Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11445


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLIII. NUMERO 288. ** .,<**^ *u
m!
'

'" 1 CVKiriL, B LLUIUE1 Mili MO PAOA rOTB.
Pr Iras f/ism.i... 4.............. WOOO
P* mi <* U.. .i ., .j .) ., .... ., ., ., #1 .i ..' I2000
rtr a mt (Jai.. .] .j
fiaia uajerjT4l .] ,#J
^ .1
1 .1 .1
.1 .1 .1

I
S
24*000
320
ii.riiM SABBADO 14 DE DEZEMBRO DE 1867.
*AA OBMIIO B rOHA DA rHOVIXCI*.
Per tris aameiidiantadoi.. ,, ,,...... ....
Par sehdiiM idea. .. .,
Par nava titw Um... ..
Par u UN Me.. .-..; ..
'
t*
W7M
W50O
264250
27*000

ABWKBSi-Ba mu imEDiimivi od isimip at&iit m mHDiik jhhiih^d h im <* vs&'Ds aita piqpsuii&aiuioo*


IENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO.
Parahy bi>, o Sr. Antonio Alexandrino da Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty,
oSr. A.de Lemos Braga; Cear, o Sr. Joaquim
os de Oliveira ; Para, os Srs. Gerardo Antonio
Alvea & Filhes ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da
Costa; Alagoas.o Sr. Franrino Tavares da CosU;
iahia, o Sr. Jos Hartins Alves; Rio de Janeiro,
Sr. Jos Ribeiro Gasparinbo. |
PARTIDA DOS ^TAPETAS. iSerinhaem, Rio Pormoso, Tamandar, Ua, Bar
Olinda, Cabo, Escada estages da fia farrea at I nin% Agua Preta Pimeotearas, aaa ouioias
Agua Preta, lodos o* das. I feiras.
SS^^UrK^K^^ D0S> A DA CAPITAL
Altinbo, Garanhons, Baique, S. Beoto, Bom Coa- j Tribunal do eommereio : segundas e quintas
seibo, Aguas Bellas e Tacaratd, as tercas-feiras. | Reiago : toreas e sbados s 10 horas.
Pao d'Albo, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira, [ Pazenda : qamtts as f0 boras.
lagazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa-Vis-1 Juizo do comraerc/'o ; segundas as II boras.
ta, Oorieury.Salguetro e Ex, as quartas feiras l Dito de orpbos : torcas sextas a 10 horas.
Primeira rara do el vil: tercas aextas ao meio
dia.
Segunda vara do clvei : quartas labbades
ocra da tarde.
DAS DA SEMANA.
EPHEltERIDES DO MEZ DE DEZEMBRO.
4 Qnarto rese, as 7 b. 12 m. da m.
II La eneia as 9 h. e 18 m. da a.
18 Qnarto ming. aos 42 ra. da m.
33 La nova as 8 b. e 47 m. da i.
{9 Segunda. Ss. Gorgonla v. e Leocadia v. m.
10 Ter$a. S. Mlcbiades p. ra. Eulalia t. ra.
11 Quarta. Ss. Damazo p. m. e Franco eonlesso.
12 Quinta. S. Eptnaeho, Mercorio e Jostino rom.
13 Sexta. Ss. Eostracio, Anlbioeo e Oresles mm.
14 Sabbado. Ss. Agoello, Pompeo e Drnso mm.
13 Domingo. S Albina m., S. CeciliaDo m.
PREAMAR DE HOJE.
I Primeira as 4 boras e 30 m. da tarda.
[Segunda as 4 boras a 54 minutos da
PARTIDA DOS VAPORES COSTEAOS.
Para o sal at Alagoas a 14 e 30; para o non*
at a Granja a 15 e 30 de cada mez; para Fer-
nando nos dia 14 dos metes Janeiro, marco, i
julbo, setembro e novembro.
PARTE OFFICUL
conmxDo das arias.
Qaartel general do eimmandA das armas de Per-
nambueo, na ciJalc di lltcife, 13 de deiembre
de 1867.
ORDEM DO DIA N. 399.
O brigadeiri commandanie das armas publica
para os devidos Ons :
1.* Que tendo o Sr. eapilo do 51 corpo de vo-
luntarios da patria Z-f-rioo Rodolpho Delgado de
Borba, Onalisado em 9 do correnle mez, a licenca
qne obteve do governo Imperial para tratar de sua
sade nesla provincia, f..i na mesma dala dispen-
sado do servigo do exercilo em vlrlude do dispas-
lo em aviso circular do ministerio da guerra de 17
de agosto deste anno.
2.* Que a presidencia commanlceu em ofciode
9 do correle, ter-se concedido em aviso do minis-
terio da guerra de 27 de sovtrobro ultimo, ao Sr.
capltao reformado do exercilo Luiz Francisco Tei-
xeira, licenca para residir nesla provincia.
3.* Finaimenie, que a mesma presidencia com-
mnnicou em ofScio de 10 deste mez, ler na mesma
data mandado por a disposigio do Sr. teneoieco-
ronel Joaquim Jos Silveira, encarregado do ^alis-
ta ment de [iracas para o exercilo de operares, o
Sr. alferes do 3* batalbo de infamara da guarda
nacional do municipio do Recite, Silvestre da Silva
panicao de sea car-/o.
(Assiguado) Jonquim Jnsc Goncalvn Fonles.
Conforme.Emiliano Ernesto de Mello Tambo
rnn, it nenie ajodanle de ordena encarregado do
detalbe.
OIABIO BE PERNAMBUCO
N
Da Europa cbegou hontem o vapor Francs E
tremadure, irazendo jomaos de Hamburgo al 20,
de Lonares 23, de Pars 24 e de Lisboa 28 do pas-
sado.
Abriram se quasi ao mesmo lempo os parla-
mentos francez, logldz a pru.-siao >. A lioguagem
dos respectivos governo* pacifica, e faz nutrir,
oo sabemos se bam fundadas espertngas de urna
resolugo pacifica das questoes que actualmente
se achara na ordem do da na Europa.
A impreosa da Europa recebeu com agrado
o discurso de Napoleo lli, que parece ter sido h-
bilmente calculado para pro^uzir tal eTsito.
O imperador, no seu decurso, proclama 2 oeces-
sidade de aeceiiar francamente os felos coosura-
mados na Allemanha e esta declaracao devia for-
zosamente ganharlne a benevolencia da Confede-
rado do Norte, especialmente da Prussia, posto
que o discurso imperial omisso acerca daadhe-
so dos estados do sul s vistas da Prussia, adbe-
8o ja iniciada, mas ainda oo concluida.
O documento imperial calcula sobre a possibili-
dade do regresso a Franga das forcas di expedigao
dos esiadjs romanes, e e tt calculo nao deva re-
pugnar aos Iulianos, que de cerlo preficirlam ob-
ter em (roca urna cerieza.
A conormaco do accordo das potencias relati-
vamente a s j-iniagao da liategridade do imperio
oltomano, m-ih raudo juntamente a orle dos
chrislaos do rlenle, deveser applaudlda por toda
a Europa a excepgo da Russia que se propoe a
retalhar a Turqua, e qae ap.'zar dos seas ostensi-
vos amores pela christandade do Oriente, esmaga
do occidente o emineota calbolicismo da Polonia.
Jo interior da Franga, a imprensa minislerial
acba o discurso claroe franco protestando liieli-
dada ao seu liberal programma de 19 de Janeiro.
Diz que clara, franca e firma, a poltica imperial
em relgao a'Allemanha, o em relagao a' Italia e
Roma, porque nunca ella fora bostil ao movimento
germnico, que se desenvolva peh vol dos alle-
mri-'s, nem u-ixara de ser em tempo algum gene-
rosa com a Italia.
Assim pera anacer' neutral em Al'.emanba, co-
mo o fj no conSicto ansfo-praSiano, e mantera
na Italia a obra de 1853, como enteole que devia
manler era Itoma o respeit) pela cjovcogo de
186a, e emqaanto ao Oriente a defensa da lotegri*
dada do imperio ottomane, com o melhorameoto
da son dos ebristaos, a masma allitude-a mes-
ma lilelidadas resolugds anteriores.
A Pirsse nio obstante ser ministerial, observa
que esta politiea governamental, no interior e no
exterior, por lira urna poltica espaciante.
O Jornal dos Debates faz urna observagao sobre
o que se pode notar em urna passagem do discurso
relativa Aliemanba se os ioteresses da Franga
podero ser ameagados pelas transfurraagoas que
se operarera sem o oto das populag5 ara' o governo imperial ?
E' porm fura de duvida, que o que lera' de
acontecer na Allemanha sera' urna consequencia
to l.igica, nm desenvolvimeoto lito natural, urna
conclusao o necessaria daquillo queallise tem
passado ha dozoite mezes que o governo imperial
cao poderla tomar pelo que toca a esses acontec-
mentos prximos ama resolugto diferente da que
tem adoptado acerca dos tactos ja consummado3.
Quinto as reformas interiores diz o imperador
que o exercicio desias liberdades novas expoe os
espiritos a excitages perigosas, mas conta com o
bom 160)0 do povo, e o progresso do-i costun-.es p-
blicos para as tornar impotentes; e conta ao mes-
mo lempo com firmeza da represso, com a
energa e aolorldade do poder ; podemos aCDr-
mar que ueste ponto o discurso nao promeite mais
do que tenciona cumprir.
O Sr. Emile Girandin rene em dnas pbrases o
discurso do imperador Napoleo. E', diz elle
Paz armaia e lberdade reprimida.
A imprensa da opposigao mais avangada nota
que prom^ttendo manler o programma de 19 de
Janeiro, relativamente liberal, o imperador acompa-
cha a promessa de ara appelle firmeza da re-
presso ; mas ao mesmo lempo acbam na parle re-
lativa Italia, diflerenga nouvel em ma s de um
ponto de vista, do discurso do auno passado.
No disc#so -jctual n a phrase t poder temporal. A qa-'sto a rfgo-
jar e que o governo francez pretende sobmeller a
ama conferencia, simplesmente a qaeslo das
relages entre a Italia e a santa s.
O discurso repelle t^da a bostilidade unidade
Italiana, e a alloso aos perigos que corren o prin-
cipio mooarcnico da' occasiao a crer que a imer-
vengo leve tanto em vista prot;ger a casa de Sa-
boya como a causa do papa.
O deputado o Sr. Jales Favre apresentoa tres in-
terpellagoes acerca dos negocios estrangeiros a ex-
pedico de Rama e a llberdade Individual ; o cor
po legislativo autoris a as inHrpellag5js a respei-
to da polilica externa e da qoeslo romana, mas
nao as permittia a respeito da poltica interne. Na
discusso das interpellagCes devem-se liquidar al-
guns pontos que ainda exhtem esearos, quando o
Sr. Monslier se nao resol va a enlrlocheirar detraz
das reservas que a diplomacia costura empregar,
mesmo no seio dos parlamenta que reclaraam a
expresso da verdade inleira. As interpellagSes ve-
riflear-se-bo no dia 2 de dezembro,
Ja ss fiestnbuio o hero azul que contm prin-
cipalmenie os despachos relativos a' Italia e a' liba
de Creta. O governo francez cansara a Tarqaia
nesta qoesiaj.
O governo promeltea retirar on a ultima pro-
posta de reforma do exercilo, fazendo se apenas al-
guma3 modiflcagSej na legislaco actaal.
O muistro da gaerra^o sea telatorlo diz qae as
trepas expedicionarias te concentraran! gradual-
mente em Civita Vecchia, onde ricara* orna diviso
oo orna brigada al qne o papa deixe de ser amea-
gado ;enVclivamente no da 25 parti de Toolon
a esquadra (ranerza para Civita Vecchia, para con-
duzir parte do corpo expedicionario, e os franceses
comegaram no da 23 a seus movimento de con-
centrado em Civita Vecebia, partindj anda no dia
26, de Rema dens regimentos france;es. uii-se,
porm, que as tropas francfzas se eslo concen-
trando un Civil Vecchia, romo se houvesse leogo
de >l se conservaren) isdedenidamenie.
Aprzar das n?gig3es de nma parle da im-
prensa franceza governimental, parece averiguado
qae o gabinete das Talheriis txpedira nma circu-
lar coofidenclil aos sens representantes, appresen-
tando as bases para a discossao da conferencia so-
bre a qaesto romana, e assim se explica a ao*
nuencia qae ltimamente se declara de qoasi todas
as potencias, iocloindoo governo poeiiticio.
Di2ia.>e anteriormenle que o summo pontfices
nao aceitava o congresso incondieionalmeole, oem
admiltia que ne'h fossem representadas potencias
nio catbolicas, e que responder que a igreja pode
discutir os melos de mant-r os seus direitos, mas
que nao pode deixar que esses direiiossejamques-
lionados;que a Prussia, a Iuglaierra e a Russia
exigiam como coudigo previa para aceitarem o
convitd p-ra a conferencia que se mireou sem as
bases das resolugdes que se bao de tomar ; que a
Italia nao se fuia representar em quaolo o exerci-
lo francez occonasse os estados pontificios, e que
s a Austria e a Hespanha havitm adheiido ao con-
vite sem condigo--3. Os oliimosielegrammas porm
diziam qne as negociagSes para a conferencia vo
em bom caminbo, que multas potencias a areitam
em priocipio ; a Franee o Elendnrl e oatros jor-
naes afTIaneam a adbesio de Po IX e de todas as
oolras poiencias.
A Franee pnblieoa nm vehemente artlg contra
as a c-rtificir qu entre a Franga e a Italia ba graves
motivos de desaccordo, apezar das dfdaragOes do
Moniteur, e qne a siloago enlre estes dous psizes
amito precaria que pode anda p-orar; -ola
depois que a Italia quer Roma por todos es raeios,
assim pela forga, como pelas excitagoes secretas,
a-sim pela diplomacia, como pela revologo e que
nada tem conseguido demove-la disto, nem as obri-
gag5?s solemnes da Franga nem os seus proprlos
compromissos.nem as resistencias victoriosas deste
paiz nem as saas tentativas abortadas.* Ha toda*
va urna rousa qa* pode faze-la parar.exclama o ci-
tado jornal, a vonlade da Franga. Adirme-se essa
vootade, affaste ella os equvocos, nao deixe sub-
sistir as suas resolugSes ambiguidade alguma, e
a Italia nao ira' para diaot*. E' preciso recoobese-
lo bem, se a Italia lera s:d > audaz, porque temos
sido condescendentes cora ella. A Franga tem re-
sistido sempre e tem sempre afinal cedido. Ora,
de lodos os modo de proceder este o menos se-
guro.
O artigo continna diz^ndo que a Franga nao fol
defTender o papa a Roma para o entregar a Italia ;
qae a Franga quer que o papa conserve a saa plena
e ioteira soberanu em Roma, o no patrimonio de
S. Pedro, e conclae qae a Fraog que iriumpbou
era Solferloi nao quer ser veocida em Roma, na
victoria de revolut.Ses e na queda de ama ustitui-
go que cairia sob e ella.
Escrevem de Florenga qae o ministerio Mena-
broa resolver adoptar sem besilagd^s a poltica
que exige R>ma como complemento da nnidade ita-
liana. O parlaraaolo italiano vai ser brevementj
convocado a reunirse antes de 15 d* dezerahro.
Esta sessao deve ter conseiaeocias serlas se Ihe
fr sabmettida, para se coosiderar a qaesto do
voto pela capial liorna, ou ainda mesmo que nao
verse a discassio se nao sobrs as inlerpellagSes,
qua naluralmente se apreseatarao logo a' abertura
do parlament). Um oofl'clo entre o gablnpte e as
cmaras, daria em resultada oa um ministerio da
esqoerda, ou a dissolugao da cmara; mas urna
eleigo as aciuaas circuastancias, daria ama c-
mara onde predominaste ainda mais a opioiao no
sentido das aspiragSes da Italia pelo cjmplemento
da ua anidade.
Esta' actualraenta restabelecida a tranqailidads
externa na Italia, mas as soeiaddos secreta tra-
balham a occallas, e d:z-se que ate flzeram aliian-
ga tacita cora os partidos retrogrado?, a' maneira
das sociedades francezas em 1846.
Na noite de 10 de outnbro hoava era Lugano nma
reunlo republicana presidida por Mamni, qne foi
iaaugurado por am discurso do celebre revolucio-
nario, que comparou a Italia actual com a Franga
do tercpo da revalagao, comparou Meoabrea com
Polignac, e Giribaldi com Lafayette.
Disse qne se a raonarchia ficara ferida em Apro-
monle, ficra raoru em Mentana; qae os italianos
oo tinhara dyranastia que sobsiitaisse a existente,
e que ho de ser obrigados a arvorar a baodeira
republicana.
0; discursos dos oatros oradores foram para-
phrases do de Marzloi. Foram no m da sassao ap-
provadas as seumtes resolugoes:
Obter a immediata convocago do parlamento
italiano, e induzir os deputados republicanos a des-
pojar-se do seu mandato, se o governo nao se com-
prometl8r a appcar imraediataraeote o plebiscito
que pede Roma pura capital da Italia ;
Revolucionar a Sicilia e a Calabria para arranjar
homens e armas ;
Convencer as papulagSes das cidades e dos cam-
pos de que devem estar promptas para se re-
volucionar ao priraeiro signal.
Organisar juntas de insurreigao em toda a par-
le etc.
Em lorenga apparecea afiliada segaiate pro-
clamago :
< Italianos :
Nao podis osperar da monarchia senao pre-
juizos, vergonha e perfidia. Apressai vos, se verda-
deramente qaerpis a salvacaj da Italia, de sepa-
rar vis d'ella.Mazzini;
A IVuzionc, qua i mai offlial, fulmina a procla-
mago de Mazzia', e diz que se a taes sonbos repu-
blicanos podesse corresponder alguma realidaie,
ao lado, oa em seguida a semelbanle acontecimen-
to o soldad) croata montara anda tranquillamen-
te guarda em Milo, e esta Italia anida, ou reino,
oa j i na forma de repblica mazziQiana passaria
aos seres imaginarios.
A Italia esta' fazendo preparativos de guerra
maito copsideraviis; no dia 1 de dezembro de-
viara eslar formados os qaatro bata'bSas do3 oiten-
ta regimentos de infamara ; trabalnavase com
muita actividade nos arsenaes martimos; trabara-
se aberto crditos snpplementares para occorrer a
estas despezas. No dia 15 de novembro apparecea
ara decreto na folha ofD-.ial, abiiodo ara crdito
de sete milhSes de francos a favor do ministro da
guerra, u general Cialdini quem deve nmar o
caromando geral do exercilo. O g)verno mandn
qae toda a esqaadra italiana se oncentrasse a 30
de novembro no porto de spezzia.
O general Laroarmora ja' parti de Pars onde
estava em commisso especial.
Diz se que o governo pontificio vai entregar a'
Italia os prlsioneiros garlbaldraos anda em sea po-
der ; segaodo as listas offlciaes sao 1,765 os pri-
sioneirosgaribaldiaos qae ainda estavam em Rama
ao dia 17.
O Pungido publicoa ama carta do general Mena-
hr a, presidenta Co con>elho de ministros, pela qu>l
se v qae aqaelle governo tres das depois do com-
bate de Mentano, reclamara os prisioneiros gar-
baldioos.
fiaribaldi contina preso em Varlgnano ; esteve
bastante tempo locommaoicavei ; agora (oi-lbe
permiuido tallar com os seus Olbos. Esta' guarda-
do pelo qnarto baulho de bersagleri e algnns ea-, aos em Manche-tr prodaMram grande agitacio
rabinelros. A vigilancia pessoal sobre elle f con- j na Inglaterra. Em Birmingham hoave na nouie
fiada ao teoente-corond Ctmozzi, qne o preodeo. de 21 tentativa de revolla doi irlandeses; foi re-
A' porta do general eslo sempre dous bersagleri e prlmida. Em Maochester, Liverpool e Birming-
dons carabmeiros que teero ordem de Ihe obedecer hm tomaram-se grandes precangSes militare"*,
em ludo, mas que na verdade sao seatioellas a' Era I, odres honve umbem um meiing extraor-
dinario pelo mesmo motivo e a aotboridade tomn
as soas precaog-s militares; porque os Inroal
tos popafares assnmiam carcter gravissinao. Man-
chesier Un ha enviado a ralnb orna peiifSo com
17,590 avslgoalaras pedindo eommuiaeo da pena
de raorte.
Em Mutehpster eireolavam proelamg5s dos
fenlaos dizen lo que se os coodemnades sodressem
vista.
Diz se qne o ministro americano pozeranm navio
a' disposigo de Garibaldi e de sens Olbos, e diz a
Gozela do Povo de Turin, qae provavdmente Ga-
ribaldi consenlira' em partir para a America.
O tribunal judicial de Rieli, em caja circams-
cripgio foi Garibaldi preso, proooneioa senteoga
declarando baver motivo para ser aqaelle general
manida em processo. Diz a Gaztla de Florenga'a pena de morte'seriara assassinadas nove pessoas
qae reina discordia no gabinete italiano, qnerendo j inglezas de alia calhegorla.
A rahtta bavia commntado no da 21 em priso
o ministro de reino Gaaileri, que se intente pro-
cesso contra Garibaldi, e oppondose Menabrea ;
parece que o primeiro pedir a sna deraissao.
Diz a Independencia de aples que ainda a 10
de novembro o general garinaldino Orsinl se acha
perpetua a senienga de roorte do fenlan Shore,
conttriDand.) a sentenca dos fenians Goald, Lar-
kia e Alien.
A exeeo{io veriBcon se no dia 33 as 8 boras da
va oa fronleira dos Abrazzos a' freole de nos cem maohai,*frrante enorme mullida", mas o nevoeiro
voluntarios, e que bavia recasado entregar as obsiava qoe o cadafalso fosse vi3to at de peqoe-
armas. oa distaoela. Goold marchoa para o sopplicio
Coosla que a policia de Roma comprara por 45 aniraosaaeote.
mil escudos, tres membros da eommisso revola-! l.arkm mostron-se fraco, e foi oecessario con-
donara de Roma, que denunciaran) o.- seas colle-1 duzi-lo o cadafalso. onde desmaiou ; ames di
gas, e qoe oas visitas domiciliarias i que a policia ( ezeengio Gould abragoa Alien, e e*te morena
proced-a, apprebenlen papis importantes, entre qose instantaneamenir. O outros doas stlTre-
os qaaes se conta orna lista de afiliados. Diz se que rara moho.
desses papis resalta a certeza de que havia de re
beour em Roma nma revolugao geral quaodo Gi-
ribaldl se approximasse da capital.
Em Roma foi dado oo palacio Btrberln um gran-
de jamar aos soldados pontificios defensores do
Monte-Roundo. O Papa mandn di.-iribuir pelos
soldados desoito mil francos a ltalo de graiti-
cago.
Em ccntraposigia grande numero de cidadios
romanos otT-receram um banquete esplendido aos
voluntarios presos em Roma.
Afflrma-se que ba graves desintelligencias entre
o governo pontificio e o general commandaule do
exercilo francez em Roma.
A Austria retirou de Roma o sea embaixador o
Sr. Hubuer.
N'outro logar da nossa folha publicamos na sua
ntegra a circular do cardeal Aolonelli protestando
contra a invaso dos Estados-Pontificios.
--- Abrlo-seo parlamento inglez. A rainba Vic-
toria pronancioa o seguate discurso :
Mylords e senbores.Diriginiome de novo
a vos para obter vossa coaselbo e apoio, lamento
o ler-me aebado na necessidade de vo3 reunir era
poca fra do cosame, o qua provavelmente vos
uo coovem nesta estagao.
O soberano da Abyssiaia, em violago de to-
das as leis interoacionaes, contini a reter em
captiveirj algaos de meas subditos, dos quaes al-
guos foram especialmeole acreditados por mira
junto della e a sua obstinada falta de considera
gao para todas as nimbas representagSes amigaveis
nao rae deixou mais do que a alteroaliva de fazer
um pedido peremptono de liberdade para os meas
saoditos, eapoiar esta medida pela fo.rga.
Consequeoteraeota ordeoei, que seja enviada
orna expedlgo nicamente com esta Oto, e confio
poder contar com o apoio e com a cooperago
dos membros do mea parlamento, n:s esfor-
gos para libertar emfim seas concidados de urna
priso injusta, o para revmdicar a boora di mi-
aba co; o.
t Ordenei qae todos os papis relativos a este
negocio vos sejara apresemados.
< Recebo de todas as potencias estrangeiras a
seguranga da seus amigaveis sentimentos, e nao
vejo razio algn para temer a perturbagao da
paz geral da Europa.
< Uma guernlba de voluntarios italiano?, sem
autorisago do seu soberano, tendo invadido o ter-
ritorio pontificio e ameagado a p*opria cid.ade de
Roma, o Imperador dos francezes juigoa dever ca-
viar uma expedigao p?ra a protecgo do soberano
pontfice e de seus dominios.
t jYendo sido conseguido esle fim, lendo a dis-
perso e derrota dos voluntarios desembaragado o
solo panliOoio do perigo de uma Invaso estrangei-
ra, confio que Sua Mageslade imperial peder'
por uma pr^rapta retirada de suas iropas, afastar
todo o motivo possivel de desintelligencias entre o
seu governo e o do re da Italia.
A coojurago d'alta traigao, commummente
denominada feuianlsrao, desraascarada e compri-
mida na Irlanda, tomou na Inglaterra a forma da
violencia e dj assasslnato organisado. Pedern esles
oitrages prompta e severa represso, e cont, para
a sua completa extiuegio, com a firma applic.gao
da le e com a lealdade da grande maioria de meus
subditos.
Senbores da camsra dos commnns.Os orgv
mentos para o anuo prximo esto em via da pre-
paragoe vos sero submetndos em tempo mil.
Serao estabelecidos sob vistas econmicas, e
para acudir s necessidades do servigo publico.
t Mylords e senbores.Como consequencia in-
dispeoaavel da le votada na ultima.sessao, ser-
vos-bo aprasentados varios bilis com o intento de
modificar a representago do povo na Escocia e
na irlanda.
t E' de crer que oscommissarios Horneados pa-
ra fazerem uma investigado e um relalorio sobre
a delira.tago dos burgos existentes assim como so-
bra a diviso dos condados, e burgos novamente
libertados, tenhara adiantado conslderavelmente o
s-u trabalho, e nao se perder' lempo depois da
entrega de seas relaiorios para por diante de vos
as consideragSes quedvem determinar vossas de-
cis5es.
t Ser-vosha apresentado nm 6i/i para mais ef-
ficazraente prevenir a corrupgo as eleigoes.
< O biil das escolas publicas qae vos foi ja' va-
rias vezes submetiido sera' da. novo apresenlado
ao parlamento. A qaesto geral da educagao do
povo reclama de vosa mais sena atteogSo, e estou
conveocida de qua tratareis esle assampto com
plena apreclago de sua importancia vital e de
suas reconhecidas difH uldades.
Durante a presente s9sso ser-vos-hao apre-
senladas varias medidas para emendar e codi-
ficar os din-rentes actos relativos a' marinha com-
mercial. IIaje temos orna occasio favoravel pa-
ra discutir os regulmenios pemaneates qae pos-
sara libertar o eommereio do paiz das tristes res-
trirgoes impastas pelas doengas do gado, e faci-
litar sua imporlago do estraogeiro pata o consu-
mo interno.
Sarao tambera submellidw a' vossa apre-
ciago algamas medias relativas a'emenda da
legislaco, qae negocios mais urgeutes flzeram
adiar.
< Oatras qaesloes qae parecem nece3sltar da
acgo legislativa, foram reenviadas a' commis-
sarios cujos relaturio, a' medida que forem
recebidos, erao sem demora sabmettidos ao par-
lamento.
Nao bou ve d-wardem* algima ; havam sido to-
madas autores precaag^es militares.
A'o dia 2i fol a llyde-Paik uma procisso fne-
bre de tres mil pessoas em honra dos fenians ins-
tigados. De tarde honve um meeting ma'ta con-
eorrido em Cheiktowli, mas nao so perturboa a
ordem ; a depuiagaj do meeting nao fui recebida
pela ra )ba.
A cmara dos eoramuos votoa dous milh5 Merlinos pedidos pelogi'eraa pfa a exaedigao
a Abyssinla. A vanguarda da expedigao ja havia
chegado a Aden, na embocadura d> Mar Verme-
raelbo ; o ponto escolhid i para o deserabarqaa
as imroediago.s de Adulas para invaiir os esta-
dos do amigo Prestas-Joo da< Ii lia*, depois Grio-
Negus, e actualmenla imperador Theoloro da
Abjrs3inla.
Parece qae os ingtezes qierem ocenpar perma
oenlemeole algum ponto da r*|e da Abyssioia.
A esqoadra inglez do Miiiterraaeo recebea
ordem dn reunirse em Malla, oude recebara' as
Q-truccoe- o almirante Lard Clareoce Pagel.
O rei (.ritieran da Prussia abri pessoal-
mente a sessao da cmara que pela primeira vez
era eleila oa Pmssia depois da batalna de Sadovra
com as ron eqoeoclas que dVlla tem vindo.
Eis algnns Irexoa mais importantes d'aqaelle
di.'carso que sobre negocios Internos ou externos
mais importan) ao leitcr nao allemo :
Em virtade dos plenos poderes que a repre-
sentago do paiz t nha dado ao mea gaverno para
preparar a entrada das novas provincias nos Es-
tados constilucion&es da Prussia, estabeleceu-se
um accordo provisorio aonde pareceu que o iole-
resse geral do estado o determioava imperiosa-
menle.
t O mea desejo mais rdeme qne todas as
vossas dellberagoes s-jam dirigidas da maneira
que tenbam a approvago geral e tragara a felici-
dada do mra povo.
Lord Russel e Gladslone rejeitam e criticara, a
expedigao de Roma. Lird Stanley diz que nenhu-
ma vanlagem occuliaria da conferencia, quando as
partes imeressadas nao acceilassem amecipada-
mente o resoltado. Lord Derby accrescentou que
a conferencia prodanria novas difflculdades. Lord
Staoley declaroa oa cmara dos comamos qae a
Inglaterra nio deve lomar parte activa na quesio
romana, nem lbe pode peJir qae defenda o podtr
temporal, as re=postas ao discurso da corda fo-
ram pjrovadas.
Os preparativos para esecujao dos qaatro eoi
Ao mesmo lempo qua as inslilaiges militares
da coolederago da Alemanba rio norte, por
meio da consliiaigo federal e da le sobre a obri-
gago do .servigo militar, se reorgauisaram sobre
a base *Us iostilolgo.'s prussianas sanecionadas
pela experiencia, a organisago da forga militar
da patria inteira levoosa a complemento em suas
parles fundameolaes.
Agora que o terreno se acba assim preparado
por ama actividade commum da representago
de lo la a minha raonarcbla, vossos esforg;s rea
nidos e, como espero, unnimes, alcaogaro fa-
ze-lo prosperar.
O rei depois de referir a'parle fioanceira e a
nutrs objectos da interessa puramente allemo,
contina :
A incerteza, que por effeilode causas diversas
boje na sua raaior parte annulladas, pesava sobre
as lrao3acg5es, espero que hade desapparecer di
ante do quadro pacifico qoe a Europa actualmen-
te aprsenla, e que deixara' legar a uma viva e
favoravel reaegao. Pela remvagao da liga das
alfandegas com es estadas do sul opportonamente
modificada a organisago interior do Zillverein,
pelo ja effecluado ingresso do Shleswig Holsiein
uo Z illvereto, e com a diminuigo consideravel de
direitos de porto e cairos impostas que grava-
vara a oavegagSo, muito essencialmenie se teem
facilitado a Industria e o eommereio.
A obra da unio nacional que a represeolago
da Prussia soube completar por sua adheso, tem-
se desde entio reali-ado. Se as cmaras prussia-
nas consenliram era transferir ama parte das soas
attribuig'S ao Reichstag, ja a historia demonstra
que procedendo assim o parlamento da Prussia,
opperoo era tempo opporluno o que era realmente
justo.
t O povo prassiano obleve, pela formagao da
confederagao do norte, mais garantas de segu-
ranga e ora campo mais vasto para o sea desen-
volvimento orgnico.
Tenaos assegurado ao mesmo tempo cora os nos-
sos irruios allomaos do sul a commuuidade dos in-
tereses econmicos e a prctecgo efOcaz dos bens
mais nolaveis da vida nacional. Os tratados era
que se funda esta communidade teem adquirido l-
timamente uma alia sigolflcago porque evidente-
mente a coosciencia nacional se tem victoriosamen-
te robustecido oa rspresentago das populag5es.
i As relagoes do governo com as potencias es-
trangeiras oo as tem modificado a nova situago
em que a Prussia esl collocada no meio da confe-
deragido norte.
c As entrevistas pessoaes com a maior parte dos
soberauos da Allemanha e do estraogeiro qoe Uve
occasio de reallsar dorante o verao ullimo concor-
dara plenamente com o carcter destas relagoes
amigaveis.
c O Ora pacifico do movimento allemo reco
nhecido e apreciado por todas as potencias da Eu-
ropa, e os esforgos pacficos dos soberanos sao
sustentados pelos votos dos povos, para os qnaes
a paz uma necessidade, no inleresse do desenvol-
vimeoto da sua prospertdade.
c A recente inquietago por cansa da rotura da
paz em nraa parleala Europa onde duas grandes
incoes que nos soambss estreilamente unidas por
lagos de araisade pareceram arceagadas de senas
cemplicagoes, podeni considerar-se como alfas-
tadas.
i Era presenga das graves questSos qne nesie
objento esperara anda ama sologo, o mea governo
dirigir os seas esforgos, de um lado para dar sa-
lisfago ao direilo que os ro-us subditos caibolicos
teem a minha solicitada pela sosieotago da digoi-
dade e da lndepeodeocia do chefe supremo da sua
igreja; e, do ootro lado, para satisfazer ao3 devo-
res o/u para a Prussia oascera dos ioteresses pol-
ticos e das relagoes ioteroacooaes da Allemanha.
Nest?s dnas diroegoes nao vejo na sologo do pro-
blema que est sobmettido ao mea governo perigo
algum para a paz.
. A lioguagem do rei Goilherrae pacifica ; nao
menciona es incidentes qae tiveram lugar entre
Berln, a Bavera e o Wuriemberg por occasio de
adherrem esles estados a liga das alfandegas. Nao
esclarece tambara a qaesto com a Dinamarca so-
bre o Scbleswig e em qaaoto a conferencia projec
tada nao se pode iuferir qaal ser o pensamento
iutimo do gabinete de Berln. D esp: rangas a in-
dependencia e dignldade do papado, mas a par
des-as esperangas ra3oifdsti a sua viva symoatbia
' at di indicios de apoio as aspiragoes da Italia.
i-10 re Gutltwraia nesie ponto mostrase nebuloso,
pondo todava em relevo a necessidade de orna so"
lacio drste conflicto.
A Correspondencia Provincial deBerlin jornal ins-
pirado pelo conde de Bismaik, diz qae o discurso
do re da Prussia, o do imperador Napoleo e a o-
la do bario de Beust acerca da poltica austraca
sao oatros tantos peobores de paz qae apoatam o
comeco de ama nova ra de prosperidade ; e ac-
crescenia qae a-sim como a Alleoaaoha nao per-
mlitira qae aingnem se intromelta na sna obra de .
reconsiiiuigo nacional assim tambem respeinr os
direiios e a digoidade das ootras oages.
A Gazeta da Allemanha do Norte analy-ando o |
discurso da rei da Prus:da. tambem nos coosola
pondo em relevo as esperangas da paz. que elle ahi
exprime e qae teem am echo tanto mais extenso
quisto elle emana de um poderoso tbrono, qoe re-
presenta ao mesmo tempo a confederacao da Alle-
manha do Norte.
Um despacho de Berilo diz que os depotados po-
lacos resolvern) propor nm addilameaio para que
na resposta ao discurso da corda na parla relativa
aos negocios estrangeiros se manlfeslassa syrapa
i'ua pela Allemanha, e se formulasse um voto de
censura ao govroo russo pelo seu procedimento
as provincias de Bltico tendete a de>truir a na-
cionalidade polaca; as este additamento ser
anlogamente um protesto indirecto contra a polti-
ca prussiaaa que se propda a fazer entrar os snb-
ditis polacos em sau plano geral da nnidade al-
lema.
E' desmentida a noticia da intentada abdica-
gao do re da Baviera.
O gabinete hollaudez pedio a sua demlssaono
da 20 de uovemhro.
izera da Vienna qae a poltica rassa consis-
te em fazer da qaesto do oriente a quesio do dia ;
mas existimo eatre a Austria, a Franga e a logia-
ierra ama alluog> ou iolelligeocia cerdea! nesla
quesio, nao para temor a aegao do governo de
i. Petersburgo, contra a Integridade da Porta Otto
mana.
Diz am telegrama de Trieste que Corneos, am
dos p incipaes cheles da iusurreigo creteose, ha-
via ebegado a Alhenas com paite de doeole ; e
accrcscenta que o armslicio havia sido prorogado
por mais quarenla dial; e que os qaatro corpos
que se (abara formado do exercile ottemauo iam
ser dissolvidos.
Dizia ha pouco, um correspondente de Alhenas:
t estejam eertos qoe a it s irreigo cretense acaba ;
o? chefes far-se-h?.a doente3 e os soldados bao de
se doslarar vencidos. Comega a realisar-sa a
prophecla.
Publicaremos a pnclamago do gro-vislr Aali-
Pachi dirigida aos Cretenses. D.zera de Conslaml-
nopia qae o gro-vlsir permauecera' em Creta at
que all termine de tolo a insurreigao.
Dous acontecimentos, um na Servia e oulro
nos principados Danubianos, mostrara m a na
que3to do Oriente triumpham as potencias occi-
denlaes da influencia moscovita. O ministro dos
negocios, estrangeiros da Servia sahio do governo
por causa de sua bostilidada com s Turqua, que
qua nao approvada pelo principe Migael. O mi-
nistro dos negocios estrangeiros no gabinete de
Brucharest foi demitiido por igual motivo e dis-
solvid.a a cmara dos deputados qua oa sua maio-
ria era do partido slavo que secunda os interejses
da Russia.
Dzera qne a Serva faz grandes armamentos,
mas desinenie-se que esta nago envlasse um ii//-
malum a'Toi'q.ila.
O embaixador da Turqua em Vienna d'Austria
desmeollo a noticia dada pelo Abend-Post de que o
governo oltoraano lenciouava subraetter a quesio
creteo-e a uma conferencia europea.
Nos ralos Unidos continua a lula dos ra-
dicaes e republicaaos, contra o prendante Jobos m
e os demcratas.
A aoenara do congresso deve ler lugar no cor-
rente mez ; pronunciando, seguodo se diz3, o pre-
sidente um discurso.
A febre amarella tara causado estragos era iNova
Orleaos.
O processo do ex-presidanla Davis foi adiado
para main.
O Dr. Muod, condemnado como cmplice no as-
sassioato de L'oroln, e qn rimara a pena nos
carceres de nova Orleaos, M perdoado pelos ser-
vicos fe'uos por o:casio da epidemia que all tem
reinado.
Un telegramma de Ncva-York da 13 do correc-
ta diz : a revolugao, que se esperava, nao se rea-
lisoo. O celera faz estragos era Orleans, Mobile e
Havana .
As ultimas eleigoes dos principaes funccionario3
electivos do estado de Nova-York foram favora-
veis aos demcratas, e portanto ao presidente
Johnson.
as novas cmaras da legislatura tambem o
partido demcrata oa coaservador augraeotou con-
sderavelmente apezar da maioria perteacer ainda
aos republicanos e radicaos.
Confirma se a noticia da venda pela Dinamarca
de tres das suas Antilhas aos Estados-Unidos por
II 1/2 mllhrjes.
No da 8 de novembro verificon-se a entrega da
America rassa ass Eslados-Uaidos em Nova-Ar-
kaogel.
A maioria de eommisso judicial apresenton o
sen pareeer favoravel a que o presidente Johnson
seja processado.
O cadver do eximperador Maximiliano foi
eolregua a? almirante austraco Tegelolf. O ga-
verno mexicano deixou sabir livremeote do Mxi-
co o principe Salm Saln e outras pessoas da comi-
tiva da Maximiliano.
Parece que o Mxico vai contrahir nos Estados-
Unidos ura emprestimo de 12 milboes.
SS. MU. o rei o a ramha de P.rtogal devem
seguir, uo principio do anno, para o pago de Villa-
Vigosa.
No da 30 do passado devia ter lagar a ioaugu-
rago do Iheatro da Trindade.
Prosegolam com actividade as obras do Asylo
de Maria Pa.
Ja linha ebegado a' Lisboa o falsificador das no-
las do Banco do Brasil, Goari da Silveira.
Foi cleito deputado s curies, per Tnnor, o Sr.
L-vy Maria Jordo.
PERNAMBUCO
REVISTA DIARIA
Q lima-feira ultima, como estava determina-
do, te.ve lugar em Gamelleira o exame dos atranos
iolgados aptos para isso pelo respectivo profesor.
Presidio o acta o S\ capltao Jos Pedro Velloso da
Silveira Jnior, e foram examinadores os Srs. Hvd.
Esteves Vianoa e o respectivo professor o Sr. Joo
Landelino Doro lias Cmara.
Fiados os exames foram approvados os seguin-
tes alomaos :
J..ii J>s da FonsecaCarvalho, Aaxenclo Barba-
Iho Bies Brrelo e Belrairo Duarte Cootinho, com
destinego, Jos II lana > da Cunta e Mello e Mi-
guel Maehado da Ajinar Ferreira, plenamente, Ma
aoel Maria Mendes da Silva Jnior e Leopoldo Gon-
galves Fraga, apn/ovados.
Dis escolas publicas do interior da provincia,
esta ama das mais floreeantes e que mais alomaos
tem dado promptos para exames.
Hcja fazem beneficio no Santa Isabel, os dis-
tinelos artistas Cesar de Laoerda e Carolina Falco.
Carao vera' o publica dp anuencia em ootra parle
deste diirlo publicado, oejpeciaeuloassai varia-
do e interesante de modo a ofTarecer orna noita
completa de divertimento ao espectador.
As comedias escomidas peio Sr. Cesar sao das
memores do seo repertorio, qae o do Iheatro nor-
mal de Lisboa, afora a do Sr. Guimares Jnior
os amores de um leo
A Sra. Falo, cama a bella valsa do concerto-o
beljoe o Sr. Collas presta se a' execuiar a gran-
de symphooia O combate de Riachueloqae foi
offerecida pelo seu compositor o Sr. Cirdim, do Rio
Grande do Sol, ao Sr. Lacerda,
O) artitis beneficiados sao merecedores de (oda
a coadjuoglo do nosso publico, a qaem seappre-
sentara pela penltima vez.
Folgamos de crr qae mais urn vez o nosso pu-
blico ira' applaudir esses artistas e desde ja' pela
nossa parte os felicitamos pelos ivos loaros que
elles devem colbor boje.
Depois de amaoha (segunda feira), a's 9 ho-
ras do dia, tar' logar o e-racarso a's freguexias
vagas d.'.-t* diocese, oo palacio da Solidada.
Achava-se arribado, oo porto de Lisboa, o va-
por brasilelro S. Pifro, qae ia de Glaseow para o
Rio Grande do Sul, a' cuja praca per! race. E' da
forga ade 80 cavallos.
Chamamos a attengo do3 leitores para a
traduego, cuja publicago encelamos boje em
oessa oitava pagi-a, do pimphlet) a'timamenta
publicado em Pars, e qae aitrlbuido ao secreta-
rio particular do imperador.
Se chfgar boje o vapor Inglez Seine, do Rio
da Jaoeiro e Babia, destribuiremos amanbia nosso
numero de segunda feira
Vleram da Europa, no vapor francex Eslre-
madure : para Pernambuco 6 ps.-;g-iros; para a
Baha 12 ; para o Rio de Janeiro 52; para Mante-
vid) 67 ; e para Buenos Ayres 110.
O descont da Europa regula va :
Banco de Ioglaterra... 2 %
de Franga.....2 1/2%
de Hespaoha... 5 /
de Francfort... 2 /.
de Hamburgo.. 2 l/ /.
de Bremeo..... 3 1/2 /.
c de Hollaodi.... 2 1/2 /
Os fundos brasileiros erara colados em Lon-
dres :
o 0/0-1859 85 a 90
4 1/2 C/o-1852-58-60 67 a 70
4 1/2 0/o-183 (semdivld) Ii3a66
5 (-V0-18G5 74 a 77 1/2
Eis as ultimas noticias coromerciaes :
Londres, 27 s 8 h. da manha.
O assucar fica firme. Pernambuco, Macei ePa-
rabyba 24 a 27 o branco, 23 a 25 o amarello, 20 a
23/6 o mascavade.
O algodo e=ta' fronxo. Pernambuco 8 3/i d.
Miraoho 8 l/i d., Macei 8 d. mediano.
A borracha do Para' esta' calma. Colamos: fina
2 1/2, mdana 1/10 a 1/11 e ordinaria 1/7 a i/J.
Liverpool, 25 novembro.
Algodo.Desanimado. Pernambuco fair 8 o/i
a 8 1/2, Mtranhio 8 3/i a 8 i/2, Parabyba, Macei
e Ceara' 8 ,'.,' a 8 }{.
Assacar.-Firme Maranho 23/9 e Ceara" 22/9,
Hamburgo, 20 novembro.
Aigodo.Em tendencias a baixar. Pernambu-
co 8 a 8 3/V, Parabyba, Ceara' e Maranbo 7 3/i a
8 ',, Macei 7 a 8 ;4'.
Assocar.Firme. Ha falta. P.-rnamboco masca-
vado mediano 16 a 16.1{, bom e bao 16 ) a 17 ;
branco segundo a quaiidade 19 a 21 'i.
Cooi-o?.Os pesados de Pernambuco venden se
de 6 ;{ a 6 'j e os leves de 3 3/i a 6 ; os do Cea-
ra" de 6 a 7 ;"o5 do Para' 3 3/4 a i; os do Mara-
nbo 5 3/i a 0.
Havre, 28 s 8 b. da nisnlij \
O algodo esta' fre-oxo. O de Pernambuco d. 1
fica de frs. 108 a 110.
Os cooros salgados seceos de Pernambuco estao
de frs. 75 a 75/50, e os verdes de frs. 5/50.
Segunda-feira, 16 do correte, s 6 e meia
boras da manha, na igreja de Nossa Senhora do
Livrameoto, manda o Rvd. padre Augusto Frank-
lin Moreira da Silva, celebrar u:na raissa de r-
quiem e memecto por alma do seu irmo o alferes
Aulouio WillebalJo Moreira da Silva, morlo a 3 de
novembro, no combata deTuyuCu, e convida
para assistirem a' esse acto todos os seas prenles
e amigo?.
A decifragao da charada, qua hontem publi-
camos, Amer o.
-- Sobre o funeral do embaixador brasilelro em
Pars, conselheiro Sergio Teixeira de Macedo, en-
contramos o seguinte no Moniteur Umversel:
c Celebraram-sa na manha do dia 14 de no-
vembro, na lereja de S. Pedro de Cballlot, as exe-
quias do cavalbeiro Sergio Teixeira de Macedo,
membro do conselbo de S. M. o Imperador do Bra-
sil, sea enviado extraordinario e mlnisiro plenipo-
tenciario em Paris.
t Acreditado junto do imperador bavia apenas
um auno, o Sr. Macedo linha sabido, apesar de es-
tar ba lo ponco lempo em Paris, conciliar a esti-
ma e affecto de ledos. O Sr. ministro dos nego-
cios estraogeiro?, retido por uma recepgo diplo-
mtica, linha encarregado o director dos negocios
polticos da sua secretaria e o sub ebefa do seu
gabinete de levarem ao Sr. encarregado dos nego-
cios do Brasil a expresso dos seus senlimentos.
t Uma forga da tropas, coramandada por um te-
nente-coronel e por ura chefe de batalbo encarre-
gado de fazer as honras militares, oceupava a sa-
bida e o interior da igreja.
Pegaran) nos cordoes do caixio o Sr. baro
de Beyen?, ministro da Blgica; o Sr. Desprez,
ministro plenipotenciario, director dos negocios
polticos; o Sr. baro do Penedo, ministro do Bra-
sil, era Londres, o o Sr. Balcarce, ministro da
confederagao argentina.
O nojo era significado pelos dous filhcs do fi-
nado : o Sr. Alfred' de Macedo, addido a legagSo
do Brasil, em Berlim, e o Sr Julio de Macedo, e
pelo Sr. Heorique Rilion, priraeiro secretario da
legago em Paris.
i Concorreram A ceremonia religiosa mnltos
convidados. Noiavam-se a!m do pessoal da lega-
go e do cnsul geral do Brasil, em Pars, de
grande uniforma, o Sr. bario Feoillet de Conches,
rae-tro da ceremonias, introductor dos embalxa-
dores, que all se linha dirigido, de uniforme, por
ordem do imperador, em uma carruagem da cor-
te ; S. Exc. monsenhor Chigi, nuncio da santa s;
S. Exc. o Sr. Mon, embaixador de llespanha ; os
Srs. ministros de Bade, da Bavera, da Italia, da
Saissa, da Grecia, dos Paires Baixo?, do Per,
quasi todos os membros do corpo diplomtico, ac-
tualmente em Paris, e grande namero de pessoas
da socledade brasileira. que_se tinham reonldo ao
cortejo offlclal e pililico para rendaren) os ltimos
deveres ao Sr. de Macedo.
Flcaram a' carga os navios: Constante III,
Bella Figueircnse e lulio para Pernambuco, Btr
tha leinstorfi e Mrquez de Santa Cruz para o Pa-
ra' em Lisboa ; Novo Silencio para Pernambuco,
nuio para o Para e Reslauracao para o Maranbo
no Porto. ,.,..
Sahlram os navios: Constante II de Listn
para Pernambuco a 24; Ligeira dem para o Para
a 23; Trtumpho do Porto para Pernambuco a 20 ;
Boa Fe de Lisboa para o Maranbo a 27
O vapor Saladin, da traba de Liverpool, ebe-
goa a Lisboa, em viagem para Pernaraboco oo da
27 do passado. Devia sabir a 1 ou 2 do correte.
Em data de 11 do crreme, foi nomeado vi-
gario encommenlado para a (reguezla de Santa
Anna de Grvala', o padre Hercolno Jos de Bri-
to, qne acaba de exercer igual cargo na fregaera
de Santo Aolo.
L IBlHH_J


*
mnmm+>
i*
_
.T8BI 3(1 O
!??#
3X3(1 3(1 11
-f>sT / Mirto e >iH|MNm lat>bad 14 de Dezembr 4c 1867.
<* 'JH3I4*'' .IILIZ '*/[]/




Lotera.A que se acha a venda
;i 48.\ i beneficio da familia dos voluntarios
da patria, que corre sexta (Vira 20.
Repartiqvo da poucuExtrato da parte
ao da 13 de dezembro de i8o7.
Foram reeolbides a' casa de detenc,o no dia 1:
de detembro:
A ordem do subdelegado do Rieife, Bioedicto,
escravo de Joao Rodrigues Lima, a roque rlmeot
desfe, e Agostloho da Conc-icao Saraiva, bar cor-
recri ; a ordem do le Santo Aolonio, Francisco
de Paola Rocha, para correg >; a orde m do da
Capaoga, Antonio Joaquioi Tertuliano, para recru-
ta; a ordem do dos Azogados, J^e Ferrara da Sil
va, por fermeatos graves.
O chefe da scelo
i. G. de desquita.
Passageiros sabidos do vapor Paran, para
o Sol.
Antonio Stepernovi k, Jos Francisco de Olivei-
ra Jnior e suasenhora, Rodrigo Jos Ferreira Gi
nede, Beltran Bague, Ploriaoj Jo. de Miranda. I
escrava de Joo Jos Rodrigues Mendes a M-des
Jnior 4 Fernandes, Antonio detano *eve Navarro
Alfredo de Barros Ctvalcaute. TVresa do Jezus
Xavier, Aolooio da Silva Ferrara T'gre, Paulino
illas Femando, criado, Candido Jos da Silva, Alexaaire Giines
F. d'Argolo e su criad', Dr, M-ooel Sobral Piolo,
Dr. Adolpbo Liraeuh Lras, Salvador Selle Verde
gal e so famiiii, Cardoso da Cuoha, Pierre
Sanios Jabino, Manoel Caetano Pereira, Dr. Jaciu-
tbo de MendcDca Jiqua, l-abel de tt\ Pilo Pessoa
e 1 escravo, Antonio Lopes de Meneze.s, arricaoo II-
vre, Guilberme da Costa, sai mulher, ama iriu.aa
e 5 fllhas, Anoa Justim, Pascoal J o do Espirito
Samo, Domingos Jo> da Silva Guimaraes, J*
Pereira Jacinlho, C. H B-rlim, Amelia Amalia d
Silva, bacharel Jos Candido Marinho de Si' e soa
senbora, 1 escrava e doas crias, 1 escrava de Oa
rolioa Alves Ferreira a Alolpho S. Ferreira, Dr
Luiz Caetano Pereira Guitnares Juni >r, Dr. Car
los de Souza da Sllveira e 1 escravo, bacharel
Eduardo Augusto da Silveira e I criado, Antonio
Ferraz da Molla Pedreira e 1 cralo, Ffipoe Me-
joD, Dr. Jos Amonio Gom-3, C'odid < X.vier Ra
bello, Jos Jooqi-i' T de O iveira, 13 escravos de
Jastioo Correo Villares, a entregar, Alexaodre di
Costa Sobreira, Jo- Joaquim Dias Feroandes,
Joo Antonio de Almeida G., M cual Soare-s, arri-
caoo livre. 10 libertos, 14 recrutas, C. II. Berlim.
Vicente Antonio Veaaocio, Siaio Faro Meodoriea,
Luiz de Amorlra Lina, li guardas nacionae;, 30
recrutas e 3 dizertores.
Passageir s que seguem para os partos d >
Sul, no vapor francez Extiemtdure:
Alfredo lszael e 1 criado, Lapiit', missiouario e
Eummetle, Irma de caridad--.
Passageiros euiralos do drd.-aux no vpor
ExVemwlme :
Paeeh Lonis, Paul Cohn, Luciere Charle, Le
ger Hjnn, Wellemer leon e Aaloaio Rodrigues
Gaelhas.
Cemiteiuo publico.Obituario do dia 13 do
correte .
Antrnio, Parnarabuco, 7 meies, S. Jos ; es-
pasmo.
Pedro Claudioo Duarte, Portugal, 28 annis, ca-
sado. Sanio Antonio; acuarci.
Manoel, Pornambuco, 2 ooezes, Rcifa ; couvol-
509S.
Maria da Penha Se.n Xorne, Pernambuc 22 an-
nos, solteira, Boa-vista ; tubrculos puluoouarrts.
Anna Mana da CmcaigaV, Parnimouco. i na-
no', casada Boa visii ; tubrculos pulmonares.
Mara, Heroambuco, 3 auaos, S. Jo- ; vano
las.
Antonia, Peroambuco, 7 anaos, Bja-vhta ; Bo
xigas.
Maaoel Ferreira, Peroambuco, 50 aanos, vljvo,
Boa-vita ; tubrculos i-uimoaares.
Narciio, P<.-ruamba-:o, 1 aouo, S. Jos ; hapa-
lite.
Manoel, Pernirabac, 7 dios, S. Jos; teUno.
CfiOiMCA Jl'DiCIARU.
TRIH17AL ItO Ca.Tfn8RCIO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 12 Dh
DtZiMBRO Dli 1867.
PBESIDEN'CU UO E'iM. Sa DESEMIIARCADOR
ANSELMO FRANCISCO PEBBTTI.
A9 ci horas da manha, i->t:iudo reaai'los os
Sr^deputado* Rusa, Ba>to Miranda Leal e bario
de Cruangy,!; Eiuo. Sr. presideale declarou aberla
a sesso.
Lida, foi approvaJa a acta da ses-ao anteca
dente.
EXPEDIENTE.
Aas Sr?. depotidos foram distribuidos os se-
goiotes Hvros :Cop'adar d S mi, Anlrade &
Cdem de Joaquina Jos G ocalves Beltrio.
tem de Aogu rio de Francisco J is Lelte.tdern de Silva l Al
ves.Caixa do agenta de leHSes Francisco Gotss
de Oliveira.D.ari) de Candido Alberto Sdi Molla.dem de Henrique & Aievedo.
DESPACHOS.
Requeri.iienlo de Add-ao CUndino Duarte (as-
signado por seas btsuntes pro u-aiores Silva ^
Alve-J prdind i o registro do distraa que celebrara
com Pedro Claadiao Daart-, da sociedado qaa
com elle tbha na loja de Nrrag4n< sita ra do
Commercio da villa do P/lar provincia das Ala-
goas.Vi>ta ao Sr. desembargador fiscal.
Dito de Joaqoira Francisco da Croi & C para
registrar-se o contrato de distrato social, qae juu-
taro, celebrado pela retiraba do socio Manoel Car-
aelro Pinto, fazendo-se a respailo as competentes
aotas no primitivo contrato.Vista ao Sr. desem-
bargador ll-iMl.
ilo de Jacintho Jo? Nunes Leite, apreseotanlo
a regiftro a o>.mea(ao de caixeiro, qoe como com-
meniaate matriculado, dera a Pedro Aalooio da
SilvaRegistre-se.
Do de Manoel Lejo Cirneiro Pinto e Jos da
Silva Arau|o, (fferecnlo registro o seu contra
lo social.Vista ao Sr. de>embargadr fiscal.
Dito de Beroardmo Correa de Rezende Reg, por
si, como lestamenteiro do floado Jos Gomes dos
Santos Con i, e como procurador dos berdeiros
deste, e Jjo Manoel Pontual Jujior, pedindo o re-
gistro do distrito sceial da ArmaCortea, Pootual
um, logo que se effrclue dita registro.Vista ao
Sr. desembargador fl Dito de Maaosl Ferreira Garrilo. para que se
mande juntar aos autos de sua rebabilitaco cim
rnercial o documento que aprsenla.Cmo re
quer.
Dito de Antonio de Almeida G,ni's. apresentao
do para s-.r r.-gi.-trada a carta Imperial de sua Da
turalisagao de cidaoo brasileiro.Registre s*.
Dito ue Jos Maria Ferreira, para igual flm
qoaalo s cartas de oatnralisacao, e de pratiao da
costa do norte que aprsenla.Registrera se.
Com informagao do Sr. desembargador fiscal.
De Heonque Oettli, registro de seu contrato so-
cial sob a firma de H. OtWl & CRoistre-se.
De Joba Galls, curretur geralprorogaco de
liceoca por om aono.Concede-se o prao de ses
seola dias contados da data do presente para o
supplicante l-galisar o altestado junto com o reco-
abecimeato da consol do Brasil, coosideraodo-se
por ora a lie-oca do mesmo soppiicatita prorogada
por mais sessenta diat tao tornete.
D.to (que se acnava abiado) de Manoel Duarie
Rodrigues, em qoe representa contra a txigaidade
das CL-mmis-5-s estabele:idas na tabella de 6 de
jolbo de 1863. Com o disp"Sto no artigo 4. da
nova tabella fica deferida a segunda paita do re-
qoerimeoto d' snpplicaote, pois que respeito
cada bavia estabelecldo a t bella de 6 de julbo de
1863; e qoaoto a l. parte teta oireito o soppli-
carne to smeule ao que eslava marcado em dita
tabella, que vigorava qoando nubmetteu o soppli
capte a presente petifiao ao coohecimeoto deste
LriboDal.
Autos de rehabililaeao de Manoel Farreira Gar
rido Junte se o ducomento boje exhibido pelo re-
habilitando, o que feto d-se vista ao Sr. desem
toreador fiscal.
.aua mais bavendo a tratarse, o Eira. Sr.
presidente eacerroa a sesso as 11 boras e meia
do dia.
SESSAO JUDICIARIA EM 12 DE DEZMRO DE
1867.
PBESIDENCIA DO EXM. SR. DBSBMBAKGADOB
A. r. PEBETTt.
Secretario, Julio Guimaraes.
AsoBieboras e meia da maabaa declaran-se
aberla a sesso estando reunid os Sra. desera
birgadores Silva Gmoaries, Res e 3ilva e Ac-
cin, e os Srs. depuuios Rota, Basto, Miranda
L;al e bario de Croangy.
Lida, ro approvada a acta da sessa aateoe
mte.
O Exm. Sr. presidente mandn recolber aa res-
pectivo cartono os antas de revista denegada pelo
so, remo tribunal de ju-li^a, entre Darte, recr-
reme a directora da Cana Filial do B meo do Bra
nesta cid.-de, recorridos Luiz de M.raes Gomes
Ferreira ootro.
.**"*
. jj
piicaclo na menerdade de .loba rrnihtr, qna ? vende fiesta cidade na botica cima indi- ImportacSo.
, ap- a' puncos mete tocn a toaioridade etsacdo-ie I .. j. ,i,:,. a.cionrln p pm nutra Vapor francez xtitmidare vindo de Brdeos
liba* corolfc, que n5o kou prente nem noorava folio em icao"' co aDfIX0 a^'g"300 e }f u"1" e lifb;, naDlfi(toao ^uMe l
Papacaca, oide alias reside-a deus anaat ;-e per qoalquer parte qce se lem arnnCCnfJO nao e v0|a'mes aga miaeraea, 1 dito licor, 30 ditos
'isoques agora foi manutenido na poste de da ILfifDia C(U!pc$c5o, 6 ntm 0 abaiXO as- sardiobas, 1 dito modas; a Tisset frres.
AC. OAO A8SMAP0.
Appellante Salvador de S'quelra Ca*1caale
pelladqs Seba-lo de Carvalbo da Cuoba Alba
querqae e outro.
JOLCAMINTOS.
Jnlxo epecial.-Appellante reo -Joaiaiat Loit dito vscravo, que assim deixou de ser ponoMe peIo'.sggBado se rcsponsabilisa.
Vieir, ippellados autores os admioistradtres da Sr. Palmelra.
ibassa fuilida de Amorim, Fragoso, Santos C.- Sendo por tanto en o leg timo seobor do escra-
Juizes us Srs. Res e S Iva Aceioll, Miranda Leal o ena qoe.te, e achando-rae maaotMiido na posse
e Rasa.-Foi confirmada a seoteaca appellada. jdellc por ara mandado de raaaotencao concedido
O Sr. Miran la Leal cao aoreseaioa os fellos pelo juix municipal do termo do Rom Cooselho,
aliados a sen pedido na sessio passada, entre
partes, appellante Joao Luir Ferreira Rioelro, ap-
pellado Aotonlo Lox de Olivelra Atevedo. Era-
barganle o padre Aolonio Jo- Pinte, embargado o
bario de Jar?gia.Apoel aota Jo- Ignacio de
SlenJonca, appellado Jjo Pialo de Lemos Jnior.
A pedido de am dos Srs. depotados tdita se o
julgameoto do feilo entre partes, appellante D.
Anna Fraaeellaa da Cunba, appHlado Mmoel d)
Carmo Rlbeiro.
PASSAGENS.
Do S*. desembargadur silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Accio'i : appellante o coronel Jos
Pedro Velloso da Silveira, appellado o barharel
Angelo ll-nri.iu-'s da Silva.AopellaBie Tbomaz
Duarte de Aquino, appellados M m-ini Fi no & C.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
deseaibador rtels e Silva : appellante Manoel Sil-
veira tld Freitas, appellado Manoel Igaacio da Sil-
va Teixeira.Appellante D. Juao de AogladaHjo,
appealos Aran^ga lijo & C.Appellante Gabriel
Autooio, appellados os administradores da massa
filuda le Sujueira 4 Pereira.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. de-
sembargidor Accioli: apoellantes Bailar & Olivel-
ra, appellado Antoni Jo? ov. Viveiros Sabugo.
DISTKIBUIQOES.
Ao Sr. desembargador Silva Gii'maries : appel-
lante Antonio Manoel Gomes de Siiueira. appella-
do- Jo- Smn de Vasconcollos & CA ipellante
Joao Ferrei-a dos Santos Jnior, 3ppe||ado Fran-
cisco Ferreira da Silva.
Ao Sr. fesembargador Reis e Silva : appellante
Jos da Fooseca e Silva, appellados os adnuniatra-
dores da masr-a fallida de Amirun, Frazoso, Sin-
tos &i CAppellante Francisco G inealves Neito,
app- Halos os dito-, alraioistiadores.
Ao Sr. dr-ecbargador Accioli : app-llante ao
tonio.Lopes Chaves, aope'.lado Jos Flix de Reg.
Atipelianle Jos CaeUno de Carvalho, appella
dos os administradores d.i massa fallida de Amo-
rim. Fragoso, Santos & C.
Nada mais houve o encerrou-se a ses>ao a
urna bora da larde.
J-tf !)D RECIPE.
SESSO E.1 13 DE DEZEUBRO DE IS67.
Presidencia do Sr. Dr. Joo Antonio de Araujo
Prtilas Ilenriques.
Promotor publico o Sr. Dr. Armmlo Coriolano Ta-
vares dos Sanios.
Advgade o Sr Dr. Leipoldia-o Antonio da F.DSfca.
Escrivao Joa^juiai Francisco ds Paula Estoves Cie-
menie.
R i B>n1icto, escravo de Loiz Correa de Mjllo.
Feita a chamada as 10 horas damaahia compa-
reeerara 18 seohore Jurados.
Foi lispeastdo por do-ate:
Viscan le de Caraaragibe.
Foram multados em mais 2o\5 cada nm do5 |o
rtdos que faharara nos anteriires dias de swslo e
a cada um dos Srs. seguales:
RarSo de M nbeca.
Dr. M.moel Francisco Teixeir.
Aberta a sessaoo-ocedeu-se a chamada das p;r
tes e t-stenonhas, sorlealo o jai y de seulenca foi
ai mesmo deferido o orndolo respscvo, o foi o
reo interrogado e li lo n prucesso da formaba a da
colpa, dep is desenvolvida a acro;ae;io e d--feza da
replica e treplica flodos o- debates ful resumida a
malenada accosacioe defezi propostas asqu^io'-
da fado que forado entregues ao jary de sn'.en;a,
que reco!hjndo se este a sala s-e^reta das enfarda-
cas pelas i 3,4 boras da tarde de otile volt .a as
3, com soas repostas '|b foram lidas em ana o
pelo'presiJente do jury de sn'eoei, eai vista de
cuja decalo Coi o reo absolvido, levantan lo se a
sesso e addiaodo-se para o da seguinte as 10
horas da manha, em que lem de responder an
tribuoal o reo Mircelia i Rodrigues di Silva aecu-
sado porertme de tsteiiooato.
BIavO hGLEZ.
Rol torio da directo apr^seniido e~n a>-
sembioa gcral extraordioiria de 27 de
novembro de 1867.
A direc(,-ao j il^a ser agraiavel ao accionistas
reeebar utj relatorio do audimento do Bine, ilu-
rante o emestro fiodo em 31 de ago>to proximi
passado.
A direccao lem a infirmar que os negocios han-
carios l-'em silo lucrativos, que o ac'.ivo contina
a ser considerado bo-n, calr.ulando-se qie os luoros
liquidos mouiam a Sf 3J.00D.
Sera' lisoageiro cara a direefo !er seguido o sys
lema aJ miado o atino prximo pa-salo, decorando
um divJdeudo por cotila do onu, mas olhahdo
a repstiiua h graode d-preciacau oo v^.lor da moa
la nacional do Brasil, durante os u'tim S -eis m"-
zes, nao -e sent aulorisado por emquanto a divi-
dir parte alguraa dos utos do corrente arm, sen-
do neste pinto a direccJo apoiada pala opioio do
cooselbo fiscal.
S falta o proropto restabelecimento da paz para
os vastos recursos do Brasil se desenvolveres).
Durante a ultima sassao receberam a saneca-o
la legi-latura imoerial algomas medidas fi-eaes
lealentes a me'horar a po'lfio das fioinQas do im
perio, e~a su-tar o progresso da depreciaco da
moela nacional.
A direcQij espera que estas medidas surtam o
ffeil desejado, pois rue a flocMacao da laxa do
cambio o nico estorvo que ella coobece ao bim
e progreasivo andamento do banco.
Em Peruamhjco abrio-se a 2 de ootubro proxi
no passado urna suecorsal deste ban^o sob a di
reego do Sr. F. Bloxham, cavalleiro de grao Ja
experieoola ros negocios baocarios do Brasil, e a
lireccao conlii no bom futuro desia nova sue-
corsal.
Lon^emos este procedimpnto da direcgSo do Eo-
glish Bank of R'O de Janeiro, que prefere dar mais
tarda maiores dividendos, a faze-lo agora que o
estado dos cambios no Brasil, apreseola urna de-
preciaco no *eu capital. Logo que o estado mude,
a regularidad e segur.ns dae opera<;5-s etTjctua-
ifas por este es'.abelecinento promettam bous divi-
dendos aos seus accionistas.
As arc5es desie banco nVaram em Londres a io
do corrente de 7 a 7 12.
de
do termo do Bom
mandado qoe tambero junte! aos aut-, oade esta'
a avnha ma' f Yl
Mu' f Sr. Dr. Virgilio s se eaconlra nos trafi-
cantes, nos contrabandistas, em/lm niqitVtt que es
tao avrsados a pratica dos enmes e dos ticios, mas
nunca em borneas como eoeo Sr. Mano -l Cravei-
ro, qoe merc de Deas, temos ama reputago nu-
bada.
goanto ao qn* o Sr. Viagillo Palmelra avaneno
em relacio ao Sr. teneote-coron! eco, julgaodo-o
capaz de concedar om mndalo minos lgalmeote;
tsso tamben orna falsidade que o Sr. Dr. Virgl-
' lio nao podera provar, por quanlo o Sr. teoeote-
coronel eco, absolutamente ioeapaz de conceder
' nm nindado ib e sob-repticiimeote requerido, e
' como joiz gosa fetinente de um concuto muito
1 elevado.
Summa importancia liga o Sr. Dr. Virgilio ao in-
terrogatorio do escravo Joo, como se interrgate-
i ios de escravosiolessem resolver peremptoriaraen-
te urna queslao de dtmioio, c. rr.o a qne se agua na
especie ; no eUretanto aptzar do cuidado que S. S.
tee de acompanlur o dito escravo da casa d* de-
lenijo a do Sr. Dr. jmz municipal da 1* vara,
qnaodo abi foi para ser interrogad?, esse ioterro-
gat rio favorece antes a mira do que ao Sr. com-
mandador Palraeira, porque nelle declara o cabra
Joo que era escravo do S'. P..imeira e que noje
mtu. Uesmioia isso o Sr. Virgilio se capaz.
Para nao d.aixar sem re-posta um; > das oosa-
das asseverajes do Sr. Dr. Virgilio direl anda que
o Sr. Man,el Craveiro nunca dea asylo a esse es
cravo, que s foi a sua casa qumdo o procurou
para comprar e isso mesmo de passagem, sendo
qae ne-se lempo eu oomorava em Papacaga era
era casado em sua familia: o Sr. Oavriro, P'is,
est s. branceiro a e-_va calumnia e felizmente
muito conhecido como homem de bera e incapaz de
praticar actos Hlicitos.
Em concluso Sr. Dr. Virgilio; din Re heique
esta cidade nao a ru.-i Pa em S. Miguel, e qoe
por mais osieuucao que V. S. f de ser Biho em-
bora adoptivo, deuraeonimen.talor e abastado pro-
prieUrlo, oao conseguir por ce to embar a boa
f o egregio tribunal darelagao, previniodo-o,como
.releade Coaira mim : eu teohu consci.eocia e con-
vieco do direito que me assiste e por isso agoardo
tranquillo a deciso do aggravo que para o mesmo
tnbiial loteryur,
Recite, 13 de dezembr da-1867.
L. di Curcallio de A. C. Ypiranja.
Srt. reductores Em qu: nto ao Brasil boaver
Imprtosa livre, podemne dlzer qae lemos liberdade.!
Haja arbitrio in quantilate, cerra se os dados al
o maior pooto do dispoti.-mo ; mis, em qoaato os
prelos forem livre?, devenios d zer somos livres t
Praxa a Deus que no co esteja o inventor desses
b'cbinlus
Ja' o disse ; confiado ao inleresse qne to-los lem
pela Instrurcao, quero que o poblico seja juiz nessa
questao entre mira e a directora geral, en antes
que se aprecie o grao de perseguirlo que me pro-
digaliss o Sr. Dr. Tavora pelo verdadeiro crime
de nao ter eu cantado Aosanaas qnando elle entrn
para a directora. -
Compre, pois, elucidar quanto possivel for os
pontos da controversia.
A lei rr. 309 qae rege a Instrocco, diz:
Alt 75. as escolas publicas sere feriados;
alm dos domingos e dias de gnarda, os de festivi
dade nacional designados por lei, os de luto pnbli-
co declarados pelo governo, os de carnaval, desde
segunda at quarta-feira de eioza, os da semana
saola e de pa-cboa, n dfa i de noembro, e os que
decorrerem desde SO de dezembro at 6 de Ja-
neiro.
At aqui lemos qne as ferias devem ser daJas
no dia 20 de dezembro.
Vejamos porm o qae em outra parte diz a
raesma le.
Ari. 3.* Ao director geral ioeambe :
Fubiicaces a pedido
Nao eri de miobas ini-.-n.-o's trazer ao preio
ama qu-sto, qa acaba da arrastar-me peranle
o jaizo maaicipai da pnmelra vara desta cidade o
Sr. commeadador Miguel Soares Palmelra, sobre o
dominio de um escravo, que m prtenc',eem cuja
posse estoo legalmente manutioido, nao s por que
essa que-to esu' h-ije pendeote de d cirio do il-
lastralo tribunal da relajao do distncto, por va de
aggravo iaterposto por mlm, se nao por que soa
daqbelles que nao -m conveniencia na discus:o
pela mpr-D-a de ques!;s4esta ordem.
Mas, provocado como fui no Diario de Pernam-
buco de 11 do corrate, pelo Sr. Dr. Virgilio Pal-
metra ftlht adnptivo e procarador do dito Sr.
commeodador Palmeira, nao teaho outro remedio
se nao responder Ihe, ja' para restabelecer a ver-
dade dos factos per S. S. adulterados, e devolver-
Ibe a face ( por qae felizmente nao nos attingio) a
lama qae procuroa laacar sobre mlm e sobre o Sr.
Manoel Craveiro de Sooza Dantas, pessoa multo
distlocta e respeitovel, ja' para mostrar-lhe, qoe te-
nboa necesaria enarga para rapeilir .-s >u s pro
vocaed-s em gaal^uer terreno, em qae por ventura
me atire i lava.
islo posto, protest solemnemente eonlra todo
qoanto avancou o Sr. Dr. Virgilio em sea immuado,
araozel, por s-r nm acervo cmplelo de falsidades! r
e de oegras calumnias.
O cabra Joao. qoe faz biecto dessa qaesto me
perteoce de pleno direito, por qoanto foi doado a
mmha mulber por seus avs maternos oo aono da
1852, qaando el>a era anda menor, por escripmra
particular de doagio confirmada em teslamenio,
Triumphos rccen'eaieate t-b'.iilas pelas
pi-eparices de veame, feitas pelo
abaixa assig' ado.
0 Sr. Jos Luiz Salgido Accioly, empre-
gado da thesour ra provincial, solfria serios
eni'omrnodos em suasil--, provenientes
de nina fstula q e tiulii lia muito tempo ;
e, depuis de muif.os remedios que havia to-
iniiJo, os mlicos com quera se re;eilir>
o aconseluaram, que nio tratasse de fecha-la,
pois que poJerta ter fatal c inse j^ieoda. Re
solveu se a e de veame: tomou urai garrafi, foi esta
sarctento pa.ti lecibrar sui sale; a lis-
t-ila fecbou sem que fosse preciso usar de
remedio externo.
Estaodi eu na Ihesouraria por occasiSo
d'iiaja arremataf;io, e cont.indo-me o mes-
rao senil.r este facto em presunga d'outros
senhores empreados, eslava tiimbem pre-
sente o Sr. Delmiro Augusto d'Almeida, que
re^pondeu a>ompanlieiro : Vosm f >i fe-
\ic com urna garrafa qti2 tomou, e eu j
tomei duas, e nemtim resualo obtive
de exostosi c escrophalas que lia tres an-
v nos s;ffro. Pergu-itei-liie se ti iba com-
pra lo em miaba botica, responieu-me que
nao ; disse-llia que pelas prepancoes feitas
em nutras pha-ancias eu n) respondia.
No dia seguate procurou me e Ihe v,ndi
urna garrafa ; usou e ssnlb muita naelh >ra ;
compruu s3UQda e acha-se compltame ite
restabelecido, gosando ptrfoita sade: as
escropbulas fecharam e os osso^ cresciaos
po/.eram-se em seu estido natural
E' exacto. Recite, II de dezembro
de S67.
fos [ms Salgado Accioli.
< Belntiro Augusto de Almeida.
O Sr. Francisco Xavier Civalcaote Lios,
morador na ra Imperial n. 87, tetido rece-
bido d'um seu amigo um escravo muito
doente, com o tratameuto que se Ihe tinha
applicado, passou a ponto de ter bydropi-
sia geral, ps e pero is iaebaios (aoazarca),
ventre crescido (osciles) e agua na cavilado
poler deitar-se com gran le anciedade ; a
mim recorreu, e com os pos refrigerantes,
dissolvidos em afasia de plantas emolientes,
e o xarope alcoolico de veame e plalas do
mesmo, se restabeleceo. Este escravo S3U
senbor recebeu e vendeo.
. E' exacio. Recife, 12 de dezembro de
4867.
t Francisco Xivier Caoalcante Litis
Facto gail j se deu com um escravo do
Sr. Clenaentino, o qaal fiz publicar; eoutros
muitos que deiso de mencionar para nao me
tornar prolixo.
Recife 12 de lezembro de 1867.
Jos da Rocha Paranhos.
ATTENt;.\0
Xarope alchoolico de veame, preparado
pelo oharruiMutico Jos da Rocha Paranbos,
estabelecido com botica na ra Direita n 88
em Pernambuco.
E-te xarope incontestavelmente superior
a todos os xiropes depurativos, de cuja com-
posigo o seu miior elemento a salsa par-
riloa, pois que se tem coohecido ser o vea-
me mais enrgico para a prompla cura das
molestias, cuja base essencial depende da
purifi :ac5o do sangue; assim, pois, se tem
verificado por mu tas pessoas. varo desengaadas, as quaes aclam-se boje
re6tabelecidas com o referido xarope alcoo-
lico de veame: entretanto que alguas, ten-
do asado do xarope de Cuzynier, de Lar-
rey, de salsa parrilha, de saponaria, oleo
de figado de baealtio, e ootros agentes des-
ta ordem, nala cmsegairam. E' elle de
fcil digestSo, agradavel ao biladar e ao ol-
phaio. Alguns med os desta cidade e da
de Macei o tero recommeadado para a cu-
Impigeos, thha, escrophulas,
Tumores, ule ras, escorbuto,
. Cancros, simas degeoeradas, flaxo alvo
Todas essas affeccSos prom de ama
causa interna; o5o ba, pois, ra^3o alguma
como prove peraote o juiao municipal da pnmelra era crer que bllas se podem curar Com reme-
vara dest cidad, com a mesma escriptura e com Jin(l pl.BJno, Ta,nhm ra nrflrrflVH 0 xa-
a eba Usiamentarla. nn, n.,r MMiAa inniAi um Qm ee">OS. lHWta 89 preserve u m
rope alcnoodco de veame para o tratamento
das afdcc5es do systema nervoso e fibroso,
taes como:
lamentarla, qoe por certidao juatei aos
autos, sendo para notar qne essa doagao foi feita -
causa dotes.
Como, pois, quer o Sr. Dr. Vinjilio Palmeira, du
for^a e valor a compra, qu, allega, ter leito o sea
paladoptivo -de am escravo em taes cunlic3 e de mais a mais veadido por outra pessoa, que
oao a propria dooalaria TI
Nao sabe 3. S. que urna semelbante compra 6
aulla em direito I
O facto di bavur o Sr. eomnoendador Palmeira
postuia'o esse seravo dorante quatorze annos, sem
(i uta, rbeumitisroo, paralysia,
Dores, impotoocia, esterilidade.
Marasmo, hypocondria, ommagrecimeoto.
xarope alchoolico de veame sobre-
tu lo da raaiar iiulidade, para curar radical-
mente, e era pooco tempo, o rbeamatismo.
10 n. 7. Propor ao presidente da provincia as
alterar/} qae r experiencia aconselbar que se de
vam f-z-?r nesta lei.
De cunf jrmidade pois com esta disposico que
varias presidencias t^m feito modiflcaQSes di ver
sas, mnltas das qnaas rem aprovcilado ao Sr. di-
ret ir. sendo ama dellas a que Ibe concede a facul-
dade de justificar 13 faltas, do qae ag ra mesmo
v..i fazerd) ara bom oso.
E de cuuformidade om a mesma disposico foi
qae o Exm. Sr. vizconde de Camarae'be depois de
4 aonns da prornalgacSo da le, approvou em 1859
0 regimnto das escolas qne diz assim
Ari. 24. as escolan publicas sero friado,
alm dos domiogog e ds de guarda, os de feta
neciona! design idos por lei, os de luto publico de-
clarados pelo gov.-roo, os do caroaval, desde do-
mingo ata qoarta felra de clnza, os qae dec rrerem
de domingo de Ramcs a domingo de pascho, o dia
1 de noverabro e os que vio de 8 de dezembro a C
de jineiro.
Efolaiola de conformldade cora essadisposl-
cn, que depols da experiencia de alguns annos o
B\u. Sr. bario de Villa Bella restaorou o feriado
das quintas fdira*, qae nao se acha coroprebendido
oem na le era no regiment.
E, se nos estamos no gozo d sse f-riado, porque
n > pederemos gozar tambem das ferias do reg
meaiu ?
Ora, o Sr. Dr. Tabora nao poda ter experiencia
por isso qoe nanea gozara passar urnas ferias do
natal como director; roas suppondo que livesse.
qae deveria faier para conseguir legalcente os
fias, Islo para restabelecer o ait. 75 da rele ida
lei n. 369 ? I O caooioho era nnicamente un-, e por
e'le devia voltir, propondo ao Etro. Sr. presid-nte
da provincia em viriude do art. 3' 10 n. 7 da
supracitada lei, para qa fusse revogaOo o art. H
do referido regiment, urna vez qoe o acto da di-
rectora nao poda d^truir o da presidencia.
E desde qae islo s no dea, n5n podia o *r, Dr.
Tavora, em vitta do Io do ari. 179 da Const. obri-
gar O' professores a cumprir sua porlaria.
Nenhum ciladao ple ser obrigado a fazer oo
e deitar de fuer alguma coasa, seno-em virtuJe
c da lei.
Lig^, o Sr. Dr. Tavora, vinlo a miha escola, e
maltodo-me por eu hav-r enmprido o regiment
era vigor, commeltea o crime previsto no art. 180
do C'd. Crim.
t Impedir que algaen faga o que a lei permute,
ou obrigar a fizeroque ella n3o maula : penas
c d prlso por 1 a 6 mezes e multa correspoo-
c dente a metale do teropo.
Se este crime for corametlldo por empregado
c pnblieo qoe para isto se sirva de sea emprego,
t Incorrera' alm das penas declaradas na de sus-
c penso daempregj por 2 meses a 4 annos.
Tudo isto se passoo, aa< 0 Sr. Dr. Tavora nao
havia confeccionado amia a lei qoe nos devia jul-
gar. Foi-eitSo qoando chegou a' soa repartlgo, e
tr.is'a a porlaria de 9 do corrente (cada urna vale
urna le I) multando em 503003 por cada di a ta-
lo professor qae deiza-se de dar aula d'.ihi por
dlaole, flciolo a multa que me elle bavia dado de
manha, coinprehend la aa referida portarla que
lavroo-se a' larde I I! 1 I
Contado nao se acredita, Srs. redactores, mas c
urna verdad I III t
Quandi a creatura ten o bpm em seu corarlo, a
Providencia o aj ida; mas qanlo pelo cootrano
nutre o mal, da' tragos a indiligencia mas esta o
nao auxilia convenientemente, porque ella um
dora de Deus.
Basta por hoje, Srs. redactores.
Geminiano Joaquim de Miranda.
1 ditos smguesugas; tt. A. Prntd S r lio.
1 dito impressos; a Henron & C.
2 ditos livros; a Lallhacr & C.
1 dito ditos; a Jos N-gneira de Sonta.
1 diti ditos; a Joao W. de Medeiros.
4 ditos Tidros; a Parete Vianna & C
1 dito ditos; a J. da C Bravo & C.
1 dito modas; a Silva & Cardoso.
1 dito perfumarlas; a madama Leconle.
2 ditos mercearia e retratos; a irma Magma.
1 dito modas; a Ladi.-lo Jos Ferreira.
1 dito lecidos de algndao; a Paulo Cenen.
9 ditos looca; a F. Dubirrv.
1 dito mercearia ; a Alves, Hombooger A C.
1 dito dita, 1 dito couro?; a Jos Luiz GoO(alves
Ferreira & C.
1 dito lecidos diversos; a Schapheitlio 1 dito objectos de prata donrada ; a Cli. Leclerc.
2 ditos leeidos de la; a Ferreira & Uatbens.
i dito dit>sde dita; a II. Wilmer.
2 dilos ditos diversos; a E A. Burle & C.
1 dito modas; a Luiz de Moraes Gomes Ferreira
1 dito mereearas; a Antonio da Silva Paria.
1 dito modas; a L. A. Siqaeira.
1 dito miadezas; a Uoalriro & Guimaraes.
2 ditos tecidos de algodao ; a L"pes di Oveir.
1 dito roopa; a Francisco Gomes de Oliveira
Scbrinho.
1 dito marcearla, 1 dito modas; a madama R.
Adoor.
1 dito modas; a Olio Bobres.
1 dito obras de prata ; a Joo do llego Lima.
1 dito ditas, 4 ditos jotas, e dito viub.-; a Lebmaa
fi eres.
4 ditos vione; a J. Vignes.
1 dito dit>, 1 dito modas, I dito caljado, 1 dito
fitas e eofeites; a Mello Lobo C
1 dito mercearia ; a Guimaraes & Freltas.
1 d'to dita ; a Custotio Jjs A. Guraaraes.
1 dito calcado, 1 dito mercearia, 3 dito sedas v.a
Lio leu Weidmam & C
1 dito objectos de borracha, 1 dito vidros, 1 dita
modas; a Silva & Neves.
2 ditos modas, 1 dita lecidos diversos; a Vaz &
Leal.
2 ditos selas, 2 ditos lecidos de algodao, 4 ditos
ditos de la ; a Carnelro & Nogueira.
1 dito mercearia, 1 dito impressos, 2 ditos tecido5
de algodao, 3 dilos chapeos; a Chnsliaai & Ir-
mSo.
2 ditos BKdis, 1 dito marmore, 1 dito clcalo, 14
ditos queijos; a ordem.
2 ditos lecidos de slgodo ; a Alriaoo Castro
5 ditos calcado; a Arantes & Lyra.
1 dito chapeos, 6 ditos lecidos de la; a U.-arl-
qne & Arevedo.
2 ditos vidros, 1 dito r.lhas; a II. L?iden.
1 dito c goac; a Creton.
i dilos j das; a Hyveroat.
2 ditos chapis, 2 ditos tecidos de la, l dito
miude'as, 1 do bordados; a Mnteiro& irtno.
I dito comest veis, 4 caiXvS quejos; a J. M.
Palmelra.
43 ditas qaeijcs; a A. Deonont.
18 ditas dito.; a Joo Ignacio da Costa.
38 ditas ditos; a Manoel francisco Corga J-
nior.
150 ditas ditos; a Toomaz de Aquino Fonsaca
na! & C.
34 ditas ditos; a Tasso Irrao.
8 ditas ditos; a Viente Ferreira da Costa &
HlfeON
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAtS.
endimen'.o o dia 1 a 12.......... 4G:33763
dem do da 13................. 3:370u8
Armazrm n. %.
1 fmbrulbo sen amero marca JOC, Doyli,
coBleodj doos vidrinbos com anaostras, sem valor.
1 caixa n. 512, marca JV, contend folbas avol-
as lytographadas pesando 62 libras, valor da li-
bra IX.
1 caixa o. 543, marea P. do J do Recife contan-
do folhelos brochados, penado 8 libras, valor da
libra la.
i caixa o. 38, marca M&C contendo armacoes
de ferro para chapeos de sol, pesando 461 libras,
valor da libra zOO rs.
Na sala da abertura.
6 frigidelras, 1 escumadeira, I coco tudo de
ferro baiilo estanbado, pesando 14 libras, valor da
llera 300 rs.
Armazem o. 7.
i fardo marca JP sem numero, contendo 22 pe-
damos de panno de algodao usadas pesando 64 li-
' tras, valor do quintal 2$.
Armazem n. 19.
I ciixa marca N S C, sem numero, contendo
126 luzas de caivetes de nma lamina com rabo
demadefra para rrarlnheiro, valor da duna \>.
Abandonadas pelos d renos.
1 barril marca IF^C n. 1.18, conteni 96 medi-
das do vioha de cidra avahada a 6(0 rs. a medida.
Alfindegade Ptrnambueo 11 de dezembro de
1867.
O escriturario,
Enlycbio Mondiu Pestaa.______
do Iilm. Sr. inspector da thesonra
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 13 DE DEZEMBRO
UE 1867.
As 3 X horas da tarde.
fHontea)
Algodao 1" sorte 8Jj5i)0 e 8!00 por arroba.
Algodao de Macei 1" sorte 8i60l) por arroba
posto a bordo.
Algodao da Parahyba 1" sorle 8800 por arro-
ba posto a bordo.
Cambio sobre Londres 90 d/ 20 5/8 d. por
1 000.
iTToje)
Algodao i" sorte85000 por arroba.
Cambio sobre Londres 90 d/v 20 li2 d. poi
tjooo.
Camnio sobre Paris465 e 470 rs., e vista 470
e 473 rs. por fr.
Frete de assoear do Rio-Grande do Norte para
Liverpool30/por tonelada e 5 0/0
Frete do algodao do Rio Grande do Norte para
Liverpool7/8 d. por libra o S 0/j.
Apolices da divida publica de jaro 6 por cento,
14 por ceato de descont.
Descont de letrasde tres mezes 7 OjO ao anoo.
Silveira,
Presidente.
Macedo,
Secretario.
EM UQIDaC&O
Novo banco de Pernambuco
Os Srs. accionistas podem receber o 3
dividendo (em moeda corrente) de 40 o/o do
capital, assim como o 1." de 30 o/o, e o 2.
de 46 e/o, j anauaciados.
Novo banco de Peraambnco
em liquidacao.
Os possoidores de notas da emisso do
banco queiram quanto aotes apresental-as
ao troco.
A caixa filial do banco do Brasil nesta
cidade troca as suas notas dilaceradas.
ALFANDEGA.
Rendimento do da 1 a 12.......... 320:0002879
dem do ala. 41............... 20:944j8a0
340:9453719
Jlovimento da alfandega.
Volames entrados com fazeodas...
c < c gneros....
Volumes sabidos com faxendas...
t c t gneros....
Deacarregara boje 14 de dezembro
Ligar iogfazCornucopia mero dorias.
Barca portugaezaSeguranga -dem.
Bnga portugus Lu ///dem.
Escuna prusianaEsoeranc idem.
fatacho prus-iano E'tse ftrnha de trigo.
Barca ingiezaR'desirk Ohon carvao.
Barca ingiera tf*/ Hiimeton idem.
Btrca ingleza Wttchoftke Teignidem.
Brlgae francs Claudine -I lem.
Barea saetaSeverige dem.
129
243
------372
112
163
------275
43:707^931
CONSULADO PROVINCIAL
Recdimento do dia 1 a
Mera do di 13......
12...
57:013,5180
6:8 63.9115691
SOVIMESTO DO POETO
Savias entrados no da 13.
Rio de Janeiro 26 dias, brieue iouiez Bueclench,
de 218 toneladas, capital T.ornas Jackwn, equi-
pagera 7, em la>o ; a erdera.
Birdeaux e porto* iutrinedn>i16 da?, vapor
francez Esirtmadure, de 1279 toneladas, con-
maoihnte II-nry d- S.'raer, eiiniDagem H3,car
pa difl*erents gneros; a Tis-ei Frere.
Londr-,-.42 dias, brign mgl-z Isabella Dobsen, de
103 toneladas, capiao Jiher Rarrowdale, equipa-
gem 8, carga 9i barris cooi nolvora e outros
gneros; a Ribe Schmeitau &i C.
Rio Formoso7 horas, vapor brasileiro .W-umin-
ynape, de 2i3 tonelada?, curamandant Costa,
eqaipagem 19, em la-tro; a compauliia l'.-raam-
bucana.
Navios saludos no mesmo lia.
Rio de Janeiro e Bahavapor francez Eslremadure,
commaodaoie H. de Somer
Liverpoolvapor ingles Chrysolite, commaudaote
Butcharal, carga algodao.
EDITAES.
De ordem
riade fazeoda de Peroam>oro, >e (az publico O ler-
tco de exame abaixo transcripto
Thesooraria n fazeola de Peroambaeo, 12 de
dezembro de 1867.
Servindo de tfDcial rosior,
Manoel Jj; Pinto.
Termo de exarae feito na thesrnraria de farenda
do Para em a i3, nula de 10^000 reis,cor bran-
ea da serie.
Aos 19 dias do raez de novembro de 1857, por
ordem, do Illra. Sr. inspector da theaouraria de
fazenda da trovina d.. P.ra reunlram >e na sala
da si-cretaria da rremt thesooraria es emprfga-
d seu parecer acerca da validado oo falsidade de
nma nota do thesouro do valor de dez mil reis,
cor branca, Ia serie, sob n. 10092 e a assignatura
de Jo- i'.ona de Sa C ielb, a qual foi enviada para
e>te iff-ito p>-la cli<*faiura de polica. Para o re-
sultado da exame foi presente aos examinadores
urna nutra ola de icuil srle e a-igoatura seb
n. 44323, vmJa do cofre da Ihesouraria.
D'puis de procedrrem os examinadores diversas
omparaeos entre as daas referidas nulas, cima
menciona Ja-, reconh-eeram ser flT-etivameote fal-
sa a de n. 10i'92, mandada apreseniar pela ehefa-
tura de pccia pelas ra oes segolnie?, nao < em
relacSo a essa, como as de sua chapa ou serle. O
pspe! das utea'i com quaolu suflrivel, com tudo
mediante um ponen de attengao deixa coohecer
sua lftr'oridjds era o das verdadeiras, sendo
nefta as letras d'agua meacs claras do qae
o'aqaellas.
A corva do s da pahvra seri as falsas e mais
fina do que as verdadeiras e o ponto sobre o i da
mesma palavra nao existe as falsas que os s introductores procuran) substituir a blco de penoa,
como se conclue da nota a que se refere ese
exanie.
O po.to entre o N e o algarismo da numeragao
-\ ocla as verdadeiras quadrilcogo e as falsas
redondo, este um dos situis ruis saliente a
conh;cer-se a faliidade, ao primeiro golpe de vista
as da serie de que le trata.
O o a-i alto da terceira buba da mesmo N, as
falsas muito menor do que n*s kverdadeiras. No
emblema, entre outra?, exialem ijuatro punios
para coohecer-se a falsidade. As tres pedras sel-
la* por b.aixo do embli-roa do lado do talo cao
existe uDiS f-.lsas o navio qe se v ao alio e a
um lado da figura, sendo bem visivel as vt-ra-
deiras, p uco se diso; ut uas falsas e anda
gestas as que nao tiverem nma vista prespicaz,
com o auxilio do microscopio vero que falta ua
popa do uvio o aigarismo 10 e a flammcla no
roastro grande ; a saia do manto oa tnica, com
que >e ve-te a finori!, cas verdadeiras nao priva
distioguir-se perfeitairienle o delineado das per-
nas e o jorlbo da que t-m enr ada, o que as fal-
sas nao se phteuii com preciso ; a croz do flo-
rete sobre cuja junta lem a fknra orna das mos
em des'aseo; sendo as verdadeiras bem visivel e
perf-tameole acabada, as falsas nao existe.
O aigarl>mo 10 que Uca aciroa da rabeca da fi-
gura oa tarja ou lita que corre ao longo da n la
i bem a/sim o mesmo algarismo a igoal tarja
por biixo 6 com Unta bastante preta as verda-
deiras e as falsas m< uos preta, rouco mais
carr^gada que a rr cinsenta. As qualm Qoas li-
abas oa< duas refer las tarjas cu Blas sao corri-
das com grande certeza de ordo que apresentara
avista bem destacadas as tarjas: as falsas, po-
rem, esli oa parecer/) mais ligadas, taolo assiro
qua nao se descobre ao primeiro golpe de visto,
cono as verdadeiras, o claro do popel entre es
liabas e as taijas.
E pirque f.-ssem ju'gados snfflclentes os pontos
mencinalos a conhecer se as netas falsas, ainda
que tm'ros com o ^uxilo do microscopio podessem
ser aposentados, res'Weram os examinadores dar
o trbalho por c urlnidos, lavrando se o presente
termo em que se as-ignam para o entregarem em
seguida ao l'lro. Sr. inspector com as notas, que
'ervirara de base ao exame. O segundo escritu-
rario antrnio Bernardino Jorge S.ibnnho.O bel
do thesoureiro oringos d'Oiiveira Gomes.
Conforme,
Servindo do i.ffl.-ial roator,
Manoel Jos Floto.
opposija mi*ha i de mus prenles, tem hctl ex-] Adverte-se qae o yerdadeiro xarorje b *e Brigae ingle-floiw Cfij/po/-tabsado.
O tenente-corooel Manoel Camelo Pessn, joiz d9
paz do lerceiro anno em exerciclo da fregu-'zia
do Santlssimo Sacramento do borro de S-nto
Antonio da eidade do Reeife provnola de Per-
nambuco, em virtude da lei ele.
Faco saber jos que a presente carta de editos
virem qoe por parte de Albino Jos Ferreira da
Cunha me foi feita a petiQao que se sogue :
Diz Albino Jos Ferreira da Cunha, uroprietarlo.
morador nesla cidade, que Domingos Francisco la-
vares Ibe devedor da quanna de 2:5UO000 de
principal de urna letra alm dos juros de um e
meio por cento ao met, veocida em 13 de dezem-
bro de 1862, e por que al o pres nto e no tem
sido paga reqaer o snpplicanto a V. S sirva-se de
o mandar citar para na primeira deste juizo oo
conciliar-s pagando araigavalmente o sea debito
oo ver o sappiicante proseguir no meio coulenci so
procedendo-se a citago do s;pplicado p>r edito,
visto achar-se o mesmo ausente em logar nao sa-
bido : assim pede ao lilm. Sr. juiz de paz Ihe deO a
pena de reelia recebera' coen-.Como procura-
dor, Luiz Prancisco de Mullo Tavares.
Na qual del o despacho sega nte :
Sim, para a primeira do juizo, lagar e ora do
costme, passaodo se para este fim carta de edito.
Pregue2ia de Santo Antonio, 9 de dezembru de
1867.Pes*oa.
Em virtade do q al despacho se proceden a in-
qoirigio de testemonbas, qae depozeram sob o ju-
ramento dos Santos Evangelhos a respeito da au
seacia e incerteza do logar da residencia do justifi-
cado Domingos Francisco Tavares; e sendo tudo au-
toado e preparado me vieram os autos conelu-os e
por mlm lidos n. lie prefer a seotenca do Ibeor se-
garata :
H -i por jn-tiQcada a ausencia e incerteza da re-
sidencia do justificado Domiogos Francisco T-va-
reg, em vista do que depozeram as testemuohas de
folbas e folbas. O escrivao passe carta de editos
com o prazo do estylo na forma da lei para os ef-
feitos requerido oa peticao de folhas, pigae o jus-
tificante as cnstas ex cansa.
Pregoena de Santo Antonio, 12 de dezembro de
1867.Manoel Camello Pessoa.
Nada mais se contioha em dita senten^a dada
nos aotog, por bem da qual se passon ao justifican-
te o presente edital cum o prazo de 30 das, pelo
qoal se chama e cita o referido justificado para que
dentro dos mesraos dias compareca por si oa por
sen bastante procurador para se proceder aos ter-
mos de conciliacn na forma da pelicao, e qual-
qaer oatra pessoa para que Ibe faca saber desta
mesma citacio, atina de que elle oao flqae em de-
feso. O porteiro deste juizo publicara' este nos lo-
gares mais pblicos desta fregaezia e o afiliara'
passaodo cerinlao em forma.
Dado e passado nesta freguezU de Santo Antonio
do Recife, .2 de dezembro de 1867.
E en Joaquim da Silva R"go, escrivao qae o es-
erevi.Manoel Camello Pessoa.
Ao sello 300 rs., vaiba sem sello ez-caas>.
Pessoa.
Nada mais sa contioha em dito original a qae me
reporto e don f.
Reeife, 12 d drambro de 1867.
Sub-crevo e assigno em f de verdade.O es-
crivao, J 'ainm da S Iva Reg.
Ds ordem do ilira. Sr. mspecior se fas pu-
blico qoe no da 14 do correte, depois do meio
dia serio levadas a basta publica livre de direitos
as segolntes mercaduras comprebendidas as dis-
posiedes du can. ut. 3a do regoiameato de 19 de
eieobie de 1860.
O 9r. An-elrao Prancisco Perettl, commeadador
da imii-rial ordom da R.>sa e da de Christo, oes-
euibarjador e presidente do tribunal do com-
mercio da provincia d > Pernambuco, por S. M.
o Imperador a qum D u* guarde ele.
Faz saber ao< que a prej-ele vr^m, que o tri-
buoal do commercio da provincia de Pernamhuco
u-ii.lo da junstiegao oue Ihe coofere o 5o do
art. 6 do decreto o. 1,397 de I d maio de 1855,
resolveo orgaoisar em sesso de .3 do corrente, a
tabella quocora esta baixa em sabstuaic3da que o
mesmo Iribnoal orgaaisoo em 6 de julho de 1863,
a qual por sua exiguidade e pouca clareza lem
mostrado nao poder salisfazer as exigencias do
commercio.
Tabella :
Art. 1." Aoa curadores fiscaes das fallencias ca-
be a c.immissai de om a tres por ceato das som-
raas, que arecadarem, conforme a importancia
das rDesmas.
Ari. 2. aos depositarlos cabe a commisso de
meio a om por ceolo sobre a importancia da ava-
haco da_a em eraformidade do art. 815 do cdi-
go coromercial, aos bens de qoalquer naiareza que
>ej ini confiado? a soa guarda e deposito, com ex-
clusio dos beos de raz a respeito di>s quaes Ihes
cabe igual commisso dos reoiiimeutos aparado?,
bem como do sea producto, se forem vendidos, ca-
beodo Ibes outro sim a mesma ommisso do pro-
duciu das dividas, que se apararem e Ules fdr en-
tregue, e finalmente dos beos de dominio, sendo
esta anima commisso paga pelo rerebedor.
Art. 3. Aos administradores cabe a commisso
de 3 a 5 por cento oa- quanllas que liqnidarem
por venda de mercaduras,', e por cubrancas de di-
vidas, realisadas Int-'gralrnenta oa por traonaegao
competentemente aulorisada, com exciosSo do dt-
oheiro que receberem dos deposiunos.
Art. 4 No caso de concordata em qoe nio ba
a 1 ministra ca a commisse dos caradores 0 de 1 a 3 por cento, e a dos depositarios de meio a
om por ceoto deve ser paga pelo concordatario
sera orejuizo dos credores.
Tribunal do commercio de Pemmbuco, 3 de
dezembro de 1867.
Eu Jos Marcelino da Rosa, secretario a snbs-
crev e assiguei.=A. P. Peretti.Rosa.Basto
Miran-i.. L-ai.S-.' Leilo.
Rgistrada e Impressa, remettam-se etemolares
ao Dr. juiz de direito especial do commercio e aos
luizes monicipaes e do commercio do dl&trlcto do
tribunal.
Tribunal do commercio da provincia de Per-
nambuco, 12 de dez-Tjibro de 1867.
Anselmo Francisco PerottL
DECLARAC&iS.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o seguinie :
Urna saoefa semicircular, com recortes de da-
mvco *e seda encarnada para a bocea o ifcrono,
coro franja e galo de relroz amarello, lendo onze
poliegaias de largura e dez palo** e qoairo polle-
gadas a- dimetro e seis palmos de altara no cen-
tro, conforme o nsc n. 1.
Uuag peroas de cortina do mesmo damasco
goaroeeida de galo do mesmo relroi coto des pal-
mos a cinco potlegalas deeomprlinnot) e onze pol-
legadas de largura para a mesma sanefa.
ma sanefa pequen do mesmo damasco e franja
de galao e tambem semicircular com sele pollega-
das de largara para a bocea flo niebo da sacrtsia
'
-
j
-
i*


f
uh m*mwmlmf *->****** 11 i
de 1867..
tendo quatro palmos ds dimetro e dons palmos de
aliara do centro, conforme o risco n. 2.
Unas Bernas da cortina do mesmo damasco guar-
necida com galo derelroz lambem amarello, com
quatro palmos de comprioienio e sele pollegadas
de largara para a sesma sanefa.
Um frooiai de damasco de teda branco e encar-
nado completamente gaarneeidocom franja e galo
de retroz amarello, com ooze palmos e ama polle-
gada de comprtowoto e quairo palmos e lele polle-
gadas de altara.
Um dito de damasco de seda rdxo guarnecido da
mesma franji e galio e com o mesmo comprimen-
to e aliara.
Uro dito de deuaaco de seda braoco guarnecido
cem franja e galo de retrox amarello com treze
pslmos e duas pollegadas de eomprtmento e cinco
palmos e cinco pollegadas de aliara.
Um dito'de damasco de seda roto guarnecido
com franja e galio de retroz tambera amarello com
o memo comprmanlo e largara, ambos para o
pulpito.
Seis alvas de bretaoba de linbo oo bramante,
sendo dnas com bico para os das de festa, e qua-
tro com babados para os das semanarios.
Urna ambella de damasco braneo de seda com-
pletamente guarnecida rom galio e franja de re-
trox a mi re! I >.
Um palito do mesmo damasco guarnecido enm
as mesmas franjas e galoes e ion as competentes
varas.
Un panno ou v > rico de damasco de seda bran-
co bordado de ouro para a bocea do sacrario, com
dezeseis pollegadas de altura e dezesete de largu-
ra, ah-rt > no centro at a altura de doze pollegada.<,
com franjas e guarnecido de galio, tolo de ouro
verladeiro.
Uta dito pan o interior do mesmo sacrario, de
seda branca, tambo guarnecido de galio de ouro
v.rdadeiro, com quaiorie pollegadas de altura e
oito e meta de largura, tambora aberto no centro
at a altura de onza pollegaaas.
{' n veo do hombroho de damasco branca de
seta e guarnecido Com galo de o aro verda-
deiro.
Uuj veo para o docel do tbrono, de fazeaia pro-
pria, ou seda, devidamtrot* bordado prata ou
prateado, co:n o competente cordeiro, com trila e
roei* pollegadas de comprmanlo e Tinte e tres pol-
legadas de largura.
Dez colcoas oe damasco encarnado de lia e al-
godo, leodo cada urna oito palmos de largura e
seis de altura.
Tres arrobas de pintaunha ou raordeote (uu roas-
sa com que co.-turoam os deuradores a compor as
ttatalbas yara dourar I.
Tres b rnid.re.s surtidos de agatta.
Cem f i'lus le lixa de vidro.
Cera ditas de dito de esmeril.
Um livro alpbabelico de 300 folhas para re-
crotas e guardas nacime desigodos.
m dito dito de 300 f.lbas para voluntarios e
guardas nacionaes designado?, que promptamente
concorrerem.
Um dito dito de 100 folhas para substitutos.
Um dito dito d SOOfolb.s pautado para registro
de correspondencia
Urna raspadeira.
Un caoivrte fi 10.
Urna macniaa de descarocar algodo, cbamada
de navailia.
As pesoas que qaizerem vender ditos artlgos
compar^cam com suas propustas na sala do referi-
do cousi.lno as 11 huras do dia 14 do correle.
Sala do conelno de compras do arsenal de guer-
ra de P'TUaronu'o, 12 de dezembro de {$67.
Jos .Mara 1. Jacome da V. Pessoa e Mello,
Presidenta. J
A cmara municipal desta edsfle, tendo Ci.o-
tritado croprar ao ri.1ad.io Francisco Marinho de
Alboqut-rque M-ih, um terreno situado no lu-
gar do Arraial, Fregue.ii do P. co da Paaella-
pira aelle estabelecer o matadouro publico da mes-
ma fregaezla, vai mandar eollotar marcos nos lo-
gare onde limita o citado terreno; o qoe faz pu-
blico para coohecinx'uio de quem ioteressar possa
Paco da cmara municipal do Kecife, 5 de de-
zembro de 1867. Luiz J-s Per-ira Sirnoes, pro-
presidente.Francisco Canuto da Boa-viagem, se-
cretario.
Q arta feira 18 do correte, Onda a aaclien-
cia j Dr. ju^z municipal da 2" vara ser arrema
tada por venda a casi n 8 b pateo di P nba, a
reqn rim ntodo tetaraenleiro.do tenente coronel
Cael'Ua Alberto Pereira Cvales t', pira, curapri-
san.o\o de legados pi, cojo escripto cbava-se em
poder do porteiro do jizo.
nbo de 34 pee de eomprtaento da 10 polegadas de
grossura no p 8 na pona e SOO vidros de vidra-
{a de 23 34 polegjdasc.e comprimentoe 16 1,2 de
largo.
Sala das sessSet do cnselbo de compras navaes,
li de dezembro de 1867
O secretario,
Alexandre Rodrigues do Aojos.
Notice,
Letlers, NewpiTjers, Book pareis, Sareples rf
Uerchandise, Palterns, etc., may now be sent by
me li-itish Mal Pack-ts to meariy all pars of Me
World, and cari be prepaid at tbis Office eitber lo
ooney or by mean* i f ,.f Brilisb Postage Stamps.
Latiera only can be prepaid for the Kmgdom
of Portugal. Tne BrIUsh sea-nte oo letlers for
Portugal, ls feur Penco ar eacb qaarler of and
ounce (iwe oiuva;).
Money Orden.
At also issued at tbis consoiale oo any of (he
principal Post Offices in Great Britaln and Ire-
land at the followlng rate of nimm's'ioo.
1 M i - wfb ^3 an a a O -A. a a ''5 No Single.
33 1 *o 1 J a t- p
D JO J S" I*
O i '' ' < < <
Cb \ A l d s d >- n o
s d o m&3H
\ 0. 9. 1 6. i. 3 3. 0. o
t'ayiuuuis Ir luu-y .'iiers aay De made el
tber lo Sovereigns or iheir eqaivalent in tbe Pa"
per Hoaey of le Boapire, at tbe current rale o
Etcbange.
Brlt.-h Consulate.
Pernambuco 12 de duember de 1867.
Bentlucck. W. Doyle.
H. B M--. Cnsul & Britlsh Paeket agente.
TBIWMJPHLO
Hacilioido Recif-
Previne se ao publico que do da i de Janeiro
de 1868 em diante fuoccionara* o novo roleiro de
signa s que se acha a' venda na livraria franceza
na ra do Crespo n. 9.
O administrador
Domingos dos Passos Miranda.
O Illm. Sr. inspector da tbesouraria de fa-
zenda desta provincia manda fazer pubiieo que fa-
ca marcado o cia 7 de Janeiro prximo vindonro
para o concarso a que se tem de proceder nesta
thesouraria para precnchimento das vagas de pra-
ticar.tes existentes nesta repartico. Osrxames
versa rao sobre as rr iena sega otes : leitura, ana-
lyse grammatical e arlhographia, ariihmetica e snas
applicacSes ao comraercio com especialidade re-
ducto de moedas, pesos e medidas, clculos de
descont, juros simples e composl^s, tbeoria de
cambios e suas appcacoes.
Os concurrentes deverao previamente apresectar
seas requenmentos instruidos de documentos que
j provera idade ccmphti de dezato anuo?, isencao
i de ppna e culpa e bom rrocedimento, na forma do
art. 3 do decreto n. 2,549 de 14 de margo de
I 1860.
Secretaria da tbesoararla de fazenda de Per-
nambuco, em 6 de dezembro de 1867.
Serviodo de official-maior,
Manoel Jos Pinto.
Cife, li Je
Santa Casa de Misericordia
uo Recife.
A I i i n r. junta adniaistraliva da Santa Casa de
M iricordi i o Recife, ni sala de suas sessScS pe-
las 4 horas da tarde da Jia 19 do correte, recebe
propostas para o foroeciraonto da carnes verde'
que hajvcrem de pr-cisaros estabelecioeotospies
a seu carga uo trimestre do Janeiro a marga vio-
douro.
Secretaria Ja Santa Casa le Misericordia da Pie-
dezeebro c!e 18i".
O es Ti vio.
Pedro Rodrigues de Sonzs
Santa Casa de Misericordia
d > Reeifoi
Perante a Illma. jnnta adramisiraliva da Santa
Casi ile Misericordia da Rec.fa na sal de suis
a Sas pelea i horas da tarda do da 19 do car-
, se ha de arrematar pela renda anna.il de
5005 os u s reunidos ns. 13 e 18 ao lugar das
Salinas, com casa de morada, viveiro e arvores
fractipheras, os qua-s sitios boje ihe pert--ncem
por ac;io de commtsso qu-a atentara contra os
herdeiros do mphyteate Migael Ferreira da Mel-
lo : ascocdlgdss tirao declaradas no- acto da ar-
Secretaria da Sania Casa de Misericordia do Re-
cifa, 14 de dezembro de 1^07.
Oescrivo,
________________Pedro Rodrigues de Sooza.
A cmara mumcpal desta eidade, t9ndo de
proceder em o dia 13 do crreme a aporaco geral
dos votos para memhros da afsembla ir'ivincial,
convida de conf;rmilade com o l do art. 1 do
decreto o. 842 de 19 de setembro de 1855, e art.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
Pela secretaria a Santa Casa da Misericordia
do Recife sao convidados os senhores propietarios
dos predios abaixo declarados, cojos terrenos per
troceram oulr'ora ao Sr, Francisco Lins Paes Bar-
reto e sua ruulhcr e por tiles doadas a Santa Casa,
para que compareram a esta secretaria, aflrn de
lagarera os foros que se acham a dever, e assigua-
rem o respectivo termo, reconhecendo a me-ma
Santa C*-a como senhor do dominio directo de di-
tos terrenos.
'Boa da Roda.
Caja terrea n. II.Antonio Ferreira Braga.
I i-ai idem n. lo.Jis Leopoldo da Silva.
Sobrado n. 17.-0. Emilia Carolina M-d -ira Fer-
reira.
Casa terrea n. 19.Capllao Mariins (morador em
Beberibe)
dem idem n. 21.Jaiquim Pacheco da Silva.
dem idem o. 23.Antunio dos Santos Vicira.
dem idem n. 25.Ignacio de Sa' Lopes Fernan-
des.
dem idem o. 27.Flix Antonio Alves Mascare-
nbas.
Ilem idem n. 31.Miguel Jiaquim da Co?ta.
Id-m idem n. 33Bernardo Alves Pinbeiro.
Idem dem n.35.Maria Francisca da Cjnceigao
e Silva.
Sbralo n. 39.H'rdeircs de D. Joaquina Maria
Pereira Vianna.
Cafa lerrea n. 41.Paulo Marqese Antonio Fran-
cisco Macota.
I Jera idem o. 43.Filiaos de Jos Rodrigues dos
Passos.
Sobrado o. 47. Dr. Bernardo Pereira do Carme
Juoior.
Mera idem n. 4.Mosteiro de S. Bento.
Mera idem n. 6.dem idem.
dem idem n. 8.Irraandada doSantissima Sacra-
mento de Santo Antonio.
dem idem n. 10. -Ilem id. m.
dem idem n. 12. Uem idem.
Uem Idem n. IS.-Bernardo Alves Pinheiro e ou-
tros.
Mera idem n. 20.Anua Thereza do Sacrm;nto.
Ilem idem n. 2iSabino da Cunha Fragoso.
Idem dem o. 26. Antonio Ferreira Braga.
Idem idem n. 23.Ii mandado das almas de Santo
Antonio.
dem idem n. 30. Joanna Maria dos Santos Mo-
ris.
dem idem n. 32.Dr. Antonio Joaqun) de Ma-
raes e Silva.
dem idra n. 34.Manoel Jos do Amaral.
Udem dem n. 38.Tutor de Francisco Goncalves
da Rocba.
Casa terrea n. 50__Os meamos.
l:em idem n. 52.Dr. Joo Capistrano-Bandeira
de Mello.
2o do decreto n. 2>21 de 22 d* agosta da 186D, aos dem idem n. 54.Luiz Jos da Co-ta Araorim.
eleitores do I s que corapSern o primetro dts.' Ilem idem n. 56.Jos do Reg Pacheco.
tiict>, a coroparecerem no mencionado dia pa o
im de assistirem'a aporagao.
Pago da cmara municipal do RcCife, 11 de do-
Ecmbto de 1867.
Luiz J)- Per?ira Sim5es,
Pro presidente.
Francisco C da Boa-Yi.'gem
Secrelario.
Consellio de compras na-
Idem idem n. 58. Bartholomeu Francisco de
Soon.
llera idem n. 60.O mesmo.
llera idem n. 62.M-nael Gomes Viegss.
Secretaria da Satti Casa da Misericordia do Re
cife, 9 de navembro de 1867.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Pela recebedaria de rendas internas geraes
se faz publico, que no corrente mei de dezembro
VaeS 1Qe 0i devedores das reas langadss relativas ao
O conslho eontraU no dia 14 do corrente mez, exercicio correle de 1867-68, a saber: decima
sob as condc5 do e recebidas at as 11 ha as di machia, o"fornect- i^sHaDJ ^l.Jf ^"'^^X &.%!
men:..DOfimenre prximo vino .uro de janeiro d d,fSCf 'etc^ d" ^ "sas da mov,e,>'r2?I
a marga, dos segulntes ohjectos de fardamento. I ^ elc- t*>"*s ^ P.. strange.ro e Uxa dos
Para aprend.zcs artfice .
B nets do uniforme, ditos do servic/>, blusas de
brim bracee, ditas 'e algodao azul, caiga de algo-
dio azul, camisas de algoJozinho, cobertores de
la, colchas de algodo, eolebdes de lie ho chelos de
palha, fronhis de algodaozinho, fardetas de panno
azul, leoOM d/ seda preta para grvala, sapat5p,
saceos de guardar roapa, e travestiros de linbo
cheios de p; lu.
Para imp<:riaes marloheiros e aprendizes ditos.
Bonets de panno azul, camisas de brim branco,
caiga de acodar azul, camisas de algodo azul, cal-'
gas de panno azul, cami-as de brim branco, farde-
tas de panno azul, lengos de seda preta para gr-
valas, sapato.s e saceos de lona de marinba-
hem.
Para fazileiros navae?.
Bonets de chapa e palla, caigas de brim branco,
ditas de algodS i azul, camisas de brim branco, cal-
cas de panno, fardas de brim branco, grvalas de
couro de lustre, polainas de panno prelo, sapatSes,
e sibrecasacos de panno azul.
Tambera o conslho no mesmo da 14 do corren-
te mez e por igual forma, cntrala o fornecimento
de ciment at junho do anno prximo vindouro
para as obras da porto, e promove a compra dos
seguintes objocus do merial da armada : 800
aguiraas de lona e brim, 5 ancortles para bateles,
4o bragas do corrente de ferro de mela polegada
reforgada, 4pega< de cato de linbo de orna pole-
gada, 4 peaus de cabo de linho de daas polegadas,
4 pegas de eabo de linho de duas e nHa polegadas
4 pegas da cabo de linbo de tres polegadas, 4 Se-
de hoha de barca Qaa, 4 dilas de llnha de barca
gro de 6 a lv2 polegadn, 6 utas de dilas triangulares
de 6 a 12 ditas, 6 ditas de ditas m?ia cana de 6 a
2 polegadas, 200 ps de mangueira de sola cra-
vada, plvora marca Torre, i pega de pete, 1,500
tibias de liala branca de tinco, 1 vergoute de pi-
escravos (sendo esta at 16 do mesmo mez) teem
da paga-!as sem multa.finda que seja, lerao de pa-
ga las com a mulla de 6 porceuto em virlude da
circular n. 37 do ministerio da fazenda de 30 de
sel muro ultimo : oatrosim, que oo mesmo mez
devem ser pagos os sabreditos impostps e mais os
segointes : renda dos proprios naciobaes e foros
de terrenos e de raarinhas pertenceotes ao exerci-
cio de 1866-1867 em liquidacao, segaindo-se de-
dos a cobranga executva quanto as rendas deste
exercicio.
Recebedoria de Pernambuco, 3 de dezembro de
187.
O administrador,
Manoel Carneiro de Sooza Lscerda.

THEATRO

, ISiBiL.
Sabbado 14 de dezembro
Espectculo Ijrieo-dramalico
COM AUTOBISAgO BO E.XM. SR. PRE IDENTE DA
PROVINCIA EM BENEFICIO DOS ARTISTAS
D. Carolina Falco e C de Lacerda.
Primeira parte
A comedia em u aa acto, tradaegao do Sr. J. C.
dos Santo*
DEPOIS DO BULE
Sej oda.,parte *
O cmbate d^ Biaofeuelo
grande symphonia eompoit;. p^lo maestro Cardim,
do Rio Grande do tal, e por elle offirecida ao ar-
tista C. de Lacerda.
Sesoir-se-h ^ -^ i
HU StfllMlDDli ID2 I3B1D
sceua cmica execuiaua ptio Sr. C. a Lacerda
Terceira parte i
A comedia em um aelo, Imitacio do Sr. Goima-
raes Jnior, ornada de msica escripia express-
meote pelo maestro Calis
Os amores de um leo
Quarta parte'
Grande syrapboaia pela orebestra. Seguir-se-ha
a grande walsa de concert do maeiro Ardilti,
cantada pela Sra. D. Palco

O
Qaiota pa4e
A comedia em om acto (seras de viagem) do
repertorio do theatro normal de Lisboa
UM SUGE.TO E UMA SENHOA
Sexta parte
A comedia em om acto, imitago do Sr. Dr.
Paulo Midozl e do repertorio do distincto actor
portogoez Taborda
AMOR LONDRINii
Comegara' as 8 horas.
i ?* l?'*d,*fi' ro* d0 Soegr> finlo a <*
aoSr. Tflwrclo) com eMellente cacimba e inais
100 palmos da terreno de frente e 100 de fundo,
as qoaes rendem meosalmente 40$.
I asa Ierra* a. 168 oa roa Imperial.
n ditas (an-ia guas/ na iravessa da roa Impe-
rial de ns. 1 a 23.
J* entno na ravdo Socego o. 63. o qnal tem
M P'n de freo, tendo no dito terreno 5 casas
mau-agaas que randera aonualmenle USA-
BOJE
o sen arrowem o. i, a' ra da Croz, primei-
ro andar, as U br-

AVISOS MARTIMOS
&OMPANHIA PERNAMBUCANA
H
Navegago costea por vapor
Rio Formoso.
No da 16 da correte as 2
horas d- manba seguir' para
o porto cima o vapor Maman-
guipe, commandanle Cofia. Re
cebrra carga, enrommendas, pas-
sageirua .- amelro a frete : escriplorio na Forte
do Matos n. 1._________________
COWPAHA PERNAWlBUCANA
DE
Navegaco costeira por vapor.
Guianna.
O vapor Parakgba, comman-
danle Mello, seguir' para o por-
to cima buje 14 de deiembro as
10 h ras da noite.
De urna Yacca tur i na gorda e um ca-
val t de sella.
Segooda-feira 16 de dezembro as 10 bcras
em ponto.
Por loiervf Dgo do agente Pinto, no largo do
Corpo&anto.
\H urna escra va crioula del7 annos
d idade a pal case, costaha e en
gomma.
Segunda-feira 16 de dezembro as li horas
em pooto.
Por Intervengo do ageote Pioto, em sea escrip-
lono a ra da Cruz n. 38._____________________
Importante, letiao
De fazendas, chapeos e ca'cados (objectos
salvados do incendio do armazem de fa-
zendas dos Srs. Adriano Castro A C.
Terca-feira 17 de dezembro as 10 ko-
ras em poni.
O agente Pinta f^ra' Itilo com assMencia do,
ageotes'dS companbias segurad aras e por conta
e risco de quem pertencer das fazendas, chapeo?,
calgados e mais abject >s salvados do incendio da
armateni do sobrado da ra da Cadela o. 16 e
exist-nies oo armazem novo do largo aa compa-
nhia (uos fundos do armaz-m de fazeudas dos Srs.
Johnson Pater c\ K.) as 10 horas em paulo do dia
cima dito no referida amazem.
AVISOS DIVERSOS.
Arrendase a prrpriedade denominada Barra
Recebe car- de Sennaaem, na freguezia do mesmo neme e seu
TMaKtosPnTWr0 8 dOhe,r0 a,riVr,Cv,D.ir3DaeeXU!Dt0'niUllS rS4' Pef"
cebere monos coqueiros a desfructar, alera de ser
oplima localidade para qualquer eslabelecimenlo
de fazeudas, seceos e mulbados; a tratar a'ra da
Aurora n. 26, ou a' do I uperador n. 43 -! andar
Prccisa-se de urna ama forra ou escrava pa-
ra oservlgo de urna c^sa di familia : a tratar oa
ra da Hortas o. lOi, sobrado.
OTaMH.1 PEK.UiUUaU
DI
Kavegaco cosleira por vapor.
Transferencia.
Era con^eqoencla do pa-
quete loglez so sahir do Rio
Oe Janeiro no da 10 da cor-
rele e nao podendu chegar a
a este porto se z>3o depois do
^-! dia 14, fleam tranfendas as
sabidas das vapores Ipojuca e Pottngt para as 5
horas da tirde do dia em que chear o nf=rido
paqoete, afira de que as malas de que fr elle por-
tador para as provincias do norte e sul, possam
seguir por esses vapores com a mxima brevidade:
eseri,.-t RESTAURAN! A LA CARTE
Entrada geral ra larga do Rosario a. 37 e para familias raa
estnila do 1,osario i. \ A
Francisco Garrido 4 Hermano, proprietarios diste grande etabeledmnto, cem a ebegida da
Europa do piixtiro, lera o prazer de anonadar aos eos j.migos e fregoeaes, qae se acham ostra vez
no nesmo esiabelecimento, anciosos por ver todos os se*, parochianos Uoio da praca c uso do malo e
de ootras provincias. Os pr. pnetarios tem fello lodo o p'.Mivel para sisfazer a sua lllu-tre concur-
rencia. O hospedes acbaro toda commodidadede grandes salas e asselados quartos por prego* ra-
Ha sala para lefia a de joroaes nacionaes e estrangeiros; na mesma ala ba ora magoifleo piano
para reertio.
Come se a mesa rtdonda a la carie e manda-se i domicilios.
Os viobos mais unos do mercado acham se no eslabelecimenlo.
A' nolte ba sorvele e refrescos, caf, eh e chocolate a toda a hora.
Tr-m de mogno os buhares, oobre* divertimentos dos reis e ootros jogos. Falla-se hespaohol
irancez italiano e inglez. No eslabelecimenlo vendem-s libra* aterlioas e comprara se oocas
>ao
compram se ongas




S\

GKAVOE CO^IORMA
ANDR TERREO
17 Ra da Imperatriz 17
PRTMEIRO .ESPJETACUJLO DE SUA CI*ASS
lodos os das das 4 horas da tarde em diante
C >m as priacipaes vistas das cidades de todas as partes do mando, baulhas, mo-
numenlos celebres e tudo o que ha de mais interessante n'ests genero.
Convencido de que o respeitavel publico concorrer a apreciar todas as colleces de
vistas estas serao vana Jas todas as segundas feiras.
p,. UOS SRS. CHEFES DE FAMILIA
Poaerao sem escrpulo algum coacorrerem ou visitar e&ta gua.nje gaubia por se
adiar cem todo aceto, dignidade e moralidade.
Cada biloete de entrada d direito ama bella prenda, bavendo entre ellas muitas
de subido valor e as menores de quasi igual prego do billiele de admisso.
Entr ida de cada pessoa 500 rs.
N. B. A abertura ser aujuciada por esta foltia.
Companhia aiQeiicaoa e brasileira de
paquetes a y?por.
Al o dia 15 do crrenle esperada de New-
York p >r S. Thomaz e Para' o vapor americano
SoutU America, o qaal depois da demora da costu-
me seguir' para os pollos do sul, para fretes e
passagens irata-se com os agentes Hewy Forster
S C, rna do Trapiche n. 8.___________________
Para Lisboa.
Vai sahir com brevidade a barca prrtugneza
ratido p*r ter parte da sua carga pronapta ; pa-
ra o resiante e pas3ageiros traa se com Oiivelra
Filhos C, largo do Corpo Santo n. 19 ou com o
capito na pr?ca. ______________
or-o
Pretende seguir enm a maicr brevidade possivel
a barca poriugueza Claudma, por ter a maicr par-
le do seu carreeamente engaiado : para o /esto e
passageiros, aos quaes offerece excellentes com-
inoias, trata se Cam Cunta I mos & C, a' rna da
Madre de Dos n. 3i, ou c*n o eapilio a binlo.
S'gue com a possivel presteza o vehiro patacho
Volante, por ter a maior pir:e da car^a eosajada,
para o que aiola p3 admillir : transe com o
respfctivj consignatario Antonio da Almelda Ga-
mes, a' ra da Cruz o. 23, Io aedar.
rara Lisboa "
val sahir cot muita presteza a bem conheclda
birca fona': para carga trata-S9 com os consig-
natarios Carvulho & Nagueira, ra de Apollo nu-
mero 20.
8
31E J AMSIRO
Pretende seguir com ro ita brevidade a barca
Despique 11, tem dous tercos de sen carrega-
inenta a bordo para o resto que Iba falla tratase
om os soas consignatarios Antonio Lai.z de Oii-
veira Az veda & C. ra da Craz n. '7.
Babia
Pretenda segalr coro brevidade a somaca J*?r
lencia, por ter parle do seu carregamenlo engaja
do, para o resto que tria falta trata-se com os con-
signatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &-C,
ra da Cruz n. 57.
LEILOES.
4*> *?t
De daas carrocas, ara cavallo e om a>\
'iioje
Em frente da coebeira do Sr. Claudio Dubeuz,
as 12 horas, pelo agente P.-ntual.
Ao correr d i martello.
0 agente Pontual competentemente aulorisado
vender' em leilo os predios s.-gulotes:
1 casa terrea sita a roa do Haspieio n. 7, a
qual rende nenslmente io$, e tem os commodos
segointes : 1 graades talas, 1 gabinete, 4 qnartos.
cosinha fara, quintal murado, tendo 50 palmos de
fundo e eacimba meeira.
3 casas terreas sitas no fundo da casa cima
(rendendo cada ua 105 mtnsaes) com os com-
modos seguintes: 2 salas, 2 quartos e cosinha,ten-
do de largura 20 palmos de frente e 90 de fundo e
mais 20 palmos-de terreno na frente de cada nma
das casas.
i sobrado na rna de S.Beoto n. 40 em Oioda,
todo reedificado de novo, o qual tem commodos
mais qne suficientes para nma numerosa familia
e grande quintal coro arvores fructferas.
1 quadro cam 27 casionas de pedra e cal (no
Campo Verde) tendo no ctnlro do quadro urna
grande cacimba e nos fundos das ditas- casas, um
grande canno para despejos, as qnaes rendem
meosalmente 1331.
Ao publico
Didimo de Oliveira I! .rcell..s, co v.penttrado da
mais acerba t-6", convida a lodos os amigos dedi-
cados, especialmente aquelles que couj elle se
achar.m emop rafau ros campes do Paraguay, a
assistlrem a encomroeodacao por suQYeio da al
roa Ce seu preadolrmau Felippe Nery de Barcel-
los ; fallecido na da 9 oo ataque de Tuily d 3 de
tiovimbro prolimo passado. ,A' qaal tora' logar
t-rfa-ft-ira 17 de correte mez pelas 7 horas da
manhaa na igreja de Rossa Senhora do Li to desta eidade. do que o supplicanie cima desde
ja dedica sua eterna gralidaa.
Recife, I i de dezembro de 1867._______
Precisa se de nm menino pequeo portuguez
para caiieiro dos ulilmos chegados : na ra das
Cruzes n. il.
IIIIJIUJ
Qae um elegante estojo para viagem
CO.WESDO:
l820 cedernos de papel branco, pautado, beira douraJa, marcado com as ioi-
ciaes do comprador.
2o100 enve'opes brancos.
310 j penas de aijo (marca langa).
4I caixa obreias de gomma: l caixa obreias de massa.
5oi tiuteiro de vidro com lampa d meial
6o1 arieiro idem dem.
7\ i o de lacre.
8n1 caivete de duas Mhas.
9-2 lapis.
102 canelas.
Todos esses cbjectos reunidos, dentro de urna bonita ca:xa, fJta para este fitn.
custam apenas
Es. C$000
imumk mmit
O r. A. S, Pereira do Carmo (medico) 2"A
Pi eeisa se e um nom* m para rimar conta
de urna taberna por halanca danto hinca a sua .1 esl moran.io do sobrado n. 12 da ra da T
Jos fe Imperatriz. conduela : a tratar na iravessa de Joaiuim
n. 22 ; na racima lambem se precisa de um meai
no que tenha pr ti .-a de taberna.
Aluga-se um moleque.
Preclsa-s- da um molt-qae para servija &-; h.tel
na ra das Larsngeiras n. 10.
Precisa-se de urna ama que compre e cozinhe
pa^a casa de moiti piuca f imilla : a tratar na ru
eslreit do Rasarlo n. 3i, priOJeiro andar.
Precisa-sede urna e-iantee de um guarda
louca osad, s : quem ns tiv^.r e qnizer ender an-
nuncie para ser procurado oa dirjase ao puteo
do Carmo n. 9, 2o andar.
Alaga se om ama de leite, sem Elho : oa
ra do Nogaetra a. 18.___________________
Fugia da casa de -u-. senhora m da 9 do
roarente mez, a cibr: Aqi, d- Idade loanaos, I--
vou chale amarello o ves;iaa de enta ja desbala-
do, bi xa e g>rda, tem falta de talo* os deules
da freule, con-ta qu3 anda pelo Peres : rogase
aos espines de campo ou qu Iqu-r pessoa que
fnconira-la leva la a casa da sua senhara na ra
de Horias n. 73. qae sera' geuerosameote recom-
pensado._______________________
Acto de devo$io
Convidase a tidos os moradores da Passagera
la Magdalena e arrr-dores a acorapanh>rem o acto
da trastadacp da milagrosa Imagem de .-ossa Se-
nhorados Remedios do hospital partaguez para
a sua capella, o que tem logar domingo as 4 ho-
ras da tarde. _^^_______________
Casa p ira alujar em Olind*
Alogi-se a rasa de sobrado de um andar e solo
nos Quitro Cantos em Olila, com commolos pa-
ra familia, pinta la de navo, malla fresca e excel-
lenle vuia, tendo a toja nma armado propria pa-
ra ijualqnar stabeieci nenio de negocio : a tratar
o i praca de Pudro !I, livrarla da infaucia n. 6.
. Precisa se de um caixeiro que enteuda de
liberna e que de coubecimento de sua conducta :
taberna da ra da Concordia travessa do Poclnbo
n. 33J_____________________________________
s oufe'.laria dos anans
Ra da Cruz n. 16.
Ha presuitos, dit>>s era Hambre, fractas em cal-
da, ditas secas, caj, dito crislalisado ; recbese
encommendas para casan entes, bailes e baptiza-
dos, bollos e Pao Oe 16 enf-itados.

Para caca de homem soltelro precisa-se de nma
amagara comprar e cosinbar : na ra do Vigario
n. 24.___________________________________
Aiogase o 2o indar e soto do sobrsdo da
ra de Hortas n. 48, cam bastantes commodcs e
mnita fresco : a tratar rao 1* andr do mesmo so-
brado ou no entrar da ra das Tnnchtiras loja de
tartarugaeiro n. 2. _____________
J-e WicdCio aa snva, pAUro Augusto Frackio
Moreira da Silva e Jase Nicacio da Silva Juoior,
pedero a seus prenles e amibos psra segunda-fei-
ra 13 do corrente as 6 l|2 horas da manhaa assts-
tireBJ orna missa na igreja do Livramento, que
mandara dizer pir alma de seu presado fllho e ir-
raSo Antonio Welebaldo Moreira da Silva, morto
em o ataque do dia 3 de novembro nos campos do
Precisa-se de ama ama para o servicio de
ama casa de pouca familia ; prefer,e-se escrava e
paga-se bom : no caes do Ramo?, armazem n 10.
Ama.
Prccisa-se de nma ama para eogommar : trata-
i a' ra da Cideia do Beelfe, aeorado n. 34.
^To..'-r8.!0l a premii, cam bypotheea em
bamkle raiz de dobrido valor nesta eidade : a ira-
1 quadro com 7 castaas, sendo 6 de pedra e cal lar m ra da Imperatris loja n. 28.
Aluga-se
para pas?ar a fe:ta ou p>-r um anno, ama casa em
Olinda, com excelltnte vi.iae moito fresca,coa
tres salas e cinco qnart:s, crzioha fra e bom
quintil, com ierr?c de pedia e cal : a Iraiar na praca de Pedro II, li-
vraria da Infancia n. 6.
Troca m se
:s notas do banco do Brasil e das caixas Gliaes-
Jom descont muito rasoavel, ua praga da Inde,
ceudencia n. 82/
. Aluga su urna casa no principio da Ponte de
Uch ia' a marcena do rio, cora viveiro e b-ixa dc-
capim : a tratar ni ra da Vigario n. 31.
O abaixo asslgnado avisa ao publico e especial-
mente ao respeitavel c rpo do cotnmereio, que
tem am.igavlmtnle dissilvido a stciedade .jue ti-
nha era sua Lberoa a ra Direita u. 127 com
13-rnardino Alves Ferreira que girava sobre a fir-
ma de PigoeU'J & Ferreira, cando a cargo do
abaixo assignauo ludo activo e passivo da mesma
casa.
Recife, 10 de dezembro de 1867.
Thomaz de Figuevdo.
O b.achar.1 Clemente Jos Ferreira -la Cost3,
considerando se qnile tanto nesta praca como fra
d'ella, qur com parentes seus, inclusive fihus e
geofos; plo presente concita a toda e qualquer
pessoa quo se julgar seo credor, seja qual for o ti-
tulo, declare p r este jarnal, on o prcenre em seo
silio, em S-nlo Amaro das Salinas, ou no Forte do
Mullos armazenn. 17, a fallar coro o Sr. Jos Cae-
tao de Medelros Jnior, para ser psga ; Uto no
prazo improrcgavel da 30 dias, a contar da data
de-le, soh pena de, nao o rateado, ser desstlendido
e repatada de neobum efToita leda e qualquer re
clamajao que de futuro possa apparecer nesle sen
tido.
Recife, 12 de selembro de 1867.
Doce

Na ra do Codorniz n. 8, ha cccstantemr-nle nro
grande deposito de doces em latas e calxoes, pro-
ino para negocio o por preeos muilo com-
modos.
aIu
H i*
a-se
o terceiro andar do sobrado da roa do Araorim d
73. cu3 gran'e soto e commodos para familia ; a
tratar'no armazem do mesmo
Dinhtivo
sobre bypolhoca em predios em bom estado, e as
principaes ras desta eidade, da-se al a qnanlia
de dez on doze centos de res: na roa Nova.lok n.
29 se dir*.
AMA
Atteucao.
De eonf-rmidade com o disposto no art. 16 dos
estatutos "le i8 de Janeiro de 1866, roavoco aos
Srs. nerdeiros <>a pr^prielado cemmuro-Apipa-
eos qae moram fia da cade eseus suburbio,
para a rcnniao geral de Janeiro vlnduoro, peas 10 huras da manhaa
no cunsistorio da capella da mesma propriedade.
Apipocos, 10 Ge dezembro de 1867.
O administrador,
_________J -Ti Francisco do R-go JJaia.
A'ou'N-e duas exceilentes escravas peritas
engc.Mn.'.deiras e c zinhejras: a tralar na ra da
XI < :s l>>a V -i i n. _,',, pr mi iro andar.
AtteiiCao.
Vende-se um h i para carroga mn'to manso a
gran le 16r atrita i e bem feito : a tratar no depo-
1 8,l_^0_pateo d > (Lrii.o n. \1.
A'ug-se urna casa nova na Capuoga, cem
jcoosmodos para familia, om sobrada de uro andar e
toto, na freguezia e Sol. Antonio : a' ra de
i Sanl-i Am'ro n. 28 se dir" quera aluga.
Aviso.
Acha-se justa e contratada a casa lerrea sita a'
roa de Santi Rita n. 9 : qoern s* julgar com al-
gum dir to a' t la easa, ancuncie por estes tres
tias a contar deste.
Recife, 13 de dezembro do 1867.
Preparatorios pura os exa-
mes de ulereo,
Cu-.-so de ILigu t franceza.
le gecg-; jab a c amatoria.
de |iUiSophia.
de rctltcriea e poci'c.
Jos Soares de Azevedo, professor de
lingna e Literatura nacional no pyranasio
provincial de Per mbuco, tem aburto em
sua casa, ra Bolla n. 37, um curso especial
de cada urna das materias acim i indicadas,
para os estu lantes que se propem a fazer
exame em marco no collegio das artes.
Dirijam-se resideccia mencionada, de
manba at s ) boras e de tarde a qaalquer
bora.
3aEunel Pone- Jonoston &liompanfali
Ra da Senzala Nova n. 42.
ASKCU DA
FRndeJSoeliOW Hor.
Mcbinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenhi.
Ttaas de ferro coado e batido para enge-
nhOj
Arreios do carro para ca e doiis cayallos.
^elogios de ouro patate inglez.
irados americanos.
Micinaspara descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas da costura.
Na rna de S. Francisco n. 54, precisa se de
ama ama para pouca familia.
os abaso assiguados declarara ao respeita-
vel corpo do cooimercio qne nesta data compra
ram ao Sr. Maxlmiaoo da Silva a sna taberna sita
na raa de Apollo n. 39, Itvre e deserabaracada de
qaalqaer onus. Recife 9 de dezembro de 1857.
_________Francisco Goraes de Amoro) & Irma o-
l'recisa-se do ara feltor e jardineiro para tra-
tar de um sitio : na ra do Cabug n. 3, loja de
ourives.__________ ___^___
Prerisa-sealugar ore preta para andar cora
nma caixa de miuiezas : na ra da lmperatriz n.
64, loja de miudezas. % .
Preoa se de dou, uabaltudore* de padaiU : 1 *%* ^m edlSfilOS, merCadorUS 6 mobiliaS:
na roa da Raog-i n. o. u na do vigario a. 4> paviUMoto terrw
COOTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, tpraa seguros martimos st-
ore navios seo carregamentos, e contri
| HEGIVfl


"X
lW*
- Saad UUWmmtf Je 18V.
*<
ILLUMINACAO
AGAZ.
A empreza do gaz desta cidade desejando facilitar geralmente o aso do gaz na
casas e estabdecimeu los particulares, ollerece desde ja as seguiotes vantageus:
1.' Urna redaccSo consideravel nos presos dos canos, apparelhos e todos os mate-
riaes pr< ciros para a installaclo desta loz.
2. O gaz fornecido boje de extrema pureza e n3o ofender a prata, o bronze
tiflca-se 'recebar toda e qaalqoer encmmeuda e vender os seos producios por precos nimiamente l ou outro metal differeote, assim como oenbum damno poder Causar s pinturas, quadros.
redolidos, osqoaes obtiveram premios **2*****W^'rdd!/*X m^oo* cowac Tb ornameDlos' PaPel de forro mais delicado qoe seja, tornando-se ao mesmo tempo to sau-
Temos sempre em qaanndades genebra, dita de laranja, aois, agurdenle do reino, cognac ,D Ononmi. 4 ,, .____?__ J'^ma -n-.i _-..... ..kF.-. k
UREA PENINSULAR
Fabrica de destilaco e fcomficac&o
MARQUES 4 FERREIRA
RIJA DO AJIORIW FORTE DO HIATOS
PERNAMBCC
Esu fabrica acbando-se mouda com lodos os necessanos perlences a nma destiiaeao e com
malarias primas, que eniram na eoofecco de lodos os seos producios de soperlor qualldade : prorop-
m... _... nimiamente
c.ntno. biuer, wermnib, kff ?^ daveU mais econom.co outra qualqoer faz, jconhecida, aGnal, evitar Umbem a obs-
eBlre finos, lala pira e'screver,'perfumaras, vinagre, marrasquino,, eoraco, espinlo de 40, 38 e 36,
dito de alfaiema, limooada gaioza, agoas : ftr da laraoja, rosa e ortela pimenta ; orebata de pevide
de melancia e monos ontros gneros, os quaes $e vendem a vontade do comprador, em barris, cana-
da em garrafas com vistosas "tarjas. Promptiflcase a coodicclonar e i enviar qaalqoer remessa que
nos'seja pedida para toda e qaalqoer parte, deveodo ser os pedidos icompanhados de ordem sobre
ta praca._____________________________________________________
O Sr. Justino da Silva Gardoso queira
vir nesta typograpbia negocio urgente.
ARMAZEM
Cambraias largas a i$009
DO
VAFOR FRANCEZ.
RA NOVA N, 7.
Acaba de cnegar de Pars este estabelecimeo-
to om grande e escolbido sortimeo'.o de calcado
dos meto* es fabncanies daqoella grande praca,
assim como grande varledade de quinquillera e
de no vos bi inq edos para crianzas, cojos artlgos
se cbam expostos a escolha e vootade dos com-
pradores, orno sejao algons qoe passamos a
mencionar.
Ultima moda
Ricos ehapeoHuhos de gusto para senioras fei-
tos ao capricho de orna grande modista de Paris.
Botinas para scuhoras
de setim branco, daraqoe dito, pretas e de oolras
difirenos cores enftit-das a rigorosa moda.
Botinas para mealaas
de maitas quididades bem sorlldas.
Brincos de ouro
de lei a ultima moda dos Campos Elizios e bDule-
vards de Paris. para seoboras e meninas.
Luvas de pellica
do verdadeiro latineante Jouvio, brancas, prelas e
de oolras differenles cores.
Leqties
om escolbido sorlimenlo da loques de diversos
gostos a qualhades.
Perfumarla
finos extractos, hachas, leos, pos de arror, agua
de cologne, agua fl. -ida e jabonetes.
Espelbos
de differenles lmannos e gostos para salas, gabi-
netes a ppqoeoos inucadores.
Caixinhas de costara
de novos mdulos ricamente guarnecidas e com
lindas peras de mosira.
Delicado presente
bolcmhas ecestinhas de seda e de velludo moito
imporUntes para brago de meninas paselo.
Chapeos de sol de seda
de cores e muiio bellos para senhoras e meninas.
Boaqitets d exposlco
delicados buuquels de Ores de porcelana com lin-
dos jarros para mesas de salas e sac'.uaric;.J
Lunetas
de ac, tartaruga e (bfalo.
Oculos
de ac, bfalo e de prata doorada.
Ricas bengalas
de canna vcrdadeira com castao primorosamente
trabalbados em marfiro, compradas na exposicae.
Chicotes para passelo
multo finos de haleia e cabo de uiarfim.
Oleado para mesa
de mnlto boa qualidade, novos e bellos padrSes: no
armaiem do Vapor, roa Nova n. 7.
Para toilet
otjectos de phantasia muilo tellos para teilet
Coques
chegados de novo a ultima ni da.
Ricos albucs
de velludo e de marroqoim para retratos.
esterescopos
com lindas photoprapluas transparentes.
Estampas
de figuras, paisageos, cidade e de santos.
Molduras douradas
de diversas larguras para quadros.
Abat-jour
para candielros e linternas de piano.
Cosmoramas
grandes e pequeos cora 50 ou mais vistas esco-
ltadas a' vootade, muito pittorescas. |
BeallJM
pequeos, de qnatro e seis pecas de msica.
Aecordlons
e concertinas, o qoe ha de melbor neste genero.
Gaflas de rame
de varios pregns e tamaobos para passarioho.
Botinas para homem
grande surti ento bem escolbido em Paris.
Botinas para meninos
de moilos modelss bem sonidos.
palos de tapete
de charlte, de tapete avelludados e dj traerla
Lisboa para homens, senhoras e meninos.
Botas russianas
Pemeiras a meias peroe.ras.
Maotas de feltro bonitos padrdes.
Chicotes fortes comprtdos.
Lovas de fl > da Escossia.
Cartelrinbas para diobeiro.
Saceos de tapete p.-ra viagem.
Malas e Loicas sortidas.
Ponleiras para charutos e cigarros.
Cbarnteiras e cigarreiras de palos.
Caximbis de bonitos modelos.
Gravatas tretas e de cores.
Gordas para violo.
Bengalas para borneas e meninos.
Escovaspara bello.
Escovas para dentes.
Pentes de roarflm para tirar espas.
Pentes de tartaruga de desembarazar.
Abridores de loras.
Tesooriobas delicadas para costara.
Caivetes Anos com tesoorinba.
Meias de fio da Escossia para borneas.
VenezUoas transparentes para janeas.
Quadros peqoenos para retratos.
Paros de lindas Qgnras pequeas de porcelana.
Jarros mu pequeos de porcelana.
Objectos de porcelana para botar banha.
Tafheres Anos para meninos.
Objectos de mgica para divertir familias.
Pbotcgrapbias mgicas.
Globos de papel para illominarao no campo.
Castrabas de vimes para meoiuas de escola.
Ceixobas de msica a reajeijos para manios.
Velas a gax para candielros a candelabros.
Carrinbos de qaatro rodas para coodozlr enanca
Bonecas de massa, da cera a de porcelana.
Cercos a camas com cortinados para bonecas.
Cabriolis e cavallinbos de madeira com rmehi-
cismo para meninos de 3 a 8 anoos moniarem
Para presepes
fgaras para ornar presepas, caslnhas, animaes,
pastores, a ontres muito objectos propnos.
AttencSo.
Nao sendo possivel mencionarse aqol todas as
qoalidades da calcado, oem todos os artigos de
quinquilleras, a multo menos da grande vari-
dada de novos brioqnedos; pede se ao pub Ico om Imperatnz Q. BO, de Gama e Silva.
passelo a este eitabelecimeoto. certo da que en-
eootrarao bastante paciencia para bem eseolberem
o qoe desejaram comprar, e presos baratissimes
am viriode da baver em lodos astas artlgos grande
qoantidada, a terem sido comprados mesmo na
Europa peto dono do olio esUbeleciment, arma-
iem do vipor, ra Nova o. 7.
Aloga-se om sitio na Capanga nova com 2
salas a 7 uarlos orna coebeira, orna balxa de ea-
nfm, basume arvoredo : qo*m o pretender di-
rija-se a roa da Imperairl: n, (0. ,
de
Na prar^a da lodependtjncla n. 33, loja de
oorives, compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
tambera se (az qnalqaer obra de eacommenda t
todoe qualqutr ctincerto.
_Cempantia otilidade publica
A direegao paga o li* dividendo de oi} por ac-
icSo, em seo escriptorio ra da Cadea o. *. pri-
I meiro andar. Recife i de dezembro de 1867.
Os directores
Feliciano Jos Gomes.
Thomat Fernandes da Cunha.
Jornaes para 1868
Na livraria franceza assignam-se todos os jor
naes da Europa, os Srs. assignantes enconlraro
amo&lras dos peridicos a catlogos dos mesmos.
RA DO CRESPO N. 9. _
Precisase de nma ama para o servico de
orna casa de pooca familia, prefere se ascrava e
paga te bem : no caes do Ramos, armaiem o. 10.
Urna tenbora professora publica ln:truc-
eo primarla, por motivos de molestia deseja per-
mutar sua eadeira por outra ne.-ta cidade do Re-
cife, at a distancia de nma legua, e (ffrrece por
corepensaca nma vaotajosaifT^rla : qnem se pro
pozer a fazer este negocio, dirija se ao caes do Ra-
mos, armaiem n. 10, ou annuocie para ser pro-
corado.
0 Dr. i jaquim Jos de Campos da Costa de
Medeiros e Alboqnerque raodoo o sea escrlpiorio
de advocada da casa n. 22 para a casa contigua
n. 24 da ra do Imperador, defronte da re aco,
jory e sala das audieocias.__________________
Alngam-se quatro casas de preco de li
[it>, i( > e 84 por mez, sitas a' rna do Gazometro,
confronte ao porto lateral da fabrica do gaz: a
tratar no mesmo lugar._______________________
Seguro contra fogo
Antonio LaU de Oliveira Azevedo & C, agentes
da companbia Fidelidade, estabelecida no Rio de
Janeiro, lomam seguros contra fogo em predios e
ra-rcad tias, em sea escriplorio roa da Cruz Da-
mero 57.
MOLESTIAS DO PE1T0
Aviso importante.
Os unios verdadeiros xaropes de hypopbospbl-
tos de soda, de cal e de ferro do Dr. Cbarebill tra-
zera a firma qnatro vezes repetida desie sabio me
dico sobre o subscripto e a marca de fabrica da
pharmacia SwaoD, 12, ra Castiglione, Paris
Acha-se a venda em frascos quadrados com o no
me do Dr. Chuichill no vidro. Preco 4 francos eOi
Paris : Com Instrncco
Botica de Bartholomen & C.
0 Dr. J. Baptista Casanova
pode ser procurado a qmlquer hora em sen con-
sultorio homeopaib.co, largo da matriz de Sanie
Antonio n. 2.
o mesmo consultorio tem sempre grande sor
timento de medicamentos de nomeopathia de We-
bere Catellan, tanto em glbulos como em tintura,
assim como tem tica sorlimenta de ferros de el-
rurgia era cartelras e avulsas do afanado. Cbar-
rier de Paris.__________________________
e i$280
a vara.
Vende-se cambraia transparente com oito
palmos de largura, que facilita fazer se um
vestido com quairo varas, a 13 e 10280 a
vara : na loja e armazem do Pavo, roa da
Imperatriz n 60, de Gama de Silva.
Espartilhos.
Vende-se cm grande sortimento de espar-
tilhcs dos mais modernos : na loja e arma-
zem do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Anadlne a C^COO.
Vendem-se os mais booitos cortes de ana-
dine, seodo fazenda inteiramente moderna,
transparente, com bonitas palmas bordadas;
esta fazeuda, que de muita phantasia, ven-
de-se pelo baratissimo preco de 6-5(00 o
corte : na loja e armazem do Pavao, ra da
Imperatriz n 60, de Gama & Silva.
Ricos cortes de medlna pro-
prlos para baile.
Chegarara os mais moderaos cortes de
medina, sendo urna fazenda ioteiramente
nova e transparente, com lindas palmas e
quadros de seda, e vendem-se pelo barato
preco de 220000 o corte : na loja e arma-
zem do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama de Silva.
Cambraias a 36-KQ rs.
Vendem-se finissimas pegas de cambraia,
branca e transparente, de 30500 ate 100 a
pe^a; ditas tapadas muito Gnas, de 50 al
100 ; ditas suissas com 1 vara de largura a
80,100 e 125 ; na loja e armazem do Pa-
vao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama dr
Silva.
Cortinados para casamentas.
Vndese nm grande sortimento dos me-
lbores cortinados bordados, propnos para
camas e janellas, pelos baratos precos de
90, 100, 150, 200 e 250000 o par; da-
masco de la imitaco de seda, com 8 pal-
mos de largura, a 40.00 ; colchas de cro-
ch ; ditas de fusUSo brancas e de cor; cro-
chs proprios para cadeiras, sofs, cadeiras
de balanco, para cobrir presentes, etc. etc,:
na loja e armazem do Pavao, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes de chita com lO cava-
dos a 30, 30300 e 306CO.
Vende-se cortes de chitas francezas, es-
curas e claras, de cores fixas, e tendo 10
covados, a 30000; ditas com 11 a 30300 ;
ditas com 12 a 30600. pechincha, s
para acabar: na loja e armazem do Pav3o,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Percalas a 320 rs.
Vendem-se lit issimas percalas de cores
xas, pelo baratissimo preco de 320 rs. o
colado, por ter um peqneno toque de mo-
fo : na loja e armazem do Pav3o, na da
45Rui Direita45
Chega, gente!!! .
Borzegoins inglezes para homem a 6
Ditos'francezas dem a 5f.
Borzegoins para senhora, enfeitados, a #
Ditos para menina, dem a 3.
Sapatoes inglezes para harnea i. 4#.
Ditos americanos a 3500.
gChinelas do Porto a 1*600.
Sapatos-lranca para senhora a 1*280.
Ditos aveludados, dem, a 1*280.
Aproveitem emqaaato tempo.
Quero quizar alogar o sobrado n. 42, a'
roa da Autora, dirija se ao escriplorio n.
4, a' roa do Crespo, que achara' com quem
tratar. .
"3FRua Direita 31
Nesta est beleclmento se acba a' venda nm bello
sortimento de rendas a blcos de pontos de croch
dos melhores gostos vindo de corita propria, por
isso pde-se vender por preco moito commodo que
Caixelro
Precisa-se de om moco para caixeiro
tel parnaaibocaoo, rna das Crozes n. 39.
no bo-
trucrD dos canos c tubos dos apparelhos.
3.* Os apparelhos existentes, como lastres, arandelas, bracos de vidro, de bron-
ze, etc., etc., sao proprios para os senhores que preerem luxo e elegancia, como para
os que necessiiam simplicidade e economa.
i.* As pessoas que quizerem collocar o gaz em suas casas podem dirigir-se em-'em qoaqoer ootra'plre.'veodendose uoto ero
preza, a qual se encarrega da collocaclo de todos os apparelbos, canos, etc., tomando toda l*,2* coml- ret?'50 empecnh* de i0 v*r"'
a responsabilidade pelo pe ftilo cumprimento do masmo, ou por outra, podem empregar
qaalqoer maquinista reconhecido pela empreza, sendo o mesmo maquinista responsavel
pelo seu trabalho. Alaga-se a casa da roa do Gaz, qoe partencen a
5/ A empreza obriga-se anda a reparar gratuitamente qaalqaer falta de loz, irmea Janaario de Olireira, com moito boas com
Casa alugar-se
obstruccSo de canos, etc., devendo o consumidor pagar somente as pecas novas que forem
precisas para o mesmo concert; qoalquer reclamacSo qoe possa baver, sera dirigida ao
escriptorio da empreza roa do Imperador n. 31, aGm de ser logo providenciada.
SSA -Ra do CabngaW. S A
Os proprietarios deste estabelecimento offerecem ao respeitavel publico
um esplendido e variado sortimento de joias de ouro ebegadas recntete ente
da Europa, cujos modelos sSo novos e de bom gosto como sejam: polseiras
com perolas, rubios, esmeraldas e brilhantes, brincos damesmaferma, anneis
de phantasia, proches para retrato, etc, etc., boles de coral rosa para p.ito
de camisa e cacoletas com retractos.
Compra-te e recehe-se em troca ouro, prata e brilhantes pelo seu en- aS
trinceco valor, assim como moedas naciooaes e estrangeiras. Tambem se en- tfin
cembem de fazer concertos ot
Agostinho Jos dos Santos & &
J3an ooa J30n f^y,. JXsns JXirs -Qa JjQfl JQ*\ JXie\ nCC, jflQftlIjflB
modos para grande familia, quintal muito grande e
morado, com algoos arvo edos a moilo fresca : a
ralar a' ra do Apollo n. 47, primeiro andar.
RCA

Manoel Rodrigues da Silva, Joaquim Domin-
goes da Costa e Antonio Joaqoim B. Vianna agrade-
cem a todas as pessoas qoe se dignaram assisur aos
ltimos suffragios de sea presado amigo esocio An-
tonio Jos B. Vianna, a de novo as convida a as-
sislirem as missas qoe se tem de celebrar na or-
dem terceira do Carme, is 7 boras do dia 14 do
correle.
GE0GRAPH1A.
Joaqoim Pires Machado Portella tem aberto na
casada sua residencia, das 10 as 11 boras da ma-
nhaa, om enrso de geograpbla iara os estodaotes
qoe qoizerem se preparar para os exames de
marco.________________________________^^^
Adriaoo, Castro 4 C. fazem sciente a lodos
os seas amigos a fregoezes a pessoas com qoem
tem transaccSes qoe se acbam provisoriamente es-
tabelecidos a' rna do Trapiche n. 16.
mmm
N. 2 largo da matriz de Santo Antonio n. 2.
RETRATOS A OLEO
Temos a honra de partecipar ao respeitavel publico a volla do Sr. Alberto Hens-
chel que fui Europa com o duplo fim de se por ao correte dos mais recentes pro-
gressos da arte photographica e adquerir para o nosso estabelecimento mais um ar-
tista de talento.
O Sr. Alberto foi summameote feliz e conseguio engajar um desunci pintor de
retratos, p
SR. rARLOS ERNESTO PAPF
membro honorario c"a academia real de pintura da cidade de Dresda, e do qual a reputa-
cao bem fundada nos autorisa a erperar producoes notaveis no seu genero de trabalho.
Um progresso immenso ltimamente ejecutado na photgrapbia, um dos mais
importantes consiste n'arte de obier retratos em tamaoho natural, Gxando directamen
te na grandeza qoe se desaja, sobre a tela do pintor, o retrato pbotographado, por meio
de um instrumeato especial chamado : cmara solar de augmentaco.
Pt r esta forma o talento e o saber de um artista habii maravilhosamente se-
cundado pela precisao absoluta e infallivel dos contornos e das sombras que Ihe pe a
photograpbia sobre a tela, e ludo se rene assim para se alcanzar o maior grao possivel
de semelbanga incontestavel, ao que d ainda maior realce o sello artstico, que imprime
ao retrato um bello colorido.
Pelo mesmo processo nos podemos reproduzir e pintar 5 oleo, nma vez que se
nos d nma photograpbia, seja de que tamanbo for qualquer retrato de pessoa morta ou
ament e no tamanbo que se dsejar.
As pessoas que quizerem julgar por si mesmas deste novo genero de traba'bo,
sao convidadas a nos fezer a honra de visitar a nossa galera, aonde estiu expostosuma
serie destes retratos como amostras.
AMBROTYPOS
Retratos em caixinhas
Para satisfazer a numerosos pedidos de muitos dos nossos fregoezes, estamos pre-
parados para fazer retratos neste genero, para os quaes tambem temos agora um grande
ve ariado numero de ricas e bonitas caixinhas.
PHOTOGRAPHIA
DA
CASA IMPERIAL
DO CABGA N. 18, ENTRADA PELO
PATEO DA MATRIZ.
Acabamos de receber de Franca pelo navio
Sphrru :
Lindos stereoseopos mecnicos de Jacaranda e
qae montam 50 vistas por cada vez.
Stereoseopos simples, Jacaranda e mogno.
Vistas stereoscopieas transparentes e nao trans-
parentes.
Caixinhas envernadas de acaj para guardar
50 vistas stereoscopieas.
Lindos albons eocadernados em chagrn e doa-
rados, para 120 e 200 candes de visita.
Molduras doarasas e passe-par-toots para retra-
tos pboiograpbicos de todos os tamaohes.
Um excellente aparelbo para tirar retratos, o
qual vendemos com todo o necessario para traba-
Ihar-se em pbntograpbia e ambrolypo, e damos as
necessarias di re ce Ge?.
Productos churucos para vendemos as qnao-
tidades qae pedir-se.
Na mesilla cusa
Ha nm lindo sortimento de aluce tes de ooro
para retratos, nao s da gosios moilo simples
como com folbageos e cravacoes com perolas G
as, rubins e esmeraldas veraadeiras.
Coniiauase a tirar retratos por todos os syste-
mas pbotographicos.
9.OU0 a dezia de cartes de visita
Chamamos a aliento do publico para os oossoo
retratos candes de visita expostos na livraria Ees ,
nomica do Sr. Nogueira de Souza.
Attenc&o.
X. 2 Ra do Livramciito R. 2$
Deposito de tamancos e calcado nacional da fa-
brica da raa do Jardim o. 19, de Jos Vicente Go-
dinbo, tanto no deposito como na fabrica seapromp-
lam todas as porcSes de calcado o mais barato
possivel, esta fabrica tem todas as machinas pro
prias para os calcados ja bera acreditados pelo
grande numero de freguexes qne daqai se for-
necem._______________^_______.^^^^___
No collegio da Coueeifo precisa-se de nm
cozlnheiro, de om servente escravo e de urna cria-^
da pot tuguen.________^_^^_^^_______
HISTORIA DE CAHLOS
XII
Rei da Suecia
FOR VOLTAIRE.
Vende-se esta excellente obra por 1200 em
brocbora, na livraria Econmica raa do Cresoc
o. 2.
Na mesma livraria tomam-se assfgnatnras para
avida de Horacio Nelsono celebre almirante
anglez a : cada exemplar.
Farlaha de mandioca
ignal a de Mu'b-ca, tem para vender Joaquim
Jos Goncaives Beltro, no sea escriptorio raa do
Trapiche n. 17.
Precisase de ama ama para lavar e eogommar,
na roa do Trapichen. 362*andar._____________
Na roa do Cabog leja n. 3, precba-se de um
bom feitor para tratar de borla e jardim.
Joaquim Jos Gon^alves
Beltrao
RA DO TRAPICHE K. 17 Io AHDAR)
Sacca por todos os paquetes sobre o Banco.
| Micho em Braga, e sobre os gaintei Inga-
se em Portugal.
aber:
Lisboa.
Porto.
Valeoca.
Gol maraes.
Cotmbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conrfe.
Arcos de Val de Vx.
Vianna do Castalio.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famellco.
Lamego.
Lagos,
i iti Covilbaa.
Vassal (Valpassos.)
Hirandella.
Baja.
Barcellos.
CASA DA FORTUNA
Aos 5,000$
BILHE1ES GARANTIDOS.
A' ra do Crespo n. 23 e casas do costdme.
O abaixo assignado venden nos sens moito feli-
zes blindes garantidos da lotera qae se acaboa de
extrabir a beoeco das familias dos voluntarios
da patria os seguiotes premios :
N. 1527 dous quintos com a sorte de 5:000}.
N. 2359 dous quintos com a sorte de 9O0J>.
N. 16 tres quintos com a sorie de 400$.
E outras muitas sones de 1005, 405 a 20.
Os possaidores podem vir receber seas respecti-
vos premios seta os descontos das leis na casa da
Foriuns ra do Crespo n. 23..
Acbam-se a venda os da a beneficio da matriz
de Ouricury (48*) qae se extrablra' no dia 20 dD
corrente.
Frer;o.
Bilhete.....6*000
Meio......35000
Quinto.....15200
Em porco de 100)5 para cima.
Bllbete.....55500
Meio......25750
Quinto.....15100
Manoel Martins Fioza.'
A' ra Nova n. CO
saiba cosinhar.
Ama
precisa-se de ama ama que
Aluga-se
^m m mw^&
.-S
s

Alm do grande sortimento das melhores machinas, americanas para descarrocae
algodao, de 10, 12,14,16,18,20, 22, 23, 30,35, 40 e 50, neste estabelecimento sr
encontra mais o segninte:
Precisa-se de oro feitor para engenho a fal-
tar na roa estrella do Rosario n. i8, taberna.
Precisa-se de ama ama para comprar e coil-
bar: na tme.ua de Jlo Patriota, segando
andar.
Ama
Na roa das Cinco Ponas n. 86, segundo andar,
precisase de nma ama forra ou eterna, para o
serv?o de ama familia.
Azeite de espermacete propria para machi-
nas do todas as qualidades.
Vapores de forca de 3 a 4 cavallos.
Serras avulsas para machinas.
Manc3es e todos os mais pertences para as
mesmas.
Carros de mo para aterro.
Cylindro para padarias.
Debalhadores para milho.
Arados unericanas.
Escadas de madeiras americanas.
Carrinhos proprios para armazens.
Moiohos para refinacSes.
dem para milho.
Machinas para cortar capim.
Bombas para regar jardins.
Vaquetas para c^bertas de caxroe,
Camas de ferro sortidas.
Bombas de Japy.
dem americanas.
Ferros a vapor para eogommar.
Vassonras americanas.
Baldes americanos para compras.
Tinas de madeira.
Ballaios e cestas de vergninbas.
Gurda comidas.
Peneiras d'rame para padarias e refinacoes.
Correntes para almaojarras.
Machados e faces americanos.
Caixas com vidros de todos os tamanbos.
Cantos de chombo de todas as grossoras.
Folba de cobre idem dem.
dem de lati idem idem.
Folba de Flandres.
Ferro de todas as qoalidades,
Arcos de ferro.
Latas com gaz. _____
Trens de porcelana para eosinba.
dem estancados para dita.
Bandeijas finas.
Balaocas americanas.
dem rovervaes.
Taixas de cobre.
Estanho em vergninbas.
Folbas de ferro de todas as grossoras.
Correntes de ferro sortidas.
Espingardas de todas as qualida Revolvis de todos os modeUos.
Ferramenta para oorives.
dem para tanoeiros.
dem para ferreiros.
Fundido da Aurora em San-
to Amaro.
Completo sortimento de taixas de f rro
coado, molde raso, ltimamente aprovadas
para o fabrico do assocar.
i?o.B =
" < -<=.o H
o o B i ^g
3 s I 3 s s
& -^ O fe "
n 3 c? w
5 o a w w
5 o
a -* B
o. 5 3 o. "
O c O W^9
O O 2j
$9
I-D
m
w o
o
o S4
S B'a
Fil ii
u q G. tu co
B y
?BP
Casa para ponca familia, com solea, caiada a
pintada de fresco e boa vista, defronte da matriz
do Poco ; irata-se na lrave>sa do Remedio no sitio
que tem macaibeira.
Na ra Nova n. 63 se dir' quem aluga urna
boa casa terrea na ra de S. Bento em Olinda, to-
da reedificada de novo, mnlto propria para quem
qoer passar a f->ta por Qcar muito perto dobaone,
tem i quaitos, 2 salas e cosinha fra e qoinlal.
Irmandade de N. Senhora da
Conceicfio dos Militares,
Pelo presente sao convidados os irmcs desta ve-
neravel irmandade, para comparecerem no consis-
torio no domingo lo do correte, pelas 9 horas da
manba, para lomar posse o novo presidente e pro-
ceder-s a eleico da nova mesa regedora, em ob-
servancia do cumpromlsso que rece a irmandade,
M. G. Victoriano de Borba
Secretario.
OSr. Francisco Ezeqalel da Silva tem ama
carta viuda da Europa : na roa do Qasimado nu-
mero 40.
As Pilulas Catharticas
DE AYER.
O purgante mili efecaz at J10J3 couhecido.
v\\
kl
Chocolate vermicida
DE
Antonio ^aaes de Castro,
Desde 1857 qoe sao as tabellas vomicidas
applicadas em Portugal, como o remedio
prompto e efficaz para a expolsao das lom-
brigas, qae lo graves padecimeotos caosam,
e qne quasi sempre se soppe ellas a ori-
gem.
Este virmifogo preferivel a qaalqoer
outro pelo seo agradavel paladar e fcil ap-
plicaco as enancas, as quaes geralmente
sao mais atacadas de semelbante mal.
Deposito especial
34.Raa laga do Rosa mo34.
En abaiio assigoada, Francisca Ignaeia Al-
vas Lima, vendo neste Diario o annoneio do Sr.
Piolo, agente de leiles, para vender a mioba casa
n. 52 sita a' roa de Joao Fernandes Vieira, no dia
10 do correte, acadi a tempo, avisando ao meimo
Sr. Pinlo, de qne tal casa me pertencia, qoe en nao
tlnba antorsado sua venda, oem n'ella consenta, e
Iba padia qoe a nio realisasse.
Effech va mente a venda de miaba casa se nao
fei, mas o Sr. Pinto me deeUrou qne navia aulori-
sagSo judicial para ter ella lagar. Declaro qae nao
requer tal aulorisaclo, e sendo casada com o Sr.
Jos Aolio de Soaia Magaihies, Ignoro se este a
requeren : em lodo caso, porm, opponbo me
pretendida venda de mleba casa, e protesto mar
dos maios eompeieniea para impedi-la oa para an-
nolla-la, se nao obiuoie, e.la fr falta.
Recife, II de dazembro do 1867.
Pranelsc* Ipacia Alves Lio.
////// ^s,asP''u'as,*0I'Uramciite ceg-
III////'/ ttor, nio tt-ndo na eua com -
''SPF't\CA/ f''i(> mm ",cr'''"''0 "'" outro
'V/,' '',y^, Ingrodicnle rolucral; so luuo-
ci'nles liara as crianzas e pessoi
ni.iis delicadas, ao metimo lempo
qae, composlas como so do vegl-
iu> s mili fortes, so tallante acti-
vas c ccazcs pora a. pessoas amia
rouatas.
Estas pilulas cotliarlicas purjjo e purlflco todo systema
bumano sem mercurio.
- Nao se tem poupndo trabaHe ncm despega par levar tusa
pUula< a um finio de pcrfeccfio tal, quo nada deixa a desejar;
sao o resultado do> anuos de estudos laboriosos c constante?.
Para alcancur todas as rantugeus que resultio de nao de cathar-
tieos, tem -e combinado soincate as eirtude curnliras das
plantas que sao empregadas tul eenfeceo das pHuIas. Su.t
composicao <: Ul qu as enfennidades que esto ao aloaneo
de sua acco, raras tccs podem reslstl-las on etndi las.
Suas propr.cdadcs penetrantes exploro penetro, purificao e
do i igor todas U partes de organismo humano; poi.- corrigem
a sua accao viciada c faz recuperar a sua vlul idade. Urna das
consecuencias dstas propriedades que o doente, abatido Uc
ddr c debiUdadc physlca, admirase de encontrar, to depressa,
sua saude e energa recuperadas por meto d' um remedio to
simples c agradavel.
As molestias que e*to ao seo alcance sao.
Pruao de tentre RhcumatUmo, Dr da cabt-a, A X-vralaU;
Eiixaiiuxa, IndigeMo e mal do utomago, ItmorrhoiJas,
PADECIMEirTOS DO FIGADO,
Felre gattro-hepatica, GattrUt, nffec-pu Biliosas LomMges,
Krgiipela, Hndreptia, surtUz, erguir parcial, l'aralfsia.
No almanali o Hannal de Saude &> Dr. Ayer, qm se publica
tc1o^ os anuos para dittribuicio gratuita, encontra- um trr
taao sobre as diversas duendas que estao ao alcance tte
r.KMKDiS PUKGANTE3.
Ada se cm todas as Boticas e Drogarias do Imperto,
O Peitora! de Cereja
DE AYEB, -.
r.18.1 A rOOMPTA CC*A OA
Angina, da Jonatipaces, Toases, Bauquldo lofa-
ensa, Bronohito, Tiaioa priman, Tubarouloa
pulmonares, e todas aa mcieatUs do
Peito, assim como para aliTiar
oa athiooa declaradcs.
A preparai^es ds Dr.. Atee eq Ttfiiaj HU PTlnclMSf
aroptria* % bcUca do Imprio, / ,,

-1" '


.- jlifcfaUU 14 d I


PARA UZO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES,
Xarope de jurubeba garrafa......... Itfooo
Vinhode tito
Ptalas de vidro......... l#6oo
Tintura de 64o
Extracto bydralcoolico de jorobaba i25oo
PREPARADOS COMPOSTOS.
Vinbo de jnrubeba ferruginoso garrafa. 2<5kwo
Xarope i*S6oo
PiluJas vidro... 2(Jooo
Oleo de jarobeba vidros.... 64o
Pomada de > pote...... 6io
Emplastro libra..... 25oo
PARA UZO EXTERNO
A JURUBEBA.
Esta planta| hoje reconhecida como o raais poderoso tnico, como nm exces
lento desobstruente, e como tal applicada nos engorgitamentos do ligado e baco, na-
hepatites propiamente ditas, ou ainda complicadas com anazarchas, as inflammacSes
subsequentes as febres intermitentes ou durezas, nos abcessos internos, nos tumores es-
pecialmente do tero e abdomen, nos tumores glandulosos, na anazarcha, as bydrope-
lias, erysipellas; e associada as prepararles ferruginosas, ainda de grande vantagem
as anemias, chloroses, faltas de meostroaeao, leucorrbeias, desarranjos atnicos do esto-
mago, debilidade orgnicas, e pobreza de sangue, etc.
O que dizemos affirmam os raais distinctos mdicos desta cidade, entre os quaes
podem os citar os lllms. Srs, Drs. Silva Ramos, Aquino Fonseca, Sarment. Seve, Pe-
reira doCarmo, Firmo Xavier, Silva etc. Todos elles reconhccem a eicellencia d'este po-
deroso medicamento sobre os demais at hoi i conbecidos para todos os casos citados,
tanto que todos os das fazem d'elle applicac<".
Apresentando aos mdicos e ao publico em geral diversos preparados da jnru-
beba, tivemos por fim generalisar mais o uso d'este vegetal, fazendo desapparecer a
repugnancia que at boje sentiam os doentes de usar dos preparados empricos d'elle, o
mais das vezes repugnantes a tragarem-se, e que tinnain ainda a desvantagem de nao
ser calculada a dose conveniente a applicar-se, o que torna muitas vezes improficuo om
medicamento, que pedera produzir ptimos resultados.
Os nossos prepados s foram apresentados depois de haverraos convenientemente
estudado a jnrubeba, fazendo as experiencias precisas para bem conhecer as propiedades
medicamentosas d'esta planta em suas raizes, folbas fructas ou bagas, e a dose convenien-
ea appiicacao, tendoalm d'islo procurado levar os nossos preparados ao maior grao de
tperfeico possivel, para o que nao poupamos esforcos, nao nos importando o pouco lu-
cro qne possames tirar.
Por tanto os que se dignarem recorrer aos nossos preparados podem ter a certeza
de qne elles offerecem a garanta, de que se pode encontrar a prompta e infallivel cura
de qualque dos soffnmentos, que deixatnos innumerados, se forera em tempo applicados
tendo alm d'isso, medico ou doente a vantagem de escolher as nossas variadas prepa-
races, aquella que melbor Ibe pode convir, j pela fcil applicaco, e j pela complicado
das molestias, idide, sexo, ou ainda natureza de cada individuo.
As nossas preparacoes ferruginosas sao feitas de forma que se tornam completa-
mente soluveis nos suecos gstricos, porque procuramos os eompostos de ferro que como
taes estSo hoje reconbecidos.
Para aquellas que mais minuciosamente queiram conhecer as propriedades da
jnrubeba, e saberem a applicaco de nossos preparados, destribuimos gratuitamente
emnosse deposito um folaeto, onde tratamos mais extensamente d'esta planta e dosov-
mes preparados.
Deposito geral de todos os preparados
Boldca e rogarla
34Ra larga do Rozado34
COMPRAS
J. VIGNES.
N. 55. RA DO IMPERADOR X. 55.
Os pianosdesta antiga fabrica sao hoje asss conhecidos para jue seja necessario [asistir sobr
toa superioridade, vantugens e garantas que offerecem aos compradores, qaalidades estas incontesu
*eis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; po;
noindo nm teclado e macbinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sen
anca alhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melkoramentos Importan-
vssimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso multo agrada-
uis aos ouvidos dos apreciadores.
Pazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socic
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as eiposicSes.
No meemo estabelecimento se acbar sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
Inores amores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendi- por
procos commodos e razoavels.
MAS
Maior vantagem
O enrielo de ooro roa do Cabogi n. J D, offert-
eese em compra das moedas de euro prata.
MOEDAS
de ouro e pr a
Ccmprao: -se moedas de ooro nacionaes e estro-
reirs, bem como pataebes dos diversos caobos:
em casa de Adamsoo, Howie & C, ra do Trapi-
che-novo n. 40.
Moedas de prata
nacientes, assim como pataeCes portuguer.es e
bespanbes, compram-se com premio : na roa do
Crespo n. 16, prime andar.__________________
Compra-fe ooro e praia em obras velbas :
na praca da Independencia o. 2z.
Oompram-sc escravos
Silvino Gnilherme da Barros,compra, vende
joca effectiramente escravos de ambos os sexo;
de todas as idades: a' roa do Imperador n. 79,
erceiro andar.
15 POR CENTO.
Se paga por prata nacional e estrangeira : na
leja de oorives no arco da Cooceicao no Reclfe.
Ouro e prata
Compram se soberanos a UJoOO, moedas brasi-
leras a 254000 e prata a 12 por eento : no escri-
torio de Goncalo Jos Affooso, roa do Forres n. 18,
jQDto ao telegrapto elctrico._________________
Moedas de ouro e prata
No arraarera de Aogasto P. de Oliveira & C.,
roa do Trapiche n. 42, pagam-se a precos mais ele-
vados do que os correles no mercado.
Compra-se orna preta moca, boa cosiobeira e
engommadelra : na roa do Rangei o. 9.
A ttencaou
Precisa se eomprar orna canda de carrelra de
tamanbo regolar e em bom estado : a pessoa qoe
ver para vender pdde dirigir-se a' roa de Gai. oo
no escrif lorio da mesma empreza, na roa do Im-
perador o. 31._________________
Justino Crrela Villares, mcrador na roa
da Peona n. 3, 3* andar, compra escravos do sexo
masculino, pag bem, negocio decertido._______^^
Compra-se
por mais prego qoe em outra qaalqaer parte moe-
das de oora e prata nacionaes e estrangeiras : oa
roa da Cadeiau... loja de Jos Loiz Goncalves
Ferreira & C.________
Compra-se
por mais prego qoe em ootra qualqaer parte moe-
das de ooro e prata nacionaes e estrangeiras : oa
ra do Trapiche o. 16, armazem de Adriano, Cas-
iro & (1, e roa do Crespo n. 20 loja de Alvaro
Augusto de Aloieida.
Cimprase urna pequea casa terrea em qual-
qoer ra das qoatro freguer.las desta cidade, prefe-
rido se oas fregueiias de Santo Antonio e S. Jos:
a* ra dos Guararapes o. 18, sobrado.
Precisa se de urna estante, e de nm guarda-
louca osados : quem os tiver e quirer vender, ao-
ouncie para ser procurado, oa dinji-se ao pateo do
Carino o- 9. segundo andar.
Compra-se urna casa terrea em bom estado,
e que seu prego nao exceda a dous contos de ris :
a tratar na ra Nova n. 51._____________________
Joraaes para embrulho
Compra-se na roa das Crozes taberna da porta
l.-rga.a 140 rs. a libra.________________________
Prata e ouro
Em moeda raga-se bem : na praca da Inde-
pendencia n. 22. _________
Compra se um jogo du gamo em bom esta-
do : na roa eslrei ta do Rosario u. 43,1 andar.
Moedas de ouro e prata.
Ferreira \ M.'.tiu-, n- ra da Cadeiado Reclfe
n. 02, compram por rejnr prego do que em ootra
qoajquer parte.________________________________
Ouro e prata.
Moedas de ouro e prata uacionaes e estrangeiras
de tolos os valores, se compram na loja de ouri-
ves jootoao arco de Nossa Seohora da Concecao,
ra da Cadeia do Reclfe, assim como ooro e prata
em obras velbas, anuanles, diamantes, e se pa-
ga l>s-m.
LOJA DO GALLO VIGI-
LANTE RA DO CRES-
PO N. 7.
Os proprietarios deste muto bem conhe-
rlo estabelecimento tem a satisfagao de levar
ao conhecimento do respeitavel publico que
acabam de receber pelo ultimo vapor da Eu-
ropa um grande e variado sortimento de ob-
jectos de inteira novidade, dos quaes se li-
mitam a menciouar apenas um pequeo nu-
mero licando o respe.tavel publico na serte-
za de que neste estabelecimento sempre en-
contrado um c -mpleto sortimento de arti-
gos de gosto e inteira novidades como sejam.
Ciatos
Os moitos desejados cintos com pontas,
bordados a vedrilho, fazenda de muito gosto
e completa novidade, respeito a estes cintos
nao fazem observares e fim deixamos a
aprecac5od-s esclarecidas freguezas isio s
no Gallo Vigilante na ra do Crespo n. 7.
Leques
Muito lindos leques d'osso, madeira, sn-
dalos, e madreperola ; pretos, brancos e de
cores, e muito se tornam recommendavel
pelas bonitas paisagens.
Fierra
0 melhor qoe se pode desejar neste arti-
go as qoaes parecem naturaes assim como,
tambem recebemos orna peqoena porco to-
das pretas e se vendem na loja do Gallo
Vigilante ra do Crespo n. 7.
Capcllas
Mu lindas grinaldas brancas e de cores
aquellas para noivas. e estas para bailes, ca-
samentas e baptisados.
Lavas
Lavas de todas as qualidades para s-
nhora, homem, meninas, sendo de algodo,
fio da escocia, seda e pelica muito fresca e
do fabricante Jouvd, parece-nos que nao ha-
ver quem ignore que por todos os vapores
da Europa o Gallo Vigilante, recebe grande
quantidade deste artigo e por isso sempre
tem sortimeDto a vootade do comprador, e
tambem nao se valle da falla o seu prego
sempre o mesmo.
rentes
Muito bonitos pentes de tartaruga para
coque e atoros cabellos, assim como para
arregagar os mesmos e muitas outras quali-
dades.
Kscovas
Grande sortimento de escovas, para roupa,
cabellos, cbapos, dentes e unbas, sendo de
osso, bfalo, baleia, marfim e madreperola.
Xa va lia
Superiores na/alhas pequeas para bar-
ba sendo cabo de marfim, tartaruga e ou-
tras qualidades, as quaes o fabricante ga-
rante a boa qualidade.
Abotuadaras
Chegaram as mui liodas gnarnices de
botoes para colle'es fazenda de gosto, assim
como grande sortimento de botoes para pu-
ubos.
KM
VENDAS
Vende-se o ecgenho S. Gafpar sito na fregue-
tia de Scrinbaem, comarca do Ro Formoso, com
excellentes varzeas, matas e mangues, bem como
com embarque mu prximo ; a'tratar a'ra da
Aurora o. 26, cd a' do Imoerador n. 43 1* andar.
N. 2D ^ H.-2Di
^t^ conidio HE OURO, ,*Jfe
A ioja o. 5 D intitolada Coradlo de Ooro na roa do Cabogi, acha-se d'ora em diante offerecec
io ao respeitavel publico com especialidade as pestoas qoe bonram a moda os objectos do oltimo gof
Id I Pars) per menos 20 por cento do que em outra qaalqaer parte, garactindo-se a qaalidade e a se
da ebras.
O respeitavel publico avallando o desejo qoe deve ter o propietario de um novo estabelecimen-
to qoe quer progresso em sea negocio deve ebegar immedlaumeote ao coracao de ooro a eomprar
aneis com perfeitos brilbanles, esmeraldas, rnbios e peroia ; verdadeiras em agarras, modernas peh
dimiooto preco de 10, brincos modernos de ouro e coral para menina pelo prefo de 3 J, maracas de
prata com cabos de marflm e madreperola obra de moderno gosto (o que o eocontraro no corceo da
ooro) voltas de ooro com a competente erasloha ricameote enlejiada pelo pequeo preco de 12, brin-
cos de um irabiilho perfeito por um mdico preco, cassoletas, tranealios, polceiras alnnetes para re
tratos e outros modelos todo de alto gosto, aneis proprics para botar cabello e Qrma, dito para casa-
mento, no artiio roseta tem o Corceo de Onro om completo e bem variado sortimento de diversos
{ostos, butSes para poohos com diamante, rubios e esmeraldas, obra esta Importante ja' pelo sea va-
yt ja' por gosto ds deseobo, brincos a forma da delicada mosioha de moca com piogente contendo es-
ioeraldas robins, brllbantes, perolas, o gesto e sublime, alnete para grvala no mesmo gosto, relo-
gios para seobora cravados de podras preciosas, ditos para homem, diversas obras de brllbantes de
noito gosto, crusinhas de robins, esmeraldas, perolas e brllbantes, aneis eom letras, escoletas ds
rrysial e ooro deseoberta para retrato (a ingleza) brincos de franja, ditos a mperatriie toda e qaal-
qaer jola, para secolocar retratos e obras de tabello, e outros moitos ebjectos qoe os pretenden tes en-
contrarlo no Coracao de Duro qoe se conserva com toda a amabilidade aos concurrentes delxando-
e de aqu mencionar precos de certot objectos porque (descolpem a maneira de fallar) dizendo-se
oreeo tarvez algaem faca mao juno da obra, por ser tao diminuta qaantia a vista do sea valor.
Na mesma loja compra-se, troca-se ouro, prata e podras preciosas, e tambem recebe-se coneer-
tos, por menos do qoe em ootra qolqaer parte, e dao-se obras a amostra com penbor, conservando-st
Coracao de Ouro aberto at as 8 oras da noile.
Qaalqaer pessoa qoe se dirigir ao Coracio de Ouro nao se podera' engaar com a casa, pois
nota se oa saa frente um coracio peodarado pintado de amarello, alem de outro que se nota em um
rotlo (isto se adverte em con?equencla de terem ja' ale urnas pesara eoganado com ontra casa.
INJECTION BRO
PALHADETliNCi
;PAH.l UOS1E3S
A 2,01)0 rs. cadaum
Xa fabrica de ehapeos, raa \ova
Duwero 46
DE
Manod Moreira de Souza
\* loja de Joaquim Francisco Lavra na
roa do Queimadt n. 34
Ven '< -se leziobas lisas e estampadas a 280 rs.
o covado, cambraias finas de cores a 310 rs. a
vara, ler.cos de seda de cores a 400 rs. cada om,
chitas, algodaotlobo?, madapoloes e outras muilas
faiendas. iodo por preces mais baratos do que em
outra qualquer parte.
Veode-se ajovdenie de canna liqnida fabri-
cada no eogeobo Santa P do capujo Jos Mannbo
Paes arreio : na rna do Rangei n. 41.
CINTOS DE PONTA
Cbegaram hontem pelo vapor francez os melho-
res cintos de poma com vidnlho e (velas do me-
lhor gosto que tem viodo veode-se na ra do
Cabog loja de mudezas de 4 portas n. 1 A.
Para acabar
Vendem se saceos com (arioba de mandioca de
540O a 5, as; im como saceos com feijSo por
baratissimo prega: no trapiche bario do Livra-
melo no Forte do Matos n. 15.
Cassas e ISas baratas.
Na roa do Queimado o. 31, loja de A. M. Ro-
lim, vndese mnilo boas cassas a 240 e 300 n. o
covado e laas (boa fazenda) a 360 rs.
Pecbiocha
# Cortes de cassa a 35.
Cortes de organdis a 3fJ5oo
S o Pavo.
Vendem-se cortes de cassa cada nm em sea pa-
pel sendo padroes no vos, miados e graudes a 3$,
ditos de organdis com listas de cor e todos bran-
cos pelo baratissimo preco de 3&500 : s na Ijja e
armazem do Pavo roa da Imperatriz n. 0, de
Gama & Silva.
Bolsas para cacadas.
At bolsas para cacada, agaia branca receben e
pretende vende-las baratamente, com tanto que os
apreciadores da caca deizem flear om par a agaia
branca da rna do Queimado n. 8.
Caivetes fixos ou ferros para abrir latas.
Vendera-se na roa do Queimado loja da agola
branea n. 8,
Bons espartrlhos.
A agoia branca i roa do Queimado n. 8, rece-
ben novo sortimento de bons espartilbos e como
sempre vende-os por precos eommodos.
" Vende-se ama escrava per Mu engomma-
deira ecotinbeira e mtis arrsotesjj* ama casa de
familia ; a tratar na praca da Boa-Vista o. 5.
Kival sem segundo.
Ra do t&aeimauo a. 49.
Qaer acabar com as fazendas abaiit
mencionadas.
Queiram vir ver o que Bom e baralissime,
Toalhas de labynntbo com bico, fazen-
da boa a ............. 3jOO(
Carreteis de linba com 100 jardas a 3(
Grvalas pretas e de cores muito finas a 5(K
Calas de obreias de massa muito novas a 4(
enfladores para espartilbo de cordo e
fita a............... U>
Carreteis de linba Alexandre cem 400 jar-
das a ............... JOi
Sabonetes moito finos a 60, 160, 200 e 321
Ditos de bolla muito finos a 240 e 32(
Viadas de linba troza para bordar a 2(
Varas de cordo para espartilbo a 21
entes volteados para regacar cabello de
meninas a............ 32C
Frascos de macaca' oleo muite Qbo, a 120
Abotoaduras muito tinas para colletes a 50t>
GartSes de lmha branca e de cores a 2(
Libra de a rea preta superior a..... 1011
Sscovas par tato, fazenda boa, a 501'
Varas de franja branca de linbo para
toalba a _.......... 100
Caizas de palito balo a........ 41
Caixas de palitos de segoranca sem en-
chofre a............. M
S.bonetes de familia a 100, 160 e 24(
Cartilba de doatrina chnsta a 320
Quadernos de papel pequeo superior a 20
Dazia de baralbos francezes superior 22000
Groza de pbosphoros maito superiores l OO
Coxis a retalbo do mesmos..... K
Caixas de pbospboros de velliaba contendo
500 velliobas moito superiores a 160
Resmas de papel almago muito superior 2o0(
Resmas de papel pautado superior quali-
dade............... 3J60
Dozias de meias para bomem..... 2,5800
Duzias de meias croas moito superiores 4OuO
RIVAL SEH SEGlO
aa do lueiuiado a. 49, loja dt
miudezas
DE
Jos Bigodinno.
Varas de babado bordado do Porto a 2
Carretela de retroz preto com daas oltavas
Parriteis de reteoz de todas as cores a ft
Frasees d'agna de Colonia moito superior a So-
Frascos de o eo moito fino a...... 50t
Duzla de tesooras pequeas a..... 48-'
Frascos d'agua para liropar dentes a 50
Redes pretas lisas para segurar cabello a 32
Duziis de peonas de ac mallo finas a 6t
Caizas de liona do gaz de 30 novellos a 60
dem de palitos de seguranca a %
Garrafas de agna Florida verdidelra IJl'JC
3y Habar los eom estampas para meninos a 3K
Memento da roupa de lavar a..... 101
Duzias de meias finas para senhoraa 4/001
Agulbas francezas a balo (papel) a 6*
Pegas de fitas de la de todas as cores a 50
Grozas de botoes de porcelana prateados a 16<
Caixas com alfineites francezes a 8'
Caizas de 100 envelopea moito finos a 60t
Resma de papel de peso branco liso a SJOOt
Frasco com superior tinta a..... 1 (
Pares de botoes de poobo multo bonitos bv
Liuoas em cario de 200 jardas a 1
Calza de superior linba do gas com 50
novsilos ............. 701
Talkeres para meninos a....... 24f
Itasso eom superiores grampos a 3'
Bonets para meninos a........ i00(
Pentes com costa de metal a...... 40
Realejos para meninos a....... iO
Faritiaa para aniraaes.
No trapiche do Caoba i raa da Moeda, ven-
de-se farinaa de mandioca propria para sustento
de aoimaes a 24 e 2/300 por saceo.
/Yo armazem de fazendas dt
Santos Coelho, ra do Quei-
mado n 19.
Bom e barato
Lansinhas Poil de Cbvre a i$ o covado.
Madapolao enfestado a 8 a peca.
Cambraia de cores matisadas fioissimas a
800 a rara.
dem brancas transparentes finas de 4,
5,5000,6J, T, 8 e 9tooo a peca com i(
jardas.
dem branca tapada de 80 e H a pe?i
com 12 jardas.
dem branca franceza muito larga a 9 i
peca com 8 varas.
Baioes de 35 e 40 arcos nesgados par i
senhoras, a 40500.
dem de mursulina nesgados a 50.
dem de crochet a 50.
dem de mursulina para meninas a 30 t
305oo.
Saias bordadas a 50.
Cambraias adma^eadas para cortinado s
120 a peca com 2o varas.
dem para forro a 30 a peca com 10 jar-
das.
Cambraia de linbo muito fina de 60 e 90 a
vara.
Madapoloes finos de 60, 70, 80, 90,100..
110 e 120 a peca.
Platilha de algodlo superior fazenda par
saias a 30200 a peca com lo varas.
Cobertas de chitas de ramagem a 206oo
Lences de bamburgo fino a 20400.
dem de bramante muito fino a 30200.
Pannos adamascados para cobrir mesa i
10500.
Guardanapos de linho adamascados a 4
a dozia.
Atualhado adamascado com 7 1/2 palmoi
de largura a 20 a vara.
dem adamascado de linho com 7 1/2 pa-
raos de largura a 30 a vara.
Algodo enfestado com a mesma largura
a I i oo a vara.
dem trancado de algodo a 10600 a van.
Toalbas alcochoadas de linbo lisas a ii
a dnzia.
dem de algodo felpudas a 130 e 14
a duza.
Colchas de fusto a 60.
Lencos de cambraia braucos finos a 10800,
0 e 205oo a duzia.
Lencos de cassa finissimos a 30200 t
306Ou a dnzia.
Fil de linho liso a 8oo a vara.
dem com salpicos a 10ooo a var
Grosdenaples preto bom a 108oo, 20
208oo o covado.
Morantiqoe preto superior a 208oo o co-
vado.
Flanella de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Tarlatana de todas as cores a 8oo rs, s
vara.
Bramante de linho com 10 palmos de lar-
gura a "0o a vara.
dem de linbo com 5 palmos a 102oo ;
vara.
dem de linho com 3 1/2 palmos a 8oo i
vara.
Riquissimos basquins a 250000.
Assim como outras muitas fazendas qut
se vende por menos que em outra qualque;
parte, e da-se amostras de tudo,
Bales de 2o, 25, 3o, 33, 4o e 5o arcos
para seohora a 2?, 25co, 30, 30ooo 40 e
50ooo.
Ditos de 25 e 3c arcos com mollas a o
eC0.
Ditos de murgulina estreitos a 60.
Espaitilhos finos i G0.
Percalias tinissimas a 4oo reis o covado.

4 AGUA BRANCA
P.r ecnheeer a influencia qoe eostoraa baver
em lories os aonts, por tsse letrpc, e p quanto se desenvolve e appora fe o bom go?to em
Peroamboco, ella dar, e sinceramente bem servir a sua boa fregu-
tia, anieclpou-se era n andar bobear os tifJereiitos
objectos de gosto e fantasa, que agera mesmo aca-
bara de cbegzr.
Que a luja d'Agnla Branca, rom especialidade,
onde prlmeiramente *e enciniram qoaesqu-r des-
-es objeri ,s de novidadaje meda, i.-o tu* gerai-
menie recoohecido; mas amia as.'iro a Agu a lo-
ma como por dever fdenliflcar ao bello sezo, em
particular, e ao respeitavel publico ero grral, sem-
pre qne como agora, recebe es imputantes ot'jec-
tos que abaixo menciona, e por oi>is essa vez el ?.
loma a liherdade de pedir a atletco das Elm"
aprecia-loras do boro, para os oovos e bellos orna-
tos qoe f .mam om lindo e ricoicilltt
Nao certamente com orna rol aparada penni
d'Aguia, qoe btm se yie defrrever o bom g;sio e
desempeoho de taes obras, nm, a prepria iniel-
agencia d'uma ezcelltniisslma, que bem podera'
apreciar o alto grao desses pe fritos objectos, tat-
vtz os primeiros qoe nesse genero tenbam vindo
oli go.-.-o Ptrnamboco.
A Agola Branca, fra' aptnis ccnbecrr os ob-
jectrs rie que se arojoVm estes oovos e bellc-s or-
natos. Em um btllu cartao vem hbilmente arrao-
jado, um moderno citto de fila de snm I malotado da largura de 7 a 8 puUtgadus, nm bel-
j lo leque de madreperola, um par de luvas de pei-
I lica, ramos de finas flores para o ceque, pello,
guarniro para asluva*, tic, tic, e finalmente
urna aimofadinba de setim com aromticas palt-
Ihas em j.
Alem diso
Eloemordem do da as novas e bellas trancas
de lina palba de Italia, e omos dTereotes enfeiie3
da mesma qoalidade e proprics para vesiiJos d
las, cbapus de stnbotas e meninas, resta smenle
que os preiendentes comparecen) na toja Q'Aguu
Branca na roa do Qoeimaoo n. 8.
Diversos objectes
de gosto e novidade, vlndos
para a gata Branca raa
do Queimado a. 8-
Eofeites de ILres, ohras de mnito Rosto, a olllma
moda, jrojrios para bailes, casamentas e pas-
selos, etc., ele.
Meias chapelinas de diversos mcldes, e me i
bem enfeltad-s. com veos e sem elles.
Hicas capelias ctm veos e stm elles para noi-
vas.
Outras brancas e cor de rosa para mjBios.
Cintos com flvella e fila branca para noivas.
Outros de pontas e sem ellas pretos e de ores.
Oulros ir.ui rico* e da variadas mcldes e gastos
e de diversas corts, com grades de vidrilbos e pin-
gentes.
Para enfeilar vestidos c bastjniaes.
B.nUos biets de blonde, com vidrilhos e tm
elles.
B.niUs rendas de dilo, uabtm cem vidrilbos e
sem elles.
Trancas pretas de fidrilhos, c^m variedade (le
largaras e de moldes os mais tova e bomlo?.
Outras de cores tambem com vicnicos e confor-
me as pretas.
Ouiras e Ja C( m v;drilnos e sem tile.', e dt-j
diversos desenhos, corts e largaras.
CordSes preUS e de (ores, gromos e Oto?, com
vidrilbos e sem elles.
As uovissimas e bernias trancas de fina palba de
Italia.
Hamos, lacos, cordoe's e ociros diversos enfe-
tes tambem de palba e prupiios para vestidos, clia-
jos, eir., etc.
BoiSes pretos e de outras rxailas cores, cem
pioRenles e sem elles.
Outns de palha tambem com pingectes e sem
elles e todos i nfeilados c< m idrilhos.
Outros de fusiao, hranro* e amare!!"', e. aC%
mesmo marcas de madeira ovacs para CObrirse da
cor que se quier.
2
09
a

-a S^5 o. o 4 2 re H--0
g. < e. 3 m 5 o 3
Ilfa Hilis
i"2i SwsT "bsj
8?5i5i'-?
Fiore
?,
n o g & n -i
gris-5 Spffi
B 2 a 5
a i 5-o. c
a .an=! s
5. 5 a

2"
a
-i
O
a
M
-y.
o
r
ex
S
So
c.
o
O

9
Cu
Ci sr.
O
es
y.
i
3
o a
CD
B ce
u m 2 r-
5 B o
f 5?
S
s w *
Lealdade
Este estabelecimento a rna da Imperatriz n. 70.
recebe de sua cinta por todos os paquetes france-
ses diversos otjeclos da oltima moda de Parir,
como seja bonitos coques lisos e enfeitados, fitas
de sarja, ditas de seda lisas e borladas de todas
as larguras e de superior qoalidade, lindos sapa
tos de merino, de ca&emira e lia, toncas de la,
moito bonitos chHelliube*, babadinhos e ntre-
melos com lindos bordados, grvalas de seda pre
la e de cores para bomem e senhoras ; as verda-
deiras lavas de Joovin brancas e de cores moito
b. nilas, cartelras de diversos futios e lmannos,
meias de muito boa qoalidade, para bomem, se-
nhoras e meninos, om lindo sortimento de ticos,
espartilbos, mocadores de Jacaranda' de diversos
lmannos, filas de velado, trancas pretas e de co-
res, lindos enfeltes para vestidos, cilos de diver-
sas qaalidades muito bonitos, altos, abntoaduras
para colletes, la pira bordar de superior qoali-
dade, orna InOoidade de bonitos brinquedos par'
crlancas, asmeihores prfomarlas de Lubim, Plver
e Coodrai . objectos qoe delzo de mencionar para nao se tor-
nar massaote, todo por precos muito coa modos.
Sitio
Vende-se nm sitio na e na fregoetia do Poc,o,o qoal flea jooto a estrada de
ferro; a tratar no mesmo logar oa venda, oo oo
jargo da Assemb'a n. 3.
Ultima moda
Bellos chapeoslebos de apnrado gosto para se-
nhoras feitos au capricho de orna das primeiras
modistas de Paiis, e ebegadx ao armazem de vapor
rna Nova n. 7.
Um bello e ecropleto soriimento de ramos e de
Qiires fina, rusas camelias, Aley.audna-, ele.e
em toda esias dures se neta o 2{ trra gel i <
ptrfi-ita mitsco, one se CcnCece que nrse (relli-
ro nada mais ha a desejar.
Bonecss.
Um novo e bello sortimento de elcgacle.- b. e-
cas de j de pedra mu bem veiltdas, e tzcel-
feotes para presentes.
Outras ero rosto de cera e igualmente btcltis
m.is vio vestidas.
Fitas lavradai e lisas, unie Ltslas, de mecer
largura at a de quasi um palmo, e propua para
cintos.
Outras de ;.la de cores psra deLruar-se ves-
tido.
C'..nxas de p de pedra c m f-guras dentro,
ebras mu i t. mus e de gosto.
L'nire essas obras, lem alguris jarres rrm pe-
quenos drfeiio^, por isso vtndeo-sa baratamtnie.
Obras de porcelana e { (Je pedra.
B.oitos jarros, e boquets feilos Do jo de pedra,
toras de moito bom gesto para sallas, e santua-
rios,
Essencla de rosa, outras ccnctnlradss, fiaos ex
tractos, e jomadas, etc., ele.
Emquact') a' perfumara tades sstfm que a
Aguia Branea tem a primasia, adquerula timo
vender ctn>tantemeDle liaos extractos e de sgra-
daveis cheiro?, pjroadas de linas (jualidailes e e'-
colbidos odores, agua Je Colon a, sempre da me-
lbor, e assim ludo o mais, ^ue tmmerar :e ; ma-
rta enfadonto.
t;umpre ptis, qo?, quem quirer ser tem servi-
do, se ditija a' loja d'.Agola Branca a' rra do
Queiaud.' o. 8, que alem do grande sortimento do
bom, achira'njfallivtlra.'uto o qus se loras sem-
pre precisoagrado e sincerldade.
irritado dos pulmoer. angi-
nas, tosse, escaras de
sangue, crupo ou garro-
tilho, catarro, rouquido
a todas as innumeiavei molestias que affee-
lo aos orglios da respiraco
DKMAPPARKC1S9
ediante a aedio da balsmica e irrev
PEITORAL de KEMP.
aianacahuita mexicana que d o nome es-
pecial este incomparavel remedio, urna
arvore, cuja madeira por muito tempo se
ha usado no Tampico para a cura das ad-
fermidades cima mencionadas. Foi tam-
bem ensaiada e approvada pela academia
medica de Berlim O peitoral de Kemp 6
om xarope delicioso intciramenle livreda
opio, acido bydrocyanico c outros ingre-
dientes nocivos.
A.' venda as drogaras de A. Caors, Bra-
vo &C.e P. Maurer i C, o em todos 01
estabelecimentospharmaceucos do imperio
Novidade
para presentes, bonecas ricamente vestidas a mo-
da actnal e cabellos amarrado iambcm ao ultimo
gosto o melbor possivel escotbidas na upos'c.'c a
ebegadas ao armazem do vapor raa Nova d. 7.
~Bri picadeirus de Ipojoear
Vendem a' raa do Queimado Aievedo & irssc,







'
Ha-W
V
DO
n?4
jjw
D. SEVIAL.
PARA A FESTA.
Lourenco Pereira Mend s Gaimaraes, tendo de dar balango era snas lojas de fa-
zenda no firn do anno e teudo muita fazenda em ser, por isso fesolveu f*zer urna gran-
de liquidare, que ter principio o dia at o fim do mee, las lojas e armazens da
Arara, roa da Imperatrii n 56 e 72.
<\
Pediiacha- n\ chilii a 160 rs.
Vende-se chita para vestidos a 160 e
200 rs. o covado, oassas Iranceza.s a 21')
280 e 320 is. o covado.
S na Arar, eambr-ias a 2$ o eerle.
Yende-se cortes de cambraias de barras
braia bordados a 3t5Oe, ,$. e 50.
Mussuliuas de corr a 30J rs. o eovade.
Veode-se brillantinas e mtismlinas do
Vende-se cliias francezas largas a 240,
280, 3O, e 360 rs. o covado, percalas t'
Para o tratamento e cura rpida e completa das molestia* sypbiliticas, eris-e-
., rheomatismo, boba*, gota, debilidade do estomago, infiammacSes chronicas do ligado
uat, gonorrbeas cbronicas e em ge al todas as molestias em que setenha em vista apu-
rificacao do systema sanguneo.
Consldorafes geraes
A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado 10 em
roo o avalia-lo. -';
incontestavel qoe o homem neste mundo e constantemente, e por todos os lador
ttacado por urna infinidade de agentes morbitcos que todos tendem, dadas certas e deter-
cinadas circumstancias, a alterar o regular exercicio das funcfoes orgnicas, resultanbo
pesse desequilibrio o que so chamamolestia.
A molestia n) mais da que a desvirtuarlo das torcas vitaes, occasionad,- d,
ramio as investigacoes e experiencias dos mais abalisado mestres da sciencia, pela depm-
aco dos humores geraes, consequencia da acc3o maligna desses mesmos agentes morae:
cos intriiduzdos no organismo pelo acto da respirado, pela via digestiva, pelo contacto ias a 400 e 5 O rs.
mediato etc. etc. etc. Organd de Vtin fe caras a 320-rs.
A svohilis infelizmente tem sido a partilha da humanidade, e como fra de duvi- vndese orandis de qnadros de cores
Ja que essV terrivo! Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser- paravestiios a 320, 360 e 400 rs. o covado.
tada em'todas as ida Jes, e debaixo de todas as suas formas to variadas, enfraquecendo Tt__j Laia finas de lista iOO ri.
sonstituicoes robustas, produzindo mutilaces, e cortando ainda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
lumores tem sido desde teaipo immemorl o fim constante da medicina, e os purgati-
vos figuran) em primciro lugar para preencher esse desiteratum ou fim.
O Elixir depiiratifw do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os dSosmho em pecas encorpadoa 4$, 5-}O00
.mmensos successos obtidos pelo u?o deste salutar agen'e tanto na Allemanha, como em *5 70 W
f ratea e Italia, o tornam o companbeiro inseparavel dequasi todos os doentes.
Sendo as molestias, como cima dissemos, devidas s alteraces dos humores, o
Stair depurativo do Dr. Sevial pode serempregado vantajosamente na syphilis, erisy-
peias, rrieumiiisrnos, bobas, gota, debilidade do estomago, inflammaces chronicas do
gado e bajo, dores sciaticas cepbalalgias, nevralgias. ulceras cbronicas, hydropesias,
asaonsias, gonorrbeas chronicas etc. e em gcral em todas as molestias em que se lecha
m vista a purificacao do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito
er que elle inJispensavel nos casos gravissimos para minorar os soffrimentos, pre-
parar o doente para medicales superiores; e as menos graves a cura a conse-
caudcia do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias que entrara na composic^o do Elixir depurativo do Dr. Sevia
pertencem tolas exclusivamente ao reino vegetal, e grande cathegoria das substan-
aas depurativas e antisyphiliiicas; assim, ao passo que este remedio depura o orga-
nismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das eyau-
ifjes alvinas, neutrahsa ao mesmo tempo o virus syphilitico quando este virjem.
tem feito crupcSo ao exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne tan i
oem os estragos dessa lerrivel molestia, quando por ventura se ache ella ainda no
Cortes di lasiuha a 15, 1,5300 e o^OO
Vende-se cortes de laasinh s de cores
para vestidos cora 14 covados a 40 e 5,-J.
lpicas de listas de seda a 800 rs. o covado.
Vende-se alpacas de lista de- seda para
vestidos a 8oo, 52o, 5fo e 5oo rs. o cova-
e listas a 2J, 2,5X) e 35, cortes de cam-'do, organdis branco e muito fino a l,% a
vara.
Lisinhas para vest los a 200 rs. o corado.
Vende-so laSsinhas para vestidos de se-
cles para ve tidos de senhora a 500 re. o nhor3s oo, 24o, 32o, e 4oo rs. o covado,
Sf* .* barege de listas a 2o rs. o covado, mos-
Chitas francezas largas a 240 rs. o covado.
sarabique com pilmas e listas de seda para
vestidos a 2t'o rs. o covado.
Chales de renda
Vnde-se chales de renda mnito pretos
a 4500 e 55, retonJas de linho a 55 e 65.
ftoupa feita nacional.
Vende-se palitos de alpaca branca e de
Vende-se laannhas de lista de cores para cores, propros para os das de festa a 33oo
vestidos a 400, e 500 rs. o covado.
Mailapolo do Arara a 40
I e 45, ditos pretos a 35, e 45, idem de meia
1 cazemira 355oo e 45, idem de casemira pre-
Vende-se pee s de madapoiao fioo e largo ta e da cores a 65. 85, e lo5, caigas de
a 45, 5,5, 65, 19 80 e 105,. a ppga algo
meia casemira a 25*oo e 35, idem de case-
mira a 65, e 85, colleles de casemira a 35,
e 305oo.
tado de eticubafo, isto 6, s"ra se ler manifestado sob formas externas: beneficio
omensc, taato mais quanto oeste estado os individuos igneram completamente se es-
fe contaminados por este lerrivel nimigo.
O sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sna aegao so-
o*e o tubo intestinal suave e benigna, e de nenhuma forma produz molestias medi-
f, como acontece ao purgantd dito Le Roy, que na sua qualidade de dras-
irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando doste es
;K multas vezes, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morte Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
as asse^erayos, porque sendo ura medicamento tao simples na sua composigao, a
iratica tem confirmado sua utidade.
taSeo deposito era Pcrcasbcco
Na botica e drogara
DE
Bartliotomeo Companhia.
34RA DO ROSARIO LARGA34

Eua da lmperatriz n. 15.

Vende se manteiga inglezaflor a 800 e !5oo.
Sal refinado em pseote de 3 libras a 2oo rs.
P de tijollo para lira jar facas a 12o rs.
Latas com pode-l a 105oo.
Azeitonas de Elvas em latas a 800 rs.
Al pista e paingo a 10o rs.
Frutas em caldas sonoras a 5oo rs. a lala.
Farello de Lisboa marca M. a 456oo e s^ooo.



Caixinhas com mas?as para sopa a 252oo.
Vende-se urna arraac3o de louro envidragada propia para qualqner negocio em
urna principal ra: atratar na ra da Impeatriz n. 15, com Miguel Gomes de Souza
que tem poderes e^peciaes.
Fot baratos preces.
rs.
quali '
c covado.
grande variedade de^padmes, fazenda de
Cassas fi 11 cores a 240
Ditas ::..: >!! CTOr
i k rs. ; vara, a : iO rs. o covado*.
Hitas 1 rias a -O .-. o covado.
- largas de cores fixas a ?C0 rs. o covado.
.:; Jas l r C salpi: > e com f .resj a 320 rs. o covado.
Ditas i1 le seda a 320 rs. o covado.
Ditas c -' m I nd) poi! de Chvre a 400 rs.Jo covado.
i : de ".; d s larguras com listas e com flores, grande va
-' de p dr .. iramente lindos ('fazenda de 15 o covado) a 500 rs.
iMdrtnbos e de listas a 800 rs. o covado.
Kicos ; merm, bo:dadas"e enfeitadas com renda preta, o qui
aais modtrn-i 1 ?< ahora a 85, 105 e 125 cada um.
a 5?, 65 e 75 a pega.
Ditos
Sup< ri'.i : 1 oco^com 20 ardas a 45 a pee3-
jL;raK;!,'i fazendas por menos do seu valor"para liquidar.]
LOJA DAS COLUMNAS '-;
DI
i
Ion a
de Yasconcellos & C
Ra do Crespo n. 13,
c
--.
'.
O.
c
-z
-. -
C
:-
2 a
t CT
*v t/
0

0 ~
Oj
- O
E .--
i
-
--.
5?
^1
o
eo
5
aj
O
a
B
;->
"2
ce
o
tu.

a.
o
3
o
o"
ea
a
es
o a
B
c
rr:
O
cu
a
*---

o
B


5
i
3
D-
o
o
erg
o'
B-
es
c
B
~
p.
es
B
ee
ir.
63
O
C^
o
ai
Z3
sr
Cu
O
c
2
cu

o

es
Cu
Q
y-
d
3

o.
s
es
O
O.
3

r:
a
:
a
Ea
Cu
ce
O.
o
V)
g
C
c
co
a
B
es en s
it E
r- CA E5
u. 03 a
s es 0
~> Cu
5 0
V *1 -1
-~- a -
03 s
a. f> (.
"1 0
03
w Cu
CU ts
en
B Q era
0
5 co
0 C>.
0 ee.
03 Cu O C3
Fundiyao dAurora em
Santo Amaro
Chegaram de Pars no ultimo psqueta cottmen-
h-? K,e.rorD.. VTTT nt2T2S ComP|et^ sortment(! de taixas batidas e fanai
"o c mu : Bu nde.4 oor eco SS- das' Wn lod3S os tamaDhos e fa(losd
modo ?S d (LuV* hi de hm PD 1 daldi,S raoe,11s de lodos os taffiaahos de saoeriI
Seraohioi A IrmSo qoalidad, crlvos e boceas de fornalha. o que tud<
v----------.---------------------------------------------se vende por coaimodo preco.
Vende-se ora bom piano de mesa de jaca-
randa era paridlo eslado: na ra da Camboa do
Carmo n. 20.
Vapores.
Vende-se em casa de Saunders '.Brothers & C
o largo doCorpoSanton. 11, vaporas patean
om todos os per:ences propros para faxer raove
"s na quiltro machina* para dscar'icar al?od'
\% Falcad* baratlsslmas @
A' I1UA DO ULTIMADO N. 31
Laja de A. M. Rjliro. j:3
Jig} Cassas moito boas o covado a 20 e 280. JS{
jfi Curies de ditas com 10 v.irs a 3a00. ga
^ Jii> de cambraia de salpicos branejs e S
^ di-c.-ps (f;uen SM dco a 7) por 3.5"jO0. i2
t L'ins de listras e de iialminhas o covado j~3
9 3 0 e 400 rs. ;\
^ T^rlaianas de cores vara SCO rs. '.,",
fe; Crales de m-rin estaoi^ados a ij. gjjj
}3 Alberos de alpaca rflr de gHDga a 4. {5
D>Is de barege a 2-
Lindas muito lindas i a 500 ris o
covado
Vende se na loja do Alvaro a' ra do Crespo n.
20 R.__________________________________________
Ciiegou afinal
A poaaada galopean
para cura rpida e completa dos callos duros.
VEMDB SK NA
Diuca e drogara
DI
larboIo?iea & C.
3-iRa larga do Rosario34
Cabriolet
de 4 rodas e 1 cavallo mnito seperior, ven3e-s?
pra tratar xa ra d)Crespo n. 16, 1* andar, pa-
ra ver-se na cocheira do Paulino ra de S. Amaro.
0 cordeiro providente
Na antiga loja de miodezas aun do Qnei-
mado n. 16.
Tendo sempre em vista niotwubato tempo aos
seus fregueies, com- xtensos annnncios ; mas
Umbem nio qaere,n4o t|te os mesmos Iregoetes
ignorem o qoe de oo tem elle recabldn, por Isso
resomidamente e dir': ebegando assini ao eo-
nbecimeoto de todos qoe a dita toja do Cardalro
Providente, roa do Queimado a. 16, racabea o se-
golnte : ^r
Bonitas e Juradoras ligas da pellica para metas,
tanto para senbnras como para meninas.
Leqaes de diversos e modernos fOstos.
Peotes com eufeitesdourados e nao donrados,
para meninas.
Coques simples eenfeltados, moldes lateramen-
te novos.
Bom papel em caixinhas Uso, pautado doora
do e timbrado, e outros ronitos objectos, qoe raen
clona-los seria bastante enfadonbo, a qoe se ven -
de em dita loja da miudezas do Cordeiro Previ
dente, roa do Queimade o. 10.
'Sao faltan flore,
O Cordeiro PrFvidenle a rna do Qoeimado b. 16
tem constantemeota om lindo snrtimeolo de fl
oas e booitas flores, por isso qaando algom ha.
bilidosa joven quizer preparar qualqner entelta da
bello gosto deve logo lembrar se qoe ha dita loja
do Cordeiro Previdente, a roa do Qoeimado o. 16,
nao taltim flores.
Para alvejar os denles.
O cordeiro previdente a rna do Qoeimado n. 16
recebeu do bem conhecido fabricante Jonb Gos-
I nell & C urna ptima qnalidade de pos para den-
'tes aromalisados com cantora qoe realmente tem
merecido todo cenceito porque nao s aiveja per-
(eitamente os denles como tambera conserva-os
sempre no melhor estado de perfeicao, assim pois
queirara vir comprar ditos pos na mesma loja
do Cordeiro Prevideote, roa do Qneimado n. 16
Enfeiles com pontas.
Cordeiro Prevideote receben om lindo sortl-
mento de enfeites cora pontas para vestidos, tanto
de seda como de laa que combinara perfdlamen
te com es cintos modernos do mesmo formato, por
isso para poder enfeitar-se com gosto qualquer
vestido indispensavel comprarse ditos enfeites
Da mesma loja do Cordeiro Prevideote, a ra do
Queimade n. 16.
Cliapellnas de seda
Modernas e bonitas cbipelinas de seda para se-
nhora recebeu o Cordeiro Prevideote roa do Quei-
aiado n. 16 e por ser pequea a qoantidade re-
eebida, quem pretender urna moderna e bonita
chapelina deve aproarse em mandar compra-la
etu dita lJa do Cordeiro Providente a roa do
Queimado n .16.
caixinhas exfeitadas.
Estas muito desejadas eaixinbas vasias e enfei-
tadas com gosto, qoe tanta exlraccaa tem lido e
qoe realmente servem para diversos fins, exisUra
na loja do Cordeiro Previdente a roa do Qoeimado
o. 16 om completo sort'meoto de ditas caixinhas e
sao vendidas per precos to rasoaveis, qoe o expe-
dente fregoez nao objectara' em compra-las em
dita loja de mladezaa do Cordeiro Previdente & ra
do Queimado n. 16.
POXTE1RAS E CHARUTOS.
O Cordeiro Previdente, rna do Qoeimado n. 16,
tem um bom sortimento de floas ponteiras para
charutos, sendo lisas e cora figuras em alto rele-
vo ; e para que os seos fregnezes nao se Incom-
modem era comprar charutos em algomas das lo-
jas de charuteiros, recebeu tambera um bom sorti-
mento de fios charutos do afamado fabricante
Furudo de Simas ; assim, pois, encontrarlo os
apreciadores um bom sortimento na dita leja do
Cordeiro Previdente, roa de Qoeimado n. 16.
Para offerta no hospital por-
tnguez.
Bonitas cestinhas com fructas de cera, obra de
muita perfeicao e bom gosto.
Para eortar.moides e en brulhar fazend3s.
Vende-se papel tardo fola grande.
Para lustrar calcados.
Vende-se superior graxa econmica.
Vende-se papel para matar moscas.
A loja do cordeSro prevSdenle
Ra do Queimado n. 10.
Nellaacharaoos pretendsntes om grande e va-
riado sortimento de perfumaras finas, tanto inle-
zas como francezas, seBdo :
Finos extractos para lengos.
Ii.'.ul) is e pomadas para cabellos.
Oleo philocome e baboza para dito.
Pos bygieniCGS para dentes.
Ditos campborados para ditos.
Opiata ingleza e fraoceza para ditos.
I'acotes com pos de arroz.
Vasos de porcelona para ditos.
Sabonetes para roo e barba.

L
Liquidando de ca[gados
Eu do Imperador n. 32,
Borzegoins de bezerro para homem.
Ditos de lustro para homem.
Ditos de cordavo.
Ditos para senhora enfeilados.
Ditos para meninas.
SapatScS de bezerros.
Botinas brancas p3ia senhora.
Bulas pequeas para montara.
Ditas grandes para montara.
7,500C
6,51100
8U0>
55'tOC
covado, basqot-
outros objectos qoe serao presentes; ,'.l;~'
or qoe se dirigir a ra do Queimado ueciUOS.
E muilos
ao comprador q
o. 16, loja do cordeiro previdente.
Baeras beques^a.
Vendem-se ua ruajdj^Qumado u. 16. lojado
cordeirojprevidbnte.
Charutos
Fabrica e/undiedo de bronz
e oulfot mttaes, caldeireiro,
l&loeiro, e fu/fteiro, situada
na Soleddetrtt do Prin-
cipe n. 3, e com deposito na
ra Nova n 38, da cidade
do Recife m^
DE
BRAGA SAMPAIO
Fabrieaca-se oeste importante estabeleci-
meoto todas as obras concernentes as artes
respectivas como sejam:
Alambiques de todos os tamanhos em
feitios, os mui acreditados aparelbos de
Derosoe com as dimerjees delicadas dos
fabricados em Franca.
Fabricam-se avulsas quaesqoer pecas des-
aparelbos, como sejam o dilatador, ratifica-
dor e condensador, ou esqoenta garapas,
resfriador, serpentinas interiores.
Fabricam-se bombas de todas as dimen-
ces e qualidades, pelo systema francez ou
americano, simples, de pressao, repuxo, e
com especiaiidade a estanca rios l assim -sp
nominadas pelo enorme volume de agua
que absorvem calculada em 100 pipas por
bora, e dasquaes algumas eslo romptasa
serem experimentadas.
Existem bombas por este systema, me-
nores, para regar sitios, garantindo-se n3o
s sua duracao como a grande quantidade
de agua que fornecem pelo que s5o cons de-
radas h'.je as primeiras bombas conhecidas.
Todas as raois obras se fabricam vona-
de dos freguezes e a sen capricho.
Exiitem sempre promptos no deposito in-
dicado na ra Nova n. 38, um completo sor-
timento de obras solidas, bem construidas e
a precos rsoaves, como sao alambiques,
serpentinas, taxos, passadeiras, repartidei-
ras, escumadeiras, cocos, candeias, e muilos
outros utencilios preprios para engenhos,
como sejam mancaes de bronze, parafuzos
para rodas de agua e outres.
Cavilhas, machos para lemes, pregos de
todos os tamanhos e para o urro de cobre
de navios.
Aprompta-se tudo quanto diz respeito as
obras de lato torneadas e poli Jas com toda
a perfeic3o.
Vlvulas para tanques de bache, torneiras
de todos os tamanhos e qualidades, assim
como todos os ornamentos para militares,
botes para farda, aparelhos para barretina,
nmeros, espheras, espadas, cometas, alam-
padas turbulos, caldewinhas, navetas, almo-
farizes, perfumadores.
Obras de folhas de flaodres de todas as
qualidades, bahs, bacas, bules e outros
utencilios domsticos.
Lampies para gaz para engenhos, folha
de flandres em caixas, folhas de cobre e la-
tao, tubos de chumbo para encanatuentcs de
todas as dimencoes, folhas de zinco, estanho
em barras e verguiuha, lances e barras de
chumbo, vidros Gnos p-ra espelhos, de co-
res, bordados, e opacos, e outros para vi-
drafas, diamantes para cortar vidros, cadi-
nhos ordinarios e de patente, rea para mol-
dar, folies para ferreiro, lavatorios com ba-
cas e jarros, trra podre e outros nmeros
o'ijectos proprio de taes eslabelecimeclos.
Sendo todas as obras inspeccionadas e
feitassob a direegao do socio administiador,
Jos Baptista Braga o qual se acha de novo
especialmente incumbido da gerencia de 15o
importante estabelecimente, isso urna ga-
ranta pela sua longa pratica, que tem os se-
nhores freguezes de que sero servidos a
contento, com promptido e preco commo-
do, pelo que os propietarios Jjbe sero agra-
na ra to a acreditada fabrica de Jos Furtado de
Cassis Boas a 2i0 e 320 rs.
as de seda pela a !.",3 e a
Crespo n 17.
-----------;;---------------_------------- j Simas.
h baratiSSIIIiO a 500 rlS O Vendem-se; lojardoiro:previdente a rna
do Qoeimado^n. 16 ^^^^^
Condecoraees
A bem conh^cida loja de jotas de Moreira &
Du.irte, a' roa do Cahog n. 7, acaba de rcobt-r
porgo de hbitos e officlalatos da crdem da Boa,
e hbitos da de Christo de differenles tamanhos
qne veodo por precos mui razoaveis, alm isse
coQtiuua a ter como sempre ora completo sorti-
mento de joias dos gostos mais modernos para as
quaes coota com o concurso de seus bons fre-
guezts.___________________________________
4lleoco
covado.
Superiores laas para vestido? rom excelientes
3()O0 padroes a 50J r:s o covado, aproveitem aotes que
3,85(1(1 se acabem ; na roa do Qoeimado n. 46, Iojft de
8000 Guimaraes Bastos.
1800Ci

/.
Vendem se pjfs de alodozlnho muito largo
superior qualade com om peqoeno toque de ava-
ria pelo barato preg de k$, chitas largas de co-
rfs a 240 rs. o covado, brim pardo ao tj bcra a
G00 rs. a vara : na" leja de Antonio Jo- dos "Res
& C, a roa do Passeio Publico n. 6, por baixo do
sobrado novo.
Rap Viajtd e Panio Cordeiro
A loja do cordeiro prevideote a' ruado Queiaia-
di n. 8, retdbtu nova remessa dessas qualidades
do rap.
orna m' rada de casa terrea com commodo-, em
bom estado, na roa Direita n. 62, urnas mei-agoas
na travessa da estrada do RemeJio, um caixo at
respaldo para grande casa, todo circulado de ja-
neilas, portao e quintal ao lado e ja' com oulros
muitcs ccmrcocos na melhor posijao que possi-
vel, por ler fes frentes, tendo para ra S Miguel,
estrada do Remedio e Piraoga, sendo todos na po-
voaao dos Afjgado', cede-se por pre{os coramo-
dos : quero pretender falle ao. sachristo da Igr^ja
de N. S. da Pai qoe dir* quem os vende.
Francisco Jos Sermann
[RA NOVA N. Vi,
acaba de receber nm lindo e magnifico.te
timento de oculos, lunetos, binculos, do
timo e mais apurado gosto da Europa o oc.
los de alcance para observaces e par i
martimos. -____________________
Ccntinua-se a vender banba c otra a queda
dos cabello; como aqai na ha cutra igual, pelos
bons resultados qne della se tem tirado, assim cemo
o remedio viodo do sert">o para todas as molestias
do pelto, bronquitis, phtysicas e asmas, no Corre-
dor do b:spi n. 1S. Na mesma casa faz-se de en-
ccmmenda bollos e pastis de porec para a festa,
cese-se e corta-se vestidos de noivas e senhoras pur
muito cmodo paveo ; tambera se vende urna caLri
nba muito boa leeira.
GR4NDE
RA iNOVA N. -0 E 22
Novo e grande deposito de superior carvSo de Cardiffna
Babia.
Antonio Greos dos Santos &. d, rna Santa Barbara n.!, astSo hablllUflos snpprlr de
OTO;"1 m concces mais favoraveis qaa em oufio qualquer deposito, a todoa os navios a vapor qu
ccreiu nayue^e porto. A contratar cesta com Domingos Alvas lalheus.,j
Kraae Iiqui ia?ao
Na roa do Livramento loja do Zjavo Braslleiro
n. 33, veode-se om sortimento de calcado de to
das as qualidades e juntamente um novo sorti
ment de candieiros a gaz moito barato para
acabar.
JilIflL DAS F.4HILIAS.
Public? cao illustrada, artstica, recrea-
tiva, etc.,
ornada de gorlaos, gravuras, pecas de mnsic\
Bota russiaas, pernMns e meiis perneiras no-
vamente ebegadas, da melhor quatidade qne temos
visto, no arraazem do vapor ra Nova n. 7.
LUVS
Novo sortimento de luvas de pellica de Jouvln,
brancas, pretas e de outras bonitas cores para ho-
mens e senhoras; no armazem do vapor ra Nova
0.7.
Mchicas para descansar algodao, domt
lhor autor que tem apparecido na Americ?
E' tal a execucSo do macbinismo, que o al-
godao sabe quasi to perfeito como o de bn
landeira. Recomaieoda-se a.attengao doi
Srs. agricultores, estas machinas.
gaz wm
Cheou ao antigo deposito de Henry Forster &
, rna do Imperador, um carregamento de gaz d<
primeira qualidade.o qual se vende em partidas
i retalho por menos prego do que em outr* qaa!
tuer parte.
Novas chapelinas
de fina pallia da tala.
A Aguia Branca, a' roa do Qoeimado o. 8, rece-
beu om novo sormeoto de bonitas chapelinas de
flna palba da Italia, ornadas com delicadas flores, e
como sempre a Aguia Branca as vende por precos
commodos.
FariSj 30, Una Vivenna, D*
AS E.NFLKUDAUAS DES SEXUALS, AS AKFEl>
ff>E3 ^iTANFA<. F A .TERACOES DO SANGUi.
" 30.000 curas du impiwm.
comixoet, acrimonia, e ct-
'r{o*,otcios(U(ioiaiioua)
aaiieE-sio3fe-^ ttrtii, s u'.trracOf d:j tata
(e (Atrope vegetal ;u mercnriol. Bparai.i^-
ecu<"" ii":'.- -"u'n.iiAtt lomao-M lok
per seciaca, eeguiBdo o teactanaato flej/uiojioo. "
nitrepido n me ms. s< lesiias.
^Sjg Bate XaropeCitrtC.:.
; i'.i '", ". ;i.:s U...C;'...-
-, latoectequalquerpuroccoo,
i reloxccao, e debilidade,
3&m
  • tranco* das Biulheres. Esta iajeccao benita ei>
    ^cega-se com e larope de Curado ile Fn-ru.
    asc*r3s, Pomada que as cura em trt dita.
    POMADA ANTIHERPETiCA
    Contra : ou afeccot$ cmaneai cornisn.
    PlLULAS VEGETAES DEPUATIVAi
    (s 3' ClaaMa, sa.'& rtKa val i;us;:t*o i tal
    -ais.
    AVISO
    .nra iL-.'jrrhoi, tantas
    cmjKt.'ar.ij irrumiu
    'V*^8jTS^7ll "ervo"u ,;' ''' r0'*'
    -1 %Sp sm 3 Ctttnt t litdoi vi Im+a*
    AOS SfS.
    ^HOSCOS.
    -' i.i>m u;.' -.i.. r.-h.i. a dcoU xarp D' fc'oafiars.
    Op CNASi.sgig Parta. r *!. 9
    A venda na pharmacia de P. Maurer y
    e C, em Pernambuca.
    TSHDAOSiaD Ei
    le isa>nara,f Doct.-t-Jijfictiu
    Ru do Seir.s, El, PAl:l3.
    900,000 rs.
    Vtnde-se a casa terrea n. 9i do pateo da Paz nos
    Afogados, chaos propros, reparada de nevo e pro-
    pria para taberna, oo casa de negocio : a tratar na
    ra do Queimado o. 18.
    Luiihas a 160 e 240 rs.
    Vendem-se lazlohas escocers mnito bonitas
    pelo bsratissimo prreo do 240 rs. o covado, ditas
    moldes de vestido, e em geral de tudo qu,nto Siadlnhaa na a acabar a 160 V nTi, '
    concernen.e irab.Ihos de senhoras. Satae urna ^rmaiem do Pava ra 5 Imperat'rizV 60 de
    vezpormez. Asslgnatura por um.anno de Janeiro Gama & Silva imperai.iz n. ou, oe
    Vende-se a taberna da ra da Cacimba n. ?,
    com frente para a ra do Vigario, muito afregoe-
    zada, e cem procos fondos, propria para um prin-
    cipiante : a tratar na mesma.___________________
    Vende se nm sitio na povoagao da Vanea,
    bem plantado e tendo mulles arvoredos fructferos,
    com casa de vjvtnda de madeira, muito proprio
    para se passar a festa, por ficar moito prximo do
    rio e ter breve de passar os trilhes de ferro da es-
    trada de Jaboalo ; vende-se por preco muito rom-
    modo : trata-se na rna Direita n. 8, oa do mesmo
    sitio con Jos Rodrigues Campeilo.
    dezerobre !2000
    Livraria franceza, "rtia do Crespo n. 9.
    Vende-ss a taberna do pateo do' Carmo n-
    13 : a tratar na ra da Praia n. 16.
    Feijao a 2,000 osacco
    Vndete na ra di Cruz n. 30.
    Vende se urna carraca de madeira e pintada
    de novo em bora estado e nm boi : quem quizer
    dirjase a ra da Manguera n. 16.
    Vendem-se tres escravas com boas habilida-
    des, boas figuras e excellente conducta, 2 mole-
    qoes pecas idade 17 a 18 anoos: na traveesa do
    Carmo n. 1.
    JJJPl
    4#i00
    Em cortes de la
    Vendem-se superiores cortes de la matizaba
    com 15 civadoa, pelo barato preco de o corte,
    isto na loja e armaxem do pavao, ra da Impera-
    trla_p. 60, de ama & Silva.________
    Vende-se ama parte) do engeabe Doos Irftios
    em Apipueos, a tratar a' roa do Imperador i. .
    ! andar.
    Em tsda garrafa, fa!, r.tr* a ro|ha i
    que Initocu incte, un roL-ito Ira.r?*o emisa.
    rellocea Ssti Iau>s,ut. a or.sN nuwctx.
    K.B.-tmct-
    r -------- >r ttrj,-;nii lettra
    ,/U/ k*P:r,ar>
    DCTEIiR--H0Slfl-^ US*S2i
    .ET PKAflMACiES J **"^- *
    Deposito na pbarmacia de P. Matirer t
    C em Pernambaco.
    Veodem-se cadelras de pinito de Ihescuras
    americanas, proprlas para stabeleclmenios : na
    rna do Encantamento n. 4.
    _ Vendase telhas soperisre lijlos ae tonas as
    qualidades, fabrieado com barro d agua doee por
    meaos 4J em milhelro do que em outra qualquer
    parte : oa dara da Jos Caraeiro da ICuaia roa
    IdTsPraiereso. 38.
    }awa*
    d*>*tm**<
    .<


    "


    larra*
    r
    I

    ijl
    * -
    I
    Collares Royer
    0o Aaoiaes elctricos aagaelicos
    Deposito acreditado
    Uja da gata branca ra da Queimado n. 8
    Aprogoar aioda os prodigiosos effetos dos
    GoHares Royer j nao minar ou querer
    iQtroduzir novidades, porque a fama de sua
    ilcacia Um-S9 Unto esteodido, e es seus
    felaes resuludos a tal altura elevado, que
    hoja rara a pessoa que por experiencia
    propria, ou por intermedio de seus amigo?
    e parentes, ignor ou desconhe:a as virtu-
    des desses sempre aprociaveis collares
    Royer.
    A aguia branca porm sa gloria de concor
    rer para uta to justo fim, se nao por cu-
    ro modo ao menos por ter sempre, e coos-
    antetnente um completo sor ti ment desses
    collares mgneticos, que bem se podem cha-
    marsalva vidas das criancas.
    Resta anda que os senbores pais de fa-
    milia se facam convencer de que conven
    nao esperar que as criancas sejam atacadas
    do mal, e por isso necessario ou conve-
    niente que com antecedencia se deite na
    crianca um'desses collares para assim estar
    ella preservada das convilcdes e se contar
    livre dos rigores da dentigo.
    A aguia branca ra do Queimado n. 8
    contina a receber por todos os vapores
    fraucezes a quantidade que ba contratado e
    por isso acha-se ella sempre provida dos ver-
    daderos colhres it ticos.
    A Aguia Branca a na do Quei-
    mado a. 8.
    Iacoolestavelmeote qi loja da Agua Branca
    onde os apreciadores do oom podem melbormenl-
    prover-se daquelles objectos da gosto. E-sa verda-
    de ja por taoros e tantas vetes reconbeclda anda
    agora se faz confirmar com a nota dos preciosos
    objectos de gosto e valor que a aguia lera a satis-
    fago de palotear e por a disposico de quem os
    deseje e possa comprar. Ella priacipara pelas ri-
    cas eaixas com mostea e sem ella, para ci -tura.
    Essas caitas por sua perfeicoes, gostos e rique-
    zas, se tornara recommendaveis para algom im-
    portante presenta, oa mesmo para quera tenha gos-
    to da posuir urna bella obra, porque de certo sao
    ellas as de maicr valor que se encentrara em Per-
    nambuco, leo lo ama que sobresabe a todas as en-
    tra*. Alera de-tas ba ootr*s de prego? menores, as-
    sim como tarabm ba b,nitas caixiuhas vazias de
    madeire, envernisadas e marebetadas, com echa-
    dura e chave, para costura.
    Em lequcs o que se po le encontrar Je nscllior,
    sendo :
    Todo de madreperola, bordados, :obra de gosto e
    valor.
    Outros de madreperola e seda, bonitos desenhos.
    Outros de madreperola com b rdados col rldos,
    obras de muito gosto, e geralraente apreciadas.
    Ontros todos di1 sndalo.
    Ontros de sndalo e .eda com bellos desenhos.
    Outros todos pretas para luto.
    Outros pretos c>m desenhos roxo?, proprios pa-
    ra senhora* viuvas.
    Outros de sandilo e faia,formanio qoalro vistas,
    Outros de sndalo e sndalo e seda, para me-
    ninas.
    Outros de madelra e papel, obra barata.
    Guarnieses de lit:s, ditas de bonitas e modernas
    trancas para vestidos.
    A Aguia Branca reeebeu novamente otu bello
    serliraentodaquellas apreciadas guaroices de fi-
    las ; assim como outras de lindas e modernas tran-
    cas. Os apreciadores do boro comparecam na loja
    da Aguia Branca a ra do Queimado n. 8.
    Fiuissirais meias de fo de Escossia para enancas.
    Vendem-se na ra do Queimado luja da Aguia
    Branca n. 8, onde lanibem ba outras rauitas de al-
    godo para enancas de 3 a i2 mezes.
    Hu uis lavas de fia de Escossia e seda, para bo-
    m nse senhoras.
    A Aguia Branca a ra do Queimado n. 8, reee-
    beu qui bom sortimento de Anas luvas de do de Es-
    cossia e seda, brancas e de cores, bordadas e lisas,
    tanto para hmeos como para senhoras; quem as
    pretenJer e dirij r-se a dita loja da Aguia Branca,
    conhecera que'era tal genero nao se eocontra me
    Inor, e talvez nem mesmo igual em alguma outra
    parte.
    Requifes brancos eu traacinhas papa-fina.
    A Agoia Branca acaba de receber um novo e
    bello sortlmeDto dessas lo procuradas trancinhas
    papa-fina, com diversos e agradavels moldes, e co-
    mo sempre a Aguia Branca a roa do Queimado n.
    8 continua a vender barato.
    Cllialias e punbos, manguitas e golnaas, obras
    modernas e de gosto.
    A Aguia Braoca acha-se recentemente provida
    de bonitas guillabas e punbos bordados, manguitos
    e gollinhas tambera bordad.-s, e todo do melbor
    gosto e ultima moda, tendo oas gollinhas e puabos
    mallos, ja eofeitados com fitas Cufiadas, e algumas
    pequeas para meninas. Os presos acezar de com-
    modos variam com as dlffareotes qualidad s das
    obras. Os pretenderles comparecam na loja da
    Aguia Braoca a ra do Queimado o. 8 que sero
    servidos a contento.
    Entremeios bordados em pecas grandes.
    A Aguia Braoca a roa do Queimado n. 8 esta
    vendendo bonitos ntremelos bordados em pegas
    grandes de 12 tiras, e pelo baratissimo prego de
    2o0 cada pega. A grande extraegao que elles
    tom tido cautil maco os diversos fias para qoe ser-
    ven, as Im pols convm que a boa fregoezia da
    Aguia Branca aprovelte essa boa e barata fazeoda.
    Chegaraui tambem
    os novoe coques que multo teem agradado pelos
    seos bellos desenhos, e perfeita execucao d'obra.
    Assim como igualmente chegaram bonitos port-
    bouquets doorados com cabos de madreperola.
    A Agu* Branca, V ra do Quema-
    do n. 8, veade ;
    Fitas para fachas de juizes de paz, delegados e
    subdelegados.
    Ditas para cavalleiros da Rosa, Cbristo e Cru-
    zeiro.
    v m novas
    A Aguia Branca a ra do Queimado n.
    8 reGoneu d'aquellas bonitas luvas de pelli-
    ca enfeitadas, e j bem coobecidas.por luvas
    a duqueza. _____
    MOTAS
    FAZESiDAS
    NA
    LOJA E ARMAZEM
    DO

    ra do Crespo n. 9 A, esquina da ra do Imperador
    Aeaba de ebegar pelo vapor Guienne, ata variadsimo sortimento de fczeudas qoe dizam os
    iossos correspondentes qne foram as meibores, as de mais ijostos e novidades que encontraram en
    nariz, e por isso multo reeomtnendamo: a spreclagao do resieitavel publico, os seguales artigos que
    so eucontramo oa loja do Passo. e
    Rlqoisslmos cortes de seda de cores, com lindos
    matizes completamente oovjdade.
    Llndlssimos vestidos de eambraia branca bordados
    com gosto.
    Ricos basquinas, primorosamente bordados, e ulti-
    ma moda em Parir.
    Rlqoissimas chapdioas de seda, palha a imitagao
    e enfeitadas com moito gosto.
    Coques para senhoras, sendo estes de ultima moda
    em Parlz.
    Lindsimas gravatinbas para senboras.
    Lindos colare? e volta de v trilho e seda, ultima
    moda e inieira oovidade.
    Collarlnbos, fonhos e gravatinhas de Cbony, cm-
    pleta D)vidnde.
    Riqoissimos lques de marflm todos abortos e de
    nltimn gosto em Parlz; assim como de sndalo
    madreperola. l
    Riqoissimos ve.'timentas de eambrajas primorosa-
    mente bordados, com todos os pertences para
    ereancas se baptisar.
    Ricos vestuario de cores, todos completos para
    meninos de 2 a 4 annos.
    Mantas de blondepara oojvas.
    Moirfantiqoe, grosdeoaple e sedas preta, branca
    e de cores.
    Riqoissimos cilos, ollima moda.
    Ricos enfuites para senboras e meninas.
    Lindissimas cbapelinas de seda e da palha para
    meninas.
    Rlquissimos cortes de fantasa para vestidos de se-
    nhor.
    Lindos cortes de laa para vestido, novidade.
    Chapeos de castor a canotier, ultima moda para a
    rapasiada em Priz.
    Grande deposito de luvas de Joavin recbese por
    lodos os vapores grande sorlimento.
    Caseroiras, eambraia?, las, mosselinas, precallas, chitas e urna InDoidde de cbiect qne
    ueixamos de taenclonar por se tornar magante.
    Islo s na loja do Passo ra do Crespo n. 7 esquina da do Imperador.
    AUGUSTO PORTO 4 C.
    11Ra do Queimado11
    Este estabelecimento acaba de receber e vende por commodojprego as seguintes
    fazendas finar.:
    Vestidos de b ond para noiva com manta e capella.
    Ricos vestidos de eambraia branca bordadas < que ba de melbor.
    Cortinados bordados e admascados para camas de 2o# a 8o0.
    Ditos bordados e admascados para janellas de 9(51 a 2o#.
    Colxas de seda e laa e seda para cama de noivas.
    Basquinas modernas de moito gosto de 2o a $e|.
    Toalbinhas de croch para cadeiras e sofs, e colxas de croch para camas.
    Cbapelinas de crpe branco, e chapeos de palba da Italia para senhora.
    Moir branco e preto, grosdenaple preto e de todas as cores para vestidos.
    Camisas para homem francezas e inglezas de lioho, e de algodo.
    Goardapisa de crinofine para fazer mais elegantes os v stidos e 13a e de seda
    a 32o rs. a vara.
    Superiores saias bordadas de linho, camisas e camisinhas bordadas e lencl de
    eambraia bordada para senhoras, ricas toalhas bordadas com muito gosto, e lindos ves-
    tuarios para baptisados com o respectivo enxoval.
    L5as com listras de seda de varias cores a qoe ha de melbor.
    Chapeos brancos de castor e ricos chapeos de sol inglezes para homem.
    Malas de diversos Umanhos para viaueos.
    Panos finos e casen iras pretas e decores e outras muitas fazendas que se an-
    den baratissimo.
    Este estabelecimento contiDa a receber as meibores.
    Esteiras e alcatifas para salas,
    11Ra daQnelaiado11
    Raa da 1> peratrii n. 60
    GiMA ILVA.
    Tendo os donos de te grande estabelecimento resolvido liquidar a maior parte das
    suas fazendas resolveram vender com grandes abatimenlos em precos, assim como teem
    recehido ltimamente urna grande por?o de fazendas novas tanto inglezas como francezas,
    alemSas e suissas, teem destinado venderem as mais barato que em oulra qualqner parte
    aQm de apurarem dinheiro, dando de todas ellas, amostras deixando ficar p- nhor, oo
    raandara-nas levar era. casa das exrellentissimas familias pelos s-ns caixeiros; assim como
    as pessoas que negocim em pequea escalla, neste estabelecimento compraro pelos mes
    mos precos que compravam as casas inglezas; ganbando-se apenas o descont.
    Tiras bordadas e Babadinhos
    Qaem quizer fazer boa compra de tiras
    bordadas oo babadinhos, achara um grande
    sorlimento para escoluer e por (.reg muito
    mais barato do que em outra qualquer parte,
    oa loja e armazem do Pavao, ra da Impe-
    ratriz n 6o, de Goma & Silva.
    Fazeadas para Inte oa loja do
    PavSo
    B.iI5rs a 2, 3350o e 3#
    Vendem-se um grande sortimento de cri-
    nolinas ou baloes de arcos para senhora pelos
    baratos precos de U, 2,$ooo e U por ha ver
    grande porgo, na loja e armazem do Pa-
    vao, ra da Imperatriz n. 6o, de Gama d
    Cassas a 9-.o rp. so o paro.
    Vendem-se bonitas ca:-sas inglezas de c-
    ,res llxas pelo barato preco de 210 rs, o co-
    Vende-se set:m da China com 6 palmos de, vado, ditas francezas fazeeda muito fina com
    largura proprio para vestidos a 25 o covado, padres listrados e de flores, assim como com
    l5azohas,pretas lisas, alpacas com listra bran- palminas miudas proprias psra meninos a
    ca a 1 o covado, cassas brancas com listras 3oo rs. o covado ou a 5oo rs. a vara : pe-
    pretas a 5oo rs. a vara, ditas pretas lisas e chincha na leja e armazem do Pavao ra da
    com s lpicos vara a 56o rs. ditas francezas Imperatriz n. 6o de Gama A Silva.
    com listras e ramagens vara a 8uo rs., me- Cortes de alpaca a sete paaeas.
    ri preto, alpacas e princezas, mais barato | Vendem se cortes de alpaca escora pan vesii
    do que em outra qualquer parte, na Ira dodos p/' b"f,issiroo P"Co de 2*2o o corte,
    Pavo ra da Imnprairi? n n u r,L a. T*?ie Pc'chlnch;, n loja e armaem o Pavao ra
    ". J' r n" 0' e (jema da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
    Suva.
    PALITO'S DE PANNO A 65
    Vendem-se palitos de panno preto saceos
    a 65, ditos sobrecasacos a lo5, caifas de ca-
    semira preta a 65 e 75, d ta muito finas a
    95 e io5, finissimos-sobrecasac. s de panno a ,
    2o,5 e255, calcas de cast mira de c a 75 e V.Me"-e" 8reMO e a reialho.
    Frenos vantajosos
    s Hiiadezas do grande estabeleci-
    mento de Sonza Soai es k Irmo.
    Ra Xova d. 28.
    -. ?
    ;?
    II
    N. 64-----Eua da Imperatriz-----N. 64.
    FftYi leja de aiaJezas e artigos de modas
    9>?
    m
    m
    (Sel
    553B
    DE
    SILVA & NEVES.
    GRANDE BAZAR
    ra Nova n. 20 e 22
    Machinas pa a costura do autor Wheele
    d Wilson, chegadas ltimamente da Am^
    rica; as quaes pode cozer-se com dom
    pespontds, toda e qualquer fazenda, emb
    inhar, frangir, bordar e marcar ronpa; tud
    com perfeic3o. S2o to simples, que con-
    prehende-se fcilmente a maneira do traba-
    lbo e a pessoa tendo pratica de coser em m>>
    rbinas. pode fazer por da o servico que t*
    ciam 3() costareiras.
    Charaa-se este estabelecimento a attet-
    c3o do publico, visto que elle se acha com-
    pletamente sortido de objectos de gostt,
    como bem leqoes de madreperola e de sai"
    dalo, fivelas, fitas para cinto, cokes perf
    maria e etc,
    Na roa nova n. 20 e 22. Carneiro Via
    na &C.
    m
    m
    ^^
    f%>
    Os proprietarios deste novo estabelecimenlj eflerecem ao respeitavel >M>
    poblico desta bella cidade, e do interior um lindo e escomido sorlimento de (^
    V miudezas e artigos de modas, concorrendo para itto o terem na Eurooa, pes- f$
    wn<
    m
    ;*


    s^
    soas habilitadas a executarem suas encommendas no que houver de mais no- !f ;vj
    vidade e gos'.o, e garanten vender pelos precos mais rasoaveis do que cm ^^
    ^g outra qualquer parte apar de maneiras delicadas e sinceras.
    ;-^) Acabam de receSer pelo vapor francez Guienne, os seguintes bel'os
    artigos de moda e fantasa.
    Luvas de Jouvin para senhoras e homens, de todas as cores.
    Livros para roissa com capas de madreperola etc.
    Indispensaveis e boleas de to as as qualidade.
    Coques os mais modernos.
    Espartilbos collares, e cintos de seda e vidrilho.
    Rendas de Guipure, de seda, (hlonds) e de algodSo, de todas as ^
    qualtdades. ?
    (^mpleto sortimeoto de trancas, fitas, botoes e guarnigoes de seda IM
    tof com vidnlbo e sem elle, gravatinhas de seda, e manguiios-de lustro bordados H
    gs tudo do ultimo gosto de Paris. ;M*
    SgS) Leques de sndalo aberto do mais aparado trahalho $&
    j Agua Florida e tnico oriental de Laman & Kemps. g&&
    ^15 Ricos enfeites e guarnigoes de flores para vestido e cabega.
    ^| Calcado para senhoras e meneas. (%
    >^^ a Perfumaras as meltiores e mais escolhidas de Lubm, Piver, e Cou-
    ^w dray, em ricos e elegantes vasos de porcellana, crystil e prata irgleza.
    ^J Meias de algodao, as n ais finas e meibores que teem at hoje vi
    || ao mercado, para senhoras e homens.
    Chapeos de palha da Jtalia, e a imitaco para meninas. H>
    m& E um sem numero de artigo, de gosto e fantazia que s a vista ffi
    gg podem ser apreciado. vgj
    hoje vindo
    WmmmmW
    NOVO DEPOSITO
    DE
    MACHINAS
    ?aa i)ESCAROCAR AUSQDiO
    Manoel Bento de Oliveira Braga.
    53Ra Dfreltan. 53
    Neste estabelecimento se encontrarlo a
    verdadeiras machinas americanas chegadas ltima-
    mente, as qaaes sao feitas pelo mais afamado fa-
    bricante da America, por isso avisa a todas as pes*
    soas que precisarem comprar, de se dirigir a este
    estabelecimento que compraro das mais perfeitas
    neste genero, assim como mais barato do qne em
    outra qualqner parte, por isso qne se recebe por
    conta propria, bem como carraos de chambo e moi-
    nhos para moer tnilho, e grande sortimento de er-
    ragens e miudezas em grosso e a retamo.
    Facas de cabo Dranco de meto bataneo a' 15
    a duzia. limas finas de todos os timanbos proprias
    de trabalho de escoltorau
    85, um grande sortimento de coleles de toda
    a qualida :e e outras mu as qualidades de
    roupas qu se vendem mais barato do qu
    em outra qualquer parle, na loja e armazem
    do Pavao, i ua da Imperatriz n. 6o, de Ga-
    ma & Silva.
    As salas do Pavo a3$500.
    VeDde-se orna graode porgiio das mais benitas
    ;aias brancas com lidas barras burdadas de co-
    res, tendo 4 pannos cada orna, sendo fazenda iu-
    teirameote moderna, pelo barato preco de 3&50
    cada urna sendo fazenda que sempre se venden
    i'or muito miis dinheiro ; na I, ja e armazem do
    Pavao, na ra da Imperatriz o. 60, de Gama &
    Silva.
    CASAQU1NH0S DO PAVAO A 185, 2o5
    255 E 3o5
    Chegaram o mais modernos casaquinhos
    ou jaquetas de grs preto, ricamente enfei-
    tadas sendo uos com cintura e outros soltos
    conforme e osa ltimamente e vendem-se
    pelosbaratos precos de 185,2o5,255 e 305,,
    na loja e armaztm do Pavo, ra da Impe-
    ratriz n. 6o, de Gama & Silva.
    nolre-antiqae.
    Vende-se superior moire-aDiique de eflr, com
    alftnm toque de mofo, por preco muito barato, para
    acabar: na loja do Pavo, ru& da Imperatriz d. 69,
    de Ciua & Silva.
    Camfsitthas a 3g.
    Vendem-se as mais modernas camisinhas eom
    manguitos tanto bordados como de pregoiobas com
    elegantes [unhos e bonitas abot adoras pelo bara-
    to preco de ,1 00 ; na loja e arm-zem do Pavo,
    ra d Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
    i1-, chincha em casimiras a i6G s o
    Pavo.
    Ven4e-se urna gradde porcao de casimiras sope-
    riores eofeslartas, sendo escuras e alegres preprias
    para calcas, poleiots, culotes e ri>upas para meni-
    nos pelo baralis>imo preco de 1S00 o covado oo
    a 2J5800 o corte de calca, graode pecbmcha na
    loja e armazem do Pavo : ra da Imperatriz o. 60,
    de Gama & Silva.
    Alpaca monstrocam 5 palmos a 280-
    S o Pavo.
    VeDde-se alpacas de quadros sendo padroes es-
    coras proprios para vestidos tendo 5 palmos de
    largara qoe facilita fazer-se um vestid, at com
    H cavados pelo barato preco de 280 rs. o covado,
    garanndo se qoe fazenda que val muito mal-;
    dlohelr, portaoto pcbiorba : na loja e arma
    rem do Pavao ra da Imperatriz o. 60, de Gama
    & Silva.
    Poupelinas para a fosta a 320 rs. o covado.
    Veude-se orna grtude pr^ao das mais bonitas
    poopelinas transparentes com palmlohas bordada;-
    a la ou qnadriBhjs a iuiitn.il> de 8o de seda, pro
    lirias para vestidos pelo baratissimo preco de urna
    pataca o covado, grande pecbocba : na loja e
    armazem do Pavo ra da Imperatriz n. 60, de
    Gamfr& Silva.
    CORTES DE SEDA,
    a 28J000 res na loja do Pavao.
    Chegaram os mais modernos cortes de seda de
    cor &m elegantes desenhos claros e escaros, ten-
    do muita fnenda para ora vestido e vendem-se
    pelo barato preco de 28^000 reis, por estarroos
    muito prximos da fesu, islo oa loja do Pavo,
    rna da Imperatriz o. tO, de Gama l Silva.
    Bertatiha de linho
    Com 30 jardas a i 2*000 res.
    S o Pavao.
    Veodem-se pegas de superior bertaoba de liobi
    poro, tendo 30 jardas nu 25 varas cada pessa pele
    baratissimo prego de 12*000 re* sendo esta fa-
    zenda propria para lences, camisas, toalnas. etc.
    isto na loia do Pavo, ra da Imceratriz u. 60, de
    Gama & Silva.
    Bramante de linho.
    Com 20 jardas a 84 00 res.
    Vende se superiores pecas de bramante de linhc
    proprio para lences, toalhas, carnizas, etc. teodt
    20 jardas cada pessa pelo barato preco. de 84000
    reis, oa loja e armazem do Pavo, roa d Impera-
    triz d. 60, de Gama & Silva.
    SAI As ECONMICAS. \
    a 2,500 reis.
    Vende-se orna grande porcao de salas de cor
    com IkDitas barras pelo baratissimo preco de
    2S00 res, na l>ja e armazem do Pavo ; ra da
    Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
    PUNHOS COY! GOLLNHAS.
    a 150OO reis.
    Vende-se urna graode perco de pachos eom
    gnlinhis de esgolo de linbo, cot os mais liodoi
    bordados pelo barato prego de l000 o terno, di-
    tos bordados de cor a 640 reis sendo graode pe
    rhiurha pelo preco, oa roa da Imperalrit o. 60 de
    Gama & Silva.
    POIL DE niEVRE.
    a 560 e 800 reit.
    Vendem se as mais bonitas laoslobas com listas
    de seca, intituladas poil de ebvre pelo baratissi
    mo preco de 560 res o covado, ditas com as lis-
    tas niathisadas a 800 res, assim eom um grao-
    de sortimeoto das mais buoitas e modernas laosl-
    nhas qoe se veodem petos precos de 280, 400.
    500 560 reis, bonitas alpacas de seda de orna
    so cor a 640 e 800 res, isto na loja do Pavao,
    roa da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
    Balees espinos.
    a 2J500,
    Cbegaram os mais moderos balSes esguios sen-
    do verdadeiramente americanos e veodem-se pelo
    barato urec, de 25500, oa I ja do Pavo roa tas
    Imperalrit o. 60, de Gama 4 Silva.
    PECHINCHA
    Cal d Lisboa era n a 31, assla como orna
    Linhas oovellps, muito superiores, libras sorlldas
    25200 e 2J?.00.
    Dna em nvelos, mais inferior a 1OO e 1*800
    a dita.
    Dita branca em eaixas de 50 nvelos a 640 ris
    Dita psra marcar, caitas de 16 ditos a 240 rs.
    Grande novidade para a
    ft'sa
    Na loja do faTio roa da imperatriz d.
    60, de fiama J Silva,
    Moferoas poopelinas c, m palm'ohas
    bordadas e qoadros, covado a. 400
    Moternisima liatiobas com pal-
    mas, salpico, qnadrw. |btas, ele.
    ele, covado, a 4C0, 00 e........
    Llcdas las eom listas de seda, co-
    vado, a 560e.................
    Verdadelro p, il de Cb modernas, covado, a 800 j e....
    fioissimas mosselinas decires, co-
    p^'. a.........................
    Sumas sedas de cores ctm 4 palmos
    de largura, eovado.a.........
    etc. etc., covado, a.......
    Modernas cassas com listas Varesi
    vara, a 640, 720, 800 e....... '
    Moderoissimos organdys de 1 r, vara
    Organrty largo, com lista t quadns'.
    vara, a.......................'
    Cortes de orgaody com lisias brac-
    eas e de coi es, tendo 8 varas cada
    c re a.........................
    LSaziobas de orna s tr malbisads
    covado a.......................
    Cortes de eambraia branca no-dad?,
    sendo oeste geoero o mais rico que
    tem vIoJo ao mercado.......___
    B< niti s cortes de sedas cor. s claras *
    3 Ditos corles de pbaota;n a.......
    Cortes de organdys lisiados cotu 10
    ara, a......................
    Fil branco boidaao, tencu de meia
    largera, var, a...............
    BoDia fareuda branca para salas,
    tecdo prrgn de um lado e tara-
    Lem borCada, vara a 1*. lm) e
    Rifas saias bordadas a 6(jOU, 8 e
    Cassai de cma ; cor de Dores, cova-
    do ..........................
    Ditas franeeras B.oilo floas, sendo de
    lillas e O,res, vara a 5'CO rs. e co-
    vado a........................
    Modernos ronhos cim Hollabas, eo-
    do de esguiao de Itabo, bordados,
    braceos e de cores a.............
    Moernos maoguitos com gollinhas a
    Ricos corpiohos de eambraia im ho
    b-m enfe tartos e bordados a 8,5 e
    Saias econ micas e escoras, p,ra
    quem dr passar a fesia rra a....
    560
    800
    mm
    640
    2000
    l^SOO
    IjOOO
    1000
    IJCOO
    4oeo
    280
    2 i oro
    2-30O!
    0Cu
    coo
    6i0
    Ii6f0
    It-iOO
    240
    300
    I5C0O
    SiCO
    1CJ00O
    23500
    Para acabar,
    m?*8??' s:ccas 'm f;)ric," e maoloea de
    25000 a 03; assim como ;aecas errn (eijii por
    baratis.-imo prego : no trapiche Batao do Lora-
    mente no Fuite do Mattos u. 15.
    SEDAS
    Sao chegadas mouernas seras fm cortes
    e padres mui lindos : loja do Alvaro ra
    Dita branca em ditasde 10 ditos grandes a 360. do Crespo n. 2o B.
    Vende-se om cavallo melado raposo, muita
    Dita ero carros do 100 jardas a 360 rs. a doyia- ------
    Dita em carros de 200 jardas a 1C0 a duzia.' l,?Ji\am cmll m(lutn rapoO,
    Dita emeartes, branca e preta, a 160 rs. a dita. | B0Tr"iD{i0T b^ixo: oa ra do Rar.gel n. 9.
    Eseravos fuddos
    Rozetas de cores em cana, de duzia, a 150 a
    dita.
    Grampas com cabega de vidrc a 160 rs. a dita.
    Agulheiros piolados a 2i0 rs. a duzia.
    fl loes de mnedmhas deuradas e praleadas, para
    punlios, a 12900 a duzia de pares.
    Ditos de madreperola, para camisa, a iOD rs. a
    fresa.
    Ditos de osso, para calca, a 240 rs. a dita.
    Caixiuhas com soldados de chumbo a 120 rs.
    Espelbos de mulrfura dourada a
    ]00|000
    Fug:o do dia 23 dj correDle mez d* cot .bro, do
    ecgenho L:rc:eiru freguezia da E-cada, o escravo
    cira os seguintes sigoaes : cabra fosco, alto com
    bom orpu e bonii* flgura, cara bezig sa, barti
    1*400 a duzia. pi-oco serrada, costuu.a rapar n b Bode e a ptira
    Peotes de lago doorajo, para cec, a 6 rs. a cabellos um lauto carapiohade?, peuco cambeta
    duzia. i tem os ded.s grandes d. s los mais ccrcpridcs,
    Ditos de lacos lisos, para coe, a 35500 a duzia. nrn pouco gago, cem r-lgumas cicatrizes velhis ds
    Ditos dourados, com llores, 2400 a duzia. chicote oas costas em urna pa' e em uro braco
    Ditos de blalo, multo boos para alisar, a 2J300 vestindo ctmisa de a'g.-dau da m;ta oo algodoti-
    25400 a dita. 1 nlio, c lea e palt-lot oe bnm p..rdo. chapeo de l ae-
    Dedaes amarelos e prateados, flno?, a 240 rs. a ta preto, e Uva vara de carreiro qu* ? s suppSe-SS
    dita- I ter ido asscntar praca como voluntario: recom-
    Clcheles em caixinhas a C4C rs. a dita. menda se as pessoas encarregadas do rtcruiameo-
    Ditos em cartoes a 600, e 900 rs. a dita. !o e as autoridades oollciaes com esi ecialiade as
    Pecas de fita para coz, larga, com 10 varas, a d) Rio Formoso, Una, Agua Pida, S. Bento e Por-
    500 rs. a peca. Ito Calvo e a oulra qualquer pessoa a apprehenes
    i seda o. 1 V2, pecas com 8 varas, a 260 do dito escravo, e eotrega-lo no diio endecho, qo
    recebera" a gratificado cima. O escravo chama-
    rs. a dita.
    Cada;o branco para crcalas a 563 rs. a duzia
    de pecas.
    Laas de todas as cores, para bordar, a 6^300 a
    libra.
    Pbospboros de cera, em caitiobas, a 360 rs. a
    duzia.
    Ditos de pao encerado, sem ebeiro, a 300 rs. a
    duzia de caixmbas.
    Ditos de cera, em eaixas grandes do folha, a
    15400 a duzia.
    Carlilhas da U utrina Christaa a 320 rs.
    Obreas de colla, em caixwnas, a "20 e 500 rs.
    Sabonetes finos a 8G0 el*?, duzia.
    Facas e garpbos cabo de osso, fazenda boa, a
    2*500 a duzia.
    Ahumaduras finas para coletes, cintos com flve-
    las de ciy.-tai, e multas outras qoalidades, pulcei-
    ras de coalas, peotes com pedras para coques, en-
    feites para capega, um completo sortimento de per-
    fumarlas de todas as qoalidades, colariuhos, cau-
    deeiros a gaz, ferragens de todas as qualidades etc.
    etc.; a ra Nova n. 28.
    VENDE-SE
    Motores americanos para doas cavallos.
    Dito dito para quatro cavados..
    Machinas para descaroear algodo de 14, 16,
    18,20 30, 35 e 40 serras.
    Prencas para enfardar algodo fazendo os sac-
    eos com 6 palmos de comprimento com o peso de
    150 e 200 libras, vindas ltimamente da America
    00 armazem de Heory Forster & C, no caes Pe-
    dro II o. 2 junto ao Gabinete Portaguez.
    Acaba de sahir a luz
    Cacha-sea venda na livrarisfrauceza
    roa do Crespo d,9
    0 SEGUNDO ANNO
    00
    ME10B1AL PKK\UIBK.0
    00
    MEMENTO DIARIO
    PAltA
    ISGH
    COMTENDO
    eia folha cm braHeo para cada dia
    do anuo
    O calendario do presente anno, signaes do tele-
    grapbo do Recite, a auguslisslma casa imperial,
    corpo consular estraugeiro, associa^ao Commer-
    clal Beoefieeote, tribunal do eommercio de Per-
    oambBeo, jniza especial do eommercio, jonla de
    corretore, bancos, servico do crrelo, estrada de
    ferro do Recife ao S. Francisco, bobas regolfes
    de navegaeo a vapor, linbas regalares de oave-
    gacio por navios de vela do Havre a Pernambuco,
    vapor de reboque, sello proporcional, tabella dos
    emolumentos dos tiibanaes do eommercio, reg-
    lamento sobre iocendios.systema metnco decimal,
    taboa de cambio entre a Inglaterra o Brasil,
    quadro dos divisores, qoadro de aooo civil, redc-
    elo de pesos e medidas brasileiras com as de di-
    versos naizes.
    Um bonito ToTnme cacadernado
    pelo mdico preco de t ff.
    Aos agricultores
    Saooders Bratbers dt C aeanam de receber
    Je Liverpool vapores de (orea de 3 a 4 cavallos
    com todos os pertences, e mol proprios para faze-
    tem mover machinas de descaroear algedio, po-
    dendo cada vapor trabalbar at eom 140 serras,
    tambes servera para enfardar algodo, oa para
    outro qoalqoer servico em qoe osam de trabalbar
    com aoimaes. Os mesmos tambem tm a' venda
    machinas americanas de 35 a 40 serras.
    O* proteodentes dirijam-se ao largo do Corpo-
    Santo n. 11.
    I>echinelia
    Na leja de calcado do sobrad} amarello da roa
    da Croa o. 21 venda a dinbelro a vista superiores
    _ borzegoins eofeitados e lisos para senhnraa, ronl-
    porcao a graoal a 1440D o alqaelre : a tratar Da sas e meomos, pelo barato preco n IfVMW, 2#, 9#,
    roa da CadeU n. 2,1* andar. 41 e t$.
    se Fraocisco.
    P:ga-S9 bein.
    Fug?o em Cas do mes prximo pas-ado do poder
    de Agosiinh' Ju.- de Oliveira, f m Caruaro', o sea
    escravo Rufino, mulato claro, idade 30 aonos, secco
    , do corp", peroas fioas, olhos om lano amortecidos
    I nariz afilado, pouca barba, muito certt-z e bem fal-
    laote, rcetiidc a valente, gf .-la do agurdente e !e-
    I vou japona prela ; f 1 encontrado do da 3 do cor-
    , rente no logar Bataleira, em dirtreao a e,iradali
    Ierro e suspetta-se qoe tenha ido (Tr-cer-se como
    voluntario para a guerra : regase ptrtanto as auto-
    ridades policlaes e espitaes dd campo a aprebensd
    do dito escravo, qne ser entrego a seu sechoreo
    a Severlco Alves da Silva, em Trombeta.
    GR rt ifsTa-s
    a Quam capturar e coadazir a' f^l rica de -abio no
    Afogado, 00 a roa do Amorim o. 41, uo Recife, o
    escravo Luiz, pardo, idade 33 aonos, u quil ja' til
    prineicio de:teanoo bi preso por fogido, e de novo
    evadi so da mesma fobrica, ende rabalhava, na
    madrugada de Domingo ollirEo, 24 de novembro;
    cojo escravo fugis vestindo a roopa do uso, de al.
    godao de li-tras, costoma embre3gar->e, negar o
    proprio nome, e bem ccmoodo senbor, e trazia
    por castigo urna corrent-< fechada na cintura e no
    tjrnozello, do que devera' conservar ao menos as
    manchas.
    Escravo fgido
    Do engenho Bomflro comarca do Limcelro, foglo
    na oce do da 3 do correr.t-j mez de dezembro, a
    eserava crioola de nome Aoloni?, de iO aonos de
    idade 'pouco mais oa menos, e com os signaes sa-
    guiles : e-f.iura regular, cor um pouco fula, ros-
    to redondo, denles limados, ribos vivos e tem 'an-
    des cicalnzes de figo pela barriga e peitos. Fui
    comprada nesta eldade a 21 de levereiro prximo
    paseado, aos Srs. Nogaeira & C, moradores a' roa
    da Cidria co Recife.
    Quem a aprebeoder ccndczi-a a seu senbor no
    referido engenho, oa nesla praca a Oiivtira Filbes
    & C*, largo do Corpo Santu n. 19, que sera' recem-
    pensido. __^_______________
    ~50?J de gratificagilo.
    ContiLa a andar fgido desde o da 20 de julho
    do eerrente anno o escravo Vicente por alconba
    Cangalha, de 40 annos pouco mais ou menos, na-
    ci Angola, altura regalar, secco do corpo, peroas
    fioas e arqueadas, sendo orna mais do que oulra
    que da' '.iig-r com- o andar dar grande balango
    eom o corpo, rosto comprado, p ora barba sement
    no queixo, e teco na sola dos p* alguns cravos
    e as nadigas algumas c-otu-o.-s proveniente de
    castigos, muito ladino e intnnla se de forro, le-
    vou bastante roopa e osa camisola por cima da
    calca, cbapo de b.ta eu de palba de abas muito
    largas, guarda sol de .ea \i veiho : suppe se qoe
    aoda nos arreb'ldes desta cidade, e com omacar-
    ta falsa, pelo que 00 iugar Macaco ja' elle foi pre-
    so e posto ero lberdade, em virtu 'e da menciona-
    da carta. Rec. icmenda se a eaptora de dito escra-
    vo, dando se a granficacio cima a quera kva-lo a*
    rna da Cadeia do Recife o. 27, segundo andar.
    Gratifica se com &>{
    A qaem capturar o preto da Costa de nome 31-
    cintbo, Idade 38 annos, estatura pouco meos de
    regular, tem falta de df otes, talhos bem vlslvefs
    oas maejias. do rusto, e os beigos grossos, pernas li-
    nas etc. Fugio em 29 de outooro prximo passade,
    levando cal;a e camisa brancas, chapeo de palba.
    A primelra vez qoe fogio inlitolava se forro de na-
    ci e empregava-se como servente de pedreiro,
    gaohador, etc. Foi vMo ba p-.ocos das oa cidade
    de Olinda, AgoaFila e Santo Amaro das Salinas,
    em ranchos de c tros negros da Costa. Rogase,
    p is, as autoridades policiaes e a qoalquer parti-
    cular a captara de dito n> .rj a ser eotregae a sea
    seohor Joao da Silva Leile, a' raa da Cadeia de
    Recife n. 10.___________________ ___
    Fogio do engenho Banrborral da fregnezia da
    Escada, om escravo de nrm Theotonio, estafara
    regular, rAr preta, com orna cicatriz na fronte, ida-
    de de 40 annos, espadaodo, cri.ulo, tendo ama
    perna man corta do qne a ootra, ea pes apalheta-
    dos e eom areslins e pernas mono finas. Roga-se
    as autoridades policlaes de apreheoderem-no, oo.
    aos espitaos de campo qoe o levem ao abaixd asslg-
    nado que serie {ratificados.
    Jos Perelra de Arwjo.





    Atarla 4
    14 e
    mi.
    LITTER4TRA.
    t-m di ama da seculo
    C este o titulo de ama bella producto
    dramtica do nosso jovenae tatontozocompro-
    vinciano o Sr. Victoriano Palhares, que pela
    primeira \vz fui a s.ena no Sarita Izabel, no
    dia 2 d) correrte.
    A l.\ n'.e do poeta ja bastante laureada,
    abri espagoao diadema da gloria, que, ago-
    ra cinje a fron'e do dramaturgo.
    O Sr. Pal bares com esse mimo-o fructo
    de sua imagioagj fecunda, scaba de corro
    borar o elvalo conceito, em qoe o tem o
    circulo d seus amigo? e o publico que n'el-
    le r um talento robusto.
    No titulo, que escolheu para denomioar
    stuIndo drama, est tradurida a importan-
    cia delle.
    Um drama do secul.l
    Sa j bastantes provas n3-> nos honvesse
    dad) le sua vigorosa inielligencia o Sr. Pa-
    lhares, a Ticosa Gr que acaba de depor no
    .altar da litleratura brasileira seria bastante
    para firmar su.i reputado liiteraria.
    O enredo do drama simples, porm im-
    portantissraao.
    Esmaltado de bellissimos pensamentos,
    ol -rece elle proveilosa ligio de moral.
    Nelle encontra o espectador debuxado com
    ?s mais viras c'C o quidro da opulencia
    tiiulur. cuja baseqae*! sempre a infamia,
    cojos degr.aos so a in-xperiencia
    Seu digno autor dividi-') em quatro aclos
    lio o bario
    que
    a Julio de Olivera, d) qual ella tinha am
    fructo.
    O Sr. Vacudo no papel do Jorge de Agot-
    ar, qoando ferdo mortalmente por Mauricio
    de Sooza, morrou como um bomem ebrio,
    cuja cabeca pesando mais do qoe o tronco
    fa-lo cabir e a dormecer osensivelme.'te.
    Os demais foram bem especialmente o Sr.
    ..Peregrino que em abono da verdade sej a dito
    interpretou muito bem o typo de Julio de
    Oliveira.
    D. A. Albiiqiierqiie kilo.
    c dcnommu-os assim : ao Io ouro e amor,
    ao i" obra do diabo, ao 3o luz no abysmo e
    so 4o desgraca abencoada.
    Com) rSo pretendemos fazcruma analyse,
    do dnma apenas nos accuparemos dos dous
    u I liaos actos, em que mais resalta sua im-
    pcrtancia.
    3jcto, em que Jorge de Aguiar, apu-
    ntalado pe) cynioo Mauricio de S-auza. que
    tramara e conseguir desgraca-lo, recolhi-
    do por Julio de Ohveira en sua casa e que
    esl depois fle assisti lo em seus ultimo us-
    tibles, depara com um cofre que elle trazia
    e peto qiil perguntra nos paroxismos da
    morte; e movido pe'a cari Hilada abre-a e
    nefle encentra ora bilnete escripto pelo pu-
    nteo de umi mnlh'r e assignadoCarolina
    Amelia, no qual Julia vidamente loque essa
    .mnlher fon des-irag-da. pois que aminJo
    om Iv-mern e>t( Ihe eravra na seio o punlia!
    da deshonra e imfamemente a despresra,
    quando se ouriam os primeiros vagidos de
    ut)3 crean;a aqual pozera o neme de Julio;
    o esforgo, qoe Julio emprega pira obter dos
    'bios d Jorge contrahidos pela morte urna
    pa'arra, qua lita revease como se apostara
    elladaqaele cifre que to precioso segre-
    do eacerrjva e que o gaiasse no in'rincado
    [abyrintho i* i c-rt^s, emque seu espirito
    pagueaw, de ^m effeilo sorperliendenle!!
    FiP.amenle justilica o titulo de luz no abys-
    an com q-ie o Sr. Paltiaresdenominou-o.
    : steactoo sympathieo e intlligente aa-
    tor revellou conhecer os mai recnditos se-
    gredos da literatura dramtica
    O c ultimo acto em nada cede ao 3o pe-
    la c'.evago d lingunquera e pela belesa
    das im gens loo -em ludo seraelhame
    Aquella scena, era que Julio do Oliveira
    de ao bar) de Florea a mao de D. Mara
    sua sobrinha, e recebe delle a mais rude re-
    pulsa ; a c nversagio calorosa, que Julio sus-
    icn'.i com o baro e em que affirma-lhe que
    0. Mara ser soa esposa e que termina,
    lando o baro o bilbete de Carolina Amelia,
    q je Jalio Ibemastra: o espanto de que se
    ::' lamir pe'a prova de que Julio, o eogei-
    tidj, sen lillio, opranto que verte de joe-
    lnes as suas plaas, a ungo purificadora
    d? arrependimenie, oespinho dareraar-
    ">, ;':c pela priiBcira vez Ihe toca a cansi-
    encia polloida peloerimel
    A per Ja de sua fjrtuna, oecasionada pelo
    incendio, que semanifestouem seu gabinete
    0 pe se estendea a toda a casa, foi umraio
    1 j liga de D.-ns que puna o assassino mo-
    ::' Jorge de Agotar.
    Mas esta oVgraca abengoada pela re-
    iliacSo do fi lio con opai purificado pelo
    .rrependimooto c pela fecidade d'nquelle
    onir-sa idyllicamenie D. Maria, t quem
    amava dsilo o alvorecer de sua existencia.
    is pavras sobrs o desempenho.
    S intimes e acaropannamos o Sr. Palhares
    no justo senlimento de que deve achar-se
    p- -nido, pelo mo desempenbo, que aiguns
    bario de FlOres o amar aCfy;ola>Jo,'anno, obedece aom conselho execotivo do
    ella dedicava desde os primeiros' awios onjeof^jial. Imagem um U\ e tado de
    cousas no continente, orna sociedade que
    escapa a toda a vigilancia, e de cojo seio um
    pequeo numero de individuos pode em
    menos de nma semana, por urna simples
    Sialavra, dirigir para seu flm comnaum as
    orgas de meo milbao de operarios; com
    certeza clamavam que isto era a anarebia.
    Pis bem I essas friendly societics (i) cingiu
    o gorerno inglez como um baluarte de segu-
    ranca e proteocJo. Comoassim? Os opera
    ordom da lacios para n5o deixar abater os pan mesma e para todo o mundo, t M
    salarios t | paz gottosa qoe nasca dea legitimas aspra-
    0 systenu das preles sem contesgSo ges dos poros satisfeitos, ao mesmo tempo'i nnitasvezes a hbfidade Jntenpeatitsque
    nm systema brutal, a guerra, e como tal que d completa segoratica aos goveroos es-, se esrorca em deter o qoe Bsde verificar-se.
    por um 1asj a Ado geram o* soeces*-
    por outro os stie'cessos (hedispoem os fados.
    deve necessariameDt prejudicar os inters-. tabelecidos. Esta paz assenta em um pro-
    ses do trabadho e do capital; mas cumpre gramma poltico nacional e internacional com-
    dizer que as traie unions n3o as inventa-! pleto, e apoia-se nos segointes principios:
    ram. As strikes s3o t5o conformes s tra-| 1." AcceitagSo franca, completa e sympa-
    no serve senao para modar em calastrophe
    ou explosao o qoe, segando o corso natural
    das cousas, pode desinvolver-se e verificar-
    se, senao sem consequencias, ao menos sem
    digfies e costomes do povo inglez, que ba tuica dos fados consumados ooem va dse Dm d'essessacudimentosqueqoebram as ba-
    ado, e em certos ge- realisarem na allemanha, no concerneote a ses ordem eoropea. e teem em sospenso
    A vida poli tica na Inglaterra
    (Concluido)
    RecorJem-se da opiniao que havia em
    Frauga acerca dos operarios oglezes no rei
    nado de Luiz Felippe. Nesta Revitla um
    economista coja morte to Jos lamentara, o Sr.
    Leoa Faucher. escrevia a respeito do tra
    ba'ho manual da Inglaterra estudos que os
    leitoressem duvida anda nao esqaeceram.
    N5o creio de certo que bonvesse ah nea-
    bum i exageragSo, e conludo que diffe-enga
    entre esses qua Iros sombros e a actual si-
    tuacSo dos soldddoa da industria na Gr-
    Uretanba f Os proprios escriptores ioglezes
    atiestan grande mudanga na sorte dos ope-
    rarios. Tivemos entretanto aqu en Franca
    espiritas b#>lijiislas que, oppondo a antrga
    miseria das chMM laboriosas s imlitufgoes
    constitucionat da Gr5-Brelanha, quizeram
    tirar desse contraste um argume;t > contra1 a
    liberdade. Muitos operarios francezes, iK
    lu lidos por essa sopltisma, ^ver5o dur*ale
    algum lempo o BYsteoa de protecgo como
    a nica salvago posstvdlye pediam ao Esta
    do. quJquer que fose, que os protegessi
    contra a concurrencia. T.ies-illi>5es p)denr
    servir em um momento daio a^s projeelos
    da dicta tura ou do despoismo; mas nio po-
    d-m resistir aos fados. Se aliita fosse neces-
    sariamente desfavoravel ao* interesses do
    trabilbo, ha muito certamente que- o opera-
    ii) inglez estara esmagado. 0*'gyr.isoc3o do
    systema de industria, divisSo declasses, ri-
    vali lade dos meios de producgSo, ttado Ihe
    adverso, e cornudo ee resisie, cresce lo-
    dosos das, que digo? comeca a aesostr.
    Jia'guns se queixam de que elle d i&i aos
    patroes; um passo mais, e aflirm se qoe
    poder lngara espadi de Brenno na balao-
    ga do Estado. Mas que armas tem o vtrk-
    rj/ slo, e cercada de esplendor, contra eow
    classe media inteligente e senhora de )rnw-
    davel massa decapites? Tem s oraar-Fr-
    berdade. Resiste a ludas as outras intluoo-
    cias por raeio do direito de reunio, da in>
    prensa e da palavra. Nao pede o goveroo
    jue o proteja, mas que o deixe obrar livreI
    mente. Demais que necessidade tem elle do>
    auxilio do Estado? Os operarios de alee
    mar, que aiguns annos, diziam, eram tido
    por escravos das macbinaa dio boje o exem-
    po de muitas colligagoes e paredes. Quando
    as circumstancias exigem, chegam a ollere-
    cer a hospitalilade de seu livre slo e de
    suas livres instiiuigoes aos emissaros do
    exterior que em seus paizes nao podem fal-
    lar nem resolver acerca da certas questoe*
    de inlaresse vital. Para os que coafiaram as-
    forgas e as boas ntenges do governo pes-
    soal, dura a ligan, mas decisiva.
    Em que se occopavam, porm, os opera-
    rios inglezes durante ao anoos que seguirn
    ao primeiro reform bil e precederam a
    aaitago poltica de 18'}6 ? Longe de miz
    a intengao de abranger o complexo de sess
    esforcos; bast indicar aiguns tragos salie-A'
    t-;s, Foi um dos seus primeiros cuidados
    fundir entre si sociedades de benticensia
    e soccorros mutuos conbecidos pelo norae
    de friendly societies. Muitas dessas dsS-
    tuigoes existio desde a primeira melade
    do XVIII seculo, mas fui s depois ote
    18R que se clesenvolveram consideravel-
    raente. Hoje essas friendly societies gas-
    tara por anuo no Reioo-Uaido mais de ires
    millioes de libras sterlinas em tratan dos
    seus doe"tes, era enterrar os seus raortos,
    em soccorrer as suas viuvas e orpb~.es. A
    organisago de algumas dellas fara.-. tremer
    qualquer governo que nao fosse o de um
    povo livre. As duas graades ordsns sao a
    iWanchester ttnity ofodd felotvs aanden:*
    order of foresten. A primeira fa dos o id
    muitos exemplos no pasad
    eros de servico, onde nio se poderia contar
    com ellas. N'um lempo em que a arte do
    rios de alm-mar respeitam na constituigio mchinista anda nio havia descoberto o
    do seu paiz urna ordem de coosas que nio'meio de imitar na scena o movimento do ta qoe eqoivalna ao dito convenio :
    Um interesse a derrubar. Sem polica se-mar, estendia-se um panno pintado de ver-
    creta nem exercito (ao menos comparando- de, por baixo do qual mettam-se alguna ra-
    se aoutros paizes) o poder na Inglaterra pazes qoe, correodo e pulando..mitavam
    defende-se com a liberdade que garante a \ mais ou menos os sobresaltos do tempes-
    sua organisagio interna; dorante horas indiziveis os destroee do po-
    2. Execucio conscienciosa do convenio de vos e a sorte das cerdas.
    15 de setembro, on formagio d'uma garan- y
    A Allemanha eat feita, e as causas que
    todas as class.es da iociedade.
    Nao confuodam as friendly societies*
    com as ctrades'unions. Estas nio tiveram
    tuoso elemento. O theatro de Drury-Lane
    empregava urna companhia de gaiatos de
    Londres para urna das pegas da Paschoa e
    nunca meio de existir antes que uma mo- Elliston, o director desse templo contrat-
    dificagio da le permitiste as sociedades ra-os ao principio a um shlling por noite;
    operaras regularem as coodiges do traba- mas, como a concorrencia do publico pan
    Iho. Nascram no lempo em que as crian
    gas passavam dezeseis horas seguidas as
    fabricas de GrS-Bretanha. As trades'uoi-
    ons parecem-se com as friendly societies
    em soccorrerern os seus membros nos casos
    de molestia oa acdente ; mas, ralo conten-
    tes con exercerem os deveres da cardade,
    pretendes tambem eobrir as diferentes
    classes de offl^ios con um systema de pro-
    leegio e defeea mutua. Sao ergios de nm
    mecanismo^ !a imperfeito sem duvida, des-
    tilado a modi/ear-se um dva, favez a desap-
    parecer completamente, carao' tanto outros
    sfstemas, no desenvolvimenl > da vida in-
    dnsfrja: o que ao menos nr; parece certo
    b qm iwo se alcangar destrurt-os- pt h tor-
    ga. Asesar dos seus defeitos, essas- irsti-
    tuigSe prestaram grandes servigr classe
    operarrs;- foi principafaeni'e por seus es-
    forgas ipae ser rednzio a dez horas c da de
    trabalho. QHBSJo o tehours' bul* que
    ellas bavam durante muiUvempo reclama-
    d(), passotr na caara dos ccmmuos, os ora-
    dores nao deixepo de annoiciar a queda
    prxima da-xiditria britanicav: Oeus !u-
    vado, o fiorescimeolo cada vez maior das-
    fabricas {desmento- solemneroeale as siws'
    tras propheciaa'dos terrori?tas. Avraaisb
    um rsspeito,- tem-sido-ulil a disclpboa e>\
    sas asoeeages, s-contribui lo para- altear a<
    habilidtwte; a congem'e a intelligeocia do
    operars
    Ceosirem-se, erTerdade, s irades* unin?*
    tomima comegava a fraquear, reduzio o sa-
    lario melade.
    As ondas reuotrara se logo em um
    meeling*, no qual decklio-se que o mar*
    firia parede. Em conseqoncia, nessa mes
    ma noite, em qoanto os relmpagos ebria-
    vam a scena, e o (rovio roncava como podra
    no bastidor, o oceaoo, c m paamo geral, con-
    servava-se calmo e chato come um tapete.
    Fra de si, o ponto levantou uma ponta
    do panno e intrmoo s ondas que Szessem o
    setf dever.' Ondas seis pence u a um
    sbiltrag r? perguwton urna vozoVfundo
    do abysmo. A am shilling*. rsspon-
    deu resoiotaraetite o po lo que nio linba
    outra altarnativa. Apena esta palavra ma--
    gica foi proferida, agitoo se o mar conscJen-
    ciosameDle cbmo ae- fosse tido por uaa
    verdade' r tempestado.
    3.* Dsenvolvimento progressivo das ideas as formaram s3o intimas, seculares: d% boa
    liberaos comidas na carta de 19 de Janeiro fontade diramos invendris, se nao quvzes-
    de 18157. sernos separar toda a idea de lata on deag-
    Vamos expr miada, anda que succinla-; greSsSo.
    mente o immenso alcance d'este programma jas essa Allemanha em va de formagSo,
    politico, que conciba as asplragoe* democr-
    ticas do nosso seclo com as ideas prudente-
    mente conservadoras da quasi totalidade da
    de nnificagao sobre as nossas frooteiras,
    uma ameaga ou am perigo ? Existe para nos
    um dever e porlanto nm direito, qoe nos
    nossa Dago, e poderiamos accrescewar da 0Drga w noS autorisa a ingerir-nos n'esse
    Europa. solemne drama da formago d'unv grande
    Demonstraremos que esta poltica a am p^ DJS qq^^s fronteiras ? PropotAamos
    tempo liberal e conservadora, pacifica e I- j claramente? as doa qaestes.qoe etatm
    MsrOLiAo iir*A rWftor^' em1 i'8t5'folheto
    EOLTICO PBULICADO EM' PlR, Si 16 0E
    IWVEMBRO D; 1867 E qVR SE ATTlUBUe
    NA DO SEimerARI) OO-IMPEHADORV
    I
    Seria intil e al perigoso qperer diss-
    mnlar' que a Europa atravessa n'e-e' mo-
    mento orna das usis serias crises que oeeor-
    reram desde os principios (Fste seclo:
    NSo-ba neuhum paiz na Europa qce-nSo
    jtenha S'sua- queso. Q-bestio polasa-na
    certis nedidas nTamaiea-conseotioas pelos|Hssia, qnostio do Oriente na Turqua, qces*
    proprios-socios confu-fin de resguardar os
    interesse' de-oficio ;;mas- nia fo? costa
    desses sserifieios qae nmtos deiles sham
    ja conqo3todo com a antiga lei eleitoral a
    sua libertede-polittca?-Ariitar que a-pre-
    go do tsabatbo pos..K>-ser isarcalo arbitra-
    riamente pela influeniia- de certas orgzaisa-
    ges oper^pw, em ve&'-ds ser regulad pelo
    corso do- marcado,, seria--realmente mons-
    truoso erra econmico ;-mas as trades'
    ttmons amestan ess>iHuso?' Os abofes
    ioleUigeows- dessas asaooiaewas sao oo-pri-
    meiros a contesu-l, e se propem nooler
    em certa altura a tarifa hIos salarios, aabem
    que as diversas, industrias- viriana.a suicidar-
    se exigind des patre ma do quo ama
    parte equitativa dos ueros; Acaso seri
    essas as uoieas- assoeiagoes- da Inglaterra
    que teu!om. qaerido imper um prego ao
    servico doe-sea* membree-?'' Nao de certo ;
    deram exempto disso as proSssoes ifco.'aes.
    As sociedades de-mdicos-e-de legistas tm
    tambem reguiamentos fije taxam de :an* mo-
    do sube:aao a- bolsa do publico. Todo o
    pktftieimt^a recebesse por suas vtaitas me-
    nos do prega orthodtoxo (um guinea) seria
    consideeado-pc* seus-coUegas como- cbar lati
    e transfuga. O mesmo -acontece cea* os ad-
    vogadc>6> que a ordena, tola accus:..'ia de-re
    lio do aalismo e de fedragao na Austria,
    qoestao JO Schleswlg septentrional na Wna--j
    marca, qoestlo da Atiemanba ovajaem e alrtn
    e Meno^oestio do -feaiantsmo aa-IAglaterra,
    pjoestio oV-Roma r.s- margeas do Tifere,
    fjisslao qoe-, pelas eveotoalidadas^ue poea
    surgir na sua sologSey inquieta vivamerrte
    to'loa os sovos-cathocos. e Urfeemem-ccf-
    te^entido Unios os pases c'rvilicados de ara-
    tos os mundos.
    Tbds eaias qoestoas, estabsiaeidas mais
    o menos imperiosamente pelos aconleci-
    caatos, ei*gem'sologoes,.alguaa9dasqoa9
    ri9 polem demorar-se-semaugeaeotar o mal-
    estar que a Europa seete,.e.eaHM3 de una
    poiz passara; da ordea abstracia- das idae*
    j:ara a ordem brutal das-fados.
    Pois a raaior parte-d'stas goesiTio euja
    soiugio a Europa pelo-; nao podem ser rescl-
    ividas dentro dos limites do pessivel seso
    pala Praom, ouj quando menae, com a. 3a
    ampia e eJfiiaz coopdragio.
    Nio nos engaa o patriotismo al ao ponto
    de acreditar que a- Franga pessa e dava
    por si mesma e per -si s ora diplomafiiea-
    mente, era pelas armas, resol-ver todas estas
    temveis diffleuldades engendradas peb-lota
    entre uma ordem europea que est a-, pon-
    to de desapparecer, e-nma. nava orden* que
    nerosa, gawlmeote propria para tranqu'rJ
    lisar a Europa, e *atisfazer a Franca. Esfor'
    gar-nos-hemo em provar qoe este pro-
    gramma realisa, por espago de morios anoos,
    a paz com honra, a victoria sem combale, a
    soiugio das difficufdades pendentes.
    Com a mais profunda conviejab' esperamos
    provar que esta poltica c a N1 poftttea, a
    que o patriotismo aconselha. a qne a respon-
    aabilMade obriga a proclamar alfemente, de
    roaneira que em nenhum animo* imparcial
    possa ficaramenor duvida sobre as- inten-
    g^ea da Franca, e sobre o prximo futuro
    que esta prepara por si meema Earopa ea
    humanidede.
    III
    A A*emanlaest feita. Jt Confe*ragio
    do Norte, os tratados das alfandegas1 eos
    .convenios'mililares- entre a Pwssia eos esta*-]
    rdbs d'Allemanba meridional; as tendencias-
    das assemblas-deft&erantes, ajintenc5edo
    gabinete de-Berln, eas aspirares maBifes
    tadasda inranensa nraioria do povo allemo;
    todbs estes simptbmasv e todos sstes factoy
    obfigam a tedaa- inte!H?enca inparcial i>
    concordar na exadidio- d'esta affimaliva:
    A Afllemanha esta feita-.
    Aflm d*itev fanqoeado j o lleno pela
    unie&de dos interesses- eomnaerciacs, e pela
    anidade db maadO militar, nio ha j senio
    uma fronte ra imaginaria: Desde os promon
    toriodo Schlesatfg at snontannas do Ty-
    rol.., etalvez mais-alm; desde a ponte do
    Habate-aos limies do gigueado e Po-
    sen eaiste um pova-que-ten* orna nac.eaali-
    dade, os mismos interesses,as mesma* (or-
    eas e a* mesma lingva:
    A ontdade existe- no- ma? importaste e
    sobstacma). Seem-oatros-pontos vemos o
    nome sem-a-consa, ab exista-a cousa seo
    nome. Bastara a menor ag)?rasso exterior
    para esear omad'eseas torrentes que des-
    troem Sedosos calcu'Js^ e-arrasam todos ss
    diques- qae os convenios, a l?ananidadera
    forga eao temoo podem- levaste* contra e
    poder mvensivel dos soecessos- qoe deven
    realisEV-se... Sim ff-Alemanb--est feita, >
    o mesar sopro pude bastar pan- levantar a
    onda que colloque na fronte dochefe da cas
    de-Hcbeniollero a ceaaa-soberana da Ger*
    manta.
    O estreno quadro que-temos tragado nScp
    nos permitte invest^af a len' formagsj
    d'soa unidade verifioada ou em-via de ve-
    rifkar-se, Limtar-?.os-bemos a fazer ob-
    se-?r que para o espectador ltenlo, o
    fae d'sta unidade-,. longe de aer o resul-
    tado fortuito de successos espontneos quo
    uma h.bilidade mais. previsora podia des-{
    faeer,. pelo contrario o desiovolvimento
    este problewa, cuja solacio tanto c-apnme
    o mundo.
    Deve a Frasea impedir qoe a Allenanha
    se* unifique ?
    P le a Franca impedir que a Allemanha
    se atifique ?
    A estas doas perguntas respondemos sem1
    hesitar negativamente. A franga nio deve,
    a Franea nao pode impedir a aoiflcag8o da
    Allemanha. Demo-nos-pressa aaccrescen-
    tar, qoe, se a Franga niO1 pode oppr-se
    formagio interna da nacionalicade allemia,
    nio nos referimos hnpotencte' pbysica e
    material; ^aeremos dzer que a franca nio
    pode, porque nio deve fetel-o. 5Ka pode,
    porque ni) qoereria desmentir a sua mis-
    sao demcrata e liberal. Nao deve- eno
    o pode fazer, porque nio had tostar por
    base da sua pellica o illogico*e O'injosto.
    VI
    A Franga, poie-, nio deve' DgeriM* oes
    negocios interno da Allemanha. A Franga,
    permilta-se ao nosso patriotismo renden-lbe
    esta bomenagemr a Franga, c- especialmen-
    te a Franga de oitonta annos para c, 'na
    Europa a mais a% expresso d'essas dbas
    patavras mgicas, s quaes pertence no'fe-
    turo, e mesmo agora, o imperio-do mundo:
    democracia e liberelmmo.
    A democracia, isto o esforco incessanto
    parn'associar o maior-'bumero de homeos'
    vij^-irnetlectual e moral, e por este meio c-
    urna- prudente parlicaago na canservago---
    da eoa poblica.
    O lifceratsmo (a liberdade posta mb prati-
    ca), i te v o accordo harmonioso- entre as
    institu ;Oes e os costones, a tendencia ha-
    b tu j I om todos os depositarios do poder a
    substituir a persuasio a-forga, a tolerancia
    coac{. a beaevolenciaaos proccx'rmentos
    comminatorios, em uma palavra, o rgimen
    que preelaraa altamente as leis e na actos
    da soberana a opiniao- publica, prssta por
    tanto a hdmenagem coastante e solemne a
    essa verdade, que a base de todc o estado
    democrtico, e de loda a sociedade livre;
    que os gavernos foram fs'tos para o povas,
    e nio os povos para os gafemos.
    baixar aprofissao, se irabalhasseaa por pre- est a ponto de terminar. Longe de nos Uecessaro, organiso, inevitavel de causa>
    co ioarior. ao curso iludo n^s astatutosv a pretsngode qcerer. regen a Europa, e to-l^coianes,.. enao tememos dize't-ode nc-
    l?l!S deram a seu interessantedrama. 1 eiloccs), que conta 387,900 operarios e
    A senhora D. Antonia Ma;edo foi mal, Ipossuc um funda de reserva de milh3es
    p .ssmo-seda parte qoe lho foi confiada.
    Exbibio-nos D. Maria fra e sem demons-
    traro ssniimento, de que deva adiarse pos-
    ia mjjlher que desposara um bomem,
    pelo qual nao Ihe pulsava o coracao, sendo
    oirigada a imi-olar as arsdacobiga de seu
    de libras esterlinas, govercadt por um
    conselho de directores que corjeentra as
    3,071 lojas sob a mesma autofidade. A
    segunda (a dos foresters), que se compoent
    de siOOO mombros e distribua cerca de
    20,000 libras csteriiais de aax.ilios por
    .iBBrzvrx'JWWi
    Nao foi esse o mesase oaettiodo q& os ope-
    rarios Bglezes quiset-am applicax ouU-a
    Q)'.. Ais sociedades- j citadas- cumpraa-
    crescentar o tLoyal Ordena of anvient Sbe-
    perds* (a real orden dos antigos pastores)
    a antigft ordem dasdrodas, as ordeos-uni-
    as dos jardineiros livres. (tUnited or-
    dersc fres gordners) eouras mais. Ou-
    tr'ora os membres dessas associagts mos-
    travam-se extreraauaente aelosos por osten-
    tar em publica.os, seus esU-anhos vestuarios
    fachas, aventaes e lagos de fitas. Boje os
    operarios inglezes dio muito. menos inb-
    portaocia a asses signaes extenuares. Os
    tiforesters vSo entreiauto todos os annos- ao
    aCrystal Palace, onie o seu oaiferuie ihea-
    tral, que |faz lembrar o de Robn Hood, a
    sua procisso e os ejercicios ao aroc a que
    eiles se dSo sobre tapetes verdes, atrabem
    gramia concurso de espectadores.
    mar a responsabilidade de seas futuros des- -bies e legitimas aspiraces.
    tinos, mas longe de nos tambem toa a pu.-i' Percebe-se que&ibaressuperficiaesou sys.
    silanimidade qoe nos fa?a descoabecer -lecnaiicamente boslii vejam na batalha de
    grande papel que a Providencia nos desig
    nou Ba marcha progressiva da historia un
    versal*
    Gremos, pois, que a Franga es destinada
    pela Providencia a pronunciar a'esies me-
    mentos uma d'essas solemnes palavras ijue
    fazem acabaras incertezas, Gxaia o valor de-
    finitivo do passado, do ao presente a sua
    rorma propria, e illuaainam as sendas do fu-
    turo.
    Esta palavra que todo o mando espera de
    nos, esta palavra que nos somos os nicos
    capazes de pronuaciar comt otera coDianca,
    Voz.
    Mas que paz.? com qaa con jiges se &r
    esta paz ?
    I!
    A nica paz que a Franga pade querer
    (Continita).
    *#*as
    m
    LASZi
    DE FELIPPE 11
    RECOSDAgSS da corte
    ~ Romaacc historie original
    Vor E. Fciio de Mendoza
    so nao lembrar "io seu soldado. Alm de
    que, tem muito que fazer com os malditos
    hngoenotes para que se lembre por muito
    lempo do Corsario. Por cutra psrte, o
    iduquo de. Guise, seu prolector, mais meu
    I inimigCi que alliado. Aspira talvez ao thro-
    lno da Franga. e a defeza que faz do catho-
    hiej
    Sadowaa nica causa da unidade alema;
    mas para nos, qae cehecemos o passado (la
    oaco-germnica, as tendencias de seu ge-
    nio, o espirito de su-is escolas^ os sonlios
    sua anocidade> os cantos de 3eus poetas, a
    insgirago de seus Iliteratos, e, emfi n, s
    as exigencias diarias e praticas de seus in-
    te?esses ma^eriaes.; para os que conhecem
    tado este conjunto de fados e de recorda-
    ices, a batalha de Sadowa eso o sanguino-
    lienta par-a de um povo recemnascido, so-as-
    s'm sa quizer, mas concebido e formado- ha
    muito tompo no seio naysterioso do passado,
    e vindoao mundo luz da. historia na hora
    fatidita da sua formago.
    E' certo, ou ao menos, provavel, ;tie esta
    fortaagao pode retardar-se; mas taiabem 6
    ceno que aab podia mpedr-se, por qua se
    L'H POLCO Cl 711)0.
    Edi^ao pe- luxo.Qerta actris'.jecebeu
    nm rico presente de uraadmirador^seu.
    Consista', em um boato volums formado
    com variss notas de banco: o Soma tnoa
    na lombada as iniciaes-da actriz.
    Esta responden o sagainle ;
    c Li com muitissimo interesse o-primeiro
    lomo do romance queV. Exc. nte.rsnetteo.
    Quando se-publica O3goodo?-
    0 banqueiro pegoH^em outra& taas notas
    e-eoviou-as actriz oam esta aaaotaeio :
    < Fim do segunda-e ultimo volume.
    smo mais interessada do que parece
    Pouoo perco sm lbeno agradar. Em quan-
    to ao gra-prior de S. Joio, 6 muito fraco
    para se atrever coinigo, e callar-se-ha. Fi-
    co, pois, s com o sonto padre. A' oste
    abranda-lo-hei com a fuadagao de um con-
    vento ou de alguma nova igreja, e ludo fi-
    car a meu gosto, desapparecendo do mundo
    um homem que se atreveu a desaQar-me,
    jue t ve as suas mos a mnha vida e rae i dama ?
    perdo(-u estpidamente, e que alcancou Sei, senhor.
    ama celebridale que nao quero que me faga
    sombra.
    O rei levantou-se comegando novamente
    os seus passeios.
    Ira de Deus! prosegnio dizendo, bem
    fez D. Pedro Fajardo emse retirar dacftrte
    depois da sua romntica aventura de arapa
    rar donzellas desvallidas, pois que se o nio
    tivessefeito talvez Ihe cusiasse alguma cou-
    sa a oppr-se s miohas ordens. isa sua
    idade fazer caso dos lamentos de mnlher !
    Por certo que a menina o entendeu.. Mas
    que me importa isto ? Que so case em
    boa hora com Lanuza, j que o nescio do
    marquez 11S0 quiz sustentar os seus direi-
    tos. ,.
    Nesta occaso Santoyo pedio licenga para
    entrar.
    Concedida pelo rei, apresentou-se na ca-
    PARTE I
    tedemp^o por amo?
    LIVRO IV
    0 SF.NTENCIADO A MORTE.
    (Coulinuagio do n. 287.)
    CAPITULO VI.
    A colera de um rei.
    A'guns das depois da fuga de Constanca
    para Burgos, o re D. Felippe II passe:ava
    impaciente por uma das cmaras do seu
    paga, amarrotando colricamente eatre as
    macs algumas cartas com sellos de diffe-
    rontts cores.
    Ob diiia passeiando a largos passos
    o rei de Franga pee-me a liberdade do
    Corsario Negro, sen servo, e o mesmo rae
    pedem o papa e o gra -prior de Rodas. Nes-
    'ciosl Figora-se-lbes que tio fcilmente
    hei do soltar a mnha pesa... Ah! se
    algum delles fra Isabel Tudor... taina
    pensosse melhor, porque Isabel nio liria
    cora sopplicas nem reflexes, mas armara
    um exercito para vingar a offeosa que Ihe
    fizesse.
    t) monareba parou em frente de um so-
    f, em qua depois tomou assento, e poz-se
    a 1er uma das cartas quo tiraba na sua enru-
    gada mi.
    Nao, nio, exclamoo quando acabou de
    l-la, en nio posso acceder a nenhum des-
    tos pedidos. O Corsario Negro deve mor-
    rer e morrer Coohego o rei de Franca.
    E' tioiodolente qae dentro de tres dias'j' Branca, apres9ntou-se na cmara reaL irez.
    Que queris, Ihe perguntou o monar-
    cha com aceato carinhosn, pois sabido que
    Felippe II falla va com lana amabilidade s
    pessoas da classa inferior que iam pedir-lhe
    alguma graga, como altivo e severo se mos-
    trava sempre com os memb.os da no-
    breza. *
    Senhor, respondeu Maria, perturban-
    do-so alguma cousa cora a severa magestade
    do monarcha, venho declarar a V. M. um
    crime iniime, e receiando que me nio rece-
    besse, valli me do nome de D. Anna de
    Mendoza.
    O rei franzio a testa.
    Sabes a que te expozeste, mulher,
    sorvindo-te do nome de uma lio Ilustre
    E nao sabes que le casligarei, se a
    revelacao que vais fazer-me nio to im-
    portante que desculpe 0 leu atrevimentq ?
    Sei, senhor, tomou a repetir Maria.
    Entio falla depressa e terminen! js.
    Mas antes dize-me quem 3.
    Sou aya da Sra. princeza de Eboli
    ha algons dias. Ni9 ignoro os seus segre-
    dos e venho rovellar a V. M. um que o
    ofl'ende em alto gi ao.
    A mira Ests louca, mulher 1 Qae
    me importam os negocios de D. Anna de
    Mendoza.
    Senhor, j disse a V. M. que conbego
    todos os segredos da princeza.
    E Maria carregou na palavra todos,
    para fazer comprehender ao rei que nio
    ignorava as suas relages com D. Anna.
    Felippe II moveu-se impaciente no sof
    Eslava tio pouco cos-
    mar'com renetosa' gravdade. em que se sentara. Lstav-a lao pouco eu.
    -Se^or disse ao monarcha inclinando- turnado aquella inteireza de linguagem, que
    I\ S!n?n,V Jp Fh ,li de'eia fallir com D. Anna de Mendoza e de Cerda, pro-
    Sra princeza de Eboli, de.eja ^^ ^ ^ ^ ^^ de .^^
    -boa entre San T0 lvel viagaaca, tem relages criminosas com
    PonQco depois, Mariaf a antiga avadeD/oSr. secretario de estado Antonio Pe-
    O monarcha foz-se pallido de ira e de
    assombro. Levantou-se do sof, agarrou
    Maria bruscamente por um braco, e esque
    cendo-se da sua digoidade, no paroxismo
    dos seus zelos, disse joven com violen-
    cia :
    Desgragada! Sabes o que dissestes ?
    As provas... as provas do que d>zes ou
    fas arrancar o tormento !
    Da las-hei a V. M.
    J... agora mesmo.
    Agora mesmo nao possivel.
    J... e ai de ti se me nao obedeces !
    Senhor, replicou Maria com uma in-
    teiresa que pareca impossivel nos seus an-
    nos e na sua posigio, esta mesma nonte, se
    V. M. se quizer oceultar onde eu ihe dis-
    ser, ver pelossus proprios olhos e...
    Oh 1 nao... nao pode ser, grilou o
    monarcha inierrompendo a joven tu men
    tiste, mulher 1 Calumniaste a dama mais
    'filustre do meu reino, sem duvida por es-
    pirito de ringanca; mas, infeliz de ti, porque
    nio tornars a ver a luz do sol.
    Senhor, replicou Maria sem se assos-
    tar, faga V. M. de mim o que quizer; mas
    antes, por honra de V M., nio desprese as
    minbas advertencias... Ah nao sabe
    V. M. como o estSo vendendo.
    Felippe II era religioso, e ura juramento
    para elle tinha mais forga que todas as pro-
    vas possiveis. Foi por isso que segurando
    a joven por um brago a aprox>mou de uma
    mesa em que se viam algons livros, tomou
    um em 8, abrio-o, e n'uraa pigioa que
    tinha uma cruz, obrigou-a a por a mao so-
    bre ella.
    Jora, Ihe disse, jura por esta santa
    cruz que dissestes a verdade, e que rae nao
    engaaste.
    Juro, e Deas me negu a felicidade
    eterna se falso qnanto disse a V. M.
    Felippe II cabio anniqnilado sobre o sof.
    J nio poda restar-lhe duvida. A prin-
    ceza de Eboli, a quem tanto amava, estava-o
    EsTAusrie.v cursesA.-Segundo o alma,
    nacb estalistico, existem na oropa 57 clda
    des de mais de cem mil habitantes.
    Londres, a maior de todas ellas, tem
    28o3o3V; Pars M7.4:35.;. Constantiaopla
    I loooao ; Berlina,609:737; Vienna........
    578:543 ; S. Petersburgp 529:475 e ap-
    les 4V7:oo5 e 4.43:874 Liverpool.
    As cidades mais populosas de Hespanhs,.
    sio t
    Madrid, que tem.2a74.2Gi hibitanks; Bar-
    celona 189:042; Servba i 48:293; 8-io7:To3
    Valencia,
    engaando, e Antonio Prez, qua Ihe deva
    tudo o que era, euganava-o tambem...
    Per um momento nio pode- dominar a
    sua emogio, mas Felippe II possuia um ca-
    rcter de ferro o uma energa quasi sobre-
    natural. Sabia arrancar-so o coragio sem
    derramar uma lagrima, sorrindo-se muitas
    vezes ; e foi por isso que depois de Maria
    ter proferido o seu juramento, fec'iou o li-
    vro lentamente, collocou-o no seu lugar e
    voltou-se para a joven. A tempestado ru-
    ga desfeita no seu psilo, mas nio se ouvia
    nem se traduzia por nenhuma expresso.
    Creio-te, mulher, Ihe disse ; agora
    creo-te; e se foste perjura, poior para ti,
    porque te entregarei inquisigio para qoe
    te queimem. Esta noute... dizes que esta
    noute poder s dar-me as provas ?
    Sim, senhor.
    E como ?
    Porque esta noute devem reunir-se o
    Sr. Antonio Prez e D. Anna
    E por onde entra o secrelario ?
    Pela porta falsa do jardim.
    Ah I tem chave ?
    Sim, senhor; s para V. M. e para
    elle se abre aquell 1 porta.
    E a que horas devem reunir-sa ?
    A's dez da noute.
    E tu qae vais fazer agora ? que re-
    compensa queres pelo teu servigo ?
    Nenhuma, senhor ; vou retirar-me
    um convento.
    Ah muito bem, mulher 1 prosejuio
    Felipe II; dosta manera nio te estranhar
    a conducta que vou seguir comtigo.
    Senhor...
    Ninguem/"mais quo tu sabe com cer-
    teza qae eu amo D. Anna de Mendoza, e
    niogoem alm de ti vio o rei de Hespanha
    anniquilado pela dr de um desengao.
    Para que tu nio possas nunca mellar isto,
    preciso que te resignes tua sorle. Desde
    este momento ests* presa.
    Senhor,.,
    Mas nio receles nada. Se m nio
    engaaste serei teu. protector a entrars co-
    mo novica no convento daj Ursulinas, o
    que, se verdade como disseste, que
    desejasser freir, um premio para li.
    Ah certamente, senhor, e dou a V.
    M. os mais humildes agradecimentos.
    Agora ficars aqoi, pois sabes muilas
    cousas para que possa conceder-te nem nm
    momento de liberdade. Resigna-te e. es-
    pera.
    Senhor, j disse a V. M. que eu nio
    espero nada do mundo. Nio tenbo fami-
    lia e a minha nica ambigio morrer no
    claustro.
    Bom, amanhia l sers condozida.
    E tocando urna campainha, disse a San-
    toyo, que se apresentou iramedatamente:
    Fcas eacarregado da guarda desla
    mulher, at amanhia, em que te darei ins
    troceos; e nio-a deixes commuaicar com
    pessoa alguma.
    Bem, senhor.
    Tambem desejo, Santoyo, que esta
    noute s dez horas estejas aqu e me pro-
    porciones ura trajo vulgar, pois temos que
    ir disfargados uma aventura.
    Bem, senhor, tornou a repetir o cria-
    do da cmara algum tanto assombrado.
    Quero lambem, proseguio o rei, qae
    avises immediatameote o Sr. Ruipefo Man-
    donado, alcaide da corte, para que se ma
    aprsente ae descair da tarde, e lambem o
    meu secrelario Jeronymo de Ziyas para que
    me venha fallar j.
    Depois destas palavras, Maria sabio com
    Santoyo e o rei ficoo s.
    Foi entio que, obedecendo ao seu cora-
    gio, se deixou arrastir pelos dolorosos peu-
    samentos que crusavam a sua mente, e
    apoou nasmiosa soa fronte colrica,
    (Continuar-se-ha.)
    TYP. DOJDIAUO-RUA.DAS CRUZO N. .

    -
    >


    - r,


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EQQ2FGDD8_67CO5X INGEST_TIME 2013-09-05T00:27:38Z PACKAGE AA00011611_11445
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES