Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11471


This item is only available as the following downloads:


Full Text

.

ANNO XL1V. NUMERO 13,
I


Por tm asm fe.!,*, .... ;........
i4f?** *WA FEIRA 17 DE JANEIRO DE 1868.
UH* M 3 PAA DENTBO E VOBi a* raaviNciA.
Ptr tre nexos aJhitaoes ...... .
Pw itit HM Hm............
Per nava dito. ido....... ....................
Per u um idoa .. .,
*
<
I
,
M7M
-wo
W560
t7|000
r
wim-tt la MttPABBw g oiMg^i i mam mnm n>i tma man*, ero nitu **um.
,\.
i
ENUARREGAD03 DA SUBSCRIPCAO.
Parabyba, o Sr. Aotoolo Alexaednoo de Lima;
Natal, o Sr. Aotoolo Marques da Silva; Aracity,
o Sr. A. de Lemos Braga; Ciara, o Sr. Joaqalm'
Jos de Oliveira; Para, o Sr*. Gerardo Aoiuolo
Alves & Filhos; Amazonas, o Sr. Jerooymo da
Costa; Alagoas, o Sr. Francisco Tarares da Costa;
Baha, oSr. Jos Marlio' Ai- sf Rio de Jaoeiro,
o Sr. Jote Ribeiro Gas > riol
n.\. -WP0* D0S ESTAFETAS.
iloda, Cabo. Baca da e esiacdes da Ta frrea al
Agua Prela, lodos os das.
tguarass s Goyaooa as segundas e sextas foiras
Santo Anuo, bravato Becerros, Boolto, Caroar,
Altlono, GaraobDo, Biqoe, S. Beoto, Boo Con-
selao. Agoas Bellas Taearai, as torcas felrras,
Serlobiea, Rio Fortnoso, Tamaodar, oa Barrei-
ns, Agua Proa* Pimentelras, asqa*us reirs.
AUDIENCIAS DOSTRIBUNAK3 DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacio: tercas e sabhados as iOboras.
qoartas eiabbades a
Din iI'iik ------ -.-, tt ,*-isiiia-, iidiv"u. torease
i-? ,? iH""?*' 2ri-*' 'MMl. faieoda : quintas as 10 hora
logweira, Flores, Villa Bell, Cabrob, Boa-Vis Juito do commercio: segunda as II horas
i, Murlcory.Salgoeir^ e Ex, as guanas felra foto de orpbaos: tercas e sextos as 10 horas.
PARTE OFFMIAL
K
;
tv
.>
SEDE VACANTE.
(OVERNO UO PISPADO.
O Eo. a Rvm.- Sr. ioternuncio Apostlico aca-
ba de autorisar o Ettn. e Rvm.* Sr. Dr. vfgano ca-
pitular para dispensar os ora ores constantes da
relacio abaixo traoscripti oos impedimento* de
aflloidade licita em primeiro grao Igual da linba
lateral e do segundo grao sttiogeote ao prlmeiro
de consangoioidade da lnba lateral
Estas petlcSes podem ser procuradas na secreta-
ria do bispado, oo palacio da Soledad.
Antonio Jos da Costa Gomes e Luiza Mara da
EocaroacSo Costa.
Joaqun Victorias de Soaza e Mara Nobilia de
Jess.
Vicente Franco de Paula Crnt e Aona Mara de
Jess.
Carlos Leite Pessoa de Albuqnerque e Salviaa
Francisca Pessoa de Araojo.
Maooel francisco Tarares Vieencia Mara do
Espirito Santo.
Lolt Pereira Falcio e Theodcra Mara da Con-
cerni.
Tueodoro Atoes da Silva e Anu Mara da Con-
calca o.
Francisco Coelbo Leite e Joaqoioa Garateante de
- Alboquerqoe.
Jos Aotonio de Lima e Deldoa Mara de Je-
sos.
Antonio Galdioode Carralho e Francisca Marja
de Jess.
Jos Felippe de Araojo e Mara Jos da Coocei-
Co.
Maooel Estevio do Nascimeolo e Antonia Mara
do Espirito Santo.
Sepio Antonm Tenorio e Angela Mara da Cob-
ceicao.
Fraoeelino Vieira da Silva e Francisca das Cha-
fas.
Manoel Severrao do Naseimeoto e Marta Fran-
cisca de Sant'Anna.
Jos Apolinario dos S. otos e Aolonia Mara da
Cooceicao.
Flix Jos do Espirito Santo e Mara Fran-
cisca.
Antonio J,ia]uim da Costa e Mara Magdaleni
de Jess.
Joaquim Moreira do Nasclroento e Bernardina
Mara da Cesta.
Lanriano Joaquim dos Santos e Joaquina Mara
da Conceicio.
Pedro Vieira de Castro e Mara Goncalves.
Francisco Jos de Araojo e Anna Mana da Con-
ceicio.
Jos Paulino Ribeiro de Mello Clandioa Fran
cisca Ribeiro.
Jos Joaquim de Ollveira e Alexandrina Eufro-
sina do Amor Divino.
Jos Pereira Moricy e Joanoa Pereira dos San-
tos.
Prancisco Jos da Oliveira e Generosa Mirlada
^""Conceicio.
Pedro Vieira do Naiclmenio e Mara Jos da
Cooceicio. v
Maooel Fraacisco de Brito e Mara Janeara da
Conceicio.
r*H Itp$aem "Bananos onito empave-i pelos seos orgios
sados de gaibardetes flmulas a bandeirolas. Fa-'
ca-se urna moiatora de restaoracao, qoa a final
todas as restaoracSes se parecem oo fuodo, aioda
que diversiBqoem na forma a as proporeSes com
que sei ostentara campanadas a bombsticas d'qoi
bello da de gaudlo letroactvo.
Masando isla ar* legal, o poo oo cari
esfollado pelos seas falsos amigos sa na rbita

Priora nri do elral: rCa nas ,0 malo
Sarnodarara do el val
i acra d tarde.
EPHEUERIBES DO MEZ DE JANEIRO.
9 Laa ebeto as 8 b, a 19 da t.
16 Qoarto aing as S h., i i n.. a 15 s. da L
ai Laa nova as 4 h.. S5 m. e 50 s. d t.
KA < DA Se NA.
3 Seg. S. Hilario b S. Emilio m.
14 Tere. S. Flix m.,e S. Maerna v.
15 Qoart. S. Amaro abb.,S. Sa. andino m.
6 Qoint. Ss. Berardo, Acrelo, Othio mm
17 Sex. S. Aotio abb., 8. Eleoripo m.
I* Sb. S. Prisca v. m. S. Leonardo.
19 Domingo. S. Canoto rei.
qattJdianos que esto todos de
accordo, que tem otn peosamento gcMarnativo ona
o me, que sio unidos como os dados da mao, e
qae eatre si reina a mais cari nansa a eordeal In-
telligencia I
Mas fug do assampto.
Porque se adiam as curies TE'i maloria qoa
esu' dobia, a sera' Isto o prefacio de orna disso-
. locao T Qoerera" a governo asistir prlmeiro ao
fflotaadatoto bi S...." lTipo*"r- A f" 9 geral, qae sio as eieicdes monicipaes (a M)
..!B*!i!L,.l*.,.?.'.,*?.l,M*>" mP em! para o qoe se trabala, se
2 /A a d# D,*1''n de pala, dada desasada T T
Talvei.
Ms moito qoe se nio faiia poltica e tanta pol-
tica das elel{5es monicipaes. Km cada cornialho
reoam doas listas en mesmo tres opposias. O go-
verno t de palaoqae os effeites eleitoraes a sclen-
T "*J*J T? P"' ^f om,mo,TO < o vctacaoqoe val ser felta sobre as ba-
?.-!..!?,?".??.. ?rtt0- .En,re os ses da aovisslma circumseripcao. Tomata' o pul-
siloacao.
das raacaa, das vaias, das empuo -s e dos insultos
grossetros, das gaerrllhas a berrelros seivaeens,
dessa raiao llvre-nos Deus, porque o povo flea a
pedir por portas, a a corda quebra sampra pelo
mais rraco ao ajuslar das coolas.
Os monos
bem si a
coocelhos sapprlmidos, irritados dasoeitados,
laogades, eslavam os coucelbos que boiaram ao
decima do caiaelysme, a os ootros que foram ele-
vados de am da para o ontro suspirada calhe-
garia de cabecas de coneelbo.
Os que sobre nadaram as agoas torvas da re-
forma, e es qae n'ellas pescaran a honrarla, cobi-
cada com avidez de pais a Blhos, Ocaram muito
anchos, multo goveroamentaes, moito ordeiros,
muito impassivals, a mallo gratos ao deus nobis
hue sita fecil.
Ora os >opprimidos foram a 125. em qaaoto os
representan!
com orna lead-
so a
Eotrelato tem o parlamento s moscas.
Se a pomba volta com o ramiobo de oliveira,
laoca-se a ventara e govema eon esta cmara. Se
a oroa rauolcloal Iba sabe auile adversa, lamo
tempero oa mi, a prerogalira annde prova*el-
meole, a eatretaoto o ministerio tem tomado as
suas medidas para que nao Ya' soTrer orna derro-
ta desastrada o'amas elei(Sjs geraes.
Ora, assim que algons traduiem a noticia do
ada ment.
Em lodo caso, guando o novo imposto de con
2KL2?? U <**>. eommerciant* -"trico
n ....lJ,*,BelU' e "festn a resolotao em
J5*.d?r nm noin,m em nbstlloicao a
faie
wSnlSSSSSSS rpreMBUm a,Sd0 ^rSeva1aasV..r;(-ap7.1adoTWnTriVoio7e-s.
Pecando o foaododMeni.ni.-,-. e av'60 quaodo a nova machina administrativa
ros de ver na o nt*^? Lm f Pr,me|- sa emporra e geme, qu.odo ba batatbOes
os, e que os di timos eram ocombosuvals, I qoeoos fuocciooanos desempregados
iimitoo a locilisoo o incen- gritam quando a mola toda
o qos lioiitav? como
dio.
se
de pe-
e que todos
roove oo espirito
Por isso nem m.mn Rnr n .i. publico denota cena eboiieo, pcoeo prudeote
nfJf ""*:??.0' f"? hfl*on a e0'ar I refugiarem se os alustro* nt dictadura, a nao ser
qae all se estejam encastellando para am golpe
de estado.
Ha tambem quera explique o adlameoto das cor-
EXTERIOR.
*
//
CORRESPONDENCIA DO DIARIO BE PERX41IBC0.
E.lsba
2S de dezenbro de 18G7.
A' 24 sabio o vapor Oltnia da carreira de Liver-
pool. De tolo mez q3j foi posslvel remetter Ibes
nalicias, mas estoo cooveocido que nao faro falta,
pois o .Yaearr chegar prlmeiro.
Na mioha de 13 do eorreote, houve ara lapso. Foi
quauto a oomeacio do pesseil para o mioisteno
dos negocios estraogeiros e respectiva reforma do
servico diplomtico. Agora que ja essa reforma e
essas nomeacSdS ahi sao eonhecidas, escaso de
repetir.
Aceasei-me das mlnhas iaviiootahas colpas e
peciadlboa, e passo adiaote, cooflido na iudolgea-
cia dos numerosimos e boodosos leitoras do Diario
de Pernambuco.
De nondades polticas, a mais fri3aote, a
dos lamaltos (esperados) em diversos pontos do
reino, por occasio de se manifestar officlalmeote
a noticia da aova divisio administrativa, cojo re-
sumo Ibes remed, e da mudanza dos archivas dos
oncoinos sopprimidos para as novas cabecas de
coneelbo.
Era claro qoe muitos do3 concelbos suppriml-
dos levaotariam inauditos clamores. Cboravam
as prosapias avoengas, feriam se ioteresses creados
oaoafadosasombra de ama subdivisao administra-
tiva de exaggeradissimas propones, e bavaria,
como bouve (e nauca falta) quem soprasse a faisca
para vfr se ateava o Incendio. Nao lavroo porm'
a coama. Vea goveroador civil queimado em esta-
tua, am deputa Jo com ama contusao no rosto, nos
sinos tocando a rebate oa dobraodo a finados, oos
arciiivos de cenceloe extincto embargados pelo
povolo, vivas, morras, baraiho, motmj, tropa iodo
e viodo, aboletaodo-se, repartlndo-se em destaca-
*n*olo.......... O povo recoosiderando, a ordem
resubelecendo-se a vista da forca publica, a im-
preosa da opposico bazioaodo adiaote do ima-
tocro de revolla, e a final entrando lado oovaraeo-
ie era santa paz oo interior dos tagurs por alguna
das desertados e em completo reboheo.
Eis a qae sereduziram os lumaltos de Castro
Manm, de Olbio, de Villa-Real, de Santo Aotooio
e d Aimeida.
Todo ists era esperado e a ningaem admiroo,
senao ingeooidadd com que os adversarios do
gabinete pasmaran) de qae fleasse lado por aqu,
e nao boavssse desta feita urna segaoda Afana da
Ponte correcta e augmentada.
E valia apena?......
Valia realmente anena, para derribar das sellas
coraes do miniaterio seis borneas, ir tributar o
paix todo coa a maisooeo-a das contribuidas,
qae sera davida, a revolagao e a aoveota?
.Nao; mil vezes nio !
Se a reforma m; se foram postergadas as
ndaigolas carunchrsas de microscpicas circams
o torpel de lelegrammas, qae se aeceleravam e
amontoavam ha das para dar ao povo da capital
aquellas novidades electicas, dramticas e rabu-
gentas.
Em todo o easo a qoestao redaz-se a pooeo.
Acontecera acaso qae prelendendo o giverno
crear e oacionalisarcom elementos solidos n'este pais
o sentimento de iniciativa local, o sef governemtnt,
alargando a espbera oode podesse operar a autono-
ma municipal, (mas n'oraa escala que nao fosse im-
perceptivel) acontecera per reotuta, digo, que,
teodo este alvo, Ibe fugisse a mi, fosse robuste-
cer anda mais a cenlralisaco, a cerceasse as pro-
rogativas muoicipaes de am modo assoudor ?
Repor i sede de am conseibo onde ella exista
ha detenas oa centenas de anuos, consa raell o
se Bao for possirel contentar de orna vez os 12o
eoDselhos abolidos, talvezse po-sa anda fazer a-ra
nmeAde konrable a respeito de grande numero
iotas.
Mas se o caso oatro ; se as ref alias e foros
monicipaes foram demasiadamente invadidos, em
prul do governo central, eniao moda a eoasa de i-
gor.
Este n pomo mais serlo da qnesto; mas creiam
que nio ba de ser a piaba exaluda oa assoprada
por uns carios anabaplkttu, a tumultuar desorde-
oada prios roclos das villas, qnem ba de decidir o
pleito.
Abramse as eorte?, appsre?a a verdade ; nao
sopponham qoe os representantes de todos aqualies
ioteresses deixem a sua proverbial leaidade
viociana as portas do palacio de S. Bento.
Mas seoboree, se o governo em vez de abrir
as cmaras legislativas, fecha-as ja poca legal e
val collocar-se por algumas semanas mais em die-
(adora.
Boa val ella Isso agora como se explicar?
Ma sempre verdade ?
E' verdade o mais qoe verdade.Os araatos do
gabinete Ja deram a noticia. As cortes abrem-se
a 2 de jaueiro por mora formalidade constitucio-
nal ; o soberano l, oa d commissao aos minis-
tros para lerem o discorso do throno, e zas I___
Fechara se as portas do synheflrio ate Oos de feve-
reiro oa ramdo de marco.
Mas para que ?Uns dizem qae, tendo a grande
commissao do salvateno principiado a estudar as
necessidades flnaceiras e reformas econmicas ha
pouco mais de cinco semanas, estova previsto qae,
abertas as cortes, nao bavia tempo de lor prepara-
do, ou confeccionado ( como se diz em phrasa de
modista parisiense ) a serie de
tos ( o qual ae ditera agora qoa so at 17 de fe-
vereiroj em cooseqoeacia de ama petico assigoa-
da por quareuta depatados, reqoerendo a demis-
sao do ministro do ramo, oSr. Martios Ferrao.
Parece qae oeste iotervallo contara os mioistros
conjurar a tempestada.
(Confinuar-i-Aa.)
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA
nan. af o 5E!deesB lio loa,,re| resolooio por
5 ,f,,, "Ue 15slDa P'ocedeodo dea oo-
In. !^L!"J0e am, ,0 Paix on< 'toe, sem
?a/n !f* PrCP0D,,> nr IMlfl"
recompeoM^eod) o seo procedimenfo todoexpoo-
?.?^jSa,l8,QXIUr owno iapertol
em tao raomontosis cirrams/aoclas
a.1 8rto f.rado a
SJStotiSt"*9" pn,siMSde"ao
Esse prooed.meotn digno da lonvor o
.oos rotos, paa qoe s*ja emltado.
Celebraf
do Sr. Bom
Jos de Ribaaar, orna missa caotada em honra ao
mesmo saotoj
* lJ?A5*tf- DA ""-'C'A.-Extraeto da parle
do da 16 da Janeiro de J8ot.
Foram roeaaidos a casa de deleocio no dia 13
do correnta: f
A' ordem d Dr. delegado da capital, Germano e
Aodt, escrave*. esa de Mnot Pires Perreira a
aquella de Antelo Moreira da Mondones, o prlmei-
ro a requeriroen'o de sen s-nhor e o seguodo por
fgido.A* oreVm do sobdelegado da Boa-Vist
Maoeel ds NCvS do Nasr-.imenlo, por ferimeoto
graves.A crdam do da Capuoga, alarla das De
res, para eorreesoPara o exercito foi remetiido
um recrota. ,
ro dotto. t* dea ess, demissio logo qoe receben i npectwa, matoneas, tendo se asssm praHcad
6 de jolho, | sempre nos batneos anteriores, visto que s6 se
aa domlneo SO do correnta, os devoto
*?3S Redemp^ao ia igreja da S.
de
pro-
Foi determinado ao joiz de paz do 3* dlstricto
a Kscada, qoe Oxease entrar am axereicio ores
dectivo escrivo, qne por elle fdra suspenso inde-
poMameoie, nsio como a facoldade que tem taes
maiii.-trados de punir correcclooalmeote aos es-
crivaes qoe parante si serrem, nao estoode se
tanto, conforme os decretos de 2 do catabro de
1851 e 7 de margo do 1855
Ao mesmo Jou, parea, iol tombrado que so
geitasse o referido osenvao a procjsso, se por
ventora hoover commeltido faltas qae o aotorl-
sem, nao podeodo ial serveotoario sor privado
do cilicio, em qoe acha ee encartado de confor-
midade com os artigos 19 e 49 do regalamento
de 31 de Janeiro da 1842, seodo por torca de seo-
tenca coodemailoria por conveacimento do cri-
me argoido.
S. Exc. o Sr. presidente encarregon ao.Sr.
fivmn!lqUr.9,in.,Bn'0.e,Kda examina: m0J d0 I P*oi' bomeos de boa vontade/a'qoem so'meote
Oymoaslo provioclal, bem orno de fazer no mes- Deas da' a verdade com a sua paz, a sua uooa-
B.?.'5,<>!fl^?!P.t" mmmsjlm, f.o aqoella oto esta'lgica, mathema.ica a jarVic.mSSa do-
9 hefe da 2." seeco.
J.O.de desquita.
Cr.juTiRio ruLiuo.Obituario do dia 16
Janeiro de 186.
Getrnes Candida Ribero Seve, Pernambuco, 62
aooos, casada, S. Jos ; coogesio poiaooar.
Francisi Parfeira liaia, Percamboeo, 40 annos.
casada, P co ; phthysica pulmonar.
Fraocisc.'das Chagas Angelo Bemviodo,. Per-
naroboc-, 28 annos, solteiro, S. Jos ; tubrculos
polmooares.
Manoel Bernardo, Rio Grande, 38 annos, casado,
Boa-Vista ; benga.
Tberea Pernandes Gim, Prrnambaeo, 14 an-
nos solteira. Poco ; cting^tao cerebral.
Heonqoe, Afrtoa, 38 aooos, casado, Santo An-
tonio ; cooge-tao pnlmonar.
Antonio Maooel Rodrigues, Peroambaco, 75 ao-
oos, viuvo, fe. Jos; varilas.
Jallo, Peroambaco, 1 aooo, S. Jos ; espasmo.
Publicares a pedido
" a >
Aos veos concidados.
DemHtidos, a de procorador fiscal o o mea col-
lera e amlgj, o SrUpio Sev.nano Ribeiro, do Ins-
pector da tbesoorala de fazenda desta provincia,
por decreto de 27 de novembro de 1867, Qrmei o
proposito da nao dar palavra sobro este sueces-o
por estar bem soffrido oo meaSicut Domino pa
cuit, ita factum est; mas sou boje obrigado a
qaehra-lo a' instancias de amigos, nao para defen-
der me, mas para dizer algamas palavras oo iote-
ressa e Cuosolacio deste mao inste amigo e eollega,
seotiodo de veras nao poder calar o qae nos
ciromaa, como calarei o que me particular.
seceso do gymoasio possa carecer.
E' ama excelleote desigoaco esta do distlnclo
natiuilista, a quem deve o nosso Gymoasio o qoe
ai i ha sob aqoella deoomioacao, teodo por coo-
seguote de esperar que nesta nova iocambeoda
coBtiooe a deseorolver os mesmos desvelos e de-
dlcacao, da que dea lio exaberaotes provas, quan-
do eocarregado de montar aquelle mas}.
banco do Brasil esta' pagando o vigessimo
oitavo divideodo das suas aeces, a razau de 10
por cada um; e o tbesoureiro da caixa filial des
ta provincia paga o mesmo dividendo das
aqu localisadas.
acetas
. a serie de medidas ( phrase
de airalate nacional ) que eram esperadas para Hoje termlnon o praso da aoreientaro dne
crear receitas, sapprimir desposas, e destrlbnir fl- designados par. o servigo d gnera p*toWt
S f19* rDm m0d0 "U,S Pwl comas o 1 batalho de art.lhari da guar^ac ooa
oossaseondicSes, o* recursos pobilcos. a phrase deste muoicipio do Recito, fleaodo sogeilo"a o
am tanto estirada, mas o estylo apropriado e as asumidas a resoeito os ana ni" ," .
de molde para expliear e aooaneiar estas
tosas vistas da laaterna mgica.
Mas sennores... por quem sao, por qae nio flze-
ram vossas mered reunir mais cedo aquella iodo-
lente commissao das fioncas ?
tfo viam vossas seohorias, senbores mioistros,
appara- tarero.
respeito os qoe se uo apreseo-
Acba-se aberta a matricula do o
da escola normal.
2* anoo
A irmandade da N. S. da Boavlagem proce-
dendo a eleicao da mesa regedora qae tem de
i oTrgoacrJoaqVrdes'r "**
maos vasias de projectos salra-
estavara com as
dores ?
Ora, aqai para nos, dizem oatro?, qae o goverao
O Sr. teaente-corooel commaodaote do 6
da guarda nacional deste municipio do
bem va ludo isto, e nao se admira d'asaillo de aoe ,fei Aleianar">o Martios Corre de Barro
O volgo se esl admirando.
Poder I Com qoanto promettesse, ba tempos
que havia de pregar um prego na roda dos desper-
dicios, e pdr_ peias formaos a facllldade extrema
com que os seas antecessores reeorriam ao crdito,
oao progou tal prego, nem poz tal peias.
Vio-se Irapalhado, a laocouse nos bracos de nm
emprestimo a 37 por cento em que os capitaes met-
teram os bracos at aos hombros por que a asora
osteotava.e a lei temes nos e o governo a competir,
com ama grande desproporco a sea favor, cootra
todas as industrias modestas, que por mais que se
eseabojeo o griten e apregdem, oao podem resol
vr-r os daros ouvides dos capitalistas a enternecer-
se pelas taes iodastrias, nem a foroeer-lhes a ma-
teria prima, a base de tedas as suas operaedes que
o dinheiro.
E o diobeiro abunda ; mas espera, o vai espe-
rando eom toda a paciencia pelas atrapalhacoes fl-
oanceiras, qoe Ibe dio Inscriptos de 100,1000 a
37,50X), e tudo isto polos mesmes agentes, que
(ontr'ora) ralbavam da que bouvessa quem largas
se os ttulos de divida publica a 48 por cento II
Aqu est por qoe chamara visionario ao Sr.
Corvo, quando elle na sua cadeira de ministro do
fomento entra a engenbtr leis o mais lels, eom os
seas regalameotos maito sympatbleos para sa for-
marea bancos raraes, sociedades cooperativas, en
chogos de pantanos o mil cousas urgicas, formo
criposs administrativas, insufflcieotes em popla- fale es,n?llfaiDei,,e ailora*e,s' maa *lae ,em da
rio. m meins em ne..nai hahitii(tn r,,r, m,. ialhar e desfazer-me como romo adiaote de
'J-
cao, em meios o em pessoal habilitado, para maa-
terem a soa ioletolira local, se todo isso desagra-
doa aos e ocelhos, e dittrictos qoa se sopprimiram
para aunexarem-se a outros, o reamaos formarem
a anidada admiQistrativa,-o remedio 14 est no
pacto (uodameoial da soeiedade portogoeza.
O Ara da legislatura est prximo. Coasaltada
a cmara, proteste eoto a soberana nacional,se se
julgar offendida, contra todos esses desacatos. Pro-
tosa, elagendo representantes qos voobam flagel-
lar a audacia dos ministros. So seio dssa mato-
ria hostil sabirio elementos para nm novo gabioe-
to- Esse, reforcado pola dupla cooflanca da cora taedes de lodastnas com que o paix' bavia de reju-
* i V*5*?' qae reponB* as coasas no sea anligo venetcer ?
SnLom no8 ae* *alle' B0* llmit*s Bloraes, | Batera a porta dos capitalistas o respondem-lbe
* narSi*? Daajt)ro aa 'os fl" "- capitalistas do dentro qoe nio esto em casa
inonrin^in*8 ,,nna,a a PopaUco dos concelhos para ologaem 1 Oa qae poabam com o sea vagar
S.! OMl1" 5 ereM1 Ml dlJlil11111 aqaillo tado em versos alexaadrinos rimados oa
pareibas, o voltem donla.
arcas dos banqoeiros se ainda la' am mais
oa libras sarlioas, a espera do outro ven-
i ioseripcSos. B no fia de tado,. puna
oxcoUesou aoito bom, mu nao. fenam
um
verdadeiro faraco de inserp;54s a 37 qao sea
eollega, o Sr. Feotes, Ibe solta am bello dia a ro-
dapiar as pracas de Londres, de Lisboa o Porto.
Aqaillo foi am bmbisco I
Era mais ma, mais a mim. Cobrio-se o em-
prestimo de am raiibao de libras em Lisboa, antes
mesmo das 2i horas; os diobeirosos mais retarda-
tarios ou pachorrelos, qoo Ocaram a ver navios,
o liveram de esperar pelo rateio do lavar dos
eextos.
E as taes industrias fomentadoras, oo as tomen
sflosiveimona.
seguodo oos Informara, oadesigoaci) para i ser-
vico da guerra, proceeo de forma a compreheo-
droa mesraa pessoa em conliecfos de poderem
substitoir se, quaodo o queiram, segalodo n'isto
o procedimento do Sr. teneule-corouel Decio de
Aquiao Fonseca.
Da roa estreita do Rosario qaexam-se de
amas habitadoras de am sobrado, cojo proceder
deshonesto nma constante offensa as familias
qae all morara. '
E' preciso qae se eohlbam, pelo meio da cessa-
co dos seus escndalos, qae offendeodo a mora-
iidade publica, estio sageitos a puoico.
~ For,am bootem apreseotados i presidencia os
libertos Boaventura o Joaqom, para sobstitulrem
os guardas designados Jos Ferreira da Costa e
Joao Ramos, do 1- batalbio de arlilbaria.
Os guardas do mesmo batalbio Joao Pereira
Mooteiro Juoior, Joaquim Lopes de Alraeida J-
nior, Fraocisco Igoacio de Oliveira, Aotonio Si-
mos de Almelda, Aotoolo Martins do Rio e Jo^
Marcos Naoes Belfort, desigoados tambera para o
?."'- Tn re<*aerer*m P o sobst.ta-
oraio TTAZ concedid. marcando-se-lbes
praxo te o da 20 do correte.
M.'^1M!,^aD,e'bon,8B, M Bao wioeon o exame
de habllitacao nara o cooeorso i cadeira vaga de
geometra do Gymnasio provincial. Afflrmam-n.s
que se procura a' todo transe affastar desse exa-
me os coocarreotes ; queremos crer qae isso o5o
exacto, mas recommeodaraos a" quem comnetir
qua procure entrar no conhecimento do nmienn
que por ventara possa haver nessa falta de con-
currentes.
O Sr. abdelegado do districto da Boa-vis*
ta prenden hontea no Campo Verde
Nevos do Nascimeoto, qoe na nolte de 14 do cor
reote ferio com algamas tacadas a' Francisco de
Soasa Ferrax. O delioqasnle na oecasiio da prisao
coofessoa o criroe, mostrando assim nio ser sea
autor Fulano Rod, nem tio pouco Malaqaia que
se acha va detido no qaartel da Soledade a' ordem
daqnelia subdelegada.
Hontem polo correr da noote foi rochado o
andar da casa d. 7 da roa do Rangel, onde
mora o Sr. Mareolioo dos Santos Pmbeiro, na
qoaotla de 2:250*, em papel, alem de varios ob-
jectos de oaro e pratt.
Remetaa-nos o segainte pedind) sna mversio
nesu Revista:
% Aocbegsr aeiUcidade a> noticia do podido
diaatsgootOt.Bftri o -atieo da guerra, o Sr.
moostrada oa spa detoosa irapressa no Pedrb 11 o.
285 de 29 de dezembro, e esta demoostracio in-
veoclvei nao deixara' de produiir serias perturba-
goes na coo-cieocia do Eim. mioistro da fazeoda,
o Sr. cooselbelro Zacaras de Ge-es e Vascoa-
cellos.
Peco liceoga a S. Exc. para dlterlhe, aa mmba
cooviccao profuoda, com todo o devido respeito a
sua aotoridade, mas tambera com toda a legitima
liberdade de cidado de paz livre, qoe essa sua
demissao nao foi ora acto de justica mas de conve-
Diencia poltica.; oao foi orna puuico e falta oo
cumprimeolo de dereres, mas ama satisfaco s
exlgeacias do progresso aqai alada no ovo, choca-
do por meia dozia de homens sem comeada nem
ttulo para se levaolarem de soldados era capiles
sem companhia. Presumo pode-lo demonstrar coro
os actos de S. Exc. mesmo jautos a essa defeosa
do ex-lospector. Vejamos.
As demissOes se tem dado, dao-se e dar-se-bio
sempre ou por eoovenienclas e ioteresses de parti-
do, ou por crmes e faltas graves dos demittidos.
No primelro caso reina o arbitrio, no segundo a
jusiica. Quando reina o arbitrio, a demissao oo
urna conveniencia, oa ama voleada, porque o ar-
bitrio nao tem rodra, brutal; mas qaanJo impe-
ra a justica ella ama pena, a qual nio pode ser
appllcada a niogaem, neo perante a razio nem
peraoto o bom senso, nem perante o direito, oem
peraote a moral, sem ser ouvido e cooveocido o
indiciado ; porque Deas mesmo qae tnfalllvel, para
eosioar a respeitar este direito natural do bomem,
nao eondemnoo a Ado sem oovi lo. E>ia necessi-
dade aioda mais argente nos jazos de que nao
ha appeilaco. Ora S. Exc. nao ou vio oex-tnspec-
tor, nem seqaer em suas conversacoes com amigos
dalle dea a perceber a intenco do o demittlr como
demittlo, segundo elle se qaeixa as palavras de
sua defen>a esta' bem evidenciado qae na re-
cente data de S de novembro, qaatro mezes depois
do acoDtecimento do roano dos cofres da thesoora-
ria, e quando, sem duvida, se acnava extensamen-
te infirmado a respeito, S. Exc anda nao fatlava
com suspeita ou convicio de falla ou comprOmetli-
meato punivel de minia -parte em tal facto, ote.
tolbenao-ibe assim toda a defensa po-sivel : logo
S. Ese. obroo por arbitrio, o nio por justica ; logo
a demissio nio foi urna puuico, mas ama conve-
niencia de progresso, aeobsrtada com pretexto de
Impericia a desleixo, porque as reaccoes doscober-
tas esto em desaso.
Os empregades de fazenda sio do eosBanea, mas
nio sio como as de polica : tem mais garantas.
Fazem por seos ser vicos ao osado direito a orna
aposentadora, qoo nao se pode parar nos joges po-
lticos. Nao sa diga que ba precedeotes ; porque
S. Eic. nao bomem para ter-se a ellos, era os
tempos sio os mesmos, o o progresso nio pro-
grtsso sem mooaoeas o reformas.
No aviso do 29 de novembro ultimo, motivando
a S Exc. a demissio pelo deslexo o impericia
ce m que se haviam (os demitldos) dit como
veto a conheeer se por oceasio do roubo dos cofres
daquella thesouraria, ha metes praiicado e ac-
ere>centa-o deleixo ocha se eomprovado pelo ofji-
aa do ex inspector do de jlho ultimo, ate. Mas
do 14 do. por Exe> 9M Mbe ,Mtt0 mlhot 0 W* eo que a
pont deve seguir Immsdiatamente o delicio, em
quanto reina agitacio publica, delxa de fulminar
logo os deleixados o imperitos, deixa de arrefece-
rem-se todos os nimos, deixa passar meses, deixa
eooveneerem-sa todos da qoo nio descobrio estas
fallas, delxa-os eatrarero na segoranea de neobuma
consequeocra do roubo contra o ex-inspeetor, para
vir moito depois orprende-lo o ao publico com
esu demissio loampesttva o injusta ? I Nio isa
prova de que tal demissao oia foi nm acto de jas-
tica, mas orna conveniencia do progresso, qoo S.
Exc. instiito no pais ? Nio mostra ao monos qoe
o digo de boa f e por eooviccio ?
Esu sorpresa de S. Exc convence deve con-
vence a todo o aaado, mxime a qnem sabe jo-
raotodeacu-crnua'., qae S. Bxc, grande aws-
esse offlcio do ex inspector, datado
porque joi|on-o sera respoosabilidade algum
porque, eom toda a soa recooheelda silencia, pers-
picacia a energa nao vio ah impericia o desleixo ;
porqoe foi o prroeiro a julgar e a persuadir ao po-
blleo de qoa nio tinba Ma Bem mereca demissao
o ex-inspedor da thesouraria de Ceari por causa
do r< abo. S. Exc. mesmo por essa grande demo-
ra, qoe reeenhece o eonfessa no san ka mezes
aotorisa a permute a todos e aos demittidos a eon-
ri-ce de qae foi am motivo novo, oMraobo a mys-
leoso, qoe actoou agor no sra espirito, para dar
essa demissio por esses motivos aotes julgsdos e
desprezades com o criterio, qoe a gravidade do
caso exiga : intonsa e permita a crenca de qae
em ul demissio oio ba mais do qoo ama espacie
de ophlsma non causa pro causa.
Esta ci nriecio a esta crenca espero que saja ge-
ral, ao menos entre os homens da sclencla, embora
espere tambera do reconhecido saber e talento de
S. Etc. am segando sopbisma para aocobrir o pri-
melro ; porque borneas como S. Etc. sabem des-
.tror quaiqaer razio coro ootra razio igual e op-
posta, como ensinavam os aeaialecticos ; mas eom-
todo ereio qae do sa dar.' ah o resaltado alg-
brico 3a tducao de quaotidades positivas a nega-
tivas iguaes. -^._
Parece-me qae a raehorV^senio a nnlca raiio
de tal demora, qne poda S. EtcVflJp^r^ as soas
occopacSes com os negocios da guerra p orJiBiS*
Cao das financas; mas previno qoe nada disto o
emtaraceu de examinar de novo todas as commu
oicacSes sobre o roobo, qaando demittio, ha tanto
tempo, o thesonreirn. Porqae umbem nio o ios-
pecior ? Estas oceapades poderlam, nio ser, roas
parecer boa escasa da demora de taes demiss5es
a principio, quando recebeo as participarlas offi-
eiaes e cartas particulares pro e cootra, sobre o
roubo e seas res^oosaveis; mas nao dalsa todas
depois, na mesma occasio, jontamente cora a do
ihesoureiro, qae escasa razoavel poda haver ? Pa-
ra mim, a creio qae para todos, neahama.
A demissio do thesourelro s por si nio deve
convencer a todo o mando qae at esse da S.
Exc. jolgava e ex-inspector sera falta algaroa de
imparida a desleixo, porqae alias o lerla defini-
do igualauna ? Porque esperava ? Que facto oovo
veio depois esclarece lo e delermloa-lo ? 'Tado, no
aviso qoe motiva as demis.-oes do iospeetor e oro-
curador fiscal, anterior, acba-se oas pnmeiras
participaces officiaes o particulares do ronbo. Na-
da de novo absolutamente I
S. Exc. mesmo recoobecea a necegndade desse
motivo novo posterior a demissio do tbesoarelro,
para escapar-so a este meu reparo ; e por isso ad
dozio o do impericia, expressado no dudo avio
por esus palavras porqoaoto resolvern! em
joota qoe se Ibe forroasse colpa peto erlroa de
pecoiatn era observaocia dos praeeitos do decre-
to n. 657 de 5 :* dexembro de 1849 que nio
arara mais apphcaveis ao caso, oroa vex qae
elle se achara sobmettido a proeesso de roobo
oo peeolaio de qae ffira absolvido pelo Joiz de
direito, etc.
Mas, soceorreodo-se a isto, foi preciso S. Exc.
esquecer a soa terminante ordem n. 58 de 10 da
seiembro oestes termosdeclara ao referido tns-
pector qoe no sequastro bem procedeu cumprtnde
que marque ao thesouretro. depois de reqaisitada
a prisao administrativa, um prazo razoavel para
a tnaemnisacao do cofre com juros de 9 0,o, na
forma do art. 5* do decreto o. b57 de 5 de dezem-
bro de 1849, observaodo-se no easo da falta o dls-
posto nos arts. 6 e 7 do mesmo decreto etc.
Ora, oote-se : prlmeiro, que esta ordem de 18
de setembro foi e nao poda delxar de ser cumpri-
da antes da absolvilo do ex-thesoureiro p^r seo-
tenca do joiz de direito em 23 de outubro, que se
l irapressa oa defeosa do mesmo ; segiodo, que
. Exc sabia official e parlicolarmeole, e eonfessa
>absr nestas palavras da citada ordem :nao as
sim porm guanto ao exerctao minino, em que
peimttts esttvesse o fiel Joao Baptrsta da Cost Go-
ma-, pols que susjwMio o thesoumro, impedido era
o fiel etc.que o ex tbesoureiro eslava preso pelo
enrae do roubo da ibe; o arara, e por isso em pro-
eesso e suspeoso.
Posto Isto, pergooto : Pode esta pretextada im-
pericia servir de motivo oovo depois da demissio
do tbesoureiro para determinar a S. Exc. a demit-
tir o inspector ? Ninguem o a (firmara' de boa f.
Poi8 S. Exc, sabendo da prisao e do precesso do
ex-ihesonreiro, maoda, nio ob:trate isto, reqoisi-
lar-lhe a prisio administrativa, e proceder como
determina o citado decreto, e depois faz do com
primeoto desta sua ordem, pelo devido respeito ao
seu raaior saber e precisa obedieocia a soa aoto-
ridade soperior, um crime, ora motivo de puaicio 1
Ja um crime, ou falla punivel o respeito ao maior
saber e a obediencia a aotoridade ?l Santo Deas?
qae lempos sio estes do progresso actual III Foi
demittido por impericia o Iospeetor, ponuia cum-
prio a ordem do Etra. miai&tro da fazenda contra
o tbesoarelro : seria demiltldo mais cedo por coa
uivenca no crime, oa por suspeita proteccio do
criminoso, se oio a tivesse comprido I Triste con-
digno do subalterno 1 I
Nao, isto oio serve, oio pode servir, nio foi o
motivo novo, porqae esperava S. Exc para depois
da demissio do thesourelro demittir o inspector.
Nao se pode mesmo admitti-lo por tal sem fazer
Libe a gravisslma e inmerecida injuria de rebata-
lo ao nivel das lutelligencias vulgares e altriboir-
Ihe a impericia, qee elle imputa aos demettidos.
Portaoto, em vex de motivo novo, foi um Unco cal-
culado, para arrastar a diversio da verdadelra
causa da demissio os espritus superficiaes, e am-
parar o sea primeiro jaizo a favor do ex-lnspector
das vistas agudas dos que entendemos coasas,
leem no fondo deltas, Intus tegunt.
O verdadeiro motivo dessa demissio, perdoe-me
S. Exc, nao pode ser outro, qae o imperdoavel
erime de ter sido o ex-iospector nomeado pelo Gre-
mio Ceareose ora dos seas vice-presidaates e ter
assigoado as circulares para o centro. Post hoc,
ergo propter hoc. Qoe isto Ibe foi eoramanicado
oio eotra em dovlda, o qae foi por isso exigida a
demissio, v-se do segaiote periodo de ama cor-
respondencia impressa oo Jornuf do Commercio de
8 de dezembro :Foi muilo bem recebido (por meia
dozia de progresststas soment-j o decreto da demis-
sio do thesoureiro Fianna. E? preciso energa para
com mais alguem que anda se acha naquilla re-
particio.
Nao importa que esta pnblicacio fosse posterior,
porqoe este publicado foi anterior. Talvet seja
representacio de drama ensaiado particularmente.
Creio ter demonstrado, qaaoto basta para con-
vencer, que essa demissio fot por ioUresse da po-
ltica, e nio por amor da justica ; porqoe repito,
foi S. Exc. mesmo o primeiro qoe ioooceniou <
ex-lnspector, meu collega e amigo ; deseamos ago-
ra is raides era qae S. Ere. apota e-ses pretendi-
dos motivos, para apreda-los i laz dos toctos, da
razio o do direito.
Doas sio as proras qae da' S. Exc. do desleixo,
causa da demissio do inspecio": prime Ira, ter es-
se informado qae a junta verifieou a exactidao e
existencia dos saldos indicados pela escnpluracio
as especies e valores mencionados nos batneos;
no entonto demonstra o contrario urna declaraco
feita posteriormente pelo thesoureiro de que exis
tiam em sua gaveta, diversos bithetes e recibos de
empregados, que os deixara de apresentar, quando
verificeuse o dito roubo. pela vertflcaco em quefi-
ou, e terem-se com effeito encontrado estes iecu
montos; segaoda, coofassar o mesmo inspector
que no mencionado bataneo apenas se venficaram
os valores existentes em notas petas nmeros dos
macos, t segundo a tnitcaeao que contmham ios
contavam ao acaso um ou outro maco.
Sio palavras transcriptos.
Qoanto a prlmeira, digo qoe, se nio basta a ra-
no dada pelo ex-inspector de qoe foramtster, que
o enlao thesoureiro se aehosse ara completa falta
de recorsos (leodo fiadores aroigrs abastados, a ora
delies sea irmio) ou absoluto descrdito, que fesse
iao um homem inteiramente perdido, para que,
sabendo, como sabia do necessarto procedimento do
batanea coslumeiro do fim de junho, embora o em
queslao se desse como em cumprimento, e para o
fim da circular do thesouro, de 10 de junho prxi-
mo passado sob n. 4. nao repozesse ao cofre a pe-
quena quantia adiantada a empregados da referida
reparhcao da alfandega, evitando assim o eonse-
quente eompromettimento:se oio basta isto, re-
pito, contra tal prova, digo qae S. Exc. mesmo foi
o primeiro qae a dlsrlrtaoo, iovalidoa e deslroio,
desde qoe, recebeodo o offl io do ex-inspeetor, da-
tado em 6 de julbo, citado no aviso, qoe motiva o
decreto da demissao, nao dominio immediaUmente,
ao mero i, o ihesoorelro, o espern pelo resaludo'
do proees-o, Isto pela pronoocia, enio pelo ial-
gsmento.
A confissio ama especie do prova jurdica, o a
do ex thesoureiro foi livre. em julio competente o
coincidi com o facto, porqoe acharara se os docu-
mento' do emprestimo. Porqae ootras provas,
rols, esperou aioda S. Exc para demittil-o ? Qoo
raiTT {2?ieram oeeessarlas? As do roobo? Eo-
too claro qo>*ae jalgoo erime oem tocto paalvel
estes empresiiracSs uue nio os repatoa motivos de
demissio ; porqoe arijrs-ttio havia mais por qoe
esperar para demittir o thesotireiro. Para punir o-
roobo ahi estio as peoas este facto qoe S. Exc. jolgou naVto er earga ao
ex-thesoureiro, a despeno de provadjT)qrid!eamen-
te, pede, em boa lgica a bom direito, sHvir para
fasel-a ao ex-lnspector, a despeno de josticaval o
justificado, como dje o joslificoo relativamente a
si ? Um facto qae nao eriaina oo colpa o seoSrar-
tor, pode criminar ou culpar a tercelro, para qoom
poda passar encoberlo ? Tado prova que S. Exc.
sophisroou a demissio do Inspector, dando por cau-
sa o que nio causa.
V se bem que, tmquanto S. Exc. nio aceitn
as machloacSes, calumnias e iasligtcSes dos pro-
gresistas desta cidade, oem o ex thesoureiro, nem
o ex-iospector nveram falta oa culpa algoma pan
ser demittido*; mas apenas julfou cooveoienle
aiteodel-os, eis ahi logo convertido em crime o qua
antes nio era I
Demals, attrlbuiBdo este desleixo ao ex-inspec-
tor, nao poda S. Exc dexar de pensar, na soa sa-
bsdoria, qua elle ou untia maito boas razdes de
confiar no ei the-oireiro, ou oio as liona. Se jol-
gou qae oto as traba, oio devia demiltli-o someo-
te por desleixo, mas tambem maoda-lo responsa-
bilisar pela suspeita de connivente, sera indulgen-
cia oem favor qoe o loteresse do Etado e a mora-
lidade publica coodemoam. Si p >rem ao contrario
lulgoa ter elle boas razies de cooflaoca, eotao do-
mittil o foi urna tyramoia e Iniqnidade; porque a
cooflanea fondada em boas ia>5is noora foi, oem
pode ser falta, arada mesmo levissima. A confito-
ca descaoca oa f o?toral, alrai da sociedide. Ea
nao posso eompreheoder a soeiedade sem a f e a
coDtiaoca, oem to pouco que, em elrcomstaocia
alguma, amaqoalldadeesseocialmenle social possa
ser convenida oa cousiderada ama falta paoivel.
Se S. Exc. ignorav, como bem da crer, qoaes as
razoes de cooflaoca do ex iospeetor no ex-thesou-
reiro. como consideroo as logo mis para derail-
tll-o ? Nao devia primeiraraeote exigil-as para jal-
galas e determinarse eoto ? Aotes disto oio pe-
dia decidir se nio a favor pelo principio- Qmtibel
prasnmitur bonus.
S S. Exc. as nao tlvesse exigido nio poda del-
xar de reputar boas razoes da cooflaoca ot balac-
cos mandados dar, tres dias am dopoi do oatro,
pelo Eira. Paes Brrelo, o balaceo de surpreta as-
sistido pessoalraente pelo Exm. Antonio Marceilioo
oa aazeocia do ex-iospector, os balaocos dados,
oas jaitas do mesrao ex iospeetor, pelos chefes de
seccao, Maooel Nuoes de Mello e Jos Varonil Be-
ierra, e finalmente a existencia de moito soperior
somma emoccasiSes de balaogos receotes, remessa
de maiores qaaotias e ficada de menor saldo, qoe
oa occa'iio do roobo.
Demais, a cooflaoca entesia com o loteresse. S.
Exc. sabe qoe ologuem a cooserva eom prejuixo,
anda da f.zenda, qaaoto mais aa honra, e devia
crer que o ex-iospector nio era excepcao desta re-
gra ; mas que, pelo contrario, terla coovertido em
bostilidade a soa cooflaoca, logo qoe o ex-lbesou-
reiro a desmerecesse compromettendo-o.
Qoaoto a 2.', basta a perguou do ex-iospector
Onde, em que thesouraria, no thesouro mesmo, se
procede a batneos ordinarios por modo di/ferente ?
Jaigo-a sem resposta, e aceresceoto : porque cri-
me oa tbesoararia do Ceara o qoe oas out'as, e oo
thosooro mesrao, e nao ? Dir-se-ha qae o gover-
no o ignora ? Diga se antes qae fioge ignorar.
E' sabido que, pela cooflaoca nos tbesoureiros,
oiogeem, em occasio de balaogos, ptrde tempo 5,
10, 15 dias, a contar sdala por sedla. Isto 6 na-
tural, e por ser natural geral : logo a lei oio po-
de condemoa-lo. S. Etc. o sabe meihor do que ec.
S se procede a balaceo de outro modo, quando ba
fallada cooflaoca oo thesooreiro ; mas isto ex-
cepcao de regra, e o qoe excepcional, o qae
cootra o cosame natural o geral > pide prejodi-
car a seu autor e nio a terceiro.
S. Exc. o sabe, e por isso nao pode deixar de
recoohecer qae a pena de demissao do iospeetor
ne.-ta caso, por ter obrado cooforme o costume na-
tural e geral, oo tem os caracteres das peoas. E'
Impoltica, porque fere esie eoslame; ineflcax, por
qae ataca o qoe natural ; o mais qua moito des-
proporcionada, porqae appiica-se ao qae, ainda con-
nderado falla, oio a merece.
Dir-se-ha, ulvtz, que S. Exc. nio fex logo as
demlssdes, porqae entendea que o ex tbesoureiro
era Innocente no roobo, e a falu do ex-lnspector
um facto singular; mas que as dea logo qae so
convencen do contrario, como elle mesmo o roani-
festa estas palavras do aviso :pelo deleixo e im-
pericia com que se haviam no cumprimento de seus
deveres, etc. Seja : mas, que das aovas razdes qoo
mudaram, oa coaverteram a primeira uesta segao-
da conviecio de S. Exc. ? Se as leve, caloa-as;
pois qae nio as jaigon dignas de virem a luz. O
que se v toda veibo, jolgado e despresado por
S Etc mesmo.
Espern s. Exc pelo proeesso do ronbo, porqoe
neo achou oas commooicacues officiaes e particu-
lares cansa porque o tbesoureiro e o iospeetor roo-
reeessem ser demittidos; a o qua dau da novo essa
proeesso ? Nao se v mais do qne a demissio do
tbesoureiro depois da pronuncia antes da defaza,
e a do inspector depois da absolvicio : vcem-ie
estes dous fados, mas nao urna so raiio de josti-
ficaco entre as raides dadas. Perdoe-me S. Bxc
dlter que leria, em mea parecer, obrado melbor,
sa oio tlvesse dado neshama.
as suas palavras -deleixo e impericia com que
se haviam no cumprimento de seus dr veris, mostra.
S. Exc por esteAwiam esur cooveocido de qae
o ex-tbosoareiro ja de moilo tempo eslava alean-
(ido; mas donde deduiio as provas disso ? Do
proeesso, oode ellas deviam apparecer, por ter sido
preparado pelo mais prevenido e hostil chafe de
polieia, qae Interrogoa meia cidade, e remellen ao
Jou de direito o qoa colbea de melbor ; o aeompa-
nbado por um promotor ad hoc; nio, dahi nio.
Dnvldo mesmo setoou vetes sete vetes qae por
prava disto lenba mais do qae as suspeitas de qnem
qaer qae particular oa reservadamente Ih'as com-
muoicou. Mas pergenio : Em qae se faadou S.
I
'

..i
. i
PREAefARDBHOJK.
Primeira as 9 oras a 18 m. da
Segaoda s 9 hora* o 42 minutos da tarda.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEROS.
Para o snl t Alagoas a 14 a 30; para o :
at a Granja a 15 o 30 de cada mes; pan Pei-
nando nos dias 14 dos matas Janeiro, marco, l
julho, setembro a novembro.






n

a
ferr
I MUTI1M0
ooW..
W



.KftH i*-O kl fJ 1HI
e reraambae* este folra 1 de Jaaelro de 1868.
.El .oriKUX -7IJ2 o
HHI
Exc. pira dar a estas suspeltis, ifslm anaaant-|-nd* ddnse oendeoroeeer-eserliao 5 pw qne temos
mus peso, que ib provas do
a satisfago de erer qae V. S. Incapaz de,
ear os actos que atti Ibe sio aSsaca los;
eremos a* lealdade conjugal 4a seoh ora. vilipao-
dud;eporqae ao^.oieu^ njM. conree i Os 5rs. accionistas podem eceber ^57^
qae o minio datt, Joao Alves dos Santos, sjic mM<9*mn*M*&inAfa dando-se, saceumblo a apprebens3n e previsora 1"ittVoe(la correle) de 10 o/o dp
de iosolubMdale mercantil previsSjs e apprenea- capital, assimeomo O i," de 30 o/o. e 0 2.*
s5as por elle raailas vetes manifestadas i a'gio de 40 o/o, ji annunciadOS.
de nos.
Pedimos Ihe qoe se digne reeeber, como prora
do apreco em qoa o temos, a manifaslaeao dos seo- j
tmenlos qae nos animante fae* por oUidar, da-
cadas, mais ere
proeesso assim
Parece-qi te terreno, era come jurisconsulto nem cerno join
pois qae. para impoolclo de peuas, o administral
tro deve fundrmelas wesmasprovis qae 0*Jadl
Ul. Quem vio o ex-thesoureiro tirar dioh?iro para
sea oso? A quera eoofessoa elle tilo lirado t Em
mi de qoem tem elie depositado oh a jaro T
Qae grandes proprledades aprsenla depols de em
preitado? Em que grandes (estos e Dalles o gas-
tn T Tde Isto se pode diier, Oiappooho mesmo
qae se tera' dito a' S. Exc.; mas lado isto 6 im- Iqutlta (alia e doedora pubfteaco.
possivel de provar. Se fosse poMivel, ter se-hla' Ao eooelolrmos, pedimos venia a V. $. para dar-
" mos publicldada a prsenle maoif;.-tco.
Somos com distinta comideracio. De V. S. alten-
eiosos, veneradores.
Iiaplcur-mlrim, 18 de setembro de 1867.
JosA Ferreira Barbosa, jun municipal supplente;
Luir Francisco Cirdoso Guimaries, MoSote-eoro-
nel; Joaquico Gaocalvees P.rtira, capiao qoartal
mestre ; Honorato Antonio Rodrigues, tenante ci-
rnrgiao; Jos Goucalves Corro, alferes (nego-
ciable) ; o vicario Kraaelsco Ja- Cahraj; Joo Rl-
bero de Uoara; Jola Hanrique Riheire, tente,
negociante, vereador ; Ujmingos Jos da Silva Pe
reir, neg -la ate ; Boaveatara Gaio Bindeira de
EM LIQUiDACAO | rPW;oTW6r.ora;ao0
Novo baieo de PernanAnoo -
provado no prceesso ; o.aa.se tlvesse propalo o
proeesso S. Exc. o tena otado.
E'impossivel provaso nao s por lsso, mas
tambera porque esta' malhematlcameate provado
o coolrario pelo ex-iospeetor em sua defensa.
Quando comecou e>te alcance do ex-tnesourei-
ro ? Nao s sabe, nem ao menos se foi antes ou
depois dfaihntnrtraeo do ex inspector III Pare-
ce qae nao tol antes de marco de 1864, quando
elle pagoa o saque do Ibesouro a favor da cana fi-
lial do Banco do Brasil em Pernambueo, fleanio
apenas o saldo de 24:398*8**9 oasis occorrer as
despezas ordinarias e extraordinarias ; e parece
tambera que a poquenhet deste saldo, ha to poueo
tempo, deve justificar a conhaoca do ex tnapeclor
no ex-iBesoureo.
Se ji nesse tempo o exHbesonreiro eslava alean-
gado, sea alcance era to iosigaiflcaoie, qae esss
pequea, qjiaotia pode encobn-lo, nao Ibe sen lo
para lsso preciso roubar os cofres. Como, pois,*
ex tnesou.-eiro, que durante qoasi 14 aooos, coa-
tados de sua posse no I* de Janeiro de 1850 a
malo de 1361, nao leve saldo algom ou te ve to
pequeo que o encobrio nessa pequeua quaniia, o
fea uio grande em tres anaos sement, coudos
de mala de 1861 a 6 de julho de 1867 1
Como e em qae fez elle to grande asta alean-
ce em ires auno ornele, que loi-loe preciso roa-
bar os cofres por nao poder supporlar sem deseo-
brlr-se, a remessa para o ibesouro de 80:000*, 11-
cando-jbe o saldo de 8i:379$i9l, sendo em di-
nheiro G.889JG39
Se o praxo de Ires aooos ainda< gran le, e basta
para fazer lio grande alcance, reduiamo-lo a qua-
si ama t rea parle, Qxando a poca de 4 de abril da
1866, quaudo o x-thesoureiro remetteu pira o
Ibesouro 178:8, ficauJo apenas o saldo de,r*.
46:6^0*834.
Pois, repetlmcs, o ei-thesoureiro, que doranle
qoasi 16 aooos de 1830 a 1866 ou na i liaba al-
cance, ou o liaba lio pequeo qae o pode ec-co-
brir nesie pequeo saldo, em Ibe ser para sj
preeso roubar os cofres, o'ura ano; apenas, de
1866 I-S.7, o fez tao randa que nao poda sap-
portar a remessa para o tbesouro de 80;O*. co-
mo afflrmam o ex-inspeclor e ex-lbesoureiro em
tza defensa, sera roubar us cofres, Bcando me o
supradiio saldo de 81:371**194 sendo 46:989*639
em dioberj III
Em qua gastn, ou em qae empragoa elle tanto
dinheiro 1 E por diereaca de ucn auno deixuu
elle d roubar em 1866 li5:l9JJ83' r., para vir
roubar em 1867 136.898*603 rs. I crirel lado
isto T So para oe progresista que armaram este
alcance sobre falso para janiareu.3,' ircumslaocla
fatal de sa acharem aberios,bm cnaves nem lesao
as feepaduras, o qunto-'e cofre da ihesouraria, e
faxer u>lo vallo capa/de impdr a' Imaginacio do
Exm. ministro ^vazeoda para consegulrem laes
deraissoes. f
Mas. esta rcumsiaocia de acbada do qaarto e
cofre assio>- aberus nao meaos incrivel qae a
invdu^^ff) aicaoce, sem embargos desse negro-
gado trumpno, porque lodo o hornera de bom sea-
so nao pede deixxr de coavir que entre as cir
caahlaocias incgnitas do faci de serem qaarto e
cofre da tbesoararia aberras com chave* falsas, ou
com as proprias, ba urna duvila in ouvel, uiu
abysmo.iasaadavel. A maligaidade pola saspeitar,
mas nao orovar nem probabiiisar a de lerem sido
abertos cora as proprias chaves. J cabe aqu o
prinrrpio jurdicoDe suspitione ne juitcato.
Resolvraa essa primeira aliernaliva ou dnyida
pela afBrmativa de ler sido todo aberto com as
proprias chaves, nao se levanta diante d'ella um.-
segunda alternaliva ou duvida igual eotre os fic-
tos de terem sido sultrahiJas as proprias chaves
para tudo abrir e repo-fas em continente, e de le-
las elle mesara uiuistrado para cjmparti^har no
roobo T
Digo t-las ministrado porque impossivel que
elle Uzease o roubo. Et segunda aiieroativa nao
duvida sobre duvida,abysmo sobre ahysmo 1
Aqu a suspeita mesmo cintra o exibesonreiro
s pode entrar nos perversos.
Esta circomstancla mesara de acbada do quarlo
e cofre abertos sem chaves nem leso as fechadu-
ras prova, para mim, evidentemente, que o ex-lbe-
soureiro nao tem parto do roubo ; porque se li-
vesse para Isto ministrado as chaves, tomara, pelo
temor do crime e vergontra da infamia, cautela
para nao ser descoberto, nem se desconfiar delle
e esla camela nao poda ser oatra, seno mandar
deixar Gcr as chaves as fechaduras para desca
par se cum Ih'as terem furlado, ou mandar arra-
nhar as eohaduras com pregos para sa atlrCrair a
gaii. Destas faltas pois de 1 haves e lesao, de que
se concine a crimioaiidade do ex tnesoareiro, jutgo
qae se deve conclair a saainooeencia.
Em todo o caso foi demiiudo sem a menor pro
va do Seu alcance e de sna participacao 00 roubo,
e, para roais notar-??, s depois da pronuncia t
antes de sua defensa, porque foi absolv Jo I E ar-
rastoa com a sua demisso, apezar de to longe do
crime, a do inspector, que eslava mnilo mais
longe I -
Este seria sempre o mea julzo a vosso respeito,
mea infeliz collega e amigo ex-ibesonreiro Luiz
Amonio da Silva Vianna, anda quando vos n.V
tlvesse reconhecido sempre hoorado. Deixai qne os
qoe sao capazes de praticar a Infamia que vos im-
putara, pensem e dgaos o que nao creem, os qae
vos conhecem desde a infancia Vicente de Paula,
qne enebea a Europa d) sea nom?, tambera fu
accasado, e em face, em publicas reunidas, da fur-
to a am particular; porm, peior, nao tinha defe-
xa, e s opponba o sea triste e'envergonhado si
lencio.^ O lempo, porm, o jostifljoa pleaameo-
le ; conhai que tambem vos ju-t fiara'.
Voltando-me agora para o meu collega e amigo
Joao Seyeriano Ribeiro, digo Ine bem penalisado :
Es abi, men amigo, o premio dos vossos adaira
dos servicos I Depois de mais de Waonos, era
qae vos eoosomistes pela malta ponluafidade e zei >
no cnraprlmeoto de deveres, e quando inutilisado
para viverdotrabalbo, esperavasa paga prometti-
da aos honrados servidores do estado, atlraram
vos para ah, como am traste gast j por urna conve
ciencia de'partidj I Ah I qua tristes momentos,
que amargas horas deveister tido I Qiantas vezes
nio tereis recordado aqaellas palavras fatdicas
deste pungente futuro violo, que alguma vex vos
dirig, qaando transido de aores e estorcendo vos
na cadelra de inspector, por das, fazie s sobrehu
manameote o vosso servo;o a de olros emprega
dos, oltrapassaolo as horas do trabalbo com mnr
muragao de todos para satisfazeres exigencias 00
foveruj III
Estaes, vendo a fra e dar realilade de mns
progoosiieos por vos ver fazer nao ja' servieo*,
mas sacrificios I Smto a vosa. triste sorte mais
qoe a ininba, e s para vos coasolar eserevi o que
abi lestes. Soffres, mu esperae. Depois da tempes-
tade vi-m a booaoca.
CoDClao por mira, Exm. Sr. Z Vasconcellos, para dlzer-vos smente poueas pala-
Tras a mea respeito. Aceit, seohor, sentido, mas
nao offaodido a demisso qne me destes; mas
aceilo-a como um lance.de conveniencia poltica e
nio como nm acto de jastiga e morali-agio. Jal-
gando vos por mira assim mesmo peqaenioo, nada
como son. Jaleo vos incapaz dos seotrraeotos qae
oatros vos attribaem a mea respeito, como taivez
ji o saibaev. C ede, seob. r, qae, defeodendo o
mea infeliz amigo ex-inspector, nio t on nao
quiz fazer mais qae o officio de advogado, a que
me reduzistes.
Fortaleza 2 d Janeiro de 1869.
Uanoel S. da Silva Beierra.
Instrumento dado t passodo em publica forma io
officio e mim tobetlioo com o Ihtor 3 que obat-
xo s$ teiara.
CARTA.
Illm. Sr. Dr. Antonio de Soaza Martlns.Lemos
em o numero 323 da Ordfm de tres do crrante
mex, gazela publicada em Pernambnco, orna cor-
respondencia onde V. S. insultado atroz e aleivo-
smeme, e ofendida, era ve e pungentemente a
Exma viuva da juo Alves dos Santos, no qoe el
la pjssua nais rooroentosoa sua honra e leal-
iade coBjugal.
Como nrotesto contra tso ealnmniosa a perversa
publicagn, qae de mais i mais assignada por
orna etUiiai para oa dasconhecidase nao por
nm pa-ndooimopara se abrigar sen autor da res-
ponsabilizado legal, cojo fin ostensivo irrogar o
odioso sobre V. S^ a marear i bem firmada ra-
potago de magistrado justo, eirenrospecto o mo-
derado, dr cavalbero raspeiudor da moral a oro-
Bidoso, os, aballo assigaados, dirigimos a V. 5.
ps nossog seotioienios da pesar pela afronta den-
A caixa Qlial do banco de Brasil nesta
cidade troca as soas notas dilaceradas.
o mesmo arrematante
qae possa apparecer
Os pretendentes i dita arrematagio pedem com-
parecer amos din Indicidos
manidos de saas flaocas, qne sarao"apresaotadas
nm da antes oa respectiva secretaria, onde acha
rao o orntneala para consultar.
. Paco da cmara manicipil do Recire, 13 de ia-
elrodel868.
Laiz Jos Poreira Slmes,
Pr-presideole.
Francisco Csnuto da Bea-viageo,
Secretario.
ley e ouiros....................-
Jos Vicente Emerv.......... v... t.
Joio de Araojo Cmara..............
no pago da cmara, Joo Inorino Arrouxellas Galvld....
Pooseea 4-Ahra.....*...-......\i
Administradores da massa fallida de
Amorira, Fragoso, Santo* S .....
Tuso & Irmaos....................
Armtoio Pessoa de Alboquerqae......
A cmara municipal deala cidade___
Administradores da massa fallida de
Pedro da Silva Reg............... 200*000
ENGLISH BANK
Of Rio- de Janeiro Limited
Descoma letras da praja taia a con-
Tenciooar.
Recebe dioheiro
praso H*o.
Saca vista ou praso sobre as cidades
pnnoi.iaes de Europa, tem.ageaciai na Ba-
hi,i, Buenos-Ayres, Montevideo, New-York
e New-Orleans, e imitte carLas de crdito,
em coata corrtnte e a
Largo do Pelourioho n. 7.
Novo banco de Pernambnco
em liquidado
Os possuidores de notas da emissio do
banco queiram quanto antes apreseatal-as
ao troco.
ALFANDEGA.
riendimaoto do lia i a i5.........
ideei do di 15..............
Mivimento da alfandega.
Votantes entrados com fazendas...
c gneros....
Volames sahidos com fazeodai...
1 t feneros....
Mello, negociante, Yereador ; Joo Jos Gaspar, no- mpem
gociaaie ; Jaio Vctor Cheiros, negociante ; Joao Pir_a ( mebw
Barbosa Ferreira Saropaio, lente ; Mauoel J01-
qoim da Fonseca, lente, collecior; Francisco
I'ineo Gomes Corre, negociante; liaooel J .nqoin
Rodrigues, commercianie ; Alvaro Pereira de Cr-
vilbo, negociante; Francisco Antonio de Vascon-
cellos, caixeiro ; Jos Joaqun R.bairo da Silva,
negociante ; Jos Januarto Ribeiro, raarcioeiro ;
Sabino lien ijue da Luz, alfares ; Fraacisob de
Sals Araoj.>, lenle, negociante; Migual Riy-
mundo Mandes, legociaaie ; Trajaoo Aaguito B^n-
deira da Hallo, negociante ; Alexaudra L->pes de
Araujo, negociante ; Jos Pereira da R.-chi, oarl-
ves ; Jofi Feliciaao Bezerra, uorteiro da cmara ,
Antonio Lma do Espirito Sioto, Uiniel Joo de
Soasa, ourives ; Lu z Miguel Hibe ro, negociante ;
Mauoel Francisco Pires, carpik; Miguel Lobo da
Miranda ; Leopoldo Jos Serra ; Mauoel Caudido
Rodrignes, commandaote do destacamento ; Joao
Francisco da Luz, aliares, la bellico pubUco ; Joo
Uennque da Luz lente rcformaJo ; Mano.l Cae-
uno Martias, aegoeUnts; 3abioo Sidonio de Sa
V'iauna, caixeiro; Antonio Manoel Madureira, cai-
xeiro ; Antonio Cierneuiin) da Fonseca, caixeiro;
Jos Aatoaio da Silva Pereira a Souza, secretario
da cmara e eapito da guarda nacional de reser-
va ; Jos Antonio da Silva Rjs, niROcianH; Der-
nardmo Frreira dos Santos, caixeiro; Jjiqaim
Viadio da Fonseca, teaente, lavrador; Alezn Iri
00 Jos Correa ; Femando Antonio Cirra ; nego-
ciante ; Joaquim Bruno Ramos, caixeiro ; Francis-
co Heurtqae Googalves, negociante ; J jo l'sao ju-
co Cordeiro, ourivas ; IJ je, negociante; Leocadio Alenndripo-"Gingives,
alferes negociante; Antonio, flarmogenes Triaca,
capio ; Francisco AI5SS 3os Santos Catneire, ne
gaciaote i Aj*iul"Corroa Pjssoi de Va^concello*,
iest-', empregado publico ; Liiz Googalves Pe-
reira, lavrador; Manbel P.mo Ferreira Vianna,
negociante; Joaqulra lo-. Teixeira; Jis Pinto
Ferreira Vianna, uegociante ; Eusebio Aotomo Soa-
res ; Aotomo da Silva Ribero, caixeiro ; Joo Al-
ves droelio ; Raymunde Nonato Ferreira, alferes,
negociante ; Rayraundo Leocadio Almelda, ealxei
ro ; Raymnndo Jos da Suva ; Cyoriano Jos Fer-
reira; cooego Joaqoim Flix da Rocba; Frederieo
Aug-to Piabeiro Lisboa, c.ipito, delegado de po-
lica ; Francisco Juslialano Piobeiro Lisboa, teoen-
te-p.oronel; Joao Lipes de Soaza, alferes; Jas
MarceUioo de Saropaio, pbar jjaoeunco ; Aatonio
Cesar de Aztvedo; Jos da Silva M>iH, lente,
lavrador ; Joo Bptista de Moraes Rgo, eapito
reformad), lavrador ; Alex-.nJre de Moraes Ite.'i',
eapito, empregado publico ; Antonio Elaardo. da
Berredo, lavrador; Jos da silva Molla Jnior, es-
todaote ; Alvaro Cesar de Berredo ; Manoe Viris-
DECLIBiCOIS.
P.la subdelegada do segundo districto do termo
da Etcada foi preso pela madrugada do da 12 des-
te mex am iadividao qae diz cbamar-se Jos Ao-
io i da'Siiva, o ojmI eooduza tres cavalias que
nao re.ta duvida da serem furtados, sendo nm ala
jan canto, am mellado clare e oulro russo aojo e
pequeo : qaem se julgar com direito a elles com-
mesroa aubdekgacia, que jastiBcando o
173:696*1 O
li:o3\|WJ
188:219*573
21
268
290
simo de Moraes Reg, lavrador; Claudio Mariaoo
Caoianbede; Cesar Augusto de Moraes Reg, nego-
cian^ ; Jos Joo Pioheiro Pinto, alferes, lavrador;
Joao Bpipbaneo Pioheiro Piolo, lavrador; 11 y
mundo Alexandrino Minios Bolco, lavraior;
Joo Braulio Martias, nrgociaale; Fernando Hooo
rio Cintra ; Ezequiel Ju-'.muao Cantanbede, lavra-
dor ; Jjo Antonio Marques Ferreira, laviador ;
Joo Ildefonso Brando, lavrador; Tnngo da Silva
Rifteiro, negociante ; Francisco Antonio da Souza,
lavrador ; Rosioe Antonio Bezerra, dem ; Jos Ca
menllno Bezerra, alferes, lavrador ; IViymuul>
Nonato Ribeiro, eapito, negociante ; Joo Francis-
co de Asis Cardse, alferes, empregado publico ;
Raymondo Jos Mendes, lenle, lavrador e
criador; Raymundo Nogueira da Cruz e Castro,
majar, vereador; Custodio J.- de Castro, m da guarda nac mal, jutz da paz do 3 anno, lavra
dor ;Cassiaao Ant nio Mariios, alfere>; Jos Sin
miaao CirJoso, eapito, 1* juiz de paz e subd-le-
gado de polica ; Antonio Francisco de Souza Gm-
galves ; Sebaslio Jos Pereira de Castro Sobriubo,
coronel corarjiandanle superior, lavrador; Fortuna-
to Jos da Costa, leoenle, negociante; B-rnardino
Sanchos Pereira de Castro, major ; J>- Osorio Ma-
dail, lavrador ; Joaqoim Jos Nuoes Paes, tenle,
lavraior,; Miguel Araujo Nuues Paes, lavrador ;
Wenceslao Puelomeno Nuaes Paes, lavrador ; Se-
vero Ferreira Barbosa, capitio, lavrador ; Joo
BapUsta Rodrigues, alferes, negociante.
(Esiavam selladas e reconhec.das as Qrmas.)
Grande e importante deseoberta.
Fez-se urna grande e importante deseo-
berta, as eminentes qnalidades medidoaes
da anacahuite, arvore esta que cresce as
imraediaQoes de Tara^ico, no Mxico. O
peitoral de anacahuita, composto e prepara-
do com o balsmico sueco da dita arvore,
tem enchido o mundo de espanto e admira-
cao. Os proprios mlicos confes^am, que
nunca se loes-havia entrado na idea, de que
se podesse extranir de nenhum producto da
ierra, um especico tSo maravilooso e cm-
plelo para a cuia das enfermidades di gar-
ganta e dos org5os da respiracSo, A tos;e
de um carcter o mais confirmado e violen-
to, desapparece so ti a sua mgica infi jenoia,
deairo em poacus dias, e s vezes mesmo
dentro d'algumas horas, de*.os de se hiver
tomado orna garrdfa do mesmo. A ruuqui-
dao pur mais cavernosa e profunda qae seja
prompt3meute desvanece e a voz dentro em
pouco recobra e adquire toda a s.a costama-
da clareza c scn.ri iade As bronebites se
a hvam mediante o seu oso. Cura os pul-
roes (eridos e inflam na lus. Os que pade-
cem de asilima principiam por respirar com
desafogo e regular.dade, lugo depuis de se
aver tomado as primen as doses. O catar-
rbo declarado incuravel desapparece de or-
dinal io ao cabo de urna semana. Emfim a
sua execlleecia e grande elficacia, d3o leve,
nao tem e nem lera igual por meio de todas
as mais medicinas tendentes ao mesmo fim.
Vende-j>e as pharmactas de A-.Caors
Barbusa. C, J. da Gooceico Bravo & C ,
M. A. Barbosa, P. Maurer Ce Bartn olo-
meu &G.
UUWUJ. i fM,1 ,1 '!'i"i'"TnT3p|Paqgf.
COIMERCIO.
Descarregam boje 17 de Janeiro
Brigue iagiezLuz'fun'a mercadorias.
Brigue portuguezConslantt 11lagedo.
Barca igiezaSea Qucen carvao,
Brizne iugiezAlun iJera.
Barca me.kelemburgaflQa Vem obenftldl
iden, ,
Pi'ietio holstensoaria eharqae.
Patacho hespaahol/nio-idem.
RECEBSURiA K RENDAS INTERNAS
GERAES
ileadimealo io dia 1 a 15.......... 11:61787I
dem do dia 16................. 572*640
12:220*311
CONSULADO PROVINCIAL
rteedimento do dia la 13........ 77:511*038
[dea' do di 16.............. 4:000*917
81:841*975
U-J'J*
M0YIBIETO 110 POETO
Navios entrados no dia 16.
Terra-Nova-31 das, brigue inglez Grecia*, de 140
toneladas, eapito Charles Leib, equipagem 8,
carga 2114 barricas com bacaibu; a J. A. Thon.
Goianna8 h iras, vapor brasileiro Paroliyba, de
104 toneladas, commaodante Mello, equipagem
20, em la-tro ; a companbia Peraambucasa e 1
escravo a entregar.
Navios sahtdos no mesmo dia.
Uahiapatacho inglez Xtntiius, cap tro Morgan,
carga parle dajue trouxe de Antuerpia.
Liverpool pela Parahyba-brca hamburgoeza Ma-
rta Heles, eapito F. H. C Branett, carga assu-
cr.
R'o da Pratapatacho brasileiro Bemflca, capitao
Mauoel Vieira das Naves, carga assucar.
Para*patacho brasileiro Fofanfe, capilio Francis-
co Alvss Vianna, carga assncar e ontroa gene-
ros.

EDITAES.
PAgA DO REC1FE 16 DE Ja.iEIRO
DE 1868.
CeUeets officiafs ia junta t corrwerM
As x, horas da tarde,
(fioo tem)
Assoear maseavadode Macelo-2*750 por arrob
posto a bordo.
Algodio de Maeei Ia sorte 7*300 por arroba
posto a bordo.
Frete de assoear paraNeir-Toik-Wf por tonela-
da e 6 0,0
Jos de Aqnino Fonseca
Presidente.
Beroardieo de VaseenceHos
Pelo secretario.
Caia filial do ban o 4o Brasil em
Peraamboco
De ordemda directorJa ao f.z publico, que o Ihe-
snnraiio respectivo paga o SS dividendo das ae-
colado banco d> Baanl. lo ja usadas nesta caixa
oa raza > 10* por asciw^n,
Rccife 1*U janer^ de 1858 ,.
O guarda Jivroe
Ignacio Nones Crrela.
Commando de armas.
Quartal do commando do batlbao de artilharia
da guarda nacional do municipio de Recite,
aqaart-lad no Hospiciplo era 15 de Janeiro
de 1868.
Faco sab-r aos guardas qaeionaes designados
para o servico da guerra, cojos noraes tem sido
publicados, que nos das 18, 17 e 18 do correal,
devem se ap-'eseutar nesta qaartel. as 11 horas da
manlia, am de serem inspeccionados, sendo re-
comidos presos, e tilos como desertores os qoe nao
caraprlrem a presente ordena.
Decio d'Aqnino Fonseca,
Tenente-coronel commaodante.
Alexandrino Martins Correa de Barro?, tenente-co-
ronel commaodante do 6.a balalho da guarda
naclonM do municipio do Recife por sua magas
tale o I operador, que Daos guarde etc.
Faco saber aos guardas niciooaes abaixo deca
rados, que se acham desigoados para o servico da
guerra, em vlrtude do que se devero apresenlar
oeste quariel deairo de tras dias para serem ins-
er pos.
Adeltno Ildefonso de Siqueira Albuqaerque, Do
miogos Cavalcant'de Soa aLeo, Franeisoo Trln-
daoe das :nag^s, Jos Luiz Cavalcaot de Oliveira,
Joaquim Severiano Nery, Joo Pnelisieu Moreira
da Costa, Jjaquira Nomariano de Mello, Cosme de
Abren Miced>, Bamvennto Buarque Cavalcanti de
Albaquerqoe, Carlos Pinto de Lemos, Manoel Joa-
qoim Rasnos e Siva Jnior, Jos Ferreira Bailar,
Felisberto Ferreira de Oliveira, Manoel Cavalcanti
de Albuquerque Mello, Jos Rodrigues Uampello,
Joo Cavilcanti Lampnha Los, Belisario de Ho-
landa Cavalcanli do Reg Barros, Jos de Borja
Buarque,
Qaartel das Cinco-Ponti?, 13 de Janeiro de 1868.
___ Alexandrino Mariins Correa de Ba/ros.
Perante a cmara mnnicipal dasta dade, es
tara' em praca em os das 17, 20 e 22 do corrate,
para ser arrematada per qaem menor preco uff re
cer, a pbra do maro de eaeosto do lado do nasceo-
te da estrada do maudooro publico da Cabanga,
oreada na qoantia de 6:100*, sob as segrales con-
dicSea especian:
1.* A obra eomecara' dentro de qaioze dias, de-
pois de assignado o termo de contrato e concluida
no prazo de quatro mezes depols de comecada.
2.a No caso qoe o arremalaniA Mtn a primeira
coodico pagara' orna molla de 500*000, bcando o
coniraio de nenhum valor no primeiro cato, sendo
concluida a obra por adminitracao no segundo, a
custa do arrematante.
3.a O arrematante dar' fiador idneo.
4.a O pagamento sera' feito em tres prestaedes
itioaes : o 1* depois qae a obra estver no meio; o
2a qaan io se acbar ella acabada; e o 3a tres mezes
depois, ficando o arremataole respoo-av-l pela de-
tenoracao qua neaantenapo posea apparecer. .
Oa preleo denles a data arremalaco podem com-
parecer em os das indicados no paco da cmara,
munidos de soas Sancas qoe sarao apreseoiadas
ura da antes na respectiva secretaria, onde acba-
roo tro.ment para consultar.
Pca da cmara municipal ao Recife, 15 de Ja-
neiro de 18C8.
Laiz Jo- Pereira Simoes,
Pr-prasideele. -..
Francisco Canato Secretario.
Peranle a cmara innnir.ipal desta ida 'e,
esUra' em praea nos dia* 17, 20 e 22 do eorreotfl,
para ser arremal da por qaem menoi preco off-
roear, a ebra do reparo e aperfeiceanaaoto do ce-
milano da frefoezia dn Sanio Amaro de JaboaUo,
avilada em 2:420* 00, sob as condlcoos espe-
ciaos segrales :
1.* A obrados reparo* aperfeicoamento do ce-
miUrio referido principiara' denire on M das, de-
pois da assignado o respectivo termo de coc'.raio,
sera' ct'QCluida no praxo de quatro nwtea depois de
cumec*da.
2.a No caso da qoe o arrematante nao compra a
primeva e segonna pan- da con i Icao ai ira a paga-
ra" ama multa da 4 aenbnm valor ao prioeiro ca- o, sendo conclnida a
obra or conla it O arrematante) dar'fiador idneo*- a
4.a O pagameato sera' eito em irea preslaeSas
iiaaeau: n.1* qonJn a obra esiiwr no meio; a
Ia qaando te acbar acabada; e a >irei mezes de-
-----------------------------------:-----------1-----------1------r-
Caetano Francisco de Barros Wander-
531557
32*000
7i*)O0
47*234
awoo
54*000
40*000
1039540
44*741
Os mesmos.,
Andr de Abru Porto.............
Joio da Canha Reis.................
Antonio dos Santos de Siqueira Ca val-
cante ...........................
Joao Jos.Alves de Oliveira..........
D. Mariana Francisca de Jesas......
Aotooio da Barros Correa...........
Francisco Cavalcaote de Souza Lelo e
D. Mara Cavalcaote Oe Souz. Leo.
Jos Cosario de Mello...............
Dr. Francisco Leite Bittencoorl Sam-
paio............................
r*rancisco Marques da Fonseca......
Manoel Gomes da Canha............
Francisco Cavalcaote do Souza Leo.
pareca na
dominio Ihe serio entretOeS.
Viila, da Escada, 13 de jinairo de 18S8.-0 sob Y'S,*1 e .^rdeiros de Jos Higino de
delegado supplente ern exercloto,
______Alezandre da Molla Canto.
380*061
140*010
22*766
74*246
24*565
43*095
134*067
230*696
113*370
108*904
21*363
71*362
133*647
it7*W5
liba de S. Miguel
A barca porlogneza Parary, tem a malor parte
do seo carregamento prorapto e para o resto e pas-
sageiroi, paraos quaes tem bellos,cpmmodos .tra-
ale eom o-seo eonsigaataMo Joao flo Reg Lima
a roa do Apollo e. 4.
Para Lisboa
Val sahir com brevidade a barca porlogneza
Pereira Borges, por ter am grande parte da soa
carga prompia, par o restaote e passageiros Ira-
Use com Oliveira Fi|bq*4.c, largo do Corpo
Santo q. 19, oacom o eapita na praca do com-
merclo.

fl

Para o Porto
C-sulado provincial
Pela mesa de consulado provincial sa faz publi-
co qae oa dia 20 do correla mez se principiam a
contar os 30 das olis marcados para a cobranc*
a' bocea do cofre das impeatos de 4 0(0 sobre os
estabelecimentos de eommercio tora da cidade,
prensas de algodo, typographias, eocbeiras, bolo-
huios, ticis, casas de pasto, cavallarias e fabri-
cas de 8 0|0 sabr consultorios mdicos e cirur-
gicos, car torios e e-criptonos; do 20 OjO sbreos
esUDeleciraentos de eommercio em grosso e a re-
taibo, arraazeos de recolhar, de depsitos e trapi-
ches ; de 50* por casa de modas ; de 30*009 por
casa de bilhar; de 100* por casa de vender roa-
pa, sel ios e obras de marcmeiria fabricadas em
paiz estrangeiro, de conpra e venda de escra'os
por eada corrator commercial e agentes de leilo,
de 1:000* por casa de operac5 bancarias com
emissSea e previlegras ; de 400* por casa de ope-
racoes bancarias com eraieso e sem pravilegios,
companbias aoooymas e agencias ; de 2C0* por
casa de cambio ; de 31* por escravo empregado
em servico de aUarenga ; de 1 0|0 por tonelada
de alvarengasro canoas abenas ; de 5* por escra-
vo Ranbador, o--por lote, saveiro ou balieira; de
tp*j)Ot cavall. de aluiiael; 5* por cavallo d*
sella particular ;"de 50|0 pela venda do eapim de
planta, e o de carros, earrocas e mnibus perteo-
centff ao anao liaanceiro de <87 a 1868, e tam-
bem o 1 semestre do imposto da 20 0,0 do consu
mo de agurdenle : sujailaodo-se a malta de 6 0L0
todos os dbitos que forera pagos depols de fiodo
os ditos 30 dias.
Mesa do consolado provincial 13 de Janeiro de
1868.
Francisco Amynthas de Camino Moura
__________________Admioistrador.
Pela secretaria da Santa Casa de Misericor-
dia do Recife se faz scente a qnem iRleressar, qae
no dia 20 de Janeiro correte, pelas 10 horas da
maeha no saleo da casa dos expoMos tara' o Illm.
Sr. ihesoureiro eapito Vicente de Paula e Olivei-
ra Villas-boa*, pagamento das mensalidades ven-
cidas de ootubro a dzembro de 1867, as amas
queeondazirem as craaocas que Ibes foram con-
fiadas para crear.
Secretaria da Santa Casa do Recife, 2 de Janeiro
de 1868.
O escrlvio,
Pedro Rodrigues de Soaza.
Pela repartieao da pelicia se faz pnbliea, qne
foi preso e recolbido a casa de deteneo como sus-
peito de ser escravo e andar (agido o preto africa-
no de noroe Miguel, que representa ter 43 a 5o au-
no, mais ou menos, de Idade.
Qaem, pois, se julgar com direito a elle compa-
rece na mesma repartico com os litlos compro-
batorios do seu dominio, para Ihe ser entregue.
Secretaria da polica de Pernambuco, 14 de Ja-
neiro de 1868.
O secretarlo.
Eduardo de Barros Falcas de Lacerda.
De ordem de Illa. Sr. inspector da ihesoora-
ria de faz-rala desia provincia se faz publico a
quem interesar, que no da 17 do correle mez,
se pagaro na mesma Ibesouraria as pensoes do
Monte Po Geral dos servidores do estado.
Secretaria da mes airara de fazeada de Pernam-
buco, 15 de Janeiro de 1868.
O offlcial-roaior.
Manoel Mamede da Silva Costa.
Santa Casa da Miserieorda
do Recife.
AI lima, junta administrativa da Santa Casa d
Misericordia do Recife manda fazer publico qua
aa alada soas sessaes. no dia 23 de Janeiro p. pe-
las 4 horas da tarde tem da ser arrematadas La
quem mais vantageas oflerecer pelo tempo de um
a tres annos as rendas dos predios em seguida
declarados:
Estabelecimentos ?!e caridad*.
Roa do Padre Floriano.
Casa terrea n. 17.......186*000
Ra larga do Rosarlo.
Terceiro andar do sobrado n. 24 301*000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 25........ 19**000
Roa da Moeda.
Pnmeiro andar do sobrado n. 37 9o*^00
Segundo andar dem...... 965900
Lola idem.........120*0(0
Ra da Cadeia do Recife.
Sobrado de om andar n. 63 2:001*000
Ra da Madre de Deas.
Casa terrea d. 12...... 703*000
Roa do Amorira.
Casa terrea n. 26...... 60*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 104...... 180*000
Patrim*iiie de orphos
Rna do Vigario.
Primeiro andar do sobrado o. 27 181*000
Ra da Ponte Velba.
Casa terrea n. 29...... 100*'.;00
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 99.......256*000
dem n. 94.........201*000
Sitio n. 5 no Forno da Cal. 150*00(
As arremalacdes sarao faltas pelo tempo dente
a tres annos, devendo os licitantes viren) acom-
paabados de seus fiadores oa munidos db cartas
destes.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
rteeife 22 de dezembro de 1857.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza
Miranda
Antonio Jos de Figueiredo......... 28'*87a
Bacharel Joaqoim El viro de Mcraes
Carvalho........................ 82 928
D. Mara Eulalia Cavalcanld Wander-
ley............................... 30*0T0
Recebedoria de Pernambuco, 18 de dezeabio
de 1867.
O administrador.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
AVISO
D'ora em diante podem ser enviados pelos pa-
quetes a vapor da Real Compaohia Britnoica, para
qoasi todas as parles do mando ; cartas, joroaes,
livros, amostras de mercadorias, etc., pagndose
previamente oeste consolada>o respectivo frete em
dinheiro ou por meio de sellos do cerrera britaooi-
co. Para o reino de Portugal sonote podem ser
pagos de ante-mo, as cartas sendo o porte qnatro
peooies por cada quarto de onca (dnas otavas) em
dinheiro esterrino oa sen valor.
Tambera se conceden ordens para dinheiro, nio
excedendo de 10 libras esterlinas cada orna, so-
bre qualquer dos principies correios da Graa
B'elanba e Irlanda mediante orna commissao con-
forme a tabella segaiole. Ess ordens podem ser
pagas em soberanos oa o sea valor em moeda
correle deste imperio.
ORDENS PARA DINHEIRO.
Para as qaantias nao exrodeado 2...
i de 2 ale 5...
de5at 7...
> de 7 at 10...
Sen. Pen.
0 9
1 6
2 3
3 0
em Pernambuco, 12 de
Consalado britannlco
dezembro de 1867.
Beuttnck W. Doy'e,
Consnl de S. M. B. e agente do correio bntannico.
Notice,
Lellers, newpapers, Book-parcels, Samples of
Merchandize. Paiterns, etc., roay now be ssnt by
tha British Mail Patkels to raeariy :-ll parts of the
World, and can be prepaid at this OfhVe eliher in
Ooney or by meaos of ef Brlti-h Postage Stamps.
Lellers onlif can be prepaid f, r the Kingdom
of Portugal. Toe Brltlsh sea-rates o o lellers for
Porlogal, is feur pBBce fer eacb quarter ot and
oounce-ftwe oitavar).
Money Orders.
Are also issued at ibis consoixte on any of Ihe
principal Posl Offices lo Great Britaln aod Ire-
laod at tha lollow nz rale ni comnvsirin.
sereno dia 20 a galera porlogneza Nova Fama
II, reeebe passageiros, aos quaes or-rece exeel -
leales commodos : a iratar com Cunba Iroiaos Cr, rna da Madre de Dos n. 34.__________
COMPAA PERNaWBCM
I
Navegaco costeira por vapor.
Goianns.
vapor Parahyba, Commao-
dante Mello, seguir' para o por
lo acia a no dia 18 d correte as
0 horas da noite. Recebe carga,
eneommendas passageiros e di-
nheiro a fete, do escnptfio do Forte do Malos
n. i.
Y
% \\


LEILOES.

De 2 casas terreas de taipa silas na Ca-
laiig no lugar Barreirdg.
Cordeiro SimSes
a" reqoeriroento do Hermeneeildn Eduardo do Re-
g Monteire por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz
de orpbaos vender' m leil-c as duas casas ter-
reas cima desrriptas squestradas por fallecimen-
to de Minool Joo Coelho, isto
do-je
as II horas, a portado predio que fui a Associa-
cao Commercial.

\
/ 00 a M a a O 9b a a "o No Siogle.
1 o 1 '-1 ^ *J sis t5| x u. a
SI 1 ** IlSH al^
o 1 S < < < "2
t- ------- ^a.*aaa^ % 5? o
f s d s d s d s d SciaSH
1 0. 9. 1. 6. i. 3 3. 0. o
Payujoois for Money Os aay be made ei
ther in Sovereigns or Ibeir eqnivalenl in the PM
per Moaey of the Empire, at tbe current rale of
Ezcbange.
Brltsh Consulale.
Pernambuco 12 de dezemher de 1867.
Beullnc k. W. Hovie.
11. B. Ms. Cnsul & Brilisn Packel agente.
AVISOS MAfiiTIMOS
COMPAOHIA BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte espera-
do al o da 2 de fevereiro o
vapor Paran, commandaote
o capiao lente Jo- Ray
mundo de Faria, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir' para os pertcs do sol.
Desde ja se reeebem passageiros e engsja-se a
carga qae o vapor poder condazir a qaal derera
ser embarcada ne da da soa ebegada, encommen-
das e diobairo a frete at ao da da sua sabida as
2 horas. Previoese aosSrs. passageiros qnasuas
p.-i-sagens s se reeebem cesta agencia ra ds
Cruz n. 57, primeiro andar, escriptorlo de Anto-
nio Laiz de Oliveira Azevedo & C.
OTAMI1V BRASILEA
Paquetes a vapor

O Illm. Sr. Inspector da tnesonraria de fa-
zboda desta provincia manda fazer publico qne ti-
ca marcado o dia 27 de Janeiro prximo vindonro
para o concurso a qoe se tem de proceder nesta
ihesonraria para preenebimeolo das vagas de pra-
ucaotes existentes nesta repartico. Os exames
versarn sobre as materias seguales; leitura, aoa-
lyse grarnmatlcal e ortbograpbia.arithmenea e soas
applica;5es ao eommercio com especialidade a re-
ducao de raoedas, pesos e medidas, clculos de
descont, juros simple e comptalos, (Peona de
cambios e soas appllcacoes.
Os concurrentes devero previamente apresenlar
seus requerimeotos iostroides de documentos que
provem idade cempleta de dexoito aooos, isenco
de pena e cnlpa e bnm procedimeoto, na forma da
art. 3* do decreto n. 2,549 de 14 de margo de
1860.
Secretaria da tbesoararia de faienda de Per-
nambnco, em 8 de dezembro de 1867.
Servindo de offlcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Pala reeebedoria de rendas interna* geraes
se faa publico, qae qc3 marcado o praso de tnnta
das para virem pagar a dizitna de cbancellaria,
averbada as pessoas a baixo mencionadas, fiodo o
qual aa promover' a cobran? execativa :-
Dr. Antonio Joaqoim Ayres do Nasci-
menio, curador dos menores Ma-
noel e lunez.................. 100*000
Hoeda, Medalros & C, e Manoel Fer-
reira de Medeires................ 1:446*552,
Curadores Bseaes da massa fallida de
Pedro *a Silva Reg............. 201**10;
Emento Aigosto Mangaba da Suva.. 111*050
Jos AntoowLopes................. 28*)35
Adpwnislradores da massa fallida de
Joaqoim wt, da SH va............ SM*094
Laiz Antonio Vieira eootros....... U:90Uf0O7
noel Joaqqtm do Reg e AlbnqBer-
Je, toioc da manar ti ha de 'Manoel
ouvi de Soaza................ 122*953
Dos porto* do sul esperado
at o dia 22 do correte nm dos
vapores da companbia, o qual de-
pois da demora do costume te-
guira' para os portos do norte<
Recebem-se-desde ja passageiros e engaia-se a
carga qoe o vapor poder condiuir a qual devera'
ser embarcada no da de sua ehegada, eBCoromen-
das e diobeiro a frete at o dia da sabida as 2 ho
ras. Previne se aos Srs. passageiros qoe sua.-
passagens s se reeebem nesia agencia rna ds
Cruz n. 57, 1 andar, escripioro de Antonio Lnit
de Oliveira Azevedo A C
Para,
Segoecom brevidade o hiate Lindo Paquete, ea-
pito e pratico Francisco Ribeiro Barros ; pdu
admillir oda algoma cargt, qne se trata com o
sen consignatario Antonio de Almeja Gomes, na
ra da Cruz n. 23, i" andar. ______
. Para o Rio Grande do Su sahlra' sem maior
demora por t^r alloma carga prompta a b.ro
brasileira Pombtnka, eapito Joaqoim Bernardes
de Sinza ; recobe alguma carga a frete : para
iratar no escnplorio de Amorim Irruios, rna da
Cruz n. i.
! Para o Rio de Janeiro segne com brevidade
o patacho brsileiro Grac* c*pilo Antonio lveo
da Silva ; tem prompu parte da carga, e reeebe
rasto a frei, para o qoe trat se no eseriptoris
pe Amonm irraaos, roa da Crnx n. 3.
Para o Forto
signe com a posslvel brevidade por ter. soa estiva
encajada o brfgne portogoez Triumpho : para car-
ga e passageiros traa se' com os consignatarios
Tbomax de Aquioo Fonseca & C, na do Vigario
n 19,1* andar.__________________________
rara Listoa
Segne sem demora o brigao portogoez Cone-
tante If, por se acbar com grande parte da sos
carga promata, para o restante e passageiros ira-
ta-se com Oliveira Filos & C, largo do Corpo
Santo a. 19, ou coa o eapito na praea do eom-
mercio.
De balieira e bote.
A 20 do correte
O agente Oliveira fara' leilo por ordem do Sr.
cnsul de S. M. Briaonica e coota e risco de
quera pertencar, da u ua balieira e um bot*, sal
vado da barca iegleza tSarah de Sunderland,
eapito Jobn stab-ll.
Segnnda-feiri 21 do correle'
ao meio dia em poni, junto a rampa de embar-
que e desembarque, largo em freole a Assoclaco
Commercial Beueflcenie.
TWixi-ji.j.i ju -1"1 Ba.'.ipyjiugjgR.a
AVISOS DIVERSOS.
aa w -n m m
FElTOR.
Precisa-se de um honiem, que entenda
de jardim e de plantas, para uta sitio em
Olinda, preferindo-se portoguez: nesta ty-
pograpbia._____________
lusUtuio A re Iieo lgico e Geograpaico>
einuiibucaiio.
Temi o Instituio Archeologico e Geogra-
phico Pemambucano de celebrar o sexto
anniversario da sua fundafao do dia 27 do
correte Janeiro, pela urna hora da tarde,
no sallo da bibltoiheca publica provincial,
no convento ce Nossa Senbora do Carmo,
s5o convidados para similhante effeito em
assembla geral todos os socios que se acha-
rem no Uecife,eleclivos, hnorarios e
correspondentes.
N5o couhecendo o instituto a sede das
differerites associacSes litterarias, scientifi-
cas, artsticas e de beneficencia qoe extstem
nesia cidadde, tem a honra de convidar pelo
presente edital a cada urna de taes associa-
ces a assistT solemnidade do dia 27, ou
a fazer-se abi representar,
E para coeliecimento das corporaces ou
pessoas que tiverem de ornar a sess5o com
a sua palavra aulhorisada,. aqui se transcre-
ve a ultima parte do arl. 28 do regiment
do instituto :
Se na sala exlslem socios ou pessoas
outras que desejam ler algumas memorias
interessantes, parlicipam-no ao secretario
perpetuo, para este previoir ao presidente,
o qual d a palavra aos autores das memo-
rias ; a leitura de cada urna das quaes n3o
pode esiender-se alcm de mfia hora. Po-
rm neiibuma memoria ou trabalho pode ser
apresentado e lido em sess" publica, sem
que ames seja submeltido a urna commiss5o
de exame, para isso Domeada, a qual tem
voto decisivo sobre a conveniencia ou in-
conveniencia da leitura.
Acha-se c m effeito romeada a comm'ssa'o
prescripti; e as memorias ou trabalhos des-
tinados a sertm lnk.s, devero ser enviados
ao secretario perpetuo at o dia 23, depois
do q'ial o5o poder a commissao respectiva
examina-los.
Secretaria do Instituto, 14 de Janeiro de
1868.
J. So3res de Azevedo,
______________Secretarlo perpetuo.
Preparatorios para a Facul-
dade de Direito.
Jos Soares de Azevedo, profesor do
liogua e litteratura nacional no Gymn?sio
Provincial do Recife, tem aberto em sua ca-
sa, rna Bella n. 37:
Um cnrs de Mngoa Franeeza;
de Geagraphta e Historia ;
de Hi'.eoiiM e Potica ;
de Phlloiuphia.
Os estudantes que quizerem prepararse
em qualquer destas disciplinas, pdem di-
rigir-se indicada residencia, de manos at
s 9 hora, e de tarde a qoalquer Lora.
de nm menino
a iratar no


-t-
i
7
*

i!

Porto
Pretende seguir eom a maior brevidade ntsef-
vel a barca portagoeta Soctal, por ter a maier
'parte de sen car regenlo engajado, para o reato
e p****gftro*e para os qaaes tem bonseommodos
trat-e eom i> eoaipnaiano Joaqoim Jo* Gon-
eale BeHrfls roa do Trapiche d. 17 on eom
capiao. i
Precisa-se, com orgencl,
portogoez para caixeiro de taberna
pateo do Terco n. H. _____
Precisa-se de un ama para cosinhar e con).
prar : na roa de Hjtus n. 7.
Alnga-se urna aacrava qne faz os servicos
de urna casa, tanto interno como exferno ; a ira-
lar na roa da Matnt da Boa Vista, sobrado a. 36,
! andar._____________
Arrenda-se nm sitio no logar dos Afiotos
com casa de pera e cal e outra mais peqaeoa na
frente da estrada, com orna cacimba e dous p. coa
de agna boa de beber, v*rue~ arvores de froeio e
rias batas plantadas de capim : trata se na loja .
da roa do Crespo u. 1.
Pelos dias santos da frsti fugio deste enge- -un:< t
nbo-Cilifornia do termo de Serlohem, a eseravft
Catbarina, de pei.iio d'Angola, com 40 annos pon-
oo mais on meos dn idade, mediana estatura, se-
ca do corpo, eom falla de denlas a ireote, lalia
om tanto dengosa, ps peonnos chelos de rravos
qne a rbriga a andar ainaqoejando, e tambem so- '.
fre do calor e Bgad-t oas m.>s. qoem a irmier
a estueoB'Ohe .er* hm on oor s*n Mih'ir.
OLHEM TODOS
Pede sea nm empregado de cerfa repartico o
faror de rr pagar o concert do relogio da mesma
qne fea se no anno passado, pnis do contrario de-
ciara -se sen neme, a repartico, o mu, o da e as
condicfJes.
0 eilraageire Lelsmip.
1 MUTILADO
i,
-'.





.....- *-
w!,, jli/llllillHlll,,-,,!
Ma*l4
Trinrtpho da icieacia ediea

Fedegoso de Pernambuco
' A planta, conhecida etre nos sob a de-
noinaca'o de ftdegou, e do Rio de Janeiro
e pro incias do sal deste imperio pela de
oritta de gallo, o tiaridtum utilissimum
on tiartdium elonoatum de Scbura, e o A-
i| hotropium curassadium de Mart., pertence
familia das boragineas.
O fed-?goso considerado, na thrapeoti-
ca pernambucana, como urna dae plantas
mais recommendafeis por suas virtudes cu-
jrativaa, e applicado interna e externamen-
te, eomo calmante do systema nervoso; vi
lia
m
paralysia, astbma, tosse convulsa ou ceqne-
Era-lempo* modernos nenhum descobri- '^^a^^Sf^!!SS^'
,nto operot maior revolado no modo de "?'}n*a' i^ESS
ment
;
carar anteriormente eta voga do que o
PEITMAL
DE
'


AH AC1HUITA
Tanto no- tratameoto da
Tosse Aslhma
fhisica RoBquHf itesfriasmUs
i Bronchites,
Tosse cosvnlsa,
Bares de eto -eiaeetrrice de sangae.
Como era toda a gr.nde serie de enfermi-
dades da garganta, do peito e dos orgSos da
respiracao, que tanto atormentan e fazem
soflrer a homanidade. A maneira amiga d
corar'eoiisistia geralmente na applicado de
vesicatorios, sangras sarjar ou applicar ex-
teriormeete ungentos fortisimos compostos
tra todos os soffrioaeotos das vias respirato-
rias; sendo om excedente unitivo para
aqoees que padecem de pbtUica pulmonar.
Sua eficacia contra e ttano ou espasmo
incoatestavel, e Binguem ha que a deseo-v
aboca.
N3o ignorando nos o que acabamos de di-
zer, e esforcando-nos por ser til humanida-
! de soffredora,preparamos o que abaixo indi*
camos, pondo a disposico dos distinctos me-
i dicos, e dos doentes desta e daa entras pro-
vincias deste imperio nessas preparacbes,
que sao:
J. FERBEWA VILULA
Photographo da Angosta Ca>a Imperial
de Brasil
PREMIADO Ni. EXPOSICAO PBOVINCIAL DE PER-
NAMBCCO E NA EXPaSIfAO CENTRAL DO RIO
DE JANEIRO Effl 1866.
Tem a soa photographla, a mais a-atipa desta
provincia, na roa d-j Cabuga o.. 18, sobrado, cora
entrada pelo pateo da matriz. ,
Tira retratos par todos as' systema paotogra-
phfcos.
i Retrato? era porcelana.
Retratos em talco.
Retrato* em papel (diversos lamanhos.)
Retratos para alfloetes.
Retrato par botoes e para arflas.
Retratos para carta, em papel de escrever.
Ambrotypos coto a cores ao na toral.
RES
a 90000 a
dnzia de retratos em cartees
MI
Casa
Atorase a caa n.
ala*, 3 quartos, cor,
guiara I: a tratar na
da roa do.frinctp,
fra, cacimba
Nova o. 3.
cora 2
e botn
RA DA IJIPKtt iTRI I. 14.

; Bebafxo desea deooml
de >lSlta. j?.,T. ^ ,*T d#8ta eida<,* Teca sempr* nm -completo sortimento de pro- 0 'J- ^-!.8rf:"?:l?T"0!r'Ddo',bM,,,,e8eiBpre bl d9 9nC
no aadroi maior_arado possivel jonto cora precos maito coromodos.
a Jt ici lie n\
em extracto aleoollco, emplas-
tro, oleo, tintura, plalas, xa-
rope e violto.
A JURUBEBA ama das substancias me-
dotos ehicicos para vender, assim como quadros,
caixinhas de papel, de marroijmm, de bar* lo e da
midreperol) passe.par-ioois, alseles de onro
simples a comrooios, esmeradlas e parolas finas,
cassoietas de onro etc., apparelbos photopraphicos
que se Tendera con todos os preparo* a daado-se
a? precisas iniormaceas para se lazaren, vistas OO
retratos.
A phntojra[)hl.-i esta' aberta todos os dias.
de substancias vesicantes, aiim de prodazir!^camentosasae pertencem ao reino vegeta!
empolbas; cujos diifereotes modos de curar v6 entran na classe dos tnicos e desobstru-
entes, sendo empregada com vantagem con-
tra asfebres intermitentes acompanbadas de
. na"o f^ziam enfroquecer e diminuir as (breas
do pobre'doebte, cootribuiodo por esta for-
ma de urna maneira mws fcil e certa para' engorgitameato de figado e baco
a enfermidade a destruicSo inevltavel de sua! EIIa tem sido aplicada com incontestavel
victima? Qr
admiravel do
l'EITORtL DE A\1C4HUITA!
Em vez de irritar, murtificar e causar
inauditos soffrimentos ao doente,
calma, modiea e suaviza

victima? Qu2o 'differente pois o effeitoproveito contra a anemia onchlorose, hy-
dropesia catarrbo da beiiga, e mesmopara
excitar a menstruacSo difflcil, resultante da
mesma anemia ou chlose.

dor, aliivia a irri-
taf5o, forti-
fica o
corpo e faz com que o systema
0 ARROBE VEGETAL
E' muito snperior aos xaropes de CUISI-
NIER, e deLARRY. De facdigestao, a-
igradavel ao paladar e ao olpbato, elle cura
radicalmente, sem mercurio, todas as affec-
Ps vermfugos para lombrlgaa.
Preparaco a ibais segura para a expulsan com-
pleta das Nmbrljtas e outros vermes, seo acarre-
lar os iocooveDieotes que se tem dado com ootras
preparares. Sao de-grande aecac vermiciva,
agr.idavrfis ao paladar e compativeis com tod a as
idades e compleicSes, variando rnente na qnao-
tidade.
desaloje de urna maneira prompta e rpida c?es da Pelle' impigens alpacas tomores,
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os I u,ceras> 6aas degeneradas, escrfulas, es-
melbores votos em medicina da Europa (os i corbuto. E* sobre tudo poderoso as moles-
lentes dos colleg os da medicina de Berlim) iUas rebellles ao mercano. e ao lodurto d<>
testificam ser a exactas e verdadeiras stas, P0**881*
relacSes analgicas, e alm d'isso a experien-
cia de milbares de pessoas da America Hes-
panbola, as quaes foram caradas com este
maravjlhoso remedio, s5o mais que suffi-
cientes para sustentarera a opjnio do
Pcitaral tic Anacahaita!
Deve-se notar que este remedio se acha
inteirarneute izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em quanto que porm
alguns d'esles ltimos, e particularmeote
aqaelles qua sao dados sob a forma de opio
e acido bydrocianico, formara a base da
maior parte dos xaropes, com os quaes to
fcilmente se engaoa a credulidade do pu-
blico. A composicao de anacaboita pe.toral
acha-se linda e curiosamente engarrafada em
frascos Ja medida de cerca de meio quarti-
lho cada um, e como a dose que se toma
s de urna colher pequea: basta geralmen-
te a applicago de um ou dous frascos para
a efftCtuscao de qualquer cura.
Acba-se venda as pharmacias de A.
Caors Barbosa, J. da Gonceico Bravo i C,
P. Maurer & C, M. A. Barbosa & C. e
Bartbulomeu &C e em todas as principaes
boticas e lajas de drogas.
O Dr & A. Raposo da Cmara, medico*
tem aberto o sen escriptorlo na roa da Cdela e'
55, i* andar, onde pode ser procurado daa 9 horas
da maabia as 3 da tarde.__________________
eONFELTARIi
" > 1lHAi]tJLES-
-16'Ba da Cruz16
. Ha diariiroenle neste estahelecimenta aan sortl-
mento de doces para cb, pao-de-l, bolos ingleae*,
podios,-fianbre e tisteia de diferentes qnall
dades.
Vwhos fiaos de odas, as; qralidadea/eooear va
lleores,.c, etc. Reeevem-se enr.ommendas de
trabalbo propHos de pastelera para grande. jan-
tare?, bailes, casamento e baptlsado, havendo
para isfeDeie anilegos, b-ndejas de belinhos,
tanto de armaco como sera ella, {.-o de-l de-
corados, seecoa. e outros bolos de muitas-esneciaes
di (Te rea tes.
O dono deste estabelectmento tem resolvldo
substituir as bandejas as arma^oad de papelo e
de foiba, por armacojs de assacar, competente-
mente decoradas, tanto para a prjviocia eomo
para lora. Carao as enjommendas bem acondicio-
nadas.
Tambera oeale mesmo estabelecimento compra-se
pevlde de raelancia (ailo).
DaC^0_anre se ora novo estabelectmento cojos donos, convidara ao respei-
qalrereni honra los com ton fregue-
eneootrar bom tratameoto, grande asseio a
ue noite baverijempre cal, sorvetes cervei* etc. etc.
Aiteneo
Do engenho Arassoagy da comarca do Cabo fa-
giram em das de outubro fiado es escravos Ma-'
noel, cronlo, com os segointes sigoaes ; ombigo
bastante grande, ps pequeo?, cor ;ola, ponca
barba, odos vives, estatora mediana, ebeia do cor- facilidade e bom xito,
po, um pouco remador no andar, de 40 annos de
idada, pouco raais 00 menos, foi escravo do finado
coronel Sebai-tio Lopes Oaimaraes ; e Lodovma,
crioula, de 30 annos, poneo mais ou menos, alt?,
secca, peitoda, olhos grandes e brancos, ps finos,
e eom os toroozellos am tanto para .dentro, bucea
pequea, e tem alguma codas : roga-se a quem os capturar de os levar
ao mesmo engenbo, ou nesta cidade na roa de A-
pollo n. 30, Ia andar, que ser? generosamente
gratificados.
XAROPE DE SALSA PARRILHA DO PARA,
00
DEPURATIVO DO SAAGIE
CSADOS AS MOLESTIAS DE PELLE, IMPIGENS,
DORES RHEUMATICAS E ULCERAS VENREAS
PILULAS V\TI PERIDICAS
Coulra as febres intermitentes, oa seiies
2a^'o>i iD3 nroairt
O MULUNGU' tem acr;3o directa sobre os
centros nervosos, e por isto faz dormir sem
determinar afluencia de sangue ao cerebro
como o opio e substancias simples que delle
se extrahem, pelo que o somno tranquillo
e reparador, calma a tosse as bronchites,
e modera os accessos de astbma e de tosse
convulsa.
TODOS ESTES MEDICAMENTOS SAO PREPARADOS
POR
Joaquim d'lmeida Pinto.
PHARMACEUTI O ESI PERFAMBUGO.
Rna larga do Rosario N. 10
__________Junta] ao qnartelde licia._________
Agradec meato.
Alaga-se ama ptima cosinheira e lavadeira,
na Capunga do porto do Lacerre, qnetn precisar
tnormac3e3 dirija-se a esta ijrpograpbia das 5 ho-
ras dajarde em diante.!
B; RESTAURANT A LA CARTE
Entrada gcral roa larga do Rosario n. 37 e para familias roa
e&tieila do Rosario n. \ A
B-nmn,7*DC,scoGaTrMo 4 Hermano, proprietarios diste grande estabelecimento, col. ebegada da
auropa ao p iaeiro, tem o prairde anounclar aos seos amigos e fregoeies, qee se acbam outra vei
na mesmo eslabeleeimeota, aoclosos por ver^lodos os seus parochianos, tanto da praca como do mato e
aeoutrasproviocias. Os ik-^prietaros tem fcitftodo e pr.ssivel para saiisfazer a soa illostre eoncor-
toaveis **"" lcturi* tod* eommodidade de granoNis salas asseiados quartos por preooa ra-
.E*sa,a para ,eI,a'a de Jirna8s nacionaese estraogeiros: na mesma sala ha oa magnifico plano
Coa se a nesa redonda a la carta e manda-sa i domicilios.
Vf violtos mais fiaos do mercado cham se no estabelecimento.
A noite haaorveie e Mreseos, ca, chi e chocolate a toda a hora.
i -:s$E:fciA com CENTRADA
Ufferecese urna pessoa para esloar parti-
eolar as pnmeiras letras a ambos os sexos: a
tratar em-f ora de P rtas oa ra do Pilar n. 79,
das 4 as lioras da tarde^_____________________
PaMlsa*se de om forneiro para a eidade da
virtorHr a sratar oa Uberoa do largo do Paraizo
o. 1G. ,_. |
I TA^rec'M'"88 de um "P6"*0 *ndo e oideoado
de 400* : a tratar oa roa do Padra Floriaoo na-
mere 71. ___
Isto que peeiiincha.
Fazendas com toque de a-
?aria*
Madapolao de 103 Unoa 61.
Do da 9A dema 5*.
i Aigodotioho finoa ti.
, Dito-a 31.
; Camisas de 3*300a 25.
Balees de -a ?*.
Saias de Si-a 3.
Toalbas de 1*500a 800 rs.
Seroulas de 2*5O0-a l*30.
Enreites para cab^a de 5*a 2*.
Cbupos de copa baixa de 5*M> -a 4*.
Ma ra dos Quarteis n. 22, laja de calcado do
Vlann. ____________
Aloga-se aeasa terr. n 18 da ma' do Jas-
mlm : a tratar oa roa das Flores n. 3?, 1, andar.
Moleque
Preeisa-se de om moleqoe de It a 18 ainos da
idade para servigo de criado, que seja lal a intel-
i/eote : qaem o tiver dinja-se a ra Nova o. 19.
i' andar.____________^^
Casa nobiliaria
Aluga se por G a 12 metes, om on doos anda-
res, mallo aceiado, n'uma das pr^nelpaes roas,
com mobilia de Jacaranda' e am piano, e mobilia
completa para sala de jantar e qnartos e al ama
escrava : na ra da Cadea do Recita n. 38, segua-
do andar se lera' informacao.
Coslnkfiro
Preciaa.se de om oosiobeiro oa roa das Crazas
a. 39, hotel Peroambacano.
-J li..
. .
-"*
Preparada a'fri por Auguste Caors,
NUSMURNCa PELA ESCOLA D8 PARS E SUSSESSOR NESTA CIDADE
DB
Arlstldcs alsot e a. Stemn
M. 22 Roa da truz i\, 22.
Precisase de om feltor que enienda de jar-
dim : a iratar com Angosto F. de Oliveira, no seo
sitio da Ponte de Ucboa, ou no seo escriptorlo roa
do Trapiche d. 41
[Grande aiTiiazem de tin-1
tas medicamentos etc. |
Ra do Imperador n, 22.
Prodoctos chimico8 e pharma-
ceticos os mais empregados em \
medicina. *J
Tintas para todo o genero de pin- SI
tora e para tintnraria. j|
Productos indnstriaes" e tintas M
para flores, como botes de flores m
e modelos em gesso para imitar *>
frnctas e passaros com o compe- 3,
tente desenbo.
Productos chimicos e indnstriaes S
para pbotographia, tintoraria, pin- |
tora, pyrotecnia etc
Montado em grande escala e sup- |
[ prids directamente de Paris, Lon- 2
dres, Hambnrgo, Anvers e Lisboa
pode oSerecer prodoctos do plena H
conanea e satisfazjr qualquer en-
eommenda a grosso trato e a reta- |
8* lbo o por pre^o commodo.
mmmmm-mmmmmm
Furto.
No da 1S do correte mez, pelas 3 horas da ma-
drogada, entraram os ladreas ao primeiro aodar
do sobrado o. 7 da roa do Raogel, e peoetraodo
no gabiaete poderam levar de ama commoda a
quaotia de 2:250* em papei, e varia obras de on-
ro, a saber i i pulseira cara esmalta verde, 1 re-
logio de prata dourada coa) cada da cabellos
eocastoada em oaro, 1 aaelai com quatro dlaroan-
te*, 1 par de rosetas com daos eoraes, i dito cora
brillantinas, l mel lizo com chapa, 2 alfloetes de
peno, sendo que om lea oo ceotro ama JaXra ver-
de e o oatro de onro apenas esmaltado tarabem de
verde. Roga-ee aos 8re. carive, a qoem foram BV
reeidaa taes abras,- tf-aapprebeoder, oo outra
qoalqner-pesaoa u M lavar na referida eaea onde
mora o abanoassigaado, qoe-aromette raiiflcar
com o qae poder.
Itecife, U de tamiro de 1868.
Mrnitn das Sanios Pinheire.
Offerece-se oaaa-mulLar para atoa de casa de
5n.m.iJ,e,ro : lrM*r rn 20,3* andar.
4
Presente para meuinos.
O Alphabeto Portuguez Illustrado, con-
tendo primeiras nor;0es de religiSo, urbani-
dade e historia santa : 1 elegante volume,
com nomerosas eslampas.
!<{j() rs.
LIVRARIA FRANCEZA.
Collegio de S. Francisco
Xavier
Para educaco dos nianinos
Estabelecido na grande e bem arejada casa
onde eslava o Gymnasio, na ra do Hos-
picio n. 55, dirigido pelos padres da
cotnponhia de Jess.
O Rvd. pdre director deste collegio scieotifica
aos paes dos seos alumnos e dos demais que qui-
zerem con0ar-lh4 a edacagio do3 seus filos, que
ni da 3 de fevereiro ejmegar-io a fnneeionar to-
das as aulas deste estabelecimento, acbando-se
abertas ja' as matriculas.
Neste collegio recebara se meninos de 6 a 12
anoas para sereno educados e iosti nidos as ma-
terias preparatorias das facoldades do imperio. A
liogoa Italiana, msica e daaanao sarao eesioadas
a pedido dos pais.
Haverao meaino* internos, mel-pensionistas e
externos.
Os internos pagirBo 40* mensaes, os meio peo
cialidade ao Rvm. frei Saota Anglica, regente do sionistas 13*, e os eiteruos o* adiantados.
mesmo hospital, e ao Illm. Sr. Dr. Prxedes Go-j Os pobres sarao admitiidos graluitiwente na*
mes Pitanga o cuidado, quo se digoaram dispensar | aulas do collegio, provaodo o estado de pobreza
wmigo. com attestacio do parocho respectivo ou de ootra
Agraae^o tambem a todos os demais emprega- pessoa de f.
Para admissao dos alumnos e para quaesqoer
mineral.
Ka abaixo assigoido, sobdio portuguez, tendo
viodo da provincia da Parabyba para esta cidade
afim de fazer orna extraego caroosa ; tendo con-
seguido faze la no Hospital Portuguez com moita
veoho agradecer com espe
dos a promptido e boa vonlade com que presta
ram sens bons servidos, e pe$o-lhes que aceltem
este mto signal de reconhecimeato e gratido.
Pernambaco, 11 de jaoeiro de 1808.
Mane el Jote Pinto.
Precisvse de nena
Crespo o. 23.
Ama de leite
de hite :
ama
nar
do,
esclarecimentos trata se com o director do me.-mo
estabelecimento a qualquer hora do dia.
Albino Baptista da Rocha, relo-
joelru e doorador, na praca da lo
dependencia o. 12, laz todo e qual-
quer concert perteccente a soa
arte, assim como tem um sortimen-
to de vidros de crystal lapida jos
para relogios descoberto; etc., etc.,
ludo mais barato do que em aualqaer parta e res-
ponsabiiisa-se pelo sea trabalbo.
Trocam-se tres excellentes escravas mocas
com habilidades por outros lautos eslavos pretos
oa mulatos : a tratar nos Coelbos rna dos Praieres
n. 22.
Preeisa-se de orna ama para todo o servico de
orna casa de ponca familia : na ru da Cadeia no-
mero 21. ______.
Fundido da Aurora em San-
to Amaro.
Completo sortimento de taixas de f rro
coado, molde raso, ltimamente aprovadas impera
*" pr^e da^S'i^iariro^itoiVida de Horacio Nelson, por
do Mallos.
Precisa se alabar am escravo de 15 a 18 an-
nos, para lodo servico de casa de um estraogeiro:
a tratar a' roa do Trapiche n. 48, armazem.
Aloga-se o 3 andar do sobrado o. 1 da roa
a tratar oo 1* aodar.
Attencao.
Forgues,
Sem contestado algoma Nelson reconbecldo
i como o primeiro almirante do mondo, e se nao t-
Muo se precisa fallar com os abaixo mencionas vesse alcangado as victorias d'Abookir e de Tra-
dos a oegocio de maito seo ioteresse, oa praja do falgar, talvez qae fosse a Inglaterra vencida or
Corpo Siotfto. 17, i.-aodar. I NapoleSo. A soa tenacidade e conciencia do genio
Anselmo Marinbo de Souza. tradnzem-se na elnqoeota proclamacae de Trafal-
Boaventora Haaoel do Nasciraento. gar : A Inglaterra esfera que cada um cutnvr o
Francisco_Jos Vieira Gaimaraes. seu dever I E', pois, com razo qae os Inglezes
idolotram a memoria de Nelsca, e o proclamam
Joaqaim Pereira Camello.
Joaquim GoDgalves Vieira Gaimaraes.
Maooel Jos ae Albergarla.
Manoel Francisco de Albuqtierqoe Mello.
Pedro Luir do Espirito Saoto.
Regipo Perreira da Garvalho.
Nume Pessoa.
Manoel Vitalicio Santiago. i
Tbomaz Aoastacio C Pimeotel.
Maooel Gamillo.
Jos Tavares Estima.
Jos Antonio de Arbaqoerqoe.
Aotorjio da Silva Angelo.
Paulino Accioli Caoavarro Wanderley.
Jos Ribeiro da Silva.
Joo Bernardina da Silva.
Joaioim Pereira Valeote.
Jos Bernardino doa Santos.
Olympio de Soma Galvao.
Seuastiao Valenanno.
Aotuoio Jos Gomes Jnior.
Antonio da Oliveira Silva.
salvador da soa patria.
Vende se esta obra interessante por 1,5600 rs a
exemplar cartonado, na hvrarla econmica defron-
te do Arco de Santo Antonio, assim coma a histo-
ria de-Carina X!l por Voitaire a t^IOO rs. em bro-
chura ; e a historia de Gil Braz a S eneader-
nzda.
!VINueQUNQUINA
FERRGINEUXdeMDITIE'l
Com Malaga e Pyroptiospbato de ferro.
Este vinho foi preconizado por tofla a errrprensa
medical oomo sendo o mais poderoso tnico
empregado para curar a Chlorosis, Anemia
Exhanstaqao do sangue. Deposito geral em
Pars, em casa de Laubshobl nharmaaeutieo-
foguista, rna do LombardS, 4',.
Ferdeu-se
O r. A. 8, Pereira do Carmo (medico)
est morando no sobrado n. 12 da rna da
imperatrlz.
mmmsmmmm ni
oo dia 15 do correte, desda a roa da Praia at a
ma de Apollo desta cidade orna letra da qoaotla
de 70J310, vencida em 13 deootobro dd aaoo de
1867, aceita por Manoel Thom de Jestrs, sacada
por Antonio Jos de Castro Azevedo, o qoal roga a
pessoa qae a acbar o favor de a levar a' ra da
No caes do Apollo armazem n. 55 preci- ?.rti* n- 4i ve. previne ao aceitante, que s. pague
um criado para tratar de 3 ca. ^ie,ri^,J*Ar.?.r!he.,uJda.,?]o nroposa-
sa-se de
vallos.
Urna pessoa habilitada, que se encarrega de
cobrar dividas mediante orna mdica amlssao, se
ofTarece a quem mais queira ge olllisar dos sen
prestimos : oa roa do Aleer mu. 4, on na rna
ova de ? anta Rita n.64. '
Precisa-se de ora lobstitnto par* o servico
da gaarra, mediante vaotageos qoa so eonvencie-
nari : *jrtr n> girada dos AfflLctps Bv jk
cader. Ractfe 16 de Janeiro de 186.
__ __ AntonioJos da Castro Azevedo.
Aioda esti por alogar-se o segoodo andar do
sobrado da rna da Rosario da Boa Vhta a. 53, as-
sim eomo a toja do mesmo cora bonito armicio
para taberna.
Precisa-se da ama ana para evlco ioter'
no de ama casi de ponca fzmlia, qoa silba besa
coser e eogommar: qnera qoiter dirija se rna
do Amoritn n. 39, prlcafixc >dai.
Tratameoto puramente vegetal sem mercurio, iodo, ouro, nem outro qualquer
Verdadeiro purifleador do sangne sem azougue.
E sangue, como sejam as molestias boubatiras, syphiliiicas, escrupulosas, darthrdsas, qoer
veobam ellas por herelitariedade, quer sejam adqueridas pelo contacto com pessoas infec-
cionadas dos diversos viros que contaminam o sangue e os humores.
A caraba um remedio prodigioso, usado desde remotas eras pelos indios
do Brasil, e passaodo seu uso de geracio em geracao, boje, um dos remedios, mais
conhecidos como prprio para combater as molestias mais hediondas, entrando nesse nu-
mero a morpba ou elephaotiases, para cujo curativo os nossos sertanejos consideram a
cAroba como remedio especifico.
Ha muito tempo entrou a caroca nos formularios como prepararlo magistral
sob a forma de electuario, ainda boje lembrado as pharmacopas com o nome de seu
celebre autor Joao Aives Carneiro: nao ella portanto, remedio novo nem desconhecido,
O ungueoto de caroba da mesma sorte preconisado desde lempos immemo-
naes como o mais apropriado para o curativo das bouhas e ulceras sypbiliticas srdidas.
e empregedo com proveito depois de improficua applicago de muilos ouiros agentes
tberapeuticos energic s e de us quolidiano.
Muitos dos noss3 medicr-s de consideracSo e entre ellos o meito distincto pra-
tico e observador o Sr. Dr. Pedro de Athaydeobo Moscoso, tem confirmado por meio
de experiencias remetidas, o que diz a fama das benficas propriedades da caroba no
tratameoto das.boubas, das diversas formas sob que a ayphiiis se apresenta e muito es-
pecialmente as que tm sua sede na pella, e poderiamos relatar alguns casos de data muito
moderna observados pelo mesmo Sr. Dr. Hoscoso em que a caroba produzio admiraveis
effeitos, depois de inuteis e proloogadas applicacSes de salsaparrilha, mercurio, iodo,
ouro e seus preparados, etc., etc.
Nao era possivel que urna planta to notavel por suas inapreciaveis virtudes
escapasse a perspicacia e investigares dos mais abalisados praticos eurvpeus, que se ap-
plicam com especialidade ao estudo e tratamento das molestias sypbiliticas e herpeticas, e
para prova ah esto os Srs. Drs. Casanava, Schorfer, Ricord e outros dando as mais li-
songeiras inform3ges sobre as propriedades curativas da caroba e preconisando-a como
remedio poderosissimo para o tratamento das erupcoes cutaues, seccas ou suppurativas,
darthros de toda a qudiJade, eczemas, ulceras de diversas naturezas, tumores osseos, e
outras muitas molestias de natureza syphilitica oubouba.ica.
Por ter-se generalisado muito o uso da Esencia da Caroba que eu pre-
pzro e pelas instancias de varios mdicos que desejam continuar era suas observaces, de-
liberei-me a ter prompta urna qoantidade da mesma essencia, obtida sem a acgo do fogo,
para nao prejudicar as propriedades medicamentosas; e d'ora em diante encontrar-se-ha
na minha phamacia sempre e em porco suflkiente para todr s os pedidos a essencia con-
centrada de caroba, e o ungento da mesma planta, para que nunca faltem aos senhores
mdicos que quizerem experimentar to precioso agente medicinal.
Recife de Pernambuco, 17 de outubro de 1866.
Acgste Caors.
Ra da Cruz n. 22.
r flama do Livramento o. 19, na para alagar
oq veoder om exceilente aoieque de 16 nos.
Precisa-se de orna ama de leite sem Jlho
pagable bem :a iratar na rna da Cooeordia casa
de portaVrfe ferjo oa na roa da Praia as. 13 e 15.
Offerece-se irina ama de leite milito bom e
sera menino ; a traKr*~a-rna das Agoas Verdes
n 64._____________________^y^ __________
Pga-se 3 meosaes a urna escrava ijeq
aiba bem cesinbar para ama familia de 4pessoas
e^gual quaotia a outra que seja perfeita eogom-
madtira : a quemecnvler es'e negocio pode diri-
ir-se em carta fechada a N. D. oesta lypogra-
phia, para ser procurado.


GRANDE DEPOSITO



i*
N. 9.-Ra da Imperatriz-----N. 9.
Neste antigo e bem conhecido estabelecimento encontrar o respeitavel publico
sempre um sortimento de pianos, dos melhores autores allemies e francezes, como de
Carlos Icheel, Bard e Moopschy todos especialmente enccmmeodados e construidos para
este clima.
No mesmo estabelecimento eflerece-s maiores vantagens do que em outra
qualquer parte, relativamente aos conc;rtos e affinagees sero feitos com o maior esmero
e promptido possivel,
HENRIQUE VOZELEY.
Precisa-se de urna ama para engomunr
do Trapiche o. 36,2* andar.
na roa
O abaixo assltrnado declara ao corpo do eom'
mereio qae cermproa o deposito sito na ra Direita
o. 30, ao Sr. Beroardino Antonio Pereira Baslos,
livre e dembaracado dequalqoer debito.
Recife 15 de Janeiro de 1868.
Ricardo Jos Gom-"s da Lar.
Offerece-se ama ama para cosinbar dando fia-
dor a ana conduca : a iratar na roa da Ponte Ve-
Iba o. 43.
A' bem da ,'verdade.
Nanea pabllquei folbeto algam centra o Sr. Dr.
Antono de Souza Martin.', aetual joiz de direito da
comarca do itapecoi-mirim, e, qoaodo o ti vesse
feito, por eerto nao me occaparia de sua vida par-
ticular, porque isso repogua a mea carcter. A
asseveraco, pois, qae a til respeito fez o Sr. Or.
Alfredo Sergo Perreira era ara folbeto, que pubii-
coa contra aquelle doutor, e qae acabo de ver, foi
sem duvida Blha de orna ioformaoSb inexaeta, o
qoe teobo por cooveoteate declarar so por amor a
verdade. *
S. Lola do Maraobio, 11 de dezembro de 1867.
Jos Loiz da Silva Moura.
Maria Avelina Manteiro, competentemente
IfeeflciaTJa pelom. Sr. Dr, director geral da ins-
trnecao publica, K-m berto em sai residencla.na
roa do Alecrim n. 4, snla de ensine de primeiras
lelres para o sexo femenino : os pala de famHJia
qae quizerem ulilisar-se de seus prestimos, pode
entender-se com a mesma seniora na referida
easa, assegorando aeliv dade, zelo e desecapeobo
das uneces inherentes ao mesaao Magisterio.
martimos
DOXTRA FOGO
A cempanhia Indemmsadora, eabelecida
nesta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentrs e contra fogo
am ediDcios, mercadorias e mobilias: na
ra do Vigario n. 4, pavimento .terree.
Precisa-se de om caizeiro de 12 a 14 annos
de Idde para taberna, prefere se portognez : a
ratar atrazda matriz de Sanio Antonio n. 18.
Os abaixos assignades fajen fcienta ao-res-
peitavel poblico, e especialmente a j corpo eommer-
cial, que desde o dia 31 de dezembro prximo pas-
sado, se a-ha dlssolvida amig>vrlraente a aocieda-
de qoe tiobam ca Uberna o. 4 a ra Direita. que
girava sob a razo social de Mello Cosu C. ; e
bem assim qae a liquid?c3o do passivo da mesma
firma Oca a cargo do socio Jos-de Mello Costa Oli-
veira, a quem passoo a pertencer exclusivamente o
tito estabelecimento, sem nenhuma respoosabili-
dade o socio Thomaz Jos de Oliveira, qae tica pago
de sen capital e lacros.
Recite, 15 de jaoeiro de 1803.
Jos de Mello Cosa Oliveira.
Toomaz Jos de Oliveira.
OJUDA
Lulz Napoleao Dnqae das Bolas, chefe dos Jesu-
tas. Protector de um subdelegado, tres vlavas,
tres orpbaos e dons que no sao casados, solteiros
e oem viuvos. Va' as mtas do Campello pegar
eoelhos e volte a cruz do Peris pedir a S. Jr.s que
restitua os beos de Almeldavilhssa. Senbora poli-
ca I abra os oibjs nesta alma anglica.
________________O Jacques Fenant.
Precisa-sa de um criado para compras e o
mais servico de casa : na roa do Imperador o.
73, 2 andar.
Atten$*o.
51. 2S Roa do Infmente R 25
Deposito de lamancos e calcado nacional da fa-
brica da roa do Jardiin o. 19, de Jo- Vicente Go-
dinho, tanto no deposito como na fabrica seapromp-
tara todas as pofeoe de calcado o mais barato
possivel, esta fabrica tem todas as machinas pro-
priaspara os calcados ja bem "acreditados pelo
grande camero ,de freguezes que daqui sa for-
neeem.
PASTA e XAROPEtie NAF de ARABIA
BE DH.!\f.ltlMllt
SSo o nicos peitoras approvades pelos prores-
sores da Facultad de Mediana de Franca, e por
50 Mdicos dos lio pitaes de Par, os quaos cerli-
flearo tanto a sua superioridade sobre todos os
ouiros pcitoraes como ana poderosa officacia contra
fea do pello o da
RACAHOUT DES RABES
DE DEI,\(.HIMI U
nico alimento approvado pela Academia de Me-
dlcjnu de Paria. Elle restabeleee as pessoas qae
snrtrem de Estomago e dos Intraiinoai forta-
lece as enancas e as pessoas debilitadas, alem
aisso em virtude de sua propiedade aanlrpiirc
ic o mellior preservativo das Febrea aotaralla
I .t pltolr.
Ca la frasco e cada caixinha destas preparac&es
levao tempre o sello e a firma DelangreMer, ra
Richeiica, 20, em Parix (Cuidado com as faliA aces
Depositarios em todas as pharmacias do Brazil.
Seguro contra, fbgo
Antonio Lulz de Oliveira Azevedo & C, agentas
fda companbiaFidelidade, estabelocida no Rio de
Jaoeiro, tomara seguros contra Togo em predios a
mercadorias, era sea eseripiorio rna da Cruz na-
mero 57.
Feitor
Precisa-te de ora feltor para nm sitio peqoeno,
qae seja pessoa capaz e bom trabalbador. prefe-
fe-nesnadae-dl-se easa proprla para morar:
traa se na> rs Xjy o- 19,1* andar.
Os administradores da festa da \L!a-
grosa Virgem N. S. da ConceicSo da ca-
pella do Mouteiro declaram que os recibos
das esmolas para a mesma festa, sao em
referencia 2.' ioteria do correte mea de
Janeiro, e nao 1.a de fevereiro como se
acha declarado em ditos recibos.
Recife 16 de Janeiro de 1868.
Cumprir um ddver
O abaixo assigaado vera por malo deste, agrade-
cer eordealmente ao seu ex-staio.o Sr. Jos de
Mello Cosa Oliveira, o hora tratamento, tanto pes-
soa! como domestico, qoe da mesmo recebeo, ja
como caixeiro qoa foi do mesmo e j como socio,
igualmente a sna excelieatissima familia, e portento
receba esta pequona prava de frauda.
Recita, 15 da jaoeiro a 184.
Thoaux Jos de Oliveira.
Medalha de OURO, premio de 16,600 fr
GtUINA
LAROCHE
ELIXIR FEBRFUGO E FORTIFICANTE
(irsit.oR aoi riaso i uastis M crn*
Experimentada em pleno successo nos hespitaes,
quina Laroebe (on extrae** eanipleto de
^inu) nota preparaCM xeepeional, per ser
priada do amargo dt quina. Agrada por conseguint?
as pessoas as mais intolerantes e aos paladares os
mais delicados, pois nem muito dsce nem muito
riscosa, sendo de urna limpidei constante. Eraprega-
ss com muito proveito nos casos de gastralgia,
dyaprprla, Brvral{la, anemia, faatla aem
mu apparcntc eanralcaeeoraa deasora-
mm e ehlaroae. E o eipecifieo das molestias febris.
OUIHa LAROCHE FERROGIROS
Renaindo todas as prqpriedades do ferro o d quin.
15, rus Drouol. &ggzSBg3S!
Vende-se na ra Nova, botica (ran-
ceza de P. Maurer &C.
MUTILADO



Vil mi n i \ i n i|li i ;



araran

\

Blarlode
fe-att--Imite Mra It do Janeiro de 1888.
-i*
=r Wi
-^
AGAZ
ESPECIAL HOMEOPATHICA
JABOllM
Programma da festa do glo-
rioso Santo Amaro.
DO

A empreza do gaz desta cidade desejando facilitar geratmeote o uso do gaz na
casas e estabeleciraeotos particulares, offerece desde ja as seguiDtes vantagens:
i.* Urna redacto coDsideravel dos presos dos caaos, apparelhos e todos os mate-
riacs precisos para a instaacao desta luz.
2/ O gaz foraecido boje de extrema pureza e nao offender a prata, o bronze
ou outro metal difereate, assim coma aenbum Jamao poder causar as pintaras, qaadros,
ornamentos, papel de forro mais delicado que seja, tomando-se ao mesmo tempo to sau-
davel e mais econmico outra qaalquer luz, j conhecida, anal, evitar tambera a obs-
truccSo dos canos e tubos dos apparelhos.
3.* Os apparelhos existentes, cmo lustres, araodelas, bracos de vidro, de bron-
ze, etc., etc., sao proprios para os seonores que preferem luxo e elegancia, como para
os que necessitam simplicidade e economa.
4.' As pessoas que quizerem cullocar o gaz em suas casas podem dirigir-se a em-
presa, a qual se encarrega da collocacSo de todos os apparelhos, canos,etc., tomando toda
a responsabilidade pelo perfeito cumprimenlo do masmo, ou por outra, podem empregar
quakj*er maquinista reconbecido pela empreza, sendo o mesmo maquinista responsavel
pelo mu trabalbo.
5.* A empreza obriga-se ainda a reparar gratuitamente qaalquer falta de luz,
obstrucco de canos, etc., devendo o consumidor pagar somente as pecas novas que forem
precisas para o mesmo concert; qualqoer reclamaco que possa baver, ser dirigida ao
escrtptorio da empreza ra do Imperador n. 31, afim de ser logo providenciada.
DOUTOR SABINO 0. L PINHO
RA NOVA 3*.
Neste importante estabelecimento se ach 4
iodo o que necessario para a pralica da
ftomeopathia.
Medicamentos em glbulos e em tintaras acbe indicado o meio de osar d'esse preser-
1.11 -Ra do CatoogW. A
s.
Os proprietarios deste estabelecimento offerecem ao respeijavei-'publico
um explendido e variado sortimento de joias de ouro cbegads recentemente
da Europa, cojos modelos sao oovos e de bom gosto^emo sejam: pulseiras
com perolas, rubias, esmeralda e brilhantes, brincogaa mesma firma, aunis
de phantasia, proches para retrato, etc., etc^-betoes de coral rosa para pcito
de camina e cacoletas com retractos. ^
Compra-se e recbese em tro^rouro, prata e brilhantes pelo seu en-
trinceco valor, assim como raosas naciouaes, e estrangeiras. Tambem se en-
combem de fazer copcwts'"
gostinho Jos dos Santos $ &
tu*
^GftAPHIA AllEjtf
H
mmi% m
e
a
N. 2 largo da matriz de Santo Antonio n. 2.
RETRATOS A OLEO **
Temos a honra de partecipar ao respeitavel publico a volta do Sr. Alberto Hens-
chel que fui Europa com o duplo fim de se por ao crreme dos mais recentes pro-
gressos da arte photographica e adquerir paia o nosso estabelecimento mais um ar-
tista de talento.
O Sr. Alberto foi summarneute feliz e conseguio engajar um destincto pintor de
retratos, p
SR. fARLOS ERNESTO PAPF
memoro honorario c'j academia real de pintura da cidade de Dresda, edo qual a reputa-
cao bem fundada nos autorisa a erperar produces Doiaveis no seu genero de trabalbo.
Um progresso immeoso ltimamente ejecutado na photogiaphia, um dos mais
importantes consiste n'arte de obter retratos em tamaoho natural. Osando direclamen
te na grandeza que se desaja, sobre a tela do pintor, o retrato photographado, por meio
de um instrumento especial chamado : cmara solar de acgmentacao.
~P. r esta forma o' talento e o saber de um arti>ta habii maravilhosameote se-
cundado pela precis5o absoluta e infallivel dos contornos e das sombras que Ihe pe a
pbotograplia sobre a tela, e ludo se reuae assim para se aleaocar o maior grao possivel
de semelbanca incontestavel, ao que d ainda maior realce o sello artstico, que imprime
ao retrato um bello colorido.
Pelo mesmo processo dos podemos reprodnzir e pintar oleo, urna vez que se
nos d orna photograpbia, seja de que tamanho for qualquer retrato de pessoa morta oo
ausente e no tamanho que se desejar.
As pessoas que quizerem julgar por si mesmas deste novo genero de trabsjbo,
sao convidadas nos fazer a honra de visitar a nossa galera, aonde estu expostosuma'
serie destes retratos como amostras.
AMBRTYPOS
Retratos em caixinhas
Para satlsfazer a numerosos pedidos de muitos dos nossos fregnezes, estamos pre-
parados para fazer retratos neste genero, para osquaes tambem temos agora um grande
ve ariado numero nV ricas e rmitas caixinhas.
PULULAS de BLARCARD
,* MWBBRO fSUO DIaltvkatxl
ApproYsdaa pela Academia de Medecina de Parii
uimmh nu wbjo tmmui. n 1*6 imiimi _______
tmi>oi ao*rrtkM di iux(i, da ibloica, d lauda, da i afana, i
Mmft kmmm $ aTaH>rfl Vnittrfi* dtNrw-York. 1861. is PmtU, iSS*.
bu POulaa TolTldA caada raatao-babaadca inaucna m aerean lnttenteU, ton takor, t an pequeo Tolume, edeiu* anurwm aa
Tfio. diietroi. Gotando das propriedades do loco a do Iumi alia tamnm rid-
palmeaie na* affeccoas Cktoroticu, BttrofuUnu, mtrmlniu, Caatraaaa, m Imumrrkm,
n,rrt4, m, etc.; enfim, ellai offerecem ao praeo ama axdkaca du i
1 para dUrar aa eaoataitoea lumpktiiau, frt um daWMudat.
K.B. O JoreU da ama tmpan aa allarada 1 ata anana
Ma iaM, irrhaaM. Cana arara da aareu a da aalkaaeldada daa
uaalra* PtlaUa de llmur, i'o xiir 1
preparados com a mais escrupulosa exacti-
do por meio de machinas especiaes.
Carteiras p'ortaleis contendo os principaes
medicamentos em ^glbulos iO0, 20|J,
303, 403, 303 e 60 conforme a quanti-
dade de tubos.
Caixas de medicamentos em glbulos e
em tinturas de 800, 1004, 1200 e 150,$
rs., segundo o numero dos vid ros e de to-
bos.
( Estas caixas sSo mai uteis aos mdicos,
senhores de engenhos, chefes de grandes
familias, capitaes de navios, e em geral
todos que se quizerem dedicar pratica da
homeopatbia.)
Cada tubo avulso custa.......i 000
Cada vidro de meia onca de tintura. 25000
Vendem-se glbulos inertes, tubos vasios,
vid ros para a preparado das dses, etc. etc.
Escovas elctricas para traiainento das
molestias nervosas, principalmente para as
dores de eabeca.
Apparelhos de lavar os olhos no trata-
meoto das opbtalmias.
Apparelhos de injecc5o para o tralamen-
to de certas molestias das mulheres.
Cha preto e verde de excellknte quali-
oade para aso dos enfermos.
Veude-se igualmente o Thesouro bo-
meopathlco on Vade-mecuiH do
homeopatha (obra incontestavelmente
indispensavel todas as familias, pela clare-
za, com que ensina a empregar a nova me-
dicina), prego 20i&.
(Em porches de 50 exemplares faz se o
abate de 15 por cento.)
CONSULTORIO HOMEOPATHICO.
O Dr. Sabino O. L. Pinho d consultas
todos os dias nteis desde 11 horas da ma-
oha at s 2 da tarde. .
As visitas aos enfermos sao feitas das 2
horas em diante ; mas em caso de neeessi-
lade as visitas podero ser feitas a qual-
jner hora.
Para que as visitas possam ser regulares
compre que os d entes ou os seus enfer-
maros mandem dar parte do seu estado,
todos os dias at o meio da as molestias
agudas; e de 5 em 5 dias as molestias
cbronicas.
As consultas escrptasso respondidas mais
ou menos promptamente, segn lo as
aecessidades da molestia e a distancia em
que se acba o doente, pois que neste caso
faz-se preciso indicar de urna so rz mdo
o que convier ao rest belecimento da sade.
As retribnicoes serlo pagas na mesma con-
formidade.
O Dr. Sabino roga a todas as pessoas, que
costumam consulta-lo por escripia, que or-
denem aos seus portadores a prempta' entre-
ga de suas cartas, visto que, entregando-as
como costumam, na accasio de se retiraren)
do Recife, impossivel responde-las latisfac-
turiamente.
Posto que, na segunda edicSo do The-
souro boueopatblco ou Vadem-
cum do homeopatha, pagina 677, se
vativo, com tudo convm repiti-lo com al-
guna esclarec mentos mais.
Para urna famina dissolvem-se 20 gl-
bulos em orna garrafa com dout tercos
d'agua pura, vascoleja-se bem, e d-se
cada pessoa ama colherada pela manh, ou-
tra ao meio dia e outra a noite, durante
tres ou_cinco dias consecutivos. Deixam-se
passar oulros tantos dias sem nada tomar,
lindos os qoaes, repete-se o remedio da
mesma maneira; e assim se continuar
em quanto durar a epidemia.
(As creangas at a idade de 3 annos to-
marlo o remedio as colberinhas).
Si a epidemia estiver muito forte/ oo, si
na casa houverem bexiguentos, deve o reme-
dio ser tomado todos os dias sem interrup-
co, at que a cousa melbore; depois do
que volte-se a usa-lo do modo ensiuado.
A garrafa deve ser nova e muito bem lava-
da, primeiro com agua qoente e depois com
agua fra. (No caso de Dio baver garrafa ou
vidro novo, poder servir ama garrafa de vi-
oho ou de agurdente, com tanto qoe seja
muito bem lavada com aguas quentes e
fras.)
Para urna s pessoa basta dissolver 6 gl-
bulos de vaccina em 2 oncas d'agua, e d'abi
tomar as colheradas como j ficam indi-
cadas.
Nao precisa grande dieta. Abstenham-se
do chd e do caf fortes, do abuso das bebi-
das espirituosas, das comidas gordurosas
e muito adubada Eis qui apenas o que se
exige.
radaraairraaaM1aaa,aa,aiia|>nlaalda,ajaiaaaaaaaa|
lahrt 4* aa raoia arda. Bata -aa daaaaaaW daa Waataa,
Vende-se na Botica Franceza ra Nova a. 25.
COLLEGl DE SANTO AH4I9
N. 5 Recife, roa di Trapiche n. o,
Fundado em o auno de 1865;
Director, o prof&ssor Jos Francisco Ribeiro de
Souza.
O director do collegio de Santo Amaro, do ioloito de montar seo stabeleeimento
eonvenientemante, acaba de faier acqoiiieao do excedente edificio ere qoe achava-8* lo-
calizada a-Sociedade Club do Recife,sita a' roa do Trapiche 5, para onde mudoo
seo collegio. A educagao i tnstrucQao baseada do i.ovo FjMcma especial de premioe
e podicoVs, seodo toUlmeote abolido o castigo maaaal. Conilaoa a receher como al
aqoi alomos peocionistas, melos peocioolstas e extern s ; aebaodo-se o estabelecimen-
to preparado com todo o asseio e commodos, e prvido de om escoloido pessoal de pro-
fe8sores, qoe lceiooaro as seolotes disciplinas ; .
lasuoceao elementar Retbonea e potica. E Lingua latina Geograpbia e blstorla Mu-ir.vocal e instromenlal
Pranceza Geometra! Deteobo
loulexa Pbilcsopbl >
A abertora da aola elementar lera' logar no dia 7 de Janeiro e as demais do dia
3 de (veretro em diaole. A lospeceao dea compartimotos do collegio e os estatotes
di mesmo, estio a disposico dos ioteresiados. Ootro slm, o director tem creado om
eadeirade fleienbo annexa a aola elementar, seo qoe por eateimportante e utii melbo-
ramento exija maior indemnisacia
O director empragara' u>oo o afflnco e cuidado ni j, na parte relativa ae boa
tralameoto e adiasumeoto de seas alomaos, como tambem, na boa ordem e regoiarlda-
*- da md ?tabeleciineDlo.
MEDICAMENTOS PRESERVATIVOS.
Em qaapsqner epidemias o Dr. Sabino
faz distribuir gratis s pessoas pobres, no
sea estabelecimento, os preservativos neces-
sarios, dando-Ibes as competentes insiruc-
Ces.
Presentemente reina a epidemia de bexi
gas ; muitos j se tem aproveilado com ft-
lizes resoltados do seu offerecimento, feitc
do Diario de Pernatnbuco ; mas necessa-
rio qoe todos experimeolem esse meio tao
fcil e tao commodo de se preservarem o s
soas familias d'essa terrivel molestia.
O preservativo empregado a vaccina
elevada 5a dynamisacio. As pessoas, qoe
fazem aso d'ella, ou nao sao accommettidas de
bexiga?, ou, si o sao, raramente as tem de
m qualidade.
PLUMERA celinos.
(contra a moroeora de corras)
Este medicamento gota de muito bons
crditos contra o veneno das cobras e de oo-
tros animaes venenosos.
O Dr. Sabino nao tem ainda observadlo
pessoal de fado algam que o autorise a
afirmar soa eficacia; mas sabendo que no
Rio de Janeiro e em S. Paulo elle tido co-
mo muito poderoso, mandoa-o vir para ex-
perimentar.
Algumas pessoas do centro d'esta provin-
cia e da da Parabyba tem escripto ao Dr.
Sabino, dizendo ser incontestavel o mrito
da plumera no tratamcnto das mordeduras
das cobras.
Emprega-se a plumera celinos interna e
externamente, da maneira s quinte:
Ibo interno Nos casos menos graves
dissolve-se ama ou duas g tas de tintura
em daas oncas d'agua. e d-se ao mordido
urna colberada de bora em bora.
Nos casos mais graves dissovem-se seis
gottas em quatro oncas d'agua pura para
dar-se orna colberada de meia em meia hora,
de 15 em 15 minutes, e at de 5 em 8 mi-
nutos (segundo a forca do veneno inoculado
ou intensidade dos symptomas manifestados.)
Logo que hou ver niel hora, se espassaro
gradualmente os intervallos de ama dse a
oatra.
Uso externo. Ao mesmo tempo que se
d a beber o medicamento, appbcam-se ex-
ternamente na parte mordida tos de linbo
ou de algodo embebidos em urna dissolu-
coda mesma tintura constante de 10 gottas
de tintura em 20 colberes grandes d'agua.
Esses os se cooservaro sempre molhados
sobre o logar da mordedura.
O Dr. Sabino receber com reconbecimen-
to as communicacoes que se dignarem de fa-
zer-lbe as pessoas que experimentaren! o
emprego da plumera celinos
Nota.
Em ausencia do Dr. Sabino acba-se in-;
cumbido de resolver quaesquer negocios
relativos ao estabe'ecimento o respetivo ge-
rente.
Jos Alves Tenorio,
Professor em bomeopalhiai
Na madrugada do dia 10 do correte depois de
orna miaM cantada levaotoa-se i bandeira do glo-
rioso Sam Amaro, seodo condolida por quatro
meninas w.som de barmomosos cnticos, eoropa-
nbado por nma baoda de mosiea marcial son a
direccao do babil prolessor tfeagas, e do meio de
diversas garandlas de fogo; depois do qae segal-
ram-se as novena*, qoe se esUto festejando com
muiia pompa, tocando aellas a mesma orcbesva
varias e escolbidas pecas.
Haverio ve;pera., sendo o orador o Rvd. padre
Lino do Moote G.rmelio, e terminarao com a as
cen(o de om liado balao,
O amanbecer do da da testa, quesera' domingo
19 do correte, asr festejado com varias girndo-
las de f go.
As 10 boras da manba entrara' a festa, erando
ao evangelho o Rvd. Fr. Jjaquim do Espirito
Santo.
Terminada a festa sabiro ao ar qnatro lindos
bai5es acompanbados de varias gyraadolas de
ogo.
A tarde bavera proeissio, e depois qoe esta se
reeolber entrarn' o Te Deum, aps o qual qoeimar
se-ba om bello fogo de ertlficio dirigido pelo babil
artista Juo Evangelista, ja muito conbeeldo en-
tre bs.
As pessoas de fra encootrarao na referida po-
-oaco nm betel moito conrortavel, qaer pelos
seos commodos, qaer pelo asseio do servico, para
qoe o seo proprietano nao tem poopado estorcos,
afim de agradar ao publico. __________
A commisso encarregada da liqnlda(io do
extiocte Clob do Recife, convida a todos os credo-
res daqMella sociedadd apreseotarem na roa do
Viagrio, escrlptoriu n. 14, os seos likilos oo cootas
para depois de apreciados pela mesma commissdo,
serem pagas as respectivas importancias.
O tbesonreiro
Lopes D.
KSo tendo comparecido oomero sofflciente de
conseohores da proprledade Apipncos, delxoo de
ter logar a rtonio geral designada para o dia 12
do correte, em conseqaeocia do qoe o administra-
dor inteiiao convida a todcs os eonsenbores da
mesma propriedide a comparecerem no da !6 do
andante, pelas tez horas da manbaa, na cap >lla da
mesma propriedade, eertos de qne a rennio geral
se tttectaara' com o numero de votos preseotes
para a leitura do relatorio e approvaco de cuntas,
de confor midade com a disposico do arL 18 dos es-
tatutos de 28 de Janeiro de 1866.
Esta eonvocacao devia ser feita para o dia 19,
mas ten lo nesse dia de fanecionar as juntas qna-
liOcadoras, as qoaes sao obrieados a comparecer
diversos consenbores se transiere para o da 26
com o fim de obler-se maior numero de concor-
renles.
Apipuco?, 13 de Janeiro de 1868.
Jo> Cerario de Mello.
45Kua Dircita45
Chcg.i, geate!
Borzegoins ingiezes para bomem a CA.
Ditos franeeies dem a 51.
Borzegoins para senbora, enfeiudos, a lf.
Ditos para menina, dem a 31.
SapatSes ingiezes para hemem a 41.
Ditos americanos a 31500.
Chinelas do Porto a 11600.
SSaptos-iranca para senbora a 11280.
Ditos aveludades, dem, a I1J80.
Sapatos fraocezes de salto a 31.
Aproveitem emqaaato tempo.
ARMAZEM
i
a
n
a idsiEgias)
S&SK
Para edacace do sexo masealioo
Director Uanocl Alves Vianna
<2&
O collegio da Conceico, modadooltimamente para o bairro de Santo Antonio, roa "^g
de S. Francisco casa n. 72, contigua a* estayo central dos trllbos urbanos dos Apipocos, ra
cootioa a faoccionar regularmente, recebeudo alomos externos e internos, tanto para as
aulas primarias, como para lodos os preparatorios necessarios a" matricula de qoalquer fa-
coidade, seodo os seos respectivos professore" pessoas moralisadas e de om cooceito ma-
gistral ja bem firmado nesta cidade.
O director deste novo colirio continuando a empregar toda a sollcilode no desempe-
os de seo manda.to, espera laier-se mais digoo da coDflanca coro qoe o vio bonrando os
eobores pais de fami ia, conOando-lhe bondosamente os seus filbo?.
0-t estatutos do collegio, assim como o franco mgresso em todas as suas dependen-
cias, esli sempre a disposico de qoem possa interessar.
O padre Leonardo Joa Grego e sua mana
Francisca Josephioa Grego Golmaraes ainda pos
suidos do mais profundo seot meoto, cord>almaote
agradecem a todas as pessoas qoe s digoaram
acompaobar a' sepultura os restos mortaes de soa
presada m i Joaooa da Couceic.ao Grego, e com
mona especialidad aos reverendos srs Fr. J>>rge,
Cyrillo Maooei de O'lveira. Tbemistocle Romo
Vascooc.llos, Fra cisco Alves de Abran tes, Jo
Cyrillo de Lima eJo-e" Roberto da Silva. Coofes-
samo-n s anda sumamente gratos ao Illm. Sr.
ecmmendador Manoel Loiz Viraos. Em qua lo
aos Srs. Quioteiros e Agr provaro mais orna vez
econeeitoem que sempre os tivemos ara cem-
nosco.Amigos verdadeiros.Aceitero, pois, esses
senhoies os nossos agradecimentos^__________
iamuel Power Jotinstoo Alompanhl
Ra da Senzala Nova n. 42.
1GRNCIA DA.
FandlcSo de Low Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cava! I os,
Moendas e meias moendas para engenho
Tanas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios di- carro para nm e doos cavallos.
^elogios de onro patente inglez.
irados americanos.
Machinas para desearogar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.__________
Chocolate vermicida
DE
AbIodo Kanes e Castro.
Desde 1857 que sao as tabellas vomicidas
applicadas em Portugal, como o remedio
promplo e etficaz pera a expulsao das lom-
biigas, que to graves padecimeotos causam,
e que quasi sempre se suppe ellas a ori-
gem.
Este virmifago preferivel a qualquer
outro pelo seu agradavel paladar e fcil ap-
piicaco s enancas, as qoaes geralmente
sao mais atacadas de semelbante mal.
ummmm mm mmmmmm
Collegio Conceico
No dia 8 do correte abrem-se as au-
las de primeiras letras, latim, francez,
isglez, geometra, geograpbia, pbilosopbia
e rhetonca.
timmmmmmmm*
HISTORIA DE CAKLOS
XII
Eei da Suecia
FOR VOLTAIRE.
Veode-se esta excellenle obra por
broebura, na llvraria Econmica roa
n. 2.
Na mesma llvraria tomam-se assignatnras para
avida de Horacio Nelsono celebre almirante
aoglez a 11 cada eieroplar.
Precisase de um hornera para~adr com
nma carrosa : na roa larga do Rosarlo n. 14.
50 1 5J2S3:
12200 em
do Crespo
55- e o. _
. =5 n aya
B
i n
o ica\im: (osnoiun
ANDlR TERREO
17 Ra da Imperatriz 17
PRIMEIRO ESPETACULO DE SUA CLASSE
Todos os dias das 4 horas da tarde em diante
Com as priacipaes vistas das cidades de todas as partes do mando, baulhas, mo-
numentos celebres e tudo o qoe ba de mais interessante n'este genero.
Convencido de qae o respeitavel publico coacorrer a apreciar todas as eollec&es de
vistas estas serio variadas todas as segundas feiras.
AOS SRS. CHEFES DE FAMILIA
Poderlo sem escrpulo algum coocorrerem on visitar esta granoi galewa por se
achar com todo areio, dignidade e moralidade.
Cada bilnete de entrada d direito moa bella prenda, havendo entre etkts mokas
de subido valor e as menores de quasi igual preco do bilbete de admissao.
Eutrnda de cada pessoa 500 r&,
19 na ida inmpmaWaaaa ay
Desda j acha-*e aborta i concurrencia do respeitavel publibo.
0.0
tt a'
"2.-S B B, S*-g
|5i.-iE.* COB_5r2 w5*
E. o. g-aa 5"o >
Sffws
i?'
a
i
4
o
tu
cf
-a
u
8
VAPOR FRANCEZ.
RA NOVA *, 7.
Acaba de ebegar da Pars 4 este estabelecimen-
.0 om graode e escolbido sortimento de calcado
ios melbores fabricantes daqoella grande praca,
tssim como grande varledade de qoinqullharla e
le no vos bnnq edo para crlascas, cojos artlgos
je:acham ezposlos a escolba e vontade dos com-
pradores, e;mo sejam algoos qoe passamos a
mencionar.
Ultima moda
Ricos chapeoMobos de gosto para senboras fei-
tos ao capricho de orna grande modista de Paris.
llollaas para senhoras
le setim braceo, dnraque dito, pretas e de ontrae
iifferentfs cores eofeit.das a rigorosa moda.
Botinas pira meninas
da maltas qo*lidades bem sortldas.
Brseos de onro
de lei a oltima moda dos Campos Elizios a boule-
vards de Paris, para senboras e meoreas.
I,uvas de pellica
Jo verdadeiro fabricante Joovio, brancas, pretas e
le ootras diffurentes cores.
Leqnes
un eseolbido sortlmealo de leqaes de diversos
gostos e quali lades.
Perfnmarla
Saos extrajo?, baobas, olos, pds de arroi, agoa
ia cologoe, agua Qi *ida e fabooetes.
Espelhos
da differeotes tamanbns e gostos para salas, gabi-
aetes e pequeos loucadores.
Calilnh?s de costura
de novos modelos ricamente guarnecidas e com
lindas pecas de msica.
Delicado presente
tolerabas e cestiBbas de seda e de velludo moito
importantes para braco de meninas i passeio.
Chapos do sol de seda
la cures e muito Pellos para senhoras e meninas.
Bouqnets da exposlco
delicado s booquets de flores de porcelana com lin-
dos jarros para mesas de salas e santuarios.)
Lunetas
le ac, tartaruga e (bfalo.
Ocnlos
de ac, bfalo e de prata dourada.
Blcas bengalas
Je canoa verd^deira com ca^o primorosamente
irabalbados em ma. fim, compradas na exposicao.
Chicotes para passelo
uuit :> Anos de halea e cabo de marfim.
Oleado para mesa
Je moito boa qualidade, ovos e bellos padres: do
trroatem do Vapor, roa Nova n. 7.
Para lollct
>tijectos de pbaotasia mono bellos para tollet.
Coques
;hegados de novo a oltima moda.
Blcos albuns
Je velludo e de marruquim para retratos.
Esterescopos
:era lindas pboinr*phias iraosparentes.
Esitampas
le figuras, paisagens, cidades e de santos.
Molduras douradas
Je diversas largura para qaadros.
Abat-jour
para candleiros e lanternas ee piano.
Cnsmoramas
grandes e pequeos com SO ou mais vistas esco-
lbidas a' ventad-, muito putorescas.
Reaffjos
pequeos, de quatro e seis pecas de msica.
.Aecordlons
i concertinas, o que na de melbor neste genero.
Gaflas de rame
de varios prr<;s e tamanbos para passarinbo.
Bolinas para bomem
irande sorna ento bem escolbido em Pars.
Botinas para meninos
de muitos modelas bem sonidos.
Sapatos de tapete
de charlte, de tapete aveiiudados e >. tranca de
Lisboa para lumen, senhoras e meninos.
Botas russianas
Perneiras e meias peme.ras.
Mantas de feltro bonitos padrdes.
Chicotes fortes compndos.
Lo vas de ti j da Escocia.
Cartetrinhas para dinbeiro.
Saceos de tapete p*ra viagem.
Malas e boleas sortldas.
Poninras para charutos e cigarros.
Cbaruteir3s e cigarrelras de palba.
Gaximbis de bonitos modelos.
3ra va tas gretas e de cores.
Gordas para violao.
Bengalas para bomens e meninos.
Escovas para cabello.
Escovas para deotes.
Pentes de marfim para tirar espas.
Pastea de tartaruga de desembarajar.
Abridores de lo vas.
Tesourfabas delicadas para costara.
Caivetes 0nos com tesourinha.
Meias de fio da Escossia para bomem.
Venezianas transparentes para janellas.
Qoadros pequeos para retratos.
Pares de Modas figuras pequeas de porcelana.
Jarros mui pequeos de porcelana.
Objeclos de porcelana para botar banha.
aiberes finos para meninos.
Objectos de mgica para divertir familias.
Photcgrapbias mgicas.
9lobos de papel para iilomioacao no campo.
Uastinbas de vmes para meninas de escola.
Ceixinbas de msica e reajeijos para meninos.
Vetas a gaz para candleiros e candelabros.
Carnahos de qnatro rodas para condoilr crfanca
Boneeas de massa, de cera e de porcelana.
Bercos e camas com cortinados para boneeas.
Cabriolis e cavallinbos de madelra com machi-
oismo para meninos de 3 a 8 annos montaren
Para presrpes
Iguras para ornar presepes, casinbas, animaes,
pastores, e ontros muitos objectos proprios.
AtteocSo.
Nio sendo posMvel meociooar-se aqoi todas as
cualidades da calcado, era lodos os artlgos da
jaioqnilharlas, moito menos da grande varia*
dada de novos brioqoedos; pede-se ao publico om
passelo a este eslabelecimeoio, ceno de qoe en-
soolrarSo bastante paciencia para bem escolberem
o qoa desejarem comprar, e precos baratissimos
em virtode de baver em todos estes artlgos grande
qaantidade, a terem sido comprados mesmo na
Europa peto doao do dilo estabelecimento, armi-
i-m <1n vipr, roa P?aa n 7. ____________
I
&. s o> a
o S* Si
'S
O Dr. G. A. Walbaum, medico, tem o sea es-
eriptorlo a' roa da Cadeta n. 36, spgnooo andar,
sade da consultas lodos os das de 8 at 10 br-ras
'aoasta. >U 4 Uni da Um.
n* praca da lodeisnoncia n. 33, loja da
oanves, compra-se ouro, prata a pedras preciosas,
a tambem se faz qaalquer obra da encommenda a
todo a qoalqner concert.
Sllllllflllilll
Mnsica
Lecciona-se por *>lr>jo a a tocar varios |
iostromeatos, daado-se as ligSes das (i
boras da tarda as 0 da ooite : a tratar na
roa Angosta n. 30.
Trocam se
y

*
vi





is notas do banco do Brasil a du calas filiaes-
om descont moito rasoavel, nt pr=c* da toda,-
MUTILADO



-V"-.

f
Url 4c rernaarimco eU ielra IV de Janeiro de 18(8.

LOJADI
JOUS

N.2D 'W. N.2Di
U^* COB4CO DE OVRO. %Jfe|
A loja c 2 D intitolada Coracio de Ouro na ru do Cabog, acba-se d'ora em diante oferecen
Jo ao respeltavel publico oem especialidade as pessoas que booram a moda os objectos do ultimo gos
td a Paria) per menos 20 por cerno do que em ontra qoalqaer parte,garantindo-se a qualidade e a so
da obras.
O respeltavel publico avaiiando o desejo qoe deve ter o proprietario de am novo estabelecimen-
(o qoe qaer progresso em sea negocio deve cbegar inmediatamente ao coracao de ouro a comprar
aneiscom perfeitos brilbantee,esmeraldas, rabiase perola; verdadeiras en agarras, modernas pe*
diminuto proco de 104, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo pre$o de 3J, maracas de
prata com cabos de marlm e madreperola obra de moderno gosto (o qoe o encostrarlo no corarlo de
ouro) volus de goto com a competente erosiona ricamente enfeitada pelo pequeo preco de 12, brin-
cos de nm trabalbo perfeito por am modicc preco, cassoleas, tranealins, pulceiras alune tes para re-
tratos e outros modelos ludo de alto gosto, aneis proprios para botar cabello e firma, dito para casa-
mento, no rtico roseta tena o Coracao de Ouro am completo e beai variado sortimenio de diverso
costos, butCes para ponbos com diamante, rubins e esmeraldas, obra esta importante ja' pelo sea va-
lor ja' por gosto ds desenlio, brincos a forma da delicada moslooa de moca cora piogente contendo es-
meraldas, rnbins, brilbantes, perolas, o gesto sublime, alfinete para gravata no mesmo gosto, relo-
gios para senhora era vados de podras preciosas, ditos para hornera, diversas obras de brilbantes de
mnito gosto, crasiohas de rnbins, esmeraldas, perolas e brilbantes, aneis com letras, cacoletas da
crystal e onro descoberta para retrato (a iagleza) brincos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
qoer jola, para secoliocar retratos e obras de abello, e oatros maitos ebjectos qae os pretendemos en-
contraro no Coracao de Ouro qae se conserva com toda a amabilidade aos concorrentes delxando-
M de aqu mencionar procos de eertos objectos porque (desculpem a maneira de (aliar) dizendo-se
preco taives alguem faca mao jauo da obra, por ser tio diminuta qaantia a vista do sea valor.:
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, praia e podras preciosas,e tambem recbese coneer-
tos, por menos do que em outra qualquer parte, e dao-se obras a amostra com penbor, conservando^*
Coracao de Onro aborto at as 8 oras da noiie.
Quaiqoer pessoa que se dirigir ao Coracao de Ouro nao se podera' engaar com a casa, pon
nota se na sua frente am coracao peudarado pintado de araarello, alem de ootro qae se nota em na
rotulo (isto se adverle em consequeocia de terem ja' algum&s pessoas engaado com ontra casa.
Grande liquidadlo
O abaixo asiigmdo em camoriment ao qae
dlspSi o rt. 15 do (cooromisso, convida'a lodos
os irruios da Kmmda* de Njssa Sanhora da
Boa-Viageoj a apareeerem no coosutorio da
mesma innandaoe no da 19 do orreola pe;as 10
horas da manhia, para em mea feral ptoceder-se
a eleico da nova mesa.
Consistorio da irmandade de Nossa Senbora
da BoaViagem li de Janeiro de 1868.
O secretario,
Jos Cela no da Silva.
COMPRAS
Prata e
bem
Em moeda oaga-se
pendencia o. 22.
ouro
: na praca
da lude-
aior pre$o
que era entra quaiqoer parte, compra se moeda.'
de onro e prata : na loja de ourives, ri.a do Cabo
ga n. 1, esqooa da ra larga do Rosario.
Moedas de ouro
Nacional e eslraogeiro, assim como libras ester-
linas: corapram-se na roa do Crespo n. 16 primeio
andar. _________
Compra-se toda a qualidade de movis noves
e usados : na ra do Imperador n. 16, armazem
de trastes.
Boa occasiao.
Julio Cesar Piolo de Olvela negociante
matriculado pretendendo ramio breve re-
tirarse para Europa, vende seu estibe-
lerlmento de aiendas a iinbeiro on a
prato; e pede is pessras de quera ere-
dor, teoham a boMade de snldarera suas
contas at 31 de Janeiro do correte anuo.
Continua a liquidaba da roa da
Imperatriz n 28.
Cortes de chita escora miudinhas, pa-
drfies fraocezes com 11 corados a 2JW0,
oo disboiao, e se vende o covado a 180.
Cortes de cassas francezas, aue pelos
i
Moedas de prata
nacienaes, assim como pa(atoes portageres t
bespannes, eompram-se eom premio : na roa dr
Crespo n. 16, prime andar._________________
Compra-se ouro e praia em obras velbas :
oa praca da Independencia a. 22._____________
Mmto maior vanagem
Compra o COR a CAO DE OURO n. 2, ra do Ca
baga', mnertas de ouro e vraia.
Moedas de our e prata
Paga-se por mais do qoe era ontra qaalqner par-
te : na loja de ourives areo da Conceico e compra
ooro e prata veiba e pedras preciosas.
-
N!k
V



Barris vazios


Lourenco perora Mendes Guimaraes, tendo dado balan-
do em sua loja de fazendas ra da Imperatriz n.


72 e 51, fez um grande abatimento de suas fazen-

das para poder liquidar com mais brevidade.
Brigantinas de cores a 500.
francezas a 2i0, 280 e
a 240, 230, 320
Vende-se cassas
320 rs. o covailo.
Ditas francezas largas
e 400 rs. o covado.
Dilas inglesas a 160 e 200 rs. o covado.
La>iuiias para vestidos a 249 rs. o
covado.
Vende-se lasiahas para vest ios a 240,
280, 32J e 400 rs. o covado.
Alpacas de cores com flores para vestidos
de soobora a 509, 560, 720 e 803 rs. o
covado.
Roupa feila nacional.
Vende-se pditots de alpaca pretos e de
cores a 30500 e 4*000.
Dilos pretos de panno a !#. 60 e 8$, di-
tos de meia casemira a 33300 e 43, calcas
de casemira a 5)3 e Of?, coleles de casemira
a 30 e 3^500.
Hada pola i a i'001
Vende-se p-cas de madipolo Gao a 43,
5& 3, 70, 83, e 100.
Vende-se brbaotinas de cores para vel-
lidos de seDhoras e roupinhas para meninos
a 500 o covado, ditas brancas a 500.
Organlis braaco a 1,000.
Vende-se organdiz braneo muito fino para
vestidos de senboras a 15 a vara.
Alpacas adamscalas a 720.
Vende-se alpacas adamascadas para vesti-
dos de seoboras e meninas a 720 e 8C0.
Cortes de ganga a 1400.
Lijaida-se cortes de ganga para C3lcas
de bomem a 1#400 e 10000 o corle.
Biia Gao pata calsas a 1400.
Vende-se brim muito tino de cores para
calcas de bomem, roupa de meninos a 10400
e 10600 a vara, dita branca de linbo para
i 10280, 104DJ e 10600 a vara.
j pil i liibolizoa 720.
Pecas de algodosiuho a 40000, 30, 60 e! Vende-so fil de linio liso a 70 a
70000. ; dito de palminhas a 900 e 800 a vara.
vara,
Laosianas com listas da seda
Vende-se 15asinhas maito largas com lis-
tas de seda a 10 e 800 rs. o covado, ditas
finas a 5t>0 o covado.
Curtes de casemira a 12$.
Vende-se cortas de casemira de cores a
20, 30 e 40, ditos de casemira preta pira
Gastares para calsas a 2(|Q.
Vende-se castores para calcas de homem
e de meninos 2oo e 24o o covado, brim
de cores para caigas a 32o e 4oo rs. o co-
vado, gaga de cores a 38o e 4 o rs.
Pml .ie chevre a 80i)
q ida-se esta nova fazen ia para vesli-
poil
calcas e 30, 43, 50, 63 e 80. dos de senboras e meninas por nome
Sedas de cd -es a 1^400. j de cbevre a 8oo Ojo e 10 o covado.
Venle-se sedas de cores isas a 10*03, Bcreja de listas a 240.
10fiOO e 20 o < ovado, grosdenaple preto af Vende-se bereja de listas para vestidos
10-.OO, 23 20300, ditos de tedas as cores de senboras a 2io o covado, e oatros mui-
I 20 o covado, j tos artigos que se deixa de mencionar por
Cortes de brim para calca a 10. I falta de tempo, o que brevemente se annun-
Vende-se corles de brim de cores para ciar para melborar o preso das fazendas.
caiga a 10,10400 e 20.
Basquios pretos a 140.
Vende-se basquinas prelas de grosdena- 32a"36O eYoo rs
^amle'daVglo e .inbo, brim de| A'f f <* ^ fili-
linho pardo e brinco, c outras moitas fc-l J*"f algodao de lisia propr.o para
zendas que se torna enfadmbo menebnar- rouPa de escravos a 2o re,s COVddo-
lbe e muitas qualidades que avista do com-
prador vera' como a Arara vende barato.
Chitas escuras a 320
Vende-se chitas francezas finas escuras
Casemiras a 20JOO,
Vende-se cortes de casemira para caiga a
20 e 330uO,
Cortes de casemira preta para caiga a 30,
30500 e 40
Cambraias lisas a 40.
Vende-se cambraias lisas pega a 40, 50, 60
e 700jo.
Brim pirdo a n0.
Vende-se brim pardo com toque de mofo
a 560, 600 e 700.
Brim lira neo de linho a 10280.
Vende-se brim de linbo para caigas
10280. 106.00 e 20.
Cbales de fil de linho 40500.
Vende-se chales le fil de linho a 40300
e 50000. breuoba de linho 50 e 60,
Mogambique com palmas de seda a 400.
Vende-se musambique com palmas de
La preta a 500
Vende-se lainba preta para luto a 460
e 5oo o covado, alpaca preta a 5oo, 64o.
800 e 10 o cu. a Jo, moriaatique a 10, dito
a 20.
Cobera* de chita a 20000.
Vende-se cobettas de chita a 20 e 205oo,
ditas de damasco a 4oo-i rs.
Aigodo enfestado a i#0O0.
Vende-se algodes enfestado para lences
e toalbas a 10 a vara, dito pintado a 10230
a vara.
Alpacas de cores a 64o.
Vende-se alpacas de cores para vestidos
i; de senboras a Oio e 72o rs. o covado.
Cortes de gazineta a 10:.oo.
Veode-se c >rtes de gazineta para caiga a
10, io2ooe 104oo.
Ca-gas de meia casemira a 30ooo.
Vende-se calcas de meia casemira de co-
ras para borneas a 30, palitots de panno
seda para vestidos de senbora a 40o o co- preto a 50 e 60, caigas de cazemira lina a
vad), pbantasia com listas de seda a 10 e 50 e 60.
80J o cavado, s na bj 1 da Arara, mussu- i
linas de cores para vestidos de senhora,
roapa de meninos a 500 o covado, braman-
te de linbo, bre.aaha de linbo, brim de co-
res para caigas e outras muitas fazendas
que mais logo annuuciaremos que boje nSo vestidos de senboras e
o fazeaos por falta de tempo. 32o o covado.
Liquidaba de cortes de cana- Lencos de seda a 7oo.
brala a 20UOO Vende-se lencos de seda de flores a 800
Liqatdagao de cortes de cambraia com caoa um para acabar urna grande porg5o
barras de cores a 20, 20500 e 30000. qae tem na ra da Imperarriz n. 56 e 72.
NOVIDADE.
Vende-se ama armegSo propria para qaal-
quer negocio.
Lias escossesas a 2?o
Vende-se 15as escossesas de qoadros para
de meninas a 28o e
Compra-se barris vazios em bom estado 200(0
cada am : no trapiche do Peloorinbo.__________
M O KD A
de curo e de pratapiga-se mais qae as outras
casas. Ra do Cahoga o. 9 relojoarl.
Cmpra-se a 13 por ceuto
Prata de todas as qualidades e assim tambem
libras esteriioas e '"uro de todas as qualidades
por mais prpeo do qoe em outra qoalqaer parte :
pa ra da Cadma n. 58, loja de a'ulejo.
Compra-se
por mais preco que em outra qoalqaer parte moe-
das de ooro e prata oacionaes e estraonelras : na
roa do Trapiche o. 16, armazem de Adriano, Cas-
iro & C, e ra do Crespo n. 20 loja de Alvaro
Augusto de Almeida.
Compra-se
por mais prejo qae em oatra qaalqnnr parte moe.
das de ourj e prata nacboaes e estraageiras : na
ra da Cadeia n. 13, loja de Jos Luiz Con>:lves
Ferreira A C.
L'ouiprau-se escravos
Compram-se, vendem-se e trocam-se escravos
de ambos os sexoi e de t idas as idades: a roa
dj Imperador n. 77,-1* andir.
VENDAS
Folhinhas
de porta
Veodera-se 00 ecriptorlo (lesla Diario a 160 rs
Vende se urna taberna sita na povoacao da
Boa-viagem : a tratar oa roa Augusta n. 114.
(lera de ca man lia
Na roa do Qaelmado o. 16, veode-se boa cera
de carnauba.
Veode-se omcavallo bom para todo servico,
em coota : do patee da Rioeira d. 13.
Attencao
o
O abaito as-ignado fat solete ao respeit6vel
publico e especialmente ao corpo do commercio
qoe comproa a taberna sita no largo do Pilar n.
15 ao Sr. Agosllobo Ribwro da Silva, livre e de-
sembarajada, qaem se jalear com direito a mes-
ma comprela do prazo de 3 das a cootar de
boje, depoi do dito prazo Bao se attendera' a re-
clamaco alguma- Recile 15 de laneiro da 1868.
A atelo de Camino.
de cozinha.
Precisa se para casa de familia da ama ama de
cozinha, prefenodo-se ejerava : a tratar na roa
i* ?|*i a. i3, tuja.
Mantel Praneiseo Teizelra avisa ao publ:o
qae, por intermedio )t Srs. Otto Bobres e Pareo-
te Viaooa & C, e pelos navios Esptranqa e Ade
kaii, acaba de receber palba e junco o as melno-
aes qualidades, qae vende mais barato do que em
qoalqaer outra parte, na sua oficina X ra de
rLrUs o. 15.
Na roa Nuva o. 63, luja, se aira' qaem pre*
cisa de urna ama de leite, e paga-se bem agr'
dando.
Alaga-se a mei-sgoa eom soto, sita ao dim
da fabrica do gar, eom freole para o rio, por 12/
por mea.
Praneiseo C. de Medeiros, proprietario dos
omoibos Jabouo a Oiioda, faz scieote ao pobiicu
qoe domiogo 19 do correle botara' oa sea* 00-
Dibas para festa de Sanio Amaro de JaboatSo,
para assim facilitar mala a roznarla aos devotos
de Santo Amaro, cojos mnibus panfrio do Re-
cife as i horas da manda* voltarn de Jaboalo
1 aa 8 1 j da urde, precua # 13a e volia.
Eival sem segundo
f.sl queimando tuda quanto tem em
seu estabelfcimeulo de miudezas
roa doQn imado h. 49.
A Tinta faz f.
Caitas com mono superiores brelas a... 40
Pitas' e cord5es para esparlllhos, faztuda
boa a..........-....... 60
Csrnteis de liana Alezaudre com 400 jar-
das a................ 20
Dazias de meias croas mullo boa..... 40of
Resmas de papel almago pautado a 4U0
Canas com o03 pbosphoros de vellisba a. 16(>
Canas com p tilos de fogo moilo boos a 10
Groz.is de paiiMs do gaa a....... ." V 0
Oozia de baralnos fraocezes a 2/400 e.. 280q
Latas eom superior batira a...... 24o
Frascos eom agua dentice a.....-. fiuO
Frascos com superior agua de Cologue a
400 e............... 500
Prascos com oleo para cabellos a 240 e. 320
Garrafas com agua florida verdadeira a 1^200
jabonetes muito finos a 60, 160, 200 e 324.
Ditos de bolla muito finos a 2C0, 240 e 32(
Varas de cordo para espartilno a S(.
Pente de voltas para meninas a..... 320
Aboloaduras de diferentes qualidades para
colltles a............. 500
Candes de Iinha branca e de cores a .- 2(
Libra de ara preta suponor a..... 120
sc.ivas uarn falo, muito fina a 5! 0, 8C0 e 1000
Varas de franja branca de linbo para
toalba a.............. iQt>
Carniha de doutrina ebnslia da melbor
qoalidade a..........a 32(
Llvros de missas abreviadas a..... 20ut
Caiilohas com 6 frascos de cbelro proprias
para mimos a............ 800
Doza de liona de miada para bordar
moi'o Boa a............. 500
Caixas com colr.etes fraacezes muito supe-
riores a................. 40
Meias croas para mecios a 240, 280, 3l0 e 400
Pares de sapaios de tranga o tapeto a 150
Ditos ditos para mentos a....... 1 i-0
Prascos graades com soperior ti ata iogleza 320
Trsonras moilo Coas para nabas e cos-
turas ............... 500
Carrlteis pequeos com retroz de (Odas as
cores a 40 e.............. 80
Vea da de casa
Esta' jasta e contratada a compra d w>a sila
na DOVo?co do Mooteiro, pertenceote a Sra. D.
Joaquina de Jess Abrm; jalgaodo se alguem com
dir-ito a impedir dita vrud.i, tanha a boodade de
annonciar oestes tres das, oa dirigir se a ra do
Crespa a. 2.
Na Estrada Nova do Ctiauga' veode-se orna
casa com orna armado de taberna e mars oteo
cilios e eom basiaoies commodos para familia :
quem preteoder dirija se ao mesmo lugar no rao-
cbo do Bjmbem qne achara' coa qaem tralar
Veode-se orna escrava boa coiiobeir eo-
gommadelra ; na roa do padre Plonano n 71.
- Veode-se urna uberoa eom pooeo fondos
oa fregQ.iiadeSaDlJ Aaionio, em bom logare
bem afregoe?ada, unto para a ierra como para o
mato, o motivo da venda se dir* ao comprador:
qoem pretender dirija-se ao ptteo do C*rmo 0. 9.
novo
Doce de goiab
venda-se na rq* da eadela o. 9. loja.
VENDE-SE
por 3:oft04 00a bo* caa emcbSo proprjogita na
estrada 4o BneaDamanio junto a esiaeao dos tri-
ihos nrban-.s: qaem a vir nao deiiara da comprar
mr nop baralo : a tratar oa taberna d. 5, bj tne?-
n lugar.
LOJA DO GALLO VIGI-
LANTE RA DO CRES-
/PO M. 7.
Os proprietarios deste bem conbecido es-
tabelecimeoto tem a satisfacSo de levar ao
conheciraento do respeitavel poblico que aca-
bam de recebar pelo ultimo vapor da Euro-
pa um completo sortimento de objecto sde
apurado gosto e de inteira novidade; [os
quaes esto resolvidos a vender por pre-
cos mui razoaveis, como sejam :
Lindos cintos com ponas, bordados ve-
drjjhos, fazenda qae n5o haver quem con-
teste ser a melhor que ha neste artigo, isto
s na lo,a do Gallo Vigilante, ra do Crespo
n. 7.
Leques de madreperola, sndalo, marfim,
madeira e osso, etc., com lindos desenbos.
Guarnieses de palhas,
Riquissimas goarnicoes e trangas de finas
palhas de Italia, com vedrilho, pingentes e
sem elles. e outras com botScs da mesma
palba muito proprias para guarnecer vesti-
dos, cbapellinas, etc.
Lindas bolsinbas oa cabases para as me-
ninas trazerem nos bracos, cada qual mais
bonita.
Tesoiiras.
Fioissimas tesouras para unbas, costaras,
cabelleireiros e aifaiates, as quaes garanti-
mos ao comprador a sua boa qualidade.
NaYalhag.
Superiores navalbas com cabo de tartaru-
ga e marfim as quaes os fabricantes garan-
ten).
Luvaa.
Lavas de Jouvin, camurca e de seda bran-
cas, prelas e de lindas cores.
Pentea.
Grande variedade tanto para coques como
para alisar cabellos e a barba, ditos para
arregacar cabellos, sendo de tartaruga e b-
falo cun pedriobas e sem ellas, etc.
Port liou4(iiel*.
Muito lindos port bouquet-^ com cabo de
madreperola, proprios para ca-amentos, bai-
les etc. etc.
Escoras
Finas escovas para roupa, cabello, chapeos,
unhas, denles e para limpar pentes.
Abotnadnr?s
Lindas aboluaduras para Golletes, punbos
e collarinhos.
Perfumarla a
Finas e de todas as qualidades e dos me-
Ibores perfumistas at o presente conhe-
cidos.
Collares de Royer
Eletncos magnticos, contra as codvuI-
soes das creaocas e facilitar a denlicao das
mesmas. Ja tao conbecido < s prodigios
destes collares anodinos que nao ba quem
davide de seus efficases eflaitos, e o Vigilan-
te, sendo recebedor destes collares, teo>
sempre grande quanlidade em deposito, isto
s na loja do Gallo Vigilante, ra do Crespo
n. 7.____________________________
A AtillA WC4
Por conbecer a influencia qoe costuma bave
em todos os senos, por esse tempo, e per ver)
quaoto se deseovolve e arpara-e o bom gosto em
Pernamhuco, ella qoe i<-w sempre em visus agra-
dar, e sinceramente bem servir a sna boa fregoe-
tia, aotecipou-se em n andar buscar os differeotes
objectos de gosto e fantasa, que agora mesmo ac-
iKiin de cbegar.
Qae a loja d'Agnla Branca, rom esperialidade,
onde prlmeiramenie se enciniram qoaesqn-r des-
ses objectos de novid>de e moda, isso esta' gerai-
mele reconbecido; mas ainia assim a Aguia to-
ma como por dt-ver scleuiirar ao bello sexo, ca
particular, e ao respeitavel publico ero g<-ral, sem-
pre que como agora, recebe os imp rtantes objec-
tos qoe abano menciona, e por mais essa vez ea
loma a liherdade de pedir a alteogo das Em"
apreciadoras do bom, para os novos e bellos orna-
tos que formam nm lindo e neo loillet
Nao ceriamenie com urna mal aparada penna
d'Apuia, que bem se f desempenbo oe taes ohrus, sim, a propria iniel-
agencia d'nma excedentsima, qoe bem podera'
apreciar o alto grao desses perfeitus objectos, tai-
vez os primeiros qoe nesse genero teobam viudo
oli nosso Pernamboco.
A Aguia Branca, tara' apenas cooheeer os ob-
jectos de qoe se compdem estes novos e bellos or-
oatos. Em um bello cartao vem hbilmente arrao-
jado, um moderno cinto de Ota de setim on sena
malotado da largora de 7 a 8 pollegadas, am bel-
lo leqae de madreperola, om par de lavas de pel-
lica, ramos de linas Odres para o ceqoe, peno,
guarnicSo para as lavas, etc., etc., e finalmente
urna almofadloha de setim com aromticas pasti-
ihas em p.
Alem disso
Bsto em ordem do dia as novas e bellas trancas
de tua palha de Italia, e ootros diferentes eofelles
da mesma qoalidade e proprios para vestidos de
las, chapeos de senboras e meninas, resta someole
que os pretendenles comparecen) na loja d'Aguia
Branca oa roa do Qacimaao n. 8.
Bolsas para cacadas.
Ata bolsas para cacada, agoia branca receben e.
pretende vdelas baratamente, com tanto qoe os SIias de Pel1
apreciadores da caca deixem flear um par a agoia
branca da roa do Qaelmado d. 8.
Caivetes lisos oa ferros para abrir latas.
Veodero-se na roa do Qaelmado loja da aguia
branca n. 8,
Bons esparlilhos.
A agola branca rna do Qaelmado n. 8, rece-
beu novo so'tmenlo de boos esparlilhos e como
sempre vende-os por presos commodos.
NGENH0~PA0T,0LE0-
Tasso limaos venden) este eDgenho de sua
propriedade, ou permutam por predios nesta
praca; o q'ial moente e corrente, com 2
carros, 13 bois de correia; 6 barros, 6 bes-
tas e 12 ca vatios : com ama pequea safra
de luOO a 1500 paes de assucar para o
anno. Nao podeudo alcaocar preco razoa-
ve!, tambem nSo duvidam fazer nra arrenda-
ment pelo tempo qoe se tratar, oa dar so-
ciedade a quem entender do trafico de en-
genho e teoba pelo mecos escravalura para
16 eoxadas.
Tambem, se convier 10 pretenderte, ven-
der e engouho coutiguo denominado Har-
mona aotigamei le Cova da Onca >, o
qoal est desmontado, mas opiima acqai-
sico pelas suas matlas e grande cercado pa-
ra pastos de animaes. Faz-se negocio para
entregar j o referido eogenbo com a safra
qae resta par tirar, oa em maio, conforme
metuor convier ao preteadeote.
padres cbamam organdiz
2*800, e o covado 240.
Chitas fraoeezas, lindos
paoo moilo eneorpado e fi jas a 260 e
i ^iUO e a
desenhos de
1
320, e percales a 400 rs. o covado.
Cortes de caigas de ganga, padiQes es-
caros a 1. e o covado a 32).
Brilhaotioa tina de flores laiodinhas de
720, boje se vende o covado a 560.
Cortes de casemira Sna a P, e caicas
a 'i e H, naciocafs.
Liadas gravatiobas de seda1 estreltiobas
a 3)0 e 300 rs. cada orna.
Paletots emfranqoiados feltos no palx,
escaros a :ii e 25'00.
Brim branco Qoo de linbo ilj, \>iiO
elS80. s
Candleiriabos de [ a 1510 e a dozla
a26#.
Lamparinas de ciistal a IXoC'O, pe-
cbincba.
.",00C ebamins em liqoldaQi-J a 2'.0 e
320, 400 e 606 rs., e a dOzia 1*500, 32( 0
4S<>00 rs. pavios a 40 rs.
Caodieiros a gaz para cos iha ou salla
de traz ou corredores a l$8) e 2$.
Bocaes a 500, 800 rs. e 1;, e ob-
jectos desta arle tambem se concertam
caodieiros e se trocaro.
Agua de tirar nodoas, o frasco 1 nao
bezioe.
Na roa da Imperatriz 0. 28.
VENDE-SE
Um carro americaoo de qoatro rodas e quairo
asstntos para om oa dous ca val los : na cocbera
d roa do Imperador o. 4*.
Francisco Jos ttermann
|RA NOVA N. 21,
acaba de receber am lindo e Dignifico co
timento de ocalos, lanetos, bjnocalos, do t
timo e mais aparado gosto da Europa e oc.
loa de alcance para observaces e par
maritimos.________________'
Grande novidadel para a
festa
Ifa loja do pavo rna da (mperatriz b.
60, de Garra 1 Silva,
Modernas poopelioas com palmichas
bordadas e qoadros, covado a.
pal-
las
ec-
Modernissiroas lazinbas coro
mas, salpicos, qoadrt-s, listas, felc.
etc., covado, a 400, 500 e.
Llodas las com lisias de seda, bo-
vado.a 560 e.................
Verdadelro poli de Cbevre com li
modernas, covado, a 800, \i e.
Finissimas mus:elioas de cores,
vado, a......................
BuDilas sedas de cores cimi paldJos
de largura, covado, a
Grosdenaple azni, rozo, lyrlo, elo?a,
etc. etc., covado, a
Modernas cassas com listas larcas,
vara, a 6i0, 720,800 e........
.Moderoissimos orpandys de i-r, vara,
Orgaody largo, com lista e quadros,
vara, a.....................L.
Cortes de orgaudy rom lisias brin-
da
401
m
m
IfXX
6i
500(
IfHM
IfOOf
laoox^
10(^
40(
28f
24,5000
28OO0
10O(
e^oot'
c.
iietN
l'.iO
24(
ca= e de coresf leudo 8 varas caj
c rte .........................
Lazinbas de orna s cor matbisai as
covado a.......................
Cortes de cambrala branca borda I?,
sendo neste peero omsis rico qoe
tem vioJoao marcado...........
Boniti'S corles de sedas cores claras a
Benitos cortes de phaniana a.......
Cortes de orgaodys listados com !0
vara, 3......................
Fil braoco bordaao, sendo de meia
largura, vara, a..................
L -o..a fajeada branca para sal s,
irc l.i pregas de um lado e iaia-
bem bordada, vara a 15. 15280 e
Ricas saias bordadas a 600O, && e
Cassas de urna s cor de flures, cova-
do a......... .................
Dius fracmas rruito Ocas, sendo .!a
listas e fl.res, vara a 500 rs. e co-
vado a..........................
Modernos punhos com golinbas, sen-
do de esgulao de ilobo, bordad ?,
branres o de cores a.......... ..
Moernos manguitos coro gollinhai
Ricos eorpiobos de camt^raia roo
bem enfadados e bordados a 83 e
Saias econmicas e escuras, paira
quem fr passar a festa fraa..
Chales Isa
a 6SO0.
Chegaram os mais lindos chales de mirir. de
todas as cores com orna booita ( larga,reuda de
laa em toda a volta, sendo oeste genero o mais
lindo e mais moderno que teem viudo ao merca
do e vende se pelo barato prego do 65000, nica
mente na loja p arroazero do Pav&cj, a' roa da Im-
peratriz o. 60, de Gama & Silva.
iTTENClO
No armazem de fazendas de
Santos Coelhotrua do Quei-
mado n 1-0.
Bom e barato
Lansinhas Poil de Cbevre a i& o covado.
Madapolao enfestado a 8)9 a peca.
Cambrala de cores matisadas fioissimas a
BOO a vara.
dem brancas transparentes finas de 45,
50000, 60, 70, 80 e 90000 a peca com O
jardas.
dem branca tapada de 80 e 90 a peca
com 12 jardas. r
dem branca franceza muito larga a 90 a
peca com 8 varas.
Bales de 35 e 40 arcos nesgados para
senboras, a 40500.
dem de mursulina nesgados a 50.
dem de crochet a 50.
dem de mursulina para meninas a 30 e
305oo.
Saias bordadas a 50.
Cambraias admascadas para cortinado a
120 a peca com 2o varas.
dem para forro a 30 a peca com 10 jar-
das.
Cambraia de linbo muito fina de 60 e 90 a
vara.
Madapoloes finos de 60, 70, 80, 90,100,
110 e 120 a peca.
Platilba de algodao superior fazenda para
saias a 30200 a pega com lo varas.
Coberlas de chitas de ramagem a 206oo.
Lences de bamburgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa a
40500.
Guardanapos de linho adamascados a 40
a duzia.
Ataalbado adamascado eom 7 1/2 palmos
de largara a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos de largura a 30 a vara.
AlgodSo enfestado com a mesma largura
a 101oo a vara.
dem trancado de algodSe a 10600 a vara.
Toalbas alcochoadas de linbo lisas a 114
a duzia.
dem de algodSo felpudas a 130 e 14$
a duzia.
Colchas do fuitjo a 60.
Lencos de cambraia brancos finos a 10800,
20 e frico a duzia.
Lencos de cassa finissimos a 30200 e
3060o a duzia.
Fil de Jimio liso a 8oo a vara.
dem com salpicos a 10ooo avar
Grosdenaples preto bom a Ii58oo, 23
2j58oo o covado.
Morantique prelo superior a 208o o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 8oo rs, a
vara.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 20ooo a vara.
dem de linho com 5 palmos a l52oo a
nra.
dem de linho com 3 1/2 palmos a Sooa
vara.
Riqusimos basquios a 250000.
Assim como ouinis muitas fazendas que
se vende por menos que em ouira qualquer
parte, e d-se amostras de tado,
Bales de 2o, 25, 3o, 35, 4o e 5o arces
para senhtra a 20, 2<$5oo, 30, 35oc 40 e
5|jG00.
Ditos de 25 e 3o arcos com mollas a
6 60.
Ditos de raurcutia estreilos a 60.
Espai tilhos finos a GJ.
Percalias fioissimas a ioo r'cis o covado.
80
lo
Mi
30(
1JC0C
230(
10*001
250('
netes de
'sentado os WiU
ns, paooos, sar-
lodas as demais
de che^arossab
alcatro
O oso destes sabom tes tem apr
benefleos effellos contra as impig
Das, ttnha, caspa, comicb5ss, e
Vende-se
Ni BOTIH t DliOGlRIA
Itartliol* uicu .4 c.
34Sua larga do Rosario3-4
Manteiga inglqza a8oo
Vende se maoleiiza logiza flor |a 800 rs. a libra:
do proerr-sso do pateo do Carmo o. 9.
Botasrossiaoas, pernfiri varoenie rhepadas, da melhi r 'joaliilaiii- qne temos
visto, no animem do vapor ra Nova n. 7.
VAS LIO
wrrooiD. 9.
8lSf0
e bacalnao do Porto : veode-se
dor n. 28, taberna do Campea.
Vende-se nm lindo mulato
Flotiaao o. 7.
ta ra do impera-
Liogoas
a roa do padre
Cheaaram as saoores liogoas de fomeiro do
Dio Granee do Sol ao armazem Uolo Mercantil,
rua da Cadeia n. 55, veodem-se k iiO rs.
Terreno,
Vende-se om terreno na roa Imperial, com 60
palmss de frente e 900 de fundo, em bom local,
oo precisa de atierro e poruoto proprio para
edificar ; a tratar oa roa lilreita o. Hfc._______
Veo lem-se ou irocam-se doas escravas eom
habilidades por doos eseravos, nao se repara eor,
orna sera va tem 22 snnos, booita figura, en eom-
ma muo bem, cose e coainba, e a ootra tem 10
ann-v, ooe bem : oa rua estrella do Ro arlo p.
J 3, i a Novo scrlimento de luvas do pellica de j'uvto,
brancas, prelas e de ootras bonitas ores para hi-
mens e senboras; no armarem do vapor rua Nova
o. 7.________________________
fonda ao publico.
Maria do Rasarlo da Fondera Valheiro, gT 'm
bastante prreorador Uanoel i6 da Fonsetia, pa--
ticlpa ao respeitavel publico ooe, p pnamenta dts-
embarscou coreo desimbar?cdo e>l de hoj? para
sempre, o seu terreno com U'o ciisao do c^a em
respaldo n.20, sito Dama des uararap^, rrr.i
f ente n. 21, para a rua d Drum, por urna xn-rn-
go que promovea contra Flix da Cuoba T-ixei-
ra p.403 mnlher, a qual leve logar di- recorrer pe-
lo Ito. Sr. juizo municipal da 1* vara dota cida-
de, coreo i n i.i nos autos da me>ma, que p>>r>m
no cartorio do esenvo il .tu. Silenciosame.ttK,
nesta execuco se eoropoitaram os credores d
Fclix di Cunta Tcixiia, nao se
forma alguma, dn menos Viclorloo D mingoes Al-
ves Mala, que'como credor Wi. qiijinli pede, pro-
lesP n para entrar no rateio, o a> da a arreirata
cao elle Maia pe-soalrcenle se apreseoloO 110530
do nos heos penborados, e os pretenda, o qun ni
pfldeconseguir, mas .'rnente receten a qpantia rio
3723413 qae fui qotnto pertenctu a dito M*ia,
desta oinMra sb den Dm a lal ejecuto, a por
aqui se v qua este io famoso predio estelareis
desembarazado,, e se vende a quem mais Cr ;a
tratar na rua da Cruz do R>cife n. 9.
___________________Maooel Jos da Fonseca.
Cemento
Cimento hvdraolico da me'hir qualidade rara
edicacoes o oa, tasques, algerctes, asseniarceo
tos de canos, etc., em barricas grandes, a 12J,
Dito coromum ou romn a 10H.
Em porrao soperior a 5 barricas se faz urna
diilerenca do prego conforme a qu->ntidade :
Nos armazens de Tarsj Ir-
maop.
Nos armazens df Tasso IrmSos.
GBADIS M FERPO
para jardio?, porieiras, etc.
Kosarmazcosiie Tass lrmos
Vende-se
a obra em Lrocltura e em
Code Peoal_por Faostio
de Dec s n. 2i.
8 voloroesTheorls r>i
Helio : na rua da aladra
Para acabar
Vendem se saceos"com armba, de aandlocad
25500 a asi im como saceos'com feju pof
h-.rii--cimn pr'm: no trap',h ^;:i5? do Livr-
1 manto 00 Forte do Matos a. lo.
IllGIVEl







gario de Pcroan.),,^ ota Iclra ti 4c Janeiro de i8g.
DO

. sevial.
Para o tratameoto e cura rpida e completa das molestias syphiliticas, eris-e-
u, rheumatsmo, bobas, gota, debilidade do estomago, infiammaces cbrooicasdo figad^
i) ac, dores sciaticas, cephalalgias, neuralgias, ulceras chrouicas, hydropesiaa, pleuri-
das, gonorrheas chrooicas e em ge al todas as molestias em que setenha em vista a pu-
rificado do sjstema sanguneo.
Consideraces geraes
A sande um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao ens
$nno o avalia-lo. -
ineontestavel que o homem ueste mando constantemente, e por todos os lador
acado por urna iufinidade de agentes morbficos que todos tendere, dadas certas e deter-
flinadas circamstancias, a alterar o regular exercicio das ronccBes orgnicas, resultanbo
esse desequilibrio o que se cbamamolestia.
A molestia nao mais de que a desvirtuado das forcas vitaos, occasionada,- d,
jando as investigac5es e experiencias dos mais abaisado mestres da sciencia, pela depm-
*acSo dos humores geraes, consequencia da acc3o maligna desses mesmos agentes mora e
icos introducidos no organismo pelo acto da respiracSo, pela via digestiva, pelo contacto
'inmediato etc. etc. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partilha da humanidade, e como ra de duvi-
4a que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraqnecendo
constituyes robustas, produzindo mutilacBes, e cortando ainda em fldr da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
tumores tem sido desde tempo immemorial o fin constante da medicina, e os purgati-
vos figuram em primeiro lugar para preencber esse desiteratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
inmensos successos obtidos pelo uso deste salutar agenle tanto na Allemanha, como em
franca e Italia, o tornam o companheiro inseparavel dequasi todos os doentes.
Sendo as meleslias, como cima dissemos, devidas s alteracOes dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode ser empregado vantajosamente na syphilis, erisy-
peias, rheomatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, iaflainmacoes cbronicas do
sgado e bago, dores sciaticas, cepbalalgias, nevralgias, ulceras chronica, bydrepesias,
pleurisias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todas as molestias em que goteaba
m vista a purificaco do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito
ver que elle indispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, pre-
parar o doente para medicacoes superiores ; e as menos graves a cura a conse-
fuencia do seu uso, convenientemente repetido. .
As substancias que entrara na composicao do Elixir depurativo do Dr. Sevia
perteneca todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das eubstan-
iias depurativas e antisyphiliticas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
ismo, eliminando os principios nocivos saude, peto mecanismo nataral das eyau-
todes alvinas, neutralisa ao mesmo tempo o virus syphilitico quando este yirjem.
;em feito erupc3o no exterior dtbaixe de suas multiplicadas formas; e previne tam
ttem os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella ainda no
ttado de encubaco, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
saienso, tanto mais quanto neste estado os individuos ignoram completamente se es-
to contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradave d'esle Elixir convem a todos os estmagos, a sua accSo so-
ere o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medir
tomentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mocosa intestina!, e consecutivamente a seroza, resultando deste es
julo, muitas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morte do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
as as:everacoes, porqne sendo om medicamento to simples na sua composicao, a
ntica tem confirmado sua utilidade.
nico deposito em Pernambnco
Na botica e drogara
DE
Barhotomeo Companhia.
3-MJA DO ROSARIO LARGA34
LIQllDAC'ArO DE FAZENDAS
for baratos presos.
Cascas francezas de cores *a 240 rs. o covado.
Ditas franc zas, superior qualidade, grande variedade de2padres, fazenda de
SUrs. a vara, a 30 rs. covado.
Ditas ditas milito finas a 400 rs. o covado.
Superiores caltas francezas largas de cores fixas a 260 rs. o covado.]
Lindas litas de cores cora salpicos e cora fljresj a 320 rs. o covado.
Ditas com palmas de seda a 320 re. o covado.
Ditas com listas imitando poil de Chvre a 400 rs.Jo covado.
Superiores alpacas de cores de duas larguras com listas e com flores, grande va-
ide de padrees e gost is inteiramente lindos ('fazenda de i& o covado) a 500 rs.
Sedas de cores de quadrinhos e de listas a 800 rs. o covado.
Ricos romeos ou capas de merm, bordadas'e enfeitadas com renda preta, [o que
la dezmis moderno para hombro de senhora a 8/J, 100 e 12J cada um.
Bons raadapoloes a 55, 60 e 70 a peca.
Ditos a 35.
Superior algodaosinbo branco'com 20 jardas a 40 a peca.
Assim como outras muitas fazendas por menos do seu valoreara liquidar.
rid
LOJxl DAS COLUMNAS

DI
Antonio Correia de Vasconcellos & C<
Ra do Crespo n. 13.

I
a
B
cr
ce
o sr
2
es
o
3. 8
L
t
o
o
oo
s
f
i
a>
e,
D
a
a
a
5"
o
3
o
09-
f
2.
o
CKS
s
en
a
s
<
-i

B
o
s
cr.

o
B3

o
G
m
Si
3
PARA ZO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba garrafa..........10ooo
Vinhode I06oo
Pillas de % > vidro.....- I06oo
Tintura de 64o
Extracte hydralcoolico de jurubeba 1205oo
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinho de.jorubeba erruginoso garrafa. 20ooo
Xarope 106oo
Pilulas vidre.,. 20ooo
Oleo de jurubeba vidros.... 64o
Pomada de pote...... 64o
Emplastro > fibra. .... 205oo
PARA ZO EXTERNO
A JUHUIIEBA.
Esta planta' boje rocoohecida como o mais poderoso tnico, como i
tente desobstraente, e como tal applicada nos engo-gitamentos do figado e baco, n-
hepatites propriamente ditas, ou ainda complicadas com anazarehas, as inflamm'aces
aibsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as bydrope-
lias, erysrpellas; e associada as preparaces ferruginosas, ainda de grande Tantagem
.
.
as anemias, chloroses, faltas de menstraac3o, leucorrheias, desarranjos atnicos do esto-
mago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos afirmam os mais distioctos mdicos desta eidade, entre os quaes
podem os citar os lllms. Srs, Drs. Silv.a Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Seve, Pe-
reira do Carmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todo* elles reconh"cem a excellencia d'est po-
deroso medicamento sbreos demais at hoh ronhecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os das fazem d'elle applicacar.
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da juru-
beba, tivemos por fim generalisar mais o tsb d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at hoje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinham anda a desvantagem de nao
ser calculada dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo um
medicamento, que poderla produzir ptimos resultados.
Os nossos prepados s foram apresentados depois de haverraos convenientemente
estudado a jurubeba, fazendo as experiencias precisas para hem conhecer as propriedades
medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folhas fructas ou bagas, e a dose convenan-
ea appcacSo, tendoalm d'isto procurado levar os nossos preparados ao maior grao de
tperfeic5o possivel, para o que n5e poaparaos esforcos, n5o nos importando o pouco lu-
cro que possames tirar.
Por taDto os que se dignarem recorrer aos. nossos preparados podem ter a certeza
de que elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar .a prompta e infallivel cura
I de qualque dos soffrimentos, que deixamos innumerados, se forem em tempo applicados
tendo alm d'isso, medico ou doente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa-
races, aquella que melhor Ihe'pode convir, j pela fcil applicacSo, e j pela complicacao
das molestias, id de, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparares ferruginosas s5o feitas de forma que se tornam completa-
mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os compostoa de ferro que como
taes esto hoje reconbecidos.
Para aquellos que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jurubeba, e saberem a applicagao de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
em nosso deposito um folheto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dos me*
mos preparados.
Deposite geral de todos es preparados
Botica e drogara
34Ra larga do Rozario34
NOVA FABRICA DE CHAPEOS
DE
0 cordeiro _
Na antiga toja de miudezas a ra do Quei-
mado n. 16.
Tenia umpN em visu nio roabar o tempe os
seas fregaeiet coa extensos annoacica -.; mas
umbem alo breado qae os mesmo* fregneies
Igaorem o que e mvo tsm elle receblde, por Uso
resamidamenie dia': thegMdo aesim ao co-
nbeeimento de todo que a dita toja do Cerdeiro
Providente, roa do Qaeimado a. 16, receben, o se-
lolote : ^P]
Bonitas e doradoras Ugas do pellica para meias,
tanto para senboras como para meninas.
Leques de diversos e modernos gostos.
enfle com enfeites doarados e nio auradoi,
para meninas.
Coques simples eenfeitados, moldes lileirameB-
te novos.
Bom papel em eilxlnnas liso, pintado onr '
do e timbrado, e o a tros moitos objectos, qae men-
ciona-los seria bastante enfadoobo, e qae se ven-
de em dita toja de miadezas do Cordeiro Previ
deate, raa do Queimado o. Id.
Mo faltam flores,
O Cordeiro Providente a roa do Qaeimado a. 16
tem constantemente um lindo sortimeato de fl
aas e bonitas flores, por Uso qaaodo algoma ba.
bilidosa jovea quizar preparar qaalqaer enfeite de
bello gosto deve logo lembrar se qae ba dita loja
do Cordeiro Prerideole, a roa do Qaeimado n. 16,
nao faltam flores.
Para alvejar os dente.
O cordeiro providente a roa do Qaeimado D. 16
!receben do bem eeaboeido fabricante Jonh Gos-
noli tes aromalisados om canfora qae realmente tem
merecido todo coneeito porqne nao s alveja per-
leramente os dentes come umbem conserva-os
sempre no melhor estado de perfeico, assim pois
qneiram vir comprar ditos pos na mesma loja
do Cordeiro Prevideote, ra do Qneimado n. 16 ,
Kafcltcs com ponas.
O Cordeiro Previdente receben um lindo sorli-
mento do enfeite com pomas para vestidos, Unto
de seda como de lia qae combinara serfeitamen
te cora es cintos moderos do mesmo formato, por
isso para poder enfeltar-se cem gosto qaalqaer
vestido indispensavel comprar-se ditos enfeites
na mesma loja do Cordeiro Previdente, a ra do
Qneimado n. 16.
Chapel loas sle seda
Modernas % bonitas chapelinas de seda para se-
nbora receben o Cordeiro Previdente raa do Qoei-
aiado n. 46 e por ser pequea a qnantldade re-
cebida, quera pretender ama moderna e bonita
cbapelioa deve aprecar-se em mandar compra-la
em dita hja do Cordeiro Previdente a raa do
Queimado n .16.
CAIXINHAS ENFEITADAS.
Estas muito desejadas caixiobas vasiss e enfei-
tadas com gosto, qae tanta extraccao tem lida e
qae realmente servem para diversos fias, existem
na loja do Cordeiro Previdente a rna do Queimado
n. 16 um complete sormento de ditas caixiobas e
sao vendidas por procos to rasoaveis, qae o exp-
rtente fregus nao objectara' em compra-las em
dita loja de mladexaa do Cordeiro Previdente a rna
do Qaeimado o 16.
PONTEIRAS E CHARUTOS.
O Cordeiro Prevideote, roa do Qaeimado n. 16,
tem om bom sortimento de finas ponteiras para
charutos, sendo lisas e com ligaras em alto rele-
vo ; o para que os seus fregoezes nao se Incom-
modera em comprar charutos em algnmas das lo-
jas de charoteiros, recebeu tambem um bom sorti-
mento de fiaos enaratos do afamado fabricante
Fuado de Simas; assim, pois, encontrarao os
apreciadores um bom sortimento na dita loja do
Cordeiro Previdenie, roa de Queimado n. 16.
A loja do cordeiro previdente
Ra do Queimado n. 16.
Nella acbarao os pretendentes om grande e va-
riado sortimento de perfumarlas finas, tanto ingle-
tas como francezas, sendo :
Finos extractos para lencos.
Banhas o pomadas para cabellos.
Oleo pbllocome e baboza para dito.
Pos fcygieoicos para dentes.
Ditos campborados para ditos.
Opiata ingleza e fraoceta para ditos.
Pacotas com pos de arroz.
Vasos de percelooa para ditos.
Saboneies para mo e barba.
E maitos outros objectos que serio presentes
ao comprador que se dirigir a roa do Qaeimado
o. 16, loja do cordeiro previdente.
Bandeijas pequeas.
Vendem-se na ruajdo.Qbimado n. 16. floja do
cordeiroprevidente.
Charutos
da acreditada fabrica de Jos Furtado de
Simas.'
Vendem-sejoa loja^dojcordeiro'previdente a roa
do Qaeimadofn. 16 _____^^^
GR1NDE BAZAR
RA NOVA N. :0 E 22
DE
Manoel Moreira de Souza
RA NOVA X. 45.
Neste novo estabelecfmento ba um completo sortimento de chapeos para bomen, senboras e
meninos e vende-se por menos prego do qae em oatra qualqaer parte.
Venda ou arrendamtnto.
Vndese por preso razoavel, dlnbeiro on
a praso, conforme se ajustar,.ou se arre oda o en-
genbo Jaboatiozlnbo, moente e crreme, sito na
comarca de Santo Anto, com terreno sufficiente
para safrejar de 1,500 a 2,000 pes annnaes, todo
o terreno moi frtil com bastantes varzeas, todos
os partidos eMao eoeapueirados, faz assacar de
muito boa qualidade, e em ludo muito manelro,
tem bons sitos para lavradores, om grande cerca-
Jo, duas casas para morada e diversas para mo-
radores, todas cobertas de tena, senzala, casa de
(arinba, otaria o forno, casa de engento multo
grande, com casa de porgar para 800 mil pies,
casa de encaixamanlo multe espacosa com os cai-
x5es precisos para depesito de assocar secco, dous
lamosos balcSes para seecar assucar, boa estufa e
bom lugar para assentar ama distilacao, moeoda
eroda d'agoa quasi novas, nom assentamente com
as tazas precisas at para fazer relame, nm tin-
que para noel e orna casa para bagaeo, todo em
meilo bom estado : quem pretender poda nten
der-se nesta praga com Bcroardino Correia de Re-
zeode Reg, ra doLivramenton 20, ou noenge-
abo Campo Alegre com o Sr. major Manoel Caval-
caou de Albuquerqoe e S.________________
Veode-se orna armaco propria para qaal-
qaer estabelecimento, eoveroisada ; na rna Direlta
o. 62, e tambem se allnga a mueras casa que c ffe-
rece commodos para se morar; quera a pretender
dirija se a rna de Santa Tbereza n. 42.
Fundigo dAurora em
Santo Amaro.
. Completo sortimento de taixas batidas e fundi-
das, alambiques de todos os lmannos e fondos di
djtos, raoendds de todos os tamanbos de superior
qualidade, crivos e boceas de fornalba, o qae tud<
e vende por commodo preco. _______
Vapores.
Vende-se em casa de Sannders Brothers 4 C.
o largo do Corpo Santo n. 11, vapores patentes
em todos os pertences proprlos para faxer mover
es oa qnatro machinas para descarogar algodt
Condecora coes.
Chegaram no vapor ingles Setne om sortimento
loja deoorivesde Jos J. Goocalves Ba3tos
G.. raa do Cabog n. 2a A, esquina da rna larga
do Rosario.
Baldes trances e de cores para me-
ninas.
A agoia branca, a' ra do Qaeimado n. 8, rece-
b-'u ornas amostras de superiores baldes brancos e
de cores para moninas de diflerentes tamanbos, e
como sempro, vendeos por preeps commodos,
visto a boa qualidade.
tfovoe grande deposito de superior carvao de Cardiffna
Bft)lL
' 8^nSoXS. a\T, ern ontlj,,1Sr .lePMito, todos os navios a vapor qn.
owren naowjj porto. A contratar nesta eon Domingos Altai Mathew,!
Lzinhas a lije 240 rs*
Vendem-se laatlnhas escocers moito bonitas
pelo baratissimo preeo de 240 rs. covado-, ditas
anadiabas para acabar a 160 rs.: s na loja e
aunazem do Pavao rna da Imperatriz n. 60. de
Gama 4 Silva. '
.Cimento
Saperior de Marcelha igual ao Portland em
barricas grandes de 11 arrobas a 12 a barrica,
em por._5es se fara'redaeco de preco: a tratar
com Tasso Irmios no armazenudo caes do Apollo.
Papel de imprimir
Acaba de chegar, nova remessa de papel para
imprimir jornaes : no armazem de Tasso trmos
ao ces do Apollo.
Snjttrier panno de algodo da Babia
Vende se no escriptorfo de Aotooij Lolz de Oli-
vetra Azevedo & C., ra da Crox n. 57.
Vinho do Rheno1
em snperlores qualidade?, por presos commodos:
em casa de Rabe Scbmettau & C., rna da Cadeia
D. lo-
Machinas para descarocar algodJo, do me
Ihor autor que tem apparecido na America
E' tal a execoc3o do machinisme, que o al-
god2o sahe quasi t3o perfeitocomo o debo
landeira. RecommeDda-se a attenclo doi
Srs. agricultores, estas machinas.
Fabrica e [undicaeT tl)ronz
!- outros metacs, caldcirciro,
Uioeiro, e funileiro, situada
naSokdae, ra do Prin-
eipe n. 8, e com aposito na
ra Nova n. 38, da eidade
doecife.
DE
BRAGA &SAMPAI0
Fabricam-se oeste importante estabeleci-
mento todas as obras concernentes as artes
respectivas como sejanf:
Alambiques de todos o tamanbos em
feitios, os mu acreditados aparelbos de
Derosne com as dimences delicadas dos
fabricados em Branca.
Fabricam-se avulsas quaesquer netas des-
aparelbos, como sejam o dilatador, ratifica-
dor e condensador, en esqoentt garapas,
resfriador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
ces e qualidades, pelo sygtema francez ou
americano, simples, de presse, refoxo, e
com especialidafle a estanco rio lauitn-tp
nominadas pelo enorme volme de agua
que absorvem calculada em 100 pipas por
hora, e das quaes algumas est5o promptas a
serem experimentadas.
Existem bembas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garaBtindo-se n2o
s a sua duracao como a grande qoantidade
de agua que fornecem pelo que s3o cods de-
radas hoje as primeiras bombas conhecidas.
Todas as mais obras se fabricana vonta-
de dos fregoezes e a seu capricho.
Existem sempre promptos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a precos rasoaveis,orno --ao alambiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, reparlidei-
ras, escamadeiras, cocos, candeias, e muitos
outros oteEcilios preprios para engenbos,
como sejam mancaes de bronze, parafuzos
para rodas de agua e outres.
Cavilhas, machos para lemes, pregos de
todos os tamanbos e para o forro de cobre
de navios.
Aprompta-se tud quanto diz respeito as
obras de lato torneadas e polidas com toda
aperfeic3o.
Vlvulas para tanques de banho, torneiras
de todos os tanianhos e qualidades, assim
como todos os ornamentos para militares,
botes para farda, aparelbos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cornetas; alam-
padas turibules, caldeirinhas, navetas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folbas de (landres de todas as
qualidades, bahs, bacas, bules e outros
utencilos domsticos.
Lampies para gaz para engenbos, folha
de flandres em caixas, folhas de cobre e la-
to, tubos de chumbo para encanastemos de
todas as dimences, folbas de zinco, estanho
em barras e verguinha, lancees e barras de
chumbo, vidros 6nos para espelbos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para v-
dracas, diamantes para cortar vidros, cadi-
nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-
cas e jarros, trra podre e outros bnmeros
objectos proprior de taes estabolectmentos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitas sob a direccSo do socio administrador,
Jos Baptista Braga o qual se acha de novo
especialmente incumbido da gerencia de to
importante estabelecimente, isso urna, ga-
ranta pela sua longa pratica, que tem os se-
nhores freguezes de que ser3o servidos a
contento, com promptidSo e preco commo-
do, pelo que os propietarios lhe serao agra-
decidos.
v*Pars, 36, Rna Vlvfenne, O*
CHABLEmcdecinspcial
DlvPRATir
d SNG
EOrtRilIIlAAS US SEXUACS, AS AFfKG.
)KS CUTNEAS, E A -.TERAC0E3D0 SANGUB.
10,000 caris do fntpinftnt,
fnutulat, kirpe, mtm,
romixott, acrimonia, i o-
frf o*, viciouu dotangvm
_ inru*, < alUrafou do *an>
fu (Xarope vegetal q mercurio). rp.iro;-.-.-
vesetaes ba.\iio .inri nii tomio-u iov
por lemana. seguindo o tractanieot Btpwutivo .- '
mpregad ras meaoias molailiai. -
^i^H K"X*rpCitraet3defcr-:
de CHABI.E. enra iae.vi.
tMDenie qnalqurpi4t-?r '-zs,
ltexocao,' debilidti,.;
rf iguilmeste os ftuxot e fiara
tranca! das oulberes. Esta njeceso benigr.a ti*>
rgi-s coa e Xtrope de Cid-acto d Ftrro.
eaiarraMaa, Pernada que as cara ea trsi i
com% u
POMADA ANTIHERPETICA
Centrai as affiegoet cutnea eomisat*.
PtLULAS VEGETAE6 DEPURATIVAS
o B'Cisfci, cada fraito vai acceaiakaSo i m
Ul GAZ GAZ
Cfcegou ao antigo deposito de Henry Forser
C, ra do Imperador, nm carregamento de gaz d<
orimeira qaalidade,o qoal se vende em partidas
i retalbo por meos preso do qae en oatr* 40a
Tner parte.
AVISO AOS SRS. MDICOS.
Siropd^
Cara, titarrhoi, totim
I cc<-teiui-Sts rriluffit
\ nervotta tai dot ro>-
chiottt lo.iuj tu deenca
do /-tiv; l'rtrl.. ao d^c.t*
um eolhn rehdea diste xarope D' Forcet.
t>'. JiAJBW em Parii, raa Vll>. ao.
pgaoiwiy^
A venda na pharmacia de P. Aaurer f
e C, em Pernambnco.
|VRDADEIRO LE ROY
fias**, DocJror-U.tdn
PARS.

Cassas finas a 340 e 320 rs.
Bas de seda preta a 15S e a
Crespo b 17.
o cpvado, basqol-
22 na roa do
- Manoel Francisco Teixefra avisa ao pohlico
W*, por intermedio dot 8ra. Otto Botares e Paren-
f 1* *???*,d9 re*eber ?^ intyaTu melDo-
rea qoaridades, qae veide aula barate do qae em
qnaiqner outra parte, na soa offlcloa a roa de Hor-
ms n. 10.
Ohampanlia
enMIaas qoall4aes recalar e superior : em casa
de Rabe Schmettao & C.raa da Ueia n. 18.
Cognac
eommom a aoperlor, em casa de Rabe Scbmettao
& C., roa da Cadeia a. 18. |
Shervy de Londres
raperlor t rcRular, em easa de Rabe Scbmettao &
C, roa da Cadeia n. 18.
Lmha denovellos
de Aleandre oatra : em easa de Rabe Scbmet
tao & C. roa da Cadeia o. 18.
Veode-se orna escrava de 30 anuos de
idade: na roa da Ponte Velha n. 14.
Vende-se piche ao gaz proprio para
asphalto, ealafetos de candas,
assoalbatlos, assim como para rebocar
cisternas, conductores dajn,
etc., etc., em grosso : s fabrica do gaz, e
a retalbo, no armazem da Bolla amarella,
travessa do Imperador.
CondecoracSes !
A bem condecida Itja de jolas de:Moreira &
Daarte, a* roa do Cahogi o. 7, acaba de receber
porcao de babltos e eUclalatos da ordem da Rosa,
e babitos da de Cbriste de diferentes tamanbos
qoe vende por pre^oa moi razoavela, alm disso
contiDoa a ter como sempre om comjpleto sorti-
mento de jolas dos gostos mais modernos para as
quaes conta com o concurso de seos tacos fre-
goezes.
^ 1 1 1 1
Attenco*
qoall
tajeada girrafi, nd, entre t rolJi e e pcptl-uui j
*JSM lev o nm inete, oa rotulo !-prts n>i-
reUncea Sslm btraiu corzma tcascix.
lf. B. Peairt-
tend4eumalettra
te tOO francos o-
hreParh,acciU a o dt di nata.
4>afeatla isaaer 4-il
Deposito na pharmacia
C. em Pernambnco.
de P. Manrer
Veede-se oleo de ricino de boa qualidade em
latas e garrafas para casas de familia 0 senbores
de eogeoao, por menos tO por cento d(> qoe em
enua porta : na travessa do Carioca n. J!, caes do
Rameo.
Cola superior
Veode-se a raeia asoa da roa de Santa
o. Of : a tratar na roa Direlu n. 37.
Rita
Veode-se no eseriptorlo de Antonio Loit de O-
veira Azevedo cV C, roa da Crox o. 57.
Siperitr viikt do Porte,
Vende-se no escriptorfo de Antonio Loltlde Oft-
velra Azevedo & C., roa da Gru o. 67, eo calas
de 12 garrafas. ^^
**
\
?
,B|ft1 M|
ILEGfVEL
v+~
i
i


! i
i
>
r
h
V
Harto de rernaaabuco Sexta lelra 19 de fanela-c ce SC.


Collares Royer
Oa Anodiaes electrices Magnticos
Deposita acreditado
Wjada agnia branca ra do Queimado.n. 8
_ Apregoar aiada os prodigiosos effeitos dos
-ollares Royer j nao ensinar ou querer,
iatrodazir navidades, porque a famadesna
eficacia tem-se tanto estendfdo, e os seos
felizes resultados a tal altura elevado, que
hoje rara a pessoa que por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
o parentes, ignore ou desconhera as virtu-
des desses sempre apreciaveis collares
Royer.
Aaguiabraoeaporms gloriadoconcor-
ror para um to justo fim, se cao por ou-
ro modo ao menos por ter sempre, e eons-
antemente um completo sor ti ment desses
collares magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das criancas.
Resta anda que os senhores pas de fa-
milia se facam convencer {de qae convem
nao esperar que as criancas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario ou conve-
niente que com antecedencia se deite na
criauca um desses collares para assim estar
ella preservada das convalcdes e se contar
vre dos rigores da denticSo.
A aguia branca ra do Qoeimado n. 8
contina a receber por todos os vapores
--------

em Parir,
fraucezes a qnantidade que ha contratado e Lfodissimas gravatmhas para enturas.
por isso acha-se ella sempre provida dos ver- iLiDdo? oiares e voitas (te vriibo e seda, oWma
dadeiros coilo-es Royer eletricos magne-Vnu*rii? ,D,eir\novidade-
Loliariotios, puehos e gravatinbas de Cbuny, com-
pleta ooTidade.
Riquissimos leqaes de marflra lodos abertos e de
oltimn gosto em Parla; assim como de sndalo
madreperola.
Riqaissimos vestimentas de cambralas primorosa-
rna do Crespo n. A, esquina da ra do Imperador
Acaba de ebegar pelo vapor Gutenne, um variadissimo sorlimenlo da fajeadas qae dizam os
oossos correspondemos qoe foram as melbores, as de mais gostos e novidades que encontraran em
Panx. e por isso muito reeommeudamos a apreciacao.do respeitavel pnbllctf, os segulates artigcs que
so encontrarao na toja do Passo. "
Riqoisslmcs corles de seda de c6res, com lindos
matizes completamente novidade.
Lindsimos vestidos de cambraia branca bordados
com gosio.
Ricos basqufnes, primorosamente bordados, e ulti-
ma moda em Parir.
Riqoissimas cbapelioas de seda, palha a imitaco
e enfeiudas com moito gosto.
Coqoes para senboras, sendo estes de ultima moda
Para principiar o anuo de 1868
HA
LOJA E ARMAZEM
DO
A J& a J&
Raa da Imperatm 60
GAMA SILVA.
Tendo os donos deste grande esiabelecimento necessidade de liquidar su* firma
social resolvern) vender suas fazendas muito mais baratas do que em outra quidquer
parte, afim de diminuirem o grande deposito que teem e apararem dinbeiro, assim como
teem/ecebido ltimamente urna grande porcio de fazendas novas, tanto inglezas como
francezas, alemSas e suissas, dando de todas ellas, amostras, deixando ficar pvnbtyr, ou
mandam-nas levar em casa das excellentissimas familias pelos s4us caixeiros; et-tando
este estabelecimento aberto desde as 6 boras da manha s 9 da noite: e participara s
mentebordados.com todos os pertences para pessoas que negociara m pequeoa escalla, que neste esiabelecimento compraroj pelos
mesmos precos que compravam as casas inglezas; ganhando-se apenas o descont, po-
dando assim fazer melhor sortimento.
i
ticos.
Novas chapelinas
de fina palha da Hala.
A Aguia Branca, a' roa do Qoeimado n. 8, rece-
ben oro novo sortimeoto de bonitas chapelinas de
Coa palha da liada, ornadas com delicadas Sores, e
como sempre a Aguia Branca as vende por precos
com modos.
Rap Viajad o Paulo Cordeiro
A loja do cordeiro providente a' ra do Qoema-
di n. 8, receben nova remesst dessas cualidades
de rap.
Presos vantajosos
as miudezas do grande estabeleei-
mente de Sooza Soares i |rme.
Rna Nova n. 28.
Vendem em groaso e a retalbo.
Linhis novellos, muito superiores, libras sortldas
a 24200 e 2*500.
Oua em nvelos, mais inrerior a 10300 e 14800
a dita.
Dita branca em caixas de 50 nvelos a 640 ris
Dita para marcar, caixas de 16 ditos a 240 rs.
Dua branca em ditas de 10 ditos grandes a S60.
Dita em carros de 100 ardas a 360 ri a do?ia-
Dita em carros de 200 jardas a 14200 a duzia.
Dita em cartees, branca e preta, a 160 rs. a dila.
Rozetas de cores em caixfe de duiia, a 14500 a
dita.
Grampas com eabega de vidro a ISO rs. a dita.
Agnl-beiros piolados a 240rs. a dnzia.
Bi toes de moedinhas dooradas e prateadas, para
pnnbos, a 14900 a duzia de pares.
Ditos de madreperola, para camisa, a 500 rs. a
groza.
Ditos de osso, para etica, a 240 rs. a dita.
Caixidbas eom soldados de chombo a 120 rs.
Rspelbos de moldura dourada a 14400 a duzia.
P. utos de lago doarado, para coco, a 64 rs. a
duzia.
Dttos de lagos lisos, para coco, a 53500 a dozia.
Ditos dourados, com flores, 24400 a duzia.
Ditos de bfalo, multo bous para alisar, a 24300
e 24400 a dita.
Dedaes amarelos e prateados, finos, a 240 rs. a
dita.
Clcheles em eaixinhas a 640 rs. a dita.
Ditos em cartoes a 600, e 900 rs. a (jita.
Pecas de fita para coz, larga, com 10 varas, a
500 rs. a peca.
Fitas de seda n. 1 Va pecas com 8 varas, a 260
rs. a dita.
Cadaco branco para ceronlas a 563 rs. a dnzia
de pecas.
Laas de todas as core?, para bordar, a 64500 a
libra.
Pbospboros de cera, em eaixinhas, a 360 rs. a
dnzia.
Ditos de pan encerado, sem cheiro, a 3G0 rs. a
dnzia de caixinbas.
Ditos de cera, em caixas grandes de folha, a
15400 a dnzia.
Cartilhas da- Donirina Cbrista a 320 rs.
Obreas de colla, em eaixinhas, a 320 e 500 rs.
Sabonetes finos a 800 e 14 a dozia.
Facas e garphos cabo de osso, fazenda boa, a
24500 a dnzia.
Abaluartaras finas para coletes, cintos com Ave-
las de crystal, e mullas oniras qualidades, pulcei-
ras de cenias, pentes coro pedras para coques, en-
feites para cabega, om completo sortimento de per-
fumarias de todas as qoalidades, colariohos, can-
deeiros a gaz, ferragens de todas as qnalidades etc.
etc.; a roa Nova n. 28.
ereaacas se baptlsar.
Ricoi vestuarios de ores, todos completos para
meninos de 2 a i annos.
Mantas de blonde para noivas.
Moirlaotiqoe, grosdeoaple sedas preta, branca
e de cores.
Riqaissimos cintos, nllima moda.
Ricos enfeites para senboras e meninas.
Lindissirnas chapelinas de seda e de palba para
meninas.
Riqaissimos cortes de fantasa para vestidos de se-
nbora.
Lindos cortes de 15a para vestido, novidade.
Chapeos de castor a canotier, ultima moda para a
rapasiada em Pariz.
Grande deposito de Invas de Jonvin recebe-se por
todos os vapores grande sor lmenlo.
Lealdade
Este estabeleoimento a rna da Imperatriz n. 70,
recebe de saa conta por todos os paqaetes frnce-
les diversos objectos da ultima moda de Pariz,
como seja bonitos coqoes lisos e eofeitados, fitas
de sarja, ditas de seda lisas o borladas de todas
as largaras e de superior qualidade, lindos sapa
tos de merino, de casemira e iaa, toncas de la,
omito bonitos cbapeilinbos, babadinbos e entre'
melos eom lindo* bordados, grvalas de seda pre
ta e de cores para hornera e senboras.; as verda-
deras luvas de Joovia brancas e de cores muito
benitas, carteiras de diversos fetios e lmannos,
meias de muito boa qualidade, para bomem, se-
nboras e meninos, um liado sortimento de bicos,
esparlilbos, toreadores d9 Jacaranda' de diversos
lmannos, fitas de veludo, trancas pretas e de co-
res, lindos enfeites para vestidos, cintos de diver-
sas qoalidades muito bonitos, albuos, abotoadoras
para colletes, Iaa pira bordar de superior quali-
dade, ama infiadade de bonitos brinqnedos para
enancas, as melbores perfumarlas de Lobim, Plver
e Condrai sociedade Hygeroca, immencidade de
objectos qoe deif o de mencionar para nao se tor-
nar inassanle, ludo por precos muito cou-modos.
Casemiras, cambraias, la?, mnsselinas, precalias, ebftas e orna infinldade de objectos qoe
deixamos de mencionar por se tornar magante.
Isto s na loja do Passo rna do Crespo n. 7 esquina da do Imperador.



AUGUSTO PORTO i C.
11Ra do Queimado11
Este esiabelecimento. acaba de receber e vende por commodopre?o as segnintes
fazendas Gnas:
Vestidos de b.ond para noiva com manta e capella.
Reos vestidos de cambraia branca bordadas i qae ha de melbor.
Cortinados bordados e admascados para camas de 2o<5 a So.
Ditos bordados e admascados para janellas de 9<$ a 2o#.
Colxas de seda e Iaa e seda para cama de noivas.
Basquinas modernas de muito gosto de 2o a 5o.
Toalbiuhas de croch para cadeiras e sofs, e colxas de croch para camal.
Chapelinas de crpe branco, e chapeos de palba da Italia para senhora.
Moir branco e preto, grosdenaple preto e de todas as cores para vestidos.
Camisas para horaem francezas e inglezas de linho, e de algodo.
Guardapisa de crinofioe para fazer mais elegantes os vi stidos de 15a e de seda
a 32o rs. a vara.
Superiores saias bordadas de linho, camisas e camisinhas bordadas e lencl de
cambraia bordada para senboras, ricas toalbas bordadas com muito gosto, e lindos ves-
tuarios para baptisados com o respectivo enxoval.
Laas com listras de seda de varias cores a que ha de melbor.
Chapeos brancos de castor, e ricos chapeos de sol ioglezes para homem.
Malas de diversos tamanbos para via^eus.
Panos finos e csea iras pretas e decores e outras muitas fazendas que se ven-
de m baratissimo.
Este estabelecimento contina a receber as melhores.
Esteiras e alcatifas para salas,
i iRoa do Qoeimadoi 1
Kival sem segundo.
Una do Quelniano n. A9.
Ujn de miudezas' e Jsc Bigoditrio.
VENDLU BARATO
N. 64-----Ra da Imperatriz-----N. 64.
Kova loja de miudezas e artigos de modas


DE
SILVA & NEVES.


GRANDE BAZAR
ra Nova n. 20 e 22
Machinas pa A Wilson, bogadas ltimamente da Am-
rica ; oas qoaes pod cozer-se om doui
pespontos; toda e qoalqow fceenda, ente-
inhar, fraDgir. bordar e marcar roupa; tnd<
com perfeicSo. S5o t3o simples, que coa
rehentoMB1 fcilmente a manira o trbe-
lo e a pessoa tendo1 pratica de eoeer em m*
rhiDas. pode fas#r por da o servico qoe f>
ciam 30 costnreiras.
Chama-se este esiabelecimento a attet*
SSo do' publico, visto qae elle se acba com-
pletamew* 6ortido de objectos de gosto
como bem leqaes de madreperola & de
alo, fivelas, fitas para cinto, cokes perft*
maria e eic,
Na ra wva n. 20 e Carneiro Va-
J C.
Os proprietarios deste novo estabelecimenlo oferecem ao respeitavel
pnblico desta bella cidade, e do interior um lindo e escomido sortimento de wj|$
miudezas e artigos de modas, concorrendo para isto o terem na Europa, pes- *||
soas habilitadas a executarem suas encommep.das no que houver de mais no- pi
'^i. 'idade e gosto, e garantem veoder pelos precos mais rasoaveis do que em ^^
??$ outra qoalqaer parte apar de maneiras delicadas e sinceras. |?
^ Acabam de receber pelo vapor francez Guienne, os segnintes bellos f&&
- artigos de moda e fantasa. gg|
Luvas de Jouvin para senboras e homens, de todas as cores.
; Livros para missa com capas d madreperola etc.
Indispensaveis e boleas de to, as as qualidades,
Coqoes os mais modernos.
Espartilbos collares, e cintos de seda e vidrilho.
Rendas de Guipure, de seda, (blonds) e de algodlo, de todas as
$g qualidades.
r^y Completo sortimento de trancas, Gtas, botoes e goarnicoes de seda
M com v^""10 e sem e'le gravatinhas de seda, e manguitos de lustro bordados
1^ tudo do ultimo gosto e Paris.
Sffi Leqoes de sndalo aberto do mais apurado trabalho
Agua Florida e tnico oriental de Laman & Kemps.
Ricos enfeites e guarnieras de flores para vestido e cabeca.
Calcado para seDhoras e meninas.
j^if) Perfumarlas as melbores e mais escolhidas de Lubm, Piver, e Con-
P dray, em ricos e elegantes vasos de porceliana, crystal e piala irgleza.
V) Meias de algod3o, as mais finas e melhores que teem at hoje vindo
) ao mercado, para senboras e homens.
Chapeos de palba da Italia, e a imitagao para meninas.
E um sem numero de artigo, de gosto e fantazia que s a vista
podem ser apreciado.
M DEPOSITO



htvA DESCAROCAR ALGODAO
Manoel Bento de Oliveira Braga,
53Rna DIrelta .53
Neste esiabelecimento ae encontrarao a
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima
mente, as qaaes so feitas peto mais afamado fa-
bricante da America, por isso avisa a todas as pes-
soas qoe precisaren! comprar, de se dirigir a este
estabeleetmento que compraro das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qoalqner parte, por isso qae se recebe por
coate propria, bem como eannos de chumbo e moi-
nbos para moer milho, e grande sortimento de fer-
ragens e miudezas em grosso e a retalbo.
Facas de cabo oranco de meio balance a h
a duzia. limas finas de todos os tamanhos proprias
do trabalho de escultura.
liras bordadas e Babadinbos
Qaem quizer fazer boa compra de tiras
bordadas u babadinbos, achara um grande
sortimento, para escolher e por [reco muito
mis barato do que em outra qualquer parte,
na leja e armazem do Pavao, ra da Impe-
ratriz n 6o, de Gama & Silva.
Fazendas para lulo na loja do
Pavo
Vende-se setim da China com 6 palmos de
largura proprio para vestidos a 20 o covado,
lazinhas.pretas lisas, alpacas com listra bran-
ca a 10 o covado, cassas brancas com listras
pretas a 5oo rs. a vara, ditas pretas lisas e
com salpicos vara a 56o rs. ditas francezas
com listras e ramagens vara a 8oo rs., me-
rino preto, alpacas e princezas, mais barato
do que em outra qaalquer parte, na loja do
Pavao, ra da Imperatriz n. 6o, de Gama <
Silva.
PALITO'S DE PANNO A S
Vendem-se palitos de panno preto saceos
a 6#, ditos sobrecasacos a lo&, calcas de ca-
semira preta a 6 e 7&, d ta muito finas a
99 e lo0, finissimos sobrecasaecs de panno a
2o(? e 250, calcas de astmira de cor a 70 e
80, um grande sortimento de coletes de toda
a qualidale e outras mui as qualidades de
roupas que se vendem mais barato do que
em ontra qualquer parte, na loja e armazem
do Pavao, i ua da Imperatriz a. 6o, de Ga-
ma & Silva.
As salas do 'avo a 3#s OO.
Tebde-se urna grande porjo das mais bonitas
saias brancas com lindas barras bordadas de co-
res, leudo 4 pannos cada urna, sendo fazenda in-
teirarannie moderna, pelo barato preco de 3o0
cada urna sendo fazenda qoe sempre se venden
por muito mais dioheiro; na loja e armazem do
Pavo, na ra da Imperatriz o. 60, de Gama 4
Silva.
Canfsinhas a 3$.
Vendem se as mais modernas camisinhas com
mangoilos tanto bordados como de pregoinbas cum
elegantes puihos e bonitas abou-aduras pelo bara-
to prego de 3$ 00 ; na loja e armazem do Pavo;
ra da Imperairiz n. 60, de Gama & Silva.
Peehiucha em casimiras a 16O0 so o
Pavao.
Vende-se nma gradde porto de casimiras supe-
riores errfesladas, sendo escuras e alegres proprias
para ealcas, poletot, coletes e roupas para meni-
nos pelo baratsimo prego de 1800 o covado on
a 2800 o corle de caiga, grande pecbmeba na
loja e armazem do Pavo: ra da Imperatriz o. 60,
de Gama & Silva.
* PUNHOS COM GOLINHAS.
a 15000 res.
Vende-se nma grande porgao de puchos con
goliobas de esguio de Ivnho, eom os mais liado;
cordados pelo barato preco de IJOOO o terno, di-
tos bordados de cor a 60 reis, sendo grande pe
cbmrtia pelo prego, na raa da Imperatriz d. 60 de
Gama & Silva.
Baldes esgnios.
a 25500.
Chegaram os mais moderos baldes esgoios sen-
do verdadeiramenie ameneaoos e vendem-se pele-
barata prego de 2800, na Irja do Pavo roa rtaf
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva
Cassas a *4o r. s o pavo.
Vendem-se bonitas cassas inglezas de co-
res flxas pelo r-arato preco de 2i rs, o co-
vado, ditas francezas fazenda muito fina com
padroes listrados e de flores, assim como com
palminas miuoas proprias para meninos a
3oo rs. o covado ou a 5oo rs. a vara : pe-
chincha na leja e armazem do Pavo ra da
Imperatriz n. 6o de Gama & Silva.
Laasinhss lisas a 300 rs. o covado s o Pavo.
Chtgaram as mais modernas lanzinhas,
sendo de urna s cor proprias para vesti-
dos, com as mais lidas cores, sendo cor de
aleprim, lyrio, carne, canna, cioza. azul, ro-
xo, etc. etc., que se vendem pelo barato
preco de 500 rs. o covado. Ditas com listas
e palmas, de cores dEferentes que se ven-
dem pelo barato preco de 360 rs. o covado.
Ditas transparentes com palmiobas a 320 rs
ditas p ra acabar a 24u rs.: tudo isto na
loja e armazem do Pavao, ra da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
Os retalnos do Pavo.
Vende-se urna gra_.de porco de retalhos
de cassas de cores, ditos de lanzinhas de
varias qualidades tendo muitas com lista de
sedas e outras de alpacas lisas e lavradas,
assim como urna grande porc3o de retalbos
de chitas pretas e cassas, prevenindo-se que
quanto maior for i p^rcSo qoe os freguezes
comurarem mais barato se venderSo: na loja
do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
A Silva.
Poil de Che ir e.
Vendem-se o mais moderno po7 de Che-
ere de urna s cor, .sendo, ainda mais lus-
troso aue a propria seria e vendem-se a 20
o covado. Ditos tambera lisos e outros com
listas a'108-.-O-o covado. Ditos de listas
de seda muito modernos a 0, 800 e 560
r?., garantiod -se que oeste genero o me
ther e mais m derno que tem vindo ao
morcado: isto na toja c armazem do Pavao,
ra da- Imperatriz n.'60, de Gama & Silva.
matas a sete patacas.
Vendem-se bonitas saias econmicas de
cr,'pelo barato preco de 20240 rs. poden-
do estas saias servir at para vestidos, fa-
zendo-se Ihe corpo de ootra qualquer fazen-
da difierenfe; O pecbincha, na loja e arma-
sen) do Pavao, rna da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Holre-antiqne.
Vende--se sopen.r moire-aotique
de r6\ com
algom toque de mofo, por prego muito barato, para
acabar: na loja do Pavao, roa da Imperatriz d. 60,
de Gama & Suva.
Mivcn.i
4000
Em corles de la
Vendem-se superiores cortes de la aiatizada
eom lo ci vados, pelo barato prego de ," olcorte,
isto aa leja e armazem do pavo, roa da Ittpera-
irlz o. 60, de ama & Silva.
Cambraias largas a 10G0 e i2S0
a vara,
Vende-se cambraia transparente com oito
palmos de largura, que facilita fazer se um
vestido com quatro varas, a 10 e 10280 a
vara: na loja e armazem do Pavo, ra da
Imperatiz n 60, de Gama & Silva.
Espartilbos.
Vende-se um grande sortimento de espar-
tilbos dos mais modernos: na loja e arma-
zem do Pavao, ra da Imperatriz n. 609 de
Gama & Silva.
Ricos cortes de nrediaa pro-
prlos para baiie.
Chegaram os mais modernos cortes de
medina, sendo urna fazenda inteiramente
nova e transparente, com lindas palmas e
qaadros de seda, e vendem-se pelo barato
preco de 220000 o corte : na loja e arma-
zem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cambralas a 35C0 rs.
Vendem-se finissimas pecas de cambraia,
branca e transparente, de 305UO ate 100 a
peca; ditas tapadas muito finas, de 50 at
100; ditas suissas com 1 vara de largura a
80, 100 e 120 -r na loja e armazem do Pa-
vao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cortinados paracassmen'es.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores cortinados bordados,
PBINCIPIA 0 NOVO ANNO A
E B0.
Carrlleis com i oiiavs de retrez prtto
profiri para tnaebina......... j%q
Aunas de agolbas para machina.....SjOOO
Varas de batido Cordado de Porto a IGOe 200
Libras de prego i francezes granis e pe-
qoenosa40e............ 3*0
Canas de lina* para marear ...... S40
Duzias de tesouras pequeas....... 480
Kedts pra cabellos o melbor que ha. 350
Duzias de pennas de s<< superior a 40 e CO
tanas de linba do gaz eom 30 novellos a 6C0
talxas de palitos de. seguranga a......
Syilabanos eom esumps paia meuiflis a
Livrcs impressos ecro rol pr* roupa a. .
uuzias de melas Boas para senbua a.....
Papis de agulbas balao a..
Prgas de flias de lea elaMieas para vlsiido a
rosas de boi5es de louga prealo e de
dem ?em ser prateado *.. .
Calas com acolbas de fundo d- or'fd'o a.'.
Laixas eom 100 eLvelope maito fiaos a .
tanas de papel ami>ade hso e pautado
a uOO e......^
Reamas de papel almago fflii'o superior '.
Romas de capel de peso n uno fin. a .
rraces de tinta prea superior a 80 e .
Pares de boiocs.sra puchos omito bonllf a
tanoes com licha a Altiancre com 2C0
jardas a ............
Caixas com superior lu ha do gaiVom 0
novellos a............._ gQQ
Fcs e garios para crungas a '. 2V)
Musios com foperiore? gr^apos li-cs e ae
caracol a 30 e............
Grozas de pennas de ago multo Bnas a 500
Bunets de oleado para meme s a .
Ta bas de |ii,ho cim labyriotbo muito fi
as a...............
Carreteis de liaba eom io jardas '. '.
urretels de linba Alexandre de sopera r
qualidde a...........'. jtg
Gravatas pretas e de cores, superior fa-
"eda ?............... Bfx,
SO
320
100
4J00O
60
600
*40
feo
240
600
700
WfiOt'
100
120
100
CO
800
|f800
30
a, 2
as a:
"|1
x 5 o
2 o vi c S-13
O B Q 3>
ero ( S
OS "J O r-"0
o D cr ZT ai
tr <*> -j <* a
v, es

"I W -1
o a k
a a c < -.
_ o- c 2
O. w = c- ^
O w o t:'"0
O w
S- o. S"
O r- a ?'
g 2
C/S
CUI i=
K
s
3
a
O

f ogS
S "3.
=5 = t<
O.
O
il
Aviso Importarte.
Os aicos vi rdadeiros xaropes de bypophosphi-
proprios para los dt3 gljda> 0e ca| e de lfr0 Q i,r. Cbnrcblll (ra-
camas B janellas, pels baratos precos de zem a firma quatro vezes repetida deste sabio ms-
90, 100, 130, 200 e 250000 O par; da-/i dico sobre o subscripto e
masco de la imitaco de se.la, com 8 pal-
mos de largura, a 40 00 ; colchas de cro-
ch ; ditas de fusto brancas e de cor i cro-
chs proprios para cadeiras, sofs, cafleiras
de balanco, para cobnr presentes, etc. etc,:
oa loja e armazem do Fav3o, ra da impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
COrtet de chita com O cora-
dos a 30, 30300 e 306(0.
Vende-se cortes de chitas francezas, es-
curas e claras, de cores fixas, e tendo 10
covados, a 30UOO; ditas com 11 a 30300 ;
ditas com 12 a 30600. E' pechincha, s
para acabar: na loja e arma/em do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. a anenj capturar e conduzir a' fabrica de sabo o
t i Alonado, oa a ra do Amorim n. 4f, no Itenfe, c
VTPiTtflft nAfihlTiP.nR dft ero5?- e*cravoLolz, pardo, idade 3o annos, o qoal ja" em
UillUD pcumuvua U ftlVO rinelpiodetleannofoi preso por fgido, e de nov
denaplesprefos
pharmacia Svfnnn, 12, ra Caslipl'oue, Prr:s.
Acha-se a venda em frascos quadraiics com o co-
me do Dr. Cborchill no vid.ro. Prego 4 francos eOi
Paris : Com Insirurgo
YENDESE
Moito bonitos e bnu ft it>- azulejos hesraobces:
na luja da tonga da ra do Imp< rador n. 46.
Escrayos fgidos
GRtiWA-Sl
cassas escoftsezas.
Vendem-se as mais modernas cassas es-
cossea para vesad^ pelo barato preco de
92 rs. o covado; ditos de listas, padrees
moderoissxDOs a 30 e 36 rs., oa loja ej
armazem do Pavao, rna da Imperatriz n.
6^, de G ma A Silva.
Baldes a 23, 30ooo e 30
Vendem-s um grande sortimento de cri-
bafes de arcos para senhora pelos
na luja do l'av .
Grosdenaplcs I<5280
Grosdenaples a 10800
Grosdenaples a 2.0000
Grosdenaples a 20200
Grosdenaples a 20500
Grosdenaples a 20800
Grosdenaples a 30010
Grosdenaples a 302' 0
Grosdenaples a 80500
Neste grande estabeUcimento encontra o
respeitavel publico um avultado sortimento
dos melhores grosdenaples pretos tanto
largos como estreitos, que se vendem muito
mais barato do que em outra qualquer parte
em ras5o de se ter feto urna grande com
pra antes qae augiueiiU-sstm os direits na
alfandega, assim como um bonito sortimento
de moireanliques pretos, sedas lavrdas e
de todas as fazendas proprias para la qua-
resma e luto, dndose de todas, aujostras,
e mandam-se levar em casa das excellentis-
simas familia?, pelos caixeiros, na loja e ar-
mazem do Pavao, ra da Imperatriz d. 60
de Gama & Silva.
Koupa feita boa e barata
Judo i loja do Pavo, rna da Imperatriz n. S8.
Vende-se n'este esiabelecimento om gran-
de sortimeoto de roupa por precos maito
baratos, como seiam, caigas de meia case-
mira escura a 408< 0. Ditas da mesma me-
lbor fazenda a 20iO. Paitte de pao
preto, saceos, f-aques a 56500, ditos de
meia casemira escura a 30500. ditos de al-
paca mesclada a 30, dito a 20400. Coletes de todas as qualidades a
25, 205O e 30, assim como tem constan-
temente om grande sortimento de qalcas e
camisas de algodSo azul e de listra proprias
para escravos ; isto junto loja do Fav5o,
raa da Imperatriz n. 58._________
A os agricultores
SaoDders Bratbers & C. acaoam de receber
de Liverpool vauores de forga de 3 a 4 cavados
com todos os pertences, e mol proprios para faxe
tem mover macbioas de descareear algdao, po
dando cada vapor trabalbar at com 140 erras,
tambem servera para enfardar aljtodoj 00 para
oglro qualquer servtgo em qoe osam de trabalbar
com animaos. Os meamos tambem tea a' vebda
machinas americanas de 38 a 40 serras.
O* pretendente dtrijam-ae ao largo to Corno-
Santo n. II
NA
Che^ou afinal
A pomada galopean
para cura rpida e completa dos ealloi datos.
VKNDB SE
Botica e
ni
Ilartiioioinen 4k C.
14Ra lar|a R>atrto-e|
Vende-^ por modln preco o srbfie O. 8
baratos preces de U, 20ooo e M poruw t|gim 0(J) tprreD0 foreirrt ^ icfca edieada
grande perf3o, na loja e armazem oo Pa- Darle da cjdade An Rin urmoxo :'i tratir ni rda
vSo, roa Ai Imperatriz n. 60, de Gama &, do Imperador n. 60, 3.* andar
evadise da mesma fabrica, onde liabalhava, o
madrugada de Domingo oltimo, 24 oovembro;
cujo esi-ravu fugic< vestiudo a roopa do oso, de al
godo de li^tras, costuma embre.gar-se, negar
proprio nome, e bem remo o do senher, e tralla
pur castigo ama correnta fechada ra citnra e n*
tjriiozello, do que devera' conservar ao menos ai
manchas.
Fogio no oa it de Ctzeabro prximo pas-
sad o moleque Hilarii', eitatura ordinaria, chelo
do corpn, rost redonda, ffm harta perl ltente
a Exm.' Sr." D. Tnereza de Jeos Snoa Leo do
engenbo Carauna. Os aprebendedires rendutam
ao mesmoengenho ou a ra da Imperatnz n. 8C,
2 andar.________________________________________
100$000
Fugo nn dia 23 do correte mez de oat;bro, do
engt-nho Limoeiro fregoexia da Escada, o escrave
cou) os seguintes sigoaes : cabra fusco, alto eo.
bom corpo e bonita Ggura, cara bexigiSa, Larbt
pouco serrada, costuma rapar o blgode e peirs
cabellos um i-nio carapiohados, porreo cmbela
tem os dedos grandes dos ps mais compridos.
um pouco gago, com : Igumas cicatrues velhas d<
chicote as Costas em urna pa' e em um bragi
veanndo r;misa re alg do da mita oo algodozi-
nbo, Miga e paletot de bnm pardo, chapeo de I as-
a preto, e l^va vara de carreiroque e suppoe-s
ler ido asseotar praga como voluntario : recom
menda se~a pessoai encartegadas do ricrutamec
to e as autoridades policiaes coro especiatldade sa
d) Rio Fornoso, Una, Agua Preta, S. Rento e Por-
to Calvo e a outra qualquer pessoa a appiebensc
do (no escravo, e enirega-lo so dito ongeobo, q
recebera' a gratificagao cima. 0 escravo chama-
se Francisco.
1O0J de gratificaco
Fogiodo engenhi Maganagu, frceu^zia da Esca-
da, na me de fo para 16 do crrete, o escravo
uartfo, de o me Elias, idade de O annos, pouco
mais oo menos; oabega cemprida, i tblii s ci rridos
e rente, cara comprida, nsrit aflad, denles saos,
rheio do corpa, ps cmpndos ecun sarnas atoas
ranellas, sabio com ci.mlsa.de a'g caiga de riscado e chapeo de o asa ja veiho:
guem o pegar levem ao referido eogeabu on a roa
da Senzala n. 38, que reetbera' a gralBcage
cima. ______________ ______
A i tenca
No dia 7 e janMro de 1868 fngio da villa do
Pao d'Alho, o escravo de nome B-nedicto, crenlo,
coro idade de SO a 21 aooos, pouco mais oo" meos
pertencente ao ahaixo asslgoad", com > s signaei
segomtf a: cOr folla, altura regular, nm poneo
seco do corpo, sem barba, rosto reo. nd", tem amas
mareas de qoeimadoras pelos peitos, orna oa boc-
ea do estomago e outra em am brago ; como tam-
bem tem bo rosto que pooco se dlvoiga por ficar
as marcas das qoeimadoras que ihvb no rosto
mais pretas do qoe a cor natural, fai'a dran?a-
4o, fot vestido com caiga de biiro p*rdo grosse,
camisa de chita braoca coro pi>s .-oc-roadas,
cbaio do Chile ja' asado ; desroobVse que estra
oo Reeife por ter sido encontrado d* pool o rio
S. Joao oo talvez seguirla para S>nt> Antaooo
Soio Amaro de Jaboatao; soplase ter idu as-
sen t-r prncaeomo voluotano: p.riaoto recom-
menda se as peasoas tnc.rregadas do rrcrulamea-
to, as aotoridades policiies e cr pitaes d campo a
apprerenslo de dito escravo, qae sor' e?oerosa-
monie reeorope?ado. podendo entregar dito es-
cravo ao* Srs. Bi\ Amorim & C, a' roa do Livra-
mentd o. oo em Pao d'Albo. Pr. irsu se desda
i* com todos os rigedores das lels do imperio con-
tra qoen o ri ver acodado.
Juaqnim Cavalcante de Alboqoerqae.
> .'

r.


*

>


i
Diario de Pfrnanibno Sexta felfa I de *aelr le iat
LITTERiTOBA.
v.
Oe xvn do Uno
(TICTOB Hl'GO)
Ao mea amigo e collega Joo Bautista
Rigueira Costa.
Meretrizes 1,867.
Mendigos 20.
Cm papaoai.Un papagafo de bem
Paler.no e para a Calabria moto} operarte; Cubls oa homens de conduzir carretes e
cooaeceJjres do franco da seda. Multipli- cadeirrabas 4,171. m
oiram-se-as fabricas na Halla.
Veneza, F.orenca e Genova, rivalisanlo
industria e glorias espalhavam as sua$
fazendas por toda a Earopa; tiveram toga
l?!?^' P0'8 que 8mpre W*> ei oatro dil enparis- foofnr-se orna mu-
vanejaae nos artigo, diz um antigo escri- Iber com ompapagaio n'um banco do bou-
A aguia o genio. I>a torment. o puro/q" wo^wu ^^^ "*'" ^Zl'f.TS rdefr0Dte f.do *** *>
Que (Jo monte arremette o altivo Lincaro i..i, Vir P ?' v coro da igreja Saint-Leu, e, tirando da a- .
Qnu^X^lgZo*^ AJM^Tt^l^^SMnm' "** <,,T" gtieis dos/Varias ca"sl
Cuja garra jamaisse ,.i era iodo... Im Woo o ho XuTSt ,L de Ve- P0'"* a d^lhas' O P^pa- profandaram-se e
E cojo O.ba de fogo roca raios SS^m^Tn'Ti .Kf -' ^fer-K??!^: .* !.!
fi Porenore sobre a nova ca- Qne dwgraCaS f Qae perdas. N
tastropbe queboave ern S. Thoma. enas a ha ver Eegoclo lio cedo. ma arTOr e 6,s^8to tncbe,B 8 ^nsemr
ilbas Tismbas a 18 de norembro ultimo. Eis1
ceram-se prime'no em Tours, em 1470. Pa-
recan! exigir, lagares mais favora-
veis e esperar o soccorro de um poderoso
imp.ulso qujDdo, no reinado de Francisco I,
dous habis negociantes do Peuoote, jal-
garam que LeSo era a cidade de Franca que
offerecia mais fantaseos para o bom xito
deste genero de manufacturas ; por Isso
alh eitabd'eceram os primeiros teares.
Em 1156 foi este estabelecimento autori-
sado por cartas patales deste principe
Francisco II, Carlos IX e Henrique III
! occuparam-se pouco da sua prosperidade,
fque pareceu decrescer ; mas sob o reinado
de Henrique IV, elles tomoraaa iDcremeoto,
i mo grado a opposicSo de Sully. Secundo
esie ministro, sendo as verdadeiras riquezas
I da Franca os productos do sea s'o, nao
gao a avalaocbe a saltar cerca tombando I considerava as outras sen5o como ficticias e
V LJZl re'VY geff PrecariJS; ma5 "^ae IV prol g o es?
s, aoco Ihe erguendoos otaos champantes,1 tabelsciraento da* fabricas como o mais po-
deroso mobil da agricultura.
A superior ida Je dos estofoi de Le5o fez
Contra os raios do sol.
NSi tem ninbo do p.ilhas... tem nm antro,
Rocha lalhada ao marteliar do raio,
Orecttf em serra, ante a qaal o olhar treno
No flanco da monianha asylo trmulo
Que sacode o tufao entre os abysmos:
O precipicio e o co.
Nena pobre verme, nem doirada abelha,
Nem azul borbjlela a sua prole
KaminU. boqueaberta espera ter
Nao I Sio aves da trra, sao serpentea,
3o lagartos immundos, que ella arroja
Aos Glhos p'ra viver.
Nmho de re I Palacio tenebroso.
o qae se l n'oma correspondencia, datada
a XI :
Na segunda feira ultima, 18, 4$ 3 ho-
ras da tarde, jolgamos chegada a nos ho-
ra derradoira; em egoida a nm ruido sor-
do a tema tremeu furiosamente ; este pri-
meiro abalo durou mais de quarenta segun-
casaa nstruidas de pedra
" outras fendearam; o pa-
popolac3o fugia em to-
das as dffeccoes, soltando gritos tamenta-
Obrigado, minha dona.
Ajontou-se logo roda da mulhr e do' res
papagaio muita gente e elle principioa a Dez minutos se passaram asim e nnan".
papagoear nestes termos: An ra(i, nm nrn L ^ eJao
papagaear
Sucia de basbaques I
do cada um pro:urava sabir das rui
um gri^ de terror se ouvio de todos os la-
Tempestade.Os jornaes de Manilla dio
conta de um grande temporal de SO qoe
flagellou o arcbipelago Philippino nos dias
por cassoada o afolado of triste psito em
que se adiara, pergnntava.
At ende esta atolado I
Al os tornozellos.
H*
Riso prolongado da multd5o, ia en- dos; O mar! ornarle mar vi
grossando a cada momento. E m effeito, as agu-s da b^a sobindo
Sucia de mandriSes I.
E os espectadores riam a bom rir.
Sucia de tolos I
Os curiosos principiara a afastar-se.
Sucia de larapios... orna, olha um
larapio all.
urna altara que as pes calcularan d5o ser inferior a vinte metros,
fornava urna especie de montaoia de es-
poma branca, qu avancava para cabir so-
bre a cidade.
Todos nos tomamos pressa o camnbo
z
Syb as aza* de fogo agueata as almas
Que um da voaro.
Pirque espantas t, amigo se tua fronte,
Ji de raios pejada choca- as ouvens ?
Se o reptil-em ten ninbo se debate ?
E' teu f jlg^r primeiro... tua festa...
Aguas! p'ra vos cada hora orna tormenta
Cada festa um combate.
Radia I E' teropo I E se o lolao erguer-se
Mu la a n De ten alto peosar completa a le
Irmlot Prende est raio de irmlo na minba,
Tuina a lyra poeta Aguia esvoaga
Sobe, sobe, astro rei.
De tui aurora a bruma vai fundir se
Aguia. faz le mirar do sol, do raio.. .
Arranca um nome no febril cantar
Vem | A gloria, que o alvo de vis setlas,
E' bandeira arrogante que o combate
Embelesa ao rasgar...
O meteoro real de coma fulgida
Rola e se engressa ao.devassar dos mundos
Gigante, cresce lodo dia assim
Tal teu genio a rastando em novos trilhos
No curso audaz consteUactes de ideas
Marciae recresce m marchar sem liai.
Antonio de Castro A Ivs.
dentro em poco eahir os de Florenca e Ge-
nova, que perJeram este genero de indus-
tr a. A Allenanha, o Norte e a Hepanh*
n3o possuiam umi so destas fabricas. Le5o
concenlrou-as no seu seio ; foram ellas a
fonte das inmensa"! riquezas desta cidade
nos secu.'os XVI e XVII.
A revoluto de 793 descarregou um
lerrivel golpe sobre a industria di seda em
Lelo, conservando-a paralysada at 1800
em que se contavam tres mil e quinheotcs
teares resiabelecidvs ; este numero elevou-
se. em 1812 a d z mil e setecentos; em
I8| a vinte e seis mil. H je n'o se pode
fix ir o seu numero, que se eleva oa dimi-
nue conforme as necessidades do consumo.
DM POICO DE TDO.
A skda.A orgem d* sela teve alguma
cousa do mysteriosa. E' incerta a poca em
q-ie se principiou a co'her e a tocer a seda.
Fabncava-se oa ilha de Cs muito tempo
antes da p->ca cantada oor Homero. Aris
tleles refere qae Pamphilia, dama roma-
oa de disiincao, foi a primeira que se lem-
brou de fabricar tecidos de seda, e Plinio
destes diversos doumeatos deduz a conse-
quencia deque a sela originaria da ilha
de Cs, sem refleciir que sendo esta ilha
um mercado dos Pbenicios e dos Persas
era natural qae para ella fosse levada a
seda desles dous pases.
Na enumeradlo dos productos com que
era adornado o templo de Solomao, n3o se j
enconiram citarlas asfazendas de seda : mas
ca reconstrucciio deste edifkio.o veo que se-1
parava o templo do sanctuario foi fabricado
com tecidos de seda.
Do resto ninguem, nem mesmo Plinio,
que nao va na soda mais queum produ:to
vegetal, conliecia a verdadeira origem da
seda ; e no reinado de Carlos Magno, dizia-
se ainda que a seda era formada de fios
de teiisde aranha eogrossados e consoli-
dados por sortilegios diablicos.
Era 555, dous frades, qae chegaram da
ludia a Constaniinopla, levaram sement de
bicho da seda e ensinaram aos habitantes a
maoeira de os crear e de Dar a seda, Es-
tabeleceram-se fabricas era Alhenas, Thebas
e Corynlho,
Em 1150, Rogerio, reda Italia, tendo
conquistado Athenas e Corynlho, levou para
ESTATISTICA C RKSA.= D'um OfficiO do
chefe da repartifao de estatistica de Macan
v-se que as oceupages mais exercidas pe-
los chinas all san :
Logistas e mem^ros das associacSes com-
merciaes 2,823.
Correctores de conmercio 184.
Caixfiros 893.
Empregados em differentes misleres as
casas commerciaei 557.
EoNrdadores 132.
Veodelbes9I5. x
Empregados as fabricas de cha 430.
Cigarreiros 341.
Mesires chinos, ou facultativos chne-
les 104.
Boticarios 272.
Entregados as casas dejogo 124.
dem na lotera chineza 182.
Colonos 154.
Corredores de colonos 319.
Empregados nos estabeleciraenlos de emi-
gragao chineza 163.
dem na iliuminacao publica 116.
Agricultores 296.
Joroaleiros 316.
Propietarios 121.
Pintores e photographos 154.
Ourives 202.
.f^li^ P^ aCa8C!, U Pf'nst,Qclo, o' das alturas de S. Thomaz; Bn.
lpagaio altea d cima dos joelbos da dona cbimento do mar era gera e a monstruosa
SZSLhT7 d8 T* P tDha,vaga naotinha nenhuma forca de proSo
IfvizinZl^ Daa,glbe,ra de "m dos ella veio cabir dividindoS Pek)sP?aes!
iim ,!?! a u.: u ^ae innDdjD- arrastaod) comsigo as cha-
Ura ageo e de polica, que chegou na-iapM, botes e embarcacoes de todas as sor-
tea?lh7!rt^wra-dls^P0,W,!|w-le-' Am3ior par,e Er^mSlSL
toapaohoa o larap.o en flagrante delicio,! ionundados, ficando perdidas ou variadas
gragas a engrandada ave, e levou-o para a as fazendas que continham.
cadeia# O transatlntico da companhia ingleza,
Hw_-DI4 .;" v ^ Plata, ebegado na vespera de Southam-
m?nTrnn:^TPo "A0riqne ter" PWo.sobreoqualcahiram as vagas antes
oa S1J f h Q 9 \* ^oaPPareeen.-,d3 Kaoharem a 'raia- est muito deterio-
m.nn hdeque D3 llohanos conheci- rado. m navio que entrava no porto n'es-
EZSL! kT3 que p/rece ter refe- momento, deu costa. N'oma palvra,
rencia com os chapeos modernamente usa- ao redor de nos ludo sao novas rumas; S
Tbomaz offerece um esj ectaculo bem tris-
24, 25. e 26 da selembro. s ebuvas toF- dis^ouirT' **** ^ P"a ^"'^
renciaes qoe cabir a m sem cessar durante a Kjsn ni',.-,,, -,,.:
muitos bairros, a agoa subi as roas a baix0 H UB Weva P*ra
dous e tres ps d'altura. Os desastres qoe _
^Z^lZ^'9mm^ d0nf- ""A.-0. bispo muito amigo
Fm Z /oln, ,Ie caCar' encootrou em urna das suas ex-
m;n; ,Jif?,sHo-desaPPareceraai completa- caraoes con um coobecido pooco freaueota-
t a ,or iond,Cfc de ,, b. meoor _P ',,^1.. mm bom bomem. t
des toda razio, disse o bispo, a caga na
A obra de destruigo de 29 deoulubro
acaba de ser completada por um tremor de
trra, que se sentio a 18 do correte, s 3 ho-
ras da tarde. O tremor fui espantoso e
H ?S?n.P?C^-pf?,,l!a^,eo,,?llto5 os abalfS ainda conlraoam, e desolados
Pi.ii. scba,,e,er,asde Pfsumjo-e ajustados esperara, s incertos o dia
X SiL,m Um mJ.e, ^ m Cha- 80^ a bora peo exactamente como estes que actual-1 do Todo-Poderoso baixe sobre nos .
ritr^^r0 anar PedDdoaol ma (U,ra carla' escPto Por um dos
cbape^.ro que ihe fizesse vinte por aquelle \ primeiros negociantes da cidade, exprime-se
o bomem tomou coota da encommenda,
e tanto Ibe agradon. que fabricou um cha-
peo para uso delle proprio.
No dia aprasado apresentou-se o joven,
f.eSi?ifchapos estaxa p~mP-!^^^*Vb^S;lSS;
oT.oi^^^r-l^,imK*,ad0- ^ Se baviam "f*M<> warf,foram
O chapelelro no da segrate sabio com obradas a agarrar-se com forca para n3o
o sen chapeo novo, e foi para as avenidas da' 8erem laogadaS ao mar.
craa^anovSaej0moda Cbamar ""^L S h,eS Ns; LM e Hespanhes e
k?!S2 a?m L diversos armaxens foram destruidos; qnasi
J^JS^^^*"?"? t0das aS casas de Pedra *> fendidas. Nao
ZJ&m.J^SSSZlSW^ sep^efcseriiW da scena e desolagao
^fhfe^mf.hap0 queoart,slaje- que temos a visto I Osbalos de S5db-
oarS MiZ17ameDte aPromP,ados ran' *** Wo horas, reproduziram-
p ASWS: -a se de ciDC0 em cinco raiDutos-etoda a
h-.ZpS i, o individuo, e com gente fogia para os outeiros, a fim de se
disfarce passou-lne um relogio de ouro. abrigarem.


a
.Marceneiros 101.
Carpinteros 805.
Cadeireiros 128.
Tanoeiros 104.
Quinq iilheiros 370.
Alfaiates de obras chinezas 342.
Diios de obras de gbsto eoropeu 165.
Costureiras 271.
Sapateiros de obras chinezas 141.
Ditos de obras de gosto europeu 165.
Ferreiros 212.
Latoeiros 21*.
Pedreiros ou alvaneiros 441.
Marinetos, lavadeiras e engommadeiras
Barbeiros 477.
Doceiros 236.
Carvoeiros 183.
Porqueiros 133.
Carniceiros 110.
Criados e criadas de servir 2,833.
Poucodepoischega-se a elle ontro indi-
viduo cum um chapeo de igual feitio, e diz-
lbe:
Tome, e entrega-lhe urna bolsa com
dinbeiro.
Dentro em poneos momentos eslava o
chapeleiro depositario de urna grande quan-
tidade de varios objeclos de valor, e quan-
do principiava a comprebtnder a proce-
dencia delles, \->e agarrado por um agen-
te de polica, que o levou preseoga da
antoridade.
03 chapos no novo feitio eram um dis-
tinctivo de urna companbia de larapios ; o
chapeleiro vio-se afflicw para provar a sua
innocencia.
Desde bontem estes abalos sao menos
frequeotes e teem menos forca, mas ainda
continuam. Cessaram os negocios, as portar
esiao fechadas e a noite as casas ficam va
zias; foge-se para as alturas e all se dor-
me em pleno ar, tal o terror. Ao me-
nor alarma a popolacao desmoralisada por
tantas provas successivas, sola gritos an-
gustiosos f Que espectculo I E' para fazer
perder a cabeca I
me Manilla.
O vapor MaUspina que devia chegar a
Manilla, com a mala da Europa a 25 de se-
tembro. nao tinha aindj apparecido al 7
do correte, data das ultimas noticias, por
isso era jolgado perdido.
Muitos navios tinham entrado arribados
em Manilla, com grossas avaras causadas
pela tempestado, sendo os mais maltratados
o Water Lity e o Sirdiniam. Julgavam-
se perdidos os navios Arme Linjion e Fort
Rogent. e naufragarara o Stuard Wortey e
o Par Hasjr, este dando a costa em Bn-
dog, e aquelle na ilha Peligro Norte. As
tripolacSes destes dois navios foram salvas.
Na madrugada do dia 4 de outubro tam-
bem se sentiram em Manilla dnas grandes
oscillacoes de trra, as quaej felizmente
duraram poucos segundos.
O principe Salm-Salm e wnz. A
Gezeta da Cruz, puWicoG urna extensa
carta assigoada pelo principe Salm-Salm,
general de brigada, ajudante de campo do
defunto imperador Maximiliano, em res-
posta ao famoso protesto de Lpez tenden-
te a provar que nao trahiu o seu soberano.
Esta carta datada de 4 s outubro, da
pris3o de Queretaro.
O principe Salm-Salm impugna formal-
mente como falso e mentiroso todo oque
Lpez disse, e sustenta que a praca de Que-
retaro cabiu em poder dos republicanos
nicamente pela traieao de Lpez, e que
este um traidor e o verdadeiro assassino
de Maximiliano.
Conclue aceitando a provocago dirigida
por Lpez a quem o qualificasse de raidor.
Levantar este a luva?
FOLHETIH
Eu tenbo

tras
POR
Ch, Deslya.
ii
(Concluido)
E' verdade que ainda temos feito ou-
desobertas bem bonitas. Em ootra
propnedade, ma badinhis clticas; houve
all urna aldeia celta: cousa que est de-
monstrada ; te tos os sabios o reconhecem
e o ensinam. Se se soubesse qae as nossas
famosas machadas e as nossas fie xas obli-
quas, flechas de azas, e nao sei que mais,
pnvinham muito simplesmente de Pars, de
urna hja de adelo, d'onde o nosso bom ab-
b de m'as trouxe muito em segredo embru-
jadas oa sotaina Ea tive de confessar-lb
a ojioha bem intencionada mentira, e elle,
p?ra absolver-me melhor, fez-se meu cum-
plice.
< Nao pense que estoa a gracejar, Sr.
Gilberto. Se s vezes rio socapa, se me
vem urna pontinba de malicia com estas
lembrancas, porque pens no resultado
das minbas fraudes, porque vejo meu pai
renascer, inieressar se, apaixonar-se, andar
sempre, procurar, acbar. ler, aprender. E
depois as grandes reunies deparlameotaes,
regiooaes, nacionaes, internacionaes e nao
se i que mais. Os congressos 1 as depula-
Cr>es I as viagens I Eram, urna perpetua ac-
tividad j do corpo e do espirito... o qoe o
medico ordenoa.
< Mas n3o tem sido sempre sem difflcol-
dades. Temos tido os nossos arrefecimen-
tos. E entio tm sido necessaras novas ex-
cuugods. Huje os elzevirs, amanbia os fos-
seis. Nao lea os nossos grandes trabalbos
sobre o megalosauro ? Mea pai j Ibe mos-
trou o melatarso do seu bomem antedilu-
viano, homo antediluvianas! Nao vimagi-
nar que me rio do pobre velbo. Son feliz
porque o vejo feliz.. .e esta dito todo. \lra
disso, as academias b >nram-no. E' um dos
bricam boje na ra de S. Dioiz.
os meus fornecedores certos.
t Que quer ? outras cuidam de vestidos;
eu, a minba grande garridice a gloria, a
alegria, a saude de meu pai. Vao-se n'isso
todas as minbas economas. Quando a mi-
nha bolsinha de solteira est vasia, recorro
minha imaginacao, invento.
c E que lindas inventes I Principalmente
urna; a estas horas est dando que fallar.
Ningnem sabe o mais fino, mas vai sab-lo
o Sr. Gilberto. O nosso velbo abdade mor-
reu ; se o senhor nao vier a ser meu ma-
rido, contarei ao meos com a sua amizade;
preciso de outro cumpliee.
< Foi no anuo passado. Meu pai andava
enea: eu tambera fiz que elle gostasse de
andar caga. Nunca mata nada; mas o
exercicio tudo. De mais, eu acompanho-o
e convarsamos.
c N'esse da bavia grande calor. Estava-
mos a ib scangar sombra, eotrada de urna
matta. Na frente ficava-nos orna planicie com
berva enfocada e rara. Em compensacto,
n3o taltavam seixos, principalmente dos cha-
mados pederneiras. Eu acabava de apanbar
um. Estava a admirar-Ihe a cor, a trans-
Carta honrosa.O governador de Ma-
cau recebeu do re de Siam, ama carta as-
signada pelo proprio puobode S.M. agra-
deceado os psames qae S. Exc. fizera
chegar ante el-rei de Siam, pela perda do
seu primeiro fllno, o principe herdeiro do
throno siamez. e mostrando-se mu reco
nhecido pelas demonstraedes de sentimeoto
que se fizeram em Macau logo que se teve
noticia do infausto acontecimento.
A carta de psames do governador foi
collocada, como sigoal de respeito o corte-
zia, junta urna que recebeu as crazas do
finado principe. S. M. magnifica enviou
ainda a S. Exc. como signal de aoecto, o
retrato do defunto berdeiro da cora.
Novo oesastre em s. thomaz.Os jor-
naes e correspondencias das Antilbas, que
tronxe para a Europa o Panamo, cnt:m
^ E' preciso dizer que houve, um qnarto
d'hora depois do primeiro tremor de trra,
um pbenomeno que n3o contribuio pouco
para augmentar o espanto geral. O mar
levantodo-se entrada da barra com urna
torga prodigiosa, sem duvida por ama erop-
c3o vuicanca, apresenlou de repente o as-
pecto de urna montaoha de cem ps de al-
tura, toda coberta de espuma, a qual apenas
formada comegou a rolar sobre si mesma
como a massa de neves que se derrete. e
se encamiohou para a cidade, arrestando
comsigo chalupas e botes. Oque ser de
nos f dizia-se de todas as partes I Poim,
felizmente, os roebedos brancos qoe est5o
no meio da passagem, foram como urna
barreira que divickram essa montanoa, een-
fraqoeceram ediminuiram quando cabio so-
bre a praia. Todava ainda traba bastante
forca para lancar as embarcacoes ao meio
da Grande-Rua, innuodar os armazens e
avahar as mercadoria*.
Chove desde esta maoha; o vento pas-
scuaste; os tremores s3o mais fracos
Reoasce a esperanga... Mas que espect-
culo desolador offerece a-cidade e oporto I
parencia, olhando por elle para o sol. A para traz das ce-tas, e eu apanhei-a logo,
sua forma era exquisita e os bordos estavam Era um soberbo retrato cltico. Que
todos recortados de mssas. Pareceu-me desillusao I Adeus, minba theoria I
ver n'elle urna cousa como um perfil boma-1 c Mas nSo I pelo contrario. Viste que eu
note bem o typo bretao. Repare que nao
urna aresta accidental. Ora, olhe... aqu,
n'esta beira.. .. Nao ser trabalbo de um
utensilio ? E\ l3o ha duvida, Qae des-
coberta !
Meu pai seguia com os oraos todas as
minbas indica cues, animndose, entbosias-
mando-se.
Tinbamos-nos levantada; procuramos
maispedras, mais recortes qae sedignassem
corroborar o futuro systema.
Elle Drocurava por um lado, e eu por
outro. Nao tardou que nos separasse certo
intervallo. Cbeguei a urna sebe, ou antes
a um matlagal de juncos e arzes, d'onde se
erguiam alguns balidos e o estrilho de urna
cantdena anliga. Eram carneros e um pastor,
o tioToiago, queeu coohecia bem.
c E' um velbo, de fato pittoresco pelos
trapos, e de cara sarcastica. Dizem que
feiliceiro. Os seos horscopos sao pagos
em tabaco, E' um fumador eterno. Maso
que elle tambera, a discrigao em pessoa.
c Para acceoder o cachimbo, estava a fe-
rir lome no fuzl. Debaixo de isca tinha'da'famosa povoacao cebica,
urna peierneira que, a cada faisca que dava, c Bem sei, bem sei, na Coelheira Gran-
largava urna lasca. Depois deitou a pedra de.
E o tio Thiago fez outra careto ainda
mais sarcastica do qoe a primeira.
Em doas voltas de m3o, to depressa
como eu o digo, apresentou-me o neldo urna
obra prima.
Quaetosquer a menina?
0 mais que-poder ser. Aqui tem
para o seu tabaco.
Um luiz de ourol Fico a dever-lhe
alqoeires de seixos. Mas onde hei -de po
los ? na choca dos Cossacos ?
<-f Ora essa, tio Thiago I voc bem sabe
que ora acampamento romano.
Elle poz-se a rir silencioso que Te-
nimore Cooper poz nos labios do sea vetoo
Meias de Couro.
Ia-me esquecendo dizer-Ibe, Sr. Gil-
berto, que o tio Thiago est senher do meu
segredo. A's vezes ajuda-me am poaco.
N3o he oceulto nada, e elle no diz nada.
Tenho tudo a ganhar.
Quanto ao nosso acampamento romano,
aqui para nos, parece-me que quem por l
andou com armas foram os alliados em 1814
e 1815. Recommendei ao tio Thiago que
espalhasse os meus seixos pelos arredores
Caminhos de rERRO em rRANCA.S9o ca-
riosos os seguintes dados officiaes sobre a
situacSo dos caminos de ferro franceze em
31 de dezembro de 1865 :
O comprimento total das liabas concedi-
das naqutlla data era de 21,0)4 kilmetros.
Durante oanno de 1867 nao se fizeram se
nao duas concessoes de pequea exienso.
Achavam-se em exptoraco na mesme
data 14,514 kilmetros. Durante o arara
corrente tem sido abortas ao servico publiea
30 seccoes com 1,236 kilmetros.
As despezas de constroecao atisfeita
pelas companhias, nao comprehendeudo as
subvencoes do Estado, sobem a um total de-
r,528,635:000 francos, e as qoe estao por
fazer s5o avahadas em 1,354,045:000 fran-
cos. Comparando as despeaas com o com-
primento das linbas, acba-se- que o seu
cusi medio kilomtrico de 374,852 fran-
cos (67,50( ',5000).
As subveoees satisfeilas polo Estado so-
fera a 981 mrlhes de francos-,. o3o compre-
hendidos os emprestimos feitos s compa-
nhias. Ainda tem de satisfazav $62 milhes
pelas vas forreas cuja constraccao nao est
terminada.
A garanta de juros concedida s empre-
zas menos onerosa para o Estado do qua
se calculou. Orcaram-se 3t milhoes de
francos para 1867, e- s ten sido necessar
rios 26,297:000.
E' verdade que se deve ter em conta que
esse resultado foi devido esa parte se mo-
viraente produsido pela exposicao universal.
Palestina era t2o mi que elles so divert-
am-se em pescar.
Ate onde checa a affeicAo de certas
mes Da om jornal americano (fue ba
mies que quando teem de dar paocadas nos
Albos, fazem-nos primeiro tomar cblorofor-
mio.
Nova Luz.Experinieirtoo-se na praca do-
hotel de Ville, no Havre, o'novo systema de
illuminagao pela combostao simultanea do
gaz hydrogeneo ordinaiio.e dtfgaz oxygeneo
Para conduzir o gaz oxygenie parte esta-
beleceram-se por fra do eandieiro tubos
especaos qoe iam at os antigo* bicos. A
experiencia foi bem succedida. A luz bran-
ca e viva como a tez elctrica, n3o tendo
aquelle brilbo irrilaote qae ferea vista.
Veo-mscaraAs damas de Paris- eono-
garara a adoptar om veusinbo de renda de
Cbantilly, que prodoz o mesmo tffeo qae
urna mascara, poi que o debuxo da renda1
est disposto de maneira qoe a testa, o-nar-
ria e as faces ficam cobertas pelas flores qu
o conslituem, eraquanto que o oval dos-
olbos e os contornos da bocea ficam debano-
de urna simples redesinba do tulle.
Esta moda teve grande acceitac5o, por-
que a celebre amaseoa do Circo, o atbleta
do Hipdromo, e ouiros artistas d'este ge-
nero, se fizeram notar, apreseotaodo se mas-
carados. Hoje, pjis, est faiendo poca a
mascara.
Effectivamente estamos em tempo em qoe
tudo and mascarado; mas qae lindas coa-
sas se nao ver3o qaando cabir a mascara!...
Bo.ns ipcrsO producto total das re-
presentagoes da Grande Dcheme, de Of-
fonbach. dadas no tbeatro das Tariedades,
de Pars, subirara fabulosa sonma de ten-
t t cincoentet e guatro cont t oit ceios
mil rs. D'esta quaatia correspondern! aos
auctores alera dos premios, bilhetes e en-
tras cousas, 18:000(5; para os pobres. .
14:2205 res;, e para a direceo- do thea*
depois de pagos todos os gastos,, reemboh-
sou um beneficio lquido de 5.7:600^000
res todo moeda forte.
Isto que ganhar dinheiro.
BaRfiARDiCB'Um irlandex vio um amigo
cabir em um ateleiro, e priocipiou a cba-
mar por outro grande herrara que o fosse
ajuder a salvar o seu amigo. O outro po-
rm que estava muito occapado em cortar
oo. Como sabe, ajudando a imaginacao, achara a fabrica, era isso urna raza) de mais pies coelbot.
acham-se imagens assim em toda a parte, para dar vasaj aos productos. Dirigi-me
at as nuvens. Eu tinha fallado para mira, resolutamente ao velbo:
c Nao Ibe affiraco que os meus ant'gos
celtas f issem alguma cousa mais do que sico-
mas alto, isso moveu mea pai a pegar
tambem no slex e a examina-lo.
Com effeito. Mas ser obra do aca-
so ? Nao ser um trabalbo execotado por
mo de homem ? urna especie de retrato
rostico -... e primitivo T um camafeo cl-
tico ?
t Estavamos exactamente nos arredores
da aldeia celta. Appliquei o ouvido e abr
bem os olhos. Para conservar e fogo sa-
grado da sciencia, preciso de tempos a
lempos alguma cousa nova. C para mira,
todos os meios s9o bons.
c Aproveitaodp a occasio, respond:
c Tem razio, mea pal Quem sabe
mais titeares antiquarios francezes. M'Sise achariamos agora o rastro de ama arte
saiba qae ha moitas antiguidades qae se fa-Jselvagem? Veja, veja I aqu est oatro.
c Desde o dia segrate o pastor poz-se a
trabalhar com consciencia.
c Em toda a parte acbavamos silex com
perfis humanos. Encbiamos bolsos e al-
eTantas, minba menina, quantas as'gibeiras, armazenavamos hectolitro? de pe-
vezes que accendo o cachimbo. dras. Dei a todas as sociedades arcbeologi-
E quantas vezes fuma no cachimbo? cas de Franca, e at mesmo a estrangeiras.
c E' consoante a largueza dos amigos. Exportado I exportamos seixos
Tio Thiago, quantas pedras retalha
voc por dia como esta T
Voc meu amigo, n3o ?
c Tem a minha vida s saas ordens.
N3o pego tanto.
EntSo que quer?
c Porque nai sei se devo gabar-me d'isso,
o nosso noto systema fez am barateo de to-
dos os demonios. Foi ama especie de re-
volucao scienti&ca. Ao principio, quando foi
Muitus seixos que tenham assim re lido o relatorio, grande espanto I bravos
cortes. E anda melhor ser se tiverem' oniversaes I Depois manifestaram-se algn-
orna apparencia de figura humana. mas duvidas. Um gracejador ensdsso disre
< Nao ha nada mais fcil. Um corte que o nosso systema era photo-escolptura
para a testa, ontro para o nariz, am para a ante-diluviana. Outros, mais seriamente.
bocea, outro para a barba.
Exactamente.
Nao isso ?
contestaran!, discutirn). A quantidade de
discursos e i de folbetos impressos a propo-
sito dos ca'baus do tio Tbiago. urna cousa
infirivel. Em geral, os fraooezes declararam-
so pela negativa; mas os allemaes estao
convencidos. Gosto d'aqualles bons aUemaest
Mas n3o gracejemos. Por esse- tempo,
tendo encoatrado o medico, disse-me elle :
> Moito bem I Seu pai comegasaa dar-
me cuidado.; re:eei utaa recahida. Mas esta
descoberta d-lhe de vida mais vate annos.
Oh meus ricos calhaus, eu vos aben-
C&ol
III
Depois de breve- pausa, Araandina coor-
tinaos assim a sua patbetica confidencial:
Talvez imagine que basta isto. NSo
basta, Se o mea querido deenle se ealre-
erasse a urna s ideia, se so- aferrasso- s a
urna localidade estara oatra vez em perigo.
A'primeira ameaca, o medico.faz-m. umsig-
nal. Demais, agora j passo guiar-me- pela
experiencia. Adivinbo quando preciso
urna distracc3o nova, mais movimeoto, urna
viagem. Quanto ao pretexto, serve sempre
a minba saude. Talvez j algoem rae dis-
sesso que sou doente. Nio crea em tal ;
passo s mil maravdbas. Comtudo, no ve-
r o passado, fiz que me reeeitassem banbos
do mar, e fimos para Karnac: tinhamos J
as pedras druidicas. N'este invern foi-me
preciso tomar ares do sal. Escolhi Hyeros,
porque em Hyeres ha Pomponia.
Vem ah a primavera. I^ira onde iremos?
Que me lembrar ? N3o sei; mas ha de lem-
brar-me alguma cousa.
< E as;im por diante, ainda e sempre.
Devoe quero continuar a minba obra.
Cemprehende agora, Sr. Gilberto ? Mal
posso casar. Que marido quereria associar-
se a tanta vigilancia, a tanto ardil, a tanta
archeologica f
Quem ha-de amar-me tanto que ame
meu pai como ea o amo, para vir a ser tan-
to seu filtra como ea sou sua filba ?
Pee -Ibe qae n8o me nterrompa. E'
preciso reflectir. Olhe que horrivel.
Dediqaei-me compleumente minba
obra. N3o sou minha. Como hei-de ter tem-
Josticado Um acontecmonto horrivel'
den iausa em Italia a conflicto entre os mi-
nisterios da gue; ra da jasiica. m deser-
tor conveetldo em bandido, tinha sido con-
demnado a ser fusilado n'Uma das provin-
cias meridionaes. O' reo recebe*cinco ba-
las ao p do muro do cemiterio em que de-
via dar-se-lhe sepuUora-.. N3o morreo das-
priraeiras feridas, e ura> sargento deu-lhe o
tiro de misericordia, e o> infeliz ficou immo-
vel. O coveiro apoderou-se o- cadver ;
por'm j era noute, nao qpiz abrir a-cova e
deixou o oorpo no proprio lugar da execu-
gao.
O justiciado, porm,. n3o estava morto e o
fro da noute fo-lo voltar a si/ Arrastando-
se. oomo pode, consegnio sabir fra do ce-
miterics e foi constituir-se prisioneiro ante a.
autoridade da powoacao mais prxima.
Agora o< ministerios da guerra e da jos-
tifa disputam-se a posse do corpo do justi-
gado. Acreditare qpe por mpediramao>
rei qoe Ihe perde a- vida, porque as fe-
ridas nosao mortaes, e parece ter elemen-
tos para vi ver mais tempo qne o proprio
Mathusalem.
!S
?.
Ihecer, Sr. Gilberto. Ha^ sim. Bem sei
qoe mal tenbo vinte annos, mas palavra de
honra, estou gibad
E a prova qae j n5o acbo nada.Bovo,
esmo ainda agora vio. Eu ia repetir a scena
do acampamento romano. Caa em repet-
c3es, repis).
J v que nao deve pensar maisem
mim Sr. GHberto. Deixe-me, esqBega-me.
Ha de achar urna mnttrar que valha mais do
que eu, que seja mais digua de si. Seja feliz.
c Eu por mim, seo feliz assim,
Nao ima?ioa qpe Doa e doce alegria di
om dever saiisfeito,. nm pequeo sacriQ io
que se acceita frasea e alegremente. Meo,
pai to bondoso, t ama-me tanto 1' amava
tanto minha mi .h E eu bavia da desampara
lo I Nao, Gilberto, isso nSo.. Adeus l
IV
Armandi&a, tinha-se Imantado, esteo-
deado-me a sua mo.
c No resto opulento de. vico e encantos
bavia um ar resoluto, bravura e jovialidade.
Era mais do que o preciso para crer oa sin-
eeridade da sua iodifteenca. Al mesmo
o sorrir tinba urna especie de contraegao fe-
bril. Nos olhos haviam lagrimas reprimi-
das. Estava paluda; palpitavs Ibe offegante
o seio. Lameniava-me 1 Nao bavia que du-
vidar; amava-me. Respond-I he :
< Armandina. nao lhe admiti esse adeus.
Breve nos toroaremos a ver. Sea pai pro
metteu-me passar alguns das em n^sacasa.
N3o o dissuada d'essa tencSo, se nio por
mim, ao menos por si. L, prometto-ibo dar
novo alimento sua intelligencia e sua ge-
nerosidade. Se tem distranido o espirito de
sea pai, ea pela miaba parte oceupar-ihe-bei
o coragao.
Como?
E' c um segredo. Revelar-se-ha por
si mesmo em minha casa. V e ver. Afi-
ango-lhe que serei bem auccedido, e qae
me julgar digno de ser sea filtra.
At breve I
c Edeixei-a, moito assombrada, coma
po para ser esposa ? como bei-de ter tem- cariosidade bem expressa nos olhos, e a es-
po para sermai? O meu filho elle, meu peranca no sorriso.
pai!___________________________________
t Alm d'isso, ha lidas qae faz emenve-1 typ. do diario-rua dasjurzss n t
.

-:.



*

!f*"
P
"fm
' M*
i.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E56ZK3EKZ_K2Y645 INGEST_TIME 2013-09-05T01:07:56Z PACKAGE AA00011611_11471
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES