Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11451


This item is only available as the following downloads:


Full Text
t*>-~m*fGjp**m *""l!|y||| mi ilH'n
- '<
*******
*,<
ANNO XLIII. NUMERO 294

isfe eiwji^a *^
Pi3 i C\pirn4* ii(iutiie. -:
Per tret tue Ji iHUtit.',. \

Por s?i's lillas id i.
Por un ajou iii#o.
ti Ja U4Jicriju4U
j .: .: t ..- fti .1 .< '.i .1 .
i i .1 .1 .1 .1 .1 .; .i ... .
>......
.
6GOO
320


mm^um SABBADO 21 DE DEZEMBRO DE 1867.
P IB 1 B,\rH K ifOIlA PHOVINCU.
Por (res mere adiantadss..
Por teis ditos idem. ,.
Por boto ditos dem.....
Por Bm anna iden.. ..* ..
.
...... "
...............
....................



e75r
U500
200*90
270000


A&sftiMrt ni ^auuANm o* aaaaiiiptt'ftiaa ara arirDm mimoa a>i imu & mmm* oais mwiffliivMaiDS

IENCARREGAD03 DA SUBSCRIPgAO.
Parahyba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marqoesda Silva ;Aracaty,
Sr. A. de Leroos Braga; Cear, o Sr. Joaqaim
os de Oliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alvos & Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagoas,o Sr. Franrino Tarares da Costa;
Baha, o Sr. Jos M.triins Alvos: Rio de Janeiro,
Sr.Jos Ribeiro Gasparnbo.
PARTIDA DOS gTAPBTAS. i SerlnhSem, Rio Pormoso, Tamandar, una, Bar-J Primeira va;a do civel: tersas e sextas ao meio
Olinda, Cabo, Escada e estacos da Ta frrea at/ reros, Agua Preta e Pimeoteiras. as quintas! da.
Agoa Preta, lodos o dias. i feiras. I Segunda rara do dril : qaartai e sabbadss a
Igaarass e Goyanoa ras segundas e sextas felras.J AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL-I Qcra da ,arde*
Santo Antao, Gravar, Bezerron, Bonito, Caruar.f KPHWMUtHHgtl nn W7 nw nr7rvnnn
AltiBho, Garanhans, Buique, S. Bento, Boro Con-/ Tribunal do commercio : segandas e quintas *.rHKHiRlD&3 DO MEZ DE DFZEMBRO.
selho, Aguas Bellas e Tacaral, oa- tergas-feiras.f Helacao : torpas e sbados s 10 horas. | 4 Quarto creso, as 7 h. e29 ra. da m.
Pao d'Albo, Nazareth, Limoeiro, Breio, Posqueira,/ Fazenda: qaintis s 10 horas. I II La cheia as 9 h. e 18 m. da ra.
Jpgazeira, Flores, Villa Bel/a, Cabrob, Boa-Vis-/ Juizo do cotnmorefo : gandas as II horas. 18 Quarto ming. aos 45 ro. da m.
tarOuricury,Salgaeiro e Ex, as qoartas farras' Dito de orpbjos : tercas sextas s 10 horas. | 25 La nova as 8 b. e 47 m. da t. |
DAS DA SEMANA.
16 Segunda. S. Eozebio Verselene b. rn.
17 Terca. 8. Flonano m., 3. Colaniro m.
18 (Juana. S. Speridio b. c, S. Toeotlmo tn.
19 Quinta. S. Bario m., S. Pantiilo m.
O Saxti. S. Domiogos de Silos ab.
21 Sabbado. S. Tom ap., S. Temistocles m.
22 Djmrago. S. Honorato m., S. Flaviano.
PREAMAR DE BOJE.
Primeira s 9 horas e 1? m. da maahla.
Segunda as 9 horas 42 minlos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COsTffiROS.
Para o snl at Alagoas a 14 30; para o norte
at a Granja a 15 e 30 da cada roez; para Fr-
nando nos das 14 dos mezes Janeiro, margo, auto
julho, setembro e novembro.
EXTERIOR.
(fcucsfo italiana.
CIBCILAR DO CKKERAL MENAIHIKA, mSIMCNTE DO
C1KSKLHODE VICTvIl KMMANUBL. AOS REPRKSEX-
TANTES DA ITALIA NO ESTHANC.EIR'1.
Floreoca, 9 Ce novmbro de 1867.Sr. minis-
tro.Os motivos que det-rmiearam ogoverno di
Foi de Roma que demos a lei ao mundo, a pri-
meira vez do Capitolio, e a segunda vez do Vadea-,
nc; outr'ora sede da vida, e actualmente profanada .
pela Impotencia e Impostora. Roma pertea-1
ce-noi! Eli dogma (oi proclamado pelos niaiores
genios da Europa, desde Dante al Byron, desde
Cesar al Napoleo; L-i-o pelos roartyres que roor-
reram por ella, desde Crescenea e Aroaud de Bres- ]
cia at Mamel e Cairoli; foi-o pelo parlamento, e
n'uraa buroenagem hypjrrila pela vtrdade, prr
aquello que anda agora vosso re; foi-o fiual
re a fazer occopar pelas soas tropas alguns pontoi! ,,,,,, pe|ag aSpirc5es de lodo o povu italiano.
do territorio pontificio, no momento em que o cor- l;m pu0ha(j0 ^ uvasores es-trangeiros desceram
- 1a expedido fraDceza desembarcava era Civita as yoifai margens, para negar o seu dogma, para
nbia, ja' foram desenvolvidos na circular qoe vos oec|arar te|a segunda vez a vos e a toda a Eu-
30 e enjutes digiri aos represenlantes diplo- rap1 que Roma perieuce a Franca, e que a Fran-
po da expedido france;a desembarcava era Civita
Vecchia, ja'
em "
tnaticos de S. M. no estran?eiro.
Nao, h, pois, nscessidade oe recordar as rasos*,
qoe nos determiaaram esse acto. Basta qne lecha
sido alcancado o 6m qne nos propozemos.
Era toda a parle onde as tropas reaes se apre-
seotaram, foram acolh.idas cora reconheciraento
pelos habitantes,porque con ellas vcltava a ordem
e a segoraoca para os cidados, o respeit) e a pro-
torci para as autoridades que se achavam cons-
tituidas.
Sabis, senhor ministro, qne em troitas localida-
des, nao occupadas pelas nossas tropas, os povos
tiz rr.m plebiscitos de aooexaco ao reino de llalla.
Mas o goveroo do re, qoe havia desaconiellia-
do essas manifestacoes, e cuja inQoencia nao lioha
sido snfflciente para as impedir, reruson acceltar
os resultados, firme na palavra dada de qne a de-
terminacao que tomara, de pas>ar a frooteira, nao
conduziria a nenbom acto de bostilidade.
O convite feito pela proclamaco real aos bandos
de revolneir.mrios, para se reti'rarern pira a reta-
guarda das Qleiras do eieretto italiano, nao foi at-
tendido por Ganh ilJi. Emqaanio que este, pro-
corando dar exeiuicSo a outro proj^cio, diriga as
suas colomoas para Tivoli, 3s tropas franco poMi-
licias atacavam no e baliam-no prximo de Men-
tana.
Os volaatarlos entravam entao de novo em gran-
de somero, no territorio do estado pontificio, onde
foram desarmado; e Garibaldl que, tendo so apre-
sentado em Passo Crese, rnanifestava a inlenrao
de tornar por Leoroe para Caprera, foi pelo con-
trario preso, e vigiado em Varlgnaoo, no golpbo
de Spetzia.
Esta medida era nos dictada pla necessidade
de fortalecer a aniondade da lei, e pela urgencia
de afiastar todo o n*co de novas penurbaoes.
Estando a paz publica restabelecida, cessaram
por tanto os perigos qne ameafavam a santa s.
Esta mudanza na slttia(ao futa dtsapparecer os
motivos que tinham tornsdo a nossa inlerveng1)
eeiisaria.
Por conseqnencia, pela sua parte, o governo do
rei chamoo as soas tropas do territorio do estado
pontificio.
Ogoverno francez, pela sniparte,ccntrablo pela
sna circular de 25 de cntubro o compromisso so-
lemne de considerar a sua trela como conclnida,
e de evacmr o tsrritorio pontificio, logo que este
eslivesse livre de agpressores, e a segorai ci esti-
vese restabelecida. Eslas condicoes eslo actual-
mente realisadas.
Entrando as nossas frooteira?, afastamos todo
o motivo do adiamento; e agora, confiando as pa-
lavras da Franca, esperamos que o governo impe-
rial lara' tambera ct-ssar orna iotertencao que jul-
gamcs nao ser neces.-aria, que fui para a Italia ura
faci doloroso, e que, se continuarse, sa lomara
nm obstculo a ora accordo duradouro.
Se, pois, a attiiude do governo real e as snas
tirmes resolor;5es dao a todos a sjguraDca de que
os fados passados se D.io poderao renovar, cada
ura levado a concluir dos aconteoimentos occorrl-
do-, que o fim da conveoo de 13 de setembro de
1864, estipulada ccm a esperanza de orna promp-
ta aprozimaco entre a saDU s e a Italia, falhou
completamente. Nada pule, c m elleilo, al agora
modificar a attitude hostil tomada pelo governo
pontificio contra o do rei.
Roma da' hoje o singular espectculo de ora go-
verno, quo, para se raanter, paga a um exercito
ceraposto de individuos de lodosos paites, comple-
tamente desproporcionado com a sua popularlo, e
oro recursos linanceiros do cMado, que todava se
julga obrigado a recorrer a' intervengo estran-
geira. Ura sincero accordo ccm a Italia faria de-
sapparecer, pelo contrario, toda a sombra de peri-
go para a sania s, permtiria empregar era pro-
veilo da religio os toesouros consumidos em ar-
mamentos superfluos, e, garantlndo a pennsula
contra a renovacao de depluraveis elTusorts de sao-
gue, seria urna garanta segura da paz, que igual-
mente necessaria ao stb.>rnno pontiGcio e ao reino
da Italia.
O nosso paiz tem, como qoalqaeronlro, nm sen-
timeoto religioso, vivo e profundo; msisxdi que
nenhum ootro reconbece as difflculdades e os (lis-
seolimentos que resultam da existencia de um po-
der que, estabelecido em bases immutaveis, e exer-
cendo-se as regiSes supremas da f, soffre ao
mesmo lempo as ohriga^oes de ora governo terres-
tre sugeito a's Bfluencias das paixoes politice, e
destinado a modificar-se com a marcha dos lempos,
em razo dos progressos da civilisacao.
O solo qu enterra o tomulo dos apostlos, onde
se conserva o deposito das tradi^oes da f eatboli-
ca, a sJe mais segura do papado. A Italia po-
dera' defcnde-lo, cerca-lo de loda a veneraco e de
todo o esplendor que Ibe sao devidos e fazer res-
peitar a independencia e a liberdade. E' este o
maior dcsejo dos latanos. Mas para qoe esse Um
se pussa alcancar, comprehendereis, Sr. minisiro,
ga que decide da sua sorle.
Nao ha um unlcj paiz na Europa, qne soppor-
tasse nm semelhante insulto. E vos, haveis de en-
I dnrecer-vos ? Permiltireis porvnlura aos iuvaso
| res queescrcvam nos seus despachos: tos italianos
j nao sabem raler-se ; somos inconiestavelmente os;
I seos roestfes?
Nao. pelos manes de Capponi, nao o haveis de ,
eoDseoiir. Italianos I tocai o rebate, e que seja .
este o signa! de urna guerra nacional contra os
invasores!
Deixai dizer de vos tudo qoanto qoizerem, ex-
eepto o que faz cahir orna nac^o no opprobrio,
excepto que sa Italia o exerciio e a nago sao
cobardes.
Mas para que a guerra seja nacional, mas para
qne lenhaes armas, mnnlroes e dinheiro, estallos,
voluniarios, soldados, bases de operagoes, e chefes
de urna fidelidade a leda prova, audaci&sos, tenazes
a capazes 6 em primeiro lugar necessario libertar
o vosso paiz, e desembarazar vos do governo que
vos deshonra e vos trabe. E' da iusurrelr.o que
deve sahir a guerra.
Era presenca do factos consumados, toda a
illoso um crime o urna loucura.
O nosso governo monarebico teria podido apro-
veliar de um appello sabido de Roma.
Nao o fez.
O nosso governo monarcbco permittio que 03
voluntarios se agropassem em numero sofTlci^Dta i
para emprehender alucia; depois impedloquej
elles se ag-ropassem em numero sufllcienio para j
concluir a conquista.
O nos.-o governo monarcbco ap'isionou por duas
vetes a Garibaldl; escolheu o moment) da nter-.
venfao estrangeira para formar um ministerio se-1
mi clerical, hostil a toda a liberdade; disolveu a
corumisso de soccorros; nao passou a frooteira
pontificia, seniio para eotreaar ao papa as popula-
toas que linham chamado a Italia p.-los seos ple-
biscitos ; assioj, sem opposigo ao trucidar dos !
nossos rmeos italiano?, qmndo se apprtximaram
os franeszes, reliroa-se das pofifes que bavia,
oceupado; renegn a R-.ma, a Italia e a honra da
nosra bandeira.
E havera alguem d'entre vos qne consinta em
pariilbar com e nossa empreza'.'
Nao, urna dynastia que debuta cedendo ao es-,
trangeiro o tmulo dos seos antepassados, e que
acaba por Lis-a e Cuslozza, nao pede allrahir so-
bre vos seno a desgrana, a perfidia e a vergo-
tilia. Se queris salvar a vossa patria, apressai-ves
pois, a separar es seus deslios dos desse gover-
ns. Livres entao, livres de toda a cooflausa, de
todo o recelo de tiaico, lancai-vos resolntamente
na lula, e seris vencedores I Em 1802 a franca
nao contava, como vos, senao vinle e cinco nr.lhes
de habitante?, qoando arremecou a luva aos reis
ligados centra ella, e .a Franca foi victoriosa.
Nos,repullirano?, possuiamos tosomenleRoma,
qoando em 1849, resistimos por espaco de 2 mezes
a um exercito de irinta mil francezes.
Em quanto que hoje o terreno que conqnistardes
reverter em vosso proveilo e no da Franca. Estes
invasores nao representara a Franca; representara
um desptta que vio os seus designios frustrados
no Mxico, na Allemanbaem loda a parte, n'uma
palavra, e que vai rpidamente caminhindo para
a sua ruina. As ideas revolucionarias fervem em
Franca e esse paiz espera com anciedade a vossa
resistencia que o ha de habilitar a descarrtgar-lbe
o derradeiro golpe................................
Italianos, a Roma! a Roma! E' alli que ano^sa
nacionalid3de ha de receber o sen baplismo. E'
alli que -sombra da bandeira da victoria plantada
sobre o Capitolio, urna assembia eleita pelo povo
ha de dictar o paci, que deve por lermo a crise
prolongada que nos lem mantido o governo mo-
aarchico.
8 de novembro de 1367.
JS 3ZZIU.
REVISTA DIARIA
Continuaran) hontem as pesqnizas sobre as se-
dlas falsas, pelo Sr. Dr. ebefe de polica, sendo
ioterrogadas diversa pessoas, que em seos depoi-
mentos aggravaram a posicao do Sr. Domingos de
Souza Barros, qua contina preso e incommuni-
cavel.
At hontem a' tarde Acarara depositadas, no
cofre da secretaria de polica, noventa e seis sedn
las de 10?, qoe Lram appreheodidas 17 cm mo
do Sr. Antonio Goncalves da Silva, 6 na do Sr. Ve
rissimo Corroa L na, II na do Sr. Gaspar Anto
, nio Vieira Guimaraes, 9 na dos Srs. Reg & Mou
que sao indispensaveis ajustes em que se estabele- ra, 10 na do Sr. Joo Goncalves Guerra, 13 na do
ca o accordo de nleresses enlre a santa s e es da Sr. Jos Lopes Albeiro,
Italia.
A cansa da religiu e mesmo a da ordem euro-
pea estao nisto igualmente ioteressadas. Se a Ita-
lia constituida esta' destinada a ser um grande
elemento de ordem e de progresso, tambem ne-
cessario, para que possa exercer essa nobre rois-
sao, fazer desapparecer de seu seio a cuisa que
boja a mantem em estado de agitar permanente.
Expoodo as considerare as qoe acabo de desen-
volver, poderei3 de cerlo, Sr. ministro, promover a
eonvieeo da grande orgencia que ha em resolver
sem demora a questao romana.
Acceitai etc.
Menasra.
Proclamado de Hazzial aos
seas eoneldados.
Italianos! Ha por ventora anda as vossas almas
Testo de honra, ura seotimento de dignidade, ora
resto da antiga altivez italiana, orna recordarlo da
que servio para que vossos pas fossem temidos,
e fossem tambem grandes? Se assim mostrai-o
o roostrai-o sem demora.
E-taes n'ura desses momentos que fazem ou po-
dera perder o futuro de orna na^ao. Segundo a
maoeira porque procederdes, a Europa ba de con-
siderar-vos como um povo cobarde, ou saudara em
si a naco italiana, que se levanta para dar ao
mundo a licao da civilisacac, da liberdad, e do
querer iodomavel. Escolhei; agora ou nunca.
A situacao clara, incontestavei e visivel para
todo o mondo.
Roma perlence-n?s! Deus e os honoens asslra o
proclamara. E' de Roma que nos possuiraos esta
Iiegua que testemucha a nossa fratarnldade.
A nossa historia tem a sua oricem em Roma.
E' em Roma que se enconiram as raizes das ira-
dicoes, s quaes devenios ser urna nseo. Dez
seculos de rec r !".ois gloriosas consagraran) o seu
Mato de mal d?. (tilia e do centro da n^ssa cni-
tlade.
i na do Sr. Antonio Lou
rengo de Gonva, 1 n do Sr. Domingas de Souza
Barros, 13 na do Sr. Antonio Doarte Carneiro
Vianna e 14 na do Sr. Manoel Francisco a Silva.
O que ha de mais iuieressante que, entre ell?s,
existam 7 com o n. 13490, 2 com o n. 13496 e 2
com o n. 13497.
Aos esforcos e tino policial do Sr. Dr. Francoli-
no Gaimares, muito digno chefe de polica, se de-
ve o resultado das pesqnizas, pelo qne se torna dig-
no de mil encomios, que com prazer Ihe tribu-
tamos.
Tem hoje logar, no tbeatro de Santa Isabel, o
especiadlo ultimo em qoe lomam parle os artistas
Cesar de Lacerda e Carolina Falco, em beneficio d
Hospital Porlngnez.
Sbem a' scena as bellas comedias Umpir de
morle, Amores t rao. Un (tigeito e. mi senliora,
alm da walsa O Bajo e da poesa Hospital.
O fim pi e humanitario a que destinado o pro-
duelo deste espactaeulo, por certo que calara' no
animo do publico de maneira a dar ao iheatro
completa concorrencis, que augmente o bolo dos
pobres, que sao soccorridos por esse estabeleci-
mento.
Recommendamo lo, pci, ao publico, esperando
que acolhera' com enlhosiasmo esse benelicio.
As Indulgencias plenarias concedidas a' festi-
vidade das Neves, do convento de S. Francisco de
Olinda, qoe hontem publicamos, foram impetradas
pelo ex-guardiao fre Joo Baplisla do Espirito-
Santo.
A junta administrativa da Santa Casa fonecio-
na no dia 22 do correte, deixando de funecionar
no dia 26.
Fallecen ante-hootem, as 11 horas da noite,
o pratico de nossa barra, o Sr. Arcelino Martins
dos Santos Lima, qoe fdra aperlado entre a baleei-
ra e o casco do navio de que hontem tratamos.
=* O Sr. baraa da Solciade reassumio o exerci
i co do vece-consoladj da Italia nesta provincia.
| -a Foram desigoadts os Srs. Drs. Joaquina. Pi-
-'i
res Machad) Poriella e Cicero Odem Peregrino da
Silva, para corarolssar io do governo nos eximes de
preparatorios da Facnldade de Direito.
A' solieilacno de pessoas de Olinda, o Sr.
Herrmao;i vai alli dar dos eies de prestidigita-
cao hija eamanbaa.
o futnro anno lectivo das esrolas de ins-
lrocr;ao priEtaria exiinrio o feriado semanal da
quinia-feira, por ocliberaco de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia sobre representado do Sr. di-
rector geral da iostrucc;So pnblica.
Aroanhaa ha missa nova no convento de S.
Francisco de Olinda, celebrada pelo oovamente or-
denado Rvd. Maibias Ayres Delgado; e no segua-
te domingo cantara' tambem a sua primeira missa
0 Rvm. Sr. Uanoel Joo Gomes, na igreja do Am-
paro da mesma cldade de Olinda.
Ambos esses sacerdotes foram ha ponco ordena-
dos pelo Exm. diocesano do Ceara' com demisso-
ras do Exm. vigario raoitular desta diocese.
Anie-tiontem prenden novamente a attenco
de urna escolhida soeiedade no salao do Sania Isa-
bel o fettceiro Sr. Herrmano ; e mais urna ve/, os
chos desse thealro repeliram os applausos saina-
siastas deferidos pelo publico ao distincio prestidi-
gitador.
Novas surtes foram por elle secutadas rom
aquella desrera e delicadeza com que o dislincio
artista Irabalba, e foram apreciadas pelo publico
com a atiencao que elle presta ao que bello e
grande.
A Sra. Herrtruon por incemmodada deixon de
cantar, e o Sr. HerrmanD, em subsiiioicao dessa
parte, executou mais algumas de tuas interessanles
so res.
Segunda-feira o Sr. Herrmann novamente traba-
Iba no Santa Isabel, para satislazer os diversos
pedidos de todas essas pessoas qne aioda o nao vi-
rara a que o desejara admirar.
AmanhSa, 22 do correte, tem lagar a fest
do Senhor l!om Jess dos Passos, erecto na igreja
de Nossa Senhora dos Remedios. A' tarde, depois
da festa, ha cavaibadas.
Lotera.A que se acha a venda
a 49* a beneficio das familias dos voluntarios
da patria, que corre terca-feira 31, pelo no-
vo plano.
Acabi. de ser approvado pela presidencia um \
excellenie plano par as loteras, o qual constando ;
de 5,000 hilhetes a 4, tem os segrales prerci is :
1 de 5:000, 1 de 90(4, 1 de 4(0*, 1 de 200 J. 4 ;
de 400, 6 de 40, 12 de 2(, 40 de 10* e 1,134
de 5*.
Nnmeraco dos tilheles da lotera 49', offe-
recidos pelo Ihesooreiro das loteras para auxilio
das desptzas da guerra :
Meios ns. 224 a 248.
Repaiiticao da policaExtrato das partes
do dia 20 da derembro de 1867.
Foram rrcolbide-s a' casa de detengao no dia 19
do crrente:
A' ordem do subdelegado do Recife, Faustino,
escravo de Lima A Reis, a rtquerlmeoto do cor-
respondente dos respectivos seohores.A' ordem
do da Caponga, Mara Guilnermina da Conceico,
para correejo.
O chefe da 2' secQo
J. G. de Mezquita.
Casa de DETE.\gAo:Movmenlo do dia 19 do
corrente :
Existlam preses 293, entraran) 4, sabiram II,
existen) 286 : a saber, oacionaes 202, mulbeies 5,
estrangelros 37, mulher 1, escravos 40, escrava
I,total 286.
Alimentados a costa des cofres publico? 221.
Movimenio da enfermarla do da 20 do corrente
Teve baixa :
Henriqne Pereira de Lima.
Tiveram a'la :
Mauoel do Carino Clarindo.
Beoto J i dos Aojes.
Andr Elias.
Manoel Antonio de Moora.
Guilherminc, escravo de JoSo B. do Reg.
Crmitkhio pcblico.Obituario do dia 20 de
dezembro de 1*67 :
Arcbanja Francisca Gon^alve?, Pernambuc), 86
annos, vnjva, Boa-Visia ; velhir.
Antonio, l'ernambuco, 40 anao.', Boa-Vista ; pneu-
mona.
Arcelino Martins dos Santos Lima, Peroambuco, 33
annos, casado, Recife ; conlusoes.
Francisco. Peruamboco, 3 annos, S. Jos ; he-
paute.

CiOMGA JLDfCIARU.
TRIBIDIf Ala DO COI)!HERCIO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 19 DE
DEZEMBRO DE 1867.
PRESIDENCIA DO EXM. SB. DESEMBARGADOS
ANSELMO FRANCISCO PERETTI.
As dez boras da manba, estando reunidos rs
Srs. deputados Rosa, Basto, Miranda Leal e baro
de Cruangy,o Exm. Sr. presidente declaren aberla
a sessao.
Lida, foi ai rrovada a acta da ses-ao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Distribniram-se os segrales livros comraer-
ciaes :Diario e copiador de Cardoso & Irmo.
dem idem de Heraclio Constantino de Paula Mon-
tero.Diario de Jos Vidal de Negreiros.dem
de Manoel Pedro de Norenha. dem de Amero
Joaquim des Santos.dem de Mello Lobo di O
Mem de Samoel Power Johnston & C.
Compareceu Manoel Jos Dantas, proprielario
do armazem, que pretende alfandegar, silo ao
Foita do Mattos n. 1, e assignou o (errad da fiel
depositarlo de qoe faz meoco o artigo 87 do cdi-
go commercial.
DESPACHOS.
Requerimeoto de Bernardioo Alvas Ferreira,
pedindo para qoe se admita registro o contrato,
que junta, de sociedade celebrado com Tbomaz de
Figueiilo.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Dito de Francisco Ribeiro Barros, ofierecendo
registro a carta imperial qoe o natnrallsou cida
dao brasileiro e o titulo que o nomeou pratico da
costa do norle al o Para.Registrem-se.
Dito de 11. Oeltli & C, submeliendo a registro a
nomeaco que deram ao seu caixeiro Joo Roberto
Augusto da Silva, para despachar na alfandega
desta cldade o qoe for tendente a sua casa com-
mercial.R?glsire-se.
Dito de Jos Joaquim Barbosa da Silva, para se
Ibe registrar o documento qne aprsenla, da com-
pra que fitera das lijas nnmeros 12, 14 e 16 sitas
a praga da Independencia desia cdade.Regis-
(re-as.
Dito de Severiano Bandeira de Mello, para Igual
fim qu .co ao estabelecimento de chapeos s'to
mesma pra$a n. 40, comprado a Joo da Mana
BeltrSo.Regislrese.
Com Informarlo do Sr. desembargador fiscal.
Diio de Joo da Silva Sanios & Cregistro de
contrato de sociedade.Satufacam o parecer fl-cal.
Dno de Jeso William Studart,matricula de
commerciante.Como reqoer.
Autos de rehabiiag.io de Manoel Ferreira Gar-
rido. Gonceden-se.
Nada mais bavendo a tratarse, o Exm. Sr.
presidente encerrou a sesso s 11 horas e meia
do dia.
.
SESSAO JUDICIARLA EM 19 DE DEZMSRO OE
1867.
PRZSIDINCU DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. r. PRRETTl.
Scre A's oazj horas e meia da manbaa Ueclarou-se
!
abena a sesso *st?ndo reunidos o* Srs. desem-
Cargadores Silva Guimaraes, Reis e Silva e Acrio-
li, e os Srs. depulaioe Rosa, Basto, Miranda Leal
e baro de Cruangy.
Lida, foi approvaoa a acia da sesso antece-
dente.
O escrivo A!ve de Brito registrn c ultimo
protesio de letra a 17 do corrente sob o o. 1492 e
o protooolio do scrivao Albnquerque eoDserva a
mesma ni mera^ao e data indicadas na acia da
sessao anterior.
ACORDIS ASSIGNADOS
Proferido Da sesso de 12 do presente roez.
Appellanie Joaquim Luiz Viein, apoelladcs os ad-
minislradcres da massa fallida de Amorim, Fra-
goso, Sanios & C.
Proferidos na ultima sessao. Appellanie JoSo
Luiz Ferreira Kibeiro, appellado Amonio Luiz de
Oiiveira Azevedo.Appellanie D. Anna Fraocelina
da Cunha, appellado Manoel do Csrmo Ribeiro-
JILCAMBNTOS.
Juizo especial do commercio.Appellanie eie-
cuiado o tenenie-corcoel Jos Ignacio de Meudoo- ]
es, appellado exequeote Joo Pinto de Lemos Ju 1
niorJulzes os Srs. Accioli, Reis e Silva, Risa e
Miranda Leal.-Foi reformada a sentenca appella-
da com o voto do Ezm. Sr. presidente, sendo vo-
tes vencidos os Srs. Rosa e Leal.
Juizo municipal e do commercio da villa do Pi-
lar.Embargantes reos a [.reliantes Baltbur ,& Oli-
ve i ra, embargado amor appellado Antonio Jos de
Viveros Sabugo.Joir.es os Srs. Res e Silva, Ac
cioli, Rosa e Basto.Despresaram-se os embargos
com o voto do Exm. Sr. presidente, sendo votos
vencidos os Srs. Rosa e Basio.
Juizo especial.Embargante reo JoSo Jos Pe-
reira, embargado autor Francisco Jos Germano.
Juizes os Srs. Accioli, Silva Guimaraes, Rosa e
Basto.Despresaram-se os embargos.
Juizo especial.Appellanles Rabe Schametau &
C, appfllados os administradores da massa fallida
de Amoriro, Fragoso, Santos & CJoizes os Srs.
Accioli, Res e Suva, Miranda Leal e Basto.Foi
confirmada a -ontenga appellada.
Embargantes Mtnleiro Fuho & C, embargado
Thomaz Duarte de Aquino.Adiado na ultima
sesso ; o Sr. Miranda Leal nao apresenlou o feito.
Appellaetes Manoel Ignacio de Siqueira CaVet-
eante e ootro, appellado Leopoldo Ferreira Mar-
tins Ribeiro.Appellanie Gabriel Antonio, appel-
lados es administradores da massa fallida de Si
queira A Prrelra.Appellanles o Dr. Manoel de
Figuelroa Faria e outro, appellado o Or. Gabriel
Soares Raposo da Caraara.-Appellanie D. Juan
de Acolada lijo, appallaos Aranaga Hijo & C
Appellanie antonlo Lopes Chaves, appellado Jo-
s Flix do Reg Adiados a pedido dos Srs. de-
[utados.
Raiiraodo-se da sala das conferencias o Eira.
Sr. presdeme, assomio a presidencia o Sr. de-
scmba'gador Silva Guimaraes para o jnigamento
do feito era que sospeito o mesmo Exm. Sr.;
entre parlesEmbargante execotido o padre An-
tonio Jos Pinto, embargado exequeote o bario de
Jaragua.Juize murlcipal de Macelo.Julzes os
Srs. Reis a Silva, Accioli, Basto e Miranda 1,-al.
Jnlgou-se nuilo o processe por incompetencia
do juizo, sendo'voto vencido o Sr. Miranda Leal.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Res e Silva : appellantes os ad-
ministradores d> massa fallida de Amorim, Frago-
so, Sanios & C, appellado Joo da Cacha Wan-
derley.Appellanie Antonio Manoel Gimes de Si-
qoeira, appellados Jos Smilh & C Appellanie
Francisco Thomaz de Barros Caropello, appellada
D. Anna Josepha Pereira dos Santos Appellanie
Joeo Ferreira dos Santos Jnior, appellado Fran-
cisco Ferreira da Silva
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. de-
sembargador Accioli: apllame o administrador
da massa fallida de Pedro da Silva Reg, appella-
da a directora do Novo Banco de Peroambuco.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Guimaraes : appellaote Horatius J.
Cannan, appellados os curadores da massa fallida
de Flix Sauvage c\ G.
DISTR1BUICA0.
Ao Sr. desembargador Accioli: appellantes Es-
tevo Jos da Mola e outro, appellado Domingos
Alves Matbeus.
acora vos.
Jolzo especial.Agravante Antonio da Sonta e
Silva, aggravada D. Maria Rila da Cruz Neves.
O Exm. Sr. presidente negou provimento.
Juizo especial.-Aggravante Joaquim Jos de
Oilveira Apoliro, aggravado Joaquim de A buquer-
que Mello.
O Esm. Sr. presidente nao tomou cochecimento.
Nada mais bavendo a tratar o Exm. Sr. presi-
denta encerrou a sessao as duas horas da larde e
de clare u que estavam dadas as ferias.
JURY DO RECIFE.
SESSAO EM 19 DE DEZEMBRO DE 1867.
Presencia do Sr. Dr. Joao Antonio de Araujo
Freilas Henriques.
Promotor publico o Sr. Dr. Arminlo Coriolano Ta-
vares dos Santos.
Advcgado o Sr. Dr. Antonio Borges da Fon-
seca.
Escrlvao Joaquim Francisco de Paula Esteves Cle-
mente.
Reo Joo Serrador, acensado por crime de
roubo.
Feita a chamada s 10 horas da manhaa, achara-
se present?s 48 Srs. jurados.
Foram dispensados da sessio e dai multas em
ntia iocorrra o Sr. coronel Antonio Pedro de Sa
Barreto, someole da sesso de boje o Sr. Francisco
Jos da Silva, e multados em mais 20u'. O cada
ura dos jurados ja modados nos anterioras dias
de sessao, e o Sr. Antonio Pinto da Motta Nones.
Abena a sessao, foram apresenlados pelo Sr.
Dr. Virgilio de Gusmo Coelho, joiz municipal snp-
pente da segunda vara preparador dos processes
do jury, mais qoatro processes desde muilo prepa-
rados, para serem jolgados na prosete sesso, os
quaes sao os seguintes :
Autora a jastiga, reo preso Florindo Jos Baptis-
la e outro.
Aotora a jostlca, reo preso Manoel Vlcecta do
Espirito-Santo.
Autora a joslica, reo preso Cosme D.imio de
Santiago.
Autora a jostica, reo preso Joao Ferreira da
Si|va- fc A A
Dos quaes processos se procedeu a chamada dos
amores, reos e testemonhas, assim como de pro-
cesso designado para ser hoje julgado, acbando-sa
lodos presentes, sorteado o jury do sentenea, foi
este juramentado aa forma da lei, sendo o reo in-
terrogado e lido o processo da formac.o da culpa,
foi desenvolvida a aecusacao e deeza, replica e
e treplica, resumida a materia da aecnsaao e de-
feza, foram propostas ao dito jnry as quesiSes de
fado o qual retirando-se a' sala secreta das con-
ferencias pelai 1 1/4 da tarde, d'onde voltou as 2
cora suas respoatas que foram tidas em alta voz
pelo presidente d jury de senteega, em vista de
coj decieo foi o rj absolvido, elevantou-se a
sessao, que foi adiada para o dia seguinte pelas
10 horas da manba. .
SESSAO EM 20 DE DEZEMBRO DE 1807.
Presidrtela do Sr. Dr. Joao Antonio di Araujo
Frats Henriqncs.
Promotor .publico e Sr. Dr. Ar.n'oio Coriolano Ta-
rares dos SaO''".;.
Advogado o Sr. Dr. Autoaio Justino de Souza.
Escrivo Joaquim Francisco de Paula Esteves Cle-
mente.
F.o Manoel Fratcisco das Chafas, acensado por
crime de estellionato.
Feita a chamada ;s io horas da manhaa compa-
recerara 43 S rs. jorados.
Foram dispensados da sesso de boje somente os
Sr?. :
Dr. Ignacio J aquim de Scoa Leo.
Jos llernardino Pereira de Brflo.
Candido Aulran da Malta e A'hiiqnerque.
Foram modados em mais 200O0 os jurados ja
mudados nos anteriores das de sessao e a cada um
dos seguintes seohores :
Dr. Gabriel Soares Raposo da Caraira.
Dr. Manoel Francisco Telieira.
A berta a sessio, procedeo-se a chamada das
pait-s, sorteado o jory de sentenra, sendo deferido
ao mesmo o res pectlvo juramento, sende o reo in-
terrogado e lirio todo o processo da fnrmago da
colpa, foi desenvolvida a aecnsaco e defeza, e de-
pois da replica e ireplica, resumida a materia da
aecnsaco e defeza, foram propostas asqnes'oes de
faci ao jory de sentenea. qne se reliron a' sala
secreta das conferencias a' 1 hora da larde, d'onde
voltou a 1 1/2 com soas responas, que foram Hdas
pelo presidente do jury em alta voz, em Uta, de
cuja decisao foi o to absclvido, levantndose a
sessao, qne foi adiada para o da segulnte pelas
10 horas da manhaa.
Communicados
O parlido conserva'JflP na Escada.
No dia lo do corrente erranison-se a jnnta mu-
nicipal do partido conservador na Escada. Nao
obstaote ser nm dia geralmente embarazado, con-
correu a' reunio muilo mais de cem pessoas, que
especialmenie represeniavam a propriedade terri-
torial do municipio da Escada e negociantes da
mesma villa.
Fui unnimemente acrlamado para presidir a
reunio o Exm. Sr. baro de Utinga, que por esta
occasio recebeu mais urna prova inequvoca do
aprec> era que geralmente sao tidas as dislicctas
qoalidades do seo nobre carcter.
Depois de algnma discusso sobre o modo de fa-
zer a eleico do conselho director, resolveu se sob
indicarn do Exm. Sr. baro de Uiioga qoe fosse
por cdulas escripias, o que foi approvado.
Passando-se a' eleico foram votados os Srs. ba-
ro de Ut'Oga para presidente com onaolmidade
da votos, capito Manoel da Rocba Lins para se-
cretario, commerciante Z-farioo Aureliano de Fi-
gueiredo e Mello para thesoureiro ; e para conse-
Iheiros os Srs. capito Antonio Marques de II .llan-
da Cavalcanti, coronel Francisco Antonio de Barros
e Silva, vigario Simo de Azevedo Campos, Salva-
dor dos S ratos Monleiro Cavalcanti, Francisco Ca-
valcanti de Alboquerque e maj qoerque Mello.
Depois de feita a eleico, o Exm. baro de Uiio-
ga usando da palavra agradeceu aos cidados pre-
sentes a dedicaco patritica, ccm que vieram to-
mar parle no empenho poltico, que em lodo o im-
perio lem contrabido o partido conservador; e
bera assira agradeceu as provas de generosa consi-
derado, que acabavam de prestar-ihe, e que se es-
(oreara por corresponder a' confianza neile depo-
sitada.
O Sr. major Malhias de Albuquerqne e Mello to-
mn a palavra e diseursou sobre considerarles ge-
raes, sendo ouvido com attenco e applauso.
Cincidise por dar vivas eothusiaslicos a' con-
t'loico do imperio, a' S. M. o Imperador, ao Ezm.
viscoodc de Camaragibe. e a' directo do gremio
couservader em Peroambuco, e ao Exro. Sr. baro
de l'tinga, como chefe do mesmo partido no muni-
cipio da Escada.
Este fado revela a todas as luzes que o partido
conservador, mesmo fra das posIgSes offlnaes, vi-
ve da sua legitima influencia ; e que um partido
com uraa historia honrosa no passado, cora digoi-
dade no presente e com largas esperaojas no fu-
turo.
Sa a confiacca nos chefes o mais seguro symp
loraa da devolacao dos principios, o merecido
iriurapho que por esta occasio receberam os
Exras. visconde de Camaragibe e bario de l'tinga
mostra a todas as luzes, qua o partido conservador
n j urna tradico, nam nm partido gaslo, como
pretenden) os seus adversarios, mas sim um partido
cheio de vida e de recorsos, que apenas careca da
conveniente direcjo para fazer o bam possivel ao
paiz.
Pubcaces a pedido


Ao Sr. Dr. Pedro Affonsa de
Mello.
Aguardei a deciso do egregio e venerando tri-
bunal da relacao para responder S. S. porque,
nao s ea, muita gc-Lt', contava que ella fosse di-
versa, nao o foi ; como sabe o ccllega, emboracnr
ve a cabeca (liante dessa deciso da qual s ba um
recursopara a opiolo publica Ilustrada qoe co-
ntiena e estada a lei, todava, nem por isso dei-
xarel de dizer-lhe--fui vencido, mas nao conven-
cido, porque o raen direito foi completamente desat-
endido e violado.
Ao collega que, vindo a discusso, apenas re-
produzio a minuta do seo aggravo, que me atirou
a pcba de ler confundido posse coih dominio, mas
que passou e deixon no esquecimento o meo va-
lioso argumento de nao existir mandado de manu-
tenido porqoe esse mandado nao foi intimado i
meu pai, nem to pouco a p rte que o obteve reque-
reu que o fosse, respondo apenas com os segra-
les pareceres dos lllustres advogados abalxo trans-
criptos, firmados as oplnioes de Polbler, Lobo e
outros. Ei los :
Os actos judiciaes que ofTandem direitos de ter-
ceiro podem produzir erTeilo algum jurdicosem
que esse terceiro tanba sido ouvido nem citado ?
O joiz que, nesse caso, deixar de atiende h s,
mxime lendo ellas nm processo regolar e marca-
do por lei como amanutencao, ciTanda as leis
reguladoras do processo, e por conseqnencia a ca-
ibegoria e jurisdlccao do juiz qae os pralicou ?
Racife, 18 de dezembro de 1867.
O bacharel Pirai'to Palmeira.
Pareceres.
I
Nao : os actos judlciaes, que ofTendem direitos
de terceiro nao podem produzir efleito algum para
com esse terceiro, a quara nio obrigam, e nem
podem obrigar, se elle nao foi ouvido, e nem cita-
do. Res nter alios jadicauc eque emulomen-
tura afierre tris, qui judicio non interfueruot, e-
que prijudicium solent irngore. Od. L. 3 T. 81 pr.
O juiz que de.char de attender, appllcar, ou
executa-ios c intra esse terceiro, baca longe de in-
fringir com essa Drccedimento as leis reguladoras
do processo, e tfTeuder a calhegoria, e urisdiccio
do outro juiz, qua os.pratlcou, pelo contrario ras-
peita as leis do processo ; porque dezateodendo
os com relago esse terceiro, qua elle cumpre a
ord. citada e a tola mxima de direito.
E' mea huu.il.le pensar sob sensara.
Recita, 18 de dezembro de 1867.
Aotero Manoel de Medeiros Fartado.
Subserevo esclarecida opimo retro.
Retle, 18 da dawmbro de 1867.
Dr. J. J. Ferreira de Agolar.
.

Nos roesmos termo?.
Recife, 18 de dezembro de 1867.
Dr. A tirio Justioiano da S-iva Gsimaras.
Sigo a opinio dos roeos dUtinctos collegas
cima emittida sobre as duas theses propostas oa
consolia retro.Salvo melhor joizo.
Recife, 18 de dezembro da 1867.
nr. Antonio de V. Menezes de Drammond.
Responlo pela nepativa as duas tbases propos-
las, disiinguiodo apenas quanto primeira se os
actos ciTandem directa ou indirectamente, pois que
nesta segunda bippothese nao se citara aquellas a
qnem o negocio indirecta menta loca. Subcensura.
Recife, 18 de dezembro de I8S7.
Dr. A. J. de Moraes Silva.
Concordo cora a opioiio emillida pelos meas il-
lostrados collegas, accrescenlando com Lobo,
lnleid-et, 210, qu o juiz, que ex oficio ou a
requenmetil) da parte, procede juns odme non
servato, despeo cararter de jnlz, revesie o de par-
ticular, coopera para o espolio, qoe a parte reqner
e elle determina ; pelo qne, se manda emraiuir oa
manntenir algoem na posse, sem citar o possot-
dor, esse aclo nao lem valor nem forra obrigalo-
ria contra aquella a qnem prejudiea e que nio foi
ouvido nem convencido.
Este o raen parecer, que sobraello i censura.
Recife. 18 de dezi mbro de 1867. /*
Dr. Antonio Vicente do Nasciroento Peitosa.
Sobscrevo os mostrados pareceres sopra
retro.
Recife, 19 de deitmbro de 1867.
Dr. Vicente Pereira do Reg.
La-os o collega, e eonvenca-se entao que, nem
semp'e as palmas qoe cobren a froBte do vence-
dorsao as verdadeiras palmas da victoria I
Disse o rollega que mim caba provar qne o
mandado nao foi intimado men pai : accredite
7ue li e reli esse tpico e ftqoei maravilbado, por-
que, cemo advcgado, sempre se'ni o principio que
as futilidades do pleno direitobasta oponalas
porque ellas constam do ventre dos proprios autos;
e para ver isso mais claro qae a luz meridiana,
bast.va nicamente ver as peli^oes e o man-
dado I
Qoanto a allegado que fiz de ser esse mandado
concedido por um to ir mo do pai do seu constt-
tuinte, nao era preciso neonuma prova mais do
que ter eu dito pela folha mais lida da capital, ter
o seu consiituinte rindo imprensa e nao contes-
tado, e logo depois o Mustie odcogado, e ter eu por
duas vezes alhrmado, sob minba responsabilidade
qui*, isso (o dito pelo seu consiituinte perante os
Srs. chefe de polica e delegado 1 E desde qua
contestando outros pontos nao contestaran) esse,
claro que confessaram a contessaram perante u tri-
bunal da opinio publica ; e cao o podiam contes-
tar porqoe todos aqu sabem queManoel Caral-
canil de Albvqnerque eco qne conceden o manda-
do de manutcnro e dispachou as prttrocs de sen
consiituinte irmda de Lourenco Jos de Curvalho,
pai do Sr. Lourenco de Carvu'ho Yptranga I
Nega-lo-ba oillustre advogado ? Eu nao sabia
que a naiuralidade traba forca bastante para ex-
tinguir as reiacoes de parentesco e de parentesco
to proiimo I Nao sabia-o, ir agora I
Disse ao collega e anda contino dize-Io : a
seo aggravo i'oi mal interposto, fundando o como
fundou o no | 1* do arl. 15 do regulamento de I .'i
de marco de 1842, porque naqoella caso nao caba
aggravo : aggravo cabana naquelle caso e naquel-
la bypothase. seo collega livesse aggravado quan.
do, como coofessa era seu artigoallegou a in-
competencia do honrado juiz muolcipat da primei-
ra vara por urna petic-o e elle nao reconhecen
essa incompetencia, ah sim, caba o aggravo se-
gundo dispoe o s do arl. 15 do regulamento de
15 de marco de 1842 I Mas desde qua coutinuou
requerer, desde que obedecen citacoes, nao poda
mais allegar incompetencia do juiz, porque ja li-
aba reconhecido essa Coropeteocia e por conse-
guinte sua jurisdiccao, Corii Telles, doutor das
acedas.
O collega anda asisti em querer provar a bda
fdo seu ronstiluinte, qnando osen consiituinte
foi quem escreveu as celebres cartas que se achara
nos autos, e quando o seu consumale reconbece
a idemida-le do escravo Joao 1
O collega qur provar a t f do seo consiituin-
te quando foi ella mesmo qaa perante o Dr. chefe
de polica, confessou que as tinha escripto por ig-
norante !
Chamo para isso o lestemunho do Sr. Dr. Pedro
Francellrao Guimarilas, chele de polica, assim cj-
mo para o segamie, que o seu constiluiote deela-
rou que sendo filho natural de um irmao do Sr^
Ccralcanli eco, rsle poda conceder Ihe um man-
dado de manulencao e despachar as peticoes que
se acham nos aulas I
O Sr. Dr. Martins Pereira, delegado de polica
tambem oovio I O collega triorophou, mas acere-
dita que o men (riumpho maior, porque alm de
lar moraimente a consciencia delle, lenho timbem
a opinio daqueles que ho lido e esludado a ju-
risprudencia, e sabem queactos prejudiciaes
direitos de terceiros, nao produzem cffeito algum
contra esses lerceiros, sem que eilcs tenliam pri-
meiro sido ouvidos e citados, muito principalmen-
te seudo esses actos partidos da autoridades a
quem a lei impoz a restricta obrigaqo de suspei-
taremse e praticados e obltdos ob e subrepticia-
mente como o tal mandado e manulencao t
Na sua nobre e afanosa vida de advogado, dse-
lo que, sempre que tenaa quesloes de;la ordem,
seja coroado dos mesmos resoltados I
Ura iriumpho sempre ura tnumpho, embora
sejam sacrificados direitos de tarceiros, a lei, a
juslica,a moralidde e al a lu pralica de jal-
gar 1
Recife, 20de d-zemtro de 1867.
O bacharel Virgilio Palmeira.
O bacharel R. H. da silva e os examinadores Dr.
C. MonUiro e C. Sltubtr.
Reprovado segunda vez por estes distinclos
mestres era exarae de habilitado para o concurso
de malbematicas elementares do gyranasio pro-
vincial, e querecdo patenear ao publico a clamo-
rosa e por deraais escandalosa injusti^a de qne
fui victima, requer a copia da prova qoe ofTereci
em dito exame, bam como a dos pareceres non-
deronatorios, com o (ira de darmos tudo luz da
publicidade. Nao podendo at hoje realisar esse
desejo, em conseqnencia da qoasl absoluta falta, da
typos as nossas typographias, s com mais algn-
ma demora poderet mostrar claramente al
qoe ponto pode chegar o abuso do p ider, e a, so-
bre gratuita, mesquloba parcialidade, asslstlda por
miseravel instrumento. Eotretanto ouso pedir des-
de ja' a aliento do publico, que tomo para
juiz da causa que defiendo.
t Da apreciarlo da prova escrlpta (uniea sobre
que versou o nosso exame) do candidato ao magis-
terio. .... diz o Dr. C. Mooteiro, se evidencia que o
mesmo canditato oa parle do ponto relativa a' geo-
metra confundto a reta determinada exm urna va-
riacel, e ao mesmo lempo com a projeecao dm deter-
minada.. .. Qoe emttilo a prcposigao : Que a su-
perficie de nm cone reto igual a altara multipli-
cada pela circumferencia equidistante das bases.
Erro gresseiro e por duas vezes repettido. Qae nio
apreciou devidaraente a solucao da equacao do se-
gundo rao, dando smente o resultado oblido pe-
la preparacao da equacao e llrando conclusUo er-
rnea. Quo era.seu trabalho nao ha deviHa prec-
ito e metkodo. A vista disto de parecer o exami-
nador abaixa.assigaado qae o candidato nio se
acha as condi(5as de obter tilu'o de babilitaco....
Secretaria da InstiQjo publica 27 de novembro
do 1867Dr. A. C. M. da Silva Santo?.

^-
T-




t
~ atetado I de Dezembro de 1S3
Em ?eu emprestado noviraento prowaneia a ma-
quina as segnioles palavris:Apreciando as pro-
tas do Sr. R H. da Silva, me parece (ae elle nao
pode ser idmitildo para o concorso da cadeira das
njatbematieas por ter erradamente resolvido dous
dos problemas propotos C. Sitober.
Teodo de publicar brevemente as miabas pro-
vas e os pareceres de algamas pessoas, que, por
entendidas as materias contultei, limitarme hei
por agora, traoscrevendo em resumo alguus dos
pareceres qae ja' existem em meu poder.
fi' assim qoe dizem :
O lllm. Sr l>r. M B.de Macelo: As qneslSes de
algebra e trigonometra foram snUsfaclonamenle
resolvais t com as propozeram Quinto a quas-
to de geometra noto apenat faltas de alinelo
qoe se corngem no correr das demonstrabas, Em
todo o caso para mim fra de duida, qae o
desenvolvimeoto que deu o examinado a sua pro-
va, produzida em eiaine vago, revela (owclue)
estudos regulares na scieocia que se prupoe en-
sinar.
O lllm. Sr. Dr. Colago; -0 primeiro problema foi
por V. S. satisfactoriamente resolvido. E-te pro-
blema um penco complicado e a sua resoluto
sena auxilio neohurn de livros.... mostra que V.
S. se acha bem pre lrado ms materias. O prouie-
ma de algebra foi tamfcem por V. S. conveniente
tratado. Sobre o problema de geometra (fai afu-
mas observarla* das quaes mais de espaco me
oceoparel). Sao dastes engaos a qae todos es-
tam sujetos. Mas estas cousas sao de to pequeo
alcance (conclue) que multo me adratroa que em
vista de suas provas ose V. S. julgado nao Habi-
litado para entrar no concurso-----
O lllm. e Rvm. Sr. padre Atevado: Io ser a
reeta determinada a mesma variavel A B. nio
ter encontrado erro alguoi em mluha prova, mas,
apenas om engao por mim mesmocorrigido. 3
qae a eonclaso a qae cheguei nao podia ser ou-
ira.
Desejando a brevidade nem mesmo em resumo
traoscrevo os pareceres dos Iilms. Srs. Dr. J 0.
da Rocha, Dr. B. P. do Carra), Dr. G. R.Campel-
loe Dr S. J. B. Pirrbo, que corroborando os pare-
cer:, precedentes (como a seu lempo >e ver.')
mostraro com evidencia qoe as confusoes foram
sonhadas, os erras grosseiros imaginads, a conclu-
sa) errnea inventada, t a falta de precisao e tac
iludo phantasiado para dar vislumbre de ju-nca a
mais wioiiJfniosn inujutiad.
Recife 21 de dezembro de I8i57.
H. H. da Silva.
A THISICA CIRCUMCLUSA.
Nao su se curar radicalmenie msdianto o
uso do Peitoral de Anacahuia de Kemp, to-
dos os casos ordinarios tic tosse clirooica,
bronchites, calharros, asthma etc., mas sito
tambera raesmo quando a molestia teja af-
i'eclado seriamente os orgaos da respirado,
seus progressos podera-se atalhar pelo espa-
go de annos ioteiros, e a applicacao do re-
medio proporcionar um allivio instantneo
e indeinito. Nao ha neces-jidade de abri-
gar ou ter o menor recelo relativamente aos
seus effeitos, me^mo durante os periolos
mais avanzados de debilrdado. Na sua ela-
borada composicSo nao entra opiatos, nem
acido prussico, nem Antimonio, nem nenbu-
ma cutra droga nauseabunda, e sim to se-
ment, composta e preparada da extrajo
dos suecos de urna arvore balsmica do .M-
xico, a qual possue as proprielaes as mais
admiraveis e curativa?, e as suas c iras sao
realmente maravilhnsas.
Vende-se as pbarmacias de A. Caors
Barbosa 4C, J. da Couceicao Bravo Ce
P, Maurer & C
70g4gos -tonca, 30 fardos stpa, S voluntes
amostras ; a ordeno.
1 dito ditas, 5) gig)s lenca; a Saunlers Bro-
thers 4 canas e 60 ruedos 4a cobra, 24 Mbas de Hilo,
200 caitas folha de Plaodros. 10 ditas 100 rolos e
200 barras de chumbo, 1*0 baTH dita de munl-
go.DO latas oleo, 54 barricas II caixas (erra-
gen?, 51 feixes ferro ; a 8ow, Hv/ks 4 C.
5 barricas cervej* ; a Manoel Jos Goojalves da
Ponte.
75 ditas e 7 citas ferragens; a Prente Vlanna
&C
36 ditas e 5 barricas ferraeans, SO barris man-
leig, 7 toneladas carvao, 100 caixas tijollos de
lunpar facas; a Jobnston P-ie.r & (',.
J caita; o iO '-arricas drogas, 12 ditas eervejs,
.18 ditas e lo caixas ferrag-ns 100 ditas fo'has de
I Flandre?, 3 ditas sellioi, 513 feixes, 167 laixas,
1 !,(i8i barras, 10 fallas e 158 pecas de ferro, 35
pares de toles para ferreiro, 4 liuas fundos de co-
bre ; a S. P. Jihnstan & G.
CONSULaDu PROVINCIAL
Recdimcnto do dia la 19....... 95:5152207
dem do dia 20.............. 8:588781
COMERCIO.
EM LIQiDSQAO
Novo banco do Pemambuco
Os Srs. accionistas podem receber o 3
dividendo (em moeia correte) de 10 o/o do
capital, assim como o 1. de 30 o'o, e o 2."
de 40 o/o, ja airnunciaios.
Novo banco de Peraambuco
em liquidado.
Os pnssuidores de notas da emisso do
banco queiram quanto antes apreseutal-as
ao troco.
A caixa Dual do banco do Brasil ne=ta
tidade troca as suas uotas dilaceradas.
ALFANDEGA.
Rendimento do Jia 1 al9..........
ideado di!. 20................
584:079*222
43:i3588
508:l)22i810
Movimento da alfandega.
Voluroes enirados com fazendas...
i gneros....
Volomes sa-hidos con fazeodas...
* < i gonuros....
415
320
------735
133
400
------533
DescarroRam boje 21 de dezembro
Barca ioglzas?rn}'itni -mercdorlas.
Uaica francezaFgarodem.
Barca inglezaRoirich Dlnn -carvio.
Barca InglesaWfle*of the TMjn-idem.
Barca inglezaMory HanuUon\eta.
Barca inglezaMaranho uarvo.
Barca ingleza Cronndem.
Barca su^caSeverige-dem.
Brinete frocezClaudine & Ptuf em.
Patacho holstenseJfanacharque.
Patacho hespanholIndioidero.
Lnz^r inizlezCornucnpin idem.
Brigue inglzhabctla Dobsnn idem.
Polaco bespanholaSafovinhos.
Importado.
Lancha brasileira Flor do Rio-Grande, viada
da Vil a da Penha, manifestou o s?guiute :
53 cutiros salgados, 82 saceos miibo, 649 ditos
assucar, 65 saccas algodao ; a ordem,
Galera portugueza A'nt'a Pama II, vinda do
Rio de Janeiro, manifestou o segulnte :
150 barricas farinlia de trigo, 20 latas fumo, 31
volaineg barricas abatidas, 2:0 ditas vasias, 3 mo-
Ihos arcos de pao, 180 saceos fannba de mandioca;
a orderr.
340 caixag sabao ; a Carvalho & Nogueira.
2-pceles saceos vasios; a Antonio Gjncaivesde
Afolar.
1,000 saceos fannba de mandioca; a Ferreira &
Lonreiro.
70 latas fumo ; a J. J. de Lima Bairo.
1 caixa fractas : a A. L. de Oliveira Azevedo
Aa
180 pipas va.-i.is; a Maia & Espirito Santo.
500 barris sebo ; a F. Ferreira Borges.
200 saceos caf, 450 ditos farello ; a Tbomaz de
A. Fonseca & C.
SO volumes barricas abatidas ; a Aaorim Ir-
ma os.
100 ditos caf : a J.s Marcelino da Rosa &
Filbos.
200 ditos dito ; a Rosa 4 Irmao.
60 pipas vasias ; a Manoel P. Lemos.
6*lera Ingleza Seraphina, viuda de Liverpool,
marfe-tf u o segalnte :
10 fardos tecidos de liobo ; a Milis, Latbam
&C.
1 barrica vldros, 1 ealxa linba ; a Ladislao Jos
Ferreira.
30 barricas cerveja ; a Jos M. Palmeira.
5-: ditas dita ; a M F. Cirga Jonlor.
iOO dius dita; a Adamson, H wie & G.
15 caixas (ancha de milbo; a H. Forsler
AC.
6 ditas dita, 5 fardos estopa a Adriano Castro
&C.
i ditas tecidos de algodo ; a Jo2o F. Lopes.
10 karris oleo de linbaca ; a bidoro Bastos
A C.
barricas, 1 caixa e 1 embrnlho drogas ; a Bar-
Aolooeo l C.
81 pi-fas de cabo de hnbo -, a Jas de Sa' Leitio
Juninr.
63 barricas aspbalto; a A. Valentino, da Silva
Barroca.
2 voionj-s amostras ; a diversos.
eaixas objectos de aso, 20 barricas cerveja ; a
A. Daraoot.
104:103^991
___________
RECEBEDORIA E RENDAS INTFRNA^
GERAES.
Kendimentoo dia i a 19.......... 69:3774503
dem dod2h................. 1:946*279
71:6235782
MOfIMESTO UO PfiTO
Navios nitrado* no dia 20.
Uacei 2 das, origuo ua<:toual Engenta, de 245
toneladas, capito Manoel Ezeiiuiel Miguis,
njuipagrm 12, carga diltieutes geueros; a Mr
ques Barros G
Liverpool31 ias, brca ingleza Ilaasqama, do
128 toadadas, capital \V. LuWien, equipagem
15, carga carvo ; a ordem.
Trooo36 das, barca ingie/a Grcdun, de 272 to-
neladas, capito UaviJ iarvls, e.iuip^gern 10,
crea carvao ; a Sanonders Brothers A C.
Nt\v Y-.ik44 dias, titile inglez J. A. WoudUouse,
de 158 toneladas, carnlAu 11. EJdy, e^uipagam
fi, carga d(Treutes gneros ; a Jutiusluu l'ater
&C.
Navios saludos no memo aia.
LiverpoolBarca ingleza Miranda, capilo M.
Nabb, carga assucar e algodo.
LiverpoolBng-ia Mary Scolt, capilao G.-lchrirt,
carga algodo.
BahaIlute brasileiro ZJoms IrmCus, cap'.tao Vi
cante Ferreua da Co.:U, carga vanos gne-
ros.
LiverpoolEscuna ingleza Enjlanl Beiuiy,eapi
to Green, carga milho eagudo.
EOiTAES.
O Dr.TristSj de Alencar Araripe, official da
imperial ordem da Rosa, e juiz especial
do comraercio nesta cidade do Recife de
Pernambuco e seo termo por S. M. Im-
perial e C institucional o Sr. D. Pedro
JI, a quem eus Guarde, etc., etc.
F r > taier aos que o presente edita! vireni e
delta noticia tiv-rem, que por e>ie juuo especial
do crame ci Manuel Antonio dos Stnt>S Fontes
obl;ve carta de enteoca entra J^ao Luiz 'la Sil-
va, linaosc-njo posstvel sera mesma intmala
ao d io executado por este arhar-se aus'nt-" em lu-
gar D) sabido, juslicm a ausencia o uxeqnenta
como se v da minlia sentenga do tbeor S'gumte :
II'i por ostifleada ausencia do sopplicadoa folltas
21, e mando qivo o mesmo s?ja citado p jr ed t is
de 30 das, para o fl-n requerido pagas as cu'tas
ex causa. i( h i-1 i9 de dezembro de 1867.Tris-
lio de Alencar Arar y pe. Por forca da qual o es-
crivao fez pi.-sar o presenta edita), pelo qual cha-
rao, cito e iiei por Intimado o supplicado para que
lique scirnte ao expmd'do do dito esltal.
E para que chagua ao conhecimerto do todos
m Jci pastar o presente qoe sera publicado pela
impren-a e alOxado nos logares do cosiume.
Recifa 19 d" dezembro de 187.
Eu Man i Mara Rodrigues ao Nascimento, es-
crivo o subscrevl.
Tristao de Alfncar Araripe.
^ J
O dwtrato da soeiedade de Adellno Claudio toar-
te, dK=solvendo a firma de Bsarle A Adelina, enje
activo e passivo licam a cargo do ei-socio Adelina
Secretarla, 17 de dezembro de 1867.
O offleal-raafnr,
______________________/!io Guimardti.
Nesta secretaria orara boje inscriptos no li-
vro da matricula dos commerciantes os Srs. Fran
cisco Bemvindo de Vasconcellos e Antonio Sevari-
bo de Vasconcellos, tirasileiros, estabelecidos na
capital do Ceara com casa da commeicio de fazen-
das em grosso e a retalho.
Secretaria do tribunal do commercio, 20 de de-
zembro da 187.
O racial mior,
____________________Julio Guimaraes.
Deposito de recrutas
O coosaUo econmico do deposito de recrnt.s
tendo de contratar, com quem melhor condic^o
apresenlar, o foroeeimenlo dos gneros alimeu i-
cos abano mencionados que teem da ser distri-
buidos aos guardas nacionaes designados e rrcra-
|as no semestre a decorrer de Janeiro a jnoho de
1868, bem como para as dietas dos doeotes na en-
fermara militar, e a lavagem da roopa a cargo <*a
mesma enfermarla, convida por isto aos Srs. nego-
ciantes que qoizerem se propor, a apresentarem-
si; no da 28 do correnta com suas propostas ao
oiesmo conselho, que pura es-e Qm se reunir na
secretaria s 11 horas do da Arroz, assu-ar bran-
co e maseavu, retinado, aieite-doce, bacaiho, Do
.lachas, cha, caf, cama verde, dita :cca, doce, la-
rioha de mandioca, dita de Marohao, dita de ara-
rota, feja >, gallinhas, lenha, manleiga ingleza,
raneez, ovos, paes de 6 e 4 oncas, ra^, sal, tuu-
cmho, vinagre e vinho do Porto.
Quariei da SoleJade em-Peroambuco, 18 de de-
zetuDro de 1867. -^-
Francisco Antonio de S Barrete Jnior,
Tenente-secretario.
Qaarta parte.
Terminara' o espectculo con a comedia em om
acto, imitago do Sr. J. G. dos Sanios, do epertQ-
rio do tbealro normal portugus
UM SGEITO E UMA SENHORA.
Comecara' as 8 boiras.
Em oeeasiao em que e.-teja a ssena abarla orna
commisso de seohora que benvolamente se pres-
tara, ira' pelos camarotes agradecer a todas as
pessoas que se dlgnaratn aceita los.
Por l o
Ia ser:3o.Secretara da polica de Pernamba-
co, 14 de dezembro da 1867.
U Dr. cbelade polica aa provincia, atlendendo
ao que Iha roqtereram es commercia;tes da ra
Direita ilesta cidade, e ten lo em vi?t* o despacho
. roferldo pela cmara moncipal em urna peucSo
Ijs mes nos coramerclante8,manda que se observe
o .-egciute :
Fica vedado o transito pela referida ra Direita,
le quaesqner v- bienios de condccS >, que parllrem
do largo da' Cmco Puntas c su;-s immedia{oes, ou
enlrarem pela ra Imperial ; os quaes devero se-
uir pela roa das Aguas Ver Je?, patio de S. Pe-
dro, ra doFogo e travesa do Pa'ft, a sabir uas
ras do Livr-roento e doQueiraado.
Em sua volta da regresso.segutro os mesroos
veticolos pelos referidos lagares.Pedro France-
liuo Guoiares.
Pala subdelegacia da freguezia de Saot) Au-
ionio do Recfe foi mandado dps tar um eavallo
da (r casttoho amarello encoi Irado sera conduc-
tor iia ra das Flores pelas 8 horas da tuauha de
19 do coi rento; quem for seu d.mo procurando
Ine sera' entregue.
Com panfila do iSebiribp.
A Directora desta corapanhia manda fa-
zer publico o seguinie ofiicio do engeahei-
CoBsiIho de compras oavacs.
O conselho contrata no dia 21 do correla raez,
a 'vista e propostas recrbMas al as II horas da
m.'iu'ia e sob as condic5.-is do estilo, o fornecimen-
to de ftijopreto e leona, para completo de vve-
res, dietac, e ootros objacios de coosumrao aos
lavios da armad* e e.ilbelecimentos ce mariuha,
no trimestre prximo vludouru da Janeiro a marr^o.
Tamb -m o conselho no mesrao da 21 do corre-
te mez, por igual, forma, promova a compra dos se-
guimos objectos do material da armada : 3 anco-
retes para bateioes, 400 cravos da pipa sonidos,
2"0 ps de maDgueira de sola cravada, plvora
marea torre, 1 vergontea de pioho de 34 ps de
comprmanla, 10 pollegadas de grossora no pe e
% na punta, 4a bragas de correte de ferr> de <|2
polegsda re [urca da, 4arrdns de linba de barca
una, i ditas de dita grossa, 12 dozas da lahoas de
iiit to de 1 i|2 polrgada e 12 ditas da dito de 3
dlias.
Salta das Rosetas do con-tlho de compras navaes
! 7 de dezembro de 1867.
O secretarlo,
Alexundie Rodrigues dos Anjs.
Pela recebeoria da rendas internas geraes
si faz publico, qne 6 no correute m^z de dezembro
que os devedores das reas lancad.s relativas ao
exercicia correte da 1867-G8, a saber : dcima
addhunal das corporales de mo morta, socieda-
des au'inymas e DOtrs, imposto sobre tojas, casas
de descont etc., dito sobra rasas de movis, roo-
pa ele, fabncados era paiz ejiriogeirc e taxa dos
escravos (sendo esta at 16 do mesmo me?) teem
d3 paga-las sem mnlta.'.tindo que saja, teran de pa-
ga las cota a multa de 6 porceutb pm virtud da
circular p. 37 do ministerio da fazenda de 30 de
set-mbro ultimo : ootrosim, que no mesmo mez
devem ser pagos os nrredft is imp ?tos e mal os
seguiotes : renda dos preprios nacionaes e foros
da t rreoos e J marinhaS i>ertjncentes ao exerci-
cio pots a CljraDja executiva quanto as rendas dtste
exercicirt.
Recbedoria da Ptrnambueo, 3 de dezembro de
1867.
O administrador,
Manoel Gameiro de Sooza Lacera.
LDeposito) de iatruco de caca*
dres a cavallo.
Tendo-se da contratar o forn. cimento dos gime-
ros abalxos de-criptos pura a alimentaco da a-
vahada do referido deposito -co prximo simestre
de jan-iro a ooho de 1868, coovi)a-se aos pnssui-
dores da semelnantes ganaros a cumpartcerem no
respectivo qoartel no Campo das Prince?as com
suas propostis no dia 21 do corrento as 11 horas
da minim :
Gapir de pteota rm arrobas.
Milho em alijooires.
M;l de furo i m garrafas.
Farello em libras.
Qiiartl ni Campo das Priaeezas 17 de dezem-
bro ci 1867.
J. I. 11. Rfg.o Monteiro,
91I80
OLINDA
HA. HIlHIUltW
A pedido de grande numero de pessoas dar'
dons divrtlmeotos neste ibeatro sendo o primeiro
dillerente do segundo cojos espectculos tero
logar
Sabbado 21 e domingo 22
do corrente.
Mr. Herrmann nao determina a dislriboicao de
suas sones para maior sorprezado publico.
Precos.
Entradas geraes para hmense seoberts 2^000.
Principiara' as 8 horas.
Segunda-feira 23 de dezembro.
Terceira representaco de
mr. mwnm
O espectculo sera' dividido em 10 partes e o
programma corap.isto da sortes sorpreudeutes in-
t-.-iraroeota distm^tas dos dous primeiro.-.
Os bilhtes podem ser procurados no bJtel de
Europa com anlecedeocia e no diada representa-
co no thealro como da co-lome.
Priucipiara' as 8 boras.
Pretende seguir coro a rniior Lrevidade passivel
a barca portugueza Seguranca, por ja' ter dous
tergos do seu carregameolo engajados : para o
resto e passageiros aos quaes offerece excede otes
eommodos; tratase cora Cunba Irmos & C, a'
ra da Madre D:os n. 3i, ou com ocapitae a' bor-
do.
LEILOES.
LEL40

AVISOS M1HITIM0S
Cap.i
onmroandanlp.
A cmara muuicipal d-staciJade, lando con
tr >tadj comprar ao ctdadao Francisco Marinho da
AlbuqoerquH Mello, um terreno situado no lugar
do Arrala', Eceguezia d) Pojo da l'ioeil-, para nelle
e.'tabeltcer o maiadonro publico da mesma fre-
guezia, vai mandar collocar marcos nos lugares
onde limllam o citado terreno, o que i,., publico
para conhecimento de qnem iuieressar possa.
Paco da cmara municipal do Recite, o de Jo-
leiabio de 1867.
Luiz Jos Pereira Simoes,
Pro presidente.
Francisco C. da Boa-Viagem
Secretario.
telegbTpho
ahtimodu Uecif'.
Previne se ao publico que do da 1 de Janeiro
de 1808 em dianta fuocciocara' o novo roteiro de
signa-s que se acha a' venda na livrina francez3
na ra do Crespo n. 9.
O administrador
Domingos dos Passos M randa.
COMPAHHIA BRASELEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR
E' e-perdo dos portos do sul
at o da 22 do correnta o vapor
Guar, commandanto o primeiro
tenente Pedro Hyppolito Doarte,
o qual depois da demora do eos-
touie seguir' para os portos do norte.
Racebem-sedesde i pa-sageiros e eogaja-se a
carga que o vapor doJer coodozir a qual devera'
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
oV.s e dioheiro a frete : horas. Previne-se ais Srs. passageiros que suas
(assagens s se recebem nesta agencia ma de
Crnz n. 57, escripterio de Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo & C. _____________________
COWIPANHA PEfflMMBUCAHA
DR
KaYegaco c.os'cira por vapor.
Rio Formoso.
S gue oo di 21 as o horas da
fardo o vapor .V mandante Co^ta. Recebe carga,
encOjmendas, riiorieiro a frete e
jf&SiHBES passageiros a bordo ai o dia da
sabida : escuptorio no F- re do Mates n. 1.
SOMPANHIAPERNaMBUCANA
DE
Mavegagdo costeirapor vapor
Goianna.
Se^ue do da 21 as 9 horas da
noite o vapor Por danti Melle. Receba cargs, en-
eomraetida, dinh-iru" a frete e
passageiros a bordo al o da da
saiiua : tSuriptorio no Forte do Mu tos n. 1.
De 2 cabriolets c un excellcate ca-
vallo para o mesmo.
Segunda-frira 23 do correte.
No largo do Corpo Santo, as i i horas,
pel'> agente Pontual. _____________^^^
LE ,40
O agenta Ponto I fra' lello por cont de qnem
pertencer do seguinte : 39 duzias de garrafas com
coguac, 10 ditas da ditas vicho do Rueo, 15 di-
tas de chapeos de palha da arroz e carnauba, 2
planos (pechiocba), 3 camas para casal sendo orna
de Jacaranda, duzas de cadeiras de guarnicao.
cadeiras de bracos de palha americanas, 1 bah
de sola, l caixa para costura, 2 espelhos'grandes
com molduras, 1 sacretiria para viagem, 1 porta
1 licor, 1 mesa de ooogno, 1 mala de viagem! garra-
f5es vazios, arreio para cabriolet, 1 cofre de fer-
ro, 3 mesas de meio de sala, 1 santuario, 1 mar-
quezo, I marqueza, 2 commodas, cadeiras avu!-
sas, coo-olos, carriLhos para carregar criau^as, 2
caodelabros e muitos outros objectos.
Segooda-feira 23 do corrente.
No seo Jrmazem a ra da Cruz o. 2, primeiro
andar, as 12 horas.
Segunda-feira 23 o corrente.
O agente Pestaa aothorisado oeia commissao
liquidataria do Club do Kdcile fara' leilo de toda
a sua mobilia e mais par lances consi>tiedo em ca-
deiras, sofas, cons'.I s ludo de Jacaranda, i ricos
espelhos de moldara, dito dourado, toiljtes, lus-
tres, arandelas, relogios, cortinados, jarros, vidros,
looga, mesa a caslicaes a muit>s culros objectos
que se acuarao pateles aos compra-lores no dia
cima mencionado as 11 horas da m-uh;"it na ra
do Trapiche n. o, onda se acha o rae>mo <''uo.
a|pdMSHS2^*2j<.
1 orto.
S-giiir com toda % brevMal" pn=sive|, a vellei-
ra galera p .noguera Nooa Fama II, por j lera
m^ior p.irie do carregameolo engajado : para o
resto epassageiros, aos quaes (T-nee. ricos e ei-
c-llent-'S corara >dis ; trata se coi Cuoha Irraos
& C.a a ra da aladre de Deas o. 3i, ou com o ca
plto a bordo.
coupaMIrasileiha"
Pt(iuees a vapor
!) a porlos do noria esperado
a' o d:a- i do dezembro o vapor
Cruzeiro do Sul, comrnandaule
AI cu lora do, o qual depois da de-
mora do costume seguir' para
os nonos do sul.
Desde ja se receliem passageiros e eogaja-se a
carua que o vapor poder conduzir a qual dever
ser embarcada n-o da da soa chegada, encommen-
das e dioheiro a frete at aa dia da sua sabida ae
2 turas Previoese aosSrs. passageiros que suas
passageos s se recebara ne.-la agaucta ra d*
Cruz n. 57, primeiro andar, escriptorio de Anto-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
ro da aiesaa companliia, para sciencia dosjf^OUiOauO uG COulpLaS nd-
concessionarios de peonas d'agua.
Recife 23 de novembro de
1867.
lllm. Sr. Director. Yeriliquei a existencia
de muios abusos nos contract s de pennas
d'agua que nao sendo proveniente de m
f da p.re dos coniractautes, atribuo a
ignorancia dos artistas qne flzeram a obra.
Muitas pessoas que contractam peonas d'a-
gua nao sabem aque se devem dirigir para
executar as obras ou reparar qua quer es-
trago e a lira de facilitar-llies a escolba de
<-fenes habilitados, parece-me convenien-
te que V. S. mande publicar nos jormes
d'esia cidade que os officiaes empregados
pela Compaa do Bebiribe em seu tra-
balbos actualmente sao : Bazilio Francis-
co do NascimentofFundic5o de Carduzo
& Irmo) Aatrnio Ignacio Heitor (ra No-
va n. 30) e Francisco Antonio de Miranda
(ra do Pires n. 46) os quaes estao l ahui-
lados para fazerem qualquer encanamento
de pennas d'agua para casas particulares.
Dos Guarde a V. S.lllm. Sr. Dr, Jos
Benlo da Cu'jba Figueiredo Jnior, Director
da Companhia do Bebiribeassignado En-
genheiro Gerasio Rodrigues Campello.
Picando os mesmos Srs. na inteligencia de
que podero escolber ootros operarios co-
mo julgarcm mais convenientes.
O secretario
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.
Trltiuua do eommerclo.
Na secretaria do tribunal do commercio foram re-
gistrados :
O coo>r!o de gociedade de Perdinand R solg e
Jobanne Heiiriqoe Ojtt, estabelecidos nesta cida-
de seb a firma de H. Oettli & O* cem o capital de
15000 libras esterlinas, seodo 7000enirada do socio
Oeii l, 5003 do socio Perdinand, em coramandita e
3 000 qoe a mesma firma obteve por emprestimo
de dous annos e meio.
O distrato da soeiedade- de B rnardino Correa de
Rezeode Regn, jj. Gomes dos Sanios Correa e
Joo Manoel Puntual Jnior,que gyrou sob a firma
de Cortea, PoOltlal 4 C, cu|o activo e psssivo fl-
cam a cargo do ex-goclo Barnardino.
O distrato da sociedad* da Jnaqaim Francisco da
Croz, Albino Jos da Crui, Manuel Ferreira R>r-
bosa e Manoel Caroeiro Piolo, que gyron si b a
firma de Joaqnim Fraoci-co da Crnz 4 C, soman-
te em relacSo ao socio Pinto, eonimnaodo a mesma
soeiedade coa os demsis socios, sob a mesma
firma.
vaes.
De ordem do conselho fago publico que nos ob-
jectos que contrata-se o fornecimeuto no dia 21
do correte mez para completo do da vveres, die-
tas e onlros objeetjs de consumo aos navios da ar-
mada e eslabelecimentos da mannha, no trimestre
prximo viodouro da Janeiro a marco, incluem-sa
carne secca do Rio Grande do Sul, e assucar bran-
co refinado.
Iospecc>j do arsenal de marinba de Peraamba-
co, 18 de dezembro de 1867.
O secretario,
Alejandre Rodrigues dos Aojos.
TUEATRO
S, ISABEL.
Sabbado 21 de dezembro.
Espectculo extraordinario
C'KCBDIDO PEL i BXM. fB. PRES1BKSTE OA PIPVrNCI*
A HEyU RIa.E.nT B ACr R CKSAR DE L.M ERA,
E POR E-TE I FTBRECIDO EM BBNEFICPi DO
HOM'irAL roATUfcUEZ
DE
PERNAMBUCO.
Primeira parte
A comedia calemboorg em om acto, original
do Eim. Sr. Doarte de Si, ornada de msica do
maestro Casemiro
Um par de mortesou vi-
da de un par
Segunda parte
A comedia em um act<, paraphrase do lllostre
acadmico Sr. GaimarSesJnior, mosteado maes-
tro Coiaa
Os amores de um ledo
Terceira parte
Grande syopbonla em sceoa aberta eieeiada
a grande crcoestra. 8egoir-M ka
O IIEI JO
vnlsa-conrerlo do maestro Aroirt, cantada pela
Sra. D. Palco. Em segoioa
0 HOSPITAL
poesa pelo Sr. t. te Lacerda o por elle emano*.
U expressa mente para ter recitada nesta noile.
SOCIET GENRALE
DE
Transporte martimos a vapeur
PAQUEROTS FRANgAIS
Al o dia i'k do correnta esperase dos portos do
5nl o vapor rancez Poilon, coromandante Atois,
o qual depois da demora do cosiume seguir' para
Genova tocando em S. Vicenta, Santa Cru de Te-
nerife, Gibrallar e Marselha.
Para condicoa, frete a passageos tratase na
agencia ra da Crnz n. 55.
De divsrsus movis, tigalas, casias de chicaras,
baeias brancas e pintadas, orin1?, ura relo-
gi> de ouro, nm> rscrava e dividas na impjr-
tancia de 18 6055'i5rt rs.
O ag-iote M.rtias Tara' lailai pjr mandado du
lllm.Sr. Dr. juiz especial do commercio dos ob-
|ectosjicima, escrava e dividas i in.s falliJa de
Azevedo & Flores.
Segunda felra 23 do correte.
No ormaiem da roa do Imperad ir n. 16, as 11
horas, onde os lie tantes poderao examinar a rcla-
c8o dos lloved ires de dita rnassa.
De 3 cavallos (qiatl*s
Segunda-feira 23 de dusetobro as 10 horas
em ponte.
O asente Pinto f ira' laiio a reqX!rmenlo da
GuilHer ue A. ll-bster e pr mandado do lllm. Sr.
ur. ju z esoecial do cmimercij, da 3 cavallos ar
restados a Jos Mantos da Cuoha, o leilo sera
efJetualo na ra do Imperador etu reuia a co
cheira do Sr. Claudio Duheaux.
De k caisas com presuntos para (hm-
bre, 1 ditaeom tancinho, O dilas
cm garrafas com cognac.
Segunda-fura 23 de dezembro as II horas
em panto.
Por intervenido do agente Pialo, no armazern
do Sr. Aones.
"SoTi^isosT"
Deseja-se fallar com o Sr. Julio Pires
Ferreira na ra das Cruzes n. 202. andar,
com urgencia. _____________
Arrenda se a propriolade denominada Barra
de Serinhaem, Da freguezia do mesmo nome e seu
litoral cora granleextenso, muitos foros a' per-
cebere muitos coqoeiros a de;fruct3r, alm de ser
ptima localidade para qualquer estabelecimeoto
!e fazenda, seceos e enalbados; a traiar a' ra da
Aurora n. C, ou a' do Imperador n. 43-1 andar
Programroa da Testa da gloriosa Santa
Hita deCassia.
A mesa artoal dest veneravel confrarla tendo
de levar a effeito a fesla da sna excelsa padroeira
oo domingo ti do crreme, nao podia deixar de
palpotear aos seus devetos to desejado dia.
yo sabbado ao meio dia, diversas girndolas de
legeles e bombas reaes ao som das harmonlosaa
e moito applaodiaas msicas do 2* e V baulhes
de inf.r.tiria da guarda nacional, annueclaro o
comeco da festividade religicsa ; as 4 1|2 hiras
aa tarda tera logar a bme.. de um sino, que a
esrorcos de alsups irmaos f0| cbttdo, tocando nes-
ta occasio ambas as msicas.
Ao alvoreeer do da ti havera' ml durante o lempo desta creaonia urna das m-
sicas.
As II horas do da comecara' n acto da festa,
seodo a orcheslra dirigida pelo hbil nrofessor
Chagas, oranio no Evaogelho o Rvm. Leonardo
Joo Grego e Goda a ceremonia da fesla, subir'
aos ares ura magestoso e rico balo ao som das*
msicas marciaes, e depois saudato por urna sal-
va de 21 tiros, seodo que este balo foi ofTartado
pelo irmo Joao Ignacio Soares d'Avellar, ja bas-
tante conheuido nesta genero, pelo seu goslo e de-
dicacao.
A oouta havera' K Deutn orando o Rvm. pre-
gddur Antelo d'Aibuquerque Mello, e depois dei-
le acto subiro anda aos ares bales, rnuitas gi-
rndolas de foguetss locando as msicas antes e
depois.
A mesa approv,-i|i a ocasiao para pedir a to-
das as irmanJaiies, confrari&s o ordeos religiosa?,
de mandaren) dar ura repique na oeeasiao em qua
der signal, para a bencio do novo sino.
Joi- Redaelaaa dos Santos,
______^______E-crivao.
Pre.Isa-se ae urna ama para casa de bornea]
SOltelroj na ra do Rangel o. 7:, tat.erna.
Amanha 22 do corrate e~a le-ti de S. Bota
Jess dos Passos na igreja de N. S. dos Remedios,
de tirde ba cavilhadaa.
Ama
Precisase de urna ama para roTibar ; na ra
do Appollo n. 11, armaren.
Aluga-se o auoar do sbralo n. 1 da ra
imperial ; a tratar no 1 andar.
Edaardo Ja Silva Ferreira, aj;ralce a todas as
pessoas que assistiram as exeqma' e acompanUa-
ram ao cemlterio pnblioo os res'ns rnortaes da
sua prosada muiner Julia Am-ln Ferrpira, e de
uovo as cjovida pira oovir a missa do 7o dia que
tero lugar na matriz da L'oa-visia no da 2i do
corrente pela? 6 horas da rranhaa.

^
Precisa se de orna ama para casa de peqnena
familia : oa ruadas Cruzts taberna da porta larsa.
PLANO
PARA
Segoe o veleiro hiate Lindo Paquete, capitao c
pratieo Fraocisco Ribeiro Barros ; para a carga
qoe Ihe falla tratase com o respectivo eoosigoata-
lio Antonio de Almeida Gomes, ra da Cruz n. 23,
l" andar.
Para Lisboa,
Val sabir com brevidade a barca portugueza
Gratidao por ter parta da sua carga prompta ; pa-
ra 0 restante e passageiros tratase com Oliveira
Filbos & C, largo do Corpo Santo n. 19 ou com o
capillo na praca. _____________
Babia
Pretende seguir com brevidade a somaea Hor-
tencia, por ter parte do seo earregamento engaja-
do, para o resto qne Iha falta trala-se com os con-
signatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
ma da Cruz n. 57.
Para Lisboa
Segu em poneos das o brtgo* portogoez rom-
foirf 1 por ter orna grande parte do seo earrega-
rnento prompto: para o resto e passageiros trati-se
com Fiihos & C, largo do Corpo Saoto n. 19, cu
cora o eapitoa pragt do Commercio.
5000 bilhtes a 5*000.............20:0005000
Beneficio, sello e commissao 32 OjO.. b:550i0rj0
Liquido...... {3:4505000
I Premio de........ 5:0004000
1 Dito de.
1 Dito de..
1 Dito de..
4 Ditos de
6 Ditos de
12 Ditos de
40 Ditos de
K34 Ditos de
liOO Premio?.
3800 Brancos.
1003000
103000
205000
105000
55000
9005000
. 1005000
2084000
4005000
2405000
2105000
4005000
5:6705000
--------------13: 05000

A dirort ra dj Minie Pi> Portopoez manda ro-
sar urna missa pelo et too rep es da alrai do fi-
nad 1 socio los Atitioio dos San! s Peres, sjgua-
da felra 23 do corrente, n.i igrej o;a!ri do Carpo
Sano, as Guaras da onanhii e convida pira assi-
Ureta a esse acto a familia do Lllecido e seus
amiros.____________
Aotooio Jj-e Duarie CotioDra agradece cordial-
meuie a> pessoas qoe se disoar^m .icj-opanbar zo
cemiterio publico os resto oorties do sua presa-
da soga I). Mana Luiza -la S Iva, r.j/.anlo as mes-
ma a a todos os seu? amigja o assistirem a mis-
sa de rquiem a memento que por soa alma man-
da celebrar lerga feira 21 do c n r ai n > cjvou-o
de S. Frau.i- j |i las 7 b^r.:- J1 inahaa.
Para actolao p'0quo relgioj espera a coa-
enrrencia da< pessoas p.onvirta'ta.
fgi?Kge:7>-.'.--^:::E-a.tfv _; 2S2SaSBt3i
A polica !
Ten lo sido roobados na tarde d< dia 13 do cor-
rente 12 cbapjs do Cnili lino*, de nra moleque,
que os condola par c s;\ do abaixo assignalo,
rogo perianto a pol'Cia c-imo a quilquer particular
pan qne aprebendam dilo roubo onda quer que
sc-ja encontrado, bem como provno ao; Srs. cha-
pe le ros para que nao compren) dito; chapeos. O
abaino asignado prometi boa gratifl^acSo a
'luerii de-e b;ir o aut r 01 autores de semclhanle
furto. Para quilquar iifirmaca pola ser pri.cj-
rado o abals-i assigoado na roa Augn-ta n. 16.
Geraldo Liiirinito de Slqaeira Varejo.
Jjs Antonio Lopes faz scienle ao publico
que por baver outro de igual come se assinara'
da hoja em diante por Jos Aotonii M >c-rio Lope?.
"~ Na taberna da ra do Raoe.ol n. ti, precisare
de um cai&etro de boa cououcta.
Prrcisa-se de urna ama forra na escrava, p.i,
ra o servio de orna casa de familia : na ra do
Honas n. 104, sobrado.
Na ra iias Ciuco-ponus, cas* lili, defronte
da matriz de S. Jos, ezi?te urna pessoa com bas-
tantes habilitares para preparar toio o geaeru de
comidas; as-iro como taubi-m encrregs--e de fa-
zer qualquer janUr, taaij na capital como fra
della.
AMA
Segne eom a posslvel preJteza o veleiro patacho
Volante, por ter a maior pane da carga engajada,
para e qoe alada pode admittir: trau-se com o
respeenvjconsignatario Antonio de Almeida Go-
mes, a' ra da Cruz n. 53, f andar. ^_^_
tMtt
1IE JJLMEI1IO
Pretende seguir eom multa nravldade a barca
Despide IIi, tem dous tercos de seo carrega
menlo a boroo para o resto qae 16* falta trata-s.
coa os saus consignatarios Antonio Lniz de Ol
velra Azevedo & C. ra da Crot n. 87.
5000 Bilhtes.
M. B. O premio de frOOOS^OO esta* sngeito ao
descont de 30 *|0 or |ai geral e provincial, e os
de 905OU0 e 4005000 ao de S|. por le provin-
cial.
Tneouraria das loteras de Pernambuco 18 de
dezembro de 1867.
Serviodo de thefooreiro,
Jos Rodrigues de Soma.
Approvo. Palacio do governo de Pernambuco 18
de dezembro de 1867.
BarSo de Villa Bella.
Cooforme.Francisco Lucio de Castro.
Anienco.
Na rna estreita do Rosario n. 35, sobrado de um
andar faz se bandejas de bolos de inuito bom goslo,
tnfeitadas, de armacoes, boquetes de Sores, Illas
com letrelros, proprias para casamentas e bailes,
tndo eom mnito asseio e mais barato do que em
ootra qualquer parte, pndelo bolos enhilados
para presentes, vende-se boquetes de flores de ce-
ra, rosas e cravos, dalhas e de qualquer fior, ca-
pailas para meninas e para noivas e pastoras, todo
mono barato, arcos, rosas para enfulles de tapi-
abas, fai-e toda irola de cera para eafeite de
lapinhas, toda a eneommenda de Dores para fora,
todo te aprompia barato e depressa, enfeita se ve-
las ricas para baptizados, e vende-se grosas de fo-
Ibas de rosas de papel a 1 a grosa._____________
Ama
Precisa se de ama ama para casa de pequea
familia, sojeilando-se a ir para Aptpocos: na roa
do Qoeimado n. H, 1* andar.
Precisase de om caizeiro que tenna bastan-
te pratica de taberna : na roa Imperial n. 171.
Da se a premio eom tivpatheca em can,
1:5005: na rna da Umio n. 4.
Precisa-sa da urna ama livre ou escrava que
compre e cosmhe para cas* de pequea familia ; a
traiar ua roa estreita do Rosario o. 31Io andar
Ao commercio
Os abaixo assignadcs parlecipam ao respeitavel
corpo commerclal, qoe desde o Io do corrente mez
acba-se em liquidacAo a sua casa commerclal, sob
a firma da Alvet, H>mbugar & C.
Recife, 5' da dezembro da i867.
Jote Aives da Silva Guimaries.
_________ Mai Homburger._______
Precisa-se de orna mnlher para o servico in-
terior d casa de hornera solteiro era companhia
de nma menina de 4 annos : a roa do Padre Fio-
riado n. 69, sobrado.____________________
Precisa-se de urna ama ua roa do Bartholo-
meu u. 39.
No eoliegio da ConceicSo precisa-aa de om
coiinhelro, de um servente escravo e de urna cria-
da portugueza._____________________ _____
Precisa-se de urna ama cosiauaira forra ou
captiva ou um cosmheiro : na ra estrella do Ro-
sario n. 2 A, 'padaria.
CASA DA FORTUNA
Aos 5,000$
bilhe1es garantidos,
a'rda do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaizo assigoado vendeu nos seos mnito feli-
zes bilhtes garantidos da lotera qae se acaben de
eitrabir a beuecio das familias des voluntarios
da patria os s. guiles premios:
N. 3915 dous qnlotos com a sorte de 5:0005-
N. 727 tres quintos com a sorte de 9005.
N. 1679 um meio com a sorte de 4005.
E ootras muitas sortes de 1005, 405 e 205-
Os possuidores podem vir receber seus respecti-
vos premios sem os descont* das leis na casa da
Fortun; a roa do Crespo n. i~
Acnam-se a venda m biibetes garantidos da 49*
que se eitrahlra' lerga-feira 31 [do corrate pelo
dovo plano anaunclado.
ifreco.
Bllhete.....85000
Meio......45500
Qoartos. .... 15230
Qoloto.....15000
Em porcio de 1005 para cima.
Rmete. . . 45800
Meio. . # . 45*!
Ooartos. , . 15145
Quinto. ... 900
Manoel Martina Piuz. 1 na entrada do Peco
Aluga-se urna cas da
Panella com seis qnartos, tres salas, eosinha, co-
piar, com alguroa frnetas; ootra em Fora de Por-
tas, roa do Pillar^: quera as pretender d'rija-se a
Fora :\\ Portas roa do Pillar sabrado n 23,1* an-
dar.

1 miau i


larlo de Pernamfr neo abbad* 11 de Dezembro de 1807.
PROTECTORA
Aaroaaa pela facaliUde
4e Medicina, empreado no
havpHaea de Pars.
ELIXIR DO DB THERMES
aparatado prla fncnl.laae
> mrdlcian, emprcfada
pituca ato Parla.
Occupa o prime.ro lugar entre as preparares ferruginosas as mais assimaTeis. 0 Euxia no IV THERMES empegado jmente *W**V* -S? rt'l"
Htel-lW fservico da Faculdade de Medicina de Pars). Administra se com o maior xito as doene, He cou-unineii. NM^tf* ""** JL*. ""5"*d\ mu
rola ou eAreii DAllidM, OaorcalirMCM, ueml depois das hemorrhagias, ou durante as convalescencias de febres perniciosas, ffocaeos. e palpltafoa das mu
h^^dS^ff^^SS^^^mSSS e obra Cerosamente para os homens cujas forcas estam esgotadas pelos trabalhosiuteUectues, abusos de lodosos gneros, etc.
Toma-ie : a doal de ama colncrlnha depois de cada refclefta.
Deposito eral na pharmacia, ra Reaumor 43 e em casa de E. GALLOIS, pbarmaceutico do S. M. Imperador, place Vendme, 2, eos Paria.
_________ Bepaalta ena PBRVAHBrtO, P. MATTRTO bO, todM M PhamtdM mo BrtriL --------
DAS
0 abaixo assfgnado, represettaote da PHOIECTORA DAS FAMILIAS, assoeiacao brasileira de
Seguro Muloo sobre vid, autorisada per decreto imperial de 13 de jnnhode 1864, e gerlda pelo banco
Rural e Hypi ibecanu da orle, lem a bonra de chamar a atiencao de V S. oara o regula ment, inserido
Oeste Diario de 35 e 26 do correte coja leitora e estado orientara' a V. S. sobre as vanlagens qoe tal
iostitaico offt-rece oas doas grandes operaedes qae ella tem pos Qma creaco de capaes e a crea-
cao de rendas (An. 2* do regolamento), as qnaes p&lem ser elTeclnadas reparada oo simultaneamen e.
A creaco de capital o tem se pelo augmento progressivo do juro que elle produz, suceesslva-
mete capitalisado, e pela addicao das qaotas da heaoca correspoodenie .os capitaes dos contratos, ca-
jos segurados fallererem antes do sen prazo.
As cootrlboir,5as destinadas a formaco de capital oa a de renda, podena ser feitas por orna s
vez (nicas), oo por prestacSes annuaes iguaes (aoooida4es). Art. 4.a
A seguate tabella m istra os resaltados provaveis que se conseguem fazendo entradas annuaes
de 1005000.
Segundo esses clenlos aquelles resaltados augmentan de 20 a 25 por %, qoando a entrada, em
vez de aooual, (eila de urna vez.
J
A LEGITIMA
SAMPABRIIHA
0
Pl]
DO SAWGUE.
DE BRISTOL
\

PREPARADA NICAMENTE POR
LAMAN & KEMP,
NOVA YORK.
COJiTIMIiUEME
APPARECE9I
NOVOS
TESTEflUWHOS
EM FAVOR
da legitima
SAISA PABB1LHA
DE
BRISTOL.
i Esta excellente e admiravel medicina preparada de urna maneira a mais sen
| tfica por cliimicos o droguistas muito doutos e de urna instruegao profunda, tendo lido
| muitos annos de experiencia.
A SALSA PARRILIIt DE BRISTOL
urna medicina segura e digna de toda a conQanca, conhecida e receitada pelos mdicos
os mais sabios e entendidos neste imperio, durante o espado de tres anuos, e nunca falta
em produzir o desejado effeito.
I A SAMA FAllRII.-HA I>F BKISTOL
Entre as numerosas provas do grande merecimento da legitima, preparada por
Lanman e Kemp, de Nova York, n3o a mais frac a o fado que tem produzido tantas
imitacoes e falsificafes fraudulentas.
A SALSA PARKILIIA DE ISRISTOL.
E' muito natural que aquelles que se acham oceupados em preparar e vender as
soas misturas em garrafas pequeas murmurern e gritem contra os frascos grandes, os
quaes contm em i tres vezes mais do extracto puro do qoe qualquer urna dessas outras
preparafes neste mercado.
A SALSA PABRILHi RE RRISTOIi
foi estabelecida no anuo de 1832.
No anno de 1848 o propietario adoptou, om grande sacrificio seu,garrafas maio-
res, sen 3o agora de quartilho, offereceodo deste modo aos consumidores urna maior por-
fao de extracto purissimo, como nunca fot offerecido.
A NICA LEGITIMA
SALSA PARRILHA DE BRISTOL
E' PREPARAD! POR
A LEGITIMA
late.
Por cabeca de i crianca de 1 da a 1 anno
> de 1 t de 1 a 2 ann ..-
> de 1 de 2 a 3
del de 3 a i
de i > de 1 a 15
> de urna pessoa de 13 a 20 >
i de > de 20 a 30 >
> da de 30 a 40
> de de 40 a SO >
Em 5 anuosm 10 a mis Em loan X. n 20 an Em 2b an
l:IU05Oon
900*010
86i 000
86lO0
8605000
8603010
8801000
8601000
9004000
1
4:000;;0
3:0005000
2:P00*0OU
2:8005000
2.700*000
2:700*000
2:700*000
2:700*01.0
3:000*1100
9:000*
7:300*
7:400*
7:100*
7:000 J
7.000*
7:100*
7:200*
7:5005
40:000*
,17:0004
lti:0o0*
15:5005
15:5005
I o: 4005
15:6005
16.0J0*
18:000*
47:000*
37:000*
35:0005
34:0005
33:300*
33:300*
34:000*
37.000*
1:000*
Urna coolnbuico nica de 2.500*000 por qualquer numero de quioquennios costa 2:628*500
a saber :
ContriboicSo.......... 2:500*000
Commlsso de 5 por M sobte 2:5005000.. 125*000 (art. 62)
Apolice........... 15000
Sello a fazenda nacional...... 25510
ESCRFULAS
C1IAGAS ANTIGS
Ulceras
Feridas ulcerosas
Tumores
Herpes
Erupcoes
Lepra
Debidade geral
heumatismo
Salsugem
Febres malignas e beliosas
Empigens
Febres intermitentes
Nervosidades
A SALSA PARRILHA I>E BRISTOL
De Lanman e Kemp
NEW-YORK.
E' A MELHOR
A MAISPORTE
E A MAIS BARATA
Em fraseos grandes,
Nao bastam os elogios para justificar o uso de um remedio, necesario qaa, o mesmo, mediante umi experiencia do tantos annos e o testemunho dos scientifleos, tenha
adquirido urna extnsa e incontestavel populan da le. A salsa parrilba de Bristol de Lanman e Kemp lem provado a sua cfficacia pelo curso de 34 annos, e durante o espaco
de 2 i annos tem sido receitada pelos primeiros mdicos no imperio do Brazil. Pdem outras preparages inspirar a mesma coafianra.
Vende-se em Pernambuco em casa de A. Caors, J. da C. Bravo e P. Maurer & G.
Os doent s devero ter bem o cuidado
de obterem genuina e nica legitima
salsa parrilha de Biisol, a qual preparada
por
LANMAN E KEMP
I5E JOTA YORK.
w,!
^&a^1
DE
NEW-YORK.
Cautela contra as novas salsas parriihas de Bistol que
sSo perniciosas.
RISTOL
PREPARADA lflCAffiEHTE POR
LAMAN k KEIP,
NOVA YOEK.
RESTAURAN! A LA CARTE
Entrada ge ral ra larg-i do Rosario o. 37 e para familias roa
estrtita de Uos3rio b. 4 A.
Francisco Garrido & Hermano, proprietarios deste grande estabelecimento, com a chegada da
Earopa do p i ci iro, tem o prazer de annunciar aos seus amibos e freguezM, qoe se acham outra vez
no rsomo estnlieleciroent", anclosos por ver todos os seus parochiinos, tacto da praga emo do mato e
de outras pr .vincas. Os proprietarios lem f-ito todo o possivel para satisfazer a sua illu-tre concur-
rencia. Osli.-sptdcs acharo tola coffiraoaidade de grandes salas e asseiaclos quartos por pregos ra-
zoaveis.
Ha sala para tallara de jornaes nacionaese estrangeiros; na mesma sala ba um magnieo piano
para reereio.
Coaae-se a mesa redoncb. a la carie e manda-se domicilios.
O- viohos mais fin. s do mercado acham se no estabtleeimeoto.
A' nolte ha sorvtle e refrescos, caf, cha e chocolate a toda a hora.
Tem de mogoa os bilharcs, nobres divertimentos dos res e outros jogos. Fallase bespanhol,
francez, italiano e inglez. No estabelecimenlo vendem-se libras slerlinas e compram se ancas
beaptoholM.
HLLAS de BLANCARD
,io wDcarro di tzrko altbbAtsl
Apprcvadas pela Academia de Medecina de Pariz
troiaiau nio coinziao Miniel m u-mniiH
;'XPCT!HHTAIIA03 HOSPITAS DE FIANCA, DA BLGICA, DA IBLARDA, DA TV1IA, ITC
Mcrtfoit Acnroi na Exporifoit Univtrfais d Nta-York, 1858, i Pwit, 1655.
EsUt PIlulu enroliMt! D'ama eamada resino-balsaniic de orna tenufdade excesjivi, tea
atactagem de lerem inalcrarci!, tan tabor, de um pequeoo Totume, e de aa aojara w
I orgai digestiros. Goiando dai propriedadet do loso e do jTjuuaO) ellas cooiem princi-
| plmente as aCec^os CUoroticat, Eicrcfulcici, tuberculotat, Cansreuu, na Ittutrrhut,
Q tmtnorrkta, anemia, etc.; eoCta, ellas offerecem ao pratico urna medicacao da* mail enr-
gicas para modificar as coustuigco lymplunica, fraeat oa debilitada.
N. B. O lodureto ds ferro impuro ou alterado om medlca-
menlo infle), irri'.inte. Como prova de purea e t autbencidads das
veracdclras Plala* de Bluncard, ife -se exigir aos tello de
arela reaell*a eaosss firma, aqi'i rcproduitds.qoescschans parta
inferior 4 om roala crac. Deis -s deseoofiar da* taUiauoo**.
aenan -*e em todas as Pharaaeta*. PAaraiasnittea, rtut BontparU, 1. tmrit.
Que um elegante estojo para viogem
COi1iTE.\DO :
Io20 cadernos de papel branco, pautado, beira dourada, marcado com as ini-
ciaes do comprador.
2oi 00 envelopes brancos.
3"_100 penas de ac (marca lanca).
4ol caixa obreras de gomma: 1 caixa obreias de mossa.
5oi Dteiro de dro com tampa de metal
6oi arieiro idem idem.
T\ pao de lacre.
8oi caivete de duas folhas.
y2 lapis.
102 caetas.
Todos esses objectos reunidos, dentro do urna bonita caixa, futa para este flm,
custam apenas
Es. 6$000
Rs..... 2:6285500
E mais 1 por #|. sobre 2:5005000 por caJa mei decorrido desde o 1* ce Julho de 1865, ea for-
ma do art. 13 do rfguhmento.
A mesma contribuico de 2:5002000, sendo pag en preslacSes aaoaaes cnsta os mesmos
2:62^,3500, s-ndo pagas dj acto da i* prestado as despezas de geslo, e nos annos seguintes a annui-
dade simplesmente.
E oeste caso a molla de 1 j, ao mt-z contare rnente sobre a 1* annuidade, devendo as sa-
gnintes realisar se em dezembro dos aonos consecutivos.
A creaco de reodas opera se depositando na assoeiacio por orna s vez, ou tambem por annoi-
dades, quaotias que accuuiuladas produzam, do certo trmpo em diante, e depois annualo.ente, um
renda.
Eesta operacao vem em auxilio tambem da f irmagao de capitaes, eerca da qual moitos coq-
tribuintes se preoecupam, temendo nito poder continuar por om largo prazi o pagaaeoto de annuida-
des preeisas para que os seos beneficiados venliam a aicancar um bom capital.
Mas tal preocupafo, oo difficuldade, desapparece desde que o contribuate poder assegurar,
sem dependencia da sua vi-!a, o pagamento d-.s 5 primeiras aoooidades, e '.er taoibem um contrato
de renda, que desde a liquidado do 1* qoioqueunio prnver, por demais, ao pagamento das aoooida-
des a que est obrigado o contrato de capital. C rn efl-iio, Rure-se, por exemplo, om contrato de
2:50d para creaco de capital por meio de prestaces annuaes de 10l;.
Para satisfazer as primeiras 5 aonuidadas lanzara' ocentribuinte mo de um meio qne nao fa-
lte, ainda pjr sua roorte, que just mente quando o seu bentflciado mais precisa de recursos
E para cgurar no futuro as 20 seguintes annuidades instituir um outro contrato de I:GjJ0C8
pagavel em 5 annmdades de 30, qoe, permaoeceDdo constantemente na Assoeiacio, produzira. des-
de a 1* 11 j vi i Jar io, qae ha de ter lugar uo correr do 6* anno, e c informe os clculos do Bmco Unii,
e o prospecto aa Comp?nha Tutelar, urna renda annual de 4003, e-juivaloute ao cuadruplo do valor
da annuidade que se lomi u para base do contrato de creago de capital.
O desembolso a efettuar ser, pols, o seguiote :
Para o contrate de capital de 2:50\0t0
l. anBUidade..........j0 Commissao da 5 por i. sobre 2:500^000 125^000
Apollce............ 1*000
Sello a fazenda nacional....... 500
Feitor
Prsclsa-se do um para sitio ;
Ru?, casa lo, c,;u pouca familia
Nova n. 17, I .
prefere-se p^rto-
'.rita-2e ra
Preclsa-ire de u:na ama para enyommar e um
cozinuoiro : ua rui di Cruz n. 9, terc-iro andar.
Dlahpfro
No pseript irlo da companhia pomatabncam, no
Foru do Msttos n. I, ha um embromo, dinlieiro,
para os Sr*. llmoei Rodrigues da Si'va & Vicnna.
ICI fm\ GEL4.
Os artistas pintores ca Inglaterra reenzara tra-
balhar na tela que retebea um retrato photogra-
phico angmi otado pela caraira solar, visto que o
procesfo photograpbico perqu passa a tela do
pintor, aflra da ss tornar coaveniecte e propria
para recebe" o retrato que por taes raelos se deze-
nha e aagme'nt aff-cU a dura cao da mesma tela.
Pars Maniitur de la Photographie, 13 de ou-
tul>ro de 1867.
Preeisa-se de orna ama qae faca todo o servico
de orna casa de pequea familia, nao se olhando
o prejo; na ra da Imperauu n. 53.
Perdeu-se um reoslo da onro
patente suisso o. 229, no pateo
do Carmo: quera oacbou querendo
entrega lo a seu dono dirjase a
ma estrella do Rosario n. 25 que
'str bem recompensado.
Gaixeiro
OCferece-se um c^ixeiro de li a 16 annos de
idade cora pratica de taberna : qoera precisar di-
rija-se ao pateo da R.te.ra u. 17, que achara com
! qaem tratar.
Criado.
PrecIsa-se de oro criado livre oa escravo : na
ra do Qaeimado o. 12, 1* andar.______________
O Sr. Francisco Ezeqolel da Silva lem urna
carta vinda da Europa ; na roa do Qn?imado nu-
mero 40.
Precisa-se da um menino de idide de 12 as-
nos dos oltimos ebegados : na ra da M.ingueira
n.l_____________________________^________! '
Precisa se de doos oa tres trabajadores, pa-
ra padarit, qae emendara do fabrico do pao e bo-
lacha : na ra do Rosario a. 16, na mesma se pre-
i
A
Vida de Horacio Nelson, por
CONTRA FOGO.
A companhia Iodemnisadora, estabelcci-
i?, tiesta prasa, toma seguros martimos so-
^re navios e seu carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias emobilias:
aa roa do Vi gario n. 4, pavimento terreo
Do engenbo Pennndnba continua a estar fo-
gida ha cerca do om anno aeicravado nome Sa-
bina com os slgnaes seguintes: crioula, baixa,
gressa, cara redonda e bexigosa, testa batida e
com ucea cicatriz, tor faD, seios grandes, rr.os
pequeas e peroas srqotadas, representa tc-r 25
asnos de Idade, ach va-ge grvida qnando fugio e
mais alpuns signaes que nao se records, consta
qoe esta' serv ndode ama em algarna* cusa desta
cidade a titulo da forra pois fol vista ba peucos
das na ribeira de Santo Antonio : qoera a apre-
hender ldve-a ao referido engenhoca a' ra do
Oaro n. 10,, qae ser recompensado generosa-
mente.
m'
For
mmMmmmt wm m _.
Companhia fidelidad de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonio Luiz de Ovrira Azcvcdo i C.
m competeatemente autorisados pela
directora .da companhia de seguros
= Fidelidade, tomam seguros do na- **
vios, mercadorias e predios no ara
escriptorio ra da Cruz n. i.
gues.
Sem contestacao alguma Nelson reconherido
como o primeiro almirante dj mundo, e se nao ti-
vessa alcancado ae victorias d'Aboukir e de Tra-
falgar, tilvez que fosso a Inglaterra vencida por
Napoleo. A sua tenacidade e consclenciado genio
traduzem-se na eloquenle proclamacio de Trafal-
gar : A Inglaterra e/pera que enda um cutnpra o
seu dever I E', pois, com ra7o que os ingieres
idoiotram a memoria de Nelson, e o proclamara
salvador da sua patria.
Vende se esta obra icteressante por 156C0 rs. o
exemplar carionado, na livraria tconornica defron-
te do Arco de Santo Antonio, assim como a histo-
ria de Garlas XII por Voltaire a l00 rs. em bro
chura ; e a historia de Gil Draz a 5 encader-
nada.
Oengeubo Bonito da comarca de Naiaxetb,
precisa de um feitor que seja portnguez, a tra'.r.r
com Leal & IrmSo, no escriptorio do sobrado da
ra da Cadea o. 56.
Na raa dos Guararapes n. 64, vende-se ama
prela de 16 annos.________- ___________
Novidade para a festa.
Al^a-se'cavahos gordos e bonitos para o dia
22 (domingo) e dias 2i e 25 quarta-feira dia de
festa, n tratar no armazem do sal na Boa-Visia.
^amoel Power Jonbston & tompanis
RnadaSenzala Nova n, 42.
AGNCIA DA
Fundlf So de IjOW Her.
Machinas a vapor de 4 6 cavallos,
Moendas e meias moeid99 para engfnb1
Tx3s de ierro coado e batido para enge-
HatO
Arreios de carro para omedonfl ctnllos.
'lelogios de &frrr>patBte'iGg\z.
lados americano*.
Machinas para descarofar algodio.
Mbtorespara ditos.
1.* Anno.<
2.*, 3.', 4.' e 3." a:-.naidades. .
2-8C0
403LCJ C28t503
Para o coBtrato de renda de 1:500,5(00
ha a despender :
(! annuidade.......... 3-VV5P00
w i *n^J Commissao de 5 por "i. sobre 1:500^000 75^000
B01 ADD0 Apolice............ I5IM
(Sello a fazenda nacional....... 1^500
e nos i seguintes a 300,5000.
3774500
1:200*000
1:5775300
Total despendido. ..... S:2COW.)0
No co;rer do 6* anno, e d'enio em d ante annualmenle, reeebe-se 4005 de renda, do contrato d
1:5005, da q-.-.i se applicara' 1005 para a annuidade do contrato ds capital, ficando, portanlo, liquida
a quantia de 3005 at que aquel e contrato se linde.
E Ando que seja, ao cabo dos 23 annos, recebe-se por elle 47:0005000, (Idade de 1 dia a 1 an-
nnj etem-se recebido do contrato de renda a quantia de 6:0005 lquidos da annuidade de 1005 a qoe
a sujeitoa dorante 20 annos o contrato de capital, e que, livre deste onus passa a renda a ser de
4005, e vitalicia, se se conservar senipre o capital de 1:5005 na Associacao.
Taas sao as considerares e deducc5es que resultara do estudo que tenho fe t j sobre a materia
e que me pareceu dever levar ao conheeimento de V. S. de qaem sou reverente criado
N. F. DE VIDAL.
As eessoas que desejarem loscrever-se sao convidadas a dirigirse ao no escriptorio da dita as-
oclagijoarua do Lvramento n. 19, primeiro andar.
RA BA I1IPER4TRI2K W. 4.
mw
Debaixo dessa denominarlo brese um n^voestabeler'menlo cojos deno?, convidara ao respei-
tavel publico lano desta cidade como de dra da provincia que qoizerem honra lo c> m soas frefrae-
r.ias, a vir visita los, aseguarando-lhes que sempre bao de eucoLtrar bom traUrneulo, grande asseio e
o maior agrado posslvel juoto com pregos muito coromodos.
De noite haver sempre caf, sorvetes cervtja etc. etc.
Casa para alujar em Olinda
Aloga-se a casa de sobrado de um andar e soto
nos Quatro Cautos em Olinda, cora commodos pa-
ra familia, pintada de nvo, nia'tJ fresca e excel-
lente vista, tendo a leja urna arrancio propria pa-
ra qualquer e?tabe!eeimento de negocio : a tratar
na praca de Pedro II, livrarla da infancia n. 6.
CQnfeilan\dos maiis
Raa da t ruz n. 16.
Ha presut los, ditos em fiambre, fractas em cal-
da, ditas secas, caj, dito cri-talisado ; recbese
encommeudas para casaneeus, bailes e baplisa-
dos, bollos e Pao de l eufeitados.
O abaixo 5s.-i;jnado psftecpa ao resftitavel
corno do commercio qne B^ta data dcixoa de U-
zer parle da so'iiedade que pyrava ne&ta pra^a sob
a Arma de Meudanha Machado & C.*, ficando os
socios Mendanha & Machado a cargo do 3ctivo e
passivo e o abaixo ass!;nado iivre de qualquer es-
ponsabllldade.
Recife, 17 de de:eo-bro de 1SG7.
Custodio Jos ? Oliveira.
Precisa-se ue um cosiulieiro Ju cosinhelra
que saiba coiinhar com limpeza e perfeiQo o dia-
rio do urna casa : na ra do Imperador o. 43 se
dir' qaem precisa.
irmanadc de SanVAnna i igfpja da
Madre de Deas.
Pr ordem da mesa regadora se coavi'a a todas
os Irmaos a comparecer amanbSa dcmiiigo 22 do
correte pelas 11 horas da mauha no consistorio
da referida irmandade para reunidos em mesa ge
ral delib-rar sobre negocios de interesse da mes-
ma irmandade.
O escrivo,
Jos de SouzaT.'ixsira.
Moleque
Precisa-se alogar nm moleque da 12 , i 16 an-
nns para o servico interno e externe da casa de
pasto da ra da Mocda n. 33.
Aos fumadores de bom gosto
CHARUTOS DA HVANS
Em a Galera R-creittca roa da Imperalriz n.
17 se ha recebido por amostra tre3 mareas de su-
perior qualidade da acreditada fabrica de Manad
de la Sala.
Atagam-se
Para prensa de algodo, oa oatro qnalqnor nego-
cio, dous rameos as. 5 e 7 na travesea do Cario-
ca ,e oatro dito na roa di Prala n. 29; tratar
com GuilberuM Si tt>, ra da Imperatri: n. 45.
Copeiro.
Na roa do Trapiche n. 17 precisare de ara c:-
pfiro. ____________
Lava-ge e ngomma-se com perfeico : oa
ra imperial'o. 193.
o commercio
Barbosa & Primos, leudo acabado a soa liquida-
cp.o, julaam nadadevor a' pessoa alguma ; cora
[;! se ha algasra assistir o dikeito de credor de
dita Arma, queira drilr sj a' praja do Corpo San-
io n. 2.____________________________________
A qaem se rebar por falta de duas duzias do
pratos pequeos atne3 e quatro dt s tr- w
ama peonra piquen, por estrtvio do portador,
d rija-se a' ra n i Pilar u. 143, daudu es seus sig-
naes comp lentes.
mm?::. ..... iwnni
yg O Dr. A. S, Pcreira do Carmo (medico) t
0 est morando no sobrado a. l da ra da f^j
dK Impratrlz. w%
.-^;~.- .v i aimranTirinfisse^tixatwi-ri
Hk m r. iiPiPSrl" ffff^P WffW
Precisa-se de urna ama que aiba cozinhar e
engommar para casa de fmi:ia: na roa da Ixpe-
rat r i i n. 34, 1 andar.________________________
Isto que peciiclia.
jFazendas com toque de a-
varia-
MadapolSd Je 105 finoa 65.
Dito de 9* idema F5-
Algodozinho finoa 25.
Ditoa 35.
Camisas de 35500a 25.
Baldes de 45-a ?5-
Saias de 55a 3J.
Toalbas da 15300a 800 rs.
Seroalas de 25300-a \S">00.
EnfHits para cbCT d 35a 25-
Cl.pos de copa baixa de 5*0 -a 45-
Na ra dos Quarieis a. 22, leja do calcado do
Vi a n n a.____________ _^________"
Precisa-se de urna ama de idace para cas*
de penca familia : na roa du Padre Fbrlano n. 71,
segundo andar.

Aluga-se urna caTa em Apioucos por aiuguel
commodo; a tratar na Boa-Vista, raa do Rosario
D. 56, em frenie a' roa.do Aragao
Precisase de orna ama para o servico d^
orna casa comprar, cosinhar; oa mesma precisa
se tambem de nm criado, a tratar na raa estrella
do Rosario n. 27-* andur.
Precisa-se de um cozinheiro: na raa o Rao-
geln.9. __________
......
,
~.
Aluga-se
Para pascar a fesla ou pr-r anno uma caca na
raa do Rio do P,>go da Paoella, com 2 salas, 4
qoartos, cacimba tora, dispensa graade, copia ra
: frente e quintal: a tratar com o seo propietario
1 Tasso.


filiarlo de pcroanihnco atibado ti de Dczcmbro de
1861.
______
V
Fabrica de destilago e foomfieacao
DE
MARQUES i FERREIRA
RIJA DO A3IORIMFORTE DO HIATOS
PERNAMBUCO.
Esta fabrica achando-se montad com iodos os necess.ano5 pertesees a ama destlla^o e com
materias primas, que entrara ni confecgao da todos os saus productos de superior qaalldade : prorop-
tilica-se a recebar toda e qualquer encummenda e a vender os seos productos por procos nimiamente
reduzidos, osquaas obtiverara premios as expsitos dePernamLuco, Rio de Janeiro e Paris em 18G7.
Temos sempre em quantidades genobra, dita de laranja, aniz, agurdente do reino, cognac, ab-
elntbo, bitler, we-rmuth, kircbe, xaropes para refrescos, pnmeira e secunda uualidade, licores Onos e
entre fiaos, lila pira escrever, perfumaras, vinagre, marrasquino, corac3o, espirito de 40*, 38a e 36*,
dito de alfazerai, limonada gazoza, aguas : flor da laranja, rosa 8 ortela pimfrata ; orcbata de pevide
de melaocia e maitos oatros caeros os quaes se veodem a vonude do comprador, em barris, cana-
das, em garrafas com vistosas tarjas. Promptiflcase a condlccionar ti a enviar qualqoer remessa que
nos seja pedida para toda e qualquer parte, devendo ser os pedidos acouopauhados de ordem sobre
U praca.
LLUM
AGA

O Sr. Justino da Silva Cardoso queira
vir nesta typographia negocio urgente, [qualquer maquinista recouhecido pea empreza, seudo o mesmo maquinista responsavel
pelo sen trabalho.
5.a A empreza obriga-se ainda a reparar gratuitamente qualquer falta de loz,
jbstrucciio de canos, etc., devendo o consumidor pagar somente as pecas novas que forem
precisas para o mesmo concert ; qualquer re lamacao que possa baver, ser dirigida ao
escriptoiio da empreza ra do Imperador n. 31, afim de ser logo providenciada.
Ka praca da Independencia n. 33, toja de
onrivas, compra-se ouro, praia e pedras preciosas,
e tambera so faz qnalquer ebra de encommenda t
todo e qualquer concert.
ARMAZEM
DO
VAPOR FRANCEZ.
RA NOVA K, 7.
Acaba do chegar de Paris esta estabeleeiraen-
to um grande e escolhido sorlimenio da calcado
eos melhJ es fabricantes daqoella gran le prarja,
assi de novos biinq edos para crlaaea, cojos artigos
vootade dos com-
passamos a
se ach^ui expostos a escolha
pradores, c
mencionar.
'rao sojain alguos que
UHraa meda
Rico? ch.ipeo;inhos de gest para senhoras fri-
tos ao capricho da urca grande modista de Paris.
fiXotisas para cubaras
de selim braoco, daraqne d:lo, preas e de cairas
difirenos cores eufeit das a rigorosa moda.
Botinas p damoilas qul dudes i, m soriidas.
Erl..cs de ouro
de iei a ultima muta dos Campos Elisios e boule-
vards de Paris. para senhoras e meninas.
Linas de pellica
do verdadeim fabricante Jouvin, brancas, pretas e
de entras diffrenies tOrcs.
Le iscs
cm escolhii > sortimento de leques de diversos
gostos e qualiJades.
Perfumarla
finos extractos, bsohas, oleo, pos de arror, agua
tfeccl'jgne,agu U. -lia e rabnoete?.
Espetaos
de difierentes lmannos a gostos para salas, gabi-
netes a peqnon s inncadores.
Cai&tuhas de eestxira
fa novos modelos ricamente guarnecidas e coro
lidas pegas de mnsira.
Del ;:. presen le
bolciohas e cesilnbas de seda e da velludo maito
iinpi.ii i'is para braco da meninas passeio.
C2sapos de sol de seda
de cor.-s i muuo cellos para senhoras e meninas.
tuque* s da csposeo
delicadcs bouijucts da ll iras ce [ jrcalana cora lin-
dos jacos para mesas So salas e saDlUAiios.J ,
Lunetas
de arp, tartaruga e {bfalo.
Ocnlos
de ac, buf .lo de praia doorada.
saleas bengalas
de carina verdadeira com casUo primorosamente
Irabalbad is em ma>6m, cumpradas na exposicae.
Cbfeoes para passeio
muito ucs de balea e cabo do nnrru.
Oleado para nifsa
de multo boa quilidade, novos e helios padrScs: co
armazera do Vapor, ra Nova n. 7.
EBili*;3 Gltei.
oljecos da phactasia ramio [.os para tcct.
Coques
c'aegados de novo a ultima moda.
Hleos aiuEins'
de velludo e de marrcqnim para retratos.
-Js-.reoscopos
com lindas photocr-iphias transparentes.
E^Cautpas
de Egnra?, paisageos, cidades e de santo?.
molduras docu-adus
de diversas larguras para qnadros.
.4>ai-jur
para cndieiros e lanternas de piano.
Osuiorauas
grandes e pequeos cora 50 ou mais vistas etco-
Uudas a' venud-s muito piuorescas. fj
Sleaijos
p?5-jnos, de qnalro e seis pegas de msica.
Aecord'ocs
e ccncerlinas, o qua ha de melhor neste genero.
Catelas de a anc
da varios precos e lamanhos para passaricho.
Koslaas para boaacra
grande snrtio ento Lera escolhido em Paris.
Ilotinas para naeniuos
de maitos model.s bem sciidos.
Mapatos de eaprte
de charlte, de tapete avelludados e da tranca
Litbja para homens, senhoras e meninos.
Botas russlanas
Perneiras e meias perne.ras.
llantas de feltro uonitos padrees.
'Jhicot--s fonos coropridos.
Lavas de ti > da Escossia.
CartelnnhJs para dinheiro.
Saceos da tapete pra viagem.
Malas e bl;as sortijas.
Pooleiras para charuUs e cigarros.
Cbaroleirase cigarreiras de palba.
Caximbis da bonitos modelos.
Gravatas tretas e de cores.
Cordas para violo.
Rngalas para bomens e meninos.
Escovaspara cbello.
Escovas para denles.
Peotes de roarfim para tirar caspas.
Pentes de tartaruga de desembarazar.
Abridores de Invas.
Tesonrinbas delicadas para costara.
Caivetes Anos com lescorinha.
Meias de Go da E Venezianas transparentes para janellas.
Qnadros pequeos para retratos.
Pares da lindas figuras pequeas de porcelana.
Jarros mni pequeos de porcelana.
Objectcs de porcelana para botar banba.
Taiheres Onos para meninos.
Objectos de mgica para divertir familias.
Pbotcgrapbias mgica*.
Globos de papel para illnmioacao no campo.
Castinbas de vimes para meninas de escola.
Ceixiobas de msica e reajeijos para meninos.
Velas a gax para candieiros e candelabros.
Carrintios de qnatro rodas para coodazlr criaac.
Bonecas de massa, de cera e de porcelana.
Bercos e camas com cortinados para bonecas.
Cabriolis e cavalliobos de madeira com machi-
sismo para meninos de 3 a 8 annos montarem
Para presrpes
figuras para ornar prasepes, casiohas, animaes,
pastores, e oolros multes objectos proprios.
Attenco.
Nao sendo possivel meuciooar-se aqoi todas as
qnalidades de calcado, nem todos os artigos de
quinqaimarias, e muito menos da grande varie-
dade de novos brioqoedos; pede se ao publico nm
paselo a este eslabaleeimento, certo de qoe eo-
Gcmpaiihi'i utilidade publica
A flireccSo paga o l' dividendo de 525 por ac
cito, em seu e.-cnpl to roa da Cadea n. *!. pri
meiro andar. Recite 2 de dezembro de 187.
Os directores
Feliciano Jo G' raes.
Th; maz Fernandi'S da Gunha.
Jornaes para 1868
Na livraria fraticea assignam-se todos osjor
naes da Europa, os Srs. assigoantes encontrarn
amostras dos peridico- e cauiog RA PO CRESl' N. 9.
O Dr. J Medairos e Altuquerque mudou o sea escrlptorio
de advocada da casa n. 22 para a casa contigo!
o. 24 da na do Imperador, dcfronle da re ato,
jury e sala dis audiencias.____________
Alugarri.se qnatro casas de preco de I'i>,
12^, !('# e 85 por mez, sitas a' ra do Gazomeiro,
confronte ao porto lattial da fabrica do gaz: a
Iratar no meimo lujar.
fo^o
Seguro contra
Antonio Lulz da Oliwira AzevcJo & asentes
da cornpaohia Fidelidad, eslabelecida no Rio de
Janeiro, tomara seguros contra fogo em predios c
mrrcad"iias, cm cu o:c;ipiuiio ra a Cruz cu-
mero 7. .

III
3^5 mi ib
AvJso importante.
O? unicns verdadelros xaropes de hypophosphi
tos da soiio, da cal o da Ierro do Dr. Cborcbill tra
zem a firma quatro vexes repetida desto sabio me
dico sobre o subscripto e a marca de abrir.i d;
Pharmacia Svraon, 12, roa Castiglione, Paris
Acha-se a venda em frascos qnadrados cora o nn
me do Dr. Cburchill do vidro. Proco 4 francos eO
Paris : Com instrnc^o
Botica de Bartholomoa & C.
0T)r7J. Baptista"Cacanova
podo s^r procurado a qnalq-ier bora em sen con-
sultorio boifopatbico, largo da matriz de Santc
Antonio o. 2.
iv> mesmo crnsr:!to-ij tem sempre grande sor
tio-iv'un de medicamentos de bomeopatnia de We-
bere Catellao, tanto em glbulos como em tintura.
n como tjra um sol lmenlo do ferros de ci-
rorgia em cattelias e avulsos do afartado. Cbar-
rier de Paris.
Cambraias l&i
A ercpreza do gaz desta cidatie jdesejando facilitar geralmente o oso do gaz na
casas e estabelecimcofos-particularcs, olereoe desde j as seguirles vaotagens:
1. Urna redueco consideravel nos prejos dos canos, apparelhos e todos os mate-
rUes pr< cisos para a DsialIacau dc:ta luz.
2.a O gaz fornecido buje de exirema pureza e Do offender a prata, o bronze
ou ou'.ro metal differeote, assim corno nenhum damno poder causar s pinturas, quadros.
ornamentos, papel de forro mais delicado que seja, toruando-se ao mesmo tempo t3o sau-
davel e imis econmico ontra qualquer luz, j conhecida, afinal, evitar tambera, a obs-
truclo dos canos e tubos dos apparelbos.
3.a Os apparelbos existctites, como lustres, arandelas, bracos de vidro, de bron-
ze, etc., etc., sao proprios para os senhores que preferem luxo e elegancia, como para
os que necessitam sitnplicidade e economia. | dos melhores gostos vindo de coma propria, por
4.a As pessoas que quizerem collocar o gaz em suas pasas podem dirigir-se em- sso pode-se vender por prego muito commodo que
preza, a qual se encarrega da collocaCao de U dos os apparelLos, canos, etc. tomando toda -^2 .B?^K VSdS2 dI"
a responsabiiidade pelo petfeilo cumpnmcnto do mosmo, ou por outra, podem empregar; das 9 da mjnhaa as 3 da urde.
4bUna Direita45
Clcga, gesie!
Borzegnins inglexes para bomem a S.
Ditos trnceles dem a 5.
Borzeguins para senhora, enfeitados, a f.
Ditos para menina, dem a 'i.
SapatSss inglezes para lumem a 4S.
Ditos americano a 3500.
Chinelas do Porto a i600.
S.saptos-iranca para senbera a 1S280.
Ditos aveludados, dem, a IfiiHO.
Sapatos francezes da salto a '$.
Aproveitera eraquasto tempo.
Qaem quizer alugar o sobrado D. 42, a'
roa da Aurora, dirjase ao escriptorio n.
4, a' rna do Crespo, que achara'com quera
tratar.___________________
31 Ra Direita T7"
Neste est beleclmento se acba a' venda um bello Ferreira C.
sortiraento de rendas e blcos de pontos de croch
Ouro e prata
Compram se soberanos a 1 i500, moedas orasi-
lelras a 235000 e prata a 12 por cento : no escrip-
torio de Guncalo Jos Alfonso, rna do Torres n. 18,
jumo ao leiegrapbo elctrico.
Moedas de ouro e prata
No armaxera da Aognsto F. de Oliveira & C,
ra do Trapiche n. 4i, pagam-se a pregos mais ele-
vados do qaa os eorreotes no mercado.
A ltengom
Precisa se comprar urna canOa da carreira de
i lamanbo regular e em bora estado a pessoa que
tiver para vender pode dirigir-se a1 roa de Gaz, cu
no escrii lorio da mesma empreza, na ra do fm-
perador n. 31._____________
Compra-s"^
por mais prego qua em outra qualquer parle moe-
das de ouro e prata nacionacs e esir.inge.iras : na
roa da Cadelau... loja de Jos Luiz Gonca'lves



CafocDgX.
Os proprictarios desto estabelecimenlo clerecem co respeitavel publico rag
aro esplendido e variado sortimentc de joias de ouro chegadas recenten;ente y^:
da Europa, cujos modelos su novos e de bom gosto como sejatn : ptlseiras ^
com perolas, rubins, csmorald:s e brillantes, brincos da meuna fi rma, anneis J&^
de phantasia, proches para retrato, ele, etc., btlts de ccral rosa para pito
de camisa e cacolctas cora retractos. SB
Compra-je e reclese em troca ouro, prata e brilhantes pelo seu en- jjjjjf
trinceco valor, a.-sitn cono moedas nacionaes e eatrangeiras. Tambera, se en- rflti
c:rabem de fazer concertos OT

Agostinio Jos dos Santos # C.
VM
de
a l e 1^280
a vara.
Vende-se cambraia transparente com cito
palmos de largura, que facilita fazer-se um
vestido com quatro varas, a \$ e lf$28 a
vara : na loja e armazern do Pavo, ra da
Imperalriz n GO, de Gama & Silva.
KspartsSios.
Vende-?e um grande soriimento de espar-
tilhi s dos mais modernos : na loja e arma-
7em do 'avo, ra da Imperalriz n. 61), de
Gama A- Silva.
Auadfne a C5C00.
Vendem-se os mais bonitos crte3 de ana-
dine, sendo fazenda inteiramente moierna,
transparente, cora bonitas palmas bordadas ;
esta fazenda, qno 6 de milita phantasia, ven-
de-se pelo baratsimo prego de C5<.00 o
corte : na loja carmazem do Pavo, ra da
Imperalriz n 00, de Gama & Silva.
Ricos corles de cillaa pro-
prfsis para bdlle.
Chegaram os mais modernos cortes de
medina, sendo tima fazenda inteiramente
nova e transparente, com lindas palmas e
quzdros de seda, e vendem-se pelo barato
! preco de 220000 o corte : na loja c arma-
zem do PavSa, rna da Imperatriz n. 60, de
Gama Silva.
CaasbraSas a 3(5800 rs.
Vendem-so finissiraas pecas de cambraia,
bran'-a e transparente, de 305UO ate lOj? a
pega; oitas tapadas muito finas, de 55at
iO ; ditas fuistas com 1 vara de largura a
83,105 e 125 ; na loja e armazem do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
Cortinados para cassmenlos.
Vende-se um grande sortimento dos me-
lhores cortinados bordados, proprios para
camas e janellas, pe!< s b^rat^s precos de
95, 100, i'S, 205 e 254000 o par; da-
masco de la imitaco de seda, com 8 pal-
mos de !argu>a, a 45 00 ; colchas de cro-
ch ; ditas de fusto brancas e de cor; cro-
chs proprios para cadeiras, sofs, cadeiras
de balanco, para cobrir presentes, etc. etc,:
na loja e armazem do Pavo, ra da Impe-
ralriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortea de chita com lO cora-
dos a 35, 3A300 e 35610.
Vende-se cortes de chitas francezas, es-
curas e claras, de cores flxas, e tendn 10
covados, a 35000; ditas com 11 a 35300 ;
ditas com 12 a 35600. E' pechincha, so
para acabar : na loja e armazem do Pavo,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Percalas a 320 rs.
Vendem-se finissimas percalas de cores
fixas, pelo baratissimo preco de 320 rs. o
co\ado, por ter um pequeo toque de mo-
fo : Da loja e armazem do Pavo, rna da
Imperatriz n. 60, de Gama e Silva.
. .
Ii 2 largo da matriz de Santo Antonio n. 2
.
GEOGRAPHIA.
Joaqoim Pires Machado Poriella tem aberto na
casada soa residencia, das 10 as II boras da rna-
oooiraiao bastante paciencia para bem esclberem nha, um corso de geographla para os estodantes
RETRATOS A OLEO
Temos a honra de pariecipar ao respeitavel publico a vclla do Sr. Alberto Hens-
cbel qua foi Europa com o duplo flm de se por ao correte dos mais recentes pro-
gressos da arte photographica e adquerir pata o nosso estabelecimenlo mais um ar-
tista de talento.
O Sr. Alberto foi summamente feliz e conseguio engajar um destnelo pintor de
retratos, p
R. C!A!!iL&S ERSSTO FAPIr1
memoro honorario tfa academia real de pintura da ciilade de Dresda, e do qual a reputa-
cao bem fundada nos autorisa a erperar proJucoes notaveis no seu genero de trabalho.
Um progresso immenso ullimamento exeeulado n3 photogiaidiia, um dos mais
importantes consiste n'arte de obter retratos em tamaoho natural, usando directamen
te na giandeza que se desaja, sobre a lela do pintor, o retrato photographado, por raeio
de um instrumento especial chamado : cmara solar de augmentaco.
P<.r esta lrma o tlenlo c o saber de um artista babii maravbosamente se-
cundado pela preciso absoluta e nfallivel dos contornos e das sombras que ihe pe a
photographia sobre a tela, e ludo se rene assim para se alcanzar o maior grao possivel
de semelhanfa incontestavel, ao que d tinda maior real:e o sello artstico, qoe imprime
aj retrato um bello colorido.
Pelo mesmo processo nos podemos reproduzir e pintar oleo, urna vez qne se
nos d urna photographia, seja de que lamanbo for qualquer retrato de pessoa morta ou
ausente e no tamanho que se desejar.
As pessoas que quizerem julgar por si mesmas deste novo genero de traba'ho,
sao convidadas a nos fazer a honra de visitar a nossa galera, aoude estu espostosuraa
serie destes retratos como amostras.
T
DA
CASA HPERUL
RA DO CABDGA N. 18, ENTRADA PELO
r-ATEO DA MATRIZ.
Acabamos de reetber de Franja pelo navio
Sphcra :
Lindes stereoscopos mecnicos de jacjraud e
que mootam j'U vi-tas pur cada vei.
Slereoscppcs simples, Jacaranda e moRno.
Vi.-tas slereosct picas transjjarenlcs e nao trans-
parentes.
Caixinhas envernisadas de aesju para guardar
50 vistas stereoscopicas.
Lindos albons encadernados em clngnn e dou-
rados, para 120 e 50) canoes de visita.
Muiduras diurarfas e passe-par-tiuis para retra-
tos nhoiograpbicos de todos os lamanhts.
Um encllenlo aparelho para tirar retratos, o
qual vndeme s com ledo o necessario para traba-
Ihar-se em photographia e ambniypo, e damos as
necessarias IreccSes.
Prcductos chinacos para vndennos as quan-
lidades qae pcir-se.
Na mesraa esta
Ha um lindo sorlimento de al0Get.es de ooro
para retratos, nao so de goslos muito simples
como com fi Itiagens e cravacoes cora peroias C
as, rubins t esrseraldas veraadeira?.
ContiBua-se a tirar retratos par todos os sy-te-
mas ptiolopraphicos.
A 9.000 a daza de caricas de visita
Chamamos a alteocSo do publico para rs oossoo
retratos cartoes de visita expostos na livraria lies,
nomica do Sr. X gueira oo Souza.
Atiendo.
S. 25 P.na do LiTrameuto R. 25
Deposito de ismancos e calcado nacional da fa-
brica da rus do Jsrdim n. 19, de Jo? Vicente Go-
diiiho, tanto no deposit como na (aprica seapromp
tara todas as porcoos de calcado o mais barato
possivel, esta faDriea tem todas as machinas pro
prias para os calcados ja bem acreditados pelj
fraudo numero Jde frefjneres qne daqui se for-
necem.
HiDalUlA vh ti-
ll
ni

Eei da Suecia
FOR VOLTAIRE.
Vende-se esta excelinnie obra p?r 15200 ero
brochura, na livraria Econmica ra do Cresnc
n. 2. v
Xa mesma livraria tomam-se asslgnatnras para
avida de Horacio Nelsono celtbre almiranie
anglez a 15 cada exemplar.
Faricha de satiucca
igunl a de Uurbeca, tem para vender Ioaquim
Jos G icgalws D.luao, no seu escrlptorio ra do
Trapiche n. 17.
Fundido da Aurora em San-
to Amaro.
Completo sortimento de taixas de f rro
coado, molde raso, ltimamente aprovadas
para o fabrico do assucar.
Conipra-se
por mai* preco que era outra qualqoer parte moe-
das do nnro e prata naciouaes o estrangelras : na
rna do Trapiche n. 16, armaiem de Adriano, Cas-
iro & C., e ra do Crespo n. 20 loja de Alvaro
AngiKto de Almeida.
Jornaes para eiubrulho
Compra-se na ra das Cruies taberna da parta
icrga, a 120 rs. a libra.
Prata e
bem
Em tnoeda pagase
pendencia n. 22.
ouro
: na praca da lude-
"TT-rTjTI
Vende-so o ecgeoho S. Ga-par sito na fregu-
zia de Serinlem, comarca do Rio Formoso, cora
excellenles varzeas, malas e mangues, bem como
cora embarque mcl prximo ; a'tratar a' ra da
Aurora n. 26, oo a' do Imperador n. 431 andr.
Bolsas para cacadas.
At bolsas paracacadi, aguia branca recebeu e
pretende vende-las baraumente, com lano que os
apreciadores u caca deiiera ficar um par a aguia
branca da rna do Quemado d. 8.
Caivetes fixos ou ferros para abrir latas.
Vendem se na iua do Qaeiruado lija da -guia
branca n. 8,
fions csparlilhos.
A .ipuia branca a ra do Queimado n. 8, rece-
ben novo so- timonij de bous esparlilhos e cemo
serxpre vendo-os por presos cemmodos.
Bales brancos e de cores para me-
Dioas.
A ajoia branca, a' ra (o Quinado n. 8, rece-
hn urnas amtsiras de superiores bal5'.-s brancos e
de cores para mjninas d-> diflarentes taaDriorios, e
como sempro, veo de es por pregos curaiLodjt,
vi-loa ha quallade.
Chocolate nacional.
50 Deposito ra Nova i),*)
Premiado naexposicao nacional e do Rio da Ja-
ceiro, garantido paro, muito aais superior qoe o
chocilaie hespanliol qoe estase vndenlo BPta
praca, vande-se no deposito da ra Nova p. >0 a
803 rs. a libra, da dez libras para cima a 700 rs.
Vcoie-se o boi Periquito e juniimerte. o car-
ro com qu o mesmo trababa : a tratar na ru3
Nova n. S.___________________________
Novissimos" ou ltimos fins
do bomem
Pelo bario de Caslello de P,iiva, socio efT-clivo
da Academia It^al d?s Scieocias de L'sboa; ibra
mu interussante a' todo e qualquer clui.iuo ; niti-
da impressSo em p?pul superior, 2 volumen gros-
sos em 8* portuoez, cora 88 pgin:>s, por prego
rr.olico : ua ra do Ircptrador n. lo defreotede
S. Franci-iv.
jSuperior p^aoo deaigodo da Uahia.
Vende se no escriptorio d^ Antonio Luii de Oii-
veira Azeved i & C, ra da Cruz o. 7. ___
Vende-se um cofre do ferro, obra fr^nceza
porm mnilo Lo : na roa da Cadeia n. 33.
Venoe-s9 o botequim da ra do Codorniz r.
i. b'ra atregnezado ; na mesma ta^a prteisa-se Ce
um caixeiro rara taberna.
Vende-se um bonito cavallo pira ca!>rioI?t,
em Santo Amaro passaodo a fuudicao, taberna da
Jote Jacintho de Carvallio.
Retratos cm caixinhas
Para saiisfazer a numerosos pedidos de muitos dosnossos fregeezes, estamos pre-
parados para fazer retro tos neste geuero. para os quaes tambem temos agora um grande
ve ariado numero de ricas e bonitas caixinhas.
Maior vantagera
O corado de ouro rna do Cahog n.2 D, off-jre-
ce se era compra das moedas de ouro e praia.
IA
de
HUliDAS
ouro e pr ta
Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarrocae
algodao, de 10, 12, i4,16,18, 20, 22, 23, 30,35, 40 e 50, neste estabelecimento sr
encontra mais o seguinte:
Trocam se
as notas do banco do Brasil e das calas filiaes-
dom descont muito rasoavel, na praca da lnde,
oendencia n. SS.i^_____________________
Precisa-se de um feitor e jardinelro para tra
lar de um sitio : na ra do Cabog n. 3, loja de
ourives.
o que desrjarem comprar, e precos baratissimos que quizerem se preparar para os exames de
em virtude de baver em todos esies artigos grande j margo,
qusntdade, e terem sido comprados mesmo na
Europa pelo dono do ano estabelecimento, arma-
iem do vipor, ra Nova n. 7.
Moleque.
precia-e alugar nm moleqne : a iratar ne bo-
le] Pernambccaoo, ra das Crotes n. 39.
Adriano, Castro & C. fazem sciente a todos
os seos amigos e freguezes e pessoas com qoem
tem transac(5es qoe se acbam provisoriamente es-
tabelecidos a' roa do Trapiche n. 16. ^^^
Da'-se 890~a premio, com byaotbeca em
bem de raii de dobrado valor nesta cidade: a tra-
tar na ra da fmpentriz loja n. 28.
Azeite de espermaceti propria para machi-
nas de todas as qualidades.
Vapores de forca de 3 a 4 cavallos.
Serras avulsas para machinas.
Mandes e todos os mais per tences para as
mesmas.
Carros de mo para aterro.
Cylindro para padarias.
Debulhadores para milho.
Arados americanas.
Escadas de madeiras americanas.
(iarrinhos proprios para armazens.
Moiohos para refinac5es.
dem para milho.
Machinas para cortar capim.
Bombas para regar jardins.
Vaquetas para cobertas de carros,
Camas de ferro surtidas.
Bombas de Japy.
dem americanas.
Ferros a vapor para engommar.
Vassouras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de verguinhas.
Guarda comidas.
Peneiras d'arame para padarias e refinag5es.
Correntes para almanjarras.
Machados e facoes americanos.
Caixas com vidros de todos os tamannos.
Caonos de chumbo de todas as grossnras.
Folba de cobre idem idem.
dem de la to idem idem.
Folba de Flandres.
Ferro de todas as qualidades,
Arcos de ferro.
Latas com gaz.
Trens de porcelana para cosinha.
dem estanhados para dita.
Bandeijas Qnas.
BalaDcas americanas.
dem rovervaes.
Taixas de cobre.
Estanho em verguinhas.
Folbas de ferro de todas as grossoras.
Correntes de ferro sortidas.
Espingardas de todas as qualidades.|
Rewolveis de todos os modellos.
Ferramenta paraouriyes.
dem para tanoeiros.
dem para ferreiros.
fjompram-se moedas de ouro nacionaes eestran-
geiras, bem como patacSes dos diversos conbos :
em casa de Adamson, Howie & C, ra do Trapi-
che-novo n^40^^^^^^^^^^^^^^^^^^
Moedas de prata
nacienaes, assim como patacoes portogaezes e
bespaobes, compram-se com premio : na ra do
Crespo n. 16, prime andar.
Compra-se ouro e praia em obras velhas :
na praca da Independencia a 22.
Compram-se escravos
Silvino Guilherme de Barros, compra, vende e
joca effectivamente escravos de ambos os sexos
-de todas as idades : a' ra do Imperador n. 79,
erceiro andar.
12 POR CEMO.
Se paga por prata nacional e estrangeira : na
loja de ourives no arco da Gonceico no Red fe.
Compra-se
n-22.
A' 10 por cento
a prata, ua praca da Imdependencia
Moedas de ouro
Nacional e estrangeiro, assim como libras ester
linas: compram-se na ra do Crespo n. 16 primoio
andar._________________________________
JJaior pre^o
qoe em culra qualquer parte, compra se moedas
de ouro e prata : na leja de ourives, na do Cabu-
gn. 1, esqoioa da ra larga do Rosario._____
Moedas de ouro4e pn.ta
Compra-se sempre por mais do qoe em ootra
qualquer parle todas as qualidades de moedas de
euro e prata nacional e estrangeira e tambem se
trocam sedlas dos banco do Brasil e caixas filaes
de ootras provincias na rna da Cadeia do Recite
n. 58 loja de azulejo.______________________
Ouro e prata.
Moedas de ooro e prata nacionaes e eslrangeiras
de todos os valeres, se comprara na loja de ouri-
ves junto ao arco de Nossa Senhora da Conceicae,
roa da Cadeia do Recite, assim como ooro e prata
em obras velhas, brilhantes, diamantes, e se pa-
ga bem.
Compra-se papel diario
roa larga do Rosario o. 15.
a 4# a arroba : na
Ainda se compra orna preta b' a coziobeira e
engommadelra. qoe seja possaote e moca : na roa
do Raogel n. 9.
Comprase nm braco grande d balanza qoe
sirva para pesar algodao e assucar, e qoe esleja
em bom estado: a tratar na roa do Vlgario o. 31.
Moedas de ouro e prata.
Ferreira & Malneos, na rna da Cadeia do Reeife
n. 62, compram por maior preco do qoe em ootra
qoaiqaer parte.
BCHNAItDIXO JO UA SILVA
pretende vender no lira do corienle m^z a sna li-
berna na ra do Itaogel o. ".", livre desembara-
zada, o motivo de a vender por mor-r ra ; de-
clara tambem que julga mda dever, p.rem o al-
Huem se julga- >eu credor aprseme as suas cou-
lascara ser conferidas e pagas.
Recifo, 2J de dezembro de 1867.
Vende-se por preco com .-nodo, afim de se le-
vantar urna hypetheca, 12 casiohas na trve.-sa di*
Formosaa, e 2 maiores na ru' da va farrea, aquel-
las edificadas u s fondos dess, prodozinio ludas
um rendioienio raensal do 10',5 : a tralir a rui
da Praia n. 59, 3o andar.
Vcnde-se um sitio na Varzea de Una, mar-
gera do n!, com casa ae viveada, lendo duas salas
e seis quario=, asinha .m, foroo e cacimba com
tanque para binho, e mais da 20J pe de coquei-
os, mangueiras e ojueiros, a terreno pira planta-
rrjrts : a tratar no pateo do Terco o. 9, oo. em Bar*
eiros com o na vigari.i Jj:1 i Baptlata SoardS.
r Boa oacasiao
O abaixo assigoado pretendendo muito breve
retirarse par Earopa vende seu estabelecimenlo
de fazendas a dinheiro oo a prazo, a vontade do
comprador; e pede s pessoas de qaem credor,
(euhara a boolade de saldirera suas coalas al 31
de Janeiro de H68.________
Liquidacao.
Na roa da Imperatriz, armazem de fazendas n.
28, contina a mesma liqaid.'cao : em quanto nao
so vender o m9smo estabelecimento.
Corles de chia escura miudiahas, pidrSes fran-
cezes com 11 covados a 25.
Peckiacha de chita escara a 180 e a
200 rs. o covado.
Esta3 chitas de c.^res fixas, padrSes francezes,
qoe sempre se veoderam a 240 rs. o covado hoja
em liquidaco se vende a 180 e a 200 rs.
Cisma faneczas a 240 rs. o covado.
Estas cassas a qae pe'os padrSes chamara hor-
gandys, (em a vaniacem de nao desbotarem, e se
vende o covado a 240 rs.
Brim braa-o de iiouo, lino, a 1500? a
vara.
Lindas gravatiobas de seda, para fe-:ta a 240 e
320 rs.
dquidaco de chamios para candeeiros a gaz.
Chamios americanas a 240 e 320 rs., e a duzia
25500. 39 e 3J50O.
l'.-v os a 40 rs., e em duzia a 400 rs.; boeaes a
500,800 rs. e 19, e mais objectos tendentes a esta
arte.______________ _________________
kwm
Azevedo Irmao
Rna do Queimado n. 32
VENDEM
Telbados de ferro galvanismos.
Caonos de chumbo de todas as grossnras.
Bacas esiaobadas de todos os tamanbos.
Tbesonras para encrespar babados de todas as
grossnras.
Salitre refinado de Londres.
Bren e enzorre.
Zraco em folba.
Moiohos para reOoacio de todos os tamanbos.
Bridas, esporas e picadeiras de Ipojnca.
Vende-se ama easa terrea no bacco dos Co-
piares u. 19 : a tratar na rna estrella do Rosario
D. J A. ._____ __
Cera.


Vende-se cera de carnauba em saccas de moito
boa qoantidade : na rna do Queimado d. 13, t*
indar.


Harto de rcraamboc* abitado 1 de Bezembro de 1867.
i
* #
Collares Royer
0a Anadiaos elctricas magnticos
Deposito acreditado
toja da aguia branca ra do Queimado o. 8
Apregoar anda os prodigiosos effeitos dos
Collares Royer j nao ensinar ou querer
introduzir novidades, porque a fama de sua
efJQcacia tera-se tanto estendido, e os seus
felizes resaltados a tal altura elevado, que
hoje rara a pessoa que por experiencia
propria, ou por intermedio de seus amigos
e prenles, ignore ou desconhe;a as virtu-
des desses sempre apreciaseis collares
Royer.
A aguia branca porm sa gloria de concor-
rer para um to justo flm, se nao por ou-
ro modo ao menos por ter sempre, e cons-
antemente um completo soriimento desse*
colla-res magnticos, que bem se podem cha-
marsalva vidas das crangas.
Resta anda que os senhores pas de fa-
milia se fagam convencer {de que convem
nao esperar que as criangas sejam atacadas
do mal, e por isso necessario ou conve-
niente que com antecedencia se deite na
criaoga um desses collares para assim estar
ella preservada das conv ilgoes e se contar
livro dos rigores da denticao.
A agua branca ra do Queimado n. 8
contina a receber por todos os vapores
francezes a quantidade que ba contratado e
por isso acha-se ella sempre provida dos ver-
daderos collares Royer eletricos magn-
ticos.
A Agaia Branc-* a ra do QncS-
niado u. 8.
Incontestavelraenta na loja da Aguia Branca
onde os apreciadores do oom podem nHhorioente
prover-se daquelles objeclos de gosto. E-sa verda-
de ja por lanos e lanas vezes recuni-:clda ainda
agora se faz confirmar cora a ola dos preciosos
objeclos de gosto e V3lor que a aguia tem a salis-
fago de patentear e por a disposicib de quera os
deseje e possa comprar. Ella priocipiara pelas ri-
cas canas com msica e sem ella, para costura,
fisgas ca xas por sua* perfeigoos, gostos e rique-
zas, se lornam recommendaveis para algara im
portante present?, ou mesmo para quera tenha gos-
lo de poftsoir orna bella obra, porque do certo sao
ellas as de raaior valor que se encentrara em Per-
nambueo, lento ama que sobresahe a todas as oo-
tras. Alera deltas ba ootras de pregos menores, as-
sim como tambera ha benitas caixinhas vazias de
madein, envernisadas e marcbelad-as, cora (echa-
dura- e cnave, para costura.
Em Icijiies o que se norte eneotilrar de tnclor,
sendo:
Todo de madreperola, bordados, [obra de gosto e
valor.
Oatros de madreperla e seda, bonito? desenlio?.
Ouirosrte madrepe-ola com birdadns coloridos,
obras de muito gosto, o giralmenta apreciadas.
Uniros lodos do sndalo.
Cairos de sndalo e seda cora bellos deseunos.
O.nros todos preto? para luto.
Oatros pretos com deseabas roxo?, proprios pa-
ra senhoras vmvas.
Oatros de saodalo e f.iia,formando qaalro vistas.
Oulros de sndalo o sndalo e seda, para ate-
nto->s.
Ootrns da madelra e papel, obra barata.
Guarnicocs de lilas, ditas de bonitas c modernas
trancas para vestidos
A Aguia Branca receben novaroente um bello
soriimento aquellas apreciadas guarnicocs de fi-
las; assim coico oulras de liadas e mod.mas tran-
cas. Os apreciadores rio bem comparecam na loja
da Aenia Branca a na do Queimado n. 8.
Finis&iinas metas de lio de Escossia para enancas.
Vendem-se na ra do Queimado loja da Aguia
lir oca n. 8, onde tambera ha cutras muilas de al-
godo para criangas de 3 a 12 mezas,
iliti fiaas lavas de Ib de Escossia e seda, para hc-
mens e senhoras.
A Agni3 Brinca a rua do Queimado n. 8, reeo-
teu um bo!) sortimento de Coas lavas de Do de Es-
cos.-ia eseua. brancas e de core.-, bordadas e lisas,
lano para horneas como para senhoras ; quem as
pretenier e dirijr-se a dita loja Aguia Branca,
ooDbeeera que em tal genero nao se eucnntra me
llur, o lalvez era mesmo igual em alguma outra
parle.
Iktiuifei brsacos ou trauciulias papa-aa.
A Agoia Branca acaba da receber um novo e
bello soriimeito dessas to procuradas traocinhas
papa-fina, cora diversos e agradavels moldes, e co-
mo sempre a Aguia Branca a rua do Queimado n.
8 continua a vender barato.
Golliauas c puuhos, manguitos e goliiultas, obras
modernas c de goslo.
A Agna Branca acna-se receolemenle provida
do bonitas guliiotias e paohos bordados, maognitos
e golliohas tamb^m bordad, s, e lulo do melhor
gost) e ultima moda, tendo as golliobas e punhos
tuoitos, ja enfeilados cora litas eutiadas, e algumas
pequeas para meninas. Os preces ape:ar de cem-
niodos variara cora as dilTerentes qualidados das
obras. Os pretendentes comparecam na loja da
Agnia Branca a rua do Queimado u. 8 que serio
servidos a contento.
Entreactos bordados cm pecas grandes.
A Aguia Branca a roa do Queimado n. 8 est
vondendo bonitos enlremeios bordados tm pegas
eran les de 12 liras, e pelo baraiissimo prego de
2JS00 cada pega. A grande extraccao- que elles
taiD iiJ.j conlirrnam os diversos fins para que ser-
vera, as-im pclsconvm que a boa (rtguezia da
Aguia Branca aprovelie essa boa e barala fazeoda.
Oiiegram tambem
os novoa coques que moito teem agradado pMos
sens bellos deseuhos, e perfeita execugao d'obra.
Assim como igualmeote chegaram bonitos port-
bouquets dourauos com cabos de madreperola.
A Aguia Branca, a' rua do Queima-
do n. 8, vende ;
Fitas para faenas de juizes de paz, delegados e
subdelegados.
Ditas para cavalleiros da Rosa, Cbristo e Cru-
zeiro.
LT1VAS NOVAS
A Aguia Branca a rua do Queimado n.
8 recebeu d'aquella* bonitas luvas de pelli-
ca enfeitadas, e j bem connecidas.por luvas
a duqueza. _____
GO
_

Grande novidade para*
-fesfa
rna do Crespo n. 9 A, esquaa da rua do Imperador
Acaba de chegar pelo vapor Gtiicnti, ora variadissimo sortiraenlo de fazeod2S qne dizam os
nossos correspondentes qne foram as meihores, as de mais gostos e novidades que encontraram em
Pariz, e por isso muito recommeudamos a apreciago do re3peilavel publico, os seguales arligos que
s encontraro na loja do l'asso.
MUITAS PA2EjtDAS





NA
LOJA E ARMAZEM
no



lisa da Isperatrii n.
BE
GRANDE BAZAR
rua Nova n. 20 e 22
Machinas para costura do autor Wbeele-
& Wilson, ebegadas ltimamente da Ame-
rica; oas quaes pode cozer-se com dom
pespontos, toda e qualquer fazenda, emba
inbar, frangir, bordar e marcar roupa; tudt
com perfeigSo. Sao tio simples, que cob-
prebende-se fcilmente a maneira do traba*
lho e a pessoa tendo pratica de coser em ?
rbinas, pode fazer por da o ser vico que IV
ciam 30 costoreiras.
Cbama-se este estabelecimento a atteii-
c3o do poblicc, visto que elle se acba com-
pletamente sortido de objectos de gostt,
como bem leques de madreperola e de sn-
dalo, fivelas, utas para cinto, cokes perfp
maria e etc,
Na rua nova n. 20 e 22. Garnero Viac
H4C.
Riqusimos corles da seda de cores, com lindos
mal tes completamente novidade.
Lindissiraos vestidos de cambraia branca bordados
com gosto.
Ricos basqures, primorosamente bordados, e ulti-
ma moda era Pariz.
Riquissimas chapelioas de seda, palha a imitaco
e enfeitadas com muito goslo.
Coques para senhoras, sendo estes de ultima moda
ero Pariz.
Llndissimas gravatinhas para senhrras.
: Lindos colares e voltas de vi Irbo o sed3, ultima
I moda e inteira novidade.
i Ccllarinho?, ponbas e gravatinhas de Chany, cm-
| lela novidade.
Riqaissimos leques de marflm todos abertos e de
nliimo gosto em Pariz ; assim como de sndalo
madreperola.
Riqaissimos vestimentas de cambralas (riraorosa-
mente bordados, com todos os pertences para
creangas se baptlsar.
Ricos vestuarios de cores, todos completos para
meninos de 2 a 4 annos.
Mantas de blonda para noivas.
Uoiriaoiique, grosdeaaple e sedas preta, branca
e de cores.
Riqoissimos cintos, nltima moda.
Bieos enfeites para senhoras e meninas.
Liodissimas cbapelinas de seda e da palha para
menina?.
Riqcissimos cortes de fantasa para vestidos de se-
bora.
Lindos corles de lia para vestido, novidade.
Chapeos de castor a canotier, ultima meda para a
rapasiada em P.triz.
Grande deposito de luvas de Jonvin recebe-se por
lodos es vapores grande soriimento.
Casemiras, carobraias, la?, mnssenas, precalia;, chitas e urna lufiuidsde de objectos que
deixamos de mencionar por se tornar magante.
Islo s na loja do Passo rua do Crespo n. 7 esquina da do Imperador.

11Rua do Queimado11
Tendo os donos de-te grande estabelecimento resolvido liquidar a maior parle das
suas fazendas resolveram veDder com grandes ahaiimentos em pregos, assim como teem
recebido ltimamente urna grande porgo de fazendas novas tanto inglezas como fiancezas,
alemas e suissas, teem destinado venderem-nas mus barato que em outra qualguer parle
afim de apurarem dinheiro, dando de todas ellas, amostras deixando ficar pt-nbor, oo
mandatn-nas levsr em casa das exeellentissimas familias pelos s -us caxeiros ; assim como
as pessoas que negociam era pequea escalla, ceste estabelecimento compraran pelos mes-
mos pregos que compravam as casas inglezas ;'ganhando-se apenas o descont.
Tiras bordadas e Babitoiios I Ilalocs a 2$, 33oo e U
Qaem quizer fazer boa compra de tiras Venderr.-se um grande sortimento de cri-
bordadas ou babadinbos, achara um grande nolnas oubaloes de arcos parasenhora pelos
baratos pregos de 2$, 2?uoo e 35 por haver
grande porgan, na loja e armazcm do Pa-
vo, rua da Impcrati iz n. 6o, do Gama &
siassas a ae r*. s o pavao.
Vendem-se bonitas cansas inglezas de co-
res flxas pelo harato prego de 2i rs, o co-
sortimento para escolher e por (reg muito
raais barato do que em outra qualquer parte,
na loja e armazero do Pav3o, rua da Impe-
ratrz n Go, de Gama & Silva.
Fazeadas para lisio na Soja do-
Pavao
Vende-se setira da China com 6 palmos de vado, ditas francezas fazeoda muito fina com
largura proprio para vestidos a 2;5 o covado, padtoes lislrados e de llores, assim como com
laazinhas.pretaslisas, alpacas com lislra hrati- palminas miudas proprias para meninos a
ca a l^o covado, cassas brancas com listras 3oo rs. o covado ou a Soo rs. a vara : pe-
pretas a 5oo rs. a vaia, ditas pretas lisas e chincha na leja e armazcm do Pavo rua da
com salpico* vara a 56o rs. ditas francezas Imperatriz n. 6o de Gama 4 Silva.
com listras e ramagens \ara a 8oors., me- Cortes ds a|>nea a sete patacas,
ri preto, alpacas e princezas, mais barato1 Venden se cortes de alpaca escora par; vest
doqueem outra qualquer parte, na kia do d"s p,el ^ratissimo preqa de 2&iO o eorte,
PavSn rna .li Imnrir7 n Ca Aa r L a pr8?B P<-chincba na loja e aronzem do Pavaorua
r6\do, rua a impetatriz n. Oo, do Urna & da imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
bllva- ^ Hoire-aaSEttne.
PALITO'S DE PANNO A 6.? Vende-se superier moire-aDtiqoe de. eCr. com
Vendera-se palitos de panno preio saceos a|.-uni l(iue d,; moto.por preco moito baraio, para
6,5, ditos sobrecasacos a lo3, caigas de ca- S?^^ D/ Lp,,a d0 1>avorna da luit'era"'il u- *>6,
a
setnira
preta a Gsl e 7 Este estabelecimento acaba de receber e vende por coramodo;.prego as seguintes 9e o$, fltiissimossobrccasacfsdepiiinoa
fazendas finas:
Vestidos de b.ond para noiva com manta e capclla.
Ricos vestidos de tambraia branca bordadas i que ha de melhor.
Cortinados bordados e admascados para camas de 2o3 a 8oj).
Ditos bordados e admascados para janellas df 9?a 2o5.
Colxas de seda e liia e seda para cania de noivas.
Basquinas modernas de muito gosto de 2n$ a 5o?.
Toalhinhas de croch para cadeiras e sofs, e coisas de croch para cama?.
Chapelinas de crep branco, e chapeos de palha da Italia para senhora.
Moir branco e preto, grosdenaple preto e de tedas as cores para vestidos.
Camisas para hornera francezas c inglezas de linho, e de algodo.
Gnardapisa de crinofine para fazer mais elegantes os t stidos de la e de seda
a 32o rs. a vara.
Superiores saias bordadas de linho, camisas e camisinhas bordadas e Icngl de
cambraia bordada para senhoras, ricas toalhas bordadas com'muito gosto, e lindos ves-
tuarios para baptizados com o re.-pec:;\.. cnxoval.
Las com listras de seda de varias cores a qne ba de melhor.
Chapeos brancos de castor, c ricos chapeos do so! Dglczcs para bomem.
Malas de diversos tamanhos para viauens.
Panos finos c casen iras pretas e decores c oulras muitas fazendas que se vec-
deai baraiissi-mo.
Este estabelecimento contina a receber as meihores.
Esieiras e alcatifas para salas,
11Kna do
N. 64-----Eua da ImperatrizN. 64.
Kova loja Je miadezas e arligos de madas
DE
SILVA & NEVES.
..

Os proprietarios deste novo csisbelecmer.lj c-fferecem so respeitavel &M.
M t P"^''co ^esta Dci'a cidade, e do interior ura lindo e escolhidosoriimento de ^'
^y miudezas e arligos de modas, concorrendo para isto o terem na Eurooa, pes-
: ? soas habilitadas a executarem suas encommeadas no que houver de mais no-
: vidade e gosto, e garantem vender pelos pregos mais rasoaveis do que em
IS oulra l3ual(l,)er Parte apar de maneiras delicadas e sinceras.
jmsj, Acabam de receber pelo vapor fiancez Guienne, os seguintes bellos
-' ',j artigos de moda e fantasa.
;:'::

O...;


Luvas de Jouvin para senhoras e homens, de todas as cores.
Livros para missa com capas de madreperola etc.
Indispensaveis ebolgas de to as asqualidades.
Coques os mais modernos.
Espartilhos collares, e cintos de seda e vidrilho.
Rendas de Guipure, de seda, (blonds) e de a!god5o, de todas as
qualidades.
Completo sortimento de trangas, fitas, botocs e guarniges de seda
com vidrilho e sem elle, gravatinhas de seda, e maaguiios de lustro bordados |

^*'r*'
;;:
-M


*':

tudo do ultimo gosto de Pari
Leques de sndalo aberto do mais apurado trabalho
Agua Florida e tnico oriental de Laman & Kemps.
Ricos enfeites e guarniges de flores para vestido e cabega.
Calcado para senhoras e meninas.
Perfumaras as meihores e mais escolhidas de Lubm, Piver, o Cou- '$*'.
W$ dray' em ricos e ele8anles vasos de porcellan3, crystal e prata ingleza. Si^
^^ Meias de algodao, as mais finas e meihores que teem at boje vindo Ss*
%M ao mercado, para senhoras e homens. $>^
fv~ Chapos de palha da Italia, e a imitago para meninas. W&
i*:'^ E um sem numero de artigo, de gosto e fantazia que s a vista ?;-
@K podem ser apreciado. )^#
NOVO DEPOSITO
DE
MACHINAS
Pn DESCAROCAR ALGODAO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
53Rna DlreUan.53
Neste estabelecimento se encontrarlo a
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima-
mente, as quaes sao feitas pelo mais afamado fa-
bricante da America, por Uso avisa a todas as pes-
soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
estabelecimento que comprarlo das mais perfeitas
neste genero, assim como mais barato do que em
outra qualquer parte, por isso que se recebe por
conta propria, bem como cannos de chumbo e moi-
nhos para moer mtlbo, e grande sortimento de fer-
ragens e miudezas em grosso e a retalho.
Facas de cabo branco de meio balaceo a <4
a duzia, limas finas de todos os tamanhos proprias
de trabalho de escultura.
2o?5 e 25$, caigas de casimira de cor a 7-5 e
8$, um grande sortimento de coleles de toda
a qualida e c oulras niui as qualidades de
roupas qu1 se vendem mais barato do que
era outra qualquer parte, na loja e armrzem
do Pavo, tua da Imperatriz n. 6o, de Ga-
ma & Silva.
As salas a I*avilo a 3 Veude-se urna grande poreao das Ciis bonitas
saias brancas cu lidas barras bordadas de co-
re?, terulo 4 pantirs cada orna, cedo fazeoda in-
teiraraeoto moderna, pelo barato preco de 3>50
carta una feudo fizeuda que Stmpn) ft) vvndeu
oor euIo m*is dinheiro; na I,ja o aimazem d
Pavo, na rua da imperatriz u. 00, de Gama &
CaSAQUINHOS DO PAVAOA 180, 2o
25(51 E 30(5
CIeo;aram o mais modernos casaquinhos
ou jaquetas df grs preto, ricamente enfei-
tadas sendo uns com cintura e outros soltos
conformo se nsa ltimamente e vendem-se
pelos baratos pregos de 185, 2o, 2^ e 3o,
na loja e armazcm do Pav5o, rua da Impe-
ratriz n. Go, de Gama & Silva.
Cain-slobas a ilp.
Vendem se as mais modernas camisinbas com
manguitas lano bordado^ cuir.o de precoinhas coro
eleeaote* i ouhos e- buuia.-, abot aderas pelo bara-
to prego de '.'i 00 ; na luja p aim*tem do Pavo,
rua da Imperatiiz n. GO, de Gama & Silva.
Pichincha cm casimiras"^ 1^600 s c
Pavo.
Vene-=e u-^a gradde porcao de casimiras supe-
riores eofe.-ia'ia;. si n 11 escaras e alegres proprias
para calcas, poletot,coletes eroopas para mini-
nos rco bar'.s-ioio preco de lb'JO o covado ou
a 2R00 o corte de caiga, graiide pechineha na
loja e armaiem do Pavao : ruada Imprairiz o. 60,
de Gama & Silva.
alpaca luoiistro eom 5 palmos a 280-
S o Pavao.
Vende-se alpacas de qnadros sendo padrO-s es-
coros propri >s para vestidos leudo 5 palmos de
largura que faciu f.i?er-se uro vestid j al com
R c. vados pelo barato preco de 580 rs. o ccado,
garantiado-se qae i fazenda que val muito mal*
iohelrn, portanto pechineha : n loja e arma-
em do Pavao rua da Imperatriz n CO, de Gama
& S'lva.
Poopelinas para a festa a 320 rs. o covado.
VenJe-se nina grande p .rco das mais bonitas
poopelinas tr.n-parentcs com palmlohas bordadas
a la oa qnadnuhos a imilla) de o de seda, pro-
i-rias para vestidos pelo uaratissimo preco de nina
pataca o covado, grande pech;ucha : na loja e
armazem do Pavo rua da Imperatriz n. CO, de
Gama 4 Silva.
CORTES DE SEDA,
a 280O res oa loja do Pavo.
Chegarain os mais modernos cortes de sedL de
cor com elegantes dcs=nhos claros e escuros, Ten-
do muita fazenda para ora vestido e vendera-st
pelo barato preco de 28&000 res, per estarmos
muito prximos da fasta, isto na loja do Pave,
roa da Impeairiz n. CO, de Gama & Silva.
liertaoha de linho
Com 30 jardas a I2000 res.
S o Pavao.
Vendem-se pegas de superior bertanba de llnbc
puro, tendo 3>) jardas no 23 varas cada pessa pele
baraussimo preco de 12JSHO0 res, sendo esta fa-
zenda propria para lences, camisas, toalbas. etc.
isto na loja do Pavo, rua da Imperatriz u. CO, de
Gama & Silva.
Bramante de linho.
Com 20 jardas a $$ 00 res.
Vende se soperlores pecas de bramante de linhc
nroprio para lences, tualhas, carnizas, etc. tendo
20 jardas cada pessa pelo barato prego de 8G00
res, na loja e armazem do Pavo, rua da Impera-
triz n. 60, de Gama de Silva.
SAlAs ECONMICAS.
a 2,"00 res.
Vende-se orna grande porc" com bonitas barras pelo baratissimo preco de
2,3300 res, oa lija e armazem do Pavo ; roa da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
PNHOS COM GOLINilAS.
a 1O0O res.
Vende-se ama grande porco de pacbos com
gohnbas de esgulo de linho, com os mais lindo.-
bordados pelo barato prego de l000 o terno, di-
tos bordados de cor a 6iO rei', sendo grande pe
chincha pelo prego, oa rua da Imperatriz o. 60 de
Gama & Silva.
POIL DE CHEVRE.
a SCO e 800 reis.
Vendem se as mais bonitas lansiabas com listas
de seda, inmoladas poil de cbvre pelo baratissi-
mo prego de 360 reis o covado, ditas com as lis-
ias mathisadas a 800 res, assim com um grao-
de sortimento das mais bonitas e moderoas laosi-
obas qne se vendem pelos pregos de 280, 400,
500 e 560 reis, bonitas alpacas de seda de oms
s cor a 640 e 800 res, isto na loja do Pavo,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Baldes esguios.
a 24300.
Cbegaram os mais modernos balSes esgnios sen-
do verdadeiramete americanos e vendem-se pelo
barato prego de 2S300, na b ja do Pavo roa (tas
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Pcchlacha
Cortes de cassa a M.
Cortes deorgandis a 3;Joo
S o Pavao.
Vendem-se corles de cassa cada um em sea pa-
pel sendo padrees novos, miodos e grandes a 35,
ditos de organdis com listas de cor e todos bran-
cos pelo baratissimo prego de 34500 : s na loja e
armazem do Pavo roa da Imperatriz o. 60, de
Gama & Silva.
de G..ina & Silva.
kj-UMj.i
Em corles de la
Vcnem-se superiores erVies de 15a matiradn
com lo c( vados, pelo barato preco de 4 o rrl ',
isto na Inja e armara do pava,, la a Ijjpera-
liU u. 60, de jama & Silva.
Presos vanajosos
tas miudezas da grande cstbc!eci-
meato tic Snza So;t es A. |t*mat>.
Rea Hava h. i8.
Vcsdeo cus froasi e a retalho.
. res, libras Svrtius
malslnftr.'cr a '.",""'
Linhas O'ivi!: -,
)ua em i
a d ':.
D la branca 50 nov-Jo; a ;"
Dita i- ra marc r, ci isas di! 16 dil-s a 2irs.
Dita bracea em ditas de Id ditos grandes a 5(i:!.
Dita m d lOD ardas i 'O i =. : do;ta-
Dita em rr s d 00 j ird s a i*.- O a
Dita pmcarto??, branca epreti,a (-0 r=.;
1! zetas c cores lu ca:xa? do duzia, a !30J a
dita.
Grampas com cabega de vidro a ICO rs. a dita.
Agnlheircs pintados a 2iO rs. a duzia.
U' loes de moedinhas deuradas e prateadas, [ara
punh .-, a 13900 a duia de- '-'res.
D.Us de maJreperola, p u ctols:, a 503 rs. a
gr. n.
I : s de osso, para caiga, a 210 rs. a dita.
Oixiobas coia sol alus de rt.umho a 120 rs.
R*pelaos do moldara deura \ >. Ii00 a duzia.
]' i.tv.s dj laoj d-urii-J.', (.ir. i'.i {~> r.-. a
dozu.
1 de lagos liso?, para coco, r. uy,'/:i) a duzia.
Das d lurad.s, com D X) a duzia.
Dil >s dbufa ,i iull boos -. a i'.' 3
;j a dita.
Dcdaes amarlos e praleado?, Cnos, a 210 a
dita.
Clcheles em caixinhas a CO rs. a dita.
Ditos em cartOes a (OO, e 900 rs. a din.
Pegas de lita para coz, larga, com 10 varas, a
EOO rs. |/ci;i.
Filas de s la n. I y2, pegas cem 8 varas, a 260
rs. a dii;:.
C dago branco para croalas a 560 rs. a duzu
de pegas.
Las de todas as cores, para bordar, a C^uOO a
libra.
: horos de cora, em caisinha?, a 300 rs. a
duzia.
Ditjs de pan enceradlo, sem ebeiro, a 300 rs. a
duzia de calimbas.
Dili-s do cera, em caixas grandes do I a
IJiO a duzi3.
Carliibas d.i Doatrina Chri-'.aa a 320 rs.
brelas de colla, em caizinbas, a'3-'J o 500 r-.
Sabonetes liaos a 800 e 1,5 a duzia.
Facas e garpbos cabo de osso, lazenda boa, a
2Sii0 a duzia.
Ab.maluras finas para coletcs, cintos com five-
las de crystal, e multas entras qualidades, pulcci-
ra- de coblas, p?nts com pedr.-.". para coques, en-
feites para cabega, uro completo sortimento de per-
fumaras de todas as qualidades, colarlnbos, can-
deeiros a g..z, ferrageos de todas as qualidades etc.
etc. ; a rua Y va n. 29.
VENDE-SE
Motores americanos para dous cava!!-;?.
Dito dito para quatro cavados.
Machinas para descarogar algodo do li, 16.
18,20 30, 35 e 40 serras.
Prengas para enfardar algodo fazendo os sac-
eos com 6 palmos de comprimenio com o peso de
150 e 200 libras, vindas ltimamente da Ameria
oo armazem de Ifenry Forster & C, no cata P
dro II n. 2 junto ao Gabinete Portuguez.
Acaba de sabir a luz
B acha-se venda na livrara fraaceza
roadofirespsn.O
O SEGUNDO AXNO
DO
MEMORIAL riHUlDDClM
OD
MEMENTO DIARIO
PARA
1808
COXTEKDO
Scia follia cm brauco para cada dia
do anuo
O calendarlo do presente anno, sigoaes do tele-
grapho do Recife, a augostissima casa imperial,
corpo consnlar estrangeiro, associago Commer-
cial BeneQcente, tribunal do eoojmercio de Per-
namnuco, juizo especial do commerc'lo, juma de
corretores, bneos, ser vico do crrelo, estrada de
ferro do Recife ao S. Francisco, buhas reguhres
de navegago a vapor, lionas regulares de nave-
gago por navios de vela do Havre a Pernambuco,
vapor de reboque, sello proporcional, tabella dos
emolumentos dos tribunaes do commercio, reg-
lamento sebrn incendios, systema metnco decimal,
taboa de cambio entre a Inglaterra e o Brasil,
quadro dos divisores, qoadro do anno civil, reduc-
co de pesos e medidas brasileiras com as de di-
versos paizis.
Um bonito volu Me cacadernado
pelo mdico preco de 9.
Pechincha
Na loja de calgado do sobrado amarello da roa
da Croz n. Si vende a dinheiro a vista superiores
borzegaios enfeitadas e lisos para senhoras, meni-
nas mentos, pelo barato prego de 1AS00, i}, 3,
loja b'O, de Gan-a i Silva,
Modernas poo.eliDas c>m palminhas
bordadse quadros, covado a. .
Moderoisimas liaziobas com pal-
mas, salpicos, quadrrs, listas, etc.
ele, evado, a 4C0, 00 e........
Lindas las c jm linas de seda, co-
rVado,a 560 e....................
Verdadeiro puil de Chrvreccm linas
modernas, covado, a 800, i& e....
rinisimas musscnas decires, co-
vado, a.........................
Bonitas sidas de cms cim 4 pa!m
de largura, covadu.a.............
Grosd te etc,cuvado,a.l............
Modernas cassas c.jh Ijsus largas,
vara, a 610, 72), 8C0 e....... ...
Modernissiroos org>ndys de (6r, v, r.,
Organdy |rgi., com lista e quadros,
v:ra, i........................
Corles de orgaedy com liflas I ran-
eas e de cote, undo 8 raras a a
crie a.........................
Lminhas de urna s eflr mathisadas
Cuvado a.......................
Cortes de camLrala tranca bardada,
sendo ueste pfnero oma:s rici que
tem vrBdoao mercado..........
OcniliB cortes do sedas cors ciaras
B.'mii.s coriei de [haiiiana *.......
CoiUs de organdys listados coa 10
vara a.......................
Fil branco borduoo, sendo de m'ia
(largura, via, a.................
Bonita fazen-ia branca pna nhs,
lend tngas de uro lado o n ru-
Lira bc-ri; a, vara a '* 11 l (1
Ricas safas bordadas a 6a000, f j e
Cassas de urna so tr di- llores, c iva-
do a..........................
Oitas fraooi ras nuil finas, secdu do
listas e O.ies, vara 00 r^. e c -
vr.di '........................
Modi-rur-s ponbos c. m g, Iml.as, frn-
do de esguiao delicbo, bordad.s,
brancos e de cores a.............
Moderms rangoitos e-ta gollltbas a
Ricos cr-rpi&hoa de cambraia mr.ito
_ bim rnfetades e bordados a I If'^OOO
Saias ecoD'micas e escutas, para
q'"-ni fr [ as-ar a ft-sia fot a a.... !S00
Papa peito/al
Vende se a vordadeira tu n ra i d ar reta i 0-1
rs. a libra escente d? coeotro a 100 rs. a :'-<
a : na rua Direiia o. 8.
Eival sem gef/undo-
Ka t!o Qnci ... *:'
Ber acabar c.\m asfazeudas aUairc
mei -s.
Qi li n iir vai o que c knnj e fc?rallcs?E8i
abyrmtbo com bico, fazen-
400
m
800
I2KI
Cf
2CtO
i00
IJOOO
UOOO
i;
V o

OCIO
ecoo
CiG
tif.C-0
; -.
240
300
I5T00
roaIhas de
da boa a
Car retis de lictia rom ICojardasa .
Sr : les Gi.ss a
Cma; d i : ;
entladores para esnartilbo de cordi
lita ............, .
Catreinsde ., i 4.1 r-
................
: Di os i:: I lo Cn"s ".;.:-. .
-. .
..... ...
rr ....
as a............
.. ,' ....,,, g. .
.
Car loes de liaba branca e de ('.--'. .
i ai .. ; reta supeni; ;, .
zas para tato, azenoa boa, a .
Varas de frDj brai; de linbo
t'.aia a...........
i'iizaa le pal lo !.. ao f-.....
Caizas de lii do sesuram; .
ch ifre a........".....
: leles di II ......
Cartilha de doatrina rhnsia a .
Quadrrnos de {<:;' I 11 ;,.> superii r a .
...'. r .
I...... no su
CnX'-s a ri do .....
Catxas :', ;':- -, : i s Je vellreha r,
600 vi : :
Riisitkis de p.tpel al : r .
Resmas de papel i qu li-
dada...............
is do meiis para hornera.....
Dnziasde meias cruas moito superiores .
- #

31'
Bcn

:-.
a
120
*o
I
blv
|f
U
i
. I
, t*
li
ICC

es.
rival sea m \
doQaeii : i o 41 -.
' : :i
DE
Jos Bigdinho.
Varas de babjdo bordado do Pon > a .
Carri teiste retroz rr^t c 1 0!tava9
Parril-'is a i>; 1 di 1 ase -i .
Fn eos d'aguadeCol -.,_
Frascos de o 1 a moito C--.o a......
Duzia de tosouras p quenas ,1.....
I'rascoa d'ag 1 1 ira ;;.. ir .:.. .1 .
Redes pretas lisas p; ra ....
muil B i! .1 .
Caixa de licita do gaz de 50 novellos a .
dem do palitos de seguranga a .
Garrafas de gua Florida Vc-rdadeira .
ayiiabarios ci 1 estai meE nos :
Ucni coto da roupa de lavara.....
!uzia.s di-rseiasllras [..ra senhoraa .
Agolhas francezas a balao (papel) a .
Pegas ; li :- de la da todas as c
Giozas Jo botoesde porcelana prale; dos a
Caitas com aiQneites Irancezes a .
Caizas de iOo envelopcs muito linos a .
Resma de papel do pso branco liso a .
Frasco com "superior tiD'a a.....
Pares de botoes de panno muito tootlos
Lianas em carlo do 200 jardas a .
Caixa da superior lnba do gaz com 50
nnve-los .............
Talberes para meninas a.......
Masso com superiores graspos a .
Bonets para meninos a .......
Pentes com costa ce metal a......
Realejos para mecios a.......
I

. !
-

B
s
PO
V.
.
...
4*0*5
Hj
"OC
m
8e
60:
i 9
'.-.
iOO
Itt
IV
3"'
.r.iKK
40f
toe
Cola superior
Vende-se no esrriptorlo de '.ntorio Lnlz do Oli-
veira Atevedo & C, rua da Cruz n. 37^___________
ealdade
Este estabelecimento a rna di Imperstr z n 70,
recebe de sua conta por todos os paquetes fr>oce-
zes diversos cljectos da ultima n oda de Pariz,
como seja nooiius coques lisos e. enfeilados, Btas
de ssrja, ditas de seda lisas e l rJJ..s de todas
as larguras e de superior qualidade, lindos sapa-
tos de merino, de casen,ira e las, toncas de laa,
muito bonitos cbapelliohos, babadiobos e ntre-
melos rom lindos bordados, pravatas do seda pre-
ta e de cores para bomem o seobjras ; as verda-
deras luvas de Joovin brancas e de cores multo
bcoitas, carleiras de diversos fetics e tamanhos,
ninas de moiio boa qualidade, para bomem, se-
nhoras e meninos, ora lindo sortimento de bicos,
espartilhos, toocadores de jacataeda' de diversos
tamanhos, fius de veludo, irangas preas e de co-
res, lindos enfeites para vestidos, cintos de diver-
sas qualidades muito bonitos, albous, abotoaduras
piira colletes, la para bordar de superior quali-
dade, urna infloidade de bonitos brinquedos para
criangas, as meihores perfumarlas de Lubim, Piver
e Couoral jociedade Hygeoica, imroencidade do
objectos que delio de mencionar para ni se tor-
nar massanle, tudo por pregos multo cou-modos.
"Ultima mo Bellos cbapeosiobos de aparado gosto para se-
nhoras faite* au capricho de orna das primeiras
modistas de Pars, e cnegados ao armazem do vapor
roa Nova n. 7.
Vinlio fino eDgarrafado.
Vende-se por mdico prrgo vicho do Porto de
moi excellente qualidade, em caixas de doze gar-
rafas : uo armazem de David Tavarcs Bailar, roa
do Brum o. 66.


Blarlo de Pcrnaiaftuee *abl>ado 1 de Dezembro de 1867.
PAM A FESTA.
DO
DR. SEVIAL,.
Para o tratamento e cara rpida e completa das molestia syphiliticas, eris 9-0
as, rheumatismo, bobas, gota, debilidade do estomago, infiammaces chrooicas do flgad
baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras cbronicas, hydropesias, pleuri-
uas, gonorrheas chronicas e em ge al todas as molestias ein que se tenha em vista a pu-
rificacao do systema sanguneo.
Considera c5es ge raes
A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao ens
(ermo o avalia-lo.
incontestavel que o hornera neste mundo constantemente, e por todos oslador
itacado por urna infinidade de agentes morbficos que todos tendero, dadas certas e deter-
Lourenco Pereira Mend.8 Gumaraes, lendo de dar balanco em suas lojas de fa-
zenda no fim do anno e tendo muita fazenda cm ser, por isso resolveu fazer urna gran-
de Iiquidac2o, que ter principio no da 1 at o fim do mez, as lojas e armazens da
Arara, ra da Imperatriz n. 56 e 72.
Pechiatha rin chitas a ICO rs. CorUs di laisinhas a i;>, ,$300 e :-VD0O
Vende-se chitas para vestidos a 460 e Vehde-se cortes de laasinb s de cores
200 rs. o covado, cassas rancezas, a 24U para yestdos com 1 i covados a 4 e 5#.
280 e 5120 rs. o covado. Alpacas de listas de seda a 800 rs. o covado.
S na Arara, eambmas a 25 e corle. Vende-se alpacas de lista de seda para
Venc"e-se cortes de cambraias de barras vestidos a 8oo, 52o, 5Co e ioo rs. o cova-
e listas a 2J, 2,500 e 33. cortes de cam-'do, oFgands branco e muito fino a 13, a
braia bordados a 3300, i,jl. e 53. vara.
Mui'snliiias de cores a iOJ rs. o corado. | Lesionas para vestidos a 200 r. o corado.
Vende-se or.ihantinas e mussulinas de Vende-se laSsinbas para vestidos de se-
oinadas circunstancias, a alterar o regular exercicio das funeces orgnicas, resultanbo cores para ve.-lidos de senliora a 500 rs. o nhoras oo, 2io, 3?o, e 4oo rs. o covado,
pessa desequilibrio o que se chamamolestia. i00?0- ... barege de listas a'2o rs. o covado, mos-
A molestia nao mais de que a desvirtuado das torcas vitaes, occasionada,- d, Mita murcias lanas a 240 rs. o corado. Sambique,com pilmas e listas de seda para
fundo as investigacoes e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depm- \ Vende-se chitas francezas largas a 240, vesidos a 28o rs. o covado.
Organdis de quadro de cores a 320 rs.
Vente-se- orgaudis de quadros de cores
paravestidos a 320, 360 e40O rs. o covado.
Las linas de lista a 500 rs.
vestidos a 400, e 500 rs. o covado.
Madapolo do Arara a 4$
. Vende-se pee s de madapolo fino e largo
a 43, 3,0, 63, 73 84 e 103, a peca algo
dosinho em pecas encorpado a 43, 33O00
t3500 73 e 83 a peca.
*ac3o dos humores geraes, consequencia da acelo maligna desses mesmos agentes mora e 280. 30, e 3C0 rs. o covado, percalas li
Seos intreduzdos no organismo pelo acto da respirado, pela va digestiva, pelo contacto nfls a 400 e 5i0 rs.
inmediato etc. etc. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partilha da humanidade, e como fra de duvi-
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades. e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo
onstituicoes robuslas, produzindo mutilares, e cortando ainda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios, e purificar a raassa geral dos
tumores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati-
'os figurara em primeiro lugar para preencher esse desileratum ou fim.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
inmensos successos obtidos pelo uso deste salutar agen'e tanto na Allemanha. como em
Franca e Italia, o tornam o companheiro inseparavel de quasi todos os doentes.
Sendo as melestias, como cima dissemos, devidas s alteracoes dos humores, o
Elixir depurativo do Dr. Sevial pode serempregado vantajosamenle na syphilis, erisy-
pas, rheumatismos, bobas, gota, debilidade do estomago, Bflammages chronicas do
ligado e Laco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras cbronicas, hydropesias,
plerjrisias, gonorrheas cbronicas etc. e em geral em todas as molestias em que se tenha
8Q vista a purificaco do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito
*er que elle inciispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, pre-
parar o doente para medicaces superiores; e as menos graves a cura a conse-
roencia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entrara na composicao do Elixir depurativo do Dr. Sevia
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das substan-
cias depurativas e antisyphililicas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
iismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evau-
;ces alvinas, neutrasa ao mesmo tempo o virus sypbilitico quando este virjem.
;am feito erupcao ho exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne tara
b-.-m os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella ainda no
astado de encubaco, isto sera se ter manifestado sob formas externas: beneficio
inmenso, tanto mais quanto neste estado os individuos igneram completamente se es-
lo contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sna acc5o so-
bre o tuto intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias me di-
tomentosas, como acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es
alo, mutas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminara pela morte do doente.
Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
ss asseveraedes, porque sendo nra medicamento lo simples na sua composico, a
pratica tem confirmado sua utlidade.
nico deposito em Pcrnambrce.
Na botica e drogara
CE
Barthotomeo Companhia.
3i-R.UA DO ROSARIO LARGA34
Chales de renda
Vende-se chales de renda mnito prptos
a 4A500 e 53, rotondas de lioho a 5.3 e 6.3.
Ronpa fcita nacional.
Vende-se palitos de alpaca branca e de
Venite-se laisihbtt de lista de cores para cores, proprios para os das de festa a 333oo
e 43, ditos pretos a 33, e 43. dem de meia
cazemira 335'oo e 43, idem de casemira pre-
ta e da cores a 63. 83, e lo3, caigas de
meia casemira a 23$oo e 33, idem de case-
mira a Q, e 83, colletes de casemira a 33,
e 335oo.
T
I
EJ
0HDA.CM DE FAZE,
Por baratos presos.
M
DAS
Cusas francezas de cores a 240 rs. o "covado.
Ditas francezas, superior qualidade,-grande varedade de^padres, fazenda de
'-' r?. a vara, a 3J0 rs. c covado".
Ditas di'r-s mnito'finas a 400 rs. o covado.
rii res c tas francezas largas de cores fixas a SGO rs. o covado.
Lindas las de cores cora salpicos e cora fluresj a 30 rs. o covado.
i palmas de *cda a 320 rs. o colado.
Ditas c< m listas imitando poil de Cbvre a 400 rs.Jo covado.
S as de cores de d.ias larguras com listas e com llores, grande va-
r '' e post is inic-iramente lindos (fazenda de 13 o covado) a 500 rs.
qrjjdrmhos e de listas a 800 rs. o covado.
a capas de merm, bordadas'e enfeibdas com renda preta, oque
I rno para hombro de senhora a 83, 103 e l?? cada um.
Bons loes a 63 e 73 a peca.
Ditos a 35.
Soperi losioho branco'com 20 jardas a 45 a peca.
A m i ai i outras militas fazendas por menos do seu valor]para liquidar.1;
LOJA DAS COLUMNAS
DE
Antonio Crrela do Vasconcellos & Ct
Ra do Crespo n. 13.


-
-'
Ct
n V 1. 5
E ty
V.
: es
- ---
O ~
-
-.-
"i
o
c.
-1
CB
-
rs
.

-.
i
-
.~-
a
-
a
B
CO
D
o-
>

Ci

'V- ,-




3
s
I
g
0
Jovo o

C. "3 XS
o n CD
Zi
c rr O
eii o? V

a -3 a
rata og s"
o
ir. C en
o g
s. --
o

Vi ^3 a.
Bl
a
L c M
a
P
CT3 * o
s r a
a
g- B

-. W Cu
k*
&a r- ro
-- V.
3 i"
CD 2 Ck
s 3
C/>
*'S a
es ^r _-
o
O. ", o
S 'Jl
a ~ I
? S3 B \
re
C. C/3 n
cd a
a M 3
S g a
3 ce
o o.
o' CQ
c I
-J tm^ 3 1
-1 3 "- \
M <2. a
o. & ce a
a n>
i o
cd
w o. /
Bt A
s. f
B & \
8 5. \
B CA
c-
CB
M O. CB e>
0> O
CO
Kua da Imperatriz n. 15.
Vende se manteiga ingleza flor a 800 e I000.
Sal refinado em pacote de 3 libras a 2oo rs.
P de tijollo para limjar facas a 12o rs.
Latas com po-de-t a l55eo.
Azeitonas de Elvas em latas a 800 rs.
Alpista o panco a 16o rs.
Frutas em caldas sonoras a 5oo rs. a lata.
Farello de Lisboa marca M. a 456oo e 53ooo.
Caxinhas com massas para sopa a 235oo.
Vende-se urna armacao de louro envidiada propia para qualqoer negocio em
urna principal ra: atratar na ra da Impe-atriz 0. 13, com Miguel Gomes de Souza
que tem poderes especiaes.
C0NDEG0R4C0ES
Chegarara de Pars no ultimo paquete comracn-
das de Christo e cruz, pertenceotes s mesmas,
hbitos de Cruzeiro, da Rosa e de Christo, com
suas competentes Blas; ende-se por Drego com-
modo na ra do Cabuga, loj de joias n. ii, de
Serapbitn & Irmo.
Vapores,
Vendii-seem casa de Sannders '.Brothers & C
o largo do Corpo Santo n. 11, Taporas patentes
ora todos os pertences proprios para fazer mover
es oq qnatro machinas para descarocar aleodV
Liquidando de calcados.
Eui do Imperador n. 32,
Borieguins d beierro para homem.
Ditos de lusiro para homem.
Ditos de cordavo.
Ditos para senhora eDeitados.
Ditos para meninas.
S.ipatSt- de bezerros.
Rutiuas brancas paia senbora.
Butas pequeas para montara.
Ditas gnndes para moutaria.
7*00(i
6*00(
80K
SJHHX
3(X
350(
5ihX
I800(
25*CO('
C'oodecoraces
A bnn. conhecida lija de joias de Moreira A
Dui-rte, a' roa do Cabog n. 7, acaba de receber
porgao ele habites e ffidalalos da ordem da Rosa,
e habito-' da de Christo da diUt-reiites tamanhes
que vende por presos raui razoaveis, alm disso
continua a ter como sempre um completo sorli-
ment da joias dos gostos mais modernos para as
quaes centa cora o concurso de seus bens fre-
guezes.
Fundico dAurora em
Santo Amaro
Completo sortimenlo de taixas batidas e fundi-
das, alambiques de todos os lmannos e fundos di
ditos, moendas de todos os tamanhos de superior
qualidade, crivos e boceas de fornalba. o que lud
se vende por commodo prego.
Liadas mnito lindas la a 500 res o
covado
Vende se na leja do Alvaro a' ra do Crespo n.
20 B._______________________________
Chegou afinal
A pomada galopean
para cara rapMa e completa dos callos duros.
VENDE SE NA
Botica e drogara
DE
Barboloatca t& C.
34Ra larga do Rosario34
Cabriolet
de 4 rodas p I cavallo muito soperior, venJe-se
para tratar na ra dj Crespo n. 16, l andar, pa-
ra ver-se nacecheira do Paulino ra da S. Amaro.
cncao
Vendem-se pegas de algodozinho muito large
"i"'!,.r niV.lll'qrla KAm l*rn rv..nnnn .____. 1.
Cassas finas 2i0 e r?20 rs. o covado, ba;nul
as de wda prela a lo* e a 22* : na r.a do'
Crespo n 17.
0 cordeiro providente
Na antiga loja de miudezas a ra do Quei-
mado n. 16.
Tanda sempre em vista nio roobar o tempo aos
seas freguezes, com extensos anauncios ; mas
tambem nao querendo que os mesmos freguezes
Igoorem o qne de novo tem elle recebldo, por Isso
resumidamente e dir': chegando assim ao co-
nbeciment de todos qne a dita loja do Cordeiro
Previdente, roa do Qaeimado n. 16, receben o se-
gninle :
Bonitas e doradoras ligas de pellica para nielas,
tanto para senheras como para meninas.
Leques de diversos e modernos gostos.
Pentes com enfeites doarados e nao dourados,
para meninas.
Coques simples eenfeltados, moldes tnteiramen-
te novos.
Boro papel em calxlnbas liso, pautado doora
do e timbrado, e outrns moitos cbjectos, que men-
ciona-los seria bastante enfadoobo, e que se ven-
de em dita loja de miudezas do Cordeiro Previ-
dente, ra do Queimado n. 16.
Xo faltam flores,
O Cordeiro Previdente a ra do Queimado e. 16
tem constantemente um lindo sorlimento de li
as e bonitas flores, por isso qnando algam* ha.
bilidosa joven qaizer preparar qualqoer eofeiie de
bello gosto deve logo lembrar se que ba dita loja
do Cordeiro Previdente, a ra do Qaeimado n. 16,
nao falum flores.
Para alvejar os tientes.
O cordeiro previdente a ra do Qaeimado n. 16
receben do bem eoohecido fabricante Jonh Gos-
n II & C. ama ptima qoalidade de pos para dea-
tes aromatisados com canfora qne realmente tem
merecido todo cencelto perqu nao s alveja per-
fuiaaienie os denles como tambem conserva-u?
sempre no melhor estado de perfeigo, assim pois
queiram vir comprar ditos pos na mesma loja
do Cordeiro Previdente, ra do Qaeimado 0. 16
l?afeites com pontas.
U Cordeiro Prevldeute receben um liado sorli-
mento de enfeite com pontas para vestidos, tanto
de seda como de la a que combinara perfritameo
te com os ciutos modernos do mesmo formato, por
isso para poder eofeitar-se com gosto qnalquer
vestido iodispensavel comprarse ditos enfeites
ni roesroa luja do Cordeiro Prevideote, a ra do
Queimado n. 16.
Chapelluas de seda
Modernas e boeilas chipelioas de seda para sa-
ohora receben o Cordeiro Previdente roa do Qaei-
mado o. 16 e por ser peqoena a quanlidade re-
cetada, quera pretender ama moderna e bonita
chapelina deve apregar se em mandar compra-la
em dita lija do Cordeiro Providente a raa do
Queimado n .16.
caxinhas enteitadas.
Estas muito desejadas caixiobas vasias e endi-
tadas com gosto, que taol extraccaa tem tido e
que realmente servem para diversos flos, existem
na loja do Cordeiro Previdente a ra do Queimad
n. 16 um completo sort'mento de ditas caxinhas c
sao vendidas per pregos to rasoaveis, qne o expe-
riente fregaez nao objectara' em compra-las em
dila loja de miudezas do Cordeiro Previdente a ra
do Que;mado n. 16.
PO.NTE1RAS E CHARUTOS.
O Cordeiro Previdente, roa do Qaeimado n. 16,
(em um bom sorlimento de Qnas pooteiras para
charuto?, sendo lisas e com figuras em alto rele-
vo ; e para que os seas fregaezes nao se lacom-
modem em comprar charutos em algnmas das lo-
jas de cbaroleiros, recebeu tambem um bom sorli-
mento de Baos charutos do afamado fabricante
Furtado de Simas ; assim, pois, eucontraro os
apreciadores um bom sorlimento na dita loja do
Cordeiro Previdente, raa de Queimado n. 16.
Para offertas no hospital por-
tnguez.
Bonitas cestinhas com fractas de cera, obra de
muita perfeigo e bom gosto.
Para corlar moldes e eo.brulhar fazendas
Vende-se papel pardo folha grande.
Para lastrar calgados.
Vende-se superior graxa econmica.
Vende-se papel para matar moscas.
A loja do cordeiro previdente
Ba do Queimado o. 16.
Nella acharo os pretendentes nm grande e va-
riado sorilmeolo de perfumaras fioas, taoto ingle-
zas como francezas, sendo :
Finos extractos para lengos.
Banhas e pomadas para cabellos.
Oleo philocome e baboza para dito.
Pos bygienicos para dentes.
Ditos camphoradospara ditos.
Opiata ingleza e franceza para ditos.
Pacotes com pos de arroz.
Vasos de porcelona para ditos.
Saboneies para rr.io e barba.
E muitos outros objectos que serao presentes
ao comprador que se dirigir a ra do Queimado
n. 16, loja do cordeiro previdente.
Banrfeijas pequcuas.
Vendem-se na ruajdo^Queimado n. 1C. Jloja do
cordeirojprevidente.
Charutos
da acreditada fabrica de Jos Furtado de
Simas.
Fabrica e fundico de bronz
e outros metaes, caldeireiro,
laioeiro, e funiltiro, situada
na Soledade, ra do Prin^
cipcn.3,ecom deposito na
ra Nova n 38, da cidade
do Recife
DE
BRAGA SAMPAIO
Fabricam-se neste importante estabeleci-
mento todas as obras concernentes as artes
respectivas como sejam:
Alambiques de todos os tamanbos em
feilios, os mui acreditados aparelbos de
Derosne com as dimences delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesquer pecas des-
apareaos, como sejam o dilalador, ratifica-
dor e coodensador, ou esquenta garapas,
resfriador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
ces e qoalidades, pelo systema francez ou
americano, simples, de press5o, repuxo, e
com especialidade a estncanos l assim -ap
nominadas pelo enorme volume de agua
que absorvera calculada em 400 pipas por
hora, e das quaes algumas eslo [iromptas a
serem experimenladas.
Existem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se n5o
s sua durado como a grande quantidade
de agua que fornecem pelo que s5o cous de-
radas hoje as primeiras bombas conhecidas.
Todas as mais obras se fabricam vonta-
de dos freguezes e a seu capricho.
Existem sempre promplos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a presos rasoaveis, como sao alambiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, repartidei-
ras, escumadeiras, cocos, candeias, e muitos
outros uteBcilios preprios para engenhos.
como sejam mancaes de bronze, parafuzos
para rodas de agua e ontres.
Cavilhas, machos para lemes, pregos de
todos os tamanbos e para o forro de cobre
de navios.
Aprompta-se ludo quanto diz respeito as
obras de lalo torneadas e polidas com toda
a perfeico.
Vlvulas para tanques de banho, torneiras
de todos os tamanbos e qualidades, assim
como todos os ornamentos para militares,
botes para farda, aparelbos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cornetas, alam-
padas turbulos, caldeirinhas, navetas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folbas de (landres de todas as
qualidades, halis, bacas, bules e outros
utencilios domsticos.
LampiSes para gaz para engenhos, folha
de flandres em caixas, folhas de cobre e la-
to, tubos de chumbo para encanamentos de
todas as dmenges, folhas de zinco, estanho
em barras e verguinha, lancees e barras de
chumbo, vidros finos para espelhos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
dracas, diamantes para cortar vidros, cadi-
nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-
cas e jarros, trra podre e outros nmeros
ohjectos propro de taes estabelecimentos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitas sob a direegao do socio administrador,
Jos Baplisla Braga o qual se acha de novo
especialmente incumbido da gerencia de t5o
importante estabelecimente, isso urna ga-
ranta pela sua longa pratica, que tem os se-
nhores freguezes de que serao servaos a
contento, com promptidoe preco commo-
do, pelo que os proprietarios lhe serao agra-
decidos.
.covado.
Superiores laas para vestidos rom excelient^s
. padrees a 5'0'J ris o covado, aproveitem antes qne
snpener qualioade cero um pequeo toque do ava-se acabem ; na ra do Queimado n iti loia di-
na pelo barato prfg.) de h$, chitas largas de eo- Gnimaraes & Basjos.
J 24[> rs. o covado, bnm pardo ao.to bom a
600 rs. i, vara : na loja de Antonio io dos Res
& C., a ra do Passeio Publico n. 6, por baixo do
sobrado novo.
Viodeaigodsda Baha.
Vende-se no fscripiorij de Amonio Loiz de Ol-
veira Azevedo & C, ra da Cruz n. 57.
Gramlc llqnldaeSo
Na ruado Livramentoloja do Zoavo Brasileiro
o. 33, vende-se um sorlimento do calcado de lo
das as q.ialidades e juntamente uro novo sorli-
mento de candieiros a gaz muito barato para
acabar.
"JDIWL DAS FAfllLIAS.
Pubiic; cao i!lustrada,ariisliea, recrea-
tiva, etc.,
ornada de fignrinos, gravaras, pecas de ma=ica,
moldo? do ve.-tido, e em geral de' todo qu.mio
t-ernente trabalhos do scchoras. Sahe ama
v i i r mez. A-sicti3tura por um.anco de jdntiro
a dezembro i200
jyraria_ franceza, ra do Crespn. 9.
Vende-se nina parte do engenho DooTlrmaos
em Apipucos, a tratar a* ra do Imperador n. 43,'
l" andar.
os agricultores,
Sannders Bratbers & C. acaDara de receber
ie Liverpool vapores de forca de 3 a 4 cavallos
cen lodos os pertences, o mui proprios para faze-
ifta mover machinas de de=carc(;ar alg>dao. po-
.endo cada vapor trabalbar at com 140 serras,
ambero servem para enfardar algcdo, en para
.otro qna.'qccr servigo em que osam de trabalbar
com animaes. Os me.-mos tambem tm a' venda
machinas americanas de 35 a 40 serras
ti btinitiSSlUiO a 500 lelo O Vendem-sejna lojaldo^cordoiro previdente a roa
do Queimadc'n. 1G
Francisco Jos Germana
[RA NOVA N. 21,
acaba de receber um lindo e magniSco ic
timeato de oculos, lunetos, binculos, ~ :
timo e mais apurado gosto da Europa a o'
los de alcance para observares e par* i
marilimos.
RA AOVA N. -0 E 22
Bolas russianas, pernr-iras e meiag peroeiras no-
vamente chegadas, da melhor qnalidaJe que temos
vito, no armazem d.) vapor ra Nova a. 7.
Faris, 38, Kua Vtvlenne, 1>
AS ENFtKJUDMIAS UES SKXLAtS, AS lZCr
jg)B8 CUTA Hit AS E K ^TERAfOES DO SANGlffi.
^^'.^^9^i iO.OOOcuns di impingan*,
pstula, utrpes, larri,
comixoes, acrimonia, s al-
lerfoes,vicioiatdotattffu
aM=tc2iiit:5a*iieisr>* tinu, e nllerafoet do tat*
pi;e (Xaropt vegetal >t"> mercurio), eparad-ta-
-S>e BAMioM MIM i;,i. tomao-se dot
per emsna. segnindo o tnclamenlo Depurativo i '
emprf-gado na; nesmaa muleslias.
Os prct.'dr.ntes dirijam-se ao largo' do Corpo-
tanton. 11. *
peThicha
Cal d* Lisboa eo batna a 3J, assim como orna
P5rau a (ranel a 15403 o alqueire: a trat.r na
ra da Cailia n. 2, 1 andar.
Vr-nfe urna prc-ia de meia idade, que coz!-
nha perfeiiamen:e e engomma scffrivel : na roa
Direita n. 43, 2' andar.
RICOS
sito de superior carvSo de Gurdiffua
Babia.
anKi v JfSS SlfS Santw.& C-' raa Santa Barbara D-' estso habilitados a sunorir de
Im':1-'l.s?? ma,'S favomela'*> era onno qualquer deposito, a todos os navios a vaJcr nu

e elefantas enfeites de palha ramos, no m
res, fnnaldas, enfeites para coques, I Jg
Cos,v alamares, franj, galo e botes B
cora vidniho, acaba de receber a loja do M
Lysne, a raa da Imperatriz n. 64, assim S
como rumissimos sintcs de selim, vel- m
odo e eorguro a Mane Antonielte, a g
Imp-rariz, a Fgaro, lindos e os mais jg*
modernos coque* de cabello e a hnitacao, M
e om sem num ro de artigos de gosto e S3
moda que j com a vista podero ser H
apreci.idi.s. SMt
wm
Novo scrtimrnio de lavas da pellica de Jonvln,
brancas, prelas e de outras bonitas cores para ho-
nsens e senboras; no arm=zem do vapor ra Nova
n. 7.
Lmohas a ICO e 250 rs7~
Vendem-se laazinhas escoreza3 muito bonitas
pelo birali-simo prfe do SiOrs. o covado ditas
miudiobas para acabar a 160 rs. : s na'leu e
nrmazem do Pavao roa da Imperatriz n fii a?
Gama & Silva.___________ ou' ae
Vinho do Rheno
em superiores qualidades, por precos coamodos :
em rasa de R^be Schmetlau & C, ra da Cadeia
n. lo.
Champanlia
em dnas qoalidades, reeolar e -operlor : fm casa
do Rabe Schmcttau & C.rua da Cadeia n. i8.
Cognac
! commom e.soperbr, em casa de Rale SchmelUa
& C, rna da Cadeia n. 18.
Shervy de Londres
superior e regular, era casa de Raba Scbmttaa &
C, ra da Cadeia n. 18.
Linha denovellos
de A'exandre e oafra : ero cis.i de R-ibe Schmet-
tao & C. ra da CaJeia n. 18.
Superior vinho do~PiTlai
. Vende-se no escriptorio de Antonio Lulz de Ol-
velra Azevedo 4 C, ra da Cruz n. 67. em caixas
de 19 garrafas.
Machinas para descansar algo",o. domt
Ihor autor que tem apparecido na Americs
E' tal a execugao do machinismo, que o al-
godao sahe quasi tao pereitocomo o debo
landera. Kecommeuda-se a attenyao dci
Srs. agricultores, estas machinas.

4]
Irli
PAf
^ Chchn ao antigo deposito da Henry Fors'.cr
"., ra do Imperador, om carregamento de gaz di
pnmeira qualidade.o qual se vende em partidas
retalho por raaoos preco do oue eo outr qus1
ner parte.
xUk&*& igualmente os laxos r (tora
bancas das nulheres. Esta inJEccaobenigr
ffga-s cou e Xarope do Citracto da Ferro.
BoiaarroidA, l'.jmtdi qce a i cara m Irsa dU*
POMADA ANTIHERPETICA
Tontra: nts afie{ott cutnea t comisas.
FILULA8 VEGETAES DEPURATIVAS
Ui>ajio, eadi frtMO vai tcoofaiada it'ut
AVISO ACS SRS. MDICOS.
Ojra ccmrrhOM louti
1 )' POKGET.
>r. CHABI.X ero Ia.-x. roa Vlilrsun. -
A venda na pharmacia de P. Maurer ?
e C, em Pernambuco.
...
i .
de oicwaK, o,
F.u do Se.io, Bl, !3. '
.
t=3
\-,
'nms.
.. \

-
Novas chapelinas
de fina palha da Ital;a.
A Aguia Branca, a" ra do Queimado n. 8, rece-
beu um novo scrmenlo de bjoitas chapelinas de
una palha da liaba, erndscom delicadas flores, e
cemo sempre a Aguia Bracea as vende por precos
commodos. y v
Vende te a Ubi-rea (a ra da Cacimba o. 2
com frrnle para a rna do Vicario, muito afregGe-
iada, e cem procos fondos, propria para am prin-
clpianle ; a tratar na mesma.
y.

s a
\
*
o.

.
es a
.
c

, -:

'%.
'.
, CINTOS DE PONTfl
CbeRaram huniem pelo vapor francez os melho-
res cintos de pona rom vidrilho e Ovelas do me-
lhor posto qu* tem vindo : vndese na rna do
Cabog loja de miudezas de 4 ponas n. 1 a.

o


'->
'':
%
\
X
\?


V
C3

Para acabar
a.Y,eSde?.se sacccs com farDba de mandioca de
25oti0 a S, as; ira como saceos com feiio por
baraiissimo preco: no trapiche barj do Llvra-
mento no Forte do Malos n. 15.
CHEGA 4 TORSAS"
R SIVHOItAS
Hicos baloes de arcos a ifiOOO : t na loia.
Passo, rna do Crespo n. 7 A. ^
l"IteC031 SOM idi itAU M ttl h
fl N. B.; srt-
tO-^ r ~rr i.; /tr-f"
- mm" 'f" C~~* tr'i irit jf(,!i.e
BCCTEt,f-Nf.3I
T PHA'iMACIEN
m
SO iti de ?it-l,
toa':
a,ilr dto>iia
do
Deposito na pharmaeht de P. Maurer
C. em Peruambaco.
Vendem-se cadeiras de pinho de ihescnras
americanas, proprlas para estabelecrmenios : na
roa do Encantamento n. 4.
Vende se tenas superior e lijlos ae toaas
qualidades, fabricado eom barro d'agna doeei
menos 44 em milbelro do qne era entra qnalc
parte : na alaria de Jos Carneir da .'"o^tian
is Prazeres n. 38.
*%.
-
V ,.
SJ


l i Ti ihidtmttcH iL J
Ia ro de rernambaco
i.
,.
- Sabbado ti de Dezembro de 1867.
. '
JOIAS
N. 2 D ^ N.2D,
|HP^ COltAClO DE OURO. -fafii
attenco
No armazem de fazendas dr
Santos Coelho,rua do Quei
mado n 19.
Bom e barato
Laisinhas Poil de Chvre a i o covado.
MadapolSo enfestado a 8$ a peca.
Cambraia de cores masadas fioissimas a
800 a vara.
dem braDcas transparentes Boa de 4,
55000, 65,75, 85 e 95ooo a peca com iC
A luja n. 5 D intitulada CoracSo de Ouro na roa do Cabug, acha-se d'ora em diante oflerecen' jardas.
Jo ao respeitavel pohlico com especialldade as peswas que honram a moda os objectos do ultimo eos Mim hnnn tim/ta A* RA a QA a nac
td da cbras. com i ajamas.
O respeitavel publico avallando o desejo que deve ter o propietario de um novo esUbelecimen- dem branca franceza multo larga a y> *
lo que quer progresso em sen negocio deve cheear inmediatamente ao coracao de onro a comprar peca com 8 varas.
aneis com perfeitos brilhantes, esmeraldas, rubios e perola; verdadeiras em agarras, modernas pele | Hales de 1* 40 arcos nescados Dar
diminuto preco de 106, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo preco de 36, maracas de | prata com cabos de marSm e madreperola obra de moderno gosto (o que o eoconlrarao no coracao da i ] ^ *0ouu.
onro) vollas de ouro com a competeute cruslnba ricamente enfeiuda pelo peqneno preco de 12J, Lrin
eos de nm trabalbo perfeito por um mdico pre?o, cassoletas, tranealins, pulceiras alnnetes para re
tratos e outros modelos tudo de alto gosto, aneis proprios para butar cabello e firma, dito para casa-
mento, no rtico roseta tem o Coracao de Ouro um completo e bem variado sortiraenlo de diversos
gosto?, butSes para punbos com diamante, rubios e esmeraldas, obra esta Importante ja' pelo sea va-
lor ja' por gosto ds deseoho, brincos a forma da delicada moslnba de moca com pingente contando es-
meraldas, rubins, brilbaotes, perolas, o gesto sublime, alQnete para grvala no mesmo gosto, relc-
gios para senbora cravados de pudras preciosas, ditos para homem, diversas obras de brillantes de
mito gosto, crusiuhas de rubios, esmeraldas, perolas e brilhantes, aneis com letras, cazoletas de
crystal e ouro dscoberta para retrato (a ingleza) briBCos de franja, ditos a imperatrize toda e qual-
quer joia, para secol car retratos e obras de cabello, e outros multo* objectos qne os pretendemos en-"
contrario no Coracao de (Juro que se conserva com toda a amabilidade aos concorrentes deixando-
se de aqni mencionar precos de certos objectos porqne (desculpem a mane-ira de fallar) dizendo-se
preco lalvez algnem faca mo juizo da obra, por ser tao diminuta qnantia a vista do sen valor.!
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e pedras preciosas, e tambem recebe-se confer-
ios, por menos do quo em outra qualquer parte, e dao-se obras a amostra com penbor, eonservando-si
* Coracao de Ouro aberto at as 8 horas da noile.
Qoalqner pessoa que se dirigir ao Coracao de Ouro nao se podera' engaar com a casa, pois
cota se na sua frente um coraco peodarado piolado de amarello, alem de ontro qoe se nota em um
rotulo (isto se adverte em consecuencia de terem ja' aljamas pessoas engaado com outra casa.
Capelina
Mu lindas grinaldas brancas e de cores
aquellas para noivas. e estas para bailes, ca-
samentos e baptisados.
L.UT.1S
Lavas de todas as qualidades para se-
nhora, homem, meninas, sendo de algodao,
o da escocia, seda e pelica muito fresca e
do fabrcente Jouvin, paree -nos que nao ba-
ver quem ignore que por todos os vapores
da Europa o Gallo Vigilante, recebe grande
quantidade deste artigo e por isso sempre
tem sortimento a vontade do comprador, e
tambem na*o se valle da falta o seu prego
sempre o mesmo.
i'enes
Mtiito bonitos pentes de tartaruga para
coque e alizar os cabellos, assim como para
arreglar os mesmos e mullas outras quali-
dades.
Escoras
Grande sortimento de escovas, para roupa,
cabellos, chapeos, dentes e unbas, sendo de
LOJA DO GALLO VIGI-
LANTE RA DO CRES-
PO N. 7.
Os propietarios deste muito bem conhe-
do estabeleciment tem a satisfaejk) de levar
?o conhfcimento do respeitavel publico que
a<:abam de receber pelo ultimo vapor da Eu
ropa um grande e variado sortimento de ob-
jectos de inteira novidade, dos quaes se li-
mitam a mencionar apeoas um pequeuo nu-
mero cando o respe tavel publico na serte-
za de que neste estabelecimento sempre en-
conlrarao um c mpleto sortimento de arti-
gos de gosto e inteira novidadescomosejam.
Ciatos
Os muitos desejados cintos com ponas,
cordados a vedrilho, fazenda de muito gosto
e com lea novidade, respeito a estes cintos
nao fazem observaces e sim deixamos a
apreciarn d s esclarecidas freguezas isio s
iio Gallo Vigilante na ra do Crespo n. 7.
Loques
Muito lindos Itquts d'osso, madeira, sn-
dalos, e madreperola ; pretos, brancos e de
cores, e muito so tornam recommeadavel
pelas bonitas paisasens.
Flores
O melhor qne se p tde desejar neste arti-
go as qnaes parecem naturaes assim como,
tambem re&ebemo; urna pequea porcao to-
das pretas e se vendem na loja do Gallo
Vigilante roa do Crespo d. 7. _..
osso, bfalo, baleia, marfim e madreperola. grosdeoaples Preto bom a l8oo,
w,.,^. 258oo o covado.
dem de mursulina nesgados a 55.
dem de crochet a 55-
dem de mursulina para meninas a 35 *
355oo.
Saias bordadas a 55.
Cambraias admascadas para cortinado
125 a peca com 2o varas.
dem para forro a 35 a pega com 10 jar-
das.
Cambraia de Hubo muito fina de 65 e 95 J
vara.
Madapoles finos de 65, 75, 85, 95,105,
115 9 125 a peca.
Platilha de algodSo superior fazenda par
saias a 35200 a peca com lo varas.
Cobertas de chitas de ramagem a 26oo.
Lences de bamburgo fino a 25400.
dem de bramante muito fiuo a 35200.
Pannos adamascados para cobrir mesa s
45500.
Guardanapos de linho adamascados a 45
a duzia.
Atualbado adamascado com 7 1/2 palmos
de largura a 25 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pal-
mos do largura a 35 a vara.
Algodao enfestado com a mesma largura
a 15100 a vara,
dem trancado de algodSo a 15600 a vara.
Toalhas alcochoadas de linho lisas a : i
a duzia.
dem de algodao felpudas a 135 e 145
a duzia.
Colchas de fustao a 65.
Lencos de cambraia brancos finos a 15800,
25 25ooo a duzia.
Lencos de cassa fimsstmos a 35200 *
3560o a duzia.
Fil de linho liso a 800 a vara,
dem com salpicas a I5ooo a var
25
Nava has
Superiores na/alnas pequeas para bar-
ba sendo cabo de marfim, tartaruga e ou-
tras qualidades, as quaes o fabricante ga-
rante a .boa qualidade.
Abotuadnras
Chegaram as ttui lindas gnarnicoes de
botoes para colie'es fazenda de posto, assim
como grande sortimenlo de butoes para pu-
nbos.
HIM1"
DE
PALII4 DE TRANCA
3PABA lEOlI-YS
A 2,000 rs. onda nm
Na 11?rica de e?ujes. rua.Yova
uu%er'j 45
DE
Manoel Moreira (fe Souza
fi^p Viajado c 6*atiia Cordrro
A loja do curdelro providente a' r3a do Qaeima-
di n. 8, recabtu nov3 remessa deesas qualidades
de rape.
Morantique preto superior a 25Soo o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o c<
vado.
Tar'alana de todas as cores a 800 rs, a
vara.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a 25oo a vara.
Idemdeliuho com 5 palmos a i2eo a
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 800 a
vara.
Riquissimos basquins a 255000.
Assim como outras muitas fazendas qut
se vende por menos que em outra qualquer
parte, e d-se anjostras de tudo,
Bales de 2o, 25, 3o, 3o, 4o e So arcos
P?ra sentara a 25,25oo, 35, 355oo 45 e 1
55000.
Ditos de 25 e 3o arcos com moilas a 5f
e65.
Ditos de murculina estreitos a 65.
Espartilhos finos a 65.
Perclias fioissimas a 4oo reis o ccvcio.
Venciese
um cylindro inglez para padaria
rader n. 1C.
na roa d; Irape-
A AGUA BRANCA
Por conbecer a influencia qne costnma haver
em lodos os annos, pw esse lempo, e ptr ven
quanto se desenvolve e appora te o bom gosto em
Pernambueo, ella jue tem sempre em vistas agra-
dar, e sinceramente bem servir a sna boa fregoe-
zia, aoieclpou-se em mandar bocear os differentes
objectos de gosto e fantasa, que agora mesmo aca-
bara de ebegar.
Que a loja d'Agula Branca, com especialidade,
onde prlmeiramenie se encoatram qoaesqner des
ses objectos de novidtde e moda, isso esta' geral-
mente recoobecido; mas aima assim a Agu>a lo-
ma como por dever selentiflear ao bello sexo, ero
particular, e ao respeitavel publico em geral, sem-
pre qoe como agora, recebe os Importantes objec-
tos que abaiio menciona, e por mais essa vez ella
toma a iiberdade de pedir a atteoco das Exm"
apreciadoras do boro, para os novos e bellos orna-
tos qne formara om lindo e rico toill"-t
Nao certamenie com orna mal aparada penna
d Agu, que bem se frde descrever o bom gusto e
desempenbo oe taes obras, sim, a propria-intel-
, agencia d'nma excellenli>slma, que bem podera'
i apreciar o alto grao desses perfeitos objeclo, lal-
! vez os primeiros que nesse genero tenbam viudo
j ola nosso Pernambueo.
A Agola Branca, fara* apenas conbecer os ob-
yectos de qoe se compoem esses novos e bellos or-
| natos. Em uro bello cartao v<=m hbilmente arran-
jado, nro moderno cilo de flu de setim o acna
; malotado da largura de 7 a 8 pollegadas, om bel-
lo leque de madreperola, om par de luvas de pel-
lica, ramos definas fiares para o ceqoe, peito,
guarnicao para as luvas, el<\, ele, e finalmente
orna aimofadlnba de setim com aromticas pasti-
Ibas em p.
Alem disso
Esto emordem do da as novas e bellas trancas
de fina palba de Italia, e outros differentes enfeites
da mesma qualidade e proprios para vestidos de
las, chapeos de senhoras e meninas, reta somenie
qoe os pretendentes cr.mparecara na loja O'Aguia
Branca na roa do Qoeimaao n. 8.
Diversos objectos
de gosto e novidade, viudo*
para a Aguia Branca ra
do Quelmado n. 8-
Enfeites de flores, obras de muito go^to, a ultima
feoda, proprios para bailes, casamentos e pas-
ados, etc., etc.
Meias chapelinas de diversos moldes, e mu
bem enfeitadis, cora veos e sem elles.
Ricas capellas ctm veos e sem tiles para oji-
vas.
Oofras brancas o cor de rosa para meninas.
Cintos com Qvelia e Qla branca para noivas.
Oolros de ponas o sem ella?, pretos e de cores.
Outros mui rico- e do variados moldes e gostos
e de diversas cores, cora grades de vidrilhos e pin-
gentes.
Para enfeilar vestidos e liasqnines.
Ii .". 'js bicos de blonde, com vidruhos e sem
elles.
i; citas rendas de dito, tambem com vidrilhos e
sem elles.
Trancas pretas de vidrilhos, cora variedade 3e
larguras e de moldes os mais novos e bonitos.
Outras de coi es lambem com vunlbos e confor-
me as pretas.
Uuiras de ^da com vidrllbos e sem elles, e de
diversos desenhos, certse larguras.
C;rd5es preUs e de cores, grossus e finos, cem
vidrilhos e sem elles.
As oovissimas e bonitas irancas de lina palba e
Italia.
Ramos, Jacos, cordSes e outros diversos enfe;-
tes tambem de pal ha e r.roprios para vestidos, cha-
p a, etc., etc.
B.d5es pretos e de ontras muitas ccres, cem
pinpentes e sem elles.
Outn s de palha lambem com pingectes e sem
elles e lodos enfeitados com vidrilhos.
Oolros de fuslj, brancos e amarellos, e at
mesmo marcas de madeira ovaes para Cbnr-se da
cor que se quizer.
Flores,
Ura bello e compiti soriimenlo de ramos e de
Mires finas, rosas camelias, Alexaudrias etc e
em todas es-as flores se nota o aparado gosto e '
perffita mltico, onde se conbece que nesse gene-
ro nada mais ba a desrjar.
Bonecas.
Um novo e bello sortimento de elegantes bone-
cas de o de pedra mu bem vertidas, c excel-
lentes para presentes.
Outras com rosto de cera e igualmente bsnil: s
, mas cao vestidas.
Fitas lavradas o lisas, tendo nestn?, de menor
I largura at a de qoasi nm palmo, e propria para
I cintos.
Ouiras-de Ja de cores para debruar-se ves
' tido.
C nxas de p d? p?dra com Gyuras dentro,
obras mui b' nil-s e de go-to.
Entre essas obras, tem algons jarros com re-
quenos defeilos, por isso vendem-se baratamente.
SObras de porcelaia e p de pedra.
Bonitos jarros, e boquels feilos de p de pedra,
boras de muito bom gosto para sallas, e santua-
rios.
Essencia de rosa, ontras concentradas. Unos ex
tractos, e pomadas, etc, etc.
Emqoaoto a' perfumara todos sabem que a
Agula Branca tem a primasia, adquerida com o
vender constantemente Anos extractos e de agra-
daveis ebeiros, pomadas de finas qualidades e es-
coltados odores, agua de Colonia, sempre da me-
(bar, e assim tudo o mais, qne enumerar se torna-
ra eofadonbo.
Compre pois, qne, qoem quizer ser bem serv-
do, se dirija a' loja d'Aguia Branca a' rna do
Qoelmado o. 8, qne alem do grande sortimento do
bom, achara' infailivelmenle o que se torna sem-
pre precisoagrado e sincerldade. _________
3 B
5 H S
- m 1% o>
<2 i 8 S
1- S2B=:g

5
S'0oos-S5l v
s -.Q pj i. Pl v 2 *d
C-
olo
01 ^
S1" > S'' o &

= a, a a

-i

a: =
0>
0.0

> s m S
2 2^SS
B2 3S-
~ m
m 2 2
S
'B
|2-|-.2ffl.
Paga-se bem.
Fuglo em das do mes prximo passado do poder
de Agostmlio Jos de Oliveira, em Caruaru', o sen
escravo Rufino, ronlato claro, idade 36 annos, -ecco
do corpo, peroasfloas, olhos om tanto amortecidos
nariz afilado, ponca barba, multo cor tez e bem fal-
lante, roettido a valenie, gosia de agurdente e le-
vou japona preta ; foi encontrado no dia 3 do cor-
rete no logar Batateira, en? direccao a estradali
ferro e ospeita-se que tenba ido oilt-recer-se como
voluntario para a guerra : r ga-.-e perianto as auto-
ridades policlaes e espitaes da campo a aprehenso
do dito escravo, que ser entregne a seu senboron
a Severino Alves da Silva, em Trombeta.
GRiTIFcFSE-
a quem capturar e conduzir a' at,rca de sabao no
Alegado, 00 a rna do Amorira n. 41, no Recife, o
escravo Lolz, pardo, idade 33 annos, o qoal ja* em
principio deste anno foi preso por fgido, e de novo
evadi ta da mesma fabrica, onde trabalhava, na
madrugada de Domingo ultimo, 24 de novembro;
coja escravo fogio vestmdo a roopa do uso, de aL
godo de listras, costuma embreagr-e, negar
proprio acm, e bem como o do seDhor, e trazia
por castigo urna correte fechada bi ciotnra e na
tornoiello, do que devera' cooseivar ao menos ai
manchas.
" -81 ,. ~ 2. ot
B a a,
cr Tan ?? n, ~- "a 5
B.-1
FICO
-i 2

a
o
i"
te
* 90
o a
M i i
> o. ^ eto >
siti!ffif
i ^0 = 8 & 5 a
rr-O cu 2.
s-g.
C?3
til5"
s
a
9B a -1 09
a> -o V,
t 0 a.
c; 0
es -/. 0
V. y-. a
a. (/i
0
cr "O
e zr.
_ r-,
rr CJ
> BB
W 0
O
> ft
a -1
U> B9
o Si
_o
a 9 SP=>.3.
S S ? ~> M
3 -, ^
O r 5
S B g
c 3 K a
Novidide
para presentes, b?necas rlesroente vestidas a mo-
da actual e cabellos amarrado lambem ao ultimo
gosto o melhor possivel escolhidas na exposicoe
ebegadas ao armazem do vapor ra Nova n. 7.
scravos i'ugidos
1001000
Fngio no dia 2'j do correte m'z de oulubro, di
engeuho Limoeiro fregoezia da E^c^lda, o escrav.
com os segointes signaes : cabra fusco, alto con
hora corpa e bonita figura, cara bexigosa, barb:
pouco serrada,costuma rjpar o bigode ea peir
cabellos um 1. v.'.j carapiobados, pouco camben
tem os deduS grandes dos pos mais compridos
um pouco gago, cora lgumas cicatri7.es velhas di
chicote as costas em urna pa' e em um brac/
vesiindo esmisa de a'godao da mata ou algodozi
oho, oiga e paleto! o bnm p;rdo, chapeo de 1 ae
la preto, e lova vara de carreiro que e suppoe-s
ter ido assentar praja como voluntario : recom
meoda se as pessoas encarregdas do recrutnmeD
to e rs i.utoridades polieiaes om especialidade a:
d) Rio Furioso, Una, Aiua Preta, S. B-oto e Por
lo Calvo e a outra quuiquer pessoa a apprehens
de dito escravo, e enirega-lo no dito eogenho, om
recpbera' a gratilijajao cima. O escravo chama
se Francisco.
Escravo fgido
Do engenho Bomfim comarca do Limoeiro, fogio
na noite do dia 3 do correte mez de dezembro, a
escrava crinla de neme Antonia, de 20 annos de
idade 'pouco mais ou menos, e com os signaes se-
grales : estatura regular, cor um pouco fula, ros-
10 redondo, dentes limado?, clbosvivse tem g'an-
des cicatrizes de figo pela barriga e peilos. Foi
comprada nesta cldade a 21 de fevereiro prximo
passado, aos Srs. Nogueira & C, moradores a' ra
da Cadea do Recife.
Qupm a aprehender cenduza-a a sen senbor no
referido engenh?, ou n^sla pra?a a Oliveira Filhos
& C-, largo do Corpo Sacio n. 19, que sera' recom-
pensado.
Conlinna a andar fgida a preta fula de norca
Benedicta, crioula, idade de 40 annos, tendo os
signaes segrales : aliara regular, lafa, cabello
r.ra, principiando a p ntar, dfnies limados, pellos
grandes, peroas finas, 'eoMuroava trazor urna ar-
golinha de ferro em nm dos pochos, muilo ca-
chimbeira, costuma int tular se do f,ra quaodo
foge, e por isso desconfa se qne esteja Ma atta
ou acontada em algoina caca : po.ttnio pedo se a
quem a a prehender leva la a praca da Boa-vista
n. 17, que sera' gratificado.
)0# de gratificagAoT"
Contina a andar fgido desde o da 20dejulho
do correle anno o escravo Vicente por alcnnha
Cangalha, de40annls pouco raai? ea mesas, na-
ci Angola, altara regular, secco do rc-rpe, psrnas
tinas e arqueadas, sendo nma mais do qne entra
qoe da' |gsr com o andar d?r prai.d balaceo
com o corpo, rosto compildo, p. uca barba sement
no queixo, e tem na sol'a di>s ps algons craves
e as nadigas algumas contnsSes pr^voniecte a
castigos, muito ladrao e fallila se Je forro, le-
vou basianle rnopa e osa caroisrla par cunada
caiga, chajo de b:a 011 de palha oe abas multo
largas, guarda sol de seda j vdho : sujpfle so qoe
anda nos arrebUdes desta cidade, o, cJm urna car-
ta falsa, pelo que no lugar Macacp/j elle f i pre-
so e posto t-m Iiberdade, em viriti'o ds menciona
da carta. Rocorrmenda se a captura de dito escra-
vo, dando te a gralificac|o seima a quem |va-lo a'
roa da Cad'ia do Recife D. 27, >;::'. do andar.
lod$ ilc graH/icago
Fugio do ergenho ttlacanfecio fieguf-zia da Es-
cada na noiie e 15 para 16 do corr me, o escravo
pardo de uome E.ias, idade de 2 1 annos poccj
mais menos, cabega cumprida, cal II o .
rentes, cara coroprida, nariz :fi';-!-, dentes flor,
rheio do corpo,ps compridos ec n s rnas alas
canellas, sabio cura camisa deag dao da 'rrra,
calca de ri.-cado o cb>po i!o ma.-sa j.i velho :
quem o regar leve-o ao referido engenho nn a >"!'a
da S-n?ala n. 38, que recebera' a (rali
cima.
-- Fugio do engenbo Piffi'nt!, irrmo '
ha perlo dp tres mezes, O escravo pardo de noto8
Jos, idade 3ii anuos, bastante e.--:i >, siatora o"
guiar, pouco ce:,-.', f.-lla aprestado, rosto Corapn-
ds e demarcado, sera barba, testa un: pouco acar-
ueirada, tn um lallio do be'C) d.> cu ,
bem saliente, carreiro, embriaga-se mullo, ,:a
por habuo fogir, lera signaes de r ni.' las ii-.!e-
gas, encnlca-se forro, e assim tem e. i.
cite trabalhando em armazem dea >i:c r e \'a-
bom na estrada do ferro ; quem o ;. ier di-
nja-se so seu senhor Manoel Ier Birreros
Raogel, no eneenho Puueuli, o sr.Coriaii
C., na ra do Livramento n. 20, que ser genero-
mente reiorr pensado.
Etcrava fugi a
Do abaixo a'signado morador na rna da pa-
ratrizn 2(', desappsreceu em a n 1 d hon ta
13, urna esoravinha de nome Lina, cor preta, ida-
de li acoos, levando vestido oe chita rxa ja des-
botado e velho, e enjos signaos mais salientes sao
os segrales : orelbas n.uito i 1 quenas urna
rasgada no lugar do brinco, \ ta ; : : .' Lma
marca de fogo no meio da testa ba.-t>nte grande a
semelhanca de panno : pede pois rs autoridades
policiaes a captura da dia wcravioha, assim co-
mo aos Srs. capiles de campo os qu; se recom-
pensara'; oulro sim declara que sti:poila ter sido
eila seduzida e furtada por algueni c levada talvez
para o Bonito, d'onde natural, t el" quo desde ji
prutesla proceder contra quem quer mi > o tenha
f-'to com todo o rigor das leis criminaos. Recite
10 de deiemhro de I8G7.
Leopoldo Ferreira Martios Ribeiro.
LISTA GEIiAL
DOS PREMIOS DA
53:
/
PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 746, A BENEFICIO DAS FAMILIAS DOS VOLUNTARIOS DA PATRIA, EXTRAHIDA EM 20 DE DEZEMBRO DE 1867.
KS. PREMS. NS. PMRES. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. INS. PREMS INS. PREMS NS. PREMS. NS. PREMS.
1 CO 217 6 44i 65 631 86 821 66 1020 .66 1251 66 1442 66 1C02 66 1772 66 1S92 66 2184 66 8379 66 2582 66 2770 JOi 2999 0:1 3185 0-: 338 V Si 3600 c 3815 106
7 ti 51 - 32 22 23 62 48 3 206 73 "_ 93 __ 86 mm 80 83 - 79 66 3002 20 87 85 m 1 mm. 10 66
II :'.', 52 - 37 28 33 106 63 54 5 66 79 106 95 __ 87 __ 87 87 __ 80 _ 5 66 91 _ 86 64 8 _ 18
19 33 55 40 30 39 66 64 106 55 6 85 66 98 ~_ 92 _ 92 _ 97 82 _ 6 98 ^ 87 13 n
13 li 86 47 32 47 65 66 56 12 88 99 _ 93 _ 93 _ 2611 87 _ 7 3200 89 _ 20 __ 22
14 ' 38 61 48 - 34 62 70 57 18 ^s 90 .^. 2000 ^_ 97 _ 96 _ 13 17 18 19 23 32 33 37 40 89 ^ 8 _ 6 91 __ 22 --^ 28
2G 39 ios 69 32 36 63 71 62 106 22 __ 92 _- 3 ,_ 99 2410 M 91 _ 14 _ 9 3402 24 ,_ 3(>
32 47 6* 70 53 406 37 73 72 69 66 31 94 _ 8 ^_ 2207 1006 66 12 94 106 15 __ 11 7 8 14 24 28 34 36 27 1006 38 205
34 f 77 - 56 66 38 78 74 7i 34 96 __ 10 ^ H 20 w 98 66 16 . 12 __ 29 65 41 66
38 bS 81 - 88 46 80 77 - 75 41 1800 mm^ 13 __ 13 30 . 2801 19 _ 23 36 44
36 37 45 : 57 60 70 82 87 88 89 66 72 47 83 5o 90 92 93 78 79 80 - 76 78 79 44 45 46 4 5 20 17 18 24 16 18 20 34 36 39 19 21 25 20 22 27 : 24 25 28 37 40 41 46 52 59
46 SO 51 89 M ir; i7 C9 74 36 85 17 II 107 71 90 76 . 56 96 82 80 47 26 _ 25 _ 21 105 45 __ 40 28 36 46 60 62 63 64 60 67 71 90 94 97 99
72 75* 77 80 8S 20* 92 94 .95 98 501 86 87 89 91 99 106 67 70 71 78 86 406 66 98 99 1110 14 16 90 91 93 95 98 - 86 87 89 93 1504 48 49 50 81 54 28 29 30 33 36 106 66 32 33 33 37 43 106 66 22 27 28 34 39 66 46 48 55 56 57 :Z 41 44 47 50 63 47 72 73 76 77 31 32 35 43 44 39 41 42 45 47 38 55 56 60 63 51 58 62 71 7-5 106 G6
-~ 91 6 8 700 66 90 mm 18 1308 8 55 37 Hp 47 45 58 ^ 58 78 47 49 68 77 mmm.
_ 92 97 301 12 16 20 1 3 13 93 95 96 97 206 56 206 23 35 36 10 11 25 9 11 12 63 75 79 4006 40 60 62 48 52 53 - 46 48 56 p" 89 60 63 ~ 60 65 71 79 83 84 106 51 55 58 68 71 72 69 70 77 78 81 83 -
4 22 14 37 29 17 80 66 67 _ 85 58 m_ 65 _ 72 85 66 61 65 70 75 ~~ 77 82 __ 85 3903
7 18 31 . t 2.5 26 27 16 27 29 9006 66 98 900 2 66 38 42 44 30 32 39 18 22 23 83 84 88 68 70 76 r 63 70 72 63 65 72 66 67 72 80 83 84 87 91 93 78 79 89 83 89 91 86 88 91 - 6 10 12
10 11 ~ 35 39 ^ 29 38 0^ 38 41 4 5 49 57 T 41 46 27 28 - 89 90 206 86 87 81 87 73 76 - 78 80 91 92 2902 3 10 77 3100 1006 91 96 94 96 206 95 99 15 22 5:0006 66 106 66
13 16 18 19 22 99 30 31 33 39 43 44 M 69 64 32 76 77 83 14 68 H " 42 45 45 6 63 50 29 106 92 66 88 93 - 77 - 81 95 M. 2 66 3307 98 66 3700 26
404 43 46 46 19 25 29 32 34 37 - 66 51 34 66 96 89 S9 81 m^ 86 2700 _ 12 3 10 _ 3506 mtf 3 30
45 f" 00 48 ~ 68 54 37 1706 106 1902 ^^ 2104 _ 82 87 6 13 16 13 5 12 Mm 12 _ 10 31
62 mm. 05 49 ~ 69 406 62 39 7 66 10 _ 8 __ 85 _ 2500 m^ 14 9 15 ^. 14 206 17 tac 38
53 58 58 65 ~m 71 52 r"j 72 6 66 41 10 12 ^ 14 86 _ 7 __ 105 66 16 ^^ 11 20 tm 19 66 21 39 ^
XQ 74 53 77 68 43 _ 16 14 ^ 15 mmm 91 ^ 10 17 30 _ 31 22 _ 34 22 --- 45 ...
^ 75 62 ^ 78 71 : 80 _ 18 16 17 mm 95 mm 12 _ 22 42 ^^ 32 26 _ 37 WM 36 49 _
~" 76 61 40 * 82 406 72 ita 85 106 26 17 _ 20 M 98 ^ 14 _. 24 43 ^m 33 33 ^^ 47 _ 46 50 __
67 74 80 1 ^ 77 64 50 84 66 78 57 66 20 1 36 _ 2300 M 15 1 30 51 mm 36 34 ^^ 48 mmf 53 51 _
, - 81 83 68 72 Ir* 52 53 | 86 90 79 80 ^^ 60 63 28 31 106 41 44 43 46 9 10 - 28 29 ^^ 31 33 1005 66 52 54 41 43 35 37 49 51 56 58 _ 61 71
^ 89 ^ 73 56 91 84 76 _ 33 66 45 406 46 mtm 15 mm 31 206 35 66 __ 44 49 m^ 53 60 76 U|h
86 T' 600 74 09 62 71 79 84 91 99 1 mm* 92 85 . 77 _ 40 - 52 <6 47 23 _ 33 66 39 mm 61 _ 51 "- 50 ^ 64 61 77
62 1 2 _i 78 ? 95 90 80 206 48 88 48 mf 35 _ 35 40 _. 63 _ 59 . _ 53 _ 70 62 81 _
^* 3 ^ 14 u> 81 jj" 1213 mm 93 81 66 49 'mm 60 1 49 m 36 ^ 36 _ 49 mmt 68 .^ 64 57 g_J 76 64 83 _
*T* N | 15 91 1 ~ 20 1411 1 > 82 50 mm 01 \ mtm 82 B 38 ^ 42 ^; 07 mm. 70 _ 68 8 aj 78 fl 77 86 106
. 404 17 98 ^~ 21 1 16 - 83 mm 51 65 1 .1 66 40 44 < 89 m- 74 _ 69 59 206 85 83 88 66
^ 18 18 . 99 **" 26 1 r-* 17 85 _ 52 _ 67 . 61 48 106 45 61 81 mmt 71 206 63 66 86 3302 91
r^ 23 21 601 -- 1 * 28 24 86 ^ 08 68 x. 64 53 66 47 , 65 1006 82 M 72 66 65 94 6 92
" 29 23 2 1008 . 33 -, 25 89 ^m 09 406 76 ^^ 71 65 63 ., ** 66 66 84 _ 73 70 ' 96 i 93
rr 31 m 24 ^ 9 9 39 27 406 93 _ 01 66 77 _ 78 66 i> 69 9 206 88 ... 76 78 97 406 9 97
W 34 25 406 13 10 ' i 43 106 32 66 94 206 65 106 80 _ 79 67 72 - 75 66 92 _ 81 82 99 66 14 98 m
162 42 27 66 14 16 48 66 40 -1 95 V 67 66 81 ti 78 i



9
Diario Je Pernataboco Sabbado ti de Dezembro de 1867.
UTTEaiTflfiA.
Te tis n hz38 foorque os pastores tinbam
juma vida intefarel; p,,s que se assim nao
---------,--------------------.fosse ellfs nao poderiam se lembrar da v-
GESSKER. l,a qofltivem os M maleas, os Mopsus, os
.... Tuum nome*.'................... Daphnis, as Doris, asGalathease asChlos.
Cuntttttiei iubhmn ferent ai sitiera enu. i 'A falla d cor local erofim um defei-
(Vi-ph Ecing. ix) to (se que c defeito do homem e nao do
(.Concitase) poeta); vedadeqae o hornera.|qne ama
Poucos sao, pois, os imitadores que se a sua palria, quer sempre nacionalizar os
toreara rivaes dos seas modelos, em cuja f "pantos, localizar, por assim d.zer do
classe entra Gassoe". Poucos sao os Lafou- i01"''110 1nese dlama P,na tudo 95?
taiiss o es Virgilios. Lafonlaiue, seiido imi-
tador dos amigos, foi ao depois ecim ra-
zo chamado o inimitavel ; Virgilio,
tragando a Eneida sobre o plano da 1 liada,
merectu tambem a honra de modtlo na
poesa pica, e fui muitas ve/es superior
aqublle que Ihe servir de typo. Mas de-
balde poz J. A. de Macedo no frontispicio
de seu poema o Oriente o immenso non
dicto a musa ; quer kzer suas produegoes
naturios do raz em que olla nasceo; assim
far-se-ha mais amado de seus patricios,
verdade ; mas nao dora seus cantos maior
brho do que ellos tero, assim como nao
deixaro elle de ter o merecimento que d
a boa poesa, qumdo o poeta nao tiver si-
do, como se Costuma a dizer, um poeta
nacional.
plus ulta em despeto daquel.c qua Iba' ^cimenf ^ temos di, de maS
apontra a musa da opopa ; debalde quiz ,> ;""!,
anca-lo fra de um tbrono, que assenta so-1
tire o bom seoso de urna nago e as paginas
saturadas de poesa a de gloria dos immor-
Aiii esto Tlieocrto e Virgi o, em que
se encoutra o mesmo defeito, de que se
tem argndo Gessner; mas nem por isso
Theoctito e Virgilio deixam de encantar
aos que tem bom gosto e urna lma ac-
cessivel aos senlimentos puros e naturaes
e como estes innmeros outrss tem o sup-
taes Lisiadas.
Aos que nos disserem que os Lusiadas
i. defeilos responde,remos com o judicioso
pope : Se pensis ver urna obra sera de-
f lo,
nem haver ; tambem ha efeii s na Enei-
da ; at mesmo dormiten o divino Homero. ta dtSSe tom de verdade, que caracteriza
Tem-se censurado a Gessner a falla de as P^toraes da ant.guidade e urna das fal-
car local, mas esta censura injusta e mal as em que tem mcorndo Gessner, pondo na
fondada. Se verdade que o objecto da bocea dos seus pa-tores o que
ser dito senao
penis no que nao hoave, nao ha, posto defeio de fdta de cor local.
A nversosirailbanca nos caracteres, a fal-
nao poda
, servindo-me da V ;or cl,eC mas nesta fal!i! in'
da Viotet Le Dac, apreseniar aos homens o correram anda que mu poucas vezes Theo-
sstado mais natural e mais felit que ihe seja "[ e Virgilio; e outros que se tem disun-
pormittido experimentar e faz-lo gosar pe-;Ku,do nS d'versos gen-:ros de poesa tara-
fe encantos da illuso, como arguir-sc a;bem(lem "ella mcorndo: etre_ mudos a-
Ge.ssr.er de falta da cor local, como seo, pootare o grande Luiz deCamoes.
poeta tivesse de celebrar urna aecu que,
passada em um lugar dado, caraoterisada
por certas circumstancias, nao podesse ser
representada em ouiro sem grave inconve-
niente e grande traostorno para o facto e
pira a mu-a ?
Lfgo que se considere que a poesia pasto-
Gessner tambem algumas vezes mon-
tono, mas dessa monotona, que o roux-
nol eutremea e.n seos accentos vjriados e
cheos de meloda.
Eis quem seja Gessner, se se qni/.er co-
nhecel-o melhor leia-se os seus idylos,
que recendem poesia o amor, lea-se o seu
ral desbreve o estado mais feliz qoe seja pos- pequeo poema da Noitc (l), qne tantas bel
sivel gosa-, que ella descreve a natureza, ver- i le7-as ,ncorra e 1ue lem um cunho de poe.-ia
se-na que nao proceda a aceusacao que se tem; l6 na0 c commum as pnmeiras composi-
isito a Gessner ; porque a vida melhor que!^? dos poetas.
seia possivel imaginar que se gose nao cer-l ta'Undo de'e diz, actnr tel-o sempre
cimente nma vida real, e que por conse-!olnad C0J} visla de complacencia. Cabe
guate se ligue a ete ou aquella logar; ao|a,lul recadar a timidez natural de Gessner
depois a natureza sempre a mesma em^1'6 ,ambem se revclou n'aqoella noite em
tvdos os lempos e em todos os logares, as- ,,ue f? 1uerendo !er o d't Poema a uma
sociedade itteraria nao se decidi comtodo
ella a que mais se aproxima da natureza. a faze'- al qe se levantaram todos. Gess-
A naiureu que inspirara Teocrito Untas ?er era pois um geno e era tmido; tanto
passatrens brilbantes, quadrus lo piltores- lem de be,1 e encantador a timidez no ge-
6os, a mesma que inspirara a Virgilio ; a
differenca que a que inspirara a um
t\i Syracusa, e a que inspirara a ontro c
de iVlantua ; mas fra sempre a natureza que
>-.s inspirara ; ella a mesma, assim
sao o mesmo o sol, que invocara Magalbes
uo seu poema di Confederacin dos Ta-
moyos, e o qua apostropbra Frederico de
Crooegk no seu bello e roelancholico poema
las Soliddes. As bellezas da natureza so
constantes e em sempra o mesmo brho.
Nem se crea que a poesia pastoral nma
pintura QpI da vida real dos pastores, nao ;
.i razo mesmo o nao deixaria pensar. O
poeta, ese ente sagrado no dizer de Cou*
in, esse et.te que ve a realidade, masque
vive de i lusoes, e que pela realidade le-
vado a sonbar outra vida melhor, nao can'a
a vida pastoril como ella nem os pastores
olmo elles sao, c sim como elle deseja que
fossem ; nao que a vida pastoril n3o seja
cheia de felicidade a rodeada de encantos:
por ceito oila o 6, mas nao de tantos, quan-
H's tem a vida pastoril das clogas e dos idyl-
lios; as-ira como os pastores nao dexam de
ter um coracSo simples e costumes puros e
innocentes, mas nao tanto quanto tai os
cantados pelos Theocritos e pelos Longus.
Do i iio pensar assim que vem Fonte-
oel.'e der que nem tudo so passava entre os
pastures como Virgilio pinta em suas eclo-
gas, nao duvi ando mesmo que muitas ve-
zes acabavam os desaSos decanto indo-se s
raaos ; o qua por cerlo elie nao teria dito,
se aitcndesse natureza o objecto da poesia
pastoral, como nos a temos considerado.
Sabemos que nenbum homem est con-
tenle com o seu estado, elle sonha sempre
um estado melhor, a felicidade que do go-
sa; o que fazem os poetas buclicos (como
quasi todos os postas); pniio nao a vida
real dos pastores, com a qual, com quanlo
uiiiito boa, elies nao eslo satisfeitos, mas
sim aquella qne ellos desejariam gosar.
E sabis porque a vida como se acha de-
sci pta as edog?s a melhor das vidas
que se possa passar na trra ? E' porque a
vida dos pastores j mui feliz, j muiba;
se assim nao fra, sor mar tanta felicidade,
tanta innocencia, tanta simplicidade seria
impossivel; em tudo ha gradado mesmo
es sonhos da felicidade: o miseravel ra-
ja a sorte d'aquelle que tem com que
passar descentemente ; nao se lembra po-
reui dos Cresos ; assim tambem s inveja a
sorte dos Cresos os que sao asss ricos :
nio, quanto de repugnan! a o orgulho ea
vaidade na ignorancia.
Tenho fallado aqu smente dos idyllios ;
porque de Gessner como poeta buclico
como 1ue me lenb0 occapado ; mas n3o ser sem
encatto e interesse que se ha de ler o seu
poema da Noite, qee lia pouco.menconei
o seu poema pastoral de Daphnis, que
elle deo por epigraphe o seguinte verso de
Propercio :
Me juvit in gremio doctee legisse fuel-
le que teve ao depois do supprimir quan-
do quiz pubaclo, pois sem isto nao o
ofaria: o seu poema da Morte de Abel, no
qual elle muitas vezes se eleva altura da
Epopa; o seu poema do primeiro nave-
gador; o seu piqueno poema do Quadro
do diluvio; os seus cantos poticos e mes-
mo o seu drama de Erasto que depois deu
logar ao drama de Sylvano.
Por toda a parte encontrareis Gessner
genio sempre vieoso eamavel.
Recife 20 de Novembro de 1836.
3. V. Metra de Vasconcdlos.
i'ui portclro de Pars
Mais do que qualquer outra parle calca-
da de Antin, a ra de S. Jorge apresenta
alguma cousa de elegante e aristocrtico.
No meio de seus bellos palacios nao se ve
nem a leuda da fructeira, nem a loja de pe-
so, nevitavel a cada esquina, como o letrei
ro em letras azues que serve de cicerone
aos transentes.
Durante o eslo,pouco o sussurro n'ella.
Nao se encorara nngu-im e asv persianas da
maior parte das janellas conservam-se ter-
meticamenie fechadas. Esl tudo para o
campo.
Ao oproxim.tr-se o invern, ludo se ani-
ma. Cruzam-se os tylburis com estrondo;
numerosos criados de jaquetas vermelhas
ou de libr passam da continuo em oppostas
direcces; alguns pica lores repetem as
suas buzinas de caga as alegres arias que
ainda ha pouco fazam resoar no meio dos
bosques, e todas as noites vagas harmonas
de valsas o contradansas se escapara atravez
das janellas, esplndidamente Iluminadas,
ao mesmo tempo que loogas fileiras de
carruagens tomara toda a largura da roa,
(1) Foi o poema da Noite, a priraeira
composco de Gesser; ee appareceo em
1753.
9. "."
FOLraM
D. BRANDA DE LANZA
RCGRDAQOES DA CORTE DE FELIPPE II
Romance histrico original
Por E> Feio de Mendoza.
, PATE [
Rcdcmpco por amor
LIVEO IV
0 SENTENCIADO A MORTE.
LContinuacSo do n. 293.)
CAPITULO XII.
i'ma historia amiga.
Aigomas horas depois, Branca e Fernan-
da ricamente vestidos e brilhando nos seos
olh'w o conteolamento e o prazer, acba-
v.m se n'nm salSo do palacio da embaixada
al ema com o duque de Brademburgo, que
oihando affectoosamente o novo re, Ihe
dis e:
Ssnbor e meu primo, V. M. estar
sem duvida impaciente por saber os estra-
nhos successos que obrigaram seus Ilustres
paisa telo oceultopor tanto tempo, evu,
s n.'o permute V. M., dar-lhe completa
cunt disso.
-r- Oh l sim, mea bom duque. .. podis
imaginar qual ser o meu desejo.
Entao posso principiar ?
Certamente.
Pois ouvi, senhor.
E o* anco comecou desta maneira :
Desda muito joven, meu principe, es-
t eevcompUtfaU do imperador da Xas-
tria, vosso Ilustre pai, quando elle anda se
n5o traba sentado no tbrono. Parentes am-
bos e ainda que eu traba muito menos idade
do que elle, n3o guardava segredos para
mira. D Fernando era nobre, impetuoso
e de paixoes lao violentas, como apoucado
e tranquillo foi sempre seu irmo D. Carlos,
pai de D.Felippe II.
Aos quarenta anuos, senhor, era vosso
pai rei dos romanos bavia j muito tempo,
esperando succeder a seu irmo D. Carlos
do imperio da Allemanha, quando sua es-
posa D. Maria, fiiha do imperador, cahio
gravemente doente de uma febre ardente
que a levou em quinze das sepultura.
Nao possivel dizer-vos o sentimento do
rei, pois foi t5o grande e tao immenso que
todos j alga vamos que ia seguir sua esposa.
Seu irmo D. Carlos, para o consolar cha-
mou-o Hespanhs, e D. Fernando parti de
Francfort, acompanhado da seu nico filbo
o prncipe Rodulfo, que tinha entSo quinze
anms, e de uma pequea comitiva da qual
eu formava parte.
Um anno depois de estar em Madrid
vosso pai coaiecou a acbar-se mais tranquillo,
e em breve recuperou a sua alegra e o ge-
nio propenso s aventuras amorosas, que
tanto Ihe agrsdavam.
A' uma destas deveis, senhor, o ter as-
cido.
D. Leonor de Haro, filha do conde deste
nome, era nma donzella formosissima de
vate anoos, e a sua discrico e virtudes
eram iguaes sua belleza. D. Feroand-
vie-a e enamorou-se dalla at ao exirem
de nao fazer caso des fa! ares do mundo nem
n3o deixando ouiro caminho franco as pes-
soaj qti6'pasam senJo as largas^lages que
fjrmam o pavimento dos passefeg. Final-
mente, situada no meio da ra Laffitle e da
nova Alhenas, a ra deS. Jorge parece uma
nobre condessa do arrabalde de S. Germa-
no refugiando-se entre um banqueiro e um
artist', para se esqoivar ao burguez da na
Montmattre e mendiga da ra Coquonard.
Por mais abstracto que vades quando fa-
zes caminho pela ra deS. Jorge, ba uma
casa em (rente da qua! n3o passareis sem
erguer a cabera e alTrouxar o passo, pois
vos impressionaram osouvidos ou os cnti-
cos mgicos de uma rebeca ou as melodas
dealgtimasjuvenis e puras vozes. Situada
a esquina da rita Cha:tereine, cssa casa
eleva graciosamente os seus dous altos an-
dares, deixando ver, na exiremiJadedo ves-
tbulo um pouco escuro, os brancos degraus
e o corrimo envernizado de uma escaJa de
pedra. Prendem-se a esta casa grandes re-
cordafbes. N'ella morreo Bernadolle, Berna-
dotte, quando, pobre official, nao presenta
a cora que tinham ae vir a por-lhe na ca
bega. No mesmo quarto onde dorma o fu-
turo rei, escreveu Kreulzer mais tarde as
suas admiraveis partituras ; foi aiDda n'aquel-
la easa que \1 B our-Lormiaa desQgurou
em verso gascSo Ossiau e o Tasso 5 final-
mente Jrricault, esse Miguel Angelo, morto
antes de lempo, all fez os seus primeiros
desenhos.
Moje, veris maitas vezes assomar a al-
guma das varandas a paluda e potica figura
de Listz, ve lo-beisencostar-seao hombro de
outro mancebo, de Massart, ainda ha pouco
creanca-prodigio como elle, e actualmente (1)
um dos nossos mais habis violinistas.
Hoja, um enxame de jovens, urnas ape-
ando de nobres carros, outras chegando hu-
mildemente a p, todas com um volumoso
rolo de msicas debaixo do brago, todas be-
nitas, todas vidas de tlenlo e de gloria,
vio ali reclamar as licoes do clebre Bor-
dogni. As vozes que vos impressionaram
sao as suas ; os accordes que vos fizeram
estremecer sao os do violioo de Massart e
os do piano de Listz.
Ha treze para quatorze annos, em 1821,
era porteiro desta casa um telho em cujas
maneiras se notavam as tradices da alta li-
br aristocrtica. Delgado de formas, com-
pridos os bragos c principalmente as mos,
trazia sempre altivamente erguida a despo-
voada cabega, e nunca podra acabar com-
sigo a substituir pela caiga dos tempos mo-
dernos o calgo e as meias repuxadas, em-
bora as pennas, pela extraordinaria magre-
za, Ihe eslivessem recamando o agazalho e
coramodidade daquelle trajo. No que toca
ao portal da casa, nunca o varria sera soltar
profuudos suspiros e cruzar os bragos sobre
o cabo da vassoora, para mais vonlade
contar aos porleiros da visinhanga a sua vi-
da feliz de outro tempo e a sua deplcravel
decadencia actual. Ter sido viote e cinco
annjs criado de quarto de umfidalgo e aca-
bar p rteiro da casa de um artista! Seja
por Deus l ao que a geale chega e o que
sao as cousas d'esle mundo!
Quanto ao mais, tributavam ao bom Pi-
card na ra de S. Jorge toda a consideragSo
e importancia que elle se dava a si proprio;
simultneamente o orculo do bairro e o
juiz de paz de todas as quesloes, era, alm
d'isso, o hornera dos almres nasconjunctu-
ras difficeis.
-Pergunle ao Sr. Picarddizia-se, para
acrescentar mais peso ao que se contava.
Na sua qualidade de criado de quarto de
um fidalgo, Picard mosirava-se esturrado
realista ; porm praticava a tolerancia chris-
t com grande caridade, e apezar d s ms
opnies e do liberalismo de seus amos, nem
por isso abria menos francamente a caixa do
rap aos criados de dous generaes, reduzi
dos a meio sold, que inoravam na ra
Qoando os criados, ex-soldados da antiga
guarda, acertavam de fallar do outro e de
praguejar contra o rgimen dos Bourbons,
Picard batia-lhes brandamente do brago e
acrescentava:
Nao fallera )s era poltica.
O que o nao impedia de fazer logo ouvir
algumas das suas eternas lamurias a res-
peito do tempo passado.
Nao obstante as suas jeremiadas, o bom
Picard nem por isso viva menos feliz no seu
(piartosinho, que todos achariam mais com-
modo do que de ordinario costuma ser a
habiiagao de um porteiro. No invern, boa
fogneira, e, ebegadas as seis horas, apenas
dous ou tres aquilinos a quem abrir a por-
ta; no vero, ar li\re eo cultivo de quatro
vasos de llores, que entrelagavam a sua fo-
Ibagein no soco de uma estatua de broDze
do vestbulo ; escutado, tido em conside-
rago por todos, estimadd do senhoro, que
nao deixava uma s vez de Iba dirigir, ao
passar, este affectuoso comprimento : Ola,
meu rico Picard, como vai isso ? que Ihe
faltava ? Nada. Sim, por cerlo nada; e se
liana saudades do passado, se d'elle fallava
(l) A epocha em qua foi escripia esta
phanlasia itteraria remonia ao annode 1836.
(Nota do traductor.)
das murmurages da sua comitiva, a qual
adevinhra que o principe ama va a bespa-
ohola mais do que II13 convinha.
Com effeito a joven estava promettida ao
duque de Alcudia, opulento napolitno e
general das tropas que o imperador tinha em
Flandres. Mas D. Fernando d'Austria, ape-
zar dos seus quarenta annos, era um com-
petidor lemivel, e alera da sua galbarda fi-
gura, tinha um talento muito vasto e uma
cuoversago encantadora. No fira de dous
raezes D. Leonor achou-se vivamente im-
pressionada por vosso pai e o seu amor nao
conheceu tambem limites; mas a dama era
de uma viriude muito solida, e a ardente
paixao que alimentava pelo principe nao es-
lava em harmona com a sua boara e recato.
D. Fernando, enomorado como um ado-
lescente de quinze annos, comegava a per-
der a razo, e o seu amor chegou ao extre-
mo de nao reparar em cousa alguma. Com-
prehendendo queja mais Ihepertenceria D.
Leonor senao a tornava sua esposa,, nao
teve duvida em Ihe propor um casamento
secreto, que tranquillisasse os escrpulos da
virtuosa dama. O sacrificio que D. Fernn-
com amor, qae ao coragao do homem
sempra ffeiso nra defej ou uma saudade;
ainda porque o passado Ihe recordava
uma nobre e sania aecc, na qual, todava,
curopre declarar-se, Picard nunca fallava.
Em T93, o raarquez de Valicourt, amo
de Picard, fra preso, e pelo seqnestro de
seusjens ficra sem recursos, bem como
sua mulber e um fllho no bergo; que ella
tinha levado para a emigrag'o. Picard, o
fiel Picard, acompanhoa seu amo para Pa-
rs, e a fina de proporcionar a'gnm lenitivo
sorte do fidalgo, a fim de que o berdeiro
de dm Ilustre nome se nao \isse reduzido
enxerga e ao pSo negro da prizo, o fiel
criado sujeitou-se aos mais rudes e vis traba-
Ihos. Nada Iheraeltia medo, nada o desa-,
nimava. Tendo por dormida um palbeiro, \
levantava-se ao romper do dia, trabalhava
seus descanso,aiimenlava-?e mal e privava-se'
das cousas mais indispensaveis, ale de luma. \
Vh I que, ebegado o dia da dcada, podia \
'este modo entregar ao fihlgo encarce-
rado algumasmoedas deprata com que elle:
ficava emcrcuraslanciai de prover s ne-
| cessidades mais urgentes. Seg indo quera'
fazer acreditar ao marquez, es'.e dinbeiro1
'nao provinba d'elle; era um seu amigo in-
cgnito que Ih'o mandava e que nao ousava
jir entregar-lb'o pessoalmente comreceio de
,so compromeiter. O marquez de Valicourt
nao presava crdito a estas geaerosas raen-
liras, e mais de uma vez, com os olhos ar-
razados de lagrimas, estendeu a mo a P- i
card, que punha o joelho em trra e respei-
tosamente beijava a mo que o fidalgo Ihe
apresenta va.
A dedicago do generoso Picard por seu
amo durou seis annos completos, ao fim dos
quaes o marquez de Valicourt foi condemna-
do a deporlago.
A Picard nao passou sequer pela ideia
abandonar seu amo e por frlelidade fez pelo
infeliz fidalgo o que Desgrieux fi'.era por
amor a Manon Lescaut. Acompanhon a p,
de cidaoe em cidade, a carreta qu3 conduzia
o velho solarengo, doente e sem forgas. De
tal modo que os soldados que escoltavam o
preso, conhecendo o nebrecorago de Picard,
tiveram corapaixo d'elle e deixaram-no li-
vremeote praticar com o amo, chegando j
por ultimo a permittirem-lhe que fosse no
mesmo carro que conduzia I os deportados.
Julgue-se da alegra do fiel cria lo! Poder
amparar a cabega desfallecida de seu amo,
poder animal-o! poder dispensar-lhe os seus
cannhos e affectuosos cuidados!
Ai! curta foi esta ventura O marquez
expircu no caminho, encostada a cabega ao
peito de Picard, murmurando palavras em
que abengoava o generoso auxilio do seu de-
dicado servo.
Prestou Picard a sou amo as ultimas Ino-
ras e regressou a Pariz, onde se Ihe depa-
rou, n'uma casa da ra de S. Jorge, o lugar
de porleiro de que fallamos. O resto sabem
os letores.
Um dia que Picard se acbava entrada
da sua porta, bacharelando sobre acoqleci-
mentos da revoluto, como de costume, com
tres ou quatro visinbos, acertou de passar
um bando de estroinas, soffrivelmcnte em-
briagados, cotnquanto na sua elegancia e ma-
neiras revelassera ser de boas familias* Um
d'elles, o mais novo, fazeodo de repente pa-
rar os companheiros, disse-lbes algumas pa-
lavras, rindo s gsrgalhadas, e destacndo-
se do grupo acercou-se de Picard, diante do
qual se descobriu cora zombeteira cortezana.
Picard nio deixou por isso de Ihe correspon-
der, tirando o bonet que Ihe servia a resguar-
dar a calva fronte do contacto do ar.
Qaeria que vocemec me prestasse am
grande obsequiodisse o mancebo.
O' senhor!. que obsequio?
Um obsequio immenso, meu querido e
honrado senhor.
Da que se tracla ?
Vocemec nao m'o recusar, nao ver-
dade?
Se o que V. S. deseja for possivel, cer-
tamente que nao.
Olbe .. Nao v agora recusar, que
me daria n'isio ura desgosto muito grande...
Olhe: quera uns poucochinhos dos seus ca-
bellos.
Malcreado!bradoa Picard.
Qoero-os seja por que prego for; ain-
da que pague fabulosamente cada um, eu
quero-os, respeilavel velbo!
V-so d'aqui, senhor!
Os esturdios riam s gargalhadis e os v-
sinhos de Picard faziam o mesmo.
Quero que me des alguns cabellos leus,
digno porleirocontinuou o mancebo, ani-
mado pelas risadas. Quero-os, j l'o disse;
nao m'os recuses.
Picard teotou recoiher-se ao interior de
casa, mas o seu perseguidor agarrou-o pelo
braco. Enfureceu-se ento o pobre velho,
porm nem a sua ira nem os seus esforcos
conseguirn) livral-odo teiraosoembriagado;
os espectadores fazam circulo emvolta d'el-
les. Julgue-se da dr de Picard! ver-se
acommettido de semilliante modo! tornar-se
elle ludibrio de quem passava 1 ser objecto de
uma cagoada!
Durou isto at s dez horas.
e o casamento celebrou-se, como era neces-
sario, em segrelo pelo bispo de Gando, e
sem mais testemunhas que minha esposa e
eu, qae fomos os padrinhos.
Por secreto que tivesse sido o matrimo-
nio em breve comegou a susurrar-se na
corte, e vosso pai achou-se compromeltidis-
simo. Os eleitores da dieta de Asburgo
nao queriam para imperatriz da Allemanha
uma dama particular, e o duque da Saxonia,
grande eleitor, qua era om dos mais influen-
tes e. que desejava casar sua filba D. Ignez
com vosso pai, omecou a trabalhar para
conseguir os seus ambiciosos desejos da
maneira mais torpe e mais indigna. O rei
de Hespanha, D. Felippe, protega seu tio
com dinheiro e soldados oo, querendo que
o vencesse o margrave de Esse, seu com-
petidor no imperio; Foi assim que com
estas revoltas a presenga de vosso pai se fez
oecessaria na Allemanha, e teve que partir.
Com o maior sentimento se apartoo de D.
Leonor aos tres mezes de casado, deixando-a
acompanhado por minha esposa, em quanto
eu ia com elle Allemanha.
Vossa mi chorou muito, porque um se-
Qaando Picard se recolheu ao seu qna-
to, sentia-se doente e nao pode fechar orno
em toda a noule, atormentado pelo reseoti-
mento de lo desbragado escndalo.
Ao outro dia pela manb, quando asso-
mou ao limar da porta, os visinbos trocaram
entre si um olbar e sorriram-se.
Uma ponhalada no peito nao Ihe doeria
mais pungentemente.
Triste e cruelmente humilbsdo, recolben-
se ao seu aposento, dVnde n3o tornou a sa-
bir era 10lo o dia. A' tarde,porm, resol-,
veu-se a tomar um pouco de fresco. Em p,'
no meio da porta, conservava-se firme, silen-l
cioso e ebeio de dignidade, angando olhares!
de despreso para os visinbos, quando ao p'
d'elle se chega um criado c loe disse:
Moc quer ganhar uma mo cheia de
dinheiro, seu velho?..
Nao concluiu, porque Piard, adivioban-
do o resto, aiirra-se a elle ebeio de raiva:
mas o criado, que era robusto, repellm o de-1
bil ataque do pobre velho e poz se a gritar:
Urnas tesouras! urnas tesouras para
cortar alguns cabellos a este homem !
Isto durou quinze dias seguidos, com gran-
de algazarra dos visinhos.
Ao fim dos quinze dias foi Picard acom-
mettido de uma febre cerebral que o tornou
louco; louco furioso.
Que deslino dar-lhe ?
Amarraram-o com cordas.. prenderara-o
cama e revislaram-lhe os movis a ver se
teria Igum dinheiro que permitiisse faze-lo
transferir para uma caa de saude.
Nao se encontrou dinheiro, mas um pa-
pel que conlinha estas palavras:
t Recommendo a minha familia o meu
a aligo criado de quarto, Amandio Francisco
Picard, que me suslcntou com o seu traba-
llio durante minha prizo na Coucierge-
rie, que me acompanhoa quando fui depor-
tado, qne me dispensou sempre os cuidados
da mais entranhada dedica,-3o, Sentindo-
me prximo minha ultima hora e nao po-
rteado recoiihecer re modo algum os servi-
cos d'esle generoso amigo, deixo-lhe este
papel, com pedido e ordem, se preciso fr,
a minha familia, para recompensar digna-
mente Picard, que nao para mim um cria-
do, mas um amigo, ura irmo.Marquez
de Valicourt
O raarquez de Valicourt ? pergun-
tou alguemo marquez de Valicourt ?.. O
neto da guarda dos archeiros e o pi
d'esse rapaz mora ha algum tempo no arre-
balde de S. Germano.
E' preciso levar Ihe este papel epe-
dir-lhe algum soccorro para Picard.
Eu enearrego-me d'isso propoz o
medico.
Efectivamente apresentou-se e foi rec-
balo por ura mancebo de vate annos, a
quera deu a ler o papel.
O mancebo percorreu o com a vista e ex-
clamou :
Onde est esse honrado homem ? Nos
j sabamos da sua generosa dedicago.
Esl doudo e eis de que modo endou-
deceu.
Contou o medico o que se tinha passado
com Picard. Empalideceu o mancebo e mur-
raurou:
Ora ah est um gracejo de que foram
bem funestos os resultados!
E depois de uma curta pausa continuou:
Pego-lhe que nao falle em nada d'isto
a meu pai. Eu pagarei a penso de Picard
n'uma casa de saude ; aqu tem o primeiro
trimestre.
Retirou-se o medico, concluida a su i ge-
nerosa msso. O neto do marquez de Vali-
court ficou dizendo entre si:
Ora que necess.dade tinha eu de pas-
sar pela ra de S. Jorge depois de uma or-
gia e fazer ainda mais esta extravagancia .'
Cem francos | or mez Cara me sabia a brin-
cadeira !
Verdade que a penso s foi paga du-
rante dous trimestres.
Ao (im d'elles Picard fei ransferdo para
a casa dos indigentes em Bictre.
UM POUCO DE TUDO.
EstaTstica importante.Um philosopho
dado a estu Jos estaiisticos apurou ultima-
mente os seguintes dados, que sao tremen-
dos :
Homens tolos e velhacos 6,790.
Velhacos encobertos com a capa de to-
leima-3,200.
Tolos extremos 1,121.
Tolos que passam por avisados 5,630.
Ajuizados por passam por tolos603.
Ajuizados legtimos4.
Sujetos que sejulgam poetas4,500.
Poetas sensabores innoffeosivos2,000.
Sensaboroes daniohos 1,500.
Suspiradores que nao escrevem800.
Poetas queescrevem sopara si197.
Verdadeiros poetas3.
Homens que se casam por interesse
600.
Que se casam por extravagancia420.
Que se casam para montar casa434.
do fazia nao podia ser maior, pois que cora- ordo presentimento Ihe dizia que nao tor-
promettia a sua elevago ao throno impe naria a ver seu esposo, e quizacompanha-
rul, que estava muito prxima, com a ab- lo disfargada em pagem. D. Fernando
dicagJo de teq irmo D. Carlos que se tinha amava D. Leonor apaixonadamente, e teria
retirada para Juste. Mas ob I meu princi- accedido aos seus desejos, mas eu manifes-
pef quando um homem se enamora deveras te-lhe que isso seria uma loucura que po-
n5o repara no que pie custar-lbe o sea deria compromette-la, visto que vossa mi
amor, e est sempre disposto a sacrificar se achava no seu estado interessanle.
lado pe"a mulher que ama. Vosso pai por, Pr ultimo vossa mi ficou m Madrid,
fim offereceu a D. Leonor o seu nome e a Meu augusto primo e eu p3rtimos*pm
suanjo, quequnto um homem pJo dar, Allemanha e eneonlrato-la feita uma B*M.
t' &i | ti t

Tres principes se dispulavara o imperio.
Roberto de Fredimburgo, o margrave de
Hesse, e D. Fernando de Austria. Fredim-
burgo estava apoiado pelo influente eleitor
duque de Saxonia, cora a promessa de que
se casara com D. Ignez, pois que o ambi-
cioso pai quera a todo o custo que sua fi-
lha fosse imperatriz. O margrave de Hesse
por toda a povoagao de Asburgo, d'onde
era natural; e finalmente vosso pai, por
ser rei dos romanos havia muito tempo,
era o que tinha mais probabilidades e di-
reitos de ocenpar a cadeira, pois qoe alm
do seu ttulo, que o distinctivo dos ber-
deiros do imperio, era neto do imperador
Maximiliano, e a Allemanha inteira nao po-
da esqaecer os beneficios que a este devia.
Dous mezes eslivemos combatendo mil e
mil intrigas, mas por fim vosso pai D. Fer-
nando pode dominar os seus inimigos e
rivaes, e fji eleito Cesar Augusto pela die-
ta na igreja de S. Bartholomeu de Franc-
fort.
Durante este temps eslivemos recbenlo
noticias de Madrid por correios extraordi-
narios que enviava minha esposa. D. Leonor
prosegua no seu estado oteressante deso-
jando cada vez mais abragar sea idolatrado
esposo.
Ento soubemos qae Uvera uma explica-
glo muito violenta com o duque de Alcudia,
o qual reclamara os seus direitos ao sea
amor, pedmdo por isso ella a seu esposo
que declarasse publico o sen casamento,
pois que a sua pj>ico se ia tornando equi-
voca e violenta.
D. Fernando nio poda adherir a isto, em
I" ,
Que se casam por obrigago de acabar o
namoro55.
Qne se casam por amorI.
Mulheres que abandonaram os seus ma-
ridos por nao os poderem aturar2,300.
Maridos que abandonaram as mnlberes
para oo morrerem de desespero9,000.
ConLiges separados voluntariamente
309.
Que se nao separara para nao dar escan-
dalo-930.
Que se nao separam paranSo icarem po-
bres-200.
Que se nao separam por causa dos filhes
123,
Que se nao sepsram por indiflerenga ou
preguga600.
Que se nao separam para nao andar com
mudas102.
Que nao se separam porque nao querem
separar-se-9.
Individuos que vem tudo negro : os
que s passeiam de noute.
Individuos que veeru o mundo debaixo
de urna cor celestial : os que usam de
oculos azues.
Individuos que s veem a sociedade por
um lado e-.querdo : os que sao cegos do
olho direito.
Sujetos era cojos hombros mais pesam
os destinos sociaes: os carrejes e os
cadeirnhas.
Sujeitos para quem uma agona cada
passo no caminho de existencia : os que
tem as botas a;ertadas.
Sujeitos que nao do um s passo digno
de censura : os entrevados.
Sujeitos que nao criam nunca cabellos
brancos com os desgostos terrenos: os cal-
vos.
IIistoriv de cma pistola.Existe no
theairu francez, em Pars, uma pistola que
tem a sua historia verdadeira ou apocrypha.
A referida pistola existe no armazem dos
accessorios e eis ahi como para all foi.
Um mancebo que linha a mana de fazer
versos mandou uma pega para a comedia
franceza ; reeusaram-lh'a. Elle escreve uma
carta desesperada, em que ameaga, se Ihe
nao mandarem um ausilio de dinheiro, de
fazer-se voar os milos. Correm a casa
delle, encontram no deilado, e descobrem
debaixo do travesseiro o cano da pistola fa-
tal. Do ao infeliz mancebo dnzentos fran-
cos
Dous mezes depois, nova carta, nova vi-
sita. A pistola faz anda o sea officio, a
comedia larga mais duzentos francos. Tres
mezes depois, terceira pistola. Desta vez
achara que a graga se prolonga demasiado ;
mandara chamar o mancebo ; chega, triste,
meditabundo, trazendo a celebre pistola na
algibeira.
Senhor, Ihe diz o director com voz
severa, tem abusado da nossa paciencia, e
tem-n'a fatigado. A priraeira vez que se
lembre de nos ameacar, ou por carta, oa
por qualquer modo, com aquelle senhor
com quem tem de se entender.
E com o dedo mostrava-lhe o commissa-
ro de polica. Tomaram conta da pistola
tornada historia.
Divida publica europea.Grecia.Fal-
tara documentos precisos que determinem a
divida d'este pair. Segunlo Kolb deveser
de 202 milboes de dracbmas. O relatorio
apresentado pelo governo assembla legis-
lativa em 1865 avaliouaem 308 milhoes de
dracbmas. Finalmente o Elpis, jornal de
Athenas, Gxou-a em5:144 milhoes de dra-
cbmas.
* ^.r
Hanover.-0 ex-reino do Hanover, antes
da aonexago Prussia, tinha a divida de
thalers 42 820:368. No orgamento de 1866
a 18157 os furos figuravam 1.930:100 tha-
lers.
Italia.Em 31 de dezembro de 1865 a
Italia apresentava a divida de 5.287:582:451
francos. O servico correspondente deman-
dava 2 79.609:704; a saber: 358.622:705
para juros, e 20.986:999 para amorlsago.
Em viriude do tratado de paz, de 3 de on-
tobro de 1866, a Italia tomou a seu cargo a
divida de 35 milhoes de florins, pagavel
Austria em H pnslsges snecessivas, e no
praso de 23 mezes. Por um tratado mais
recente tomou tambem a sea cargo uma
somma, qua anda nao rst determinada,
em que importa uma parte da divida pon-
tiScia.
Noruuja.Em 31 de agosto de 1862 a
divida d'este paiz subia a 7:206:500 thalers-
especes: (moeda que vale 5 francos e 61
centesimos) e era 31 de agosto de 1865
8:240:700. O juro e araortisago da divida
figurara com 553:662 thalers-esper.es no
orgamento de 1866-1867.
Continuir-se-ha.
quanlo nao estivesse bem seguro no tbrono
e sem inimigos a quem temer, pelo que
escreveu manifestando-Ihe qoe dol a mui-
to pouco tempo daria cumprimento aos seus
mui justos desejos.
Passaram quatro mezes e acbamo-nos por
fim livres de todos os competidores que nos
podiam fazer guerra. Ento vosso pai pen-
sou na sua coroav3o como imperador, o
que se verifLou era Aquisgrau com loda a
pompa. Mas D. Fernando, que era um
grande poltico, quiz tornar .0 imperio he-
ranga da sua familia e com este fim no-
meou e fez coroar como rei dos romanos
seo filho Rodulfo.
No mesmo dia da coroago de vosso ir-
mo, uma carta de minha esposa nos annun-
ciou a fausta nova do vosso nascimento,
nova que encheu de mmensa alegra D.
Fernando, o qual nao teve outro pensamecto
que elevar vossa mi ao tbrono ; e para a
conduzir Allemanha, me envin a Mairid
com um acompanhameuto roui luzido.
Cheguei,a Madrid em uma noute' escara
de invern e.., Oh I Senhor, disse com
emogo o nobre cavalheiro, jamis me es-
quecer aquella nouie terrivel, que ainda
creio ter ante a minha vista.
Mea Deus exclamoa Branca sem
poder conter-se, inlerrompeo jo o. narrador,
qae foi o que se passou naquella nou'.e ?
Ides sabe-lo, senbora. Oavi-me,

^


[fCntinuar-s^-ha.)
i -_____________
TYP. DOf IARIO-RUA DA CRUJES N.,4i
Wt



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENUTXU3XC_YXT238 INGEST_TIME 2013-09-05T03:10:06Z PACKAGE AA00011611_11451
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES