parte ao subdelegado, que veio de
aovo e elTectoou a priso.
A polica trata de prender o delnqueme.
12 -
Por decreto de 11 de Janeiro eorrente foram no-
meados, era atteogio a servicos prestados em rea-
cao a' guerra actual com o Paragaay :
CavalMros da ordem da Rosa : Joaqun) Jos de
Barros Viaooa e Autraio Piolo Ferreira.
Cavalleiro da ordem de Christo : Nicolao Rodri-
gues de Lima.
Foram coocedidas as seguintes peusoes, por ser-
vicos prestadas na gnerra :
Ao cabo de esqoadra reformado Jesnlno Paulo
Bispo, ferido em combate, 500 rs. diarlos.
Ao anspecada do 5' bitalho de infamarla Asea-
nio Antonio Pires, ferido em combata, 500 rs. dia-
rios.
Ao soldado do 23. corpo de voluntarlos da patria
Joao Baptisia Alonso, ferido em combato, 400 ts.
diarios.
Foi concedida dispensa de lapso de tempo ao Dr.
Propicio Pedroso Brrelo de Albuqaerqao, afin de
poder tirar alvara' do foro de fidalgo cavalleiro da
casa imperial.
Por cartas imperiaes da mesma data foram na-
toralisados :
O subdito allemio Carlos Koseritz e o soisso
Emilio Gaberel.
Em aitengo aos relevantes servlgos prestados
na guerra actoal contra o governo do Paragaay,
pelo teneate do 29* corpo de voluntarios da patria
Antonio da Silva Mello, Ihe foram concedidas as
honras do posto da tenante do exercito por decreto-
da 11 do correle.
Hontem, s 4 para 5 horas da manha, foi final-
mente efieciuada a priso de Heiior Monetto, o au-
tor do atteotado da ra do Rosario n. 113, na tarde,
de 5 do eorrente.
A's acertadas e bem dirigidas providencias to-
madas pelos Drs. 1* e 2* delegados, a quera con-
fiara o Sr. desembargador chefe de policio too me-
lindroso servigo, eoadjovados poderosamente poto
teneote Campos e sens agentes particulares, lve-
se o bom xito da diligencia que foi plaoejada e
posta em pratica da manelra segointe :
Sabeodo o Dr, 1* delegado qoe Monelta tinha re-
lages de amizade com um individuo morador a
ra de S Jos, e lembrando-se de que poda este
corresponder-so eom aquelle, procuron vigiar-Iha
a casa afim do por este meio observar se com ef-
feito havia commooicacio entre os doas. Nao se
engaoau o Dr. 1* delegado, pois ante-hoolem no
correr do dia velo a'qaella casa um bomem cem.
urna carta, que sendo interceptada e depois aborta
em vnude das respostas do portador, as qaaes
eram convincentes da verdade das conjecturas do
Dr. 1* delegado, revelan que e escondrijo do crimi-
noso era no hotel da Italia do Jardlm Botnico.




*

Ai.
5TT
i.
'i.....->


i m. onwtux s t \ nnt
Marte ererauBkv
qnurla IfIra ti de aaelro de 1868.
1 '*"
ti (
-
Na mesan Urde para alH segolraes tartas agavj Dontdsno Aaacto hm, Jasonim Alexandra
tes de polica, ora passeio naquellas paragehs. Acoropaahavam- da eommisslo de'beoeBwticia:
oadoulore*x\melm
os, dirigindo a dlPgeuci, .
segundo delega-'ts, seguidos do teoswe Lampos-
Chegadoa.sindicada all enlrarara, e duarga-
damente conseguir percorre-' nuasi toda, e a
ebaear, e reconbeceodo eulao o primeiro delega-
do que a torga de que disponham era losoffleieo-
te para a cercarem complttamvote, vottotr a ci-
dade, de oode fet segur pera aquella destioo
maiscincoeota pragas de-tafantarla e vate de ca-
vallarla.
As tres horas da rnaabia entrara os che fes da
diligencia cora toda a torca palos dous pones la-
Sabio Aaicete.Rosas, Alberto Vlcter Gooealves
da Fooceca e Pedro Nuao Alvares Jardim mea
bros da coraroisso artstica.
tVore'hiiuO Jos Pedro Montenegro, eooselhelro.
Antonio Luu Gomes dos Sanios, thcsourero.
Commlssio de conta.CUrindo Jos de Leraos,
Joo Gualterio de Queiroz Peganha e Fraaciscu
Jos Ribelro.
14
Sua magestade o Imperador, acompanbado dos
seos semanarios, visitn hontem as offleluas de ma-
chinas do arsenal de roaiiuha, os navios em coas*
guez Luzania e a fortaleza de Villegalgnon.
Por cata Imperial de i 1 do corrale, foi comeado
secretario do governo da provincia da Parahyba o
bacbarel Vicente do Reg Toscano Brrelo.
15
Eolroo hontem do Rio da Prata o transporte Apa
com folh-s de 8 do corrale.
As noticias por elle irazidas do theatro da guerra
com dala de 30 do pascado ja nos eram conhecidas.
Depois, diz am telegramma de Buenos-Ayres, che-
gon de Corriente* o vapor Venezia, mas sera aova
alguma.
Na provincia argentina de Santa P os negocios
toraaram a mudar de (ace. O novo goveraador
Cullen reouocion restituiado o governo a Orono, e
os revolucionaras do Rosario, presentindo perto o
general Paumero com 1,800 homens, submetieram
se. Os da capital de Santa F, porm rejeitarara
a amuystia oSorecida per Orono, e asslm talve u
vesse de levar-se a effetto a interveogo nacional,
para o que continaav* a eoaeenlrac.au de milicias
em S. Nicolao.
Os de Satla F a sen turno ameagam nina lo
vaso da provincia d Bueoos-Ayres, e ditiam que
contavam com o aoxiliu de Eutre-Rios.
Era isto mais um motivo para apressar a volta
do general Mitre, esperado em Buenos-Ayres at o
dia 12.
Relativamente ao cholera-morbos as noticias an-
da nao sao boas. En Cordova u fl.gello lana es-
tragos hurrivels, ebegando a morrer dtenlas pes-
soas em um s da.
Por decretos de 8 do cerrente.
Foi nomeado :
-Antonio Jureira Lemos, tenente-coronel com-
maudante do batalhiio de Infamara n. 10 da guar-
da nacional da provincia das Alagoas.
Tuve n:ere da seraosla vitalicia :
Joc Ferreira da R .cha Fruta, ao fleto de es-
crivo de orpbaos do termo do Sobral, na proviucla
do Ceara.
P.r decreto de 31 de dezembro ultimo, cooca-
deu-sa ao segundo cirnrgiao do corpo de saude da
armada, D'. Galdioo Tobias do Limos, dotoisso
do servigo, era eonseqaeneia do mae estado de sua
saude.
Por decretos de 8 do correte mei:
Foi transferido da segunda para a primeira das-
se o prirai ;ro teneote da armada Henrique Messe-
der da Rocha Freir.
Concedeu se ao Dr. Francisco Pinh-iro Guima-
res a exonerago que pedio do lagar de primeira
eirurgio do corpo de saude da armada.
Maodou-se levantar a clausula com que Henri-
que Fausto Belhatn fu promovido ao posto de se
guado lente da armada, virto ter satisfeito as dis-
positSes da le.
O mon. r Rio Grande do Sul tinha chegado a
Montevideo rebocado pelo vapor Jaguarao, no da
6 do correte.

(ta
Ji
D ARIO DE PERNAMBUCO
teraes, e estabelecoraai o careo do terreno em qae | truegao ueste e na ilba das G bra, o vapor porta-
est' situada a casa, sendo ento encontrado na
ruinera e nma crianga que foram argidos, decla-
rando o meniau que Heitor acluva-se na casa, o
que era negado pelo bomera.
As cinco boras, clareando o dia, dirigiram-se as
autoridad, s a casa, ende reina va campleio silen-
cio, bteram; aeparecen-lbes a dona do hotel,
a qnal declaroo que o criminoso all eslava, pe
dindo tarub-m qaa a deixassem sabir visto como
receiava SiT per elle aggredida, o que lbe foi per-
ai trido.
Eolio proeedeu-ae ao arrombamenta das portas,
a corrida toda a casa nao foi encontrado Monetu,
visto ; reeenendo iatimgao para entregar se, de-
laroa qne o fazia sem resistencia, e saltando para
o cbio, foi l-igo seguro por um dos agentes de po-
bata a depois or outros, com os quaes seguio em
um carro para a cidade, sendo imoiediatamente
recolbido ao xadrex.
Do Interrogatorio a qne se procedeo, e coja co-
pia foi DOS obsequiosamente facultada, exta! tos
a parte qne pensamus poder iut;ressar aos nossos
tenores, e qne a segoiote :
Heitor Moaetta dectarou ser natural de Milo, de
33 annos de Idade, soltelro, drj^, isla, morador no
hotel Tuulouse; que ha muito lempo se achava
contralado para casar-se coin 6. Genoveva Cuyas,
e que por essa raiao nao so empre>tou por diTe-
reutes veres qeaalias ao velho Cuyas sen pai, como
aliiwameote fomecen-ihe a importancia de 1:059
para a compra da casa de pasto da ra do Rosana
n. 114, coja despezas de ornecimento adiantou
sor am ra-.
Que da certe teropn para ca' notou crio arrere-
Imenlo as relagoes da faa.ia Cuyas, e poroso
foi levado a tornar mais raras snas visitas. Qjo
vlote dls poueo mais ou menos, antes do I do
pelo qaal etta* preso, delxou de ir a casa de Cuyas,
a qaal nesse iniervallo o foi buscar por quatro ou
einco vezes ao hotel, a pretexto de ajuslar sua?
onts cora elle.
Que cada vez mais apaixonado por 0. Genoveva
Cuyas, empregava todos os metos para a realisa-
gio de seu projeclado casamento, e vendo cada
dia surgir um novo obstculo a realisago desse
desejo, resolveo terminar de ama v.zcom esse ne-
gocio, e para esse flm diriio se no dia 5 do cor-
rente, das 5 para as 6 horas da tarde, a casa do
Alexandriaa de tal, visiuh da familia Coyas; que
all colgando mandn pedir a D. Genoveva que
Ihe fosse fallar acerca de seu casamento, ao qu-
esta responden que eslava impedida, e nao qacria
fallar Ihe.
Que elle esperoa ma's meia hora, e depois tot a
casa de Coyas, lendo deixado na casa da referida
visinba tres biihetes para a representado no Al-
cazar aqnella noite e urna cana dirigida a D. Ge-
noveva.
Que entrando em casa de Loys, encarainhou se
para a collona, otde se achava a velha, e pergan-
tou-lhe se o casamento com sua Qlba realisar-se-
aia ou nao, e tanto hastou pira que prorompesse
aquella em insultos contra elle.
Que chamaodo D. Geaoveva, que se achava ca
sala, e faieudo Ihe a mesma perganla. neuhuma
resposta obteve, porque D. Genoveva conservava-
se moda, ao contrario de sua mi que repeli os
mesmos insultos comra elle, que hallucinado e
fra de si dra>lho urna bofetada.
Que observoo anda a velha Cuyas que ernquan-
to tioha dinheiro ell> estava concorde e>m o ca-a-
meoto, mas que agora qus elle ja' o nao traba, e
neui possibil dde de rehave-le-, tratava-o asslm,
illudindo snas esperanzas fundadas em promessas
que lautas vezes Ihe fizera.
Que intimamente irapressiooado por todos es-
tes fados sahio e eacamiahou se para o hotel
Touloore. sua residencia, e tirando de um bah
oseu revolver que se achava carregado, armadj
com elle, toroou a casa de Cuyas, onde pratloo
o enme pelo qual se acha preso, sem qae se re-
cord a quautas pes:as ferio, nem quem foi a sua
primeira victia.a, tal era a sua peiturbagao e bal-
lucinago.
Qae ao sahir daqoella casa dirigi se para o la-
do do Passeio Publico, em coja3 itomediagoes va-
gcu al a aolte. \
Disse tambem qne as cansas nicas do alterna-
do esto nessa paixao que senta pfir D. Genoveva
e no procedimenio de sua mi, seo pai e at das
propias irmes, as quaes oera como os pas, de--
de que se locupletaram com o seu dinbeiro, repel
liram o e o insultaiam, sendo D. Genoveva a onlca
de entre todas que se calava, e obedeca passiva-
mente as ordeos de seas pas.
A proprietaria do hotel de Italia, Manoela Ropet-
to.de 37 aiiu> de idsde,natural de Genova,decla-
ren que teado viado a cidade as da 6,aqu demo-
roa-se at o dia 8 a taroioha, poando voliaodo pa-
ra o hotel, all enconirou om individuo qae disse
cbaraar-se Carlos e ser desenor de um navio bes-
panhol, e prdiu-lhe bosped.igem, ao que ella re-
torquio qae nao a poda dar em razo de nao ler
com modo.
Elle entao pedio que comer e beber, rearndo-
se depois; regressou no da 9 de manba e all
passou o da.
Que a noite gabira, dizendo qne vinha a cidadp,
e regressara de novo; qua aote-hontem pedir-
lbe que o deixasse perooitar em easa, pois (-;.
senta fri; qne pela maahaa soilicilara-ibe o fa-
vor de mandar o seu batel entregar orna carta a
am sea amigo morador a ra de S. Jos, ao qae
ella aonoio, e foi e.-la carta hbilmente iutercepta-
da pela polica e que laaio Iba servio para a rea-
lisagao da captura.
Que depois de reeolbidos, Heitor disse-lbe que
era o antor de aiteutad > da i oa d Rosario e pro
tenda ir para Santos, segninde co-ta, para o
qne desejava saber qaal era dal i o caminbo para
o mar.
Que ella, amedrootada com semelhante revela-
gao, responden-ibe que nao sabia e que tlnba me-
do da polica.
Elle procuron a mala, diz. n Jo-lhe qae a poli-
ca do Rio de Janeiro era incapaz de prndelo, e
qae tro ultimo caso nuha um revvlver carregado
e mais 60 cargas, 59 das quaes eram para a poli-
ca e nma para si.
Que, finalmente, as du .s baras da manha reco
iberam se todos ao: seus aposentos, caodu Mjnet-
ta em casa.
Que pooco depcis sentio que a casa estava cer-
cada, e fot qoando cuvio bater, e abrindo nma ja-
celia pedio que a deixassem sabir, o que fet por
orna porta secreta.
Ko foram poriacto infructferos os es fot gos era-
pregados pelas ;aiondaues para a priso de Mo-
neua; quanto a ellas era e- ta orna questao de
honra qae mportava levar ao Ora, nao se poupao-
da a fad-gs e vigilias at que fosse conseguido
aquello Vii&rafffl.
E asslm fui. A o.ligencla faz honra aos qae a
dirigiram e eiecutaram, sem que fosse prenso,
como poderia ter sido, dar am tiro, perderse urna
vida.
13
Saa magestade o Imperador, acompanhado dos
seas semanarios, viitoa no du 10 o laboratorio py
rotecbnico do Campinbo. Saa magestade ch-gou
ao estabelecimento as 7 boras da maahaa.: exami-
noo com toda a miuuciosidade as < flfj.inas e depen-
deacias, assistiu s experiencias foius com os di-
versos artifluio!, assim como aos trabalbos da coos-
trnego do ramal da estrada de ferro para o labora
torio, e retiruu *e a meia hora depois do meio da.
Por decretos os. 4,0ii, 4,047, 4,049, 4.050 e
4,031 de II de dezembro elevoo-se a cathegona de
batalno a seego de batalbo de infamara da
gurda nacional do servigo da reserva, organizada
no municipio do Limoeiro da provincia de Peroam-
baco ; declaroa-se de segunda entrela a comarca
de Obidos, creada oa provincia do Para'; marcou-
se o primeiio oaiforrae para o batalbo de In-
fantaria n 5 du servigo activo da guarda na-
cional da provincia de Santa Catharioa; creoo
se mais om batalhao de infaotaria do servigo activo
no municipio de Villa-Vigosa, da proviocla do Cea-
ra': e elevoa se a cathegona de batalbo a comua
nbia da reserva orgadisada no municipio da Vil-
la-Vigosa, ca roesma provincia.
Tomoa hontem posse a administrsgo da Impe-
rial Associago Typograpbica Fluminea-e, lleaado
composta dos Seobores:
Carlos Domingos de Sooza Caldas, presidente.
Joo Jos de Garvalbo, vice-presidaote.
Joao Fudo Rivera, pnmeiro secretarlo.
Francisco Jos Aaiuae5, sgaado dito. '
Dos porios do sul di imperio chegou hontem o
vapor CVHzriro do Sul, trazendo jurados da corte
de 9 a 15, e de AlagOas at 21 do crreme.
Sob as rubricas Exterior e Intcrtcr vio per
extenso as noticias mais importantes, alera das
quaes apenas encontramos es seguintes.
RIO DF. JANEIRO.
Fallecen o ebefo de diviso Jjs Mua
Rodrigues.
Em 7 do correte foi comprada pelo gover-
no, por 5:00O, a ilha da Restinga, em frente do
(Jabedello a provincia da Parahyoa, aos religiosos
bentdiciinos. "
Lemo- no Correio Mercantil de 1." :
< Da lo aprasivel i]UdtJ am-na cidada de Th -
resopolis communicam-n>..s em data da 11 do
correte :
t Na noute de ante-hoetc-ra presencioa-se d'aqui
um esplendido espectculo. Eram pouco mais ou
menos S> horas da ooute quaudo de subuo appa
rece ou> ares un claro. Prodozia-o um corpo in
condescente, de forma ovoide, cojo malor dimetro
pedia ter cemo 60 centmetros, e cojo centro era
de um amarellocur de ouro muito bnlhaote, sendo
as extnraiiades avermelhadas, mais de rr igual-
mente muilo viva. Segulc o accolyto na dirrcgo
do njrdeste para sodtesie. Quando passo a poa-
ca distancia da la (para a v,.-ta nua) tomaram as
duas extremidades urna edr atolada.
c O phenomeno durou p uc. mais ou menos seis
oa sele minutos, e quando chegou a seu ponto
terminal oavio-se ama detonagao surda e boave
ama exploso de estrellabas umto claras e brilhan-
tes, alguma coosa, mas em ponto grande, como
uas pegas de aitillcio chamadas pl tolas que as
criangns queimam em ncutes do festas.
t Foi na realidade ara espelacalo resplendente
e digno de ser visto.
Eis as nltimas noticias commerciaes, em 15
do enrrente, qne extrahinus do Jornal do Com-
merco:
S.icarara-se sobre Londres pequeas qaantlas
a I7>4 e l'Vi d. papel baacarlo, e a l/'A. 'T/
18 a. papel particular.
c Sobre Fraoga as traosacgSos foram regalares
as cclcSrs ofBciaes.
c i- egociaram-se 23,000 soberanos a (45, e 4,000
a 13|9(i0. 180 acgdes do bauco do Brasil a 179J e
60 a 178j cada orna.
c Venderam-se 5,000 saccas de caf.
< A baixa rpida que tem sollrido o cambio e
a alta extraordinaria no pre;o dos soberanos pro
dozir?m era nossa praga urna, especie de pai
co. Todos procurara explicar estes (actos a seu
modo, nao faltando al quem os atfnbua ao paga
ment que exige a alfaude^a de 15 por ceoio em
coro dos direllos que tem de perceber, e om dos
oossos o!! gis recommeoda que o governo receba
esses 15 por cento nao em ouro, mas em papel*
rooeda ao cambio de 24 d., ju'gaado que essa
medida evuara a especulado em metaes pre-
COiOS.
Para provar que os 15 p >r cento em ouro, em
rruito pouco InuVm ca alta que tem tido o. prego
de-se metal, bastar referir os seguintes faclus:
O reodimeuto da alfandega no Correte mez e
no segrate dt-v ser pequeo, porque todos os ne-
gociantes que puderam despacbarara os seus gne-
ros no mez de dezembro. alim do evitar o pagamento
dessa quota de direiios emouro.
t Ne-se mez i reodim-nti dessa repartlgao sa-
bio a 3,123:636^789, algarismoat enio descoore-

pena*
84.893. o oa 6059 ao prego d lij. Emre-
lanto terase vendido cerca de 2i0,0u(J .ober..n.is,
que equivalente a 15 por cento de 1,600,000,
quantia que ao prego de 143 por libra, igual a
renda da Importagao arrecadada em todo o anno
passado. Ser cnvel qua > ra 14 das a agiotagem
se tenha munido des-a orama em ouro par re-
vender dorante niaitos mezes a qaem tvr fazer
pagamentos alfandega ? Nidguem o acredita-
ra. Seria um absurdo.
A libra esterlina ao cambio de 17*/ d. vale
133521, ou cerca de 51V por ceotn m-iis qne ao
cambio par; o soberano a 143 esi 57; por cen
to cima do par; ao passo que o ouro- nacional
anda nao eocontrou comprador a 45 por cento
cima do par.
c A alfandega tanto recebe a moeda nacional
como o soberano, e se a subida nos pregas livesse
por causa as necessidades do commerclo, os pregos
das duas moedas oecessariamenle se equilibra-
riam.
A sabida do ouro e a balxa do cambio iiveram
ootras causas.
c a extisencia de caf boje de cerca de 50,000
apenas, e as Vendas nao exred-sm, depois da sahi-
d do paquete ingler, a 80,000 saccas, qae ao ore
go, termo medio, de 3 por sacca valm 240,000;
contra essas expediges do genero, ja pelo paquete
ioglez saccou-se u na sorama Cao pequea ; ha,
portaato, poaco caamlo i p i.-sar eoatra caf com
prado, e a maior parte do algode qae sa tem
vendido tem sido para remessas, e portao'o nao
ha no mercado o equivalente em letras sobre
Londres.
Accresce qae ama das casas mais importantes
de.-ta praga e qae geralmeate foroeee avultadas
soturnas desafies, apresenton se uesta occasiio
comprando quautias multo importantes de letras,
I segando se diz, em comprimen!? do ordens rece*
bidas da Rio da Prata. Q.iem se f resent va sa-
cando eocontrava logo um timador t recnava ;
baixav a saa laxa e ainda encontrtva quem lbe
comarMsa oh saques; recu.va de nevo, a egau-se
tio4a a baiaa. Assim succedeu com tu baneoe, a
panino parecen querer invadir a praga do commer-
clo do Rio de Janeiro.
s Os especuladores em coro ach'rim a occasiio
propicia e empregaram todos os meios para c se-
guir ama alta (oreando os pr nao foram baldados, a a circomstaocia de nao nos
chegar do sal ama acucia que Caca crr qae e
fio da guerra se approximi, radio mes tem favo-
recida. *
Sahlrara para Pernarcboco : a 9 a patacho Bom
Jess ; a 11 brigo norueguense Comeen ; e a
14 a esenna dita Skijold.
t rAULO.
Coatioaavam ca provincia as subscriptos
de aceas da compaohia que deve contnkar a es-
trada de ferro de Jandiahy a cidade de Campias,
estaodo ji tomadas 13,677 aegoes.
Refere o Diarto de S. Paulo de 9 do cor-
rete.
t Hontem, suicldoa-se, tomando nma dse de
venen", o negocame Sebastiie Jjs Pereira, que
antes de dar esse passo escrevea varias cartas a
saa familia.
i Ccasta nos que o motivo desse acto foram dif-
ficuldades commerciaes
Diz o Iris Bananalense :
t Fallecer no municipio do Baaaaal, vi 'lima
de urna fehre typhoide o abastado fateodeiro te-
! nenie Francisco Gabriel Gumares.
Fallecer tambem o lavrador Francisco Ri-
raos da Silva. Era ora dos adeptos do partido li-
beral.!
cotaz.
Na eleigao para depuiados provlnciaes ven-
cen no collegio da capital a chapa adversa ao vice-
presidente da provincia.
Tinha fallecido o scrivo de orphis do ter-
mo da me tina capital Jos Cort) Vianna.
BAUIA.
Drizamos de dar noticias desta provincia, por
nao lerera viado jornaes na mala.
ALABOAS
Foi demittido de- inspector da thesonraria
provincial o Dr. Mariano Joaqun da S[\a.
Falleceu o engenhelro civil Pedro Jos de
Azevedo 6chrarriback, com 82 aoaos do Idade.
L-se no Otaria:
t Alguos negoeiautes desta praga offerecerara
urna pequea cotisagao ao Exm. sr. Dr. Moreira
de Barros para as despezas da guerra.
< Se bem qae diminuta seja offeiti, porque
importa oa quantia de 10 3 mensaes, no entre-
tanto am auxilio, qoe ni rriso monetaria porque
passa nosso comiuercio ,ce deve loovar.
t Lnnvores, pois, aos Ilustres eavalheiros que
se acham escripios no off-reciraento infr.
c O Kxm. Sr. Dr. M. reir de Barrqs Jeve asim
mais urna occasiao de conhecer que os habitantes
dcst* provincia nao sao ioensos ai governo da sl-
luaco, quando se retrata de desagravar a honra
nacional.
Illm. e Exm. Sr. Nos abaixo asslgnados,
compeaeirtdos d> estado todo anormal em que es-
ta asie desventurado palz, apezar mesmo de ja es-
larmos mni onerados de impostiS, aquilatando de-
viJamenle a josticelra adramistragoo de V. Exc.
na qaalidade de n*cionaes e estrangeires, fazemos
am esforgo para de algjma forma, eootribuir para
as despezas da guerra desde que Gao podemos com
oossas pessoas augmentar o exernto qae to dig-
namente combate por urna causa lo justa. Exm.
Sr., nos peob irados pela impsrculidade qae tem
V. Exc. sabido manter nesia quadra, fazemos como
ja disse.1 os, o supremo esforgo de contribuir com
as cotas mensaes, qus sa seguem, durante a guer-
ra que nos fligella, seudo ellas cobradas pela re-
partigo respectiva a qu.il correremos asadsf^zer
nesso compromisso, devendo principiar do 1 do
crrente mez.
t Dea* guarde a V. Etc.
< Macelo, 17 de janeho de 1808. -Illm. e Exm.
Sr. Dr. Antonio Moreira de Carros, digoo pref-
neme desta provincia,Francisco de Vasconcelos
Mendonga 2ti, Manoel Lolz Coelho 23, Mauoel Jo*
> de Amoiim 23, Jacintho Jj= Nones Leite 53,
Manoel Ferreira da Cuoha Gutmares 23, Ant-raio
Fernanues da Silva 23, Anastaclo Pires oe *lmei-
da 13, Alexandre Ferreira GuircarSes 23, Flix
Pereira de Sonza 33- David Alves da Cosa LUe
53. Gailherme Garrea 23. J >*o de Almetda Moa-
leiro 43, J io Jos da Si ira Gui maraes Si, Justino
da Silva Torres 23, Silvestre Barbara de Messlas
23, Joo Jos da Costa Lemos 25, Bento Joaquim
du Medeiros 23. Borstelmam ci C. 5*. Antonio
Carioso Paes 53. Fraucisco Vax Pereira 13 Joa-
inira Gongalves da Silva Rocha 33, J. Rohilhard
33, Just'n.i Jos de Suuza e Silva 33, J M. Ta-
veiros 15. Manoel Pimo do AmarM^sbo 2, Joa-
inlm J..!. oa C-jsis 25, Antonio SimSes de Souza
luHior 25, Fortunato da Silva Kego & Irmao 15, Tertuliano Talles de
Menezes 15
rido. No mez creme esse rendimento at bojH ,
5oo:!n3300, 15 por cento desta quanfa apena.
S. Joi, Antonio Laiz des Aojos e Loiza Brasilina
de Helio, para eerrergo.
O ebefe da V ,'ecgio.
J. 6. de Uesqutta.
Forsm remettldos por esta repartigao na dia
21 do corrate os seguales reerotas:
Para o exercite......................... j
Paraaarmada......................... %
Para o arsenal de mancha (menor)....... i
"7
Passagelros do vapor Cruzeiro do Sul; entra-
do do Ra de Janeiro e esoalas :Dr. Lula da Sil-
va Gasn Dr. Lenpoldno Aniooia da Fenseca,
Dr. Eraesto A. A. Valle, sua fliha a ama escrava
eom ora fi'ho de peito, Dr. Jos Vlceote Uarte
Braodao, Epaminonda Brasilelro Ferreira. Jote
Joaqutm Dias Fernandes Jnior, Antonio Borges
da Silveira Lobo, Belmiro B. de Sooza, Alfredo
Weber, Osear de Sampaio, Domingos Antonio
Quintaes, Francisca Joaquina Salles e doas fl-
Ibos menores, Francisca Coelho da Silva Ramos
1 e om e.-cravo, Delmira Los de Vasconcelos Du-
perroa, |or Hyppollto da Silva, capitao Manoel
' Joaquim Machado, Willlam George Feenely, Jos
Hilario da Silva Cavalcanti, Jabino da Silva Torres,
Eduardo Jaime Gomes Araojo, Antonio Joaquim
Parlas, Manoel Cabral Borges e am filbe menor,
Heoriqao Wiltner, Alclno Antonio Carneiro Cuoha,
jGuilherme Bapiista dos Santos, Mauoel Rom^o M.
Cardse, Candido J s Alves da Silra e dons escra-
vos, Dr. Mariano Joaqoim da Silva e om Ulho me-
nor, Dr. Jorge Dornelias do Araujo Pessoa, Jos
. Martns de Castro, Manuel Joaquim Azevedo Cruz,
Manoel Jo-qolm A. 51., Manoel G. Gulmaraes e um
menor, Jacintho Jo Nuaes Lslle, Miooel Luir.
Coelho, Josquim Luiz Coelho, Joao Teixeira Macha
I d, Dr. Ploto Pesaos, sua senhora, daas sobriaha*
e urna criada, Beroardrao Azevedo Cruz, 13 pragas
1 do erclte.
Segnero para o norte-
D. Emilia Janseo Muller de Magalhes, Jesaioo
I Alcntara Viann, Francisco Antonio Olivelra, Luiz
' Emilio Pinb- iro da Cmara, Gervasio Campello S.
, Ferreira e saa senhora, Eduardo Schober, Albino
i Angosto G. E-trelli, Alexan.lre J- s da Silva Ju-
nior, i* leme Emiliano Perdigo Silva Neves,
: 17 ex pragas.
Passageiro* do logre portuguez Julio, viodo
de Llsb.a: Joao de Oliveira Victoria, Amonio Jos,
Antonio da Silva, Manoel Martloho, Jacintho Pe-
reira Coado, Jos Ignacio, Jis Garcia, Jo^
Romo Garca, Manoel Gomes Garcia, Jos Pa-
rada.
cemiterio publico.Obituario do dia 18 de
Janeiro de 1868.
Manoel Daarte, Para', 30 annos, casado, Boa-Vista;
pleropneamoma.
Isabel, Pernambuco, 3 mezes, S. Jos ; convalses.
I Baplisia do Naseimealo, Parahyba. soltelro, Boa-
Vista : tubrculos pulmonares.
Apngio. Pernambuco, 14 mezes, S. Jos;deoligao.
I 19-
Odorlco, Peroamhuco, 14 anco?, escravo, S. Jos;
anemia,
i Ira, Pernambuco, 30 ann:s; escrava, Boa-Vista ;
iudigesilo.
Rosa, frica, 65 ancos, escrava, Boa-Vista ; coa-
gesto cerebral.
20
1 Barbara, Peraambuco,8 annos, Boa-Vista! qoeima-
dura.
Mara, Pernambuco, I hora, S. Jos; ao nasesr.
Jos Felippe Corroa, Para' 28 anuos, soltelro, B la-
Vista; varilas rouflueoie.
Mauoel Bruno de Oveira, Pernambuco, 15 annos,
solteiro, Boa-Vista; ttano.
Francisco, Peraambuco, 10 metes, Recife; denti-
gao.
i Anoa Maria da Conceigo, Pernambuco, 45 annos,
casada, Rcdfe; bexigas.
.Clemente on< da Silva, Pernambuco, 22 annos,
solteiro, Recife; congesto cerebral.
Joae,u'm, Pernambuco, 5 mezes, Jos; gastro
hepatte.
21 -
Horacio, Peraambnco, 2 anaos, Santo Antonio ;
convulso"??.
Laiz Jos de Saot'Anna, Pernambuco, 21 annos,
solteiro, S. Jos ; taharcalos pulmonares.
Alfredo, Pernan.ouc1, 17 mezes, Recife; diarrha
chronica.
Joaquina M. do Espirito Santo, P-irnarabaco, 38
anaos, soltelra, Boa-Vista; tubrculos puimo-
rare.
Estevao, Peraambuco, 20 dias, Santo Antonio; es-
pasmo.
Luir, Pernambuco, 9 meze?, escravo, Recife; des-
enieria.
Jernimo Rihelro de Mondonga, Peroamboco, 80
aon is, casido, Recife ; entarite.
PERNAMBUCO
Oonimunicados
polmica religiosa.
REVISTA DIARIA
As entradas do assucar e do algodo at o da
15 do crreme moutaram JVsta genero a 3,793
saccas, e u'aquelle a 57,233 saceos.
Ni ssbbalo ultiao leulou suicidar se, dndo-
se um tiro te ferido, o Sr. Gustavo Sander, alleraao,* que ba
pooco leve loja de ourives a ra do Cabala'.
E-te lastimavel acootecimento dou se uo Jicar,
estrada de Bcberlbe, oude reside o mesmo Sander,
cajos motivos de obrar sao igaorados.
Sua Exc. crdauoa a inspectora do arsenal de
marinha, que, visp recosar-se reiteradameote a
foroecer car-ao o aetual contratante, pozesse era
concurrencia o respectivo foroeciraenlo.
As agencias creadas cas provincias llmitro
phes para Bscalisago dos genero? de prodoeco
d'esta all importados, segundo resolugo d S. Exe.
o Sr. presidente, tem igualmente a atlnbuigo de
arrecadar os respectiva impostos.
No dia 7 do correte, foi encontrado as imi-
tas do engenho Camboinha do termo de Sonohem
o cadver da preta escrava Mara, pertencente ao
espolio de Sitio Pinto Ribeiro. Feta a ve-toria,
nao se desc.brio ferimenio algura oae levasse a'
eir ter sido ella assassloada. Dis diligencias fei
tas ai 8 nada se liona podido colligir acerca da-
quella morte.
Pedem nos qae lembremos novaroente a po-
lica a conveniencia de acabar se com orna casa do
jogo qae ha na roa Bella, e de que ja' oos temos
oceupado.
Hoja as 3 bcras di tarde o paquete nacional
Cruzeiro do Sul lira as malas para os porto do
no te e saa escala.
O Sr. Manoel Monlz Tavares Cordero, com-
merciame de nossa praga, aeaba de libertar nm es-
cravo, que apresenlou ao Exm. Sr. presidente da
provincia, para servir no exercito por sea Albo
Joao Tavares Cordeiro, apezar de ser elle raanor.
Escrevem-nos de Caroai, em 15 do cor
rente :
Ja* lbe refer o fado qae se dea na Raposa, e
cora toda a Imparclalidade, pois qnn amcamente
me limito a noticiar, e nada mais. Entretanto, ad-
mirnu-me an a ootra noticia sobre o mesmo tacto
por Vares, publicada, em qoe se qner attribar
todo o mal a' polica, qoe foi a. provocada. Por tn
fellcidade nao s aqu qoe tem apparecido disto,
e a lingoagem dos aggressoreg ou dos seos patro-
oos seropre a mesma.
c O professor daqaelle povoado foi o nico qne,
com risco da saa vida, pedia e rogava aos aggres-
sores, ponderando Ities o mal qoe lam prallcar, o
que concordo para qa as cousas nao fossem mais
adiante ; poim neete mando o bem pagase com
o mal Alguem, que otile se quer vingar, por en-
redinbus dos seos, de pareerla com ontros, qae
delle nao gostam, por ser elle prente de inimigos
seus pessoaes e polticos, procaram iodlspo-lo : a
verdada pode tardar, mas, aBoal, apparecera', e
e eaiSo se nbecera' qaem sejam os intrigantes
t No da 14, o Dr. joiz de direito reonio todas
as autoriiades pollclaes, admite lomarem provi-
deocias sobre o recrotamento. Deas qaeira que se
realisem seus boas desejos, e que o povo, melbor
aconselbado, comprehenda os seos deveres oa tris-
te emergeocia por qae esta' passando o paiz.
iLoleria. A que se arba a venda
a 51a a beneficio das familias dos vo-
luntarios da patria, que eoi re sabbado 25.
Repartido da.polica : Extracto das par-
tes do da 21 oe jaueito Oe 1868.
Foram recoluidos a casa de detenco no dia 20
do correte :A' ordem do Illm. r. Dr. chefe de
polica, Antonio Lucas da Mercz, psra recrata A'
ordem do subdelegado do Recife, Lonrengo Fran-
cisco das Cbgaa, a" reqoisigSo do eantao do por-
to ; J laqolm e Antonio, escravoa do Barao do Li-
vramento, a reqoerimesto desie. A' ordem do de
IX
Mais escreve o Chrui&o Velho a pag. 23.
< Diz a lei anti,,a : nao matars, e quera matar
t ser reo no juizo. Jess Ghristo oorem foi moito
t aleo desse praceito, e disse : Todo aquelle que
c se ira eoatra seu irmSo, ser reo no jaizo; e o
que o chama tfjlo, ser reo no fogo do iofarno.
(Math. C. 5. v. 22).
t Nao adulterars, diz a le amiga. Jess Chris-
to amplloaopreceito, dixeodo: Todo oque Ihar
c para ama molbcr cubigaodo-a, ja no seu ccra-
i gao adulteren om ella. (Ibid. v. 28). >
I -
Estas objecg5es nem leera o mrito da novidade,
nem esto devidameate formuladas. Ajadare pois
ao Chrisido Velho a estabelecer as questes nos
seus devidos termos.
A lei aova em lado opposta a' lei amiga ?
Alguns fundamentos de duvida offerecem, em
primeira logar, as seguintes p.lavras d-i Jeremas:
* Eis ahivirao os das, diz o Senh;r: e farei
nova aliianqa com a casa de Israel, ecom ac-
' sa de Joda : nao segundo o pacto que eu fiz com
I seus paes no dia em que eu os tomei pa mo, para
os tirar da trra do Egiipto: pacto que elles tnva-
Itdaram, e eu moslrei o meu poder sobre elles, diz o
I Seohor. Mas esta ser a altianca que farei com a
I casa de Israel: depois daquelles das, diz o Senhor:
. mprimiret a minha le as suas entranhas, cas
I creveret nos seus coracoes: e eu Ihes seret o s*u
, Dos e elles me serao o meu povo. Jerem. XXXI,
31-34)
Dado e:le texto, sarga esta
1 oBjeccAO-:
O Seohor, pela bocea do propheta Jeremas, ma*
nifota a sua vomade de dar nutra lei, de fazer ou-
tra alliang com o povo da Israel e de Jud- Ora
esU nova allianga, qae a lei evaogelica, opps-
ta a' anti(za, cuino claro pelas palavras e farei no
va alltanca com a casa de Israel... nilo segundo o
pacto que eu fiz com seus pues... Logo a le nova
em ludo oopol* a' lei aot'ga
Oniro fundamento coostste oos fados e acgSes
de Je^us Corlsio e de seas discpulos, porque pa-
recen) contrarios ao qae a let mosayea mandava :
por exemplo:
2* oBJBcgXo :
Jesos Christo permiltlo aos discipolos colhares
plgas oo sabbado, e elle rnesm i naqaeile da curou
doentes. Ora, a le da Mjyss pronibia as obras
servs no dia de sabbado, e Jess Christo nao s
fez o contrario, como permiltlo que tambera o fl-
zessem os Apostlos. O que significa que Jesos
Chrisra abrogava em ludo a le aatiga, como op-
posta a le oova qae elle ia promulgando.
Anda ba omro fundamento qoe consiste as pa-
lavras de Jesos Christo : Ouvistes que fot dito
aos antigos : Afio motars.. jwi eu vos digo que
iodo o que te ira contra seu irmo, ser reo no
/izo. (S. Math., v 21, 21).
Oniru sira, nos vers. 27 e 28: t Ouvistes que fot
dito mot antigos: no adulterars. Eu portm digo-
vos que todo o que olhar para urna mutner, ubi*
pando a, j no seu caracho adulterou...
3.* BJBCCAO :
Nestas palavras se acba manlfesta opposigao ea-
tra a le amiga e a nova; a domis, Jesos Consto,
promulgador da lei nova, diz: Eu nao vos digo
oque esa na lei amiga, mas oulra cousa, opposta
a' primeira, porquanto aquella era externa, esta
interior.
Logo, pode-se concluir que a le nova em todo
opposta a' aotiga, como se tem demonstrado pelas
palavras propheileas de Jeremas, pelas acgS's e
pelas palavras de Jasas Christo, autor e promulga
dor da lei oova.
Responde-se que, com effeito, ledas estas radas
provam a opposigao da* lei nova s IrdicgSes fal-
lan doa Escribas e ao modo por que esses bypo ri-
tas observavam a lei de Moyss; mas uo provara
total opposigao entre a lei nova e a amiga. Pro
vam, sim, a excedencia da lei aova sobre a le aa-
tiga, mas de modo algum demonstrara que Jess
Cbrislo t:oba de; trado a amiga. E'preciso ter;
perdido a razia para discorrer assim, a vista das
palavras do mesmo Jess Christo, quando disse : I
c Nio jolgaefs qae vira destruir a lei ou os Prc-
pbetas, raas sim a dar-lhescumprimento. > E' pre-
ciso, digo, ler perdido a rszao, para nao ver qae as
flbjeegdes felfas, sao traeos e ridiculos aophlsmas.
Mas quereodo eq provar ludo com a torga irresis-
tfvel da verdade, convido a que me siga o CAritoo
Velho as provas eom qne lbe voo demonstrar qoe
Jess Christo, leage de destruir a le amiga, a
aperfeieooo, interpretando o sea espirito, esalare-
ceodo os borne os sobre a oatoreza de suas probi-
bigdVs, execu.ando o qoe a mesma lei permiltia,
diz Tertall.aoo.
IV
DiscorrcDdo o aojo u escola, S. Thomaz de A-
qnioo, acerca da eomparsgSo entre a le nova e a
amiga, estabelece estas ires proposites, a le no
va cumprio a amiga;a le nova est comida na
amiga;a lei nova meaos pesada qne a antiga.
Gomse v, a simples enuneiaco destas propo-
si*5es destroe todas as raid-s contrarias; sendo
verdade qoe o qae est coudo em outra cousa
oio Ihe opposlo, mu a lei nova, seguoo a ex-
pressaa da S. Tbomaz, est eootlda na aotiga : lo-
go oio opposta. O sobredito doutor anglico pro-
va que a lei nova camprio a aotiga deste modo :
Na lei aotiga se podem considerar doas coasas :
o Om da lei e as seas preeeitos. Ora o Ora de qaal-
quer lei torear os horaeos jastos e virtaoso.-;
logo o flm da le antiea era tornar os horneas
justos e virtuosos. Mas sbulo aae por si
nao pedia produzlr a samiBcacao iheologic,
ex opere opralo, porqoanto Jesos Christo aia-
da uo tioha derramado o sea sangue, ne-u
tinba estabelecido os sacrament s cjmo canaes
de |ostl8cago theulogic< ; produzia slra por si
mesma a saolidade legal, e proietila a sant-
dade tbeologica, que devia alcangar-s pela f in-
te de toda a santidad-*, 'que Jess Chrito. E
quanto a islo, a lei nova compre a amiga Justifi-
cando os homens- pela virtude da Paixi de Je.-os
Christo. Segundo as plavras do Apostlo : O
que era mpossivel le, Dos, enviando a sen fllho
em semelhunca di carne de peccado, eondemnou t
peccaio na carne, para que a jusiiiicagj da lai se:
cumnrisse em nos (R,m. VIII, 3)
Alm disso, Christo cumprio a lei no tocante s!
lels cereraooiaes, que eram figuras, e fonm todas
cumprldas na pessoa do me?mo Jess Christo e
oa sua rehgiSo. Jess Chrlste cumprio os preeei-
tos da lei amiga com as obras e com o en i no,
oiw et doctrina : camprio com si obras porqu
qoiz ser circuncidado e observar as mais coas
que a lei mosayea maodava; com o enslno, do tres
modos: 1* ieclaraudo o verdadeirs sentido dos
preeeitos, como i claro qaaoto ao homi:idio a
adulterio, porque os Escribas e Fariseos, julgavara
prohibido someuie o acto externo, a nao o Interno;
e Jesos Cbristo cumprio o sentido da lei, declaran
do qaa os acto* internos tambem estavam prohibi-
dos; 2* ordenando melos mais s?guros para ob-
servar o que a lei tinba maudado; 3' eamprb e
Senhor es preeeitos da le, accrescentaado algaos
conseihos de perfe'gi, como est escripto em S.
Maib. XIX, 21: f Que, cheganiose a Jess um mo-
co, disse Ihe : Senhor, eu lenho observado todos
os mandamentos da le: que hei de fazer para aper
(eiqoarme '.inda mais, e chegar mais seguramente
posse da eterna gloria T Nosso Seohor I e res
pnndeu : Se quer es ser perfeilo, vai, vende o que
tens, e dan aos pobres, e teres um thesouro no co:
depois vem e segu me.
Oesla d-moa;.tr..gao da primeira these d* S. Tho-
maz, claro que a lei nova compre a amiga espe-
cialmente de tre modo : acerescentando-lhe a
raga santificante que Ihe f.ltava; 2* fazend)
cessar as figuras pela presenga do figurado; 3o de
clarando o verdadeir-i svulido da lei, e accrescea
lando demais os cooselhoi da perfeigao. Ora se-
ment as figuras cessaram porque sao racompati-
vsls cora o figurado; cessaram os inmimeraveit
ritos externos segando a ndole riaquella le e
daquelle povo, mas nao cessaram ci maodam^ntos
raoraes, e os dogmas revelados, porqaauo consli-
tairam a substancia da lei nova. (I)
Demais, passanda S. To ra-. a demonstrar a
segunda proposigo, que a lei nova est comida,
oa antiga, asslm discurre: Dir se-ha iue urna
cousa coalem-se em ootra de doo* modos, oa em
acto, eorao a cousa eollocida em sea logar, ou era
virtode, como o effeito contera se na sua causa, ou
o perfeitu e completo oo imperfe to e incompleto,
como a especie no genero, como toda a arvore oa
sua aemente. Ora deste modo a lei oova est cea-
tida oa amiga. (V. S. Thonsz, 12,9, 107). Nao
pr.'ci-am da coramento estas palavras do anglico
Doutor, que demoustrara maDife>ta e lgicamente
quanto vai iouge da verdade o Christao Vtlho.
X
I i-'
Depois de ler exhibido a doctrina do principe
dos theologos curapre qua examinemos a do prin-
cipe dos commaniadores da Sagrada Enripiara,
Coroelio a Lapide
Eis aqu como ello eommeota as palavras de
Jesos Christo ; tA'ao julqu-is que rim i*trmr a
le ou os Prophetas, nao vim a ihlrui-lot, mas ira
a dar-lhes cumprtmento (S. Main. V., 17}. Coro
loaa a verdade Joans Cori-to fallou assim : 1* por-
que elle guardou sempre a le de Moyss, nao
obstante, cora i Deus e Filbo de Deas uio estar
obrigado. Asslm foi, segando a le, circumeidaio;'
foi apreseoiado ao templo ; ab.-teve da carne de
porco o com ngorcumprioasmais saaccoes dauuella
lei; 2' pjrque ell-* por si mesmo, cora sea corp>,
saas obras, seus sacramento*, oeacumpnmeuio a-
letl cereraooiaes qoe erara H^aras e signas > Jesas Christo, porque obrou e padecea as causas
que estavam symbolisadas aas cereraoulas da lei
aotiga. Ni virdade diz-39 que ama propheca
veritlca*a qnaado se faz o qae, expressa ea tacita-
mente pruph'tlsado: oque Jus Christo iodicou
no verso segrate, dizeudo: Porque, era verdad
vosafflrmo.qae em quanto nopassaroco e a trra
nao pausar da le um siou um til,sem que
ludo seja cumurido. (Assim fren*, I. 4, c. 7; T-rt.,
Iiv. da paciencia; H I., c.4e5; S. Agot- as que-
10-js do Novo te-l., qae>tao 69); 3 e e.pccialm ;ut
porque Christo sperfeigooa os preeeitos raoraes da
lei qusndo cora miiordesenvulvimeato e perf-igao,
os eosioou e saneconou, e as penas e premios
temporarios substitua as eieruas, e aos preeeitos
aecrescentou os conseihos evanglico.5, que sao
mais perritos. (Assim Tbeopbylato e Eat blmio);
49 pirque sappno a imperfe'gao da le mosayea,
jusnfieando-nos pala f e o sacramento da nava le
por elle insumida, o que nao poda oh^r-se pela
lei d Moyr; 5* porque, como diz S. Agostinbo,
Chr|to aperf-igooa a le dando a graga, que, r.ao
smeole mande, senSo auxilie e augmente torga,
e nos faz comprir a lei. Por isso o ra-**mo S. Agos-
lioho diz: tScnhor, d o que mandas, e, dep-'ls
de ter fortalecido a no-s vuol qner es: Domine, da quod jubes el yube quod
vis. Christo especialmente inieude o segundo s o
terceiro sentido.
E' verdaae que a le de Moyss foi reformada, e
devia s lo, poroue, reparando na ndole daqueila
lei, se v que era iraperfeita eiyplca, e, por Coose-
guinte promeltia outra mais perfeita. Mis esta
oulra questao; o que temos defendido e demos-
trado que a le m i*ayca e a lei evaugelica, posto
que teuham elerai-olos de opposigao, eomtudo uo
sao centraras entre si.
Cora effeito, na lei mosayea polemos considerar
tros elemeotos principa*: o Syraboln, o Cdice, o
J-rarchi--'. O syuab la abraoge todas as verdades
reveladas desde o priociplo do mundo aos Patriar
chas, v. g., qao Deas eterno, omnipotente, terri-
vel, providente: qne Dens tem am nome todo pro
prio seu : Eo sum qui swn: Eu sou quem soa ;
qae o noraem livre, que a sua alma immortal,
etc. Ura bem v o hrislao Velho que esta ver-
dades pertvucem esseocialmeote aova le; logo,
quanto a isto nao ha opposigao Beobama.
O Cdice de M y-s prescrtvj admiravelraente
os deveres da religio qaer ioteraa, quer sxieroa,
como se manlfesta pelos dez rain i miemos da le
de Deas: ora os dez mandamentos formara tam-
bem parte esseocial da le nova; logo, quanto a
isto nao ba opposigao aenhunn. Salvo os conse-
ihos que accrescemoo Jesu Christo, e o verdadeiro
sentido da le e o numero dos .ubditos da lei, por
qua Jasas Christo a promulgou a todas as gen-
te-. Exceptuara ae amia outros elementos qae
nao raisier desenvolver.
Qaaoto ao e eiiKOla Jerarchico, t-in.b-?m nao pre-
cisamos desenvolver, porque o qae at agora
disscrais basta a nossa these.
Mas a lei mosoyea foi aperfelgoada? Sim, e
devia s-io, repetrao-lo, porque, sendo imperfeita e
typica, prometlia outra mais perfelta : era imper-
feta em razan das ceremonias rauito pesadas bu
mma raqaeza; era razio do motivo, porque era
mais o temor que o amor; em razo tio exteoso ;
p.rqoe era particular para nm s povo; em razio
da virtude e .-Bcacia. porque era pobre e oo pro-
duzia a graga ibroiomca. Eia lypica, como claro
pela soa lodole intnoseca.
laslstirei dreciaraenle oa refotagao de laes
objecgSes.
A primeira Arma se em am falso sopposto, por-
que suppe que debaiso da palavra novo deva se
entender nma opposJco total. Ora, deve-se
entender urna opposigao no caracteres e as pro*
priedades, e nao no-dogmas e na moral, como
(I) Veja o Chistao Velho si os dogmas da lei
amiga foram sabrogados pela lei nova! Nao se
poda oavlr maler despropsito |
---------------1-rr^i-------------'-----
elaro (i) Na verdade o Evargelbo allispga nova
entre Deas e bornea em relagio a enliga ; por-
que da a graga sanHOeante, porque universal, e
nao preraette oulra oesta vida; peloeooirafio a
lei amiga niodava por si graga santificante*uio
era universal, reoio nartiemar eeraessnrialajen-
te figurativa, porqUe flgarjva nova ailacga que
promaajtla.
A segooda objergio asta resolvlda pelo mesmo
Chrlato, noeap. 2 de S Mth. .Nao tendee li,
responde Jess Christo aos Phareseos, o que fes
David quando leve /ame? Como entrn na casa
de Deus i comtu os paei da Preposico, os quaes
nao era licito comer nem a elle nem eos que com
elle estavam, mas nicamente aas Saca dotes T A
torga da pnasra rrzao consiste ni>to: David,
varo segando o eoragio de Deas, urgido pela tome,
nsarpou e enmeu os pies sagrados da Preposlgo,
posto que oio era licito aos leigos crrelos, seoso
s acs sacerdotes, e fez isto porque prudentemente
julgou qae a le positiva, que prohiba aos leigos -
courer daquelles pies, devi eder lei a direito
natural, qu dicla-quf, oo.cago de fome grave, de*
ve-se conservar -a vida eom aoalquer comida,
ainda que seja consagrada a Dos iLogo tambem,
antes, com mms ratao, i licito a mim e a meut
discpulos colher espigas no subbado pura que ta-
tis[>ir-imos [ame.* Porqoanto a sanlldde do
sabbado que prohibe a obra servil, como o colher
espigas, de direito divino positivo que deve ceder
ao direito da natureza, rujo dctame que, na
tome, deve-se prover a vid eom qualqu-r manti-
raento que Seja ainda sagrado. (AS'm La-
pide).
A segooda razia esl bos ver?. 5 6: Ou no
tendes Mo na lei qw os tactrdotes no templo que-
brantan o sabbado sem commetter pescado Pois
digo-vos que aqu ett o que i motor que o tem-
plo ;> como te aisseue : necessidado releven a
David, o inUo e a pietiade telrvirr, o sacerdotes
da violagao do sabbado: as^im ambas es'a< razies
revelara os meus discpulos da vi Ugao dos boado,
por terem colhido espigas: porqae me segaern
como propheta e Mustia, e assistem cem tao gran-
de atlroeo a minha santa deutrina que esqaece-
ram-se da apromptar o [Sus e es allinei t <.*. Porque
razaa pois oia devera matar a (ame con(r;bida por
obra tao piT Alm disso, tn .'ou melare mais
santo que o templo, antes, son aquelle que ctmmu-
Biea a santidad* a templo, e son o seohor e o
dao do templo. Ora >| a saotidade do templo
releva os sacerdotes, perqu ra*io a minha santt-
dade infioita, absoluta e inlependente oio deve
relevar os meus discipolos da ne-raa viola,
gao 7
A tercera razio de Jess ChrJsto efta' no ve*s.
7: E se tos tcubcsseis o qae e misericordia quero
e nao sacrificios, jamis ccndmnarteis os tnnoern-
les A torga desia razo esta' aqu : c a miseri-
cordia mais exccli-nl' qae o sacrificio e o sabba-
do ; logo pela misericordia licito viciar o repouso
do sabbado; logo sem nenbuma r.zio, Escribas,
aecusae e coademnaes o> meas discpulos, sendo
iaaoceotes e uvr-s da colpa p. la misericordia
exet citada. *
A qoarta razia sa acha co verso 8; < Porque o
Filho do hemrm, senhor at do preprio tatuado,
a saber : Eu que, por oaturez, sou Filho de
Dos, e por minha bendade teoho-me feiio filho do
hom^m, ista hornera ; por issoaesu.o soa senbor,
autor e legislador de toda a lei mosayea, e, por
eonsequencia, da sabbado. L g > pes.-o rLspeosar
cora meas discpolot.
Finalm"oU ama quinta raiij se a ha em S. Mar-
eos, H, 27: Sabbatttm propter homtncm factum el
non hominem propter sabbjtum. O s i.i'o tol
feiio era cootemplago d h n.em, e nao o bornem
em cont-m.il-'gio do sabbado.
Esta' decidido pois pela bocea da verdade que,
psrmittindo Jesas Chfisto aqaell.. obra aos disc-
pulos, nao dvstruia a lei, mas obrava srgondo o
verdadeiro sentido da lu. Se isto uo basta para
convencer o Christao Velho. fique-se com a opinio
aos Escribas a Fariseos, condemnada por Jess
Christo, porqae, qaaoto a aiir-, estou com Christo,
que nao pode errar, nen asinar erro*.
CConfinuir-se ha.)
Gorrespondeucias
Publicaooes a pedido
Ao Eim. Se* ministro da juslica para
evilar-se o Iriamplio de um plano
t'-rpe e criminoso.
Declara o abaixo assigoado, juiz municipal o de
orpbaos desta termo de Cimbres, n5o haver solic-
talo por meia algura a sua remogo do cargo que
ora occopa; declarago qua faz p>r Ihe coastar
qae se pretende torgicar ura requenmemo em sen
oome e falsificando sua leira, dirigido ao governo
de S. M. Imperial pdralo aquelli graca.
Villa de Pesqueira, 13 de uneorode 1868.
Joo Vieira de Araujo.
Attendite et videte!
Illm. e Exm. Sr. baro de Villa-Bella, presidente
da provincia. D:i Joo Ramos, guarda do Io ba-
talbo de artlnana do Recife, que teno sido de*
sigaado para o-s-rvigo da guerra, e nao pjdendo
servir por motivo de molestia, como prova com os
documentos juntos, vem respeitosam- ote reqoerer
a Y. Exc. a graga de mandar submettc-lo a ins*
peegio militar, se V. Exc. nao jolgar sullcientes
os referidos documentos para dupeasa-lc. P. a V.
Exc. deferimento.E. fl. M. Peruambuc, li
de Janeiro de 1868.
eja inspeccionado como reqner.
J.is Joaqun deMiraes Sarment, doator em
medicioi pela faculiade de Pars, etc. Certifico
era como oSr. Joo Ramos padecen de ura impulso
preter oataral do corago, de que ainda restan*
vestigios mal perceptiva)*, lera vancocele doplo, a
tem as amygdalasbumidasconstantea.eme, nflara-
maado de lempos em tempos, pelo que ludo o nao
julgo pronno pira o setvigo militar. Recife, li
de jaueiro do 1868.
Dr. Sarment.
Ea abaixo assignado, doator em medicina pela
facaldade de naris, ele. Atiesto qoe o Sr. Joao
Ramos oo s scffre de anemia qaa por vezes sa
torna mais int^psa, oo ob^taala o iraumenlo qaa
ine a,/plicad.', mas tem palpitagoes do corago
qe se tornara mal fonos, embaragaodo-o de res-
pirar Hvremeote e andar apressado ou dar se a
trabalbo aturado, levando-me isto a crer que e.-te
orgo si ffre por si raevmo, isto iodepeadeate*
mate daqaella aff elle nao pode prestac-se ao servigo militar, princi-
palmente na guerra contra o Paraguay, porquanto
os panucos a alagados numeroso extensos desse
pan basiario para que se aggravera seas soffri-
meatos, sendo incnnlesuve ooe a anemia oo pe-
der deixar de tornar-se mis mensa e compro-
meiier-lhe a existencia. ,
Afflrmo o qae flca dito sob a f medica. Recife,
14 de Janeiro de 1868.
Dr. Joaquim de Aqaioo Fonseca.
J)5o Ravmrnlo Pereira da Silva, doator em me-
dicina pela facoidade da Baha. Atiesto que o Sr.
J >o [\aos soflVe de aoewi, do qua o lenho me-
dicado por mata de orna ver, duraatn doos annos
que t.nhosido sea mlico, e palpitas fortes do
corago, que ten resi-Ulo ao traiamento leoico a
ferruginoso, demonstrando assim ama lesio do or-
go central da cirealagio.
(2) Nao foi de balde que preveni o leitor na mi-
nha I itroduego, que em mais de om ponto ea
nena edoodame; mas me traaquillisa a Ida de
conservar varledada na redundancia.
(I) Quando demos em nossa Revista i noticia i
qoe se refere este artigo, dissemos que o faltamos
sob reserva.
Os R. R.
\
Srs. redactores Airosraente calumniado em
orna noticia a Vv. Ss. traosmitlida e poblicada em
so Revista Diarta (1) de3docorrente,sobre o fado
criminoso aqu succedido oo 1 dia d--ste soco,
que se procura a todo traose jover'r, para se dar
razao aos seos aotores, vnu por mel presente
protestar contra ella, e rogar ao publico qua sus-
peoda o seu juizo, it qoe eu me justifique na de-
feza que tere.i de produzir em resposta urna in-
formago que acaba de aCDrmar, em urna petigo
que h ije Iba dirigi, o meu bom castor, o Sr. padre
Galiodo, que contra mim oera ao l Im. Sr. director
eeral : emo ea demonstrare! quem eja assersor
de desordeiros, quero inlriga^etc.
Felizmente nunca fui denunciante de clngoem,
oooca solfrl prncessos, e era anda mi vi na ne*
eessidae do sahirdo ma paiz cual, oode, gragas
Proviudeacta s-ra muito coohecldo; e, do cabega
erguida, pa documento firmado pelo preprio senhor vigarto Ga-
linh. hei de provar, confundir soa aecusagao.
Com a publlcago destas liohas, senbores redac-
tores, muilo grato Ihes ser
Miguel Archanjo de Mendonca.
Raposa, 15 de Janeiro do 1868.





nafta i
. \



tarto ata mmmime. ~ turta MmM*****MmW$.
Soa de pareeer que o Sr. Rimas i Incapaz de
tola e qaaiqoer servio activo d ro ra nacional
fotto bhm de aervifo da faerra aas-anargea*
do Paraguay, qw sao pantanosas, onda reloara as
labres intermitanles, qua atacam a pasllcidez do
sangra aogmanlajido a anemia exbleoia e as pal-
pitacoes tenes do Confio.
PorjD ser pedido pausa o prexpate sob a t a
Jarameoto do ma grao. Recife, ti de Janeiro de
1868.
Dr. Jo3o nayosnndo Pereira da Silva-
Repartido encantgada do alistamento de primas
para o exrrr.ito.
Gula do guarda nacional dr balalhio de artilb-
ria, que mando apresentar ao deposito de re-
erlas. ***
hia, Bueapg-Ayres, Montevideo, New-York
o Naw-Orleans, e imitie cartas de crdito,
para-os tustaos lagares.
Largo do Pelourinho o. 7.
ALFANDKGA.
Raolimento do Jia la 20.........
Mam do di* 21..............
SSI:SMf>tS7
1:104*950
27:891*7
SOCIET GENRALE
MAfc
Do maAioo|para descargar e saceos
rudos. .
- do carrete.
lrtr* fara1 leilipor coala e
ara-
risea
rtm.. >"'. do melhor swtiroento de n
*-. ^r* des""Cr algodao, sendo de 1
W
.5 i.*
SS-5
o
Movimeulo. da alfand ga.
Voloraes entrados com gneros.. .
Voiamas sanidos com f aseadas...
* gneros....
17
66 a
23
TranspqrMRtimen-a vapeur S?^^!,, i
3 A
"-i
i a-a S
Signies caracle-
rutieos.
i
S
c/)
Cabello corrido
Olhos pardos
Boca regular
8arba alsuma
Cor branca
ijffli-iu neotium
Altura 63 pollega
las
o S
i
v
-T
Qu-irte do Hospieo, 16 de Janeiro do !8o8.
Joaqoira Jos Silrelri,
Teoente-eoronel.
CT-reco apreciado dopnblico Imparta! os do-
cnmeut.'S cima. Conbeirera' melbor orna parte
3 Doaearregam boj* 22 de jaoeiro
2. Barca ingleaJtoaimeiil-mercadorias.
= Briue ioglaiuziM*> -ferro e earvao.
* S'a!" I0'!81-?; ""-di'eries gneros.
Pruebo iaglez-Awasw-baealbao.
_ BilgoeioglezAvodem.
Pelicno holsteoseVariacharque.
Patacho bespaohai/ndw-idero.
Iuap.rtteo.
Brgoa braslleiro Aureliano, violo do Rio Grande
lo Sut, maaifestoa :
' 9.310 arrobas de caro* secoa, Itii ditas fraila
era bexigs, 56 coaros seceos ; a Maia 4 Epinto
.Saoto. "
Hiale brasllairo Mah* Amelia, vindo do Ara-
' c'y, manifeaton
PAQUEBOTS PRIMIS'
Al o dia.2i do correte espera-se dos per los
lo sol o vapor framez Savoter, cummandante
681 R ux, o qualdepis da demora Oo costme segoi-
ra* para Genova, tocando en S Vicente, Saet
Cruz de Tenerife, Gibraltar e Marselba.
ParaeoodlcSes, frates e passagens tratase ns
agencia ra da Crot o. 55.
C0MPAN7IIA PERNAMBTJIANA
NaVegacio costeara por vapor.
Parahyba, jfdlal, Maco, Aracaty, Cear e
Aearac.
O vaper Piropama, C mm&ti
daote Torres, s-gnlra' para os
portos ?cima no dia 30 o cor-
rete aa S horas da i rde. Recebe
carga al o-di Si) encoraseiidas,
passageirug e diuheiro a rele al o dia da sabida
cnioas parajiesearocar algodio, sendo de 18 a 20
, d lia M, de li a 20 e de
i8 pollegalas, inclusive alga
Je ferro, a;>im ce
WsaccM avahad >s rom opln.
'..., SexU-Wra 24 do correte
as 11 r.o'as da maohia era ponto, no armaiem das
Srs. Jthoaion, Pal* 4 c., r do V(?ir|0
AVISOS DIVERSOS.
das ceremonia que precedern a Itnmolacao da v.l,lr T
vietima da sapiencia do Sr. Dr. Mostoso, coja pa- u .
lavra sjberafeiobrepojot a verdade dos attasta- i D'r|ca cera a
a^moibos Mtolra^ 7 ditos eoanobos, 89 coarjs ff.a I *** ^^'^ ^cti,torio "do Porte d0
seccoi^algados, 45 sacc clra de carnauba. 121 "' f'
sacc algodio, t pipa espirito de viobo, 1 pacota
pennas, 2 caixotes calcado ; a' ordem. |
inhas velas de carnauba ; a Prente Segoe cora brevldado o blata Lento Paquete, ca
Para.
og por elle menospresalos le tres mdicos inca-
paies.'poT sua posl$io caraeler, d drem certifl
cadosrgratiso pre^o le B* para liirarem re-
crous i u03 fll; ? dl,p
Na poca tm <>oe o diraito cela ante a forca, '-'65 4 I""-
certaukeote toucur tentar qaaato para obter jas-
tica.
Apezar de fr-o uao quiz ^mpanhos ; satisfizo
proposito : Jei m ineu lugar ura liberto.
Eai eoocluf.i) da lado isio, rendo grecas ao S-
nhor ror me haver aldf daao om diacoobecerqae
eu era moco ritne apto para adefaia d. pailbo
aori-verde, e qoe me aeho n'om pali onde a valda-
da e ambicio dos bonwn? trocara a propria cons-
ciencia pt-la e5perc* de fotoras gracas.
Agradeao garalmeota a todos qoe se tem pro
Bunciaio a rceu favor e por ease claratr sympatbi
co minha caora. e raui particolarraanlo declaro,
que ransidero setu retribalcio posslvel o esponta-
neo inti P'.--e, qi^ tomaram p>--r rala os meus tres
mdicos, nma familia rspeitve e algnns amigos
que me franquearam o.* recursos de saas bolsas e
servigo.*.
Peruambaco, 18 de Janeiro de 1868.
J. Ramos.
______
I pito e pratieo Francisco Ribeiro Barros ; pode
.marella ; a Jos Lopes Davina, admittlr aioda aljama carga, que s* irala com o
saecas algodio ; a L A. Siqneira. ,ea consignatario Antonio de Almeida Gomes, na
18 ditas dito ; a Jos dos Santos Naves. roa da rot n. 23, Io andar.
32 ditas dito ; a J. Sa' Leilo Jonk>r.
Ao respeitavel publico illus-
tn;do e imparcial.
Jastifiur-i-aie plenamente com vinte doeorasntos
aolbeolicos de prssoas Impareiaes e fidedignas, pe
raote o venarando c-.-nselno direct>r da iustroc(o
publica, da queia que algoem, meu pequenioo,
gratuito e raticoroso luimigo dirigir aao Eira. Sr.
presidente, o mesan conselno fn limlne a julgou
improcedente Nao puso deixar de dirigir aos ex-
cellentisimos vaiojs conspicnosa que compoe ta 1
respellave conseiho, om voto sioeero de raeoahe
cimento e gratid pela inlerea e rectidao com
que ierarn ab.-rtir esse trama pequenino, Q to do
despeito e da invrja.
Podia chamar esse signara aostribnnaes do paiz,
nos quaes depo-lto inteira e plena confi in;i, e so-
da sera djvida, aria ponida a injuria impressa
ne;ie Diario, que me irrogoo, visto achar-se elle
incorso nos art*. 236 e 238 do codiuo crimioal,
combinados com a 2a parta do art. 239, a quil se
exprime assim : Aquellas porm (impaiocde?) que
eontlverem faclos da vida privad, oo sejam coo-
tra erapragados poblicos, ou conlra particulares,
nao serio aoioittldas a' prova.
Como, poror, soa sacerdote, quero osar ainda
da cari.I ida, lemaraodc-me da matima do Salva-
dor, ilijite mmicos vestros, benefacite is qin o
dirunt nos et orate pro catumnianttbus el perses-
quenlibus nos; por isso de todo o ato coraco o
perdu.e rogo a' Deas que do mesoio se compadec
e o iuni.ne com om raie da sua divina gra;a.
Recite; 20 de jaueiro de 1868.
Padre V. Varejao.
\v II. 1), diree-ldr da l. P.
Responienlo a vossa publlcigUo de hoja t90ho a
dizer-vos iiia fra impossivel a ningosm dedi-
car vos ns m-us Haltcos, seodo vos devedor dos
bons effieos, oue, ditais, me pre>tasles.
A apologa qua lazis dos pontos, que rejeitei,
deixa vara vossa real ioaptidu, para fallar sobre
a ma'eria, como a vossa poucaoa n uimroa intelli-
gencia dos .'-1 .'iris do vosso otBeio.
Quanto a leatitie e competencia dos membros
do consa;bo, e a miaba habilitag j para a cadeira
a qui dasejava op,6r-me, ou nao lestas ou oo
entendestas o qhe lenlra poblie.ado. \
Sobre vossas virtudes ba quera 'melhor do qoe
eo e do qoe vos possa dizer.
Educagao? ........... Calai-vos.
Reeifa 21 de jaoeiro de 1868.
R. H. da Silva,
136 meios da sola ; a Gomes de
ro (X iriuao.
37 canas fogo da China; a Perreira V Loa-
reiro.
Vapor braslleiro Cruzeiro do Sul, vindo dos
portos do sul do imperio, maoifastoo :
400 rolos fumo; a A. L. de Oilvelra Azavedo
A C \
147 ditos dte ; a Joao P. da Silva Itovaes.
82 ditos dito 5 a C. A. Sodr da Molla.
10 iaiat fumo ; a J. L. Bourgard.
Eneommenoas.
3 volnmes a Jos Gomes de Freftas, 1 a Lailha-
ear 4 C, 1 a Barnardioo da Mlva Casia, 4 a
Gregorio P. do Amaral 4 C-, 1 a J. W. de Medei-
ros, 1 a J L Boortzard, 1 a Laiz da Silva Guima-
raes, 1 amadama Palque, 1 a Abroo & Varas, 1 a
J. C. Ribiro de Brilo, 1 ao Dr. J. P. de Paiva Bara-
cbo, 1 a Simpsoo Brood 4 d, 1 ao Dr. L. F. de
Souza Leo, la M. P. da Costa 4 C, 1 a-Caixa
Filial, 1 a \ndrade 4 Rao, 1 a' ordem, 1 a Moa-
roo 4 C, 1 a J. \. piolo Siro.
Blata loglex U.detra, viada de New York,
rivnifesiou :
30 caixas farinha de mllho ; a A. da Mont.
10 barrls cjrveja, 1 volme Iivro, 1,000 feixes
adueas, 51 raeias barrica tintas, 5 caixas lypos,
i feix.-s caxetas, 4 ditos cavaletes, 40 ditos arcos ;
a Th Just.
50 barris breo; iR. Postar & C.
Patacho ingles Amazon, viodo de Terra No-
va, manifeslou :
1.700 barricas bacalbao ; a Jobnston Paier
4 C-
RECEBEDORA DE RENDAS INTfRNAS
GERAES
rtendimento o dia 1 a 20.......... 20:5715251
dem Jo dia. 21................. 851*610
COMPAILHIA PERNAMBUCANA
DK
Naregaeo cosieira por vaper.
GoiauM,
9 vaoot Parahyba, comraan
dante Mlro, seguir' para o por
to acln a no dia 25 do correte as
9 horas da norte. Recebe carga,
r eniommeoda?, passageiros e d -
nheiro a irete, oo escriplorio do Porte do Matos
n. 1.
Oeapllio Manool Antonio Ribeiro iuiz
!Pa. a -'"SM d S. J,s desta eidade o
doo sna residaoc.a da casa da roa do AUcrim pav
raadaruaAuguta o. 53, na mema raga?*n
de a. J>se onde palo ter procoraij.
p w FElTOR.
precisa-se de um hotuem, que entenJa
de jardiro e de plantas, para uin sitio ora
linda, prefer:vdo-se portuguez: nesta Iv-
pographil. J
J. FERREIRA VILLEL4 ,
Photograpbo da Augusta Ca>a Imperial'
de Brasil
. kmat
felba n. I! precisa-e alogar doaa amaa
oo seravas, endo orna para CMioba a eo-
a andar com orna enanca.
PREMIADO NA EXPOSIfO PQOVINCUL DE PER-
NAIJBV/CO E NA EXPSSlfAO CENTBAL D3 RIO
DK JANEIRO EtB 1866.
Acba se fu|ida desde o dia 15 do correte,
* *' crioula,' de oome Garalda qoe foi escrav
i < i M. Joao de Oilvelra Leile de Sooza, eslabeleci-
ji.rui lirg*^ Rosa''. q"l tem om loubioho
soort as cosua dr urna das mos e representa ter
" '%' 40 os; eoosla achar-se oenlta oo bair-
?1 BU> A0101' ob talvet aa>Caa Forte:
qoeco a pegar ou der notjela exacta oode ella se
acoa )Mira iingfr-se ao CJoiro sitio o. 8 qoe
Tem aMapbotograpbia, a sais antiga desta i 'b' 6"'*' ffleao, pro"iestando-"se por percas"^
provincia, aa rna do Caboga o. "18, sobrado, com;amnns cotra qoem a |1Yl,r IC0iiada.
GOMPANHIA PERNAMBUCANA
Di
Navegago costea por vapor
Macei escalas e i'enedo
O vapor Potengi, comraandan-
te Pereira, segoira' para os" por-
to cima no oia 30 do correle
as 5 horas da arde-. Recebe car-
Ka at o dia 29, passageiros e dioheiro a frete al as X horas da
tarda ao da da sabida no estriptorio do Forte
do Malos o. 1.
Para o Rio Grande do Safsshfra' sem maior
demora por ter alloma carga prorrpta a barc>
brailleira PomomAa, capitao Joaqoiro Bernardas
de Sauza ; recebe alguma carga a frete : para
tratar no tsenptorio de Amorim IrmSos, rna da
Cruz n. 3. ^^
Para o Rio da Janelrr segu com brevidade
o patacho brsileiro Grogm, cipito Amonio lveo
da Silva ; tem prompta parte da carga, e recebe
rano a frete, para o que trat t se oo escriptoris
. de Amonm Irmos, ra da Cruz n. 3.
A aztracvo da lotera 5f sera sabbado 23
corrente mez.
O escrivo,
____"Jos Pedro las Noves.
J7.?riMa el UgoliniTperelra Giraldas tem
urna carta nesia typoKraphia.
diado
No cal commereial do largo do Corpo Sanio n.
a, precisa-se de om criado forro ou escravo para o
ser vico domesrao.
Rogase ao S'. ManoeFTiToTBKlioTSatos
que foi earcereiro da aoliga cadeia de.-la cid^de'
que venha quinto antes a travesa do Lima n. 7, a'
oegoclo qoe oao igoora, do conlrano se publicara
o tal Brgocto.'
eotrada pelo paleo da matriz.
Tira retratos par todos os syslemas phologra-
phlcos.
Retratos em porcelana.
Retratos em laico.
Retrato* em papel (diversos tamanbos.)
Retratos para alOoetes.
Retratos para botSes e para argolas.
Retratos para cartas, em papel de escrever.
Ambrotypos com as edres ao natural.
RE
a 9#000 a
dan* de retratos em carios de visita.
Tem sempra om coroplato sortimento de pio-
dotoa chitnrces para vender, assim como quadros
caixiobas de papel, le marroqQim, de bafalo e d
madraperola, p*8se-p>r-toots, alfinetes de ooro
simales e comraoins, esmeraldas e parolas finas,
cassoletaa de ooro etc., appsrelbos phoiograpbicos
que se vendara com lodos os prepares a dando-se
precisas informabas para se fazerem vistas oo
retratos.
A pfaotographla esia' abprla lodos es dias.
O Dr G. A. Raposo da Cmara, medico'
tem aberlo e seo escriptorio na roa da Cadeia n>
55, andar, onde pode ser procurado das 9 boras
da maoha as 3 da larde.
dr,7n ^*^f10h'.SS'8,,,d^^e,,,, SrTom Ro-
drigues da Cunba que tenba a bondad do mandar
do aneo de 1886 mandara botar em a st.a offlcna
a i na do Jasmim o. ..oh e eoneerto; palo
que declara se o mesmo Sr. Thurr nao manda?
abano asslgoado a mandara' boiar fra de soa-
tina nao se respoosablllsando por qualquer rjarnuo
que possa acontecer. H H .m
Guilberme F. Daegel.
Offerece se orna pessoa habilitada para al
mmisirar algum sitio, leode om esravo eem o
qoal laittbem faz qoalquer negocie : quem qoizer
se otilisar de seo preitim> deixe carta com as loi-
ciaes M. S. R. na ra etreita do Rjsarlo b. 22.
loja. ________ '
Quera aehno ura embrlhoconlenflo algumss
sedlas de 205000, IOJ'00 a dhi para baixo at
1*000 na importancia de 140*000 a 150*000, aoe-
rendo resluoi-lo, tenba a b.ndade da o levar ao
carlono da fazeuda jooto a secre.arla de policia 4
ra do Imperador.
Ama
Na ra da Concordia no sobrado do armazem do
sol, preeisa-se alogar aira escrava ou urna ama
fw>rra, que cosinbe e epgcmme para pouca familia
psga-se beo. '
FESTAS
21:122*862
CONSULADO PROVINCIAL
Rocdimeoto do dia 1 a 20........
dem do dia 21..............
Para o torto
101:810*794
MOYIIENTO J)0 PGBTQ
segoe com a possivel brevidade por ler sua estiva
eogajada o brigue poriugeez Trtnmplio : ^ara car-
96:213*895 ** e passageiros trata se com oa consignatarios
5:3969'5 Tho^ai <>e Aqoino Fonseca & C, ra do Visarlo
o. 19, 1 andar.
'lia List a*
Segoe sem demora o brigoe portogoez Caos-
taotell, por se acbar cooagraoda parte da soa
carga prompta, para o restante e passageiros Ira-
tase con Olivein Filbos A C.. largo do Cnrpo
Saoto n. 19, ou con o caplt&o oa praca do com-
mercio.
9
Aluga-se
om sebrado de om aodar e soto com bons com-
modos oe largo da Ribeira de S. Jos o. 19 : a tra-
lar na Boa-vi.ta, Corredor do Rispo o. i^.
f Aehoo-se urna canO no rio Capibaribe, quem
se julgar tom direito a ella dinji-se a Porta d'Agoa
em Apipucos : sitio do engeuneiro Ciroeiro Joo-
teiro.
Precisase de um caixeiro pan tomar coota
de urna v?n a b que d eontiecimeoto da sua con-
duca ; a tratar ua ra do Rosario da Boa-visti. ta-
berna o. 56.
Ama
PrecisB-se de orna ama para cozinhar e comprar
para casa de hornera aolteiro ; a iraiar na roa No-
va n. 53.
COMMEECIO.
.'-.'_ *'
DECUBICPZS.
PRACA DO EC1FE 2t DE JANEIRO
DE 18t8.
Cntjc.'s ifliriaes dajanta de eorreterw
As 3 horas da tarde.
Herga-feira 21 do correte)
Assucar rsascavado purgado2*850 por arroba.
Assocar mascavado (americano) 2*730
por arroba.
Assocar maseavado broto 2*650 por arroba.
Assocar maseavado da Macei3*100 por arroba
posto a bordo.
Algodo 1* sorta 8*500.
Cambio oore Loodres 90 d/v 18 d. por 1*009
DescoDto de letras9 00 ao noo.
Prete Oe assucar para New-York -45i por tooela
da e 5 0,0
Preta de assncir daste porto para o Ca Bal42,6 por
tooetada e 5 0t0
Jos de Aquioo FoBseca
Presidente.
Francisco Mamada de Almeida
Secretario.
Novo banco de Perambuco
em liquidaco
Os possuidores de notas da emisso do
baoco queiram qtianto aote? apresental-as
ao troco.
Cala fiiai do baa a da Brasil en
Pernarabaco
Da or.Jn ti da directora-so faz publico qae o Ihe-
soorairo/aspeetivo paga o 28 dividendo das ac-
c3*8 lo banco dj Bsasil, lo^alisadaa nesta caixa
na ratS i de 10* por acgSo.
Recite l d.' jaaeir: de 1868
O gaarda livros
Ignacio Nooes Crrela.
EM LIQlDUgiO
Novo banco de Fernambuco
Os Srs. accionistas podem eceber 9 3.*
dividerido (eta moeda crrente) de 10 o/o do
capital, assimeomo o i. de 30 o/o. et 2.*
de 49 u/o, j annnnciado3.
A caixa filial do banco do Brasil nesta
mete* troca u soas notas dilacerada*.
ENGLISH BANK
Of -Rio de Janeiro Limited
Dwcontt letras da praga taxa a coa, Ci
' ser embarcada ti da da soa ebegada, eocommen
Reobe ainheiro em conta corrente e a das e diobiro a frete at ao dia da sua sabida aa
praso flxo. 2 horas. Previoe-ae aeeSrs. paseagairos qo-soas
-^ A iota aii nram aKr *ia.a~, passageos s seraeaawro nesta agencia rna dt
.^LL S ifn?nPT!i 80brflsa atiM Croz o. 57, orlmetro aadar, escritorio de Anlo
IBiocij'aes de Europa tena agencias na Bt- aio Laiz de OUtclc* Ajered te.
Nanos entrados no dia 21.
Rio de Jaoeiro e portos ioterraedios5 dias e 12
boras e do ultimo porto 12 boras, vapor brasil-ji-
ro Cruzeiro do SU, 'e 1117 toneladas, eommm-
daote Alcoforado, equipasen 63, carga difieren-
tes gneros ; a Antonio L. de Oliveira Aaevedo
& C.
Babia13 dias, pataebu braslleiro Caeieiro, de 255
tonelada, capllo Jos Pereira los Saois, eqw
TJJfrem 7, carga 1322 barricas com bacaihao e
ouiros geoeros; a Jobostoo Pater C.
Montevideo36 dias, barca brasileira Sania Maria
de 226 toneladas, capitao Francisco G. Peona,
equipagem 15, carga 2754 jo, hespanbes da
carne ; a Aftorim IrmAo.
Lisboa-32 das, lugre portoguez Julio, de 277
toneladas, capitao J.o de Barros, ejulpagem 13,
carga diffrentes gneros; a TDomaz de A.
w^a?BSA*A Pretende seguir com a maior brevidade posai-
Moniavjdo-33 das, galera ingleza Barbira, de vel a b-rca porlpoea Social, por ter a maior
b3 tonelada?, capitao N. Jamas, equipagem 17, parte da sen carregamento eogajido, para o resto
em lastro; a Johastod Paier & C. | e passageiros e para os qoaes lem bons cornmodos
ArSaly-/<". h9 braslleiro A/arw Ame/u, de irau-se com o consignatario Joaqmm Jas Gon-
5, looeladas, capuao P. T. da Assis, equipagem ;?alves Baltro, roa do Trapicha o. 17 ou com o
o, cargaaigodao e outros gneros; a Parete capitao.
WAMU rEB.UHl'U!U
DI
Xa vega cao costeira por vapor.
Rio Formoso.
O vapor Mamanguape,
coiMPaadoBla Corta, se-
guir' para o porto aet
roa bo dia 26 do corrente
as 11 boras da maohaa.
RfCbe carga, passagei-
ros, encoromendas e di-
oneiro a frete ao escriptorio do Forte do Matos
al.
Friiaeias lettras.
Defronle da malriz da sso-v'sa
a. 84.
Jos da Biitancoun, preieude estabelecer esco'a
do sexo mascoliuo ca sala interior da casa onde
leve leja da calcado e all fecefaOOU algans raeni-
no?, oovaa arito se propoa a bsb exarncio per es-
tar autorizado para esse tira; atiaoca a boa lettra:
na mesma casa, das 6 boras da unbaa s6 Ja
tarde.
Presente para meninos.
O Alphabeto Portogoez Illustrado, con-
tendo primeiras nocoes de religiao, urbani-
dade e historia santa: elegante volme,
com numerosas estampas.
1$06O rs.
LIVRARfA FRANCKZ4.
Casa mobiliada
Alaga se por 6 a 12 metes, um on doos anda-
res, muito aceiado, n'oma das prioclpaes roa?,
com motulia de jacarod,' e ura plaoo, e m billa
completa para sala de jantar e quartos e at urna
escrava : na roa da Cadeia do Recife n. 30, seguo-
do aodar se lera' jnformaco.
16Ra da Cruz16
Ha diariamente oeste estahelecimeoto ura sorti-
mento de doces pa a cha, po-de-l, bolos ingleze?,
polio*, Banbre e fasHais de ditTereates quali
dades.
Viohos Baos de todas as qualidadas, concervas
licores, etc., etc. Recebem-se encommeodas de
trabalbos proprios de pastelera para graodes jan-
tarr?, bailes, eaaaOMOtos e banisados, hav^ndo
para is;eoffiies anilgos, b.alejas de holinbos,
tanto da armago eomo san ella, pao de l de-
corado?, seceos e ouiros belos da muias-especiaes
d i ll areolas.
O douo desle estabelacimeoto tem resolrido
substituir Das bandejis as armarSes de papalo e
de folha, porarmacojs da assocar, enmpet-ote-
manta decoradas, unto para a proviacia como
para fra. Carios eucommendas bem acondicio
aadas.
Prancisco Doarte Pinto Vleira far scieote ao
corpo do commereio que den sociedade a seo ea-
xeiro Antonia Dnarte Machado ero sua loja de fa-
zeodas da ra Direila n. 5, qoa y,Sra' d'ora em
diante sob a rma de Pr>nciJcu Duarta Pinto ?iei-
ra & C.
Recife, 20 da jaoeiro le 1868.
_ Prancisco Uarte Pinto Vleira-.
Precisa-se de um eaizeiro qoe 64 ^ofu
sua conducta: na padaria da roa Direita o. M.
Pelo presente aonuncio previoe-se a o,aal-
quer pessoa que ae propooba a comprar a casa
terrea da roa Direlia da fregoeiia de S. Jos o. 08.
propriedade do Sr. Alexandre Jos ornes, qoe a
meroa propriedade acba se hypotheeada na qeao-
iia de l:0( 0*. E>ia dtelaracao tom por fim errtar
quesi5es futuras.
Precisa se de um can iro para a palaria
alleroaa de Santo Amaro, qne d garanta de soa
condocia.
O bacnarel Manoel Joaqoim Praucino le
Moura tem o seo escriptjrio de advocacia na roa
do Queiroado o. 29, onde pode ser procurado para
o exercic o de sua proBssao, das 10 boras da tna-
nhaaas3 da larde.
Alosa se um preto cozijiheiro : quem o pre-
tender dinja-se a rna do AraKao n. 1.
Aloga-se a casa tfrta'n. 16 da ra do Jas-
mim : a tratar oa roa das Flores n. 37, 2* aodar.
Precisa-sel* urna ama para o sarvico de
urna casada pouca familia : na ra do Crespo D.
18, 2 andar.
Precisa-se de um criado para compras e o
roais servioo de casa : na ra do Imperador o.
73, 2 andar.
Paga-se 30* roeo.-aes a urna escrava qoe
aiba bem crsinhar para urna familia da 4 pessoss
e ipoal qnantia a ootra qoe saja perfeita eugom-
mad^i-a : a qoem cnviar esie negocio pode din-
eir-se em carta fchada a N. D. nesta typogra-
phia, para ser prorurado.
- Offerece-se
f-em menino : a
o 64.
orna ama de laiie muito tem e
trat r na ra das Aguas Verdes
Porto
Vianna & U.
Navio sahtdo no mesmo dia.
CanalPatacho inglez Jame, c&oitio Eveos, carga
assucar.
Observacao.
Sospend3a do lamaro para Londres, a galera
ingiera George Thompson, capitn H. Maonr, com
a mesma carga que trouxe de Geeloog toa Aus-
tralia.)
O eooselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar :
3,900 covados de panno asal para capotes, 2,000
varas da algodio-slabo e 500 varas de aoi-gom, 1
par de pratos tarcos.
Qaero qoizer veoder ditos arli^os apresentera
seas propoaias na sala do conselho as 11 boras de
di a 22 do correle.
Coosrlho de compras do arsenal de goerra, 20
de Janeiro de 1868.
Jos Maria I leifooso Jacome da Veiga Pessa e
M-llo.Presidente.
COKKKIO GERAL
Relaceo das carias r-'vistraii- viadas do sul pelo
vapor Cruzcro di Sul, para os Srs. abaixo de-
clarados :
Dr Aoiooio Doarte da Silva, Antonio Anoes
Vieira da Sooza, Antonio Barrv>rdiuo Muoiz Bar-
ros, baronesa de Cimbres, Dr. Candido Vieira Cha
ves, tunete Emiliano E. da Mello Tamborn), t.
Feliciana Mana do Reg. Dr. Prancisco de Garva-
iho SiW Braodo, Dr. G^rvazio C. Pires Perreira,
Dr. Gabriel Soares R. Cm ira, D. Joaooa F. de
Gusm) Lobo Vital, Jos Francisco Morelra, Ma-
noel Beato de Oliveira Braga, Pedro Alexandrino
Rodrigues Los.
Pela admiaistrafo do crrela desta eidade
se fax publico que boje (22j pelas tres boras da
tarde, facbr-se-n3o para os portos da oone as ma-
las qae o vapor brasileiro Ouzeiro d Sul tem de
cooda'zir. 0- j roaos rectbar-se-bau al mel dia
e as cartas sero submeitidas a' registro al ama
bora.
C jrreio de Perooatbaeo 221 jaoeiro de 1868.
Para Babia.
A sabir o mais breve possivgl o palhabote naci
nal Protector i a tractar com Jo- Maria Palmei-
ra' no larg0 do ^' rpo ganll> D" l0 ani,ar-
Ilha de 8. Miguel
A barca portugneta Parary, tem a malor parte
do seo carregameoto proropto e para o resto e pas-
sageiros, paraos qoaes tem bellos cornmodos tra-
ta-secom o sen consignatario JoSo do Reg Lusa
a ra do Ap- lio n. 4.
Para Lisboa
AVISOS MARTIMOS
COMPANHIA BRASILEIRA
DS
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte espera-
do al o dia 2 de feveceiro o
vapor Paran, remmaodante
o capillo tenle Jo> Bsy
mando le Paria, o qoal de-
poi- da demora do costume se-
guir' para os portes lo sal.
Desde ja se recabem passageiros e eogaja-se a
carga qae o vapor poder coadazir a qual eT*ra
Val sahir com brevidade a barca portogoez
Pereira Borges, por ler oro grande parte da sna
carga prompta, para o restante e passageiros tra-
ta-se com Oliveira Filboi & C, largo do Corpo
Saoto o. lO.oocom o eapitooa prac,a do com-
mereio.
Gasa ahigar-se.
Aloga-se a casa da travassa da Coocordia, que
foi de Jrineo Januarlo de Ovaira, caiada e pintada
de novo, com ornto b^m quintal murado pira
planta-Si?, muito fresca, o excellentts coromudos
para familia ; os pretenderles p:dam exaroiua la,
que ainda se esta' acabando a pintura, e dirigirs-
a ra dv> Iraperad >r a. 27 2o aodar, oa a ra do
Apollo n.47 1" audir p.r* tratar sobra o aluguel.
- ^omlt^^T'na^oa c^li Eucanameuto para agua, na
do Recife 0. 10.
Tambera neste ro-smo asiabeleciraento corapra-se
pevide de melancia (aidlo).
Nova inveneo de bomban
na ra Nova n. 30.
cr* Cliegou um sortimento de bombas,
as melhores que aqui tem viodo, por tirar
agua sem iofruem tocar.
Ama de leite
Precisa-sa de urna ama de leile :
Crespo n. 23.
aa r
do,
Aluga-se o terceiro andar do sobrado n. 8
roa da Imperatr i e nm srbrado a Passaeem da
Magdalena perto da p na : a tratar com J. J. de
M Rapo a' roa do frafUChe n. 34.
Cff-iece-se um feitor que entende da toda a sor-
le de p'-intagSe, sabendo bem oceupar-se de todos
os mlsteras agrcolas, e do qua di. respeito ao tra-
lamento de animaes, pas que conheca a arta ve-
terinaria : qoem precisar ou anouncie para ser
procurado, oa dirija-se a ra das Crnzes, taberna
da porta larga.
Ao publico
PARl I.I8B04
Sahe com muita oresta2a a barca portogueza la-
nana I, por ler contratada sua -stiva : para o res-
to da carga e passageiros trata-se com os consig-
natarios Thomaz de Aquioo Pooseca & C, ou com
o capitj oa praQi.
orto
A barca portagneza Amelia seeoe em poacos
dias por se acbar cora a carga quasi completa :
oa/a o resto e passageiros trata-se com Bailar A
Oliveira. roa do Vigarlu a. 10.
<-
LEILOES.
De 2 casas terreas de taiga sita na
barratra do Ca&airg
Cordeir Simoes
por mandado df Mm.Sr. Dr. juit de orptos le
vara' pela segunda vez a leilo as loas casas ci-
ma descnpias seqoeslradas por faliecimeota de
Maooel Joao Coalbi, aervmdo le base a offerta
oblida no leilo de 17 do corrente.
HOJB
a porta do predi qae f da AttOBiac'-o Commer-
eial.
y^^i^afeCf
DeiOOO botijas de leaebra bambr-
gaea, 90i> >teira8,1S caixas ca
>iaba it Lolares e^O qieijes da
Quiota-teira.
O agente Peattaa hr* U*lao por conta viseo
de qoem pertaocar loe geoeros aelma endona-
do em lotes : qolnti-feira 23 do c< rreate ao ar-
mazeaj do AaRes aa ti bocas.
Os abaixo assignados participara ao publico e
com espechlidade ao respeitavel corpo do cum-
marcio, qoe dissolveram amigavelmeote a socie-
dade qoe tm*am oa loa de fatendas a' roa do
Queiuado n. 5, qae lera gyrado na razao de Moo-
teiro & Guimarae?, desda o dia 31 de dezerohro
prximo Ando, ficando o ex socio M moel Mooteiro
da Conba com oestabeleelsneoto, pertencendo-lhes
todo oa-tivoe obrlgado ao passivo. Recifa 18 de
Janeiro de 1SC3.
Manoel M>nteiro da Cunba.
_____________Cuotidto Jos Alves Gulma.aes.
Precisa sa da urna ama par esa de nma
s oessoa : a tratar ua ra da Senzalavelha o.
112, andar.
Fasta do marijr S. Sebastio oa \il-
la do Cabo,
No dia 16 do corrente ievantou se- a bandeira
do Gl tioso Martyr S. Sebasliao co i. toda a pompa
a brilhantismo, leudo sido cantados sanboras e meninas- com o acompanbamento de
unaa exeelleole msica da paocadana sob a direc
cao do habH profasaor Salema, mestre da mus
caNova ttarmoma.
Tem conouado as naveaas com toda a solem
nidada, as qoaes Ondara oa ooute do dia 25 do
correle.
No domiogo 26 teri lugar a fa&ta com todo o
aparato e expiaodor dev'dos, seodo a orchestra
composta de escatienta pessoai, tocando igualmen-
te dentro e foro da igi-eja a rnu monfa, sob o dlreccao do refenrfo ma-tre
O a ao Evogalbo o El n. moaseobor Pinto de
Campos e a DobteaajDo Ta-Deura o Rvd. padre Mal
lo. Dapois da fasta subir um balo em forma de
aojo.
A tarde haveri procissSo qne percorrer todas
as ras da villa acompaabada por duas msicas de
paaradarias.
A nnita qaeimar se-ha om grande, variado e
mag.iiri ;o fogo de aairi io, coropo.-to om soa maior
parta de pecis ioteiramente novae,;eoncluiodosa
coro a subida de tras baldas cada Om de formato
diverso e agosto.
ra Nova n. 30.
tsw Fazem-se e coDcerta-se melior e mais
barato do que outo qualquer por ter objec-
tos vindos da Europa de coota propria.
Fugio no dia 2o de selembro prxi-
mo passado do engenho Pona!, o escravo'
J'3o Monleiro, com os signaes seguiutes :
cor Zulla, idaie 30 annos pouco mais ou
menos, psum pou:o giossos, cicalrzes de
chicotes e j esteve ac utado mais de dous!
annos na povoacao do Monteiro, de onde foi j
preso e recolhido h cadeia da eidade de
Onda : quem o capturar podera' entrga-
lo ao seu senlior Vicente Mendos Waoderley.
no engenho Ponlal, sito na comarca de Se-
rinhem, oa no Recife, em casa de Manoel
Alves Ferreira ti C, na ra da Moeda n. 5,
segniio andar, que ser gratificado.
Fugio no dia 27 de dezembro prxi-
mo passado do engenho Puntal, o escravo de
nome Jerooymo, com os signaes seguiotes:
crioulo, de idade de 20 annos pouco mais
ou menos, bem fallante e bem conbecido
nesta ci 3tie, pois j foi preso por querer
assentar praco no corpo de policia : qnem
o capturar poder enlrega-lo ao seu senhor
Vi :ente Alendes Wanderley, no engenho
Pontal, sito na comarca de SerinhSem, ou
no Recife, em casa de Manoel Alves Ferrei-
ra & C. na ru da Moeda n. 5, segundo na-
dar, que ser graliGcado.
fliho
Precisa-se de urna ama de leita sem
pasa se bem : a tratar na rna da Concordia casa
de portao da ferro oo na roa da Praia ns. 13 e 15
mmwm mmmm mmmwmm
m Coliesio lie S. Pedro m
O baebarel Manoel Barbosa de Araoj | avisa ao pobco em geni aos paes n> S3
S seus alumnos em partirolar qne inudou &$
^1 sua residencia para a la do Uiapicio, jg|
a sibrado o. 26, e qua de hija em diaol*- ^a
M l>roara o seu collegio a denmlnacao de 1
K| S. Pedro. Outro slro, selei-iiflca a pus fi
2 alumnos tanto internos como externos 22
B que do dia 7 do correte roe? em diante |
| eorovcs'o a funcionar todas a aulas R
Ka do relari "o e>tabeleclmnnto sob a direc- i
Ca.i do TiH-m .- prnfessorrs.
Precisa se de urna pe-soa para coslobar e
engomraar em caa da familia fraaceta : na roa
do Imperador n. 79, 2* andar.
Advogacia S
O bacnarel Laorioo de Moraes Pinbei- |S
fj^S ro continua cm seu escriptorio da advo- sm
^ nacia a' ra do Apollo o. 47, ?ndr, ^|
2& nnde pode ser procurado das 9 1|2 bo- ^
ras da maoea as 3 da urde, d-oici-e ggj
3 pspecialraei.te a causas cdVbmereiaes. ^
1^ Ns cd aos 0P|3 p0,;t 0 SpOS c.jU.|| gB
Bjjt 'U'nies entender-so com o sru amigo o figo
2 Dr. Francisco da PauU, Pcooa, a ra do g*
iSH Qo-iroado n. 29
mmmmmm 0 m mw mmm
to.v'lllllif-O.
Precisase da om preto escravo : oo armazem
de I no a oa ra do Imperador o. 45
Jos fedro de MaJeiros, laudse retirado
pv3 fra da provincia, e coma n.o tivesse tempo
para despedir-se detooas as pessoasde sua auii-
sade o tu agora palo preseota.
.\
Poglrara, desla capital, emdias de novembro, os
escravos, Garvn, pardo, nariz aalo, representa
lerdetdade 38 annos, eabeca e barba pintao'do,
falla descanjada, lem o braco Uig-lto alaijado con
seqjaaacia de urna i|uada, trbalo alguma coosa
de earpioa-o pareoe ser torro, oataral da Babia;
a o pardo NapoleAo, estatura regular,idade 26
anoos, pooca bar*a> e Mi gross. Descoofla-ae
qoe fu7iram para o intarior da proviocia, oo pro-
posite de seres reeroUdos. Rocas* a telas as
pe.-soas qua deOae iverera ootieia de os fater
iiolaiariieneaaainUtar oa ruada C*d la de Re-
cua, .3ft,oae serao gratiaVaitns geaerosameo-
te. Bscile, ti da Janeiro e 186.
Precisa-se de ama ama para cosiohar e com
orar, paga se bem : a tratar Da loja da ra Nuva
o. 11. _______________________
Precha-se alujar ama cas qoe aja per-
to da iiragae qae le ba commodos para grande
familia, prefenndo-se casa que se acbe perlo a
urna estaeo dos trilhoa urbanos: qoem liver diri-
ja-se a roa do Sebo, fabrica de cervtja.
Precisa-se de orna que ceslobe e engomle para
casa de ponca faraitia em Apipucos : a tratar ua
roa d Cruz n 42, 2* andar.
Precisa-se da serventes
do Mattos.
u.-.s ibras do Forte
Preeisa-se de nma ana para engommar ; oa roa
do Trapiche n. 36-, 2 andar._____________
Declarado
Declare en abaixo assignada, que teobo consti-
tuido por mea procurador bstanle geral, na pro-
viocia de Pernambuco, ao Sr. Francisco rgaacio
Poto, com osea se devem entender acerca dos
meas negocios. Para' 1* de jaoeiro de 186.
Aooa Candida da Cunba Freir. .
de cozinha.
Precisase para casa de /anail'a de orna ama de
coznba, prefenodo-se escrava: a tratar Ba roa
do Crespo a. 23, loja.
O r. G. A. Walbaam, medico, tero o sen es
criptorio a' ra da Cadeta n. 36, seennoo sudar
oode da eoosolus todos os dias de 8 at 10 horas
ia maoba, e 2 at 4 boras do larde.
Fundido da Aurora em San-
to Amaro.
Completo sortimento de talxas de f rro
coado, molde raso, ltimamente aprobadas
para o fabrico do assocar.______________
Precisa-se de orna muiber lona oa eapuva
le boos eaMomes, para andar eooa om mealoo:
aa roa do Qaeimado o. 40, 9* oolar.
Irmaiidade do Divino Espiri-
to Sauo*.
O prcrurador geral abano assipnado segundo r>
qoe dispoe o art. 81 do coropromlssn, coovoca r>
cooselbo B.cal para sessio eztragrdiuaria no dia
24 do correte pelas 5 iu ras da tarde. aQm de dar
cumprlmeoto ao det^rmicado no art. 111.
Consistorio da irm eoade do Divino Espirito San-
to, 20 de Janeiro de 1888.
_______________Jos de Mello Costa Oliveira.
Precisase alogar uooa escrava que seja boo
quilaodeira : aa ra Imperial n. 23.
---------------------------- i '
Desapparecen no dia 20 do corrent. a tarda
da praca da Boa-vista a-a praga da Santa Cruz,
om cavado pedrez, levando cassuaes da carvoo :
quero o apprehend' o fara* o f^vor da levar a roa
da Sant* Croa o. 16, ejee sara' recompanjadu.
Fz-se Indo ngr>clo cem'oraa taberna sitiTo*
povoacao da Boa-viagem : quem a pretender djrl-
ja-se ra Augusta o. 114, qoe achara' com qoess
tratar.
Arreoda-se a engento Vafbo, silo na Tragoe
zia de Sant) Amaro de Jaboatao, moente correa-
te, com boas obras e bons terrenos de plantacSa?.
trabalba cora agua e muito abuod>nte desi, vea-
deode-se todo o oado e crias do mesmo eogeono
veodendo-se igualmente a desJacso curo alambi-
que de cobre, tudo era boro estado, earrocas e cap-
ros. Quem po>s qnlter fazer esse negocia dirja-
se ao mesmo engenho, a tratar coa o propietario
do mesmo. ________ _________^^
O aballo assgaado faz scieote ao respeitavel
poblico com especuiidade ao corpa do commereio
qae o Sr. Manoel Avalino de Barros Lima deixoa
de ser sea caixeiro de eobraocas desde o dia 20 do
cerreate.
Recite, 21 Oe Janeiro de 1868. .
_______Gailterme Jorge do Milla.
O blTbetelielro garaotido n. 9tl da lotera
51" drs volanianos da patria, perteoce ao Sr. ca-
pitao Arisiide* C-sar de Almeida (do Piaoby) e 0-
ca em meo poder.
Padie V. Varejao.
Pricisa se de om caneiro eosn praiic de la*
beroa alaocando soa condeou umbem se tbe da.
sociedade eotraodo com diobelro : no paleo da Ri-
belrao, II.
I1EGIVE1
I -


- *'>



>-f


Baa^BBBBBBBBjBj
,*Mii*i
Vafc
m
<*<
Blario c |>WMMH> tlaarta letra* de Janeiro de 4868.

'
A GAZ
PHARMACIA
ESPECIAL HOWEOPATHICA

y

k empreza do gaz desta cidade desejaodo facilitar geralmeote o uso do gaz na
tasas e estabelecinaeotos particulares, offeeece desde j as segoDtes vantagens:
1, Urna redcelo coosidoravel oes presos dos caaos, apearemos e todos os mate-
riaes precisos para a inslallacSo desta luz.
2. O gaz foroecido hoje e de extrema pureza e n3o ofender a prata, o bronze
oa oatro metal difieren te, assim coma nenbum damno poder* ausar s pintaras, quadros.
ornamentos, papel de forro mais delicado qoe seja, tornando-se ao mesmo tempo to sau-
davel e mais econmico outra qualquer loz, j conbecida, aGnal, evitar tambem a ons-
trueco dos canos e tubos dos apparelhos.
3. Os apparelhos existentes, como lastres, arandelas, bracos de vidro, de oron-
ze, etc., etc., slo proprios para os seohores que preferem luxo e elegancia, como para
os que necessitam simplicidade e economa. .
4.* As pessoas que qaizerem cJUocar o gaz em seas casas podem dirigir-se a em-
preza, a qual se encarrega da coUocacJfo de todos os apparelbos, canos, etc., tomando toda
a responsabilidade pelo perfeito oumprimento do masmo, oa por outra, podem empregar
qnalqoer maquinista recoohecido pela empreza, sendo o mesmo maquinista responsavel
pelo stu trabalho.
5. A empreza obriga-se ainda a reparar gratuitamente qaalqner falta der loz,
obstruccSo de canos, etc., devendo o consumidor pagar somonte as pecas novas que forem
precisas para o mesmo concert; qualquer reolamaco que possa haver, ser dirigida ao
escriptorio da empreza ra do Imperador n. 31, am de ser logo providenciada.
m: S A -Ra do CabagW.
Os proprietarios deste estabelecimento offerecem ao respeitavel publico
um explendido e variado sortmento de joias de ouro chegadas recentemente
da Eoropa, cojos modelos s3o novos e de bom gosto como sejam: pulsaras
com perolas, rubios, esmeralda e brilhantes, brincos da mestiu forma, anneis
de pbantasia, proebes para retrato, etc, etc., botoes de coral rosa para p-ito
de camisa e cacoletas d>m retractos.
Compra-se e recebe-se em troca ouro, prata e brilhantes pelo seu en-
trinceco valor, assim como moedas nacionaes e estrangeiras. Tambem se en-
cumbem de fazer concertos
Agostinho Jos dos Santos $ &
.^OOuAPHIA AllEM
so
DOUTOR SABINO 0. L PINHO
Neste importante estabelecimento se ach a Posto que, na segunda edic3o do The-
tudo o qoe necessario para a pratica da souro homeopathico ou Vadcme-
liomeopathia. cum do homeopattia, pagina 677, se
Medicamentos emglobulos e em tinturas ache indicad o meio de osar d'esse preser-
preparados com a mais escrupulosa exacti- vativo, com tudo convm repiti-lo com al-
dao por meio de machinas especiaes.
Carteiras portatets, contendo os pncipaes
medicamentos em glbulos i00, 200,
300, 400, 500 e 60 conforme a quanti-
dade de tubos.
Gaixas de medicamentos em glbulos e
em tinturas de 80,$, 1000, 1200 e 1500
rs., segundo o numero dos vidros e de tu-
bos.
( Estas caixas slo mui uteis aos mdicos,
senhores de engenhos, chefes de grandes
familias, capit5es de navios, e em geral
todos que se quizerem dedicar 'pratica da
homeopathia.)
Cada tubo avulso casta.......10000
Cada vidro de meta ooca de tintura. 20000
Vendem-se glbulos inertes, tobos vasios,
vidros para a preparacao das dses, etc. etc.
Escovas elctricas para tratamento das
molestias nervosas, principalmente para as
dores de cabera.
Apparelhos de lavar os olhos no trata-
mento das opbtalmias.
Apparelhos de injeccao para o tratamen-
to de certas molestias das molheres.
Cb preto e verde de excellentb qau-
oade para oso dos enfermos.
Vende-se igualmente o Tbesour ho-
meopathico ou Vade-mecum do
homeopatha (obra iocontestavelmente
indispensavel todas as familias, pela clare-
za, com que ensina a empregar a nova me-
dicina), preco 200.
(Em porcSes de 50 exemplares faz se o
abate de 15 por cento.)
CONSULTORIO HOMEOPATHICO.
N. 2 largo da matriz de Santo Antonio n. 2.
RETRATOS A OLEO
Temos a honra de partecipar ao respeitavel publico a volta do Sr. Alberto Hens-
cbel que fui Europa com o duplo fim de se por ao crreme dos mais recentes pro-
gressos da arte photographica e adquerir para o nosso estabelecimento mais um ar-
tista de talento.
O Sr. Alberto foi summamente feliz e conseguio cDgajar um destincto pintor de
retratos, p
SR. CARLOS ERNESTO PAPF
asombro honorario ca academia real de pintora da cidade de Dresda, e do qaal a reputa-
c3o bem fondada nos autorisa a erperar produces ootaveis no seu genero de trabalho.
Um progresso immenso ltimamente execotado na pbotograohia, um dos mais
importantes consiste n'arte de obter retratos em tamaoho natural, Oxando directamen
te na grandeza que se desaja, sobre a tela do pintor; o retrato pbotographado, por meioj
de ominstrumeato especial chamado : cmara solar de acgmentacAo.
Por esta forma o talento e o saber de um artista habii maravillosamente se-
cundado pela precisSo absoluta e infallivel dos contornos e das sombras que Ihe pe a
photographia sobre a tela, e tndo se rene assim para se alcanzar o maior grao possivel
de semelbanca incontestavel, ao que d rinda maior realce o sello artstico, que imprime
ao retrato um bello colorido.
Pelo mesmo processo nos podemos reprodnzir e pintar oleo, urna vez qne se
nos d orna photographia, seja de qae tamanho for qoalqoer retrato de pessoa morta ou
autente e no tamanho que se desojar.
As pessoas que quizerem julgar por si mesmas deste novo genero de trabaVbo,
65o convidauas a nos fazer a honra de visitar a nossa galera, aoode eslau expostosunul
serie destes retratos como amostras.
AMBROTYPOS
Retratos em caixinhas
Para satisfacer a numerosos pedidos de muitos dos dossos fregoezes, estamos pre-
parados para fazer retratos neste gene o, para osquaes tambem temos agora um grande
ve ariado numro de rica? e hnnitas caixinhas.
O Dr. Sabino O. L. Pinho d consultas
todos os das uteis desdo 11 horas da ma-
ob3a at s 2 da tarde.
As visitas aos enfermos sao feitas das 2
horas em diante; mas em caso de necessi-
dade as visitas poderlo ser feitas a qual-
quer hora.
Para que as visitas possam ser regulares
compre que os d entes ou os seus enfer-
memos mandem dar parte do seu estado,
todos os dias ate o meio dia as molestias
agudas; e de 5 em 5 dias as molestias
ebronicas.
As consultas escripias s5o respondidas mais
ou menos promptamente, segn lo as
necessidades da molestia e a distancia em
qoe se acba o doente, pois que neste caso
faz-se preciso indicar de urna so vez tudo
o que convier ao restabelecimento da sade.
As retribuices serlo pagas na mesma con-
formidade.
O Dr. Sabino roga a todas as pessoas, que
costumam consulta-lo por escripia, que or-
deero aos seus ponadores a prompta entre-
ga de suas cartas, visto que, entregando-as
como costumam, na accasio de se retirarem
do Recife, mpossivel responde-las satisfac-
toriamente.
PILULAS de BLANCARD
jtm ion curo n romo r* altz* ato
ApproradM pela Academia de Medecina de Paril
uma w .....i acoten, h Mi raiaaaaaaa
rilU01 MI PITAES O F***C, DA BLGICA, DA IBLAKBA, DA JWtfWtk, 1
i linrwB mi Bmfttifoii MMvrit t Htm-Ytrk, i 85, P*rU, 11W.
IMM PBnta nolfUat a*MM eaatsa rarioo-taltanrica te ama tennktadt tmwm% tm
flBIaftai Aa teron lntterei, w* takor, de ta peqoeno o!uroe, de na ernun m
* dhjettifM. Goeeodo da* propriedadei do las* do taB*| eUu cooitm artad-
aolaif le naa affeofoie CUormiittu, BierofuU**, tuktrnttmt, Cantrauu, o aHMorroaa,
aMaorriaa, tnemia, c; enfim, ellas oBeieeea ate pracoi ai nedlocao daa mala i
|lcaa para modiftear aa coomi(ue lymskaiUaa. frm oa doMMlodoa.
Jf. B. O Mdaraka da larra aspar* oa alterad* aa awalea
M* raid, irriunie. Gaaaa atora da parata da aalkaaeldada daa
ordadetraa Mlalaa do llmarl, d*f* -oa oUgtr a*aa* Hflt
aoaia reaetWa i......>iaM,aa>toat*daalda,ajoaieaahaaaaorla
ialariw da aa raalo ardo. ***o -m dnaaalar daa baala
r i
*
Vende-se na Botica Franceza roa Nova n. 25.
COLLEGIO DE SAMO AM4K9
\ 5 Rectfe, roa di Trapiche R. o,
Fnadado em o auno de 1865;
Director, o professor Jos Francisco Riteiro de
Souza.
O director do colirio de Santo Amaro, no intuito de montar en estabelecimento
covenieniemenlp, acaba de faier arqoislcio do eicellnte edificio ecn qoe aebava-se lo-
calisada a-Siccdade Oob do Recife,lia a' roa do Trapiche 5, para onde modoo
seo collegio. eincni-Ae i tnstrvcfao baseada no novo ?y e ponieoes, sendo totalmente abubdo o castigo manual. Continua a receber como al
aqui, alomnos pencionlsta, melos peorlonistaa e eilerou ; achando-se o estabelecimen-
to preparado com todo o asseio e comrondo, e prvido de om escoltido pessoal de pro-
fessores, qoe lecciooaro as seeolntrs disciplm :
Instroceao elementar B'tbor'ca e potica. Eerlptoracao mercantil
Liogaa latina Geograubia e historia Mo'ica||vocal e initromeotal
Francea Geometra Detenbo
> Ingleu Phik.wphi Dan
A abertora da aola eleroeoiar lera* logar no dia 7 de Janeiro e as demals do da
3 de feeretro em diante. A Inup^eSo de coropa/tirorntos do cnllegio e oa estatotM
d) mesmo, estao i disposlcao dos ioteread08. Oolro sim. o director tero creado on a
cadetra de dezenbo Bnexa a aola elementar, sem qoe or este importante e oiil melbo-
rimenio exija malcr indemnisacao.
O director emprrgara* todo o afflnco e coidado ni t, n parte relativa v bom
tratamento e^diaoUmesio de sen alumno, como tambero, na boa orden e regoiarid
i de sen eetaberecimeMe.
MEDICAMENTOS PRESERVATIVOS.
Em qaaesqaer epidemias o Dr. Sabino
faz distribuir gratis s pessoas pobres", no
seu estabelecimento, os preservativos neces-
sarios, dando-Ibes as competentes iusiruc-
c5es. -
Presentemente re'ma a epidemia de bexi
gas; muitos j se tem aproveilado com fe-
lizes resoltados do sea offereciment, feitc
oo Diario de Pernambuco; mas necessa-
rio que todos experimeotem esse meio to
fcil e t5o commodo de se preservarem e s
soas familias d'essa terrivel molestia.
O preservativo empregado a vaccina
elevada 5* dynamisac3o. As pessoas, qoe
fazem oso d'ella, oa nao sao accommetdas de
bexigas, oa, si o s3o, raramente as tem de
m qoalidade.
gans esclarecimentos mais.
Para ama familia dissolvem-se 20 gl-
bulos em orna garrafa com dous terfos
d'agua pura, vascoleja-se bem, e d-se
cada pessoa ama colherada pela manha, ou-
tra ao meio dia e outra a noite, durante
tres on cinco dias consecutivos. Deixam-se
passar oulros tantos dias sem nada lomar,
godos os qoaes, repete-se o remedio da
mesma maneira; e assim se continuar
em quanto durar a epidemia.
(As creancas at a idade de 3 annos to-
marlo o remedio as colberiobas).
Si a epidemia estiver muito forte, ou, si
oa casa houverem bexiguentos, deve o reme-
dio ser tomado todos os dias sem interrup-
co, at qoe a cousa melbore; depois do
qae volte-se a usa-lo do modo ensillado.
A garrafa deve ser nova e muito bem lava-
da, primeirocom agua quente e depois com
agua fra. (No caso de cao baver garrafa ou
vidro novo, poder servir orna garrafa de vi-
obo ou de agurdente, com tanto qoe seja
muito bem lavada com agoas qoentes e
frias.)
Para una s pessoa basta dissolver 6 gl-
bulos de vaccina em 2 oncas d'agua, e d'abi
tomar as colheradas como j ficam indi-
cadas.
Nao prensa grande dieta. Abstenbam-se
do cha e do caf fortes, do aboso das bebi-
das espirituosas, das comidas gordurosas
e muito adubadas Eis aqoi apenas o que se
exige.
PLUMERA CELINOS.
- (contra a mordedura de cobras)
Este medicamento gosa de moito bons
crditos contra o veneno das cobras e de oo-
tros aoimaes venenosos.
O Dr. Sabino nao tem ainda observado
pessoal de facto algum que o autorise a
affirmar sua eficacia; mas sabeodo que no
Rio de Janeiro e em S. Paulo elle tido co-
mo muito poderoso, mandou-o vir para ex-
perimentar.
Algumas pessoas do ceotro d'esta provio-
cia e da da Parabyba tem escripto ao Dr.
Sabino, dizendo ser incontestavel o mrito
da plumera no tratamento das mordeduras
das cobras.
Emprega-se a plumera celinos interna e
externamente, da maneira segoiote:
Uso interno Nos casos menos graves
dissolve-se ama o duas gotas de tiLtora
em duas oncas d'agua, e d-se ao mordido
urna colberada de hora em hora.
Nos casos mais graves dissovem-se seis
gottas em quatro oncas d'agua pura para
dar-se urna colberada de meia em meia hora,
de 15 em 15 minutos, e at de 5 em S mi-
nutos (segundo a forca do veneno inoculado
oa ioteDsidade dos symptomas manifestados.)
Logo qoe boover melhora, se espassaro
gradualmente os intervallos de urna dse a
outra.
Use externo. Ao mesmo tempo qoe se
d a beber o medicamento, applicam-se ex-
ternamente na parte mordida fios de linbo
ou de algodo embebidos em urna dissolu-
cao da mesma tintura constante de 10 gottas
de tintura em 20 colhercs grandes d'agoa.
Esses fios se conservarn sempre molbados
sobre o logar da mordedura.
O Dr. Sabino receber com reconhecimen-
to as commonicaces que Se digoarem de fa-
zer-lhe as pessoas qae experimentarem o
emprego da plumera celinos,
Samuel Power Johnstoa Ailiampaikii
Ra da Senzala Non n, 42.
AfiKNCU DA l]
FaadlciodeLow Hoer.
Machinas a vapor de 4 e 6 carvallos.
Moendas e metas moendas para engenho
Tuzas de ferro eoado e batido para enge-
nho, -
Arreios de carro para om e dona cavallo.
^elogios de ouro patente inglez.
irados americanos.
Machinas para deacarocar algodio.
Motores para ditos.
Machinas de epatara.________ ^__^
Chocolate vermicida
M
Antonio flanes de Castro.
Desde 1857 qoe sao as tabellas vomicidas
applicadas em Portugal, como o remedio
prompto e efficaz para a expulso das lom-
biigas, que to graves padecimentos causam,
e que quasi tempre se suppe ellas a ori-
gem.
Este virmifogo preferivel a qoalquer
outro pelo seu agradavel paladar e fcil ap-
plicacio s enancas, as qoaes geralmente
sao mais atacadas de semelhaote mal.
. jzsmWi sil Ir sitsL .
Collegio Uonceico
No dia 8 do crreme brem-se as au-
las de primeiraa letras, latim, trancez,
inglez, geometra, geograpbi, pbilosopbia
o ihMonra.
0->Ms^MjS WSSk WWMWM
45 hua Direita45
Chcga, gente!?!
Borzegoins inglezes para Domem Sf.
Ditos rrancezes dem a 5J.
Borzegui para senbor, enfeiUdos, a 1*.
Ditos para menina, dem a 3*.
SapaiSes inglezes para bemem a 41.
Ditos americanos a 3*500.
eChinela do Porto a 1*600.
Sapatos-trao?a para senhora 1*280.
Dilos arelodados, dem, 1*180.
Sapatos francezes de salto a 3*.
Aprovailem emquaato tu&ajo.
ARMAZEM
2 g
i w
M S f* ^ S
S 2 B 2.
="1.-0,
g-Oco?o|SS I >
. ce id s Ea a CJ'a
S. 9 z 2
3 H E

m.9 -
o-ar-
o.
I
'ig-iS^sS
S'wg-g-g
S Q.*
M S S
5 & 5.
9.0
B i Sf? u
ai
a
-I
C3

o
ai
-o
co
B
09 O
o 9
Va M
3 O f* cu_ -,
> o.* r-j sro >
?**' S.ftoi-g'
2*9 '* ^E.^E.
B2>o. Dggc
a o w S ? -1 a
a. b
O
o
1
o
T3
O
S 2.
K. o
~ m
O =r.
S a
Bo a cr
5
o.
g
a>
a
~ '* aaa
B m

^ a a f
O D u
.* T S ^
Em aaset, do Sabino acba-se n- Si.rSff.
enmbido de resolver quaesquer negocios
relativos ao estabe'ecimento o respetivo ge-
rente.
Jos Alves Tenorio,
Professor em bomeopatbia.
O collegio da Conee'co, mudado ltimamente para o bairro de Santo Antooio, roa g
^i^i de S. Francisco casa n. 72, contigua a' estaco central dos trilbos urbanos dos Apipuco?, g^
'ri\ contina a fooccionar regular mente, recebeodo alomnos externos e internos, tanto para as f$j&
'-'I aQ'as primarias, como para todo oa preparatoriosneci
? coidade, sendo oa sena respectivos professores pessoas
preparatorios necessarlosa* matricula de qualquer fa-
moralisadaa e de um conceito ma-
gistral ja bem firmado nena eldade.
O director deste novo collegio continuando a empregar toda a solicilode no dse rape-
nbo de seo mandato, espera fazer-se mais digno da coofinca com que o vao honrando os
senhores pais de familia, confiando Ibe bondo-amenie os sens filbo?.
Os estatutos do collegio, assim como o (raneo ingresso em todas as soas dependen-
cias, esto sempre a disposico de qoem possa nteiessar.
as
SI
HOTEL
Mannel Francisco Teixeira avisa ao publico
que, pt-r intermtdlo djs Srs. Oito Bohres e Pren-
le Vianna & C, e pelos navios Esperanza e Ade-
Ihaid, acaba d. receber palba e junco das melbo-
ies qualidadeg, que vcode mais barato do que em
quaiquer outra parte, na saa oficina ra de
Heras n. 15.
Aluga-se a mei-apoa eom soto, sita ao norte
da fabrica do gar, com frente para o rio, por 12*
por u-ez.
Precisa-se de 3:500* sobre rrypotriec de diver-
sos predios livres s deseuipedidos : a tratar na roa
da Imuer>trii n. 15. *__________________
Precisa se de um menino de 12 a i i annos
para caixeiro de taberna : a tratar na roa impe-
rial n. 25o._________________________^
Precisa se de urna ama somente par servico
de costaba; *' ra de Hj'tas n. 86, sobrado.
ADlonio MaDoel Cordeiro, residente oa
corte do Rio de Jaoeiro, ra do Lavradio
n. 53 A, encariega-se de tirar diplomas de
roercs, assim como cartas de juizes de di-
bem como de tratar de
revista, e tud o mais que das provincias do
norte Ihe f r eacommendado; e todo por
pregos mdico?.
Rio, i de Janeiro de 1868.
Antonio Maooel Corldeiro.
e bola-
Precisa-te ue um loru-iro para pao
cha qoe enieoda p^rfeitimente, nao se duvida pa-
gar se bem o bom desempenbo das tardes, as;im
como nm 00 dous amassadores: a tratar na ra
larga do Hosario n. 16. __
Aluga-se ama exceil nte casa com bons
commodo* e sitio com porta) de ferro na fregu-
lia do Poco da Panelia perlo da igreja e com a
frente para o rio : quero qoizer aluga la pode di-
rigir-se a estaco dos trilbos urbanos no Recite a
tratar com o ebefe.
Precisa-se de om bom cosinheiro pasa casa
sirsngeira : a tratar como eogeobelrodostnlbos
urbanos-
mt
Na roa da Cadeia n. *, 2o andar, por cima do
armazem do Sr, Barroca, precisa-se de om ama
que cosioneperfeliamente, e qoe faca as compras
dianas de urna casa de poucas pessoas.
Na roa eztreiia do Rosario n. 24, loja, ba
om preto que se aluga para tjdj servico de om
casa.
Os administradores da fes ta da Mila-
grosa Virgem N S. da ConceicSo da ca-
pella do Monteiro declarara qoe os recibos
das esmflas para a mesma festa, gao em;?neca8den,"M'dec!r_*?de_porce,aM-
VAPOR FRANCEZ.
RA NOVA ir, 7.
Acaba de ebegar de Paria i este estabelecimen-
,0 nm grande e escolbido sortimenio da calcado
ios melnoies fabricantes daqueila grande praca,
issim como grande variedade de* qninquilbsrla e
le novos brinq' edos para enancas, cojos artlgos
je'.acham expostos a escolha e vontade dos com-
pradores, c.mo sejam algons qae passamo a
xencionar.
Ultima moda
Ricos cbapeosiobos de gosto par senboras fol-
ios ao capricho de orna grande modisl de Paris.
Botlaas para senhora
de setim branco, duraque dito, prelas e de outra*
difireme cores eoftit.das a rigorosa moda.
Botinas para meninas
le umitas qnalidades bem sortidas.
Brincos de ouro
i lei a nliima moda dos Campos Elitios e bonle-
rards de Paris, para senboras e meninas.
I.uvas de pellica
Jo verdadeiro fabricante Jonvin, brancas, prelas e
le utras aiuereotes cores.
Leqaes
m escolbido sortimeato de ieqes de diversos
gostos e qaaiidades.
Perfumarla
Jnos extractos, baohas, ols, pos de arror, agua
le cologue, agua O -ida e sabonetes.
Espelhos
le differentes tamanhoa e gostos para salas, gabi-
netes e pequeos loncadores.
Calilnbas de costara
le novos modelos ricamente guarnecidas com
.indas pecas de musir.
Delicado presente
bolombas e cestlnbas de seda e de velludo moito
importantes para braco de meninas passeio.
Chapeos de sol de seda
le cores e multo bellos para senboras e meninas.
Beuquets d exposico
lelieado8 booquets de flores de porcelana com lin-
dos jarros para mesas de salas e santuarios.]
Lonetas
le a(o, tartaruga e Jimia lo.
OCIlIoS
de ac, bfalo e de prata dourada.
Ricas bengalas
le canna verdadeira'com casto primorosamente-
trabalbados em marfim, compradas na exposieao.
Chicotes para passeio,
moito finos de balea e cabo de maiQm.
Oleado para mesa
le multo boa qualidade, novos e bellos padroes: so
irmazem do Vapor, ra Nova n. 7.
Para tollet
objectos de pbantasia moito bellos para tollet.
Caques.
sbegados de novo a ultima mola.
Ricos albuos
Je velludo e de marroqniro para retratos.
Esterescopos
com lindas pboti>ftr*phias transparentes.
Estampas
le figuras, paisagens, cidade* e de santos.
Moldura douradas
le diversas iaigoras para quadros.
At>at-jour
par candielros e lantemas de piano.
Cosmoramas
grandes e pequeoos eom 50 ou mais vistas ejeo-
lbidas a' vonude, multo pittorescas.
Realijos .
pequeos, de quaico e seis pecas de msica.
Aecordious
1 concertinas, n qoe ta de melbor neste genero.
Sallas de rame
le varios precos e tamnbos para passarinbo.
Bolinas para homem
grande sortin ento bem escolbido em Paris.
Botinas para meninos
de muitos mertei .s bem sonidos.
Sapatos de tapete
Je cbarl le, de tappte avelludados e i tranga L
Lisboa para homeus, seohoras e meninos.
Botas russlanas
Pernelras e meias peroeiras.
Mantas de feitro nnios padrees,
ubicles fortes compridos.
Lovas de flj da Bscossla.
Cartelrinhas para diobeiro.
Saceos de tapete pira viagem.
Malas e bolgas sortidas.
Ponieiras para charutos e cigarros.
Cbaruteiras e cigarrelras de palha.
Caximb>s ds bonitos modelus.
Grvalas pretas e de cores.
Corda? para vi. loo.
Bengalas para homens e meninos.
Bscovaspara cabello.
Escovas para deoles.
Peotes de marfim para tirar espas.
feotes de tartaruga d3 desembarazar.
Abridores de lucas.
Tesourlobas delicadas para costura.
Caivetes finos com tesourioba.
Meias de fio da E-cossia para bomem.
Venexianas transparentes para janellas.
Quadros pequeos para retratos.
Pares de lindas figuras pequeas de porcelana
Jarros mui pequeos de porcelana.
Objectcs de porcelana para botar banh.
Taiheres Soos para meninos.
Objectos de mgica para divertir familias.
Pbutcgrapbias mgicas.
Globos de papel para iilominacio no campo.
Casimbas de vimes para meninas de escola.
Ceixiebas de msica e reajeijos para meninos.
Velas a gas para candieiros e candelabros.
Carrrahos de quatro rodas para cooduzlr erianes
DE
PARS
RIJA DA IMPERATRIZ X. 14*
rara m m-mTs
Debaixo deesa denomlnaeao abre se nm novo estabelecimento cojos dono, eoovidam ao respei-
tavel publico Unto desta cidade como de lora da provici qoe quirerem nonra los com mu fregn*-
zias, a vlr vinu los, ssegoarando-lbes aempre bi de encontrar boa triltmento, grande asseio e
o maior agrade potsivel jomo com preco maito commodo*.
De noite barer sempre eaf, aorvMe ceivei etc etc.
referencia 2.a lotera do correle mez de
Janeiro, e nao 1/ de fevereiro como se
acba declarado em oitos recibos.
Recite 16 de Janeiro de 1868.
mmmmmmm mmmmmm
O Dr. A. S, Pereira do Carmo (medico) U
esta morando no sobrado n. i i da roa da
Imperatriz.
O abalxo assgnadufax saber ao respeitavel
publico e principalmente ao corpo do commercio,
qoecompron nesta data ao Sr. Aotjnin Jos Das
a sna taberna sita oa roa da Casa Porte o 15, li-
vre deaembaragada do todo o activo e passivo.
Casa Forte 18 de Janeiro de 1868.
Rento Jos Domingnes.
Precisa-se de um capellao, tendu o ordoado
de 4004 : tratar o ra do Padre Floriano nu-
mere 71.
Precisa-se de um caixeiro de 14 16 annos
de idade, que tonda pralic de taberna: aa roa
Imperial n. 43.
AMA
Na roa da Crnx n. 60 precisase de nma ama
qn saiba rnrinl>r engnrnmar. -
Boguaua-M ruupa rom peifHcau e em cao
ta: sa casa da roa do Desusos. 14.
Preeisa re de orna ama
Cadeia Velo loja W. 47.
de lelta; oa roa da
Bercos e camas cum cortinados para booecas.
Cabriolis e cavallinbos de madeira com macbi-
nismo para meninos de 3 a 8 annos montaren
Para prese pea
Iguras para ornar presepes, caslnbas, animaes
pastores, e outros multes objectos proprios.
Attenc3o.
Nao sendo posivel menclonar-se aqni todas as
jualldades de calcado, nem todos os artigos de
qoioqnilbarlas, a moito menos d grande varia*
dade de novos brioqoedos; pede-se ao publico om
passeio este estabelecimento, ceno de qoe en-
eootrarao bastante paciencia para bem escolberem
a qoe desejarem comprar, e precos baratsimos
tm viriude de baver em todos esies artigos grande
quantidade, a lerem sido comprados mesmo oa
Soropa pelo douo do dito estabelecimento, arm-
sero do vtpir, roa Nova o 7.
Na praca d lodepeodanc n. 33, loja da
ourives, compra-se onro, prata e pedras preciosas,
e tambem se fas qoalqoer obra da sncommenda a
todo a qoalqoer ooocerto.
Msica g
Lecciona-se porsolfejo e a tocar varios ^
iosiromeatos, dndose as Ucees das 5 fJK
boras da tarde as 9 da noite : a tratar na 5
rna Angosta n. 30. S
illllllllilill
Trocara se
ai notas do banco do Brasil daa calas fllaes-
ftoa dasooDto muiw rasoavel, aa praca da ladt)
oeudancia o. R.


mm
If-.H.-if
W
96 _4aa*% bft l-t
Quarta felra tt c Janeiro de 188.
.
---------
==
TT^TTl
==TT
I
)

JOIAS
N,2D ^ H, 2 D
COmClO1 DE OITRO. ^J^|
A loja n. 5 D intitulada Coraclo de Oaro na roa do Cabug,acha-sa d'ora em diante offereceo
Jo >o respeitavel publico cotn espectalidade as pesioas qoe bonram a moda os objectos do nltimo go>
td fa Caris) per menos SO por cenio do que em oatra qoalquer parte, garantindo-se a quahdade a so
O respeitavel pnbllco avahando o desojo qae flete ter o proprietario de um novo estabelecimen-
ta qne quer progresso em sen negocio deve ebegar inmediatamente ao coracao de oaro a comprar
aneis coro perfeilos brilbantes, esmeraldas, rubias e perola; verdadeiras em agarras, modernas pel<
dtminoto preco de 10$, brincos modernos de onro e eoral para menina pelo preco de Zf, maracas de
prata com cabos de marfim e madreperla obra de moderno gosto (o qae o encontrarao no coracao d
oaro) voltas de ouro com a competente croslnba ricamente enfeiuda pelo pequeo preco de 12, brin-
cos de am trabaibo perfeito por nm medico preco, eassoletas, tranealins, pnlceiras alneles para re-
tratos e outros modelos todo de alto gosto, aneis proprios para botar cabello e Arma, dito para casa-
mento, no artiio roseta tem o Coracao de Onro nm completo e bem variado sortimento de diversos
ros, tratoes para punbos com diamante, rubios e esmeraldas, obra esta importante Ja polo sen va-
JV #or gosto ds desenbo, brincos a forma da delicada maoslnba de moca com pingente contando es-
meraldas, rnWns, brilbantes, parolas, o gosto 6 sublime, alete para gravata no mesmo gosto, relo-
gfos para senbora cravados de pedras preciosas, ditos para homem, diversas obras de brilbantes de
moKo gosto, crasinhas de rebins, esmeraldas, perolas e brilbantes, aneis com letras, cacoletas de
erysul e oara descoberta para retrato (a ingiera) brincos de franja. Utos a tmperatrue toda e qaat-
quer joia, para secolocar retratos e obras de cabello, e ontros raaits enjertos que os pretendentes en-
contrario o Coracao de Ouro que se conserva com toda a amabilidad* aos concurrentes dejndo-
se de aqai mencionar preces de certos objectos porque (desculpem a maaeira de fallar) duendo-se
preco talre alguem faca mao jniro da obra, por ser tao diminuta qaaotia a vista do sea valor!
Na mesma lote compra-se, troca-se ouro, prau e pedras preciosas, e tambem recbese coneer-
loa, ser menos do que em oatra qoaltjuer parte, e d*o-se obras a amostra com pentwr, conservando-s
a Coracao de Onro aborto al as 8 horas da nene. __ .
Qaalauer aessoa que se dirigir ao Coracao de Oaro neo se podera engaaar com asa, poi
Ma se na sua frente um coracao peodurado piolado de amarelro, alem de ontro qae se nota em aa
rtalo (isto se adverte em consequencra de terem ja' algumas peseoas engaado com oatra casa..
aa
Portopez de B***ficenfc. em Per-
sa taboca*
Tendoajoott administraUva dt0 estabelec
memo de laier cuirega da admioHtraeao a so.
soccesiora, convida pur ordem do lllm. &
dor as pessoas que tiverem eootas a receber deste
hospital, a aprsentelas at o da o do arrete
ao le-paitivo esmolr. .
Secretaria do Hospital PortOguei de Beneflcen-
ola em Pernamboco 18 de Janeiro da 1887.
A. A. dos Santos Porte
1 secretario.
Precisa-se de nm criado, preferinde-se es-
clavo : na roa estrella do Rosarlo n. 28.______
I >
"8
r 9
s i
o -
i I
O
55"
S
c-
o
w
o
CT3
.

&. s
o S
O P
a

u
C/l
o
S
53
O
m
&
-

*- sr
o _
tu O.
s 2
3 *S
a.
s; B
?' "H. g*
2 n
W 3
S g
Cu
a B _
B*
o o
5'
s
5 l-i
tu p.
B
O CA
B g
a, g.
** 3
B_
o
aa
a
a>
Cx,
co
a
su

C
a.



o"
O- S
ir.
B

i
14
0
B
S
5
^
5"
o
C-
B
re
p

O
!2.
o'
p
Di
{ne em ritra qualqaer prte, compra-seeedas
de onro prata : & loja de orives, la^a do
.Boaii. 24 a, eqoina da rea do Cabega
_
:Cocu>ra-se oara e praia -?m
isa oraca da fode9e&v!e:c:a a. 22.
Sr'w dosartigos que Gregorio Paes do Amaral A C, com loja de fazenfes ra
do Crespo n. 5, receicram pelo vapor fraocez Nuvrre e para as quaes convida a cou-
currericia do mundo elegante e ecoQotnico. ,.,_. .;,
CHAPELINAS de fil de seda de cjr prelagara luto ede palba muito superiores e rica-
mente enfeitadas. J nnn
BALES reguladores d mussuUea branca e -de laa de cores, esguws com fitas, etu^ara
seaboras e meuinas.
SEDAS cortes de seda de cores com listas aasetinadas, os quaes actualmente estao m
mada em Pars, assim como grosdeoaples de cores ^ preos.
CAMISAS bordadas e lisas com pefo de esgtuo de linbo pa.abomem e demaaapoao
muito finas para meninos de todas as dadas.
COLLARINHOS E PUNtlOS duplos para camisa, de superior esgurao de Iibo, senao
aquellos de pona comprida -e em p. ___
POIL DEOHEVRE. Verdadeiro poil de cbevre kto e comesela, uzenla nva com
bn'ho igual ao da seda. < .
ENFEITES de cores ?ariegadas e de ostos diversos, muito proprios para soirees, pas-
guia Pti^
LEQUES de'sndalo, madreperola e marfim, estes ltimos nowdade uo nosso merca-
do porque sendo todos ntencos sao lavral^s no gosto da fiiagrana.
CHITA DA INDIA, suoerior cmta, muilo encorpada e propna para colcha de cama.
CHAPEOS DE SOL de seda de cores diversas para senhc ras.
Aim destes artigos riceberam-se cur^.s nao s por este piquete-como d elos
passados, entre os quaes lemtra mencii uar, romeas, basquinas, cor-ages, M,os blancos
e pretos lisos e bordados, creps, saias bordadas com babadiuhos, calcas e caeisas lisas
e bordadas para seobora.
5 ra do Crespo 5
GRAKDE DEPOSITO
DE
PIANOS

N. 9.-----Ra da Imppratriz-----N. 9P
Neste antigo e bem conhecido estabelecitaento encontrar o respeitavel publico
MBDre um sortimento de pianos, dos melhores autores allomaos e francezes, como de
Carlos Scheel, Bord e Mauprety todos especialmente encommendados e construidos para
este c ima^ megmo eslaDeiecirjjento oflerece-se maiores vantageus do que em outra
qoalquer parte, relativamente aos concertos e affloacCees serio feitos com o maior esmero
"""'rafflQEVOGElEY.
Coiiegio de 8. Francisco
Xavier
Para educacao dos moflines
Estabelecido Da grande e bem arejada cas;
onde estava o Gymnasio, na roa do Hos
picio n. 55, dirigido pelos padres da
compaohia de Jess.
O Rvd. p^dre direetor deste coiiegio scientide
aos paes dos seos alumnos e dos demais qae qal-
zerem coodar-lhe a edacacio das seos fimos, qoe
oj da 3 de levereiro cjui^aro a (anecionar to-
das as aulas deste estabelecimaoto, acbaodo-se
abertal |a* as matriculas.
Neste coiiegio recebem se meninos oe 6 a 1S
anoas para serem educados e io.-n indos as ma-
terias preparatorias das fatuidades do impetio. A
lingaa italiana, msica o deseobo serio eosiaadas
a pedido dos pais.
Haverao neniaos iaternos, melo-peasloaislas a
eneros.
Os ioternos pagarlo 405 measaes, os meio-pen-
sionistas \5&, e osetteroos a* diantados.
Os fiebres serie admittidos gratuitamente aas
aalas do eolle^ie, provandu o estado de pobreza
com aiit-siacae do parocbo respectivo oa de cutra
pessoa de fe.
Para adarHsao dos atawnos e para qntesquer
esclaT^cimeatos trata se cora o director do meswo
estabeleciweoto a qpgtyier hora do dia.
Seguro contra tb$o
Antosto Luli de ONveira Azevedo 4 C, -aireles
da coorpanbia Fidetidade, estabelecla no R de
Janeiro, tomam seguros cotira fogo ta predios e
mercaderas, emseu escritorio roa da'Grut ca-
mero 57._____________'
'fTerece-'se orna omILt para ama de'cjsa da
homem solterro: a tratar na ra das Ocies n.
, 3* andar.
C01WPRS
fOREWTO.
Papa'se por prata em noeda no govaqaS db cu-
ro H. t o, roa do Cabug a sendo ojaaana grande
se lara' maior vaniagem an vendeder, compra-ee
iguiJBKDte Bjeedasde onro.
OUilO E PRATA.
Comprare moedas deSOlOO a 28*560,
a*siTO como prata acional esirangeire a
ISO/0 oa ra dorcspo o, t6 Ioandar.
frata e
bem
Em mooua Daga-so
rpcodencit 3. ti.
OMro
: r.a pra^a aa' Moe^as de ouro
Naclacal e estrceiro, asoiai como tlhrac^ster
linas:- eemprara-seoa ra do Crespo a-tO-gctmeio
andar.
Campra-seteea a ijuaNriade de loeveis ovos
e usadee : na1 roa 4o Imperador o. i<5, tKsazem
de-traefes.______^^.^^_^____^__^_-_^_
Moeas de prata
sacien*??, assion i.p#pnW>as, costfir-aai-se con.premio : na [ Crespo H. 10, linmo andw>. __________
obras' Vtfts
Muto -maior wanagem
Compra o CORADO DE Q3i\0 n. 2, oa tega', moertas de oore e tirata.
Moedas de oui^.e prata
$aga-se.eor maiedogoe eo oatra aaaJqoer par-
tea oa lo>a de ouriveearco da Coo^eigo e cambra
oaca e prata veiha e.-pedra preciosas.
LOJA DO GALLO VIGI-
LANTE RA DO CRES-
PO N. 7.
Os propietarios deste bem conhecido es-
tabeleciaieoio tem a satisfago de levar ao
conhecimento do respeitavel poblico que aca-
bam de receber pelo ultimo vapor da Euro-
pa um completo sortimento de objeelo sde
apurado gesto e de inteira novidade; |o?
quaes esto resolvidos a vender por pre-
tos mu r.to a veis, como sejam :
Lindos c ntos com ponas, bordados ve-
drilhos, fazenda qoe no haver quem con*
teste ser a mellior que ba oeste artigo, isto
su na lo,a do Galio Vigilante, ra do Crespo
o 7.
Leques de madreperol*, sndalo, marfim,
madeira e osso, te, com lindos deseubos.
CiaarBlces de palbas,
Biquissimas guaroices e trancas de finas
palhas de Iulia, coto vedrilho, pwgentes e
sem elles, ouiras com botots da mesma
palba marte proprws para guaroecer vesti-
dos, chapellinas, etc.
Liodis olslnha- ou cabases para as mr>
nioas trszerem nos bracos, cada qoal mar
bonita.
Teso-ira.
PiBrssimas tesouras pana nhas, costaras,
car-.sileireiriis e alfaiates, as quaes garanti-
mos ao comprador a sua boa qualida^e.
Na-ratfaas.
Superiores navalhas sjom cabo de tartaru-
ga e marfim as quaes s fabricantes garan-
Lem.
IWM,
Luvas e Jonvin, amurca e de -seda brac-
eas, pretss e de lindas cores.
Pentcs.
Grande variedade tanto para coques como
pare ahsar cabellos e a barba, ditos para
arregsgar cabellos, -sendo de tartaruga ebu-
faio coa pedriobas e sem ellas, etc.
Popt KouqueC>..
Muo lindos port bouquets com cabo de
madreperola, proprios para calamentos, bai-
les ct:. ele.
JKscovas
Finas escovas para roupa, cabello, chapeos,
Dbas, denles>e.para limpar.pentes.
Abotuailnras
Lindas aboloaduras para eoiletes, punhos
e collarn hos.
Perfumarla
Tinas e de tedas as quaiidades e dos me-
I har s pe fumistas at o presente conbe-
chlos.
Collac-ea le Royer
r.letricos magnticos, contra as convul-
scfl das creaDcas e facilitar a denti^o das
mesmas. Jaieo conhecido os prodigios
destes collares anodinos que nao ba quem
davide de seus efficases effeitos, e o Vigilan-
te, sendo reeehedor desles collares, ten-
seoapre grande quandade em deposito, islo
. ]sana lojadoGaUo'ViKilante, Boa occasio.
Jallo Cesar Pinto de Oiiveira negociante
matriculado preieodeodo munu breve re-
tuar-se para Europa, vende sen esube-
lerimento de areodas a dinheiro oo a
prazo; e pede is pessoas de quem ere-
dor, tenham a boodade de taldarem saas
contas at 31 de Janeiro do correte anuo.
Continua a liquidaca da toa da
Imperairii n. 28.
Cortes de cbtta escara miudiobis, pa-
dr5es francezes com 11 covados a ^'jOO,
nao di>bolo, e se vende o cuvOu a 180.
Cortes de cassas (ranelas, aue pelos
padrdes cbamam organdlz a ^LOO e a
2$&00, e o covado 140.
Cbitas fraocezas, lindos desebhos de
pao multo encornado e Ooas a 260 e
JO, e percales a 400 r*.a covado.
Cortes de caigas de g*os, padrGes es-
curo a 1. e o covado a 320.
Brtlhaoliaa Qna de flores miudiohas de
720, boje se veude o covado a 560.
Cortes de casemlra Una a (>. caigas
a 7i e 8f>, naciooaes.
Liadas ravatinbas desedaestreilinbas
320 e 500 rs. cada urna.
Paletots emfraoqoiados feitos no paiz,
escures a :i o 2^500.
lirim branco lino de lloho a \}, 1J0
e 1^80.
CaDdieiriobos de pe a 2300 e a duza
Lamparinas de ciistal a 1C0, pe-
chincha.
3,00ti rhsmins em llinldaca a 210 t
320, 400 e 600 rs, e a duza 2*500, 32( 0
iW 00 rs. pavios a 40 rs.
Ctndieiros a gaz para cosinba co salla jjj
de traz ou corredores a 1&800 e 1$>.
Boeaes a 500, 800 rs. e l e ob-
jectos desta arte tambem se coucertam
candtelros e se Irocam.
a ni. a de tirar nodoas, o frasco I nao
e bezioe.
Na raa da Imperaniz n. 28.
''"' IIIVIII,M ^^^--^^
n. 7.
Barril t^zos
CD{ira-se'tiarrn vaziss*m booesUdoi^lViOO
cadaam : no MOE3AS
de ooro de pratapaga-se mais .ne na> ootras
casas. ft (i>*pi'a-.e a \ or-eeuto
Prata de lodas as qaalidadoa e assim tambem
libras esteriioas e "viro de tedas as quaiidades
por mais pr^vjo do que em outra qnaiquer parte :
na raa ila Garca o. 58, loja de aB'.ejo.
ICojifira-se
por nui- preco qoe em outra qaalqaer parte moe-
das de ouro e prata nacioaaes e estrangelras : na
roa do trapiche o. 16, armazem de Adriano, Cas-
iro & C, a roa do Crespo e. 20 loja de Alvaro
Augusto da Almeida.____________________^^
Compra-se
por mais preco qae ero uutra qoalquer parte moe-
das de uo.'o e prata naciouaes a esiraageiras : na
ra da Cadeia n. 13, loja de iot Lnu CtBCalves
Ferr ira i C
CiBjji'afl*e fscraves
Compram-se, vendem-se e trocam-se eseravos
de ambos o sejo* e de todas as Idades : a rna
do Imperad >t n. 77, 1 aod>r.________________
Na ra aa Urum o. 71, i* ndar. compra-se
doos e-rravos qoe eoteodao) aignma cousa de ea
ooeiro, e am qae se|a bom coslabelro, sendo tan-
to aquellos como este mocos. ________
18 parce-to pela prcta
em moeda : se paga na pr>(a da lndepencia nu-
mero 22.
RESTAURANT A LA CARTE
Estrada eral wa larga da Rasara a. 37 a para familias rna
rstreita da Roaaria o. \ A
Pf.neen fiarrldo t Hermano, proprleUrlo desie rande e*tet>eleimeBto, a obegada da
Bmai toftXra m o ai> de anaunc.ar aos saos amigos e fregaos qae ae acbam outra vM
2?e_o LLtaleetoealo iSkos por er lodo, os seas p.rochianos, tanto da prac. tomo do malo e
U^^^SS^QmSm^^ fc't0d8 e P"w"e' PV Mi.afatar a sna lliastre eonear-
Xaaepedw aaro*IS commod!ade de grande, sala, e ajelados qoarw. por preco. ra-
fia tala para leitora de Jernaes Baci:=aM9 aitraaielroi \ oa **b mafailco piaa
para roereto.
Came-H a mesa redonda a la carie e manda-se denicilioa.
O* vlobos mats fiaos do mercado acbam se no estabelecimonlo.
A' aerte ba torve a nkaaeot, caf, d' ctwcoUte a toda a hora.
VENDAS
i ollsinlias
deporta
Vendem-ge ao ecrlptorlo dpsta Diario a 180 rs
Vende se uuia ca>a q-i principio da roa do
Mont- tro n. 49, pooto alio, qaairo qnartos, eaiioba
f t, terraco ao fondo eom asseoios, correan'o o
oitao com varaada de ferro a portao de dito, tel-
Ibelro, estribarla, qoarlo para pralos cbiqneifo pa-
ra galliob*. murado com laoqoe, cacimba coro
bomba, qo'nul 500 palmos rje comprimenlo, 70 de
frente, acaba em 20, no fondo aabida para o no
.com arvoredo* de frucio, enos proprios, caoteiro-
para borlaliea ; qo-m o pretender dinja-se a' rna
r>* I nperatnz o. 61, a tratar com Custodio Maooel
Goncalvea.
__ Vend-M obotvqom da ma da Lapa a. 10.
moito afracoftada e cuna poneos fondos, conve-
nlente a aoaluopr priocipianle.
Bixas
da Hamhorgo rerpoteaj;nie chogadas a Botica
Iraocaia lima da Cruz.
4 aOM BB4NG4
Per conbeeer a icfiuencla que costama baver
em todos os aonrs, por esse lempo, e per ven
qnaato se Oese:vulva -e sopara fe o hom costo eti
Persahoco, ella jue tt 'ji sempre em vistas agra-
dar, -e-sincerameole titun servir a sua boa tregat-
zia, aoiecipoa-se em maadar buscar os didereutes
objectos de gosto e taaiasia, que agora oesmo aca-
bar d-ebegar.
Qoe loja d'Agaia Branca, i; rom especialidade,
onoaprlaeiramenie ee enccjiram quaefcqotr des-
sesobjeeos de novid; de-e oda, isso erta' geral-
mente reconbecidn; otas amoa assiai a guia to-
ma como ,for dever sclentiGcar ao betlo-exo, em
((articular, e ao respeitavel .poblico em feral, sem-
pre qoe a$mo agora, recebe os imp. rtaotes ot>jec-
tos qoe aba_o meocioaa, e.por mais essa vez eda
(orna a libertaria de pe^ir a.at'eiJcAo das xmM
apreciadoras do bom, para os notos e bellos ma-
tes qoe futtiiavm um lindo eric(c4ilet
Nao eeriaaiente enm ama mal aparada peona
(fAguia, qu- bun se yb&e desetever o bom gost e
deseropeoho ae iaes obms, suri. .a>rpria iniel-
agescia d'umaezcelleDti^sima, que bem podera0
jKMtJsr o alto rao desses perillos ubjelos, tal
veros primelro. oli aaso Prrnamtaco.
A Agaia Branca, tara' apenas conbeeer os ob-
jectos que se compoem esses novos e beilus or-
natos. Esa nm bellu carino vem hbilmente arran-
ado, oro moderno ciato de ftia de mito ni acha
malolado da largura Ae 1 a 8 pollegadas, nm bei
lo leqne de madreperola, nm par de luvas de pel-
lica, ramos de finas flores para o ceqoe, peito,
goarnieso para as lavas, etc., etc., e doaimente
nma alroofadlnb* do selim com aromticas pasli-
fias em p.
Alem d8so
Esto em ordem do da as novas e bellas trancas
de fiua palba de lialia, e ontros diflereoles enfeite;
da mesma qualidj.de e proprios para vestidos de
las, cbajios de senburas e meninas, resta somfnte
qne os pretendentes cemparec-m na loja d'Agaia
Branca Ba roa do Queimaao n. 8.
Bolsas para cacadas.
At bolsas para cagada, agoia branca receben e
pretende vende-las baratamente, com tanto que os
apreciadores da caca de>xero Bear am par a agota
branca da raa do Qeetroadu n. 8.
Caivetes fixos ou ferros para abrir latas.
Veadem-se na roa do Quelmado loja da aguia
branca n. 8,
Bons espartilho?.
A agola branca a ra do Qneimado D. 8, rece-
be u novo sortimento de bons espartilbos e eomo
sempre vende-o. por precos rommodos.
ENGENHO PAO O'OLEO'
Tasso Irmos v-Tidem este engenho de sua
propriedade, ou permuiam por predios Desta
praca; oo>ial -moente e corrente, com 2
carros, 43 bois de correia; rt burros, 6 bfs-
tas e l ca valles: cora urna pequea safra
de 4000 a 4500 pSes de assucar para o
anuo. N5o podeudo alcancar preco razC3-
vel, tambero 3o duvidatn fazer Din arrenda-
meato pelo lempo que se tratar, ou dar so*
ciedade a quem eoteDd*>r do trafico de er>
geobo e teora pelo mecos escravaiura para
46 euxadas.
Tambem, se enovier ao pratendente, ven-
der e eoReuho coutixuo nenominado Har-
monia aotigamei te a Cova da Onca, o
qoal est desmontado, mas op>ima aoqai-
sico pelas anas mattas e grande cercado pa-
ra pastos de animaes. Faz-se negocio para
entregar j o referido engenbo com a safra
que resta par tirar, ou em mato, conforma
melaor coovier ao preteudeate. i
raacisco Jos Germana
|RA NOVA N. 4,
acaba de receber um lindo e magnifico an
tmente de oculos, lunetos, binculos, do i
timo e mais apurado gosto da Europa e oc.
los de aicance para observacoes e par>
martimos.
Grande novidade para a
festa
Ka laja do Pave roa da Imperatriz a,
60, de Gawa & Silva,
Modernas poupehnas Ci m palmichas
bordadas e quaoros, covadu a. .
Modernissimas lazinbas cura pal-
mas, salpico, qnadrea, listas, ele.
ele, covado, a 4(X), COO e........
Licdas laas com libias de seda, co-
vado, a 560 e....................
Verdadeiro poil de Chevre com lulas
modernas, covado, a 800, l e....
Finisslmas mussellnas de ccres, co-
vado, a.........................
Ouoias sedas de cores ci-m 4 palmos
de largura, covado, a.............
Grosdeoaple azul, roxo, lyrio, ciuza,
etc. etc., covado, a..............
Modernas casias com listas larpas,
vara, a 640, 720, 800 e..._........
Modernsimos organys de i r, vira,
Orgaocy largo, com lista e quadres,
vara,a........................
Corles de organfly com lisias bran-
cas e de cores, lendo 8 varas cada
c no a.........................
Laazmhas de orna s cor matbisadas
covado a.......................
Corles de cambraia braoca haldada,
sendo nesle peero o mais rico que
lem vio jo ao mercado...........
Boniti s corles de sedas cores claras a
Bonitos c>,rtes de pbar.iana a.......
cortes a uiiij5 i.-iaJuj uoi 10
vari, a.......................
Fil braceo bordaoo, sendo de meta
largora, vara, a..................
Bonita fazeoda branca para saias,
tendo bregas de um lado e tam-
bero bordada, vara a ',. 13280 e
Ricas saias bordadas a i"J0O0, 83 e
Cassas de urna s cor de Dores, cova-
do a...........................
Ditas frac^eas muitu Coas, sendo de
listas e llores, vara a 500 rs. e ct-
vado a..........................
jfoderoos ponhos din gulinhas, sen-
da de esiiuiao de linho, bordados,
braocos e de c'Jies a.............
M-iJernos manguitos com p llir.has a
Ricos corombos ds cambraia moho
bem enfullados e bordados a 83 e
Saiat econt micas e escoras, para
qucoi ffir passar a festa f" a....
Chales Isabel
a 6s(M)0. .
.".negis os mais lindos chales de mirinO de
todas asoJres com urna houita e larga renda de
iao em toda a volta, sendo neste genero o mais
lido e mats moderno que teem vindo ao merca-
do e vndese pelo barato preco de 63G00, uoira-
toante na k>ja-e armazem do Pavao, a' ra da Im-
pra!riz d. G0,Ie Gama & Silva.
4TTEN$0
No armazem de fazenas de
Santos Coelho, ra do Qut\-
mado n 19.
Bom e barato
Lansinhas Poil de Cbvre a j(5 o covado.
MadapolSo efestado a 8<3 a peca.
Cambraia de cores masadas fiissimas a
800 a vara.
dem brancas transparentes 6nas de 45,
5uu, ti&, 73, 8fJ e y^ooo a peca com tC
jardas.
dem branca Upada de 83 e 93 a peca
com 12 jardas.
dem branca franceza muito larga a 93 a
peca com 8 varas.
Baloes de 35 e 40 arcos nesgados para,
senboras, a 45500.
dem de mursulina nesgados a 53.
dem de crochet a 53.
dem de mursulina para meninas a 33 a
355oo.
Saias bordadas a 55.
Cambraias admascadas para cortinado a
125 a peca com 2o varas.
dem para forro a 35 a peca com 40 far-
das.
Cambraia de linho muito na de 65 e 95 a
vara.
Madapoloes finos de 65, 75, 85, 95,105,
115 e 125 a peca.
Plat-ilha de algodSo superior fazenda para
'saias a 3200 a peca com lo varas.
Cobertas de chitas de ramagem a 26oo.
Lences de bamburgo fino a 25400.
dem de bramante'muito fino a 35200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
5500.
Guardanapos de linbo adamascados a 43
a duza.
Atnalhado adamascado com 7 1/2 paimo*
de largura a 25 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 35 a vara.
AlgodSo enfestado com a mesma largura
a 131 oo a vara.
dem trancado de algodSo a 156 Toalhas alcochoadas de linho lisas a 415
a duzia.
dem da algodSo felpudas a 135 e 145
a duza.
Colchas de fustSo a H.
Lencos de cambraia brancos finos a 15800,
25 e 255oo a duzia.
MM
56<
80!
i-0(
641
23001'
13801
1300<
13001
13001
430a
m
2430OC
283000
10U0(
e;oof
641
136O0
103000
24('
30('
13001
2330f
1C301M
23501
Lenjos de cassa finissimos a 3520.0
3560o a duzia.
Fil de linho liso a 8o a vsr?.
dem cf m salpicos a 15coo a var
Grosdenaples prelo bom a 158oo, 1$
25800 o covado.
Slorantiqoe preio superior a 258oo o co-
vado. ,
Flanella de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 8co rs, a
vara.
Bramante de hnho com 10 palmos de lar-
gura.a 25Eoo a vara.
dem de linho com 5 palmos a !-
*ara.
dem de linho cem 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
' Riquissimos basquina a 255C00.
Assim como ontras muitas fazendas qne
se vende por menos que em oulra qualquer
parte, e d-se amostras de tuo'o,
Bales de 2o, 25, 3o, 35, 4o e 'o arcos
para senhora a 2?, 25oo, 35, 353oo 45 o
liSooo.
Ditos de 25 e 3o arcos cora mo'ks a 3'
e 65.
Ditos de murculina cstreilos a C5.
Espaitilhos finos a 65.
.*! Por'eltafi ininsiniss a Soo TO.'l O C; TadO.
isaldo Ass
A bordo do hiate Caribahli
Irmos,
7
a irsrlar
cro Tatso
de ehe^arossabonetesde
alcatifo
C oso de'tes tabones tem .ipresentado os mais
benficos flTeiios esotra as impigens. pannos, sar-
nas, tioha, cuspa, comichees, e lodas as demais
molestias de pell \
Vende-se
NA BOTICA E DR0G\BU
DE
Bartholomea dk C-
34Rea larga do Ilosario3
Veude-se na id dt C rreJor do Bsp duas e>cra'.ionas peess e urna mclatioba de !o n
16 juno-, au meabas ImpctUnte por prego n -
roodo."__3
VenJe-se urna armac.ij deanirrl'i caviar.*-
caaa, propria para irj de fa/endas ni roiadezas:
na rna 1) reila n. lo achara' rom ijutm tratar.
Vende se nm cavalk) rodado grsode e n .
andador balso e rroito gnreo sem d'eito, dl
achaque : a tratar na ra Jj Argo o. 7.
Aos agricultores
Sannder Brathors C. ae.haro de receber
do Liverpool vapores cem todns os pertenee", e moi proprios para fa;n
tem m&v.r machinas de descarocar alp>do; v?
dendo cada vapor (rabalbar at com li serras,
tan*bem servero para enfardar algodso, on tara
outro qoatqner sf rvifo em rjee otaffl de trahjlbsr
com ammaes. Os meamos t.>robtm tm a' venas
machinas americanas de 33 a 40 serras.
0 pr-tendentes dtriam-se o arto do Ccrpo-
Santo d. II. "
Cbegou aflnal
A pomada galopean
para cura rpida e completa dos callo* duro?
VKNDE SK MA
Bjtica e drogara
DB
Rartbolomca U. *.
_______*4Rna larga do llosarin35
ffanleiga ingieza a Soo
Vende se mantciga inglea flor a 800 rs. a libra:
no prog'esso do pateo do Carmo n. 9.
UeiCto
Omento bydrao'ico da me'htr ooalidade para
ediflraces n'3oa,taBques^aleero'es, assemameo
tos de canos, etc., em barricas graodes, a 12J, _g.
Dito commam oa romano a 105.
ka* porco snperior a .')( barricas se tu orna
dirTerenca oo prego conforme a qn^ntidade :
Nos armazens de Tarso Ir-
mo
s.
GESSO
No* armaieni de Tasso Irmos.
GRADES DG FERPO
para tardos, porteiras, ele.
Nos armazens de Tasso |rnifc
Para acabar
Vendem se sarcos eom fannba da oandlocade
i&SOO a Si, asum eomo saceos com feijn por
baratissim oree: no trapiche baro do Ljvia-
mtoto oo Porta do Mato* o. lo.
|vto bn8 do que lecaim lia a 2$OG0.
Chales qoo se veniieraro a 1=5, se vend" i
por ut ersndfl qoaoiidade: na ra d9B.*r:
o. 22 loja do Viann?._______
Meias baratas, duzia 25(oo rs.
Vendem-se dozias de meias de cor escura
sendo meias de muito mais dinheiro poi ,
liguidam-se a 25, por ter alyum logue u*
mofo ; ditas nglezas cruas muito etlcorp?-
das a 55 a duzia.
e hales de renda.
Vendem-so superiores chales pretos
renda, pelo barato preco de 3500 rs cada
um, assim como 'ditos de (uipore fazeo
da muilo snperior a 10$ e 125000, e uia
bonio sortimento de capas e reondas.
VESTIDOS A 4501 0.
Vendem-se bonitos comes de vestidos de
camhraia I ranea com lindas barras bordadas
a 45000, ditos mais fios com as brras bor-
dadas a cor a 55, 65 e 850' 0. ditos de fon
tazia com lidas barraj e enfoiles de seda a
85 e 1i 5000.
LSnzmhas de cor a 240 e 360 rs.
Vendem-se lanzinbas maiisadas, padi&es
modero* s e muito bonitas pelo barato prec/y
de 240 e 300 rs.
Gravatas a 400 rs.
Vendem-se grava! iiihas pretas estrellas
da moda pelo haratissimo preco de 400 rs.
cada urna, assim como um grande sortimen-
to de cores lisas e bordadas, por bai&SO
prego.___________________________
Mascaras
Novo scrllmeolo de niascaraa de mass, de ra-
me, de cera e de seda, domines nariz enm oculos
barbas, todo bem aortldo e novan*eoto ebega-
dai ao armaiem do vapor rna Nova o. 7, e van-
4ea-sa multa am coala da ama dtuia para cima.
HEGiVEl
T.


larlo de peraaaak>a.e Qnaria felra tt de aaelr* de |8ft.
.
Grande liquidadlo
IVA
ARARA.
Loureneo p*r ira Meades Guiraares, tendo dado baluu-
co em sua loja de f meadas ra da Imperatriz n.
72 e 56, fez um grande abatimento de suas zen-
das para poder liquidar com mais brevidade.
<$>)*t*********** A
Vende-se cassas 'rancezis a 240, 280 e
320 rs. o covado.
DiU-. f.ao:eza$ largas a 240, 280, 320
e i(K) i s. o co?ado.
Ditas ioglezas a IGOe 200 rs. o covado.
La :i!ili paca vestidos a 240 rs o
catada.
Ven1e-se Hhsinbas para vestidos a 240,
280, ii,i e 400 r. o ovado.
Alpacas de cores com flores para vestido
de S'iohora a 500, 560, 7O e 800 rs. o
covado.
Reopa feita nac -na!.
Vende-se p^tots de alpaca pretos e de
cores a 33-5'JO e 4,5003.
Ditos pretos de pinno a 50, 6^ e 8, di-
tos de maia casemira a 35500 e 4$, calcas
de casemira a 50 e t-,0, cole'es de casemira
a 33 e 30500.
Madapoln a 4*00
Vende-se pecas de madapol3o Gao a 44,
U, 5. U, 85, e 105.
Pecas de algodaosinho a 4-5000, 55, 65 e
7500U.
C^mbraias li-as a 15.
Veode-se caaabraias lisas poca a 45, 55, 65
e 750JO.
Brim p rdo a 50.

Vende-se brim pardo com toque de mofo
a 5G0, 600 e 700.
Briin branco de linho a 15280.
Ven le se brim de liabo para calca? a
1528.). 15600 e 25.
Chalea de l de linho 45500.
V^nde te chales d<; fi' de linho a 45500
e 55'500, hretauba de linho 55 e 65,
M> cunli jue corn palmas de seda a 400.
Vendeja musambique com palmas de
se la parn vestidos do sendera a 40) o co-
vad, pbantasia com listas de eda a'15'e
80.) o covndo, s nj I j i da Arara, mussu-
tinas de cores para vestidos de senhora,
rouiia de meninos a 500 o covado, braman-
te de ah", bre aaha de linho, brim da co-
ros pira calcas e outras muits fazeudas
que ans logo annuuciaremos qoe boje nao
o fazernos por falta de tempo.
C iras de brim para calca a l-$.
Vndese ores de brim de cores para
calja a 15, i5i"0e25.
Aviso importarle
O pro:;rietari'j das lujas do Ai ara da ra
da Iai, eratiii. n. 50 e "i dec'ara ao respei-
tavel publico e seus fregueses que encom-
mondou um grande si rtimento de domi.s
de todas as qualidades e vestuarios a carac- a vara*
ter ara as pessoas que goshtii de divertir-
se pelo carnaval, pois tolos estes arligos
devera estar promptos.do fim de. le mez em
dianle e que espera que os seus fieguezes
honren) com as sua-s frequencias aiin de
Ibes cumprar beinfettos vestuarios ou aloga-
rem, pois o que se aGanca grande quauti-
dade que existo para se escuiher, tudo de
bom gosto 6 prego mais barato possivel:
BrilhanlB:s de cores a oOO.
Vende-se brhantinas de cores para ves-
tidos de senhoras e roupinhas para meninos
a 500 o covado, ditas brancas a 500.
Orgaol'S braceo a 1,000.
Vende-se orgaadiz brance muHo fino para
vestidos de senhoras a <5 a vara.
Alpscas adamascadas a 720.
Vende-se alpacas adamascadas para vesti-
dos de senboras e meninas a 720 e 800. i
fortes de ganga a 1400.
Li juida-se cortes de ganga para caigas
de homem a 15400 e 15600 o corte.
Bria fino para calsas a 1409.
Vende-se brim muito fino de cores para
caigas de humera, roupa de meninos a 15400
e 15600 a vara, dita brinca de linho para
15280, 1540J e 15600 a vara.
Fiod- I i-, no lizoa 720.
Vende-se Al de linho liso a 720 a vara,
dito de palminh'S a 900 e 800 a vara,
(asieres para calsas a 2oO
Vende-se castores para caigas de bomem
a de meninos a 2oo e 24o o covado, brim
de cores para calcas a 32o e 4oo rs. o co-
vado, ganga de cftres a 38o e 4-">o rs.
Poil de chevre a 800
Liq -ida-se esta nova fazenda para vesti-
dos de senhoras e meninas por nome poil
de chatre a 8oo 9oo e 15 o covado.
Bereja de listas a 240.
Veode-se bereja de listas para vestidos
de senhoras a 2io o covado, e outros miji-
tos artigo que se deixa de mencionar por
falta de tempo, o que b evemente se annun-
ciar para melhorar o preco Jasfazendas.
Chitas escaras a 320
Vende-se chitas francezas finas escaras a
32o 360 e ioo rs.
Algndde lista e 200 o covado*
Vende-se algodo de lista proprio para
roupa de escravos a 2oo reisn covado.
La preta a 51)0.
Vende-se lasinha preta para loto a 460
e 5oo o covado, alpaca preta a 5oo, 64o,
8oo e 15 o co ado, moriantique a 15 dito
- 25.
Caberla* de chita a 20000.
Veode-se c bertas de chita a 25 e 2#5oo,
ditas de damasco a 4ooj rs.
A'gol eofesado a lOO0.
Ven Je.-se algodoes entestado para lenges
e toalhas a 15 a vara, dito pintado a t#2*o

I I VU
ni'1
PARA UZO NTERNO
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jambaba garrafa......... !5ooo
Vrahode !56oo
Plalas de vidro......... !56oo
Tintara de 64o
Extracto' hydralcoolico de jorobaba 1255oo
PRKPARA90S COMPOSTOS.
Vinho de jambaba ferruginoso garrafa. 25ooo
Xarope > > 15600
Plalas vidro... 25000
Oleo de jorobaba vidros.... 64o


Pomada de
Emplastro

ra da Imperatriz ns. 50 e 72.
Chitas para cobertas a 280.
Vende-se chitas pjra coberas a 280, 320
e 300 o cova lo.
La Vende-se lanzmhas estampadas para ves-
tidos oe senhora a 28g e 30 o covado.
Cuitas adamasca us a 4i0.
Vende se chitas adamascadas para vestidos
a 40j e >) o covado.
Meiis para horcom a 550O3.
Vende se matas para homem a 45, 5ri, e
para senhora a 05. 55 e 35000 a duzia.
(i ande peclnclii.
Saias bordadas para senhora a 35500, 45,
eC500'.
Organdy de cores a 45009.
Vende-se organdy de cores para vesdos
de senhjra e meninos a 4'jO e 500 rs. o
covado.
Plitola de alpaca a 35500.
Vende-ser palitots de alpacbas de corea e
trancos a 3<*500 a 40 O, ditos de meia
ea-emira a 35500 e 45; clgas de brim
pardo a 15'00e 25000.
Ar. ra esi liquidando
chitas miadas a 160 e 200 rs. o coya do,
cassas minias a 240 o covado.
Lans brancas finas a 5C0 rs.
Vende-se lan'inhas .brancas com palmas
de cores para vesiidos de senhoras a 500
5G0. 2> e800o covado.
Aberturas do algodosinho a 4500.
Vende-se aberturas para lamisas a 400 e
Alpacas de cores a 64o.
Vende-se alpacas de cores para vestidos
de senhoras a tio e 72o rs. o covado.
Cortes de ga?ineta a (5ooo.
Vende-se c res de gazineta para caiga a
15. l2ooel54w).
Ca-gas de meia casemira a 35ooo.
Vende-so caigas de meia casemira de co-
ras para homens a 35, palitots de panno
preto a 55 e6., caigas de cazenira fina a
55 a 65.
NOVIDADE.
Ver,do-se urna armego propria para aual-
quer negocio.
L3as escossesas a 2-0
Vende-se lias escossosa* de quadros para
vestidos de senioras e de meninas a 28o e
3o o covado.
Loncos de seda a 7oo.
Vende-se lencos de seda de flores a 800
C3oa Om para acabar urna grande porgao
que tem na roa da Imperarriz n. 50 e 72.
La siahas com listas d seda
Vende-se ISasinhas muito largas com lis-
tas de seda a 15 e 8Ors. o covado, ditas
fina a 5oO o covado.
Cortes de casemira a 2$.
Vendt-se rort?s de casemira de cores a
23, :*5 e 45. ditos de casemira preta para
caigas e 35, 45, 55, 65 e 85.
Sedas de t ck a 1*400.
Vande-se sedas de cores fixas a 15400,
15600 e 25 o covado, grosdenaple preto a
1500, n 25-500, ditos de tedas as cores
a 2 o covado.
pote...^.- ^4o
fibra...... 255oo
PARA UZO EXTERNO
A JQJJUJBEBA.
Esta plantar hoje roconheqida como o mais poderoso tonieo, como nm excei
lente desobstruente, a como tal applicadi nos engo.-gitamentos do figado a baco na-
bepatites propriamente ditas, oa ainda complicadas cora anaurchas, as iDRammcoet
subseqoentes as febras inermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do otero a abdomen, nos tumores glandulosos, oa anazarcha as hydroDe-
iias, erysipelJas; e associada as preparagoes ferruginosas, ainda de grande yantare
aas anemias, chloroses. faltas de menstruag5o, leucorrheias, desarranjos atnicos do esto-
mago, debilidade organicas; a pobreza de sangue, ate.
O que dizemos affirmam os mais distinctos mdicos desta cidade, entre os auaei
podemosciUr os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aqnino Fonseca, Sarment Seve Pe-
reira do Carao, Firmo Xavier, Silva etc. Todos alies reconh-cem a excellencia d'est no-
ieroso medicamento sobre os demais at hoi? ronhecidos para todos os casos citados
tanto que todos os dias fazem d'elle applicaclc.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da ium-
oeba, tivemos por fim generabsar ma o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia qoe at hoje seotiam es doentes de asar dos preparados empricos d'elle c
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinbara ainda a desvantagem de ae
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna moitas vezes improficoo um
medicamento, que poderia produzir ptimos resaltados.
Osnossos preados s forara apresentados depois de haverraos convenientemente
astudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para bera conhecer as propriedade
medicamentosas d'esta planta era suas raizes, folhas fructas ou bagas, e a dose convenien-
ea app.'icagSo, tendo alm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior ro de
tperfeicSo possivel, para o que nao pouaimos esforgos, nao nos importando o nouco lu-
cro que possames tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infallivel cura
Je qualque dos soffnmentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo applicado*
tendo alm d'isso, medico ou doente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa-
ragoes, aquella que melhor Ihe pode convir, j pela fcil applicagSo, a ja pela complicagc
las molestias, id ide, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparagoes ferruginosas s5o feitas de forma que se toroam completa-
mente solaveis nos suecos gstricos, porque procuramos os composto* de ferro que come
taes estao hoje reconbecidos.
Para aqnelles que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jnrubeba, e saberem a applicago de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
m nosse deposito um folheto. onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos a?-1
mos preparados.
Deposite geral de todos as preparad*
Botica e drogara
34*ua larga do Rozario34
.
NOVA FABRICA DE CHAPEOS
DE
O^cordeiro preyitoiite
Na antiga toja de miudezas a roa do Quei-
mado n. 16.
Taoeo leapre em vuu ai roobar o tasa* mi
sen* fregoeie, coa exleosos anaaoeiM ; vas
lambe ni nao qaeretdo qae as meemos fregoeies
Igaorem o qae de aovo tem alia recebido, aar M*
resumidameole o dir': chegaodo assia se co-
nBeeimenio d* (odas qoe a dita Iota do Cordeiro
Prevideote, ro do Quelmado a. 16. receben o-aa*
guite : ^
BoDitat e doradorasgas da pellica para metas,
tanto para senboras coma para meninas.
Leqaes de diversos e, modernos gosto*.
Peotaacom en feitas dooradoa a sao dourados,
para meninas.
Coqaes simples e entenados, moldes Interamen-
te oovos.
Bom papel em calxinhas II30, puntado dorna
do a timbrado, a outros mortos objeeios, qoe men
clona-los seria bastante enfadonbo. e qae se ve-'
de em dita toja de miadeas do Cordelre Previ
denle, roa do Queimado n. 16.
IVSo faltaai flores,
O Cordeiro Pravldente a roa do Qneimado s. !6
tem constantemente nm lindo sortlmento de 0
oas e bonitas flores, por uso qnando algom ha.
bilidosa javea qnier preparar qnalqner enfeite de
bello gosto deve logo lembrar se qne ba dita toja
do Cordeiro Prndente, a roa do Qaeimado n. 1,
aso faltam flores.
Para a I vejar os dentes.
O cordeiro prevideote a raa do Qaeimado n. 16
receben do bem condecido fabricante Joob Gos-
Inell & C. orna ptima qnalidade de pos para den
,tes aromatisados com cantora qae realmente tem
merecido todo cooceito porque nao s alveja per-
fectamente os denles como tambem cooserva-os
sempre ao melhor estado de perficao, assim pols
qoeiram vir comprar ditos pos na mesma loja
do Cordeiro Prevideute, roa do Qoeimado n. 16
Eafelces com ponas.
O Cordeiro Prevideote receben om lindo sortl-
mento de enfeites com ponas para vestidos, tanto
de seda como de la qae combinara perfeitamen
te com os cintos modernos do mesmo formato, por
isso para poder enfeitar-se com gosto qnalquer
vestido indispensavel comprar-se ditos enfeites
na me?ma loja Queimado o. 16.
Chapelinasdescda
Modernas e bochas capelinas de seda para se-
nhora receben o Cordeiro Prevideote roa do Qoei-
mado n. 16 e por sor pequea a qoaotidade re-
cebida, qaem pretender ama moderna a bonita
ctiapelina deve aprecar-se em maodar compra-la
em dita l ja do Cordeiro Providente a roa do
Queimado o .16.
CAIXINHAS EITPEITADAS.
Estas moito desojadas calxinhas vasias a- enfei-
tadaa cora gosto, qne tanta eztraccaa tem tide e
que realmente servem para diversos dos, existem
na loja do Cordeiro Prevideote a roa do Queimado
o. 16 om completo sormeoto de ditas caixiohas e
sao vendidas por precos to rasoaveis, qoe o expe-
rieote fregaez nao obiedara' em compra-las em
dita loja de mlodezas do Cordeiro Prevideote a roa
do Queimado n 16.
PONTEIRAS E CHARUTOS.
O Cordeiro Prevideote, rna do Qaeimado n. 16,
tem om bom sortimeoto de Soas pooteiras para
charutos, sendo lisa e com flgoras em alto rele-
vo ; e para que os seus fregaezes nao se locom-
mudara em comprar charutos em algamas das lo-
jas de cbaruteiros, recebea tambem um bom sortl-
mento de Unos charutos do afamado fabricante
Furlado de Simas ; assim, pois, eocontrario os
apreciadores um bom sortimeoto na dita loja do
Cordeiro Prevideote, ra de Queimado n. 16.
A loja do cordeiro prevideute
Ra do Queimado n. 46.
Nellaacbaroos pretendemos om grande e va-
riado sortimeoto de perfumaras finas, tanto iogle-
zas como francezas, sendo :
Finos extractos para lencos.
Baobas e pomadas para cabellos.
Oleo pbilocome e baboza para dito.
Pos bygienicos para dentes.
Hilos campborados para ditos.
Opiata ingleza e fraoceza para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
Vasos de porcelooa par* ditos.
Saboneies para mo e barba.
E muitos outros objectos que scro presentes
ao comprador qoe se dirigir a roa do Quelmado
0. 16, loja do cordeiro prevideote.
Baniteijas pequeas.
Veodem-se na roado.Qaeimado D. 16. |loja do
cordeirolprevidente.
Charutos
da acreditada fabrica de Jos Furtado de
Simas.
Veudero-sejo 1oja;d0curtteiro'prevldent3 a roa
do QueiraadoSo. 16
GRaNDE BAZAR
RA NOVA N. iO E 22
Fabrica e fundicao de hronz
e outros mttaes, caWeiretro,
tetro, efuneiroy situada
na Sokdade, ra do Prin-
cipen. 3, e com deposito na
ra Nova n 38, da cidade
do Recife
BRAGA SAMPAlO
FabricatB-se oeste imprtame estabeleci-
mento todas as obras concernentes as artes
respectivas como sejam:
Alambiques de todos os tamanbos. em
feitios, os mui acreditados aparemos de
Derosne com as dinencoes delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesajner pecas des-
apareaos, como sejam o dilatador, ratifica-
dor e condensador, oa esaaenta garifas,
resfriador, serpentinas interiofes.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
ges e qualidades, pelo systema francas ou
americano, simples, de pressao, repoxe, e
com especiaiidade o estanca riat! assim -tp
nominadas pelo enorme totome de agua
que absorvera calculada em 100 pipas por
bora, e das quaes algumas estao fromptas a
serem experimentadas. '
Existem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garaBtindo-se n3o
s sua daracao como a grande quantidade
de agua que fornerem pelo qne slo coaside-
radas hoje as primeiras bombas conbecidas.
Todas as mais obras se fabrkam i voota-
de dos freguezes e a seu capricho.
Existem sempre promptos no deposito in-
dicado na ra Nova ir. 38, um comptetowr-
timente de obras solidas, bem construidas e
a precos rasoaveis, como s5o alambiques,
serpentinas, laxos, passadeiras, repartide-
ras, escumadeiras, cocos, candelas, e meitos
outros uteEclios preprios para engenbee,
como sejam mancaes de bronze, parafucc
para rodas de agoa e outres.
Cavilhas, machos para lemea, pregos de
todos os tamanbos e para o forro de cobre
de navios.
Aprompta-se tudo qoanto dir respetosas
obras de latSo torneadas e polidas com toda
a perficao.
Vlvulas para tanques de banbo, torneiras
de todos os tamanbos e qualidades, assim
como todos os ornamentos para militares,
botoes para farda, aparelbos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
padas turbulos, caldeirinhas, navetas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folhas de flaodres de todas as
qualidades, babas, bacias, bules e outros
utencilios domsticos.
Lampioes para gaz para engenhos, folha
de (landres em caixas, folhas de cobre e la-
tao, tubos de chumbo para encanamentos de
todas as dimences, folhas de zinco, estanbo
em barras e verpuioha, lancees e barras de
chumbo, vidros Onos para espelhos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
dra$as, diamantes para cortar vidros, cadi-
nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-
cas e jarros, trra podre e outros ioumeros
objectos proprio de taes estabelecimentos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitas sob a direccao do socio administrador,
Jos Baptisia Braga o qual se acha de novo
especialmente incumbido da gerencia de to
importante estabelecimente, isso urna ga-
ranta pela sua longa pratica, qoe tem os se-
nhores freguezes d qne serao servaos a
contento, com promptidSoe preco comme-
do, pelo que os proprietarios lhe serSo agra-
decidos'.
v*Pars, 36. Roa Vivlenne. J
cHmttmtM&mm
DE
Manoel Moreira de Souza.
RA NOVA X. 45.
ma*inHe?LaY es,a09,ec?,DOD,0 o completo sortimeoto de chapeos para homew seDhoras
meninos e veode-se por menos preco do qoe em ootra qoalqoer psrte. ujn". seonoras
5 O rs., ditas linas Lindos cortes de 13a de barra a 8#0h0.
Vende-se lindos cortes de laa de barra a
8->, 1U^ e iU; 00.
Espirtilbos a 50C0.
Ve>de-se ricos espartilhos pa a senhoras a
4 e 6$" 0.
Brim pardo a 400 e 500.
Vende-se brim pardo de linbo a 400 e
300 rs. o covado, fzenda muito Ana.
-t
Basquios pretos a I h$.
Vende-se basquinas pretas de grosdena-
ple a 440, 465 e 2U I
Bramante de algodSo e linho, brim de
linho pardo e branco, e ouiras moitas fa-
z^n>ls que se toma enfadonh > meneispar-
Ihe e muitas qu lidades que avista co com-
prador vera' como a Arara vende barato.
Casemiras a 20000,
Vende-se cortes de casemira para calca a
20 e 30000,
Cortes de casemira preta para calca a 30,
3500 e 40.
Iilquldaca de cortea, de cam-
bra la a 2000.
LiqaidscSo de cortes de cambraia com
barras de cores a 20, 20500e 30000.
*-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- _________________________________________________________________________
m
. Ui,UIM3 OS PE
Atso importaste.
Os noicos verdadeiros xaropes de bypopbosphi-
tos de soda, de cal e de ferro do Dr. Cborcblll tra-
aero a firma quatro veies repetida dcsie sabio me-
ico sobre o subscripto e a marca de fabriea da
pharm^cia Svaon, 12, roa Ca-tiglicoe, Pars
Acna-sfi a veuda em frascos qoadrados com o ne-
me do Dr. Cnurcbill oo vidro. Preco 4 traucos eOi
Pars : Com lostrueco
Atlencao
7enda
ao publico.
Mara do Rssario da Fooseca Malbeiro, cor seo
bastaole pr;carador M.ooel Jos da Fooseca, pa.
ticipa ao respeilave publico qoe, penamentd des-
embaracoo eoaio desemburacado e-i de hoje para
sempre, o seo terreno com um caixeo de casa em
respaldo n. JO, sito oaroa dos Goararape, coo<
f ente o. SI, pa-a a roa do Bruro, por orna eieco
cao qoe protnovea cootra Flix da Cuoba Teixei-
ra e soa molher, aqualteve lujrar de recorrer pe-
lo IHm. Sr. Joiio municipal da I* vara desta cida-
de, como rooU dos actos da mesma, qoe piram
oo cartorlo do eacrivo M^it. Sileociosameole,
gesta ex^cugao sa comportaram os credores de
Flix di Cooba Teiteira, nao se oppnodo a ella de
forma algocea, da menos Victorioo Domlogoes Al-
ves Mala, qae como credor fex qoanto pode, pro-
testo para eotrar oo rateio, e no dia da arremata
gao elle Mua pe<8olroeote se apres^otoo lacean
Eival sem segundo
Est quemando todo qnanto tem em
sen cslauelrcimeulo de miudezas
madoQu irnadoe. 49.
A vista taz f.
Caixas com moito superiores brelas a...
Fitas e cordffes para espartilhos, fareoda
boa a.................
Carritets de lioba Aleaodre com 400 jar-
das a..............\
Daiias de meias croas moito boa." '. '. '.
Resmas de papel aloiaco pautado a .
Uixas com 500 phosphoros de vellioba a.
Caixas com palitos de fogo moito boos a .
Grorss de palitos do gaz a....... 2S4i0
Dotia de baralhos francezes a 2J40C e..
Latas eom soperlor baoha a ..... .'
Frascos eom agua deotiiee a......
Frascos com superior agoa de Cologoe
Frascos com olee para caberlos a 840 e! !
Garrafas com agoa florida verdadeira a .
jabonetes muito fios a 60, 160, 200 e
;itos de bolla muito fios aO, 240 e .
/aras de cordo para espartilo a .'- .
Pentesde voltas.para meoioas a..... 320
Abotoaduras de differeotes qaadades para
colletes a............
artSes de hnha branca e de cores a .
jbra de ara preta sopenor a .
scovas par fato, moito floa a 5' 0 8r0 e
Varas de franja branca de linn para
toaiha a 1.........'
'.artilha de doutrma ebristia da melhor
qoalidade a.....-'.. a .-
Livros de missas abreviadas a .
CaixlohM eom 6 frascos de chelro nroDriai
para mimos a........^ y
Dotia de linha de miada para" bordar
moi:o floa a
40
60
20
4JOut
4OlO
I
10
2^800
24"
SCO
500
320
l^iOO
3
32<
ti
500
K
120
!000
10ti
32C
tfom
Fundado dAurora en*
Santo Amaro.
Completo sortimeoto de tafias batidas e fundi-
das, alambiques de lodos os lmannos e fundos dt
ditos, rooeodjs de todos os tamaobos de superior
qoalidade, crlvos e boceas de fornalba, o que tod<
se vende por commodo preco.
Vapores.
!?;'? "*!* Saunders 'Brothers 4 C
olargo do Corpo Santo a. 11, ?apores patente-
omtodososperteocesptopriospara axer mover
espnquatrj mienioaj para descarogar algodac
Coudecoracoes.
i?/?'*" B0 v^Bor i0f|lM s r n,2pn!Ie,?,,2, J- Goocalves Bastos &
fcSSarto^Cabogn-^A>esqoioad, roa larga
Vmbo do Eheno
eScasrfl%SZasdhad98' wr Precos commodos:
em ma de Rabe Schmetiau & C, roa da Cadeia
Machinas para descarocar algod5o, do mt
Ihor autor ^ae tem apparecido na Americ?
E' tal a execucao do macbinisme, que o al-
godo sahe quasi to perfeitocomo o debo
landeira. Recommenda-se a attencSo doi
Srs. agricultores, estas machinas.
DEPURATIF
S S$AG
mmkii
a.
de Rab Schmettan &. C.rua da UdeU n. 18.
Champanlia
' s, recular e
> di C, ra dj
Cognac
m casa 1
18.
de Londres
GAZ GAZ GAZ
Cbegon ao antigo deposito de Henry Forster A
u., ra do Imperador, um carregamento de gai d
arimeira qualidades qual se vende em partidas
retalho por menos preco do qoe em ootr* 0021
roer parte. *
PICHE
mm,J r. AS DES SKXUAKS.AS AFHC
Jp^fiUTAWtas.Ea -.TERACOES DO SiNGB.
80:000 cnr dat inipitiMUL
puttula, kirpu. anas!
cnmixoitt, acrimonia,ti-
lerfot,vtcntnt dotanq\i%
J vrua. alterafot do tan,
fue. (Xarope vegetalug mercurio). pi.ura,,--
?ecete eisAjio* Aixmiak*'tonio-ae d"o
por wmaoa. seguimlo o ractamenlo BtyuraUt* -
agregado na.< mesiaas noieMiaa.
Este XampsCitrie!;
deCUABl.E. euralia-ac
UBienteqaaiuarf;;-c; --w
relaxafao, t detilida*;
gualmenteo/7tiro*ifor
franca* aas olhere. EU Djeceto tonina e
rega-s con o Xarope da Citraclo d Ferro.
Mtmldu. Pomada qao a* cara tri a
POMADA ANTIHERPETICA -
Contra: naa affteeoe cutnea* comirom.
PILULA9 VEGETAES DEPURATIVA
*> O' CimM*. ada raeco vai acws^Juao a **$
AVISO AOS SRS. KEGIC03.
j tara .yoo-rto*, ivtm
"UM O <* bre,*-
riAior < udui a$ deenp
'n <.c:'.),- bu.'h: .i .!"!-.-.it
uina colhr vrhil'a lesli- rnpp D' lo-rv
3r. CMAVI.JKmi P.-. VW^W m.
A venda na pbarmacia de P. Manrer f
e C, em Pernatnboco. |
de Babe Schmettan
800
00
,, n 1 v -..-- i-i.-..iuiciiiij so aures>-nioa l
jjfe ai^r: r-imeua, tem para vender em seo "o nos neos penborados, e os preteodia. o a
ecriptono 00. largo d Corpo Sanio D.
dar, o !-et>iiir>te :
P: t,ssa da Rossia soperlor quaiida^e.
Cim-nto I* qoalrfade.
8S em garrafSes.
Vior.o fQperu r qoalidad.
Aigoian Iden dem Conccao, -
Cbarnt s de Havaoa.
Piassdb^.
er em seo > "" ous (loouoraoos, e os preteodla, o qoe nao
-4, i* aa-;PI',ecooseguir, ma gmente recebea a qaantia de
3729443 qoe fol quaoto perlenceo a dito Maia, e
de.vta man-ira Su deo Bm a tal eiecocao. Ja por
aqoi s v qoi ete to (amigo predio est Hre e
desembarazado e se ende a qnem mais u."; a
tratar na roa da Groz do Brcife o. S9.
Moori Jos da Fonseea.
Caixas com colxetes frincetes moito 'som-
riores a............. *" w
Meias ernas para meninos a 240, 80. '320 400
Pares de sapatoe de tranca e tapete a 1*900
Ditos ditos para meninos a U 00
Frascos grandes enmsoperior tiotaiagleza
Trsouras moito finas para cobas a coa-
loras a............"""^
Carrlteis prqoenos om reros de todas as
ores a 40 e.........
33a
600
8
commnm e superior, em casa
& C, roa da Cadeia o. 18.
Shervy
superior regalar, em casa de Raba Scbmettan &
d, roa da Cadeia o. 18.
Linha denoveos
le AlmndN e entra : em casa de Rabe Scbmet
10 4 C.. roa da Cadeia o. 18.
Doce de" goiafea'
Boo .-vende-se na roa da Cadeia n. 9, loja.
Farinha de mandioca
Veode-se fann de mandioca ensacada a di-
versos precos e mam barato qae em ootra nana
na ra da Crat o. 23, andar, cripta ricTpara
wr 00 traotebo do Conh. in* f
Veodo-ae urna escrava de 3u naos de
idade: oa raa da Ponte Yeiba n. 14.
Superior *an dealgedit a Babia
Vetete toescrlptorio de AatooWt >Lote**Ol-
Ttlra Aumio \ C, roa a CroAja. 57.

VWi-
MaMi
_ VEdDE-SE
por 3:a005oma bja caa ero chao proprio sit na
estrada.d,)BaeaBameotoJoDtoa esta ci dos tri-
16o nrbaoos: qaem a vir to deixara' de comprar
por ser barato : a tratar na taberna D. 5, no mes-
ma logar. '
-'-Vende-se orna escrava crioola de idada 23
aonos, tofitoe eogommadera, conbeira e de p-
tima coodocta i ditas de 19 a 30 anuos de Idade,
s>m boas babtl d.d, 1 dita com 4 meres de pre-
Biej, de id-d- t> 10 aooos, por 700*. 1 mulato
atko pnr 7B0g ; na travessa do Carmo n. 1.
Vende-se om esrravo moeo bonita fliOrT
ai lM*-*Ww de Barros o,5*. **
I1EGVEI I
Vende-se piche no gaz proprio para
aftphalto, calafetes de candas,
assealbadoa, assim como para rebocar
cisternas, enndactores d'agaa,
etc. etc., em grfiso; ns fabrica do gai, e
a retalho, no armazn *da Bolla amarella,
travessa do Imperador.
Tondecoracdea
A bem coobtcita loja dt loras de Morelra &
Dnarte, a' roa do Cabog o. 7, acaba de receber
purcao e> babrtose-f Befa latos da r>rdero da Rosa,
e hbitos da de Cbristo de diffrrentes tamanhos
qne vende por pregos moi raioaveis, alm disso
continua a ter como sempre om completo sort
ment de joias eos postes mais modernos para as
quaes coota cono concurso de seos bcos fre-
gus ts.
Cera de carnaaba
Na raa do Quelmado o. 16, vendt-se boa cera
de carnauba.
Im cade garrafa, val. tr a rolti e o papel jl
tat leva o < nte. uta rottito l^J 4 "
relie Sslio I %*iu. >,,.
T. B. i tt-
' -------- i tetAvteitinai'.;n
r3 de SvO ti... .9.
UePirU.,-,. ,:;:
DOCTEWf-MECt aftldt*,, -l4.
et!i. .

perfeita
saheodo
Fio de algedSo da Baha
Vende-se ao escxiptorio > Aocaio LoJi de OU-
wlra Aie7eae & C, raa a Coia. 67.
Deposito na pnarmacia de P. Manrar t
C. em PerBamboco.
Cola superior

Vende-se nma prela de 20 aunes,
costnretra, engom^adeira e eminbeira,
mal* fater oew, bolos e coser de alfalate : oa ro iT'SeJno/rrpl,>rl2 dS, An,0B tais dt Ob-
Wora n. M, f andar, velra Aievado A C, rea da Croa d. 57.
MI
Sflaerier viaie da Porta.
Vende-se to escrlatorlo de Antonio Lnltlde OL.-
lKa3^^m*^*w*J^
.
.

* v
t
.
.

""'.
H
y^



I
*
i
I
1*1 rh tt Mfsl b.
%Wi tolia e 4aneirc e 1868.

-rfi----
Cellares Royer
|a Asediaos elctricas mapeticos
ircposltj acreditado
tajada aguia branca ra do Queimado n. 8
Apregoar oda os prodigiosos effeitos dos
-oMSres Royer j nao easinar ou querer
treduzr navidades, por^oe a fama de sua
efflcacla tem-se tanto estendido, e os seus
felizes resultados a tal altura elevado, qne
boje rara e a pessoa. $e por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
8 parentes. ignore ou desconhe:a as virtu-
des desses sempre apreciareis collares
Royer.
A agiiia branca porm sa gloria da coocor-
rer para um Uta justo fim, se nSo por ou-
ro modo ao menos por ter sempre, e flot-
antemente um eompieto sortimento desses
collares magnticos, que bem se pdem cha-
marsalva vidas das .crianzas.
Resta anda que os senhores pais de fa-
milia se facam convencer ,de que. convem
n5o esperar qu as. enancas sejam atacadas
do mal, e por sso necessario ou conve-
niente que com antecedencia se deite na
enanca um desmeollares para assim estar
ella preservada das convnfcoes e se contar
uvre dos rigores da dencSo.
A aguia branca roa do Queimado n. 8
continua a receber por todos os vapores
ancezes a quautidade que ba contratado e
i n T 'i fa-
c
PICHINCHAS
pTara principiar o anuo de 1868
HA
LOJA E ARMAZEM
DO
, d Llodissimas gravatinhas para senboras.
j.j.:.aca:se ea_sempre prvida dos ver- i Lindos colares e voltas de vi Irilbo e seda, ultima
roa do Crespo n. 9 Jl, esquina da ra do Imperador
Acaba do chegar pelo vapor Guunne, uro varladieslme sortimento de faxendas qne ditera os
nossos correspondentes qae foram as melhores, as de mais gostos e novidades que eocantrarau e;n
ram, e por isso ramio reeommendamos a apreciado do respeitavel publico, os segalates artiges que
se encootrario Ba toja do Passo.
Riquissimos cortes de seda de c6res, com lindos
matizes completamente novidade.
Llndissimos Testidos de cambraia branca bordados
com gotto.
Ricos basquine*, primorosamente bordados, e ulti-
ma moda em Parir.
Riqusimas cbapelioas de seda, paltaa a imitacao
e enfeltadas com muito gosto.
Coques para senhoras, sendo estes de nltima moda
eco Parir.
dadeiros eolhres Royer eletricos magn-
ticos. 8
Novas chapelinas
de fina palha da tala.
A Aguia Branca, a roa do Queimado n. 8, rece-
ben um novo sortimenio de bonitas cbapelinas de
Qna palha da Italia, ornadas com delicadas flores, e
como sempre a Aguia Braac* as vende por precos
eommodos.
Rap Viajado e Paulo Cordclro
A loja doeordeiro providente a' roa do Queima-
do o. 8, recobeu aova retuesta dessas qualidades
de rap._______
Presos vantajosos
Das miadezas do grande estabeleci-
ment desonza Soares(rme.
Una Nova a. 28.
Vcidem em grosso e a retalho.
Linbag novellos, amito superiores, libras sortldas
a 2*200 e Z500.
Dna em nvelos, mais inferior a 10300 e 10800
a dita.
Dita branca em calzas de 50 nvelos a 640 ris
Dita para marcar, caixas de 1$ ditos a 2*0 rs.
Dita branca em ditas de 10 .Ihos graodes a 560.
Dita em carros de 100 jardas a 360 rs. a dmia-
Dita em carros de 200 jardas a 1*200 adozia.
Dita emcartSes, branca epreta, a 160 rs. a dita.
Roietas de cores em canas de dutia, a 1500 a
dita.
Grampas com cabera de vidro a 160 rs. a dita.
Agolbeiros pintados a 240 rs. a duzia.
Botdes de moedinhas douradas e prateadas, para
pannos., a 15900 a duzia de pares.
Ditos de madreperola, para camisa, a 500 rs. a
groza.
Ditos de osso, par calca, a 240 rs. a dita. '
Caixinbas com soldados de chumbo a 120 rs.
Espelbos de muldura dourada a 15400 a docta.
Pentes de laco dourado, para coco, a 62 rs. a
duzia.
moda e inteira novidade.
Collarinhos, puahos e gravatinhas de Cbuny, cem-
pleta novidade.
Riquissimos leques de marflm todos abertos e de
olilmo gosto em Parlz ; assim como de sndalo
madreperola.
Riquissimos vestimentas de cambraia* primorosa-
mente bordados, com todos os pertences para
creancas se baptlsar.
Ricoz vestuarios de core, lodos completos para
meamos de 2 a 4 aooos.
Mantas de bloode para nofvas.
Moiriantiqne, grosdeaaple sedas preta, branca
e de cores.
Riquissimos cintos, ultima moda.
Ricos enfeites para senboras a meninas.
Ltadissiraas cbapelinas de seda e de palba para
meninas.
Riquissimos corles de fantasa para vestidos de se-
nhore.
Lindos cortes de 15a para vestido, novidade.
Chapeos de castor a canotier, ultima moda para a
rapasiada em Pariz.
Grande deposito de lovas de Jonvin recebe-se por
todos os vapores grande sortimento.
9 !
a Ja, o M.
i
i

Csseroiras, cambraias, Isas, mosselinas, precalias, chitas e ama InDnidade de objeelos qne
asilamos de mencionar por se tornar macante.
Isto s na loja do Passo ra do Crespo n. 7 esquina da do Imperador.
AUGUSTO PORTO & C.
11Ra do Queimado-11
Receberam em seu estabelecimento um esplendido sortimento de tapetes, alca-
jas fi ftStfMraS nara fnrrar cilio imln A., ,^,.lt.^, _...i:j..i. j__ 'j_______'
Bu da Imperajriz i. 60
i
til m%m m mu
SCCESSORE iDE
AMA 4S SILVA o
o-V Pereira da Silva, teodo dissolvido amigavelmente a sociedade que tioha com
sns feT0 Pereira daCosta Gama na loja e armaran do Pavao tem resolvido vender
'rmXi mu't0 tnali bar3tas com fim le aparar dinheiro, e diminuir o grande de-
P"*w que tem das mesmas, assim como tem recebido ltimamente uma grande porcao
lara i D^8' Unly in8,ezas como franceas, allemes a suissas, danio de todas el-
> dcaostras deixaodo flearpenhor. ou mat.dim as levar em casa das Exmas. familias pe-
dai nn-i c*,3teir?8' estando te estabelecimento aberto desie as 6 boras da manba as 8
mpntn pAparl-ipam as pessoaa We negciam eD0 Pequea escala, que nee estabeleci-
nZn?"ri,0|)elm9sm,,s pregosque comprara uas casas' inglezas, anbaudo-se
apenas o descont padendo assim fazer melhor sortimento.
Tira bordadas e Babadlnhos
Quera quiZer fazer boa compra de tiras
Bordadas ou babadinbos, achara um grande
sortimento para escolber e por r.reco muito
mais barato do que em outra qualquer parte
na Joja e armazem do Pava, ra da Impe-
ratnz n 6o,
Fzeudas para loto na loja do
Pavo
vende-se setim da Cbina com 6 palmos de -
argura propno para vestidos a 20 o covado, lft0 Da ,0ia e armaiem do pavo, ra da lmp
laaxinhas pretas lisas, alpacas com listra bran- 'ril :60'.
ca 1I o covado, cassas brancas com listras Cambraias largas a i 000 e i280
pretas a 5oo rs. a vara, ditas pretas lisas e! Tara.
com s.lpicos vara a 56o rs. ditas francezas! Vende-se cambraia transparente com oito
com listras e ramagens vara a 8oo rs., me- palmos de largura, que facilita fazer se um
nno preto, alpacas e princezas, mais barato vestido cora quatro varas, a U e 10280 a
00 queem outra qualquer parte, na loja do vara : na loja e armazem do Pavao, ra da
Pavo, rua da Imperatriz n. 6o, de F. P. Imperatriz n 60,
nolre-antlqne.
Vende-se soperior moire-aniiqoe de cor, coro
algnm loque de mofo, por preco muito barato, paia
na loja do Pavao, ros da Imperatrii n. 60,
acabar
4#000
ri tes de Ida
Vendem-se superiores corles de laa matirada
com i.' et vados, pelo barato preco de 4 o corte,
era-
Rival sem segralo.
i "]MoQnclmaniB.4.
Leja de mitotes de Jog Bigcdjcfto
PKUfCVU '0 NOVO ANNO A VENDER BAIATO*
E BOU.
Carrltefs com S oiiavas de retrts preto
? roprio para machina......... joq
Oonas de agolbat para machn*.....J/000
Varas de babado bordado do Porto a 160e 2C0
Libras de presos frsnceze gran-i e pe-
qoeoosaS40e............ 3*0
Lixas de lioba para marcar ........ 24fl
Uuzasde tesoorJ peqneoaf....... 480
Redes para cabelles o melhor qne ba. .
uuilas de peonas de a$o vopertor a 40 e .
tanas de linba do g? com 30 novaos a
taixas de palitos de stgorsncaa......
hyilaLanoa com esump&s para mecicis a
uvres imprwws ecm rol para rnupa a. .
Davi$ de melas finss Pra snhera a.....
Papis de agalbas balo a.....
P-cas de Oas de laa elasfcas para vlf't,;r. a
c?S, del0UC, ir5le*30 COe
dem sem ser prateado .. '. *...."'
Cadas eom tolhas de hwdo dtorado a.'.
Caixas com 100 eivelopts ffiuito Bocs a .
Caixas de papel aui&ade lisu e pantado
a 600 e ..............
Reroas de papel almaco omito soptrlor !
R>-mas de papel de peso moiio floo a .
Frascos de tinta preta suptriir a 0 e .
Pares de bulOfapara poohos muito bi tu a
CartSes com liaba a Allandre cea 2G0
jardas a ..........
Caixas com superior lii ba do ga tom'l'
novellos a..............
Facas e garios para en?njas a v .
Masso cem fnperif res grampos lisos e de
caracol a 20 -............
Groias de peonas de ac moho Boas a f CO
Booets de oleado para mtnines a .
Tcalha's de liLbo C(m laLyrmlbo mcUo
as a..................
Carreteis oe lioba com 100 jardas a '.
Carretelsde ilnba Aiexandre de snperkr
qoalidade a............
Gtavstas pretas e de cores, superior ?a-
xenda ..........
S20
CO
m

320
100
50O
60
600
540
166
240
600
700
lio
100
240
'O
Hi
:oos
2S00
30
no
500
B

g la
o te
s
05
daSilva.
PALITO'S DE PANNO A 60


tifas largas e esteiras para forrar salas, tudo da melhor qualidad e da SScores, 'a 6^1 o TobSacos Z E dfS"
o que podem> verificar^v.odo ver as pessoas que quizer alcatifar ou esteirar seus sal5es. sem^a oretTa S?7V 7&3K t?;
vestMcs de blond ;om manta, ramo e capella para coiva.
dem de gorgurao bordad s pretos para a quaresma.
dem de cambraia branca bordados superiores.
Basqnines de sola para senhora gosto moderno de 18,J a 500.
Colxas de seda, ditas de 15a e seda para camas de noivas.
dem de crox e loalhinhas de croch para cadeiras.
Mera de fust3o brancas e de cores de o& a JO0.
Cortinados bordados e adamascados para cama de 200 a 700.
dem bordados e adamascados para janella de 9 a 200.
Tapetes grandes e pequeos para sof e portas.
Pannos de casemira para cobrir mesas, -guardanapos grandes e pequeos, toa-
mas para m5o de hobo e de algodao, atoalhado tranco e pardo, pannos finos pretos e
azues, casemiras pretas e de cores, tudo por mdicos precos.
Chapeinasmodernas para senhora de palha e de crep.
Camisas de linho e dealgodo inglezas e francezas para homem.
Mo;re branco e preto, sedas pretas superiores para vestidos
Espartillios.
Vende-se um grande sortimento de espar-
>endem-se palitos de panno preto saceos tilhes dos mais modernos: na loja e arma-
50, ditos sobrecasacos a lo0, caifas de ca- zem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60,
Remira preta a 60 e 70, d ta muito finas a Ricos corles de medlaa pro-
90 e lo0, finissimos sobrecasacos de panno a' prlos para baile.
2o0 e 250, calcas de castmira de cor a 70 e Chegaram os mais modernos cortes de
80, um grande sortimento de coletes de toda medina, sendo uma fazenda inteiremente
a qualida.'e e outras muidas qualidades de nova e transparente, cora lindas palmase
roupas que se vendem mais barato do que quadros de seda, e vendem-se pelo barato
sin ontra qualquer parte, na loja e armazem \ preco de 220000 o corte : na loja e rma-
lo PavSo, tua da Imperatriz a. 60, de F. zem do Pav2o, rua da Imperatriz n. 60,
para a quaresma.
Ditos de lacos lisos, para coco, a 5J500 a duria., 8rtH Preto e de diversas cores, organdis e cambraias brancas e de cores e las de mui-
Ditos duurados, com flores, 2$400 a duna. las qualidades.
e S&tS^ mU,, baS pa" *'isar'' *M Saias. loa!ba.s e lencol de linho ricamente bordados.
Dedaes amareos e prateado, finos, a 240 rs. a t- Malas para riagens grandes e pequeas, chapeos de sol nglezes e muitos outros
diI'-.. M ,, A artl2s todos andidos por baratos precos, pois s se deaeja agradar e apurar dinheiro.
Colchetes em calxinhas a 640 rs. a d ta. U__., doUnplmada-.lt
Ditos em candes a 600, e 900 rs. a dita.
Pegas de fita para cor, larga, com 10 varas, a
500 rs. a peca.
Fitas de seda n. 1 y,, pegas com 8 varas, a 260
rs. a dita.
Cadaco branco para ceroulas a 660 rs. a duzia
de pegas.
Las do todas as cores, para bordar, a 6J500 a
libra.
Phospboros de cora, em caixinhas, a 300 rs. a
dutia.
Ditos de pin encerado, sem cheiro, a 360 rs. a
dona de caixinbas.
Ditos de cera, em caixas gra-ndes de folha, a
1J400 a dazia.
Cartilbas da Doatrina Christa a 320 rs.
brelas de colla, em caixinbas, a 320 e 500 rs.
Sabonetes finos a 800 e 1,5 a duzia.
Facas e garpbos cabo de osso, fazenda boa, a
2J500 a duzia.
Abotuadoras finas para coletes, cintos com Ove-
jas e crystal, e multas outras qualidades, pulcei-
ras de comas, pentes com pedras para coques, en-
feites para cabeca, um completo sortimento de per-
fumarias de todas as qualidades, eelarinhos, ean-
deeiros a gat, ferragens de todas as qualidades etc.
etc.: a rua Nova n. 28.
LeaSdade
Este enabelecimenln a rna da Imperatriz 0. 70,
recebe de sua conta por todos os paquetes france-
zas diversos objeelos da ultima moda de Parir,
como seja booUos coques lisos e enfilados, fitas
de sarja, ditas de seda lisas o borladas de todas
as larguras e de superior quaJidade, lindos sapa
tos de merino, de casemira e la, toncas de laa,
muito bonitas cbapellinhos, babadinbos e ntre-
melos com lindos bordados, grvalas de seda pro-
la e de cores para bomem e senioras ; as verda-
deras luvas de Jjuvin brancas e de cores multo
benitas, cartelras de diversos fetios e tamanhos,
meias de muito boa qnaltdade, para hornern, se-
nboras e meninos, um liado sortimento de bicos,
espartilbos, toucadores da Jacaranda' da diversos
tamanhos, fitas de velado, trancas pretas e de co-
res, lindos enfeites para vestidos, cintos de diver-
sas qualidades muito bonitos, albons, abotoaduras
para rolletes, la para bordar de saperior quali-
dade, orna ioflnidade de bonitos brinquedos para
enancas, as melhores perfumarlas de Lubiro, Piver
e Couarai soeiodade Hygeoica, immencjdade de
objeelos que detxo de mencionar para nao se tor-
ear massante, todo por precos muito cou.modos.
GRANDE BAZAR
rua Nova n. 20 e 22
Machinas para costara do autor Wbele
4e Wilson, ebegadas ltimamente da Ame-
rica ; as qoaes pode co2er-se com dora
pespontos, toda e qualquer fazenda, emb-
inbar, frangir, bordar e marcar roupa; tud
coa perfeicao. S3o tao simples, que com*
prebende-se fcilmente a maneira do trab>>
tbo e a pessoa tendo pratica de coser em m>.
rbinas, pode fazer por da o ser vico que f>
ciam 30 costureiras.
Chama-se este estabelecimento a attei-
co do publico, visto que elle srawha con)'
pletamente sortido de objectos de gosto.
como bem Jeques de madreperola e de sao-
dalo, fivelas, fitas para cinto, cokea Derfo-
mam tete,
Na roa nova n. 20 e 22. Carneiro Via-
na &C
N. 64-----Ba da Imperatriz--N. 64.
ffova leja de miadezas e arligos de modas
DE
SILVA & NE VES.


i

?s ProPr!ela"ios deste novo estabelecimento offerecem ao respeitavel
publico desta bella cidade, e do interior um lindo e escomido sortimento de
miudezas e artigos de modas, concorrendo para isto o terem na Europa, pes- -
Sos soas habilitadas a executarem suas encoramendas no que houver de mais no- (*$p
*g^ vidade e gosto, e garanten vender pelos precos mais rasoaveis do que em H
^g outra qualquer parte apar de maneiras delicadas e sinceras. %/m
Acabam de receber pelo vapor francez Guienne, os seguintes bellos
artigos de moda e fantasa.
Lovas de Jouvin para senboras e bomens, de todas as cores.
Livros para missa com capas de madreperola etc.
Indispensaveis e boleas de todas as qualidades.
Coques os mais modernos.
Espartilhos collares, e cintos de seda e vidrilho. fjg
Rendas de Guipure, de seda, (blonds) e de algodSo, de todas as ^
gf- qualidades. g^
Completo sortimento de trancas, fitas, bot5es e guarnieres de seda ^^
com vidrilho e sem elle, gravatinhas de seda, e mangnos de lustro bordados IjSf
tudo do ultimo gosto de Paris. j||j
Leques de sndalo aberto do mais apurado trabolho
Agua Florida e tnico oriental de Laman & Kemps. ^p/
Ricos enfeites e guarnicoes de flores para vestido e cabeca. |1
Caleado para senhoras e meninas. ^@
Perfumaras as melhores e mais escolhidas de Lubm, Piver, e Con- l
em ricos e elegantes vasos de porcellana, crystal e praia ingleza. gSg
Meias de algodao, as mais finas e melhores que teem at hoie vindo Hit
ao mercado, para senhoras e homens. Sf
Chapos de palha da Italia, e a imitac3o para meninas. C*t
E um sem numero de artigo, de gosto e faotazia que s a vista W$
^ podem ser apreciado.
m
r
P. da Silva.
As salas do Pavao a 3^500.
Vende-se urna grande porco das mais bonitas
satas brancas com lidas barras bordadas de co-
re?, tendo 4 pannos cada uma, sendo fazenda in-
leiramente moderna, pelo barato prego de 3501
cada ama sendo fazeoda que sempre se veodea
por mnito mais dinheiro ; na loja e armaiem do
Pava,', aa rua da Imperatriz n. 60'
Camsiohas a 9$.
Venden se as mais modernas camisiohas com
manguitos lanto bordados como de pregoiobas com
Cambraias a 35U0 rs.
Vendem-se finissimas pecas de cambraia,
branca e transparente, de 3i$500 ate 100 a
pega; ditas tapadas muito finas, de b$at
10(S; ditas suissas com 1 vara de largura a
85, i0! e 12S; na loja e armazem do Pa-
vio, rua da Imperatriz n. 60,
Cortinados para cassmen'os.
Vende-se um grande sortimento dos me-
i lbores cortinados bordados, proprios para
* a -^
o a o a
w 2 o CL^a
o B o1
~ a; vi D
B S- So
ii
O C
^ sa
=0 cu B
a. v, s o. ^
a r o an-a
%'?? 1
i s S t
i HI
g T O
TB?
Venda ou arrendam Vndese por prego razoavel, dioreiro oa
a praso, conforme se ajostar, ou se arieoda o ea-
g?nho Jaboatiozmbo, rnuente e crreme, sito na
comarca de Santo Antao, com terreno fofflciente
elegantes puiihose bonitas abotoaduras pelo bara- camas e janellas, pelns b.rat'.S pregos de ; para safrejar de 1,800 a 3,600 pes snnuaes, todo
to prego de V 00 ; na loja e armazem do Pavo, 90, 10,5, 150, 20<5 e 2S000 o par ; da- o terr.no moi frtil com bastantes var:e,s, todos
n \k: u < i,a masco de 15a imitacao deseda.com 8 pal-,08 Parlid^etio eucapaelrados, f.z acucar de
ptCDloena em casimiras a 1,$6O0 SO O mos de largura, a U 00 ; colchas de ero- ^''k ka 9,nalldade>et lodorouito nafiro,
tem bons sitos para lavradores. uro graede cerca
che; ditas de fust5o brancas e de cor; ero- ,,, doas mm pira mors(Ja e diversas para mo-
ches proprios para cadeiras, SOfs, Cadeiras radares, liadas coberias de telha, senzal, casa de
de (im1!.:. moli
pies,
casa de encaixamenlo moite espagosa e-m os eai-
Pavo.
Vndese uma gradde porcao de casimiras snpe-
s.ei-toa. s,eoDd0,e;C0ras aiegres prepri" i de balanco, para cobrir presentes, etc. etc : I fanona/oiaria e torno, casa
para caigas, poletots,coletes e roupas para roen "'""v. f<" w"" H'_c^u' co. cm., ,_,.-'_ nnrar nai 0l
nos pelo baratissimo prego de 1*800 o covado oa IM loJa e armazem do Pavao, rua da Impe- f
ratriz n. 60,
Crtet de chita coat O cora-
dos a U, 3300 e 3C( 0.
Vende-se cortes de chitas francezas, es-
curas e claras, de cores fixas, e tendo 10
covados, a 30000; di las com 11 a 30300 ;
xdes precisos para deposito fie assucar seeco, dota
famosos balcSes para seccar assocar, lea estofa e
bom lojzar para assenr nma distiU'cao, tteida
eroda d'agaa quasi udvss, bom assentaropntn c>m
as laxas precisas at para fazer rtame, om t n-
que para mel e orta casa para bagag", tudo na
meito bom estado : qaem pretr-nler tdc ditas com 12 a 30600. E' pechincha, s der-fe Desta PraC ci.m 8*raardmo Corrija de Re-
para acabar: na loja e armazem do Pavo,
rua da Imperatriz n. 60,
Grande pechiucha de gros-
dcnaples pretos
na loja do FavSo.
Grosdenaples 10280
Grosdenaples a 10800
tirosdeoaples a 20000
Grosdenaples a 20200
Grosdenaples a 20500
Grosdenaples a 20800
zeede Reg, rua do Livramento o 50. oa m enfre-
nho Campo Alegre cjm 6 Sr. roaj.r Maace! Caval-
caati deAlbuquerqae e S.
Bola> rubianas, perneiras e meias perneiras no-
varcente chegadas, da meihor qua'idade one temos
visto, no armazem do vapor rna Xova n. 7.
a 25800 o corte de caiga, grande pecbmeba na
loja e armazem do Pavao : rna da Imperatriz n. 60,
PNH03 COM GOLINHAS.
*" a iJOOO res.
Vende-se ama grande porcao de panhos coro
golmhas de esgulao de Imho, "com os mais lindoi
bordados pelo barato prego de 10000 o terno, di-
tos, bordados de cor a 640 reis, sendo grande pe
chincha pelo prego, na rua da Imperatriz, u. 60.
Baloes esgaios.
a 20500.
Chegaram os mais modernos balSes esgaios seo-
do verdadeiraaeote americanos e vendem-se pelo
barato prego de 2300, na toja do Pvo raa das
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Cassas a 14o r*. s o pavo.
Vendem-se bonitas cassas inglezas de co-
res Hxas pelo barato prego de 240 rs, o co-
vado, ditas francezas fazenda muito fina com
padroes listrados e de flores, assim como com
palminas miudas proprias para meninos a
3oo rs. o covado ou a 5oo rs. a vara : pe- Grosdenaples a 34010
chincha na leja e armazem do Pavao rua da j Grosdeuaples a 302 0
Injperatriz n. 6o Grosdenaples a 30500
Lasiiiha8 usas a 500 rs. o covado s o Pavo. Neste grande estabebcimento encontra o roense senhoras; no armazem do vapor ia Nova
Chegaram as mais modernas lanzinhas, respeitavel publico um avullado sortimento D-7-
endo de uma s cor proprias para vesti-j dos melboies grosdenaples pretos tanto
dos, com as mais lindas cores, sendo cor da largos como estreitos, que se vendem muito
alecrim, lyrio, carne, canna, cinza, azul, ro-'mis barato do que em outra qualquer parte
xo, etc. etc., que se vendem pelo barato 'em ras5o de se ter fe: to uma grande com-
preco de 500 rs. o covado. Ditas com listas pra antes qoe augmenussem os direitos na
e palmas, de cores differentes que se ven- alfandega, assim como um bonito sortimento
dtm pelo barato preco de 360 rs. o covado. de moireantiques prelos, sedas lavradas e
de lodas as fazendas proprias para a qua-
retma e luto, dndose de todas, amostras,
e raandam-fe levar em casa das excellentis-
simas familias, pelos caixeiros, na loja e ar-
mazem do Pavao, rua da Imperatriz n. 60
dray,

aovo DEPOSITO
DE
MACHINAS
?ka t)ESCAROCAR AL60D0
Manot Bento de Oliveira Braga,
83Rn Dlrelta n__63
Ditas transparentes com palminbas a 320 rs.
ditas p.-ra acabar a 2iu rs.: tudo isto na
loja e armazem do Pavao, rua da Imperatriz
n. 60.
Os retalbos do Pavo.
Vende-se uma grande porco de retalhos
de cassas de cores, ditos de lanzinbas de
varias qualidades tendo umitas com lista de
sedas e ouiras de alpacas lisas e lavradas,
assim como uma grande porco de retalhos
de chitas pretas e cascas, prevenindo-se que
quanto maior for <> porcao qoe os freguezes
com rarem mais b..rato se veod.ero: na loja
do Pavo, rua da Imperatriz n. 60.
Poil de Chvre,
Roupa feita boa e barata
Junto loja do Pavo, rua da Imperauiz n. 58.
Vende-se n'este estabelecimenio um gran-
de sortimento de roupa por precos muio
baratos, como seiam, calcas de meia case-
mira escura a 108 0. Ditas da mesma me-
lhor fazenda a 20000. Palitr-ts de pao
preto, saceos, fraques a 50500, ditos de
meia casemira escura a 30500. ditos de al
paca mesclada a 30, dito de brim riscadiobo
a 20400. Coletes de lodas as qualidades a
120, 20500 e 30, assim como tem coBstan-
Novo sortimento de luvas de pellica ("e Juvo,
brancas, pretas e de outras bonitas cores para ho-
Vende-te a tabtrna da rua de S. Jos a. 2:
a tratar na irefma.
Escravos ftindos
oJ
GRlTFIfA-SE
a quem capturar e couduiir a' fabriea de sabio ce
Aligado, ou a roa do Amorlm n. 41, r^ Re^ife, o
escravo Luir, pardo, idade 35 non?, o qoal ja' ea
principio de evadise da mesma fabrica, onde tr.ihslhava. na
madrugada de DotriDgo ultimo, 24 de noven bro;
cujo escravo fngis vestmdo a roopa do oso, detl
godo de HstTH, costuma embresjt*r-?e, negar
proprio Borne, e bem como o do senhor, e trazla
por castigo una correnie fechada na cintura e no
tornoirlln, do que devera' cocseivar ac- menos as
manchas.
Vendem-se o mais moderno poil de Ch-
vre de nma s cor, sendo ainda mais lus-
troso que a propria seda e vendem-se a 20'
o covado. Ditos tambera lisos e outros com temenle ,oal ra"de wrtimen o de calcas e
Ihtas a 1500 o covado. Ditos de Hstas,cam,sas de algodao azul e de .stra propria*
de seda muito modernos a 10, 80* e 56 >! P^ra escravos; isto junto loja do Pavo,
Neste estabelecimento se encontrarSo a
verdadeiras machinas americanas ebegadas nltima
mente, as qoaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas qne precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento qne comprarlo das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
ontra qualquer parte, por isso que se recebe por
conta propria, bem como caonos de chumbo e moi-
nhes para moer milho, e grande sortimento de fer-
ragens e mindezas em grosso e a retamo.
Facas de cabo braneo de naeio balanco a 4
a dnzia, limas finas de todos os tamanhos proprias
de trabaJho de escoltara.
rs., garantindu-se que neste genero o me-
nor e mais m' derno que tem vindo ao
mercado: isto na loja c armazem do Pavao,
roa da Imperatriz n. 60.
Hafas a sele patacas.
Veodem-se bonitas saias econmicas de
cr, pelo barato preco de 25240 rs. poded-
do estas saias servir at para vestidos, fa-
zendo-se Iba corpo de outra qualquer fazen-
da difireme; pechincha, na loja e arma-
zem do Pavo, roa da Imperatriz n. 60.
Cassas escossezas.
Vendem-se as mais modernas cassas es-
cossezas para vestidos, pelo barato preco de
32 rs. o covado ; ditos de listas, padroes
modernissimos a 320 36) rs., na loja e
armazem do Pavo, rua da Imperatriz n.
60,.
Baldes a 20, 305oo e 30
Vendem-se nm grande sortimento de cri-
nolinas ou bal5es de arcos para senhora pelos
baratos precos de 20, 205oo e 30 por haver
grande porco, na loja e armazem do Pa-
vao, roa da Imperatriz n. 6o,
AlgoritiiDho a \0OO
VeDdem-se u-cas dealgodiiioho muito encor-
pado e largo tendo 20 jardas cada peca pe) bara-
to prego de 60 na loja e armazem do Pavao rua
da Imperatriz n. 60, de P. Preira da Silva.
Os easaqainhos do P.i\ a 16.000
Cbefou om elegante sirtimenio d<>s mais mo-
dernos e mais bem enfeitados a aquiunos de
erosdeoapls preio sendo com siotara e sem ella, e
outros a irallac > de jaqnelianas e veodem-se pe-
los baratos oreco< de Kif, %-i, 251 e 30S : na
luj.e armazem do Pavao ruad* Imperatriz d, 60,
de P. Pereira da Silva.
Sedas largas.
Vendem-se bonitas -sedas de cores para
wstidos, tendo largura de cita f/anceza que
facilita fazer-se um bom vestido com l ou
12 covados, tendo entre ei prias para luto, pelo barato preco de 20 o
covado, assim o rao sedas I i /.as de todas as
cores per precos mais eommodos que em
eutra qualquer parte.
Panno preto a 10600 e 20ooo.
Vende-se panno preto superior <"om seis
palmos de largura pro rio para oaletots e
calcas pelos baratsimos orees de 106uO e,
20000 o covado, grande pechincha.
100$000
Fugio no dia 23 do correte mea de outubro, de
engi-ulio Limoeiro regueiia da Escada, o escravg
com os seguinirs sigoaes : cabra fusco, alio cc&
bom corpo e booiu figura,, cara bex'gisa, barba
pouco serrada, costoma rapar o b gode e a peira
cabellos um tanto carapinbados, polco cmbela
tem os dedos grandes dos ps mais compridoi.
nm pouco gago, cem lgomas cicatrizo.- velbas da
chicote as costas em orna pa' e em nm bra^jc
veatindo camisa de 8lg<,dVda mita ou algndoxi-
nho, c-lca e paletol de bnm pardo, chapeo de taf-
ia preto, e lava vara decarreiroque i suppoe-sa
ter ido assentar praea como volonurio : ecoo-
menda se as pes-nas encarregadas do recruiameo-
to e as autoridades policiaes com especialidade as
d) Rio Formoso, una, Agua Preta, S. Bento e Por-
to Calvo e a outra qualquer pessoa a apprshensi*
do dito escravo, e entrega-lo so dito eogeobn, 401
recebera' a graticacao cima. O escravo cbama-
se Francisco. ______________
Peios dias santos da fe?l fugio deste eaf-
nbo California do termo de Seriobaem, a escra'*
Catbarina, de Rentio d'Angola, com 40 aooos pern-
eo mais on menos de idade, mediana esitara,g
ca do corpo, coro falta de deDtes B irenie, talla
um tanto dengoza, ps peqoenos cheios de rravoa
qae a obrigaa andar m.inqoejando, e tamben ie-
rre do calor de ligado as roaos. qoem a treoier
a este ecgenho sera' bem pago por sen teobor. _
Fugio hopT(15) a parda Maria M'gdalea
balxa, magra, cabellos csrt inhado. testa peque-
a, nm dente da frente chumbado, nooco mais -o menos, etides de
P^ola Das Martin-. Lvoo crmsfg.i orra fliha de S
aona, mulata e rouit* esperta ; condoli orna
trouxa de roopa pertncente a ambas :*evn cha-
le encarnado eom ramos pretos. Foram d mpradat
ao Sr. commendador J'js Pereira da Conha e sSe
oaturaesdesia provincia. Costa que *!* aenita-
das no Camlnho Novo rn soas immediacS^* : qoea
as apprabender e entregar ao Dt. Luli Rodfl-
eues Vikires a' roajla S^ledade b. 70. sera re-
compensado. Proiesta-se com todo o rigor al res
contra qaem as tiver aeoiudo.
*fe
HEGiVEL


^F


9
-V-
Dlarlo de PermiMbae* owta felM ti de Jaaelro de 1868.
I u >'
HE
a=






'.

homenageman pela -raadiaitoa maio- brattar, a Italia de Malta, e as r>a da
na das que a cultivam mal, que/ para ga-'India nos seus diversos .les de territorio
nbar o sen pao, qoer para sea e'eite. e Ilngua. A esta portero theoria de oa-
Lastimo pois a cagaeira daquellcs ebefei coualidade respondemos nos quo i
de familia que entregan* os seus filos on
iloa? direccSo de professores ineptos 'nao-
do poderiam escolher habis meslres sem
'fazeiem maioressacrificios. Em menos tem-
UTIflUIORa.
ciiCitos da msica e ulra* coa
sus que Ike tlfueiu reapelo
(Gonclosar.)
Em 1831 dva-se em Bruxellas a Muda
d$ Portici; e bem sabido qoe o grito re-'po nao gastariam de mais e o resultado n5o
voucioatrio s armas, s armas I contra poda deixarde ser melhor.
o r.oaadezes estalou no terceiro acto da (Saroo.)
opera, se bem nao lembro, em que Minasiel-
lo diz ao povo qoo o siga ao paco para pedir
conta aovice-ni de iples ilas i'jusiicas
praticadjs para com os napolitanos. Decer- SehmAo pregado pelo ex*, bispo de mom-
io que a revolado eslava preparada e teria
igualmente arrebentado, mas tambem certo
que essa circumstancU fortuita a nccele-
rasse, e, talvez, coairibu:sse a augmentar o
entbusiasmo, sempre in lispensavel para ope-
rar cousas grandes se nSo sempre justas.
Pelo que entio se v a msica o3o somon-
te susceptiv.il de imitar o rugido da tor-
menta, etc. mas muitissimos exemplos de-
monstran que ella un arte essenciairoen-
te de express) e coramovenie. Ella com
FIELD, NA MUS.V SOLEMNE PELO DEiCANCO
DAS ALMAS DOS SOLDADOS PONTtriCIOS.
.Nos inseosati vitara illurum
aestimabamus insaniam, et 0-
nem iilorum sine honore : ec-
ce quomodo computati sunt n-
ter litios Dei, et nter Snelos
sors i lloro m est.
Sap. Y. 45.
Ha de vir ura da o qual argir da fa-
tuos os porfiados juitos dos homens. Na-
move sem auxilio estraoho; as pal wras ou quellc dia os primeiros serlo os ltimos, e
va gestos ejclarecem so o espirito sobre o os ltimos os primeiros. Os sabios deste
.bjecto da sua expresso; ella exprime tan- mundo sero os iuseosalos, e os insensa
to quanto commove, e por isso que ella se tos deste mundo os sabios. Os loucos
distingue das linguas que n5o podem ex- neste mundo sero os herJeiros deum rauo-
pressar-se que pelo espirito. do melhor. Nao nos admra que os ultra
Para eu ser cunprehendido no qne hu- ges de vis, cobardes e mercenarios comer Prelende-se que a mais alta e suprema nni- gago de faze-1), mas n5o o fizeram.
mildfimente tenho dim, enderego-me so as, aguaceiro violento se descarreguem cda
pessoas sensiveis, le urna educaba) liberal da mais sobre varss decorado uoore, que
ede urai posigao bastantemente commoda filtrara de dar suas vidas pelo vigario de
para edas terem tido occasio de onvir amiu-
dadas vezes boa msica vocal e in>lruraental
qc, sem bes adquirir precisamente a ins-
troCyio, acaba, pelo habito de ouvir, para
Mos aperfeigoar o sentimento musical qoe,
at a umcorto ponto, tem Jugar do saner.
Aqu preciso tirar a penetra d )s olhos a
boa parte dos que se intitulan) professores.
I c dizcm queees t lem o direito de de-
cidir sabr a msica. Cugueira inexplicavcl
que faz que cites pensein h onrar a arte li-
:.iit indo 0 seu poder O qoe seria da msi-
ca se ella nio se podesse comprebender qoe
opois de ler sido iniciado, nos seus hicro-
tiicos signaos? Se a sua accSo se restrio-
jisso ainterossar s a um numero de ps-
imas, aon le estara a recompensa de to lon-
gos e fastidiosos estu.dos?
E' sabido que ha miis professores ap'os
e.jjulgar um4 composicSo musical subo ponto
de vista das lets harmnicas (e digo te por-
que as rearas da harmona silo fundadas so-
bre recurvis retardes de conveniencia ou
. e rejiulccs de sons; relaces qoe nao se
poden; desprezar debalde) do que sob o pon-
to de vistaesthdtico. A razlj esta: no
p-iraeiro caso bastara os conhecimentos da
arte; no segundo instrucgao ne:essaria
prensa reaniro sentimento da arte; e por
isto quo no que respeita est'ietica u:n pro-
fessor p'le enganar-se nos seus juzos.
Se entre as nellas a res a msica a mais
iiili. qual pois a causa da piuca consi-
deraco queaaui.em geral, se faz delta?
Antes de acabar este humilde escriplo
tom-> a liberdade de registrar quanto disse.
nwo serio e moio ficetamenle, a respeito
esta arle uro celebre escriptor. francez.
.Ha mutas maneiras de dizer a verdade.
Diz elle asslra :
Como eoto certos escrptores podem
justificar qoe a litteratura ha de ter o passo
adiante da msica ? Quaes sao os recursos
do .um es riplor comparados com os de um
compositor? A msica penetra em mil lu-
gires aon de a litteratura fica porta. Ella
ontra francamente na igreja; mostra-se sem
royaterionas mais austeras casas de educacao;
aceita nos sal s mais aristocrticos; cul-
tivada ou bem vinda por imperadores, reis
e presidente, etc., e, escorregando de de-
gran em clegrau, desee at as tavernas ruins,
-junde, cora agrado ainda dos ebrios, mia e
arranha as mais sublimes inspiragoes dos
ra s celebrados compositores. Ella vende-
so debaixo do titulo opfra pela hagatella de
i.', I2e20contos de reis. Com qoasi
nal?' de msica um ceguinho vive, elle e o
soacaosinha. Se um famoso litterato de agora
subisse a cima de om tabulado para recitar
as suas obras nao sei o que loo acontece-
ra....
< A music ento preferivel a Mlerata-
ra porque ella se complica com as cousas
mais santas e com os prazeres mais dilicio-
sos; ella ensinua-se tanbem na ocenpaco
menos santa e menos ddiciosa; tem o seu
lugar na guerra.
O effeto que faz urna duzta de clarins
com acorapanhamento d'outros tantos tam-
bores em occasiSo de ataque digam-n'o os
guerreiros. O animo do mais pusilnime
sobe ao diapasn dos mais valentes e todos
vencem ou morrena com enthusiasmo.
Plato. recommendava que a juventude
estudasse a msica como exercicio gymnas-
l'uo da intelligencia; e tinha rasSo porque
esta arte, cooteado em si um elemento ma-
thematico, (a simetra) desenvolve a intelli-
ecncia- ,. -,
Quanto tenho dito pois nao e, ja se ve,
para o pequeo numero das pessoas que to-
mara a serio a arte qoe eu prolesso es-
tas honro me muito em tributar a minba
oegacio de toda a verdadeira justica nacio-
nal e internacional, footede scisma na re-
io e de revolucao em poltica. Antes
qne o sci na do seculo XVI desmembrasse
a unidade da igreja, esta tbeoria de diviso
nunca tinha sido conbecida. Urna mais alta
unidade e mais alta le enlafava juntamente
gum futura orgaoisaro, que dar exprs- mas> ten*) o ministerio publico requerido a
sua expuIsSo do territerio francez, ficou pre-
so at se dicidir este reqnerimento.
Esta cansa excitou muito a curiosidade
publica. No s o tribunal eslava ebek) de
espectadores, mas' a multidSo era completa
sido regewradosjno baptismoe urna' porra mais o etpiritaal7 Ees coidam qne'^i^tmomp^a^lo^mul^aV^a'1"
z illuminados cora a fe. eram membros da se fosu* nmwivp.l rU>sirn>r n noe* tAmnnral. I
deram suas vidas pela defesa dichristanda-
de se pdera coatar entre os martyres sao e effeto sua vontade.
Masspbre aquelf campo de destroco e Por 20 annos as sedices anli-christ3sde
de pefeja surge urna negra escuridao como todo o mundo tenderam para a queda de Ro-
d um globo funeral. Os homens desvento- ma, a destruicao primetro do poder tempo-
Mdos, qoe cairam com as armas as m3os ral e depois do espiritnal.
levantadas contra o vigario de Jess Christo, I Elles aborrecem muito O poder temporal,
traban sido regenerados-no baptismo e urna' porm mais o espiritnal. Elles coidam que
vez iBominados com a f, eram membros da se fosse possivel destruir o poder temporal.' Tioha-se spamado sem lo al-
lanta Igreja cathol.ca Nos annos da sua me- os pontfices seriam oo perseguidos, oo es- gm qBC os cmplices dos iecod!ndo
minice trabam elles fc.to a soa pr.rae.ra con- cravos. egsles LdeumadS. piojecuvam Sr bom-
as nacQei do mundo cnstSo e consigrava a fissSoe pnmeira commuohao. como, vos m papa sujeito a urna supremaca real bas no tribonal, para favorecer Masan dns
aotoridade dos Estados, ao passo que pro- fizestes. Porm alguma terr.vel iJlus3o de rednsiria a supreraacii espiritual a um ab- cu|Dados As autoridades tomaram idas k
tegiaas liberdades e d.reitos dos povos. Satanaz, e os ardiz de sociedades secretas surdo, eo.escarneo seria mais pi ante e nrecaoces e n3o bopve a menor tentativa
Corno cbrist5os e como catbolicos nos re-'oscegaram e enredaram. De boa vontade mais morlif ro qoe a perseguido. criminosa Os aecusados etivam Hitados
cusamos a romper a unidade da igreja pela qnereria eu dizer: a este fim. portanto, todos os espiritos dOUS a dou5 e cercados de gendarmas
unidade da Italia,, e a sacrificar a ordem Pai.perdoai-lhes, ellesno sabemoque da revoIucSo anti-ehrist se confederaram coda qoando oovio ler a sentenca'excla-
ciiristia e sobre natural do mundo s aspi- fazeml contra Roma. mou ouem me dera morrer am'anhSa
races nacionaes de qoalquer povo. Pelos' Mas como podiam elles ignorar o c.eupee-! Elles tem"infeccionado^ opiniSo publica est'on farto de fazer mal. Nardi cahi
ultimo* trinta annos a dootrina das oaciona- sado? I da Europa contra ella com mentiras e cora desmaiddo Sfolateri Ocou imoassirel
lidades e da n5o ioterveocJofoi pregada com Ha luto por elles em muitas casas, e nos verdades alteradas que sao peiores que as
urna tubtileza e confianga que seduzio mu- choramos sobre a sua infelicidade: mas nos-'mentiras. Elles lem extraviado e fascina-
tos e pasmn a muitos mais. Os homens saslinguas estilo embancadas, e nossospen- do os govemos, estimulado o fanatismo po-
ni teem ousado levantar suas cabegas con-' lamentos perp'exos. Os nossis coraces' pul'ar, matisado o governo de Roma com as
Ameacas fenianistas.L-se no Daily-

tra os pretendidos direitos de urna nacSo a' p iem s subir em secreto aos infinitos abys- cores mais torpes e falsas, organisado em! TJJJJ"J5 Y]L .
fazor revoluces. I mos da divina misericordia. secreto a propaganda da sedic5o para indis-1 ^SlSLiaamSS^
A doutrina de que a reforma protestante) Eu tenho dito que aquellos pelos quaes1
se servio como de cunha para tender asna- rogamos, nao cairam diante da momrchia
cues da unidade da igreja, foi desde entio ital ana. Mas ba abysmos n'estes acontec-
applicada comoalavancpara derribar thronos mentos, que n3o podemos sondar. Os exer-
e de:truir direitas internacionaes. Esta ella citos do re-de Italia n3o desarmaram nem
levantada agora para assolar a Santa S. opediram os invasores. Elles tinham obri-
Eu tenho dito que aquellos pelos quaes por, alheaV e incitar os'subdYtV daSantVs I ff J^ms "* ^^ *""** "
rogamos, n3o cairara diante da mooarcbia a descontenlamento e rebellio.
Jess Gunslo. Eu perturbara a paz desta
hora se houvesse de repetir as ign ibais e
desabridis invectivas com que form affron-
lados. Ellas iuleccionaram a fragancia deste
sanctuario. Porm eu examiuarei acaula
pela quil elles morreram, e appellarei do
jnio deslej accasaJoros de neolium nome
a um tribunal qoe raras ve/.es injusto,
rasta e tranq.iilla cimprehenso do seoso
com mura do inglezes, e os maii nobres e
mais elevados instnctos dos christSos. Os
tinados, por cujo descanso nos offerecemos
hojao santo sacrificio, foram de^pedagados
na peleja pela defesa da sagrada pessoa do
vigario de Je=us Christo, de seu legitimo
dominio sobre acidade que por providencia
de L)us, elle eseus predecesores oceupa-
ram Coffl martyri), com s ffrimentos, e era
firacom soberana peloespaco de l800ao-
oos, pela liberdade da sai pjssoa e minis-
terio corno caneca da igreja universal, pelo
se i supremo encargo de velar sobre a f e
le d Jess Christo, na qnal toda a chris-
tandads tem o seu vital interesse, e finalrnen-
lepelos direitos c espiriiuacs prerogativas
de todo o mundo eatholico. Se for loocu-
ra ou baixeza o morrer por tal causa, di-
gam-rae qual ootra causa sjr santo, qnl
outra gloriosa. Se o mundo appelidataes
homens mercenarios, todo o mundo chris-
t5a os Honra c->mo martyres, e nos recor-
remos a sentenca dojnr>zy de cujo tribu!
nao da appellaeSo.
Ilouve tempo que tO'ila'a' cbrrslandade te'
ve por empreza nobre e gloriosa acudir vo-
luniariamente s armas paT amparar o
saotosepulcbro do poder dos mahoraetanos.
Porque nao ser do mesmo modo cansa no-
ore e gloriosa proteger o vigario de Jess
Christo, a liberdade e poren da nwsma
igreja de urna revoluc5o anle-chrisfa r
Se era um acto de cavallaria christSa- de
fender as fronteiras da christandade, porque
nao ser christao e cavalleiroso' defender
sua cabega e seu centro ? Se era um* no-
bre coragem pelejar e morrer pe'a lDerdade-
christSa e ioteireza das almas, e das casas
amnagadas peto mahometismo, como ser
ignonil e mercenario proteger a igreja
corista no centro da sua linercfode, pureza
e vida contra a violencia de bomens, que
tea blasphemansente apregoado o seu otbio
ao cbrisiianisrao, e manchado as eidades da
Italia com impurezas e sangue ? Se urna
guerra pela jusliga sagrada, e todo o-
ebrstao pode legtimamente e com digoi-
dade ajudar seus irmaos de qoalquer naga)
e morrer por tal causa, como pode mo
caris'a imprimir nomos de infamia sobre
elles? Eu appelloda tercedura.deste juizo
consciencia christa, e Justina chrislaa
dos inglezes.
Eu digo dos inglezes, porque os coragoes
e consciencias dos irlaodezes eso feridos
e indignados por esta violagao de todo ins
tinelo da sua f. Mas por ventura se p.os-
dir que Roma a capital da. Italia. W.
este o verdadeiro ponto: nos-o negamos.
Roma nao a capital da Italia. Ella -a
capital da christandade ; Deus a fez tal e o
horneo nao a pode desfazer; e todas-as
naces christes teem um di*eito netla.
A Italia tem sua parte em Roma, como
a tem a Franga e todos os ontros potas car
tholicos nem mais nem menos- Mas- Roma
est na Italia, e os italianos, fallara urna s
lingua. Gaographia e lingoaem nao criam
direitos. Se os creara, o Canad, dewria
ser annexado aos Estados^Unidos-
A America septentrioaal una e unid nao
seria feita at que u3o tivesse encorporado
na sua unidade nacional de lioguagem c
geographia o Canad,
A Hespanha pode- diaer o mesmo de Gi-
dade na trra a unidade de orna ntg3o Elles entraram nos estados romanos na
que cada nag3o pode, a seu gosto quebrar retaguarda da revolug3o e estavam espe
todos os vnculos tanto em religi3o como rando o seo successo. Eu nao sei como in
era poltica, e que a nao interveag3o um' terpretar este procediraento, mas sei muito
dever reciproco e universal de todas as na- bem como isso teria sido interpretado na
ges para com cada urna das outras. Contra' Inglaterra se os exercilos dos Estados-Uni-
este systoraa aoti christ) e immoral da na- dos nao tivessem reprimido os bandos ar-
cional supremaca protestamos-lh'os em no- mados que das suas fronteira?, faz agora
me da Christandade. ura anno, ameagavam o Canad, e ainda
Ha urna unidade mais alta qne n3o a mais se tivessem adiantado na retaguarda
unidae de qualquer n;.g3o, urna unidade'de uns vadi.s aventureiros para escorar
a qoe anda vinculada a projperidade de'pela Unio Americana o que poda cora suc-
todas as nages, e a unidade do mundo'cesso ser to nado com a torga,
christao. A cooservag3o desta unidade nal Um tal porte no seria nobre porque a
sua cabeca e no seu centro, a sua ordem e Gr-I3retanha forte, e seria nobre porque
as teis de justiga e cooperago nacional, o
supremo interesse de todas as nnges e a
girantia dos seus recprocos deveres e di-
reitos.,
A Inglaterra se isolou a si mesma, ha
trsseotos annos, do mondo christao em ro-
ligiSo", e a soa presente posifao de poltica
o papa e deoil
Nao sao as aspirages nacionaes da Ita-
lia por Roma mais legil mas, do que as as
pirages nacionaes da UniSo por Qu-bec
A Italia nao tem maior direito a Roma que
a Dresde ou Pars.
Roma protegida por um direito de so
separaglo roevitavel. A Russra do mesmo berania contra a usurpag3o eambrcoda Ila-
raodo est desmembrada da Europa pelollia to sagra lo como Vienoa ou Madrid. Os
seu scisma, e o seu scisma Ibe inspira a
sua. poltica. A Prussia estS ainda
meio unida ao mondo eatholico. As outras
nages da Europa s3o na sua mawrra ou
soberanos noperdem os sei direitos, por-
que estao na vbinhanga de raai fortes po-
deres. Se proximidade e gaographia e lin-
guagem constituem um direito" lie absorpeo
ainda lotalidade membros da unidaceatho-! nos poderes mais grandes para absorerm
lica. | os ma's fraco?, logo Bruxellas p'le ser le-
Nao possivel a qualquer destas rg5es I plmente annexada pela Franga, e Amster-
ri?damar urna isengfc da responsabiljdadfedao pela Germama. Nos temos ajiudado e
nacional a urna mais alta nnidade sem re-
nunciar o sen carcter catboko. A este
passo Jui em m hora seduzda a Italia, in-
citada ostentada para vergonha ooa. E era
m hora ouvk ella e obedeceu.
Ella resamon por unw vctagSo- do par-
amento a capital da christandade como ca-
pital da Itafta1. Mas o mundo casfinlico se
nao suje tari a esta usurpagSo, e a Franga,
nao como F/aoga mas coraomandataria das
potencias caibolioas. desoaratou-e'desbarata-
r nsurpaga9 e-proteger o-centro da oni-
dade citholica ea- cabega do mundo catbcli-
co. Jfota a eossa respostai
A onidnde dohrislandade nao ceder o
sen lugar unidadeda Italia. Foi por isso
qne aqaelles nobres-raorrera;.
E coeatodo nao era contra o monareba da
Italia qoe elles pelejaram. Elles-estavam cara
:a cara cem hordas- aoli-ehristas que o re
da Italia- descunhecoa. Uns dea. mil homens
de todasae-panes da Italia, e de muitas ca+
tras nages^ armados e organisalos sera^a
autoridad da lei pabl ca, e em directa via-
tago da mes.ma, invadiram os- edad s da
igreja. Fizeram urna guerra privada es>
nome da se*olug3o vermelha\.
Estas horcias forara- conduzidas pelo loo-
oaem que era 18i>*- mznchou Roma com
sangue incoeente, e o ontro dia pedio a des-
truieSo d* religiao ciwisi coma essencial
Iprosperidad do mundo- Elles-iam em su
marchas para Rom a destbrooisar nar>a
Pontifice s-i* se nao aJesus-Cbrieto.
NSo perflaittio Deas que o akrage fosse
perpetrado^ Emquaoto nos estavamos, de
dia em dia, rogando na santa raissa, e diasie
do Santissimo Sacramento, emquaoto esa
Roma as familias rezavam aooerrar-se a noi-
te a ladatftba da N0s3a Remdita m5i com
nma invccc3o a S. Pedro e S. Paulo pela
'proteegao de Roma*, o feiti$>- da revolcco
com o chafe em. todo.o seu prestigio foi piul-
verisado e varridr>do patrimonio da igreja
por umgolpe t3o repentino e t3o competo,
que n3o.ficou oatro resto dfelle que os^raor-
tos e foridos e as-armas dos invasores dei-
xadas no campo da batalba. Quererao os
homens, ler este>erenlo diUerentemeoie ?.
Alguns nao vero irfsso mais qpe urna
batalha e urna victoria^ Nos vimos n'isso
tambem urna correspondecia s oraces e
um acto do poder do Deus. Outra vez mais
foi salvada a cabega o-o centro da. christac>-
dade do sacrilegio e- profanag3o r e os rjae
OLHETIM
(ORIGINAL DO DIARIO DE PERNAMBUCO).
UMA FISTA NO GlMM.--VUfiEI.-MC0RAQ5E8.
(Continuag3o)
O echo dos sinos fondeado os ares e urna
msica marcial derramando torrentes de
Sonia pelas solides em torno, acorda-
rao!2 ni memoria recordages bem nu-
dosas de um tempo j idol..
Ao v<>r as b-aocas fachadas da capellinha
brithante de luzes, cercada de povo, eu lem-
9i me tambem da igrejinha da aldea no d.a
de festa, se ostentando garbosa no cimo da
tollina, sobre o verde da campia! lembrei-
me daquelle bom povo do matto acercan-
do-se do templo do Seahor rado-lhe rendar
um culto chek) de sinceridade e repassado
animado altaraente a Itaha na sua poltica
usurpadora. Nos temoptodigalisado-aisso
o apoto moral de artigos d"e fundo, mas-tam-
bem cotheremos um- dia os* fructos dos nos-
sas trabalhos, S- por orna extranba simpli-
ciadese poder alguem< adairar de qne a
Franga cftegasse a fazer urna eonvengo no
mesmo tempo que reiirava a ana protecgo
Santa S, e a istrincheirasse cora ura
cordo moral, reservando para si mesma o
direito de intervngalo Ella fez' isso, porque
a Santa S" para a Franga e para o mundo
eatholico un centro, ar> qual eles- tem di-
rei&os supremos evitaos, e collocou- a segu-
ranja da Sao-a-S no mosmo nivel da defe-
sa qaeprotegs as nossa*-pessoas e-proprie-
dades da pilbagem e da violencia,assim a
justiga e a consciencia do*bomens ebrisios,
a lei publica da. christandade esl3o> escora-
das psHrum poder suprera,. que nao de-
balde leva a espada. Eunao tenho dovida
que oa-que accuselhara- 'Halia moderagao
pelo ptresentee dilatam soas esperanzas de
Roma aloque Brotes recaa p*r dir-eitode
succes^e, guarni Pi lXfrpara o se; des-
canco, secrem.sinceramente homenssabws
e justofl Diz-se-oostambem-que os prognos-
ticos dos tempe*sao basiaetes para mestrar
que Pi IK> o ultimo Poniifi:e que empu-
nhe DE3sceptrr> temporal Alguns lersm at
a escritura de rovez.. O progoosticcsd
tempos-indicam antes que emquanto bouver
um mondo chriotao o pontifico ser re. Se
bouver o mundo de apostatas da christan-
dade, eelao poder ser que Deus o queira
agoutar com o comprimes to do desojo do
seu covacSo.
Mas- bem $ue elles saibam que o mundo
cathofteo nem, agora, nem depois,nem por
morto de Po IX, n m ainda em qualquer
outro-lempo ceder a protecgo doioaliena-
vel direito dos pontfices soberanos -.capital
da christandade: nem qtaerer por om ns-
tame soffrer a negago do seu proprio .direi-
to a dever sammo de intervir pela protec-
(' da Santa S.
0 cordio moral da jjjstiga e orem esta-
r sempre 66tendidoem-roda d'ella.^ o o di-
Eeito de exacugao nunca sair do mundo ca-
rblico.
Nos dias de Pi IX. a Frangas&que exe-
cula a voatade da christandade: nos dias do
sea successo o pode* ser urna allianga das
potencias caiholicas, ou a forca. de 200 mi-
lhes concentrada aposta tm acgo por at
Finalmente, quando o povo de Roma nSo
quiz rebeHar-se, nem acetalos como liber-
tadores, nem responder negaga da sedu-
cg3, as hordas revolucionarias de todas as
nages invadiram armadas o Estado Roma-
no.
Isso foi em continente proclamado como
levantamento e insurreigSo do Estado Ro-
mano.
A invasS) extrangeira faz o papel de in-
surreigo domestica. Tudo que podia se-
ducir ou violentar a pacifica povv.agSo a re-
voltapse U posta era obra. Governos pro-
visorios, juntas revolucionarias, meosagens
assignadas por mi'hes imaginarios, plebis-
citos, proclamages, conspirages ein Roma,
bomoas arrojadas entre honestos eitalaos,
maqninages de explosoes de plvora, mi-
nas debaixo dos muros, tudo foi tentado,
mas tudo debalde.
Ernm, movidos de justa indigrg3o de-
masiadamente dilatada por paciencia ebris-
13, os soldadas e protectores di Santa S
esmagarara e desbarataran! os bandos ini-
migos da revolugo.
Era om justo e nobre acto por parte dos
catholicoa de todas a? nages o de varrer as
serdiges, conspiragea e armados ultrases
de invasores exiraogeires- fra do patrimo-
nio da Egreja.
Se os incrdulos de outras nages uni-
das et sociedades secretas- tera direito de
conspirar para a queda do-Suramo Pontiti-
ce, os litis das omras nages-teem na mes-
ma forma m justo e nteirc direito de de-
fender ei aberta e legitima ordem de ba-
talha a sua pessoa e o seu th?ono.
Se a revolugo invade os seus-Estados, o
mundo catftolico \tm direito e recbaral-a
ftira.
{Contnuan-994m.)
-**~-|-Tri--------
I
*
a
de sentimento christao; das moc.nhas de
andar sem affectagao e sem requebr t, de
faces coradas como flor deromS e de o hos
negros e grandes, sempre baixos e de timi-
dez e de embaraco I '..
Na cidede, no seio do requinte da civihsa-
r3o mais de orna menina | estudou no es-
pIo a maneira mais provocante de volver
os olhos; ja aprenden como deve qaebra-Ios;
e como o3o a de ser asiim se o olbar a
mgica varioba de condlo das mulheres?...
Ara mim, qoem resistir profaadeza,
ao quebrar de uns certos olhos, tem achado
a solnco de uu problema difBcilo meio
de resistir ao amor e paixo.
Basta de divagaces.
A festa eslava brilbante para nos, e, em
lnguagem escholaslica, soffmelmenle boa
para ontros, quanto a mim gostei muito
uada faitava para ser pomposa e expleadida.
Entre parentheses. Se acharem contra-
senso ou equivoco na frase soffrivelmente
boa, entendam-se com a ensebada caderneta
de om lente que eu conhego. Est fechado
o parentbesis.
Ao ouvirem fallar em caderoeta algaem
ha de dizer: este folbetiaista ou um es-
tudante oo um Chinez ; estudante, por-
que falla em caderneta; Chiaez porque tem
prazer em offerecer-oos continuamente
oipo; pois n3o nem ama consa, nem ou-
tra : e um Ashaveras das muitas festas com
que o espirito religioso do povo pernamba-
caao abrilhanta o culto dos santos.
Haveis de acba-lo sempre as festas do
campo, n.5o lhes pinto a caricatura porque
nada offerece de notivel.
CH podco m rrno.
Saccadores. Urna (jmedrilha ?-G2Dea-
dores Haliaoos passou a frooteira fracteza1 co
principio deste aoco; e infteton os arredores
d Nice e Marselbav Ilfeowdos e armados,
atacavam1 as casas de campo soladas, e as
sstradas roobavam eraallratavam os-Ran-
ciantes, cegando a sua audacia a assalSarem
aa diligencias, terrado o matando alguns dos
p3*sageiros. Estes orimes, ^uen'o-oj
da-poca aotoal, prodozinda grande terror
nos- povo:-, principalmente nos habitattes-
do campo. A actividaddas autoridades jo-
diciaes e ;i Iminairatvas de Mbvselha, cora o
au&Bio da for ga mili tarrcoosegak> descobrir
os criminoso e prend4*Jos. Eram i2, os-j
aecusados, ene foram jolgados oo tribund
ies Buches dtt Jthne ass audiencias de M
12, 13,14, 16 e 16 de dezembro, a saber:
Coda Zabetta; coabeciih-pelo none de Pe;
sello-Petrucci-;:Quarant3;: Nardi e Mulateri
aecusados de roooo e homicidio' em estrada-,-
era bando e com armas p Oggero ; Trivere-;
Basaa; S8rra ;:3lelano ;Oirmioo; Varsov
e Maltetti, accosados de- partisipago r.cs
mesiaas-crimes em diversas eraos.
Coda, Qura8a, Basa2e e MoJateri vieram
para a Franga fgidos das gales de Italias
ondo eslava- cumprino sentenca por cri-
mes graves qu baviara commettido. Sorra
tamiom fogo^de Italia por-terabi praticad
um asssssinato. Quasi- todos os aecusados
conbssaram o erimes commetlidos, com pe-
queaa divergeoeia. Sorra, Bassano, Caraaw
no oMelano-contestarara tererasido partiel
pantes voluntarios nos-crimes-eommettides,
allegando que acompanhavam- os seus co-
ros n3o sabeado'o fian das suas excurs3es.
Va-sovi e Malletti disseram ser innocentes.
0 jury recolheu-se a urna hora da tarde- e
vjitou sita da audiencia s dez horas da
noite, dando por prosada a aecusago contra
todos os aecusados, excepto contra Malletti.
Coda,. Quaranta, Nardi a Mulateri- foram
condemaados raor-te : Oggero e Trivero a
10 anees de. trabalhos. pblicos; Bassano,
Serra e Melano a 40 annos; Crnico a 8 an-
nos, Varsovi a 13. Malletti foi absolvido ;
Ao editor do Daily-Telegrapb <. Deus
salve a Irlanda Londres, 14 de dezembro.
Ora ento, Sr. editor, ainda nao estamos
morios l Hontem nonte Cterkenwell tre-
meu. Quem dir onde iremos agora dar
ontro golpe ? O sangne de Alien clama vin-
ganga. Sangue por sangue 1 a no.-sa di-
visa, e triumpbaremos. A Inglaterra ha
de deplorar o dia em qua assassinou os
nossos tres homens em Mancbester, e desde
j vos preparamos muito que fazer.
Agora um aviso de amigo : Ser bom ter
a polica urna distancia maisrespeitosa, por.
qoe se nao as vossas casas, que se compem
principalmente de tijollo e argamassa, esfco-
roar-se-bo talvez de de redor das vossas oro-
ibas de editor. Nao esquejis que ba em
Londres outra torga alm da polica; essa
forga a do fenianismo. Hade ser tambem
urna forca temivel. Segoi, pois, ott-nselho
de um feniaa, e acautelai-va. Viva a Ir.
landa !
Ao editor do Daily-Telegrapb.* Viva
a Irlanda I O saogue de Alien clama vin-
ganga. (Esta pbrase est escripta eom tin-
ta vermelha.) Que fazem os nossos aoM-
gos saxonios que se assemelham ao mextm-
gaivel fogo grego t Talvez se fizesse hena
em il( rmar o publico, em geral, de qie es-
tamos amplamente abastecidos, e sabemos
perfeitamnle fazer uso-dis nossas rauniyies.
Vida a lilanda 1
PhocEsse importante.Os trbonaes frao-
iv;es vo prximamente julgar um curioso
e iaportante processo. general dos Es-
tados^ Unidos,. Dix, intentou urna aeg3o con-
tra os Srs. Erlanger, banqueiro Arman, de-
putado e armador de navios-; e Voruz,
presidente da cmara do commercio de Nan-
les, para' a restHoicSo de seis milioes de
dollars- (vuns-seis- mil coutos)- somnaa que
aquellas senhores receberam dos estados
confederados do sal para a constroegao de
diversos navios, o? quaes', nao tendo sido
entregues, foram depois vendaos Prassia,
e outroo-estados.
O gabinete do Washington pretende que
os rebelies, como classilica ua almeola os
estados do sol, n3o tioham direito de dispor
dos dinkeiros publioos. circurafc'aecia qne
entenle nao devia ser ignorada por aquelles
qoe tratas com elles.
O ESidos-Unidoe- reclamam- tambom
dous milbes de dollars ( ons dous mil can-
tos) pelas despezas d'aTtaamento qpe- se tor-
nou necessario fazer coa-os navios de guer-
ra que estivi-ram as cortes de Franga, para
itapedir que os navios-de que se trata po-
dessem sabir dos portoa-para o alto ar.
Felizmente nada fra.
Nessa occasiio todos estavam-, empeorados
em apagar o principio do incendio: esqne-
cidos de si, alguns entraran com o chapeo
oa cabega.
Um mogo, no seu louvavel affan, atira-se.
sobre orna escada, sobo e comeca com ana
ardor incrivel arrancar os festes que de-
coravam o tem,..lo e por onda o fogo jla->
vrava ; gritavam-lhe debaixodontor, doa-
tor, veja que est com o chapeo na cebeca l
O moco olhou para si, como duvidando;
repetiram-lhe: veja que est com O chapeo
na cabega! Fot entilo qoe tirou-o assegn
rando-se de que era exacto.
Approximei-me do peqoeno templo. Esla-
va elegantemente decorado e literalmente
cheio de senhoras; foi o juizo que apeoas
pnde fazer porque n3o era possivel entrar.
Qaando eslava na minoa analyse, vejo um
mar revolto de rendas, escomilbas, fitas e
coques, arrojar-se pela porta do pequeoo
teuipl.: eram as senhoras que, ao grito de
fogo deotro da igreja, corriam presurosas
a evitar o perigo.
tidas de branco com fitas azues passada6
tiracollo, condazia a bandeira.
Eram verdadeiros anjiabos: mas n3e an-
jiohos de procisso, de azas, andar afectado
em passo de danga e meneios redicuios de
cabeca, como com tanto espirito descreveu
o Redactor do Jornal do Recife.
Feicbava o esplendido acompanoamento
urna msica marcial, que suave e compassa-
daraente, enebia de harmonas diversas as
vozes que entoavam os versos.
Nesse immenso acorapanhamento haviam
rostinhos bonitos, rostinhos sympaticos e
ros,tos feios ; meninas, mogas e velhas.
Dentre todos esses lypos, om bouve, que
j estando, ainda ficou-me gravado na me-
moria e no coragSo com mais energa.
E' esta a melhor porgao das minhas recor-
dages...
Imagine o leitor (a leitora suspeita) nm
lypo meridional: urna Glha do clima arden-
te dos cus do meio dia; urna hespaohola
urna andaluza!..
Qoanto mim, ama creatura divina:
involucro de um aojo na phrase imitavel de
Victor Hugo.
Nunca urna alma achou eocarnag3o mais
nerfeita, mas bella do que o gracioso corpo
bellissiraos versos tirados e cantados d aquella mulher! tMnm(1a(.5rt Aa
Ha em todo seu ser urna traosudagao de
loz deslumbrante: dessas creataras que
tem em si am poder irrestivel de fascinag3o.
Ao vel-a, lembrei-me da Isabel de J. A-
lencar.
Queris vel-a ?
As 8 horas da noite, pooco mais oa me-
nos, reaoio-se o prestito que tinha de acom-
panhar a bandeira para a casa da juiza da
futura festa.
Nada direi sobre este costume do nosso
coito, d muito brilhantismo ama festivi-
1 dade religiosa no campo.
Duas extensas alas de senhoras, no nu-
mero qoasi de cem, todas vestidas de bran-
co, acompanharam a imagem santa, ao som
de
por duas senhoras.
Nao direi que aquellas vozes tinham har-
monas capazes de fazer ioveja urna Male-
brao, naoerara saaves e ebeias de melo-
da.
m grupo de meninas graciosamente ves-
Profuso de bastos e assetinados cabellos
negros, emmoldncando o rosto de um oval
perfeito e olympico e preodeodo-se em fes-
loes, com todo esmero da arto* era torno de
urna cabega deliciosa: olhos. grandes, ne-
gros e rasgados, hmidos de languidez, ir-
radiando sentimentos por entre a franja avoi-
ludada de dous cilios de soda: boca peque-
a, deixaado ver no adelgazar dos labios de
coral os dentes de perofa : nariz modelado
pelas liabas do nariz de urna estatua anliga,
vindo terminar em duas azas suaves e mi*
mosas: todo esse complexo de contornos
bellissiraos assentando sobre om eolio gar-
boso : momos do prioceza: gestos, algumas
vezes de rainha orgolbosa.
O sen andar, qne possae no mais alto
grao esse raovimento onduloso e sor:-entina
qoe caracterisa as americanas, assume em
certas occasioes esse ar de languidez que os
italianos chamam morbideza.
O olhar! o olhar capaz de tornar ebria
e delirante a alma de um anachoreta I o sor-
riso delicioso.
O homem qoe trocar um olhar com aquel-
la mulher, que ganbar um sorriso daquella
fada, tem-se tornado poeta I
Todos os seus movimentos, todos os seus
gestos denuncian* os impetos de urna alma
ardente e enthusiasta : na sua fronte trans-
parece um raio sublime do genio 1
A's vezes, as horas em que a spbynge do
futuro se lhe aprsenla sombra, ella asse-
DeS NCS-LIVRE DE JHES VlSirUfftS.-. .*-
Omirquez:d3 Grillo, marido da randeTa-
gica Adelaida Ristori, est actualmente em
Nova-Yuk com sua mulher, e leve-u tima-
mente um rirocesso celebre.
O doutor Papy requeren procediraento
correccional, contra marqnez. de Gwllo,
porque este, morando d.t fronte de sua oasa,
parece que usa va ct tinas demasiadamente
transparentes, eoffendia o pudor da moJioer
do queixoso com o penco resguardo que
linba na sua vida domestica.
Nodia2I denovembro, o dootor aamar-
quez comparecern! no tribnnal correccional.
O queixoso declaron: qoe.depois de atentar
a sua aesao, bavia tomado infero: acya* sobre
a pessoa e costumes do aecusado, e qoe em
vista d'estas estava; convencido qoa o mar-
quez de Grillo nwiea Uvera intencao de ul-
trajar o pndor da senhora Papy, a por isso.
desista da aecusago. O- jniz. Dodge, em,
vista da desistencia do aoior, absolveu o
acensado.
O marquz nao ficou saliisfeito comabsolv
vigo sme ote, mas intestou aeg3o de diffa-
magao e de perdas e daaanos eontra o dou-
tor Papy.
molha-se a sybilla Inspirada, indagando os
mysterios de sua propria sina T
Eis quem S...
Cbamo-a S porque urna lettra com a
qual sympathiso muito.
No dia segointe queimou-se um pequeo*
mas lindo fogo de artificio.
Desta vez fugio-me a iljusSo, e dissipoa-
se aquello sonbo dourado que me embafira
por algumas horas... procorei, mas nao
pude encontrar a fada do dia antecedente t
Em compeusago pede examinar bem de
perto a C... ( outra lettra com que tam-
bem muito sympathiso.)
E' ama mulher bellissima I Contempla-i'a
exttico por alguns momentos sentir a al-
ma estremecer, mergulhar o sentimento
no dourado de um sonbo do qnl n3o se
quereria acordar, qoasi quereria morrer
N'essa occasiSo eslava arrebatadora 1
O brilho das cores, cambiando fogo, ba-
tendo em chapa sobre o seo rot^to de alvura
deslumbrante, cercava-lhe de reflexos mgi-
cos e de orna aureola inexprimivel de fas-
cinago 1

Todo isto foi o sonbo de ama noite que
dissipoo-se com os primeiros albores da
maoh3a, deixando n'alma orna recordacSo
saudosissima!
TYP. DO DIAKIORA DAS CRUZE6 N Al


- k-


,,- .,.....-.a-1- --. :


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EG6BNH9RX_1UM4A3 INGEST_TIME 2013-09-05T03:05:37Z PACKAGE AA00011611_11475
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES